Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:10989


This item is only available as the following downloads:


Full Text
I


r


a
KNCARRBGAD08 D4w6UBSCRlPCA0 DO NORTE
Parahyba, o Sr. Antonio-AlWndrino de Lima;
Natal, o Sr. Antonio Marques da Silva ; Aracaty, o
Sr. A. de Lomos Braga; Cear, o Sr. J. Jos de
Oliveira ; Maranbo, or% Joaquiro'Marques Ro-
drigues ; Para, os Srs. T5eraldo Antonio AJves &
Filaos ; Amatona, o Sr. Jeronyao da Costa.
Alagoa?, o Sr. ClandinoFalcIo Dias; Baha, o
Sr. Jos Martina Alves; Rio de Janeiro, o Sr. Jos
Ribeiro Gasparrabo.
PARTIDA DOS ESTAFETAS.
linda, Cabo, Escada e estafes di Ta ferr* at
Agoa Preta, todos es dias.
Iguarass e Goyanna as segundase sextasfeiras.
Santo Antao, Grvala, Bezarros, Ron"
ENCARDADOS DA SUBSCRIPCAO DO SOL.' ^ ^^ ^^ ^ pMqneln,
Serinhiam, Ro Pormoso.Tamandar, Dna, Bar-
reiroi, Agua Preu Pimeatoires, as quintas
feiras.
encas dos tribnaes da capital.
Ingazeira, Flores, Villa Bella, Cabrob, Boa Vis-
ta, Ouricury, Salguen o e Ex, as qaartas
feiras.
al do commeroo: segundas e quintas.
Relaco : tercas a sbados is 10 horas.
Fatenda: quintas is 10 horas.
Julzo do commercio: segundas as 11 horas.
Dito de orphaos: tergas e sextas s 10 horas.
Prinwira rara do ei vel: tercas t sexui ao meto
a.
Segunda vara do civel;' qoartas e sabbade
hora da {arfe.
>* 6 Quarto ming. as 4 h., 33 m. e 58 s. da m.
12 La nova as 7 hr. 47 m. e 52 s. da t.
19 Quarto cresc. as 9 b., 25 m. e*2 s. da t.
28 La cbeia a 1 h.. 16 m. e 10 s. da m.
DIAS DA SEMANA.
12-
13.
14
oda. S. Baraab ap.; S. Flix nv
I. S. Joao de S. Facundo,
oarta. 8. Antonio de Lisboa f. p. do-bi,
juista. S. Basilio magno b. doot da tur.
18. Sexta. SfJ|odesto e Vito mm. ?
i o. saobado; S: oSo Francisco Rppi?.
17. Domingo'. S. Therea rainba de Lyo.
PREAMAR DE HOJE.
Primeira as 2 horas e 31 m. da tarde
Segunda as 3 horas e 18 minutos da manbaa.
PARTIDA DOS VAPORES COSTEOS.
Para o sal at Alagoas a 14 e 30; para o norte
at a Granja a 7 e 2/ de cada mez; pan Ptraaa-
o os dias 14 ios mezas de Janeiro, margo, uxn
jnlho, setembro t novembro.
fo. ,'*-.--
ASSIGNA-8E
no Recife, na livraria da praca da Independencia
ns. 8, dos preprietarios Manoel Plgneiroa de Paria
& Filho.
PARTE OFFICIAL
MINISTERIO 1) V ilKURl.
Directora central.Ministerio dos negocios da
guerra 2 de maio de 1866.Tendo o tenente-ge-
neral Joao Frederlco Caldwel representado em
data de 23 do mez ndo, que vista da informacao
que em dala de 2 de outubro do anno prximo
passado, fura ministrada pela commissao de offl-
ciaes do corpo de engenheiros incjrobida de exa-
minar a possibiiidade de impedir a invasao para-
guaya na provincia do Rio Grande do Sul se Ibe
permitisse jostiOcar, pois que era elle comman-
0 secretarlo Dr. Francisco de Paula Salles.
Registrada a 11 do livro 7 de leis provinciaes.
Secretaria do governo de Pernambaco, 1.* de
junho de 1866.
O escripturario Theodoro Jos lavares.
EXTERIOR.
' BENOS-AYRES
18 de maio de maio de 1866.
A mesma espectativa em que as noticias da ulti-
ma hora (pelo Carmel) devem ter prodaaido no Rio
de Janeiro dominou aqui por alguns dias, e nem
reno-
plico, que eslava servlndo de ajadante de ordens
do Sr. m a rechai O.-orio.
10 de maio.Anda boje o Sr. vicealmirante foi
ao acampamento.
Tem condonado a passagem do gado; na ja' na
costa paraguaya 2,600 bois.
Hoje mesmo reeeberam-se cartas do Sr. vice-al-
rante em que diz que seu caminho agora at
Assumpgaoquebrando a torga de balas e bombas
todos os tropeos que Lpez Ibe aprsente.
Eis como a espectativa de grandes e decisivos
acontecimentos contina, e os olhos a toda a hora
devassam o horisonte para ver se appareee nm va-
por trazendo a noticia dalles.
Por emqaanto o qae occorre, restando-me ac-
crescenlar qae de perdas do nosso exercito s ehe-
gou ltimamente a noticia do tenente-corooel Jio
Symphcio Ferreira, morto por urna bala mimiga
na occasio em que dava ama ordem a nos-as
avancadas.
Este ebefe, de urna bravura desmedida, reunir
as immediages de Jagnaro, um pequeo corpo """"L "Tmiu "'" ', "cusssau uu wiwoi,
de voluntarlos de cavallaria, que formou logo paV-, f?S232f ProroY le do oreamento vigente,
te da brigada do general Netto F.cando sfu cor-' 5o" *" do S-r- vlsconde de Itaboraby appro-
po mu.t/reduzido8 passou" elle a servir de ajudau-! 2*^r ftlrSai ^ ***
te de ordens do marecbal Osorio. SJ2^T' Hara,D,a8a. .
A sua audacia, comprovada desde o lempo da \ iJSS&FV' l pa"a da enienda>snb9,slindo
repblica rio-grandense, onde foi major, jamis se 0f00 J PeBDa> ( fo eQcerrada a d|scassio_
- i
Beato Goncalves da Silva, e no da 23devia chegar ra a -..-,. ,,..
a forca do coronel Lucas de Oliveira. ".-.T!!?!. classe.
No dia 20 tioba o Sr. baro de Porto-Alegre
marchado para o passo de Itapa com dous mil e
tantos homens e artilharia, e no dia 22 ooviram-se
descargas e tiros do pega, e segundo constava na
os offlciaes da armada em-
preados as capitanas dos portos das pro-
vincias, etc., diga-se a epregar as capitanas
dos porto' das provincias offlciaes de 2* classe ou
reformados, salvo onde booverem arsenaes deeons-
forca que eslava acampada dua7Tegu"a"aquem S& mf*-19*" ""** 0^'V>t
MI DE JANEIRO
2i> den de 1866
Entrn bontem em 3* discassso no senado, a
desmentio, e agora elle a demonstrava diariamente i
at que urna bala paraguaya acertando-lhe na fren-, sflfiS? len,Qdfr!f! SM52? I ?&SS
te lan5ou-o morto do cfvallo abalxo. O piquete do | sTVera
parte
Simplicio.
O digno Bio-grandense deixa orpbSa urna nume-
rosa familia.
tttiroa-se doente para Corrientes o distincto
brigadeiro Jos Joaquim de Andrade Neves, com-
mandante da 3* diviso do exercito (cavallaria da
guarda nacional.)
Este chefe, orna das melhores espadas do Rio-
Grande, esta' em campanha desde novembro de
1864, e ha nao menos de seis mezes que soffre em
sua sade. Intimo amigo, porm, do marecbal Oso-
rio, s agora o quiz desacompaobar, por ler-se ag-
gravado muito seu soffrimenlo. So quem conhece
Caldwel, conforme o avis"o dest. data expedido I ^*Sm&i+ \ *^*^?!!2^^ S
da Molla ;*e dos que nao linbam tomado
na votago da 2* discusso, acbaram-se non-
tem prsenles os Srs. Ferraz, S e Albuqaerque,
marquez de Itannaem, bario de Muritiba e baro
de Aotonina.
dame das armas interino daqelia provincia quan- de todo desappareceu anda : ao contrario
do semelbante invasao verifleon-se aQm de res- ;fe- ,
guardar perante nm conselno de guerra a honra | Estando os dous ejercites nm em frente do on-
e os brios da sos farda' tro>a PDCU quadras de distancia, a batalba poda
S. M. o Imperador attendendo a gravidade da Prodnzir-se a qualquer minlo, e at nascer do me-
materia e os relevantes servlgos na sua carreira | or incidente de goernlhase avangadas.
militar prestados pelo referido teuente-general Joao MS nao f0' l8t0 aue aconteceu, e acontecen por
Frederieo Caldwel ha por bem que elle responda, I caos?s a"e 8o QMsl.de simples intulgao.
conforme reqaereu, a nm conseibo de guerra, pre-1 A batalbacontinuo a cbama-ia assira-do da 2
cedendo o de investigago, do qual V. Ezc. no-' ma,. raao 0 algumas ligeiras compensa- 2. d V0|Untr0S que esUva a frenl8 uregO 0
meado presidente, e vogaes os br.gadeiros Fr,B. ^Jieoq a Lope perdas materlaes de conside- inimi^n^MiS^W^tSSSSn-
cisco Jos Damasceno Rosado e Henriqne de Bean- "5a0. e m a'"da eve lr fosado desmoral.sa-!, J, s,|),ic;oM,w corpo Dravu WKa
repaire Roban, na conformidade do art. da car- a0 em s*" exercito, oosto que se vio desalojar de
ta de le de 13 de setembro de 1826.-Ioclusos su" Ps'c5es, e deixou no campo de combate um
achara V. Eic. os quesitos sobre que deve versar I m,'nar de raortos.
os tratalhos do conseibo de investigacao bem Nessa sitoaco Lpez nao deve, nem pode procu-
como copia da correspoadencla offlclal relativa a rar renovar a batalhae muito lara se esperar a
semelhante objecto eumprindo-me declarar que o au03 >lMdos levem-lbe as suas posIgSes.
conselho de investitaco deve quanto antes func-! ^J"ls destes (ainados) achavam-se inhibidos
cionar. :deofferecer batalha, porqae.... nao tinbam qoe
Deus guarde a V. ExcAngelo Munlz da Silva comerJ ... ..."
Ferraz.-|Sr. viseonde de Caroam. ; Ea d9'loro de consignar este fecte, por roais
Quesitos que devem servir de base ao conselho de aue el 8 "*" dar. raiao aos prognosticos que ej-
iavestigacao qae precede ao de guerra a qoe tou a azer hJ ?a"f "ezes.
vai responder o teoente-general Joao Frederieo! s,m> as ?*.*. d* estarem nossas breas sobre
Caldwel, conforme o aviso desta data expedido; errltorie inimigo anda nao tinham os fornecedo-. ,n ,- d -. -
pelo tennte-general viseonde de Camam res um dePos'.' de, "".. e ""'0 m,enos 8ado ; s5o no momento de colher o SK de untos traba-, S' ^"". Rodrigues Silva Frederieo de Albu-: 7| ,
! Tendo o tenente-general Joao Francisco Cal-. em Pe P*ra alimentar tres das o exercito, que era lh C0,Der na ae os iraoa qaerqae) baro de Maroinif Teixelra de Souza, ba- ao- ra
dwel, que desde 14 de margo de 1865, achata-se; fig* P"a P ,en'" ama Per8?a I A di?^ acha"se aora sob commaDdo do SXt^^S^SS^gS2^Z
commandando interinamente as armas da pro-! al*iHumaytai !coronel Tristas Pinto. Lampo.s_p. Manoel, OttoniLSouza Franco, Faarta-
do passo, essas descargas e tiros foram paralnuti-
, Usar charas e torgas que os Paraguayos tinham do
| outro lado.
Depois de eompostas estas notlcjas tomos obse^
quiados com urna carta escripta de S. Thomaz, em
27 do passado, a qual diz o seguinte:
O barao de Porto-Alegre foi foi ba sete dias
a Itapa com seo estado-maior, la encontrou os
Paraguayos du ootro lado; mandn fazer fogn com
as pegas que levava, e pelos 5 e 8o batalhoss de
volunurios e a companhia de pontoneiros: os Pa-
raguayos, qoe eram poucos, nao responderam ao
fogo e fugiram.
Hoje receben o baro um offlcio de Mitre,
dando conta dos combates de 16 e 17 entre as tor-
gas bra; ilelras e as de Lopes.
a Ja tarde obsequiou-nos um amigo com urna
carta escripta do exercito do Sr. baro de Porto
Alegre, tambem datada de 27 de abril, a qual diz o
seguinte:
Hontem voltea o general do reconhecimente
que foram fazer as margens do Paran. Foi di-
a Candelaria 4 leguas cima da Itapa, e nao
Felizmente, ao fechar asta, me commnoica-
da ama carta com noticias do Sr. baro de Porto-
ultima correspondencia por nada saber delles.
I O exercito rio-grandense oceupa diversas posi-
goes desde as margens do rio Paran' ate o Agua-
pey, tendo sen eentro, e, creio en, sea gaartel-ge-
vincia do Rio Grande do Sol, tomado o eoromando Nwsei "sesmo o que tena acontecido se a pre-
das torcas em operacoes na me>ma provincia, e leuei da missao brasile.ra em Boenos-Ayres
julgando provavel impedir a marcha do inimigo e nao tivesse feito formar em Comentes um deposito
sua passagem no Passo de Santa Maria do Ibicohy de charque e outros gneros. Foi esse charque que
grande, conforme o seo offlcio de 11 de dezembro, ?e desiribuio ao exercito, agora, e se oitimamente
de 1865, e iotorinacdes da commissao de enge-1bav,a J.a assado bstenle gado em p foi porque o
nheiros, deivoa oiolroiso passar sem Irte opp6rid'8noSr- ce-almirante dea aos fornecedores o po-
resistencla? deroso auxilio da esquadra. ,
2* Haveado probabilidade de iocommodar, seno 0ra> nao vale a creio en, ter fornecedores, n8aoeeraf0- TTS: _..
bater o ioimigo desde o Passo de Snta Maria do i ?oe fornecem por tal forma o exercito, tirando alias
ibicuhy Grande at L'ruguayana, percorrer elle ,ac'0i usurarios dos seas contratos.
Eu li as sesses da cmara as razos pelas
quaes o honrado >r. ministro da guerra entendea
oevor dotar o nosso grande exercito de ama repar-
tido de vivares, e que em resumo importara dizer:
no Brasil nao ha veri a urna dazia de borneas non- ,
rados para serem commissarios de exercito. 2P22! ^Z?\ T "f* ^ *
Porm se mito valiosas sao essas razoes, na edr-1"gJJjS*,*************.
te, ellas parecero menos convenientes aqnem sal-
do Das Vieira, Pompea e Chieborro.
Posta a votos a proposigo com a emenda do Sr.
Alegre e sea exercito, as quaes nem mencione! na SfiSf 2 Itobor!by' aPProva,da?a 2* disSa8Sao'
foi adoptada, para Ir a commissao de redacc&o, por
23 votos, votando neste sentido os mesmos vinte e
Proeedendti-se a votacio da emenda do Sr. Para- leJ1SSe'1r1u1 4 S?" ac,DBa da
nago, fotxejeitada por* votos contra 16. : ^SSfcff liK3 de ge,n,e' "toa 5a"
Votaram pola emenda do Sr". Paranagu. os Srs.; RSl *l?gS?' onde d,,P"roo aJnB "ro,s de ar-
marqnez de linda, Nabuco, Ferraz, viseonde de B^EjETJfi empregados: otn;e desa-
Jequitinhonha, Paranagu, Zacaras, S e Albu- bar *2*F?2* Sf Pra,a'.on,ro ""H
qaerque, marquez de Itanhaem, viseonde da Boa I *. 9 ^^ em Mocarlo na margem
Viste, Olas de Carvalho, Danus, Mafra, Araojo ^^ M,ro ma,0Q nm cavalleiro que sah.a da
Ribeiro, Penna, baro de Pirapama e Mendes dos v n.___ ,
antos *^ faraguayos, porera, nao respouderam, nem
E contra a mesma emenda os Srs. viseonde de SlTS^K'jSI?" ATX2E5 ?rupos
Itaborahy, marquez de Caxias, baro de Muritiba, dl^ldadoLs!,BO'avaw' e na l2P& em qaJ
a Baeoo, Paranbos, Souza Ramos, baro de 25- S?L!SS1S rePeidos ,oanes de
>ir. Nao sei qual sera o curso que as coasas
at agora nao tersos os meios de
passagem.
Hontem abena o-capito de engenheiros Con
nm senbores qoe votaram contra a emenda do Sr.
Paranagu, e mais os Srs. Mendes dos Santos e
1 marquez de Itanhaem: e vontando qoatorze contra
percorrer
as nossas forcas Ibe
; ou Ibe causassem
aquella distancia sem que
mo.'trassem a sua invasao
perdas ou ferimentos T
3 Tendo o Ioimigo em todo o seu trajelo acba
do a passagem livre, com lempo de preparar
transporte em os rios que eacootrava chelos, como
nojlbicaby e Toropassos, lempo se Ibe deixoa para
marcha e preparativos de passagem ?
4 Qae achanda-se o ioimigo em nosso territorio
neohuma providencia se dea, recolbendo-se vive-
res e gados para logares a salvo da inimigo, ca-
tando pelo contrario em sea poder porcao da-
quelles objectos t
5* Qae tendo ordenado ao brigadeiro David Ca-
nabarro, que atacasse o ioimigo, e exigindo elle
ordem por escripto como consta do offlcio do
mesmo brigadeiro de 3 de outubro de 1865, o re-
ferido general Cadwell, deixou impune semelbante
acto de insubordinacao ?
m rima do 1 de'a proposigo, como foi emendada, isto os Srs.
7lsconde de
Sa e Alba
qorque, viseonde da Boa-Vista, Dias de Carvalbo,
teem na margem opposta, bem "como sobre o po- n"s *,ra' Araojo Ribeiro, Penna e bario de
voado da Encarnaco que elles occopam. ua'
Parece qae o Sr. bario esperava os meios de
maio, dizendo ter fello colloear algunas pecas de! maT.e! d Dt5da- NabucD0' Ferrai> viseonde de
artMberia sobre a margem do Paran encado ) ^^D^Ttu^L^^
balas contra nm pequeo navio quo os Paraguayos,
esquadra, e
Referem-me mais a segainte noticia qoe naquel-
ba, nao por intormagoes benvolas e optimistas, | M" (*' de mal) lt.ma hora dada pelo Sr.
mas p -lo proprio exame, o gne o tal forneeiment
Emtim ea deixo sua poca o estado oestes a*
(ocios, e continuarei sallando das operagd>3 de
gnerra.
Nao podendo avangar sobre o inimtgo, nem por
isso deve crer-se que esto os exercitos alliados em
eommodo acampamento.
A estreiteza do terreno qae elles occapam e as |
A cmara dos deputados occopou-se hontem com
a discusso da proposta do governo, pedindo um
crdito supplementar para occorrer as despezas abarr'acamentos ""e
i Na ilha que forma o rio Pindapoy ao fazer
barra no Paran, a qae /oi por onde passoa a co-
lumna invasdra do major Dnarte, sentio-ae movi-1
ment de torgas de infamara calculando-se baver .
ahi 400 homens, mas eis qae elles levantaran) ban-.
deira branca (de parlamento.)
O Sr. baro nao teve tempo para dar maiores
do ministerio da marinha. Oroa o Sr. Franco de
Almeida.
CoDtinoou depois a 2* discusso da proposta do
governo para a le do oreamento do anno financei-
ro de lw a 1867, na parte relativa ao mesmo mi-
nisterio. Orou o Sr. Moreira.
Ambas as discussSes ficaram addiadas pela
hora
Foi apresentada a segainte emenda ao} 1 do
rado, qoe tioha ido em commissao ao Passo da
j Patria, trazendo nos a satisfactoria noticia de qae o
i nosso exercito bavia transporto o Paran. Hoave
geral contentamente por ter sido o exercito brasi-
lero, com o Osorio a frente, o primeiro a pisar
Ierra paraguaya. A' noute toearam as mnsicas, e
o general levanten diversos vivas, entre os quaes
um ao valente Osorio. >
Estava concluida a eleicao para a nova assem-
bla legislativa em ambos os distnctos da pro-
vincia,
fio Echo Gabrielense de 6,lse :
No dia 29 de abril prximo passado, pelas 10
horas do dia, acampoa do ootro lado do Vacacahy
a torga que sob o eommaado do Sr. major Caldeira,
escolta aos 400 Paragoos, qae, como ja noticiamos,
seguem para a capital da provincia,
i Vimos mutos destes prisioneiros em sens
os encontramos nedios, bem
6" Que tendo o brigadeiro David Canabarro res
pondido ao coronel Joo Maooel Mena Brrelo, que de sorpreza que teve a batalha do da 2, e que tem
de ordem do general Cadwell o procurava para sldo melD3r apreciada, a medida que novos escla-
bater o inimigo que nao o aiacava, e que no caso reclnenlos sobre ella lera ido chegando.
de tomar o general Cadwell sobre si essa raspn-1. ,omo 5U ul.,ao Pr0llX0 na desenocao dessa ba-
sabilidade, elle Canabarro entregara o commando;laIba. nada lena agora que accresceniar, se nao se
de sua diviso a outro, o mesmo general Caldwel | aesse ca3?.de l|Keiras recticagSes e tambem al-
deixon tambera impone este ootro acto de insu
bordinago ?
eon'd.^'d^er todTrTal&po? mateTT #**&. mas se o faci eoriflrmar, ser im- artigo addit,vo offerecido a segunda proposl.:
ros, obrigara-os a urna vigilancia de todas as horas.! E22~Sl! algnincart nada menos que o
InOue para isto, como se acreditar, o carcter de^rai" n^ m,"aStHMragU,y0w.-h.
Vere eu anda mais cedo do que suppunha rea-
vestidos, contentes e salisfeitos.
Segnio tambem sob a guarda da mesma escol-
ta o celebre capitn paraguayo Alvarenga e mais
nove que aqui existlara. >
No dia lo entrn no Rio-Grande, procedente do
nosso porto e de Santa Catharina, o vapor encoo-
rado to de Janeiro, e a 9 o transporte General
Flores.
nosticava sobre o desquicio do poder militar de Lo
pez sem dar novas batalnas 1...
Diarfo da esquadra.
Dia 5 de malo.Neste dia o Sr. vice-ilmiranle
guns episodios, que o paiz nao deve Ignorar. I foi conferenciar com o Sr. marecbal Osorio.
8 O batalbo 38 de voluotarlos da patria nao foi I <> a'"ad dou de campo, avaocando
indo a vi..a de Uruguavaua torbea- Jg-J Jj Jjo ^MiQM! { J ZgFfSSSUr Sf S
t de proteger, e resisti, escreve-me do exercito pes- ?;,.""". uu esie|ro. u exercito mu
soa insuspeita, quanto pode assistir um batalho 'e'ro.opa^a eaonerda e az o serv go das a van-
contra ataques combinados das duas armas. S adas? 8fnfa'^ores esta no centro, e o er-
depois retirou-se em debaudada, que, isolado co- p."? arfentino forma o flanco esquerdo. As caval-
0 Diario da referida cidade d a seguinte
noticia :
. Era loga das palavras-subsiituiodo por offl-, Aote-hont^ro a larde, segoiodo em um bote
cial da armada etc-diga-se-E quando se derera para a de s Joj d ^ gr Lucjan0
vagas, a de um conselheiro paisaoo. a de um dito Francisco Monteiro e alguns capitaes de navios
lisado o que na correspondencia pelo Carmel prog-rOfllcial da armada, a de um 1 offlcial e a de nm: estrangeiros, nos informam que durante a viagera,
amanuense da secretaria do mesmo conseibo na- e qaando ainda no ^^ ,ransporlo 0 CMa|f 0
V TiIrt X!2 i i*3* 'r, r. j ,) Sr. Luciano mostroa aos seus coropanheiros de
O Sr. barao de S. Joso do Rio-Claro fundamenten yiagem uma pi.|o|, 0Q rewolve M |ne haviara
,con feito presente neste cidade, mas nessa verlflcagao
timemos, qae foram aproveitados pelos inimigos ?
Pago em 2 de maio de 1863.Angelo Mumz da
Silva Ferraz.
ii --------
ftOVERYO 1>A PROVIVIII
4.' seccao.Secretaria do governo de Pernam-
baco 9 de junho de 1866.
EDITAL.
Pela secretaria do governo, se faz publico quem
iBteressar possa, qoe tendo o Exm. Sr. vice-presi-
dente da provincia de dar execucao a lei n. 697 do
i. do correte abalxo publicada, se convida a' to-
das as pessoas, qoe queiram contratar a construc-
<-o das pontee de qoe trata a referida lei, apre
s'entem ao mesmo Exm. Sr. as suas propostas afim
de serem examinadas e preferida aquella qoe me-
lhores vantagens offerecer.
O secretario. Dr. Francisco de Paula Salles.
LEI N. 697.
O \)t. Manoel Clemenlino Carneiroda Cunha, vi-
ce-presidente da provincia de Pernambaco : Fago
saber a todos os sens habitantes que a assembla
legislativa provincial decreton e eu saneelonei a re-
solagao seguinte:
Art. 1.* O presidente da provincia flea autorisa-
o seguinte reqoenmento,
adiada para sabbado: de to mortfera arma, ella'dlsparou com tanta ta
. Reqaeiro que se pega ao governo, por interme-; felicidade que foi iotrodozir-se a bala na cabeca
diodo ministerio da jostiga, informag5es dos raot.-; de Mr. Maby ca i|a d
vos da reforma de teneote-coronel commandante gm vinda d CadJZ
do batlho u. 34 da provincia de S. Paulo, Jos; ^mediatamente, em race de tao cruel casuall-
dade, o Sr. Luciano fez voltar o bote para esta ci-
Leonel Ferreira.
M i Ifi
hontem do Rio da Prata e portes do sal
mo se acaou, no poda resistir a torrente de ini-
larias Qcam nos flancos na retaguarda. I' quartel
Eotrou
do imperio o vapor Brasil.
Alcangam a 17 do correte as dalas de Monlevi-
migos. isto s era dado realisar o 7 de linha, ten- \ do D.osso rcito para expediente dorante, do as de Porto-Alegre a 16, Rio-Grande 20 e
rv (iil Prtnfiniifl n eam t fine* Af\ lol aatanhn vinte ln h^fm* m itr, un l'inl.i
do sua frente um commandante Pedra.>
O nico batalbo nosso qae se portea menos bem
foi o 21 de voluntarios, o qual avaogou, mas reti-
rou-se logo sem fazer resistencia.
A 15* batera (que foi tomada pelo inimigo) linha
quando abandonada pela sua guarnigo 5 offlciaes,
" sargentos, 4 cabos, 3 anspegadas e 16 soldados,
o dia cootina a ser a casa do telegrapho.
O inimigo prosegae entranbando.se no Esteiro
Velhaco.
6 de maio.Bom lempo: temperatura agrada-
vel. Ainda hoja o Sr. vice-almlrante voltou ao
acampamento onde conferencloa com os geaeraes
em chefe. O exercito brasileiro para avangar s
ao todo 30 homens, inclusive "offlciaes : os mais ti- carece de 6ado em P> ne amaoha principiara' a
nbam murrido. O entrevero era j to completo passar.__
cora a grande columna de cavallaria ioimiga, que I u7 .de ma.o.-ma dlvisao coraposta dos vapores,
o commandante da batera, vendo um soldado pa- : ^. Aromar* e Hennque Marhns subi o rio
raguayo lagar-lhe uma praga sua, descarregou con Paraguay ate a bocea do Atajo, Indo no primeiro
tra aquelle dous tiros do sea rewolver. destes navios o secretario e ajadante de campo do
Os batalhSes qae carregando o inimigo penetra- 'ce-almirante 1 tenente Silveira da Motta, encar-
foram os 26 e 11 de volun- regado pelo seu chefe de descobnr e reconhecer
ram em suas posigoes
tartos, os quaes coadjuvados por offlciaes e pragas
do 1 (tambem de voluntarios) no satacaram a
bayoneta os redados dos Paraguayos, mas obriga-
ro o inimigo a fugir do mato onde se esconder.
Foi nes-e ataque ousadissimo qae o 26 se achoa
to avangado, qae nao pode retirar-so quando se'
pedaglo Andr de Abreu! lirar-se sem deixar as mos do inimigo
Porte, oa a quera melhores vaotagens off-recer, | dezeoas de soldados e dous ou tres offlciaes prisio-
para a conslrucco de duas ponte da madeira oa i neiros.
as posicoes do inimigo e a lagoa Pires.
Na bocea daquella lagoa a Itag fez um tito de
pega e laogou um foguete, qae eram os signaos
convenciooados com o exercito para indicar as po-
sicoes da esquadra.
A entrada da lagoa foi sondada em am escaler
ella, mas acbaram-se
do a conceder privilegio por 30 annos com o esta- dea o sigaal de o fazer \ quero dizer, no pode re-: aue J! P?a8 penetrar por
to de ara pedaglo Andr de Abren lirar-se sera deixar as mos do in.migo algumas ^^VS^e IagM wre pa ^,,,^0,6
ao rio Paraguay, com c qual se comnraniea abalxo
0-- soldados dosse bravo 26 batalbo de volunta-; de Curupaliy.
rios praticanm um fado qae o Nacional de bontem Passarem os navios a bocea da lagoa ama
publica sob o titulo-.Heroismo dos Brasileiros co nnjM de infantera parama marchoa ac-
pela sua bandeira;-e o segninte : celeradamente para os matos qoe bordam a la-
No combate qaasi corpo a corpo qae as pragas 18a
e offlciaes do batalbo tiveram qae sustentar con-
tra os Paraguayos, quando se viram cortados, a
bandeira esteve por am momento em risco de ca-
bir em poder do inimigo.
As pragas, porm, qae Ihe fleavam mais perto
flzeram-lbecom seus corpos orna especie de baluar- \ Pamento para communicar ao Sr. marechal Osorio
_ ~m. f\ rL'n tt Ha fin /inAnhftni(nini! rvrva n<\vs>ii sAIt
ferro entre os lugares, Capunga e Pogo da Panella,
no rio Capibarlbe, e que deem passagem para o
povoado da Torre, mediante as condiges estabe-
Jecidas no art. 3 da presente lei, devendo em
igualdade de circumtancias ser preferido o dte
Andr de Abreu Porto.
Art. 2.* O mesmo presidente podera' conceder
igual privilegio e as mesraas condiges do ar-
tiga precedente a Arisiides Dnarte Carnelro da
Canha Gama, Joaquim Francisco de Miranda
e Justino Pereira de Parias oa a quem melhores
vantageas ollerecer, para a conslrncgo de uma
ponte de ferro oa alveoaria no lagar denominado
Sant'Anna de fra e que d passagem da fregaezia
da Boa-Vista para o Poco da Panella, de vendo em
igualdade de coodicoes ser preferido Aristides
finarte Carneiro da Cunha Gama.
Alt i.* Os coocessionarios flearo sageites alera
das qne forera estabelecidas nos respectivos con-
trates a's segrales copdigdes:
I.* A obra sera' construida de contorradade
coa as prescripgSes fornecidas pela repartigo das
obras publicas.
2.* A tarifa.do pedaglo sera' regalada de ac-
cordoeem o governo.
8 1* Pind o privilegio a obra acara' pestaeen-
4a a' provincia, sendo-lhe entregan em estado re-
galar de conservacao
Art. 4.* Ficam revogadas as disposigoes em con-
trario.
Mando, por tent, a todas as autoridades a qoem
o conhecimento e execuglo da presente resolucao
pertencer, que a cumnram a fagam camprir to
jnteiramente copo nella se. contm.
O secretario do governo de*u provincia a faca
imprimir, publicar e correr.
Palacio do governo da Peroambuco, ao 1.* de
janno de 1866.43* da independencia e do imperio.
L. S.
Manoel Clementino Carneiro da Cunha.
Senada pnWicada a presante resol acao esta
secretaria do goveroode Ptrnambgco, t'Je jBnao
iHf.
O resaltado principal qae t tiroa do reconhe-
cimento foi verificar qae nossos navios podem do
rio Paraguay bombardear o acampamento inimigo.
b de maio.A's 9 horas da raanha o indicado
1* lente Silveira da Motta foi mandado ao acam-
dade, e conduzindo o ferido para o hotel de Paris,
apresentou-se incontinente ao Sr. delegado de poli-
ca, narrando Ihe o facto, qoe foi testemunbado por
diversas pessoas, e que coofessado pelo proprio
o (Tendido.
Santa Catharina 22 do andante. Sr. delegado procedeu aos necessarios in-
Em Montevideo nao baviam noticias do tbeatro terrogatorios.
da guerra posteriores as irazidaa pelo Carmel. Ante-hontem a noate, sendo convidados os
Uma correspondencia da Easeada de Itapir Srs. Ors. Po e Landell para extrahir a bala, depois
para a Ittbuna, datada de 10 de maio, diz : j de acurado exame, entenderam nao dever exlra-
i Esto quasi concluidos os trbateos que se | bi-la, pois que esse processo pode ser fatal ao offen-
fazem no encouracado lamandar para destruir as dido.
bombas submarinas qae existem do forte de Cora-: Lastimamos profundamente este facto, que se
paily para cima. > i den casualmente com o Sr. Luciano.
Relativamente a publicacao do tratado da trplice j Em Santa Catharina tora convocada extraordina-
allianca l-e no Siglo de 16 : i riamente a assembla provincial para tomar em
Disse-se hontem que o paquete levava o ped- coosiderago as razoes porque o presidente negoa
do de demlssao do ministro inglez Letlson, por ter a sanego lei do orgamento.
lord Russell publicado o tratad i secreto, apesar de, J6
se Ihe haver recommendado absoluta reserva ao, Passaram hontem, sem debate, no senado
transmitlir-lhe a copia. Pelo mesmo motivo asse-1- Em 2* discusso o parecer quo coacede a liceo-
gura-se que o Dr. Castro dirigi uma carta ao che- ga pedida pelo Sr. seuaior Fuado.
que. Casimiro
res.
Sih-ino- Cavaloanti de Albuquer-
Maduretra. [Miz da Svr fo-
Entrn hontem do Rio da Prata com datas de
Buenos-Ayres at 18 e Montevideo 19 do correte,
o transporte de guerra Jos 9i Romao. *
Nao tinham chegado anda noticias ulteriores do
tbeatro da guerra. As folhas poblico mais algu-
mas correspondenclas do exercito, mas neoboma
vai alm do dia 10.
A correspondencia do coronel Palleja refere qae
na manbaa de 8, percorrendo os postos avancados,
toi morto por ama bala Ioimiga o commandante
Simplicio, ajadante do marecbal Osorio. Foi se-
pultado defronte da offleina do telegranno, e ama
cruz grande marca o lugar onde repouso as anas
cjnzas.
Narra-se na mesma correspondencia o segninte
episodio :
Hoje (8)-apresentou-se-ua liaba inimiga am
chefe com escolta, qae se snppoz seria Lpez, e
sem davida por ordem delle trouxeram a' frente o
lente do 26? de voluntarios da patria Suva Cha-
ves, que est prisionero, e obrigaram-o a gritar
qne esta' muito satlsfeito e contente, qoe tem sido
tratado muito bem qoe all se goza da maior li-
berdade e abundancia, qne se passem lodos para os
paraguayos etc, com outras parroiees qae azorara
dizer aquelle desgracado, posto em doro tormento
por temor de perder a vida. A abundancia de L-
pez attestada pela magreza dos seus soldados
quasi mis
O exercito estava recebendo bois e cvallos de
qua se senta falta e todas as correspondencias sao
accordes em qua dentro de dous on tres dias os
alliados se portara era marcha sobre o Humayt.
Na liaran Argentina encontramos o segninte:..
c No dia 9 uma pequea diviso de navios orar
sileiros sabio at a' embocadura da lagoa de Piris.
qae fica um pouco abaixo do forte do Curapaity, e
all por ordem do almirante desembarcan o san
secretario, o i* tenente Artbor Silveira da Motta,
qae soodoa o canal e a lagoa, dando em seguida o
signal convencionada para o caso de ser satisfacto-
rio o resaltado.
Effecti varaent a foi, pois o lenle Motta en-
contrn uma proundidade de sete ps de agua,
que permltte a entrada de vapores pequeos que
Lombardem o acampamento paraguayo, qne, se-
gundo o mesmo ieoente assegora ao almirante, a-
vista-se perfeitamente da lagda.
Os resoltados da operago qae se projeete se-
rio ter o inimigo de abandonar o seo acampamen-
to, persegoindo por trra e pelo rio, pois compre
notar que uma vez evacuada a posicao qne boje
oceupa, no tem Lpez at Hamayt ootro ponto
em qne possa acampar, sem Qear exposto a's bom-
bas, senda certo que o forte de Carapaity e os tor-
pedos lo celebrlsados no impediao qua a esqua-
dra o siga na foga, qoe tal sera' o carcter qoe le-
ra' a retirada do actual acampamento, da qual
teramos noticias mu brevemente.
As noticias locaes de Buenos-Ayres e Montevideo
no offerecem interesse.
Publicarara-se algumas cartas do Dr. Castro, mi-
nistro de extrangeiros na repblica do Uruguay, e
do Sr. Lellsom.mioistro inglez oa mesma repblica,
relativamente a' dlvulgago do tratado da trplice
allianga. Conforme estes documentos e primeiro
conbou ao segundo uma copia daquelle tratado re-
servadamente, e s para desvanecer os receios de
qae o governo inglez se mosirava possuido a res-
peito da independencia do Paraguay, qoe poda a-
char-se ameagada pela allianga.
Com igual reserva a traasmittio o Sr. Lettsom a
lord Russell. Apesar de acbar-se assim empenba-
a a palavra do ministro Inglez, apesar de ver-se
do mesmo tratado que uma das suas condiges era
o segredo, a publicacao fez-se. A explieacao do
modo ou razao por que se faz .-rnente nos podera'
vir agora da Inglaterra.
^a
fe do gabinete inglez, sem prejuizo de dar luz
ama explieacao sobre este assampto, qae o obriga
a deixar a pasta de estrangeiros.
A OptntSo disse qae o goveroo aatorlsara va-
rias pessoas a procuraren) fazer o Dr. Castro de-
sistir do seo proposito. E' davldoso, e afflrma se
Em 3* discasso o projecto qne deroga o juizo
arbitral necessino.
Em 1* discasso as proposigoas approvando as
pensoes concedidas :
Aos soldados Ignacio Alves de Carvalbo e outros.
Ao imperial marioheiro Manoel Jeronymo da Sll-
que lalvez boje mesmo Ibe seja aceita a renuncia,, veira e outros.
sendo elle interinamente substituido pelo offlcial. Ao Ia tenente da armada Justino Jos de Mace
maior D. Alberto Flangini. a do Coimbra.
Assim como no Rio-Grande e em Pelotas mani- Em 1* discasso as proposicoes:
festara-se grande regozijo na capital da provincia Autorizando a matricula do estadaote Agostioho
de S. Pedro do Sul a ebegada da noticia da passa-! Loiz da Gama Jnior.
gem do Paran pelos exercitos alliados. Mandando qae votem no collegio de Oeiras os
Sob a rubrica-Exercito do Uruguayd o lio eleltores da parochia de Valeoga, ao Piaaby.
te e conliveram os Paraguayos, multe superiores
em numero, emqoanto o porta bandeira atravessa-
va com esta am profundo esteiro, e a punha a sal-
vo. Foi s eolio qae aquellos heroicos soldados
brasileiros coidaram em retirar-se, o qae Qzeram
alguns : os maJs tinham morrido.
' Se, como ea presumo, a bandeira do 26 Ibe foi
doada, por sna cidade natal, oa por algaem offere-
cida, seus valeotes soldados moslraram-se dignos
dessa offeria, como o intrpido major Francisco
Frederieo Figueira de Mello mostroa-se digno de
commandar soldados taes.
Para completar estes accrescimos, a descripgao
do combate de 2 de maio, di re I qae a 5* batera
aeha-se de novo com o seo material completo, e
seas offlciaes e pragas com bom animo de ir at a
Assumpgao se fr preciso, resgatar as quatro pegas
qae os Paraguayos no Ibes tomaran, dizem elles,
mairoubaram-lhes.
Agora contiouarel com os novos successos.
Na Indicada vigilancia em qae esto os exercitos
alliados. e qoe o inimigo nao pode deixar de per-
ceber, evidente qae este nlo arriscara mais em-
prezas como a do da 2, porque tambem aos al-
liados nao Ibes convm ataques, parciaes, acredi-
ta-e geralmeote qae o primeiro aeeommettlmento
3ra decisivo, a, coste o qae costar, pora as forcas
liadas defronte de Humayti.
Neste sentido parecem combinadas as operagSes
do exarelto com os moTimentos da esqoadra, e ao
qne ostra o arlo, qae Jante, poeto aeraKentar
o isgainte ;
o resaltado do reconheci ment qae corra a sea
cargo.
Pilas 2 horas da tarde, o inimigo fez avangar
torgas sobre a ilha de mato qae Oca na frente de
nosso campo e all fez algum fogo de artilharia
contra nossas avancadas.
Como esse movimento foi precedido da qaeima-
da da macega qoe cobre o esteiro na frente do in -
migo, o Sr.areebal Osorio suppez qoe elles teoiasi
sem alguraa espiacio, encobrindo-se com a grande
famaga que a qaeimada prodazia, porm no foi
necessario mais do qae o toque de sentido para te-
do o exercito aehar-se sobre as armas aposentan-
do orna imponente linba qoe bastn para fazer re-
cuar o inimigo.
Desde a vespera que totteomeso, e contina a
fazer-se a passagem de gado em p com malte ac-
tivldade.
O commandante da canboneira italiana ArdUi,
qoe se acba em Corrientes, depois de ter visitado
ao Sr. vice-almlrante no Apa, visiten o,acampa-
mento dos exercitos, alliados, pedlodo permisiao
para visitar tembetn o enconragado Tamandar.
9 de malo.As (avallarlas correntines atacaram
varias partidas Inimlgas maundo-lhe algans ho-
rneas.
Passoa se am soldado da cavallaria paraguaya,
qae Informa haver no exercito Be Lopat multe de-
sercio.
Hontem foi morto por ama bala ioimiga, acbap-
4ohmavaocadja, omHmKmiw61'
Grandeuse, tolba qae se publica na referida capital,
as seguintes noticias:
S. Exc. o Sr. viee-presidente receben commu-
nicagdes do Sr. general baro de Porto-Alegre at
20 de abril ultimo.
A essa data consta va apenas no 2* corpo de
ejercito o catbate da Iba dos Bancos, sendo igno-
rados os successos posteriores.
OSr. baro de Porte-Alegre Ilnba o sea qaar-
tel-general m S. Tbomax desde algans dias, e es-
perava vaporea infantera que' reqaisitera ao
general em chefe dos exercitos alliados, para
passar a Paran. S. Exc no podera obter em S.
Borja todos os meios de transporte* qae a operacao
da passagem requera.
A torca total do exercito brasileiro ao mando
io Sr. bario deporte-Alegre eleva-sc segando
toas partidpacSes offlciaes a mais de 10,000 ho-
mens.
S. Exc Azara reconhecer diversos passos e
entre outros o da Traoqueira do Loreto, ameacaa-
do j desda o referido da 20 os passos da Candela-
ria e Itapa, para os quaes mzrcbavam dons bata-
Ibdes e algumas b ceas de fogo.
Nesses dons passos tlnaa o inimigo nm vapor,
qoatorze chalas, 2,600 borneas d infantera e seis
boceas de fogo.
i Os ltimos e gloriosos saccessos do Paran,
desembargando a naregaco do rio a soMnt dos
auxilios qne (perava o genera fasem crer qne a
esta hora pb ik o territorio inimigo mais am
exercito irapwlal. >
De orna carta Mrtletar. escripia 4tMi tegnas
distante de Iiapa, no Ala do passado, extrahi-
mat as segalates noRctes
t No dia 18 de abril tinto* chafio tlh os co^ ^
pot dos. majcifls Prlmodjo Cooteoo (le Azam>^a' e |
-
Aatorisando a matricula do estadaote Quintilia-
no Pacheco Ferreira de Soaza.
Aatorisando a matricula do estudante Francisco
Tberesio Pioto Netto.
Votago das daas redacgdes qae Acarara sobre a
mesa, saber : da emenda a' proposleo que pro-
roga o oreamento^ sobre direitoe das Albas dos
offlciaes do exercito e armada.
Discasso dos requer mentos adiados qoe esto
sobre a mesa.
3* discasso das seguintes proposicSes da cma-
ra dos Srs. depotados.
1', autorisando o governo a conceder carta de
oatura|isaco de cidado brasileiro ao subdito alle-
mao Luis Fernando Wolf o a outros.
i* approvando a penso concedida a D. Candida
Alves Valeoga, e outras.
", approvando a penso concedida ao ex-solda-
do Jacfntho Jos Ferreira, e outros.
4*, approvando a penso concedida a D. Yirgui-
na Thomazia de Azevedo, e outras.
Continnoo bontem na cmara dos deprtanos a 2
discasso da proposta J aoven pasa a lei do or-
eamento do anno unandBro de 186 a 186? na par-
te relativa ao'ministerio da marinha. Orramos
Srs. Affooso Celso e Godoy, ttoando a discasso
adiada pela hora.
Foram offtreeidas as segointes omanaai:
< Supprima-se a emeoda proposte pela commis-
sao ao 17.
i Supprima-se a easeada pnunetfcsjite, rirmli
soao.- 8SpnoCo
Catimro Madurnra. Ufe i*
. A0^noAWTo;-r
Foi n ornead o offlcial da ordem da Roza o Sr.
Jos Feliciano Franca, 2* offlcial da secretaria de
estado dos negocios do imperio, em altenco aos
relevantes servlgos prestados ao estado por espago
de mais de 44 annos eom zelo e leaidade.
A Forte de Coimbra, bombardeira, qne sahira de
nosso porto rebocado pelo transporte Oyapok, en-
trn na larde de 19 em Montevideo, onde, segundo
noticiamos, ja' bavia ebegado este vapor.
A causa da demora daquella foi nm forte tem-
poral qae sobrevindo aos dons navios quando
eslavo com o pbarol de Maldonado a' viste fea
bentar os cabos de reboque, no sendo possivel re-
pois encontra-la apesar dos signaos do Oyapok i -
27 -
Foram hontem approvadas pelo senado as redac-
goes que estavam sobre a uesa, aova das qoaes
era a da emenda resolugo que proroga a actual
lei do orgamento.
Entrando era diseosso o reqaerimeolo do Sr.
Zicbarias, offerecido en *9 de abril, a respeil do
descont de letras do mes raro, feito pelo banco do
Brasil, foi retirado a pedido do sen autor, com o
consenlimento do senado.
Sem debate foi approvado o reqoerimeato do Sr.
Jobim, apoiado em 16 deste mez, pedindo informa-
coes sobre qaantias que exige o hispo do Rio Gran-
de do Sul pelas licengas para casameotos; e passa-
ram em terceira diseussio as proposicoes aopro-
vaodo as pensos concedidas a D. Virgillaa Thoma-
zia de Azevedo e outras, e mandando passar carta
de naturalisago de cidado brasileiro ao allemao
Loiz Fernando Wolf e outros estrangeiros.
Sendo posta em terceira discasso a proposlclo
qae approva as pensoes concedidas a D. Candida
Alves Valeoga e outras, fizeram algumas observa-
8oes os Srs. Jobim, Peona, Paranbos e marqnez de
Hnda ; sendo approvado o segainte rejoertmento
do Sr. Paranbos:
< Reqoeiro o adiamento do projecto, para se pe-
direm ao governo intormagoes mais clrcumstencia-
das sobre os motivos qae jastiScam o quantum da
penso concedida a Olha do coronel Valonea. >
Passou, sem debate, em terceira diseusaio, a
proposigo approvando a pernio concedida ao ex-
soldado Jacintno Jos Ferreira e ootras:
**' -----
Hontem nao boove seasio na cmara dos depa-
1



km digaae^>H lados, por faltado numero legal.
Por decreto de IS do eorrenta foi nomeado aba-
charol Martiniano a Soasa Sentt joiz manieipal a
de orphaos do termo da Leopoldina, na provincia
de Minas-Geraes, finando seta Mi o decelo de
13 fia Janeiro oltimo, qae o naneara pava igual
cargo no termo do Seno, o referida provioma.
'!' I i
Em carta de 18 do eomtota o St. coneelb/tro
Octaviano eomnraaiaa ao geverao imperial:
c Do Passode tos Libres, am 44o crrante, es-
creve ao Navarro, o administrador da alfaadega da
S. Tbom*, Vctor Havaja's, o segninte:
O exercito 4o bario asta' acampado desde o
Agoapehy at aaPtrM*' tanoa-n entro S.
TMtnas.
No dial* alia postea algotnas peou de nru-
iharia a eosta do rte, eam o |n de 2J**
otUSit^n^^


IR




'
1
mmmmmmmm
^*v


-+-T

-----r-~
=*:
^_.
Mirto ie rermrabac*
felra 11 d^iika de 1866.
m
'
i*
Porra, o efleit do baro, desse da, havia ~1sto : i^ttma f
hora.Em ama ilba situada na barra de Pindapay
com o Pirana', luga r que. servio de acampamento
a' columna Invasorado tnajor Daarte, sentlose mo-
vimentode forjas de infantera,- como que de 40
homens, arvorando bandeiras brancas. >
-28 -
Por decreto de ti do correte :
Fot eionerado a sen pediUo, do lugar de segun-
do cirurgiio da armada ; o Dr. Ladgero Vieira de
Azevedo.
Poi nemeado primeiro pbnraaeeatieo do referido
corpo o segundo4ito Jos Caetano Pareira Pmen-
tel-
Foi nomeado segando pbarmaceotico Joao Gju-
cajves de Carralbo.
*1 -*'29-
Hontem nao houve sesso no senado por (alta de
numaro-ldgal-para-deliberar.________
A eamara dos deputados approvou bontem, de- \
pois de orar o Sr. Marlirn Francisco, a proposta do
governo para a le do ornamento do anno fiuancel-
ro de'1866 a 1867 na parte relativa ao ministerio
da marnha, com todas as emendas da commisslo. |
eontinaoa depois a segunda discnsso da propos-
ta do governo pedindo nm crdito supplemeotar
para occorrer s despetas do referido ministerio..
Oraram os Srs. Buteucourt Sampaio e Raiol, flcan-
do a discussao adiada pela hora.
Fot lida, e entra hoje em discussao, a seguiote
emenda approvad pelo senado a proposigao desta
cmara, que manda continuar em vigor no anno fi-
nanrteir*e-i6-a-18fl7 a lei n. 1,245 de 28 da
junho de" 1865,'decretada para o exercicio de 1863
a 1866:
No-art 1.*, depois da palavravigoraccres-
c*oie-se:-*-at o Bm de dezembro do anno corren-
ta, se antes deste prato nao for decretada a do or-
cameuto do exercicio de 4816 a 1867 ; consideran-
do-s como parte daquella rei as.despezas que tive-
rem sido creadas depois de sua data pelo poder le-
gislativo ; o ficando outro sira o governo autorisado
pira pasa-las, nao obstante a clausula do art. 14 da
lei n. 1,177 de 9 de setembro da 1862.-Supprima-
se lado o mais do artigo.
O Sr. Jaguaribe fundameniou o seguinte requen-
mento :
c Reqoeiro qae se peca ao goveroo, por inter-
medio do ministerio da guerra, que transmuta a
esta augusta cmara as informacoes detalhadas que
houver recebido sobre a batalba do Estero-Bellaco
em 1 do correte, em ordem a inteirar-nos de
quaos oa-batalhoes que entraram em fogo, quaes os
offlciaes morios e feridos, qnal o numero de mor-
ios to exercilo brasileiro, bem como se trata de ob-
ter as necessarlas nformacSes dos offlciaes mor-
tos cu inulisados em combate, e tambem as pra-
cas de pret que uverem tido Igual sorte com dis- j
limpio, aSm de qae soas familias obtenbam pen-
soes qae as colloquem ao abrigo da miseria.
< Sala das sessoes, 28 de malo de 1865.
O Sr. Maeedo em seguida fundamentouo seguin-
te additamento :
c Reqoeiro qne se peca ou recommende ao go-
verno que pelos ministerios da guerra e da mar-
nha, exigidas com urgencia se as nao tem, as ne-
cessarlas loformacCes offlciaes, faca publicar pela
imprensa os nomes de todas as pragas do exercito e
da marnba nacional que lem morrido dorante a
guerra contra o Paraguay, ou nos combates ou nos
hospilaes de campanha ; outro sim que se infor-
me detalhadamenle de todos, os aelos de bravura
praticados ta guerra nao s pelos chefes e offlciaes
superiores, como tambem pelos inferiores e sim-
ples pragas de marinba e do exercito, dando de to-
do emita a nagao.
Paco da cmara dos deputados, 26 de maio de
1866. _____
Para festejar o anniversario natalicio do profes-
sor Agasslz, reonio-se honlem a noite a sociedade |
de canto Licderlafel, de que azem parte alleroes
e suissos, e acompanbados de 200 pessoas das mes-
mas nacionalidades, levando tochas accesas, dirig-
ram-se ao Exebange Hotel, onde assiste o Ilustre
professor, e all cantaram as seguimos pecas : Der
froke Wan derimann ( o viajante feliz ), por Men-
delssobu.Bartboldy ; Auf,hoher Alp na alta mon-
tanha, por E Tbiele; A* dxe Sterne ( s estrellas),
por F. Kaeckeo ; Schwsizer Psalm, ( Hymno da
Sulssa ), por Zwysslg.
A essa maoisfestago da melhor sociedade -doas nacionalidades que aqui reside, respondeu o
ltustre professor com a seguinte allocugo que
pronunciou mullo conmovido :
c Agradeeo-vos de todo o roeu corceo esta dis-
linelo inesperada. Vos acabis de dizer-rae que
ella parti simultneamente dos Snissos e Allemes
residentes nesta orle. Regosijo-me com esta rea-
nio, por que anda que eu tenha nascldo na Suis-
sa, e que na idade madura eu tenha all encontra-
do orna esphera de acgo conforme o mea gosto,
na Allemaoha que recebi o meu deseovolvimento
intellectoal, foi l que aprend o que a profun-
deza identifica, e qual a importancia de urna cui-
tara pbiiosopbica para todas as investigares.
c Vossa saudacao tem am duplo valor para mim
em um paiz estranho ; ella me faz sentir qae a-
quelles que sao un Jos por am Uqo commam se
encontram fcilmente em toda parte; ella me diz
tambem que os seutlmentos que caraeterisam nossa
patria nao se tem extinguido, nem mesmo dimi-
nuido entre vos. neste clima ardente, que gosa da
ma' reputacao de todo enfraquecer. Permitti qae
faca votos por vossas emprezas neste paiz, e qae
os seas resaltados possam exceder aos das minhxs
humildes indagaedes e pesquizas scientiflcas.
Anda urna vez meus sinceros agradecimentos
e boa noite >
A concurrencia de espectadores foi soturnamen-
te numerosa e a demonstrarlo muito brilbante, so-
bresabindo a harmona das vozes e a boa exeeu-
o.
Finda a serenata segaio a sociedade acompanha-
da de numeroso concurso de povo at o largo de
S. Francisco de Paulo, onde fez-se urna fogueira
de todas as tochas em roda da qual entoaram am
canco popular em qae todos tomaran: parte.
30
Foram bontem approvadas pelo senado, sem de-
bate, em 3' discussao, as proposicoes que approvam
as pensoes concedidas ao soldado Ignacio Alves de
Car val ho eontros; ao manoheiro Manoel Jeronytno
da Silva e ouiros, e ao 1 lente da armada Jus-
tino Jos de Maeedo Coimbra.
leve logar a 3* discussao da proposito desig-
nando o coiiegio em que devem votar os eleitores
da parochia de Valtcca, da provincia do Piauhy e
cutios. Oraram os Srs. Prannos, Peona e Para-
nagua', sendo a proposito adoptada.
Foi poeta em 3" discussao a pro po si gao que auto-
risa o governo para mandar matricular na faculda-
de de medicina da corte o estodante Qointiliano
Pacbeco Ferreira Lessa e oroa o Sr. Jobim. A pro-
posigao foi adoptada.
Passaram sem debate em 3* discussao as propo-
sites qae autorisam as matriculas dos esludaotes
Francisco Ttwrezino Pinto Nelto e Agosiinho Luiz
da Gama Jnior; e em 1* e 2* discussao a propo-
sito que aolarisa o governo para aposentar os em-
preados da secretarla e contadoria, e outros da
cmara monicupal da corte, com o parecer da com-
tnissao de fazeoda de 1864.
Continou hontem na cmara dos depotados a 2*
discussao do projecto que approva o decreto qae
ap&sentoa o consiheiro Vicente Ferreira da Costa
Piragibe. Orou o Sr. Luiz Felippe, fleando a dis-
ead diada pela hora.
OecOpou-se depois com a discussao da emenda do
senado proposigao desta cmara, qae manda con-
tinuar em vigor, no anno fiuaneeiro de 1866 a 1867,
a lei n. i.iio, de 28 de iunho de 186o, decretada
para o exercicio de 1865 a 1866.
Depois de algumas ob$ervag5es dos Srs. Fernan-
das Moreira, Andrada Pinto, Lima Duarte, Jacobi-
na, Silva Moreira, ministro dos negocios estraogei-
ros e Martinno Campos, foi regeitada por votaco
nomlnat, qne dea o segrate resultado : votaram
contra, os ri.J4tp da Cunta, Viriato, Fialho,
Buiiamaque, Jaguaribe, Duarte Brandao, Heuriques
de Almeida, Correa das Naves, Arago e Mello,
Joao Leite, Sonza r*,ipltv\ g"'"" Cavalcaotl,
Aranjo Barros, Barros Barteta, fcoiz Felippe, llran-
dio, lavares Basloa, Esperidio, Aristides Lobo,
Loies auo, Bitleaeeurt aapaio, Barros Pimeatel-
Barboaa de UUvaa, Souto, Angosto Chaves, C,
Madtwera, Sanft,-Berrelra de Moura, Dantas,
8plnni>>fre* Meo i a iaiads, iloru de Araujo,
Vasconcellos, BiUaae i Mwiaibu, Jos Caetano,
Paui4aatos,Mveiralik*FMs valbo de Mendoooa, Decalelaao. Cbagas Lobato,
Jos Joeye, Rabello, Affoaao Caito, Pula Souia,
Mari foancico, Ftenry; llteodorc, de Lomare,
Abelardo de B/Mt, Silveira de Souza, Atvim, Nery,
Floras. Pinfcwr alachado, ABoaao Aivas e Jos
Madawnira. Vetaram.a faytr, Mecefa, Brus
qne, Raiol, Fraseo de Almeida, Carralbo Re!, Ta-
varaeBelfort, PiathifeMandanga, Liborate, Rodri-
gueaJnnwr, Figueiffdo, Bibeircftatisiwna, Moreira
BranieX Corle MncjMde, U#bao, Soaza BapdeM,
Gd#jly, iftad MaMkf^ detaajda,
Pinto JUaw FadfoPrandio, Jof ojmh-*, Woatdo de
Andrada7Valdeacn,Pero Lu,Jlacedo.Feroandea
Moreira, Jacobina, Moraes Costt.ifilo Franco, Mar-
tinho Campos, C Ootini, Lima Daarte, Brias, Fer-
reira da Veiga, Ribeiroda Luz, Limpo de Abreu,
JoT-Bonttaolo, bario de'S.'Joan do Re Claro, be-
bas e Silva Pereira.
OSr. Leitao da Caoba offereceu o seguinte re-
querlmenlo, que foi approvado, depois de algumas
observacSes dos eenhores C. Othmi e Tarares
Bastos.
< Requeiro que seja consultada a cmara, se jal-
ga vantajoso o projectoqne manda vigorarlo exer-
cicio de 1866 a 1867 lei do orcamento vigente,
emqnanlo nao Mr promulgada a daquelle exerci-
cio, para proceder-se na conformidadev do art. 61
da constituicao ao imperio.
< Paco da cmara dos deputados, em 39 de maio
de 1866. .
O Sr. Tavares Bastos, no comeen da sessio fun-
damentla o seguinte projecto :
c A assembla geral resolve :
Art. 1.* Os bancos de circulacao pedem emit-
tir bheles ao portador des valeres de 16, it, 59 e
106, dentro da somma que fdr marcada pelo go-
verno, resgatando. para esse lim, urna parte equi-
valente da sua euiisso.
t Esta disposteo applicavel as caixas filiaes e
agencias dos mesmos bancos.
< Art. 8.a O governo podera permlttir qae os bi-
lbetes dos maiores valores, emlttidos pela caixa
matriz do banco do Brasil, sejam receidos como
moeda legal pelas repartieses publicas de todas ou
de algumas das provincias em que houver caixas
filiaes do dilo banco, emquanto subsistir o decreto
n. 3,307, de 14 de setembro de 186i.
< Art. 3. Ftcam revogadas as disposicoes em
contrario.
Paco da cmara, em 29 de maio de 1866. >
Entrn hontem do Rio da Prata o vapor inglez
Galilo] da linha de Liverpool, com folbas de Mon-
tevideo at 23 do crrente.
A pouco se reduzem as noticias do tbeatro da
guerra, d'onde apenas ha va dalas al 11.
Urna correspondencia desta mesma data diz :
i Dentro de seis a sete das deve marchar o
exercito alliado contra a forca de Lpez. Estas
torgas serlo immediatamente atacadas e derrotadas
se nao se retiraren). Creio que Lpez nao nos es
perar para bater-se, por que est Inleiramente
perdido. De lodos os modos muito breve chegar
a V. a noticia da nossa marcha e da derrota de L-
pez, se elle nos espera.
Hoje as operacSes esto suspensas, porque ala-
da os foroecedores nao passaram toda a fazeoda
que necessaria para o consumo do exercilo, no
entanto esta operaco faz-se com rapidez -, e ainda
que ha para passar 20,000 canecas de gado, por
parte de ura s dos fornecedores, entendo que isto
nao demorar asoperacoes mais do que deixo no-
tado.
f Esperem, pois, dentro em pouco o navio qae
deve levar a essa a. noticia da marcha e triumpbo
do exercito, ao qual seguir bem breve a que con-
dazir a notirla da lomada do Humait. >
Segundo as folbas do Rio da Praia o commandan-
te do balalhSo o. 38 de voluntarios da patria re-
quereu ao general usorio ser submeltido a nm con-
seibo de guerra, em que provar, que pela perda
de gente e debandada do sen batalbao (qne se ba-
ila em liaba as avaocadas no combate do dia 2)
nao podecn ser elle nem os seus subordinados res-
ponsaveis, pois dea-se Isto ao ordenar-se urna evo-
lucao uo momento em que mais empennado eslava
no combate, e o seu batalbao fot cortado em duas
partes pelo inimigo, que forte de mis de 2,000 o
atacava neste momento.
Igual pedido faz o chefe das quatro pecas toma-
das pelos paraguayos, que com a pequea guarn-
Qo qae liaba suslentou o posto emquanto foi pos-
sivel.
Por ultimo o brigadeiro Pecegueiro pedio a mes-
ma graca que os seus doas subordinados, pois de-
seja que os factos se esclarecam e cada um carre-
gue com a responsabilidade deiles.
O general Osorio, no dizer das mesmas folbas,
annuio ao p.-dido desses chefes, e havia grande an-
xiedade no exercito por saber o que resultara des-
tes conselbos de guerra, que devem ser presidido*
por officias de alta graduacao que- vao decidir so-
decidir sobre um assumpto de tanta gravidade, e
cuja deciso, qualquer que ella seja, son recolbida
para a historia.
A respeilo da poslgao de Lpez diz o Standart I
< A posicao que oceupa actualmente Lpez
multo forte, e lem elle mais alguns mil homens oc-
cupados em abrir fossos em frente de Estero Bella-
co. Tem pela retaguarda Humaita e todo.o terri-
torio paraguayo ; quando os aliiados, pelo contra-
rio, oceupam ama posicio perigosa, tendo atrs de
si um rio largo e caudaloso, de modo qae se por
desgraca softressem algum revez, qnem sabe o qae
Ibos succederia I
c Quaolo mais depressa mudaren) os aliiados do
posicao tanto melbor : a esquadra deveria atacar o
Humait e aproveitarem os adiados esta diverso
para atravessar de urna ves o Estero Bellaco. Lo
pez abandooou a sua anterior posicao por causa da
esquadra dos aliiados, e dizem que peosa raanter
se na posicao que actualmente oceupa, jalgando
qae a sua retaguarda est livre e bem protegida. >
Segundo a mesma folba tinha o Paran baixado
muito, a ponto de encalharem algens dos nossos
navios, indo os outros postar se oasTrez Bocas.
A noticia que ltimamente demos dos paraguayos
em Itapua eocoalramo-la agora assim referida as
folhas do Rio da Prata :
Um passageiro chegado do Alto Uruguay asse-
gura como positivas as seguales noticias que trou-
xe um proprio do baro de Porto Alegre, e expedi-
do ultima hora para alcancar o crrelo de Bae-
nos-Ayres.
t As tercas do barao de Porto Alegre tinham ata-
cado aguarnico paraguaya que eslava na ilha de
Itapua, constava de 2,400 homens, e igou a bandei-
ra parlamentar.
< Porlo-Alegre mandoa all ama commssao para
eniender-se com o chefe daquella torga, e despa-
chou o proprio com esta noticia, pois apenas liaba
o tempo preciso para alcancar no Salto Oriental o
vapor que devia trazer a correspondencia.
c A pessoa que nos communica tao importante
noticia digna de todo crdito. >
As noticias locaes sao de pouca importaneia.
Desmente-se a que ltimamente aos chegoa de
urna reveita do corooel Machado, commaudante da
fronteira do sal. O coronel era brevemente espe-
rado em Buenos Ayres.
O congresso oceupava-se de alguns projeclos de
reforma constitucional.
Na carta do uosso correspondente de Baenor-
Ayres, publicada no Suppiemento folba de non
tem, encontrarlo os leitores anda alguns porme-
nores interessantes.
Temos tambem algumas noticias da Bolivia. A
repblica acbava-se em paz. Um decreto de 18 de
marco declaroa qae para os Americanos do Sal as
fronleiras da Bolivia no| Ocavam sendo de en-
to por diente mais do qae liabas mathematicas
para determinar os limites da jurisdicco da rep-
blica. Os cidados das repblicas sal-americanas
gosaro pois na Bolivia de todos os direi'os civis,
como os ilbos do paiz, exceptuada apeoas a presi-
dencia dos altos poderes legislativo, execativo e ju-
dicial, fleando porem sujeitos s leis do paiz sem
poderem invocar a proteccao de outro governo.
Os Americanos do Sal qae somente quzerem ter
na Bolivia o carcter de transentes nao gosarSo
destes diretos. Us Bollvianes podero aceitar car-
gos publices em outros estados americanos sem
previa-heeeca do governo da sua patria, bastando
communiear-lhe o tacto por simples avite.
31
Por falta de numero legal para deliberar nao
houve hontem sesso em nenhuraa das cmara* le-
gislativas. _
Por decretos de 18 do corrate foi creado am
commando superior de guardas nscionaes no ron-
icipio de Ayuruoca, da provincia de Minas-Ge-
raes, e mais um batalbao de infantera do servioo
activo da guarda nacional no mesmo municipio da
referida provincia.
O patacho brasileiro Mara Rosa, sabido, deste
porto a 15 do corrate para Campos, naufragou no
da 20 em S. Joao da Barra. A Iripolacaoe a maior
arte do carrejamento pode sarvar-se, fleando
completamente perdido o navio.
Parle desta embarcaco eslava segara na cora-
panhia Fidelidade.
I." de junho.
Eotrou hontem do Rio da Prata o transporta!
Miguel cum dalas al 25 do passado.
Temos ootieia de exercilo at 18 de Malo. Aj-
ilados e Paraguayos maotio*#m-se as mesmas (to-
siedes sobro o EsUro ScUe, e todos os dia* te
trocavam tiros entre as araneadas, indo os nossos
muilas vezes recoobecer os pestos inimigos.
Entretanto apromptava-se ludo para orna bata-
lba decisiva, jne *e tuppuaha nao passaria do
da 21.
Reinava grande acHvidade em -todas as repart-
ces do exmet^. TMba-i reunido ande copia
de vveres, eptdiram-se ordeos para separar do
exerclto^eda Aftagajea Aiao ern^atepWUBen-
te iadiepensavel.
Todos recooneciam a rgencia oe ataejr'.o ini-
migo para abaldonar um acampamec
mete Insalubre, e as tropas acmfanWe fMtmas
do melbor espirito, nJo baveodo qaetn,narnm mo-
mento, pudesse davidar de ama ctotia segura e acooselhava ao senado que uo accelias-e a renun-
explendida.
Das correspondencias dirigida* .u fainas do
Rio da Prata extrahiremos os fastos nuls inters*
santas.
Os nossos encouracados e as canheneires apator
res acbavaeae todos no rio Paraguay, pronrptos' eessivamente as reJaccSes dos projeetos conce
as aaelindroaas circumstancias do paiz, se resolve-
ra a continuar no cargo.
A eajaar para subir e apoiar e movimento qae os exercitos
alUados dzesem par (erra. .
A molestia predominante no acampamento eram
febres intermilteule, qoe, aperar de nao serem de
carcter perigoso, quebranuvam as torgas aos sol-
dados e os ponbam por muitos das incapazes do
servigo.
O general Urquiza tinha fornecido qoasi toda a
cavalhada a' cavallaria argentina, e mostrava-s*
zeloso neste ramo de servico.
L-sena Etperanza, folba de Corrientes :
< Temos o doplo prazer de annunciar que o va-
porzinho de guerra argentino Guateguay, que um
dos qne nos arrebatou a perQdia paraguaya, j os-
tenta ootra vez o pavilbo azol e branco, forman-
do ao lado dos demais navios da esqoadrilha na-
cional e qae lio feliz acn teci ment de vi do
galantera e geoerosidade dos nossos aliiados do
Brasil.
> Os elementos de guerra tomados ao inimigo
em boa lide, de qualquer-precedencia que se-'
jam, eremos que.perteocem ao belligeranle qae os
conquista.
O vapor Guateguay, segundo o direito com-
mum devia ser nos devolvido, por que foi to-
mado Ilegtimamente pelos Paraguayos em plena
paz, mas segando o direito da guerra pertencia
aos seas aprezadores, que foram arforgas navaes
do imperio.
A sua entrega, perianto, depois de o terem ti-
rado de um canal em que baria sido mettido a pi-
que, nm dos rasgos de cortezia e generosidade
edm que os noesi s dignos aliiados nos tesiemu-
oham a sua amizade era .todas as oceasio- s que ae
apresentam, e da fina galantera.qne justamente
llies reconheclda pof ftdos.
i Xa semana paisada foram embrcalos, com
destino para dtxdaci, doas batalbes brasileiros
dos que estavam de guarnicJo na batera deste
porto, fc/ um bou systema do exercito brasileiro
o que refaz as dus Sierras com os depsitos de
tropas que esto aqu as baixas de doentes e feri-
dos que sollrem os batalhoes em operagoes. As
altas dos hospitaes vo engrossando o deposito at
lbe chegar o sea turno de marcha.
< O tyranno Lpez esta' annunclando com tiros
de pega a sna prxima queda. Hoje (14), ao rom-
per de dia ouvio se em Humayta' orna salva real
qae foi repartida no acampamento paraguayo.
Ignoramos que esta data to solemnisada seja sym-
bolica de algum aconteclmento glorioso no Para-
guay, que poneos ou oenhuma coala.
Urna correspondencia de 18, diz :
< O exercito alijado esta' prompto : tem tudo
quanto precisa para marchar, e somente aguarda
a ordem do general em ebefe para pr-se em mo-!
vi ment. '
< A esquadra deve comegar a subir boje o rio
Paraguay, para aeompanbar o exercito1 as soas
operagoes, principiando por atacar uirupaity, on-
de provavel qae os inimigos fagam aiguma re-
sistencia.
< O nosso exercito nao pode permanecer multo
tempo na posigao qae oceupa, nao so-pela difflcul-
dade que atli ha para dar de comer aos bois e c-
vanos, mas tambem porque a desenforia, a varila,
e subretudo as febres intermitientes, se propagan)
entre a tropa, pela patrefaego do Entero Bellaco
que Oca em frente.
* A ordem dada ao exercilo de eslar lesto a ac-
cumulago que no acampamento se tem feilo de
vveres e apeirechos bellicos, e sobreludo a neces-
sdade de mover-se, pela dupla consideragio da
economa e da sade publica, levam-me a crer que
de um momento para outro marcharemos para a
frente.
dendo pensiles a D. Ciara Emilia de Druramoad
Cabrita e ottros, e creando varios collegioa elei-
toraes.
Adoptouem seguida, tambam successivamente o
projecto com varias emendas dispensando aos es-
tudantes das (acuidades do imperto qne foram vo-
luntaras para a guerra contra o Paraguay, da*
faltas que por este motivo deram us respectiva*
taculdades, a o que approva o decreto que apoaao-
tou o couselheiro Vicente Ferreira da Costa: Pira*
gibe.
Approvou depois era ama so discussao o pnejee-
to que antorisa o governo a conceder a Antonio
Botelho Pialo de Mesquita Jnior, corretor geral
da praca do Itecife, tres anuos de licenca paralra
lar de sua saude.
Approvou mais, com varias emendas, o projecto
que autorisa o governo a conceder tambem ao de-
sembargador da relago da corte, Joaquim Firmi-
no Pereira Jorge, um anno de licenga cora seus
vencimentos para tratar de sna saude.
Approvou em 2* discussao o projecto qae seata
de todo e qualquer direito de importagao s com-
paahias ou contratadores que eraprehenderera a
constraego de earris de ferro destinados a ligar
os centros populosos de Peroambaco com as esta-
cSes da estrada de ferro do Itecife ao S. Francisco
bem como urna emenda estendeudo igual favor a'
empresa do abastecimeolo de agua potavel na ci-
'dade de Santo Amaro, na Babia.
Approvou anda, em urna s discussao, o pro-
jecto, com varas emeodas, autorisando o governo
a passar carta de naturalisacao ao padre Paschoal
la Guardia, subdito italiano, vigario da fregaezia
de Sam'Anna do Pirapitloga, em Minas-Geraes.
Coniinaoa em altimo ktgar a discussao da pro-
posta do-governo, pedindo am crdito sapplemen-
tar para o ministerio da marinba. Oroa o Sr. mi-
nistro respectivo, ficando a discussao adiada pela
hora.
O Sr. ministro la justica leu tres propostas so-
bre a alterago do processo das fallencias estabe-
belecido pelo cdigo do cororaere io, creago do
instituto de ordem dos advogados as capitaes das
provincias onde existem relagoes e reforma judi-
ciaria.
traocia, oa provincia de S. Paulo, por assim o b~-
ver pedido.
O juiz municipal e> de orphSo. bacftarel Vicen-
te Jansen de Castro e Albuquerqne, do termo do
Ouricury, para o'de Ingazelra, ambos na provin-
cia de Pernambuco.por assim o haver pedido.
Foram designadas:
. Ao juiz de direito Candido Xavier de Almeida e
Souza, a comarca de Araraquara, de 1* entrancia,
a provincia de S. Paulo, para nella servir ;
Ao juiz de direito Jos Carlos Machado de Oli-
veira a comarca de Boiacal de 1* entrancia, na
mesma provincia, para nella servir.
Foram nomaados:
k Jos Pedro Carnelro da Conha e Joaquim de Mo-
tees Bello, majores ajodantes de ordens do cora-
maudo superior da guarda nacional do municipio
de Camarapibe da provincia das Alagas.
O tenenie Jos Mara de Azevedo Jnior, cap- i
to secretarlo geral do mesmo commando supe-
rior;
Joao Luiz dos Res Juoior, capito quartel-mes-
tre do dito commando superior;
O cirurgio Ianocencio da Silva Costa, capito
cirurgio-mr do mesmo commando superior;
Foi reformado, no posto de major, o capito
da guarda nacional do Para' Luiz Tbomaz Cor- j
rea.
Tlveram merc da senveatia vitalicia
Jos Francisco Alves Gama, dos offlcios do
A folba offlcial de Berln publlcou o senointe
importante doN*anto :
t As reUcSes externas do paiz, em consaquen-
eia da attitodn de muitos governos a respelto da
Prussla, tiaatHaj^nlu um uloaceeter 'Kfrftvida-
de, que collpcap a vossa magestade m necessida-
de do emprebender os preparativos necessarios pa-
ra prover seguranga da naci.
O* ministros qoe teem a honra de assignar
esta expojugo joteam qae, realisadas ateircams-
tanctas porque eeta' passando a Pmssia, vossa tea-
geetade entepdera' que absolutamente necesario
cercar o throno de represeotago popular, \ debal-
xo ia formla da dieta geral a monarchla, com o
, proposito de adoptar decisdes opyortnuas, e de
i restablecer o espirito do povo prosslafio, qnando
, se trsta de defender a Independencia e de jaeien-
tar a honra do paiz.
Ainda que a maiorla da cmara actual havia
de certo dar eloqaentes provas de adheso e de
1 amor da patria, em presenga dos perigos que a
ameagam, certo que foi eleita debaixo da Influen-
cia de circumstancias distioctas daqaellas qae
hoje exisiem, as qaaes nao podera deixar de exer-
cer ama acgo determinada nos eleitores dos dis-
trictos.
I Vossa magestade comprehendera' melhor do
rque o eu governo, a forgosa necessidade de co-
nhecer quaes sao hoje os veraadeiroa senlimeotos
DIARIO DE PERNAMBUCO.
Procedente do Rio de Janeiro e Babia chegoa
bontem o vapor americano North-Amenca, sendo
portador de jornaes daquelle at 3 e desta at 7
do correte.
Sob as rubricas Parte Offlaal, Exterior e Me-
nor vo por extenso as noticias demais Impor-
tancia, alm das qaaes apeoas encontramos o que '
segu.
S. Paulo.Aehava-se de volta, de sua comms-
sao ao norte da provincia, o Dr. chefe de polica.
Em diversos colleglos da provincia haviam
obtido os srs. consiheiro Carro 133 votos e Dr.
e escriv-ao" do f ^f ffi^'S* J S?S W
At^XrSLXyt^^
cedendo se desde ja' as mvas eletoeote regamos
'a' vossa magestade se sirva auterisar-emn -* sua
assignatnra o incluso projecto de decreto, em que
j se ordena essa dissolugao.
Berln, 9 de maio de 186*3.
Seguem seas assiguaturas dos membros do
gabinete. >
i a Independencia belga diz que, em consequen-
cia das uegociages entaboladas entre a Fraoga,
i iveroo Inglaterra e Aujtria, esta cava resolvida a neg-
1 ga e a Austria tem carcter satisfaterto.
O governo ausiriaeo pareca resotvido a con-
vocar os estados do Holstein, se a Prussla recusar
annuir a' proposta apreseotada para a eoioco da
questo dos ducados.
Entretanto a Austria est fortificando os
vao de orpbos do termo do Ipu, na provincia
Ceara'.
Foi commotada em gales perpetuas a pena
de morte imposta ao reo escravo Claadioo, por sen-
tenga do jury do termo de Santa Mara Magdale-
na, de 27 de setembro de 18G3.
Tinham chegado: o vapor Dantas para a
companhia Bahiana, construido em Loalres; o va-
por Amazonas, ootr'ora do* confederados, para
ser vendido na corte ; e -o vapor Calypso, da buha
Joao tiendes 89, para deputados a' assembla ge-
ral, na vaga deixada por aquello senhor.
Em Porto Feliz um menino matara sea pro- oaro com brilbaates, formando a cifra do seu im-
chefe de polica o Dr. Galeo.
A caixa commercial dea ara dividendo de
3900 por acgo, no semestre lindo em 31 do pas-
sado.
Ficava a carga para Peraarabuoo o patacho
D. Luiz.
L-se no Jornal:
> t No domingq 3 do corrente houve no pago ar-
cbiepiscopal a sesso aoniversana do Instituj His-
trico da Babia, qae foi encerrada depois de lidos
o discurso do vico-presidente e o relatorio do se-
cretario.
c O patacho nacional Durval, procedente do Rio
Grande do Sul com carregameato de charque, per-
deu-sa tendo encalhado nos recites de Caramun,
porto d'Aratuba, na Barra Falsa.
t O vapor Santa Cruz, que (ora mandado em
seu auxilio no dia 22 de maio, voltou trazeado
apenas algum panno e cabos, por ter encontrado o
Durval submergido al os cestos de gavea.
t Sua Magestade o Imperador acaba de distin-
guir a ordem Benedictina na pessoa do sea D. ab-
bade geral o Sr. padre raestre Irei Manoel de S.
Caetano Pinto, mimoseaodo-o com urna caixa de
prio av; Salvador Lelle, disparando-lbe um tiro.
Nao referem as folbas os promenores deste triste
suceesso.
De Iguap nolieiavam que ia para all aflluin-
do a emigrago norte-americana.
, Em Rio Claro receiava-se que oao sabisse a'
melado do que se esperara a safra do algodo, ca-
jas plaatagoes em geral offereciam mo aspecto..
i Acerca do telegrapho elctrico l-se nz Revis-
ta Commercial de Santos
Se a isto se accrescentar qae os doeotes e fe- j c Consta-nos que o fio para o tbelegrapho elec
ridos amigos que bavfa ao acampamento foram trico, ao longo da costa, ja' se acba esticado at a
pedra do Jacar, no Guarah. No dia 6 do correo-
uns para Corrientes, outros para* Buenos-Ayres,
converte-se a probabllidade em certeza.
a Sabe-se que Lpez mandou passar pelas armas
todos os offlciaes brasileiros priiseneiros na acgo
do da 2, e tem 14,000 a 13,000 homens de in-
famarla e 2,000 a 3,000 de cavallaria.
i Um joven Arxe, passado para nos nestes ulti-
rnos das, deu estas noticias. Este infeliz, antes
de conseguir o sea intento, teve de lutar corpo a'
corpo com am tigre, e sahlo victorioso na Iota com I
a fera, que se lbe apreseotoa no mel de am pao-'
(anal.
Ultima hora. Os Paraguayos retiraram-se
para o outro lado do Estero Bellaco, que dista legua'
e mela do nosso campo. All se esto ntrinchel-
raqdo para esperar-nos.
De orna correspondencia, datada de bordo do
vapor Duque de Saxe, publicada pelo Standard,
extrahlmos o seguinte :
( 13 de malo. Partimos hoje de Corrientes
oeste vapor, levando 400 Brasileiros a bordo. Fo-
ram estes desembarcados a carta distancia das
minas do ftapir; o vapor atracn de costado, e
em 18 minutos os soldados estavam em trra, for-
mados por companhlas e era marcha, com tambo-
res a frente e baodeira desfraldada. Eram volun-
tarios de Peroambaco.
c 14 de maio.Ao nascer do sol ouvlo-se fogo
de arlllharla do lado do acampamento inimigo.
Suppuzemos que fosse no principio batalba, mas
nao era mais do que ama salva de cem tiros no
acampaments paraguayo. Ao por do sol repetio-se
a salva. Niaguem sabe o motivo.
c De tarde acompaobmos o capito Cory n'uma
cagada pelo terreno onde se deu a acgo de 18 de
abril. Separamo-nos do nosso amigo, qae d'abi a
ama hora voltava, com um marinheiro carregado
de caga.
c Em urna pequea eminencia de ierra firme
achraos algumas crazes. Era o cemiterio dos
brasileiros que cabiram no tiroteio, e doas frageis
monumentos continham inscripgSes, ama das quaes
escrlpta com tinla. Dizia assim : < Aqni jazem
os restos mortaes de um msico de hnpeaiaes ma-
rlnheiros, Jos Gongalves Marques, morto a 16 de
abril de 1866, do corpo do vapor almirante Apa.
No outro, em letras toscamente enlalbadas, llam-se
apenas as palavras, nao faeeis de esqnecer: tifie
jacet puteis, cinis el nihil. Por mais rude qoe
fosse o trabalho, fez honra a' mao qae ahi erguea
o monumento. Nao podemos saber cajo modelo
passavamos, e sentimo-lo. Junto do lagar havia al-
guns cadveres insepultos.
i Encontramos o chefe de esquadra Alvim, qae
deixara o campo alliado ama hora antes. Os exer-
cito s conservavam-se as memas posicoes. Con-
tinuara a variar muilas opintes sobre a dnragao
da guerra. Alguns, como o eousml Hotehinsen,
pensam qoe com a passagem do Paran' a' tomada
! de Itapir apenas eornegou a guerra, oulros emen-
den) qae em poucos das estar terminada a campa-
nha. Seja como for, ba am raer qne a esquadra
largou de Corrientes, e qurnze dia que os aliiados
ganharam pe no Paraguay, onde ainda tSo passa-
ram da soleira.
t At hoje ainda os aliiados nao sao senhores de
mais terreno do qoe; pitara os seus exercitos, e a
zona qae dea ao alcance dos seos encouracados e
canhoneiras. Apezar dsso, o qoe podera fazer
grossos batalhoes commaadatrles e experimentados
generaos, ha de fazer-se.
> 15 de maio Visitamos o campo alliado. Vi-
mos os vapores Uruguay e Yon Kyng eocalbados.
Os argentinos oceupam a dlreita, os brasileiros o
centro e esquerda, Plores e Hornos a vanguarda, e
us cavallos e os bois na retaguarda, na pennsula
formada pelos ros Paraguay e Paran'. Teem es-
pago de-sobra mas ralta-lhes pasto. Nada digno da
nota tem occorrido. As tropas esto animadas de
bom espirito, e em excedente estado de disciplina.
16 de-malo. Den-se ordem de embarcar os
doeotes. Eram brasileiros e peta maior parto offl-
ciaes. A orna hora ji avangada fez-se saber (como
tudo o mais) que o embarque ficava adiado para
amanhaa.
t 17 de maio. A's 9 hora da manira chegoa
am trem de trinta carretas e doze ambulancias
com doentes. Foi ama scena dolorosa o embarque.
[Homens incapazes de se susterem, prostados pela
vario!, febre intermitiente, pbtlSjca, desIBteria da
, alguns no ultimo periodo da etrferrhidade.
Um tnofrea era am escalr, nutro a margam do
rio. Ao meio-dia estavam embarcados 420 doen-
com uirdera de esperar al as 2 horas e de-
largar para Corneales. Perdea-se alada mais
* ora a espera dos doentes,
> Levamos setenta minutos de Itapir a Cornea
tes. A'.Ii tornou a perder-se tempo para saber am
que ponfo desembarcaran) os doentes. Era sol
posto antes de chegar a boca de ir para o hospital
e urna igua abaixo da eidade. ,
< Era tarda,para Isto, e o* doentes passaram
urna noiie de angustia e miseria no convz do va-
por, ao retento. Comproglam o corago os grifo*
pedindo coa.
8 de malo. Esio desembareanio os doen-
tes. Seis tinham morrfdo' no eojrr da noite
Era BuenosrAyxes dertrge am saccesso qir "
dia ainda tornat-se tt; O vice preeldeni
! repuMtea', D. Mareos "Paz,, ranMeJdn o sen eati
\ 9* olivos meraatente particulares. A mprensa
te o fio atravessava o mar em S. Vicente; no dia
24 elle ja* chegava al a estaco, no Vallongo.
Acbam-se agora as duas turmas activamente em-
pregadas em acabar de eslica-lo desde esta eidade
at Una do Norte. Infelizmente a rapidez observa-
da aqui nao ee estende at Iguap, onde, segundo
dizem em pregados d'al I i, apenas se tem esticado
urna legua em direccao a Una do sal.
Bie de Janeiro.-O senado receben, no da 2, a
deputacao da eamara des depotados que foi pedir
a reonlo das suas cmaras; e deliberou que ti-
vesse ella lagar no dia 5.
Em 25 do passado escrevem o seguale, de
Montevideo, ao Diario Official :
< As ultimas noticias que temos do tbeatro da
guerra alcangam a 18 do correte. At ento, ape-
zar de estarem reunidos e dispostos todos os ele-
mentos necessarios para o ataque ao acampamento
inimigo, anda nao se tinha comtudo iniciado o
movimento do exercito alliado, por circumstancias
dependentes, segundo consta, do general Mitre.
t Nao obstante, pde-se assegurar que, do dia
19 em dianle, se realisara' a qualquer momento a
passagem do pantano (Estero del Bellaco), que se-
para as nossas tropas da posigoes paraguayas.
Um facto, qoe prova a poaca conrjanga que ja'
reina no acampamento de Lpez, a continua di-
sergo de quanto; podem escapar i activa vigilan-
cia que all mantm o tyranno.
f Todes os das passam se para os aliiados dous
oa tres desses iafellzes, a quem o lonco capricho
daquelle malvado coaderana ao sacrificio, roubao-
do os s suas pacificas occupagSes. Ainda ltima-
mente se passara am joven, estudante do semina-
rio de Assumpgo e ja' em vesperas de receber as
ordens sacras.
c O Sr. Barroso, bario do Amazonas, adoeceo
do febres Intermitientes e acaba de chegar a Mon-
tevideo, onde apenas se demorara' o lempo neces-
sario para o sea restabelecimeolo.
c u tenente-coronel Nery estava completamente
restabelecido das feridas qoe recebera no comba-
te de 2.
f At o dia 16 nao tinha partido a esquadrilha
que deve auxiliar a passagem do exercilo do Sr.
baro de Porlo-Alegre. Parece qae esperava-se a
ebegada de am dos transportes com vveres para
esse flm.
' J se achava montado no Tamandar o appa-
relho para pescar torpedos.
De Corrientes tinham seguido para o exercito
doas batalhSes, compostos dos soldados que tive-
ram altas dos hospitaes, na torga de 1,200 ho-
mens.
f O bravo e distincto tenente Flua, ferldo no
combate de ti fie margo no Baha, soffrera a am-
putago do braco esqaerdo.
i O vice-presidente da repblica argentina, Dr.
Marcos Paz, offereceu a soa renuncia deste posto.
.No dia 20 eotrou oeste porto de Montevideo
a bomardeira Forte de Coimbra, a qual teodo-se
perdido do Oyapock, qae a rebocan na nonte de
15, a 25 railhas a leste da ponta de Maldonado,
pde-se augmentar contra o temporal e chegar
ot a ilba das Flores, onde a foi de novo buscar
o Oyapock. J segaio para Buenos-Ayres. >
Foi aposentado Jos Narciso da Silveira, no
logar de 1 escriturario da alfandega do Rio
Grande do Sul, com os veocimentos qae (be com-
petirem na forma da lei.
Foi declarado sftm ffelto o decreto de 10 de
feverelro ultimo, pelo qual foi Leopoldo Tertulia-
no Valdetaro, nomeado 2* coferente da alfandega
de Peroambaco.
Foi demlttldo a seu pedido o bacharel Carlos
de Souza Martios, do lagar de procarador riscal da
thesourana de fazenda do Planhy, e nomeado para
substitui-lo o bacharel Bolvar Telxeira Mendes.
Foram nomeados:
O 1 escriturario da ihesouraria de fazeoda; de
Pernambuco, Miguel Serafim de Castro Nones, para
o lagar de chefe de secgo da mesma toeseuraria.
O 2* dito Jos Candido Vegas, para o de 1";
O 3* dito Herculano Deodato dos Santos para o
de 2 dito da recebednrla da mesmo provincia ;
O 2 dito desea recebedoria, Joaquim
Ribeiro, para o de 2* coferente da alfandega da
mesma provincia ;
penal nome, em sigaal do alto aprego que dea a
caridosa resolugo tomada em capitulo pela mes-
ma coogregago de libertar os seus escravos que
tiverem nascido e nascerem depois do dia 3 do
corrente mez, anniversario da elevago da Santa
Cruz. >
O cambio sobre Londres regulava 24 1/2 d.
Os soberanos vendiam-se de 103o0 a' 115000.
Estavam a' carga para Pernambuco : barcas
porlugaezas S. Manoel 11, e Ermelmia, e o palha-
bote Piedade.
Sahiram para Pernambuco: a' 25 barca fran-
ceza Johanna e brlgae portugez S. Manoel; a' 27,o
patacho dito Farto ; e a' 31, o patacho Cardia.
do passado, eram o Guaycur e Charra' que se
destina ao Rio da Prata, de propnedade do Lon-
don and Rver Pate Bank.
Fallecer o secretario da presidencia Dr.
Luiz Mara Alvares Fakao Muoi Brrelo.
seus pontos na Italia. Veneza ricou desde e dia 8
fechada s communicagoes. O gabinele-de Vien-
na consideren o convite a Garbaiai ama declara-
gao de guerra.
< A Italia formn na fronteira austraca quatro
corpos de exercilo tres prximos ao Mnelo,
sendo um em Lodi s ordens do general Dorando;
outro em Cremona. general Cucheani ; outro
adianle de Placenga general Del la Rocca; o qnarto
na oiargem dlreita do P, em Bolouha, general
Cialdini.
Do lado oppesto esta' o general Benedek forti-
ficando Verona. O exercito austraco no Vneto
deve ser commandado pelo archiduque Alberto.
Vctor Emmanuel tomara' o oommaodo do
exercito, composto de dezeseis divisoes. O exer-
cito devia eslar prompto ao da 20 do passado.
Pensava-se, porm, que a guerra sera' essen-
clalmente marilima.
A Austria forlificava os ponfos mais expostos
da costa.
< O governo italiano tratava de comprar os en-
couracados que os confederados-americanos tinham
encomraendado na Franca e na Inglaterra, cuja
construego ficara interrumpida pelo desenlace da
qaestio americana.
O general Laraarmora declaroa qae os serv-
gos dos voluntarlos sero aceitos somente depois
de declarada a guerra. Parece qoe receie-se nao
poder cooter o povo com Garibaldi a' frente.
< A eidade de Catanea offereee orna penso de
2,000 francos anuuaes ao sollado, Dato ral d'al i,
que tomar urna baodeira ao inimigo ;
__ fhaoAii u,u uauueira ao lOHBigu ; ama pensao
ratea S^ com 10 das de 30 fraacos "o que alcangar ama raedalba de
g Fs, iiut San -Fa iS na colonia de Santa valor mlli,ar' e oma de ^ f^aBeo, MIBnaes a's
de fazenda Joao Manoel da Fonceca e Silva.
Baha. Reinava na barra e fura muito mo
teoapo, pelo quo tmham arribado os navios Pirat't-
nim e Re Salomao, ate por perda total do ve-
lame.
rcompensas de 500
francos, e o mesmo tem (eito outras eidades.
c Um despacho telegraphico diz que se assig-
nou um tratado de alhanga entre a Prassia e a
Italia.
"Os dous vapores ingleaes, chegados no dia 2o i Jgj tnsTeTtoJ K re*-
nciHn n OuMii a Chavriuf nn a gociai,oe eotre a i-russia e a Ausma para se re-
solver defluitivameote a questao dos ducado?.
c A Suecia, Dinamarca, Baviera e Warlemberg,
assim como os differentes estados da Allemanha,
armara as suas torgas de mar e trra, para se pre-
venirem eoMra as eventualidades de ama guerra
europea.
t ARossia approxima as suas tropas da Polonia
e "
De Liverpool e Lisboa tioha chegado a' Bahia,
ao da 6 do corrale, o vapor foglez Calypso, tra-
zeado jornaes do ultimo porto at 18 do passado.
Do Jornal ia Baha extrahiraos o seguinte, que
o resumo das uoticias de qae tol elle portador:
t A Europa cootiouava ameagada do urna luta
tremenda.
A situago financeira contiuuava a mesma em
todas as pracas priocipaes.
t A Patrie considera grave o recrutamento offl-
cial dos voluntarios s ordeos de Garibaldl.
a laxa do jaro
e difficaldades de des-
do Danubio.
t O Bauco de Portugal elevou
a 7 -/. .
t Ha falta de dinhelro
cornos.
t O mercado de fundos ( inscripgoes ) esta'
frouxo.
t O crdito movel de Barcelona e a companhia
geral ctala suspenderam os pagamentos.
c A respeilo da praga de Londres os ltimos te-
legrammas drzem o seguate :
Dia 13. o pnico tem diminuido, mas os
0 Monitor diz que as tentativas para um coa- effeitos tem de seutir-se por algum lempo.
Os praticante!; Jos Procopio Galvo e Sllvino
Siates da Costa, para os de 2 escriptorarios da
thesourarla de fazenda das Alagoas;
0 praticante Ricardo Benedicto d Bivar, para Waldeck 1,000 ti
gresso diplomtico, feitas pelos governos de Fran-
ga, Inglaterra e Russia, ao qual fosse confiado a so-
lugao das questoes que ameagam a paz da Europa,
nao poderam dar ainda nm resultado, que se tor-
na de da em dia mais davidoso.
t O imperador receben o priacipe Napoleo, o
qual declaroa qae a Italia est obrigada a guerra,
ainda que se ache s.
i A respeilo das tropas francezas parece qoe
iriara dous corpos de observago para as fronleiras
de leste e do Rheno.
O sulto coucedeu a heraoga directa ao vice-rei
do Egypto.
A baixa na bolsa era S. Petersburgo era es-
paciosa, e nunca vista. Muito papel e pouco nu-
merario ; o commercio completamente paralysado.
t O crdito em Londres contina a soffrer gra-
vemente em consequencia das quebras.
Lord Clarendon, disse na cmara dos lords,
que, se tivesse liavido motivo para suppdr-se que
os btns offlclos do governo inglez tossem aceitos,
para evitar um conflicto europeu, teriam sido offe-
recidos e eropregados sinceramente ; mas, acres-
centou elle, ficamos sos em campo, e sos nada po-
deriaraos tentar contra a idea fixa de que a guerra
o meio mais efficaz oa o uolco para levar a
effelto ama poltica ambiciosa. Acrescenion qae
a Europa est ameagada de urna guerra, para a
qual nao existe casus bellt, e justifleagao aiguma.
A Inglaterra delara estar decidida a nao to-
mar parte as guerras do continente.
< Lord Grey, respondendo a lord Clarendon dis-
se qae o qne hoje saccede na Europa a conse-
cuencia do procedimento de ba doas aooos, nessa
poca nao foi proclamado o principio da nao in-
tervengo; enganon-se a desdilosa Dinamarca com
promessas de auxilio, arrastou se-a posigao em
qae actualmente se acha o governo inglez nfa-
noa-se ento de ter evitado a guerra ; nao deve,
pois, gabar-se de ter visto o fim.
c OJgoverno de Berlim adoptoa medidas tenden-
dentes a fazer occapar as guarnicoes, de maneira
qae fleasse dfspooivel todo o exercito activo ; man-
dn fechar as academias e escolas militares, cojos
alumnos foram enviados ao exercito.
< O conde de Bismark propz em conselho de
ministros qae a nova eteigo de deputados fosse
por suffragio universal.
Os armamentos e raobilisagdes prosegaem com
energa em toda a Allemaoha, principalmente de
pois da volago da dieta.
c Pronnneiaram-se pela proposta da Saxonia,
isla, contra a Prassia : a Austria, qae pode por
era p de guerra am exercito de mais de 600,000 ;
da Costa Baviera 200,000; Saxonia 26,000 ; Hanover 30,000-,
Wurtemberg 30,000 ; Badn 18,500 ; Hessegran-
dueal flOOO ; Saxonia-Coborgo 8,200 ; Brutiswch
5,000; fJrass*n6\009; atona Meinlngen 2,000;
Weimar 3,500; Allembnrgo 18,000 ; Lfchtensteln
l,5B0;0s dods Reass 1,500; Hesse-Homboarg 800;
Schdenttarf-Llppe 500 ; Lippe-Dedmold 1,500;
Da 14. O mercado esta' mais animado e
com melhor aspecto.
c Dia 15. A conSaoca vai-se restabelecendo.
i Dia 17 (bontem). Pequea alterago no es-
estado geral.
t A taxa do jaro ainda a 10 %.
prnMiMiMirn
rLnmnmJuvui

REVISTA DIARIA
O vapor inglez Douro devia sahir do Rio de Ja-
neiro no dia 8 pelas 8 horas da manha.
o Sr. viee-presidente
crea a inspeccao do
JosMa-
escriplorarlo da
o de amanuense da secretaria da mesma ihesou-
que nio chena- f*''1; _,
O ex-tenente de voluntarios do Cear,
ra Menna Brrelo, para o de 41
alfandega desu prtvtneta;
O 2a escripiararlo da thesooriria de fazenda de
Serhipe, David Antonio Caraelro, para o de .2
escriptorario da. alfandega d Paranagn.
Foi exonerado o juiz de direito Candido ^i-
vler de, Almetdi. eSoaiL de Cheto de polldade S.
Paolo.
-; Conwdejtaa a d**jia*li jadida pelo joiz mu-
Santo, ba-
i
Dmeos.
Todos estes contingentes reunidos, formaran)
am total'de l,00(h00trde soldados, -mailo approxi-
madamente.
Votaram contra a proposta de Saxonia. a Pras-
sia, que conta 500,000 homens; Mecklembdrg-
Setrwertn 6,000 ; MeCWlemburg-SerelItz 2,000 ;
Hesse-EletWrl' Iro^OOO; Otdemburgo 4,000; An-
hatt-Dssan 1,910 ; ABhal-Bernboorg 800 ; Sen-
mrzbanr-Sonderhansen-800 ; SchwanbargjRa
dotstad11,000; Labec* 00; Francfort 1,200;
Brenrn800; Himbprgo'1.200.
O conjncto d de .600,000 homens-
* A
ama pt
ae poesSSifcs veneira*.
i A Prassia pode anda augmentar o -exercito
coa ae soas a-etervas.
'pw*
Consta-nos qne S. Exc.
negara a saneco a lei que
algodo.
Sabbado chegoa de Bristol o peqaeao vapor
Moteque, de propnedade do Sr. Baro do Livra-
meato- todo de ferro e movido a' hlice, tem
56 ps decomprmento, 12 de largura 6 de postal,
a soa machina de torga de 20 cavallos, demanda
9 ps d'agna. Destlna-se ao reboque de alva-
rengas.
Durante a viagem foram encontrados; na lat. N.
7. 48' e long. O. de Greenwich 26* 30* a barca
franceza Franca Mana, de S. Malo para Benlo; e
na lat. S. 33' e long. 0.30 37' a barca Ingiera-
Marmion, em viagem de Liverpool.
O vapor brasileiro Guar foi em 4 dias e
meio do nosso porto ao do Rio de Janeiro.
Offerecemos a' sciencia do publico a seguate
relago dos detentos qae trabalbaram na offlema
de sapataria da casa de detengo, nos meces de
abril e malo do corrente anoo, acompanhada das
quantias ganhas pelos mesmos detentos:
Antonio Manoel da Silva............. '
Antonio Joaquim Al vea Pereira..-.. -
Antonio Alves de Atbayde.............
Antonio Jos Pacheco............V..;.
Antonio Nones da Silva...............
Antonio Gomes da Silva...............
Alexandre Jos Bernardino..........',
Angelo Jos Francisco.................
Aniceto Nune* da Silva...............
Bernardo Pereira Machado.............
Cosine DamiBo Teixeira...........
Diodoro Francesco dos Santos..........
DamISo Coelbo de MeHo...............
Daniel de Oliveira Santos.............
Domingos Gomes de Agular...........
Domingos Alves Hespanhol...........
Flix de Araujo Lins.................
Firmino Francisco dos Santos.........
Geouino Celestino da Cruz............
Germano Lopes Frazo............
GutihermePrankiscode Asis........
Hermioo CarneiroBezerra de Sen..
Ignacio Francisco dos Santo*.........
Joao Canella de Narabd..............
Joao Gomes Coutinbo................
Joto Jeaqolm da Silva.. v............
Joo Pedro de Magalhes............
Joio Pereira Dotra de Olrreira.......
Joan Pereira ManbMo................
Joio VieeoM dn-Aranjo..............
Joiimlm Lino Pefflrt...............
Joaifurm Gome* de Sonu............
los Antonio Correa de Mello.......
Jo*! Gemes de Ollveira Jnior.......
lm\ Gomes das Neves...........v.
Jos Mattinsde Olivelra.............
JWotriee-VasennteUos.........
Jos Raido des Sanio*.........
Jos Verissmo da Silva............
jQcandiano Thomax Borges da Fois
114700
33*160
8900
26*300
40*110
IBS
33*900
31*140
BUS
1
35*800
40*080
183*360
m
19970
35*260
II
i
I

1
i
s
!



r
r
-
1
I
i
i
f
i


' ',^E^r I
jL
w**


r**
-
t.
Ufarlo ie rernamftaeo -- egnnd felra
t i f ii Mil -------t r -----
11 de Jnnho e 1866.
Leandro Aprigio da Puriflcago......
Liberalini Jos Pareira..
Lias Jos de Mjws......
Luii de Franca Ventana..?.
Manoel Aires u'Araajo......
Miuoel Kernanles dos Santos
Manoel Flor Dornellas............... 26*740
Miooal Joaqaim da Silva............" 7*680
Manoel Muoiz Falcio..........,-.... 44*800
Haaoel Piaheirj Dantas........7\, 4i*6(W-
Maaoel da Silva Guarabira.......... 39500Q
Raymundo Jos da Sant'ArToa......... 1M660
Silvino Goncalves de Oliveira........ 40*800
Ttiomaz Francisco de Goes.>......
Tobias Manoel do fasclmeuto........
Thom Virginio Cirra.............
\'enerando Amonio da Oliveira.......
O escrvia dos protestos Alves d HflHa, est
de semana, a roa do iinperal* n. 4* primeiro
andar.
No lagar competente val inserida"urna pu-
blicagSo da Monte-Pio Portuguez, para a qttaf nos
pedem que cbaraemn a alienis dos rsternssados.
Segundo delia se collge que so alao da50 do cor-
reate se receberff^ths na razio de 10*, paseando
a 25* logo que se aejerem era vigor os estatuto*
daquella sociedwte namanitaria, o que sera' antes
do lira deste ntez. Consta-nos tambera que a iostal-
lacjio do mesmo Monte-Pip (era' lagar no primeiro
domingo, qae 8tambem 6 primeiro da do proxi-
794300 ; sar, oo deOnhara'
roo mez de julho.
De Villa-Bella nos escrevera o seguate :
Ja nio mysterio o assassinato io Or. Es-
tevo Benedicto Franca ; esto descoberlos os au-
tores de tao horroroso attentado.
Pedro -Antonio de Aodrade e sea confiado
Jlo Pereira de Vasconcellos consTlTuiram-se ni-
migos acrrimos d'aqaeile Dr. por oecasiSd de ara
inventario a qae presidia elle na qaalidade da juiz
municipal de Villa-Bella, tomando parte activa
oessa inimisade os irmaos Francisco Gomes de
Aodrade e Luiz Antonio de Aodrade.
< Essa inimisade aggravon-se seriamente, e con-
verteu-se logo em profundo rancor por ter o Dr.
Estevo mandado cercar em principios de novem-
bro do aano passado a fazenda de Pedro Antonio,
d'onde (orara tirados para recrotas doas individuos
que nella se acbavaro homisiados.
c Desde entii > concertou-se o plano de vlngaoca
e morte contra o Dr. Franca cora o protesto de
que nao cercarla mais casa de outro bornem,
o qne foi deOnitivameute resolvido a' -mesa da ceia
tres, ou quatro dias depois do cerco, na mesan fa-
zenda de Pedro Antonio, ettre este, sensirma: e
cuchado Joao Pereira, sendo escolhid% para instru-
mento o cabra de nome Simio, por sna reconhe-
cida coragem. Or, a 20 do mesmo mez de no-
vembro Pedro Antonio, qae ba nove annos resida
no municipio de Villa-Bella sera dahi sabir, parti
para a proriocia do Pianby, sen ffroo Luiz, que
resida no mesmo municipio com animo de selle
permanecer, regresson para o logar de sna pri-
meira residencia, e o cabra Sima) na respera da
partida de Pedro Antinio, recebeu deste dfnheiro,
fazenda e cavallo, e seguio para sua casa na Serra
do Man.
t A conversado ou concert do plano foi sor-
prendida por nm fmulo, qae a transmudo a outro
de Samuel Montenegro; o qoal avisando a sen
irmao, o assassioado, pedio-lhe que nio voltasse a'
sna fazenda Pona da Serra, porqne la' pretendan)
assassina-lo. O Dr. Es'evao, porm, no acredi-
tandc-o, tai era a consciencia que linda de seas
actos, parti para aquella fazenda, e ah, tres dias
depois de sua cbegada, receben o tiro, quando
tranquillo eslava sobre a porteira de nm corral I
aos 27 de Janeiro ultimo.
< Quatro das depois Francisco Gomes de Ao-
drade expede portadores a sea irmo Pedro, no
Piauby, para levar a noticia da consumagio do
crime'l
Os compromettldos e sens protectores procura-
ran) transviar as pesquisas da polica, attribuindo
o crime ora a Manoel M nleiro ora a Jlo Montei-
ro, e finalmente a Manoel Alves; porem esses ma-
nejos nao vingaram, e a autoridade procedendo
contra os verdadeiros responsaveis, fez recolher a'
pnsao mandantes e mandatario, com excepcao de
Luiz Antonio de Andrade, qae breve tambem o
ser. Nao ba hoje qaem ponba em dnvida que
foram elles os autores do crime, gracas a's dili-
gencias e providencias tomadas pelo chefe de poli-
ca Sr. Dr. Eduardo Pindahyba de Mattos.
Ao nosso diligente correspondente de Villa-Bella
devenios estas notas histricas sobre um processo,
cuja importancia esta' na razo directa dos obst-
culos suscitados no interesse de transviar a auto-
ridade processante dos verdadeiros criminosos ; e
folgamos que esta, com o tino e perspicac;a, qae
llie sao peculiares, fosse tira-Ios do antro em que
se esamdlam, rompemKHIies a capa fla impostara.
Taes servcos, pois, bem como prisSes importantes,
realisadas pelo Dr. chefe de polica, nao podem
deixar de ser tomadas pelo governo na maior on-
sideracio, em vista principalmente das difflculda-
des com que ba lutado, e dos sacrificios qae ba
feito a bem da jastica publica, que n'elle tem por
certo encontrado n'estes ltimos lempos nm verda-
dero sacerdote para quem sobre tudo esta' o cum-
priraento do dever.
Passageiros da barca portngueza Claudina,
vinda do Porto:
Joo Ferreira, Antonio Martins Ribeiro, Jos
Antonio Pereira, Manoel Jos Dias, Domingos
Goncalves Silva, Jos Luiz Ribeiro, Jos Mendes,
Jos Bathazar Oliveira, Feliciano Alves Diniz, An-
tonio Pinto Lapa, Antonio Domingos Maia, Jos da
Silva Maia, Antonio Silva Campos Pereira, Clemen-
te Goncalves Neto, Joaqnim Daarte Corris, Miguel
de Arantes.
Passageiros do vapor americano North-Ame-
rica, vindos do Rio de Janeiro e Baha:
Jos Francisco Vieira Gastar e Wallim, e Lniz
Matio Ferraro.
Passageiro do patacho brasileiro JaboalSo,
vindoda New-York:
Georgi F. Rollim.
Passageiro do brlgne aaciona! Imperial Pe-
dro:
Jos Bitencoart.
Passageiro do vapor americano North-Ame-
rica, sabido para Wew-York por S. Thomaz e Pa-
ra' :
Aron William Gora.
Passageiros do vapor brasileiro Persinunga,
sahidos para os portos do Norte :
Flix Bemundo de Oliveira e saa senhora, Flix
Tenezote, Alejandrino. Christtano de Oliveira e sua
mulher, 9 Albos e 1 creado, Luiza Maria Francisca
de Oliveira Aires Barbosa, capillo JoSo Paes Bar-
bosa Mello e 6 Albos, Amonio Joaqaim Sftre, Viga-
rio Frederfeo de Almeida Aibuqaerqu Mello el
criado; Antonio Caetano Prane3se, Antonio Geflbne,
Joaqulm- Silva Saldanba Jnnior, Manoel Eugenio
da Silva, Joao Dooifbgos Ttegodos Antonio Jos-de
Souza uraaraes, Jo*rFabriras y Fia', t pravas e
2 presos, Antonio Rangel do Nascimenlo, Blandier
Cherubino, Conter Pietro, Joio Antonio Garca,
Joao Martins, Antonio Fuado da Motta, Frederico
Rodrigues Pimentel, e Joao Severino.
UkI'AUTICAO OA POLICA
Extracto das partes do dia 7 e 8 de junbo de
1866.
Foram recolbidos a"casa de deteneo no dia 6
do correte : ....
A' ordem do Dr. delegado da capital, Jos, escra-
vo de Carlota Viegas Geraldes, a' requerimento
d'ella.
no estado de embryao, reser-
a joia de dez mil riit, depois
mstaltada.
ore, s reclamabais
i deixar de dizer aos
_.ro, se ae persuadera
poder espadar alesaa- ^mpo o pagamento a que}
.coa pessoas de brio, se obrigaram pelo facto da
ignatura, a directora provisoria convida
M* pela ultima vez todos aqoelles, qae estiverem
Igam dos indicados cajos, a realisarem o pa
garaealo das suas joias at a da 20 do corren
te mez, inpreterivelmente, procurando para esse
lina os respectivo recibos em mi do Sr. tbesou
mro invern, o Sr. Jos Alves Lima, na p;aea da
Boa-Vim ns. 4 e8 ; ou para maior commodldade
dos intertoviiM. ara de fatoro nao allegarem
qaalquer disculpa (qw nao sera' attendida),
aquellos que nao poderem dlrigir-se a casa do Sr.
thesoureiro, qneiram deixar nota de sens nomes
para serem procurados, no Recite, no Forte do
Mattos, armazem do Sr. Jos da Silva Loyo, na raa,
lBMilil#l Deas, botica dos Srs. Joo da C. Bra-
vo 4 c., ela ra da Cruz n. 23, andar : e em
aaak*Antonio, na rna do Crespo n.2, livraria Eco-
nmica, e no Gabinete Portuguez de Leitara.
Logo dpois clararen em vigor os estatutos, e isio tara' lugar,
aegnndo todas as probabilidades, depois do dia 20
earrt8Baoa30domecornte, a joia, em con*
formidade com o dispoito no *rt. 7 dos mesmos
estatutos, pauar a ser de 25*000, tanto para os
candidatos qne desde essa dala em diante forem
propostos, etmo para aqnellet que antes liverem
amanado, mas nao pago, quanlia inferior. A'
vista disto, espera a directora provisoria qae,
qaem anda nao tiver honrado a sna assignitura,
se apressara' a faie-lo at ao dia 20 deste mea o
mais tardar, ou a deixar nota de sea nome, na
forma sopra indicada, para ser anda procu-
rado.
Sao bem conbeeidos os mctivos por qne o Monte-
Pio Portuguoz anda nSo funcciona ; e agora qne,
felizmente, esta' por asslm dizer ultimada a arre-
cadagao de listas e cobranca de recibos, afora qae
novas quantias teem vndo junlar-.se primeira
somma reclhida ao Novo Banco de Pernamboco,
julga a directora provisoria qu ningaem mais du-
vidar, que possa levar-se a effeito o belto e hu-
manitario pensamento do Iilm. Sr. Dr. Jos Henri-
qaes Ferreira, nosso digno ex-consul nesta pro-
vincia.
Aos incrdulos a directora provisoria diz para e
simplesmente : a installacao do Monte-Pio Portu-
g\ez ter lugar no dia 1 de juliio prximo.
Secrejaria do Monte-Po Portoguez 'em Pernam-
buco, 9 dejonbo de 1866.
Jos da Silva Loyo,
Presidente.
Joaqaim Gerardo de Bastos,
2 secretario.
onte-Pio Portuguez.
(Correspondencia).
Illm. Sr.Ao conhecimento desta directora pre-
visoria tronxe o Sr. thesoareiro interino baver-lbe
V. S. entregado a quantia de 450*0C0, proveniente
das joias de qaarenta e nm socios, entranao nesse
numero V. S., que se dignou fazer a offerta de
50*000.
Desde que se principiaran) a dar os primelros
passos para a fnndaco de orna to nlil sociedade,
como lado presagia qne vira' a ser o Monte-Pio
Portuguez, tornou-se to nouvelmenta saliente a
Incontestada dedicacao de V. S., que esta directo-
ra provisoria se congratula com a associaglo que
tem a honra de representar, por contar entre os
seos consocios cavalheiro to prestimoso, auxiliar
de tanta valia, coracao portuguez tao de lei, como
indubftavelmente V. S.; folgando em extrem
esta directora de o poder aponlar como modelo
digno de ser imitado e difflcil de ser excedido.
Penhorada esta directora pelas Inequvocas pro-
vas de interesse, qne a bem do Monie-Pio Portu-
guez em Pernambuco V. S. tem sabido exhibir de
maneira lo invejavel, ella mal pode expressar-lhe
o sea reconbeclmento em nome da mesma associa-
co ; e firmemente espera que em novas occasioes
qae talvez nao tardem a apresentar-se, V. S. se
tornara' cada vez mais credor daadmiracao e sym-
pathia de todos os nossos associados.
Dens guarde a V. S. Secretaria do Monte-Pio
Portuguez em Pernambuco, aos 30 de maio de
1866.
Illm. Sr. Jos Joaquim Alves, M
jnnto da directora provisoria do
Pi.
Jos da Silva Loyo,
Presidente.
Joaqaim Gerardo de Bastos,
2o secretario.
Azeitedce......VenJeu-se
Btal^o.......
3*000 arroba,e o do Maranhao
o de Lism a 2f00
del6*Vt8*Ur'!
do em ddfepsito 3,000
Batatas.........Venderam se a 2*500 a arroba.
Caf........... Vendeu-so d JOO a 0*200
**............dem de Ij&OO a 1*300 a libra.
Cer veja........Vendeose de 5*000 a 6*500 a
dozia de garrafas.
rarmha de tr%o. A de Naav-Yorlt e Richasond
relalhoa-se de 21*000 a 23*000
por barrica, a franceza
a hespanhola a 22*000 e a
Trieste de 24*000 a 25*000 ;
ficando em deposito, inclusive
W"l algnns carregarbeolc* chegados
esta semana da salha: 3,000
barricas da primeira, 1,500 S
segunda,' 1,6001 Sfeeira, 408
da qoarta, 6,030 da quinta, ao
_ todo 12,400 barricas.
Dita de mandioca Vendeu-se de 4*000 a 6*000 o
sccb.
?**>......... Veniea-se de M*O0O" a 12*000
o stcco. ,
t-onea..........a ingleza ordinaria vendeu-se
com lO por ceuto de premio so-
bre a factura.
Manteiga.......Venden se a ingleza a 950 rs. a
libra, e a franceza a 860 rs. a
dita.
Jfcss......... vendram-s a 7*800 a caixa.
Oleodelinha^a.. Vendeu-se a 1*700 o galo.
f.........Mom a *00 a oaii*.
Presamos....... Venderam-se a 16*000 por ar-
M. .. roba.
uouos........Os flamengos renderam-se de
c 800 a cada um.
Sho..........o ioglez vendeu-se a 140 rs. a
libra.
Toncinho.......Venderse o de Lisboa de 8*700
. S 9*or arroba.
Vioagre........o de Portugal vendeu-se de 85*
-,. iW* a pipa.
Vinnos.........' Vendrara-se os de Lisboa de
180* a 190*000 a pipa, e os de
ontros paites a 160*000 a dita.
Descontos.......O rebate de tetras regaln de
9 a 10 por ceuto ao anno.
Ffles.......... Para os Estados-Unidos 30/e
36/ 5 % para o Canal 30/-no-
ttftnal; para Liverpool pelo las-
tro 15/ a 20/nominal, e pelo
algodo X d. e 3/i por libra 5 %.
Rf hrga do (osario.
N-33 dem 24 tdem Segundo e
Wtto indaes ^ ... .
- Raa do Caiaboace.
w.40 dem e 18 dem, eaaa terrea.
l Becco do Quiabo.
n.,49idea-# 8 dem, casa terrea. .
Ra da Gloria.
i dem e 55 iva, casa tertea.
.. Ra do encantamento.
Ir. 82 dem e 3 dem, sobrado.
Rna do Padre Froriano.
N.67 dea o'6iide,tasa terrea.
; Dito do largo do Paraizo..... 8:0000000
finunnn Dito do largo da praja de Pe-
b099000| dro II................. MOOmo
DUodaroado Sol......... 3:000*000
Dito da rna da Concordia.... 5:000)5000
185*000
144*000
144*000
400*000
N 91 idem eli
; Apollo,
em, sobrado de
Bairro da Boa-Vista.
Chafariz e bica do caes do
KnnrJ Capibaribe.............
'Dito da ra da Aurora......
Dito da pracada Boa-Vista...
30:5005000
al*,adu"es....... ... 1:400*000 Dito da caix rjyagaa dosfTire,
itaa de S. Bom Jess das Crioulas. i Dito da rtl de S. Goncalo. ...
easa tortea. 131*000 -
Dito do largo da Sotedade....
Dito da cidade nova de Santo
Bairro de S. tose.
Chatariz do largo daribeira.. 13:000(5000!
168*000'Dit0 da rua Imperial.. ..... 7:000,-5003
Dito dito defronte da Cabanga. 3:5005000
Dito do largo de Nossa Senho-
ra da Paz dos Afogados...
N 61 dem a 8 Idea,
\ Patrimonio de ofphos.
Rua do Rangel.
Caa terrea n. 6 particular e 56 pu-
*?..........-300*000
S. Gonoalo.
Caa torrea n. 10 partieoiare 22 pa-
bbco. .... .> 189*000
Rosario da Boa-Vista,
dem n. 14 particular e 68 publico.
Ateite do Pefxe.
Sibrado del andar n. 68 particular
e 4 pobiico........600*000
Raa- da Cacimba.
Casa terrea n. 65 parttcalar e 6 pa-
WiM.-*.........144*000
Mea n.67 idem e 10 Mem. 83|000
Raa dos Burgos.
puco*n- !8 .part,cal" .e .? mtooo[mo cntre as d"uas pontes-
Rua do Encantamento.
Sobrado de i andares n. 76 particu-
lar e II publico........960*000
Senzala Velha.
Casa teitea n. 81 particnlar e 18 pu-
biici.. .. : .. i : 200*000
Hua da Guia.
Casa terrea n. 83 particular e 27
pabi..........126*000
Idem n. 84 idem e 29 idem. 144*000
" Roa dd Pilar.
Casa terrea n. 91 particular e 105
publico..........168*000
3:5000000
2:0005000
6:000^000
5:5000000
1:2000000
2:1000000
. O resto dos bilbetes polem ser procurados
eeetiptorio do theatro.
42.* recita de assigoatura
QARTA FEIRA 13 DE JVMHO DE 1866
Estrela do at- Coiti KocIm
1.' BEPBESE1VTACO
DAS
Mulheres terriveis
O resto do espeelaculo ser aonaneiado.
ao

AVISOS MARTIMOS
Para a Bnhia
nnnBnnl'" comttdaabrevidMe o patache nacional San-
Amaro................. J:UUO0UOO to Antonio ; para o resto da carga trata-se no lar-
----------------I ro Corpo Santn. 4, escriptorio de Jos Mara
23:3000000 Palmeira. _________
3:0000000
26:5OOKX)0
Passagem da Magdalena.
Chafariz do largo do viveire. 2400000
3600000
C0MPANH|\
0AS.
Messageries Imperiales.
At o
MOVIMENTO DO POBTO
D. membro ad-
mesmo Monte-
COMERCIO
uubourcq Jnior,
Presidente.
Silveira,
Secretario.
-Voto banco deSPernam-
baco.
O Novo Banco descoma letras a 10 por cento
ao anno, toma dinbeiro a praso riso ou em conta
corrente pelo premio e condigdes que se conven
cionar. e saca sobre a praca da Babia
iovo Banco de Pernambuco.
O novo banco paga o 16 dividendo ne
raz3o de 60150 por acc5o.
PRAA DO RECIFE.
Cola?oes ol'Qclaes.
9 de jnnho.
As 3 1|2 horas da tarde.
Algodo 1" sorte14*500 por arroba..
Alcedo de Macelo 13*000 por arroba
bordo.
Cambio sobre Londres 90 div. 25 1/2
1*000.
Descont de letras de 3 mezes 9 e 10
ao anno.
posto a
d. por
0|0
Navios entrados no dia 9
Barcelona49 dias, patacho bespanhol Themoteo
II, de 111 toneladas, cap tao E. t'ages, equfpagem
10, carga Tlnho, e 560 barricas com farinha de
trigo; a MaQry Romaguera Wjo & C.
Rio Grande do Sal18 das, brigue nacional im-
perial Pedro, de 210 toneladas, capitao Fran-
cisco Jos Prates, ejulpagera 11, carga 11,383
arrobas de carne; Miguel Jos Alves.
New-York-41 dias, barca ingleza Imperador, de
281 toneladas, capitao J. Poever, equipagem U,
carga 2900 barricas com farinha de trigo e ou-
tros gneros; a Msthens Austim & C.
Rio e Babia-7 dias, vapor americano North Ame
rica, de 2080 toneladas, commandante Temer-
man, equipagem 60, carga varios genero?; a H.
Forste & (I
Terra Nova-32 dias, barca ingleza Stella, de 213
tonelada, capitao Peter Me. Knsie, equipagem
13, carga 2000 barricas com bacalbo, e 150 ditas
com farinha de trigo; a Saundres Brothers & C.
Terra Nova31 dias, barca ingleza lsabella Ry
dley, de 232 toneladas, capitao Ricardo Bully,
equipagem 13, carga 2224 barricas com bacalbo;
a Saundres Brothers & C. Seguio dar a Babia,
New York37 dias, patacho nacional Jaboatao, de
285 toneladas, capitao Jos Adelino Carneiro
Cunta, equipagem 8, carga 1200 barricas com
farinha do trigo e outros gneros; a Henry Fos-
ter & C.
Serra Leoa19 dias, galera ingleza Sedbergh,
de 614 toneladas, capitao Wiliam Kueale, equi-
pagem 18, em lastro; a Saundres Brothers A C.
Brlstol42 dias, hiate a vapor nacional Meque,
de 30 toneladas, ciptao E. C W. D. Derrick,
equipagem 5, em lastro; a Samuel Pouver
Johnson.
Liverpool40 das, escuna inglezi Arelas, de J24
toneladas, capitao R. Richard", equipagem 7 car-
ga fazendas e outros gneros; a Rabe Schamet-
teau.
Navios sahidos no mesmo dia.
Eew York por S. Thomaz e Para'Vapor ameri-
cano North America, commandante Temermam.
AracatyHiate nacional Graciosa, capitao Manoel
C. da Costa, carga differentes gneros.
Portos do NorteVapor nacional Persinunga, com-
mandante Francisco Jos da Silva Rates, carga
diferentes gneros.
Navios entrados no da 10.
New-York52 dias, brigue noruegoense Weland,
de 245 toneladas, capitao Jonau, equipagem 10,
carga mercadorias. diversas ; a Johoston Pater
& Companhia.
Porto28 dias, barca portugueza Claudtna, de 391
toneladas, capitao Jos de Souza Amellas, equi-
pagem 17, carga vinbo e outros gneros; a
Cunba irmaos & C.
Genova46 dias, polaca italiana Sarah, de 209
toneladas, capitao Emmanuel Solari, equipagem
10, carga differtntes gneros ; a ordem.
Nrvtos sahidos no mesmo dia.
Rio da Pratabrigue banoveriano Amista, capillo
Philepus Saf, carga assacar.
Canalbarca ingleza Voluna, capitao Wenweck,
carga assucar.
Falmoutbpatacho inglez Gertrudes, capitao G,
Kawell, carga assacar.
ALFANDEGA.
Rend memo do dia ia8......
Idem do da 9................
173:082*313
19:873*166
192:755*779
MOVIMENTO DA ALFANDE8A
Volumes entrados com fazendas...
< < com gneros...
fOiumes sabidos cem fazendas...
com gneros
-----237
145
953
-----1,098
A' ordem do subdelegado de Santo Antonio, Ray-
mundo Jos de Lima, por crime de farto; Flix
Jos Ferreira e Manoel Flix do Nascimento, para
correccao.
A' ordem do de S. Jos, Matheis, escravo de Jo-
s Peixoto, tambem para correccao.
A' ordem do da Boa-Vista, Firmino Skaacuom,
por desordem.
A' ordem do Dr. delegado da capital, Verissimo
Gomes da Sila e Macoel Fraocisco de Sonza, para
recrotas; e Francisco Jos de Aguiar, como guar-
da nacional designado para a guerra, vindos d
termo do Rio Pormoso.
A' ordem do subdelegado de S. Antonio, Firmino
dos Santos Lima e Dormeviile de Oliveira Mello,
para averiguares em crime inafiancavel.
A' ordem do de S. Jos, Manoel das Virgens, por
briga, e Jos Ignacio, para correero.
A' ordem do da Boa-Vista, Pedro Prege de Al-
meida Pinto, para reernta.
A' ordem do da Capunga, Pedro, escravo de Jos
Teixeira Bastos, por ser encontrado alta aoite com
a importancia de 69*000 e tantos ris,
Ochee da 2* scelo,
/. G. de MeQ0ta.
Publicares a pedido
Descarregam boje 11 de junho.
Barca inglezaTtcklermercaduras.
Barca inglezaImogene-idem.
Galera francezaAmebafarinha de trigo.
Brigue portugoezBella Figrensediveesos ge*
eras, :
Brigue i italianoAdelesal.
Barca inglezaCorabacalhao.
Patacho ioglezRomeu car vio.
Barca ingleza -lsabella car vao.
Barca inglezaSaplioidem.
Barca portuguezaMarianna /dem.
Barca nacional Amizadecharque
Brigoe nacionalBelsono\deai-
Brigue nacionalAureliano idem.
Sumaca hespanholaGuadalupeidem.
Patacho nacionalSolIdem.
Hiate portuguez -Serra /idem.
RECEBEDORIA DE RENDAS INTERNAS
RAES DE PERNAMBUCO
DECURACOES
COMPANHIA
DO
GE-
..... i i r
lite-pio PortngMi.
A directora provisoria desta associajio tea >e-
cebido reclamacSes de vriae pessoas, que, havtndo
Asafenado em versas listas,' dizeat Motar aido
jrtandas para o pagamento das snas joias. 'De
ootras sabe esta directora que, suppondo sem fua-
damento real qae o Monte-Pio Portagaei nio pas-
Rendlmento do dia 1 a 8
dem do dia 9 ......
PRACA DO RECIFE
A'S TRES HORAS DA TARBE.
ReVIste senana!.
Cambios........Saccou-se sobre. Londres de 28 X
a 26 d. por 1*000, sobre Pars
a 370 rs. por fr. e sobre Lisboa
a 98 por cento, montando os sa-
ques efectuados dorante a se-
.u mana em 40,000.
Algodo......... Vendeu-se o de Pernambuco de
14*000 a 15*200 por arroba, e
o de Macei, posto a bordo, de
.________13*200 e 13*500.
Assacar........Vendeu-se o braooo de 1*900 a
3*600, o Dotfenos 12*700, o
mascatado purgado de 1*900 a
2*200 for arroba e o bruto de
1*550 a 1*750.
Agurdente.....Vendea-se a 60*000 pipa.
Couros ........Os seceos salgados venderam-
se a 150 rs. a libra.
Arroz..........O pilado da India vendeu-se a
O caixa desta companhia eommendador
Thomaz de Atraillo Fonseca, acha-se auto-
risado a pagar no seu escriptorio rna do
Vigario n. 19, das 10 horas as 3 da tarde
do dia 29 do corrente em diante o 36 di-
videndo desta companhia na proporcSo de
30 por cada acc3o ; previne-se aos Sr*. Ac-
cionistas qae este pagamento deverser em
cobre visto ser na especie qae o mesmo Sr.
caixa recebe dos arrematantes dos chafar-
zes desta companhia.
Escriptorio da Companhia do Beberibe 28
de maio de 1866.
O secretario,
DrroSo Jos Pinto Janior.
Saata Gasa da Misericordia
do Reeife,
A Illm.* junta administrativa da Santa Casa de
Misericordia do Reeife manda fazer publico qae
7:221*632 o dia 11 d junbo corrente petas 4 horas d tar-
806*078 na sala de snas sessSes tem de ir praea a reo-
----------da das casas abaixo mencionadas por lempo de nm
8:027*510 a tres annos. ^'.x _f _^^ ^^^
Os pretendentes develo comparecer acompanha-
dos de seos ladores oo manidos de cartas gestes.
Estabelecimenlos de caridade.
Roa do Imperador.
N. 1 particular e 24 publico, sobra-
do de 1 andar.......
Roa Direlta.
N. 3 Idea e He, sobrado de f
andares..........
Rna do Padre FloTIano.
N. 5 idem e 49 idea, oasa tarrea. ,
N. 6 idem e 47 idem. casa terrea. .
Rn do Pigandes.
N. 11 idea 32 idem, casa terrea .
Travca dt g.: Jos.
N. 13 Idem e 11 Idem, casa terrea.
N. 14 idem e 6 idem, casa terrea. .
679*000
1:067*00
181*000
186*000
155*000
153*000
169*000
dem n, 9J idem e 103 idem.
dem n.94 idea e 99 idem. .
Sem n. 97 Idem e 1(0 idem .
emn. 105 idem e 94 idem. .
dem n. 5 sitio no Forno da Cal.
A_ mesma lllm> Junta m vlrtude de delibera
gao tomada em sesso do 1* de jnnho manda tazer
publico qae os predios abaixo declaradas caja ar-
rematacao Acara adiada, vo de novo a praca com
algomas eoBdlecSes qae sero apresentadas no
acto da arrematando.
Estabelecimenlos de caridade
Rna Nova.
N. 45 particular e 57 publico sobra-
do de um andar.........1:051*000
Rna da Moeda.
N. 55 particular e 41 publico sobra-
do de nm abdar........286*000
Rua da Moeda.
N. 64 particular e 37 publico sobrado
do de 3 .andares.........480*000
Patrimonio de trabaos
Rua da Madre de Dos.
N. 27 particular e 20 publico casa
terrea. "..........602*000
Secretaria da Santa Casa da Misericordia do
Recite 4 de junho de 1856.
O esc r i vo interino,
Pedro Rodrigues de Sonza.
^anta Casa da MlsericeTilia do
Roerte.
A Illm0 junta administrativa da Santa Casa de
Misericordia do Reeife manda fazer publico qae no
dia 14 do corrente, pelas 4 horas da tarde, na sala
de mas seseoe, lera de ser arrematado o forneci-
mento d honver de consumir os diversos estabelecimenlos
pios carfo.da mesma Santa Casa, no trimestre de
julho a setembro prximo futuro, a saber :
Estabeleeimento de caridade.
Manteiga franceza, libra.
Caf em grao idem.
Cha* preto idem.
Cha' hysscn idem.
Assucar refinado 1" sorte, dem.
Dito de 2' sorte idem.
Dito em torrao Ia sorte idem.
Arroz pilado do Maranhao idem.
Tucmho de Lisboa idem.
Bacalhao idem.
Tapioca idem.
Aletria idem.
Carne secna idem.
Sabo amarello idem.
Fumo idem.
Velas de carnauba idem.
Ditas de espermacete dem.
Farinha ae mandioca da trra, alqueire novo.
Feijo mulatinho idem.
Vinho tinto de Lisboa, garrafa.
Dito branco dito, idem.
Vinagre dito, idem.
Azeite doce idem.
Dito de carrapalo idem.
Ceblas cento.
Farello, sacca.
Carne verde libra.
Bolacha idem.
Pao Idem.
Agurdente branca, garrafa.
Collgio de orpbaos.
Maiteiga franceza, libra.
Assucar refinado 1' sorte, idem.
Dito 2a sorte idem.
Caf em grao idem.
Cha' bysson dem.
Arroz pilado do Maranbo idem.
Bacalbo idem.
Batatas idem.
Aletria idm.
Toncinho de Lisboa idem
Ceblas, cento.
Farinha de mandioca da trra, alqueire aovo.
Feijo mnlatinho idem.
Azeite doce, garrafa.
Vioagre de Lisboa idem.
Sal, cula.
Lenha em achas, cento.
Carne verde, libra.
Dita secca idem.
Pi idem Idem.
Bolacha idem. .
As propostas devem ser especiaos j >' para os es-
tabelecimentos de caridade, e y para o collgio?,
sao lamben aceitas propesas somante de earne
verde ou de pao e bolacha, para consumo dos hos-
pitaes Pedn II, dos Lasaros, e para casa dos ex-
postos.
Recomrminda se aos ooncorrentes c/ue. observem
em suas prpostas a ordem, pesos, medidas e qua-
lidades indicadas na relaco dos gneros descrip-
tos neste edital.
Nesta secretarla se daro os esclaiecimentos de
que os. concurrentes precisaren), e no acto da arre-
matarlo dever elles comparecer con seos fiado-
res ou munidos de cartas destes, qne ficaro res-
ponsaveis pelo nltimo cumprimento dos respecti-
vos contratos.
Santa Casa de Misericordia do Reeife 8 de
malo d 1866.
O escrivao interino,
Pedro Rodriunes de Souza.
6005000
Escriptorio da companhia do Beberibe 5
dejunho de 1866.
O secretario,
_________Dr, Joo Jos Pinto Jnior.
Caiva filial do banco do Brasil em Per-
nmnbuco 22 de maio de 1866.
De ordem da directora se faz publico
aquellas pessoas que tem objectos de ouro,
2003000 {prata e diamantes depositados sob cao cao
da 14
do corrente mez
esperase da Eu-
ropa o vapor
francez Extra-
madure, o qual
depois da demo-
ra do costme
seguir' para
Baha e Rio de Janeiro.
Os passageiros de' Pernambuco para os portos
da Europa que queiram segurar as suas passageus
a bordo dos paquetes desta companhia nos mezes
de maior afloenei, trra afaculdade deas tomar
no dia em que os vapores seguem para o sol, pa-
gando porr como ?e tosse do Rio de Janeiro.
Paraveoodiec5s, Iretes- e passagens trata-se na
agencia rua. do Trapiche n: 9.
Para Lisboa
255*000: nesta caixa cutas letras se acham vencidas,
aoojooo'
200J000
Seguir com toda brevidade a barca portugueza
M,nianna I por ter parte de sua carga carga en-
gajada, para o resto e passageiros para os qnaes
offerece eiceilenles commodos : trata-ge com os
|00_)00!qae nio sendo'ditas letras pagas at 0 dia seas consignatarios Thomaz de Aqmno "Fonceea
soBoo .8 ^ jnnho vmdoorose proceder' em hasta j *> m do V,gar, D-19 oa com capi,0 Da
publica a venda dos referidos objectos con- ] -
forme o prescrito nos estatutos.
O guarda livros,
_______ Ignacio Nunes Correa,


Coaselho de compras
navaes.
O conseibo promove no da 11 do corrente mez
a compra dos seguales objectos do material da ar-
mada : 300 agolhas de brim, 6 barquinhas de pa-
tente, 100 bandejis ferradas, 200 dedaes de repu-
cho, 20 duzias de pranchdes de amarello, pao-car-
ga, sicopira, ou angelira arrargoso com 35 ps de
comprimento e 6 polegadas de grossnra, 20 duzias
de prancboes de amarello, po-carga, sicopira, oa
angelim amargoso de 35 ps de comprimento e 5
polegadas de grossara, 20 duzias de pranches-de
amarello, sicopira, ou angelim amargoso de 40 ps
de comprimento e 7 polegadas de grossura, 6 pru-
mos de patente, 4 arrobas de pregos ripares de co-
bre, 4 ditas de pregos de batel de cobre, 8 vigas
de qualidade de 65 a 70 palmos de comprimento e
11 a 12 polegadas em quadro, 50 arrobas de pl-
vora grossa, 500 puearos de folha, 20 grozas de
pennas de ajo, 20 livros em branco de 200 folhas,
20 ditos dito de 150 folhas, 20 ditos dito de 100
folhas, 20 ditos dito de 50 folbas, e madeiras de
constrnc?lo para um transporte de guerra.
Sala do conselho de compras navaes 7 de junho
de 1866.
O secretarlo
____________Alexandre Rodrlgaes dos Anjos.
As 10 horas da noite do dia 6 do corrente
foi apprehendido a om preto de nome Pedro, que
diz ser escravo de Jos Teixelra Bastos, am em-
brulho de sdalas, prata e cobre, na importancia
de cincoenta e nove rail e tantos ris : quem se
julgar com direito a referida quantia, provando,
llie ser entregue.
Subdelegada de polica da Capunga 7 de junho
de 1866.O subdelegado em exercicio,
________Francisco Antonio da Silva cavalcanti.
Crrelo geral
Pela administrarlo do crtelo desta cidade se
az publico que em virtude da convencao postal,
celebrada pelos governos brasileiro e francez. se-
ro expedidas malas para Europa no dia 15 do
correte pelo vapor ioglez ouro.
As cartas sero recebidas at 2 horas antes da
qae for marcada para a sabida do vapor, e os jor-
naes at 3 horas antes.
Adrainistrago do correo de Pernambuco 8 de
jnnho de 1866.
O administrador
_______ Domingos dos Passos Miranda.
(oiipwhia mt vsii rini
PAQUETES A VAPOR
Dos portos do norte esperado
at o dia 16 do corrente o vapor To-
cantms, commandante o capitao l-
ente Farias, o qual depois da de-
mora do costume seguir para os
portos do sul.
Desde ja recebem-se passageiros e engaja-sc a
carga qne o vapor poder conduzir, a qual devera'
ser embarcada no dia de sua chegada, encommea-
das e dinbeiro a freteat o dia da sahida as 2 ho-
ras ; as passagens s sero recebidas na agencia
rna da Crz n. 1 escriptorio de Antonio Luiz de
Oliveira Azeveao A C___________________
(Ml'iMIl IIIUSIIEIKA
DE
PAQUETES A VAPOR.
Dos portos do sul espralo
at o dia 14 do corrente um dos
vapores da companhia, o qual, de-
pois da demora do costume, segui-
r para os portos do norte. Des-
de j recebem-se passageiros e engaja-se a carga
que o vapor poder conduzir, a qual dever ser em-
barcada no dia da sua cbegada; encommendase di-
nbeiro a frete at o dia da sua sabida as 2 horas-,
as passagens s sero recebidas na agencia rua
da Cruz n. 1, escriptorio de Antonio Luiz deOli-
veira Azevedo & C.________________________
COMPANHIA PERNAMBUCANA
DE
Kavegacao costeira por vapor.
Para Aracaj e escalas.
Segu no dia 14 o vapor Pa-
rahyba, commandante Marfns.
Recebe carga at o dia 13, eu-
commendas, dinheiro a frete e
passageiros at o dia da sabida
as 3 horas da tarde : escriptorio no Forte do Ma-
os n. 1.
t
Para
Georgiane :
Pela inspebsao da alfandega desta cidade se
faz publico que segunda-feira 11 do correte con-
tina o leilo dos objectos para consnmo, annun-
ciados por edtai de 21 de maio ultimo, constando
do seguinte :
2 pipas com agurdente, 9 volumes com urna
prensa de doscaroQar algodo, 2 barricas com se-
meutes de algodo, 4 caixas com taboas prepara-
das, 25 caixas com 200 vidros de salsa parrilha,
1 caixa com am mantelete e nm chale estragado,
1 caixa vasia, 4 barricas com semeates de algo-
do, 1 caixa com urna machina de ferro, 1 dita
com ferros velbos, 1 dita com diversas mercado-
ras, 1 dita contendo papis avulsos, 1 dita com
alcac.s, 1 dita vasia, 1 garrafo quebrado, 1 sac-
co vasio e 2 caixas vasias.
4* seceo da alfandega de Pernambuco 9 de ju-
nho de 1866.
O eschpturario
Joo de A. Pereira Rocha.
(MREIO GLBAL
Relaco das cartas segnras vindas do snl pelo
vapor americano para os senbors abaixo de-
clarados :
D. Balbina V. do Espirito Santo
Jacintho Febronio Esraeralo.
Jacintho Fuado de Mendonc,a Paes Leme.
Joo Baplista Pereira Lobo.
Joao Corysesiomo de Medine (Cabo).
Jos Pedro de Paiva Baracho.
Jos da Silva Loyo (2).
Luix Jos da Silva Guimares.
Luiz Vlanna,__________________________
- CORRED GERAL.
O Sr. Antonio Alfonso Ferreira quelra compare-
cer a' repartigo do correio afim de receber urna
carta recommendada. ,_
o Cear e Maranhc sahe
a tratar com Tasso irmos.
a escuna
Para o P rto.
A muito veleira barc* portugueza ARM1NDA,
capitao Antonio Francisco da Silva Nunes, deve
seguir com muita brevidade em direitura para o
Porto, ja tem a maior parte do carregameoto
prompto e para o resto que Ihe falta e passageiros
trata-se com o capitao ou com os consignatarios
Marques, Barros & C, no largo do Corpo Santo
n. 6.___________________________________
Para o Porto por
Lisboa.
A veleira e bem conhecida barca portugueza
Tentador, pretende seguir com multa brevidade,
tem parte de saa carregameoto engajado, para o
resto que Ibe falta tratase com ss seus consignata-
rios Antonio Lnlz de Oliveira Azevedo & C, no sea
escriptorio na rua da Crnz n. 1.
Para Lisboa
seguir com brevidade a barca portugueza Nova
Marianna, de primeira classe, e recentemenie
construida ; tem prompta a maior parte do seu
carregameoto ; e para o restante e passaeeiros,
para os qoaes tem excellentes commodos, tratase
com Manoel Ignacio de Oliveira A Filho, no largo
do Corpo Santo n. 19, escriptorio, ou com o capi-
lo na praga.__________
Para o Para

I3! AVEi -VJR
as iuem e a raam, casa ierre*. .
116*000
)00
1*000
168*000
Companhia do Beberibe.
tydia ** do corrente pelas 12 horas do
difrter logar no escriptorio dff^.cotopanliia
ruado Cabug n. 16, a arremitaco das
cbafarizes e bicas por bairros, nao se ad-
mittindo propossquecomprebendam mais
de um bairro, nem por espaco maior de
un anno; w Srs- licitantes comparecam
com seos fiadores oa declaracoes dos mes-
moS/ne mencionado dia, devendo ser as
propostai em carta fechada aposentada na
rnon oeeasilo ou antes no esetptorio on-
de melhor sedevero esclarecer e informar
das condiccoes do contrato da ar rematacao.
Bazes sobr n tune* sr itevr tancar.
mrrajdf Re#e.
Chafariz do cJs.dJafaadlga. 6:000000
Dito da rua da Gru........ 7:2000000
DHo d r ta do Brom....... 8:000^000
Ditodo Forte do Matos e bica
do mesmo.............. 4:500*000,
22~70500
Bairro de Santo Antonio.
Chafariz do largo do Carino.. 0:000)J000
pretende seguir uestes oito das o patacho portu-
guez S. Jorge de Ateiro, o qual tem prompto parta
de sen carregameoto : para o resto qne Ibe falta,
trata-se com os seus consignatarios Antonio Luiz
de Oliveira Azevedo A C, no seu escriptorio rua
da Cruz n. 1.
-para a Baha.
Pretende seguir com mnila brevidade a velleira
sumaca nacional Horleneia, a qijli tem parte de
seaxarreganento prompto; para o resto que llij
falta trata-se tota os seas Consignatarios Antonio
Lnfz de Oliveira Azevedo & C, em sen escriptorio,
rua da-Crux n. 1. ^F
Paralsboa
KIP8EA-C01MBBA.
Terga-feira *t de junho.
REC4T* UTRAOOBINABIA A BENEFICIO 00 VIOLINISTA
BRASILEITO
ranciaee Hnnix Barrete Jamsr.
HIIMEtRA PARTE.
A compdia em nm acto ornada de msica
6
0N0IV0.
SEGUNDA PARTEA
Grande pbantazia sobre motivos da operaAn- .'
na Bolenaexecutada pelo beneficiado.
TERCEIRA PARTE.
Entre acto palos artistas Rajmuado, Eugenia
Cmara e Jsana.
IIIHlll \ DE C 1HTM.O
QUARTA PARTE.
Souveoirs Os BefHni pelo beneficiado.'
QfNTA PARTE.
Comedia em 1 acto otnada de msica
l?M4 LIA DE FEL. j
SUIA PAnJ.
Grande pbantazia sobre motivos de operaor
mipelo beneficiado.
Tri alego
Tchang-Tehing-Bung,
Comegara' as horas do costume.
Seguir com. toda brevidade o lugar portu-
guez Julio, por ter j a maior parte da carga
prompta,para o resto e passageiros, para os quaes
offerece excellentes commodos: trata-se com os
seus consignatarios Thomaz de Aquino Fonceca
& C. roa do Vigario n 19 ou com o capitao na
praca.
LEUDES.
Leilo de escravos
Urna serava crioula de 28 annos eom urna bonita
eria de 6 a 7 annos, fax, labyrintho, rendas, cosi-
nba o diario de ama easa, ensaboa e passa roupa
a ferro.
Um escravo de 25 annos pooco mais ou menos
arme vulgarmente cbamam pega proprio para
qaalquer servicio.
HOJE
O agente Martins lara' leilao por conta e rfco
de quem pertonaac"3o* ^r|,i/cima no arma-
xenvda rua a> Gaaeia^.dq qeciK n.*3,as 11 horas.
LEIIiAO
De cineo etwraTos sendo DomIn-
gas. Antela con ai fllho de
9 annos, Maria naria Hurla
^a
prew
O ageste Martins fara' leilao a requerimento de
D. Francisca de Paula Fignelredo viuva de Jos
Antonio Ferro de Figueiredo e por mandado do
BlB. PijuU utunrclpardaieguuda vara, (sap-
plente) em exercicio, dos escravos cima.
Terja-feira 12 do corrente.
No armazem da ruada Cadeia do P.telfe n. 53
as 11 horas.



BU*U de feramMba* .. yegood* totea i 1 de Juan o de 1866.
LEILAO
Bealfiodo e asucar variados.
A 11 do correte.
Vivan Michell, capttao da barca inglesa Edilh
Hartan, fara' leilSe por coala e fisco de quem
perlencer e por lutervenclo do agente Ollvetra,
precedida a oampetenle auihonsacao do Illm. Sr.
inspector da alfaodega, era presen??, de um empre-
ado desta repartilo e do Illm Sr. cnsul de S.
M. B., de cerca S00 saccas de algodao ensacado
100 saceas a granel, e da pequea porcao de as-
sucar existente em cerca de 2,000 saceas, todo
avariado e salvado de borJo da diu barca, recentemente pegara fopo ueste porto
Terca-feira 12 do corrate
as 11 horas da roaolia, no armatera alandegado
Baro do Livramento, Loloao largo da asseat-
bla provincial, no Forte do Matos
IiGILAO
De movis novos e usado*
Cordelro Smeos
por ordem de oiversos fara' leilao de movis
vos e usados, roobillas, planos, espelhos te.
Amanha 12 de cor eite as 14 horas,
no arroaiem a roa da Cadeia do Redfe a. 19.
no-
Dej
LEILAO
oas de ou-ro cora brka*-
etc t ele
tes, piano*, ^.,
(Para liquidar.)
Por con de nm estraogeiro qne ce retira
Europa, isio
Terca-feira 12do corrate
a roa da Cadeia o. 19, as 11 oras.
Santo Ar itoaio, 8* Joo-e'S
Pedro
Na rea nova de ; Santa Rita, confronte a ribeira
do pe te, sobrado de azulejo a. 13, 3* andar, pre-
param-se encorn asadas de bolos de todas as (jua
liddes para os d jas de Santo Antonio, S Joo e
S. Pedro, assim somo de pudhas, po-del, fcoli-
nhos e nandeljas cora as mais legantes armaeCes
para casamentos e bailes, todo por preco comino-
de e com a malor proaptide o aceto que gossi-
vel-enoeotrar-se. _^__^_^________
IfTENCA
Fugio do engeaho Rola urna serava mulata
com os seguales signaos: osUtara regular, ca-
bolio aeaboclado, o dedo indei da roo dipeita alel-
jado,-falto de dentes na freete, muito astaciosa,
cosuima intitular-so torra, e este*e 'fgida qaasi
um aano uos arrabaldes da viHa da Escada :
quema appreueoder qoeira lavar a ra da Cruz
m 55, ou ao seu senhor Pedro Barbosa da>S*lva
no dito eogenbo.
"AttempSo
Jos Germano de lloara com preasa de algodo
no Porte do Matos a. 18, avisa aos seos freguazes
o amigos que Ihe qoiierem honrar cora os seas
algoddes que bavera' toda cautela ao peso e o
melhor preco do mercado na dassiticaco dosle
1 genero. ___^__ _____________
**ra
LEILAO
De urna burra (cofre) francesa
xm perfeito estado
Sexfa-feira 1S de junho.
Por intervencao do agente Pinto, as 11 12 baras
m pon o, em sen escriptorie a ra da Cruz a. 38.
Leilao
DE
Precisa-se de um caixeiro, a tratar aa raa Impe-
naln.37. '
O abano assignado pretendendo faier a sua
residencia ao engenho Peres, aluga sea sobrado e
sitio na povoscao de Afogados.
Manoei Joagnijod} Reg Albaqaorqoe.
- A'uga-se ama preta boa engomaaera e
com outras mais qaaiidades, proprias d mucam-
ba: quem pretender dirija-se a Prssedes da
Silva Gosmao, na rna Dlrelta.
Precisa.se de urna ama forra oa eserava para
casa de tres -pessoas : aa ra do Hospicio n. 62.
Precisa-sede amuraa : na ra dampera-
triz, n. 80.
Antonio Centeio Lopes subdito portuguez vai
para o Para.___________________
Abel Mara da Roeba, suodito portuguez, re
tira-se para o Par. _______________
Deseja-se saber da Sr* D. Mara Ribeira da
Figueira, a negocio de sea interesse, e pe- isso ro-
ga-se a dita seohora oa a quem della soa&er, o 1a-
vor de dirigirse a ra do Vlgario n. 19, l andar,
Dese|a-se fallar ao ex-cadete Lucio Correia
de Mello Brasil, ha pooco chegado do Rb de Ja-
neiro, e qne perteacen ao 4 corpo de voluntario
da patria a negocio de sea interesse, na roa do
Queimado n. 27, loja de fazendas._____________
Na ra do Qneimado por cima da toja
de cera, vende-se um fardamento completo
dar official.
Um grande sobrado de um andar sito na ponte
e cba, em:frente ao sitio do Sr. Dr. Aagasto
Frederico de Oliveira, com 2 salas, 6 quartos, cosi-
nba ora, estribara, galinheiro, magnifica vista
sobre o Capibanbe, ptima estrada de rodagem na
frente e terreno para jardira e arvoredos.
Urna cafa terrea no mesmo lugar n. 16, Junto
ao sobrado, com 2 grandes salas, sendo a da freo-
te forrada de estuque e ladrilhada a marmore.com
terrajo caberlo, a quartos, cosioha fora, galinhei-
ro, quartos para pretos, lagar proprio para estri-
bara e coeheira faltando so a coberta, encana-
mento d'agaa do prata, deposito e baohelro de ci-
mento, coberto, arvoredos e estrada de rodagem na
frente.
Sexta-felfa 15 de junho.
O agente Pinto legatmeote autorisado fara' leiio
dos dous sitios cima indicados na ponte de L'choa
n. lo e 16, as 11 horas do da snpradito em su es-
critorio ra da Cruz n. 38.______________"
De
u;ii,io
casas, a saber
263.
Urna casa terrea na ra Imperial n.
Urna dita na ra do Forte o. 26.
Urna ditana ra da Soledad n. 6i.
Sexta-feira 15 de junho as 10 horas.
Por intervencao do agente Pinto, em sea escrip-
torio ra da Cruz n. 38.
LEIL\0
Da metade da casa da ra da Ponte n. 2.
Uraa casa na ra de Coraco de Jess n. 9.
Duas ditas na raa da Barra de Guarabira.
(Na provincia da Paranyba.)
Sexta-feira I& de junho'
agente Pinto fara' leilao a reqaerimento
admioisjradores da massa fallida de Manoel
Azevedo Pontes e por despaedo do Illm. Sr. Dr.
juiz especial de commercio das casas terreas ci-
ma mencionadas pertencentes a mesma massa, as
l l|2 turas do dia cima dito em sea escriplorio
a' ra da Cruz n. 38.
AVISOS DIVERSOS
dos
de
Cvailo fgido.
Ha & das que fugio da rna da Hospicio n. 31,
um cavallo rasso, i niel ro, andador de baixo a meio,
tendo um loblnbo no suvaco esquerdo e no direito
-sigoal de ter sido carado do mesmo mal, bebe em
braneo e levoa ao pescoco um pedaco de corda de
linbo com que eslava amarrado : Iquera o pegou
aaetra leva-Io a casa supracilada que sera recom-
pensado. _________________________!
Criado.
Precisa-se de nm criado de 10 a 12 annos : na
roa Direta n. 68, Io andar. _______'
Arrendase o engenho Floresta, sito na fre-
guetia de Santo Amaro de Jaboatao, quera o pre-
tender dirija-se ao propietario na raa Nova n. 60
3 andar.
Alaga-se uma sala de (rente cora camarinha
propria para escriptorlo ou para bomem s, alu-
ga-se mesmo com a mobliia; a tratar no Gamboa
do Carmo n. 19 1 andar._________________
'Q abaixo assignado, vendo nm anouncio no
t Diario de Pe ruara Puco n. SO, de sexta-feira 2 de
marco de 1866, avisa ao respeitavel publico que
a Sr" Candida Mara da Conceigo fugio da miaba
companhia com o Sr. Bernardino dos Santos Ribei-
ro, que foi mea carroceiro, e tambem tioha tirado
9000; ao mesmo tempo chamo a diu Si* Candida
Mara da Conceicao para Ihe tomar conla do que
Ibe tocar, no praso de 30 dias ; e ao mesmo Sr.
Bernardino dos Santos Ribeiro para ajustaras nos-
sas contas, e neo vindo Qcar o annuncio qne a
Sr* Candida Maria da Conceicao fez publicar sem
effeito algara. Recfe 7 de junho de 1866.
Januano Antonio de Lima.
C\S\ P4R4 ALIG4R
A ioja da ra do Caldetreiro, sobrado n. li, es-
t para alugar pelo mdico alagael de 165, tem
dous grandes quartos, cozinba, 2 salas, e bem pre-
parada de limpeza por acbar-se caiada e pintada
de novo: os pretendentes procurem na rna do Im-
perador n. 75 ou 36, 2 andar._______________
Acba-se justa e contratada a taberna da tra-
vesea dos Aconguionos n. 2, livre e desembaraza-
da de impostos e outra qualquer transaccao com
merciai que possa naver com o mesmo estabeleci-
mento : quem se julgar com qualquer direito haja
de se apresentar no mesno estabeleciraeoto, no
praso de tres dias. Recife 8 de junbo de 1866.
Precisa-se de uraa ama forra ou captiva para
comprar, cozmhar e engommar, para casa estran-
geira de pequea familia : na ra Nova n, 50,
loja.________________________________
Jos Maria GoocMves Pereira, subdito portu-
guez, vi i a Portugal tratar de curar-se, leva con-
junctamenle o sen criado Jos Freir de Aodrade,
Compra-se um sobrado em bom es-', tambem portuguez._____________________
tado.de um a tres andares, as ras se- Aluga #oe a parte de uma casa: na
guintes: Cadeia, Cruz, Trapiche, Impera-' ra das Aguas Verdes n 92.
dor, Crespo. Cabug, Nova, Queimado, Cru- precisa-se"alugar_uma eserava debons
zes, Livramento, larga do Rosario e Hor- MStimes para o servico oterno de casa de
quem livor de.te carta fechada com as famUia 0Q*'um moIeque de. idade de 12 a
14 annos ; a ra do Sol n. 21._______
Precisa se alugar uma ecrava que tenha
boa conducta e sem vicio, que seja boa engom-
madetra: na ra das Cruzes n. 36, primeiro an-
dar, paga-se bom ordenado.
" Fartaram do engenho Trombetas, da estriba-
ra ao arnanhecer do dia 8 do correte junho, dous
cavallos, um cachito grande com as duas ruaos
brancas at os joelhos, p esquerdo calcado, listra
branca na testa, jma malha na barriga, raoito bom
andador de baixo al esquipar, faca; o outro
ruco, castrado, de bom tamaito, grosso, andador
de baixo at esquipar, ambos sao mullo liberaes no
andar, e andam muito bonito; pertencem a Jos
Gorgonio Paes Brrelo no engenho cima dito.
iniciaesA. C. E. na livraria n, 8da'pracada
Independencia.
Na botica e drogara
DE
Bartotlwmeo C.
34Ra do Rozario Larga34
VENDE-SE
Preparados da America
Do Dr. Radways s
Pilulas reguladoras.
Prompto alivio.
Rezolutivo renovador.
DoDr. Ayeir:
Salsa parrilha.
Pilulas catharticas.
Xarope peitoral de cereja.
De Lammam & Kemp.
Verdadeira salsa parrilha de Bristol.
Pilulas assucaradas.
Pastilhas vermfugas.
Ole puro de gado de bacalho.
Xarope pectoral de aoacahuita.
Agu florida.______________________
Quera annunciondar 1 000J sobre bypothe-
ca dirija se a rna do Nogueira n. 26, 2* andar.
LOTERA
aos e:oooooo
Corre quluta-felra 14.
Acham-se venda na respectiva thesou-
raria, ra do Crespo n. 15, os bilhe-
tes, meios e quintos da 3a parte da 6a
lotera a beneficio do theatro de Santa isa-
bcl (67.a). sendo a extracto no lugar e ho-
ra do costme.
Os premios de 6:000*000 at 100000
sero pagos uma hora depois da extraccJo
at as 3. horas da tarde, e os outros depoii
da dislribuicio das lisias.
As encommendas serSo guardadas so-
mente at a ooite da vespera da extracto.
O thesoureiro,
Antonio Jos Rodrigues de Soaxa.
Cotinheiro.
Precisa-se alagar om eseravo que cosinhe pela
menos o trivial de uma easa : a tratar na rna do
Trapiche n. 44, segando andar.________
ATTENO
O confeiteiro Zacaras residente i-roa de S.
Francisco b: 42, onde offerece-se a apranptar qaal-
qaer qaanlidade de bollos, bandeijas pra bailes,
casamentos-bem como arma-las do mdbor gosto;
tambem lera venda doce de caja' seccae com cal-
da, prepara-bollos para as festividades deSanto An-
tonio, S. loso e S. redro; faz tudo con a malor
presteza e acelo. e mais commodo do qui era outra
qualquer parle.
CAIXEIRO

Altenca .
Ka ru Nova n. 39, loja de ferragens^. rdcbero-
se.encommendas de fogos de todas asqualidades
para o grande divertimento das notes de -Santo
Antonio, 3. Joao e S. Pedro, sendo estas encom-
meodas teitas a vo'ntade dos pretendentes,______
Casa de comattsse de aseravos na rna do Imie-
rador. n. 45, Icrcciro andar.
Recebem-se escravos tanto, do mato como da
praca para serem vendidos por commissio, afflan-
ca-se o bom tratamento e seguranza para os mes-
nos. 0 abaixo assignado nao poupa estorbos afim
de'os vender com promptido, nesla mesma casa
ba sempre para vender escravos de ambos os sexos.
* Antonio Jos V. de Soma.
Antonio Luiz de Oliveira Azevedo & C. tem
para vender no sea escriptorlo, ra da Cruz n. 1,
vnbo do Porto em caixa de dazia, fio bamburguez,
oola da Bahia superior.________________
-r- Arrenda se um sitio no lugar daPiran-
ga, com trras de plantar epasto, e varias
arvores de fructo; na ra do Imperador es-
critorio : n. i%,_____________________
iiagenho para arrendar.
Arrenda-se o engenho Quilombo, em Santo A-
maro de Jaboatao, o qnal tem muitas e excellentes
trras e ptimas matas : a tratar na rna do Seve
(Iba dos Batos), sobrado confronte ao chafariz.
Menino
O solicitador Pedro Alexandrino da Costa Macha-
do precisa de um rapaz de 12 a 14 annos para ser
ajudante : a tratar na raa Direita a. 68, primeiro
andar._________________________________
Club Pernambucano.
Domingo 10 do cor rente ha ver reunio
familiar.
A LEGITIMA
SMFABBILM
CASA DA FORTUIk.
Aos 6:000^000.
ntlhete* garantidos.
A' RA DO CRESPO N. 23 E CASAS DO COSTUMS
O abaixo assignado vendeu nos seus muito feli-
ces bilhetes garantidos da lotera que seacabon
de eitrabir, a beneficio da matriz de S. Jos do
Recife, os seguales premios :
N. 2886 tres quintos com a sorte de 6:0003.
N. 1413 bilbete inteiro com a sorte.de 1:200,5.
X. 3289 bilbete inteiro com a sorte de 200J.
E outras muitas sortes de 100*, iOJ, 20*.
Ospossuidores podem virreceber seas respec
tivos premios sernos descontos das leisnacasa
da Fortuna roa de Crespo n. 23.
Acham-se a venda os da 3 paru Ja. 6?..lo-
tera (67a) beneficio do tbeatro de Santa Isabel,
que se extrabira' quinta-feira 14 do corrente.
PRECO.
Bilhetes .... 6*000
Meios......3*000
Quintos.....' 1*200
Para as pessoas qne compraren! de 100(5000
para cima.
* Bilhetes.....5*300
Meios......2*750
Quintos.....1*100
Manoel Martins Fiuza.
Na ra do Livramento n. 10, loja de
Fonseca & Arruda, precisa-se de uma
ama para cosinhar.
Ana para rasa
.Prectsa-se de ama ama para lavar, engommar e
fer para duas pessoas : a tratar oa rna de A
pollo n. 9.
Precisase alagar algnns escravos para o ser*
vico de arborsacio da eiiade : a tratar ao arma
zea da roa estrella do Rosarlo n. I._________
Prec isa-se de nma molber forra de mala ida
de que seqoeira prestar ser ama a fuer eom-
pachia a ama seniora; a tratar na raa do Qoei-
mato n. 69.
- Precisa-se atugar qqja eserava josa para
Iervlr de ama secca a ama menina ; na raa do
msperador o. 2?.
No dia 8 do corrente junbo, fugio da casa do
abaixo assignado, a preta Maria Joaquina, nago da
Costa, com os signaes segaintes; Idade 50 annos,
ebeia do corpo; com signaes de bexigas oa coasa
semelbante no rosto, anda corcovada e vagarosa,
e como puchando de um qaarto, trajava vestido
encarnado ou escuro, challe preto, e nm chapeo de
sol braneo, quem a levar a ra Nova de S. Rita n.
19, e no Afogado a Manoel Bento de Mendonca,
recebera' a competente graUocaco.
Desappareceu no dia 2 do corrente da casa
de D. Marianna Angosta da Rocha Bastos, o sea es-
eravo Raymando, mulato escaro, cabellos carapia-
hados, corpolento e gordo, com pouca ou oenhuma
barba, 22 annos pooco mais ou menos e que repre-
senta ter mais, por ser bastante corpolento, tem
os dentes Inteiros e tem nm dos bracos marcados
com letras o signaes: quem o aprehender leve-o a
sua senbora na rna da Aurora o. 42, que ser re-
compensado.
LOGRO.
O abaixo assignado, morador na comarca do Lf-
moeiro em sea engenbo denominado Inveja,
declara, que em das do mez de mato prximo rin-
do, appareceram aili dous joalheiros, que Iba ven-
dern dous aderecos com podras, qne diziam ser
rublos: verdadeiros, mas que pelos entendidos fo-
ram qnaliicadosde falsos, por sebientos e qaaren-
ta e lanos mil ris, como consta de urna letra, qne
o mesmo abaixo assignado acceitoo, a vencer-se
em marco do aaao prximo futuro. Perianto,
vista do exposto, previne o abaixo assignado a to-
das as pecases, a que fot a presentada a letra em
questao, qne nao facam coa ella transaccao algu-
ma, porque est disposto a tentar os meios legaes
no vencimento da mesma, para eximirse do sea
pagamento, visto ccaio os objectos qae Ihe ftram
vendidos nlo valem mais de 200*.
Recite, 6 de maio de 1866.
Jo6o Barbosa da Silva.
Irmandade das almas n i ma-
triz do CJorpo Santo,
Nao se tendo reunido numero lt irisaos so dia
7 do corrente, pela grande chava, de novo convido
todos os nossos irmos a' comparecerem no nosso
consistorio na terca (eir II do corrente palas cin-
co horas da tarde. Consistorio da irmandade das
almas, 8 de jnnho de 1866.
Manoel Lolt Goocalves,
Alaga-se nm eseravo coilobeiro : quem pre-
clsar procure na rna larga do Rosario n. 40, pri-
meiro andar.
^-Lav?seeengornmrseronpadnomen^
senhora com perfeico e aseeio ; a tratar oa rna
da Cr do Recife p. 31, 3 andar.
O abaixo assignado avisa ao respeitavel pu-
blico que deixon de ser caixeiro do Sr. Manoel
Antonio Pereira desde o dia 31.de maio prximo
passado e'por isso vem offerecer o sea diminuto
prestimo e agradecer o bom tratamento qae rece-
beu de si e de sua Exm.* familia dorante o tempo
de 2 annos e 10 metes incompletos. Gameleir
4 de junho de 1866.
________Jesoino Francisco das Cbagas.
Vende-se na abobada da Penba n. 37, macas pa-
ra^bolpspreparadaswmjnaitaperfeicaoe
Pede-se ao Sr. Joao Baptista de Nepomnceno
de vir ajostar contas com o sen ex-patro, trazen
do o quaderno de laocamentos qae comsigo con-
dnzio ; na roa do Hospicio n. 28.___________
Precisa-se de uma ama para cozinbar : a
tratar na rna do Crespo n. 18,1 andar, das 9 as 3
da tarde, oa na rna nova de Santa Rila n. 69, ni
ima casa.______________________
Quem se Julgar credor do finado Joo Jacio-
tbo Pereira Cabral qae residi nesta praca de Per-
nambaco, haja de apresentar seas ttulos de divi-
da e procuracao bastante na liba de S. Miguel, pa-
ra tomarera conta de uma porcao de trra qne o
dito Cabral comproa a nm tio qne morava a Pao
d'Alho. Tendo a procuracao de venda appareci
do ba pooco tempo e o procurador qu jjp*a os
poderes de assgnar a escriptura devndo/saber
qae o dito Cabral torrera V. tlnfta eredore, en-
tregon a dita procuracao ao abaixo assignado o
qaal esta' com todas as formalidades, assim como
tambem existe a dita Ierra e o rendimento deil
em poder do mesmo por ter sido procurador ao
dito vendedor. A trra podara valer 700* pooco
mais oa menos, o rend meuto e mais certa quan
tia qne existe na mao do abaixo assignado que s6
elle quem sabe, excede de um cont de ris, is-
to o valor da trra e o dinbeiro.
Francisco Ferreira da Silva.
Precisa-se alagar din eseravo para t riblbar
para
da Conceigo
so-
em prensado algodao : na ra
brado o, 8, se dir.
-* Nos abaixo assignado participamos ao res-
peiuvel publico e principalmente ao corpo do
commercio que amifavelmenta dissolvemos a so
ciedade que tinhamos no deposito da roa do Pilar
em Fora de Portas n. 76, qae gyrava debaixo da
firma de Bento Jos Correia & C, ficando o mesmo
deposito de hoja em diaate perteocendo unicaaien
te ao socio Beato Jos Crrela. Recite 6 de Jando
de 1866.
Bento Jos Crrela.
. ioaquim Jos da Silva Sanios.
Precisa-se de, urna ama torra oo eserava, nrefe-
rindo-se eserava, para comprar e cpilnbar, pan se
bem : a tratar na loja da raa Nova p. j|, ^
^ AvisoT"
Rogase ao Sr. Tbomaz de Figueiredo a boada.
de de appareeer na roa da Prla p. 23 %' traur oe.
gocio de sea inleresw.
DE BRISTOL.
PREPARDA.UIHCAMENTi; POR
IA3SA \ k KEIP,
4 NOVA YORK.
Composta de substancias, gozando da
propriedades eminentemente depurativas a
approvada.pelas juntase academias de me-
dicina ; usadanos principaes bospitaes, ca-
via militares e da marinba as Antilbas e
no continente americano ; receitada pelos
facultativosos mais distinctos do imperio de
Brasil e c a America bespanbol
CURA RADICALMENTE
escrophulaa, rheumatismo, escorbuto, en-
ermidades venreas e mercuriaes, cbagaa
antigs, morpbea e todas as molestias pro-
Tenientesii'um estado vicioso do sangue.
Emquanto existem varias imitares e
falsificacos. preciso a maior cautela para
evitar os engaos,
A legitima salsa de Bristol vende-se por
CA0RS & BARBOZA
JOO DA C. BRAVO & C.
Joao da G. Bravo & C.
Deposito geral em Pernamc ac rna da
Cruz .t.1 em casa de Caros
MRITIMOS
CONTRA FOGO.
A companhia Indemnadora, estableci-
da nesta praga, toma seguros martimos so-
bre navios e seus carregamentos, e contra
fogo em edificios, mercaderas e mobilias :
na ra do Vigario n. 4, pavimento terreo.
i:ngomma-se
com asseio, promptido e preces motivis
Augusta n.S, loja.
na roa
Em casa de Tbeod Christansen, ra do Tra
piche-nove n. 16, nico agente no norte do Brasil
de Brandenbarg frres, Bordeanx, eaeontra-se ef-
fectivamenie deposito dos artigos segaintes:
St. Julien.
St. Perre.
Larose.
Cbateau Loville.
Cbatean Margaux.
Grand vio Cbatean Latte 1858.
Chateau Lafitte.
Haut Sauternes.
Chatean Santernes.
Cbateau Lataur Blanche.
Chateau Yquem.
Cognac em tres qaaiidades.
Azeite dece. Precos de Bordeaux.
O Peitoral de Cereja,
DO DR. AYER,
Para a cura radicat. e cer-
ta de todu as laoleatlu do peito
e da garganta, totses, constipages,
Broncliiti-, asma, defluxos, roqul-
/ dio, Coqueluche, ngna, Diptlicria.
Kste xarope peitond c o resul-
tado de longos anuos de estudo
por um dos prlmclros mdicos da
America do Jfortc, e le experi-
encias minuciosas nos principaes
bospitaes do mundo; receltado pelos mdicos mais distinctos
(liste fculo na sua clnica particular, por tanto c digno de toda
conf.anca, 1, por ter eficaz, atcaocando com tima certeza infal-
Ivel o asiento da molestia e arrancando Ihe as ralzes, assim
dando aos oreaos aOotados urna aeeio natui-al o si:2, por
ter innocente e ttpplicaml a qualquer pettoa de qualquer idade
ou sexo, ao hornera robusto ou criaaea da raals teara idade,
cada frasco tendo aceorapanuado de dlrreco5es minuciosas:
3a, e ultimo, tor nio ter um remedio tecreto, i ois qualquer med-
ico ou phamiaceutico pode obter a formula da sua composlcao,
dirigindo-se pessoalmente ou por carta oo agente geral, 11. 31.
Lase, a rna Direita No. 1S, iio de Janeiro.
Jluitos ciisos qne tinho zombado de todos os recursos
da sciencia tem sido curados radicalmente com o uso do
Peitoral de Cereja.
As pessoas atacadas de tostt, dcflwioe, Dor da garganta,
Bronchite, ama, etc., e ontros symptomas da tsica prima-
ria pe raimen te fazcm pouco caso do sea padecimento at
que seja tarde para cura-lo. Nio desenideis d' tima tosse
perqu agora parece de pouca importancia ; nma tosse
descuidada chega a ser chronica e induz a formaco de
Tubrculos nos palmees.
Nenhuma casa de familia deve estar sem nm frasco
dste xaropil mo ; pois nos aUqiies repentinos de
Anana, de Croup, e nos paroxismos do Coqueluche; on
tosse compriila a qne esto sujeitas as enancas, nao ha
tempo de chamar um medico, ncm de fuer remedios, c
este xarope alivia immediatamente e pe o filho querido
sao e salvo, fora de perigo.
As molestas que esto ao alcance das virtudes curativas
do rBITOMAJj DE CEREJA. sao
Dafloxoa, Toases, Asma. Esquinencia, Bronchite,
Ooquluohs, Toas* ferina ou (onvTilsiva.
Beqoido, Todas as molestias do peito
garganta. Oonsumpeao don Fot.
moas ou Tialoa pulmn ir.
Acba-se era todas as Boticas Drogara do Imperio.
Punais Catharticas do Dr. Ayer
ctteAo
PrtM a> ventre, ludigetti, ContHpaqo, Sheu-
maUtm, Memmorrhoidm*, Vir a> eaiwca, A. Xnrmt
ftm, mal do estoatao, Etuta^ueea, mtml a> Elfmtt,
tieutrUe, In> geutro htpmtivm, XoatoiHovx. Eryip-
ella, Hydr<>pita, Incremento do tmf.
Totas as raelesUas que proTem do uo ezeaMiro Ido
Quinino.
0 mlhor purgante at hoje conhecido.
Estat piulas assucaradas sao puramente vegitaes.
ttfmao z ptramcAO sxx icaujraio.
A renda ASIITE KKAL,
H. X. LAHU. Boa Direito No. 15.
Bit) de Jan#tro.
Vende-se em Pernamtnco:
na
-1PHARMACIC rRANCAiSt
g^SBHA^

pr
FABRICA A VAPOR
99 RA DO MONDEGO 99
Deposito na ra Nen n. s# loja de relojoelro.
Delouche dorios desta estabelecimento paYtecipa ao respeitavel publico qne sua fa-
brica est montada com as melhores machinas que existem na Europa, e qne pode
fabricarcom melhor perfeicJo posare!. Todo o chocolate desta fabrica est garantido, e
puro, o que nao se pode encontrar naqpee que vem de fora, e qne se vende por preco
baixo, visto os productos serem do paiz. Na etiqueta tem sempre uma aguia.
PRECO.
Meia libra......... 400
Uma libra......... 800
Uma arroba........19^000
Na mesma fabrica acaba de se montar uma officina com serrara a vapor para
obras de roarcineiria propria para edificio, para o que encarreg >se de fazer portas, ja-
dellas, assoalhos (parqu francez como se usa na Europa,) e arma^oes, tudo com brevi-
nade e perfeico. Toma-se qualquer eucommenda para fra da cidade, entregando-se
prompta a collr-se no lugar.
CJOEIilfO ds FREITAN
Ra da Cruz n. 10.
Cc>ntinua a baver diariamente um sortimento de pastis, podios, bolos inglezes,
empadas etc., etc. Os donos deste estabelecimento, acbam-se as melhores condices
de poder satisfazer encommendas concernentes sua arte, em consequencia do socio
Freitas ter sido administrador chefe de algumas das princii aes fabricas na corte, sendo
uma a do Sr. Joao Goncalves GuimarSes (confeitaria do Le5o) antiga casa de Carceller.
Todos os trabarnos sao diferentes dos que se fazem em casas particulares.
Os proprietarios deste estabelecimento nao se tem poupado a despezas, nem se
pouparo, se houver concorrencia como esperam ; tendo continuadamente bom sorti-
mento de doces para cha; presuntos e ditos em fiambre, tambem se recebem para se-
rem preparados ; assim como doce de caj novo superior, secco e crystalisado, dito em
calda em latas hermticamente Jechadas, podendo durar annos em perfeito estado.
Para jantares e partidas recebem-se encommendas dos seguintes objectos; ban-
deijas ricamente enfeitadas sem armaco pecas de amendoas (nogaces), ditas de tmaras
de ovos, p5es de l enfeitados com disticos anlogos a qualquer fim; di ios montados,
kechs simples e enfeitados com fructas ingleza; gatheaux de la reine, ditos de le d-
chese, tortas de fructa, massa folhada; ditas de peixe e carne; cretnes e doces de ovos
de diferentes especies.
Tambem tem um completo sortimento de vinhos engarrafados, como sejam: vinho
do Porjo superior, Figueira, Madeira, Lisboa, Cberez, Bordeaux, Champagne fino, ser-
veja, licores, charopes e conservas. Para festas: bonitas caixinhas com amendoas, con-
feitos e mais enfeites. Muitos destes objectos mencionados podem-se perfectamente ac-
condicionar tanto para a provincia, como para fra.
FIGURAS
Acabam de receber bonitas figuras para bandejas de doces, sendo grupos para
baptisado, casamento, annos, dilla a phantasia, bonitos enfeites para bollos e circular pra-
tos de doces finos, tudo por precos razoaveis.
Vende-se licores em duzia muito em conta.
i"
sS'
r5 s
s; s
* *-
O O jo
w i*"95^
"O o Q =<= o
w a> K
5 < 8 Bi- S
p 2 ?S a g.5 g 9
o S-p 2!2
a a Bga g-
re,CH5 o S O
3 B.ogsB
I Q IA
tB p
- O.
2 o.
3 -t
5aBg=;|
_ a ai n n
?'So,<3 =
OBa,S = wrao
o- S g / S s
.8-5-38
as
5"5
a, a
B
7
s-il-
o ^.x
os ~ =
"O t B
E "
. trt T3 P
5- l85
a>^aT
MAURER|sC':
^ c 3. t -.
2 -3
w<
lf
os
O -. a,
,l!
i-i twU
S ce B E a s
.51
1
9
a-
as as os 8
o cr2.
t 3 > Q.
- T -i o
Para a lo|a da rna do Crespo a. 19.
Padroes linissimos e o seu prejo de 7S0 rs. o covado oa 1*280 r$. a vara.
A elles Excellcnlissiiuas antes qu se ar aben.
Fogo fogo
V LLA 00 LIMOEIRO. I
50*000. }
A easa villa d-ra ba poneos mezes um esera-1 Valdivioo vo fgido, intiiulando-se lina e com o norae de' ca| na lina r)o Marultn, se acha rom porcao de
Manoel, em companhia de uns italianos e allemSa, fogot do ar de sorte J postos as fleaaa, a espe-
e abi eslivf rap aiendo cigarros, e ba dons meies; ra de festejar os dias que Uver noticias de qualquer
qae se retirou.. Elle rooito preto, enoulo, mnito triampho aasnoss armas dralrodoffamait; todo
ladino e babil, falla bem, pedreiro, bebe e as aquelle qne Uver a mesma satisfacao dirija-se ao
veres mallo, lera' 40 anoos, de estatura ordita-' armazero de sal da roa Imperial n. 221 pooco am
ra, cabeca Boa, rosto afinando mnito para o quei- da fabrica de sabo
se inferior, olhos nao grandes, vivos e vermelhes
tem no rosto uns caronchos com as ponas ver-
melhas como eepionas muito proouiciadas, e pare-
ce que kan baiigas, piu por m las perras
qaando anda, secco, espadando, de bracos gros-
sos e de muita orga o sea verdadeiro nome
Gregorio : sen Eenhor o Dr. Alfonso de Albuqaer-' n. S607 da lotera, duas letras, scodo ama de 150*
qne paga 80* e as despezas da conduelo a quera e outra de 200*, lendo asta nm recibo de 100*000
apprebender e Ihe fizer entregar em sua casa, na
roa estreiu do Rosario n. 34. *
Precisa-seda um caixeiro de 12 a 16 annos:
na roa do Pilar n. 135, taberna.___________
-^ Na roa do Livramento o. 8, paga se cem mil
ris a quem achou ou indicar qoem'achou ama
carteira costeado 311*000, dow bilhetes uro de
Precisa-se fallar com o Sr. Amonio de Al-
meida Oliveira : na roa da Cruz n. 23, primeiro
andar.
Precisa-se de nm feitor : passando o quar
general o primeiro sitia.
Urna ama e um criado.
PreeJu-M de orna ama qne saiba c ozinbar e de
nm criado, forros oo captivos, preferindo-se estes,
paga-se bem : a tratar a rna do Hospicio o. 56.
PrMra d wra ama pira eoxinhar e com
prar para duas pessoas: na ra da Cadeia n. 1
armatem.
:s
e om bilbete de relogio n. 16391, passado pelo Sr.
Gerntano.
IMMLWLTnmXmmWmt fiK KaaVaS fl BTiil
FaBRfClWN.mS.MD.mrJO H
aa HloTaji. I. m
Ahi se encontraro obras de di- ag
8 versas qualidades, e por preco mui ''
diminutos, a retalho e em porcoes. H
S se vende a dinbeiro. M
BaaWaVMaatt Jbaac awfeavawaaK aWaOika
mBTwmmWWt P*Wi DM
Na ra do Crespo n. 18, segundo andar, pre-
cisa-se de uma ama de laite.
m

i
- N

I
I


1
Diario de r ernambuco Segunda felra 11 de unho de 1866.
:-------____.__l_________.
___
MACHINAS AMERICANAS
Verdadelrai do fafcrteaate M. Y. Canttongin C.
americanos para moer oiilho.
Na ra Nova D..Q a 22, grande deposito
das ferdadeiras machinas americanas de todos
os fabricantes; se en contra neste deposito
grande poroto de machinas, e se vendem por
menos preco do que em outra qualquer parte,
por se receber em direitora da America; se
fornece todas as explicacoes necessarias ao
comprador para' conservado das mesmas;
neste grande estabelecimenlo se encontra mili-
tes artigos americanos, que muito deve agra-
dar aos agricultores que usam de taes artigos,
encontra-se tambem todas as collecces de de-
senhos sobre os quaes se aceita qualquer urna
encommeoda, que com promptidao ser execu-
tada; neste grande estabelecimento, encon-
tra-se em grosso e a retalho, gr;nde porcSo
de ferragens, e miudezas que se vendem por preco commodo, pedindo-se a atteDClo
de todos para este estabelecimento que muito lucrarao em fazer sois compras: na
ra Nova n. 20 Carneio Vianna.
------------
FABRICA
NACIONAL
DE
v limos
Estabelecimento na rua a Uniao n. 11
PROPRIETARIO MAHOEL LOMBOS.
No deposito, ru* do Carmo b. 63, existe am grande soriment de vidros e crvstaes, que se
vendem por precos mais baratos do que em qualquer parte : frascos de 1 at 8 libras, bocea larga
bocea estreita ; copos de 6 cortes, de mela oitava at r.ieic qnartilbo ; ditos de 10 cortes, de ns. 1 e 2:;
globo para lampeSes de kerosene, lavrados, lapidados e (aseados; ditos paTa candleiro-de gaz ; lam-
peoes de keroseoe grandes e pequeos, lamparinas de metal; vasos para confeitaria com p e sem
elle, grandes e pequeos ; chamins para lampeoes dekerosene de todas a dlmensoes; compoteras
moldadas de cortes largos, escarradeiras de cores para salao, ditas de ame com aza, pequeas ; vento-
sas ebichewos, calixes moldados, copos lisos para age, e vinboK pratos moldados, redomas, garrafas
para vinho e agua, grandes &pequeas, ditas para Leroy, ditas para 'licores, ditas para minas,ditas
para agna de Colonia, ps para pianos, brancos e de cares tubos para'machinas a vapor, de erystal;
globos com guamieo de mettl amarello, mantegueiras de vidro, vidros avulsos para galheleiros 1apiT
dados, vidros para lampadas de igreja, galhetas paramissa, ditas pawigalheteiros, mangas para cas-
ticaes lisas, lvradas e lapidadas ; lampeoees de parede para kerosene, itos de peadarar; copeo-gra-
duados *4e 1 ate 16 ongas para pbarmacia, garantralo-se a exaetidao da medida; vidros para -penes
com p e sem elle, azucenas para casticaes, ctiamras para lampeoes de azeite, ditas de cores para illa-
miaacoes, viprospara agua forte com rolba. Compram-se vidros e erystaes quebrados.
O deposito -desta fabrica em Pernambuoo na rua da Imperatriz n. 19, ostie existe constante-
menle chamins para candleiro a gaz de ns. t e 3 a 320 rs. e de n. i a 400 rs., lemparinas completas
a 2, lampeoes completos a 7 e 8j, escarradeiras de cores a 800 o par, pratos para copos d'agua a
SOO rs., copes de-dez cortes a 0 rs., globos lapidados e lavrados para candleires a gaz a 1-1800. O
proprietario desie novo estabelseimento convida ao r espeitavetlpablrco para qnevisitem o ntesmo, cer-
tos de qae comprarap os arlaos indispensavets-a* ama casa de familia pela sua barateza e uiiltdade,
principalmente aos Srs. pbarmaeeuticos pela grande quantidade de frascos e vidros proprios de pbar-
reacia. Tambem recebe encommendas. O encarregado do proprietario Joo Loiz Encrenuaz.
GE
FAZENDA E RQPA FEITA
UA \OYl M 24.
Reg & Moura, proprietario da Ioja de fazeadaee roupa feita, sita rua Nova
n. 4, verdaderamente peaborados e reoonnecidos para com seus amigos efreguezes,
pela aceitado e confianza que delles tem merecido no curio espaco de tempo em qae
se acham es tabelecidos e perfectamente sondados na sinceridade dos seus tratos, decla-
ran para sriencia daqaelles que o qutzerera honrar com seus offieios, que, em vista da
grandecencurrenciaque temrmerecido o seu estabelecimento, especialmente noque
relativo a roupa feia ; acabam de admittir para a sua officna de alfaiate maior numero
de artistas, inclusive o seu eooiramestre, -dirigido pelo hbil mestre Lauriaoo .Jos de
Barros, o qual no-se poupa a-esibre^s para-satisfazer com -a presteza possivel-quaiquer
bra de encommenda.
Oe mesmos annunciam aos seus freguezes que acabam de comprar um novo e
muito variado sortimento de /azoadas finas e de bom goslo, proprias para o tmpo da
quaresma, as quaes esto disposiee a vender.por precos mutto coinmodts e mat6 barato
que em outra qualquer parte.
Como sempre escusamos -essa enfadenha prolixidade dos annuncios bombsti-
cos; preferimos mostrar na singeleza deste nosso convite os bons. desejos que nutrzaos
pira bem servimos quelles que vieremao nosso reelamo.
4mMLBmm
Aiieuco.
Na rua da Imperatris n. 6, 3 andar, existe ama
carta vlnd da Europa para os Srs. Drs. Antonio
Joaaim Mbraes e Silvf e Jos Beroardu Galvio
Alcoforado.
Na paca da Independencia, d. 33, Ioja da
ourives, compra-te ouro, prata, e pdras preciosas,
e tamben se fax qualquer obra de encommenda, e
todo e qualquer concert.__________
. r- Trooam-se ooUs do banco do Brasil e das
caixas flliaes com descont rawavel : na praca da
ndependencia n. 2-2. _________________
Ama de leite.
Preclsa-se de urna ama de leite; na praca do
Corpo Santo n. 17.
COMPRAS
Compra-se
urna escrava que seja boa figura e que satba bem
eagommar, nao excedendo de 25 annos e idade;
e piga-se bem : no escriptorio de Vicente Ferrei-
ra da Costa de Filbo, roa da Senzala n. 138, on em
seo armatem junto ao arco da Conceico.
Gompra-se ama secretaria de Jacaranda
mogno, o de amarello, na rna Nova n. 7.______
Ouro e prata.
Bm obras vlbas : compra-se na praca da lo
dependencio n. 82, Ioja de bHhetes.________.
Libras steUmas tompram-se na praca fla
Independencia n. Si.
Compra-se orna borra de ferro, iogleca ou
roesmo das antigs; oa roa Nova n. 31._______
Compra-se oa prensa de alpodo de Saunders
Brothers <& C. sementes de algode a $00 rs. por
trroba.
i i
Compra-se um bom seliim inglez em segun-
da mao, paga-se bem : na rna Bella 'n. 22.
Compra-se ooro, prata e podras preciosa
ensobras velhas : na rua da Cadeia do Recife
c^i de ooriyesno arco da Concei5ie.
Compra-se urna escrava de mela idade, sem
vicios, e qae saina engoramar, lavar e cozinbar :
na rna do cabug n. 2, sobrado.____________
Compra-se ouro amoedado notas da calxa
filial do banco do Brasil na Babn : na roa da Ca-
dea do Recife n. 54. _________
->- Compra-se um sitio peqiseno, ou urna casa
com quintal grande fra da cidade : na ra dos
Pires a. 34 se dir qnem compra.__________
Gompram-se tijolos de marmore que ja' lenha
algum aso, e qae estejam em bom estado : na rua
do Hospicio n. 38.
Compra-se ama escraea para o servido interz
no de urna casa, que costabe e eogomme, sem vi-
cios e nem achaques: no pateo do Paraizo n. 10-
A 9500 pagamse
ladependencia.22,g a
as libras : ia praca da
Compra-se ama carroca em bom estado para
trabalbar com cavallc : a tratar na roa do Apollo
18, armaiem de assacar.
VENDAS
Ividente m sortes lidas por
urna sonmbula.
Vende-se oa iivraria da praca da Inde-
pendencia n. 8 a i(jl cada exemptar, iambem
na papis da mesma a 80 rs. cada um.
4ossrs,1cadeic6s
E* baratissimo!
E' baratissimo!
E' baratissimo!
Nesie Importante estabelecimento encootta o res-
peitav!! publico um variado sottltteQlo de fazea-
das ,ricezas, inglezas e suissas, e as quae's se ven-'
derfc ,por prego commedo a saber:
Chales de renda preta a 5500.
Vende-se um sortimento de (hales de renda pre-
ta a 53300 e 6 ditos de seda a l, 14* e 16 ;
isto na rua da Imperatrlz n. 72 de Guimaries & Ir-
mo.
Retondas pretas a 8 Vende-se retondas pretas pelo barato preco de
8*, 8*oO0 e 9*; na rua da Imperatriz n. 72, luja
de Gnirnaraes & lrroao.
Grande pexincLa a 2,5 o corle.
Vende-se cortes, de casemlra da China a 2*000,
2*800,2*800 e 3*. ditas de brim a 1*280, l*i00,
*W0, 1*800 e 2*.
C muito barato, larlatana de cores a 240
rs. o covado.
Vende-se um grande sortimento de larlatana de
cor;s muito proprias para vestido, fazeoda mais
moderna qae tem viudo ao mercado a 240 o cova-
do e 230, ditas mais finas a 300 e 320, laasinhas
escoce tas muito modernas a 360 e 400 rs. o cova
do, ditis muito unas 460 e 500.
Cobertores, de algodSo a 800.
Vende-se cobertores de algodo a 800 rs. ditos
aminores a 1*600 e 1*800, cobertas de chita a 2,
Quem duvidar venba ver.
Cambr; ia de eores a 240 rs. o covado dita Qoa a
280 e 320 chitas finas a 280, 300, 320,360 e 400
rs., ditas percalas a 400 e 500.
Est so acabando chitas a 160 rs. o cotado
Vende-se chitas a 160, 180 e 200 rs. o covado,
Jbcadiiibos franceies a 240 e 280 rs. o covado, roa
da Imporatrix n. 72, de Goimarees & Irmao.
Lencos brancos a 2$ e 2500 a dutia.
tos Ataos- 8* e 3*500, ditos d linbo a 5*000,
K*500, 69 e 7*.
Cambraia branca i 3;>.
Vemle-se am grande sortimento de cambraia a
3*, 3* 300,4*, 4*500 e 5*.
Balees a 2^1.
Vende-se baldes de arcos a 2*. 2*500 e 3*, di-
tos americanos a 31500 49 e 4*500, ditos de rr.ur-
celina a 5*, 5*500 e 6*, ditos para meninas a 4*
e 4*500; islo na rua da Imperatriz n. 72, Ioja de
Guimaries & Irmao.
a 3<5000 o corte.
a 3j>000 o corte,
a 32(000 o corte.
Vende-se cortes de lia com 12 covados a 3*, di-
tos Anos a 3*300 e 4*. ditos a Mam Pia a 7*500
85,8*500,9* e 12*, grvalas finas para horneas
a 640, 800 e 1*000, mantas muito Unas a 1*200 -e
1$400; isto na roa da Imperatriz n. 72, Ioja de
Guimaiees 4 Irmao.
Roupa Mta.
Roupa Mta.
Neste importante estabelecimenlo encentrarlo os
fregaezes um completo sortimento de roupa feita
assim c.-omo palitot, calcas, camisas finas a 1*600,
1*800, 2* e 2*500. ditas de linho a 3*, 3*500, 4*
e 4*500, cortes de brim, ditos de casemira de co-
res e (.retas, seroolas de algodao a 1*600 e 1*800,
ditos de linbo a 2*, 2*500 e 3*.
Isto na roa da Imperatriz n. 72, Ioja ______Gimares e irmaos._______
Sortes para Santo Antonio,
S. Jo&o e 8. Pedro.
Veodem-se na offleina de encadernacao n. 15
da rua do Imperador, tanto em lolbetos como em
avolso.
Grande Liquidaco de Fa-
zeudas
Ariuazem da Arara roa da Im-
peratriz O. 56.
Fardlo.
Veaoe-se farello superior de Lisboa, recente-
mente llegado : no escriptorio de Manoel Ignacio
pe Oliveira e Filbo, largo doCorpo Santo o. 19.
Vendem-se as seguintes obras de direito
com pouco uso : Manuel du Droit Romain
\m Mackeldey, 1 volume por 4; Diccio-
naire du CotOeraiem. Commerctal, for Mas-
fi, 1 volume, por 5& ; Elemento du droit
romain, por Mayo*, i volume por 4$; -
prit de la jurisprudence des uecessions,
por-Conflans, 4 vol-ume, por 4^', Code pra- ,
porjjtf; na ruado Crespo o. 4. fabrica peBtes de alisar com costas de mttal
de chapeos de sol.
MtAL SEN SEGlIDO.
Roa do Qaeinado a. 49
Est disposto a continuar a vender por preco
qae atados admira queiram apreciar e vir vr para
crer.
Vendem-se
DE
Roupa feita e por medida.
26 Roa rwova *. 26.
Jos Antones Guimaries, proprietario deste novo estabelecimento de roopas e
fazendas finas, participa ao respeit&vel publico em geral e a todos os seus freguezes,
que estando suaeaea sobre a direco dedoudoe melhores mestres de alfaiate, sendo um
delles o Sr. F. E C. Miranda, e o outro o Sr. Ji. J. G.^Carneiro, ambos com grandes
habilitages tendentes a sua arte, pelos quaes dirigida a sua officina, e acbando-se bem
montada a desempenbar qualquer encommenda por grande que seja, 6e esforcar para
sah ir a contento dos freguezes, endendo todo por menos do que em outra qualquer
parte, roga as pessas inieressadas que venbam examinar seu estabelecimeoto. e aerificar
por si mesmo o que deeiara. sendoentregue qualquer encommenda no prazo de 2
beras.
a 500 rs.
Pecas de tranga Usa de todas as cores a 40 rs.
Capachos redondos e corapridos a 500 rs.
Pnlcelras de contas para senhoras a 500 rs.
Caixas de papel amizade a 600 rs.
machinas amencanas de serrote para destarocar Quaderaos de papel multo bom a 20 rs.
algodao: na rna da Seeiala iNova n. A gentes Me tartaruga a 2*500 rs.
Pprh nrlm Realejos para meninos a 100xs.
_ _, f 'WtTitfta i EscovaB para limpar denles a 200 rs.
Wa wa oa Gloria o. ^3 vende-se urna escrava i Baralh s.muito finos a 200 rs.
mo;a com habilidades, sendo para o mato, e a ra- Caixas de,p de arroz muito superior a 800 rs.
zao por.qae se dir ao comprador : para ver e Caixas de-lioha do gaz SO.novelIcs a 700 rs.
tratar das. 6 as_9 horas da manbaa._____ Caixas d lamparinas para tres mezes a 40 rs.
Venide-se um bonito moleque de idade'13 Caixas de obreias de raassa a 40-rs.
annos, duac escrava que loznham o diario, -orna Gr*as de botfles de louca a 160 rs.
oegrae ama fcoDita muleea de idade 14 e 20,an- EDcdores de-cordo e fita a 60 rs.
nos; oa ravessa do Cormo d. 1. Pecas de fita e eos com 10 varas a 320 rs.
'Cartas de aliirwtes francezes a 100 rs.
a uta
da idade do Porto.
Contendo o palacio de erystal, nova
a e diversos melboramentos posteriores
acham sea' veuda.na Iivraria econmica,
d>: arco de Sanio AbIouo.
Plaa
Libras de alfinetes francezes 1 qualidade a 2*.
Pegas d<) tranca ranea e de todas as qualidade a
60 rs.
Novelkis de linha com 400 jardas a 60 rs,
"DMos ditos com 200 jardas a 30 rs.
i Caixas com alfinetes a 20 rs.
alfande Pares de luvas branca e de cores a 400 rs.
a" 44; Grvalas de todas as qoalidades a 500 rs.
defronte Resmas de papel al maco superior a 2*400.
______I Cateas redondas com estampas a 100 rs.
Lwros para assento de roana lavada a 100 rs.
Bunecos do choro muito bonkos a 160 rs.
Frascos de superior agua de colonia a 400 rs.
Loureneo P. Menees Gomaraes.
Cliitasfda Arara 160 rs. o covado.
Vende se chitas escoras e claras a 160 e 200 o
covado, corles, e ditos a 2-5 e 2*400. Rua da
imperatriz Ioja da Arara, d. 56.
Cassas fnncezas finas a 240 o covado.
Vende-se c.i--:.- ra&c.z.is (loas a 280 e 320
o covado. Corle* dajanasa a OO e 3*. Roa da
lmperainnoja, tftf-Am* r. ;<;.
Arara vende cHitSs frjni>eas a 240 rs. o
covado.
Vende-se chitas francezas escuras com pequeo
toqoe de mofo a 240 o covado, das francezas finas
rargar a 280. 320 e 400 rs; o covado. Roa da Im-
peratriz o.-56.
Bretanha de rolo a 3J600.
Vende-se pegas de bretanha de rolo a 3*000.
brim izo para lenges a 500, 560 e 640 o covado.
Rua da Imperatriz Ioja do Arara n. 56.
Cambraias lizas do Ararla 35i00 a peca.
Vende-se pegas de cambraia finas a 3*, $*, e
5*. Rua da Imperatriz Ioja do Arara n. 56.
Arara vende cobertores a i^SOO e i #000.
Vende-se cobertoresa 1*000, ditos finos de pel-
los a 1*500, cobertas de lista 2*000 e 2*400,
cobertas de damasco 4*000, cobertas de fasto a
51000. Rua da imperatriz Ioja do Arara n. 56.
MadapolSo francet do Arara a 30009.
Vende-se petas de roadapolao francez de 12 jar-
das a 3*500 e 42000, vende-se pegas de madapolao
inglez de 24 jardas a 4*, 5*500,6*, 7* e 8*000.
Roa da Imppratriz n. 56.
Arara vende pecasdealgod3ozinhoa3j5000
Vende-se pegas ae algodozmho encorpado a 3*,
4*, 5*, 65 e 7*. So na Ioja do Arara vende-se
azsim baralo^rua da Imperatriz n. 56.
Laasinhas do Arara a 200 rs. o covado.
Vende-se laasinhas para vestidos de sentiora pelo
barato prego de 200, 240,320 e 400 rs. o covado.
Rua da imperetriz n. 56.
Baies do Arara a 2*000.
Vende se bahldcs de arcos a 2*000, ditos finos
de 20, 25 e 30 arcos a 3* 3*500 e 4*, ditos de
mursulina para -enhe-ra a 5*, ditos para meninas
a 35 e 35500. Rua da Imperatriz Ioja da Arara
n. 56.
Lencos da Arara a 2JG0O.
Vende-se a dozia de leogos brancos a 25000,
ditos com barras tambem de cores a 2*000. meias
cruas para nomens a 2*400, 3*500 e 4*500 a du-
zia, aberturas para carnizas a 500. Rua da impe-
ratriz n. 56.
Roupa feita por medida.
Vende-se paletoi- de panno e de casemira pretos
e de coros a 4*, 6*, 8* e 10*, caigas d- brim a
2*, 5*500, paletois de brim a 2* e 3*, caigas de
casemira de cores a 3*, 5*, 6*, 8*, ditas pretas a
4*, 6* e 8*, Marisas francezas finas a 2* e 2*500,
camisas inglezas de prega larga de linha a 3*,
3*500 e 4*. Ceroulas de algodo a 1*, de brim a
1*600 e 2*, roopa feita para escravos propria para
servigo, caigas e camisas a 1* e 1*120. S na
roa da Imperatriz Ioja da Arara n. 56.
Arara vende as sedas a 15500 o covado.
Vende-se sedas para vestidos a 1*500, oreandins
fines para vestidos de senbora a 640 e 800 o co
vado Roa da Imperatriz Ioja da Arara n. 56.
Vovo sortimento de perfumaras
* unas.
Cbegou para a antiga Ioja de miudezas a rua do
Qneimado n. 16.
Bonitos vasos de porcelana dourada com banha
moito fina.
Outros ditos de p de pedra com dita.
Garrafas com superior agua ;!a Colonia.
Frascos com agua balsmica para denles.
Dito de dita deolifrice.
Dito de extracto de quinquina tambem para den-
tes.
Dito eom superior agua flor de laranja.
Dito de dita flor de rosa.
Dito de dito vinagre de Venus para refrescar a
pede.
Dito de dito agua ambriava para banhos do ros-'
to, corpo etc.
Dito de superior agua de Colonia ingleza, de Pi- i
ver e Lubin.
Dito de excedente banha de Lubin.
Sabonetes de Lubin, e outros de amendoa, trans
prente, etc.
Cusratlique (oo pomada) de superior qualidade.,
Finos extractos, frangipwe, sndalo e outros
tambem de finos e agradaveis cheiros.
Opiata ingleza e franceza para dentes.
Bonitos vasos com p de arroz e pincel.
Caixinbas com aromtico p de arroz.
Oleo inglez. dito philocome, babosa e outras qua-:
idades para cabello.
Cbromacome para Ungir cabellos.
Essa apreciavel tiutura chegou para a Ioja de,'
miudezas a rua do Quimado n. 16, assim como o
abnete braoco, para se lavar os cabellos antes de
se usar da preparago.
Gabazos de vidro cjdi pe fumarias.
Vende se esses bonitos cabazes de vidro
CALCADO-
45 fua irea 45.
A primeira condicSo indispensavel con-
servado da sade Irazer os ps bem de-
fendidos contra os ataques da bumidade;
calcado bom e seguro o nico preserva-
tivo dessas mil enfermidades a que asta so-
jeito o nossoeu. Um chnelo velho cal-
cado por um dandy patuscante, ou urna
botina acalcanbada em pequenin.p de en-
cantadora deidade alm de aecusar que-
bradeira horripilante, prora contra asidui-
dades intelteciuaes dos calcantes, e nao na
quem, tendo bom senso, qoeira passar por
maluco, ou pobre de surrao : ergo, cor-
ram a:
44RUA DIRE1TA4*.
e attendam a' barateza.
Homens.
Borzeguins barcellonezes de lus-
tre e de porco .
Ditos de Bordeanx ....
Ditos parisienses de bezerro e
cordavao .......
Sapatos de lona, sola de borra-
cha.....; .
Ditos aveludados .
Dito- de tranca bons. .
Senbora
Borzegnm enfeitados". 50000
Ditos de lago ....... 4800
Ditos lisos ....... 4500
Sapatos de borracha .... 1.5600
Selleiros, corrieiros e segeiros I
Sola de lustre, meios grandes 200000
E um completo sortimento de calcado fa-
bricado nopaiz.
.
60000
70GOO
80000
20000
10600
10600
Grande armazem de tin-i
B tas medicamentos etc. 1
Roa do Imperador o. 22.
gloo Pedro das Aeres (ge-2
* reate) teta a venda o *
seguate:
Productos cbimicos e pharma- H
JH ceticos os mis empregados em M
es medicina. i
Tintas para todo o genero de pin- !
* tura e para tinturara.
Productos industriaes e tintas m
m para flores, como botoes de flores W
i e modelos em gesso para imitar itf
fructas e passaros com o compe-
tente desenlio. 2|
Productos cbimicos e industriaes W
para photographia, tiniuraria, piu- n
tura, pyrotecnia etc. 3|g-
Montado em grande escala e sup-
prido directamente de Pars, Lon- '
dres, Hamburgo, Anvers e Lisboa ?
pode offerecer productos de plena M
confianca e satisfazer qualquer en-
commenda a grosso trato e a reta- |g
lbo e por prego commodo.
*^****-i:, l
Rodelas de borraxa
proprias para alar massos de papis, e para -er-
virera de ligas para punbos, manguitos, etc. rtr.
Vendem-se na roa do Quimado loia d'acuia ti-
ca o. 8.
*M
m
Mui finas cartas
i francezas, cora cantos dourados, e sem domado,
j Vendem-se na rua do Quimado Ioja d'aguia r-..
ca n. 8.
Envelopes azu^s
300 rs. o cent..
Veodem-se na rua do Queimidc Inja d\> ::
branca n. 8.
Apparelhos de porcelana
dourados e pintados.
Na rua do Quimado Ioja d'aguia branca n. 8
veodem-se bonitos apparelhos de porcelana tara
almoco e jamar de brecas.
Bonitos quadros
para retraios.
Vendem-se na rua do Quimado Ioja d'coia
branca o. 8. -
Perfumara ingleza
A agua branca rua do Quimado n. 8, receben
um novo sortimento de finas perfumaras ice -.
de I. Gosnell & C.; sendo exlractos dos gratfa-
. com per-
fumarias, proprios para presentes, etc.; oa rua do
Qaeimedo Ioja de miudezas n. 16. i vels Cheifos Bonn da Rainha Victoria7doT>.T^r-
iatas e COpOS COm batilia filia, | to, do imperador Napoleao, da imperatriz Euger:a,
A bem conbecida Ioja de miudezas a rua do i Uarlbaldi, Miss Lind, Joch Club, frangipane, .-ac
Quimado n. 16, acaba de receber as estimadas la- dal. e'c. etc.
las coro banha fina, assim como copos de vidro de 2leo Guo para cabellos.
novo e bonito molde, com tampo de vidro e cheiros:
de excellente banha. Receben igualmente a pro-i
veitose banha iransparente que mnito serve para'
acabar as caspas, e a aromtica e agradavel banha I
japoneza e outra*. Os pretendentes dirijamse a
dita Ioja de miudezas a rua do Quimado o. 16,1
que sero servido a contento.
tSffluel Fewer JohnsUn Companliia
Rua da Senzala Nora n. 4.
AOBNCIA DA
Fuadieao deLow Moer.
Machinas a vapor de 4 e 6 cavallos.
Moendac e meus moendas para engenhp.
Taixas de ferro coado e batido para enge-
ra o,
.rreios do carro para um e dons cavalloi.
Rlogios de ouro patente inglez.
Arados americanos.
Machinas para descarcear algodio.
Motores para ditos.
Machinas de costura.
Companhu ndelidade de seguros
martimos e terrestres
estabeLecida no Rio de Jaueiro;
AGEHTES BM PEKNAMBUCO
AoltiU LiU t Oliveira Axeve k C,
competentemente autorisados pela direc-
tora da eompaohia de segares Fidelida-
de,toaum seguros ie navios, mercado-
ras e predios oo seo escriptorio rua da
Croi n. i.
mmmmmm %mmmmmm
S AVISO S
m Fogio a f de abril do correte anno m
s; o eseravx} Juo, cabra claro, ropreseota S
jfc ter la annos, um pouco fcaixo, corno re- f^
me dolar, ps e maos um pouco grossos, na- |
IR riz alila4o. resto eoroprido, pouca barba, W
^ cabellos earapmbos, hombros largos, tal- j|
2K la mansa, eom algsuna proza e diz qae M
^ forro, este escravo oi encontrado em Ga- 2
ranbuns em eamiobo para o serio, pre- Wb
S sume-fe que eeteja anda em Garanboos
oo em seos suburbios por ter coobecidos,
foi escravo do Sr, Amonio Corrie da
H Rocha Muniz, de Garanhuus, e remetlido
g pelo Sr. Pedro Chave ao Sr. Manoel fii-
| beiro de Carvalbo com Ioja de fazendas
na rna do Quimado para ser vendido ao
Recife, protestase contra quem o tlver
oceulto : quem o pegar e levar ao seu se-
nnor Jos Perelra de Miranda Cnnbi, roa
da Imperatriz o. 15, Ia andar, alm de se
0 pagar as despeas o graticar com ge-
nerosidade.
da Cidade de Lisboa.
Cooieodo o 'aterro da Boa-vista, estacSes dos
caminaos oe ferro, circunvalaco e todos os me-
lboramentos posteriores a 1843, dividido em bair-
ros e rrepnezias, publicada no anno de 186i :
achara-sea' venda na Iivraria econmica defronte
4o arco de .Santo Antonio.
Vende-se o segointe T l" mobrtia" de amarello
nova, competa de l cadeiras, 5 consoios, i sof,
1 mesa redonda, 2 cadeiras de braco, 1 mesa de
jamar, 1 cabtde francez para deitar roupa, i cesto
de palha da lodta, 1 lampeo de gaz, 2 pequeos,
i palmatorias de porcelana dourada para vela*, 2
recostos para sof. 1 apparelho para cfaa, meio dito
para janlar, 1 bandeija, facas, galfos, colheres. co-
pos, calix, salvas, fl.adres para assacar, cba. malte,
ete, eie., de ama familia que se retira para
a tratar na travesea d j Pocinno n. 37, casas
Cassas de cores
pedMocha, porque sao Onas e bons padrSes, e
melbor inda o diminuto preco de .380 rs. o cova-
do : na Boa-vista, rna da Imperatriz n. 20.
ATTENgAO
Vend-se palha hamborgueza recenlimente che-
gada, para empalhador, por preco mais commodo
do qae em outra qualquer parte : na rua de Hor-
tas n. 13.
Cal de Lisboa.
Desembarcada do brigne portognez Constante 1L,
vende-se por barato preco : no escriptorio de Ma-
noel Ignacio de Oliveira Fiteo, largo do Corpo
Santo n. 19.
Opiat para penle.
Agna da Colonia.
Sabonetes fiaos creroe de amendea para bar i
ramas d'aco inglezas
douradas e sem a ser.
madoeg"U Mra- 'ja d'S8Ua branca roa d0 '
JM-
maao d. 8, um excellenie sonimento de n>Vna
Boaqiiel dos alpes, e> inglezas, dooradas e sem a S" JortaT3&
Esse fino e agradavel extracto, vem em um bo- 52?"^ ex/"^a. conlinua-se alende- !v I
nao vaso de po de pedra e este dentro de urna ele- W ^ "J*5* a caua.
eu-,
fra
do Bartboiomea.
Attenco.
Pogio no dia 3 do correte o preto Manoel, de
oa^o Congo, de idade de 36 a 40 annos pouco
mais on menos, c un os signaos segaloies: sitara
baixa, cara bezigosa, olhos grandes, corpo secco,
cabellos preto e pona barba, levou vestido calca
de casemira cinzeata, camisa de algodSo de liitra:
roga-se aos Srs. capites de campo ou a qualquer
pessoa qae o pegar leva-lo a' roa do Quimado o
71, qae aera recompensado.
Bernardino Pioto Celho, avisa a quem ceo-
vier que deixou de fazer parte da sociedade qae
liaba oa venda da roa do Baagsl n. 10, que gi-
rava eom % firma Pimeota 4 Coeiho, tieando de-
sooeraikvse qdaiqoer responsabilldade, frsjo qoe
a casa nada deve. I
**** ********
INJECglQ CAPSULAS
VEGETAES AO MATICO
ORIMALT & C. PHARMACEUTICOS DE PAHIS
Novo tratamento preparado com as folbas
de mtico, arvore do Per, para a cura rpi-
da e infallivel da gonorrhea sem receio al-
gum da contracc9o do canal oo da inllamma-
c3o dos intestinos. O clebre doutor Ricord,
de Pars, tem renunciado, desde sua appari-
cao, ao empergo de qualquer ootro trata-
mento. Emprega-se a injec?3o no comeco de
fluxo; as capsulas .em todos os casos ebroni-
cos e inveterado, que resistram s prepara-
c5es da| copahiba eas iojeccoes com base
metlica.
para
Vende-se um naulaiinbo com idade de ifc
aoaos, proprio para pagerr, e tem algoma habil
dade : na roa do Moodego n. 4.
^aiag bordadas
Chegaram a Ioja de Paredes Porto, ricas satas
bordadas, que *eudam-se a 4*300 e 5* : oo arraa-
temda portt larga n. 52, rua da Imperan iz.
kemedios de Dr. i. C. Ajer, ex-lente
da llniversWade de peasylvana, oes I Kr Z*StodeStoPer "
UM ORGANDYS BRANCOS"
o Villar com Ioja a' rua do Crespo S
a. 17, padroes liodisslmos e vende a 730
rs. o covade oa 1J280 rs. a vara, a ellas
Kiejilleotissimas antes que se acabem
H*
S. Antonio, S. Joo e S.
Pedro.
Veudeoi.se batedeiras e alguidares da fabrica
trbalboe raojtit. mata ioucas que. tem
de
Precisa-te de wv$ a juros
ce nm eteraw: quem tjver aoon'ncie oeste jornal. Iqttaftidades superiores a f2 duzias.
sobre b.ypotheca
Estados-loidos.
Extracto compon to de alsa-par-
rllha de Ajer.
Peltoral de eereja.
Remedie para lezSet.
Pl I lilao cathar ticas.
O deposito central para as provincias :
Pernambuco, Alagoas, Parabyba e Rio-
Grande do Norte, deales remedios t5o fa-
voravelmente conhecidos e acolhidos em
todas as partes da America do Sul e do
Norte, acha-se em casa de Theod Chria-
t la a sen, 16 rua do Trapiche em
Pernambuco.
Os presos de
t3& por duzia de estracto de salsa-parrllba.
27)) por duzia de pettoral de eereja.
70 por duzia deremdio para sazoes.
7i5 por duzia de plalas catharticas
e enteodem dlahelre vlei> c^m
a descont de 5 por cento em qoantidades
de.a 12 duziat, e de 10 por cenio em
deposito e pode vender mais b-
rato do que todos: no pateo do fergo o. l
Ressa Seako a da Cama e a gariesa
SaifAraa.
Bst a' venda defronte do convento de S. Fran-
cisco o. l! a novena, salve, versos, e a exposicao
ao banto escapulario, tres folbetos por 500 rs., e a
novena di gloriosa Saot'Anna em 1 dito por
320 rs. *^
Vencem-se urnas partes de casas nesta cida-
de : quem pretender dirija-se a rua da matriz da
wa-visu i. 26, Ioja, ou a roa do Hospiclft o. 23,
gVqoe achara' com quem tratar. _______
Vinho de jurubeba
gante caixiaba de papelo, de forma que a perfei-
go de urna cousa corre?poode a supertoridade de
oaira. sse apreciavel extracto acha-se a veuda .
oa rua do Quimado Ioja de miudezas o. 16.
Agua florida e tnico,
Vendem-se oa Ioja de miudezas n. 16, rua do'
Quimado.
Frascos com gomma arbica dissolvida
e pincel.
Vendem-se na roa do Quimado loia de miude-
zas n. 16.
Tinta. indelevel para marcar roupa.
Vende-se na jua do Quimado Ioja de miudezas
fl. 16.
Fita elstica para cs de bal5o, e aspas de
ac paja os ditos.
Vendem-se m rua doQoeimado ojademiade-
zas m 16. _
Bonitos entremeios e babadinhos bor-
dados.
Vendem-se por barato preco na Ioja de muide-
zas o. 10 na roa do Quimado.
Tinta rxa e azul que ficam pretas.
Na ioja de miudezas n. 16 a raa do Quimado,
vendem-se frascos grandes e menores com essas
excellentes tintas, rxa e azul para ficar preta; o
preco dos frascos 15000 e SOO
Graxa econmica em latas e barrilsinhos.
Vendem-se oa Ioja de miudezas n. 16 a rua do
Quimado.
o
di
MlLATHA PRL\
DADA
Vende-se orna mulalinha de Idade 17 annos, ha
pouco vmda do Maraohao, que engomma, cozinba
i e cose : qnem a pretender comprar dirija-se a rna
! do Crespo n. 20 B.
E- R- Rabello tem para vender no seu escrio-
lorlo na roa do Trapiche n. 44, segando andar o
segnlnte: '
Vinho medeira superior em eaixa de creas duzias
I de garrafas.
dem do Porto idem em ancorlas.
Nem de Lisboa e da Figuelra.
Cera em velas.
Tinta azul e preta
tinta rocha e preta.
Estas tintas cojas excellentes qualidades ja' s
bem conhecidas e apreciadas pelos entended re
acham-se a venda oa roa do Quimado Iojadaeua
branca n. 8. h
Lacre fino de cores
v ,. com CDeiro e se"> He.
?i J*, a*nJa braoca a roa d0 Quimado n. 8
vende se lacre flno encarnado aromtico e n>
ser ; dlo verde, e amas calimba* com ditos
cores pelo barato preco de 300 rs. cada urna. '
Papel inglez
em eamnhas.
Ka Joja d'aguia branca a' rna do Queimadc n. 6
vende-se desse superior papel ingiez em eaixitha*
Luvas de camursa
brancas e amarelias.
Veodem-sd oa raa do Qneimado loia d'acuit
branca n. 8. .
Meias pretas para padres
Vendem-se na rua do Quimado loia d'aguia
branca o. 8.
Aspas largas e fortes
para barao.
Veodem-se na roa do Quimado loia d'aciiia
branca o. 8. fc
superiora todos os tnicos conbecidos contra a
aoemla, chloroge, bydropesia. obstruecodo abdo-
men. E "mbem empregado oos casos da mens- .
woaco difflcH, nos catarrbo,da bexigactc Depo-' Veodem-se travs e enxaras de Massaram-
5!nn* ^ lcd0 Pinl rni ,,rg* d0 Horioo. 10, duba e caibros de mangue, por preco commodo :
oo juradu, Hio de Jaoelro, do Claudino ou Ala- a tratar oo Caes do Ramos n. 24.
goas I j ___
a :-------. ---------------------------i-,. I Panno de algodo da Babia para saceos de
Clfa r ras antl-asthmatlco de dtoy ssacar e roupa de escravo, vende Antonio Luiz
A violencia e a ruetco dos accessos desta mo- de 0li"elra Azevedo 4 C, no seo escriptorio raa~
lestia sero preveoiiss, Impedidos e corados com
i o wo consume oeste remedio \ botica do Pinto
'rurdofl.;g.irio largan. 10.
da Crnz n. 1.
Vende-se ole de ricino em latas de 30 li-
bras : na roa da Cadeia-veiha oo Recife o. I.
Fogos
de artificio
. Ha ffr*n<*e porcao de fogos de artificio na conhe-
cida fabrica da viuva Rnflno, o qaal vendido por
commodo preco, e como seja penoso ir l pela dis-
tancie, as pessoas que quizerem fszer suss encom-
mendas para S. Joao e S. Pedro, as podem deixar
no armazem da bola amarella, no oito da secre-
tarla da polica, onde havera' um portador para
ir buscar e levar ao logar couveuclonado.
Aas agpicaltores
Sauoders Brothers C acabam de receber Je
Liverpool vapores de torca de 3 a 4 eaaallos com
lodos os perteuces, e mu proprios para fater mo-
ver machinas dedescarocar algodo, podendo rada
vapor trabalbar ale com 140 sertas, tambem e r-
vem para enfardar algodio on para outro oaalau-r
servico em qae asam trabalhar- cem animae^ Os
mesmos tambem tem a veuda machinas america-
nas de 3$ 110 erras: os pretendentes dirijam-
se ao largo do Corpo Santo o. 11
GAZ.
No armazem da roa do Imperador n. 3 oo no
Caes de Pedro II n. 2, tem para ,*eudre o me>
bor gas existente no mercado.
llEEJUrl H

M i^


4......

E_2
Diarlo de PermaMbaeo Segunda Iislra 11 de Jpnho de .1866.
0 que oscupa hoje mais a attenc&o do mundo
econmico? o novo systhema do proprietario do ar-
mazem de molhados
UNIO MERCANTIL
53 RA DA CADEIA 53 u
FASSAXDO O ARCO DA COffCEIXlO.
Que surge de novo hasteando a bandeira da modicidade de'precos em todos os
seos superiores gneros.
Que o publico reconheca as vantagens que de tal systhema lhe resulta, e o que o
proprietario do sitado armazem deseja, e a que desde j o convida : passando tambem a
notar-lhe os procos de alguns dos gneros do seu esplendido sortimento, e para os quaes
4TTEN0O
Cometa de mflho braaco americana.
Esta excetlente gomma, multo'se recomcommenda como o aliaaenio mais.subs-
tancial e saudavel; servindo nao s para papa (no que superior de toda as outras
gommas o-farinbas) mas tambem delta se pode fazer p5o-de-l, cangica, creme, bolo
francez, podim, etc: o preco de cada pacote de urna libra 800 rs., em caixa tem aba-
timen to. ,
MOLHO INGLEZ de diversas qoalMades, a
72o rs. o frasco.
MOSTARDA ir*GLEZA muito nova, a 800,
rs. o fiasco
DEM FRANCEZA a 64o rs. o frasco.
SALMO E LAGOSTIN ctaegado ltima-
mente, em latas de 2 libras, a i;6oo. rs.
cada urna.

MANTEIGA INGLEZA de superior qualida-
de a 1,28o e l.loo rs. a libra, em barril
se faz abatimento.
DEM FRANCEZA a mais nova que ha no
mercado a 61o rs. a libra, em barris ou
meios a 600 rs.
CHA HISSON de primeira qualidade a
2,8oo rs. a libra, alm desta ha muitas ou ARENQUES em latas a 64o rs.
tras proprias para vender a retalho, que SARDINHAS DE NANTES em latas e meras
se vendem de l,6oo a 1,800 rs. a libra, a 600 e 36o reis.
DEM PRETO o mais especial que tem vin- VlNHO DE COLLARES o legitimo vmho
do a este mercado a 2,2oo rs a libra.
DEM regular de l,6oo a !,8oo rs. a libra.
desta localidade, muito superior e sem
confeic5o alguma, a 800 rs. a garrafa.
QUE1J0S DO REINO ltimamente chegados IDFM MADURO o verdadeiro do alto Dou-
pelo vapor 2,4oo: ditos do vapor passado ro em barris de lo em pipa por 35,ooo
a 2,000 rs.
LATAS DE CHOURICA.S com 6 libras er-
ticamente fechadas, a 4,Soo, de barril
a 64o, a libra.
ESTRELINHA.para sopa em caixas sortidas
de 8 libras, por 4,000 rs.
VffHO VERDE do verdadeiro sumo da ova,
e o mais proprio para se beber n'este
imperio, pela sua extraordinaria fresqui-
dao e agradavel gosto a 64o rs. a gar-
iafa.
AMEiXAS FRANCEZAS em frascos de 4 e
2 libras, a 2,8oo, e 1,400 rs. em caxi-
nhas multo eneitadas com diversas estam
pasa2,eoo, 4,800, 1,500 el,3oo, reis.
BISCOITOS INGLEZES em ratas contendo
diversas qualidades a l,ooo e l,2oo rs. a
lata.
PRINCIPE ALBERTO bolachinhas as melho-
res presentemente conhecidas a 1,600
rs. a lata.
SALAME HAMBURGUEZ chegados no ulti-
mo navio a l,Goo a libra.
PREZUNrOS verdadeiro de Lamgo, a 64o,
rs. a libra, e 56o inteiro.
TRAQUES n. 1. em caixas de 4o cartas, por
8,5oo, e 24o rs. cada urna.
MARMELADA em latas del, 1 '/*e2 li-
bras a 600 reis a libra.
JALEA DEMARMELLO em latas, a 800 rs.
ERUCTAS EM CALDA pera, pecego, alper-
ce, rainha Claudia, e ginja a 64o reis
a iata.
cada um.
VINHO DO PORTO de diversas quabdades
engarrafado, inclusive o mais fino que ha
n'este genero, por 800, l,ooo, l,2oo,
l,4oo e l,5oo rs. a garrafa.
FEIJO verde e carrapato em latas emti-
camente fechadas a 600 rs.
CHOCOLATE francez em pacotes de 1 libfa
por 5oo reis.
AZEITONAS dascbegadas ltimamente de
Lisboa a l,2oo rs. a ancoreta, e 5oo, a
guarrafa.
CAF 'avado a 24o rs. a libra, 7,000 rs.
a arroba, eregular a 22o a-libra,1'* 5oo,
a arroba.
VINHO CHERRY do mais superior domer-
cado a l,5oo rs. a garafa, e 15,ooo rs.
a dozia.
MUSCATEL o verdadeiro de Setubal, a
l,8oo rs. a garrafa, e 2o,ooo a duzia.
VINHO BORDEAUX. das mais acreditadas
marcas, S. Emilion. Sant Julien Haut
Brion a 7oo e 800 rs. a garrafa, e em
caixa dednzia, a 7,5oo e 8,000 rs.
VINHO BRANC) de Lisboa de excelente
qualidade, e proprio para missa, a 800,
rs. a garrafa, ou 8,000 rs. a caixa de duzia.
MADEIRA SECO a l,2oo a garrafa, e 12;ooo
rs. adazia.
VLNHO DO RHENO superior, a 2,ooo a
garrafa, e 22,ooo rs. a duzia.
VERMOUTH de superior qualidade em cai-
xas de!2meias garrafas por 12,ooo,e
garrafas por I,2oo rs.
JA DO BLAO
Novo estabelecimento
JL DI CADEIA DO RECIFE Uf. 4*
Roupa feita de todas as qualidades
Faieudas por barato preco
Superiores baldes de mussellna com canda
Chaptus de sol balo que val 120, e o Ba'o vende a 10*?.
O Balao vende paletots de panno preto fino a U, por ter grande porgao calcas
le pvemira uneriores a 70; calca de brim branco fino a 44; madapolSo hno a 75,
ibi as escuras propnas para andar em casa a 360 rs, pa'etot* de alpaca branca; cam-
t.raiss finas Ui peca: seroula de bramante muito superior; chales de merino a 45,
KdS ortm Sendas que todas se vendem por preces insignificantes. Quem duvi-
dar venha ver.
A barateza do Balao

W.
Ricos brincos de crystai lapidados de difiranles formase cores, o que ha de mais moderno era
Pan* tambera cruzes 9 botSes para coletes; fivellas modernas de madreperola para cinto : estes art-
pos gos se vendem por
Novo e grande deposito de superior carvao de Cardiffna
Bahia.
Antonio Gomes des Santos & C., ra de Santa Barbara n. i, estao habilitados a snpprir de
oarvo, em condicSes mais favoraveis que em ontro qualquer deposito, a todos os navios a vapor que
ccarem naquelle porto. A contratar nesta com Domingos Alves Matheus.,
Sirop du
JARABE DO FORGiX
i Rata xarop est approvado pelos mal eminentes mdicos de Pars,
lH^lJlXnrfl----n iendo o melhor para curar conetipacoes, tpe convulsa e outras,
anecies dos bronebios, ittcraes de peito, rrittcftes nervosas e taiomnolenclas:
pela usna, e outra noite sao safflcientes.
0 effeiU) deste excelente xarope satistai ao
lempo o doente e o medico.
--Tfcr*A rf 3-*
- v. '^a^'j^ .-j******i Jva^imi
=
Deposito na ra larga do Rosario, botica de Barthlomeo 4 C. n. ftf.
---------1------------
^alares Royer on colares ano-
dinos
pan facilitar a denticlo das criancas e presrva-
las das convulsCes.
O feliz resaludo obtido immensas vezes pela
prodigiosa forca magntica dos colares Royer, nos
cif< de convulsoes, e dentico das criancas, tem
alinente elevado o sen bem merecido prestigio,
i j se pode dizer que estao geralmente con-
do?, e estimados de innumeraveis pais de
',i:A:tis : de uns porque do aso desses ilutares
.res viram salvos do perigo seas charos fllhi-
hto-, e de ontros porque colheram daqnelleg tio
prjcuo ezemplo para igualmenie preservar os
803; Assim, pols, a aguia branca, tendo em vis-
ta, s ntilldade e proveito desses prodigiosos cola-
re- .aodinos oa Royer, mandou vir o novo sorti-
r.i.:o que agora receben, e continuar a recbe-
lo ./ira que em lempoalgam a falta delles possa
ser funesta aos pais de familia, os quaes ficaro
cortos de os achar constantemente na ra do Quei-
mado, loja d'aguia branca n. 8.
CINTAS HAROUEZi
A loja Esperanca na ra do Qaeiaado n. 33 A,
rece leu estas cintas, que ama coas ndispensa-
vel a qaalqoer senbora ; consiste saa stilidade em
suspender a vonUde4 na por meio de cordoes,
xa cojas extremidad* ito presos clcheles qae
se prendera" a gaardaplsa d vestido : vndese por
z|oOOcada cinta ;amoscon raorpenh ia-se.t


Vende-se farioba de mandioca em saceos gran
des, recentemente ebegada do Rio de Janeiro : na
rna de Apollo n. 20, escripiorio de Camino & No-
gueira, oo no trtpkBe do Canta.
Aos Srs. fagneleiros.
Na drogara Ma rna larga do Ro-
sarlo n. 94
BARTHLOMEO & C.
Vende-se
Limallia de ferro.
Dita de ago.
Dita db dito de Leno.
3itte retinado de 1* qaalidide.
Vende-se ama pancadaria, bombo, roto, ara-
os, em bom aso, e prego comraodo: na ra i
torres n. 16, Recife.
..... "
Fraseos de bocea
larga com rol has de vidro de 1 a 1S
libras.
Vendase
na roa larga do Rosarlo n. 3i, botica de Barth-
lomeo 4 C. *
Gros de aples preto a 1)5500,1)5600, 2, 3, 3#500 e 45 o corado.
Gorgurao preto de superior qualidade a 2^500, 2^800, 34 e 44 o co-
nde .
Superiores moreantiques a 20300, 2(J00, H, 34500,' 4 e 50000 o
covado.
Bous cortes de morean;ique.
dem de gorgurao adamascados.
Bons pannos e casemiras.
SapT^pres alpacas, princetas, merinos o bombaiinas. _
Bods villudos pretos.
Grande variedade de chales de fil preto e de guipure a 5J, 60, 80,
100, 120, de 160 a 200, e de 250 a 800 cada um.
Superiores retonda* de fil-preto e de guipure a 80, 100, 120 e 250,
e de 300 a 600 cada urna.
Superiores algenenes de fil preto e de guipure de' 120 a'250, e de
300 a 600 cada urna.
. Bons chailes de seda preta.
Ditos de Merino preto bordados e outras muitas fazendas pretas que
seria enfa don he enumerar, na
IiOJT A JLS COLiOH* AS
DE ANTONIO CORREU DE VASC0NCELL09 A C.
RA BO CRBPO TS. AS
M- "$
PHOSPHATO DE FERRO DE LERAS
DR. EM SCJIEMCIAS
\ IJMFECTOR DA ACADEMIA DE PAMS.
Nao existe medicamento ferruginoso to notavel como o phosphato de ferro de
Leras; assummidades medicas do mundo inteiro adotaram-no com soiicitude sem igual
nosannaes da soienria. As cores paludas, dores de estomago, d'gestSes penosas, ane-
mia, convale scencas difficeis.'idade critica das senhoras, irregularidade na menstruaco,
pobresa do sangue, lymphatismo sao curados rpidamente ou modificados por este es-
colente composto. o conserva lor por excelencia dasaade e declarado' superior nos
hospitaes e pelas aeaderaias a todos os ferruginosos conhecidos, ao idoreto e ao citrato
de ferro, porijue o nico que convem aos estmagos delicados, que n3o provoca cons-
pagao nico tambem que nao enegrece a bocea e os den tes.
Em Paris na ra da Feuillade n. 7.
venda em casa de Maurer, e A, Caors.
CONSILTOBIO JHE&lC0:ORl]R(ilC0
DO
DR. PEDRO DE ATTAliTDB LOBO MOSCOSO,
EDICO, PAHTKIRO B OPERADOR.
3 Ra da Gloria, casiMo Fttnd3og
0 Dr. Lobo Moseoso da edastfas gratuita lee pobres todos o diarias 7 iu n
ttora da manhao, eda 6 e'iaeia s 8 obras 4a aoite, i excopco dos das tantificadoV
fkarmacUi spectl homtopathiea
Ot de carteiru
180000
240000
3&0OOO
3S0OOO
s seguintea:
PECHIAGH4 SEN
Ricos cortes de gorgurao de seda pretos adamascados para vestido com 13 metros
on 18 a 20 covados cada corte, largura de chita franceza, pelo baratisslmo preco de 50J
cada corte : na loja das columnas da ra do Crespo n. 13 de Antonio Correia de Vascoa-
cellos & O,
VERDADEIRJl AGUA MIMEKAI
PASTILHAS DOS SAES NATURAES DE VICHY.
VENDE-SE
Na botica e drogaria de Bartbolomeu & C. Ra larga do Rosario n. 34.
No mesmo consultorio ha sempre o ai
tobos vulsos, assim como'tinturas de Tariair
Carteiras de-12 tubos grant
' de 24 tobos gran^
de 86 tubos grandes.
> de 48 tudos gffefdes,
de 60 tubo gr**4*8.
Prepara-se qualquer carteira confettne o pedido que se flzer, e com os remedini
que se pedir. ourot
Um tubo avulso ou frasco de tintura de meia onca 10000.
Sendo para cima de 12 custaro os preces establecidos para as carteiras
Ha tubos mais pequeos cada um a 500 ris.
MVRS.
A melhor obra da homeopathia, o Manual de. Medicina Homeopathico do Dr JarS
doos grandes rolumes com diccionario.........* snAvvih
Medicina dofneetica'do Dr. Hering Z | ^1. !. |f Jj f fS
Repertorio do Dr. Mello Moraes..........' XjJJj
Diccionario de termos demodicina........." 3flon
Os remedios deste estabelecimento s3o por demais conhecidos e dispensan? or
tanto de serem novamente recommendados as pessoas que quizerem usar de remedioi
verdaderos, enrgicos e duraderos: ba todo tfo melhor que se pode deseiar globos da
verdadeiro assucar de leite, notaveis pela sa boa conservafSo, tiotura dos mais acredi
udos estabelecimentos europeos, a mais exacta e acurada preparado, e Dortantn a mam
energa e certeza em seus eteitos. ^ or
Casa de saude para estraves.
ReCebe-s escravos para tratar de quarquer eferttidade ou ftzer-se-lhe onalau
operacSo, para o que o nnunciante julga-se sfUcientenente habilitado.
0 tratamento o methor possivel, tanto na parte aliHjentar, oftoo na medica
funecionodo a asa ha mais de qrftro nnoS, ha umitas pessoas de eujo conceito se nao
pode duvidar, qae podem ser consultados por aquelles que deso arem mandar seos
doentes.
Paga-se 20 por dia durante 60 das e d'abi em dinte 10500.
As operaces sero previamente ajustadas, se nao se quizerem sajeitar aos procos
razoaveis que costuma pedir o nnunciante. F ^^
AR9IAZM BE I \ZI YO AS
DE
.
RCADOliROI N. 3
0 proprietario deste estabelecimento deseja chamar a attenco dos senhores pro-
prietarios para os acreditados mechanismos que continua a fornecer; os quaes garante
ser como sempre, da melhor qualidade possivel:
Macliinas de vapor
for?a de um cavallo para cima. As menores sSo mui proprias para motores de des-
carocamentos de rigodao; ellas viaja armadas e podem trabalhar den'ro de 24 horas,
depois de chegarem no lugar. Ellas levam tudo quanto preciso para o trabalho, e
diversos sobrecellentes. As machinas maioies s3o proprias para a moagem de canna,
e ha deltas que podem junta e separadamente moer canna e descarocar.- Ellas podem-
se applicar a qualquer moenda j existente sem outra mndanca do que a substituido das
rodas da almanjarra, ha tambem com moenda junta. Ellas tem depsitos d'agua e boei-
ros de ferro, e nao precisam para seu assentamento de obra alguma, qur de carapina,
qur de alvenaria. 0 tempo para assenta-las nao excede de doze dias ao mais, e em
casos de mortes de animaes ou arrombamentos de acudes, etc.. garanle-se o assentamen-
to em oito dias. Todos estes vapores s5o simplissimos na construccao, e se regem por
qualquer pessoa intilligente, a facilidade da conduccao sendo especialmente considerada,
tanto que n5o ba lugar em quenSo se possam conduzir, qor por trra, qur embarcado.
Lembra-se aos senhores de engenho que a venda dos animaes e o servico da
gente oceupada no seu tratamento os nao de recuperar da ma'or parte da despeza do
vapor, deixando-lhes a vantagem de urna moagem'certa eaceelerada; e acabando com a
despeza da compra continuada de novos animaes, e com os desgostos do trabalho que se
tem com elles.
Ser talvez desnecessario lembrar aos compradores de vapores a vantagem que
Ihes resulta de comprarem suas machinas garantidas em orna fabrica, tendo artistas com-
petentes para assentar as mesmas e eosinar a maneira de trabalhar com ellas, e j pre-
paradas para arremediar qualquer desarranjo; facilidades estas que jamis podem en-
contrar comprando-as aos simples negociantes, os quaes por falta de conhecimento na ma-
teria nem se quer podem garanti-los de que as machinas que vendem sejam proprias ou
sufficientes para, o trabalbo em que se queira emprega-las, e no caso de desastre nao
podem prestar-lhes soccorro algum.
Igualmente nao se esquecerao osmsmos compradores de quanto podem perder
em ter suas machinas paradas por desarranjos no tempo das safras, sendo que anda
quando venhara s fabricas para concertar as machinas alheias torna-se-ha preciso fazer
repentinamente moldes novos, etc. para as pecas estragad is.
-Tambem ba sempre prompto Rodas d'ugua de ferro Sarilhos com cruzetas para as
mesmas [Moendas de canna de todo o tamanbo, Rodas de espora e angulares, Paroes ou
coches para receber o caldo, Crivos e portas de fornalha, Taixas de ferro batido, fundido e
de cobre, Formas de ferro galvanisadas para purgar assucar, Bombas simples .e de repu-
cho. Alambiques de ferro. Eixos e rodas de carro. Arados, grades, cuchadas a cavallo
e filtros instrumentos de agricultura, Moinhos e forn s para fazer farinha e finalmente
todo o objecto de mechanismo de que se costuma precisar.
Na fabricaseiazem obras novas encommenda e concertos, com a maior p este-
za e solidez. 0 grande'deposito de pecas e objectos habilitam-na muito para este fim.
O proprietario ser sempre mui feliz de poder dar informaces ou esclarecimento
aos senhores quese servirem de seu pqastimo.
D. W. Bowman, engenheiro.
(ISTOIIIO AUVAIilfO
27 RA DO QUEIMADO N. 27
Madapolao francez muito fino, tendo pouco mofo, eada peca com 27 vares por
100000. ^
LSa de cores a 300 rs. o covado.
Cambjaia franceza a 260 rs. o covado.
Finos organdis a preco de 800 rs. a vara.
Lencos brancos para algibeir a 20000 a duzia.
Finas perclaras a preco de 400, 440 a 560 rs. o covado.
Ricos cortes de 13a de barra de 100 a 300000.
Chales de fil preto e outras muitas fazendas.


O oastello de Grasyille.
Tradnzido do francez por A. J. G. la Crni.
Vende-se este bello romance em qoatr
tomos pelo baratissimo preco de 30OOG
ua praca da Independencia, livraria ni.
6*8, .._
RICOS VESTIDOS BRANCOS
A' loja d fazendas de Augusto Porto & C.
i-^-Rua do Queimadoil-f#w
A' I
*
i l>-> wr
a de fazendas de Angosto Porto & C, chegaram os mais bello e moderos
vestidos brancas e bordados agnlha. ^k |MBtM
Superiores vestidos de blond coro manta e capella para noiva.
Cortloados bordados para cama* e jaoellas de 12S a 80J.
Collas de seda e de la, e seda de cores para camas.
Baldes, espartilbos, luvag de pellica e saias bordadas.
Booros, algernionel e chales de renda preta.
Sobretndos de. panno de doaf vjstas e capas de borracha.
Grsdenapoles de cores e preto, e aboiv preto de diverus qualidades.
Enchovaes para bapllsados com vestidos bordados qae ha de mais gosto oeste genero
Filos bordados, de salpicos e l3oi,,cambraias Victoria-e transparentes.
Chapeos, bonets e gorros de patha d Italia para senhoras.
Chpeos pretos de seda para borneas, e chapeos de sot :;eda ingieres.
Camisas francezas e Ingieras para hornern. menioas e senhoras.
Tapetes para sala, piano e eaina, e dito superior em p;a. r>
Alcatifas de listas, baratas pols se vende a 480 rs. o covado. ,
Breanha de liuho superior em peclnbas de 6 jardas e um pegas grandes de 30dta?.
Na mesma casa se venden sempre as melhores e mais baratas
. Esteiras da India papa for ar salas
ttJKu
u
.n
& &&&*mwmmmwm)
Novidades do Vigilante
RA DO CRESPO N. 7.
Este estabelecimento apozar de sempre
se achar bem sortido como todos sabem,
hoje mais que nunca, n5o s pelo que rece-
be de sua propria conta, mas tambem pelo
que recebe de consignacbes; parece sem
duvida que deve offereeer grandes vanta-
1 gens para o respeitavel publico tanto em
precos como na escolba dos objectos, e co-
i mo acaba de chegar grande remessa pelo
vapor Douro e o navio Solferino de
diversos objectos de gosto e proprios do
tempo dos quaes se mencionarao alguns,
por nlo ser possivel mencionar todos. 0
dono deste estabelecimento espera a pro-
teccao de todos.
Riquissimas caixinhas ornadas e com
msica propria para um delicado mimo.
Caixinhas de msica tanto de veio como
d corda.
Ricos porta joias e necessarios.
Riquissimos estojos a feitto de nm bausi-
nho -ou chapeuzinho.
Ditos em casca de noz e de outros gostos.
Leques de madperola de sndalo e de
faia e madeira.
Chaposinbos e touquinhas de muito
gosto para criancas.
Meias e sapatinhos de seda para as mes-
mas.
Meias de seda para senhoras.
Capellas e grinaldas de flores proprias
para casamento.
Enfeites e capellas de muito gosto, para
seuhora.
Riquissimos porta boquets.
Boquet de flores com urna borrachinha
com cheiro.
Luvas verdadeiras de Jovin.
Ditas de seda e do Escocia.
Riquissrmas plumas e guarnig3es.para
enfeitar cbapos.
Contas e tubos da ac branco, que ha
muito se desejava para enfeites.
Brincos, fivellas e crozes de crystai.
Fivellas e cruzes de tartaruga, madripe-
rola e dotfrados.
Aifinetes para grwatas
Botes com croas para punhos.
Gravatinhas e mantinhas de muito gosto,
tanto para homem como para senhora.
Riquissimos aderecos pretos, assim como
caixmhas com aifinetes prelos.
Bengallas de canna com cabo de marfim."
Djtas debaleia, borracha e doutr,
mujtas qualidades, assim como chicotinhos
Riquissimos pentes de tartaruga do ulti
mo gosto; assim como de arregaco para
menina, pois neste artigo ha um completo
sortimento de todas as qualidades.
Diademas para cabeca do ultimo gosto.
Riquissimas i tas lanadas e lizas.
Frameisco Jos wermano
RA NOVA N. 22,
acaba de receber um lindo e magnifico sor-
timento de oculos, Innetos, binculos, do ul-
timo e mais apurado gosto da Europa e ocu-
los de alcance para observares e para os
martimos.
Tasso Irmos
\endem no seu armazem raa da
Amorim a. 3o,
Licor fino Curago em botijas e meias botijas.
Licores finos sortidos em garrafas com ralbas de
jdro e em lindos frascos.
VinbosCberes.
Santernes.
Chambertin.
Hermitage.'
Borgonbe.
Champagne.
Moscatel.
Reino.
Bordea.
' Cognac.
Od Ton.
PAezei lagniol.
No armazem de lazendas
baratas de Santos Coelho
Ra do Queimado u. I.
Vende-se o seguate :
Lecbes de bramante de nm s panno pelo ba-
rate precode 3#100.
Ditos de panno de iinbo a ii200 e 25600.
Cobertas de chita da India a 2#400 e 28O0.
Lencos de cambraia brancos proprios para algi-
beira a S9000 e 25200 a dnzia.
Ditos de cambraia de linho fino a 4,>00 e 5J i
duzia.
Atoalbado de algodSo branco a 2J a vara.
Bramante de llnbo fino com 10 palmos de largu-
a 25300 a vara.
Panto de linho fino com 9 i|2 palmes de largu-
ra pelo barato preco de 2 J.400 a vara.
Bramante de linho fino de nma largura, pelo ba-
ratissimo preco de 800 a vara,
elin
a 135
Toaihas de ltnbo acolcboadas para mos,
a duzia.
Ditas felpudas a 135 e 155 a dezia.
' Guardanapos de Iinbo a 35500 a duzia.
Flanela de todas as cores para coelros, a 880 rs.
o covado.
Tarlatana de cores a 800 rs. a vara.
BalQes de 35 arcos 35500, de 40 a 4a.
Cambraia de Iinbo fine a 9500,65500 e 9# a
vara.
Cambraia para forro de vestido a 35700 e 35 a
Pega de madapolao fino e largo a 7j>.
Laazinha lisa de cores a 500 rs. o covado.
Pegas de cambraia branca de salpicos coa 8 e
meta vajas a 45500.
! Coelros de casemira bordados pelo baratisetao
J prtco de 95-
Estelra da india propria para forro de sala de
Sed palmos de largara.
wbraias Onae de cores aludas a 560 rs. a vira
Neste armazem tambem se encontr nm ,
Is de bretanha de rolo com 10 varas, a
Trancas pretas com vidrilbo e de cores
Pulseiras tanto para senbora como para
meninas.
Ligas d seda e de algodSo.
Suspensorios de seda e de algodlo e mui*
tos outros objectos que se nao podem an-
inriir pirr nlf lirr" "l* *"">in
S no Gallo Vigilante rna do Crespo n. 7.
Farinha.
Nftatem de Vicente FerreJra da Costa &
Filho jauto ao arco da Gotceigo, vndese supe-
rior farioba de meodioea ltimamente chegada,
em saceos de ut alqneires oa ece arrobas de
Panno de atgoflao da Babia, -proprio para
veaier Antoalo Luiz de Oliverra-Ateved 4 C, ao
sen escripiorio rna da rttz n. t.__________
Vparfts.
Vende-se em easa de Satnaders Bromen & C,
no largo do Corno Sanio o. II, vapores paWfcs
eom lodos os perteaees proprios para fazer amar
tres ou quatro machinas para descarocar alfodio.
"

r



i
X




Dlarl de peraambiico -f- Secunda feira i i de Junho de
1866.

!
; V
ENGICEOEEDICA
b 1 Ra da inperatrlx armazem
da porta larga ftt.
Junto a padarta Iradeeza de
Paredes Porto.
Neste estabelecimento encontrar* o respaitavel
publico um variado sortimento de faienda (ranee-
xas, ingieras, salssas e allemaes, que se venderao
por prego commodo.
Paredes Porte
Vende chales de renda de cores qnt te vende-
rain a 18 est vendendo por 65ditee {tos, fa-
xenda nova, 55, 65, 85 a 205, nm-toftimanto com-
pleto de manteletes, capas e.sontambarques 145 a
235. Roa da Imperatriz n. 42, junto a padarla fran-
cesa, armazem da porta larf.
Paredes PerU
Receben, um completo sortimento de 13asiohas a
240, e 280 rs. covados, para acabar, cambraias de
cor a 240 rs. o covado, riscado escossez para roa-
na de menino, fusio de tinbo a 420, 400 e 600 rs.
Ra da Imperatriz n. 52 junto a padaria franceza.
armazem da porta larga.
Paredes Porte
Receben para cortinados para cama franceza a
11J a peca cambraia lisa Boa a 35 45 at 105 a
poca, cortes de larlatana|de bonitos gostos a 35500
%5, cambraia com flor de seda, gostos inteira-
mente novos a 400 e 500 rs. o covado, no armazem
da porta larga n. 52, roa da Imperatriz junto a pa-
daria franceza.
Paredes Perto
Receben pelo ultimo paquete um sortimento de
ernzes com pedras para opescoce, bonitos caxinels
de laa para pescoco de senbora. Ra da Imperatriz
n. 52, armazem da porta larga.
Paredes Porto
Vende cortes de gorguro preto para vestido com
21 eovados cada um 355000, grsdeaeple preto a
15600,15800 e 25 o covado, las litas finas a 400
rs. o covado, las de quadrinho para vestido, enfes-
lada, a 320 rs. o covado. Ra da Imperatriz n. 52,
armazem da porta larga.
Ronpa feita
Ra da Imperatriz n. 52 armasem da porta lar-
ga junto a padaria franceza, encontrase neste es-
tabelecimento um completo sertimento de paletos-
saceos e sobrecasacos, de todas as qaalidades, cal-
gas, colletes, ceroulas, camisas, grvalas, metas,
chapeos de -sol, ditos francotes para cabera, per
presos commodos, ronpa para menino e oatras
muias fazendas por oreos commodos, armazem
da porta larga.
o mesrao estabelecimento encontrar o respei-
tavel publico, sempre um completo sortimecto de
roupas fertas de todas as qaalidades, como sejam
paletos de alpaca preta ede cor, ditos sobrecasa-
cos a 45 e 55, ditos de brim pardo a 25800, 35 e
35500, ditos fios a 45, ditos meias eazemira a
35500,45 e 55, ditos eczemira saceos a 65, 75,85
s 105, ditos sobrecasacos a 10 e 125, ditos de pan-
ao saceos a 65, 85 e 105, ditos sobrecasacos a 125
255, ditos de merino preto a 65, 75 e 105, caU
cas de brim de diversas qualidades a 45800 a 45,
ditos brancos a 25800 e 6500, ditos eazemira 55,
5 e 75, ditos pretos a 55, 65, 85 o 105, ditos
metas cazemiras ai e 45, coietes de diversas
qaalidades, seroutes francezas de alpodo, ditas de
iinho, ditas de bramante a 25 e 25800, carnizas de
algodo de linho francezas de 25&00 o.35. Gran-
de pecbincba nesto genero, grvalas de todas as
qaalidades e brancas para casamento, grande sor-
timento de meias para senboras, ditas para bomens
a 35. superiores a 35500 e 45-
Um completo sortimento de chapeos de sol de
alpaca a 35, ditos de seda a 55, 75, 105 e 145,
titos francezes para cabega, grande sortimento
a 65-
Vestidos
Peefctacha sem igual.
Chegou toje de Paredes Porto um bonito sor-
timento de vestidos de.tartalata de cores e brancas
que serve para, partidas por ser ama pbantasia to-
teiramente de posto pelo barato prego de 45 e
brancos a 15*00, esto cabaodo-se : no armazem
d porta larga ra da Imperatriz n. 32, junto a pa-
daria franceza.
Cortinados.
A PARRILHA DE AYER
PARA A GURA RADICAL
de escrfulas e molestias escrofulosas, tumores ulcera, hagas, fericki'^-f
lhag, bronchocele, papo ou papeira* a syphilis, ^nferaida^eneriaa^a nfer>
curiaes.
AS MOLESTIAS DAS MULHERES
reteoco, menstro doloroso, ulcerares do tero, flores brancas, etc., ulcera-
rlo, debilidade, expoliado dos ossos, a nevralgia e convulsoes epitepticas
quando causadas pela escrfula.
. ERYSIPELAS ERPES; ETC. ,,
Enferutidadcs cutneas, crupeo, bortralhaa, pstulas,
ascidas, etc.
* O extracto composto de salsa parrllha, confeccionado pelo Dr. Ayer, e urna
combinacSo dos melhores depurativos e alterantes conbecidos medicina; confeccio-
nado segundo as regras da sciencia, approvado e receitado pelos primeiros mdicos dos
Estados-Unidos da America do Sul e Central, das Antilhas, do Mxico e das Indias, e
muitas outras partes do mundo : o resultado de estudos apurados e minuciosos, e de
experiencias feilas pessoalmente pelo Dr. Ayer, por nnjitrJs annos, nos principaes nos-
pitaes e enfermaras da America; tcm sido approrado pelas academias de medicina e
juntas de hygienn das priueipaes capitaes da America do Nprte; para prova disto vede
os attestados authencos no Almanak e Manual de Saude do Dr. Ayer, os quaes se dis-
tribuem gratuitamente nos lugares onde se vende o remedio.
A SALSA PARILHA DE AYEB. .
Especialmente efficaz na cura das molestias que team sna origem
a escrfula, na infeceo venrea, no so
exccssiTo do mereut lo on qnalquer Impureza do sanguc.
A molestia ou infeccao peculiar, conhecida pelo nome de escrfula, um dos ma-
les mais prevalecentes e universaes que ha emtoda a extensa lista das enfermidades que
atacam a nossa raca; disse um celebre escriptor da medicina que mais de urna terca
parte de todos aquelles que morrem antes da velhice sao victimas, ou directa ou indirec-
tamente de escrfula; por issp so nao 15o destructiva, porm a principal causa oe
muitas outras enfermidades que nao lhe s5o geralmente attribuidas.
urna causa directa da trsica pulmonar, das molestias do ligado, > do esttMW
e affeccoes do cerebro; entre seus numerosos symptpmas acbam-se os segumtes: rana
de appetite, o semblante plido e enchado; as vezes de urna alvura transparente e' outras
vezes corado e amarellento irregular, fraqueea e moeza nos msculos ao redor da noc-
ca; digesto fraca e appeltite, falta de energa; ventre enchado e evacuacSo irregular;
quando o mal tem sen assento sobre os pulmoes urna cor azulada mostra-se em roda dos
olhos; quando ataca os orgSos digestivos, os olhos tornam-se avermelhados;0 naii-
to ftido, a lingua carregada; d&res de cabeca, tonteiras, etc. Na pessoas dedisposi-
c5o escrofulosa apparecem frequentemeote erupcoes na pelle da cabeca e outras partes
do corpo -; s5o predispostes s affeccSes dos pulmoes, do figade, dos rins, dos orgaos
digestivos e uterinos. Portento, n5o sao smente aquelles que padecem das formas ul~
cerosas -e tuberculosas da escrofula> qoe necessitem de protecc3o contra os seus estragos; io5000
todos aquelles em cujo sangue existe Vvirus latente deste terrivel flagello (e s vea* e ^ES 1ff^!S
hereditario), est5o expostos tembem a soffrer das enfermidades que elle causa, que^sao. bms qa6 m outra ((aaiqoer.pMte.
A tsica, uloeraces de figado, do estomagoe dos rins; erupcoes e enferinwades ( iao na loja -
eruptivas da cutis, rosa ou erysipela, borbulhas, pstulas) nascidas, tumores, rheuma,
carbnculos, ulceras e cbagas, rbeumatismo, dores nos ossos, as costas e na cabep,
debilidades femininas, flores brancas causadas pela ulceracao interior, e enfermidades
uterinas, hydropesa, indigesto, enfraquecimento e debilidade geral.
Oflrecemos a estas pessoas um abrigo seguro e um antidoto efBcaz contra esta
molestia e suas oossequencias na
SALSA PARRILHA DE AYER
que opera directamente sobre o sangue, purificando-o e expulsando delle a corrupcao e e
veneno da molestia ; penetra todas as partes e todos os orgos do corpo humano, Hvran-
do-os da sua acelo viciada e iaspirando-Ihes novo vigor. um alterante .poderosissimo
para arenovacao do sangue, ed ao corpo j enfraquecido pela doenca, torcas e ener-
gas renrivadas como as da joventude.
E tambem o melhor aQty-syphilitico conhcido
cura permanentemente as peiores formas de syphilis e as suas consecuencias. Pouca
necessidade ha de informar o publico do inestimavel valor de um remedio qoe, como
este, livra o sangue desta a ignominiosa, porm inevitavel, se o mal n5e logo combatido com energa.
um (poderosissimoalterante para a renovaco de sangue e para dar nova for-
Oa ao corpo j enfraquecido pela doenca.
Seudo-eomposto de productos vegetaes, esle mediGamento innocente ^i^'S^^t,^^^^!^:
mo lempo efficaz, um fado de immensa importancia para aquelles que o tomam; por-, na ^ do Pwfa0 ^ raa da imperatriz n. 60. de
que muitos dos^remedios alterantes offerecidos ao publico tem por base o mercurio ou o (Gama & Silva..
arsnico; e sendo assim, bem que s vezes podem effectuar curas, comtudo deixam suas Cambraias de forro a
victimas carregadas de urna tonga serie de-males, muitas vezes peior do que o m
sortimento do cortinados ricamente bordados a
preco de 255, 335 e 455 : na ra da Imperatr
n. oi, porta larga junto a padaria franceza.
Ricas romeiras.
Paredes Porto receben pelo ultimo paqnete am
sortimento de roraeirao"e guipare pretas e de fil
a preco commodo : na raa da Imperatriz n. 52.
porta larga junto a padaria franceza.
um.
Chapeos de sol.
Vendem-se chapeo? de'sol de panno a l^iOO-o
ama grande.pechincha s para acabar : na ra da
Imperatriz n. -52 armazem da porta larga de Paro-
des Porto.
uRAME ESTABELECIMENTO
Cortes de cambraia com palmas na loja do
Pav3o.
Vedem-se cortes de cambraia branca com pal-
mas, sendo fazenda muito boa, pelo baratlssimo
preco de 25500 para acabar.; na loja e armazem
do Pavo na raa da Imperatriz n. 60, de Gama &
Silva.
I.eneos brancos a *#000 res a
- duzla.
Vendem se lenco9 brancos fa7enda mnito boa
pelo baratissimo preco de 25 a duzia, Ditos com
. barra de cOr a 25000 isto para acabar na loja d-
m. rJt 2 m e,rande a^11?^ h m Pav5 n da Imperatriz n. 60 de Gama 4 Sio
mtfca da imperatriz, 91. 60
GAMA & SILVA.
LOJA X ARMAZ1M t& FAZBHDAS.
Tendo os propietarios deste grande eslabeleci-
soas fazendas. pea occasiao do balnco que deram
no nltimo de dezembro de 1863, resolveram vender
muito mais barato do que eortumam aBm de cada
vez mais agradarem aos seas numerosos fregiei
zes ; por tanto Ibes offerecem nm avalado sorti-
mento de fazendas francezas, "inglezas, as quaes
venderao maif. barato do que em outra qualquer
parte, compromettendo-se a mandar levar qualquer
fazenda em asa dos freguezes qne nao poderem
vir a loja, ou a darem as amostras, deixando car
o penkor, assim como convidam as pessoas, qoe
negoclam em menor escala que neste grande esta-
belecimento encontrarlo nm grande sortimento
tanto a retalb como por atacado, vendendo-se-lbe
apenas Dlos precos qoe compram as, casas ingle-
zas, sendo com o dinheiro a vista.
As toalhas de Hurto do Pavo.
Vendem-S3 superiores toalhas de linbos para
rosto pelo baratissimo preco de 75500 a duzia on
a 640 cada urna.
Guardanapo; de linho adamascado para meza a
25800 a duna on a 240 rs. cada nm.
Superior atoalhado de linho com oilo palmos de
largura sendo branco e pardo, e vndese mais ba-
rato da que em outro parto,na loja do Pavo na roa
da lmperairii n. 60 de Gama & Silva.
Os corpiolios ae seda pretos do Pavo.
Venfcem-se s mais ricos corpinhos de seda pre-
tos, ricamente entenados, pelo barato prego de (25
cada nm : na loja do PavSb na' ra da Imperatriz
n. 60, de .tema & Silva.
Rleo* vestidos a 80000 rs.
chacha adniravel.
S Pa.vw receben pelo uHimo vapor francez
am grande sortimento dos mais ricos cortes de
vestidos transparentes com lindas barras e enfeites
de seda, sendo estes vestidos muito proprios para
baile* e passcios, e vendem-sa .pelo baratissimo
preco de 85000 ra. cada um, na loja do PavSG na
roa da Imperatriz n. 60 de Gama & Silva.
Os chales pretos de renda do Pavio a 8(5000 rs.
Vendem-se os mais ricos chales pretos de renda
com quatro ponas, senda mnito grandes pelo ba-
ratissimo preco de 85* *
Ditos de puepure a 155,185,205,255.
Retondas de dito a 105-
Manteictes de renda, laienda mnito superior a
e armazem do Pavo na roa da Im-
peratriz n. 60 de-Gama & Silva.
Oschales Yend.em-se chales de merino estampados a 25
e 25500 cada um.
Ditos de merm liso a 35500.
Ditos estampados de crepon a 65, 75. e 85000.
Ditos pretos bordados com franja de seda a 145.
Na, loja e armazem do Pavio na ra da Impera-
triz n. 60 de Gama A Silva.
Para luto vende o Pavo.
Setim da Ctiina com 6 palmos de largura, fazen-
da preta para loto, propria para vestidos roupas
para bomens, tiendo esta nova fazenda sem lustro e
de muito -boa qoalidade, garantindo-se nao car
russa com o tempo e vende-se pelo barato prego de
25 e 25300 o covado, assim como neste -estabeleci-
mento tem nm grande sortimento de todas as fa-
zendas pretas como sejam cassas e chitas pretas,
las tapadas e transparentes, princesas, alpacas,
sarjas, etc. : na loja e armazem do Pavio na rna
da Imperatriz n. 60, de Gama & Silva. -
Os ba.oes do Pavo.
Vendem-se superiores baldes de rauculina com
moita roda a 55-, ditos crinolines com 35 arcos a
va.
Chitas a 180"rs., soPavao.
Vndese o mais bonito sertimento de chitas in-
glezas, padroes miudinhos, claros e escaros, e ten-
do tambero roas para luto, afiancaDdo-se serem
cores fixas, e vendem-se pelo barttisrimo preco de
nove vintens o covado, ou a peca m 38 covados
por 65800 : isto na loja e armazem do Pavo, na
rna da Imperatriz n. 60, de Gama <& Silva.
Vestidos, brancos.
Cbegaram para a loja do PavSo os mais bonitos
cortes de vestidos de cambraia branca com bow-
I tas barras todas brancas, assim como com barras
, de cores, sendo fazenda transparente e muitofioa,
tendo cada nm corte bastante fazeDda e muita ro-
Potipelinas modemissimas a 400 e500 rs. aa, e vendem-se pelo baratissimo prego de 85 a
o covado na loja do Pavo. iP J "AS? if S?0 na rua da lQjPeratriz n.
Vendem-se poopellnas muito finas sendo fazenda. JJ''0? uam* ,' .
mnito moderna de quadrmhos e liza vendendo-se Lories t (Oriatana Ba loja do favo.
pelos baratos precos de 400 e 500 rs. o covado na Vendem seos mais modernos corles de trlalana
loja do Pavo na rua da Imperatriz n. 60 de Gama j com as mais lindas barras de cor, pelo baratissimo
& Silva. 1 preco de 55 cada nm, sendo neste artigo o melbor
Cirosdenaples pretOS do Pavo. que tem vindo ao mercado : isto na lojae arma.
Vendem-se superiores grosdenaples pretos pelos "ii do Pavo na rna da Imperatriz n. 60, de 6a-
baraiissimos pregos de 15500, 15600, 15800 e 25
o covado, sendo fazenda multo boa, s para aca-
bar : na loja e armazem do Pavao, raa da Impe-
ratriz n. 60, de Gama & Silva.
Bramante de linho do Pavo.
Vende-se superior bramante de linbo com 10
palmos de largura, proprios para lenges, pelos
btratissimos precos de 25 e 25600 a vara, assim
como panno de linbo muito fino pelos baratissimos
precos de 640,700 e 800 rs. a vara : na loja e ar-
de Ga
ma & Silva.
Cambraias brancas,
Com 8 palmas de largurae
*o na loja do pavo.
Vende-se cambraias brancas transnarentes lerdo
8 palmos de largura, ou duas larguras da3 regala-
res, que facelita fazer-fe um vestido apenas C'-.m 4
varas, e vendem-se pelos baratlssrteos precoz de..
ar.' I5OOO res, e 15280 a vara, nicamente na loja e
mazem do Pavo, rua da Imperatriz n. 60, de Ga-:*#,* mo'rDa da ^feratriz n. 60 de Ga-
ma & Silva. ma&biiva.
Chitas bran as a 280 rs.
Canbraias. lisas do Pavo.
Vendem-se pegas ae cambraia lisa mnito supe-
Vende-se chitas francezas acentos brancos pa-
rior, pelo barato prego de 35200 e 35500 a pega, i drbes mindinbos, pelo baratissimo prego de 280 rs.
75 e 85 : na loja e
Imperatriz n. 60, de
ditas mnito finas a 55, 65.
armazem do Pavo, rua da
Gama & Silva.
PECHiNCHA 1
a 200.00, para caifas, s o Pmo.
Vendem se superiores cortes de meia casemira
com msela de seda a 25. ditas Garibaldinas a
o covado, na mja e armazem do PaV<>! rua da Im-
peratriz n. 60, de Gama & Silva.
Chapees de sol.
Vende-se nm grande tortimento de chapaos de
sol, sendo de seda e de varios precos e qualidades;
ditos de alpaca e de panno, e vendem se por precos
muito commodos. na loja do Pavo na rua da 1ra-
25800, ditas esenras a 25800, ou a 15600 o cova- peratriz n. 60, de Gama & Silva.
Cbegon a toja d Paredes Porto nm eomptoto- &' A "^ usa necessaria para obter urna cura radical seguir com juizo e cons-
atncia as direcoes que acompanbam cada frasco.
Nao pretendemos promulgar, oem queremos que se inflra que esta composico a
um remedio iofallivel pata a cura de todos os padecimentos humanos ; infelizmente
escrfula e a syphilis sao enfermidades to sutis as soas nalurezas, e arreigam-se Ufo
flrmemente no-systema, que muitas vezes evadem eresistem aos remedios mais pode-
rosos que a sciencia humana pode inventar para combat-las: o que dizemos Extracto composto do salsa parrilha de Ayer
a melhor preparado at boje descocera para estas e otras molestias anloga, que
urna combinare dos alterantes mais efficazes-conhecidos, e que esta ceaabinaco tm sido
regulada por tongas e laboriosas experiencias, e Analmente que temos conscienoia deof-
ferecer ao publico o melhor resultado que possivel produzir, da iotelgencia e pericia
medica dos nossos tempos.
Este remedio deve ser tomado com systema e regularidade, e nSo com abandono,
pois um remedio e n5o bebida.
Quando ae molestias do figado n5o tem sua origem na escrfula, o remedio
-mais proprio as pirulas catharticas de Ayer, que sao efficares na curada molestia, que
m por causa um desarranjo dos orglos digestivos. Pedi a salsa parrilha de Ayer e
cao aceita; outra p-reparacao.
Maurer A C.
5S00O
cor-
'9
Cortes ae laa escocesa para vestido [a 35 o
te: na rna da Imperatriz n. 52, loja da porta lar-
ja, junto a padaria franceza, esto o acabando.
Para luto.
Las pretas com salpicos brancos a 400 e 500
rs. o covado : na roa da Imperatriz n. $3 unto a
padaria franceza armazem da porta langa.
A 10500,
Vendem-se pecas de tranca preta para enfeites
de vestidos, soutembarqooe, capas de senbora a
{5600 com 10 varas, nma grande, pecbincba : na
roa da Imperatrizn. 52 junto a padaria franceza.
4(000
Chales de renda pretos.
Vende-se cnales de renda preto a 45000. nnicc
loja qoe pode vender na rua da Imoeratriz a. 52,
armazem da porta larga, de Paredes Porto. ___
"I
< O S0 >^2 B 9 21 ?S
* S.g.g.S'B'SS.SSB c

5 I I
Pernambuco, rua Nova n. 18, pbarmacia francesade P.

VENDE-SE
Ha> araaazem de H. a. Ramos e Silva dr Genro, raa de vlgarlo
n. 11, eonstantemente, os segu ates artlgos, He
reeefoem pr encommeada proprla de

^ew-yorm:

Legitima salsa parrilha deBristol, preparada por Lanmao a Kemp.
Verdadeira agua Florida, preparada pelos mesmos.
Gai em lats de cinco gales, o mais purificado que se pode desecar da acredi-
tada marca F. W. D. & G.
Relogios perfeios reguladores, com corda de quatro aoito das, dos ajamados a-
bricaotes E. N. Welch. .. _.., ..
Graixa em latas grandes da bem conhecida marca las. S. Masn (ae uladei-
phia).

2
H
li|:3l
. B O o _
- a.gsr^ g-s
S: 2 2. Qnm
itom>i:Ai \
Superior oleo para machinas de costura.
Agulhas para as mesmas,
Breu em barricas grandes e pequeas.
Vende-se tambem:


St. Estephe.
St. Julien.
C. Margaux.
G. Latine.
Medoc.
PORTO
Ia qaalidade,
Principe Real.
Pedro V.
Maria Pia.
Princeza D. Isabel.
Tictor Emmanuel.
Duque.
Malvazia.
Vinho fino do "Porto embarris de 5/, 10/ e 20/.
Superior vinho doRheno.
Gera de Lisboa em velas e em grume.
1,5600 e 2,5 na loja
do Pavo.
Vendem-se pegas de cambraia de forro com no-
ve viras cada pega, pelos baratissimos precos de
15600 e 25: na loja e armazem do Pavo na rna
da imperatriz n. 50, de Gama & Silva.
Os cortinados do Pavo.
Vendem-se superiores cortinados adamascados
para camas peto baratissimo prego de 15 cada par,
ditoi muito Puoi- ricamente bordados para camas
ou Janellas a 1^5, 205 e io& o par : na loja e ar-
mazem do Pavao na rua da Imperatriz n. 60, de
Gama & Silva.
Panno preto a 20 na loja do Pav3o.
Vende-se panno preto. fazenda mnito boa, pelo
barato prego de 25 o covado, dito mnito tino a
3S00, 45, 55 e-65, assim como casimira preta de
eordao a 25 o covado : na loja do Pavao na rua da
Imperatriz n. 60, de Gama & Silva.
Os eepartilhos do Pav5o.
Vendem-se nma grande e variado sortimento de
espartilnos dos mais bem feitos qoe tem 'viudo ao
mercado, sendo de todos os tamaobos, vendendo-se
por nm prego. maito ratoavel: isto na loja do Pa-
vao na rua da Imperatriz n. 60, de Gama & Silva.
.4a salas bordadas do pavo.
Vendem-se saias bordadas sendo fazenda muito
bda, sendo ricamente bordadas e com muila roda
vendendo-se petos baratos pregos de 65 8$ e 105
reis cada urna na toja do Pavao na roa da Impera-
triz n. 60 de Gama & Silva.
Bre'.auhas de role a 3O00
Vendem-se pegas de bretanba de rolo com 10
varas cada pega, pelo baratissimo prego de 35 -~j
na loja e armazem do Pavao, rua da emperatriz n.
60, de Gama & Silva.
Ronpa feita.
Na loja do Pav3o
Vende-se neste estabelecimento um grande sor-
timento.de roupas, tanto de panno comocaxemiras,
e brins e pelos baralissimos pregos como sejam
caigas de casemira preto a65 75 e 85080reis, pa-
letots de panno preto -saceos a 65 85 e 125000 rs.
ditos sobrecasacos de panno finissimo a 125 185 e
255000 reis, e ontros muitos artigos qne serla en-
fadonbos aqu relata-lo*; s na loja e armazem do
Pavao rua da Imperatriz n. 60 de Gama 4 Silva.
Leja da pavao
Grandes peehlstehas.
Senhas a S00 rs. o corado
Sedioha* a SOS rs.
, tediabas a 500 rs.
Vonde-se na loja do Pavo, um grande sortimen-
to de eedjnbas lisiradas com a* mais bonitas cores,
sendo os padros mais novos qne%itt vffldb a mer-
cado, e vende-se peto paratiss* preco de cinco
tosteos o covado, sendo fasenda qne valem mnito
mais dinheiro, e grande pecbincba por se ter
comprado nma grande ponida desta fasenda, na
toja e arma/.em de fasenda do Pavao, rna da Im-
peratriz n. 60 do
Lasinhas matisadas a 320 rs.
Vendcm-iie as mais lindas Iasinhas matisadas
com os mais bonitos desenbos. pelo barato preco de
na loja do Pavo
Bren aa batrieas pe
Cera em velas de todos o lmannos.
BCfiaj.
Mercnrio.
Na rua do v igano n. 19, prioeiro andar.
loes
Grafldc sorrfneitt.
Chegott i roa da Imperajriz n. 52, jonto a
daria franceza, nm grande sortimento
de a K r. Ptwcaabar,
adapotao.
Finas pecas de madapelSo com 20 varas a 9.
LENCOS.
Lencos de cambraia branca, duzia 2#.
dem de cores fixas para meninos, duzia 2#4O0.
Cambraias.
Cambraias de cores a prego de 260 a 300 rs, o covado. 1
tiuardauapos.
Guardanapoa de linho, duiia 3^300.
Aigodao- -i ,
Alod3o trancade de duas larguma; prOpxjo para toalhas de mesa, a preco de
a vara.
raaaaate.
Supepojr bramante de^inho-ioglez.e flancz.
Ipambraia de linbo propria para leos.
ATOALHADO.
Atoalhado branco para mesa a 15600 a vara,
Enlremeios de cambraia muito finos, preco 1$.
Lencos de seda para algibeira a 10600^
do : na loja e armazem do Pavo, rua da Impera
triz n. 60, de Gama & Silva.
PENTEADORES
ou roupes de cambraia bordados proprios
para as senboras vestirem de manliaa.
Cbegon esta novidade pata a loja do Pavao,
muito lindos e do melhor gosto at boje, por pre-
Ss mnito razoaveis : na loja do Pavao, rua da
iperatriz n. 60, fle Gama di Silva.
Cassas fraacezas a 240 rs. o covado.
Vendem-se bonitas cassas francezas de cores fi-
zas pelo baratissimo prego de 240 o covado.
Ditas a 280, 320 e 360.
S na loja do Pavo, rua da Imperatriz n. 60, de
Gama & Silva.
Grosdenaple preto a 1$600.
E' grande pecbincba II
Vende-se grosdenaple preto, sendo muito enca-
pado e de boa largura, pelo baratissimo prego de
15600 o covado : na rua da Imperatriz n. 60.
Os cachinez do Pavao.
Vendem-se bonitos cachinez de 13a ou agazalbos
para cabega pelo baratissimo prego de 35000, s
na loja do Pavo, na rua da Imperatriz n. 60.
MANTAS PARA O PESCOCO
a 15, s o Pavo.
Vendem-se bonitas mantas para o pescogo, pelo
barato prego de 15 : na loja do Pavao aa rua da
Imperatriz n. 6(, de Gama & Silva.
Madapoles a 3,560 rs. a pessa.
S na loja do Pav5o.
Vende-se pegas de madapolo fino com 12 jar-
das, pelo barato prego de 35500 e 45000.
Chales de renda.
Na loja do Pavo.
Receberam-se os mais lindos chales pretos de
renda, assim como as mais modernas e compridas
retondes, e manteletes da mesma fazenda, e vende-
se mais barato que em outra qualquer parte: na
loja e ajmazem do Pavo na rua da Imperatriz n.
66 de Gama & Silva.
Caslor a 3(0 rs. a covado.
Para caigas.
Vendem-se superiores castores muito encorpados
padroes esenros pelo barato prego de 320 rs. o co-
vado, srvindo esta fazenda tambem para escravos
por ser de mnita durago ; na loja. e armazem do
Pavo rua da Imperatriz n. 60 d Gama & Silva.
Chapeos para meninas a 6,000.
So na loja do Pavo.
Se vendem os mais bonitos e mais bem enfeita-
dos cbaposinnos de palha da Italia, proprios para
mvniD:u, pelo baralissFmo prego de65000; na loja
e armazem do Pavo na rua da imperamz n. 60
de Gama & Silva.
Attencao.
ULTIMA NOVIDADE
PENTES, ENFEITES, CINTOS.
Gama & Silva, acabam de recetar pelo ultimo
vapor francez, nm grande sortimento dos mais ri-
cos enfeites pretos e de cores proprios Dar cabega,
sendo guarnecidos com as mais lindas flores, e com
voltas das mais bonitas pe rolas; assim como os mais
modernos e engragados pentes da verdadeira tar-
taruga, marebetados sendo a ultima novidade
qne tem vindo de Paris, e os mais ricos cintos com
fitas mathisadas e fivelas largas, conforme ltima-
mente se usa as primeiras capitaes da Europa, e
vende-se por prego em conta por ter ebegado em
direitura para a loja do Pavao, rua da Imperatriz
n. 60 de Gama i Silva.
As rotandas to pavo a 8 c IQs.
Ven3em-se as mais ricas rotandas de renda pre-
ta, sendo muito grandes, que sao as que mais se
usara, pelo baratissimo prego de 85 e 105 : na
loja e armazem do Pavo, roa da Imqeratriz n. 60,
de Gama & Silva.
Chitas prelas a 160 rs:
Vendem-se chitas pretas inglezas, sendo fazenda
muito boa, pelo baratissimo prco de 160 rs. o co-
vado, on 55500 a peca com 38 covados : s na
loja de Ravo, raa da Imperatriz n. 60, de Gama &
Silva.
ATLANTA

Cortes de chitas.
Vendem-se cortes de chitas inglezas, sendo pa-
droes escuros tendo 10 covados pelo barato preco
de 25000 rs.; ditos com 11 e 12 covados a 2CO
e 254OO rs; ditos de chita tranceza escara e ale-
gre, tendo 10 covados 35200 ; ditos cem 11 e 12
covados a 35320 e 35840 rs: pechincha, na loja
e armazem do Pavo, rua da Imperamz n. CO ae
Gama Silva._________________________
K1YAL SEM SEGL\D0
Raa do Qiieimado n. 49, laja de
mludezas
DE
Jos Bigodinho
Est queimandoas miudezas abaixo declaradas.:
Frascos de oleo babosa fino 200 a 320 rs.
Ditos dito de philoceme verdadeiro a 800 r?.
Ditos dito (algo a 600 rs.
Frascos de cheiro muito bonilos a 200 e 500 rs.
Ditos de macag perola a 200 rs.
Ditos cem superior banha a 200 rs.
Canas com 6 frasco= dec heiro a 800 rs.
Sabonetes finos a 60. 160, 200 e 320 rs.
Ditos de bolla superior a 240 e 320 rs.
Livros para meninos com estamps a 320 rs.
Caixas de 12 frascos con che.ro a 15.
Frascos de oleo babesa muito fino a 400 rs.
Dnzias dmelas superior cualidade para senbora a
455OO.
Cbegaram as agulbas baio (papel) a 60 rs.
Caixas com bonilos soldados de chumbo a ICO rs.
Frascos de opiata para denles a 500 rs.
Ditos de agua para limpar denles a 500 rs.
Pedras de escrever (pequeas) a 160 e 200 rs.
Sapatos de ranea para meDinos a 15-
Sapalos de tranga para hemens e senhora a I55C0.
Pegas de fitas de laa preta para vestidos a 600 rs.
Grozas de botoes ce madreperola finos a 480 e
640 rs.
Caixas de colchetes francezes a 20 rs.
Pegas de troco de tods as cores a 200 rs.
Caixas com superiores envelope a 600 rs.
Pares de sapatiobos de ia para crianga a 100 r.
Ditos de meias pretas para senbora, superiores a
360 rs.
Libras de pregos de todos os lmannos a 240 rs.
Caivetes com duas fotbas muito finos a !20 *
500 rs.
Sabonetes de familia, soperior a 100 e 120 rs.
Resma de papel de pe?o muito fino a i-'.
Frascos com tinta superior a 100, liO e 30.
Grande novidade a OO ra.
Allaata a 200 rs.
Atlanta a 300 rs.
Allanta a 200 rs.
Chegou para a loja do Pavo o mais lindo sor
tmenlo desta nova fazenda, com o titnlo de allanta
propria para vestido e roopas para meninos, sen-
do esta modernissima fazenda de lia com os mais
lindos gostos de qnadrinbos e listras tendo entre
ellas de cor roza e preta, com,listras e qnadros
brancos proprias para into, o vendem-se pelo ba
ralissimo prego de 200 rs. 0.covado nicamente na
loja dq Pavo rua da imperatriz n. 60 de Gama &
Silva.
As chilasdoPa>ao a 200 o covado.
Vende-se o mais bonito sertimento de chitas es-
curas e roxas. sendo inglezas, mas com os pannos
to encorpados. como os das rancezas qe se ven
dera a 400 res; e liquido-se pelo barato prego de
209 reto o covado ou a 75* a pega, garantindo
se terem 38 covados cada pega e serem de cores
do Pavo na. rua. da.
Passarinkos mgicos,
Cantam e nao comem.
Na rua do Queimado, loja de miudezas c. 16,
v*ndem-se a 500 rs. esses benitos passarinhes m-
gicos que cantam e nao cemem, e srvm mui bem
para dlvertimento de criaugas e senhoras, e mes-
mo para excitaro canto aos de gaiolas.
ATTEMCAO
Para Santo Antonio e S. Joo, algoidares de Ge-
nova de todos os taannos, muito baratos por ter
grande porgo, jarras finas, entrefinas e grossas,
de todos os tamanhos, a-sidorcs para ir ao forro,
vasos francezes em temos de seis, e toda a mais
louga de Genova e da trra : na rua do Rangel
numero 4.
Escravos fgidos
320 re. o covado ; na loja do Pavo a rn% da Im-
pMriiD.60aflaM.A4iara. flx tona loia e armazem" do I
OscM.es degmpTOa W ^^iwem d^Pavao,
Vendem-se os mais ricos chales de Gulpore e de
renda de linbo e seda, pelos bafatlssimos precos de
125 e 165 ; |M4a p*icb*jeni raiago a boa
qualidade e lamanoo del'.es : s na loja do Pavae,
raa da Imperatriz n. 60, do Gama & Silva.
Lazinkas a 200 rs s o
Pavo.
Vendem-s modernas ISazinhas com llndlsslmos
gostos, pelo baratissimo prego de 100 rs.; gran-
de pecMnct* : t na loja do Pavio, rua da Impo-
ratru n. 60, de Gama & Silva.
Sedas Largas
Na- loja dfcPaHao
Cbegoa para, a |ojdo. Pavo um roodernissimo
sortimento das niais lindas sedas para vestidos,
endo ornis de lltrinbas e ootras de flortraBar
cem as rools liJat corta, a itonauutffiopriaa par mmwm
as enbor*5 qo* estivereo tto loto e veadtm-sa *Tl?.j""ir T^n umtWel o-di
IjWo bar to prect.d QO o colado, tiesto w Qajpraai ^^^S^!!;^}^]^^
300$ de gratifica^ao,
Um 31 de outnbro do anno nassado, fugio a es-
crava Clandioa, cabra alta e seca do corpo, qne
pertenceu ltimamente aosIllms.Srs. Jos Joaquim
da Silva, Manoel Mauricio de Sena e D. Maraa
Ignacia de Castro e Silva que a vendeu a Jos Ma-
heos Ferreira que pagara 2005000 a quem ibo
entregar dita escrava na rua da Cadeia n. 62.
- Fugio da ex villa de Cabaceiras, na noite de
26 para 28 de margo desle anno de 1866, um mu-
lato de nome Antonio, cujo escravo do vigario
Jos Fideiis da Silva Rosas, morador na mesma ex-
mela villa, o dito muiato fugio por seduego, e de
accordo com os escravos do Sr. Dr. Jos Francis-
co Lopes Lima, que do mesmo lugar se retirou.
Tomn o mencionado escravo a dlrecgo para o ci-
dade de N'azaretb, engenho Terra-Nova, aonde foi
visto, e d'abi soppoe-se ter seguido para a comar-
ca do Cabo, engenho Araguary, tendo sido ja' visto
no Recife. Tem a estatura e signaos segrales:
de ponco corpo em tamanho e grossnra, de ponco
mais de vinte annos, cabello pizainbo, testa pe-
quena, tem defeito na vista, qoe olba com toda pa-
ra nm dos lados, falta de dentes na frente, que s
se divulga ao rir-se, e quando de proposito abre a
bocea, cambeta de ambas as pernas, que sao fi-
nas, e os ps defeitnosos por cansa de bixos em
peguen, e os dedos tem excessos desordinarios,
levou camisas de algodo azul, branco, caigas, pa-
leto! e chapeo de bata copa bafxa, e nma espin-
garda velba. Quem com elle se encontrar, qner
autoridades, qner capitaes de campo, on particula-
res, apprebenda-o; e ser no Recife entregar na
loja do Sr. Manoel Ribeiro de Carvalbo, na rua do
Queimado n. 18, e a ser em lugar distante o trara'
a sen dono, qot sera' recompensado.__________
i Na nolte de 6 de junbo desappareceu da
casa de seo senhor nma mnlatinha de nome Capi-
lulma. conhecida pelo de Radial, ba toda probabi-
lidade que fosse seduzida, visto que era recolbida
e sem conheclmento mesmo das mas da cidade
devendo pois por Isso estar acontada por algnem,
levon do corpo nm vestido de chita desbotada e
mais 4 ou 6 novos, e um chales de laa branco e barra de cures, tem esles signaef : muito
bem parecida, cabello desembaragado, olbM vivos,
car regular, alta, ebeia do corpo, semblante ale-
gre, ps grandes. Se aluem a ti ver acontada e
nao qaiier^offrer o rigor da lei, mande-a levar
oestes 3 das para ser entregue a seu senhor no
campo do Hospicio casa terrea nova ffonteira ao
qqartel onde reside o administrador do correio
DoanagM. doe-Paasos Miranda.
Vende-se cera de carnauba da melbor qualidade
empaceos, mais barato que m outra. qualquer
parte no armazem do Pavo na rna da Imperatriz
n. 60, de Gama-4 Silva.
Aacabaiasdo Pavo a20000
o coyado.
, Chegaran para a loja. do Payjto a maja lindas
caba)s de seda para vestidos, sendo com os mais
limite gestos de flores e listas, tendo entre ellas al-
gnona ron* e pcetas para qoem etver de luto,
tendo es(> nova fazenda 4 palmos de largura qne ,e conj & signaos segointes : estatora baixa, ca-
jacilita fazer-se nm vestido com poneos covados, e < belbtt earoscaiatfc'-DJito de um dente na frente o
vende-se pelo baratissimo prego de tjOOe, nnlca- d0 ^^ s4Jpe.iitofo,a,oonj o d*/eitode nao estirar o
mente foja o armazem do Ptvio i rua da Impe- t,racaesquerdo,POf-ausa de nma.*qneiiaadura que
rataiwS0,4eGMBa. Novidade
TCStldOfl.
da, o
Esclavo fgido,
desde sabbido da semana passa-
vo Tomaz, cabra de 19 annos de Idade,
lazenda qqitro palmos atargurq facTU- '-brancas com AsirianasIsendo transparentes e-en-1qnem
er-aaflm vestido cora poneos covnet, isto na dni pelo baratissimo preco de 55000 o corto, tartas ao
lo|a t armazem do Pavao na roa 4a Impsratrii n
160 da Ganah & Silva.
saflreb no tornoilo. defeito este pooco percepti-
vel estando Vslldo, teto bont de marroqnlm ro-
zo, camisa branca, e taiga de casimira azul. Esto
, escravo consta andar vadeando neto -armazem da
" ,da via frrea na Cabanga, e hi dormir;
o ittpVetWeV, on rtelle der noticias
mora-
^SSK5t^^!^WSi^'S !%.
na toja .
n, 60 de Gama 4 Silva,
n. IW, sera' geunrosamente recompensado.
.
M ^*
trttfaai



* *

.
Diarlo de reraambnco Segunda felra 11 de nnho d 1866;
LITTERATDBA.
A prlnelra ienpressio.
." m
C o n /l d e n c i a.
(Contlonagio)
No domingo seguate, segando saa promessa,
Alberto Pujol bata porta de M. Anulin.
A velha dama chegava da missa ; havia anda
um -aio de supplica em seu beoevolo olhar. A'
visij de sua visita, ella n> pdde reprimir orna
cerca admiragio. Alberto percebea e indagou as
cansas do elleito qae produzia sobre sua respei-
tavri amiga.
J que queris me dar este nome, aceeilo-o,
disse M."" Ancetin. Quinto explieago qae me
peds, ei-la : a socedade das pessoas velhas to
poco de natarea a agradar aos mogo?, que eu nao
esperava tornar a ver-vos.
Ah I Senbora. disse elle com calor, qaasi
injuriar-me. Podestes duvidar de ram I QiMndo
prometi, sempre costumo cumprir miaba paia-
vra.
De Tras ? Pois bem 1 este careoter me en-
cana. Entre nos, nao o dos Francetes : pro-
metiera muito, e do poaco.
Sinto, chara senbora, qae nao tenhaes melbor
opioio denossos compatriotas.
Elles team tantas outras qualidades 1 Todo
se compensa. Alm de qae, se a meus pobres
oluo enraqueeidos as coasas se tingem de preto
que tenbo vivido muito. A experiencia d crueis
ligues, Um da, referir-vos-hei mea passado, se
voardes.
E' que minha presenga boje em vossa casa
nao urna prova dodesejo sincero quu tenho de
por em proveito a carta de nosso bom Rolland 1
E' justo. Mas, como sou irreflectida sobre,
miaba idade 1 Arranjo o futuro, provoco a conti-
nuago de vossas amaveis visitas, e esqueco-me de
que a oitenta annos completos nao se deve contar
com o dia de amanba.
poltrona. Ella sorrio-se vendo o temor que se lia senti. Cobral animo. Tenbo supportado penas
as fefges de seu joven amigo. para saber gozar a fellcidade. Minha alegrafoi
Jacquttte vos tera' assustade, disse ella. excessiva,"eu o confesso. Dando vos minea Antoi-
Perdo, mas vos soffrestes, nio me posso en-, He, creiocumprir as" intenses de sia/mi. Vou
ganar.
Lagrimas vieram aos olhos da octogenaria.
Choraes, chara senhora 1
Ah 1 nao por mim, crede-o bem.
Ha muito, tenho o habito de soffrer. Miaba sor-
te nao me inquieta.
Aqai Alberto lembrou-se dessa .neta coja exis-
tencia M.-1 Ancelin Ibe Indicara.
Percebo, disse elle ; o que talvez vos assus-
l*. o futuro de urna ouira pessoa, de. .
De minha neta, de minha Antoinettt.
Alberto inclinou-se gravemente.
escrever-lbe, vou partcipar-lhe qae aqu, neste
canto de provincia,'achei o mal generoso e nobre
coragao. Antes de qainze dias v-la-bels; possa
ella realisar b ideal com qae todo o joven sonba.
Pedistesrme Antoinette, ella pertence-vos.
Obrigado, miaba boa mi... exclamou elle.
Tomo a llberdade de vos chamar por este nome'
porque vos dignastes do dar-me o de c
Qlho.
sm, meu liiho, meu multo querido fllho I
Ob 1 ufano-me coa es:, titulo ; sou feliz de
me occapar de meo casamento. Ser-
me-ha preciso aasnur-me, ir a Pars para regalar
meas negocios; mis volurei o mals cedo pos-
slvel.
qae a cnegada de Antoi-
ossa vol. Esperando) como
deveis boje acceitar mea
gado oA!mDoftmTSCeD,0a ""I* da^,a Che- :*> w W' 90 em diante,
gaao o lempo em qae -vos posso referir certas-coa-' Desde ii von
sas. Ah I ser am grande signal de estima por-
que ate hoje tenho guardado commigo os meas pe-
zares.
Oh ('exclamou Alberto,.me parece qae soa
digno de ser iniciado nelles. J vos amo tanto!
M Ancelin encarou-o com ternura.
Sois orpbo, disse ella, e comprenendo qae
vosso generoso coragao conda-se da desgraca
daquella que brevemente tambera ser orha. Des-
culpai-me de ter tanto esperado para confiar-meem
?os. E agora, oavi-me. A revolugio ferio-me
cruelmente : en linha mullos bem.; perdi-os, e s
cooservei o necessario.
Minha Blba, casada com um gentilhomem, eral-
grou com seu marido. Esperando que a borrasca
sena e curta duracao, elles delxaram-me sua -J
lha nica, anda no berco e fraqoisslma para snp-
portar as fadigas de ama viagem ao eslrangeiro.
Nao voltaram ; o 'pezar matou a ambos. Antoi-
nette, a principio, s teve a mlm por mestra; mals
larde, em lempos melhores, pude recolbe-la em
nm convento e dar-lhe ama boa edncagao, o mais
precioso e mais solido dos thesonros. Ella tem
dezesette annos, convenientemente instruida, e o
que ainda mais vale. compassiva, dcil e modesta.
Mas sea faturo me assusta.
E1 isto, pri
nette coincida coa
voa ser privada de vi
modesto jantar.
Gomo I exclamou1, Alberto, demafto boa von
tade ; ser um adianurfieato por coala do tempo
m qne nao nos separaremos mais.
Sob a influencia dessa primeira impresso
qae sempre o arrastava, Alberto se esqoecra com'
pletameote de qae M. Feloqvt i espera-lo matdi-
zendo-o. Elle s se lembroo de sea companheiro
de mesa noile qaando se recotna casa, depois
de ter sonhado em eaminho con mil delicias, e de
ter composto em sua imagmaeao o-retrato de An-
toinette, sendo que nem ao menos perguntra a
av se a seu era morena oo loara, sil ou baixa,
paluda os rosada.
Nao tenbo sb si?, disse elle, e a perspectiva
qae para mlm se abre, me- encanta, como se
diante de meas olfcos se abrisae urna jaaella para
o panizo. t.1/..
Poesa I... Isto bom para nossos actores de
fama, Urna. DstiUe, Saint'Auge, Baour-Lornian...
mas para vos ?
Eu, replicn alegremente o joven, vou farer
poesa em acgao. lito vaje bem o alexandrino. To-
na minha felicidac e, accrescenlou elle um pouco
maliciosamente, ser perturbada pela necessldade
j em que me vejo do vos deixar para ir a Pars.
A Pars 1 serio 1
Tudo quinto ba de mais serio. Dez a doio
dias me sero precisos para regalar meas pequeos
interesses.
Part 1 disse mgestosamente Mma. Feloque;
n3o sou en qae' vos reterei. Oh I nao, de cerfo,
nao son en. Part l repeli elle lomando sen cha.
peo de abas largas., e sea chapeo de sol sem o qaal
jamis sabia. Nao vos esquegas, am da, da que
pnz a' vossa disposigao minba velba experiencia de
que me esforcel em vos reter as bordas do precipi-
cio I... Adeus I- .
E Mma. Feloque foi passear s debati das ar
cadas do mosteiro.
..(Continuar-ir-ftaj
..---------
Senhora, ba centenarias.
Vamos, cem annos muito. Nao son
la: ambiciosa; e com tanto que minha querida ne-
ta fique amparada___
A velha dama parou a estas ultimas palavras, e
a expresso de suas feigoes parecen dizer que ella
senta ter fallado muito, tanto mais qoanto Alberto
estremecer. Mas como M.m Ancelin nada mais
dina, o joven nao tomou a liberdade de fazer ne-
nbuma pergunta, nenhuma observago.
Jacquette, chamada por sua ama, teve de trazer
um refresco qne Alberto apenas provou.
A criada volva olhos ferozes. Esta abrogago
monotona habitual da casa, e o temor em que ella
eslava de ser obrigada d'ento em dianle a labir
dos monosyllabos a Jacquette. Mas qual nao foi a
saa admirago, quando oavio Alberto propor a
ii.-j Ancelin que Ihe dsse o brago para fazer um
curio passeio por fra I...
Este passeio teve lugar, com permisso do sol
que, esplendido, dourava os declivios das moata-
nbas circumvisinhas.
Nao s nesse domingo, como em tres outros se-
gu.dos, deu-se o bom e lento passeio, com a loqua-
cidade cbeia de eduso, a inlimidade cbeia de eon-
fianga.
Jacquette devera tomar seu partido ; mas os ha-
bitantes de Satnt-Sorlin estavam pasmados, nao
Ibes offerecendo o enigma solugo algnma possivel;
c quanto a M. Feloque, continba surda colera.
Ora, no sabbado que precedeu o quinto domin-
go, M.1 Ancelm soffria grave indisposigo, a pon-
to de aconselhar-lbe a prudencia que nao dsse o
passeio do dia segointe.
Quando Alberto se apresentu ao meio-dla, se-
gundo o seu cosame, a lacnica serva Ihe disse
bruscamente:
'Doente... nontem....
Depois o introduzio, toda perturbada.
A velba dama eslava estendida em sua grande
FOLHETIH
TRISTEZAS A BEIRA-MAR
POR
M. PINHEIRO CHAGAS
padre e ouvio
den. D'abi a
um cindieiro
Abl ehegaste mftm I gritoaJT.fe/oawf. Eu
suppuoba qae nao tos verla mais. Jantei pessi-
mamente, setrbor ; pesslmamente. Poi-mc preciso
comer por done ; porque a lagosta nao pode guar-
- Gomo, senhora, se ella possue tantas qualt- j dar'se' E' m04i &****+ Se nao Hvesse
duplicado a ra?ao de cognac, experimentara peso
no estomago. Em verdade t A conversa da- velba
dama tem moito encantos para vos ?
Perdo, sentar, disse-gravemente Arberto ;
obsequiar-me-heis se nao tratardes mal a ama pes-
soa eminentemente pespeitavel qae, alias, eos- pon-
eos dias sera' minbf>mii.
Vossa mal!.., nao comprehendo.
Dnas palavras rio tornar-me intelligireh
Alberto referi tudo qoanto se passou. Jf- Pe-
loque costara muito a conter-se em quanto elle
fallav. Mais o que est' dlfferido nao esta' perdi-
do, como dizem, e a borrasca preparava-se. Sea-
lindo if. Feloque qne falta-va-lhe I autor Idade, deu
am tom irnico a sea mo humor. -
Muito bem, disse elle por sua vez, moito
bem. Nio seria possivel se snjeitar mais galante-
mente sea faturo. Vira a- prudencia da juventu-
de I A existencia nma, e della se dispoe eom
excessiva facilidade... & qnem se case cono en
engaliria este copo de licor...
Em verdade, elle beben um; e, continuando
com voluMidade :
Vi muitos loncos e toncaras, mas confesso
que ainda nao vi nada semelhante. Ao mecos, no
easameQtov devemos conbecer a mnlber com qnem
nos vamos ligar para sempre. E depois, esperi-
menta-se ara pouco o carcter, qaer-se ter ouvido
o som da voz Mas um easamento por proturag
I de av, urna unio com am ente bypothetice, -lao
naadito, to estravagante-, qu...
Elle deu ama gargalnada qae era muito potreada
e estridente^ para nao ser toreada. Parando- da-
inate :
Estou certo, prosegaio elle, de que a consa
foi por causa, desee fatal habito de segnirdas vossa
t prlmeira impresso t
C' eiacto.
Prmeira impresso I
Ah'bella consa I Ella vos-perder,, men
caro. Que digo? Ella vos per dea. Alberto sor
Gomprebendeis, meu amigo, a commogao que [ ria-se.
dades ?
Ah men amigo, eu seria insensata se me
illudisse. Na minha idade, cada dia de vida nm
favor. Inevitavelmente a minba Antoinette se acha-
ra, em breve, s no mundo, sem apoio, sem pro-
tector.
Ah I como a amizade poder-lhe-bia faltar
A velba dama abanou a cabega.
Julgals os bomens segundo o vosso coracao.
Minha neta tera' ponca fortnna, e nao existem ami-
gos desinteressados.
Existem, senhora, exclamou o joven advo-
gado.
Nao os conhego.
Esqueceis-vos de mim ?... disse elle com o
maior calor.
Acalmai-vos, acalmai-vos, e reflecti. E' na
vossi idade que poderieis servir de protector a
urna donzella de dezesete annos ?
Para Isto, senhora, ha um meio. Posso ser
seu prolector natural vindo a ser seu marido.
Seu marido I...
Concedei-me sua mo, e vos prometto perante
Deus que empregarei todos os esforgos para faze-la
feliz.
Mas mea amigo, vos no a conheceis...
Que importa, se ella se parece com sda
av !
Mas nao vos oceultei que ella alguma couas
pobre.. .
Tanto melbor : trabalharei para ella. E or
mais, se fusse rica, precisarla de mim ?
Ainda que estivesse muito fraca, Mma. Ancelin
nao pode deixar de levantar-se, abrindo os bracos
ao joven que apertou contra o coracao.
__ Mau lilbo. umiuiuiuu ella.
E cabio desfallecida. Mas, tornando a si imme-
di ata renle, p. jsegoio :
IM POLCO m TUDO.
E' da Sra. D. Emilia A. C. de A. Gomes de Pe
nilda:
O C\SAMENTO CITO.. ,-
0 casamento nao deve ser am contrato mera.
mente civil, aos parzes em qae se professa o cato-
licismo, porque Jess Christo o elevoa a dlgoidade
de sacramento.
O Dvino-Mestre ensinoa a seas disctpnlos que
este sacramento em indissoluvet quando disse:
O bomem nao deve separar, o- que Dos
unlo.
Nao foi essa a nica iasiruceao, qne o Ifcmem
Dos deixou-nos a respelto do sacramento do ma-
trimonie;
Qnerendo os pharisew tentar a Jesas Cristo per-
guataram se era licito am bomem repudiar a. sea
mnlher porqalqaer cansa.
Jess GbristO Ibea perguntou :
Nao (andes lido qae no principemeos creo
nm s hornera e ama so- mnlber t
Depois aerescentou estas-memora veis palavras
o bomem deixara' sm pai e sua m, para nnir-se
a saa esposa,, sera' urna s alma, am so corago
em dous co'rpos:
Depois destas farinosas* palavras do ueas huma-
nado, da SabedoriaInfinita, nao devem os obristos
duvdar da sublime digaidade, e elevada sanhdade
do sacramento do matrimonie, e de nenbua modo
querer desunir o que Dos uni.
Somos catbolieos, seguir deremos com teda in-
tegridade e pnreza as leis evanglicas,' e es -cao-
nes catbolieos e enxertar nao devemos usos -protes-
tantes em nossas praticas caibolicas.
O nosso Divino Salvador disse a seus apostles:
O qne ligardus na torra, sera' ligado no
cao.
Grande ousadia 6 querer- desligar o qna Dos
lign.
A iadssolubilidafie do matrimonio ten vitado
muiios abusos, e protegido a.moral ebrista.
E na verdade qne sera' do estado nao toado por
base a religio ?
Que sera' das familias, membros da soefedade se
introdozir-se-no Brasil o eaeamento civil T
Se Moyss permiuia o divorcio, era nicamente
para evitar ama maior desgraga, e por eausa da
dureza do eorago dos Israelitas.
O apstol S. Panlo oomparoa o casamento dos
cbnslos coma un.o mystica, qae Jesas Christo
eontrabio com a santa igreja, unio eterna e indis-
soluvel.
Tudo o qne prejudicial a religio, tamben
para o estado.
Estabelecer-se no Brasil o casaraenio civil
abrir-so portas a iaaameraveis males, e muUoa
del les irremediavei, calcar cora os ps a traa
qalllidade publica, offender gravemente a mor
lidade ebristaa-
Ue semelhante innovagio, bem nenbum Tira' ao
Brasil, engana-se grosselramente qnem pansa o con-
trario.
Querer tirar bom offeito de urna causa m,
querer colher llores onde se semeou esplnhos.
Um bispo em Inglaterra provon qne a facilidade
de obter o divorcio, era ama fonte de immoralidade
e muitos pares conveoceram se desta verdade.
(Bergter sur le mariage.)
Em Roma acontecen o mesmo, nanea as mnlhe-
res foram menos virtuosas, eomo no tempo em qae
a facilidade do divorcio dava-lhes motivos de nao
respeitar a seus esposos. {Bergter.)
"Chateaubriand diz em sea Genio do Christtanis-
mo as segulnies obrases sobre o sacramento do ma-
trimonio :Os ntaos marchara para o altar santo
com nm passo grave e solemne, soa pompa si-
lenciosa e augusta, o bomem advertido que ell
val encetar orna'nova vida.
As palavras da beogo nupcial, (palavras que o
mesmo Dsns prononcion sobre o prlmeiro par do
mundo) enebem o marido de nm grande respeilo.
a lbe dizem qne este aeto e mais importante de
sua vida, que como um novo AdSo, elle val tornar-
se eiiefe de urna laraUia, e que elle se encarregar
de lodo o fardo da eondigo banana. *
A mulher nao meaos instrnrdt.
A imagem dos trazares deaapparece de seas
olhos, e substituid. pela do deven
ma voz pareca-lhe dizer do santo ahar O"
Eva, t sabes o qae faze? Sabes qt nao leras- li-
berdade serojo no tmulo I
E pergunto eu agora, estaro por isleos esposos
qae tiverem a liberdade do divorcio ?
O esposo qae nao feliz com a prmeira esposa,
doder ser eom a segunda T
Como um- filho honrara' a soa mal sabendo que
sen pai poda repudia-la ?
Oacomo peder' o Qlho amar a sea pal vendo
qae eile desamperoa a mi qae o-acarieiava, e Ihe
dea em sea lugar ama madrasta-s isto em vida-de
soa mil ?
Deixamos de qaerer innovagoes-t5o prejndlciass
procuremos antes ser alis ao nosso paiz, fazendo
brilhar nelle a mais- aerysolada virtade, a mais
sublime moral e isto consegue-se snavisando o que
o matrimoBio pode ter d amargo, a nao tornando
mais pesadas os seus lagos.
Os esposo rirtoosoj qae viveretD em harmona,
pa na rao do lenros eere^es de seos Altas o amor
.da virtnde, da patria e de trabalo.
Se estes nontes sen tmenle* reinarem nos ani-
mes da mocidade brasiteira, o Brasil prosperar
mesmo sem atnilo de estraagei ros, e- mafe tarde
elle oceupara" am lugar dietineto entr a nagSes
poderosas.
Mas-se abolir o sacramento do matrimonio e
era seu lugar Mtabelecer-se o casamento --civil, o
Brasil cahira' daabysaw em abysmo, Mea mais
completa ruina.

CheasM?m no dia U
aefM taTdetitil, tres
a Llterpool e a Worcester
na mettmi ti'de 5 i fes semanas depois da
partida do agest de polica.
Pedem-nos esta publicarlo.
ARrLIA.
Escoia.-Marils, escota
A oda e para eaprasso
De uru paito que se deQnba,
Alvo da dbr, amiego
Por amar e consagrar-te
Alma, vida e coragSo.
Nio me maldigas, eu te amo,
Eu te adoro, sou fiel,
E Jaro por Deas ser firme,
n2*
Son
if
!
XVIX
(Concluso.)
Lourengo acudi aos brados do
com espanto as ordeos que elle Ihe
iasuotes uns poucos de castigaes e
figaravim em cima da mesa, e innundavam de luz
a vasta sala, com grande alegra da pequenina Leo-
nor, que balia as palmas muito satisfeita.
O padre Christiano relanceou os olhos para a co-
stana e vio a lareira quasi apagada. Levantou-se,
e, drigindodoseaos criados,exclamou :
Ora que genie esta I Ento isto lame que
se veja ? Esperem, que eu j os enslno 1
E, entrando na outra casa, pegn n'um bragado
de lenba e atirou-o para dentro da lareira. Logo
se erguea urna cbamma clara e alegre, que illami-
nou todos os objectos com os seas refiexos doara-
dos. A crianga olbou para Leonor, como que para
lbe pedir licenga de ir para junto dofogo, e, ven*
do nos seas labios um melgo sorriso de assenii-
mento, saltn para o chao e foi a correr para a co-
sinha, onde esleve um pedago a contemplar embe-
vecida a lanareda.
Depois, qaando o padre Christiano voltoa para a
casa de jantar, voltou ella tambera, e foi s ento
que vio o gato, enroscado voluptuosamente em es
ma da sua cadeira e dormindo o sommo dos justo
no seu asylo babitualmenie socegado.
Olna 1 um gato I bradou ella muito con-
tante.
Escusado dizer que o pobre biebano nao teve
rsaeiio se nao despertar, estender as patas vaga-
rosamente,, espregulgar-se, bocejar, enrular o dorso,
aeniar-se gravemente as patas trazeiras, pondo
cautelosamente a canda ao longo do eorpo, e olhar
para a crianCa com os olhos meio cerrados, como
que para lbe pedir comas d'aquella violagao de do-
micilio.
Leonorsinba, segando consta, nao lbe, den satis
fagoes; desaOvellon rpidamente o cinta e come-
coa a balouga-lo por diante dos olhos do gato. O
bicho ainda por um resto de rancor, mostrou-se
primeiro iadifferente as manobras da crianga, mas
d'abi a instantes comegoa a seguir, com os olhos j
bem abertos e com a cabecinba vivissima, de am
lado para o oatro, o morimento pendular do cinto,
qae o tenia va. A final foi para Iba lancar a mo;
Leonor esquivou-se-lhe e fogio, amatando o cinto
pela casa. A tentaco vencen a preguiga, a o bi-
ebano, saltando para o meio do chao, foi correado
atrs da crianga, ao som das gargalhadas infanti
as, qne os cbos melanclicos a casmorros da sala
repetirn com justificado espanto.
Veja, U. Leonor, disse brandamente o padre
Christiano, como doce Infloxo d'esta crianga di,
''pon as nuvens de melancola, qna pesaVam sobre
esu tasa t Nao to icceitas a Deas as tristexaa
de que os anjos se assastam. A solido boa as | mo dos e5p0Sos. E em tanto a santa, ssinba, tris
vezes para retemperar o espirito, mas um crime te, paluda, na sua celia sombra, macera o corpo e
quando se prolonga. O Deus, que nos apparece Jrranca a alma o qae ella chama fermento das pai*
as visoes dos ascetas, a imagem paluda e dolo- j xges humanas, e que nao mals do qo a verda
rosa, que assusta o peccador as horas do remorso, I eir, a bemdita, a risonha oaridade I.. Leonor,
mas ao doce convivio da familia preside invisivel o j contlnoou o padre, amelgando a roz e deixando in.'
melgo espirito de Jess, do louro Nazareno em tor- i voluntariamente resvalarem pelas faces as lagrt*
no do qual se agrupava risonbo o bando innocen-
te das criangas. E tem-se privado d'estes jbilos,
D. Leonor, tem cerrado os olbos a esta luz, os ou-
vidos a estas harmonas, o coragao a estes affec-
tos !
Foi eu a culpada, padre ? Nio era esse o
mea sonho anteo, a minha nica esperanga ? Esse
qnadro suavisslmo, que me pinta, nao foi ella quem
m'o apagou da existencia ? Se fui criminosa, le-
ve-me Deus em conta o sacrificio qne fiz de todos
os jbilos do mea viver 1
E acceitou-Ibe Deus o sacrificio ? exclamou
o padre, levantando-se com solemnidade. Julga
que Deus cora a abnegagao, s pelo que ella vale
em si, quando essa abnegagao nao contribue para
enxugar ama lagrima, quando esse sacrificio se
Acaba de morrer em Versaibes (Franca) ama
mulher qae asara de um nmade algn celebri-
dade na historia d* revolago-fraacezi.
E? a Sra. FabredeEglaniine; tiha -do convencio-
nal- gotlbonado no dia 5 de-abril de 471"i com
Daoton-e Camllo-Desmonlins.
Asiavencao dos eoieriabos da-papel devida aos
Estados-Unidos da America.
Haje os Americanas fabricara j com nma- mistu-
ra de papel e de cassa, sai as-, melas e coturno
que cusam menos-do que se paga por lavar qual-
qner-destes objectos.
Nos Estados-Unidos j se veade graaaVqnaati-
dade desta roupa branca, com grande pesar das
lavadeiras.
Um eaixeiro da-Companbia economiea.de Wor-
cester, em Inglaterra, fngio ha pouco tempo para a
America levando cetnsigo perto de nm mhao.
Um agente da poiicia secreta agiera fei enviado
em persegoigo-do ladro.
Este agente cnaprio a sua>missa eom a maior
rapidez, como s vai ver.
Parti de Liverpool., a 21' de mareo, ebegou a
Nova York a I de abril, deseebrio o ladro e tomou
a embarcar co elle no dia 4.
oda saasanauace a morie,
orraNfcaniQS de fel.
Em vo qneremfiS, Marilia,
Um mutuo aUrrio nos dar;
L vem a mo do destino
Nossos desejos frustrar;
E desejos sd naV podem.
Guardas, mnralbas quebrar.
Longos dias veem e fogem, ,
Vejo-os, sinistra viso 1
Sem de ti eu novas ter, ;
Sinto a mente em confaso,
Almejo ver e fallar-te,
Tenho em brasa o coragao.
E o mea peito am volcio,
Meas olbos sao a crtera,
Meus cabellos negro fumo
Do fogo que me lacera ;
Mas minha mo do gelo
Que l nos polos impera.
Deliro, sesmo as trevas
Por mim, por ti a tremer ;
Ouco solugos, gemidos
Que me cootm ten soffrer;
Dolorosos ais, suspiros
Mando os ares percorrer.
J na mente encandecida
S morrer... morrer soletro;
Vejo pbantasmas, sepulchros,
Vejo da morte o espectro ;
Mas cinjo a cruz, e da esp'ranga
Vejo a f mostrar-me o sceptro.
j./





Noss horisonte esta' negro,
Tem rancorosa attitute;
Mas nossos peitos chammejam
Do fogo da juventude ;
Brademos Marilia minba :
Constancia, amor e virtnde.
Se pois malvolo espirito
Da serpe as formas tomar,
Dize-lbe que Eva nao pode
Segunda vez se engaar,
Esmaga o crneo asqueroso,
Da'-lbe am exemplo sem par.
Zomba do mando, esse algoz,
Jaiz devendo ser reo,
Frusta-lbe as tramas iniquas,
Rasga-lhe o bypocrito veo ;
E olbando-o desdenhosa
Dize Ihe Atando o co :
O fido Pelindro meu,
Nada qne tea o* seduz,
S de meus olnos o brilho
Dentro em sua alma transluz -,
Pelindro tem divisa
Marilia, amor e a croa.


'

nao desfaz em coosolacoes para os outros, quando
o saogae, qae as rendas vertem, se nao transforma grias, em qoanto en arrastava solitaria ama
em balsamo ? Deus desvia os olbos do solitario
egosta no proprio desprendimento das suas pai.
xoes, que macera o corpo, qae atropbia o espirito
para conservar intactos para o cea os thesonros de
mas que Ihe arrancava essa profunda commogo
Leonor, nao escate mais a demonio do orgulho, qna
a nersegue com as teataedes do oaartyrio, que tam-
bem as **-n ; ouga voz do coracao, caga a voz de
Dens perdoe -
Perdoar a quem, padre Christiano ? respon-
de u Leonor profundamente abalada e com as lagri-
mas nos olhos. Nao sabe qna aem dorara um passo
para obter esse perdo, qne ao fizeram o mais pe-
queo sacrificio do seu orgulho para reslitoirem
tfadasinha ama flor s da grinalda que Ihe des-
folbaram ? Nao sabe que eu s esperava ama pa-
lavra para deixar trasbordar do coragao a indul-
gencia, e que essa palavra nao a proferiram elles ?
Hei de perdoar a esterilisagao da minha vida a
qnem me nao perdoou a ofisasa mais leve ? Nao
vi verana descuidados e indiffareatas no seio das ale-
vida
toda de saudades e de tristezas ?

Corra um ven sobre o passado, D. Leonor'
A suspenso de pagamentos que acabada farer
a easa bespaabola de Piolo, Prez, Ashley & C,
com um passivo de 300,000 libras, tem causado
grande impresso em Londres.
Corre na CUy que a liquidacao sera' mui deefa-
voravel, porque esta casa fallida eslava en volvida
no oommercio de iroportaco de chumbo hespaahol
e de exportacao de carris da ferro.
Attribue-se este-desasir financeiro a- circams-
tancia desta casa ter empregado nma grande parte
dos seus capitaes em obrigacoes qae se Ihe toinou
impossivel reesar.
O ministro, disse-lhe eaio :
Ora, Sr. padre, nao fazeis seno- tocar a re-
bate.
f Por torga, Sr. ministro, j que atacis foge
em ludo t
lornou o padre com voz grave Mo reja a pecca-
amor, que devia derramar com mao prodiga sobrej"___*. ,._u__ ... ____ ._j^^ iMm. rL..
os seas companbeiros na peregrinago d'este man-
do I Bem dito o pelicano, que abre o seio para
sustentar os Albos Anatbema sobre o mocho
agora tambera, seriaba, sem amparo, sem consola-
' gao, pungida palo remorso, que ni jbilos ineffavels
' do amor j o sHstaaaam a eecondem Veja a pac
cadora contricia, fnlralnada pela desventura, eslen-
1 dando os bragos para aquella a faem offendeu, mas
j de qnem s espera perdo a alllvio I Sobre a cam-
' pa do bomem, qne ambas amarara, derramara, abra*
cadas, as lagrimas de nma mesan saudade I Una-
as o mesmo sentimento e das ciaras do amor brote
de novo o santo inme do afiteto fraternal I
Padre*, respondan Leonor, rranzlndo o sobra-
olho, ser difficll essa unio 1 A mnlber qne nem
sonbe amar o homem, qne escolbaa para esposo,
nio digna do affecto paree- immenso, qae, apeur
de todo, eu sinto ainda no coragao! Este snocesso
fatal acabou de me revelar o profundo egosmo de
Magdalena. Para o qna roa fas asa teve, agora o
vejo, a desculpa de tua amor prefando e.irresisti
sombro, que se refugia as trevas, e que pousa so-
litario a horas monas na eras do cemiterio I Bem
sel qae me pode responder qae foi a sua solido
fecunda de coosolacoes para os Infelices, que as
suas mos enxugaram muitas lagrimas com o onro
bem dito da caridade. Nao basta I En, que a se-
gu, passo a passo, as suas earidosas romarias, vi
com pesar o digo, qae esmoUva como qnem com-
pre am dever, nio'como qaem obedece voz do
coragio. Fallava o perfume consolador a essas
moedas, qae as suas mos geladas defxavam eabir
no regaco dajpobreza. Nio esse o onro qne se
transforma em rosas. Por isso essa pobre gente j
nio Ihe chama a c fadasinha chama-lbe a c san-
ta >! Jalgaram outros mais glorioso o epibio,
en nio I A saau infonde respeilo, a fadat zaspira reL Se consagrassa i Jorge o amor qne en senta
amor. A santa isola-se no sea ascetismo sombro,
qne lbe bavi de consagrar, nao aserrera elle s
na fra calla do sen mosteiro, entre as disciplinas catre as ternveis angustias do nanfrgio. Havta de
sangrentas e o erncifiro lvido, e, alia nolte, quan- tr. o OMn pobre noivo i ana. bracas que o estrei-
do os grupos dos camponezes voltam, canund/ydns! tassan na hora snprema, nos lacios que lbe colhes-
olguedos da aldeTa e vem brilhar aa jaaetla gm> |aaai *w* lactina o derradairo suspiro Mas minba
deada do convenio a pallida Inz da lampada da ttW
ra, emmudecem, passam com religioso terror e
murmurara: c A santa! E afana? Essavol-
teia diante d'elles no clareo argnteo da loa, ar
louga-se no clice das rosas, casta no sussurrar da
brisa, espera a familia campeaa i porta da cbon-
pana, entra com elles, senta-se i beira do lar, e
esperta, pensativa, a cbamma alegre da fogoelr.
E, qaando o fogo expira as cintas, "l vem a fada-
sinha poroar de roanos cor de rosa o barco das
criangas, desdobrar o dlapbano roo sobre o thala-
Irinia teve roedo!.... am ataque de ervos talvez...
recelou sempre o anjoa e daixon-o tr sosnho arrlr-
car-se aos perigos do Osar I Era assia qne ella
comprehendia os deveres de espesa; foi para Isso
qae ella m'o roboa!,.. padre, tono lbe perdoana,
manes o ter aatxade asaim morrer, sem consola-
gao, esa toda a aignsvia a laolamento, o men jar-
ge, o bale homam a foea amei!
Paraquaaraqtora juizos temerarios? raspn,
den o padre Christiano com severidade. Sabe se
'outros devares a nao compelliata a fater o qne fet?
"Que devereaoa superiores aos deveres de es-
posa?
Ha os. mais santos de todoa; ha os de- mi!
Mi I exclamou Leonor, erguendo-se; Magda-
lena mal ?
Ouviodo o nome de Magdalena, a pequeniua, que
andava brinaando no fundo-da sala, veso correado
para junto de Leonor, qae se sentara de novo, e,
encostando-se-lhe aos joelhos, Qt ou nos- olbos della
um olbar lmpido e curioso.
Leonor beijou-a nos cabellos e seniou-a no eolio.
A crianea estere ainda algom tempo. com a cabe-
cinha rollada para ella e com o sea olbar ingenuo
filo em Leonor. Depois, vendo que esta, distrahida
pela noticia, qpa a padre Ihe dra de obofre, lbe
nao prestava aitengo, voltou-se para a mesa, e,
vendo am livro (a Biblia daquella casa, o Camoes
de Garrett), pegou-lne a comegoa rae a folbear, se-
guindo com o dedo as linhas o pronunciando em
voz alta, muilo afana, as letras qae ja coohecia.
Sopponba, cllsse o padre, insinnando branda-
mente cada palana, em qoanto Leonor sagoia som
am melgo sorriso cada um dos movimentos da
crianga, sapponiu qna nm anjo, como esse, louro,
tmido, rosado, esliendo as mosinnas suppltaes pa-
ra a mi, qaando esta, cumprlndo os seus deveres
de esposa, se ral arriscar aos mesmos perigos a
qae sea marido s qaeningaam poda prever. Sappooha qae t pobre
mnlber, deba tendo-se entre os dous amores, que
igualmente a dominam, se v de am lado o marido
no angustioso instante de urna solitaria merte, v
tambem do antro lado a imagem da filbinba, s,
desamparada, orpb ia, expotta aos baldos do mun-
do, s angustias da existencia, sem oarinhos de
mal, sem proteegio de pai I
Pobre crianga! que veste a'negra moruiha na
Ida Je em qne todos envergara a alva0cb1amyde da
primavera da vida I Aurora envolta em nuvens I
rosa a desabrochar entre dnas campas I pa&iarlnho
solitario pousado no cyprestal I.. E este pensamen-
to, Leonor, nao era bastante para qna a mil exire-
mosa tizase* am sacrificio bem mais penoso do que
o da vida? qu saoriaeasse o repens eterno, a
amarga veiaptuosidade de morrer enlaeaila aos
bracos do ente a quqm se ama, ao (otare, u Mof>
dade, aosocego dessa querida criatura? Dita, Lee-
nor, acha qne Ao seja mals nobre o proceciimento
de sua irma, ai ha qae essas debis mosinhas
nio tem toara (orea bastante para suster beira So
tmulo a mulher, que s no tamalo encentrarla
allivio?
O padro Christiano pronunciara este longo dis-
curso com branda intimativa e com mal reprimida
commogo. Leonar rollara os olhos desconfiados
do padre para a crianga e reparara s enlio qne
a Leonorsinba viuha vestida de luto. Qaando o pa-
dre acaoon de fallar, Leonor, com a pbysionomia
indecisa entre as encontradas expresases da com-
ntoco e da ira, nclamoo eom carta asparu: '
Padre, qnem esta crianga?
Nao den tempo a pequenina a qne o padre res-
pondesse. Voitor.-se para Leonor e dase Iba, apon-
lando para o toIiidm coa qae estiren brincando:
A mamia. i em untos livrosl.....,, Bale ge
qoe?
Serenou a d"e infloencia darlaaoa a tempesta-
de, que ia talvez retentar. Leonor sorrio-se meiga-|
mente e responden: .
E' um livro de versos, minha Alba.
Eu sai dizer verses-1 exclomen a pequenina
com a ingenna ufana das criangas.
Sabe f tomn Leonor. Eoio diz-me algans ?
A creaoga olhou indecisa e sorrindo-se para o
padre Christiano. Este fez-Ih com a cabeea nm
signal afirmativo.
Leonorsinba, sera se fazer mais rogada, prin-
cipios logo, com o seu fallar gracioso e cen/so de
crenga, a. recitar- os- versas, ja' to uossos conbe-
cidos :
it
Looge, por esse azol- dos vastos mares,
Na soidao meisneoiiea das aguas,
Oavi gemer a lamentosa aloyone
E com ella gemeu miaha saudade.
Alta noile escuiei o carpir funebra
Do nauta, que suspira por um tmulo
Na trra de seas pais, e aos longos, pios
De ave triste ajuatei meus ais mais tristes.
Leonor oovira os versos laclando com a com-
mogo, que irresistivelmente se ia apoderando
della. Arrava-lbe o seio, agitado pelos solugos re
primidos ; as lagrimas acudiam-lhe aos olbos e
resvalavam-lbe silenciosamente pelas faces. Quan
do expirou o ultimo verso, expirava tambem a for-
ga com qne o orgulho de Leonor reagia contra a
doce Influencia a qae ia involuntariamente ceden-
do. Irromperam os solapos, golpharam os prantos,
e attrahindo loocamente a craanga para si, e abia-
gando-a e beijando-a com impeto, exclamou ;
Minba Alba, minba querida tilha I
Nao sera* ainda este anjo o anjo do per-
do? murmurou ao lado della o padre com voz
eommovida.
Leonor erguen para elle os olbos banbados de
lagrimas, e ergue-los, rio no limiar nm vulto fe-
minino, paludo, vestido de preto. Dea nm grito e
corren para a porta como louca, estendendo os bra-
cos para essa estatua da saudade e do remorso, ex-
classeado :
Magdalena, minha querida irma I
Leonor t-bradoa esta, cahiade-lbe nos ora-
pos, afogada em pranto.
Por algnns instantes nao as oavio senao os solu-
gos das duas infelices, qae todo, todo perdoavam
osase longo e estreito abraco.
i Depeis Leonor, anda eom o pello agitada pelos
solugos, pacn Magdalena para si, e trazando a'
. Inz e rendo-a pallida, acabada, com os olboi enco-
rados, as faces emmagrecidas, ella a creanca de
vinte annos, ella a brilbante Magdalena, a ranba
ammalan, e pensando em si mesma, tambem com
vinte e oito annos e ja' tio carnea pan o tmu-
lo, mnrmurou com profunda tristeza :
Cerno asumas velhas, Magdalena I
Resumiam-se naqaella singela phrase todas aa
amargaras, todas as agonas, todos os pungentes
remorso-, qae gerara aquella amor faul.
Bpilogo.
Poucas patarras acreseenuremos. Deseen o pan-
o, esta' concluido o drama.
A poneos interessam as explicaras-finaes. Com-
tndo, eomo os leitores n.io deixarao de certo de
estranbar que o valente. capilio Baivoso nao esti-
vesse presente a esu ssena de reconciliado, dire-
mos sempre que o padre Christiano, temendo al-
gom dislate do honrado veterano, deu-lhe ordem
positiva que nessa noile nao pozssse os ps em ca-
sa de IX Leonor. O capito Raivoso obedecen sem
rplica, miiiurmente como sempre costnmaia fa-
zer, e no momento m que as duas irmas se abra-
gavara, canuva elle ao seu travesselro nm.admi-
ravel solo de baixo-profando.
Para nao termos qpe voltar de novo ao digno
commandante do forte, diremos que nio foi peqte-
no o sen espanto, qaando no dia segointe vi D.
Magdalena e sua filha insinuadas em casa da saa
boa menina. Cocotudo, desta vez nao uve remedio
seno resigoar-se. E a tanto chegou a saa resigna-
cap, que deixava at a Leonorsinba puxar-lhe os
cabellos da bigode, e em vez de actaar coa isso a
sua digodade oQendlda, ria-se a bom rir das tra-
vessuras da craanga.
Tornemos sala, em que deixMnbs as duas ir-
mas abracadas nma na outra.
Quando se acalmaram mais. as primeiras explo-
soes do atfecto, Leonor voltou-se, sorrindo-se para
o padre Christiano, e disse-lhe :
Padre Christiano, ao me torne a engaar
mais 1 Enirou n'oma conspirado contra mim I
Cbama-lhe conspirado ? disse o padrev rin-
de, eu cbamo-lne baulha I E qae baulha, Sra. D.
Magdalena 1 contiaueu, voltando-se para esu ulti-
ma ; tive de lbe sacrificar a oribodoxia I Cbeguei
a dizer urna cousa acerca das santas, que nm con-
cilio, parece-me, nao acaiiaria como degtna I E
mesmo assim, nao consegoia a victoria, se soa fi-
lha nio mo auxillasse inesperadamenie l E' mais
poderosa a innocencia do qne a estrategia, Sra. D.
Magdalena I acabe! de me convencer disto.
Pobre aojo I murmurou Leonor, beijando-a,
peaeste-lbe o men nome, Magdalena. Sempre pan*
savas em mim de vez em qaando ?
Constantemente, Leonor ; s a tua memoria
rae amargaren os meas cinco annos de casada!
Assim qae nascen, qoiz collocar minha fttha de-
balxo da proteegio da ida sania imagem. Recebe
agora a toa protegida, minha irma, dos bracos da
desventura I
Nio sera' desatacada, Magdalena, porque, se
o pal Ae falta, tera'.em eompensago, dnas mais I
Padre Christiano, qaero-lbe provar qne pode ter
coragio maternal qnem nunca sano as alegrUs
da materntdade I
Assim o relo I responden o padre. Se esu
creanca filha daa entranbas de soa irtnia, em
oompensagio, filha das suas angustias. E' o ralo do
sol depois da tempeaudes diurna* dearaado aa
novena do acceso; exiingoiram-se as paixoes,
broum os affeetos serenos. E catatado, nio se des-
paca das maUnoolias. Leonor, a*o a aaixara Ja'
agora,mas rera' como'agoce infrancia desea
creanca, abrindo a soa sima a sanUmentoi atis
brandos, lbe doura Un suarisa aa frutea* a* on-
m-or,
FIM. ,






-


*-"'T *
w-


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID E6YAV3OVE_BH9N2X INGEST_TIME 2013-09-04T23:12:16Z PACKAGE AA00011611_10989
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES