Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:11053


This item is only available as the following downloads:


Full Text
I

-*

JB1

HUMERO
SEGEU
Nr dem >* l.M lt 48 t cernee e deitrt dt f uriel
Prtf ewrei* |*r tra Bttei ..,,.,
Ptr iih pag* deitrtteltdiasd^CBti........ 19f*
Nrte at ctrrei* pr va uit ,.........
SNCARftgADSl 5
Parahyba, o ir. Antonio Alea^ndrino de Lima;
Natal, o Se Antonio Marques da Silva; Aracat\, o
Sr. A. de Uni I raga' Cnar, o Sr. J. Jos de,
Oliveira ; Pnr, os Srs. Geraldo Antonio Aires A
Filhos ; Amazonas, o Sr. Jeronymo da Costa.
ENCARREGADOS DA SUBSCRIP?AO DO SUL.
Alagoas.oSr.FraneinoTavares da Gosla; Babia,o
Bt. Jos Martina Alves; Rio de Janeiro," o Sr. Jos
Ribeiro Gasparinho.
AUDIENCIAS DOS TRTBNES D*CAPITAL
PARTIDA DOS ESTAFETAS.
Oiinda, Cabo, Escada e estagSes da Ti* farrea at|
' Agos Preta, todos es lias,
tauarassii e Gixjranaa aaa segundas e sext
aWu Amlo, Gravar, Bfezsrros, Bonito, i
Altinho, Garanhuns, Buique, S. Bento, Bom
Conselbo. Aguas Bellas o Tacaratd, as tercas Tribunal do coromereio: segundas e quii
feiras. iRelago? tercas e sbados s 10 boras.
Pao d'Alho, Nazareth, Limoeiro, Brejo, Pe3fneira|ptlenaa. quintas s 10 horas.
Ingaseira, Plores, Villa Bella, Cabrob, Boa Vis-L d commereio: segundas as II horas.
la, Ouricury, Salguen o eExti, as quartasj
feiras.
'Dito de orpbos: tercas e sextas is 10 horas.
RPHEMERIDES DO HEZ DE AGOSTO.
3 Qnarto ming. as 4 h., 57 n. 5 s. da t.
10 La nova aos 17 m. o H s. da t.
18 Qnarto rese, as 6 h., 56 m. e 59 s. da m.
26 La chela a 1 h., 14 m. e 29 s. da m.
Segunda. S. Jbs de Calaza** fundador.
Terca. S. Agostinbo b. e oVral. da egr.
rjnart. Molpho b.; S. SeMn v. jj.
30. Quima. 5. Gaodenrio; S. Paulino m.
31. Sexta. S. Raimundo Nonato eard.
1. Sabbado. S. Egydlo ab.; S. GdeSo.
t. Domingo. S. NemezfaBO m. ;.S. Salvio m.
PREAMAR DE HOJE.
Prlmeira as 6 boras e 6 m. da manhia.
Segunda as 6 bofas e 30 minutos da Urde.
PARTIDA DOS VAJPORES COSTElBt*.
Par o sol at Alagoas a 14 e 39; para o aort
at a Gaanja a 7 e 29 de cada mea; para Fscau-
4o nos dias i* julbo, setembro e novembro.
ASSIGNA-SE
bo Reeife, na livraria da praca da Independencia
ns. 8, dos proprietarios Manoel Figueiro de Faria
4 Filhos.
PARTE OFFICIAL
GOVERNO DO BISPAAO.
Extracto de expediente da dioeese do dia 20 de
ageste de 1866.
Offlcio ao Rvd. coadiortor pro-parocho da villa
da Fenha.Pelo seu ifflcio de 6 do corrente,
assumio a administra-
{80 d'essa parochia, em
;chode......discriminar com certeza o gran de
' parentesco em que se achara ligados os oradores: e
em Nome de Jess Christo Ibe peco que seje escru-
puloso na investigado dos impedimentos matrimo-
nies que por ventura bajan entre nubentes seus
parocblanos, afim de que nao seja V. Rvma. res-
ponsavel peranle Deus pela nullidade nos matri-
monios.De igual theor ao Rvd. parocho de...
Ao Rvd. parocho de S. Caet no de Ipojaca.-Re-
cebendo o sen offlcio dirigido a S. Exc. Rvma., nao
H. posso deixar de estranhar-lhe as expres5es desat-
tenciosas e despidas de elvilidade, de que se servio
dentro de 15 horas: mas esta ultima viagem foi Jusepha Rodelra da Silva Gomes, Pernarofcoco, 40
m aue lucamos com ma (de 12 dias) por tr apachado nos dias 15, 16 anuos, Santo Antonio ; tubrculos pulmonares.
bao-le 17 desse mea, mallo mar e vento, que fe mu- Josepba M.ria da Conceicao. Pernarabuco. 56 an-
-" tas vetes recetar nao podsse o navio romper, pelo : nos, solteira, Boa-Vista ; hemorrhagia chromca.
memo armado, alm de criminoso, um tote
selvagerfa na i
o selvagem do Paraguay.
quei ceno de que V. Rn.a a uroio ''1 l na exp08ico dSs suas duvidas relativamente a la-
cao d essa paroch.a, em qual.dade J eoadjoctor Sos Afreitos parechias.
pro-parocho em o da 15 de julbo prximo pas convenJenle ponderar-lhe que na eoromooi-
sao.
Dito ao Rvd. parocho
da
Misericordia -Com o 5 offlcial, principalmente sendo dirigida
Bisericoruia. va y .._.. j_ w nm<. iiirnifi-ir n nhirr.to.
ao
nad remet-! diocesano, deve V. Rvma; significar o objeeto, de
uihthii>3ft n o se occoDar. Dor um modo aue nao so revela a
teu V. Rvma. o documento, para exniDicao c
seu offlcio de 20 de julbo pnwimo pa:~ r | qQe se oc0par> por nm modo qoe
. nrf""inanim I gravidade que deve ser inseparavel do sacerdote,
qual S. Exc. Rvma. roncedera m RJ Joaquim, a ^ em ^
Jusselino Vlnato Formiga. o prazo de tres metes, relado
propondo V. Rvma. P-a coadjucior de sua paro- PWfJ ao^u f-JJ^ a|MfJfci qM M
cha o mesmo Rvd. Fonw|a. I abslennj oe amtir nfflclo8 com tntrelinhai, nomes
Devo ^^^^^l^l^^t^ i rMamfoi on emendados, eabreviatura* e borroes: a
Z^TZ^^^n>^^-^'i^ offlcaeia em ludo l.mpa e d.gn.
Ceai a respelio da conducta do Rvd. For
miga : sendo que este devia exhibir demissona?,
como expresso em direito eeclesiaslico. Assim,
pois, de coofurmidade com a dispos$o da const.
syu. liv. 1. n. 245, nenhum sacerdote secular ou
regular podendo celebrar em bipado eslraoho sem
aprfsentar demlssonas asatgnadas pelo respectivo
erdiu- rio ou provisor, o prazo concedido por S.
Exc. Rvma. de tres metes foi suficiente para o
lira em questio.
Apezar d'isto, ainda concedo tres metes para a
exhibicodas demissorias, alm dos auaes nao do-
der o Rvd. Formiga exercitar as ordeos sacras.
Bu que V. Rvma. deve ficar intelligenciado.
Dito ao Rvd. parocho da Vanea. Acenso
de seu autor.
Pasando agora ao objecte do citado offlcio, res-
pondo ea prlmeiro lugar, aue a nenbum sacerdote
licito baptwtf solemnemente, (salvo nos easos de
nece.-sidade) sem llcenca do respectivo parocho ou
do ordioano. (ConsL Syn liv. i til. 10"), deven-
do a licenca ser in scriptts, como foi determioado
em urna pastoral do fallecido bispo D. Joo da Pu-
rlticacao, que nao foi ainda derogada.
Em segando lugar, os sacerdotes sao obrig'dos a
enviar aos parochos mentalmente os asseotos dos
baptisados que com licenca tiverero feilo, assim como
as offertas (const. Syn. rbiden, n. 39); accrescendo
citada inco'rem em pena de
o ser com serOel
te toncara que alcanzaremos medidas era bem de
nossa patria. Cono nos paroebiauos da fregu-
zia de Santo Antonio, que saberlo repellir com
dignidade as tramas infernara de pessoas qe s*
querem ganhar com o sangue do povo.
Pregnetia de Santo Antonio, 25 de agosto de
1866. O jutz de paz em exerelelo, Antonio Auffi"-
to da Fonseca.
t Aos moradores do primeire districto da fre-
guis da Boa-Vista. Deslricuaos 1 D.us ou
tres individu -s, levados por intimemos menos no-
ores, procurara arrancar nos da quietaco em que
vivemos, com fios sinlstros, cenvidando vos, &db
mar que toma va e pelos bal ancos que dava.
Felizmente ehegon ao Brasil sem maior contra-
riedades, gragasitProvidencia e aos esfereos e a
pericia de ten commaadante, quem felicitamos
per mais eta victoria.
E' hera semelhante ao monitor americano Mona-
duock: atas este viajou sempre acompaubado e o
Ntmesis, o 1." navio deste genero fello na Europa,
airavessou o ocano em diitaoci< de 3,880 miHias,-
nicamente com os seas recursos.
O Neme$ aSo um navfo pra o ocano, mas
sim orna poderosa machina de guerra dentro de
falsos pretextos, 'rennlr-vos, ao que vos nao de- om o. ou guarda costas de um porte.
que pela pastoral ja
rtce.; suspeBso os sacerdotes que nao fizerera a remessa
' < ^SSS r SS51 ra^'rlertqe" os parochos s teem direito a
cera as funecoes solemnes, qoer festivas, quer
fnebres: este o costume a que alinde a tabella,
raodo V. Rvma. necessitar a
para o lancamento dos assentos de baptisados, ca
samemos e bitos, me pede facoldade para nume-
rar e rubricar os mencionados livros.
Teoho por conveniente declarar a V. Rvma. que
bem dos paruebos nao se deve autorisar algura
d'elles numerar e rubricar os llvros de sua pro-1
pria matriz ; por que assim Ues llvros nao poden
merecer a conlianca, que em direito devem inspi-
rar. Razio por que a nenhum parocho se lem fe-
lo lal concesso; o que V. Rvma. fcilmente co-
nbecera pela publicacit, do expediente da dioeese.
Remetta-me por tanto os livros, de que trata,
para serena numerados e rubricados.
Dito ao mesmoToado me V. Rvma. coromunl-
ado em data de 18 do corrente, achar-se missio-
nando n'essa matriz o Rvd. Htrculano Hermenegil-
do Ernesto Vieira, e havendo alguns de seu* paro-
chlanes em publico concubinato, os quaes arrepen-
didos de seus er.-ns se qaerero casar, e podendo
acontecer que, pelo correr da misso alguos outros
era iguaes circumstaneias queiram, por meio do
SacramMlo do matrimonio, remover o escndalo
em que vivem, me pede V. Rvma. autonsacio para
proclamar esses nubentes em tres dias successivos,
e dispensar os projiamas dos de uutras parochias,
e que ah j residem.
E' conveniente declarar a V. Rvma. que apenas
coosinto que em tres dias successivos sejam pro-
clamados os uubemes que estiverem as rennos-
tancias por Rvma. mencionadas ; quanto dispensa
dos proclamas, cerlidao de idade ou de bito ( no i
caso de algum dos nubentes r viuvo ) nao per-
mitido que se autorise, nao f por qoe na celebra-
cao do Sacramento do matrimonio nao se devem
baratearas dispensas, se nao por qoe a experien-
cia tem mostrado que as missSes devendo ser o
meio de se facilitar a salvac&o da- almas, muitas
vetes tem sido o vehculo para casamentos nollos, i
estado pelor do aue o concubinato no lempo das
missesque por um telo m volve esse espirito em religio e que se chama
religioso, e pelo qual, crescendo o numero d s ca-
smenlos, multiplica se o numero dos concubina- j
dos, era perda da religio e da sociedade.
Cumprindo ao parochos empenhar-se quanto for
possivel, para que os Sacramentos se admtnistrera
nao so valida, como licitamente, de somma van-
tagera que V. Rvma. nao desatienda ao principio
Snela snele tractanda sunt.
Era conclusao dire que tanto maior for a cele-
ridade oa admini>tracao dos casamentos, quanlo
maior era o numero dos matrimonios nollos,
que convm evitar-se.
21
Offlcio ae Rvd. parocho.....Estranbo e inslito
meinodo de supplicar dispensa de impedimentos
matnmoniaes, o que V Rvma. adootou na admi-
nistrar i de sua parochia I
Por manas vetes se tem devolvido a V. Rvma.
petiedes de dispensa, por nao serena n'ellas especi-
ficados os graos de paieotesco 1 Ja acontecen ser-
Ihe devolvida urna mesma peticio tres vetes, dan-
do uto lunar a que eu offlciasse a V. Rvma. em
data de 23 de julhe protimo paleado ( sem deca
rar o seo nome ) chamando a sua atlenco para a
citaQdo do Monte, tkeol. mor. lem. 3. cap. 29
1421. Aloro da certeta do recebimento do citado
offlcio, elle devla ter prodotido um duplo effeito
com a leuara do expediente publicado no Diario
e na Esperanca. Cr-io que V. Rvma. sabe que
nulla a dispensa como tbreptxcia, toando conce-
dida sem haver certeta da veracidade de algu-
ma das causas allegadas.
E' este o anysmo, para onde V. Rvma em suas
petiedes de dupensa, ( as quaes Agorara no prin-
cipio os nomes dos oradores, e no fim o de V.
Rvma.), semure sem tnformacao, sempre sem de-
duccao do parentesco, lem procurado levar a auto-
ridade eceiesiastica a exerelelo de conceder as
dispensas I
Laca as d'esta ordem sao poden ser attribnidas
incuria ; islo teria lugar alguma vez por acaso,
mas nao um\ Ioclnsa remet. a V. Rvma. urna nota contendo
os nomes dos oradon-s que sopplicaram dispensa
dos mpediroeolos, para que V. Rvma. de novo se
sirva ref rma-las e infrmalas : fleam porm ar-
chivada as doas peticor-s, de que trato, afim de
qoe por ellas em todo o lempo conste a razo jas-
ti tinao va da sua ncuria. E quando por ventura
aconteea que V. Rvma. ou nao saiba ou nao queira
refirmar t informar as mesmas petlcSes, ver-
me-t>ei brigado, a' bem de seus parocblanos, a
autorisar a algum outro sacerdote a cuidar exclu-
sivamente da admioistracao do Sacramento do ma-
trimonio n'essa parochia. E a razio d'esta futura
providencia que em ama das peucoes, alm
de nao estar aolori.-ada rom a sea Infortnacao, nem
ao menos por formalidade > V. Rvma. qntz de-
clarar o grao de parentesco : e na outra (tambero
em informacao I ) V. Rvma. nao -endo declarado
o parentesco, Dio deixoa meios para se coohecer
os riscos e lionas parallelas que apreseotou
como i arvore de pareatesco no final da petica .
a 24 ^"~
Offlcio ao Rvd. parocho de....Devolvo a V.
Rvm as dupeoas dos oradores Antonio Lopes
da CosU e Joanna Mana Delphina, e de Jos Lopes
da Costa e Aona Ro*a de Santa Anna ; sendo os
oradores parochiano de.... e as oradoras de....
Devolvo, como di*se, as diapBfas, prlmeiramen-
te por que as petiedes nao se mencionara os pa-
rentescos j em segundo lugar, por que informando
V. Rvma. motamente com o Rvd. paroeno oe..,.,
dit V. Rvma. em saa nformaeSo, que os oradores
estio ligados ero segando grao, e aqoelle paroeho
afflrma qoe em tereelro de consaDguinldade. nao
sel por tanto, a qoal das doas lnformac5es d et
dito.
ro-w V. Rvm, de aecordo coa o Rf. pro
as disposicdas gerae, | 21. Pelo que, nao rece
bende a cera o parochos, sacerdotes e sachristes,
teem o direito de receberem a sua importancia.
Quarto, a respeito dos cadveres de urna paro-
chia que se sepultara em outra, o parocho do de-
rumo tem direito ao Importe da licenca e ao offlcio
parochial, se o houver, assim como a mela fab ica
para a respectiva matriz : e o parocho, em cuja
parochia esta a sepultura deve receber a importan-
cia dos actos que exercitar, como missa de corpo
presente, encommeodacie, vela (se o enterro fdr
solemoe) e meia fabrica para a saa matriz.
Quinto liualmenie, sobre o importe das liceogas,
eslas pertencem ao parocho, como dispdem a ta-
bella S 15 e 16.
Teuho assim respondido ao seu citado offlcio.
Dito ao Exm. presidente da Parahyba Coratnu-
nico a V. Exc., que em dala de 28 de passado
conced licenca por dous metes, a contar da raesma
data, ao padre Calisto Correa Nobrega, parocho
collado em Taip, para tratar de sua mudanca de
campia-Grande para sua parochia.
Sirva-se V. Exc. aceitar a seguranca de mlnha
eslima e consideracio.
Eip-diente da vigararia geral do dia 23.
Offlcio ao Rvd. parocho da Mis-ricordla-Era dala
de 18 do corrente, offlciei a V. Rvma. ordnanos
que, tendo cessado o impedimento ao casamento de
Taomaz Gomes de Aquino posto por Antonia Ma-
na, qoe, pela informacao de V. Rvma. de 20 de
julbo prximo pausado, fra raptada por um ter
ceiro hoovesse V. Rvma. de assistir ao matrimonio
do referido Thomat Gomes de Aquino, com Mani-
niaoa Mara da Fonseca.
Cbega ao meu coohecimento agora, qoe Antonia
Mara nao fra raptada por esse terceiro, ratao por
qoe considero ainda em seo vigor o impedimento
offerecido ao casamente daquelle Thomaz com Mar-
tinana pela referida Antonia Maria.
Espero que V Rvaa. ministrara a esta vigararia
geral conscienciosamente novas InlormacCes sob-e
o supposl rapio por terceiro.
24
Offlcio ao Rvd. parocho da Boa-Vista.Acabo de
receber o seu offlcio datado de boje, em que se
servio V. Rvma. declarar-me que nao abri assen-
to no respectivo livro para o lancamento do ca-
samento [de Joo Fon tes Braga Com Anna Maria
do Rosario, seas parocblanos, conforme Ihe deier-
mmei em o mandado que fiz expedir era data de
17 do correte, porque, a vista do documento que
acompanbeu ao dito offlcio, as testemunhas que
juraram na respectiva justificagao,
joras.
Respondendo a V. Rvma., eabe-me louvar o mo-
do, porque se bouve em to grave caso, nao con-
seutindo que fizesse jus aos foros de casado, quem
* merece o estigma de amancebado.
E' para lamemar-se que os perjuros desempe-
nbem impunemente o seu papel, ficando sujeilos
ao seu alvit>e o descaoco, a fortuna, o direito e
lalvez a vida dos homens I
Nao sendo possivel conhecer-se no processo das
jusiificacdes se as testemunhas jaram a verdade ou
perjuram, peco a V. Rvma., que proceda a investi-
garles particulares sobre a veracidade de quaes-
quer depoiraentos, em vjrtude dos quaes eu fizer | ^
expedir algum mandado para se abrir assentos nos
livros de sua parochia.
Sera isto um importantisslmo servijo qoe V
Rvma., prestar, como ja prestou, a causa da
religiflo.
veis prestar.
c Quando o paz lucta cora difflcnldades no ex-
terior, esses homens, sem ideas, procuran! arras-
trar-vos i desorden), e a isso nao devem concor-
rer os homens honestos-.
i Destrlctamos I Tende confianca as autori
dades que velam ni tranqoilidade publica, e nao
interrompaes vossos hbitos ordinarios.
t Boa-Vista, 25 de agosto de 1866. O juiz de
pat, Bernarda Jote Hartis Perora. .
Era presenca desses boatoa^porero, nao foi o re-
ceio da alieraeao publica, qoe levou aquellas dua
autoridades superiores a procederem i medidas
preventivas; foi o dever de cercar a populaco pa-
cifica e laboriosa de garantas de vida e proprie-
dade.
E fizeram-n'o eom criterio que os honra mottissi-
mo, pois onde-poderiam apenas haver Indicios,
nao viram urna coospiracio tenebrosa, capaz de
romper os vnculos da integridade do imperio, e
de alterar mesmo tranquilidade publica, e mi-
nos engiram a perseguicao em systema de-gover-
nar, como pareca aconselbar a sitoacao que se
descrevia nos boatos em circulagao.
Providentes como bons administradores, nao ex-
clulam com ludo a confiaoga no patriotismo e oa
virtude de ama populaco ebeia de bros e rica de
tradireSes gloriosas.
E o motivo dessa confiaoga derivava-se do co-
ohecimento do espirito publico, avesso desde muito
a's Mlieltacdes de especuladores de qoalquer espe-
cie, e da indole pacifica do nosso povo, que para
licao da historia propria repugna com a pratica
de violencias, e nao esposa as aberracSusdos meios
constitutionaes.
Que essa confianca, pois, foi fondada, provara-no
os tactos ; prova-o a permanencia da tranquilli-
dade pdica, a' despeito de ludo.
E nesse impulso do coracae nos acompanhamos
as autoridades superiores da proviocia ; nenhuma
cabida demos a' possiblidade do pretendido raovi-
menio revolucionario, e nem anda tivemos per
cousa seria as tentativas preconisadas como esti-
mulo en excitaco do mesmo moviaento ; de sorte
qoe tivemos por ociosa a conignacao at agora
eu nossas paginas desses boatos ridiculos, mesmo
para fazer saliente esta sua qualidade, porque se-
rta dar-lhes nm valor qoe nio lem, ama sigoifioa-
cao qae nao podem pretender, urna expreSSIo que
coro elles repugna.
E' possivel a existencia de urna aspraco me-
nos cordata n'um ou n'oulro individuo ; pode ha-
ver este ou aquella dyscslo, rebelde a todo o sen-
t ment elevado, com pretencaoa colher por meio
da desorden osjructos, com que a ambicio o fas-
cina : mas lambem verdade, que o espirito pu-
blico noseoniformisa a' esses votos solados, ni
os aproprla, nao os sancciooa emflm cora o seu
assenso, legltimaodo-os por esta forma.
E.nois, a palavra imprudente nao acbou echo :
marren estril com vergonha de quera a soltou,
sem reflectir na responsabilidade n.oral, que tra-
lla e com effelto trooxe a'provincia, e presumi-
de livianamente poder talvet illudir o senlimento
da populaco menos pensante, a qual as-im procu
rava atirahir como fnstromenlo para realisaco de
seus clenlos de urna mesqulnha e punivei phaa-
t^ia.
PERNAMBUCO,
PUMO DE PERNiMBCO.
Retife, 27 de agosto de 1866.
Boatos que, se nio fossem ridiculos por sua ma-
teria, serlam imprudentes em sua forma, tem cir-
colado ha das n'esta cidade no sentido de prepa-
rar-so uro moviroeftto popular, coja loiciacao lena
bootem logar por meio da convocacio de um mee-
ting na freguezta de S. Jos, para abi ser procla-
mada a separacao do norte, e loraarem-se outras
medidas de igual quilate.
Apezar dos nemes, que se declinaran) como per-
tenceotes aos corypheos de idea lio extravagante,
nio representarem orna forca susceptivel de adhe-
sdes; apezar de ludo conspirar para ver-se nisto
s e nmcamente ama farcada estalla, balda de
senso, e originaria de cerebros qoe nem o cmico
sabe desenvolver; a populaco agitou-se, os ni-
mos alarmaram-se de alguma sorte, e carecoe de
velar a autoridade na raanuteoco da ordem.
O presume cidadio qoe se acha a' testa do go-
veroo da provincia, o Exm. Sr. Ur. Manoe! Cle-
mentinoC. da Conha, eo Incansavel magistrado que
dirige a reparticio da poltcia. o Sr. Dr. Eduar-
do Pmdabyba de Matos, lomaram as prov
dencias, que julgaram aece^sarlas para abortaro9n-
to de qoalquer tentativ. no referido sentido; e es-
tas providencias fora'.o vantajosamenle secunda-
das pelos seos sobo', dinados e ootros cidadios pres-
trnosos, qoe cor,, os seus conselhos ao pevo refor-
cararo a acco da autoridade constituida, fazeodo
o'este senu-ie doas julzes de paz destriboir as se-
guiles proclamares entre os seas parecbianos.
Parocnianos da fregnezia de Santo Antonio I
Certos homens tresloucado* procoram-vos illudir.
Fant^siam um movimento armado cora o fim de
alirarem o novo a' fogueira, e pescarem oas aguas
lurvas, dando cora isso causa a qoe se oblenham
matas e commendas.- Acautelai-vos desles em-
husteiros. Por ventura ha algum dentre ellas que
geja amigo o cocheado do povoT QaAlquw novi-
REVISTA DR.M
Hontem a's 4 1|2 horas da tarde, aprazada pa-
ra a reonlo pelos Srs. Drs. Thora F. de C. Ma
deira, Affonso de Albuquetque Mello e Antonio
Borges da Fonceca, algnns curiosos dirigiram-se
ao lugar, onde encontraram os ditos senborescom
foram per- om peqUenft grup0 de 10 pessoas.
Comecando a fallar o Sr. Affmso, loi apupado
pelos curiosos, que formavam grupo a parte; e,
dosapootado, ceden o lugar o Sr. Borges que dlsse
algumas palavras, que quasi nao foram oavidas.
Coostaodo-lhe isso, o Sr. Dr. ebefe de polica foi
ao logar, accompaobado de um piquete de caval-
laria, sendo recebido com enthusiasticss vivas pelo
povo, que porfiadamente se offerecia a dispersar a
reoniio; ao que nio annnio S. S., agradeceodo essa
pro va de reprovacio semelhante desatino.
Poucos minutos depois tinha-se dispersado'a rea-
niio e no logar se nao via ama s pessa.
Acha-se no porto, viodo de Rochefort por
Lisboa, Tenerife e S. Vicente, o nove encooragada
brasilelro Nemisis, sb o commando do nosso dis-
tinelo comprovinciano o Sr. cap to te nenie Ma-
noel Antonio Vital de Oliveira.
O nvio tem 60 metros de comprimento, 14 de
bocea e 3|40 de pootal, demandando 2 metros
e 30 centmetros em sen menor callado d'agua,
movido por dous batices e dirigido por dous lemes
em forma de paraDelogrammos por urna s cana.
Em occasiio de combata podem elles ser gover-
nados na praca d'arma dos offleiaes.
Tem doas machinas, Independentes o importan-
tes de Marellfne, de 100 cavallos cada urna, po-
dendo desenvolver a forca de 125.
Saa velocidade em rio de 10 milhas ; masjpe-
la forma especial do navio, no alto mar apenas
de 8, com todas as circamstaacias favoraveis. Com
vento e mar pela proa o navio pooco oda e affp-
ga-se muito, recebando successivos 'mares qae
muitas vezes cobrem a torre de proa.
Tem duas torres revolventes, eada urna com du-
as portmholas, para receber pecas raladas de gros-
so calibre. Urna volta completa das torres feita
em tres minlos por seis horneas, tres em cada
maolvella.
Cada ama das torres tem sete orificios, por onde do corrale
recebe as munic.oas, sendo superiormente fecha-
das por grossas grades de ferro a pro va de bala e
metralba.
A grossara da couraca quer do costado, quer
da torre de 12 ceotlmetros de espessura.
O navio tem fuodo de prato ou completamente
chato, e tem proa um es jorao de ac, dividido
em 3 compartimentos, alm do da machina ; po-
dendo qoalquer delles em eonsequencla de avaha
encher-se d'agua, sem damnificar o rstente do
navio.
Segundo somos Informados, o navio sabio de
Bordeaux a 18 do juoho, cora destino a llha de
Olexon, afim de regular as agulbas; e, encontran-
do algum mar nesse trajer.tj, appareceu Ihe urna
veia d'agaa proa, que obrigou seu eomraandanie
a entrar em Rochefort, onde se demorou 16 das.
De Rochefort velo a Lisboa com 3 dias e meio,
nio obstante na altura das Berleagas quebrar-so
ama peca importante de urna das machinas.
De Lisboa sabio a 31 de juoho o velo eom 4 d-
as a Tenorino e 4, S. Vicente. Vinte quatro ho-
ras depois de partir de S. Vicente, sBreu novas
avarias n'um das machus( que so repararan
Internamente o navio bem preparado, com
mullos commolos e lodos os sens arraojos sao bem
dispostos tendo commonica^o por todo o navio
por uro syateroa de tuneio de nm o outro lado.
Em vfsu da attribuico que eonfere o art. 19
dtlei de 3 de dezerabro de 1841, S. Exc. o Sr. vi-
ce-presidente da provincia resolveu nomear por 4
anuos snpplentes do jniz municipal e de orpbios,
no termo de Floresta comarca de Tacarat, os el-
dadles segrales :
1.* Francisco de Barros do Nascimento.
1* J)e Go nes de Meneceo.-
3.* Francisco David de S.
4. Francisco Antonio Gomes de Novaos,
5 Manoel Peres de Carvalbo Belford.
6.* Manoel Nones Nogueira de Barros.
-'Chegaram hontem pela manhia os vapores
inelez Tanny e nacional Santa Cruz, da Companbia
Bahiana, viudos de Alogas. Aquello sagoe para
Liverpool, e este veio trater om carregamento de
694 saccas cora algddao qoe tomoa em Sergipe.
Nenbum detles foi portador de noticia.
Da Sergipe e Alagoas ebegou hontem o vapor
ParaXgba, da Companbia Pernambucana. com da-
tas do primeiro al 22 e da segunda at 25do cor-
rente.
A abertura da exposicio de Sergipe foi adiada
para 26 deste mez (nontera) ; sendo nomeado para
represeotar a provincia na exposicio nacional o
Sr. Dr. Pedro da Silva Reg.
No da 6, na villa do Rosario, o negociante d'alli,
Ju3o de Meoetes Ramos, soffreu um tiro, que o fe-
rio gravemente. Nao so liona, ainda descoberto o
assassioo.
Dra-se na noute de 22, om disturbio no largo
dos Martyrios, por haver o Dr. chefe de polica
prohibido soliar-se fogo do ar oa festividade dessa
Imagem.
Por acto do goveroo da provincia foi creado
foro vil nos termos das villas de Tacarat e Flo-
resta.
Era consequeocia do impedimento do respec-
tivo serventuario, foi nomeado pa-a servir interi-
namente o offlcio de i* tabelliao e escrivao do cri-
me e clvel da comarca de Nazareth o Sr. Ignacio
Vieira de Mello Filho.
Do urna carta do termo do Brejo, com data
de 20 do correte, copiamos o segointe :
c O delegado Rogerio tem procedido ao mais
desasisado recrutamento. E publico qae mando-
urna patrulha a' casa do pacifico cidadao Jeronymo
de tal, e na chegada deram com urna filba no chao,
e quasi a pisara cora os cavallos ; e porque a mo-
ca fallasse indignada, araarraram-na e Ihe fizerara
outros desacatos. Aeodindo a velha mi, soffreu
iguaes insaltos, e at ponte de faca pela barriga I
Desatinos desta ordena necessariamente bio de pro-
vocar disturbios serios.
Por Iogazeira ditem que esta todo meio bara-
Ihado, e que-diversos, cidadios importantes esto
ameacados em sua existencia, e por isso acautela-
dos, visto qoe oio exisiem la autoridades.
c E' isto o qoe referera todas as pessoas, que
vera daqoellas bandas. Ab I se o ebefe de polica
tivesse passado por aqoelles e estes lugares I
Amanhia, setlrae da do falleclmeoto do se-
minarista Ascencio Francisco de Paula Cavalcanle
de Albuquerqae, ha urna raisssa que celebra um
amigo do finado : na igreja de S. Pedro a's 6 i|2
horas da machia.
_ No mesmo dia o por igual motivo, um outro
amigo celebra, na igreja do Livraraento a's 7 ho-
ras, orna outra missa. E' de suppor que aquelles,
que tiveram a felicidade de conhecer de perto
aquello seminarista, nao se neguem a mais essa
prova de aroitade, ouvindo a qoalquer deesas mis-
sas.
O escrivio dos protestos Jos MarianBO esta
de semana.
Amaohaa, ao meio dia, se extrabir a 4'
parte da 2* lotera, a beneficio da matriz de S. Jo-
s ib Reeife (79-), sendo o maior premio 6:000*.
Coforme o annuocio na columna dos leiides,
val ser hoje exposto a' venda um sortimenlo de fa-
teoda* no armazem dos Srs. Monhard & C, a' ra
da Cadete n. 36.
__O lelio de moris por inlervencio do agente
Pinto, aonaociado para boje, na roa larga do Ro-
sario n. 40J fica transferido para quinta fera 30 do
corrente.
Passageiros do vapor nacional Parahyba, vio
do do Aracaj e portos iotermodios : Fraoesco
Anastacio P. Lourelro, Manoel Arehanjo de Melle-
Jos Joaqoim de Almeida, Antonio Rayroondo Bri-
gido dos Santos e 1 criada, Nelson Brigldo dos
Saotos, Joeo Francisco de Moraes, Verissiroo da
ifva Pinheiro, Joio Alvs Feitosa F.anco Flho,
Francisco Gon$alves de Mello Casado, Adriio Ro-
drigues de Araujo, Jos Vieira de Mello, Pompeo
Sidrio de S. Torres, Ventura Jos Martins e l fi-
ltra Joaquim Pedro da Costa Moreira, Jac b Hara-
bio' Andrew Me. Cuitan, Reoben Cleany, Antonio
Gomes de Araaju Qainlella, Amonio Teixeira Pin-
to, Antonio Joaquim do Faria, A. de Araujo de
So za Juoior.
< Passageiros do vapor oacional Santa Cruz,
indo da Baha e portos iotermedios : = Jos Ber-
nardino Guimaraes, Bonifacio Jos de Barros, Jos
Maria d'Arauo, Joio Ma'-hado Moraes Mello, Prn-
dooeio Jos Botelho, Jos Mana Goncalves Ferroi-
ra, a senbora do commandante com 1 escrava.
Passageiro do biate nacional JVoCO Gosto, sa-
bido paran Penedo: Jur Domiugues Pereira.
RnrABngAO na roLicta. Extracto da parte
do dia 25 de agosto de 1866.
Foram recolhidos a' casa de detencao no dia 24
A' ordem do Illm. Sr. Dr. chefe de
polica. Francolino Aroancio de Barros, por se ter
opposto a' execucio de orna ordem legal, A or-
dem do subdelegado do Reeife, Francisco d'Asis
Pat, para correccio. A' ordem do de Santo Amo-
nio, Cosme, oscravo do Joio Florentino Carneiro
da Cuoha, por disturbios. A' ordem do da Magda
Joanna Pessoa do Jess,. Pernarabuco, 50 anoos,
solteira. Boa-Vista ; pthysica pulmonar.
Ignacio, Pernambaeo, 91 dias, Santo Antonio; con-
volsfles.
Joio, Pernarabuco, 10 dias, Boa-Vista ; espasmo.
Amelia, Pernambaeo, i mez, Reeife ; entorile.
Manoel, Pernambaeo, 2 anuos, Santo Antonio ; be-
patite.
Ascencio de Paula Cavalcante de Albuquerqae,
Pernambaeo, 22 aanos, solteiro, Boa Viste ; he-
patite.
24 -
Marcelina da Silva, Pernambaeo, 36 anoos, soltei-
ra, Boa-Vista; dilataeo da orla.
Anna Mara do sacramento, Pernarabuco, 76 an-
uos, vi uva, Reeife ; gastrite. *
Isabel Mara da Conceicao, Pernambueo, 56 annos,
solteira, Boa-Vista ; anasarca.
Manoel, Pernambaeo, 8 mezes, Recite ; espasmo
CUKOIWJA JlDICUUiv
TMBIJlfAIj
SESSAO DE 25
PRESIDENCIA 00
DE AGOSTO DE 1866.
EXM. SR. CONSBLBBIRO
SOUIA.
s 10 horas da manhia, presentes os senhores
desembargadores Santiago, Gitirana, Lourenco
Santiago, Almeida Albuquerque, Motta, Assis, Do-
mingues da Silva, Vieira da Costa e Ucha Caval-
canti, faltando o Sr. desembargador Guerra procu-
rador da cora, e abrio-se a sessio.*
Passados os feilos, deram-se os seguintes jujga-
menlos :
Carlas testemuotnvei?.Aggravante, Jos Anto-
nio Guimaraes; aggravado, Joio Barbosa Cordeiro.
Relator o Sr. desembargador Santiago.Sortea-
dos os Srs. desembargidores Motta o Assis.De-
ram provimealo.
Aggravante, Jos Melchiades Bezerra da Silva
Costa ; aggravado, o juizo.Relator o Sr. desem-
bargador Ucha Cavalcanti.-Sorteados os Srs. des-
embargadores Santiago e Doraingues da Silva.
Deram provimealo.
Appellaces criraes.Appellante, o promotor ;
appellado, Antonio da Costa Freir Maracaj.Ira
procedente.Appellante, o juizo, appellada Anna
Mana da Conceicao. A novo jury.Appellante, o
promotor, appellado, Marcelino, escravo.Impro-
cedente.Appellante, a juslica; appellado, Jos
Brilhaole de Alencar Souza.A novo jury.
Appellacdes elveis.Appellante, a bacnarel Ma-
noel Joaqoim de Miranda Castello Braceo; appel-
lado, Francisco Fe reir de Aodrade.Reformada
a senteora.
Appellante, Mana Magdalena da Conceicao; ap-
pellada, Cipriana Maria de MaltosReceberamos
embarges.
Appellaate, Antonio Jos Pires e sua mulber ;
appellados, os herdeirosHe H. Glbson.Uaspresa-
ram os embargos.
Appellante, Manoel PatrSo do Nascimento; .ap-
pellada, Margarlda Maria da Paixio.-Desprezados
os embargos.
Diligencia civel.Com vista ao Dr. carador ge-
raAppellante, Jos'No da Silva Burgos ; appel-
telo, Joio Rapliste da Silva.
Assigoou-se da para jolgamento dos seguintes
feitos :
Appellacao crime -Appellante. o juizo ; appel
lado Alexaodre Coelho de Bulhes.Appellacao
civel.Appellante, D. Joanna Maria das Dores
appellado, Antonio Joaquim de Mello.
PASSAGENS.
Do Sr. desembargador Santiago ao Sr. desem-
bargador Gitirana : As appellac,oes crimes.Ap-
pelante, o promotor ; appellada, Mara Rosa Sim-
plicia.Appellaute, o juizo; appellado, Jos Coelbo
de Albuquerque Souza.
Do Sr. desembargador Lourenco Santiago ao Sr.
desembargador Almeida Albuquerque :A appel-
lacao civel.Appellante, r'lrraino Jos de O; ap-
pellado, Jos Houorato Chaves .-As appellacoes
crimes.Appellante, Francisco Jos Galvio; ap-
pellada. a justiga.Appellante, Carlos Jos Gomes
de Oliveira ; appellada; a justiga.
Do Sr. desembargador Almeida Albuquerque ao
Sr. "desembargador Molla.As appellacdes criraes.
Appellante, joio Manoel de Oliveira ; appellada,
a juslica.Appellante, o juizo; appellado, Aotenio
Alves de Oliveira. As appellacoes civeis.Appel-
lante, Guifberme Augusto de Miranda ; appellada,
D. Anna Ferrela Vieira.Appellante, a fazenda ;
appellada, Maria F mina do Rosario.
Do Sr. desemeargador Motta ao Sr. desembarga-
dor Assis .As appellacdes elveis.Appellante,
Joaquim Francisco de Alouqaerque Santiago ; ap-
pellado, Joio Dowsley Jnior.Appellante, Manoel
Martins de Carvalbo; appellado, Joaquim Lopes de
Almeida.
Do Sr. desembargador Assis ao Sr. desembarga-
dor Domingues da Silva.A appellacao civil.Ap-
pellante, Manoel Lobo de Miraoda Henrlques ; ap-
pellado, Manoel Elias de Moura.
Do Sr. desembargador Dorolognes da Silva ao
Sr desembargador Vieira :A appellacao crime.
Appellante, o juizo; appellado, Joio de Sant Ao-
na Jnior.A appeilagao clvel.Appellante, o Dr.
| Manoel Carlos de Goaveia ; appellado, vigario Jos
Aolanes Brandao.
Do Sr. desembargador Vieira ao Sr. desembar-
gad >r Ucboa Cavaicantl :-A appetlacio civel.
Appellaote. Jos Alves Barbosa ; appellada, D. En-
gracia do Amparo Santa Rosa.
Do Sr. desembargador Uchoa Cavalcanti ao Sr.
desembargador Santiago.As appellacoes elveis.
Appellante, Joio Pinto Dmaso Jnior ; appellado,
Luiz Pereira de Albuquerqae Cavalcanti.Appel-
lante, Isaas Jos Rodrigues Braga; appellado, Ma-
noel do Nascimento Rodrigues Braga.Appel I an
le,Jonh8toa PaterfcC; appellada, a fazenda.
A appellaeio crime.Appellanle, o jaizo; appella-
5ao crime.Appellaote, o joize; appellado, Damllo
os Caetaoo.
AlH' ora encerroa-se a sessao.
Ao que parece o oriente beba os apes por des-
cobrir no gorerno episcopal do Sr. D. Manoel um
motivo para guerrea-lo sob o especioso pretexto do
defender os diretos da igreja 1
Si os dir' o nobre combteme a combaler o enefa da raesma
igreja ; o qoe fez o Oriente desdo Jaoeiro at qnasi
os Jos de juoho, quando S. Exc. embarcoa para a
capital do Para' Y
Si oo decurso de 6 mezes S. Exc commetteu
taotas inepcias, expez ao ridiculo das vestes sacer-
dolaes o seo clero, descooteotou a todas as classes
da socledade, compromelteu o futuro da dioeese ;
oodn esteva o Oriente que nao sabio a campo, como
mentor de S. Exc. e como adoegudo do povo? Por
qoe nio dea exercicio iqaelle to sedico cooselho
Prtncipis obsta?
Urna de duas : ou o Oriente se comorazia com
os males oceasiooados a dioeese por S. Exc Rvma.
00 nutria esperaocas de qae com o tempo o Sr. B
Manoel ampiara carreira I No primeiro caso, nio
podemos admitlir que o Oriente tivesse a maligna
intencao de nio tomar a defeza dos direitos da igre-
ja, consentmdo por tanto lempo conculcados esses
mesaras direitos : no segundo, oio podemos crer
que o Oriente esperasse do tempo o arrependimen-
lo po Sr. D. Manoel, visto que este, dia por dia,
hora por hora, em ludo se desmandava no governo
1 eaftfliVinil
V|JISUW|ldl|>
Esqnecido o Oriente de tantos males causados
por S. Exc. estreon a sua opposicao pela vagem ao
Para!
Comecando o bombar deamento, lancou a margem
o Concilio de Tremo, cuja doutrna abria-lbe brecha
na argumentado : encarando a vagem pelos avi-
sos do eoBselho de estado, representou o prelado
em coodicio de ser repellido pelo goverao I
Perdoe-nos o Oriente. O Sr. D. Manoel era saa
viagem aoPara" nao desconheceu os avisos do con-
seibo de estado : cidadio honesto, prelado zeloso
das ordens do governo, nio ihe restando tempo pa-
ra soiiciiar a imperial permissio, fez o que Ibe
cumpria, dando scieocia de saa viagem ao monar-
cha e pediado sua approvacio, qoe effeclivamente
obteve.
Mas em seas sonhos o Orienti vio o goveroo im-
perial despeitado, o prelado confnodido, e resigua-
do o bispado I Appellaodo para a chegada do Sr.
D. Manoel, vio oo recebimento de S. Exc. desmen-
tidos os seus preconcetos 1 .
Ainda havia om appello para a chegada de S.
Exc. Rvma. na corte ; e d'ante mi envoo seus
jornaes aos depntados, para que ostivessem mooidos
do grande ibelto I
Cbegoo o Sr. D. Manoe! do Mederos a corte, vi-
siteo a S. M. Imperial o a prova mais que lisoagei-
ra do bom acolhimento qae teve, uno-so a honra
de ser S. Etc. Rvm. convidado pelo augusto rao-
narcha para jamar com elle no paco.
E Oriente, que j de agora ficara' sabeodo que o m-
rito deprimido como o ouro que no fogo se acri-
sola para ter o devido valor.
Convenga se o Ort a linba recta para o louvar e engrandecimento do
accasado-sJka/Mri, uum maledixertnt vobis.
Eraqoaoto o Sr. D. Manoel de Medeiros nao teve
aecusader, seos feitos, erabora meritorios, apenas
chegavam ao coahecimeoto de poaeas pessoas.
Desenvolveu-se a aecusaco ; e para logo foram
apparecendo defensores que uio s vio corabaten-
do viclonosaraente a accasacno, senio dando a sa-
ber a lodo o mondo o valor moral dos feitos do
nosso diocesano.
Nesta parte mailo devermvao Oriente ; e muito
de coracio desejaraos gue prosiga era seo program-
ma de antagonismo; porquetereraos mais occasiao
para victoriarmos a S. Exc. Rvraa. erabora faltando
as provas da accu-'acin se diga urna e mais vetes
Cructfigutur : crucifige eum.
Temos dito : quando for nocessario, tornare-
mos.
ContlnuagJo do Diario n. 194.
Quid enim mal fecit T
.....cruct/lg (s. Matb. eap. N.)
Debaixo desta epieraph-, ja ia vio tres coraran
oleados, sem que o Oriente nos teaha ama s ve
lena Joio' escravo de D. Genoveva de tal, por fugi-, Impugnado I O que sera' isto I Oa o Orienlt Ja' es-
do. A' ordem do laiz de paz da fregnezia de Santo te' oo seu occidente, e por isso desanimado de lotar
sem provas; ou supp* se ainda com torgas para
o corabat-, mas nio t-m lo munipto, sempre que Ihe
perguourmos Quid enim mati fecit, responder'
Antonio, Joio Martn da Lu, por oio ter cumpri
do es devores de fiel depositario. O ebefe da 2*
Mccao, i. G. de Uesqutta.
CxutTBRio publico. Obituario do dia 23 do
osto -*, <> .'rt
Manoel Joaqoim Dnarte de Souza, Pernambaeo, 43
annos, casado, Reeife ; apoplexla.
Thomaz d'Aqumo Gomes, Pernambaeo, 27 annos,
casado, Boa Vista; pbtysica pulmonar.
Guilherme Joaquim Jorge de Sant'Anua, Pernam-
bueo, 36 anoos, aollelro, Boa-Vista ; amolecl-
roenra cerebral', ... _.
Manoe Francisco Ferrelra. Portogal, 67 anuo, via-
o. Boa-Viste ; pulmona.
Donatllla Pacheco da Cesta, Pernambaeo, 18 aqqos,
IQMHWi
(e sera' soa nica resposta) crucifigatnr I
Que partido escolhera' ajjora o Ortaiste T
Entremos oa analyse, antes que o exordio peque
por demasiado longo.
AssenUdo qae o Sr. D. Manoel de Medeiros tem
dado grandes passos no caminho de bem fazer a
sua dioeese ; provado Isto contra os dosejos do
Oriente ; registrado no conceito publico qoe em
pouco mais de mezes do sea episcopado elle tem
feto mais do que outros, que para faxer lalvez me-
nea, demaodanam um grande lapso de lempo,
nosso dever diseatir os pontos de accqsacao no eq-
jender do Oriente inconcussos:

-

O Sr. coronel Zeferlno da Cuaba Bastos, tem por
mais de urna vez, oceupado & atteocio do publico
com qulxas de nio poder obter eeriidao de ons
autos que foram processados no juizo de arphaos
deste termo, mas nao existen no respectivo carlo-
rio ; e como taes queixas tenham sido formuladas
de modo a dar lugar a que alguem se persuada de
que o dito Sr. coronel tem debalde feito reclama-
ces a' respelto, pareceu-me oesessario, para evi-
tar absolutamente semelhante crenca. vir declarar
por este Diario que nunca me veio s mios pet-
cao alguma do Sr. coronel Zeferino da Cuuha Bas-
tos, reqoerendo providencias sobre o caso allodido,
do que nao pode elle prescindir, porquanto os
autos em questio qoe erara fiados, oio sio daqael-
les, caja couservagao inleresse a menores, e sobro
coja reforma oo deva providenciar ex-oflicio.
Neste sentido ja' tive occasiio de responder a
ama carta, que me dirigir o proprio Sr. coronel
Zeferino Bastos, por intermedio de seo advogado,
Dr. Aotero Manoel de Medeiros Fortedo, como ve-
r o publico do documento que aeompaoba esta, e
que verifica a inexaclidao do Qaal de um periodo
da ultima pablieagio do mesmo Sr. coronel, feita
no n. 190 deste Diario, o qaal periodo assim con-
cebido : Tive al a levlandade de me dirigir por
carta ao Illm. Sr. Dr. jniz de orphios, para que com
a influencia de sua autoridade me fosse dada a cer-
tidio ; nem resposta me deu.
Se o Sr. coronel Zeferino da Cuoha Bastes deseja
seriamente, como quero crer, a certidio qoe pedio,
e Ibe nao foi ainda dada pelo motivo sabido, re-
queira devidamente, e oio tenha duvidas de. que
os autos sejam eformados, e a costa de quem for
reconaecido como responsavel do extravio delles.
Em vez de proceder como acabo de dizer, pro-
dunr queixas da maneira por qoe o tem feito o
Sr. coronel Zeferino, nio curial, nio insto, nem
absolutamente proficuo ao sea fimde obter a
cerlidio, que taoto Ihe ioteressa.
Reeife, 24 de agosto de 1866.
Ernesto de Aquino Fonseca.
Illm. Sr. Dr. Aotero Maooel de Medeiros Porta-
do.Tenha V. S. a bondade de declarar-me, se
cerlo ter eu, no anoo passado, procurada a V. S.
para fallar Ihe a cerca de ama carta qae me diri-
gir sea constituidlo, coronel Zdferioo da Cuuha
Bastos, qoeixaodo-se de nao peder obter eeriidao de
uns autos, que dina extraviados, e pedir-lbe que
respoodesse ao dito sea constitualeque, nio de-
vendo osantes, a qoe elle se i eferia, ser reformados
ex-offlcio, porquanto i nenhum menor loteressava
sementante reforma, era do raisier qae esta fosse
promovida por quem nella tivesse Inleresse, o que
elle pedia (azor, corto de que eu (.rovideneiaria ple-
na mente a' respeito.
Lembrando-me de qoe V. S. me dissera qae ha-
via transmiltido essa mioba resposta ao coronel
Zeferino da Conha Bastos, peco-lbe mais que me
declare so o fez, e me permita usar de sua res-

\\
posta como me convier.
Soa com estima e consideracio de V. S. venera-
dor, collega e criado ebrigadissimo.
Ernesto de Aquino Fonseca.
Reeife, 20 de agesto de 1866.
Illm. Sr. Dr. Ernesto de Aquino Fonseca.-Eo-
contrando-roe com V. S. na secretan da policia-
cbaraoo-roe de parle para me dizer, qoo nona rece-
bido do coronel Zeferitio urna eartt qoeizandi-se,
Ihe, que nao Ihe era possivel obter certidao de orna
sentenca, que, ero seo favor, obteve pelo juizo de
V. 8., cartorio do escrivio Brltto; mas qae, en-
tendeado V. S. que nio poda responder a' cartas
de parles, me fazia seieole, qoe eslava disposto a
dar todas as providencias necessanas, e qae fossem
requeridas, para que se oblivesse referida cerlh


o

Vtftrlo de Pernambueo
I

i
do, e que Uto mesmo ea iransmittts ao dito co-
ronel
Cora effeito trAfmhtt-lbe essa resposta de Y. 8.,
tal qual me tin|fc*td)'- e sobre jsto leona at r\"
posta do dito coronel, era como certo ficava que V.
S. eslava prorapto a deferir-lbe o qae a respeito se
ltae requeresse sem c.nsideraco alguuta a quera
quer fosse o. culpado em tal negocio.
Ate ento anda nao se tinha verificado 041
lugar de oalnba residencia causei admlraco a to-
dos ano f>e visiurm, cois que juia raudanc,a Uo
repentina eYa reputada corno ura tiflatfr*.- tA* Jo-
.rubeba, dizis eu, av?Wo da jara beba, prejarada
pelo Sr. Joaqaim de Almeida Plan), e lira em-
plasto da mesma substancia que me applicou so-
m^t estoaugo e flgado, desatesta raju ma-
Eil en resalo a raioh!, histurta ae
de de qae ia sonda victima, restaodo-me
vio dos aatos pois que se roe diiia cnsMll#iieo]feradeeer-lhe, inda urna tez o
te, por parte do Sr. escrivo Rntto, que os autos que rae dea, sem o qual, talve a esta hora estl-
estavam era poder do Dr. Feitoea, como eistava vesse eo reaousando no delicioso, jardim tio ha-
do lancamento por elle assignado no respectivo pro- bilmeole preparado pelo Sr. Viries. Dscolpe
loclo, e qae estava fazendo todos as deUgeBcias.lV. S. se o maeei om posee e ispoaha do
para que elle os eotregasse. Isto ue se me dizia,' De V. S. amigo agradecido.
por esta forma, se dlsse a' mmtos outros, que por
parte do dito coronel, foram procurar a menciona-
da certidio.
Depois, porm.que se vprifleou o extravio dos au-
tos V. S. anda fallou-me a respeilo, diendo-me,
que o coronel Zeferino devia requerer a reforma
dos mesmos autos, para o que V. S. faria jastca
inteira e prompia, sem haver considerado alguma
que Ihe suspeodesse.
" Isto o que posso responder a' V. S., por" ser a
expresso da verdade, poleode usar de minha res-
pasta como Ihe convier.
Recife, 33 de agosto de 1866.
De V. S. collega, venerador e criado abrigad is
rao.
Antefo Manoel ie Medeiros Furtado.
Pubficacoes a pedido
ATTElf^AO.
Villa do Cato, 17 de agosto de 1866.
As observaeSes feitas no Jornal de 6 do corrente
esto intactas; como fosse utihdade de se facer a
feira no rogar Indicado ; Hcar a cmara cora um
mercado seo, sera despender ura real; nao poder
tres vereadores nicamente deliberar, sendo essa
deliberaco nulla.
O mar a verdade, fai-nos responder 49 publico
do Diario de 16 do corrente. Cdrifcssamos venci-
dos no jogo de palvras que nos nao enslnaram,
nem nunca otfviraos daqaees que cuidsram de
nossa edncajan ; lamentamos prnfandaujenre qnem
usa de termos menos cabiveis em disctsrJes? s devia inspirar amor, e oVs^jode Ver oeste lu-
gar a prospndade e florescencia.
Cor fessamus ignorancia de direito, e deseamos
saber p que nao podemos anda ter aprendido ;
desconfelo quera possa dizer nada ignoro.
Se permute e nos da' licenca, em nos-a ignoran-
cia Ihe diremos, que os cxnis. Srs. bspo e vigario
g-ra, sabios como sao, nao ignoram qu a jurls-
dicgo ecclestaslivica s Ihes permute o fdro in-
terno, nao se estendendo a derrubamenti d mo-
numento publico religioso, por qae nesia parte per-
lence ao poder civil. Se o illustre contestante bSo
achar conforme em soa sabeflora esia proposito,
manifest ere desejo, qae nos nao nos jnlgamos
rebaixados em Ihe responder; deve saber, que sem-
pre estamos prstaptos a ;U8lquer pessoa por mais
nfima Que seja, quanto mais S. S.
Ainda diremos que no lugar do CmzWro, na oe-
casiao da feira se praticam actos menos deeentes,
que o pudor faz calar, actos de irreverencia que
Deas pfohibio e langou do templo para fra aquel-
es que o praticavafn.
A flra nao pode permanecer no logar, nSo s8
pelo cruzeiro que coniinnadsmen'.e desrespeila.
do, como porque ella estnde-se por dual estradas
publicas de rodagem, sendo ambas que dio eom-
rounicacao para a viHa ; eatro e twrtp, erradas
estas, que cuslaram alguos conlos de ris dos
cofres pTOvroclaes ; a continuar o aflneamento de
barraeas para felra, em breve tempo teremos de ver
a estrada arruinada.
O tran-ito nos das do feira fie impedido, e eie
porque se tratoa ha muito de soa nradaoea, por
que os carros que nao sahiam at as nove horas do
dia, s podiam fazer a's seis da tarde ; estes e ou-
tros factos rtifard presenciados pelos hahltautes da
villa ; eis a verdade.
Dos, em sua infinita bondade, nos perdoar e
ter misericordia de nossos pescados, s elle
quera sabe se somos este cathohoo tilo exaltado
cumpriodo ne-sso dever estamos contente ; se s-
taes puro, afirai a pedra.
Pergunmmos, se nao foi o contestante qoem pri-
raeiro abri a dfseossio, se nao foi quera aggredio,
assigoaste Vo4*a nome ; nao, como pedis qae es-
tampemos o nosso ; se o tizeres, estamos promplos
a corre^podder, nao a algum homem de palba.
Nioguem dir que o erozeiro esteja em lugar
mo; a villa nao oferece um Jugar mais apro-
priado, para que elle fosad eollocado seoo no lo-
gar em que est.
Nao exacto, como disseste, que por falta de re-
flexo do Ilustre varo foi ahi erguido, nao ; nao
leudes direito de tal dizer. Oeveis saber, qu ne-
nhum dos apostlos do Evangelho d-irou de beai
pensar uestes casos, o que tara sempre provado.
Era peder do Exm. Sr. vig-irio-geral esta urna
represenlaoao de otis de qnareata catbolioos, pe-
diodo a ae remocao do cruzeiro, pedido este jus-
to, nos pelo acto irreligioso que pretenden) pla-
ticar cinco a seis individuos, com 0 Ura uuioo d<*
poderem vender em seus estab-lecimenjo-, lado
este deseju de encontr a' moral dirnit > d'aquel-
les que trabalharam para a edificao do emblema
do Crucidcado; s por capricho mal entendido,
e veleidades de fanforronados, de quem aspira
mostrar-se, iodo sempre de encontr a ludo quanto
diz respeito a' religiao ; o que mais admira faaer
parte quem devera ser opposto a todas estas cju
sas, pelo earacter de que se acha revestido.
PromeiteinoB acompanhar o eoBlestaoie em todo
quanto dissr respeilo a estes negocios; declaran-
do que aeahum tateresse temos era vista fruir, co
como bera o sabe,, uesculpe-oos se nos escapou
alguma palavra aseaos coaveoieoto ; rogando-the
que repita comneseo, que cada um d o que tem.

Germano Francisco di Olioetra.
Recife. 10 de agosto de 1866.
gnn^a feira s S de Agoste de 1866.
u dftfe --------------------------'.-------
3TC
teiras de carnauba,
stos.......
1^^------------ -
.desflidens hypocoudriacas e outros 1
mas de iodigestao.
A bebedice n5o s destruidora dal
de, mas das faculdades da alma, o cosWm
*e emhetodar-se Sm uhou os gejij^.
Assira, peis, ascbflf liucon- ^
vm sakar tos set amulos, qm arraigados J^!? carnauDa
ao vicio da mbriafWz nio os,podera Imar-
pelos meios stiassorios, applicando-lhe o re r
medio, qu faz ioteiramente enjoar as bebi-
das que se vendem : na botica ou laborato-
rio ptormafletaico, di nfci Dirttt n. 88, de
Jos da Rocha Paranhos.
uco,S5 de agosto de 1866.
"RUTO. I
arroba 65400
duzia 95^000
um 1,9500
urna 240
arroba lio
molho' 800
libia 20'iOQ
par 800
NHo tcniA! con 11 nlftum de eBlinni
cr.:;,> 171:1' u.> p- (i'iimn m*
nelra :i ni u persiiasiva o [xtdet da
Setnitia .Veicu. poHf a nmti stia ; ,m Antonia *ftfDJS l'i":KikA. *a Hafcia.
I&stv .Mir.i'ti-MMia liavtam^ta'd'iitnHiBM^ae
'11 \ 1H Y* vuixpy.'unle do
erweis (}fat%m Aheras
Ktplilliadae ]>or sobre dlfft4r*ht)iB nartr de sem
cupo, sonilo uiiii das q'aos tuibri o pello do p
us'.amKitveiiiulipna clinj.-"- i i11*' l>ri**v
d nmlnr, ciiVid.lhb ti<*t>* tul matH'afo'-
iutee 11::.t 3p lfft quer ineiitp iiinp'i"ntiulo |jr lu-s Rtllicciws e dras,
p qtadd nji aUbstaM* da continunicde alm-
'rHiiiti' vida, tcilo )H>Bto de rprte toda a f e
cnnl&aut uuicdeciuas. o bureadadepaiecia
o,u para ello nio l!ie n*tav uaie eaperanca
al-*u*in ; ssim jioie p&<{Rncia o teniiO final de M-us rautiplicadoa
soffri raen tos, ois que milagrosamente por for-
tuna so ihe recpiraro o gr&adfe purifleador
lo pangue
A Salsaparrilha
DE BRiSTOL
d mediante a tr.a grande cfEcscia e exeellentia
lle ae acbou dentro de pouoo tem>o, livre de
seo ifemediavel estado de deMpero, e a dooe
e risonlia esperan i;a trnou de novo revlvw
iin gen contcao ; sob a poderoza e benvola in-
tlucuoia dcste admirarel medicamento, a soaa
3hagas em breve prlncipiarfio gsnmtr una' ca-
rcter favoravel diminuindo o aspecto de sua
nialignidade A macea, do san^ue e saais
humores do srstesoa torBou adquirir urna
avpar.-ncia clara e saudavel, as dores ator-
mentadoras d'outro ora o deixarSo, e urna doce
> suara tranquillidado priscipiou a ppecorrer
todo o sen aystoma, reatsmrando-lbe a deaejada
paz e socego d'oBplrito; as cbagas ie forao fechando ate" que finalmente te cica-
trizarse d'um iodo, e aoje aclia.se perfeita-
mente sito, gosaUdo d'um perfeito eetado de
aude, depois de se ter visto privado d'este
grande goze durante mais d"um anuo. Elle
durante esta sua cara, apenas fez uso de
1>, -a.-ei-i garrafas da Germina Salsaparrilha
dt Brisiol, preparada exclusivamente por
LANMAN & KEMP,
De KTOVA YORK.
Recommenda-se mal particularmente aoa
Doentes d'ambos os seos, que empreguem
toda a cautrlla na eseolba d'este admirarel
remedio, afim que nao obtenhao outra com-
posicao qualquer, que nao seja a Salsaparril-
ha Oenuina de Bristol, pois que todas as
mais preparacoes e imitaedes d'eeta naturaea
lo falsas aao possoindo virtude alguma.
0 oleo de Qgado de ba :alho desinfectado
de Cbevrier, conserva as qualidades e pro-
priedades recoobectdas ao oleo de ligado de
bacamo ordinario ; o seu ebeiro gosto
sao muito agradaveis, e a digesto faz-se f-
cilmente.
Deposito em pernambueo, casa de P. Mau-
rer & C, ra Nova n. 18.
m m in"-----------1 i i i-j-jj
Reodimento do dia 1 a 24.......
dem
COMMIECIO.
a de ema
sdeomirobranco.
a ut snpra.
ovo-AfandefadePernarabnco, 25 ieagos-
"66. A.MHlalio.
__gnados):
t.* conferente.Wanol Caldas Barrete
O I. coaferente, Frameueo Affonso Ferretea.
cnforrae-04.' escripturao, Joo dt A. Peretra
Rocha.
RECEBED0RIA DE RENDAS INTERNAS
GEBAS8.
30:6405350
1:S42277
do d'a 25.
32:182*627
C'eUaces oflclae,
PRA^A DO RECIFJS, 26 DE AGOSTO DE 1866.
A's 3 boras e meia da tarde.
Algodo.1* son 17*500 por arroba.
Cambio sobre Uadres 90 d/v 24 1/2 e 24 3/4 e do
banco 24 1/4 d.
Cambio sobre Paris 90 d/r 393 rs. por franco do
banco.
Pebourn,
Presidente.
Silveira,
Secretario.
Caia Filial do fiasco de Brasil ea Pera auhuee
tes 13 de jalhe de !.
De ordem da directora se faz setente aos senho-
res accionislas qne o the^oureiro esta aetorisado a
psgar o 25 dividendo das aceOe desta cana a ra-
zio de 10*.
O grrarda llvros.
Ignacio Nones Corris.
Caixa filial do banco da Brasil em |er-
nanbica13#e jnlho de 1860,
A caixa desconta os saqoes de seu aceite pela
taza de 60/0 ao anno, ucea esobre a caixa Htala
Bafcia.
Novo base de Per ara m.
bneo.
O aovo banco desconta letras a 8 por cepto ao
anno. .
Reodimento de 1
dem do da 25.
ALFANDEGA.
a 24..........
642:898*698
23:70z09
666:600*007
Vende-se oes boicas de Caors d Barbosa
e C. Bravo A C.
mm
O oleo de ligado de bacalho ferruginoso
de Cbevrier, pharmaceutico em Pars, subs-
tiltie se i om mtuta vantagem as pilulas e ao
xarope de iodurpto de ferro mais fcil de
tolerar-se para as pessoas delicadas asseme-
llia-se muito mais bem e n3o provoca a cons-
tipafo.
Deposito em Pernambueo, casa deP. Ma-
rer 4C, ra Nova n- 18.
A jurubeba.
MOVIMENTO DA ALFANDEGA.
Volnmes entrados com fazeoda...
< t com gneros... 4
----- 4
Voluntes sabidos com fazendas... 104
t t com gneros... 252
Desearregam boje 27 de agosto.
Brigne ing|zLenmercaduras.
Escuna hesponbolaPor tollasviobos.
Bngue prosstaao-lfoNiesDfrabarricas vasias.
Poiaca francesa Juvem Francissa farinlia de
trigo.
Patacho nacionalCardia charque.
Patacho porluguez -Furtodem.
Polaca bespaohola Promptadem.
ALFANDEGrA DE PEBNAMBUCO
PAUTA DOS PlICgOS DOS GNEROS SJEIT0S A II1REI10S
DE RXPORTACAO.SBMAltA DE 27 DO HEZ DE AGOS-
TO A 1 BE SKTEMBRO DE 1866.
Merendonas. Unidades. Valores.
PRAQA DO BECIFL
*A 1E ACOST DE I *.
A'S TRES HORAS DA TARDE.
ReviaU seaMuaal.
Cambios.Saccou-se sobre Lon'dres de 24 V4 a
24 K d. por 1*000, sobre Pars a >90 rs. por fr.
e sucre Lisboa a 115 por cento de premio; sendo o
valor dos-sagnes1 efectuados durante a semana de
* 70,000.
AioDAO. Vfftdeu-se'O'ffe Pernambueo, esco-
CQlhldo, de1 HtS06 a 17*"0 por arroba ; o de Ma-
cei. postt a bordo, a 16*000 e o da Parabyba,
lamiera posto a bordo, a 19*750.
Aguardnt, Vendeu-ee de 60*000 a 65*000
apipa.
Cocaos Os seceos salgados venderam-se a 160
rs. a libra. .
Abb.oz.-0 pilado da India endeu-se a 3*000 a
arroba, a o do Maranhno 3*200.
Azbite doce.Vendea-se o de Lisboa a 2&500
o galao.
Bacalho.Em atacado vendeu-aea 14*500 a
barrica, e a retalho de 14* a 17* a dita ; Qcando
em deposito 4.500 barricas.
Batatas.VeWeram-se a 2*500 a arroba.
Bolachinhas.dem a 4*400 a barriqutnha.
Caf.Veadeu-se de 5*300 a 5*800 a arroba.
Cha.dem de 1*600 a 2*300 a libra.
CERvm.-Idem de 3*000 a 3*500 a duzia de
garrafas.
Faiunha de trigo.A de Philadelpbia e New-
York relalnou-sf de 18*000 a 22*000 por barrica,
ffanreza a 23*000, a hespaobola a 22*000 e a
te Trieste a 24*000; ficando em deposito 17,500
barricas, sendo da de Philadelphia 1,60o, da de
New-Yurk 6,000, da francesa 400, da bespanhola
3,000 e da de Triste 6,500.
Farikha de mandioca. Vendeu se de 3*000 a
3*600 o sanco.
Lodca. A inglza ordinaria vendeu-se com 320
por cento de premio sobre a factura.
Majteiga.Vendeu-se a ingleza a 940 rs. a li-
bra e a franceza de 460 a 520 rs. a dita.
Massas.Venderam-se a 8*000 a caixa.
PAssAs.-Idem a 8*000 a caixa.
PaasuNTOs.Venderam-se a 14*000 por arroba.
Queuos.Os flamengos Tenderam-se de 1*800
a 2*100 cada um.
Sabao.O inglez vfendeu-se a 140 rs. a libra, e
o do Mediterrneo a '40 rs. a dita.
Toucinho. Venden-se o de Lisboa a 9*000 por
arroba.
Vinagre.O de Portugal Tendeu-se de 85*000 a
110* a pipa.
Vihhos. -Venderam-se o de Lisboa de 180*000
a 190*000 a pipa do branco, e de 190* a 230* do
tinto, e os de ontros paizes de 160*000 a 175*000
a dita.
Velas.As de composco venderam-se a 600
rs. por pacote de 6 velas.
Dbscontos.O rebate de letras regulou de 8 a
10 por cento ao anno.
Frtes.Para Llverpoel V* P0' Hora P8'0 a|8"
3/4 por libra 5 %, carregando na Parahyba
a 5 / carrereado ero Ha
'/, pelo laitro, e para o Canal
Remedio coatra a embriaguez
A sade depende do estado dos solidos, e
dos fluidos, que os conserva idneos para a
mais perfeita execuc&) das funcc5es vitaes; e
emquanto estas se fa^em com regularidade' Cha
nos acharaos saos e robustos; porm de qual- Charutos
(SOLANCMCM PANICULATUM DE LYNEO.)
As virtudes therapeoticas da jorubeba de nroa
popularidade immensa, applieada pelos medios e
pelo pono, animaram o abaixo aesignado a fazer
dessa planta om extracto e dwwa*ai preparacoes,
de modo que os medios podero scolher aquel le
qne mais laeeonvier, segundo a aaole>a que 11 re-
re m de combater. Os medicamentos assim prepa-
rados sao o emplasto, oleo, tintura, pillas, xarope
e vmho.
Os mdicos desta oidade tem recebado as prepa-
racoes de jarubeba do abaixo assigtado sempre
com proteito.
Em Pars e Re de Janeiro e ostras cidades j
sao conhecidas as preparares de jorubeba do
abaixo assigoado, fazendo soapregoar. pela impreo-
sa o elogio desse medicamento. O abano assigoa-
do rom pro va o que Oca iiitoom os numerosos
certificados das pessoas que destes medicamentos
tem usado.
O abaixo assignado, porm, previne aos incautos
contra as falsifieaces, faz certo que nesta cidade
o nico deposito de snas preparacoes de jurubeba
a sua-prurraaeia sitaada na roa larga do Rosario
n. 10 junto ao quml de puttcia, e prense que
procedr coa o rigor da le contra oa falsifica-
dores.
Jodqmm ie Alwmi Pinto.
IIlu. Sr. Joafuim de Almeida Pinta. Pede-me
V. S. que Ihe communique a resultado da applica-
Co qae fez do sea mraculoto riobo de jurubeba.
Nao s para satisfazer a V. S. como tambero por.
nm dever para coa a humantdade soffredora, oa
narrar em abono da verdde, a vaotagea qae ob-
tive com to feliz qaao acertada applicacao.
Atacado dt clicas hepticas u gasir kepatte
como melhor eatendiam os professioaaes, via eo
de dia para dia augmentar se o mea goffriroeoto e
notava o eatraordroaro progresso da semelhanle
enfermidade sem que caso algara Ozesse dos meios
empregado para combat-Ja. Resoivi-me wr ao
Recife procurar a salvaco da vida ameacada e com
ffetto vim, e em tai estado qae os meas amigos
e camaradas da Villa do Piar aonde actualmente
resido, na proviacla das Alagoas, disseraro, vend-
me partirEste nao voka c.Aqu eheguel, creio
que em principio do mez de juana prximo passa-
do, e depois d baver consultado um dinincto e
hbil medico desta capital, lie a afortunada lem-
branfa da Jorubeba.Gomecei pw fazer uzo da
titura alcoolica e a fricci*ar-ae com o oleo da
mesma substancia por V. S. preparado, seoti como
que alguma consa de raelhora no mea organismo,
porm, com tal lentldo qae me deanimava. A
impaciencia fez com que ea tivesse a honra de
con-ulta-lo, e V; S. vio em que deploravel estado
me achava. Verdade qae a febre iatermitente
ou sezSes j me baviam abandonado, bem eoao
as clicas e a Iterlca, e as orinas j estavam
um ponco mais ciara?, mas, o cansaco e a la-
chacao dos pos e pernas exista ainda. Acen-
dTSh- i&JSZ^tk.'SJS'SZSl beaT".s"dig"s58', nem pre"parar.se deiiS
de i mez achava-me quasi que completa- blente os humores. Por isso a maior parte
Abanos......... cento
Agurdente de cana .... caada
dem resillada ou do reino >
dem casaca...... >
dem genebra...... >
dem alcool oa espirito de agua- 1
.rdeme ....... 1
Algodao em caroco .... arroba
dem em rama ou em la
Arroz com casca..... 1
dem descascado oa pilado >
Assucar mascavado.....
dem branco.......
dem refinado...... >
Azeite de amendoim oa mendo-
bim ......'. caada
dem de coco...... .
dem de mamona .... 1
Batatas alimenticias .... arroba
Bolacha eidiara, propria para
embarque....... 1
dem fina........
Caf bom........
Idm escolha ou restolho.
dem torrado...... libra
Caibros........ nm
Cal.......... arroba
dem branca ....
Carne secca (xarque) ...
Carneiros ....... nm
Carvao vegetal ..... arroba
! Carvenas de stcaptrsf ama
Cera de carnauba em bruto. libra
dem idem em velas ... >
.
cento
quer maneira que se perturbem,inivitavel r^",U-msi ;.....22L
ialterar-se a sade, e a inteperaoc* nunca! cX( ^ ." [ [ iW
deixa de deserdenar toda a economa animal, 1 Couros de boi, salgados,'.
impedindo a digestjo, relaxando os ervos,
fazendo irregulares as secrecSes, viciando
os bumores e produzindo inQnitas enfermi-
dades.
O mais alto grao da prudencia hiiBiaua
coasiste em regrar o noss- s appotites e '
paixoes, de maneira que se evitem osx-:
iremos. i s(eiras para ferro de estivas
Com quanta celeridade arraina a mewr de navio........ cento
constituicao o abuso dos licores, que embe- *P|9P* mco"1..... arrefca
bedan! Palo pe vemos comtanj frequen- f de5SMfT: [ -' 2fiw HK
libra
dem idem seceos espichados
dem idem verdes. ....
idem idem cabra cortidos nm
dem idem de onca. ....
Doces seceos...... libra
dem em gela 'on massa
dem em calda ....... 1
Estaadores grandes am
Wem pequeos...... ,
2*500
900
800
360
4*123
16*300
1*500
2*600
1*900
3*000
4*000
25500
1*800
1*100
1*500
3*000
7*000
7*000
6*500
440
360
400
580
3*800
4*060
1*600
3*600
320
500
2*0QQ
3*000
15*000
4*000
660
!60
260
?00
380
io*aoo
1*000
360
520
4*000
2*000
16*000
2*000
dio; ,
% d. Vi Por libra 5 '/o carregeado ero Machio
20/ por tonelada 5
30/8 / nominal.
' "
arroba
t
om
arroba

9>
ca os devotados a embriaguez carregados de! Fei]^l^e"quaTquerV majes, correado com passos largos para a Frechaes ......
sepultura, e por isso ewnmutn roverbio f}lm0 *"tolha'bom
que todos os ebrios morr^m hydropicos. I jj 'SS^S.T^'
Tudo que embebeda poe a natureza em; dem ordinario 3u restolho'.
estado de excitar febre, pa desembarcese Gairdias........una
da possoBha que tragara: e^quando se repe-p0**- .......arroba
le quasi todos os dias este veneno, ftcil ffiSK IfSP...... L>
prever-se as consequencias, que resuiUm.Tn^ ". '. *. '. ,
elle- As febres da bebedice ni-m senapre I/inhae e esteios. '. '. '. '. '. om
terminad! eiaumdia ; acabam ardinariamen- MeUn mtelo......cenada
en'umainflamvaacaodapeito, dofigado,ou ^L...... r0"*
do bago e produzem ftUes efleitB. pS |f5 .' .' .' ." .' '. ; Sattl
A bebedoe de especies alcool ies quand-H dem de jangada '. '. '. um
se usan com excesao, debilita as entranhas, Pedras de amolar .... ama
impede a digesto, esiroeaforca dosner- id^derfleboto ..... "
vos, e eausa enfermddes paralyticas, e con- piassava ....'.'.'' molo*
vulsivas. D mesmo modo esquenta e in- Pontas'ot cbifres e1 vaccas ou
flamma o sangue, desroe sua qualidade bal- novhos.......cento
rnica, e o torna inatil para a ctrculacio e p -aachaes de amarelio de dous
4*000
2*800
5*000
15*000
8*000
40*000
8*000
1*080
2*800
asaooo
1*500
122000
9OOO
iW
amo
&0&^r\*
04000
sjooa
Wv
800
1*000
160
3*800
um
para nutrir o corpo. Dahi prcdem as dem de louro"
obstrucSes. magreiras, hydropesias e tsicas. Rp^ .......'.'. libra
Estes sao os camioaos ordinarios, com que Sabao.
MOVIMENTO DO PORTO
Navios entrados no dia 25.
Rochefort por Lisboa, Tenerife e S. Vicente 12
das do ultimo porto, vapor encoaracado naci
Bal Nemnis, eom mandan te o capitao tenpnte Vi
tal de Ouveira.
Slacei2 das, cter nacional Ecuador, de 70 to-
neladas, capitn Anselmo Peres, eqnipagem 6,
em lastro; a Amorira Irmo.
Rio de Janeiro-19 dias, brigae prussano A'onijs
berg, de 266 toneladas, capitao Cari Holl, equi-
pareis 9, carga barricas abatidas e lastro
Amorim Irmo.
C*lao de Lima73 das, galera hambargaeza Ma-
rin, de 490 toneladas, capito C. A. Jansen,
equlpagem 19, carga guano; ao mesmo capitao
Veio refrescar e segaio para Roterdam.
Guatemala lOOdias, escuna sealeswig holslein
Ckristtne, de. 203 toneladas, capito H. Rendz-n,
equlpagem 8, carga assucar e couros; ao mes-
mo capitao. Veio refrescar e segae para Fal-
month.
iVacws entrados no dia 25.
Acracaj e partos intermedios 6 dias, vapor na-
cional Parahyba, de 104 tooeladas, commandan-
te J. I. Manas, eqnipagem 21, carga algodo e
outros gneros.
Macei12 huras, vapor inglez Plolomy, de 721 to
neladas, commandante E. R. Peel, equipagefn 39,
carga algodo e outros gneros; a Saunders
Brothers & C
idem-12 horas, vavor brasileire Sania Cruz.de
158 toneladas, commaudaote Francisco Vigna,
equipagem 22, carga,algodo ; a Antonio Luiz
fc de Oliveira Azevedo & C.
Sabido no mesmo da.
PenedoHiate braileiro Novo Gosto, capitao Fran-
cisco Pedro da Silva, carga diferentes gneros.
JYat-'io entrado no da 26.
Rio de Janeiro19 dias, brigae nacional Adelatde,
de 250 toneladas, capito Lourenco Domingos da
Silva, equipagem 12 carga caf e outros gene-
ros ; a Joa-qaim Jos Goucalves Beltro.
Navios sabidos ao mesmo dia.
Rio de JaneiroBar- a hauoveriaoa Grafa Kny\
phansen, capil" D. Pahot, em lastro.
Liverpool por MaceiBarca ingleza Edill Manon
capito Mechell, em' lastro.
Rio Grande do SulBrigue nacional Imperial Pe-
dro, capuo Joaquim dos Santos Soaza, carga
assucar.
BarcelonaPolaca hespanhola Catalua, capitio
D. Juan de S. Jaao, carga algor* J
BarcelonaPolaca hespanhola D< M '% capito
Pedro Estrader-y-Mas, carga al to.
Barcelona'Sdmaca hespanhola ],\,t Etiza, capi-
tao Jaimes Pa, carga algodao.
Rio de Janeiro Palhabote americano F ''
rio, capitao Manoel Joaquim de Olive irsRamo
carga assucar, agurdente v. goma.
ObsertacZes.
FuDdeou no lamarao urna.polaca austraca, mas
nao leve communicago cerra a trra. Appareee
ao norte urna barca franceza.
Suspenden dd lamaral para Parahba a barca In-
gleza Load Harvuon, capitao Avery, com a mesma
carga que trouXe da Babia.
de 1861, que raodificou as despdltyOW diquellrit-
vara' jwMmindo o offlcio de labelliao at fi9
exercl&Tfylo mesmo 8ouza.
E para sar q^arasente que sera afDxado no lugar publico
e doW*ftime. Villar dePo-d'AlboI43de agosto-de
1866.
B ea JesuiooDomingues Carneiro, escrivio deor-
nbios interino, o escrevi.Mazimiano Francisco
Do re.
O referido verdade qae o copfei do proprio da,
ara ut snpra. Em f de verdade.O escrivo in-
terino, Jesuino Domingues Cfroeiro.
m*rWOP**O. T *gBdo.
Delfloa, fllha de Jaconte. D. Eugenia
(Tnomasia, irnaia do dito, Agenciada.
Puicheria, adlhada do dito. D. Jesuina.
A aeco passa-se no Recife.
Principiara' as 8 horas.
DECLARACQES.
AVISOS MARTIMOS
.
A Illma. juota adaHeistralisa da Santa Casa
de Misericordia do Recife, manda fazer publico
qu recebe propostas na seta de snas sessd-s ao
dia 30 do corrale pelas 4 horas da farde para o
foraecimento dos seguintei objectos precisos para
Porto.
A vejeira e iflperior barca porlogoeta ErmeHntla,
pretende sabir para o indicado porto, iropreteri-
velmente no dia 30 do corrate, por ter don tercos
de seu carregamenlo prompto, e para o resto quem
qnizer carregar pode dirigir ao censignatario Joa-
os reparos das casas de Ql.nda pertencentes a esta qun) Jos Goncalres Beliro, na rui do Vigario'
Santa Casa : 17 \ina-
2 duzias detaboas de refgo. < 9L*JsSlfiT*r.:____nu.___--------------------,
2,000 lijlos de alvenana batida.
2,000 ditos de dita grossa.
1 canda de cal prea.
1,000 tena.
1,000 ttjolos de alvenaria batida para a obra de
collegio de Santa Thereza.
Secretaria da Santa Casa de Misericordia do Re-
cife, 2t de agosto de 1866.
O escrivo Interino,
Pedro Rodrigos de Soasa.
Santa Casa daTMisricordia
do Recife,
A lilm.* unta administrativa da Santa Casa de
Misericordia do Recife manda fazer publico que
00 dia 30 de agoilo pelas 4 boras da tarde na sala
de snas sessoes tem de ir prac,a a renda das ca-
sas abaixo mencionadas por tempo de am a tres
ancos.
Os pretendentes deveo comparecer acompanba.
dos de seas fiadores oa munidos de cartas destes.
Eslabeleeimente* de caridade.
Roa Direita.
Sobrado de 2 andares n. 8. 1:067*000
Roa do Padre Floriano.
Casa terrea n. 47.......186*000
dem terrea n. 65....... 72*000
Ra do Facundos.
Caa terrea n. 34......145*000
Travessa de 8. Jos.
Cisaterrean.il.......153*00'
dem n. 5.........169*000
Ra dos Pescadores.
Casaterrean.il.......216*000
Ra das Calcadas.
Casa terrea n. 30.......174*080
'dem n. 36.........176*000
Casa terrea n. 38.......i57*u0i)
Roa de Horlas.
Sobrado de um andar n. 41. 240*000
Kua da Viracao.
Casa terrea n. 7.......284*000
dem n. 19.........180*000
Ra do Encantamento.
Sobrada de 2 andares e soion. 3. 400*000
Ra da Gloria.
Casa terrea n. 55.......144*000
Ra da Moeda.
Sobrado de 2 andares e soto o. 37. 480*000
Roa larga do Rosario.
Segando andar ...... 300*000
Becco do Quiabo.
Casa terrea n. 55 ... 144*000
PatriBMnio de orphos.
Roa do Sebo.
Casa terrea n. 13.......216*000
Ra do Pires.
Casa terrea n. 39.......120*000
Ra do Rangel.
Casa terrea n. 56.......300*000
S. Goncalo.
Casa terrea n. 22.......189*000
Ra da Lapa.
Casa terrea n. 2.......150*000
Roa da Cacimba.
Casa terrea n. 10.......... 83*000
Ra da Senzala Velha.
Casa terrea n. 18.......199*000
Ra do Pilar.
Casa lerrea n. 81.......168*000
dem terrea 94.......... 2OISOO0
dem n, 103............ 2008000
dem n. 105........168*000
Sitio do Perno da Cal n. 5. 150*000
Secretaria da Santa Casa da Misericordia do
Recife 24 de agosto de 1836.
O escrivo interino,
Pedro Rodrigues de Sonza.
I
De ordem do Illm. Sr. engenheiro em chefe
e director da reparlico das obras publicas desta
provincia, faco publico que em virtude da ordem
do goveroo da provincia de 8 do correte t-ra lu-
gar no dia 26 de setembro prximo viod uro. o
concurso para preeochimeoto das vagas de praii
cantes desta repartiejio.
Os exames versarao das seguintes materias
lingna nacional e fraocez, arithmetica, geometra
a duas e tres dimeasoes, algebra at equaedes do
primeiro grao, desecho linear e de aquarella.
Os requerimenlos para insenpeo dos candida-
tos devero ser apresentados at o dia 2o nesta
secretaria.
Secretaria da repartico das.obras publicas 9 de
agosto de 1866.
No impedimento do secretario,
_______ Joo Joaquim de S. Varejo.
"COMPANHIA
IMEMNISAIIOBA
Tendode ser vendidas em cumprimento do art.
19 aos estatutos da compaohia de segoros manti
mos e terrestres Iod^mnisadora10 de snas
accoes, vagas pelo fallecimento do accionista o Sr.
Jos Baptita da Kanseca Jnior, sao convidados
os pretendentes a drriglrem snas propoMas por in
termedio de correteros geraes, ao escriplorio da
compaohia rna do Vigario n. 4 at ao meio dta de
31 do corrente mez. Recife 21 de agosto de 1866.
* Os directores.
Francisco Joo de Barros.
Migoel Jos Alves.
Joo da Silva Regadas.
EDITA ES.
os bebadosfazem sua carreira,^ enfermida- f*!
des desta casta, quando e produzem em om s!bo 7aia .'
lorie bebedor, rara vez admtem cura. j dem em velas .
Alguns arruinara sua sade bebendo mui- So'4 em vaqaeta ,
to, ainda que rara vez (pelo costuro*) se em* Taboas de a
bebedem, poet que nao produzaeffeitostao
viol- ntos, n5o s5o menos perniciosos.
Quaado os vasos se conservan) constante-
mente cheios e dilatados nao se podem fazer
alquelre
arroba
urna
duzia
diversas ......
Tapiocas.........arroba
Tatajuba ........ quintal
Travs.........urna
Cubas de boi...... cento
Vassouras de de piassava 1
Ditas de timb .'..... 1
Ditas de carnauba ..... >
i
160
OO
25*000
5*pep
7*000
2*000
140*088
87*000
3*000
2*000
ajado
1 seceo.Secretaria do governo de Pernambu-
eo, em 21 de agosto de 1866.-Pela secretaria do
governo se faz publico, para conhecimento de
quera inleressar possa, o edital do )uiz municipal e
orpbos do termo do Pao d'Amo, abaixo transenp-
to, para o concorso a serventa do cutero de escri-
{00 j vSo de orphos, eapeffas, residuos e ausentes do
mesmo termo. Os pretendentes devem apresenla
seus requerimenlos no praso de 00 das, e instrui-
dos aa forma do decreto d. 817 de 30 de agosto de
1851.
O Dr. Maximiano Francisco-Duarte, juii municipal
e de orphaos destetermoe comarcado Pao d'Alho,
SW Sua Magestade Imperial 3 Constitucional, qae
bus guarde, etc.
Faco saber que em virtude do decreto n. 817 de
30 de agosto de 1881. e aviso o. 254, de 30 de de-i
zembro de 1861, e mais disposieSeseo vigor, tem
de ir a concurso no praso de 60 dias eontados do
Arremataco.
No dia 28 do corrente depois da audiencia do
Sr. Dr. juiz de orphaos e a requerimento do testa-
monteiro do finado Joo Baptisla de Oliveira, ser
vendida em hasta publica, com o abate da quinta
parle, sobre a avaliafao de 2:600*, segando foi
aotorisado pelo mesmo Sr. Dr. juiz de orphaos, a
casa terrea n. 08 na ra das Cinco Pontas, com
ama porta e duas janellas na frente, com 19 pal-
mos e meio de vo e 60 de fundo, duas salas,
dons quartos, eosinha fra, quintal murado com
porto para a ra do Dique, cacimba e ura quarto,
chaos proprios. A mesma venda ser effeciuada
llvre de quaesqaer despezas para os consenhores
do predio, inclusive a siza por inteira as quaes
f corre por conta do arrematante.
Correio Geral
Pela adroinlstraco do correio desta cidade se
faz publico que em virtude da con veneno eoshl ce-
lebrada pelos governos braslleiro e fraocez, serio
expedidas malas para a Europa no dia 30 do cor-
rente, pelo vapor francez Guienne. As cartas serao
recebidas at 2 horas antes da qae for marcada
para a sahida do vapor, e os jornaes at 3 horas
antes.
Admlnistraco do crtelo de Pernambnco, 21 de
agosto d 1866.O administrador.
Domingos dos Passos Miranda.
THEATltO
DE
mente restablecido. Quando voltei para o' deslas pessoas padecem, gota, pedras, areias, ywagre. .,..'.'.' .' .' caada
^0! presente diial, o offlcio de escrivo de orpbos,
lOOw capellas, residuos e'ausentes, vsgtf por fallecimento
8*000 do servontuano Ignacio G rnes de Sonza, criado
6*400 pelo alvara' de 27 de Julbo de 1809. cojo alvara' foi
808' alterado pela lei provincial n. 503 de 29 de maio
^.EMPREZA-COIlIBlrA, .
Terca-feira 28 de ahosttr tfe-v866.
RBNBFICIO DA ACTRI
CLELIA DE CARVALHO,
Depois de ma loda symphonla pela ofEhesti".
snbKa a sceoa o magnico dratr/a em t "actos
SiPA?? iUUSER.
- espirituosa e
Para o Rio Grande
do Bul
Freta-se ou recebe crga a frefe a escuna ha-
noveiiana Aliba Carolina de 113 toneladas ingie-
ras : trata-se na ra da Crnz o. 1, escriptorio de
Antonio Luiz de Oliveira Azevedo & C.
(OJIPV\HI4"BRJLSILElItX
DE
PAQUETES A VAPOR
Dos portos do sul esperado
at o dia 30 do-eorrente OD -dos
vapores da compaohia, o qual de-
poi* da deatwa do costme se-
guir' Dar os portos do. norte.
Desde ja rece te te-se passageiros e engaja-se a
carga que o vapor poder conduzir, a qual devera'
ser embarrada no dia de sua chegada, eacommrn-
das e dfbbeiro a freteat o dia da sahida a 1 ae-
ras da Urde. Previne-se aos Srs. passageiros t|ue
as psssagens s se recebem nesta agencia raa da
Cruz n. 1, escriplorio de Antonio Luiz de Olivei-
ra Azeveao_*C.__________ __________'
" mmm bbasileiua
DE
PAQUETES A VAPOR.
Dos portos do norte esperado
al o dia 4 doeorrente o vapor
Sonta Crnz, commandante o pri-
meiro teneote Ara ojo, o qoal de-
pois da demora do cosame se
gira' liara os portos do sul.
Desde j recebem-se passageiros, e engaja-se a
carga que o vapor poder conduzir,a qual de ver ser
embarcada no dia da sua chegada; encommtiNlase
dioheiro a frete at o dia da sahida a 1 hora da
larde. Previae se aos Srs. passageiros qne as
passagees s se recebem na agencia rna da Ciua
n. 1, escriptorio de Antonio Lniz de Oliveira Aze-
vedo & C.
Bahia.
Pretende sabir ero poneos dias o veleiro e bem
cohfciJo patacho Sanio Antonio, por ter a maior
parte d>- seu carregameBlo tratado, e para o resto
que Ihe falla trata-se com o consignatario Joaquim
Jos dncalves Beltro, na rna do Vigario n. 17,
1. andar.______________________________
Risco martimo
ft) cpt5o J. L. Vigners do late americano J'J,
Wkamson de New-Orleans e de 92 toneladas do
totaco, arribado a este porto coro agua abena n*
,-iia recente viagem de New-Orleans ao Rio de la*
neiro precisa da qantia de crea de 6:000* sobre
o casco, veame, ear.egaroeoto etc., etc. ao dito
hiate para eccorrer as despezas fetas neste porto
afim de poder seguir a soa viagem. Propostas em
cartas fechadas dirigidas ao eapito serao recebi-
das no consolado dos Estados-Unidos ra do Tra-
piche n. 8. at seguada-feira 27 de agosto ao meio
dia^________________________________
Har com esealla pelo Maranlie.
Pretende seguir em poneos das o superior e ye-
teiro p-lhabete Pemamoucano por ter graade par-
te de seu carregamenlo prompto, e para o qae lee
falta trata-se com o consignatario Joaquim Jos
Goncalves Beltro, na roa do Vigario v-17, !:
andar.__________________________________
Maranhao e Para.
Segu com a possivel brevidade para os indica-
dos portos o brigae escuna nacional Graciosa, ea-
pito Silva Ralis ; para o resto da carga que Ibe
falta, tratase cora o sea consignatario Antonio de
Almeida Gomes, ra da Cruz n. 23,1." andar.
K
i
Vndese
O ve'eiroe bem conhecido patacho na-
cional Palma, (de primeira classe), de 222
toneladas de 1 itacao : a tratar com Henry
Forster C.rua do Trapiclie n. 8.
Aracaty.
O hiate Dows Irmaos, para carga trata-se com
Tasso Irmes, ou no trapiche do algodo com o Sr.
Quintal.
COIPANHIA
DAS
Hessageries Imperiales.
At o da 30 do
corrente mez ?-
pera-se dos por-
tos do sol o va-
porfrancezGuifn-
ne, commandanie
Anbry de la No,
o qual depois da
demora do cos-
tme seguir' para Europa tocando em S. Vicente
e Lisboa, em S. Vrente ha um vapor em corres-
pOBdeKcia com Gore Para eoodiccoes, fretes e
passagtras trata-se na agencia rna do Trapiche nu-
mero 9.
Eio de Janeiro.
Pretende seguir para o Indicado porto, com mul-
l brevidade, o veleiro e bem conhecido brigue
Adelaide, por lar a maior parte de seu carrega-
menlo tratado j e para o pouco qae Ihe falla tra-
ta-se com o consignatario Joaquim Jos Goncalves
Beltro, ra do Vigario n. 17, primeiro andar.
I.EIL0ES.
LEIlJLO
De ama taberna a ra da Sepzalla Nova
Humero 9.
Francisco Solano Pereira Ramos far- leilo por
interveDCo do ageet* Cerdetro Sirooes de sua ta-
berna acuna mencionada em am oa mais lotes a
vontade dos licManies, isto
ojtk:
Segunda-feira 27 do correnle as 4 ] boras
na mesma taberna.
Ii^IIiAO
Uoje 27e?ge8tt.
Honaard & C faro leilao por iotervencao do
agenta Piulo, do un completo e variado sorhroen-
lo de fazeadas fraocezas, suis. as e alicmaes ezls-
teatesem seu armazem da roa da .Ca'dela o. 36,
onde esperar a concurrencia de seas fregaezes e
amigos.
Principiara' as 10 horas.
Finallsara'- c
Una comedia e*^
LEILAO
De mow e esravos
CORQMbO.SIMOES
requ3rmento
.-.nte do fiuado Jos?
Joaquim de Novaes.e despacho do lilru. Sr. Dr.
iuiz.d,' ofphaoa Ur leilo'de urca escrava de. rra-
Co 50 aonos, 1 piaoi de mesa, (2 cadeiras d
aranJa, 1 sof e dito, 1 mesa redonda com
dr Sliaocs de Jacaranda,!.guarda louc.a, 1 me-
ga de amarillo cora 25 palmos de comprimenTo, 1
jodelaiiro de vidro, Isto
c
"ne'uelw^" W^&mW ~$1 S'rto-feira 29 do corrente as ii hqras,
1 Borges -- pe'" academio o mm. Sr. Usettiw ^^.m^ew a ra da Cadeia do Reci;
ae Assis.


Alarlo 4e Peruabaeo
?.
gnala felpa I9d AgMf* Je 1868.
\
I ^11 vo
bnnWtflobrt finas gra
*", 3 ilMau,- I Aeia pal
np is, cnr-
dwHos a g wr2 attune, i jarres para flore. 1
re secretoria de jaearanrf, 1 raesa de janttr,
i guarda lou<;, 1 eartetra de *iam, 1 meta
om prensa, 2 commodas de Jacaranda, i dita
e angteo, 4 escarradeiraj, 3 grande- espelbo,
firt^ e caval
don: rflefMKie Ja esuuc.ia : ura rodado, arto, o
pudo, bom .passeiro esquiador, rom muito fer-
ros nos ojanos. O ootro meso cora cIhaa, cau-
da e p< tacuros, ferrados as maos, eom a letra
L na coixa esquerda, treta e gailopea bem. Atn-
bos andar en es cabrio), i: qoem es pegar os
aguarda roune, 1 apparadore*/, t* t-aJelias,. traga ao s<>bfe#ioeBbradi}ue-ef ges*rs*ainen-
lotiga e outioe ooir 8 ( bjecios existentes do te recompensado.
n coirsTRUcromun
_.! AlWaria francea acaba de receba* urna :
I'- art*2tar<
priraeiro andar do sobrade aataa-aarga do
sano o. 40.
: QiiU-feira 30 rente.
O agente Plato aatorlsado por ama pessoarq
foi para lropa, far letlao dos ofjjectos acl
descrlptos Mstenles no primelro apdar do agb
d* da roa larga do Rasarlo n. 40; as 10 notes *m
poBto do d* MHiraitfto.
....." ..... i, i i .....
De lirro e movis
de sndalos a esenhos propnos
rcEsante.
IUA DO 08E8PO N. 9.
Ao publica
_> uomiBgos partios de Barros Moqteiro, despedio
o seu cWtelro Victorino Lopes da Costa desde odia
18 do eorrent, por wi moral e esteHioaetarte, como
nrova con murtas peeaoas datla praca om qum
Brasil da'i36'lB1D traM*c*0,iS coovnerelaes, e eom os apona-
boni-
destt
mentos de soa escripia.
34 voluip.es dajegislacaj geral do
a 1860, 3 ditos Ha leenlaco provincial de- Per.
nampuco de 1836 a 1860, 3 ditos ordemnacSes do
relLO, 5 ditos Peretra e Souza primeiras linijas, 3
ditos de Hcaaetle Reciatiooe, 7 alto- ebras de d assooot a gallinha
Mello freir, 1 dito asses&or foreuse, 3 ditos iau-
tollones JustiBian, I Vanguerue, 1 vol consolida
$ao das leis civi*. 1 dito Pereira rte Carjtaluo_Bro_;
eesso orpbanolg.ic >, t Correa Talles doulrina das
ac?BeS, 1 Gonveia Pinto tratado dos testamentos, 1
dito manual de appellacSes, 1 ditu A mal legisla-
cao sobr bfeos de nrphaos, I dito processo erimi-
nal pe Naat*ti, 1 dito dlretto crtil por Lourel-
ro, 1 dtto ermsemeiro do povo, cod. penal, guia dos
vte awaiBiptm, diccionario de Copian io, ira-
HA4*i&\9liqftoQr*l* (rense, i cdigos crime
e commarcial, 11 volomes Diario de Pernambuco,
U velara es Jomt do tieotft, 3 ditos do Progres-
sala, t dhos do -itn-af, I dito Cotiltitucional Per-
*ambimno, l soto, J5 cadeiras, 1 qonsolos, 3 mar-
qaezas * Qiiiita fuire 24 e agosto.
O agente Pinto fr leilo a requerimento4o in-
veaUrlaaUdo oeu deizados p#lo finado baetiarel
w da Ouatia Tomeira e por despacho da IIIra.
8r. Dr. jotl di orphiss dos objectae cima eiis-
tentes ao priraeiro andar do sobrado da ra laraw
Jo Resarto. 40, onde se effectuar o le o as 10
ftarjs^ia t>mtM'&*-Wto* diro.
4p-4
ii aw^1"" "-" '
MMMS DIVERSOS
LOTERA
AON Corre amanh.
Acham-se renda Da respectiva thesou-
raria, raa do Crespn. 15, os bilheles,!
melos e quintos da 4a parte da 21 lotera a
Oenecio da matriz de 8. Jos do Recife
<7'.);l), sendo a e*tracc5o ne lugar e hora
do costme.
Os premios de 6:0000000 at 10)50 0 *e-
. cao pagos urna oora4epois da extracto ate
as 3 li)ras da tarde, e os nutros depols da
distribuir das li.-tas.
As encommendas sero guardadas somen-
te at a noite da vespera da extracc j.
Otbesoureiro,
Antonio Jos Rodrigues de Souza.
HcsTda fortuna.
Aos 6:000^000.
Bllhetes :a raa t dos.
A' RA DO CRBSP N. 23 EGASAS DO COSTUME
O abaixo a-signado venden ns seas muito ft-li-
zas bilnetes garantidos da lotera que se acabou
rios da patria, os segninles premios :
N. 166 tira meto bilhete eom a sorle de 1:2002
N. 3434 un meio bilbete eom a snrle de 500$.
E jutras raailas sortes de 1002, 402 e 202.
0< posstlidpres podem ir receber seus respea-
tivos preaios sem os desconlos das leis na casa
da Fortuna a' raa do Crespo n. 23.
Ariuro-se a venda os da 4* parle da 2* lotera
<79') a' beneficio da matriz de S. Jos do Recife,
que se extrabira' terca fe ira 28 do correte.
PNft.
Bilhetes.......... 62000
Meios............ 32000
Quintos.......... 12200
Para as pessoas que compra rea de lOOjj'OOO
para cima.
Bilhetes.......... 52500
Meios............ 22730
Quintos......v... -12100
Manoel Mariins Fiaza.
Gela
na ra da Crnz u-16.
S CASA OS Uil)
Ni
26 Pateo do Cnuuio 9a.
Neste estabelecimento to impor-
tante para a saude e asseio do cor-
po, acham-se mooUdot l banliei-
ros, que se servaos coa a ordem
e asseio que para desejir-se. Qua-
tro deja btmmroi s especial-
mente rewrvaxlos paratwmoras
por i si acham-se coltoeidoa em lo-
gar reaervaato, aonde s tea entra-
da as pcuoM de urna ama* fami-
lia. ^__-
PREQOS DE BANOS ATULSOS.
1 banho fri, morno ou de
ehrhoe...... 500
1- dito de choque 4)5000
1 ditodefarello...... i 5000
I dito'arematisado i 000
PRESOS POR ASSIGNATURA.
30 banhos por mez fro,
morno ou de cbovisco. 10^000
25 banbos eom cartes pa-
ra os mesmos .... 10^000
12 ditos ditos ditos ."5000
12 ditos ditos de choque. 100000
l>2 ditos ditos de farello.. 104000
O estabelecimento estar aberto
nos dias otis das 6 horas da ma-
nha as 10 da noite, nos dias san-
tificados das 8 as 5 horas da tarde.
Gomposico nica para,!
liugir os
cabellos,
e soissa.
cabelleiras, chinos,
crescentes, etc.
para
horneas e senhoras
sortimento de
coques,
frisles, cache-
peigfies, etc.
da ultima moda e gosto.
Attenc^o.
O. Joanaa Mara das Dores roga a policiaes e a quaiquer caplto de campo a ap-
pri-iisnsan de seu escravo de nome Leoncio, cabra,
de idade de 50 annos pouce mais on menos, esta-
tura regular, grosso do rorpo, barbado e eom amas
manchas no rosto. Esse escravo perteoceu ao fi-
nado lilti. da anouonante Jos Fernando da Craz
senhor do engenho Pintos e inlitula-se forro pela
copia de um mandado de manutemjo qoe f ji
cassa lo, mnito conbecilo na freguezia de Sanio
Ara aoa pprehensor e desde ja protesta proceder pelos
meios Ugaes contra quem o huuver acontado.
O Sr. Epaminon las Marinho de Sou-
za G >uveia que morou ou mora na ra do
Rangel n. 69, queira ter a bondade de
apparecer na livraria n. 8 da pratja da In-
dependencia, aflm de concluir o negocio
qae ficou comprometido a fazer, sob pe-
na de se declarar qual elle .
Precisa-se de um destilador para ara
dUtaue do Recife apenas duas legaas :
na ra do Trapiche armazem n. 13.
eogeaho
a tratar
Na raa das Trinchejras n. 26, recebem-ae
escravos para serem vendidos per cinta de sens
senbores, afflanca-se bom trataraanto e a promp-
ta venda.
Precisa-se alugar nm armazem espaeoso na
ra do Apollo : a tratar eom o Sr. Bevnardlno de
Camine, armazem de assocar n. 20 da mesma
rua;________________________________________
Alugam-se as casas b<. 154, 156 e 16a a ra
Imperial que foram occopadas cora fabrica de
fuodlco : a tratar eom J. J. de M. Reg roa do
Trapiche n. 34. ^^^^^
Na praca da Independencia n. 33, toja de
oorives, corapra-se ouro, prata, e podras preciosas,
e tambera*e faz quaiquer obra de encommenda, e
>Moe aualquer concert.
.MUS: KIC1RDO COELIIO
Raa Xov* n. 37, primelro andar. ""'''-
Te a honra da,participan- arospeitavel publico, que contratou om hbil ca
celleireiro para o seu stabeleetfflanlo, garaotintio aos-seos fregoezes que serio servidos-
com promptidao e no ultimo goste, e-pera, pois, oannunciante na proteceo das pessoas'
be sua amisade, e para esse nm jetn sua casa decentemente asseiada, havendo tambem
um gabisete especial para tingir cabellos, barbas, etc. etc.
Pentea no seu estabelecimento" as senhoras quu Ihe quizerem honrar eom a sua
Idonfian^a, eestar4 sempre promplo para qoalqui* chamado.
DE.
J. VIGNES.
X. 55. RA RO IIPRR4DOR M. 55.
O planos dota acbga- fabrica sao boje asss coohendos para qae se)a necessario insistir sobre a
ina aopeworidade, ra>rtofens e garantas que otferecera aos compradores, qualidade* estas incontesta-
reis qae alies tem definitivamente conquistado sobre todos os que tem apparecido nesta praga ; pos
anindo um teclado e machinsmo que obedecem todas as vontades e caprichos das pianistas, seir.
tlnnca falbar, por serem fabricado de proposito, e ter-se feito ltimamente melhoratnentos Importan-
istmos pana o clima deste paiz ; quanto s vozes, sao melodiosa e flautadas, e por tsso muito agrada-
wis aas OB"idos da apreciadores.
Fazem-se conforme as encommeadas, tanto nesta fabrica como na do Sr. BlonM, de Paria, socic
orrespondente de J. Vignes, em cuja capital forato sempre premiados era todas as eiposicdes.
No mesmo estanelecimeato se achara sempre um esplendido e variado sortimento de msicas dos
nelhores antores da Earo?a, assnn como harmnicos e pianos harmnicos, sendo ludo vendido j pe
oreos commodose razoaveis.
"
PREPEaCOES'
AII
Precisa-se alagar ama ama da
na raa da Cracei^ao n. 31.
leite
a tratar
Precisa se de urna eosioheira para casa de
familia : a tratar na raa da Unlao n. 48.
Aluga-se ura sitio oa tsiraJa-Nova, cercado,
eom Igans arvoredos, casa de pedra e cal : a fal-
'SflRBM-iMSANICAS
API '.OVADAS PET.A ACAPTM'A Vv. MFOICHA
tiJEi BUJMN, Di: i)UI88 0N
llw::::;iip: i. I;iire,;iln prb lri'.-:. u i!;- UiJifiaa di- Paril
O -i-minr-rfle nra)>-sor TnofsEM', na alliinn nfftn deWK Tr .i.i.ia d,: TJierft-
.,( 'ni, J-crorii.i'rc qm: os i ;-iiuian-si.ij.r.t -> ninfas
v.-y- i^::i '.! n- ma'i'Slias ipil! ii mil' -i p '-.. / >!r 10
,, ,:M,,..|.. Mi'"-'; comIiJs mai> dNli::c-.n> '".i-t-ii-iii fjj | i < (ffljl "imiis_ ;:*.::!.
nlMS. .;,-. .! > ,'.-... i;i:>- .-.'. '. r> ^ilj-m-, CmiiO O )VW .c--j.iln.-. id
i,,i. ::; M -i: '.!.{ I'.-. S,::|V illii:|-|.-|(|l: ll:,|M CI..M 'I fcf)ft>. .
' i o m r. i^t. Ei'- S '1 ''. !>-,* a:;j--scsu. .illcur../,
fobr ? |>''.i:i,'-. -1 pui. I .
..o inijilo in :;n ''.:! tj -?:: I, a .:! il-i'la,
' > Dii.'i.r.. : imiI '..-.. hi^cHti* a#0WO8fS>)giia ::.in'i'.".:'s fi'rrujio ;ikJ
(,..! -:i. 1: r.\.\ i ::-. : 'n i .; : ".llll Ui I.'forro I" T.gililiCiMHlfowdo
m>t'tfmi "' : : lynipl w iWCalUtoB, e B* AtMi-altt wm-
CTOSfo O lu:-c:'ll!...-:!S.
rap k bji :!i k ferr c de man |nrl J^SSS
i
Iln'ri, n le.uOI'l iica, :i aillO-
norriiCii. A indi.U'.-o de
0?il:;]as de njty Vitco mapsico j;^
allomar a-las dii is pri f rc-.s ii os im.-ihi>ro resulta-Ios.
0 Sr l'.u.'in lu uiso i'.cscjundo obler a aiihiso cmplala do puldico modieo a
cerca ilo talor ae \ das tc| aiwes, i-rtviuc que elle as |de gnituiMmeiitc a sn:i
illsposico, dirigcndo-S;
N Pernambuco, a seu agedlc geral, Maurer e O, .harniaceuticos, ra Nova.
III
'-.-?-.--

Deposito em Pernambuoo, casa de P. Maurer & C, ra Nova n. 18.
lar no sitio da viuva Villa seca,
sa-se de um feltor.
No mesmo preci-
Precisase
alagar no bairro de Santo Antonio, nm sobrado de
dous andares, as seguiotes ras : estreita do Ro-
sario, Rangel, Uamboa do Carmo, e nos largos do
Paraso, 8. Pedro e do Carmo, paga-se bem e nao
duvuia se dar algumas (uvas : a tratar na escadi-
flha da Alfandega n. 5._________
_Fo|io no-da 12 do agosto, da casa da ra das
at'i nT25r; a matatintra Garlou, de idade de 9
Cra
OTO
<0fote: ci
os dedos em cima
levou saia e easaveqae de la rocha eom
sitan: quera a^roqxer se grattrlruri.
, paflo roaii cw tanas, ana o* signaes se-
c6r para, olbns mel apartados, cabellos
ciwspns.e ortadSi os ps lea
o antro, lev,
t/iSiiXn a*4|{4 np'a4-tt iM/ri.aiai IHm*. Src. Ignacio Pessoa Este ves da Silva, Anto-
nio Angosto G'jelho de Lemjs, Amonio Joaquim
FernMdes da Silvao Aatoaio Luit Ooncalves Peo-
na, o cuidado, reloe aoMvidade que desenvolreram
ata- nen^flei* de aoa canbada O. Josepha Baodelra
da Silva am qaaao foi accommettida do ata-
que, de que saeevmbio; e mesmo abaixo asslgna-
do aprtiveita a ensef para cenvidar nao s aos
mesmos sentares como a t-ides os seas amigos pa-
ra qae se dig*m comparecer no dia 28 do pre-
sente mez as 7 he-ras da mantisa na igreja de N.
S'iihort'do Mwaoaeato;-adaten *9 maadar ce-
lebrar o racraeoto saefifelo pera reoouso eterno
da mesma Sitada. 4
_________Ja'Lfi>; Gnwral Penw Jnnior.
perdeu-se'lfcsde 6 sibr'jb toUfoH a matrli da
B.ia-Vi-ta at a roa Velha ana oalhn de labyrm
tha eom as inieiaes H. V., a passoa aaa liver acha-
ao o quirer resiiiai-la dirija so a tpesma roa casa
n. 69. qoe sera reeoquiea^^M
Domingo 3 de setembro haver reuniSo
de familias.
i iiii
PSo de sevada
Precisa-ae de pretos para vender pi do se-
vada, de naaahia e de tarda : a tratar na raa da
Santa Crnz n. 47, hote.1 da uoiao.
Ama de leite.
Precisa-se de urna ama.de Jeito : na ra Impe
riai n. 64, sobrado qae foi de majar Gusmio.
mMmmmmmm
ag U Dr. VilelU Tavares, lento da falda
* dade de direito e advogado nesta cidade
mndou a sua residencia e escrtptorio pa-
ra a roa do Q.i.-im* to sobrado n. 10,
priraeiro andar, por cima da laja do Sr.
Ferro.
mmmmmmmmmmmmm
baques.
Bailar & Oliveira sacam sobre Portugal
por todos os paquetes-________________
Engpmmaeetra.
Precisa-se de urna eogoramadeira qoe seja forra
oa escrava, para casa de familia : a tratar na roa
da Iiaperatrlz n. 18,2* andar, paga-se bem.
Precisa-se de nm caixelro para taberna : na
ra Direita n. 30.
Manteiga franceza
Em barris oa meios a 400 rs. a libra e a retalho
a 480 : na roa das Cruzes o. 42.
Est justa e contratada a taberna da ra do
Rosario da Boa-Vista n. 43. perteueente ao Sr. Jo-
s GoBcaives de Oliveira Haia : quera tiver alga-
raa reclaraaijo a faier o fa^a por estes tres dias,
na mesma. Rbcife, 24 de agosto de 1866.
Miguel Soares, preio, de oaee Mina, relira-
se desla cidale para a da Babia onde morador.
AMADE LEITE
Precisa-se de orna ama qae tenba bom leite na
roa dos Pires o. 24.
Para a festa. .
Aluga-se orna casa no Poco da Paaella, junto ao
sobrado da vinva Pires Ferreira, muito fresca e
eom bons eommodos para grande familia, pois tem
duas salas, oito quartos, cozinba fra e quartos
para pretos bom quintal : a tratar na ra do Im-
perador n. 83,1 andar.
Precisa-se de ama ama qae compre, cosihe e
engomme : na roa de Hortas n. 72.
ae Precisase alugar ou comprar anta cabra (bl-
xo): a tratar na raa da Gooceio n. 31.
Preclsa-ao de urna ama para casabe familia:
na roa do Crespo a. 15. ^^^^^
Na roa Direita o. 116 oootina-se a tingir
para toda, as cores e por prego eom modo.
Tendo-se extraviada ama letra rts i:24'400
rs. acoeita pelo Sr. Pedro Nogoeira Borges da Pon-
s.sea, do Geara', a favor de A. Gaors, previne-so ao
poblico de nao (ater trasaeca ca a dita lellra,
porque o aeceitaole ja' esta' provenido para nao
pagar essa letra len^, ao saccador. Declara-* mais
qae o aceitante teoha por anico credor o Sr. Caqrs
e Que este nunca offereceuse para descontar le.-.a
alguma dos seas credores.
Na, ra do Trapiche nk 16
acham-se o> seguintvs depsitos
De R. B uniigliaus en; !Tuifts.
Bourgegoe.
Vinho Pommard tinto.
> Gorton tipio.
Santo Georges limo.
Gbambertio tinto.
> Rlchehcmrg tinte. ,
> Clos de Vougeol tinto,
i Chablls bi anco.
Be A.Woefem Francfort:
Rheno.
Geisenheimer.
Liebfraumilch.
Marcobrnnnor.
&at asa ae Ttieua Gnristiaosen, ra do Tr*
piebe-novo n. 16, nico agente no norte do Brasil
de Brandenborg frres, Bordeaox., enconrra-se ef-
fectivanienle depositd dos artlgos segolntes r
St. Julien.
Su Fierre.
Lama.
Chateau Loville.
Chatean Marga nx.
Grand vin Cantea* Latte 1838.
Chateaa Lafitte.
Haut Sauternes. \
Chatean Sauteroaa.
Ghateau Latear Rlnnche.
Chatean Yqnem.
Cognac em tres qualldjides.
Azeite doce. Precos de Bordeaux.,
Cesar & G., cpm estabelpcimento de awna-
zem de carpe secea na ruadla grai n. 59, fazem
selentes a todos os fregoezes do dllo estabelecimen-
to, qne nan -agoero ao Sr. Maaoel Modesto de Mo-
raes, ex- > de industria do dito estabelecimento,
qoaeii pagaren> segunda vet, visto ter sido o Sr. Modesto
no dia 9 do correte, despedido da ootedade, por
nao ter apresentdo lacros, dorante 7 njezes, em
qae estere na casa, e ter Bado 3:0005000 qnantia
esta qoe nertence a lasa, e nao a elle que era so-
cio de industria.
3
uje
Jos Antonio Vieira de Sooza, segolodo b
no vapor Tocanlins- para a Babia, e nao podando
despedirse de toda/ as pessoas de sua amizade,
pede desculpa desta falla por ser ioesperada. e ao
mesmo lempo aproveia a occasio para offerecer
o seo diminuto prestlmo oaquelle lagar aonde pre-
tende demorar-se por pouro tempo.
Recife 19 de agosto de 1866.
-------_.-------z------------------------- ,
Chapeos de manilha branva
8 14^1,16,5.18^6 20*.
Na praca da Independencia n. 24 e 26.
Eflgflimm-se eom arfWcSo e presea eommodos:
na roa Bella n. 5.
Eoupa engommada.
lo e
Eagommadeira.
Preclsa-se de orna engommadeira : na roa
Imperatriz loja n. 12.
Precisa de ama ama qaa laca todo' o s#r-
vleo de oma easa de potiea famih', preferiodo-se
escrava : a tratar oa roa do AragSo a. ?,
GARRiX, DE LA1LHACAR & C.
LBRAME FHW.CWSE
RA DO CRESPO N. 9.
LVTos naciooes e estrangeiros.
Religio, dtreo, literatura, etc.
Papelara, bjectos para escriptorie.1
Papis pintados para forra casas.
Asignaturas para os jornaw da Eu-S
ropa.
Na roa do Raogel n. 9, precjsa-se de alogar
om {-reto que s.
W JoSo da Silva Ramos, medico M
. pela universidade de coimbra, d
^ consultas em sua casa das 9 as jg:
.I 11 horas da manhla, e das 4 as 6 ;
S da tarde. Visita os doentes em snaslc
casas regularmente as horas para 3$
isso designadas, salvo os casos or-
gentes, que serae soccorridos em
qualqoer occasiSo. D consultas aos
pobres que o procorarem no hos-
I pital Pedro I], aonde encontrado
diariamente das 6 s 8 horas da
mauh3a,
Tem sua casa de sade regular-
mente montada para receber quai-
quer doente, anda mesmo os alie-
nados, para o que tem eommodos
apropriados e nella pratica quaiquer
opperaclo cirurgica.
Para a casa de sade..
Primeira class. .3)8000 diarios.
Soguods dita___3d500
Terwira dita ..20O0
, Este estabdtecnente j bem
acreditado p tem prestado.
O propnetario espera que elle
continu a merecer a conanca de
[ue sempre tem gozado. ^
^^^BaHMS^S?-^lSSW(fP
Empreza de iumina(?ao a
gaz.
Por ordem dos emprezarios se previne a todos e
devedone.,-qner porapasrelhos, qaer por consumo,
ae bajara de saldar seas dbitos at 30 de setem-
bro prximo, na oertMa de qne, es que a nasj flze-
*en, tero de ver as suts cocas entregaes ao pro-
urador, e posto em exacocio o art. da legula-
mento.
Seientitlca anda a mesma empresa aoa Srs. con-
soiBkdores, qae os regisvos s pode ser abortos
na fabrica do gas, aonde na sempre pessoal promp-
to a examnalos cobi a mxima promptidao, e qne,
so algara for encontrado, que, B'ouwas cf>adJc8e*-o
baja-sida; Qoa par i.sao anjattoao artigo-aeimai alta-
do ; outeo slm, por pessoa dP coofiaoca devar sar
comprado o material,' aflm de que os precos nao
sejam sobrecarregados, acerca do aoe tem esta em-
preza reeetoMd rechm acBes.
"saV ljttaVoaM^atitaWsW^salBlUaVi
P"reisa-se de om caliefro
roa do Paogel d. W,
soa coa-jacta: aa
Mudanza de reidMuas
O Dh. Rvmaus medico'operaiior e
l ocalitte, formado pela Facuidadede medir
clna de Pafis e approvado pea da.t>abia,
.i memoro titular di Academia Imperial
de medicina a Rio jJe Janeirt, tr%nsfrro
a sua residencia do n 2o da ra da Gru
para,on.S3da mesob ro,oodecontina
a exercersua protisso, especialmente as
molestias de olhos, deoavldbs e das vas
orinarlas: motn tambetn a hora da*
suas coosoHai, qoa tero toar Mdos o
dias, da6 a's 10 bom te manba
Chamados ,tor e*$(jev> na supradita ca-
INJECTION BROU
' lulallltcl e Hrrurrvmia, abMluUmruv um que cura aem oeabum adunnu V --se
u> pnocipnrs boticas do raundo. ( Eligir a in*tntcaM 4* sm). (M uum 4U>r BBOll, bouleTard Magmia, 111. '
PILULAS se BLAHCARD
,A0 IOaDRETO DE FERRO ISAlTEtlAVEL
Approvadas pela Academia de Medecina de Pariz
ADIOlTSADiS EL CtWSEtlO WKMtCAl M H^VtaSmrM*
BXPERIMENTADAS ROS HOSPITAES DE FRANCA, DA BKLCrCA, DA IRLANDA. DA 1R0II1A, BTC.
Metifoit honrlas nos Expoti(oei Univc-rracs de New-York, 1853, e de ParU, 1855.
Estas Plalas envolvidas a'uma carnada resino-balstmiea de oma teiruHade excessiva, tem
avantagem de terem inalteraveis, sen sabor, de um pequeo volume, e de nao cansarem os
oreaos digestiros. Gotaado das propriedades do Iodo e do Fxuuio; ellas coaaeni princi-
palmente as afleccos Chloroticas. Escrofulosas, tuberculosas, Cancrosas, na leucorrhea,
um. a rvhca, anemia, etc.; enfim, ellas ofTerecem aos pralicos una medicaca dai maisener-
icas para modificar uf aostituipnes lymphaticas, frotas ou debilitadas.
- ff. B. O iodureto de (erro imp.iro oa alleudo um medica-
mento infiel, irritante. Como prora de purera e de aulnencidade dat
verdadrlraa Pllulas de Blaacard, dere -se exigir nosso sello ae
prala reactiva e no inferior de um rotulo verde. De>e -se desconfiar da falsiflcacoes.
Acham -ae em todas a* Pkarmacla*. Ptarauceuifce, risa Boaaparle, *0. Par:.
Vende-se na roa Nova n. 18, phartnacia franceza de
P. MAURER & C.
PERFUMERA da casa oger
Boulevart Sebastopol, 53, Pariz.
Bes medalhas, a condecoracAo da Legin
W d'honneur e a grande reputacao que tem Ihe
dado o publico, taca aa aareeoiapensas que os
servicos prestados a industria merecern a
esta importante casa desde saa fundacao em
N'um sortimento de mais da 500 artigo*,
as peaseas elegantes ear-olberaa os seguiotea:
ROSEE OU PARAOIS, extracta superfino
para lenco.
POMMAOA CSPHALIQUE contra a caU-
vicaa.
AGUA VERBENA para o tancader.
OXIMEL MULTIFLOR. -
VINAGRE DE PLANTAS HYGIENICAS.
TINTURA VIRGINALE de baijoim.
ROSE DE LYS, verdadira agua de
leu venci.
CREMTE labiale de sueco de Rosas.
pommada VELOURS para amaciar a
palle.
ELIXIR ODONTOPHILE.
Sabao dedicada as damas imarrcaaaa.
SABAO de beuquet de Franca.
> de flores da alcea rosea.
d* de flores priatanierca.
d* de bouquet de outoao.
> de perfumes exticos.
> aurora, dedicado aos dedes car da
rosa>
d* de flores das montanbas.
> de cheiro de foins- nouveatu.
d de bluets cheirosos.
d d afth* balsmica.
*> dkpr, caa rica, hssfciia par-
nence.

| 6ftvdk) burra furtados
A pessoa;; iwa." se ootArreBou de aooonour n
I
L-
(toar, xas. redees; ch^Carses et
A rrlQfto cotifeptaadi rrorl* de fogos de artifl-
oo da-viuva' Rflno, aob' sd eompletmerjin naojj-
iada e pode n sua proprliar.U garaatir aos' seos
fregoewB serem os seus pedidos satisfaltos eom o
maiorzelo a promptrdao, garaolindo torios 03 arli-
gos alli fabricados, os' quaes podeat ser qaeimados
muito tempo tJepols d fftos se m" atie se aele a
rniarama i(Jitre$i, saado de ravad T'UtiHm pa-
ra as pessotM4o potjro e dwMatrM praelooias,
rauia vez a>i*w de wnuirar laa tm"-
ppssoar: >y\&' se eftirregou de anounmar no
Otario de 25 do correte quw na villa do Limoeiro
sab dar oUci* dos ditos attimaes o Sr. Auionio
IlyRioe de ta4 Basles seado Que queira dar alguns
etiOlarecMHr^rOS a re*peito oode a*firv-8 a esta-
eao das Giaea Potitas oW 9 horas da manhaa as 5
dal*rdoett,*tralde JoaVrde Barros sitio da
bomba qne ser iWwsa>eniade por Nasameoto.
Silva & G e traten I animae re^oera
tJ8 r*rrm Tai a Diarios tUorual da
Itecife de 26, 37' e J8 de juiho prjimo passado
ireHa sor !>-'' '*"'*i> o armaiem da
- ?J .1? obrado tt- 39 d rps do
mmmmm*m*0i&i^*i*'
u.iaa encom-.
segundo andar.
^ casa n. 19 a
*^Hs>> terreas em
c$ e eom comma-
K'iaoi \m *,



Mnflodo
neo Be{oalla((ht 1J de Agosta de I86C.

A LEfifflMA
UIUHMU
<*MJMtlO
DO
DE BRISTOL.
PREPARADA UMCAMENTE POE '
LAMAN & KEP,
NOVA YORK.
Composta de substancias, gozando da
propriedades eminentemente depurativa* a
pprovada pelas juntase academias de me-
dicina; usadajnos principies bospitaea,ci-
vis militares e da marinha as Antilhas no cominete americano ; receitada pelos
facultativosos mais distinctos do imperio
Brasil e da America hespanhol_____ -
CURA RADICALMENTE
escropbulas, rheumatismo, escorbutoj en-
ermidades venreas e mer.oumes, chagai
antigs, morphei e todas as molestias pr-o-
vnient$d'um estado vieioso do sangue.
Emquanto existem varias intacSes *
falsificacoos. preciso a maior cautela para
.evitar os engaos,
A legitima salsa de Bristol vende-se por
CAORS BARBOZA
JOO DA C. BRAVO & C.
Joao da C. Bravo & C.
Deposite geral em Pernamonco rna 4a
Cruz u.tt em casa de Caros
DR. PEDRO BBTTABVIIE LOBO MOSTOSO,
MEOICtt, P4RTEIB0 B OPBRAMR.
3 Ra a Gloria, easa do Fundo
O Dr. Lefeo Mosaoso-di consullas.grataiaes aos poores todos os dias das 7 teltj
oras da anbae., edas-6-e -meia as horas 4a noiie, excepto dos dus ratificado.1
Pharmacia especial homeopathica
No mhm ooneoitomo ba sempre o ais appropriado sortimento de carteirai
tobos avulsos, asstm como tinturas de varias dymnamisacSes e pelo presos eguinte.
Cartsiras de 12 tubos grandes. 120000
de 24 tubos gandes. ". 18*000
> de 36 tubos grandes. 24#O00
* de 48 todos grandes. 36*000
de 60 tubos grandes. 35*000
Prepara-M^ualqoer que se pedir.
Um toba a valso au frasco de tintura de mp'a onca 1*000.
Sendo para cima de 42 custarao os prcos establecidos para as carteiraa.
Ha tubos mais pequeos cada um a 600 ris.
LITROS.
A nelbor obra da bwaeopathia, e Maaaal de Medicina Homeopathica da Dr. JarS
dous grandes voluaes com diccionario........... 2Q*00b
Medicina domestica do Dr. Hering........... 10*00C
Repertorio do Dr. Melle Moraes.......... 6*000
Diccionario de termas de medicina 3*000
Os remedios deste eatabelecimenlo slo por demais conbecidos e dispensam poi
tanto de serem navamente recommendados as pessoas que quizerem usar de remedios
verdadeiros, enrgicos e duradores: ba todo do melbor que se pode desejar, globos de
verdadeiro assucar de leite, notaveis- pela saa boa conservado, tintara dos mais acredi-
tados estabelecimentos europeos, a mais exacta e acurada preparacao, e portante a maioi
energa e certeza em seus effeitos.
Casa de saude para escravos.
Recebe-se escravos para tratar de qualqtier enfermidade ou faxer-se-lhe qnalqoei
peraco, para o que o annunciante julga-se suficientemente habilitado.
0 ira timen to o meibor possivel, tanto na parte alimentar, como na medica,
(onecionando a casa ha mais de qaatro anuos, ha muas pessoas de cojo conceito se nii
pode duvidar, qoe podem ser consultados por aquellos qoe desejarem mandar seui
Paga-se 2* por dia durante 60 dias e d'ahi em diante 1*600.
As operaces serlo previamente ajustadas, se nSo se quizerem sujeitar aos preco
razoaveis que costuma pedir o annunciante.
TINTURARA
AO GRANDE 8- MAURICIO
PROCESAOS APERFEICOADOS
PARA
fin a; Ir, 1 Impar e lastrar a vapor.
P. A, SALINGRE & C.
29 Ra 7 de setembro 29
Defrite da roa nova do Ouvidor (Rio de Janeiro)
Os. proprietarios deste estabelecimento, o primeiro oo seo genero no Brasil, por
trabalhar com as machinas mais aperfeicoadas para Ungir e lustrar, de que se faz uso na
Europa, eajudados por algons dos melhores officiaes de Paris e Ly5o, podem assegu-
rar a seos fregoezes urna perfeicJo no trabalho, a qaal senSo pode chegar pelos proces-
sos ordinarios.
Tiogem, lavam, limpam e demofam com a maior perfeiclo e brevidade qualquer
qualidade de fazendas, tiram nodoas e limpam secco sem moldar as sedas e as vestimen-
tas de senboras e de homens.
MARTIMOS
CONTRA FOGO.
A companhia Indemnisadora, estabeleci-
da nesta praca, toma seguros martimos so-
bre navios e seus carregamentos, e contra
fogo em edificios, mercaderas e mobilias :
na roa do Vigario n 4, pavimento terreo.
" O Dr. Gustavo Adolpho Walbaum
tem aberto seu consultorio medico na roa
da Cadeia n. 36, segundo ai dar, casa do
lithographia doSr. Caris, e d consultas to-
dos os dias das 6 as 101|2 horas da marinaj
e das 3 al as 6 horas da tarde. Chamados por
escripto podem entregar no primeiro andar
da me6ma casa, no escriptorio do Sr. Fran-
cisco H. Caris. Tambem aceita chamados pa-
ra fora da cidade.____________________
Precisare alagar urna negra qoe saiba en-
gommar bem, cosinbar e leoha boa conduela, sem
vicios : na roa das Crines n. 36, primeiro andar,
paga-se bem. _____
Precisa-se de um amasador
dos Pires n. 42.
VIVA 0 PUOGKESSO
Ao systema mtrico decimal
Le u. iU7 de 26 de jubIh re 1862.
Art. t.* O ctol sytema de petos e medidas se-
r substituido em todo o imperio pelo svsiema me-
trieo fraocez, oa parle correpondeole "as medidas
lineares, de superficie, eapaeidide e peso.
Art. E' o guveroo autorisado par mandar
?ir da Europa oa necesarios padroes do referid*
syslaroa, sendo alli devidarnente afendos pelos pa-
drdes legaes.
i i.* Q systema mtrico substituir gradualmen-
te o actual systema de pesos e medidas em todo o
imperio, de modo qoe em 10 annoi tesse integra-
mente o oso legal dos amigos pesos e medidas.
| 2.* Do ante este praso, as escolas de iostroc-
cao primarla, tanto publicas com* parlico ares,
compreheuderao no eusino de antbmellea a expli-
caco do systema mtrico comparadocom o systema
de pesos e medidas que est actualmente em oso.
Art. 3.* O governo..., podera imp6r aos inlrac-
tores a peaa de prlsao at om mex, e molla at
100*000.
AtCMCio.
Cbegaram a roa Nova u. 38, vindos de Parts e
alli devldameote afondas, as medidas mtricas de
qoe trata o 2* artigo da le cima, e vendern se poi
preco cemmodo ; tambem se ende a bem coBhe-
cida obraNocdes do Systema Mtrico, por Jos
Antonio Gomes Jniorcomprehendendo as preci-
sas explicares do mencionado systema e laboas
comparativas da eonversao da* medidas de um
systema as do ootro, na conformidade prescripta
pelo $ 2* do art. 2* da citada le.
BOTICA E CONSULTORIO HOMEPATHlCO
BO
DR. SABINO O. L. PINHO.
Ra Nova n. 43 (loja de marmore.;.
A experiencia tem demonstrado com a maior evidencia qoe os medicamentos bomeopatbicos
preparados por meio do agitador dynamieo sio os que desenvolvem accio mais prompta, mais segura
e mais eficaz
E' sem dovida polo conbecimento destes resultados qoe constantemente recebe esta botica en-
commeodas do Rio Graode do Sol, do Rio de Jaoeiro e da Babia, apezar de haver oessas provincias
moi bem sortidas e acreditadas boticas, d'onde se poderiam talvez obier remedios mais baratos, atten-
dendo as despeas de porte.
A segurldade da aeco dos medicamentos assim preparados se manifesu at mesmo qoando os
glbulos se acam redolidos a massa. __ i-
Boticas de 24 tubos.....I8# a 20*
de 36 tobos. .... 25* a 30*
> de 48 tobos.....35* a 40*
> de 60 tubos.....45* a 50*
Caixas de medicamentos em glbulos e tinturas.
De 24 tintaras e 48 tubos. 60* a 70*
36 e 60 tobos. 75* a 8)*
48 > e 88 tubo*. 95* a 100*
60 s e 110 tobos. 115* a 120*
Veode-se igualmente o THESOURO HOMEOPATHICO, obra essencialmente popular pela clareza
com que ensina a conhecer as molestias e a empregr [os remedios (2* edicao) 20*000.
O Dr. Sabino O. L. P. d consultas todos os dias otis desde 11 horas da manbaa at 2 da Urde.
Das 2 horas em diante visita os enfermos em seos domicilios.
Em casos orgeotes e repentinos as consultas e visitas sero feitas a qoalquer hora.
As consultas por escripto sero respondidas com a maior brevidade, precedendo sempre o lem-
po necessario para maduro exame e reflexo.
na padaria da ra
m
Prccisi-se de lian casa propria para t to
graphista, em urna situacao central desla clda de
podeodo-se tomar posse da mesma immedialime-
te : oa ra do Trapiche o. 8.
Wlfiiililllli
DEPOSITO DE CALCADO g
K FARftlCADONACASADEDETENQAO 9t
j Rna xofa a. 01. jpf
Ah se encontrarlo obras Je di- w|
m versas qualidades, e por preco moi \
ni diminutos, a retalho e em porches. S
MI S se vende a dinheiro.
mmmm* m m&mm mmm
AMA
Precisa-se de orna ama paracosinhar para casa
de pooca familia : na roa do Crespo n. 18, se-
gundo andar._________________________
7i~Pilulas Catharticas
DE AYEB.
O purga*/' ntai tfteaz ati Kje conheHdo.
Esta pilulas sao paramente veg-
ilaet, nlo tendo na sua coropo-
sl^o ncm m*rvuro ncm outro
ingrediente mineral; sao inno-
centes para as crlancas e pessoas
mais delicadas, ao mesmo tempo
qe, compostas como sao de regi-
taes mui fortes, se bastante aeti-
vas e eticazes pora as pessoas mais
robustas.
Estas pillas catharticas purgas e purlficao todo systema
humano sem mercurio.
Nao se tem poupado trabalho nom despea para levar astas
pilulas a um grao da perfeecao tal, que nada delxa a desejar;
ao o resultado de annos de estudos laboriosos e constantes.
Para alcanear todas as vantagens que resultas de uso de cathar-
tieos, tem-sc eombinado smente as virtud* euratlvas das
plantos que sao empregadas na eenfecco das pilulas. Sua
eomposico tal que aa enfermidades que estio ao alcance
de sua aeco, raras vezes podem resisti-las on evadi las.
Suas propriedades penetraites explorao penetro, pmrlcio e
do vigor todas as partes de organismo humano; pois corrigcm
a sua aeco viciada e faz recuperar a sua Titalidade. Urna das
consequeudas destas propriedades que o doente, abatido de
dr e debilldade physica, admirase de encontrar, to depressa,
sua saude e energa recuperadas por meio d' um remedio to
simples e agradare!.
A.- molestias que estio ao seo alcance sio.
Prizllo de vtntre Rhtumatitmo, Dr da caliera, A Neuralgia,
Euxaqueca, Indiftttto e mal da ettomage, HmorrhoUa,
PADECIMEJnoS BO FIGADO,
Febre gaMro-Ktpatiot, Oatrite, ufecciu Biliosa* Lombrigat,
Erytipela, Jlydroptia, turda, ctguira pareiai, e Pmralytia.
No alnuaak e Maaaal de Saude do Dr. Ayer, que se publica
todos os asnas para dlstribuifio gratuita, encontra-se um tra-
tado sobre as diversas doencas que estao ao alcance de
BJUCXDIOS PORGANTES.
Acha-M em todas aa Boticoa e Drogaras do Imperio.
O Peitoral de Cereja
X>E AYER,
PABA A PKOMPTA COBA OA
Angina, da Oonatipaeoaa, Toases, Rouquldo Influ-
enza, Bronohita, Tsico primaria,, Tubrculo
pulmonares, a todas aa molestia* do
Paito, aaaim como para aliriar
o tilicos daolarados.
As preparacaes do Dr. Atu sm veBdJdat nal princiaaas
drogaras e boticas do Imperio.
Vende-se em Pernambnco:
na
LOJA DA FRAGATA AMAZONAS
N. o Kaa do Qoeimade d, 5'
Monteiro & Guimar5es participam a to ios os seus amigos e fregoezes que rece-
bem de conta proprit por todos os vapore da Europa, grandes e ariadissino numero
de artigos de modas, e de alta novidade em Paris, 6 bem assim adon os propriospara ca-
samentos; pois seu correspondente de Paris, na escolba de taes mercadorias tem mereci-
do approvacSo das encantadoras pernanbucamas. >
A Fragata recebe de sua propria encommenda luvas de Jouvin, a melhores que
aqui tem vindo, as quaes vendern em duzia a 245000; assim como recebe figurinospor
todos os vapores francezes, e bem assim jornal das modas. A Fragata vende ricos tap-
tes aveludados com differentes paisagens, proprios para sof (para 4 cadeiras).
Chapelinas primorosamente eneitadas ebegadas pelo ultimo vapor francez.
Ricos cortinados bordados.
Cortes de seda de cores de 20$ at 1405.
Colchas de nissimo damascos de seda para noivos.
Organdy branco imperial, fazenda esta que mu i lo se recommeda pela sua boa qna-
lidade, e bellos padroes.
Basquins para senhora (ou confections) de grosden iple preto ricamente borda-
dos, e justas costura.
Saias Maria Pia, com barras de cores (novidade) tendo cinco pannos cada urna.
Pecas de ntremelos bordados a 15000 a peca, mnilo lindos padroes,
Trasparentes para janellas com mui lindas paisagens.
Cambraia indianna com oilo e nove palmos de largura.
Lindissimas caixinhas para costura com diversas e armoniosas pecas de msica,
proprias para se fi>zer um presente.
Aderecos decrystal para senhera (novidade inleiramente).
Ricos vistuarios bordados para baplisado, com todos seus pertences.
Ceeiros bordados a matiz.
Enfeiles para cok, o melhor que se pode desejar.
Manguitos e gollinhas bordados em fnissima cambraia e outros muilos objectos
que mencionados seria enfadonho.
PASTA XAROPE 141? ia ARABIA
> OEI.A*fiRE!VIJER
Sio as nices pelurasa saaraTsaas palos prefsaseres da
/ Faculud da Hadldaa da Frases, s par se nadies* ti Hos-
plsaas da Psrix, *s .asas eartlaarta lala a su saaarla-
ridads sabr ladea as aatras paharaas cassa sai asdarsss
ffleads centra as iilmi, '" lnsls|lss a as
AOeteoes do paita a da sanala.
RACAHOT DES RABES
sto ataULAvcnsuisrai
nica lmenlo saprarada sel* Acuassk *t Hedidas da
Paris. Ella resubeleee as smlas sjas saCrsai da assla
mago e des lataatiaaa; fanalaas aa erkacas a as passfiu
iehiliudas, Jeto sisse ass Tinada da saa preprtsdads aaa-
laptlaa hs o aielkor prasarvatlTO la* Fstsss asaaralU
Cada frasca a cada oeiiieaa dastaf afaaaracaat loa*
ntara a uU a frota aVaaanasir, ras Kkbaliao, X,
ero ParU. (Pasar sarliaaauaacta eassaaMaiifaclsi)
Deposiurias aa
i
A PREVIO
Socicdadc porlugueza desecaros matos sobre a vida, fon Jada e
admDstrada pelo
BANCO ALLIANCA DO PORTO.
Todo o pai que desejar acautelar o futuro de seos filhos ev,e quanto antes,
azer inscrever os seus nomes na listados socios da Previdenlepor que,com urna
pequea quantia que, todos os annos para alli fraj piteando, tirada do iructo das suas
economas, no fim de 25 annos alcancar-lhes-ha urna fortuna, que por neahum outro
meio e com to pequeo desembolso podtr obtei-."
Os exemplos praticos de outras sociedades anlogas tem mostrado que:
UOStiOU pagos annualmeote podem prodazir.
FABRICA \ACIO AL VAPOR
99 RA 00 MONDEGO 99
Deposito principal na rna Nova n. ao loja de relojoelro. .
Oeloucbe dono deste estabelecimento partecipa ao respeitavel pnblico qoe tem
montado urna machina defazer gelo, e que sua fabrica de chocolate peder funecionar
sem interrupc5o, e para mais facilitar aos Srs. compradores de chocolate temorganisado
um servico de carro, que andar em todas as roas da cidade, os compradores podero
cbama-lo. -j/ *
PREQO.
Meia libra......... 400
Urna libra......... 800
Urna arroba ......... 19,5000
GELO
As pessoas que quizerem gelo para soir ou bailes, podero dar soas encommendas
ao caixeiro da casa, ou na ra Nova n. 50 aonde tem um deposito As pessoas mora-
doras nos arrabaldes da cidade querendo levar gelo pela manhia, po caixo na taberna junto ao porto da fabrica, que acharo na volta suas encommendas
prompta s.
Na mesma fabrica fazem-se cadeiras franceza de todas as qualidades, e vende-se mais
barata que aquellas que vem da Europa.
0 NOVO DESTINO
DO
3PHARMACIF FRANC
BoeP. MADREE ftC'5
RA NOVA H'.'
\l
[23 Largo do Terco 23.
>> Sortimento completo dos melhores e mais bem escolheidos gneros perteocentes
a molhados; o propriatario deste bem conhecido arnmem de molhados denominado Con-
servativo participa aos amigos do bom e barato, tanto desta praca como do mato, que ve-
nhao comprar a primeira vez para verem a grande differenca que ha dos gneros com-
prados em ootra qualquer parte, garantindo-se a superior qualidade de qualquer gene-
ro sabido deste estabelecimento. ,
Caf de i .a e 2 J sorte a 246 e 200 rs. a libra, e a 60 e 74 por arroba.
Queijos do reino de diversos \apores a 24200, 24000 e 14800,
Manteiga ingleza flor mandada vir por conta propria a 800, 900 e 14 rs. a libra,
dem franceza de 1.a qualidade a 560 e 600 rs. a libra,
Sabao amarelio maca de 1.a, 2.a e 3.a sorte a 240 220 e 200 rs. a libra.
Vinbo de diversas marcas J A A e B & F. a 400 e 500 rs. a garrafa e 34500 acanada.
Azeite doce de Lisboa a 660 rs. a garrafa e a 44500 a caada oo 34600 o galio.
Vinbo branco de superior qualidade a 640 rs. a garrafa, e a 44 e 44500 a caada.
Bolachinba de soda de diversos gostos a 14200 e 24000 a lata.
Cb miadinho de superior qualidade a 24700 a libra,
dem para negocio a 14800, 24 e 24500, a vista faz f.
Banha de porco refinada muito alva a 560 e em barril a 500 rs. a libra.
Phosforos do gaz a 24300 a grosa e 200 rs. em maco.
Sevada muito nova a 160 rs. a libra, em porcao se far abatimento.
1 Frasqueiras com genebra de Hollanda a 64000 e 540 rs. um frasco.
Cervea t diversas marcas a 560 e 500 rs. e 54000 e 64000 a duzia.|
E alm 2*** gneros ha outros muitos assim come: arroz, batatas, macas para
sopo, passas, cominhoS; erva doce, albos, fumo, feijo, e outros muitos que enfadonho
seria menciona-lo, adinbeiro a vista.
Por um menino de 1 dia a 1 anno.
de 1 a 2 annos...
> de 2 a 3 -----
de 3 a 4 ....
de 4 a 15 ....
Por urna pessoa de 15 a 20 annos ..
de 20 a 30 >-----
> de 30 a 40 ____
de 40 a 50 -----
Cm 5 an-
nos.
Em 10
annos.
Em 15
annos.
Em 20 an-
nos.
Em 25 an-
nos.
1:1004 4:0004 9:<004 20:0004 47:0005
9004 3:0004 7:5t04 17:0004 37:0004
8604 2:9004 7:f004 16:0004 35:0004
8604 2:8004 7:1004. 15:6004 34:0004
8604 2:7004 7:0004 15:5004 33:3004
8604 2:7004 7:0004 15:4004 33:3004
8604 2:7004 7:1004 15:60('4 34:0004
8604 i:700d 7:Oi>4 16:0004 37:0004
9004 3:0004 7:5004 18:0004 50:0004
Admittem-se subscripces annuaes de 84 para cima.
Quem pretender subscrever para a Previdenle ou desejar quaesquer esclareti-
mentos e informacSes, pode dirigir-se sua direceo, no banco Allianca, estabelecido na
ra Bellomonte, ou a Jos Ferreira Moutinho, inspector geral da mesma sociedade, mo-
rador na ra da Fabrica do Tabaco n 1, no Porto, e aos agentes do mesmo banco e
sociedade na capital e provincia, que tambem daro prospecto gratis a quem os pedir.
Acbando-se de passagem nesta cidade o inspector geral da referida sociedade,
promptifica-se, durante o pouco tempo que aqui tem de demorar-se, a daros esclareci-
mentos que se lhe pedirem, todos os dias at as 10 horas da manha na roa da Cruz n.
1, emeasa do Illm. Sr. Antonio Luiz de Oliveira Azevedo, onde se acha hospedado.______
A NACIONAL
Companhia. geral hespanhola de seguros mutuos
sobre a vida
AUTORISADA PELO REAL DECRETO DE 21 DE DEZEMBRO DE 1859
Orna fiaaca em dinheiro, depositado aos cofres do estado, garante a boa ad-
ministrace da companhia.
BANQUEIROS DA COMPANHIA
O Banco de Hespanha
DIREGCAO GERAL
Madrid : Rna do Prado n. I
Esta companhia liga pelo systema mutuo todas as combinacSes de supervivencia dos segn
os sobre a vida. *
Nella pode se tazer a subscripto de maneira que em oenhum caso mesmo por morte do
segurado te perca o capital nem os juros correspondentes a estes.
Sao tao suprehendentes os resultados que produzem as sociedades da ndole deA NACIO-
NAL,que ainda mesmo dimlnuindo urna terca parte do interesse produzido em recentes liqnida-
coes e combinando-o com a mortalidade da tabella de Depareieux que adoptada pela companhia
para seus clculos o liquidaces, em segurados de idade de 3 al anoos, urna imposico annna
de tOOf produz em efectivo metlico:
No flm de 5 annos.......1:119*300
de 10........3:942*600
de 15........11:308*200
> de SO ........ 30:256*000
> de 25 >.......80:331*000
as idades menores de 3 annos e maiores de 30, os productos sao mais considerareis.
Prospectas e mais informacoes sero prestadas pele sub-direetor nesta provincia.
Fioz de Oliveira, ra da Cadeia n. 62, ou a Boa-Vista roa da Imperatriz n. 12, estabelc
ment dos Srs. Raymundo, Carlos.Leite & Irmio.
Preceptor e capello..
Padre Cunba, chegado de Lisboa no ulimo pa-
quete, offerece-se para leecionar em qualquer col-
legio desta cldsde o curso das linguas portuguezi,
latina, ingleza e franceza, ou mesmo para capel-
lio e preceptor de meninos em casa de familia
qoe resida ra da cidade : quem pretender diri-
ja-te a' ra do Imperador n. 6 e loja do Sr. Jos
Joaqulm da Costa Maia.
Aluga-se o soto do sobrido n. 62 da ra
da Galae tratase no segundo andar.
Precisa-se de-un caixeiro, que seja braslel-
ro, e qoe tenba pratlca de padaria : no pateo do
Ter** d. 40.
_ ^
Companhia fidelidade de segaros
martimos e terrestres
estabelecida no Rio de Janeiro;
AGSNTBS KM PIRNAMBUCO
AbUbU Laii de Oliveira AierHe 4 C,
competentemente autorisados pela direc S
toria da companhia de segaros Fidelida- !
de, tomam seguros de navios, mercado-1
rias e predios no seu escritorio ra da S
Crnx n. 1. ff
allattnafaisB>SBBBiatVsBBBisBV)at sf'isssf ssssfMti
Vende-se as pbarmacias e.Maurer e de
A. Caors.__________ ____"_________
Paulo Jos Goaes, tendo de te retirar para a
Enrona, delxa por seos bastantes procuradores em
1* lagar o Sr Jos Rofloe Ciimaco da Silva ; em 2*
o Sr. Jos da Costa Bispo Jonior; ero 3* o Sr. An-
tonio Lopes Braga ; e para os negocios judiciaes ao
Sr. Dr. Joaquim Jo da Fonseca e o Sr. solicitador
Francisco Egidlo de Lona Freir.
mmm mmmm mmmmmm
M O Dr. CaroliDo Francisco de Lima San- jg
i tos contina a morar na ra de Impera- g
dor n. 17, segundo andar, tendo alias seu
gabinete de consultas medicas, logo ao |
entrar, no primeiro.
O mesmo dootor, que se tem dado ao
estodo tanto das operaces como das mo-
lestias internas, presu-se a qualquer cha-
mado, quer para dentro quer para ra
aj| da cidade.
mmmm mmmmmm mwrnm
Samuel Power Jehnston & Gompaahi
Ruada SenzalaNova n. 4.
AGENCIA DA
FnndlcSo de L.ow Moer.
Machinas a vapor de 4 e 6 cavados.
Moendase meias moendas para engeuho.
Taixas de ferro coado e batido para enge-
nho,
Arreiosdc carro para nm e dons cava los.
Relogios de onro patente inglez.
Arados americanos.
Machinas para descarocar algodo.
Motores para ditos.
Machinas de costura.
FAC SIMILE D'ETIQUETTA COR UEROSA.
100 carlile's
PAISLEY
Os Srs. James Carlile, Sons & C, Bankend Mills,
Paisley, Scotland, leem a honra de chamar a atten-
co dos consumidores de linba em novellos, que et-
les obtiveram medaihas de premio das exposicoes
de Paris e Londres, por suas excellentes linhas pa-
ra coser, e que, lodos os nove los feitus por e I les,
para este mercado, tem no tim de cada mago, orna
etiquelta branca, na qnal acba-se gravado o nome
da firma em chelo, urna vista da sua fabrica, assim
como desenhos das cima mencionadas medalhas,
e que cada novello tem urna etiquelta cor de rosa
com o numero, e as palavras Carlile's, Paisley, e
tambem, que qualquer linba de Tambour, manda
da a este mercado, trazendo outra qualquer etiquet
ta do que cima mencionada, nao de sua propria
fabrica.
Sootball, Mello- & C, nicos agentes em Pernam-
bnco.
Melior, Southall & C, nico agente na Babia.
mffimiwt-u&imuMM
1 PAPIS PINTABAS |
jjs Sortimento de papis pintados e gg
lindas guamicoes para forrar casas.
H N i LIVRABIA FBANCEZA.
gg N. 9. Ra do Crespo N. 9.
Charutos da Havana
Ac ha-se de reefber
Um escolhido sortimento das melhores marcas-
destes charutos na
1IVRAR1A FRANCDZARUA DO CRESPO N. 9.
- Pede-se ao Sr. Feliciano do Regu Barros, qae
venha restituir o que tomou emprestado na ra do
Padre Floaiano.
Precisa-se de urna ama que faca todo o ser-
vico de urna casa de familia, preferindo-se escra-
va : a tratar na rna dos Gwararanes n. 86.
XAROPE
DHYPOPHOSPHITO DE CAL
de GRIMAULT e C*
PUrwmentttm i* S. A. L PrtaeijM Rapis*
m Paru.
Desde muitos seculoa os mdicos os ebrneos
bnhio procurado um medicamento que podesse
eurar as molestias de peo; todas as pequias
feius ath hoje ni o tinho tido nenhum resultado.
Prem os trabalhes que lorao communicadoe-
mlmameaie Academia de Medicina de Pars, e
as mais serias experiencias feitas no, hospital
Brompton de Londres, jue especialmente reser-
vado para o tratamento da tsica, provario que
essa lerrivel molestia, quando ella nao estiva
anda bo sea ultimo grao, tinha no Xarope d lly-
pophotpho de Cal, um especifico poderoso. As-
toases, defluxos, caurrhos, bronchitis, grippa e
coqueluche, eedem tambem rpidamente ao uso
d'esle Xarope, e os asthmaticos achao H'elle urr>
elemento certo para curarem-se.
' Recommenda-se aos doemas de faxerem uso ao
mesmo lempo das deliciosas pastilhas peitoraes
ao sueco de alface e de louro eereja, dos S~ GRt-
MADLT1C1. Esta exceUenie preparaclose compoe
de das substancias as mais calmantes e ao
mesmo Umpo u mais wBsmvo d* mttei**
medica, e U oontem opie.
Deposito as pbarmacias de P. Maure
C. e A. Caors, em Pernambuco.________
Precisa-se de om menino qoe
aaer oreoder o ffflcio de relo-
joelro, mis q2f d Oaoca de saa con-
ducta': a tratar na
dependencia o. 12.
praca da In-
Ama.
Precisa-se de urna urna para casa de familia
tratar na loja do gallo sigilante, roa do Crespo.
<
-
1


Diarlo de Xeraanabuco Segunda felra 9 d; Agosto de 1866.
I
I-
PREP.t HADOS
DE
JUROBEBA
Da
PHARMACIA
DE
BARTH0LOME0 & C.
Preparados slaaples.
PARA USO INTERNO.
Xarope de jurubeba.
Vinho de jurubeba.
Pilulas de jure.beba.
Tintura de jurubeba.
Extracto hydralcolico de jurubeba.
PARA USO EXTERNO.
Oleo de jurubeba.
Pomada de jurubeba.
Emplasto de jurubeba.
A JIM BEBA.
Preparados coanpostos.
PARA USO INTERNO.
Vinho de jurubeba ferruginoso.
Xarope de jurubeba ferruginoso.
Pilulas de jurubeba ferruginosas.
Fabrica vapor m
DE "<
PAO E BOLACHA.
N. 6 e 8
Praca da sata Cruz
loio luiz & Narciso, acabam de montar o
rouito acreditado estabelecimento de padaria
seo
uto
machinas
GRADE BAZAR
Kua Novan. 22,
Loja de Caruelro Vianna.
Acbam se oeste establecUoeoto a' dtsposicao do
respeiiavel publico :
Mappas goographicos.
ftiqoissimos mappas do Brasil e mappas mundos
na pra?a da Sania Crut ns. 6 e 8, "?> ^c"'*8 en'. gVandes tormatsT
movidas a vapor, sendo esta a segunda nestt ciaa- Mni-hinai
a: ssssrts aar-ass ---i. 5K?..~
participara aos seos numerosos freguezes, qae """ .
se al hoje os tem servido b-ro, de -boje em djaote Hatoeiras
se tornarao mais bem servidos, nao s em pao e engenbosas, para apanbir moscu,
bolacha, como em todas as qualidades de raassas ratos,
finas, pois,as machinas cooperara multo para sso, Quldros
apresentando toduasseoe limpeza ; pois os donos representando a Europa, e as priocipaes vistas
deste bello estabelecimento procuram o quanto Franca e Inglaterra.
convier em suas jforcas para sempre incinerar o Molduras
systema do seu trabalbo; os mesmos tomarn a li- 0uradas ._. a0idros
berdade de convidar e respeitavel pnblico desta
cidade, como de lora", para n caso.de querer
apreciar o trabalbo das mesmas machinas, movi-
das a vapor, todos os dias das 6 horas da mauha,
at as 4 da tarde; e aproveitaim esta occaslao para
agradecer a todas aquellas pessuas que Ihes uze-
rem a distincta honra.
bons
morissocas e
de
Esta planta que todos conhecemos e vemos por assim dizer todos os dias, co-
ftbedda desde tempos mui remotos; pois que Pisn a descreveu na sua Historia natu-
ral medica, azendo del la grande elogio; Lineo o immorlal botnico, a classicou entre
familia das solanneas dando-lhe o titulo de Solanumpaniculatum; Martias d'ella tra-
lca, e anda Marai e Debus no seu excedente Diccionario de materia medica e thera-
peuiica, nos dizem o uso medico que os naturaes das Antilbas fazem das raizes e fructos
da jurubeba.
Todos estes escri plores botnicos e mdicos descrevem a jurubeba como um ex-
eellente desrAs truate, e como tal appiicada tas obstrueces e infammac5es do figado e
baco, e atada como diurtica, augmentando a secreco das urinas, accrescendo a ludo
isto a propriedade que tem, e da qual gozam muilas das especies da familia das So*
lanneas, de producir seus boas'effeitos calmaado e restaurando as partes do corpo bu-
mano, cora as quaes se poem-em contado.
C adrairavel e torna-se bem digno de reparo, que os ttvroa de medicina das
priwpaes noubilidades medicas acluaes da Europa, nao tntem da jurubeba; enosso
juiro -se confirma mais, quaode vemos que os tratados praticos e formularios mdicos,
neta ama so formula ou preparado pharawceutico nos dicam desta planta, .
E' que muitas vezesesautbores 3o vendo a pplicacao desta ou de *tra plant,
por della nao usarem os praticos, nao Ibes dando o devido apreco, flea como vulgarmen-
te dizemosmo esquecimrito. Mas, atradico, o so e as applicacoes e teatativas feitas
pelo povo de qualquer planta para curar seus males physicos, vem mostrar e fazer certo
mais urna vez qui a applioacao das pintas medicam ntosas-e no maior numero decasos
'fundada as experiencias populares e empricas, crobora depois essas plantas sejam estu-
cadas e aadysadas pela sciencia, aGm de se obterem resuhados mais cestos, mais segu-
ros e uniformes.
Alm disto parecios exacta a observajao d alguns autbores relativamente ao
clima e lugares que habltam certas e determinadas plantas, que pelas cas propiedades,
esli em reacSo con as doencas que nesses climas e logares solfeemos mais geralmente,
parecendo dizem eltes, que na superficie do globo, em cada paiz nasoem as plantas que
podem enrar as molestias maisespeciaes desse mesmo tpaiz.
Neste caso parece que a Providencia et nascer-a jurubeba ta A menea'em geral,
para dar alivio e curar a tantas molestias do 'ligado e baco, como ha sempre sos paiz.es
tropicaes como o uosso.
Ponhamos porm de parle estas ideas e observacoes geraes, e limitando-nos ao
nosso paiz, devemos confessar, que os facultativos de Pernambuco conhecem a-applicacao
da jurubeba, e quaes os seus bons effeitos no mximo numero de casos, entre elles po-
demos citar os litas. Srs. Drs. ISilva Ramos, Aquine Fonseca, Sarment, Seve, Pereira
do Carmo, Firmo Xavier, Silva, etc., etc., os quaes aflirmam serem os preparados desta
planta efficazes aas bepatites bromeas, ainda mesa complicadas com anazarchas, dos
engorgitamentos do figado e bajo, as iaflammaces -subsequentes as febres intermitentes
ou durezas, nos abeessos internos, nos tumores especialmente do otero e abdomen, nos
tumores glandutosos, na anazareba, as bydropesias, as erysipllas, e associada ou junta ,
s prepararles ferruginosas le grande vantagem anda, as anemias, cloroses, faltas]
de menstruaco, leucorrlteias, desarraigos atontos do estomago, debilidades orgnicas e
pocesa de sangne, etc. etc.
Devemos, porm, coafessar que se todos facultativos de Peroambuco nao fa-
aeavum uso mais geral da jurubeba, porque osdoentes at boje sentiam repugnancia
em usar dos.preparados empricos de*ta planta, o mais das-vezes re.'uguanles a traga-
rem-se, e que geralmente eram feitos p nhetiimentos pira a preparaoao de taes medcarnalos.
Parecendo-nos pois de grande wantagem traar mais^oohecido o uso da jurubeba,
procuramos estudar e-te vegetal em todas as suas partes, e das-suas raizes, folhas, fru tos
ou bagas, dos 'avenios servido para, conforme as experiencias at boje feitas e-escuda-
das, apresentarmos aos facultativos, e ao publico em geral os preparados adiante descrip-
tos.composlos simplesmente da urvtbeba ou assooiados ao ferro ; baveudo nos dado pre-
ereccia s preparacoes deste-metal, qae mais soluveis slo nossuceos gastieos, afim se possa lancar m5o de diversos medicamentos compostos deum mesmo agente, ver-
dade, porm qae esteja makem relaco com asowleslias, suas compliea^es, idade, se-
xo, ou ainda n Wo devemos findar este pequeo trabalbo, sem que recommendemos aos doen-
tes eno fazerem uso deste ou daquefie preparado da jurubeba jpor nos apresentade, an-
tes deconsnltarem um facultado ; pois quesoestepde conheoer o que cima dissemos;
' e nao hasta dizer-se Tenho urna infiammaco au tomar a jurubeba preciso cofilie-
ceraorigem, marcha e complicacoes dessadoeoca e examimr a natureza dodoeute, aim
dequeeito o diagnostico se applique ento o preparado mais apropriado.
Parece-nos 4ermos dito quanto basta parafitmaro crdito de urna planta tao vul-
gar do aosso Pernambuco! Oxal estas nossas observacoes assim publicadas facam salvar
aqu, ou na Europa algumas vidas ms por molestias a que aconselhamos o seu uso.
Urna s vida salva, nos-daremos, por felizes e-compensados denossos tutbaluos..
Bartholomeu & C.
Deposita geral de lados es preparados
Botica e drogara
34Ra larga do Rozan34
Agradeco aos moradores (oa moradoras) do
Becco da Pot a excedente agua da colomta, com
ne me mimoseara m anie-bontem, pondo me o
isabado, sobrecasaco, pescocinbo, calca, collete,
si patos, camisa e chapeo de sol em misero estado II!
foi um fiasco damnado porque passou a mioba po-
bre ladividoalidade I
Se estivesse na mesma oceupscio em qne ou-
tr'ora esUva o insigne-poeta portuguez, diria as
suas mesmas palavras :
Oh, senbora de sobrado
J que tem a m&o lau cena,
Venba receber a uflerta
Que Ibe flcou do baptisdo.
Mas, como apenas la passando por esse fatal be-
qoiobo, limitei-me a dermoilo obriga'joe foi
andando._______________________________
Preclsa-ae
de ama ama que seiba coser e engommar com
perfeicio : a tratar na praca do Corpo Samo u. (S
primeire andar________________________
Precisa-se de ama ama qae seiba cosinhar e
engommar com perfelcao : a tratar nos Uoeihos
ra dos tTaeeres n. 13.
COMPRAS
Ouro e prata.
Em obras velhas : compra-s na praca da Id
dependeacio n. 22, loja *e bilbetes-
Compra-se ouro, prata e pedras preciosa
em obras velhas : na roa da Cadeia do ftecife
cja de ourives no arco da Conceic5o.___________
Servico domestico.
Temos de 8 tinas de inadeira para agua
Baldes americanos para compras.
Vassouras de palhas^le arrox.
Camas de ferro.
Gaz.
O verdadeiro gai liquido.
Caodielroa a gaz.
Preparos para o mesmo.
Palacio de crystal portuense.
CollecgOes de 30 vistas slereoscopicas do palacio
de crystal purtnense; na rna Nova n. 20, loja de
Carnelro Vianna.
Guerra da Austria com a Prussia.
Ca tas eeegrapbicas do Ibeatro da guerra do an
no de 1868 : roa Nova n. 20, leja de Carneiro
Vianna.____________________
Brides e pico deiras de
Ipojuca.
Vende a roa do oeiroado Azevedo & Irmao. _
Quem duvidar venha ver.
Chitas voluntarias, fazenda superior, pelo baixo
preco de 320 o covado, cambraia com listras e lin-
dos desenhos a 750 a vara, dita transparente com
ama e meia vara de largnra a W100, chapeos de
pataa a marojo para seohora, pega de roadapolo
treo a 7#30O, dita a 7W0O, diu a 6*500, pechin-
cfca, a ella antes qoe se acabe, s na roa do Quei-
ado d. 17, ao p da botica.__________'
Loja ra do Imperador nu-
mero
Veos bordados pira chapeos de sentaras.
Vendem-se aa toja de raiudezas : ra do Quei-
mado n. 16.
Penlg dourados Iravessas para meninas.
Na loja de miodesas : a ra do Qaeimado n. lo
vendem se bonitos peoles dourados para meninas,
leudo enfeiudos com aljofares e pedras.
Lia filia para bordar, nevo e bonito sortimenlo de
cores vivas.
Veode-se na loja de miudeas a' ra do Quei-
mado n. 16. w
lloiitas eaxinhas con msica e sem ella.
Na toja de miudezas roa do Qaeimado n. 16,
vendem-se bonitas cuxintias com msica, e sem el-
la, e todas cointirranjos para costura, e por prefis
to commodos|que o comprador nao lera' qoe exi-
tar.
Para mentira, superiores lavas eamursa amarel-
las e brancas.
Vendem se na loja de miudezas: a' ra do Que-
mado n. 16.
Enfeites crespos, e tres do ultimo gosto.
A loja de miudezas, a' roa do Qoelroado n. lo,
receben bonitos enfelies crespos, o qae de meihor
tem vindo nesse genero ; assim como ootros mo
deroissimos com fitas, bicos e aljofares, obra de
multo gosio proprios para bailes, ineatros^easseos
ele. os prelendentes que se dingirem a toja de
miudezas, a' rna do Queimado n. 16, gostarao de
comprar Uto boas obras, e por precos razoavels.
Bom papel pequeo e envelopes.
A loja de miudezas.. a' roa do Qoeiroado n. 16,
esta' bem provida de papel de todas as qualidades,
sendo: almas so, greve, liso, e pautado com 33 li-
ndas, dito de peso tambem liso e pautado, dito em
eaxinhas, sendo: liso, pautado, de quadrinhos de
cores, de beira dourada, e tarjado de preto; assim
como envelopes proprios para esses papis: os
preleodentss que se dirijam a' dita loja, a' roa do
Qaeimado n. 16, que serao bem servidos pela boa
qualidade de papel, e commodldade dos pracos.
Supeiior lita encarnada e thamalolada por ambos
os lados, propria para cartas de hachareis, e
a irmandade do Bom Conseluo.
Vende-se essa superior fita na leja de miudezas:
na ra do Queimado o. 16.
Notos e besitos cintos para senhoras.
Na ra do Queimado lija de miudezas n- 16,
venflem se novos e bonitos cintos para senhoras,
Tintura inglesa para fazer es cabellos calilles.
A apreciavel tintura bem conr.eclda per Hoild
Waier, a apreeiavel de L. Marques, e a apreeiaval
de Chromacome : vendem-se na roa do Queimado,
loja de miudezas n. 16.____________________
foliares ftoyer
ou
Anodinos electro-magnticos conlra as ern-
vuls5es, e para facilitar a dentico das
criangas. A aguia-branca na ra do Qi ei-
matlo n. 8 recebe-os por lodos os vapo-
res francezes.
Ja pito tso conhecidos, eianto se tem espilhado
a.fama ames prodigiosos eoMarea Royer, qoe se
torna desnecessario dizer mais aifnma ennsa em
abooo de seus bons e e eflkazes effeitos: basta o
testemonho de milhares de pessoas, qoe lera visto
t aprovaiado o feliz resnludo desses_ to otis,
quao necessario cellares Royer. A qaotidiana e .
creseiila .ziracfo, que vo tenflo, mostia ainda
que ;> numero dos prodigios se eleva eoroo todos
os compradores. A aguia-branca, p rro, dese-
jando coccorrer para um fim de lauto aproveita-
mento, tem feto os necesfarios pedidos, para qoe
por lodos os vapores francezes Ibe seja reraetuda
certa quantidade de ditos collares, para assiju ter-
nar-se infallivel e sortimenlo delles, na loja d'a-
Kiiia-braDca, ra do Queimado n. 8.
Elixir dentfrico e odontal-
Vende-se sa oova loja de calcados francezes to-
das as cualidades de calcados mais barato do qae
em oatra qualquer parte em cooseqoencia de rece-
ber directamente des melhores fabricantes da Eu-
ropa ;
PRECOS.
Comprara se medeqnes at a idade -de 20 an- ,
nos:: na rna do QeeiroaoV* n. 11 se *ra quem __L0__,"jD_?r dos me,bores "
compra. ____ _______ -^_______ -
Compram-se tibras
Independencia n. 22.
sterliaas: na praca da
Liaras esterlinas.
peadosde lu-tre....... 10,5000
dem idem de bezerro...... 10*000
Idemtdem.......... 9*008
Idea francez patente idem..... 9i000
I dem dem......... 7*MW
'dem gaspeas de lastre. ...... 7*000
B,r-_________________________________________ |dem dem gaspeados de lustre. 5*000
Coaipram se moedas de 20* : na ra do. dem idem ponteira amarelia. 4*000
'Crespo n. 16, t* andar. I dem para senbora enfeitados fabricante
Compra-se uro evHodro para padana, com H hnn *" ','',.'' ',.' Knnn
goaco aso : n> g Agtoado U g 23. \\* gg sem ente"e ^'mo gs'- ; gJJJ
Cnraproro-se liluas-s-terhnas : a praga 4o Idem-amazonas para meninas, de 1 mi as ?
'Corpo Santo o. <, primeiTo andar. i aseares.......... 5*500
Compra-se papel de embrulno sendo diarios, Wem sapatinbos para menina de lodas as
aga-sea liO* libra: na raa dos'fjoarleis n. 15.' quakoados de 1*000 a..... 2*500
dem sapatos de tranca...... 128(
; dem idem estampados. 0 .... 14400
Asstm como outros artigos qae seria enfadonho
menoionar, garanle-se a boa quatidade da fazenda
por ser a mais nova no mercado.
VENDAS
YidIva colares.
O vinho colares o auis superior de todos os
tobos e preferivel nes4e paiz pela sua fresquidao
e agradavel paladar, vende se a 6*000 a duzia :
j-bo armazem da Liga, roa Nova.
II JV l.vf i
Toda aenco
O jerente desle etabelecim'Wto est /esolvido a vender seu grande sortimento
efazendas de.escolhidosgostos e qualidades por baratissimos precos que admira I para
gr&agear numerosa freguezia e sustentar suaama, assim faz o Barateiro.
Cambraias brancas e de cores,
Cambraia^ brancas de 40, 40500, 3A, 50500 eC0.
dem de u>ie de modei nos gostos de lista e flores de qualidade fioissima^ a 720
s 640 ti. a vara.
Caales de merino estamparlos a 50000.
Cbales de merino estampados de bonitas barras para 50 e 60,
Tapetes de diversos tairiaolios e gestos por baratissim preco.
Chitas para vestrto escuras e claras de lindos gostos.
idem para c.berta colorida.- e adamascadas o melli r que ba no mercado em gosto
e qualidades eoutras muitas fazendas que se torna enfadotiho mencionar, que se vende
por menos do que em oulra qualquer parte.
Para homem.
. Boupa feita de casemiras e de brins e diversas fazendas de goslo, como bem sejam:
Calcas de casemira a 60, 70 e 80 ditas prelas a 80, 9 e 100.
Paletos de panno e casemiras a 80, 95 e 100.
dem de alpaca a 30500 e 40, ditos brancos a 40 e 50000.
Colletes de casemira de cor e preta a 40, 40500 e 50.
Capas de borracha branca e americana pelo baratissimo preco de e 180.
Grande sortimento de casemiras de lindos gostos para costumes e outras moitas
fazendas para fezer qualquer obra, a gosto do comprador para o que tem um hbil mes-
tre de alfaiate.
Cheguem a ra do Crespo n: 1 loja do Barateiro.
Atten^ao
Vndese na pjaea da Independencians. 37e 3S,
Era casa de Magaibesarmos ra da Cadeia de capellas mortnari ts, as mais bonitas ue tem vin-
fiecife n. 28, vndese oho do Porto o meihor do a este mercado, para os stimos dias e dia de
que tem vindo ao mercado, por preco.eommodo.
Breu em barricas pequeas.
Cera em velas de lodcs os taraauhos.
logias.
Mercurio.
.Na ra do -Vigario n. 19, Io andar.
Cevada nova
Veode-se cevada muito nova : na ra Dlreita n,
30, mais barato do que em oulra qualquer parle.
Atten$o.
Veode-se 9 taberaa com poneos fundos e com-
raodos para familia no pateo de S. Jos n. SI : a
tratar oa mesma.
Aos Srs. mareineiros.
Vende-e espirito o> superior qualidade a 1*600
a caada:: na roa larga do Rosario taberna da es-
quina defronte da botica do Sr. BaMbolomen.
Veadense
machinas americanas de serrotes para descarocar
algodo : na roa da Senzalla Nova n. 42.
finados se botar as catacumbas e lenlos no ee
oiterio publico com as Inscripces segantes :
A meu pal.
A minba mai.
A meo esposo.
A minba esposa.
A meu Biho.
A minha filha.
A meu irmao.
A minha irmia.
A mea amif o.
Urna lagrima.
Amuade.
Saudades.
Attenclo.
Vende-se ama escrava crioula, de 30 annos de
Idade, rom duas lindas crias, sendo a mais velha
de 12 annos, e a outra de 6, a qual engomma per-
linamente e cozinha ; a tratar junio da igreja do
Rosario n. 5S, no bairro da Boa-Vista, das 5 as 8
horas do dja.
Vende-se um piano de mesa era bom estado e
por barato preco, moilo proprie para algura prin- prio
I.IQIJIDA^IO
DE
Ra da fmperat iz armatem de fazendas n. 28.
Vendem-se ricos e elegantes candieiros a gaz, muito bem preparados, com bom
macbintsmo, chemin e globo moderno, escova franceza, lindo abat-jourt chinez e 1/2 duzia
de pavios, tudo comprehendoudo urna s peca por 80, 70000 e 60000, e os dourados
(que ao principio se venderam a 250OOO) s custam 120000.
Dit2 simples com chemin escova e pavios.......... 40000
Depsitos de crystal para cima de mesa...........20000
LamparinS de porcelana com chemin de balao.........2o*000
Lampedas moabf.oas para igreija ou capellas..........200000
Globos a 106HO, e qQO,* redondos com gravura a 20500 e. *. 20800
Ricos candieiros de suspensa? Pa'* sala'de jamar'com o seu competente depo-
sito com chemin de balao............180000
O proprietario deste iraporlant estabelecimento deseja liquidar tudo quan-o
vidros, para com mais facilidade dispor de sua acreditada loja de fazendas da ra da Im-
peratri7 b. 28.
cipiante : a tratar na rna Nova de Sania Rita n.
13, armazem. ________________
Sebo do Porto.
* Vende.se sebo do Porto refinado para velas, a
elle antes que se acabe : na ra do Vigario n. 26.
Vende-se urna taberna na Capnnga com pon-
eos fondos, muito propria para principiante : a
tratar na padaria do mesmo lugar.
Vende-se
Um grande sitio proprio pera plantaco e cria-
cSo de vacca por preco muito commodo, nm pou-
co retirado da travessa da Pasaagem a chegar o
Lucas : a tratar com o Dr. Pereira de Mello, na
jua estreita do Rosario o. 10, prlmeiro andar.
~M GAZ GAZ
Cbegoq ao antigo deposito de H'enry Forster &
C, ra do Imperador, um carregamento de gaz de
primeira qualidade, o qual se vende em partidas e
a relalho por meos preco do qae em oatra qual-
quer parte.
Grande liquidado de bis-
eoutos igl^zes
admira latas eom principe Alberto a I5300, ditas
i com bolacbiohas perolas de 2, 4, 6 e 10 libras a
1*300. 2.;',00, 3J eo&iOO, ditas com mixide, oval,
I victoria, crenle.cracnel, lemon e outras muitas
marcas a 15 : isto s na Liga roa Nova n. 60.
Fructus crys [alisadas
Caixas com sortimento de pora, pe*ego, moran-
go, ovas, ameixas e damascos a 3(800 : isto s
na Liga.
Botas russinas
Perneiras e meias perneiras.rudo do meihor qo
se pode desejar.chegadasuelo ultimo vapor ioglez.
na ra Nova n. n. 7, loja do vapor.
Vende-se um bo muito manso-pro-
para carro de quatro rodas: quem
KIVAL SEN un.
Roa do Queimado n. 4. toja de
oilndezas
DE
Jos Biyodinho.
Est queimandoas miudezas abaixo declaradas
Frascos de oleo babosa Ooo 200 a 320 rs.
Ditos dito falfo a 600 rs.
Ditos de macaca per ola a 200 rs.
Ditos eom superior baoha a 200 rs.|
Caixas com 6 frasco dec heiro a 800 rs.
Sabonetes finos a 60, 160, 200 e 320 rs.
Ditos de bolla superior a 210 e 320 rs.
Livros para meninos com estamps a 320 rs.
Canas de 12 frascos com cheiro a 15.
Frascos de oleo babosa muito fino a 400 rs.
Dozias dmelas superior qualidade para senbora a
4*500.
Cbegaram as agulhas balao (papel) a 60 rs.
Caixas com bonitos soldados de. chumbo a 100 rs.
Ditos de agua para limpar denles a oOfl rs.
Pedras de escrever (pequeas) a 160 e 200 rs.
Sapatos de tranca para homens e senhora a 13-500.
Pecas de fitas de la preta para vestidos a 600 rs.
Grozas de bot6es de madreperola finos a 480 e
640 rs.
Caixas de eolebetes francezes a 20 rs.
Pecas de troco de todas as cores a 200 rs.
Caixas com superiores envelope a 600 rs.
Pares de sapaliohos de la para enanca a 400 rs.
Ditos de meias pretas para senhora, superiores a
360 rs.
Libras de pregos de todos os tamaitos a 240 rs.
Sabonetes de familia, superior a 100 e 120 rs.
Resma de papel de peso muito fino a i$.
Frascos com tinta superior a 100. 140 e 320.
Grosas de pbosphoros de gaz a 25200
Pares de botoes para pondo a.!2 e 240 rs.
Carto com lionas de 200 jardas a 100.
Meias eruas muito finas a 4.
Caixa de pos para limpar dentes a ICO rs.
Caixa de superior linha do gaz com 50 novellos a
15000 rs.
Pnreeiras de conta para meninas a 320 rs.
Talheres muito finos para meninos a 320 rs.
Camina da doutrina christa 320 rs.
Fraseo muito bonitos com cheiro a 240 e 500 rs.
Caixa rom superiors iscas para charutos a 20 rs.
M'asso eom superiores grampos a 30 rs.
bzTS
DE
gico.
Pos dentifricas.
Para conservaco dos denles e genglvas, urna
das cousas qne mais cuidado mereee a todos,
sera dovida a perfeicao e conservarlo dos denles e
genitivas. Para isso se conseguir necessario o
oso do elixir e pos dentfricos que pela segunda
vez acabara de chegar para a loja d'Aguia Branca.
Esse elixir e" odintalclco e antscorbulico, precioso
para todas as atTeccSes da bocea. O emprego dia-
rio desse elixir cora agua, previne a cana dos den-
te, cura as aphtas das geogivas e as fortifica, aca-
ba o mo balito, e faz desapparecer o rbijiro desa
gradavel qoe deixa o charolo; assim como appli-
cado puro, acaba tapidamente ador de denles Os
pos servem perfeitamente para dar aos dentes a
necessaria brancura e polidez, conservando as gen-
givas a cor rosada. O impresso que aroropanba a
cada frasco meihor scieotificarS ao comprador que
se dirigir a lojad'AguiaBraoca a ra d. Queimado
o. 8, onde se vendem nm frasco do elixir e ooiro
de pos por 30000, e separadamente, este \>^t 155CO
e aquclie or 25000
Fitas de chamalote
para a irmandade do Bom Conselho
e cartas de hachareis.
A Aguia Hrauea na ra do Queimado o. 8 rece-
beu excellente bta de chamalote propria para a ir-
mandade do Bom Conselho e cartas de hachareis.
Bonit s pentes
dourados com pedras e aljofares para
meninas.
Vendem se na ra do Queimado loja d'Aguia
Branca n. 8.
gulhas
de osso e marfm para crochet.
Linhas para ditas. -Estes cbjectos chegaram de
novo para a loja d'Aguia Brama ra do Qcemiado
n. 8.
Novos-enfeites crespos e outras qualidades.
A loja d'Agua-Braoca receben nova .or^ao de
enfeites crespos para coques, algoos dos quaes sao
de moldes inteiramente novos e apradaveis, viudo
es;es cobertos com filets de vidrilhos lisos; ai-sim
como receben ootros para o mel da caheca, en-
feitados ao ultimo gestoBonolton, e outros no
coqne. Os pretndenos"que se dirijam a ra do
Queimado loja d'Agua Branca n. 8.
Luvas de eamursa
brancas e amarellas para montara.
Y raaao n. 8.
Escovas finas
para unhas, dentes, roupa, chapeos
cabellos e pentes.
A loja d'rtpuia Branca acaba de rereter nm
grtnde e variado sortimenlo de escovas finas, sen-
do de cabos de osso, marfim, baleia e madreperola
para dentes e oobas, ditas com costas de madeira,
bfalo e baleia, com baixes e altos relevos e algu-
mas marthetajlas com madreperola e cebertas de
velludo para roupa, chapeos e cabellos, e outras
final.eu't- cora cabos de madeira e modrtperola
para limpar pentes. Os diferentes e cimmodos
precos de todas ellas esto em relacao a sn;rio-
ridae das mesmas, e vendem-se na loja d'Aguia
Brama ra do Queimado n. 8.
plra innos e meninas
Ra do Qu^^l^J-
E' ehegado para a loja
Queimado n. 69, um grana>
69.
de miudezas da ra do
-> sortimento dos mais
para entreteoimento
lindos e modernos brln^uedos ^Ur os seguintes :
dos menmos, notando-se entre etunri e f-orce-
apparelho para oratorio, ditas de 8 e paodeiros,
laBa para almoco e jantar, tambor, e viol.nhas,
espingardas e pstelas, rebequinhas s com ca^
caixas de presepios completos, carrlnhr. 'i L-alha,
vallos e figuras, cestinhas e carrmhos e, -wrce-
has e pistoes de Mha, bonecas de ***
laoa vestidas, ditas de chora, ditas em bercos ,
mando papai e mami, cavallinhos de ma'deira l
varios taraanhos, e outros muitos brinqoedns que
s com a vista se pode apreciar, advertiodo- ment que nao sera' preciso gran-tes quanlias oara
ti
Aurora, as melho-
res e mais perfeitascaixlohas cora fita de medir e
lelhas de ferro gaUanisado, ludo por precos
zoaeeis.
GiZ,
Vende-se gaz na travessa da Madre de Dos o.
10, de primeira qualidade em latas de 5 gales,
preco commodo : uo armazem de Ferreira & Loo-
reiro.
Tesouras para encrespar S-
bados,
Vende-se tesooras de doas, tres e cinco pernas
para encrespar babados: i. roa do Queimado loja
de Azevedo & Irmao.
Oleo de ricino.
Vende-se na fabrica da travessa do Carioca n. 2.
Vende-se um cabriole! de quatro-rodas e
qoatro acentos, arreios para um cavallo, todo em
muito bom estad* e p ir preco commodo: a tratar
na ra da Imperatriz n. 20.
Vende-se velas de carnauba em eaix5es~de
arroba a 125500 : no pateo do Carmo esquina da
rna de Hortas armazem o. 2________
Attenf$o .
. Vende-se a taberna da roa da Santa Cruz n. 11
e ora moleqae peca: a tratar na mesma raa o. 7.
Aenfo.
GiZ.
^Vndese e faz se todo negocio cora o deposito
sito na ra da Guia n. 10 : a irtir m r*"tn.
No armazem da roa do Imperador n. 3 ou no
Caes de Pedro II o. 2, tem para vender-se o me-
bor saz existente no mercado.
Aos amantes da caca.
Vendem-se duas espinrardas de dous canos de
nova ioveneio da systema prassiano para caca, l-
timamente chegadas no vapor francez, na raa do
Imperador n. 32, loja de calcados francezes.
Na roa das Trlueheiras n. 26, se dir' qoem
veode ama escrava crioola, com 32 aooos pouco
mais ou menos, sabeodo engommar e coziobar, boa
doceira, sabe trabalhar ?m todas as qualidades de
raassas, la yrinlho, borda tanlo de seda como de
ouro, e todas as qualidades de costura, a tudo coro
perfeicao, dando-se a contento.
Atten$o.
Superior eassemira eufestada propria para cal-
ca?, paletots o colletes, polo baratissimo preco de
252OO o covado, ou a 35800 o corte de calca ; chi-
ta franceza, lindos desenhos, a 35200 o eovado ;
dita escura a 340, 360, 380 e 400 rs. o covado ;
peca de madapelio fino a 75500; dita a 75000 ;
dita a 65OOO, pechinchji, a ella antes que se aca-
qutzer pncure a ra d Concordia junto os pais de familias etreterem seos fifiios!
o armazem do sol dentn do muro que lem! Vende-se na fundi da
urna columna de gaz no portao.
Vende se um silfo no Caldeiro com bt~casa
de pedra e cal, orna olarla com bario no invern,
ama grande baixa de capim na beira do Rio de
Caplbarlbe e terreno para plantaco: a tratar na
roa da Imperatriz n. 20.
LojFDrjoirs
CAUIGAV *D.
Venhara a loja do Santiago comprarem anneis
com brilhaotes garantidos em agarras modernas,
pelo diminuto preco de 105. bem assim outras
muitas joias de gosto, qae deixo de mencionar os
precos (o que s sabero os prelendentes a vista
dos objectos) para nao hostilisar os mebs compa
nbeiros. Veoham o sabero.
Na mesma loja compra-se ouro, prala e pedras
preciosas, assim como recebe-se todo e qualquer
concert ludo com promptidSo, achando-se a dita
loja abena at as 8 horas da nolle.
- Ve dem-se dous escravos um mulato claro,
marcioeiro, idade de 30 anoos pouco mais ou me-
nos, e onlro cabra escuro, sem ofJJ 10, idade de 20
annos. ambos sadios e de bom comportaraento : a
tratar na roa das Cruzes n. 11.
MDi
Charutos suspiros verdadeiros a 15 a-caixa
armazem da Liga ra Nova n 60.
Gimz
a 400 rs. a garrafa : s na Liga.
no
SGrande armazem de tii>|l
tas medicamentos etc. S
Kua do imperador n, 22. -,
'Su Pedro das t'eves se-j^-
reate) tem a venda o
seguate:
Productos chimicos e pharma- jf
fjjL ceuticos os mais empregados em |jK
B medicina. j"
Tintas para todo o genere de pin- \
j tura e para tintraria.
&\ Productos industriaes- e tintas B
jR para fl res, como botoes de flre K
^ e modelos em gesso para imitar jT
S fructas e pass*ros com o compe- '^
2| tente desenho.
m Productos chimicos e industriaes *
m para pbolographia,. tin:uraria, pin- M
% tura, pyrotecnia ati: m
% Moniado em graode escala e sup- ||
nrido directamente, de Paris, Loo- p
as, lamburgo, Anvers e Lisboa S
di. ollerecer producios de plena 3
pode -a e sadisazer qualquer en-, H-
confian,, > a grysso trato e a rea- $
70, commeno. -eco commodo..
*e
k
m
C. A)er, expenle
'eBsylvDja, nos
"asa-par
Vinho francez mais sOperior qoe tem vindo ao^
mercado vende-se no grande armazem da Liga ra
Nova n. 60.
Medoc duzia 75000.
St. Estephe duzia 85100.
Chatnux la fin- duzia 125000.
St. Emilion duzia 145000.
Cbatenx Larose duzia 185000.
Pichn Longueviile duzia 205000,
"PORTO
Vinho do Porto engarrafado :
Raioha Estepnioia garrafa .35000.
Lagrima Chrisiy garrafa 35000.
Malvazio garrafa 25500.
Pcstwein garrafa 25300.
Porto engarrafado a 25,15*00, I, 800 e 640 a
-garrafa.
Veude-se urna
da Concordia u. 19.
bomba para regar : na ra
. Veode-se um moleque peca de 20 annos de
Idade ; a tratar na ra do Mondego olaria n. 13.
A 2#80O
Vende-se pentes de tartaruga para atar cabello
pelo diminuto orecode 15900 cada um : na loja
de raiudezas da ra da Cadeia n. SO A.
Vende-se muito era conta um rico piano, sem
uso, do autor Blondel & Vigoes : qoem pretender
procure no prlmeiro andar do sobrado da roa do
Rosarlo da Boa-Vista o. 53, ultimo sobrado qoem
provincias
Renmliosdo Dr. J.
da Laiversidade de
Estados-I uidos.
Exlraeto composto de
rllba de Ayer.
Peitoral de erre ja.
Hcmedl para sc/.es.
Plala* cal liar ticas.
O deposito central para ss
Pernambuco, Alagoas, Parahyba e Bi-
Graode do Norte, destes remedios to fa-
voravelmente conhecidos e acolo idos em
todas as partes da America do Sul e do
Norte, acba-seem casa deTheod Chria-
tiansen, 16 roa do Trapiche eni
l'eruambuco.
s precos de
33t por duzia de estrado de salsa-parrilha.
27J por duzia de peitoral de rereja.
270 por duzia de remedio para sezoes.
7^ por duzia de pilulas catharticas
se entendefn dinheir vista, r r;
o descont de 5 por cento em quantidade
de 6 a 12 duzias, e de 10 por cenlo em
quandades superiores a 12 duzias.
Aos agricultores
Sanoders Brothers & C. acabara de receber de
Liverpool vapores de torca de 3 a 4 raaallcs coro
todos os pertences, p mol proprios para fazer mo-
ver machinas de descarocar algodao, podeodo rada
vapor trabalhar ale com 143 erras, tambem ser-
vem para enfardar algudo on para outro qualquer
servico em que usam trabalhar com animaes. Os
mesmos tambem tem a venda machinas america-
nas de 33 a 40 serras : os prelendentes dirijam-
se ao largo do Corpo Santo n. 11.
casaqulnbas ou vasquinas.
Chegaram as mais modernas casaquinhas de
grosdenaple preto, ricamente enfeitadas, vendem
se por preco muito ratoavel : na \<\a e aro a
'- -^-i r-v-".^v#fi, *.. .meo (|uo ac cica-1 uugauu u u-,i. u. w, mi.hmv ^vi/.huv -|ui.iu yin tmj^u muiio idEoave : na h'ia e arn '\'
be : na roa de ijuelmado 0. t, esquioa do twi1 vai da ra dn Araeionara Santa Cruz junto dartn Pavan. roa da It- co. de Cetra

i


Diario de PefftJttbltco Acomida felfa 91 de Agoste de isfl.
0 que oceupa, koge mais a afcteH$to do niuni
econmico? o novo systkema do propietario do ar-
mazem de molhados
em todos os
53 RA OA CAOEIA 53
Que surge de aovo basteando a baadeira da modicidade de presos en
seus superiores gneros.
Que o publico reconhe^a as vantagens que de tal systberoa lbe resulta, o que o
propietario do sitado anaazeoa .desoja-, a a. que desde j o convida : passando tambem a
ootar-lhe os procos de alguas dos gneros do seu esplendido soriimento, e para os quaes
pede
(omina de milho hraneo americana.
Esta escolenle goin na, multo se recomcommena corno o aliaeoto mais subs-
tancial e saulavel; servindo n5o so para papa (n> qjie superior de toda as outras
jananas e farinbs) mis taoabea della se ple fazer pito-de-l, cangica, reme, bolo
francez, podim, etc.: o praco de cadi pacota de urna libra 800 rs., era caixa tem aba-
timento.
MANTtGA IXJLEZA de superior qualida-
vado.
Gros de aples preto a 15500,13600, U, 33, 3500 e 40 o covado.
Gorgurao preto de superior qualidade a i500, 280O, 30 e 4 o co-
do a 1,283 e I,1oj rs. a libra, em barril
se faz abatimento.
I9EM FIUNCEZA anuisnova qae ba no
mercado a 6 o rs. a libra, em barris ou
meios a 600 rs.
CHA HISSON de primeira qualidade a
2,800 rs. a libra, alera desta ha auitas-ou
tras proprias para vender a retalno, que
se ven Jera de 1,600 a 1,800 rs. a libra.
DEM PASTO o mais espacial que tem vin-
do a este mercado a 2,2oo rs a libra.
DEM recular de 1.6oo a l,8oo rs. a libra.
QUEIJOS DO REINO ltimamente chegados
pelo vap >c 2,ioo: ditos do vapor passado
a 2,000 rs.
LATVS DE CHOURICVS com 6libras er-
raeticarae de fechadas, a 4,5oo, de barril
a 61o. a libra.
ESTRE JNIIA parasop em caixas sortidas
dd 8 liaras, pir 4,000 rs.
VINHO VERDE lo ve-dUeirosurao da uva,
e o mtis proprio pan se beber n'este
imperio, pela sua axtraordidiria fresqui-
do e agraiavel gosto a tilo rs. agar-
lafa.
AMSOUS FRANCEZAS era frascos de i e
2 libras, a 2,8oo; e l.ioo rs. em casi-
nbas rauito enfeitadascora diversas estam-
pas ;i2,*ioo, l,8oo, f,5oo e l,3oo, res.
BISCOITOS INGLEZES em latas conteni
diversas qualidades a l.oooe l,2oo rs. a
lata.
PRING PE ALBERTO bolachinhas as melho-
res presentemente conhecidas a l,6oo
rs. a lata.
SALAME HAMBURGUEZ chegados no ulti-
mo navio a l,6oo a libra.
PREZUNCOS verdadeiro de Lamgo, a6io,
rs. a li'ira, e 56o inteiro.
TRAQUES n. 1. em caixas de 4o cartas, por
8,-"i 10, e 2io rs. cada urna.
MARMELADA em latas del, 1 (/>e2li-
bras a 600 reis a libra.
JALEA DE MAR MELLO em latas, a 800 rs.
FRUGTAS EM CALDA pera, pecego, alper-
ce, rainba Claudia, e ginja a 64o reis
a lata. J
MOLHO IN'ILEZ de diversa qualidades,.*
72o rs. o frasco.
MOSTARDA INGLEZA muito nova, a 800,
rs. o frasco
DEM RANCEZA a 64o rs. o frasco.
SALMO E LAG05TN diegado ltima-
mente, em Utas de 2 libras, a l,loo..
ARENQUES em latas a 6io rs. cada urna.
SARDINHAS DE CANTES em latas e meias
a 6oo e 36o reis. .
V1NH.J DE COLLARES o legitimo yioho
desta localidade, muito superior e^sem
confeicSo alguurt, a 800 rs. a garrafa.
IDFM MADURO o verdadeiro do alto Dou-
ro em barris de lo em pipa por 5>ooo
cada um. .MH
VINHO DO PORTO de diversas qualidades
engarrafado, inclusive o maisfino que ha
n'este genero, .por 800, 1,000, l,-oo,
l,4ooe l,5oo rsla garrafa.
FEIJAO verde e carfapatd em latas ermeti-
camente fechadas a Hoo rs.
CHOCOLATE francez era pacotes de 1 trara
por 5oo reis. .
AZEITONAS das enejadas ultimatoerte Lisbj a 1,200 rs. a ancoren, e 5oo, a
guarrafa.
GAF'avado a 24o r8.ab#ave^*>rs-
a arroba, e regalad22o a4fora^oe,
a arroba.
VINHO CHERRY domis superior* do mer-
cado a l,5oo rs. agaraf*< e 16ooors.
a duzia. .
MUSGA TEL o verdadeiro de Setuba, a
1.800 rs. agarrafa, e 20,000 a duzia.
VINHO BORDEAUX das mais acreditadas
marcas, S. Erailion. Sant Jutien Haat
Brion a 7oo e 8 >o rs. a garrafa, e em
caita ded iza, a 7,5oo e 8,000 rs.
VINHO BRANC > de Lisboa de excelente
qualidade. e proprio paramissa, a 800,
rs. a ?arrafa, on S.ooo r3. a caixa de duzia.
MADEIRA SECO a l,2oo a garrafa, e 12;ooo
rc 1^3713
VINHO DO RHENO superior, a 2.000 a
garrafi, 22,ooo rs. a duzia.
VERMOUTH de superior qualidade em cai-
xas de 12 mehs garrafas por I2,ooo,e
garrafas por l,2oo rs.
Superiores moreantiques a 20500, 20600, U, 3J500, 40 50000 o
cavado.
fons cortea de moreantique. .
team de gorgurao adamascados.
lions pannos e casemiras.
Snp riores alpacas, princetas, merinos e bpmbazinas.
Bons villudos pretos.
Grande variedada de chales de fil preto e de guipare a 5, 6*, 85,
O, m, le 165 a 205s e de 254 a 800 cada um.
Superiores retondas de fil preto e de guipure a H, 100, 120 e 255,
e de 30$ a 805 eala una.
Superiores algerrenes de fil preto e de guipara- de 125 a 250, e de
300 a 600 cada una.
Bous chailts de seda preta.
Rito* de Merino preto bordados e outras muitas fazendas pretas que
seria enfadonba enutaer.r, na
DE 4NT0NIO CORREU DE YA^CONCLLOS & C.
OTA DO CRESPO Y. 13
K
PHOSPHATO DE FERRO DE LERAS
Hit. EM IBf CAS
MSPftCTOf OA ACADEMIA DE PARS.
N5o existe medicamento ferruginoso to notavel como o phosphalo de ferro de
Leras; as summidades medicas do mundo inteiro adtaram-no com solicitado sem igual
nosannaes da ciencia. As cores paludas, dores de estomago, digestoaa penosas, ane-
mia,,cinvlevengas diflweis, dado cribadas senhoras* irregularidade na menstruaf5o,
pobresa do saimue, ^oJiatisioo sao cralos rapidaajenteou modificados por esteex-
cellenteconiposto. L, o conserva lor por excelencia da^aalo e declarado superior nos
hospites'e-peas acaietnias^a todos os ferruginosos conbecidos, ao idoreto e ao eitrato
de ferro, perqqe n uni ;o que convera aos estwtwgiw^lelieados, que nSo provoca eonsii-
pacJJo anico tambara que op f negrece a bocea e os denles.
Em #aris ni ra da Feuillade n. 7.
venda eai es' de Maarer, e A, Caors.
tmmmi sm igial
Ricos eorte* de ^orgorn de seda proto adafBascsdos para wsd eoo 1* raeiros
00 18 aw covados cada corte, largura de dril rreneen. d*Io barausslrao prego de 50
od corle : na loja das colomoas da ru do Crespo n. 13 de AoIobm Corraia de Vascon-
cellos & C.
LOJA DO B

-
DE
AZEVEDO i FLORES
HITA DI 1I>EI1 OO iifUI^E 16. 49
Nao leiam
Chapeos deso de seda abal5o que valem 125 a 105, era porpo ter abatnenlo
de lOporce.ito.
M5es
do ultimo gosto em Pars, que estreito em cima e largos era baixo. a 35, 40, e 50, dam-
se para a mostra.
Sobre-casacos de parin->
Superiores, que valem 25) a 150, so o Bilo.vende por este prego, pa'etotssa-
cos de panno finos que valem 150 a 105, tamben se-vo i le 'caicas de brim-branoo finas,
ditas pardas, ditas de casemira, colete de casemira, paletots de alpaa branca, e muitas
ontras roupas feitis que se vendem barato.
Agoct Yejam os preces ds fazendis.
Chitas para cobertas, cores fixas, a 32*0 rs, dam-se amostras
Las com lindos desenhos a 320 rs. ocovado.
Cambra as de cores, iindos padrpes, a 320 rs.o covado.
Chitas escuras e claras para vestidos diversos presos
Carabraia para vestidos. /
Di la larga para forro de vestido.
Madapoto que val 100 a 70, so o Bailo vende por e3te preco.
Camisas ingleza9 superiores que valem 40, a 30000.
Quem duvidar vonba ver na loja do BalSo.
Chegon novo inadapolo.
Este madapolSo val 100, porm o BalSo contina a vender por 60500.
dem muito fino que val 120 a 90: quem precisar aproveite emquanto tempo.
RIJA no BRUM tf m
O pror>rietario deste estabeleciment deseja cbamar a attenc5o dos senhores pro-
prietarios para os acreditados mechanismos que continua a forneeer; os quaes garanta
ser como serapre, da melhor qualidade possivel:
Machiivas da Vapor
fu rea de um avallo para cima. As menores s3o mui proprias- para motores de des-
caroamentos de algodao; ellas viajara armadas e poiera trabalhar den ro do 24 lloras,
depois de clwyirem no lugar. Ellas levam tudo quanto preciso para o trabalho, e
diversos sobrecenantes. As machinas maio es sito proprias para a moagem de canna,
e ha debas que podem junta e soparadacnente moer canoa e dascarocar. Ellas podena-
seapplicar aqinlquer moenda j nstente sem outra raudanca do que a substituido daa
rodas da atmanjarn, ha tambem com moenda junta. Ellas tem. depsitos d'agm e boei-
ros de ferro, e nao precisao para ;>eu assentamento de obra alguma, qur decarapina,
qur de alvenaria. O tempo para assenta-las i*i escede de oze das ao mais, e em
casos de mortas de animaes ou arrombamenios do acudes, etc,. garante-se o assentamen-
to emoito das. Todos estes-vap tres sao simp'issiraos na coostrueco, ese regem por
qualquer pessoa intilligeote, a faciltdade da conducco sendo especialmente considerada,
tanto que n3o ha lugar era quena se possam conduzir, qir por torra, qur embarcado.
Lembra-se aos senhores daengenho qjie a venda do i animaes e o servico da
genteoceupa Ja no seu tratameoto os ho de recuperar da miior parto da despega do
vapor, deixando-lhes a vantagem. de urna moagem certa e acselerada; e-acabando com a
despeza da compra continuada den)vos animaos, ecom os desgostos do trabalbo que se
tem com elles. (
Ser talvez desnecessario lembrar aos compradores de vapores a vantagem qae] Ditas de seda e de algodo para rnaagui-
Ihes resulta de compearem suas machinas garantidas em urna fabrica, tendo artistas com-: t,jS ora'
Loja do Vigilante
RA DO CRESPO N. 7.
Este estabelecimento acaba de rceber pe-
lo vapor Extremaudre; ed soa pfopria en-
commenda, um completo'sorlmeoto de ob-
jectos de apralo gosto e algons de comple-
ta novidade, como seja :
Riquissimos neceasaaio para costuras,
tendo de madrepola, marlim, cbrtettl, e OU'
tras muitas qualidades.
Ricas caixinbas de madeira macbetadas
I todas de madrep la, com msica, e o neces-
;,sajio psra cosiuia.
Ciinhas de mnsica, tanto de veio como
.de corda.
Riquissimas malasinhas de madeira, for-
radas de marroquim, contendo o neeessario
para costura, propria pra meninas.
Lindos vasos para pos de arroz.
Lindos livrinhos com capa de tartaruga
para mi>sas.
Riquissimo soriimento de enfeites para
senboras e meninas.
Cintos inteiramente novos.
F vellas, de tartaruga, christal, e metal,
para cintos de senbora. v
Leqoes de sndalo e de madeira.
Riquissimos porla bouquets.
Luvas verdadeiras de Jovin.
Ditas de seda e de Escocia.
Lindos bufos da christal, tanto para pn-
nhos, como para clleles e abertura de ca-
misas, estes boLods turnara-so recomraenda-
veis, por ser inteiramente novidades.
Ditos de cornalina, brancos e encarnados,
para rolletes.
Finas tliesuiir.as para unhas a costura.
Lindos porlajoias.
. Ricos port relogios de porellana.
Modernos peales de tartaruga e a imita-
CSo.
Albuus para retratos.
Agnlbas e linhas para crocheles.
Lindos aderecos de christal.
Rosetas e alfinetes de dito.
A lerecos complatos para luto, assim co-
mo brincos e r.-setas.
Meias de seda para senboras.
Ditas para menioas.
Sapatiuhos de seda e de rairin, para
baplisadoss
l'ou juinoas e chaposinbos para dito.
Laas de todas as cores para bordar.
Capillas para nuivas.
Gravatas e mantas para bomem.
Alfinetes para grvalas.
Riqui^imoi livriobos para notas, sendo
com capa de madriperola, marfim e cha-
grn.
Penas de ac da todas as qualidades, do
afamado fabricante Penis.
Froco e suda frousa pora bordar.
Bengallas e chicotes de todas as qualida-
des.
Dedaes de raarfim e metal.
Espelhos douradoa grandes^ e pequeo
ditos de columna.
Dito especiaes para as senhoras fazerem
os pentiados.
Pulseiras tanto para senbora como para
meninas.
Riquissimas fitas lavradas e lizas.
Diademas do ultimo gosto.
Ligas de seda.
. la
luitaattenca)!
n A H fflfcattenc3o
Graade li^idicao Mazend.s e roupas le-
tas nacionaes, na ra da Imperatriz n. 72,
loja de Guimaraes 4 IrmSo.
(onfite revolvidos a liquidar por meoo M por
ceiW, do que emlooira qualquer parle yeiam
;Chales de renda.
"Vfcffite-se chales de renda por 84000 faunda
qo^tf'SB'fenw porfi* e 14*080, ditos de seda
por 144 i5,W00 reaomdas pretas a 74500 e 8
isto s na roa da Imperatriz n. 71 "
Grande peoiiincha.
Caratraias de cores maiio Bas a 240 rs. o eova-
do, erU Oiefllorw i TO e 320 rs., ditas oreandis
de rqUlsslftOi de8ehs' 30, 400 e 440 r. o co-
vado : so aa ra da Imperairiz o. 72.
Bretanha de rolo.
Vende-fe bretanha de rolo com 10 raras a 31200
a peca, dita de lioho Sao a 8 e 82500.
Grande pechincha.
Veode-se pecas de algodao finas a 4, 44500 o
car de vacca a 50500 e 6fi: s oa ra da Impe-
ratriz o. 72.
Quem dvi*i< venh> ver, cortes de
eamferaia a 3#54K
Graaito sociiraeaxo de corle* de taaibraia bran-
il8C0re8 3*500 e 44, diws bordados a seda a
45300 e 54, corles da l* a 34, 43Jk 44, 44500
e 54, dttos easr-ocfcitaa 34'e34500': $6 ua ra da
Imperairlt d. 7-
Lazinhas a 2< ra. r>cdWdo.
Veode-ae um -rende joiameato de laziuhas
Idm a 240. 2B0,300, 32fl, 360 a 440.pg. o covado,
estao se acabando.
E'baratissimo, chales a 2^000.
Chales de mermo estampadas a 2a, 24500 e 3.
dHm6mMs44,5450e64: s6 mtii* tape-
Ma B>. 7i. F
Cortea de brin a 1280.
Grande sorlimesla da cortas de brim a 14280
14400,14600 14800 e 24,dilos de casemira a 2*1
?4500, 34 e 34S10;
Obitaa 190'rs. o corado.
Grande sortimeuia ie ohuas a 180, 200 e 240 rs..
da Iraacezas a !40, 280, 30, 320 360 rs., di-
tas prcales a 400. 440 e 500 a.: s aa roa da
Imperatriz b. 7?:
Lencos a 20 a wn.
ditos moiio finos a 64. 74 a 144 a duiia : s aa
ra da imperatriz p. 77.
A 5,5000 a peca.
Grande sortlninlo dewadapolSo da54. 54500 e
6*. ditos melrtofe3 marcas a 74; 8> 84500. 84,
104, 114 e 124.
Balos a 34000.
Vende se um graode. sorUmeoto de baldes de ar-
co a 33. .-54500, 44 e 44580, dUos de musselina a
84 e 54500, ditos-para meninas a 34 34500: s
aa roa da knperatm n. 72.
Grvalas a 500 rs.
Vene>-s. um graode o?timento de ravatas a
300, 640. 8e e 14,maots *>s a 1430<>e 14600 :
s na leja de Guimaies ( Irma>, roa da Impera-
triz b. 72.
No ai-mazem de azendas
baratas de Santos Coelho
Raa da ucinaado m. 1.
Veada-sa o seuiDle :
Leoces de panno de liub pelo banjtissioro pre-
5ode2520ee?4600. v
Lencoes d* bramaste de Itabo- de um so panno
a 4200.
libertas de,'.ita aluda a.2440Oe 24800.
Lencos de oambraia proprio para alt.beira du-
na 14800, 24, 24260, 24600 e 44.
Bai8es de arcos para mamas a lj>500, 24
e 3400O.
de largura a
"l
i
AZiZZJSRZS
Tinta Inalteravel
Para escrever
de P. MAIBER i C*.
PElt.NAMBl
^^
Esta tinta recommenda-se pela sua com-
posicad fluidez como a melhor e a mais
segura de todas as tintas at noj e conheci-
das. Na6 ataca as peonas de ac, d at
tres excellentes copias, mesmo muitos dias
depoia de escrever, e preerivel a qual-
quer outras tintas particularmente para
livros de commercio, documentos etc de
que se caroca longa conservaca.
Vende-se navraria franceza na do Crespo e ra Nova n. 18 de
RNDE AEMZEM
LOUCA, VIDROS, CRYSTAES E PORCELANAS.
DE
Ferreira Monteiro & Qaiiitaries.
if a roa larga do Rosarla a. 39, Jaoo a iUcador Bartholoiaeu.
Os propietarios dosis novo e graode armawm da l-joea participara aa reapeitave! publico que
era seu arraaaen taetn nm complato soriimento da looca a ?idros como seja ricos apparetbos para
janur e para aliaoco, broncos, doarados e com Bletes de core?, garrafas, ropos, clice*,. compoteras,
pirta lieores, gattwteiros, guarnlcdes para lavatorios, ricos vasos para flores, caoleiros a gai.
Un ernii a mnttos oatros artigo qae lado proraettom vealer pelo miis dimiamo preso possivel a, dj-
erJi.a* po serem prn"*'otantes.
peteotes para assaotnr as mesraas <\ easinar a maoeira de trabalhar com ellas, e j pre-
paradas para arreiaediar (pwljuer desarranjo; faoiliil t contrar comprando-as aos siiiiples iie.ifociantes, os quaes por falta de conheciment na ma-
teria nem se qu^r podi n giranti-los 'le que as macbins que vendem sejam proprias ou
suficientes para o trabilb.i era que sequein erapre^i-las, e no caso de desistre n5o
podem preitar-hes soccorro algum; sealo qae aiaia quando venham s fabricas para
concertar as michinis alheias, torni-se-hi preciso, faze.- repenlinamente moldes novos,
etc. para as peas estragilis. J numerosis vezes eUes vendo-iores tem representado
seas vapores com) sen Jo de f >rca mui superior sua actual e verda leira forca; equi-
voco este quanlos encana ao co;npr-nl)r acerca do trabtlho que possa tirar do vap'r,
mas tambera da luir aa pagamenti de ua preco excessivo, vista da forca real da ma-
china que compram.
Tambem ha sempre prompto Rodas d'.igua de ferro Sarilhos com cruzlas para as
mesmas Moendas de canna de todo o. tamanho, Rodas de espora e angulares, Paroes ou
coches para receber o caldo, Crivos e portas de fornalha, Taixas de ferro batido, fundido e
de cobre, Formas de ferro galvanisadis para purgar assucar. Bombas simples e de repu-r
cho, Alambiques de ferro. Eixos e rodas de carro, Arados, grades, enchadas a cavallo
Coritas e tubos de ac.
Suspensorios de seda e de algodao.
Grande e completo sortimento de perfu-
maras Gnas dos fabricamos mais afamados,
assim como muitos outros objectos que se-
ria enfadonbo mencionar.
S no-Gallo Vigilante ra do Crespo n. 7.
Verdadeiros
Collares Royer
Electro Magntico
Ou Collares Anodinos, para facilitar a den-
ticao das enancas e contra as convulses
das mesmas, a estes collares nos cscuzado
fazer qualquer recommendacao, visto a
grande aceitaco que tem tido, o qae pode-
mos provar assim cono, aSaocar o effeito
e outros instrumento* de agricultura, M.inhos eforms para fazer farinha e finalmente Tue e"es produzem, porque ha muito qua
tniln A AKiapIn i\a mcKir\icm \ ilu ma ua catlumi nnnn.cnn n< rpp.^hnnin^ A i'hl irui.'linn 3 rapaKap n.\r
todo o objeclo de mecbanismo de que se costuma precisar.
Na fabrica se fazem obras novas oncommenia e concertos, com a raaior p este-
za e solidez. O grande deposito de pecas e objectos habilitam-na muito para este fim.
0 proprietirip.ser sempre mui feliz de polar dar.iaformaces oq osclarecimento
aos senhpreajque s sarvjrem de seu presumo.
D. W. Bowman, eogenheiro.
C4MIS4S mmim e mitm
A1 loja de fazendas de Augusto Porta & C.
l^-Rua do Queimadoli
A' loja di faieoda* de Augusto Porto i C ebegoaam grande sortimento de camisas
ioglezas para, hornero, muito superiores com coiarinhos e sem colannbos, continuando esta
casa a ter sempre completo soriimento de camisas de lioho e de madapolo ioglezas e
franceza* para horneas e meninos; seroalas de linho e Saos colarinbos de muitos gostos.
Camisas fraocezas para senhoras a 5, 55300 e 6.
Sobretudos de panno da duas faces f*zeuda superior.
Vestidos de blonde ora mant e capella para nbjvas.
CprtiBadusde cambraia bordados para camas ajnelas de 12$ a' 80$.
Colxas de seda e de la e seda para camas de noivos.
Grosdeaaple de diversas e liadas cores a pretos.
Moir branco, lavas, mantas e cape-las para noiras.
Liados cortes de cambraia branca ricamente bordados.
Boaets, forros a chapeos de palha' de Haba para senhoras.
Lindos cortes de foulard de seda fazeada de muito gosto.
Cambraiai, liiziohas e percales dos gostos mais modernos.
Tapetes para sof, piano e cama e tapetes em pegas.
Alcatifa barata a 480 rs. o covado, que com pequea despeza se alcatifa ama sala.
Boas pannos pretos e atoas a graode sortimento de casemiras pretas e de cores.
Sortimento de esparlilhos, bales, meias Boas para senhpras e bomens.
Superior Bombazioa, alpaca, caoto, prioce/as e merinos pretos.
Panos vendados para cadeiras a panos finos para mesas.
Malas e saceps de conro para viagero e sortimento de
Esteiras da India para tbr ar salas
HBa do tuetmadtt11
ovoegrando deposito de superior arvao de Oardiffna
Bahia.
Arrtonio (Jomes dos Saatos & C., ra da Santa Barbara n. 1, esto habilrlados a sapprir de
oarvao, m condiefles mais favoravais que em outro qualquer deposito, a todos os navios, a vapor 9Q*
Cttrem uawiie DOtts. h "9tr8l3r wvfy com Domingos Alves M?therjs.,
os recebemos e continuamos a receber por
todos os paquetes da Europa; e enconra-
r5o sempre na loja do Gallo Vigilante, ra
do Crespo n. 7.___________________
Tasso lrmos
Vendem do sea armazem roa d*
imorim n. 35,
Licor fino Curasao em botijas a meias botijas.
Licores finos sortidos em garrafas com rolhas dt
'dro e em lindos frascos.
VinhosUheres.
Santeraes,.
Chambertin,
Hermitaga.
Borgonhe.
Champagne.
Muscatel.
Reino.
Bordeani.
Cognac.
Od Too.
PAezei lasninl.
Algudo enfeslado com 7 palmos
15100 a vara.
Amainado de algodao vara 2j.
Pecas de cambraia branca de salpicos com 8 a
raeia varasa4jt500.
Bramante ds linho fino com 10 palmos de largn-
a 3oOO a vara.
PanBo de linho com 9 i|2 palmas, de largtra a
23100 a vara.
Bramante de linho de duas larguras a 1280 a
vara.
Bramante de linho de om* largura a 800 a vara
Toalhas de linho acolchoadas para roaos, a 12
a duna.
fifis felpudas a 135 a dc7ia.
Guardanapos de linho a 3J500 a duzia.
Pecas de carabraia para forro a im e 2*800.
Pegas de cambraia adamascada com 20 varas
preoria para cortinado a 13*.
Tarlataaa de cores a 800 r. a vara.
Fu liso fina a 760 a vara.
Dito de salpicos a \ a vara.
Flanpla de cores 880 rt. o covado.
BNia^s de aros para senhora a 2500, 3$
35300.
Ditos da arcos encarnados a 35500 e 45.
Esleir da ludia e 4 e 5 palmos de largura
propria para forro de sala por menos preco do
qae em outra, qualquer parte.
Cambraia finas de cores miadas 580 rs. a vara
Neste armazem tambem se encentra nm granda
sortimento de roo? feita e uor medida.
PHOSPHATOde ferro
[de leras doftor em sciencias..
NSPECTORD ACADEMIA DEPARIZ Etc.
Ifflo exista medicamento ferruginoso to notavel
come o Pkaspkuto de ferro de Leras; as sammi-
dades medicacs d mundo inteiro adoptaram-no
com sollicitude sem igual nos annaes da sciencia.
As cores fallidas, dores de estomago, digeslSet
penosas, anemia, convaleseencias diffieeis, idade
eritica as senhoras, irregularidade no mens-
Irmpio, pobreta do tanque, lymphatisme, si
curados rpidamente ou modificado por esta
excellente composto. E' o conservador por excal-
lencia da saude, e declarado superior nos hospi-
Uee e pelas academias a todos os ferruginosos
coaliccidos, a iodereto a ao eitrato de ferro,
porque o nico que convert aos estomagas de-
licados, qne nao provoca constipacio, o nico
tambem que nlo ennegrece a bocea e os daates.
A venda as pbarmacias de P. Maurer d
G. e A. Caors, em Pernambuco.
Panno de algodao da Babia, proprio para
saceos de assucar e roupa de escravos; tem para
vender Antonio Luiz de Oliveira Azevedo & C, no
sea escriptorio ra da Cruz n. 1.
Vapires.
Vende-se em casa de Saanders Brothers t C,
o largo do Corpo Santn. II, vapores patentan
cos todos os periencea proprios para fazer mover
tres ou qualro machinas para descansar algodao,
POTASSA LU. lUSMA
Vende-se potassa da Russia muito superior a de
qua!idade a mais apropriada para o fabrico de
assucar a prec/t rasoavel, do armazem de Jos da
Silva Loyo A C.
Chapeos do Chyli
Vendera-se chapeas do Chili palo barato Wec
de. 15600, 95, 25500.35.45 e 55 : na pract
lodependencia tojas as. 4 8,31 34.
"----:----"' Velw.--------~
Gomes da Mallos Irmftos, na roa larga do Roga-
rlo n. 24, vendem velas e cera d cvpanba ~- .
ma de mandioca. -.Tisw Francisco Jos Germann
(RA NOVA N. 21,
acaba de receber um lindo e magnifico sor-
tkaento de oculos, lunetos, binoenlos, do ul-
timo e mais apurado gosto da Europa e oca-
Ios de alcance para observacSes e,'paraIos
martimos. ,
Agua Mineral de Vichy.
PaMilhas de mms nataraes de Vichy.
Oleo de ligado de bacalbao dpseropestado. )
Oleo de dito dito farraginoso.
Rob Laffeetur.
Xarope de cadeina de ftertb,
Viobo de Beilinl.
Xarope de Gibert.
Laite nrtpiilHice calr as ^VitS So roato
Coneitos de ergottaa.
Contatos da ipeem**a.
Cigarros antyastamsi^ 0 e j
O doBtalgico d honrado,.
DepMi o, rirDaci de Pihtb, rna larga do Ro-
sario 'l0/
__Vende-se um sitio em Bem-nca e a margara
fl Cplb'ribe : a trafar cni os Srs. .Camino
Basto?, ra do OteH**) flf. fejli
(,



> -*
m
D ENCICLOPDICA
RA DA 1MPBRAWOZ AwJpBM DA
*M LARGA N. 8tf
mato a padaria franecza
Paredes Forto.
Neste -UbeteciBienU) eacontrari o res*
peitavel publico um variado sortimento de
fazendas fraocoaas, iglezis, suissas e allo-
maos, que se neodera" por proco commodo.
Grande .irruazrw de fazenda e
roapa feita, raa da Impera!ri,
a, armazem da porta larga
Neste estabelecimento encontrara* o respeita-
vel publico ora completo sortlmeoto de roupas de
todas as qoalitfades e preco oommoo. como se-
jam : paleteude alpaca, de merino, de bumbazi
na, panno, casamira, preto e de cores, caigas de
todas as qualidades, colletes de diversas quallda-
des e presos commodos, chapeos pretos franceses,
fazenda de 10 a 65, tos de sol de alpaca e teda,
sobretudo de paaao proprios para viageat a il,
meias croas de boas qualidades e precos commo-
do*, e outras moitas fazendas e roupas feltas, que
se vendem ruano barato : no armazem da porta
larga n. S.
600 rs.
Admirare! pechincha.
Camisinhas de eambralas a 600 rs.para acabar :
a roa da rroperatriz n. 52-, aromea) da porta lar-
ga junio a padaria (ranceza.
(jasemira
Vende-se casemira de cor a 45 o corte : na ra
da Imperatriz n. 52, jauto a padaria franceza.
Bal5es
Vende-se baldes (crinolinas) de todos os tama
nhos a 41 e 25500 : a roa da Iroperalrlt n. S-
unto a padaria franceza.
500
ntrentelos.
Veodem-se pecas de eairemeios con) 12 varas
15300 : a ra da Imperatriz n. 52, porta larga.
Chiles de renda a 4$
Vendem-se chales de renda pretos, fazenda de
boa qualidade, a 45 por ter porcao : armazem da
porta larga n. 51
Retendas e boornm.
Receben ullrmameoif um sortimento de retondas
e boornus de seda e de algodo por barato preco,
soutembarques de grosdeoaple, capas e manteletes
por precos commodos : armizem da porta larga
n. 52, roa da Imperatriz.
Cambraias Usas tiaas.
Grande sertiuwnto de cambraias lisas, qoe se
vendem a 35. 35500 e 45, dita mu i lo fina Victo-
ria a 55 e 55500, cortes de tarlauna de bonitos
gostos a 35300 e 45 : ra da imperatriz n. 52,
jomo a padaria Iranceza, armazem da porta larga.
Tiras e entrenis bordadas
Grande fiortimeoto de tiras e ntremelos borda-
dos, pelo prego de 500 rs. a peca : ra da Impe-
ratriz n. 52, junto a padaria franceza.
Corles de gurguro de seda
preta.
Vendem-se cofres de gorgnrao de seda preta
para vestido cora 20 covado?, por barato preco :
na ra da Imperatriz b. 52, jante a padaria fran-
ceza.
600 rs
Cor es de calca.
Vendem-se corles de calcas para ser vico a 600
rs.: na ra da Imperatriz n. 52, junto a padaria
franceza.
Lias de vestido.
Chefon a loja de Parede< Porto om sortimento
de laas para vestido a 240 o couado : m roa da
Imperatriz n. 62, junto a padaria franceza.
Ckambrts
Chegoo umsoriimeoto oe chambres para ho-
rnero a 45 e 55 : oa ra da Imperatriz n. 52, loja
de Paredes Porto.
Vestidos bordados.
Chegou a ra da Imperatriz n. 52, ricos cortes
de carobraia, bordados a croch, fazenda de 205
por 125 : na lej.: de Paredes Porto.
25#000
Gratarte pechincha
Selecia cem 26 v .ras a peca, largura de 5 pal-
mos, a 255 : na roa da Imperatriz n. 52, Paredes
Porto..
VENDE-SE
! armaren >.. moa e Silva & euro, ra do vicario
n. ii, constan temerte, ** seguales artigas, q*c
peeehcni por oaeommenda propria de
Machinas americanas para descarofat^algodUo.
Arados idem.
Gaz era latas de cinco galoes do mais purificado qne vem oste mercado.
Relogios prftitOB reguladores com corda para orlo dias.
Oteo para machinas de- costuras.
Agulfras par* as mesmas.'
Breu em"barricas grandes, e peqnenas.
Satsa parrflha de Bristol por Lanman A Kemp.
Agua Florida. >
Anachaoila de Kemp.
Tnico Oriental.
Pilulas assucaradas.
Pastilhasfefrarfugas. i
Pilulas do dootor Brandreth.
Prompio a'ivio doRadwa;.
Rezolut vo renovador.
Pilulas reguladoras.
Farihba de milto.
Vende-se tambem:
Principe Real.
A DINHEIRO
NAI0JA1EARMA2M
DO _,
Cambraias brancas,
Con 8 palmas de Jargnrae
SO na loja do pavo.
Vende-se cambraias brancas transparentes tendo
a awmos de largura, oo duas largaras das regula-
Chale* de mida j4,s(]00,
..* dopado, roa IropeST, ^J
ltoa.da Imperatriz n. 60
De
GAMA SILVA.
ma & Silva. '....." *" "" m ""' Da BurPa como sejam lasietoas com o mete de-
D i i cados padrSes letrados com eda e seta ella, ten-
DlOeS OaraiOS I do toda esta fazenda um lustro que briiha igual-.
Vende O Pavao fueate como seda e vendem-se por pnco muilo''
Gtagoo um grande sortimento de b,l5es de .r j^riz S' S'de ST^ "" **
eos sendo amerirnos qne sao os melhorese vee-
RORDEAIX
1.a qnalidaie.
St. Estepbe.
St. Julien.
G. Mar^aux.
G. Ufitte.
Medoc.
PORTO
l'qaalidade,
Vinho fino do Porto em barris de 5/, 10/ e O/.
Superior vinho doRbeno.
Veraoulb de Fratellicora.
Bitter aromtico.
Panno d'algodSo da fabrica de Todos os SaBtos.
dem. > da Conceico.
Enxofre de 1.a qualdade.
Pedro V.
Mara Fia.
Princeza D. Isabel.
Victor Eaynanuel.
Duque.
Malvazu.
Tefldo os ppri6larios dest grande esfabeleci-
meuto resolvldo diminuir o grande deposito das
razana que lem na sua loja e armazem, promet-
iera vender mais barato do ^ue. *m outra qualuuer
parte, com o tim de iporarem diabeiro e cada vez
ms agradarem aos seus, numerosos fregnezes,
portanto Ibes offerecem nm grande sortimento de
lazenaas inglesas e fraocezas, as quaes vendem
ipor atacada a a reUlbo. Cwnproji-ueodo se a
mandar levar quajojier fazenda em casa dos fre-
guezes, que nao poderero vlr a loja, ou mandar
amostras deixamfo flear o penhor, asstm como
coBvidam as pessoas que negortiam em asennr
esralla qoe .neste eMabetocimwUo eocoatram ura
granas: sortimento, veadeBdo se-lhe apenas pelo
prego que compra em primeira mo as fazendas,
gaohando-se apenas o descorno, sendo a dinhero
a veta.
dem-se pelo baralissimo prco de 25500, 3 e
35500: na loja do Pavo na ra da Imperatriz n.
W,de Gama & Silva.
retanbas de rolo a 2800.
Vendem-se pegas de bjetauha de 1610 lend 10
Pechincha em cortes de chitar"
francesas
Vendem-se superiores corte de icbilaa franreus
sentfo esroras e claras rom as (6re> fizas itndo
vara&cada pega pelo baratisiroo preco fle"sjisi ": f*J LiV* 10 a ,2 cov^as fazendo-,!^ a ronla pe-
na loja e armazem do PavSu Da ra da lmper>.rr fe?,S^JL" m*8 ^^ de 28 e 0 "* covado.
Fia
V
iJt
'
9 RA jHO QVEI9IA1IO M.
Pechincka
8T
Finas cambraias de cores de modernos goslos a 500 rs.
Pegas de cambraia branca mulo fina a 55-
Grande sortimento de chitaa para todos os preeor.
Lengos braucos para menines doria 25-
C1 liberta de hila da India a MOOO. -
Algodao trangado largo para toalhas superior fazenda vara 153O0.
Oanibrala de llnho para lencos.
Fine Opnio d linho a iit 0. 5600 e 15800 a vara.
Grande peefainena.
Facesda muito encornada p^ra roopa de escravos e pelo taradsimo freg de 220 o covado.

2 S S ? a-3B=:S5gS
S ^- o.sc cro.g g.a
"Oq.5
_ sr
a>
ri w SSj-ScS
~3 ^.^
o. o."
v.
05 =--i"s o.
s S 3 3
t .* 9 i
o ai asea
B S
s
SS^W o 3 g"
B coas 2

BSff^sf B5 *
C
aB5.0 2,eaft
2
en
1
-a
3
m
o.
S
o.

s a S
S3i
"I-i i
C5
f-iB
n 2.
rtSM
* 5.
i"? i?
1*8;
O w ?
O. %j o
*3
a*
5
>
o

RIVAL m SEGUNDO.
Kua do Qaeiaiade o. 49
Est dleposto a ouotmaar a vender por prego
. onq a iodos admira queiram apreciar e vir ver para
crer.
Grozas de peonas de ago multo boas a 320 rs.
Bonel multo tinos para aseurnos a *5-
Peotes de alisar com costas de metal a OO r.
Capachos redondos e compridos a 500 rs.
Pnlceisas de coalas para senhoras a 300 rs.
Caixas de. papel amfzade a 660 rs.
Qnademos de paper mutw bom a 20 rs.
Peales de tartaruga a 25900 re.
Realejos para meninos a. 100 rs.
Escovas para limpar denles a 200 rs.
Ih s muito finos a 200 rs.
Cix'as de n de arroz muito superior a 800 rs.
(] ->ca<4!'lanoariiMpara tres metes a 40 rs.
uis.de obreiaa de massa a 40 rs.
Grozas de boloes de louga a 160 rs.
dore* fle cordao e fita a 60 rs.
Phcs de fita de oos com 10 varas a 320 rs.
Carlas de alfloet.es rfancees a 100 rs.
labras de alfinrtes franeezes qoalfdade a 25.
Noverlos de linha com 400 jardas a 60 rs.
Ditos ditos com 200 jardas a 30 rs.
Caixas corrr slfinetes 28'rs.
Pares de lavas brancas e de edres a 400 rs.
Grvalas de todas.-as qualidades a 300 re.
Pesmas de papel atmagn superior a 25400:
Calzas redoodas com estampas a *00rs.
Livros para ausento de roopa lavada aiOO rs.
Bunecos do choro mnilo howtos a 160 rs.
Frascos de saperia agua colonia a 400 rs.
i _n;' .,'
MACHINAS AMERICANAS
Verdadeiras do fabrieante X. Y. Canttong^n C.
Hoiobos americanos para moer miiho.
Na ra Nova n. 20 e 22, grande depeslto
das verdadeiras machines americanas de todos
os f hricanies; se enxxitra neste deposito
grande porcao de machinas, e se vendem por
menos preco do que em outra qualquer parte,
por se receber em direitnra da America; se
fornece todas as explicarles neressarias ao
comprador para conservaco das mesmas;
neste grande estabelecimento se encontra mui-
tos artigos americanos, qoe muilo deve agra-
dar a ts agricultores que usam de taes artigos,
encontra-se tambem todas as colleccpes de de-
senhos sobre os ojwaes se aceita qoaqoer urna
encommend8, que coro pcomptidSo ser oxecu-
tada; i.esie ran tra-se em grosso e a retalbo, grande porcSo
de ferragens, e miodezas que se vendem por preco commodo, pedindo-se a attencao
de todos para este estabelecimento que moito IncrarSo em faier suas compras: na
ra Nova n. 20 Carnei o Viatina.
MiVO DEPOSITO
PARA DESC4.R0CAR ALGODO
Manoel Bento de Oliveira Braga.
53Rna Olreita n.53
Neste estabelecimento se encontrarlo as verdadeiras machinas americanas ebega-
das ltimamente, as quaes sao feilas pelo mais afamado fabricante da America, por ie-
so aviso a todas as pe6soas que precisarem comprar, de 6e dirigir a este estabelecimento
que compraro das mais perfeitas neste genero, assim como mais barato do que em outra
qualquer parte, pora isso se recebe por conta propria
grande sortimento de ferragens e miorlezas. _____
a onde encontrar-se-ba tambem
As granadinas
Na loja do PavSo.
^he^ram Pel ultimo vapor da Franca as ais
hndas cambraias transparentes, granadinas, sendo
com os pairees de iistmbas e tres, conforme se
usam ultimameote as prioeiuaes cidades da Eua
ropa, e vendem-se pelo baralissimo pre^o de 640
rs.a vara na loja e armazem do Pavo, na ra d-
Imperairrr tr. 60,de Gama" & Sflt.
Oscttales do avo a 2ooo e 2Hoors.
^gwn aurtiim de merino estampados a 25
e 250OO cada uai.
Uitos de merm liso a 35500.
Wtos estampa los de crepon a 65, 75, e 85000
Ditos pelos bordados com fraBja de seda a 145'
Na loja e armazem do Pavo na ra da Impera--
trit n. 60 de Gama 4 Silva.
Para rato vende o"Pa>r3o.
Setim da China cor 6 (rmos-de larpnra, fazen-
da preta para loto, pr-epri para vestidos e ronpas
para fcomens, seudo esta nova fazenda sem lustro e
de muito boa quahdde, earantindo-se nao licar
rossa com o lempo e veode-se pelo barato preja de
25 e 25500 o covado, assim como neste. estabeleci-
mento tem um grande sonimeoto d todas as fa-
adas prptas como sejam -rassas e-chitas preras,
laas-J tapadas e transparentes, armesaas, afcms,
sarja?, ele. : a*-loja e aroMiern do Pavo na ra
da lo^eratrii n. 60^ de ama &, SUva.
Os espartilhes do PavSo.
Vendem-se urna grande e variado sortimento e
espartllhos dos mais l>em feitos que lem 'vindo ao
ereado, sendo de todos os taroanhos, vendende-se
por um preco muito razoavel : islo naloja do Pa-
vo Bs ra da Imperatriz. n. 60. de Gama & Silva.
Lencos brancon a **o res a
duzla.
Vendpm se enens brancos fazenda multo boa
pelo heratissiroo i>reco de a duzia. Ditos oom
Parra de er a 25000 rsln pra acabar na loja d-
Pavao oa ra da Imperatriz n. 60 de Gama A Sio
va.
Co6denapies prrtos do Pavo.
Vendem-se superiores grosdensples pretos pelos
baratissimos precos de 15500, 15600, 15809 e 35
?covado, sendo fazenda modo boa, s para aca-
bar : na loja e arnazamdo Pavo, ra da-Imne-i
ratriz n. 60, de Gama & Silva.
tramante de iinbo do Pavo. |
Vende-se superior bramante de linho com 10
palmos de largura, prnprtos para lenees, pelos
baratissimos precos de 5. e 25*00 a vara, assim
cemopaBoo de rtnho mono fino pelos baratissimos
pregn de 640,700 e 800 rs. a vara : na lojs e ar-
mazem do Pavo, ra da Imperatriz n. 60, de Ga-
ma .& Silva.
DE
FAZENDA E ROUPA FEITA
KUA WOT W. 4t
Reg & Moora, proprietario da loja de fazendas e roupa feita, sita ra Nova
a. 24, fazem sciente ao publico e particularmente aos seus amigos e freguezes, que
acabaa de receber de sua encommenda, um perfeito sortimento de fazendas finas; entre
ella8casemiras de cores proprsparacostumes; panno fino dos melhores fabricantee
proprios igualmente para casacas esobrecasacas e outras fazendas de variados gostosy
as quaes vendem eom vantagem sobre outro do mesmo genero de negocio, tanto pela
modicidade dos precos unan pela qualdade especia* dos artigos que expe a escolha de
todos aquelles que se dignaren requentar seu estaleieoimento.
' Osmesmos, continuando como seuipre, escudados e robustecidos na aceitacoe
conflanca que Ibes tem sido di pensada pelo respeitavel publico, no espaco de tempo em
que se acham estabelecidos, procuiam envidar todos os esforcos a sea aleante para cor-
responderem sufficientemente a expectativa deste e de seus numerosos freguezes e ami-
gos, por isso, admittiram para sua officina de alfatate, quatro contra-mestres, funecio-
nando regularmente sob a io mediata direccaodo muito hbil mestre Ludano Jos de
Barros, o qual, activo e diligente como 6e ser.nSo se poupa aos mais aturados cuidados
de sua arte quando tem de salisfazer com brevidade e presteza qualquer obra de encom,-
menda,
Ao contrario dos nuitos que enchem as columnas do jornal com a repetic5o ociosa
de annoncios em estylo setico, nao precisamos aqu a oatureza dos artigos que possui-
mos para nao enllocar a *newi4adc dos noss** tratos no perigo imminente que resulta
dessas antecipacoes sem fundamento.
DE
Roup feita e por medMa
Vendem-se bonitos corte de cambrai branca
oom barras de ores e todos brancos, pelo baralis-
simo preco de 45 : na loja e armazem do pavo,
ros da Imperatriz n. 60, de Gama & Silva.
Tapele8r
Vendem-se ricos tapetes para sala pelo baralissl
a;preco de 8J0O0 e tOJOOO1 na loja e armszem
do.pavo, ra da Imperatriz n. 69, de Gama &
,Silva.
eni amarilla.
a 1$ o cento.
Rui da Madre de Dos n. 5*0.
26 Rna Nova n. 26.
Jos Antones Guimaraes propr et?rio deste novo estabelecimento de roupas e
fazendas finas, participa ao respeitavel publico emgeral e a todos os seus freguezes,
e amigos, que erando su* casa sobre a direco dedous dos nieluores mestres de alfaiate,
seodoum dclles o Sr. F. E C. Miranda, e o oulro o Sr. Manoel. J. G. Carneiro, ambos
com grandes uabilitoces tendentes a sua arte, pelosquaes dirigida a sua officina, e
aefeando-se bem montada a desempeouar qualquer eocomrosnda por grande que seja,
se esforcar para sabir a contento denieus freguezes vendendo tudo por menos do que
iem outra qualquer parte. Roga as pessoas inieressadas que venbam examinar sen estabe-
lectaento, e verificar por si mesmo o que declara, assim como faz sciehte a todos em
geral, tanto desia praca como m ferias que mandem fazer nesta officina no sendo a contento de seus do ios, pede que
as queiramdevolver, alim de novaraente se fazer outras que os satisfacam ; assim co-
mo dgelaram que narj ter'ao 1 .jv.iuma respnnsabilidade. esperando empre servir bem
a todos e de todos espera merecer p oteccHo, sendo rtregoe qualquer encommenda no
-Na taferica Ai-"irae8a do Carioca o. 3, ven*
e w ojeo de riciQp e le e varias qualidades-' prazo de '|4 horas qn em menos tempo se fot de muita urgencia
a *#, na loja doPario
Vende-se perfor aseroira eofentada, proprta
para calca, paletuts e colletes. pelo baralissimo
preco.de 2WO0 cada covado, ou a k o corte de
calca, sendo far.enda o,oe sempre se venden a 35 o
covado, ou a 5& 0. orte ; esta grande pechincha
liqnida-se pelo preco ama, na k\ja e armazem dO
Havflo, roa da Imperatriz n. 60, de Gama & 'ilva.
Grande peehlacha em toalbas
para nao.
Vendem-se seperiores loalhas de linho proprias
para mao pelo baralissimo preco de 360 rs.. ditas
a 640 rs., ditas a milacao das felpudas a 800 rs.,
ditas fe pudas a 1# : echinoha na loja e arma-
tem do Pavo na ra da Imperatriz n. 60, de Ga-
ma & Silva.
ATLANTA
Grande novidade a 800 rs.
Allanta a 200 rs.
Atlanta a 200 rs.
Atlanta 206 rs.
Chegou para a loja do Pavo mais lindo sor-
Umento desta novafazenda, com o trtnlo de allanta
propria para vesiido e roupas para meninos, sen-
do esta modernissima fazenda de la com os mais
lindos gostos de quadrinnos e'listras tendo entre
ellas de cor roaa e preta, cora listras e qoadros
brancos proprias para loto, e vendem-se pelo ba-
ralissimo preco de 200 rs. o covado nicamente na
loja do Pavo ra da Imperatriz n. 60 de Gama 4
SJlva.
Cambraias de salpico a 2s00 e
3I-
Vendem-s^crtes de cambraia branca com sal-
meos a 8,5600, ditos com palmiGhas 3000, cortes
de cassas indianas 1- mo 8 varas e mcia cada cor-
te, tenao*ntre eUes mullos rxos, pelo baratsimo
preco de 2500, fiara acabar : na loja e armazem
do pavo, roa di Icrperatriz n. 00, de Gama 4
Silva.
Vestidos brancos bordados a 6flO0.
Vendem-se os mais ricos corles de tarlatana e
cambraia branca rom lindas barras bordadas, e
Irazendotodos os cortes enfeites suficientes para
corpo e mangas, pelo baralissimo oreco de 65000,
dito** com barras de cores, tanto de seda como da
meema cambraia a 65, 85 e J05, todos estes corle
sao chegados pe|j ultimo vapor, c vendem-se por
estes diminutos preeos na loja e armazem do pa-
vo, roa da Imperatriz n. 60, de Gama & Silva.
Vestidos a U.
Na loja de Gama & Silva, ra da Imperatriz n.
fiO, tem para vender cera amarcHIa enrpereo, sondo^
em barricas'e em cMipea.
Casemlras preias a 4# 60O.
Vendem-se cortes de casemira preta superior
qualdade pelo baralissimo preco do 4o00, gran-
de pechincha ; na Joja e armazem do Pavo na
roa da Imperatriz n. 60, de Gama & Silva.
Manopolio a 360.
Vendoi-se, pesas de madapolao sendo muilo fino, pelo baralissimo preco de 3500,
dito moito largo e enrorpado armazem do pavao, ra da Imperatriz n. 60, de
Gama & Sifva.
Cor|vinhos pretos.
Vendem-se bonitos corpiaios de grosdenple
relos, sendo ricamentente enfeitado, a 105 : na
loja e armazem 'do paveo, ra da imperatriz n.60,
de Gama Silva.
Para nolrai.
Vendem:ericos corres de seda 'branca lavrada,
vindo cada um ai-mudo npaeu pauso, com a com ',
ptente taima e capella : Da loa e armazem do
pavd, ra da Imperatriz n. (O, de Gama Silva.
n. ou, de G^ma 1 Silv. .
Grande pechincha
em chales a ifi ua loja do Pav3o.
Vende-se Hnissimos chales oe merino lisos com
franjas largas de letroz tendo as ores segmnles :
encarnado, azul claro, azul tscuro, verde, cor de
eanaa.isoiermo. maje na, tranco e rxo ele. esla
razenda veBde-se sttepae a 65 pela sua Loa quali
ade e agora liquida se pelo baralissimo preco de
4t por ler grande porcao : na loja e armazem do
ravaona-rtta da Imperaniz n. 60, de Gama &
Sjiva.
A H pechincha em chalts de renda na loja
do Pav2o.
Vende-se ctales de leuua preos tendo 4 ponas
e sendo muilo grandes pelo bariissimo preco de
45, ditos de renda de seda a 85 e JO : na loja do
Pavo na roa da Imperatriz- o. 0, de '
Silva.
Para mo
Lencos bordados
Vende o-Pavo.
fcsle estabelecimeniu acaba de receber.nm' va-
nado sortimento dos mais bonitos lencos de cam-
braia primorosamente bord'dns e proprios para
!0 fle V(,de pelo barotn-simo preco 1500O caca nm : a M e armazem do Pava o na
rna ti Imperairiz o. 60, de Gan.a & Sirva.
Ultimo gusto em lazinhas
Acba-se om grande sortimento das mas moder-
nas : a Mara Pa, Garibaldioas, matbisadas, lisas
e de qnadrinhos que se vepdem por baratissimos
precos e do-se as arrostra : na loja e armazem
do Pav&ona roa da Imperatriz n.60, de Gama &
SIIv.
Guarda lu 11 lia,
Vendem.sebonitos goarda tenha de teberynto
proprios para encofios < mr,s-precos de 2J> a 35000 rs, na loja dn Pavo na
ra da Imperatriz o. 60, de Gama & Silva.
os coilh.aiMs do Pavo,
Vetde-se om grande sortimento dos mais ricos
cortinados bordad'*, proprirs para#amas pjanellas
pelos barilissimos pr< eos de f>5,105.165. 505
255OOO rs. o par, assim como pecas da cambia a
bordadas e adamascadas proprias para o mesmo
flm por precos raioaveis,na \< ja-e armazem do Pa-
vo na roa ds Imperatriz n 60, de Gama i Silva.
0s cathins o Pavao.
_ Vendem se os mais bonitos carblns de malha de
la com bonitos gostos. pre-nos para sabidas de
iheairo e bailes etc. ele. na leja e armazem do Pa-
vo na rea da Imperatriz b. 60 de Gama & Silva.
OrfamlY a' 1$(I(tO na toja fmfl
Vendem-se os mh finos e mais modernos organ-
dyes de cores eom os mais delicado? deseBhos,sen-
do fazenda de 15600 rs a vara, e liqoidc-se aelo
baralissimo preco de ez tosioes avara por esla-
rem tomando um pequeo te que de mofo, istn na
loja O'armazem do Pavo na ra da Imperatriz n.
60, de Gama Manguitos a SCO e 640 re s,
VeDdem se manguitos e cateinhs? para meninas,
pelo baralissimo preco de 500 e 640 res, na loja e
armazem dn Pavo na ra da Imperatriz n. 60, de
Gama & Silva.
Lencos de sefa a 4$000
Vendem-se lencas dp sed1 grandes cem bonitos
desenios, pelo baralissimo preco' de 15000 cada
nm, maniinha.- para grvala a 15000, 800 reis, na
loja do Pavo na ra.da Imperatriz n. 60, de Ga-
ma & Silva
Sedas largas a 1600.
Seo pavo.
Vendem-se superiores sedas com 4 palmos de
largora, sendo dos padroes mafs bonitos qoe tem
preeo de 15600 o covado, cortes de ditas moito
bonitas com 18 covados a 355000 : na leja e ar-
mazem do pavo, ra da Imperatriz n. 60, de Gama
A Silva.
As eelehas do parar.
Veodem-se bonitas colchas de fuslo pelo bara-
lissimo preeo de 5000, ditas a iroitaco a 35000,
egrande sortimento de cobertores, tanto de la,
como de algodo : na loja e armazem do pavo,
ra da Imperatriz n. (JO, de Gama Silva.
Alpacas de cores para vestidos.
Chegaram as mais bonitas alpacas de cres pro-
prias para vestidos, sendo lisas e tendo de todas as
cores mais modernas qne tem vindo ao-mercado e
vendem se pelo barato preco de 640 rs. o covado,
dias lavradas com as mesmas eflres a 720 rs., di-
las de accento Lraoco com palmas de cores a 600
rs., roda* estas alpacas sao moito largas e vendem-
se por estes dimitiles wecos oa loja e armazem
do pavo, ra da Imperatriz n. 60, de Gama
Silva.
Cambraia da Fscossia.
Vendem se as mais finas cambraias da Escossia
todas transparentes tendo mais de vara de largura
com 9 viras cda peca, pelos baratissimos precos
de 65, 65500,75,85, 95 e 105, grande pechin-
cha : na toja e artnarero do pavo, rna da Impe-
ratriz n. 60, de Gama & Silva.
A 100 rs. para luto, rende o
Pavo.
Vendem-se Iazinha. preias proprias para loto
pelo baratsimo preco de 110 rs. o covado: na
loja e armazem do PavSo roa da Imperatriz o. 60,
de Gama & Silva.
lgoozinboa A a prca.
Vende-se pegas de algodaosinho, tendo 20 jar-
das cada peca, sem defeito algum, pelo baralissi-
mo preco de 25500 ou 160 r. a vara, grande
pecincha ; na hqa e armazem do Pavo a' ra n'a
Imperatriz o. 60 de Gama A .Silva.
.rancie peeblncha em ebapds
do Cbyll n H e 6.
Vendem-se superiores chapeo^ do Chyll proprios
para homens. sendo dos mais modernos que tem
vjndo ao mercada pelas baratissimos precos de
55 e 65 e alguos mais .baratr-s : na.toja e arma-
zem do Pavo a roa da Imperatriz n 60, de Gama
.V Silva.
para acabar: na loja e armazem de> pdvo a raa
da imperatriz n. 60, de Gama a Silva.
Baldes americanos a a.
Vendem-se os mais superiores laloes america-
nos tendo 30 e 35 arcos com as fitas bem largas e-
com mona roda tendo os arcos muilo rr.ais etnsis-
lencia que os Dglezes, sendo neste ariigo o meihor
qoe tem vindo ao meitado e vetrdefl.-.e peto bara-
tsimo preco de 55 : na loja e armazem do Pa,vo
na ra da Imperaniz n. CO, de Gama & Silva.
Grande Sortimento

DE
FAZENDAS BARATAS
Ra da Imperatriz n 56
t4a e armazem da Arara
Gama Loureirco Fertira Mentes Guimares.
Pechincha chitas 200 rs. o covado.
mSf *,.ch,f14" ffcurans f*TC 200 res o
7,m ',*'" *" fios a 240, 80, O 360
e 400 rls o covado. Ra da Imperairiz loja da
Arara n. 56.
Arara vende hrelanlia derolo a 3f0.
Vende-se pecas de tretanha de mM a 35000
4#UW e 55000. Roa da Imperatriz loja do Arara
D. OO.
Cassas fraDcezas finas a 240 o covado.
ie?'?e !K"I r8Drf"s Pa ** a 340,
Z8U, J2U e 400 res o covado, ditas de l.slas ae
cores munto Cuas a 150 e 800 ris o covado. liua
da Imperatriz loja do Arara n. 66.
Ar?ra vende coberlores a 16SCO.
Vende-se col,eilores de pello a 15500. roben
de chita a 25000.corsas ded*rraro a 4#ti00 dita,
de fustao a o5000. Kua da Imperairiz n. G.
Madapolao francez a 3500 a peca.
Vende-se pecas de madapoiau francez enfettadf,
de 12 -ardas a 35500 r- 45000, dilas de dito ffrh'i
qleln^'r.^01?'' S*800' 69C0- WOO. OJcOO,
7i?nAeA0,S0' d,,as 0e ooa.iiir.ho moito fino
a J5000 45OOO, 55000,65000,7000 e 85000. Roa
da Imperatriz o. 5fi.
Arara venda cortes de cambraias de papel
a m 00.
D ,/nr,ef e robraia empapeladas de 7
varas a 35O00, de 7-diUs a 25500. Roa da Ape-
ratriz loja do Arara n. 56.
Cortes de tarlalaua de cores a #000.
\ende-se cenes oe Urlalana decores para
vestidos a 55000 ditos de cambraia branco borda-
dos e de cores a 45OCO e 55000. na da Imperaln.
n. 06. r
Arara vende lsinlias a200 rs. o covado.
Vmde-se laasmha para vestidos a 200, 240, 320
\ n 't!^ CTi,n d:Ias mah0 ficas estampadas
a Jtiii, 400 e 500 ris o covado. Ra da imperetriz
n. ob.
Arara vende os balees a 2000.
i-Yf!""1 ?e 'aM6es de 20 25 e 30 arcos a 35000,
35500, r 45001, ditos muilo fines e modernos de
oor elegante a 35000. 35500. 4000 e 55000, ditos
P'Kr1,nADlD*5 a ?im e 3j>ff10'"' de morsolioa
a 55000 chitas largas com nm pequeo toque de
mo[* 240 ris o covado, ditas finas a 320, 360
e 400 ris o covado. Roa da Imperatriz loja da
Arara n. C6.
Escravos fgidos
Hontem 23.
Desappareceu o mol linho escravodenome Ray-
mundo, corto regular, j es bem feitos, eabellos ca-
cheados aparados, levotT cam'sa e calca, e chapeo
de palha usado, em orna das mos ten* urna cica
iriz em um dos dedos, proveniente de um talha de
roda que lirn parte da pona do dedo : quern der
noticia, ou levar a casa em qoe assiste seu senhor
decido.
A ttenco.
Recommenda se aos senrlores capiles de cam-
po e antorid des pcllclaes a prisao do escravo de
nome Adalberto, com os slgnaes segoinles : cabra,
hano, pernas um ponco arqueada, barba cortada,'
muilo prosisia.anda sempre eom a ceheca de lado:
prendendo-se levem no a ra do Imperador n. 17
qoe sera recompensado o apprebe n^or.
Aluda contina a estTfogido o"escravo"Jos
orioulo de 50 annos de idade, alto, barbado, cara
eomprida, fallas mansas, ps grandes e grotsos :
quem o ppgar leve-o a sua senho.ra na Soledade oa
em Reberibe sitio da Sapucala que sera' recomcen-
sado.- _______ r
Fogio heje o escravo Vctor, de idade 30 an-
uos, cr preta, estatura regular, gro-iso do corpo,
poura barba, supp6e.se ter ido para o matto :
quem o pegar leve o a roa do Padre Florlano casa
de Maximino da Silva Gusltoao, qne se recompen-
sara'.
ttengao.
Pechincha
Chitas rosas a 240 rs. o covado.
Vendante riui sendo fazenda muito eiwvor.pada e cores flxss pelo
baralissimo preco de 240 rs. o covado ou a 85500
r peca, isto por terem um leve toque de mofo po-
rm aOanca-se qne logo otto se Isvem o moto sola
e s-ii fazenda para muito mais dinhero se nao
fosse e-s dimiaulo defen : islo oa loja e arma-
zem do Pavo na ra da Imperatriz n. 60, de Ga-
ma & Silva.
Las garibaldinas a 5^0 rs,
s o Pavo.
Chegaram as mais honltas laas garibaldinas com
os quadriohos mais delicados.sendo roas, azues,
verdes e pardas e veadem-se,peloiaralissimo.pre-
C-o de 500 rs. o cpvado :.na loja e armazem do Pa-
"ivaoma roa da rrrrpertriz n 60. de Gama &- Silva.
ranadloe.
Chegaram as mai> bonims laas granadinos eom
os mais lidos padrdes de Ostras sendo um leci.o
Fogio no da 12 de agosto de 1866, do sio da
iravessa da PoDte de eba, o escravo preto de no-
me Fldolo, crioulo, idade reprsenla ter 30 a 32
annos, estatura e corpo regular, cara redonda, com
pouca baa debaixo do queijo, tem nm geito na
hoccaeiem umolbo por ter aoffrido do ar de vento,
ps e mos grossas, andar apiessado; levou vesti-
do calca de brim trancado de algodo e camisa de
madapolao, e deve ler em si camisa de lia de eflr
ro, poBtead,eHa fra : Pede-se as autoridades
policiaes, capites de campo ou quajquer pessoa, o
apprendam e tovem ao seu Sr. na roa das Cruzes
ni'32, que sero generosamente recompensados.
0(1,(100 de gralificaeo.
Fngo oo dia 6 do crreme o mulato por nome
Vrenle, de 18 annos de idade, com os slgnaes se-
gotetes : -cambeta, olbar espantado, belcos groe-
sos, a figura toia, um tasto idiota, natoral do Ara-
caly : consta quer ir para la : qupm o pegar e le-
var ao caminho novo ra das Nymphas n. 1, ser
recompensado com a quantia cima.
' Fqgioao dia 18 do correnie o negro da Cos-
ta de nome Jacob, qoe representa 45 annos, alto,
grosso do corpo, lem os pagrossos e ornas ma-
Ihas brancas no p esqoerdo, quaado anda man'
queija, foi vestido com roupa velha, anda com
urna bengala na mo, levou nm cachorro grande e
um cesto, ba noticias qne anda em BeberiLe onde
j fei Tiato : quem o pegar leve-o a ra das Trin-
rtwtras n. 26 ou na ra do Cotovello n. i, em ca-
sa do Dr. Nabor.
Ausentou-se um preto por nome Felippe, o
qual tem os slgnaes seguintes :esAatnra ordina-
ria, ceg de um olho, beicos bastante grs.os, ida-
de de mais de 40 annos, sabio na manha do dia
22 : recoiwnenda-se a's autoridades poliriaes, on
a qualqner pessoa que o encentrar, o mandem
agarrar e entrega-lo na ra do quartel de polica,
Q.i46, que sero generosamente recompensados.
Escravo fgido
Fogio do engenho Minas-Novas no dia 30.de
julho prximo passado p escravo Sabino, crioulo,
iUialroto qoe parece seda o mais moderno que eslo -
anoo tem rindo para vestidos' e vendem se por ldade 3* anno?, boa altara, ebeio do corpo, j pin-
preco multo barato : nn-cafneote b*W e arma-; Ia> c*t* Isrga. tfeotes' bero rollos elvos'tendo na
iem do Pavao na ra da hnperalrir n. 60, de Ga-; frente falta de nm duate, gingivas ei\.iaroadas.
ma & Silva lim lant0 Bago, toca viola, muito batucador, tem
-Matte baratos.
feridas e bom
mestre de assocar, sapateiro e carreiro, tamben
Vendem-se paMols de panno pelo boa fazend* cortado machado, julga se anoar aconlado pan
Lpeio baraiwsimo preco de 65, ditos sobrecasacos a ; o tugar chamado DemarccSo ou- estrea de S.
12, calcas de casemira da cor a 65 e 7#, grande j Jos termo d? Escada : roga se as autoridades pe -
sortimento de colletes por precos baratos a nm lleiaes e eapttes 4e oampo apprebenso do dita
tanoe seriimeotode wda as qualidades de roupa escravo epretesta-?e contra qualquer pessoa qo
laolo de/casemtca cumo de.Jwim e vepdem-se muU o occoltar para desfruclar seus srvicos e quem
t> em conta na toia e .-umazem do Pavao na ra pegare lva-to ao dito engento oo a "ra Dlreita
da Imperatriz n. 60, de Gama & Silva. u. 106.



/
t


I


Mari* i+ermnmhnf ftrgbatU felra 11 > Ag*ia *e 1860.
IITTERATORA.
Se aio vos tomis semelbantes a estas crian- tsu podis contar-vos or orto m nio tomis ola Narciso) : porm hojo, n'este secuto do
DI POICO DE TODO.
A Estrella do Norte publica os segointes esbce-
os sob denominado de
RETRATOS1NHOS DB BOAS RAPARIGAS.
Em que idade urna menina sera' mocaT-
Paulioa pretende qoe aos 12 annos logo donla
ua primeira communhio; porque ella com 13
val passaudo as entras na altara, e tem ares
cas, nio entrareis no reino do ce.
Recommendando assim feralmente a todos as
sublimes Tinadas evanglicaspureza, innocencia
humildade.
eipedieate de apanbar a' pressa o tosso chapeo e
Ir sabiodo.
Agora qae comprehendl a belleza com que Sa-
lomio compara a mulher falladelra a ura telhado
Nio qner com ato diter o Seohor, qae elle ama ,odo $Mrl0 e fara4j0) atrarez do qual nos cahe a
os defeltoi dos meninos, e sfm qoe sea intento cnim a potes sobre a cabeca, se dahl nio corremos
que elle crescam em virtude e scieucla a medida qaant0 antes.
que crescem no corpo. E que gssuroptos serio os de Camilla e anas ri
E
Paulina pretende que aos l annos logo o p g 0 qne DeDS re(jaer de T08j raparigas, gn,r.' ginn,g nes8e cbaTeiro de palarras T
da primera communhio; porque ella.coni M j dai ofamjl 1DnoBenc|| mas despi.os de sen3 de. ^ ^ ^^ (mnnritnM ^
feitos e crescei na bondade e doutrlna diaute de
gente grande. _. rm Deus, e diante dos homens.
Lwu. Ja' com 15 o, pella, nd a pequea.com R, ^ ^
tanto dn.pra.tr sea ..=>.. exhorb t.nte o^ a. z > q
Paulina, e toda se in imitando e com certa tare, ^ ^ ? ^ ^ ^ ^ ^^. ^ flg
tando ja' com. 16 annos de idade, mosira acedes de
bre o casamento, e chamamos a atteneao dos nos-
exclama : ,.
Com effeito I Que sera quando ella intelrar
os 151...
ltimamente urna linda menina de 5 annos, eon-
tando-me urna historia solemne, principiou assim
Quaudo en era pequea...
Que Tinba a diier':Agora que a' son gran-
de....
Oh 1 isto agora esta' de mais, diris tos ;
cinco annos I
E aos 13 com urna presenea e ar de matro-
na 1
E aos 15 sea ser grande, com anciosos de-
sejos de o ser T
Deixo em p aqoeslao; ella delicada, eos
doulores se ditidem era opini5es: uns querem que
so se atienda ao boni juno da menina, outros que
ao seo crescimento. O melbor delxarmos isso ao
prudente juio de suas discretas mais, que o caso
muito de .-ua competencia.
O meo ponto suppor orna moca |a' feita, de 15
a 60 annos, depois do que,Tida de Telhice.
E' especialmente a tos, senhoras de 15 a 20 an-
no*, qoe eu ouso dirigir, com Tssa permlssio e
devida licenga, o presente paternal opsculo. E
nio se enfadem commigo as Tossas ralis; porque
os conselhos qoe pretendo dar-ros. espero que se-
jam dignos de vos, nao faiendo talvez mais que re-
petir o que ellas com maternal cuidado vos tem di-
to muilas Texes.
I
A menina moga muito cedo.
Nao ignoris, senhoras minbas, aquelle prever
ble dos lavradores: A berTa ma' cresce depres"
sa.....
_ Ja' Tindes com quatro pedras I Como sois
prompto em jalgar inlecSes, e ian$ar tudo para o
.mal t
Nao senbora, en n5o tos peco qne crescais,
i nem eu disse que nm crescimento prematuro era
um crime : simplesmenie ja' dizendo-se nao me in-
terrompi-sseis. que orna menina faiendo-se mulher
muito cedo torna-se ridicula. Tenho en nao raiio?
Se a teuho, deixai-me expor e mea modo de peo.
sar, e um exenplo o fara' bem claro.
Canuta esteTe dois aunos em um collegio, e nem
por issso aprenden grande cousa.
Ella nnha boa memoria, e urna bella inlelligen-
cia; poim criada nos mimos do pal e da mii
nunca soobe o que tol correccio, nem nunca se Ibe
fez ver as vamagens de instruir-se.
Que accao poderiam ter sobre ella as mestras 1
tomo era de boa ndole, ia v.vendo assim com
as outras.
Mas ao ebegar aos 1 annos cresceu com tal ra'
pidez que admirou a lodos, e sua mi levo o gosto
de nao precisar mais inclinar se para a abracar.
No meio deste felii desenvolvimento pblsico, o
moral de Carlota nao cresceu seoio no amor pro.
pno, e na louca idolatra de si raesraa.
Pozer*iu-ua por consegoiote no rancho das gran-
des, o ese da fol para Carlota um dia de prazer e
de orgulbo : com as grandes aos 14 annos.
.Que avaneo rpido I
Nao caba em si de alegra.
Ora as grandes nesta casa nao erara as memo-
res ; e assim em toda parte onde a religiao nao
a bae da educacio.
Hallas nao se via mais, nem a caBdura e simple'
ia as pequeas, nem queriam mais os brinquedos
da infancia; j' Ibes era de peso e enjdo a Tida
escolstica; ja' o mundo Ibes sorna e conTinha;
ja' reinava em seos coracoes o desejo inquieto, o
.acebo insensato, as ideas vis, o amor do luxo e da
vaidadf.
Suas conversas nao eram senao-modas e dan
C casamentes e gracias -, e isto era o que se Ta
deixo em silencio as saas confidencias mais int.mas
6 podereis dizer-roe : E que faziam as mes-
ras t
_ 0rai | regente en directora se oceupava
os arranios de sua casa, negecios de dispensa e
cozinh, velar sobre criados, receber visitas dos
nais ou prenles das alumoas, contar a ellas pelo
niurto o progress. das meninas, espraiar-se nos
JooTores do sen systema de educacao, e depois
sabir tambera rom seu marido para vis.tar, espa-
recer distratair-se nm pouco das lidas do Collegio.
Mis nao traba ella suas subdelegadas, censo-
tas zeladoras, que Ibe supprlssera as (alus 7
L Todo isto era gente, qae eslava ganhando sen
inheiro que se oportavam ellas com edaca-
^Algumas haTia boas e cuidadosas, verdade ;
mas a raaior parte eram o contrario, Ta.dosas, fal-
ia4eiras e de maos costomes.
Qaaodo Criota se achoa oeste mundo boto, vio-
se no seu elemento.
F.cou de modo, que seus pais estranbaram bas-
tantemeote no prlraeiro dia qne ella foi passar com
eHes.
Nao era mais aqoella fllba amante e simples, que
6 quena estar Junto de .na mii, era nana moca
altiTa e rheia de si, toda fria com seu< pais, toda
rdante em veslir-se, passear, ver e ser Tista.
Seu pal, bomem resoluto e serio, sentio unto os
modos de Carlota, que raetteu-a de repente em am
carro, e foi com ella dahi a 50 leguas faz-la en-
trar por algura tempo em nm cooTento de i
positivismoisto d^fantkehmo, -apre-
ctam-se muitQ mais rjy'ecbos de ama gar-
ganta phyrica, e que por alguns segundos
ou minutos cocegam os ouvidos, do qoe
esses ootros echos de que tu fallas (que tem v
durado desde os tempOS do rei propheta, e. ti5a, nao sera' diflnitiTamente incorporada na le-
de Homero ou de Heslodo, at data d'esta, gisiacio brasileira.
e durarlo, a pesar das gazetas e do pala- Vemos no nosso parlamenta, quer na cmara tem
Oh I de molla importancia i os tregeltos e as ca vror0 parlamentar at ao flm dos seculos, Porari. ...-_k.. a. .,u/ mu .n. >mio* ^ i hw.i ', y. \ como o Exm. Sr. c*hs rla-
bos represeotanies para as sias e verdaderas dou-
inoas qoe elle centm.
Estamos convencidos de qae eisa tentativa da
Impiedade sera' anda infructuosa ; a le do casa-
mento civil, como institaicio geral ou mesmo par-
cial, segando o projecto do Exm. ministro da jus-
j
nma crianca de pouco aseniolo. s
Quem a v, est moga feita, bem crescida e bem
parecida ; no seu collegio ja' se acha com as gran"
des ; e urna menina da 8 anoos nao a vence em
leviaodades.
Digamos tuda : ella desleixada, preguicosa,
travessa, distrahida, descuidada, por conseguate
pouca instroccio adquire, em urna palavra, negli-
gente em tudo,
Olbar para Elisa, ver a desordem em pessoa ;
cabello desalinhado, vestido mal prorapto, mos e
mangas cheias de tintas, unhas desaparadas, calca-
do aleijado, descuido em tudo.
Ide ver a sua arca, os seus livros, os seas cader
nos, e tudo o mais do seu uso ; acharis roupa ma-
' chucada, livros sem capa, cadernos rotos, pennas
quebradas, tinta entornada.
No mel desta confusflo de coozas v-se aqni e
alli algura papel com grotescos desenhos brusca-
mente riscados; foi quando ella quiz retraUr as
meslras e algumas companheras, motaras estas
que bem mostram o desarranjo desta pobre ca-
beca.
Nao que ella nao goste de vestir e eafeiiar-se.
nenbuma mais do que ella ; traz a mii perseguida
por Testidos novos e roupas noTas ; porm, sera-
dos ama Tez, abl fleam de lado em despreso a aban-
dono.
Nao tem conta as reprehendes da directora e
das meslras; tem sido mesmo bumilbada publiea-
meifte entre as outras com castigos serios ; Oca
toda vermelba e amuada, faz que chora nm pouco,
dabi a 5 minutos dispara em riso e travesearas eom
as outras.
Eis a nossa Elisa, e, repito, tem 16 annos ; que
vergooha 1...
Crescei, senhoras, ficai grandes ; mas crescei
tambero no espirito e boja seaso. Nao soffrais nun-
ca que se diga de tos :
Cara bonita, pouco milo ; mnita pretencao,
nenhuma razio.
O tosso crescimento deve ser assignado pela dis-
cripc,o e pelo mrito.
111
rantonbas de fulana ( muito sua amiga ), as bal-
das de cicrana (sua costareira ), as preteo$5es de
beltrana (sua prima), em orna palavra o mundo
todo, tos, eu, padres, todo.
Camilla, Tinde ca", da'-nw um pouco de atten-
eao.
En tos Ti pequenina, e tos t Ja' crescida, te-
ntis tio bom coracao, lio boa ndole I agora Tejo,
que perdis tudo isto. Pois sabei, qoe fallar assim
e criticar de todos, tos ha de arruinar e perder, e
ba de attrahir sobre t6s os castigos de Deas, qoe
tanto amaldicoa e dotesta as ltnguas nnMizentes e
dalladoras.
Nio; seohor, en nao qoerb mal a nregnem ;
se alguma eouss fallo, por diTertir-me, ni por
mal.
DiTertlmento em cortar na ontras T
Ellas bem sabem qoe nao fallo serio....
O qae sen a diier qoe sois ama louca nie
assim T
Nao digo tanto.....
Aquelle casamento, desfeito e desmanchado
com grandes desgotos de ambas as familias, por
causa de Tossa lingo*, tambera seria drrertlmento
tosso ? Ditera que o uoto tos la de tomar disso
estrellas eontas; que baeis de responder-lbe ?
Ab f meo Deas.... qnasi nada falle!; seohor....
eu eslava brincando... Nao quero ver esse moco....
E qae aebaie que eu deva dizer-lhe f
Dr-me-beis que ellrtos agradoo': ahf bate
o tosso pool* Mas mudemos de assnmpto. V9
fallasies coro certa pessoa, esta disse a- potra, es-
routra disse a oatra, e asstm fbi parar isso aos
ouvidos de Tossa lia, qae dizem eboroa de raiva, e
jurou rasgar o sen testamento, e fizer entro.
Coas I ella me tioha deixado tudo.... ojo
traicao me flieram I allel smeme nm asda- com
ama amiga mtnba, qae me promettea- segrede.
Qoe indiscrlp?o de ereatura T'
__Aprenden eomvosco. Come teria ella dis-
crip5orse tos oie a Testes- V Como goardaria
ella am segredo, qae tos nic- gordaster Ca-
milla, se nio tos emendis seriamente em materia
lio grave, seris-perdida sem remedio, nesie man-
do e no outro. Adeos.
A prova clara e demonstrativa do meu
dito est na facilidade com que se do 8,
10,12 guineos (ou moedasde ouro) por um
camarote, para ouvir guinchar a Grisi ou
Jenny Lind alguns quartos de hora ; em
qoantoscom muitas caretas e espreme-
delas se desembolsariam outros tantos xe-
lins para subscrever tua tradueco de Ovi-
diooumeemoao original, se hoje tivesse
de imprimir-se pela primeira vez.
A m icaqueao porm da Inglaterra que
asm poesa prejudica, a multipleacSo
de gazetas e peridicos.
Esta lilteratura quolidiana e a vapor faz
muito mais mal do que ordinariamente se
como o Exm. Sr. cdn9elhero Zacaras e Burla-
maque sustentando os Terdadeiros inleresses reli-
giosos do pan, e defendendo ai verdaderas dou-
trlnas da igreja.
Nao podemos, por conseguale, descrer anda, e
temos toda a esperanca no futuro religioso do nos-
so paiz.
Peticao dirigida ao uada para, em turne dos in-
tereitet religiosos, reclamara reviso do titulo
do casamento no cdigo civil, a abolicao da
morte civil.
Sr*. senadores.A eoostituicio antorlsa os eida
daos a dirigir suas petieoes ao senado; assi n co-
mo tos incumbe de estatuir sobre tudo, que nio
lendo sido por ella previsto, necessario a' sua
marcha, (I)
Nos Timos usar do primeiro destes dtoeitot, e
pedir-Tos, que exercais o segundo.
A condlcao vital para a marcha de todo
para a marcha de todo o po-
uiui""-" i --------- der regular, a moralidade publica ; era se po-
pensa, nao s a instrucco profunda e solida, deria comprebender a eoostituicio de ara estado:
mas ao bom gOSto, poltdez do esty!o, que se nio apoiaese mais que tudo, em urna ferte
eorroccoda Imguigem ; por nao fallar ja- eoosiiiuMo da amilia.
da crueza dos assumptos e pegamentos, ati-: Ha am laco, qoe preexiste a todas as instilo*-
rados ao papel sem cosimento ou digestao, efes dos povos, e sobrevive as suw maiores visc*-
, r ,. luutm a uolo oeoiuaal, typo primeiro da socie^
formados n um da, para apparecerem n'ou- s
tro, e desapparecerem m terceiro.
IrSosei j(|uem me "disse, ou se ouvi, ou
li, ha mais de quareala anoos, a ancdota
de um poeta, que mofara de outro- por di-
zer este que n'om dia tinha composto ape
as mei i duzia de versos.
Gabava-se o primeiro, que no mesmo
tempo havia elle feito mais de um cento.
A isto o segundo respondeu, que como
contava terem os seas propvios de durar
A menina com fulmacas de fidtdga.
Um nome iliu>tre urna rica beranca, ese se lhe
ajuma a fortuna, o non plus ultra na grandeza
do mundo.
Todava a razio nos diz que os mritos pessoaes
excedem a todo. Mas quando a soberba e a cobije
faliam, e as outras paixoes applaudem, ser ouvi-
da a razao 1
Tambem a f nos eosina, que os grandes e os
ricos em lugar de beocao tiveram ameacos terri-
veis da parte de Nosso Seohor :
Ai de vos, ricos, que andis tartos de deli-
cias, e que fazeis de-te mundo o voeso paraizo e a
vosta consolacao, ai de vos t Bemareotarados es
pobresT..... bemaventarados os que ehoram I Para
estes esta guardado o reo.
E' que a riqueza, quando nao usada como
Deus manda, urna fu ule de soberba e de orgulbo,
de dureza de coracao, de preguic.a e negligencia, e
de todas as ms torpezas e sensualidades ; de-
ferios estes oppostos lodos ao espirito do cristia-
nismo.
Por nutro lado, quante nao bello e consolador
ver urna seohora rica e podgrosa descer de seus
palacios, e ir mesmo procurar onde mora a po-
breza, a doeuca, u desvallimento e a orhandade, e
abi derramar s raaos ebeias o balsamo do soc-
corro I
Oh I entao que a riqueza oblera o seu perdi
de Deas, e dos bornea I
Raparigas com quem fallo, sabei que nao sio
raros estes admiraveis exemplus, ou em vossas
familias, ou nao longe de vs : fazei por imta-
los.
Joanolnba nasoeu illustre : equipageas, hon-
ras, drabeiro, adulac5es, prazeres nao Ibe hio de
fallar.
Desde o collegio apregoava ella isto mesmo a
suas companoeiras, a uoem cosiumm olhar de
rVvez e por cima do bombro.
Ao ve la em seu pone magestoso e olbar severo
era toda nma rainba de tbeatro cortejada de alas e
damas.
Eu son, dlzia ella as outrai, Olba do duque
de tal, qoe foi bino do principe tal, sobrinho do ma.
recbal tal.....que descenda da casa tal, oriunda de
regio sangue. E por parte de miaba mii, sou neta
do conde tal, bisoeta do conde tal, que era fimo do
bario de tal, Urtaraneto dos maquez tal, o qual
marquez provinha por sua bisav da illustrlsslma
casa tal.....a qual casa contava entre os seus as-
cedenles nm, que assistlo ero pessoa no cerco de
Trola, onde casou com ama das cem oras da ral-
nba Hcnba.
U' aniiguidade I
Homens de bontem, prostrai-vas por trra e bei-
ai ocbo, que so elle mais amigo. .
Anda isto nao lado : Joanoinha herdeira de
palacios e casaras, de numerosas faxendas e tr-
ras, de criados e rendelros aos centos, de gado de
tode o genero aos milhares, de tanque chelos c
peixe, de bosques ebeios de caca.
Julgai que riqueza t
Ella est persuadida que nio ba nma seohora
naqoellas 50 legoas em redor qne a igaale.
Porm, nobre Joaooinha, concedei a nm hamll-
dade, fonte incontrbversa desse poder paternal
que forma primordial do poder.
A> verdadeira ciTiksacJio se medio sempre pela
saatidade do casamento ; as mqois eresceram ou
decabiram a' proporc^oqoe a digoioade desse la-
co sanio ou desceu.
Tudoquanto procede-da eoodicio des-esposos se
recente disso ; a educaeao eos nios, a fbrea e a
Tirlude das geraQ5es, o futuro inteiro-de ama
naci.
E' ueste oensamento de-preTidencta soeiaf, assim
homeoem a' insKintcao do
como para reoder homeaaem a
' casamente pelo proprio Creador, que todas-as re-
seculos, precisaverm trabalno e solidez maior i,gides tenMssumido o etreito supremo ie eoca-
que os o rival, destinados a vida de- bar- dear oro ao ontro dous estroos.
kQlg^ Todos- o botos, para servirmo-nos da I tegua-
_ .' ..li. ._ aem de Portajls o aotigor tem feilo interTir o eo
O eiemplo, tomado da Inglaterra du-sm- gDeemeaC(>,tra0f que K^ iaaoencia dewtr na
prorisar litteratura diaria de azer, oomo i sorle d09 MpoS09> (Disc MbT. oCo
aqui se faz,, de um jornal ao menos, parte' se estes-prmeipios si Terdadeiros, porrjne ba
OU Mmmitaote esseucial do almoso, gera de a le Iraooeza parecer renega4os ou desmenti-
do continuo cardumesy nuvens, do epneme- >s pr^o inTocwee* mierTeoco mm
Estes trechos sieae escrlptoe-o\> Sr. RibeirO'Sa-
raiva ao poeta portugoez A. F. de Caftilho.
O R0HANT1SM0 MBBSN0 INIMQO B* VBBD*-'
BA POESA.
DesejaTas te desse noticia de algum Goethe.
Sebiller, ou pelo meaos Klopslec*! oo Gesner, qe
bouvesse agora n*.AHemanha. ^^
Nao posso n'isso responder* bhi compemoie-
mente pela razao, de* tempo bastante nio le da-
do senao perfonctorka attencae a materias de lilte-
ratura potica; persa nio creio-teaba recentemen
te havido nesse genero anctor qne produza sansa-
oo; porque, de oolra sorle, algoeaa tal eo anal'
meaio delle, o de soas produccSes, honrera en-
contrado, creio en, eos papis pablieos.
S*-kll!er e Goethe sio anda lidos e ciUdoi;de
JCIopstock quastae se falla. ^Gesner nem se sabe
]a' que existi.
Que queres lo,? no estro-e genero da poesaiav
fluem muitissimo o gosto, os hbitos, o ttt do
bello sexo. Ora, boje, nio aebas orna dom#to.eo>
mil, a quem o mais bonito dos inlroitaveis idilios
do amavel poeta de Zorict nao embrulhasse o es-
tomago, ou produzisse effeito.Usutkmico, se as-obri-
gasses a ler tal insipidez..
Urna Pbili* qoe nunca usoa crtnoiiae; caie-oha-
pellnbo de paiba nanea pasoo pelos dedos- indus-
triosos de modista franeeza,. e para enfeite se-coa
lentou do lirio-dos-Talte*,.do jasmim, oa damadre-
siWa, ou s at da rosa.Tu,lgar (bontera botao no
vestido a' parede rustica da cabana)onde os.pri-
mores nucabrilharam4e namreta emprestada coro
qne o nosso Miguelist e aristocrtico flonista Ceas
chinear os olhos aos prinwiros mestres da-arte na
capital das modas-v a historia, de urna, Abite ou
Cblons assimcora sua Tida singela acampeslre,
seus modestos amores,farla abrir boceas, at s
orelbas, lanzarla nos bracos de Morpheo em cinco
miamos de leilara, e poria a ressonac emconcerio
geral,. o mais vasto salao ebeio de moderno mada-
misme.
/os insectos Iliterarios (como eu, por- exeia-
plo), e rimas de ephemora erudico,- desti-
nada a log i depois ir illustrar arralis te
bifstek de presunto, do-queijo, oa d bacai-
too, e arenques de fumo.
A pressa da gente a so ver no dka segua-
te, ou quando mais at ofim da semana, era
letra redonda*iorna-sew habito um vi-
cio.
Ora tu sabes, que a-poosia destinad a
durar algumacousa, e-fazer algum* echo*
precisa ser um pouco ramwada, e- na' per-
de por se guardar seu tempo era urna >a
era um des-actos mais solemoe da Tida, coede-
rando come completo o easameeto, a' que presi-
den) um simples fuoccionario municipal T
Aqu, seubores, cumpre-nes-dvelara-lo, no=dts-
simularaos-a difBcoldade. airas mais appareBteoae
real, que pode resultar de urna nota insrtay.ba
pouco, na parte nao offlcial'no tomtor.
Essa nota, se bem soobemos eomprehende-la,
Srs. senadores, nio tem oolra sigo&eacio qoe uro
simples asseroie de facto f. !imita-se a dizer, experiencia de- sessenta aoaes tem justificado a sa-
bedoria daJegietagao rigente;. se pois, usando de
tosso diretto, qae subsiste em toda asna exleosao,
de examioar mais attentamtele urna parte tao im-
prtante dastooesas leis, Tosdignardes proceder a
ama ioqulrico aprofuodada, ne nao queremos
dldo nome legal de bastardo, Inflingido, mi grado
lodos es Instincto do eoraco qoe protestam, aos
(rnctos de am generoso amor, fortificado peto sa-'
orificio T
E, Analmente, como qoallOcar as armas ottereci-
das pela proprla le ao irmio vido, qne se nao
envergonhari de as voltar contra a lortona e a
e honra de seu Irrao, de sea pai oa de sua mii I
Sao por reatara estes os resaltados, caja sabe-
doria tem a experiencia demonstrado 7 Km verda-
de, deixai-no-lo perguntar;quando, ha pouco,
fallavamos de um funeciooario municipal presidia-
do am contrato de venda e de doaco, tinbames
exagerado os termos? E as derradeiras consequen-
cas, que acabamos de apresentar a vossas medita-
c,5es, essas ropturas Tiolentas do casamento, lio
arbitrariamente dissolWdo, como formado, nio rea-
lisam aos olbos das popolaedes o materialismo le-
gal, levado ao seu mais extremo limite T
Sim, a etpealencia que tem fallado mais alto
qae todas as illnsdes ; nossas revolocfcs tem traxi-
do a lodos os espirilos seas rudes liedes, e ama no-
va le nao faria mais que corresponder neeessl-
dade melhor sentida de urna regeneraco de enla-
mes, deixando a Deus o que de Dees, assim co-
mo ao estado o que do seu deminie.
Assim o pedia, ha pouco, unw patarra angosta,
quando, tendo sido propostas aes estados sardos
nma de Po 1% julgou de ver levantar a voz, e protestar. A
admirare! carta do surarao pontfice foi roroada
em Turin de um successo inesperado, porm nio
repercuti meno* profundamente na nossa Franca.
Ella nos preceden junto de vos, e nao podemos
suppor, que nio leona ji achado accesso nos ros-
sos coracSes-, como as vossas iotelligenclas.
Em consecuencia, nos tos pedimos, sennores se-
nadores :i" que vos digneis rever o JW. do Ca-
samento no Ced. Civil, e restituir seo earaeter i
uniao conjugal v- abolir, pura e simpiesmenle a
morte civil, pelo menos qoanto a seos effeito sobre
a uniao conjugare a posigo legal dos fimos.
Processe o fuuecionarro municipal os prelimma-
resdo casamento,.preliminares, cuja simplificarse
seria mallo de desejar; registre a promessa das
partos ; mis em seguida coavide-as a lhe trateren
a prova.de urna celsbraco religiosa diante do mi-
nistro- de seo respectivo eolio, declarando Ibes,
que os ellenos civis do casamento dataro do- dia
de su eelebraQo religiosa.
Asstm (aris desaparecer de cdigo de nossas
leis a aucgau legal do aidesmo, revlaoelecereis a
familia na sua base. immuiaveV e divina, e torna-
reis a per em urna regiaa superior as vicissiiudes
da ordem paramente civil; e lodos jonlos teremos-
a cooscieaeia de baver cooperado para a renova-
;io da moralidade publte, por qae compre oae
esqueclo^ e estes serio as nossa derradeiras pa-
lavras,a lgislao Tigjote-nao tem se quer jns--
ticaco era ama appareaeia de soceesso ; ella ne
toin consegoido senio allxoxar o laf i civil, como
o religioso, e, loage de ter podido reunir os cida
daos sob um vinculo comrnum, v iodos-os dias-
uma muirdo delles forra? se da prescripcoes de
cdigo, como ella os tinba desobrigado das leis-di-
Tnas.
A progresso espontanea des filke aaturaes era
veta ; dando-me de semana em semana urna suppor qoe, Tista dos resoltados reconbecida-
*ista d'olhos>.deDastando-he aigumagros- mente funestos, tos nio rendis a' eTideneia.de
TT ... qae esUmoe-oeaelrados, e que tos nao decdale, de
sura, endirettando-lhe alguma tortuosidad* ^ecordocoa30 ^ \ meiw ^ nova ,e,
que se lhe nao vio bem. quando primeieo sim, e nossa eanvcco a mais raciocinada, o
sabio da bigorna. Mas aonde na< hoje pa-erro involuntario do legislador >a* tem prodozido
Chorra para-esperar o nove annos-de Ho-! tristes Iroetos; acautelai, senbore, que elle nao
as freira uae elle conbecia e estimara e lhe dis- de mortal dirigir-Tos nma pergonta .
se ao despedir *e '
Quando tomares jalzo, e reconbeceres o ten
bom sen tero ir a Ter, tua mil e en.
E parti immediatamente.
Carleta cou em lagrimas.
B nao fot bem feito t
Que se devia esperar de nma soberbiaba de 141
annjs, que se fazia de maior, sem obeaiencia a nin-1
gnem?
Depois de irinta meses na companhia desta boas
religiosas, Carlota cabio em si e riase de anas le-
Tanlades ; e moslrou-se tio ootr* no seu sisudo
ebnst) proceder, qoe seus pas, prente* e co-
ahecldos tlveram a grau consolacio de Ter nella
ama das mocM mais rirwou e feliz do sea
tempo.
II
A menina moca muito taris.
Por Teotura valeneis menos se hoavesseis
nascido sob humilde tocto, e se em logar de rosti-
dos lio ricos estiresseis em trajos pobres, mas ten-
do nm tbesonro de humilde no eoraco T
Abala-ros a perguoU ?
E* que anda nao nordestes a f e o bom senso.
Pois vede bem o qoe digo :
Se nio sois humilde, se nao pralicais a rlr-
lude, a Alba de vosso vaqueiro, qoe en coobeco e
urna saota menina, sera eollocada no cea mais
alta qae v-, no caso de para la' i/des : ros andis
no caminbu largo, e a porta do cu lio estrella,
que nio sel se podereis entrar nella com os rossos
baldes e as vossas carroagens.
IV
A moca falladeira.
Camilla neste ponto f*z proezas, esse o sen de"
feito mimoso ; fallar multo, e mal.
Qoando ella se reane eom daas visinbas que
'em, falladeiras como ella, ntngoem as entende ;
Um recortado novo na orla da saiarbranca ; nm
par de mangas absurdas, em forma de fanil com o
estrelto ora para es hombros, osa para os pulsos;
ampltosimo galrito em que da cintura a baixo to
encanados o corpo e as pero*,:- ou qoakjner oniro
gemelbaote insulto a" razio e ao bom senso que se
ventiasse, poriam em frenes de alvoroco, xtasi.
de atleocio, todo o bando femioioo.
A bella roz e accao elegante do recem-chegado
primeiro-tenor na Opera, e os defeitos da bonita
Prima-Dona; o romane tWo de D. Fulana qu dei-
xando o marido eos Albos, acaba de f azer visp >-
r com o major Stcrana, duas Tezes tio reino co-
mo ella, e que abandonou tambem a saa raalher o
cuidado de ama ataluda de pintos sem aia,sio
themas muito mais knleressantes ao goslo actoal da
reminil communidade ledora, que a pintura de eos-
turnes innocentes e patrlarcbaes, de soeoas de nm
inleresse ingenuo e placido.
Paladar habituado a licores e wlnhes fortes mat
tolera limonadas e agua com assacar.
Assim, as ideas e goslos rogantes do mando mu-
Ibenl, qae tanto inflaemtu bem o sabese a di-
reccao e animago do genio potico (por taso quioa
se imaginaran) raparigas as ora musas), fazem a
maior porcao do que hoje resta desse geoio tomar
o camiobo do romancee nio do romance de agua
com lene, como aphnis e Chloe, mas do tempera-
do com agurdente e rbom, como a maior parte
dos qne boje sabem.
A POESA E O JOHMALISMO.
raeio ?
Nada, nada ; plantar, carvalha para s lhe
gozarem a somhra os- nossos netos, gosto
rancoso ; acacias, acacias e sabugueiros,
que em tres-annos sao arvores tettas, o nao
baque estare.-peru.
As acacias e os sabugueiros nao tem,
verdade, aduracSo, a magestade; o-presti-
mo da carvalba.; mas veem-se florecer bre-
ve, goxaajhse logo,, e tanto basta. p*ra serem
preferiveis em seeulo de vapoE;
O exmplo da Gr-Bretanaa,. de produ-
zir, taltezn'um. dia, mas de certo n*uma se-
mana, mais raaieria impressi do que um ho-
rnera virendo cem annos poderia ler em
toda a sua rida: exemi-lo ; porfa imitado
por outras, najfoes, cimo grande pngresso
de ciwlisacft; prejudica muitisemo li-
teratura propriamente data, e sobre tudo
literatura voelica.
Tirando muito da possibilidade e vagaE
de ler, me-Htar, imitar^ e cuhivar est, faa
que se ibe v cada dia mais perdendat*
gosto, oo classificindD-a de intil ociosi-
dade.
Meninas q^sTre^ ~'a-- l. u Tes umterapo tal aHuvlio de
emaisteraJoquetrpossiTelnesUmeninicecan- palarras, que ros sera impone! acbar 0 mas
ida e para qae obtioba o agrados e a prelideccio pequeo lotervall. para d.zer ontra palarra, sena
do DivJoo Salvador qoando, recebendo e abracan- precie ser como ellas, augmentar o bar Jino das
do os meninos, e anehendo-os de benc&os, dizla aos rozes, e fazer de qaerlo faliador.
PASTORAS E OYELHAS
Em Suissa, na Lombardia, em Sici&a, e
em nosso Portugal diret tambem (pelme-
nos as provincias do Norte.) es pastores
e seu gado achSorse em reacSo mais intima
entre si do que jamis podem achar-se na
Inglaterra.
N'aquelles paiz o paitor est sempre, de
dia e de noite, junto do rebaaho, para o
guardar, para o defender dos kobos, e dos
ladres, como para o guiar s pastageos.
Sabes que em n ssa Beira os guardado-
res dormem no campo junto ao gado corral
movedico, movendo com este conveniente-
mente a choupana e a cama.
O mesmo deveu serna Juda, pois lemos
no Erangelh', que no campo junto a Be-
thlem se achavam os pastores de guarda ao
seu ado na abencoada noite em que o
Salvador do mu do nasceu ; e l foram os
Anjos levar-lhes a boa e alegre nova.
Esie consunta contacto do pastor com o
rebanho faz crear entre eHes mutuo cooheci-
memo e affeico. como repetidas vezes ob-
servei e poda exempliflear.
poesa A isU) evidentemente ailudio o Divino Pas-
__ d oastores, quando dtzia aos Pbari-
Poucas pessoas hoje querem gastar tem- J^""8 fa8W,TO' i
po, estuda, reflexSo, salvo em cousa que aconheco asminhasovelhas.e ellas me
d dinheiro ; e actualmente a poesa dro- conhecem aniim.
ga mi pouco lucrativa.
faca nasoeu outros ainda mais desgranados-; por-
que o qc. anlige os coragees hoaestos e religiosos
o que assiteta os espirilos previdenies, nao so-
mente o escndalo dos caiameetos puramente ci-
vis, ja* muito mais numerosos do que se quer con-
fessar -f>sobretudo, essa.opiaiao, que tenue age-
neralisaD-se,que urna, vez feito o casamento ci-
Tll, a ceremonia religiosa nao passa de ama mera
forraaiidade, a' quo se prestara por pora de-
cencia.
Tem-se querido apresentar este systema como a
chavo da abobada da Itberdade dos cultos ; qoando
pelo cootrrio, evideota ser a negacao a mais
absoluta de tal liberdade.
A tiDerdada dos cultos, devidaraenteeoeiprehen
dtda, s pedia orna, cousa,que se deiaasse aos ca-
sados a facoldade de seguir livremente os ritos de
saa religiao;,mas liberta los desse recurso a
Deus, usurpar o. di re to de dizer ao bomem e a'
mulher :Vos estis unidos, e confundir assira.
o poder espiritual e o temporal, nao ja" respei*
lar os culto=;. oosamos dize-lo, ataca-los mesmo
na sua essencia.e destruir pouco. a pouco nasal
mas a noci de orna sanecao divisa da fldelidade e
da assisteacia coejagaes.
Violenta-se a eonsciencia dos esposos, deixando
a um delles a tacuIdade de se subirhir ceremo-
nia religiosa, e j era rauilos casos tem-se visto
obrigados os tribuoaes a submelter a lei > exigen-
cia dos costuraos, dando por motivo da separacao.
de corpo,essa repulsa...
tod a Franca ; a propongo, sem eaeroplo taires
ero oenham nossa capital, oode as eslattscas tem verificado
mais de um terco de bastardos, sobre atgarismo da
pnpularao e>tes tristes resollido,.igualmente ve-
rificados-em Lyao, e parlieularmente nos subur-
bios, era-qoe J/, das unidos sio, o paramente ci-
vis oo coocubinarias ; esse neme eatranho, e toda-
va tao usado de eanran^de^dtea-ielo, e o nio
menos espcessTo de casamento do frica, qae
designa as-ir stes anides de ness colonia argelina;,
este todo de fados, que tanto se maottesta a Int do
da, tos claman, senbores senadores, ojoe a lei, es-
sa lei imorevidenie, tem favorecido e espirito de
revolta oootra os deveres seorae, e qoe tempo
alfim de abrir os olhos evidencia ; porque o que
se passa-aos nossos olhos, -j mais que a deca-
dencia, em. breve seria a desorgantsacio.
Temos a honra de ser, eto. (segoeaa 722 assigaa-
tarras.j.
Maneibav 30 de maio de 4863.
Do figurado cantar dos poetas pode ago-
ga dizer-se o que eu s veies ouvia ao nos
Sobre o casamento civil lose oa Estrella do
so poro, de indiriduo que musicalmente Norte
lera- Temos a satisfa^o de offerecer hoje aos nosses
leltores a peticao qoe Bzeram os Marselhezes em
55 de maio de 1853, ao senado francez, reclaman-
Dizes-me tu, que isto do cantar (potico) do em nome dos oterresses religiosos a revlsio do
cantara malSe comesses pelo cantar
va-te o dmo com fome.
Consent, que assignalemos ao mesmo tempo nm
contraste na realidade bem senslvel ; Bis-abi nma
legislacao, qoe toda taa intervir o nome de Deus
em circamsuncias manes graves e menos solem-
nes ; que em mil oceasiSes exige o juramento ;
qoe restabeleceu em freule da lei fundamental a
invoca cao da graea do Allissimo; que em flm oo
hesita em recon/iecer como principio o earaeter re
ligioso do dia Seabor. E esta legislacao continuara
a affastar da nniio dos esposos a iutervencio di-
vina I
Compre diz lo, senbores senadores, o legislador
reeooo dame da faial onnsequencia de um syste-
ma at eoiao nico no mnndo ; e reduzido a cons-
tituir indirectamente ara sacerdocio leigo, pretorio
calar o nome de Deas, antes qne completar a paro-
dia, criando para um funecirnario municipal for-
mas e patarras sacramentaes. Foi assim, qoe o ca-
samento, o mais sagrado e o mais indissoluvel de
todos os laces, nada mais cooservoa do sea carc-
ter primitivo e universal, e desceu ao nlrel de um
acto de renda, de troca on de doacio I...
' Pela abolicio do divorcio a nossa legislacao ha-
via dado um grande passo na idea do matrimonio
indissoluvel, o qual essenclalmente nm preceito
da lei divina ; e per isso tinba o estado implcita-
mente reconbecido a necessidade de nio fazer cho-
car a lei civil com a lei religiosa, choque fatal, em
que as coasas humanas cede oa tarde acabam por
qnebrar-se.
Entretanto a antoridade civil conserva, coa o
direiio de formar s ella a nniio conjugal, a facol-
dade ainda mais extranba de a dissolver, o qne fax
pela morte civil t
Haveis refiVud \ senbores, na condlcio Indist-
vel dessa. esposa fiel a seus deveres, mais derotada
sempre 'serviapara alguma cousa, guando^do cdigo niril a respe.to dos casamento*
mais nao fosse, para dar echos por stculos \ Os grandes reformadores, e os iunovadores que
... nntaviAnAo pretendam Importar nonos>o Imperio o casamento
e miliares de annos por essa posienuaae ^{ cmo |nsl|luico geri|) ou f()male con,o me- qo* nunca ao marido, a quera acaba de fenr o in
fora. ida parcial, procuram apoiar se no exeraplo da fortunio, e qae dereri repellir seos affagos, por-
Tens carros de razao referindo-te pouca ftrQ<, para caja iilusiracJo appellam sempre qoe qoe a lei, nao recoohecendo mais lago entre a ma-
...___ .- .n->n a fi/un In linrli t.iim itB riiiliun a do nrnorp.ssn. Ihr a n candemnado. a rehalla :i r!assn rthnnri.
genle como t e como eu, azen io ainda
caso d'esses echos que a posteridade tem
fallara de civilisacSo e de progresso.
Yerno os nossos leilores nesse Importante docn-
seos discpulos
Quando ellas ros chamaren! a'
parte em algoroa' de ouvir (e um d'elles hade ser o tea Echo meato de que modo peosa a Fruoca calhPllc w
Iher e o candemoado, a rebalxa classe deshonra*
da da concubinaT Haris bem pesado esse preien-
(t) rt. V d qopsiiioical
Estancarla foi dirigida pelo Sr. Dr. Antonio Fe-.
liciacode Castilbo ao Sr. r. A. itaogel Qe Turres
Bandtka.
Mwik caro poeta, mea fiel eonfrade, meu amigo
lealissimo e generossimo.itao peco a V. Ele.
desoulpa de faltas quo-a nao leera nem a admit-
iera. Coafesso-me reo,, nao posso defender-me,
invoco misericordia e perdi. Fica-lhe todo o
campo a generosidade-.-e eu sel por evidentes pro-
vas at onde ella chega-ao coracao de V. Exe.
I O que meu irmio Ju- me transcrewu d'uma
caria de V. Exc. a mea respeito aggrava ainda os
raeus remorsos de ter deixado passar. aanos sem
corresponder nem com nma letira. aos reiterados
favores de V. Exe. Outro qualquer, a eu mesmo,
no lugar de V. Exe. baveria prorompido as mais
Tiolentas, as mais justas invectivas.
Y. Exc, pelo contrario, contina a despender-
se em expressdes de nicamente- aaageado eom o>
meo silencio.
No amor dos poetas v-se isso frequentes vezes:
soffrem todo ao objecto amado e cootinuam^ ao
menos em verso, a alardear a sua perseveranea.
N'um desses casos dira o nosso Ovidio :
Multa diuque tult non pautada viro.
Na amisade, porm, o nobre exeraplo de Y. Exc.
talvez uuico. Posso-me eorergonbadamute glo-
riar de qae, se nao fora a minha culpa nio bri.
Ibana em V. Exc. esse aerecimento.
Agora qoe, depois desta conflssio tao leal, ma
supponao reintegrado na casa como o atoo prodi-
go, permiiia-rae V. Exc. perguotar-lbe qoe faz a
que tem feito no sen grangeio Iliterario ; com que
poesas oa com qne prosas tem accresceotado os
crditos nao j pequeos da sua Ierra.
Que fax o seo digno fi.ho 1 Coniinuon ne trato
das musas, qae tio dadivosas a oariam auspicia-
do? Se assim d lhe Y. Exc. a ene os meus pa-
rabens, e para si os aceite duplicados. A gloria
dos nossos Unes sempre para nos a primeira
das primelras.
Eu por mim ci vou sempre trabaleando, isto ,
cantando. Os passaros crelo que os nio fez Deas
para oatra cousa, ainda que a opiniao dos miiba-
fres nao seja bem precisamente essa. no juio
delles os passaros cantores nasceram para ser de-
pennades e comidos. Assim sera talvez;mas
emqaanto nos nao comem ramos nos cantando at
cabirmos do lamioho na agua exhaostos de forca
e rida, como aqoella avesinha de Bernardim Ri-
beiro.
E' nm fadario este, mea caro doutor, qae por
forca haremos de cumprir V. Exe., o, e oxal
que os nossos ttlbot tambem. Rogo-lhes esta pra-
ga, sabendo que o e nio me arrapando, por
que, se bel de dizer toda a verdade a Y. Exc., en
ja oio creio senao na poesia. Os poetas sao os
nicos entes naloraes qoe aioda se cooservam
neste mondo arflcial: ellos, a qoem todos cha.
mavam meotiroso, sio boje no meio da bumani-
dade os nicos qoe nio mentem, ou, quande me-
nos, os qoe mee turo mais innocentemente
Cuidado na inurpreticio disto. Eu s fallo dos
poetas qoe o sao, e nao dos que sahem a praoa
mascarados em poetas. -
Por hoje nada mais senlo repetir e corroborar
cem palavra de honra e juramento, se necessario
toase qoeabo, foi e bei de sempre ser de V. Exc.
amicissimo, admirador, eonfrade e seryo.
A. r. de tasttlho.
List, 30 de jonbo de 1866.
i

I
\t
PRNTIBCO^TYP. DE M-|R D F. 4 (UH06


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID ERVJAHQQE_VJOIMO INGEST_TIME 2013-09-05T00:01:39Z PACKAGE AA00011611_11053
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES