Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:11019


This item is only available as the following downloads:


Full Text
**<
%mw'*Jg*
f
ARMO XLII. fflMERO ltt
fW fiarte! pgt deitrt dts 10 dias do t.^ mez.....
dem deptis dts i.** le dias do comeco e deitro do qoartei .
Porte a correit por tres mezes *..........
fc.dttk4fcafl
*
6ooo
7j
fit "1
TERCA FEIM 17 BE JLHO W 1866

Por ana tago deitro de lo dias do 4. mez......., 19t
Porte aa eorreio par am atino.............. l$%%%
X.
/"

1










<

DE PERNAMBUGO.
ENCARREGADOS DA SBSCRIPCAO DO NORTE
Parahyba, o Sr. Antonio Alexmdrino de Lima;
Natal, o Sr. Antonie Marques da Sflva ; Aracaty, o
Sr. A- deLeraos Braga; Ceara, o Sr. J. Jos 4e
Oliveira ; Para, os Srs. Geraldo Antonio Alveg &
'Filhos; Amazonas, o Sr. Jeronymo da Costa.
ENCARREGADOS DA SBSCRIPCAO DO SUL.
Alagoas.oSr.Frantino Tavares da Cosa; Bahia.o
Sr. Jos Martins Alves: Rio de Janeiro, o Sr. Jos
Ribelro Gasparinbo.
PARTIDA DOS ESTAPETAS.
da va farrea ati
Serinhfem, Rio Formoso.Tamaadar, Una, Bar
reiroe, Agua Preta P roen te ras, as quintas
feirao.
Oinda, Cabo, Escada o estacos
Agoa Preta, todos es dias.
Iguarass e Goyaoaa as segundas e sextas feiras.
Santo Anto, Gravat, Bezerros, Bonito, Caruarri,| AUDIENCIAS DOS TRIBUNAES DA CAPITAL.
Altinho, Garanhuns, Buique, S. Bento, Bom
Conselho. Aguas Bellas e Tacara! as tercas Tribunal do commerclo:,. segundas e quintas.
(eiras.
Pao d'AUjo, Nazaretb, Limoeiro, Brejo, Pesqueira
Ingazeira, Flores, Villa Bella, Cabrob, Boa Vis-
ta, Oaricury, galgueo e Ex, as quartas
feiras.
Relaoao : tercas e sbados s 10 horas.
Pateada : quintas s 10 horas.
Julzo do Commercio: segundas as 11 horas.
Dito de orpaaos : tercas e sextas s 10 horas.
Primeira
dia.
Segunda vara do civel
hora da tarde.
vara do civel: tercas sextas ao mel I
'i
DIAS DA SEMANA.
EPHEMERIDES DO ME1, DE JLHO.
3 Quarto ming. as 11 h., 44 m. 22,s. da ni.
12 Loa nova as 3 h., 15 m. e Sfs. da m.
40 Querto cresc. a 1 b., 24 m. e 41 s. da I.
27 Loa cbeia a 1 h 53 m. e 41 s. da ra.
16. Segunda. N. Senboaa do Carmo.
quartas sabbades a 1(17. Terca. S. Marioha v.; S. Victoriano m. '
18. Quarta. S. Roflno b.; S. Frederlco b.
19. Quinta. Ss. urea e Jasta vy. ; S. Macrina v.
20. Sexta. S. Jeronymo Emiliano ; S. Blia* prof.
21. Sabbado. S. Prxedes v.; S. Daniel pro/.
22. Domingo. Ss. Meneiio e Wadregesillo abb.
PREAMAR DE HOJE.
Primeira as 8 boras e 30 m. da manhaa.
Segunda as8 horas' e 54 minutos da tarde.
PARTIDA DOS VAPORES GOSTKIROS.
Para o sul at Alagoas a 14-8-30; para O non
at a Granja a 7 e 22 de cada.aex; para taan-
do no? dias 14 ios metes de Janeiro, arco, Dtai
julho, setembro e novembro.
ASSIGNA-SB
no Recite, na livrarla da praea da Independencia
ns. 8, dos proprietarios Manoel Figueiroa de Faria
& Fllbos.
No intuito de evitar dissabores recpro-
cos, declara esta empreza que d'ora era
diante nao ar pnblicacSo no Diario sera a
7.*.O recebimento definitivo de cada lauco tera'
lugar ura anno depois de concluido o empedra-
mento.
8.a As obras sero executadas de cooformidade
rom as plantas, enrmenlos, descripcao de obras e
compensaco pecuniaria que for convenci- ciausntas especiaos, approvadas pelo governo e as-
nada : visto como resultando da inserto de signadas pelos constantes, que nao forem contra.
' ,, ras as estipulagSes deste contrato,
qualquer eacripto despeza para si, nao poae 9/ os contratantes devero prestar na thesoura-
oraittir a retribuido que ao menos, cubra a g? ^-^ S*o."".?T to dau
respectiva composicao.
deste contrato, sob penadeoullidade.
10.' De cada pagamento se ara' urna dedocao
COMANDO DAS ARIA.
Quarlel do eninmanilo das armas de Peraambueo
na cidadedo Recife, i de julio de 1866.
ORDEM DO DIA N. 260.
O tenente-corooel commandante das armas inte-
rino, declara para os fias convenientes, e devido
effeito que a vice-presidencla na dato de bou tem,
resolveu, conforraaudo-se cotn a opinlao do Sr. ins-
pector da tbesourarla de tazenda comida em offlelo
de 30 de junho ultimo, qua para as pracas da com-
panbia de operarios do arsenal de guerra que se
tem tratado e tratam na enfermarla militar desta
PARTE OFFICIAL
de 10 por cento para ser-entregue depois do rece- cidade, nenhum venolmento se tire pela companbia
| bimento definitivo de laoCJ respectivo.
11.a O.-; contratantes se obrigam solidariamente
1 o cada um de per si pela fiel execucao deste con-
trato.
12.a Para ludo quanto nio estiver previsto no
presente contrato, seguir-sena o que determina o
regulameoto de 9 de julho de 1864.
E havendo os contratantes declarado que aceita-
vam as condlcdes que Bcam estipuladas, e tendo
COVKRH'O IA PBOV\HIA
lilm. e Exm. Sr.Constando a esta cmara que
V. Exc. ja contratou com Eduardo Mornay a cons-
trueco de ura ramal de trilhos de ferrodenomi-
nado tranway que terminar nesta villa, ou na de
Bezerros, e constando agora que um engenheiro,' pago na recebedoria de rendas Internas o sello de
que percorreu o lugar mais aproprlado, nao encon- 60J como se v da verba laucada oa guia que se
trou difflculdade alguma para ma linha de trilhos Ihes passou e Qca archivada na secretaria do go
de ferro que partindo da estagao de Frecheiras,
distante 10 a 11 leguas desia villa, pode terminar
commodamente nella ou na de Bazerros pela bata
do rio Serinnem.
Constando tambem que pelo parecer do referido
engenheiro, a linha Acara desviada desta villa cer-
ca de duas ou tres legoas ao norte da mesma, para
se nao oblicuar um pouco a referida linha e ir na
maior retidlo a Bezerros.
Esta cmara pols comprebendendo quaes devem
ser os verdadeiros interesses da provincia, e das
desvantagens que necesariamente deve resultar
dessa mal entendida economa, se economa for o
desvio que se projeeta s?m vantagens reaes, atien-
to os grandes sacrificios da provincia para favore-
cer as localidades de maior importancia e o sen
commercio nascente e agricultura, nao pode deixar
a mesma cmara de se dirigir a V. Exc. e expor
soa opioiao a respeito do um negocio de tanta ma-
gnitud e.
Nao estranho a ninguem, que o Brasil, desde
que urna linha frrea termina de duas at tres le
guas de distancia perto de urna villa, ou grande -
que o general chegon a dar ordem de fazer fogo
sobre os invasores quando se preparavaar a atra-
vessa?^ fronteira.
ATspeito do procssb e Jeflerson Da vis,
apenas encontramos o seguinte, que trad uzi mos
flelmentfcdo Evening Traveller:
O 'Rrrespohdente do BMimore Sun, em
Washington, assevera que Jeffarson Davis nao ser
sollo agora.
< O presidente nao pode nem querintervir oeste
negocio anualmente. Pode ser que, depois de
encerrado o c.ongresso, o presidente o ponha em
liberdadesob jalavra; mas a vista das denuncias
do congresso e da ameaca
IflUlii
te,%o
daUr
verno, mandou o mesmo Exm. Sr. vice-presiden-
te da provincia lavrar este termo de contrato, em
que assignou com os referidos contratantes e as
testemunbas abaixo deelaradas.Francisco de Pau-
la Salles, secretario do governo o Oz escrever.
Manoel Clementino Carneiro da Conba.Antonio
Pereira da Cmara Lima.Antonio Francisco Paes |
de Helio Brrelo.
Como testemunbas.Aristteles Carneiro da Cu-
nta e Albuquerque, e Joo da Silva Ramos. <
------------=" ^==*
OVEREO UO BISPADO.
Extracto de expediente da dieeese do dia 11 de
julho de 1806.
Offlcio Rvd. vigario forneo da 18a vigararia.
Pelo seu offlcio de 6 do correte Qquei Inteirado od
que entrara V. Rvma. no exereicio da vigararia f-e
ranea desde o dia 2 deste mez. Respondendo a se-
gunda parte do sen citado offlcio, cbeme declarar
que S Exc. o Sr. bispo diocesano j dever ter
partido do Para no vapor Giwrd: presume-se que
tanto
nao tem ainda populaco snfflciente para manter
tantos povoados, e neste caso o que convm dar-
se expltndor aos povoados j creados, e nao mta-
los trazendo novos dispendios e sacrificios da pro-
vincia, a municipalidade para salisfazer se as ne-
cesidades dos novos povoados, sacrificios estes
raaiores do que esse de obliqoar urna linba frrea ,
e procurar Lsfazer as vis do legislador que t&y?J\?X^ 2 V" '
por certo quer aproveitor as vantagens que offere-
ce esta villa.
Respondo afirmativamente : e tomo esta occa-
sio para lonvar o seu trabalho, o qual multo satis-
faz ao fim para que fol exigido. Agradeco mu sin-
ceramente a manifestaco dos seos sentimentes pa-
ra comig, e Ibe retlribuo com iguaes.
Dito ao Rvd. coadjutor da parochia da villa de
Goianninba.Acenso recebido o-seo offlcio de 2
e da ameaca de suspengao seria um
deveodo o conselho econmico do corpo a enjo car- Passo arriscado. 1
go se acbar a adrainlstraco da enfermara o'gani- ~n**" ,dl,s tendencias de exelasivismo que
sar as contas de taes vencimentos revestidas das, al ao Prf ole tem mostrado o congresso,composto
formalidades legaes e reoettidas ao oommaado das a,u,.l La armas, que as transmittir a thesouraria de fazen-
da para que em vista deltas indemnise a enferma-
rla da desposa que tiver feito com taes pracas, fi-
cando em vfrtude desta resolucao solvidas as duvi-
das suscitadas acerca de semeihanles vencimentos
em vista do art. 15 2a das InstruccSes do minis-
terio da guerra de 3 de Janeiro do correte anno.
Declara outro sim, que no dia 14 do torrente se
apresenton vindo da corte o Sr. alteres do 0* bata-
Iho de infamarla Feliciano de Lira, que a 5 de Ja-
cho ultimo obleve do governo 2 mezes de licenca
para tratar de sna sande nesta proviooia.
(Assignado) Francisco Camello Petsoa de la-
cerda.
Est conforme. Estemo Jos Ferraz, tenente
ajudante de ordens encarregado do detalhe.
ORDEM DO DIA N. 2o I.
O lenente-coronel commandante das armas in-
terino, em execucao as ordens da viee-presidencia
commuoicadas em offlcio de 14, com referencia ao
aviso do ministerio da guerra do 1*, todo deste
mez, instrncedes de 14 de feverelro, e disposicoes
contidas as ordons do dia do exercito ns. 503 e
509 de 5 e 17 de marco do presente anno, declara
para conhecimento da guarnicio e devido effeito,
que nesta data Oca creado nm deposito especial de |
mstruecao, por em quanto de segunda ordem, des- >
tinado arma de cacadores a cavallo, com a torca
de orna compaohia que tera o seguinte pessoal :
Commandante, capitn ou subalterno. 1
2* commandante, subalterno........ 12
lsargeoto........................ 1 !
" ditos.......................... 1
Furriel............................... 1
Cabos................................ 4
Soldados.............................. 80
Ctarins............................... 290
s8*;^ *>e Bcha
ticipou ter tomado posse nesse raesrao dia, da coad-
juctoria dessa parochia da villa de Goiaoninha. Nu-
tro esperanza de que V. Rvma. se dedicar ao des-
empenho das funecSes do seu sagrado ministerio
com o zelo e diligencia que o caracterisam.
Dito ao Rvd. parocbo encomur-ndado de Quipa-
p.Pelo seu offlcio de 2o do passnJo flquei certo
de que V. Rvma. assumio a administrado dessa
parochia, por posse que tomou, em qualidade de
parocbo encommendado, no dia anterior. Releva
que V. Rvma., considerando-se o guia dessa por-
?o do rebanho do Supremo Pastor Jess Christo,
se dedique exclusivamente s obrigac5es do seu
sagrado ministerio, comecaodo pela pregaco nos
domingos e dias santificados.
No meo pensar, a predica evanglica a primei-
ra e mas poderosa alavanca, de que V. Rvma po-
de laucar rao para esboroar o edificio da impieda-
de e idifferentismo religioso. O parocbo que nao
exerce este tao poderoso ministerio, que os apost-
los consideraran! como o principal, semelriante
sentlnella, que, vendo aproximar-se o inimigo, nao
d um s g, ito de alarma : o inimigo domestico
da religo, que forneee com o sen silencio os
meios para a destrotco do catbollcismo : na
pbrase do Evangelbo, nao o pastor, mas o raerce-
iber no logradouro desta villa, de cujo terreno a "o. que Jf aproximarse ojobo, fog* e enerate
cmara administradora, e se acha ainda desoccu- W* spJara. dispersas edevoradas as t*t*oiMM.
pado tendo os dous ditos terrenos, e que Bcam Mercenarms,et non ^>W*W**%:
nova es- et dimittit oves, el fugit el lupus raptt, el atspergu
Alm do que o sacrificio de obliqoar a linha ser
compensado como de nm para cem, pela vantajosa
posicao em que se acha collocada esta villa a res-
peito dos ontros povoados que Ibe fica ao poente,
sempre em terreno piano, de sorte que vera a ser
esto villa o grande emporio de moitos povoados e
terrenos algodoelros, e que deixarlam de concorrer
para a nova estrada, se a provincia nao fizesse alu-
da o novo sacrificio de abrir nova estrada de roda-
gem desta villa para a via frrea projectada, por-
quanto o povo prefera aira Trombeta, apesar de
pessimos caminhos e maior longilude, e estas des-
vantagens vera amortecer o planto do algodo
quando este genero tiver de baixar de preco como
se presume que baixar.
A via frrea viudo a esta villa fica desembaraza-
da para seguir tanto por Bezerros, como para o
centro por caminbos planos, e portanto nao se jos-
lca a economa da recia direcQo para Bezerros,
quando certo que a volta em procura desta villa
asss insensivel e sem inconveniente.
Esta cmara para compensar esse pequeo sa-
crificio poe a disposico de V. Exc. o beneficio da
provincia ou da compaohia dous terrenos a esco-
proximos ao lugar por onde deve sabir a
trada orna extensae aproximada de 1/16 de milha
comprimen e outro tanto de largura, alm disto a
cmara se compromette a obter gratuitamente de
alguns proprietarios a paisagera da via frrea em
suas propiedades, podendo V. Exc. obter alguns
oves.
E pois os ioimigos da cruz afanosos trabalbam
por destruir o seu imperio, trabalhe V. Rvma. com
igual empenho por sustenta-lo.
Se os ministros de Satanaz nao se envergonham
favores da cmara de Santo Antao. proprietaria de de prestar cultos a Baal, corre a V. Rvma. o dever
grande terreno situado neste termo por onde se' de nao se envergonhar de confessar aquella, de
suppde passar a estrada projectada na exlenso > quem ministro.
quasi de duas leguas. Dito ao Rvd. parocho collado em a villa de loo-
Nao podemos fioallsar sem dizer a V. Exc. que ; Juca. Remello incluso o modelo pelo qual V.
esta villa pela estrada projectada vira a ficar na Rvma, deve organisar o mappa topograpbico de sua
distancia de 24 a 25 leguas, diminuindo 8 leguas: parochia. Tenho assim respondido ao seu offlcio de
por que para irse a capital era de mister perder- 24 de maio prximo passado.
se 8 legoas para o norte, m procura da estrada de' 12
Bezerros, e porlanto essa diminuico iorna-3e com-; Dito ao Rvd. parocho collado era Goianna.Sir-
mum para os demais povoados que fleam a S. 0.' va-se V. Rvma. sobr'estar no casamento de Jos
dessa capital. i P'res Vergoeiro, que esta sendo proclamado nessa
.., li matriz para casarse com Maria, at que nesta
Deus Guarne 1 V. Exc. Pagoda cmara mu-. vgararia gerai sea destruido p impedimenta offe-
cipal da villa do Bonito, em sessao extraordinaria recjdo Anna JoaqDna do Sacramento,
de 20 de junho da 1866.-Illm. e Exm. Sr. Dr. Ma-1 Aprovej|0 a occasiao para reterar a V. Rvma.
noel Clemenlino Carneiro da Cnnha, digno vice-1 os meag prolestos de conSideraco e estima,
presidente desta provincia. Joaquim Amonio da D||0 tQ coadjalor pro.par0cho de S. Frei Pedro
Silva Barros, presidente da cmara municipal.- Gonga|Ves do Recife.-Accuso recebido o seu offl
Manoel Tbomaz de Villa-Nova. Flix Fernandes |
Portella.-Francisco de
Odilon Auslricbliano Brayner.
do norteJPb sanado passou urna emenda consli-
luico da Uuo, cujo texto nao echamos infeliz-
mente aps jorcaes que temos vista, mas que pelos
mesmos, considerada como favoravel aos estados
do sul.--Essa emenda foi tambem approvada na
cmara' dos representantes por 120 votos contra
Ni senado tinba sido approvada urna lei,
creando o posto de almirante da armada com o
sold de 10:090 dollars annuaes. Essa patente
destinada a remuneraros servicos do vicealmiran-
te Farragut.
Essa lei das forcas navaes marca o numero se-
guinte de offlcaes para o servico activo da arma-
da: 1 almirante, 1 vice-almiraote, 10 contra-almi-
rantea^ comoodores, 50 capilies,90 com mandan-
tes (commanders), 180 tenentes commandante?,
180 tenentes, 160 segundos ditos (masler) e 160
guardas-mariobas.
A respeito do Mxico, acbamos as segnintes
noticias:
f Hivia datas de Vera-Cruz at o 1" de junbo
e da capital at 28 de maio. O imperador Maxi-
miliano tinoa ebegado a esta no dia 19 de
maio. Trese pessoas tmham sido presas em Acor-
dador, aceusadas de conniventes na morte do ba-
rio de Huart, commissario da Blgica em Rio
1 Fri.
1 A cidade deHermosella foi tomada,a i de maio,
por Garca Morales, chefe republicano, acbaodo-se
nella una goarnlco de 250 homens, alm de 40
Francezes da legi.o estrangefra. Dizem que s
\ tres deslss ltimos ficaram com vida. Foram -mor-
ios nm padre francez, dous residentes da mesma
nacao e o lente Rosiuki.Noticias recebidas por
' via dos Francezes dizem que os liberaos foram
posteriormente derrotados, perdendo 150 ho-
mens.
< Os liberaos esto multo animados com a publi-
carao- da correspondencia trocada entre os gover-
I nos dos Estados-Unidos e da Franca.
< O general Sanl'Anna, ex-presidente do Mxi-
co, cuja,cbegada aos Estados-Unidos j noticiamos,
l achava-se ainda em New-York, d'onde dirigi urna
l proclamacao aos Mexicanos exortando-os a pdrem
i de parte as disencdes intestinas, para combaterem
! os inimigos da repblica.Apesar de Sant'Anna
, declarar- que apenas tem em vista arremessar
meida, vigario Jos Atexandre Gomes de Mello e
escravos, Jos Joaqulm Seabra de Mello, Franci "
Jas de Mello, Sil vino dos Santos, Emmanuel Ca-
roll, Antonio Alves da Luz, tenente Antonio Silve-
no Alencar, alteres Tbeotonio L Cavalcante, Joo
Francisco Evangelista, Jos Peres dos Santos Bar-
ros, T. Mandes da Conceigo, Maria Rodrigues de
Mello e Silva, J. Antonio Goncalves de Morae,
Jos Gabriel Mello Pinto.
No dia 15 do correle foram lidos na matriz
da fregnezla de Santo Antonio os seguintes procla-
mas de casamentes:
4.a denuncia^ao.
Faustino Jos da Fonseca, coro r'elicidade
Perpetua.
Bacharel Jos Roberto da Cunba salles, quer se
mostrar livre e desem pedido.
Vicente Aqnino Albuquerque, que se mostrar
livre e desempedfdo.
Felippe Verooides Alves Carneiro, com Manoella
Francisca Lpez, viuva de Antonio Lopes da
Silva.
2/ dennaciacd.
Jos Francisco de Figueiredo, com Maria Marcio-
nilla da Molla Beitro.
Joaquim Dias Martins, viuvo de Manoella Maria
do Nascimento, com Nanita Joaquina Ferreira dos
Santos.
Eduardq Francisco Pereira Freir, com Isabel
Nepomncenio ausa.
Carlos Manoel Barbosa, com FrjHMftilina Fran-
cisca :e Jess.
Aolonio Ferreira da Silva, vinvo da Josepha
Francisca Borges; com Belisaria Hermenegilda de
Sonza.
Joaquim de Oliveira Mala Jnior, vinvo de Jose-
pha Demetria da Cunha Maia, com Rosala Maria
Cesar do Amaral.
3.a denonciaco.
Albino da Silva Leal, com Francisca Gailberml-
na Goncalves Rosas.
Jos Pereira de Miranda Cunba, com Henriqueta
da Silva.
Sil vino Ju venci Xavier de Oliveira Lima, com
Luiza Francisca das Neves.
Joo Elias de Oliveira, com Francisca das Cha-
gas da Conceicao.
Total.. 92
Ao referido deposito Bcam pertencendo 2
1* As pracas da compaohia de cavaUjria em
orgaotsacao, que ser considerado extincta.
r As pracas das extinctas compaehias proviso-
rias de linba, organisadas em tngares extraohos ao
theatro da guerra, que forem remeiudas para esta
provincia.
3* Oe reerntas qoe se forem apurando, destina-
dos a arma de cavatlaria 1 declaraiV e apenas tem em vista arremessar os
4a-Os voluntarios que quizerem servir nesta oppressores da sua patria para alm do ocano,
arnw H H ; restabelecer a repblica e depois retirar-se nova-
Para commandante do deposito foi proposlo ei*18 vida pnvada-, a maioria dos Mexicanos
approvado pelo ministerio da guerra
reformado Jos Ignacio de Medeiros Reg Montei-
ro, a quem o Sr. tenente Manoel Joaquim Machado
commandante interino da companbia de cavallaria,
que se d como extincta, entregar com as devidas
formalidades, o pessoal elodo o material da sobre-
dita compaohia qne estiver a seu cargo.
O mesmo Sr. tenente Machado, e o Sr. alteres
Joaquim Velloso da Silveira, devem estar prepara-
dos a seguir para a corte no vapor Cruzeiro do Sul
na sua volta do Para, a reunirse ao 1* corpo de
caladores a cavallo de Mallo-Grosso a que perlen
cem, como foi determioado em o citado aviso do 1
deste mez.
A alimentaco das pracas do deposit) sera' por
ora, segundo o disposto no art. 12 das wstruccSes
de 14 de fevereiro, fornecida pelo Io corpo provi-
sorio.
(Assignado) Francisco Camella Pessoa de La-
cerda.
Esta' conforme. Eslevao Jos Ferraz, tenente
ajudante de ordens encarregado do detalhe.
DIARIO DE PERNAMBUCO.
o Sr capilao olliam Para e"e com desconfianza, pois o conside-
1 ram como um dos mais perlgos inimigos da liber
dade do seo paiz.
PERNAMBUCO.
REVISTA DIARIA
Sob proposta do lenente-coronel commandan-
te do batalho n. 2 de infamara da guarda nacio-
nal do municipio do Recife, foram nomeados os
offlcaes seguintes :
2.a companhlaalteres Secundlno Eieodoro da
Cunba;
3.a dua capillo o tenente Joaqoim Pereira de
Meodonca Jnior, alferes Fernando Jos Carneir i;
6.' ditaalferes Custodio Moreira Dias;
8.a dita capito Jos Henrlqoe da Silva, tenen-
te Francisco Faustino de Brito.
Foram exonerados, por proposta do Dr. che-
fe de polcia, os 1., 3., 5. e 6. supplentes do de-
legado do termo de Garanhuns, seodo nomeados
para substitui-los e preenchr as outras vagas exis-
1 teotes os Srs. : Candido Jos de Barros, Jos An-
; tonio de Moraes, Joo Correa Brasil, Francisco Pe-
reira de Carvaibo e Antonio Pinto Correa, para os
lugares de 1., 3., 4., 5." e 6."
foram nomeados : director parcial dos indios
do Brejo dos Padres, o Sr. Daoiel Barbosa de Son-
za Ferraz ; e preparador do muzeu do Gymnasio o
H
a
3
ra
o
>
o
i
o 1
H I.
Masculino.
8
i.Ll
o
Feminino.
2
>
o
z
>
.1
Masculino.
Feminino.
Masculino.
Feminino.
n
<
o
Masculino.
Feminino.
SI
Masculino.
Fomos obsequiados com o Uay Eventng Tra-
veler de 14 de junbo ultimo, e com o Boston Dal
Adverttser de 15 dito, ambas as quaes folhas, pu-
blicadas em Boston chegaram hontem pelo vapor
americano Clierokee.
Os nossos leftores devem recordarse de que o ni- ,__,_ ,
timo paquete francez ebegado da Europa nos 5r-Joa1Q,m Jose More,ra-
trouxe a noticia do partido republicano irlandez,
cujos membros sao conhecldos pelo nome de Fe-
ntans, linba feito nma invasao no Ganada', a qual
fura mal snecedida. Nos jornaes que temos
vista nao encontramos a narraco de tal leolativa
que foi muito anterior dato das mesmas folhas-,
achamos porem, varias, noticias que teem relacao
com esse facto.
Urna corespondencia de New-York, com data
de 12 de junho, diz o segolnte:
O movimeoto Femano acabon completamente,
e quasi oingoem se importa com elle. Mr. Roberts
foi interrogado duas vezes pelo commlssario dos
Feminino.

I
-. I TOTAL.
00 1
o> I
l
6

E
-9
3.

i

Cavalcanti, abrio-se a sessao.
Passados os feitos, deram-se- os seguintes
JULG AMENTO.
AGORA VOS DE PT*S0.
Aggravante, Antonio Carlos Pereira de Burgos.
aggravado, o juizo. Addiado na sessao de 10.
Negaran) provimento.
Aggravante, Loureoco de Albuquerque Mello; ag-
gravado, o juizo.
Relator o Sr. desembargado! Guerra.Sortertea-
dos os Srs. desembagadores Aluwida Albuquerque
e Domingues da Silva.
Negaram provimento.
Aggravante, D. Tbereza de Jesos Coelho de Son-
za Leo; aggravado, o juizo.
Relator o Sr. desembargador Assis.Sorteados
os Srs. desembargadores Dominqoes da Silva e
Santiago.
Nao tomaram conhecimento por nao ser caso.
As appellac,5e erimes.
Appellante, o juizo ; appellado, Marcolino Gomes
de Sooza.
A novo jary.
Appellante, o juizo ; appellado, Jos Nogueira
de Souza e outro.
Reformada a pena para impr a pena legal.
Appellante, o julzo ; appellado, Joo Marcelino
Cesar.
A novo jury.
Appellante, Ubaldino Jos da Cruz appellada,
a justica.
A appellacao civel.
Appellante, D.Jranna Maria das Dores; appella-
dos, Basiliano de Magalbes Castro e outros.
Desprezados os embargos.
Assignou-se dia para julgamento dos seguintei
teiios :
A apppellacSes crimes.
Appellante, Manoel Joaquim de Sant'Anna ; ap-
peiado, a juizo.
Appellante, o juizo; appellado, Aoreliano Fran-
cisco Cavalcanti Oliveira.
Appellante, o uizo-, appellado, Eloy da Cunha
Barbosa e Silva. ,
Appellante, o juizo j appellado, Francisco Joa-
qulm de Oliveira.
As appellac5es civeis.
Appellante, Manoel Vicente Tavares appellado,
-


Leandro Pereira Barbosa.



-Nova. telix Fernandes ; cj0> em qQe v Rmi declarando que boje se sui- Estados Uoidos.semresultado algum. Nenhuma das rao da Floresta, lendo por lim
Paula da Lunna Bastos. cjdarai por meio de estrangulaco, o crioolo Ionc- testemunbas parece saber que elle praticase qual-: X6ro ao Dascente, a barra de
Termo de cntrale qne com o goterno da provin-
cia eelebram Antonio Pereira da Cmara Lima
e Antonio Francisco Pace de Mello Barreto, pa-
109, iie 12 da
I cenco, escravo de D. Bernardina de Sena, mora-
! dora nessa parochia, me pede declare o que deve
obrar.
Declaro V. Rvma. que, nao bastando o que de-
clara a Gonst. Synor. TIL 57, n. 857, 3% para se
negar ao cadver a sepultura ecclesiastica, proce-
ra a factura dos Uncos 9, 10, ii e i2" da da V. Rvma. s diligencias proscriptos no TiL 58,
estrada da lacada. n- 861 da citada Const.
AosqEiwdlaHdomeiejQlnode 1866,compa. Dtono Rvd. provisor da diocese.-Tenho por
recam no palacio do governo Antonio Pereira da dever levar ao conhecimento de V. S. Rvma1. que
Cmara Lima e Antonio Francisco Paes de Mello no vapor Guar qoe se espera a 14 ou 15 do cor-
Barreto, afim de .ootratarem cora o Exm. Sr. vice-! rente, tem de chegar oExm. Sr. b.spo jecesano.
presidente Dr. Manoel Ciemeotino Carneiro da Cu- Aproveito esto opporlunidade para significa^ a V.
na! em vista da lei n 687 d 30 de maio ultimo, S. Rvma. os sentlmenios de respeito e alto conslde-
art 14 10 e le n. 649 de 10 de marco desle an-, racao qne tributo a soa pessoa.
no a factura dos laucos 9, 10a, 11 e 12* da estra- %_____ nonin .
da da Escada na eitenc.ao de 4,782 metros oreados Dito ao Rvd. vigario de Papa^-Deyolvo a
pela reparticio das obras publicas em 52:005*. eo-, V. Rvma. o mappa lopographico, que 1me remdUeD
mo consu dos orcameotos de 28 de maio, de 32 de com sen offlelo de 10 de malo prximo passado.,
junho uliimos e ii3 do crreme, tob as Mguintes para que depois de V. Rvma. asslgna lo, remetter
condiedes | me na primeira occasiao.
1.a Os contratantes olferecem o abate de 4 por I Dito ao Rvd. parocho da villa do B"'^--^"-
cento sobre o valor dos orcameotos, Qcando assim I so recebido o seo offlcio de 1 e, ai
Para preencbmento da officialidade da seceo
n. 3 da guarda nacional do municipio de Naxaretb
forana nomeados :
1.a coroaanbia-tenente o alferes Joo Hypolito
Pereira de Moraes e alferes Man el Firmioo Ro-
drigues da Silva;
2.a ditoalferes Jeronyrao Cavalcante de Albu-
querque Mello.
Por portarla de 10 do corrente, foram crea-
dos : um districto de subdelegada, com a denomi-
nado de Pao Ferro, no termo do Bonito, com os
mesmos limites do 2.a districto de paz de Aguas
Bellas-, nm dito, com a de Riacho do Navio, no ter-
nes o alto do Imbu-
Baixo ao poente, a
ADVERTENCIA.
Na totalidade dos doeotes existem 180, sendo 111
homens e 69 mulberes.
Foram visitadas as enfermaras estes dias :
As 6 1|3, 7 1(4, 8. 7, 7, pelo Dr. Ramos.
A's 8 1|4, 8 I |2, 8 1|3, 8 l|3,8 1|2, 8 ii3,8 1|2,
pelo Dr. Villas-bas, por ausencia do Dr. Sarment.
Fallecern:
Maria, escrava, diarrha ebronica.
Loureoco Pedro de Oliveira, entorile ulcerosa.
Joaquim Rodrigues, gastro bepatite.
Joaquim Jos de Sania Anna, fistulas.
Manoel Pereira da Silva, enterite ebronica.
Reparticao da polica :
Extracto das partes dos dias lo e 16 de julho de
1866. ,.
Foram recolhidos a casa de deteneao no da i*
do andante :
A' ordem do subdelegado de Santo Antonio, Jos
Maria Machado pedreiro, por embriaguez.
A' ordem do da Boa-Visto, Conrado Miiliano, por
embriaguez.
~-
A' ordem do subdelegado de Santo Antonio,
Alexandre, escravo de Abren & Veras ; reque-
rlmeoto d'esle; e Severo Jos Francisco, por em-
briaguez. -
A' ordem do da Boa-Visto, Daniel Jos da Silva,
quer violaco dasleisdanentralidde, aeremos que, {jjgn^ xngicos ao norte ea faxenda Maravilha
o preso ser posto era liberdade por falto de
provas.
Os Fenianos queixam-se multo amargamente do
procedimento do governo federal para cora elles, e
mostram-se multo resentidos com o secretario Se-
ward na particular. Os jornaes daqui, tanto con
servadores como democrticos, condemnam alta-
mente os promotores da recante, correrla no Ca-
nad. ? *
Diz-se que o ministro de Inglaterra em
Washington regularmente avisado de todos os
moviraentos da Confran* Feniana, e nao falla
quera afflrme que James Stephens o seo prin-
cipal informante.
Este Stephens, 1 qoe alinde o correspondente,
um dos cheles dos Fenianos, que tende-se ava-
New-
redozJdo o valor do contrato a quaotia de......
49.-924JM0.
2." As obras toro comeco no praso de dous me-
zes e serio concluidas no de dous annos, contados
da dala do presente contrato.
3." Melado das obras pelo menos sera' execnta-
da no primeiro anno tob pena de orna multa de 5
por cento do valer do contrato.
4.a Os pegamentos srio feitea em proporcao
das obras esecutadas em seguimento, a partir dos
dous pantos extremos e aonca de quantia inferior
a 8:0001000.
5.a- Os pagameatos serlo feilos metaae em di-
nbeiro e a ootra netode em aplleos da divida pu-
blica provincial rencendo o joro de 8 por cento e
amortisaveis no praso de oito annos.
6.a O governo podera' pagar em dinheiro o va-
lor total de cada preatoco, assli como resgatar as
a plices antes de prao marcado 09 artigo antece-
dente.
panhadodo mappa estatistico dessa parochia, ela-
borado com todo o esmero.
Dito ao Rvd. parocbo da Fazenda Grande.Em
sea offlcio e 6 do passado communicou V. Rvma.
que, estando o Rvd. parocho da Talhada autorisado
pelo Exm. Sr. vigario capitular para rubricar os
lvros destinados ao lancamento dos baptlsados, ca-
samentas e bitos dessa parochia da Fazenda Gran-
de, acontecen que antes de serem rubricados aquel-
los llvros, tomou posse da diocese S. Exc. Rvma o
Sr. D. Manoel de Medeiros. A visto do une, consul-
to V. Rvma. se ser precisa nova autorsaco. Res-
pondo qoe subsiste a que j tinba o Rvd. parocbo
da Talbada.
Dito ao Rvd. parocbo da Fazenda Grande.De-
volvo o mappa estatistieo, que V. Rvma. enviou
sem sua assignatora em dato de 17 de junho pr-
ximo passado. Tenho assim respondido ao se of-
flcio da mesma dala ; convlndo que V. Rvma. as-
signe e me reroelto o referido mappa.
ao sul.
Para os cargos policiaes seguintes foram no-
meados :
Subdelegado do districto do Riacho do Navio
Antonio Francisco de Sooza, e 1.a supplente Leo-
nel Bexerra Dunga;
Dito do Pao do Ferro Constantino Lins de Albu-
querque, supplentes Deodato Rolemberg de Albu-
querque, Joo Cavalcante de Albuquerque, Isaao
Joaquim Cavalcante, Manoel de Araojo Cavalcante,
Joo Martins Cavalcante e Ignacio Jos da Silva;
Dito de Garanhuns Joo Baptlsla Chaves Peixoto,
supplentes Manoel Correa Santiago Vuelto 1, Pe-
dro do Reg Chaves Peixoto 4.', Antonio de Aran-
jo Miranda 5.a e Flix Paes de Carvaiho 6.*.
Procedente de Boston por Barbadas, ehegou
para correegao.
Laurentino Valerio
dido d'oma d.is prisoes de uablio, chegon a
York em meiado de maio ollirao, e all fol rece-1 hontem o vapor amerl
bido pelos seos correligionarios com grandes ova- todas, que se destina1 Caiifforata, e "
c58s, dando-se-lhe o titulo de Organisador Central, carvao e refrescos ^Pj^Jpsdejcomprirneoto
Parece, porem, que nao fol elle quem commandou e 25 de largur e demanda /2 ps d agua.
a malograda expedicio de Cnida', mas sim Mr. 1 Este navio foi construido para romper o bloqueio
Roberto, de coja priso falla o correspondente, e dos portos dos Esiados-Uoldat e fol um dos apri-
que tendo sido posteriormente posto ero liberdade, alonados, com bandelra iogleza eo nome de Dee.
publieou nma proclamacao dirigida ao exerctlo No manifest publicado hontem dos 40 so-
irandw, aconselhando aos membros deste qoe vol- licitadores desta cidade ao Sr, Dr. Hermogenes, es-
(assem a seus lares at inaugurarse nma nova capn em ser publicado o nome do Sr. solicitador
companbia, a qual, diz elle, no est muito re- [guaci Nery Ferreira da Silva Lopes, nm dos
mota. Faz esto recomraendacao < a' visto das
inesperadas medidas repressivas de que se servio
o governo executivo dos Estados Unidos, para es-
magar o movimento cooperativo do llbertamento
da Irlanda. >
Sobre o mesmo assompto encontramos mato as
seguintes noticias:
c Os Fenianos esto preparando nm grande
.fino, contra a administra$io em New York.
t Um coronel feniano escrevo da fronteira
que o general Meado foi to vigilante em repri
mir a invaso, qne por sua ord
signalacios, perfazeqdo o numero de 41.
Hoje ao mei8 dia so extrahir 20.a parte da
lotera a beneficio das familias dos voluntarlos da
patria (71a), sendo o maior premio 6;000#000.
Errata-No annuncio hontem publicado soba
epigraphe Theatro, no ultimo periodo em que
se l Nos ainda desvirtuamos nma para gator-
doarme* ootra deve ler-se Nos ainda nio des-
virtuamos nma para galardoarmos ootra.
Passageiros do vapor Mamanguape, sabido
para o ArMatl fi Prlos iatormedoe:
' Leite de Moozes Caldas, Antonio
A ordem do da Magdalena,
dos Santos, por ferimentos.
O cnefe da 2a seccio,
J. 6. de Maquila.
Casa di detknco.
Movimento da casa de delenco no da 15 de
julho de 1866.
Exlstiam presos 342, entraran 4, sabiram i,
existem 344.
A saber:
Nacionaes 248, mulberes, 14, estrangeiros 30,
mulheres 2, escravos 46, escravas 4, total 344.
Alimentados a costo dos cofres pblicos 195,
Cemiterio mjw.100.OBrruABio no dia 14 dr
jlho di 1866.
Joaqulm Josa de Sanl'Anna, Pernambuco, 39 an-
nos, solteiro, Boa-Bista: fistolas.
Cherdkee, de 575 tone- Joaqoim Rodrigues, Pernambuco, 21 annos, sol-
tomar tetro, Boa-Visto ; bepatite.
Lodovna Guilbermina dos Santos, Pernambuco,
91 annos, viuva, Boa-Vista ; tubrculos pulmo-
nares.
Francolina, Pernambuco, 2 annos, Santo Antonio ;
phtyslca. .
Felippe, frica, 45 annos, escravo, Boa Visto ; me-
gellte.
- *8 -
Damianna Maria de Jess, Pernambuco, 80 annos,
soltelra, Boa-Visto; velmce.
Appellante, Anastocio Jos da Silva ; appellados,
Alexandrino Marlins Correa Barros.
DILIGENCIA CIVEL.
Com visto ao Dr. curador geral :
Appellante, Flix Bezerra Guedes Montenegro ;
appellada, a preta Rita.
PASSAGENS.
Do Sr. desembargador Santiago ao Sr. desembar-
gador Gi tirana :
As appellagoes civeis.
Appellante, Bento Francisco de Maeedo ; appel-
lado, Francisco Fernandes Benivides.
Appellante, Antonio Jos Peres e sna moioer -, os
berdeiros de Henry Gibsoo.
A appellacao crime.
Appellante, o juizo ; appellado, Francisco ws
de Souza.
Dj Sr. desembargador Gitirana ao Sr. desembar-
gador Guerra:
As appellacoes civeis.
Appellaot, Joaquim Bezerra de Menezes; appel-
lado, Pedro, por seu curador.
Appellante, Rufino Correa Lima; appellados, os
herdeiros de Bento Candido de Oliveira.
Appellante, Vicente Jos de Brito; appellado,
Manoel Jos Ferreira de Gusmo.
Ao Sr. desembargador Loureoco Santiago :
A appellacao crime.
Appellante, o juizo; appellado, Joo Ribeiro da
Hlva.
A appellacao civel.
Appellante, Joaquim Francisco de Albuquerque
Saotiago; appellado, Joo Dowsley Jnior.
Do Sr. desembargador Guerra ao Sr. desembar-
gador Loureoco Santiago
A appetlacSo civel.
Appellante, Dursolino Seveveriano de Souza; ap-
pellados, Jos Ferreira de Mello e outros.
Ao Sr. desembargador Almeida Albuquerque :
A appellacao civel.
Appellante, Matheus Antonio de Panas Usuro;
appellado, Ignacio da Costa Brito.
Do Sr. desembargador Loureoco Santiago ao sr.
desembargador Almeida Albuquerque :
As appellacoes civeis.
Appelante, bacharel Manoel Joaquim de aten-
donga Castelio Branco ; appellado, Francisco ter-
rera de Andrade. _
Appellante, o Dr. Manoel Carlos de Gouvea;
appellado, vigario Jos Antones Brandao.
Do Sr. desembargdor Almeida e Albuquerque
ao Sr. desembargador Mona :
As appellacoes elveis.
Appellante, D. Ursulina Joaqun de Mello; ap-
pellados, os herdeiros de D. Rito de Jess Ramos.
Appellante, Manoel Patro do Nascimento; ap-
pellado, D. Margarlda Maria da Paixao.
Appellante.ts Antonio Fernandes Fradique ;
appellado, Jos Mendes de Freitas.
Do Sr. desembargador Motta ao Sr. desembar-
gador Asis :
As appellagoes mete.
Appellante, o juizo; appellado, Jos Tenorio de
Albuquerque. _
Appellante, Gandencio Goncalves Chaves ; ap-
pellado, Marlinbo Gomes da Silveira.
DoSr. desembargador Assis aoSr. desembarga-*
dor Doria
Aappeilacocriroe.
Appellante, o promotor appellado, Tbomaz
Francisco de Aquino.
A appellacao civel
Appellante, o tenente-coronel
ro Machado Rios ; appellado, o
Suassuna. q.. .
Do Sr. desembargador Domingues da Silva ao
Sr. desembargador Uchda Cavalcanti:
As appellacoes civeis.
Appellante, Isaas Jos Rodrigues Braga; appel-
lado, Manoel do Nascimento Rodrigos Braga.
Appellante, a massa fallida de Bastos 4 Lemos ;
appellado, Dr. Antonio Jos da Costo Ribeiro.
Appellante, o juizo; appellado, Jos Joaqoim Pe-
reira de Mendoeca
AppeltoBtes e appellados juntamente, a amara
municipal e Basilio Alvares de Miranda Varejo.
Appellante, Domingoes Jos da Silva; appellada.
Benedicto Marques da Silva.
A appellago crime.
Appellante, o iolzo; appellado, Jos, escravo de
Jos Cabral de Mello.
A 1 hora da tarde encerron-se a sessao.




- e
'
Antonio Carnei-
Exa. viseondede
cooDapaqo o pao que liona sido-preparado para os Hercolaoo B. Leltede ^^^j.^T;0
Sjos ir|aUzes. Esse coronel declara aa||! Jos R. d Silva, Jos Gofrea de M. Sobrlnho, An-
CHHOMCA JUDKIARU.
TKinXA.lj DA BBIiACAO
SESSAO DE 14 DE JULHO DE 18W.
PRKSIOBKCIA DO BXM. SB, QOttaWiMlP^
SOUZA.
s 10 horas da manhaa, preser.'^ M gMtiores
desembargadores Santiago, G'Virana, Guerra, pro-
curador da eoroa, Louren?o Saotiago, Almeida Al-
hunuerque, Molla, Assis, 9 Domingoes da Silva,
TRIBIfAL I>0 COHMEP.ClO
aCTA DA SESSAO ADMINISTRATIVA DE 9 DE
JULHO DH 1866,
f MSHNCaA DO BU. B. MStMBAB^^oB
AKSBUto rmuicaaco pk*""i.tu "
As 10 boras da manh** tmni* os sennores
depatodQS Roa. 1 AlooforW Basto e^Mirand.
^fk^ c. o Sr. presidente abr*oaao.
"ua, foi approvada a acto da sess antece-
dente.
BXPXDHiirn.
Offlelo do propriotarlo di trapiche tPelourinhoj^
vlsconde de Snassnna, juolando o mappa do movi-
raeoto do mesmo trapicbd no semestre findo em
junbo ultimo.Visto e arebive-se.
Foram presentes es mappas resumidos do mov-
\wmm
i
->.. --_______- -
^


ir**?*:;*
--------
Otarlo de Pemabne* Terea felra i I de Jfnlhn de 1866.

T
ment havido nos seguintes amageos alfandega-
dos:
Corapanhia, Tasso, ns 9, 13 e 17 do edificio
Aifaotlegfr-.tfettMt de qua administrador lt
Antonio Basto; 11 e 13 no mesmo edificio sob a
administradlo do Manoel Telxeira Bastos, bem
como e do trapiche Baro do Ltvramento admi-
nistrado por Jos da Silva Loyo.4 C.Visto, e
archive-se.
Aos Srs. depotados, foram diearietrtabs parnearem
devidamente rubricados os liore:
Diario e copiador de Guiarles Oiiver, co-
piador (por machina) de A linio Gao & Irmao>
Era termo de flnaocav fraude, cobtravenejo, e
contrabando sao qoasi synooyraos.
Era jurisprudencia,.fraude ura engaa feito
coa astucia em prejeito'dta Manetas* aisln difiere
do dolo, que lameem ou engae totto eom ia-
fencao de prejddlcar aquella eom quem se con-
trata.
Appllca se principalmente este pomo em dlreito,
aos matos do qne os itmtom osan para fnwtar
o seos credore do ene me deviso, e oa vendedo-
ra, o compradores to bous, para Muren de pa-
gar os domimcaes o rtaes.
Qaa a fradese deveeevtar, se diz na-alvara de
diario de'entradas de Francisco Gome* de liveira, 13 de novembro de ifM 18; e qoe nlnguen de
fe tirar eommodo detla, se da no airara
agente de leudes.
O escripturario servado da wenenreire D. A.
do Reg Raogel apreseaieu coaneetneoto do baver
recolbido a tbesourartr da farend* a quantta de
rs. 1:13854660 saldo dos emolumentas arrecados
pela secretaria dorante o actual exerctcto.Qtw
se dsse o oostuaiado desliao.
despachos. ,
Reqoerimeeto do corrector John Gatis, aposen-
tando a registra o conhecimeoto do impost de sea
offlcio relativo ao auno tioaoceiro da 1866 a
1867.Registre so.
Dito de Francisco Ignacio Pinto, agente de le-
loes, pedindo o registro do coobecimeoto, qoe junta,
de baver pago o imposto de seo offiao relativa ao
dito.auuo Qnanceiro.Reg-tre-sa
Dito de Jos Mara Pestaa, apresentando, em
cura primen lo das ordens a respe Ko, o termo de
responsabilidade que assignou Joaqnim Jos Gon*
calves Delirio, como tesieraunha de abonado de
sua llanca em logar de Manoel Goncat ves da Silva
Juaior. Archive-se.
ito de Jos Elias de Meara e Iriuo Colbo da
Silva, para sor rastrado contrato social, que
juoum.Vista ao Sr. deeemnargador fiscal.
Dito de Manoel Joaquim da Amorim Garca, da
provincia do liio-Graade do Norte, pediado sor
Horneado agente de leudes da respectiva pra-
ca,Vista ao Sr. desembargador Bacal.
Dito da Antonio Baptista Noguetra, pedindo o
registro da escripmra de peohor de S escavos,
qne para garanta do debito de 4:091*500, passara
Joaquina Virissimo da Rege Barros.Vista do Sr.
desembargador fiscal.
Dito de Fumino Ricardo de Moraes de Mosquita
Pimentel, para Iba >er registrada a saa oomeato
de calxeiro de Joo Ferreira dos Santos Jnior.
Regstrese.
Dito de Manoel do Amparo Caj, offereceudo
diversos documentos como prova de que nao falli-
r, condumio eom pedir que seja reformado o
despacho deste tribunal que eciiira quitaco plena
de sea credores.VUta ao Sr. desembargador
fiscal.
Dito de Antonio Francisco Colho, cidailo bra
sileiro, de Idade d 36 anuos, domiciliado na cidade
do Ico onde estabelecido, pedindo matricula,
apresentando um attestado em abono de sea crdi-
to coamercial, aseigoados pelos Srs. Lua Antonio
Sequeira, Vas <& Leal, e Manoel Alves Goncalves
Ferreira.Vista ao Sr. desembargador fiscal.
nESOLugoas.
O Exm. Sr. presidente psppz.qae fosse nomea
da ama comraisso para inspeccionar na furnia do
arL 90 do cdigo cuminercial e da porlaria de 26
de fevereiro de 1851, a escripia dos trapiches alfau-
degados, e para comporem esta comojisso foram
numeados os Srs. depulados C. Aicaorados, Miran-
da Leal, e Rosa.
O parecer do deputado revisor, sobre os correc-
tores Mamede, eVucoocellos, (oi approvado, sendo
os mesmos relevados das Irregularidades encon-
tradas nos seos livros proteeollos.
Igualmente o dos Srs. depulados Alcoorado e
Miranda Leal, sobre os ostros correctores, resol-
vendo mais o tribunal que pelo que diz respeito
aos correctores Patcbell e Silveira se ofSciasse a
junta dizendo qaanto ao primeiro que a saa liugua
gem na resposta que dera fot menos cabida empe-
gada para eom o tribunal, qaanto ao segnndo dizen-
do que se Ibe tizesse sentir que o meio de qne langou
mo em sua resposta (oi menos conveniente para
provar que a traosaecao a que se referi a com-
missao fosse iotelligivai para todos s pelo Tacto de
o ser para os que nella iniervierera, sendo certo
qne os documentos aprsentenos nao juslificam a
falta argida porque sendo estes deelaraedes de
pessoas para quem foram feuas as transaccoes,
fcil comprebeoder que taes pessoas enlenoessem
a nota das mesmas transares embora nao serp-
ta regularmente porque era negocio seu: nao pode
o mesmo succeder aqueiles que, nao conheceudo
a transacao, s podem ajuisar dallas pela escripia
raco regular. Pode a nota ser entendida por
aquelle quem aproveita a transacao e nao por
terceiros, oo pelo juno nos casos em que a este
cabe conbecer e aquelle allegar a existencia de
ama transaeco realisada por corrector : accres-
centando-se que l< dos sao relevados das irregula-
ridades encontradas, nao se podendo aceitar para
o futuro disculpa alguraa acerca de difflculdades
oo cumpri ment da le a qual o presidente da junta
deve fazer enroprir religiosamente.
Entrn em disenssao o parecer de escriptnragio
dos correctores e foi approvado eom pequeas alta-
raeoes, tendo o Sr. deputado C Alcoforado votado
tu tetum pelo parecer da commisso, e contra as
referidas alleracoes.
Nada mals bavendo a traur-se foi encerrada a
sesso as 11 horas e meia do da.
de Si de
foveretro de 1704 g It cap. Jt, e no de 15 da ou-
tubro do mesmo aoao.
Que SfrSHfo, que se rat em fraude da le nato de-
ve aurovaitar, sa diz tamben oo asseulo- da 9 da
abril de 177*Per. e sooza, Dice, jurlairo.
FraudeTermo joridlto:engaao1accio feita
de ma f (Guyote).
E' prlucipio corrate em dlreito qoe nanea se
julga ter havido fraude, salvo provada.
Como o dolo e o engao, a fraude vicia o con-
sentimento, seu o qual nao ha convenci, o por
consecuencia forja obligatoria ;e se Isto se d
nos contratos em geral, as convencOes paramente
civls marte mals procede as traosaccSes oa nego-
cios commerciaes, que tem por base essencial a
mais illibada boa f
O eeramerdo desconhece formas, dilac5es o sub-
lesas.
E necessario que os negociante se apresante*
nns aos outros estipulando e consenlfndocom inlei-
ra franqueza e logenuldade.
rodo o qae se oppozer verdade, singeleu, i
puresa do contrato, destie o Seu viacalo, vicia a!
sua obrigagao, arruina o sea flm.
Mullos dos contratos commerciaes sao aleatorios:
moitos dalles depeudera da expsito e da etrea-
'.'.:io uoilateral : nenhuns pois sao tio sasceptlveis
de ser arruinados pela fraude.
Em nonti nos portaato te fas tao necessario que o
juiz, o arbitro e o advogado alenten na fraude co-
ma nao oouveogdes nereantts.
A. fraude, diz o al vara da 13 de novembro de
1756 18, deve evltar-se; e a ninguem fazer eom
Depois de tantos abusos e oppresdtaawfc o naa> pandan a* prlmatro quisito afflrmativamente ; ao, ram o seguinte, que encontraran! na rglSo reinal [
mo opprimido Hermogeoes Duane jopes t INtejMjflMttgatrfanenie; ao tercelro que foram oc- direit um simples ferimeoto produzida par m#.
concellos por havermos interposio anrarso de tae asionado* por rdstruraeQtos cortantes, quil fouce tramen to contundente em principio de1 eteatrisacta
pequea, os tainos o as contusoes eom instramen- ] nterecsaodo somonte a pel^ o tecido salntor sa-
; ao quarto, quinto, sexto, stimo e beutaneo, e-portanto passaram i responder os que
artavo, nagatraamente; ao nono, negativamente,
modo, Ivara de 24 de feverelro de 1764 21 e i4f Spnetteo. Em breve lera' noticias nossa.
Fraudar, oa permittir que fraude igualmente
peoivel, alvara de 16 de Janeiro a 1751, cap. 2 2.
Ferreira Berges Dice, commerciai.
estulto qoaoto arbitrario despacho de pronunfrt.
tomos arrastado desta cadels, em qne misa a
pouco de gastar o governo 15;0O0A consnkflwnV
fleagao para a cadela da capital, sendo escolUnoV
por um sargento de polica (que em, abono a ver-
dada de uma edncaco mais lia do que aquelle
chafa de polica, e laso aso obstante fattarem seto
das para se remara sesaio do-Jar y I'
Basa ultimo acto, qtt parela anda a continua.
cao da mes oa preesaoja' tiohoairo im.
Este bomem inffixivel eto dura na execuco da
ordens... nem ao menos tem a coragaatdo enma.
Fea-oaa eondazir a capital pare oblara dak4aa>
ola do nono recorso, intento una lograria a nio
ser a firnwta dd nosso advogado, que appoise obs-
tioadameate ao acto de desistencia, certo come es-
lava de qae o ebefe seria abrigado a dar baixa oa
colpa, como anteo meio que tlsa de evitar pe-
rante a relago a responsabilidade de crimes, cu
ja prova elle em saa cegueira tlnba fornecido sos
proprios autos.
Mas quanto se (ludio I
Embora leona patenteado por aquelle acto toda
sua ignorancia, fraquesa e impotencia, Implcita-
mente confessado o sea crime; jimais alcancar
o nosso perdi. Todos esses actos de aeco ma
terial, e a brutalidada de que foram aconpaohados
exigem ama satisfaco.
Essas offeosas individuae, feitas a horneas, qae
girara em ama esphera multo superior ao mages-
trado-qne srrebatxa prevaricando para- represen*
lar o triste papel de um es irro de pulicia, exigem
ama punlgo severa.
A baixa na colpa, nio a reparaco da injusti-
ca, porque eom esse acto apenas cessaram os actos
de injastica e>oppresslo.
Portaato a soefedade offeadida dora e aciment
na pessoa dos opprimldos reclama ama satfsfaco
completa.
B os opprimidos, como horneas de bro esgota
rio todos os recursos, que Ihes offerece a le em
Ues casos para alcanca-la.
O Dr. Joo Francisco Daarte actual chefe de
polica desta provincia ha de responder peraote os
tribonaes superiores do paiz pelos crlmesqne'com
SESSAO JUDICIARlA EM 12 DE JULHO DE
1866.
PRESIDENCIA 00 EXM. SR. DESBUBARGAUOR
A. F. PEBKTTI.
Secretario, Julio Gutmaraes.
As ooze boras e meta da mantia o Exm. Sr. pre-
sidente declarou aborta a sessao, estando presentes
os Srs. desembargadores Siiva Guimares, Res e
Silva, e Accioli, e os Srs. depulados Rosa, Candido
Alcoforado, Basto, e Miranda Leal.
Lida, foi approvada a acia da sessao anterior.
O Exm. Sr. presidente detexmioou aos escrivaes
Albuqnerque e Alves de Brito que, qaaodo tiverem
de inscrever qoalquer protesto de letra devem
onmera-lo.
Assigoaram-se os acordaos proferidos oa sessao
de 7 do correnta dos fetos entre partes.
Recrreme, Carlos Colleman, recorrido, Dr. Carlos
Frederioo Taylor.
Appellanles, os administradores da maesa falli-
da de Amorim, Fragoso, Santos & C.; appellado,
Iieorlqae Jos Alves Ferreira.
Appellante, Joaqnim de Axevedo Mala ; appella-
do, Jos Pe reir de Almeida Guimares.
JULGAMENTOS.
Appellante, Manoel Alves Ferreira; appellado
Joaquim Elviro Alves da Silva.
Adiado oas secados de e & do- presante mea.
Foi confirmada a sentenca appellada.
Appellanles, Manoel Joaquim Ramos e Silva <&
Genros: appellado o Dr. Bernardo Antonio de Mea-
donca Castello Branca.
Adiado a pedido de ora dos Srs. depulados.
REQUIS1CA0 DE JUIZ.
Appellantes, os adauoiatradures da musa falli-
da de Pacheco & Mendos ; appellado, o Dr. Fran-
cisco Araabas da'Cotia Barres.
O Exm. Sr. presidente offlcioa ao Exm. Sr. can-
sel beiro presidedle da relacao raqui sitando a
designaco de um juiz para rever o feito sapra,
por baverem jurado suspeici oa Srs. desembar-
gadores Silva Guimares fiis a Silva.
PA68A0BM.
Oo Sr. desembargador Raa a Silva ao Sr. de-
sembargador Accioli.
AppeHant, D. Fraaeetca do Salles Candida da
Rocha e outro; appeUado, Joao Cmco Gomas
da Silva.
COHMBRG.
Ao Sr. desembargador Silva Guimares.
AppaNwtes, os administradores da. massa fall,
da de Joao Bapstt GoBoalves Bastos i appelladoc-
TbeodeM eaaaHiaaasm
Ao Sr. desembargador Res e Silva.
Appeatanie JonoPerotra d*Lemos; aposliados,
Jos Mario d Momo &C.
Ao Sr. desembargador Accin.
Appellantes, os administradores da.maesa falli-
da de Amorim, Frapeny Santos &C.-, appellado.
Curta :kn;
AGGRAVOS 1NIERP0ST0S DO JUIZ* KSfEa.U. BO
Aggravaate exequente. Benjamm Flanckll da
Cunba Torreao aggravado excolado, Joaquim
Colbn Cintra.
Afgravaaui Jos FradaM de Barras Reg
aggravado, OcuviaM de Seozd-frnnca.
O Exm. Sr. proaidontenegen.^raviseato.
AggravableY Jos Aloes Barbosa agacavada, D.
Zeferina Maria doTesus.
OEm.-Sr. presidente den provierrentt.
nada mais bavendo a tratar-s ecerroa-se s
sessao a urna ttora da tarar.
*m
-r~-------!----1-----
I
oocalso, asna
iVaadOEsa feral rom engao
arcao (eita em mi f.
BBa ii oppodta a raatoa e a- verdade; o podo dar*
sp nos discursos, nat aec3es, e at n silencio.
E d'ora avante contera os miseros execntores
dessas decretaes do viogancas eom opposicio Ar-
me o vigorosa, cuntida no espirito das nossas insti-
tuiedes e nos termos das lea que tantas gasjjptias
nos offerecem.
Dizendo isto nio fazemos mais do qoe ceder s
oecessldade de -justa defeza, o qoe esta no animo
dos bomens mais honestos, mais prudentes e mo-
derados desta comarca.
Concluimos aperMndo cordlalmente a roto-de
nossos companheiros de soflamemos, o honrado
cavalheiro o Sr. Antonio da Rocha Accioli Wan-
derley, e o joven Sebastiao da Rocha Accioli Win-
as nossas dessideneias
os homens
de bem.
- Na causa que den lugar ao conflicto foram esses
cavalheiros os aggridos eomo confessamos em nos-
so interrogatorio, e portaato se algama responsa-
bilidad* criminal poza sobre os disidentes mals
culpado o agreisor, a quera o chefe de polica
por forea da le e para evitar a soa responsabilida-
de foi obrigado a dar baixa na culpa.
A le noo pane a qaem se defende nos termos
consignados por ella ; isso mesmo reconhecea o
jury, esta instituido salnlar, a nica salva goarda
cativo, qae por uma aberracio do- nosso systema
ab-orve a todos os poderes e nullifiea o jodicla-
ro.
A sociedade nio qaer a satisfaco do damne
que negam os offendidos; nao pode exigir vingan-
(a contra Antonio da Rocha e sen ir mo; jnlgaram
os tribonaes superiores e julgaem os sitos poderes
do estado.
Hermogencs Duarte L. Vatconcellos.
Illm. Sr. Dr. juiz de dlreito em exerclcio. Rer-
raogenes Daarte Lopes de VaseoDoellos, precisa
qae V. S. mande ao eocrivo Aecibli Lima dar por
certidio ao supplicante nos autos crlmes contra o
mesmo instaurado por parte da jusea, o offlelo de
V. S., os corpos de delicio, e exame de saoidade,
parecer do Dr. promotor publico, e o despacho da
pronunci de Dr. chefe de polio.
Nestes" termos pede a V. S. assin o deflro. B.
R. M. D se nio havendo inconveniente. Villa
de Porto Calvo, 30 de mato de 1866. Vasco Ca-
bial.
Jos Carlos Accioli Lima, espito quartel mestre
do commando superior da guarda nacional d'esta
comarca, e na mesma tabellio de registro geral
das hypotneoas, tabelllao publico victalicio, e es-
erivao do jury nena villa de Porto Calve e seu ter-
mo por Sua Magestade Imperial e Constitucional o
Sr.^D. Pedro II, qoe Deas guardo, etc.
Certrffco aos senbores qae a presente crtido
vir-m, qae revendo os autos crmes instaurados
contra o sapplicaote e eutros, delles consta o qae
peden peitcio retro ano do theor seguinte :
Illm. e Exm. Sr. Tendo ha das o Sr. do en-
Seoho Sababea Antonio da Rocha Accioli Wan-
erley arrancado pane da safra qne linha no cam-
po Hermogenes de tal, Sr. do engenho Ferro, por-
que a julga plantada era terreno de soa propne-
dade, este, boje (17 do correte) armado de mais
de quareata moradores foi accommelter o engeobo
de Rocha e faxer igoal destruicao, sendo pordra
avisado o mesmo Rucha, reuni sna fabrica e tara-
bem os moradores, e disto resultou um grande
conflicto, ficando ooze pessoas feriJas, e sou infor-
mado qoe alguna gravemente, e mortos doas es-
cravos.
O subdelegado da villa me dando parte do
occorrido, filo seguir inmediatamente para o
lugar do conflicto,apenas podendo ser acorapanha-
do pelo esenvo e quatro praeas das seis aqu des-
tacadas. '
E' de presumir qae nada faca, visto como
sendo o lugar prximo da villa (doas leguas) to-
dos se lerio evadidos qoe. estivessem no caso de
ser pagos, alm de qoe pouca confiaoca inspira
dita aatoridade, porque ioformam-me ser prente
dos actores do conflicto. Seria e era conveniente
qae o promotor fosse at o logar, por qaanto sendo
o subdelegado homem leigo poda dar Ine qoalquer
esclareeimentoe mesmo requerer qualqaerdiligencia
a bem da justica, porm deixon de faze-lo se bem
qae nao seja tegalmente obrigado. Jalgo qae serla
conveniente qae S. Exe. mandas urnas quinze
praeas de polica para prender os criminosos, vis-
to como quarlquer requisigao de torca de guarda
nacional difficil e improlicua. E' o qae por ora
me cumpre sclentificar a V. Esc
Deas guarde a V. Exe Illm. e Exm. Sr. Dr.
E-peridio Eloy de Barros Pimentel, dignssimo
presideale da provincia das Alagoas.
Porto Calvo (villa) 17 de marco de 1866. Joao
Vasco Cabral.
Aoto de corpo de delicio.
Aos 18 das do mez de marco do auno do as-
cimento de Nosso Senbor Jess Christo de 1866,
pelas 2 horas da tarde, ao engenho Ferrio, presen-
o subdelegado do segando supplente em exereieio
Aureliano Smtiago Cardlm, o o Dr. promotor pu-
blico contraigo escrivo de seu cargo abaixo asslg-
nado e os peritos notificados, o solicitador Antonio
ies Aotnnes Guimares, e Caetano Joaqnim da
Cunta, moradores em Pona Catao, a as testemu-
nnss Pedro Ferreira dos Santos, e Antonio Dws
dos Santos, moradores em Pbrw Calve; o subde-
legado detorto aos mesmes perito o juramento dea
Santos .vangelhos em suas raaos de bem o n>f-
doeranmdo
eom verdade o qoe desoobrlrenr e encentraren, o
i qae en san consdeocra entenderem, o eDearregen-
Ao ministerio da justica.
Comarca de Porto Calvo, 26 de nato de 1866.
O despreto absoluto dos principios de jastica, e
a indecencia queoaraeterisam a conducta dos agen-
tas de influencias funestas a esta provincia, recla-
mara seria atiencao do altos- poderos do estado ;
que qnereodo se dirigir a lins mais saos e hooes-
tos, au devem col locar livre mente a seguraoca dos
humos de bem as raaos de execatores, que se j
eucawegam de vingar odios amigos, nascidos de derley, aos qnaes embora
profundas divergencias pessoaes, tomando depois; nanea negamos a estima qoe merecem
por ioteresse e emulaco plida cor poltica.
E'jlilQcil de crer oque tem praticado neota co-
marca desdo o dn 17 de marco do mea prximo
passado at hoje tres autoridades anidas entre si
para opprimlr tres proprieiarros honrados, que pen-
sara o seatem diversamente delles.
Levando ao cooheclmento do ministerio da jus-
tica este facto, evitaremos declamaron fastidiosas,
a infundadas aceusacSeev
Cora a expsicao aos fados offerecemos as pro-
vas que nos torneceram esses mesmos agentes em
sua cga ignorancia e cnlpavel iotencio.
O facto, que deu lugar a tantos abusos, narra-se
em duas hutas, tragadas eom a siogelesa da ver-
dade.
No da 17 de margo Ando, den-so ntrenos
Hermogenes Daarte Lopes do VasconoelleS) Anto-
nio da Rocha Accioli Waaderley e SebasilSo da
Rocha Accioli Wanderley, ama dessas dissiddncias
muito communs entre propnelarios limitrophes,
qae sendo por si e por suas conseqaencias de pou-
ca importancia passaria tao desapercibidamente
como lodos esses casos de pequeas infraeges, oc-
corndas diariamente mesmo dentro das capllaos,
a nao servir de pretexto a vinganca de odios mes-
quinbos. Basta dizer-se que tendo havido algumas
Cuutuioes e an aullaos de pello, o feraento mais
gravo foi feito na pessa de Joao Bautista dos San-
tos, que se acba recolbido a cadeia desta villa em
perfeito estado de saude, tendo efectuado a sua
cara em meaos de tnatn das, como so prova eom
o priaiciro documento abaixo transcripto. E foram
taes nnajentos que serviram de pretexto a lodos
os exnessos e abusos que pascamos a referir; man-
dando as autoridades pualicar nesta provincia, na
de Pernambuco, at na corte artlgos era que des-
pejadameTte so falla em assassiuaios e ferimeotos
graves, etc., etc.
E* muila indecencia 1
Lelara se o corpos de delicio constantes do pro-
cesso instaurado pelo proprio chefe de polica I
Elle mesmo quem responde as suas publica-
cues!
La-se o oflkio de communicac.ao feito ao gover-
no pelo juiz municipal Joao Vasco Cabral ooexer-
cicio da vara de juiz de relio I
Vejase I c Qjautos estragos, dlssolagao, borro-
res e mortes tantas > Pobre enie I
Nesta pessa era que se revelia tuda ignorancia
e pobreza de espirito de uru dos agentes da pre.--
sao qne sofTremos, a verdade despojada de todos
os seus dominios para ceue-los ollicislmenie a mais
indigna aleivozia.
E o goverao da provincia, cujas redeas assumia
enlo o Bxm. Sr. Dr. isspendio Eloy de Barros
Pimentel; por inepcia e maldade, tomando por
pretexto, essa falsa coraraunicacao, nao esperdieou
a occasiao de ferlr a seas inltnigos pessoaes na
pessa dos opprimidos, qne sao alliados fiis do
partido conservador.
Arvorou fmmediatameota uma forte expedico,
collocaudo a sua frente o coramandaute de polica,
e sen irmo o chefe de polica actual Dr. Joao
Francisco Djarte, qae rpidamente marchou tabre
Porto Calvo, para vingar os ultrajes fettos a la 1
t para desempenhar misso misio to honrosa
nao houve obstculos qne nao destroisse.
Apagar os traeos solemnes que a lei tem flxado
aseas executores, violar o direito sagrados da li-
bertado individual, foi como que o sea primeiro
cumprimoato do dever.
E desde enlo preeipiloa-se dosenfroiadamente
oa carrereira de crines que vamos narrar e
provar.
Em sua marcha triumphal entrn nesta villa co-
berto dos loaros, que ciagem a fronte dos mais fa-
mosos aguasis, arrastaodo pollota sua toga^de ma-
gistrado ; pots que Ja' tinha prevaricado, prenden-
do-nos sera culpa formada.
Condolidos no meio do uma escolta eom armas
carregadas entramos nesta villa, cerrando a Olla
do chefe d pulicia I
Recolbidos os presos entre grades de ferro, tndo
se revestio doapparelho sombro de um poder in-
quisitorial ; foram coHocados guardas na porta da
cellola, que oceupamos, a quem o proprio chefe
eom sevordade recommeodeu toda vigilancia.
Pareca que da guarda daquelles presos depen-
da a seguraoca de todo ijoantos tinba a sen cargo
de vigiar o Argus da Ataiaia.
OS habitantes do logar observaran todos esses
novimeotos ebeios de indignaeao e despreso : en-
tretanto oo mesmo di* en que se assombrava a
claese dos bomens honestos cera tao dura presso,
feita a pessoas de maior cousideracao, cemnettia-
so oo engenho Pretores meta legua distaste desta
villa um assassioalo horroroso, salpicando por a-
skn dizer o sangae da victima as vestes do cnon- mente esempeoharera a sna missSo,
de polica, que nem se qaer movea am seioado
para prender o autor de tao grande crime -, ranal
al hoje esta' Impone e bomisrado duao leguas dte- le qoe proeedessem a came em Joaqnim Jos do
taate desa mesma vHIa.
E o enefe de qoadrilha, qae infesta esse
burbios nen ao menos- merecen ovnft vis Ka core*
nenial do Dr. chefe, acbando-se tao prximo* uno
do outro ; e tao estreitaraeaie Irgades pelos laces
do parentesco poltico.
Si o assassfoato e O roano sao respteteos ; se o
crime tem a sua apotbeose pera prostitoico da aa-
toridades, qne seguraoca podem" ter os proprie-
tarios honrados e a classe de toda os Roneos
honestos ?
Eraqvanto os autores de roobos e assasswatoo
alardiavara saa imponldade, e affrontavam a no-
ral po*hcpasseanaMrl*feroente a sonora da ae>
ao da justica, que. promove o Sr. Dr. Joao da SW-
a Reg e Mello nos eramos escortados, entre bayo-
netas-o arratadee aee frttJQnaereon^frandaamr*'
minosos ; nos Hermogenes Daarte1 Lopes de Vas-
concellos, cuja eulpa toda se baseava no ferimen-
(o do preto Albiao, como declarou solemnemente
o mesmo prometer a es parecer, servilmente
copiado pelo chefe de polica em sea despacho de
pronuncia 1 3.
Nao dbstafo ttnWl prdnMciodrjd rw ari 2M I
Casta a crer; maS esse attestado da ignorancia
do ehe o profunda raafdafe de ambos esta' nos
autos do qual nao consto ter havido ferimento De-
nnos grane pelo aaSI podessemos ser rospensa'
Veis.
Nem icario al o* rimes do ebefe de pohcia,
qae pelo expoito e provado ineorrem as penas dos
arts. 145,160 o 181 do cdigo penal.
SaniAoua, e que respendessen aos cjulsiw m-
gulntes:
1* Se houve ferlmen oo offensa pbfoiea;
.SeJmortil;
3. Qual o instrumentonne o oeeasioa;
i. So houve oo resaUou mnUlaco oo doosrui-
cio de membro on orge;
o.* Se pode haver oo resolt# osea nolilacao on
dasimiaan;
, ao nono,
Isto qne inhabilita por vinte e cinco das de ser-
vico ; ao daino que avaliam o dameo cansado em
60J000, o alo essas declarar oes qoe en suas oous-
oienoiao, e doaaixo do juramento prestado tena a fa-
asr.
. E por nada nais haver deu se por nonclaido o
exame ordenado, e de todo se lavren a presente
ante qoe val por mira escripto, assgaado e rnbri-
eado pelo (tat, peritos testerauohas e promotor
publico, contgo escrivo Maoool Joaanlm Coatno
qoe o flz e eearov, do qae todo don f.Aurenano
santiago Cardlm, Caetano Joaquim da Caoba, An-
tonio Jos-Antones Gotmraes, Pedro PBrretnr dos
Santos, Antonio Dias dos Santos, Joo da Silva Re-
g e MeHo, Manoel oaqalm Coelho.
Auto do corpo de delietoj
Aos 18 das do mez de marco do anno do N'asci-
ment de Nosso Senhor Jess Christo de 1866, pe-
las 4 horas da tarde, no engenho Ferro, presente
0 Dr. promotor publico e o subdelegado segundo
supplente em exerciclo Aureliano S ntiago Cardlm
comigo escrlvSo de sen cargo abaixo assijrnado e
os peritos notificados Antonio Jos Aaluoes Gui-
mares e Caetano Joaquim da Cunhs, morado-
res em Porto Calvo, e as testeraunhas o cabo.P.dro
Ferreira dos Santos, e o offlefal de justica aM Das dos Santos, moradores nesta mesma villa, o
subdelegado deferio aos mesmos peritos o jora
ment aos Santos Evangelhos em suas mos de
bem e fielmente desempeoharem saa missao decla-
rando eom verdade o que descobrlrem e encontra-
ren!, e qoe em suas eonscieacias entenderem, en-
earregou-lne, qua prooedessen o oame na pesio
de Joo Baptista dos Santos, 8 que reepondessem
aos qutsltos seguales:
Ia, se houve algom ferimento ou otteasa phy-
slca;
r,H6 mortal;
1 3*. qoal o instramen to qu8 occasionou;
4*, so houve on resultou ruuulaco oa destruigo
de algom memoro on orgao;
6*, se pode haver on resultar essa motilacao oa
destrmeo;
6', so pode baver oa resaltar iohabtlacao de
memoros ou orgaosom que fiqoera elles destrui-
dos;
7, so pode baver on resallar alguna deformida-
des qual ella seja-,
8*, se -o mal resultado do ferimento oo oifensas
pbysicas, produz gravo encommodo de sade;
!), se inhabilita do sarvc) por mais de 30 dias;
10, qual o valer o damno causado.
Em consecuencia passaram os peritos a fazer o
tame o inresiigacoes ordenadas; e as que jolga-
rem uecetsarias, e coaclaidas as ijuae decUraram
as segointesque eacontraram sobre o rio do
lado esquerdo buracos, on leudas era numero de
Ooze, provenientes de earocos de chumbo, os quaes
pela posicao dos mesmos buracos oo feridas indica
qne peaslraram os chambos nos ras ou oairos
quaesqaer intestinos nao bavendo da parte opposta
aos nns oa outra quahjuer do corpo buraeos ou fe-
das que moslram qae o< chumbos depois de lerem
penetrado na mesma parte dos ros saturara, o qae
se conforman pelo ootidB de abatimenlo e aocia
do offeadido, o finalmente, mais cima da parle of-
fendida pelos chmeos ama enchac proveniente
de caoetada; o qoe portaoto respondom ao primei-
ro juizuo e ao segundo at/mativamenie, ao ter-
celro que foi occasionado os ferimentos por armas
de fugo, o a eochacao por ccete: ao quarto, quin-
to, sexto, stimo negativamente; ao oitavo afflrraa-
tlvamenie; novo afflrmativamente, Isto que in-
habilita por mais de 30-dias ; ao dcimo, que ava-
liam o damno causado em 1104000, e sao essas as
declaraede que em suas eonscieacias edebaixo de
Juramento prestado.
E por nada mais baver deo-se por concluido o
exame ordenado, e de todo se lavrou o presente
sato qne ra par mim escripto e rubricado peto juiz
assigoado pelo mesmo, peritos, testeraunhas o
promotor publico, comigo escrivo Manoel Joaquim
Coelh >, que o z e escrevi do qae tudo dou f
Aureliano Santiago Cardim.Antonio Jos Anto-
nes Guimares. Caetaao Joaquim da Cauba.
Pedro Ferreira.dea Santos Antonio Dias dos San-
tos.Joao da SilvaReg e Mello.Manoel Joaquim
Coelho.
Auto do corpo de delicio.
Aos 18 dias do mez de marco do anno do Nasci
ment de Nosso Senhor Jess Christo de 1866, pe-
las 16 horas da maohaa no engenho Sabeah, pre-
sentes o Dr. promotor publico, e subdelegado se-
gundo suppteou en execemo Aureliano Santiago
Cardim, cemigo escrivo da sea oargo abaixo as-
signado, e oo-pvritos notificados Antonio--Jos An-
tones Guimares e Caetano Joaquim da Cunta,
moradores em Porto Calvo, e as sestemunbas, Pe-
dro Ferreira dos Santos e Antonio Dias dos Santos,
moradores em Porto Calve, o subdelegado defiri
aos mesmos peritos o juramento dos Santos Evan-
gelhos em suas mos de bem e fielmeot desempe-
oharem a sua misso, declarando eom verdade o
que deseobnrem e encontrar em e o qae em suas
coascieocias entenderem, e eaearregou-lhes qoe
proeedessem a exame na pessoa de Albino, escra-
vo oo D. Mariana Joaquina Accioli Lins, e que res-
pondesse.ro aos qaestos segui&tes:
1*. se ba algara ferimento ou offensa physica;
2, se mortal;
3, qual o laslromeuto que occasionou;
4", se houve, ou resultou mutilago oa destrui-
do de algum membro ou orgao;
5o, so pode baver ou resaltar essa mutilaco ou
destruicao;
6, se pode haver ou resultar inhabilitacio de
membros ou orgao sem que fique elle destruido;
7, se pode haver oa resaltar algaras diformida-
de qual ella seja;
8o,%e o mal resultante do ferimeoto, on offensa
physica, prodaz graves encommodo.; de sade ;
9, se inhabilita do aervlee mais de trila dias;
10, qual o valor do damno causado.
Em coosequoocia passaram os peritos a fater os
exames o lovestgaces ordenadas o as que jnlga-
ram necessarlas, concluidas as quaes declararam o
seguinte: qae encontraran) na palpebra ao olbo es-
querdo ama eochacao, bem como do olbo direlto, e
oa testa cima do olbo esquerdo pollegada e meia
e correspondente a este am ferimento coro uma
poilegada de exieaco e que offenleu s/>mente o
couro cabellado, sem ter offeadido o osso croneano,
sendo que a eochacao dos olhos o proveniente de
offensas do ferimento, portaoto responden aos qoe-
sitos:
1, qae houve ferimento;
2*, que nao mortal;
3*, qae fot feito eom instrumento cortante, pare-
cendo-lhes qae o instrumento foi fouce pequea ;
V, qne nao boave, e nem resaltoa raatllico ou
destruicao do membro ou ergio;
5*, negativamente, isto que nao pode haver
nem resulta nesta destruicao, oh rouliiacio;
6o, 7*, 8e 9 negativamente;
10, que avaliam o damno causado em trinta mil
ris.
E sao estas as deciaraco.'S qae suas eonscieacias
e debano do juramento prestado tem a fater, e ppr
nada mais baver dea-se por conclaido o exame or-
denado, e de todo se lavrou o preseote anto que
?ai por mim, escripto e rubricado pelo juiz, e as-
signados pelos mesmos patitos, testemnnhas, o pro-
motor publico e comigo Manoel Joaqnim Coelho,
a fiz, escrevi do que todo don f. Aureliano
atiago Cardim.Caetano Joaquim da Canba.
Antonio Jos Antones Gatmaries.Pedro Ferreira
dos Santos.Antonio Qlas dos Santos.Joao da
Suva Reg e Mella -Manoel Joaquim Coelho.
sitos do modo seguinte
Em qaanto ao i* e 2 afflrmativamente.
Em qaanto ao 3* qne foi produzdo por instru-
mento contundente.
Em quanto ao 4*. 5 e 6a, negativamente.
Era quanto ao 7* qne bastara apenas cinco dias
para completo restatwocimento.
Bra quanto ao 8 que avaliam o damno causado
gnrWJOO.
B sao estas declaraeSes one em seas enunces-
elas debaixo do juramento prestado, lem a fater. B
por nada mais haver dea-se por conclaido o exa-
me ordenado, e de tudo se lavrou o prsenle auto
qae val por mim escripto e rubricado pelo subde-
legado e assigoado pelo mesmo, peritos e testemu-
nhas, comigo escrivo qae fiz e escrevi, do que tu-
do doa f.Aureliauo Santiago Cardim.Dr. Ja-
cintho Paes Pinto da Silva.Zeferuo Semiao de
Ol velra.Manoel de Almeida Nobre.Antonio
.Casimiro Bolelbo.Manoel Joaquim Coelho.
Auto de saoidade procedido no escrava Albina.
Aos 2o das do mez de marco do auno do Xas-
cimento de Nosso Senhor Jess Chris de 1866, nes-
ta villa de Porto Calvo, comarca do mesmo aome,
provincia das Alagoas, na cadeia desta villa pre-
sente o Dr. chefe de policia interino da provincia
Joio-Frenciseo Daarte e comigo escrivo de seu
cargo, testemaohas abaixo assigoadas 3 os peritos
nomeados o medree Dr. Jactntho P. Pinto d* Silva,
e Zeferioo Simio de Olveira coohecedor da mate-
ria, moradores aesta villa e tambera estando pre-
sente o Dr. promotor pobiieo -da comarca Joo da
Slha Reg e Mello, o Dr. chefe defiri aos mesmos
peritos o juramento dos Santos Evangelhos em um
livro deHes, em qoe pateram soas mos direita
sob cargo do qoal Ihes enearregoa qae fielmente o
eom verdade declarassem o qne encontrarem e en-
tenderem era suas eonscieacias e encarregoa-lhes
que proeedessem a exame nos ferimentos fofto3 na
pessoa do escravo Albino pertencente a D. Maria
na Joaquina Accioli Lins, que presente se acba, o
qne respondessem aos qaestos seguintes:
I." Se b o ferimento ou offensa physica.
tr Se mortal.
3. Qual o instrumento qne oceaslonoa.
4. Se houve oa resaltoa matHaco ou destrt-
elo de algom membro ou orgao.
6." Se pode haver ou resultar essa mutilago ou
dostraicao.
6." Se pode haver oa resaltar lohabilitseao de
membro ou orgao sem qne fique elle destruido
7.* Se pode haver oa resaltar alguraa deforrai-
dade o qual ella seja.
8. Se o mal resultante do ferimenW on offens
physica prodot grave eucomraodo de saude.
9. Se inhabilita de servieo por mais de 30
dias.
10. Emqainto avaliam o damno causado.
E passando os pontos a fazer os exames ordena-
dos e investigacoes neeessarias deelaram o se
guinte :
Qae eacontraram do alto da testa corresponden-
te ao olho esqoordo am diminuto ferimento en
principio de cicatrisaco, lendo fomente Inieressa-
da o couro cabellado, e nio obstante qoeixar-se o
doente qae soffria dores oa regio reinal, malo que
nao encontraran) ah aera symptomas geraes, oem
especiaos, qne adicasso a existencia de loflamma-
oao dos rins; e portaato respODdem ao primeiro
qne hoove ferimento, ao segando qoe nao mor-
tal, ao terceiro que foi produziJo por instrumento
contndante, ao quarto, quinto, sexto, stimo, oi-
tavo e nono negativamente, ao dcimo que avaliam
o damoo cansado em 105.
E por nada mais terem vista e qoe declarar dea
o Dr. cbsfe de policia por fiado este exame de que
se lavrou o presento auto que vai pelo mesmo Dr.
Anto de corpa deeeiicao.
Aos 37 dias do nea de marco do anno de nasci-
chefe de policia rubricada e assigoado comigo es
crivao Jos Carlos Accioli Lima qae o escrevi. tes-
temunbas o alteres Jesaioo Alves Prado, e o offlcial
de justica Cynaco Jos Barbosa, os peritos supra
declarados e o Dr. promotor publico do qae tudo
doa f.Joao Francisco Duarte Dr. Jacintbo Paes
Piolo da Silva.eferino Simio do Olveira.
Jesaino Alves Prado. Cynaco Jos Barbosa.-
Joo da Silva Raga e Mello.Jos Carlos Accioli
Lima.
Das corpos da deltctos, depoimentos das teste-
munbas e mais pegas dos autos se evidencia qae a
gravidade dos ferimeotos constantes dos mesmos
autos varia, isto oaq a mesma em todos os fe-
rimeotos.
Asaim resalta dos corpos de dilictos, qae tres
desses ferimentos sao leves oa simples, e ontro
mortal o que soBreu Joo Baptista dos Santo?, feri
meato que jpela regido em que foi feito e ja pelo
instrumento, que o occasionou, constltae uma ver-
dadera tentativa de homicidio.
De certo se a tentativa do crime na phrase do
cdigo criminal nao senao a manifestado do cri-
me por actos exteriores e principio de execuco,
que nao se realisou por motivos independemos da
vootade do deliqueote, esto ah preeoehldas as
eondicoes do direito porque evidente qae qaem
descarregou em oulrem e era regio tao delicada e
essencial na economa donimal, ora tiro teve a
mais pronunciada e firme inteoco de roatal-o,
anda mais que digo anda mesmo que tao grave
nio fosse a offensa.
Por tanto o corpa de delicio procedido em JoSo
Baptista dos Santos determinando a gravidade da
offensa, tem ao mesmo tempo determinado eom se
garanca a gravidade e qnalificaeao do delicio e
deste modo oflerecido a jusiica social garanta de
qae a puoico estar' na altara do aggravo.
Mas se assim qaanto a tal ferimeoto e a dos
offendidos Joaquim Jos de Sani'Anua, e Antonio
Manoel Lins, parece-nos qae o mesmo se nao pode
quanto as offensas do escravo Albino mas nos ex-
plicamos.
Se bem qoe seja o corpo de delicte directo a me-
Ibor prova da offensa e de sua gravidade, eom la-
do, como todos os actos do bomem elle tambem
fallivel mxima quaodo as regras a observar sao
os que fornecem uma sciencia tao hypothetica
quanto a medicina, e qoe offerece as mais das ve-
zes da apreciacao factos qae se ollastam de todos
os preceitos ensrnados pela mesma scieneis, o que
parece s devessem existencia a' mero capricho.
E' certo, como ditera no corpo de delicio e exa-
me de saoidade procedido no mesmo offeodido,
qae os peritos nSo encontraram alm do am pe-
queo ferimento no alto da testa, qoe rnenle in-
terossou o conro cabelludo, vestigios, qne deraons-
irassem qae soffreu elle qaalqaer outra offensa,
mas, parece-nos que nao obstante a ausencia os
vestigios taes, pode-sfl coartado ebegar ao conheci-
mento d'essa offensa e de sna gravidade por apre-
ciacao de outra ordera, que bem as podem demons-
trar.
A medicina tem os seas preee.io?, e certo mais
para o descobrimento da verdade aluda mesmo ne-
dominio da mesma sciencia, licito o empreo de
qaaesqaer oatros metas embora Ihes nio d ella o
baptismo, porm to sement a razio.
Por isso perguntamos, do estado de prostaco e
de levtdez do offeodido nio se podera' concluir a
existencia de offensa, que nio deixoa oatros vesti-
ios, qae nao possa ser oeeolarmente examina-
os f
Nio se peder afflrmar qne a prostrseao eletides
sao symptomas cortos de qae ha soffrimentos? a nos
qae notamos esses symptomas que se manifestaran!
depois do corpo de delicio, qae onvimos a otTeu-
dido a queixa do que soffria da regrao renal como
se acba consignado no exame de saoidade, parece
tora de davida, qae soffreu elle oatra offensa, qae
Ibe cansn grave encommodo de sartie, a menos
que se suppuoha no offeodido a maldade de se del-
xar cablr em prostraede.
Consignando aqot estas consideracoes fazeino-lo
asjafgarmes torelramente procedentes
J?iaLcl,* antora se basca no sammario. croe
SAt'^S!:?* ns-gonM-O-oen neida
unul' SS.2I?os earioe maftriaes d'fles resol-
^rHT!lle,ani l* seosfrers; raes rai-jMfea
social aaige. o,ae aeja otie puaiao oio mu o deoog-
SmiIS q^oe)a rec,aa)a at o esqoeeiraento de prin-
sa'I. ievem Predmtoar seropre que a solu-
m P^.e in,d0 ,an"W ane nraVfacto sim-
ples, anfft complexo um renes Mes que se con-
sideradnsob as rotocoes etenjs e lagar un
les e mais de um sao dmrsosb--
ii2,SLlfc2bec!Ll ". qoe ai* indiciado
tomar eofsceo ou tatos ertmmoeoa de absolota
neceosidade, porque s assln- oo peder' determi-
nar eom eqnidade o grao de crtortealidade de to-
dos, a menos que seja impoasivel cbgar 1 esta de-
termieaeao', e neste caso a re^msaMTTOaui! de-
vendo existir, portate ella a todo sqnetlea cuja
resoluco ou esforgos e trabalho unidos como se
fossem um s individuo deran ososa aos mesmos
factos, aqueiles do caja.reMrtoco, parteerpacooa
exeeocao se originaran! elles como censequencia
necessaria.
E* por isso qae nao obstante terem naseieo to-
dos os factos -mencionados no sammario de doas
grapos os individuos desuncios, qoe se besuusa-
ram e mutuamente se ferlram, fiada grupo so-
mente responsavel pelas offensas, que soffreram
individuos do grupo advaiso, porque (repetinod o
pensamenl", mudaodo-lhea forma),.sean nnico
agente responsavel somante pelos factos que nao
existiran! sem a soa resoluco e aeco, a priacl-
pio .nada perde de sua prudencia e applicacao
quando sao moitos-os rejponsaver; aroda que em
diilereuies graos, e diverses os factos criminase:
E o contrario seria o mesmo qoe punir o paci-
ente por saa proprfa offens.
Coosegintomeoie acuelles den indiciado qne
reunirara cada um desses grupos, que os prerau-
nirara cora instrumentos necessanos perpetra-
cao de crime, etc.
Sao respoosaves como autores mondantes dos
enraes perpetrados contra individuos dd grupo
adverso e como mandatarios, ou execntores, aqael-
les que os levaram a effeltos, e como cmplices
Muelles qne nao estando InetoWo enrrrmilqoer
dessas classiflcacSes, coneorreiam ccniudo, drrec-
taraeute para o msraoscrtnos.
E isto qae se appirea a um gropo sr apptlca
laaibem ao oatro, e dahi se s qae ha cofre os
dous grupos autores naadaotas, mandatarios, cam-
pices e offendidos.
Ora do suramapio resulU cora a mxima evi-
dencia que Hermogeoes Duarte Lopes de Vasconcel-
los foi quem reuni am dos grupos, toroeceu-lhe
os meios de aeco e o conduzio ao logar do con-
flicto oa assuada, que Antonio da Rucba Accioli
Wanderley, e Stdiasuo Accioli da Rocha Wan-
derley, foram quem o mesmo fiteram relativa-
men.e.ao OQ,r<>j;fupo; qae Florencio de tal co-
nbecido por Flor foi qoem dea o liro em Joio
Baptista dos Santos, qoe o eseravo Albino e Fer-
mmiano de tal foram qoem feriran a Antonio
uioga, nao bavendo meoco nominativa de quaes
oa Indiciados qae executtrara os oatros ferimentos
bem como resulta tambem, que cinco sao os indi-
viduos do grupo de Hermogeae ferMos, e tres do
outro grupo.
Avista pois, destas considrateos figeiras qae
ah daixamos escripia?, somos do parecer, que
guardadas as propoeges de diraito davem ser pro-
nunciados o reo H*rmogenes Duarte Lopes de
Vasconcellos e todos os mais indiciados qae o
acompanharam nos arts. 205 e 201 do cdigo cri-
minal. "^
Os reas Antonio da Bocha Accioli Wanderley o
Sebastio Accioli da Bocha Wanderley o Froren-
ek de tal conhecido por -Flor nos arts. 193-
o 34 combinados e mais os primeiro nos arts.
205 e 201, e o ultimo tambem dos mesmos arts.
Combiaados, porem, eom o arU 35 todos do ci-
tado cdigo ; o escravo Albino a Frmono de tal
no art. 201, e mais nos arts. 103, combiritdos eom
o art. 34 e no art. 205.
Combinados porm cora o ar-t. 35 de Je' citada
eodigo os ultimo arto, o lodos o mais indiciadoo
qae acompanharam a Antonio da Rocha, e Sebas-
nao nos arts. 193 combinados eom o art 34, 205 o
201 do ja mencionado cdigo, combinados porem
todos os arts. cora o art. 35 do mesmo cdigo.
Villa de Porto Calvo 31 da marco de 1866.
Joo da Silva Reg e Mello.
Visto os autos, pronuncio cem ocursos e eom-
prehendidos ao art. 205 do cdigo criminal os se-
guintes individuos : Hermogenes Duarte Lo-
pes do Vascoucello reo preso, Antonio Francisco,
conhecido por Antonio Binga ; Berlho de tal, An-
tonio Ferreira, conhecido por Aatonio Faco, meslre
do assucar, reo- preso; Jos Hado, Joaquim Flecha,
Joo Baptista dos Santos, Joaquim Jos de Santa
Anna, conhecido por Joaqnim Raeozo, Jos Bal-
do i no, Aatonio Paes, Joo Braz, Manoel Cabr,
Pedro Cabocuio, Aotonio Bode o Domingos filho
do referido Antonio Paes : a todos obrigo a pri-
sao o iivrameato, devendo ser laucados o seus
nonios no rol de culpados o quaato antes presos
os que anda o nao loram: reoommendo os que se
aelum presos.
Como ocursos nos arts. 193 o 34, combinados
do mesmo cdigo pronuncio nais os reos presos
Antonio da Bocha Accioli Wanderley, Sebastio da
Rocha Accioli Wanderley e o leo ausente Froren-
clo.
Este tres ltimos reos anda no art. 205 com-
binado eom o 35 do mesmo cdigo.
Os roes presos Albino escravo, e o ausente Fer-
miao julgo comprebendidos as disposicoes dos
referidos arts. 193 combinado eom o 34, e do art
205, combinadas, porem as mesmas disposicoes
cem a de art. 35 do ja' citado cdigo; e compro-
bendidos finalmente, licam do art. 193 em rombi-
naco con e 34, no art. 205, combinados, anda,
porem todos estes arts. eom o 35 de predto c-
digo ; os seguimos reos Tbemotbeo, Joo
Vleira, conhecido por Joo Viado, Antonio Manoel
Lins reo preso, Jos Mario, Manoel Oleiro, Bene-
dicto, Jos do Boaveotura, reo preso, Antonio
Pacheco, filbo de Agostinho ; Agostinho, pai ; An-
tonio, Gibo de TbemotBeo ; Satyrio, Joo da Se-
nhorinha, Manoel da Velha, Joio Costa Alegre,
qae outra alcnnha tem i Manoel genro do Agosti-
nho ; Pedro irmo de Benedicto ; Jas do Lima,
irmo do escravo Albino; Henriques Olho de An-
tonio Manoel Lins -, Manoel da Flor, Jos, purga-
dor morador em Forrieosa -, Bernardo, filbo de
Carlos Borgei, morador en Pripin ; Luiz, irmo
do mesmo Bernardo; e os escravo Joaqun, Vi-
cente, Estevio, Francisco, Felfppe o Jos.
A todos os reos qoe formara este ultimo grupo
obrigo igualmente a prisao o iivramento o mando
qae sejam os seas nomos laucados no rol dos cul-
pados e recomraeodo os que se aebam presos.
Condemno a todos os reos ocluidos na presente
pronuncia a satisfaco das castas deste proeesso
repirtidamente.
Cumpra o escrfrro o sea regiment : e o pnWico
em mo.
Macei 5 de abril de 1866. Joio Francisco
Daarte.
E mals se nio continua em dito ofTL.o,coros de
delictos, aoto de sanidade, promocao e pronuncia,
aqu dado por certido alem do qne dito nea, a
oajos origioaes me reporte, e vaina verdade sem
cousa qne davida faca, qoe na escrever, sneserevi
e assinnei, oesla villa de Porto Carra, en neo
cartorio aos desessei das do mez de junho de
1866. Ea Jos Carlos Accioli Llmi escrfvSo que
snbscrevt eassignei.
O escrivo. ,
Jos Corles AccioH Lima.
(Esta sollado o reeeabecido)
(Do Diario do Alagos}.
raen do Nosso Sonaor Jess "Cbristo de 1860 pe- j ^XZL K22?!l22?d!!!i6 J ZO.
las duas horas da tarde, neste villa de Porto Calvo, T terasses da Jusuca poWiea que porem
comarca do i_________^ ____'--- "" *-- *rr- de anreciacao sem-devia! iBreti
- erro de apreciago semdanda seffrertm; e tanto
la a saMeletada VtmnSmZ m*s 1ue nosso parecer qninto a pronuncia do
saoseiegiua z snppMato r4(1 u,..,,,,,,, rw...ta rnc v**t,*i>ii** .
em enercioiaroetdade Aoreliaoo Santiago Cardim,
eomne escrivo do son eargo abaiao aosignade, o
es peritos ratificados Dr.Jaeiaiho Paos Pinto da
Silva e Zeferioo Semio de Olveira, ambos ora
L1 S^a'*l^Jl?SrJ?!^!S0 ir *rw aon* v e ao tootemnoboe Manoel do
montare on orgao, sea qne Han eU doetroiae
7. Sa pode ha ver on resallar algamas dosfemi-
dados ovonat sa sefa;
8.a Seo mal resallante do ferimento ou offensa
ptiisica produz grave lacommodo de saude;
9. S& aoabJlita de servido por mais de 30
10. Qaal o valor do damno causado.
Em cooseqaeocla passaram os peritos a fazer os
exames e investigacoes ordenadas, o* as ene jotga-
rara neeessarias, concluidas as qaaes deelararam o
seguinte*.
Qoe eacontraram nacaboea do lado esquerdo a
do lodo dtreilo dous tainos, sondo o primeiro cem
quatro. poMogada do exteuso, e o egundo eom
pollegada-o meia de extensio, toado soraenlesof-
fndo a offensa o couro cabelludo-, sem que baja
quebranento d'osoo craneano, e nem da maasa en-
eephalica, e finaluMote una contuso napa'es-
querdo eom dono poiiegadae de extensio e ama de
largara, o oatra conlaao do anto braco dlreito
eom ama pollegada de largara, e qae portanto res-
AlmeMalMobree Aatoaio Casimiro Boteloo, tam-
bem moradores na mesma villa ; aos deas pri
reo Hermogenres Duarte Lopes de VaseeoecHes e
dos que acompanharam no nio asseniara s**eo
neHas: prese-t pois o digno jo* processaute e
dcrta. '
Alera dos olfeodelos de que Otemos menco ha
nais quatro ofendidos como se nostra dos depoi-
mentos das teslemunbas o iuterrogatorios sendo
res defiri o dito wbdoseando o joaanoata dos que as offeosas de tres sao Uves ou simples e gra-
santes Evaageinosv de bere o fisimMte desempe- i ves a do nitmo.
abaren asnaomsm declarando eom- verdaoe e i Na verdade pela desenpeao das offensas soffridas
ene deocobriren o eaeootraron, o nearregoo- Ibes por Aatonio Paos, e que resalla dos autos, se co-
aneprocedeseeno eianeena Aatonio de taleoaUo- nhece o eremos qae sera maior esforco que ama
Ledo t Antonio Nene, e que rospondessem os qua- d'essas c densas gravo, porque tendo sido grave
sitoesenuinle :
i\ se Antele Nene, toa sigua feriaeato.
2, oo o nesno lem alws signaos do offensas.
3*, se este signal oa offensa fra occasionado, ou
fra/oo por atgnon.
4*, se o dito ferimento sao em partes mor tao.
3, se podo resaltar norte.
6, no. caso de qoe nao seja mortal se pode Qcar
aleijado do algum membro do corpo.
7, que dias precisi. o oflendido para ficar bom.
8% qual o valor do damno causado.
Em coBsequoncia passaram os peritos a fazerem
o exame e investgaos ordenadas, o as qae jal-
garam neeessarias e concluidas, at qaaes declara-
mente offeadido o msculo a qae vulgarmente se
Colisas le flaca tro):
Os fmparefee munidos de cHaves e parafesos
rjnerem por forea abrtrem n cacbola do pobHco e
embelr-lhe a Eugenia eorm dama dramtica e
pedem ao Coimbra <^ue Iho dd a Jtarottwe do Ro-
manee afira de que ella mostr qne forte nesto
genero fl
Fas d u%ta miseria 11
E o qae fex a Sra. Eugenia as empreza pausa-
das qaaodo reerosentettA mea no M a Pim-
cao n a FiOm de Lavraior ft Rtfsmtio tl-e tan-
tos outros da torea oestes que s ara seria sMB-
etente para fazer a reputaco de qualqneraswfcff.
Pois s afora que rbe cbeeonaveialT....
Fa noto tanta parvaiheta-a 1....
E por que esses Srs. nao vi directamente ao
Sr. Coimbra faesr-rae senelbana podido T para
qne gastar drabeiro eom pergnotae petos.jjBrnaes,
chama lrgalo bem pe ser qae o tenha sido tim- ** 1aaes Sr. Coimbra, cavolnie
bem a articolaco scapulo humesal .que de todas
as articulacoes a qne permute os movlmentos mais
extensos e a qual nenhum morimento estranbo,
sendo que a offensa em paite tal da economa ani-
mal sempr de difffcil cara e inhabilita do serv-
$o por muito lempo.
Se nao pois a mesma gravidade de todas as
offensas, ser* pern, a mesma responsabilidade le-
gal de lodos os laclados ?
i se
recusarla de reseoBder de viva vos oo netboatro
oa em soa residencia ft.-
Em flm esperemos..
Teu do i
Alie oo e/e i


i

, i
Accommedde de cataratas achoi-me on oseado
do nao ver consa algoma, gracaa porm ao dis-
tinelo medico operador o Illm. Sr. Dr. Francisco
Serao elles criminosos jasramente na mesara pro- Pires Macaadb Pbtieln astea boje llvre desso in-
porjao T a solaco pela negativa nao pareee duvl- eommodo quemo flagelan. O qne pordn nais
dosa, e nem gao seja a mala racional e justa. realce o acto do Sr. Dr. Portella, o desinters*


-<~v
0Url de rerafn ferea fefr* f 7 ate dfiiTh aTe 866.
I
+
.

qae moslrou em raen tntamento. Bildode recur-1 mente ao presidente e directores da Ciixa Filf.il
sos pecuniaros, eu nao o pjdu remunerar d;vi- do Banco do Brasil, ou a seos ctanlas procura
damente, mas esse senhor mi oonieotou can a pa-
ga do pobre, isto com a gratiJlj e o reeonheci-
mento. Assim, a venho ante o publico narrar
este faoto tata que o aome do earideso liho de
Hypocratesse torae ;>inda rnais couhecido, eerto de
qae, para eom elle ne tornara perpetuo em meo
carta fechada ca secretaria da menino carp,
da 14 4o correlo, as 10 botas do da.
yo alfares sajretario,
M 'aMaooelJpriideSiqueira
dores e a*, safltores n.tc<-.'iiaafi*s das-li-toes por
carta de gar o sabido, o que o supplicaote justilloara' 'se h
U preuso : pede a V. S. tWerimeotp-Dr. Je- Sailta COSa Q& M.lSeriCOl'Qia
quina Jos de Campos.
no
peilo o mais elevado agraecimeoto de qae me guinte : Sim.
E nesta petico dei o despacho do theor i<-
confe8to posstHdo. Recife H de julho de 1863.
Mawelios de fifia (Mmoes.
Paoiilhaa Yerna Muga* de Metnp.
Crianzas atormsntadas por vermes podem
Recite, 26 de abril de 1S66.Alencir Arvipe.
E sendo feita a distribuicio ao escrivo deste
meu juno Manoel de Garvalho Kaes de Andrade,
o respectivo escrivo interino lavrou o protesto e-
gulale :
Protesto.Recife, em meu cartorio comparecen
Ser atviadas- COiB uma 80 dse de paslilaS o Dr. Joaquim Jos de Camnos.e peranle mim e as
vermfugas de Kemp. que slo incitantes me !^manhas mira assigoadaa disse que reduzia a
appareria. e delicia demai. no seugos- Seoi^o"^
to para serem rugeitadas. Estas pastiHias que depois de lido assigooo com as indicadas tes-
820 rauilo procuradas por qaatro motivos: temnnhas.
Bio conlm minwaes; nao precisan depois .J*u Maaoel silv'D da Barro* Faicio, escrivo in-
causar dr; as criancas esto promptas a da Goal* Bastos.
tomar maior dse do qae a marcada na re- Depois do que o mesmo snpplicante me dirigi
ceita. NetmumamIiqaej4astenha8expe-1>Pf''^odVt^r,yoiote: .
rimentado ama vez quer outro varmifugo^^^A^IS^^^Z
Da Sna casa. meio de protesto, oo cartorio do Sr. Paes de An-
A' venda por todos OS primeiros droguis- drade, a presenpgao de dnas letras de Ierra, sae-
tas no imperio, e em Pernamboco por Caors S8*8?0 *roteia nao se ilota podido iotimar a
dous dos devedores Antonio Ciaudino Alfas Go-
mes e Joo Mauricio Wanderley, que si acham
ausentes em lugar nao sabido, como o supplicante
fez ver em sua petico de protesto, nestas cirenms-
tancias requer o snpplicante que V. S. o admita a
justificar a ausencia de-tts dous devedores, para
seren elles Intimados por carta de altos a for-
ma da lei. Aisim pede Y V. S. defertaeoto-Dr.
A Barbosa e J. da C. Bravo & C.
.i i i
A jurubeba.
(SOLANMPANISULALUM DE LY.tlO)
Muiio renaotaaaente coohecida no Brasil, desde
antes mesmo de Pisn descrever as suas virtudes
tberapeutieas na obraMisiona naturahs et med- Joaqmm Jos de Campos.
ca lwtiae Oceidentalts, nao o menos oas Antilhas,
aende o sueco das folbas e fruetas applicado ven-
tajosamente oas obstrnccSes do baco e do ligado.
Em Pernambnco medicamento de nma popu-
landade Inmensa, ensaiado desde lempos immemo-
riaes, e das virtudes experimentadas a reconhe-
eldas pelo pc'vo em difiranles eofermidades, como
as obstrncedes do abdooem. febres iniermittentes,
cttharrbo vesical, anemia, etc., que o nosso moito
hbil eollega, o Sr. Joaquim de Almeida Pinto, all
estabelecido, procurou tirar todo o partido, repa-
rando com a planta xarope, vinbo, tintura, oleo, ex-
tracto, pilla;, pomada e emplastro.
Aos mdicos, amigos das descocerlas therapeuti-
cas, proporcionamos-I bes uma occasio deexperi-
meotar mais orna substancia medicinal anda nao
applicada no Rio de Janeiro.
Faltara, verade, a asas preparares o nome
da uta pbarmaeentico ioglez, francer, italiano, em-
fim, estrangeiro, que as lomera recommeodaveis,
mas,.esperamos que os mdicos peequisadores das
preciosidades medicinaos do paiz e que ad mi tem
L nesta petico dei o despacho segalnte : Jasti-
fique na pnmeira audiencia.
Recife, 14 de maio de 1866. Alencar Ararine.
Depois do qae prednttndo o sopplicasrte soas
testemuohas que depozeram convenientemente
acerca da ansencia dos supplicados, o respectivo
escrivo fazendo sellar a preparar os autos me os
fes conclusos, e nos quaes dei a seotenaa ae-
guinte : **i
Hei por justificada a ausencia e assim mando,
qae os justificados ausentes seja citados por edi-
to* de 30 triota das para a fim requerido a (oltai
duas.
Recife, i dejunho de 1866.Tristo da Alen-
car Ararme.
Depois do que o respectivo escrivo em obser-
vancia de dita mmba senten(a fez pa.-sar o presen-
te, pelo qaal e seu theor chamo, cito e hei por ci-
tados os referidos supplicados, para qae dentro de
30 das comparecam ante este juizo por si ou por
seos procaradores allegando e provaodo o que for
a bem de seo direito a jastica seb pena de revalia.
qae hajam pharmaceutlcos brasileiros habis e es- [ Porlanlo toda e qualqaer pessoa prente, amigo ou
cropalosos, qaeiram ajodar aqoelle nosso collega e coahecido dos ditos supplicados, poder-lhes-ho
anima-lo no goio emprebendedor a laborioso qae
tem.
Na nossa pharmacia, a roa do Estaeio de S n.
72, encootrarao todas as prepararles da jorabeba.
Opbarmaceutico, Miguel daCo.ta Donrado.
(Do Jornal do Commereio.)
COMMERCIO
fazer sciente de todo o expendido.
E pare que ebegue ao coctieclmeoto de todos
maodei passar o presente que sera publicado pela
imprensa e aullado nos logares do costume.
Dado e passado nesta cidade do Recife de Per-
nembnco, aos 14 de janho de 1866.
Eu Manoel Silvioo de Barros Palcio, escrivo
interino o subscrevi.
Tristo de Alencar Araripe.
O Dr. Tristo de~Alencar Araripe, ofOcial da im-
perial ordem da Rosa, juiz de direiio espe-
cial do commereio, desta cidade de Recife de
Pernambuco seo termo, par sua mageelade impe-
rial e constitucional o Sr. D. Pedro II, a qaem
Deus guarde ele.
. Pago saber aos que e presaste edUal virem e
delle noticia tiverem, que por este jaizo especial do
commereio pendem uns autos de eiecucao de sen-
A cana desconu os saques de eo aceite e as \ ln?a de M,8,1'?, "*?*_* ^ mira o admiolatrador
letras do thesouro pela taxi de 6 0/0 ao aaon, a da'oassa faRi^^dna d^^,^i^^'2;
saca sobre a caixa filial na Bahia. E lendo-se fe.io Pintara eoidtataain*P*^e
____ ao executado, fora pelo solicitador itiraaln 9M
1 do Banca do Brasil mParnambne.: S0Ts%in^tr^T**e*, WlD0,*,a"
Aos 18 de junbo de 1886, a pnbiica audiencia
De ordem da directora se faz sciente aos senho aae aos feitos e partedavao Dr. joti de direito
res accionistas que o thesoureiro est autorisad ^peoiai 0 commereio Tristo de Alenear Araripe,
*'ovo banco de Pernnrubneo
O novo banco descanta letras do commereio a
lo 0|0 ao aono, e as do thesouro nacional e do
banco do Brasil sobre a calxa filial a 8 0|0
Caixa filial de banca do Brasil em per-
nambuco 13 dejuluo de 1866
a pagar o 23 dividendo das accoes desta caixa a
razo de 10$.
O guarda-livros
Ignacio Nuies Gorreia.
ALPANDEGA.
Rendimento do dia 1 a 14...... 333:8884276
dem
nella pelo solicitador Antonio Pinto de Barros, pro
curador dos xeqaentes, fora acensada a aeonpra
feita em diobeiro pertencente ao eiecutdo a ad-
miui-trador da massa fallida de Joo Baptista Goo-
calves Bastos, e requerea que ficassem assignados
os seis das da lei a penhora feita em diabeiro, e
10 ios credores loceras, e qae se passasse man-
do da 16............... 27:970*990 dad0 de reraoco do dinheiro penhorado para o de-
361:8571272
MOV1MENTO DA ALFANDEttA
Volames entrados com fazendas...
com gneros....
Volames sabidos cem (ar-endas...
com geoeros....
113
478
------591
178
361
------542
Descarregam hoje 16 de julho.
Barca franceza Mauriceen resto de mercado
ras.
Encana diaamarquezaPetr & Laurttgplvora.^
Brigue Mecklembargaez Henrick Gerrgefarinha
de trigo.
Brigue bolda m bargaei-Brffto diversos g-
neros.
Patacho nacionalCardiacharque.
Brigue portagazLuzilano dem.
KBGEBEDORIA DE RENDAS INTERNAS GE-
RAES DE PERNAMBUCO
Rendimento do dia 1 a 14......
dem do dia 16...............
20:0541213
9161774
20:9701987
CONSULADO PROVINCIAL
Rendimento do da 1
Id?ra do d+4,. t6___
a 14.
68:6951537
2:8691129
71:5641666
WOYIMENTJ DO POETO
Navio tahido no da 15.
Porto-Alegrepatacho brasileiro Uonteiro II, capi-
lo Manoel de Barros CoatiDho, carga assocar.
Navios entrados no dia 16.
Lisboa34 dias, patacho porloguez Jos, de 162 to-
neladas, capito Fernando Pereira, eqoipagem
10, carga viobos e outros gneros ; a Joaquim
Jos Goncalves Beltrao.
Bahia3 dias, barca logleza Ftooteng Cloui, de 456
tonelada, capito C, Towell, equipagem 13, em
lastro ; a Joaoslon Pater & C.
Boston por S. Tnomaz e Barbados31 dias do pri-
mero porto e 13 do segund >, vapor americano
Cherokec, de 575 toneladas, capito Samuel Ken-
nedy, equipagem 33, em lastro; a ordem.
navios saludos no mesmo dia.
Aracaj e partos intermedios vapor brasileiro
Mamanguapt, commandante Belmiro Baptista de
Souza, carga varios gneros.
Cdizbngue italiane Adele, capito Semone Sebe-
affene, em lastro.
psito publico ; o qu* ouvido pelo jou, hoave a pe-
nhora por feita e aecusada, eos sais dias da lei por
assignados, e tambem os 10 dias aos credores fa-
cerlos e a remoco por concedida para o iepoeilo
pablico, depois de mandar apregoar pelo portelro
dos auditorios qae o fez na forma do estylo, a qne
comparecen o solicitador Leopoldo Ferreira Mar-
lias Ribeiro, por parte do dito executado pedio vis
ta, o que foi pelo juiz concedida, |do que tu o pre-
sente, extrahido do protocollo das audiencias a qae
juatei o mandado e termo de penhora e procora-
co bastante por copia qae segaem.
Eu Secandiao Eleodoro da Cuota, escrevente ju-
ramentado escrevi.
Eu Manoel Mara Rodrigues do Nascimento, es-
crivo, o subscrevi. Por forca do meu despacho o
escrivo fez passar o presante, pelo qaal chamo,
cito e tai por intimado es credores incertos do di-
to executado, para qae comparecam ueste jaizo
dentro do indicado praso, am de allegaren: o qae
for de jastica.
E para qae ebegae ao corhecimento de todos,
mandei passar o presente edital, qae ser publi-
cado pela imprensa, e afflxado oos lugares do
costume.
.Recife, 22 de julho de 1866.
Eu Manuel Mara Rodrigues do Nascimento, es-
crivo, o subscrevi
-_______ Tristo de Alencar Araripe.
Pela inspeccao da alfaodega se faz publico
que em virtud- da portara da ibesouraria de fa-
zenda n. 95 de honlem datada, se ha de arrematar
em prea publica, porta desta repartico, oo da
18 do crrente, a 1 hora da tarde, a barca de vi-
ga qae servia de 2 posto fiscal, bem cerno a res-
pectiva corrate e ferro, ficando dependente da
presidencia da provincia a approvaco.
E para constar se paisa o presente.
4a seccio da altandega de Pernambuco 13 de
jalho de 1866.O 4 escriturario,
J. de A. Pereira Rocha.
if
do Eecife,
A Illm." junta administrativa da Santa Casa 3e
Misericordia 4o Recife manda fazer publico qoa
no dia 19 de julho pelas 4 boras da tarde oa amia
desuas sessSes lera de tr i praca a renda das ca-
las abaixo mencionadas portempo de um a tres
asnee.
Os pretendentes deveo comparecer acompanha.
dos de seos fiadores oo mooidoj de artas destes
EsUbelecimentes de caridade.
Roa Direlta.
N. 8 sobrado de 2 andares .... 1:0071000
Roa do Padre Florlano.
N. 57 casa terrea......50*000
Roa do Fagondes. ___
N. 38 casa terrea...... i55#0O0
Traveasa de S. Jos.
N. 13 casa terrea.......1831000
N. 14 5 casa terrea......16.W00
Ra das Calcadas.
N. 36 casa terrea.......1761000
N. 38 casa terrea.......1571000
Roa da Vraco.
casa terrea.......2841000
dem........180*000
Roa larga do Rosario.
N. 24 segando andar......300000
Ra da Moeda.
N. sobrado de 3 andares.....480*000
Becco do Quiabo.
U. 8 idam, casa farrea .... 141*000
Itoa Glo. mM
M. 55 dem, cata terrea.....144*000
Ra io EacaniaDaento.
N. 3 idem, sobrado......400*000
Ra do Apollo.
N. 24sobrado de 1 andares. 1:400*000
Roa de S. Bom Jess das Crioulas.
N. 8 casa terrea.......131*000
Patrimonio fe arpias.
na do Rango!.
Casa terrea o. 56.......300*000
loa do Vigario.
O i." andar do sobrado n. 27 180*000
s. Goamlo.
Casa terrea n. K.......189*000
Ra dos Bargos.
Casa terrea a. 10........ 191*000,
Senzala Vetta.
Ga^a terrea n. 18.......200*0001
Ra da Guia.
Idemn. .........144*000,
Roa do Pilar.
Casa terrea n. 105.......168*000 <
dem n, 103 idem.......2009000'
dem n. 99 idem.......915*000
dem n. 04 idem.......1001080
Idemn. 5 no Fono da Cal. \ 180*003,
Secretaria da Santa Gasa da Misericordia do
Recife 6 de julho de 1856.
O escrivo interino,
Pedro Rodrigues de Souza.
EDITAES
DECLARaCOES
O Dr Tristo de Alenear Araripe, offlcal da impe-
rial ordem da Rosa, e juiz de direito especial do
commereio desta cidade do Recife e capital da
provincia de Peroambuco por soa magostada im-
perial e constilocioaal o Sr. Pedro II, a qaem
Deus guarde, etc.
Faco saber pelo presente que o Or. Joaqaim Jo-
s de Campos aaa dirigi a petico do theor se-
guate :
Illm. r.Dr. juiz do commereio.Diz Joaquim Jo-
s de Campos, que sendo credor de duas letras de
ierra sacadas por Machase & Soaza,a primeira em
36 de oatubro de 1860, da quaoUa de 461*060 a 6
mezes da prazo, aceita por Antonio Claudiaoo Alves
Gomes, iodossadas pelos saccadoros e pelo vis-
conde de Suassuna, e novamente pelos saccadores
asegwwla em 30do mesmo mez de ontnbro e an-
bo de tti, da quaatU de 8:094*010 rs* a seis
mezes e prazo, aceita por Anioilo Glaudiano Al-
Tes Gomes, da masma surte endossadas pelas mes-
mas firma?, da antecedente que do aceite de Joo
Maencio Wandartey, e oo de Alves Gomes, co-
mo por eauivoee, M disse cima, antas as quae*
leu-aa uaio ido deaoostadas na Caita Filial do
Banco do Bistl nesta provincia, tora .pagas nos
dias de seos venclmeutos pelo visconde de Suas-
suoa, d.) >|Bimo wpplieante as hoove, por tran-
sao(io, e pois que no dia 27 do crranle, termina
o raza de orneo anuos para a proserief o da mais
amiga, quer o supplicante interrompar a presenp-
cao de amb.s, para o qae vem reqoerer aV. S.,
que fc igne mandar tomar por tero o sen pro-
testo, abm de ser devidamente inlimado pessoal-
No dia terca-feira 17 do corrente, depois da
audiencia do Illm. Sr. Dr. juiz dos orpbes desta
termo da cidade do Recife, ser vendido por arre-
matado ante o mesmo Sr. jniz, a quera maior
anco offerecer, o sobrado de dous andares e sto
n. 4 ra Nova desta mesma cidade, o qaal tem
35 palmos de frente e 100 de fondo, cosiuba interna
em cada andar, grande quintal murado com dous
porloes para a ra das Flores, cacimba propria
a dous telheiros, e em chaos forelros, avallado
por 14:000*000 de res, por precisar de reparos.
BOBONi TWffj *nn ^mpoctowv iit i tj tro
qaaesquer despezas para os consenhores do pre-
dio, Inclostva do siaa por inteiro, as quaes ti-
dal corraro por canta do arrematante, porque foi
aatorisad a reatierianaotc da totola, dos referi-
dos consenhores, Albos do finado Hemeterio Ma-
ciel da Silva.
Pela subdelegacia do Peres foi mandado re-
coiher casa de delencSo o moleque de fdade 19
aones, qu diz ehamar-se Cosme Damiio, e ser es-
cravo de Jos Pereira Viaona, qne mora em Santo
Amaro, e qae estove fagido da casa de seo senhor:
quera ao mesmo tiver direito compareca munido
da seas documento?, qae' provaodo. Ihe sera eo-
trigoe.
Sabdelegacla do Peres 10 de julho de 1866.
O subdelogado,
Aleandrioo Martios Crrela Barros.
A casa de detenco acha-se recolhido preso
por fgido Mttheus, qae diz ser esoravo de um
Sr. Zezioho, resldeote em Bom Jardn : quem
pois, se julgar com direito o mesmo eseravo, pro
vanile, wi-Hwlia latreyg'.
Subdelegacia de polica do 1 disiricto ida fre-
guezia da Boa-Viste 12 de julho de 1866.
O subdelegado
Deoi de Aquino Fonseca.
Rio de Janeiro
Segu com a possivel brevidade 0 brigue
nacional MONDEGO : quem nelle pretender
carregat qneira dirigr-se ao seu consigna-
tario Franeiseo Ribeiro Pinto Guimaries,
ra do Apollo armazem n. 38.
Para Lfcboa.
A barca portogaeza GrattdSo a sahir coro-toda
brevidade por wr promplo auas todo e sea carre-
gamonio; para o resto que Ihe falta, e passageiros,
para es quaes offereee boas accommoda{oes,.tra-
ta-se com Manoel Ignacio de Olivelra & Plbo
largo do Corpo-Santo n. 19 escrlprorio, ou
Praga com o capillo.
Para o Porto.
Seguir' com brevidade a bem coohecida e mu
velera barca Claudina, por ter parte do seu carra-
gamento engajado: para o resto e passageiros, aos
quaes offereee excedentes cummodos, trata-se com
Cooba Irmos & C, a' roa da Madre de Daos o. 3,
eu com o capito a bordo.
-------------------------__________________-. i i
Eio de Janeiro.
O brigue nac mal Beluario, qae ja' tem mais de
metade da carga prompta para o Mo de Janeiro,
segu com brevidade : os que nelle qaizere n car-
regar queiram entenderse com os consignatarios
Marques, Barros & C, largo do Carpo Santo a. 6,
segundo andar, oa com o respectivo capito na
praca. ^___
Para o Porto por Lisboa a veleya e superior
barca .porlugueza Ermelinda pretende sabir para
os indicados portos com multa brevidade por ter a
maior parte de seo earregameoto tratado, e para o
qoe Ihe falta, trata-se com o consignatario Joaquim
Jos Goncalves Beltrao, oa roa do Vigario n. 17.
Rio de Janeiro
Nestes quinte dias seguir para o Rio de Janeiro
o patacho nacional Esmeralda, tem a maior par-
te da carga prompta : para o resto qae Ihe falta
tratase na roa do Brom o. 66, arnazem de David
Ferreira Bailar, oo eom o capito do referido
oavio.____________________________________
O patacho nacional SOL, segu cora brevida-
de para o Rio Grande do Sul, recebe carga a (rete
para o que tratase n escriptorio de Amorim Ir-
mos ra da Cruz o. 3 oo eom o capillo Maooel
Ksteves Lopes.
perfeiw estado em que se acham, como por serem
; madama: de aomfosto.
A s 10 horas parra" d praca do commereio om
omDlboi para transpone (gratis) dos oocorren-
1 tes ao referido leilao
| I 1 II, Hl
De terrenos de marinha
Um terreno foreiro a marinha sob n. um C.,ailo '
no Forte do Mattos eom 38 3i5 palmos de frente e ''
237 de fondo. |
Um dito sob' n. 235 com 70 bracas de frente do I
lado dd mar grnde, 70 i|2 brac s do lado oposto '
na continuado do caes do Ramo, 132 de fundo
ao norte e 120 ao sol.
Um dito dito sob n. 237 ao lado do sul da ra
Imperial, confrontando a orna caraboa na fregu-
zia de S. Jos, com 20 bracas de frente a 106 de
fundo.
Um dito dito oo caes do Capibaribe, beneficiado
eom caes e aterro, com 20 palmos de irente e
285 de fundo.
Um dito dito alagado na estrada de Motecolomb ,
sob n. 19, com 15 bracas de freple e 60 de fundo.
Um dito dita tambam alagado na mesma estra-
da sob n. 20 A, eom 40 bracas de frente e 60 de
fondo.
Um dito proprio no largo da matriz do Poco da
Panilla, com 24 palmos de frente e 42 1|2 de
fundo.
O agenta Martios tara leito a requerimento de
D. Maria Tbeodora da'Costa Alves Ferreira e por
mandado do Illm. Sr. Dr. juiz de orpnos dos ter-
reos aeima parte dos bens deixados pelo falleei-
menlo do Dr. Jos Mamede Aires Ferreira.
Quinla-feira 20 do correte.
Erasen escriptorio a roa-d Cadela o. 9, primal-
ro andar, as II horas.
LEUDES.
LEILAO
Do importante predio qoe foi fundico de Mis-
quita & Dutra, dividido em 3 grandes armazem,
com duas frentes uma para o cats do Apollo e ou-
tra para a aaa do Bram, e um terreno junto ao
djto predio com 60 pilrais de frente e cerca de
300 de fuado tudo foreiro a marinha.
O agente Mauras fara' leilao por aaterisago do
Nevo Banco de Pernambuco como liquidatorio da
massa fallida de Mesquita & Uutra, do predio e
terreno aeima
Segunda-feira i3 do correte.
O leilao tera' logar em dito predio a roa do
Brom n. 84, ao maio dia.
HH-
CASA DA F0IT1U
Aos 6:00$00.
auihetea garaoitJiWa.
A'ftUADCRt3P0R. 21 E CASAS D OfSTCMB
OabataoassigaadovoBdeBOOsieaa afitofli-
tes bilhetes garantidosfl* I se aeabou
do extrahir, a benattejaj Niiaifias dos volunta-
rios a patria, os sefjfl ^^^teos :
N. 3733 tres quioto eofli a sirte d> 6:0009.
N. l2 bilbele ioteiro eom a sorie de 500*.
B oorras muitas sortee de 1U0A, 40*, e 20*.
Oipossuidores poden vir receber seos respec-
tivos premios sernos desenlos das leisnacasa
da Fortuna i roa de Crespo a. 23.
Acaam-se a venda os da 20* parte da lotera
(72a) beneficio das familias dos voluntarios da
pateta, qae se extrbira' lerea feira 17 do cor-
rente.
WVECO.
Billetes. V .
.Malta. I, .-
Qaiatts...... l|
Para as pessoas que eemprarea de 100*000
|ara cmx.
Bilhates.....5*500
Meioe......*TS0
Ouintea.....1*100
M>woe.i. MotTiNs Fuji*.
O Sr. Azevedo, eoearragado dos reparos da
estrada do Arraial, vai moi bem, as preonava
que a repartico das obras publicas o ajuasse,
ministrando-lbe algamas carrocas com barro que
podran ser eiWabidas de algo sino anawao a
estrada, afim delta liar niethor, porque prehen-
chida as fallas desses reparos com arma, teem os
vehculos de darem o prego, como se diz: -6 Mais
uma despezinha, purm fleam os reparos perfeitos ;
fazendo se a bemba que 4* mtia neeesaHade.
Um morador.
AVISOS DIVERSOS
LEILAO
a
Salta Casa da lserieordia do
Recife
A Illm' junta administrativa da Santa Casa de
Misericordia do Racife maoda fazer publico que
no da 12 do corrente, pelas 4 boras da tarde, na
sala de suas sessoes, tem de ir praca para serem
arrematados 309 palmos de terreno, no logar dos
Arronzados perlencentes a esta Santa Casa por
cesso do dominio til a directo feito por Maooel
Joi Lopes Braga e sua mulber.
Santa Casa de Misericordia do Recife 7 de julho
de 1868.
O escrivo interino,
Pedro Rodrigues de Soaza.
Pola bdelegacia do Peres lei eaandado re'
colner a deposito daos cavallos toado ora casta-
nho, grande, inteiro e carnudo, o cairo ruco pe-
drea, castrado o andador baixo, cojos eavailes fo-
nal aoprehendides do poder de Individuo qae
diz enirmaT-se Antonio Fraoeteen ^ we -morador
em Santo Araarinbo junto a' igreja, caboculo,
reprsenla 90 annos e tem oai tiraco aleijado de
om Uro que diz levara in tempes, coostaodo qae
estes cavalloi forara fuados dos suburbios da
villa de Igaarassd : quemaos raesmos tiver direi-
to compareca qoe provaodo sea dominio Ibe sero
entregues.
Subdelegacia do Peres 11 de jumo de 1866.
O subdelegado.
Alejandre Martios C. Barros.
De 300 nieias caias de charutos
Bahia.
Cordelro imea
por canta e risco de qaem peitencer fara' leilao
de 300 meias canas de charutas da Bahia, islo
iio.ii:
Tarea-feira 17 do corrente as 11 boras.
No armazem a roa da Cadeia do Recife n. 89.
InEILAtJ
De novis, lenca e outros art i gos de
f*to.
Cordeiro Ime
por coota e risco de qaem perteocer fara' leilao
de diversos trastes dous e Diados, loacx e outros
maitos artigos.
ai B*-aj33
Terca-feira 17 do correte as 11 horas.
No armazem a roa da Cadeia do Recife o. 29.
LEILAO
De 6 eedairM de amarallo, t ditas de braco, 1
par de consolos, 1 mesa redonda, 1 aofi, 1 cama
franceza, 1 banco, 4 lavatorio, f paree de laoter-
oes, 1 dito de vesos, 2 eepethes, diversos mo-
vis para cosinba.
HOJE
Terca-feira {7 do correle as U
huras.
No armazem a ra da Cadeia do Recife n. 19
CORDEIRO SI OES
por eenta e ordem de ama pessoa qae se retira
para tora vender em leilao es objectos mencio-
nados no dia, hora e lugar cima dito.

Irreattaeta.
Terca-eira 17 do corrente.'flnda a aodincfa Oa
!. vara, tera de ser arrematada urna eseravioh
* de 10 anuos ooooe mete oa neoee, peoteorada
1 Jesnina Maria da Trindade, por aaeeaeo de Cea-
cao & Pontuhal pelo cartorio do eeorive K
raiva.
TUE1TUO
S. ISABEL.
EMPREZ4--C0IMBRA.
17* recita da aaalgmtnra.
Quarta-feira 18 de julho.
Representar-se-ha ^o magniOeo drama dividido
om 4 actos, erig nal do teen te coronel comman-
dante do 4 corpo de voluntarios da patria, o Illm.
Sr. Dr. Francisco Pinheiro Guimares
De 39
LEILAO
con
Sendo esta excel lente cemposico uma d'aqael-
las qoe maior concurrencia e applaasos obteve na
sceoa do "gymniio dramtico da corte, a cuja pro-
togooista ama das mais vateates creacoes da ar-
tista a Sr,*
\ii:i un; \ntn\i
e achaodo-se presentemente em Pernambuco qaa-
si lodos o artistas qae a representaran! em primi-
tiva, o emprezaro lembrou-se delle, eerto de que o
pablico muito estimara ve-lo desta maneira na
scena pernambucana^^^^^
paaso.vACixs.
Jalla de Castro.......Sr. A. Artaral.
Magdalena, sua ta......> Clelia.
Clara.......... Emilia P.
Joo Manoel........Sr. Graca.
Comraenaador....... P. Joaquim.
Augusto, sea Albo. ...... Paiva.
Salvador......... Cont Rocha
Guilherme........* Lisboa.
Medico......... Raymatdo
OSr. vigario....... Piolo.
Pagen.......... JimHIano.
Criado...........Soler.
Fmulos, c5fo de escravos elc-
.Termmar o espectculo com orna linda co-
meo ia.
Um Flix Miz..
Persooageos.
Simplicio, mestre atraate. Sr. Raymobdo.
gato, effliiil-de alhuate ,i Texeira.
Vasctmcerroj, estodante fle pre-
poMrjts. ta -Y4J4Y' {Lisboa.
Juca, i data alen. .IJU. Couto.
Bil, Ib* de Simplicio. Sr. Leopoldina.
A aceso tem lugar na ctdaffe do iteife.
barris e 6 neios ditos
iiianteiga fraoeeza.
IIOJI.
O agente Pestaa fara' leito por conta e risco
de qaem pertencer de 39 barris a 6 meios ditos
com superior manteiga franceza, a qual sera' ven-
dida em om oa mais lotes a vootade dos compra-
dores : terca-feira 17 do correte, pelas 11 baras
de maoha, no armazem do Sr. Anoes defronte da
altandega.
IiCSILAO
De 1()0 saceos com mi I lio.
A. JOREZ
FUNDIDOR E TORNERO
EM
METAES
Ra da Matriz da Boa Visto n. 36.
Na ra das Cruzes n. 42
rende-se.
Qui-ijo6 do ollimo vapor.
Doce de getaba em latas.
Manteiga ingleza.
Dita fraaceza.
Cha de diversas qualidades.
Vinho do Porto, Lisboa e Figueira.
Gaz em latas e garrafas.
ootres nimios gneros por mais rasoaveis
preces do qae em outra qoalqoer parte.
Deseja-se fallar ao Sr. Anto-
nio Joaquim Salgado,
e, por qne nSo tenha sido possi-
vel encoatrar-se-o. desde o da
26 de ABRIL do corrente anuo
para evlar-se dnrldas futuras,
roga se-lhe o obsequio de de
clarar por ate DIARIO sna ae-
tual residencia.______________
de'Ilverra Beiraldes, negociante
JOo Miguel
em escravos.
porto-
Joaquim de Faria Machado, saadiio
gaet, vai a Portugal tratar de sua saude.
^TRetira-e Manoel Joaqaim da Silva Maia,
Portugoea, para o norte do imperio.
Jean Jjssph e a sua senhora vo a Europa.
poca actual.
Principiarais 8 boras.
i i mi
Terfa-feira 17 do corrente ao meio "da em
ponto.
0 agente Pestaa fara' Idilio por conta e risco
de quem perteocer de 100 saceos eom milbo, o
qual sera vendido em lotes a vontade dos com-
pradores : terca-feira 17 do correte pelas 12 bo-
ras da maoha em ponto, oo trapiche do Cuaba oo
Forie do Matos.
fiElJLrtd
De 24 pecas de casemirasdscores va-
riadas.
Quarta-feira 18 de jalho as 10 boras em
ponto a porta da alfandega.
O agente Pinto fara' leilao a requerimento dos
Srs. Monhard j C, com autorisaco do Illm. Sr.
coosul de Fnoca, em presenc, d* Orna caixa
HftC. n. 2796, comitoeoH deoasemira de co
res, avanados a bordo do vapor NAVARRE, oa
sua ultima viagem a este porto as 10 horas do
dia cima dito em frente a alfaodega.
Termiaara' o espectculo eom a primeira repra-
sentaco da comedia era om acto, escripia pelo jo-
ven pernambucaao o Illm. Sr. Joviniano Mootarro,
n titulada___________________________.
LEILAO
De umciVMlo de 9ela.
O agente Pestaa levar a leilao um bonito ea-
allo Oate moito eom aadador dabaixo a meio pre-
";o pare saflhora montar par ser moito maoso o
lito elegante, este animal nsoite conheotde por
Jo aovar ottroque o eoettte poli de rige do
Rio Oraade, vai a leilaopor tea dono ter de rt-
tirar-se para fora da provincia : qulnta-eiru 19
de julbo, no largo do Corpo Sffdto, ab OMio da em-
poato.
aos o:ooo80oo
Corre seguuda-feira 23.
Acbam-se venda Da respectiva tbesou-
raria, ra do Crespo n. 15, os bilhe-
tes, meios e quintos da 3a parte da 2a lo-
tera a beneficio da matriz de 3, Jos do
Recife (73.a), sendo a extracto no lugar
e hora do costume.
Os premios de 6:0000000 at 10000
serio pagos uma hora depois da extracto
at as 3 boras da tarde, e os outros depoil
da distribuieSo das listas.
As encommendas sero guardadas so-
mente at a noite da vespera da extracto.
0 thesoureiro.
Antonio Jos Rodrigues de Souza.
en lia

Leilao
DE
AVISOS MARTIMOS
II I I I I i ..... I II
COHPAXHIi BRA*II.I IRA
1>E
PAQUETES A VAPOR
Oos portos do nor esperado
at o dia 17 do corrente o vapor
Guar, commandanti o primeird
ente Podro Hypotto Duarie, o
_______qual depois da demora do costu-
me seguir para os porto ao sal.
r>erto Ja recetem-se |iasSa*[r8triJ3 "B engaja-se a
cargaqae o vapor podar oeaduair, a qual devera*
ser embarcada no dia fle sua chegada, encommoo-'
das e dinheiro a frete al o da da saTiida as i ho-
ras: as paaaafa daerao recabidas aa ageocia
ra daCrtre n. l.esettpiorlo da Aotonto IOi fle
Olivelra Aievedo 4 C.
- ___
oorpo previsorio de polica preelaa cooa-1
prar 800 varas de brtm traneo para fardamanio: I__
os pretendentes apresentem soas propostas em [escriptorio a ra da Cruz do Recife u. 1.
ParaoBio de Janeiro,
O velalro palhabote nacional Piedadt Hfriade
seguir com multa brevidade tea parteTj* seu
earregameoto prompta, pora o mito-fue *e falta
e escravos a frete, para a fnaoi te exaajolOj
Movis, louca, crystae?, e um
cabriolet americaao, a Ba-
bero
Um piano forte, cadeira e porta-masica, i mo-
bllia de Jacaranda om soft, 4 consolee, 1 mesa,
4 eadefras de bropl e 14 de foarnfc.ao, 8 caslloaai
e mangas, 4 Jirrb para flores, i cama francea,
1 guarda roupa, t guarda vestido, 4 commoda, i
santoario, 1 toilete, 1 lavatorio, 1 cqstareha, 1
espelho, 1 toheador, l tnes* de chario, 1 eabldet
l musa hulea, 1 apparador, i goarda-loaoa, 12
eadeltoa, 1 (raartinterra, 1 apparelbo de porcelana
pava iaolar, l dito para almoco, i licoreiro, 1 por-
ta queijo, 1 porta creme, 1 terno de bandejas, 1 ga-
lhetefro, eompbfeifas, garrafas para vinho, copos
eclices, garfos e facas, trem de cosioha e muitos
outros eb)ec*j que Urdo aoexame dos caaow-
rentes.
QHHla-ffira9leJHlhodel866
Principiar a* 10 boras em ponto.
Eioi Saoto Amaro propriedade do Sr. Manoel
Custodio, jos o oaaa- do residencia do Sr. Too-
mas Jeffriei.
O agente Piolo, autorisado pelo Sr. Joo^Antonio
de Araojo, tari leilao doe oWaetos cima mencio-
nado! exUteatei ao oaaa em qae residi o-mesmo
Sr. em Sana Amaro, oa qaaes ebjoelos se tornam
recommeadados Ja* pelo ponco oso qne tlveram e
Pede-se ao Sr. atad que mora no 2* andar da
roa da Cadeia n... que nao dirija offensas s fami-
lias vislnhas, pois ellas nao se oceupam de sna
mesquinha ladividaalidade, e nem to poaco o pre-
teadem como o mesmo senhor se qaer inculcar,
por sso queira emendar-se, pois deve conhecer-se
e lembrar-se que nem todas as mutheres se fasci
nam eom a sua esbelta fiaura.
O Mand. Grande.
Fugio no dia 14 do corrente, do sitio do Ar-
Nial em qae morou o Sr. Dr. Thom Madeira, um
maiitlobo de 11 a 12 anuos, pouco mais ou menos,
levou camisa de algodo de listras e calca do mes-
mo, chapeo preto baixo, tem cabello carapinho,
muito ladMio : qaem o pegar leve ao mesmo sillo
oo oa roa do Imperador o. 88, qae -aera recom
pausado.
Jaefuim Martioho da Crui Crrela teado-se
retirado pira Lisboa sera poder depedi-se de seus
nealgoj por causa de iocommodos que Ihe appare-
eerara nos ltimos dias de sua partida, e faz pelo
presente, pedindo deseulpa dwrta falta. Involantaria
e offereeono seu diralnaio prestloo naqaella cl-
dd. ______________ .______
Preosa-se de um ca.xwre aue tenha pratlca
de taberna e d fiador a sua conducta, de quilquer
idade ; a tratar na ra do Amorim n. 36. Na mes-
ma casa precisa se de um harnero soltereo para fa-
zer a escripta da mesma por partidas dobradas
paga-ae bita.
-u. Joaqaim de Parla Maebado em BU a*secTa
deixa na gesto dteos negocies: em i* Inga*
seo socio o Sr. Viriesimo Ferreira Gomes, em 2o o
Sr. Joaqaim Ferreira de Araojo Guimare*, em 3o
o Sr. Joaqutm Ferreira Mendos Guimares.
0 abaixo assignado faz serente ao Tespeita-
vet pablico crjm especalidade aa corpo do cwa-
ntercio qoe nesta data comeron ao Sr. Luii Morei-
fa da Silva Plato a araacio qoe existe na casa da
ra do'.Rangel n. 49, livre e desembaracada, para
onde tem de mhflr senestabeleelraent qne tem
Oa roa fto Prncipe 0. 32, igdataoate fat publico
qoe nesta mesma data veadeo a "armaba) de onda
se mnda ao Sr. Joaqaim Ribeiro da Gama, tambera
livree desembaracada de qualquer activo e passi-
vo,se alguehvs'e Jolgar eom dtrelto a qualquer
nma apparega nestes 3 das. Recife 17 de Julho
de 1866.
Jws AttbniO toa Santos Vielra,
m
- A loga-se um criado para cara de hornera
eelieiro ; a tratar ao Corredor do Bispe n. 15.
O Dr. Ramaoge medieo-ouerador e oca jfc
li-ta esteoeleeu aeoeoBsoHorio proviso- ^E
rw a' ra 4a Gru n 25, onde d cnsul- J
tas todos os das, das 10 horas da maoha |
as 2 da tarde ; o Dr. ItamaOg exerce
| igualmente tanto a medicina como a ci
t rurgia, dedicase porm cota especiattda-
5 de ao tratamento e cura dis molestias 5
'& dos olhos, ouvidos e das viss urinaria*. W
Pede-se ao Sr. Joaquim Vleira Quafasma qae
venha retirar o objeeto qua arreraatoo no IdUao de
S de jalho do corren!*, 4 roa da Cadeia wRecife
o. 29, visto ignorar-se sua morada._____
FACSMILE d^etiqubtta COR dersaT
100 carle's
PAISUff
Os Srs. James Carillo. Soos & C, Baokeod Milis,
Paisley, Scotland, teem a honra de chamar a alien-
es o dos consumidores de trnha e"m noveflos, qoe el-
les obtiveram medalhas de premio das expasicoes
de Pars e Londres, por .-ua- excelienie* liohts pa-
ra coser, e qu.% todos os nove los feitos por elles,
para este mercado, tem no fim de cada mago, uma
etiquelta branca, na ijuai acba-e gravado u norre
da firma em chuto,ama visi-t da soa fahriee, assim
como desenhos das cima mencionadas medalhas,
e qoe cada Bovello l<-m urna elloueUa cor de rosa
cora o numero, e aa palavras Carlt's, Pailey, e
tambem, que qualquer hnha de Timbour, manda-
da a este mercado, tratando onlraqoalquer eliqoet-
la do que cima mencionada, nao de sua propria
fabrica.
SoothaU, Mello & C,aicos agentes em Pernam-
buco.
Mel|nr, Sonthall 4 C, nntco agente na Babia.
Na ra do Imperador o. 17 precisa-se de
uma criada engomraadeira e ontra cozinh-ire.
Precisa-se alugar um e Cruzes n. 39 ; e a pessoa qoe anaonerm para alu-
gar.om ffileqoena ra a Matriz da Bit vista,
anaanrie o numero de su* m ira 1a, ou dirija-se
casa cima.________________________ '_______
Trocam-se notas das editas filiaes do banco
do Brasil, com d^couto razoaval : oa praca da
Independencia u. 22.
^^i i i i ni
Aluga-se ama pequea casa om 2 quarfos,
quintal com eacinvba, por 10J> m -nsaes : na ra
do-Gazomelro confronte ao pona > da fabrica do
gaz, lado lateral._____________________________
Na villa ) Cib), o senhor que comprou fia-
do a um dos venledores de bilhetes di lotera da
lotera da provincia a quantia d; 102400 a mais
de quatro mezes, baja d satisfazer a dita quantia
aleo dia 25, do contrario ha de ver o seu nome
por extenso. ___________________________
Manoel Joaquim da Silva Maia faz saber qae
nada deve a esta praca, nem tambera fora delta :
qaem se julgar seu credor, qu ira apreseotar suas
coatas para serem pagas, isto al o dia 30 do cor-
rete.
O Dr. Carollno Francisco de Lima San-
tos coDtina a morar na ra do Impera-
dor n. 17, segando andar, tendo alias seo
gabinete de consaltas medicas, logo ao
entrar, no pnmeiro.
O mesmo dontor, qoe se tem dado ao
estodo tanto das operaedes como das mo-
lestias internas, prestase a qnalqaer cha-
mado, quer para dentro quer para lora
a cidade.
C4IXEIS0
Preisa-se de um menino de li a 16 annos para
calxeiro de taberna, que teoha prarieada mesma :
no paleo do Terco o. 34.
Prtem-ae de um moco portugus de 12 a 14
anno de idade, para ser empregado em ama casa
de eommerelo na cidade de Sobral, preferlndo-se
destes chegidos ltimamente : a irat r na roa do
Qnevmado n. 13, Io andar.
PAPIS PimilBS
Sortimenlo de papis pintados e
lindas guarnieres para forrar casas:
NvLIViURIA FRANCEZA.
N. 9. Ra do Crespo N. 9.
Aluga-se
oa vende-se uma casa sita n>*Povoado dos Monies
largo da feira a margem do rio, com torno de pa-
dana, masseira e te.ndodeira : a tratar na ra da
Praia armazem n. 37 ou no ponoade dos Mootes
com Joaquim Ribeiro da Croa. __________ "
Precisa se "de trabathadore Totros m captivos
na fabrica dw sabSo da ra da S. Miguel no Afoga-
do : a tratar na mesma. ___________
Precisa-sede uma mulber que saiba cosiohar
bem para easa da aouea familia : oa roa do Hos-
picio b. 44.
Precisa-se de o4 ama qoe saiba coi9har
perfeiumaate : na ra do Livrauento n. 4.
do
Precisa-se de ama ama secca
Destino n. 10.
na ra
nirospara podara
NiTraflm cta rmr Direlta
i. Sa,ta sempre par a.vender
[por ommodo preco os co-
[uheeidos e acrodHados cy-
KBdreS'Owerloawos para pa.
dara.
AmdG
toada ao
Precisa-se de orna a^toa para o servieo de o
s pessoa : na roa d>. trtia Oo Recife o. lo, pr
meiro andar.
na francot, com
lun da pra-
a todos os
rompas ro-
^ verda-
tambem
lo o es-
e preco
t




m
"*' "P"
*'*
, .rfV^lp'
*
DUrU e k'eru^Mt -- Tfr^a letr 4* PASTILHS
VERMFUGAS

OE KEMP,
NOVA YOJRK.
DE COR CHEIRO E SABOR AGRADA VEIS
Infinitamente oais ellicazes do que todos
os ruis remedios perigosos enauseabundos
que existem para a expuls5o daslombrigas.
N3o causam dores e produzem seu effeito
sem precisar logo depois de purgante ne-
nhum e toincilantes em apparencia e deli-
ciosas era gosto, que ascrancas estao
promptasa tomar mais do que marca a re-
ceita.
Uteis como um excellenie meio de fazer
remover as obetruccoes do venlre, mesmo
no caso de nao existirem verme algum, as
PASTILHASVERMOT7GAS DE KKMPS SO promp-
tas einfalliveis na sua operacSto e por todos
os respeitos dignas deconfianca e approva-
c5o de todos os paes de familias. Prepa-
radas nicamente por Lanman A Nova York.
Deposito geral em Pernamnuco roa <1
Cruz n.22 em casa de Caros
MARTIMOS
CONTRA FOGO.
A companhia Indemnisadora, estabeleci-
da nesta praca, toma seguros martimos so-
bre navios e seus carregamentos, e contra
fogu em edificios, mercaduras e mobilias :
na ra do Vigario n. 4, pavimento terreo.
Na ra do Crespo o. 18, segando andar, pre*
cisase de ama ama d leite.
Na travessa da ra da Pai n. 21, oflerece-se
urna mulher para cozinhar.
Precisa-pe de orna ama torra para comprar
e cozinhar : na ra Direlta n. 8, 1* andar.______
Instruccio publica.
A escola Docturoa da fregaezia da Boa Vita,
funccionar do dia 16 do corrente em diante, a
ra dos Pires n. 20.
Ella proporcionar aos alumno;, alm da ios-
trocco primaria propiamente dita, o ensino de
arithmetica, systema mtrico, geometra elemen-
tar etc.
E' de crer portanto, que nao aproveitar semen-
t aos aoalpbabetos, seno tambem quelles, que
despondo de menos recursos intellectuaes, preten-
derem dedicar se com vantagem ao commercio e
as artes.
Talvez possa mesmo utilisar com > curso prepa-
ratorio a escola normal.______________
Quem nao tein vergoiiha to-
do mundo seu!!!
Anda continuam s garapoes?
Declaramos formaleaeote a rerto fiscal, que por
ser vellto e s gostar de frangutnhat de Sinh, que
nj nos importamos, com as revelares, que fez a
ceno escrlv defronte d'uns 1-oes, e se se esta'
sem denles, va' chapando algon ost-inhos moles,
que nunca perder' de vista. O Brtto, que nilo
inspector. _________
Companhia Vigilante de va ores
tic reboque.
O escriptorio desta companhia mudou-se para a
ra da Moeda n. 5, onde pode ser procurado o seu
agente a qnalquer hora do dia para tratar dos ne-
gocios relativos a esta companhia.
Gandido C G. Alcoforado,
PrepnsU).
Precisa-se de um caiieiro de 14 a 16 annos:
na ra do Itaogel n. 73.
Precisa-se de urna ama forra ou captiva para
compras o cozinhar : a tratar na ruada Cadela do
Recite n. 8. _____
As Pilulas Catharticas
1>E A.YEK.
O purgante mail efeeaz al hnje eonhceido.
EsUs plalas sao paramente veg-
Itars, nao tendo na sua compo-
eico era mercurio ucm outro
ingrediente mineral; sao inno-
centes para as criancas e peesoas
mais deneadaa, ao mesmo tempo
que, comportas come sao de vegi-
taes mui fortes, sao bastante acti-
vas e cncazvs para as pessoas mais
robustas.
Estas puntas catharticas purgao e purifleo todo eviterna
humano sen mercurio.
N'.to se tem poopado trabalho ncm despeza para levar estas
pilulas a um grao de perfeceo tal, que nada deiza a desejar;
ao o resultado de annos de estados laboriosos' c constantes.
Para alcancar todas as vmntagens que resulte de uso de cachar-
ticos, tem-ce combinado smente aa virtudes curativa das
plantas que sao empreadas na eonfeotao das pUnlas. Sua
compo8ico tal que as nfermidades que estao ao alcance
de >ua aooo, Taras vezes poden, reslstl-las oa evad las.
8uas propriedades penetrantes espiono penetrao, purlfico e
dio vigor todas as partes de organismo humano; pols corrigem
a sua aeco viciadt a faz recuperar a sua vitalldade. Urna das
consequeacias dstai propriodades que o doente, abatido de
dr e debllidade physlca, ndmlra-se de noontrar, to depressa,
sua saude e energa recuperadas por meio d' um remedio to
simples e agradarel.
As molestias que esto ao seo alcance sao.
Prixe de padre Kheunaiitmo, Mr da caatca, A Neuralgia,
Euxaqneca, IwHgettto e mal d estomago, Hemorrhoidat,
PADECIMESTOS DO FIGADO,
Febre gastre-kepaiiea, Oattrte, afeceoes Biosas Lombrigal,
EiMtipela, Hydreptia, nanita, seguir parcial, e Paracgsia.
No almaaak e Manual do Saude do Dr. Ayer, que M publica
todoa os annos para distribuieio gratuita, encoutra-ac un tra-
tado sobre as diveraaii doeneas que estao ao alcance de
HHMIDIOB PKaAlTES.
Aclia-sc em todas aa Boticos e Drogaras do Imperio,
IL10U0 MEUUMIRtlMtt
DO
DR PEDRO DE ATTAHYDE LOBO tt OftGOS.
EIKICO, I^RTEIRO H OPERAVOR.
3 Kua da Gloria, casa do Fundo8
0 Dr. Lobo Moscoso di consultas gratuitas aos pobres todos os Oas das 7 as ti
bocas da manho, edas 6 e me i-es 8 boras da noite, eawepcSo dos das-santificado.
JHharmacia especial homeopathica
No moamo consultorio lia sempre o mais appropriado sortimento de carteira
bos avulsos, assim como tiotocas de varias dymaamisacoes e pelos precos eguintet..
, Carteiras de 12 tubos grandes. 120000
de M tubos grandes. 180000
de 36 tubos grandes. 240000
> de *8 tudus grandes. 300000
de 00 tubos grandes. 350000
Preparare qualquer carteira onforme o pedido que se fuer, e com os remedioa
foe e pedir. '
Um tubo avulso ou frasco de-intura de mp;a onca 10000.
Sendo para cima de 12 cusurjo os precos establecidos para as carteiras.
Ha tobos.mais pequeos cada um a 500 res.
LITROS.
A melbor obra da nomeopatbie, o Manual de Medicina Homeopathico do .Dr. JarS
M6 grandes volames com diccionario............ 2O0OO
Medicina domestica do Dr. Heriag........... 4000(0
Repertorio do Dr. Mello Moraes............ 60000
Diccionario de termos de medicina........... 30000
Os remedios deste estabelecimento sao por dentis conhecdos e dispensan por
tanto de serem novamente recommendados as pessoas que quizerem usar de remedio i
verdadeiros, enrgicos e duradores: be tudo do melhorque se pode desejar, globos de
rerdadeiro assucar de leite, nota veis pela sna boa conserva cao, tintura dos mais acredi-
tados estabelecimentos europeos, a mais exacta e acurada preparacQ, e portado a meio?
energa e certeza em seus effeitos.
Cusa de saude para eseravos
Reeebe-se oscravos para tratar'de qualquer enfjermidade ou aaer-se-lbe qoalqnei
operaco, para o que o annunciante julga-se sufficientemeute habilitado.
O (ratamente o melbor possivel, tanto na parte alimentar, como na medica,
fanecionando a casa ha mais de quatro annos. ha muias pessoas de cujo coKceito se nit
pode duvidar, que podem ser consultados por quelles que desejarem andar tem
doentes.
Paga-se 20 por dia durante 60 dias e d'afei em diante 10500.
As operaces serao previamente ajustadas, se nao se quizerem tujeitar m precoi
razoaveis que costuma pedir o annunciante.
OTICA E CONSULTORIO HOMEOPATHCF"
DO
DR. SABINO O. L. PINHO.
' Ra Nova n. 43 (loja de marmore.;
A experiencia tt-m demonstrado enrn a maior evidencia que os medicamentos homeopalnicos
preparados por meio do agitador dyuamico sao os que desenvelvem sv^ao mais prompta, mais segura
e mais elcaz
E' em davida polo conhecimento destes resultados que constantemente recebe esta botica en-
commendas do Rio Grande do Sul, do Rio de Janeiro e da Baha, apezar de bav.r nessas provincias
mui bem sortidas e acreditadas boticas, d'onde se poderiam uivez obter remedios mais baratos, atlen-
dendo as despezas de porte.
A segundado da accao dos medicamentos assim preparados se maaifesta at mesmo quando os
glbulos se acbam reduzidos a massa.
Boticas de 24 tubos.....180 a 200
i de 36 tobos.....250 a 301
> de 48 tobos.....33 a i0#
de 60 tubos.....450 a 500
Caixas de medicamentos esa glbulos e tintaras.
De 2i tintaras e 48 tobos. 600 a 700
36 e 60 tobos. 75* a 8'0
48 > e 88 tubos. 950 a 1000
60 d e 110 tobos. 1150 a 1200
Vende-se igualmente o THESOUBO HOMEOPATHICO, obra esencialmente popular pela clareza
com que ensina a conbecer as molestias e a empregr (os remedios (2* edicaoj 200000.
O Dr. Sabino O. L. P. d coosoltas tolos os dias otis desde 11 boras da manhaa al 2 da Urde.
Das 2 horas em diante visita os enfermos em seos domicilios.
Era casos orgeotes e repentinos as consultas e visitas serao feitas a qualquer hora.
As consaltas por escripia sero respondidas com a maior brevidade, precedendo sempre o tem-
po necessario para maduro exame e reflexo.
A NACIONAL
Companhia. geral hespanhoia de seguros mutuos
sobre a vida
MHKMUSADA PEfc REAL DECRETO DE 21 DE DEZEMBRO DE 1859
Cna llanca em dinheiro., depositado nos cafres de estad, garante a boa ad-
inistraco da companhia.
BANQUE1BOS DA COMPANHIA DIRECCO GERAL
ac c spaiiha | Madrid : Ra do Prado n. !
sta companhia Hga peto systema matno todas as combinacoes de supervivencia dos seg-
os bre a vida.
Nella pode se faier a.EJrscripr;ao de maneira Mfimdq e perca o capitafusos joros correspondentes a estes.
mai t? suPrenen *<**<, que arada mesmo dimictiindo urna tenja parte do interesse prodoiido em recentes liquida-
ooe* comhmaodo-o com a mortatidade da tabella de Depareieux qne adoptada pela companhia
Pseuealealos e liquidaoSes, em segurados de id*de de 3 al9 annos, orna imposicao annua.
tu# produz em eflfectiTotBtulico:
No fio de 5 annos.......1:1190300
.4e 10........3:9420600
de 45 -.......H:2O8#200
> -de 20 >.......30:2560000
.. M de 25 .......80:3310000
as idades menores de 3 *anos e maiores de 30, os productos sao mais consideraveis.
Frospecl^s e mais informases serio prestadas peto sob-dlrecior nesta provincia.
Fiosa^e Oliveira, ra daCadeia n. 52, on a Bou-Vista roa da Imperatrir n. 12, estabelec
ment dot Srs. Raymondo, Carlos^eite A rmao.
TINTURARA
AO GRANDE S> MAURICIO
PROE$SO$ AFERFfI(01I^O
PARA V
Tinglr, Hvtpar e lustrar a
Joo da Silva hamo,' medico j
pela universidade de Coimbra, d M
consultas em sus casa das 9 as S
11 boras da manbaa, e das 4asbi
da tarde. Visita os doentes em suasK
casas regularmente uas horas para
isso designadas, salva os casos ur-
gen es, qoe serao soccorridos em
qualquer oceasiao. D consultas aos
pobres que o procurarem no hos-
pital Pedro II, aonde encontrado
diariamente das 6 s 8 horas da
manhaa,
Tem sua casa de sade regular-
mente montada para receber qual-
quer doente, anda mesmo os alie-
nados, para o que tem commodos
apropriados e nella pratica qualquer
opperac5o cirurgica.
Para a casa d& sade.
Primeira classe. .30000 diarios.
Segunda dita____30500 *
Terceira dita .. 20000 >
Este estabelecimento j bem
acreditado pelos boos smicos que
tem prestado.
O proprietario espera que elle
continu a merecer a confiaoca de
(que sempre tem gozado.
F. A. SALN
29 Eua 7 de setemhro 29
Defraa4e4a roa aova do Oavidor (Kio de Janeiro)
Os proprietarios deste estabelecimento, o primeiro no seu genero no Brasil, por
trabalbar eom as machiaas mais aperfeicuadas para Ungir e lastrar, de que se faz uso na
Europa, e ajudados por alguns dos nuelhores officiaes de Paris e Lyo, podem assegn-
rtr seus freguezes urna perfei-.ao no trabalbo, a qua! sen5o pode chegar pelos proces-
soe ordinarios.
Tiogem, lavam. Iimpam a demofam com a mai r perfeico e brevidade qualquer
qualidade de fazendas, tiram nodoas e Iimpam seeco sem molliar as sedas e as vestimen-
tas de senhoras e de horneo*.
Macedo & Aievedo (azem sciente a esta pra-
ca que nada deven da extlncta firma de Castro &
Macedo, se algoem se jolgar credor aprsente suas
contas no piaso de 8 dias, qoe sero promplamen-
I te pagas. Recife 30 de jonbo de 1866.
m&.Hsm wmmMmmmn m
M. 0 Dr. Migoel Joaqoim sde Castro Ifas- M|
carenhas modoa a soa residencia da ra 2
do Sol para a da Imperatrlz n. 88, entra-
da pela roa do Hospicio, onde continua S
S no exerciclo d9 soa proflsso. O mesmo J
Mi Dr., qoe se tem dado com solicitado ao I
0 estado e pratica das molestias de tero e
i de meninos, d consalla giatis aos pobres
das 9 horas as 10 da manhaa.
"*MK9
1
FABRICA VACIO Ali A VAPOR
99 RA DO MONDEGO 99
Deposito principal na rna Nova n. &o loja de relojoeiro.
Delouche dono deste estabelecimento partecipa ao respeitavel publico que tem
montado urna machina de fazer gelo, e que sua fabrica de chocolate poder fuoccionar
sem interrupeo, e para mais facilitar aos Srs. compradores de chocolate tem organisado
um servico de carro, que andar em todas as roas da cidade, os compradores podero
chama-lo.

Meia libra.
Urna libra.
Urna arroba
PRECO.

400
800
190000

GELO
O Peitoral de Cereja
DE AYER,
' FAMA A riOMPTA COSA A
Angina t OoaMbipmtomu, fMMf, Huquidio Inflo*
ut, Bronohiti, Tislo prim*ri*, Tubrculo
piilmninft, toda* m maUrtlM do
Feitd, Mim como para triar
oa thicoa dtilwxto.
Ai preparare* da Db. Ares sio
drogara, c botica! do Imperio.
As pessoas que quizerem gelo para soir ou bailes, podero dar suas eocommendas
ao caiieiro da casa, ou na ra Nova n. 50 aonde tem um deposito As pessoas mora-
doras nos arrabaldes da cidade querendo levar gelo pela maohSa, po'-'ero deixar um
caixao na taberna junto ao port5o da fabrica, que acbarao na volta suas encommendas
promptas.
Na mesma fabrica azem-se cadeiras franceza de todas as qualidades, e vende-se mais
barata que aquellas que vem da Europa.
LOJA DA FRAGATA AMAZONAS!!
N. 5 Kua do Qoeiraado n, 5.
Monteiro& Guimares, participara, a todos os seus amigos e freguezes, que recebem
de conta propna por todos ts vapores da Europa, grande e variadissimo sortimento de
objectos de a ta novidade, e bem assim adornos proprios para casamentes, pois questus
correspondentes de Hamburgo, Paris e Londres, na esrdllia de taes mercaduras tem
merecido approvacSo das encantadoras Pernambucanas.
A Fragata acaba de receber pelo ultimo vapor grande variedades de sedas de todas
as cores e qualidades, tambem recebe por todos os vapores luvas de pellica, (do afamado
Jouvio) saias de laa com barras colloridas de grande novidade na Europa, vestidos de
granadina bordados agulha, e de grardi ton, ditos de popelina muito chiques, ditos
de esmeraldina (gostos novas,) riquissimrs corlinados bordados a ponto de -rochet, ro-
tondas de seda, ditas de linho, ditas de algodao, chales de guipour de seda, e de al-
godao, pentes para cok, (de phantasia) enftites para ditos, manguitos bordados e
gollinhas, camisinhas ditas, transparentes psra jantllas com mui lindas paisagem, pie-
cales de apuraaissinv'S gostos e padroes, chapeos de palha enfeitados pelas melhores flo-
ristas de Paris, entremeios bordados fluos de Jifferentes larguras, riqusimos cintos
boroados com figuras chinezas, (bordado na mesma fila) baloes de hasteas d'aco ameri-
canos, aillos de musselina, tapete para guarnicao de salas padroes muito bellos, chapeos
de sol de seda para senhoras, ditos para hornera, enfeites irnperatriz Eugenia, ditos
a Mana na, cestinhas com todos os pertences para meninos de escolla, saias bordadas
para senhoras, gollinhas bordadas (gosto novo) chitas escuras e claras, undapoloes, cam-
braia de cor, ditas pretas, bolsas de tapete para viagem, ditas de vaquetas para guardar
dinheiro, e outras muitas fazendas que se vendem por menos preco que em outro qualquer
estabelecimento.
Riquissimas fivellas de chrystal para cintos. *
Meios aderecos de chrystal"(novidade.)
Cintos muitos ricos, etc.
Perneiras de guthaperche para chuva.
Companhia fidelidade de seguros
martimos e terrestres
estabelecida no Rio de Jaueiro.
AGENTES EM PERNAMBUCO SR
AntoBio Lniz de jOlheira Aievedo k C, M
|c competentemente aotorisados peladirec- -ve
5 toria da companhia de segaros Pidelida-
IH de.tomam seguros de navios, mercado-
mS rias e predios no sen escriptorio ra da
W Gru n. 1.
Samuel Power Jotinston i Companhia
Ruada SenzalaNova n. 4.
AGENCIA DA
FnndlcSo (IcI.oh Moer.
.Machinas a vapor de 4 e 6 cavallos.
Moendas e meias moendas para engenhe.
Taixas de ferro coado e batido para enge-
nho,
Arreios d carro para um e dous cavallos.
Relogios de o uro patente inglez.
Arados americanos.
Machinas para descarocar algodo.
Motores para ditos.
Nfacbinas de costura.
m
Precisa se de ama ama para casa de poura fa-
rollia : na ra do Imperador n. 4o, segoudo andar.
Engoma-se
com asseio e promptide na roa de S. Jos, n. 23
DE
O NOVO DESTINO
DO
rndidJK uu principa*
Vende-se em Pernambuco:
oa
, .PHARM^CIE FRANQAISE^
| RA NOVA nc. m r
23 Largo do Terca 23.
Joaqoim S. des Santos, dono deste bem sortido armazem de molhados, participa
ao respeitavel publico, e principalmente aos amigos do bom e barato, qoe est resolvido
a diminuir os seus gneros por muito menos do que em outra qualquer, por tanto espera
dos seus amigos e collegas que venbam comprarem a primeira vez para saberem a gran-
de diferencia do que se fosse comprado em outra qualquer parte, por isso faco annuncio
de alguns gneros e por estes podem regular os outros.
Cerveja de diversas marcas a 500 e 560 rs. a garrafa, e a 5,500 eMa duzia; yi-
nho de todas as marcas F. S. E. P. a 4oo, 440 500, e 640 rs a garrafa e a caada a
3)5500 ; caf do Rio das melho es marcas a 220, 240 e 280 rs. a libra, eW, 70, e
7,5500; a arroba manteigainglezadeprmeira e segunda sorte a800e900 rs. alibrajfras-
queiras com genebra de Hollanda e hamburguesa a 60 e 605CO; manteiga franceza de pri-
meira e segunda sorte a 560 e 600 rs. a libra; cha de diversas qualidades a 10800, 20,
20KCO e 20800; arroz pilado de primeira sorte a 120 rs. a libra e a 30500 e 30800 a
arroba, gaz americano a 440 rs. a garrafa, e em latas a 100 ouduas por 190500; fras-
queras de genebra da Victoria a 100500, e o frasco a 10; queijos do reino recebidos por
todos os vapores a 20 e 20200; papel de linbo a 40 a resma e azul e branco a 20;
sab5o de diversas qualidades amarello e maca a 200,220 e 260 rs.; a libra srdraba de Nan-
tesem quartos a 400 rs. cada una e em porco a 360 rs.; copos lapidados a 50 a duzia
e a500 rs. cada um.
Alm destes gneros ha outros muitos que seria enfadonbo anoncia e quem
duvidar venna ver.
DE
J. VIGNES.
K. 55. RA DO IMPERADOR 3t. 55.
Os pianos desta antiga fabrica sio boje asss conhecidos para qoe seja oecessaro insistir sobre a
toa sopenoridade, vaotogens e garantas que offerecem aos compradores, qoalidades estas incontesu-
'eis que elles tem definitivamente conquistado sobre todos os que tem apparecido nesta praca ; pos-
iDindo um teclado e macbinismo qoe obedecen) todas as voodes e caprichos das pianistas, sem
nanea (albar, por serem fabricados de proposito, e ter-se fetto ltimamente melhorameotos importan-
ssimos para o clima deste paiz ; qnanto s vores, sao melodiosas e flautadas, e por isso moito agrada-
vals aos oovidos dos apreciadores.
Pazem-se conforme as encommendas, tanto nesta fabrica como na do Sr. Blondel, de Pars, socio
orrespondente de J. Vignes, em coja capital foram sempre premiados em todas as eiposic5es.
No mesmo estabelecimento se achara sempre um ezpleodido e variado sortimeoto de mosicas dos
mores aotores da Europa, assim como harmnicos e pianos harmnicos, sendo todo vendido por
oreos commodos e moa veis.
I Miguel Joaqun d Cesta vai a Earopa tra-
(lar de sna sade, lera en soa companhia soa se-
,,nj aom HofAitrt nara avahar a 160000 nnor* e SDS B,b,fl mMwr M,d*' eom MW ,m*
grande e sem ^^Pan acarar a ivgwu Gailoern,ina Teixeira, todos portogoezes.
Sola de lustre
sem defeito para acabar
45-Iaa DireiU-45
PILULAS de BLANCARD
,AO IOIILRETO DE FERRO INAJ.TERAVEI.
Approvadas ^la Academia de Medecina de Pariz
UIOlSiBAS PKLO CONfELHO MILICL M SA-PEIESBl llGd
RXPRRIMEMADASNOSHOSPITAS DE FRANCA, DA BLGICA, DA IRLANDA, DA TURQUA,ETC.
Meneoet honrout na Expoiieoct Utivercait de Sen-York, 4853, e de Parit, 1855.
Estai Pilulas envoWidas p'uma carnada reslno-bakamica de urna tenaidade eicessita, ten
avanUgeu de screm inallvruve, tem sabor, de um pequeo volunte, e de ua cansaren) 09
oncas digestlTOS. Gozando" das propiedades do Iodo c do mTkkao-, ellas convem princi-
palmcnte Das aRer^os Chtoroticat, Escrofulosa, tuberculosa; Cauerotat, na leucorrhea,
amenorrhet, anemia, etc.; eiifitn, ellas oflcrecem as pralicos urna medicaca das mais ener-
Igicas para nodiGcar as consliluicoes lymphaiicat, fracat oa debilitadas.
/! B. O o.lur.-lo de ferro Impuro ou alterado um medica-
mente infiel, irrtame. Como prova de purea e de auttieneldadc das
veri adelrat Piladas de Rlaaeard, derc -se exigir nnsso sello de
rata reaellva e natu rma, aqu repruduiida,queseacha na parte
interior de um rsala verde. Dee desconfiar das falsicacos.
aefeaaB -se em latlaa aa Pharmacia. PkarmactuHc, ra Bontparle, M. Purii.
Veride-se na pbarmacia de P. Maorer d C, ra Nova.
Os Sr*. Mauoel Rodrigues da Silva e Jos Pe-
da Madre de Deas,
Aluea-se um escravo bom coiinheiro : a tra-, reir Santos, tem carta na roa da
tir na ra do Arago n. H. rmazem etre a botica e a i|r>ja.
Baeja-se fallar com o Sr. Tbeo-
doro Simn vindo dos portos do
sul no vapor eCruieiro do Sul
chegado em 13 do corrente na ra
da Cruz n. 38, primeiro andar, ou
queira annunciar sua morada para
ser procurado.
laff at Mllli
- Na praca da Independencia n. 33, loja de
oorlves, compra-fe ooro, prata, e pedras preciosas,
e tambem se taz qualquer obra de enconmenda, a
todo e ooalqaer concert.
Prensa se de dous amassadores qoe enten-
dam per redmente deste trauco : os qoe estiverem
nesus circumstancias drijam-se a roa larga do
Rosarlo n, 16.___________
Trocam-se cora pequeo abatimemo as se
dalas da caixa filial do banco do Brasil oa|Bbia :
na roa da Cadea do Recite n. 51.
O pI'Sixo as.Mgnado previne ao publico qne
ninguem ftca Dgocio com Feliciano do Reg Bar-
ros aerador na iha cum os seus lens, faz o pre-
seiite para DiDf.'utm rhamar-se a Ignorancia.
Maximino da Silva. Gosmo.
JURUBEBA
A jurubeba urna das substancias medi-
camentosas, que pertencem ao reino vege-
tal, e per i once classe dts ton eos e des-
obslruentes, sendo empreada com vanta-
gem contra as lebres intei mittentes acom-
panhadas re engorgilamento de figado e
bago. Ella tem sidoappli.ada com incon-
teslavel proveito contra a anemia ou ctiloro-
se e hydropesia, catarrbo da bexiga, e mes-
mo para combater a menstruacto difficil,.
resultado da mesma anemia ou cLIorose.
Extracto alcoolico dejurebeba.
Emplastro idem.
Oleo idem.
Tintura idem de idem.
Xarope idem.
Vinho idem de idem.
Pilulas de extracto idem.
Deposito, pbarmacia de Pinto, ra larga
do Rosario n. 10.
JURUBEBA MACHO E FEMEA.
Debaixo da denominacodejurubeba
nascem nos sitios arenosos do Brasil dous
arbustos do mesmo genero, mas nao do
mesmo sexo. Ambos crescem com lindas e
frondosas folhas, ambos proruzem bagos
gramneos reunidos a' maneira de cachos de
uvas, pendentes de um pedunc Jo corlo. 6
primeiro, isto o macno, pouco menor
do que a fem, apenas cresce at altura
de um homem, tem folhas menores, nao
muito sinuosas, mas recortadas, com talos
guarnecidos de alguns espinhos.
as extremidades dos ramos p< oduz peque-
as flores como que juntas em forma de um-
bella, de cor lctea misturada de azul celeste,
as quaes representam exactamente urna es-
trella de cinco angu'os e constam de urna
s corla, modelada e como dividida em
outros tantos tringulos, sahindo do centro
cinco eslames, ou filamentos, de maneira
que ao longe tomar-se-hia por urna flor de
borragem.
O segundo, mais alto, mais espiohoso,
tem folbas maiores, cobertas de pello pela
parte inferior, elegantemente guarnecidas
de espinhos, recortadas de um verde vivo,
tendo a mesma flor que o macho, porm
mais ntida.
Ambos, em virtude do oso quotidiano da
medicina sao bastante conhecidos as pbar-
macias. Em verdade, suas folhas e sueco
s5o empregados para mitigar, como tempe-
rantes, e curar as feridas e ulceras, e mui-
to favorecen a cura deltas. Posto que as
folhas e raizes teoham um sabor amargo co-
mo a chicorea e a fumaria, todava diflicil-
mente poderiam ser clasificadas entre as
drogas quentes. Sobresae principalmente
em virtude e efflcacia, e mais amarga a
raz, com parlicularidade a do macho, que
consta de partes mui tenues. Por cerlo o
'osimento deste faz despedir a ourina retida;
e applica-se muita vez com' feliz resultado
contra as obstruccoes do figado e da prsta-
ta em lagar das raizes apperientes.Sua uti'l-
dade e excellencia s5o taes, que nao s pelos
doutos, mas tambem pelo povo rustico
procuradaje contemplada entre os remed s
maravilhosos.
)Traduzido do latim de Pisn e Marcgrave.)
r
l
y



v -


\






/r^>
HMJt Ar*mhor*-- y^ i^^ a. #nMfc^*86fl'
<
>*
i



.a*
1
. CALCADQ*
45 Rwd)ireita 45
A primeira cndilo indispensavel. opn-
Attenco.
Novo
i. M2VIAL.
Para 0 tratamento e cora rpida e completa das molestia syphiliticas, erisype-
laSj rheumatismo, bobas, gota, debilidade do estmago, itifiammaces tronicas do figado
e ba$o, dore sciaticas, cephalalgias, nevralgits, ulceras Chronicas, hydropesias, plenri-
sias, gonorrheas chronicas e em ge al todas as molestias em que se tenba em vista a pu-
rifleacao do systema sanguneo. f
Considera ces geraes
A saude um bem inapreciavel, cuja importancia e valor s est reservado ao en-
fermo o avaa-lo.
incontestavel que o homem neste mundo constantemente, e por todos os lados
atacado por urna infinidad de agentes morbficos que todos tende.i, dadas certas c deter-
minadas circumstanews, a alterar o regalar exercicio das funccSes orgnicas, resultando
desse desequilibrio o que se chamamolestia.
A molestia nSo mais do que a desvirtuado das forjas vitaes, occasionada, se-
gundo as investigacoes e experiencias dos mais abalisado me&tres da sciencia, pela depra-
vacao dos humores geraes, consequencia da accao maligna desses mesmos agentes morbi-
fcos nti'odtizidos no organismo pelo acto da respirado, pela va digestiva, pelo contacto
immediato le. ote. etc.
A syphilis infelizmente tem sido a partilna da humandade, e como fra de duvi-
da que esse terrivel Proteo da medicina urna molestia hereditaria, ella tem sido obser-
vada em todas as idades, e debaixo de-todas as suas formas tao variadas, enfraqueoendo
constiiuKOes robustas, producindo mutilacoes, e cortando anda em flor da idade vidas
preciosas.
Eliminar da economa esses principios deleterios. e purificar a massa geral dos
humores tem sido desde lempo immemorial o fim consunto da medicina, e os purgati-
vos Oguram em primeiro lugar para preeneber essedesiieratum ou fim.
O Elixir depurativo do Or. Sevial parece merecer a preferencia sobre todos: os
immensos successos obtidos pelo uso deste sahrtar agenie tanto na Allemanha. como em
franca e Italia, o tornam c compaoheiro ioseparavel dequasi todos os detentes.
Sendo as mdestias, como cima dissemos, devidas s alteracCes dos humores, o
Elixir depurativo doDr. Sevial pode ser empregado vantajosamente na sypmlis, erisy-
pelas, rheumatismos, bebas, gota, debilidade do estomago, inflammacoes chronicas do
figado e baco, 'dores sciaticas, cephalalgias, nevralgias, ulceras chronicas, hydropesias.
pleurisias, gonorrheas chronicas etc. e em geral em todasas molestias em que re lenha
em vista a puffficacao doystema sanguneo; pois que urna pratioa constante tem feilo
ver que site kidispensavel nos casos gravssimos para minorar s soffrimentos, e pre-]
parar o doette para medicacoes superiores ; e as menos graves a cura a conse
quenciai do seu uso, convenientemente repetido.
As substancias -que entram na composico do Fliair depurattt* to Dr. Sevial
perteocem todas exclusivamente ao reino vegetal, e grande calhegoria das substan-
cias depurativas e antisypbiliticas; assim, ao passo qoe 'este remedie depura o orga-
nismo, :limioando os -principios oooivos saude, pelo mecanismo wtural das evacu-
ac*es alvinas, 'neutrsa ao mesmo tempo o viras syphilitico quando este virus j
tem Yeito erupeo no exterior debaixo de suas multiplicadas formas; e previne tam-
tam os estragos dessa terrivel melestia, quando por ventura se ache ella ainda no4
estado de encubacao, isto sem se ter manifestado sob formas externas: beneficio
imraerrso, tanto 'mais quanto oeste estado os individuos ignoram completamente se es-
to contaminados por este terrivel inimgo.
0 sabor agradavel d'este Elixir convem a todos os estmagos, a sua accao so-
bre o tubo intestinal suave benigna, e de nenbuma forma produz moteitias medi-
tmentoms, como-acontece ao purgante dito Le Roy, que na -sua qual idade de drs-
tico forte irrita a mucosa intestinal, e consecutivamente a seroza, resultando deste es-
tado, muiLas veces, hydropesias, que quasi sempre terminam pela morte m Assim pois esperamos que o uso deste remedio justifique cabalmente as nos-
sas asseveraces, porque sendo um medicamento to simples na sua composieo. a
pratica tem confirmado sna ulilidade.
Unleo deposito ew Pernamfciic
."Na botica e drogara
DE
Bartotkomeo Companhia.
34-flUA DO ROSAW6 LARGA-3*
i'H saber Maaoel Joaqulm da Silva M*la que
secvato da Sade trazer OS pS m.e- vet.de o seo esiabelecimenlo de bahus e rraroeo
feididos contra OS ataques da humldade; l qnepertencea suaofflcioa, cas muito reguc-
calcado bom e seguro o nico prjjrvjv ft>figt^Jh^^.
livo dessas mil enfermidades a que esta so- deiM| oaDha e ronpa fe|ta. quem prPlen(Jer dW.
jeito O OOSSOeu. Um Chinekl velho Cll- a-se a mesraa cas porque me retiro para fra
cado por um dandy patuscante, ou urna d'aqui.
botina acalcanhada em pequenino p de en-! zi gS| fUgdo~desde o da 2 do torrente um
cantadora deidade alm de aecusar que- moleque de nome Domirlo, lendo uma ferida em
bradeira horripilante, prova contra as fdcul- pma pema e eom faiu de um dente na frente,
j a. u i i.. ... h juica se andar pelos anab Jes da cldads eocor-
dades intellectuaes dos calcantes, e nao ha 'por*ado fom ar^a| d0 d(t0 qne larabem $e achil fu.
quem, tendO bom senSO, queira passar por Rda desde o anno passado de nome Eliza, repre-
raaluco, ou pobre de surr5o : ergo, cor
ram a:
4*RA DIRE1TA4*.
e attendam a' barateza. ,
Homens.
Borzeguios barcellonezes de lus-
tre e de porco 65IOOO
Ditos de Borde aux : 7*000
Ditos parisienses de bezerro e
corda?3o....... 80000
Sapatos de lona, sola de borra-
cha. ...;;... 2^000
Ditos aveludados..... #600
Ditos de tranca bons 1)5(600
Senhoras
Boneguins enteitados. tw 5|J000
Ditos de taco...... 4<5800
Ditos lisos......, 40500
Ditos todo de merino Jolly, obra
excelente......40500
Sapaios de borracha. 10600
Selleiros, corrieiros e segeiros I
E um completo sortimento de calcado fa-
bricado nopail.
, sentando ter 32 tonos de Idade, estatura alta, den
I tes limados e uma cicatriz na testa de um ulbo de
l fouce, esta escrava cosluma passar por forra ro-
r c*-S" pors as autoridad s policiaes e capitaes de
' campo a apprehenco de ditos escravos levando os
a f u senhora viova de Francisco Cmlcaoll de
Mello, pa estrada de Joao d Barros, qne ser ge-
nerosamente recompensado.

VIVA O PttOGktESSO
Ao Ncnliorck lo eonsmlado
prevlaelal.
Ileorique Gibson come lesumenleiro de seu
fallecido pal de igual nome, declara aos nndores
empregados do consulado provineialr que cao lera
caixeiro estrangeiro, o qne j fet sciente por mei
de um reqoerimento ao St. administrador.______
Ama,
Preclsa-se de uma ama para comprar e cozinhar:
na loja do BalSp, roa da Cafcta n. 47.______
Aluga-sea lojacto softrado n. 74 da rna da
Aurora no mesmo segundo andar.
Rcntfdtosdo Dr J. C. Ajer, ex-lenle
da Inivcrsidde de pensyhania, dos?
Estados-I sidos.
Kxli'aeo composto de salsa-par-
rltlM 1'eitDtal tc. fcrcja. Jj
Remedio para sezea.
lilil;", athariiea.
O dep, ito Ct ctral para :s provine as :
-Permmbooo; Atgan, Parsbyba e [tic-;1*5;.
Grande do Mu le, de les remec-s to t"a
\; avelmente coiihecido* e acoihidos eflt Dito de dito vinagre de Venus para rerescr a
i idas as panes Ja Amorii'.'i do Sul e do.peijr.
Norte, acba-se em casa de 'iheod 1 brli-! f"" de dito gua ambrlava para banhos do ros-
(lansen. Ki na o Trapiche* rm
sorliiueuto de ferfumarias
linas.
Chegou para a amiga leja de miudezas a tua do
Queimado n. IG.
Bonitos vasos de porcelana domada c muio lina.
Oulros ditos de | de peora i
Gurralas eom .-upenor a>:oa da Colonia.
Pia-"i"os rom agua balsamira para dente?.
Diio d- dita deulifi
I);io deex'racto de quinquina tambera pMa den-
Dilo eom opeior gua flor de latanja.
tHlji re dita-flor de io-h.
opkkacOes
nir '
DE
OLHOS. OUVIBOS E DAS VAS OUfHNARIAS.
O Or. Hamaagr -medico operador e oculista, membro titular da A*ademia
Imperial de me tirina do Rio de Janeiro, faz-sciente, ae respeitavel publico que stabe-
leceu seu consultorio ra da Cruz n. 25, onde ser encontrado, todos os dias, das 10
horas da manhaa -as duas da taixle.
Por meio de um engenhoso instrunaeito de dilataco uretra!, e pelo systema do
finado Dr. Petxoto, eDr. Ramauge curaosestreitamentos do canal da uretra; steme-
thrdo novo fei posto por elle em pratica na Orte em colloborafo-eom o s-u collega e
amigo o finado Or. Peixoto, edepois darante os quatromeze- da sua estada na Capital
da-provincia de Minas, onde o:Br. Ramaug operou quatorze enfermos que se acham
boje na mesmo estad de desembaraco. qvte no-dia rta operacs; a dor to ?pouca
que muitos nlo presumem ser operados, quando j pst desobstruido o canal.
Os joroaes da Corte edepois o.jornal Junas -Geraes do anuo passado tempubli-
cado um grande .numero de -cures, tanto de eibos (operaroes de cata-atas e de pupilia
artificial) como de estreilataentes do canal da uretra, effectuadas pelo Dr. Ramaug;
.convida.elle portanto as pessoa* qiue precisaramrecorrer a seu limitado prestimo.para
. apreseolrem-se quanto antes oonsulta-lo. Cara tambem varias desformidades do carpo
taes como, pstortae, -oltios. vesgos, betco-radiado,.etc.
0 Sr. Prancrscf Ferreira paula
Jinior
tem ama caria recommendada na ra da Madre
de Dos n. 16 par ser-loe entregue pessoalmente.
Ignorando-se a sua morada faz-se o presente.
Precisarse de uma ama qoe compre e laca a
cozmba de casa de um bomem solteiro, quer-se
urna petsoa capaz, e se engommar paga-se bem :
na loja da Esperanca n. 33.___________
i Na roa Direiu n. 3 existe uma carta vind
AO SyStema metriCO deCimal | *** o U. M Francisco Vieira.
J nlnguemIgnora que* governo imperial adop-
toa este systema de pesos e medidas e atd ja as
repartirles militares por um aviso de ministerio
da agricultura, cvmmereio e obras publicas nao
comprara se nao por taes pesos e medidas. O go-
verno de um prato eos particulares para terem
tetupn de se instruirem, mas'brevrraente se acaba
e entes todos sero obrtgados a Tegolarem-se por
estes'pesos e medidas o que jolgaroos ser de murta
ulilidade por ser esta medida tirada da circomfe-
rencia do globo e por consegointe a nnica, certa e
mais exacta, Qnarmente a'duvtfla eslava em irio
naver taes pesos e medidas, porm esse mal ja'
e^ta' sanado, j*' temos pesos % medidas tamo para
secco como para liquido, aeshn como pesos de-fer-
ro de 50 kilogrammas at 1|2 becto-gramma, de
latao de 500 grammas al um gramma, pare sec-
eos desde tft becto-lilre at decilitro, tara liquido
medidas de estanto desde um litre at o decilitro,
assim como medidas de adeira para as ljas e
medidas de exteneao (tremas), de 20 a SO metros:
o noieo deposita deste pesse medidas aa roa
Nova b. 38, aonde se vendem desde ja e se rece-
bem eacommendas para dentro ou tora da pro-
vincia.
PernaiDlmco.
Os precos de
S34jor dux'a de stiacto de salsa parrllha.
27d por duzia de i et- ral de cereja.
27)5 por duzia de rem dio p; ra sezes.
7ij( por duzia de pillas catharticas
se entendem dluhelro A vista, t m
o descont de 5 por cento em qoantiudes
de 6 a 12 duzias, e de tO por cenio em
quamidades snperiores a 12 duzjas.
Fabrica vapor
DE
M^imfl E JBOWjA.CMl^m. se usar da preparado.
Ns. 6 e 8
Joan uSlA m" 4mdeCmo" o m o <*** proprios Para presentes, e,r.; na ra do
moito acreditado estabeleeimento de paflarta s.to Qoelmedo lo,a de m.uderas n 16.
na praca da s na Cnu r.<. 6 e 8, rom maqurns Latas 5 C0|i08 C^m Itanlia Illl',
movidas a vapor, sendo e^a a segu la oesta cida-' ,^K conhecida loja de roindeas a ra dn
de, a mas apeifeicoada uu trabwihu desta ordem Qoeimado n. 16, acaba de receber as esliiii.vdas a-
at o prc-iuie; os dr-nos deste esUuVlenmente |JS Cm 4nt,a fina, a.->m CM9 Cj'poS de vdro ^b
pariicipam aos seos numerosos Iregueie?, >[ue Dovo e bonito molde, coro t-mpode vidro ecteiros
se al boje os tem servido bm, de hr.Je se lornaro mais bem servidos, nao so ew p;'o e veitose banha uanspareirie que muim >erve ara
bolacha, romo em todas as qualidadt.- de ma-as; acaLai a ea>pa, e a aiomaca e agradavel banha
lo, corpo etc.
Dito de superior *u* <*e Iuli* iogwa, de Pi-
v>r e Lnbiu.
Dito de excellenle banha de l.ubin.
S?tonet-'s de Lobin.e outros de amendoa, trans-
parente, etc.
(Lofmeltque (u pernada) de jpetior qualidade.
Finos extractos, frangipane, sudalo e onlros
tambem de fiaos e agradaveis churos
Opiata ingleza e Oanceza para dentes.
Hjuos vasos eom p de arroz e pincel.
Cixinbas eom aromtico p de arroz.
Oleo inglez. dito philorome, babosa e outras qoa-
idades para cabello.
Uiromacme para tiofir cabrillas.
fctaa aprfeiavel tintura ebegou par;, a lija de
miudrias a tua do Quiroado n. 16, assim como o
os cabellos antes de
''abales de Yi'fro cm perfnmuri^.
Vi nde se e.sses b. nilos cabales de vidro eom pei-
Boas, i'i.is os maquinas cooi-eram multo
i apres*nt.-.:ido iodo afseio e limpe"; rn'
Na ra rfo Trapichen. 1^ ^ r-ulaTinh0del4 annoS)
anTl-Se OiSogUinteS depOStOS Be' e boa coadacU, proprio para criado :
De l. B i>iiH$hauseuiNaits.
Dinheiro a premio
Quem precisar de 2:0004 a premio sob bypo-
tbeoa dirija-se ama do Imperador n. 79, livraria
acadmica, qoe ahi se dir quem da.
Attengo
Na roa Nova n. 80 pretisa-se fallar eom os se-
grales senhores :
Manoel Fouseca de Araujo Luna, ex-empregado
no collegio de Dr. Campos.
Preclsa-se alagar um preto ou nm moleque
para compras e recados : na roa do Cabug n. 18,
sobrado eom entrada pelo pateo da matrii.
Precisa se comprar uma estante envidragada
para livros, atada mesmo sem o pedestal: na roa
do Cabug n. 48, sobrado eom entrada pelo pateo
d nutria.
Bei Matemos Leaz angokommem.
Aosgezeignete'Scbinken and Schiackvrorst, gru-
e gelbe gane and gespaltesse Erbsen, grosse
weisse Bobueo, Hafergrutze, BuchweilzeQ-Grotte
nnd Graupeo. alies wird zu dea billigstea Preiseo
verliauft.________ ________________
multo
qum
ara i
fis d- >v-s
deste bello oitaiipl^nmerito procuram << Oiiaolo j
convier tm-i-oas fi.rca.- para sciupre mt-lnorai o
systeina do seu trahallio; os mesmos lomam li-'
berdade de convidar o Tespeltavel publico desia
cldade, como de fra, para no caso d* qnerer
apreciar o tnhalhn das me'ma maquinas o uni-
das a apor, todos os dias das 6 horas da manhaa,
at as i da ui de; e apruveilatn esta occa*iio para ,
agradecer a todas aquellas pes.-oas que IIks titeo va
a distincia honra.
XAROPE
DHYPOPHOSPHITO DE CAL
de GRIMADLT e C"
PUmvnticoi deS.A.I.o Prtncip Napoltlo
em Ptru.
japonna e nutras. Os pulerdenles dirijarn si- a
dita liji d n.fulezas ? rna d-i Qoeimado n 16
que ser.in servido a conleotn.
lioiujucl (los alpes,
Esse liim e agradavel extracto, vem em um bo-
nito vaso Oe p de pedra e esle dentro de uma fU-
gaote caixioha de papelao, de forma que a per fe>-
go de uma coosa corresponde a supenoridade de
onoa. Esse aprclavel extiacto acba-se a v.ma
na ra do Queimado leja de miudeyas n. 16.
A?aa florida e tnico,
Veiidemse na loja de miudezas n. 16, rna do
Queimado.
Fiascos eom gomma arbica dissolvida
e pincel.
VtnYm-se na rna do Queimado loja de mi.!e-
zas n. 16
Tima indelevel para marcar ronpa.
Vende-se na ra do Queimado loja de miudezas
n. 16.
Boorgogae.
ViDbo Pommard tinto.
Cortn tinto.
> Samo Georges tinto.
> Chambeitin tinto.
Rlrherlborg tinto.
i Clo9 de Vougeot tinto,
i Cbablis branco.
DeM A.YVaefemFraacfori:
Rheno.
Geiseoheiroer.
Liebraomilob.
Marcobruonur.
quizer dirija-se a ra da Imperatriz n. 1.
m
<***
COMPRAS
Compra-se
ama escrava <|ue seja boa figura e qoe seiba bem
cnpoi" :-.r, aao excedendo de 25 annos de idade,
e r'<"> e-bem : do escriptorio de Vicente Ferrei-
' u. Costa & Filho, ra da Sen zal n. 131, oo em
;r u ararazem junto ao arco da Conceico.
Desde muitos seclos os mdicos e os chinacos
tinho procurado um medicamento que podesse ._ ,
curar as molestias de peito; todas as pequizas illa elstica para CO> ae oaiao, e dbpd. uc
feitasath boje nao tinliSo do nenhum resultado. aCO para OS llOS.
Prem os trabalhos que forSo communicados Veoderx-se na iua do Queimado toja de miode-
ultimamente Academia de Medicina de Pars, e
as mais serias experiencias feitas no hospital
BrompV>n de Londres, que especialmente reser-
vado para o tratamento da tsica, provaro que
essa terrivel molestia, quando ella n3o estiva
anda no seu ultimo grao, tinha no Xarope tffly-
pofhosphito de Cal, um especifico poderoso. As
tosses, defluxos, catarrhos, bronchitis, grippa e
coqueluche, cedem tambem rpidamente ao uso
d'este Xarope, e os astbmacos acho n'elle um
elemento certo para curarem-se.
Recommenda-se aos doenles de fazerem uso ao
mesmo tempo das deliciosas pastilhas peitoraes
ao sueco de alface e de louro cereja, dos S"* Gri-
mault e C'*. Esta excellenle preparacSose compoe
de duas substancias as mais calmantes e ao
mesmo tempo as mais inoffensivas da materia
medie, e no contem opie.
Deposito as pbarmacias de P. Maurer
C. e A. Caors, em Pernambaco.
Ouro e prata.
_ ^ i L Em obras velbas : compra-se na praca da In
Em casa de Tneod Lhristianse, ra piene-iiovo n. 16, nico agente no norte do- Bcasil
de BranJenburg frre?, Bordeanx, encontra ;x>f-
(ectivamente deposito dos artigos seguiotes:
St. Janeo.
St. Pierre.
Lapose.
Cbateau Loville.
Cbateau Margaux.
Grcnd vin Ghatean'Lafltte 1858.
Cluti-au Labite.
llaut Saulerues.
Chatcan Saoternes.
Cbateau Lataur Blaoctie.
Cbateau Yquern.
Cognac em tres qaalidedes.
Azeitt doce. Preoos de Bordeanx.
Compra-se ouro, prata e pedras preciosa
em obras vethae : na ra da Cadea do Recite
cja de ourives no arco da Conceicao.
sterliuas : na raya da J
Compram-se libras
Indepeodenoia.a. 22.
Caaspram-se dous Bourgains em seguda
mo: na ra nova, escriptorio de Quioteires &
Agr.

IGrande armazem de tin-i
tas medicamentos etc.
Roa do Imperador n. 22.
m
Jtibras esterinas.
Comprsi-e j'^oo Pedro das
& rente) tem a
Compraoo-se libras steriioaa
-gario n. 17.
na ra do Vi-
mmm ****** mmm
CASA DE BACHOS t
26 rateo do Carmo 2$.
Neate-estabeleciateoto t5o impor- *
taute para a saude e asseio do cor- i
p.n, acbam-se montados 20 banbei
vas, qaeto servidos coro a ordem 9f
e a&seio que para desejar-se. Qua- jK
tro destes banbeiros .sao especial- |
mesie reservados paca senboras e j
por isto ackam-se eolio vatios em lu- !
gar reservado, aonde s tm entra- **
da as pessoas de uma mesma fami- WL
lia. jf
PREgOS DE BANHOS A YL'LSOS. &
1 banbo fri, morno ou de
chOTisoo .... 500
i dito de choque .... 1,0000
i dito de farello...... 1,0000
i dito aromatisado 46000
PaECOS POR ASSIGNATURA. *
d banhos por mez fri, &
aorno ou de dio visco. 10000 W>,
23 bauios eom cartees pa- j^
ra os mesmos .... 10,0000 to
12 ditos ditos ditos. .WO S
12 ditos ditos de cboque. 100000 ^
12 ditos ditos de farello.. 104000 *
0 estabeieeimento estar aberto pt
nos dias uteis das 6 horas da ma- $
nba as 10 da noite, nos dias san- j
tincados das 5 as S horas da tarde.
t:ui grande sith para alugar.
Aiuga-seuiii sitio na F.ssagem da M'gdalea,
eom asa de sobrado oode podem caber duas fami-
lias vontade, agua, gaz e duas barias de capjju,
lugar para horla e jwdim, eom coxeira, estribara
para tra cavallos, quario- para pretos, e uma casa I rrotnacao.'
terrea eparada para caixeiros ou mogos que gos- ('aojeiras^D.
tem d* estar a sua vontade ; para ver e examinar'
a locaiidade, entre o sitio do Sr. comineo Jador
Joo Pialo e do Sr. Joaojgnacio de Medciros Reno.
Libras
Compram-se no-escriptorio de Antonio Lulz de
Olitsira Azevedo&'C, ra da Cruz u. i.
Chapeo* de mgnilha branca
a 14,8,160.18^ e 200.
Na praca da Independencia n. 2i e 26.
-n-------------------------; -. Compram-se -patacoes hespanhes
Ouerece-se um rapaz nacional para quiiquer { a qaem precisar dirija-se a ra 4ts La
16.
m
na ra
'i .i.
GARRA1X DE J.AIU1ACAR & C.
[LBRAME FRftNQAlSE]
RA JK) CRESPO N. 9.
Livros nacionaes e estrangeiros.
Retigioo, dvrlo, lilteratura, etc.
Papelaria, objectos para esoriptorio.|
Papis pintados para ferrar-easas.
Assignalura para os jornaesda Eu-
papa.
A NACIONAL
Companhia gerat hespankoia
, vida
Capital subscripto al lo de abril (le
4-866. rs. J2,4.2:{47$O00.
VE1IDS
M
Heves (ge-
venda o
seieHlnte:
Productos cbimicos e pUarma-
ceuticos os mus empregados em
medicina.
Tintas para todo o genero de pin-
tura e para tinturara.
Productos industriaes e tintar,
para flores, como botoes de (torea
e modelos em gesso para imitar
fructas e passaros eom o compe-
tente desenho.
Productos chmcos e industriaes
para photograpba, tinluraria, pin-
tura, pyrotecnia et\
Montado em grande escala e sup-
nrido directamente de Pars, Lon-
dres, Hamburgo, A rivera e Lisboa
pode offerecer productos de plena
confianca e satisazer qualquer en-.
commenda a gros.-o trato e a reta-
ilio e por preco commodo.
zas n. 16.
Bonitos ntremelos e babadinhos bor-
dados.
Vendem se por barato preco na loja de miue-
zas u. 16 na ra do Queia ado.
Tinta rxa e azul que Gcaui pretas
Na loja de miudezas n. 16 a roa do Queirr.ado,
ven.i m-se frascos grandes e mi-ores eom "'cae
exceileules tintas, lxa e azul para fiear pieta ; o
prego dos frascos 1*000 e-300
Gr.-'xa econmica em latas e battilsmbos.
Vendem-sena. loja de miude/as n. 1C a ra de
Queimado. __ ____
COLLARES BOTEE
; O
Anodinos elertramagaeticos contr-p as
coivBsles, e para facilitara rient-
c das crianess. A a^a-branra,
a ra do Queimado n. 8 recete os
por todos os vapores francezes.
Ja estaoto conbecidos, e tanto se tem e'paiha-
a fama desses prodigiosos collares Rr.yer, que
torna desoeciNsa'io dizer i iis clnma < isa
em abono de m-os bons e ifflc: ffV-itos; isla
'o testemunho de milbares de pesso^ que tern .is-
to f aproveitado o fel'z resultado de; ls !?o otis,
quao Dfcessarb > collares Royer. A qu i crescida exlracco, que vo tendo, mostr 'inda
' que o numero dos prcigios se eleva eom o tos
"Compradores. A apuia-branca, porm, desejindo
cineorr-r para nui fin de tanto aproveitamento,
tem feilo o> neei-.:iios pedidos, pata qne por to-
dos, os vapores francezes Ibe seja remettida eerla
qoantidaJ- < Jiifs collares, para assim tornar-se
iofallivil o toritr-epto d?!!e', na loja d'agui.-bran-
ca, ra do Qneia.ado n. 8.
"'>.*joo|io de megno
' Com bonitas vistas.
A aguia-.ranca receben bonitos siereoscopos de
mogno riivermsados e com lindas e agradaveis vi-
ita, e quer veri y los baratamente, sendo i eaixi
nna com 24 vi>i.s escolhidas por IOjOOO. Pode
lambom vender as vista* separadamente a cooten-
: to do cemprador, qne se dirigir a' ra do Queima-
; do o. 8, lija d'aguia-branca.
Sodoas de merino
coro sola, para 'enancas.
A agula-branca na ra do Qoeimado m 8 reee-
beu um bello soitimeoto de boliuas de merino
cem sola para criaacas, sendo o sortimento v?
nado em tamaohos e differentes cores.
Fitas largas lavradas.
Alm do completo so timento de fitas que cons-
firan de .hotel Traviata.
0 prcprieliirio deste estabeieeimento participa j
ao respeitavel publico qoe araba de reformar o
sea Hotel de modo a oflereeer aos *eus fieguezes
excellentas commodidades, boa e aeeiada comida,'
delieados Wnbos magnifico! buhares por preco <
commodo. O servico feito coro regplaridade e
promptioao nma prova de qoe o proprleiario do
hotel Traviata moito se empenba em agradar aos
seos fn-goezes. Este hotel, sitoado na ra larga
do Rosario n. 37, no bairro de Santo Antonio,
sem do vi da o mata central, e como tal o qoe pro-
porciona mai i vaotajuns.
Mmwmmmwm* mmm
DEPOSITO DE CALCADO
F1BB1CAM NA GASA 1)1 DETKNCAO H
IRaa Kor* m. 1. p
Abi ae encontra rao obras de di- m*
\ veraas cualidades, e por preco mui j
1 dimioutoa, a retalbo 6 em porcOes. I
m 8 se vende a dinheiro,
llfllfllllilil
Amansador
ioo Baptista de Hederos mmto agradece
aos seos amigos e vais peasoas que se dig-
naran) assistir aos ltimos 'sufTragios pela
aloia.de so presada esposa. Clara Adelina
de Medelros, e de novo convida para a missa
e memento do stimo da, qoa lera' logar na
igreja do convento dos religiosos francisca-
nos oo dia 17 pelas 8 horas da manhaa
Vendee um torno obra prima e lodo no- conQaoca e satisazer qualqw en- 1 tantemeote se ac'ba naa jad"'agoia"br'an7s
.v proprio-para tornear melles e madeira, p commer^la a pros.-o tnato e a reta- S ;Cebp? npvam(,I1ip um ooim sortimento de'q' iar.
*$%& vSZ^'v^riSTff ** dit0 trno CDC0 qua,idades e ^Sca 5 WO e por preto commodo. S! rJEZPJZ**e novos >^ lr
dade de subinspector da companhia, esta' devida-1dUfel'entes para azer pa/afusos com a pon- V^>* wnmti& anwA ^- < 'sim, ri J f as",fa".ID aneciadas, uesse
mete aotjnsado para o desxmpenho de suas func- ta A espera feicao do T, vende-SO igual- > ll,'BlaflKIa Idea do annradn\J rtaS*0 fa?a ':rl
a%. d?S^r.aoSC^ri.^^%: SnlLuai rfrWhf fe,t0.rli pracapof Aguas miueraes uatnraesde,rai5\^^TV^^^^^
Cional ando a'conbecer as aougens positivas lum ^ majs pertos artistas; para ver e T7,VU,T r ^Z" Loe Mdi bi de metu,r r,e K< nero-
ue a mesma aprsenla. tratar dirija se ra da Matriz da Boa-Vifila V ICHy. *** e topos eoaa baulta Oaa.
inspeepod^i^icloraa daCadeU n. ), 6 Casa fl. 36.________________________. Oe odas as aguas mineraes entregadas em me- banVAm ^ ^ImT^!?1"
frt //T/. I"' D.eno> o 'ao *" repulacao, ot-mo dito. crr.iin.u r. vr^r..-.; *, P sapno n rna
Ha WS > nalnral de Vicby. E^las aguas sao salinas e ga- do Queimado loja d'aguia branca u 8
fifarde Mrtiiiento. '53?eo^SS!"!tZT, rt^T^T,te,Bea^"Ireperola, saidalo
Chegou i raa da Imperatriz n. 52, junto a pa-; ea- nag reas, nos clculos urinarios, na go:t. na e ac.
daria franceza, am grande sortimento que se ven-' diabetes, na albuminuria, as doenos das vias da a 2J500 r. paraacaabar. gftiiva, peso do .stomago, digestu difflcil inape- ^'"1 UhU r*int>>a de bonitos leques de madre-
de jullio de 1866.
O inspector,
Je/oaymo Jiaquim Finta de Oiireira.
A pessoa que anaunclou por esle Diario,
precisar alogar um sotao para orna familia de tres
pes levaranda para a roa, di ija se a ra Imperial
| o. 87, que se tratar do negocio no mesmo so-
rado.
Aluga-se orna preta escrava para o service !
herno e externo de ama casa, quem a pretender
dirija-se a roa do Arago n. la.
-"- No engenho Penanduha precisase de un
bortalelio. a pessoa qne se julgar habilitada diri-
ja-se ao referido engenho, ou na roa Angosta n. 94
qoe achara com qaem tratar.
.-TVendee o dkctonario iS^bSTio?. J* fiaS'ralgla dSpepS,a- m,,,ri'e tb,a> e,c- ffiL^fc ostros^VfiSo**S
Jahr : na roa da Oadeia do Recife n loja. ^^ na b, l(M n Pinto rM ,, An Tlnloras para faaer os eabelkos
Panno de aigndio da Babia, proprio para sac-1 rio o. 10.
oos de aseucar e ronpa de escraros, do melhor que
Vem ao mercado, e fio de algodao da fabrica Todos i
os Santos, do 8r. commendador Pedroso, tem para I
vender Joaqoim Jos Goncalves Beltrio, aa ra do |
Vigario n. 17, eseriptorio.
Deposito na b< tica do Pinto, roa larga do Rosa
Na padaria da Torre precisa -sa de
um caixeiro, tendo abjuma pratica de taber-
melbor ser.
PADARIA.
nico deposito de lou^a da
fabrica do Barbalho no
pateo do Terco n. 12.
Cbegaram jarros moito bem feitos, e jarrinbas
para 4 e 5 canecas d'igua, potes de le mela cane-
ca de agua, pelo preco mai barato do que todos :
s pois no uuico do pateo do Terco n. 12.
Uma pessoa com bastaote pratica de cobran -
cas offerece seos servicos mediante a porcenta-
gem qne convencionar, Unto nesta cidade eomn f-
ra, e tendo nenes dias de ir a Iguarass e Goiana,
quem se quizer utilisar dirija-se a Boa-Vista, rna
Velba n. 58 cata da quina do neceo de Joo Fran-
cisco, qoe dar' coohecimenio de sua conducta.
a roa da Cadeia do Recife escriptorio n. 40
Io andar, deseja-se fallar ao Sr. Pedro Anlnaes do
Sacramento que consta estar estudando em nm dos i
colegios d'esta cidade. Hl
Vende-se uma padaria com todos os sns per-
lentes e ntenciiios novos e em perfeito estado, e
moito afreguetada, na enernzilhada de Belem, ero
frete i nova estrada que se esta' abrindo para Be-
i beribe.
M\k LOJA DE
sirgueiro
Edaardo Fenton a Sonta acha-se estabeleeidb .
com loja de sirgaeiro na travesea da ra das Cm-'oinerfnci-
Vende-se um casal de cachorros raca de fila,
, os quaes tem seu mezes de idade, assini como al-
I gaos casaes de cario : a tratar na roa do Honde-
go p. H.________________________________
Vende-se palha de carnauba a 700 rs. o fei- j
zo : quem quizer eiriia-.se a roa da Concordia n. I
12 Conforme a porcao que lomar fazer-se-ba a I
Bernardioo Jos Leilao roga a pessoa que
Ihe achoa nma letra da qnaaia da 440JJ a prazo
de 8 metes de dati de 13 do correte, s cem o
aceite e ainda sem nome do tacador a qual fol
perdida de-de a Capunga al o Recife, lenha a
bondade de entregar do paleo do Hospital n. 14 ou
na Capunga ra das Criooias n. 3, bem como des-
de j protesta
contra quero tiver feito negocio ou
Precisa-se de um imassador de padaria oo mes-1 transaccao alguma com semethanid letra ser falsa
tes a. i 2, e neste estabeieeimento encontra rao sem-
pre nm grande sonimeoto de objectos militar, ga-
loe?, franjas, ios de caro e prata, e tambera scien-
tfica aos Exms. Srs. vitarlos e mais cleros qne
fazem se quaesqaer obras para ornamentos de
igreja, paleo, homhellas e todos os mais neeessa-
rios ; e aceilam-se encommeodas, quaesqaer qae
sejam, tendente ao que cima se menelooa.
rao pessoa que qoeira aprender o fabrico "Jo pao
na roa dos Pires >. 4t.
PedldoMe rogo
Pede-sepela segonda vez e rogase pela primei-
ra, ao Illm. Sr. Dr, juiz do commercio, que mande
fazer o segundo dividendo da massa faHida de
Irind Januarlo de Oliveira, visto haver em depo-
sito grande qoantla.
Precisa-se de ama ama que campr a cosmhe
Pa*a encrespar hadados.
Tnesouras de todas agrossuras. de duas, (re
e cinco peroas.psra encrespar bordados : vendem-
do a roa do Qoeimado loja de ferragens de Ateve-
se & Irroo.
Vende-se oro m "loque
na raa da Praia n. 70.
peca, i 12 aiioo-
e nolja, visto nao ter aceitadj letra de igual quan- para uma casa da poaca familia : na ra Nova de
tia al a presente dala. Recife 14 de jolho de 18M 1 gauta Rita o. 33.
Veode-se na roa do Imperador n. 71, i* an-
dar, 5 eadeiras, abseos, 1 mesa de abas, 1 cama
(ranceta, 1 marqueaao, 1 armarlo, 1 mesa, i ga-
mela grande, 1 talxo, e certos movis perlencentes
a casa,__________
Vende seama salala desamo Antonio com
todos os seus perteacee, sendo algnns de prata :
qaem pretender dirlja-se a ra das Laraogeiras
casa de ourives defruntea asa n. I.
Otno, fortes constipa-
pSes, irrilapSes dos
tronchos e do peito,
bronchite,phti).icapiU-
monar, astma, pneur
monia,anginas,amyg-
dalices, toaechronica,
nuqtudao. 0 mdicos recommendio ao mesmo
tempo o uso das excellentes pastilhas paito-
raes com o snooo d'alxace o laureiro-
oaraie, qne se prtpario no mesmo esiabelt-
de Maurer e A.
pretos.
A spuia branca, na roa do Queimado n. 8, aea-
| ha de receoer novo sorlimenlo das apreciav.-i-, id.
peitoral e dulcificante 1 taras para empretecer os. cabellos, sendo caixinhas
' com tintura de chromacoroe, frascos.com colorico-
me para lu&iiar o rabellos, ditos com onychromnn-
lione para limpar as unhas, ditos com h'ydrocalle-
;iricl,ii.ojai lavar os cabellos, sabo bran.-o tjn-
bem para lavar os diios, caixlnhas com Mora de
Hoeldo Wer nas cm dita de L. Marqne-
Boneeas qne aodam.
A Jguia branca, na run do Qoeimado n. 8, re-
i cebau novas e bonitas nonecas, gu movidas pi.r
tost, catarrhos pleu- nm machmisma, and.m perfeitament,, e pela per-
resia, coqueluche, os- j feicao e n vidade das dius se to-oam exeelknies
para pre.-enles : os prndenles asacharao na-
loja -tafruia brinca, rra do Qoeimado o. 8.
JAROPE
SAINT-GEORGES
Prepirdo por
GSIMAOLT Cu
phirraactuUcoi de S. A. L
o principe Nnpeleio
Cura rpida de las
molestias seguentes:
i A venda as pbarmacias
Caors.
Ra do Queimado n. 19
Noaruwem defafcendasbaraias de Sanios,
Cuelbo, veotle-se o seguate :
Pachiucha.
Pecas de madapoln largo encorpado proprio-
paia camisa esaia para senhora pelo baraUssimo
preco de 8J fizenda de lOjg.
Vende-te no becco do Veras n. 2i orna prela
moca, boa figura, que engomr.n, lava e cotinha.
INJECCAOeCAPSIAS
:VEGETAES aoMATICO
GRIMAI'LT&C'JpharmaceuticosemPABIS
Novo tratamento pYeparado com as fallas de
Matico, aore do Per, para a cura rpida e in-
zailivel da Gonorrhca sem reccio algum da con-
trteco do cana I ou da inflammacao dos intestinos.
0 clebre doutor RiCORD, de Paris, ter rcnonciado.
desde sna apparifio, ao emprgo de qualquer
otro tratamento. Emprega-se.a lttjeccao no
com eco de fluxo; os capsulas em todos os casos
ehrasies* e inveterados, que resistiro s prepa-
raoBes do oepahn, enhena e aastsUk*.
A veadi as pbarmaeias de P. Maurer A
C; e A. Caors, em Pemambu
Ha roa larga do Roan, c" m-se
doosjolos de famo por precj commodo.


^

Diarto de temaibeo rere* fetr* 1? fe efmffc e 1866.

I

0 que oecupa hoje mais a attenqio do mundo
econmico? o novo systhema do proprietario do ar-
mazem de molhados
NIAO MERCANTIL
53 RA DA CADEIA 53 <
I ASS.-lfflIO O ARCO IIA COWCBIClO. A .
Que surge de novo hasteando a bandeira da modicidade de pregos em toaos os
seas superiores gneros.
Que o publico reconheca as vantagens que de tal syslhema Ihe resolta, o que o
proprietario do sitado armazem deseja, e a que desde j o convida : passando tmbenla
notar-le os precos de alguas dos gneros do seu esplendido sortimento, e para os quaes
pede
ATTE\(iO
.omina de mil lio braneo americana. .
,BsU expeliente gomma, multo se recomcommeada edujo o alinalo mais subs-
tancial e saulavel; servindo nao s para papa (noque, superior de todas as ootrae
gommas e farinhas)mas tambem della se pode fazer pSo-de-l, cangica, creme, bolo
francez, podira, etc.: o preco de cadi pacote de urna fibra Seo rs., era caixa tem aba-
timento.
MANTEIGA INGLEZA de superior qualida-
de a 1,28a e I,loo rs. a libra, em barril
se faz abatimento.
DEM FRANCEZA a mais nova que ba no
mercado a 64o rs. a libra, em barris ou
me ios a Gao rs.
CHA HISSON de primeira qualidade a
2,8c o rs. a libra, alem desta ha muitas ou
teas proprias para vender a retamo, que
se vendem de 1,6oo a i,8oo rs. a libra.
IDEM-PAETO o maisespscial que tem vin-
do a este mereado a 2,2oo rs a libra.
DEM cegular de l.6oo a l,8oo rs. a libra.
QE1J0S DO REINO ltimamente chegados
pelo vapor 24eo:. ditos do vapor passado
a 2,ooo rs.
UTAS DE CHOURICAS com 6 libras er-
meticamente fechadas, a 4,5oo, de barril
a 64o. a libra.
E3TRELINHA para sopa em caixas sortidas
de>8 libras, por 4,ooo rs.
VINHO VERDE do verdadeiro sumo da uva,
e o mais proprio para sa beber n'este
imperio, pela sua extraordinaria fres|u-
do e agradavel gosto a 64o rs. a gar-
rafa.
AME'XAS FRANCEZAS em frascos de t
2 libras, a 2,8oo, e i,4oo rs. em caxi-
nhas muito enfeitadas com diversas estam
pas a 2,300, l,8oo, i, aoo e 1,3oo, reis.
BISCO ITOS INGLEZES em latas contendo
diversas qualidades a l.ooo e l,2oo rs. a
lata.
PRINCIPE ALBERTO bolachiuhas as melho-
res presentemente conhecidas a l,6oo
rs. a lata.
SALAME HAMBURGUEZ chegados no ulti-
mo navio a l,6oo a libra.
PREZUN TOS verdadeiro de Lamgo, a 64o,
rs. a libra, e 56o inteiro.
TRAQUES n. 1. em caixas de 4o cartas, por
8,Soo, e 24o rs. cada ama.
MARMELADA em latas de i, i e 2 li-
bras a 6oo reis a libra.
JALEA DE MAR MELLO em latas, a 8oo rs.
FRUCTAS EM CALDA pera, pecego. alper-
ce, rainha Claudia, e ginja a 64o reis
a lata.
MOLHO IN5LEZ de diversas qualidades, a
f2o rs. o frasco.
MOSTARDA 1NGLEZA muito nova, a 8oo,
rs. o frasco
DEM FRANCEZA a 64o rs. o frasco.
SALMO E LAGOSTIN chegado ultima-
mente, em latas.de 2 libras, a l,6oo. rs.
ARENQUES em latas a 64o rs. cada urna.
SARDINHAS DE NANTES em latas e meias
16oo e 36o reis.
VINHO DE COLLARES o legitimo vinho
desta localidade, muito superior e sem
confeic3o alguma, a 8oo rs. a garrafa.
IDFM MADURO o verdadeiro do alto Dou-
ro em barris de lo em pipa por 35,oqo
cada um.
VINHO DO PORTO de diversas qualidades
engarrafado, inclusive o maisfino que ha
n'este. genero, por 8oo, 1 ,ooo, l,2oo,
i\4oo e l,5oo rs. a garrafa.
FEIJiO verde e carrapato em latas emti-
camente fechadas, a Joo rs- ...
CHOflGLJWfr frabajm pacotes de 1 libra
A&$A$'darcnegQ Lfrba a- -IvSoot **. aicoreta, e5ee> a
guarrafa. n
CAF avado a 24o rs. a libra, e 7/>oo rs.
a arroba, e regalar a^oautteii, efcSoo,
a arroba.
VINHO CHERRY desmas suftentf dower-
cado a *,5eo rs. agapafa, e"5,oo-rs.
a duzia.
MOSCATEL o verdadeiro de Setubal, a
i ,8oo rs. a guafa* e 20j000 a duzia.
VINHO BOROEAUX das mais acreditadas
marcas, S. Enailion. Sarrt Jatten Haut
Brion a 7oo e 8oo rs. a garrafa, e em
caixa dednRia,. a 7,5oo e 8,ooo rs.
VINHO BRAN6) de> Lisboa de excelente
qualidade, e proprio pararaissa, Seo,
rs a garrafa, ou 8,ooors.a caiia,de duzia.
MADEIRA SECO a*,2oo a garrafa* e 12;ooo
rs. adazia.
VINHO DRHENO superior,.. *; 2,ooo a
garrafa, e.2,ooo rs.. a duzia.
VEBMOUTH de superior qualidade em cai-
xas. de 12 meias garrafas porl2,t)oo,e
garrafas por I,2oo rs.
FAZE\DAS PHETAS
Gros de aples preto a 14500, i0600, U, U. 3*500 e 44 o covado.
Gorgorao preto de superior qualidade a 24500, 24800, 34 e 44 o co-
vado.
Superiores moreantigues a 24500, 24600, 34, 305OQ, 44 e 54000o
covado.
Bons cortes de moreantique.
dem de gorgurao adamascados.
Bons pannos e caserairas.
Sup ores alpacas, pancetas, merinos e bombazirus.
Bous villudos pretos.
Grande variedade de ehales de fil preto e de guipare a 54, 64, 84,
104, 124, de 164 a 204, e de 254 a 804 cada um.
-fcperioret atondas de fil preto e de guipure a 84, 104, 1*4 e 254,
e de 3G# a Oleada urna.
Superiores aigerienes-de H preto e de guipure de .124 a 254, e de
304 a 604 cada urna.
Bons chailes de sedapreta.
Ditos de Merino preto bordados e ou tras muitas fazeodas pretas que
seria eutadonbo enumeror, na
IOJtjl has coIUmsas
E 4NT0NI0 CORREU DE VASCONCELOS ft C.
w o fflfij ~m m{
VcZr ^&>*3&tr ^S&TTS&T^S&s,
PHOSPHATO DE FERRO DE LERAS
uit. i >i sin:\ri\M
INSfECTOR DA ACADEMIA DE PARS.
N*> existe medicamento ferrugipoeo toaotavel como o phosfbalo. de ferro de
Leras; assummidades medicas d muad inteiro adotaram^no com socMode sem igual
nos annaes da scio-a. As coces paindas, dores de estomago, digestoes peuosas, ane-
mia, con vale vincas d+Bceis, 44*de critica das seoboras, irregularidade na menstruacao,
pobresa'do sapgae, jympbatsmi sao curados rpidamente ou modificados por este ex-
celleateeomposo. E e conserva-lor por excelencia da saude e-declarado superior nos
i hospiaes e> pelas aeademiae a todos os ferruginosos conueeidos, ao idoreto e ao citrato
i de ferro, porqae o uuico que convem aos estmagos detcados, qae n5o provoca cons-
paco uaico tabee> que nao enegreca a bocea e os denles.
Em Pars na ra da Feuillade n. 7.
A venda em casa de-Maurer, e A, Caors.
PECMA SEN IGU4L
Ricos res de gorgvro i seda pretos adamascados para vestido com 13 metros
on 18 a W eonrtos cada corte, largan de chita francesa, pelo baratissimo preco de 50
cada corte : na loja das cotamoas 4a ra do Crespo n. 13 de Antonio Correia de Vascon-,
.cello*. &C
LOJA DO BliO
DE
AZEVEDO FLORES
HA BA CADEIA DORECIFESL 4
Vejam e admirem I!
Chapeos de sol de seda a balo que valem 124, o Biio vende a 104, e quem
comprar de 6 chapeos para Cima tem abatimento de 10 por cento-
Camisas.
Superiores camisas de peito de esguiao pregas largas a 364 a duzia, a quem
comprar de orna duzia para cima tem o descont de 10 por oenlo.
Baldes com canda.
Superiores bales de murselina brancos e com listas de cor.
Roupa felta
^Calcas de lindas e superiores casemiras a 84000.
dem escuras proprias para o invern a 74900.
dem claras mais inferiores a 54000.
Paletos saceos de panno preto nao a 104 e mais inferior a 84000.
Chitas para cobtrta a 28*) rs o covado
Superior ehita para coberta, cores que os donas do Balo aflhncam ser as mais
Oxas a 280 rs. o corado, quem deixar de comprar caitas que todos veadem a 400 rs. e
28 J; o Balao tambem tem para vender um benito sortimento de chitas claras e escuras
MadapolSo qae val 104 a 64500, lindos cortes de cassa de cor a 248*0 ; visja
dos precos cima, dirSo, aazeoda nao presla.... e nos amaneamos que ame-
lhor possivel, e se vendemos por estes diminutos precos para grangear maior numero
de freguezes. .
Quem duvidar da veracidade do que flea dito venna ver.
ti
ALZZ.AIIJHS
Tinta Inalteravel
Para escrever
de P. HAIIER rC.
PERNAMBCO
-
Esta tinta reoommenda posica e flxiidez oomo a mellior e a mais
segura de todas as tintas at Itoje oonlieci-
d^,s. Na6 ataca as pennas de ac, da at
tres excellentes cop jas, meano muitos dias
depois de escrever, e preferivel a qual-
quer outras tintas particularmente para
livros de commercio, documentos etc de
qne se careca longa oonserv9a6.
Loja do Vigilante
RA ,D0 CRESPO 7.
Este estabelecimento acaba de recebar pe-
lo vapor Extremaudre, e de sua propria en-
commenda, u completo soriimento de ob-
jectos de apura Jo gosto e alguns de comple-
ta novidade, como seja :
Riquissimos necessaaios para costuras,
tendo de-madrepola, marfim, chrislal, eou-
tras muitas qualidades.
Ricas caixinlias de madeira macbetadas
, 1 todas de midrep /la, com msica, c o neces-
sario para cosiura.
Cixinhas de mnsica, tanto de veio como
de corda.
Riquitsimas malasinhas & madeira, for-
radas de marru^uim, contendo o necessario
para costara, propria para meninas.
Lindos vasos para pos de arroz.
Lindos livrtnbos com capa de tartaruga
para musas.
Riquissimo sortimento de enfeites para
senlioras e meninas.
Cintos inteiramente noves.
F.veUas, de tartaruga, cbristal, e metal,
para cintos de senhora.
Leques de sndalo e de madeira.
Riquissimos porta bouquets.
Lavas verdadeiras de Jovin.
Ditas de seda e de Escocia.
Lindos botes de chnstl, tanto para pu-
nhos, como para cohetes e abertura de ca-
misas, estes botoes toraam-se recommenda-
?eis, por ser inteirameate novidades.
Ditos de cornalina, brancos e encarnados,
para cohetes.
Finas tbesonras para unbas e costura.
Lindos porta joias.
Ricos port relogios de porcellana.
Modernos pentes de tartaruga e a imita-
Cao.
Albuus para retratos.
Agulhas e bobas para croebetes.
Lindos aderecos de christal.
Rosetas eaMmetesedito.
Aderecos completos para luto, assim co-
mo brincos e rosetas.
Meias de seda para senhoras.
Ditas para meninas.
Sapatinhos de seda e de mirto, para
baptisados.
Touquinhas e ehapoeinbos para dito.
Las de todas a cor para bordar.
Capellas para noivas.
Gravatas e mantas para bomem.
lfinetes para gravatas.
Riquissimos lvrinhos paca notas, sendo
cern capa de madriperola, marbm e cha-
grn.
Penas de ac de toda as qualidades, do
afamado fabricante Perris.
Froco e sed frouxa para bordar.
Bengallas e chicotes de todas as qualida-
des.
Dedaes de marfim e metal.
Espelhos dourados grandes, e pequeos-
ditos de columna.
Dito especiaes para as senhoras fazerem
os pentiados.
Pulseiras tanto para senhora como para
meninas.
Riquissimas fitas lavraTlas e lizas.
Diademas do ultimo-gosto.
Ligas de seda.
E' banitisaimo!
E' baratfcsimo!
E' baratissimo!
Neste ImporUnie estabelecimento encontra ores-
pyjavel publico um variado sortimento de fazen-
das franaezas, inglezas e suissas, e as quaes se ven-
derlo par preo comnudo a saber :
Cuales.de,renda,preta a 54500.
Vende-se um sortimento de chales derenfla pre-
ta a WSOd eiW,'*M09 de sda a tli, 14* e 16fc
tetona roa dilmptiaizB. 7 d Guinaries k Ir-
mo.
Retonds pretas a 8&.
Venderse.retondas pretas j>eio barato preco de
8*, 84500 e 9; na ra da Iroperatriz n. 71, toja
de Guimares & irmo.
Grande pexincha a 2$ o corle.
VeJe-se corts de caiemira da Chioa a 2*000,
Um 2*800 e <, ditas de brim a i*ieO, 1*400,
E' muito barato, tarlatana decores a 240
rs. o covado.
Vende-se nm grande sortimento de tarlatana de
cores aoito proprias para vestido, faseada mais
moderna do e 280, ditas mais fiaas a 300 e 310. ttasinbas
escocezas muito modernas a 360 e 400 rs. o cova-
do, ditas muito finas 400 e 500.
Cobertores de algodSo a 800.
Vende-se cobertores de algodio a 800 rs. ditos
melhores a 4*600 e 1*800, eooertas 2*500 e 39.
Quem duvidar venba ver.
Cambraia de cores a 240 rs. o covado dita fina a
280 e 320 chitas finas a 280. 300, 320, 360 400
rs., ditas percalas a 400 e 800.
Est se acabando chitas a 160 rs. o covado.
Vende-se chitas a 160, 180 e 980 rs. o covado,
riscadtnbos franceies a 240 e 280 ra. o eevado, roa
da Imperatnz n. 72, de uiaaraes & Irmao.
Lencos brancos a 2<5 e 2*500 a duiia.
Ditos fiuos a 3* e 3*500, ditos de linbo a 8*000,
Cambraia branca a 3*.
Vende-se nm f rende soriimento de cambraia a
3*,3*S00,4*,4*S0Oett.
Baldes a 2.
Vende-se baldes de arcos a 2*, 2*500 e 3*, di-
tos americanos a 35500 49 e 4*500, ditos de mur-
celina 5*, 5*500 e*, ditos para meninas a 4*
e 4*600; isio na ra da Imperatriz n. 72, loja de
Goi maraes & Irmao.
a 3100 o corte.
a 3i9000 o corto.
a 3^000 o corte.
Vende-se corles de ia com 12 covados a 3*. di-
tos finos a 3*500 e 4*, ditos a Haria Pian 7*500
8*, 8*500, 9* e 12*. gravatas finas para homem
a 840, 800 e 1*000, mantas moito finas a 1*200 e
19400; isto na roa da Imperatriz n. 72, loja de
Guimaraes 4 Irmo.
RIJA. DO BRUM ]. 8
,1> pronrett^'lO deste estabelecimento deseja chamar a attencao prietaries pera os acTcditadoa meehanismos que continua a fornecer; es quaes garante
ser como sempre, da melhor qualidade possivel:
maohmas de yap
forca de am cavallo para cima. As menores san mui proprias para motores de des-
earocamentos de algecBo; ellas viajam armadas e podem trabalhar dem'ro de 24 horas,
depois de chegarem no lugar. Ellas levara tudo qnaoto- preciso para o trabalbo-, e
diversos spbreceHeates-. As ma-ihioas maioies s5o proprias para a moagem de canna,
e ha deltas qae po*m j.unta e separadamente moer canna e descarocar. Ellas podem-
se applicar a qualquer moenda j ex siente s.im oaira mudanea do que asubstkui?ao das
rodas da ahnanjarra, ha tambem com. moenda junta. Ellas ten depsitos d'agua eboei-
ros de ferro, e nao precisam para seu asseniamento de obra alguma, qur de carapina,
qur dealvenaria. Otempo para assenta-hs nS-i excede dedoze dias ao mais, eem
casos de mortea de animaes ou arrombamenios de acudes, etc,. garanle-se o assentamen-
to em oito dias. Todos estes vapores sao simplissimos na construeco, e se regem por
qualquer pessoa intillrgeote, a facildade da condcelo sendo especialmente considerada,
tanto que na balugar em que>ne se possam conduzir, qar por torra, qur embarcado.
Lembra-se aos senhores de engenbo que a venda dos animaos e o ser vico da
gente ecenpada no seu tutaniento os bao de recuperar da maior parte da despeza do
vapor, deixando-lhes a vantagem de urna moagem certa e aceelerada; e- acabando com a
despezada compra continuada de no vos anima es, ecom os desgostos do trabalbo que se
t*m PAt J>il|ag
Ser talvez desaecessario lembrar aos compradores de vapores- a vantagem que! fl,D?.aS-f8da e dealod30 P9" maD8B>-
Ihes resulto de cemprarem suas machinas garantidas em urna abrica, tendo artistas com- osrfle sen^ra: .
Detentes para assentar as mesmas e ensinar a maneira de trabalhar com ellas, e j pre-
paradas para arremediir qualquer desarraBjo; fecifidades estas que jamis podem en-
contrar comprando-as aos simples negociantes, os quaes por falta de conhecimento na ma-
teria nem s quer podem garaoti-los de que as machinas que vender sejam proprias ou
sumeientes para o trabalbo em que se queira emprega-las, e no caso de desastre no
podem prestar-Ibes :soccorro algum; sendo que anda guando venham s fabricas ^ara
concertar as machinas alheias, torna-se-ha precise fazo; rapanfcnamente moldes novos,
etc. para as pecas estragadas. J numerosas veaea estes veadedores tem representado
seus vapores como sendo deforfi mui superior sua actual e verdadeira torca; equi-
voco este quenosengana aocomprador acerca do trahallio que possa tirar do vapor,
mas tambem da lupr ao pagameato de um preco excessivo, vista da forja real da ma-
china que compram.
Tambem ba sempre prompto Rodas d'.igua de ierro Sachos comcruzelas para as
mesmas Moendas de canna e todo o tamanlio, Bodas de espora e angulares, Paroes ou
coches para receber o caldo, Crivos e portas de urnalha, Taixas de ferro batido, fundido e
de eobre, Formas de ierro galvaoisadas para porgar assucar, Bombas simples e de repu-
cho, Alambiques de ferro. Ekos e redas de carro. Arados, grades, enchadas a cavallo
e outros instrumentos de agricultura, Momnos e forn >s para fazer farinha e finalmente
todo o objecto de mechanismo de que se cc>stuma precisar.
Na fabrica se fazem obras novas encommeada a concertos, com a maior p este-
za e solidez. O grande deposite de pecas e objectos habilitam-na muito para este fim.
0 proprietario ser sempre mai lelii de poder, dar informacoes qu esclarecimento
aos senhores queseservirero de seu presumo.
D. W. Bowman, eogenheiro.
No armazem de azendas
baratas de Santos Ooelho
Rna do Intimado n. 19.
Vende-se o setreinie :
Lencoes de bramante de nm s panno pi ba-
rato preco de 3*200.
Ditos de panno de Hnho a 2*200 e 2*600.
Cobertas de chita da India a 2*400 e 2*800.
Len?os de camtiraia brancos proprios para algi-
beira a 2JO0O e 2*200 a duiia.
Ditos de eambraia de linbo Sao a 4*500 e 5* a
duzia.
Atoalnado de algoSo braneo a 2* a vara.
Bramante de Hnho fino com 10 palmos de largu-
a 2*500 a vara.
Panno de Kobo fino com 9 I [2 palmes de larga-
ra pelo barato preco de 2*400 a vara.
Bramante de linbo uno de urna largara, peio ba-
ratissimo preco de 800 a vara.
Toa I has de linbo acolcboadas para maos, a 13*
a duzia.
Bitas felpudas a 13* e 15* a dezia.
Gnardanapos de linbo & 3*300 a duzia.
Flaneia de todas as cores para coeiros, a 880 rs.
covado.
Tarlatana Je cores a 800 rs. a vara.
Baldes de 36 arcos 3*500, de 40 a i.
Cambraia de linbo fine a 4$500, 6*590 a9j a
vara.
Cambraia para forro de vestido a 2*780 e 3* a
peca.
Pecas de bretanha de rolo com 10 varas, a
3*500.
Peca de madapolao floo e largo a 7#.
Lazioba lisa de cores a 500 rs o covado.
Pecas de cambraia branca de salpicos com 8 e
meia va jas a 4*500.
Coeiros de casemira bordados pelo baratissimo
preco de 9*.
Esleir da India propria para forro de sala de
4,5 e 6 palmos de largara.
Cambraias unas de cores miadas a 560 rs. a vara
Neste armazem tambem se encontra nm grande
sortimento de roup? '^Ai 3 uor medida.

Yende-navKirM>d0*'a rua Q0 t>espo e ra Nova n. 18 de
Yapares.

em casa de Saooders
orpoSantn. 11, vapores patentes
rtences proprlos paca jtzer mover
o maebinas para descarocar nlgodao.
MI
no
No armazein da rua do Imperador u. 3 ou
Caee ie Pedro l a. 2, tem fiara venderrM o me-
bnr na Mtlatjai ao mejaado. _________
Vende-se na fandicao da Aurora, el o-
res e mais perfeitas caixialias con) fila de medir, e
telba de ferro galvanisado, ludo por precos ra-
joaeeis.
Vende-se esta fajenia sendo f^/e ft?> com
mnita Isrgora 28f-peoa,'com 23 Taras e bara-
tissimo pela grande largura : roa'fi imperan
n. 52, wrajzem da pqri Hrg*.
Vela* de carnauba a HjfOOO a
arriba.
Vendemsecaixas cm velasjpelobarato pre-
$0 acirca ; na roa da Madre de Dos ns. 5 e 9.
_ Vendem-se oito carneiros de bonitas figuras,
com o peso de tres arrobas poaco msis ou menos:
qaem os pretender d;rija-se a raa do Encantamen-
to n. 13.
RICOS VESTIDOS BRANCOS
A' loja de fazendas de Augusto Porto & d
11 Rua do Queimado11
A' loja de faiendas de Aogasto Porto & C ebegaram os mais bellos e modernos
vestMa6ttano|hdadosagalha.
SuperioH vestios de blond com manta e capella para noiva.
Corflnados norddos para camas e jaoellas de 12 a 80*.
Colxas de seda e de la, e seda de cores para camas.
BalSes, espartilhos, lavas de pellica e saias bordadas.
Bonros, algernlnnel e chales de canda fiatt.
Sobretodos de panno de doas Tlstas e capas de borracha.
Grsdenapoles de cores e preto, e aboi*4 prajo de diversas qualidades.
Encbetaee para bapsados com vestidos bordados qae ha de mais gosto neste genero.
Pilos bordado, de salpicos e lisos, cambraiasVictuna -e transparentes.
Chapos, boaets e gorros de palha d Italia era senhoras.
Cbpos pretos de seda para neveos, e cbajitos de sol tete ingleies.
Camisas (rancazas e inglezas para homem, meninas e senhoras.
Tapetes para sala, plano e cama, e dito superior em pac*.
Alcatifas de Ijstas, baratis pols se vende a 480 rs. o covado.
Bretanha de tiabo superior em peciohas de 8 jardas e em pecas grandes aa W|OiUs.
Na mesna caaaae sendem sempre as melnores e mais barata*
Usteiras da India para for ar salas
HUna do aelatadii
r*oirSd""d Cardiff na
Noto e grai>d deposito de superior
Babia.
Autopio Gome dna Santas & C, rua de Santa Barbara n. 1, esto habilitados a sopprlr de
arrio em eoadteoes mais favoraveis qae em eolio aalqaer deposito, a todos os navios a vapor qne
' eaarem naqualle eorto. A contratar ti eo Bovtagot divas Htfbens.,
Suspensorios de seda e de algodSo.
Grande e completo sortimeoto de perfa-
marius finas dos fabricantes mais afamados,
assim como muitos outros objectos qu se-
ria enfadonho mencionar.
S no Gallo Vigilante rna do Crespo, o. 7.
Yerdadeiros
Ciliares Rayer
Electro Hagnelico
Oo Collares Anodinos, para facilitar a den-
ti(;5o das criancas e contra as convulsoes
das mesmas, a estes collares nos escuzado
fazer qualquer recommeadacao, visto a
grande aceitado que tem ti do, o que pode-
mos provar assim como, afiancar o effeito
que elles produzem, porque ba muito qcs
os recebemos e continuamos a receber por
todos os paquetes da Europa; e encontra-
rao sempre na loja do Gallo Vigilante, rua
do Crespo n. 7.
Tasso Irmaos"
Vendem uo seo armazem rua d
Amorim a. S5f
Licor fino Curaco em botijas e meias botijas.
Licores finos sortidos em garrafas com reihas di
vidro e em lindos frascos.
VinhoCheres.
Santernes.
Chamftertin.
, Hermitage.
Borgonhe.
Champagne.
Moscatel.
Reino.
Bordean.
Cognae.
Od Ton.
PAezet lagnioi._____________________
JeaqTm Jos Gencalves Beitrie tem' para
vender em sen ascriptorio na roa do Vigario n. 17:
Vinho do Porto em barris de 4" e 8"
Dito de dito em caixas de 1 duiia.
Vinho superior da Figaeira.
Azeile de pene em barris.
Teros de Jacaranda'.
Tabaco americano em latas de i libra.
Caixas com papel pautado.
Cigarros do Rio de Janeiro.
Machinas para descarocar aigodao, del Leri as.
~^~ Panno dealgodo da Babia, proprio paja
saceos de assucar e roapa de escravos ; tem para
vender Antonio Luii de Otiveira Azevedo C., no
sea escriptorio roa da Cruz n. 1.
CHPEOS DO CU
a 1:500 e 2;000 re. ii
Na praca da Independencia ns. 24, e 26.
PHOSPHATOdeFERRO
[de lebas doctor em SCTENCm]
INSPECTOR DA ACADEMIA OEPARIZ Etc
Nio existe medicamento ferruginoso tao notavel
como o-Phosphato ie ferro de Leras; as summi-
dades medicaes de mundo inteiro adoplaram-no
com sollicitude sen igual nos annaes da sciencia.
As cora paidas, dores 'de estomago, digtslSes
penosas, anemia, eonvalescencias difficeis, idade
eritiea as senhoras, irregularidade no mens-
IruaoMo, pobreta do sangve. lymphatism, too
curados rpidamente ou modificados por este
exeellente composto. E' o conservador per excel-
lencia da saude, e declarado superior noa hospi-
taes e pelas academias a ledos es ferruginosos
eonhecidos, a iodoreto ao trale de ferro,
Eorque o nico que convm aos estomages de-
caaos, que b2o provoca conslipacao, o nico
tambem que nio ennegrece a bocea e os dente.
A venda as pharmacias de P. Maurer &
C. e A. Caors, em Pernambuco.
-- Vende-so em casa da M. 1. de yiiveirn & Fi-
Iho, largo do Corpo Santo n. 19 :
Vinho verde -superior em barris de 5o
Dito do Porto de 8 e 10a
Dito de dito engarrafado.
Dito de Lisboa Palmella tinto.
Farello dem superior.
Francisco Jos Gennjuiii
[RUA NOVA N. 21,
acaba de receber na nodo e magmtkt) sor-
tmente de oculos, lunetos, binculos, do ul-
timo e mais apurado gosto da Europa e ocu-
los de alcance para observacoes e para o
martimos. *,%*, -:1'.'
ATTE1CAO
Para Santo Antonio e S. Joao, algoidares de Ge-
nova de todos os tamaohos, muito baratos por ter
grande porgao, jarras finas, enire-finas e grossas,
de todos os lmannos, a&sadores para ir ao forno,
vasos francezes em tercos de seis, e toda a mais
lonca de Genova e da trra : na jua do Rangel
I numero 4. ______
Botas ini^was
PeraelH e nieles pero, $#*> ijklbor
que se pele desejar. ohegaiu peto nltimitapor
inglez ; t^,aM7,MH "Pr- m
3KRiI)rreit8-3l
Vendem-sa cbsrpws de Ravaaa a 4ff cada caixa
de TOO, tembem se vende a larbo, MlWnomo
fumo de Ha vana r-
t- Bren em barricas peqnenaa.
Cera ea velas de todos, es lmannos.
Bogias.
Vfercnrio.
Na nw do vigano a. II, priaeiro andar.
foiha.
Canos, corvas e
rae ilidor n. 18, toja.
para exgoto: na

xs.
_.


m
* "**%.
Diarlo depirfcef^ T *er*4ea>a 19
LOJA
RA
Junt o a padaria ranceza
DK
Paredes Parto.,
Neste eatabelecimente encentrar ores
peitatei puiaiico an variado sortimento de
fazendas francezas, iaglezas, suissas e alle-
maes, que se veaeerlO'por preco comaodo.
N araiawm.de M. j. Ramos e silva & caro, ma do Vlgarlo
a. 1!, constantemente, os seguate* artigas, qne
recbela por encomaaenda propria *
\ i:\V-V4pltl4.
Legitima salsa parrilha de Dristol, preparada por Lanmaa & Kemp.
Verdadeira agua htrida, prejwrada petes mesmos. .
Gaa em. lata* da cinee galoes, o mais parificado qoe se poa desojar da acret.
tada marca F..W.D..4G.
Helogioa perieilOB reguladores-, com certa de quatro a oito dias, dos afamadosaT-
bricantes E. N. Welch.
Graixa em latas grandes; da bem conhecida mrcalas. S. Masn (daPhiladel-
phia).
a
araiazem de fazenda e
i telta. ras da laaperatrls
a. &*, aranaueaa da porta larga
'fieeto astabefcciinenJ encouua/a'o reeuea-
vel publico an competo soriiatenU) da roupas da
todas as qnalidades e prtgo commodo. como se-
jam : paletots de alpaca, de merino, de bombazl-
na, panno, casemira, preto e de cores, caigas de
todas as qnalidades, colleles de diversas qualida-
de8 e pregos commodos, chapeos pretos francezes,
fazenda de 10* a 6,5, ditos de sel de alpaca e seda,
sobretodos/de panno pronnos para viagem a 115,'
meias craaa de boas qualidades e pricas coauno-
dos, e oatras muitas fazendas e roopas feitas, que
se vendem mijito barato : na armazera da porta
larga n. 5*
00 re.
Adiniravel'pechincha.
Camisinhas de cambraias a 600 rs. para acabar:
a roa da Impuratriz n. 5?, armazem da porta lar-
ga jonto a padaria francesa.
Venae-se casemira de cor a 45 o corte : aa ra
da Imperatriz a. W, junto a padaria franceza.
Balites -
Vende- baldes (eriaoiiaas) de todos es tanta
nhos a _5 e H*0Q : a raa da. Imperan i, n. di-
funto a padaria franceza.
Superior oleo para machina de costura.
Agulhas para as mesmas.
Breu em barucas graaes e pequeas.
Vende-se tainbem:
BORfiEAlM
1.a qnalidade.

1500

ntremelos.
Vendem-se pegas, de atraaaio. cota 12 varas a
15500 : a ma da Imperatriz n. 5?, porta larga.
Chales de reda a i&
Vendem-se chales de renda pretos, fazenda de
boa qaaltoadt, VI por ter perco : armazem da
porta larga n. 51
lie tundas e bournus.
Receben nltlmamenle am sortimento d retundas
e boaroo de sena a da algodo par tanto prego,
soutembaroaes de gresdeaple, capas o manteletes
por pregos commodos : armazem da porta larga
D. 52, raa da Imperatrlt:'
Caahraias Usas Inas.
Grande sor trtenlo de cMHUraia* lisas, qoe se
vendem a 35, 3,1500 e 45, dita maito fina Victo-
ria a 55 e 5&>00, cortes de urlataaa da bonitos
gostos a 35500 e l : ra da Imperatriz n. 52,
junto a padaria franceza, armazem da porta larga.
Rico sortun?Bto de tinados tontados de boni-
tos desanos a 25, 35500 e 3a, e de outras qnali-
dades para o mesmo llm : no armazem da porta
larga n. 52, na ra da imperatriz.
Grosdenaple pTflfe de cor
Vende-se gresdeaaplB preio e da cor a i|500,
i 800, 25 e 255S0 o covado, seda preta lavada a
gorgario a i;,6O0 e 23 o rovado : raa da Impera-
triz b. 51, armazem da porta lerna.
liras e ealrenein. bordad*
Grande soriHBeato de Jiras e ntremelos borda-
dos, pelo prego de 500 rs. a pega : ra da Impe-
ratriz n. 57, jauto a padaria franceza.______
RIVAL S6M SEGUNDO.
Ra do Quei inada o. 49
Est dlsposto a- eoMimiar a vedcr or preco
qoe a todos admira #,amr*in apreciar e w *r ara
crer.
Grozas de peanas de ac maKo boas a 30 rs.
Bonets mnito tinos para meninos a 15.
Pentes de ateMHMMfcruial a aOG rs.
Capachos redondos e compridos a 5(>0 rs.
Pnlceiras de eontas para senderas a 900 rs.
Caitas de papel amizadeai6S0 rs.
Quadertes de popel maito km a 30 n:
Pentes de tartaruga a 25508 rs.
Realejos para meninos a 109 rs.
Escovas para llffipaTtriTrres -200t.
Baraja e muiu Que 200 rs.
Caixas dep de arroz maito superior aHO rs.
Caixas de lamparioas pTa tres metes a *# rs.
Caixas dw obreras demasma 40 rs.
Grozas de bolees de louca a 160 rs.
Enfiadores de -eordo e uta a 60 rs.
Pecas de fita da eos co te raras a MO te.
Cartas de alneles franceses a 100 rs.
Libras de alQneles francezes 1* qnalidade a 24-
Novellos de lm*a com KW jardas a fO rs.
Ditos ditos com 200 jwdas a 3# n.
Caixas com alfcietes 20 rs.
Pares de lavas brancas e de cores a 46t..
Grvalas da todas as qeaKdftdes a 410 r.
Resanas de papel aimaco soperior a 35406.
Caixas redondas com estampas a 100 rs.
Livros para asseato da rooaa lavada a 400 rs.
Bu ecos do choro maito bonitos a 160 rs.
Frascos de snperior agaa de colonia a*469 rs.
w Q-< o so >>. nSico^l .S oh
2 S?<
^ E o. S.h S.5_.-a y
-, M ^-. o n
S.Q.2J2 3
^5

[poati2S9:S,='-? ^J
I
s
S 2.'-
as 1
I
H
i
- sr
s
I
I
Sea.**
R:?23
ofj g m
ao o 2 o
o *t3 'X
!" 51 S.
2-"?
2
*
n
O
o

5"
St. Estephe.
St. Julien.
C. Margaux.
C. Lafitte.
Mbdoc.
PORTO
Ia qialidade,
Principe Real.
Pedro. V.
Maria Pia.
Princeza D. Isabel.
Vctor EmmanueU
Duque.
Malvazia.
Vinbo fiao-do Porto emparris de 5/, 40/ e 20/.
Superior vinho do Kheno.
Cera de Lisboa em velas e em gruma.
1I300
9 RIJA DO QVE1IIIADO \. Y.
JBadapoldo,
Finas pecas de madapelSo com 20 varas a 9$.
LENCOS,
Lencos de cambraia branca, duzia 2(5.
dem de cores fixas para meninos, duzia 2^400.
Cambralas.
Cambraias de cores a prefio.-da 2fi0 a 300 rs, o covado.
Cruardaaapoa.
Guardanapos. de linho, dnzia 3^300.
AlgodSo.
Algodo trancado de duas larguras, proprio para toalkas de mesa, a|preco de
a vara.
Brama ate.
Snperior bramante de linno ingtez efrancez.
Cambraia de linho propria para lenco9.
ATOALHADO.
Atoalhado branco para at r 1^5660 a vara,
Entremetas de cambraia mwito- 8ww preco ij.
Lencos de seda para alglbeira-a 1^1600,
a d mitin r o
HA UNA E AJWklW
PAYA O
Rilada Imperatriz n. 60
DE-
Tendo os propietarios deste grande estabeleci-
*nto resoWida diminair o grande deposite das
lovidade
=:
Para veatidos.
Chegarara as desejadw carcLra)as oa uriaiaaa-
brancas cora ll>trinhas {sendo transparentes e ven-
dem-se pelo baralissimo preco de 5500 o corte,
na loja e armazem.do Pavo na roa da laiperatriz I
n. 00 de Gama & Silva. I
Vestidas brancos.
Chegarara para a Jeja do PavSo oa mais Loaitos
cortas de vestidos de cambraia branca com boni-
ta* barras;todas brancas, assim cono com barras
de ores, sendo fazeoda transparente emuitfipa,
te^ndo cada ara corte bastante fazenda e mnita ro-
da', e veedem-se pelo baralissimo pre^o de 85 e
10: Da kja do Pavao na raa da Imperatriz 0.
60, de Gama & Silva.
Cartes de ta Ha la na na i-ja do- pava.
Vendem seos mais modernos cortes de tirlataoa
cora as mais lindas barras de cor, pelo baratsimo
pret;o de 55 rada um, sendo neste artigo o raelnor
Cera ntarelia.
Na loja de Gama & Sjla-, roa da Imperatriz d.
00, tem para vender cera amarella em porco, sendo
e barricas e em candes.
Grande SoHment
FAZENDAS BARATAS
Roa da Iaperatriz n. ott
Loja e armazem da Arara
DE
iSnri? VTJ"*"^*9 ". P"t-qWtem viudo ao mercado: isto na leja e arma.
tem vender mais barato do qoe em outra qwUquer
parte, com.o fim deaporarem dinheiro e cada vez
mais agradarem aos seus numerosos fregneze?,
por tacto Ihes offerecem um grande sortimento de
fazendas ioglezas, e franceza*, a* qoaes venden
por atacado e a retalbo. Comprometiendo se a
mandar levar qaalquer fazenda em casa dos fre-
gaa*!', que-oio poderem vira lo], oa mandar as
amostras derxaodo flear o penor, assim como
convidan aa petsoas qn* negoceiaiu em menor
encalla que neste e.-iabelecimento encontram um
grande sortimento, vendendo se-lhe apenas pelo
preco qo fompram em prrmeiri mfo as fazenda?,
gaohaido-se apenas o descono, sendo a dinheiro
4MMa>
as 8jCaaa4Bas
Na loja do Pavao.
zaiD do Pavo oa ra da Imperatriz o, 60, de Ga-
ma & Silva.
Cambraiiis branca?,
Cem 8 palmas de largaras
So aa loja do pavo.
Vende-se cambraias brancas transparente tendo
8 palmos de largara, oa duas largaras das regula-
res, qne facelita fazer-te um vestido apenas cora 4
varas, e vendem-se pelos baratissimos precosde..
15000 reis, e 15280 a vara, nicamente na loja a
armazem do Pavo, roa da imperatriz n. 60 da Ga-
ma & Silva.
Atoalhado na loja do Pavo.
Vende-se superior atoalhado adamascado sendo
alvo con 8 palmos de largura pelo barato prego de
25* vara, dito de lnbo trlgueiro com a mesma
fu T r% ** a .da, uiw UQ nuiM/tll
u^'"? ^ "iUm "^ daF*S "-*! lartmra a *530, guardanspes da me*ma fazenda
Pidas cambraus traospareales. granadinas, sendo, a ^ OJLy: na loj e arsaiem do Paveo naraa
ooai os padrSts de listiotias e flores, conforme se ; ^ japeratriz n. 60, de Gama A Silva.
naam ltimamente as prmeipaes cidades da Eoa
ropa, e vendem-se pele baratissimo preso de 640
r. a vara oa loja e armazem do Pavso, na roa d-
Itnperatriz n. 60, v Gaaia & Silva.
Ose ales do pavaa a 2oaa e 2ooo rs.
Vendem-iehalea de merina estampados a S^dem-se pelo baratissimo prejo de 25500, 35 a
Baldes baratos
Vende o Pav5o.
Cbageornmgrande sortimento de-baloes de ar-
cos sendo americanos que seo oa melhores e vea-
e 35500 cada um.
Ditos de merm liso a 35309.
Ditos estampares de crepon a 65, 75, e 85000
Ditos pretos bordados ooaa franja de seda a 15'
Na loja e armazem do Pavo na roa da Impera--
triz n. 60 de Gama & Sirva.
Pava tato wadeo Pavao.
Setim da China cona 6 giraos de largara, tafea-
da preta para loto, propua para vestidos e reopas
35500: na loja do Pavo na roa da Imperatriz
60, de Gama 4 Silva.
Mretanhas de rolo a 2800.
Vendem-se pegas de luetanha de rolo tendo 10
varas cada pega pele baratissimo prego de SftSlO:
na loja e armazem do Pavo na ra da Imperatriz
n. 60, de Gama & Silva.
Chapees de sol.
Vndese um grande torumento de- chapeos de

MACHINAS AMERICANAS
verdad9lru da fabricante x. Y. Caattoagla & C
Moinbos americanos para moer milaa.
para Immens, sendo esta nova fazenda sem lustro e sol, send de seda e de varios pregse cualidades;
| aBdnuto boa qnalidade, gantrtfndtf-se no~ Ocar' ditos de alpaca e de panno, e vendem-se por pregos-
I rossa^eoin o tempe e vende-sepwto nareto preeo de' mono eororoodos, na loja de Pavo na roa da lm-
i z5 e 25*00 o corado, aeeini como neste t abeieci- peralriz n. 60, da Gama & Silva.
: menta tem nm grandesortrnenio de toUas as fa- Grande nurhlnrha
! zendas pretas como sejam cassas e chitas nretas, UTUUUC j/eblUiUi/iiu,
laas tapadas e transparentes, princezas, alpacas, em chales a 4$ na loja do Pavo.
sarjas, etc. : na Iota e armazera doftvi aaroa'i Vnde-se Bnlsimos chales de merino lisos com
da Imperatriz n. 60, deGeme A Silva. I franjas largas de refiroz tende as ceres seguintes :
Os espartilboa do Pavao, encarnado, azul claro, azul escoro, verde, cor de
II VeedeBB-Mnara* iiaa vartatosortimeolo del >'. solferino, majenta, branco e rdxo etc.. esta

espartllhos dosmais bes feitos que tena 'vindo ao
mercado, sendo de lodos os lmannos, vendendo-se
por um prego maito razoavel : islo na loja doTa-
Na ra Nora B. 2 e*22, granen deposito vio na roa da Imperatriz n. W, de Gama & SHva.
Ronpafelta
Na loja do MMH *
Vew*a-e aat estoneteermem oe> grande sor-
flmemo de roopas, tanto de pan comOicaxemiras,
e brins pelos baraiissimos preces como sejam S6*0 ID'uto ""1" fe' H^.IS0 pr6.C? ^e
ralgas de caxemira preu a 65 75 e 85000reis, pa-; 4*. dites de renda de seda a 85 e 10J : na loja do
ratots de panno pretosaccosa 65 5el*a00 rs.! P"3o na rna di toperatru n. 60, de Gama 4
ditos sobreca9a88 de patino finissitno a i*5 1^5 e Uva.
255090 reis, e-ootros maito artigos que sera en-
das verdadeiras machinas americanas de todos
os f.fbricantes; se eocootra neste depeetto
graode porcio de machinas, e se veattem por
menas preco do qe-emootF*qualqaer parte,
per se receber em ditreitora aa Aanerica; ae
fomece todas as explicacoes necessariaa ao-
comprador para conserwaeia das mesmas;
neste- grande esfabeleciaeoto seieacontra maV fadonhos aqu, ^^.10,. s na |0ja e Vrmazem do
toa artigos americano, cpm wwtodefe agr- pvo roa da imperatriz n. 60 de Gama Silva,
dar aos agrieolteres qtwaeaavde-taea -attitjes, i Lazinkas a 100 rs S 0
encontrti-se tambera todas afcelteeiSea dedav Paavia
senbos sobre os quaes se aceita qaalqaer urna r(v&a&.
encommeoda, que com promplidao sera execu-! Vendem-se jodernas sartahas com bodissimos
tada; ueste grande estabelecimento, encon-ostos.pele.baratissimo preeo d:0rs.; Ha-
' -.j,. _.j*n nn.,ih de pechmcha : s.na lela do Pav^o, raa da Impe-
trarse em grosso e a retamo, grnde porcSO ^ D 60d9 Gama dasi|va
de ferragens, emiudeaas que se vendem por preco coaamodo, pedindo-se a allencao; i,eeoa taraacoa a tJ fazeada vende-se srmpae a 65 pela soa boa quali
dade e agora liquida-se pelo baratissimo prego de
45 por ter grande porgao : na loja e'armazem do
Pavao na ra da Imperatriz n. 60, de Gama &
Silva.
A 4jJ pechinchaem chales de renda na loja
do Pavao.
Vende-se chates.de renJa pretos tendo 4 ponan
Louieoco Partir Meadas Gnimaraes.
Pechincba chitas 200 rs. o covado.
Vende se chitas escaras e claraa a 200 ris o
covado, ditas francezas Anas a 240, 280, i20, 30
e 400 ris o covado. Raa da Imperairz loja da
Arara n. 56.
Arara vende bretanba de rolo a 3#0C0.
Vende-se pecas de bretanba de re lo a 35008,
pecas de cambraia para vestidos a 30GO, 35000,
45OOO e 55000. Ra da Imperatriz loja do Arara
n. 56.
Cassas francezas finas a 240 0 covado.
Vende-se castas francezas para vestidos a 240,
280, 320 e 400.ris o covado, ditas de litas de
cores monto 0as a 120 e 800 ris o covado. Roa
da Imperatriz loja do Arara n. 56.
Arara vende coberlores a 4SJoG0.
Vende-se cobertores de pello a 1J500, cobertas
de chita a 25000.cofias de dan.asco a 45000, ditas
de fasto a 55000. Roa da Imperatriz n. 56.
Madapolo francez a 3,?.j00 a peca-
Vende-se pefas de madapolo francez enfestado
de 12 jardas a 35500 e 45000, ditas de dilo inglec
de 24 diias a 43000, 55500, 65500, 75000, 85GOO,
95OOO e 105000, ditas de algodnzioho moito Uno
; 835000 45OOO, 55000, 650OO,7O00 e 8*000. Ra
da Imperatriz o. 56.
Arara venda cortes de cambraias de papel
a 35(00.
Vende-se cortes ie cambraia emj apeladas de 7
varas a 35000, de 7 ditas a 25500. Roa da Impe-
ratriz loja do Arara n. 56.
Cortes de tarlataua de cores a f*#066,
Vende-se cortes de> tarlauna dp cores para
vestidos a 55000 ditos de cambraia branco borda-
dos e de cores a 45000 e 55000. ua da Imperatriz
D. 56.
Arara vende la sin has a 200 rs. o covado.
Vende-se lasinhas para vestidos a 200, 240, 320
e 400 ris o covado, ditas maito Anas estampadas
a 360, 400 e 500 ris o covado. Ra da imperetriz
0. 56.
Arara vende os baloes a 2)5000.
Vende se batilOes de 20 25 e 30 arcos a 35000,
35500, e 45000, ditos mnito 6o< s e modernos de
cor' elegante a 35000, 35500, 45000 e 55000, ditos
para meninas a 350OO e 3$500, dit< s de morsullna
a 550OO, cnitas largas com nm pequeo loque de
mofo a 240 ris o covado, ditas finas a 320, 360
e 400 ris o covado. Ra da Imperatriz loja da
Arara n. 56._______________________^__
Meias de la vegetal e de
borracha.
A aguia branca receben novamente essas pro-
curadas meias dela vegetal, tio uteis quo pro-
vellosas paca qaem soffre resfriago os ps ; as-
sim como oatras de borracha para quem padeee
de enchagao as pernas, e vendem-se por pregos
razoaveis: na roa do Queimado, loja d'aguia bran-
ca n. 8.
de todos para este estafeelecimento qne-maito laoraro em azer sas compras na
roa Nova n. 20 Carnero Vianna.
DV
FAZENDA ROPA FEITA
Rll SOII Ma 4.
Rege tt Moora propwrtari0'd*4oja de fajeadas e roapa tota, ta roa
n 54 fazemsctevrteao publico e partioularmente aos seus amigos e freguezes, que
acabar de reeeber de suaencoamenda, avperfaie sortimento de fazendas finas, entre
ellas casemiras de ceres proprias-paraosiumes', panno finodos melaeres fabncantee
proprios iguelmeniaparacaoKaaeaobpecasacase ouUasteeadas de variados gostos,
as quaes vendem com-vaotagem seaw-oatro do mesmo genero de negocio, tanto pela
modicidade dos preces como pete qualidade especial dos artigos que expoe a escolha de
todos aquelles que se dignarem frequentar sen estabelecimento.
Os mesmos, continHando como seaipre, escodados e rebosteckles na aceitaco
eonfianca que Ibes tem sido dispensada pele reapeitavel publico, no espaco de lempo em
qoe se acharo estabeleoidos, procuram envidar todos os esforcos a sen akanta pata car-
responderem sufficientemente a expectativa dwte e de seos numerosos fregueses eami-
gos, por isso, admUtiratn paTasna officina de alfaiate, quatro 00trame8tnss, fooeao-
aando regularmente sob a inmediata direeeSte do muito haba mostr Lannano Jos de
Barros, o qual, activo e diligente como se ser, nao se poupa aos anais atorados coidados
desuaarte qaaodo tem de saiisfazer com brevidade e presteza qaalquer oara de encom-
menda, ...
Ao contrario dos mullos pie enchem as columnas do jornal com a repeucao ociosa
de aanuncios era estyto edico, nao precisamos aqui a natureza dos artigos que possui-
mos para nao coilocar a sioceridade dos oossa tratos ao perigo immtnente que resulta
dessas antecipages sem fundamento.
davala.
Vendeai se lencos brancos farenea mnito bea
pelo baratissimo preco de L'5 a dada, Ditos com
barra de edr a 25000 isto para acabar na loja d-
Pavao na ra da Imperatriz n. 60 de Gama & Sio
va.
rosdeaarptes pretos do Pavo.
Vendem-se-superiores grosdenaples pretos pelos
baratissimo* procos de 45500, 15600, 15600 e 25
o covado, sendo faaeada muo bea. s para ac
Chales
pechincba a 6#por ter um toque de mofo
Veodem.se fidiesBos chales doreada de seda
pretos com am pequeo toqae de mofo pelo bara-
tissimo prego de 65 sendo fazeede que seropre se
venden por 185 e 405 acabara-se por esleprego:
na loja e armazem do Pavao na ra da Imperattiz
n. 60, de Gama & Silva.
Chales de renda.
Vendem-se finissimos cha es de renda de seda
pretos sendo de tres ponas, porm mnito grandes
pelo baratissimo preco de 65. sendo faaenda que
semprese venden a 125 e 155 : isto na loja e ar-
mazem do Pavo na roa da Imperatriz n. 60, de
Goma A-Silva.
Alpacas para vestidos
na loja do Pavao.
Receberam-se as mais modernas alpacas de co-
res para veslrdos com os mais lindos desenrtoe
sendo fazenda chegada pelo ultimo vapor e ven-
dem-se pelo baratissimo prego de 640 rs. o covado,
tendo estas fazendas largara de coilas francezas
LaLLn*^err2Memci0iJ>avS<)'rna datope* isto na loja e armazem do Pavao na ra da lm
ratriz n. 60, de Gama & Silva.
Bramante de linho do Pavo.
Vende-se superior bramaste de linho com 10
palmos de largara, proprios para ienges, pelos
baratissimos pregos de 25 e 25600 a vara, assim
como panno de linho muito flao pelos baratissimos
preces dr040,700 e 860 rs. a vara : na leja ar-
aiazc-ni do Pavao, roa 4a Imperatriz n. 60, ae Ga
ma 4 Silva.
wa mi ummm

Bal
Langas decimae?.
Vende-se no escriptorlo de J. a. Moreira Dias, a
roa da Croz n. 50 prime ira andar.
PASTA Xttflftdellrt da AIAlIi
BE DBlAl%'REIllSli
piUM i* PrU, oiqau* cnriimrto UtU a iu iu;
? mi
"PicilA^OiSrflot 4#Maca. *r t*mWlcM H*-
m earUiarto
ridd ihrd,)i ertr^ trtuiimiw m
AMUem do >" da r"-f.
RACAEOUT DES RABES
nico tlfaMati, tnrmi fUkcUtmk.UMUe\MU
niBuawi
d"fraie. cala MbMka 4M p^ l^0
>*. gnu aihaiMiniii niMjiiia*iim_)
niin t- y aa.
Vende-se aaipnarmacia deMaarerede
A. Caors.
Vende-se nroa tabertranaPswgvm n. 3, bem
afietoeztda uiatiem-ar vende s a rmaco, o
alogoal da casa o barato, tem comtnodos para fa-
jnllia e agua em oaia : a tratar na mesma
56 A RUA DA CAHEIA SC A
Neste estabelecimento como sempre cerntita barararaadanaomnlato aartimaato de machinas
loara descarogar ajuaau, >drteiias americanas, de 8 *3*sorras, dos fabricantes ji mnito coaiieci-
dos Eagle New-York Colon Gin e H. & C, estas sao as primaras qne vem a este mercado,wrnando-se
reeommendaTeis r*j 96 pete seforaoga com qae sao feitas como pelo grande B^*^J*"]"*
ce no sea .rabal**, ocenpaado nui poaeo pessoal. Taabe *a a*aaiaaaoatiara. todas os
ios avaiso ara as mesmas bem como :
Machinas para corlar capira.
Machinas para detralbar mllno.
' Moetuaa para azor paralas de ferro o madira.
Machinas para fazer caf.
AraoB, carros de mi
o os mais acreditados cyAnovos para nadarla, unto petos pregos.os mais razoaveii possiveis,
GBAMDG
ARMAZEM
"*.
DE!
Casemiras
a 4^, aa loja do Pavo
Vende-se snperior casemira enfeetada, propria
para caica, paletn o ooMetoa, poto baraesimo
prego de 25400 cada covado, ou a 4# o cOrle de
caiga, sendo fazenda qoe sempre se venden a 35 o
cavado, oa a 55 o corte ; esta grande pecbnicfia
liquida-se pelo preco cima, na loja e armazem do
Pavo, roa da Imperatriz a. 60, de Gama & Silva.
ALPACAS
de corea, aaa loja lo Pavo
Gaegaram pelo ultimo vapor as mais lindas al-
pacas de orna s cor, sendo lisas e Iavradas, com
as cores mais modernas qne tem viudo ao mere
de, como seja alvadas, rxas, lirio, cima, perola,
avana e outras muitas cores inleiramente novas, e
vendem-se por barato preco : na loja e armazem
do Pavo, roa da mrwratriz b. 60, de Gama &
Silva.
Madaaales a 3,o#0 rs. a pessa.
S oa loja da Pavo.
. Vende-se pecas ae madapoJie uno com 12 jar-
das, pelo barato preco de 35500 e 45000.
Ptevidnes 1
Cambraias a Mara Pia.
Cbegaraa as mais bonitas cambraias com fistos
de-cores e coa os mais delicados deceobes toe aa
veooem a 80 rs. a vasa, 6ais6imos organdys de
jnesow gosio qoe se vendem a 15200 a vara, cas-
sas de cores com difiere Mes e modernos desenhos
Jnwse venden a J40,280 e 390 re. o covado, tw-
D ism matto barato ea aMeaoao a qaabdaao:
aavtoM e aanaacea do.Pavao oa roa da aaparatm
a. 60, de Gama Silva.
agrande peehlBcha eat toalhaa
para ata
Vendam-se strperiores toaHtts da Nabo proprtoa
paro mi pelo earatssinaa proco de 560 rs_ daaa
a 640 rs, ditas a iraitacao das telpodasa800 ra,
ditas fe pudas a 15 : pecbiocba na loja e ar
zm do Pavo na roa da Imperatriz n. 60, de
& Silva.

Chapeos para caigas a 6,000.
S na loja do Pavlo.
Se vendem oa mais bonitos e mais bem enfeila-
des cbaposiotios de palba da Ralla, profrios para
meninas, pelo bafadaaflno preeo de 5000; na toja
e armazem do Pavto na roa a iatfMatriz n. 60
da Gama & Silva.
AIMSTA m
Roupa Mta e por medida.
26 Roa *frr* a. 26.
Jea Aatuoes Guimarea, propr.eUrio deste novo estabelecimento de roopas e
faaendas finas, participa ao respaitavel publico emgeral e a todos os, seus freguezes,
e amigos, que estando sua asa sobra a direcS da dous dos melhores mestres de alfaiate,
sendo um deteao S. F. E C. Miranda, e o oolro o Sr. Manoel. J. G. Carneiro, ambos
com arandea babibiacoes tendentes a sua arte, pelos quaes dirigida a sua offlema, e
achando-se bem montada a desempenhar qualqaer encommenda por grande que seja,
se eaforcar para sabir a contento de seus froguezea, vendendo ludo por menos do que
[4mou^qual^ex parte. Rogaas pessas J^^*^"1 "g1. M6?em SSO^MSSSi S af&S
leciBMnto, e verificar por si mesmo o que declara, assim come faz scieme a toaos em ^wrtl VM|Ufc # roc4a Boraanomes, ea
geral, tanto desta pracacomo mesmo dos do centro, que qualquer encommenua ae onras $> ^^ modernissima fazenda de lia com os mala
feitas que mandem fazer nesta officina nao sendo a contento da satis doaos, peda que iMoaaostoa deouadrinaoa a Uauas **>*&
as tjueiramdafolver7afim de novamente se lwr mrtras qvjeosssttefacamj ajaaaf>fH dec5r ro. ^ co 1.
feitas que mandem faaer nesta officina n30 sendo a contento da satadeaos, peda que iMoaaostoa deeoadriaaea eltoaa tondo enaa
as queiramdevolver, afim de novamente se te entras <*eo^attefaeam; asmeo-^gjjf ^^^EU &S
rao declaram que nao terao iientiuma responsabilidade, esperatrOO sempre semr beaa SBfcfpjo pry doaaorao catado aufcaaaaavm
a todos e de todos espera merecer proteccSo, sendo entregue quarquer encommaif na ||R piaorua dainawaira-a W de-Gana *,axaa to na
prazo da 24 horas ou em innt s tempo se for de umita vtrfgaua.
Crande aovldade a lOO rs.
Atlaato a zaO rs.
AtiaaU a 200 rs.
AUata aiOO ra.
peratrlz n. 60, de Gama & Silva.
Para mo
Lencos bordados
Vende o Pavo.
tisle estabelecimento acaba de receber um va
riado sortimento dos mais bonitos lengos de cara*
braia primorosamente bordados e prepiios para
mo que vende pelo barotissimo prego de 15 e
150OO caca um : na loja e armazem do Pavao na
roa da Imperatriz 0. 60, de Gama & Silva.
ultimo gosto em lazinhas
Acba-se um grande sortimento das mais moder-
nas : a Maria Pa, Garbaldinas, mathisadas, lisas
e de qoadrinhos qoe se vendem por baratissimos
pregos e do-se as amostras : na loja e armazem
do Pavo na roa da Imperatriz 1. 60, de Gama &
SUv.
Guarda bauha,
Vendem-se bonitos guarda bauha de laberynto
proprios para eneosios de eadebras, petos brratissi-
mos pregos de 2 a 35000 rs, na luja do Pavo na
raa da Imperatriz n. 60, de Gama a Silva.
es cortinadas do Pavo.
Vende-se nm- grande sdrtimeato dos mais ricos
cortinado* bordados, proprios para camas eJanellas
pelos baratissimos pregos de 85,105. 165, 205 e
235OOO r- o par, assim como pegas da cambraia
bordadas e adamascadas proprias para o mesmo
Om por pregos razoaveis, na loja e armazem do Pa-
vo na roa da Imperatriz a 60, de Gama Srlva.
G raa de pechincba em cambraias
brancas aa laja da Pava,
Vendem-se Gmssiinas pegas de cambraias bran-
cas transparentes, tendo cada pega 9 varas e cent
atis de vara do largara, pelos baratissimos pre-
sos de 65, 65500, 75, 85. 95 e 105000 rs, leud-
se sempre vendido esta faaeada par mais tara e
quatro mil reis, e liquido-se com este grande aba.
ttmento nicamente na loja e armaiem do Pavao
aa roa da Imperatriz n. 60, de Gama & Silva.
Os cat Uiris da Pavo.
Vendcm-ss os mais benitos enchines de malha de
la com bonitos gostos, proprios para sabidas de
tbeatro e bailes'etc-e*:. na loja.e armazem de Pa-
ri na roa da Imperatriz o. 60. de Gama & Silva.
Algadao/inho enfestado
- Vende-sa superior algodabsittno coa 8 palmas de
tarana propnoi para Ienges, pele barate prego
ae 15000 rs. a vara, na loja e armazem do Pavao
na roa da imperatriz n. #0, de Gama 4 SRra.
Orgaadya'l*a0*nalajadahavao.
Vaodnn-ae oa mais finos enuis madecnoa oraaa-
dyes de cores com os mais delicados dasenhc?.sen-
de fazenda de 15600 ps a vara, a lkfuidao-Be peto
baratissimo prego de dez tosioes a vara por esta-
rm tomando om pequeotoqtra de-mofo, isto na
loja e armaiem do Pavo na roa da Imperatriz*.
60, de Gama & Silva.
laoguilos a Sfltt e 640 res,
Vendem se mas {mitos e calcinitas para menina,
pelo baratisain preco do 500 e 6t0 reis, na lojae
armazem do Pavo oa roa da Imperatriz o. 60, de
Gama & Sirva.
Lencos de seda r 14000
Vendetn-se leocos de seda grandes oom bonitos
desoobo, nal aaaatiaaao praco de 15000 cada
nm, maatiobas para grvala\.lim,800 .a
loja do Pavio na roa da Imperatriz n. 60, de Ga-
ma & Silva. t>
ara ewwww.
Compram-se diarios velhos proprios para embra-
Ibo, oa loja do Pavioiw da Inperatrit n. 60, de
Gama & Silva. ^^^ ,
As chitas data* a 900 o covado.
Vende-se o aai aeaito sormanto da chitas es-
curas e roas sendo ingjezas, mas com os pannos,
to encorpados como os das francezas qne se ven-
dem a 400 ret*. e Hqnidle-sa peto barato preco *
20*rHcvaaaeooJ#a*piea, garaaado-
se taraai aa covado* cada peca eaeram decoras
i e armazem do pajo na roa da,
ImperatrU 0,60 de Gama & Suva.
RIVAL Sil 8EGl!\fiO
Raa do tneiaaado a. 49, loja de
ni lude zas
DE
Jos Bigodinho
Est qaeimando as miudezas abaixo declaradas:
Frascos de oleo babosa fino 200 a 320 rs.
Ditos dito falgo a 600 rs.
Ditos de macag perola a 200 rs.
Ditos c< m snperior banba a 200 rs.
Canas com 6 frascos dec beiro a 800 rs.
Sabonetes finos a 60, 160, 200 e 320 rs.
Ditos de bolla snperior a 210 e 320 rs.
Livros para meninos cora eslamps a 320 rs.
Caixas de 12 frascos com cheiro a 15.
Frascos de oleo babosa muito fino a 400 rs.
Duzias de meias superior > ualidade para senbora a
45500.
Gbegaram as agulhas balo (papel) a CO rs.
Caias com bonitos soldados de chumbo a 100 rs.
Ditos de agua para limpar denles a 500 rs.
Pedras de escrever (pequeas) a 160 e 200 rs.
Sapatos de tranga para homense senhora a 15500.
Pegas de fitas de ia preta para vestidos a 600 rs.
Grozas de boioes de madreperoia finos a 480 e
640 rs.
Caixas de eolebetes francezes a 20 rs.
Pegas de troco de todas as cores a 200 rs.
Caixas com superiores envelope a 600 rs.
Pares de sapatinhos de la para crlaoga a 400 rs.
Ditos de metas pretas para senbora, superiores a
360 rs.
Libras de pregos de todos os tamaitos a 240 rs.
Sabonetes de familia, superior a 100 e 120 rs.
Resma de papel de peso muito fino a 25-
Frascos com tinta superior a 10O. 140 e 320.
Grosas de phospboros de gaz a 25200
Pares de botoes para punho a.120 e 240 rs.
Carteo coa-Itabos de 200 jardas a 100.
Meias eruas muito finas a 45-
Caixa de pos para limpar denles a 100 rs.
Caix-a de superior linba do gaz com 50 novellos a
15000 rs.
Purceiras de conta para meninas a 320 rs.
Talberes mnito finos para meninos a 320 rs..
Cariillia da doulrioa cbrisla 320 rs.
Frasco mnito bonitos com ebeiro a 240 e 500 rs.
Caixa com superiors iscas para eharutos a 20 rs.
Maeso com soperiores granaos a 30 rs.________
los agrieaitares
Sannders- Broihers & C acabara de receber de
Liverpool vapores de forga de 3 a 4 caaallos cora
lodos os pertences, e mui proprios para facer mo-
ver machinas de des carecer algodo, podendo cada
vapor irabalbar ate com 140 serras, tambera ser-
vem para enfardar algodo oa para ontro qaalqaer
servico ene que asara irabalbar com annaes. Oa
mesmos tambero Tem a venda machinas america-
nas do 38 a 40 serras : os pretendentes dirjan-
se aalarjrnjtoCc^poSant o. 11._____________
letroz do Porto.
No eseripiorto de J. A. Moreira Dias, a roa da
Croz n. 50 pnmeiro andar, vende se retroz do Por-
to da bem eotrtieetda fabrica de Antonio tose Peres
da dura A Alvos.
aaa
Eserayos fgidos
" -
Deoappareceunodia 2 de junbo do correte au-
no o escravo Hay mundo, pardo, o qual tem os sig-
naos segointes : estatura regular, bastante corpu-
lento, dente inteiros, cara redonda, cor de garepa,
tem em nm dos bragos tres grandes letras e mais
sigoaes oo mesmo braco eat qoe tem as letras,
repreeenta ter 25 aonos, porm nao tem barba
quasl nenbuma, tem os ps bastante grossos e foi
do serto. J esta' porm no Recite de 8 para 10
anaos, bastante trabalbador. Unto do servico a*
casa como de campo, occapava-se nesta praca em
servico de servente de pedreiro e trabalbava con
o anta-a Hangirieao e tambera carrea** agaa.
Costumava trajar om paletot de bnm. grosso em
forma de earatsola; soppSe-se qae teora ido para
o ser la doc em algom com boy feto almocreve;
rogase as pessoas qoe o prenderem queiram lva-
lo a sua senbora D. Marianna Aoetrrta da Roeba
Bastos, na.roa da, Aurora a. 42, qoe abi generosa-
mente se .recompensara' este trabaibo, oo ao Sr.
commendaaor Manoel Luiz Viraes.
Rogarse as autoridades polieiaes e capitaes de
campo que appreheodam a escrava Aguida com os
slgaaes awaatM : mulata, idaaa tt aonos, aita>
deatoa perfeitoo, vesga, e ventre nm pouco crea-
eldo : quem a pegar leve-a a roa da Anrora b.
6t, casa da txar Sr* baronera da Vietona, QO"
ser recompmaado ; protestase cor teda o rigor
da le contra qaem a tiver oceulta.
i
a
aa


*+
s
f. ">
8
Diario t rttA\mh+f v Ter?* fetta 11 e Jffa *> 866.
LITTERATORA.
As biblias falsifica das.
oltramontano, que la! esorevesse, choveriam prodazindo urna bala nossa a explosao do deposito
sobre elle todos os improperios e maldigas ;'de Polvora d0 inhBi- Uma bom* paraguaya
m I darraboo a barraca do funeral Florea, a qaem fe
mas como Rousseau, o pae da soberana fl0 |eveu,eme<.
popular librrima, o facto lera passado des-
Si qms autem libros ipsos intugros cum apercebiio
nmiiibu- libas, p. i'.crlexia
CalfioUca tinsiieemm'.
/ala Lilitm e:V so-
r.ns el canomci et ira- diz (attenda-se bem):
ditiones pru :>radens
contempseril. an ni he na sil (Conc. Trt-
'Jejit., sessao 4.a)
(Continuaco.)
XXH
A INQUISICO.
XI
Depois de to quaricado
contra as calumnias que, ha mais de tres se-
clos, o racionalismo histrico urde e pro-
paga contra a Egreja, a proposito dos hor-
rores que infamaram o sancto oficio nos
seus mos dias de furor e demeocia fanti-
ca, que poderemos accrescentar Ufo sabia e
escrupulosa demonstraco do apologista
calholico ? De feito, diante da palavra lu-
Lopez princjpiou a hostilisar a esquadra brasi.
ieira, qae se conservavy am poaeo abairo de Cu-
Lafmenais. o libwalissinio autor das Pala- ruPai'y- de^endendo sbre M****** bruie-
,.,,* j. -_. .... tes. Fallamente uenhoma dessas machinas causn
rente, falando da inqai o damD Sluaara
Um dos .torpedos foi recolhido pelo eneouragado
Bahia e outro pela caahooeira Araguay.
Havia a bordo da oossa esquadra am alferes pa-
raguayo que dava as seguales ioforraagoes acerca
das forcas que atoJa resta vara a Lpez : m acara-
pamento 12 bata4b5es de infamarla com 7,9W sol*
dados, 6 reg meatos de avallara com .3,000 no.
mens e 2,000 arnroeros em Guropaity 1,00 artl-
Ihelros e 100 infaaws; total i*,100 horneas.
Diz um correspondente :
Na semana passada esteva oaesquadra brasileira
Si a inquisicao, por
que tanto se grita, pronnciava penas
corporaes, e algumas vezes pena capital,
que a inquisiciio, em que o clero s
, irtervinha para dutiuir o dilicto spiri-
, t tual, era essencialmente um tribunal po-
i tilico, que punia nesta qualidade segundo
teslemunho as 'e's ^a sociedade poltica ; e, para ser-
se justo, se deve observar que a interven-
?o da Egreja era toda em favor do cal-
pado, pois que bastava confessar a culpa,
para evitar o castigo ; o que nao existe,
nem pode existir em um tribunal pura-
mente civil.
* Maso que se procura sempre esquecer
: que a Hespanha deveu ao tribonal
cida e autorisada de Lacordairc, d venamos da inquisico o ter escapado scalarai-
dar por concluida a nossa tarefa sobre o es- dades uomveis das guerras de religio,.
tudo qae, de tempos a esta parte, temos que assolaram o resto da Europa, durante
feito acerca da origem e progresso da inqui- quasi dois seculos, deveu-lbe tambem a
sioo. Mas, pois que sempre nos inquietou paz interior e muita coisa mais Entre-
a crenca quasi geral de qae a Egreja catho- tanto, nao pretendemos qu a inquisico
lica foi a fautora e fauctora dess terrivel seja inteiramente exmpta de reproche ;
insiiluco, que to amargas recordaces quesua severidade nao tenha sido al-
imprimia na memoria de genero humano : t gumas vezes excessiva, posto que seja
-nos sobre maneira grato continuar a re-,* talvez difOcil determinar com exactidSo. a
produzir provas que abonem s convicces justa medida de rigor e clemencia, qe
jue tinhamos em contrario. E' islo tanto [ c pode exigir oupermittir o interesse do
mais indispensevel quanto, por desgraca,; paiz, sua legislaco, costumes e carcter.
nao ha preconceito mais arraigado do que Demais, n5o 'para admirarj que se en-
o de haver a Egreja favorecido todos os| contrem em.uma iostituicSo humana os
Hagicios da inquisicao, embora nao haja etros e fraquezas da humanidade.
tambem outro que >ao desmentido seja pela Emvez dse deixar impr por um norae,
4
o que proprio dos espiritos acanhados,
seria mais rasoavel reconhecer qne ha em
toda sociedade urna ordena religiosa, mo-
ral, epoiitica e que, em| conseguinte, os
deudos cootra a religio, a moral e o go-
verno nao poderiam ser tolerados em ne-
nhuma sociedade, sem que esta con^en-
lisse em sua propria destruido, \ssim,
Relipao de Mahomet.
Dize, propheta, i> mulheres crentes que os bo-
rneas sao superiores aellas, porque o mesmo Deas
assim o ordenoo ; que devejn ser obedientes as
suas voutades, guardar os seas segred*s
seo marido pode castigabas
cfcem.
pise-lries qoe devem conter os seos olbares, Slo
., e que
se Ihes desobede-
que talvez em artigos especiaos demonstre. O
Brasil nao pode ter no Rio da Prata ama poltica
de abslenco, e de neotralidade. Esta poltica, o
Sm de algoos aonos, o colloca com' as armas as
maos para urna lata terrivel, que ama interveno
lenta e disfarcada poderia evitar.
Estas guerras deixam aps si odios entranhavels
e nossa posi^o cada vez seri peior. Nao In.
ostentar da sua belleza senao o que se pode osten- fluencia para^governar os vizinbos que precisamos,
tar ; cobrir o'seio, velar o rosto, viver castamente,
e que mesmo as idosas nao ofrendara a Deas tiran-
do o sen veo.
Religio de Brahma.
Nao ba oulro Deas na Ierra para oma rnullier
alm de seo marido.
A melhor das obras qoe pede fazer tratar de
Ihe agradar : esta deve ser a sna nica de-
vocao.
Qaando elle morre, deve morrer larabem.
O homem pela sua parte pensara' que deve a sna
felicidade a sna muber, qoe por ella pratica as boas
o distincto commandaote da caohoneira 181130
dos e de madeira a 'a vanguarda. '
UU3 0uoui<.u0..,.ca ug L a-mulber deve permanecer vhwa em memoria
Este oficial que eslevr nos Esados-L odos, na "*
uHima guerra, e que por tanto como protesslonal,
deve ser onvido, disse-me referiodo e- ao Sr. vls-
coode de Tamandar.
E" immensa a respoasabiKdade que pesa sobre o
almirante na guerra actual, pois a meoor falta de
previsao pode comprometter seriamente a soa es-
quadra e o Brasil retrogradarla alguns anaos. Qae
[allem e gritem os correspondentes e as- pessoas
qae nao eoahecem a topograpta do terreno, sera
de seu marido.
Um marido deve ser e protector de soa mulber;
anteamente pode repo*ar por talladora (I)
Religio de Conflicto.
Como nos admiramos ao ver ama arvore arre-
dondar a coma e cobrir-se de flores, assim se ad-
mira orna mulber; no seto de sna familia, qaando
n3o pensa seno no cumprimeoto dos seus de-
veres.
Deve ser o consol de sea marido por sea pro-
0 marido de orna molber privada dos daos da
as difflculdades immeasas com qae tem de lutar a
esquadra para bater-se a tiro de revolver contra ba- cedr 'i"'"ce'
terias de tetra em um caoal seoiado de bancos e mM,d0 ae "
restingas natorezanem por leso a deve deixar de amar.
Dizem qoe o almirante ja esta prompto para- ds- ReligiSo de Zoroastro.
{mir oropaily e bombardear Hbmayt : louvado Iha *e Zoroastre segu com pureza de coracao
seja Deas 1 mas- pedio que, se posslve., se espere deb,M *" fd7e05 4o,rcheef? J",
L ,hau a .rad lima hnmhrri*iri e d ; lllbo de Zordastro, s fiel a
historia. *
A Egreja, gerada do puro sangue do cor- t
deiro virgem. detesta o sangue ; a seu as-,
pecio vela o rosto e se confrange de hor- *
ror. Si- ha um dogma histrico que a j
Egreja pacifica, soffredora, suave e indul-
geite; como he dogma histrico que o erro t
perseguidor, implacavel, atroz ; e isto *
sampre, e logo que o pode, e na escala que t todos os povos puniram os propagadores
"\m possivel. O erro o Antiocho. a ver-' das opinies oppostas s crencas publicas
dade os Machalfcus, nabrilhante phrase do. < efunestas tranquillidade do Estado. Co-
citado Lacordaire, cujas palavras continua-, nhece-se a este respeilo a severidade das
rao a ter mais de urna vez o nosso bro- proprias repblicas. Quantas vezes o
quel. Seaaio romano se n5oconstitua em tri-
A espada nao pertence Egreja, repet- j bunal de inquisicao contra os pbilosophos
mo-lo. S. Lucss nos refere que um da, e sectario de cultos estrangeiros! A
vo!tando-se Christo Tivamente para seus dis- questo n5o saber, si os tribunaes en-
cipulos, que Ihe pediam izesse cahir fogo do ( carregados de reprimir os dilictos espiri-
Co sobre ama cidade que oslinha repellido.! tuaes, se flnganam alguma vez na applica-
ihes disse em ar de reprehensab : Vos nao cao do principio a que devem ^a sua exis-
sabeis qual o espirito da vossa vocaco ;\ t tencia, ese nao proscrevem nunca sen5o
o filho eo homem nao veio para perder, c as douctrinas realmente condemnaveis ;
mas sim para salvar as almas (Lucas, IX,; ( mas saber si por toda parte tem existido
55 e 56). i < semelliantes tribunaes. sob qualquer for-
Esle espirito de mansido se perpetuou;... ma. Ora. seria bom que se nos indicas-
na Egreja, nao s durante o tempo de suas! < se um s paiz, onde a impiedade, a blas-
perseguices, como tambem durante o de j phemia, o sacrilegio nao sejam olhaios
seus triumphos. Nao citaremos aqu as; t como crimes, e onde se permita attacar
palavras de TertuUiano, de Origens, de S. ( o poder e excitar rebellio contra as leis.
ypriano, de Lactaacio de S Athanasio, a Egreja, condemnaodo as opinies ,de
de S. Hilario de Poitiers e de S. Joo Cbry-
peia cbegada do encoaracado a orna bombardeira
qae altiraaraeate-ehegaram a Montevideo; corre-qae
esses navios estao encaibados no- eaminbo.
*or declaracao do ultimo traosloga sabe-se- qae
Lpez fortifica a frente de trra da fortaleza de Hu-
mayt para a qual (rente fez transportar a grossa
artllharia de Curupaity e do campo enirincbeirado
qae temos a vista, delsando em ambos os pontos s-
mente a artilbaria de campaona; mas em declara-
coes de trnsfugas nao bom fiar rauito ; avultam
sempre estes as noticia, e dizem mais do qoe- a-
quillo que sabem> aflm de congracarem-se cato a
vontade dos generaes.
O trnsfuga de aate-nontem disse baver tres- ca-
minos praticaveiSy abertos pelo inimigo atravez do
monte a' nossa esquerda, qae termina-a' direita da
trincbelra ioimlga; ba, por tanto, possibilidade de
nos unirmos para cooperar contra-Garapaity.
O eiercito alliado eslava abnudo um camlnho,
atravez do mato virgem para Humayta'. O corres.
pondente do Slcmdart, dando esta noticia aceres.
cenia qne dentro de tres ou quairo dias baveria
noticia de am movimento eral.
As commanicacSes entre a esquadra e o exerci-
to que at agora se (aziam por tupir, o- qae era
longo e penoso, (a azer-se pela Piris, depois de pre-
vio recooliecimtjnto. Picara pois a ama hora de
fiagem.
Ha de Porto-Alegre qaem >appoe qae a infantaria
do baro ira' emba cada at Curupaity, para dabt
o saoto Ormuzd
toa mnlber.
quatro vezes a sen
A molber qoe desobedece
marido, a digna do inferno.
Religio de Osiru.
Nesta systema religioso a mulber igual em po-
der e viftttde ao marido.
Bttme Orpkev.
A molber deve ter como am vinculo suave o de-
pender da pessoa que ama.
O marido deve sacrificar os seas gostos e a sna
veuda a' molber, em rroca dos sacrificios qae par
eUefaz.
Religio d Numa.
O mrito de orna mnlber consiste em amar a
sea marido, adornar-so para elle s> e oceulur-se
aos ootros.
Ha mais gloria em. ser bom marido- do que bom
amante.. "''
Rtgia di TeutUs.
Os eases dotaram com a santidade a mulber.
ReUgio de Odin.
O Bomem deve amar a soa molber, adora-la como
am Deus vislvel.
Rthgiclo dt Qraa-Man.
V permittldo aos asposos annollar os compro-
misses contrabidos.
Relipa do Chamanismo.
Segando os principios desta religio qoa tem,
sectario! entre os flnezes e algune poves trtaros,
os sameyedos, os osttakesi os boreus, os Habitantes
da Siberia oriental e os insulares do Pacifico, a mu-
mas sim influencia para qae ellos se governem
bem a si mesmos, e nao levem al o malo de
nossas popularles o incendio qae ateiam entre as
suas, cora a maior improvidencia.
Sobre o mesmo assumpto faz o Diario da Bahia
estas consideraedes:
Entre as importantes noticias vindas do sol do
imperto tivemos a da sopposta medlacao- de paz
entre o Brasil e o Paraguay.
O joroaes de Montevideo, de Buenos-Ayres e
at alguns do Rio de Janeiro noticiaran) que a
Franca pretenda iotervir com o fim de acabar
a guerra de honra qoe semovenosui do impe-
rio.
Essa noticia, como era1 natural, causou roa ira-
pressao, e de certo outro nao poderla ser o efleHo,
quando todos eslo empenbados na solugao que
deve ter a guerra.
Realmente seria desairse acceilar qaalqoer
medlacao, que nao desatinase completamente os
seos- bros.
O Brasil, qae tem feito tantos exforcos para
manter i Ileso o seu pundonor,, qoe tem ostentado
nessa lata honrosa tanto herosmo, valor, abnega-
do e recursos nao recuar agora que se approxima
0 termo de seus-e*forcos.
Elle proseguir na cruzad qae eneetou, nao
desanimar lo cedo e dianle de-tantas esperanzas
confiado em seas Blhos e as mamfestacoes cons-
tantes de seu apolo e confianca earaiabar at que
veja tremnlar as aneias da Assnnrpao o pendo
imperial.
As noticias que correram foram espamadas pe-
los Joroaes de Montevideo e Buenos-Ayres, qae, no
Intuito de chamarem os generaes Plores e Mitre ao
governo de seas estados, procoram a todo transe
fazer circular a noticia da mediacao, por qaanto
para elles o nico meio decenfe de coosegairem
tal desidertum.
Ma, felizmente para nos, vtto-Qruanro do Sn
veio compleameate tranqaiilisar-nos o desmentido
dado-pelo-Diario Oflteuil da 4, que aos apressamos-j
a transcrevec aqu:
c Bitamos aotorisados- para declarar falsa e
destituida de fundamento a noticia-dada por algune
Jornaesde tentativa de paz ou aediacao para
toso, entre-o Brasil e o Paraguay.
Augusto Cesar foi bem aconselhado de Livia sua
malher; quando Ibe trouxerara praao Lacio Cinna,
oeto do grande Pompeo, que traiava de o matar, a
qual Ibe aeooselhou que asasse do qae fazem os *
mdicos quando nao aproveitam os reatedios or-
dinarios, que curar com os contrarios; e pois
at ali Ihe nao aproveitara severidade contra Lacio
Cinna, qae asasse coa elle perdao e clemencia; o
qual eonselfto Augusto ceettoo, e teve d'ahl por
diante a Lacio Ciooa por amigo e fiel servidor.
E assim foi bem acooselhado Ptbeo de sua raa-
Iher em tempo de Xerxes, o qual sendo am dos-
ricos borneas daquelle tempo, e eubicosisslmo em
estrerao, e que com grande instancia buscava mi-
nas, vDdo um da de eaminbo, podio de comer,
e foi-lbe posia urna mesa de oaro, e todos os man-
jares feilos do mesmo- metal, com murta diligencia
e invenejio, folgando alie em extrem efe ver todo
feito com tanto artificio e curiosidade; d-pois doR>9t
rartar a vista uaqueliae riquezas, lornou a pedir
algumas iguarias de comer, e sua mulher maodou
potra vez trazer. ludo deooro, de qae Pitheo se es-
candalisou, e coryecoa a bradar e dizer que havia
fome, e ella Ihe ralln com' malta prudencia, d-
zendo :
Qae nao dava faculdade para haver outras igua-
rias, porque todos os seus vassallos, e toda a dili-
gencia e industria humana eslava oceupada em
bascar oaro; por onde nao havia quera lavrassee-
semeasse os campos, nem plantasse arrores ; com
a qual reprebenso, castigo e conselho, d'ahi por
diante oceupou somenle a quinta parte de seus
vassallos as mioas, e toda a ootra gente na agri-
cultura e as mais artes.
E por assim ser os conselhos 4as mulheres, se
bao de tomar e aeceitar, e nao despreiar.
depois de tomado o forte daquelle oome, poder con- ^ ^ ^^ %Q hQmm
perar com am ataque de tbuco no.movimento geral,
qae entao.faro os alliados.
tstt' considerada como am ser impuro, berrivel
Nao havia ainda noticia da esquadrilha que sob | *^ oblect de ***"!* P"a '
o commando do cuete Alvim, foi em demanda da-. I ex0-
Comtado, algumas
sostomo ; um facto brilhante falar mais
alto. Quando no fim do seculo IV dois
bispos hespanhes denunciaram aos magis-
trados os priscillianistas. e deram causa a
que muitos delles fossem condemnados
inerte, 0 Papa Siricio, que ento governava
a Esreja universal, se pronunciou contra
aquellas bispos; S. Ambrosio os separou de
sua communho ; S. Martinho sentiotodaa
sua vida o mais profundo arrependimento
de ter communicado urna s vez com elles ;

c Calvino, declarou que eram erros contra-
t rios religio catholica, que em Franca
i era religio dominante: eis a intoleraa-
ca dogmtica, e o limite da auctoridade
< espiritual. O poder sacular, julgando
depois estes mesmos crimes, politicamen-
te perigosos, probibiu, sob penas gravis-
simas, o exercicio da pretendida religio
t reformada ; eis a intorerancia ct'otf; e
c quando se conhece o espirito democrtico
do calvinismo ; quando ?e sabe que seus
* sectarios haviam trabado o projecto do
foram emlim condemnados, em 390, em! dividir o reino em circuios, e nelle esta-
um Concilio de Milo, e era 401, em outro' t belecer o governo republicano ; quando se
Concilio de Turim. S. Gregorio Magoo,! ( 1,1 as memorias mais authenticas do tem-
dois seculos depois, a proposito de alguns d0 que os principaes chefes calvinistas
iieceges que tinham sido maltratados em
urna sedico, escrevia ao patriarcha de
* diziam altamente na cmara do joven re i
c Francisco V.Nos levaremos a bofetadas
Constantinopla estas palavras : Exigir a f
por meto de supplicios urna pregaco
inaudita e totalmente nova !
Um Concilio de Toledo, celebrado em
633, crdenou que ninguem fosse constran-
gido a professar a f, a qual deve ser abra-
cada voluntariamente e por meio de persua-
so; este canon foi inserido no direito can-
nico. E' portanto certo que a Egreja, como j
Egreja, nao tem o direito da espada ma-
terial, pois que fundada na persuaso, e a
f nao deve ser arrancada por violencia.
Com todo a soclale civil, que possue o
poder da espada, nao pode por ventura
usar de rigor, nao para obter a f, que
fructo da graca e da persuaso mas para ; Jj^^^ ?
defender a Egreja dos ataques de seus ni-
migos, e para prohibir toda a manifestatffo
ostensiva contra a f 1 Eis aqu um novo
ponto de vista debaixo do qual necessa-
rio encarar a questo que nos occopa.
XII
Em todas as sociedades antigs era a reli-
gio considerada cono lei fundamental do|*
Estado, e todo aquelle que ultrajaya a reli- *
gio era punido como violador das mais sa- *
gradas leiNto paiz. Ora, tinha a sociedade *
civil direito de fazer da religio urna lei fun-
damental do Estado ? Nao vemos razo
para poder duvidar deste direito ; porque a
sociedade civil tem plena liberdade de esta-
belecer todas as leis que nao foreaa-justas,
e nao parece que seja iojusto impedir qual-
quer acto externo contra a religiSo do-
minante em um paiz. Os maiores le-
gisladores da antiguidade assim o pensa-
ram, e Joo Jacques Rousseau, do ultimo
capitulo do Conctrocto Social, formalmente, oec"Pa,d" dl t4 de ma,0M. ,m,ln, tMhl
. *. ..' -U A 7 do passadp comecaram os alba los a traba-
declara ser esse um socie- ] |bw iemmnt6 M ^^0 de ama batera de
t este infame, e o obrigaremos a aprender
algum oficio para ganhar a vida a
c ninguem admirar que os soberanos da
t mais antiga monarchia se nao deixassem
esbofetear por alguns sectarios, e se op-
c pozessem a qae se convertesse o seu reino
t em repblica.
Alm de que, por toda a parte, onde a
c reforma triumphou, fez que a antiga Egre-
ja, inclusive as seitas protestantes, que
t se separvam de outras seitas dominantes
em cada paiz, supportasem todo peso
da intolerancia civil- Quem nao conhece
as leis da Suecia, da Dinamarca, da In-
glaterra, de Geoebra e das Provincias-
a vi-
gesima parte das perseguices ordenadas
por estas leis tivesse sido autorisada pelas
c leis de um Estado catholico, oh 1 nao ba-
c veria expresso em qoe coaoesse o horror
c qae ellas haviam de inspirar t
t Filha do protestantismo, a philosopbia
berdou o genio sombro de sea pae. Em
nome da tolerancia, proscreve a realeza
e seos defensores, a religio e seas minis-
c tros; proscreve em fim o proprio Dens 1
Ento, sobre as maralhas das nossas ci-
dades modas de terror, e sobre o fron-


quelle exercito. E' de presumir qae nao podendo
ella passar da ha do Apip, all tenha de esperar
que enegae o mesmo exercito*, que lera' por tanto
de fazer urna larga travessia, se se achar anda em
S. Tbomaz, como se er.
ConUn 10, sem duvida, com autor demora, por
qualquer que seja o motivo, resolveram os generaes
allados fortificar o seu campo com vallas e reduc-
tos. Com esta medida podem agora elles concen-
trar tranqullamente todos os elementos necessarios
para poderem tomar a oSensiva, sem receio de no-
vas sorpresas como as dos dias 2 e 24 do passadoi
que, embora tenham-nos dado sempre vantagem,
atrazam-nos cora tudo a orgahisacao daquelles ele.
mentes, e os ataques desesperados do inimigo de-
monstrara qae esse era sea principal objecto.
Os passados Paraguayos dizem que Resquin mor.
rera, acreditando uns qae iaveaeaado, outros qae
em consequeneia da batajh de 21, e mesmo fuzla-
do. Tudo possivel com o dictador Lepez. O lu"
gar que Resqaio occapava, passoa ao coronel Daz-
De Corrientes sefuiram rio cima alguns caci-
ques do Chaco para conferenciar com o Sr. vizcon-
de de Tamandar.
Dizem diversas correspondencias que se trata de
organisar urna expedcao contra Assumpco, pelo
G ti ac.
EsUvam em frente a Iiapir, na raargem corren-
tina, 2,000 cavallos para o exercito argentino.
A Corrientes chegaram no da 21 as horabardei-
ras Pedro Aflonto e forte de Coimbra rebocadas a
primeira pelo vapor nacional Juparana e a segun-
da pelo vapor ingles Brasil.
Deviam ambas partir para o rio Paraguay no da
segaiote, acompanbadas pelos vapores Leopoldina
e Duque de Saxe, conduzindo este 470 pracas qne
haviam tido alta nos bospitaes.
Desde o dia 1 at 22 sablram de Corrientes para
o exercito brasleiro cerca de 3,000 pracas restabe-
lecidas e promptas para o servioo.
Coostava qae o encouracado Lima Barros ja' es-
lava a nado, esperando somante, no ponto denomi-
nado passo de Heroandia, a crescente do rio para
seguir ao sea destino.
Parece qae a mai de Lpez linba viudo de As-
sumpco pedir ao filho, que de qualquer modo pu-
zesse termo a esta guerra, qae consternava o paiz,
e que era necesario que ella sa convencesse qne
as poueas forcas qoe ibe restavam nao eram saffl"
cientos para trinmpbar. Lopes a fez voHar, dizen-
do-lbe que eslava resolvido a morrer com todos o8
seus, antes do qae tratar um es alliados.
Isto mesmo ja' tioba sido afBrmado por ootro
transfuga ; porra, como os desertores exageram
sempre as noticias qae dio,^a nao ousei fallar nes-
se passo lado pela mil de Lpez, e qoe multo a
honra.
mulheres podem ser sacer-
dotisas e sao lio venerada* como os proprlos sacer-
dotes.
i, 1 m *1
A franceza casa-se por calculo, a iogleza por ha-
bito, a aJltma por amor.
A franceza ama ato o fim da la de mel, a ingle-
xa toda a vida, a allemia eternamente.
A franceza leva a lha ao baile, a ngleza igre-
ja, a allema oozinba.
A franceza vesle-se eom gosto, a Ingleza sem
elle, a allemia com modestia.
A franeexa tem espirito, a ingleza lntelligencia, a
allemia sentimento.
A franceza tagarella, a ingleza falla, a allemia
conversa.
A fanceza offerece orna rosa, a ingleza urna
dalia, a allemia um;n3o-me deixes.
A franceza singularisa-se pela lingua, a ingleza
pela cabeca, a allema pelo coracio.
Esta poesa foi reaitada ptio 5f. a. M. de Sooza
Oliveira 00 theatro de Santa Isabel a' dtsllncta,ac-
triz a Sra. D. Adelaide do Amaral :
Arebaojo do Senbor>,.de fogo arenan jo,
Pelos amos vagando em noite escura,
Nao-seo tes o rogar da mi segura
Sobre as Ombras genlis dos brilbos leas T
E' o* genio qae vota, vera candado
Do buscar-te ancioso deste mundo,
Vooa, deseen t da. trra ao fundo,
Vem roubar-ie depressa para os ceas I
Vem reubar-le,. sim,. todo- orgulhoso,
Que nao maaehes a veste divinal
No lodo do poevir, no pedestal
Que o mondo reesmoB do podras finas--.
Corre, envuive-te de nveos pardacentas,
Das estrellas eom qae o ea ornou-te e manto,
Dos fulgores do sol, do sea encanto,
Voa, adeja, abre as azas peregrinas I
Um joven advogado defenden um pleito que ga-
nbou em am mez, e no qual seo pai havia consu-
mido vinte anuos.
Depois de pronunciada a sentenea definitiva do
tribunal ao ebegar a casa o novel advegado disse a
seo pai :
Tenho a dar Ihe urna boa noticia, aquello
pleito sobre beraoca, que ba viole anaos defenda
meu pai acabo de ganha-lo em menos de um
mez.
Estupido,, respondea-lhe o pal : nicamente
soubeste comer por eipaco de-um. mea de um peito
do qual eo oomi por viole aaooa.
m
<^a-
A belleza tem sido diversamente definida por va-
rios pbilosophos.
Anacbreonte diz que um dom do co.
Aristtelesam roonslro da naturexa.
Blonum bem para os ouiros.
Scratesurna tyrannia qoe dura pouco.
Theophrastoum engao que nao falla,
Theocritoum bello mal.
Carneadesurna rainha sem guardas.
Deotinoura altar de om s dia.
tisptcio de templos profanados, leram-se
em caracteres de sangue : Libert, Ega-
lite, Fralerniti oula Mort i (bmennais,
340).
(fiontinuaser-ha,)
P
THEATRO IA GUERRA.
Conservavam-se aiodi os exercitos as posicoes
M POUCO DE TUDO.
Damos a sciencia det aossos leilores as mulhe-
res julgadas segundo varias religioes.
Religio de Jess Christo.
Que a mulher seja submissa a sea marido como
ao Seohor, porque o marido o ebefe da molher,
como Jess Christo o ebefe da igreja.
As mulheres nio deven querer guiar os seos
maridos nem ter sobre ellos antoridade; porque
Adi foi formado primeiro.
Religio de Moyss.
A mulher deve obedecer a sen marido, evitar
eom elle a colera e as dispatas, o ser-lhe sempre
Bel.
Nio tenbaes conversas iaoteis com vossa molber
Em data de 28 de junbo prximo passado escre-
vem de Buenos-Ayres para o Correio Mercantil o
seguinte:
De poaca importancia sao, no ponto de vista
militar, as nrticas deque portador este pa-
quete.
Nio se pode dizer o mesmo no ponto de vista
poltico e commercial.
Apresenta-se em primeiro plano o offerecimeaio
feito pelos ministros do Per e do Chile, aos gover-
nos oriental e argentino, para servirem seus res-
Declives governos de mediadores entre os belige-
rantes, mediacao a qne adereria tambem a Bolivla,
e nao sei se o Equador.
Os inimigos da situaco exploram este facto oom
o instincto da salvacio, mas se equivocara, se pen-
aam que os governos do Rio da Prata se deixam
illodir por estes protestos de imparcialidade, que
nio slgnificam sanio proteoio a Lpez, com quem
nao ba mediacao possivel senio por meio das
balas.
A demora no proseguimento das operaeoes os
tem alentado muito, mas no dia em qae exercito e
esquadra marebarem para diante de combioacio,
e este dia nio est rauito longe, o poder do dicta-
dor ae avaporisa como estas miragens que se pro-
cura, e tunea se encontra.
Os Impacientes qae se contentura. Por ser im-
paciente qoe o inimigo se acha boje na critica
posieio em que est, da qual nenbnm poder huma-
no tara (oreas para salva-lo. A neeessdade nos
obrigou cautela, e dalla temos tirado os mais
brl banles resultados.
A guerra com o Paraguay era ineviuvM, mais
tarde ou mais cedo, porqu Lpez a tinha afagado
como o projecto de sen pello, no qual deposltava
as maiores esperanzas. Os sacrificios que boje
tasemos os teriamos da fazer mais Urde talvez em
circumstaucias mais penosas, e pois fomos bastan-
tes elizes que elle apanhasse o pretesto da questo
oriental para tirar a mascara.
Hoje nio devemos descancar emquanto o inimigo-
nio estiver esmagado.* Vai nisso o nosso reposo
Deus te espera no cu com beijo rdante,
Todo fogo o olnar sagrando o genio,
Te espera a' fulgurar sobre o proscenio
Dos numes, aojos que fulgurara la'; '
Ergue-te no espaco, arroja-te ao finito,
Basca o horisonte, o largo firmamento,
Que surge o sol ao ver-te no momento
Transpor as nuvens, fallar a' Jehovah 1
E foste; arrastrando o fino manto,
As estrellas que teus brilbos convidavam.
As navens qae no ether campeavam,
Levadas pelo tafia do serapi-terno;
E roste; e passaado a luminosa entrada
Ouvisie os doces cantos dos archaojps,
O choro, o barmonisar dos bellos aojos,
Ajoelbaste ante o immenso o Daus superno !
Eis imprime em toa fronte o beijo arderte,
Concedido aos que gyram n'outra esphera,
Esse beijo que Corneille reeebera,
Emulo lea na arte, no esplendor;
Eis seas dedos iada qaentes s'imprlmlndo
Em teus labios qae de fogo se abrasavam,
Quaudo adores os incansos exhalavam,
Sagrando o genio com divino ardor l
Ento rasgando as nuvens fulguras-te,
Qual meteoro de lux auri-fulgente,
U mundo s'homllhoa, rendeu-le ingente
Esse caito que teus brilbos mereciam;
Pasmn a trra, adorou-le arebaojo,
O dardo do destino arremessas-te,
rEra certo o pervir ; eolio formas-la
O bouquet das flores que a' teas ps cahlam 1
m
dade civil; e at n5o hesita em eslabeiecer a 1 LamtU) m freme as qae nlTta 0 laimigo os-,
defeza- to prohibido : Ftcars dabalxc do poder do h* E, digam o que quixerem
pena de morte para os qae atacara o dog-; (abe|ec(,0) e a l9 ^ e5S| nova obra de
mas da religio. Si fosse algum publicista conwgairam fazer calar a artllharia paraguaya, mero, e elle te dominar.
e menos com as dos ontros.
Deus diste a Eva, que acabava de tocar no fru* fowro para reparacao de untos males.
E'.poiao estudada
t reOectida por ama tonga residencia oestes paiws,
Era a gloria immortal, eterna gloria,
Queaas axas do Senhor ias pouzar,
Eram, as flores que jamis bao de marchar
Ba tejada* pelo sopro do superno :
Posteriade, clamas-M em voz sonora,
Eu sou a filha que o Senhor beijou,
Tenho o genio que Corneille incendiou,
Qaero gloria immortal, triompho eterno! 11
Como qae o diabo tenu as mulheres ?
Mostrando-ibes nm bonito chapeo, am rico cor-
te de moir antique ou fitando-as com olhos de 6r>
Ihanles.
Como qae as mulheres tentara os homens ?
Atcando nm espartilbo, calcando nma bolinha
quasi imperceptivel, ou improvisado no rosto a
belleza que inspirava Morillo e Raphael.
Como que ellas nos dominam ?
Prometiendo-nos que nao de dividir comoosco
nm pinbio que seja, e eom toda, a especie de ma-
caquees, cajo systama varia at o infinito.
---------- ai 1 m
U bem coohecido e antigo escriptor Ruy Gon-
galves, falla com unto acert dos bons conselhos
qne mui.as vezes dio as mulheres, que julgames
mil transcrever alguns delles para ligio e guia dos
que em algnmas occasi,8es os repeliera :
Posto que os legisladores ordeoassem que as mu-
bares nio podessem dar voto, nem ser presentes
bus conselhos, para fuer leis e ontras constitu-
(des, parecendo-lbe que as nio fariam lio perfei-
tas como eram necesarias, bou ve porm sempre
e ha ainda agora, no genero femioioo muito ex-
cellentes molhares, as quaes deram conselhos jas-
tos e bons em que flzeram muiu vantagem ao ge-
nero masculino, como foi Sara mulher de Abrahio,
a qual aconselboU a sen marido qne lancasse fra
Agar sua escrava, e sea filho; e nao o queren-
do Abrahio acceilar, ouvio do Senhor estas pa-
lavras :
tTudo o que te djiss?f Sara tua mulber, ouve.
Teoho om ci qoe urna joia. Imagine que ou-
tro dia ia caca quando ojeio ficon parado de-
fronte de urna taberna donde nao se quiz desviaj
por mais que o chamal. Apasto que nao sabes o
que all o detinha.
O cheiro dos guisados T
Qual : admira-fe I nm coelbo que havia pin-
tado junto di porta da taberna.
Um poeu infeliz escrevea ama tragedia de Cho-
paira, Inclaindo ella a scena em qna a celebre
matrona se suicida fazendo-se morder por am as-
O apparelho qae imitara o spide era lio bom
oae dava depois de mordedura am assobio inteira-
mente semeliunie ao do referido anlmalsinho.
Acabada a tragedia pergoitsram a um dos es-
pectadores :
_ U interrogado responden
Sou da opluiio do spide.
P6RN.-TYP. DE M. f, D t & FILHOS.-
^


O general Soot, no aval persnate, e antigo
commandante em ebefe do exercito federal atorren
em Westpoint, no dia 29 de malo.
Esta triste noticia, posto que esperada ba algum
tempo, produzio viva improssio nos Estados-Uni-
dos.
O congresso, em signal do loto, foi adiado para i
de junbo.
O general Grant dirigi ao exercito nma ordem
do dia prescrevendo aoe otteiaes o uso,1 durante 6
mezes, de crep no braco esqnerdo e no guarda.
mao da espada.
..... 1
L-se em om jornal de Madrid o segaiote :
Escssvem de Badajoz dando conta dos adianta-
menlos as obras do oaminho de ferro, a ponto" ed
considerar-sa como ceru a abertura, no fim d'este
mez, da estacio de- Almoreban, e que par agosto
prximo, se percorrera' a linba completamente em
estado de constroeco.
O tnel esta' concluido, e as machinas ja' o aira-
ve s?arara sem o menor inconveniente.
Urna vea que esu obra, Ulvez a mais importan-
te, esta' terminada, ficam vencidas todas ae dHi-
culdades que podiam oppor-se a' abertura da mes-
ma.
%

A cultura de algodao na Indu Central val to-
mando proporgoes espantosas.
No Southern Mahrata Country lera sido consioe-
veis as novas phantacCes.
Diz um Jornal que o Cardeal Aotonelli tinha em
ama das casas bancarias do Londres, que suspen-
deram pagamentos, nm milbio e dusentos mil es-
cudos.
No dia 10 do crreme, um recoveiro de Ribeao-
ville (Fraoga) transporuva no sea carro, com on-
tros objectos, um barril de polvora.
De repente, quando ia a meio eaminbo do sea
destino, ouve-se orna formidavei exploso ; o carro
voa em pedagos, o cavallo cabe como fulminado, e
o recoveiro langado aos ares.
O desgragado sobreviven ainda um "dia a este
borrivel accidente.
O recoveiro deehroa que um bomem qae fez jor-
nada algum tempo com elle accendeu o cachimbo
e langou talvez por. descuido sohre o barril a Isea
de que se tinha servido para o accender mas co-
mo explicar que que se tivesse pegado fogo pol-
vora quando se sabe com qne precaugoes ella 6
empaquetada f
Desconfiavase que o recoveiro |teria arromba-
do o barril para furtar alguns cunhetes de polvora
e que teria pegado o fogo ao resto, ou por desca-
do ou para fszer desapparecer os signaes do roubo.
Em todo o caso a idea foi mi, pois custou-lbe a
vida.
Fallando doas sujeitos acerca de cousas desagra-
daveis da estagio calmosa, disse um delles:
Eu ca' nao tenho medo do calor. No verlo
qaando quero fazer descer a temperatura em mi'
nha casa, entro acompanhado por nm amigo que
convido para lomar cha exactamente quando mi-
nba molber me espera para irmos ao theatro. Te-
nho sempre a certeza de qne a frleza com que ella
sos recebera' hade obrar immediatarnente como
am poderoso refrigerante em teda a casa.
Dous individuos apresentaram-se a pediros seus
passaportes.
D'oode s5o vocees ? pergunlon-lhes o encarrega.-
do da polica.
Eu soa Qlbo de Cabra.
Eu sou filho de Muta.
Pois podem reiirar-se, replieou gravemente o
empregado civil fechando o iivro e dexando a pe-
na ; eo nao dou passaporte a animaos.

_-------------


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EHAEP4EXT_WR4YQ1 INGEST_TIME 2013-09-05T00:34:01Z PACKAGE AA00011611_11019
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES