Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:11023


This item is only available as the following downloads:


Full Text
UOMM>

^HMaMMMMMi
/
^^***"->%.
^^m^mmm^9
m*
"

'i
AMO XUI. HOMERO 167
Por qiartel pag* deatrt dts 10 dias do i.9 mez ,'......
dem depois ios 1.' lo dios do comeco e dentro do qoortol .
Porte m eorreio por tres mezes..............
8|m
6SOOO
7
SBBBO 21 DE JEHO DE 1866
forano pago dentro de lo dias do 1, mez........ 19#oo
Porte ao eorreio por um ano ,....?......,.
DE PERNAMBUCO.
v
ENCARREGAD08 DA SUBSCRIPTO DO NORTE
Parahyba, o Sr. Antonio Alexndrioo de Lima;
Naul,'o Sr. Amonio Marques da Silva ; Aracatv, o
8r. A. de Lemos Braga; Cear, o Sr. J.'Jos de
Oliveira; Para, os Sri. Gemido Antonio Alvas &
Filhos; Amazonas, o Sr. Jeronymo da Cosa.
ENCARREGADOS DA SUBSCRIPCAO DO SL.
Alagoas.oSr.FranrinoTavares da Costa; Bbla.o
Sr. Jos Martins Alves; Rio de Janeiro, o Sr. Jos
Ribeiro Gasparlnbo.
PARTIDA DOS ESTAFETAS. ISerinhem, Rio Formoso.Tamandar, Una, Bar-
Olioda, Cabo, Eseada e estaeoes da Ta frrea pelros **** Pret* mentalras, as quinta
Agua Preta, iodos es dias. /airas.
Iguarass e Goytnna as segundas e sextas reirs. .
Samo Antao, Grvala. Bezerros, Bonito, CaruarJ AUDIENCIAS DOS TRIBUNAES DA CAPITAL-
Altinno, Garanhuns, Buiqne, S. Bento, Boml
Conselho. Aguas Bellas e Tacaratti, as tercas(Tribaoal do commercio : segundas e quinta.
Reiaco: tercas e sbados is 10 horas
feiras.
Pao d'Alho, Nazaretb, Limoeiro, Brejo, Pesaoeira
Ingazeira, Flores, Villa Bella, Cabrob, Boa Vis-
ta, Ouricury, Salgueiio e Ei, as qnartas
feiras.
Fazenda : quintas as 10 horas.
Julzo do commercio: segundas as 11 horas.
Dito de orpbos: tersas e Mitas s 10 horas.
DIAS DA SEMANA.
PriB**r *ara do civel: tercas sextas ao meiol
i,^.., ,, ,'m ,|16. Segunda. N. Seuboaa do Carteo.
fce*os*a vara do eivel: quarta e sabbades a i 17. Terga. S. Marinha v.,-S, Victoriano m.
hora da tard.
EPHEMER1DES DO MEZ DE JULHO.
3 Qaarto ming. as H h., 44 m. 22 s. da ra.
lt Laa nova as h 15 m. el s. da m.
19 Qarto crese. a 1 h., 24 m/e 41 s. da t.
27 Loa eheia a 1 h 53 ra. e 41 da ra.
18. Quarta. S. RuQno b. ;S. Frederlco b.
19. Quinta. Ss. urea e Justa vv.; S. Macrioa v.
20. Sexta. S. Jeronymo Emiliano; S. Elias prof.
21. Sabbado. S. Prxedes v.; S. Daniel prof.
[22. Domingo. Ss. Menelio e Wadregesillo abb.
PREAMAR DE HOJE.
Primeira as 11 horas e 42 m. da manba.
Segunda as 12 horas 6 minutos da tarde.
PARTIDA DOS VAPORES COSWIROO.
Para o sal at Alagoas a 14 e 30; para o non*
at a Granja a 7 e 22 de cada mez; para Pana*
do no? dias 14 tos mezes de Janeiro, marco, na.*
julbo, setemhro o novembro.
ASSIGNA-SE
no Recife, na i -raria da praca da Independen^
as. 8, dos proprietarios Manoel Figneiroa de Fara
4 Filbos.
No intuito de otar dissabores recpro-
cos, declara esta/empreza que d'ora em
diante nao ar gublicacSo no Diario sem a
compensacao peceniana que or convencio-
nada; visto como resultando da insereno de
qualquer escripto despeza para si, nSo pode
omittir a retribuifSo que ao menos cubra a
respectiva composicSo.
PARTE OFFICIAL
0MAKDO DAS ARMAS.
Ojiarte! do ceamande das armas de Pernambuco
a eidadedo Recife, 20 dejnlhe de 1866.
ORDEM DO DI A N. 254.
O tenente-corooel commandante das armas inte-
rino, fax certo a goarn'go para os fins convenien-
tes, que segundo constou de offlcio da vice-presi-
dencia datado de 18 do c ir rente, o governo impe-
rial houve por bem e por portarla expedida pelo
ministerio da guerra na data de 6 deste mez, exo-
nerar o Sr. coronel do es'adomaior de artlbana
Luiz Jos Mooteiro do commando do presidio de
Femando, por asslm o baver pedido.
Fjz igualmente certo, que bontem seguirn) para
a corte no vapor Guar, os Srs. tenentes Francisco
Antonio de sa Brrelo Janior e Herculano Geraldo
de Sduza MagalbiS, arabos do 9a batalho de in-
fantina", o primeiro cora o Bm dje recolher-se ao
sen corpo por estar a Oodar a llcenga que oblive-
ra para se tratar nesla provincia do ferlmento que
recebeu no combate naval do Riachuelo; e o se-
gundo por determinacSo do governo para ser ins-
peccionado na corte, visto nao se adiar anda res-
tablecido do ferimenlo que recebeu no ataque da
cidade de Corrientes, e baver solicitado nova II-
cenca.
(Asslgnado) Francisco Camella Pessoa de La-
cerda.
Esta' conforme. Eslevao Jos Fcrraz, leoente
ajndante de ordens encarregado do detalhe.
EXTERIOR.
ORRENPO\E\( I AS I O I A
RIO IE PER.VllBUCO
roavro.
27 de jiinhn.
A sitaago commereial desta praca nao melhorou
-durante a quimena. O commercio resentido pelo
mu estado da praca de Londres e Influenciado
pela guerra na Ailemanha e na Italia, contina
parausado.
Foram limitadissimas as transacoes cambiaos
fluctuadas sobre a praca de Loadres, ao cambio
de 54 # a 55 conforme a preciso, sendo esta
coiacao actualmente nominal. Com referencia a
Paris e Hamburgo nada se fez, con?ervando-se
noroinaes as colacoes de 542 por 3 francos sobre
aquella primeira cidade, e de 47X sobre a se-
gunda.
Nestes ltimos dias tem se espalhado nesta cida-
de que se dispunham as cousas para urna revolta
militar. Assegora-se que de Lisboa sabiram para
as provincias eroissarios encarregados de trastor-
nar a ordem publica incitando e exercilo a levantar
o grito de iosnrreigo. Apooum-se os amigos
polticos do doque de Saldaoha como os inleressa-
dos a obrigar a corda a fazer a nomeaco de um
ministerio em que entra o velho marechal.
Nao damos crdito a senHhaoles boatos. Talvez
elles sejam originados pala recente revoluco
era Hespauha. Verdade que na provincia de
Traz-os-Montes tem bavido movimento de tropa
ordenado pelo governe. Seja o que fr o certo
que a ordem publica nao tem sido alterada nem
levemente em parte alguma ao norte do reino.
Na tarde do penltimo domingo realisou-se a
abertura da expsito de flores ne palacio deerys-
tal, a qual deve encerrarse no ultimo dia do
correte mez.
As flores foram expostas na nave principal, e
collocadas de forma qnedo aquella cumprida sala
o aspecto de um magnTico jardim de invern.
Approveitando, ero parte, a deschpgo que o
jornal o Commercio do Porto faz desta festa, damos
em seguida urna exactissima noticia do modo por
que esto dispostas as flores na grande nave cen-
tral do palacio.
A' entrada do saino sobre dous pedestaes de
forma polygooa, collocados a distancia e fronteiros
um ao ouro, vem-se numerosos vasos elegante-
mate grnpados.
Segue-se urna fonte, guarnecida de flores, e dous
taboleiros, formados todos de vasos, no fim dos
quaes um massico de roseiras, de figura elliptica,
forma o centro daquella sala-jardiro.
Torna-se notavel este massico pela variedade dos
exemplares s agradavel aos olbos pela sua dispo-
sigo. Asfaseiras col locadas pela ordem do seu
tamanho conslituem como que um vasto e espesso
roseiral, artsticamente aparado.
Dous taboleiros de vasos, semelbantes na forma
aos que precedem o massico, vo terminar concn-
tricos a urna segunda fonte, em que ha alguma
cousa de mais bello anda do que a agria, que ihe
falta.
O ornato desta fonte primorosamente bello. O
circulo da taca e formado por vasos com flo-
res. O que deveria ser agua substituido por
urna superficie verde de plantas sem flor e de folba
miuda em vasos lo estreltamente unidos entre si
que mal se distinguen). Levanta-se no centro a
forma airosa da fonte, ornada de plantas, que pen-
den) vistoamenle das conchas, como nos de agua
esverdeada trasbordando.
A escolha das plantas que adornam a fonte reve-
la extremo bom gosto. Seria impossivel encon-
trabas mais proprias para conseguir que ella desee
idea do que e nao ticas e apenas urna praleleira
com vasos, sem servir mais do que acommoda-
oao de motas plantas em pequeo espago
Seguem-se fonte outros dous pedestaes de
forma polygona iguaes aos da entrada, em que se
ostentaos algumas das flores pertencentes ao horti-
cultor, o Sr. Jos Marques Looreiro.
Na orla do tablado onde se acha o orgao, varias
plantas formam um fundo de verdura a este varia-
do quadro.
Dos lados, junto aos colomnelos da galera, doas
ordens de massicos de plantas de adorno enfeilam
anda vistosamente a grande nave em toda a sua
extencio.
Do centro de cada intercolumnio, cabales pen-
dentes, chelos da flores, completara, o agradavel
aspecto daqnelle recinto.
Delineou e presidio a lodo o trabalho da dispo-
scao das flores o Sr. Emilio David, jardineiropaiza-
gista do Palacio. Os seus esforcos em tornar o
mais vistosa possivel a sxposlco foram felicissi-
mamente succedldos egalardoados pelos elogios do
publico, que soube fazer jostica a sua obra.
Concorreram a exposicao, alm da empreza do
palacio de crystal, nicamente os Srs. Jos Marques
Loureiro e Gentil Gomes da Silva, acreditados
jardoeiros desta cidade.
O jury nomeado para conferir os premios aos
expositores pouco trabtilbo leve na sua classifi-
cacao.
O Sr. Jos Marques Loureiro obteve o primero
premio de 12000 pela boa coilecco de roteiras
(1* ciassej-, o segundo de 5*000, pela colleco de
33 cravos (3a classe); o premio de 4*500, pela
callecco de 26 fuchsias (4* classe); o prmelm, de
6*090, pela colleccao de plantas de ornamentos,
folhas e flores (6* classe); o priaeiro, de 4*000,
pelas plantas e ornamento, so folhas (6* classe), e
finalmente o premio de 6*000, pela collecgo de
plantas de ornamento (estufa) so folhas (oitata
classe).
Ao Sr. Gentil Gomes da Silva coube-ihe o segun-
do premio de 3*000 pela coilecco de plantas de
ornamento, folhas e flores, (5* classe); o segundo,
de 3*000, pela collecgo de plantas de ornamento,
s folhas (6* classe).
O jury julgou nao baver expositor que tvesae
apresentado orna colleccao de flores de verao, a
que podes-e ser conferido o premio da 9* classe.
Os dous santos mais populares de todos os tantos
da corte celestial tiveram os costumados festejos
annuaes. Foram innomerosos os throoos em qoe
se va na? lojas e pelas ras o Santo Antonio allu-
miado com mais oo menos protusao de lomes. As
cascatas, cora os seus repuchos, tambem nao falta-
ran) no Pereursor S. Joo Baptista.
Em honra aos dous bemaventurados santos
houve llluminacdes e fogos do ar e de vistas em
diversas parles da cidade, devendo notar-se que as
chamadas orvalhadas do S. Joao degeneraran) este
anno em rhuvas grossas que muito contra-
riaran) os festejos aquelle santo.
A empreza dos caminbus de ferro para facilitar
a concurrencia de pessoas de Tora da cidade a ex-
posicao de flores e as festas de S. Joao no Porto
resolveo eslabelecer comboyos de recreio com
bilhetes de ida e volta a preces redondos, e para
das determinados de Coimbra e estaedes interme-
diarias at Villa-Nova de Gaya.
Os visitantes foram pooeo numerosos. O tempo
invernoso e de trovoada que tem estado nao convi-
da a reselos.
Na noute de 16 para 17 do correte perpetrou-se
um horrivel erime, como ha rauito lempo n se
tem praticado nesta cidade. Ao amanbecer de do-
mingo 17 na occasiao em que urna ronda do des-
tacamento de anilbarla de goaroico na fortaleza
da Serra do Pilar passava por jauto de urna capel-
linba arruinada, que ha cerca de urna eir, e de-
baixo de urna arvore que esta' plantada prximo
de um tanque, no logar da serra; encootroo-se es-
tirado no solo o cadver de um individuo todo en-
vado de facadas. O cadver eslava de bracos, e
notando-se pelos diversos fenmenlos que o morto
pouco luctara com o asaasstno. Os dous prlncipaes
ferimentos indicavam ier sido feitos com um ter-
cado, e varavam de lado a lado o corpo do assassl-
nado, que eslava em mangas de camisa, sem cha-
peo, e com urna chave presa em urna das maos.
A noticia deste borrivel assassinato divnlgouse
logo por toda a cidade. Da multa gente que con-
correo a' Serra do Pilar ningoem coobeceo quem
era o individuo assassioado. Depois de feilo o com-
petente auto foi o cadver dado a' sepultura.
Soobe-se no dia seguinte que o infeliz era um
gallego que fazia o servico no escrlptono dos Srs.
La Roque e Eduardo Katzenstein, porque querendo
aquelle* senhores entrar para o seo escriptorio e
nao apparecendo o gallego, qoe costumava flear
coma chave, flzeram saber esta circumstancia a' |
autoridade a qual vindo com a enata encontrada ,
na mo do assassinadose conbeceu que era eTecii-
vainente a do alludido escriptorio. Meste nada fal-
lava.
Este aconiecimento den alguns indicios a' justi- ,
ca para mais seguramente proseguir no descobri-.
ment do crirae que al enlo eslava envolto em
completo mysterio.
Suppoe-se, e nao sabemos se as jnsticas ja tero
averiguado ao certo, que o assassinato foi comma-
ndo por alguns soldados pertencentes ao destaca-
mento da arUlbaria da fortaleza da Serra do Pilar.:
ltimamente a reqoisicao da autoridade admi-
nistrativa, passou-se revista de cornos aos soldados
do dito destacamento e s sabemos que em resul
lado foram presos como suspeilos tres ou quatro ;
pragas do destacamento.
Ignora-se a causa de lo grande crime.
No tribunal do 1 districto criminal foram julga-
dos dez individuos acensados de fazer parte de urna ;
quadrilha de ladrdes que no verao do anoo passa-'
do assaltavam os viandante as estradas desta ci-
dade a villa do Conde e a Braga. O julgamento
durou quatro dias, sendo afinal absolvidos os reos;
Manoel Gomes da Costa e Joo da Silva Azeoha, e
conderanados os outros restantes, que sao: Ma-
noel de Sonza Lero, pregueiro, a dez annos de de-'
gredo para a frica Occidental; Jos Francisco No-
gaeira, ex ofScial de diligencias d<> administrago
da Maia a 10 annos de trabalhos pblicos para o
Ultramar; Gabriel Amonio Ferreira, ferreiro, Obris-
tov'o da Silva Chantre, mineiro, Manoel da Silva
Duarte, o camponez contractador de gado, e Fran-
cisco Jos dos Santos o januta, alfaiate, a 8 aonos
de degredo para a frica Occidental; B^rnardino
Pereira da Rocha, marchante, e Felicia Thereza,
vendeira, aquelle a 4 annos de degredo, e esta 3
annos para a Alrica Occidental.
Suicidou-se; precipitndose da jauella de um
segundo andar da ra das flores, o Sr. Domingos
Ferreira Goiraares, commerciante porlugaez na
cidade de Pelotas, no Rio Grande.
Tinba vindo no anno passado para Portugal, e
ha cousa de um mez que eslava hospedado em ca-
sa do Sr. Joaqun) Alves Torres Guimares, onde
leve logar este deploravel acontecimeulo.
Desgostos de familia segundo se diz, foram a
causa que levaram o Sr. Domingos Ferreira Goi-
raares a por termo a' vida.
Segundo annunciou ha dias a cmara municipal
portuense, por occasiao de pedir as pessoas que
subscreverara para o monumento ao Sr. D. Pedro
IV o pagamento a ultima prestago, parece qae, a
nao sobrevir algnm contratempo, sera' inaugurada
a estatua do saudoso duque de Braganca; no dia 24
de agosto prximo.
Tambem se diz qoe a ceremonia da distribuico
dos premios aos expositores qoe concorreram com
os seus productos a' exposigo internacional por-
tuense, se verificara' por aquella occasiao.
Novamente tomn posse do commanJo da 3* di-
viso militar o Sr. vlsconde de Leirla, que ha al-
guns mezes delxara este cargo, para acompanhar
el-rei na sua viagem ao estrngeiro.
O tribunal do commercio do Porlo em seotengas
do dia 18 do crreme, declarou em estado de qoe-
bra os Srs. Joaqulm Jos Rebello de Lima, Miguel
1 de Faria e Antonio Ribeiro de Miranda; todos com-
I merciantes desta praca.
O mesmo tribunal, em sesso de 25, declarou
: em estado de fallencia os Srs. Joaquim Jos Rodri-
I gues da Silva, e Paulo Fernandos de Mello Golma
| raes; o primeiro commerciante desta cidade, e o
segundo em Santo Tyrso.
Falleeeram :nesta cidade, em 12, o Sr. Manoel
Jos da Cruz Magalbes, abastado commerciante,
e socio que fra do tambem ja' fallecido Antonio
Jos Goncalves Braga, muito conhecido pelo noroe
de Braga das Hortas. Legn a' Misericordia 500*
a' ordem do Carmo 600*, a' irmandade da Lapa
dem; aos bospitaes lazaros, lazaras, entrevados,
entrevadas; aos collegios dos meninos desampara-
dos, orphaos, raparigas abandonadas, e asylo de
mendicidade, 50*000 rs. a cada nm d'estes estabe-
cimeotos. O finado dispoz a favor de seus Aldos e
prenles, de urna fortuna muito superior a 200
cornos de ris; em Braga o general reformado
Alberto Pimenta de Aguiar; em Momeota da
Beira o Sr. Antonio de Almeida Galafura, cavalhei-
ro muito considerado naquella localidade, e que fol
eleito depotado em duas, legislaturas succesivas.
Em Braga solemoisou-se o dia 17 do crreme,
anniversario da etevaco de Pi IX ao pontificado,
com pomposos e entusisticos festejos. Houve Te-
Deum na cathedral a qoe assisUram o Sr. arcebis-
po primaz, tdas as autoridades jndiciaes, adminis-
trativas e militares, corporales luteranas e admi-
nistrativas, e moitas pessoas de dislioego.
Descrevendo estes festejos coma o jornal o Bra-
crense que ao alvorecer do dia percorreram duas
bandas de msica s ras da cidade tocando o
bymoo de Po IX ao som de girndolas, salvas de
morteiros repercutidos em varios pontos da cidade
e repiques de sino?. De hora a hora desde as cin-
co horas da manhaa at a meia noite urna salva de
21 tiros, dada na quinta do Sr. abbade de S. Lza-
ro em Guadelupe vinba recordar em todos os n-
gulos da cidade o faustoso dia.
Repetiram-se ao meio-dia todas estas demonstra- i
(oes, e a' noute como por encanto se appresentou ,
em todas as ras um brilbanle espectculo.
Achavara-se embanderadas a ra do Sonto, pra-!
gado Bario de S. Matinbo, roa de S. Marcos e par-'
te da roa Nova.- I
As casas todas illnmioadas, quatro bandas de.
msica, a constante troada dos fogueles desde as
nove horas at a meia nonte, immensa gente per-
correndo as ras da cidade, o entbusiasmo oo ros-;
to de todos, e a brilbante illumlnacao da cathedral |
tudo produzia um maravilboso eff-iito.
Em algumas casas via-se o retrato de Pi IX em
vistoso thronojlfl lomes e flores, e na roa Nova ap-
parecen um mimoso-e rico quadro a oleo do gran-
de pontfice, que attrablo visivelmente todas as al-1
tenedes. i
rio dia 9 foi jnlgado no tribunal criminal de Bra-.
ca o padre Jos Francisco da Silva, por alcuoha o
Santeiro, aecusado como principal cumplice no as-.
sassinato ba lempos commettido na pessoa de um
cuobado deste reo. O jury deu por nao provado o-
crime, mas o delegado do ministerio publico inter-
poz recorso de revista.
A (eir de S. Joo que costme fazer-se em
Braga, diz um jornal daquella localidade, qoe foi,
bastante concorrida, eflectoaado-se algumas tran-
sacQdes de bom alcance : e o decreto do anno pas-
sado proporcionando orna 'exposicao aos lavrado-
res e proprietarios incitou-os a apresentarem gado
de subido valor, e nao menos magnifica vista.
Para o recinto da exposicao entraran as cabe-'
gas de gado bovino, para que o jury presidido pelo
chefe d j districto dsse o seo parecer, Ando o qoe
se conferirn) os segaintes premios :
1.* Premio de 80*000, a' junta de bols n. 1, per-'.
teneenie ao lavrador Jos Joaquim da Costa Mo-
reir, da fregoezia de Viatodos, concelho de Bar-
cellos, i
2. dito de 40*000, a' junta de bois n. 3, per-;
lencente ao lavrador Antonio da Silva Veiga, da
fregosla de S. Vicente de Oleiros, conceaSo ds
Guimares.
3.* dito de 20*000, a' junta de bois n. 2, penen-
cente ao lavrador e negociante de gados Francisco
Joto Fernandos, da fregoezia de S. Payo de Mere-;
lim, conceibo de Braga.
i.* dito a' junta o. 4, pertencente ao lavrador
Antonio Fernandes ftamoa, da fregueza de S Pe-
dro de Merelim, conceibo de Braga.
o. dito a' junta n. 5, parteti ao bacharel
Antonio de Amorim Soares de Azvedo, agricultor
proprieano da casa da Corredoora, na fregu-'
zia de Santa Mara de Ferreiros concelho del
Amares.
6.s dito a' junta de bois n. 6, pertencente a Do-
mingos Jos de Castro, da fregoezia de Santa Eu-
lalia de Fermentos, conceibo de Guimares.
O jory resolveo que se exharassem na acta do ,
c oncurso tres menges honrosas, sendo :
1.* Ao lavrador e criador de gados, Jeronymo
Ribeiro, da fregoezia de S. Cosme e Damio da
Lobeira, do concelho de Guimares, pelas duas
jumas de bois qoe expoz e qoe esiiverara sob os
ns. H e l.
2.* A Manoel Das Ferreira, da freguezii de S.
Pedro de Maximinos, concelho de Brag, pela juu-
ta de bois o. 13.
3.* A Manoel Luiz Pereira de Mallos, da fregue-
za de S. Vicente de Oleiros, concelho de Guima-
res.
E' curiosa, e nao deixa de ter a sua originalida-
de, a forma porque nra soldado do regiment de I
infamara n. 8, em Braga, fazendo quarto das on-
ze a urna hora da noute de 10 do correte ao co-
fre do districto, que se acha agora no edificio da
cmara municipal, se lembrou roubar algumas II-
brai que suppotgestarem dentro do mesmo cofre.
Para esse lim langou pelo buraco dachave central
do cofre alguns phospboros aeezos e com bocado'
de breu preso ponta um rame tenloo sobtrahir
o diobeiro qoe podesse descobrir, mas como o di-
nbeiro eslivesse empacotado, a sua astuciosa ten- j
taliva ficou mallograda. Poda, porm, ter conse-
quencias tristes o tancar os phospboros dentro do
cofre, porque dentro dalle se acbavam em caugio
vinte e tantos cornos em notas e acr.5es, chegando i
a cna muscarem-se algumas, mas nao se incendiou
nenhuma.
O jornal Bracarense diz se litera o competente '
auto e que nao se achou falta alguma no cofre, o
qual contina a ser guardado com porta fechada,
e assim se evitaro os desejos ambiciosos de oolros
raides de mo gosto e mas ideas.
Em Coimbra continan) os actos na Untversida-
de. Bastantes estadantes teem sido reprovados.
Terminou o proeesso acadmico que se instaurou
acerca das desordens qoe houve por occasiao das'
eleiges da sociedade Pbilantropico-Academica.
O conseibo dos decanos proferio senienga, son-1
demoanda a Ires dias de relengo na cadeia da
academia os estadantes a quem se provou que ha-
viam tomado mais activa parte naqoeiles aconte-1
cimenlos.
Nos pagos da cmara houve nma reunio dos'
presidentes das cmaras dos districtos de Coimbra
e da cidade da Guarda para o Bm de fazerem co-
nhecer io governo a conveniencia do tragado do
camioho de ferro da Beira pela margena esquerda
do Mondego.
A reunio em que estavam representadas as!
principis corporagoes de Coimbra foi presidida
pelo presidente da cmara mais velho que all se
achava. Nomeou urna commissao para tratar esta.
Juesti. de muito interesse para a provincia da
eir.
O movimento martimo da barra do Douro du-
rante o anno de 1865 foi o seguinte ;
Entraram 645 navios portogoezes e 315 estran-.
geiros.
Dos primeires foram 489 procedentes das costas
de Portugal, 18 das ilhas da Madeira e Acores, 64
de diversos portos da Europa e 74 dos da Ameri-
ca, nduindo neste numero 58 do B asil A proce- j
dencia dos segundos foi de portos da costa do re-
no 15, d? Europa 29, da America 9, sendo 3 do I
Brasil.
Sahiram 678 navios porluguezes e 330 estran-
geiros. Daquelles, 544 destioaram-se a portos da
cosa de Portugal, 6 partas ilhas d) Mvleiraej
Acores,52 para a Europa e 76 para t America,!
entrando oeste numero 63 para o Brasil. Os e-
trangeiros foram 36 com destino a portos do reino,
2 para o arcbipelado dos Acores, 290 para a Eu-
ropa e 2 para o Brasil.
Os 1,008 navios sabidos a barra do Douro con-
duzrara 3,973 passageiros portoguezes e 439 es-
trangeiros.
Os passageiros portugueses destinarara-se 397
para portos do reino e libas; 32 para diversos por
tos da Europa e 3,044 para o Brasil.
Estes ltimos vo assim elassifleados : livres
2,584 homens, 674 mulheres e 266 menores de do-
te annos, colonos, 16 homens e 4 menores de doze
annos.
Abrirn termo de carga em 13 a barca Flix, |
para o Rio de Janeiro ; em 18 a barca Segurarla,;
para Pernambuco ; em 20 a barea Amelia, para o
mesmo porto, e a barc&Amazona para o Para ; em
22 a barca Bahiana, para a Babia.
Entraram em 21 a galera Maria.doMaranbao por
Lisboa : era 23 o hiate Grattdao, da Baha, em 25
o patacho Garibaldt, do Rio Grande.
Sahiram em 12 a barca ReitauracSo, para o Ma-
ralo e o brigue Esperanza, para Pernambuco;
em 15 a barca liedmar, para o Ro Grande do Sl,
em 21 a barca Marta & Amelia, para o Brasil.
i
PERNAMBUCO,
REVISTA DIARIA
Terea-felra prxima dA--se no salo do palacio da
presidencia um grande concert vocal instrumen-
tal e teeltativo, cujo producto especialmente ap-
plleadla promogo da colonisagao polaca.
Esta concert que, como se v, tcui por fim dar
realiaico a idea da emigrago polaca para esta
provMa, promovido pela direuco auxiliadora
da respectiva colonisagao; e t idea lendo sido
abragada com geral applauso entre no*, com fun-
damento eremos que este meio procurado pela re-
ferida direceo ha de ser fecundo iu um resultado
corretaoadenie ao patriotismo da nossa popnlaglo.
Da Capunga nos dizem, que o transito na roa
das Peroambucanas esu interceptado, sam que se
cure de dar a islo o competente remedie, ao passo
qoe convai que este seja prompto, .tanto mais
qaaato qoe a cansa de semeihaote' estado liga-se
deleixoea um abandono indiscuipavel.
O nosso ioforroauto txpressa-se por este modo
sobre tal situago:
< Pego Ihe qoe ioclua em su Revista esta noti-
cia, a respeito do mao estado, em que se acha a
ra das Peroambucanas na Capunga.
Boa all morador, e para sabir de casa, em
dias "de chuva, me preciso a's vezes fazer um
passtdigo; tanta a agua qui juota ms calcadas
por Bao haver esgoto, era virtode de um grande
barreare que all ezi;t ba mais de tres meses ;
lirado de um vallado iju a Compaohia de Beberi-
be fBaadou fazer para a remogo do chafariz d'a-
quelta localidade.
i Os carros, as carrogas e os cavallos, andam
alii por cima das calcadas, de forma a estarem es-
tas todas despedacadas.
f A agua das chovas em aullas occasioes entra
pelas casas.
a Pego-lhe dd novo que faga esta publlcagao na
soa Revista, ver se se compadecen) do mae esta-
do em que esto os moradores daquella ra. >
Foi dado a' publicidade o primeiro numero
do jornal Iliterario A Luz, cuj-i ppblicago quin-
zenal. .
Obsequiados com a ollera de.-se primeiro a-
aro, tf gradeceroos a fineza da sua redaego; e,
saodande mais este lllio do joroalismo, ibe deseja-
mos nma vida fcil e prolongada.
Ka data de 24 do mez ultimo screve-nos de
CoimbWo Sr. amonio da Sirva Ramos a seguinte
carta, cuja publicago acbamos conveniente pela
materia de que se oceupa o m-vmo Sr.
< Amigo e Sr. redactor. Interessando-rne de co-
ragao por tudo qoanlo diz respeil > ao desenvolv-
ment pbysico e moral desse meu bello paiz, nao
posso ver nunca cem indiflerenga, toda e qualquer
medida tomada nesse sentido.
Asslm como a bondade, ou ruiodade de nm
cavalio, depende da boa on m mo de redea do
cavalleiro, assim o bom on mo andamento de nm
paiz depende de quera tem as redeas do governo.
< Ihiis medidas vejo eu, que ah se projectam,
qual desias a mais digna de louv r. 1* a do gover-
no geral convidando o Brasil a nma exposigo in-
dustrial ; 2' o desenvolvanlo que ahi era Per-
nambuco se pretende dar instruego luterana, da
classe artstica. Em quanto a primeira, quera
que a idea fosse seguida por cada orna de nossas
provincias proporcionando industria agrcola em
geral, orna exposigo de productos agrcolas e de
anmaos.
E' ioegavel que a luminosa idea das exposi-
g5es, tem sido um verdadeiro estimulo para os po-
vos de todos os palzes ; ninguem quer fazer ligara
triste ; todos qtierem ser superiores; e como para
isso se precise de eslabelecer comparagao entre to-
dos os producios, nsnhum ootro meio mais efflcaz
que o das exposiges. i" em quanto a difluso de
instruego na classe adolto-rtistica dessa cidade,
urna idea to humanitaria, to alta, lo patriti-
ca que o brago que forte, erguer esse pavilho de
liberdade tornar-seha immorredouro ; e o pivo
que, conheced-ir de to grande beneficio dispensa-
do em seu favor, se abrigara sua sombra, ser dig-
no da maior estima, e coosideraco. E tem o povo
todo o direito a essse favor; e desse favor, tambera,
e muito usufrue o paiz.
O povo tem direito, por que o pove concorre
mais qoe ninguem para eogrossar as gavetas do
tbesonro ; o capitalista, o grande lavrador, paga o
tributo que Ibe imposto aos lucros de suas tran-
sacgoes,e grandes colheilas; o povo paga tributo do
pao que fabrica com seos bracos e amassa com seu
suorll
t Quantas vezes este se priva de prever-se de
coosas de absolota necessidade, para ir submisso e
ignoraotemente pagar o tributo do seu nico mor-
gado I! o seo brago I I
O paiz lucra por que ioegavel, que um povo
Instruido com muito mais facilidade administra-
do. O povo instruido conbecedor das leis que o
regem, conbecedor de seos direitos como cidado,
assemelha se a orna ovelha meslra, esta pouco in-
commoda seu pastor a desvia-la das searas dos vi-
slnbos, aquelle pouco trabalho daria as autorida-
des administrativas. Quera porm, que com a
instruego da classe adulta nao se descurasse da
da juventode, obrigando o* pas de familias a faze-
rem cursaras escolas por seos filbos, applicando-se
a estes um castigo como se aptica orna coima ao
pastor que deixa extramalbar seo rebanbo, por
quaoto que o povo rude nao oulra cousa, que um
rebanho desgovernado o invasor da sociedade 1-
lustrada e pacifica.
Nao adrailte porm questo, quaes sejam os
meslres para essas novas cadeiras.
Se a instruego se limitar lio smente a' Ins-
truego primaria, o professor deve ser o mesmo
que rega.as cadeiras publicas; primo, por qae
obvio qurestes tem lncontestavelmente mais pra-
tlca e metnodo do qoe outro qoalquer individuo,
ajnda qoe mullo superior em selencia ; cbarae-se
nm professor de direito civil, cannico etc.; de
anatoma; de patootogia, etc., e mande-se-lhe que
enslne certas ninhariasqne as aprenden na escola,
qne nada servsm para sua boa lllustraclo e bom
nome, mas que sao indispensavels ao principiante;
nao sabe, dlrei mais; inegavel qae o corpo do-
cente da universldade de Coimbra, oceupa um dos
prlmelros lugares de ana classe; esum certo qae
se boje obricassem alguns de seos mais Ilustrados
membros a fazerem om.ex.ame de instruego pri-
maria, como boje se exlft, que levaria pelo menos
urna reprovago denemine descrepante. 2*
justo que ao professor publico to mal retribuido
era se insano trabalho, se proporcione mais esse
meio indirecto de melhorar sua penosa posigo.
< O que perm se pode fazer tambera, darem-
se preleegoes vagas sobre certas e determinados
ramos de litteratnra, come se fax em todas as gran-
des cidades da Europa, nao exceptuando Lisboa,
cojos saraos luteranos sao mol repelidos e {re-
quemados, resultando beneficio ao orador e aos ou-
vi ates.
Finalmente, Sr. redactar; o qae se deve ter em
vista, dar vista ao ceg.-, instrua quem quizerem
que instroa ; mas inslrua-se o povo.
A instruego nm dique moitas vezes car-
reira da devassidio ; k estrada do crime. Sem ins-
truego, nao se pode bem discernir o mal do bem
Porque ser que os mus vicios achara melbor
abrigo no peitodo bomem rude, que no do instrui-
do T Sera diversa a natureza humana ? nol diver-
sa a maneira da educagao; o ceg, precepita-se
no abysmo, e tropec oes pedras, nao por que suas
pernas nao sejam saas; mas por que o bom gover-
no e movimento de sea corpo depende da clarida-
de de soa vista ; e, se dar vista, ou guiar o ceg
do corpo orna obra caritativa, que nao ser a qae
der vista a alma ? 1
Louvores por tanto ao partido que pretende
esclarecer o povo entre o qual vive, e de que pre-
cisa para sua cooservago.
< Um partid liberal, faz gosto em reger um po-
vo Ilustrado a conbecedor de seus direitos, e en
veoiencias. Q partido que nao obra ; que pretende
tirar partido da ignorancia do povo, digno de
desprezo ; absolutista ; despota.
Felizmente, Sr. redactor, o Omnipot.'n'.e que-
rendo fazer (como fez) esse Brasil, portento de na-
tareza, curou primeramente em plantar no peito
de seus Albos, a arvore da liberdade, que se por
alguns, soa cuitara tem sido desprezada, por quasi
todos tem sido cuidadosamente tratada.
E pedindo a Deas qae tenha sempre sombra
de sua misericordia, esse seu jardim e meu cbaro
Brasil, fago ludo quanto posso.
Sou com estima de Vroc. patricio obrigadlssi-
mo criado.Antonio da Silva Ramos. >
No dia 2-2 do passado, no lugar Ottetro, do
1 districto de Bom-Jardira, foi assassinada, com
um golpe de fooce e 14 laceadas, Senhorioba de tal
por seo proprio marido Francisco Pereira da Luz,
qoe foi preso no dia seguinle a esforcos do digno
delegado do termo Victorino Arkns do Reg Pa-
rias.
Foi gravemente ferldo com um tiro, no lu-
Sar Altos, do termo de Limoeiro, Joo Francisco
arnelro, por Vicente Ferreira da Silva, no dia 8
do correule, sendo preso no da immediato anda
a esorgos da autoridade sopra.
Depois d'aroanhSa ao meio dia se extrahir
a 3' parte da 2a lotera a-beneficio da matriz de
S. Jos do Recife (73), sendo o maior premio
6:000*000. F
Amanha, domingo 22 do correte, das 9 s
10 horas, no consistorio da igreja do Divino Espi-
rito Santo, haver reunio dos devotos de Santo
Ignacio, para tratar da encaroago da iraagem,
decoragao do altar, e o mais tendente ao mesmo
fim.
Refarticao ba polica .
Extracto da parte do da 20 de jamo de 1#66.
Foram recolhidos a casa de delengo ae dit 19
do andante :
A' ordem do Iilm. Sr- Dr. ebefe de polica, Vi-
cente da Costa Soares, .oomo pronunciado nos Cri-
mea de resistencia, ferimentos graves e leves, e
Jos Fraaciaeo des Saotos,- como recrota para a
armada, e por baver suspeitas de estar processdo
em um dos termos desta provincia
A' ordem do subdelegado do Recife, Marianno
Claudino de Amorim, para correego.
A' ordem do de S. Jes, Francisco Alves Ferrei-
ra e Tbeodoro, escravo de Antonio da Silva Gus-
mo, para correcgo
O chele da 2" secgo,
J. G. de Metquita.
Casa de dete.nqao.
Movimento da casa de detengo do dia 19 de ju-
nio de 1866.
Exisliara 319, entraram 5, sahiram 8, total 346 ;
a saber : nacionaes 248, mulheres 15 ; estrtngeiros
30, mulheres 2, escravos 47, escravas 4, total 346.
Alimentados a eusta dos cofres pblicos 194.
Movimento da enfermara no dia 20 de julho de
1866.
Tiveram alta :
Thora Virginio Correa.
Jos Peres d'Assumpgo
Lourengo, escravo de Guedes Araujo.
Passageiros do brigue portnguez Esperance
vindo do Porto : "
Francisco Gomes de Cirvalho, Manoel de Oli-
veira lavares, Victorino Gomes de Fretas, Domin-
gos Antonio Soares, Julio Dias Correa, Manoel
Goncalves Estalle, Antopio Goncalves Passos, Joo
Gomes da Canha, Jos Augusto A. de Carvalho,
Manoel Jos Gomes da Cruz, Antonio Teixeira
Mendes, Manoel Jorge e Maooel da Costa.
Passageiros do hiate brasileiro Dous Irmaos
sabido para o Aracaty :
Antonio Francisco Colho, Manoel Felippe Bas-
Joauuim Augusto da Silva Grillo.
soa mulher Mara Eugenia da Cruz), pedindo o re-
gistro do contrato que junta, celebrado com seus
cr-edores.Vista ao Sr. desembargador fiscal.
Dito de Toomaz de Almeida An4unes & Irma-,
replicando do despacho deste tribunal de 9 do cor*
rente, dizendo que nao teem contrato social e que
nem soobrigad>s a fornecelo, cooctoindo em pt-
&r, que seja o 1" dos supplicantes adraitlido a as-
i signar termo de fiel depositario dos gneros qae
i recebem no armazera n. 22 do largo da Asserabla.
1 Como reqaer, sendo o termo firmado pelo qae as
i signou a presente peligo.
| Dito de Luiz Jos da Silva Guimares, declaran-
do aflm de ficar o tribunal sciente de nio tar func-
ciooado os armazens alfandegados ns. 1, 3 e 5 do
edificioAlfandega Vejhadesde 28 de fevereiro
prximo passado, visto ter-se inutilizado o alfande-
gamento obtido do governo imperial em razo de
I se ter vendido a' Associago Commereial o predio
lem que existan) ditos armazens. Como re-
qaer.
Dito de Pinto & Costa, estabelecidos com prensa
de algodo na roa da Madre de Deus n. 4, pedindo
serem admittidos a assignar termo de fiis deposi-
tarios dos gneros que receberem em eito arma-
| zem.Vista ao Sr desembargador fiscal.
Dito de Jos Feliciano de Nazaretb, cidado bra-
sileiro, domiciliado e estabelecdo nesta cidade do
! Recife com arraazem na roa da Praia n. 20, pedin-
i do ser matriculado como commerciante de retalbo,
juntando em abono de sua preteugo, um altestado
; subscripto pelos Srs. Amorim lrmos, Jos P. da
| Cuaba e Jos da Silva Loyo & CVista ao Sr. des-
embargador fiscal.
Dito de Maooel Figaeirda de Faria & Filhos, pe
diodo o registro da escriptura, que Junta por elles
celebrada em 11 do crreme as notas do label-
llo Almeida.Vista ao Sr. desembargador fls-
!cal.
Mandn se tirar copia do modelo de escripia que
se a loptou para os correctores para se remetter ao
presdante da junta aflm de faze-lo observar.
Nada mais bavendo t tratar-se foi por S. Exc.
o Sr. presidente encerrada a sesso as 11 horas e
meia do da.
(1HK0MQ J1UAKU-
TRIBl V A I. DO COMHEHCIO
4CTA DA SESSO ADMINISTRATIVA DE 16 DE
JULHO DE 1866.
PRESIDENCIA DO F.XM. SR. DESEMBARGADOR
ANSELMO FRANCISCO PRBETTI.
As 10 horas da manha, reunidos os senhores
deputados Rosa, G. Alcoforado, Basto e Miranda
Leal, S.Exc. o Sr. presidente abri a sesso.
Lida, foi approvada a acta da sesso antece-
dente.
EXPEDIENTE.
Offlcio do presidente e secretario da junta dos
correctores com data de 16, juntando o boletim
commereial da semana ltimamente finda.
Ao Sr. deputado Miranda Leal foi distribuido o
livro copiador por machina de Mendes & Coe-
ibo.
Comparecen Jos Loiz Gnaiaco, e assignou o ter-
mo de responsabilidade como fiel depositario dos
gneros qne receber no armazem de deposito sob
sua administrago.
Foram mandados archivar os mappas de entra-
das e sabidas de gneros, dorante o semestre olti-
roo, nos trapiches Machado, Companbia, Barbosa,
Cuoha, baro do Livrameoto do Forte do Maltas
n. 15.
DESPACHOS.
Requerimento de Julio dos Santos Pereira e Al-
berto Henchel, declarando em observancia do des-
pacho deste tribunal de 9 do crreme exnarado no
requerimento em que pede o registro do sea con-
trato social, ser o 1* dos peticionarios natural da
provincia do Maranbo e o 2* da Ailemanha; que
em dts> sociedade nao ha capital algum, e s sim
industria, e que qoanlo a nomeaco de peritos ser
ella (ella entre elles sopplicantes e no caso de dis-
cordaren), sera tambem por elles designado o 3."
Vista ao Sr. desembargador fiscal.
Dito de agenta de leiloes Jos Mara Pestaa,
pedindo o registro do conhecimento qae aprsenla,
de haver pago o imposto do sea offlcio.ltegs-
tre-se.
Dito de Pelisberto Ignacio de Oliveira, presen-
tando um documento em satisfaco da exigencia do
Sr. desembargador fiscal, aflm de ser desonerado
da fianga qae prestara c.mo proprieano da escu-
na Ernestina que se perder.Vista ao Sr. desem-
bargador fiscal.
Dito dos caradores fiscaes da massa fallida de
Jos de Castro Redondo, pedindo por certido o
iheor do contrato social bavido entre dito Castro
Redondo e Jos Ribeiro da Cunna Guimares.Pas-
Dito de Antonio Mata Brito (representado por
SESSO JUDICIARIA EM 16 DE JULHO DE
1866.
PRESIDENCIA DO EXM. SR. DESEMBARGADOR
A. F. PBRBTTI.
Secretario, Julio Guimares.
As onze horas e meia da manhaa o Exm. Sr. pre-
sidenta declarou aberta a sesso, estando reunidos
os Srs. desembargadores Silva Goiraares, Res e
! Silva, e Accioli, e os Srs. depotados Rosa, Candido
, Alcoforado, Basto, e Miranda Leal.
Lida, foi approvada a acta da sesso anterior.
Foi iido offlcio de 14 do corrente do Exm. Sr.
! conselheiro presidente da relago communicaodo
, baver designado o Sr. desembargador Jos Pereira
da Costa Molla, para rever o feilo entre partas.
Appellantes, os administradores da massa falli-
da de Pacheco & Mendes; appellado, o Dr. Fran-
cisco Arainthas da Costa Barros.
Assignou-se o accordo proferido na|uttima ses-
i sao no feilo em que sao;
i Appallaota, Manoel .Arfo Ferreira ; appellado,
Joaquim Elviro Alves da Sirva.
O escrivo Albuquerque iascrevea o ultimo pro-
testo de letra a 10 do crreme e Alves de Brito a
i 14 do mesmo mez.
JL'LGAMENTOS.
Appellante, Manoel Rodrigues Veras ; appella-
| do, Pedro Barroso Vleme Veras.
Despresados os embargos.
Appellante, Virginio Barbosa da Silva ; appella-
dos, Cardoso & Souza.
Appellante, Jos Joaquim da Silva ; appellados,
Ribeiro & CadufT.
Adiados a pedido dos Srs. depatados.
Appellantes, Manoel Joiquim Ramos e Silva &
Georos- appellado o Dr. Bernardo Antonio de Men-
donga Castello Branco.
Adiado a pedido do outro Sr. juiz sorteado.
PASSAGENS.
Do Sr. desembargador Res e Silva ao Sr. desem-
bargador Accioli.
Appellante Joo Cavalcante de Alboqaerqoe Mel-
lo ; appellado, Bernardino Joaquim da Silva.
Do Sr. desembargador Silva Guimares ao Sr.
desembargador Res e Silva.
Appellautes, os administradores da massa falli-
da de Joo Baptista Gongalves Bastos ; appellado,
Theodoro Cbristiansen.
Do Sr. dezembargador Accioli ao Sr. desembar-
gador Silva Guimares.
Appellantes, os administradores da massa falli-
da de Amorim, Fragoso, Santos & C.; appellado,
Cuoha lrmos & C
Appellantes, os administradores da massa falli-
da de Joo Baptista Gongalves Bastos ; appella-
dos, Linden Wild & C.
DISTRIBUigOES.
Ao Sr. desembargador Silva Guimares.
Appellantes, Lmz Antonio Vieira e outros como
fiadores do ex-lbesoureiro da Caixa Filial do Ban-
co do Brasil nesta cidade ; appellada, a directora
da indicada Caixa Filial..
Ao Sr. desembargador Reis e Silva.
Appei'iante Jacob Cabn; appellado, Ildefonso de
Arajo Chaves.
AGGRAVOS INTERPOSTOS DO JL'I/.O ESPECIAL BO
COMMERCIO.
Aggravantes Joaquim de Souza Maia & C.; ag-
gravado, Pedro Goncalves Pereirt Casco.
O Exm. Sr. presidenta negou provimento.
AGGRAVO DE INSTRUMENTO VINDO DO JCIZO MUNICIPAL
E DO COMMERCIO DA VILLA DE SERINHAEM COMAR-
CA DO RIO FORMOSO. *
Aggravanle, Antonio Vaienlim da Silva Barroca;
aggravado, Tertuliano Jos da Silva Pegado.
O Exm. Sr. presidenta dea provimento.
nada mais bouve e eocerroo-se t sesso a meia
hora da tarde. ______
EXPONA *0
DOS
Prodactos agrcolas, industriaos e de abras darles
da provincia de Peruambnc.
SESSAO ORDINARIA EM 4 DE JULHO
DE 1866.
As 6 horas da tarde em urna das salas do palacio
do governo, com assistencia do Exm. vice presi-
dente da provincia, reuniram-se os membros da
commissao directora os Srs. Dr. Jos Joaquim de
, Moraes Sarment, baro do Livramento, Jos
Joo de Amorim e Gervtsio Campello.
Depois de lida foi approvada a acta da sesso
; anterior.
O secretario declara nao haver expedienta, e por
' isso paasou a ordem do dia.
Por indicago do Sr. Dr. Sarment foi delibera-
do que se addiasse a abertura da exposigo para o
i dia 7 de setembro prximo, visto ter-se igualmente
addiado t da corte para o dia 19 de ouiubro, e
mesmo em cooseqaencia das chovas qae tem etc-
| tado o transito do interior aa provincia com a ca-
Dlul- e lt I
Sendo apresenlada urna conta dos Srs. Maooel
Figneiroa de Faria & Filbos, na Importancia ae
ceoto e quarenta e oito mil rls, proveniente de an-
nuncios publicados era sea jornal, resolvea-se que
' se offlcitsse ao Exm. Sr. vice-presldenta a pro,-
; vincia para mandar pagar aqnelles senhorev
_Enada mais havenflo a tratar-se awa"(g6 por
I findos os trabalhos.Dr. Jos iw*tm ae Moraes
Sarment, pr;*ldent.-B tk de Anvim. Gervasio Rodrigaes


Jos
Canillo.
UESfVEL
1


, -\

-
n /i
--------
*"'" **-

M.....I
y i'
Diarto 4t& ?ernaMime
*
Tendo a commisso director dreipost{MO tjkttj-
provinela, em sessao de 4 do cerrente, resol vido
transferir ; abertura da exposicio para o da J setembro prximo fuluro, assim o fago publico aos
indastriaW^Haais pessow q tem de eonoorrer
aquella fasta; prevemodo-ose que a remessa dos
prodactos jeve (er lugar de 15 de agosto em
diante.
O secretario Interino.
Gervasio tooiriguet Carnet.
(Tgfi-se posTeda o cuidado de exami-
Bfc.ver iueJS,BOQ&.e Uu i a& e. Lan-
thdn se achem inscriptos scb cada envolto-
irie, tetreirt),v> ast*aesmi itYpf-*st>"lsoJl'vi*j
dros das proprias girrafas, visto pois est
que na falta dos mesioos toda a mais
Veade-se as -pbarra?cias de A. Caor t J.
da C. Bravo & .
Publicacoes a pedido
HUMA
com gneros.
Volumes sabidos ccn azendas..,,
t t com gneros... al
1
28*
I
*abbaelA 11 de f tilho de
ir ni
1866.

rm
*T TT
**-
!
Descarregara hoje 51 de iirlW.
Patacho por BrHjfte meck*l>bLwguea-/*iirtt* de trigo.
BscaMdioanUrqoea Petera. Lamrtly- tauet
doria*.
Briga*u=tnoQavalier Baumoorintrfaria
detftgo.
Patiei nac je|Cara-ctotri)ua.
Brigupriugoz Imitanidem,
Patach<*frttfgiret-nWo -Mero.
- 10 llWli, ae-fca de arrematar
lenlo
a-ia d 28 do correal, manda faJMHs
xulpeU11eo, que no da 30 de agosto prximo vin-Jdio.
da ordem do Exm.'Sr. pre- ola 203 : portanto pede
M.-O
a V. S. deferiraeBta,-E.
procurador Manoel PeMra Brao-
4MM, peno 8junta da fazeoda da mesma me-"

aco Cavahere Baur
Nao teinoB conUuciniunto algum do neiiLuin
caso que to perfeitaanente mostr d'unn ma-
neira a mais clara e i^rsuasiva o poder d
Sciencia ifedicti sobre a molestia ; qnal Beja o
de Antonio Joaquim Pekeika, da Balda.
Este homem infeliz bavia mais d'um anno que
Boffri as doitis as mais atrozes e pungentes
proveniente do
Trozo
Terrircis (ha as Afartos
espalliadas por obre difiere u te* partes de sea
-corpo, sendo ira* das'quae sobre o peitb do p<
ama fosda e maligna chaga, a qual o privara
lemew contra a eraariaiiaez
A sade depende do estado dos solidos, e
jdos fluidos, que os oonserva idneos para a
: mais perfeita execucao das funecoes vitaes; e
emquaoto 0St 90-fazeffl- Offl rcguloridade j Brigu austraco Cavahere Baumgartner, enira
nosacliamos s3ose.P0bus4e6 ; pwem de qual- do de ume- consignado a N. U. Bieberc G ma-
quer maneira que se perturben! miviiavel nifetou o segninte:
o alterar-se a sade e a inteDeranca nunca i 263 barrlcas f"">t>a de trigo, 80 caixas iguora- ,As obIis f 'c da estrada da Escada se-
-------------- a quem por meno*
flWr,'> obhk do 9.* lanco da estrada da Escada,
na importancia de 16-9O55O0Q. ,
A mnmmpo sera feta a* fenna da le pro-
vloUa^fl: Mi de 13 de maw de 1MI, e seo as
claMWasHeciaes abaixo declarada.
As essaa que se propuzereru s>ssa arratat
^oecnaMftim na sala das kun da-mesmaj
junta, Mfti cima indicado, pe* mei dia
competentfBnie habelUadas.
E para litar se
SecreUflRa thesonrarla
buco, 29 ift' maio de 1866.
afifaBlial lia ajuolaua.
HgerATlooco Ferreira.
Claois espeeUve*.
1
E nesta ptigSo que me foi apresentada, del o
daspacho do theor segninte t
Como reqoer.Ollnda 2 de julho de 1866.E.
A. de Oliveira. ,
E sendo esta apresentada ao eserivo desle juizo
qae esta subsrreve, a fez passar em cumpriraento
do meu despacho sopra traoscripto, pelo qual e seo
&'^T';u,*P,Aaifi(ii,,oiBaiJ da ,pe-
nat oraem da Rosa, ejmz de direfto especial do
eommerc dftsi cldade da Reeifo e capital da
prowncu d&^roM^aaa^^guiajag^ya^ im-
perial e eoDshtneioaal o Sr. D. Pedro H, a quem
Deas gaarde, etc.
Fago saber aoMas o ortajft* edilal virem e
delle noticia tiverflm qne no to 13 de agosto do
correte anno, se ha de arreuntr pur venda a
*eor chamo, c.to e hei poTeltad todda m bW- S" def' eB *""* Pw'-*e julio o se-
lie PmoT bem de sen dlreteT??5iP sSSna ^"e Je ^r90,< e r^ ^"l^'^^duas lojas, sen-
ceder as suas revelia* s'PeDa' P" do o predirda tres-aodarer; tenoeada andar nma
iMmntotodae^qt,erW!WPare^. **r>, rSSSSSS;*3
e js;^Ariaas.10^ ^s, .s,,sTBt.s.ns!!sVe,ha n-J
mandei fazer o presente que sera' affl&ado nos lu- r
gares do costume
impedindo s digesto, relaxando os ervos,
fazend irregulares as secrecSes, viciando
os humores e prodazindo infinitas enfermi-
dades.
0 mais alto grao da prudencia humana
consiste em regrar os nossos appetites e
paixoes, de maneira que se Cvitem os ex-
1 tremoiV
16:905}000.
Gom quanta celeridade arruina a meltaor
constituicao abuso dos licores, qu fcmBe- dem caxatea .
1 bedam 1 Pelo que vemos com tanta frequen- [ \^em Reaebr
cia os dentados a embriaguez carregados de Wem.ah ou espinto de agua-
de audarv ceuaando.lue.as dores as mais agort- males, COfrendO C0U1- paSSOS largOS para a Algodao em caroo
___._______i- Ji___.___ M _... ....... ... i.-Onnltl1l"I a R/... An A ,..,.,.,. .mnikin IJm nrr. ~,^, nn
santes qnerde mente atormentdb potlfes. aflllc^oee e dores,'
e quasi que aborrecido dwcaaUnnacio de ira-
ilhairto rida, teiuVo'poHr conaiica em niedeciaas, e nu n-adade parc-oia
qu para elle nao lint restava mais espran(a
algum; assim pois raeignado esfwreva oe-nv l
paciencia* Wtiik fturhde /eus mntiplini(ts-
wffrimentoB, eis q"ue mifagrbsaiente por for-
tuna sna le receitarSo o grande- purifieodor
io Kangue
A Salsaparrilha
DE 3RSTOL
elle se acou dentro seu irruiuediarel <>likdu de desespero, e a doce
e risonlia esperanza tornou de novo reviver
em seu coracSo; sob1 a poleroza e Irenevola In-
Oucncia deste admuavcl mecLcamento, as uas
sbagas em brere principiarn awuuiir frm ca-
rcter fsMmvel diminnindo o aspecto de sna
malignidad A massa do sangiie e mais
humores do sretema tornou adquirir urna
appan-ncia clara a. saudavel, as- dores utor-
meniadoras d'outro ora o deliarito, e-tfma doce
i suave tranquilITdade princililou pncorrer
todo o seu svstcma, i Kstaurano-lbo a deeejada
,iaz e socego d'espirito; as chacras urna urna
se forao fechando ate qu finalmente se cica-
trlzarao d'um todo, e hoje acha-se perfeita-
mento sao, (fosando d'um patfeit estado de
aude, depois de se twr visto privado d'este
grande gozo durante mais d'um anno. Elle
dorante esta ba cura, apenas fez uso de
DetaseU gnala* da Genuica Salsaparrilh*
de Bristol, ;>nT*r*da'exclusivamente pnr
LANMAST & KEIIIP,
9* WVA YORK.
.
Beeotnmendase mui particularmente aos
Doentes d'ambos os sesos, que erapregrem
toda a cautella na escolha d'este admiravel
remedio, afim que nao obtenlio outra oom-
posicao qalquer, qne-nSo*ja a SalsaparrU-
ha Oanuina de Btifetir, pois que todis as
mus preparacoes e imitac^es d'esta natureza
sao falsas nao possuindo virtude alguma.
Vende-se as boicas de Caors & Barbosa
e C. Bravo & C.
sepnltora, e por is? o cotnmum proverbio,' Idear em rama on em Ka
I que todos os ebrios moneoa hydropicos. Arroz com casca ...
! udo.queerabebedapoeanat4ireMem^ : \
\ estJo ! da pessoiBa que tragara: e, quando se fepe-' dem refinado ...... ,
. le quasi todos os das este veneno,- fcil Azeite de amendoim on mena6-
| prevet-se as consequencias, que resultam ub'md ; ead*
delle. Asfebres da bebedice wm sempre denT .tg mamona I '. '. '. t
terminara emum dia; acabam ardinariamen-1 Batatas alimentiaias .... arrofc*
te uma inflammaco do peilo, do Ogado, ou Bolacha oidinarft,praprfa para
do baco e produzem fataes effeitos. I u??bir'oe.....
A bebedice de especies alcoolicas quando efm^ ; ; ; ;
se osam cort excesso, debilita as entranhas, dem escolha oorestof.
impde a digesto, destre a forca dos ner- dem torrado ....
jvps.ecausaenfermidadesparalytica, econ- ^a!t,ros......
vulsivas. Do iDesra modo esqoenta e in-'jem" hran'i;
I flamma o sangue, destroe' sua qualidade bal-' carne scea (xWqa)''
samica, e o torna intil para a circnlaco e. Canieiros ......
para nutrir o corpo. Dabi procedem a'Camo vegetar ; .
obstroejes. magreiras, hydropesias *** | ^^0?^ nrato!
Lbtes sao os caminfcos ordinarios, com que jjem idem em velas .
os bebadosfazem sua carreira, e enfermida- Cha .......
des desta casta, quando te produzem em um Gharntos ^ j 4
30 caixas papel de imprimir, i pacote amostras;
a ordem.- II
----- O arrematante dereta cumprir restrictamente as
instrucefes do engeabeiro fiscal da obra e as eon-
liccdes do orgameoto e contrato
III
0 arrematante dar comero as obras no praso
de 15 da**, e as cenelatr no' de 14 metes, ambos
coudos da data do-contrato.
IV
800" pagamentos sero fertos era tres presta^aes
360 iguaes, corraspondeles ao valor da obra feta,
880 mene o eropedramelo qne ser em nma s pres-
900" l$oy quando fcera eoifga;proviena:
V
- mina o art. 8;i do rtgoiamedto de de jtrlbo-d
AUANDEGrA.DE pernambuco.
muta dos PHEgos dos'gknros sdteitos a dirbuos
i)k exportago.8euana di 16 a 21 do hez db
julho 1866.
Mercadorias. Unidades. Valores.
Apaos.........ceino zjsw
Agurdente de cana .... caada 900
! Idenrrestilada ou do reino
ardente
arroba

VI
i-i O reeeblmeirtO'deftaliiW'de-wdo o4tnq(t, e*obr*
erar* 19 meies depol da entreaa provtcoii.
Vil"
- f Para'todo mais ^m afeo estirer aqoi especilca-
U800 do C0Dtra,' segf-8>ba eaaaa prescrve e rth
14800 fer, regolameo dw *ras pobli.-as.
iSiOO Conforme.Miguel Agtoy yrreirai
woo Manoel Joaqjiti Baplista eserivo vitalicio mesmo sitio margm do ri Beberibe' des-
e publicado pela Imprensa.
Dado e passado nesta cidade de Olinda, sob raen
signal e sello desle juizo, ou valba sem sello ex-
causa, aos o de iulho de 1866.
Eu Frannisco das Chagas Cavalcante Pessoa, es-
erivo de orphos substituindo ao escriv3o-do ci-
vel o subscrevt.
Eduardo Aupusio Pinto de Oliveira.
Ao sello 300 rls.Vaina sem sello ei-caosa.
E. A. de O.'iveira.
0 Dr, Eduardo Augusta-Pinto de Oliveira, prensa,
juiz municipal e de orphos do termo de
Olinda, por Sua Magestade Imperial e
Constitcionat, que Dos guarde etc..
Fao saber aos- que o presente edita! vi*-
renu que findos-esdiae pracas dalei, pe-
rante1 este juizo, se bao de arrematar por
venda, quem maior Hinco offerecer sobre
seus valores os bens seguintes:
Um sitio'denominado dos PeiKinhos, ter-
reno prbprto com casa de pedra e cal, com
;duas salas, sete quafto?, cosinha, e estriba-
ra independente, com diversos arvoreds
de frcto e umapeqHenoapoeipa, sendo o
portas no andar terreo e
cojos fondos esta' annexo a loja da frente e os an-
dares da casa n. SO, avallados amaos os predios em
12:0004. As quaes Corara penhoradas por execa-
Cao de Antonio Gomes da Cuaba e Silva contra
Francisco Antonio Pontnal.
E nao bavendo laceador que cobra o preeo da
avaliaco a arrematacao sera' feita pelo prtco da
adjudicacao na forma da lei.
E para que chegue ao conhecimento de todos
mandei passar o presente editai qae sera' affixado
nos logares do cosame e publicado peta lm-
Recife, 17 de julho d,e 1866.
Eu Manoel Hara Rodrigues1 do Naseiroeot, es-
erivo o stibAcrevi.
Trisiao de Alencar Ararfpe.
DECURACOES


libra
um
arroba

um
arroba
nma
libra

*
cento
ijuM* do civi! n esto,^uad'do Rec'ife de Per-1te tonao, e avaliado por tres coritos e qui-
74000 nambuco por Sua Magestade Imperador, "lientos mil reis.
74)0 qua Deus guarde etc. Urna casa de pedra-e cal sita no logar tos
6*; Certiflco ser a.lbew da carta, de editos Arrombad deste termo, em chaos foreiros
**^ abajxo transftriptoxk. forma eguinte-: I a Santa Casa de Misericordia da cidade do
Carta de editas.-O 9r. Virgilio de Gus- Becife, com quatro jaaellaa na rente, duas
310
%oa-
' forte bebedor, rara vez admitem cura.
Cevados (poroos^.....um
cesto
libra
<
t
Espadadores grandes
um
t
t
nm
i
Alguna arruinara sua sade bebendo mui- j? fcfM ; ; ;
, to, aioda que rara vez (pelo costume) se em- cauros de'bo, salgados^. '.
bebedem, posto-que nao produza effeitos t3o! dem idem seceos espichados
vioUnto*. nao 85 menos perniciosos. dem idem verdes .
Quando os vasos se conservam constante-: fi fi SrffiS?^ ;
; mentte'ieios o dilatados nosa podem ftizer Doces seceos ...... Hbra
jbem as digestSes, nem preparar-se devida- dem em geia otr massa
mente os humores. Por isso a maior parte {dem em ca,da
destas pessoas padecem, gota, pedras, areias, I raePmnno?
chagas as peinas, abatiraento de espinto, Esleirs para forro de estivas
| desorden6 bypocondriacas e outrds sympto-j de navip........
[ mas de indigeslSo. Estopa nacional .....
A bebedice nao s destruidora da sa-^^ 2adrutmandloca
|de. mas dasfaculdades da alma, o costumepeijaode qnaiqner'qudlidade .
i de embebedar-se faz idiota os genios. \ Frechaes .......
Assim, poisj aos chefes das l'-milias con-! j*"*1"0 em. wlha, bom .
vm salvar aos seus. faiuulos, qt:c arraigados Sf5 .ESL rcs '
; j ~u ^ i t- i dem em rolo bora ....
ao \icio da embriaguez nao os podem livrar ldem ordinario ou restolUo. %
pelos rneios suaaforios, appllcndo-lhe> o re ; Gainhas ....... um*
medio, que faz nteiramenif enjoar as bebi-l60"11........ arroba
das que se vendem : na botica ou labrate-, KjfS S") \
rio pharmaceUlrcoi na ra Drreilam 88j de Toros
Jos da Rocha Paranhrjs.
m3o CoelhO' jaf municipal su -pente daPrlas e terroco com grade de ferro, duas
2.*'vara n'sta eidade do Recife de Per- salas" na frente e duas atraz, nove quartos,
nambuco por Sua Magestade Imperial e cozinha fura, e senzalla, tendo a mesma ca-
Consritrjofoia* a Sr.i D. Pedro H, que! M so,So' e c0*8 quintal mur-ado com fructei-
Deus guarde ele:' ras, avahada por dois contos de ris.
Factf saber aos que a presente carta de D\i'-is mar'qii zas sendo urna com o as-
s{^edito9'v4rera.'d'eii>netieia tiverem que Msent de cooro, e outra com o assento de
Tirmt irtmu.has-^rh- *.,-.tf0. ,je ffasQi.; palbioha, por sns mil ris.
Um camap cora o assento de palhinha
em mo est do, por dez mil ris.
Quatro bancas de madeira em mo esta-
580
3480U
44000
14000
14600
320
500
44010
660
160
200
WO
centtr
arroba
alquere
arroba
c
um
arroba
JJoga1 junta admfilaa-atrva" d* Santa Casa
- 'ricfdi do RecTr, me dirigi por escripia
a petico do theor seguinte :
Diz a junta administrativa da Santa. Casa
de Misericordia do Recife, quer fazer citar'do, por dezeaseis mil ris.
aos herdeiros do fallecido Manoel Pinto,! Dose cadeiras de madeira de Jacaranda,
tofOOJ para ji primeira d'fjsM-juizo, falfarem aocom o assento de palhinha, em mo estado
140JH termos de um. ltbeto- em qne Ibes qner por vinle e quatro mil ris.
" pedir o sitio a 8* partiaular,- da matinlia,1 Quatorze cadeiras anw-ricanas com o as-
no lugar d?s'Salinas, do qual se acham de! sent de pao a quaes por estarem em mo
posse por titulo-de aferamento feito a aquel- estado, por quatorze mil ris.
le fallecido visto terem os supplioados cabido Dous espellios com moldura dourada, por
em cammisso, como aelhoraiorite' axpressa* 'doua mil ris.
r em seu libelto, pena derevelia, flea- Duas commodas de madeira em mo esta-
eento
-
16S0TO
24000
4900
44008
24800
54000
154000
84060
104000
84000
14000
24800
254000
24501)
THEATRO
TTERC5&.
Xarope alchoico- de veame, preparado
pelo pharmaceutico Tose da Rocha Paranhos,,
estahelecido Com botica na ra Direita n.
88 em Pernambuco.
Este xarope incontestavelmente superior p"ontas,"ou ohifres de vaecas o
Linhas e esteios...... nm
el ou meiaeo ...... caada
ilho ......;.. antitja
Papagaios ....... um
Pao Brasil....... quintal
idem de jangada...... um
Pedras de amolar .... urna
dem de filtrar ......
dem de rebolo- ..... ,
Piassava........ molho
64080
moo
34000
64000
54000
900
800
14000
160
a todos os xarpes epurativo s, de cuja
No Diaria de Wra ms"m-se nma pnbllca- *^ Se fr-ele-ento a salsa
gao sob a epigraphe Cousas (lo Ttieatro,- ealP*n,na R01S ue se tem COnhecido ser O
novilhes....... eento
Pranohdes de amareilo de dous
costados....... um
dem de louro......
qne se pretende despretigiar a oblime actrii En* vtame mais enrgico para a prompta CurrLRap......... libra
genia Careara, qnerendo mostrar o mo desempe- \ das molestias, cuja base essencial depende! Sabao.......". '. >
nbo dos dramas representados as emprezds pas I nrificarin n ano-no assim
sadas, laes como a Moga rica, Puuic... Filhadoi. puncagao 00 spngUO assim pois SO
Uvrador, Redempcao, e oatros mais. E' para crer:lem verificado per mudas pessoas que se
qne o antor de tai pomada nao assistisse aquelles '< achavam desengaadas, as quaes acham-se
espectacnios, e te alguma, vej foi ao theat.o, foi hoje rcstabelecidas com o referido xarope
Ulvez lembrando-se de sua puberdade, munido de alchoolco de vrlamt entr*tantn mo al-
anzol e vara em paho para pecar algum lubaro dlul0(JIIC0 ue ocame, enirtianio que ai-
qae demandasse o porto de G..., porque ao con- aus. tentJo usado (lo xarope de Cunmer,
trario teria preseacudo os app ausos que receben de Larrey, de salsa parrilba, de saponaria,
aquella actriz, os bouqoets que I he offertaram e as oleo de ligado de bcalho. e OUtros agentes
poeslaa qne Ibe reciuram; as mais vivas manifes- d ta n f a Pon tacoes de sympalnia receben aquella actriz omexe- ., '"aeiBn,,aa tonseguiram. b ene ae
cucio de todos aquelles dramas. A actriz Adelay-, acil digestfo, agradavel ao paladar e ao Ol-
de hade curvar- a carrtx. peranle to autorisad; phatO. Alguns mdicos desta cidade 6 da
genio porque jamis dar' tio briihante exteuco i de Maceio o teem recommendado para a cu-
aquelles papis como deu a Sra. U. Engenta. a ja r
Pela nona vez vai boje em scena a Actriz
Hebrea 111 Qne miseria 111 mas o que ha de fa-
zer o emprerano se a Adeiayde nao sabe represen-
tar ontra causa TIN se a tai peca fosse cousa qne
se comesse, quanlas indigestoes teriam por abi ha-
vido 11
Ha das lemos em um pamphleto, Retinta Ilus-
trada, que melhor seria se denominasse Revista de
Borr... r ao theatro em noite que Adeiayde
nao trabalha loucnra inqualfficavel e nos dire-
mos qne ir ao theatro em noite que ella trabalha
ser mil vetes mais que lonco, porque faz nojo e at
mesmo faz mal aos ervos ver a reapparicio das...
cirpideiras, qne como diz o adagio cbonrvam per
mam...
Nao precisamos encarmaf mrito da Sra. D.
radas
Impgeras, tinha, escrophulas,
Tumores, ulceras, escorbuto,
Cancros, sarna degenerada, fluxo alvo.
Todas estas .affecces provm de urna cau-
sa interna; n ha pois razio alguma em
crr que ellas.se podem curar com remedios
externos. Tambem se prescreve o xarope
alcholico de veame para o tratamento das
affecces do systema nervoso e fibroso, taes
como:
Gotta, rheumatisnao, paralysia,
Dores, impotencia, esterilidade.
34800
204000
104000
14000
160
400
235000
54000
74000
24000
1409008
874000
34000
4000
6^000
380
10*000
85000
65400
800
Eugenia, a sasrepaiacao ariissica-esta benrflrroa- Marasmo, hypocondria, emmagrecimento.
da do norte o sol de mperin, e por onde pasea > O xarope. alcbOOCO de veame SOre
S^S^'^^^^^ Ia maior "tilidade para curar radi.
essa goerr mesnoioha' qn se faz a tao disiineta-( clmente, e em poueo tempo o rheuma-
aclriz; pedimos a nosso turno expHaacoes ao Sr.
Coimbra a quem indigitam de parcial, e esperamos
de sea cavaiheirfsme ama resposta concisa de for-
ma a esclarecer aquelles qae tem tomado inieresse
as qnestdes do iheatro. i
Os inimigos da hypcristo.
Florida de Klirrav & Lau-
mmp{
Em consequentfa da sua grande e vasta
popularidade e justa'celeridade em todos
os mercados da Amrica do Sul e das Ami-
Ibas, para o use de eujos paizes, ella foi
excesivamente manufacturada, ha mais de
vinte annos; a mesma tem sido exclasiva-
mente imitada e contrafeita neste paizt Po-
rm presentemente o artigo origina! fot in-
troduzido, e em virtude do mesmo apresen-
Lar a distioctiva marca commercial dos pro-
prietarios, poda fcilmente ser distinguida
pela sua apparencfi exterior dessas outras
simuladas e fraudulentas composices. Os
signaes internos- de. perfaiU genuidade sao
muito menos fcil de engao, por- quanto a
Agua de Florida de Murray e Lanman tem
e deseovoive o aroma proprio das frescas e
florescentes flores e plantas do trpico das
quaes ella deriva a sua ella e exquisita com-
posicJo, e a axposico ao ar, em lagar de
diminuir, augmenta a delicadeza de seu fino
aroma, em luga_r de produzir urna emana-
do acre ou urna'certa.effluvia desagradare!
como acontece, com esaea parfomea e aguas
de cheiro as quaes silo preparadas e corir-
postas com leos "TSa^oTe fortissimos de
essencias.
tismo.
Adverte-seque o verdadeiro xarepes se
vende nesta cidade na botica' cima indica-
da, de abaixo assignado; e em outra qual-
quer parte que se tem annunciado nao da
mesma composicao, e nem o abaixo assigna-
do se responsabilisa.
Jos da Rocha Paranhos.
nm
CQMMERC10


fiaia filial do baneo lo Brasil em per-
nambaco 13 de julho tle 1866
A caixa desconU os saques de sea aceite pela
laxa de 6 0/0 ao anno.'saca sobre a caixafillai na
Baha.
Gaita Filial io Baaco do Brasil em Paraaabaao
es 13 de jolito de A866
De ordem da directora so fax sciente aos sened
res aeetontstts que o Ihesoureiro est aulorisa-t
a pagar o 2o* dividendo das acedes desla ealxa a
razao de 105.
O guarda-ihrroa
Ignacio Nones Correia.
Sal........... alqueire
Salsa parrilha....... arroba
Sebo em rama......
dem em velas......
Sola em i vaqueta...... urna
Taboas de amareilo..... duzia
diversas ...... >
Tapiocas......... arroba
Tatajoba ........ quintal
Travs...... urna
L'uhas de boi ...... cento
Vassouras de de piassava >
Ditas de timb.......
Ditas de carnauba..... >
Vinagre......... caada
Alfandega de Pernamuco, 14 de julho de 1866.
ADITAMMEKJrrO.
Cera de carnauba arroba
Cassueiras de Jacaranda, duzia
Enchameis...... um
Esteiras de carnauba. urna
Ossos........arroba
Palha de-carnaba molho
Penna de ema .... libra
Sapatos de couro branco.
Era ut supra.
Approvo-Afandega de Pernambuco, 14 de julho
de 1860.------Paese Andradi.
(Assignados):
O !. confereute, Manoel Peregrino da Silva.
G 2. conferente, Francisco Alfonso Ferreira.
Conforme.O 4.*' escriplarario, Joao di ?.* e,
reir Rocha.
RECEBtCDORIA DE RENDAS INTERNAS GE
RAES DE PERNAMBUCO
Reudlmenlo do dia 1 a 19....... 25:9165895
IdemdadiaSO................ 3204295
do lago citado, para todos os termos da
causa, at final exeeupao.
E porque a supplicante ignora quaes se-1
jam Os berdejros do mesm fai'ecido, por]
isso retjuer a V. S. qpeae digne de mandar
passar carta de editos, com o 'prazo de-fiO
dia.-pwa serem os supplioados itabos porij
todo o contedo nesta Pereira e Souza,
p/ocesso civil n. 203, prtanlo pede ao
par
64400
950000
10500
200
240
800
20000
800
26:2375190
CONSULADO PROVINCIAL
Rendimento d da 1 a 19....... 82:3245962
dem do di, JO.........,*,.. 1:0747
83:3325684
MOVIMEIITO DO PORTO
O Novo
ao anno
Moto bnneo de|Peraaoa-
boco.
descoma letras a 9 por eento
Banco
aLFANOEGa.
Rendfmento do dia i a 10...... 464:1935191
rdetn do da 30.'.............. 21:1304137
485:7234318
MOVIMEiNTO DA ALFANDEGA
Volamos entrados cora faiendas...
Navios entrados no dia 20.
Cear41 das, batea portugneza Flor de S.Smao,
de 394 toneladas, capitio Jos F. da Oliveira,
equipagem 16, em lastro; a Carvalbo Nogueira
&C.
Porto37 das, brigoe portoguaz Esperanca, de
198 loneladas^capltao Antonio Rodrigos Sm-
palo, eqolpagem 13, carga vinho e ontras gene-
ros ; a Cuaba lrmos & C
Porto' de Israso (na costal'Africa)31 dias, barca
ingleza James Wttson, de 304 toneladas, caj>llo
125O0 lli. St. Dn jaiB-M'ooicipal da 2.a vara llie
efir. Espera necebermerce.Como pro-
curador, Jos Taeodbro Gomes.
De tribuida como requer, Recife 28 de
fevereiro de t860Virgilio Coelho. A.
Baptista,Oliveira.
Nada mais se continha em dila peiico e
despacho em comprimento ao qual o eseri-
vo que esta-sobacreveu fez passar a pre-
sente carta de editos com o prazo de 60 dias,
pelo theor do quar chamo cito e hei por ci-
tados os herdeiros de Manoel Pinto, para
que dentro do referido prazo compareeam
D'este- juizo, por si ou por seus procura-
dores, afim de responderem aos termos
da accao constante da peticao supra, trans-
cripta sob pena de se proceder
termos as suas revelias.
Pelo 4e toda e qualquer pessoa, partn-
,tfts, amigos e conhecidos dos supplicados
j herdeiros do fallecido Manoel Pinto Ibas po-
dero fazer scientes ao que'aoima fica ex-
posto, e o porteiro deste juizo publicar e
affixar a presente no lugar do costume mais
publico, depois de baver tranzitado pela
chancellara'.
1 Dado e passado n'esta cidade do Recife
de Pernimbuco aos 5 de marco de 1866
Eu Manoel Joaquim Baptista eserivo que a
subscrevi.Virgilio de Gosmo Coelho.
Vai pagar 250 rs. de dirt'itos de chancella-
ra. RecKe 5 de marco de 1866.Baptista.
Numere 1^250 de direitos de chancella-
ra. Recebedoria 10 de marco de 1866.
Chaves. F. L Cardim
Armas itrperiaes. N. 53. Ris 400.
Pagou 400 rs. Recife 10 de mar$ de
1866.Chaves.Senna.
Estava o signal do sello da chancellara.
Firmino Antonio de Souza, presidente.
Tranritou pela chancellaria Recife i0
de marco de 1846. O escrivSo.Francis-'
cisco dos Reis Nunes Campello Jnior.
Laneado a fls. 101 do competente livro
o. i3: Recife 40 de marco de 1866.
Campello Jnior.
Nada mais se continha em dita caria de
editos aqui bem e fielmente copiada dj ori-
gina! a qual me reporta : esta vai sem cousa
ue duvida faca, conferida e concertada, e
por mim subscripta e assignada n'esta cida-
de do Recife de Pernambuco aos 12 de
de marco de 1866.
Fft escrever e assigrib. Em f de ver-
dade e C.Manoel Joaquim Baptista.
N 14-iReis 400.Pagou 400 rs. Re-
cife 20 de mareo de 1866-. Chaves.
Senna.
*
L E. Dyer, equipagem 11, em lastro ; a'JOl
Pter & G.
Navio sahido no mesmo dia.
Aracalyhlte braslleiro Dnu Irmos, capitSo Vi-
cente Ferreira da Costa. ^
ODSrwtfifo.
Suspenden do laraario para a liba do Sal, a ga-
lera brasilelra Mindetto, capitn 1. f. da Costa, tora
o mesmo lastro qae trouxe do Rio de Janeiro.
do. por dbus m! ris.
Urna mesa de madeira de servico da co-
rintia em mo oslado, por cinco mil ris
Tres mangas e trea casticaes de vidro, por
seis mil ris.
Uma mesa d madeira com espelbo, por
quatro mil reis.
Uma mesiaba de amareilo ordinaria, por
um mil ris.
Uma baca e um coco de cobre, porinove
mil res-
Um bah de pao coberto' de couro, em
bom uso, por cinco mlr' riS:
Um dito velho, e uma caixa tambem ve-
lha, por dous mil ris.
Duas caixas velhas de madeira, por qua-
tro mil ris.
Uma bacia de fiandres, por.mil ris.
Uma canoa pequea de earreira de um s
pao em mo estado, por qnarenta mil ris
Diversos objectos de cozinha e loor;a, tu-
do em mo estado, por dez mil ris.
Cojos bens sao pertencentes a massa in-
ventariada da finada D. Joanna da Silva Me-
deiros e v5o a praca por venda, a requeri-
a todos os ment dos herdeiros da mesma finada, e
I anuencia do Dr. curador geral de orphos.
E para que chegue a noticia de todos
mandei passar o presente, qne ser affixado
no logar do costume, e publicado pela im-
prensa.
Dado e passado nestn cidade de Olinda,
sob meu signal e sello deste juizo, valha
sem sello, ex-causa, aos dez das do mez
de julho da mil oito centos e sessenta e
seis.
Eu Francisco das Chagas Cavalcante Pes-
soa, eserivo de orphos o subscrevi.
Eduardo Augusto Pinto de Oliveira.Ao
sello trezentos ris. Valba sem sello, ex-
causa.
Eduardo Augusta de Oliveira.
O Dr. Eduardo Augusto Pinto de Oliveira, Juiz mu-
nicipal do termo de Olinda, por S. M. imperial e
constitucional que Deas guarde, etc.
Fajo saber pelo presente qne a junta adminis-
trativa da Santa Casa de Misericordia do Recife,
por sed procarador me ladero ,o a peticSkxU theor
segualo :
nlm. Sr. Dr. juiz municipal do termo de Olinda.
-Diz a junta administrativa da Santa Casa de Mi-
sericordia da cidade do ReeMix a cojocaifose acba
a desta eMade; qae qner HzY citar ao herdeim ainctas.
de Antonio Jdsdfelwir Castro para-avpHmei-
ra deste juizo fallaren! toa termo* de nm labetto
em qae* Ibes qner pediros-sufos de os. 1, 2 e 3,
particulares, no logar denominadoSalina:des-
te termo, dos quaes se acham de posse por titulo
de aforamento feito ao dito Antonio Jos Teixeira
L .
de Castro, visto terem os supplicados cabido em
,..- ta eommissos, eomo melbormenu.se expressar em
(canillo S'c^omXlJiTS, seu libello, peaa de reve.ia, Ocando logo citados
ruxeida Baha. com o mesmo laetro qoaiPiral0d08 os tarmbg da cansaa( flna! eiecu.
C**-
~ '!......"' *m i mmimmmmmmm Efporqae a supplicante ignore quaes sejam esses
E1 I T 1 F ^ herdeiros, requer por Isso a V. S. quese digne-
u l "- <*_____________ mandar patear cartas de editos com o praso de 60
dias para seren citados os supplicados por todo o
0 Illm. Sr. inspector da tbeiouraria provn- contedo Desta. Pereira e Soura. Precesso civel,
Por ordem do lllm. Sr. Inspector da theson-
raria de.fazenda desta provincia se faz publico pa-
ra conheeiraento de todos os foneciooaris pbli-
cos da provincia, pensionistas e mais pessoas qne
recbem mensahdades pela pagadorla, qoe, para
regularidade do expediente desta e ordem n> ivfa-
mento das partes qne a ella afflaem no principio
dos mezes, pretesdendo todss-ser pagas ao mesmo
tempo, o qoe rtla confuso ao expediente e mo-
tiva queixas tem deliberado o mesmo tlim., Sr.
inspector que de de agosto prximo em diante
s* observe na pagadoria a-seguinie tabella:
Tabella dos dias em que se devem verificar
os diversos pagamentos que esiao cargo
da pagadoria da theaonroria de fazeoda
de Pernambuco.
.No Io dia ntil de cada mez.
Presidencia.
RelaQo.
Faenldade de dlreltb.
Prets de tropa folha de offlciaes.
Tbesourana:"
No 2
Crrelo gerat.
Justica de l- instancia.
Pessoa) da polica.
Folhas dos guardas e marinhagem da alfandega.
Consignares de familias de offlciaes e outras
No 3.'
Arsenal de guerra.
Recebedoria.
Tribunal do commercio.
Offlciaes reformados.
Empregados da visita da saude e instituto vaci-
nico.
No 4.
Juizo dos feltos.
Alfandega.
Bispo, ealhedral e parochos.
Aposentad e em pregadas de reparilcSes ex>
^auta Casa da Misericordia do
Recife.
A lllm*. junta administrativa da Santa Casa de
Misericordia do Recife precisa eentratar o froect-
menlo de camas de ferro para o collegio das or-
phaas : quem se julgar habilitado a fazer lal for-
necimento doapare^a na sbla de jbas seo%*, as
4 horas da tarde le di 21 do corrate.
Santr Cas* da Miserieordt de-Recife 17 de jn-
ibo de 1866.
O eserivo rafeViBo,
________________Pedro Rodrigues de Soez*.
Pela- inspecfio da alfandega s faz publica
que no dia 21 do correte, a' portada mesma, a
1 hora, da tarde se hao de arrematar livree de di-
reitos duas cal xas de marca H A A B, o*. 2,489 e
2,492 conlendo 440 libras de papel almasso pauta-
do, avaliado em i 14'<00 as quaes caixas foram
abandenadas aes direitos respectivos por Henrique
& Azevedo.
4' seecao da alfandega de Pernamtinco, 18 de
jaiba de 1866.
O escrtptarario,
_______________Joao de A. Pereira Rocha.
Santa Casa da Misericordia
da Becie,
A lllm.- junta administrativa da Santa Casa de
Misericordia do Recife manda fazer pnWio que
oo dta 26 de jnlho pelas 4 horas da tarde na saia
de suas sessoes tem de Ir a praca a renda das ea-
sas" abaixo mencionadas por tempo de nm a (res
anm*.
Os pretenderes develo edmpareear acompanba.
dos de seus fiadores oo manidos de cartas destee
Esfabelecimentos de caridade.
Roa Direita.
N. 8 sobrado de 2 andares .... 1:067*000
Roa do Padre Floriano. ______
liua do Fagundes.
N.32 casa teneall.t .Jf. y T t 155*000
Traves de St Joate.
N. 13 casa terre*. -......153*000
N. 14 o casa terrea.....y,. 169*000-
Roa das Calcadas.
N. 36 casa terrea.......176*t)0O
N. 38 casa terrea...... i57*u00
Ra da Virado.
N. 7 casa terrea.......204*000
8. 19 idem........180*000
Ra larga do Rosario.
N. 24 segundo andar......300*000
Ra da Moeda.
N. sobrado de 3 andares. .... 480*000''
Clneo Ponas.
Casa terrea n. 90.......240*000
Becco do Quiabo.
N. 8 idem, casa terrea.....141*000
Ra da Gloria.
N. 55 idem, casa terrea. .' 144*000
Hu do Encantamento.
N. 3 idem, sobrade......400*000
Ra de S. Bom Jess das Grioulas.
N. 8 casa terrea.......131*000
PatrimaDie de orphos.
Roa da Cadeia do Recife.
N. 61 sobrado de 1 andares. 902*000
Roa do Rangel.
Casa terrea n. 56.......300*000
Ra do Vigario.
O !. andar do sobrado n. 27 180J00O
S. Goncalo.
Casa terrea n. 22.......189*000
Ra dos Burgos.
Casa terrea n. 19 .. .. 19J00O
Senzala Velba.
Casa terrea n. 18.......200*000
Ra da Gnia.
IdemD. 29.........144*000
Roa do Pilar.
Casa terrea n. 105.......168*000
dem n, 103 idem.......2008000
dem n. 99 idem.......255*000
dem n. 94 idem.......2008000
dem n. 5 ne Forno da Cal. 150*000
Secretaria da Santa Casa da Misericordia do
Recife 11 de julho de 1886.
O eserhrio interino,
. Pedro Rodrigues de Sonzi.
Subdelegada de polica da freguezia de S.
Antonio do Recife 18 de julho de 1866
No dia 15 do cosrente foi mandado depositar por
ordem desta subdelegacia nes avallo eastanbo qua
fra encontrado sem gnia na ra larga do Rosa-
rio : qnem ao mesmo tiver direito cotupareca
comprovando o sen dominio para Ibe ser entregue.
O subdelegado,
Manoel Antonio de JesujyJonior.
Quarta-feira 24 ao corrente, depois da audi-
encia do Dr. provedor dos residios, tem de. ser
arrematado como bens de evento, um barril de
No S.'
Arsenal de marinha.
Capitana do porto.
Aprendizes artfices.
Guarda nacional.
Pensionistas do estado.
No6.
Navios de guerra.
Aprendizes marinheiros.
E quaesquer funcclonarlos qoe
cebido os seus vencimentos nos dia
cam marcados.
Secretarla da thesouraria tfe Pernambtreo
julho de 18&
Servindo de offlcll maior.
Manoel Jos Pinto.
manteiga ingleza e um cavallo,
eserivo Nunes Ferreira.
pelo carlono do
Tribunal do conmercio.
Em aditamento a' publica^o do registro do dis-
trato da sociedade de Paolo Jos Gomes e Fran-
cisco Jos da Silva Mayer, declara-se que a li-
quidaeo do activo da mesma sociedade fica a
cargo do ex-socio 'Gomes ; podendo o ex socio
Mayer ajuda-lo na ce-branca das respectivas di-
vidas.
Secretaria 17 de jamo de 1866.
O offlcial-mafor.
Julio Golmartes.
Correio geral
RelaQo das cartas segaras existentes na admi-
nistracSo do correio desta cidade, para os Srs.
abaixo declarados:
Antonio CrrelaCabral, AntoniollaftiiisFfman-
des Gulmaries(Port(i),Joaqoim Cabral de Melio.Dr.
Manoel Boarque de Macedo, D. Quiterla Marta
de Jess Portel la (Porto) e Hay mando Botarte da
Silva;__________________
Rapeceo 4o arsenal de nariiha
A inspeccao recebe pedreiros e serventes para
as obras do arsenal.
Inspeccao do arsenal de marinha de Pernam-
buco 20 de julho de-1866.
0 secretario,
Aiaxaaee Bodrtaaee'dos Abjosj
nao tenham re-
que Ibes fl-
11 de
sito especial de instrneco para
cacadores a cavalla.
Ocipitio commandante contrata para o'foraeei-
ment da cavalbada io mesmo depeelw, daraata
o 2* semestre doorfBe one o segviote :
Caplm de planta e arrobas.
Miiho em alqoeires.
Mal em garrafas..
Farello em libras.
Os preponen tes aprese otara as suas propostas
em carta fechada no dia 21 do corrente ao meio
dia no quartel do mesmo deposito.
Qaartel co commando do deposito no campo
das Prlncezes, 18 de jnlho de 1866.
i. 1. de Reg Montar o
v capitao commandante.
,


i
l-
:

. i




'K*^r<*^lm^.y*ift,aite *w*4t>m-
i
i
Salla Casa da Biscrieordia do-
fteeffe
A Hlm* jopla.imWsfraliv da Sania Casad* i
Miartecrdia di Uacibomauta fajer publico que-
no dia 26 do corrate, pelas 4 horas da larde, ca
sala de suas sessSes, teca da Ir praga para serem
arrematados 30$ palmos de terreno, no lagar do*
Arrombados pertenceotes a esta Santa Casa por
cessao do dominio til e directo feito poralanoel
Jos Lopes Braga e saa mulher.
Santa Casa'dt Misericordia do flecifel 7 4* julho
4e66.
O escrivao interino,
Pedro Rodrigues de Soma.
carga nroropta : para o resto que Ihe falta, j'
tr ii-MOrui do lirum n. armazem de David j
f.-ireir ejhlur, ou coro, o caaftio do referido
"ftara CisboST
A barca portogoea Gratidao a sabir cora toda
bretMade por ter prompto qassl todo e seo earra-
gamentu; para o resto que ibe taita, e passageiros,
para os
quaes"ofJerece"MaaCCOm'moda5f5e"3,\ra-'' "idenei*. i roa dos Juararapes n.
E COLA MpiKM
Acha-*e aberla a matriculen eeei/la nocturna
de S. iWPedjp Goacalves aJe-Recie, que dever
roncdeaar. Brevemente snbewlreecio do professor
Antonio Rufino de Andrade Lana, con quem- Se
podero atender aspeeeee* oe-ee qeherem raa-
tricolar; para, o que se devero dirigir casa de
26.
U-se com Manoel Ignacio da
largo do Corpo-Salo n. 19
cceme oaptiao.
Olireira d Filbo
.escriptorio, ou
10 *
I

*

* -


" Consulado de Poftug. ;
Peio presente sao coovldidos os Srs. tedores
lo fallecido subdito portugus Narciso Ferrara da
Vaig, que leva laberoa so Alagado, oa de S. Mi-
guel, a apresentarera suas contas dentro do praro
de 15 das, no consalado de Portugal, pari-serem
conferidas.________________* t
Santa Oas fle Misericordiado
teoie.
A lllma. janta administrativa da Santa Gasa de
Misericordia do. Recife meada laier publico que
no lia 26 do corrate, a* 4 horas da larde, na sa-
la de suas sessdas, se recebei ao propostaa para o
arrendamento do sobrado de am ailar uTte, sito
a' ra Direlta desta cidade, que prejisanda de con-
cert* sera'arrendado a quem se obrigarafazelos,
mediante condeses que forem previamente con-
veocieaadas, e que deverao er especialiaejdas em
ditas propostas.
Santa Casa de Misericordia do Recife, 17 de julho
de 1866.
O escrlvo Interino,
'Pedro Rodrgate de Soma.
Para o Porto.
Seguir' com brevidade a bem coahecida e mui
vaMm baroa CfstMliM, p*r ter parte do leu carre-
gamento engajado; para o- resto e passagetros, aos
quaes offerece excellentes cotnmodos, rrata-se com
Caoba Irmos & C, a' ra da Madre de Dos a. 3,
en com o capitao a bordo.______________-_
Rio de Janeiro.
O brigue nacional Beluario, que ja' tem mais de
meude da caiga prempia para o Rio de Jaaeiro,
segu com brevidade : os que nelle qoiteren car-
regar qaeiram eaeader-sa com os consignatarios
Marqaes, Barros-A &>larfO do Carpo Santo n. 6,
segundo andar, ou com o respectivo capitao na
praca. _____
Para o Porto por Lisboa a veleira e superior
barca portngueza Ermelinda pretende sabir para
os indicados portes com murta brevidade por ter a
maior parte de seu carregamenio tratado, e para o
que Ihe falta, trata-se com o consignatario Joaqnim
Jos Goncalves Beltro, na roa do Vigarlan. 17.
TIII tTUO
DE
i
EiPREi-COIMBRi.
Recica extraordinaria.
Sabbado 21 de julho.
Nona representac} do excelleote e moflo acei-
to drama, dividido era 5 actos, do famoso poeta
italiano Joo de Fon te Basse, traduiido pelo poeta
portugnez Francisco GioQalves Braga que o olfe-
receu a actriz a Sr.* Adelaide Amaral.
ACTRIZ HEBREA.
A poesa que a Sr.' Adelaide recita no 5* acta e
que tem tido uata vog a ponto de mui tas si indas
Sras. aernarabacaoas a repetlreranios seas saldes,
decomposicio do joea poeta brasileiro 6t.
MAGHAD DE AS5IS
om d )s nedaoiores d > Diario do Rio de Janeiro.
Terminara* o espectculo a comedia em laclo
omposta pelo Sr. aviniaao Montero, natn-al de
Pernambnco.
Om Flix Miz.
Tomam parte a Sr.* Leopoldina e os Srs. Ray-
mundo, Lisboa, Teixelra e Couto.
Principiar as 8 boras.
Recita extraordinaria.
AMANHA
Domingo 22 Fe jnlho de 1866
Representar-se-ha a muio engrapada e aplau-
dida comedia em 3 actos, escripia pelo Sr. Br. Au-
gusto de Castro autor da comedia Tchang-lching-
bnng.
NltiHADADEMEUSOGRO
Tomam parte as Sras. Eugeaia Cmara, Clelia,
Leopoldina, Jesuina, Emilia e J ja.juina ; e os Srs.
Paiva. Graea, Raymondo, Teixeira, P. Joaquim,
Santa Rosa, Plato, Pootes etc.
Termina com a comedia, ornada de canto
LA DE FEL.
Comecara' as 8 boras.
lar
Para o Porto
Seguir* coa brfvtdad* a bemconheeWa# velei
ra barca portugus* S. Manoel U, potMer*|rande
part*de seu *arreame**o engajado, ptra n resto
da etrga e pwagetros para os quaes tem ^ttagni-
fices commodos, trata se com os consignatarios M.
J. Ramos e Silva j f.enro, ra do Vlgario n. II,
ou com o capitao i bordo. ______
"Para JlacitF
Pretende seguir ueste olio dits o palhabote na-
cional elEOADE, tem parte de sea carregantento
prompto para o reste que Ihe falta, traa -se eoui
os seus consignatarios Antonio Luiz de Oliveira
Atetedo &., no sea escriptorio raa da Oh nn>
mee* 1.
Na raa ras Cruzes a. 38, deseja-se fallar com o
Sr. Prancisco Marques fisinwiei, morador etn
Trombeta, a negocio de seu iutera>se, visto ter de
rerrrarne at o ffm deste met a mesraa pessoa
que aoMOCia.
A. JOREZ,
FUNDIDOR E TORNEdO
METAES
Ra da Matriz da Boa Vista n. 36.
IEHDES.
Desega-se fallar ao Sr. Anto-
nio Joaquim Salgado,
e, por qne nao tenha sido posal-
vel encontrarne-o. desde 41a
26 de ABRIL dO-CorccAte aasr
joaracfltajpe InrVlIsS f ata ras,
rodfc nrJRr ftbianlo de de-
larar par esteTUA! saa ae-
HaaWeslMci
" KaTta dais Cruzes u. 42
vende-se.
Qu^-osdo-aMiaovaSoT.
Doce de golafea em lafis. m
Manteiga ingleza.
DOaiancea.
Cha de diversas qualidad".-.
VIgbo do-Porto, Lisboa e Freir.
Ga* tm latas engarrafas.
K ootros oitos geo*roa por
pronos de que em outra juiquer parta^.
P1I0T0GR.4P1II4
ARTSTICA AMERICANA
^ laKIliV
De uui refciinent ,
r
aos crooo^ooo
Gorre depois d'amanh.
Acham-se veada na respectiva tliesou-
A 21 o eorrente.
A. Van Del, tara' letlao per conta a risco de
quem pertencer e por intervencao do agente Oli-
veira, e em presenta do Sr. cnsul de Hollanda
do fretamen'o do brigue clland ez Wtlhermina
Mara, lotac,ao registrada 269 toneladas, e da
quinta classa, ora surto nesta porto, e do qoal
capitao, sendo as clausulas da carta de fretamento,
eiistente em mo do dito agente para preciso exa-
me dos preteodentes as segointes : para Cork ou
Plmonth a receber ordens para am donortos da Rpcife (73.*), Sendo
naco britanoica ou entre o Havre, Stocktilm, e ^ora dr/costUDM.
ambos incluidos ou para um porto do Meditara-'
neo at Constantioopla ; para Gibraltar*" receber
ordens para um dosportos do Mediterrneo ; e fl.'SerS pagos uma hora depois da extracc3o
nalmente para os Estados-Unidos em directamente at as 3 horas da tarde, e os outros depois
tocando em S. Thomaz ou Hampton Roads aece-, [a distribuicSodas listas,
ber ordens para nm port*ontreBaaton Savaonna a, .fin/l>mmAnrta pr3n trnar.lailas so-
ambos incluidos, devendo o frete 'Mr Kpulado AS
RA DO IMPERADOR N. 38.
Artista americano
Artista americano.
Artisti americano.
Artista americano. *
RetratosRetratosRetratos. '-
Em porcelanaNiepcotypie.
Em lencosArchrotypie.
Em vidroAmbrotypie.
Em metal=Daguerreotypie.
Em papelTalbotypie.
No grande saiao da rna do Imperador n. 38
No grande sar3o da ra do Imperador n. 38
Neste estahelecimento tiram-se retratos
em todos os systemas, com asseio e promp-
, ^thiao, desde as note boras da mahaa
! al as cinco da tarde ; assim como tem
i sempre a venda grande sortimento de ca-
xas floas de diversas formas. Qaadros
ovaes Passepartouts e todos os mais ob-
Seqtos e productos chimicos, relativos a ar-
e e recibidos ltimamente dos melbores
ornecedores da PARS e Nova York, tendo
de tudo, para todos es gostos e para todos
os preces.
Salao da ra do Imperador n. 38.
Sal5o da rna do imperador n. 38. '
JURUBEBl
A jprstetta uma das substancias nwdi-
cameritosas, que pertencem ao reino vege-
tal, e pertence clas*e dts tonyeos e des-
obstruenles, sendo empregada om* vanta-
gem contra na$ febres iDlermittentes aconv
panludas de engorgitamenio de ligado e
bago. Ella tem sido applicada com iacon-
! tesiavel proveito contra a anemia on cliloro-
raseaveis
i
i
a extrajo no lugar
6:000^000 at IO($OO0
por caf em saceos ou por mercadera Isgal em
proporcao, de confonaMaoe com a escala *) tri
bunal do coramec da Babia.
E tera' logar o Wlko no
da asoetaelo
ao meio dia 'em
Commercial desla^raca
Reeita extraordinaria.
EM FAVOR DA
Assoeiaco Benelitente dos 4lfaiates.
(Juarta -feira 25 de julho.
Hepresentar-se-ha o muito applaudido drama
em o actos ou 7 quadros
ROMANCE
DE
m HOCO POBRE.
Terminar o espectculo coaa a engranada come-
dia em i acto
A cabera do Martinho.
Principiar as 8 boras.
A commissao encarregada de promover esta re-
cita em tavor da assoeiaco cima mencionada, di-
rigindo-se ao muito digoo empreiario do theatro
de Sin!t Isabel, o Hlm. Sr. Antonio J> Daarte
Coimbra, obteve a melada do producto desta recita
e mais as esportillas, afi.n de soccorrer aos socios
doeales necessiUdos, nao podendo o mesmo Sr.
emprezario presentemente faier mais em proveito
de-to justo im por serem bastante onerosas as
obrgac,o s a que esta sugeito com a actual em-
preza ; promettendo o mesmo senhor a commissao
fazer mais alguma coasa se para diante estiver
menos sobrecarregado.
THEAaO
DE
SilTO WTOITO
(CAPUNGA.)
Sociedade dramtica Thalia per-
nambucaaH.
D^rdem dolllm. Sr. presideote do cooselbo ad-
minfWrativo desta sociedade, scientifleo aos Srs.
socios que o espectculo deste mez lera' lugar no
domingo 22 do correntese o tempo o permiltir,
que podem receber do Sr. tbesooreiro suas partes
ee bifhetes.
Secretaria da sociedade dramtica Tbalia Per-
oambucana 19 de jolbo de 1866.
O i secretario,
Augusto Lessa.
rana, ra do Crespo n. 15, os bilbe-se e nydropesia, catarrbo da bexiga, e mes-
tes meios e quintos da 3* parte da 2 1. mo para combater menstruacao difficil,
teria a beneflcio da matriz de S, Jos do. resultado da mesma anemia ou chlorose.
Extracto alcoolico de jurbeba.
Emplastro idem.
Oleo idem.
Tintora idem de idem.
Xarope idem.
Vinlni idem de idem.
Pilulas de extracto idem.
Deposito, pharmaeia de Pinto, ra larga
do Rosario n. 10.
JURU3EBA MACHO E FEMEA.
Debaixo da denominacao dejurbeba
nascem nos sitios arenosos do Brasil dous
arbustos do mesmo genero, mas nao do
mesmo sexo. Ambos crescem com lindas e
frondosas folhas, ambos produzem bagos
gramneos reunidos a' maneira de cachos de
uvas, pendentes de um pedunc jIo curto. O
primeiro, isto o macho, pouco menor
do que a femea, apenas creso; al altara
de um homem, tem folhas menores, nao
muito sinuosas, mas recortadas, com tatos
guarnecidos de a'g'ans espinhos.
as extremidades dos ramos produz peque-
as flores como que juntos em forma d um-
-mante-at a noite da vespera da extracorto.
O thesoureiro.
Antonio Jqp Rodrigues de Souza.
lxvai boHa.
Sr. afcM^iB^ onca-nt d as pro-
Vr4wems-M parte qataUw loc^r.
f-34r** TBrtoT que exislam -atguns Mtptctoru,
Desta infeliz freguezia, de pessimos co'tnmes, e que
at teohamadoalgunsfp>s*i*s |ela det-ngo (por
nao conhecerem o metal soVante), e como se teoham
publicado neste Diario, alguns annancios, com a
assignaturaO iSn'fo, que nao inspector, dos
Ibe perguolaremoa, se Ja' estara' esqoeeido da-
quellas garrafas de cerveja, que, por artes de ber-
fiques eoerloques, Ihe forarn encontradas, sendo o
tal meco obrigado a entrga-las a aquelle de quem
tiaham sido ellas sobtrataidas, e d'oairas cousitas
mais que os dizem ; porm, nos nao affltocamos;
se assim esse inspector, deve ser policiado e nao' bella, de cor lctea misturada de azul celeste,
policiarjl! nos nos acharaos possuido de moita j as qUaes representan! exactamente uma es-
trella de cinco ngulos e constam de uma
i corla, modelada e como dividida em
outros tantos tringulos, sahindo do centro
AVISOS MARTIMOS
(MtmiK BR4SILEIB4
DE
PAQUETES A VAPOR.
Des portos do orle esperado
at o dia 30 do eorrente o vapor
Cruzeiro do Su/, commandaote
Alcoforado, o qoal depois da
demora do costme segoir para
os oortos do sol.
Desde j recebem-se passagetros, e engaja-s* a
carga qoe o vapor poder condazir.a quaJ de veri ser
embarcada no da da sua ebegada; encommendase
dinbeiro a frete at o dia da sua sabida as t horas;
M passagens *6 tero recebidas na agencia roa
da Craz n. I, escriptorio de Antonio Luiz de Oli-
veira Azevedo & C.
COHI'i^llli Bll*HII,i:iHA
VE
PAQUETES A VAPOR
Dos portos do sul esperado
_---Tv aleo da30 do correte o vapor Te-
caUw,com mandante o capitao l-
ente Farias, o qoal depois da de-
i ntora do eostume seguir para os
portos do norte.
Desde ja raeabenvse passagetros a engaja-se a
eargaque o vapor poder coaduW, a qoal devera'
aer embarcada nola de su* chegada,
m
O agente Martins levara' novameote a leilao as
dividas activas da nussa fallida de Joao Jos da
Silva Villar & C, e Villar & C, por despacho do
Illm. Sr. Dr. julz especial do commercio, na im-
portancia de 5:140,1360 r?.
HOE
Em seu escriptorio roa da Cadeia do Recife n.
9, as 11 boras, os preteodentes oodem examinar a
relaco das dividas no escriptorio do mesmo agente.
LEILAO
Do importante predio onde teve fundic5o
Mesquita 4 Dutra, dividida em tres gran-
des armazns de ns. 76 a 8i, com duas
frenles uma para o caes de Aopllo e outra
para a ra do Brum, e um terreno junto
ao dito predio com 69 palmos de frente
e cerca de 300 de fundo tudo foreiro a
marinha. Ern fevereiro do correle anno fuglo o escravo
O agente Martins fara' leilo por auterlsacio do Vletor, de idade 46 annos, creoolo, dentes grandes,
Novo Banco de Pernambnco como liqoidatorio da tem uw talbo bem saliente no tereo superior. Em
massa fallida de Mesquita & Uutr, do predio e JU',V1 passado o escravo Justo, de idade 30 aooos,
terreno cima, queaero vendidos em um ou mais t-":". estatura regular, cooserya grosso bigode,
l3teg e nao tem qnasi barba algnma, tem falta de
Segunda-feira 23 do'corrente. | dentes na frente mas mostra ainda que os leve .
Oleilotera' lugar em dito predio a roa do! !m?os trabalba de sapaleiro; ambos naloraes do | m. I
lirum n. 84, ao meio dia.
pena pelo sen transtorno, ao mesmo lempo, pedi-
mos a' nosse penrn que o corrija dos seos desmn
dos : meu inspector, va' faiendo os seus ghliohos,
edeixeOcar Ilesa a candida honradez do nosso
velho fiscal, com os malditos garapSss, que muitas
cousas tem que publicar.
______0 guarda municipal
BSG84V0S FGIDOS,
cinco estames, ou blamentos, de maneira
que ao longe tomar-se-hia por uma flor de
borragem.
O segundo, mais alto, mais espionse,
tem folhas maiores, cobertas de pello pela
parte inferior, elegantemente guarnecidas
de espinhos, recortadas de um verde vivo,
tendo a mesma flor que o macho, porm
mais ntida.
Ambos, em virtude do uso qnotidiano da
; medicina, sao bastante conhecids as pbar-
Piauhy ; pede-se as otoridades e aos capites de
mato policie sobre elles.
levar roa estreita do
n. 24.
Leilao
Terca-feira 24 ao meid dia.
O agente Enzebio
Autorisado pelo Illm. e Eira Sr. desembargador
Doria, vender era leilao publico a sua chcara si-
loada no principio da estrada do Maoguinho, boto, viras dou.
uma propriedade nobre e de grandes commodos j Triptiro ja fui
para familia, alm de ura campo contendo muitos
e diversas arvores de frocteiras escolhidas, baixa
de capim e divenas pendeocias (ue sao precisas
a uma cas* de campo, e qoe ao mesmo tempo 6
perto da cidade, e em seguida ira' mais ontra pro-
priedade situada na fregaezia do Poco da Panella,
em qoe ltimamente occopou o Illm. Sr. Dr. Car-
neiro da Caoba, uma bella casa de campo, que
cootm diversas aeeommodaodes paja grande fa-
milia, sao portaoto convidados os pretendentes ao
previo exame, afira de qoe naquelle da e hora,
aquelle que melbor preen off-treeer Ibe sera' entre-
gue, tera' logar o leilao a' roa da Cadeia n. 55,
primeiro andar. ______________
Paga-se bem a quem os
Rosario segundo andar
SEGUMiA BrtSE.
Son sapaleiro..... sapalos nao fac.
Catita qoe diga quem
de tripas nao vivo. Brigar
posso, brigar nao sei III se tal me acontece,
grito... a ...*.. .de.-.lwU
tita de Oculos.
INJECTION BROU
11 Jlrulc iDlalllvcl e PrenrrvallTa, bsolulamcnlo a uLica nue cura sem neLhuoi ddilivo Vcude-se
nai principios boiicw do mundo. (Exigir a (ntirucea* de on). (a* aaaai de eiinancU.) ratii. en ana
* tareator 1 BOL, boulcrird Mtfcata, til. ^^ l ^^ ~.| rana, es cata
Vende-se na ra Nova n. 18, pharmaeia franceza de
P. MAURER i C,
AttengSo
s5o empregados para mitigar, como tempe-
rantes, e curar as feridas a ulceras, e mui-
to favorecem a cura dellas. Posto que as
folhas e raizus tenham um sabor amargo co-
i mo a chicorea e a fumaria, todava diflicil-
: mente poderiam ser ciassificadas entre as
Tombas drogas quentes. Sobresae principalmente
ou- em virtude e efflcacia, e mais amarga a
raiz, com parlieularidade a do macho, que
consta de partes mui tenues. Por cerlo o
--osimento deste faz despedir aourinaretida;
e applca-se muita vez com feliz resultado
contra as obstruccoes do ligado e da prsta-
ta em lugar das raizes apperientes. Sua ulili-
nao
LEILAO
DE
10 pipas com vinho figueira
Terca-feira 24 do correte.
O agente 'Pestaa far leilao-por conta e risco de
quem pertencer de 10 ipas e barr eom encl-
lente vinbo, marca acreditada da Figueira, a sabir
da alfandega, terca fefra 24 do eorrente pelas 10
boras da manbaa, no largo da alfandega,
IiEILAO
De
40 a 20 mm com qneljos flameBgos
Terca-feira 24 do eorrente,
O agente Pestaa far leilao por conta de quem
pertencer cerca de 10 a 10 caixas com qneijos fla-
roengos o melbor que ba no mercado viudos pelo
ultimo vapor : terca feira 24 do correte pelas
10 Ii2 boras na porta do armazem do Sr. Annes
defroote da alfandega
Rogase a quem queira prestar-se ao ensino das
materias exigidas para o concorso de official de ,
descarga,' aber: leituM, aoaiyse etc, arithme- daae e excellencta sao laes, que nao s pelos
tica estias appllcaQOis ao commetcio,. com espe-: doutos, mas tambero pelo povo rustico
ciaiidade redocgo de moedas, pesos e medidas, procuradaje contemplada entre os remedios
calculo de descont, juros simples e cranoslos, m3r:>uihAn
tbeorla de cambios e suas applicacoes; deixe na i vi V ., j .. n. ,- .____x
typographia deste Diario o seu oome e o de sua *)Traduztdo do lattm de Pisn e Marcgrave.)
residencia, para ser procurado. ___________ Na travs da rm da Par." n 91, ""f"--"'
Olioda, ewsen- oma mulher para coiiohar.
LELlD
Deappai'elhosdeiooea, pratis, chicras
e pires
Quarta-feira 25 do eorrente.
O ageole Pestaa legalmente antorisado Tari lei-
lao per conta e risco *e quem perteocer de 8 bar-
ricas com apparemo completos para janlar, 5 bar-
ricas com ditas para almoco, proprias para casas
particulares, 10 barricas de chicras e pires e 12
eitos com nratos fondo? e rasos, todo ser venal-
ras as passagens s6 serio recebidas na agencia H borw nt largo da me*ma
roa da Cnre a. 1, fesertptorio de Antonio Luiz de
Oliveira Acetad* k C
Bk> de Janeiro
Neste- quinte das seguir para o Rio de Janeiro
o paiacho nacional Esmeralda, tem a maior par-
ea-
AVISOS DIVERSOS
Preeisa-te de oma ama para casa de ama
s pessoa ; roa das Triocbeiras n.17.
Do mosteiro de S. liento de
tou-se o mulatinho Jos, escravo -do mesmo mos-
teiro, com dezoito anuos de idade, pardo cor de
canella, baixo, robusto, -tmeos fresaos, e sali-
entes, macaa do rosto tamben salieote, cabel-
los caraco'lados, pescogo enro: levou chapeo
de massa de cor dtenla e de copa balxa, e toda
a roupa que tiaha, e que sendo criado do abbade
tiona bastante ronpa, e por tanto bem tratado:
qaem oeprefcender queira leva-lo ao mesmo mos-
telro em Olinda qoe sera' bem recompensado.
* Muita atten$io.
No depoailode *>ds a mrtt Imperatrit n. 19
concerta te toa aiaildade de loutaa, mdros, por-
celanas, alabastros, podras preciosas e tambero
todos os.concertos concernenles a candieiros de
gax, garantindo-se a solidez dos mesmos, e por
preoos ratoavels.
IrmnndadedeSattiAana da igrja da
. ladre Deis
Por ordem da mesa regadora da Irroandade
cima referida, sao convidado todos os irmos a
se reooirem domingo 22 do correte pelas 10 bo-
ras do da, no consistorio da dita igreja, para o
Bm de se proceder eleiei* des ovo (Meelona-,,
nos que ten de regar a mesma irmandade ao fu-
turo anno administrativo de 18t6 a 1807.
Recife 17 de Jrao da 1868.
O escrl vio,
___________Joaqolrn FranciBco da Silva Jooifif-j
Manoel Joaqnim da |^va ssbdilo potuguef,
retira se para Europa rom sua mulher e sobrio ha
PERFUMERA da casa qger
Boulevart Sebastopol, 56v'Pii.
Des medalhas, a condecoracio da Legin
d'honneur e a grande reputacao que tem Ihe
dedo o publico, tees sfto as recompensas que os
servicos prestados a industria merecerao a
esta importante casa desde sua fundecao em
1804.
N'um sortimento de mais de 500 artiga*,
as pessoas elegantes escolherao os seguintes:
ROSEE DU paradis, extracto superna*
para lenco.
pommaoa CEPHALIQUE centra a cal-
vicia.
agua verbena para o toucador.
OXIMEL MULTIFLOR.
VINAGRE DE PLANTAS HYGIENICAS.
TINTURA VIRGINALE de beijoim.
ROSEE DE LYS, verdadeira agua de
Jouvencio.
CREME LABIALE de suceo de Rosas.
pommaoa velours para amaciar
pele.
ELIXIR ODONTOPHILE.
sabao dedicada as damas americana*.
SAbao de Jaauqoet de Franca.
*> da flores de alcea rosea.
d* de flores prinlanires.
d* de bouquet do outono.
d* de perfumes exticos.
> aurora, dedicado ees dedee cer *
rosa.
d* de flores das moatanhai.
d* de cheiro de foins aouraani.
d* de bluets cheirosos.
d* de althea balsmica.
d* diapr, caixa rica, aatcsia pari-
sience.
r

=^s=
Breisa-se da uma^raa*
Impentfi
ara ca-a
z n. 82^2* an
de uma s
MA
Precisa-se de uma ama para casa de pouca
familia ; a ra do Crespo o. 93.

GARRAX, DE LAILHACAR & G.
[LIBRARIE FfiANCAISE]
RA DO CRESPO N. 9.
Livros nacjoDaes e estrangeiros.
Rligio, direito,lilteratura, efe'
Papelaria, objectos para Papis pintados para forrar casas.
Assigoaturas para os jornaes da Eu-J
iropa.
PILULAS de BLANCARD
,AO IODURETO VE FERRO INALTERAVEL
^provaiasePeia Academia de Medecina de Pariz
fTOeifkDAS PELO CONSEIBO 1UDIC4L BE SA-PEIESBl Un
BXPEBI>IrASKOeilOSflT*S DE FRANCA. DA BLGICA, DA IRLANDA, DA TURQUA, ETC.
Utnfces kointim nm fsSQti(os Univerfas de Xcu-York, 1853, t di Pars, 1855.
Estas Pilulas eutol*dai5 4'uai.i carnada reiiao-fcalsaiuica de uma teuuidade excosita, tem
aTanlagem de serpm tnlltmveis, tem sabor, lie um pequeo volunte, e de nao cansaren os
orgas digeslitos. Gozando das prouredades do Iodo e do Fehro; ellas couvem princi-
palmenle as alteccos Cklorotica; Escrofulotai, luberatlotiu, Cuncrcx, na Umcorrhea,
(tmcnu'rrhea, mana, ete; enGni, ellas ofTi'* aOs-praliws nina medicacao das mais enr-
gicas para modificar as comtiiuic^es lymphaiicas, fraca ou debilitadas.
IV. H. 0-ia-tureM.de ierro inpuro ouilMr*doe nm niedira-
menlo inGel, irrilanle. Como prora de pureza e leauhencidade das
erdanlelra rilnlai m BUueard, di've -se exigir in.sso seno d
ara reaellwt e oossa flranai, qui reproduzida, que seachu par
ioferior de um roalo verde. Dere -te desc
* W^2?&

Vende-se na ptarmacia de P, jafaorer 4 C, n
Nova.
--------
____:___
*----------. ------. -; ~----------,----
O abaixo assignado tendo-se despedido no ,
dia 17 do correle da casa do Sr. Antonio Pedro
d Helio, onde foi calxeiro por algora tempo vera! Procisa-sde uma ana para cosiohar e comprar
por mel deste aRrartecer ao mismo senrror as para casa de pouca familia : a tratar na roa do
I
'icttei^ao.
la
Precisa-se
De ora caixeiro o padaria da ra Oireita n.
m, qoe 6 codhecimento de saa conducta, prefe-
A*"v** rindo-se om que tenha pratica de tal negocio.
Haaa raa a Praia, am raatatinho, M das par- -.Tr....;f ..; ', .. .~-----,
te do Ass,eKco 4o cerpe-, ara de mal criado, ~ lPre.p,-se de u crFado e!tmvo ; a ru*
qoe costoma a insultar a ora hornera sisado, com estrena do Rosario o. 10.____________
Idade de ser sea pal, e como elle catadinbo sem Esta' josta e contratada a compra da taberna
fllhos, esta' no caso de Ir para o Paraguay, se elle da roa de Hartas a. 16, se algoera tiver alguma
contlooar cora as anas insolencias daremos parta vedamaoo a fazer dirija-se a mesma no preso de
as aothorldades competente. tres dias.
O observanor da raa da Praia.
Aluga-se doos escravo, sendo nm molecoie
para todo servijo; a raa da Crtu escriptorio
n. 30.
I boas raanelras ciii qoe o tratoa e a confianza qne Gabuea d
ero mira deposito dorante o tempo que fui seu '
empreado.
Recre, 19 de julho de 1866.
> /ose Tavares Carreiro.
1.
Aluga-se orna casa com doaa salas, quatro
quartos e cosloba, na ma do Josmim n. 16; quem
a pretender dirija-se a roa Velba sobrado n. 20
segando andar.
Miguel Joaquim da tlosu vai *' Eoropa tratar
de suasaade, e leva era toa corapanbia sna seaho-
ra, duas fllhas de naepur idade e urna ama de no-
rae Guilbermina Teileira, todos portoguexes.
nos
Iae-*e para aliar um moleijue de 14
a tratar na roa do ataga' a. 1, sobrado.
an-
Preclsae~de "urna "ama na ra do Lrvramen-
ail4o a. Iti.
Cosiiilieira
rrecisasede uma criada para comprar e cos-
nhar : oo estabeleettnento da ra Nova n. 28.
P eVaeUa-se e> orna cosiobetra para casado
a porcenta- faeji! ia :-a tratar na rna da Uniio o. 48.
na:e.amM4 |tWllar*He-se a Boa-Vista&!**
rna Velha n. 58 casa da esquina do becco de Joo *- Deseja-sa (aliar eom e Sr. Joaquim Pedro
Francisco que dar'cootiecimeoto da sua con- PtMj.a a nagocioqite o mesmo nao ignora: no
ducta. faP<'
- Uma pessoa cora eastaote ortica de cobran-
gas cffereee seos seWcos medanle
!;em eua convenc
Br- ----
do ?it*MkmJk%.




nnw
ie- atetada 1 de Mhe !%?*.
AGUA FLORIDA
*
MURfiAY & LANMAN
A agua florida de Murray A Lanmatd
olhada cono um artigo de perfume, nao
lem podido ser igualada pelas preparaces
as nuis custosas: conserva seo aroma, co-
mo se formaese parte da prenda a que ella
se applica.
Sua effieaeia tio delicada, como elegan-
tes sao seos multiplicados usos, qur seja
empregada eomo artigo de teacador, quer
no uso do banhe, ou como suavisador da
pelle, depois qtae se tenha feito a barba,;
j para limpar as gengivas ou aromatiaar o
hlito. w
D suavidade, brilho e elasticidade as
compleice?, depois de se haver lavado; ai-
livia a irritado de erupceesordinarias; (u
desappsrecer o desagradavel aspecto dos
pannos, das sardas, do rosto, rugas e toda*
casta de ebulices, e -d vigor e frescura a
parte onde quer que e applique. Sua efi-
ciencia e elegancia aSo igualmente infaUi-
veis nos casos em que seja preciso applica
la como estimulante eantisptico, nos con-
cirfsigr e asambleas nomeroaas, as loca-
lidades infeccionadas, na alcova de um en-
femo, assim como um antidoto excellen-
te para os desmaios causados por cansaco
ou suflbcacao. Preparada nicamente por
Lanmaa & Kerap, Nova York, e a venda por
Caors Barbosa.
Joo da C. Bravo & C.
Deposito geral em Pernamcnco roa da
>nz n.22 em casa de Caros
SBGS
MARTIMOS
CONTRA FOGO.
A companhia lndemnisadora, estabeleci-
da nesta praca, toma seguros martimos so-
bre navios e seus carregamentos, e contra
fogo em edificios, mercaduras e mobilias:
na ra do Vigario n. 4, pavimento terreo.
0 Eitemato Gadault.
No principio da ra da Hospicio portao de ierro.
Recebe alomos de primeiras lettras desoe as
) da manh&a at 3 da tarde. Preco por cada um
'5000, e de doos para cima os pas terao orna
reducco de 10 por cento.
Professor da primeiras Ifitras Antonio Jos
Teizeira de Mendonca Belm, ensioa leitura, es-
cripto, taboada, (rammatica nacional, e as opera-
coss at as frccdes.
Professor de raocez, enslno pralico <> theorico,
pepgraphia, arittiimetica e germen i Htppnlito
Gadault. Prego de cada materia 33000, e <1- as
para cima tambem ha diminuicao de 40 por
cento.
Prof. ssur de deseohn, Eduirdo Gadault. Preco
por cada nm 33000 sera diminuido.
Nos recibos mencaes se dar' ola do e-iado, da
cjuducta das fallas de cada alumno.
O director pode ser procrala das 9 da maolia
as 3 da tarde.
-------,--------__.------------------------------------
' a# Anl'm'o C -:li \ de>ta cidade, f--i patdtM
que h..j*> pertence Iti* o ominij dos fitaos '. !:
vij,.5 activas jutt'ora pe|l8a ranc do finado Joaquim da Silva Lipes, os qaaes
I y. ..i arrematados pjr elle aanuncianlK em leilo
potinco antorisado pilo Dr. jaiz municipal da 2*
vara d>-ste termo, e a requerimento dos herdeiros
lot ressados e tetam 'nieiro inventariatite : assim
convida a ditos dcved^r*, que o mais l.reve pos-
sivt-l procuren) entender se com elle anounciante,
ni ra estreiu do osario n. 17, acerca de seos
'letn'tjs, vito querer esgolar para u pagamento, e s em falta de accordo recor-
rer ans roeios jufliciaes.
As Pilulas Catharticas
1>E A.YEK.
O purgante maU efeea* at heja eonheeUo.
F.itas pilotas lio paramente veg-
Umem, nio tendo na mu compo-
i?io ncm mcurto sem outro
lufredente miacral lio iono-
centf n para u Uncas e pessoas
nato aWHeadaa, ao raetmo tempo
qe, componw como aao de vegi-
taca mol fortes, s* baatante acti-
van e eticares para as peatoaa mala
robustas.
Estas pillas catharticas putgio e purlfloo todo svstema
humano aem mercurio.
Nie se tem poupado trabalhe ncm despexa para levar estas
pilulas a um grao de perceco tal, que nada delxa a desojar;
sao o resultado de anaos de cgtudo* laboriosos e constantes.
Tara alcanzar todas as vantagens que resulta* de uso de cathar-
tic ns, tem-se (omblaado smente as rlrtwfet curativa* das
flautas que sao empregadas na eenfeceo das pihuas. Sua
com|M8fo tal qcw as infermldades que eato ao aloance
de sua aeco, ratas Tez es podera reafatl-laa on radi las.
.Saos propriedades p< netrautes explorao penetro, parlfiCM
dio rigor todas as partea de organismo humano; pois corrlgem
a sua aeco viciada e las recuperar a sua vHalidade. Urna daa
consequeacias dstas propriedades que o doente, abatido de
dr c debilldade plivsiu, admirase de encontrar, to depressa,
sua .-nulo e energa recuperadas por meio d' ara remedio to
imples e agradare!.
Aa molestias que esto no seo alcance sao.
fruto de vtntre Rktiuitatiimo, Mr da cabeea, A Netraigia,
I..aqueta, Indiftttao mol d tttonayo, HtmorrhoUiat,
PADECIETOS DO n&ADO,
***** oattro-hepatiaa, OattrUe, afeeetet MBio$at Lombrtoat,
Ei-ntipe.la, Hgdroptia, rurdez, erguir parcial, e Prraiptia.
.No almaaak e Manaal de Saude do Dr. Ayer, que s pabllea
torios o annoa para diitribulfio gratuita, eneontra-se un tra-
tado sobre as diversas ceeafaa que estao ao alcance de
BBMBIttOS F0BOAJSrTX8.
Aeha-se em todas a* llotkos e Drogaras do Imperio.
O Peitoral de Cereja
I>13 AYER,
PARA PBOMPTA CUEA DA
Angina, de Conatisaooea, Toases, Bouquidio Infla.
onza, Bronohito, Tsica primarla. Tubrculo*
pulmonares, e todas a* molestias do
Feito, aaaina oomo par atlirtar
o* ethieo* doelereshis
A* preparaeoes do Dr. Ara sao rendidas Mas prmctaMMt
rogarias e botlaaa do Imperio.
Vendo-se es Pernambnco:
na
CONSULTORIO NElrUMiaRGiCO
DO
R. PEDRO DEATTAHYDE LOBO MOSCfcSO.
D1CO, PAMTEIft iTERAltM.
3 fua da Gloria, easa do 'J?und8o 8
O Dr. Lobo Moscoso d consultas gratuitas aes .pobres todos nsdias das-7 i-.
oras da manhao,-e das 6 e meia s 8 horas da Boe, eicep?5o dos das santcadoa.
JHarmacia especial UomeopatJtica
No mesmo consultorio ha sempre o mais appropriado sortimento e certeini
3 tobos avulso8, assim como tinturas de varias dympamkacSes e pelos preoos aaguurtes
-Carteiras de 12 tubos gratenes. 125000
de 24 tubos granaos. 18*000
de 36 tubos gran4ea. 24|000
de 48 tudos grandes. 30*000
de 60 tubos grandes. 35*000
Prepara-se-iialquer carteira conforme o pedido qae se flzer, e ora os oaB*edi<-i
se se pedir.
Um tubo axuteo ou frasco de tintura de twu onea 4*000.
Sendo para.ciaia de 12 costario os preces estabeiaoidos para as carteiras.
Ha tabea mais pequeos cada um a 500 ris.
A melbor obra da homeopathia, o Manual de Medici-oa Homeopatbico do Dr. iarS
doos grandes volumes com dicciooario........... 20*0()ti
Medicina domestica do Dr. Hering........... 10*000
Repertorio do Dr. Mello Moraes............ 6*000
Diccionario de termos de medicina.........'. 3*000
Os remedios deste estabelecimente sao por demais eas*beeides e dispensam por
unto.de serem novameate recommendados as pessoas que qa^erem usar de resaeivoi
verdadeiros, enrgicos e doradores: ha todo d melbor que ae pode (tosejar, globosa
erdadeiro assucar de leke, notaveis pela sua boa conservaco, tintura dos mais acrtdi-
udos-eatabelecimentos europeos, a mais exacta e acurada pceparaco, e portaotoaiuio'
neegia e certeza em seos effeitos.
Casa de saude para esemvos
Reoebe-se escravos .psra tratar de qoalqt:er eufermidade qu Tazer-se-lbe qoalquei
operaco, para o que e anonnciaute julga-se stitficicntemente babttado.
0 iraUmento o menor posivel. tanto ua parte alimentar., como na medica,
Auncionaado a casa ba mais.de quu anuos, ba mimas pessoas deiujp conceito se nit
pode duvidar. qae podem er consultados por aqueiles que desejarem mandar sea
doentes.
Paga-se 2* por di a durante 60 das e d'ani em diaeie 1*500.
As operapoes serio previamente ajustadas, se nao se qnizerem wjeitar aos precoi
? razoavets que costama pedir o annnnciante. _
BOTICA E CONSULTORIO HOMEOPATHICQ :
BO
DR. SABINO O. L. P1NHO.
Ra Nova n. 43 (loja de marmore.)
A eip*rifiiria t>m demoustrado com a mior evidencia qae os medicamentos homeopmhkos
preparados por mexa do ngttador dynamieo sao os que deseo veivem aeco mais prompta, mais crgora
e mais efficaz
E* swn dnvida peln nheeimeot desin* resaltados oop constantemente recebe esta botica f n-
commendaa do Hio Graude do Su I, 6o Rio de Janeiro e da Babia, apezar de hav< r oessas provincias
mui bem .-uftidas e acreditadas boticas, d'unde te poderiam talvez obter remedios mais baratos, aHee-
dendo as despezas de porte.
A seguridado d aeco dos medicamento* assim preparados se manifesta al mesmo quan'do os
glbulos se acbam rednzidos a mass*.
Boticas de 24 lnhos.....18* a 20*
> de 36 tubos.....23* a 30*
> de 48 tubos.....33* a 40*
> de 60 tubos.....48* a 30*
Caitas de medicamentos e-n glubaius e tintaras.
De 94 tintaras e 48 tobos. 60* a 70*
36 a e 60 tubos. 75* a 8,'*
48 e 88 tubos. 95* a 100*
60 e 110 tubos. 115* a 120*
Vende-se igualmente o THESOUISO HOMEOPATBICO, obra essenclalmente popular pela clareza
com qae ensina a connecer as molestias e a empregr (os remedios (2a edicao) 20*000.
O Dr. Sabino O. L. P. d consaltas todos os dias atis desde 11 horas da manbia at 2 da tarde.
Das 2 horas em diant* visita os tdterroos em seus domicilios.
Em casos orgeutes e repentinos as consultas e visitas sero feitas a qaalqaer hora.
As coosoltas i or escripto sero respondidas com a malor brevidade, precedendo sempre o lem-
po necessario para maduro ezame e reflexao.
Compaiiliiao geral hespanhola de seguros mutuos
sobre a vida
AUT0R1SADA PELO REAL bECRETO DE 21 DE DEZEMBRO DE 1859
(!* fai(a ea "iiaert, depositad ros cafres da estada, garante a baa aeS
attaiatraca da eempaikia.
BAM0UBAO6 DA OOUPAlvttlA WRECCO GERAL
O Bame 4c Heepaailu | Madrid. Ruado PrasJat.I
Esta companhia liga pelo systema mutuo todas as combinac5es de supervivencia dos segu
os sobre a visa. '
Halla pode se tazer a subscrjpco de maneira qae em nevham caso mesmo por norte do
forado se aerea o eaptts I nem os joro correspondentes a estes.
Bao to sapreheotktes os rswuados que prodarem as wsidades da ndole deA NACIO-
AL,qne anda mesmo dimlnuio bbui terca parte do nteres** produzido em recentes liquida-
ots e corahinando-o cora a mortalidade .la tabella de Depareieui qae adoptada pela companhia
rff2Q*c*J,c*i0ie,i<*ada'5e' em segurados de idade de 3 ai* annos, urna imposico annua.
loo* prodoxem effectiTo metlico:
No flm de Sanaos.......1:119*300
do 10...... 3:941*600
de 1* .......(1:208*200
e 20........aO:25*O0O
__ M de 25 a.......80:331*000 .
as idades menores de 3 ancos e maiores de 30, os productos sao mais considerareis.
n-ospeei e mais inormacoss sero prosudas pelo sub-director nesta provincia.
Fiuza de Oliveira, rna daCadeia n. 52, o a Boa-Vista roa da Imperatrix n. 12, esubelc
meato eos Srs. Bavmundo, CarlosXeite A Irmao.
TINTUR \ RIV
AO GRANDE S. MAURICIO
IMtOIKSNOS APERFCICOAMOS
PARA
Tlaglr, llrapaar e lastrar a vapor.
s
!
F. A. SALINA
^o55H^a^
ti*
w
29 Kua 7 de setembro 29
Defraate 4a raa aova da Ouvidar (Rio de Janeiro)
Oa f roprietarios deate esiautlecirneuto, o primeiro no sea genero no Brasil, por
irabaitttr cata as loacjiinas ruis aperfe\yadas para Ungir e lustrar, de que se faz uso na
Europa, eajuflados por alguos dos nnjIlKires officiaes de Paris e Lyo, podem assegu-
rar aeuafregueies urna \ erfc,io i.o trabalho, a qnal sen5o pode chegar pelos proces-
sos ordinarios.
Tingem, lavam, limpaia e ilenutu cora a raai r perfeg5o e brevidade qualquer
qualidade de fazendas, tiram nodoas e litnpam secco sem moldar as sedas e as vestimen-
tas de senboras e de borneas.
FABRICA NACI Ali A VAPOR
99 RA DO MONDEGO 99
Deposito principal ua ra Nova n. 50 loja de relojoelro.
Deiouche dono deste estabelecimento partecipa ao respeitavel publico que tem
montado urna machina de fazer gelo, e que sua fabrica de chocolate poder funecionar
sem ioterrupcSo, e para mais facilitar aos Srs. compradores de chocolate tem organisado
um ser?ico de carro, que andar em todas as ras da cidade, os compradores podero
cbama-Jo.
LOJA DA FRAGATA AMAZONAS!
R. 5 Koa da Qafim Monteiro& GuimarSes, participam a todo-? os seus amigos e freguezes, que recebem
de coDta propna por todos objectosde ata nofidade, e bemasim adorroir.roprios paiacasamenus. poisquesTus
corrtspondentes de Hamburgo, Pdris e Londres, na es- lha de taes mercadorias tem
merecido a approvac5o das encantadoras Pernambucenas.
A Fragata acaba de recber pelo ullia.o vapt-r grande variedades de sedas de todas
as cores e qualidades, tambem recebe por lodosos vapores luvas de pellica, (doafamado
Jouvn) satas de 13a com barras colloridas de grande Bovidade na Europa, vestidos de
granadina bordados a agulba, e de gratd* ton, ditos de popelina milito chiques, ditos
de etmeraldine (gostos novos,) riquissimes corlinados tord^dos a ponto de iochet, ro-
tondas de seda, ditas de linho, ditas de algod^o, chales de.g'uiprur ('e seda, e de al-
^godo, pentes para cok, (de pbantasia) enfeile. para .ditos, ni.nguilos bordados e
|go!linbas, camisinbas ditas, transparent. s p,ra jantas com mui lindas pisagem. rue-
cales de apuradissimng gostos e padroes, chapeos de palha enfeitadi s pelas melhores flo-
ristas de Pars, ntremelos bordados finos de d (Ttenles larguras, n'quissirxos cintos
bordsdos com figuras chineza, (bordado namesma fita) baldes & hasleas d'aco ameri-
canos, dittos de musselina, lapete para guarnico de salas padroes muito bellos, chapeos
de sol de seda para senhoras, ditos para hornera, enfeit-s imperatrix Eugenia; ditos
a Mana Pa, cestmhas com todos os pertences para meninos de escolla, saias bordadas
para senboras, gollinhas bordadas (gosto novo) chitos escuras e claras, nvdapoles, camr
brata de cor, ditas pretas, bolsas de tapete paraviagem, ditas de vaquetas para guardar
dinheiro, e outras muilasfazendas que sevendem por menosprtcoque em outroqualquer
estabelecimento.
Riquissimas fivellas de chrystal para cintos.
Meios aderecos de chrystal (no*idade.)
Cintos muitos ricos, etc.
Perneiras de guthaperche para chuva.
CASA BK BACHOS
26 rateo do Carao 26.
Neste estabelecimento Ufo impor-
Unte para a Saude e asseio do cor-
po, acham-se moudos 20 banhei-
ros, que sao servidos com a ordem
e asseio que para desejar-se. Qua-
tro deates banheiros sao especial-
mente reservados para senhoras e
por isto acham-se coliocados em lo-
gar reservado, aonde s tem entra-
da as pessoas de urna mesma fami-
lia.
PRECOS DE BANBOS AVLS08.
1 banho fri, morno ou de
chovisoo...... 500
1 dito de choque 1,5000
i dito de farelio...... i000
1 dito aroma Usado 1|000
PRECOS POR ASSIGNATRA.
30 banbos por mez fri,
momo on dechovisco. 10)jW00
25 banbos com cartoes pa-
ra os mesmos .... 10)5000
12 ditos ditos ditos. 5000
12 ditos ditos de choque. iOJfOOO
12 ditos ditos de farelio.. 105000
O estabelecimento estar aberto
nos dias jiteis das 6 horas da ma-
nb3a as 10 da noite, nos dias san-
tificados das 5 as 5 horas da tarde.
Simuel Power Jolinstoa & Comaanhia
Ruada SenzalaNova n. 4.
AGENCIA DA
Fun Machinas a vapor de 4 e 6 cavallos.
Moendas e meias moenas para engenho.
Taixas de ferro coado e batido para enge-
nho,
Arreios d- carro para um e dous cavalloa.
Relogios de onro patente ingiez.
Arados americanos.
Machinas para descarocar algodio.
.Motores para ditos* '
Machinas de costura.
1,
Jlo da Silva Ramos, medico W
pela universidade de Coimbra, d K
consultas em -sua casa das 9 as 5
11 horas da manhSa, e das 4 as 6 I
da tarde. Visita os doentes em suaslK
casas regularmente as horas para j
isso designadas, salvo os casos nr- ]
gentes, que ser Jo soccorridos em
qualquer occasilo. D consultas aos
pobres que o procurarem no hos-
pital Pedro II, aonde encontrado
diariamente das 6 s 8 horas da
manbaa,
Tem sua casa de saude regular-
mente montada para receber qual-
quer doente, ainda mesmo os alie- g
nados, para o que tem commodos i
apropriados e nelia pratica qualquer M
OpperacSo cirurgica.
Si Para a casa de sade. S
i Primeira classe..3 Segunda dita....30500 m
I Terceira dita .2*5000 > g
[ Este estabelecimento j bem (
t acrediudo pelos bons servicos que Sj
1 tem prestado.
O proprietario espera que elle 2
. crmiinue a merecer a confianza de 9K
que sempre tem gozado. 8fj
^mms
PRECO.
Meia libra......... 400
Urna libra. ........ 800
Urna arroba........ 19*9000
GELO
As pessoas que quizerem gelo para soir ou bailes, poderSo dar suas encommendas
ao caixeiro da casa, on na ra Nova n. 50 aonde tem u>n deposito As pessoas mora-
doras nos arrabal Jes da cidade querendo levar gelo pela trianha, po 'erao deixar um
caixao na taberna jnnto ao porto da fabrica, que acharo na volta suas encommendas
promptas.
Na mesma fabrica tazem-se cadeiras franceza de todas as qualidades, e vende-se mais
barata que aquellas que vem da Europa.
-------------------..-------------------.-----------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------; 11 1
0 NOVO DESTINO
DO
DE
DE
J. V1GNES.
W. 55. RA DO IMPERADOR 55.
O pianos desta antiga fabrica sao boje assa conhecidos para que seja necessario insistir sobre a
i na supemridade, vantogense garantas qae offerecem aos compradores, qualidades estas incontesta-
velsque elles tem dedo I ti va mente conquistado sobre todos os que lem spparecido nesta prapi; pos-1
raindo obb teclado e raacblnismo que obedeceo todas as vcuudes e caprichos das pianistas, sem
oanca falhar, por serem fabricados de proposito, e ter-se frito ltimamente melhoramentos importan-,
ssimos para o clima deste paiz ; qoanto s voz.-s, sao melodiosas e flautadas, e por isso muito aerada-
veta aos onvidos dos apreciadores.
Faaem-se conforme as encommendas, tanto nesta fabrica como na do Sr. Blondel, de Pars socio I
rraspondent* de J. Vigaes, em cuja capital foram sempre premiados em todas as exposigoes.
No mesmo estabelecimento se achara sempre um expleoJido e variado sortimento de msicas dos
albores autores da Europa, assim como harmnicos e planos harmnicos, sendo todo vendido por'
proco* commodos e raioavels.

PWRMAC1E FRANCAISE
dlRMAtRER&C,.f!
RA NOVAN
i*
21 Larga da Terca 23.
Joaquim S. dos Santos, dono deste bemsortido armazem de molhados, participa
ao rospeitavel publico, e principalmente aos amigos do bom e barato, qce est resolvido
a diminuir os seus gneros por muito menos do que em outra qualquer, por tanto espera
dos seus amigos e collegas quevenham comprarem a piimeira vez para saberema gran-
de differencia do qoe se fosse cr mprado em outra qaalquer parte, por isso faco aimuncio
de alguna gneros e por estes podem regalar os outroa.
Cerveja de diversas marcas a 500 e 560 rs. a garrafa, e a 5,500 e6a duzia; vi-
nho de todas as marcas 1-. S. E. P. a 4oo, 440 500, e 640 rs a garrafa e a caada a
34500 ; caf do Rio das melho es marcas a 220, 240 e 280 rs. a libra, e a 6& 16, e
7#500; a arrota manteiga ingleza de pr me ira e segunda^sorte a 800 e 900 rs. a libra); fras-
queras com genebra de Hollanda e hamburgueza a 0$ e"f (55(0; manteigafranceza de pri-
meira esegunda sortea 560 e 600 rs. a libra; cb de diversas qualidades a 10800, *6,
2*5C0 e 24800; arroz pilado de primeira serte a 120 rs. a libra e a 3,5500 e 3|800 a
arroba, caz americano a 440 rs. a garrafa, e em latas a l(' ouduas por 19^500; fras-
queiras de genebra da Victoria a 10^500, e o frasco ala; queijos do reino recebidos por
todos os vapores a 24 e 24200; papel de linho a 44 a resma e azul e brancb a 24;
sabao de d versas qualidades amarello e maca a 200,220 e 260 rs.; a libra sardmha de Nan-
tesem quartos a 400 rs. cada urna e em porg5o a 360 rs.; copos lapidados a 55 aduja
e a500 rs. cada i/m.
Alm destes gneros ha outros muitos que seria enfadonho anunciar e quem
duvidar venia ver. _______________________________________
Qrtlo An liic-fwn I Precisa-se de om caixeiro com pratica de ta-
CX)ll U lllbir | berna ; na roa da Concordia o. 33, taberna da es-
grande e sera deeito para acabar a 164000, treiia.
45-laa Direita-45
opehacOes
rR T .
FAC SIMILE D'ETIQUETTA COR UE ROSA.
100 carie's
PAI8LEY
Os Srs. Jmr> Carlile. Sons & C, Bankend Mills,
Palsley, Scoiland, t.em a honra de chamar a atten-
cao dos coonuinidores de Imha em oovellos, que l-
Ihs ohlivf rain jnedaili is de premio das expnsi^oes
e Paris e Loadres, p.-r suas Metientes linlias'pa-
ra coser, e qa?, tud.,s os nove los fritos por elles,
para este mercado, lem no tim de cada maco, nma
etiqoetia branca, na qnal acba-se gravado o nome
da firma em cheio, orna vista da sua fabrica, assim
como desenhos das cima mencionadas roedalhas,
e qoe cada novello tem urna etlqoetta cor de rosa'
com o numero, e as palavras Carllle's, Palslev, e
tambem, que qualqoer liDha de Tamboar, manda-
da a este mercado, tratendo entra quilqoer etiqoet-
ta do que cima mencionada, nao de sua prourla
fabrica.
Southall, Mello- & C.onicosagentes em Pernam-
bnco.
Mel|or, Soolball i C, onico agente na Baha.
na wMHnn mmmm
Lompanhia fldeudade de seguros JOS
maritimos e terrestres
establecida no Rio de Jaueiro.
AGENTES EM PBRNAMBCCO
Antnaie Laix de Oliveira Azevede k C, gg
Mac competentemente autorisados pela direc- 2j
S toria da companhia de seguros Fidelida- 2
P de, tomam seguros de navios, mercado- JP(
rias e predios no seo escriptorio jua da S9
Crn n. t. w jH
mmmmmmi^mmm mmmm
^mrn mmmm mmmmmm
O Dr. Carollno Francisco de Lima San-
tos contina a morar na ra do Impera-
dor n. 17, segundo andar, tendo alias sea
gabinete de consultas medicas, logo ao
entrar, no primeiro.
0 mesmo dontor, qae se tem dado ao M?
g estodo tanto das operacoes eomo das mo-
B lestias internas, prestase a qualquer da-
niado, quer para dentro quer para fra
B da cidade.
m
' Pede-se ao Sr. Feliciano do Reg Birnn qae
_______esta trabalhando na estrada de Beberib, qoe ve-
Na roa do Imperador n. 17 precisare de Dha re-ntair o orna criada engommadeira e outra cozinh-ira. Padre Floriaoo n. 71.
DE
OLHOS, OUVIDOS E DAS VAS 0URIKAR1AS.
O Or. Ranaaag medico operador e oculista, membro titular da Academia
Imperial de me licina do Rio de Janeiro, faz sciente, ao respeitavel publico que estabe-
leceu seu consultorio ra da Cruz n. 25, onde ser encontrado, todos os dias, das 10
horas da manhaa as duas da tarde.
Por meio de um engenhoso instrumento de dilataco uretral, e pelo systema do
finado Dr. Peixot, Dr. Ramaug cura instantneamente os estteitamentos do canal da
uretra; este meth< do novo fei posto por elle em pratica na Corte em colloborfao com o
S:U collega e amigo o finado Dr. Peixoto, e depois durante os quatt-o mezes da sua estada
na Capital da provincia definas, onde o Dr. Ramaug operou quatorze enfermos que
acham boje no mefmo estad i de desembarazo, que no dia da operacas; ador to
pouca que m ttos n9o presumem ser operados, quando j est desobstruido o canal.
Os jornaes da Corte e depois o jornal Minas Geraesdo anno passado tem publi-
cado um grande numero de curas, tanto de olhos (operares de cata atas e de pupilla
artificial) como de estreita,mentos do canal da. oretra, effecluadas pelo Dr. Ramaug.
convida elle portanto a pessoas que p-ecisarem recorrer ao seu limitado prestimo para
apresenurem-se quanto antes consolta-lo. Cura tambem varias desformidades do corpo
taes como, ps tortos, olhos vesgos, bei?o rcbado, etc.
N praca da Independencia n. .
oarlves, compra-te eoro, prata, e pedras preciosas,
e tambem se fax qaalqaer obra de encommenda, e
todo e aoalquer concert.
-...-.-- _
Araga-te orna peqoena easa com l quarfos,
Ls3proasai;,lr,os de manha branca
quintal com eacimba, por 104 mensaes : na ro*j
do Gaiometro confronte ao portio da fabrica do
gaz, lado lateral.
a 144,164.180 e 204.
Ha pnca da tadependenei n.Ste 6.
DA se gralui'amente morada a quem qaeira
botar sentido a um pequeo slo aa cidade de
Olinda : a pesoa que quier dfr'ja-se a ra de
Aguas Verde o. 5.
% sottiK mmm
Bei Maternus Lenz ango-
kommem.
Ausgezeignete Schinkejtv uod Scbiack-
wurst, gruene gelbe ganze und gespaltene
Erbsen, grosse weisse Bohoen, Hafergruet-
ze, Buchweitzen-Gruetze und Graupeo, alies
wird zu den billigsleu Preison verkaoft.
mmmm mmwmmm^
o Or. Ramaug medico-operaor e ocu ?
lista estaoeleceu sen consultorio proviso- S<
rio a' ra da Cruz n. J5, onde d cnsul- Si
las todos os da?,das iO hors da roaobaa |
as 2 da larde ; o Dr. Ramaug exerce S
igualmente tanto a medicina como a ci- flj
rurgia, edica-ae porm com eepeelalida- tu
de ao trataraenlo e cara das molestias ~
- dos olbos, ouvidos e das vas urinaria-. W
Aluga-se
ou veade-se nma casa sita no Puvoado dos Montes
largo da feira a margen do rio, com forno de pa-
daria, masseiA e tendedeira : a tratar na ra da
Praia armazem n. 37 on no povoado dos Montes
com Joaquim Ribeiro da Crnz.
Grande novidade
Msicas oaoontes para piznos e cant\ episodios
da guerra do Paraguay, dedicadas ao exercilo e
armada brasileira : vende-se so grande estahelr-
cimenlo de miudezas e candu.'ros a gaz, de Soaza
Soares & Irmao, roa Nova o. 28.
VV
_. .
\
v



uUrincxeW^ae>

_
abbado
*f ulho d


e 1866.
-______
--


r
t
ELIXIR
GASA Di FQRTOili.
Aos 6:000^000.
VENDAS
Para
DU. KVIAL.
Para o tralamento e cura rpida e completa das molestia syphiliticas, erisype-
las, rheumatismo, bobas, gota, debidade do estomago, UitiammacSes coronica* do figado
e bacti, dores sciaticas, cephalalgias, nevralgias, ulceras cbronicas, hydropesias pleuri-
sias, gonorrheas chronicas e em ge al todas as molestias em que setenba em vista a pu-
rificado do systema sanguneo.
Considera <;5es gemes
A saude um tem inapreciavel, cuja importancia e valor s est reservado ao en-
fermo o avalia-lo.
incontestaYel que o homem oeste mundo constantemente, e por todos os lados
atacado por urna inGnidade de agentes morbficos que todos tende.u, dadas certas e deter-
minadas circumstancias, a alterar o regular exercicio das funcces oigauicas, resultando
desse desequilibrio o que se chamamolestia.
A molestia nao mais do que a desvirtuarlo das torcas vitaes, occasionada, se-
gundo as investigaces e experiencias dos mais. abalisado iwsiresda scicacia, pela depra-
voslo dos humores geraes, consequencia da accao maligna desses mesmos agentes morb-
ficos introduzdos no organismo pelo acto da respiracSo, pela va digestiva, pelo contacto
immediato etc. etc. etc.
A syphilis infelizmente tem sido a partillia da humanidade, e como fra dedovi-
da que esse terrivel Proteo da medicina urna molestia hereditaria, e'la tem sido obser-
vada em todas as idades, e debaixo de todas as suas formas tao variadas, enfraquecendo
constituicSes robustas, produzindo mutilacoes, e corlando anda em flor da idade vidas
preciosas.
Eliminar da economa esses principios deleterios. e purificar a massa geral dos
humores tem sido desde tempo immemorial o fim constante da medicina, e os purgati- l"
vos figuram em prirneiro lugar para preencher esse desileralum ou im.
O Elixir depurativo do Dr. Sevial parece merecer a preferencia sobre todos: os
inmensos successos obtdos pelo uso destesalutar agente tanto na AJIemanha, como em
Franca e Italia, o tornara o companheiro inseparavel dequasi todos os doentes.
Sendo as melestias, como cima dissemos, devidas s alteraces dos humores, o
filartr depurativo do Dr. Sevial pode ser empregado vaoiajosamenle na syphilis, erisy-
pelas, rbeumatismos, bebas, gota, debidade do estomago, inflammac5e8 chronicas do
figado e baco, dores sciaticas, cephalalgias, nevralgias, ulceras cbronicas, hydropesias.
pleonsias, gonorrheas cbronicas etc. e em geral em todasas molestias em qne ^e lenha
em vista a purificacao do systema sanguneo; pois que urna pratica constante tem feito
ver que elle indispensavel nos casos gravlssimos para minorar os offnmentus, e pre-
parar o doente para medicaces supe iones ; e as menos graves a cura a conse-
'queocia do seo uso, convenientemente repetido.
As substancias que entram na oomposivao de FUair depurativo do Dr. Sevial
pertencem todas exclusivamente ao reino vegetal, ea grande cathegoria das substan-
cias depurativas e aratisyphiliticas; assim, ao passo que ele remedio depura o orga-
nismo, eliminando os principios nocivos saude, pelo mecanismo natural das evacu-
abas aJvioas, neutrasa ao mesmo tempo o virus syphilitico quando este virus ja
4em teite eropcio bo exterior debaixe de suas multiplicadas formas ; e previne tam-
ben os estragos dessa terrivel molestia, quando por ventura se ache ella anda no
estado de encubaba*, isto sem se ter manifestado sob formas externas: beneficio
ramease, tanto mais quanto neste estado os individuos ignr rara completamente te es-
tSo contaminados por este terrivel inimigo.
O sabor agradavel d'este 'Elixir conven a todos os estmagos, a sua accao so-
bre o tubo intestinal suave e benigna, e .le-nenhuma forma produz molestias medi-
camentosas, coras acontece ao purgante dito Le Roy, que na sua qualidade de drs-
tico forte irrita a mucosa intestinal, e consecutivamente a seroza, resultando destc es-
tado, multas "vetes, hydropesias, que quasi sempre terminara pelamorte i'o doente.
Assim .pois esperamos que o uso desie remedio justifique cabalmente as nos-
sas asseveracoes, porque sendo um medicamento tao simples na sua composicao. a
pratica tem confirmado sna tilidade.
l oleo deposito em Pernambuco
Na botioa e drogara
DE
Bartothomeo Com^mhia.
34RA DO ROSARIO LARGA--31
Btlheies garantido*.
A' RA DO CRESPO N. E CASAS DO COSTUX1
O ahaaoassignado veudeu nos seus muHo ett-
*es bilhetes garantidos da lotera que se ac bou
Xovo sorliicnlo de perfumaras
loas.
Chegou para a amiga loja de miudezas a roa do
Queimado u. 16.
Dralos vasos de porjelana doufada com banna
rLUilo fina.
Outrof 'lilo> de i de pedra cora dita.
Garrafa eom >>op*riur agua da Colonia.
; Fra?cos coai >Kiia balsa ana para denles.
" : Dilod* dita dcr.lifrice.
taques da iiumidade; dio de ex raciu de quinquina tambera para den-
calcado bom e seguro o nico preserva- es.
livo dessas mil enfermidades a que est su-' Dil 9tD fM jeito o nosso-eu- Um chnelo Ilio cal-' >S JJ J!Xv* car. refrescar;
cado por nm dandy patuscante, ou'uma ,,eii,..
botina acalcanhada em peqnenino pe de en-1 Dito de dito agu* an,t.iu. v#i bauhos lo t
Acnam-se a venda os da 3> parle da 2- lotera cantadora deidade alm de aecusar que- ,0 c*v *,c- ,. .'
i matriz de Jos ao Beeifa toadeira horripilante, prova entra as I cul-
dades intellectuaes dos calcantes, e nao ha
CALCADO.
45 Hua irita -45
A primeira condi^ao indispensavel con-1
t extrablr, a beoefleio das familias dos volunta- servac5o dt ^^ [nm QS pg bem
'l%aU^^lLTTJJ[T^riP(.-^s. ^dWe contra os ataques da tiumida
N. 1799 bilhetelntirocom'a gorte de 6:000?.
N. 1744 bilbete ioteiro com a sorle de 00#.
N. 'Sl dous quintos com a sorte de 2004.
E outras mailas sortes de 1004, 101, e S0,i,
Ospossuidores podetn virreceber seos respec-
tivos premios sernos descoutos das leis na casa
da Fortuna ru de Crespo n. 23.
que se extrAbira'segonda-feira 23 do correnle.
PRECO.
Bilhetes.....64006
Meios......34000
Quintos.....14200
ai pessm fie eeaprarea de 400 para eiaa.
Bilhetes.....84500
Meios......4750
Quietos. 14100
________________Mahqkl Mautins Fiuia.
Trocam-se notas das calas filiaes do banco
do Brasil, com descont razoavel: na praca da
Independencia n. 22._____________________
Precisa-sede urna molber que sainacosinhar
bem para casa de pouca familia : na ra do Hos-
picio n. 44. _______ _____
Precisa-se de nraa engomaiadwira : na roa
da Cadeia do Recite n. 51.
i
^oem, tendo bran stnso, queia passarpor
maluco, ou pobre de surro : ergo, cor-
' ram a:
| 4*-RUA D1REITA-4*.
e attendam a' baraieza.
Hoinens
Borzegoins barcellonezes de lus-
tre e de porco .
Ditos de Bordeaux ....
Ditos parisienses de bezerro e
cordavao
- Aftiga-se nm sitio perto desta cidade com ..^
com modos para urna grande familia : a tratar M Borzegoins enfeitadOS.
pateo do Paraso n. 16.______ Ditos de laco
- Pr'clsa-se de dous trabalbadores de assel- Ditos lisos
ra : na ra do Bangel n. 9, padarfa.
^Ife^.
Precisa-se de urna'riada forra oo escrava para
andar com um menino de um anno sahir a passeio
com elle e outros efaier mais algum servico qoe
se otlereca oceatiao, de portas a dentro : na roa
do Qoeimado n. 39, escada pelo largo de Pedr
II, no tercelro andar. ^
Precisa-se de um preto para comprar e fazer
o mais servico era um sitio: a tratar na roa do
Trapiche n. 48.
Precisa-se de orna ama que saiba cosinhar e
engommar parcasa de tres pessoas : na ra do
HosdIcO o. 1
Sapatoa de lona, sola de borra-
cha.
60O0
7*000
80000
20000
vf r e Lubiu.
Dito de ixieilfiitc banha de l.ulnn.
Sabonet de LuUd, e ooli os de amendoa, trans
parete, etc.
Co-rariique (oo pooiada) de ;iiptrior qualidade.
Fios extractos, fraogipane. fandalo e outros
tambem de linos e agradaveis ch iios
Opiata ingina e fianceza [>ara 'leales.
Bonitos va.-os on i >- arroz e pincel.
CaiXiohas rom cromatico po de arroz.
Oleo inglet. dito phiiocome, babosa e outras qua-
idades para cabello.
miniacome para litfir cabellos.
I Essa apreciavri untura chrgoo para a h.ja de
mludtzas a ra du Quimadu u. 16, assiai como o
I sabooel.e braucu, pia se lavar os cabellos antes i!<
se nsar da pre(-ar-(o.
Ditosaveiudados..... 1600U *b"cs e vi,,r0 c m P*rm"a.
IMM aveiUOaOOS..... IzTTrA Vend seesefbpnitr.s rat..-.;ps de vidro com per-
Ditos de tranca bous .
Senboras
Ditos todo de merino Jolly, obra
excellente......
405CO
10bOO
o <
Vgmt
1 O
11
*;=bi"
r cr s 2-
os = 5 L? S "
n> a a 3 = o.
r. =r3f"o2?
*^ ^. g,
CD OQ O -r As ". S
C/3 S

Antonio Manius da Silva Campo*, convi-
da a todos o* sistirem a ama missa qoe por occasiao do
nniversario do passamento de saa seropre
lembrada esp>sa manda celebrar no conven--
to de S^Praocisco, sabbado 21 do correte
as 9 boras do dia.
Precisa-se alugar urna ama forra ou captiva
qne saiba cozinhar e fuer compras, para casa de
pouca familia ; na raa Neva, loja n. 47, junto a
Coneeicodos Militares.
Precisa-se alugar urna preta para vender na
roa : na ra nova de Sania Rita o. 17.
Sapaios de borracha ....
Selleiros, corrieiros e segeiros I
E nm completo sortimento de calcado fa-
bricado nepaiz.
II INJECCAOe capsulas
^VEGETAES aoMATIGO
GRIMAULT*C,:pharmaceuticosemPARIS
Hv traUmento preparado com as fokt i
Matico, aore do Per, para a cura rpida e ra-
fallivel da Gonorrhea sem reccio aljpim da con-
tracelo do canal ou da inflammacio dos intestinos.
0 clebre doutor RlCOBD, de Pars, ter renonciado,
desde sna apparico, a em prego de qualquer
tro tralamento. Emprega-se a InjeccSo no
eomco de inxe; as capsulas em todos os casos
chronicos e inveterados, que resisiiro s prepa-
racoes do copahn, cnbeba e<& injecedes com base
Maluca.
A venda as pharmacias de P. Maurer &
C. e A. Caors, em Pernambuco.
Fabrica vapor
DE
PAO K BOLACHA
Ks. 6 e 8
Pra^a da Santa Cruz.
JoioLoiz & Narciso, acabara de roonur
< O
os -o "1 5 _
2.a a.% S" "
2 5 8 2 S -2. *
3 S =3 g
r?-S Sg ^ o.
* ra atto.=-_
r> =j o ^ =
S5_ 00
o a> Q
*
05
ff;
o seo
muito acreditado estabelecimenio de padaria sito
na praca da S-.au Oros ns. C e 8, cora maquinas
movidas a vapor, sendo esta a seKuuua nesta cida-
de, a mais aperfei(oada oo trabalho dsta ordem
al e presente; os donos deste estabeleciraente
participam aos seos numerosos tregoezes, qoe
se at boje os tem servido bem, de boje em dame
se tornaro mais bem servidos, nao so em pao e,
bolacha, como em todas as qualidades de massas
finas. Ms os maquinas cooperara muito para isso,'
apr --lando todo asseio e limpeza; pois os donos
V--*.- bello estabeiecimento procoram o quanlo
-.. ver em soas torcas para seropre melborar o
.-isiema do sea trabalbo; os mesmos lomam a II-
berdade de convidar o respeilavcl publico desta
cidade, como de fra, para no caso de querer
apreciar o trabalbo das mesmas maquinas, movi-
- Urna sentai^imfeVja'wieoMrar pessoa a .*Rr: to?os os dias >.s ho,ras rta nanMa,
I hone ta e de-bow-enstnaiMi que qoeira residir na *, l da torde e P'9Teo> < "J0 ,ara
mesma casa era-que lia reside naaaedo melade '1?eer todM aaue,las P63*088 Gremio scientifico
P.>r ordem do Ulm. Sr. presidente convido aos
Srs. socios do gremi i cientfico a reunirem-se em
sessao extraordinaria, sabbadoll do crreme as
3 e meia horas da tarde.no tugar do costme, afim
de tratar-se de negocios relativos a sessao magna
qoe deve ter logar no dia 11 de agosto.
Recife, 19 Bejufco de 1866.
O 2o secretario,
Manoel-Pinheirode Miranda -Ozono.
0(H> fun)aria!1/ proiirkis para presente*, etc.; na ra no
Qutiaiud) leja de nuuderas n. 16.
5o000, talas e cuos ui ba. lia fiua,
448tK>| A bt-ui cuobefiua loja de u.iudtias a ra do
4)J5t/U Qotiuia^ b. 10. cata do un b tas ccn. ttin Un:-, ?.>Vm d mo c> pos de viuro e
novo e bonito molde, cun lampo de vidro ecbeiw
de excellente barba. Rrctbto igoaimente a pro-
veilose t>iha transpareWe que mnitu ^elve para
, acabar a.- la.-^a:, c a aroinauc. t agradasvl tiaM
japor.cza e oulras. Os nrtend^nls dirijara se a
dita *l'j< de n lodezas a roa du Queimado u. 16.
i qoe serio servido a contento.
liou<|uel dos aipef,
Esse tino e agradavel exiraciu, vera em um lo-
I sito vaso de p de pedra a esle centro de urna tit-
' gante caixiulia de p?(elo, de Urraa que a peifei-
to de nma corjsa rorrespoode a soperioridade de
lootra. Esse apreciavei extracto acha-se avtnda
na ra do Queimado luja de mludezas n. 16.
Apa liorida e tnico,
Vendem se na loja de mludezas o. 16, ra do
Qneiatado.
Frascos com gomma arbica disselvida
e pincel.
Yendem-se na i< do Queimado loja de miue-
xas n. 16.
Tinta indekvel-para marcar roupa.
Vende-se na roa do Queimado loja de iinue:as
a. 16.
Fila elstica para e* de balap, e aspas de
ac para os dilos.
Venderc-?e na ra do Queimado leja de raiude-
ras n. 16.
Ponitos entremeios e babadinhos bor-
dados.
Vi ndem se por barato nreco na ltja de minde-
IM n. 16 na rita do Qoeiuado
Tinta rxa o azul que ficam pretas-
Ha loja de miuie/as u. 16 a roa du Queimado,
vendem-se frascos grandes e m- ores rom essas
excellentestintas, rxa e azul para Ticar preta; o
prejo dos frascos 1$000 e 500
Graxa econmica em latas e harrilsinhos.
Vendem se na loja de miudeas n. 16 a ra do
Queimado.
ATTENCAO.
do alugael : a entender-se com
a ra do Co:oveilu-n.3.
a mesma senbora
adislincla honra.
Chita preta a 160 ra.
Vende-se chita preta a 160 rs. o covado e 6 a
Aluga-.-e a <:ai>a da ra da Ca=a forte o. 13
i muito propria par* padaria por i ter forno, a peca cwm 38 covados, barato : na roa da Irape-
qoal estr. aherta p*a se ver : a tratar no Campo r*lr* n. 52, porta larga.
Verde ra do Socao*.
Precisa-se 4e i
Verdes o. 70.
Na ra do Trapiche n. 1G
acham-s os seguintes depsitos
BeM.B KiiBghatHeaNiHs.
Bourgogoe.
VuIi PiMrjnard tinto.
CorMo tinto.
Saote Jeorges listo.
CAMuttetua tinto.
li hetaanre linio.
i ;i *s ae Voogeot tinto.
CUattlM raneo.
fie II A,Wefem Francarl:
Rheno.
Ceispoheimer.
LiebfraumilCb.
Marcnbrnnner.
- Em casa de i'heod Chrisliansen,ra o ira
; .>he-novo n. 16,anteo agente no norte do Brasil
de Brandenburg frres, Bordeaux, encontr*-e ef-
tetivamente deposito das artigos seguintes:
.Julieo.
St. Pierre.
Larose.
Cfiateau Loville.
Chaiean Harganx.
firand n Cbateau Lafltte 1858.
Chateao Lafiue.
llaut Saoternes.
Chateao Saoternes.
Chateao Lataor Blanche.
Cbateau Yqoam. _
Cdgaae em tres qualidades. %
Azeite doce. Presos de Bordeaos,
g DEPOSITO D CALCADO
m FABBICAOO ,\A CASA DE DETF^CAO
J Roa .\'ova m. tti.
j*. Ahi se -eacontrarao obras de di-
ver aas.qualidades,.e por preco mui
diminutos, a relaiho e em porcoes..
S se vende a dlnbeiro.
25^000
Brande pecliinrha
. Selecia cero 1 varas a peca, largara de o pal-
mos, a 259 ua Toa da Imperatrlt o. 3, Paredes
Corte.________________
Panno de algoifaoda Baha, proprio para sac-
eos de a asacar o roii(M de e.-cr^-vns. doruerhor eue
,rem ao merca do, edin'-de tpodn u fairtce Todos
es Santos, n Sr. rsoiiimerKlador Pedn-s.i, tem para
] vender ioaijuim Jos Gensalves Beltro, na tua do
Vrgario n. 17, escriptorio.
Ej Ja ra larga do fiosano-n. 3!,~vedem-se
' dous rolos de fumo por i^eoj commodo.
'Vende-se'a taberna da roa do Alccrim n. 2.
Aluga-se a casa -da roa da Calcada o. 45 ; a*01" ponces fondos e o atoguel moito commodo,
tratar com Azevedo 4 rmo a roa do -Queimado.'te Tbomaz TeixltalBastos, val para a Europa! ,y-~
tratar e sua saade, e -deixa por seas procurado-
res : m pnmeiro lagar a sen mano Domingos
das .Veves Teixetra Bastos, em segando ao Sr.
AntuMo Jos Leal fiis, e un terceiro.a Sr. com-
meadador Antonio Jos de'Castro.
ia ama.: na ru* de Aguas-
nm PINTADOS
SotUmento de papis pialados e
linda uarjijies para forrar casas.
NtLW.lMMJA KRANGEZA.
N. 9. Hua -do Crespo T. 9.
aV$&S2$S$2JL.2K2>~2'2fr2
CASA VASIA.
X%ISOIE
peitoral e dulcificante
DI
SAINT GEORGES
Preparado por
GRIMAULT e Ch
pharmacouUcos de 8. A. L
o principe Napolelo
Cura rpida de las
molestias seguentes :
tosse, calarrhos, pleu-
resa, coqueluche, an-
ginas, fortes constipa-
ces, irritacoes dos
bronchos e do peilo,
bronche,phlica pul-
monar, ostma, pnet*-
monia,anginas,amyg-
dalites, tosse chronica,
rouquido. Os mdicos recommendSo ao mesmo
tempo o aso das excellentes pastilhas peito-
raes com o sueco d'alface o laureiro-
oarejo, qne se prepario no mesmo estabela-
imento.
A venda as pharma-nas de Banrer e A.
Caors,
Vende-se
a/eude-ee urna tina grande deamareHo para
bantw com suan o azas, .an servida, um pilo de icupira em oiio aso, tas-
lanlegrandi^ rom du-- tioccas, todo en costa :
na roa >Veiba n. 58, Boa-Vtsta.
Precisa-s de ama talber, honeste e sem
familia, oacional oa estraageira, para casa de orna
spnhora viuva ; cujo maor aervigo ((aeiteai a fa-
xer, Hervir de compsala a dona da -casa; a'
tratar o rjia da Iraperatri/, .prirneiro .andar do
sobrado n.t!5.
.
Aguas inineraes naturaes 4e
Viehj*
De toda* as agsas mineraes eaopregadas em me-
Verdadeira salsa parrillia de Biitoi pn 3^200 i
cada frasco : na botica da roa Direita n. 88, de '
Jos da Rocha I'aranhrs.
Reate ti i os da Universidad; de PeusjUauJa, bus
talados-i nidos.
12*. tracto composrto le salsa-par-
rllli.t le Ayer.
Felforal Ir erreja.
Remedio jpara >ezes.
PUulas eatharficas.
O deptito central paiv ?s provincias :
Pernambuco, Alagoas, Pir?hyba h Rio-
Graiide do Norte, desles. remedi s t5o fa-
i voravelmente conhecido acolldus em
i todas as partes da Amerita do Sul e do
COLLARES KOYER
OU
Aodinos eleclio magnetices costra as
convulsoes, e para facililai a ticnli-
o das tiiaugas. A aguia branca,
a ra do Qaeimado 8 reeele os
por todos s vapores francezfs.
Ja esto lo condecidos, e tanto -. t< iir>spalha-
do fama desses prtdifciosos collarts Rover, qoe
se lima desatcessaiiu m'zer mais .Icooia cousa
un almo de cens tons c ffflcazes effeitos; basta
o irsirmonho're mi/fares de pessoas, que tem vis-
to -iiiiv. n.,(r0 i. Miz resu'tado desses l uteis,
qoao nectario.- cjliares Hryer. A quotidiana e
cnsrMa extrarcSr>, qoe vn undo. mostra aioda
que o numero d< s prooi^ioa te eit-va com o dos
compradorr. A aguia-brar-ca, porm, detejando
eoororrer para nm tlm de Unto aproveitameoto,
tem feilo o* neeess^nos pedidos, para qoe por to-
dos r? rai-oiea fraucezes Ihe seja remettlda certa
qoairtidade d^ oitos collares, para assim tornar se
iMlivt-l o iriunento delies, ua loja d'agota-bran-
c, roa do Qmotado o. 8.
Mtereoscopo de auogoo
Com butiias vist;is.
A aguia-branca recet>eu boniu>s siereoscopos de
iiiogno eovernisados e com lindas e agradavels vis-
tas, e qoer vend los baratamente, sendo 1 ram-
osa com 4 vistas escolhidas pi r lOjtO. Fde
Un I. ix vnn'i r as Vistaf m pari:*n>nie a coLttn-
lo do coinpiadui, Ojuu se dirigir a' ra do Quiirna-
do n. 8, loja o'agoia-branca.
Botioa de merino
cr-m sch, para criargas.
A aguia-branca na ra du Que.niatj o. 8 rece-
beu um bello soilimento de Ixiinas de merino
ci m bot'a para criim^s, sendo o ^ortimenlc v
rlado em tamanhos e differenlescores.
Fitas largas lavradas.
Alm ou c< nplei' su limenio de filas que ccos-
iani'li.tule ee aeli.. ua i )a o'apuia-bn.in ,. esi.i r-
"eb u Bovarritl< um ociro snri'nunio rtc tilas lar-
gas lavradas, cujos linde- <* novos desenhos a par
da s;i prior qualidade a- lanm apicciadas. Hesse
sim;- rs (luer iai\>? o |.r. :,udiote i.So fif;a a justa
Idea do ai.uiadu v,tW dirigir a' roa Oo Qoeiniaiti< lo;a 'aguia-branca n.
8. <'').-^r 'ne nada M de irifllii-r neste g-nero.
Lntais e >-0|irs -oib bnnha Oua.
A agcia dianca ri i>l eu rjuvaut-ntu a supenor
banda rm iaia e ii(i-> de vidiu nm lamia de
.ti>, e i OL:;na a vem!.-los 2a e 2500 r na ra
do Queimado loja d'atuia branca i-. 8.'
Leqnes de uiadreperola. sndalo
A agnia braBca. na roa do Queimrdo n. 8. re-
cel> u ntva rimissa d honiti le es de n adre-
perol, sndalo e osm'. lodr# de lindrs desetibis
Tarxbem rtctl>*-w mcUi ? pr i- .- para luto.
TiutKras para fazer os cabeitos
pretos.
A aguia branca, ca roa do Queimado n. 8, ara-
ba de rere'er nnvo sorilmenlo das apreriaveis tin-
tura- (tari emireti."; o? cabellos, -eao rajxinhas
com i'(iiura dr chii n-acime, frasc s ei m colorico-
mt i ara lusliar o> i al.".i:.^, ditos c< m onychrcmon-
lonc ;ar;: (rapar ts t;:.;s, ditos crea hydrocalle-
trictiiDt- rsra larr os cabellos, st-ao braceo tim-
bera tara lavar os dncs, caixiuhas ( m untura de
Hoelde W'ati r ditas c, m dita de L. Maioi.e-
BoBeeas fue aedam.
A aguia branca, na roa do Queimado n. 8, re-
cclie m-vas e lu>ni(a> I nefas, (un movida- per
ute iracbloisnjr-, .-.iidi-ui perfeiameot**, e |il? icr-
fec.o e n vid?de das ditas* se lomam exc -i ies
para presentes: is c lendmtes as achirlo na
loja 't'agnta b'anca, ri a do Qceimado n. 8.
Papel para flores. .
A aguia branca cana de rn-eber novo sortimen-
to d- pa."e| para fl-res, rii para fclhas, do verde
e pardo r- e continua a vetd-i i di isso pelus amigos e cum-
nod"S t-'i'i'os : o< preiendenles que se dirijama
roa u i Queimado, l< a li'acnia braora n. 8.
O^pellas e flores finas.
A agoia branca recc-bea novas e delicadas ca-
pellas para noivas, ajsira ermo bonitos caixrs de
llor de uianja.ouirs de, rosas, e outros de flores
atue> erlas-, todo fi fina qoatidade e apnrade
go.-u- : (s pretendes tes que se dlrigirem a ma do
Qutimadj, loj d'aguu tranca n. 8,serao ben^ ser-
vidos.
Rf troz franeez em carreteis
e miadas
A aj.ua branr.-i :rsia de rec '.. r =-iperi.r re-
troz tunee?, poi earretei e miadas. A rtcellente
qua'id.fd- desse rir. o i-rna preferiv. I a" otro,
e is-o r-inherpf jr.rn n corrprar; na n.a do
Queirnad >, I

XAROPE '
D HYPOPHOSPHITO DE CAL
de GRIMAULT e C
Prtaeiieo de S. A. Lo Prineipt Napoltio
m Ptrit.
Desde maitos seculos os mdicos e os chimicos
tinhSo procurado nm medicamento-que podesse
curar as molestias de peito; todas as pequizas
feitas ath hoje nao tinhSo do nenhum rcsuliado.
Prem os trabalhos que orao communicados
ltimamente Academia de Medicina de Paris, e
as mais serias experiencias feitas.no hospital
Bromp'.on de Londres, que especialmente reser-
vado para o tratamento da tsica, provaro que
easa terrivel molestia, quando ella n3o estiva
anda no seu ultimo grao, tinha no Xarope dlly-
pophosphito de Cal, um especifico poderoso. As
tosses, defluxos, calarrhos, bronchitis,-grippa c
coqueluche, cedem tambera rpidamente ao uso
d'este Xarope,' e os asthmaticos acliSo n'elle um
91
fabrica do Barbalho
pateo do Ter^o n. 12.
(a do a-a p
/a! dono de
Rodas.
>rv!le, ineslre carapiaa iri
la Sel, can qne faz escoina da ora- j- ""'"a"
fferoce u seo presume a todos os I"
elemento certo para curarem-se.
Recommenda-se aos doentes de fazercm uso ao
mesmo lempo das deliciosas pastilhas peito raes
ao sueco de alface e de louro cereja, dos S"*' Gw-
Saolt b O*. Esta excelienle preparacSo se compoe
de duas substancias as mais calmantes e ao
mesmo tempo as mais noffensivas da materia
medica, e nlo contera opie.
dlcina, oenhama gza de tao alta rep'otacio, como I %"'* *s VJ** ua AI11^r"21"" ?'" ',0 Deposito as piarnuciag de K Mavrer
a natural de Yleby. Estas agbas ao salinas e ga-, Norte, acba-se em casa de Thcod C hi'l- \c c \ Caors em PernaHthHfo.
zosas. Os asedeos de todo o mondo as recomroen- dlaascn. 16 rus do Trapiche em t^ ^1" '*-, v 's..- + ,~"Z~V.
, dam cora asugem.nas doencas ut rins, da bexi- Perauaabnco. ft>W''{^ MMHHifA
Ka, as reas, aos clcalos urinario;, na gotta, na r\. nr i diabete?, na albuminuria, as doencaa das vas ai- ,0 T VTeyR
ges'iw, peso do estomago, digetao difflcii, inape- 3,r> por rtur'a de estrado oe salsa-pariilha.
| tencia, gastralgia dispepsia, metrite chronica, etc., 27A por duzia de Ditnral (le cereja.
i MM
Amd Goberle, mostr carapiaa Irafleoz, coa et n-bAI=lA h^,,, a D-a,n ,. ... DM 27^ por duzia de remedio pura szBes.
nico deposito* louca i&^Z^tS^^r^^T^^^T"M>" ^ '""**--?&ff *^yfc. ..Hnuidearnis/em dti
- ^w-*j.wv-- Heias de Ua vegetle de "*2SSlV,!fSl!rS5i!-'fi "aamdetm-,
de 6a 12 duzias, e de 10 puf epto em!
quan'idades superiores a 12 doziaV i
iGegaram jarros a-aoo bem feitos, e jarriobat
liara 4 e 5 canecas d'agua, potes de 1 e meia cane-
ca de agua, pelo preco aiai barato do qne lodos :
& peto no uoico do naiMt o Terco o, 11 .
rrecisa-sede ama ama gara todo o servico
de ama casa de pouca fatniMa : sa raa da Crtu
p, nrmeiro andar.________________________
VIVA O PROGRESSO
Aosystema mtrico decimal
das deor > i.-nuaabos, faltas de sleapira verda-
delra para -, Je piantazia ; offereee umbera
faier (lialq i coacerto de carros eom t#do o es-
mero pos-i1.!., e eom Hita protnptidio e preco
vel.azoa
Pa^a encresp'ai* Jbabados.
COMPRAS
Compra-s
ama escrava que eja boa flgnra e qoe saiba bem
ngommar, nao esedendo de 25 asnos de idade,
e pagarse btm ; oo escriptorio de Vsente Ferrei-
ra da Costa L Filho, ra da Senzala a, 138, 00 em
borracha.
A agola branca receben novameole essas pro
coradw meias delaa vegeUI, to atis qu$o pro-
veltasaF para qum soffre resfria(o nos pos ; as-
sim eoaM. outras de borracha para qn.ai padece i i^sans de todas asgr.si
de eaobaefo as pernas, e vendem-se por precos L a^ ^-.^^ eocrespar baados : tendern-
razoaveis'. aa roa do Queimado, toja d agua bran-! M ,/, Q^jlBado ,oja d'e (f rfa,ns dc Altve. |
a *___________________________f______ do A Iranio.
Cyliadrs para padaria
ras medicamentos etc.
Ra d imperador a. 22.
"m Pedro daa Xcves (ge-
te) tca a renda o
sesnlnte:
Productos chimicos e pharma-
m-is empregados em

V
<

.loa
re
J oingueo ignora que o govemo imperial adop
toa este sysiema de pesos e medidas e at ja as 8e0 armazem junio ao arco da Conceitio,
repartieses militares por am aviso do ministerio' ~------------ttmm m ><-----
da agrieultora, roanmerrln p obras pnblleas oto' asr e praca.
i compram se nao per Mes pesos medidas. Ogo- tm obras velhas : cwmpra-ie ns praca da ln
| verno dea am prazo aos particulares para lerem I dependencia o. 22. loja de otbete.
i tempo de se instrairea, mas brevemente se acaba Compra-se onro, prata e podras* preciosa
e enlo todos serlo ohrtgados a regolarem-se por em obras velbas : na ru? da Cadeia do ileeife
, estes pesos e medida o roe julgamos ser de moita o -le onrive no arco da OinratriO.
CoTTlpanhUl gvrat hGSpanllOUl \ utilidad* por ser esta medida tirada da circomfe-,--------r-
d > s>guros mutuos sobre a T
vhla
CapiUi 8ubscriU at i o de abril de
4866. is. ,M.2:147>tiO.
Chegoa pelo aimo paquee trapee Extremada-
re, O. Nareizo Francisco de Vidal, qoe sai jsali-
d^de de sob Inspector da eoropaoh, esta devtda-
rm-Bie aotorisado para o desempeoho de suas func-
CSes. Dedlcando-se principalmente a fazer on-
tr-t k de seguro--, a aqgmenjar as relaces da NA-
CIONAL dando a eoncecer s vantageus posif
que a me-ma aprsenla.
lospeeeao do districlo (ra da Cadja o. di), 6
de julho de 1866.
O inspector,
Jeronymo J aquira Fiuza de Oliveira.
na praca da
ram-se libras sterlioas
mais exacta, finalmente a dvida" esa"v7'em nao, lodependcnets n. 22. __
baver laes pe?ns e medidas, porm esse mal Ja'i Comprara se doos Boorgalns em segunda
esta'sa nado, ja'temos pesos e medidas tanto para mu: na ra nova, escriptorio de Quinteiros S
teeto c< mu para liquido, assm como pesos de far* j Agr.
rode30Jk.il gramroas al l|2 liecio-gramma, de ------------- -------- j- ,-----------_
laiio de 300 gramrnas at' um grararaa, para sec- Libras eslcrlipas.
eos desda Ir* hecto-litre at decilitro, para liquido I Coropra-ie na roa do Crespo a" 16 prirneiro ao
medidas de estanbo desde am litre at o decilitro, i dar.
astiot como medidas de madeira para as lejas e
Na padaria da ra Direita
ii. 8V, ha sempre para vender
lur commodo preoo os eo-
nheorJ.is e acreditados cy-
liedrj americano- para pa-
daria.
Vcde-se"on escravo ; a' ra B<-lla n. 25.
al irsem.
Vende se na roa do Trapirhe armazem n. 9
a mais novS que ha wi mercado, por preco com
modo,
PASTA a XAROPE da IAF da ARABIA
bb dkla\;rkmer
*?.*! n w".Pi'""?^ Pf-ovdo ttloi profunrM 4.
ulud da Saa-icio i* Friac, e por M medico, daa Ha
as a I am, 01 quita carliflcarlo tala aim aupvla-
IP Mth.a lnrf<.. n. #...... I
medidas de exlencao (treinas), de 20 a 50 metros: I ~ Cumprara-se libras aterlinai
o oolco deposito destes pesos e medidas na raa i fa*' l____________________
Nova n. 38, aoade se vendem desde ja e se rece- r il._nc,
i.em encommendas para dentro ou fora da pro-' .LlUrUS
kincia.
na ra do VI-
I Os Sr-. ilfioei Rodrigues da Silva e J .s Pe
I reir Santo, tiim cana na roa da Ma 're de Dos
armazeui snire a tulica e a igreja.
Compram -re o escriptorio de Antonio Lolz de
Olivelra Azevedo & C, roa da Cruz n. I.________
CoTipram se muedas de 0 : na ra do
C'e'po n- 16, 1? andar.
Na latiait de Sfl< untare de M.
.f07,
' Vende-se ervilhas verdes e amrel|a#, tanto in
tetras como partidas, feijo branco, sevadinha de
diversas qualidades, dita de ava, chegadas ulii-
mamenle pelo brigue hanovenano Catliarina. Ga-
rante-se a saa excellente (uahdjde.
INJECCAO BROW.
Remedio infallivel as agnorrheas antigs
recen, tes, uoico deposito na pliarm^.i.ia
e franceza ra da Cru.2 o. 4 e ao preco df
34000.
{ 8lot
y Pac
pluas
ri*d,.fcr *l'o o oalroa paTlorttToi'i (MK^artM
arKcacia contra 01 Muu, rin*, Blllulii i m
aflWaWa do P.1U a da farfaata.
RACAHOT DES ARABE8
It nr.l.ANCRKWIKR
Unk-oaliaiaiM l'P"ti).pal.Ac.daaakd.Uadicla.da
Pani. Ella rntabalaca aa etsoat qna aorTraat do *>-
Me a doa latMtlnaa; rartaltca aa criaacat a aa pataota
debllludas, alna aisao aa Tirtuda da tua proprladada asav
lapUea ha o melhor pratarraUro du TaWaa aaaatana a
Cada rraaca a cada orillaba dtaui pnaaracSet Ittt,
St?* H,' ^"fi^^Nahr, raa tehellcb. 16,
am r-aru. (F.xar aarlao atianclo can aa talaiacacSaa.
tpoaiurUa po Pantanata** : atm BaaWa-, a.r-
FOaa.
Vende-se aas pbarmacias de Maurer e de
A. Caors.
Kua da Queimado u. 19
Noaruia.em de fazendasLtalas !. Sanios
Cocllio, vende-se o seguinte :
Pec'.incha.
Pegas de mad:iprilo la.'i anr>ri- '- pr
paia camisa & '.ta oara (ewft.ita >-i, ,'.-..:
rec-i de 8^ fazt-titla <1* l'.
cerjt.'cos QS
,'^ roedicDa.
i Tila!, ^ara todo o genero de pin-
25 lura e para ti!.(uraria.
rar Productos iodustriaes e tintas
i V* iJird iu res, ce roo botoes de flores
\fc c aoJiloa wu gesso para imitar a
! sj fru, las e f-a?Aros com o compe-
y lente desenho.
^ ':," 'uc! cunios e inilustriaes w
* para [iuologra'ba. tin'uraria. pin- ^
t^ lura, pyroU'cniaer. jr^
'l M< niado em grande escala e sup- \
jb prido directaniei.le de Paris, Lon-
- ti es, llajBbargt, Anvers e
pode oflferecer productus te plena
oniianca e satisfazer tjnalqoer en- 2S
'''^meoda a gros.?o trato e a reta- $.
por pxevo '.'orhmodo. c,j
- Vvnde-se um escrave de 20 ancos de idade,
ira mu.; ;-3dio, propri i para pacem
if-w ra da Aorcra n. '.'i
j a larde.
Sk
Ltslroa v ,
mmi
A lab
-lar i
: i -na.

9, a
1WM *\
91
i


/
Dlarl' de
ueo sabbado ti de lulh de
186G.
0 que occupa hoje mais a atfceuco do mundo
econmico? f o novo 3jrs1fceia do proprietario do ar-
mazem de molhados
UlAO MERCANTIL
.53 RA DA CtElA 53 -
PASSWIIO O ARCO DA COXCEtlO.
Que surge de novo hasteando a bandeira da modicidade de presos em todos os
seas superiores gneros.
Que o publico reconheca as vantagens que de tal systhema lbe resolta, o que o
proprietario do sitado aranazem deseja, a a que desde j o convida : passando tambem a
aotar-lhe os precos de ajguas dos gneros do seu expendido sortimento, epara os quaes
pede
ATTEVCO
Gonua de mi!lio braateo americana.
Esta expeliente gomma, maltj se recomcommeada como o aljenlo mais subs
taacial e saudavel; servindo n5o s para papa (no que superior de toda as outras
gammas e fariahas) mis tambem della se pode fazer paVvde-l, cangica, reme, bolo
'fraaoez, podim, etc.: -o praco de cadi pacote de urna libra 800 rs., en caixa tem aba-
timento.

MANTfilGA INQLEZA de superior qualida-
de a 1,28o e l.loo rs. a libra, em barril
se faz abatimento.
DEM FIUNCEZA a mais nova que ba no
mercado a 6io rs. a libra, em barris ou
meios a 600 rs.
CHA HISS0N de primeira qualictade a
2,8oo rs. a libra, alm desta ha muitas on
tras -proprias para vender a retalho, que
se vendem de l,6oo ai,8oo rs. a libra.
IDEMPftETO o mais espacial que tena Tin-
do a este- mercado a 2,2oo rs a libra.
DEM recular de 1.6oo a l,8oo rs. a libra.
QUEDOS DO REINO ltimamente cbegados
pelo vapor 2,4oo: ditos do vapor passado
a 2,000 rs
LATAS DE CHOURig.\S com 6 libras er-
meticametite fechadas, a 4,5oo, de barril
a 64o. a libra.
ESTRELINHA para sopa em caixas sortidas
de 8 lihras, por 4,000 rs.
VTNHO VERDE do ve-dideiro sumo da ova,
e o raais proprio para S9 beber n'este
imperio, pela sua extraordinaria fresqui-
ao e agradavel gosto a 64o rs. a gar-
lafa.
AMEiXAS FftANCEZAS em frascos de 4 e
2 libras, a 2,800, ei,4oors. em caxi-
n'ias muito enfeitadas com diversas estam
pasa 2,oo, 1,800, l,5oo el,3oo, res.
BISCOITOS 1NGLEZES emlatss contendo
diversas quaUdades a l.oooe I,2oo rs. a
lata.
PRINC PE ALBERTO bolachinhas as melho-
res presentemente conhecidas a l,6oe
rs. a lata.
SALAME HAMBURGUEZ chegados no ulti-
mo navio a l,6oo a libra.
PREZUNTOSverdadeiro de Lamgo, a 64o,
rs. a libra, e 56o inteiro.
TRAQUESn. I. em caixas de 4o cartas, por
8,800, e 24o rs. cada urna.
MARMELADA em latas de i, 1 /, e 2 li-
bras a 600 reis a libra.
JALEA DE MAR MELLO em latas, a 800 rs.
FRUGTAS EM CALDA pera, pecego, alper-
ce, rainha Claudia, e ginja a 64o reis
a lata.
MOLHO INGLEZ de diversas qualidades, a
72o rs. o frasco.
MOSTARDA 1NGLEZA muito nova, a 800,
rs. o frasco
DEM FRANCEZA a 64o rs. o fraico.
SALMO E LAG03TIN ehegado ultima-
mente, em latas de 2 libras, a i,600. rs.
ARENQUES em latas a 64o rs. cada urna.
SARDIXHAS DE SANTES em latas e meias
a 600 e 36o reis.
V1NH) DE COLLARES o legitimo vinho
desta localidade, muito superior e sem
coofoicSo alguma, a 800 r. a garrafa.
IDFM MADURO o ver Jideiro do alto Dou-
roem barris de lo em pipa por as.ot^^^iummij
cada um. r *- r ^qos aonaesila seitus
VINHO D PORTO de diversas quaKdaf*^
engarrafado, inclusive o maisfino que *%|S?refa!ra "^Iff
n'este genero, por 800, 1,000, l,2ot^<
l,4oo e l,5oo rs. a garrafa.
Gros de aples preto a 10500,1,5600, U, U. 3*500 e 40 o covado.
Gorgurao preto de superior qualidade a 2*300, 2*800, 3*-e 4* o co-
Superiores moreantques a 2300, 2*600, 35, 3*500, ** ^tffoeo o
covado.
Bons cortes de moreantique.
dem de gorgurSo adamascados.
Bons pannos e casemiras.
Sup riores alpacas, pripcetas, merinos e bombazinas.
. .Bons villudos pretos.
Grande variedat de chales de fil preto e de guipare a 5*. 6*, 8*,
10*. 12*, de 16* a 20*, e de 25* a 80* cada um
Superiores retondas de fil preto e de guipure a 8*, 10*. 12* e 25*,
e de 30* a 60* cada urna.
Superiores algerienes de fil preto e de guipure de 12* a 25*, e de
30* a 60* cada urna.
Bons chailes de seda prta.
DUos de Merino preto bordados e ootras muitas fazendas pretas que
seria enfadonho enumero r, na
Loja do Vigilante
RA DO CRESPO N. 7.

barcino!!
vnHr)aratissimoI
dpS-IK"8 es,belcento encentra o res-
SSl rS22l?n0lUm Variad0 so'li">enlo de fazen-
ds-frtneefcas, inglezas e suissas, e as quaes se ven-
dero por prego nemmcdo a saber :
Ctales dorenda-preta a 5*800
VBOjJe-se'uro-sor08ieBtode.ebales dermid nra
il a 550G e 6 ditos de seda a SfllSiE
lato na ras daIraperatrizd.72 deGaifcaries ir-
IDAO.
Rotondas pretas a 8*.
XeaiMtorttonw.pMvs pelo barato prego de
8*, 8$500 e 94; na ra da Imperatri b. loja
de Guimares & Irmo.
Grande peiincha a 2* o corte.
Vende-se cortes de casemira da China a $000
1*800,-8*800 e 3* dHas de brim > i#t80, lioo'
1*600, I800 e 3. '
E'. mnito barato, tarlaUaa de cores a 240
.rs. o corado.
E>te estabelecimento acaba de rceber pe-,
lo vapor Exlremudre, e de sua orooria en-' ,Uai**? um jraede soneto ce urlatana de
____Z^Ll "_ .'.ouo,yd piyprw *>u cOres muito proprias para vestido, fazenda mais
. tv.ic iiiu.iv proprias
cotnmenda, um completo sorfimento de ob- moderna qoetem vindo ao mercado a 240 o cor
mais
DE ANTONIO CORREU DE VASGONCKLLOS A C.
BCA BO CRESPO Jf. 13
PHOSPHAT0 DE FERRO DE LERAS
i K/mh^mm
FEIJO verde e carrapatooat latas ermeU-i^^..Po^B8'eu,:^
cemente fechadas a 6oo rs.
CHOCOLATE francez empacotes de i libra
por 5oo reis.
AZE1T0NAS daschegadas ltimamente fle
Lisboa a l,2oo rs. a ancorla, e.5oOj*
guarrafa. j
CAF avado a24o rs. a ybra, o 7,ooo r*;'
a arroba, e regular a 22o a Iihra, e6 5oo,
a arroba. >. i
VINHO CHERRY do nvris superior domer-
ca lo a l,5oo rs. a garafa, e 15,000 rs.
a duzia.
MOSCATEL. o verdadeiro de Setubal, a
i,8oo rs. agirra'a, o2o,ooo a duzia-,
VINHO BOREAUX das mais acreditadas
marcas, S. Emilion. Sant iulien Haut
Brion a 7oo e 8oo rs. a garrafa, e em
caixa de d.zia, a 7,5oo e 8,ooo rs.
VINHO BRANC ) de Lisboa de excelente
qualidade, e proprio para missa, a 8oo,
rs. a garrafa, ou 8.000 rs. a caixa de duzia.
MADEIRA SECO a 1,2oo a garrafa, e 12;ooo
rs. a dazia.
VLNHO DOJRHENO su^Kior, a2.ooo a
garrafa, e 22,ooo rs. a duzia.
VERMOUTH de superior qoalidadje em cai-
xas^de 12 meias- garrafas porM2,ooo,e
garrafas por l,2oo rs.
I.NSKCIOK DA ACADEMIA DE PARS.
Nao existe medicamento ferr-agiaoso to notavel como o phos#bato de ferro de
ndo inteiro adotaram-no'com solicilude sem igual
idas, dores de estomago, digestes penosas, ane-
itica das seohoras, irregularidade na menstru8(j3o,
curados rpidamente ou modificados por este ex-.
or excelencia dasaude edeclamdo superior nos
em aos estmagos delicados, que n3o provoca coas'i-
pSCBrj mricc tambem qne naeenegreft a bocea e os denles.
fu Paris.na,ra da FauiUad ijh 1 mmihimi n
venda emeasa doMaarr, A, Gaors.

>* tM'l PECHIi\CHA SEM IGUAL
Ricos cortes de gorgorSo de seda -etos adamascados para vestido com 13 metn
oa 18 t 20 covados cada curte, larjrofa le chiu fraaceza, pelo baratissimo preeo de 5C_
cada, corte : na loja das columnas da ra do Crespo n. 13 de Antonio Correia de Vasco
f
LOJA DO BILAO
DE

AZEVEDO & FLORES
&U HA CJLDEI1 DO HECIFC2 H. 49
Vejam e admirem!!
Chapeos de sol de seda a balo que valem 12*, o Bilao vende a 10*. e quem
comprar de 6 chapeos para cima tem abatimento de 10 par cento.
Camisas.
Superiores camisas de peito de esguio pregas largas a 36* a duzia, a quem
comprar de nma duzia para cima tem o descont de 10 por oento.
Bnles com cauda.
Superiores bales de mnrselina brancos e com listas de cor.
Itoupa felfa
Calcas de lindas e superiores casemiras a 84000.
dem escuras proprias para o invern a 7*000.
dem claras miis inferiores a 5*000.
Paletos saceos de panno pelo fino a 10* e mais inferior a 8*000.
Chitas paracoberta a 28 rs o covado
Superior chita para coberta, cores que osdonjs do BalSo afm-jam ser as mais
fixas a 280 rs. o covado, quem derMr de comprar caitas que todos vendem a 400 rs. e
281; o Bafo tambem tem-para vender um benito sortimento de chitas claras e escuras
para vestidos.
Madapblo qoe val O* a-0*500, lindos cortes de cassa de cor a 2*800 ; vista
dos precos (SUBla,"dira'o, a fareflda nao presta.... e nos affiancamos que ame-
ihor possivef, e se vendemos por estes diminutos pregos para grangear maior numero
de freguezes.
Quem duvidar da veracidade do que flea dito venha ver.
jectos de apralo gosto e alguns de comple- <*o e 280, ditas mate-taas a 3o 20,
h novidade, como seja : j-eieoqMs>niiiooiodnae*36B Riquissimos tecessaaios para costuras,
tend de madrepola, marflm, christal, e ou-
tras muitas qualidades.
Ricas caixinlias de madeira machetadas
t-)das de mrdrep la, com msica, e o neces-
ario para costura.
Cixinhas de mnsica, tanto de veio como
de corda.
Riquitsimas maJasinhas de madeira, for-
radas de marroquim, contendo o necessario
para costura, propria para meninas. *
Lindos vasos para pos de arroz.
Lindos livrinhos com capa de tartaruga
para missas.
Riquissimo sortimento de enfeites para
senhoras e meninas.
Cintos inteiramente novos.
F vellas, de taruruga, christal, e metal,
para cintos de senhora.
Leques de sndalo e de madeira.
Riquissimos porta bouquets.
Luvas verdadeiras de Jovin.
Ditas de seda e de Escocia.
Lindos boles de christal, tanto para pu-
nhos, como para colletes e abertura de ca-
misas, estes botoes tornam-se recommenda-
veis, por ser inteiramente novidades
iaasinbas
--. o cova-
do, ditas muitu uas 460 e 500.
Cobertores de,algod3o a.800.
Vende-se cobertores da algodo a 800 rs. ditos
taelhores a 600 e fWO, cobertas de chita ai,
*S00e3*.
Quem duvidarveDb*ver.
Ganbrsia de cures a 240 r*. e-ovado dita fina a
280 e 320 chitas finas a 280, 300, 320, 360 e 400
rs., ditas percalas a 400 e 500.
Esta se acabando chitas a 160 rs. o covado.
Vende-se chitas a 160. 180 e 200 rs. o ovado,
nscadinho fraw;ete6 240 e 2 rs. o covado, roa
da Imperalnz u. 7, de Oeiroatee Irmio.
Le^os brancos a e 2*50'J a duiia.
Bm8a7I.e3*50ft"4>im**liDb0 *sfm'
Cambra i a branca a 3*.
Vende'se tnn grande soriiBento de cambraia a
3*,3#800,4#,4#500el*
Baloesa2*.
Vf nde-se baldes de arcos 2A 24500 e 'i, di-
tos americanos a 3300 4 e .40O, ditos de mur-
relina Si, 5500 e &i, ditos para meninas a 40
e 4*500- isio na rtra d Imperatilz n. 72, iota de
Guimaraes & Itmio.
a 3*C00 o oorte.
a 3*000 o corte.
a 3*00Oo corte.
Vende-se cortes de laa com 12 eovados a 3*. di-
tos finos a W8Q0 e 40, dt03. a Mara Pia a 7*500
80, 80500,90 e 120, gravatss finas para homem
a 646, 800 e f0OOO, mantas mnito finas a 10200 e
Ditos de cornalina, brancos e encarnados,' lW0?.isto a roa da imperatriz n. 7?, loja de
para colletes.
Finas thesouras para nnbas e costura.
Lindos porta joias.
Ricos port relogios de porcellana.
Modernos pentes de tartaruga e a imita-
Cao.
Albuus para retratos.
Agulhas e linhas para crochetes.
Lindos aderegos de christal.
Rosetas e alfinetes de dito.
Guimaraes tlrmko.
INo armazem de iazendas
baratas de Santos Coelho
Ra do VeHde-se o segahite :
Lecoes de bramante de um 56 panno pelo ba-
rato prego de 30200.
Ditos de paauo de linio a 20200 e 20600.
Cobflf tas dacbiU da India a 20400 e 20800.
Lencos de cambraia brancos proprios para algi-
Aderecos completos para luto, asstm co- beira a aaooo e 20*00 a dmia.
mo brincos e rosetas.
Meias de seda para senhoras.
Ditas para meninas.
Sapatinhos de seda e de mirin, para
baptisados.
Touquinhas e chaposinhos para dito.
Lias de todas as civs para bordar.
Capellas para noivas.
Gravatas e mantas para boaem.
* AMnete^ pwa gravatas.
Riquissimos livrifihos paranoias, sendo
com capa ema ln^en-la, marfim e cha-
grn.
Penas de a^o da-todas as qualidades, do
afamado-febricarrtePerris.
Troco e seda froaxa para bordar.
Bengallas. e chicles de todas as quilida-
iftllKalvt
fi*
riwfMfe
Tinta Inalteravel
Para escrever
de P. HAl'RER i C.
PKRNAMBUCO
Esta tinta recommenda-se pela sua com-
posica e fluidez como a melhor e a mais
segura de todas ap tin.l at hoje conheci-
das. Nao ataca as pennas de ac, da at
tres excellentes copias.-inesmo muitos das
depois de escrever, e prWterivel a qual-
quer outras tintas particulamnente para
livros de commercio, documentos etc de
que se careca longa ooneervaoa.
Mfel

RIJA OO BRM N. 89
O proprietario deste estabelecimento deseja chamar a attencao dos senhores pro-
prietarios para os acreditados mechanismos que continua a fornecer; os quaes garante
ser como sempre, da melhor qualidade possivel:
Machinas de vapor .
forca de um cavallo para cima. As. menores s5o mui proprias para motores de des-
carocamentos dealgodSo; ellas viajam armadas e podem trabalbar denro de 24 horas,
depone de chegirem no fugar. Hlac levam tudo quanto preciso para o trabalho, e
diversos sobrecellentes. As machinas maioes sao proprias para a moagem de canna,
e ha deltas que podem junta e separadamente moer canna e desearocar. Ellas podem-
seapplicar aqualquer moenda j existente sem oatra mudanca do que asubstituic5o4as
rodas da almanjarra, ha tambem com moenda junta. Ellas tem depsitos d'agua e boei-
ros de ferro, e n5o precisam para seu assentamento de obra alguma, qur de carapina, des-
qur de alvenaria. 0 tmpo para assenta-las nSj excede de doze dias ao mais, e em Dedae4e> casos de mortes de animaes ou arrombamenios de acudes, etc,. garante-se o assentamen- Espelhos- dourados grande?, e pequeos
to em oitb dias. Todos estes vapores sao simplissimos na construccSo, e se regem por ^'tos ^e colonana.
qualquer pessoa intilligente, a facilidade da conduce5o sendo especialmente considerada, Dit0 especiaos par as senhoras fazerem
tanto que nao ha lagar om quen3o se possam condurir, qnr por trra, qur embarcado. os Penliauos.
Lembra-se aos senhores deengenho que a venda dos animaes e o servico da Pulseiras tanto para senhora como para
gente oceupada no seu tratamento os h3o de recuperar da maior parte da despeza do menjnas/
vapor, deixando-lhes a vantagem de urna moagem certa e accelerada; e acabando com a! Riquissimas fitas lavradas e lizas,
despeza da compra continuada de novos animaes, e com os desgost03 do trabalho que sel Diademas do ultimo gosto.
tem com elles. | Ligas de seda.
Ser talvez desnecessario lembrar aos compradores de vapores a vantagem que Ditas de seda e de a'gWiSo para mangoi-
lhes resulta de compraren suas machinas garantidas era urna fabrica, tendo artistas com- tos de sennora-
Detentes para assentar as mesmas e enstaar a maneira de trabalhar com ellas, e j pre- j tontas e tubos de ac.
paradas para arremediar qualquer desarranjo; facilidades estas que jamis podem en- Suspensorios de. seda e de algotKo.
contrar comprando-as aos simples negociantes, es quaes por falta de conhecimenlo na ma- Grande e completo sortimento de perra-,
teria nem se quer poden garanti-lo? do que as machinas que vendem sejam proprias ou marias finas dos fabricantes raais afamados,
suficientes para o trabalbo em que se queira emprega-las, e no caso de desastre nao assim como muitos outros objeclos que se-
podem prestar-loes soccorro algom; sendo qoe ainla qmnio venham s fabricas para ria enadonho mencionar,
concertar as machinas alheias, torna-se-ha preciso fize- Repentinamente moldes novos,! So no Gallo Vigilante ra do Crespo n. 7.
etc. para as pecas estragad is. J numerosas vezes estes vendedores tem representado Vprd'idpiros
seos vapores como sendo de forca mai superior sua actual e verdaieira forca; equi- I ,. UttUJ7"vo
vocoe8te quen5os engaa ao comprador acerca do trabalho que possa tirar do vapor, MMltres Hever
mas tambem da lugar ao pagamento de um preco excessivo, vista da forja real da ma: E!eWi afflCtict
china que compram. I -C'urGoltaresAaoduios, paa facilitar a den-
Tambem ha sempre prompto Rodas d'.tgua de ferro Sarilhos com cruzetas para as ticao The ctiatfm e contra as eonvulses
mesmas Moendas de canna de todo o tamanho, Rodas de espora e-ango+ares, Proes ou das mesma?,"*a-estes collares nos eseatado
coches para receber o caldo, Grivos e portas de fornalha, Taixas de ferro batido, fundido e fazer qualquer recommendaclo, visto a
de cobre, Formas de ferro galvanisadas para purgar assucar, Bombas simples e de repu- grande aceitaco que tem tido, o que pode-
cho. Alambiques de ferro. Eixos e rodas de carro, Arados, grades, enchadas a cavallo nos provar assim como, afiancar o effeito
e outros instrumentos de agricultura, Moinhos e forn >s para fazer farinha e finalmente
todo o objecto de mechanismo de que se costuma precisar.
Na fabrica se fazem obras novas encommenda e concertos, com a maior p este-
za e solidez. O grande deposito de pecas e objectos habilitam-na muito para este fim.
O proprietario ser sempre mui feliz de poder dar iofarmacoes ou clarecimeoto
aos senhores que se servirem le seu prestimos
D. W. Bowman, engenheiro.
que elles prodnzem, porque ha tnuito qcs
os recebemos e continuamos a receber por
todos os paquetes da Europa; e encontra-
ro sempre na loja do Gallo Vigilante, ra
do Crespo n. 7.
Vende-se nalivraria franceza rali do Crespo e ra Nova n. 18 de
-*-
Vapores.
V.'nde-sa em casa de Saaaders Brothers & C,
no i.rgo do Corpo Santo n. II, vapores patentes
com todos os pertences proprios para fazer mover
tres ou qaatro macbioas para desearocar algodo.
64Z.
uem da roa do Imperador n. 3 ou no
fedro II n. 2, tem para ,vender-se o me-
____ rj aai existente no mercado.__________
Veale-se na fondi$ao da Aurora, as melho-
re? e raais pertettas caiiiohas com BU de medir, e
te.ttt3 de ferro galvaniado, talo por precos ra-
zoaeefs.
Selcia.
Vende-se esta lateada sendo enfe tada, com
mpita largura a 25# a pe?a, com 23 varas bara-
tissimo pela gVaode largara ; raa da Inaparatriz
n. Si, aiauzem da perla larga.
...... -
velas de earaaaba a H4FOO0 a
arroba.
Vsndem-se caixas com velaslpelo barato pre-
go acn ; oa ra da Madre dt Dos os. 5 e 9.
VfCdem-se oito cameiros de bonitas Ogaras,
com o peso de tres arroba poaco mais ou menos :
quem s pretender dirlia-se a raa do Encantamen-
to n. t3
;-'m\m Fff4N(M$ E lr6tKZ4S
A' loja de iazendas de Augusto Porto & C.
11 i-Ru doQueimadoii
A' loja de iazendas do .aguato Porto & C. chegoa um graqAe strrhnsnto de camisas
inglezas para bomem, muito saperiores com colarinhos e sem colarinbo, continuando esta
easa a ter sempre completo sorUmsnlo de camisas de linbo e de madapolo inglesas .-
francezas para bomens e manmqs; seroulas de linbo e finos colarinbos de mallos gostos.
Camisas francezas para senhoras a 5i, SiSQO e 6^.
Sobretodos de panno de duas faces fazenda superior.
Vestidos de blonda' coa manta e capella para noivas.
Cortinados de cambraia bordados para camas e janelas de 12$ a 80j.
Colxas de seda e de laa e seda para camas de noivos.
Grosdenaple de di Tersas e lindas cores e pretos.
Moir brauco, luvas mantas e cape las para avivas.
Lindos cortes decambraia branco ricamente bordados.
BoneU, gorros e ebapos de palha de Italia para senhoras.
Lindos cortes e foolard de seda fazenda de muito gosto.
Cambraias, laslonas e ppenles dos gostos mais modernos.
Tapetes para sof, piano e cama e tapetes em pegas.
Alcatifa barata a 480 rs. o covado, que com pequea despea se alcatifa ama sala.
Bons pannos pretos e zoes e grande sortimento de casemiras pretas e de cores.
Sortimento de esparblhos, baldes, meias Unas "para senhoras e bomens.
Superior bombazina, alpaca, naetao, princesas e merinos pretos.
Panos vendados para cadeiras e panos finos para mesas.
Halas e saceos de couro para viagem e sortimento de
Esteiras da India para for ar salas
11 Roa d QnelaaadoU
r** tiflnti iBinfji anngtji maciomi iffirri \ir:
Tasso Irmos
Veudem no seo araiazen roa da
Amorim i. 35,
Licor fino Carabao em botijas e meias botijas.
Licores finos sortidos em garrafas com rolhas di
'tetro e em lindos frascos.
VinhosCheres. _
Santemes.
Cbambertin.
Hermitage.
Borgonbe.
Champagne.
Muscatei.
Reino.
Bordea.
PAezei lagniol.
Joaquim Jos
Ditos de cambraia de linbo fino a 4J500 e 5$ a
duzia.
Aioalhado de algodio branco alfa vara.
Bramante de Huta ino com 10 palmos de largu-
a ioOO a vara.
Panno de linbo fino com 9 i|2 palmes de larga-
ra pelo barato preco de 2,8 00 a vara.
Bramante de linbo fino de ama largura, pelo ba-
ratissimo preco de 800 a vara.
Toalhas da linho acolcnoadas para maos, a 131
a dazia.
Ditas felpudas a I3 a 15 a dezia.
Goardanapos de linho a 3*500 a duzia.
Flaneia de todas as cores para ceeiroe, a 880 rs.
o covado.
Tarlataoa de cores a 800 rs. a>ara.
Baloes de 3a arcos 350O. de 40 a 4.
Cambraia 'de linho fine a 43500, 61500 e 94 a
vara.
Cambraia para forro de Testido a 21700 e 31 a
pega.
Pegas de bretanba de rolo com 10 varas a
31500.
Pega de madapolo fino n largo a 7$.
Laazinha lisa decores a 500 rs o covado.
Pegas de cambraia branca de salpfcos com 8 e
meia vajas a 41500.
Coeiros de casemira. bordados pelo baratissimo
prego de 91.
Esteira da India propria para forro de sala de
4,5 e 6 palmos de largara.
Cambraias fiaas de cores miudas a 560 rs. a vara
Xeste armazem tambem se encontra um grande
sortimento de roup> '^iu a uor medida.
PHOSPHATOdeFERRO
IDE LERA S DOTJTOR EM SOENcffi
liNSPEC-R OAACADMEADEPARIZ Etc.
NSo existesnedicamento ferruginoso to notavel
como o Phoifhato de ferro de Leras; as summi-
dades medlcaes de mondo inteiro adoptaram-no
com solUcifade sem igual nos annacs da sciencia.
As cores paludas, dores de estomago, digestes
penosas, anemia, convaleseencias difficeis, idade
critica nos senhoras, irregularidade no mens-
trwcio, pobresa do sangue, lymphatismo, sao
curados rpidamente ou modificados por esse
excellente composto. F o conservador por excel-
encia da saude, e declarada superior nos bospi-
taes e pelas academias todos es ferruginosos
conhecidos, a iodereto e ao citrato de ferro,
popmie o nico que convem ao estmagos de-
licados, que nao provoca constipado, o nico
tambem que nSo ennegrece a bocea e os denles.
A vanda as pharmacias de P. Maurer 4
C. e A. Caors. em Peraarnouco.
Vndese em casa de M. I. le Uliveirn
Ibo, largo do Corpo Santo n. 19 :
Vinho verde superior em barris de 5*
Dito do Porto de 8 e t0>
Dito de dito engarrafado.
Dito de Lisboa Palmelta tinto.
Farello idem superior.
&FI-
Novo e grande deposito de superior carv&o de Cardiffna
Baha.
Antonio Gomes dos Santos & C, raa de Santa Barbara n.l, eatao habilitados a sopprir de
oarvSo, em condigdes mais favoraveis qoe em ontro qaalqaer deposito, a todos os navios a vapor que
ccarem naquelle porto. A contratar aesta com Domingos Alvos Matheus.,
Geocaltes Beltrao tem para
vender em sea esenp torio na ra do Vi gario n. 17:
Vinho do Porto em barris de 4* e 8
Dito de dito em caitas de 1 dazia.
Viabo superior da Figoeira.
Azeite de pene em barris.
Toros de Jacaranda'.
Tabaco americano em latas de 1 libra.
Calas eom papel pautado.
Cigarros do Rio de Janeiro.
Machinas para desearogar algodo, del Lenas-
Panno de algodio da Babia, proprio para
saceos de assucar e ronpa de escravos; tem para
vender Antonio Luiz de Oveira Atevedo a C, no
sea escriptorio roa da Cruz n. 1.
CH4PE0S DO CHILE
a 1:500 e 2;000 rs.
Na praga da Independencia ns. 24, e 26.
Brea em barricas pepian. ~
Cera em velas de todos os "*rt
Bogias. *
VIercnrio.
Na raa do vitarlo n. 19, primeiro andar.
Francisco Jos Garmann
;rua nova n. 2i,
acaba de receber om lindo e magnifico sor-
tiiiiento de oculos, lunetos, bioocolot, do ul-
timo e mais aparado gosto da Europa e oca-
Ios de alcance para observares para o
martimos.
ATTEUCAO
Para Santo Antonio e S. Mo, algnidares de Ge-
nova de todeees-tamaahoo, muito baratos par ter
grande porgo, jarras fiaas, entre-Unas e grossas,
de todos os tamanhes, asadores "para ir ao Ionio,
vasos francezes em lernos de seis, e toda a mais
louca de Genova e da ierra : na roa do Rangel
I numero 4.
Botas russianas
Perneiras e meias pernelras, todo do BMlaor
que se p*le desejar. chetaas pelo ulliato vapor
inglea; ni roa Neva a. 7, loja do vapor.
31-RuaDireita-31
Vendem-se charutos de Ha vana a 44 cada cana
de 100, tambem se vende retalho, assim como
fumo de Havana em folba.
VENDAS
*
Canos, corvas e baeias de ferro para txgoto: na
roa do Imperador n. 18, loja.
t


Diarlo de
- ftabbado ft de JtUho de 1366.
<*
..*
#. -
y
s
>
i *
EUCtCtOTEmC
RA DA IMPEftATBIZ ARMAPEM DA
PORfA LARGA N. 52,
Junto a padaria francesa
DK
Paredes Porto.
Neste estabelecimento encontrar, o res-
eitavel publico um variado sortimeto de
azendas francezas, inglezas, suissas e ali-
nales, que se venderlo por preco commodo.
VENDE-SE
No araaazena de M. I. Rumos e Silva de Genro, ra do vlgarlo
h. 11, constantemente, ossegulntr* artigos, que
receben por encomanenda propria d<
NEW-YOMM;
ti
Legitima salsa parrilha de Bristol, preparada por Lanman & Kemp.
Verdadeira agoa florida, preparada pelos meamos.
Gas em latas de cinco gal5es, o mais purificado qoe se pode desejar da acred*
tada marca F. W. D. & C.
Relogios perleros reguladores, com corda de quatro aoitodra/, dos afamados fo~
bricantes E. N. Welch.
Graixa em latas grandes da bem conhecida marca las. S. Masn (de Philadel-
phia).
Grande xrmurm de fazenda e
roupa ftlt. rna da Imperatriz
. a, arnaitn da porta larga
Neste estabelecimento encontrara' o re?peita-
vel publico um completo sortimeto de roupas de
todas as qnalidades. e prego coamedo. como se-
jam : pa.letots de alpaca, de merino, de bombazi
na, panno, casemira, preto e de cores, caigas de
todas as qaalidades, colletes de diversas quallda-
des e preces commodo?, cbapeos pretos francezes,
fazenda de 109 a 6*, d"08 de so> d* alpaca e seda,
sobretodos de paano proprios para viagem a lljt,
meias croas de boas qaalidades e pregos coramo-
dos, e outras muilas fazaadaaogoopas feitas, que
se venden) moilo barato : no armazem da porta
larga d. 51
600 rs.
Admiravelfpeehiaicha.
Camisiobaa decambraias a 600 rs.para acabar :
a ma da Imperairiz n. 52, armazem da porta lar-
ga Junto a padaria franceza.
Casemira
Vende-se casemira de er a 44 o corte : na ra
da Imperatriz n. 52, jauto a padaria franceza.
Baldes
Vende-se baldes (crinolinas) de todos os tama
nhos a -2 e 2*500 : a ra da Imperalria n. o-
lunto a padaria franceza.
1500
ntremelo*.
Vendem-se pegas de entremetes com 12 varas a
1 JIoOO : a roa. da Imperatriz a. 52, poru larga.
Chales de renda a 10
Vendem-se chales de renda pretos, fazenda de
boa quaiidadf, a 4* por ter porgo : armazem da
porta larga n. 52.
Reto* das e beurnus.
Recebeu ltimamente um sortimeto de retondas
e bournas de seda e dealgodao por barato prego,
soutembarques de grosflenVple, capas e manteletes
por pregos commodos : armazem da porta larga
n. 52, roa da Imperatriz.
Cambraias lisas filas.
Grande Fortnenlo de cambraias lisas, qoe se
vendem a 3*. 3*300 e 44, dita moilo- fina Victo-
ria a 54 e 54500, cortes de tarlatana de bonitos
gostos a 34500 e 4* : roa da Imperatriz n. 52,
janto a padaria franceza, armazem da porta larga.
Ilteo cortiades.
Rico sortimeto de eorttoados bordados de boni-
tos desenhos a 24, 24500 e 3j}, e de ontras quali-
dades para o mesmo tim : do armazem da porta
larga n. 52, na ra da Imperatriz.
Grodfoapie preto e de car
Vende-se grosdeoaple preto e de cor a t500,
15809, 9* e 24580 o eovado, seda preta lavrada a
gorgorioka 4*00 e 25 o eovado : ra da Impera-
triz a. 52, armazem da porta larga.
Tiras e entrme ios bordados
Grande sortimeto de tiras e eniremeios borda-
dos, pelo prego de 500" rs. a pega : roa da Impe-
ratriz n. 52, juuiu a paifa frauwe.-
Cortesde gorguro de seda
preta.
Vendem-se cortes de gorgurae de seda preta
para vestido com 20 covados, per barato prego:
na roa da Imperatriz n. 52, janto a padaria fran-
ceza.
600 rs
Cortes de calca.
Vendem-se cortes de caigas para servigo a 60t
rs.: na ro* da Imperatriz n. 52, junto a padaria
franceza.
JLiss de vestido.
Cbe|on a loja de Paredes Porto nm sortimente
de lias para vestido a 240 o cesado : na ra da
Imperatriz o. 52, junto a padaria franceza.
Chambres
Cbegoo amsortiraeolo oe -chambres para he-
rnem a 44 e 55 na roa da imperatriz n. 52, loja
de Paredes Porto.
Superior oleo para machinas de costura.
Agulhas para as mesmas.
Bren em banicaa grandes e pequeas.
Vende-s tambem:
BORDKAIX
1.a qaalidade.
St. Estephe.
St. Julien.
G. Margaux.
G. Lafitte.
Medoc.
PORTO
i1 qaalidade.
Principe, Real.
Pedro V.
Maria Pia.
Princeza D. IsabeL
Vctor Emmanuel.
Duque.
Malvazia.
Vinbo fino do Porto em barris de 5/, 10/ e 20/.
Superior vinho doRheno.
Cera de Lisboa em velas a em grume.

c p> fts
O B9
2 S Si o o o -i "-< o>
= S.S*!!.6* 2 ES-S'
<3 S'-SS *
3
= t>
:s'st
e-e-?

az
-I
Q. a
a> o
tU
en
<.ai T o. o
SE.MsB
5 a.
1
M 3
5
*5
2 o M
S *l
a
3.
w
ai ^

sfai
M 2
wa o a o
2 P
B
-o -j
o 5T
o*:
. B
i
sf
I
2.M B
B
o
s
o
OOJ
"
D
&
r
S
i
i
UVAL SU. SEGUNDO.
hua da Qiciiuade n. 49
Est dlsposto a continuar a vender por prego
que a todos admira quiiram apreciar e vir ver para
crer. M
Gretat V peMas o> *^mait boa-a 320rs.
Bonets maito dno iJii n Pentes de alisar com costas de metal a 500 rs.
Capachos redondos e compridos a 500 rs.
Polcefras de contas para senhoras a JWO'r.
Caixas de papel amtead* a 600 rs.
Quaderno de papel moKo bom a 20 rs.
Pentes de tartaruga a 24500 rs.
Realejos para meninos a 100 rs.
Escovas para limpar denles a 200 rs.
Baralh s nnf1V>aM a MO rs.
Caixas de p de arroz dmio superior a 800 rs.
Caixas de lamparlas para,tres metes a 40 rs.
Caixas de obreias de massa a 40 rs.
Grozas En fiadores de cordo e 8a SO r.
Pecas d fita *e eoseoii M) ras a 320 rs.
Cartas de alOnetes fraocezes a 100 rs.
Libras de alfinetes francezes 1* qaalidade a 24.
NoteHos ere rrDrJatwm-aWr'Jirtas^ 60re.
Ditos ditosoat 300 jardas a M rs.
Caixas com alf netes a 20 rs.
Pares de luas-Uancas e de cores a 400 rs.
Grvalas de tocias as qoatidades a 500 rs.
Resmas e papul arnrteo perior*-40tJ
Cateas, redondas eaaavanasBpaii a- 40 rs.^
Livros para assento de roopa lavada a iw rs.
Banecos do caoro maito bonitos a 60 rs.
Frascos de superior agna r entonta-a w^^
1)9300
99 RITA DO QVE11IADO M. 99.
Madapolo.
Finas pecas de madapelSo com 20 varas a 90.
LENCOS,
Lencos de cambraia branca, du/.ia 2.
dem de cores fixas para meninos, duzia 2,->400.
Cambraias.
Cambraias de cres-a preco de 260 a 300 rs. o eovado.
CUiardauape*.
Guardanapoa de linlio, duzia 30500.
AlgedS.
Algodo trancado de duas larguras, proprio para toalbas de mesa, a|preco de
a vara, v
tramante.
Superior bramante de' linbo inglez e Crancez.
Cambraia de Iinho propria para lencos.
ATOALHADO.
Atoalbado branco para mesa a i600 a vara,
ntremelos de cambraia muito finos, preco 14.
Lencos de seda para algibeira a 10600,
A DIMHEIRO
NA LOJA E ARMAZEM
no

\0
Ra da Imperatriz n. 60
DE
fiAM4 & SILVA.
Tendo os proprielarios defte grande eslabeleci-
meaie resolvldo diminuir o grande deposito das .
razenaas que lem na sua loja e armazejn, prca' na loja earmaiem do Pavo na rna da Imperatriz
tem venaer mais barato do qoe em oulra qual|uer D. 60, de Gama & Silva.
parte, com o nm deapnrarem dinheiro e cada vez.
mais agradaren) aos seas-nnmerosos fregu?,;
portento Ibes oHerecem nm grande sortimeto.de!
Oittbrai; s l>raucs,
Cora 8 palmas de largurae
S na loja do pavo.
Vende-se cambraias brancas transparentes tendo
8 palmos-de largura, on las largaras das regula-
res, que facelita fazer-te om vestido apenas com 4
varas, e vendem-se pelos blratlssimos pregos de..
14000 reis, e 14280 a vara, unlcameoie na loja e
armazem do Pavao, roa da Imperatriz n. 60 de Ga-
ma & Silva.
Baldes barato*
Vende o PavSo.
Cbegou um grande sortimeoto d balees de ar-
cos sendo americanos que sao os melhores e vea-
dem-se pelo baratissimo preco de 24600, 34 e
34500 : na loja do Pavo na ra da Imperatriz n.
60, de Gama & Silva.
rc4avbas de rolo a 90800.
Vendem-se pegas de bjelaoba de rolo tendo 10
varas cada pega pelo baratissimo preco de 24S< 0:
Grande Sortimeto
DE
FAZENDAS BAUATAS
Roa da Imperatriz n. 06
Loja e armazem da Arara
fazendas Inglezas e francezas, as quaes vendem
por atacado e a retalho. Comprometindose a
mandar levar qoafquer fazenda em casa dos fre-
guezes, que nao 1 odrem vira loja, oo mandar as
amoMras delzando Mear o peohor, assim oouo
convidara as pessoas que negoceiam em menor
Grande pechlncha
em chales a 40 uajoja do Pavo.
Vende-se Qnlssimos chales de rueriu Usos com
franjas largas de retroc-tendo as eres seguintes :
encamado, azol claro, azul escuro, verde, cor de
canoa, solferino, majenta, branco e rozo etc., esta
fazenda vende-se srrapae a 64 pela soa boa quali-
dade.e agora liquida se'pelo baratissimo prego de
DE
LuurcHco Pcreira Meutles Goimarcs.
Pechincba chitas 200 rs. o eovado.
Vende se cbitas escuras e clarea a 200 ris o
eovado, ditas francesas finas a 240,280, (20,360
e 400 ris o eovado. Ra da Imperatriz loja da
Arara n. 56.
Arara vende bretanha de rolo a 30OCO.
Vende-se pegas de bretanha d? rcln a 34000,
pegas de cambraia para vestidos a 30CO, 34500.
44000 e 540OO. Ra da Imperatriz toja do Arara
o. 56. /
Cassas francezas finas a 240 0 eovado.
Vndese cassas francezas para vestidos a 240,
280, 310 e 400 ris o eovado, drtas de listas ds
cores monto finas a 120 e 800 ris o eovado. Roa
da Imperalrlz loja do Arara o. 56.
Arara vende cobertores a 40500.
Vende-se cobertores de pello a IJ500, roberas
de cbita a 24000. corzas de damasco a 1,8000, ditas
de fosto a 54000. Rna da Imperatriz n. 56.
Madapol5o francei a 30500 a peca,
escaila que neste estefceleclmento encentrara wn1 44 por ter grande porgao: na loja e armazem do Vende-se pecas de madapoiao irancez eofeslado
grande sortimeto, veodendose-l apenas pelo $>vao na roa da Imperatriz n. 60, de Gama & de 12 jardas a 34500 e 44000, ditas d- dito inglez
prego que comprara en primeita mo as fazenda, silva. de 24 ditas a 4*000, 54500, 6f00, 7000, 84000,
gannanao-se apenas o descont, sendo a dinbeiro, A 44 pecaDcha em cbales de renda na loja! 94000 e 104000, ditas de algodozobo muito tino
1 v,s,a- ... doPavaO a34000 45000,54000,64000,7 OOO e 840OO. Roa
AS granadinas Vende-se chales de renda pretos tendo 4 ponas da Imperatrizn. 56.
i> a loja do l'avao. esendo muito grandes palo baratissimo prego de Arara venda cortes de cambraia? (Je papel
Chegara pelo ultimo vaf.or da Franca as mala *4, dites de renda de seda a 84 e 10}: na loja do a 30< 00.
Vende-se cortes de cambraia empapelabas de 7
i varas a 34000, de 7 dit=s a 25500. Roa da Imper-
: ratrlz loja do Arara n. 66.
Cortes de tarlataua de cores a 50000
Vende-se cortes de tarlatana decores para
vestidos a 5,8000 ditos de. cambraia branco borda
cara- .-dos e de cores a 44000 eo4^ 00. na da imperatriz
para \ o. 56.
Arara vende lsinhas a 200 rs.,o eovado.
Vende-se ISasinbaspara vestidos a SOO, 240, 320
e 400 ris o eovado, ditas muito fina estampados
a 360, 400 e 500 ris o eovado. Ra da imperetriz
n. 56.
Arara vende os bales a 20000.
Vende se banldes de 20 25 e 30 arcos a 34000,
35500, e 45OOO, ditos muitu n< s e modernos de
cor elegante a 35000. 35500, 4$C00 e 55000, dito
para meninas a 35000 e 3500, tii-s de morsoltna
a 550OO, editas largas com un pequeo toque de
mofo a 240 ris o eovado, i tas finas a 320, 360
e 400 ris o eovado. Ra da imperatriz 1oja da
Arara n. 56.
lindas cambraias transparentes, urauadiuas, sendo. PavSo na rna da Imperatriz n. 60, de Gama &
va-
'Silva. 1.
Parajnao
Lencos bordados
Vende o Pavo.
Este estibeleeimento anana de rtceber om
rlado sertimento dos mais bonitos leogos de
a 24 braia primorosamente bordados e preprios
mao que vende pelo barotissimo preg i 14 e
14600 caca um : na loja e armazem do Pavao na
ra da Imperatriz n. 60, de Gama & Silva.
Ultimogosto em lazinhas
Aeba-se nm grande sortimeto das m.vs moder-
nas : a Maria Pa, Garibaldinas, maibisaia.-, li.-as
e de quadrinbos que se vendem por baratissimos


MACHINAS AMERICANAS
Yerdadeira do fabricante !. Y. Cantonglaa & C.
Moinhos americanos para moer milho.
Na ra Nova n. 20 e 22, grande deposito
das verdaderas macbinas americanas de lodos
os fabricantes; e eDconlra neste depositry]
grande porcSo de machinas, e se vendem por
menos preco do que em ontra qualquer partes
por se receber em direitura da America; se
fornece todas as explicarles neressarias ao
comprador para conservacao das- mesmas;
com os padiSrs de ustiones e llores, conforme se
usem ltimamente as principis cidades da Eua
ropa, e vendem-se pelo baratissimo prego de 640
rs. a vara na loja a armazem do Pavao, na roa Imperattis n. use nales do pava a 2oo e 2oot rs.
Vendem-se chales de> cnerin estampados
e 24500 cada um.
Ditos de merm liso a 34500.
Ditos estmpalos de crepon a 64, 74, e 85000
Dito*-pantos bordados oto franja de seda a 144-
Na loja a ermaiera do Pavio na roa da Impera-
triz n. 60 de Gama & Silva.
Para luto vende o Pavo.
Slim da China com 6 palmos de largura, fazen-1
da preta para luto, prorfia para vestidos e roupas P"*08-6 d80*se 'i a,rooslraf: "' 'ia irm"em
para horoens, sodoVest'inovrfazenda sem lostrt e- Pavona-roa da Imperatriz n. 60, de Gama &
de muito boa. qualdade,. garantindo-se nao iicarSllT'- ... ...
russa com o lempo e vende-se pelo barato prego de I tilia rtla ha II lia,
24 e 245OO o eovado, assim como oeste estabeleci-1 Veodemisbonitos guarda banhati.de laberynto
ment tem oro grande sortimeto de todas as- fa-: proprios para encost de adeiras, pelos brratissi-
zendas pretas como sejam eassose chitas preus;JtBos pregos de 29 a 34000 rs; na loja do Pavo na
laas tapadas e lransparenleo,.rincezas, alpa-as, ra da Imperatriz n. 60,de'Garoa & Silva.
es corMoatios 4a Pava.
Vende-se om grande sortimeto dos mais ricos
, cortinado' bordados, proprios para camas e janellas
da Imperatriz n. 60, de Gama & Silva.
Os esparttttfds do PaVo.
Vendem-se urna grande e variado sortimeto de
espertilhos dos mais bem feiros qne tem ^Indoao
mercado, sendo de todos os tamaqbos, vendendo-se
por um preo niuilo nzeovel : islo-na loja do Pa-
vao na ra da Imperatriz n. 0, de Gama & Silva.
Houpa felfa.
Na loja do Pavo
peina baratissimos pr.gos de 84,104.'165. 204 e
255000 rs. o par, assim como pegas da cambraia
bordadas e adamascadas proprias para o mesmo
(ira por pregos razoaveis, na-luja e armazem do Pa-
vao na roa da Imperatriz n 60, de Gama & Silva.
Os taiiiins < PvioV
Vfadm se os ais bonltr^ eaebltJs'de'malba de
Vende-se neste esubelecimento um grande sor-laaooTnbonitos-gestos, preprios para anidas de
timento de roupas, tanto de panno como cailmiras, 1 iheatro e bailes etc. etc. na loja e armazem do Pa-
e brins e pelos bareOssimos precos-como sejara-i ,ao na roa da Imperatriz 60 de Gima & Silva.
caigas de cazemira preta 64 75 e 84000reis, pa-
letots de paano preto saceos a 64 84 e 125000 rs.
ditos sobrecasacos de panno Bnissimo a 125 i$5 e
tvfdMM inho enfeslsda
Vende-se superior alpodaosinho com 8 palmas e
. 556O0 ris, e outros mnitos artigo* que serla en-' '"rlJR0Pri08 *ara ,e,J*M' pe, baral -pre
grande estabelecimento se encontra mr |a(iohos aqal reltalos; s na loia o armazem do de 14000 rs. a vara, na loja e
neste
tOS argOS americanos', qua muito daveagra* Pavao roa u Imperelriz n. 60 de Gama 4 Silva.
dar aos agricultores queosam de taes artigos, Xencoa braneos a |(00j rea a
encontra-se tambem todas as colleccoes de de'! duzia.
senhos sobre os quaes se aceita qualqoer ama Vendem se neos brancos fazenda muito
armazem do Pavo
ua ra da Imperatriz n. 60, de Gama d Silva.
Orgaedy a' l.sOUO na loja do Pavo.
Vendem-se os mais finos e mais modernos organ-
boa' dyes'de cores rom 09 mais delicados desenhornen-
encommenda, qiie^pry^^y. ^^^^^^^^.^ffi
tada ; ueste graaoX estabelecimento, encon* paVa0 na ra da Imperatriz n. 60 de Gama &*
tra-se em grosao e a retail, grnde porgao va.
de ferragens, emiodezas que se vendem por preco commodo, peindo-se a atteneae roadeaiaplea pretos do Pavo.
de todos para este estabelecimento que muito lucrarSo em-fader suas compras: na
ra Nota n. 20 Carnero Vtanna.

DE
EAZENDA E ROPA FEITA
uva MOVA Mo *JU
Reg & Mora, proprietario da loja de fazendas e roupa feita, sita "i ru;
Vendem-se superiores grosdenaples pretos pelos
baratissimos pregos de 1*500, 14600, 15800 e 24
1 o eovado, sendo fazenda muito boa. s para aca-
bar : na loja e armazem do Pavo, rna da Impe-
j ratriz o. 60, de Gama & Silva.
iiranianate de llano do Pavio.
Vende-se superior bramante de linho com 10
palmos de largura, proprios para lenges; pelos
baratissimo 1 preces de 24 e 24600 a vara, assim
como panno de linho muito fino pelos baratissimos
I precos de 410,700 e 800 rs. a vara : na loja e ar-
mazem do 'avo, ra da Imperatriz n. 60, de Ga-
ma & Silva.
va
, fazemscienteao publico e particolamente aos sens amigos e fregoezes;qde
acabam de receber de soa encommenda, um perfeito sortimeto de fazendas finas, eotre
ellas caserna-as de cores proprias paracostumes; panno fino dos memores fabncantee
proprios igualmente para casacas esobrecasacas e outras fazendas de vanados gostos,
as quaes vendern com vantagem sobre oulro do mesmo genero de'negocio, tanto pela
mbrjieidade dos preces cerno pela qualidadeespecial do ai tifie qaa^aaoo-a escolha de
todos aqueHes que se dignarem frequerrtar sen estabelecimento.
Osmesmos,<;ontinuandocomo sempre, escudados* robosiecidos na aceitco*
conOanca que lhestem sido dipensada pelo respeitavel publico, 00 eapaeo do teanpo em
que se acbam estabelecidos, procurm envidar todos osestorcosa se* alcance para eor-
responderem snfficientememe a expectativa deste e de seus numerosos fregueses e ami-
gos, por isso, admittrram para sua officina de atfaiate, quatro conira-mestros, funccio-
aando regularmente sob.a irxmediawdireccaodo muito hbil mestre Launano Jos de
Barros, o qual, activo e diligente como se ser. nao se poupa aos mais aturados cuidados
de sua arte quando tem de salisfazer com brevidade e presteza qualquer obra aeencom-
Ao confiarlo dos n-tiitos que eachem as columnas do jornal com a repeticSo ociosa
de armonctos em estre sedico, nao precisamos aqu a naturza dos artigos' que possm-
mos para nao collocar a siuceridade dos nossfl* tratos no pengo mmlneote qae rstttta
dessas antecipaces sem fundamento.
rj
iiura
*k
56 JkWUA HA CABEIA -*0 A
1 Neste estabelecimento come sempre contintia fcarer graneo e cotopleto sortimeto de machinas
para descaronar algodo, verdadeiras americanas, de 8 a 38 serras,dos fabricantes ja muito conheei-
dos Eacle NV/-Yorfc Cotn Gin e H. & C, estas-sio as primeiras qoe vem a estemercado, tertrando-se
recommendaveis nao s pela seguranca cem que sao felas, como penj-granae Mgeaevo que oflere-
eem no seo trabalho, oceupando mu ponco pessoal. Tambera aqui oe freguezes onconlrarao todos 0*
necessarios avulso para as mesmas beso como :
Macb inas pa ra cortar cap m.
Machinas para debuttrar milbo.
Machina para faze* parafuzos de ferro e madelra.____
Machinas para fazer caf; *.
Aradds, carros de mao' >*._,,1
9 os mais aeredKtioos cyUndtt paya podar, <<*eB Na loja da.rna 4o Crespo n. 7 A, recebeu-se om
rico e completo sortiatrenfo de leogos de oyrttnno,
assim como froiihaso letrinas prefrtao- para bap-
tisado, bicos lardos o [estretos, neos vestMoa dfl
blonde para cas,unento. "" .
Vtre-se 00 beeco do Verla a. SI' Os ptet
noca, boa figoia, que engomma, lava e cozinba.
IKVMM

a 4#, a loja do Pavo
Vende-se superior casemira entestada, propria
para caiga, paletots e colletes. pelo baratissimo
prego de 24400 cada eovado, ou a 44 o corte de
caiga, sendo fazenda qoe sempre se venden a 34 o
eovado, 00 a 54 o er te ; esta grande pechincba
liqoida-se polo preco cima, na loja arsoazera do
Pavao, rna da Imperatriz n. 60, de Gama & Silva.
Madapoloes a 3,o00 rs. a pessa.
S na loja do Pavo.
' Venderse pe^as de roadapolo fino com 12 jar-'
das, pelo barato prego de 35500 e 44000.
JVovidades!
Cambraias a Maria Pia.
Cbegarat as nata bonitas cambraias con listas
de cores e com os zoois delicados desenos qne se
venden a800 rs. a vara, Qnissimos organdys do
mesmo gosto que se vendem a 15200 a vara, cas-
sas de eresr cem difler ntes e modernos desenhos
que se vendem a 240,280 e 320 rs. o eovado, to-
do isto moilo barato em alteocao a qualidade :
na loja e armazem do Pavao na ra da Imperatriz
n. 60, de Gama & Silva.
Brande pechlncha em toalbas
para mi.
Vendm-se superiores toalhas de liono proprias
para mo pelo baratissimo prego de 560 rs.. ditas
a 640 rs ditas? intHaga das-felpadas a 800 rs.,
ditas fe podas a 15 : 6 pecbincha na loja e arma-
zem do Patio na ra da Imperatriz n. 60, de Ga-
ma & Silva.
ATLANTA
Grande aaovldade a too ra.
Atlanta a 200 n.
Allanta a 200 rs.
Atlanta a 200 rs.
Chegou para a loja do Pava o mais lindo sor-
tmenlo desta nova fazenda, com o titulo de allanta
proprta pera vestido e roopas para meninos, sen-
do ectamoerBisuaM fazenda de lia com os osis
lindos gostos de qnadrlnboj e listras tendo entre
ellas do cor roza e preta, com listras e qnadros
bracees proprtai para into^ e vndenme plelo-
ratissiino prego-de 200 rs. o eovado
do fazenda de 14600 rs a vara, e liqnidao-se -elo
baratissimo prego de dez tosISes a vara por esta-
rern tomando um pequeo tuque de mofo, isto na
loja e 'armazem do Pavo na ra da Imperatriz n.
CO, ile Gama & Silva.
Manguitos a 5C0e640res,
Vendem se manguitos e ealeiobas para meninas,
pelo baratissimo prego de 500 e 640 reis, na loja e
armazem do Pavo na ra da Imperatriz n. 60, de
Gama & Silva.
Lencos deserta a isOOO
Vendem-se engos de sed* grande? com bonitas
desenhos, pelo baratissimo prego de 14000 cada
oro, mantinbas para grvala a 14000, 800 reis, na
loja do Pavao na roa da Imperatriz n. 60, de Ga-
ma & Silva.
pan embrulho.
Compram-se diarlos velbos proprios paraembru
lho, na loja do Pavio roa da Imperatriz o. 60, de
Gama & Silva.
Sedas largas a lo-600.
Se pavao.
Vendem-se superiores sedas com 4 palmo* de
largura, sendo dos padroes mais bonitos que tem
vlodo ao mercado, e vendem-se pelo baratissimo
prego de 15600 o eovado, fortes de ditas muito
bonitas com 18 covados a 354000 : na loja e ar-
mazem do pavao, ra da Imperatriz n. 60, de Gama
A colchas do pavo.
Vendem-se bonitas colchas dfuslo pelo bara-
tissimo prego de 65000, ditas a imitago a 35000,
e grande sortimeto de cobertores, tanto de Ida
como da algodao : na loja e armazem do pavio,
ra da Imperatriz n. 60, de Gama & Silva.
Alpacas de cores para vestidos.
Chegaram as mais bonitas alpacas de cores pro-
prias para vestidos, sendo lisas e tendo de todas as
cores mais modernas que tem vindo ao mercado, e
vendem se pelo barato prego de 640 rs. o*covado,
ditas lavradas com as mesmas cores a 720 rs., di-
tas de accento branco com palmas de cores a 600
rs., todas estas alpacas sao muito largas e vendem-
se por estes diminutos pregos: na loja e armazem
do pavio, rna da Imperatriz n. 60, de Gama &
Silva.
Cambraia da Escossia.
Vendem se as mais finas cambraias da Escossia
todas transparentes tendo mais de vara de largura
com 9 v*ras cada pega, pelos baratissimos pregos
de 65, 65500,75, 84, 94 e 104, grande pechin-
cba : na loja e armazem do pavio, roa da Impe-
ratriz o. 60, de Gamo & Silva.
Casimiras de quadrinhos.
Vendem-se bonitas casimiras de quadrinhos
braaco e preto pelo baratissimo prego de 24*00
cada eovado oo a 44800 o corte, ditas de cores, fa-
zenda muito boa, a 244tO cada eovado ou a 44000
o corte : na loja e armazem do pavio, roa da Im-
peratriz n. 60, de Gama & Silva.
Xadapolio a 35*00.
Vendem-se peca de nudapolao com 12 jarda,
sendo muito tino, pelo baratissimo prego de 35500,
ditp malte large e encorpado a 45000 : na loja e
arroaaem ao pavao, roa da-Imperalrtz n. 60, de
Gama & Silva.
Corplnhos pretos
Veodeos-se bonitos rorpionos de grosdenaple
KIVAL StM 0
Ra do liiciut.tdo u. 49, leja d
lindezas
DE
Jos Bigodinho
Esta queimaado as miudezas abaiso declaradas;
Frascos de oleo babosa fino 200 a 320 rs.
Ditos dito Meo* a 600 rs.
Ditos de macag parola a 200 rs.
Ditos cem superior banba a 200 rs.
Caizas com 6 frascos dec beiro a 800 rs.
Saboneles Tinos a 60, 160. 200 e 320 rs.
Ditos de bolla superior a 240 e 320 rs.
Livros para meninos com estamps a 320 rs.
Caixas de 12 frascos cosa cheiro a 15.
Frascos de oleo babosa muito fino a 400 rs.
Dozias de roelas superior ualidade para seobora a
45500.
Cbegaram as agulhas balao (papel) a 60 rs.
Caixas com bonitos soldados de chumbo a 100 rs.
Ditos de agua para limpar denles a 500 rs.
Pedras de escrever (peqnenas) a 160 e 200 rs.
Sapatos de tranca para bomens e s-nhora a 14000.
Pegas de Otas de la preta para vestidos a 600 rs.
Grozas de botoes de madreperoia finos a 480 e
640 rs.
Caixas de eolebetes francezes a 20 rs.
Pegas de froco de todss as c&res a 200 rs.
Caixas com superiores enwlope a 600 rs.
Pares de sapatinhos de laa para criaoga a 400 rs.
Ditos de metas pretas para senhora, superiores a
360 rs.
Libras'de pregos de todos os tamanhos a 240 rs.
Sabeoetes de familia, superior a 100 e 120 rs.
Resma de papel de peso muito lino a 25-
Frascos com tinta superior a 100, 140 e 320.
Grosas de pbospboros de gaz a 25200
Pares de botoes para punno a 120 e 240 rs.
Carto com linas de 200 jardas a ICO.
Meias cruas muito finas a 45-
Caixa de pos para limpar denles a 100 rs.
Caixa de superior linha do gaz com 50 noveHos a
15000 rs.
Purreiras de conla para meninas a 320 rs.
Talheres muito finos para meDinos a 320 rs.
Cartiiha da doutrina chrislaa 320 rs.
Frasco muito bonitos com cheiro a 240 e 500 rs.
Caixa com superiors iscas para charutos a 20 rs.
Masso com superiores grampos a 30 rs.
Baldes
Granee sortimeto.
ra da Imperatriz n. 32, junto a
Cbegou
daria franceza, um grande sortlmentolque
de a 24500 rs. paraacaabar.
Escravos fgidos
pa-
se ven-
Desapparecea no dia 2 de jucho do corrente an-
uo o escravo Raymnndo, pardo, o qual tem os sig-
naes segnintes : estatura regular, bastante corpo-
lento, denles inteiros, cara redonda, cor de garapa,
tem em um dos bracos tres grandes letras e mais
signaes no mesmo braco em qae tem as letras,
representa ter 25 annos, porm nao tem barba
qaasi nenbuma, tem os ns bastante grossos e foi
do sertao. J esta' porm no Recite de 8 para 10
annos, bastante trabalbador, tanto do servigo do
casa como decampe, occapava-se nesta praga em
servigo de servente de pedreiro e trabalbava coa
o mestre Mangiricao e tambem carregava agoa.
Coslumava trajar um paleto! de brim grosso em
forma de camisola; snppoe-se qne tenba ido para
o sertao do Ico em algum comboy feito almocrevo:
roga-se s pessoas que o prenderem queiram leva'
lo a sua senhora D. Harianna Augusta da Roena
Bastos, na ra da Aurora n. 42, que ah generosa-
mente se recompensara' este trabalho, ou ao Sr.
commendador Manee! Luiz Viraes.
ARMAZEM
Roupa feita e por medida.
2 na Kara a. 26.
Jos Antones' Goimaries, propretrio deste novo estabelecimentodi1 roopas e
fezendas finas Darticipa ao respeitavel publico emgeTal e a todos os seos fregneies,
e So, qS Sosoa eaa sonro aCao de doos dos melhores mesj-esideUMj,
3end?om,daUe&o.Sr..F. E C. Miranda, oooutro p Sr. ffltfbd. J. G. C^eiro/m)*
com crandes. babiUtaces tendentes a sua arte, petos quaes dirigida a soa offlflnj_ e
achando-se bem montada a desenrpentar qualquer encommendajor^grande q^fOJ.
se esbrarS parawfciraeoBtento deeoB freguezes, vendentlo ludo P^ mMflo em ootraqrjOiOerpMttK Rofa ai^watoa-ialeressadas qne VOT%^.^K
lccimetiU),.e verificar por si mesmo o qoe declara, assim como faz1 cente 1. t^(Bvf",
feral, tanto desta prafa como mesmo dos do centro, qoe qoalqoer enf^mmendi'de^oDratr'
feitas quemandem farer nestaolficina, nosendo a contento de seos doaos, pede qoe
as qoeira denolvery afina; de novameatei se fazer entras que os satisftam'; ^asnfeo* |
mo declaram qnt oi tai-o nennum reaponsabilidade, esperando emrftfr' servir Jim m
i todos oda todos apera merecer proteca'o, sendo entregue qualquer entfjmmeiin'BO" *
prazo de 24 horas on en menos lempo se for de muita urgencia.
loja do Pvarua de. Imperatriz n. 60 de Gama*
Silva.
Cambraias de salpico a 2S0O e
3000(1.
Vendem-s crterthf eawbtala" nTnrea*eom sal-
picos a 2*300, doscom palroinhas a 3*000, cortes
de cassas Indianas nodo 8 varas e meta cada cor-
le, tendo entre elies mnitos rozos, pelo baratissian
prego *e>4l0, para acabar : na loja o armazem
do pavo, ra da Imperatriz n. 60, de Gama a
Silva.
Vestidos brancos bordados a 60O0.
Vendem-se os mais ricos corles de tarlatana e
cambraia branca com lindas barras bordadnye
traiendo todos os cortee entalles snflkonles pa
coreo mangas, pelo baratissimo prego de 6JO00,
ditos com barras de cores, tanto de seda como da
mesma cambraia a fl, S# e 10*, todos estes cortee
sin chegaien'pe'o uHrtao^rapor,'''-veadao-s*inr
esees dtmioeaosnpregoe na iojace arnuzem do p*.
vo, rna daimpwairinn. 60, de Gama & Silva.
Vestidos* a U.
VenOetnrse bonitos cortes de cambraia brasa;
[om narras de rdres e todos brancos, pelo baratis-
simo prego d 4*V: na roja e armazem do pavio,
ra da Imperatriz n. 60, de Gama & Silva.
Tafites.
YeadMl-aOffJaos tapete para sala pelo baralissl-
0 de 8*000 e 10*000 : na loja e armazem
do pavo, ru da emperatriz n. 60, de-Gama *
Srtn
M pretos/sendo ricameotente nfitados, a 10* : na
a l~!a ......Milis n.on-.rnn Am Ityln*rnti>i. n AA
loja e armazem do pava6;irtri da imperatriz n. 60,
dGam*r& Silva.
Para noivaa.
Vendem-se ricos corts de seda branca lavrada,
virjrteoadaemarniadeoo seo canio, oon a com-
pelate palma- e cape I la ; na loja e armazem do
pavo: ra da Imperalrlz n. 60, de Gama &
SMva-.1
Ctales de resda a 4*000.
Vendem-se os mais modernos chales de renda
pretos pelo barato prego d 4*d0fj: na loja e ar-
roazem do pavio,- ruada Imperatriz n. 60, de Gama
tva.
Cera amarella.
Na loja de Gama & Silva, ra da Imperalrlz n.
60, tem para vender cera amarella em porgao, sesteo
em barricas e em caixes.
A ttenca o*
Roga-se as autoridades polieiaes e capitaes Oe
campo me apprebendim a escrava Agnlda con) os
signaos seguiotes : muala, liada 21 annos, alta,
deates perfeites, vesga, e veotre um ponco eras.
cido : quem a pegar leve-a a ra da Aurora n.
62, casa da Eim" Sr1 bareneza da Vidorra, qae
ser recompensado ; protesta se coa todo o rigor
da lei contra aneo a tiver oceul.
Pogio oo da 28'do mez de jnnho. Ando o ee-
cravo Matbeos, de Maaoel Franoiseo de Arroda e
Mello cornos signaos seguintes : baixo, grosso do
corpo, rosto redondo, olbos empapugados, cor um
pouce fula, tendo no brago esquerde um caroco a
seraelbanga de um loublnbo ; tambem tem aigo-
raas cicasrizes velbas de acoiles pelas costas : a
pessoa que o apprebeoder leve o a prensa de alga-
dio do Sr. Francisco Antonio de Albuquerque Mel-
lo, no caes de Apoll' n. 59, que serl generosa-
mente recompensado.
Continua fgido o escravo Sebastiao, crioulo,
altara re.mlar, tem'dous signaes, um entre o peito
e ootro abaixo do peo, perteneente a Raymundo
quem o aoprehender e levar
NoontO'deGamlho ,
acabam de receoer deao sen genhor na fregaezia de Muribeca, no lugar
I D*m> Ja tnna rorJ hQTYi fTT t i fllT3.f, All TIA Aos agricultores
Sundrs Broraers & C.
Weerpool vapores de forga.de $ a 4 ca alio* com Barra de Jaog, seraT bem gratiacado, ou nesta ci-
ipdos os pertences, e mu proprios para fazer mo- er macblms de desearogW'nledi*} podwado eadaw 4*a*"~
vapor ua*etear ale con M0eara* tam*em_ er- j AltenQOQ
vem para enfardar algudio on para outro qualquer
servigo enrqne nsam trabalhir ton aoimae*. Os
meeflMfelnmlnssn tas venda, machinas ezneriea.
as de 35 a 40 sorras : os preiendentes dirijam-
seaolargo de'Croo-santon. u
Reeonsmenda-se aos senbores capitaes de cam-
po e autoridades polieiaes a prisao do escravo de
uome Adalberto, com os signaos seguintes : cabra,
baiio, peroas om t>eueo arqueadas, barba' cortada,
____. multo prosista, anda sempre com a cabera de ladee
Ven^s^lcetas*l 'stonieopaailaedo Drrprendeno>BO levem-Bo.a roa do Imperador n. 17,
qae ser recompensado o apprehensor.
im;as>axlaCadeiado-Roeitoa. 19, loja.
t




9
Diario de Peraanbieo aafcbatto ti e tilo de 1866.
LITTERATRA.
les. Paulo III fundou depois em Rona oavar ao tribunal da iaqasiQS1) de Roa :
(1542), a congragacSo do Snelo Oficto, si o de Hespanha e Portugal iraitaram a rec-
composta de seis cardeas; mas nanea esse tido e equidade di suprema, e seguiram
As Biblias falsificadas tribunal fez correr sangue, ainda mesmo os vestigios da sua indulgencia, mereceram
Si quis aulem libros ipsos ntegros cum no lempo em que se queimava gente em os meamos elogios, ealcancariam os mes-
omnibus suis partibns, prout in Ecclesia Franca, Portugal e Inglaterra Era por mos encomios.
abolir coiwteverunt, el in veleri Val- sso que os espiraos moderados do se:ulo Continuar-s e-ka,)
nata Latina editione haheninr, prosa- XV( reprovam a aquisig5o de Hespanlia, e
cris et canonms non smcepeni, el ira- ..-.
ditimes prietas scitnset prudens "vocavam a de Roma.
contempserit, analhema sil (Cono. Tri-
dent., sesso 4.a)
Xontinuaf3o.)
- XX;
A 1NQU1SIC0.
xxvi
Gregorio IX proteslou cootra as
airocidadesresaascentes da inquisioSo, es-
11 POLCO E TUDO.
armado eom 170 caohdes; i nao de linha*, 16 Porm a desgraca aconselboavos resistencias
trgalas a hell-c; mais 53 navios mais pequeos,' desordenadas, as resistencias provocaran) repres-
todos de-hlice ou de rodas, armados com 841 ca-' s&>s sangrenta?, e as repressSes foram caasa de
nbSes. Depois, 16 fragatas couracadas eom 416' odios profundos. Aquellas excessos, aqaelle la-
oanhSes; 8 canboneiras laminadas eom 40 ca- troiMoio, aquelles actos iohnmanos tenho-os con-
nives. Total, 109 navios de guerra, 4a forca dedeeanado serapre, senlindo que por estar longe
30:000 eavallos, armados com 1:488 caobSe*. nao me foSse possivel reprim ios ou conte-los.
O pessoal desta marinha 6nmp5e-se de 15 alnil- Sempre censurei os que se ee|virara do meu no-
tantes, 668 -
Vientos de infantera de marlnh.i, oomposlos de
193 offlciaes e -5:688 soldados.
ginas do livro de Hurter,-qoe tao prestadio
nos foi no nosso actual empenho, passare-
m is a colher em outros prados flores, que
nao desbotem, nem empobrecam de aroma
ao tacto de nossas mos.
A commissao mandada pela Inglaterra Jama!
ca, com o Qm exclusivo de proceder all a um in-
crevendo nos segu.ntes termos a Pelag.o, | qaerKo cerca dos aeontecI;eiltJ3 de Morant-Bay,
bispo de Albano. i A voolade de Deus e CODcluloo seu importante trabalbo, e dous dos res-
que se mantentn a liberdade de sua Egreja peitaveismembrosd'aquella commissao j se achara
de modo que a mausido Ihe ro tolha a de* de volta no sea paiz.
' feza, mas sem que esta ullrapasse os limites | Cumpriram-se os presntenlo, garaes.
da hucanidade Elle nao quer nem sup- Quando se receben a noticia da revolucaa, exa-
plicios, nena riquezas,US ac-nversao dos>*J-*ente anounciada, levantaram-se logSalgo,
erradios. E' indigno da nlica de Coristo mts'0ltt ? *fM Vi ,r,,d'' Degad
., 6 *, qne vesse bavido revolujao, e que se vessem
matar e mutilar homens, deformando assim pr,ucado as scenas repugnantes que se attribuiram
a imagemdo Creador. Basta tracta-los de ospobres negros.
Do celebre historiador Cant, que, no modo, queasugeicitolhes seja mais alil.qae
sentir commum dos proprios protestantes, ,' a berdade de que abusam.
com razo, considerado ura dos eswiptores
mais consciencio os e imparciaes, nos gra-! Conclue o pontice, .ordenando-lhe que
to fazer os seguintes excerptos: Falaodo \ in,P'da lda a sorte de perseguido.
da inquisieo, diz: Este nome re:ordi; XXVII
urna grande iniquidade, que se lera queri- j Vimos que, tanto o historiador protestan-
do .imputar Egreja catholica ; mas cum-, te, como o historiador catholico, cujas pala- erav<~qa7oa ilhateemsido os" mais implacaveis
pre, antes de tudo, declarar que S. Domio-1 vras acabamos de reproduzir textualmente, inimigos dos desgranados que um dia se arrasta-
gos nenhuma parte teve na inquisieo, e que' sao conformes em afastar toda a idea de irain -s Ps. eoriqneeendo-oa a casta da sua
a missao da ordem por elle instituida nao cumplicidade, di parte da Eereia catholica, proprU ,Ml- EsUii PretenderMI em Tio JwMear
__,. _____ o seas actos sanguinarios. A este grupo podere-
nos excessos sangu.nanos da inquisieo : ^ hofl cbtmr\ ^ verMgo*.
vimos que, de um lado, diz Harter, na ca- Em qtunt0 ao oatro grupo, o das victimas e
pital do soberano da christaodade OS jadeas seos defensores, nio honve necessidade de grandes
eram bem acolhidos e que al exerciam esforeos para provar toda a maidade dos seas per,
funecoes honorficas; de outro lado, vemos **&*<"** **-fw.V n'eiies teem
. .. ..,.. pesado, pelo simples deheto de tere sido arranca-
aBrmar Cantu, que a inqmsicao de Roma d0J ^ dTill;lcto 0g,msdos seas expiora-
nunca derramou sangue ainda mesmo mes- orea,
mo no tempo em que era isso moda n'ou- a cerneada foi abena e franca. Naquelle pan,
Tendo a commissao aborto um inqaerHo publico
na eapital da Jamaica, dividi para os seus interro-
gatorios os dous grupos qae tinham pelejado.
Nos jornaes encontr>m-se sobre este processo os
seguintes pormenores.
Um dos grupos era composto das autoridades
acensadas de naverem pralieado os actos da maior
crueldad*-, auxiliadas pelos antigos senbores de es
foi impor a f, masjfi'raar-^o sp berdade.
lmpugnationis arma secuta ng/i deferant,
nisi pro defenstne romance Ecclesia, chris-
tianoe fdei, vel vitam terree ipsoram.
t Os Padres da Egreja proclamaran! a
libardade das cremas, em quanto a sui pro-
pria foi perseguida. Mas logo que Sdhiu
triumphante das perseguice< e qae se
convenceram os saoctos Padres de que os
hereges abusavam da liberdade, concluirara
dahi (|oe o erro por natureza, intolerante
e perseguidor, assim como que, na ordem
intellectual, como na ordem physica, os for-
tes podem tyrannisar os fracos: desde enfio
a repressao dos erros Ihes pareceu legitima
defeza contra a tyrannia da perseguido e
da seduecoconclusao a que os excessos
dos donatistas conduziram S. Agostiaho,
que a principio bavia sustentado a liberdade
absoluta. Nao obstante, porm, recommen-
dava que fossem corregidos, mas nao puni-
dos com o ultimo supplicio, na consideracao
de que Deus nao quer a morte do peccador,
mas que se converta e- wcaj
... Relerindo os excessos da inquisiejo,
contian o gran U historiador : Duvida-
mos que a inquisigo, em alguna seculos do
durago, fizesse perecer maior numero de
pessoas, do que a Inglaterra em onze annos,
na Irlanda, para converter o paiz ao pro-
testantismo (de 1641 a 1052).
Nem a Inglaterra, nem a joquisico lo-
graram seus fins, visto que a consciencia,
esta cbamma interior da vontade, resiste
forca e se fortifica na lucta.
A inquisi5o tornou-se execravel aos
oraos dos bons christSus, pelas odiosidades
queattrahiu religio, e pelo cabimento e
azo, que deu as mais graves imputaces:
mas, alm de n5o ter tido na realidade to
terrive' como a pintam. tinha, pelo menos,
um intuito moral, que n3o tiveram outras
inslituicoesque Ihe suhslituiram depois...
Si restringa o pensamento, fazia-o ou cria
faze-lo em bem da salvac-50 das almas e n3o
em proveito nico de um poder dominante ;
e suas terriveis execuc&es, alias muito
exaggeradas, nao impediram, que pullu-
lassera os grandes e livres pensadores.
Entretanto, a Egreja nao approvou nun-
ca em Concilio essa instituic), que alias
importa muito distinguir da inqulsicSo hes-
panhola, instfumeoto poltico ao servicodos
reis. (I)
... Leo X ordenou que os processos
da inquisc3o ossem suavisados em suas
formulas; mas Garlos V tanto insista, que
tudo continuou em seu positivo rigor.
e ... Os Papas nao consentiram nunca
que a inquisifo fosse introdazida em Napo-
t (1) O Concilio de Conslauca, dizem os
protestantes, violou o direito natural e as
leis da Justina e da humanidade, en'regando
Jo5o Hus ao braco secular para ser punido,
n5o obstante o salvo conducto, que Ihe ba-
via dado. Um tal proceder n5o desar
para a Egreja catholica, representada no so-
bredito concilio ?
Responde-se a esta dupla accusac5o, Io
que o salvo conducto de Joo Hus Ihe n3o
fra dado pelo Concilio de Constanza, mas
sim pelo imperador Segismando, e que o
Con ilio nojulgou violar o direito natural
pelo fado de entregar Jo5o Hu? para ser
punido; 2o que o imperador Ihe havia con-
cedido o salvo conducto para ir a Coustanca
ser julgado, como elle mesmo publicou na
sua partida de Praga, declarando que, si
fosse considerado culpado, consenta em
ser punido com as penas infligidas contra
os hereges; 3o qoe Joo Hus excedeu os
limites de seu salvo conducto, dogmatisan-
do desde os primeiros das de sua ebegada
Constanca, dispondo-se at a pregar na
propria cathedral em affronta ao Concilio,
como se v na historia de sua vida, cscrip-
ta por um sea sectario ; 4o em fim, que
elle proprio foi o primeiro a violar a pro-
messa, tentando escapar pela fuga vigi-
lancia do Concilio, o qual limitou-se a con-
demnar seus erros e heresias sem indicar,
nem prescrever o castigo qoe se Ihe devia
dar, porque era isso attribuic3o do poder
temporal, cojas leis puniam cumulatiTaman-
te a heresia como crime civil.
Da falta de discriminc3o destes dous fac-
tos capitaes nascem os t8o funestos equvo-
cos a respeito da cotnplicidide da Egreja
nos actos de extremo rigor, de que algumas
vezes houve exemplo.
E' verdade qoe houve occasies em que
a acso dos dous poderes pareceu confun-
dir-, pela rapidez entre a devolucto e. a
execucSo.
i offlciaes, 11:019 marinheiros, 2 reg- me e do grito da independMRa da patria para
encobrir as suas paixSes rulns; porm da uiinha
parte eslava a vontade, nao o poder.
Ameaca-nos agora a proximidade de di as su-
premos. Qoe nao baja faegoes e discordias entre
Entre os offlciaes de marlnba, alm dos Sardos
e .Napolitanos, temos quasi todos os offloiaes da
marinha austraca que, era 1848, deixaram o ser- cidadaos, porn que todos, quaesau vico da Austria por serem Venezianos. | ai suas opinides polticas, porque essas nao po-
Por conseguinle, temos na nossa esquadra ho-
mens que conhecem toda a costa Italiana, desde
dem tender seno ao bem do paiz, contrlbuam pa-
ra esse mesmo bem e oiognem querer i gaerras
Mta at Trieste, as suas sinuosidades; conhecem civis ou tornar-se parricida. No meu nome, pois,
todos os rochedos, todos os vaos, todos os pontos
em que se pode atravessar um navio, os pontos
volaeraveis, as aboi'dagens, as entradas.
Somos, portanto, 'deaois da Inglaterra, da Fran-
ca e da Hussia, a quarta pMencia martima da Eu-
ropa, e at mesmo a tercelra quanto a canhSes de
navios coaracados; porque possnlmos, como > se
disse, 4*6 e a Hussia tem s ons 160.
Emflm, temos avises de marcha rapidlssima e
transportes consideraveis, entre outras Cltti de
Napalt e < Citl de Genoa >, que podem em-
barcar um regiment de cavallaria, com todo o
sea material, por ama s vez.
tros paizes. "vr6> eoa,em ioioi * naco ingleza
levanta a sua bandelr, nao honve conflicto algum-
Pois bem, um e outro facto se aeha auc-, A l(0ftaas* e a paiavre lutaram com iguaes vanta-
lorisado pelo testemunbo do grande Vieira, Igens, advogando cada umem favor da sna causa,
que escrevia, quasi duzentos annos antes !, oirihonai, faawfrut, ouvio, at- onde quia
Nao s nestes pontos, que se nota plena [ Qofl tosmm oavldas, as victimas* os nrvfos
conformidade as narraces
criptores. A mesma severidad, eom que
itados es- escalT,s,M sua influencia monetaria,
I com o monopolio da iliustrcao, e con* o poderos
Cant e outros julgam a inquisieo, Vieira
empregaVieira, membro'distincto daquella
intluxo das autoridades aceasadas com eltes, faram
derrotados.
Apocar dos seas potentes esforcos, nio pade-
tao calumniada e 13o Ilustre Companhia de rarajostiftear a .barbarldade dos seus actos, e o
, !... .__.. sanKue das suas victimas ha de manchar para sem
Jess, a qucni a ignorancia attnbue tanta ^ .
* i sempre a sua fronte,
comvencia, soccorro, e.ajuda nos desregra-i D-e9e jexpediente poWico, que unto honra o
mentos da inquisif ao Sim, Vieira, o | grana* novo qae o pedio ao geverno, ou o governo
jesuta inquisidor, quem levanta soa voz tllnslrado que se nao demorem em o por em prali-
eloquente para condemnar os rigores e ex- ca, resulta perante a eonsciencia gerai:
j -.-.-. j.*._j._-_ r>___;. i I Que nao extsnrara projectos revorucwaa-
cessos da tnqutsicao, e defender, a Egreja
de Roma da auctoria de tamaohos desati-
nos na Jamaica.
S.* Qae as desordens de Morant-Bay, foram
nos I I paramente loeaes.
N5o debalde que disse um intendido V ^a9 ^ Km arm> **ra9tAo era ,ren-
ser a ignorancia doutora a maior inimi-
ga da Historia Em se falando ahi em
jesuita vem logo como associada a idea de
inquisieo I
Bem, corsarios da Historia, curvai a fron-
te, e escutai o grande orculo da Compa-
nhia de Jess :
c A equidade e indulgencia da suprema
inquisieo de Roma lograra todas as quali-
Agora, qoe os Prussianos peoetraram no Hanno.
ver, na Saxonia e na Hesse-Cassel, segundo noti-
cias telegraphicas, confirmadas depois pelos jor-
naes estrangelros, julgamos a proposito dizer duas
palavras acerca dos soberanos destes paizes :
O rei do Hannover cbama-se Jorge V, specedeu
a seu pai no dia 18 de novembro de 1831.
Tem agora 45 annos e est casado com urna fi-
Iha do dupue de Satonia Alterabargo, de quero
tem um filho e duas Albas.
O rei Joo da Saxon a, filho do principe Maxi-
miliano e da princesa Thereza da Saxonia, tem
actualmente 65 annos, e est casado com orna
princeza bavara, de quem tem tres Albos e seis fl-
uas.
Urna dess, fallecida recentemente, eslava cata-
da cem o duque da Toscana. Subi ao throno em
9 de agosto de 1854 e professa a religio catholica.
O eieitor de Hesse-Cassel chama-se Fredeiico
Gnilherrae l.
Est casado raorgaoaiicameote desde 1831 com
nma senhora dtvorcnda de um general prussiano>
Seu successor ser, pois, seu sobrinho Guilber
me Frederico Jorge Adotpbo.
Durante a poca reaccionaria de 1849, distin-
guio-se pelas suas sympatbias austracas e pela
sna poltica retrograda.
O sen ministro favorito era o celebre Hassen-
pflug.
Mil
No dia 17 do correte morrea em Pars, com 68
annos de Hade, oa das mais brilhantes escrito-
res (raneMM deste socolo, qae improvisava com
tao rara facjlidade am romrnce, om poema ou um
drama, corau inventava ou advinhava am paiz.
Jos Mery eslreou-se em 1830 eoH urna satyra
em verso, qae rae dea quinte ojetes de priso.
Liberal ardeote, foi om dos mais activos redac
lores do Pkoeim, qae faxia violenta opposicao ao
poder.
Depois funden em Marselba o Mtixterrane, e es-
tabelecendtf-se em Pars em 1814, veio a ser o re-
e oo da patria coimoum, exhorto a quinto tem
aotorldade bastante pelo nasciraento, pelo talento,
pela experiencia e pela fortuoa a empregarem to-
do o seu resligio e toda a sua forca em conler os
nimos e as iras, em apaziguar as discordias e
procurar que todos contorram para a paz, para a
ordem e para a tranqulli lade do reino. E isto
o que peco especialmente a todas as forcas eida-
das a quem se deram as armas com esse Qm.
as distinctas pbases em qae a Italia possa en-
contrarle imponho e inculco a cada um o sacrifi-
cio das suas tendencias polticas : que cada qual
deponha os odios e as rivalidades de partido e
que lodos deem provas d'aqaella concordia e d'a-
quelle verdadeiro amor fraternal, que deven ser-
vir de guia e de estimlo para trabalharmos pelo
bem da tena que nos vio nascer.
Ser para miro a manifeslarao mais grata qae
possa esperar do amor dos meas povos, por quem
conservo o maior affecto.
1.* de maio de 1866.
Francisco.O presidente do coosemo, Francis-
co Pedro Ulloa.
grande amigo da Irlanda, e aborrece a In-
glaterra. ; nao admira pois que me convi-
dasse para a sua meza.
m honrado irlandez tendo omita falla de di-
nhelro, molestia qde a muitos persegue, levado ao
desespero pela falta de, comida, comprou urna pis-
tola com o pouco dfoniro que possula, e foi de
nolte po-nr-se ao canto de um muro na estrada.
Passa um virante.
A bolsa oa a vida, exclama mestre Pat.
O viajante vendo rj-ie mestre Pat nao era do of-
flcio, falta-ibe oos seguintes termos :
Meo amigo, disse elle com voz de compalxao,
vejo, que ests o'oma falsa posico de que te po-
dem resaltar tristes conseqaenclas, o remrso per-
seguir-te-na em toda a parte ; proponbo-te pois om
honrado negocio, e que tu me des a pistola e eu
dou-le a mioha bolsa que tem duzentas libras.
Fagamos o negocio, disse mestre Pat.
Porm mal o pregador apanbo-a pistola, po-la
aos peitos de mestre Pat, dlzendo-lhe :
Da' ca' o mea dinheiro acelerado, se nao que-
ros que te tire a vida.
Alto la', diz iranqoillamente mestre Pat nao
soa tao tolo; teas a pistola oa raao : mas nao esta'
carregada.
le do tribunal, sem a menor provocado, receben
ama descarga dos milicianos, amigos donos de es.
travos.
4.* Morios algons negros, exasperaram-sa os
ootros e altaearam os milicianos desarmando-oa ; e' dador principal do iVat Jaune.
usando das suas proprias armas para exercer a vio- \ Sao celebres as saiyras Us Stdunnes que com
ganca, jaslifleada n'aqaeile caso. pot de coHaborago com Bartheleray, e as que pqgj
5. Que passado aqaelle momento de irritaco, blieoo em 18J, qoe maito contribuirn para a
os amotinados jebandaram sem que fizetsem frente \ qada do miniuterlo, poseram-no era relaco eom
a* aori fessoo o governador na soa participado offlcial.
6." Que apezar de nao opporem resistencia os
dades de pessoas e reiigoes, como se v e, negros, nio obstante fugirem, foram perseguidos j romancea.
Em 1832, depois do ter escripto muito mNc-
mests, foi a Italia, qae Iba deu assampto para dez
Em 1840 publicou as Noites de Londres, depois
de ama vtagem a' Inglaterra.
Denos, sem ter visto a India nem a Amrica
pintonas em tres romances de, muito mereci-
mento.
E' grande o nnmero dos seus romances, pecas
de theatro e poesas, multas das quaes sao iosplra-
o vem os moradores desta cidade em mu- nos bosques, cacndoos como feras, acontando os
US occasi5es; e como sata de Hespanha que cahiara em seu poder com crrelas guarneci-
. iii das de arames, sem se respeitar a idade, nem o
para aqu, de viole annos jie edide, por, v
certas pretences, quiz por curosidade oh- J 7. qU4 diS iaformaoas que se pudoram co-
servar com particular cuidado os estylos iher, foram d'este modo brutalmente as- assassina-
desta inquisieo para depois os cotejar com das, mais de 1,500 pessoas, acoutados 600, incen-
os de Hespanha : para conseguir pois O meu diadas amas mil habitares, fleaodo sem sylo mais \ da^por acontecimentos polticos e militares
intento ratei amisade com alguns dos prin-,do *>m ,aM,l6S- Apetar do seu admlravel engenbo, Mery mor-
Cipaes Judeus, informando-me dellescomo OS a ultimo. Que o desgracado Gordoo, o vir-: rea pobre, como tota> os graodes rlpioM que
tratava a inquino, e me seguraram com f honrado -^ -^^ff D3 M ","to" 'S NB" da *""
H v I pelo seu saber se tinha vivo elevado a magistratu-
solemne juramento, que era tanta a confian-, ^ fuenJo depols na camara croa gQerra ao9 \a\.
.a que tinha a sera" nac3n n'esse tribunal, l migos da sua raca -, esse hornera enrgico, novo
que achando-se vexada por qualquer magis
Talvez nao saibam qual foi a origen das meias.
Dizem que foi urna innlher que inventou a mo-
da de as fazer, mas o seu uome, e a poca em qne
viveu sao cousas qoe se tgooram.
As primeiras meias foram feilas de linba ou de
ia, e eram ranssima em quanto nao appareceu
om lear para fabricar, cojo Inventor tambera se
nao sate quem foi.
Attriboem alguns autore"s esta engeohosa machi-
na a uffl serralbeiro da Baixa-Normaodia, que n-
tregon a Culbert um par de meias de seda feitas
em lear para as oBereeer a Luix XIV.
A intriga, sempre adversa aos inventos uteis,
(ex com que nao obtendo o inventor da machina o
premio que devia esperar na soa patria, a introdu-
zisse na Inglate-ra, onde foi bem aceita. Todava
a Fr-nca a recobroo em 1556, era virtude de um
prodigioso esforco de memoria qae Joio Indret fez
para recordar-se de como era construida, e ella
foi aperfeicoada em 1808 por Wiedman.
Henrique III, rei de Franca foi o primeiro que se
apresentou com meias de seda feitas agnlha, na
fnnecao do casamento de sua irma eom o duque
de Saboya.
A cor das moias foi por moilo lempo a dos ves-
tidos qu4 s-4 u>avam com ellas, e s ha cousa de
um seculo ticoa >endo indiflerente.
Cabe fazer aqni mencio de um uso escosse?, que
teve Qm oo XV tenlo.
Qnando a noiva se mettia na cama, no primeiro
dia do casamento, apagavam as lozes, o ella aura-
va com a meia para o ar, e das donzellas presentes
aquella que tinha a feheidade de apanha-la, tVava
muito capacitada de que casara naquelle anuo.
A pralica universal de fazer meia a agulha nao
s privativa do sexo feminino na Allemanha.
Diz o Summer in Germany, que mais para o por-
te, e nq eleitorado de Hesse, os homens, durante
os longos seroes da- veroo, trocara as saclas e
enxadas pjr agolas da meia, e se eotreteem em
quanto as mulheres fiara, e os'vefhos coolam his-
torias.
Pode-se fazer ama idea das gigantescas obras
de otilidade publica que outr'ora emprehebderam
os cbinezes, guando se soober que existe em Foul-
cbiou-Fou, porto martimo situado na provincia de
Fo-Kien, urna ponte da extenso de 600 metros.
Esta ponte esta' lancada sobre o rio Mo. Foi
edificada em tempos lio remotos, qne deram Ihe o
nome de ponte de Dez mil annos.
A fim de se fazer orna idea da estructura mo-
numental desta, preciso compara-la a orna das
maiores ponles europeas, por exemplo a ponte das
Artes, de Pariz.
Esta tem 130 metros de extenso ; e a dos t Dez
mil annos cinco vezes maior.
Tem clocoenta pilare de pedras. sobre os qnaes
assentam enormes taboleires de granito, substituin
do deste modo os arcos das poetes occldentaes.
Cada um destes tabateiros de granito, mede 12
metros de comprimento.
A difOeuldade de collocar materiaes tao gigan-
tescos e de urna solidez demonstrada pelo tempo.
atiesta que entre os chneles a arte do engeobeiro
exceden rauto a dos ootros povos.
trado, appellava delle para a inquisieo,
onde infallivelmente se Ihe fazia recta e
prompta justica, sem cavillacSo nem dilacSo,
o que confirmavam com muitos exemplos.
Um s aHegarei, que vi no anno de 4676,
estando a cadeira vaga de Clemente X.
Veio a Roma urna moga judia de nac3o
allema,a qual, depois de se haver prosti-
tuido a alguns mogos de sua naco se tor-
nou christa : passado algum tempo aecusou
inquisieo a um moco principal dos seus,
affirmando que encontrando-a na ra, que
chamara Longera, a havia exhortado que
tornasse ao judaismo, offerecendo-lhe di-
nheiro para ir Ierra onde nao tivesse que
recetar os rigores da inquisieo.
f Esle moco, alm de ser dos prineipaes
da naco, como tenho dito, estimado de to-
dos os que tralavam com elle, por ser do-
tado de nm carcter dcil e affavei com to-
dos, leal em seu negocio, pontual em sua
palavra, e finalmente prudente e discreto,
era umversalmente amado de todos : prto-
deram-no pela inquisieo, e poneos- das de-
pois elegeram por Papa ao cardeal Odes-
calclii, que foi Innocenco XI. Como este
sendo cardeal se havia mostrado muito des-
afeicoado aos Judeus, receiavam que offere-
cendo-se*lbe occasiSo to plausivet e oppor-
tuna, nao deixaria de satisfazer os impulsos
de soa advsrso em a pessoa do preso,
condemnando-o a um rigoroso castigo ; po-
rm ficaram desengaados d'ali a poueos
das, quando o viram apparecer livre, alegre
e agradecido aos inquisidores e aos seus
subalternos ministros, que coohecendo o
falso da aecusaco, o trataram com muila
benignidade e carinho em tudo, e em todo o
tempo que teve de priso, que foi de 65
das, sem lbe levarem mais gastos que 55
julios de moeda romana, que sao cinco es-
cudos e meio da mesma moeda, bavendo-lhe
primeiro advertido que, si era pobre, o nao
obrigavam a paga-Ios. Como esle moco era
um dos meus amigos, quiz ouvir delle o
caso pela sua mesma bocea, e elle m'o rela-
tora cono o tenho referido, nao cessando de
De todos os animaos conhecidos qae exislem no
martyr da abotfco nao teve conheelmento dos .mando, o qae tem maiores forcas a proporco do
sea tamanho, e o qae talvez excede a todoi em li-
t saccessos de Mo*ant Bay, em quanto nJ reben-
c ton o motim, morrendo Innocente, como o pro"
claraoa no alto do cadafalso, na occasio do sup
v plicio. >
< O povo ing.ez ha de altender as suas ultimas
palavras oa obre naco ingleza perante a qual
sao igoaes os ltimos libertos e o primeiro dos
seus lords, nao deixar de viogar a morte d'essas
victimas da escravido.
c O parlamento ngle tem na soa preseoca para
ser exaiiinado este processo borrivel. e esperamos
a soa resoloco com a maior eontianca.
t A naco unnime j dea o seu parecer..
Na liberal Inglaterra a opiniao publica qafl
impera. >
Um pregador bespauboi, pregando am estupen.
do sermo de S. Mariinho, narrou o facto de ter o
dito santo cortado metade da soa capa, para am
pobre se cobrlr do fri.
Um medlgo qae oavia o sermo, qnando o pa- urU que caasa ^^. da $aUos dt comprjo^n.
dre desceu do palpito, loe disse. I t ae datoaUs vetes o do sea corpo, arrasa ama
Mea reverendo padre, tenho bastante fri, a ^^i em veles mais pesada do gelreza, um bem pequeo insecto.
Posto que geratmente detestado, e mono apenas
o colbem, nao deixa de ser aos olhos dos escruta-
dores da natureza, objecto de grande interesse :
nos qne nao temos a boara de pertencer a essa
categora, desejamos que estes maravilbosos in-
sectos nao venbam por nossa casa ; mas qae bus-
quen! habitar com os ditos naturalistas., nicas
pessoas capazos de os avaliarem devidamente.
Eis o que alies dizem a tal respeito :
< Examinado a um microscopio, este insecto
sumisamente Interessante : a sua figura extre-
mamente elegante, e parece que esta vestido coro
ama armadora de escamas; tem a cabera peque-'
na, olhos grandes, o corpo liso e brilhante, orna-
do em cada segmento com sedas agudas e rela-
zantes.
c Todos os seus movimentos Indican) agilidade
e vivis, o a soa forca muscular to extraordi
Em um artigo assfgnado com o nome de Blame,
e publicado em um periodieo da Allemanha, d-se
coala de om meio de distinguir nos vinbos a falsa
coloracao da verdadeira.
Este meid reeommenda-ss pela sna extrema slm-
plicidade.
f Introduz-se no vinbo que se trata de examinar
nma fatia de pao seca oa am pedico de esponja
bem lavada.
Depois de completamente embebido o pao oa
a esponja, colloca-se esta ou aqaelle em am prato
de porcelana ebeio de agoa pora.
Seo vinbo foi artificialmente colorido,a agua
toma Immediaiamente nma cor avermeihada e ti-
rante a roxo, ao pasw qoe se a cor natural, esse
effeito nao se prodoz se nao depois de om quarta
de hora, tomando antes disso om aspecto sensivel.
exemplo do grande S. Martiobo, dai-me metade da
vossa capa.
O padre com as melhores maneiras possiveis o
condnzio i sacbristla, abri o mtssal e com o dedo
Ihe designou a palavra oUm.
Qae qaer diter essse olim ? perguatoa o pobre
tolo admirado:
Qaer dizer, responden o padre, qae o faeto qoe
eu narrei oo pulpito, succedeu no tempo antigo, e
por eonseqaencia : novot tempos novos usos.
A marinha italiana ama creacao do reino da
tlaUa.
E' verdade qoe o re do Piemonte linba nma pe-
quena armada como complemento do exercito, e
qae o rei de aples tinha outja mais considera-
vel. Mas essas duas armadas ser viram somonte
de ponto de partida a' armada italiana,
.S? _CW>nMSe*"Wli0 V* **"? re" do reic, e tenho visto toda, as rainal que em Uo
pouco tempe se araontoaram sobre vos. Nio po-
pax de comer am um a alimento que peze dez
vezes o que pea o sau eorpo. .
Sabis qual este Insecto extraordinario ?
Dir-vo-lo-hemos :
E' a pulga.
Agora qae rebentoa a guerra, e que os tres
monarebas qae desde ja se eovolvem nella vem
de faxer as soaa proclaraacoes, Francisco II, ex
rei de aples, dirigi tambera, pela sua parte, a
segointe proclamacao aos povos daa Duas Sicilias,
outr'ora seas subditos:
No fomento em qae a guerra vai decidir tal-
vez tifamente da sorte da Italia, cabe-rae o res-
tricto dever, como rei, de manifestar-vos as mi-
nbas inteoooes e de dar-vos oa meas eonsethos co-
ate cidado.
Desda que abandooei Gaeta, e no lapso de seis
annos, nao djsviei os olbos nem por am momento
voloco na construeco naval, as fragatas de ve-
as, de rodas oa de hlice, j velhas, nao podiam-
presur seno am servieo muito limitado. Por
unto, foi preciso transformar os navios de velas
om vasos a vapor, e os de. rodas em navios de h-
lice ; depois couracar estes, e construir outros na-
vios coaracados para estarraos ao nivel, seno pe-
lo numero, ao menos pela setnela, das outras na-
ed-s europeas.
essa a razo porque, respeitada as propor-
Coes, posto qae viessemos depois, temos mala na-
dando imped-las de facto, proteslei aote a Euro-
pa em nome dos vossos direilos e dos meas.
Recordar-ves neis de qae ao sabir de aples
recommendeivos a modsraco com o lira de que
am excessivo afiocio miaba edroa oo fosse ori-
gen) de desordena e de qae um impulso de ex-
cessiva sympatbia pela minha pessoa nao vos im-
pellisse a tactos sngrenlos. S o meu vivo amor
por vos me determinava a sabir da capital. E o
mesma affecto fet-me depois lamentar a resisten-
vios couragados do qae navios de velas e de rodas, ca popular, degenerada em excessos de sangae e
Temos il navios de velas, brigoes oo fragatas latreeioio.
Deu-se em a noite de 9 um singular acci-
dente no Great Nostheen Roilway.
Ao chegar um dos comblos de mercado-
ras do t ninel de Welwia, quebrou-se a lo-
comotiva e o comboio teve de parar.
Alguns minutos depois, como se nao tives-
se dado signal do que succedera, entrou no
tunnei um comboio de mercaduras, matou
o guarda e despedacou todas as carroagens
do primeiro comboio.
Estivam entre as mercadoris muitos bar-
ris de oleo, que a violencia do- choque re-
bentara.
O liquido derramou-se sobre o carvo ac-
ceso das locomotivas, incendiando-se em um
momento daquelle monto de destrocos;
Nenlium, dos machinistas ou fogueiros,
pereceu, e teriam sem duvida conseguido
extinguir o incendio, se um terceiro com-
boio nao viesse augmentar a. desordena.
O caminbo estava coberte de destrocos, e
em poueos instantes o tunnei converleu-se
em urna enorme fogueira que a violencia do
vente augmentava de proporces.
Chegarsm os soccorros promptamente;
duzentos homens foram mandadas para a
eatrada do tunnei.
Apenas se pode fazer uso das bombas,
porque o fumo tornava impossiV entrar-se
no tunnei,
S de manha se conseguio extinguir o
incendio.
Os comboios eram, felizmente, de merca-
dorias ; mas ainda assim ha a deplorar a
morte de um guarda e deum operario.
No dia 26 de maio ultimo houve nos Es-
tados-unidos, no Instituto Cooper, um mee-
ting de tenaos.
Entre as perguntas que foram feilas ao
Sr. Stepbens e s quaes responden, notam-
se as seguintes:
Pergunta. Ser verdade que Napoleao
tem na sua algibeira a chave da Inglater-
ra?
Resposta. Elle lem em todo o caso o
chave dos seus segredos, e sabe que o si-
lencio urna grande origem de forca.
Pergunta. Julgaes que o povo francez
seja favoravel ao movimento irlandez.
Resposta. O povo francez' favoravel
liberdade de lodo o mundo.
Pergunta. Ser verdade que jantaste
mesa do marques de Boissy ?
Resposta. O margues de Boissy am
Extractamos o segoiote:
As poskdes etfuitocas (drama francez) apresen
tam-n'os a historia viva de ama socledade qne nao
existe entre nos, mi- que reprodaz com exactido
a copia dos costumes de am gremio qoe vive em
reunio a* parte, na grande capital do mando civt-
lisado.
E' um torno de mulheres qne se nao sabe qoem
sao nem donde vieram, urnas, qae se dizem viavas
semterem nunca chorado a morte do defamo, ca-
sadas, que apparecem em toda a parle sem mari-
dos e divorciadas de maridos qoe oinguera conbece
e se ignora onde parara t
Ero cada urna destas creaturas, ba orna falta
que as obriga a vi ver atristadas da sociedade nao
corrompida, qoe Ibes fechoa as portas, e donde fo-
gera a' vergonha das hamilbacSes do despreso.
Urna necessidade Imperiosa fez qne se familiari-
sassem e constituissem ama sociedade em separa-
do ; os que freijuentam este circoio restricto, co-
nhecem-n'as, mas o ausente, o provinciano, o es*
trangeiro, nao difUcil eair-lbes nos lacos,. se a
rao de ura amigo nao se Ihes estende para es
salvar.
E' o que acontece no Oemi-monde ao militar qae
ebega de fora, e se apaixona pelos encantos do om
destes entes seductores, sem querer altender aos
conselbos da amisade, nao se desengaando seno
no momento em que a constancia desvelada e leal
de um amigo lbe arranca a venda e pelos seus pro-
prioe olbos faz ver o espectculo da verdade, ja' a'
beira doabysmo.
A lico do engao severa, mas a gargamada e
o despreso qne vingoo a tentativa, nao ficou de e-
menda; a mulber que pertende sacrificar a' sua
rehabilitac.au a honra de um homem iludido, langa
o chale n'um abandono elegante ojlesperlencioso
aos hombros, e deixando correr a nuvem negra do
sen passado, vai procurar nova conquista.
Tai entre muitos outros episodios, o pooto prin-
cipal da comedia, oo antes do estado curioso que
o autor do Dtmi-monde apresentou na sua inters-
sanie obra, sembr recebida com.applaasos nos
tbeatros em que tem sido representada.
O nltimo rscenseamenlo felto em Londres apr-
senla urna populacao de 3,808:034 almas.
A media dos allecimenios por semana i da
1,300, a dos nasciraentos de 1,800.
Ha em Londres 378,000 casas habitadas; 852
igrejas e expelas, ISO hospitaes, casas de a^ylo e
casas de caridade: 40 tribuoaes de justica, 14
prisdes, 31 moteas, zz theatros, 51 clubs, 11 quar-
teis militares e 24 mercados; 15,000 roas a traves-
sas e 70 pracas.
Para satisfazer as precisos dos seos habitantes,
Londres tem 30,000 padeiroa, 40,000 mercieiros,
14,000 atraales, 42,000 costureiras, 19,000 sapa-
teiros e 170,000 cosinheiros, criados e criadas.
s seas foroecedores enviam-lhe annoalmeote
36,000 porcos, 10,000 becerros, 150,000 bois e per-
te de dous mitades de carneiroi.
As berdades de Inglaterra e do estrangeiro en-
viam-lhe 4,6o 1:000 hectolitros de trigo, 135,000:000
de ovos e 5,000:000 de aves.
As florestas, os bosques o oa parques fornecem-
Ihe 6 milhoes de pecas de caca.
Os pescadores tratera a suas margena 3,000,000
de salmoes e um numero iocaicuiavei de peixes
ojiados.
Londres consom alm d'iste 1,000:000 de hec-
tolitros de carvajo preta, 950:000 beclolitros de
lquidos espirituosos e 2,680:000 nectoUtros de
vinbo.
As roas sao illomlnadas por 400:000 bicos de
gas, que consomem 122 metros eobicos, ao preco
de 4 e meio shilliogs cada miihar de ps cnbieos
ingleses.
O p cubico equivale a 0-, 3,028:315.
As romanas consomem 6,0 0:000 de toneladas
de carvo.
PERN.TYP. UE I. F. DB F. & HLHOS.-866


7
*.. ;


*-

t"
-*,
/:
%*


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID E436SSEIN_OFYS57 INGEST_TIME 2013-09-05T03:16:09Z PACKAGE AA00011611_11023
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES