Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:11071


This item is only available as the following downloads:


Full Text



-* J
---

AMO XJ, ffliERQ w
frfurtelMK'MtrtdMOdias44.Bei......
Memhps forte o correio por tres nejes
5#m
6ooo
75o
ni yft ol i#j TERCA FE1RA 18 D SETEMBRO DE 1166
Por mo oai-o deetro de iodMdol.0nez........ 10*^
Porte ao eorreio por um tuno............. jJJJf
ECARhEGADOS DA SBSCRIpgAO DO NORTE, PARTIDA DOS ESTAFETAS.
ir'arahyba, o Sr. Antonio Alexandrino de Lima;
Natal, o Sr. Antonia Marques da Silva; Aracaty,o
Sr. A. deLemos Braga ;*.Cear, o Sr. J. Jos de
Oliveira ; Para, os Srs. Geraldo Antonio Alves &
Fiihos ; Amazonas, o Sr. Jeronymo da Costa.
ENGARREGADOS DA SUBSCRIPCAO DO SUL.
Alagoas.oSr.FrandooTavares da Costa: Bahia.o
Sr. Jos Martins Alves;
Rbeiro Gasparlnbo.
Rio de Janeiro, o Sr. Jos
Serinhem, Rio Formoso.Tamaodar, Una, Bar
reros, Agua Preta Pjaenteras, as quintas
fe) ras.
AUDIENCIAS DOS TRIBNAES DA CAPITAL.
Olinda, Cabo, Escada e estacos da Ta frrea at
Agoa Preta, todos es das.
Iguarass e Goyann as segundas e sextas feiras.
Santo Antao, Gravat, Bezerros, Bonito, Caruar,
Altinho, Garanbons, Buique, S. Bento, Bom
Conselho. Aguas Bellas e Taearat, as tercasJTrlbanal o commercio: segundas e quintas
Pi(. .lK w. .,.,, n |RelaCo: tercas e sbados s 10 horas.
Pao a Alho, Nazareth, Limoeiro, Brejo, Pesque raU.... .
Ingazeira, Flores, Villa Bella, Cabrob, Boa Vis' f t Q *' 10hraS-
ta, Oancury, Salgaeiio e Ex, as quartas \'ait0 do commercio: segundas as 11 horas.
eiras- 'Dito de orpblos: tercas e sextas s 10 horas.
?ara do civel: tercas sextas ao melol
quartas sabbades a 1
Pritaeira
ia.
Segunda vara do civel:
hora da Urde.
EPHEMER1DES DO MEZ DE SETEMBRO.
i Qaarto ming. as 9 h.f 49 m. 29 s. da t.
8 Loa nova as II h., 83 m. e 17 s.Sa t.
18 Qaarto cresc a 1 b., 8 m. e 89 s. da m.
24 Loa cbeia as 11 h., 46 m. e 54 s. da m.
DAS DA SEMANA.
, se*fUDda- s- Pedro de Arbues m.
18. Terca. S. Jos de Cupertinof.; S. Sophia.
19. Quana. S. Jannario b. m.: S. Hilo b. m.
*>. Quinta. S. Eustaquio ta.; S. Clicero m.
12' .T,1 "*s Prc i s- Mllelo b.
. Sabbado. S Mauricio m.; S. Florencio preso.
23. Domingo. S. Lino p. m.; s. Tecla* v. m.
PREAMAR DE BOJE.
Primeira as U horas e 42 m. da manba.
ISegunda as 12 boras e 6 mnalos da tarde.
PARTIDA DOS VaPORE COSTBIRO.
Para o sol at Alagoas a 14 e 30; para o norte
at a Granja a 7 e 22 de cada mez; para Ftraaav
do nos dias 14 .'os mezes de Janeiro, marco, mal*
julho, setembro e novecobro.
ASSIGNA-SE
no Recife, na livraria da praca da Independencia
na. 8, dos proprietarios Manoel Figneiroa de Paria
& Filbos.
-


-.
PARTE OFFICIAL
GOVERYO DA PROVINCIA
Expedente do dia 31 de agosto de 1866.
Offlcio ao Ezm. director da facqldade de direito.
Dando a V. Exc. coohecimento do aviso junto
per copia, expedido pela repartico da justica era
20 do corrente, solicito a V. Exc a expedicSo de
soas ordens para me serem remedidas, as lofor-
raaces sobre a conducta e aproveitao ento dos es-
tucantes dessa faculdade de cooformidade cora o
que se determina no citado aviso.
2.* seccao.Ministerio dos negocio da justica.
Bu de Janeiro 20 de agosto de 1868 Illa). Eira
Sr.Maoda sua magestade o Imperador que V.
Exc. remeta a esta reparlicao ama copia das ln-1
forraaces ltimamente prestadas pelo director da Transmuto a Vmc, para seo conhecimenio e
faculdade de direito dessa provincia, sobre o apro- flm conveniente, um exemplar do aviso circular
veitaraento e conducta, durante o curso, dos esta- do ministerio da justica de 24 de alho ultimo so-
a quero pela referida facoldade foi confer- bre a acceltaco das flaneas offerecidas pelos res-
V. S. fornecer quaoto antes ao commandante do
deposito especial de lo-iraccao para a arma de ca-
cadores a cavallo, os aritgos de fardamento com-
preheodjdos ao incluso pedido.
Dito ao inspector do arsenal de marinba.Quei-
ra V. S., em vista do que pondera o inspector da
sade do porto, no incluso offlelo qae me ser de-
volvido, informarme sobre a embarcaco que con-
vem dispar para receber no lamaro os doeotes,
a que allude o mesmo offlcio.
Dito ao chefe da repartico das obras publicas.
iBSIstindo o tmente-coronel commandante das ar-
mas, em offlcio de hontem datado n. 1078 pelos
concertos d is apparelbos de illumioaco a gaz do
deposito, cujo deteriorameoto lem augmentado ex-
cessivamente com grande perda de gaz, recom
*,'to a V. S- que d a malor urgencia na execu-
de taes concertos, conforme ordenei em mea
io de 29 do corrate.
Circulares aos jaizes muoicipaes e de orphos.
necimento de artigos de fardameotos pedidus para
o deposito especial de mstrucco para a arma de
cacadores a cavallo desta provincia ; assim o man-
da comroonicar a V. S., em respost ao sea offlcio
de bootem datado, sob n. 1074.
Dito ao commandante superior da guarda nado
nal de Santo Aalo.Nesta data expediran>-s as
convenientes ordens para serem remedidas ao
conselho de qualiflcago da guarda nacional do
natalhao n. 23, sob seu commando, as listas de que
km*" j lii 2" e 4* d' decrel n- 1,3 de 12 ex"or,adas ou Importadas pio'reio visinhe.
LZ.,?8 '3.oqoe V.s. comraaoico em As roercadorlas que al aqui pigavam dlreilos
!1!i le1 offlc, de '* d0 cerrente, e de or- de importaco para depois irem entrar em Hespa-
nha, fleam alliviadas desses dlreites
h ,?.- *res ama n9va face-e 8e a'Karoa consa que loroasse o logar oara nae elle h.via .irtn.
nt .Ia1menur' aue Pe'os o""" ministerios se vdao, por que ir'ojo*
uao veja igual aclividade, poiss empalavras pom- via outro proceder
posas, nao se governa; e anda mal que entr nos,' Exe. acceitou A
goveroar em moitos ramos de admlnislraco :
retormar, poS se muito se tem feto nestes ltimos
annos, multo mais o que ainda resta a fazer.
~ Assignou-se om tratado com a Hispanba, es-
laoeiecendo as bases para se regular o transito
si e pelos caminho.- de ferro das mercadorias
do no flm do anno prximo passado, o grao de ba-
ebarel formado, e outro sim, que sejam regular-
mente enviadas todos os annos taes informacoes, a
flm de que se observen) as difflcoidades, com que
iuta o goveroo para altender ao disposto no artigo
13 da le de 3 de dezembro de 1841, qoando tem
de fazer nemeacio de joiz municipal.
Deus a V Exc. Joo Lu-iozi da Cunda Paran-
go. Sr. presidente da provincia de Peroambuco.
Offl'Mos aos presidentes das provincias.Passo
as mos de V. Exc. os dons inclusos exemplares
da colleccao das leis promulgadadas nesta provin-
cia no correte anno.
Dito ao commandante das armas.Pode V. S.
conforme propoe em sea offlcio de hontem datado,
sob o. 1077, mandar .dmittir como serventes na
enfermarla militar, dous ou ires paisanos em sabs-
tituico dos tres srvenles militares que all se
achavam empregados e desertaran).
Dito ao mesmo. Sirva-se V. S. de informar so
bre o que pede D. Aooa Rozenda Maciel B irbure
ma dos Santos, no incluso requenmento que vai
coberio com a informaco do inspector da th-sou-
raria de fazenda de bootem datado, sob n. 852.
Dito ao mesmo.Tendo o tenenle reformado do
exercito Ernesto Emiliano de Mello Tamborim, ob-
tido do goveroo imperial licenca para residir nesia
provincia, conforme foi-tna communicado em aviso
do ministerio da guerra de 11 de agosto ultimo, as-
sim o declaro a V. S., para seu conhecimento e di-
eefo.
Dito ao inspector da tbesouraria de fazenda.
Concedendo o goveroo imperial ao tenpnte refor-
mado do exercito Ernesto Emiliano de Mello Tam-
borim, segundo me 'fui declarado em aviso do mi-
nisterio da guerra de 11 do corrente, liceoca para
residir nesta provincia, assim o communico a V.
. S., oara seu conhecimento e direceo.
Dito ao mesmo.Autorisando o tenenle coronel
commandante das armas interino, conforme solici-
toa este em offlcio de hontem datado, sob n. 1077,
a mandar admittir como serventes, na enfermara
militar dons on ires paisanos, em subMituicao dos
tres serventes militares qne estavam empregados
naqnelle estabelecimento e d'alli desertaram ; s-
sim o communico a V. S. para seu conhecimento e
direceo.
Dito ao mesmo.R^meteodo pjr copia Inclusa
a V. S. o aviso expedido pela repartico do impe-
rio, em 31 de jaiba prximo liado, acerca da aju-
da de costa, do depniado por esta provincia, Dr.
Antonio Epaminondas de Mello, recommendo-lhe
qae, d execucao ao que se recommenda no final
do citado aviso.
7/ seccao.Rio de Janeiro.Ministerio dos ne-
gocios do imperio em 31 de julho de 186R.Illro.
Exm. Sr.Pelo offlcio n 21 de 24 de junbo prxi-
mo flodo que rae dirigi a presidencia da provin-
cia do Amazonas, verificase qae a quaolia de um
cont de res, importancia da ajnda de custo qne
comoele ao deputado por essa provincia Antonio
Euaminoodas de Mello, pelas despezas de viagem
na sesso do corrente anno, foi recebida na mesu-
rara de fazenla d'aquella prov.n>ia, onde tem re-
sidencia offlcial como presidente d'. la, e nao na
d'easa provincia, conforme participou o respectivo
inspector, por offlcio de 30 de maio ultimo e foi
approvado pelo aviso d'este ministerio de 18 desle
mez.
Cumpre, por tanto, que V. Exc. d as necesa-
rias providencias a flm de ser aonuliala, na verba
ajada de custo dos depuiados do ext-rcicio
de 1863 i866, a despeza que ah se ti ver leilo por
esse motivo.
Deus guarde a V. Etc.Marjnez de Olinda.
Sr. presidente da provincia de Pernambuco.
Dito ao mesmo.De cooformidade com o que
me foi ree imineudado no aviso expedido pela re-
partico da marinha em 9 do correte, remello a
V. 8. o incluso relalorio do chefe de serebo da con-
tadoria de marinha, a lim de que tenha all conhe-
cimento e atienda as ohservacoes feilas por aquelle
empregado.
Dito ao mesmoPara seu conhecimenio e exe-
cuco, remello a V. S. a inclusa copia do aviso ex-
pedido pelo ministerio da fazen la, em 9 de jo uno
ultimo, acerca 1a conranca da importancia dos li-
vros fornecidos para o registro de hypother.as.
Circular aos commaodantes soperlores. Re-
medo a V. S. para seu conhecimento o aviso junto
por copia, expedido pla repartico da justica, em
7 do corrente, acerca da reforma dos offl/iaes da
guarda nacional e passagem dos mesmes do ser-
vico activo para o da reserva.
3.' seccao.Circular. Ministerio dos negocios
da justica.Rio de Janeiro 7 de agosto de 1866
Illro. Exm Sr.Nao havendo limitagio de direitos
as reformas, oa passauens para a reserva dos offl-
ciaes da guarda nacional, nao s por qne a lei n.
602 de 19 de setembro de 1850, expressaroenie nao
exilie para urnas, e para outras o consei.ti'neato do
offl -ial, como por que a propna lei a. 602 quem
em beneficio do offlcial determina os casos em que
pode o goveroo reformar ou passar para a reser-
va ; sua mage-tad-) o Imperado, tendo ouv do a
seceo de justica do conselho de estado a semelhan-
te respeito, hoove por bem, or soa imperial reso-
lugo de 6 de julho ultimo, decidir que o goveroo
pode reformar iodepedente de reqnerimentos os
offlciaes da guarda naciorfal que estiverem com-
prehendidos em alguma das hypotheses indicadas
o artigo 68 da le de 1 de setembro de 1830, nao
devendo em caso algum conceder taes reformas,
anda qoando sejam requeridas, aos que nao tive-
rem em sea favor algama das referidas hypotheses
Qae da mesma forma, pode o geveroo traosferir
do servico activo para o da reserva, e iodependen-
te de requer ment, e nos termos do artigo 69 da
cit>da lei, os offlciaes qae frem julgados incapa-
xes d'aquelle servico por molestias, oa tdade avan-
zada
O qae communico a V. Exc. para seu conheci-
mento e devida execucao.
Deas guarde a V. Ex-'.Joo Lustosa da Cunha
Paranigua.-Sr. presidente da provincia de Per-
nambuco.
Dito ao commandante superior de Olinda e Igna-
rass.Sirva-se V. S. de dir as soas ordena a flm
de que orna guarda de honra do batalno 10 de
lofantaria sob sea commando superior, se
postada em frente da matriz da vilia de Iguarass
as 10 horas da mtnha de dia 30 de setembro pro
limo viodouro; a flm de assistir a festa dos mar
tyres Saolo- Cosme e Damiio, qae deve ter lagar
naquelta igreja no referido dia.
Dito ao director do arsenal de guerra.Em sa-
tisfaco ao que solicita o commandante d em offlcio de bootem dalido, sob a 1074, mande
ponsavel8 da fazenda publica, para os termos de
aue tratara oart. 385 da le hypothecaria e arl 136
7 do respectivo regulameoto.
aem ao xra. Sr. vice-presideote da proviocia.
uno ao director da inslraccao publica.S. Exc.
oi Mr. vice-presidente da provincia, tendo por por-
tara desta data e em vista do que expoz V. s>. em
seo offlcio de 28 do corrente, sob n. 203. Hornea-
do a Jjsina Cornelia de Souza e S para
ferinamente e
para reger in-
- mediante a gratiflcacao annaal de
o w, a cadeira de instracco primaria da villa de
Salgueiro creada pela lei o. 598 de 13 de maio do
anno passado; assim o manda commuoicar
>., para seu conhecimento.
Dito ao Dr. chefe de polica.ue ordem do Exm.
br. vice-preidente da provincia, devolvo ioclaso o
mujo de comeado do 6* sopplente de subdelegado
S. Exc. presente, nao de-
aquella ceremonia. E sua
nm signal dado, e n'nm mo-
mento fez o ministro abrir a vlvula, e todo sor-
g'u em grande velocidade, mas tio suavemen-
te que pareca al nao haver engrenageos oo mo-',
vimento. O Sr. Corvo, como verdadelro horaem
aa seiencia, aprectou em muilo nao s o mecha I
ni eaiucio, que pelo pouco lempo que all se demo-
rou nao pode examloar minuciosamente. Dado o
movimeoto s machinas,
o^oalgama para o corameVc^ue? Cp^. SI? ^ VLWV^f
^0^ a reeproedade, o uue nao parece suffl-; fgfcSftjT & Mfa^istraTcS
E com efJeuo, a exportacao de Por.ugal consiste ; ffp Sr. D S'l "pm n^nw,r W de
principalmente em vioho, fructa, sal.cor.ica e oa- lallococio peloDr Francfsco de pi'A ff-S h.*
ros gneros, c.ja sabida se dirige aos ortos de Silvelra P.otoe recitado nm i2f!i%Pta'a
Inglaterra e ooiras naces do norte da Europa, i gusto Portelje'no V P S A
para oode vio embarcadas direotaraenie, e conti- dos um lunch
V. nuarao a seguir o mesmo caminho ainda
desta convenci, por isso que nenbuma vant | gresso do paiz. Nesle brinde foi M. Exc. acotnpa-
2'seccao,Cirenlar. Ministerio dos negocios; do dslricto de Doas-Barras! Jao Perelra 'Chive,
I ? m,*' Ri ^Janeiro, 24 de |ulho de 1866.-, depois de recliflcado o engao qae notava-se no
inm. e Exm. Sr.-Tendo-se entendido erradamente mesmo.
que, depois de ser acceito pelo thesouro oa the- !
sonranas a anga oGferecida pelo respoosavel da Despachos do da 31 de agesto de 1866
fazenda publica, oa qaal resulla a hypotheca legal j Antonio Pedro da Rocha. Informe o Sr cora-
dos immoveis dos fiadores, deve o joiz competnt; mandante superior da guarda'nacional do munici-
no processo da especialisafo, limitar-se a' avalia- po do Recife.
Cao dos bens, manda S. M. o Imperador declarar | Tenente Francisco das Cbagas Cordeiro Cam-
a essa presidencu que, embora continu a ser da pos.Pcara expedidas as convenientes ordens na
Logo foi servido aos convida-
, em que o ministro das obras publi-
depols | cas br.ndou os proprietarios da fabrica, e o pro-
sssxszsa C'rr1s.,d";^,, ^.^*? =* t>~z.7x&,
forma requerida.
Francisco Antonio de Albuqaerque Mello.-Pa
guem os supplcantes os novos e velhos direilos da
competeocia do tribunal do thesouro e tbesoura-
riai acceitar ou rejeitar as flaneas que Ibes forem
olferecidas pelos responsaveis da fazenda publica
para se lavrarem os termos de contracto de flanea, I folha corrida' e voiem auerendo
conforme o art. 3- 5" da lei hypothecaria e art. Jlo Hermenegildj das Canueii-Iodeferido.
IJb I T do respectivo regulamento, lal acceitacao, Jos Igoacio da Silva. Ioformeo Sr. inspector
nao lonibe a autoridade Judiciana competente de da thesooraria provincial.
apreciar, como eotender de justica, com plena e in- i D. Mara Thejdora da Cosa Alves Ferreira =
teira independencia, a qualidade e suficiencia dos j Informe o Sr. inspector da thesooraria da fa-
bens, seu valor, e quaesquer onlros requisitos ne- zeoda.
cessanos para a especialtsaco e inscripeo da re-1 Maria Joaquina da Soledade.Informe o Sr Dr
ferida hypuibeca, nos termos do art. 137 e segrales ebefe de polica.
do mencionado rugulamenlo. 0 que communico Pinto & Costa. =- Pagaem os sapplicantes os no-
aV. Exc. para sua intelligeneia e _devida eieea- vos e velhos direitos da folha corrida, depois do
Domingos Pinto de Faria, visconde de ViUar Al-
ien, e todos os demais cavalheiros presentes ; a
quem n um outro brinde agradecen o Sr. L. F. de
bouza Craz, penhoradissmo por lanus demons-
trares de sympathia pelo progresso da sua nota
vei turica, e to valiosas provas de
soa lodustria. Retirara o ministro
soas de distinccao, interessadas
do, recebendo m troca todos"os"g"ee"ros" coWtees. preparar?"???. S5Sf?|Jj|2? L
Este continuo gyrooma vez estabelecldo hiwa eres- Igu.nte inscr.o algamas peca, COm
cer o trabalho as alfaodegas portaguezas ; have-
ra oecessidade de augmentar o respectivo peisoal,
vios que as transportassem aos porlos do sea des
Uoo ; portante,penas podera' haver commercio
pela va ferre eom a Franca, e ainda assim os ne-
gociantes ho le preferir a via martima.
Nao existe, jols, na opinio geral, compensacao
ao enorme faw que se concede a' industria e
agricultura beapanhola, cujos producios affloiro a
Lisboa, para dftols serem eoviados ao Novo-Mun
Cao. Deus guarde a V. ExcJos Thomaz Naba-
co de Araujo.Sr. presidente da provincia de Per-
namboco.
Dito ao joiz municipal de Garanhnns. Por de-
creto de 28 de julho ultimo houve S. M. o Impera-
dor por bem declarar vagos os offlcios de partidor
e distribuidor des.se termo e de nenhum efleito o
de 4 de marco de 1864, pelo qual flzera merce j
daqueltej offlclos a AgoMinho Ferreira da Silva
Azevedo, por nao ter este lirado a respectiva carta,
dentro do prazo legal
qae voliem qaerendo.
D. Urania Ramos Neves.Informe o Sr. de3em-
bargador provedor da Santa Casa da Misericordia.
CIOVERMO DO HISPIDO.
16 de setembro.
CIRCULAR.
. 7. Rvm-dea0 da S de Olioda.-Neste momen-
o qne a Vmc. communico > uons da noite, acabo de receber um offlcio do
para seu coohecimento e flm conveniente Rvm. arcipreste das Alagas, cora data de 12 do
Dito ao juiz municipal de Iguarass Declaran- correte, em que me dea a triste noticia de qae
dome o administrador do correio que o jui'. de S. Exc. o Sr. bispo dioc sano, acbando-se nacida-
paz da fregnezia de Itamarac recusara receber o de de Macei, all fra accorametlido de ama febre
offlcio, que a este acompanha, recommendo a Vmc. endmica, lendo-se ja' confessado e sacramentado,
que mande entregar com nrgenci* o referido offlcio por se achar gravemeute enfermo,
por um offlcial do seu juizo, o qual dever passar Corre-me agora o sagrado dever de pedir os-
ceriido da eotrega ou da recusa do recebiraento, Matemente a V. S. Rvm. qae, logo que este rece-
para me ser remettido, e eu providenciar como fr, bar, ou Ibe constar pelas publicac5es nos joroaes,
de lei. se sirva de convocar o Rvm. cabido, e eos tres se-
Dito aos subdelegados do I" e 2o districtos do Buinles dias fazer preces publicas nessa calbedral
termo de Santo Anto. Remella Vmc, com a Pe'o restabelecimeoto de nosso Exm. prelado; e
maior urgencia, ao conselho de qualificaco dessa d ora em diaote, eraquanto nao fr communicado
parochia, para cumprlmento do disposto uo decre- contrario, todos os Rvds. sacerdotes, depois da
to o. 1130 de 12 de marco de 1853, art. 10 4, coramemoraco da mlssa do da, deverao dar
urna relaco nominal, orgamsaia por quarleires, oracao da mlssa pro mfirmis.
e em ordem alphabelica, do* cidados ah residen-; NotandumRo raesmi sentido mutatis mulan-
tes, que, tendo a idade de 18 a 60 anoos e a renda ". offlciou-se aos Rvds. parochos desta cidade e de
quida de 200S0J0 para cima, nao forem amia 'oda diocese. assim como ais Rvds. superiores dos
guardas nacionaes, conteodo a respeito de cada no-
rae, alm das declarares indicadas no art. 12 das
instruccdes n. 722 de 25 de ouluhro de 1850,
quaesquer outras, que possam dirigir o consellu
em suas delibrateos.
Diio ao joiz de paz presidente da junta de quali-
flcaco de votante* da parorhia de Santo Anio.
Remeta Vmc, com a maior urgencia, ao cooseloo
de qualilicac i de guardas nacionaes dessa paro-
cbia, nos termo* do art. 10 20 do decreto o. 1130
de 12 de marco de 1853, urna relaco irgamsala
por quarteir.'S e em ordem alphabelica dos ci la-
daos ltimamente eliminados da lista de vetantes,
e oulra dos que n'eila tiverem sido incluido* na
f ma dos aris. 26 e 37 da le n. 387 de 19 de
agosto de 184a.
Portara.O vice-presideate da provincia, tendo
em vista o que expoz o direclor-geral interino da
insirueco publica em oIBcio de 25 do correte,
sob n. 203, resolve nomear a Josina Cornelia de
Souza e Sa para reger interinamente e mediante
a gratificado annual de 60000 a cadeira de io-
irunv.j primaria da villa de Salgoelro, creada
pela lei n. 598 de 13 de m io do anoo passado.
Dita. O vice-pre.-idente da provincia, atienden-
do a' proposta do Dr. chefe de polica de 29 do
correle me.'., sob 0. 1131, resolve nomear para o
cargo de 1 suppleote da subdelegado do dis-
tricto de Queiraadas, da fregnezia do Llmo-lro, o
cidadio Severino Barboza da Silva, e para o de 1
suppleote do subdelegado da freguezia de Taqua
retinga o cidado Manoel Joaquim de Souza Neves,
e para o de 2", deste mesmo careo, ocidadao Chris-
lovao Ferreira d'Assurapco, feando d.-.miltido
Chnstovo Ferreira di Moura que o exercia.
Dita.O, vice-presidente da provideia, atleoden-
do a' proposta do Dr. chefe de polica de 29 do
corrente mez, sob o. 1131, resolve deraittir dos
cargos de Io, 2o e 3o suppleDles do suudeieeado do
1 distncto da freguezia do Bom-Jardim, do termo
de Limoeiro, os cidados Manosl da Moita Silveira
CavalcaBle, Manoel Games da Silva California e
Jos Thomaz d'Aquino, e nomear o cidado Manoel
de Farias Maciel para o dos referidos cargos, o
conventos desta cidade do Recife, Olinda, Goianna
e Parahiba.
EXTERNE
OatKKSPO VlE^Cfl VS DO BIA
HIO DE PEH1TA9IBITCO
LMIVA.
27 de aijosio de 1836.
Corre que se recebara um telegramma annun-
ciando, que o suinmo pontifico Pi IX estava peri-
gosamente enfermo, e que a medicina per. era as
esperancas de salvar to preciosa existencia. Ac-
crescenta-se tambera que o estado de sadle do im-
perador Napoleo, nao dos mais satisfactorios.
Se qualquer demias noticias se realisar terminando
por um modo funesto, claro que sera' grande a
sua inQuencia ua poltica europea.
Em Lisboa lera se afirmado que uraadiviso de
seis mil homens de nosso exercito, com dezeseii
mil de tropa* hespanholas seria maudada para Ro-
ma logo que tesse alliraada a evacuacao das tropas
francezas ; entretanto urna folha poltica, das que
privam com o goveroo, desmente o boato, o quai
todava anda nj foi rectificado pela lolha
offlcial.
A opposicao contina a censurar os gastos enor-
mes do campo de manobras, imputando ao Sr?
Fontes e s suas velleidades marciaes as despezas
que ludo aquillo vai custar, feite a' pressa, sera
poder existir a mais rigorosa Bscalisaco no moto
de effeciuar importintes fornecimentos, etc. Ou-
tros ditera que com quanto seja realmente o mi-
nistro da guerra, (como ninguera duvida), o res-
poosavel destes gastos, de mais alto partiram as
indicacoes. Estes, lomando a' lettra o espiril da
caria constitucional nao discutem a pessoa irres-
ponsavel e alhela a toda a discusso, e procoram
atioar com a razo latente desta precipitcao guer-
reira. Nao falu porra quera explique esta acti-
capito Jo* Gomes de Moura para o *>, e o teen- !'^i^aAadV?,r "^"*' C0usas do rolois,e-
le Bernardo Gomes de Moura Cout.oho para o 3. T''""J"."f' .5**erdado1? necf?sidade que o
Dito aos agentes da Companhia Uras.leira.-P- *s?"er f' ,M "n"^do ser adextrado para o lazer
dem Vmcs. fazer zeguir para os porlos do oorte Pf,8" da ",'l'dade J0' sedentaria a qae o re-
hoje, a hora indicada em seu offlcio desta dala, o S*' nS M,C .1* Pi' a e8lado de-pencia
vap r Gera procedente dos do sol. trVXt' Prt. "n h Prder 1<"^T a S60 COB0
Dito ao m-smo.-Os Srs. agentes da C -ropanhia ^,rd*deira(1expro*sao-da '*/ Pub O certe
Bra>lle,ra de paquetes ra.nd%ra por disuoslcao, "'^L^C^^^r ,U'T^ po: ,el
do bacharel Emilio de Moraes Dias, jaiz municipal ^ f *W* de Ped rmum *"< de
e de orphos do termo de Braganca na provincia d^Rg,'s tramas consumidas no campo de
do Para, duas passagens de estado, seado urna a, ,L .. ,h i^.... ..u .
r. e oum a proa no vapor Guar al aquella pro-r Al' ** e^^ie recordando
viocia.
/os termos da circular Qiplomalica do Sr. Casal Ri-
Dito ao mssmo.Os Srs. agentes da Companhia
Brasileira de paquetes mandera dar urna passagem
de estado a r, oo vapor Guar, al o Maranho, a
Prudencio Jos Botelho, ajudaote do inspector da
alfandega de S -rgipe.
Dito ao mesmo.Os Srs. agentes da Companhia
Brasileira de paquetes maudem dar urna passagem
de estado a r, a' o Para, no vapor Gu&, a V
eenle Jos da Silva. i
Dito ao mesmo. Os Srs. agentes da fcompanhia
Brasileira de piquetes maniem dar nota passagem
de estado a proa ao vapor Guar al/o Para a Au
beiro, recbeada de pacificas expresada de absoluta
neutralidade, e comparan) essa llnguagem cem
| esta azatama bellicosa em que todas as faculdades
i roioisteriaes se empregam oeste momento ; per-
guntam o que diro as naedes eslrangeiras a' vista
; do nosso prundo militar qnando se asseolara as
I lages da paz na Europa central ? Nao parece mai-
. lo prudente este argumento nem multo verosmil o
boato de que em Madrid se Ma de estabelecer
oniro campo de manobras prximo de Caa, na
fronteira.
' Repito-lhe, amigos redactores, embora se gaste
mais talvez do qus fra compativel com as forcas
d oode resullaro maiores despezas e nenhuma
co"JPensaco monetaria para o oosso paiz.
Nao havendo, pols, compensacao commercial
nem monetaria, o contrato lodo em favor da Hes-
paaha, ficaodo Portugal anicameote cera os en-
cargos.
Esa compensacao l.estava aponlada na lei do
22 de evereiro de 1861 que exiga o imposto de 1
por milhar em toias as meredorias era transita
pelos camiohos de ferro, e cuja disposico deveri-
ter sido adoptada ni convenco. Mas nao aconle-
ceu assim, e pelo cootrario este paiz flcoa inhabi-
litado, pelo artigo 2. da convenco, da poder exi-
gir qualquer direito de transito.
Da mesm? orle aconteceu com as mercadorias
viudas pelo Douro para e deposito no Porto, as
quaes pedero ser reexportadas sem pagamento
de direitos, porque o artigo 5.' da convenco, ex-
pressameole declara que as mercadorias nessas
eondicSes s pjjgaro o imposto de deposito, ou
arroazenagem.' E eise imposto nao o pagara as
mercadorias* da todas as outras nagSes quando en-
trara nos depsitos e depois gao reexportadas ?
Pte; e-'.poe- Uto doilaa lias de satisfazer o
direito de reexporiaco 1
Nao. Logo, nj ha justifleacao para este privi-
legio concedido as mercadorias vindas de Has-
panha.
Os direitos de reexporlacao, qae oreara annual-
mente por uns quarenta cootos, receberam pro-
fuodo golpe cora esta convenco, de que foi nego-
ciador por parle do goveroo portoguez o Sr. A. de
Serpa, contra quem se dirigem nesle assorapio as
mais vehementes invectivas da opposicio. E nao
foi este golpe parcial, mas sim em lod* a receila
do estado, pois que abollado taes direitos a favor
da Hespanha, havemos de fazer iguaes conoessSes
a todos os paiies cora quera temos tratado*, e se a
Hespanba nao paga esses direitos, nao os podemos
exigir das ouiras nacoes.
O que porm consta que tralando-se d'um tra-
tado commercial, como este era, nao foi ouvldo
nenhum empregado do ministerio competente.
Oxal que algum correctivo se p >ssa aioda esta-
belecer nos regulamentos de que trata o arligo 7."
da convenco.
O actual ministro do reino, dirigi aos gover-
nadores civis de Lisboa e Porto urna portaria sobre
o exercicio da meodicidade, que o governo Oeseja
ver extincto nestas duas eidades, fazendoTecolher
a asylos convenienie preparados os mendigos que,
mediante urna inspeceo de facultativos, especlt-
menle designada se provar acharem se impossibi-
liados de iraba'har, e obrigando os validos a pro-
curar pelo utri ex-reicio do trabalho, os meios de
susteniacao, que, com grave prejuizo dos costumes
pblicos, actualmsote procurara pela esmola.
Coojuoctameote se publicaram amas. instrucSes
bem formuladas sobre beneficencia publica o ex-
postas.
animacao
e muitas pes-
no palacio de
fundico de ferro a
_._as pecas, com a se-
guinte inscripeo.
Foudico d > Oiro.Collocaco da !. podra.-
gostoddee?8m66: ^ 186i--^aco.-18de
Esta chapa foi coliocada na primeira pedra, que
para tao bello edificio se havia asseutado, e aonde
ja eslava arvorada a bandeira da independencia ;
erara 4 horas da tarde. Nesta occasio a mosica
tocou o hymno do !. de dezembro, e subiram as
girndolas de numerosos fogueles, e se deram va-
rios tiros de peca. Termioando o hymoo, o Sr.
ur. i. Antonio Faria, leu ama altocuco, e floda
eiia o &r. L. F. de Sooza Cruz levanten vivas a
Sua Magesiade er-rei o Sr. D. Loz, a Sua Mages-
tade a rainba a Senhora D. Mana Pia, a Sua Ma-
gestade el re o Sr. D. Fernando, e a toda a fami-
lia real, e aos amigos dos proprietarios da fuodi-
Cao do oiro, e aos operarme da mesma abrica.
u povo corresponden a estes vivas frentica men-
le e levaniou um viva geral e muilo prolongado
aos proprietarios da fundico do ouro. Terminara
esta resta industrial sem o menor desgosto para
seus auieres, com urna oamerosisslma cou.orreo
ca de pessoas de todas as chases, quaodo a noite
ine veio por termo, nao obstante haver-se annan
ciado que a exposico era permillida s ate s 6
noru oa larde. As pessoas de relacoes de amizade
e parentesco dos proprietarios cooservaram se al
a meia noite, entre migares, e alegras, retirndo-
se todos com a maior sati*facao pelo brllho que
oieotara urna festa particular, qae a muitas pu-
blicas far mveja, e que de certo nao podera' ter
muitas semelbantes. O edificio cora a fabrica
na sua especialidade, sem dnvida, a primeira do
paiz.
Escrevem do Porto com data de 17 a um
amigo a respeito do ministro das obras publicas, a
seguiole carta :
Amigo. O Sr. Joo de Andrade Corvo, actaal
ministro das obras publicas, fui aqui excelente-
mente recebido, e todos esperara que esta visita
seja de bons auspicies para a cidade da Vrgem.
Consta-me que S. Exc. alm de ootros melbora-
-"eolos preteode dolar esta cidade com um excel-
ente quartel para a guarda municipal, mandando
activar o actual qne est em deploraveis condicSes.
lambem se espera que a S. Exc. cabera' a gloria
de resolver a questo da barra do Porto.
Para decidir se se ha de preferir o porto artifi-
cial em Leixe?, se se ha de melhorar a barra, vai
S. Etc. nomear urna commissao compon do* ho-
mens da sciencia, que mais ao facto esto d'este
importante assumplo. Vai-se imprimir a maior
aclividade edificaco da nova alfandega, e fazer-
se esiudos para a abertura de duas grandes ras
que liguem aquella repartico com os centros mais
comraerciaes. Sobre bancos creio que se fara' al-
gum t cousa, pois o Sr. Corvo teve largas conferen-
cias com o Sr. Justino Pinto Bastos sobre este
objecto. Esperam-se com aociedade as novas pre-
videncias sobre este importante assumpto. Sup
pe-se que o Sr. Corvo achara luxo de mais na*
ooras da bolsa, e que insinuara a conveniencia de
feto com a maior clareza, e de grande vantagem
assim para os escrlptorios de commercio, como
para os gabinetes dos estudiosos.
J esta' em Lisboa o Sr. Banuelos novo re-
presentante hespanhol n'esta corte. Brevemente
tera a honra de ser recebido em audiencia por soa
magestade. K
A esposa do Sr. Bannelos esperada em Lisboa
aeniro em poucos dias.
Consta que pelo ministerio do reino foi expe-
al ia urna circular aos governadores civis para
que, de accordo cora os coramissarios dos estados,
esculham e propooham pessoas competentes para'
inspeccionaren) as escolas de instruyan primaria.
Este servico de inspeceo remunerado em quanto
dura com 4500 rs. diarios.
Sao esperados no v-p rde Alexandria os prn-
cipes negros de Anjonande Coraorc, grupo de libas
ao norte do caoal de Mocambique. O mais velno
cnanoa-se byed Mabomet.eoraais novo Syed Abda-
an. boas altezas sao recebidas com as honras de-
vidas a sua cathegoria.
Fallecen o Sr. Lourenco Jos de Ollveira Bas-
tos, negociante da praca do Porto.
Consta que o geverno val mandar oa ja' man-
dou eocomroendar a Paris.colberes, garios, praios.
chavenas, potes para agua, ludo em flm do servico
oo campo d insirueco.
Consta tambera que o governo portuguez vai
enviar para Lmdres 11:000 oo 12:000 libras, pelo
primeiro paquete que se suppoe ser o Marta Pa.
-Chegou no dia 20 a Lisboa soa magestade el-
rei o >r. Luiz, e parti a bordo da corveta de
guerra a vapor Barlholomeu Dias para Paco d'Ar-
cos, para presidir a' regata.
Dz-se que no paco da Torre da Marca, no
i"r J oe !.s,. PreParodo os aposentos para rece-
per s >. M M. e toda a familia rea
Porto assistir a
Pedro V.
ioauguraco
que irao
do monumento a
ao
D.
Diz-se que o abaslecimento das aguas de Lis-, se applirarem os fuodos era obras mais ligeiras
regu a ama corapanhia extrangei-
8QDitoH.0o roelmT-Os Srs. agentes/da Corapanhia J i{ ** j I malt0 w""e"e la
IZ Bra8i,"r* < PM a 'P-r ma/dem da/piss.-! ...M^.?Li^li?D^
1 gem para o Para, or coma do ministerio da fJffl^
ra, no vpor Giwr, ao ex-soldido do lercelro ba
talho deartilhana a p, Heleodpro Patricio.
Expediente do secretario ule gvverne.
31 de ag>
Offlcio ao commandanie das aVmas.S. Exc. o
Sr. vice-presidenle da j.roviqcl rderj ;tido
n'um elemento de verdadeira torga, visto ue as
rondicoes da poltica internacional nao permitiera
que se suppnma de todo, creando-se ea sen logar
urna polica respeiiavel, o que lambem seria, na
oploiio de mu i los, um alvitre susteniavel n'outras
circumslancias. Visto qne isso impraticavel, en
lao eleve-sa a edacaco militar da exercito a' ver-
dadeira altura das necessidades da despea do
boa vae ser enir
ra.
As folhas da opposicao denunciando o caso, cha-
mara para elle em termos enrgicos* atleoco dos
moradores da capital.
Falleceu no da 23 era Belra o general de
diviso, par do reino, primeiro ajudante de cam-
po de el re o Sr. D. Loiz I, e commandante geral
da arma de engenharia, o Sr. Jo* Feliciano da
Silva Costa.
O fioado general assentara praca em 1 de abril
de 1817.
Foi promovido : a alferes na mesma data ; a l-
ente em 18 de dezembro de 1820 ; a capillo em
18 de maio de 1821; a mijnr era 6 de ago lo de
1832 ; a lenente-coronel em 23 de julho de 1833 ;
a coronel em 24 de julho de 1831 a brigadeiro
em 17 de oolubro de 1848 ; a marechal de campo
em 29 de abril de 1897 ; e a lenente-genoral oa
general de diviso ha tres on quatro annos.
Era commendador das ordens militares da Tor-
re e Espada e gr-crui da de nossa Senhora da
Cooceico de Villa Vicosa de S. ll-nto de Aviz.
Era lambem commendador da ordem do Leo
dos Palzes Baxos e foi um dos mais benemritos
e i Mostrados offlciaes do nosso exercito.
Regeitou rooitas vezes a pasta das obras publi-
cas e varios ttulos. El-rei D. Pedro V. de glorio-
sa memoria, coosagrava-lhe lo singular affecto
qae, dizera, o quiz agraciar com o titulo de conde
do Real Agrado.
Prestaram Ihe as honras fnebres todos os cor-
pos de caca lores e iofantaria da guarnicao de Lis-
boa e Beloi, bem como o regiment de lanceiros
da rainha e ama batera de artllhana 1. O pres-
tito f jnebre foi acompanhado por um esquadro
de lanceiro;; desde a ermida de Nossa Senhora das
Dores em llelra onde o corpo eslava depositado
ao cemiterio dos Prazeres. O general Miranda foi
quem commandou a diviso.
J se diz que ser para o Dr. Casal Ribeiro o
lagar de cooselheiro de estado effectivo que flcou
vago pala morte do ilustre general.
Pelas 2 horas da larde do dia 18 de agosto
de 1866, se verlflcou a inaugaracao da fabrica da
fundico do Otro, sita na freguezia de Lordello do
olre, suburbios da cidade do Porto, oo campo
onir'ora deaomiuado o campa dos Perreiros, para
a qual se harta collocado a primeira pedra, rom
toda a solemnidade, no 1.a de dezembro de 1864,
dia anniversano da nossa restauracSo. Assistlu a
esta festa industrial o ministro das obras publicas,
commercio e industria, em corapanhia do baro
de S. Januario, e do Sr. L. A. Palmelrim, e mul-
los senhores e seaheras.que haviam sido envida-
dos para aquelle acto. A comparencia do minis-
tro foi acto espontaneo de ana vontade, porque
tendo a fesla unvcaracler de particular, nao se
dirigir convite especial a S. Exc. Eslava convi-
dado o Sr. Dr. Domingos Pinto de Faria, para
abrir a vlvula da machina do vapor, mas na pre
pl ; iortiflqne-se Lisboa. Porto, e d se s possas se oca do ministro, pedia est oavalheiro a 8. Exc.
mas oao m-nos solidas, atm da que a obra se con
clua quanto antes.
E*pera-se que tenhamos na provincia do Minho
urna quinta modelo. Afflrmarn me que o Sr. Cor-
vo fizera esla proraessa, S. Exc. goslou muilo de
v.-r a magoifica fabrica de Massarellos, onde en-
contrn artefactos que fazera honra nossa indus
tria, e alguns das q iaes bao de figurar na exposi-
co de Paris. Na memoria dos portuenses ficaram
gravadas recordaces profundas do trato delicado
de S. Exc, e da sua subida llustrac).
Diz-se que se vai realisar ura meeting no
Porto com o flm de represeotar ao governo contra
a reforma na escola medico-cirorgica e academia
polytechnica d'aquella cidade.
E' certo que antes da partida para Teos,
dos cornos do excercito deslioados ao campo de
insirueco e manobra, havera' em Lisboa urna
grande parada coroposia de todas essas tropas.
Consta que com a extineco da repartico de
fazenda do distrieio de Lisboa, e do sello de verba,
com a nova reforma do ministerio da fazenda, vo
os empregados d'aquellas repartieres ser colloca-
dos convenientemente as alfandegas grande e mu-
nicipal de Lisboa.
Foi assigoado o contrato de faso entre as
duas fabricas Regala de La Reyna, e Pinto de Be-
lem, para se formar a companhia dos vendedores
de tabacos. Comecou no dia 17 a snbscripco por
estes e juntando subscripeo a entrada das doas
fabricas ja" moota a 1I3:OOOJ>000. O capitel se-
ra' de 200:000WOO, podendo ser elevado a ris
300:000*000. As acedes sao de 23000 pagas em
onze presides, a primeira no acto da inscripeo
e de SJJIOOO e 2J000 por mex. O titulo da com-
panhia Companhia dos vendedores de tabaco Re-
talia.
Houve nm desies dias urna grande reuniao de
todos os vendedores de tabacos, na sala das snas
sessas, na ra dos Douradores, onde orara pre
senles as condices da fuso da acreditada fabrica
Regala de la Rena, com a de Belem, bem como
se ofereceram o'essa occasio 2,000 aeces para
serem subscriptas pela mesma assembla.
Consta que ba ja' grande numero de accoes to-
madas pelos principaes vondedores de Lisboa, e
muitas mais haveria se o peosamente das fabricas
nao fosse fazer distruir a maior parle das acedes
pela elasse dos vendedores. Assim podereraos ter
urna garanta contra o monopolio, e o publico ser
mais bem servido, pela eoncorreocia a que neces-
sariamente obriga, havendo mais de qne ama fa-
brica.
Ura cavalheiro de subida lllostracio, o Sr.
Fernando de Magalhses, secretario da escola poly-
lechmca, acaba de dar a' estampa ora utilissimo.
Qaadro comparado da estalislica geral de lodos os
patus da Europa. Alm da nota comparativa da
popolacao lera a superficie em kilmetros cuadra-
dos, a ooidade monetaria, sua diviso, subdivisdes
valor em ris, estado da fazenda publica, exer-
cito de mar e Ierra, E' nm qoadre epnosissimo.
-Acaba de sair a' Ijz dos typos da imprensa
nacional a Uiscripcao e roteiro da costa occidental
de frica desde o Cabo de Espartel at o das Aqu-
ilas, pelo Sr. Alexandre Magno de Castiiho, pri-
meiro lente da armada e engenbero hydrogra-
pno. fcsie primeiro volume, de raais de 300 pagi-
nas acompanhado de sete carias.
O Sr. Maneel Roussado, produzo um novo l-
vrode que o Sr. Lallemant editor. Noiles de
usboa e o molo desta obra, em que o autor revela
o seu talento em gneros divertidsimos de prosa
e verso, e que saira" accoropanhado de retrato pho-
tographico do escriptor. Ha urna edico soperior,
que a semelbanca de algumas obras eslrangeiras
servir para adorno das mesas de sala.
Chegou a Lisboa nm agente de urna das mais
importantes casas editoraes de Hespanha, com o
lira de contratar a pnblicacao em caslelhano de
varios escripios do Sr. Fraucisco Travassos Valder.
Este nosso compatriota tem viajado por diversas
partes do mundo, e lem escripto obras volumosas
acerca do ultramar.
Chegou, no da 17, a Carnide, a torea de arti-
maa n. 4 que vem formar a batera de montanha,
sendo comraandada pelo capilo Brolhami, e por
* subalternos.
O Dr. Abel Maria Jordo offereceu-se para fa-
zer no hospital de S Jos corsos livres de clnica
medica, dando se para isso 12 camas de alguma
enfermara.
Consta que o eminentissiraa cardeal ( Rodri-
gues) patnarena de Lisboa vai sabir para o Porto
a flm de tratar de sua saude. Sua eminencia sai-
ra de aqu depois do da 29 do correle, por que
tenciona assistir a' festividade de Santo Agostmho
que hade celebrar-se na igreja de S. Vicente de
Consta que a commissao edificadora da cidade
do Porto, foi encarregada de apresentar qnanlo an-
tes o seu projecto para a abenura de duas ras
que liguem a nova alfandega cora o ceotro de
raaior trafego da mesma cidade.
Ja' comecam a fazer-seas obras de que neces-
ita o dique do arsenal de marinha. Esia'eocar-
regado de as dirigir o Sr. Joo Evangelista de
Abru, engeoheiro.
Foi ordenada a collocaco de um farolira fra
da barra do Porto. E' um importante melhora-
raeeto. *
(Continuar-se-ha,)
PERNAMBUCO,
REVISTA DniA
Por commuoicaco do Rvm. Sr. cenego arcipres-
te da proviocia de Alagoas ao Rvm. Sr. vigarlo
geral encarregado da regencia do bispade, chega-
da no domingo, consta que arha-se em Macelo
gravemente accommettido de nma febre endmica
aquella lecalidade o Exm. Rvm. Sr. kispo diocesa-
no D. Emraanuol de Medeiros.
Em face de to lastimavel acoolecimento, foi
dada> logo sciencia delle ao Rvm. Sr. Dr. Deo da
S d'O.inda com solicilacao no sentido de convocar
o Rvm. cabido, e de fazer preees publicas na ea-
thedral pelo restabelecimento da saade do Eira,
prelado, seado oeste parte expedida igaal ordem
a ledos os parochos da diocese, bem como aos su-
periores dos conventos desia cidade do Recife, e
d'aquollas d'Olioda, Gofaona e Parabyba.
E pois, j hontem comecaram as referidas pre-
ces as matrizes e convenios d'es a cidade e d'Olio-
da ; as quaes cootiouaodo hoje, terio flm amanlraa,
devendo porm continuaren) os Rvds. sacerdotes,
depois da coramemoraco da missa do dia, dar a
ora cao pro infinnts.
A' estas exoraces da igreja ajaotamos os nossos
votos para restabelecimento da preciosa saade do
oosso pastor, cuja existencia te necessaria a
igreja pernambucana, ao rebanbo qae Ihe foi con-
fiado pela misericordia divina.
Foi capturado pela sobdeiegacia de Belmonte,
e acba-se recolhido a' prlso de Villa Bella Gon-
calo Ferreira da
termo
dera ev
Este captara um dos froetos da recente estada
do digoo Sr. Dr. chefe de polica oo caotro da pro-
vincia ; pois conbecende ento d'este facto, deixou
ordens mu positivas para que com a priso do
criminoso, fossem vingadas as leis por elle offeodi-
das de modo duplicadamente punivel; e por isse
Ihe sao a moralidad e a justica publicas devede-
ras deste importante servigo, no que igualmente
quinhoeira a autoru! Je que lo bem soube execu-
tar-lhe as iotenedes.
a-aa recomiao a prisao de Villa Bella Gon-
errelra da Silva, que condemuado n'aquelle
pelo jury a 7 ann >s de pnsao simples, po-
evadir-se oo anno ttodo da cadeia d'alli.
O empreurio do tbeatro de Santa Isabel
acqniescendo s solicitacnes de mollas pessoas,
resolveu continuar ainda a represeniaco do t el-
lissimo drama O an/o da mtta noite, qne lano
tem agradado ao publico d'este cidade ; e assim
leva-o a' soena no sabbado prximo.
Com iste nao satisfax o Sr. Coimera apenas a
ama pbanlasla on a nm capricho d'este on d'aquel-
le dilitaote ; ao contrario assocte-ae a orna aspira-
Cao gvral, completa oa desojo de todes qae fre-
quentara o theatro, e tem visto aquelle drama,
cuja concepeas por certo om primor, qor pelo
lado material, qur pela li?o moral qne resalta -
de suas situaces diversas. ,
E' por isto lambem que as difieren tes veies qae
elle tem sabido a' nossa soena, Ihe ba acompanha-
do sempre a conourrenci de espectadores; e esta
lamis ihe faltara', estamos oertot, sem embargo
de ser repelida a respectiva represeoteep.
- Nuwracao do- bilnetes da? eterUs, 834

i


irte #e PeritMliift ffer^a felra i 8 de Metewtera e 4896.
y
:: -

X
*
=x
=
r:
offerecidos pelo tbesonreiro das loteras para anti-
lio das despeas da guerra :
Ni. 3,477 a 3.496.
- RnaaKtfoiio da .poucu.-r-tracie l**ne
do da ii dertelembro de 1866. ..
Pora recolhidos a casa de deteoeo'no'dia ta
do correte : -_
A' ordera do [llm. Sr. Dr. chafe le eellcia,Joao
Severioo da Silva, Maooel Fraaeisee do jasme;
lo e Zacbarias Jos da Soledad*, para reeraws. a
ordem do subdelegado do Recite, Maree-lino Fran-
cisco de Lima, para eorreecao. A ordem do oe
Saoto Antonio, James M. Sofor e Will.ara Lh,
por embriaguez. O chele a i* seecao, J. G. ie
Reparti da pouci,.Entrado das partes
dos das 16 e 17 de Mtent.ro de 1866. Foram
recolbldos casa, de deteocao no dia 15 do cor-
rete : A' ordem do Illm. Sr. Dr. chefe de poli-
ora, Jos Peica ou Jos Beroardioo dos Santos, co-
mo proooociado em crime de tentativa de morte ;
Cordolina Idalioa d i Silva, por uflensas a moral
publica ; Jos Gomes de Souza, para recrota, al q q^ qq gga(j0 fle bacalbio ferruginoso
que prove ser casado e subdito porluguex ; e Je- rh.uripr nharmarftntiwi pm Pars SUDS-
roncio, escravo de Francisca Senhorinha de Men- de Cbevrter, ptiarmaceuuco em iWB,miH
doea, at <|ue seja reclamado por sua senhora. ttlue se om multa vantagem as pilllias e 30
No dia 16 do mesmo mer.-A ordem do subde- xarope de lodureto de ferro mais fcil ere
legado da Boa vista, Francisco de Souza Ferraz, toterar.se ,.ara as pessoas delicadas asseme-
ffietcK rruDermeentora'---e "" IImwm mniln mais a e n5 Dr0V0Ca C0D&
nse de remedios caseiros, com os (juaes apenas
ia pailiando a vida *
Determioei-me anal de consultar a V. S., e de
enn* para ca tea Me osudo do seu eieeneata
remedio da jarabeo*, e a vista do atado en que
se achata e o em que se aclis, pode-se dker cara-
do, por quaate a omito lempo que nia tem febre,
de ligado parece nada mais soffrer, e basso, o
grande votme qoe fazia, asta' murto diminuido!
o eentre qoe o liaba bastante crescldo esta' qoas,
no natural, a cor qoe era de um anarelto ver-
diado esta* lije corando, ja' se lite v sanfae as
faces, a tendencia qoe tloha s para esur deitado
ja' a nao ten, a eaau hoje o ve a aoite a hora
de desea neo.
Atada ooatinua a usar do mesmo medicamento
e espero em brete que te adiara' radiearnenie
curado.
Son com toda eslima e consideraba da V. s.
patricio amigo obrigado e criado.
Bernardo Jos da Cmara.
*
360
400
380
3*800
llia-se muilo mais 6em e nao provoca
tipacSo.
Deposito em Periwntrjuco, casa de
rer A C, roa Nova n- 18.
deste.O che
fe da seecao, ]. G. de Mesquita.
Passageiro do hute brasilelro InvencwH,
vlndo do Aracaty :-Jose Joaqaim Alves da Silva.
Passageiros do hiate brasileiro Marta Amelia,
saoido pata o Aracaty :-*, F. Ramo, Coriulano
Francisco Ramos, A. R. de M. fdaia. Pastllhas Teranlftlgas de leaWp
Gasa db detentjao. Movimento do da 16 crian*;; atormentadas por vermes podem
de setemt.ro de 166 Existum 336 ent^affi |, ^ UrtiadM ^m uma S dse de pasliltus
^^ V^rS Jri ^iKT; 2S i vermfugas de Kemp, que sao citantes e
vos 42, escravas 2-, total 337. Alimentados a apparencia, e deliciosas demaii no seu g09-
costadosefresiiOtiiYroslW. j^ para 9erem reieitadas. Estas pastithas
Movuneoto da euermaria do dia 17 de selernuro, ^ ^^ prQcura(ta3 por qQatro motivos :
de 1866
Tiveram nana : Joj Pirmino de Alouiioer-
qoe-, sypniles.S^verino 'Dantas a'Araojo ; pa-
Pirs- ................ ,.
8
B
I
fl
?!
; i
~ I
" I P
2
>
5
o
+
o I
I J l
< I M I sj t
Masculino.
s\>'
Feminino.
3
>
n
i
>
n
i.
Masculino.
Feminino.
CA
9
r. Z
Masculina.
1.1
iajaaJNJM.
n
<
a.
I
=
3
e
Ti
nao coolm mineraes; n5o precisara depois
de purgante; effectaam o que se deeja sem
cansar dr; as criancars estSo promptas a
tomar maior dse do qne a uarcada na re-
ceita. Nenliuma mi que j asteohas expe-
rimentado uma vez quer oatro vermfugo
na sua casa.
A'renda por todos os primeiros droguis-
tas no imperio, e em Peroambuco por Caors
& Barbosa e J. da C. Bravo & C.
dem de mamona
Batatas alimenticias .... 4*MM
Bolacha eidinaria, propria para-
embarque.......
dem Ina........
Caf bom .......
Idiira escolha ou restolho.
dem torrado......Ufira
Caibros........vm
Cal..........araba
dem branca, ....
Carne secca (traja) ...
Caraeiros .......v>
Carviff vegdaaJ .....arroba
Carveaas da aicopir *
Cera de carnauba em bruto. Bra
dem dem ara las ...
Cha..........
Charutos .......ente
Cevados (porces).....nm
Ccos (seceos)..... cento
Colla........libra
Couros de boi, salgados t.
dem idem seceos espichados
dem idem verdes.....
dem idem cabra cortidos om
dem Idem de onca..... >
Doces seceos......libra
dem em gela 'ou massa
dem em calda ......
Espanadores grandes *..* **!*
P. Maa- dem peqnenos...... 2*00fl
Esteiras para forro de estivas
ds navio. .
Estopa nacional .....
Farioha de de mandioca .
dem de aramia.....
Feijao de qualquer qudldadft .
Frechaes .......
Fumo en) iolha, bom .
.Idem ordinario ou restolho. .
dem em rolo bom.....
dem ordinario ou restolho .
Gallinbas...... .
Gomma. ........
Ipecuciuuha (raiz) ....
Lenha em achas.....*
Toros.........
Lianas o estelos.....,
Mel ou melaco......
Uilho.........
* despicho em comprimento ao qual o eserj-
*iW* vS ja esta subscreveu fez passar a pre-
1s#m santo carta' le editos rom o prazo de 60 dias,
' psto tnerftVrqaal chamo cito e hei por ci-
Ufh t* herdeiros de Maooel Pinto, pare
fique dentro do referido prazo comparecam
4aor*,"ir
I
3*900
2*
3*000
15*000
4*000
60
160
260
108
380
10*000
1*000
360
510
4*000
Masculino.
Feminino.
i!
i
I .
o
i:
Masculino.
Feminino.
I
| TOTAL.
21
9
S
I

0 oleo de flgado de ba:alhie desinfectado
deChevrier, cooserva as quadades e.pro-
prifdacks reconhectdas aoolo dengado de
bacalho ordinario ; o seu cheiro gosto
sio muito agradaveis, e a diuestao faz-se f-
cilmente.
Deposito em Peroambuco, casa de P. Mao-
rer & C, ra Nova n. 18.
EXPLK
canto
arroba
alqueire
arroba
i
um
arroba
>
.
>
uma
arroba

eento
-
um
caada
arroba
um
quintal
uma
n'eate )u, por s ou por seus procura-
dores, atm de responde re m aos termos
da acgo constante da peticSo supra, trans-
cripta sob pena de se proceder a todos os
termos assuas rev lias.
Pelo qoe toda e qual quer pessoa, paren-
tas, amigos e contiendes dos supplkados
herdeiros do fallecido Maooel Pinto ibes po-
derao fazer scientes o que cima ica ex-
posto, e o porteiro deste juizo publicar e
aflhara a presente no lugar docostume mais
pablico, depois de haver traniita'io pela
chancellara.
Dado e passado n'esla cidade do Recife
de Pern mbnco aos 5 de marco de 1866
Eu Manoel Joaquim Baptista escrivao que a
subscrevi.Virgilio de Gusmao Coelho.
Vai pagar 250 rs. de dir itos de chancella-
ra. Keci'e 5 de marco de 1866.Baptista.
Numero ld50 de direitos de chancella-
ria. Recebedoria 10 de margo de 48ti6.
\ abares. F. L. Cardtm
Armas iuperiae>. N. $H. Ris 400.
Pagou 400 rs. Recife 10 de marco de
i8f)6.Chaves.Seuna.
Estava o signal do etilo da chancellarla.-
Firmino Antonio r'e Souza, presidente.
Tranrtou pela chancellara Recife 10
de marco de 18.6. O escrivo.Fraacis-
cisco dos Res Nones Campelto Jnior.
Lanco a lis. 101 do cumpetente livro
n. 13. Recfe 10 d marco de 1866.
Campello Jnior.
fiada mais se continua em dita carta de
Arremalacio.
Sexta-felra 21 do corfenje floda, audintis da
pfimeira vara, tem de ser arrematada ama casa
terrea sita-a' roa- Imperial o. 261, iientiorada a Jo-
s Baplisu Adens e sua mulner, por eiecncio de
Francisco fla Silva (lego, que corre pelo carlono
do escrivo Baplisla, avallada por 700*.
iBsatcfia 4e saade,
O lllm. Sr. coronel commaodaale superior in-
terino, manda prevenir aos Sr.. capillo do 0* ba-
talho da guarda nacional da reeerva do municipio
de Nataretb da provincia da Babia Antooio da San-
ia Noia, e mala otnelae deste minrteipio, que i
tem requerido impccgo, qoe comparecam oa ae-
ereiaria deste coamaodo no dia 18 corrate aa 10
horas da manhaa para esse fim.
Secretaria do comnundo superior da gnarda
nacin I do muoicipw do Race (5 da aetembro
de 1866.
O secretarlo.
Firmino Jos de Otiveira
"Tribunal da Cnnneroie.
Pela secretaria do tribanal do commereio de
Peroambuco se Taz publico, qoe oesta dala o Sr.
Justino Esteves Alves foi Inscripto no livro respec-
tivo, oa qualidade de corrector-geral da praca de
Macelo, para que foi nomeado pir despacno de 6
do rorrete.
Secretarla, 13 de selembro de 1866.
O offleul-maior,
Julio Gnimaraes.
Recita extraordinaria,
a. rastin ai nratut d f*rmi a aa. atasrav
_ eoaoNBL
lX)kO PAT3L0 FERREIRA.
marttMtar'se-ln o nravvaadevlHe esa J
actos
ARTHR
ou
DEPOIS DI 16 AMS.
Dar' Bm ao especlalo a caasedia em t act>v
origiaal da Sr. Aasis
Sempre ^o primoe.
Carem* as 8 hora.
O empresario possuido do mais vivo recoabeei-
memo grdeeea Exm Sr* D. Mirla Sol Aa}0s
de Souza Lelo, pelo poderoso auxilio qoe lev* a
hondade de dispensar, na diMHbof cao dos bilntits
realisando assim leo vaotajosameote a sua idea.
A eommrsso eocarregada da passagem osai-
rhetes, ira' depois do drama, aos camarote ri
ber as esportnlas
UI-l -B) J.'J-------JL 'BJ
AVISOS MARTIMOS
2*000
3*000
S*000
4*000
5*060
13*000
10*000
8*000
1*000
3*000
25*000
14300
12*000
6*000
tara o Assu*
Opalbabote Gartbatdi pretende em pooeos da*
seguir -para auoelle j ort<>; a tratar-se com Tasac
rmao, para o f majamente de carga.
CONPiAHA BKVMLEIRA
DE
Cuerno (eral
RelacjSo das cartas seguras existentes na
admDtracao do correio desU cidade
para os sniores abaixo declarados : P.1QUKTES A VAPOR
W. .Ayrs d'Albuqaerqne Sama, Amaro Rodri- | Des tiortodnile eara-
gues ^Albuquerqoe Ffgoeiredo, Dr. Antonio da
Conba Pigneiredo, Antonio OacalvesifAzeved,
Joaqutm Elvko Arves a Sirva, Dr. Joao Maria Lis-
boa Jumor, Dr. Joao Vicente da Silva Costa, Josa
ti'Araorim Lima, Victorio do Nascimenlo Accioly
Lrm. ..
....
Quando oo domingo 16 do visele"nez, o fajad
prndenle da RCiedadk=Juveomde, me eoear-1 Travs
ADVERTENCIA.
Na totalidad* das doentes exislem 176, sendo 110
bomens e 66 mnlheres.
Poram visitadas as enfermaras estes dias :
As6li3, 7. 7. 6li3, 61|2, 61|2,peloDr. Ramos.
A's 8 l|i, 8 l!4, 8 lt4, 8 ifl, 9 i\1, 9 1|2, pelo
Dr. Sarniento.
Fallecern:
Antonio Is da Cunta, apoplexia.
Maicos da Silva, ganro enierite.
Tnereza Mana <"e Jesos, apoplexia.
Joo Amonio Marques, tubrculos pulmonares.
Man i Francisca da Conceicao, anemia e entente.
Publicares a pedido
Carta do Sr. majar Grnde ao sea en ro abjecto.
Quande te bi meu vemzlnbo
Fiquei todo enchammezado
E dice ca c-m os botons
Desta bes fico fisgado.
Quer de ndte quer de da
Eu bibo para U, .
S lu meu venr me gobernas
Para as itras ja morn.
Es o aojo do meu conhos
Es o col que malumia
Es a casia Deusa Bums
Es a mais vella iarla.
Asseila pos oh vemzinho
Este curaco fendo
Pf ilo lume de leus olhos
Eu turo ser teu marido.
Da lembrancas a nn
A Bobczioha tanvem
Ca dos cuco.- namoricos
era pitada, oobiu meu vem.
Tea ate a morle
Jorge.
regou de marcar a ultima quadrilha, no eosaio de
manhaa, empreguei, oa ultima parte; a palavra
fraocuapromenerfoi para sansfazer a aigeem
qae me pedio uma vanajao e como 6 ia era
uso servirem-se dojubstanti porlugsez pas-
seio, oa do francezpromeode, en entend st-
vir-roe do verbo activoromeoer, qae eqawale
o mesmo. Teodo alguos socios lomado e>te termo
como um barbarismo, pergunlando-se p qwe ra
promai .obrigaram me a esta exi licaco, da
qual peeo desculpa.
0 pir-marcaute.
Papagaioe ><
Pao Brasil ,. .
dem de jangada
l'cdras de amolar
(dem de Ultra/
idem de rebolo
Piass&va ......... molho
Pontas, ou chrfre de vaceas oa
auvihos...... oento
Pranclies de anorelio de deui
costados.......ujb.
Idem de looro .
Rap ......
Salan. .....
Sal. .......
Salsa parrilha .
Sebo em rama .
dem em Telas .
Sola em vaqueta .
Taboas de amareilo
t diversas ...... >
rapiooas.........arroba
Tatajuba........qaintal
.....uma
.....eento
6*000
5*000
000
800
1*000
160
3*800
libra

alqnanre
2*500 edrtos a^ui bem e fielmeote copiada du on-
3*u00 ginal a qual me recorto : est vai sem cousa
que d .vida faca, conferida e concertada, e
por mim subscripta e assignada n'esta cida-
de do Recife de Pernambuco aos 12 de
de margo de 1866.
Fiz escrever e assigno. Em f de ver-
dade c O.Mnoel Joaquim Baptista.
N. 14.Ris 460.Pagou 400 rs. Re-
afe 20 de marco de 1868. Coa vea.
Seuua.
404IXKJ
10*900
1*600
160
00

ama
duzia
23*000
5*000
7*090
-2*000
140*000
87*000
3*000
2*000
6*OiO
380
10*00
8*000
6*400
800
A jurubeba
(SOLANUM PA^ICULATM DE LYNEO.)
As preparares pbarmaceuticas da juru-
beba sao medicamentos recoobecidamente
excollentes, e devem ser considerados como
as substancias medic'c aes, tnicas e desobs-
truentes mais enrgicas que se couhecem.
e por isto curapre que sejam empregadas
todas as vezes que se tiver d comnater fe
brea intermitientes, engnrglamentos ca obs-
rueces de figado e baco, anemias cbloro-
zes, hydropesias, menstruacoes defleeis e ir-
regulares, catharro da bexiga.
Aquelles que desejarem fazer aso dessas
preparares, mdicos e doents, e nao qui-
zerem expor-se a seren Iludidos, deverao
dirigir-se a pliarruacia do abaixo assig' adi>-
situada na ra larga do Rosario n 10, pro*
xiao ao quartel de polica, nico deposita
que existe nesta provincia ; devendo se ter
em vista que fui o abaixo assignado o pri-
meiro que submetteo essa planta a prepa-
ravoes pbarmaceuticas, e fez guiado por
comemos mdicos, e sob a approvacao
destes.
Pharmacia m a ra larga do Rosario n.
10, junto ao quartel de polica.
Jeaquioi A. Pinto.
Illm. Sr. Joaquim de Almeida Pint.Coyamba-
ca, 4 de setembro da 1866.-Leodo so Jornal do
Recife diversa declaragoes de pessoas que tem
obtido alivie as enormidades qae sotfnam, chb o
osa da joroDeba preparada por V. ., juigo nao
dever flear em silencio e pateotear ao publico
igaal resoltada se nao maior qoe tem experioteo-
ado orneo fllho Loia Jos da Cmara, e qoal sof-
frendo em grao raaito sabido do flgado e eaeso,
foi acooselbado para o mondar a Lisboa, e effccti-
vameoie para all parti a 48 de jaabo de 1864.
Iofeliimeote all enegaade, oa professranaet a
Soera elle loi sulwaeiUao, ealeaderam ella soffrer
o peito e nasse sentido coagiraaa-Uia a cara co-
mo ara de eaparar, o menino peeroa exlraordina-
riaoKate, a poni de o (atareaa regraiaar aa se-
tembro do aaesmo aneo, em ettdo qae 809000.
ram que elle suecumbiria era viagem, felitmeole
assim oio aconteceu, sendo cario qae caegoo aoa
peior estado do qoe daqui parti, qoasi desengaa-
do troaxe-o para o engeaho, e por algam tempo
Coia^es ofQelae,
PRACA DO RECIFE, 17 DE SETEMBRO
DE 1866.
A's 3 horas e meia da tarde.
Aisucar. Mascavade (Canal) 1*650 rs. por ar-
roba.
Frele de assocar para Liverpool 15/ e 5 por cento
por tonelada.
Frele de algodo para Liverpool 3/4 por libra
sem primagero.
Frete de algodo para Liverpool 3/3 por libra
da prensa hydrauira.
Dobourq,
Presidente.
Silveira,
Secretario.
."iovo bao de Pernam.
bnco.
O novo banco descorna letras de prazo al qoa-
tro mezes a 8 por cenlo ao auno, e de maisr prazo
a 10 por cento.
0 novo banco le Pernambaco faz o
segundo dividendo de vinte por cento
das m.issmsde Hesqaila k ulra e Fran-
cisco Antonio Gofreia Carduzo,
Caia Filial da Banco do Brasil ca Pernambuco
aos 13 dejulbo de 18GS.
De ordem da directora se faz scieote aos senho-
res accionistas qoe o tneoureiro est autorisado a
pagar o S3* dividendo das acedes desta caixa a ra-
zo de 10*.
O guarda livros.
Ignacio Nones Correia.
Caixa filial do banco do Brasil em per-
iiamhuco 13''c jullio de 1866,
A caixa desconta os saques de seo aceite pela
taxa de 00/0 ao anoo, esacca sobre a caixa filial na
Babia.
I'nhas de boi ....
Vassouras de de piassava >
Ditas de timb...... *
Ditas de carnauba..... >
Vinagre.........caada
Alfandega de Pernamuco, 13 de setembro de 180o*
ADITAMMEF.NTO.
Cera de carnauba arroba 63400
Casst-eiras de Jacaranda, duzia 955000
Enchameis......um l(J500
Esteiras de carnauba. uma 160
Ossos........arroba 240
Palha de carnauba molho 800
Penoa de ema libia 24000
Sapatosdecourobranco. par 800
Era ut supra. *
Approvo Afandega de Pernambnco, 13 de se-
tembro de 1866. A. Eulalio. .
(Assignados):
Os |.h conferentes, Manoel Peregrino da Silva e
Manoel Caldas Barreto.
ConformeOS.' escripturao, Joao de A. Prretra
Rocha.
RECEBEDORIA DE RENDAS INTERNAS
CERAtS.
Rendiraento do da 1 a 15-----.-. 14:3023474
dem do dia 17............... 3:699*706
O Dr. Eduardo Pindabiba de Mallos offkial de
imperial ordem llosa, juiz dedireito echefa
de pdlKra -tfa pfnvracla de Pernambuco por
*)'. M. Imperador, que Deus guarde etc.
ecl.
Faco saber aos que este edital virem qoe se acba
aberto o concurso para o provmento dinilivo do
offlcio de esenvao do crime qoe deve servir peran-
,te este juizo e de delegada do primeiro distrlclo
desta capital, creado pela le provincial o. 637 de
3 de jaoho do aono prximo passado, devendo as
pessoas que preteaderero, ser oeiles prvidas
apreseniar oeste 1izo, dentro do praso de 60 dias
con ados da diia do presente edital, os seos reque-
rimentos assigoados, e devidamente in.-truidus com
certido, de idade recoohecida por tabrillio, folha
corrida, termo de ame de suficiencia feito pe-
ranle o jnlso municipal, ludo sellado na forma do
decreto n. 8I7 de 30 de agosto de 1837, e das
ordeos em vigor.
E para con>tar raandei passar o presente que
sera afflxado na porta desta reparticao e publicado
ocla imprensa.
Dado e passado nesia secretarla da polica de
Pernambuco, aos 4 das do mex de setembro de
1866.
Edunrdo Pindahiba de Mallos.
Novo Rraeo le Pernaiu' neo
O Novo Banco fax o 17 dividendo de 5* por
aeco.
18:002*180
CONSULADO PROVINCIAL
Rdodimento do da 1 a 13....... 37:398*808
dem do da 17................. 6:488*187
43:886*998
MOVIMEiVTO D-. P&TO
Navtos entrados no da 17.
Aracaty (pelo Assu), 12 das do primeiro porto,
10 do segundo, hiate nacional Navo nvenctvel,
de 45 toneladas, caphao J. A. de Figuciredo,
equipagem 6, carga sal e outros generes ; a
Silva d'Alves.
R.o- Grande do Sul. 30 dias brigue portoguez
2V. S. da onceico, de 177 toneladas, capito
Jos de Barrs Maltes, eqnipagem 10, carga
10 600 arrobas de carne secca : a Baltar & Ol-
veira.
Navios sahidos no mesmo dio.
Aracaty Hiate nacional Jform Amelia, capillo
F. F. de Assis, carga difirenos gneros.
Rio-Grande do Sul Brigue nacional Superior
capitao Prudente Homem da Rucha, carga asso-
car e agurdente.
EDITAES.
ALFANDEGA.
Reodimenlo do da 1 a 15......
dem do d>a 17................
262:103*254
30:909*563
MOVIMENTO DA ALFANDEGA.
Volumes entrados com fazeoda...
c com gneros...
Val urnas saludos com fazeodas...
com gneros...
Descarregam boje 18 de setembro.
Barca inglea Symmelrymercadorias.
Barca franenza Jmn Boplistedem.
Vapor icifilecAmaion dem.
Brigue inglezLen idpin.
Brigue poriuxuez Relmpagopeiira.
Escuna bollaodeza Weudtinia 7oco6tu-*dltersos
gene'os.
Barca ingleza Wagfarerrioha de trigo.
Burea lbckenso-Uiiurfi.idem.
Patacho hepaoholLaurianovahe.
Patacho nacionalCardia- charque.
Polaca heapaobola Promptadem.
Barca nacionalSania Murtadem
ALFANDEGA DE PERNAMBUCO >
Manoel Joaquim Baptista escrivSo vitalicio
do civil n'esta cidade do Recife de Per-
nambuco por Sua Mageslade Imperador,
que Dos guarde etc.
Certico ser o tbeor da carta de editos
abaixo transcripta da forma seguate :
313:014*817 ,Carta de editos. 0 Dr. Virgilio de Gus-
mao Coeliio juiz municipal su pente da
2.a vara n'esla cidade do Recife de Per-
nambuco por Sua Magestade Imperial
Constitucional o Sr. O. Pedro II, que
Deus guarde etc.
taco saber aos que aprsenle carta de
editos virem, e d'ella noticia tiver em que a
junta administrativa da Santa Casa de Mise-
ricordia do Kectfe, me dirigi por escripta
314
612
- 936
152
412
564
' a peticao do ttieor seguinte:
Diz a junta administrativa da Santa Casa
de Misericordia do Recife, quer her citar
! aos herdeiros do fallecido Manuel Pinto,
para a primeira d'este juizo, fallarera aos
' termos de um libello em que ibes quer
pedir o sitio u 24 particular, da matinba,
| no lugnr fas Salinas, do qual se acham de
posse por titulo de aforamentn feito a aquel-
le fallecido visto terem os supplicados cahido
' em com misto, como melhormente exp'essa-
pota dos mecos nos obhbros sumrros a rnauos r em seu libello, pena (te revena, fican-
BSBXPORTACAO^-aaaiAKAaalJAMDoaiaai ^ fog0 Cltarj0) pa^ t0(j03 og tertnos g
"'"""MeretutoM. Dniflades. Valorea. 1 execaCSo
Abanos.........canto 2**U0 E .porque a supplicante ignora quaes sa-
Aguardente de cana
dem resillada ou do reino .
dem casaca.......
dem genebra ...
dem alcool ou espirite da agua-
ardente.......
Algodo en carago ....
dem em rama ou om lia .
Arroz can casca.....
Idem descascado ou pilado .
Assucar maacavao ....
dem branco .......
dem refinado......
Azeile de amendoim ou mendo-
bim ........
dem de edeo......
caada 900 jam os herdeiros do mesmo tal ecido, por
* isao requer a V. S. que m-digne d* mandar
passar carta de editos, com o prazo de 60
das, para serem os supplicados citados por
todo o contedo nesia Pereira e Souaa,
procfsso civil ti. "OB, "portanto pede ao
lllm. Sr. Dr. juiz ; unicipal da 2.' varalhe
delira. Espera receber merca.--Como pro-
curador, Jos Tteodoro Gomas.
De tribuid como requer, Recife 28 de
ferereirc de 1866.Virgilio Coelbo. A.
Raptista,Oliveira.
Nada mais se contiaha em dita petifo e
a
a


a
arroba

*

a
#
eaaada
a
800
3e
80
00
3*830
16*fi06
1*400
1*800
3*000
4*000
S*K00
1*800
Domingos Affooso !fery Ferreira, coronel e com-
mn lacle superior interino da guarda nacional
do municipio do Recila por S. M. o Imperador,
a quem Dos guarde eic.
Faco taer ao Sr. Jorge Victer Ferrara Lopes
iunior, alfures da \* comnaebla do 4 batalb da
guarda nacional deste municipio, e a todos aquel-
les qoe poaVrem e qoUerem fazer chegar ao s a
coobeciroento qae, pelo presente edital chama-
do a comparecer no quartel da residencia do
commandanie superior, dentro da prazo de 30
dias, a contar da data deste < oo o fazeodo du-
rante ?sse tempo, sera' nomeado o coosetho de in-
vestigacao para verificar a sua aflmela nos ter-
mos do 2* do decreto 3,335 de 25 de noverobro
de 1865. vino ter sa ausentado do batalho desde
o dia i de agoste do aono prximo passado, como
trouxe ao meu conhecimento o respectivo com-
mandante de batalho.
Quartel do eommaodo superior interino aa guar-
da nacional do Recife 14 de setembro de 1866.
Domingos Alfonso Nery Ferrelra.
Sauta Osa da Miserieordia
do Reeife,
A Illm.* anta administrativa da Sania Casado
Misericordia do Recite manda fazer publico qu
no dia 30 do correare pelas 4 horas .'a tarde r
desuas sessesiem de ir a pra^a a renda das ca-
sas abaixo mencionadas para serem arrematados oe
seus alugueres por lempo de nm a tres anuos.
Os pretendenles deveo comparecer acompanba
los de seos dadores on com cartas dos me>moes.
E&labelectDieutoa le caridade.
Hua Direita.
Sobrado de 2 andares o. 8. .1:067*600
Ra do Padre Floriaao.
Cana terrea n. 47.......186*080
dem terrea o. 65....... 72*000
Travs?a de S. Jos.
Cwaterrean.il.......153*00*
Roa dos Pescadores.
Caa terrea n. 11.......216*0i*)
Roa das Calcadas.
Casa terrea n. 30......174*" OO
dem n. 36.........i76*OiC
Casa terrea n. 38.......l67*oO(
Hua da Viraco.
Casa terreo o. 7.......2*4*000
Ra do Encantamento.
Sobrado de 2 andares e sotoi. 3. 400*000
Roa da Moeda.
Sobrado de 2 andares e soto n. 37. 480*000
Ra da Gloria.
Casa terrea n. 55.......144*000
Be^eo ao Quiabo.
Casa terrea n. 53 .....141*000
Patrim.tmo.de oipliaos.
Ra do Sebo.
Casa terrea n. 13 216*000
Ra do Pires.
Casa terrea n. 39.......150*000
Ra do Rangel.
Casa terrea n. 56.......300*00f
Ra da Guia.
Casa terrea n. 27......126*000
Ra da Lapa.
Casa terrea n. 2......II 0*000
Ra da Cacimba.
Casa terrea n. 10.......... 83*000
Rm do Pilar.
dem terrea 94.......... 168,1000
Idcmn. 103............ 20&9000
Idem n. 105........168*000
Sitio do Forno da Cal o. 5. 150*00o
polios do nui le 0 espeta-
do al o dia 18 do cor rente o va-
por Gmr. coaym*nd>ate e pri-
meiro ti nenie Pedro HvppeMo
titiane, o qual depois da deaor
do cosiu'ur, 'guia para os porios do ni.
Desde j recebe ro-se passageiros. e engaja-se a
carga qne o vapor poder crnduzir,a qual devtr ser
embarcada no da da su chegada; encommtBdase
dibheiro a (rete al o diada sabida a I hora da
tarde. Previne e aos Srs. passageiros qne a*
Passagens se recebem na agencia roa da Cras
1, escritorio de Antonio Lniz de Oliveira Aze-
eo A C.
DECLARCOES.
i:xpo*ic \o
DOS
Productos agrcolas, indaslriaes e obras de arte
da provincia de Pernambuco.
Nao obstante ws es-forcos que tem a comroisso
directora da eiposicao empregado na ucqui-icau
de productos destinados a flgurarem na festa in-'
dostrial da provincia, ja dirigindo-se a qua> tou-
lidade dos iiroduelores e a grande numeio de cor-
porales, funeciooarios pblicos e outras pessas
que >e acham em coodtcfcs deauxilla-la, j appel-
lando para o patriotismo dos Albos da provincia e
seus habitantes, qoe d-vem ver os bros naciooaes
eropenhados no concurso que se prepara, tem sido
pouco numerosas as remessas de semeihanles pro-
ductos, principalmente d'aquelles que, sem terem o
caobo da rarldade e belleza, sao verdadeiros ob-
jectos de consumo e susceptiveis de applicago in-
dostrial.
A impropriedade da estaco e porvenlnra o in-
vern rigoroso que anda nao abandonou a provin-
cia deram causa a qoe nao figurera as salas da
eiposlcio as amostras de assocar, cereaes e outros
productos agrcolas de grande consumo, enja re-
tnessa foi entretanto annunciada a eommis-o.
A ilha de Fernando de Noronha, que to Impor-
tante parte leve na precedente espo-co nao en-
vin al esta data oenhum dos seus productos pela
falla de transportes.
A colonia militar de Pimentoiras qne pela gran-
de variedade de snas encllenles madeiras de coos-
iruccao lem de occup co provincial, nao esta' representada anda por
uma s amostra oo colleccao dessas .adeiras, ape-
zar do empenho e grande solliciiu' m que lem
ogwerno da provioeia auxiliado a L,..imissao.
Numerosos artefactos Dio poderam ser conclui-
dos a lempo de serem exhibidos, ja pela escassez
dos operarios, qoe em bom numero derramam bo-
je o sea eangue nos campos de batalha, ja pela exi-
gidad dos seos recursos e rmpossibilidade de
distrabirem o tempo indispensavel ao ganbo do
parco salario.
Nestis condices, a commisso, considerando a
responsabilidade que pesa sobre os seas hombros,
a desigualdade com que, por certo, lera' a provin-
cia de Peroambncode participar dos loaros qne
comer o paiz nr grande expsito internacional de
1867 seofio se mostrar na altura do sen progresso
e do lugar qua ocenpa no Imperio; resulveo, em
sesso de 5 do correle, adiar novamente a inau*
guraeo da exposlcao provincial, sem dia marcado,
mas que sera' annunciado logo qne sejam recebi-
doa es prodnetos esperados e outros que a commis-
so conta m aerau enviados.
A cemmisslo faz um novoappello aos indostrfaes
da provincia e en geral a todos os seos habitantes
para qoe promovam aeztMbiee de productos,
qoer agrcolas, quer fab'is e quer naturaes.
0>s productos contmuam a-ser receWdos todos o#J
dias no palacio da presidencia das 10 eras da
mantisa as 3 da tarde.
Sala da cemmfssao, 6 de tete abro de 1866.
M. Buarque de Macedo,
Secretario.
Cao guiarlo provincial.
Pela asesa do consulado provincial se faz publi-
co qoe sa da 28 do correte fe Onda o prese
mareado para a arrecadacao dos inpestes cebra-
dos por taaoameato pertencentes ao aono flnaocei-
ro Qodo de it308 a 1806 aoaaao sogeilos todos ee
devedores que nanoagarem seos dbitos at aooel-
le da a serem ajnizados.
Mata do consolado provincial 1* de setembro
de 1864.
Aatonio Carneiro Machado Rio,
Administrador.
Secretaria da Santa Cisa da Misericordia do
Recife 14 de setembro de 1856.
O escrivo interino,
Pedro Rodrigues de Souza.
A Mima, junta administrativa da Santa Casa
de Misericordia do Recife, maoda fazer publico qoe
no dia 20 do correnie pela 4 horas da lardeoa sa-
la de snas sesses se hade arrematar a quem por
menos llzer a obra da cornija e flagi lo da frente
da igreja da Misericordia em Olinda e Udrilho de
100 palmos de comprimento e 30 de largura do 1
saio, de 70 palmos de emprmenlo e 20 de lar-
gura do 2 salo, de 65 de comprimento e 32 de
largura do 3o salo, de 28 de comprimento e 24
de largara da sala conligoa ao 1 ,-alo, e de 133
palmos de comprimento e 24 de largara do ado
da igreja.
Os propeoenles devero apresentar snas propos-
tas em cartas fechadas, e para melhores esclareci-
mentos podero dirigir-se a' esta secretaria.
Secreteria da Santa Casa de Misericordia do Re-
cife, 14 de setembro de 1866.
O escrivo interino,
Pedro Rodrigues de Souza.
A lllma. junta administrativa da sauta Casa
de Misericordia do Recife manda fazer publico
que no dia 20 do correte pelas 4 horas da tarde
oa sala de saas sessSes, recebe proposlas para
factura das obras qne precisa o sobrado sito ra
Dirella n 33 pertencente aos estabelecinentos de
candade.
As propostas devero ser em cartas ferhadas,
sendo preferidas as qae melhores condiges tffe-
recerem.
Secretaria da Santa Casa de Misericordia do Re
cife, 14 de setembro de 1866.
O escrivo Interino
Pedro Rodrigues de Souza.
Arremata^ao.
Peraote o Illm. Sr. Dr. juiz de orphos e pelo
cartorie do escrivo Guimares Ondas tres audien-
cias tem de ir a praca de venda o sitio do Zougu
avallado por 6:000* e parte as trras de Apipo-
eos no valor de 500*, bens estes pertencentes a
(loada Maria Candida de Magalbes, e qoe vo a
praca a reqoerlmento do loveolariaole para paga-
mento de sello da fazenda legados e venteoas.
Obras publicas.
Pela reparticao das obras publicas se faz pabli-
co aos proprietarios da roa do Rangel, largo e tra-
vessa da Lingoeta, qoe Ibes marcado na forma
do regolaim-nlo de 27 de junho de 1864, expedido
para a execnco da le n 506 o prazo ue 80 das
a cootar deste data para eeostrairem es passeos'
de seos predios nao podendo na e instrnccio dos
ditos passeos empregarem lige* qoe nao tenbam
pelo menos as dineosoes j anoaaciadas.
Secretaria da reparticao das obras publicas 13
de setembro de 1866.
Joo Joaquim de S. Varejo.
tOMPAXHM BR ASILE IRA.
M
PAQUETES A VAPOR
Dos portes do sol esperada
at o dia 20 do crreme o vapor
Cruzeiro do Su/, commandanie
Alciiforado, o qoal drpai da
demora do costme segoir) para
os portos do norte.
Desde ja recetemse passageiros e engaja-se a
eargaqoe o vapor poder cooduzir, a qual devera"
ser embarrada no dia de sna chegada, encoB.nc-
das e dinbeiro a frete at o dia da sahida a I Ite-
ra da tarde. Declara-se aos Srs. passageiros qae
as passagens s se recebem aesta agencia roa da
Crnz n. 1 escriptorio de Antonio Lniz de CJi-
veira Azeveao A C. ____ _________
Para con eseaa pelo Marailiao.
Pretende seguir em poneos das e superior ea-
leiro palhatete Pmimbueano por ter grande par-
te de sen carregamento promplo, e para o qae le
falla trata-se com o consignatario Joaqun Jos
Goncalves Reliro, na roa do Vigario n. 17,1 *
andar.___________
Para o Rio Oronde do Sul.
Vai seguir com moiu brevidade, o ben eeake-
cido brigoe brasilero Supenor, o qual recebe car-
ga a frele barato, para o que trata-se no eseriaK-
rio de Amorim Irmos, ra da Cruz o. 3.
Para o Rio Grande
do Sul.
Freta-se oa recebe enva a frete a esenna fea-
ooveiiana Atiba Caroliuu de 113. toneladas iacto-
zas : irata-se na roa da Cruz o. 1, e'crplariD-de
Antonio Loto de Ullveira Azevedo C.__________
Rio de Janeiro.
Pretende seguir para o Indicado porto, con Bi-
ta brevidade, o veleiro e bem conheeldo ferigne
Adelaide, or ter a maior parte de seo earrega-
ment* tratado ; e para o pouco que Ibe falta tra-
ta-se com o consignatario Joaqnim Jos Gonealva
Beltrao, rna do Virarlo n. 17, primeiro andar.
Maranho e Fara.
Segu com a possivel brevidade para os anea-
dos portos o brigae escuna nacional Gracs*, ca-
pitao Silva Ralis; para o nsto da carga anean
hila, trata-se com o seu consignatario Aotoae *
Almelda Gomes rna da Cruz n. 23, I .andar.____
Para o Rio de Janeiro.
Pretende seguir com moita brevidade o Teleiro
e bem coohecido brigue nacional Dumao, tera dea
tergos de sea carregamento engajado para ortsle-
que Iho falta e escravos a frete para os qoaes leen
excellenles cnmmdos tratase com o consignata-
rios Antonio Luiz de Olivtira Azevedo & ti, M>
seu escriptorio ra da Crnz n. 1.
s
THE
EPBEZA-COIMBRA.
Rcelta eatraterdlaarla.
O etnpfezarto quereado atteoder aes pedidas e
enoommendas de bklbetes resolve levar a scena
Qnarta-frira 19 de setembro ir 1866
o multo appiaudido drama pbantasMoo em 6 actos
O AXJO
Goroecara' as 0 eras.
Roga-ae aos Sre, que teem feito os pedidos
bilbetes qne nao dejxem para a nltlma hora
busca-Ios, porque'outros senhores julgam-se com
Igual direite de se^em aitecdidos.
Qiiata-feira a%0 de setemoro de 1866.
Babia.
Pretende sahir em poucos dias o veleiro e nena
coohecido patacho Santo Antonio, por ter a naior
parte de seu carregaroeoto tratado, e para o resto
que Ihe falta trata-se com o consignatario Joagnana
Jos Googalves Beliro, m ra do Vigario n. f,
i.' andar.______________________
Para a ilha de Fernando sabe o hiate nacio-
nal Sergipano, at o dia 20 do corrente,para carga
e passageiros trata-se oa roa da Cacimba e. 9, em
com o capitao a bordo.
Para o Aracaty.
Pretende seguir com muila brevidade o paanaae-
le nacional Dous Amigos, para o restante da carga
que ibe talla trata-se com os seos consignatario.
Antonio Luiz Manas de Azevedo & C : no sea rs-
criotorio ra da Cruz a. 1, oa com o Sr. Quina,
no trapiche de algodo.
1EIL5ES.
LEILAO
Be cerca de 400 borricas com fariila
de trigo em perfrito estad*.
HOJE
Henry Forster A C. faro leiiao por iolerveaao
do agente Pinto, de cerca de 400 barricas con ta-
rinba de trigo em perfoiio estado, as 11 horas do
dia acuna dito, em sfu armazein a' roa do Impe-
rador per baixo do Gabinete Por tugue* de Le ra-
ra, aoode se effectuara o leiiao.
IDILIO
Da parle que possue o Qoado Jos Joaqaim Iteeas
uo sobrade ue 2 andares, m chites proa*,
sito a rna do Rangel n. 62, cooj in< lamente
parte qae herdou de sen finado Qibo Jos, am-
bas na importancia de 10:456*195 rs. pe va-
lor qua no todo leve dito predio de I8.008*v
CORDEWO S1M0ES
a' reqaerineato de Angelo Henriqaes da Silva na-
ventaran!* do Inado Josa Joaqaim Nov^es a aan>-
dado-do illm. Sr. Dr. jok de orphaos, /ara liafia
das parles de predio arma descripto no valor it>
10:450*19* n, o qual tornase recommeadnaal
per ser edtaeaao a bem pouco lempo, pod*f\>
desde n' ser examinado por quam veteader, ev-
Jo leiiao tera' tocar ao da
Quaru-feira 19 de correte
as 11 horas em ponto, no armaaem da rna aa On-
deia oo Recife o. 29.

LEILAO
de
vir
De ama mebilia de u*arand4 osada (goato a|nvJU
ama dita de aaureilo. 3,borras de ferro, toa
eJaeOea baa da roonas, *anos4e awaariq, t ditos.de ne-
g*. 3 santuarios, cadeiraa vnlsaa, sofareoan>-
los, mesas, marqeexas, banca-, lavatorio*, loatt-
tes, comnodas, VMdros. erysUes, oajetnaaV
are e-prau, relogios etc., etc.
O agente Mamas fara' leiiao por coate e ardan
do Sr. Amerteo F. S, dos objectes cima cseacJav-
nados, ae correr do martello,
Quarta-feira 19 do crrante
no armazem da roa do Imperador a. 16>
\.
H


LEILAO
le li vi das na iwpertancia 4% ris
t>4:6l.*2l4.
O agente Mirlin* levara' nuvamentea leiio por
sodado do lili. Sr. Dr. juit de orphies, as divi
4as activas do casal inventaralo do fallecido Jos
Baptista da Fooseca Jnior, na importancia de rs.
64:69 l*M.
Qnarta-feira 19 do correrte.
No arnmem da ra do I aparador n. M, as 13
tmm.
Marte de l-cr.a.hnro rerfa Feto f S de etemftr e 1866.
sLEILAO
VIVA OPIOGHESSfl.
Ejercicio de 1866 a 1867.
fl*if* jwro*nd 'diara.
Art. !. O trovernu Han antanaadj para-r/ormar
tarifa das alfandegas.....
Art. i. As unidades da tarifa, sobre as qaaes
assentaro as tatas,
OfTersoe seusjt raihajn|e oBornuii i ri-anha
para casa de piruca familia : na roa de S. Pr.n i--
co n Jl.
..... i
rtcisa-se da una ama de leu--, pala m>
bem : na ra Imperial sobrado que foi do major
fltwrrrao.
O abaixo assigoapo (u acienie a* respeiu-
.?", a* decretado por iei o. |f 57 de 26 de jaobo de 1881. vel publico e com etpectalinida ao cor o do coW--
Aa publico. mercio que oesta data vendea a a Sr. Romn Car-
Chegarara a' ra !to*a o, 38, oiodoe de Pars e Natetro a sua taberna sita no Yaradouro da cia-
, all devidajMote ateridas, as medidas mtrica-, de de Olioda, U^*> e desergbaracada, dunda 14
Da ama masa re ton la de amareilo, u safa de Ja eonforrdode establecida pelo art, 2 da dita de stemoro ae 1866.
aoaarelln, llcadeiras de dito, par de bancas lea, f 157, venden se por proco consmodo; tam- _______^__ JaWo Sampnio,______
4a dito, 1 loucador, um relogio.de cimada mesa, be se veo de a bem coohecIcU obra-Noces do Pucisa-se de um menini n*ra raiceiro rom
aommoda da amallo, um caodiero a gai ^XLT^ ,P0r ,os. Ao,on, Gora's *rr-- Priea*i\bS o? beS das GarX^ a i
im^JT^ PMeacoes lia PW a tratar na mesma.
LOTERA
ama mesa depinho.
O afete Hartias fara" lelSo a reqoerjaeo.10 dos repartices publicas,.Bounda o reacripto pelo art.
caradores Iscaes da mas fallida de 4*. Cas- **jI 3 da reerlda le, a qual pelo art. 3* Impfte ~
troUedond e por mandado do Illm Sr. Or. rali ?2!.nJ"c0*0fl)
especial do eommercio dos movis cima portea-. OPMOO de molla.
ceates a meso massa. **r "gorar o- exerdcfo de !W8 a 1867; restt
HpouCM saeies. Mo s osSr*. professores de ms-
Arreada-ee o eDgenho Caramur moeote
Sr. Sr. >oli "^'ofracMOA^Bti'd^pfiiirra'umiOMiTrrr C0,reB,e> aislante d> lina urna legua e com todas
Qaarta-feira 19 do correnle.
No armatem da roa do Imperador o. 16,
ora. ___________
MU

Leilao
Be ama parte do sobrade de ora andar
esetae na rna da Glorian 7
O agente Martina faro* leilao por aotorlsacio do
procurador de Marcelino Jos L-ioes, de orna par-
te da sobrado de um andar e solio na roa da Glo-
ria o. 7
Qoarta-f^ira 10 do crrante.
truccao primaria ( pblicos e partcula res) roa o r'Ja d0 RangeL
publico em.jeralt.da.ie-se prweair a fioi da eyltar
kT e multa, pois que, existlndo as medidas
e tabellas estabelecidas segundo a mencionada le,
awooiaa, nenanma sa pode allegar.
as lavouras em estado de eolheita : trata-s oo
engenno Saato Andr coa o roadalro.__________
Preoisa.sa de um trabaIbador aipaaria da
DecI racao
Para facilitar oiograaso aos pais ou arantes dos
orphos, no collegio, aflm de nao inteanmper a
erdem estabelecida, passo a copiar ps> amaos da
regulamento em vigor.
Ootrosiro, podem ter audieoch no* dUvatels as
Predsa-se de ama atoa Hvra oo- ascrata pa-
ra o aervlco Interno de orna casa de pouea fami-
Ha e mesmo para faxer alggmas compras: no
Campo Verde ra do Socego n. '3. j
Aloga-se nma casa'na'Cap'ng ra da A*l-
aade, coa 4 qnartoj, salas, coloha fora, cacim-
ba com mnito boa agua, quintal mallo grande
os c:ooo ooo
Curre sexta feir t{
Acham-se venda na respectiva thesoo-
raria, rna do Crespn. 15, os bilbetes
meios e ouartos da 24 parto da lotera a
beneficio das familias dos voluntarios da
patria (83), sendo a extr*cc5e ne lugar e
flora do costume.
Os premios de 6:0000000 at i*0,jfO, O ie-
rao pagos urna bora depois da extraccJo ate
as 3 horas da tarde, o os ftutros depois da
distribuido das lUtas.
As encommendas sero guardadas semen-
t at a noite da vespera da extracco.
Servindo detbesoureiro,
Jos Rodrjgoes de Souza.
Ha arnwem roa do Imperador o. 16, as 11 *9llas de e">ras pessoas das 3 iioraa aitf da taede
i uo mesmo. unicamnle.
atoras.
mito
com porlao de um lado, a casa acabada ba po,u-
c> lempo : a tratar na ra da Imperitrii n. 7|r^
-~.r
oflereceo-
N
(Bm eontiun cao.)
OnarU-feira 19 de setetnbro.
O agente Piolo lara' Milo a requerimeBto do
arador fiscal da massa fallida de Pedro da Silva
fteza e por mandado do Illm. Sr. Dr. juii especial
do eommercio, de diferentes faieadas pertencen-
tm a ditt massa e exisientes oo armaiem da ra
4 Cadeia o. 51, onde se efleciuara' o lailo.
Phnclpiara' as 10 horas.
iii:iiii
M
35 calimbos de esiwma.
23 daziaade pedras de ns. 1, % 3, 4 e 5.
20 ditas de creSas.
10 camisas de lia.
4 pss-e-partoots para retratos de pbotographia.
73 (iuna- da pndenles de vidro.
4- dalias de pendentes de parolas esmaltadas.
Ataaaniu i9.do crrente as 11 horas.
No armazem a roa da Cadeia do Recit numero29.
LEIU
De movis e ouii'os artigas.
Cordele ttiaes
por eonta e risco de qoem perlencer fara' leilo
4e grande quaotidade de movis, oovos e asados,
de um menioo de 12 a 11 anus qoe seja u
Ll!^rtXT*?J^f0:goetoabri'8,,elfo P*r om estabelecimento :
* da hora do reJailof io, tratar oau 4o Naoueira n. 49.
Art 58. Nenhum orpbao pjpder reeeiW Wtas
lano em das fvriados.saoloi oo domiocos e depoii
da mlssa, precedendo seoipre 11 cenca dooVector,
a quem n visitante ser primeramente apreseota-
do. As visitas sero-aacetiidM em um saio para
este Om destinado
que quierem, na
em que devero r
*rt 59. Ningrit-B oidora viaor oo> rjW
senio nma \vz ponooc, eatvo em otraaoMlaoorn
extraordinarias, a jome 4o otcaUOC
Art. 6d. Nenhum orpbao fallar*e safreoe, oeo
estar' s com pessoa algom> da-Wra, own mesmo
do collegio nos dormitorios, aula, quartos ou qual-
quer outro logar, estando aempre oo salo de
recepelo algutn eaprtgaoo pelo rertor para
assstir as visitas.
Art. 61. Sem o ooosentimento do director olo se
podero entregar cartas e dar reeardos que os
; orptiaoa dirigireoj a* pessoas de tora do collegio ou
Jelles aquellas.
CoUa,iodosrpbo8 17 de seterabro da 186.
Fre Bepltsla do Esptnto-Santo,
director.
bem.
Convite benaficencia publica.
SUBSCRIPCAO
em favor das duas irmias solteim do finado Ao-
reluno de Sooza Res, condoclor do trem de pas-
sageiro, mono desastrosamente oo dasempeobo
e seo servicp, no encontr do trem de lastro cum
o de passagelros aa curva da estrada da fer-
ro perto da esl^aoda liba, no dia 28 de agosto
Bfoxim pastado a-'s 4-boios da larde.
' loado Aurejiaao d0 Soaxa.ReU era oprincl-
A7I (te leile ; ** "**> le suu irmaa* ; a oa falta repentina
roejsa-se : na roa da Pr.l. de S. Rila n. f. 'Xnf^^JJZ nT'Jt e0^h' f0-
segoodt andar, juntoaodeposito decarvo, pagwe JS "ffi 1. .t.li.t deDvid" P"'0*
i.u-i ijuroies. toae o coarMCidos e rmgos a concor-
}Tr omi tea donativo para a formacao de ama
suuscnpjio; cuja importancia ser ompregada sa
compra de orna casa para a habilacao das irmas
e da familia d>< flnado amigo Aur.-narm.
O livro da obscripcao aoha-se abarlo na loia
flo Sr. JoJo Falque' raa do Crespa n. 4, encarrega
de de r sobscrever.
Para facilitar aos senhores de eogenbo e mais
pess >as de fra o meio de concorrer para esla obra
ciitiruori. podero mandar suas uffertas em earta
fechada eom sobrecript* ao Sr. Joao Falque por
seos portadores particulares, ou pelo agente do
corruo qoe poder ser procurado em todas as es-
laco-.s da lioha frrea.
O (Kirie das cartas aera pago aqu pelo Sr. Fal-
ue^ logo que o agente doco correio Ib'aa entregar,
|P^ CORADO HE OUIIO.
O respeitavel publico avallando o desejo.que deve ler a npeiwlpiirin h. m___ ^. ,
U. qoe.aoer progrese; era seu negocio deve chear IromaSailnSo^raei rt vJ'sUelec'meD-
anel, com perfei.os brilhan.es, esmeraldas, rabias e pero XS^^^T^ZirS^S
r. lW d- ,0* b<*"?<*'e "ro e coral para memo, pelo Pre" W^SeV de
ornl I "J"""1" madre*arola obra de rnodernorosto te.We aocoaira idlLtir T.' rom^a{e "" ricamente eofeltaa pelo pequeo "eco de 121 Tn
Klie?uKfflTKjff T n,0dC0 t>nv>.****"*.*ua% poltra,, olio*JS.
aSmm n. ru ? e,.08.ladod al,0.os,0>aneis Propnospa/a ontar cabello a tjrraa,, fttt pon caaa-
So^' Z,11' rmi lem Go?'iao dt 0uro Dm completo e bem variado snrii, nlc d? dive^t,
toi S'eS SL^I" unhfcS C? damaQle'rubiqs e e9'**. ^ esta importan.*' ja?
I0r la OOr COStO d* denenhn hrinxnc > fn.m a. j.ii..-j- ^..^lt_ v
meralda,. roWoa, brimaotei, perolas,'i^ i^^^^^^^^rSSZ m^HSL
taivez alguem fa^a ruao )uno da Ua.por ser ISo
Na mesma | ija cempra-se, trocare mirn.
Precisa-se
partu-
a
balnadoreo de padaria qoe
leoOmao icottoOofo e bolacbo : 00- ra larga
o fioaouflj.rt.________________________
fjaea aoomciou precisar Oe-SOOfO-O a jo-
Tos de T por ceoto ao mez: querendo dirija-i a
roa da Paz o. 36 que achara' coro qn-?m tratar.
Precia-s le uma-ania leite, paga-se Ifcm,
na roa Imperial, sobrado que foi do major Gas-
mee._________________**"
Cozlnhelr
Pnca>8 de um bom cozinheiro ; a tratar na
ra Nova n. 28.
.. ~_ r t~" i "" '""sen* cun moa a raaoi i
T^^,^**.0."*? J? P^ MfW?S "manelradefa^oize^d^o,-,^
diminuta quanria a vista do seo;valor.
los, por menos do que em Tira Mwjw ^w, e dSo^m a'Immk^-lJ.^I* ""''
o Coraco da Owo aberto at as 8 eras da noie. em peDhW' <>s~ao-se
Una
No armazem
loa^a, vidros e ootros moitos artigos de gosto.
Quarta-feira 19 do correle as 11 horas
Ho armazem a rna da Cadeia do Recife numero 29
EkuTao
fe SO coila* 4e cnarntos da Bakia e
10 nnus de coaro preto de bezerro
Conleiro Simo s
por conta e risco de quem pertencer fara' leilao de
10 dorias de couro preto de bezerro proprio para
oapateire e 80 caitas de charutos da Babia.
Quarta-faira 19 do correte as M hora?.
Noirmazeroa rea da Cadala do Recife n. 2.
Nosiabaiso assignadna necocianresdesla pra-
5^ aUestames, que o Sr. Jos Alexaodre Perelra
negeciante do Aracaty, pessoa que nos merece
Iodo o conceito e eslma, que Ihe temo* vendido
, nossas mrcadorias a crdito, tantas guantas elle
I tero querido comprar, e para nd< elle, uro com-
! merciante de credilo e de illibada repolaco com-
mercial.
Recife, 17 de setembro de 1866.
Parale Vianoa & C.
Vianna J Guimar3es.
Luiz Antonio S^queira.
Mella Lnbo iS C.
Fraga & Roa.
Antonio Alberto de Souza
Vaz & Leal.
M. Arthtir C. Azevedo.
Artooln V. da Silva Barroca.
\illar & C.
Pur procuragao E, A. Borle& C.
H. arique Burle.
Adriano Castro & C.
Por proenracio O. 1. Wlld.
Cslhrd.
Chrisliaoi 4 Irroao.
AdIooo de Muir Rohm.
Preelsa-se de ara caixeiro nacional para ama
kJa de calcado, e que terina ortica do mesmo oe-
gocio : a tratar oa pateo da Aibeira de S. Jos
o. 25.
Aguiar.

9
avisos mims
lostUato Areteoiogte* e (ieosi-rphico
pernamtiniitno.
II ivira sessao ordioaria qjmti leira 20 do cor-
rete, pelas 11 horas da mauhaa.
ORDEM D J Da.
Parecres e relatnos de commissoas.
Vatacaes adiadas.
Secretaria do lost
Aluga-seo pnmeiro aodar de st>rado da
roa do Qneimad> o. 26, o pretendeate dirija-ee a
loja do mesme, nicamente para escnptorio.
Precisa-se ottagar em algom dos 3 bairros
urna casa bem arejada para am* familia, se fOr
terrea,ou um aodar a sotao,,coni qaintl melhor
ser as segofmes ras : Imperador,, Qaeimado.
Crozas. Nova, Hospicia; Pires, pr*ea da Boa-Vina,
Apello Crw : a tratar o* roa4aChHeia n. 27.
Joaquim Jos Gontfalves
Beltrao
ral iz arma em de fazendas 11. 28.
de razeadas ra da Imperalriz n. 28, ven le se rico.s e elegantes
BX^USS^dS* prep,arados',de bom machinjamx. a dar urna luz fa. OS e
uuid cbtova iranceza, um litada abat-jourt para oceult r a laz da vi$ta e 4 s navino Hirin
comprehendendo urna s Deca a (W 7.4 a a c a.J "1.a 1 'MVI*r*1(1?
dista li e i4a.
Alugam-se as caaas ns. I!, 158 e 158 a ra
Imperi.J que foram occapadae coro, fabrica de
fuodicao : a tratar com J. J. de M. llego roa. do
Trapiche n. 34. __^_^__
Casa para alagar.
Manofl Laia Vlre*, sloga e sepondo aodar'da
cas que foi do fallecido dexamoargador Rocha
Bastes: na ra da Aurorara._________^^^
Alagarse a loja daroa-da- Seozala |iaao>| o]
15 : a tratar nesta tvppgrapbia.
Precisa-se alugar ama escrava.ooe saiba eo-
goromar e cozinhar, (sem vicios): na roa das Cru-
zes o. 36 1* aodar, (paga-se bom ordenado.)
Os abano asslgoadas'vjova
e fllho do floado

Secretario perpetua.
j do Recife, o
ste Dtarto, se tem publicado cootra o Sr. Antonio
Francisco dos Santos, com o Om insidioso de pre
venir o juizo; em como sou albeia a urna questao
que injustamente contra mira su-citou meu genro
o Sr. Manuel Pedro Tavares de N Tooha, queren-
do fizer crer, que me nao defeooeria a nao
ser por suggesioes do referido Sr. Saatos,
v.-'fihu, pois, declarar qoe felizmente
oe miobas perfeitas faculdades, nao preciso
nern de curador, e oem dos Oogidos cnidados du
Sr. curio$o, ao qual o compele saber fCflN paga-
r as cufias, lee* deeahir dos embargos npposlos a
um sequt'tro requerido porque pagas ellas, se
as.sini for coudemoada pelo tribunal quaolo
feaott.
el/ina Mana de Stuza Res e Silva.
Precisa se de urna ama para lavar t engom-
mar : aa roa do Sebo o. 35.
pnliln
re.-tos mortaes do mesmo floado pre-
Nio osveodo eu continuar a eoo ieociosa acerca de om annnnnio aoonymo, que, por l*?w est* nidade, e ani mandarem celebrar um
officio solemne oo da 20 do rorrele, as 9 horas
aa manhaa, lerceiro aoniv^r.-ari) de soa morte e
depois condui-los ao cemiterio. pelo que os mea-
mos abaixo assigoados coovidara as pescas de sua
^i'Z, para assiere offlcio e aeompaohar
oe-reetotnortaes ateo seu encerrameoto.
K cooBaodo que as pe>s"ia de sua amizade nao
gozaodo *?,?Tao e comiiarece-r a este piedose acia de
ren^iSoe caridade com o qm romto honraro aos
aDaixo assigndo, desde j se Ihes confeseam' eler-
namanie agradecidos
Antonia Hara de Boto Baslosi
JoA Antonio de fl j| B-sio.
Dase 1 OOOJ a juro* sobre hypotneea em
predios qoe se aehe em bo*n estalo : qnem qoi-
zer dirjase a roa da Paz o. 6, qoe achara' com
Julia Figaelra, da oacao da costa : val a Ba-
faa
Dechrac&o
Para evitar davidas e talaras qaestes se decla-
ra em lempo, que. a parte da obrado di om aodar
e sotao di ra da Gl >na.u. 7 aaauociada em lei-
lao p-lo ageota ariios para quarta-feira 19 do
-carrate, smente a duodcima parle do mesmo
sobrado pertencenle a Marcelino Jos Lody.
Precisa-se no eogenho Pares de am homem oa-
csoaal u estraogero, qoe tenha pratlca de borte-
ieiro : quem quizar eootratar-ae dirjase a raa Di-
reita o. 4, qoe acbar com quem tratar.
Est fgida.
A preta oriooJa da rime B oedicta Sa 35 anuos
de ida-le poueo mais ot meos, tem os signaos se
guintes: estatura balsa, ps apalhetados, lem ama
marea aotiga de ferida em am braco, levoo vesti-
do de chita cor de Roa eom am babado largo e
oaroecido de tranca reta e panno da costa usa
ai: esta preta costaran mudar o oome e diz-se
Ijrra, cjohece todos os arrabai.les da cidade por
* ? **a "* ***** 0"em a pagar leve-a o seo
or Jos Jarongmo da Silva oa roa dlrelu ns.
.3* e 8i, que ser recomnoosodo.
Quem preeiur de nma ama para caso le poo-
-ca familia; dirija-ae a roa da Alagria o. 3.
O Sr. tenante cjronel Luiz Franciso de Bar-
toi Bogo, do eogenho Calara-, qaeira ter a booda
o> de apparocar oo eaenotpno la empreza do as-
oeiada eldade, de seWdosqa M\tT.
Precisa-se de am pequeo de 10 a 12 annos
para cahieiro4e tnbwaa na travessa do Qaeimado
Aluga-se
O andar (arreo do sobrado o. 26 a ra doHospi-
Ha eom acomroodaedes p ira familia pooeo oome-
*oaa : a tratar av meomo sobrada.
Oif-reee-se ansa ama para o servigo iotero
d'ama casa da homem sottotro: goaa precisar di-
*i|a-*e a rna do Pago 't-
i'f>MWltMlr4e para Porta-
tal levaorto eaii soa'cnmaaaoM aun trraaar Mara
Emilia de Jess P.oto e en sobrioho Fraocisoo.
owOaaasi
Grande va-
riedade de bin
quedos para
Sorlimeuto
eseolhido de cal
cado fraocez. ^3
Lbegaram novas bmoas para horaens, senhoras
e menina*, luvas de peli<-.ade J min brancas, pTe-
ias edeouirasfliflerenUseOre.s, hrmrra da ooro
bom de le com .-afeites de crysui, ultima moda
de Paris, extractos, banhas, bengalas,,chicotes, es-
pelhos, quadros molduras, esterioscopu com g'rao
de surtimeoto das mais pittoseseas vista?, realejo
accordieos, lindas tmaecao, camohos, cabriolis
para coodunr criaocas, cavaJIinn.s de andar par
molas para meninos mootar e outros roaitos ob-
jectos fracceres que ostSd expistos a vista des com-
pradora i; na luja do ni ra Nora o. 7.
Perder-se tirrn borhta de canto que
serve em panno fanerario de primeira or-
dem : quem a acoou querendo restituir
(porque nao serve pira -mira coasa) diri-
ja-seao patea do Paraiz>n. 10, que ser
gratificado.
Aula de msica
Lydio Purpurarlo Saotiai{< de Oliveira, profea-
sor de msica faz publico que continua a lecclo-
nar em sua casa : oa ra da Gloria o. 46.
Beroardioo da Si I va Maia, declara que para
livrar equivocas assinar..e.(ia de hoja em diante
Beroardioode Azevedo Pereira Maia.
Precsa-se alogar urna boa c inrmira,
feriodo-se escrava : a Toa da Aurora o. 70.
pre"
XAROPE
D'HYPOPHOSPHITO DE CU
da GRIMALT o f>
rMf*&C0tl9C6t a$ S. A. i. # rfMC4p4 n0ptit$
Club Perflmbumno.
A partida d car/^m mw ter logar na
noite do dia 20.
Furto de cavall<>s.
(4 HUA DO VIGiRIO W. 171 AMA*)
Sacca por lodos os paouetes. sobre o Banco
4o Minti em Braga, a sable es seguiptes luga-
res, em Portugal.
A saber:
Lisboa.
Pono.
Valeoeai
Guim*r&e.
Coimbra.
Ohw.
Viseo.
Vrvia do Cooe.
Arcos de Val de Ver.
Vis mu Oi> CssteHo.
Poote do Lima.
Villa Real. .
VMIa-Nova de FanieHeio.
La mego.
Lagos.
Covilha.
n*n** DeP*,l.0S e cri|doridos para rima de mesa (lamparina) U candieiros d *k
ISSJSmTn* leg0C 1sahs m' ,a,nPedas P- roj7ov^ capeS iS
T&m^nX?lJ7*n* e Pfios' '^am^chfpis de lar 2
ra e ao LhH para hornera e se informan! pelo sys ema moderno.
E2Pf, ir* avaris quasi ,im'lOS 7*- e de forro Umpos a UL
dem largos e finos a 300 rs. a vara.
qoidac5uterCa1ef 8naS ^ U*tn* g0St0 moen>0 covodo 44 rs- e ma8 fdos em li
Empreza de fllutmna$to a
Por ordem dos eroprezarioe se Rre,voa a.lodos o
devedores, quer por apparelhos, quer pur coosumo,
quethajam de aaldar eos dbitos at 30 de salem
bro prozimo, na certeza de que, os qoe o nao ftze-
rem, terode ver,as suascoous eotregoes ao pro-
curador, e posto em ezecuco o aru 8 do regula-
mento.
Sclentiflca ainda a mesma empreza aos Srs. con-
sumidores, que os registros s podem ser abertos
na fabrica do gaz, nade ba sempre pe lo a eumina-los com a mxima promplido, e que,
se algom for eocontrado, que, n'outtas coodiooeso
haja sido, Mea por isso sujeilo ao artigo cima -cita
do ; oolro sim, por pessoa de conflanea devai-ser
comprado o material, am de qoe, os precos nao
: sejam sobrecarreeados, acerca do que tem esta em-
preza recebido reciamacoes.
Na madrugada de domingo 19 do curente mez
lirtaram se dous cavnos de estribarla do sobra-
do o. 2 defronte da estam-u : am rolado, alto, os-
audo, bom passeiro e equipad'r. coro moitos fer-
rosaoa quartos. O oolro tosso com clioas, cau-
da e ps escuros, ferrados as maos, com a letra
L m coia esquerda, trota e gailopea bem. Am-
bos asdim bem em cabriolel: quem os pegar os
traga-ao sebredho sabrado qaa ser geoerosaman-1
te recompensado,
Pineciaa se alugar am -escra-vo, preto ou para '
do, pira o aervir; de casa de poaca> familia, paga '
se bem, sendo que tenha bom compjrlamento ; n- '"urtaram do enjenhn Cajabuss na noite do da
travessa da Madre de Deus n. 16. 10 'lo torrente dous cavallos : sendo ura casta-
Ai----------------j-------------...-------,---------nho afnarello, grande, castrado e andador haixo, e
Chapeos de manilha branca 100\T0 ru,,"d, meDor-in,eiroe t cangaiha,am-
bos descarnados, p, rleoceotes ao abaixo assicna-
Nesepode aispossuirum
cavallo
AWM.UEM HE IIZE\1H
nmm
DE
OLYMPIO GONQflLVES ROSA
Eua do Livramento n. 14.
O proprielario desle eslabelecimeolo faz arieole ao respeitavel auMio* e aos u amigos
Iregnezes, qnoiem augmentado a sua oOein de alfaiaie, e dwigida por um hbil roestre ge encar-
raga de fazer oom promptido qualquer encommeoda, das pessoas qoe qoizi-rem h nrar *eo' esiabele-
ciu.eiito por precot< mais baratos.
Assim como lem uro complelo soriimenlo de fazeodas finas fas -joaes nao s#nd,-oiuma pro-
corar as lajas do Livramento) espera que seus amigas e fregueae, o honrem com ano* presentas,
pois vende uiais *arato'qae otro qualquer.
Ao publico.
Domingos Martins de Barros Monteiro, despedio
seo caixeiro Vrctorino Lopes da Costa desde odia
18 do correnle, por immoral e estellionatario, como
prova oom.muitas pessoas desia praca com quera
tero transtcc5e* commerclaes, e com os apona-
meatos te sua escripia.
A pessoa que precisar de quem so encarre-
goe da criaco o> alga n rneaioo impedido oo de-
sempedido dirija-se a ra Bella n. 8, escola de me-
ninas.
m
JT:
Blfl
Advocaeia
O baeharel AyresGama inudo4i o sen
escriplorio de advogado para a ra larga
do Rosario o. 26.
s
Cocfeitaria dos auauazes
ha presuotos superiore", dit. em tanW>re.
aoI:;.S^^mt^rmaudade de N>^sa Senho-
ra do Rosiirio do Corp*
Santo.
a m, w. m Na i>raca da Independencia o. M e -46.
Alugam-se as casas ns. 154, 156 e!53 a' rna
Imperial, -com capacidade para um grande estabe-
lecimento de industria : a tratar com J. S. de:M.
Rosa a' raa do Trapih6e o. 3i.
Antonio Ferreira Pi
ye oesta pr-.<;a Bem for.i della.porm se alguem se
julgar seu iiedjir f.ir o favur de aprpsentar seos
litlos de d-huos na ra do Raugel n. I, segundo
aodar, ou ni praga da Independencia u 33 que
puntualmente serao pagos ist no espaco de 8 das
a contar de-la dala Recife 13 de setembro fle
18G6.
do, que dar' 100* a qnem Ihe der noticia certa
dis mesraos, e 2003 a qnem Ihe descobrlr o la-
drao, prometiendo guardar segredo, sendo cario
que lomou o ladro a direcc.io do Recife.
Precisase, de dous amassadores : na roalir-
ga do Rosario n. 46.
Na ra larga do Rosario padaria n. 46, ven-
Oe-se um boa eyliodro inglez mulio bom por ba-
rato preco.
Precisa-se alugar ora moleqmTde 10 a 12
nonos : oem o nver dinja-se a ra streita do Ro-
sario n. 21, segundo andar.
Alaga se a casa u. 8i la ra da >erualla Velba
para a qu4l ji lem a irmandad%i algumas prop9S-
tas, ns preleodeotea aproaraM ao nos-o irmSojuix
na ra da Cruz n. .8 .indar: hlu uo prao de O
das.
Trocam-se
Notas das caixas llliaes flo banco do Brasil
prac> da Independen-ia n. 32.
oa
X
1
V
D bosoie m m. om
<*s


De todos os remedios
s que se tem descoberto para a cura da tis:ca nos seus primeiros grao-, e at em muitos casos de antigs molestias Dulmonarus rmnhnm tpm ooVhm
2 fil S! rwfllMijostaqU o So bem merecida popu.andade como o Xarope do BoSque do r. Moits. Um Matoho corneo rdi^ffiTe^^
rafa, podem sempre ver-se no n. 40, ruaide Hospicio.
mente, pelos resultados obt.ds, ser este o melhor remedio qaele"tm"de8i^ -- <= m proprie tartos crm conscie.iciosa-
a ->. !S.*a !? M P88?8 (wJaefie lem feil uso com perseveranfa, tem sentido a sua influencia salutfera, e, continuando a emprega-lo, tem obtio urna cora radical
A razio obvia, visto qoe o Xarope do Bosque composto, segundo os principios da s pbilosopliia medica, visto que elle tem supporl4.io7expoVeo.T^
MM natu'rclE PrevenWos co^lra uso *<** ^nde remedio tem perdido os seus preconceitos ao presenciaren! os sel triumphamea 3iSoJ elje ?Si o Z-
Cai l?Tm ,emp0 ?8 ParIesirrta(las> sirando.as lacerares; regula o ventre som carear de auxilio de piiri^otos. e faz 'mnfni-fnr ~^'- n"" wTwmT
stem^como acontece com iodos os mediciment .s, por nao comer mercurio, opio, nem droga alguma nociva; em uma pal.m> pode ser mphnti. ament de-
Desde muitos seclas oa mcheos o os ehimicoa
tinbao procurado um medicamento qoe pdense
corar as molestias de peito; todas as peauizas
feitas atb boje nlo tinhio tkio nenhum resol lado.
Prem os trabarnos cree torio communicade*
ltimamente Academia de Medicina de Paris, e
as mais seras nstiantias feitas no hospital
Brompton de Londres, qoe frespecialmente reser-
vado pora o traumento da tsica, provario ooe
esaa terrivel molestia, qnando alia oto estiva
aaarfa no seo olmo fro, tinha no Xaropa d?r7s/-
t*Z*'M*J* C'. "n oapocioo poderoso. As
oaes; deflnxo, caUrrfaos, bronchitis, grippa e
ooqnelueli, ondom tambero rpidamente oo usoJ
daste Xarope, a os aatbmatieos acooo n'elle om.
iMim.i/ ? repetidos pedidos, os pT.oprieuirjos.doafamadi.iOirope do.d3squ resolverio=vendoromesmo tambam em rae* garra/as, e porq,:e muUas Dessoas (Dra-
palmente as que residan no canapo) desdjo ooobdoor os .prodiitioootief ,itos qu^pioiasmo doerrte antes de comprarero tima ^arrafi inteira, e m cisos de lfcSrTconSaVoes
; cuidadosamente, ,)f efe qoe om muilos/dsteo caso om.sepre se gasta aBia,garaf4. rm
Garrafa intoira-6|500 MeiagarxaaSSlOOO '
Os abaixo assigfwdrjs soccessores de R. C Yates* C. ex-proprietar'ios,do Xarope do Boaqu.0, avigo ao oublico, ano,, do de iulho de ISfiO em dinnto. mnrinm
os talwry o ^tnos to garrafas e meias garrafa, por causa, da grande falsiacacoquValgumasUoas sem d$^
^ ire,Aqae eS C0l ado M* garralSs S 'Mlrf com ,etras e emb,ema da mesma cor, e do onioitorio amareilo com letras de 4r t msa- k oiiksMriatatierjiV
tre.ro que est c liado, roxo, com letra e emblema da mesma cor>, e ,o do evoUorio. wde .cem letras e emblema da ro Tod i31 s letreiros s3o assignados pelo proprio ponlio de H, Priits di C "".'-""T-
-pl*3lsr*,"S-S^J^^^ ^ W. As garrafas e meias garrafas s5o de vidro de cor werdeada.
VENDERSE ant DEPOSITO GERAi; tWk DO HOSPICIO N- 4
Peroeo-so oa ouorsjado 4a 16 Oo corradla1
nu luueu in iro com orillo de clioa prata oa'
g^rta do cortejlo 0* S renle da Paula too do
H..>p.r!o^jnom qniter ootrofr ser recompeaaa-
4o jnoarta Jroaman roo lialaperatriz ..
Kiinnjna---------------------
mosmo tempe dao dalidaoas pnotUkos ooitanoos
aosneeo da alfaca e dolooro c^Ci^iZ
de doaa sobsuodas os oWWl! rnTo
, as m uaoOnoarvns i^
JU. .PrinsiC*.
Deposito as pliarmacia de P. Maure
C. e A. Caors. em Peroambaco.
Montitho, Jos Ventora Garaicoecha, ra 4k> Safnndl e. MS.
BtienoS'Ayros, Torree & Birlon, ra da Defensa ns. 65, 67 o SD.
Balita, Li tea Jrmosi C
Pernambuco, ioio daiC. Bravo & C, ra da Medre de Deus. n lJ,
MarairtSo, Prtiiesfer IPereira da Silva Novoee.
Rio-Grarri&do SttK Aintonio Tehteira PUltoreo.
Porto-Alegre, Francisco Jos Bollo.
Pelotas, Antero Leivas.
JguaTSo. Wanoot AJttonio Goncalves Ramos.
Santa Cattfarrna, Estaoislo AwHmis ga-OatoeiCio
laguna, Americo AthVnio daKoota,
Santos, Joao Joaquifa da Silo.
8 furto, Hemique Fox.
ItUherohy, Jo5o Antonio Tomo, rm {-Arte**
Porto das Caixas, Gouto SomoA .Filt.
Campos, Jos Vaz Correa Gohatbra.
t.U


m*v
Diarto4c rmaKftaeo *
PASTILHAS
VERMFUGAS
DE KEMP,
NOVA YORK.
DE COR CI1EIRO E SAROR AGRADAVEIS
Inlioitamente mais efficazes do que todos
os mais remedios perigosos enauseabundos
que existem para a expulso daslombrigas.
Nocausam dores e produzem sea effeito
sera precisar logo depois de purgante ne-
nhura e taoincUaotes em apparencia e deli-
ciosas em gosto, que ascriancas estio
promptasa tomar mais do que marca a re-
ceita.
Uteis como um excellente meio de fazer
remover as obstrucces do ventre, mesmo
no caso de nao existirem verme algum, as
PASTILHASVERMIFUGAS DE KEMPS S30 prOfflp-
tas einfalliveis na sua operacao e por todos
os respeitos dignas deconanca e approva-
c3o de todos os paes de familias. Prepa-
radas nicamente por Lanman 4 d,
Nova York.
Deposito geral em Pernambuco ra da
Crnx n.22 em casa de Caros
SEGUROS
MARTIMOS
CONTRA FOGO.
A companbia Iodemnisadora, estableci-
da nesta praca, toma seguros martimos so-
bre navios e seus carregamentos, e contra
fogo em edificios, mercaderas e mobilias:
ua ra do Vigario n. 4, pavimento terreo.
Aviso importante
Deseja-se saber se existe nesta provincia o Sr.
Valerio Jos de Azevedo natural da Una de S. Jor-
ge, a negocio de maito interesse de sua familia :
a (aliar na roa Nova o. 6 ora Joaqaim Jos de
Brit oa annuncie aonde deve ser procurado. _
FACSMILE D'ETIQUETTA cor "derosa.
100 carlile's
PAISLEY
Os Srs. James Carlile. Sons & C, Bankend Mills,
Paisley, Scoilaod, teem a honra de chamar a alteo-
cao dos consumidores de linba em noveilos, que el-
les obliveram medalhas de premio das ezposicSes
de Pars e Londres, por sua* excedentes Imbas pa-
ra coser, e qua, todos os nvelos feitus por elles,
para este mercado, tem no fien de cada mago, urna
eliquetta branca, na qual acba-se gravado o nome
da firma em cheio, orna vista da sua fabrica, assim
como desenhos das cima mencionadas medalha?,
e que cada nove I lo tem tfma eliquetta cor de rosa
com o numero, e as palavras Carlile's, Paisley, e
tambera, que qualqoer linha de Tambour, manda
da a este mercado, irazendo oulraqualquer etiqnet
U do que aciraa mencionada, nao de sua propria
fabrica.
Southall, Mello- & C.unicosagentes em Pernam-
buco
Melior, Southali & C. nico agente na Babia.
Samuel Power Jolmsti.ii & Companfia
Ruada Senzala Nova n. 42.
AGENCIA DA
Fundido de Low Moer.
Machinas a vapor de 4 e 6 cavailos.
Moendas e meias moendas para engeDbo.
Taixas de ferro coado e batido para enge-
nbo,
Arreios d; carro para um e dous cavailos.
Relogios de onro patente inglez.
Arados americanos.
Machinas para descarocar algodo.
Motores para ditos.
Machinas de costura.
As Pilulas Catharticas
X>E AYER.
O purgante mait efeea* at haj conhecido.
Estas plalas sao paramente reg-
itaet, Dio tendo na ana compo-
sljio era mercurio nem outro
ingrediente mineral; sao Inno-
centes para as crlanca e pessoas
mala deHcadaa, ao mesmo tempo
qae, eompostas come sao de reg-
taea mal fortes, sao bastante aeti-
Tas e eticares para ai pesaoas mais
robus tas.
Estaa pilulas catharticas purgio e purlflco todo srstema
humano sem mercurio.
Nao se tem pausado trabalhe nem despeza para levar estaa
pUulas a ura gre de perfeccao tal, que nada deixa a desejar;
sao o resultado de annos de estudos laboriosos e constantes.
Para aicanear todas as Tantagena que resultia de uso de cathar-
tlcos, tem-se combinado sanente aa virtud* curativas das
plantas que sao empregadas na eonfecco das punas. 8ua
composlcao tal qu as enfermidades que estio ao alcance
de sua aeco, raras rezes podem resist las on erad! las.
Suas propriedades penetrantes ezplorao penetrao, purlflco e
do vigor todas as partes de organismo humano; pois corrige ni
a sua aeco viciada e fax recuperar a aua vitalidad?. Urna das
consequencias dstas propriedadea que o doente, abatido de
dSr e debilidade pliyslca, admirase da encontrar, to depressa,
na saude e energa recuperadas por meio d' ora remedio tio
.simples e agradavel.
As molestias qae esto ao seo alcance sao.
Prizao dt vtntrt RJteumatiimo, Dr da cateca, A Neuralgia,
Enxaqutca, liuHgeito e mal de etomag, Hemorrkoida,
PADECMENTOS SO FIGADO,
Fcbrt gattrn-kepatica, QattrUe, qfteetu BUioias Lombrigai,
Erysipela, Hytrepsia, turdtz, erguir parcial, t Pmralytia.
No aliaanak e Manual de Saude do Dr. Ayer, qae se publica
todos os annos para distribuleao gratuita, encontra-ae um tra-
tada sobre as diversas doenc.is que estao ao alcance de
REMEDIOS PURGANTES.
Acha-se em todas as Boticos e Drogaras do Imperio.
O Peitoral de Cereja
DE AYER,
PABA A PhOMPTA CURA DA
Angina, de ConatipacSes, Tocaos, BouquicUo Infla.
ansa, Bronohits), Tiaioa primaria, Tubrculo
pulmonares, e todas as molestias do
Peito, assim como para aliviar
os tnicos declarado.
As preparacees do Dr. Ater sao vendidas as principa*
drogaras e boticas do Imperio.
Vende-se em Pernambnco:
a
5^
PHARMACIE FRANQAISE
deRMAURER&C'I
RA NOVA Nr
CONSULTORIO MEDICO-CIRIRGiCO
EK)
DR PEDRO DE AXTAHYDE LOBO HOSCOSO.
KIt, FARTEIR9 B OPHAiMR.
3 Ra 4a Gloria, casa do. Fundao 3
0 Dr. Lobo Mosoooo d consultas gratuitas aos pobres iodos os dias das 7 as 1-
oows da manho, ed*s <6 e uieia s 8 boras da noite, excepcao dos dias santificados.
fhartnaiia especial homeopathica.
No mesmo consultorio ba sempre o nuis appropriado sortimento de cwtoirai
Mbos avulsos, assiai -como tinturas de varias dymnamisacoes e pelos precos seguintea;
Carteiras de 12 tubos grandes. 12*5000
de 24 tubos grandes. ,80000
de 36 tubos grandes. 24*5000
de 48 tudos grandes. 30(9000
> de 60 tubos grandes. 350000
Prepara-se qtnlquer carteira conforme o pedido que se flzer, e com os remedie,
rae se pedir.
Um tubo avulso ou frasco de tintura de rap'a onca 10000.
Sendo para cima de 12 custarao os precos establecidos para ai carteiras.
Ha tubos mais pequeos cada um a 500 ris.
IIVROS.
A melbor obra da homeopathia, e Manual de Medicina Homeopathico do Dr. JarS
dous grandes voluntes com diccionario............ 200001)
Medicina domestica do Dr. Hering......... 100000
Repertorio do Dr. Mello Moraes............ 60000
Diccionario de termos de medicina.......... 30000
Os remedios deste estabelecimento sio por demais conhecidos e dispensam por
tanto de serena novamente recommendados as pessoas que quizerem usar de remedios
verdadeires, enrgicos e duradores: ba tudo do melhor que se pode desejar, globos dt
rerdadeiro assucar de leite, notaveis pela sua boa conservaclo, tintura dos mais acredi-
tados estabelecimentos europeos, a mais exacta e acurada preparado, e portanto a maiet
energa e certeza em seus effeitos.
Casa de saude para escravos.
Recebe-se escravos para tratar de qualquer enfermidade ou fazer-se-lhe qualqua
operacao, pira o que o annunciante julga-se suficientemente habilitado.
O iratamento o melbor possivel, tanto na parte alimentar, como na medica,
tanecionando a casa ha mais de quatro annos, ba muias pessoas de cujo conceito se nai
pode duvidar, qae podem ser consultados por aquelles qae desejarem mandar sen
doentes.
Paga-se 20 por dia durante 60 dias e d'ahi em diante 10500.
As operacoes serio previamente ajustadas, se nio se quizerem sujeitar aos precw
razoaveis que costuma pedir o annunciante.
BOTICA E CONSULTORIO HOMEOPATHICO
DR. SABINO 0. L. PINHO.
Ra Nova n. 43 (loja de marmore.;
A experiencia tero demoostrado com a maior evidencia que os medlcameotos bomeopaihlcos
preparados por meio do agitador dynamico sao os qae desenvolvem acjo mais prompu, mais segura
e mais efflcaz.
E' sem dovida pelo conhecimeolo deles resultados qae constantemente recebe esta botica en-
commendas do Rio Grande do Sul, do Rio de Janeiro e da Baha, aperar de havtr nessas provincias
mui bem sortidas e acreditadas boticas,d'onde se poderiam talve obler remedios mais baratos, alien-
dendo as despeas de porte.
A segundado da acc.3o dos medicamentos assim preparados se manifesta ate mesmo quanao os
glbulos se acbam redazidos a massa.
Boticas de 24 tubos.....183 a
20*

de 36 tubos.....25* a 30*
de 48 tobos.....35* a 40*
45* a 50*
> de 60 tubos. .
Calzas de medicamentos eii glbulos e tintaras.
De 24 tinturas e 48 tobos. 60* a 70*
.36 e 60 tobos. 75* a 8J*
,48 > e 88 tubos. 95* a 100*
P60 > el 10 tubos. 115* a 120*
Vende-se igualmente o THESOURO HOMEOPATHICO, obraessencialmente popular pela clareza
com qae ensina a conhecer as molestias e a empregr los remedios (2* edicao) 20*000.
O Dr. Sabino O. L. P. d consultas todos ns dias otis desde 11 boras da machia at 2 da Urde.
Das 2 horas em diante visita os enfermos em seos domicilios.
Em casos orgenles e repentinos as consultas e visitas serao feitas a qoalqoer bora.
As consaltas por escripto sero respondidas com a malor brevldade, precedendo sempre o tem
po necessario para maduro eiame e reflexo.
FABRICA NACI *Al4 A VAPOR
99 RA DO MONDEGO 99
Deposito principal oa ra Nova o. 50 loja de relojoelro.
Deloucbe dono deste estabelecimento partecipa ao respeitavel publico que tem
montado urna machina de fazer gelo, e que sua fabrica de chocolate peder funecionar
sem interrupcao, e para mais facilitar aos Srs. compradores de chocolate lemorganisado
um semeo de carro, que andar em todas as rnas da cidade, os compradores podero
chama-lo.
PREgO.
Meia libra........ 400
Urna libra......... 800
ma arroba........ 190000
GELO
As pessoas que quizerem gelo para soir ou'bailes, podero dar suas encommendas
ao caixeiro da casa, ou na ra Nova n. 50 aonde tem um deposito. As pessoas mora
doras nos arrabaldes da cidade querendo levar gelo pela manba, poderlo deixar um
caixao na taberna junto ao porlao da fabrica, que acharo na volta suas encommendas
promptas.
Na mesma fabrica fazem-se cadeiras franceza de todas as qualidades, e vende-se mais
barata que aquellas que vem da Europa.
O NOVO DESTINO
23 Large do Terco 23.
Sortimento completo dos melhores e mais bem escolheidos gneros perteocentes
a molhados; o propriatario deste bem conhecido armazem de molbados denominado Con-
servativo participa aos amigos do bom e barato, tanto desta praca como do mato, que ve-
nh5o comprar a primeira vez para verm a grande differenca que ha dos gneros com-
prados em outra qualquer parte, garantindo-se a superior qualidade de qualquer gene-
ro sahido deste estabelecimento.
Caf de 1.a e 2 1 serte a 240 e 200 rs. a libra, e a 60 e 70 por arroba.
Queijos do reino dedivenos vapores a 20200, 20000 e 10800,
Manteiga ingleza flor mandada vir por conta propria a 800, 9C0 e 10 rs. a libra,
dem franceza de 1.a qualidade a 560 e 600 rs. a libra,
Sahao amare!lo maca de 1.a, 2.a e 3.1 sorte a 240 220 e 200 rs. a libra.
Vinho de diversas marcas J A A e B & F. a 400 e 500 rs. a garrafa e 30500 acanada.
Azeite doce de Lisboa a 600 rs. a garrafa e a 40500 a caada ou 30000 o galio.
Vinho braoco de superior qualidade a 640 rs. a garrafa, e a 40 e 40500 a caada.
Bolachinha de soda de diversos gostos a 10200 e 20000 a lata.
Cha miudinhe de superior qualidade a 20700 a libra,
dem para negocio a 10800, 20 e 20LOO, a vista faz f.
Banha de porco refinada msito alva a 560 e em barril a 500 rs. a libra.
Phosforos do gaz a 20'00 a grosa e 200 rs. em maco.
Sevada muito nova a 160 rs. a libra, em porcao se far abatimento.
Frasqueiras cem genebra de Hollanda a 60000 e 540 rs. um frasco.
Cerveja de diversas marcas a 560 e 500 rs. e j-SOOO e 60000 duzia.
E alm destes gneros ha outros muitos assim como: arroz, batatas, macas para
sope, passa?, cominbos, erva doce, alhos, fumo, feijo, e outros muitos que eofadonho
seria menciona lof, adinheiro a vista.
TINTURARA
AO GRANDE S- MAURICIO
PROCESAOS APERFEICOADOS
PARA
Tlagir,| 11111 par e lustrar a Vapor.
F. A. SAUNGRE & C.
29 Ra 7 de setembro 29
Defrente da roa nova do Onvidor (Rio de Janeiro)
Os proprietarios deste estabelecimento, o primeiro no sen genero no Brasil, por
trabalhar com as machinas mais aperfeicoadas para tingir e lustrar, de que se faz uso na
Europa, eajudados poralgunsdos melhores officiaes de Pars e LySo, podem assegu-
rar seos freguezes urna perfeiclo no trabalho, a qual sen3o pode chegar pelos proces-
aos ordinarios.
Tingem, lavara, limpam e demofam com a maior perfeicao e brevidade qualquer
qualidade de fazendas, tiram nodoas e limpam secco sem molhar as sedas e as vestimen-
tas de senhoras e de homens.
IS'd'rtta do Trapiche n. 16
acham-seoi&egumUs depsitos
De 1. Bro-ninghausem Nnits.
Bourgugne.
Vinbo Poccmard tinto.
> Cortn linio,
s Santo Georges tinto.
Chambertin tinto.
EUchebonrg tinto,
s Clos de Vougeol tinto,
t Cbablis branco.
De M. A. Weefeu Francfort:
Rheno.
Geisenbeimer.
Liebfraomilcb.
Marcobronnar.___________________________
Em casa de Theod Christian;en, roa do Tra
piche-novo n. 16, nico agente no noite do Brasil
deBrandenburg frres, Bordean z, encontra-se ei-
festivamente deposito dos artlgos seguiotes :
St.Jalieo.
St. Plerre.
Larose.
Cbateau Loville.
Cbateau Margaux.
Graad vin Cbateau Lafitle 186.
Chateaa Latine.
Haut Sautemes.
Ghateao Sao ternes.
. bateaa Lataur Blancbe.
Chateaa Yquem.
Cognac em tres qualidades.
Azeite doce. Precos de Bordeaox.
LOJA DA FRAGATA AMAZONAS
IV. 5 Roa do Qneimade n, 5'
Monteiro & GuimarSes participam a to los os seus amigos e freguezes que rece-
ben, de conta propria por todos os vapore da Europa, grandes e variadsimo numero
de artigos de modas, e de alta novidade em Paris, e bem assim adornos propriospara ca-
samentos; pois seu correspondente de Paris, na escolha de taes mercadorias tem mereci-
do approvacO das encantadoras pernanbucamas.
A Fragata recebe de sua propria encommenda luvas de Jouvin, it melhores que
aqui tem vindo, as quaes vendem em duzia a 240000; assim como recebe figurinos por
todos os vapores francezes, e bem assim jornal das modas. A Fragata vende ricos tap-
tes avelodados com differentes paisagens, proprios para sof (para 4 cadeiras).
Chapelinas primorosamente enfeitadas chegadas pelo ultimo vapor francez.
Ricos cortinados bordados.
Cortes de seda de cores de 300 at 1400.
Colchas de Gnissimo damascos de seda para noivos.
Organdy branco imperial, fa/enda esta que muito se recommeda pela sua b&a qua-
lidade, e bellos padres.
Basquins para senbora (on confections) de grosdenaple preto ricamente borda-
dos, e justas costura.
Satas Mara Pia, com barras de cores (novidade) tendo cinco pannos cada urna.
Pecas de entremeios bordados a 10000 a peca, muito lindos padres,
Trasparentes para janellas com mui lindas paisagens.
Cambraia indianna com oito e nove palmos de largura.
Lindissimas caixinhas para costura com diversas e armoniosas pecas de msica,
proprias para se fozer um presente.
' Aderecos decrystal para senhora (novidade inteiramente).
Ricos vistuarios bordados para baptisado, com todos seus pertences.
Coeiros bordados a matiz.
Enfeites para cok, o melbor que se pode desejar.
Manguitos e gollinhas bordados em finissima cambraia e outros muitos objectos
que mencionados seria enfadonbo.
Joo da Silva Ramos, mdico
pela universidade de Coimbra, d
consultas em sua casa das 9 as
11 horas da manhaa, e das 4 as 6
da tarde. Visita os doentes em sua:
casas regularmente as horas para
isso designadas, salvo os casos ur-
gentes, que serlo soccorridos em
qualquer occasio. D consullas aos
pobres que o procurarem no hos-
pital Pedro II, aonde encontrado
diariamente das 6 s 8 horas da
manha,
Tem sua casa de saude regular-
mente montada para receber qual-
quer doente, ainda mesmo os alie-
nados, para o que tem commodos
apropriados e nella pratica qualquer
opperaco cirurgica.
Para a casa de sade.
Primeira el a sse. .30000 diarios.
Segunda dita-----30500
Teraira dita .20000
Este estabelecimento j bem
acreditado peles bons servicos que
tem prestado.
O proprietaro espera que elle
[ continu a merecer a confianca de
que sempre tem gozado.
I
I
s
mm mmmmm mmmMmm
!
O Dr. Caroilno Francisco de Lima San-
tos contina a morar na ra do Impera-
dor n. 17, segundo andar, tendo alias sea
gabinete de consaltas medicas, logo ao
entrar, no iinmeiro.
O mesmo doutor, qae se tem dado ao
estado tanto das operaedes como das mo-
lestias internas, presta-se a qoalqoer cha-
mado, quer para dentro qner para (ora
da cidade.
A PRBVIDBNTE
Sociedade porlugueza de segaros mullios sobre a,>ida, lunlada e
administrada pelo
RANCO ALLIANCA DO PORTO.
Todo o pai que desejar acautelar o futuro de seus futios tev,e quantoantes,
azer inscrever os seus nomes na listados socios daPrevidentepor que, com urna
pequea quantia que, todos os annos para all frapplicando, tirada do 'rucio das suas
economas, no fim de 25 annos alcanijar-lhes-ha urna fortuna, que por neiihum oulro
meio e com to | equeno desembolso poder obte>'.
Os exemplos praticos de outras sociedades anlogas tem mostrado que:
iOOgUMO pajos animalmente U'dem uroduzir.
Em 5 an- Em 10 Em 15 Em 20 an Em 25 an-
nos. annos. annos, nos. nos.
Por um menino de 1 dia a 1 anno.. 1:1000 4:0000 9:1-000 20:0000 47:000*
> de 1 a 2 aunes.... 9000 3:0000 7:5i 00 17:0000 37:0000
de 2 a 3 ..... 860,5 2:9000 7:2000 16:0000 35:0000
860 2:8'. 00 7:1000 15:6000 34:0000
8600 2:7UO0 7:f.OO0 15:5000 33:3000
Por urna pessoa de 15 a 20 annos ... 8600 2:7000 7:0000 15:4000 33:3000
de 20 a 30 >..... 8600 2:7000 7:1000 15:6O('0 34:0000
t de 30 a 40 ..... 8600 *:7OO0 7:2O<0 16:OCO0 37:0000
9000 3:0000 7:5000 18:0000 50:0000
**** mmmmmm mwmm
Fundas hemiarias
Electre-medicaes
Empregaado-se sena snb-coxa e
nao sahlado do logar
PARA
Ligar perfeitameate e curar radicalmente as
qutbraduras.
Deposito, roa de Rosario larga n. (0, junto ao
qoartel de polica, botica de Pinto & C.
0 Dr. Caetano Xavier Pereira de Brito
^ medico, contina a residir na praca da JJ
H Boa-Vista n. 22, onde pode ser procara- |
do para os misteres de sua urofis-o. D fl|
consultas todos os dias das 6 as 9 horas e ^*
tm oieia da maoha, presta se a ver qoal- W
quer doente fora desta cidade, e continua S
35 a ^zer sua espeelalidade em partos.
mmmmmmmm mmm mmm
Precisa-se de um caixeiro pa/a ajndar outro-
em urna padaria : a tratar na fabrica de padaria a
vapor oa praca da Santa Croz n. 6.
J. .Hunder.
De volta de sua viagern a corte do imperio, avi-
sa aos seus ant'gos freguezes e amigos, que abri
a sua officina de aifaiale a roa da Cruz n. 24 1*
andar, aonde com toda a pericia executra os tra-
balho.- de sua arte.
Aluga-se
Admittem-se subscripcoes annuaes de 80 para cima.
Quem pretender subscrever para a Previdente ou desejar quaesquer esclareci-
mentos e informacoes, pode dirigir-se sua direceo, no banco Allianca, estabelecido na
ra Bellomonte, ou a Jos Ferreira Moutinho, inspector geral da mesma sociedade, mo-
rador na ra da Fabrica do Tabaco n 19, no Porto, e aos agentes do mesmo banco e
sociedade na capital e provincia, que tambem darao prospecto gratis a quem os pedir.
Achando-se de passagem nesta cidade o inspector geral da referida sociedade,
promptifica-se, durante o pouco tempo que aqui tem de demorar-se, a daros esclareci-
mentos que se lhepedirem, todos os dias at as 10 horas da manhaa na ra da Cruz n.
1, emeasa do Illm. Sr. Antonio Luiz de Oliveira Azevedo, onde se acha hospedado.
A NACIONAL
Companhia. geral hespanhola de seguros mutuos
sobre a vida
AUTORISADA PELO REAL DECRETO DE 21 DE DEZEMBRO DE 1859
ma Sanca em dinheiro, depositado nos cofres da estado, garante a boa ad
minislraco da companhia.
BANQUEIROS A COMPANHIA BIRECCO GERAL
- O Rauco de Hespanha Madrid: Roa do Prado a. !
Esta companhia liga pelo systema mutuo todas as combinagoes da supervivencia dos seg,
os sobre a vida.
Nella pode se tazer a sabscripcao de maneira qae em nenhum caso mesmo por morte do
legurado se perca o capital nem os jaros correspondentes a estes.
Sao to suprehendentes os resaltados qu produzem as sociedades da ndole deA NACIO-
NAL,qae ainda mesmo dimlnnindo ama terca parte do mteresse produzido em recentes liquida-
cOes ecombinando-ocom a mortalidade da tabella de Depareieax que adoptada pela companhia
Sara semcalculose liquidares, em segurados de idade de 3 a!9 annos, amaimposigoannua.
a 1001 produz em efectivo metlico:
No Bm de 5 annos.......1:119*300
de 10 .......3:942*600
de 1S ^.......11:108*800
> de W i...... 30:156*000
, de 25........80:331*000
as idades menores de 3 annos e maiores de 30, os productos sao mais considera veis.
Prospectas e mais informales serio prestadas pelo sub-director nesta provincia.
Fiuz de Oliveira, ra da Cadeia n. 52, ou a Boa-Vista roa da Imperatrijn. 12, estaielc
ment dos Srs. Raymundo, Carlos.Leite & Irmao.
Urna casa em Behenbe : a tratar cora J. S. de
M. Reg, a roa do Trapiche n. 34.
Ura rapaz de bora comportamento offerece-se
para caixeiro de cobranca ou d-i assucar, daad
fiador a sua conducta ; a tratar na travessa
Concordia o. 61._________
Precisa se alagar urna ama forra ou escrava,
qne engomme bem para ama familia pequea; na
ra da Cadeia n. 52 3* andar.
Copeiro.
Precsasele om bom copeiro
Rosario n, 37, hotel Traviata.
oa roa larga do
Carvalho A Nogoeira sacam sobre o
Porto e Lisboa : na ra do Apollo n. 20.
A ma
PORCELANAS CRYSTAES L0U(!A E VIBRO
Joo Mara Cordeiro Lima, eslabeleesu-se cem armazem de lonca de sociedade com Joaquim
Thomaz da Caoba, na roa do Imperador n. 46, com a firma de Lima & Canba, os quaes pedem aos
seas amigos e ao respeitavel publico em geral qae, qaando precisen) de algoraa louca, nao deizem
de procurar o dito estabelecimnto, onde acbaro om explendido sortimento de ricos apparelbos para
cha, ditos para jamar de porcelana branco, de cores e doorados, guarnicio de porcelana para lavato-
rio, de 8* a 28*; e todo o mais qne pertence a este genero de negocio, loocas, vtdros, etc., etc.
A divisa deste novo eslabelecimenio
Vender barato para vender muilo
Vender muito para vender barate.
Preqsa-se de orna ama para conchar e comprar
para casa de hornero soileiro: na ra do Queima-
do o. 30, loja.
mimhm as ttmi
Ornamentos de igreja K
Chegaram ltimamente de Pars lindos |
M ornamentos de diversas cores para a ce- M
H lebracoda missa.
Os Srs. sacerdotes e as confrarlas des- jj
Mi ta dioceae podero prover-se desses ob- m
g jeclos, que, por trem se recebido direc ]
| lamente dos proprios fabricantes, ven- j
| dem se pelos baratissfraos precos de 22* aac
SRecbe-se toda e qoalqoer encommen- 9
da relativa ao culto eairulico.
_ Os interessados podem dirigir-se aar- 5
mazero de fazenlas da ra da Cvieia na- W
i&sajS mero 55.
Na praca da Independencia n. 33, loja de
ourives. compra-e ouro, prata, e podras preciosa?,
e tambem se faz qualquer obra de encommenda, e
'Moe aoalquer concert.
Precisa-se alagar om escravo para o servicc-
de om sitio perto da cidade : a roa da Impera-
triz n. 86. ________ ______"________
D-se 1:000} a joros com seguran?a em al"
goma propriedade : a ver oa ra do Queiroado
n. 73.
Artistas.
Na roa Nova n. 38, precisase de offlcies de la-
loeiro e caldeirelro que sejam peritos.
Vamos ao bom e barato
Na roa de S. Bom Jess das Criooias cosinha-se
todas as qualidades de comidas para fora com mul-
to asseio e perfeicao, por prego muito commodo :
as pessoas qoe quizerem dlrijam se a dita casa na-
mero 38._________________________
Precisase de urna ama para servico de ea-
sa : na roa da Senzala Vellia n. 112, 3* aadar.
i


>
ttiktU d,
e re-Bambuco
1S de Seien.br* de 1866.
CASA DA FORTUNA.
Aos 6:0OMO00.
Bilbetes en rana I dos
A" RA DO CRESPO N. 83 ECASAS DO COSTUME
O aballo assigoado vendeu nos seas muito fcli-
zes bilhetes garantidos da lotera que se acabou
de extrahir a beneficio da colonisagio polaca, os
seguiotes premios :
N. 1970 doas quarios com a serle da 9:0004.
E ouiras muias sones de 1004, 404 e 20*.
Os possuidores podera vir receber seas respec-
tivos premios sera os desconlos das lels na casa
da Fortuna a' roa do Crespo n. 23.
Acbam-se a venda os da 24* parte da lotera
(83), a beneficio das familias dos voluntarios da
patria, que se lextrabira' sexta-feira 21 do cor-
rete.
Pree.
Burieles........ 64000
Meios............ 34000
Quartos.......... 14300
Para ai pessoas que eomprarem de 1000000
para cima.
Bilbetes.......... 54500
Helos.........,.. 24750
Quartos.......... 14375
Manoel Martins Finia.
*aoiK ******$*$
Mudanza de residencia.
O Da. Rajiaug medico-operador e
oculista, formado pela Facoldade de medi-
cina de Pars e approvado pela da ahia,
* membro titular da Academia Imperial
de medicina au Rio de Janeiro, transferio
a sna residencia do n 25 da rna da Cruz
para o d. 23 da mesma rna, onde contina
a exercersna profisso, especialmente oas
molestias de olhos, deoovidos e das vas
urinarias: mudou tambem a bora das
suas consaltas, que tero lugar todos os
das, das 6 a's 10 horas da maohia.
Chamados por escripto na sopradia ca-
sa, rna da Cruz o. 23.,
S
I
s
1
I
I
i
mmmmmmmmmmmmmm
nico deposito de lon^a do
Barbalho no Cabo.
Pateo do Terco n. M.
Grande sorilmento de qnartinhas de todas as
qnalidade?, ditas para meninos, garrafas grandes
e peqnenas, ditas para meninos, vasos para plan-
tar flores proprlos para va randas e jardins, jarras
bordadas finas, jan oes para 5 canecos d'agua, po-
tes para i i|2 raneco d'agaa, resfriadelras, mu
riogues, tera mais nm grande sorlimento de looca
vidrada, canos lano vidrados como por vidrar, o
melhor que ha neste genere; enearregase de
qualquer eneommenda qoe Ihe seja feita, as amos-
tras eslao no pateo do Terco o. 12, tndo isto
vendido por menos do qoe em ontra parte,por ser
s qoem recebe toda a looca feita na olaria do
Barbalho no Cabo.
Pede-se ao Sr. Feliciano do Reg Barros qoe
venha pagar o que tomou emprestado : na roa do
Padre Floriano n. 1 i, segundo andar.
RIVAL SEH SEGUIDO
Roa do (inclaaado 4S, laja de
lindeza
DE
Jos Bigodinho
Continua a queimar ludo qoaoto tero em seu es-
labelecin.ento. m
Silabarlos com estampas para meninos a 320 rs.
As missoes abreviadas a IJ5C0.
Memento da roupa de lavar a 100 rs.
Cartilha da doulrioa chrtsta 320 rs.
Nov.-.s canilhas para meninos a 160 rs.
Dunas de meias multo finas para seDhora a 4*500.
Ditas brancas e ernas para hornero a 34 e 44.
Agulhas fraocezas a balo (papel) a 60 rs.
Pedras de loosa (pequeas) muilo finas a 160 rs.
Pares de sapatos de tranca e tapete a 14500.
Pecas de fitas de la de todas as cores a 600 rs.
Grozas de boldes de porcelana prateados a 16o rs.
Dilas de ditos de madreperola multo finas a 600
, ris.
Canas com clcheles francezes a 20 e 60 rs.
Uuzias de clcheles de ferro era cario a 40 rs.
batas com alfioeiies trnceles a 80 rs.
Canas de 100 euvelopes muito finos a 600 rs.
Pares de sapatoe de la para meninos a 400 rs.
Pregos francezes de todos os lmannos (libra) 240
ris.
Resma de papel de peto branee liso a 24.
Frasco com superior tinta a 100 rs.
Grosas de pbosphoros de gax a 24200
Pares de botos de punho ronilo bonitos a 120 rs.
Llnbas em eario de 200 jardas a 100.
Caixa de superior linha do gaz com 50 novellos a
700 rs.
Caixas de pos de arroz maito fino a 800 rs.
Holeetras de eonta para meninas a 320 rs.
Taiberee para meninos a 240 rs.
Caixa com superiores iscas para charotos a 20 rs.
Masso com snperiores grampos a 30 rs.
Grosas de penoas de ac maito finas a 320 rs.
Bonets para meninas a 14-
Pe o tes com costa de metal a 400 rs.
Capachos compridos e redondos a 500 rs.
Canas com superior papel amisade a 600 rs.
Realejos para meninos a 100 rs._____________
CAL DE LISBOA"
da mais nova e superior: vende-se mais barato
do que em ootra qualqner parte, no largo do Cor-
po Santo n. 19, escriptorio de Manoel Igoacio de
Ouvcira & Filbo.
Vende-se oro rico plano sem uso, do autor
Vignes <& C, por preco comroodo : a tratar na ca-
sa de Theodoro Rampekc no caes de Capibaribe.
Grande liquidado
DI
FAZENDAS BARATAS
Raa da Imperatriz n. M
l.*ia e aruiazem da Arara
DB
Lonrenco Percha Pendes Guimares
Chitas 200 rs. o cavado.
I Collares Rojea*
! ou
Anodinos electro-magnticos contra as con-
vulses, e para fac litar* a deiitigao das
criancas. A aguia-brnca na ra (loQ.ei-
mado n. 8 recebe-os por todos os vapo-
res francezes.
J e.-!ao tan cnnhec'drs, e tanto se tem espalhado
a lama des>es prodigiosos collares Royer, que se
dizer mis algoma cousa em
Vende-se chilss final para viudos" a 200 e aM^no ^'"seuTnfln" f .
unJ Vi \ 7 l")ad Arara n. 56. e aproveif.do o Mh resnltado desses lo ule.-,
MadapOl.,0 francez a 400 a vara. qoo necss*ri..s reliares Royer. A quolidfana t
mu*

COMPRAS
Ouro e prata.
Em obras velhas : compra-se na praga da ln
dependencio n. 22. loja de bilbetes.
Compra-se onru, prata e pedras preciosa
em obras velhas : na roa da Cadeia do Recife
cja de ourives no arco da Conceigio.
Compram-se libras sterliuas : na praca da
Independencia n. 22.
Compram se moedas de 204 i na ra do
Crespo n. 16, 1 andar.
Compra-se
libras slerlinas : na praca da Independencia n. 22
Garrafas
Novo sertimento de lavas de Jcuvm brancas,
pretas e das mais importantes cores da actual mo-
da de Paris, ebegadas pelo vapor francez de 12 do
correte, a ellas em qnanto e.-io frescas e sort-
das : na loja do vapor roa Nova n. 7.
, CABRIOIiET
Vende-se nm cabriole! de dnas rodas, bem ar-
reiado e qoasi novo : para ver e tratar na travs-
sa do Uovidor n. 12 A, cocheira._________
Vende-se orna cania de ferro nova para ca-
sados, bonitos candelabros, ama estante para II- casera,raA d*cor 14 e 16*. PaDtots de panno
vros, algoroas cadeiras, mesas de jogo e de meio a 5*' 9&d lT' ddt.os de.brim a #% cal-
de sala e uro sof, lado de Jacaranda : na ru das & "i" 7* e % coleles de *f*n a
Croies n. 9, primelro andar, no lado direito quem *? i ** e ntras mu"as obras *le se vende
vai da roa do Qqeimado para S Franci co ?u ? .i0 para aP"rar dinheiro, tambem se
Vende-se pegas de roadapolao francer de 2i va-
ras a 400 rs. a vara ditas em p. cas a 94600e i0.
Ra da lmperalrlt loja da Arara o. 56.
Algodosinho do Arara a 30-
Vende-se pecas de algodonnho a 34. 44, 54,
64, 74 e 84 ; assim como se vende pecas de ma-
dapolo de 12 Jardas a 44. Ra da Imperatriz
n. 56.
Arara vende as colchas a 2#.
Vende-se colchas de listas para cama a 24, ditas
de damasco a 44, ditas de fusto a 64- Ra da
Imperatriz o. 56.
Madapolo da Arara a 3)91500.
Vende-se pcas de madapolio enfestado a 3500
44, ditas de 24 jardas a 44, 54,64, 74, 84 e 104.
Ra da Imperatriz n. 56.
Chitas francezes a 240.
Vende-se cbilas fraocezas a 240, 280, 320 e 100
rs. o covado, Roa da Imperatriz loja da Arara
n. 56.
Lasinhas da Arara a 200.
Vende-se laailnhas para vestidos a 200,240,320,
400 e 500 rs. o covado. Roa da Imperan iz loja
n. 56.
Arara vende cortes de calca a I #120.
Vende-se cortes de calca para hornero a 14120
e 14600, ditos de casseroua de cores coro pequeo
toqoe de mofo a 24 e 24500. Roa da Imperatriz
D. 56.
Murambique de cores a 500.
Vende se inucambiqucs de cores com palmas do
seda para vestidos, faienda nova a 500 rs. o cova-
do, lasinhas novas estampadas e finas a 400 e 320.
Roa da Imperatriz o. 56.
Ltngos blancos a 2.
Vende-se pecas de lengo branco a 24, ditos de
cores a 34, ditos de liuho a 54 a duzia. Roa da
Imperatriz o. 56.
Bramante a 2)5500.
Vende-se bramante de linho com 10 palmos de
largura a 24500 e 236(0 a vara.-Ra da Impera-
triz n. 56.
Arara vende a 30.
Vedde-se cortes de cassa de papel para vestido
a 34, ditos de cambraia de cores e barras a 34 e
34500, corles de tarlalana abertos a 34 e 34500
ditos de cambraia bordada a 54. Roa da Imoera-
triz o. 56.
Arara vende fazenda para luto a 140.
Vende-se lasioha preta para luto a 440 e 500
rs. o cavado, ditas pretas a 200 rs., ditas largas a
320 rs. cassas pretas a 320 e 360 rs. o covado, al
paca preta a 500,640, 800 e 14 o covado. Roa da
Imperatriz n. 56.
Roupa feita nacional.
Vende-se fraques oe alpaca moilo finos a 5$, di-
tos de casemira a 94 e 104, palituts ingieres de
Vende-se
excedente taboado de assoalho de amarello em
cortes de 12 l|2 palmos, proprios para portas : na
roa dos Pescadores n. 5.
vazias.
Compra-se garra ras franceas e inglezas
ra do Sebo d. 35.
na
Compra-se
ama mobiha de Jacaranda em bom estado : quero
tiver dirija se a ra da Praia o. 61.
LIBRAS.
Compra-se libras esterlioas : na rna da Croz o.
1, eseriptorio de Antonio Lniz Martins de Aze-
vedo.
VENDAS
Vende-fe na livraria n. 8 da praca da
Independencia : Vatel, droit des gens, dous
vol mes 4#O0O cada exemplar ; Martens,
manoel diplomalique, um volume, 20000
o dito ; Danjon, des prissons, m volume,
OCOo dito ; H. Blair, rhetorique, dous
volumes, 2u00 o dito; Gall, fonctioos
du cerveau, seis volumes, 140000 o dito ;
Ferreira Borges, Economia Poltica, um v<
lume, 20000 o dito ; Fieldings, Tom Jo-
nes, dous volumes, 40000 o dito; Reper-
torio das Ordenacoes, quatro volumes,
100000 o dito ; Ravoux, des conflits, dous
volumes, 40000 o dito.
Cylindros para padaria "
Na padaria da roa Direita
n. 84, ha sempre para vender
por com modo preco os co-
abecidos e acreditados
lindros americanos para
dara.
Vende-se urna casa assobradada na roa do
Cabral em Olinda : a tratar na roa das Crozes n.
9 lado direito qoem vai da roa do Queiroado para
S.^raocisco. ________
Potassa da Russia
a 260 rs. a libra.
maito nova e de superior qnalidade : vende-se no
eseriptorio de Maooel Ignacio de Uliveira & Filho
largo do Corpo garito o. 19.
AJgodao daBahia '
Vende-se na roa do Crespo n. 8 lnja da esqnina,
em porcao e a reUlho._______
Vende-se um boi de car roca muito manso,
novo e gordo : no sitio da viuva Villa Secca na
Estrada Nova.
Descoberta
O ceraco de oore n. 2 D roa do Cabnga, rece-
ben pelo vapor francez ultimo aro rice sorlimento
de joias de novo costo e se acba a venda no mes-
mo estabelecimenlo, o aproveitar urgente.
&JBMA
Vende-se superior vinbo de Lisboa em
barris de 5o, de urna nova marca prepara-
da particularmente para o nosso clima, por
conter urna pequea quantidade de alcool'
com paladar macio~B agradavel. o preco e
commodo que muito convir aos prelen-
dentes, a ra da Cadeia escriptorto n. 49.
C llares
Superior e verdadeiro vinho Collares da
bem conhecida marca Dejante C, em
caixas de 2 duzias de garrafas.
Os apreciadores desta excellente qualida-
de de vinho o acbaro no nico deposito a
rna da Cadeia n. 49.
PORTO
Vinho do Porto engarrafado :
Raioba Estephania garrafa .'44000.
Lagrima Chrisly garrafa 34000.
Malvazio garrafa 24500.
Postwein garrafa 24500.
Porto engarrafado a 24, 14500, 1, 800 e 640
garrafa.
______Roa Nova n. 60, armazem da Liga.
Vende-se ama casa terrea acabada ha pou-
eos anao, no balrro da Boa-Vista ; quem a pre-
tender comprar dirjase a rna larga do Rosario
n. 31 segundo andar, qoe se dir onde .
Venda de um armazem
Vende-se o armazem da roa do Brom n. 64, de
accordo com os hypsthecarios, meeiro nos oitdes
do predio junto pertencente aos Srs. Bailar & Oli-
veira e com fondos al o caes de Apollo e com to-
do o travejamento para qoem qolzer levantar so-
brado. ______
Vende-se dnas escravas crioulas sendo urna
de 30 annos com ama linda cria de 8 annos e com
todas as habilidades e a ootra s cosinheira e la-
vadelra : na ra do Alrcrim casa onde morou o
Sr. Peixoto.
Vende-se ou aluga-se
a casa qoe Toi do fallecido Xisto Vieira Coelho, no
logar do Mooteiro a margen do rio Capibaribe,
com bastaote terreno e orna excelente baixa para
capim : a tratar na roa do Crespo loja da esquina
n. o.
PAPEL DE PESO
Branco, pautado, qnalidade superior.
Resma 39*00.
NA LIVRARIA FRANCEZA
RA DO CBRSPO N. 9.
VENDE-SE BARATO
Chaniins para candieiros.
Cada uro a 580, 320 e 4*0 rs.
Gaz verdadeiro americauo em garrafas a 440 rs.,
em latas de um galo a 25400, de dous cales a
44600, de cinco gales a 94500.
Candieiros americanos e suissos de lodos os l-
mannos e pregos.
Faz-se qaalquer coocerto tendente a candieiros.
Tambero se alogam lastres e arandelas a caz e
globas a vela.
Tudo por commodo preco, s no grande estabe-
lecimenlo de miudem, quioqoilharias e ferragens,
i na So va o. 28, de Soma Seares A Irmo.
Negocio de muita van-
tagem,
Veode-se todo o appareiho necessario para fazer
colla de toda a qnalidade, obngando-se qoem ven-
de a dar lodo o processo de fabrica-la podtndo
quero comprar eogajar o mestre da fabrica : para
tratar no pateo do Careno casa de baohos.
Ve.dem-se dous escravoT*um mnlato claro,
marcineiro, idade de 30 annos pouco mais ou me-
nos, e outro cabn escaro, sem offiVio, idade de 20
annes. ambos sadios e de bom comporiamento : a
tratar na ra das Cruzes o. II.
Uma moda de Paris
Cbegaram no paquete Extremadme, enfeites
mu:lo lindos formando cokes de diversos modelos:
s se vendem na ra do Queimado n/63, na bem
conhecida loja do Beija Flor.
Vende-se
Urna casa terrea de porta e janella, nova, de
editicacao moderna, feita nmgosto, rm solo pro-
prio, cacimba roeieira, agoa excellente, quintal
lodo murado, tero doas salas, dtus qoartos gran-
des e cosinha fora ; a qual edificada na frf gne-
zia da Bca-vista desta cidade : a tratar no beceo
das Barreiras, casa urrea n 9.
Grande liquidagao de bis-
coutos inglr-zes
admira latas com principe Alberto a 14500, ditas
com bolachinhas perolas de 2, 4, 6 e 10 libras a
14500, 2*400, 34 e 54500, ditas com mixide, oval,
victoria, crichle, cracnel. 'emon e ontras muitas
marcas a 14: isto s na Liga roa Nova n. 60.
GAZ GAZ GAZ
Chegoa ao amigo deposito de Henry Forsler &
C, rna do Imperador, om carregamento de gaz de
primeira qualtdade, o qoal se vende em partidas e
a relalho por meos prec> do que em oolw aujl
quer parte. *
manda fazer qualquer obra por medida. Ra da
Imperatriz n. 56.
Arara vende os bales a 2#000.
Vende-se balSes de arcos a 24, ?4500,34,34500
e 44, ditos salas azuladas para senhora a 64 e 7.
1 Roa da Imperatriz o. 56.
Os oito mil corados de murambique.
Vende-se roucambiques para vestido fazenda
nova coro palmas de seda por ser grade porcao
se vende a 500 rs. para liquidar depressa. Ra
da Imperatriz n. 56. -
Os mil cortes de cambraias e tarlatanas.
Vende-se cortes de cambraia com barras e cores
e tarlatanas a 34,34300 e 44- Roa da Impera-
triz n. 56.
Os seis mil covados de 15a estampada a
400 rs.
Vende-se urna grande porcao de lia e.-iampada
para vestidos a 400 rs. s para acabar. Ra da
Imperatriz n. 56.
Os dous mil cortes de casemira para caiga.
Vendt-se cortes de casemira para calca de co-
res e preta, por ser grande porcao se vende por
44500 e 54- S na loja da Arara, e ooiras muitas
faz que possivel. Ra da Imperatriz loja da Arara
n. 56.
Veos bordados para chapeos de senboras.
VeDdem-se na loja de miudezas: ra do Quei-
mado n. 16.
Rentes dourados travessas para mfuioas.
Na loja de roiudesas: a' roa do Queimado n. 16
vendem se bonitos pentes dourados para meninas,
tendo enfeitados crm aljofares e pedras.
Lia fina para bordar, novo e bonito sorlimento de
cores vivas.
Vende-se na loja de miudezas i a' ra do Quei-
mado n. 16.
Boaitas calinitas com msica e sem ella.
Na loja de miudezas a' rna do Queimado n. 16,
vendem-se bonitas caxiohas com msica, e sem el-
la, e todas com arranjos para costura, e por pregos
lo commodos|qoe o comprador nao lera' que exi-
tar.
Para montara, superiores lavas eamursa amaril-
las e brancas.
Vendem-se na loja de miudezas: a' ra do Quei-
mado n. 16.
Eofeites crespo, e outros do ultime gesto.
A loja de miudezas, a' roa do Queimado n. 16,
receben bonitos enfeites crespos, o que de melbor
tem vlndo nesse genero ; assim como outros roo-
deroissimos com fitas, bicos e aljofares, obra de
muito gosto proprios para bailes, theatros, passeios
etc. os pretendemos que se dingirem a' loja de
miudezas, a' ra do Queimado n. 16, gostaro de
comprar to boas obras, e por pregos razoavels.
Bom papel pequeo e envelopes.
A teja de miudezas| a* ra do Queimado n. 16,
esta bem provida de papel de todas as qnalidade?,
sendo: almasso, greve, liso, e pautado om 33 h-
nhas, dito de peso tambem liso e pautado, dito era
caxiohas, sende : liso, pautado, de quadrinhos de
cores, de beira dourada, e tarjado de preto; assim
como envelopes proprios para esses papis : os
pretendentas que se dirijam a* dita loja, a* ra do
Queimado n. 16, que serao bem servidos pela boa
qualidade de papel, e comroodidade dos pragos.
Superior fila encarnada e ehamalelada por ambas
os lados, propria para cartas de hachareis,- e
a irmaidade do Bem Conselbe.
Vende-se essa superior fita na loja de miudezas:
na roa do Qaeimade n. 16.
Noves c bonitas cintos para senhoras.
Na roa do Queimado loja de miudezas n- 16,
vendem se novos e bonitos cintos para senhoras.
Tintura inglesa para fazer os cabelles ealulos.
A apreciavel tintura bem conhecida por Hoild
Water, a apreciavel de L Marques, e a apreciaval
de Chromacome : vendem-se na ra do Queimado,
loja de miudezas n. 16.
yer. A quolidf
crescida iciuaeciru gae vu leodo, inost a ainda
que J numero dos prodigios >e eleva como todos
os con piadores. A aguia-bnitca, p tero, dese-
ando coocom-r para nm hm le lano aproveita-
mento, um f,.,^ os urressartes pedidos, para que
per todos os vapores fiaocezes Ihe seja reroetlida
certa qnanndade de ditos collares, para asslrn tor-
narle iufallivel o sorlimento delles, na loja d'a-
guia-branca, roa do Queimado n. 8.
Elixir dentfrico e* odontal-
gia).
Pes Valifricos.
Para conservago dos denles e genglvas, orna
das coosas qoe mais cuidado merece a todos,
sem duvida a perfelcao e conservago dos denles e
gengivas. Para isso se conseguir necessario o
aso do elixir e pos dentfricos que pela segunda
vez acabaro de chegar para a loja d'Aguia Branca.
Esse elixir odonlalglco e anlscorbotico, precioso
par* todas as afferges da bocea. O err.prego dia-
rio desse elixir com agna, previne a caria dos den-
te., cora as aphtas das gengivas e as mitinea, aca-
ba amo balito, e faz desapparecer o cheiro desa
gradavel que driza o charuto; assim c cado poro, acaba rpidamente a dor de denles. 0>
pos servero perfeitamente para dar aos denles a
nece.-saria braocura e polidez, conservando as gen-
givas a cor rosada. O impresso que acompsnha a
cada fiasco melhor srieojirlcar ao comiiador que
se dirigir a loja.'d'Aguia Branca a ra d^ Queimado
n. 8, onde se vendem nm frasco do elixir e ontro
de pos p.r34000,e separadamente, esle por 14300
e aquelie por 24000.
Fitas dechamalote
para a irmandade do Bom Conselho
e cartas de hachareis.
A Aguia (tranca na ra do Queimado n. 8 rrce-
beu excellente uta de cbamalote propria para i ir-
mandade do Bom Conselho e cartas de hachareis.
Bonit s pentes
dourados com pedras e aljofares para
meninas.
Vendem se na ra do Queimado loja d'Aguia
Branca n. 8. .
Agulhas
de osso e marfim para crochet.
Linhas para ditas. Estes objeetos cbegaram de
novo para a loja d'Aguia Brinca ra do Queimado
n. 8.
Notos enfeites orejan e oulras qualidades.
A loja d'Agna Branca receben nova porgao de
enfeites crespos para coques, alguns dos quaes rao
de moldes inteiramecte novos e agrsdaveis, vindo
esies cobertos com Biela de vidrilhos lisos : assim
como receben outros para o mel da cabrga, en-
feitados ao ultimo gostoBoooltun, e outros no
coque. Os pretendentes que se dirijam a ra do
Queimado loja d'Agua Bracea n. 8.
Luvas de eamursa
brancas e amarellas para montara.
Vendem-se na loja d'Agula Branca ra do Quei-
mado n. 8.
Escovas finas
para unhas, denles, roupa, chapeos
cabellos e pentes.
A loja d'rtguia Branca acaba de receber cm
grande e variado sorlimento de escovas finas, sen-
do de cabos de osso, maifiro, balela e madreperola
para denles e unhas, ditas eom costas de roadeira,
bfalo e balela, com baixos e altos relevos e algo-
das marchetadas com madreperola e cobettas e
velludo para roupa, chipaos e cabellos, e (turas
finalmente com cabos de roadeira e raodreperola
para limpar pentes. Cs differentes e commodcs
pregos de todas ellas esto em relago a sop.no-
ndade das mesmas, e vendem-se na loja d'Aguia
Branca ra do Queimado n. 8.
Rival sem >eginHo.
Rna do Qnelmanoa. 49.
Qocr acabar im asfazendas uuiio
mencionadas.
Queiram vir ver o que bom e bMalissimo.
Toalhas de labynniho com bico, bzenda boa a
35C0.
Cmeteis de linha c. m 100 jardas a 30 rs.
Grvalas prelas e de ciee maito linas a 500 rs.
Escovas de cabo branco para dentes a 2C0 rs.
Baralbos francezes maito finos a 200 e 320 rs.
Caixas de lamparinas para tres mezes a 40 rs.
Caixas de uireiaa de massa muito novas a 40 rs.
Eofladores para espartilho de cordo e fita a 60
ris.
Pessas de filas de cs estreilas com 10 varas a 320
ris.
Ditas largas a 500, 600 e 800 rs.
Cartas de aliiueites francezes muito superiores a
100 rs.
Carretel? de linha Alexandre com 400 jardas a 200
ris.
Pares de luvas de algodo de cores a 320 rs.
Resmas de papel almago muito bom a 2500.
Frasco com superior agua de Colonia a 400 rs.
Ditos de oleo babosa a 320 e 500 rs.
Ditos de dito, higiemque verde a 900 rs.
Di tus dito f*l*o a 000 rs.
Ditos de macagpr perola a 200 rs.
Ditos de banba maito fina a 200 rs.
Caixas cem 12 frascos de cheiro a 14 e 14500.
Sabooetes muito finos a 60, 160. 200 e 320 rs.
Ditos de bolla muito finos i 210 e 320 rs.
frascos cern cheiros muito Ono a 240 e 500 rs.
Caixas para rap com bonitas estampas a 100 rs.
La para bordar a melhor do mercado (libra) a
7000.
Babado do Porto da melhor qnalidade a 100,120 e
160 rs.
Pessas e enlreraeios muito bonitos a 800 ris e
14000
Caixas de palitos a balao a 40 rs.
Miadas de linha froxa para bordar a 20 r?.
Varas de crdo para espartilho a 20 rs.
Frascos com Unta rxa n Uto bea a 210 e 320 rs.
Ditos de dita preta a melbor que ha a 320 rs.
Duria de tarcas para sobre-mesa a 44.
Diu de dita de cabo preto eravadi. a 34.
Varas de franja branca larga a ato rs.
Vende se na praga da Independencia ns. 37 e 39,
capellas roorlnarias, as mais bonitas qoe tem vin-
do a (fie mercado, para os stimos dias e da de
finados se botar as catacumbas e turnlos no ce-
nailerio publico coro as inscripcSes seguiotes:
A meo pa'.
A mlnha mai.
A meu espuso.
A minha esposa.
A meu ti 1 no.
A mioha fllha.
A meu irmo.
A mmha irroa.
A meu amipo.
Urna lagrima.
Ami7;ide.
Saudades.
Deposito de pao e ees-
las
Ra larga do Rosario n. 36.
A esle estabelec,menta acaba de chegar a 3* re-
messa do crreme anno.a qual consiste em bergos
de palha para creangas, bereiohes para nonecas,
balaios para meninos aprender a andor, ditos de
gesta branca e de vime de cores para costura di-
tos para deposito de palpel rasgado nos eseripto-
rio, ditos para deposito de roopa suja, ditos de di-
versas cores e furraatos para todos os mysleres de
casa de familia, ditos de p para fructas sobre a
mesa, ditos para tinhos de canarios, condecinhas
de varanda na timpa para eocher de doces seceos Vinho francez raals supeuor que teaj vindo ao
agaates brancos, compridos e redondos graduados' merca-lo vende-se 00 uraode armaz-m da Liga ra
condegas altas e baixas graduadas, bandejas dNovao. 60.
vime para roopa engommada e flores, cestas de ar- Medoc '
co grande e pequeas para compra, maracas de
palha grades para pegarpercevejos; eootras mal-
las obras de palha, gesta e vime, bem como op-
imo pao queme pela manba e a tarde bola-
cha de varios tamaitos e felio, magas doces com-
Drehendenda araruta, e biscoitss unos para cha :
lodo vende-se a pregos os mais favoraveis possi-
vei para bem merecer-se a prolecgo e preferen-
cia dos oesso' amigos e freguezes.
St. Estephe duiia 84* 00.
Chiteux la fine dozla 124000.
Si. Km Ilion dozia 144000.
Chateux Larose duzia 18J000.
Pichn Lnncufivilie dniia 204000
Attenc&o
Vende-se a cj,sa ;ssohrdda
n. 110 : a tratar na m.;m.
da ra 'de Hortas


Diario de Per.a-buco Jtogft lelr *8 *e 4ete1ro 4t 1866.

O ARMAZEM
UNIAO
CANTIL
53 RA DA CADEIA 53
PASSAWIIO O ARCO Di CO\CE(IO.
Tena alein do maior e mais Taado sortimento de escolhido gneros, os segata-
tes diredameate recebidos pelos ultimoj rapores :
Queijos looJriDOs.
LiDguigas ja preparadas em latas do 2 libras.
Os mui tos superiores queijos do alantejo.
Presuntos para fiambre ingleses.
Gomma de milho braoco americana.
Salmn e lagostim em latas.
Quartos de marmello.
Bolaxinhas. perola', principe Alberto e oittru quaiidades.
Vinkos os vewlldeiros de Collares, Rbeno, Muscatel do Setubal a porte fino.
Queijos flamen gos.
dem de Minas.
Tudo pelos mais commodos precos.
ANTEIGA INGLEZA de superior quilida-
de a f ,28a e l.loo rs. a libra, em barril
se faz aoatimeato.
DEM FRANCEZ A a mus nova qae ba no
merca-I o a 6io rs. a libra, em barris ou
neios a (5o > rs.
CHA H13S0N de primeira qualidade a
i rs. a libra, almdesta ba omitas ou
roprias para vender a retalno, que
Hm de l,6oo ai,8oo rs. a libra.
PSU5T0 o mais espacial quetemvin-
df a esta mercado a 2,2oo rs a libra.
IDBlliMular de 1.6oo a 1,800 rs a libra.
QgfcfOS DO REINO ltimamente chegados
pelo vapr 2,4oo: ditos do vapor passado
a .ooo rs.
LATAS DE CHOUUICIS com 6 libras er-
ettcamsute fechadas, a i,5oo, de barril
a i<. a libra
KTRE SHK. para sopa em caixas sortiias
de 8 liara*, pir i.ooo rs.
HNrl) VERDE do ve-diietrosamo da uva,
a o mala propio para s beber n'este
imperio, pela suaextraordioiriafresqui-
d e agridayel gosto a 6io rs. agar-
lafa.
AMS'X\S FRANCEZA5 em frascos de 4 e
2 libras, a 2,8oo. e l,4oo rs. em ca-
abas muito eofeitadascom diversas estam-
pas ;i2,wo, ,8o, l.Uoo e l,3oo. reis.
HSCOITOS INGLEZES em lats contendo
diversas qualidades a l,oooe l,2oo rs. a
lata.
PRINCIPE ALBERTO bolachinhas as melho-
res presentemente conhecidas a l,6oo
rs. a lata.
SALAME HAMBRGUEZ chegados no ulti-
mo navio a l,6oo a libra.
FREZUN TOS verdadeiro de Lamgo, a 64o,
"rs. a ltra. e 56o inteiro.
TRAQUES q. i. em caixas de 4o cartas, por
8,5 >o. e 2io rs. cada urna.
MARMELADA em latas de 1, 1 e 2 li-
bras a 6oo reis a libra.
JALE.l DE MARMELLO em latas, a 8oa rs.
FRUCTAS EM CALDA pera, oecego. alpar-
ce, rainha Claudia, e ginja a 64o fas
a lata.
EI
MOLHO IN JLEZ de diversas qualidades, a
72o rs. o frasoo.
MOSrARDA 1NGLEZA muito nova, a 8oo,
rs o r3SC0
DEM ,?RANCEZA a 64o rs. o frasca.
SALMAO E LAGOSTIN chegado ltima-
mente, em latas de 2 libras, a I,6oo. rs.
ARENQUES em latas a 64o rs. cada orna.
SAROINHAS DE NANTES em ltase meias
a 6oo e 38o reis. .
V1NH ) DE COLLARES o legitimo vinbo
desta localidade, muito superior e sem
conficao alguma, a 8oo rs. a grrafe.
IDFM MADURO overiadeiro do alto Dou-
roem barris de lo em pipa por 35,ooo
cada um. ,
VINHO DO PORTO de diversas qualidaes
engarrafado, incluve o maisfio que he
n'esle genero, por 8oo, i.ooo, lBoo,
l,4ooe l,5oo rs. a garrafa.
FEIJAO verde e carrapalo em latas ermeti-
camente fechadas a fioo rs.
GHOuOLATE francez em pacotes de labra
por 5oo reis. .
AZE1T0NAS das enejadas ltimamente
Lisbi a l,2oo rs. a antoreta, .l5oo, a.
guarrafa.
CAF avado a 24o rs alibM-*a,or8.-
aarroba, eregular a 22aHbra',i*'W>0>
a arroba.
VINHO CHERRY domis superio; domet*
cado a l,5oo rs. a garafa, e I5,ooo rs
a duzia.
MUSCA TEL o verdadeiro de Setubal, i
l,8oo rs. ag VINHO BORDEAUX das mais acreditadas
marcas, S. Em lion. Sant Julin Haut
Brion a 7oo e 8)0 rs.a garrafa, e (
eaixaded >za, a 7,5on e 8,ooo rs.
VINHO BRANC > de Lisboa de excelente
qoaUdade, e proprio paramiasa, a 8oo,
rs. a arrafa, ou 8.000 rs. a caisa de duzia.
MADEIRASECO al,2ooa garrafa, e 12;ooo
rs. a dazia.
VINHO DO RHENO superior, a 2*000
garrafa, e 22,ooo rs. a duzia.
VERMOUTH de superior qualidade em cai-
xas de (2 me'ns garrafas por 12,ooo
garrafas por l,2oo rs.
BE
AZEVEDO & FLORES
Nao leiam
Chapeos de sol de seda a bailo que valem i 24 a 10$, em porco ter abatimeoio
de 10(i r ce .to.
BalSes
do oltim i yosto em Pars, que estreito em cima e largos era baixo, a 35, *l. o 50, data-
se para a mostra. %
Sobre-cosacos de pana >
Superiores, que valem 253 a 155, s o Bilo vende por este preco, paletots s-
im de panno finos que valem 155 a 105, tambera se ve ide calcas de brim branco finas,
ditas pardas, ditas de casemira, colete de casemira, paletots de alpa;a branca, e muitas
wtra roupa feitis que se vendem barato.
agen vfj ni os preco d6 fuzeadis.
Chitas para coberlas, cores fixas, a 320 rs, datn-se amostras
lias com lindos desenlios a 320 rs. ocovado.
Cambra as de cores, liados padrees, a 320 rs. o covado.
Chitas escuras e claras para vestidos diversos precos
Carabraia para vestidos.
Dita larga para forro de vestido.
Mtdapolo que val 10 a 75, s oBalao vende por este preco.
Camisas nuezas superiores que valem 45, a 30000.
Quera duvidar venha ver na loja do Bal lo.
Chegon novo madapolo.
Este madapolo val 1 ?;>, porra o Balo contina a vender por G550O.
dem muito fino qus val 125 a 95! quem precisar aproveite emqoanto tempo
NOVO DEPOSITO
DE
MACHINAS
PARA DESCABOCAR ALGODO
Manoel Bento de Olimra Braga,
o3-Rm Dlreita 53
Neste etablecimento se encontrarSo a
verdadeiras machinas americanas chegadas ultima^
mente, as quaes sao feiras pelo mais afamado fa-
bricante da America, por uso avisa a todas as pes-
soas que precisaren) comprar, de se dirigir a este;
estabelecimento que comprar5o das mais perfeitas,
neste genero, assim como mais barato do que em
ouira qualquer parte; por tertv qae se recebe pop
roiiia propra, bem como cannos de chumbo e moi-
^os para moer milho, e grande sortimento de fer-
ragens e miu iezas em grosso e a retalho.
FAZENDAS PRETAS
Gros de aples prete a 1|500,1*600, U, 3*. 3#500 e 45 o corado.
GorgurSo preto de superior qualidade a 2J30O, 25800, H e 45 o co-
vado.
Superiores moreantiques a 25500, 25600, 33, 35500, 45 e 55000 o
covado.
Bons cortes de moreantique.
dem de gorgarao adamascados.
Boas pannos e casemiras.
Sup riores alpacas, prncetas, merinos e bombazinas.
Bons villudos pretos.
Grande variedade de chales de fil preto e de guipare a 55, 65, 85,
105, 12#, de iU a 205, de 2)0 a 805 cada um.
Superiores retoodas de fil preto e de guipure a 80, 100, 124 e 250,
e de 300 a 605 cada urna.
Superiores avenenes de W preto e de guipare de 12* a 250, e de
300 a 600 cada ama.
Boas bailes de seda preta.
Ditos de Merino preto bordados e Oatcas moUas fazendas preta* qua
seria enfadonhe enumerar, na.
S liOafA DAS COMTMWAS
0| DE 1NTONIO CORREU DE VISCOJCELLOS & C A.
PHOSPHATO DE FERRO DE LERAS
IIR. KM SIE %CW\H
INSPECTOR DA ACADEMIA DK PARS,
Hio existe medicamento.- ferruginoso to notavel como o phosphato de ferro de
Leras; assummidades medicas do muudo inteiro adotacam-no comselicitude sem igual
bos anaaes da^cienia. As cores paludas, dores de estomago, digestes penosas, ane-
mia.onyjldJiencas didiceis.. iade critica das senhoras, irregularidae na mens^ruoco,
pobresa do sangue, Iyra?h9tisi0 sJo curados rapidaraente ou modificados por esteiex-
celleotecomposto., o cornerva Vor por excelenera'dasaadia eedarado superior nos
bospitaes e pelas aawleinias a todos os ferruginosos coabaaidos, ao idoreto e ao citrato
de ferro, porqae o unioo que convem aos estmagos delicados, que nao provoca coos'i-
pacSo nico tmbeos que no enegrece a bocea e os denles.
Era Pars na.raa da Feuillade n. 7.
A vada e.n casa de flaurer, e A, Caors.
mmmu sem igual
ticos cortas d gnrgo^e seda pretos adamascados para vestido com .13 metros
oa 18 a 10 covados cada corte, larpura de chita fraoceza. pelo baratissimo preco de 5i
cada corte :. aa Ijja das colamaas da roa do Crespo n. 13 de Antonio Correia de Vascon-
cellos & C.
$ RICO CORTES DE VESTIDOS DE SEM. |
A' loja de fazendas de Augusto Porto & C.
11Ra do Queimadol\
A' loja da fazendas de Augusto Porto 4 C. chegaram ricos cortes de vestl-
dos.de seda das mais lindas cores,
CinaisM inglezas para boma; peito, purosecjlirinhoidalinho s pe-
rier.
Vestidos di liioul om manta e capel a para noivas.
Finissi(n.**eort84'(Te-earabraia branca bjrdidus.
Cortraidos bordadoi di diversas qualidades, pira camas ejanellas.
Coisas de'seila, e de- la e seda paracamn, de diversis cores e lindos.de-
zeah )S.
C>*etoa Vestidos birddos para baplialosde fO^OJO a t)&900
Moireaotiique brande preto, e gresdeuaplj branco, de core> e preto dos
melnore*.
Bons panaos.pretos e azuas, e sortimento de casemiras preta e de cores.]
Malas gr-mdos e pequeas para v.agjiis eos vapores Europa
Camoratas da cores, ISashi'ias e percales dos gustos mais modernos.
Tapetes g'anles e pequeos para sof, piano e cima.
EspariilU>s, balo;, saiasbor>laiis, meias finas, camisas, camisinhas, gra-
vat. libas, e manguitos para senaoras.
Bonels, echa los-depalha da Ita4k-parasenlioras.
Bramante, Brbaulioa. Bretanba, silesias, esguio ecamDraiadelmho su-
periores.
Brins d linbo branco e de cores o que na d mais moderno.
Neste estabelecimento ha sempre su timento de camisas e ceroulas frdnce-
zas, as meitiores e mais baratas.
Esteirafi da ludia para for ar salas
11 Ra do Quelmado 11
.1
ir O U.tRiTKIRO.
Junto ao Arco de Sanio Antonio.
O gereote desie estabelecim-;nto querendo grangear urna numerosa freguezia,
esi determinado a vender seu graode sortimento ele fazendas deescolhidos gostos e su-
periores qu'lidades por precos que ningneai pode vende-, para sasteottr seu caprrebo,
assim faz o Barateiro.
AUen$o Attengao Attenco!
Chales de guipure a &#, ditos de merino com bonitas barras a 5& Sf300 e
6.J00,!!.
Cambrmas brancas e de cores,
Cambraia^ biancas de 40, 40500, #, at &$e9& a peca.
dem de cores bonitos deseubosa 7 e 640 rs. a vara e 300 rs. o covado.
Grosdenaples pretos e moriratiques, que se tenue por barato preco.
Chitas de lindos padrees para vestidos, escuras e claras.
dem para c.berta, adamascadas e coloridas.
Tapetes em pecas, para 15900 o covado.
Tapetes para portas, ditos de diversos tamanhos e bonitos dezenhos.
tas fazendas de gosto que se torna enfadonho mencionar,
caixeiro a qualquer casa que for chamado.
Para homem.
Calca decsseflWKhpnete e de cores a 6,5, 75 85 95. e M)5.
Paletos de paHno e casemiras de c5r a 85, 95 e K 5-
dem de lpica brancos pretos e de cores a 35500 45, o 55000.
Goliates de casemira de cor e preta a 45, en-
chapos d* sul de seda c m cabo de marfim obra rica a 175
Ditos deditodito bonitos cabos de75 a 455
Cortes de cazemiraa 45 ou a 35200 o covado.
Grande sortimento de casemiras de litados gostos para eostumea, brim e outras
muitas fazendas para fezer qaalquer obra, a gosto do comprador para o que tem* um hbil
mes tro de alfafte.
Cheguem a roa do'Crespo n. 1 tejado Barateiro.
Outras mui-
D-se amostras e manda-se o
CHAPEOS DO CHUY
a U, 25500, U, U, H
de maisprejos.
Na praca da Iodufteadeocia loj*s di. 23 e 25
Ipnti -lo funileiro, Jos Barbosa o Pegaaoo est
tonaoil por diuhe>ro.
Ckipos de padre e para se*
uhera e meoioos.
Do ultimo gosto de Pars: as lojasdo Jos lar-
basa o Pcjaeno oa praca
15, jantj do tonlleiro.
da ludependeooia os.
V-u4e se ana machina palate para forrar e
?ngonmar : ao patea 4o Canso casa de banhas.
Voide-sa urna pequetra taberoa sita aa roa
da Oniquia n. O, Camiobo Novo na tregoeiu da
Boa-Vita. *m bom locaJ e tem commooo para la-
naiita : a pessoa qne pretender dlnja-ie a mesma
talteraa.
LOUCA, VIDROS, CRYSTAES E POCELINAS.
Ferreira Monteiro & Guimares.
*ia rnn lrn O Rosarlo ft. 9t, Jbqo a batlca*>. BarCfalaeii.
O Droprietarioa ilest* nova-* grande aramem a lonoa partiespaai aa TaaaWMM poblleo jjnei
9mwnawaaeteeit>ttJi campisto ortmeoto de loaca e vidroscojno ^ricos JJW^^^g"*
jaour epata araoc-vJrmaW, daWa4*e om fl ate'f^^JKJ*XL^^Si^SPT^
kcaaoaml|Bai,.UetwoB,Borni^98P'l,"*^r^^ *",ISLif i1'
Un nase maitos otro ntticoa que Wdo proawttflm teoder pelo mata diaioaie preco pmwwm -
acjiaaa ao jarea praioai"**.
Muitaattenca!
Muita attenco
Grande liquidado de fazendas aroupas ei-
ta| nacionaes, na ra da imporatriz n. 72,
loja de Giiinartas IrmJo.
Qs proprietaraoa aeata isaoorUnte estabeleeiaDea-
ta estao resolvidoa'a liquidar por menos S por
cenia, do que em'oatra qualquer parte, vejan :
Chales de renda,
Yeade-se cbales Se renda aer 8*000, fazeada
queja' se vendeu par If* a I4^0(lt>, ditos de seda
por 144 e 15000, reloadas pratu a 7J500 e 8* :
Uto id a ra da laperatrit n 71
Grande jiecliiaGa*.
Caaabraias da edres oioiio Soaa aWO rs. o eeva-
do, diU mmom a He $*a r*., ditas organdi*
da rioaiaeimac datanhas a 36d; 4M a 4ifl rs. o co-
vado : s na-rae da Imperairix a. Tf.
Bretanlia de rolo.
Vendase bretanba de rolo com 10 varas a 3JM0
a peca, i da bobo las a 8* e 85.500.
Grande pecbiocba.
Veade-sa pecas de algaaio Bas a 4d>, 4JUMM e
! earaa de vacca a 5ae e 6 : s na ra da Icape-
ratrhs-ai Wt
Quem duvidar vmk* ver, cortes de
canabraa3dW.
Grande sortimeMa de cartee daeambraia bran-
ca e de cores a 350U ei|>, ditas bordados a seda a
Loja do Vigilantt
1UA DO CRESPO N. 7.
Este estabelecimento acaba de rceber pe
lo vapor Extremaudre, e de sua propra en-
commeada, um completo sorimento de ob-
jectos de apuraio gosto e aguns de comple-
ta novidade, como sea :
Um delicado mimo,
No Vigilante.
Chegaram no vapor francez de 12, um
completo sortimento de diversos objectos
de apurado gosto propriamente para om de-
licado mimo, e todas aquellas pessoas que! *500 e 5, coues de lia a 3J, atvwo, ii, 44500
deseiam concorrer com alguma offerta para ? j^.-Jj*8* !**??**** ^ e3*W: s na ra da
o leilo de prendas do Hospital Portugus,
que ter lugar domingo i ti do correte po-
derlo aproveitar a oceiwio, e virem esco-
lber taes oLtojectos pos visto ser para um
im ti. justo, o Vigilante est resoivido a
vender ptr diminutos precos, que os con-
currentes flearo satisfeitos.
Tamaam chegaram do mesmo paquete
Laaziahas a li rs. o covado.
Veade-se 01 eraad sortimeati de lannbas
finas a HO, m, 300, 320, 30 e 40 rs. a covado,
estao se acabaadu.
E' baratissima, diales a 24000.
Chales de meno HsUwpades a I, 21500 e 3a,
ditos dws a 44 mOO e 64 : s na ra da Imp?
ratra.12. "^
Cortes de arfa a 11280.
Grande sortimento de corte* de brim a 1*280,
nquissiUtOS enfeiles com O cok de cabello 1*400,1600 t800e 24 ditos de casemira a 2J,
seado ioteirauMrt novidade, nSo bav senhera que vendo taes enfertes ddtaha de ^^L^^Z'mtVOr.
comprar, princtpaluieirteaquellas que Uve- ^^ jraDCem ,no>28o,30tV32o eseorl"1
rem de ab irbantar com Sua precenca ao tas percales a 400, 440 e tm rs.: s na
anniversario do Hospital Portuguez.
S no vigilante ra do Crespo n, 7.
Voltlahas para uenlm.
Riquissimas voltinhas de fitinlias entra-
adas e com cru: proprias para meninas,
estas voltinhas lomam-se recornmendaveis
por serem inteiramenle novidade.
S no vigilante ra do Crespo n. 7.
Finas thesouras para unbas e costura.
Lindes porta jotas.
Ricos port relogios de porcellana.
Mudemos pents de tartaruga e a imita-
C5o.
Albuaa para retratos.
Agulbas e liabas para crocbates.
Lindos aderecos de christal.
A lerecos completos para luto, assim co-
mo brincos e rosetas. *
Meias de seda para senhoras.
Ditas para meninas.
Sapatmhos de seda e de mirin, para
baptisados.
Touquinhas e chaposinhos para dito.
L5as de todas as cores para bordar.
Capellas para noivas.
Grvalas e mantas para bomem.
Alfinetee para grvalas.
Riquisaimos livrinhos para notas, sendo
com capa de madnperula, marflm e cba-
lren.
Penas de ac de todas as qoalidaies, do
afamado fabricante Perris
Froco e seda frouxa para bordar.
Beogallas e chicotes de todas as qutlida-
des.
Dedaes de marfim e metal.
Espelhos doarados grandes, e pequeos
ditos de columna.
Dito especiaos para aa senhoras fazerem
os pentiados
Pulseiras tanto para senhora como para
meninas.
Riquissimas fitas lavradas e lizas.
Diademas do ultimo gosto.
Ligas de seda.
Ditas i)e seda e de algodo para margui-
tos de senhora.
Cuntas e tubos de ac.
Suspensorios de seda e de algodo.
Grande e completo sortimento de perfu-
maras finas dos fabricantes mais afamados,
assim romo muitos outros objectos que se-
ria enfadontro mencionar.
S no Gallo Vigilante ra do Crespo n. 7.
Verdadeiros
Collares Royer
Eleclra Magntico
Ou Collares Anodinos, para facilitar a den-
tiejo das criancas e contra as convolses
das mes mas, a estes collares nos escuzado
fazer qualquer recomroendaco, visto a
grande aceitado que tem tido, o que pode-
mos provar assim como, afiancar o effeito
que elles produzen, porque ba muito qis
os recebemos e continuamos a receber por
todos os paquetes da Europa; e encontra-
do sempre na loja de Gallo Vigilante, ra
do Crespo n. 7._________________
Tasso Innos
Vendem n seu arma zea na o
AaoriBO. 3S,
Licor fino Ctnade em botijas a anana botija*.
Licores finos sortldes em arralas eom ralbas d<
'idro e em lindos frascos.
Vintaosliberes.
Santernes.
Cbambertin.
Hermitage.
Borgonbe.
Champagne.
Moscatel.
Reino.
Bordeau.
Cognac.
Od Ton.
Paezel lagniol.
_ roa da
oneratru n. 71.
Lencos a 24 a duzia.
Veode-e nm grande sortineeto de lencos a 2f,
*430t\ 34 e 34306 a duxia, altos de lioho a 44608,
S e SU, ditos bordados cea tico a 1,5500 e Sf,
ditos muito Onte a 6\ 7$ e 1.44 duzia : s aa
ra da Imperatriz n. 72.
A54000apeca.
Grande sortimeMa deesadapotta de 54, &4500 e
6^, ditos melhores mareas a 74 85, 84500. 91.
10#, Hi e 124 ^^ ^'
Bafbesa 34860.
Vende se um grande sortuBeBto da baldes de ar-
co a 34. 34500, 4|e 44500, ditos de musselina a
4 e o4aOO, ditos sera meninas a 34 u 34500: s
aa roa da loaneraUn a. 72.
Grvalas a 500 rs.
Vende-se um graode sortimento de grvalas a
500, 640, 800 e 14, mantas Anas a 10200e 14600 :
s na loja de Guimares & Irruj, roa da Impera-
triz n. 72.
So"
armazem de lazendas
baratas de Santos oelho
Ra do Qncinaa4e a. is.
Vcdc-se o K-auDle :
Lences de panno de hubo petoaacatissimo pre-
co de 24200 e 24600.
LenooM de bramante de linbo de nm s panno
a 34200.
obertas de chita da India a 24400 e 24800.
Lenges de cambraia proprios para alg.beira da-
zia 14800, 24, 2400, 25600 e 4*.
Baldes de arcos para menina* a 14500. 24
e 340OO.
Algodo enfestado com 7 palmos de largara
14100 a rara.
Atoa I hado de algodo vara 24.
Pecas de cambraia branca de salmeos com 8
mela varas a 44500.
Bramante de lint fioo com 10 palmos de larga-
a 24500 a vara.
Panno de lioho com 9 Ij palmws de largxra a
24400 a vara.
Bramante de linhe de doas largura a 14280 a
vara.
Bra ante de lioho de orna tacanea a 800 a vara
Toalhs de linbo acolcboadas para mos, a 124
a duzia.
Ollas felpudas a 134 a dezia.
Goardanapos de linho a 34500 a dazia.
Pecas de cambraia para forro a 24600 e 24800.
Pecas de cambraia adamascada cora 20 varas
prouria para cortinado a 134.
Tarlatana de cores a 800 rs. a vara.
Fil liso fico a 760 a vara.
Dilo de sal picos a 14 a vara.
Flanela de cores 880 rs. o covado.
Bil5*s de aros para senhora a IS500, 34
34500. ^^
Ditos de arcos encacoades a 34808 e 44.
Esteira da India ie 4 e 5 palmos de largara
propra para forro da-ato ^ht meses preco do
qae em outra qualquer parte.
Cambraias flaasda oars miada* a 560 rs. a Tara
Neste armazem tambera aa eacomra um grand*
sortimento de roiiD? huta e uor metida.
PKOSPHATOdeFERRO
INSPECTOR OA ACADEMIA Ot PARIZ Etc
Nao existe medicamento ferruginoso tio nottvel
cerne o fhosphno de ferro d* aras; as snmmi-
dades medicaes de mundo inteiro adoptaram-ao
com aoUicitude sem igual nos aunes da scieocia.
As cor$s pallidat, dores de estornudo, diaetOet
pnotas, anemia, convalecencias dtfficeit, idade
critica as senhoras, irregularidade ne mens-
trua fSo, pobresa do sangue, lympkaUsm*, ti
curados rpidamente ou modificados por essi
esctlUnle composto. E' o conservador por exeel-
lencia da saude, e declarado superior nos hospi-
taea e pelas aeadamias a todes es ferrngiaeaea
eanheeidoa, a iodoreio e aa citrato de ferro,
eortroe meo que convem aos estmagos de-
licados, ame nte provoca emsstiaeio, e aniee
tambem que lo ennegrece a bocea e os entaa.
A venda as pharmacias de P. Maurer 4
C e A. Caors, em Pernarabuco.
Panno de algodo da Bahia, proprio
saceos de assacar e roapa de escravoa ; ieto para-
vender Antonio Luiz de Olivelra Aiew** C, ao
sea eseriptorio ra de Om. t.
"^fwT
Vende-se e eae WMra UlMaWti & C,
uo largo do ttMtoSMto'ft. VS, 'lHWfa poaeeJes
com too>os mmxiii/wmm iae* atar a***r
tres oaWltra mmm&k"Os^atijalil Jalgoa
jj-jjj; Francisco Jos Qermaiin
[RA NWA N. M,
{acaba de receber nm lindo e magnifico sor-
liniento de oculos, lunetos, binculos, do ol-
timo e mais apurado gosto da Europa o ot-
los de alcance para obsrvaooes e.'para'oa
mantmos.
POTMkt
Veode-se peawi fcHiwmssi Mkp*m a >
qua idade a mato agiMllelV a*Cr% a km**
assacar a preco ntWMM, fasaMsi a> M
Silva Loyo i C
VelaT ^^
Gomes de Mallos Irma >s, oa roa larga do Rosa-
rlo o. 24, vendem velas e cera de carnauba e gom-
ma de mandioca.
Cal vir#em.
Vende-se na rea do Trapicha armazem n. 9, a
mais nova que ha ao aereado, |por preca com-
modo.
Aea ahoeral de Vithy.
Pwtirhas de saes natorae de VTcbf.
Oleo fle figado de bacamao deseaapeetado.
O*o Ke (tito dita ferruginoso.
Ro* Laffeclur.
Xa ropa de cadelna de Berlb.
TfMm de-'BeWaa.
Xaasjjs fe iber*.
UH* DMpbMce eeaara as
CigaTtea^aaasWmwtoede 4ej
O doealgicoW-mi
Deposito, pharmaci
sano o- 10. _.
a afta
Veode-se ama mea Bssar woearello 1
35 palmos de comprld, W lliaVa baoba de
conservar os cabellos : no corredor do Bispo a. M
se dir quem vende.



Diarla de Periambuco Terfa fclra 18 de Setenibro de 1806.
lOJA
ENCiCLCPEOICA
RA DA IMPERATRIZ ARMAPEM DA
PORTA LARGA N. 52,
tanto nadarla fraaceza
o*
Paredes Porto.
Neste estabelecimento encontrar o rea
peivel publico um rariado sortimento de
fazendas francezas, nglezas, suissas e alte-
rases, que se veoderJo por preco commodo.
brande armazena de fazenda e
roupa felta, ras da Iuaperatrlz
a. ftl. armazem da porta larga
Neste tuslabelecimeeto encontrara' o respeita-
vel publico um completo sortimento de roupas de
todas as qalidades e prego commodo. coreo se-
jam : palelots de alpaca, de merino, de bombazi
na, panno, casemira, preu e de cores, caigas de
todas a eualidades, colletes de diversas qualida-
de* e presos commodo?, ehapeos pretos francezes,
fazenda de 10$ a 65, ditos de-sol de alpaca e seda,
sobretodos de panno propnos para vagem a ti*,
meias cruas de boas qaadades e pregos comino-
dos, e outras muitas fazendas e roapa; feitas, que
se veodera muito barato : no armazem da porta
larga d. SI
600 re.
Admiravel peefclneha.
Camisinhas decambraias a 600 rs. para acabar :
a roa da Imperatriz n. 51, armazem da porta lar-
ga junto a padaria franceza.
Casemira
Vende-se casemira de cor a 45 o corte : na ra
da imperatriz n. 52, junta a padaria fraaceza.
BalSes
Vende-se balde (crinolinas) de iodos os tama
anos a 5 e 25300 : a ra da Imperatris n. o-
anlo a padaria franceza.
ntremelos.
Vendem-se pegas de ntremelos coa 12 varas a
15300 : a rna da Imperalriz o. 52, porta larga.
Chales de rt-ndaa i Vendem-se cbales de renda pretos, fazenda de
boa qaalidade, a 45 por ter porgo : armazem da
porta larga n. 52.
Pe tondas e bourous.
Receben ltimamente ara sortimento de retondas
e booroos de seda e d algodo por barato prego,
sootembarques de grosdeoapto, capas e manteletes
por pregos commodos : armazem da porta larga
a. 52, ra da Imperatr'-.
Cambraias, lisas ticas.
Grande sortimentn de cambraias lisas, qne se
vendem a 35, 35500 e 45, olla muito Boa Victo-
ria a 55 e 55500, cortes de tarlataua de bonitos
gostos a 355U0 e 45 : roa da Imperatnz n. 52,
jonto a padaria fraoceza, armazem da porta larga.
Tiras e eniromeios bandadas
Grande sortimento de tiras e ntremelos borda-
dos, pelo prego de 5u0 rs. a pega : roa da Impe-
ratnz o. 52, junto a padaria fraaceza.
Cortes de gorguro de seda
preta.
Veodem-se cortes de gorguro de seda preta
para vestido cora 20 covados, por barato prego :
na roa da Imperatrfz n. 52, junio a padaria fran-
ceza.
600 rs
Cartea de calca.
Vendem-se cortes de caigas para servigo a 600
rsr: na na da Imperatrlz o. 52, junto a padaria
franceza.
i,5as de vestido.
Cbejou a leja de Parede- Porto nm sortimento
de las para vestido a 240 o couado : na ra da
Imperairiz n. 52, juoto a padaria franceza.
Chambres
Chegon um soitmenlo oe chambres para ho-
rnera a 45 ea5 na ra da hnperatriz n. 52, loja
de Paredes Porto.
Vestidas bordados.
Cbegoo a ra da Imperatnz o. 52, ricos cortes
de carabraia, bordados a croch, fazenda de 205
por 135 o ']* de Paredes Porto.
25#00
Cirande pechincha
Selecia cera 26 varas a pega, largura de 5 pal
mes. a 235 : na roa da daperalriz n. 52, Paredes
Porto.
VENDE-SE
Xo arnaazena de M I. Raanoa e mira 6 earo, a rna do VIgarlo
a. II, constantemente, os sega I nt a artigo*, qne
receben por eneommenda propria de
\i;\v-voiu.
A DlflEIRO
A.L0M s armazem
Machinas americanas para descarocar.algodo.
Arados idem.
Gaz em latas de cinco gales do mais purificado que vem este mercado.
Relajosperfeitos reguladores com corda para oito das.
Oleo para achinas de costuras.
Agulbas para as mesmas.
Breu em bairicas grandes, e pequeas.
Salsa parrillia de Bristol por Lanman & Kemp,
Agua Florida.
Anacbauita de Kemp.
Tnico Oriental.
Pilulas assucaradas. o
Pastilhas vermfugas.
Pi lulas do doutor Brandretb.
Prorapto a'i vio de Railway.
Rezolut vo renovador.
Pillas reguladoras. >
Fariuba de millio.
Vende-se tambem:
Principe Real.
Cambraias brancas,
Coa 8 palmas de lirgurac
Sena lo Ja do pavo.
Vende-se cambraias brancas transparentes lendo
B pannos de largura, ou duas larguras das regula-
res, qne (f5if!it.rai*r'fe um venido apenas com 4
Ba da Iinperatriz n. 60
DE
AM4 I SILVA.
RetaJhos na toja do Pavo.
Vendem-e reUHios de lsinhas e cajas fm ptr-
co por prego mcilo barato: na lija e mor ? irada
Pavo, ra da laaf-eratric a. 60, oe Gama & SUva,
Chitas prelas a 160.
Vendem-se superiores chitas prelas iDglezaa.
ma & Silva.
Baldes baratos
Vende o Pavao.
Cbegoo uro grande sortimento de baldes de ar
eos seodo americanos que sao os mtlhores e ven-
dem-se pelo baratissimo prego de 5500, 35 e
[35500: ea loja Do Pavao na roa da Imperttriz n.
60, de Gama & Silva.
Bretanfaas de rolo a 4-800.
ando os preprfeiarios deste grande eatabefccf- Vendem-se pecas fle bjetatha de rulo leudo 10
f,oH.res0|vid0 dlolDOir rade deposito .dae waras cada peca telo baratissimo preco de 2SiO:
.! 1lque l*m.D* SDa ^a e ^roIen3, promel- na loja e armazem do Pavao na ra da Imperatriz
em vender mais barato do que em oulra qualqoer n. 60, de Gama & Silva
varas, e veBdem-se pelos baratsmasri'recoi de sendo muile boa fazend, pelo baratrrtoe p(fc*
5000 reis, e I52S0 a vara, nicamente *a loia'e t6 l60 8 Vado m 6*iK0 W lf KQ0 M C**-
armazem do Pavao, ra da Imceratriz n. de Ga-1 dos: hl na loJa e ara,azt,m o Pa\a, ra da -
r peratriz n. 60 de Gama dt Silva.
BORDEAUX
i.1 qaaliade.
St Estephe.
St. Julien.
G. Margaux.
G. Lafitte.
Medoc.
K
PORTO
1a qialidade,
Vinho fino do Porto embarris fie 5/, 10/ e iO/.
Superior" vinho doRheno.
"Ve-niouih de Fratellicora.
Bitter aromtico.
Panno d'algocRo da fabrica de Todos os Santos,
dem. da ConceicSo.
Enxofre de 1.a qualidade.
Pedro V.
Mara Pa.
Prioceza l). Isabel.
Victor Emmanuel.
Duque.
Malvazia.

parte, com o flai da apuraiem dioheiro e eada vez
mais gradarem aos seos aomerosus fregnete,
porianto Ibes offerecem um grande sortimento de
fazendas inglezas e fianeezas, as qoaes vendem
per ataeado a retalbo. Comprometiendo se a
mandar levar ijuanjuer faieada em ca.a dos fre-
guezes, qoe nao poderem vlr aa, ou mandar as
amostras deixando -flear o penhor, asslm como
coavjdam as pessoas qne negoeelam em menor
esrafla qoe neste enabelerirnento enetntram nm
graode sortimento, veodeodcfe-lha apenas pelo
prefoque comprara em primeira mi as fazendas,
gaohando-se apenas descont, sendo a dlnheiro
* vista.
Grande pechlncha
em chales a 40 na loja do PavSo.
Vende-se flnlssimos chales de merino lisos rom
Iraajas largas de ittroz Irada as cres segumles
encarnado, azol claro, azul tsturo, erde, efir de
eanna, solferino, majenta, tranco e rOxo etc. esta
fazenda vende se simpae a 65 pela sua toa (uali-
dade e agora liquida se pelo baratissimo preo de
45 por ter grande por{o : na loja e armazemd
Pavao na ra da Imperatriz b. 60, de Gama &
fllta. w
A 40 pecbincbaem chalts de renda na loja
do Pavao.
Vende-se chales de reBca pe tos lendo 4 pona*
e sendo muito grandes pelo bariissimo prfeo de
45, ditos de renda de .'eda a 85 e 109 : na k>ja do
lindas cambraias transparente, granadina, sendo ifavio na ra da Imperatriz n. CO, de Gama &
Silva.
As iraoadiaas
Na loja do Pv5o.
Chegaram pelo ultimo vapor da Fraaca as msis
ira mmt aia?
t9 RIJA DO QIJKI9IADO Na ZK*
Peakmclia

Finas cambraias de cores de moderaos gosto6 a 500 rs.
Pegas de cambraia branca muitu toa a o5-
Oraade sortlaneato de caitas para todos os predas.
Lencos braucos pra meninos dona 25-
Cobertaa de chita da india a *0O.
Algodo trancado largo para toalhas superior fazenda vara 15300.
Cambraia de Hallo para lencos.
Fino esguiao de lioho a 15400. 15600 e 15800 a vara.
Cirande pechincha.
Fazenda muito encorpada para roopa de escravos e pelo baratissimo preg de J20 o covado.
cem os padrdes de listinhas >e flores, conforme se
osam ultiraamente as principaes cidades da Ena
ropa, e vemiem.p*to'barati8irrio preco de 640
rs^a vara a loja e srotaieai do Pavao, na roa 4-
Imperatriz n. 60, de Gama & Silva.
Males doaava a 2ooo e 2ooo rs.
Vendem-se cnaies de merino estampados a 25
e 25500 cada um.
Ditos de mennd liso a 35500.
pitos e.'papites-de-ferepon a 65, 7*. e 85000.
naos n* oa*i*dadBs eom *au> de s*da a 145.
Na loja e armazem do Pavo na rna da Imptra-
tfiz n. 60 de Gama & Silva.
Para luto vt nde o Pav5o.
Setim da China- ooa 6 palmos de largura, fazen-
da preta para loto, pcopria para vestidos e ronpas
para hoaens, seodo esta nova azenda sem lustro e
de rooito
Saias,
Saias,
Saias.
Vndese um Lonilo nriimeoto J:.s m- Ihorts
mais modernas cambraias prpouai para Uas feo-
do com bonitas barras bordadas e c. m juegas Un-
to brancas como bordadas de ccr, nr. propria para se fazer saia de um paano, e
de-se a vara por preos muito raztan*: na l<
e armitem do fatn, Iua da Imptiauj u. 60,
Gima & Silva. '
Remullas do DV J. C. Ajci-, 7vto
dalBilCr&Hiade.de Pciisyl\aui!, toa
Estadas-I odos.
Extracto composto de 1 al^a-uar-
rilfaa de Ayer.
Pe i 1 ora 1 de ce reja.
Remedio para sezes.
Pllnla cathartteas.
O depi sito central pan ;s [.rehire asi
Permmbuco, Alagoa?, Par; 1)1;. e ftio-
Grafide do N01 le, de? les 1 tn -1 e t5o fa-
voravelmente ronhecidos e Ketritfei en
todas as panes da America 00 St.l e do
Norte,acba-setm casa deTlut rt brls-
tiaasea, 16 rna do Trapiche ena
Peraambnco.
Os pre?os de
330 jor duzia de estrado de lato patrllba.
27* por dtjzra de \ eiti ral de 1 erpja.
273 por duzia de rerm dio p;ia seztes.
Para mo
Lencos fcordados
Vende o Pav8o.
liste estabejeclmec-ti; acaba de receber um va
Tlado sorlimeato.dosaiai? bonitos Irncos de cam- ,74 por duzia df plalas eatbaj tiras
araia primorosamente bordados e proprios para
mao que vende pelo tarotissimo prego e \ e
15600 caca nm : na lija e armazem do Pavao na
rna da Imperalriz o. 60, de Gama & mIvk.
Gbi i da lia 11 ha,
Vendem-se benit propriopara enctsits decadeiras, pelos trraiissi-
mos precos de 23 a 35000 n, na loja do Pavo na
ra da fmperaiiiz d. 60, de Gama & Silva.
os coi tinados do Pavo.
Vende-se um grande sortimento dos mais ricos
boa qoalidade, garnHndn-se nao Hcar
'russa com o tempo ei endese pelo barato pre?o de icortin*dosbordadi. pttit*+t rar camas ejanellas
! 25 e 25o00 o covado, asein como ne**e eslabeleci- j pelos berifisx 1 r. r, i.. t, 05. Id5, 205
ment lem nm grande sortimento de todas as fa-|*55000 n. o par, assim *ooio pe?as da cambala
zendas pretascomo sejam cass'as echitas pretas,*" *';i> '' ;i-;' ^ 11'pia.-; ra >. 11 esroo
^>Ck-033:0>-'OS;Ws3^3;
ee cu e O O 1 -i as O O o
O % S 2. sr-9 3>a
3 2.1 2.5 ?.S %2?

o- 5.S5 sr t o
gis? sr'B
'/3

3 g 5 3 I.
si
O
o wen a. s
Vt T g .
= o. o 5 o
o>
S.2-S:
_ o Q-cj
5ff
2 s;
hit
3
2
2S
o 3* P
a ce
&
a
a.
u
V
^3
ir
5

I
v
c
>
ALMANACK
N
Lembraucas Luso Brasileiro.
Para o aono de 186,7.
POR
ALBXANDRE MAG>0 DE CASTILHO
la boaito ralaae araada de gravoraa oreakailo I 5.
LIVHABIA FRANCEZA
_________BA PO CRESPO/'________ .
Novidade
da Vigilante 1 ua do i respo n, 7,
A novidade do Vigilante sement participara
todas as senboras e as senhoras modistas qoe
chefado nm bonito sortimento de enfeiles para
vestidos de apuado goato e inteMasaente novidade
e mailo apreciavel em Pars, o oome destes enfei-
tes Crespieone Margante: s se vende no Vigi-
lante rna do Crespo n. 7. _____________"
Tesouras para encrespar b
bados.
Vende-se tesouras de duas, tres e cinco pernas
para encrespar babados: roa do Queimado loja
de Aievedo & Irmo.
"^"Vende-se urna eaaa bem construida sendo
a aader* de sic apira e amar ello; nova anda por
calafetar, de Iotar;o de 400 arrobas : os preten-
dentes pdem dirigirse a rna da Praia n. 40. '
...... ......" -" .....
Charutos inspires verdadeicos a 15 a caa : w
armazem da Liga roa Nora n 60.
bwHoaovas a 900 rs. o canto : na Liga roa Nova
MACHINAS AMERICANAS
Vertladelra do fabricante ~\. Y. Canttongin & C.
Hoinbos americanos para moer millio.
Na ra Nova n. 20 e 22, grande deposito
das verdadeiras machinas americanas de todos
os f brcantes; se en;ontra neste deposito
grande porc3o de machinas, e se vendem por
menos preco do que em outra qualquer parte,
por se receber em direitnra da Amerka; se
fornece todas as explicaces necessarias ao
comprador para conservarlo das mesmas;
neste grande estabelecimeBto se encentra mui- bar
tos >artgos americanos, que muito deve agr- ntrii n. 60, de G?.ma & Silva.
dar ans agricultores que usam de taes artigoa, Bramante de llnho do Pavo.
encontra-se tambem todas as collecces de de- nJie: 8UPe"'r bramante de timo com 10
senhos sobre os quaes se aceita qualquer urna ^Xfl'f^ gj*; ggftS^
encommenda, que com promptido sera execu- como panno de linho muo fino peles baratissiroos
tada ; i este grande estabelecimeDtO, enfon-1 P/PCos de 6M),700 e 800rs. a vara : na Joj e ar-
tra-se em grosso e a retalho,
ie ferrageos, e miudezas que se vendem por preco cooomodo, pedindo-se a attencao!|r#1
de todos para este estabeiecircento que muito lucraro em fazer snas compras: na
ra Nuva n. 20 Carnei-o Vianna.
laas| tapadas e transparentes, prlnceras, alpa'js,
sarjas, etc. : na toja e arWazem da Pavo na rea
da Imperatriz n. 60, de Gaaaa & Sirva.
Os esparllx s doPavlo.
Vendem-ae urna grande e variado sortimento de
espartilhoadas mais bem feito? qne ttm 'viedo ae
mercado, sendo de todos os tamanbos, vendendo-se
por um preco-fti)ito'Jrazov>l :' isto na toja do Pa-
vo na ra da Imperatriz n. 60. de Gama & Silva.
Lateos brancoa a 9#004 res a
duzla.
Vendem se neos blancos fazenda muito boa
pelo baratissimo prego de 25 a duzla, Ditos com
barra de Mi a 85080 isto para acabar na Injad-
Pavao na ra da Iwperatrz n. 60 de Gama 4 Sio
va.
Croadenaples pr* tus do Pavo.
Vendem-se superiores grosdenaples pretos pelos
baratissimos precos de I5S00, 15600, 15800 e 25
o covado, sendo fazrnda mui'o bea, s ^iara ca-
na loja e aruazenado Pavo, rna da Impe-
cr nde norcSO mBZPm do Pav8o, ra da Imperatriz n. 60, de Ga
*_ I ma A Silva.
toa iba8
DB
FAZENDA E ROUPA FE1TA
Hit XOVA \. 94.
Reg & Moora, proprietarto da loja de fazendas e rtupa feita, sita r-ua Nova
n. 24, fazem soiente ao publico e particularmente aos seus amigos e freguezes, que
acabara de receber de sua encommenda, um perfetio sortimento de fazendas r;nas, entre
ellas asentirs de cores proprias paracosturaes; panno'fino dos melhores fabricantee
proprios igualmente para casacas e sobrecasacas e outras fazendas de variados gostos,
as quaes vender com vantagem sobre outro do mesmo genero de negocio, tanto pela
modicidade d todos aquelles quesedi/naremfrequentar seu estaba ecimento.
Osmesmos, cuntin landocomo sempre, escudados e robustecidos na aceitarlo e
confianca que Ibes tem sido di pensada pelo respeilavel publico, no espado de tempo em
que se acham estabelecidos, procuiam envidar todos osesorcos a seu aleante para cor-
responderem -ufficientemente a expectativa deste e de seus numerosos freguezes e ami-
gos, por isso, admittiram para sua officina de alfaiate, quatro contra-mestres, funecio-
nando regularmente soba in.mediata direc?o do muito hbil mestre Lauriano Jos de
Barros, 0 qual, activo e diligente como se ser. nao se poupa aos mais aturados cuidados
de sua arte quando tem de salisfazer com brevidade e presteza qualquer obra de encom-
menda,
Ao contrario dos n uttos que enchem as columnas do jornal com a repetido ociosa
de annuncios em estylo sedico, n3<> precisamos aqu a natureza dos artigos que possui-
mos para nao collocar a smeeridade dos nossp* tratos no perigo imminente que resulta
dessas aotecipaces sem CuoCamenlo.
Novo e grande deposito de superior carvfio de Oardiffna
Babia.
Antonio Gomes doe Santas C, ra do Santa Barbara n. 1, esto habilitados a supprir de
oarvao, em condi^des mais favoraveis que em outro qaalquer deposito, a todos os navios a vapor que
ccarem naouelie porto. A contratar nesta com Domingos Alves Hatheas..
BAZAR
UE
Grande armazem de tin
tas medicamentos etc.
Rna do Imperador n. 7!%.
*lo3)0 Pedro das nieves (ge-
rente) tena a venda o
segnlate:
Productos chimicos e phawna-
ceuticos os ai4s empregados m
medicina.
Tintas para todo o genero de pin-
tura e para tinturara.
Productos iodustriaes e tipias
para flores, como botes de flores'
e modelos em gesso para imitar
fructas e passaros com o compe-
tente desenho.
Proiluctos chimicos e iodustriaes
para pbotographia, tin.uraria, .pin-
tura, pyrotecnia etc.
. Montado em grande escala e sup-
prido directamente de 'Paria, Lon-
dres, Hamburgo, Anvers e Lisboa
pode offerecer productos de plena
confianca e satisfazer qualqoer en-
commenda a grosso trato e reta-'
Iho e por preco commodo.
(**
Vende-se vinho de Bordeaux em qnartolas,'
barrfs caixaa : a casa de Tiiiet frres, roa do
i Trapiche a. 9.
Parameuinos e meninas
Ra do Queimado n. 69.
' chegado para a toja de miadeus da rna do
Qeunsdo n. 69, um graode sortimento des mais
linduse modernos brin^uedos para eolrelenimeijto
dos meninos, uotando-se entre elles os seguinles :
apparelho para oratorio, ditos de chumb e porce-
lana para a I moco e jamar, tambores e pandeire,
espingardas e pistolas, rebequinbas e violtabas,
eaixas.de presepios cmplelos, carrinhos com ca-
vallos e riguras, cestinhas e carrmhrs de palha,
ornetlohas e pistdes de folha, bonecas de porce-
lana vestidas, ditas de enera, ditas em berces cha-
mando papai e mamai, cavallinhos 4e uadelra de
varios tamanhos, e.outos muitos brinquedos que
? ib a vista se pede apreciar, advertndo-se se-
mele que nao sera* preciso grandes quantias para
es aais de familias eureterem seasflibos.
Mmto nova a 800 rs. M
libra.
Na fabrica de padaria a vapor de Joio
Luiz di Narciso, tem para veader ausas
recebida emdireilura da Uezico e conli-
nuam a receber por todos os navios viu-
dos deNffWYofk, sendo o sen nico de-
posito na mesma fabrica na praca da
*a*iaCrain,.&/8.
l
Vendaje ama mulata que sane co*er, ea-
gommar. cosinbar e lavar : na roa Nova n. 31,
tercelro andar.
peehiucha em
para aao.
Vtodem-se superiores toalhas de linho proprias
psra mao pelo baratissimo prego de 560 rs.. ditas
a 640 rs ditas a imitacao das felpudas a 800 rs.,
ditas fepudas a 1 : pechincha na toja e arma-
zem io Pavao na ra dalmterairiz n 60, de Ga-
ma & Silva.
ATLANTA
Grande aovidade a 200 rs.
Aliadla a 200 rs.
Allanta a 260 rs.
Atlanta a 200 rs.
Chepou para a toja do Pavao < mais lindo sor-
timento desta nova fazenda, com o titulo de allanta
propria para vestido e ronpas para meninos, sen-
do esta modernissima fazenda de la com os mais
lindos (oslos de quadrinhos e listras tendo entre
ellas de cor roa e preta, com listras e quadros
brancos proprias para luto, e vendem-se pelo ba-
ratissimo preco de 200 rs. o covado nicamente na
loja do Pavo ra da Imperatriz n. 60 de Gama &
Silva.
Vestidos braceos bordados a 60O0.
Vendem-se os mais ricos corles de tarlatapa e
cambraia branca com lindas barras bordadas, e
trazendo todos os cortes enfeites suficientes para
corpo e mangas, peloharalissimo prego de 000,
ditos com barras de cores, tanto de seda corso .da
mesma cambraia a 65, $& e IOS, todos estes corles
sao rnegados pelo ultimo vapor, e veodem-se or
estes diminuios pregos na loja e armazem do pa-
vao, ra da fmperatriz n. 60, de Gama & Silva.
Vestidos a AL
Vendem-se bonitos cortes de cambraia branca
com barras de cores e todos brancos, pelo baratis-
simo prego de 4 : na loja e armazem do pavo,
roa da Imperatriz n. 60, de Gama & Silva.
Tapetes.
Vendem-se ricos tapete para sala pelo baratissi-
me prego de 8000 e iOOOU : na loja e armazem
do pavo, ra da Imperatriz n. 60, de Gama &
Silva.
t asentirs pretas a 40OO.
Vendem-se cortes de casemira preta superior
quaMdade peto baratissimo prego de 45500, gran-
de pecninrha; na loja e armazem do Pavao na
ra da Imperatriz n. 60, de Gama & Silva.
HadapolSoa 3500.
Vendem-se pegaj de madapolao com 1.2 jardas,
sendo muito fino, pelo baratissimo prego de 3500,
dito muito largo e eecorpado a 4000 : na toja e
armazem do pavo, roa da Imperatriz n. 60, de
Gama & Silva.
i'ambraia da Fscossia.
Vendem se as mais finas cambraias da Esocssia
todas transparentes tendo mais de vara de largura
com 9 varas cda pega, pelos baratissimos pregos
de 65, 6*000, "*, 8}, 9* e 105. grande pero to-
cha : na toja e armazem do pavao, roa da Impe-
ratriz n. 60, de Gama & Silva.
Para nolvaa.
Verrdem-se ricos orles de seda branca lavrada,
viodo cada nm armado no sen eartao, com a com-
petente palma e capella : na toiae armazem do
pavo, ra da Imperatriz o. 60, de Gama &
Silva.
Sedas largas a L$600.
S a parla.
Vendem-se superiores sedas com 4 palmos de
largara, sendo dos padrdes mais bonitos que lem
vindo ao mercado, e vendem-se pelo baratissimo
prego de 15600 o cavado, cortes de ditas moito
bonitas cem 18 covsdos a 355000 : na loja e ar-
mazem do pavo, ra da Imperatriz n. 80, de Gama
di Silva.
As colchas do pavio.
Veodem-se hondas olebas de rosti peso fcara-
lissimu prego de 65000, dita- a imitago a 35000.
a grande sortimento de cobertores, tanto de la
como de algodSo : na loja e armazem do pavo,
roa da Imperatriz a. 60, de Gama & Silva.
41 acas rie cores para vestidas.
Chegaram as mais bonitas alpacas de eres pro-
prias para vestidas, seao Nsas lendo de tedas aa
cores mal- modernas qne. tem vindo ao mercado, e
vendem se pe|o barata prego de 640 rs. o covado,
ditas lavradas com as mesmas cores a 720 rs.,d-
tas e afenlo braceo com palmas do cares a 00
rs tedas arta alpacas sao muito largas-e vendem-
se por estes diminnh:s pregos : na lo]a.e armazem
do pavao, roa da Imperairii o. 90, de Gama &
Silva.
tim por prtgo* lafoavels,na lija e aimazem du Pa-
A'o Da lea e in |-r'airu ti 0, dt Gama & Silva.
Os ftu hirs ''o Pvit;
Veflem os mau- botuto* cachins de malha de
la cem r-onrs .-t-s. pnpi ;s'3 -stihtdas de
theatro e Ipiles t-tc, etc. ta leja t-arrr.azem o Pa-
To Da roa da In peatriz n. 60. de Gama & Silva.
Oi^iinii) a* .:i t 0 ni loja do !*;>;.
Vendem-se u.- mab linos e mais modernos organ-
dyes de curesnrli is n,aif delicados desfnbos,sen-
rtofa7enda le 11*00 iy a vaia, e Itonidao-se i-elo
liarati.-siiiK. pTtcii ilr de? Uit-i. s avara por esta-
rein turnando um |i>>iuenu ti que de. mofo, isto na
'lija e arn-v7.il. do H;.*ao ra ra da Imperatrizn.
60,-e G>waA.5'lva.
ManguMos a ,iMi v (140 re s,
Vendem si n.ancuitos e calclnbas para meninas,
pelo baratlsimo [ifgi de 500 e 640 reis, na Ir ja e
trmazem d.i P?.\ai,' pa iua da Imperatriz n. 60, de
Gsm & Srfvs.
A 1(0 s. para fui o, vende o
f*avo.
Vndpm-H iair>r.-a- pinas proprias para luto
peto i.aratisMroii pprrMlf ii O' rs. o covado: na
toja rrna'Hi rta Pavae ra da Imperatriz o. 60,
Be Gama & Suva.
lgodaoxlnltoa 3#?OO a peea.
Vende-se pegas de aigidiosinho, tendo 20 jai-
das eada pega, sem defrito alguro, pelo baratissi-
mo prego de 25500 ou 160 rs. a vara, grane
pecincha ; na lija e arma?em do Pavo a' ra -a
Imperatriz n. 60 r'eG-ma A Silva.
Cirande pee3ilncha em cbapds
do 4 byll a U e Cff.
Vendem se superior, s rhnios do Chyli proprios
para him^ns. seadu doe nais medernos que tem
vindo ao miTcado pelos haratissimos pregos de
55 e 65 e algaus mais barates : na loja e arma-
zem do Pavo a iua da Imperatriz n. 60, de Gama
/J Silva.
se entendern a dlnheiro vista, em
o descont de 5 por eerto (mqi?itk!fds
de 6 a 12 diuias. e de 10 [ guan idades superiores a 12 Imite.
GZ6\Z ~
a 400 rs. a garrafa : s na Liga.
Pechincha
Aos agricultores
Saunders Brothers & C. arabam *!e receoera
Liverpool vapores de torga de 3 a 4 ca*U s coa
todos os perieaces, en.ui propnts ara fzer mo-
ver machinas de de.-carogar ajgo.dan, pi.cti,ilr taa
vapor trabalhar ate cot 140Venas, t-^c bein ;ir-
vem para enfardar algidao m tara jin- qualquer
servigo em que osam irubalhar co. Dinae'. Ga
momos tambem lem a venda machina* america-
nas de 35 a 40 strras : os pretenderles dirijata-
se ao largo do Corpo Santo n. 11.
K armazem t!e fazendas K.-ratas de
Sm i os (elho, roa du Queimado
d, 19.
Vende-te o segointe :
Peeblncha.
Ptgas de mdapolo fino entestado pelo baratis-
simo prego de 95.
m AtteBcao
|B| Vende-ie urna casa tfrrea na na de
BB Si-nia Cer-ilii : qoem pretender dirija se.
*** a ra do Imperador n. 42, primi-iu an-
J^ dar, das 11 horas da ninha as 3 da
St larde.
Vende-si tnamuhna psra rr;.i;.r capim
das maiores quena : bu p*teo du Caiffio casa de
banana.
Vt-nde-se na fundigo da Aunia lijlos io-
glezes para tomaina (fire briiks) de aoperior qua-
lidae prr precc ci mnindo.
Vendi-se tma enrava prea, de id;dei!f-iO
a 18 anuos, qoe cosinha. ergmna. lava e cose
ordinariamente, azmdo bim lijrii Ihu : a ralar
na rna das Cruzes n. II.
4 al de JLisfcoa
da mai nova e superior : vendtm por barato re-
g Campos.& Subrinho, a ra to Irr i ad- r nu-
mero 28.
Vende-se urna escr'av rlola n m idude de
22 anees e om Oiho Loa ricura, ci m algunas ha-
bilidades, sem viciis tu achaques: a t'aiar na iua
da Conceigaon. 4b.
Na rna do Apollo n. 2' wmdtn ex-
cellente vit lio o Potlo erganaf; e >erde puro, em caixas de un a uuzia <3e
garrafas, a preco commodo.
Breu em barricas pequeas.
Cera em velas de todcs os tamanhos.
Bogias.
Mercurio.
Na ra do Vigario n. 19, Io andar.
Yinho colares.
O vinho colares o mais superar di *odos ea
viohos e preferivel neste palz pela -ii- fri->gni(taa
e agradavel paladar, vende se a 650(0 a uuzia :
no armazem da Liga, roa Nova.
Vende-se de una pessra que se rtt> a : um
locador ; ama neza de arrarello, noa, nm irjoia
palmos por prego rrmmcdo: no Ci-riedir do Bi.-ia
n. 15.
Vende-se;
machinas americanas de serrles para descarocar
algodo : na roa da Snate K6van. 42.
Escravos fugiO?
<
Desappareceu no dia 20 de agosto o preo ea-
cravo de eome Vicente, idade de 40 a aonos,
pernas arqoiadas, estatura regnlar, ja f Cacbanga' e consta qoe esta' em Oiinda e intita-
la-se forro : quem o pegar ou der nucas c-rus
na ra da Cadeia do Becife n. 51, pnuteiro andar.
sera' recompensado.__________________
Chitas rxas a 240 rs. o covado.
Vendem-se B/MaUmas chitas rxas do Rassell,
sendo fazenda mmto encorpada e cores flxas pelo
baratissimo prego de 240 rs o covado ou a 95000
a pi-ca, isto por ten-m um leve loque de mofo pa-
ris anga-se que ligo que se la vem o miT; m!u
e seria fazena para n u>i > mais diuliei.ro se nao
fosse ese diminuto defeito : i.-t.> na loja e arma-
zem do Pavao na ra da Imperalriz n. 60, de Ga-
ma & Silva.
Ciranadine.
Chegaram as man bonitas las granadines com
os mais lindos padioes de listras sendo um leci.o
lustrozo qoe parece seda o mais moderno qoe este
anno tem viodo para vestidos e vendem se por
prego muitn bar; to : onicarrente na loja e arma-
zem do Pavo na ra da Imperatriz n. 60, de Ga-
ma & Silva.
Paktots bonitos.
Vendem-se palelots de panno preto boa fazenda
pelo baratsimo prego de 65, ditos sobrecasacos a
12, caigas de casemira de cor a 65 e 7a, grande
sortimento de colletes por pregos baratos e um
grande sortimento de todas as qualidades de roupa
tanto de casemira cerno de brim e vendem-se mui-
to em conta na loja e armazem do Pavo na ra
da Imperatriz o. 60, de Gama & Silva.
Chales de renda a i.sUOO.
Vendem-se os mais modernos chales de renda
pretos pelo barato prego de 45000 : na toja e ar-
mazem do pavo, ra da Imperatriz n. 60, de Gama
& Silva.
Nova faienda para vestidos.
Gama & Silva receberam pelo ultimo vapor os
mais modernos tecidos qoe ltimamente se usam
na Europa como sejam lasinbas com os mais de-
licados padrdes listrados com seda e sem ella, ten-
do toda esta fazenda um lustro que bruna igual-
mente como seda e vendem-se per prego muito
razoavel : na loja e armazem do Pavo aa roa da
Imperatriz n. 60, de Gama & Silva.
Pechincha ora, cortes de chita*
[ronce as.
'Vendem-se superares cortes de chitas francesas
sendo est-uras e claras com as eres ,filas toado
cada corle 10a 12 covad.s fwendo-ibe a ceatape-
los baratismos pregos de 280 e 320 rs. o covado,
para acabar : na loja e armazem do Pavio a rea
da Imperatrizb. fcO.de Gama-A-Silva.
Balos americanos a S$.
Vendem-se esroais superiores 'baldes america-
nos texto 30 e 35 arcos om as Oras bem largas e
com lauHa roda lendo os arcos moilo mais consis-
tencia qoe os inglezes, sendo neste artigo o melbor
qoe tem vindo ao merrado e vendem-se pelo bara-
tissimo prego de 95 : na toja e armazem do Pavao
na rna da Imperalriz n. 60, de Gama di Silva.
Gmsinhas para lucio na loja do Pavio.
Vende-se om bonito .sortimento de camianbas,
manguitos, golinbas e punhos de cambraia, fil e
escomilha ; sendo o mais moderno e mais proprio
qoe tem vindo para lurte-e vende-se por prego mal-
to raaoavel na toja e armazem do Pavao, ra da
Imperatriz o. 60, de Gama & Silva.
Chapeos, a 800, rs.
Venderse chapeos de,palha.roilagao de mani- chante aoaMiaai-aaaa.aa en s-nto-r deoa
Iba pelo baratis-iroo prego de 800 rs. cada um por J3 de ,0 do ana.correarte, o ex-lav., rrami-
ur orna grande porfao, Ba leja e armajem *o Pa- >|) ^ Jiom b^idAo, idade -IB aom s pouea
vao, randa ImperalrU o. 60, d Gama <& Silva. ,B,is <.menos, cerpo regular, pea to-n. Mt, ca-
Corplnboa preto. nbfeellosenfados aparados, levou camisa, raiga
Vendem-se .bonies corpinbas .de ,grosdenanle chapeo de- palea, era urna das gaos lem on.a ewa-
,pretos, sendo ricamenienle enfeliados, a 105 : na tri**m ornaos dedos, erovenieBie ti* uto tal be
toja e armazem do pav&o, roa da Imperatris n.00, 4e roda queurau parte da ponta dj dedo: qu-aa
de Gama A Silva. der noticia ou apprchende-lo leve-o a ca caaaajnlnbas on qnlaana. do aaperader n. 31, a n seoaor Amiento Mate
Gfeeaaram as ni maderaas oasaqatohas de deAraojo, aonde s*4ste, ou a roa da Praia o ,41
grosdanapie preto, rica mente enfeiladas, vendem- .taberna de Genuino los da Rosa que grafflear
se por prego muito razoavel: na loja e armazem com generosidades roga-se as autoridad $ tu i
do Pavao, ra da Imperalriz n. 00, de Gama 4 tro da provincia sut vlgitaacia ao aunredito
Sila. cravo.
Em jolho de 1864 fugio do abaixo assignado o
s.u escravo crioolo de 26 aunas de idad e de ne-
me Miguel, o qual tem es signaes tegoteea: car
lula, alto.Wa figura,abeca pequen^ < bello che-
gado; tem ba.-lante barba e j Ibe faii m aigons
denles, peinas compridas, p- gram'es p esparra-
das, dedos cortos e torios,*m em oo> jrs tpm oaw
cicatrifc de machado entre o dedo grande, u m mais
a mo direila ama ootra cicatriz muio visuet
que parte pelo meto daunhadodedo poik-gar^cafi
dedo um pouco dfeituoso, bom irahaihador.a
todo qosalo faz con deceoibaragu. P^de-e pi-is
as autoridades pecies erapUes decampo qaa
prendam u ditoecravo e o remettam pata o Reci-
te e entregar a Claudio Dubeaux, na iua do Impe-
rador, que recompensar generosan.^ni., ou para
o Sendo a seo-Sr. Jos Baptista d> S m -
Esta lugida
A preU cricula deaoave Beaedi ih. de 3o nsoa
de idade pouco mais uu menos, tem os -i^oaua
seguinles: eslatura baixa, ps apathrtados, t.ai
urna marea songa de ferWa em om ltraci, tevoa
vestido de cblta cor de 'rca cem haaBa i t-iumae-
rides de uaooasarelas efanao da .-u u-mw:
quem a,pegar leve-a a rna Direiu n 24 padaria
w 82 segundo andar, qne sera' reo mpi n>ado.
I



Diarto de f eraaaibaeo ... Tere fer 18 de Setewbro de 1866.
ilTTERATDRA.
lioiueop4h'a do sead* frunce
seno de leglslagjo, porque a questio de dlrelto foi
decidid pelo iribooal da cassagio, e portanto ca-
so jo igtdo.
por a' disposigao do hornera. D'ahi a infinidad 8 de
syslemas dilTereotes.
N.ij de hoje, qoe se conbeee o rlfio lio sabi-
do : Hipcrates diz que sim, Galeno diz qxte nao.
Hiuve tempo em que os humores pecante, eram JZ?* T """'? T"
Sao immensas as conmistas, que a doutr.oa me- a origem de lodas as mustias e eolio davam-se qn,,qBer ,oe,IW*de botic aberU- e
dica de Hannemao lem feito e coatin a faier em parples a torio e a* dlreito nestes;casos *" exwP5io "r geral, autorisa
iota o mundo. Povo e governos, ignorantes e i* N'ootra epocha era o San*ue a causa de todos' W 'S MOi deDU)8 8 Tm6S
l>i >s, desvalidos e oimientos, se curvara diante des- mssos males, e para expedir este teraivel inimlgo
n ventaje sublime, presentida apaas pelo genio sangrava se sera d nem consciencia. Os pantanos
de iiypocratese desenvolvida muitos seclos de- da Hungra e da B,hemia ja' nlo chegavam para
pola pelo genio de Hahn man. 0 enorrae consammo da. SMgo,sogl|Sf pass0Q.se a
Na sua marcha trinmpiia', a homeopathia vai j procura-lis alm di Atlntico. Haveis.de. lembrar-
levando de rojo a pert'oicii do erro ; e, espalhin j *. senliores, que lis quarenta annos, poco-.mais
ou meos, jorrava o saugue em |1 na pai tao co
piosameote, como no dia da batalbi mais sangren-
ta. Chamavase a'islo systeraa de Brousals. To-
dava, nao quero dizer que nao tributo a maior ve.
do a luz por tod.i a, :-, vai recollieodo, como
Iropheus de suas vtelprU?, a adheso daquelles
mesmos, que mais a o nbaleram, e o concurso es-
pontaneo dos homens mais (Ilustres.
De todas as corpreo scientificas, as que mais i n^rago a om dos mais eminentes talentos que lem
obstinada*se lem mustiado em desviar o espirito' bonrado a medicina donosso lempo, e entretanto
oa verdades eosinadas por Hihneman, sao : a fa-1 esls '"U""e medico, depois de ttr tratado a ho- \
culdade de medicina e a irnperUI academia de me- "">Pa'Aia de absurdo, as Iig5s que tanta yoga
dicina de Paris.
Orgulhosas das suas tradicgSes e presumpgosas
:t o ponto de julgarem-se superioras todas as
oalras acuidades e academia, do mundo, ellas
acreditara ou querem faier acreditar que neohuma
doutnna pode ser llda por verdadeira, sem que
terina emanado do seu seio ou pelo menos, baja
recebido o seu placel, para poder ser adoptada.
Mj- o espirito publico Trance;, mais sabio do que
os pretenciosos sabios da faculdade e da academia,
reage contra a cjoiamacia e recama dos poderes
do estado providencias efflcaze*, que ponham ter-
mo a tyrannia da medicina official.
Por ora pooco se lem conseguido a tal respeito ;
nenhuma duvida porm ha qoe a justica da causa
de que possam carecer, sem todava ibe dar o di
reito de ler botica abena. m
Ora, das 37,000 communas de Franca, 35,0,0
nao lem botica, logo do maior numero das locali-
dades pode o medico, se qoizer, accurnular o for
necimento dos remedios con) o esercicio de sua
propria proflssao, e fazer assim concurrencia ao
monopolio do boticario; e ouoca oavi dizer que re-
sultasse disso inconveniente alguno. Os boticarios
podero queixar-se, mas os ao entes teem-se dado
bem, e o que importa.
Tornemos agora questao de facto, coro a qua-
me pareceu que o honrado colega flcou multo anl
cho, quer quanto primeira, quer respeito da se-' grada do enfermo?
gunda peticao.
Estes fados, senbores, nao sao dessas vas alle-
gages que aqoi costumam subraetter rouilas vezes
oossa deliberagao temerarios peticionarios, sao
; fados provados por muitas decisSes soberanas lo-
madas pelos tribunaes lmperlaes. Sei que pelas
(amos tambero o aosso, que examioar atienta-1 Entreunto at hoje nenhuma explorarlo ha sido
mente todas as quesiSes que possam ser le inte- feila, para com afooleza tentarse qaalqaer opera-
reise para o paiz, e chamar para ellas a atlencao eio por mar.
do goveroo e os atados da administracio, sempre
qoe estas questSes nos ferem presentadas com
corto carcter de verosimilhaoga e importancia.
Compre nos mais designar ao govefoo as leis que
paregam ou defeituosas, ou nao correspondam mats
as novas necessidades da sociedade.
Ora, i vista dos fados qoe acabo de relatar-vos,
nao conforme as asserc5es sempre suepeitas de
qualquer peticionario, mas segundo as declaracoes
proferidas por um tribunal soberano, nao esta'
bem claro que prohibir absolutamente ao medico
bomeopalba dar aos seus doentes remedios que
elle recebe das pbarmaci.s especiaos das cidades
principaes, o mesmo que impossibilita-lo de
exercer soa proflssao ; e violar ao mesmo lempo
assim a liberdade do medico como a liberdad*
tambera muito respeitavel e de mais a mais sa-
lera tido, como acaba de faze-lo o oosso excellente
collega o Sr. Ouraas, prestou afinal culto ao que
hatia de rasoavel e grave na doutrina de Hahne-
man. Oeu-se ao estudo detla pouco antes de falle
cer, e al ha quem aflrme qoe a empregou contra
a m ,1 jstia que o levou a' sepultura. .
| cooelusoes uniformes do nosso sabio e honrado eol-
Nossa poca lem accrescentado novas riquezas a legi> 0 Sr p^n^r g,rM Dnplo, foram cassatfas
estas riquezas do passado. Alm da bomeopatbla,
que um syslema bem simples e bem explcito,
e que se basea no principio de Hipcrates: Similia
similibus curanlur, e a allopaihia, uorae mais de
genero que de especie, e que boje designa menos
o syslema contraria contrari, do que a coalicao
de lodos os syslemas bosiis bomeopathia, ba mats
a bydrolberapla, a electroterapia, e orna chusma
da Tiuraanidade seja satisfeita em toda a sua pie- de outros syslemas, que multo respeito, e aos qoaes
Hitada.
A questao apenas de lempo. E o nosso (rium-
pho sera' tanto mais glorioso, quaolo maior fr a
obsnagio da faculdade e da academia de medici-
na de Paris em se oppr a" reforma da arte de co-
rar emprehendida por Samuel Habneman.
Em o anno passado foi apreseoiado ao senado
francez urna octicao assignada por um grande nu-
mero de operarlos de Paris, pedindo a fondacao
de enfermaras nos hospitaes, onde podessem elles
receber o tratamento homeopathico por occasio
de suas molestias.
Essa peticao mereceu as honras da discusso,
pronnnciando-se o presidente do senado Mr. Bon-
jkan do modo que abaixo se l.
iranscrevendo esse nolavel diseorso, tenho em
visla nao s levar ao conhecimenlo do publico, os
progressos da homeopalhia, como lambem mostrar
a maueira grave e discreta, com que no senado
franca/, se discute os negocios do estado.
O publico notara' qoe em todo esse discurso foi
o orad t inlerrompido apenas por tres pequeos
apartes I
Compare se isso com a algazarra que se observa
as nossas assemblas legislativas I I t
Dr. Sabino 0. L. Pinho.
Senado de Franca.
SE-SAO DE i DE JULHO DE 1865.
Discurso acerca das pelieoes relativas a medicina
bomeopatbica, pronunciado pelo presidente Bon-
jean, senador.
Sis. senadores. Se tivessemos de decidir qual
de dous meihodos de curar era raelhor, qual offe-
recia mais probabilidades de cura aos enfermos,
ceriameote que eu nao teria o arrojo de travar Io-
ta com o raeu sabio amigo, o Sr. Domas. Nao que-
reria, por prego algum, expor a assembla, a que
lenbo a honra de perteocer, a ser ridicolarlsada,
quando menos, por ouvir discutir assuroolos jara
os quaes radicalmente incompetente qualquer
corporacao poltica ; e em vez de provocar a dis-
cusso ou pruboga li, requereria que se passasse
a' ordem do dla.se fosse mi-ter que a materia em
dicussSo ficasse n9 p em que a ccIIjcou o Sr.
Domas.
Mas, no meu entender, as duas peilcSes que se
discotem, pjdem ser examinadas sem n lapo ao
mrito respectivo dosdois methodos de curar. As
questSes que ellas suscilam sao quest5es de legis-
larlo, de huraanidade e de liberdade, e para ques-
tSes desta ordem ninguem se Umbrara' pens eu,
de contestar a intelra competencia do senado.
Antes de examinar as duas pelieoes, no trplice
ponto de vista que acabo de indicar, perraitli-me,
Srs. senadores, que rectifique algumas ideas
inexactas, que vejo predominaren) em muitas pes
soas.
Na Imaglnacao deltas os dois methodos, que se
convencionou designar pebsnomes conectivos d'al-
Iipathia e homeopalhia, representam-se, o primei-
ro (allopaihia) como a medicina 1-giiima, a medi-
cina offlcial do estado; o segnndo (homeopalhia)
como urna medicina nao Ilegal, mas pelo meno=
exlra 1-fgal, ama medicina revolucionaria, oermlt-
ta-se-me a expresso, e conseguiotemente suspeita,
e pouco digna de favor, (lu uidade.)
Pois bem I E' isso um erro que muito importa
rectificar ames de ludo.
O estado, isto o governo nao protege syslema
algum medico. De todos quaotos querem dedicar-
se a' arte de corar a le exige certas condicSes de
esludo, cuja ju-tificacSo diploma de doutor, oo
de offlcial de saude (of/icier de sanie); e obtido es-
te dipl >ma, pode aqnel e que o alcancoa, doutor ou
offlcial de saude, gozar da mais ami 11 liberdade
para escolher os diversos tatemas pelos quaes se
tem em todas as epochas e logares tentado comba-
ter a molestia e a morie.
Nesta parte, senhnres, a l'i confia cegamente na
consciencia dos mdicos, e tamanba esla liber-
dade, qoe s nos casos extremos de Impericia, ne-
gligencia ou imprudencia, maoifestamenle reco-
ohecidas, que os tribunaes tem decidido decla-
rar o medico responsavel pelos erros palpaveis que
tiver commeltido no tratamento dos deentes.
A nalureza das cousas quer que isto seja assim
mesmo. Mtlle pitenl adttus Avernt. disse o poeta ;
por milnares de caminhos se vai para a mirle ; e
a nussa natureza. qoe nao pode conformarse com
um tal desfecho, o qual todava nao se pode evitar,
tem sempre pergunlado, pergaola e perguntara'
sem cessar porque nao havera' tambero mais de
um mel qoe nos desvie desse fatal termo.
Por ootroUdo, conforme reconbeceu meo sabio
adversario n'uma dlscussio que tivemos na ultima
sesso a' respeito do ensino da selencia de corar,
a medicina nao nenhuma sciencla exacta, Isto
sciencla qoe dedusa hgteameote seos proeessos de'
principios demonstrados priori, mas om empiris-
mo racienal, fondado na observacao, segando as
proprias expressoes do Sr. Domas.
Ninguem sabe como actuara os medicamentos no
nosso organismo, e os mdicos sabem-n'o tanto co-
mo os que nao sao mdicos.
Porque o qoinino fax cessar as febres intermit-
ientes ? Nao sabem : apenas se tem observado
qoe elle as corla, e o qoe casta.
Porque o opio fax dormir T Anexar dos progres-
sos inconlestaveis qoe no domo lampo lem feito as
sciencias naturaes, amia nao podemos responder
melhor que Moliere : r O opio faz dormir porque
tem certa w lude dormtttva, (hilaridade.)
Sendo isto assim, esta* chro qae a arle medica
s pode progredireom orna condico, e experi-
mentar continuamente, appellar soccessivmente
para todos os agent, para todas as torgas nata-
raes qae a bonlade da Providencia se digoou de
s teubo que censurar os nomes grtgo, um tamo
revessados, cuja sombra se disfarcaro para a ig-
norancia do vulgo, como faziam d'aotes certos di-
putado* turbulentos, que se escondan) airai de
enormes barcas.
estas declses, por terem-se dedozido destes faetos
conseqnencias que eram contrarias i lei, mas nem
por isso deixam os fados de existir.
O tribunal de cassassao nao ainulla as declara-
(des de fado, elle s cassa as oncluses mal de-
duzidas do faci ao direilo.
Pois bem t Em diversas deches, e principal-
mente n'uma *ad* pelo tribunal de Poitiers, a 7 d
raaio de 1857, e que foi redigida cora o maior cui-
dado, depois de-oo vidas todas asparles, e madura
deliberarlo, eneoairo provados os faetos, de qae
me resta fazer-vos scientes, e servem de base
primeira peurao. Nao o peticionario quem falta,
Eu lelo poucos llvros de medicina, mas (eio o prop.io tnbooal soberano, digno de toda nossa
muitas vezes madama de Sevign, e quando i conflanS*
suas cartas impagaveis encontr a descripeo das
medicages, realmente barbaras, a qae snjeitavara
os subditos do grande re, e at mesmo ao proprio
grande re, don gracas medecina moderna por
ler singularmente suavisado os meios que erepre-
ga, e riscado de sua pbarmacopa esses remedios
repulsivos, qae tanto marlyrisaram nossos pais, e
tambero diminuido consideravelmente, mas nao
anda tanto quanto en desejo, essas estravaganles
misturadas em qae entravam trila snbslaocias
differenles, e qae, desde o XVI scalo provocaran)
os apodos do graode Paracelso.
Comtudo, senhores, cumpre confessar que com
lodes esses syslemas se lem curado e se tem mala-
do, que com todos se cura e se morre, e com todos
se continuar a flear bom e a morrer, salvo esta
eterna pergonia para cada caso de cora ou de
morteSeria o remedio ou apezar do remedio. Ser
ainda que ou por que 1
S Deas sabe, senbores, e o estado, que nao po-
de saber melhor qae qualquer di nos, proeede com
Em primeiro lugar a declso sustenta que os
medicamentos aoroeopatbicos sao remedios simples,
isto constando cada om de orna unir substan-
cia. Mas como, segundo a iheorla bahaemaniana,
a efflcacia do remedio esta' n razo directa da
divisao da substancia, tornam-se indispensaveis,
para qae seja bem feita esta divisao, apparelnos
propnos, e estados especiaes, algumas vezes mol-
las semanas, e sempre mullos das. Os medica-
mentes bomeopathicos sao portanto daquelles que
lem o nome do officinaes, isto qae devero ser
preparados com antecedencia as offlcinas, por
diBerenca dos remedios chamados magistraes> qae
o pbarmacealico prepara na eccasiao, vista da
receita do medico.
Sendo cert", alm disso, qoe pela pequeiissima
qoantidade de .-obstancia activa, qoe entra na
composicao destes medicamentos, cujas dzes tem
por isso o nome de infioitesimaes, nao pode o me-
dico verificar a pureza delles seoao por meio de
analyses muito delicadas, e maltas vezes lalvez
Mas, diz-nos o Sr. Domas, quem impede que o
medico bomeopalba mande aviar suas recoltas pelo
boticario ordioarlo da localiiade? Qaem impede 1
Nao o dissemos J ? Primeiratseole a propria na-
tureza desses medicamentos, que, como ja' disse
segundo o tribunal de Poitiers, nao podem ser pre
parados instantneamente, mesmo as boticas es-
peciaes, e depois a impossibilidade qae teriam os
boticarios eeromans, dado mesmo o tempo neces-
sario, de faier as preparares para as quaes nao
tem nem os ntencilios, nem os estudos lodispensa-
vois ?
De passagem cumpre reeonbecer qae o Sr. Da-
mas represeotou todaiier ogagao da lei de germinal
anno XI como urna coasa muito grave, de maior
eonslderacao, e capaz de assuslar singularmente a
prudencia do senado e do governo.
Meas seohores, nao contesto qoe esta lei de ger*
mioal anno XI teoha produiido muito boas effei-
tos, mas ella ja' lem 63 annos de idade, e em 63
annos evidentemente se tem produiido no mundo
medico cerlo numero de fados novos qoe incon-
teslavelmeate esta lei nao previo e nem poda
prever.
( Continuarse ha. >
THEATI10 DA lilEltA.
mulla prudencia manteado se no centro dos syste impossiveis, torna-se necessario que o medico ho
mas, na siluacao da mais estricta neatralidade.
Por conseguinte, nada de medicina legitima, na-
da de medicina offlcial. A homeopalhia to legi-
tima e tao official como a allopaihia. O medico de-
ve ter toda a liberdade de escolher o methodo qae
Ihe parecer melhor. Liberdade completa para os
mdicos; era este o primeiro ponto qae tiaha de
estabelecer, e creio bem que ninguem o contestar
mais.
Mas, esta liberdade, que com jusli razo se coa-
cede ao medico, oo poder ser razoavelmeote ne-
gada ao enfermo, visto que elle lambem lucra no
negocio. E para o doenle ainda ha outro molivo
particular, e de grande peso, que nao se d para
com o medico.
meopatha tenha plena e inteira confianza na peri-
cia e probidade do pharmaceatico, qae previamen-
te prepara os medicamentos, e os transmute ao
doente pela receita do facultativo.
Ora, s oas grandes cidades de Paris, Lio, Bor'
di-os e Marselha que ha boticas homeopathlcas.
Nos outros logares os boticarios nio querem pres-
tar-so a vender remedios homeopathicus, on, o qoe
ainda peior, tem-nos porm de roa vontade, e
com o secreto desejo de desacreditarem um methodo
de curativo, que to opposlo aos seus inle-
resses.
A deciio do tribunal de Poitiers accrescenta
dous fados bem deploraveis, que, se nao lora tao
No que respeila a medicamentos, sinceramente 6rave a"'r|aaae> no me atrevera a reprodozi-los
declaro que sou da escola de Montaigne, duvido:1(,ai"
sempre. e quando me pedem a minha opioio res- A decsao prova que na cidade onde o processo
pondo : No sei. Mas, ha orna cousa de que eu no tivra origem, um boticario, que tinha venda
duvido, urna verdade que me parece manifesta, e destes medicamenlos, vio sua botica como que n-
a influencia consideravel e multas vezes decisi- terdicla, e no teve remedio seoo annunciar pela
v? do moral sobre o pbysico.
Em seguida commogao da peleja o soldado sup-
imprensa que no continoava a vender remedios
bomeopathicos. No foi, como disse o hanrado Sr.
pona, com feliz xito na ambulancia, operaedes a Dumas, porque o medico bomeopalha julgasse que
que sur.cumbera quasi sempre, na vida commum, estes medicamentos fkariam inulilisados pelo con-
bomens qae alm disso se acham em bem roelho-! tacto dos remedios ordinarios, esim porque os me
res coodiedes relativamente ao tratamento, mas qae dicos, ou os boticarios, nio sei qoaes, haviam re-
no sao, como o soldado, acorocoados pelo seoti- solvido empregar iodos os meios para que oo
ment do dever cumprido, e da gloria adquirida.
E qual o que d'eotre dos, sentindo se encora-
se podesse exercer a medicina bomeopatbica.
Prova mais a decsao que na mesma cidade oo*
modado, cansado e em estado de oo poder entre-' tro boticario eslabeleceu aro deposito destes reme-
gar-seao trabalbo, no tem visto desapparecerem dios s com o boa de foraecer base ao processo,
muitas vezes, como por encanto, o encommodo e o cujo era elle o instigador, contra o medico homeo-
cansaco, quando se apreseota ama causa de sobre-
i-Ti-itagao moral T
Nossos mdicos do o ignorara. Por que a cabe-
ceira dos doentes Qngem sempre a mais firme es-
peranza, ainda mesmo que no a lenbam ? E' por
que sabem que a esperanga de cura o primeiro
passo para a mesma cura, e que o doenle que de-
sespera sempre um enfermo qae no d espe-
ranza.
Mas como poder o doente ter esta esperanza
salutar e vivificadora quando no lem completa
conflanga no medico e nos meios qoe elle eropre-
ga t A f transporta as montanhas, disse o apos-
tlo, e eu digo que a f cura o doente, e s assim
se poderiam explicar milnares de fados excepcio-
naes, que, de outra forma, fiacariam sem expli-
cago.
Por consegulnle, tenha lamhm o doente ampia
liberdade de e scolher o methodo de curativo por
sua coala e risco; no porque eu enteja persuadido
que elle seja mais apto do que eu para julgar do
mrito relativo dos diflereales meihodos, mas por.
que, senhores, a f no carece do raciocinio, e
por isso justamente que ella se chama f.
Em nome desta dupla liberdade, do medico e do
enfermo, que eu vou agora examioar rpidamen-
te o fundamento das duas pellgdes, que neste mo-
mento esto em discasso. por decjhJes das ^^ reunids do tribQnal dfl
Por um sem numero de raides, qoe bem com- cassago, em 4 de marco de 1838, foi declarado
prehendereis, mas principalmente por aquella qae qae ende a lei nao distingue, o juii no tem direi-
enanciei no principio destas ob.-ervacoes, sinto nao (o de distinguir ; e qoe basta baver em qualquer
peder acompaobaro mea sabio amigo no terreno locahdade um pharmaceatico, seja ou no especial,
onde Ibe aproove collocar-se;e nem pens em dis- e ainda mesmo que elle no qoeira ler remedios
cutir, uma a urna, as notas criticas que elle fez a bomeopathicos, para o medico bomeopalha no po-
alguns trechos isolados, e escolhidos com arte, as der utilisar-se da excepg) prevista no art. 27 da
numerosas obras de Habneman ou de seos disci- |e| 0 aD00 xi.
pulos. Ainda mesmo qoe nao me faltasse a selen- No careco dizer-vos, senhores, qae nao minha
ca, faltar-me-bia evidentemente o lempo para ve- miengo criticar esta decsao. Julgando, como
ricar assim os trechos como a verdadeira sigoifl- julgou, toi o iribonal de eassagio Bel, como sem-
cacao delles ; s pego ao mea cspirilaoso impug- pre, a aoslera misso que a le lhe conOoo, missao
nador permissao para ibe dizer que se a zombana qUe> seja dito de passagem, nem sempre o publico
e a pilberias podessem dar cabo da medicina, ha comprebende muito bem, como tivemos uma prova
muito qae ella estarla morta pelas estocadas do estes ltimos dias no oolro recinto. Poncas vezes
se lembram de qae o tribunal de cassago no
palba. Vem bem a proposito citar aqu o prover-
bio : lnvidia medicoium pessima.
Prova mais, emfim, a deciso, e agora cuo i-
tualmente em vez de analysar : t Qoe.no estado
c actual da pharmacia official, seria entorpecer o
< exercicio da medicina, pelo methodo homeopa-
i tinco, e expo la a conlrariarem-se Ibe os effailos,
sugeitar o medico e o doente quando menos a
om penoso receio de nsarem, nos lugares onde
no houver boticas especiaes, dos medicamenlos
fornecidos pelos boticarios sem pralica de pre-
f para-ks, nem conhecimenlo dos estudos espe-
a ciaes, que exigem estas preparages, habituados
c alm disso, a desdenharem, e at odiarem as
c prescripgoes da escola homeopalhica, e despro"
c vidos de mais a mais do material de laboratorio
iudispeosavel uma manipalago regular. >
De lodos estes faetos julgou o tribunal de Poi-
tiers poder concluir, em direilo, qae as cidades
onde no bouvesse botica especial, tinha o medico
bomeopalha fUBdamenlo para Invocar a disposigo
excepcional do art. ti da lei de germinal anno
XI, e eslava aotorisado a distribuir a seus doentes
os remedios homeopticos que elle reetbesse dos
laboratorios especiaes das cidades principaes, e
que no podesse encontrar as boticas ordinarias
da locahdade onde residisse.
Nisto enganara-se o tribunal de Poitiers, pois
nosso divino Moliere. As cbalagas nada provam.
Passemos agora ao exame de cada uma destas
petiges. Bem sabis, senbores, e o mea honrado
impugoador preparoa j e terreno, somonte se es-
queceu das principaes disposiges da lei, qae lhe
cumpria dar-vos a conhecer, bem sabis qae ba
respeito pharmacia orna lei de 31 de germinal,
anno XI, a qual, exigindo do pharmaceutico ceros
estados, permitt-lhe o monopolio da venda dos re-
medios. No artigo 37 desta lei, para a qual solicito
com empenbo vossa aileocao, qne se basa todo
o sy-t^ma da peticao, no como ponto de dlreito,
esta' encarregado de corrigir as leis defeituosas,
de completar as que esiejam incompletas, de re-
formar as qne paregam no sallsfaxer s novas ne-
cessidades qae o lempo traz comsigo ; sua misso
nica procurar a exacta applicago da lei, con-
forme a ledra e o espirito della, deixando ao legis-
lador o eocarregarse de reformar aquellas que
caregam de reforma. Mas se, eoroo sempre, o
tribunal de cassago fez o sen dever cassando a
deciso do tribunal de Poitiers, nos os senadores,
coMocados em posigo luleiramente fliffereote, fa-
Acampamento as minas do forte de Itapir,
(Paraguay) 23 de agosto de 186&
Aqoi estamos desde os nllnos dias de julho abar.
racado sobre os destrogos de ltapir,onde temos sido
obsequiados e at admirado*' pelos curiosos. Sim,
admirados, porque Gregos e Troyanos contestavam
a existencia de 2" corpo de exercilo, e o mytho se
trnou real idade para confusao dos Paraguayos do
Prata e do Brasil.
Nosso trajelo do Loreto at aiui ioi orna verda-
deira testa, gracas a gentileza e amabilidade do
distinclo ebefe Alvim, o offlcial da oo-sa armada
qae mais anflmga lospira aoexerrito, pela inlelli
gencia, pericia, zelo e bravura de qae tantas provas.
ba dado. Sem praticos, sem agua suficiente, por
logares desconhecidos, soube esse intrpido mari-
nbeiro conduzir a divisao do seu mando at o ponto
em que receben os 10,000 homens qoe boje at
Irahem a atlengo de todos pela sade, moralidade
e disciplina que revelam.
O baro de Porto Alegre ficoa encantado das
maneiras cavallelrosas do chefe Alvim, e exaltou
de prazer com toda a offlclalidade qoe lhe obedece,
ao lr ante hontem a ordem do dia n. 5 (que srja
dito de passagem ninguem comprehende a razo
porque s anle-hontom foi publicada), na qual o
almirante tece justos elogios ao chefe Alvim, pelo
satisfactorio desempenho das perigosas commissdes
de que lem sido incumbido, cabendo-lhe a gloria da
passagem de lodo o exercito alllado para o Para-
guay sem o menor prejuizo de gente ou de maie-
nal.
A 18 do crreme houve conseibo de generaes, e
o ataque goral as linhas Inimigas foi decidido. Era
com effeilo j lempo de tomar-se semt-haote d-1
berago. As torgas alindas orgam acloalmeote
por 40,000 bomens aguerridos e affiitos peoosa
vida que se passa nestas inhspitas regides; muas
de tiro, sotejam para a ariilbaria qae possuimos;
cavalbadas, temos a necessana para perseguir o
'nimigo, e conter a que nos poJeria eHe arremegar
por ciliadas atravs de sendas ignoradas. Uma
esqoadia poderosa de quarenta vasos de guerr,->
comando seis encouragados e duas bombardeiras,
sulca livremente as aguas que bordam este selva-
tico torro, e dominara j lodo o no at Mallo
Grosso, se motivos, que alias ignoro, no deterrai-
uassera a inaego em que tem jazido.
Os torpedos cessararo, porque, cessada a causa,
cessam os effeiios. Segundo afirmara dous jovess
offlciaes da marlnba paraguaya, ltimamente pas-
sados, o Americano antor desdas infernaes,machi
as foi victima da exploso de uma dellas. Lpez,
privado desse meio prfido de destruida) humana,
procura obslrundo ocanaltbstar a sobida da
oossa brava marioba al o seu covil; mas em vo
trabalba. O desanimo e a coofuso que lavram no
seu campo aonunciau-lhe o fim do seu detestavel
reinado.
Devendo ter lugar a graode batalha decisiva por
estes oito das, o 2o corpo de exercito reeebeu
ordem para mudar de acampamento aflu de na
embocadura do rio Paraguay embarcar-se na divi-
sao do bravo chefe Alvim, composta de 5 caoho-
nelras e 14 transportes.
Sob a direcgo intelgente de to experimentado
chefe, contentes iremos dar dias de gloria a patria
e colher louros para as armas brasileras.
Remelto-lhe a ordem do dia em qne o valente
general Polyd >ro aununcia ao 1 corpo de exercilo
a nossa chegado ao Passo da Patria. E' uma pega
escripia em eslylo marcial, e asss alinelos* para
cora oo destemido veterano baiao de Porte Alegre,
que saber retribuir a fineza do seu camarada e
amigo, mostrando aieda uma vez no campo da
balalba que o mesmo sol lado de Mo-on.
Esquecia me noliciar-li>' que a 10 deste tbegou
aqu o vapor Presidente, que Acara encalbado so
Paran, rebocando a canboneira Itajahy, cuja cal-
deira eslal >u qnando funrclonava a raacnina.
O crescimento rpido das aguas nestes rios
facto inesperado e de muilo resoltado para as ope-
ragoes. A elle deve-se o safamenlo do vapor
Presidente.
Compre que o goveroo mande mdicos para os
hospitaes, presentemente do que mais se care-
ce. Se a morte do tenante Cludio Ferreira foi
ioevitavel, o ebefe baro do Amazonas suavlsooa
com os desvelos prodigados a esse sea amigo, que
levou para bordo afim de melhor cuidar delle. Mas
porque no o deixoa no hospital ? Seria porque
all foise perfeitamente tratadoT
No fra de proposito dizer Ibe que a deserta
ilna de Cerrilo, na entrada do Paraguay, esi con-
vertida n'uma linda fazenda pelo illustre almiran-
te Tatoandar. Debaixo lem r He feito vir toda a
son ie plantas otis, e com os voluntarios alle-
raes, oxcellenles agricultores, transformen aquella
abandonado slo em uma risonha morada. Cha-
mam a agora a ilha das Fadas. O nome apro-
priado.
A tal fortaleza de Curopaity qoe a algons inentla
terror, parece, pela confilo dos transfogas initol-
gc., que apenas om embaraco fcilmente supe-
rare!.
Consta qne est reservado o commaodo da van-
guarda para o sympaihico chefe Alvim ; uma
garanta de resolado. O almirante mostra assim
qne conhece bem o pessoal de qae dispoe para as
emprezas arriscadas.
Vea tratar de emmalar a trouxa, sao horas de
comegar o embarque da bagagem. Adeos, al a
primeira oppnnnldade.
Primevo corpo de exercilo brasileiro em operacoes
no Paraguay. Tumi y, 3 de agosto de 1866.
Camaradas I O 2a corpo de exercilo imperial
acaba de pisar o territorio paragirayo. Suas ten-
das se levantaran) junto ao forte de Itapir, que
com tanto denodo convertesles em ruinas.
Ahi ergue-se a bandeira aun verde conduzida
por novos batalhdes de soldados lo vrenles como
vos, e igualmeote resolutos para o perigo, e como
vos, abrazados no mesmo togo divinoo amor da
patria.
Se as circumstancas da guerra nos deram ante-
cedencia nos combates, o mesmo seotimento faz
palpitar esses coragSes brasilefros, qoe ansiosamen-
te esperara o momento supremo em que nos cum-
pre o maior estorgo em desaffronta da palria.
O sacrificio de saogue nao o nico trbulo que
o soldado paga a seu paiz e lalvez no sc-> o, >rao
o maior: as privages.as lidas quoliJiaua*, us tra-
balbos arduos decampaoua.so mais fallazes, mais
destruidores, e exlgera mais constancia e abnega-
ge do que uma reohida batalha j e por essa pro-
vaoga leera passado os nossos innos qoe acabam
de ebegar.
Sua eoragem nesses soffriroento, o patriotismo
que o anima, nos prometiera o mais eficaz e fra-
ternal apnio as operagoes que brevemente juntos
emprehenderemos; carcter e o passado glorioso
do general qoe os comraanda em chefe a paran
lia do que elles valera.
Sabis, scldados, /joem esse general
Os batalhdes veteranos que digam quera os eoo-
duzo victoria nos campo* de Morn.
Ahi acharis consigoa-Jo as palavras da tradc-
co o mesmo nome firmado na ordem do dia que
vos do conhecimenlo.Polydoroda Fonseca Qn-
tonilhu Jordo, marecbal de campo
Qiiui iel-geiterat do commando em ehefe do 2 corpo
de exercilo brasileiro em operacoes contra o Pa
guay, junto s rumas do forte de Itapir, 2> de
julhc de 1866.
Ordem do dia n. 82.
Guerra tu gabas-!e a t propria ; tu nun-
ca fostes era sers mais que a aprendiza-
gem doassassink) e a escola da tyrannia.
Guerra I tu nena mesmo os a razSo do
mais forte, porque o triumplio do mafe for-
te acaba sempre por ligar a olligacjro dos
mais fracos sob a qual n o aponte, nunca devia de suecumoir por fim
a mais forte t
Guerra! que fmidtstes tu ? di-lo. O que
uma guerra funda, vem sempre ootra des-
truir. Provas : o imperio de Garlos o gran-
de e o imperio de Napoleo o grande.
Guerra 1 que conquistas Cuestes tu. que
a final, nao fossem pagas por mais que ellas
vaiiim, no por ti. insoluvel sempre, mas
pela paz, restauradora sempre ?

Guerra f depois de teres ceifado todas as
geracBesque podiam empunbar umiarma,
qoando s reslam anciaios boira d-) tmu-
lo, criancas no bercj), quero d o sazonamen-
tos novas geraces. responde? E'stu?
N5r> a paz ?
Guerra .' depois de despejares todos os
tbesouros do estad-) depois de tees feito
Qurvar sob o peso dos imposlos as popula-
cocs assoladas e extenuadas, quem enrique-
ce essas populares empobrecidas ? quem
torca a enclter esses tbesouros ? E' tu ?
No, a paz ?
Camaradas! Ri-nos, Analmente, no slo para-
guayo. Est, pois, realisado nm dos vossos mais
ardentes desejos.
Se outros, mais feliies do qae nos, precede rara
nos, e primeiro tiveram a gloria de veocerere em
mais de ama bitatha as pbaolasiadas cohortes da
fra ao Paraguay, deste paii digno de melhor sor-
te, no depeodeu isso, como sabis, da vontade do
vosso general, e sim de recorsos que elle no li-
oba, e s [dde obter quando as peripetias d
guerra acooselbaram a operago que acabamos de
fazer.
Briosos soldados ao Ia corpo de exercilo I I Jes
pela primeira vea pelejar com um ioicaigo que,
desconhecendo as leis da guerra 'entre povos civi-
lizados, no as respeita, pralicando inauditos aclos
de atrocidades.
No usis, pois, de represalias, qoe elles no
teem consciencia do mal qae fazem ; e demais, a
geoerosidade qualidade inherente aos valentes.
Tratai com cordialidade os nossos camaradas dos
exrciios alliados. Unidos, como estamos, por um
s pensameoto, o de vingar cobardes e insidiosas
arTrontas qae, ingratos, ousaram Irrogar a nossa
honra e dignidade nacional, sao todos nossos ami-
gos e devero-nos por isso merecer a maior con
anga.
Viva a nossa santa religio t
Viva S. M. o Imperador I
Viva a nagao brsiletra 1
Vivara os exordios e esquadras alliadas.Baro
de Porto-Alegre.
UM POUCO DE TUDO.
Le-se no D/arto de S. Paulo :
A MODA ACTUAL.
Traz a moga os cabellos desgrenhados
Como as furias que pintao do Cocyto,
E desalinbo tal ebuna bonito,
Porque dos jovens faz prazer, agrados:
De p e lama sojos os baba dos
Do vestido, que vai daqui ao Egypto;
Cbipeosinho de palba circumscripto,
Fitas, peonas, filos nelle pregados :
O odio traz, cooar de cores mil :
Desmentir no convem a descendencia
A' janota, que filba do Brasil :
O pai ento que faz? Tem paciencii,
Seno ha de passar por druto e vil,
Que nega as leis da moda obediencia.
Esta 4ve Mara do Sr. conego Ancbit
la, de Mariana.
Ave, rainha dos cos,
Mana, cheia- de graga,
Os leus labios nem tocaram
Do peccado a negra taca.
Nesse throno do universo
O Senhor comtigo est:
E's bendita entre as mulheres,
O' casta flor de Jud I -
Do vosso ventre sagrado
O re do. ris dste luz;
E' bemdito o vosso fructo,
O' doce m5e de Jess I
Rogai, virgem das Virgens,
Rogai por nos peccadores,.
as pbases da triste vida,
Na meta das nossas dores.
Mr. Emile de Girarein, o corypbeu da
imprensa poltica franceza, a:aba de repro-
ducir o seu progamma poltico de 1363,
que se intitula Paz e liberdade ni Europa.
A reapparicSo deste prog^amma -s ana-
thema da guerra e panegyrico da paz,
foi promovida pela linguagem de algumas
folhas, muito d'dicadas Austria, que ac-
cUsavam a Libert de exciUr a guerra na
Allemanbae na Italia e de se empachar em
destruir as diligencias dos diplmalas.
Nesse programma deparam-se-nos os se-
guimos parapbos, que s51 o anathema de
guerra, e um brado a favor da paz.
A Gazeta do Poto, foi na ue i'.erlln, publi-
ca em um dos seus ltimos nmeros o bello
artigo que se vai ler.
E- tamos cheios de vergonba e de pezar,
por vermos os peridicos allemaes que se
dizem liberaes pregar o desmembramento
da Allemanha, e recommendar sob o nome
de liberdade, e annexacio violenta e preco-
nisar sob o rotulo de Estado Popular, a
ad raejo do poder.
Quando a Russia submette o Caucaso,
quando a Franca faz a guerra na frica, a
Inglaterra na India e na China, ioiroduzem
a civ lisaco entre povos, aos quaes ella era
estranha at ento.
As suas victorias d5o-nos a esperanca de
qne, em certo numero de annos, tolo o
eslraugeiru ser protegido peo direilo das
gentes nesses remotos paizes.
Estas guerras trazem .comsigo o resultado
de fundar para cadi um a segurangt indi-
vidual e nacional, impedindo a violencia.
Mas que signieam as conquistas na Alle-
manha ?
Quando' uvimos a voz dos nossos fanti-
cos, parece que a Saxonia foi at hoje uma
especie de estado brbaro onde se roubam
os estrangeiros, ou que habitada por um
povo oppresso, que pede em altos brados a
sua alforria.
Evidentemente o que se diz em favor des-
la annexaco, no consiste seno em pala-
vras vas destinadas a lisongear servilmente
as ambiges dynnsiicas.
Quando por um lado se uo toca no admi-
ravel governo de Meklenburgo, quer-se que
livremosa Saxonia, a qual no quer por
ne hum modo, que a livrem.
Por outro lado recommenda se a anne-
xaco, porque a populacho ama ardentemen-
te a Prussii, dizendose ao mesmo tempo
que icister opera-la, porque a Prussia
detestada pelos habitantes.
Aqui aecusa-se um pequeo estado de no
dar imprensa sufOcinte liberdade; acola
degola-se a repblica de Francf.rt, porque
no mantev- os peridicos dentro dos limi-
tes a que se deve restringir o o seu poder.
Em uma pa avra, ouvimos tima mistura
de vozes e de grit s, semi-demagogos, se-
mi-feulaes, que no pnvam nada seno a
loucura desses espirites que se entregam
cegamente embriaguez da forca.
Por causa desta confuso estranha, tem-
po que a representado pru-siana faca ouvir
a verdadeira voz do povo.
A constitnico do imperio de 1848, a
nica base solida para a Prussia, para a Al-
lemanha, para a uni lade, para a liberdade.
E' a fazer preencher estes principios que
devem tender os nossos esforcos.
<*
Guerra I que o teu nome seja ultrajado I
que seja riscado dos diccionarios do fim
deste seculo I Teu nome, leu verdadeira
nome, Barbaria.
Guerra tu mentes quando dizes que s
respeito da humanidade e o sentimento da
justica.
Guerra t tu calumnias a liberdade, quan-
do pretendes que ella no tem fogo nem
explendor.
* Guerra 1 tu engaas a drede quando cora-
p indo bolelins que sao falsos, desfiguras os
fados para operares as imaginagoes; quao
do exageras os rigores empregados pela
dominago, e quando passas em silencio os
exeessos commettidos pela resistencia I
Gnerra tu divagas quando oppoes o
espirito pacifico a solidanedade humana.
Guerra .' tu erras quando fallas de paz
vergonhosa. Houve guerras que foram o
opprobio da bum-nidade ; no ha paz al-
guma que no naja sido um beneficio para
a civilsago. Paz vergonhosa no existe-
O Courrier du Havre coiita nos seguintes
termos a origem de urna invengo recente :
Ha dois annos, um operario de machinas,
quebabilava as immediaces de Paris, foi
visitar o Havre, acomjaniado pela sua fa-
milia. Examinando os navios an orados,
houve uma cousa que lhe piendeu a atlen-
go : o bclice.
Deregresso a sua casa, comegou a me-
diar e a planear, abandonando um tanto
os seus interesses, e deixando-se censurar
pelos visinhos que no conheciam a idea a
que elle sacrificava o seu tempo e os seus
poucos haveres. O operario esperava occa-
sio de lhes poder responder trumphante-
mente. Cbegou a nai :
Ha dous mezes, o sonhador vendeu o pou-
co qne lhe restava, conservando nicamen-
te uma machina, cujo uso s e'le conhecia.
Disse adeus a sua mulher, parti, esteTe
seis semanas ausente e regressou ao Havre
ac impanhado por um capitalista e por dous
eogenheiros.
Soube-3e ento o que era a machina. Era
uma charra de vapor e de hlice. Transpor-
tada para um campo, deu ev Ha-
dos f vendida ne*' por
800:000 franc O
inventor estipulou i in-
vento tena o seu nome.- Plj^^^^^H
i
s
h

PERN.-TYP. OK M, F. DE F>
m


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EYHLIQCOP_MZIJFI INGEST_TIME 2013-09-05T02:15:08Z PACKAGE AA00011611_11071
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES