Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:10988


This item is only available as the following downloads:


Full Text
d
\:
*
-
-
AMO XLII. HOMERO 132
Ht artel H *itrt dw 10 das do 1.* mez ,
dem deifis ds 4,M it dias da comeco e dentro da qnartel
Parte aa correio par tres mezes........... ,
K rr*

9m
6soo
75a
DE
laq si
SABBADO 9 DE JHHO DE 1866
Par ana pago deitra de te dias da-i0 nex.
Parte aa earreia ft nm aiao .......
Z$9Q9

ENCARKEGADOS DA SUBSCRIPGAO DO NORTE
Parahyba, o 3r. Antonio Alax?ndrino de Lima;
Natal, o Sr. Antonio Marques da Silva; Aracaty, o
Sr. A. de Lemos Braga; Cear, o Sr. J. Jos de
Oliveira; Maranhao, o Sr. Joaqaim Marques Ro-
drigues ; Para, os Srs. Geraldo Antonio Alves A
Futios; Amazonas, o Sr. Jeronymo da Costa.
ENCARREGADOS DA SUBSCRIPCAO DO SUL.
Alagoas, o Sr. Claudino Falco Dias; Babia, o
Sr. Jos Marlins Alves; Rio de Janeiro, o Sr. Jos
Ribeiro Gasparinbo. _-
PARTIDA DOS ESTAFETAS.
Ollnda, Cabo, Escada e estafes da va frrea at
Agoa Preta, todos os dias.
Iguarass e Goyanna as segundas e sextas feiras.
Santo Antao, Gravat, Bezerros, Bonito, Garuar,
Altinho, Garanbuns, Buique, S. Bento, Bom
Conselho. Aguas Bellas e Tacarat, as tercas
feiras.
Pao d'Albo, Nazaretb, Limoeiro, Brejo, Pesqoeira
Ingazeira, Flores, Villa Bella, Cabrob, Boa Vis-
ta, Ouricury, Salguen o e Ex, as qnartas
feiras.
|Serinhem, Rio Formoso.Tamandar, Una, Bar-
reiros, Agua Preta Plmentelras, as quimas
feiras.
AUDIENCIAS DOS TRIBUNAES DA CAPTAL.
Tribunal do commercio: segundas e quintas.
Relacao: tercas e sbados s 10 horas.
Fazenda : quintas s 10 horas.
Juizo do commercio: segundas as 11 horas.
Dito de orphaos: tergas e sextas s 10 horas.
Primeira van do civel: tarcas sexmas ao meio
a.
Segunda vara do civel: qnartas %sabbades a 1
hora da tarde.
EPHEMERLDES DO MEZ DE JUNHO.
6 Quarto ming. as 4 h., 53 ave 58 s. da m.
12 Lna nova as 7 h.. 47 m. e 5s. da t.
19 Quarto cresc. as 9 h., 25 m. e- 32 s. da t.
28 Lna f heia a 1 h., 16 m. e 101. da m.
DIAS DA SEMANA.
4. Segunda. S. Francisco de Caraccislo.
3. Terca. S. Pacifico f.; Se. Nlcacio e Marcia ata.
6. Quartal S. Norberto b.; S. Eostorgio b.
7. Quinta. S. Roberto ab.;.S. Sabiniano m.
8. Sexta. S. Maximiao ab.; S. Gildando b.
9. Sabbado. S. Pelagia v.; S. Melania c.
10. Domingo. Ss. Getulio e Primitivo mm.
PREAMAR DE HOJE.
Primeira as 2 horas e 18 m. da tarde.
Segunda as 1 horas e 42 minutos da nunbaa.
PARTIDA DOS VAPORES COSTBTROa.
Para o sol at Alagoas a 14 e 30; para o or;
at a Granja a 7 e 92 de cada mez; para Famas-
do nos das 14 ios meses de Janeiro, marco, mai
julbo, setembro e novembro.
ASSIGIfA-SE
no Recife, na livraria da praga da Independencia
ns. 8, dos propietarios Manoei Figneiroa de Fana
& Filbo.
PARTE OFFICIAL
Expedient do dia 1 de jnnho de 1866.
Oflicio ao lente coronel commaodante das ar-
mas interino. Em soluco ao offlcio desse com
mando de armas n. 343 de 20 de fevereiro ultimo,
dirigi em 15
i crivo desse Juizo, recomendo-ihe que mande affl-, matrizes e capellas, dizendo qne se nos oratc-
xar editaes convidando os pretendentes ao mesrao rios privados, por nma provisao, se pode celebrar
\ ofScio, a apresentarem seus requerlmentos no pra-1 o sacrosanto sacrificio da missa a fartiori se pode
| so de 60 dias, e que remeta a esta presidencia c- administrar o baptismo e matrimonto ; visto como,
pa do mesmo edital para ser reproducido nesta ca-
pital lado nos termos do decreto n. 807 de 30 de
agosto de 1880.
Dito ao juiz de paz presidente da junta revisora
da qualifleaco da freguezia de Santo Anto De-
volvo a Vmc. a copia da lista geral dos cidados
em regra, quera concede o mais concede o
menos.
Folgamos qne V. Rvma. se jacte de um racioc
nar fino ; mas admiramos qne na sna dialactiec
nao queira sujeitar o sen raciocinio disciplina da
igreja. Em regra, nenbum sacramento se deve
remello a V. S. por copia o que me _
de. roaio prximo fiado, o ajudante general inte- qualificados votantes dessa freguezia no corrente celebrar fra da igreja : a necessidade, porm, es-
rino declarando de ordem do Exm. Sr. ministro da anno, que veio annexa ao sen offlcio de 20 de maio "tabeleceu a excepcao ; por virtnde da quhl se per-
guerra, que podem passar a pertencer ao deposito prximo findo, a flm de que sejam assignadas pe-1 mittio qae as missas devendo ser celebradas nos
especial de instruego que se deve crear nesta i ios membros dessa junta nos termos do art. 24 da lugares sagrados, tambem o fossem em oratorios i do-nos sua chegada e posse nessa parochia no da
provincia, de conformidade com as determinacoes le do 19 de agosto de 1846 e aviso n. 42 de 15 de' privados, precedendo nma provisao baseada em 119 do mesmo, eo bom estado em que achou a igre
como estamos informados, a atieaago da directo-
ra por ora nao aprsenla un carcter assustador,
coovem que Vmc. a faca conservar ahi em nm
quarto adaptado ao estado da doenle. ha vendo sem-
pre rauilo cuidado no sen tralamento, at qne ou
se reetabeleca ou seja conduzida para a casa dos
seos prenles.
Becommendamos-lbe que nos commaoique qual-
qner alterago que baja.
Dito ao Rvd. padre Francisco Freir do Carmo,
parocho encommendodo de Taquaritinga.Rece-
bemos o seu offlcio de 25 do passado, communican-
publieadas na ordem do dia n. 50o, as pracas da margo de 1847, (odas as folbas da referida lista de
extiocta companhia de cavallana.
Dito ao mesrao.Informe V. S. sobre o que pede
no incluso requertmenlo o recrutado Jos Francis-
co Pimental.
Dito ao inspector da tbesouraria de fazenda.
Se nao honver inconveniente e estando em termos
a relacao e pret junto em duplicata, mande V. S.
pagar ao sargento Antonio Joaquim dos Santos
Maogabeira ou ao sen procurador Andr Avelino
Pereira e Silva, conforme solicitou o commaodante
superior da comarca da Boa-Vista, era offlcio de
25 de abril ultimo, a importancia dos venclmentos
relativos ao mez de fevereiro ultimo, do destaca-
mento .de guardas nacionaes existente n'anuella
villa.
Diio ao mesmo__Transmiti a V. S. para o flm
vendo serem-me remettidas as relaedes de qne tra-
ta o decreto n. 2865 de 21 de dezembro de 1861,
as quaes delxaram de acompanhar ao seu citado
offlcio.
Dito ao juiz de paz presidente e membros da jun-
ta de quaiificago da freguezia de Iiamb. Nao
tendo acompanhado a lista dos cidados quallfica-
dos votantes nessa freguezia no corrente anno, que
Vmcs. me enviaram com o seu offlcio de 2 de mar-
go ultimo, as rea oes de que trata o decreto n.
2865 de 21 de dezembro de 1861, compre que me
as reroetto com a possivel brevidade.
causa justa, como a necessidade da audiencia da ja que serve do matriz, servimo-nos desta occaslo
missa nos domingos e dias santificados, e a difflcul-. para leovar o zelo asslm do Rvd. parocho que llie
dade, seno impossibilidade physlea ou moral de conferio a posse, como dos habitantes dessa povoa-
concorrer igreja pela distancia, pelos caminhos cao pelo esorco que teca eropregido em manter o
impervios, pelo ciescido numero das pessoas que acelo na igreja e seus ulensis.
corapoem a familia, pelas enfermidades, estado de! Quanlo ao langamento dos assentos de baptisa-
velblce, etc. { ment?, casamentes e bitos do lempo do fallecido
D'aqul fcil de conbecer que as difflculdades parocho, e qne eslava a cargo do antecessor de V.
crescem a proporcao qne se augmentan as obri
gagoes. Ora nao cessando a obrigaco de assisttr proseguir nesse trabalho al polo em dia.
a missa nos dias de precedo, dedugo lgica qne j Esperamos que V. Rvma. convidar os seus bons
a'igreja competa admiuir a epicheia em beneli- parochianos para levarem ao seu aperfeigoamento
ci dos fiis. E' por esta razao que as desobrigasl a ronito necessaria obra dessa matriz.
lomar as redeas e a principal direegao do governo
do paiz. P. L. sabe que se nosso resentiraento
igualasse a sua intolerancia e deocorteiia, poda
lerobrar-lhe o qne disse Machiavel a respeito da
peste.
Nao demoraremos a nossa replica apesar de
entenderem mu tos amigos e at militas pessoas
bem pensantes e desapaixonadas do lado poltico do
negociador infeliz, que nossos argumentos nem de
leve faro rogados.
Curitti.
Rio de Janeiro. 18 de maio de 1866.
PER MM BUCO,
mosiram quanlo merece este apreciavel mimo de
litteratura drammalica.
c Escripia n'ora estylo congruente, retine em,
si pensamenlo fino e moral, a par de urna,forma
no todo agradavel; de sorte que poucas seno ra-
rissimas veacs tem o nosso Ibeatro dado ao publico
trbalhos desta natnreza.
< A maneira pela qual a commissao licenciou a
urna recommendaco.
< Aos Srs. Pedro Joaquim e Graga couberam em
grande parte as honras de perfeito desempenho
que notamos no geral das partes.
O Sr. Coimbra qne nos d eomposiges como
essas, e o publico que corra a aprecia-las.
Hontem publcmos a circular de S. Exc.
Rvma. o Sr. bispo diocesano acerca dos hbitos
sacerjlolaes. E constando-nos que se tem fallado
em mudifleago autorisada pelo Sr. bispo na pra-
tica de suas presenpeoes, estamos autorizados para
declarar que S. Exc. Rvma. apenas tem a alguns
Srs. sacerdotes que, contentndose por ora com
o uso da sobresaca, caiga preta e volta, fra dos
Dito ao juiz de paz presidente da junta de quali- i a igreja ampiiou anda mais o seu beneplcito, per-
ficago da freguezia do Bonito. Devolvo a Vmc.
a copia da lista geral dos cidados quahficados vo-
tantes nessa freguezia, no corrente anno, q je veio
conveniente a folba e pret junto em duplicata, annexo ao sen offlcio de 2o de marco prximo fia-
tirando vencimentos para os alferes e pracas do 1 do, a fim de qae sejam assignadas pelos membros
corpo provisorio desta provincia, sendo os d'aquel-' dessa junta, nos termos do art 24 da le de 12 de
les relativos ao mez de maio nltimo, e os destas agosto de 1847, todas as folhas da referida lista,
correspondentes a 2* quinzena do predito mez. devendo serem-me remettidas as relaedes de qne
Dito o inspector da thesoorana provincial. trata o decreto n. 2865 de 21 de dezembro de 1861,
Atiendendo ao que reqnereu Joo Chrisostomo de as quaes deixaram de acompanhar o seu citado
Oliveira arrematante de 2,095 bragas na estrada offlcio. y $
do sul, a contar do marco 8 rail al a barreira da Expediente do secretario do governo do dia 1 de
Ponte dos' Carvalhos, e tendo em vista o que a esse ^ dp ^^>
respeito informaram essa repartigo e a das obras 0_ ,op'Ptnr dj .hosonraria de fazenda
lindo, sob ns. 209 e 206 recommendo a V. S que .-,_,:. a v o inclusa, nrdm do Ihiiiinii
em vista do competente certificado da demonstra-, ^SSSLil'ta
gao junta por copia, a que se refere a 2" de ttes | n*5!?.^*}.S0.^-Jl7.-
informagoes, mande restituir ao mencionado arre
miitindo, a' bem dos-seus Qlhos, qae cada urna can
sa Ugarasse um templo.
Nao militam porm as mesmas razoes a', respei
lo da admioisiracao do bapismo e matrimonio,' em seu offlcio de 7 do passado.
por caja razao a Coost. Synod. liv, 1* tt. 19 n. 68,1 Constando-nos qne nessa parochia nao se tem ad-
exigindo que so boavessem pas baptismaes as j ministrado o Sacramento do matrimonio, com gra-
igrejas parochlaes e capellas caradas, qaiz qae o ve detrimento espiritual; a bem da igreja antorisa-
baptismo nao tosse administrado em oratorios pri-1 mos a V. R. a assistir a celebraco desse Sacra-
vados. Ouiro tanto se deve deduzir pari a respei- mentos dos parochianos dessa parochia, at que
to da celebragao do matrimonio, em face do llvro Ia
tit. 68 n. 289 da Const. citada.
A razio porque um crescido numero de fiis de-
mora aos seos Qlhos a recepgo do baptismo, di-
vida, (nos o sabemos, e profundamente lamenta
REVISTA DIARIA
Amanbaa tem lugar, na igreja do Espirito San-
to, a fesia do patriaren Santo Ignacio de Loyolla,
s expensas dos devotos do mesmo Santo.
A's 4 1|2 da madrugada, depois de nma salva
llvma., deve V. ttvma. com o seu Rvd. coadjutor de 21 tiros, celebrar-se urna missa resada, que con- templos e actos religiosos, dar' algum tempo ra-
tinuara' a' mesma hora em todos os domingos. | soavel para que os clrigos se possam apresentar
A testa lera' principio s 101|2 da manha, exe-; com o chapeo clerical indicado na mesma circa-
cntando a banda de msica nalo Commercial, lar; visto que anda muitos o nao tinham.
que se prestou generosamente, escolhidos pedagos; Foi hontem eleito, pelo capitulo reunido no
dos melhores mestres. convento de Nossa Senbora do Carmo, provincial o
A direcgo da orchestra acba-se confiada ao dis- j Rvd. fre Erico de Sant'Anna Riqoe, qae tem de
tracto professor Colas Filbo,
Orara' ao evaogelho o Rvra. Grego e a" noute o
Rvm. Fr. Espirito Santo, seguindo-se-:be urna la
dainha.
Ao concluir da festa, subir' ao ar um lindo ba-
lo, ofiertado por um devoto.
A empreza do theatro de Santa Isabel leva a
sceoa hoje em recita extraordinaria o bello episo
Dito ao Rvd. padre mestre fre E,'i lio, misiona-
rio Capncninno, director do recolhunento do Bom
Cooselho.
Damos todo o peso ao que V. Rvma. nos expoz
demos as providencias sobre este objecto
- 6
Dito ao Exm. Sr. Dr. Maooel Glemenliao Car-
nelro da Gunha, vice-presidente desta provincia
i Acenso recebido o offlcio de V. Ex<\ dBtado de bon-
substituir ao Rvd. frei Jorge de Sant'Anna Locio.
A administrago do Rvd. frei Jorge digna de
| todos os elogios pelo zelo e interesse qoe sempre
j mostrou na administrago de to importante con-
i fraria; as joas qaalidades que ornain o Rvd. frei
i Erico faz esperar nelle nm digno substituto do
Rvd. frei Jorge.
Pela delegada de Nazareth fol preso o pro-
dio da nossa esquadra as aguas do Paran, qne ; prietario Jo3o Presciano Gongalves, com dous es-
matante a quantia de 99&S03, que foi descontada
das prestagoes qae receben, correspondentes aquel-
la obra.
Dito ao mesmo.Annuindo ao que requeren o
professor publico de iostruego elementar da villa
do Cabo Claudino dos Santos Lopes Castalio [ran-
eo, e tendo em vista o que a esse respailo infor-
maram o director geral interino da iostruego pu-
blica, e essa thesouraria em offleo de 16 de abril
e 19 de maio prximo findo, sob ns. 81 e 200, re-
commendo a V. S. qae nos termos da lei n. 3;i8 de
13 de maio de 1864, mande pagar ao supplicanie
a gratifieago que obteve por portara da presi-
dencia de 5 de dezembro de 1860, correspondente
a 5.a parte de seus venclmentos a contar de 7.
de dezembro de 1853. dia posterior ao em que
completou elle 15 anuos de servigo no seu magis-
terio.
Dilo ao mesmo.Recommendo a V. S. que de-
mes) incuria da mxima parte dos Rvds.
chos, que se subtrabem ao indispensavel dever de
pregar a'palavra divina, como se sera predica pos-
*lDto &&S^t^^^t}Stt^ i TJBGtSg. inconvenientes, qae algamas
ed' Ddp\o9v E mata S?fl i S^!SSSS^S ZtZ
que, segundo paritejpou o delegado do termo daj^ ^^SSSSSSSKSSSSA
baptismo
Flores era offlcio de 8de maio ultimo, regressaram|^IT!VSSSKS1^S*SSLm
es-? j^a.vt'srarA : .SaM;ttfjftsjBB?
paro- tem remettendo-me, para lerera o conveniente des-
tino, as carias imperiaes dos padres Fortunato Da-
vid Amador de Oliveira e Joaquim Bellarmino de
Miranda.
Dito ao padre Fortunato Divtd Amador de Oli-
veira.Em data da hornera nos foi enviada pela
presidencia desta provincia a carta imperial de saa
Da, Antonio Jos dos Santos e Jesaino Jos Romo
da Costa.
Despachos de dia Io de jnnno de 1866.
Requerimentos.
Dr. Amiro Carneiro Bexerra Cavalcaoti.Infor-
me o Sr. inspector da thesouraria de fazenda.
Antonio Jos Gomes do Correio.Informe o Sr.
inspector da thesouraria de fazenda.
Amorim & Iraaaoe.informe e 3r. inspector da etoin*mjea\H(V
thesooria de fazenda.
Antonio Antunes da Siiva.Informe o Sr. com-
maodante superior da comarca do Rio Formoso so-
pois de provado como indiea em sua informagao de j breestaudo at ulterior deliberago desta presiden-
29 de malo prximo findo, sob n. 219 ser o preso
Pedro Jos de qne trata a inclusa cadernela, o mes-
mo que cora o nome de Pedro Lucas Gonzaga pe-
de no incluso requerimenlo o pagamento da quan-
tia que se lhe Qcou a dever proveniente da melade
do salario que vencen como servente das obras da
casa de detengao e foi recolhida a essa thesoura-
ria, mande effectaar esse pagamento na importan-
cia de 64J701 como se v do parecer da contado-
ra dessa thesouraria a que se refere a sna citada
informagao.
cia qualquer procedimento contra o snpp'icanle.
Adriano Jos dos Santos.Espere o supplicante
que cheguem as informages ja exigidas pelo ora-
mandante do corpo provisorio de polica a seu res
peito para ser pago integralmente dos seus venci-
mentos.
Alexandre Gomes de S.Passe portara proro-
gando o prazo per um mez.
Claudino Lopes dos Santos Castello Branco.
Dirija-se a thesouraria provincial.
Candido Emigdio Pereira Lobo.Informe o Sr.
arbitrio dos Rvds. parocbos a celebragao dalles Sa
craraentos em casas particulares ; pois qae nao
desejamos, contra a disciplina da igreja, qae a con-
descendencia succeda a' razao.
Dito ao Exm. Sr. Dr. Galdino Augusto da Nati-
vidade Silva, presidente da provincianas Alagoas.
Acensando recebido offlcio de V. Exc. de 25
de malo prximo passado, a' qoe acorofranhou por
copia 4 projeeto d> lei a. SO, que srf&prime pa-
rochia de Nossa Senbora da Conceigo da povoa-
i gao do Limoeire, qae fra desmembrada da de
i Nossa Senbora da Pfadade da villa de Anadia pela
j lei n. 456 de 26 de junho do anno passado ; e em
que pede qae emita raen parecer. Corre-me o de-
i ver, para prestar a mlnha annnencia, exigida por
I V. Etc., de pedir se sirva V. Exc. de fornecer-rae
por copia nao s o parecer das commlssOes 0e es-
I tatisilca e negocios ecclesiasticos sobre o projeeto
! que ora se discute, mas tambem o das mesmas
commisses que regaln de supra referida lei
n. 456.
Dito ao mesmo.Fico de posse do offlcio de V.
se prende a' luctuoso pagina da marte de Mariz e
Barros. Esta grande scena dramtica, era que o
respectivo autor o Sr. Dr. ruz Cordeiro, retrata
aquello hroe em teda a sna forca de virilidade pa-
tritica, desenvolvida pela dislincta e sempre fes-
tejada actriz D. Adelaide Amaral, cujo talento ha-
de por certo tazer realgar em muito os grandiosos
feitos de que foi theatro o Tamandar.
As dermis partes de que se compoe este espec-
tculo, corresponden! devidamente a eua grande
crasos seus, de nomes Flix e Manoei, em conse-
queucia de terem sido denunciados como autores
da morta de um outro escravo chamado Angelo.
Pelas 9 horas da noite de 7 do corrente, foi
tirado do rio, jnnto a ^onte do Starr em Santo
Amaro, onde appareceu, o cadver do grumete do
brigae barca Itamarac Vctor Manoei, qoe como
j publicamos cabira ao mar ha dias.
O cadver estava j bastante putrefacto.
Relacao dos baptizados feitos na matriz de
apresentagao na igreja paroehial de Nossa Senoora ^ MS. ftnS^ffi *7Ej i Santo Antonio, no mez de maio findo.
Dito ao mesmo. Transmuto a V. S. para seu inspector da thesouraria provincial.
conbecimento e devida execugao, copia da lei n.
686 de 30 de maio ultimo.
Dito ao baro de Guararapes, director geral dos
Indios.Para cumprimento do disposto no aviso da
repartigio da agricultura, commercio e obras pu-
blicas de 22 de maio prximo findo, informe V. S.
a cerca do incluso requerimenlo do Manoei Valen-
tim dos Santos, maioral dos indios da aldeia do
Riacho do Mallo.
Dito ao director do, arsenal de guerra.Remello
a V. S. para os fios convenientes os inclusos figu-
rinas do uniforme das companhias de operarios
militares de que trata o art. 11 das instrucgSes
expedidas pelo ministerio da guerra, em 3 de ja--
neiro do anno corrente.
Dilo ao juiz de direito da comarca de Nazareth.
Constando de participago da justiga de 22, que
por decreto de 18, tudo do mez de maio prximo
findo, foi removido para este termo o juiz muni-
cipal do de Flores bacharel Joo Baptista do Ama-
ral e Mello ; as3ra o communico a Vmc. para seu
conhecimenio.Communicou-se ao juiz direito de
Flores.
Dito ao juiz municipal supplente do termo do
Granito.Era resposta ao seu officio de 21 de abril
ultimo, lenbo a dizer-lbe que designo o dia 15 de
julho prximo vindouro, para a reunio do conse-
Irmandade do Santissim-s Sacramento da fregue-
zia da Varzea.Informe o Sr. inspector da thesou-
raria provincial.
Joo Chrisostomo de Oliveira.Dirija-sa a the-
souraria provincial.
aVoveruo do folspado.
Expediente da diocese do dia 1 de jnnho de 1866.
Offlcio ao Rvd. parocho de S. Miguel de Ipioca.
Passamos s m3os de V. rtvma. a peligo do Rvd.
Fr. Jos de Santa Leocadia da Molla, cujo despa-
cho recommendamos sua vigilancia, afina de que
da Conceigo de Itamarac : o que lhe comraunica
moa para sua intelligencia.
No mesmo sentido ao Rvd. padre Joaquim Belar-
mino de Miranda, sobre a carta imperial de sua ;
apreseniacao na parochia de Nossa Snhora da
Sade de Tacaran!.
Dito ao Exm. Sr. Dr. Manoei Clementino Carnet-
r'o da Cunha, vice-presidente da provincia.Em ;
resposta ao offlcio de V. Exc em qoe me commu-
nica para os fins convenientes, qne fallecer o ca-
pellao do cemilerio publico desta capital o padre
Jlo Mauricio Wanderley, lenho a honra de propor
^V, Exc. para o logar de capello daquelle cerai-
ierloo Rvd. Sebastlao Andrde Vieira.
Reitero os meus protestos de consideragao e es-
tima a V. Exc.
Officio ao parocho da parochia de Santo Antonio,
o Rvd. Joo Jos da Cosa Ribeiro.Sendo certo
que o padre Candido da Cunba, ex-rellgieso Car-
melitano, se tem apreseniado em puotteo distara-
do em leigo, depois da publicago da nossa porta-
ra de 25 de maio liado (da qual nao poder alle-
gar ignorancia); nos fazemos saber a V. Rvma. que
esse padre, merecedor por seu ou ment e preceder altamente significativo de seu es-
do nosso publico entbnsiasia pelo qae elevado e
generoso.
Acba-se contratada com os Srs. Dr. Jos Ca-
valcaoti de Albuquerque, Joaquim Cavalcanti de
Albuquerque e Antonio Francisco Paes de Mello
Barreto, a construego, ao norte da provincia, de
um lance de estrada em projecgo a da empreza
Mamede a terminar no engenbo Bajary.
Na terga-feira prxima, 12 do corrente, da'
no Santa Isabel um concert dramtico-instrumen-
tal o Sr. Francisco Muniz Barreto, ja' conhecido do
nosso pnblico pela excedencia de execugao que
elle exhibe na rebeca.
A noticia qoe ahi deixamos, nao um reclamo
Exc. de 29 de malo prximo passado, cumprindo I Dirito secularesco e obsecado na desobediencia, se
os doas projectos de lei por copia, o primeiro! acha inenrso em suspenso pso fado como trans-
creando a parochia de Nossa Senbora da Concei-' gressor, que das disposiedes da nossa supracila-
go da eapella, desmembrada da de Atalaia sob a i da portara.
data de 2'i de maio transacto : o segundo de 251 Pelo que dever V. Rvma. prohibir, sob sua res-
do ja' referido mez, transferindo para a povoago ponsabilidade, que eile celebre o santo sacrificio
de Curnripe a sede da parochia do Poxim. I da missa, ou exerga aiguma das funcgSes sagradas
Atlendendo a atilidade espiritual que resulta do j do ministerio sacerdotal as igrejas de sua paro-
projecto que crea a parochia de Nossa Senhora da chia.
Conceigo da eapella, e a conveniencia publica da
transferencia, de que se oceupa o projeeto qoe se
acba em discusso datado de 25 de maio, declaro
a V. Exc. que don o meu pras-me em ambos
elles.
Dito ao mesmo.Tenbo a honra de communicar
a V. Exc. para os fins convenientes, que nesta data
confer a collago cannica na parochia de *. Fran-
elle se compra lilteralmente : depois de lida, fara cisco de Bor a de PiassabuQU aessa provincia ao
V Ruma nnnlnal antrtfrra Anno nn4 (Mtmmnni r\ ? -_ ____,___. .*.._
V. Rvma. pontoal entrega ; oque nos communi
cara' com brevidade.
Dilo ao Rvd. parocho do Bom-Jardim. Assim
que este receber, intime V. Rvma. ao Rvd. Fr.
Francisco de S. Boa-ventura (franciscano) a sus-
penso de todas as ordens sacras, que agora de-
cretamos.
Recommendamos a V. Rvma. a
por copia incluso e determinamos qae sobre o qae
nelle se contera, sem perda de tempo nos Informe
com verdade.
Rvd. Joo Francisco de Godoes.
Aproveito a opportanidade para renovar a V.
Exc. os protestos de mlnba particular estima e
consideragao.
Offlcio ao Rvd. padre Franclsfio Xavier dos San-
tos, parocho da parochia de Santo Anto.Acaba-
No mesmo sentido offlciou-se aos Rvds. parocbos
de Boa-vista, S. Jos e Corpo Santo, e aos snperio
res do convento da Penha, Carmo e S. Francisco,
desta cidade.
INTERIOR.
Dito ao Rvd. padre Basilio Gongalves da Luz,
bo municipal de recurso desse termo, cuja convo-. parocho de Tracunhem.Fot-nos entregue o seu
cago dever Vmc. fazer de conformidade com j offlcio de 20 do passado, em que V. Rvma. fez
O tratado da trplice alltauca.
xvni
(Conlnuago.)
Concluio P. L. no Jornal do Commercio de boje
a sua resposta ao nosso artigo publicado no de 4
do corrente mez. o silencio de Epammondas in-
dica que a promessa feita no XI do seu artigo,
esta cidade com o flm de curar de sen restabele- j de ocoupar-se da legio paraguaya, flea para mais
cimento, visto acharse doente, e que deixara ao tarde guardada,
sea Rvd. coadjutor a administrago da parochia.
^mos'de receber'o seu offlcio de 30 do passado em
qoe nos participa sua retirada da parochia para
No Jornal de honiem (17) apparece Phocion de-
senvolvendo com nolavel proflciencia algamas de
nossas theses. Agradecemos-lhe cordialmente o
auxilio que nos presta. No Jornal de hoje lemos
algumas liabas tragadas por Ventas encarando a
questo por um lado que nao exactamente o nosso,
mas concorde comnesco em reprovar to desastrosa
transaeco diplomtica.
Sao entente P. L. com as 50 linbas de repisa-
i recommendar-1 a administrago do baptismo e matrimonio as ^SSliS ^JiSTSSS^S^t^ ti ro? no^x d'e aBTOlUr auantafmes
que^e Ande a II-, casas ou oratorios privados, quando os baptisandos i ,s: H. ..!. ,A A. ,, mA* L.,i .!T." "a> n' l?r.!'-
ebegar ao nosso conhecimeoto a difflculdade de
executar a nossa circular relativamente aos bapti-
sados e casamentes as casas particulares.
Desde que expedimos a citada circular, tivemos
muito em vista attender s necessldades dos fiis
a lei. _
Dito ao jniz municipal Joo Baptista do Amaral
e Mello.Communicando a Vmc. que por decreto
de 18, segundo constou-rae de parlicipago da re-
partgo da justiga de 22, tudo de maio prximo
lindo, foi Vmc. removido do termo de Flores para
o lugar de juiz municipal e de orpbos do termo de | lemos declarado aos Rvds. parocbos que toleramos fa2em d9 Darochias depois de a terem fei
Cora quanlo a razo allegada parega justificar o
procedimento de V. Rvma., nao podemos deixar
de lembrar-lhe a obrigago qoe aos Rvds. parochos
impoe o sagrado Concilio Tridentino tora. Ia cap.
2a ses 6*. Mal avisados andam os Rvds. parochos
qae, oa igoorando ou despresando a literal dlsposi
.' gao do Cap. citado, entendem que s por ama mera
confiados a nossa episcopal jorisdiegao por sso i forma|ldade deem communicar-nos a ausencia
lhe que entre em exercicio logo ,
cenga que est gozando, certo de que Uca marcado ou os nubentcs restdirem disiante da matriz ou de
o prazo de 3 mezes para Vmc. apresentar a saa j algnma das capellas filiaes mais de urna legua; aos
carta competentemente apostillada.-Corarnuoicou- i casos de desobliga, onde quer qne se achem.
se a thesouraria de fazenda.
Dito ao bacharel Jos Ricardo Gomes de Cam-
ino.Por decreto de 11 segando constou d parli-
cipago da repartigo da justiga de 22, tudo do
mez de maio prximo findo, fol vmc. removido do
lugar de juiz mnnicipal e de orpbos d termo de
Iogazeira para igual lagar do termo de Santo An-
tao : o qne lhe communico para seu conhecimealo
e a fim de qae entre quanto antes em exercico
obrigado a apresentar a sua carta competentemen-
te apostillada no prazo de 3 mezes, contados des-
ta dala.Fizeram-se as necessa'rias commanica-
loSes.
Dito ao Rvd. padre Maoel Joaquim Xavier So-
breira, parocho coliado da Boa-Vista.Informe V.
Rvma. com urgencia sobre o requerimenlo de Ni-
colao Machado Freir, qae ibe remellemos, e qae
nos devolver' com sua informagao.
Dilo ao Exm. vice-presidente da provincia, Dr.
Manoei Clementino Carneiro da caoba.Tenbo a
honra de passar s mos de V. Exe. o memorial
incluso do Rvd. padre Gamillo de Mendonga Fua-
do, parocho collado da parochia de Nossa Senbora
4a Conceigo da Campia-Grande, enderegado ao
governo imperial, para que V. Exc. sirva-se de en-
via-lo com os documentos annexos ao seu destino.
zo da ausencia tor de tal modo instatanea, qoe pode nome de Curms para exertar no seu es
nao admita ama previa parlicipago. Creraos po-. crip,0 a|QBU nova cbocarnce. Qaem defende
rm que esta imperiosa circamstancia nao se rea-, nmi M. ug8a quer ser (j,, e procura ser concl-
lisou para a ausencia de V Rvma. nem se entenda' so. quem defende urna m o qae quer parecer
que, ficando a administrago da parochia a cargo qae raciocina muito, e quanto mais gente recuar
do Rvd. coadjutor, possa o Rvd. parocho sabir da aiJ8te do lraba|ho d9 nma longa leilura, tanto me-
Dito ao bacharel Manoei Antonio da Silva Rios. | Reitero muito sinceramente a V. Exc. os meas
Constando-me de parlicipago da repartigo da jas- respeitosos oamprlmentos.
lo de 11 desse mez, foi Vmc. nomeado juiz mu-, Offlcio ao Rvd. padre vigario Thomaz Pereira de
nicipal e de orpbos do termo do Ex, comarca j Arrojo.Acensamos recebido o seu offlcio de 9 do
de Cabrob, assim Ib'o communico para sao co- passado, em qoe V. Rvma. manifestou os inconve-
nheeimento e afira de qae entre quanlo antes no' nientes que poderiam resultar de nossa circular de
exercicio de seu cargo, certo de que flea marcado 119 de margo, que prohibe a administrago dos sa-
o prazo de 3 mezes para Vmc. apresentar a sna
carta.Fizeram-se as necessarias commuaica-
goes.
Dito ao bacharel Jos Antonio Coelho Ramalho.
Por decreto de II segundo cooston de partioipacio
da repartigo da justiga de 21, tudo de maio nro-
cramentos do baptismo e matrimonio em oratorios
privados.
Supposto diga V. Rvma. qae e.-ta pratlca abusiva
tenha comegado com a ereago de parochias nos
sertoes, forgoso reconhecer que o abaso nao pro-
duz lei. Atlendendo, porm, s grandes difficol-
ximo findo, foi Vrae. recendusido no lugar de jalz dades pelas distancias loeaes, e nao poucas vezes
municipal e de orphaos do termo de Garanhnns
o qne Ib'o communico para sen conhecimento o a
flm de qae logo qae expire o sea qaadrienoio con-
tinu no exercicio indepeodente de titulo de sna re-
conducho que devera' apresentar no praso de 3
metes contados do dia em qae comecar o novo qaa-
driennio. Flzeram-se as necessarias comraaoi-
caces.
Dito ao juiz municipal snppiente em exercicio no
termo de S. Bento. Respondendo ao offlcio de 21
de abril prximo fiado, em qae Vmc. commanica
qoe nomeou o cidado Joo Domingues da Silva
Caoba, para exercer interinamente o offlcio de es?
pela pobreza, temos declarado qae se administre o
baptismo ou matrimonio em oratorios privados,
quando os baptisandos oa as nubentes residirem
mais de ama legua distantes das matrices oa de
aiguma das capailas filiaes. Assim, nem posterga-
mos a disciplina da igreja, nem desatendemos as
neceuidades espiritnaes dos nossos diocesanos.
Dito ao Rvd. padre Antonio Marques de Castilha,
parocho collado do Rio-Formoso.Acabamos de
receber o seu offlcio de 28 do passado, em qae V.
Rvma. proenroa convencer-nos da necessidade de
annnllar a nossa circular de 19 de margo Sobre a
prohibicao dos baptisados e casamentos fra das
sna parochia ; porque ambos devem semejante-
mente trabalhar na grande seara da igreja. Assaz
nos temos explicado, para narraos a saber o nosso
sentimento a vista dos caones sagrados.
Dito ao Exm. presidente de Peroambueo.Tenbo
a honra de remetter a V. Exc. para os fios conve-
nientes uma'Cpla da portara qne acabo de publi-
car sobre a circumscripcao ecclesiaslica desta dio-
cese.
E aproveito com satisfago esta opportanidade
para renovar a V. Exe. os meus respeitosos cum-
primentos.
No me.mo sentido, e igual data se remetteu aos
Srs. presidentes das Alagoas, Parahyba e Rio-Gran-
de do Norte.
- 8 -
Ihor. Nos artigue amnymos, qoe nao sao da re
dacgo das gazetas, costuma-se, por commodidade
das citagOes e referencias, adoptar ara nome, alga-
mas iniciaes oa algam oatro signal. Disentir esses
pseudonymos oa sigues mostrar desejo de alon-
garse. J um jocoso descubri dezenas de signifi-
| cagdes s iniciaes C F., que vio reproducidas no
I Gassino Fluminense; nao lhe eneotnmebdariamos,
' ainda qne o conhecessemos, igual trabalho a respei-
to de P. L.
Sentimos ver que este escriptor, que temos por
pessoa de educago, manchar o sea artigo dingio-
do-nos amenidades taes como o epitheto de Noira-
damus, e as palavras: njuii* grotutra; muerta;
: morda mor da quanto qmter; ave notumo; pos
agoureiros; caAr 005 ps tonta e arquejante; per-
Officio a regente do recolbimenio de Nossa Se-
nhora da Gloria desta cidade.Accusamos recebido de o sen tempo; etc. etc.
o sen offlcio sem data, em qoe, nos communicando Se qoizessemos retaliar P. L. poda-imaginar o
a impossibilidade em qae phisicamente se acha a qne terlamos a dizer dessa laiolenoeli qae repeue
directora das educandas desse rocolhlmenlo e para como offensa dictada por panes bailas o exame
continuar no exercicio desencargo, pede venia e censura de um acto que envolve m
para lembrar-nos ama senhora qne deseja reco-
lher-se como numeraria, e qoe tem as habilitagSes
requisitadas para o desempenho do cargo.
Respondemos qne de nenbum modo devenios
consentir no que Vmc. prope : coovem por tanto
qae de entre as recolhidas escoma Vmc. urna que
por suas habilitagSes possa substituir aquella di-
rectora, durante o seu impedimento; por nao con-
vir em detrimento da disciplina e da beglene aug-
mentar mais do que se acba o numero das reco-
lhidas.
uno a mesma regante.Recebemos o sen offlcio
teresses, dessa intolerancia que longo de louvar
quem Inicia to ulil exame e esiado o Malta com
doestas.
Apenas do nosso lado se oronancia com o menor
louvor o nome de algam tornera de estado carre-
Iado de ser vicos, exciama-se do lado donde nos
iliaP.L-:
Idolatra dos nemes propnos i
Entretanto P. h. com o maior desembrago aecn-
mula epithetos loadaiivos, e ele 4s nnvens um
negociador qoe pela primeira vez na sua vida leve
de tratar de grandes negocios, e portanto nio pode
algnm divertiroento, e mandal o que elle vos po-
deria costar ao triste asylo das miserias humanas,
assegorando asslm aos vossos filhos a heranga mais
preciosa, qoe aa heneaos do pobre pedlram par*
ellas. Lembrai-vos de qae auem da aot pmet
empresta a Dos. "
pedem-nos a publica-Jo destas llnhas :
UrloTroDi^tiaTem eT0Thimen"to7 dir"^"d.l \ ei'p^rmlMi^faJeyn oa Metterich i conce-1 Qrta-feir (6) assUtiam aM "JJ"^
edneanas, alterno o sau estado de allenaclo, ou deria. Essj negociador era f K I S tfo? Jof S composigo obteve, -
m,qda-la para g hospiui da Garidade. V?fo qae, nunclado como devendo em futoro bem prximo | os anpwus a,ae tai coq.ps.y. ,
uno a mesma regente.neceoemos owuuiuuiu uu u b"uum uj, k------- r
sem data, em que nos consulta, se dever consen-, ter a presampgao de nfabillidade que nem aura
Tyrso, cabra, filbo de Benedicta, escrava do Dr.
Antonio Moreira Tavares.
Luzia, parda, til ha de Sabina, escrava de Gabriel
Antonio.
Aona, branca, filha legitima de Francisco Jos Bap-
tista e Isabel da Fonceca Rosa Baptista.
Umbelina, branca, filha legitima de Joo Gomes
Pereira e Alexandrina Evarisla Pereira Pa-
dilha.
Joe, pardo, filho legitimo de Jos do Espirite-
Santo e Silva e Francelina Francisca de Car-
varbo.
Jos, branco, filbo legitimo de Ovidio Ferrelra da
Silva e Josepbina Amelia Ucha da Silva,
qae fazemos. O distineto violinista bahianno nao' Hermenegildo, pardo, filbo legitimo de Manoei Ma-
carece de ser preconisad, pois traz a raelbor re-! rianno Gomes e Luiza Mara da Conceigo.
comendcao no talento com que o dotou dadivosa Dionisio, pardo, filho de Quitea, escrava de Jos
a nalnreza; e isio sabido e devidamente aprecia- Joaquim Gongalves Bastos,
do por, a' simples noticia do sea concert, ser elle Dervina, parda, filha legitima de Lncio Jos de
concorrldo como convem ao mrito artstico de sua Oliveira e Benedicta Maa do Nascimento.
exerosao. Joaqoim, branco, filho legitimo de Joo Gongalves
Do relatorio do ministerio dos eslraogeiros I e Mana pinto Oe soui.
exti ahimos os seguintes dados estatisticos
O corpo diplomtico brasileiro comp5e-se de 7
enviados extraordinarios e ministres plenipoten-
ciarios, de 7 ministros residentes, de 3 encarrega-1
dos de negocios, de 11 secretarios e 16 adddos de
1' classe, sendo : os primeires nos Estados-Unidos,
na Repblica Argentina, na Blgica, em Franga,
era Inglaterra, em Portugal e na Prussia ; os se-
gundos no Per, aa Repblica Oriental, na Rep-
blica Argentina, na Auslrl3, nos Estados Pontifi- Marina, branca, filha legitima de
cios, na Italia e na Rassia ; os terceiros na [Soli-
via, em Venezuela e na Hespanha ; os quartos no
Per, nos Estados Unidos, as Repblicas Argen-
tina e Oriental, em Venezuela, na Blgica, em
Franga, em Inglaterra, em Portugal e na Prussia ;
e os ltimos nos Estados-Unidos (2), na Repblica
Mara, branca, filha legitima de Leodegarlo Liberato
Pereira Caldas e Emilia de Souza Caldas.
Olyrapio, crioulo, filho natural de Luiza Mara do
Espirito Santo.
Manoei, branco, filho legitimo de Manoei Amantes
Chaves e Emilia Candida Chaves.
Mara, branca, filha legitima de Lamentlno Tei-
xeira da Silva e Mara Eugenia Ferreira da
Silva.
Jos Gongalves
Mara do Reg
ves Villa-Verde e Consianga
Villar.
Marcelino, pardo, filho legitimo de Luiz Francisco
Antonio e Tbeodora Marcelina Xavier.
Jos, branco, filbo legitimo de Florencio Francisco
Alves e Hermina Ferreira Alves.
Oriental (1), na Austria (1), na Belgwa (1), era Maria, parda, filha natural de Bernardina Mara da
Franga (3), em Inglaterra (4), em Portugal (2), na Conceigo. *
Prussia (1) e na Rassia (I). Diogeoas, semi-branca, forra, filha de Hermidra,
Alera destes, ha mais 19 cnsules geraes, 25 escrava de Francisco Rodrigues da Cruz,
cnsules effectivos e honorarios, 94 vice-consules,; Idalina, branca, exposla em casa de Mana pipna-
4 agentes consulares e 1 chancellen | nia de Mello.
As nages da Europa, America etc. tem no Bra- Mara, branca, filha legitima i
Silveira Lima Veneno e Rosa Amelia da Silveira
Lns.
Joanna, branca, filha legitima de Bento Nunes da
Silva Oliveira e Joanna Baptista da Silva Oli-
veira.
Antonio, branco, filbo natural de Antonia Mara da
Conceigo.
ves e Mara Candida Gongalves.
de
da Silva Lito e Carolina Thomazla Ribeiro da
Silva.
Felippe, pardo, filbo natural de Joaqun* Mana do
sil: 10 enviados extraordinarios e ministros ple-
nipotenciarios, 4 ministros residentes e 2 encane-
gados de negocios, 11 secretarios, 15 addidos, 18
cnsules geraes, 120 cnsules, 219 vice-consules e
57 agentes consulares.
Pedem-nos a publicago do segninte :
Santal 22 SSSE. ^'cer' >^&SZ^ G^'
agora, por convite e lembranga do Rvd. padre CS*tt3SSSrS: Alexandre Jos
BWSe.mbrs urna m.ssa cantada e alguns ouiros ^\^i^,^rS!StSS
sacrificios de louvores ao SS. coracao de Jess.
< A raissartera' logar no prximo domingo, 10
do corrente, devendo precede-la a commnnbo -
Flix, pardo, filbo legitimo da Maooel Vieira de Je-
continuara' a os e Mara da Hora dos Passos.
oceupar c^onfessionrio de manha e a' Urde, a Amalia, branca, filha legitima de Manoei Raymundo
doutrinar os meninos e a pregar as duas noites,' Penaforte e Joaquina Simplicia Carneiro.
que precedem a' feslivldade que annunciamos. Rodolpbo, branco, filho legitimo dos meemos.
c E alera desle trabalbo, qne toma a si com a | Dativo, tlho legitimo de Jos Urbano da Silva e
raelbor vontade, o digno sacerdote pretende conti-1 Arlina Felicia Borges da Silva,
nnar na mesma igrela os servicos do sea sagrado Zalmira, branca, filha legitima de Jos Rodrigues
ministerio, explicando todos os domingos por oc- da Silva Rocha e Mara
casiao da missa o evaogelho do dia, e dando as Rocha
noites desses raesmos dias instrocefies moraes Elvira, branca,

plenaria promettida aos fiis,
f O mesmo Rvd. padre Scambrs
Sabina da Silva
filha legitima
Rocha e Mara
de Jos Rodrigues
Sabina da Silva
tendenies a destruir as priocipaes objeegoes ou da Silva
difflculdades, que geralraente se suscitara, mesmo Rocha.
entre os qne se dizem calholicos, contra as prati- Flaviano, branco, filbo legitimo de Antonio Jos
cas salotares da nossa religio. > de Abroa Ribeiro e urea Basilioa de Mello Ri-
nacao. ,
Pede-se-nos qae publiquemos o seguate :
t No bairro da. Boa-Vista, roa da Concelcao n.
15, acha-se um pobre ancio em tio lMtimoso es-
tado de molestias, qoe geme" noite e dia, dallado
sempre de costas, por lhe nao permlltirem snas l-
ridas mudar de posigao.
c Urna filha o acompanba, porem esU pobre
creatura, vivendo sempre doente, v-se privada de
poder snavisar os males de sea pal, e nao serve
mais que de duplica los. -. _'
< Almas generosas, qoe deveis a Dos o benefi-
cio de vos conceder mais ou menos os bens da for-
tuna, repart de vosso superfluo com estes infeli-
zes. Vos principalmente, caridosas ncis de fa-
milia, consolai o aflicto enfermo, repafllBdo com
elle do que vos nao for necessaria i dailbe roopa
com que se cobra, pannos com qoe cure suas te-,
rldas/ Prlval-vos por urna so vex ao menos, de, jnnho de 1866.
Pinto com Tberexa de Jess
da Silva.
Silvino Antonio Rodrigos com Josepha Amelia do
Bogo.
Luiz Flonano das Mercs com Philomena Mana do
Espirito Santo.
Victorino Domingues Alves Maia com Mara Coelho
da Oliveira.
Dionisio Ferreira Cavalcanti com Primitiva Ale-
xandrina de Lima.
i Joaqaim Coelho dos Santos com a exposta sabina
fregueiia de Santo Antonio do Recife, 4 de
i maio de 1866.
Padre Joo Jos da Costa Ribttro,
Vigario eocommendado.
Casa m dbtknoao.
Movimento da casa de detengio do dia 7 de
bem
Existlam 350, entraram 9, sahiram 3, axis-
tem 356.
A saber:
Nacionaes 142, muiheres 15, estraogeiros 28,
mulheres 2, eseravos 66, escravas 3.
Toul 356.
Alimentados a' casta dos cofres publieos 193.
Movimento da enfermara do da 9 de jnnho 4*
1866.
Teve baixa:




*
_____t&XcM.
'.'?' i-------
Dlarle 4e

aMrarlo t' Tnriho de
,, .ij..- .;r.- y-r
1866.
Vicente Ferreira de Barros, empinges.
Amonio Feij da"Mello, empiuges.
Manuel Gomes de Mendonga, lopigeswo.
Francisco Jos do Nasciuiento, ehagas.
GANARIMU.MI^L DO RECIFE
SESSAO EXTRAORDINARIA EM 25 DE ABRrt
N DE 1866.
Presidencia do Sr. Pereira SimSes.
Presentes os Srs. Aquino Fooceca, Santos, Gus-
tavo do Reg, Silva do Brasil* Pinto e Dr. Seve,
abrio-se a sessao, e (oi tida e approvada a acta da
antecedente.
L-se o segrate .
EXPEDIENTE.
A tomTsao nomaa
cidadau Manoel Al ves Gui
capital, apres&ntb d"seif
para contratar cora o
a arborteaco e >,*d*nuo as fcwes
para o contrato, e (o approvado, ordenndose
qiie'Totee Yeito o respectivo termo.
Comparece o solicitador, e aprsenla a carta de
adjodicagao dos alugueres da casa de sobrado de
ora andar e soto na roa Imperial na freguezia
de S. Jos, junto ao viveiro do Monte, extrabida
do processo dos autos da eiecncao da sentenga por
mandado execativo da cmara contra Jlo Jos
d* Albuqu-rque e Manoel Joaquim Ferreira Es-
toves. Que se archivarse, dando-se seieacia ao
procarador para Ir mensalmeote recebendo os
mesmos alugueres.
, Entra era discusso o reqneriraento no qoal os
Um cilicio do Exm." presidente da provincia de'empreitefros dos trilhos urbanos pedem a abertu-
12 do corrente, duendo que constaudo-lhe de avi- ra da ra que passa ja fundo do sitio de Joo
so da repartido do Imperio de 17 margo ultimo, Gatis no Corredor do BfSpo. ResoTvu-se madar
ter a Divina Providencia felicitado este Imperio offlciar ao mesrao Joo Gatis para demoiir a por-
com o nascimento de uro principe, que sua alteza gao do muroque for necessario para a abertura da
serenlssime a Sra. princeza D. Leopoldina deu a mesma ra, visto ter ppr termo, que assignou, se
luz oaqnelle dia, assim o communica a cmara, obrigado a abri-la quando a amara o exigir,
tanto para seu conheciraento, como para que te- Despacharam-se as petlgOes de Antonio Luiz dos
nham lugar neste municipio as demooslragoes de Santos, e Bario do Llvramento, empreitlros dos
jubilo que sao de estyllo por lo fausto acontec- trilbos urbanos, Custodio Alves Rodrigues da
ment.Posto em discusso, resolveu-se que se Q- Costa, Francisco Marinho dos Sautos Ferreira
zessem edilaes, pediodo aos municipes desta capi- Francisco Ferreira de Paula Brasleiro,' Francisco
tal a' Iluminaren) as Irentes de suas casas em os Gondo, Jerooymo Brnno, Jos Alfredo de Carva-
dias 28, 29 e 30 do corrente. ribo, Dr. Joaquim,d'Aquino JJoncecaLLulz Ferreira
baglia. O Dr. Baarque presenta a .
nhor, e a coroatisso approvando as rneeidas
este tomadas, incumbe ao meemo doutor de agra-
decern nmada commisso ao Sr. ur. Gabaga
a bondade comtjnt prestoo-se a sattsfazer a incum-
bencia que se Ihe fez.
O Sr. Gervaj ipresenia a comtnhso o dese-
nlio do apparell Sr. Belm, par dar iropulo
aos pequeos barcos oo nircagas, ecomo se acfia
na antesala o mesmo Sr. Belm, convidado a dar
a comaKo oi necesarios estlareeimentos.
Em seguida resotVeu-se quf'S. Esc o Sr. vfee-
prifcidenttT-Se drgnasse demandar orrvlr a opmUo
do Sr. inspector do arsenal de marintia ou de mals
algom preflssfOBar acerca do'r/prlho em qus-
to ; e bemjjomose poda o mesra) arsenal eticar-
regar-se de um pequeo modelo on mesrao appare-
Ibo, fornecendo para isto a commisso toda a ma-
teria prima necessaria.
E nada mais havendo a tratar deu-se por encer-
rada a sessao.Dr. Jos Joaquim de Moraes Sar-
ment, presidente.Baro do Livramente.Gerva-
sio Rodrigues Campello.Jos Joo de Amo-
rim.Manoel Boarqun de Macado, secretarlo. ,
SESSAO ORDINARIA EM 23 UE MAIO DE 1866.
A's 6 horas da tarde, em urna das salas do pala-
Outro do mesnei d" 24 deste me, declarando a' Fialho, Luiz Mofeir'a da ^ilva' Pinto, Tbomaz ci do governo, e com. a preseoca de S. Etc. o Sr.
cmara para seu couhecimentoedevidoselleilos qoej d'Aquino Fonceca e levantou-se u sessao. Eo vlce-presidente da provincia, reui
Janeiro as encommeerfas de 75 m-i#fha"i
J*i ae liga, de canfor mi Jad e co-fi o O50
lo aprsenla**, segundo a cuiwnuniea'i
neste sentido' receben do SteBr. Gi
no requerlmento da associago Commercial Bene
fcente sobre que versan sua Intormaco de 18 do
corrate n. 31 langou o despacbo seguiote : De
conformidade com a infbrmagao da cmara muni-
cipal desta cidade, datada de 18 do corrente, sob
n. 31, concedo a liCenga pedida urna vez que a
supplicaote se obrigue ppr um termo lavrado, e
assiguado na mesma cmara, a nada eligir a lita-
la de- indemnisago pelas bemfeilonas que se.pro-
poe a fazer, quando tiver o predio de ser desapro-
Francisco Canuto da Boaviagem secretarlo a su-
bscrevi. Pereira" Simoes prc-prsidehte, Costa
Montelro, Reg, Fonceca, Dr Seve, Santos.
-nv*
Caixa filial do Banco do Brasil em Per-
nanibuco.
1:5005000
Letras caneionMas.
Por ouro e prata.
Por ttulos com-
merciaes... .
12:318*334
2:831*060
BALAXCETE EM 30 DE
ACTIVO.
riado,Ta ce^-a^ri8"dT>aga dV L.ngaea r^^af'Brroaf"'
que provisoriamente vai occqpar, logo que se le- residentes no
nba de abrir a ra que pssa em frente do'caes. inear
Posto em discussao, resolveu-se maddar lavrar o 8 .....
termo de que se trata com toda a 'seguranza exi-
gida em casos taes, e se commuocasse ao fiscal
qoe nao consentisse fazer obra algima sem uue
estivtsse assignado o mesmo termo e pago o im-
posto.
Outro do Io secretario da assenba provincial,
Ur. Joo da Silva Ramos, com despacho da -presi-
dencia mandando a cmara informar, em cujo of- '
ticio veto melosa urna petigao, na quaf os guardas
municipaes pedem a mesma assembla Ibes mar-
que urna gratificago' destinada s despezas do
lardaniento que tanto mlngu os seus ordenados.
Fosto em discosso, o Sr. Gustavo do Reg pede a
palvra, propVqu s eleve os veneimentos dos
guardas a 2 diarios, em consequenca de que elles
preslam servir tm das olis e santificados e a
noite.
O Sr. Pinto pede a palavra e propoe qoe se d
aos me'smos guardas 1*600 rs. diarios.
Tendo fallado sobre ambas as proposias es Srs
vereadores presentes, foi posta a votos a pnmeira 1
ejapprovada, votando contra os Srs. Aqoioo Fon-1
seca, Pinto e Silva do Brasil.
MAIO DE 1866.
1:500*000
Letras a receber.
De coota da caixa
matriz......
De outras proce-
dencias ........
----------------- 15:149*394

760:000*000
20:346*037

720:346*037
222:493*933
Letras de concordatas.
Valor em cartelra
Ttulos em liquidcao.
Por letras "protes-
tadas .......... 708:559*638
Por alcance do ex-
thesourliro Do-
mingos Francis-
co Tavares..... 548:306*810
_--------------1,256:866*468
Contas correntes.
Banco do Brasil
Outro da cmara municipal da villa de Pesquei- _. .. g.
ra de 9 do corrente, communicando baver recebi- J, 3*8-1033447
do o da cmara de 3 de novembru pascado, convi-.___.!_!_____11537-145*722
dando-a a promover urna subscripgo para a of-, r,._. rii,i j, R.
feria de urna espada de honra a S. M. o Imperador j l'a'" .UMai aa Da
pelo seu feliz regresso dos campos da guerra, de- _. 53-7015923
clara que congratulando-se em tomar parte em tSo i" .___^_i_______
justa, palpitante e grande mauifesiagao, oomeouj
commisses, e recommendorj aos rhemb'ros dllas fni/nitoi
que invidassem todo o seu vallmento para obterde; E^ accSe" do Ban-
55:701*923
---------------11,592:847*643
cb do Brasil, va-
lor nominal.... 48:000*000
Em'ontro ttulos
eespeeies...... 23:733*860
Diversos.
Saldo de varias
contas......
Cofre de emissao.
Valor em notas
promptas e em
preparo para a
circulago......
dem recolbidas e
inutilisadas ....
Caica.
Em moeda de ouro
nacional:
1,173:470*000
Em moeda de ouro
estrangelro:
1,084:580*000
Prata e pequeo
valor em cobre
Notas do governo.
De 10* :
62:00)*000
De menores valo-
res :
12:149*000
Notas da caixa :
Oo banco do Bra-
sil 156:320*000
De outras caixas
filiaes 8:080*000
Banco do Brasil
c/de notas do ro-
verno substitui-
das ............
Bens de raz......
seus amigos a subscreverera as qoantias qne'lhes
aprouver, e qoe o producto arrecadado rerneltena
vom a brevidade que fosse possivel.Inteirada.
Ouiro do secretario perpetuo do Instituto Ar-
cheologico Pernambneano, Dr. Jos Soares de Aze-
vedo, commuoicando ter o mesmo Instituto de
mandar erigir as estatnas de Joo Kernaodes Viei-
ra, Andre Vidal de Negrelros, D) Felippe Camaro
e Henrique Das, no Campo das Princezas, paleo
do Arsenal de Marioha, p>teo da fortaleza das Cin
co Puntas e Praga da Ba-Vista, invoca o recenhe-
cido patriotismo da cmara para que em cada um
aquelles qnatro centros Ihe sejam concedidos trin-
la palmos de terreno em quadro, e a sua respecti-
va demarcagao, afim de levar a eff. ito conveniente-
mente a resolugo do Instituto.Posto em discus-
so, resolveu-se mandar ouvir ao engenheiro cor-
deador, determioando-se-lhe qoe declare se pode a
cmara conceder o que pede o Instituto, sem incon-
veniencia alguma nos lugares em que o mesmo
pretende collocar as estatuas.
Outro do procurador, remetiendo o balancele da
receila e despeza municipal no mez de margo ul-
timo.A commisso de polica.
Ootro do mesmo, declarando que acbando se era
seu poder dinheiro suQkiente para occorrer as
despezas da cmara, pede que d a mesma as suas
ordens afim de ser recomida aa ( laMitmA
oito cornos de rtis, que julga desnecessario estar
sob a sua guarda.Que se recolhesse.
Outro do fiscal dos Afgadoscomraunicando que
tenuo procedido a respeito da infraego commetii-
da pelo Or. Joaquim Antonio Carneiro da Cunha
Miranda, propietario de um sitio na iravessa do
Lucca, na conformidade pela qual foi autorizado
pela commisso nomeada para verificar a repre-
seniago que dirigi a mesma cmara, succedeu
que o dito doutor, eochergando em seu procedi-
mento, alias bascado as leis que regalara as at-
tribuigoes da municlpalidade e de seus emprega-
dos, criminalidade, enderecou contra ella fiscal ao
Dr. juiz de direilo da 2* vara criminal desta co-
marca, a quena de rtspoosabilidade, qoe por co-
pia remedia, bem como a copia de sua defeza, a
mesma queixa submettendo previamente a appro-
vago da cmara, para ento, no caso de merece-
la, apresenta-l em juizo antes de lindo o prazo
que Ihe foi marcado; lida tambera a resposta, de-
liberou-se que fosse a mesma remetiida ao advo-
cado para examinar e declarar se achava confor-
me, recommendando-se que indicasse ao fiscal a
maneira porque havia de proceder, isto com ur,
gencia, turnando a questo a si para defende-la-
pois que era ella toda municipal.
A commisso de polica apresentou o seguiote
parecer, que foi aprovado, menos na parte em que
nogava um augmento ao continuo, por quanto a
mesma commisso tendo observado qu se elevou
os veneimentos dos guardas, entendeu de jusliga
que devia propor tambem 100*000 reis de gratifi-
cago qoelle, e foi approvado.
A commisso de polica examinando a petigao
dos empregados desta cmara, em que pedem aug-
mento de ordnoado em virtude do accressimo de
duas horas de trabalbo diarios; de parecer qoe
sejam atteodidos, para o q je offerece a aprecia-
gao desta cmara o seguiote augmento de orde-
nado.
Ao secretario 200*000 reis de .gratificago, os
ordenado de 1:400*000 reis, prefaz a quantla de
2:200*000-rels.
Ao offlcial maior, igualmente 200*000 reis m*&: p ;
de gratificago qoe juntos a 400*000 reis qoe s ^^acrZsdo
nba e a 900*000 reis de ordenado, prefaz a quan-
tiade 1:500*000 res.
Aos dous amannenses nao indurado o amanu-
ense com exercicio de portejro, 200*000 res mais
de graticacao os quaea, janlos ao> qun tmbam de
'i00*000 res, e ao ordenado de 600*000 rete pre-
faz a qoantia 1:100*O0O reis.
Ao amanuense que acumula as funecoes de por-
tero, entende a commisso nada dever aognwn-
tar-lhe por ja ter 1:200*000 reis sendo, 600*000
reis de ordenado e 600*000 res de gratifica-
cao.
Este amanuense se tinba o mesmo ordenado que
os oulrof, e augmento que boje tem, Ihe foi mar-
cado pela assembla provincial, o anno passa do
sem prescindir MttormacAo.desta cavara.
Ao continuo servindo de correio que tem o- or-
denado de 400*000rea200*080-reta >. grati-
ficago, entende a commisso que ate tem um
ordenado equivalente ao sen trabalhe, tendo alem
disto um guarda fiscal para ajudar no swvigo de
contmno.
Ao contador 300*000 reis mal de fraficago,
que jamos a 300*000 que tioha e ao ordenado de
1:200*000 res prefaz a quantla de 1:800*010
reis.
Esse empregado pela nova forma da arraeada-
co, cojo melnoramente foi por elle indicado, e
approvado por mu cmara, ten um trabalbo mu
to maior do que tinba o amigo contador.
Eis o parecer qoe entende a eommissio devtr
dar a esta cmara, em virtude do que Ihe foi em
sessao encarraead*.Saladas sessoea 25 de abril
de 1866.Joaquim d'Almeida Pinto, Feliciano Joa-
quim dos Santos.
O Sr. preatdwatv tomando em..cansi4raga<
que fica exposlo quaato ae angaaento qat se "
aos empregados, propoz e foi approvado,,que
augmenutM lavbMB eoca 200*000 MU mais a
ratiflcago que percebem oa fiaeaea deau ldidr
ornada esta resologo, mandon-ae offlciar ao virrn
presidente da provincia, pedndo Iba qoe fizaste
ebegar ao conbecimeoto da assembla, para incluir
no orcamento municipal do futuro exercicio.
j___-.----------- 71:733*860

68:993*133
620:000*000
608:130*000
---------___ 1,228:130*000
2,258:050*000
*229

74:1495000
31:820*000
164:400*000 2,528:419*229
102.000*000
43:308*820
bros da commisso Drs. Jos J aquim de Moraes
Sarment,"Gervasio Rodrigues Campello, Buarque
de Macedo e os Srs. Jos" oo' de Amorira e baro
do Livramento, deram-se por comegidos os tra-
bamos.
O Secretario leu o seguirte
KXTEOIENTB.
Um offloio do Exm. Sr. vice'prasidente da pro-
vincia, era que declara que a cmara municipal do
Ouricury empregar todos os seus esforgos na ac-
qusigo e remessa de productos do seu municipio
para a exposigao.Inteirada,
Um offlelo do Rvd. vigarlo' Agosiinho de Godoy
Vasebnellos,' Informando ao Kxori Sr: vlce-presi-
dente que promover qoanto poder a remessa de
producios para a exposigao.Inteirada.
Um officio do Exm. Sr. vice-presldente, remet-
tendo as instrucgdss para a exposigao de plantas e
anlmaes vivos, e para a de apparelhos e instrumen-
tos agrcolas fabricados em palies estrangeiroi; -
Resolveu-se que fossem
provincia.
Um officio do Sr. Francisco Honorio Bezerra da
Menezes, pedlndo dispensa do earge de delegado
da commisso da exposigao. Attendido.
Um officio do Sr. Amorte de Lemos Vasconctl-
los, declarando'que nao podendo aehar-se no ter-
mo de Grvala, est iraposslbilludo de exercer o
cargo de delegado da commisso, mas qoe indica
um outro individuo para'sobstrti-lo'.E'attendido, offerecer-lbe.
Acoutceu que as nogo?s do
o consinroidas pelo publico
dlempo, nos acreditamos qoe
aniado o trabalho como se a-
. aejencia extrema, sero poucos os
isfneoSr. Gomes Jonior tera feilo es-
tampar para satisfazer a anciedade.com que a nos-
sa praga, e ai outras proviuciasUn-hijJWlo espra-
vam por senWhante publicago. F este o maior
elogio aue poa fazer-se a utilidade Importancia
da brochura qoe de novo annunctamns, e dtjue
damos os parabens ao Sr. Jos Antn WonfaNu-
nior, ctomo^Bnj dos hemens de bara/l lmaiaier
vlgos ba preatodo ao commercio enti
(Da RevtitarDaria. Diario
14 de abril de 1866.
Illm. Sr. Jos Antonio Gomes Jonior. ho de'J-
neiro, 25 de marge de4866.wste momento aea-
do de receber a sua carta" de 16" do correte mez,
acompanhando 0 folheto das nogoes do- syemi
metrleo decimal, que leve a bondade de offerecer-
me, e que agradego. .
Sou de V. S. ltenlo venerador e criada.Mr-
quez de Oiinda.
Rio de Janeiro, 29 de abril de 1866. Illm. Sr.
Jos Antonio Gomes Jnior__Acensando recebida
a carta de V. S. de 17 do corrente, qoe acompanhou
a um exemplar da obra que'V. S. fez publicar
nogoes do systema mtrico decimal .segunda adic-
caoque leve a bondade de me oferecer, mui cor-
dialmente Ihe agradego- ess prova d sua lem-
branga para commlgo.
Son com toda a attengo e estima de V. S. alien-
to venerador e criado. TosFThoraz Trabuco "de
Araujo.
Pago da cmara municipal do Recife, 11 de abril
de 1866. Illm. Sr.-A cmara municipal desta ci-
dade, tendo recebldo o'offlclo-de V. S. de1 10 do
correrte, acompaobadede om'etereplar'da'segun-
da ediego, da obra denominadanogSes do syste-
ma meineo-dbitCaN-declra a V. S.iqoe molto
agradece semelhaote offerw.
Deus guarde a V. S.^-Hnt. Sr Jo* Atftonio Go-
mes Jnior.-Lolz PereirttSWaSes, pro presidente.
Francisco Canato da Boaviagem, secretario.
Illm. Sr. Jos Antonio Gomes Jonior.Palto das
habilitares precisas'-par 'apreciar asuoces do
systema mtrico debhnaidas quaes teve V. S. *
bondadef de mimoseadme com umexemplar, toda-
va, lend-o convenc-me que sem maior forga d
estado e s com o-emptego de' cardado, se* coaVpre-
hendera' facUmette
pelo Sr. Oliveira, s se refere a pouco maiid um
dbotd! de ris.
Diz tambem elle que -t-eu nao paasno huiros
bens que garintm esse debito. Isto odtra fa-
ndade to censnravel como a primeira; porquanto
possuo vinte escravos que teriara sufflelente ea-
raatia para o debito falsamente allegado, qoanto
_ is para quatro cortos e tanto.
Diz ainda o Sr. Oliveira que tem urna execa-
go annexa aos autos do inventrrio do finado Ma-
me! Jos Gongalvet Braga, do qoal eo anpelel, e
tit hoje nao cuidei doa termos da anielago.
ie o Sr. Oliveira jovga rrieus bens origados pelo
ivo do mesmo ventano por nao ter dado
a andamento apislaeo, da' mostras de mui-:
raco em jurisprodeneia, que se de ve perdoar
n5is se elle quer dar a entender qu existe algam
oTrtrff-mptrvoeloiitial-meus-bens-ae aenem-ebri-
gados por aquelle inventario, da' a entender nma
falsidade, que binguem desculpa. Sou apenas n-
ventariante, e encarregado pelos berdeiros de li-
quidar o activo e passivo, leudo contractado com
os mesmos herdeiros a compra do remanescente.
Conclue o Sr. Oliveira dizendo que o referido
engenbo S. Manoel Ihe de certo modo obrigado a
garanta de seu debito.
Estas duas palavrinhas certo modo mere-
Ciam ser escripias com letras de ouro I
Estupenda a lgica do Sr. Oliveira, contenta-se
por Qm em dizer qoe meo engenbo obrigado de
certo modo, o que no caso verterte quer dizer
de modo nenhura, entretanto assegura que eo pre-
tendo fazer nao pode ter lugar por ter em fraude
dos direitos d'elle.
De?pego-me do Sr. Manoel Jos de Oliveira lem-
brando-lhe que sendo S. S. devedor a meo Olho
pela qoantia de nove cortos e tantos a caja co-
oraoga se1 procede judicialmente, nao faltara" com
due fazer"~face do crdito d'aqoelle senhor para
commlgo flepofs de verificad* judicialmente.
Recife 6 de junho de 1866.
.Waria Cordeiro.
. -111 i
Agua Fkoriil de Hurray A. Laa-
mau.
Em coBseqtiencia da sua grande e vaste
popularidade e juste celebridade em todos
os marcados da America do Sul e das Anti-
otrapoTtarte e ntilisstmoira-
Impfessos nos jornaes da- balno' de V. S., a vista'!da impllcldade e elare
com qoe1 esta'eonfeccwnWb.-u-Son'como sempre,
de V, S. amigo e oftrigadlssfmo criado. Sua casa
11 de abril de 1866.-Manoel Mara Rodrigues do
Nascimento.
Illm. Sr.-Com o offlc* de V. S de H do Cor-
rente, foi presente a este tribunal o exemplar da
segunda^ediegao dasnogoes do systema mtrico
decimalque V. S. fez publicar, e qual se dignoo
Cabe-me1 *ro'nome'd9 raesmotrl-
nomeando-se para delegado daquelle termo o indi-
cado.
Passando-se a ordem do dia, S. Eic. o Sr. 'Vlce-
presldente, declara que tendoconsaltade' a comA
misso incumbida de examinare apparelhb do Sr.
Belm, foi ella de parecer qoe o dito apparelho nao
pode ter ppKcago vaotajosa, mas que entretanto
serla conveniente a coostruegao de um pequeo
modelo, do qual foi encarregado o arsenal de ma-
rioha.
banal, nao s agradecer a V. S. a sua apreciada
ollera; mas tambem louvar os sene constantes es-
forgos em trabalno to til, qoo neteesario na ac-
tualidade.
Deas guarde a V. .Secretaria do tribunal do
commercio de Peroaraboco, 16 de abril de 1866.
Illm. Sr. Jos Antonio Gomes Jnior.o secretario
Jos Marcellino da Rosa.
Tribunal do commercio da Baha, aos 3 do roaio
de 1866.Illm. Sr.^Fof presente a este tribunal o
MGViMMIfMQ PiTO
Da 8
Nao bouveram entradas nem sanidai.
EDITAES
Ihasj para o uso de-cajos paizes, ella foi
exclasivameote manufacturada, ha mais_-ae npostos, por serem legaes e anteriores a execuga
O procurador acal da- thesnnraria de fazen-
da qnereodo- evitar as danWas.gge se lem sus-
citado a respeito da Inierpnilagan^iada a novissi-
ma lei typothecariaj e asSflfflllWades cora que
lutam os responsaeH dafanad> gnando lem de
legattsar seus ttulos, attendende Hodas estas con-
sideragOds, faz publicar as inslrnCfes da directora
gerel do-eerteneiose-de 27-de alwil de 1866,-dando
explicabas a nova le hypolbecaria.'no que diz res-
uelto a fazenda nacional".
I Secgo do contencioso da thescurarla de f.iz-oda
de Pernambuco, 8 de junho de 1866.
Henrique do Reg Barros.
Thesouro nacional.N. 16i.Directora geral
do contencioso era 27 de abril de 1866.
Alteodeodo a necessidade de dar aos procurado-
res fiscaes e ontros agentes Jodiciaes do thesouro
as lnstrucgoes precisas na forma do artigo 26 3la
do decreto de 20 de novembro de 1850, para boa
execueao da nova lei hypothecaria e seu regutat
ment na parte, que Ihes compete, e remover dul
vidas suscitadas sobre a firmeza e validado das hy-
pothecas iegaes anteriores a lei, resultantes dos ter-
mos de fianga at ento lavrador e assignado?, s:-j
bre a necesidade em todo e qu;.|quer easo de-pre
natagao da-bynolbeca leaal, s linalment sobre ou
tros pontos relativos ; o systema- da 'n^erlpello e
traascripgo, organlsado pela ciuda lei e regla-
mento, juigo cuoveniente que os mesmos procura-
dores liscaes, no expediente a seu cargo, lamo era
juizo como fra delle, e na ausencia'd dersfles do
governo ou dos tribunaes de jusliga,:que eslabele-
gam jurisprodencia a respeito desteisspmpto, ob-j
servem o segninte : r-
Art. I. Todas as hvpothecas da'fazenda publica*
anteriores a lei n. 1237 de 24 de setembro de 186i,
tenbam-se ou nao lavrado termos de fianga ou es-
crituras publicas para garanta da gerencia do<>
thesooreiros, pagadores, collectores, reodeiros e
outrus responsavels, ou sobre os bens deseos fla-
dores ou para pagamento de dividas aothesonro
E nada mais havendo a tratar ae deram-se por escriptor da obranoeoes e systema metrleo deet-
Ondos os trabalhos.Dr. Jos Joaquim de Moraes mal, segunda ediegoque V. S. teve abondade de
Sarment, presidente. Baro do'Livrameoto. offeaeeer-lhn, aeompanhado do seu officTo de 13 de
Jos JoSo de Amorim.-Gervasio Rodrigues Cam-'
pello.Manoel Buarque de Mawdo, secretario.
Correspondencias
Povoado dos Montes.
Srs, Redactores. O abaio assignado pede ao
Sr. correspondente da povoago de Trombetas que
se assigna O mudo, que nao declame agriamente,
que largue a capa de hypocrita, tire a mascara de
delator anonymo, e se aprsente em campo como
cavalleiro, apresentando factos e tomando a res-
ponsabilidade do que avangar em seus escriptos a
respeito da polica gorgoniana.
Declare, pois, o Sr. correspondente quaes forara
oscrimes praticados neste districto por Vicente da
Costa Soare?; que, no-seu entender, urna fera que
passela em pune a despeilo das autoridades poli-
ciaes; declare mesmo qoalqner outro acto menos
regular, ou criminoso daqarlla decantada polica,
e se oo o fizer sera' tido em muito raa'-corta. .
Nao preciso, porm, que o Sr.iwrrespondeffle
deixe o campo vasto da decUmacao, e procure en-
cerrar-se no circulo estreito da realidade para ser
conhecido, ou dar a coohecer a causa effeciente de
seu odio, a' decantada polica gorgooiana. inMis-
mele para as autoridades qoesabem cumprir seus
deveres, na certos iodivjduos tao tallos dajaom
,-?nso que, estando despenados com alguem re-
curren) a autoridade para que, era obdlencia a seus
instrumento dcil para a-
capnchos, Ihes sirva de ..
bater seus desafecto?. Qoaodo porm a aulorlda-1 malde grande utilidade para esta praga,
abri prximo passado. V. S. acoeitn pois os devi-
! dos agradecimentos.
Oeos gaarde a V.S.Illm. Sr. Jos Antonio Go-
' mes Jnior.Manoel Joaquim Bria, presidente
[ do tribunal do commercio da Baha.
Illm. Sr.A direcgo da associacao commercial
desta praga, tem o prizer de aceu'sar a recepcao
do officio de V. S. de 19 do prximo passjdo, aeom-
paobado de um exemplarnoeoes do systema m-
trico decimalque V. S. se dignon de ollerecer a
esta associago. Dando o devido aprego a sua va-
liosa produgo a dircegao se Ihe eenfessa grata, e
aproveitaodo a occasio, tem o prazer de convidar
a V. S. para seu socio honorario, honra qoe espera
V. S. Ihe nao negara' conceder.
Deus guarde a y. S.Cea ra', S de maio de 1866.
Illm. Sr. Jos Antonio Gomes Jnior.Henry
Kalkmaun, presidente.Jos Luiz de Soma, secre-
tario.
Illm. Sr.Acenso a recepcao do officio de V. S.
dirigido a este tribunal em dala de 12 de abril fio-
do, acompanhando um exemplar da obra publica-
da por.V. S.j e que tem oiialonogdes do syste-
ma mtrico decimal-coja obra foi com especial
agrado recebida polo tribunal.
Deus gaarde a V. S.Tribunal do commercio do
Maranho, 9 de maio de 1806.Iim. Sr. Jos An-
tonio Gomes Jnior.Manoel Cerqueira Pinto.
Illm. sr. Jos Antonio Gomes Jnior.Presadis-
simo senhor. Tive a dislincia honra de receber a
presada cana de V. S. sob data de 19 do mez fin-
do, e juntamente um exemplar de sua mu inte-
i'essante obra nogoes do systema mtrico deci-
por ja'
de nao se presta a isso, pdem a< mos na cabega,
e andam por abi a calumniar qnem Ibes fez coohe-
cer a sem razo do pedido. E' um dos taes o Sr.
correspondente Mudo, pois o abaixo assignado tem
consciencia de que smente sao intenso? a sua po-
lica, ou individuos como aquellos, ou os crimino-
sos deste districto, visto como o mesmo abaixo as-
signado sempre comprlo as obrigagoes do cargo
qoe nao solicitou, e antes recusou.
Engenbo Trombetas 1 de junho de 1866.
Jos Gorgonio Paes Barrete
estar em execugo. Aprecio muito este trabalho
de V. S., tanto mals porque veo em urna occasio
qu se faz muito preciso.
leudo a distincta honra de ser coro particular
estima de V. S., atiento venerador e criado. Fran-
cisco CoelLo da Fonceca.Ceara' 17 de maio de
1866.
Sala da commisso da praga do commercio do
Para' aos 24 de maio de 1866.Illm. Sr.Esta
, commisso aecusa a recepgo dos oficios de V. S.
de 13 de setembro ultimo, 8 12 de abril do corren-
te anno, acompanhando es doos ejemplares do
17,851:790*521
2,000:000#000

Passivo.
Capital.
Valor fornecido pe-
la caixa matriz..
EmissSo.
Pelas segrales ad-
dlgies, cuja tota-
lidade Igual ao
saldo a favor do
Banco do Brasil
em corta de re-
messa de notas,
saber:
Valor em circo la-
clo............. 13,698:180*000
dem no cofre de
emlsso........ 1,228:130*000
dem em debito da
caixa......... 31:820*000
---------_^w,ii,958:130*000
Reaesfas.
De conta da caixa
matriz......... 700:000*000 %
fr RrdnriarPt -F' infplizmenie o novoado dos 8ystm* mtrico decimal -digno froto de seus tra-
rrado^:ami:rteoevideDCia desde qQe sede-: KtsasssraKSs
nVirn Sr n^sidentH' da nrovincia mandou le- relll de n3S associago commercial, perten-.
^^JS^Ji\?^rSS& "n'V^n^d'e'v dS n^6Pr0AXmoniPoaaes Ju
mifl se nrncedP nVite Inc^l asta tem sido mantida i ^eus Buarae a V. S. Jos Antonio Gomes Ju-
^-S^^^^i^IX. lente-: ?<* W vihte annos,' a mesma tem sido exclusiva-
mente imitada e contraa*ta neste paiz. Po-
rm-pFeseotemente o artigo original foi in-
troducido, e em virtude do mesmo apresen-
tar A distinctiva marca commercial dos pro-'
prietarios, pode fcilmente ser distinguida
pela sua 3ppareneia'exterior dessas outras
similadas e fraudulentas composicoes. Os
signaes internos de perfeita genuidade sao
muito menos fcil de engao, por quanto a
Agua 4e Florida de Miirray e Lanman tem
e desenvolve o aroma proprio 'das frescas e
flores centes flores e plantas do trpico das
quaes ella deriva a sua bella e exquisita com-
posico, e a exposigao ao ar, em lugar de
diminuir, augmenta a delicadeza de seu fino
aroma, em lugar de produzir urna emana-
C"io acre ou urna certa effluvia desagradavel
icomo acontece, com esses perfumes e aguas
de cheiro as quaes sao preparadas e com-
postas com leos baratos e fortissimos de
essencias.
(Tenha-se pois todo o cuidado de exami-
nar e ver que os nomes de Murray e Lan-
man se achem inscriptos sob cada envolto-
rio, Wtreiro e at mesmo impressos nos vi-
dros das proprias garrafas, visto pois est
que na falta dos mesmos toda a mais
falsa.)
Vende-se as pharmacias de Caors &
Barbosa e J. da C. Bravp & C.
COMMERCIO
i'ACA DO RECIFE.
Cota^oeat oiflciaes.
8 de junho.
As 3 l|i-horas da tarde.
Assucar mascavado porgado-1*900 por arrooba.
Assucar mascavado americano 1*730 por ar-
roba.
Algodo i" sorte13*000 por arroba..
Algodo de Macelo 13*300 por arroba posto a
bordo.
Cambio sobre Londres 90 div. 26 e 25 1/2 d.
por 1*000.
Cambio sobre Pars 99 div. 370 rsf por franco.
Descont de letras de 3 e 9 mezes 9 e 10
0i0 ao anno.
Frete de assncar para New-York32/6 por tone-
lada.
Liubourcq Jnior,
Presidente.
Silveira,
Secretario.
\to banco de|iernam-
coronei Jos Joaquim de Almeida Quedes, o qual
nem s desrespeitou o acto da presidencia, como o
direilo de propriedade quando fez abrir um valia-
do disiruindo de minha propriedade parte de meu
terreno, resultando dest'arte que, o terreno desti-
nado para servir de roa segondo a planta, este se
acba oceupado pelo dito vallado qoe fez o Sr. te
Jos da Silva, presidente.Gameiro e Silva, 1* se-
cretario.
Para', 25 de maio de 1866.-Illm. Sr. Jos Anto-
nio Gomes Jnior. O Sr. Dr. Joaquim Baplista
Horeira, a quem V. S. dirigi a sua carta de 16 do
corrente, dignndose oOerecer-lbe um exemplar
da segunda ediccao das suasnogoes do systema
O Novo Banco descoma- letras a 10 por cento
ao anno, toma" dinheiro apraso fixo ouero coma
corrente pelo premio e nendigoes que se conven
cioDar. e saca sobre a praga da Babia
Novo Banco dePeraambueo.
o novo banco paga o 16 dividendo ne
razao de 6^150 por acc3o.
ALFANDEGA.
, Hendimento do dia .1 a 7 ...... 145:577*134
dem do dia8................ 27:505*179
nenie-coronel depois de ser conbec.da a menciona-1 melf- decimal-reeommenda-roe como emprega-
rb nlania -e iin nornne? Pornnn a olanta veio do desaa casa> lDe dirija esus Imhas para agrade-
Smffa 'iflS^%L S to IhTda p% Y- S- predou .lembranga a qual tera
...I" l2^T.*I-TTa- t*mmm,rL. na mais subida consideragao. O Sr. Dr. Moreira
pede desculpa de nao Ihe esorever pessoalmente,
por se achar prohibido.pelos mdicos de se dar a
qoalquer trabalho, attenta a gravidade da molestia
forma anterior, porque, nm como o Sr. tenente co-
ronel Guedes assim o entenda, apossando-se de
terrenos qoe o transito publico o reclamava para
sua serventa.
de que tem estado de cama, nao obstante as me-
Este reclamo que o poblico at agora tem feito, ,.
em parte j est salisfe.to, nem s em virtude da >ho,ras que.nestea ltimos das ba conseguido.
Aprovelio a oocasiao para compnmeniar a V. S.
Depositador es.
Banco do Brasil,
depslUdaa pe-
los director*
desta cali; M
form* dof #ft-
Wts.
Por ontros trilos
ou especies ....
48:900*0(0
20:3*8*037
planta que ji observamos, tomo porque, a illustris-
sima cmara municipal deste termo4 por seo r9s~ i snbscrever-me com esUma e cons.deracao. de V.
peitavel despacho mandou me dar cordeago Dr, S. aliento venerador e criado. Joaquim Antonio
parie em que se pretenda fazer-se eroposado, 1 oe.?ouJa "^Anri^ Q.ami, .= a* *J.
70O":0W*0O i ero virtude de seu vallado, o Sr. lenente-cwbnel Vende -ae* 2*000 o exemplar NoeBes do sys-
assim, espera o abaixo assignado que, a lllastrissi- 1IDeflr'con "'' .se8?nd* fd ican0; f?.
ma cmara, nem s ihe fac manter o seu direilo, 1 idde m os. padroas nacionaes, por Jos Anto-
como fazer respelar o acto de S. Exc. o Sr, presi-'ni? GoDDtes ,OB,or' na8 l"** Universal, Acade-
dento d nrovincia i mi* F'0*6" '" do Imperador, Economl-
Para elbor gaVantia do abaixo assignado, j | o**co.de Santo Antonio, e em casa do autor ra
enderecei uma pelico de queixa a illostrissjma d? Destino n. 3, onde os compradores de 25 exem-
Srrorql,omuo asignado tm^a^^^^^J^^^^^ "
i*toM,|ribunae8qe est,a, garanta de ana pro- mo ^ emplares por cento.
173:082*313
MOV1MENTO DA ALFANDEGA
Volames entrado com fazendas.
t c com gneros...
Volnmessabidos cem fazendas...
1 c con} gneros....
310
34
276
~14
1,048
------1,189
nrtodade.
Povoado des Momee, 4 de junho de 1866.
Caetano Deino Idooteiro de Carvalho.
anas
tem
Diversos.
Saldo- de'
cortas......
DwmSos.
Pelos que pao
sido
Gtmeotei
Lucros
Contas corred
simples........
33:357*715
4:6k4i06k
649*889
O presidenu da cala filial,
Igmco MafNavnV 5ovz Leao.
O mar da liyjros,
tgniKfosW*mi{a.

"r-
W
* *>''<
DOS
Predeciosafricolas, Inddelriaee e deenrasdarles
da. ereTineia Aftnum.
SESSAO ORDINARIA EM 16 DE MAIO DE 1866.
PubUcac^es a pedido
,t i 11 nuf......>im '.....' i-".....1
As nossas provisSes, anudo annnnciamos em"
agosto ultimo a publicagJa das laboas comparati-
vas do Sr. Jos Antonio Sepes Jonior, acabam de
* r-se lateralmente, llocos mezes apenxs s3o
os, e ja o Sf.GommrJdnlor se voirfgado a
sahir do prelonma segund* tiragenrl suas
*,ues lo systema mtrico, agora aogmenudas, e
"idevididttWdbe partes, de aecrdo com os pa-
Tosmemaii**** eittleoidos pelo governo : a 1* enmend
1 explicices clarissimas do novo systema applicado
, iasverbas medidas deextengo, peso e capacidade,
como numerosos exemplos e casos, para uso. do
commercio e estaedes offlciaes: a 2" expopdo o
modo d* s>er:8i n'um momento o importt) de quai-
quer numero de arrobas, libras e oncas deqoal-
quer nrercadbria, a um preg dado, fazeodo-se uso
as respectiva tabpMundependeole da enfadonha
regr de tres eomposta,* qual no caso contrario
serla mdispensavel recorrw-se,
E os calculo engenhosos do Sr. Gomes Jnnior,
ano sempre, acompanhados de urna contra-prova
Ao freqoertador do tbeatro de S. Isabel, autor
da correspondencia de 6 do correrte, pede-se, que
lenba a bondade de declarar, a pessoa, dia e hora
era que o encarregado de guardar bemgalas e
chapeos de sol, portaedo-se com graseria, derao-
roa-se despropsito nn entrega de taes objectos,
sob pena de ser considerado como um mentiroso,
e intrigante.
r*
eommissio o 8ra- Dr. Sarment,. barao do Utrn-
mento, Joe Joaa de Amoum. Dr. Gervasio Rodri-
gues Campillo, 4 o Pr. Bnarqne de Macedo.
O Secrettrio declara nao baver expediente.
Passando-se a ordem do dia, o Dr. Buarque de-
clara qoe foram (ellas na casa da moeda do Rio de
pela operagSo inversa, para Ihe dar o vigor mate-
mtico d que necessiUm.
As tabeas qoe ortam a brochura sao desta vez
27, em logar de 11 qoe tinba a primeira edfgio, e
o trabalno completo do Sr. Gomes Jonior agora
qoasl tres vetes .nuior qne o prtmelro. Por nma
simples multiplicagao oa divisan ebega-se con-
verter rpidamente a unidade maiscoeeplea do
artigo systema as unidades actuaes de metros, li-
tros, e gramos, e suas respectivas fracgSes.
Assim deseja osa da. victima
Awugo.
Resposta m Sr. laitel Jos de oli-
veira.
Un Diario de Pernantbvt de Ho}e-pnMicou o Sr.
Manoel Jos de Oliveira nm abaixo assrgnado
declarando que eu nao poda vender meu engenho
sito no termo do Rto Formoso por ter feito tal ne-
gocio emfraode' dos direitos d'aqoelle- pfl3
pteiro.
Quando mesmo fossem verdadeiras a faltas
apernadas no referido abaixo assignado anda
assim 86 eiergarla fraude no meu prooedimento,
aqoelles qoe gosta de ittribuir aos'ontros eos
proprios seomnentos.- Man vejamos em qoe se
fundara os bous -direitos de S. Manoel Jos de Oli-
wlra, e qoal de nos osa de fraude.
Diz elle ser meo eredor em qoantia superior
a nove eontos de ris. E* falso, aquelle senhor
apenas possoldor de letras asignadas por mim
no valor de pouco mals de qnatro eontos de ris.
Estando vencidas dnas das letras, propoz-me el-
le aeco a qoal se acba ainda pendente por estar
a divida de que resultaram as letras sujeitas anda
a verifleago, como em dte aegio se allegot,- mos-
trando en que a importancia das letras tem de ser
reduzida. Convm observar que a aeco proposta,
Desearregam boje. 9 de junho.
Barca inglezaTic* Barca inglezaImogene-dem.
Galera francezaArnerafannba de trigo.
Brgoe portuguezBella Figuerenstrttesos g-
neros
Brigue- italianoAdelesal.
Patacho ioglezRomeucarvao.
Barca ingleza -1 sabeacarvao.
Barca InglezaSapboidem.
Barca portuguezaJlfariana /dem.
Barca nacional Amiiade~charque.
Brigue nacionalB#It*ano-^idem.
Brigne nacionalAwva)o~idem.
Sumaca beapanholaG*aaktpe+*Hwo.
Patacho nacionalSoi-idem.
Hiato pertogne-Srrra J-idem.
Ion portado.
Sanaca, bespenhola Anua, entrada de Barcelona,
consignada a ordem maotfeitpu o seguiote :
1J95 barricas e !l3rejieaT trlnbii de trigo; a
ordem do capillo da mesma D. Joan Collell.
Barca ingleza Cora., .entrada: de Terfa-Novay
consignada a J. Paler 1 C. maoifestou o segrate:
2285 barricas bacatno, 1 caixlnha capsulas
medicioaes aos meamos.
Brigue bespanhot Thimothn. A entrado de Bar-
celona, consignado a M. Romaguera & C. manHes-
tou o segninte:
pipas, 6 meias e 240 barris de 5v e 130 dl-
da citada lei, isto a data da intallagao do re?is
iro geral do artigo 1 do regulamenton. 3453 de zo"
de abrd'de 1865, esto eomprehendidas nos artigos
317 e 318 do citado regulamento, e conseguiote-
menie valerao como valiara antes dslla, sendo po-
rm facnltado aos responsavels devedores e seas fia-
dores especialisa-'.as, conforme o rgimen do mes-
mo regulamento.
Art. 2. A especiallsagSo, facultada pel artigo
antecedente, nao extensivo aos thesooreiros, p -
gadores, collectores, reodeiros e ontros respons 1-
vels,qoe, havendo cessado a gerencia.'dlo tiverera
obtido quitago do tribunal do tnesouro e das ih|e-
soorarias da fazenda, ea ser respectivos Oadoris,
para evitar-se o abuso de reduzlrem as referidas
hypolhecas ao compoto das fungas, podendo exjis-
lir alcances superiores ao mesmo computo.
Art. 3." A dsposigo do artigo 317 de citado re-
gulamento applicavel as hypolhecas legaes daifa-
zenda publica anteriores a execugo da le, airida
quando se lenha lavrado escrptura de bypotheca
convencional, especial ou geral, e sobre bens futu-
ros, por qoanto era de regra que, em todo .e qual-
quercaso,as estipularles dos termos de Banca'oo
escriptoras nao derogaro a obrgacao hypothca-
ria de todos os bens presentes e futuros, "constitui-
da pela lei em favor da fazenda publica, nao sen-
do por tanto applicaveis a mesma fazenda as dispo-
sigoes dos anigos 320, 326 e 333 do dito regrta-
mento.
Art 4* Aprenolagao, concedida pela legslagao
hypo tiecana em vigor a certas e determinadas hy-
polhecas legafs ( lei cil. artigo 9 27, reg. cit. ar-
tigos 144 a 156), lera por fira apenas, em atten-
go a necessidade da veriflcago dos factos, Impe-
dir que dentro do prazo marcado sejam inscriptas
outras hypolhecas do devedor, e assiro, havendo
inserlpgoaotes deflodo o prazo, di-se a certeza
ae que o direito protegido pela lei, alm de adiar-
se inscripto, nao preferido por outra inscrlpgSo.
Aprenotago nos systemas nypoibecarios, que a
admittem, um favor, e seus effeius entre nos es-
lo claramente indicados no artigo 132 do citado
regulamento : se, pois, dentro do prazo da preao-
tago a bypotheca legal da fazenda for especialisa-
da eHnseripla, oo pode prejuoica-la quafqoer ios-
cripgao feila dentro desse prazo, e nao provavel
que registros anteriores a prejudiquem, observan-
do-fe rigorosamente o processo da especialisacao ;
se, porm, decorrer aquelle prazo, sem que seja es-
pecialisada e inscripta a hypotheca legal, esta nao
Oca por certo exiirjcta ( reg. cit. artigo 249 e se-
guintes), e por lano dever ser especialisada e
inscripta, apreseotando-se ao registro a sentenca da
especialisago, mas nesse caso a prioridade s re-
gulara, oo pelo numero de ordem da prenotago
( reg. cit. arts. 116, 148, 149 e 154, mas pelo nu-
mere de ordem, que Ihe ior dado na data da apre-
sentagao da sentenga, conforme a regra geral do
processo do registro ( reg. cit. art. 45 e seguintes ).
Casos mesmo h.ver, em que nao possa ter lu-
gar a prenotago, por exemplo : quando a nomea-
go do responavel chegar ao seu destino, depois
de trinla das uteis de sua data ; quando o respon-
savel em exercicio adquirir iramoves, muito de-
pois de sua nomeagao, e por elles Ocar subrogada a
fianga prestada, quando o Oador tiver de substituir
por immoveis os penbores ou deposito ero dinheiro
ou ttulos coro que tiver caucionado o esponsavel;
quando, mullo depois do crime, se tiver de reqoe-
rer a ioscripgo da hypotheca ero favor do estado,
etc., em taes casos claro qne se deve proceder a
especialisagao e ioscripgo da hypolheca sobre o
immovel sera o favor do prazo da prenotago.
.Pode acontecer em taes circumsiancias, qne, era
quanto se proceda a especialisagao e ioscripgo da
hypolheca da fazenda publica, se aprsenle ao re-
gistro algum titulo, e que a mesma faieoda venha
a ser por elle prejudicada ; mas o correctivo nao
dar posse aos responsavels, nem consentir que cen-
linuem no exercicio de suas funcgdes, sem plena
certeza de que a gerencia se acha garantida por
uma bypotheca especialtsada e Inscripta de immo-
veis, livres e suficientes, que nao possa ser prefe-
rida por outro ttulo ( reg. cit. art- 225 ), exlgindo-
se mesmo certido negativa da alienago do immo-
vel e da ioscripgo de outras hypolhecas, ou qual-
quer outro esclareclmento conveniente.
Art. 5. Incumbe portanto aos procuradores As-
caes e outros agentes jodiciaes do tbesooro o maior
escrpulo e zelo nos procesaos de especialisagao no
tocante prova da propriedade e qoalidade dos im-
moveis, tendo em vista os ar. 124, 138 e segoin-
tes e art. 242 do citado regulamento, e de que so
achara livres e desembargados; e bem assim,
sua aval iago; porqaanto a seguranca da fazenda
depende as hypolhecas legaes do exacto e fiel
curoprimemo dos deveres, nao s dos tribnnaes e
jurlsdicgdes administrativas, que tem cargo de ac-
ceitar as Gangas, como dos referidos agentes e das
autoridades jodiciaes na apreciago dos menciona-
dos requisitos (reg. cit." arts. 17 e segrales; e fl-
nalmente dos offlciaes do registro no acto da ias-
cripgo.
< Rara este fio- os procuradores Sscaes e outros
agentes udiciaes do thesouro exigirSo no processo
da especialissco, logo*que se Ibes der vista-a exhi-
bigio, alm de qoaesquer ontros esclarecisemos,
que ew*aderem necessaros : t*, dos mulos de
propriedade ; 2, de certido negativa dw tnesouro
00> thesourarias a respeito de obrigagoes para com
a (asenda publica ; 3a, de certido negativa de ins-
cripcie ou rreiMerieeae no registro geral; 4*, de
certido-que pro ve que os immoveis esto livres e
desembargados de penhora, embargo, ou ootro onus
udicial; 5*. de certido do livro das tulellas e cu-
ratollas do joiio competente ; 6, de derlaracao do
responeavet 00 sen dador nreeseM do reg roe m
mairisfemal, on de ootros factos **oad# pOssa re-
sultar byootneea legal (reg. cit art,123.)
At'^ A* flaneas depois de acceitos os fiadores
peto trebenat do UMsoaro e Ihesoonrias de fazen-
da, nos tornos dos arts. 2 8 do decreto de 20 de
novembro e> 1840, 1 9 do decreto de 22 de no-
Paulino Coll.
Sumaca hespanhola Agustina,. entrad de Bar-
festn o segrate
961 barricas e-223 saccas arinha de trigo aos
mesmos.
RAES DE PBR.NAMBCO
Rendlmento do dia 1 a 7
dem do dia 8.........
CONSULAfiO PROVINCIAL
Rendimento do da la8
dem do dia 8........
1*697*224
3:327*814
m
22:0|K*98
ios de iQ.relos vlnhos, 629 barricas; 3 melas e-l
40 saceos frlnha de trigo ao capnlo do mesn1 Ta*>1* **** '.3 I* *> dearetndn 2 ro de 185d, precodendo sempre o consensleaento e
outorga da mulber, se o dador for casado, com-
lentes delbeaonro e thesourarias de (azendavex-
padiodo se depois as oertMSee precisas- a partes
ioleeentada para : !, regnerema prenoUfie a
RECEBEDORIA DE RENDAS INTERNAS GK. pioceereei eeneciatitagio:da| a^fotlMoa, qnaodo
seualar da hyeetbeca legal oe Maderas dos res-
5:901*977''Poesa*ets menetonadoa nn art 3 i 5 da lei hype-
1:319*555 tbecaria; on para 2*. lavrar-se- a> eseriplua de
--------------hyr^ttoeanentenntonal da pessoe. oteigndn aa-
7:221*532 fen iMlica per ontro litlo qne lie seja ge-
rencia e administrlo da fazenda civil oa mter
-ir deimperlo.
A hypolheca convencional lera lugar portento
quando, nauseado caso de byfoteea legal o- i\ a
leL tegnlaaaento oa cntralo aexiglr nret-
samente ; 2*, o devedor on seo fiador qjMT
presta-la, deixando de garantir a responsablli-
3
t
.i
1
I






S
Ai
\l
"I

'"T
m
sm~]


/'

dade com a penhnra oo deposito era dinheiro oa t-
tulos da divida publica, se asta especie de caucao
for adtnlttida pel.i lei, regola meato oa contrato.
Em tolo o caso daver'. averbar-se a ioseMpc)
da hypoth-ea especial d epecialilada nos livros
das (aojas, contratos e obrigaces do tbesouro e
thesoararias de fajeada, coa as} declarares con-
vaaieoias,tende-sa muilo .ero visto, oe aeto-da aver-
bacao, o art. 235 do citado regulamento qnanto as
hypothefiasespectallsdas.
Art. 7* As autoridades e .fooccionarios compe-
tentes oe aedain-dar posse ios responsaveis a fa-
zenda puNlca jiam us meamos responsaveis podem
tomar posse a entrar em exercicio, vista do art.
138 do cdigo.criminal, sem que este|a aspecialisa-
da e inscripta a hyptheca legal sobre os seus lm-
moveis oa de seas flidores, e averbada no livro
das flaneas, contratos e obrigacoes do tbesouro e
thesourariM do fajeada-, por Bao produt feito a respeito d* tercelro, sem pre-
encher-se o requisito iodispensavel da especiallsa-
c,o e Inserlpeao.
Art. 8.* Os responsaveis nao precisara offarecer
ao thesouroe thesoararias seas proprios beasim veis.cjan se praticava.porque nao licito a fajeada
mais estabelecimeotos coramerciaej, do imposto
especial sobre perfumaras, casas de movis e rou-
pa fabricados em paiz estraogetro devem pagar,
livredenatsaV-o 1*Semestre do exercicio correo-
te, e que, Onda o referido mer, sao obrigadosa'
malta de 3 0|0
Recebadoria de PersaeUNico { de jonho de 1866.' Aletria ideo.
Manoel Caranero d Sonta Lacerda
COMPvIA
DO
Dito sorte dem.
Cal em grao dem.
Cha' bysson dem.
' Arroz pilado do Marachao idem.
| Bacalhau dem.
Batatas idem. -
companaia commeodador
de Aefaino Fonseca, acha-se auto-"
risado a pagar no seu escriptorio roa do
Vigariao. 19, das 10 hora* ai 3 da tarde
do dit 89 do coreen em diante o 36 di-
videndo 'desta compaohia na'pfoporclo de
3f por cadt aceao; previno-so o rs. ac-
cionista* que este pagamento d-vtr* ser em
TotKinho-de Lisboa idm u> ?
Ceblas, cento.
Farinha de mandioca da trra, atqueire aovo.
Feij*o roalstinho dem.
Ateite doce, garrafa,
Vinagre de Lisboa dem.
Sal, cala.
Leona em achas, cento.
Carne verde, libra.
Dita secca idem.
Pi Idem dem.
Detacha idem.
As propostas devem ser espr eiaet ja' para os es-
ta beleeimelos de earidade, e ja' para os eollagios,
sao tambem aceitas propostas someate de -carne peonas de co, 20 livros em brajico de
verde oa de pao e bolacha, para consumo dos hos-'. 20 ditos dito de 150 folhas, 20 ditos dito
Consellio de compras
uanaes.
O conselho promovngfc dia 11 do crreme msz
a compra oa segotewPHeetM- do material da- ar-
mada : 34 agulhas de orino, 6 barqainhas de pa-
tente, lOOaandejis ferradas-, 90( dedees de repu-
dio, 20dnzias de prancoas de amarello, pe-rur-
8, sicopira, on angelinrtrrargoso COm 35"ps de
i comprimsoto e 6 polegadas-de grossur, 20 dunas
: de pranehes de amarello, po-carga, wcoplra, ou
aogeliru amargoso de 35 pt de oasfrimento e 5
polegadas de grossora, 90 duzias de praoendoede
amarello, sieopir, ou anfehm amarroso da 40ps
de coniprimento e 7 polegadas de tressora, 0 aro-
moi de patente, 4 arrobasde reRos ripares de ec-
hre, 4 ditas de preges de-nalalde cobre, 8 vigas
de qualidade de 63- a W palmos de comprtsnaoto' e
I a 12 polegadas-em qaadro, 50 arrobaste pol-
vora grossa, 500 pucaroj de fotos, 20, froias
pitaes Pedro K, dos Lasaros, e para casa dos ex
postos.
publica renunciar a hvpoibeca legal sobreesses m- COOF MSto ser na especie que 0 mesmo Sr. Reoommenda se aos ooocorrentes que observem
de'100
COMPANHTA PERSAMBUCAiA *
DE
Kav0ga$* costeira por varo.
Paranloa, tf'tal^Mfcfc). Aracaty, Cear e
Acarae'.
No da 9 do correte seguir'
para os portos cima indicados
nm dos vapores d comp .nhia.
Recebe carga at o da 8. En-
commendas, passageiros a di-
nheiro a freto at as 3 horas da tarde do dia da
sataiu ; escriptorio no Forte do Matos n. 1.
"'------..... '
Ilha de S Miqwl.
Segu rjnrojnitabrevidade o patacho portuguez
GEORGENCE, para -pasaOteiros, trata-se com Joo
do Reg Lima ra do Apello n. i.
Illa de S. Miguel
Sabe com moita brevidade a escuna porlugueza
iaspeelor daalfandeg, em pre-enca de um empre-
Eo desta reparticao e do lllra Sr. consol de S.
B., de crea 500 sascas de algoda ensacado e
100 secos a granel, e da pm)nn* rm^o* de as-
socar existente em cerca de 9,000 saceos, todo
avariado e salvado de bordo da dita barca, que
recntenteme pegara fogo oeste porto
Trr^a-feira 11 to earrents
V II boras da maolia, no armazan alfandegado
Bario do Livramcato, Loloao largo da assem-
bla prowocial, no Forte do Malos.
Santa Gasa da Misericordia
do Recife,
movis, bastando que declaren) que va garantir a
sna gerencia com *aus proprios bens e qaaes estes
sejam : consegaiutement devem os raesmos res-
ponsiveis, com a certido de sua oomeaoao, que
o titulo constitutivo di dita liypotheca (reg. cit. art. de maio de 1866.
136 7) e mais documentos precisos, conf jnne o .
art. 5 das presentas fnstracr^des, reqaerer imme-
diatameat* depoi de turneado* a pHbotacio, 11 u an-
do for possivel (art. 4 destas mstrueoes) e promo-
ver em todo mnlher, sendo o respoasavel casado, a especialisa-
(o da referida hvpotheca legal e soa inscrip-
5I0.
Art. 9. Os ttulos constitutivos de onus reaes a
favor da fazenda publica, como as concessoes por
aforaaaeata de terrenos da mariohat neravada-; era
povoacois alluvia i maritiraa e outros, expedidos
antes da execocao da iei da 24 de setembro da 1864,
estao comprehaadidos oa generloa disposiQo do
citado regolameato, podeodo portant) valer contra
terceiros, indepeoenteraante da transcripcao 00 l
registro gerai 1 os ltales, porm, expedidos depois \
da installacao4o registro, deveroeertranscriptos 1 -
sos termos dos-aru. 236 e seguinte.-. e 2t57 do.cita-
caixa recebe dos arrematanies dos chafari- "> us propostas a ordem, pesos, medidas e qoa-
zes desta com janbia. lidades indicadas na relaQa) dos gneros descrip-
Escriptorio da Gompanhiado Beberibe 28. "'NeTta'sec'relria se dari os eselarecimentos de
i que os concurrentes precisarem, e oo acto da arre-
0 secretario, mataso devero ellas comparecer com seas flado-
Dr JoO Jos Pinto JuDior res ou mani,,os d8 caftas destes, qne Ocarao res.
folhas, 20 ditos dito de SO "folhas. e adeiras
constrneco para um traaaporte de guerra.
Sala do conselho de compras oavaes 7 de jonho
de 1866.
secretario
^^^^^^^ Alexandre Rodrigues dos Aojos.
__fTS0S DIVERSOS
Compra-aes.oinrsobrado em bom es-
tado, de um a tres andares, as i uas se-
guiials'fCadeia, Gti, Trapiche, Impera-
oder>CfHtt 4b(Uf*. Non.'Qneirtwdo, Crn-
Ema; parejiassageiros trata-se cora Jlo dVftefo z^s, LivameDto.larga do Rosario e Hor-
A Illm.' nota administrativa da Santo Casa de
Misericordia do Recife manda fazer publico que
no dia 11 de jaoho correte pelas 4 horas da tar-
de oa sala desnas sessSes tam de Ir i praca a reo
poosavefs pelo
?os contratos.
Santa Casa de
malo de 1866.
nltimo camprimento dos respecti-
Misericordia do Recife
O sserivlo Interino,
Pedro Rodriones de Sonta.
Trilnraal d commercio.
Pela secretaria do tribunal do commercio de
da das casas abaixo mencionadas por lempo de nm Pernambuco se faz publico que nesta tata fica
a tres anuos.
Os pretndanles develo comparecer acompaoba-
dos de seas dadores oa munidos de cartas destes.
Eslabelecimenlos de earidade.
do regulamento, sendo a daspeza por oonta dos
adqoirntes do dominio til, os qaaes inlemnisarao
a fazenda publica da respectiva importancia, na
forma do art. 93 do mesmo regulamento.
Art. 10. tiateaso de transraisso de immeveis,
oa de instituido de ooas reaes, que exija trans-
cripcao freg. cit. arts. 230 e segaintes), o preco do,
Imm ivel nao sera' pago, nem qoalquer obrigago:
sera' por oualquer molo solv la pela fazeoda pu-
blica, sem que a referida transcripcao se teoha ef-
fectuado oo registro eral e estoja averbada oo li-
vro dos proprios aacioaaes as estafes competen-
tes do thesonro e-thesoararias de fazenda, tendo-se
muilo em vista no acto da arerbaco, o art. 278
do citado regulamento.
Jos Garlos de Almeida reas.
O Dr. Tristao de Aleocar Araripe, official da impe-
rial ordem da Rosa e jutz especial do commercio
nesta cdade do Recife de Peroarubuco, por Sua
Magostada o Imperador, ele.
Faco saber aos qua o presente edita! virem e dalle
noticia liverem, que por parte de I) Josepha Justi-
na de Jetas Goocalves, viava de Manoel Antonio |
Concalves, e administradora desea casal, rae oi
dirigida a petico do theor seguiote :
Illm. Sr. Dr. juls de direiloespecial do commer-
cio.Dit D. Josepba Justina de Jess Googalves,
viava da Maooel Aotonio Goocalves, e administra-1
dora de sea casal, que sendo a este davedor Jos
Columbino de Araujo Lima por ama letra aceita
em 29 de dezembro de 1860, a praso de cinco me-
zes, da qaaotia de 111^172, e como esteja prorimo
o termo fatal de sua preseripcio, e nao seja sabido
o lugar do domicilio do supplieado, a supplicaate
para nao perder sea direito creditario, vem pedir a
V. S. que se digne marcar dia c hora para a sup-
plicanta fazer o sea protesto de interrupc/io de pres-
cripgo e jusldcar a ausencia do sapplicado; man-
dando V. S. passar carta de edilos por 30 das,
conforme a le : oestes termos espera defferimento
e recebar merc, procarador Antonio Pinto de
Barros.
Na qual dei o despacho do theor seguiote : Jus-
tifique a ausencia oo dia 30 do correte mez, de-
pois da audiencia. Recife, 28 de abril de 1866.
Alencar Araripe.
Em virtude do qual fura a mesma peticao destri-
buida ao escrivo desta juizo Manoel Mana Rodri-
gues do Nascimentq, o qual fez lancar o termo de
protesto do tbeor seguiote:
Termo de protesto.Aos 28 de abril de 1866, na
cidade do Recife de Pernambuco, em meu cartorio,
appareceu a supplicaule por seu bastante procura-
dor Antonio Pioto de Barros, e disse presente mim
e as testeraunhas infra assignadas, que reduzia a
protesto o conteudo de sua peticao retro, a qual
offerecea como parte do presente, qne flea sendo ;
e descomo assim e protestou lavre este termo, oo
qual depois de iido se firmoa com as ditas teste-
monhas.
Eu Secundioo Eleodoro da Cunba, escrevenle ju-
ramentado o escrevi.
Eu Manoel Mara Rodrigues do Nascimento, es-
crivo. o subscrevi. Antonio Pinto de Barros, Mi-
nervino Jefferson Pereirade Oliveira, Polycarpo da
Costa Paiva.
E i-iido a supplicaule. produzido soas testerau-
nhas, sellados e preparados os autos, suturara a mi-
aba cooclaso, e oelles dei a senteo^a do theor se-
guinte :
Hei por justificada ausencia, e mando que o
justilicado seja citado por edilos de 30 dias, para o
lira requerido a folhas duas. Pagas as custas ex-
causa. Recife, 5 de maio de 1866. Trislo de
Alencar Araripe.
Por forca da qual o referido escrivo fez passar
o presente edital, pelo qual chamo, cito e hei por
intimado o dito supplieado para que conipareca
neste juizo dentro do indicado praso, aura de alle-
gar o que for de jastfga.
E para que chaguo ao conheciraeoto de todos
mandei passar o presente que ser publicado pela
imprensa e afBx^dos-nos lugares do cusame.
Recife, 11 de maio de 1866.
E eu, Manoel Mara Rodrigues do Nascimento,
escriv >, o subscrevi.
Tristo de Alencar Araripe.
O Illm. Sr. inspector da tbesoaraha provin-
cial, em camprimento da ordem do Exm. Sr. pre-
sdeme da provincia de 28 do crreme, manda fa-
zer publico, que oo dia 30 de agosto prximo vio-
douro, peraate a jama da fazenda da mesma the-
soararia, se ha de arrematar a quera por meos
fizer, a obra do 9. lanco da estrada da Escada,
na importancia de 169055000.
A arrematadlo ser feita na forma da le pro-
vincial n. 343 de 13 de maio de 1854, e sob as
clausulas especiaos abaixo declaradas.
As passoas que se propuzerem a essa arremata-
do compareoaa na sala das. .eessoes da mesma
juma, no da cima indicado, pelo meio dia e
competentemente habelitadas.
E para constar se raandou publicar pelo jornal.
Secretaria da tbesoararla provincial de Pernam-
buco, 29 de maio de 1866.
O official da secretaria
Mignel Affonco Ferreira.
Clausulas especlaes.
As obras do 0. lanco da estrada da Escada se-
rio executadas de conformidade com a planta e
descripeo dos orcameotos, oa importancia de
16:9O5ffO00.
N. 1 particular e 24 publico, sobra-
do de 1 andar.......679*000
Ra Direila.
N. 3 idem e 8 idem, sobrado de 2
andares..........1:067*000
Ra do Padre Floriaoo.
. N. 5 idem e 49 idem, casa terrea. 1811000
N. 6 idem e 47 idem. casa terrea. 186*000
Roa do Fagundes.
N. 11 idem e 32 idem, casa terrea .
Travessa de S. Jos.
N. 13 dem e 11 idem, casa terrea.
N. 14 idem e 5 idem, casa terrea. .
Roa dos Pescadores.
N. 16 idem a 11 idem, casa terrea .
Ra das Calcadas.
N. 20 Idera e 36 idem, casa terrea.
N. 21 idem e 38 idem, casa terrea.
Kua da Viracho.
N. 26 idem e 7 idem, casa terrea. .
Roa de Santa Thereza.
N. 32 idem e 5 dem, casa terrea. .
Roa larga do Rosario.
N. 33 dem e 24 dem segundo e
155#000
153*000
169*000
216*000
176*000
157*000
204*000
registrado o contrato de sociedde da Paulino Fer-
reira Ai Costa e Maooel Moreira Ribeiro, estable-
cidos nesta cidade com taberna, sob a tirina de
Costa & Moreira, cajo uso compete nicamente ao
socio Ribeiro, devando dita sociedde durar por
espaco de tres aonos, contados de 3 de abril do
cerrante, cora o capital de 1:'81*020, para o qual
entra o socio Paulino com 761*600, e o soeio Ri-
beiro cora 718*220, deduzidos dos fundos do esa-
belecimento.
Secretarla do tribunal do commercio de Per-
nambuco 6 de jonho de 1866.
O ufflciar-maior,
Julio Guimaraes.

As 10 horas da ooite do dia 0 do correle
foi apprabeodido a um preto de oome Pedro, que
diz ser escravo de Jos Telxeira Bastos, ara em-
brmho de sdalas,' prata e cobre, na importancia
de cincuenta e nove mil a tastos ris: quera se
a j-JJu,8r cora direito a referida quaotia, provaodo,
Mheserenlregne.
Subdelegaera de polica da Capunga 7 de junho
de 1866. O subdelegado em exercicio,
____ Francisco Antonio da Silva Cavalcanti.
Tribunal do ceniinercio.
Pela secretaria do tribunal do commercio de
Pernambuco se faz publico que nesta data foi
inscripto no registro publico do commercio o coo-
tratodesociodade de Jos dos Saotos Oliveira e
Manoel Janaarfo de Arroda, estabelectdos nesta
cidade sob a Arma de Sabios & Arroda, que deve
gyrar por espace de 4 aonos, cootados de 31 de
outubro do aooo prximo passado, com o capital
de 16:000*, par o qual entra o socio Santos com
i 15:000* em dinheiro; g o socio Arruda com 1 :OO0*.
Secretaria do tribunal do commercio de Per-
nambuco, 5 de junho de 1866.
O offlcial-maior.
Jallo Gnimares.
Coflseliio de cuiap as na mes,
O conselho contrata no da 9 do correte mez o
fornecimelo dos navios da armada e estabeJeci-
meotos de marinha, oo trimestre prximo vindoa-
ro, dos bbjectos abaixo declarados :
Objeclos.
Assucar I.rauco grpsso, azeite inferior, aletria,
ararota, assucar branca refinado, bolachioba ame-
ricana, cevadioha, cha, galinhas, lenba, matte e
tapioca.
Tambem contrata o conselho oo referido da 9
! do crreme mez, por igual lempo o foroecimenlo
168*000 aos navios da armada e estabelecimentos de mari-
nha dos seguimos objeclos Oa faldamentos.
Para a companhia de aprendizes artfices.
Crrelo geral
Pela administracao do crrelo desta cidada se
faz publico que em virtude da cooveocao postal,
celebrada pelos goveraos brasileiro e francez. se-
rio expedidas malas para Europa oo dia 15 do
correte pelo vapor Ingles Uouro.
As cartas serlo receidas at 2 horas aoles da
que for marcada para a sahida do vapor, e os jor-
oaes al 3 horas antas.
Administracao do crrelo do Pernambuco 8 de
jnnho de 1866.
O administrador
Domingos dos Passos Miranda.
Lima, na roa de Apollo n. 4.
CO!HP A X HI1 BR ASILE IRA
M
PAQUETES A VAPOR
Dos portos do norte esperado
at o dia 16 do correte o vapor To-1
canfms.commaodaiite o capillo te-
neme Parias, o qual depois da de-
mora do eoslume seguir para os
portos do sol.
Desda ja recebem-se passageiros e engaja-se a I
cargarme o vapor potar condazir,- a qoal devera'
ser embarcada no dia de sua chegada, encorara an-
das e dinheiro a freteat o dia da sabida as 2 ho-
ras ; as passagens so sero recebidas na agencia
rna da Cruz n. 1 escriptorio de Antonio Luiz da
Oliveira Azevedo 4 C.__________
C01PMIA BBASIHIRT
DE
PAQUETES A VAPOR.
Dos portos do sal esperado
at o dia 14 do correte ora dos
vapores da companhia, o qoal, de-
pois da demora docosiume, segui-
r para os portos do norte. Des-
de j recebem-se passageiros, e engaja-se a carga
que o vapor poder condazir, a qual dever ser em-
barcada no dia da soa chegada; eucoramendase di-
nheiro a Irete at o dia da soa sabida-as 2 horas;
as passagens s sero recebidas na agencia rna
da Croz n. 1, escriptorio de Antonio Luiz de Oli-
veira Azevedo & C.
tas; quem tiver deite carta fechada com as
iniciaes A. CE nalivraria n,'8da praca ili
Independencia._______________________
Maooel Joaquim Looreiro, subdito portuguez
retira-se para Earopa.
Domingos Gomes Looreiro subdilo portuguez
retir-se para a Earopa.

Na botica e drogara
Bartohomeo C.
tercero andares.......60OJ000 Bonets de uniforme, bonets para o servido, blu-
Rua do Calabouce.
N. 40 Idem e 18 idem, casa terrea.
Becco do Qoiabo.
N. 49idem e 8 idem, casa terrea. .
Ra da Gloma.
N. 51 idem e 55 idem, casa terrea.
Ra do Kncantaraenlo.
N. 52 idem e 3 idera, sobrado.
Raa do Padre Fioriano.
N. 67 idem e 65 idem, casa terrea.
Raa do Apollo.
N. 91 idem e 24 idera, sobrado de 2
s
THEATUO
DE
EHPItEZa-COIMBRA.
Recita livre da assignatura.
\ sas de brim braoco, ditas de lgodo azul, caiga;
183*000 de algodo azul,4itas de brim branco, ditas de'
', panno azul, camisas de algodaozmho, cobertores de!
141*090 la, colchas de algodo, colchSes de linho ch-ios j
| de palha, froohas de algodozinho, frdelas de pan-
144*000 no azul, lencos de seda preta para grvalas, len-l
ces de algodozinho, sapatdes fetos no paiz, sac-1
400*0001eos de guardar-roupa, e travesseiros de linho'
: eheios de palha.
mm\ "" **? Booets de panno azul, camisas de brim branco, ,
andares..........1:400*000 calcas de algodo azul, ditas de brim braoco, ditas. tPiSODio Ox esqadra BRASILEIRA as aguas
Roa de S. Bom Jess das Crioalas. de panno azul-, camisas do algodo azul, frdelas : DO PARAN EM 27 demarco di: 1866.
N. 61 idem e 8 idem, casa terrea. 131*000, de panno azul, lencos de seda preta para grava- II \ 111/ F lt\ 311141^
Patrimonio e orollOS tas, sapaioes feitos no paiz, e saceos de lona de1 ^ ^^ sABtsj,fjai
marinhagem. grande scena daamatica representada pe-
Kra fuzileiros oavaes. LA SENHORA
Bonets de chapa e pala, calcas de brim branco, vi.n une- lumu
; ditas de algodo azul, canrlsas da brim brancoi ADELAIDE AMARAL
! fardas de brim branco, grvalas de couro de lus- POESA DO TALENTOSO POETA PARAHYBANO O
tre, polainas de panno preto, sapaioes feitos no
paiz e sobrecasaca de panno azul.
Contrata o conselho sob as condigdes do estylo
e vista de propostas era cartao fechadas recebi-
das no referido dia 9 de junho al as 11 horas da.
roanna.
Sala do conselho de compras navaes, o de junho .
de 1866.
O secretario,
Alexandre Rodrigues 'tos Anjos.
34Roa do Rozara Larga3 i
VENDE-SE
Preparados da America
Do Dr. Radways
Pilulas regaladoras.
Prompto. alivio.
Rezolutivo renovador.
DoDr. Ayeir:
Salsa parrillia.
Pilulascatharticas.
Xarope peitoral de cereja.
Do Laminara & Kerap.
Verdadeira salsa parrilhn de Bristol.
Pillas assacaradas.
Paslilhas vermfugas.
Ule puro de ligado de bacallio.
Xarope pectoral de a;.-acaliula.
Agu florida.
Qoera anounciondar I 000* sobre hypothe-
ca dirija se a roa do Nogu?ira o. 26, 2" andar.
aos 0:0005000
Ra do RaDgel.
Casa terrea o. 6 particular e 56 pu-
blico........... 300*000
S. Goncalo.
Casa terrea n. 10 particular e 22.pu
blico. ......
Rosario da Boa-Vista,
dem n. 14 particular e 58 publico.
Azeite do Pelxe.
Sobrado de 1 andar n. 68 particular
e 14 publico........600*000
Ra da Cacimba.
Casa terrea n. 65 particular e 5 pu-
blico..........144*000:
dem
189*000
168*000
ILLM. SR. DR ANTONIO DA CRlZ ORDEIR0,
ESCRIPTA EM 4 DE MAIO DO CORRENTE ANNO.
Representar-seha o muilo applaudido drama
em 5 actos
kiiam m a.
a appUn-lida co-
n. 67 idera e 10 idem. 83aO00
casa terrea n. Sf fiSP. 19 Companhia do Beberibe.
pouico........... 191*000 Na dia 11 do correte pelas
a do Encantamento. a jer [Ugar no escriptorio da companhia
Sobrado de 2 andares n. 76 particu-
lar e 11 publico........900*000
Senzata Velba.
Casa terrea n. 81 particular e 18 pu- '
blico........... 200*000
Ra da Guia.
Casa terrea n. 83 particular e 27
publico. ..........126*000
demn. 84 idera e 29 idem. 144*000
Roa do Pilar.
, Casa terrea n. 91 particular e 105
publico..........168*000
dem o, 92 idem e 103 idera. .. .
Idera n. 94 idem e 99 idera. .
dem n. 97 idem e 110 idem .
dem n. 105 dem e 94 idera. .
dem n. 5 sitio no Forno da Cal. .
A_ mesma lllra. jauta era virtude de
gao tomada em sesso do 1 de jaoho manda tazer
publico que os predios abaixo declarados cuja ar-
rematarlo Acara adiada, vo de novo a praca com
alguraas coodicedes
roa do Cabug n. 16, a arremataco dos
cbafarizes e bicas por bairros, nao se ad-
mittindo propostas que comprehendam mais
de um bairro, nem por espaco maior de
um auno; os Srs- licitantes comparecam
com seus fiadores ou declaracoes dos mes-
mos no mencionado dia, devendo ser as
propostas em carta fechada apresenUda na
mesma occasio ou antes no escriptorio on-
de melaor se dever5o esclarecer e informar
Terminar*' espectacnlo.com>
inedia ein 1 aclo. ornada de .ramo
IA,lffi FEL
lomara parle as Sras. Eugeoia Cunara e Leopoldi-
12 horas do-'ni csSf*.Pa|M,,TrtKeiraeManl.onsa.
Ordem do espectculo.
!. Aelnr hebrea.
2. Mhjh e Barros.
3." tu*rde Jel.
Coraecara' as 8 horas.
Acharo-se ern eosaios a comedia em 3 actos
Muthere.i-terriveite o graade drama era 4 actos
Gaspard laaser; e era, promptiflcaco da sce-
nario e mais accessorins os dramas em 5 actos
Anjo da meianottee Romance de um moro pobre.
200000
235*000 das condiccoes do contrato da arrematacao.;
loolooo Bazcs sobre as qaaes se deve tancar.
I50*oo) | Bairro do Recife.
delibera- Chafariz do caes da alfanJega. 6:000^000
Dito da ra da Cruz........ 7:2005000
Dito da ra do Brum....... 5:OQB0MO
! Dito do Forte do Matos e bica
do mesmo.............. 4:500^000
Teva,*feira "2 de junho
REei-U-EXf HAOUDI.NARIA BENEFICIO DO VIOLINISTA
BIIASII.KITO
Francisco. Hniz Barrla Jnior.
I'RIMEIUA PARTE.
A comedia em um acto croada de msica
0PAIE0N0IV0.
que serao apreseotadas no
acto da arrerantgo.
Estabelecimeotos de earidade
Ra Nova. 22:7000100
N. 45 particular e 57 publico sobra- Bairro da Santo Antonio.
do de um andar. 1:051*000 Chafariz do largo do Carmo.. 10:000,5000
N. 55 parucalf" M pbhco .bra- !t0 *> ^ do Paraiz0 v : 8=000,5000
do de um andar....... 286*000 Dito do largo da praga de Pe-
Raa da Moada.
N. 61 particular e 37 publico sobrado
do de 3 .andares.........480*000
Patrimonio de orphaos
Ra da Madre de Dos.
N. 27 particular e 20 publico casa
terrea............ 602*000
Secretaria da Santa (Jasa da Misericordia do
Recife 4 de junho de 18S6.
O escrivo' interino,
Pedro Rodrigues de Souza.
dro II................. 4:500,5000:
Dito da ra do Sol......... 3:0000000
Dito da ra da Concordia___ 5:OOO0OCO
3O:5O0i5O00
Bairro da Boa-Vista.
Chafariz e bica do caes do
Capibaribe............. 3*: 500)50 00
Dito da ra da Aurora...... 2:0000000
Dito da praca da Boa-Vista... 6:0000000,
5:500^000
Santa Casa da Misericordia do Dito da caixa d'a^a dos Pires-
o-pjf^ Dito da ru3 de S. Goncalo____ 1 .-2000000
A Illm- joma administrativa da g,.a Casa de d ,3-T da Soledade 2--OO0OOO
Misericordia do Recife manda farer poblieo qae no D,t0 da Cl,ade nova de Santo
dia 14 do correte, pelas 4 horas da tarde, na sala Amaro................. 3:0000000-'
de soas sessas, tera de ser arrematado o foroeci- ----------------j
SEGUNDA PARTE.
Grande phantaaia sobre- motivos da operaAn-
os Bolena-executada pelo beoeciado.
TERCEIRA PARTE.
Entre aclo pelos artistas Raymundo, Eugenia
Cmara o Jesuina.
BERfHA DE C JL8T l
QOARTA PARTE.
Souvenirs de Delliui pelo beneficiado.
QUINTA PARTKx
ijjineui m i aelu ornada de msica
. HIILIADIIUL
SBWA PARTE
Grande phasiawsobr* tuoiivos de opar~-Nor-
; raapelo beflcnrwr-
sETivf E*rrrrMA parte.
Trialogo
Go^ftr\feM)orag do cost
O resto dos bilhetes^lde ser ploeuraos
eecriptorio do tbeatro.
Companhia de paquetes a vapor entre
os Estados-Unidos e o Brasil
Al o dia 9 do
correte espera-',
se dos portos do
sal o vapor ame-
ricano Nort h
America com-
mandante Tim-
merraann, o qual
depois da der.io-
ra do eoslume seguir para New-York tocando no Corre quiuta fclr.i \\
^SSS&P*S VT^X Ach- lS respectiva .hesou-
pichen 8 rana, a ra do Crespo n. 15, os biihe-
_ companhiaTernambucana ,:ef' meios.e 2f*; !)a,ce ,da,6a
DK lotera a beneficio do theatro de Santa 'si-
NaveMco eosteira por vapor. bel (67-* )ma exlracao r:0 iu8ar e ll1'-
Para Aracai e filas ra d coslumt}-
Seoe n>?d?. M o vapor Pa- Os premios e 6:000^000 at .10*000
rahyba, commaodante Martras.. sero pagos uma hora depois da extracc5o
Recebe carga at o dia 13, en- at as 3 horas da tarde, e os outros depois
commendas, dinheiro a freta e fa distribuieoda* listas.
passageiros ate o da da sahida. ., _._. ---- ___'-*-
as 3 hora7da~tarde : escriptorio no Forte do Ma-' A> encommen-la serSo guardadas so-
tos o. 1. j mente at a noite da yespera da extraeco.
Tesctina O ihesoureiro,
Antonio Jos Rodrigues de Souza.
- Para
Georgiane :
o Ceara e Maranbo sabe
a tratar com Tasso Irmos.
Para o P rto.
A mnilo veleira barca portuguera ARMLXDA,
capilao Antonio Francisco da. Silva Xuo.es, deve
seguir com muita brevidade em direttura para o
Porto, ja tera a maior parte do carregamento
prompto u para o resto que Ihe falta e passageiro.
trata-se com o capitao ou com os consignatarios
Marques, Barros & C, no largo do Corpo Santo
n. 6.__________________________________
Para o Porto por
Lisboa
do Santissimo Sa-
da matriz da Boa-
Irmandade
c amento
Vista
i Sao pelo presente convdalos todos os nossos
carissimos irmaos para domingo 10 do corrente
mez, pelas 10 horas da nuntia reunirem-se ero
mesa geral afira de proceder-se a eleijo de Ihe-
soureiro era consequeneia de haver o qae foi eleito
no domingo do Espinto Santo pedido a sua exo-
neraba*.
Consistorio, 7 de junho de 1866.
O escrivo,
A vele.ra e bem conhec.da barca porlugueza I Maooel Polycarpo Moreira de Azevedo.
Tcniader, prataode. spRuir min muita brevidade,, Pede-se ao Sr. Joio Baptista de Nepomucf no
tem parte de seu carregamento engajado, para o | oe vtr sjom com* cam o seu ex-patro, trazen-
resto qae Ihe falta tratase com es seas consgnala-1 do o quaderno de lancamentos que comsigo coli-
rios Antonio Luiz de Oliveira Azevedo & C, no ssu'
escriptorio na roa da Cruz o. 1.
para o Rio de Janeiro.
O veleiro e bem conhecido brigue Adelaide,
pretende sahir com muita brevidade por ter a
maior parte do carregamento engajado, e para o
pooco que Ihe falta e escravos a frele, trata se com
o cansignalario Joaquim Jos Goncalves Bellro na
roa do Vigario n. 17 primeiro andar.
Para Lisboa
seguir com brevidade a barca porlugueza iVopa
Marianna, de primeira clas=e, e reeeotemenie
coostruida ; tem prompia a maior parte do sea
carregamento ; e para o restante e passageiros,
para os qaaes tem excellentes commodos, tratase
com Manoel Ignacio de Oliveira & Filho, oo largo
dd Corpo Santo o. 19, escriptorio, oa com o capi-
llo oa praca. ______
Valdivino da plvora com fabrica de fogo artifi-
cial na ilha do Maruim, se acha cora purco de
fogos do ar de 1* sorte J postos rri.- flexas, a esne-
ra de festejar os dias que tiver noticias de qualquer
triampho das sosias armasdenlrodoHnmaita; todo
aquello qae tiver a mesma salL>fac>o. dirija-se ao
armazero de sal da ra Imperial n. 221 poucoalm
da fabrica de sabo.____________
PreeiiH-se ora caixsiro de 12 a 16:anoos:
na ra do Pilar n.'35, taberna.
Para o Para
pretende segnir nestes oito das o patacho porta-
gaez S. Jorge de Aveiro, o qual tem prompto parto
de sea carregamento : para o resto qne Ihe W1 a,
trata-se com os seus consignatarios Antonio Luiz
de Oliveira Azevedo 4 C, no seu escriptorio raa
da Cruz n. 1.
Para a
Pretende seguir com muita brevidade a velleira
sumaca nacional Hortencia, a qul tem parte de
seu carregamento prompto, para o resto que Iba
falta Irata-se com os s.-us consignatarios Antonio
Luiz de OJivefra Azevedo & C, em sea escriptorio^
raa da Cruz o. 1.
.
w1*"!^
ii
O arrematante deveri curaprir restrictamente as*
iastroccoes do engeul.iro fiscal da obra e as con-
diccoes do orcamento e contrato.
III
O arrematante dar comeco as obras no praso
da 15 das, e as concluir no de 14 mezas ambos
contados da data do contrato.
IV
Os pagamentos sero feitos em tres prestagdes
tguaes, correspondentes ao valor da obra fela,
meos o empedramento qae ser em ama s pres-
tado, qoaado fizer a entrega provisoria.
De cada prestacao sera' deduzido o qne deter-
mina o art. 83 do regulamento da 0 da julbo de
1864.
VI
O rocebimento definitivo de lodo o Unco, a obras
ser' 18 rae es depois da entrega provisoria.
Vil
Para lado mais que nao estiver aqai especifica-
do oo cootrato, seguir-se-ha o que prescreve o re-
arido regulamento das obras pabcas.
Cooforme.Iligae) A uoocA*'errei ra.
DECLARACOES
9H
O adratoi:aor da raeabederta de rendas
ioteroa geraea deelara qae no corrate me de
junho q id os devedores da dcima das eorporace
de ruao mora, do imposto da 20 0/0 sobre:laja e
meato des gneros em seguida declarados, qae
hoaver de consumir os diversos eslabeiecimentos
pos cargo da mesma Santa Casa, no trimestre de
julbo a setembro prximo futuro, a saber :
Estabelecimeoto de earidade.
Manteiga francesa, libra.
Caf em grio idem.
Cha' preto idem.
Cha* hysson idem.
Assucar refinado 1* sorte, Idem.
Dito da 2* sorte dem.
Dito em torro 1* sorte idem.
Arroz pilado do Maranbo Idem. -
Toucinho de Lisboa idem.
Bacalho Idem.
Tapioca dem.
Aletria idem.
Carne secca idem.
Sabo amarello idem.
Pomo idem.
Velas de carnauba idem.
Ditas de espermacete idem.
Farinba oo mandioca da trra, alqaeire nove.
Feljo mulallnho idem. .
Vinho tinto de Lisboa, garrafa.
Dito braoco dito, idem.
Vinagre dito, Idem.
Azeite doce idem.
Dito de earrapato Idem.
Ceblas cento.
Parello, sacca.
Carne verde libra.
Bolacha Idem.
fH"1"
23:3000O0:
Bairro de S. Jos.
Chafariz do largo daribeira.. i3:OOO0oOO
Dito da ra Imperial.,...... 7:0004000
Dito dito defronte da Cabanga. 3:300,5000
Dito do largo de Ntsa Senlw-
ra da Paz dos Atogados... 3:0000000
Para a i
sabe com toda abrevidadao paifta^Aa#tj|Myfa)N'
to Antonio ; para o resto da rjW>I^MlV-
godo Corpo Santa o. i '-'Wflr"! *" t:'rt#lil
Palmeira.
i*
-r-

26:500j(KXX)i
Passagem da Magdalena.
Chafariz do'largtf do viveiro. 24000t^
Dito entre as duas pontes.. 360^000
essajeriimaJstfttlto&.o
do correte
Babia.
ritnrjjisuua
a maior parte da
passageiros, para os
modos: trata-se
sensjafisignaurios Tboraaz ds Aquioo F
di C. S"aa do Vifaiio j>. I9iu com o cap
prtoa.

duzio ; n* ra do Hospicio n. 28.
Precisa-se de uma ama para
cozinhar : a
tratar na rna do Crespo n. 18,1 andar, das 9 a? 3
da tarde, ou na ra nova de Santa Rita n. 69, ul-
tima casa.
Fogo fogo
D. Cleraenlina Maria Bessoni de AlmeiJa,
, Luiz Antonio da Silvelra Tavora, convidam
pelo prestte aos prenles e amigos de seu
.fallecido flllio, irmo a cuohado Joaquim An-
glico Bessoni de Almeida, para assislirem a
nma missa fnebre que tem de mandar rela-
brar oa groja do Carmo no dia 10 do cr-
reme pelas 7 horas da raanha primeiro an
oiversario do faliecimento do 'referido Joa-
quim Bessoni.
Desojando dar a esse aclo a solemnidade
de que digno, esperam que as passoas
que se acham para cora n fallecido n'aquel-
las relafoes de saogne e de amisade, no
deixem de comparecer no referido lugar e
'lora.
'Precisa-se de nm fetor
general o primeiro sitiot____
pssaodj o quarlel
Databema
naer.
taasilasiaaiaarBinananain jnmum saraa-
por

6004000
do Beberibe 5
Escriptorio da companhia
do junho de 1866.
O secretario,
Dr> Joao Jos Pinto Jnior.
totafwaaiaido atante Cardeirn Ssim da eao
raa, amaco e meoeilios dni n>tw>aiiana|diu,
MlrW-5.u'mtJo!ffi^05t,ide-
te mez 1IOJK.
francez Extra-:
madure, o qoal
depois da demo-
ra do costumeJ.
seguir' para
saSaSas^Sfe^
para os portos
Agurdente branca, garra/a.
Gollegio de orpbos.
Mantaiga fraoceza, libra.
Assucar refinado 1* sorte,. idem.
Bahja e Fiio de Janeiro.
i Os passageiros de Pernambuco
_ IdaBoi
Caixa filial do banco do Brasil em Per- ^*
l an j j i oe ide raalor alflencu, tem a facjitdade de as Jfcar
n-M|CO 22 4t MI O 186. oo dia em qe o&ors seff *n para o tol,^
De ordem da directora se faz po&ficdr 8adopoira cornos* toase do,Rio da Janeiro,
aquellas, pesaoas que tem objeclos de ouriwi P^ ^d'^M*f nepQassaens "**# na
prata e diamantes depositados sob riCrenc,a "' doWaplche. 9' f
.-.agencia ru do Trapiche o, 9.
depositados sob caucSo __"- >
nesta caixa cojas letras se acham vencidas, I
que nao sendo ditas letras pagas at o dia
8 dejunhovindouro-se proceder' emhaat
iublica a venda dos-referidos objactos coi
ormerj prescrito nos estatutos.
O guarda livros,
Ignacio Nones Correa,
Para-Lisboa
tf^toati escravos sesndo Dobh
Sm, Aaleeta con Uha de pod
I anuos, Harta parda e Mari k que
de
m* ra^uerim
^^^tnnva d
Antonio Fimo* PifaaWedOfTM mandts do
Illm. Sr. Dr. juiz ostaMpatdRMafoada vara (sai;
penle) em exercicio,' dos escravo cima.
Segunda-feira ll do correle.
No armazem da roa da Cadela do Recife n. 5,1,
as 11 horas.
Segairu com toda brevidade a barca porlugueza
AJ.irianna j por lar parta da sua carga carga an-
siada, para o resto a passageiros para os qnaes
Uffitaa compodos ; irau-se com os
__ tartos Thoasai de Aqai no Fooceca
* C a roa do Vigarlo a. 19 ou cora o capitao na
pra?a.
De
alalo MatariTi
?arlados.
A i i do corrente.
Viviao Michell, capitao da barca mglasa EdiSk
Manan, fara' leitto por eoota e risco de. qoetn
pertencer por intarveoeao do agenta OHvatra,
precedida a competente auihortat;ao do Illm. Sr.
AMA
Precisa-se de urna ama forra ou escrava, prefe-
rindo-se escrava, para comprar e rozinhar, paga se
bem : a tratar na luja da ra Js'uxa n. 11.
os abano assignado3 participamos ao res-
peilayel publico e priocinarmeme ao cor po do
commercio que stnigavelrnente aissolv.'inos a ->-
ciedade qne ohamos'no deposito da rna do Pilar
era Fora dtCtotlas o. 70,'Utoa gyrava aebaw''A*
firraade Benlo Josa C>rreia 4 ., Ocandu o uusni"
deposito de hoje. era dame perteawado unicaraen-
le ao socio Benlo Jos Corroa. Bcifo 6 da jnnho
da 1860.
Bento Jos Correia.
JoaqBim Jjs da Silva Santos.
Qaem se jnigar credor do linad.i. Joao Jacin-
tbo Pereira Cabra! que residi nesta praca de Per-
nambuco, naja de api anular seus ttulos de divi-
da, a procoracao bastante na ilha de S. J4igue.i, pa-
tyt9?*onl^,l8un^wr*a**4**a m\,"
IHB'Caoral comproa a um to que morava no Pao
d'Alho. Teodora prturic>i? W v do ha pouco lempo e o procurador qne tintia os
poderes daassigqar a escri^ltea, idavendo saber
o dito Cabral mocrera e liona credores, en-
_jgoa a dita procuraQo ao abVto. assigoado u
qual esta' cora todas 3s(form*ldad$v>asjin como
tamb'm foiste a dita.ferra e o |meUto della
em poner do mesmo por.iec.^idj procurador ao
dito vendedor. A Ierra ponera valer 70OJ pouco
ijpaliirm snanni. n rondiminln n imir certa qua o
ta que existe na mito dafiaiK9Sgoado qae s
elle quem sabe, excede de ara cont de ris, is-
to o valor da trra e o dinheiro.
Francisco Ferreira da Silva.



4
fBm


Blarft* de ffroanbi- -**.tbad> de Jaiho de 1866.
AGUA FLORIDA
MURRAY & LANMAN
A agua florida de Murray & Lanmarj_
olbada como um artigo de perfume, nao
tem podido ser igualada .pelas preparares
as mais custosas: conserva seu aroma, co-
mo se formasse parte da prenda a que ella
se applica.
Sua efficacia to delicada, como elegan-
tes sao seus multiplicados usos, qur seja
empregada como artigo dettoucador, qur
no uso do banho, ou como euavisador da
pelle, depois que se ten ha feito a barba;
j para limpar as gengivas ou aromatisar o
oalito.
D suavidade, brilbo e elaticidade as
compleices, depois de se haver lavado; al-
livia a irritaco de erupces ordinarias ; faz
desapparecer o desagradavel afecto dos
pannos, das sardas, do rosto, rugas e toda a
casta de ebulices, e d vigor e frescura a
parte onde quer que se applique. Sua efi-
ciencia e elegancia sao igualmente infalli-
veis nos casos em que seja preciso applica-
la como estimulante e antisptico, nos con-
cursos e assemblas numerosas, as loca-
lidades infeccionadas, na alcova de um en-
fermo, assira como um antidoto excellen-
te para os desmaios causados por cansaeo
ou suffocaco. Preparada nicamente por
Lanman & Kerap, Nova York, e a venda por
Caors Barbosa.
Joao da C. Bravo & C.
Deposito geral em Pernamouco ra d
Cru n.22 em casa de Caros
^^OATm
Fiitiur t VAPOR
99 RA DO MONDEGO 99
. Deposito na ma Xova a. o loja de reJojoeiro.
)elouche donos deste estabelecimento partecipa ao respeita-vel publico que sua a-
brka est montada com as melhores machinas que existem na Europa, e que pode
fabriearcom melhor perfeicSo possivel. Todo o chocolate desta fabrica est garantido, e
puro, o que nao se pode encontrar naquelle que vem de fra, e que se vende por prego
haQ, visto os productos serem do paiz. Na etiqueta tem sempre urna aguia.
PREQO.
Meia libra......- .. 400
Uma libra. ........... 800
Uma arroba *. \ 19)5000
Na mesma fabrica acaba de se montar urna oficina com serrara a vapor, para
obras fle marcineiria propria para edificio, para o que encarregi-se de fazer portas, ja-
dellas, assoalhos (parqu fraocez como se usa na Europa,) e armacoes, iudo com brevi-
nade ejaerfeicao. Toma-se qualquer encommenda para fra da cidade, entregando-se
prompta a collar-se no lugar.
Club Pernimbucano.
Domingo 10 do corrate haver reuniSo
familiar.
GASA DA FORTOSi
Aos 6:000^000.
Bllhetes garantidos.
A' RA DO CRESPO N. 23 ECASAS DO COSTUKK
O abaixoassignadovendeu oos seas muitotet-
les bilhetes garantidos da lotera que se acabou
de extrahir, a beneficio da matriz de S. Jos de
Recite, os seguales premios :
N. 9886 (res guiles com a orte de 6:0004.
N. 1413 bilhele inteiro com a sorie de 1:200*.
N. 3289 biheto ioteiro cjm a orte de 3001.
E outras raimas sortee de i 00*, 401, e 201.
Ospoasoidores podem vir receber seus respe*
tivos premios sernos descontos das lisnacasa
da Fortuna a ra de Crespo n. 23.
Acbam-se a venda os da 3* parte da 6* lo-
tera (67*) beneficio do tbeatro de Saata Isabel,
que se extrbira' quiota-feira 14 do eorrente.
PRECO.
Bilhetes .... 6*000
Meio......31000
Qnintos.....1*200
Para aa pessoas que compraren de 100^000
para cima.
Bilhetes.....5*300
Meios......21750
ui.us.....IfilOO
Manoel Mabtins Fuza.
uapoianMiii
m Na ra do Livramento n. 10, loja
Fooseca Arrula, precisa-se de um,
ama para cosnhar.
MARTIMOS
CONTRA FOGO.
A companhia lndemnisadora, estabeleci-
da nesta praca, toma seguros martimos so-
bre navios e seus carregamentos, e contra
fogo em edificios, mercadorias e mobilias :
na ra do Vigario n. 4, pavimento terreo.
Engomina-se
com asseio, proroptido e preces razoaveis: na ra
Augusta n.5, loja.
Albino Baptista da Rocha, relo-
joeiro e dourador portuguez, faz
qualquer concert pertencente a
sua arte, assim como tambera com-
pra relogios em seguuda mo e
obras de ouro : na prsca da Inde-
pendencia n. 12. f**S_
Aluga-se a casa terrea n. 4 da ra do Ms-
cente : a matar no escriptorio de Joao Quirino de
Aguilar & C, ra da Cadeia u. 62, Io andar.
Era casa de, Theod Christiansen.rua do fra
piche-novo n. 16, nico agente no norle do B rasil
de Brandenhurg frres, Bordeaux, encontrase ef-
fectivamente deposito dos arligos seguintes :
St. Julien.
Si. Pierre.
Larose.
Chateau Loville.
Chateau Maruaux.
.. ..nd vin Ctiateau LaOlte 1838.
Chateau Lafite.
Haat Sauternes.
Chatean Sauternes.
Chateau Lataur Blanche.
Ctiateau Yquem.
Cognac em tres qualidades.
Azeite doce. Pregos de Bordeaux.
(OEI.HO Rua da Cruz a. 16.
Continua a haver diariamente um sortimento de pastis, podins, bolos inglezes,
empadas etc., etc. Os donos deste estabelecimento, achara-se as memores condices
de poder satisfazer encommendas concernentes sua arle, em consequencia do socio
Freitas ter sido administrador chefe de algumas das princij aes fabricas na corte, sendo
uma a do Sr. Jo5o Goncahes Guimares (confeitaria do Leo) antiga casa de Carceller.
Todos os trabalbos sao differentes dos que se fazem em casas particulares.
Os proprietarios deste estabelecimento nao se tem poupado a despezas, nem se
pouparao, se bouver concorrencia como esperam ; tendo continuadamente bom sorti-
mento de doces para cha; presuntos e ditos em fiambre, tambem se recebem para se-
rem preparados; assim como doce de caj novo superior, secco e crystalisado, dito em
calda em latas hermticamente fechadas, podendo durar annos em perfeito estado.
Para jantares e partidas recebem-se encommendas dos seguintes objectos; ban-
deijas ricamente enfeitadas sem armaco pecas de amendoas (nogaces), ditas de tmaras
de ovos, pes de l enfeitados com disticos anlogos a qualquer flm; ditos montados,
kechs simples e enfeitados com fructas ingleza; gatheaux de la reine, ditos de le d-
chese, tortas de fructa, massa folhada; ditas de peixe e carne; cremes e doces de ovos
de differentes especies.
Tambem tem um completo sortimento de vinhos engarrafados, como sejam: vinho
do Porto superior, Figueira, Madeira, Lisboa, Cherez, Bordeaux, Champagne fino, ser-
veja, licores, charopes e conservas. Para feslas: bonitas caixinhas com amendoas, con-
feitos e mais enfeites. Muilos destes objectos mencionados podem-se perfeitamente ac-
ondicionar tanto para a provincia, como para fra.
FIGURAS
Acabam de receber bonitas figuras para bandejas de doces, sendo grupos para
baptisado, casamento, annos, dilla aphanlasia, bonitos enfeites para bollos e circular pra-
tos de doces finos, tudo por precos razoaveis.
Vende-se licores em duzia muito em conta.
a
o 0
a.
B
3-0
Bm'S
3
Precisase de orna mulher forra de meia da
de que se queira prestar a ser ama e fazer com-
panhia a uma senhora ; a tratsr na rua do Quei-
mado n. 69.
Na rua do Queimado por cima da loja
de cera, vende-se um fardamento completo
dar oficial.
As Pilulas Catharticas
E A.YEB.
O purgante mal efeeat at huje conheeido.
Esta- ]i lulas mo paramente veg-
itaen, bo tendo na sua compo-
s5o nem mercurio nem outro
ingrediente mineral; sao inno-
centes para as criancas e petsoas
maU delicada*, ao meamo tempo
qae, eompoatas come sao de Tegi-
tiu-s mui fortes, sao bastante acti-
vas e efieazes para as peasoas mais
robustas.
Kstas puntas catharticas purgao e purltlcio todo fystema
liumano scm mercurio.
Xe se tem poupado trabalhe nem despeza para levar estas
pilulas a um gre de pcrfccco tal, que nada deixa a deaejar;
tao o resultado de annos de estudos laboriosos e constantes.
Para alcanzar todas aa vantugeus que resultas de uso de catiiar-
ticos, tem-ee combinado soiaentc aa virtudes eurtUlvas das
plantas que sao empregadas na eonfecco das pUulas. Sua
composicao tal que as enormidades que esto ao alcance
ile ua aeco, raras vezes poden resistl-las on evad las.
Suas proprledadee penetrantes exploro peaetro, parIQco e
ao vigor todas as partes de organismo humano; pola corrigem
a sua aeco viciada e faz recuperar a sua vltalidade. Uma das
rim-i 'HR-ncius dstas proprledades que o doente, abatido de
r e debidade physica, admirase da encontrar, to depreesa,
sua saude e energa recuperadas por meio d' um remedio to
(imples e agradare!.
As molestias que esto ao aeo alcance alo.
I'rizto ile vtntrt JVtettmaiinno, Dr da cabera, A Nieratgia,
Eiixaqueca, ItuHfatio t mal do eitomago, Itmorrholda,
PADECIMENTOS DO FIGADO,
Fcbre r/astro-lttptica, Oattrite, affecetti BUoku Lombrigcu,
Erytipda, Hydrtptia, lurdez, ccgxira pareial, e Paralytia.
So almanak e Manual de 8aade do Dr. Ayer, que se publica
todos os anuos para dlstrlbuieao gratuito, encontxa-se un tra-
tado sobre as diversas daencas que esto ao alcance de
BBMBDIOS PUBOANTBB.
Acha-se em todas as Boticos e Drogaras do Imperio.
O Peitoral de Cereja
X>E AYER,
PAKA A ritOMITA CUBA DA
Angina, de Con>tipao5a, Toases, Bouquido Infla-
enea, Bronchita, Tsica primaria. Tubrculo
pulmonares, e toda* m "l"lttt Feito, aaira como par* aUriar
oa ethiooi declarados.
As preparaceei do Dr. Atbb sao vencida* mi nraHaBan
drogaras e boticas do Imperio. ej
Vende-se em Percambuco:
na
PHABWACIE FRANCAISE
DERlWiflIRER&C'f
RUA NOVA N"!
m
-18Ba>
s.IeS
^^ ffi Q
a s bi -
tu c o
- -: 2.*-. H a- a
S22S.SBO
r^D ___ ce
- I-o
p
o
--
"\V c-.
"2 5 -n"
-o ~
lili
3S.S
o a
o-;
gil
B 3
**o
Bft,"

: o
B.BS
gg
B=r cr >
_ asi 2 w ~"
fS|nl
sicaoa'
i-&= il
2.Q. 5
o ^ x
o S B
So o. n>
a <
S" 5 ? -o o
g2.cf 5E2T5
^ a & e % S.
gil |i
c?*-3 ?- "s?
si* Ira i-
tr. qy 2.
^fi
-1 1 O
^B
o7 o
-----
BaTa.
_ a ^
_ u> rv '
o o o
te
MEHODO NOVO
DO DR. CHABLE
MEDICO E PROFESSOR DE PHARMACIA, DE PARS,
MBA O TBATAVEMTO E ?ABPTO CDBATtVO
DAS EKrBBHIDABES SBXOAES, DK^ODAS AS AFrECQOES COTAMEAS, VIRtS % ALTERAfOES DO SAGOE.
PLUS DL
COPAHu
Citrate de ferro Chfele.
Xarope mui preferivel ao
Copahiba, e at Cube-
tai.cura immediaUmcn-
te qualquier purgacao,
relaxadlo e debilidade, e igualmente finos e
flores brancas das molberes. Injeeea* 1
CtutMe. Esta iejeccio benigna emprega-se mes-
rao tempo do tarop de citrato de ferro, urna vez
de manh, e uma vez de Urde dorante tres dias;
ella segura a cara.
DEPURATiF
.1,. SAIVG
Depurativa* de saa(ae.
Xarope vegetal sem mer-
curio, o nico couhecido
e approvado para corar
con promptidao t radi-
calmente impigens, pstulas, herpes, sarna, co-
mixoes, acrimonia e alterac&es viciosas do san-
gue ; Tiras, e qualquer atecao venrea. B*>
nineraea. TomAc-te dous por semana, se-
goindo o tratamento depora tito.rama an-
tiheraetiea. De um effeito maravilboso naa af-
fecoes cutaneu e comisdes.
Hesnarrahida.Pomada que aa cuaa em 3 dias. ^
Deposito na rua larga do Rosario holica de Bartbolomeu & C. n. 34.
mmmmmmmmmmmmm
DEPOSITO DE CALCADO
FABRICADO NA CASA DE DET8NCA0
Ras Note !.
MAhi se encontrarlo obras de di-
, venas qualidades, e por preco moi
W diminutos, a retalho e em porcoes.
H S se vende a dinheiro.
Ama deleite
Precisa-se de orna ama qne tenoa bom leite e
i em abundancia, nao se olba a core*, para criar
i ama menina e tomar conta da ronpa da mesma :
qnem pretender dlrija-se ao becco do Peixe frito
n 3, laberna, qne se dir* quem precisa.
GARRAUX, DE LAILHACAR & C.
LBRAME FRANCAISEj
i
i
RUA DO CRESPO N. 9.
Livros naciOM.es e estrangeiros.
Religio, tkreito, liiteratwa, etc.
Papelada, objectos para escriptorio.)
PapeU pintados para forrar casas.
Assigoluras para os jernaes da Eu-|
ropa.
Na roa do Crespo n. 18, segundo andar, pre-
cisare de tuna ama de leite.

na *^K
O abalxo assigoado avisa ao respeltavel po-
blico qoe deixoa de ser calxeiro do Sr. Hanoel
Antonio Pereira desde o dia 31 de maio prximo
passado e por isso vem offerecer o ?eu diminuto
prestimo e agradecer o bom tratamento qae recc-
beu de si e de sua Exm.* familia durante o tempo
de 2 annos e 10 mezes incompletos. Goianna 4
de junho de 1866.
_________Jesolno Francisco das Chagas.
Precisan de 600 a juros sobre bypoiheca
de nm escravo ; quem liver annnncie neste jornal.
Na nolte de 6 de jnnho desapparecea da
casa de seu senhor ama mnlatinha de nome Capi-
tnlina conhecida pelo de Rachel, ba toda probabi-
lidade que fosse seduzida, visto que era recolhida
e sem conhecirnento mesmo das ras da cidade
devendo pois por ise estar acouta'da por alguem,
levou no corpo um vestido de chita desbotada e
mais 4 ou 6 novos, e um chales de laa de campo
branco e barra de cores, tem estes signaes: muito
bem parecida, cabello desembarazado, olhos vivos,
cor regular, alta, cheia do corpo, semblante ale-
gre, ps grandes. Se alguem a tiver acoutada e
nao quizer soffrer o rigor da le, mandes levar
uestes 3 dias para ser entregue a seu senhor no
campo do Hospicio casa terrea nova Tonteira ao
quartel onde reside o administrador do correio
Oomingos dos Passos Miranda.
A ttenco.
i -
rugi no dia 3 do eorrente o preto Manoel, de
nac.o Congo, de idade de 36 a 40 annos pouco
mais cu menos, c m os signaes seguintes : altura
baixa, cara bexigosa, olhos grandes, corpo secco,
cabellos pretos e pouca barba, levou vestido caiga
de casemira cinzenta, camisa de algodao de linra:
roga-se aos Srs. capiles de campo ou a qualquer
pessoa que o pegar leva-lo a' rua do Queimado n.
71, qne ser recompensado.
Fugio da ex villa de Cabaceiras, na noite de
26 para 28 de marco deste anno de 1866, nm mu-
alo de nome Antonio, cujo escravo do vigario
Jos Fidelis da Silva Rosas, morador na mesma ex-
mela villa, o dito mulato fugio por seduccao, e de
accordo com os escravos do Sr Dr. Jote Francis-
co Lopes Lima, que do mesmo lugar se retirou.
Tomou o mencionado escravo a direrc3o para o ci-
dade de Nazareth, engenho Terra-Nova, aonde foi
visto, e d'ah! s jppoe-se ter segoido para a comar-
ca do Cabo, engenbo Araguary, undo sido ja' visto
no Recife. Tem a estatura e signaes seguintes:
de pouco corpo em lamanho e grossura, de pouco
mais de vinte annos, cabello pixaiobo, testa pe-
quena, tem defeito na vista, que olha com toda pa-
ra um dos lados, falla de denles na frente, que s
se divulga ao nr-se, e quando de proposito abre a
bocea, cambeta de ambas as pernas, que sao fi-
nas, e os ps dfeituosos por causa de bixos em
pequeo, e os dedos tem excessos desordinarios,
levou camisas de algodao azul, branco, caigas, pa-
letol e chapeo de bala copa baixa, e uma espin-
auda velha. Quem com elle se encontrar, quer
autoridades, quur capites de campo, ou particula-
res, appreheBda-o; e a ser no Recl/e entregar na
loja do Sr. Manoel Ribeiro de Carvalho, na rua do
Queimado n. 18, e a ser em lugar distante otrara'
a seu dono, que sera' recompensado.
Escravo fgido.
Husa; parect-u desde sabbado da semana passa-
da, o escravo Toomaz, cabra de 19 annos de Idade,
e cora os signaes seguintes: estatura baixa, ca-
bellos enroscados, falto de nm dente na frente e
do lado supe rior, e com o defeito de nao estirar o
braco esquerdo por causa de ama queimadura que
soflren no tornozello, defeito este pouco percepti-
vel estando vestido, levou bonet de marroquim r
xo, camisa branca e calca de casimira azul. Este
escravo consta andar vadeando pelo armazem da
esiaco da via frrea na Cabanga, e ah dormir;
quera pois o apprehender, ou rielle der noticias
certas ao-Sr. Dr. Manoel Hennque Cardira, mora-
dor na roa d'Assumpco o. 50 ou a rua Imperial
n. 195, sera' generosamente recompensado
Na rua do Livramento n. 8, paga se cem mil
ris a quera achou nu indicar qnem achou uma.
carteira contendo 311)1000, dous bllhetes, um de
n. 2607 da lotera, duas letras, sendo uma de 1305
e outra de 200, tendo esta nm recibo d* 1G9W)00
e um bilhete de relogio n. 18391, passado pelo Sr.
Germano.
Bernardino Pinto Ceibo, avisa a quem con-
vier que deixou de fazer parte da socledade que
tmha na venda da rua do Raogel n. 10, que gl-
rava com a firma Pimenla & Coelbo, icaodo de-
sonerado-se qualquer responsabilidade, visto que
a casa nada deve.
Arrendase o engenho Floresta, sito na fre-
guezia de Santo Amaro de Jaboato, quem o pre-
tender dirija-so ao proprielario na rua Nova n. 60
3 andar.
Aroga-s* uma sala de frenle com camarinha
propria para escriptorio ou para homem s, alu-
ga-se mesmo com a mobllia; a tratar no Cam boa
do Carmo n. 19 1" andar.__________________
Alnga-ee um moleque de 16 a 17 annos de
idade para todo servico, recebendo-se a qoantia
de ioOOCO adiantado, para, descontar nos sin-
guis segundo o ajuste ; a tratar na rua da Cruz
n. 64._________________________________
O abaixo assignado, vendo nm annoncio no
Diario de Pernambuco n. 50, de sexta-feira i de
margo de 1866, avisa ao respeltavel poblico que
a Sr* Candida Maria da Conceigo fugio da minba
companhia com o Sr. Bernardino dos Santos Ribei-
ro, que fui mea carroceiro, e tambem tinha tirado
900; ao mesmo lempo chamo i dita Sr* Candida
Maria da Conceigo para Ihe tomar conta do qae
Ihe tocar, no praso de 30 dias; e ao mesmo Sr.
Bernardino dos Santos Ribeiro para justar as nos-
sas coalas, e nao vindo Qcara o annuncio que a i
Sr* Candida Maria da Conceigo fez publicar sem '
effeito algum. Recife 7 de junho de 1866.
Janearlo Antonio de Lima.
PH0T06R4PHI4
artstica americana
RUA DO IMPERADOR N. 38.
Artista americano
Artista americano. .
Artista americano.
Artista americano.
RetratosRetratosRetratos.
Em porcelanaNiepcotypie.
Em lencosArcbrotypie.
Em vidroAmbrotypie.
Em metal=Daguerreotypie.
Em papelTalbotypie.
No grande sallo da rua do Imperador n. 38
No grande salo da rua do Imperador n. 38
Neste estabelecimento tiram-se retratos
em todos os systemas, com asseio e promp-
tiduo; desde as nove boras da manbaa
at as cinco da tarde ; assim como tem
sempre a venda grande sortimento de cai-
xas finas de diversas formas. Quadros
ovaes Passepartouts e todos os mais ob-
jectos e productos cbimicos, relativos a ar-
te e recibidos ltimamente dos melhores
fornecedores de PARS e Nova York, tendo
de tudo, para todos os gostos e para todos
os precos.
Salo da rua do Imperador n. 38.
Salo da roa do imperador n. 38.
Aluga-se uma pequea casa com 2 quarlos,
quintal com cacimba, por 10 mensaes ; na rua
de Gazometro, confronte ao porto da fabrica do
gaz, lado lateral.
lfferece-se uma pessoa habilitada para co-
brangas nesta praga, dando fiador de sua conduc-
a : a tratar na roa do Codorniz n. 12 A._______
Precisa-se alugar uma escravadebons
costumes para o servico ioterno de casa de
familia ou um moleque de idade de 12 a
14annos; a ruado Soln. 21.
Precisa se alugar uma e^crava que tenha
boa conducta e sem vicio, que seja boa engom-
madeira: na rua das Cruzes n. 36, primeiro an-
dar, pagase bom ordenado._________________
Casa de commissao de escravos na roa do Impe-
rador n. i.'i, terceiro andar.
Recebem-se escravos tanto do mato como da
praga para serern vendidos por commissao, afflan-
ga-se o bom tratamento e seguranga para os mes-
mos. O abaixo assigoado nao poup'a esforgos afim
de os vender com promptidao, nesta mesma casa
ba sempre para vender escravos de ambos os sexos.
____ Antonio Jos V. de Sonza.
Antonio Luiz de Oliveira Azevedo & C. lem
para vender no seu escriptorio, rua da Cruz n. 1,
vinho do Porto em oaixa de duzia, fio hamburguez,
oola da Bahia superior._________________
Arrenda se um sitio no lugar daPiran-
ga, com trras de plantar epasto, e varias
arvores de fructo; na rua do Imperador es-
criptorio : n. 12. ____________
Aviso.
Rogase ao Sr. Tbomaz de Figueiredo a bonda-
de de apparocer na rua da Praia n. 23 a' tratar ne-
gocio de seuinieresse. .
Precisa-se de uma ama para eocinhir e co m
prar para duas peesoas : na roa da Cadeia n. 1
armazem. ____
Aflenc.
Na rua da Imperatrix n. 6, 3* andar, existe uma
earta vinda da Europa para os S/s. Drs. Antonio
Joaqun) Moraes e Silva e Jos Bernardo Galvao
Alcoforado.______________________________
Na praga da Independencia n. 33, leja de
ourives, comprare ouro, prata, e pedras preciosas,
e lambem se faz qnalquer obra de encommenda, e
todoe aualquer concert.
Trocam-se notas do banco do Brasil e das
caixas filiaes com descont razoavel : na praga da
ndependincia n. *_. ______
S. Antonio.
A apreciada e mui procurada tresena do glorio-
so S. Antonio, acha-se a venda na rua o Iperador
u. 15 defronte de S. Francisco.
Lava-se e engomma-se roupa de homem e
senhora Com perfelgo e asseio : a tratar na rua
da Cruz do Recife n. 51, 3* andar.
Ama
Precisa-se de uma ama para comprar e cotinhar
para uma pessoa s : na rua da Cruz n. 13, pri-
meiro andar.
Engenho para arrendar.-
Arrenda-se o engenbo Quiaombo, em Santo A
' maro de Jaboato, o qual tem multas o excellentes
trras e ptimas malas : a iraftr na rua do Seve
(ilha dos Ratos), sobrado confronte ao chafariz.
Menino
O solicitador Pedro Alexandrino da Costa Macba-
I do precisa de um rapaz de 12 a I i annos para ser
1 ajudante : a tratar na rna Direita u. 68, primeiro
andar. _____^^________________
Lniza Annes de Andrade Leal, professora
particular de primeiras letras, tem aberto sua au-
la na rua Augusta n. 73, freguezia de S. Jos do
Recife, aonde recebe meninas para que offerece o
seu prestimo' aos Srs. pas de familia, promette
esmerar-so no ensino tanto de costuras como de
tudo porque se obrigou.
COMPRAS
Compra-se
Ama de leite.
Precisa-se de uma ama de leite; na praga do
Corpo Santo n. 17.
**&* mmmMmm^nm
jg O Dr. Miguel Joaquim de Castro Mas- a|
B carenhas mudoa a sua residencia da rna
S_ do Sol para a da Imperalriz n. 88, entra- &
jjB da pela rua do Hospicio, onde continua g|g
S-no exercicio da sua profsso. O mesmo ^S
jfg Dr., que se tem dado com solicilude ao jftl
jBf estudo e pmica das molestias de tero e SIS
5 de meninos, d consulta gratis aos pobres *|
Hj das 9 horas as 10 da manha.
mmmm mmmm mwmmmm
Urna ama e um criado.
Precisa-se de uma ama que saiba c ozinhar e de
um criado, forros ou captivos, preferindo-se estes,
paga-se bera : a tratar a rua do Hospicio n. 56.
Ama,
Precisa-se de urna ama para cozinhar e fazer o
servigo externo de uma casa de pouca familia :
nos A togados, na padarla da rna Direita n. 66 A_
Quem precisar de uma ama para cozinhar
em casa de homem solteiro ou de pouca familia :
dirija-se a rua Augusta n. 7. ________
Precisa-se de um caixeiro para taberna, cora
16 ou 18 annos de idade, com pratica da mesma :
tratar no Manguinho, sitio do Sr. Amorira.
Engom madura
Precisa-se de urna engommidelra : na rna da
Cadeia do Recife n. 52, lerceiro andar.________
Precisa-se de um preto para o servigo rfe
uma casa estrangeira : defronte da matriz da Uu-
Vista na casa amarella terceiro andar._________
__ Precisase de uma ama de leite : na rua do
Livramento n. 3 A^____________________
Precisa-se de uma ama que saiba counbar :
a rua das Aguas-Verdes n. 48, 1 andar.
uma escrava que seja boa figura e que siba bem
tngommar, nao excedendo de 25 annos de idade,
e paga-se bem : no escriptorio de Vicente Ferrei-
ra da Costa & Filbo, rua da Senzala n. 138, on em
seu armazem junto ao arco da Conceigo.______
Compra-se urna secretaria de Jacaranda
mogno, ou de amarello, na roa Nova n. 7.______
Ouro e prata.
Era obras velhas : compra-se na praca da In
dependencio n. 22, loja de bilhetes.
Libras sterlinas compram-se na praga da
Independencia n. 22.
Compra-se uma burra de ferro, ingleza ou
mesmo das antigs ; na rua Nova n. 31._______
Compra-se na prensa de algodao de Saunders
Rrothers & C. semeotes de algodao a 500 rs. por
erroba._____________.___________________
Compra-se um bom sellim inglez em segun-
da mao, paga-se bem : na rna Bella n. 22.
Compra-se ouro, prata e pedras preciosa
em obras velhas : na rua da Cadeia do Recife
cja d_ urives no arco da Conceigo.
Compra-se uma escrava de meia idade, sem
vicios, e que saiba engommar, lavar e cozinhar :
na rua do Cabug n. 2, sobrado.
Compra-se ouro amoedado e notas da calxa
filial do.tianco do Brasil na Babia : na rua da Ca-
dea do Recife n. 54.______________________
Compra-se um sitio pequeo, ou uma casa
com quintal grande fra da cidade : na rua dos
Pires n. 34 se dir quem compra.____________
Compram-se lijlos de mariuore c]ue ja' tenha
algum uso, e que eslejaoi em bom estado : na rua
do Hospicio n. 38.
Compra-se urna escraei para o servig inter-
no de uma casa, que cosinhe e engomtne, sem vi-
cios e nem achaques : no paleo do Paraizo u. 10
VENDAS
Avidente ou sortes lidas por
uma sonmbula.
Vende-se na livraria da praca da Inde-
pendencia n. 8 a 15 cada exemplar, tambem
ha papis da mesma a 80 rs. cada um.
Vende-se uma laberna cora poucos fondos e
muito afreguezada para o mar e para trra, sita
na rua do Codorniz n. 5 : a tratar com Joao Si-
moes Pimenta rua do Araorim n. 36_______
Vende-se excellente arroz de casca e mi|ho
em saceos mnito grandes: no caes do Ramos o. 4.
Vendem-se
machinas americanas de serrote para descarogar
algodao : na rua da Senzala Nova n. 4?.
m\ nu ALIGAR
A loja da rna do Cakleireiro, sobrado n. 11, es-
t para alugar pelo mdico aloguel de 16, tem
dous grandes quartos, cozlnha, 2 salas, e bem pre-
parada de limpeza por achar-se catada e pintada
de novo : os pretenderles procurem na rna do Im-
perador n. 75 oo 38,1 andar.
Acba-se justa e contratada a taberna da .tra-
vessa dos Agongaionos n. 1, livre e desembaraca-
da de impostos e outra qualquer transaccao com
mercial que possi haver com o m^mo estabeleci-
mento : quem se julgar com qualquer direito hija
de se apresentar no mesno estabelecimento, no
praso de tres dias. Recife) 8 de jnnbo de 1866.
PredM-M de ama ama forra on captiva para
comprar, cozinhar e engommar, para casa estran-
geira de pequea familia : na roa Nova n, 50,
loii.
Cosinheiro.
Precisa-se alugar nm escravo que cosinhe pelo
menos o trivial de ama casa : a tratar na rua do
Trapiche n. 44, segundo andar.
Ama para casa
Precisa-se de ama ama para lavar, engommar e
coser para duas pessoas : a tratar ua rua de A-
pollo n. 9.______________________________
Precisa se alugar alguns escravos para o ser-
vigo de arborisago da cidade : a tratar no arma-
zem da rna estrella do Rosario n. 6.______^^^
VILLA DO LIMOEIKO.
50*000.
A essa villa chegara ba poucos mezes um escra-
vo fgido, inti(ulando-se livre e com o nome de
Manoel, em companhia de uns italianos e allemas,
e ah esliveram fazendo cigarros, e ba dous mezes
qoe se retirou. Elle muito preto, erioulo, muito
ladino e babii, falla bem, pedreiro, bebe o as
vezes muito, tera' 40 annos, de estatura ordina-
ria, cabeca fina, rosto afinando muito para o quei-
xc inferior, olhos nao grandes, vivos e vermelho*,
tem no rosto uns carocinhos com as ponas ver-
meibas como espiobas mnito pronnnciadas, e pare-
ce que teve bexigas, puia por uma das pernas
quando anda, secco, espadando, de bracos gros-
sos e de multa forca ; o seu verdadeiro nome
Gregorio : seu senhor o Dr. Alfonso de Alboquer-
que paga 50* e as despezas da eondogio a quem
apprehender e Ihe Qzer entregar em sua casa, na
roa estrella do Rosario o. 34.
~" Precisa-se fallar com o Sr. Anjonio de Al-
meida Oliveira: na roa da Cruz o. 23, primeiro
andar.
- O Rvm. Jos Estoves Vianna dirija-se a rua
larga do Rosario o. 23, qae se Ihe quer fallar.
Jos Maria Gongalves Pereira, subdito porto-
guez, va i a Portugal tratar de enrar-se, leva con-
junctamente o sen criado Jos Freir de Andrade,
tambem portugaez.
Cvallo fgido.
Ha i dias qae fugio da roa do Hospicio, n. 34,
um cavallo russo, inteiro, andador de baixo a meio,
tendo nm loblnho no suvaco esquerdo e no direito
igcal de ter sido corado do mesmo mal, bebe em
branco e levou ao Descoco um pedago de corda de
linbo com qoe eslava amarrado : Iquem o pegou
queira leva-lo a casa supradiada que sera recom-
pensado.
Criado.
Precisa-se de um criado de 10 a 12 annos : na
rua Direita n. 68, andar.
V1ERAU OKGANDYS BRANCOS %
5 para o Villar com loja a' rua do Crespo
Rn. 17, padres lindisslmos e vende a 750 _|
>_ rs. o covado ou 1*280 rs. a vara, a ellas _
_t Excellenlissimas antes que se acahem. _
Vende-se na abobada da Peona n. 37. magas pa-
ra bolos preparadas com muita perfeigao e asseio.
S Antonio, 8. Joao e S.
Pedro,
Vendem-se baledeiras e alguidares da fabrica
do Barbalbo e raailas mais lougas que tem de
grande sortimento. tudo por muito barato prego
por ser no nico deposito e pode vender mais ba-
rato do que todos : no pateo do l'ergo n. 12.
Nossa Senho a do Orno e a gloriosa
Sant'Anru.
Est a' venda defronte do convento de S. Fran-
cisco u. l'i a novena, salve, versos, e a expoogo
do Santo Escapulario, tres lolhetos por 500 rs., e a
novena da glorusa Sant'Aona em 1 dito por
3 rs._______________________________
Vendem-se urnas partes de casas nesta cida-
de : quem pretender dirija-se a rua da matriz da
Boa-vista n. 26, loja, ou a roa do Hospicio n. 23,
loja, qoe achara' com quem tratar.
Vinho de jurubeba
superior a todos os tnicos condecidos contra a
anemia, ciloroge, bydropesia, obstengo do abdo-
men. E tambera empregado nos casos da mens-
troacao difflcil, nos caiarrbos,da bexigactc Depo-
sito na botica do Pinto rua larga do Rosario n. 10,
do Dourado, Rio de Janeiro, do Claudino as Ala-
go". ______________
Cigarros antl-asttunatico de loy
A violencia e a repetico dos accessos desta mo-
lestia serio prevenidss, Impedidos e carados cora
o aso constante deste remedio : botica do Piolo
roa do Rosarlo larga n. 10. _______
Pech ncha
Na rua da Gloria n. 40 vende-se ama escrava
moca com habilidades, sendo para o mato, e a rv
zao por que se dir ao comprador: para ver e
tratar da 6 as 9 hora da minfaia.________
Vende-se o bonito moleque .de idade 13
annos, duas escravas qoe cozoham o diario, uma
negra e ama bonita muleca de idade 14 e 20 an-
nos ; na travessa do Cormo o. 1.
-r
v
I



_rr r.' ^ *-*

i .i '
' /




i
?-
otarlo de Xernanmeo satobadn o de lunho de 1866.
NOVA LOJA
ENCIOLOPEDIOA
a t Raa da iMpcratrlx amtazeni
da porto larga ftt.
junto a padarla fradceza de
Paredes Porto.
Neste estibelecimetfto encontrar o respeitavel
publico um variado sertimento de fazendas france-
ias, tBgleas, sulssas e allemes, que se vendero
por prego commodo.
Paredes Perla
Vende cbales de renda de cores que se vende-
rain a 18 est vendando por 61, ditos pretos, Ca-
lenda nova, 55, 65, 85 a 205, um sortimento com-
pleto de manteletes, capas e soatambarqoes 14* a
255. Ra da Imperatriz n. 48, junto a padarla trn-
cela, armazem da porta larga.
Paredes Porte
Receben um completo sortimento de laasinhas a
140, e 180 ra. covados, para acabar, cambraias de
cor a 240 rs. o covado, riscado escossez para roa-
Bi de menino, fnsto de lioho a 480, 400 e 00 rs.
ua da Imperatriz n. 52 junto a nadara franceza.
wmaiem da porta larga.
Paredes Porte
Recebes para cortinados para cana (ranceta a
U* a pepi cambraia lisa fina a 35 45 at 105 a
peca, cortes de tarlatana|de bonitos gostos a 35&B0
45, cambraia com flor de seda, gostos intefra-
men'te no vos a 400 e 500 rs. o ovado, no armaeem
da perta larga n; 52, roa da Inperatriz junto a pa-
dara franceza.
Paredes Fnrto
Receben pelo ultimo paejaete um sortimento de
.ruzes com pedraspara pescoco, bonitos-caiineis
de lia para pescogo de senbora. Roa da emperatriz
n. 52, armazem da 4>crta larga.
Paredes Perte
Vende cortes degorgurao preto para vestido com
21 covados cada um 35*000, grsdenaple preto a
15600,15800 eai o covado, lias lizas finas a 400
rs. o covado, lias de qoadriobo para "vestido, entes-
tada, a 3 rs. o covado. Rna da toperatriz n. 52,
u-mazem da porta larga.
Roapa feita
iiua 4a Imperatriz n. 52 armaban da porta lar-
ga junto a padaria francesa, neootra-se neste es-
ubelcimento nm completo sortiraento de palets-
acoes esobrecasacos, de todas as qualidades, cal-
jas, olletes, ceroulas, camisas, grvalas, metes,
oapos de sol, ditos franceses para cabeea, por
presos eoramodos, roana para menino e outras
mitas fazendas por presos earomodos, armaMm
e porta larga.
No mesmo estabeleotoento-encontrar o respei-
vavel publico, sempreem completo sortimeato de
?oupasfeitas de todas as qeelidades, como -sejam
paletos- de alpaca preta -e de -cT, ditos sobrecasa-
sos a 4 e 55, ditos de brto pardo a 2*806, 3* e
;*500, ditos finos a 42, driles meias cazeroira a
300, 44 e 55, ditas cazemira saceos a 6, 7, 8
e 05, ditos sobreeasacos a 10 e 125, ditos-do pn-
ico saceos a 6*, 8* < 401, Wtos sobrecasaeos a 125
s 255, ditos de morre preto a 6*, 71 e *05, cal-
cas de brim de ditos brancos a 21500cJOO, ditos eazemira 5,
<5 e 75, ditos pceios a 5*. 61, 81 e MjL ditos
jietas cazemiras a 3# e 4*, coletes de divereas'
cualidades, seroetas fraaaezas de algodio, -ditas de
linho, ditas de bramante a 25 e 24300, carnizas de
ugodo de 1 inri o franceas de 2*500 e 34. Gran-
te pecbincha oes*e genaro, grvalas de todas-as
cualidades e brancas para casamento, grande sor-
1 imento de metas para-seiboras, ditas para bornees
;. 34, superiores a 34800 e 44.
Um completo eortimento de chapeos de sol de
.alpaca a 34, ditos de seda a 54, 74, 04 e i4,
'-itos franceze* para oafeega, grande fiortimsnio
;. 65-
GRANDE ESTABELECUENTO
DO
fazenda em casa dos fregu<-zes que nao poderem & Silva.
4 SALSA PARRILUA DE AYER
PARA A CURA RADICAL
ti escrfulas e molestias escrofulosas, tumores, lceras, hagas, feridas ve-
as, bronchocele, papo ou papeira, a syphilis, enfermidades venerias ou mer-
euriaes.
AS MOLESTIAS DAS MULHERES
retqncSo, menstro doloroso, ulcerac5es do tero, flores brancas, etc., ulcera-
cfo, debidade, expoliado dos ossoa, a nevralgia e convulsoes epitepticas
quando causadas pela escrfula.
wf m ERYSIPELAS ERPES; ETC.
Enfermidades cutneas, erupeo, borbulbas, pstulas,
nascldas, etc.
O extracto composto de salsa parrllha, coleccionado pelo Dr. Ayer, uma
combinacSo dos melhores depurativos e alterantes conhecidos a medicina; c confeccio-
nado segundo as regras da sciencia, approvado e receitado pelos primeiros mdicos dos
Estados-Unidos da America do Sul e Central, das Antilhas, do Mxico e das Indias, e
muites outras^artes do mundo: o resultado de estados apurados e minuciosos, e de
experiencias felas pessoalmente pelo Dr. Ayer, por muitos annos, nos priocipaes Los-
pilaes e enfermaras da America ; tcm sido approvado pelas academias de medicina e
juntas de hygienne das priocipaes capitaes da America do Norte; para prova disto vede
os attestados authenticos uo Almanak e Manual de Saude do Dr. Ayer, os quaes se dis-
tribuem gratuitamente nos lugares onde se vende o remedio.
_ A SALSA PARILHA DE AYER
Especialoieode eoaz na cura das molestias que tena sua origem
o escrfula, na lufeecao venrea, no uso
excesslvo do mcren> lo ou uualquer Impureza do sangue.
A molestia ou infecc5o peculiar, conbecida pelo nome de escrfula, um dos ma-
les mais prevatecentes e universaes que ha em toda a extensa lista das enfermidades qce
atacam a nossa raca; disse um celebre escriptor da medica que mais de urna terca
parte de todos aquelles que morrena antes da velhice sao victimas, ou directa ou indirec-
tamente de escrfula; por isso s no 13o destructiva, porm a principal causa de
muttas Ecma causa directa da tsica pulmonar, das molestias do ligado, do estomago
affeccoes do cerebro; entre seos numerosos symptomas acham-se os seguintes l falta
de appetite, o semblante plido e enohado; as vzes de urna alvura transparente e outras
vezesoerado e amareltemo irregular, fraqueza emoeza nos msculos ao redor da boc-
ea ; dijrestao fraca e appettite, falta de energa; vedtre enchado e evacuaoao irregular;
quando o mal tem seu asento sobre os pulmes urna cor azulada mostra-se em roda dos
olbos; quando ataca os orgaos digestivos, os olhos tornam-se avermelhados; o bali-
to ftido, a lingoa carregada; dores de cabeea, tonteiras, etc. Na pessoas de disposi-
cSo-escrofulosa appareeem frequentemente erupcSes na pelle da abe? e outras partes
do'oorpo ; sao pfedtspostas as":affecc5es dos palmes, do figado, dos rins, dos orgSos
digestivos e uterinos. Portanto, nao sao smente aquelles que padecem das formas ul-
cerosas e tuberculosas da escrofala que necessitam de proteccao contra os seus estragos^
todos aquelles em cujo sangue existe o virus latente defte terrivel flagello (e s veres
hereditario), estSo-expostostambem a soffrer das enfermidades que-elle causa, que sSo,:
A tsica, uleeraces'de figado, do estomago e dos rins; erup$5es e enfermidades
eruptivas da cutis, rosa ou erisipela, borbulhas, pstulas, naacidas, tumores, rheuma, 'peratriz n. 60 de Gama & Silva.
1
loja do
Cortes de cambraia com palmas na
Pav8o.
Veadem-se c.fles de cambraia branca cem pal-
mas, sendo fazenda omita boa, pelo baratissimo
prego de 245OO para acabar : na loja e armaztm
u. 60, de Gama i
Chitas a 180 rs., s oPavao,
Vende se .o mais Looilo sertimento de f hitas in-
g.'ezas, padrdes miudinlio,, claros resedro?, e leu-
do tambem tuzas para luto, affancandn ?e serem
cjres. fizas, e vendem-se pelo baratsimo preco de
do Favao na ra da Imperaiz u. 60, de Gama i nove vmiens o covado, un a peca c m 38 covados
lva- ** ^'^ 4800: ifid na toja e armazm do Pato, sa
lencos brancos a 9$009 res a ra da Imperatriz n. 60, de Gama & Sllta.*
duza. Vestidos braieos.
Vendem se leofips brancos fazenda multo bea | Chegaram para a loja doPavo os maU bonitos
pelo baratissiso pfeco de -'i a dozia, Ditcs com con. > ,-e vestidos de caalraia branca com S
barra detor a 2000 isto para acaba, na loja d-, tas barras toaaa branca,, asslm com nT barras
Pavao na ra da Imperatriz n. 60 de Gama Sio de cures sendo fazenda transparente e muito fea
va- ,. :eDd*Clda,:m corte baftanie fazenda emoitaro-
Poupehnas moderttiswmas a 400 e 500 IS. da, e veedem-se peto baratissimo preco de 84e
0 covado na loja dOPa\50. !'*i r\ml*.l>|lvao"M ,aa da Imperatriz n.
Vendem-se poopelicas muito (loas sendo fazenda > f ua,a ",va-
Cortes de UtJaUaa na luja do i'ave.
Vendem s es mais modernos cortes de tarlatana
Ba da imperatriz, N. 60
DE
GAMA & SUVA.
LOJA I ARMAZSM DK FAZ1NDAS. -j
Tendo os proprielarios deste'grande estabeleci-
meoto feito um grande abatireento em mnitag de
suas fazendas, pela occastao do batano (}ue deram
no ultimo de detembro de 1868, resolvern) vender
muito mais barato do qne costumam atim de cada
vez mala agradaren) aos seos numerosos fregu
zes; por tanto Ihes offerecem nm avutado serti-
mento de fazendas fratcezas, Inglezas, as quaes mnito moderna de (ii^dnnl.ose liza vendendo-se
vendero mais barato do que em outra qnalquar pelos baratos grecos de 4iX) e 500 r. o covado pa t
parte, comprometiendo se a mandar levarqoalqoer toja do Pavao na ra da Imperatriz n. 60 de Gama com as mais lindas barras de 00^0^0^}Tm
AO""- Preco de Scada um. sendo nes.'e ar?ig0 0 nHbor
qne tem viudo ao mercado : isto na leja e aima-
zem do Pavao na rna da Imperatriz n. 60 d'' Ga-
ma & Silva. '
vir a loja, ou a darem as amostras, deix.ando flear
o penhor, assim como convidam as pessoas, que
negoclam em menor escala qne neste grande esta-
belecimento encontraro um grande sortimento
tanto a retalbo como por atacado, veodendo-se-lhe
apenas pelos precos que compran) as casas ingle-
zas, sendo com o dinheiro a' vina.
As toallias de lid ka da Pava.
Vendem-ss superiores toalbas de linbos para
rosto pelo baratissimo preco de 75O0 a duzia ou
a 640 cada orna.
Goardanapos de linho adamascado para meza a
2^800 a dnzia on a 240 rs. cada nm.
Superior amainado de linho com oilo palmos de
largura sendo branco e pardo, e vende-te mais ba-
rato do que em ootro parte, na loja do Pavao na ra
da Imperatriz n. 60 de Gama & Silva.
Os corpinhos ae seda pretos do Pavao.
Vendem-se os mais ricos corpinhos de seda pre-
tos, ricamente enlejiados, pelo barato prego de i2
cada nm : na loja do Pavao na roa da Imperatriz
n. 60, de Gama & Silva.
Ricos vestidos a 80000 rs.
pecbincha admirare!.
S o Pavao receben pelo nltimo vapor francez
um grande sortimento dos mais ricos cortes de
vestidos transparentes com lindas barras e enfeites
de seda, sendo estes vestidos mnito proprios para
bailes e passeios, e vendem-se pelo baratissimo
preco de 8,5000 rs. cada nm, na loja do Pavao na
rna da Imperatriz o. 60 de Gama & Silva.
Os chales pretos de renda de Pavio a 8>000 rs.
Vendem-se os mais ricos cbales pretos de renda
com qnatro ponas, senda mnito grandes pelo ba-
ratissimo preco de 8J.
Ditos de gnepnre a 15*, 18*, 20*, 25*.
Retenidas de dito a 10*.
Manteletes de renda, fazenda mnito superior a
15*000.
Capas e sautbambarqoes de grosdenaples bor-
dados, fazenda inteiramente nova, por precos mais
baratos qne em outra qualqner parte.
Isto na loja armazem do Pavio na ra da Im-
Vestidos
Peeuaaaoha sen Igual.
Cbegou a teja de Paredes Porto um feooito -sor-
timento de vestidos de tartalata de cores a-branca*
que serve para partidas.por ser urna pbantasia 1b-
teiramente de foeto .pelo barato preco de 4* <
brancos a 4*500, esto acabando-se : ao armazam
'da porta larga naadsimperatriz n.S2,iantoa,pe-
aria franceza.
CaraTiiados.
Cbegou a loja de Paredes Porto um ompet
r-ortimento de cortinados ricamente bordados *
1 preco de 25*, 35* e 43* : na roa da taperatrk
a. 52, porta larga jua'.o-a padaria francesa.
Rieas romeiras.
Paredes Porto resebeo pelo ultimo paqoeto um
ortimento de romeira depaiipure pretas e da^ B!
.- preco commodo: na ra da Imperatriz -d. 52
i'orta larga junto a padaria franceza.
i#400
Chapeos de sol.
Vendem-se chapeos de-sol de panno a 1*480-e
*::.!,'..pninde pechiocba sopara acabar : na ra da
imperatriz n. 52 armazem da porta larga de Pare-,
-des Pcrto.
Oschales da pava a 2ooe e 2boo rs.
Vendem-se cbales de merino estampados a 2*
e 2*500 cada um.
Ditos de merm liso a 3*500.
Ditos estampados de crepon a 6*, 7*. e 8*000.
Ditos pretos bordados com franja de seda a 14*.
Na loja e armazem do Pavao na rna da Impera-
triz n. 60 de Gama & Silva.
Para luto vende o Pavao.
Setim da China com 6 palmos de largnra, fazen-
da preta para loto, propria para vestidos e roopas
para homens, sendo esta Bova fazenda sem lustro e
de mnito boa qualidade, garantindo-se nao tcar
russa com o lempo e vende-se pelo barato preco de
2* e 2*508 o covado, assim como neste estabeleci-
mento tem um grande sortimento de todas as fa-
. syphilis e as suas conseqaencias. Pouca 1 zendas pretas como sejam cassas e chitas pretas,
necessidade ha de informar este, fin o sangue desta cor-rupcao e arrebata a victima das garras de urna morte lenta; 5fl!5" Stfi2>n s,aPavao "rua
e .gnouwtdesa,; porm inftowl, se o mal> noo logo combatido com energa. | lmpersMriz ^gg %$;
carbnculos, ulceras e chagasj rheumatismo, -drs nos ossos, as costas e na cabeoa,
debilidades fcminroas, flores brancas causadas pela ulcerarlo interior, e enfermidades
terinas, hydropesa, indigestio, enfraqueetmento e debilidade'geral.
Oftenecemos a estas pessoas om abrigo seguro e unvantidoto efficaz contra esta
molestia e ras-eonseqitencias na
^ SALSA PARRH.HA DE AYER
que opera directamente sobre-o sangue, purtficando-o e exporsando delle a corrupcSo-e-e
veneno da molestia; penetra-todas as partes-e todos os orgSos do corpo humano, livran-
do-os da sua aecao viciada e inspirando-Ibes novo vigor. d om alterante poderosissimo
para a nenowac3o do sangue, e d ao corpo ji enfraquecido pela doenca, forcas e ener-
gas reno-vadas como as da joventude.
E tambem o melhor anty-syphilitico conhecido
cura pwmaoentemente as peiores formas de
Grosdenaples preloa do Pavao.
Vt-ndern-*e superiores grosdenaples pretos pelos
baralissimos precos de 1*500, 1*600,1*800 e 2*
o covado, sendo fazenda muito bea, s para aca-
bar : na loja e armazem do Pavao, rna da Impe-
ratriz n. 60, de Gama & Silva.
tramante de linho do Pavao.
Vende-se superior bramante de linho com 10
palmos de largura, proprios para lene/jes, pelos
baratsimos precos de 2* e 2*600 a vara, assim
como pauno de lii.lio muito fino pelos baralissimos
precos de 640,700 e 800 rs. a vara : na laja e ar-
mazem do Pavo, rua da Imperatriz n. 60, de Ga-
ma-i Silva.
Canliiaias lisas do Pavo.
Vendem se pecas ae cambraia lisa mnito snpe-!
rior, pelo barato preco de 3*200 e 3*500 a pera.
ditas muito finas a 5*. 6*, 7* e 8* : na loja e
armazem do Pavo, rua da Imperatriz n. 60, de
Gama <$,- Silva. t
PECH1NCHA I
a 2r>000, para caifas, s o Pavio.
Cambraias brancas,
Com 8 palmas de largurac
Sd na loja do pari.
Vende-se cambraias brancas transparentes tendo
8 palmos de largura, ou duas larguras das regula-
res, qne facelila fazer-se um vestido apenas c-m 4
va/a/> e vendem-se peios baralissimos precos de..
1*000 res, e *i80 a vara, nicamente na loja e
armazem do Pavio, rua da Imreralriz n. 60 de Ga-
ma i\ Silva.
titilas l/rn as a 280 rs.
Mende-se chitas francezas acentos brancos Da-
aroes miudinhos, pelo baratissimo preco de 280 rs.
o covado, na mja e armazem do Pavo, roa da 'm-
peratriz n. 60, de Gama & Silva.
Chapees de sol.
Vende-se um grande ortimento de chapeos de
sol, sendh de sda e de varios precos e qualidades:
Vendem se superiores crus de meia casemira ditos; de alpaca e de panno, e vendem-se por pregos'
Veodem-se superiores balSes de mucolina'com
moita roda-a 5*., ditos erinolines com 3o arcos a
mi
Cortes ae laa escocesa paca vestido "a 3* o cor-
le : na rua aa Imperatriz n. 52, loja da porta lar-
C?., junte a padaria franceza, ssuo se acabando.
Para luto.
Laas pr-cas com salpicos brancos a 400 e 500
es. o CGvado : na rna da Imperatriz n. 52 junto a
; .ajana fcaaceza armazem da porta larga.
A 10500.
Vendem-se pecas de tranca preta para enfeites
nt esios, sQotembarques, capas de senbora a
JivWO com 16 varas, urna grande pechincba : na
xas. 4z Imperatriz n. 52 junto a padaria franceza.
Chales Ae renda pretos.
Vende ee chales 4e renda preto a 4*000, uniec
ioja que pode vender na roa da Imperaiz 0. 52,
armazem da porta larga, dd Paredes Porta
^iiillifipl
5g.|
l|.i*0
* o x 5
2 0Q
m
rt
5 S"
fls-l"
'f
a* 3.0 -
lili
i? 1
o" a -.
*
lll
a.
3
S
o
1
O.
B
ni
1

Bren em barricas pequeas.
Cera em velas de todos os tmannos.
Bofias. -
Mercurio.
Na rua do vigano n. 19, prinuiro andar.
Bali
tes
Grande sartBeato.
Cbegou i roa da Imperatriz n. 83, jamo a pa-
daria franceza, nm grande sortimento que se ven-
d; a 3J500 rs. paraacaabar.
'a poderosissimo alterante para a *renovacio o saague e para dar nova for-
ca ao oorpe j eafraquecidoi pela doenca-
Sendo composto de productos vecetaes, este medicaruento inaoecnte eaonaes- s*50^ daos com 20 e 25 a 3*. ditos para meni-
BgKgg^* *r ^rtancia para aquelles qe o tomara; por-1 %fZ STJ-^XI^'T
que DMitaodos remedios alterantes offereodes ao pubiico-Um por base- o mercurio' ou o g^ch silva.
arsnico- -e -sendo -assim, bem que as veees podem efiectearcaras, comtudo deixam suas CnutOnias de fono a 1,5600 e %$ na loja
victimas arregadas *de urna looga serie de metes, muitas vezes peior do qoe o mai-ori- de Pavao.
ginal. A uoica cousa necessaria para obter ama cura radical seguir coa juizo e cons- i Veoea-se pecas de-cambraia de Torro com no-
atncia as dkecces que acompanbam cada frasco. I T^^asc?da ^qa' eta barallssimos Pre?s de
Nao pretendemos promulgar, nem quer-emos que se- inSra que esta compasarlo a i Q*Scr!friz oT aS^m*!* "*
um remedio infallivel para a cura de todes es padecimeDos humanos; iafelizmenie | ~ Os corUnados do Pavo
escrfula Oca syphilis s3o entermidades tao ulis as suas cadurezas, earreigam-se -aoj Veadem-se superiores
firmemente o systema, que muitas vezes esadem e resistem aos remedios mais pode-
rosos qoe a iencia humana pode inventar para combate-las: o que diaeatos que o
Extracto composto de salsa parriiha de Ayer
j a melhor preparaco at hoje desooberta para estas e outras molestias-anlogas, urna coiabina?3o dos alerantes mais efficazes eooiiecidos. e <}etsta com4)acio tem sido
regulada por tongas e laboriosas .experiencias,-* finalmente que temos coosciencia deof-
ferecer ao paMico o melhor resaltada que posavel preduzir, da intelligoncia e pericia
^medica dosnossos lempos.
Este remedio deve ser tomado com, systesia e regula/idade, e n5oam abandono,
pois um remedio e n5o bebida.
Quando as molestias do figade nao temcua origem aa escrfula, o remedio
acais proprio as pilulas-catharticas de Ayer, que sao efficazos jn por causa tira desarranjo dos orgEos digestivas. Pedi a-salsa parriiha de Ayer e
fi&o aceitai outra preparaeSo.
Pernamfaoco, rua Nova n. le, pharmacia'rancezade 8. Maurer &C.
VEMDE-Si ]
K armazem 4e V. J. atamos e IIva & 4iearo. **ua do -i'igarlo
n. 1 i, constantemente, os seguintes artf gos, que
. reeenem or eneommenda propria de
AEW-IOtM.
Legitima salsa parriiha de Bristol, preparada por Laoman & Kemp.
Verdadeira agua Florida, preparada petes mesmos.
Gaz em latas de cinco galoes, o mais parificado qoe se pode desejar da acredi-
tada a^aarca F. W. D. & C.
Kelogios perfeilos reguladoras, com corda de quatro oito djas, dos /amados fa-
bricantes E. N. Wqlch.
Grxtxa em latas grandes da bem conhecida marca las. S. Masn (de Philadel-
phia).
Superior oleo para madnas de costura.
Agl&as para as mesmae.
Brea em barucas grandes e peques as.
Vndense tambem:
BORDEAUX
4.* qualidade.
St. Estephe.
St. Julien.
G. Margaux.
C. Lafitte.
Medoc.
PORTO
l'quiidade,
Principe Real.
Pedro V.
Maria Pia.
Princeza O. Isabel.
Vctor Emmanuel.
Duque.
Malvazia.
Vinbo fino do Porto em barris de 8/, 10/ e 20/.
Superior vinho do Bheno.
Cera de Lisboa em velas e em grume.
tH RUA DO QUEMADO \T. .
JHadapolo.
Finas pecas de madapelio con 20 varas a 9.
LENCOS,
Lencos de cambraia branca, duzia 2.
dem de cores fixas para meninos, duzia 2400.
Camhraias.
Cambraias de cores a preco de 260 a 300 rs. o covado.
Ciuardanapos.
Guardanapos de linho, dazia 3.5O0.
AlgOdJo.
AlgodSo trancado de duas larguras, proprio para toalhas de mesa, a prego de
41300 i m
Bramante.
Superior bramante de linho inglez e francez.
(Cambraia de linho propria para lencos.
ATOALHADO.
Atoalbado branco para mesa a 1,5600 a vara,
Enlremeios de cambraia muito finos, preco \.
* Lencos de seda para algibeira a i600,
cortinados adamascados
para camas pelo barassimo prego de 15 cada par,
ditos mutio nOS rtcanraote borddo-^r amas
on jwaella^ a 13, 200 e 2o o par : na loja e ar-
mazem do Pavo ua rua da Imperatriz n. 60, de
Gama 'St I va.
Parrco preto a 25 na loja do Pavio.
Vende-se panno preto. fazenda mnito boa, pelo
barato preeo de M o aovado, dito muito tico a
3,M, 4, e 6,as9ttsi orno casimira ^reta de
cordo a.2$ o covado.: na toja do Pavo oa -rua da
Imperatriz 60, de Gama & Silva.
Os espartilfios do Pavo.
Vendem-se ama grande e variado sortimento de
cspartilhos das mais bem 'feitos que tem f indo ao
mercado, sendo de todos os tamaobos, veodendo-se
por nm prego mnito razoavel : isto na Joja do Pa-
vo na rua da Imperatriz o. 0, de Gama Silva.
As sala bordadas do pavo.
Venden>se-aaias bordadas sendo fazenda muito
bda, sendo-ricamente-bordadas e com mnila>roda
voadendo-se petos baratos pnocos de 6 8* e 105
Mis cada utna.ca loja do i?avao na raa da Impera-
trir. a. 60 de Gama & Silva.
firetaaaasderalaa 3(s000
Vesdem-se p^as de bretanna de rolo com 10
varas cada peca, pelo baratissuao preco de 35 :
na oja e armazem do Pavo, rea da Imperatriz n.
60, de Gama & Silva.
Ronpa f efea
Na taja do Pavae
VeadPvse neste esubeleciraeoto .nm grande sor-
timento de mupas, lano de panno como caxemiras,
e bros e pelos baraiissimos precos romo sejam
calcas de oaieinira prea a 65 75 e'85000res, pa-
letots de panno preto aceos a 65 85 e 125000 rs.
ditos sobfecasacas de paaao nissima a 25 185 e
55000 u;i>, e ooros mnilos artigos qae -seria en-
fadonhos aqai reltalos; s na loja e armazem do
Pavo raa aa Imperatriz 60 de Gasa Silva.
Loja da fartaa
-rande peehinchas.
Sedianas a d rs. a ovado
SeonfeMaSOOrs.
Seniku a 800 ra,
Veode-se na loja do Pavo. nm grande sertimen-
to de sedinhas listradae eom as mais lionitas cores,
sendo os padros mais novos qoe tem viudo ao mer-
cado, e vade-se pelo paratisoimo preeo de cinco'
tostoes o covado, sendo taseoda que valam mnito
mais dinheiro, e grande pechincba por se ter
comprado orna grande ponida docta (a senda, na
loja e armazem de fasenda do Pavo, roa da im-
peratriz a. 60 de
Lannhas matisadds a 320 rs.
Vendem-se as mais lindas lasinhae matisadas
com os mais bonitos desenbos, pelo barato proco de
3X0 ra. o covado ; na loja do Pavo a rna da Im-
peratriz d. 60 de Gama & Silva*.
eom msela de seda a 35, ditas GaribaldiDas a
25800, ditas escuras a 28oo, on a 15600 o cova-
do : na loja e armazem do Pavo, rua da Impera-
triz n. 60, de Gama & Silva.
PENTEADORES
ou roupoes de cambraia bordados proprios
para as" senboras ve&lirem de rnanliaa.
Chegoa esta novidade para a loja do Pavo,
mnito lindos e do melbor gosto at boje, por pre-
cos mnito razoaveis : na loja do Pavo, rua da
Imperatriz n. 60, de Gama & Silva.
Cassas francezas a 2 i" rs. o corado.
Vendem-se benitas cassas francezas de cores fi-
xas pelo baratissimo preco de 240 o covado.
Ditas a 280, 320 e 360.
So na loja do Pavo, rua da Imperatriz n. C0, de
Gama & Silva.
Grosdenaple preto a 1#600.
E' grande peefaiBeha I!
Vende-se grosdenaple preto, sendo muito encor-
nado e de boa largura, pelo baratissimo prec.o de
15600 o covado : na rua da Imperatriz n. 60.
Os cachinez do Pavo.
Vendem-se bonitos cachinez de la ou agazalhos
para eabeca pelo baratissimo preco de 35000, s
na loja do Pavo, na rua da Imperatriz n. 60-
MANTAS PARA 0 PESCOQO
a 15, s o Pavo.
Vendem-se bonitas mantas para o pscoco, pelo
barato preco de 15 : na loja do Pavo na raa da
Imperatriz n. 60, de Gama & Silva.
Nadapoloes a 3,560 rs. a pessa.
S na loja do Pavo.
Vende-se pecas de madapolo fino com 12 jar-
das, pelo barato prego de 35500 e 45000.
Chales de renda.
Na loja do Pavo.
Receberam-se os mais lindos chales pretos de
renda, assim como as mais modernas e compridas
relondes, e manteletes da mesma lazenda,e vende-
se mais barato qae em outra qualquer parte: na
leja e ajmazem do Pavo na rua da Imperatriz n.
66 de Gama & Silva.
Castor a 31.0 rs. a covado.
Para caJcas.
Vendem-se superiores castores muito encorpados
padroes escuros pelo barato prego de 320 rs. o co-
vado, servlodo esta fazenda tambem para escravos
por ser de muita duragao ; na loja e armazem do
Pavo rua da Imperatriz n. 60 de Gama & Silva.
Chapeos para ntcniaas a 6,000.
S na loja do Pavo.
Se vendem os mais bonitos e mais bem enfeita
dos cbaposintios de palha da Italia, proprios para
menina?, pe*.o baratsimo niego e armazem do Pavo na rua da Imperatriz n. 60
de Gama & Silva.
Attenco.
ULTIMA NOVIDADE
PENTES, ENFEITES, CINTOS.
Gama di Silva, acabam dereceoer pelo ultimo
vapor francez, m grande sortimeDto dos mais ri-
cos enfeites pretos e de cores proprios para cabeea,
sendo gaarneeidos com as mais lindas flores, e com
voltas das mais bonitas perolas; assim composmais
modernos e eogracados peoies da verdadeira tar-
taruga, marobetados >endo a ultima novidade
qae tem vindo de Pars, e os mais neos cintos com
fitas mathisadas e fivelas largas, conforme ltima-
mente se asa as primearas capitaes da Eoropa, e
vende-se por pre<;o em conta por ter ebegado em
direitura para a" loja do Pavo, rna da Imperatriz
n. 00 de Gama & Silva.
A rolaudas do pavaa a 8 e <].s.
Ven jem-se as mais ricas rotandas de renda pre-
ta, sendo mnito grandes, qne sao as que mais se
nsacn, pelo baratissimo prego de 85 e 105 : na
loja -a armazem do Pavo, rua da Iraqeratriz n. 60,
de Gima & Silva.
Chitas pretas a 160 rs:
Wnfen-se chitas pretas inglezas, sendo fazenda
muito boa, pelo baratissimo preco de J60 rs. o co-
vado, oo. ofioOO a pega com 38 eovados : s na
lujad* Rasao, rua da Imperatriz a. 60, de Gama &
Silva:
ATLANTA
Grande novidade a tOO rs.
Allanta a 200 ra.
Allana a 200 rs.
Atlanta a 300 rs.
Chegon pnja a loja do Pavao o oais lindo sor-
timento desrnova fazenda, com o titulo de allanta
propria para vestido e /anpas pa/a meninos, sen-
do esta roodernissinia fazenda de Ja com os mais
lindos gostos de quadrinlios e liatras (ende entre
eKac de cor roxa e preta, com liatras e qaadros
braceos proprias para luto, e vendem-se peto ba-
raasstOK) prego de 200 rs. o*covado nicamente na
loja do Pavio rua da Imperatriz n. 60 de Gama i
Silva.
muito cemmodos, na loja do Pavo na rua da Im-
peratriz n. 60, de Gama & *i'va.
Caries de chitas.
Vendem-se cortes de chas inglezas,sendi-pa-
drees escuros tendo 10 civados pelo barato p de 250C0 rs.; ditos com 11 e 12 covados a 25200
e 25tOO rs; ditos de chita franceza escora e ale-
gre, teDdo 10 corado 35200; ditos com 11 e 12
covados a 35820 e 35840 rs: pecbincha. na I, ja
e armazem do Pavao, i ua da Imperatriz n. tO Oe
Gama & Silva.
Rodelas de Lorraxa
proprias para atar masan de papis, e para per.
virern de ligas para punho?, manguitos, ele etc.
Vendem-se na rua do Queimado loja d'agnia tnri-
ca n. 8.
Mui finas carias
francezas, cora cantos dourados, e sem doiuado.
Vendem-se na rua do Queimado loja d'aguia bran-
ca n. 8.
Envclcpes azues
a 5i0 rs. o cento.
Vendem-se na rua do Queimado loja d'puia
bracea n. 8.
Apparelbos de porcelana
dourados a pintados.
Na rua do Queimac oj? d'aguia branca n. 8,
vendem-se bonitos apparelhos de porcelana tara
lmogo e jamar de nonecas.
Bonitos quadros
para recratos.
Vendem-se na rua dj Queimado loja d
branca n. 8.
Perfumara ingleza
A agua branca A rua do Qaeimado n. 8, rec t>f u
am novo sortimento de (leas perfumaras inglezas
de !. GosnelltC; sendo extractos dos agrda-
veis clieiros Bonq da Rainba Victoria, do P. Alber-
to, do imperador Napoleo, da imperatriz Euc-^nra,
Garlbaldl, Miss Lind. Joch Club, frangipane," sn-
dalo, etc. etc.
Oleo fino para cabellos.
Opiat para pentes.
Agua da Colonia.
Sabcneles finos crerae deamendoa para barta.
Pencas (Taco Dglezas
doursdas e sem a ser.
Chegon para a leja d'agua branca rua do (.;,.-"i-
mado n. 8, um c-scellente sortimento de peonas
'ago inglezas, dowadas e sem a ser, porm todas
de qualidade extraina, e cr-nlinua-se a vende-.a? i
25-500, 2500 e 1*300 a raixa.
Tinta azul e pr*ta
tinta rocha e pr<
Estas tintas eojas excellentes qu.
bem conhecidas e apreciadas pelos >
acham-sc a venda na rua do Queimad*.
bracea d. 8.
Lacre lino de vores
com cheiro e sem elle.
Na loja d'aguia branca rua do Queimado n b.
vndese lacre tino encarnado aromtico e sem o
ser ; dito verde, e urnas calimbas' com di!;, s de
cores pelo barato preco de 500 rs. cada una.
Papel infilez
em caixlnhas.
Na loja d'aguia branca a' rua do Queimado b. 8.
vende-se desse superior papel inglez em eaixlthas
Luvas de camursa
brancas e amarellas.
vendem-se na rea do Queimado loja d'ogui:
branca n. 8.
Meias pretas para padres
Vendem-se na rua do Queimado lea d'apui.;
branca n. 8.
Aspas largas e fortes
para Lalao.
Vendem-se na rua do Queioadc ioia d'aeuis
branca n. 8.
'rf"s j. ao
1 ndedre.'.
. d'igua
ATTENgAO.
Vende-se palha hamburgaeza recentimenie -ht.
gada, para empalhador, por prego mais come;cdo
do qne em outra qualquer parte : na rua de Hor-
Da de Lisboa.
Desembarcada do brigue porluguez Constar, le I
vende-se por barato prego : no escriptorio d Ma."
Santo6nDa9 'Vera & Filh' hrg0 dG 'r,
VAL M SEGIHM
Rna do Queimado n. 4, foja de
niludezas
DE
Os chales de guipure a 12$ e
16^000,
Vendem-se os mais ricos cbales de Guipare e de
renda de linbo e seda, pelos baralissimos precos de
135 e 165; grande pechincba em reiagio a boa
qualidade e umanbo delles: s na loja do Pavae,
roa da Imperatriz n. 60, de Gama & Silva.
Loazinhas a 200 rs ,so
Pavo.
Vendem-se modeaas iiazlohas com lindlssimos
gostos, peto baratissimo prego de 900 rs.; 2 gran-
de pecbincha : s na loja do' Pavio, rua da Impe-
ratriz o. 60, de Gama & Silva.
Sedas Largas di
Na loja do Pavao,
Cbegou para a loja do Pavio um modemwimo
sortimento das mais lindas sedas para vestidos,
sendo amas de llstriobas e outras de florzinnas
com as mais lindas cores, e algumas proprias para
a seohorn qie estiverem de roto e vendem-se
pelo barato prego de 25000 o covado, tendo esta
rateada quatro palmos de largora, que facilita fa-
zer-se nm Vestido om poneos eovades, isto na
i']J rmazem do Pavio na rna da Imperatrli n
60deGimdrSilva.
As ehita do Pavao a 200 a covado.
Vende-se o mais bonito sertimento de chitas es-
curas e roas sendo inglezas, mas com os pannos
tao encorpados eomo os das francezas que se ven-
dem a 400 ris, a liquido-se pelo barato preco de
200 ris o covado ou a 75*00 a peca, garantindo-
se terem 38 covados cada pega e serem de cores
fixas isto na loja e armazem do Pavio na roa da
Imperatriz n. 60 de Gama A Silva.
Armazem do Pavo,
Vende-se cera de carnauba da melhor qualidade
empaceos, mais barato "que em ootra qoalquer
parte no armazem do Pavo na roa da Imparatrir
a. 60, de Gama Silva.
As cabaias do Pavo a 2#000
o covado.
Chegaram para a loja do Pavio as mais lindas
cabaias de seda para vestidos, sendo com os mais
lindes gostos de flores a listas, tende entre ellas al-
gunas roxas e pretas para quem esliver de lulo,
tendo esta nova fazenda O palmos de largura qne
facilita fazer-se um vestido com poneos covados, e
vende-se pelo baratissimo prego de 3*000, nica-
mente na loja e armazn toravao raa da Impe-
ratriz n. 60, de Gama & Silva.
Novidade
Para vestidos.
Chegaram as desojadas cambraias oo tarlatana-
brancas com li-trinhas {sendo transparentes e ven-
dem-se pelo baratissimo preco de 55000 o corte,
na loja e armazem do Pavo na rua da Imperatriz
B. 60 de Gama f Silva.
Jos Bigodinho
Est queimaudo as miadezas abaixo declarada^
Frascos de oleo babosa fine 200 a 320 rs.
Ditos dito de phi'Qccme verdadeiro a 800 rs. -
Ditos dito faico a 600 rs.
Frascos de cheiro mullo bonitos a 20f>e-500 rs.--
Ditos de macag peroia a 200 rs.
Ditos cera superior fosaba a 200 rs.
Caixas com 6 frasco.- dec heiro a 800 r
Sabonetes finos a 60, 160. 200 e 320 rs"
Daos de bolla superior a 240 e 320 rs
Llvros para meninos com estamps a 320 r
Canas da i 2 frascos com cheiro a 15.
Frascos de oleo babosa muito fioo a 400 rs
Daiwdemelw fuperior ualidade para senbora a
Chegaram as agulhas balo (papel) a 60 rs
Calzas com bonitos soldados de chumbo a' ICO r<
Frascos de opiata para denles a SOOrs.
Diws de agua para llmpar denles a 500 r.
Podras de escrever (pequeas) a 16Q>e- 200 rs.
Sapatos de tranga para meninos a 15.
Sapalos de tranca para homens e senbora a 15300
Pegas de utas de laa preta para vestidos a 600 r
Grozas de botoei ae madreperola Saos a 4ao o
#40 rs.
Caitas de .'olebetes francezes a 20 rs.
reca de lroe de todas as cores a 200 rs.
Canas com ajmeiVores.envelope a 600 rs.
Pares de sapatinnJ? de la para crianga a 400 rs
Dito de meias pretas r*ra zahora, superiores a
360 rs.
Libras de prego; de todos os lamadnos a 240 rr.
Caivetes com duas folbas muito u.nW a 320 f
SOOrs.
Sabonetes de familia, superior a 100 e 120 rs.
Resma de pepet de pe-o muito fino a 25.
Frascos com tinta superior a 100, tiO fl 320.
Passarinhos mgicos.
Caataa e ai eooea.
Na roa do Qaqkcao, loja de ratudeus c 16.
vendem-se a 500 rs. sses Lcnitc passarinhos m*
gicos qae cantara e naocemem, e servem mui bem
para dlvertiroento de criugas e senboras, e inti-
mo para excitar o canto sos de gaiolas.B
Oph
.




ka



Diarlo de Peraaaaboco Sabbado
0 que occupa hoje mais a attencao da muftdo
eoonomicof o novo systhema do proprietaro do ar-
mazem de molhados
UNIO MERCANTIL
53 RA DA CADEIA 53
I VSSA YIIO O RCO Di COMCEIClO.
Que sorae de novo basteando a bandeara da modicidade de presos em todo os
mus superiores gneros.
Que o publico reconheca as vantageos que de tal systhema lhe resalta, o que o
proprietaro do sitado armazem dea*), a a que desde j o convida : passando tambem a
notor-Ihe os precos de alguns dos geaeros do sea expleadido sortimento, e para os quaes
. ATTS\(1A0
-mua de mllho braneo americana.
Esta excellente gomma.jnnHo se.recomcommeada como o alimento mais subs-
tancial e saudavel; ser viudo n3e-.s para papa (no que superior de todas as outras
gammas e farinhas) mas tambem della se pode fazer p5o-de-l, cangica, creme, bolo
francez, podim, etc.: epreg) de cada pacote de urna libra 8oo rs., em caixatem aba-
timento.
MANTEIGA INGLEZA de superior quaida- MOLHO INGLEZ de diversas qualidades, a
de a i ,28o e l.ioo rs. a lata, em barril 72o rs. o frasco.
se faz abatnenla, w MOSTARDA 1NGLEZA. muito nova, a 8oo,
DEM FRANGEZA a mais nova jjoe ba no rs. o frasco
mercado a 6io- rs. a liara, eat. barris ou DEM FRANCEZA a 64o rs. o frasco.
meios a 6oo rs. ISALMO E LAGOSTIN chegado ultima-
CHA HISSQN de primaira qualidade a mente, em latas de 2 libras, a l,6oo. rs.
2,8oo rs. a libra, alm desCa fia umitas ou ARENQUES em latas a 64o rs. cada urna.
tras proprias para vender a retalho, que SARD1NHAS DE NANTES em latas e meias I
se vendem dei,6oo al,8oo rs. a libra. | a 6oo e 36o rtis.
IDEMPRETOo maisesp.cial qnetemvin- VINHo DE COLLARES o legitimo vinho
4K&aHBSKrttg*>$93flb-3
vado.
Groa de aples preto a 10500, 10600 H, H, 3480 e 40 o corado.
Gorgorao preto de superior qualidade a 20500, 2,0800, 30 e 40 o co-
Superiores moreantique a 20500, 20600, 30, 3*500, 40 e 50000 o.
covado.
Bons cortes de moreantiqae.
dem de gorgurSo adamascados.
Bons pannos e casemiras.
Sup riores alpacas, princetas, merinos e beabazinas.
Boos villudos pretos.
Grande varidade de "diales de fil preto e de guipore a 50, 60, 80,
100, 120, .de 160 a 200, de 250 a 800 cada um.
Superiores retondas de fil preto e de goipure a 80, 100, 124 e 250
e de 300 a 600 cada urna.
Soperiore aigerienes de fil* preto e de guipure de 120 a 250, e de
300 a QO0 cada ama.
Bons cbailes de seda preta.
Ditos de Merino preto bordados e outras muitas telendas pretas que
seria enfadonhe ennmerr, na
IiOafA DJLJS COIitJM*A
DE ANTONIO CORREa DE VASCONCELOS St C.
BA O CBESPO K. 13
CMllTORIO
DR. PEDRO DE ATTAHTBE LOB0 MOSCOSO,
3Rtia da Gloria, casa do Fiu*fo-~g
O Dr. Loba^lfoscoso d consaltas gratuitas aos pobre* todoa ot das d* n ..
aora da maoso, e fc a meia te 8 boras danoito/rfeicepeio dos dias;11
Pharmacia especial homeopatkica
to de carteirai
J* coa egmatee;
No mesmo consultorio ha sempre o mais aparoprfll ment da
tobos avulsos, aasim como tintaras de varias dymnamisacoes e
Carteiras da 12 tonos grandes.
> de 24 tobos granees.
de 36 tabos grandes. 240000'"
de 48 todos grandes., % 300000
de 60 tubos grandes.
350000
Prepara-se qualqner carteira conforme o pedido que se fizer, <
qne se pedir. ^ wnedios
m tobo a valso ou frasco de tintura de meia oaca 10000.
Sendo para cima de 12 custarao os precos establecidos para as eartPrM
Ha tobos mais pequeos cada um a 500 rea. "ejra*.
iiivnoKa
A melhor obra da homeopathia, o Manual de Medicina Hemeepaibico dn nr iS
xandes volumes e.nm ier.: nnarin onioopinico ao Dr. Jar3
*' .
dons grandes volumes com diccionario
Medicina domestica do'Dr. Hering
Repertorio do Dr. Mello Moraes ......
Diccionario de termos de medicina ....ir.'"
Os remedios deste eslabelecimento' ate por demas "coabeeides
tanto de serem novameote reeommendados as pessoas qne qoizerem
2O0OOn
100000
60000
30000
e dispensam por
do a este mercado a 2,2oo rs a libra.
DEM regular de 1.6oo a l,8oo rs. a libra.
desta localidade, muito superior e sem
confec3o alguma, a 8oo rs. a garrafa.
QUEIJOS DO REINO ltimamente chegados IDFM MADURO overdadeiro do alto Dou-
pelo vapor 2,4oo: ditos do vapor passado
a 2,ooo rs.
LATAS DE CHOUMCAS eom 6 libras er-
meticamente fechadas, a 4,5oo, de barril
a 64o, a libra.
E3TRELINHA para sopa em caixas sortidas
de 8 libras, por 4,ooo rs.
VINHO VERDE do .verdadeiro sumo da uva,
e o mais proprio para se beber n'este
imperio, pela sua extraordinaria fresqui-
dao e agradavel gosto a 64o rs. a gar-
afa.
AMEIXAS FRANCEZAS em frascos de 4 e
2 libras, a 2,8oo, e l,4oo rs. em caxi-
naas muito en/eitajas com diversas estam
pasi2,eoo, l,8oo, l,5oo el,3oo, reis.
BISCOITOS INGLEZES emlat;s contendo
diversas qualidades a l,oooe l,2oo rs. a
iata.
PRINCIPE ALBERTO bolachinhas as melho-
res presentemente conhecidas a l,6oo
rs. a lata.
SALAME HAMBURGUEZ chegados no ulti-
mo navio a i,6oo a libra.
PREZUMOS verdadeiro de Lamgo, a 64o,
rs. a libra, e 56o inteiro.
TRAQUES n. 1. em caixas de 4o cartas, por
8,5oo, e 24o rs. cada urna.
roem barris de lo em pipa por 35,ooo
cada um.
VINHO DO PORTO de diversas
engarrafado, inclusive o mais fino qae
m I gft&y, ergicos e dnradores7b"aTdo"dor meThor^^'^dSVS
verdadeiro assncar de leite, notaveis pela sua boa eonservacao, SSiSSSaaKSJ
tados estabelecimentos europeos, a mais exaeta e acorada preparaeacTft wSUSlS^1"
energa e certeza em seus efleitos. >pxw>, e portanto a maior
Casa de saude para eseravos.
Recebe-se eseravos para tratar de qualqjoer enfermidade ou fazer^-th .i
operaclo, para o qae o annunciaote )nlga-se snfficienteente habilitado I*!**
O Iratamento o melhor posebel, tanto na parte alimentar enma n,__
nualidades mia' conva,8ienCas difficais. idade critica das sennor, irreguteridade na menstruac5o, fonecionande a casa ha mais de paatro annos, ha-muiae pessoas d errio T**"0*
innmiftha Pobresa do sangue, jymphatsmo sao curados rpidacnenteou modificados por este ex- pode duvidar, qae podem ser consultados por acuelles aue desJJL^f5 M nJo
aceUentecomposto. E o conserva ior por excelencia darsaude e declarado superior nos | doeates. aodari*
PHOSPHATO DE FERRO DE LERAS
INSPECTOn DA ACADEMIA B9FAR.
Nao existe medicamento ferruginoso t5o notavel como o phosphato de ferro de
Leras; assummidades medicas do mjando inteiro adotaram-no com sotreitude sem igual
nos annaes da scienoia. As cores paludas, dores de estomago, digestes penosas, ane-
nesie genero, por oo, t.ooo, i,zoo, hespitaes e pelas academias a todos os ferruginosos coeneridos, ao- idoreto a ao eitrato
MARMELADA em latas de i, 1 '/s e 2 li-
bras a 6oo reis a libra.
JALEA DE MAR ELLO em latas, a 8oo rs.
FRUCTAS EM CALDA pera, pecego, alper-
ce, rainha Claudia, e ginja a 64o reis
a'ata.
l,4oo e l,5oo rs. a garrafa.
FEIJO verde e Garrapato em latas ermeti-
camente fechadas a 6oo rs.
CHOCOLATE francez em pacotes de 1 libra
por 5oo reis.
AZE1T0NAS daschegadas ltimamente de
Listo.i a l,2oo rs. a ancoreta, e 5oo, a
guarrafa.
CAF avado a 24o rs. a libra, e 7.oee.rs
a arroba, e regular a 22o a libra, eFSoo,
a arroba.
VINHO CHERRY do mateisupenoi, do mer-
cado a l,5oo rs. a garafa, e Ift.ooo rs.
a duzia.
MUSCATEL o verdadeiro de Setubal, a
l,8oo rs. a garrafa, e 2o,ooo a duzia.
VINHO ROROEAUX das mais acreditadas
marcas, S. Emilion. Sant Julien Haut
Brion a 7oo e 8oo rs.a garrafa, e em
caixadeduzia, a 7,5oo e 8,ooo rs.
VINHO 8RANC ) de Lisboa de excelente
qualidade, e proprio para missa, a 8oo,
rs. a garrafa, ou 8,ooo rs. a caixa de duzia.
MADEIRA SECO a l,2oo a garrafa, e t2;ooo
rs. adazia.
VINHO DO RHENO superior, a 2.ooo a
garrafa, e 22,ooo rs. a duzia.
VERMOTH de superior qualidade em cai-
xas de 12 meias garrafas por$2,ooo,e
garrafas por l,2oo rs.
de ferro, porque o-nico que coovem aos estmagos delicados, qe-n5o provoca consli-
pa^ao anico tambem que nao enegreee a bocea eos denles.
Em Pars na ra- da Feuillade-n. 7.
A venda em casa de Maurer,,a A, Gaors.
PEHli\CHA SEM IG11L #
Rico cortes de goiyuran de seda pretos adamascados para vestido coai 13 raetres-
oa 18 a 20 eovados cada cor, largara de chita france23, pelo baratisslmo preco de 590
cada corte : na-loja das-colarnaas da ru do Crespo n. 13 de Antonio Correia de VascoO'
ceos q[ (,.
desejarea Mandar seaa
Paga-se20 por dia daianteOOdtas e d'aai em diante 10500
As operaces serao previamente ajustadas, se nao se qaizerem enjeitar aoa preeot
razoaveis que eostuma pedir a annanciante.

DE
.
VEIIDAI>EIR 1 \W\ MWMmnAJL
PASTILHAS DOS SAES NATURAES DE
VENDE-SE
Na botie e drogara de Bartliolomeu & C. Ra larga-do Rosario-n. 34.
LOJA DO
Novo estabelecimento
RITA DA CADEI1 1IO HEIFK M. 4
Koupa feita de todas as qualidades
Faieudas por barato preco
Superiores feale de mus el I na eom canoa.
Chapeus de sol balo que val 120, e o Ra'ao vende a 40#.
O Balao vende paletots de panno preto fino a 8$, por ter grande porco; caigas
de casemira superiores a 70; calca de brim brancu fino a 4& madapolao fino a 70;
chitas escuras proprias para andar em casa a 360 rs.: pa'etots de alpaca branca; cam-
braias finas 50 a peca; seroula de bramante mui'o superior; chales de merino a 40;
)n muitas ontras fazendas que todas se vendem por preces insignificantes. Quem duvi-
dai venha ver.
A barateza do Balao
(USTODIO CART1LHO
27 RA DO QUElMADO K. 27
iuoniMadapoBo francez Kxxil fino' tendo poueo mofo, cada pega* com 27
L3a de cores a 300 rs. o covado.
Cambrai franceza a 2fM>rs. o cevado.
Finoa organdis a prego de 800 rs a vara.
Lencos brancos para algibeira a 20000 a dozia.
Finas perclaras a prego de 400, 440 a 560 rs. o covado
Ricos cortes de 13a de barra de *O0 a 300000.
Cbales de fil preto e outras maitas fazendas.
varas por
.
Novidades do Vigilante
RA DO CRESPO N. 7.
Este estabelecimento apezar de sempre
se achar bem sortido como todos sabem,
boje mais que nunca, n5o s pelo que rece-
be de sua propria conta, mas tambem pelo
que recebe de consignagoes; parece sem
Ricos brincos decrystal lapidados de differeotes formase cd/es, o.que ba de mais moderno em
Pars, tambera cruzes e botSes para coletos ; flvellas modernas de madreperola para cinto : estes arti-
gos se vendem por menos de sea valor no armazem da roa da Cadeia do Recite n. 60.
Novo e grande deposito de superior carvao de Cardiffna
Bahia.
Antonio Gomes dos Santos & C, raa de Santa Barbara n. 1, estao habilitados a supprir de
oarvo, em condicoes mais favoraveis qae em ootro qoalqoer deposito, a todos os navios a vapor qae
ccarem naqaelle porto. A contratar nesta com DomiDgos Alves Hatheus.,
*
Sirop du
DrFORGET
JARABE DO FORGET.
Eite xarope est approvado pelos mais eminentes mdicos de Pars,
>mo sendo o melhor para curar constipares, losse convalsa e outras,
. i" d*ies dos bronchios, ataques de peito, irriuctes nervosas e idsomnoleocias: ama olberada
pela macha, e outra i noite sao sufficientes. O effeito deste excelente xarope satisfaz ao mesa
tempo o doente e o medico.
RITA DO KI ff I* SH
O proprietaris deste estabelecimaoto deseja chamar a. attencao do&senhorcs pro-
prietarios para os acreditados mechanisraos que continua a. fornecer; os quaes garante
ser como sempre, da melhor qualidade possivel:
Machinas de vapor
forga de um cavallo para cima. s menores sao mui proprias para motores de des-
carogameatos de algodo; ellas viajam armadas e podem trabalhar den-'ro de a4 horas,
depois de cheg^rem no logar. Ellas levam tudo quanto preciso para o trabalho, &
diversos sobrecellentes. As ma hias maio: es sao proprias para a moagem de canna^
e ha dellas que- podera )aiita e separadamente moer canna e descarogar. Ellas podenv
se apphcar aqualquer moendi j ex siente sem outra mudanga do que asubstituicaodas
rodas da almanjarra, ba tambem com pioenda junta, lillas tem depsitos d'agui e boei-
ros de ferro, e nao precisara para ieo asseatamento de obra lignina, qur de carapina,
qur dealvenaria. O tempo para assenta-las Dio excede de oze das ao mais, oem duT' casos de mortes de ammaes ou arrombamenlos de agudes, etc,. garante-se o assentamen- ?8DS Para respeitavel publico tanto em
to em oito das. Todos estes vapores sao simpssimus na construegao, e se regen) por Precos como na escolha dos objectos, e co-
qualquer pessoa intilligente, a facilidade da conduegao sendo especialmente considerada,:mo acaba de ebegar grande remessa pelo
tanto que nao ba lugar em que nao se possam conduzir, q-r por trra, qur embarcado, i vaPor Douro e o navio Solferino de
Lembra se aos senhores deengenho que a venda dos animaes e o servigo (]a'dive'^os objectos de gosto e proprios do
gente oceupada no seu tratamento os ho de recuperar da maior parte da despeza do lemP dos quaes se mencionarao alguns,
vapor, deixando-lhes a vantagem de urna moagem certa e acceler-jda; e acabando com a Por nI ser possivel mencionar todos. O
despeza da compra continuada de 00vos animaes, ecom os desgostos do trabalho que se
tem com elles.
Ser talvez desnecessario lembrar aos compradores de vapores a vantagem que
Ibes resulta de comprarem suas machinas garantidas em urna fabrica, tendo artistas com-
petentes para assentar as mesmas e ensinar a maneira de trabalhar com ellas, e j pre-
paradas para arremed'ur qualquer desarranjo; facilidades estas que jamis podem en-
contrar comprando-as aos simples negociantes, os quaes por falta de conhecimento na ma-
teria nem se qner podem garan-los de que as machinas que vendem sejam proprias ou
sufficientes para o trabalbo era que se queira emprega-las, e no caso de desastre nio
podem prestar-lnes soccorro algum.
Igualmente nao se esquecerao os mesmos compradores de quanto podem perder
em ter suas machinas paradas por desamnjos no tempo das safras, sendo que anda
quando venham s fabricas para concertar as machinas albeias torna-se -ha preciso fazer
repentinamente moldes novos, etc. para as pegas estragadas.
Tambem ha sempre prompto Rodas d'.igua de ferro Sarilhos com cruzelas para as
mesmas .Moendas de canna de todo o tamanho, Rodas de espora e angulares, Paroes ou
coches pareceber o caldo, Crivos e portas de tomaina, Taixas de ferro batidu, fundido e
de cobre, Formas defejjp galvanisadas para purgar assucar, Bombas simples e de repu-
cho, Alambiques de ferio. Eixos e rodas de carro, Arados, grades, enchadas a cavallo
e outros instrumentos de agricultura, Moinhos e forn s para fazer farinha e Analmente
todo o objecto de mechanismo de que se eostuma precisar.
O castello de Grasville.
Traniid de.frncez r 1. J. C. da Cru.
Vende-se este bello romance em qnatr
tomos pelo baratissimo preco de 3^000
ua praga da Independencia, livrariana.
6 e 8.
espera a pro-
Na fabrica se fazem obras novas enbmmenda e concertos, com a maior p este-
solidez. O grande deposito de pegas e objectos habilitam-na muto para este flm.
O proprietaro ser sempre mui feliz de poder dar ioformagSes ou esclarecimento
aos senhores que se servirem de seu preslimo.
D. W. Bowman, engenheiro.
Deposito na ra larga do Rosario, botica de Bartholomeo & C. n. 31.
dolares Royer ou colares ano-
dinos
psn facilitar a denticlo das criaocas e preserva-
las das convuls5es.
O feliz resaltado obtido immensas vezes pela
pr<>:giosa torca magntica dos colares Royer, nos
caso? de convuisoes, e denticlo das criancas, tem
aJu.enlB elevado o sea bem merecido prestigio,
e hojfl ja* se pode dizer qae esto geralmente con-
cei .ados, e estimados de innnmeraveis pais de
fam las : de ans porqae do oso desses salntares
col-es virara salvos do perico seas charos fllhi-
nf- e" de outros porqae ooiberam daqaelles to
pr- joexemplo para igualmente preservar os
e-i -. Assim, pols, a agaia branca, tendo em vis-
tas > milidade e proveito desees prodigiosos cola-
res anodinos oa Royer, mandn vir o novo sorti-
n>i:-.o que agora receben, e continuar a recbe-
los para qae.etn tempo algara a falta delles possa
s^r "nesta aos pais de familia, 'os quaes ficaro
eert-,5 de os achar constantemente na fu do Quei
ta loja d'aguia branca n. 8.
CINTAS MRQUEZ V
A loja E recebiu estas cintas, qne um* coosa indispensa-
vel a iuaiqaer senbora ; consiste sna otiiidade em
suspender a vontade a safa por mel de cordoes,
em cujas extremidades esto afeaos eolebet* qae
se pr.ndem agaardapisa do vestido : vndese por
2500cada" cinta ;amoscom raorpenh d se.t
Farinba.
Vende-se farinba de mandioca em saceos gran
des, recentemente ebegada do Rio de Janeiro : na
ra de Apollo n. 20, escriptorio de Carvalbo & Mo-
goeira, ou no trapiche do Cunha.
Aos Sis. fegueltiros.
Ma drogara da na larga do Ro-
sarlo a. 34
DI
BARTHOLOMEO 4 C. t>*~
Vende-se I
Limalha de ferro.*
Dita de aro.
Dita dt dito de LeAo.
SBme refinado de 1* qualidde.
Vende-se ama pancajtaria, bombo, rofo, pra-
os, em bom oso, e prego, com modo : na roa do
torre n. 16, Racife.
Fraseos de booea
larga com rt4has de vNro de 1 a 13
kbrj.
Venderse
na ra larga do Rosarte n. 31, botiea de Bartho-
lomeo & C.
RICOS VESTIDOS BRANCOS
A' loja de fazendas de Augusto Porjx) & C.
11'JRua do Queimado*'l\
A' loja de fazendas de- Angosto Porto & C, chegaram os mais bellos e mod ;rnos
vestidos brancos e bordados agalba.
Superiores vestidos de blond eom mana e capella para noiva.
Cortinados bordados para camas e janellas de 12 a 80.
Colzas da seda de la, e seda de cores para camas.
Baldes, espartilbos, lavas de pellica e saias bordadas.
Bonros, algerninnel e chales 4e renda preta.
Sobreiudos da panno de doas vistas e capas de borracha.
decaples de cores e prelo, e aboiv preto de diversas qualidades.
Ovaes para baptlsados com vestidos bordados que ba de mais gosto oeste genero.
s bordados, de salpicos e lisos, cambraiasVictoriae transparentes.
Chapeos, bonets e gorros de palba da Italia para senhoras.
Cnpos pretos de seda para bornea;, e chapeos de sol seda inglezes.
Camisas francezase ioglezas para hornera, meninas o senhoras.
Tapetes para sala, piano e cama, e dito superior em pega.
Alcatifas de lisias, baratas pols se vende a 480 rs. o covado.
Breanha de liuho superior em pecinbas de 6 jardas a em pecas grandes de 30idUas.
Na mesma casa se vendem sempre as melhores e mais baratas
EsteiMS da ludia para for ar fealas,
H Raa do Qnelntado-li
dono deste estabelecimento
lecelo de todos.
Riquissimas caixinhas ornadas e com
msica propria para om delicado mimo.
Caixinhas de msica tanto de veio como
de corda.
Ricos porta joias e necessarros.
Riqnissimos estojes a feitio de um bausi-
nho ou cbapeuznbo.
Ditos em casca de noz e de outros gostos.
Leques de madeperola de sndalo e de
faia e madeira.
Chaposinbos e tonqninhas de muito
gosto para criancas.
Meias e sapatinhos de seda para as mes-
mas.
Meias de seda para senhoras.
Capailas e grinaldas de flores proprias
para casamento.
Enfeites e capellas de muito gosto para
seuhora.
Riquissimos porta boquets.
Boquet de flores com urna borrachinha
com ebeiro.
Lavas verdadeiras de Jovin.
Ditas de seda e de Escocia.
Riquissimas plnmas e guarnices para
enfeitar cbapos.
Cohtas e tubos de ac branco, que ba
mnito se desejava para enfeites.
Brincos, fivellas e cruzes de crystSl.
Fiveilas e cruzes de tartaruga, madripe-
rola e dourados.
Alfinetes para gravatas.
Botoes com croas para punhos.
Gravatinhas e mantinbas de muito gosto,
tanto para homem como para seniora.
Riquissimos aderegos pretos, assim como
caixinhas com alfinetes pretos.
Bengallas de canna com cabo de marfim.
Bas de baleia, borracha e de outras
muitas qualidades, assim como chicotinhos.
Riquissimos peales de- tartaruga do ulti-
mo gosto; assim como de arregaco para
menina, pois neste artigo ha um completo
sortimento de todas as qualidades.
Diademas para cabeca do ultimo gosto,
Riquissimas fitas lavradaa e baas.
Framisco Jos trermano
RA NOVA N. 22,
acaba de receber um lindo e magnifico iot-
timento de oculos, lnnetos, binculos, do ul-
timo e mais apurado gosto da Europa e ocu-
los de alcance para observae&es e para oa
martimos.
Tasso Irmos
Veudem ro sen armazem na de
Amorim a. 3o,
Licor fino Curaco em botijas e meias botijas.
Licores finos sortidos era garrafas com rolhas d>
-adro e em lindos frascos.
Vinboscheres.
Santernes.
Cbambertin.
Hermitage.
Borgonbe.
Champagne.
Muscatel.
Reino.
Bordeaaz.
Cognac.
Od Ton.
PAezei lagniol.
No armazem de azeudas
baratas de Santos Coellio
Ruado luelmado u i.
Vende-se o segninte :
Lencoes de bramante de ua s panno pelo ba-
rato preco de 34i00.
Ditos de panno de liaM a 2M0 e 2*600.
Cobertas de chita da India a 2*400 e 2*800.
Lengos de carabraia brancos proprios para alrt-
beira a 2j000 e 2*100 a doza. P
Ditos de cambraia de linbo fino a 44500 e 5* a
duzia.
Atoalbado de algodSo branco a 2* a vara.
Bramante de linho fino com 10 palmos de lareu-
a 23300 a vara.
Panno de linho fino com 9 1(2 palmes de larga-
ra pelo barato preco de 2*400 a vara.
Bramante de linho fino de ama largara, pelo ba-
al3*
Tranca pretaafiom vidrho e de core*;
Pulseras tanto para senboca coa para
meninas.
Ligas de seda a de algodao.
Ssp-Msoriot da Mde e de airodJo e mui'
tos outros objectos que se n3o poden an
ounciar por nao se tomar enfadonho.
ratissimo preco de 800 a vara.
Toalhas de linbo acolcboadas para mos,
a duzia.
Ditas felpadas a 13* e 13* a dalia.
Gnardanapos de linbo a 3*500 a duzia.
Flanela de todas as cores para coeiros, a 880 rs.
o covado.
Tarlatana de cores a 800 rs. a vara.
Baldes de 35 arcos 3*500, de 40 a 49.
Canbraia de linbo fin a 49500, 6*500 e 9a a
vara. .
Cambraia para forro de vestido a 2*700 e 3* a
peca. ^
Pecas de bretanha de rolo com 10 varas, a
3*500. ^
Peca de madapolao fino e largo a 7J.
Liazinha lisa de cores a 500 rs o covado.
Pecas de cambraia branca de salpicos com 8 e
niela va jas a 4*500.
Coeiros de casemira bordados pelo baratissimo
preco de 9*.
Esleir da India propria para forro de sala de
4,5 e 6 palmos de largura.
Cambraias finas de cores miadas a 560 rs. a vara
*" Neste armazem. tambem se encentra um grande
sortimento de roana fa'a o uor medida.
Farinha,
No armazem de Vicente Ferrelra da Costa &
Filho junto ao arco da Concei$o, vende-se supe-
rior farinha de mandioca ltimamente ebegada,
em saceos de tres alqueires oa cinco arrobas de
jjfirt. galn harailatinm yon da 6* a sacan.
J da Bacia, proprio lni
ocw roana de eseravos; tem. para
Panno
saceos de assncar i
vender Antonio Luiz de'Oliveira Atevedo JSTo
seu ascripiort, roa da,.Cruz n. L ~
. m~z~:r-r^s........' '
Xmmt
asa de Saanders
Vende-se em casa de Saanders Brothers & C.
o largo dai Ba ge Na n. ti, vapores patentes
HIrCallo Vigilante ra do Grespo n. T. ^^^^T^^jTnSS^

Sl-'
. *

N*
ILEGlVEl
'y...



i
. ,"
EflftHft tfe
lince Safcbado I de Jftrtho de 1866.
MACHINAS AMERICANAS
Yerdadelra* do fajtrlemrte nr. Y. caattoogln c.
Moiibos americanos para mmf millio.
Na ra Nora n. 20 e 22, grande deposito
das verdadeiras machinas americanas de todos
os fdbnicaoles; se eoioolra neste' deposito
grande porcSa de machinas, e se veodem por
menos pre por se receber em direUura da America; se
fornece todas as explicares necessarias ao
comprador para conserva^ao das mesmas;
h.
<;hi\im
Roupa feita e por-meida.
2a. Boa .* 20. .
Grande Liquidte de FalRiVALiSa| ^MM.
Aiuiazem da Arara ra daim-
peraOU n. 56.
DE
Lomen cu P. Mendos Guimaraes.
Chitas da Arara 160 rs. ocovado.
Vndese chitas escaras e claras a 160 e 200 o
corado, corles de ditos a 25 e 2,5400. Ra da
Iroperairiz loja da Arara, n. 56.
Cassas francezas inas a 240 o covado.
Veode-se cassas francezas Anas a 280 e 320
o covado. Cortes de caeisa a 25400 e 35. Roa da
Jos Aatunes Guimaraes^proprieUrio deste novo estabelecimento de roupas e
fazendas finas* participa-ao respeitavel publico em geral o todo 09 seus regjiezes,
fr Parta, f f esmas.i que estando suToasa sobre a direco de dous dos melnores mestres de alate, sendo n l^Z^L"!^ 86*
r!SSSriSo?^S? munoCdDeveaarUa' i fe Sr- F / C' Miranda' e T ^ ?' \' ^T' mh C0f **?* S ff? vend? ^flSTanzas 240 rs. o
daV aoSr S esae usam detes arSSot ^b^ilacoes tendentes a sua arle, pelosquaes d.rigidaa.sua officioa,, e axhano-se bem covado.
DS" moatada-a desempenhar ;ari> paca Vende se chitas irancezas escuras com pequeoo
sabir a contento dos fregueze8< veodendo tudo por menosdo queem outra qutlquer **fle de mofo a 240 o covado, ditafrantezas linas
parte, roga as pessas interessadas que tenham examinar seu estabetocimnto, e verificar' iriz d 886 32 e 4rs" GvatJo" Rtra da''"'
eooontra-se tambera todas ascollecces dede-
seohos- sobre os quaes se aceita qualquer urna
encommeada, que com promptidao ser ejecu-
tada ; neste grande estabelecimento, encon-
tra-se em grosso e a retalho, gnnde porc*o
de ferragens, e miudezas que se vendem por prego cramelo, pedindo-se a aitenc-ao
I de todos para este estabelecimento que muito lacrarao em fazer suas tompras: na
ra Nova n? 20 Camelo Viaona.
--------------------------------------------_-----------------------------------------------------------------------------------------
FABRICA
por si mesmo o que
baras.
declare, sendo entregue qualquer encommeada. NA tIO NAL
*-
DE
\ uncos
Estabeleeimento na ra da Unio n, 11
PROPIETARIO MANOEL LOMBOS.
Na6epito, ra do Carca* n. 63, existe nm grande sortiroente de vidros e crystaes, qoe se
vendem por grecos mai baratos do que em qualquer parle : frascos de 1 at 8 libras, docc* larga e
bocea estreita ; copos de 6 cortes, de mela.oitava al meio quarlilho ; ditos de 10 cortes, de ns. 1 e 2 ;
globo para lampeSes de kerosene, lamdos, lapidados e lascados; ditos para candleiro de gaz; lam-
peSes de kerosene grandes e paqueaos, teinparinas'de metal; vasos par confeitaria com p e sem
elle, grandes e peowoos ; chatnios-para lampeOes de kerosene de todas_ es dimenses ; compoteiras i
__. a 9 a. t _.__r_______ ____-------- -------. j ,talUi----- bb Ion (tal ti? rtit m n AAm t n riiniiim o i1 n n t <-\ i
E' baratissiffio!
E' baraissittiO!
L' baraissimo!
Neste imprtente estabelecimento en contra o res-
peitavel publico um variado soitimento de fazen-
das francezas, inglezas esuis-as, eas quaes sevea-
derSo por irej commcoo a saber:
Chales de renda .preta a 5^500.
Vende-se um sortimento de chilles de renda pre-
ta a 6,5500 e 6, ditos de seda a U, 145 16$;
Isto na rua,dalmperatr.iz d. 72 deGuimares & lr-
mo.
Relonds pretas a $f>.
Vende-se retondas pretas pelo barate preoo 4e
S, 8JkS00 e 9 ;,na, ra da jnjperatriz n^ 72, teja
de Guimaraes & Irmo.
Grande pexiocha a 20 o corte,
Vende-se corles de casmilra da China a 5^000,
%S500, 26800.e 3*, ditas de brim a i*i80, if iOO,
1600, 1^800 e U-
E' muito barato, tarlataoa* de edres a 240
rs, o covtrdo.
Vende-se um grande seflimente deterlaiane de
cores muito nroprias para vestido-, fazenda mais {
moderna que lera viudo ao mercada a 240 o cova-
do e 280, ditas aais linas a 300 e 320, laasinhas
escocezas muito modernas a 360 e400 rs. o eva-
do, ditas muito unas-.460 e'300.
Cobertores de algodaj a 800.
Vende-se cobertores de algoao a 800 rs, ditos
t\ovo -swtiioentt 4e peKojaaiias
Awt.

Bretanha de rolo a 3)5000.
Vende-se pecas de bretauba de rolo a 3^000.
brim lizo para lenges a 300. 560 e 640 o covado.
\ Ra dalmperatriz loja do Arara n. 56.
|Cambraia8 lizas do Arara a 3/5(00 a pecj.
Vende-be pecas de cambraia -finas a 34, 4$, e
\*S!X?**V!**>*4oor,d"com ^h^%mhXZ ud,Sr.aKi:
Oulros dito de p-de pedra eom dita. -' Garrafas eom supefior agua da Colonia. 000. Ra da Iroperatriz loja do Arara n. 66.
Frascos eom gua'balsmica para denles. Madapolo francez do Araraa3000.
Dito de dita denli/rlee. Vende-se peras de madapolo francez de 12 jar-
Dito de extracto dequioqoina tambera para den* das a. 35500 e ijOOO. vende-se pecas de,madapolo
les. aglez de 24 jardas a 4, 5500,6, 7* e 8^000.
Dito cora snperior agua flor de laranja. f Ra da Imperatriz n. 56.
Dito de dita flor de rosa. i Arara-vende pecas-de algodozinho a 3/S00O i
Dite-de diw vleegrede Veons para refrescar a -Vende-se pecas de algodozinho encorpsdo a 35,
Pee- ,. *#, 5*. 6* e 7*. S Da loja do Arara -vende-se
Dito de dito agua ambriava para banhos do ros- azsim barate,jua da Imperatriz n. 56.
t0,i1?rp?*lc" .. Laasinhas do Arara a 200 rs. o covado.
Dito dewiiener.aiaa de t>etenia ingleza, de Pi-1 Vende-se laasinhas para vestidos de senbora pelo
n.lLit i*, a l_. i tfate preco de 200, 240,820 e 400 rs. ocovado.
Dito de-exeelleote (tanta de Lnbin. dq4 da-iraeeretrii n *6
pareanbte^,deLUb,n,O0Otr0Sd<"MMld0,,raDS'i toroes do Arara-a.2^000. .
Cesmenque (oa.foroadaMe-uperiorqoalidade.: "Il Finos extractos,-fraateane, sndalo e eutros d*20,25 e 30 arcos a 35 3io00 e 45, ditos de
tambera'de-Ooos eagradareis cheiros. <'mSr.sul.a^ra ?,erinora 5*> d"?s P meninas
Opiata ingleza e franeeza para denles. a^5e.3|K0O. Ra dalmperatriz loja da Ara
Roa do Qaeimado o. 49
Est dispost a Uanar a" vender por pre que a todos admira queiram apreciar e vir ver para
crer.
Grozas da pennas de ac muito boas a 320 rs.
Libras de notes moilo boas a 40 rs.
Peotes de alisar com costas de metal a 500 rs.
Pegas de tranca lisa de todas as cores a 40 rs.
Capachos redondos e compridos a 500 rs.
Polceiras de comas para sebhoras a 560 rs.
Caixas de papel amlzade a 600 rs.
Qaadrrnos de papel moit, bora a '20 rs. _
Peutes de lartaroga a 2330O rs.
Realejos para meninos a 100 rs.
Escovas para limpar dentes a 200 rs.
Baralh s mnito Anos a 200 rs.
Caixas de p de arroz muito superior a 800 h.
Caixas de liona do gaz 50;novellos a 700 rs.
Caixas de lamparinas para tres mezes a 40 rs.
Caixas de obreias de massa a 40 rs.
Grozas de boies de looca a 160 rs.
Enfiadores de cordao e tita a 60 rs.
Pegas de fita de eos com 10 varas a 320 rs.
.Cartas de alunles francezes a 100 rs.
Libras de alflnetes francezes 1 qoalidade a 25-
Pecas de (ranea branca e de todas as qualidacos a
60 rs.
Novellos de linha com 400 jardas a 60 rs.
Ditos ditos eom 200 jardas a 30 rs.
Caixas com alflnetes a 20 rs.
Pares de luvas brancas e de cores a 400 rs.
Grvalas de todas as qnalidades a 500 rs.
Resmas de papel alreaeo superior a 25400.
Caixas redondas com estampas a 100 rs.
Livros para assento de roupa lavada a 100 rs.
Bunecos do choro muito benitos a 160 rs.
Frascos de superior agua de colonia a 400 rs.
Bonitos vasos coro p de.arrez e pincel.
Caixintas com aromtico p de arroz.
Oleo inglez. dte phitecerae, babosa e ootras qoa
i-idades para tabello.
n. 56.
Lencos da Arara a 2G0O.
Vende-se a duzii de lene, s trancos a 25000,
ditos com barras tambera de cures a 25000, meias

HADA
Vende-se urna mulatinha de iaade 17 anuu-, lia
pouco vmda do Maranhso, que engonma, ciinba
e cose : quem a pretender comprar dlrija-se a ra
do Crespo n. 20 B._________________________
' E. R. Rabello lem para vender no seu etorfp-
torio na roa, do Trapiche n. 44, segundo andar, o
segrate:
Vinho medeira superior em caixa de duas Juzias
de garrafas,
dem do Porte dem em ancorelas.
dem de Lisboa e da Figueira.
Cera em velas._______________________________
Vedera-se travs e enxaras de Massaram-
mol'dadas de corlea largos, escarradeiras de cores, para aalo, ditas de raao eom aza, pequeas-, vente- ?i!l?res.,a *600 e*15800, coberias de chite 2,
sas e ticheiros, cafcxes moldados, copos tisos para agaa e vinho, pratos moldados, redomas, garrafas! 3#aw e 3&
Ouem dwvidar..wia)Ser. -
Cambraia de cores a 240 rs. cavado dita troa a
280 e 320 chitas Boas a 280, 300,. 320,360 e 400
rs., ditas percalas a 400 e -360.
Est se acabando chitas a 160 rs. o colado.
Vende-se chitas a 160, i0 e 200 r?. ocovado,
riscadinnos francezes a 946 p 280 rs. o covado, roa
da Imperatriz a. 72, de Gnimaraes & Irmo.
Lencos brancos a 2$ e 20500 a duna.
Ditos finos a 33 e 35500, ditos de linfao a 55000,
55^00,69 6.75-
Cambraia branca a 3#.
Vende-se dio grande soriimente- de cambraia &
para vinho e agua, grandes peqoenas, ditas para Leroy, dKas para licores, ditas para orinas, ditas
para agaa de Cotona pos #ara planos, trancos e de corea ; tubos para macninas a vapor, de erystal ?
globos com guaraicao de metal amareKo, mantegaeiras de vidro, vidros avolsos para galheteiros lapi-
dados, vidros para lampadas de igreja, galhelas para missa, ditas par galheteiros, mangas para cas-
ticaes lisas, lvradas e lapidadas ; lampeoee* dearede para kerosene, ditos de oendurar; copos gra-
duados de 1 ate 16 oocas para pharroacia, garaotiodo-se a exactido da medida vidros para peixes
com p e sem elle, aeucenas para cascaes, cbamins para Iampe6esde azeite,tas de cres para IHu-
mina(5es, vipros para agua forte eom rolba. Gompram-sc vidros eeryslaes quebrados.
O deposito destaTabrica emPernamboco na ruada Imperwiz n. 19,onde existe constante-
mente chamms para candleiro a gaz de ns. 2 e 3 a 320 rs. e de o. 1 a 400 rs., lamparinas completas
a 25, lampeoes completes a 75 e 8fc escarrade+ras de cores a 23800 o par, pratos para copos d'agua a
500 rs., copos de dei ertes a 600ts., globos lapidados-e lavrados para caodleiros a gaz a 15890. O
proprieiarte destenoro estabelcknenlo con^tda ao respeitavel, publico para que visitem o mesmo, cer-
los deqaecomprarap-oe arligos indispensavets a ama casa de faonlia pela sua bapateza e utilidade,
principalmente aos Sre. pbarmaoeulicoe pela grande quanlidade de frascos e vidros proprios de phar- 35,35500,45, 45500 e 55-
macia. Tambem recebe encommendas. O encarregado do propnetario Joao Luiz Encrennaz. Batoes a 20.
--------------------------- Vende-se balSes de arcos a 25, 5500 35,-di-
los-americanos a 3 *300 45 e 43860, di los de or r-
celina a 3, 33500 e 65, ditos paraflieumas a 43
e 45500; islo na ra da Imperatriz o. 72, loja-.le
'Guimaraes & Irmo.
a 80000 o corte.
a 3#O0O o corte.
1 \ a 30000 o corte.
** n Vende-se corles de, la com WQvados a 33, di-
171 ry^ATr 17 OrkTTn rPITl vfWW .los linos a 35300e43, ditos aMaria Pia a 730OO
llRtf 640,-00 e 13000, mantas rouilo finas a A3200 e
ChrtMoom para Ungir cabellas. '^Jg^^^ rS*?{EI-. caib^sde.ma^De-- VJ"* com,jdo:
Essa apreciaveHi tura chegou para a loja de
miudezas a ra do Quimado u. 16, assim como o
sabonete branco, para se lavar os cabellos antes-de
se usar da preparaqao.
ratrix
56.
Roupa
feita por medida.
[a tratar no Caes do Ramos o. 24.
I Vende-se urna escrava de
Vende-se paietols de panno ede casemlra prelos;Q2' ! a-de cores a 45, 65, 83 e 103, calcas de brim a^ 12 sobrado de um andar.
meia dade, boa
S. Pedro o.
l'kaH> Hp \idi-a nPi.fnmarias e oe cores a 4#, 6#, 8* e tu*, caicas oe Drira a *-.
taMKS e Vdl O Cdi penouiaiias. 23, 555OO, paletots de brim a 23 e 35, calcas de _
Vende se essesbonitos cabate de vidrocim per- casemira de cores a 33, 53, 65, 85, ditas pretas a
fumarias, proprios para presentes, etc.; na roa-do 45,05 85, camisas lianeezas finas a 25 e 25500,
Queimedo foja de miudezas n. 16. camisas inglezas de prega ilarga de linba a 35,
LaLjS C(;t l)0S Culi Lau lia fiR', '35B00e43. Cerculas de algodo a 15, de brim a
A bem conhteida loja de miudezas a roa do ,*600 e 25, roana feita para escravos propriaipara
ueimadoovl6,acabadereeberas8tifflidas4a*rservico,,ca5as e US com baoha fina, as>mno copos de vidro de Ia Imperatriz leja da Arara n. 0%.
novoeborto mdde^eom uapo de vidro ecbewos. Arara vende as sedas a 105O O covado.
de excelietCe bauha. fteceben-ig-ualmente apeo- Vende-se sedas para vestidos a 15500/>orcandins
Panno de algodo da Rabia para saceos de
assucar e roupa de escravo, vende Antonio Luiz
de Olivelra Azevedo & C, no seu escriptorio raa
da Groz n. 1.________________________________
ATTBMCAO
Para Santo Antonio e S. Joo, algoidares de Ge-
nova de todos os tamanhos, muito baratos por ter
grande porco, jarras finas, enlre-finas e grossas,
n todos os tamanhos, assadores para ir ao forno,
KUA HTeVl \. *4U

Reg A RIoura, proprietario da loja de fazeadas e roupa feita, sita i ra Nova
n. 24, verdadeiramente penboradcs e reconbecidos para com seus amigos efreguezes,
pela ceitacao e confianca qae delles tem merecido no cuno espaco de tempo em que
se acham estabelecidos e perfeitanwrte escudados na sinceridade dos seos tratos, deca-
31* 1_ w* l '-^ -" l'HI VVNJUICIU .-VI UIIULHU UO 1 VUl'l l'HQ
ram para setencta daquelles queoquizerem honrar cora seus officies, que, em vista da a.ssun como paiot, caicas, camisas tinas, a 43G00,
grande concurrencia que tem merecida o seu estabelecimento, especialmente no que 15*00, 25 e 25300'. ditas de imho a 35, 33500,43
relativo a roupa tfeita; acabam de admittir para a sua oflQcina de afetiate maior numero!" 45**>, cortes de brim, ditos de caewra
de artistas, inclusive o seu contramestre, dirigido pelo hbil mestpe Lauriano Jos de
18400.; isto ds f aa d* imper*;riz n. 72, lejade
Guui!e- & Irmio.
feita.
Roupa
Roupa feita.
Neste importante estabelecimento enecntrarao os
fregueies um completo sortimento de roopa feit-
loaca de Genova e da trra
numero 4.
na ra do
veitosebaBlaaranapaKoie ju*raailo serve.para finos para vestidos de seuhora a 6i e suo_o co- ;Mgos fraDCezes em temos de seis e toda
acabar as caspas, e a romanea e agradavei bantia vado. Ra da Imperatriz loja da Arara n. 06.
japonezate.oulras. Os pretenderes dirijani-se. a ~~ZTZZ~
dita loja de miudezas a ra do Quimado-o. 16,
que serie servido a.toulento.
a mais
Rangel
Beufuel dos irfpes,
Esse ino e agradavei extracto, vem era um bo-
nito vaso de p de pedra e este deotro de gante caixiuba de papelo, de furnia que ;. perfei-
qao de uma consa -corresponde a soperioridade de
ouira. Esse aareewvel 1 extracto acna-se a venda
na ra do Quimado loja de nhidezas n. 16.
Agua florida -e t-uiico,
Veodem-se a.loja de miudezas n. 16, ra do
Quemado.
Frascos com gomma .firabiaa dissolvida
e pincel.
Vendem-se ne ra do Queitnado loja de miude-
zas o. 16.
Tinta indelevel para marcar roupa.
i Og'OS
de artificio
Ha grande por^o de fogos de artificio na conhe-
cida fabrica da viuva Rufino, o qual vendido por
commode prego, e como seja penoso ir l pela dis-
tancia, aspessoas que quizen-in fazer suas encom-
mendas para S. Joo e S. Pedro, as podem deixar
no armazero da bola amarella, no mino da secre-
I taria da polica, onde llavera' um portador para
! ir bnscer e levar ao lugar couvencionado.
Cofre de pao seguro e malas
Vende-se nm cofre de pao, daas carteiras de-
vifrem,.doas pares de malas, tudo em bora esta-
do : quem pretender dirija-se a ra das Cinco
Ponas n. 140.
Vende-se oleo de ricino em l'3 Je 3U !l"
bras : na roa da Cadeia-volha no Recite n. 1___
Farello.
Vende-se larello superior de Lisboa, recente-
mente chegado : no escriptorio de Manoel Ignacio
pe Oliveira e Filho, largo do Corpo Santo n. 19.
Escravos fgidos
ri co-
res a.pretas, seroulas de algodo a 13600 e 43^00,
, ditos de linbo a 23,23500 e 35?
Barros, o qualoSo se paupa a exforcos para atisfazer com apresteza posstvel qualquer jl0 ^g rua 3 imperatrir n. 72, loja e
vbra deoncommenda. Goimar5es e Iritos.
Os mesmos aoounciam aos eus freguezes qae acabam; de comprar un novo o'________________1______________ 1 Vendera-se per-barato prego na leja de minde-'
muito variado sortimento do fazendas finas e de bomgosto, proprias para o tempo-da; q o i.s n,i6 paru* do Quimado. ,
ouaresma, as quaes esto dispostos t vender sor preeos muito coiomodos e mais barato oOrtJS para vSimt AliOI-10,1 Tinta rflxa e au! que ficam pretas.
^ue em outra qualquer parto. ^ h \ S. J08<) 6 S. PedlX). ^^Jl^t\^\^Lt SeS
Gomo setnpre escasamos essa enfadenha prokxidade dos anouncios bombasth'
Aos agricultores
Saunders Broihers C. acabara de receber de
' Liverpoel vapores de for^a de 3 a 4 caeallos com I ~~~
1 lodos os pertences,e mal proprios para fazer rao- \ 3Q0JI lp O'TtlflPpnO
Veade-se na rua do Quimado loja de miudezas -ver macbinas de de.-carocar algodo, podendo cada U\J\Jy> U j-, j, auiiivxzyav
n. ii6. j vapor trabalhar ate cora 143 serras, tambem ser-! Em 31 de outubro do anno passado, fugic a es-
Fitt elstica tpara C* de bal3o, e a&pas de! vem para enfardar algodo 00 para outro qualquer crava Claudica, cabra alta e seca do corpo, quo
aCO Dar OS ditos '< servido m que usam trabalhar com animaes. Os' pertenceu ltimamente ao6lllros.Srs. Jos Joaquim
Veodem-sfl ea ra do-Aiicimartn ta de mkie sesmos tambem lem a venda machinas america- da Silva, Manoel Mauricio de Sena e D. Mariana
aa ? 18 ^ do-tjueimado teja de mlue-, nas deM a w .erra? QS p,elendeBtog diriam. Ignacia oe Caslro e Silva que1 a vendeu a J.- Ma-
fa0 0 l*a0 do Corpo Santo n. 11. ....
Bonitos eatremeios e babadifihos bor- Vi 1
dados. [ a/,
eos
; preferimos mostrar na ngeleza -doste nosso convite os b<*i dosejos que outrimos | a rua do
para bem-servirmos aquel les que vierem 30 nosso reclamo. > avuiso.
Vndem-se na offleina de encadernago .a. 15
Imperador, tanto em olhetos coma em Preco dos frasco< 5000 e 500
excelteotes timas, rxa e azul para ficar preta; o
No arraazem da rua do Imperador n. 3 ou nc
Caes de Pedro H n. 2, tem para vender-se o me-
nor eaz existente no mercado. -
Cassas de cores
peeniocha, porque sao tinas e bonspadroes, e
melbor anda o diminuto preco de 230 rs. o cova-
i-Graxa oconomtca em.Jalas e iiarnlsmbo&.^do : na Ba-vista, rua da imperatriz n. 20.
tbeos Ferreira que pagar 2005000 a quem Iha
cpuegar dita escrava na rua da Cadeia n. 62.
ATTENCAT
Fugio no da 4 do correte o moleque de nome
Antonio, de idade de 14 anno?, pouco mais ou me-
nos, eom os signaes segrales : um pouco gago,
tem os cubos de.sapiranga, anda sem chapeo, levan-
do camisa e calca de nscado azul: quem appre-
hande-lo que ira ter a bondade de entrega-lo ao seu
senhor Antonio da Silva Ferreira, rna da Impera-
triz n. 57, que ser recompensado.

<



DOS PREMIOS DA L PARTE
M. PARTE DA M-

LOTERA CONCEDIDA POR LE PROVINCIAL N 330 A BENEFICIO DA MATRIZ DE S- JOS DO RECIFE, EXTRAHIDA EM 8'DE JNHO
DE 1866.
06'

NS. PREMS.
6
9
16
17
2
27
28
33
43
44
51
53
54
55
60
61
64
76
77
81
86
100
4
6
7
9
13
24
.47
30
32
33
34
38
30
40
41
43
46
7
61
68
72
78
92
95
99
202
10
11
65
105
65
105
4*
NS. PREMS. NS. PREMS. NS. PREMS.
218
19
21
22
28
30
34-
35
37
43
44
49
56
58
60
67
75
78
89
99
309
11
13
15
17
26
27
29
33
35
36
39
40
42
51
52
54
'57
60
68
9
70
71
73
74
75
77
79
82
1
65 393 65
95
99
401
6
7
1005 13
205 23
65 24
105 27
65 30 205
35 65
36
46
57 105
71 65
74
75
77
78
82
83
06
8 .
502
4
-9
13
14
16
'
21
'25
26
29
31
32 205
mu*"33 e>
65 34
35
36
'37
47
T. c4&
65 54
55
105 75
Ai -W -i

579
86
90
95
99
602
3
|4
7
9
20
34
. 27
-130
35
I 136
0 141
143
31
1 62
rr70
171
I '77
!78
89
19!
9i
700
1
!*'
5
! 7
8
He
MM
19
28
29
31
36
37
'38
19
43
49
50
64
66
68
T
105
65
205
65
1005
5
-
.j.
m
PREMS. NS. NS. PREMS.
, .
773
75
76
77
79
80
83
88
97
802
*
7
16
. 21
24
27
31
38
30
41
44
45
46
56
57
5*
76
'81
66
ir
901
I
6
9

,17
28
ai
33
35
, 37
"49
50
53
58
65
105
65
205
_

105
,.*i
105
65
963
66
68
69
71
73
77
84
87
98
1001
4
20
21
C
tu
, b
k)
47
53
58
60
65
71
-77
80
84
86
87
98
65
<* 1160
4
7
21
'26
31
32
33
35
9
40
42
48
5
58
63
64
69
77
105
105
205
- 14
NS? PREMS. NS. PBEMS. NS. PREMS. NS. PREMS. NS. PREMS. NS.
1182
88
93.
95
98
1201
2
3
11
V 11
. 14
19
21
-482
25
28
29
30
33
34
36
43
81
c6
:* ,
i 60
3-
65
67
-78
76
82
65
65
105
105
65
1005
65
105
654
1371
74
79
84
85
86
91
92
1405
7
,.10
12
43 1
16
20
24
25
26
32
34
36
. 39
40
-45
'46
l- -49
64
1301
6
13
21
12
28
30
34
35
43
47
50
52
59
65
67
70
T.
105
165
w
105
65
105
65
2005
65
*. ,ja
71
MOPf
-84
91
wn
TC94
98
502
"4
8
9
14
1
*19
' 20
'13
19
31
37
T
105
5
59 -
65 |342
43
44
49
.50
53
62
65
06
72
,84
85
89
90
93
1600
1
1 5
14
II
28
3i>
38
43
48
-ir rt<0f
81
"* W
62
4- 6f
69
72
74
75
76
_ 80
87
96
'99
1700
3
11
11
15
27
28
29
105 36
65
405
65
205
5
tumi
1740
41
43
44
65
57
66
67
68
75
83
90
92
93
94
9,8
-^1802
7
16
21
83
26
30
31
36
88
41
1*7
52
66
I 70
72
'80
"86
105
di

m
65
i
-99
1903
4
10
18
19
; 20
13
24
',16
1tf
31
32
37
405
65

1939
.40
45
,47
48
51
55
64
73
74
78
.82
83
93
98
-J2002
4,
15
16
. 17
21
.22
16
27
33
37
38
40
1 48
54
55
i57
69
0
61
161
70
1 76
81
88
'89
_ "W
w
99
lito
11
'28
M
33
34
PREMS. NS. PREMS. NS. PREMS, NS. PRBlSl NS. PREMS. NS. PREMS.
17
I
105
65
3566
69
74
75
82
84
86
87
91
96
3601
3
6
10
19
12
25
36
39
46
49
54
55
.-57
64
.67
70
77
79
80
85
93
M01
6
40
11
m
65 ,80
13
28
29
34
y 44
U
- ,45
46
48
64
67
65 3760
62
68
li
75
79
88
90
3816

26
28
30
31
34
37
45
51
63
54
55
56
59
62
63
67
70
71
74
87
88
1
105
105
105
65
,3900
1----7 5
' 10
49
11
37
-* <38
.1 54
63
- 66
68
.
88
m i
65 97
9
65
105
65
_
-

-

405
65
105
65
205
5
\
*^W|Wi
m
nMaHH^n^^aHBHa
i^, _-:i-
apalea!


. ;jI

i
* -




^a
8
Diario de rermanbaco abbado de lutiho de 1866.
LITTEMTURA.
Pergunu
casa.
se nio vos engaaste! vindo.a' rainha


A primeara impresso.
i
Urna visita.
Era llmpa e bem arraojada a pequea casa que
umc .mente con urna criada, occupava a viuva
Moja. Ancelin, respeitavel octogenaria. Ta! caa,
ijmj Jepoisporque este faeto deu-se, ha sessenta
auoos -mudou de donos, se v entrada da aldea
O estranho tinha tido tempo de tomar a si
e. assentando-se n'uma poltrona de velado ama-
rello de Utrechtt que lhe era graciosamente indi-
cada, responden :
Nao, senbora, nao me engaoei, sois realmen-
te M.- Ancelm.
"*- Com efeito .. murmuron a velha dama.
Devo priraeiro que tudo, proseguio elle, de-
S'tihtSorlin, na Borgonha. A vinha, precioso at- clirar mea norae e qualidades. Ou ante?, o que
iributj do paiz, cobria a fachada com seas festoes ser melbor, vos presentar, sinhora, esta carta
de pmpano. Abi una banco hospitalero se oflere- que me entregou para v, por occasio de minha
cia ao peao fatigado. A res do chao havia urna partida de Pariz, meu excellente amigo o Dr. Rol-
sal espaeosa, caja principal mobilia era um des- /and.
ses armarios de madeira com solida guarnico de n n, .-...-. _
ferro umre.ogio de pared, de seis ps.de altura,' co^qu^ foi' se^T Z*
IZ 2 r" ,r'a rSSaS' Pe' nteuos, poderiam ser adraittidas, se a dona da casa: daf ^ J ttm ""
estivesse em idade de receber visitas. Mas Mma.
Hcelin, cada da, se senta raais fraca; e, alm Jven lirou a carta da albibeira. M.- An-
:so, devia, por causa de seus pmprios recursos, celin Tisfu vivamente a brela, e se dispoz a ler.
a se impor severa economa. i Como ella descobrisse ama certa admiraco em
, a_nQ, ,., ... iseu interlocutor, lhe disse eom seo amavel sor-
a excellente mulber quasi que nao gastava' rso :
Pengaveis que en ia recorrer a ocnlos ? Na-
meus oitenta anno nao precise desle
auxiliar-. Ides v-lo.
E leu alto a carta

mais do que o passarioho que salta de
ramo em busca do pasto fornecido por Deus. US a, com os
principios de ordem eram iguaes aos de sua criada'
.Jucquelte, outro velho movel da casa. Com tanto
flue podesse fazer sua assislencia na cozioha, oecu-
pada em Homar algum caldeiro, em polir as ps e
tesases. Jacquelte eslava satisfeita. Toda a sua
conversa, quando algum visinha o interpellava de
tusagem, se redasia a monosyllabos, que anda
assim ella exprima de m vontade.
Nesse lempo, a velha dama occopava a atlengao
dos cariosos. Eslranha a loealidade, e jamis fal-
lando em sea passado, ella desacordara os mais
loquazes, .torga de prudente persistencia, de al-
tenges e pollda reserva. Nao que so cercasse
de mysterio ; mas tinha a arte de calar o que nao
queria dizer, e de se subtrahir a perguntas indis-
cretas.
Na presenta de urna pessoa que occalta assim
>ua existencia, s ha duas maoeiras possiveis de
.' cooduzir : ou vingar-se fazendo-lbe criticas; ou
abster-se completamente de ver o ente mysierioso,
trata-Io com se elle nao existlsse.
Foi este partido que tomou a sociedade da pe
quena cldade para com-Mma. Ancelin Posteo a
pouco a indifferenca substituto a primeira curiosi-
dade, semelbante a onda que.-subraergindo nma
plaga recentemente descoberta nao deixa raais ade-
vnhar sua forma. Mma. Ancelm parecer dar
pouca importancia a visitas: satisfez-se o sen de-
seje.
Os visinhos nao se admiraram pouco quando,
am, tarde, um joven de boa apparencia, fez ouvir
a aldraba da casa solada.
Quem era elle ? que ia azsr em casa da velha
dama ? Talvez s precisasse de alguma informa.
cao. E muitas comadres deram um passo para
d.acte afim de nformarera ellas proprias ao estran-
geiro. Mas seu desapontamento foi completo, quan-
do ouviram o incgnito perguntar a Jacquette qne
tintia cujeado ralbando, cem as mangas arregaza-
das e a touca de iruvs :
Mma. Ancelm, se faz favor. No mora ella
aqu 1
Ao que a criada respondeu com seu querido mo"
nosyllabo :
Sim.
U joven foi introduzdo. Elle podia ter 2o an-
aos. Sua physionomia, sem offerecer as propor-
cjs de uraabellezo regular, era agradavel, expres-
siva, e denotava a dogura e a benevolencia Segan-
do c uso do tempo, elle trazia sobrecasaca de golla
cabida sobre os hombros, grvala de lago grande e
de ponas fluctuantes, e botas de caaho. Em suin-
ma, seu vestuario, longe de ter a exaggerago pre-
tenciosa dos ncrivets, era simples e de bom gosto.
Ao aspecto de M.m" Ancelin, tio bella anda com
seas crespos cabellos brancos, sua coifa preta e seu
vestido de seda cor de folha secca,cor de que a
velha dama gostava,o estrangeiro senlio-3e apos-
sado de um respeito que manifestou-se na exprs-
sao de suas feigoes. Tmido por natureza, elle o
fui ainda mais em semelbante conjnnctura. Foi
preciso que M." Ancelin tomasse a iniciativa do
colioquo; o que ella fez com cordial sorrlso.
Permitti-me, senhor, disse della, testemu-
nuar-vos um pouco de surpreza.
Nao estou habituada a receber visitas, tendo-as
ie:to raras vezes. Vivo aqui na solido, e a mim
muit>> manso ; pega-lo-b5o fcilmente.
Ide, disse vivamente Mma. Ancelin.
Senbora, permittir-me-heis tjr ver-vos por
exemplo, no domingo, dia em que atoa livre ?
De mnito boa vontade, se isttflOs eticom-
moda;
Elle tomou a mSo da vefha dama, ama m5o del-
gada e um pooco amareila por cansa da idade, e
beijou-a de lave. Mjna. Ancelin seguio-o com nm
olhar enternecido.
Ui... mnrmorou Jacquette.
E depois de ter fechado a porta sobre o estra-
nho, apresson-se em ganhar i cozinha.
B. Feloque.
Amando sua liberdade, sobre tudo no ponto de
vista do estudo, Alberto nao podera, na presenja caugSes.
flm de V0SS06 dias ludibrio de vosso coragao e das
pessois qae soaberem explora-lo.
f^^SSRXirSSt^nTSSSl -^ e com duas ordena de larga rer
mea prximo.
Bravos! palavras do Evangelho. Vamos as
mil marafilhas; mais queris faser nm apostof
QaalT
E' que d'aqai a poucos auoos, estaris arrui-
nado, em virtude dessa tprlmeira Imprssao, que
chartaes bondade, arrastamento, sympalbia e qoe
eu charaj) fraqneza.
importa se tenbo obrado bem I
forme: tudo depende do ponte de vista
la^os de seda azul celeste, nm retonde da mesma
seda e cor do vestido, e bordado a retrs tambera
preta de Bruxellas. Toncado branco com flores
cor dos lagos do vestido, e caiga va nos delicados
pos botina de salto, de setim branco, claro como a
nev. A luva branca era tao justa qae a pellica
pareca a propria pelle.
: A senborita desappareeen : ella, na rpida pas-
sagem fez-rae por momentos esquecer dos conven-
tos, uve, poira, saudades, crois saudades, das
miabas patricias, das elegantes e seductoras
em que nos eollocamos. Acho que o mundo est i
chelo de embosles, e que o hornera prudente nao poblanas com seus vestido curtos de seda, edres
deve caralnhar senao cora ama inflnidade de pre
qae nos limitaremos a ana-
lysar.
O portador desta missiva se cbamava Alberto
Pujol. Orpbo desde a idade de quinze annos, fll
zera brilbantes estados, e fura recebido advogado;
mas, tendo pouco gosto pelo mido parisiense, e
considerando-s. sufUoieniemente rico cem tres- nti-
francos de rendas, se resolver a ir viver em pre*
vincia adra de estadar a sen gosto.
A benvola protecgo de U. de Pontana nomea-
ra a Alberto adjoncto de M- Feloque, conservador
de bypothecas em Cluny. Alberto livera>verda-
dera salisfagao em ser enviado para a Borgonha,
palz severo e grandioso, donde a vista pod es-
tender-se sobre os Vosgas e se ltimos declivios dos
Alpes. Posto que elle tivesse declarado sua n-
tenco de rer p9ucas pe?soas alm de suas oceu-
paedes, o doutor quiter procnrar-lbe a preciosa
amizade do M.* Ancelin, e espera va que sen jo-
ven amigo seria bem rebido- por ella.
Pondo depois a carta junto de si sobre um* me-
zinha com pes de cabra, em cima da qual estavam
seus lanificios, Mma Ancelm assim corameatou a
carta:
Nada me poda ser mais agradavel oVqne
esta lembranga do digno dootor.
Conhect muito a M. Rolkmd, um- eoraco nres-
tavel e generoso. O modo porque elle ralla em
vos, prova que vos votou toda sua estima.. Mas
permitti-me esta perguntar Que relaco agrada
veis para vos podera haver entre um joven e ama
pobre velha como eu ?
Mais do qae nao a sappondes I exelamou
nobremente AJberlo. Tenbo sempre expritnenta-
do symphatbia pelas pessoas idosas. E", a> meos
olhos, a tradiceo viva.
Ellas sabem muitas coasas que os livms nao
nos podem insinar; dellas recebemos eonselhos
proveitissimos. As fraqnezas, os desvario de nm
grande numero de gente moga proveem da a ver-
sao injusta e absurda que eMes resentem pelos ve-
lho-. Abl se conbecessem soa utilidade K..
Obrigada, disse Mma. Ancelin comraovida.
A juveotude actual nao me tinha habituado a esta
lloguagem. Vosso olhar tem urna sympaihia qae
me toca vivamente. Ainda urna vea, obrigada.
Mas, nao obstante vossa generosidade, o esseocial
para vos, senhor, llgar-vos com os de vossa
idade.
Ab mlnha determinacao est tomada. Quero
conservar-me incgnito sociedade local.
E para comecar me Qzesle ama visita ?
Nao o que eu pensava, senhora. Vindo a'
vossa casa, segundo as recommendagOes de vosso
bom e caro Rolland, me pareca que eu ia acbac
urna mal...
A velba dama estremecen repetindo estas pa-
lavras :
Urna mi I...
Ella cara pensativa.
Entretanto Jacquette, qae comecara a impacien-
tar-so por cansa da extensa conversa, habituada
como eslava a viver no templo do silencio, apro-
veitou-se de nm incidente exterior para entrar ar-
rebatadamente.
Senhor, disse ella, pertence-vos esse cavallo
que se soltou e corre pela ra principal, e que todo
o mundo persegue 1....
Havia muilos annos, que ella nao linha proferi-
do tantas palavras.
O joven levanlou-se iranqaillamente. .
Presumo, respondeu elle, qoe mea cavallo.
Eu o tinha amarrado a ama grade vizinha. E-
de t. Feloque, abster-se de saa primeira impres
sao, sempre generosa e afirmativa. O conserva-
dor de bypothecas provenara-s* da occasio,
quando installo* Alberto em suas funccQes, para
lbe propor que raorasse eom elle.
Ura, alm de Si. Feloque acbar oeste arranjo
nma nolavel economa, desembarando-se, median-
te arrendamento, do andar superior de saa casa,
elle teria, d'entao em diante, nm commensal cuja
cemservacao excitarla sea sppetite; sem1 contar
qoe comera dc-orado e que gasrana menos metade.
Demais, o velho celibatarlo gostava. de mandar, e
sorria-se a' idea de disciplinar urna natureza dcil
e podida, de nella extinguir pouco a pouco a Hlu-
so e a conanca.
Alberto nao eoucebera suspetas, e at a priaci-
plo se alegrara de aetiar este ninbo preparado de
rudo. O acolho tao eordeal de nm superior lbe
fiaba parecido de bo agonro. Elle ro encarava
o lado de sujeicao qne podia lhe crear esta exis-
tencia de pensionista ;-e, em virtude deesa boa
primeira impresso a qnal nao sabia resistir,
inmediatamente transportara seas penates para
a casa de M. Feloque.
Esto ultimo tinba ama obesidade que contras-
tara eom sea carcter tragatnas e blrrento. Quasi
Quasi sempre a motleta e a placida indolencia es-
coltara a dordara. -Aqui, era- o contrario.
Cbegadoa' idade-de ejocoenta annos sem se ter
casado, N. Feloque combatera sua fastidiosa- soli-
do povoando-a de maledicencias e de. b>ns jan-
lares. Mb as maiedfcencios reetn por nm a cabir
eomo flechas embotadas; e,.qoaoto aos jao%res,
elles quasi sempre tea as indigestdes por cortejo.
Todo isto a eaba de explicar poro/te Alberto- se
tornara iodtspensavel a sen chef.
De volia de Saint-Sorln, o cavailo do joveor fdi-
gaso por cansa de soa escapada) ostrou-se ma-
nfeoso, edlvertie-se em dangar e empinar-se. For-
tanto Alberto ebegou mnito tarde a Cltiny. Ja
passavam viole e cinco minutos da bora de jan-
la*. J. FelotflH vra-se- obrigado a comer ura
mollto inteiro- de rabanetes. Sen rosto estava te
vermelho como este vegetal.
Ne sendo nen pai, nem tntor, ne pedatogo, e
nao possuindo por consegainte a autoridade qne
permute reprehender a um eetonvadoy eile recorren
ao expediente de grosseirae ptlherias.
Ja chegastos meu joven.amigof Parece-rae
qne- anieclpaste* a hora.
E' impossrvel, respondeu AWerto com su
habitual circuraspeccao, fazer-me ineihor sentir
qne me demore.
Bom, bom, se reconbeceis qne* tos demoras-
tes, nao percamo mais lempo.
Tomando saa sepa, o conservador de bypothecas
volva olhos indagadores^ aialictosos-.
Abl disse elle, sem murta artosidade (vos-
sabis- qae de modo algam-nio a teo), nao me
poderieis dizer qnal a cansa qne-vas tea fa"
bora sacrosanta-?' Espero, acerescemoa elle com
ar de interesa,- qne nao- vos- toaba succedido
nenham accidente.
Sea maito- sincero para- nada occultar-, e
demais, nunca ftco consa algnm, que me sej
prfciso esconder. Venho de ver nma senhora,
tua. Ancelin.
ue veras-? E?toa por isto. lio boa ma-
Iber, esqaipatica,.vaporosa,.phantaslica, e retirada
em sna casa como em ama orutoaa. Em verda-
porque de:/e-
A cada momento, podis ir ao encontr
de ara iolmigo, ou pelo menos de am indiscreto.
Preflro antes ser engaado algumas vezes do
qae sujeitar-me ao regimeu da snspeita, a peior
consa qae tuja para estragar a vida.
Incorrigivel \.... Ah aposto bem..-.
Ainda I inlerrompea Alberto rindo-se. .Deci-
didamente tornai-vos misntropo e fatalista. Vamos
dar Bina voita pelo mosteiro de Cluny.
ContHuar-se-ha.j
t m* priaceza.
Son etdndao da repblica do Mxico, e como-
republicano me quero apresentar perante o mondo-
elvilisado. Nao offendo a pessoa alguma, nem os
deveres do asylo, tendo amor a miooa patria e as
iostituigSes polticas qae julgo nacicnaes, o que
julgo as nicas que podem faze-iafe'iz. Cada ura
pense como qoiter.
O imperador dos Franeezes rindo-se da fraqneza
do Mxico diz -Europala existe- c imperio fon-
dado no consentimento do povo I
Iiaperiofranco-ausiriaco que tea' o suBragio
do povo algemado por tropas eslrangeirae.qae tem
o applauso do povo, qne nada em seivproprio san-
gue derramado pelas-bayonetas franca-beigas!
Tirabas vossas tropas-, e os mercenarios, e eatao
a Europa eenhecer qual a vontade nacional, qual
o poden, a infloenca,. dn partidobespanbe-cieri-
cal.
Quande Franeezes- ocenparam militarmente
a Hespanba tambem o-intrnsorei Jose-(juBho de
1808) diza rei por vontade do povo!
Nasci na etdade de Pntbla, fui rico e hoje son
pobre, Uve patria e boje sen nm> emigrad*-noroe
qne meencba de nfania-qoando dizera a verda-
deelle defendea PaeMa, e sobre moneSs de ca-
dveres, nao obstante es seos 70 annos, scedeu a
extrema nteessidade I SSo devo favores aos Pk-ao-
eezes, devo- a vida aos meas.
Qaandests agnias franoeaas triompbaraosy quan-
do a forca ria, vi-me- obrigado a procurar asylo entre os
poblanos. Um dos meas rancheros inul'fsou-todas
as pesqatzas dos meas ioimlgos, e vestido oro o
dhrqa Tca'cAa'qHe'vas'lx fir~*\ wcionat trajo, t o meu nmbren, passei por-entra
" os Dit'OMSw-fraacezes.
Acbei segaraaca e proteccao a borbo de un
Vagata ingleza. Honra f honra I a nagas < britan-
nica qne-nanea nega protecrab aos emigrados po-
lticos. Yiajei jira annos- quasi toda a-Enrona,
dous anaos-todos estivo -em Pars, essa Bab-ylooia
do laxo- e dos prazeres, a-na voita demrenme tres
imezes emHavana, e delxei nesfa cidade-anvgo6>
Esta convencida qae o plano de um exercito na-
cional e imperial am plano escripto na ara mo-
vediza do deserto.
Est convencida, qae se por mais anoos conti-
nuar o estado actual de cousas, qne ama interven-
cao ba de apparecerha de a guerra ser publica-
da, Inglaterra, porm ba de ser rigorosamente neu-
tra.
Napoleao 111 coahece os perigos da guerra, guer-
ra qae nao ser s americana.
Conbece qoe na Europa est escripto com gran-
des leitras as palavras desconflangaexpectativa o
annos de 1812, 181, 1814,-1815.
vivas, seus ricos vns preto?, e suas ricas melas
de seda cor de carne. O' Puebla, Puebia 1 querida
patria ?
Recebl cartas do Mefeo e a loj-....., v. me
ordenou seguissu para Londres, conferenciar
com...... Fir. a segsinte observago--A Rusia nao conhe-
Estou em Londres, eo clon.. nao se eoganou eera ,mm 96US nieresses de influencia esto tam-
em parte. bem ua Amenea ?
E era Londres qoe melhor se sabe dos segreaos
da astuciosa diplomacia poltica europea; l se
sabe melbor dos negocios do Mxico, dos segredos .
, ... Se bouver urna guerra, como romo provave. seu
dos partidos, de-que a u sabe o imperador fran-i, -""="
coaustriaco ,ntere3se ha de esMir em un,a alliaw;a com os Es-
0 club enganoo-se quando jutgou ser possivet, todos-Unidos dj Norte,
qne a Inglaterra fomasse parte activa para fazer | Quando na Europa marebarem os ejrcitos, ella
eessar a conquista francesa. l ha de querer qoe aos oeeanos oriam es inleresses
8 Mxico nao deve esperar na Inglaterra media-' eoramerciaes da Franea e dos seus adiados, se os
Coahece, embora floja o contraro, qoe taes pa-
lavras e algarisraos occopam o espaeodesde o rio
Rheno at a froateira da Asta.
Os interesses da Rossia esto na Eurcp?, e suas
vistas polticas na Asia, me responden o lord....
FOLHETIM
TRISTEZAS A BEIRA-MAR
POR
M. FINHEIRO CHAGAS
de I Fortes muito bom em ir v-la, ponjuu utrw-, ncrrina amiizrei oara Havan
rieis enfadai-vos cruelmente. Provai destt salada, irarao Pr1M 9m,8rel PP Haana
Louison teraperoa-a cora-perfeigao^
Longe de me ter enfastiado junto desta ye-
neravel daraa, pedi lbe com empenho a permlssao
de ir a soa casa de vez- em qoando.
A esta noticia, M. Moquela p&de abster-so de
bater fortemenle sobre a mes* eom o cabo da sna
faca.
Que loucora I exclamoo elle.
Cerno I qoe laucara ? repello Alberto- fran-
zindo as sobranceras.
Admiro-me ^tenho multo dimito de me admi-
rar) de que tenhaes consentido em transformar em
relagSes de amisade o que nao deveria ser senao
urna simples poltica.
Que queris ve, caro senhor? ced; ao attra-
vo sympathico. atiaba .prto^r^imprassao me
domina sempre.
E' isto I disse triumphalmente Mi Feloqui,
derramando em sua chicara de caf nm frasco de
cognac e agitando com cuidado esla mistura sabo-
rosa; isto I vossa primeira impresso I.... Te-
mo bem que nao sejaes com frequencla victima
della. Nao me contastes ja que mais de urna vez
tendes lamentado suas consequencias?
Soffrido, sim; lamentado, nao.
Tendes feito ingratos....
Sao elles que devera lamentar-se.
Pregaram-vos calotes, e fostes franco em
emprestar.
E eu recomecaria, se cresse remover um
embaraco, ou alliviar am soBrimeoto.
Desta manelra, indo vos raesmo benvola-
mente ao encontr de qaalquer pedido, seris ate o
sua lampada interior. Ha bem pouco tempo II eu
nao sel ja em qae revista uns admiraveis versos
de Gastilho, em qae se dizia isso qae abi desfia em
prosa deslavada. Eram, pooco mais ou menos,
assim :
Nao fui para a Europa porque j (ennecia a
Europa:--l s o oaro, o onro, esse dolo das so-
ciedades- modernas, que abre as portas da alta
sociedade, e sempre com.desprezo um-emigra-
do rico I O povo s quando sent Unir o onro
que diz-enobre senhor Ilustre estrangeiro I
Os clubs polticos me- cansaram tedio, ao quiz
ser pesado aos amigos, o viver em botis est fra
dssmeus hbitos, tive-a mana de entrar para um
convento de frades pagando urna penso.
Com a mama do descanco do oonvenlo andei
dias e alas, e corno.vadio passei. x rainha triste
vida a passear.
Em urna segunda-felra, as cinao. horas da tarde,
fui passear na alameda da praga, real, e encon-
trei-me cara a cana com urna javen mulher vesti-
da tao ricamente, e com tao- bom gosto que pa-
re! I Retirei-me-ao depois para um lado, para lhe
dar franca passagem, e ella, rindo-se, s me disse>
obrigada.
Velbo, com. 70 annos, e eonhecedor do grande
mando, assim mesmo fiquel elevado a vista da
joven senborita i
Trajava vestido de sed gorgorito da cor, qne a
moda chama de havJna, a barra com grandes
0o qaanto mais intervencSo.
Inglaterra tem senas dlfflcujdades aa saa polti-
ca esterna, e teme, com justa razo, s em pensar
em urna guerra europea.
,09riente a liga ao carro triompbal de Napoleao
III, o Oriente a fez perder .um velho e poderoso
alliado, e firmn icordial amisade. O Oriente
fez naeeer na poltica europea a da deum equi-
librio..em si felso,governos livres ocetdentaes
governo absolutos orieni&e?.
A opiniao pnblica a verdadeira soberana da
nagao inglesa, e por estarazaoacceitei aeonvite
para ora jaalar poltico dado pelo lord-......e
claro qoe-a- minha conversaiedateve por objneto os
negocios da patria.
Disse etInglaterra movida pelo, ciume-ooatra
os Estados-Unidos do Norte oiga com a oecnpaeo
militar franceza, e at guardara silencio se a
Franga dissesseo Mxico colonia minha.
Estaesengaoado, sonhor, responden o lordIn-
glaterra nae tem eiuraes da grandeza, e dos recur-
sos dos lisiados-Unidos do Norte, grandeza qne
tem feito prosperar o nosso eramercio, grandeza
qne tem dado vida a nossa industria. E' on erro
vulgar conioadir a interveoe^o gove. nameatal
eom a interveocao particulareommercialcontra
a qual as lers-sao impotentes.
A respeto / da coaquista do Mxico, ou mesmo
sobre urna tutela absoluta daarte do governo
francez, tiect curto, que ainda nao morreo a polti-
ca a opiniao fwMtea da velha Inglaterra. Nao ba
um s ingiez-'que nao conhec,~que o Golfo ao M-
xico tem era .si uia luturo.
Inglaterra -te le na sabederia de Napoleao Mi e
espera qoe elle coanega a pcoko falsa da Branca
na occopafe militar da vossa patria, e e.:-con-
vencida qce eHs j4 procura oeeasiao de honre-para
retirar-se.
Napoleao 11L preelamou a Snropa a nao iater-
vencao ocs-negoeios internos dea Estados, e olla ha
de conhecer, que o seu pracedlmento no esta
conformo a sua poltica.
Napolee III ha de ter medo, do sen proprio ex-
po, ou abuso, pois no mappi da Europa lase acha
Russia, Erussia, Austria e os Ducadosla so acna
Vienna de Austria de Austria Florenca e Roma.
Napoleao-UL a a Inglaterra,, conhecero- que na
historia-j a Crimea nao o Waterloo. Sloha e
nada raais 'A Dinamarca nos- perguntaqnal a
vossa preponderancia ?
Vos-ja-tendee a mediago do governo dos Esta-
dos-Unidos do Norte, e no mundo poltico, pode tal-
vez sem.se esperar apparecer a meiacao da Ros-
sia, nao para salvar o Mxico, mas sim para procu-
rar ora meio de ligar-se a opinio pnblica das re-
pobiieas federadas do Norte.
A Inglaterra est convencida que os.negocios da
America devera s perteneer America ; e qne a
Europa s deve exigir qne seas direites sejam res-
petados.
li-ta convencida qoe a Franga para conservar a
oceupaco militar do Mxico neeessita l ter e mau-
le r permanentemente um exercito de 60,000 ho-
rneas. A Franga nraa nagua guerreira e tem
grandes recursos, ha,, porm no mundo poltico
(.corno mesmo disse o imperador), leis immntaveis
da ordem moral.
Est convencida, qne o novo imperio nao se pa-
cer manter on as legiesdo voluntarios austria-
dos e belgas, qae laes legies sero sempre nm
elemento de ciumae de anarebia, que em luga? de
ordem ha de havar continua lula, a guerra civil.
liver. E hSo de arder I A guerra de recursos a
peior das guerras.
A-- velhice, os trabalhos e o desgostos, tem alte-
rado a minba saude, vou estar algum tempo em
Pars, fra das intrigas-polticas.
Parle I nova Pars t Admiro o genio de- am ho-
rnera 'o imperador) e os- recursos immensos da
nagao -franceza Qoenadeixar de admirar a mag-
nificencia de Pars 1
O imperador conbece os espinos sobre os-quaes
tero, de-caminhar. u ao-povo pao e circo. D ao
povo trobalbo, d ao povo.parisiense a gloria, a em-
briague; da grandeza osoraptnosklade da sua-ci-
dade!

XVIII
Continuago.)
Urna noote estavam o padre Cbrlstiano e Leo-
nor sentados mesa na casa de jamar, conversan-
do com profanda tristeza acerca de am lamenta-
vel successo, coja noticia chegara na vespera
Ericeira. Era essa noticia a do naufragio do va-
por Porto, desastre martimo, que, pelas circams-
laucias horrorosas que o acompanharam, assomio
as proporgoes de am lato nacional.
O padre Cbristiano contav, com voz entre cor-
tada de lagrimas, os dolorosos episodios d'esse
ternvel drama -, Leonor ainda encontrara nos
oibos ridos prantos para lamentar essas desgra-
gas, que ella melhor do que ninguem compre-
heudia, ella qoe tao bem se compenetrara dos ter-
rores a das tristezas do Ocano ; o mar bramla.
acompaohando cora o seu bymno selvagem a nar-
ra, i j dos infortunios de que fra causa, como o
(eo ruge e:n torno da tea Ja do rabe, em quanto
l dentro o narrador da tribu esl assustando os
seus ouvintes com a historia das victimas devora-
das pelo monarcha do deserto.
Demorava-se n'essa noute mais do que de eos-
tumo o capitio Raivoso ; devemos confessar que
Laonor e q padre nao tinbam dado, pela falta,
quaudo o digno veterano entrou, todo a(ajnado,
;, pondo o bon em cima de ama cadeira, exela-
mou, dirigindo-se para a mesa :
Boa noticia boa noticia t
E vem a proposito, responden o padre Cbris-
tiano, para ver se nos allivia as tristezas em qae
estamos Immersos.
Ora, tornou o eapilo, puxando nma cadeira
e sentando-se, ha males que veem por boas I Nao
ba desgraca, por maior que seja, qoe nio traga
comsigo urna consolacio I
Tem razo, tornou o padre Cbristiano me-
lanclicamente -, esse o corso natural da existen-
ca e da natureza toda. Ao dia soceede a noute ;
da noute brota de aovo a luz. Mysterio incoen-
prebensivel este da vida con 0 sea alternar cons-
tante de fulgor e de sombras I dores qne se jal-
gam eternas e qae se coroam com um jubilo ines-
perado, alegras resplendentes qae n'am instante
se toldam I Disse-o am grande poeta nosso con-
temporneo e nosso compatriota, cago sublime qae
prescrata xstes mysterios da existencia luz da
Onde os qoe amei ? Sumiram-se.
Onde o que eu fui ? Deixou-me.
D'elles s vas memorias I
De mim s resta am aome.
No abysmo do pretrito
Desfez-se choro e rir.


Desfez-se, e qnanias lagrimas
brotararn de alegrias I
Desfez-se, e quantos jbilos
naseeram de agonas I
O capito Raivoso onvira com samma reveren
cia e inexcedlvel attengo o discurso do padre
Cbristiano, e, quando este aeabou o seu arrazoado
o bom do commandante nao pode deixar de mani-
festar a soa approvagao.
Sim senhor, disse elle, isso mesmo, inda
que eu nao o sabia dizer assim, e principalmente
nao era capaz de fazer coasas qae viessem a ca-
ihar em verso. Mas vamos c ao nosso caso. Sa-
bem qae Jorge teve urna beranca ?
Ao ouvir o nome de Jorge, Leonor estremecen
fe ez-se paluda como ama defunta.
E* essa a boa noticia ? perguntoo, sorrindo-
se, o padre Cbristiano.
Boa noticia I esta I exclamon o capitao in-
dignado ; boa notiela aquelle patife...
Um olhar severo do padre interrompeu a Ter-
rina, qae eslava quasi a irromper dos labios do
capitio. Leonor tambem olbou para elle com es-
panto, mas nao diste palavra.
Pois bem I continuon o capito, mordendo o
freio (perdoe-me a sombra do veterano a audacia
da melapbora.) Jorge teve ama beranca de am
tio, qne viva no Porto, e qne morreo. Qnz nm
dia d'esles ir recebe-la ; pegou em si, despedio-se
da mulher e embarcou.
Jorge 1 exclamoo Leonor, erguendo-se de am
impeto, palllda como urna estatua e com os labios
a tremerem lhe convulsos.
Salteara-a am presentimenlo horrlvel. O cora-
gao, por Unto tempo gelado e morto, data signa 1
de vida, principiando a agitar-sS-lbe ao primeiro
sopro da tempestade.
E onde embareon elle ? continua va o capitao
Raivoso, todo atao de si e esfregando as raaos
multo satisfeito. No vapor torio t
.Oh I mea Deas 1 bradou Leonor, toda tr-
mula e devorando eom os olhos o rosto alegre do
capitao. E salvou-se ?
Qoal historia I concluio Raivoso, todo riso-
nho. Morreu, qne o leve a breca I
Leonor soltou um grito horrlvel. Faltou-ihe a
luz dos olhos ? osciI loa am instante e baqueou no
chao, como se fulminasse o raio.
Santo Deus 1 bradou o padre, correndo a
ampara lae pondo-lhe logo a mo no coragao pars
se certificar de qae nao (ora mortal o golpe. Maa
o senhor um selvagem, am Cannlbal 1 continuou.
voltando-se para o estupefacto capito. Pois assim
se di com tanto jobito a noticia da morte de nm
bomem ?
_ oh I senbores I respondeu o capillo, pondo
as mos na cabeca ; en nao me eotendo com isto I
Pois en dou-lhe a noticia do casamento de Jorge e
ella desata a chorar, e agora dou-lhe a noticia da
morte d'elle e ella desmata I Eu uao posso enten-
der i
Ora valha-o Deus I tornou o prdre Cbristia-
no, encolhendo os hombros; ande, cbame os cria-
dos; traga-meagua fra... mexa-se, bemem I
O capitao, tropego pelos annos e ainda mais pela
commogo, ia de nm para outro lado, sem atinar
com as portas, murmurando:
Eu nio entendo I en nao entonan I
Aos brados do padre Christano-jccudiram os
criados. Despertaran Leonor, borrifarara-lhe a
cara com agua, at qne ella voltou a si. Mas acor-
dou do desmato para cabir ao delirio, e o medico,
que foi chamado a toda a pressa, abanon a cabega
com ar de duvida, quando tomou o pulso a' enfer
ma e observen os symptomas de urna doenga gra-
vissima. W
Poz-se o padre Cbristiano a' testa da casa e no
meou-se a-si mesmo enfermeiro. O capito Rai-
voso nao era da mnima otiiidade. Ora cborava
como ama creanga, ora murmura* comsigo mes-
mo, dando murros no peito:
Eu nao entendo Isto, senhores I en nao et
tendo 1
XIX
Estove dous mezes Leonor suspensa entre a vida
e a morte. Velou-a o padre Cbristiano com extre
mos de pal e carioho quasi de mil; tao maternal
a religio de Jess, qne inspira inetTavel dogura
aos sacerdotes, qae bem te compentram do seu es-
pirito. .
Vencen finalmente a moeldade; por mais esfor-
cos, que Leonor uvesse feito para agorentar a sel-
va, qoe relsrva no coragio da ervore de soa exis-
tencia, nio conseguir tirar aos seus rite e oito
annos a torga eom qne reagiram contra os ataques
da enfermldade.
At do choque violento resoltoo ama consa boa;
quebrou-se a atonia em que estava mmersa; a
dr avivou-se, reaccendeu-se a colera, mas todo
isso, qoe assostava o capitao Raivoso e Iba causa-
va nma alicco que mettia d, alegrava o padre
Cbristiano, porque eram ao menos symptomas de
vida.
Quando o sol desfaz aa neves das montanhas,
nao brotara logo regatos murmurantes, qoe desli-
sem suavemente por entre floridas margens; ir-
rompem pelo contrario, tumultuosas torrentes, que
desabam com fragor pelas penedlas e arrasara to-
do qaanto encontram na sna carreira desordenada.
Assim tambem as paixoes de Leonor, por to longo
espago retidas nos gelos do sen viver sombro, ir-
rompiam eom impeto e manifestavam-se debaixo
de um aspecto assostador. O padre Cbristiano
observavam com attengo o seu enrso vehemente,
e esperava o ensejo de as fazer entrar n'am leito
mais tranquillo e sereno.
A paixo, qae bramia com mais furor no animo
Da convalecente, era a irritacao contra sna irmia.
Attribnla-lbe todas as desgragas da saa vida e da
vida de Jorge. Considera-a como um demonio fa-
tal, que se interpozera a ella e ao sea nolvo para
desventura:de ambos.
O padre Cbristiano nao commetlia a imprudencia
de combater"-directamente as ideas de Leonor, mas
achara sempre urna desculpa Indirecta para defen-
der Magdalena e encontrava no seu espirito evan-
glico balsamo com qne soavsasse as feridas pro-
fundas, qae tinbam reverdecido no corac&o da in-
feliz merina.
Urna noute estava Leonor aosinba n'essa casa de
jantar, onde se tem desenrolado quasi todo este
singelo drama. Un vela ardia com frouxa laz
em cima da mesa, e am gato, querido de Leonor,
dorma pregnJcosameoto enroscado em cima de
ama-cadeira,
Abrio-se a porta e appareceu o padre Cbristiano,
trazendo pela mi nma encantadora menina de
quilco annos, de cabellos loaros, faces rosadas e
olbot azties, um verdadeiro cherobim. -_
.Deus seja n'esta casal disee o padre, entran-
do alegremente. Aqui lbe trago um anjo, Sra. D.
Leonor.
Qoe linda creanga I exelamou Leonor, le-
vantando e correndo a beija-i. De qoem filha?
Peitence a ama familia da minha amisade,
qoe vem residir para a Ericeira. Affeicoou-se a
mim e nio me quiz largar. Nao Uve remedio sa-
nta traze-la commigo.
E fez mallo bem. Esta fronte pora espalba
a serenidade am torno de ai; s de ve-la sinto
mais soeogado o espirito e eomo qoe se acalmara
as tempestades que me atormentara. Ande c, mi-
nan menina, continoou, voltando-se para a eman-
es ; quer ser minha amiguinha I quer-me dar um
beljoT
Quero l respondeu a creanga, ebegando-se os
seus labios rosados aos labios de Leonor.
O imperador Snge no-se (embreadeum periodo
da historia do tio, o seo-Cacar da ProvidenciaIt
Franga ser nm s horneo, Franca fa nm s cada-
ver II Ligio histrica de lodos os lempostos im-
perios militares nascem, erescem e roorrem debai-
xo do pese da soa prepra'grandezaAlexand:
nem a Maeedonia a seos Ufaos deixoo-.
Foi a opera junto com secretario-eu legagao da
repblica-.. no meio do primeiro aoto nm rumor
ara movimento geral de todos os espectadores me
obrigon a perguntar qoe novidodes ba? O secreta-
rio me respondeuebegoo a bella pwnceza de...
Olhai para o camarote da 2* ordem n>... Repare i,
e disseaquella senbora urna bespanbola que ja
vi l na America; sim, responden o secretario, ella
e o principeebegaram ha pouco de New-York.
Sentado no jardim das Tuilberias, abstracto, pen-
sando na grandeza do vencedor e na miseria do
vencido, sent-urna leve pancada de laque sobre o
hombro. Vollei-me e segunda vez me aeheicara
a caracom a seohorita Jjue tinha visto em Hava-
na, com vestido cor de havana e lagos de seda
azul celeste.
Levntenme, e fiz urna cortezi. A senborita
olboo paaa mim com el boa chelos de fogo, brilhan-
tos raio de loz elctrica eapazes de incendiaren!
todo o Pars. Fiquei na mesma posinao, e sera loa-
cara ter medo do poder.de ama danta. Ella nao
era capaz de animar a. gatada natureza dos polos,
nem ressnssitar os morios.
Perxunwu-meconhece-rae ? Ac .que respond
j uva. a honra de a ver.
Sab qoem sou?' Respondnio tenho essa.
honra..
Pew-me qne a aeompanhasse at a carroagem.
A.vinte passos ddesunca estava orna linda o
nca.earroagem com quatro formosos cavallos, e um>
criado com rica libr e bota lustrosa de canho
tinha porta da caixa da carreagem aherta vsua.
espera.
Cbegando ao pu-da carroagem rio-se, fez nma
garbosa mesura o, disse-ma Saiba qae soa aau.
princeza.
Entroa, e o criado fechou com estrondoa. poi-i-
nbola.
A carroagem. vooo, desappareeen.
Em voz baixa eu disse -Princeza cem estren-
do tambem a campa, a fra pedra, te ba. do fechar
a sepultura, w vida toda de prazeres voa para o
nada. Toa falsa grandeza ser trocada por ama mi-
sera mortalha, e sobre a toa lousa sspulcfaral nao
ters omaso lagrima de amor ou de-amizade.
Do Julio,
8. Paula, 19 de abril de 1866.
Bonita 1 E agora diz-me como se chama ?
Tem o sea nome, acudi apressadameote o
padre Cbristiano; esa consciencia tambem contri-
buio para eu lbe taazer esta liada creanga. Quiz
qoe viese n'ese espelho mgico a soa imagem des-
nublada de todas as sombras com qpe os maus
pensamentos lbe empanaran! o bnlhc
Estas ultimas palavras foram proferidas com
branda severidade. Leonor pegou na creanga-
senton-a no eolio, e, affagando-lha os lonros oabel
los, respondeu :
E quem rae inspirou esses mans peasamen-
tos, padre Christiano? Qoem eoveoenoo as fontes
peras da reinita alma, toda expanso e affecto?
Seria meritorio o sacrificio, tornou o pa-
dre eom ceno eolhasiasmo, se nao fosse cos-
toso ? Se nao bouvesse offensa, era escasado o
perdSo t
Nao me falle em perdi, padre I bradou Leo-
nor com ura movimento de Ira, que sobresaltou a
creanga e a fez estremecer de susto.
Que lera a miaba filha?!... exclamoo
Leonor, que reparara no est re rae cimento da cre-
anga.
Esta nio responden, mas olbou para ella com
uns olhos muito abortos, marejados de lagrimas,
e fes um esfereo imperceptivel para lhe descer do
eolio.
. Tem medo 1 disse brandamente o padre ; a
severidade assnsta os anjos e as crean gas, Sra. I).
Leonor; aquelles esto costumados a' misericor
dia de Deus, estas ao carnbo das mls I
Oh 1 nao me (ajas, filha I exclamon Leonor
envergonbada e cobrindo de beijos a graciosa me.
nina; nio tornarei a assustar-te, sensitiva I Deus
.e conserva sempre ao abrigo d'estas procedas
fataes, cojo terrivel abalo t anda nao compra-
hendesl
E acrescente, D. Leonor, continoou o padre:
Deas te n3o roabe nanea o seio de toa mil,
porque s o amor maternal nio maculado da
egosmo, s o amor maternal comprehende todos
os sacrificios e todas as iudulgencias.
Triste de qoem orpbio de mil, -Dio tem bra-
cos qoe o amparem, quando nma vez ascorregoo
na va dolorosa I Embora encontr ootros affec-
os, o de 1rma por exemplo, qne se intitu-
ern santos, nenham resiste a' provaoao supre-
ma, neubtrm tem a coragem do sacrificio. S o
da mi l
Est Hoje pouco generoso, padre Cbristiano I
responden Leonor em voz quasi sumida e abaixat-
do a cabeca.
Nao cBga isto, tornou o padre com branda-
ra ; diga antes qoe o sea corago falla boje mili
alto I
la escapando a Leonor um aovo movimento do
impaciencia, mas olbou para a creanga, qae anda
se nao recobrara do susto, e reprimi o impeto
irrefiectido a qoe esvera para ceder. Affastou
os cabellos lonros da creancioba e beijou a na
testa.
A pequenina otou para ella com urna ex-
presso menos assostada e marmuroa com voz ti
mida :
Teobo fro I
Nao admira, exclamoo o padre Christiano,
ao passo qne Leonor, com soliicitn.de maternal,
apertava aa peito a creanga e lhe aqoecia as mos
enregeladas; s o aspecto d'astt sala sombra,
'llaminada apenas pelo fronxo e lgubre claro de
ama vela, basta para causar fri e medo a estas
creaturtnhas, qae desabrochara, como as flores,
vidas de Inz e de calor. Parece-me qae levo esta
pobre creanga para o ninho maternal j este ambi-
ente de tmalo, em que a miaba querida amiga
se eompraz, nao bm para ser respirado por qoem
deixoo ainda ba pouco as qnentes roapas do
berep. Estou quasi arrependido de a ter ra-
udo!
O padre Christiano abosa da mioha frequeza
de hoje, disse Leonor meio sorriudo-se, meio zan-
gada, a est-se fazendo nm despola l Mande vir
qnantas luzes bouver em casa, orne esta sala de
flores, obrigne-me a cantar at, se quizer, mas nao
me leve este anjo ainda I Se soubesse a consola-
cio ineffavel que presenca d'elle me tem cansa-
do I Parece-me que volto de novo a" poca tran-
quilla da miaba vida, sinto a delicia que deve sen-
tir nm viajante ao encontrar no meio do deserto
nm arbusto em flor, a coja sombra descansa I En.
eontro as eigoas d'esta menina ama vaga lem-
branga das feigoes de Magdalena, quando tinba esta
Idade.
E, qaanto mais a encaro, mais esta lluso se
fortalece, e cfaego a snppor qoe ella realmente
qne en tenbo no eolio, a creanga ainda innocente
qae era tio minha amiga a a qoem eu tinha tanto
affecto (
Bem t bem i disse o-padre Christiano; escu-
to essa voz saavissima, que lhe murmura ao oavi-
do esses doces bymaos de paz e de esperaica.
Esperanca, padre I Interrompeu Leonor; di-
ga antes saudade I
E cahlo em profunda melancola.
Lozas I aradou o padre Christiano, tragam
lana I abram a porta da coslnba para entrar o
calor d'esta lareiral



'
(Continuar--ao.)
PERNTYP. DE M. F, F. DE & FILH0.-I8W
mmnmmi
A


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EVM9XH1A2_OECSOD INGEST_TIME 2013-09-04T22:11:50Z PACKAGE AA00011611_10988
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES