Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:10986


This item is only available as the following downloads:


Full Text
. -


.
/
/
*
J
I t
AHHO XLII. HUMERO 130
______________ *
Pw fiarlel pago dentro dos 1 Odias do 1.' ez....... 5^,
dem depois dos 1,' lo dias docemeco e dentro do qnartel (ftooo
Porte ao correio oor tres mezes ."....,....... ??
y
>%'
OOIHTA FEIRA 7 DE J0BH0 DE 1866

Por aai oago dentro de i o das do 1.a mcz.
Porte ao correio por im anao v.....
000
. '.:.'
ENCARRBGADOS DA SUBSCRIPQAO DO NORTE
Parabyba, o Sr. Antonio Alax?ndrino de Lima;
Natal, o Sr. Antonio Marques da Silva; Aracaty, o
Sr. A. de Lemos Braga; Cear, o Sr. J. Jos de
Oliveira; Maranho, o Sr. Joaqnim Marques Ro-
drigues ; Para, os Srs. Geraldo Antonio Alves &
Fbos; Amazonas, o Sr. Jerbnymo da Costa.
ENCARREGADOS DA 5UBSCRIPCA0 DO SUL.
Alagoas, o Sr. Claodino Falcao Dias; Babia, o
Sr. Jos Martins Alves; Rio de Janeiro, o Sr. Jos
Ribeiro Gasparinho.
PARTIDA DOS ESTAFETAS.
OJinda, Cabo, Eseada e estaeSes da va frrea at
Agoa Preta, todos es dias.
Igoarass e Goyanna as segundas e sextas feiras.
Santo Anto, Grvala, Bez9rros, Bonito, Caruarii,
Altinho, Garanhnns, Buique, S. Bento, Bom
Conselho. Aguas Bellas e Tacaratii, as tercas
feiras.
Pao d'Albo, Nazaretb, Liraoeiro, Brejo, Pesqueira
Ingaxeira, Flofes, Villa Bella, Cabrob, Boa Vis-
ta, Ouricury, Salgueii o e Ex, as qnartas
feiras.
|Serinhem, Rio Pormoso.Tamandar, Una, Bar-
reiros, Agua Preta Pimental ras. as quintas
feiras.
AUDIENCIAS DOS TRIBUNAES DA CAPITAL.
Tribunal do commercio: segundas e quintas,
fielacao: lerdas e sbados is 10 horas.
Fazenda : quintas s 10 horas.
Julzo do commercio: segundas as 11 horas.
Dito de orphos: tercas e Mitas s 10 horas
Primeira varado civel: tercas t sextas- ao nseio
da.
Seganda vara do civel<:. qnartas sabbade i i
hora da tarde.
EPHEMER1DES BO MEZ DE ENHO.
6 Qiarto ming. as 4a:,.58 m. e-58 s, da m.
B Lna nova as 7 h.. I7m e 52s. da-1.
19 Quarlo cresc. as 's i., 25 m. e 32 s. da t.
J8 Loa chela a 1 b., 16 m. e 10 s. da ra.
DAS DA SEMANA.
*. Segunda. S. Francisco de Caraeoiolo.
5. Terca. S. Pacifico f.; Ss. Nicacio e Marcia m.
t>. Quarta. S. Norberlo b.; S. Eostorglo b.
7. Qointa. S. Roberto ab.; S. Sabioiaoo m.
8. Sexta. S. Maximiane ab.; S.GlWardo b.
9. Sabbado. S. Pelagla v.; S: Melania c.
10. Domingo. Ss. etulio e Primitivo mm.
PREAMAR DE HOJE.
Primeira as 11 horas e 42 m. da manbaa.
Segunda as 12 horas e O minutos da tarde.
PARTIDA DOS VAPORES COSTKIROl.
Para o sul at Alagoas a !i,e 30; para o noru
at a Granja a 7 e 22 de cada roez.; para Fernaa-
do nos dias i i dos mezes de-Janeiro, marco, aula
julho, seterabro e novembro..
ASSIGNA.3E
no Recife, na livraria da praca da Independencia
ns. 8, dos proprietarios Maaoel Fignelroa de Faria
& Filho.
PARTE QFFIC1AL
t.OVEHAO DA PROVIVC IA
Expediente do da 29 de nuie de 1866.
OfBcio ao Exm. desembargador provedor da
Santa Casa de Misericordia. Recebi o seu officio
de 26 do corrente sob n. 901 e tico Inteirado de
quanto V. Exc. me communicou com referencia ao
procedimento que tem tido Symphronio Olympio de
Queiroga depois que fot destituido do cargo de
procurador da Santa Casa.
Dito ao inspector da tbesouraria provincial.
Annunindo ao que requeren o vigario da freguezia
de Buique Jos Teixeira de Mello e tendo em vista
a sna inforraacao de 28 do corrente sob n. 217 re-
solv nesta dala conceder-lbe a autorisagao por elle
solicitada para despender at a quantia de 1:0005
com a contiouagao das obras da igceja matriz d'a-
qoella freguezia sendo inderanisado dessa quantia
com o 1:0005 votado no 5 do artigo 15 da lei do
orcamento vigente, logo que preste nessa repartido
as respectivas contas : a que eommunico a V. S.
para sau conhecimento e directo.
Dito ao commandante superior da guarda nacio-
nal de Nazaretn. Expeca V. S. as suas ordens
para que soja elevado a 20 praca= de pret o desta-
camento de guardas naeionaes existente nesse ter-
mo. Fizeram-se as necessarias communicacoes.
Dito ao commandante superior da guarda nacio-
nal de olinda e Iguarassti. Em vista da sna in-
ormago de 19 do corrente, exped ordem para que
regresse a esta capital na primeira opporlunidade
o guarda do 9" bataiho de infamara do municipio
de Olinda Jos Mara d'Assumpgo que se acba
destacado no presidio de Fernando : o que declaro
a V. S. aflu de que mande apreseotar nesta capi-
tal outro guarda para substituir aquella.Offlciou-
se neste sentido ao commandante do presidio de
Fernando.
Dito ao cbefe da reparticao das obras publicas.
Tomando em considerado o que V. S. expoz
em seu officio de hontem sob n. 203, o aotoriso a
recetar a obra do empedramento oa villa do Cabo,
logo que esteja coocluida, nao obstante acbar-se
lindo o praso marcado para esse fino, atientas as
difficuldades que ba encontrado o arrematante da-
queila obra, na sua execugo, como consta do
precitado officio que fica assim respondido.Cora-
nvjoicouse inspector da thesouraria provincial.
Dito ao director da colonia militar de Pimen-
teiras.Faga V. S. regressar para esta capital com
brevidade como roquisitou o director do arsenal de
guerra em officio de 24 do corrente os soldados
Antonio Alves dos Santos e Joo Evangelista da
Silva, visto que pertencem a companbia de opera-
rios militares e fazem falta as offlclnas do mesmo
arsenal.
Dito ao conseibo de compras do arsenal de guer-
ra. Recommendo ao conselho de compras do ar-
senal de guerra que compre para provimento do
respectivo almoxarfado os objectos mencionados
no incluso pedido.
Dito a cmara municipal do Pao d'Albo.Intei-
rado do que me communica a cmara municipal
da villa do Pao d'Alho em seu officio de 18 do cor-
rente, tenho a dizer-lhe que me remella com ur
gencia as actas das eleices a que alinde o seu ci-
tado officio, e declare o dia em que tiver lugar a
apuragao geral dos votos das referidas eleigSes.
Portarla.O vice-presidente da provincia, atten-
desdo ao que requeren o cirurgio do hospital Pe- '
dro II, Dr. Luciano Xavier de Moraes Sarment, e
leudo em vista a informago do desembargador
provedor da Santa Casa de Misericordia de 28 do
corrente, sob n. 903, resolve conceder-lbe tres me-1
zes de liceoca com seus vsncimentos para tratar
de sua saude fra da provincia, sendo obrigado a '.
deixar outro professor que o substitua durante o i
seu impedimento.
DitaO vice-presideote da provincia, tendo em
vista o que requereram Antonio Luiz de Oliveira
Azevedo & C, consignatarios do patacho portuguez
S. Jorge cTAveiro, e bem assim o que a esse res-
peito ioformaram as repartigoes competentes, re-
solve de cooformidade com o art 1 do decreto n.
2,631 de 27 de margo ultimo, conceder-Ibes per-
misso para carregarem o mencionado patacho
com destino a provincia do Para'.
Esta sera' apresentada na alfandega desta-capi-
tal, e onde mais convier, afim de que tenba a de-
vida execugo.
- 30 -
OfBcio ao Exm. presidente da .provincia de Ser-
gipe.Acenso recebidos com officio de V. Exc. de '
8 do corrente, sob o. 112, dous exemplares do re-
latono que apreseotou o commendador Antonio'
uias Coelbo e Mello no dia 1 de fevereirultimo,
por occasio de passar a V. Exc. a admintrago
dessa provincia.
Dito ao Exm. e Rvm. bispo diocesano.Pelo of-
ficio de V. Exc. de 29 do corrente, liquei intsira-
do de baver V Ezc. dado naqueila data*proviso
de coadjutor da parochia de S. Miguel de Ipojoca
ao Rvd. Telesphoro de Paula Augusto.
Dito ao tenente-eoronel commandante das armas
interino.Declarando-me o Exm. Sr. ministro da |
guerra em aviso de 12 do corrente, que para se
resolver acerca do reqnerimento em qoe o tenente
do 9o bataiho de iofantaria Leopoldo Borges Gal-
vio L'cha pedio prorogago por dous mezes da
licenga com que veio para esta provincia, compre
que esse oficial se recolba a cort, afim de deca-1
rar definitivamente se qoer ou nao sojeitar-se a i
operagao aconselhada pela junta medica de saude,
assjm o commonico a V. S. que faga seguir para
all quanto antes.
Dito ao inspector da thesouraria de fazenda.
Declaro a V. S. para seu conhecimenlo e devidos
effeitos, que com avisos do ministerio da fazenda
de 23 do corrente, foram-me remettidos os decre-
tos de 12 desle mez, borneando Miguel Seraflm de
Castro Nones para ehefe de secco dessa thesou-
raria e a Jos Candido viegas para 1* escritura-
rio da mesma tbesouraria, onde exerciam este o
lugar de 2* escriturario e aquelle o do 1*.
Dito ao mesmo.Mande V. S. pagar a F. J. Ger-
mano, seno houver Inconveniente a quantia de
205000 qne se Ihe esia' a dever por haver concer-
tado e limpado o relogio da fortaleza do Brum, co-
me se v da conta junta em duplioata, qne para
esse fim me remetteu o director do arsenal de
guerra com officio de hontem sob n. 640.
Dito ao mesmo. Ao aviso que me dirigi o
Exm. Sr. ministro da fazenda em 12 do corrente,
velo aonexo o titulo nomeando o segundo escrip-
turario da alfandega do Paranagua', Joaquim Ter-
tuliano de Medeiros, para o lugar de 4* escriptu-
rarlo da desla capital. O que commonico a V. S.
para seu conhecimento e, afim de que o faga cons-
tar a quem competir.
Dito ao inspector da tbesouraria provincial.
Atteodendo ao que socitou o delegado encarrega-
do do expediente da reparticao da polica em offi-
cio de hontem sob n. 700, recommendo a V. S. qoe
em vista do incluso recibo, e nao haveudo inconve-
niente manda pagar ao delegado do termo de Ta-
caran!, por intermedio do tLesourelro d'aquella re-
particao Joaquim Gilseoo de Mesquita, a quantia
de 455000 proveniente dos alugueres vencidos nos
mezes de junbo do anuo prximo paseado at mar-
go ultimo, da easa qoe serve de cadeia n'aquelle
termo a razio de 55000 mensaes.
Dito ao commandante do corpo provisorio de po-
lica.Mande Vmc. alistar no corpo sob sen cons-
olando o paisano Joao Wanderley Navarro Los,
que foi considerado apto para o servigo em inspec.
gao de satado.
Dito ao mesa.-Fac> Vmc. alistar no corpo sob
i seu commando o paisano Franklin Affonso Viana, compromettedor da dignidade sacerdotal, qne o ca- no processo daquellas contas provou^se que pelo do infante promotora da industria nacional muitos
I que foi considerado apto para o servigo em inspec- racterisa, suficiente para priva-los do3 privilegios contrario, sao elles que- devem a Portugal.......| importantes livros offerecidos gratuitamente' Este
gao de saude. do canon vemo-nos nosso pesar, obrigado a di- 3,912:2165. presente veio por via de Franga, dirigido i toja de
Dito aoDr. joiz de dlreito da 1* vara desta cida- zer oficialmente aos mercados sacerdotes, da nos- Foi protestada a let-a que a companbia do livros do Sr. Jos Rodrigue* para Ihe dar o cora-
|de.Para cumprimento do aviso da reparligo da I sa dioceso. ossos irmaos dilectissimos em Jess' caminho de ferro de sueste devia pagar no da 10 ptente destino. '
guerra de 19 do corrente, informe Vmc. em qoe | Christo, que por ser esse uso reprovado pela santa do corrente ao governo. A letra era de 900 coalos Foi no dia 26-do mez paseado publicada a
estado se acba o processo de responsabilidade que igroja, abominado por todos oa sommos pontfices, I de rls. Parece que sera' rescindido o contrato I sentenga proferida pelo tribunal da orimeira ins-
ex oficio foi instaurado contra Jos Alfredo de Car- detestado por todos os pastores zelosos da conserva-. com aquella companWa.. E' a famosa novago de' tancia na causa que a cmara municipal de Lisboa
valbo e outros empregados do arsenal de guerra.! cao dos costuraos do seu clero, e da manaiencao da 14 de outubro, coja approvago Coi tao debatida: promove contra a companbia de seguros Fideiida-
Dito ao mesmo.. Por decreto de 11, segundo disciplina ecelesiaslica, nos o declaramos contrario no parlamento e pelaimprensa. de, sobre o seRoro dos pacoad concerno A eom-
constou-me de participago da reparligo da joslica; ao melhoramento moral da nossa diocese, indteen- Dentro era poneos dias se proceder' a troca | panhia foi condemnada no panamento de' 22 5005
de 22, tudo do mez corrente, foi removido do termo te e menos digno dos clrigos o repro-vamos e con- das ratificagoes do tratado de limites entre Porto- juros desde a contestago da divida e 3/4 partes I
de Santo Anto, para a primeira vara municipal! demnamos. gal e Hespaoha, ja' approvado pelas cmaras, e das costas.
desta cidade o juiz municipal bacharel Paulino Ro- O consideramos orna das occasMes de mnitos de qoe foram negociadores, por parte de Portugal Val por se a concurso a mina de Aliustrel,!
drigues Fernandos Chaves : o que eommunico a males, otlt-nsivo salotar disciplina ecelesiaslica, o duque de Loule- e conselheiro Mengo, e por Hes- mina afamada pela sna riqueza. E* de cobre. U
j Vmc. para sen conhecimento.Fizeram-se as de- que nos' anhelamos, como nos compre, realgar e paoba o marquez de la Rivera e D. Facundo Gon. prego proposto pelo governo por cada tonellda de
t mais comraunicagdes. collocar em sua devida altara; e mtorpecedora do Esta' em grande perigo de vida o Sr. Tor- minerio extrabido de 300 cois. Consta que ba
Dito ao juiz municipal e de orphaos Angelo Cae- proposito firme e irremevivel em que estamos de quato Jos Marques cbefe de diviso da armada. uns poneos de compradores qoe pertendem tomar
I tao do Souza Cousseiro.Constando-me de parti-1 empregar emquanto forraos bispo desta diocese Deu entrada no dia 10 as cadeias de Coim- amina.
cipago da secretaria de estado dos negocios da tudo o qoe fr preciso pan elevar o nosso clero ao ora o famigerado Joao BrandSo de MidSes. Esta' { Diseotiram-se no dia 29 no tribunal de pri-
justica de ti do corrente, que por decreto de 11' grao de alta consideragao e prestigio que Ihe com- pronunciado como implicado no roobo e assassi-' melra instancia, os embargos apresentados sen-
1 deste mez bouve Sua Magestade o Imperador por pete; julgamos e temos por multo pernicioso, e nato do padre Jos da AnnunciagSo Portugal, que j tenca que abri a failencia do Sr. Tbomaz Mara
I bem remover a Vmc. do logar de juiz municipal e urna das prlncipaes causas que conlribuem para a era administrador da casa do visconde de AJmei- Bessone.
1 de orphaos do termo do Ex, para o de Villa Bel- eoervago da disciplina da igreja, e para a relaxa- dinba. Foi preso perlo de Lourosa pelo admiais-1 No dia 20 do corrente morrea em Coimbra
la; assim Ih'o eommunico para seu conhecimento, gao dos costamos sacerdotaese poaco prestigio em trador do concelho de Oliveira do Hospital, Luiz o conselheiro Joaquim Barjona, lente.de prima ju-
prevenindo o de que flea marcado o prazo de tres que o povo coraeca a ter o clero,
mezes para apresentar a sua caria competentemen-: Portanto, por nao ter-nos bastado pedir, exhor-
apostillada. i tar, sopplicar; nos fazemos saber, pela presente
' Dito ao gerente da Companbia Pernambucana. portara, a todos os Rvds. sacerdotes qoe se achara
Pode Vmc. fezer seguir para os portos do sul at sob nossa jurlsdigo diocesana, que nao toleraremos
. Macei, o vapor Periinunga ao dia 31 do corrente i de modo algum que continu de boje em diante a
' a hora indicada em sea officio de 29 deste mez. 1 ser tido etn menospreso o dever do habito talar im-
portarla.o vce-presidente da provincia, atten-! posto aos clrigos pelos sagrados caones; e usando
dendo ao qoe requereu o juiz municipal e de or- j de nossa auloridade episcopal, a que todo o clero
phos do termo do Onricury bacharel Vicente Jan-' residente em nossa diocese estrictamente obri-
Pereira Abranches. Depois de preso, fugio, saltan-
do de nma janella abaixo, mas o mesmo adminis-
trador, completamente s, novamente o prenden.
U ministro do Brasil nesta corle, o Sr. Ma-
ciel Monteiro, baro de Itamaraca', vai viajar por
Fraoga e Allemanha, dizem os jornaes de boje.
Em Lisboa esta' agora o visconde d'Alle,
ministro que foi de Portugal em Roma, e all do-
miciliado.
O baro de Lebzeliern ministro da Austria
bilado na lacoldade de medicina e tio do ministro
da justica.
Os Srs. Otto Herold, Manoel Iglesias, marqnez i
de Souza Holsteio, Antonio Maier Jnior, Jos Ri-
beiro da Cunta, Thomaz Creswell, Henrlque Cor-
nelio Hulsenbor, e Adolpho de Lima Mayer forma-
rao entre si urna companbia com o Ora de explo-
rar e negociar a mina da Azambujeira no conselho
I do Alandroal, districto de Bej. A companhia de-
nomina-se Companhia Mineira da Azambujeira;
Ihe tres mezes de licenga com os seus respectivos! pleno e inteiro vigor as penas inflingidas por nosso Allemanha e Hespaoha.
vencimentos, para tratar de sua sade onde Ihe piedoso antecessor, em sua Exhortacao dirigida ao Diz-se que para substituir o
convier. reverendo clero do bupado, publicada a 29 de agosto
Dita.1 s Srs. agentes da Companhia Brasileira! de 1848; e mandamos e ordenamos em nome do
de paquetes, fagam transportar para a capital do l divino Pastor, Jess Christo, a todos e a cada um
Maranbo por conta do ministerio da guerra no
vapor Tocunlins, ao voluntario da patria Manoel
dos sacerdotes sojeitos a nossa jurisdigo diocesana
que, sob pena de suspeksao ipso (acto incurrenda,
Sr. Francisco
Palha no tbeatro normal, como coramissario regio,
sera' nomeado o Sr. J. Ricardo Cordeiro, autor do
Cara d Almas,ultimo drama em que entrn a
tinada Manuela Rey. O Sr. Cordeiro um mogo de
iostruego e talento dramtico muito provado e
blico disfargados em' talgos. | netteencia.
E ao mesmo tempo que Ibes aasegnramos que' Na assembla geral da companhia de crdito
sera' para nosso corago da maior 40nsolago predial portuguez, (orara no da 9 approvadas as
saber que todos indistinctamente. se lormrm exera-, coocluses do relatorio da commisso fiscal.
piares, e jamis merecedores de nossas censuras e, Devem os seas leitores interessar-se em sa-
exprobraedes por haverem transgredido esta nossa ber o desfeicho que teve a proposta do governo p
C0MM4NDO DAS ARMAS.
Quartel general do eomnundo das armas de Per-
nambueo na eidade de Recife, 3 le junbo de
1866.
ORDEM DO DIA N. 236.
o tenente-eoronel commandante das armas inte-
rino, considerando de toda |a conveniencia para o
bom rgimen e tratamento dos doentes militares,
que a eofermaria em a quai sao recolhidos seja a
tarde visitada por nm facultativo, visto como nao
possivel na actualidade execatar se o disposto no
art. 10 do regulamente especial de 30 de Janeiro de
1861, eslabelece que a contar do dia 4 deste mex
em diante, a sobredita enfermara
delermioagao, Ibes asseguramos que contamos da
docilidade de todos que por sua pontualidade na
observancia de um preceilo to justo, to fcil e
ra auxiliar a empreza do palacio de crystal, onde
se fez a exposigo internacional no Porto.
A commisso respectiva da cmara dos deputa-
sem de Castro e Albaquerque, resolve conceder- j gado em consciencia a obedecer, declaramos era era Lisboa, parte a viajar por Franga, Inglaterra, seu capital de ris, 150:0005 dividido em 3,000
acgSes a 505000 cada ama.
A folha oficial publicoa o ante projecto para
a coostruego da ponte sobre o Douro na estrada
de S. Pedro da Sul a Villa Real.
Sao esperados em'Lisboa brevemente o du-
que de Saxe e sua esposa a princeza brasileira D.
Leopoldina.
Vo muito adiantadas as linhas frreas de
Baja para o Algarve e Guadiana. Para o princl-
pi de junho deveri ser aberta circnlago a ulti-
ma, e da primeira o tango at Cazevel.
No domingo, 21 de abril ultimo, fez-se na es-
cola Casal Ribeiro, estabelecida no largo de D.
Casto, no Beato, a solemne destribnicao dos pre- j
mos. Comecoo este acto, a que presidio o rev-
rendo bispo de Cabo Verde, o Sr. Feij, pela leitu-
ta do relatorio annnal do inspector da mesma es-
cola o Sr. Carlos Jos Caldeira. Neste documento
puzerara-se em relevo os servigos prestados pela
escola normal aquella piedosa institaigo, prestan-
do-te os alumnos-mestres para repetidores e lecelo-
nistas de algomas materias da instruego pri-,
maria.
Fallaram os Srs. Conceiro, vice-presidente da!
cmara dos Olivaes, Marianno Ghira, eommissa-1
rio dos estodos, Vieira da Silva, por parte do cen-
tro promotor, Antonio Joaquim de Oliveira por
ra logo que estver completamente autorisado o parte da associagao typographica, Jos Antonio
empreslimo de setenta e cinco conlos que a socie- SmOes Raposo, e Jos Lopes Pacheco, normalis-
dade tiver levantado sobre esta somma. I tas, por parte da escola normal. O fundador da
nico. As acedes ainda nSo emittidas, na im-; escola de meninas, o Sr. Casal Ribeiro, tomn a'
porunea nominal de setenta e cinco contos sero palavra agradecendo a cooperagao do digno paro-
postas pela sociedade a" disposigo do governo. cbo do Beato, o Sr. Teixeira Guedes, da escola or-1
Quando este as tiver passado e tiver entregado o mal e de todas as pessoas que por qualquer modo
Acara' ella obrigada a j tem contribnido para o seu desenvolvimenlo. O
ca usuu
Chrysoetomo Monte-Negro, que teve baixa do ser-; nao se aprsenteos jamis d'ora em dlante em pu- i applaadido. E' secretario do conselho geral de be-
vigo.Commonicou-se ao tenente-eoronel commao-
. dante das armas interino.
Expediente de secretario de governo do dia 30 de
aie de 1866.
Officio ao inspector da thesouraria de fazenda.
De ordem de S. Exc. o Sr. vice-presidente da pro-
I vincia, remello a V. S. para os Bus convenientes
! as inclusas ordens do thesouro de ns. 85 a 89, 93
e 94 e bem assim dous exemplares da ordem do
' dia n. 515.
simples, daro aos fiis urna prov da obediencia, dos apreseotou urna proposia de lei no dia 2 do
saneta que nos teem em Jess Christo; Ibes dize-: corrente, em que fundi o projecto do governo e
mos qne desejaodo dar pravas de nossa condescen- outro do depotado Fradesso da Silveira. A propos-
dencia, e de que o nosso espirito longe de estar ta diz o seguate :
prevenido, esta' muito disposto a contemporisar e Art. 1.* O governo dar' a sociedade do palacio
a accommodar-se em todo ao aso do lempo, urna de crystal portoense o subsidio annual de seis con-
vez que elle nao seja detrlmentoso a' disciplina e los de ris. Sobre esta somma, como annoidade,
offensiva ao que prescreve a santa Egreja nossa i a mesma sociedade antorisada a levantar um em-
norma invarlavel de proceder, attendendo que, se-1 presumo na importancia de setenta e cinco contos
gundo o pensar unnime dos mestrs da jnrispru- de, ris. Este subsi >io annual de seis contos cessa-
dencia cannica, o traje dos clrigos ainda qoe m "
specie et especalo jure communi deva ser habito
talar, com tudo pode m genere ser conforme a ra-
zoavel babitnde de cada regio, orna vez que seja
autonsbdu polos prelados, et talts ex quo quu Vtsus
m populo prima statum facte clencus judicetur
non Laicus. (i) Decret. Greg. IX, t. 1. Quoest. 5 ;
Const. Cum sacrosanctum de Sixto V de 1589, Co-
to Alexandre Nevrsly da Rnssla, a gra-crnz da
ordem de Nossa Senhora.de. Guadalupe do Mxico,
e a gra-cruz da ordem imperial da Rosa do Brasil.
Concedeu-se licenga i, condessa de Avila para
acceitar a ernz da ordem imaerial de S. Carlos cora
que foi agraciada por sua. S. M. o imperador do
Mxico.
A construego do matadouro para o gado sul-
no importa, sogundo os- orgamentos apresentados
pelo vereador Vaz Roos juntamente com a planta
topographica daquelle estabelecimento, na quantia
de 45:0515053.
Os Srs. Fradesso da Silveira propoz que
cmara municipal de Lisboa fossem concedidos os
terrenos conquistados e por conquistar ao Tejo. Es-
te projecto vai de encontr ao contrato Debrousse
qne parece encontrar.grande opposico na cmara
electiva.
Poi assignado o tratado de transito entre Por-
tugal e Hespanba, e por este motivo deo o Sr. Com-
myn, ministro de Hespanba, om mu delicado jan-
tar para o qual foram convidados os Srs. conde e
condessa de Castro, Fonte; Pereira de Mello, Anto-
nio de Serpa, plenipotenciario por parte de Porta-
gal, e sua esposa, e Gony, Monte verde, Affonso de
Castro, sna esposa, e os addidos legagao bespa-
nhola, marquez de Guirior, Montenegro e Mendia.
i-E' quasi certa para a corda portugueza a
perda da ilba de Bolacoa, em Gui. A Inglaterra
nao quer acceitar arbitragem, e d por caso resol-
vido o direito que ella diz assiste para a posse do
que era noso.
P. S.Na reuoiau da maioria estiveram 62 de-
potados. Os Srs. Casal Ribeiro e Martins Ferrao
annullaram com as suas declaragoes os protestos
qoe tinbam publicado ba oito mezes de nao adhe-
rencia foso poltica. O Sr. Fontes declaran que
nao podendo a companbia do caminbo de ferro de
sueste pagar as lettras, ia pedir aulorisagao s cur-
tes para orear mscripgoes para com o seu produo-
to iazer face s despezas corrente?.
Os ministros repetiram o programma que tinham
feito no parlamento e que vai extractado nesta
carta.
Na sessao de hontem, na cmara dos deputados
continuou a palestra poltica, e foi approvada por
57 votos contra 19 a seguinte mogo do Sr. Men-
dos Leal :
< A cmara depois de ouvir as declaragoes do
governo, e confiando em que os principios procla-
mados pela fusao serao Belmente observados, pas-
sa a ordem do dia. 1
Conflrma-se o terem os novos ministros abando-
nado o celebre contrato Debrousse para o caminho
de (erro de Cintra e dokas na margem direita do
Tejo.
Le*
PERNAMBUCO.
seja visitada no/1 c/ricij dist 23( t0l(,ramo3 qoe 0s clrigos se- empregar o mesmo producto na amortisagao ao' >. aimTnTto"tmbom uvr s
?"'?; lacuiiaiivos encarregados do servigo me-1 culares de nossa diocese, a exemplo dos de outras, emprestirao de setenta e cinco contos que tiver i methodo erapregado, que o do Sr A. F. de Cas-1
nr?nH?i InL *aarmGa?' on,..em ca,oa semana, ,rajem em pDb,ico (fra das jgrejM e dos ac,09)> na contrahido. | lhO. Algomas das meninas tinbam felto n'aquel-
.,-! ? ff o V c'rorg,ao reformado Dr. faiu das vestes talares, habito preto semelhante Art. 2. Kica revogada toda a legislago era con- le dia a sua primeira comraunhao, e achavam-se
Miguel Joaquim de Castro Maanabas, segurado- aos dos seculares, a saber : sobrecasaca, cllete e rano. m cornadas de rosas e vestidas de branco. Mui-
M ?reItVa'5fiSn^ft idessa respnsal>'ll M^^mSSS^t^JMmuS. "5! *T!**Si*!* #* sigaannual da sociedade promotora das bellas
a cordeal agradec- ,e> qoer por oulro qua|quer meio, neguem o neces- artes, dignando-se suas mageslades e alteza de
I sario guizaraento para a celebrago do santo sacri- honrar este acto solemno com suas presengas.
I ficio da missa, ou de qualquer outra das funegoes; Receberam medalhas de premio os Srs. Tomorsi-
do ministerio sacerdotal a todo o clrigo, quer des- ni, Pedroso e Lersew.
ta, qur de outra diocese que por esta passar qoe As medalhas foram apresentadas a el-rei D.
ss apresetar em sua igreja trajando outra habito que Luiz pelo marquez de Souza Holstein, e os di-
no seja o habito talar; nos faga immediatamente j plomas respectivos a el-rei D. Fernando pelo vis-
sabedor do nome do transgressor, e assim tarobem j conde de Menezes, sendo em seguida recebidas
Ibes recommendamos e mandamos que fagara iniei-1 pelos artistas premiados. Suas mageslades e alte-
rados do contedo della aos sacerdotes residentes! za percorrerara, por varias vezesas salas, examina-
era sua parochia, e a registrera no llvro respectivo. | rain miudamente todas as obras all expostas, de-
mento.
(Assignado)-Francisco Camello Pessa de La-
cerda.
Esia' conformeEstevo Jos Ferraz, lente-
ajudante de ordens encarregado do detalhe.
Governo do blspado.
Portara.Probibindo aos clrigos desta diocese
de apresentarem-se em publico disfargados em lei-
No dia 21 foi assignada em Madrid urna con-
vengo entre Portugal e Hespanha estabelecendo
as attrlbuigSes dos respectivos agentes consolares,
e os direitos civis dos subditos das doas nacionali-
dades residentes nos dous paizes.
Consta que, por inciativa do Sr. Costa Braga,
se organisou urna associago de autores dramati
eos da qual aceitou a presidencia o dislincto dra-
maturgo o Sr. Mondes Leal.
u Sr. Salvador de Oliveira Pinto da Franca,
que foi ministro da guerra, nao se esqueceu da
patria hora da morte. Ouvimos que as suas ulti-
mas pal a v ras foram : Agora que me desped da I
gos, prescrevendo o uso do habito talar re consen- ;aos 35 de maio de 1866, sob o'nossVsignal 'sello
tindo o usar fora das igrejas e das fonegoes do seu de netSas armas.
Dada em nossa residencia episcopal da Soledade; morando-se especialmente na apreciago dos qua- minha familia e dos mens amigos, despego-rae da;
ministerio de um outra uniforme preto.
Por ser expressamenle proscripto por diversas
disposigoes dos sagrados caones, e peculiarmente
pelo santo e ecumnico concillo trindentino (Sess.
14. cap. 6 de Reform.) que os clrigos trajem sem-
pre habito talar, por ser o mais congruente com o
sea carcter Sagrado, e o que mais se compadece
com a modestia e gravidade qoe reqaer o aagasto !
ministerio de que se achara encarregados ; nos,
logo qoe nos vimos, pelo ooos do episcopado, m-
cumbido da regencia e direcgo desla Ilustre dio-
cese, que por querer de Deus foi pelo vigario de
Jess Christo confiada nossa fraca vigilancia, da-
mos a entender de nm modo bem perceplive aos
reverendos sacerdotes a esperanca qoe tlnbamos
de ver que todos erara dignos de nosso lonvor e
affeigao, por serem
f Emmantel dz Medeiros,
Bispo diocesano.
EXTERIOR.
COBUKSPOXDEXCIAS DO BIA
BIO DE PEBIAMBVCO
LISBOA.
12 de maio de 1866.
(Conclosao.)
Foi approvada que flxa em 24,000 homens a tor-
ga do exercllo portuguez
no auno econmico de
_ observantes deste dever e ad-; 1866 a 1867, sendo de 18,000 homens a forpa em ._
versos a esse abusivo costme que alguns clrigos effectivo serv.50. Houve discursos de meroW > Mfo^Mb^otSStto cara este Traa
furtivamente haviam Introduxido na igreja brasi- rato na discussio do respectivo capitulo do im-'i:*5!fZ222^J2Le2r
dros dos Srs. Jos Rodrigues, visconde de Menezes,
e Annunciagao, a quem dlrigirara as mais lison-
geiras expressoes, manifestando-Ibes quanto Ibes
era agradavel ver o progresso das bellas artes en-
tre nos.
O tbeatro que o Sr. Franscisc Palha vai
construir e dirigir no terreno contiguo ao largo da
Trindade ba de ser um dos mais elegantes e tal-
vez o maior de Lisboa. O Qndo ser representado
; por acgdes de 1:0005000 cada urna, e capitalistas
de primeira ordem ja' inscreveram os seus nomes
como subscriptores.
Entre muitos actores de merecimeuto qoe ho
de formar a companhia do novo theatro parece
contar-se com os Srs. Taborda, Santos e Emilia Le-
I tronblon, e que o Sr. Santos sera' ioteressado na
empreza. O tbeatro construido para pegas de
grande espectculo. O Sr. Francisco Palha parte
; brevemente para Pars a fim de escolher de entre
aC|rtn'a rS' lmDem comsigo nm pintor e machinlsta.
patria que tanto amei, e simo nao Ihe ter feito mais
servigos do que os qne Ihe prestei, que foram pon-
eos e insignificante-. 1
Ainda ha poneos dias bouve em Braga o hor-
roroso e voraz incendio, qne redazio a cinzas o pa-
go archiepiscopal; poneos dias passados honve ou-
lro, lio triste e terrivel como aquelle, seno mais
triste e terrivel ainda.
N > dia 20, pelas 8 horas e raeia da manha, ou-
vtam os habitantes da povoago de S. Gregorio da
Rala, no concelho de Melgago, urna borrivel deto-
naga e virara poaco depois brilbar no borisoote
sinistro claro de incendio.
Era urna medonba exploso de plvora no bello
estabelecimento do Sr. Jos Augusto da Cruz, ex-
ploso que fex voar immediatamente o teclo da ca-
sa, destruindo os alicerces e redazindo todo a cin-
zas. Na occasio da exploso eslava o Sr. Jos Au-
gusto tratando da venda de 20 arrobas de plvora
com dous Hespanbes.
A este borrivel sinistro, em que pereceram os
lelre, e qoe outros menos consideradamente entre- ; niento. Sobresahiram os Srs. Salgado e Sa' Car-, Onovotbeatro devSr't-r capc'dade"para 2000 Srs. Jos Augusto da Cruz' e Joaquim" Julio Lopes,
lioham, apesar das positivas problbigoes feltas por oeiro. Nos debates do orgamento, o mesmo. Muito nMJ HZrtnh7v
seos respectivos prelados de apresentarem-se em alvilre, mas as. verbas tem continuado a passar as v
REVISTA DIARIA
Ante-hontem desappareceu o negociante Pedro
da Silva Reg, natural de Alagoas, onde negocia-
va antlgamente e d'onde veio ha poaco tempo aqui
estabelecer-se com casa de commiss5es e venda de
algodo, qoe recebia d'alli nao s de propria, co-
mo de alheia conla.
Tendo apresenlado no sabbado urna letra de seu
que e acceile dos Srs. Simpson & C, ao Loe-
don and Brasilian Bank, obieve descosto ja' a ho-
ra adiantada da tarde, circumstancia esta qoe nSo
permillio se fizessem ento todos os laogamentos.
Na terca feira, quando o Sr. Haynes, contador do
banco, foi realisar os langamenios, notoa qae a fir-
ma dos Srs simpson & C.. estava com mais tinta
do que de ordinario, e neste estado de apprehen-
so julgou dever enviar ara dos caixeiros casa
desses seohores para verificar a ideotidade da Ar-
ma ; e o seu caixeiro voltou pouco depois com o
Cbefe dessa casa, que declaran ser ella falsa.
Passando nessa occasiSo o Sr. Reg pelo banco,
foi chamado pelo pagador, o Sr. Joo Bernardino
de Vasconcelos, e condozido preseoga daqaelles
senhores; e ahi suslentou ser verdadeira a firma em
queslo, bem como as de todas as outras lettras que
elle bavia descontado, Ocando no gabinete do con-
tador, emquanto este, os caixeiros e o Sr. Simpson
coofrontavam a lettra com outras. Apenas, po-
rm, reconhecea Reg qne elles estavam entreti-
dos, poz-se ao fresco, desappareeendo no largo do
Corpo Santo sera que o Sr. Joo Bernardino, que o
segua de perto, tivesse podido ver onde elle en-
trara.
Hontem procedeu-se a competente verifleago as
letras descontadas e reconheceu-se elevarem-se a
142:0005, sendo:
No banco de Pernambuco.
Com acceile de J. Pater & C.......... 30:0005
32:0005
9:0005
de Saunders Brothers & C'
c 1 de N. 0. Bieberii O-...
No London Bank.
c de Simpson & C*.......... 19:0005
c t de Saunders Brothers & Ca. 42:0005
Na casa dos Srs. Matbeos Auslin & C*.
c f de Saunders Brothers & a* 10:0005
alera de contas e lettras por compras de fazendas
diversos, entre os qoaes Sgoram os Srs.
cerca
1
de
publico disfargados era leigos, como qoe envergo-' Qoe eslavara proposlas pelo governo, por conse-
nhando se de trajar o habito significativo de seu guite muito tempo perdido e muitas palavras ao
nobre carcter e santa protisso (1). vento.
E como se nao bastasse esse primeira toque, As acgdes da companbia que intenta edificar
alias sufflciente para exprimir e nosso intento de' ooa vastissimo tbeatro em Lisboa sao de om cont
fazer respeitar essa judiciosa disposigo dos sagra- de ris cada urna. Capitalistas de primeira ordem
dos caones, e o proposito de proscrever esse ioeo- ja' inscreveram os seos nomes como subscriptores.
herente uso, nos anda, quando dirigimos aotsas : Taborda, Santos e Emilia Letroublond sero acto-
letras de 24 de Janeiro prximo oassado aos nos* res do futuro tbeatro, a coja frente figura como em-
sos fela e diletos diocesanos, por occasio de en- prezario o ex-commissario regio do tbeatro de D,
trar na posse e regencia desle bispado, damos a Maria II, o Sr. Francisco Palba de Paria Lacerda.
perceber de um modo mais explcito aos reveren- Este cavalheiro marcha brevemente para Paris,
dos sacerdotes o nosso desejo, de qoe cessassem afim de escoiber modelo para este theatro. Trara'
quanto antes os clrigos esse reprehensivel e es- tambera comsigo om pintora nm macbinista.
caudaloso modo de trajar, ja por nao ser licito per-, Regresson a Lisboa o espirituoso folbetenista Ju-
severar oelle, e j por qoe delle certo vem grande 1 Mo Cesar Machado, depois de orna digresso em
parte da desconsiderago em qoe principia a ser Italia,
tido o clero. A fllha do depulado Carvalho, a Sra. D. Ma-
Mas apesar desse nosso exhortar caridoso e pa- ra Amalia de Carvalho vai dar ao prlo nm poe-
ternal; apesar de termos aproveitado todas as oc- ma lyrico em quatro eantos. Este poema fot lido
casiSes qae se dos tem apresenlado desde eolio., oto om sarao Iliterario, em casa do Dr. Castilbo
exhortando amorosamente a uns, sopplicando pa- (A- F.) ha poaco tempo, sendo applaudido por mu-
ternalmeote a outros, eslranhando docemente a al- tos dos nossos mais Ilustres escriptores que all
guns, e tasando saber delicadamente a mnitos, que
era indispensavel que desapparecesae tu oso o(-
feosivo a nm templo do sea carcter sagrado e de
nessa dignidade na qnalidade de bispo desta dioce-
se, pois qae digni tunt morte non solum-qui (a-
ctunt, sed etiam qui consentiunt facienlibus (Episl.
se encontravam.
Contam de Evora qne houve ba dias um
grave conflicto entre os trabajadores da lioba
frrea (de Evora ao Crato por Extremos) os quaes
andavam em Valle do Pereira.
O depuiado Pereira Garcez, que secretario
Rom., cap. 1, t. 31 e 32) temos desgragadamenle j do tribunal de comas cbamon, ba dias na cmara
sabido e visto qua nao poucos, qoer nos di Aerantes, a alten gao do governo para a neesssidade de se re-
pontos desta vasta diocese, quer nesta mesma ca- solver o recurso inlerposlo pelo ministerio publico
pitai, persisten) em trajar secularescamente. i para o conselho de estado em 27 de jonno de 1863,
Pelo qoe, viodo nos a convencer-nos qoe para: ssbre o processo das contas dos herdeiros de Mea-
muitos dos presbyteros sjenos a nossa jorlsdicco dizubal e Carbonell, agentes qoe foram do gover-
diocesana nao tem bastado, e nem bastara qoe nos no portngoez ere Londres, por occasio da raerra
limitemos a slgnlllcar-lhes fraternalmente o des
descootentameolo, desprazar e vergonha qoe cau-
sa-nos o saber qoe continan) nesse oso reprovado
pelos sagrados caones, reprehensivel aos olbos de
na prelado, indecoroso e ridicob aos dos fleis
(l) Vide prjmejra. paftor&l, pagTa "
civil de 1833. Aqaelles herdeiros requereram ao
paiz a enorme soma de 1,250 contos ie rdis,
~(2) Hoth., Jas. Cap, Llb. ni, keisfenstoel, Jas.
Can. Univ., L. m. Decref,, t. i. De vlu et onel
iS? c|ertcorom, sommariam. iv. ns. 97,98, 99 e .
Garca, post % df ^ cap. { ns 21 e 22.1 Lisboa, academi
100.
salas para bailes de mas-
caras e outros diverlimentos. Os pregos serio ao
alcance de todas as fortunas, e as pegas ao alcance
de todas as Intelligencias. Ser um Diario de no-
i fictos theatral.
Foi assignada a escriptura do aforamento do
terreno da Trindade para a edifleaco do tbeatro.
As eoadlcgdes sao: 10:0005000 de entrada, e
6OO5OOO ananaes, sendo o foro remivel em presta-
res. Assignaram a escriptura o senhoriu Barrel-
ros, e como representantes da proleetada socieda-
de os dnque de Palmella, Carlos Ferreira dos San-
tos, e Francisco Faina.
unegou a Poola-Delgada em 19 de abril o
actor Taborda, qne ten all ama recepgo princi-
pesca. Fez a ana estreia a 24; a ovago qae Ibe
tizeram tocn as ralas da loocura,
Termioou as 3 horas da madrugada do dia 4
do correle no tribunal do commercio de 1.* ins-
tancia d'esta cidade a difcusso comecada era 27
do mez passado da cansa de embargos oppostos
pele negociante d'esia praca o Sr. Thomaz Maria
Bessone a' sentenga que o declaran fallido. O pro-
cesso tinha* mais de 500 foi has, e 79 documentos.
Era advogado do embargante o Sr. Dr. Holtreman;
por parte do banco o Sr. Dr. Pinto Coelho; e por
parte dos curadores Oscaes o Sr. Dr. Abranches;
juiz presidente o Sr. Dr. Ferreira Googalves; e es-
crivio o Sr. Bartbolomeu Rodrigues.
Foram propostos dous qoesltos ao jury qae dea
por provada a failencia, e nao provado qae depois
d'ella aberta o Sr. Bessone aogmentasse os sens
bens. Este processo tem altrahido as attenges da
nossa praga.
Em 1805 despacharam-se para consamo na
alfandega de Poola-Delgada 5,037,234 kilos de ta-
baco. De tabaco produzldo a 674,770 bases de
terreno, manitostaram 134 cultivadores 5,110,648
kilos. Cr-se porm qoe a prodncco foi muito
maior.
Doas soeiedadea americanas, denominadas
Patent office e Smilh ratn msfifaifion man
daram para
seu amigo, os dous Hespanhes, qaalro criangas,
ficando ainda horrivelmente feridas e em perigo de
vida outras pessoas, segoio-se urna seena conmo-
vedora e borrivel. As mulheres choravam e arran-
cavam os cabellos de desesperago, inclinadas so-1
bre os cadveres oarbonisados de seus filhinhos, as
familias das victimas corriam para todos os lados
vertendo prantos, e como qne lencas, e por toda a
parte se onviam queixas dolorosas, suspiros pon-
5entes, exclamagSes horriveis. A cabega do dono
a casa foi achada a 20 metros de distancia do
tronco. Os destrocos da casa incendiada foram pa-
rar a distancia consideravel, e es predios visiobos
padecern) grandes destroco?.
Um cavalleiro de somma illustrago fez esta
descripcao de doas pantosos phenomenos-dons
porcos com eabecas de gente-apparecidos entre
as manadas de porcos do Sr. Joo do Carmo, na
villa de Moura, e um dos quaes, convenientemente
embalsamado, vai ser offerecido academia real
das selencias de Lisboa.
c Entre dous rebanhos de porcos do Sr. Joo do
Carmo, confiados guarda de om rapaz de 14 a 15
annos (diz a carta) nasceram conjuntamente cora
outros em dous dlstioctos partos ddus bacoros mor-
ios, tendo perfeiumente caracterisadas, em qnanto
cabeca, todas as feiefos e coutormaco do rosto
humano, eicepgao de ama das orelhas que apr-
senla a forma das daquetles animaes. A configura-
cao do crneo, olbos, nariz, barba, sao igoaes aos
de nma enanca recemnaseida.
a Estas partes do corpo sao despidas de cabello
emquanto qae o tronco em qaestio, perfeitamente
desenliados todos os membros coberto de cabello
como dos bacoros. Um dos fetos foi, por ignoran-
cia langado aos caes ; o-ontro o que se guardn,
e preparan convenientemente.
E'te espantoso phenomeno produzio aqu, co-
mo era natural, grande admiraco e estranheza.
Talvez a scienclalhe atine fcilmente com as cau-
- Foi concedida liceaca ao conde de Avila para
15:0005
12:0005
8:6005
6:0005
6:0005
6:0005
2:0005
1:6005
6005
London
diversas
t e smun ratn nwuawwa man- r01 cuuu.u ---- ----- -t- -:- 1--
el-rei e para a bihPlheo nacional de aceitar o collar da real e ^Tg" WJ-
leraia reM daS jclecias, observatorio I'.os 1H de Hespanha. A gria cruz da orden) Antonio de Moura Rolim
Alfredo Gareia & Irmao
Luiz Goncalves da Silva >
Rabe Scbummettan & C"
Mello Lobo & O
A. Correa de Vasconcellos 4 C. .
Monteiro 4 Irmo
Maia & Espirito Santo
Reg & Silva _.
A polica, aajuem immediatamente
Bank annunciou o eccorrido, procedeu
pesqnizas para a priso de Reg, que ainda deve
achar-se nesta cidade, sem poder obter resaltado
algum favoravel.
Seguio hontem 3 tarde para as Alagoas o vapor
Camaragibe, conduzlndo encarregados dessas casas,
afim de verem se podem anda apanhar dous socios
de Reg que para all seguiram na segunda-feira,
no vapor Sania Cruz, ou ao menos para apreben-
derem os generas qae Ibes pertencerem naqueila
provincia.
Reg gosoo sempre de bom conceito na nossa
praca e attribue-se semelhante proceder ao desejo
de aproveitar a qnadra da baixa do algodo para
comprar o qae apparecesse era Macei, e esperar
a alga, afim de fuer desapparecer essas lettras,
pois qoe negociara muito e sempre descontava,
sem que bouvessem dnvidas.
Sem que tenba affectado o crdito, comlodo esta
oceurrencia despertou nm certo recelo as tran-
sacgdes, cujo mo vi ment foi hontem completamen-
te nulio na praca. i
Chegou hontem de Alagoas o vapor da com-
panhia Pernambucana Persinunga, sendo portador
de jornaes at 4 do corrente.
O vapor ingles Newton, da linha de Liverpool,
d'ahi sablra nc dia 2, cenduindo 1943 saceos de
assucar com 10470 arrobas e 7 libras, e 409 saccas
com algodo com 2181 arrobas e 7 libras.
O algodo em deposito elevava-se 4,200 1
e o estucar a 60,000 saceos.
Ficavam carrejados para Liverpool,' e barat-
os navios: Hidalgo, Bny Agnes, John & alma-
beth, Laura, Prtnx Corf e Belle Ptmt.
Aalfandaga rendeo, ao mex passado, 48:551*293
e consolado 29:7565899.
Hoja reune-se o Instlalo Hislorloo e Geogra*
pbics Pernambacano em sessao ordinaria.
De Gamelle\ra nos escrerem fa daU de %
do corradle o seguinte:

mm**.....

alaa
-*-.-*-
'a.


aosSr*. jurisera-
. No intuito de dar o sen so ioat-em-, .obpem pb bu. i A qnesto qae Justus propoe
co-!he aue antes darmnieraSaloa se aqcn capel-;! O -secretario propoe que se ade a inaiMuragao suKw nada lera que ver eoa
-'nos do mez Marian. a aarf^sLc^fBM rt OWJHyrO A LPANUEtA
virtuda da demora havida na remessaftas circua-
la de>te povoado os exercic
incansavel paire Jos Esleves Vianfla amito traba-'
ihou era tomar este povo ao gremio da igreja,pee- (.res da comatonfo e-4val|W flWneMes pre-
gando todos os das, fazeodo duas praticas no ulU- venientes da attreiwtt do lempo prlamHramente
rao, sendo ama as 11 horas e outra a tarde ; de Otado.
modo qae todos nos esuraQS satiefeitissirnos com epois
elle, unto roais quaoto sao stos servigos sea vista
na recompensa
do algomas aonsideracSee ofcmcidas
peleo diversos memoro da cotrainia MMMes,
1el approvada a propoala; pajo que reoolvOMo flue
No dia 3l as 10 horas, lando o-conselbo d* -te flieesem ovos aMuneioa em todos 08 Jomaes
reviso da guarda nacional balbando, apresen-
tou-se urna multier de nomi Maula, pairado qae a
valedera contra a aggresso do sea pai deenatura-
do e iocestuoso, de quem ja ttaha tres filhos, e co-
jos raaos tratos a o b rifa ara a proearar a jaMica.
Semethaote malvado mar no terso de Agua Pro-
ta, no engeoho Barro Branco, do districto de Cra-
cuipe, e chama-se tgoet Hartado- de I 7 em
vista disso os membros do conseibo ofBciaram
ao subdelegado de Boas Barra, o roajor Americo,
e este remenea a infelix para o subelegado respec-
tivo, aQm de tomar conhecimento do fado.
< Nada mais ha digno de noticiar-lhe. >
Remeltem-nos o segointe :
c Consta-nos por cartas particulares, que no
termo e comarca do Teixeira da provincia da Pa-
rahiba fura brbaramente assassinado, no dia 27
do prozimo passado pelas 9 boras da manba, era
viagem d'aqaella villa para o sea sitio no termo de rim
Patos da mesma provincia, o Illas. Sr. lenenteco-;
ronel Ildefonso Ayres de Albaqaerque Cavalcanti, j
delegado de polica n'este ultimo termo, e depata-
do assembla provincial pelo primeiro districto
eleitorai a'aquella provincia, com cinco tiros de
emboscada I
c O maior elogio, qae se pode fazer as qaa-
lidades cvicas e moraes do lltustre (loado,
de grande cireulacao da prbviacia dando conbeci
meato da transferencia.
O secretario commuoic a commisso qae in-
cumbi ao Sr. Dr. Giacomo Raya Gabaglia de
encoaraieodar na casa da orada do flio de Janeiro
75 medalhas e prau UO de cobre oa liga desti-
nadas a exposigao, de cooformidade com o qae
ha vi a sido resolvido pela mesma commisso; al
qae foi approvadu.
O Sr. Jos Joio de Araorim Informa igualmente
a commisso qae mandou por disposgo de Sr.
Dr. Gabaglia no Rio de Janeiro a quaaiia qae jul-; -
gou necessara para o pagamente das ditas u
medalhas.
rttcaaanUttliaj 'itoraoBerentMies cftn fazeedas...
ki< com gneros...
questose o jaiz proceden bem, ttairaando vistor j ^ t________ t
rana cota em qae se traotava de u arntigo/y, .BBOSiMBidos ccm fatendls...
que em sita corrupco repllenle havmjHiMfsfm* com gneros
o* maiores escndalos dado urna scntenca contra
a troca dos antes sorra direilo ixprest* m Desearregara hoje 7 de paho.
e*. BaraJraoeeaaCo/jttv-mereiefias.
Qoando e.-te ponto dearisptndanclaforsubmst' Barca; ngtoaaTickleridom,
tido a*, aprecinjn-do* Srs. jurisconsultos, por Lurar-portagnez;u/mdem.
qaem parece intoressad era o investigar, diremos,
sobre alie o qnrantendermos ser cablvel.
Por ora Acaremos aqui.
Procurador de causas.
Corresponencias
Srs. Redactores.B' Infelizmente o povoado dos
Montes o local da provincia o que mais abunda era
* j potentados; e, assim se evidencia desde que se de
197
693
116
1,855
1,681
890
E nada mais havendo a tratar dea-se porten-
cerra a
ment, presidente.
O Exm. Sr. presidente da provincia mandou le-
' vantar ama planta para servir de base a edificag)
sio
la mais navenao i iraiar aeu-se por en- de n.flte |oM| esU ,em si(Jo man,idi
sessao.-Dr. Jos Jonuim de Moraesjar-; ^or lodo's M proprielarlo3 men05 pe|0 Sr. leaeDta.
iras.dente.-Barao do Llvraraente.-Ge va- coronel JdS j^^in, ae A|me|da Quedes, e qu
Rodrigues Campello.Jos Joo de Amo
-Manoel Boarqae de Macedo.
cvicas e moraes do lllastre
(que deixou na orpnaadade alm de tres, ti- Dr. Buarque de Macedo.
Ibos, oito (illias ) a simples indicaco desses ira- O Secretario da canta do se?uinte
portantes cargos, que elle tao dignamente occupava expediente.
n'aquella provincia, anda dizer-se que sendo II- Um sfficio da coaaratsso central,
nem s desrespeilou o aclo da presidencia, como o
direito de proprledade qaando fez abrir um valla-
do distruindo de minha propriedade parte de meu
terreno, resaltando dest'arte que, o terreno desu-
ado para servir de ra segando o planta, este se
acba occupado pelo dito vallado que fez o Sr. te-
nente-coronel depois de ser conhecida a menciona-
da planta-; e, isio porque ? Porque a planta veio
ampliar a ediQcacao, a qual se acbava tolbida pela
forma anterior, porque, um como o Sr. lente co-
cos, que nao podendo, de bom grado tolerar a me-
recida influencia, que elle all gosava, e era tao
pouco pelos meios legtimos debella-la, parece que
s acharara recurso nesse meio extremo e sangui-
nario ; aquelles mesmos talvez, que concorreram
para o esbancamento de um distlncto e inofensivo
raembro da familia Dantas, assim
vasao e arrombamento da cadeia
villa do Teixeira, tudo no anno prximo passado
qae por tao inauditas alternados se acham processa-
dos e pronunciados, e para cojo xito muito con-
correu a Ilustre victima. >
Remetiera-nos o seguinle
como fazer respeitar o acto de S. Exc. o Sr. presi
dente da provincia.
Para melbor garanta do abaixo assignado, j
enderecei ama petico de quena a illasirissima
cmara, porque, o abaixo assignado reconhece que
na lei e tnbunaes que est a garanta de sua pro-
priedade.
Povoado dos Montes, 4 de juntao de 1866.
Caelano Delfloo Monteiro de Carvalho.
SESSAO ORDINARIA EM 9 DE MAIO
DE 1866.
Asfiherasda tardo, em nara das salas do palacio
do goveroo, com assisteaoia do Ezra. Sr. vice pre-
sidente, renniram se os membros da commisse os
Srs. Dr. Sarment, barao do Livrameolo, Jos Joao
de Araorim, Dr.Gervasio Rodrigues Campello, e o
-ronel Guedes assim o entenda, apossando-se de'
. terrenos qae o transito publico o reelamava para
1 sua serventa.
reraettendo gste reclamo qae o publico at agora tem feilo,
beral de principios foi nomeado delegado d'aqaelle diversos exemplares das inatrnceoes para a exposi- j em parie jj, est gatisfeito, nem s em virtode da
termo pelo partido conservador as pocas de 1853 gao de plauas e aniraaes vivos; dos respectivos| P|anta que j observamos,como porque, a illustris-
a 1856, em cujo lugar prestoa relevantes serv- editaes, marcando os dias era que deve ter lupar S|llia cmara municipal deste termo por seu res-
tos a seguranga individual e a ordem publica na essaoxpostco; das iostracco*s para a exposiQo; peitiVel despacho mandou-me dar cordeajo na
represso dos crimes; anda mais dlzer-se que especial de machinas, apparelhos e instrumentos rparle era que se pretenda fazer-se empossado,
gosava de legitima e benficainflaencla em toda a- fabricados fra do paiz, para a cultura preparo e em virtude desea vallado, o Sr. tenente-coronel.;
quella comarca, merecendo adheso e sympalhia melborameolo dos productos agrcolas, e Qnalmen- assim, espera o abaixo asslgoado que, a lllustrisst-
t todos os sens comarces, anda mesmo dos seas' te das iodieacdes ou notas explicativas dos prodac- ma cmara, nem s I he faca manter o sea direilo,
adversarios polticos honestos e bem intenciona- tos que devem ser enviados para /a exposico na-
dos clonal pelas provincias do Para, Amazonas, Rio
t O iltastre finado nao contava outros inimigos Grande do Sol, Cear, Aiagas, Sergipe, Rio Gran-
se nao alguus frenticos de seus adversarios politi- de do Norte, Goyaz, Piaahy, Santa Camarina, Mi-
nas Geraes, Sao Paulo, Paran, Espirito-Santo e
por esta provincia.inteirada.
Outro da mesma comraissio, em que recommen-
da que se faca nesta provincia acquisico e re-
messa para a Exposico central de productos das
industrias extractivas, especialmente do ferro,
como para a in-carvao de pedra, sal commum, leos, resinas, ma-
d'aquella mesma deiras libias, (relos, plantas medicioaes, e pei-
xs.inteirada.
- Oatra da mesma coromlssao, sobre a forma em
qae devem ser rsraeltidas a exposico nacional as
amostras de azodo. Inteirada.
Outro, de S. Exc. o Sr. vicepresldenia, sobre o
. Srs. Redactores.- Tendo l'ido artigo assig- j mesmo objecto.--InteMda._____..*, nno
nado por um morador da ra djAurora pu- Oolro do mesmo fixro. Sr^ commumeande qoe
blicadoeui sea iaiio de ante-bontem, no qual o \ cmara mumc.pal do Bo* Conselho, promette
seu autor assegura, que a infeliz senhora de quera:'"" o que estiver ao seu alcance para que os
tratamos, em nossa anterior publcaco, soffre, seos amonesi eoncorram com os nos productos
apenas de pequeos ataques nervosos e nao, agrcolas e indostnaes a" exposigao Inteirada.
de alienacao mental, como publico e notorio, ap- Outro remetiendo diversas notas explicativas
pellamos do juizo do sobredilo morador da referida enviadas pela commisso cehtral, acerca de alguus
ra, para o de todos os outros, especialmente para oajectos, qoe podera ser mandados desta provincia.
os visinhos. E' ul a naiureza do incommodo da j ~x\Xm^- ______ m___,
infeliz senbora, que de coraco sentimos, que por |, Vm offlcio, do Rvd. vigano do Limoeiro Manoel
vezes tem ja excitado o alarma em toda a vismhan- i Ignacio de Lima, delegado auxiliar da commisso,
ca, pondo em sustos as senhoras visinhas; sendo, informando que envidara os seus esforcos para
testemunla de am de taes accessos o proprio sub-1 promover a acquisico de prodacios qae devem fl-
delegado da freguezia, que nos consta ja haver se 8r na-exposico. Inteirada.
entendido cora o proprio dono da casa esse res- -_-_ ordem do da. ------I
peit0 v v O Sr* Dn Gervasio declara que todo-se entend-
m doeme em taes condicoes, nao pode ri- lo om o Sr. Mondonga Belm, acerca Uappare-
dir legalmeute no centro de urna eidade, por qae Ibo por este combinado para dar-impulso aos pe-1
nao s perturba a paz das familias, como lambem i quenos barcos on baroacas, exiga do mesmo br.,
0 socgo publico, sendo por sso que em toda parle desenbo qoe podesse ser presente a commis-
do mundo, existem casas proprias, para aquellos sao,.afim desta resolver como jalgar conveniente,
que teem a infelicidade de ser accommettidos de, a prelencao do mesmo Belm; o que e approvado.
emelhante molestia. secretario propOe de se de pohl-eidade as ins-
Sesloounao objecto de polica adminis- truegoes e noUs reraettidas pela ooomisaio cen-;
irativa, qae respoodam ao respectivo autor do re-. tral e que possam ter relago ou servir de auxilios
ferido artigo, todas as autoridades pollciaes d'ela a exposigao desta provincia; oque e approvado.
capital, desde o chefe de polica at o proprio snb- E nada mais havendo a tratar deram-se por ha-
delegado da Boa-Vista, para cojas autoridades urna i dos os trabalhos. Dr. Jos Joaquim de Moraes
vez anda recorremos, especialmente para a ultima, Sarment, presidente. Gervasio Rodrigues Cam-
qoe de mais perlo connece ja dos lacios. | pello. Baro do LivramentoJos Joao de Amo-
t Pelo que loca aos carneiros e cabras, que an-, rim.Manoel Buarque de Macedo, secretario,
dam solas pelas ras, os fiscaes que eumpram > i
seus deveres, com o que nada perderemos.-O ner-: fondn A Brasil laii Bank (1I-;
Brlgue portOfuez-BW/a FigueretutMeca.
Escuna potlOf uezaErnadem.
Escuna haaabargueza--Calkarine &Jo Wem
Barca inglaiai-Jmogne-idens.
Brigue italiano.-Uf/viahaaejaaia eneros
Barca ingtea-/ja6ef/acarvo.
Patacho oglez-fl^mu^carjio.
Barca portuguezaMariano idem.
Barca nacionalAmcu Brigae nacionalBeluariodem.
Brigue nacionalAwetianodem.
Samaca hespanholaGuadaiup-idem.
Patacho nacional So- dem.
Hiate portugaezSerra /dem.
Patacho portugaezS. Josdem.
Galera francezaAmf/ia-farinha de trigo.
Logar inglezBrlhantedem e machioisrao.
REGEBEDORIA DE RENDAS INTERNAS GE-
RAES DE PERNAMBUCO
Ren#mento do dia 1 a S ....... 4:389*806
dem do da 6.....,...,.,TTT.. 816*911
CONSULADO PROVINCIAL
Rarulimento do da 1 a 3......
(dem do ilu 4
..- ,
,
Publica^Oes a pedido
HUMA VIDA SALVA!
wso. mlted).
- O agente Martin faz hoje nm importante, le- BALANCO DA CAIXA FILIAL EM PERNAMBUCO, ]
PASSIVO.
Capital fornecido pela caixa ma-
triz ........
Depsitos.......
Crditos diversos, outros ban-
cos e caixas filiaes....
lo de movis, livros, joias de ouro, diversas pe-1 j| 3j j)
gas de prata, escravos, um sitio na Capunga, ar-1 _^cxwo.
mago e caixoes para deposito de assucar, dif- QSi descontadas .
sas pe^a de bnra e muitos outros objectos, na Crditos diversos, outros
ra da Croz n. 33, s 11 boras. cos e nias filiaes .
Amanha ao meio dia se extrahira a 2.a par- Gaixa :
te da 2.' lotera (66a) a beneficio da matriz de S. Emmoeda corre ote .
Jos do Recife, sendo o maior premio 6:000*.
Repartiqao da poucia :
Extracto das partes do dia 6 de junbo de>
1866.
Foram recolhidos a' casa de detengo no dia o
do correle :
A' ordem do subdelegado do Recife, Felippa Ig-
nacia da Silva e Antonia Mara de Lyra, por briga;
Fernando e Vtctorio, este de Baltar & OUveira e
aquelie de Manoel Ignacio de OUveira, o primeiro
por suspeito de andar fgido e o nltimo, a requeri-
roento de sea dito senhor.
A' ordem do de Sanio Antonio, Mara, escrava
de Jos Francisca Pereira da Silva, por fgida.
A' ordem do da Boa-visco, Francisco de Souza
Ferraz, Thereza Maria de Jess e Mara das .Vir-
gens/por disturbios.
O chefe da 2' secgao,
/. G. de Mesquita.
Passageiros do vapor Peninunga enrado de
Macei e porios intermedios:Jos Segismundo de
Albuquerque, Joaquira Francisco Teixeira, Joo
Manoel de Araujo.
Casa de dbtencao.
Movimento da casa de detengo do dia 5 de
juraba de 1866.
Existiam 345, entraran 8, sabir ara 4, exis-
tem 349.
A saber : ,
Nacionaes 231, mulheres 17, estraogeros 31,
mulberes 2, escravos 65, escravas 3.
Total 349.
Alimentados a casta dos cofres pblicos.
Movimento da enfermarla do da 7 de juaho de
1866.
MAIO DE 1866.
ban-
1,659:650*910
1,527:407*130
595:730*680'
Nao temoa conliecimcnlo algum de neuLum
coso que tao perfeitamente mostr d'uraa ma>
noira a mais clara e persuasiva o poder da
Bciencia Medica sobre a molestia ; qu&l seja o
de AsTOSio Joaqim Pekeira, da Bahi.
Este homcm infeliz liavia mais d'um anno qae
soffrift as dores as msis atrozes e pungentes
proveniente de
Treze
Terrlveb iliacas Abeilas
espalliadae por sobre differentes partes de sen
corpo, sendo ama das quaes sobre o peito do p
urna funda e maligna chaga, a qual o privara
de andar, cauzando-lhe ae dores as mais agoni-
santes quer de dia quer de noute; continuada-
mente atormentado por taes afllicfdes e dore*,
e qnaai que aborrecido da coutinuacao de aim-
ilhante vida, tendo posto de parte toda a f
coaiiiinca emmedeuinas, e na realidade pareca
qu para elle nao Re reetava inais esperanfa
algoma; asshn pois resignado esperava coia-
paciencia o termo final de sena mu ti plica dos
BofrVrmentos, eis que milagrosamente por for-
tuna sua lhe receitarSo o grande pnrificador
do sangue
MQYlMi\T0 DO POBTQ
A'at-ms entrados no da 6.
Barcelona 42 dias, brigae.bespanbol Ihemoleo I
de 147 toneladas, capitao Paulino Golf, equipa-
gem 14, carga 600 barricas com farinha de trigo
e outros gneros.; a Maury Romagueira Hijo
& C.
Barcelona 39 dias, snmaca hespanhola Amia de
129 toneladas, capitao Juan Cullell, eqaipagem
11, carga 1.344 barricas com farinha de trigo; a
ordem,
Barcellona e Canarias *-4S-das do primeiroporto,
e 25 do segundo, samaca hespanhola Agosttnha,
de 106 toneladas, capitao Jos Marte, equipagem
10, carga 1.031 barricas com farinha de trigo, e
outros gneros; a' ordem.
Da pesca tendo sabido-dos Estados-Unidos ba 190
dias a barca abiericana Calta de 296 toneladas,
capitao R. Brown, equipagera 30, carga azete
de peixe ; ao mesmo capitao. Veio refrescar e
Os preteodentes deveo comparecer acompanha-
dos de seus fiadores ou munidos de oartas diestes.
EsUbetacineilM 4e cajidade.
Una do Imperador.
N. 1 particular 24 peblico, sobra- i
do de 1 andar.......679*000
Ra Direlta.
:' N. 3 dem e 8 dem,, sobrado de i
tMdares. ,......'
Roa do Padre Floriano.
>*iN. 5 idem e 49 dem, catfcterrea. .
N. 6 idem e 47 dem, casa-- terrea. .
Roa4o Fagides.
N. 11 idem e 32 idem, asa terrea .
Travato* de S. Jos.
t N. 13 idem e 11 Idem, casa terrea.
'" N. 14 idem e 5 idem, casa terrea. .
Roa dos Pescadores.
N. 16 idem e 11 dem, cas terrea .
Ra das Calcadas.
N. 20 idem e36 idem, casa terrea.
N. 21 idem e 38 idem, casa terrea.
Una da Virago.
N. 26 idem e 7 idem, casa terrea. .
N. 27 idem e 19 idem, casa terrea.
Ra de Santa Thereza.
N. 32 idem e 5 dem, casa terrea. .
Roa larga do Rosario.
N. 33 dem e 24 dem segundo e
tereeiro andares.......
Ra do Calabonce.
N. 40 idem e 18 dem, casa terrea.
Beeco do<}aiabo.
N. 49 idem e 8 idem, casa terrea. .
Ra da Gloria.
N. 31 idem e 55 idem, casa terrea.
*Roa do encantamento.
3:o74^ N. Sldeme 3 idem, sobrado. .
7:795*362 Ra do Padre Floriano.
N. 67 idem e 65 idem, casa terrea.
11:369*487 Rua do Apo||0.
N; 91 idem e 24 idem, sobrado de 2
andares..........1:400*000
Ra de S. Bom Jess das Crioulas.
N. 61 dem a 8 idem, casa terrea. 131*000
Patrimonio de orphaos.
Ra do Rangel.
Casa terrea n. 6 particular e 56 pu-
blico........... 3005000
S. Gongalo.
Casa terrea n. 10 particular e 22 pu-
blico. .....189*000
Rosario da Boa-Vista.
dem n. 14 particular e 58 publico. 168*000
Azeite do Pelxe.
Sobrado de 1 andar n. 68 particular
e 14, publico........ 600*000
Ra da Cacimba.
Casa terrea n. 63 particular e 5 pu-
blico..........144*000
dem n. 67 idem e 10 idem. 83j000
Ra dos Burgos.
Casa terrea n. 68 particular e 19
publico. u..... 191*000
Ra do Encantamento.
Sobrado de 2 andares o. 76 panicu-
........9004000
Senzala Velha.
1:067*000
181*000
186*000
iff5*000
1*3*000
169*000
2164000
176*000
157*000
204*000
156*000
168*000
6008000
185*000
141*000
144*000
400*000
50*000
seguio para a pesca.
Terra-Nova ~ 32 dias, brca logleza Cora do 285. ** e 11 .publico,
toneladas, pit Jonb BeiLeqaipagem 13, carpa I
2.155 barricas com bacalho ; a Johnsloi Pater Casa terrea n. 81 particular e 18 pu
bllCO............200*000
Ra da Guia.
Casa terrea n. 83 particular e 27
publico...........126*000
Idemn. 84 idem e 29 idem. 144*000
Ra do Pilar.
Casa terrea n. 91 particular e 105
publico......... 168*000
&C.
Macei" e portos intermedios 26 horas vapoa na-
cional Persimnga de 422 toneladas, capitao F.
J. da S. Ralis.
Observacao.
Nao bouveram sanidas-


EDITAES
O UljajSr. inspector da tbesouraria provin-
cial, em cumprimento da ordem do Eira. Sr. pre
sidenie da provincia de 28 do crreme, manda fa-
zer publico, qae no da 30 do agosto prximo vin-
Idem n, 92 idem e 103 idem.
Idemn.94 idem e 99 idem. .
Idea n. 97 idem e no idem
dem n. 105 dem e 94. idem. .
dem n. 5 sitio no Forno da Cal.
mesma Iilni." junta em virtude
de
2000000
255*000
200J000
2O0S00O
1504000
delbera-
cao tomada em sesso do 1* de iuoho manda tazer
douro, perante a junta da turada da mesma lhe- *ub|ico os -j0s aoa,xo aedarados cuja ar-
soorana, se ha- de arrematar a qaem por menos |:en,ataCao Acara adiada, vo de novo a praga com
A arremalago ser-fsiu na forma da lei pro-
as
acto da arremalago.
Estabelecimcntts de cwidade
., Raa Nova.
N. 45 particular e 57 publico sobra-
do de um andar.........1:051*000
Roa da Moeda.
N. 55 particular e 41 publico sobra-
E para constar se mandou publicar pelo jornal. I do de um andar........286*000
Secretaria da thesotiraria provincial de l'ernam- Raa da Moeda.
vincial n. 343 de 15 de maio de 1934, e sob
clausulas especiaes abaixo declaradas.
As pessoas qae se propuzerem a essa arremata-
gao eomparecam na sala das sessoes da mesma
junta, no da cima indicado, pelo mel dia e
competentemente babsiitadas.
3,682:7884720
888:8884890!
1,320:8864410'
1,473:0134420
3,682:788*720
Tiveram alta :
Jos Antonio da Silva.
Tliomaz Francisco Ges.
Teve baixa:
lienedito, escravo da Miguel Bezerra,
Fallecea na enfermara no dia 6
1866:
Venancio, escravo de Joo FemandN da Assomp
gao.
dejunbo de
EXPOSl^M
DOS
Producios agrcolas, industriis e de iras darles
da sroiacii de Perumboco.
SESSAu ORDINARIA EM i DE MAIO DE 1860.
As 6 horas da tarde, reunidos os membros da
commisso os Srs. Drs. Sarment, Gervasio, os Srs.
Jos Joo de Amorim e. bario do Livramento, eDr.
Buarque de Macedo, em ama das salas do paacio
do governo, e com assistencia do Exm. Sr. vice-pre-
sidente da provincia, deram-se por comecados os
trabalhos.
u Secretario di coma do seguate
, EXPEDIENTE.
Um officlo do delegado de Serfnhem. communi-
cando ter recebido e distribuido as circulares pela
Recife, 6 de janho de 1866.
W.J. Haynes,
Accountant.

Oommunicados
Aos seohores jurisconsultos.
A qoasto que Justas suscita, perguulando h
a. mulher divorciada pode jittnandar o marido sem
venia do juizo,'- si nao foi, com o nico proposito
de offeoder a dignidade e Inteireza do illastrado
juz, qoe decidi essa questo, em um dos termos
desta provincia, nao nos parece que tenba nenbn-
raa signincago.
Toda a medida tendente a restringir a liberdade
civil oa jurdica, deve ter o seu assento em ama
disposigo expressa de le. Ora, qual a lei, em
que Justas foi encontrar a obngago, qae diz ter a
mulher divorciada, de impetrar yenia do juiz para
demandar seu marido T
A Ord. Uv. 3 Til. 9.,. que trata .Dos que nao
poder, ser alados por (tusa dt/uus.officios^.ftssoas,
lugares, ou por alguma outra.causa e onde se
encooiram essas restricgOoti de liberdade jurdica,
nao impoe a mulher divorciada a obrigagao de
impetrar a alludida venia.
Nasa Ord- se declara que o filho ualural oa le-
gitimo nao possa cilar seu pai ou outro ascendente,
nem o tiberio a seu patrono ou ascendentes a des-
cendentes deste, sem impelragao de venia. O mes-
mo do lho adoptado a respeito do pai adopunte.
U-maanao do aenra ou ora a respeilo do sogro oa
sagia. O mesrao do oteado ou anteada a respeilo
do padraslo ou madrasta. A' mulher nao foi pela
cK. Ord. imposta semelbante obrigagao, e nem ha-1
va razo para a mpor.
Quaoto aos filhos naturaes, Iegilimos, legitima-
dos e adoptivos a respeilo dos pas e ascendentes;
os libertos a respeito dos patronos e ascendentes e
descendentes desies; as genros e oras, eotaados
e enteadas a respeito de sogro* e sogras-, padrastos
j madrastas dorante a afniaade, a Ord. lem sua
razo justificativa. A superioridade moral e o
respeito qoe as pessoas, que leem de ser citadas,
deven merecer das que as querem /azer citar, re
clama esta publica e solemne demonetrago do de-
ferencia e do .venerago.
O casamento, porm, ama uniao igual tanto
civil, como natural,, como cannicamente. Aad-
Salsapanlllia
DE BRISTOL
e mediante a sua grande eficacia e excullencia
elle se achou dentro de ponco lempo, vre da
eeu irrciiuxavel estado de desespero, e a doce
e risonha esperanca tornou de novo reviver
em eu concito ; sob a poderosa e benvola in-
fluencia deste admiravol medicamento, as euas
chagas em breve principiaro assumir um ca-
i racter favoravel diminuindo o aspecto de sua
malignidr.de A maesa do sangue e mais
humores do svstem.i tornou adquirir una
apparencia clara e saudavel, as dores ator-
mentadoras d'outro ora o deizCrao, e urna doce
; suave tranquUlidade principlou precorrer
todo o eeu srstema, restaurando-lhe a desejada
paz e socego d'espirito; as cliagaa urna moa
se fono fechando at que finalmente ae cica-
trizante d'um todo, e hoje acha-se perfeita-
mente Bao, gosando d'um perfeito estado de
ande, depois de Be ter visto privado d'eete
grande gozo durante mate d'um nno. Elle
durante este sua cura,, apenas fez oso de
Vetaseis garrafas da Genuina SalaaparriUu
t Brisiol, preparada exclusivamente por
L ANMAN & KEMP,
De NOVA YOltK.
EecommeiKla-se mu particularmente ao*
Doentee .d'ambos oa sesos, que empreguem
toda a cautella na escollia d'eete amiiavel
remedio, afim que nao obtenhao outra com-
posicio qualquer, que nao saja a Salsaparrll-
ha Ganuina de Briitol, pois qoe todas as
mais preparacoes e imitajSes d'eeta naturez*
fio falsas nao possuindo virtude alguma.
Vende-se as boicas de Gaors & Barboso
e C.Bravo 4 C.
buco, 29 de maio de 1866.
O crucial da secretaria
Miguel Atfonco Ferreira.
Clausulas especiaes.
I
As obras do S. lauco da estrada da fcscada se-
i rao execuudas de cooformidade com a planta e |
; deseripgo dos orcamento, na importancia de
16:W3wu.
II
O arrematante dever cumprir restrictamente as
instrucgSes do engenbeiro fiscal da obra e as con-
diegoes do orgamento e contrato
III
O arrematante dar comego as obras no praso
de lo dias, e as eoooiair no de 14 mezes, ambos
contados da data do contrato.
IV
Os pagamentos sero feilos em tres prestagSes
N. 64 particular e 37 publico sobrado
do de 3 .andares......... 48OA000
Patrimonio de orphaos
Ra da Madre de Dos,
N. 27 particular e 20 publico casa
terrea...........602*000
Secretaria da Santa Casa da Misericordia do
] Recife 4 de junho de 1836.
O escrivo interino,
Pedro Rodrigues de Souza.
Conselho de corapras navaes,
O conselho contraa no dia 9 do correte mez o
fornecimento dos navios da armada e estabelec-
m en tos de mar i n ha, no trimestre prximo vindou
ro, dos objectos abulta declarados :
Ubjectos.
Assucar branco grosso, azeite inferior, aletria,
aramia, assucar branco refinado, bolachinba ame-
ricana, cevadinha. cha, gajiuhas, lenha, matle e
I tapioca. s
Tambem contrata e conseibo no referido dia 9
do corente mez, por igual lempo o fornecimento
aos navios da armada e eslabelecimeolos de man-
an. 83 do regulameoio de 9 de mino do I nha dos seguintes objectos de faldamentos.
Para a companhia de aprendizes artfices.
.-_:**. i Bonets de uniforme, boaets para o servigo, blu-
0 recebimento definitivo de lodo o lango, e obras sa3 de orlm branco, ditas de algodao aznl. caigas
sera 18 me-es depois da entrega provisoria. de algodao-azoi;ditas de brim branco, ditas de
. Y" .. ._ 'panno azul,camisas de algodozinho, cobertores de
Para tudo mais que.nao estiver aqm especifica- iaa, colchas de algodao, eoleboes de Iinho cheios
do no contrato, seguir-se-ha o qae prescreve o re- de palba> frona3 de algodozinho, fardetas de pan-
ferido regulamento das obras ;publicas. i no ^^ |en?os ue seaa preta parjl gravatas, len-
ConformeMiguel Affongo Ferreira. I coes ae algodaoziobo, sapaloes feilos uo paiz, sac
O Dr. Trlstao de Alencar Aranpe, official da Impe- cos ^ guardar roupa, e travesseiros de. iinho
ignaes, correspondentes ao valor da obra feta,
menos o empedramento que ser em urna s pres-
tago, guando Qzer a entrega provisoria.
V
De cada preslaco sera' dedozido o qoe deter-
mina
1864.
- tVoveruo da proviucia.
4.' oeecao.*-i*9oruri do-novorno do Boraam-
buco, em 1dmalo de 1866.
ED1TAL.
Pela secretaria do, governo, se-fcapofico
quera ioteressar possa, que tendo o Exm. Sr. vice-
presidente da provincia, de dar,, execuco a lei n.
619, de 10 de margo nltimo, aban* publicada, so
convida (odas as pessoas. qne tretendam con-
tratar a construego das estrada oa que trata a re-
ferida le, a apretMarein ao motjsto Exm. Sr.' as
suas propostas, e mediante as basao-neila estabele-
cidas.alim de serem Mminadac e preferirse
aqu*UiiBOielhoret vaaMteus-jpOtrecer.
Ooaajeiario,
Dr, FrancuH 4t*Paula Salles.
1EI N. 649.
O-Dr. Maoool Clementiao Geroeiro-da-Gaubs',
vice-presidenle da provincia de Pernambuo : Pa-
co saber a todoo seus habitantes- -qoe a- assem-
fjlca legislativa provincial decretou e eu saaccionei
a resolugao segainte :
Art. 1. Fica o presidente da provincia anlorisa-
do a mandar estudar e a contratar com urna oa
mais companhlas oa com pessoas reconhecidamen-
te idneas, urna rede de estradas, de rodagem oa
de carrls de ferro, conhecidas, sob a denomioagao
de iramways, que ligue os centros populosos do
interior da provincia com as diversas eslagSes da
estrada de ferro do Recife S. Francisco, como as
acluaes estradas de communicago para esta capi-
tal ou com os pontos do lateral de fcil accesso a
navegago.
Art. t.* Para execugao do artigo precedente po-
dera' o mesmo presidente adoptar a siguilo me-
didas :
Io. Conceder a compaohias ou aos particula-
res, que se eocarregarem da construego .dos
trarawars-on qu os coilocar d'ora era diante. as
acluaes estradas, urna subvengao kilomtrica pro-
porcional ao capital empregado e por orna so vez,
Gcando o contrato, que para isso se celebrar de-
pendente da approvago desta assembla.
O contrataote podera' independente desta appro-
vago dar coraego aos estudos e preparago dos
planos das obras, os quaes edicro mediante in-
demnisago pertencente a provincia raso nao seja
approvado o contrato celebrado.
2. Conlrahir um emprestimo dentro oa fra
do paiz, medanle condiges que nao obriguem a
provincia a um dispendio superior a quatro ce-
ios contos de ris anouaes.
Art. i." Ficam revogadasasdisposiges em con-
trir.
Maado portanto, a todas as autoridades a. quern-
o conhecimento e execugao da presente resologo
periencer que a eumpram e fagam cumprir lo in-
teiramente como nella se contm.
O secretario do governo desta, provincia a faga
imprimir, publicar e correr.
Palacio do governo de Peroambuco, aos 20 de
margo de 1866, 45 da independencia e do imperio.
L. S.
Manoel Clementino Carnetro da Cunha.
Sellada e publicada a presente resolugao nesta
secretaria do governo de Pernambuco, aos i de
abril de 1866.
O secretario, Or. Francisco de Paula Salles.
Registrada a 0. do livro 7o de lesprovinciaes.
Secretaria do governo de Pernambuco, 20 de
margo de 1866.
0 escripturarlo da 4" secgo Theodoro Jos la-
vares.
Companhia do Beberibe.
No dia 11 do correte pelas 12 horas do
dia ter lugar no escriptorio da companhia
raa do Cabug n. 16, a arremataco dos
chafarizes e bicas por bairros, nao se ad-
miUiodo propostas que compreheudam mais
de um bairro, nem por espago maior de
um anno; os Srs. licitantes eomparecam
com seus fiadores ou declaraces dos mes-
mos ne mencionado dia, deveodo ser as
propostas em carta fechada apresentada na
mesma occasio ou antes no escriptorio on-
de melhor se deverSo esclarecer e informar
das condieces do contrato da arrematado.
Bazes sobre as ques se deve laucar.
Bairro do Recife.
Chafariz do caes da alfaaJega. 6:O0O0O0
Dito da ra da Cruz........ 7:200^000
Dito da ra do Brum....... 5;O00$O0O
Dito do Forte do Matos e bica
do mesmo.............. 4:5000000
r 22:7OO0fcOO
Bairro de Santo Antonio.
Chafariz da largo do Garmo.. 10:0005000
Dito do largo do Paraizo..... 8:0000000
Dito do largo da praca de Pe-
dro II................. 4:5000000
Dito da ra do Sol......... 3:0000000
Dito da ra da Concordia...; 5:00O#0iO
30:5000000
Bairro da Boa-Vista.
Chafariz e bica do caes do
Capibaribe............. 3:500;>O0O
Dito da ra da Aurora...... 2:0000000
Dito da praca da Boa-Visu... 6:0000000
Dito da caixa d'agua dos Pires. 5:5000000
Dito da ra de S. Goncalo.... 1:2OO0OOO
Dito do largo da Soledade____ 2:1000000
Dito da eidade nova de Santo
Amaro.................. 3:0000000
nal ordem da Rosa e juiz especial do commercio
nesta eidade do Recife de Pernambuco, por Sua
Mageslade Imperial e Constitucional o Sr. D. Pe-
dro II, a qaem Deus guarde, etc.
cheios de palba.
Para imperiaos marjnliairos e apren-
dizes ditos.
Bonels de panno azul, camisas de brim branco.
Fago saber pela pneseate, ue no da p do mez caiQas de algodao azul, ditas de brim branco, ditas
j unho do correte anno, se ha de arrematar por ae panno azul, camisas de algodao azul, fardetas
venda a qaem mais der em.praga publica, depois ae panno iln\t |engos e ^j preta para grava-
da audiencia jespeciiva, j escravo anoel de na- tas, sapaloes le tos no paiz, e saceos de. lona de
gao, com idade de 40 aono=, ponco mais ou me- matinhagem.
nos, avahado por 700*000, oqoal val a praca por pra faieiros navaes.
execugao de Joaquim do .Souza 14 au & C, contra Bonelg e chapa e pala, caigas de brim branco,
Baltar & OUveira, na execugao contra Joaquim h^ je algoda azul, camisas de brim branco,
Gongalves Casco s C ". fardas de brim branco, gravatas de oouro. de lus-
E na falta de langador que cubra prego da ava- ir, polainas dp-panno preto, sapaloes feitos.no
Jiagao ser arrematag5o feta pelo prego da adjudi-. p4z e sobteeasaca de panoftazal.
cacao com o abatimenio respectivo da lei. Contrata o conselho" sob as condigoes do estylo
B para qoe ebegae ao conhecimento de todos ,e vista de propostas em cartao fechadas recebi-
mandei fazer o presente edita! qne ser aJDxado ^ q referido da 9 de juaho at as 11 horas da
nos.lqgares do costme e publicados pela im- maQD5a.
prensa., : l Sala do conseibo de compras navaes, o de junho
Dado e passado n esta eidade do Recife de Per-, e 1866.
nambuco aos 6 de junbo de 1866. o secretario,
Eu Manoel de Carvalho Paes de Andrade, escri-: Alexaodre Rodrigues 'tos Anjos.
vo o subscrevi.
3:OOO0JOO
COMMERCIO
eoncorram a exposigao.Inteirada.
Um offleio do delegado de polica da eidade do
Rio-Formoso m termas semelbantes ao do proce-
dente.Inteirada.
Um offlcio da commisso central, recommendan-
do a remessa de todas as amostras de algodao qae
se poderem obter.nteirada.
Um tifflcio do iim. Sr. vlce-presidente, remet-
iendo aaramissito diversos oficios da cemmisslo
cenirai.-Inieiraiia.
Oniro ao mesniU Bxm. Sr., informando
missc que em virtude das solicuagoes dingdas a
presidencia, os esubeleetmentos de cartdade esto
preparando diversos objectos om que tem de
commisso, e asseverando qne empregar os seus mlnistragao dos bens, que a lei confere ao marido,
esforcos para que os productos daquelle termo por motivos de ordem panuca, nao da'a este ne-
nhuma superioridade.. 0 re*pelo e a veueracSo
concorrer aox#osieio.-ljueirada.'
i offlcio doSr. EpamUaaoas Viaira da
Um offlcio te Sr. V^niwmu Viaira da Couha,
delegado auxiliar da commisso, informando qae
empregar todos os seas esforgos para enviar o.
maior numero possivel de productos a exposi-
gao.Inteirada.
qooa mnJJier deve ter pelo marido em tudo
igua) ae respeilo veuerago que o marido deve
lee pela mulher. Nao, ha ah porlanio aquella su-
perioridade, de que cogttop a Ord., quando exigi
das pessoas cima designadas a impetrago de
graga para a cltagao das que ibe sao superiores.
Logo, nao s a lei nao exige essa impetrago de
venia quando a mulher quer demandar o marido,
mas ato nao teria nenhuma razo que jusliflcasse
pm5 tama tal exigencia, qaando cogiusse em a fazer.
O julz do termo longinquo d'esta provincia jal-
eou portoato muilo curial e.jurdicamente, despre-
sando a excepgo fuauada na falto d'essa impetra-
gao. Os argumentos de que se servio, e as ena-
ges, que fez,' sao perfeilaoento cabiveis; sao ar-
gumenios do paridade de direilo, que o Justus nao
esta' no caso de poder apreciar, mas que todos os
jurisconsultos accellam e admitiera como razio de
decidir.
PRAGA DO RECIFK.
Cota^ocs oftlclaes.
6 de jnuho.
As 3 1(2 horas da larde.
Algodao Ia sorte-14{300 a 14*500 por arroba.
Algodao de Macelo ,13*700 por arroba posto a
bordo. *
Curos s,eccos salgados150 rs. por libra.
Cambio sobre Londres 90 div. 56 d. por 1*000.
Cambio sobre Paris Ww? 365 rs. por franco,
uesconto de letras de 4 e 6 mezes 9 e 10
0i0 ao anno.
unboarcq Jnior,
Prsidento.
Sirreira,
Sepretorio.
Moto banco de|Peruaj
TristUo de Alencar Araripe.
m
, DECLARACQES
COMPANHIA
fiposijo agrcola, efndttstrliil da
Paraiyba.
Devendo 1er logar no da 5 de agosto prximo,
na capital da Paral)yba, aoxpeofcae agrcola e in-
dustrial, o abaixo assignado, enearregado pela
commisso directora, de promover a acquisico de
I objectos d'arte, on artigos de industria dos para-
bybanos aqoi residentes, declara o pede pelo pre-
sente aqoelle que desejarem concorrer para maior
brilhantismo da referida exposigao, que tenbam a
O bandada de dirigir-se a roa do Imperador n. 75 S*
OcaixadesU ompanbia.oOBfatenidador andar,das 7as 9horas o>manhaa, das 4da
Thnmav o Amiinn Fnnwa arlia.u antn- torte as horae da-noitajonfle o abaixo assignado,
lfimaz ae Aqumo tooseca, acua-Sft auto- n-o somente dira- as informag5es precisas sobre o
risadO a pagar no seu escriptorio raa do lraaspojte dos objeetos que sedestimrem a refe-
Vigario. a. 19, das 10 horas as 3 da tardo rida exposigao (cujas remessas devero- ser reilas
do di 39 do correte em diante O 36 di-; at o da ti de julbo prximo), como tambem for-
.idendo desla^mpaDhia. na proporc^o de JSjSSUSSsS^
30 por cadaaccao ; previne-se aos.Srs.ac-, WD rSio, aodwieiguaimonte ootender-secom
Cionistas que este pagamento dever ser em o lllm. Sr. Antonio Jos da Silva Brasil, na ra da
cobre visto ser na especie qoe o mesmo Sr.' Madre Dem n. J3.
caixa recebe dos arrematantes 'dos cnaari- Pemmbuco,Mdomaiode.48o6.
O Novo Banco descasta letras a 10 por cerno
ao anno, toma dinbeiro a praso flxo ou em coata
correte pelo premio e condicoes ano se eonaen
clonar, e saca sobre a praga da Babia
Novo Baitco de Pernambuco.
o novo banco paga o 46 dividendo ne
ratle de 1150 por acclo.
alfandega.
Rendimento do dia 1 a 5...... 111:124*867
dem do7 da S................ 31:819*574
135:944*441
Josttoo Joso do Souza Campos.
de maio de 1866.
O secretario,
Dr. JoSoJos Pinto Jnior.
zes desta companhia. I ...------
Escriptorio da Companhia do Beberibe 28 Caiu iliaida bateo do Brasil em Per-
nambuco 22 de maio de 1866.
De ordem da directora se faz publico
aquellas pessoas qoe tem objectos de 001*0,
prata e diamantes depositados sob/ caucSo
nesta caixa cujas tetras se acham vencidas,
que nao sendo ditas letras pagas al o dia
8 de janho vindouro se proceder' em basta
publica a venda dos referidos objectos con-
forme o prescrito nos estatutos.
O guarda Hvros,
Ignacio Nones Correa,/
Santa Gasa da Misericordia
do Recife,
A lllm.' jaota admimstratira da Surta Casa de
Misericordia do Recife manda fazer publico qua
no dia 7 de junho prximo futuro pelas 4 boras
da tarde na sala de suas sessdes tem de Ir i pra-
Si a renda das casas abaixo mencionadas portempo
suma ires ancos.
23:3O0#C0O
Bairro de S. Jos.
Chafariz do largo daribeira.. 13:0003000
Dito da ra Imperial...... 7.-000 Dito dito defronte da Cabanga. 3:5005000
Dito do largo de Nossa Senho-
ra da Paz dos Afogados...
26:500jKlOO
Passagem da Magdalena.
Cbafariz do largo do viveiro. 240*5000
Dito entre as duas pontea... .3600000
"6000GO
Eseriptorio da companhia do Beberibe 5
de junho.de 1866.
O secretario,
Dr, Jo5o Jos Pinto Jnior.
De ordem do lllm. Sr inspector da~tbesonra-
ria de fazenda de Pernambuco desta provincia, se
faz publico, qae tem de ser contratado perante a
mesma thesourarla, por quera menos o fuer, o for-
necimento a' enfermara militar desta capital, des-
de a approvago do contrato at o fim de dezera-
bro deste anno.
Os pretendeotes devero dirigir suas proposiss
em cartas fechadas ao lllm. Sr. inspector ato as 10
boras do da 11 do correte mez; e ser-lbes-ha
franqueado na toesourarla o formulario qae con-'
ttn os medicamentos preparados e os sen pregos,
a llm de que posso regular-se as respectivas
propostas. Poderao ver tambem na ibesouraria, as
condigoes do contrato.
Secretaria da tbeeonraria de fazenda de Pernam-
buco, em 4 de junho de 1866. Servindo e offi-
cial interino. Manoel Jos Pinto._____________
Tribunal do commercio. -
Pela secretaria do tribunal do commercio" de
Pernambuco se faz pablico qae nesta data Sea
registrado o contrato da sociedade de Theotonio de
Olveira Noves e Manoel Francisco Ferreira, esta-
belecldos nesta eidade sob a firma de Theotonio de
Oliveira Naves & d qae deve *yrar por espaco do
tres anuos, cootados de 34 de janetro do eorrent-',
om o capital do 3:273*870, para 0 qual en>ra o
socio Theotonio com 2:652*970, deduiido? dos fon-
dos, existentes nooslabelecimento, o o socio'Per-
retra com 822*000, importancia dos seos >enkn<.-
dos vencidos comocaixeiro do mesnw eslabokci-
mento.
Secretaria Jo trrbanal do-commercio1 "de Per-
nambnco dejembb de 1866.
OtoOciaMiafor,
Jnlio Girtmaraes.
Peto secretaria do tribunal do coaamoroio dn
Pernambuco se faz publico 00 nesta dato forain
msertotos no respectivo livro de matricula os Srs.
Jos velloso Soares & Filho, administradores do>
trapiche-Companhiasito no largo do Corpo San-
to desta eidade.
> Secretoria do tribunal do commemia de Per-
nambuco, ifi. junbo de 1866.
O ofBcial-maior,
Jallo. Galmares..

i


1

'J.


-

rv


* -



-****
0 de
h0 ie.*93S.
V
:=
BUCO.
A commissao directora da exposigo des-
ta provincia, prev.ne os artistas que de-
ejarem concorrer com os seas prodactos a
mesma exposiclo, e que nao o posam fa-
zer por falta de recursos, que devem diri-
gir-se ao secretaria di commissao para ob-
terem os auiios necessarios a acquisic3o
das materias primas destinadas aos ditos
productos.
Sala da commissao 9 de maio de 1866.
M. Buarque deMacedo,
__________Secretario. _______
Eiposieo das aradaelss airiaslas, dmUriacs de
aras i 'artes ea Per-amanea.
A commissao directora da exposicjfo 'dee*
ta provincia resolveu, que por meio de repe-
tidos, anouncios sejpublicasse .o seguinte:
1.a Que a inaugurac5o daexpesico foi
transferida par-o dia to de agoste prwhno;
2. Que a recepto dos productos desti-
nados i exposicSo principiar j_o dia 15 de
julho prximo;
3. Que a demora que houver na remes-
sa. dos producios seca noc?a .sus maU con-
veniente coHocacao, conforme a respectiva
importancia; .. a
i." o*s rindo todoi atropelfiai'oat as
resperas /do da da abertura da exp^jcao,
nem se pode calcular o espaco que ellas re-
querem e se devan apromptar, nom azer
sobresahir os producios, espacando-os, e
col locando-os convenientemente ;
5. Queaoageute designado peto cownis-
sario clarificador, o Sr.- Dr. Gervasio Ro-
drigues Campeilo, se devero entregar os
productos no palacio dogoverno do referi-
do dia 13 de julho etn diante, e desde as
9 horas da mama at as 3 da tarde.
C. Que a todos os expositores se passar
recibo de seus productos, declarando, con-
forme ellos determinarom, se o destino do
objecto exposto deixado ao arbitrio da
commissao, se deve seguir para a exposicao
dirte, ou ser restituido ao expositor j logo
depois da exposicSo;
7. Que podendo tersuccedido que nao
tenham chegado a seu destino algumas das
circulares .e instrucgoes por ellas dirigidas a
fado alguas dos antigos expositores
cusam a concorrer com novoj pr
expsitode 15-deagotto prasimn^
veu, em otna de suas sessoes, mandar
publico o seguinte:
!. Haver na provincia, para,os fraba-
Ihos da exposicJo, um jury especial, no qual
n5o terab voto os membros da commissSo
directora, que ulgar da excellencia, aper-
feicoamanto e utidade^dos productos ex-
postos;
2. Este, jury se dividir em duas sec-
OtfPV^IIIA Rlt-II.KJK4
P*QUTESiWAPOR
.^k
s
canm*,eommandaate o capilao l-
ente Parias,
___mora do cosame
portos do snl.
Desteja recebem-se passageiros e engaja-se a
carga que o Tapor poder eondnzir, a qoal leyera*
ser embarcada no dia de sua chegada, encommen-
das' e dlaheiro a frete at o dia da sahida as 2 tie-
W-e be orno IGarref, Atso_dre Hercolaoo- e J7__rt_> /V\v._. i titeWe.
Sv^&jT50' bjeC0* "e m- "iaim> -^F9 ly& I Oabaft^sa^ia^MMttQftlicia^qae Sr.-
Etatin !r^^^T~m t nirT *ldi** Q^lsa|A_om fabrlea de fogo artife- D. MariaCorarro pretende vender o enseno S.
Jacob da nSo & fci- ^Difca_W,*__S_^^!om W&o de- MMaatjt|ia>i4trRN,0>eeaiira4<>4tif|Frmo^,
rEL, ,_*. J-M^n.nn* o** *** ** Mr^ttOas laxa?, a espe- pe preseate"prevaa a-qi*er tnieaBSrH>oa qu
S5fSPi r,n,^^,n L!" ra ^IW^^diaTq^aa^^&aVqualqQer smem4mm9*i9mi*w*lKstasir,m>qai<>
irtt liSim -(^P-'8t>a-P0-,--m.grandl> ,rio2Pho nos.-as-amas.dantroolltomaiia; iodo Jeit a,*raada do *eis o.*H*aatgoado
o qual depois da de- t^^Ti^^A^^LZ!^aL'..,- a(Ju*- Que "vr a.mesma SatrS/aca dirija-se ao qne seodo cresor da mesma senhora em quanfu
.me segair para os *%"I8* ^t"*T Martins. rw ^ Laffvu enffomma-
Doi portotldo norte- esperado rj_
i!t!S5M2KS: '*m35ffv*l*io qapislrano,
< balanza rnmaua de 1,!0 libras de peso.
i dita de braco Romea coa peso.
C5es, sendo urna para os productos agrko- ^(uSTP.^il^TlSnto hS^il
Olivelra Aievedo 4 C.
4
mtmm brasileiiia
DB
PAQUETES A TAPOR.
1*, ontra para os radultriaes propriamen-
te ditos, e obras -de arte ;
3. Farlo parte do jury as pessoas d re-
conheeida aptidSo especkrifstas:
4. Segundo o juizo do jury, a commis-
sao distribuir aos productores e denuis ex-
positores madamas de dnas classes, sendo
dal*el998e^e prata- e as da 2* deco-
bre, ambas acompanhadas de diplomas.
5. A commiisle Tara acquisico, median-
te valer ajustado, dos productos qne para
isto forem julgados dignos pelo jury, e que
nao possam ser cedidos gratuitamente para
ligurarem na exposicao central.
A commissao directora espera que estas
medidas ser vira" o de garanta ao verdad eiro
apreco dos productos expoUos, e qu farJo Se(f0r con, toda breTdade a barca portugaeza
desapparecer O desanimo que a alguns ex- Mananta I por ter parte de sua carga carga en-
positores cauaou a deaigualdade jiueflaci*! JiNvpaca o resto:a-p*z<*r>*.para os qnaes
ma sp referir* oaWece eicellenteicoraoBidO : traia-se com os
-~-'Jatarla Thornat de ifluino Foaceca
2 carteiras de aaiacttt
Calites de deposito lara-assoear..
ISOJE
Ao sobrado da ra 4a Crar n. 33, u
em ponto.
W
,F* l)t, Hma ..,, 1 k;ttt m> M-*lvvad* C*m-erolas gandes e rubins, qoem a ti-, d S8I
Dos portos dosul espetado W ama escrava de &lli*|f^a,$MC;.fceWc1ia^|OTeacasa de D. Emilia (teMoraes
al o dia II do correte um dos
vapores da compnbia, o qual, de-
pois da demora docosuime, sega i-'
_____r para os portos do norte. Des \
de j recebra-se passageiros, e engaja-se a carga
que o vapor poder conduzir, a qual dever ser em-
barcada no dHt da sua chegada; en nominen das a di-
nbeiro a frete at o dia da sua sahida as S hora;
as passagens s ser&o recetadas na agencia roa
da Cruz n. 1, escriptorlo de Antonio Luiz de Ol
eira Azevedo & C.
Para Lisboa

Aleja disso, a Dmaisso chama ,a alten-
cao dos Srs. expositores e mais induslriaes
da provincia "para a circumstancia de um
dos seus membros ter de acompanhar ex-
posicao central os productos que d'aqui fo-
rem enviados, e fazer parte do jury julga-
dor na corte, achaodo-se por esta forma
habilitado para ministrar todos os esclareci-
mentos necessarios ao perfeito conhecimen-
to dos prodactos, e fazer valer o dirito de
cada um d* expositores desta provincia.
Por esta forma a commissao julga ter re-
con
r
P*a.
de baiila i{
e onoaa raiifa e>w-
O agente Martins faz leilo da eserava cima na
ra da Croe a. 93, onde ha oulro leilso de novis
eescravos, as ti horas.
faz redes
nlt ora,
agomma-se mapa de homem e' ZffSTS^! *,*T e"a 0,rtrohen, I" R'"0-
fleio e asseio-: a tratar na ra '\?aetf f^"010 Mo*> rtesta di-
Ik Si I andar ^ tra t>i>o#naio.*a 'xecucao que se
ji, o auuar.----------------| aca>mnoea. ao* ^aute do inventario do finado
ie aaa menino de U'|a- 1* aoaos,' Haaoel Jos.Goaoil*es Braga, e do qnaJ. a mesma
tratar na ra do Ro- senhora-aa^eUo**at hoja-oi.) cuidou dos termos
boa .i Perdea-se no dia"3rde junbo da porta da ma-
triz da Boa-Vista at dentro da igreja, urna pnlsei-
ra de pedras pretas do nome Orna, quadradas e
cravadas em our, em
cima um feixo redondo. I
'i si
Ben
de appellafSo:para--desi'fie contrariar o abaixo
assignadU, flije |M-aenin4o.a todos peio presente
espera qne ninguera se posta posteriormente cha-
mar ajigagraaaiV<'ilj^ *>. rrf-rie agenli')
Jertotned* t>brigadoa garanta
Caaes Fefreir no seu sitio do Mondego,que sera'
bea reemspensado.
daBa&k
Majioei io< de Oliveira.
do VigVIo n. iS ou com o capilao na
LEILAO
Seita-fetraS de jobi.
Peto ageole BoteWo.
Se Tendera' urna mobilia de jacarind.
Urna casa terrea n. 30 a rna do Aragao.
Urna dita n. 71 na rna da Palma.
Os pretendemos queiram ir examinar com ante-
cedencia afim de fazer-urna compra favoravel na-
quelle dia e as II hocas na ra da Cadeia n. 53,
primeiro andar.
Preparara-se bandeijas com bolinnos de di-
versas quajieades: ImU de maaoca, bollo inglez,
francez, pudim e po-Je-J ; na ra Direila n. 27,
segundo andar.
Ama
Precisa-se de ama ama para comprar e coxinbar
para urna Deasoa-s : na ra da Oni n. 13, pri-
nmifn andari
Alaga-se urna pequea casa com 2 quartos, Jos Soares slooleiro teli
quintal com cacimba, por ij mensaes; na ra
de Gazometro, confronte ao porto da fabrica do
gaz, lado lateral.
""
AVISOS DIVERSOS
Cempanhia de paquetes a vapor entre
os Estados-Luidos e o Brasil
At o dia 9 do
correnle espera-
se dos.$ortos do rfcano'^NoTA a PesSoa ^ue' lendo trazid do Maranb5
Amenca-, com.unjajearta e divessos papis, s se dignou
mandaste. Tim-! mandar-lhe entregar, por terceiri pesa, a
merman, o quaT carta,, ficaodo-se com os demais papis. Re-
depois na dme
moviaio mais um dos er vacos'" cora que do MJ1*!*6 seuira P]r* lw-York ocand* 'e'
porventura renha a hitar na acquisicao'de ^iSB^rpsr-'PaSSa8eMW
productos destinados exposigo de 15 de piche n, 8.
agosto.
passagena trata-se
4 C, ra- do Tra '
Dr. Manoel de Figue;r6a Faria.

Anda urna vez appella a commissao para
os dignos Pernambucanos, pedindo-lhes com
instaucia que promovam com esforco a re-
messa de prodactos destinados a figurarem
n'aquella festa industrial, i-nde se empe-
nham os brios da provincia
Sala da commissao, 9 de maio de 1866.
Secretario,
Manoel Buarque de Mace do.
Consulado provincial
Pela mesa do consulado provincial se faz publico
que no da 1 de junbo vindouro se principiara a
contar os 30 das nteis marcados para a cobranQa
bocea do cofre do 2 semestre do anno financeifo
da agurdenle^ e de 5
de raz pertencentes a
todos os cidadaosqus julgou poderem con-
tribuir para a exposicao, lites rog que pres-
cind odo de convites especiaos, contribuara.
para esta festa.industrial, emcujobomou
mo xito vo de algum modo os bros da
provincia.
Sala da commissao, 9 de maio de 1866.
M. Buarque de Macedo.
Secretario. _
O lilm. Sr. inspector da thesouraria provin-
cial em cumprimento da nesolurao da junta da fa-
zenda manda fazer publico que se contrata por
tempo de 3 raezes, a contar do 1 de jalho ao ul-
timo de setembro prximo vindouro o fornecimen-
:o de alimentado e dietas dos presos pobres da
casa de detencao, servio J 3 de base a arrematado
os presos seguintes :
Domingo, almoco e jantar 380
Segunda-fejra idem dem 380
Terca-feira idem idem 380.
Qaarta-feira dem idem 360
Quintafeira idem dem 380
Sextafeira idem idem 3i0
Sabbado idem idem 3i0
Dietas.
N. 1 ..... 380
N. 2...... 400
N. 3 r 640
N. 4...... 400
N. 5...... 400
As pessoas que se propozerem a contratar dito
ornecimento aprsentelo suas propostas em cartas
fchalas no dia 14 do juoho- prximo vindouro, ao
meio dia na mesma thesouracfa onde encontraro
as tabellas dos fornecluentos e condiccoes cora
que dtvem effectuar o mesmo contrato sendo ha
bilitados previamente os fiadores. E para constar,
se raandpu publicar o presente pelo jornal.
Secretarla da thesourarla provincial de Pernam-
buco 29 de maio de 1860.
O oficial da secretarla,
____ Miguel Alfonso Ferreira^_____
O llm. Sr. inspeelor da thesonraria prouin-
cial, em cumprimento da resoiuclo da junta de
fazenda, manda fazer publico que no dia 14 de
junho prximo vindouro, perante a mesma junta,
se ba de arrematar a quem por menos flzer, o for-
necimenlo dos medicamentos e nlencis para a en-
fermarla da casa de detencao desta cidade, por
lempo de um anno, a contar do 1 de julho do cor-
rente anno, ao lira de junbo de 1867.
As' pessoas que se propozerem a esta arremata.,
(ao comparecam na sala das sessoes da referida
junta, no dia cima indicado, pelo meio dia, com-
petentemente habilitadas, onde acharo presentes
-os formularios e condlcs da arrematado.
E para constar se maodou publicar o presente
pelo jornal.
Secretaria da tbesouraria provincial de Pernam-
buco 29 de maio de 1866.O olli:ial da secretaria
Miguel Alfonso Ferreira._____
O film. Sr. inspector da thesouraria provin-
cial, em cumprimento da ordenv do Exm. Sr. pre-
sidente da provincia de 28 do correle, manda fa-
zer publico, que no dia 14 de junho prximo vin-
douro vSo englobadamente a' praca parasetem ar-
rematadas as obras da estrada e passadi?o do Cam-
po Grannde, com o augmento de 15 0/0 no valor
dos respectivos orcamentos; os "quaes sendo da
importancia de 8:0005, tb-am elevados -a 9;200-
Secretaria da thesonraria provincial de Pernam- n .p
Duco 29 de maio de 1866.-0 offleiai da secretaria O&DDaQO V Q0 11111110 (16 loDD
Miguel Aflooso Ferreira.
"O administrador da-recel^ia-dr^ndas EP,S0DI ^ ^ADRA^ BRASU.EUU NAS^AGUAS
internas geraes declara que no crreme mez de
junho que os devedores da decima das corporacoes
COMPANtHA PERNAMBCANA
DB
Nayegicao costeira por vapor.
Para Aracaj e escalas.
Seue. no dia. 14 o vapor Pa
rahijba, commandante Martins.
Recebe carga at o dia 13/ en
commendas, -dioneiro a frete (
____, passageiros at o dia da sahida
as 3 horas da urde : escriptorio no Forte do Ma-
Instituto Archeologico o Geo
pr3phico jVernarabucano
os n. i.
Para o P rto.
A muito veleira barc portugueza ARMINDA,
capilao Antonio Francisco da Silva Nunes, deve
seguir com muita brevidade em direitora para o
crreme dos impostos de decima dos prediosjjrba- i>orl0' Ia tem a malor Parte io carregamento
prompto e para o resto que Ibe falta e passageiro
irau-se eom o capito ou com os consignatarios
Marques, Barros & C, no largo do Corpo Santo
n. 6.
Petra o Porto por
Lisboa
nos, de 20 0|0 do consumo
0|0 sobre a renda dos bens
corporales de mao mora.
Mesa do consulado provincial de Pernambuco
26 de maio de 1866.
Amonio arneiro Machado Rios
__________ Administrador.________
Pela lnspecco da allaridas-. desta cidade~se
faz publico que amaaWa, 2 do crreme, conUaiia A veitira a bam.conhecida barea'poriugueza
o letlao dos objecios :,par :coosoo, anoaociados ITettadac,. p;etradB.aaguir cora multa trevidade,
poredital de 21 de maio ultwo,. constando do e. tenHr*.de aaoieawtagamento engajado I para o
guate: 2 pipas coro agurdeme.. 9 volotoes omireslo qae,lhe aJtUrattse cora es saos consgnala
urna nreasa de desca*$ar atgedaof barrica" eom i nos Antane-fcart-tla-eiiveira Azevedo & C, no seu
semeote'de dito, 4 caixas --eoaMaboaa preparadas, escriptofte-aa ra da Cmz n. 1-.
29 ditas-cora 200 vidros de salsa parrilha, l dita -------'------------rr:------r-----=--------;------
com nm mantelete e um chale estragados, 1 dita PaFd 0 KlO C flailfilFO
vasia, 4 barris eom sement de algodo, 1 caita | n
com urna machina de ferro, 1 dita com ferros ve-
Ihos, 1 dita com diversas mercadorias, 1 dita con- F
tendo papis avulsos, 1 dita alcacus, 1 dita vasia,
1 garrafio quebrado, 1 sacco vasio, e 2 caixas
vasia?.
4' seccao 6 de junho de 1866.
O 4o escriplurario
Joo de A. Pereira Rodrigues.
veleiro e bem conhecldo brigue Adelaide,
sahir com muita brevidade por ter a
maior parte di) carregamento engajado, e para o
pouco que Ihe.falta enserares a frete, trata se com
o cansianatarioJoaquim.JjsGmcalves lieltrao na
ra do Vigario n. 17 arinatra andar.
Para Lisboa
Administrado do correio desta Cida-
de precisa de seis borneas para o servido
de caminheiro, quem estiver nestas condi-
ces e quizer engajar-se dirija-se a mesma
administraco.
t.erreio _
Reine-a o das carias negaras ("sistemes na adminis-
traco "do crrela desta-cidade para os senaores
abaixo declarados:
Armio S Saraiva.
Andr Alves de Brito.
Antonio Joaquim Seve.
Antonio Jos Alves de Brito.
Antonio Manoel de Soma Oliveira.
Jos Deodato Bowman.
D. Mara Joaquina da Silva Manta.
seguir com brevidade a barca portugueza Nova
I Marianna, de primeira abata o raoeoiomouie
construida ; tem prompta. a maior parte do sen
; carregamento ; e para o restante e passageiros,
\ para os qaaes tem expelientes .commodos. tratase
\ cora Manoel Ignacio de Oliveira & Filho, no largo
do Corpo Santo o. 19, escriptorio, ou eom o capi-
lao na praga
Para o Para
THE A TltO
S. ISABEL.
EMPREZ4--C0IXBI1A.
Rectta livre da assignatora.
de mao morta, do imposto de 20 0/0 sobre lojs e
mais estabelecneiitos commereiaej, do -imposto
espeeia4 sobre perfumarias, casas de movis e roa-
pa fabricados em paiz estrangeiro devem pagar,
livre de multa, o 2o semestre do exercicio corren-
te, e que, lindo o referido mez, sao obrigados a'
multa de 3 0|0
Recebedoria de Pernambuco 1 de junho de 1866.
Manoel Carneiro de Souza Lacerda.
De ordem do Illm. Sr. inspector da thesoura-
ria de fazeada desta provincia se faz publico, para
oohecimento deqnem interessar, qne no dia 13
4o crreme mez, perante a mesen thesouraria, sa-
rao arrematados, por quem mais der, os arrenda-
memos aaouaes, que devem ter principio no 1* de
Julho prximo vindouro, dos proprios aacioaaes,
abaixo mencionados : os preiendenies devero di-
rigir suas proposus era carias fechadas ao Illm. Sr.
inspector, al as 10 horas do referido dia.13.
Sricr-1 na da thesouraria da iazenda.de Pernam-
fcuco em 6 de junho de 1866.
Serviodo de ofBcial-raaior,
Manoel Jas Pinto.
Relaciio dos proprios nacionaes a que se refere a
annuncio cima..
Casa terrea ti. 21, sita na roa de Santa Tuerez*
desta cidade.
dem idem a. 19, sita na mesma ra.
dem idem n. 10, sita oa roa de Aguas-verdes des-
ta cidade.
Sobrado da dotu andares n. 71, sito na rna da Pa-
dre Floriaao.
dem idem n. II, sito na rna Direlta.
Armazem n. 1, sito no Forte de Mallos.
Mam n. 3, idem.
Idea b. :> Uta.
Kipostcata da productos agrl-
eolas, lodntitrlaes e obras de
arte esa PerMavba.
CoustaoUQ commissQ directora da ex-
posicao iju, por falta dos necessarios escla-
recimentos, pela tomparacao havida entre
os nossoe producto e outros similares de
diversa* pronntas, e prr outros motivos
de que nao leve-completan sciencia, nao hou-
ve a desejavel igualdade na distribuic5o,/ei-
D0 PARAN EM 27 DE MARCO DE 1866.
HiRIX E BARROS
GRANDE SCENA DAAMATlCA REPRESENTADA. PE#-
I.A SENUORA
ADELAIDE AMARAL
POESA DO TALENTOSO POETA PARAHYBANO O
ILLM. SR. DR- ANTONIO DA CRCZ C )RDEIRO,
ESCR1PTA EM 4 DE MAIO DO CORRENTE ANNO.
Hevresentar-sa-ba o muito applandido drama
em 5 actos
\ actriz mum.
Terminara'o espectculo com a applaudlda.co-
media em i acto, ornada de canto
LA DE PEL
toaara parte 9 Sras. Eugenia Cffinra e Leopoldi-
na e os Srs. Paiva, Telxeira e Manhonca.
Ordem do espectculo.
1,* Actriz hebrea.
2. Marjz e. Barjos,
3." Lu de re.
Comecara' *18 horas
Achame em ensaios a raatadia am 3 actas
Mulheres lenicise o grande drama em 4
Gaspar Hamer; aem promDtj^cacao de sce-,
nario e mais accessoriasadranjatea iafiasT
Anjo danteia noite e mmance de um moco pobre.
AJliliUSU-
T
GOMPANHIA PEaJtAMBCASA
DE
Nav|aco cosleira por yapttu-
. P*RA
Parahiba, Natal,,Maco^ AraaiU^WrAre.
Acjtrac.
No .dia 9 do crreme seguir*
para os portos cima indicaos
om das apaee da ompoaMal
e carga alr o #taj8.- En-
W4*^ &**&& *}
Dheiro a fete aj as 3 horas.da iarde do da da
sahida : etcriptorlo no Forte do Matos n. 1.
pretende seguir uestes oito das o patacho porlu-
guez S. Jorge de Aveiro, o qual tera.prompto parte
de sen carregamento : para o resto qne Ihe falta,
trata-se com os seos consignatarios Antonio Luiz
de Oliveira Azevedo A G., no seu escriptorio ra
da Cruz o. 1.__________________________
Para a Bahia.
Pretende seguir com moita brevidade a velleira
snmaea nacional Horlencia, a qual tero parte de
seu carregamento prompto, para o resto que Ihe
falta trata-se com os s-'us consignatarios Antonio
Luiz de Oliveira Azevedo & C, em sen escriptorio,
rna da Cruz n. I.________-
Para a Bnhia
sabe com toda a brevidade o patache nacional San-
to Antonio ; para o resto da carga trata-se no lar-
go do Corpo Santo n. 4, escriptorio de Jos Mara
Palmeira.
Para Lisboa
Seguir com toda brevidade o lagar portu-
gnez Julio, por ter j a maior parte da carga
prompta, para o resto e passageiros, para os quaes
offerece excelleotes comroedus: trata-se com os
seus consignatarios Thoraaz di Aqaino Fonceca
& C. a ra do Vigario a. 19 ou com o capilao na
pra?a.
IEIES2S.
Importan fe leilo
do armazem degeHeros e molliados si-
to na ua do Imperador n. 46
HOafaE
O proprieiarin desta grande armazn tenio de
retirar-se para tratar de aaa saude Jra' leilio por
mtervenao o agente Pestaa de todos os geaeros,
loncas, vinhoa aofarrafados de diversas ^aal ida-
des, licores, cervejas, armaco,flandres. eiros en-
vidragados, gas, canteiros, 1 cofre grande, 1 guar-
da livros, carteiras, mesas etc.
Este estabelecimento acha-se mullo proprlo pa-
raaa tmmtmnmmr^mmnmi a layr um das
das primeiras fitas, e mnito
ura-se a casi a quem ten-
o qae tara' lugar
ta tetra 7 do cprjjeote pelas 10 oras da ma
poras
5a no aeamjSfafrnqtm ra do Imperador n.
ichaiiaai i mimqo em mi lo agente.
LEILAO)
\
livros, eseravae am sitio na Ca-
Sendo, urna mobilia jjeiacarand. constando de
18 cadeiras de goarpicSo, 1 sof urna mesa re
donda, 4 eonsolos cora-pedra, % cadiras de batan-
eo, i benitos > espalaos,. nra. exceiltnte piano, ii
cadeira de br?c anwricjMiaf, ama grande es-
ume euvjdracadA pac> livros, um armario envi-
dragado, um toillet, 2 gaarda roupaa de amar ello,
l guarda looga, nma rica cama de Jacaranda com
cortinados, orna dita de amarePo, 12 cadeiras da
Jacaranda, 12 ditas de amareilo, 2 cadeiras de ba-
Sioco, 2 coosolos. de amareilo, marauezas, camas
e ierro, camas de vento, 3 ricos caadelabros pra-
| tsaee, dinatin wnilim aimlinf campoteiras,
Settae com malta brevidade o patache portugus copos, clice*, garios, facas, trem de cosioha, um
IUuuLtS-Miguel ,.
Haver sesso ordinaria quinta-feira 7 do cor-
reme, pelas 11 horas da manhaa.
ORDEM DO da.
Recepco solemne do r. Dr. Francisco Manoel
apos) de Alraeida, como socio.eSertivo.
Relatorios e pareceres, de cemmissde?.
Secretaria dolnstitnto 4dejonho de 1866.
J. Soares de Azevedo
_________________Secretario perpetuo.
Compra-se nm sobrado era bom es-
tado, de um a tres andares, as ras se-
guintes : Cadeia, Cruz, Trapiche, Impera-
dor, Crespo, Cabug, Nova, Queimado, Cru-
zes, Livramento, larga do Rosario e Hor-
tas; quem liver ileite carta fechada com as
iniciaos A. C. E nalivraria n, 8 dajpraea da
Independencia.
Offerece-se urna muliier para casa de
familia esirangeira para todo o servico de
portas a dentro: quem precisar annuncie
para ser procurado.________
Joao Valente a Cruz, vai a~Europa.______
Luiz Paula Lopes, cidado brasileiro, vai a
Portugal^______________________________
Manoel Joaquim Loureiro, subdito portuguet
retira-se para Europa.
DomingosOomes Loureiro subdito portugnez
retira-se para a Europa.
ios <;:ooo ooo
pg^amQTvht
Achsm-se venda na respectiva tbesou-
raria. .' ra .do .Crespo n. 15, os bilhe-
tes, meios e quintos da 2a parte da 2a
lotera- a benefta da matriz de S. Jos do
Recife (66.a em,-typo preto), sendo ajextraco
no lagar e hora do cosame.
Os premies de ,6:000iJ0O0 at 40500
serao pagos urna hora depois da extraccac
at as 3 horas da tarik, e os outros depois
da :i is tribu pao das. Ii6la6...
As .encommendas.sero::.guardad, so-
mate at a noite da vespeca da extraogo.
O thesouraire,
Antonio Jos. Rodrigues de Souza^
Na botica e drogara
DE
Bartothomeo i.C,
31Itua do Rosario Larga34 .
VENDE-SE
Preparados da America
Do Dr. Radways:
Pilulas reguladoras.
Prompto alivio.
Rezohiti renovador.
Do-Dr; Ayawirf
Salsa paaehu
PtriatbaMiia&
T Xa.rope peiixirai de ceneja, j.
De Lamraa.A.KaB|iiip
Verdadewa salsa*f^lba^de,Br|aBliiv
Pilulas assucarathnr
Pastillias vermfugas.
* Ole" puro de figdo de bacalho.
Xarope pectoral de^aavalmita.
AgUl flonda- __________________________________________________________
~ Qaem annancioadar 1 0003 sofcre.bypulbe-
a dirii;
dirija.se a ruado, ^ogueica n.26, 31 andar.
Alu^a-se asa preto pora
ra do Ara*o n. 43.
todo o servido : na
.Por delibraco do irmo ministro convido a
todas as pessoas que se querem encarregar da
reediieacao do predio coa roa do LivranMnto,
portencente a veneravel ordem terceira deS.tTran-
cisco a apresentareru.quanto antea as suas propos-
tas em carta fechada no consistorio' da mesma
ordem.
Secretaria 4 de jnnho de 1866.
Jeronymo Emiliano de M. Castro,
_________________ Saeajtprlp.
Preclsa-se alugar urna eserava de raeia ida-
de a qua passa vender naru* : na roa .dos Pra-
zeres ?. 18 ou quera liver annuncie.
Precia-se de am trabalhador tiara vender
pao : na-ra fteaUloMaaimoli, n. 25.
Anu de faite<
P^etea-s^de%ma" arar que tenna- bom leu.' e
em abundancia^, nao.se olha a cores, para criar
urna meaioa itJoowu- conu da oupa da mesma :
qoeui pretender.dirija-se ao becco-do Peixe frito
n. 3. taberna, que se dir' quem precisa._____
- Precisa-sede um criado flel' para casa de
pouca familia : no Corredor do Bispo, sexta easa
vinto da roa dos Pires, lad^esqnerda
para Villa do
Cabo desta provincia. deixi .como en bastante
procurador a Joao Pal Icio dos Sntos Reis.
Preeisa-sa de urna ama par,- casa de nma s
pessoa : na rna,dasTr;ineb8iras n. *7"_
Precisa-se de umamassaaor bom que enten-
da bem da massas; na padarta do Chora-meniao.
' Urna"viva pfeci/a d 21)05 n Oi o seu meio
sold para recebar a qnem ihe adiantar esta qaan-
tia: q'jem tiver diri}a-se a esta^iypographla era
carta fechada cero as inieiaes-A B D
Fitor,
Precisa-se de om feitr qua. tenba pratiaa
plantacdes de arveredos : a tratar no armazem
ra estreita do Rosario n. 6.
o"*
da
Attenc^o.
Precisa-se-de urna ama para casa de familia, que
faca o senrico-ordinario da mesma: na ra da
Imperatrit loja de pintor n. 82. _______
Otterece-se urna pessoa habilitada para co-
branzas nesia praca, dando fiador de sua cooduc-
a : a tratar na ra da Codorniz a. 12 A.
Uaffll
P4PEISPIVTAW1S 1
Sortimento de papis pintarlos e ^
lindas guarnieres para forrar casas. 9,
N l LIVR \R fA FMNCBZA. B
N. 9. Ra do Crespo N..
Precisa-se de um amassador: na padaria de
Lentz, atraz da fundi^ao du Star.
%m
oa
Precisa-se de ama ama qae seja de bons costu-
ra c a para o servida domesiieo de urna casa de la-
milla : a tratar na rna da Cruz n. 42. _____
Precisase de urna ama para cezinbar e en-
gommar para nma casa de pouca familia : na
praca da Independencia o. 39.
"r- Precisa-se alugar urna eserava de bons
costumes para o senico interno de casa de
familia ou um moleque de idade de 12 a
14annos;a ruado Sol n. 21.
Precisa se alugar urna e-crava que tenha
boa conducta e sera vicio, qua seja boa engom-
raadeira: na ra das Cruzes n. 36, primeiro an-
dar, pagase bom ordenado.
Casa d eommieeio de rgeravos aa ra do laipe-
rador n. 4o, terceiro andar.
Recebem-se escravos tanto do malo como da
praca para serem vendidos por commissao,. afflan-
ca-se o bora tratamento e seguranca para os mes-
mos. O abaixo assignado nao poup'a esfarcos afim
de os vender com promptidao, Desta mesma casa
ha sempre para vender escravos de ambos os sexos.
AUIOUIU J'J-C V. do e~o
Antonio Luiz de Oliveira Azevedo & C. tem
para vender no sen escriptorio, ra da Cruz n. 1,
vinho do Porto em caixa de duzia, fio hambnrguez,
sola da Bahia superior.
Arrenda se um sitio no lugar daPirao-
ga, com trras de plantar epasto, e varias
arvores de fructo; na ra do Imperador es-
criptorio : n. 12.
Ama
i Offerece-se nmaama para todo o .servig- de urna
casa, a excp(o de eogommado : quem precisar
I dirija se ao neceo do Padre o. 14, sobrado.
Carta* do Rio Gtmtudo mmde.
Ortlm. Sr. Angosto Joaquim do Carvalho lem
cartas recomm^ndadas ooescitptario do Forte t.'
Matt j? n. 1._______________
Precisa-se de ama ama (nra o servia tmer-
no e externo de urna casa de p^uea familia : a ra
do Livramenton. 11.
Qnem precisar de urna ama para casa d^
i homem olteiro ou de pouca familia, dirija-se a'
ra larga do Rosarlo n. 37, t andar.
PASTA a XAROPE de HAF da ABANA
DB DELA\f:ErVIi:R
S.1-' o nicos pellones approvados peloi proiessorM 4>
/Facultad de Medicina de Franca, e fot M mdicos dea Hot-
pitaes de Pariz, os quaes cercartaaaate a aaa auperto-
ridade sobre todes os Mlros elwraercomo sos podaroaa
IScacia contra os DadnTna, Orlppa, IirlUf^M u
AfTalcooi do palto e da farfanta.
RACAHOT DES RABES
tve DEUttRinra
nico alimento anprovado pela Academia de Medicina da
Pariz. Elle restabelece as pessa que otreB do Katav
mao e dos intonino; tartalee* aa enancas a as peasoW
debilitadas, alera aisso em virlue da aua propriadade aa
laptioa he o melbor preservativo da* Fakras aanaraUa
tjpk.Mo.
Cada frasco a cada calxlah detla* prparaoea Int
teinpre o ello a firma Delan/mitr. roa Kkhelieu, 2S,
em Part. (Tazer serizlo silencio com as falslflca;fis.)
Depositarlos no Pernamhu*: Oaara Bar*ora; aa
tholomao T" da Soasa y Ola.
Preclsa-se de nma ama
Cqrpo Santo n. 17.
Ama de leite.
de leite; na praca
du
Precisa-se de urna ama forra ou captiva que
cosinhe com perfefco para urna casa de familia :
a tratar na ra da Cruz n. 8, terceiro andar.
O Dr. Miguel Joaquim de Castro Mas- 1
rarenhas mudoo a- sua residencia da roa !
do Sol para a da iruperatriz n. 88, entra- 1
da pela ra do Hospicio, onde continua WL
no exercicio d9 sua protlssao. O mesmo S
Dr., que se tem dado com solicitnde ao 1
estudo e pratea das molestias de tero e KS
de meninos, di consulta gratis aos pobres *i
das 9 horas as. 10 da manhia.
i mmm mmmmmm
. Irmaadade das almas da matriz da Carpo
Saate,
Por ordem da mesa regedora convido todos os
nos sos-ir maos a compareceris em nosso consisto-
rio no dia quima-feira 7 do correnle, pelas 5 horas
da tarde, atim de em mesa gerat decedir-se alguns
negocios de urgencia.
Manoel Luiz Goncalves
Escrivo.
FugCH|io'>ado-irente o moleque de neme
AMesta&eJbtaa*nuUt-Bnnos, ponco mais ouajne-
nos.coctj0s signaes seguintes : 6 um ponco gago,
lersvos otaos de sapiranga, anda sem chapeo, lean-
do camisa-e caifa ota nscado atol;,qaem appre-
hande-lo queira ter a bondade de entrega-lo ao seu
senbor Antanio da Silva Ferreira, rna da Impera-
triz n 57, que sr^eeptasado.;
Urna, ama UaBr-
llaeida dona da casa da '-i tIV "-marT7 m ""I? forroS cafl,..WapJrVadavsaestes
revine ao re^pdpvel,pu8i^JVa"rSoSBr4 I-S bf>* ^iil'doflqspicio a fa
cellar neftode algum rk bypotree na dita casa it> ..... mm<*>m 'am w..... i........' 4
Qbf*4omioldeLui>iaBO. MajrMi* Ritreire-.-a AfirlSt1" ^j
A.
Vende-se as pliarmacias de Maurer e de
Caors.
Precisa-se fallar com o Sr. Antonio de Al-
melJa Oliveira : oa tua da Gru u. 23, primeiro
andar.________________________________
O Rvm. Jos Esteves Vianna dirija-se a ra
larga do Rosarlo n. 23, que .'e Iba qoer fallar.
Samuei Power Johustoii A Cofflpauhia
Ruada SenzalaiNova n. 4.
AGENCIA DA
sFundl*y&o de i.ow lour.
Machinas a vapor de 4 e 6 cavalTos.
Moeudas e meias moendas para, eagenho.
Taixas de ferro coado e batido para enge-
nbo,
.\rreios d.' carro para am e dous cavallos.
Refugios de onro patente inglez.
Arados americanos.
Machinas para descarocar algodo.
Motores para ditos.
Machinas de costura.
Companhia fdeldade de segaros
maritimos e terwstre&<
*estabelecida no Ri de Janeiro.
AGE.MES EM PERCIA3IBUC0
Antonio Luiz- de Olireira Aievf do k C,
K competentemente autorisados pela direc-
H*TOria da cempanhia de seguros Fidelida-
de.tomam seguros de navios, mercado-
ras e predios no seu escriptorio ra da
Cxui n. 1.
Ii
Arrendamen
O desemhargador Doria arrenda e tam-
bem vende a sua chcara no Mangoinho.bera
como vende .duas parelhas de muas, tres
carros sendo urna victoria, nm coup e um
cabriolet coberto, tres vaccas de leite sen-
do duas paridas, dous bois de carrosa e
todo3 os traetes e utencilios das casas e cha-
cara : quem pretender pide ir examinar e
entonder-se cun o desemhargador ou com
o Sr.- Jos dos Santos Neves, na ra do
Crespo n. 49.
rvico externo de ma casa. da. pouca fanal
_______________ nos Afogados, na padaria d ra Direila ni
pcaaso aasat> aamca'ids /_. *w
i Precisa-se de nm
aa casa eslrangeira : defroate da matriz da Boa-
niaai mirailaraiit-I
essoa para casa de
ar ou coiinhar ; a tra tai
Precisa-se de urna ama de leite : na rna
Livramento n. 3 A.
do
Quem precisar de- urna ama para cozlnhar
em casa de homem solteiro on de pouca familia :
Perguntaseao film. Sr. B. C. qnando pre- dirlja-se a roa Augusta n. 7. ___
tende dar comas da thesouraria das pobres almas, ,-. rjoa pessoa com praica do foro ofleroca^e
pois qae V.-iqati arraeadar e quando a mesa _-,. aier qUajqoer arrecadaco, amiaa4i oa Ja-
bamou-o a .coatas V, S. atoodo_i>ti e qoer chi- 1_fciaU|r|nto:soa contota a pronaette- todo coi- \
__^___Y^__|- __rr_a__a4 _B y"0 e ^c"vltUd* qo^Pfaolaaf aa-aacle.
)^(-m*Mra J%8n*r-Br. juiz^dTeapeO, ^~ Precisara.daoo* ea*r<,MB| taberna, can
#efa-a' a deuda iastica,;anda vo'ltarei. ,* 8 aDD08 de ldade'com Pra,fca d* mesma :
JWr_*. das Mm* ijratar no Msngnlnho" sttto do Sr. Amorim. ~
Perganta so ae-sapatrtro dlrdctor do Recreio _~ Aluga-se a casa lerrei n 4 J* ra do Kaa*
infames<*nat a raza-de reprovar o candidato w16 a ""atar o escnpwrio aloio Qotr.no de
XAROPE
PEITORAL E DULCIFICANTE
DE
SAIAT-ft-MmGES
Preparado por GR1MALT 4 Ca pharma-
ceuticos deS. A..i. optin6i.e apo eo.
Cura rpida .das molestias ^eguiates:
tese atarrbos\ piearesia,- eoquet-ctie, an-
gi~js,"fortes consttpacfles, irritacoes dos bro-
nebeoedo peite? bronctte, pbtywca purmo-
nar, astrna,pneu_ionia, angina*, mygdalites,
tosse chronica, rouqtiidio.
Os mdicos recommendam ?o mesmo tem
na po o uso das exclletes pasibas peitoraes
co;i o_uc-_a alface a lauceiro-pcettji>, que
s venda as ^harmaiasr. ti Maurer e A.
Caors.
p^o p~o S". em se^sioVe T do correnie ,-^u.lar & C, ra da Cadaian. ai, .Candar.
z. Tal vez que o sapaleiro Julgasse qne b re/e- -1 -'r_.^..__ __,,___,,.
6 qnizesse ser eleRp aflm de vlr sa moralisar. ^Tt^TnmaaCtTa
"Como besta o sapatetro e toda caoalha qae o cer-
sapsteira eaMlaaa na to famosa carreira de
No taiM d me le* o nbfvia nome
u^e aen-"'troca o-nome para Man--l,
tem 2ftaaatr,eTtmi -*rba, d des>-tdo, i .uto
em baixo oaaaaaia HKii; um-tante -pancudo r
assim como eaiBUMV 'hfiwpermr; tem as costas
com .cicalcizes.de pea, baixo, .porio,.encorjiado,
"vestido-com omisa de algodo- calcada brim es-
caro : quem o pegar entregar a sen s-mhor, na
rna da Gota n. 34, que sera fecomfWrsado.
ta p#ra esta provincia das recempeasas da
as pela codmbssJo central do Rw-ife Ja-'GE oeiro na ultima expsito, e que por este' do Reg Lima a ra do Apollo n. v
s
portagaez, francez e icglez de importantes esertp-
| intitulares por alfalate edesprezares pessoas sn-
atL
-________AHtio weotta.______
Precisa-se da ama ama qae saiba cotinhar :
a roa das Aguas-Verdes n. 48, t podar.
Precisa-se de urna eagaana-leira : na rna da
Cadeia do Recife n. 51, terceiro andar.
Coiiuheiro.
Precisa-se singar om eecfavo que ceslnhe pelo
menos o trivial de- ama eass : a tratar na roa do
Trapiche n. 44, segando andar.
I
(
>

/-

& I


I
- -^ ,. ...
-
Maris inrantit 1866.
\


y
A LEGITIMA
SA1XAFARRILHA
DE BRISTOL
PREPARABA MCAMENTE POS
LAMAN & KEIPr
NOVA YORK.
Composta de substancias, gozando ds
propriedades eminentemente depurativas a
approvada pelas juntase academias de me-
dicina; usadajnos principaes hospitae&,i-
vis militares e da marinha as AntiLhas e
no continente americano ; receitada pelos
facultativosos mais distinctos do imperioso
Brasil e da America bespanbol
CURA RADICALMENTE
escrophulas, rheumatismo, escorbuto, en-
ormidades venreas e mercuriaes, chaga*
antigs, morphea e todas as molestias pro-
venientesd'um estado vicioso do sangue.
Emquanto existem varias imitacbes e
falsifcacos, preciso a maior cautela para
evitar os engaos,
A legitima salsa de Bristol vende-se por
CAjORS A BARBOZA
JO(f DA C. BRAVO A C.
JoSo da C. Bravo & C.
Deposito geral em Pernamnuco ra da
Cruz n.22 em casa de Caros
FABRICA A VAPOR
99 RA DO AWNDEGO 99
Drpoi.il* na rna 3ova b. o* laja 4e relojociro.
Deloucbe denos deste estabelecimento partecipa ao respeitavel publico que eoa fa-
brica est montada ceu as melbores macbioas que existem na Europa, e que pode
fabriearcom melhor, perfeico possivel. Todo o chocolate desta fabrica est garantido, e
.puro, o que nao se pede encontrar naquelle que vera de fra, e que se vende por^reco
baixo, isto os productos serem do paiz. Na etiqueta teas sempre urna aguia.
PREGO.
Meia libra. ........ 400
Urna libra......... 800
Urna arroba ........190000
Na mesma fabrica acaba de se montar urna oficina com serrara a vapor .para
obras de arcineiria propria para edificio, para o que encarreg-se de fazer portas, ja-
dellas, assoalhos (parque francez como se usa na Europa,) e armacSts, ludo com bpevi-
nade e perfeicSo. Toma-se qualquer encommeoda para fra da cid'ad, entregando-se
prompta a collar-se no lugar.
MARTIMOS
CONTRA FOGO.
A companbia Indemnisadora, estableci-
da nesta praca, toma seguros martimos so-
bre navios e seus carregamentos, e contra
fogo em edificios, mercadorias e mobilias:
na roa do_Vigario n. 4, pavimento terreo.
Engomma-se
com asseio, promptidao e preces razoaveis: na ra
Augusta n.5, luja.
mmm mmmm mmmmmm
V O Dr. Carollno Francisco d Lima San-
tos coDtioa a morar na ra do Impera-
dor n. 17, segundo andar, tendo alias sea
gabinete de consultas medicas, logo ao
entrar, no primeiro.
O mesmo doutor, que se tem dado ao
estado Unto das operares como das mo-
lestias internas, prestase a qualquer cha-
mado, quer para dentro quer para fra
da cidade.

Em casa de Theod Christian?en, ra do Tra
piche-novo n. 16, nico agente no norle do Brasil
de liratidenburg Irerfes, Uordeaux, euconira-se el-
fectivamente depotito dos artigos segointes:
St. Julien.
Si. Pierre.
Larose.
Chateau Loville.
Chateau Uargaux.
Grand va Chaleau Lafitte 1858.
Chateau La hite.
Haut Sauterues. ... -----
Chaan saulerries.
Chateau Laiaur Blaocrte.
Chateau A'quem.
Cognac ein tre qualidades.
Azeite doce. Precos de, Bordeaux.
Precisa-sede urna.mnlher forra de meia da
de que se qaeira prestar a ser ama e fazer com-
paDhia a orna senhora; a traur na ra do Quel-
mado n. 69.
Na ra do Queimado por cima da loja
de cera, vende-se um fardaraento completo
dar ofilcial.
Precisa-se de um menino para caixeiro de
taberna, a' tratar na ra Imperial n. 2oo.
As Pilulas Catharticas
DE A.YER.
O purgante mal efeeat at Jtnje eonhectdo.
Estas pillas to paramente veg-
Itaes, Ru tendo na sua compo-
slao nem mercurio ncm ostro
Ingrediente mineral; so lnno-
csste* para as erianfas e pessoas
mais deKeadas, ao mesmo tempo
qe, eompostas como sao de vegi-
taes mnl fortes, sao bastante aeti-
vas c eticazes para as pes&oaa mais
robustas.
}.-'::= plalas catharticas purgio e puriflcao todo systema
bumnno sera mercurio.
Ne se tem poupado trabalho nem despeza para levar estas
|>lulas a um gre de perrccco tal, que nada deixa a desejar;
eio o resultado de unnos de estudos laboriosos e constantes,
l'ara alcauear tedas as vantagens que resolta* de aso de catiiar-
ticos, tem se combinado someate as virtudes curativa das
rlantas qae sao empregadas aa eonfeccao das pilulas. Sua
coiiiposico 6 tal que as enormidades que esto ao alcance
de sua aeco, raras vezes podem reslsti-las on radi las.
Suas propriedades penetrantes explorao peaetrao, purifico o
tlo rigor i todas aa partes de organismo humano; pola corrigem
a t u:i accao rielada e taz recuperar a saa ritalidade. Urna das
consequendas dstas propriedades que o dtate, abatido de
Or c debilidade physlca, admlra-se de nsontrar, to depressa,
sua saude e energa recuperadas por mel d' um remedio to
imples e agradare!.
As molestias que esto as seo alcance sao.
i 1 .i, de rmtre Rheumatiimo, D6r da caheia, A ftvralgia,
Eitxagueca, Indi/atoo e mal do estomaga, n*morrhoidai,
PADECIMEirTOS DO FieiDO,
Pehre gaitro-liefatka, OattrUe, afeoftei BiHotat Lombriga,
Iryipela, Hgdrepiia, turdet, eeguira parcial, e Parsita,
No almaaak e Maaaal de Saade do Dr. Ayer, qae se publica
torios os aunos para distribuido gratuita, cacontra-se um tra-
tado sobre as diversa* deeacas que esto ao alcance da
REMEDIOS PUBGANTE8.
Acba-ee em todas as Boticos Drogaras do Imperio.
O Peitoral de Cereja
DE AYER,
PASA A PP.OMPTA CVBA DA
Angina, de Oonatipaoos*, Toaaea, Bouauido Infla-
ansa, Bronchite, TUioa primaria, Tuberouloa
pulmn ara, e todaa as molestias do
Peito, assiza oomo para allTiar
00 othioos dsolarados.
As preparacees do Dr. Ate so vendidas SM prlndp**.
drogaras e boticas do Imperio.
OEJLHO A FKEIT.I.
Rna da Cruz u. it.
Continua a baver diariamente um sortimento de pastis, podins, boloe inglezes,
empadas etc., ete. Os donos deste estabelecimento, acam-se as melbores eondices
I de poder satisfazer encommendas concernenles a sua arte, em consequencia do socio
1 Freitas ter sido administrador chefe de algunfas das princi, aee fabricas na c6rte, tendo
: urna a do Sr. Jo3o Goncalves Geimares (confeitaria do Le5o) antiga casa de Carceller.
Todos os trabalbos sao diferentes dos que se fazem em casas particulares.
Os propietarios deste estabelecimento nao se tem poupado a despezas, nem se
pouparo, se houver- oncorrencia oomo esperam ; tendo GOtUinuadamente bom sorli-
1 meato de doces para cha; presuntos e ditos em fiambre, tambem se recebem para se-
, rem preparados ; assim como doce de caj novo superior, secco e crystalisado, dito em
, calda em latas hermticamente fechadas, podendo durar annos em perfeito estado.
Para jantares e partidas recebem-se encommendas dos seguintes objectos; ban-
deijas ricamente enfeitadas sem arraacSo pecas de amendoas (nogaces), ditas de tmaras
de ovos, p5es de l enfeitados com disticos anlogos qualquer fim; ditos montados,
kechs simples e enfeitados com fructas ingleza; gatheaux de la reine, ditos de le d-
chese, tortas de frueta, massa folhada; ditas de peixe e carne; cremes e doces de ovos
de differentes especies.
Tambem tem um completo sortimento de vinhos engarrafados, como sejam: vinho
do Porto superior, Figueira, Madeira, Lisboa, Cherez, Bordeaux, Champagne fino, ser-
veja, licores, charopes e conservas. Para festas: bonitas caixinhas com amendoas, con-
feitos e mais enfeites. Muitos destes objectos mencionados podem-se perfeitamente ac-
ondicionar tanto para a provincia, como para fra.
FIGURAS
Acabam de receber bonitas figuras para bandejas de doces, sendo grupos para
baptisado, casamento, annos, di lia a phantasia, bonitos enfeites para bollos e circular pra-
tos de doces finos, todo por precos razoaveis.
Vende-se licores em duzia muilo em conta.
Coflpaiiiiia, geral hespanMa de seguros mutuos
sobre a vida
AUTORBADA PELO REAL OECtlETO DE 21 DE DEZEMBRO*DE 1859
On* fitraca em fintieire, depositado dos cofres do estado, garante a boa ad-
ra.nistracio Ha compaHhia.
&ANQUB1R0S DA COMPAKHIA* DIREC50 GERAL
Bataneo das Heapanba Madrid: Raa d Prados.I
Eeucompanhia.liga pelo sistema mutuo todas as combinares de supervivencia dos seg
os obre a vida.
NfltU pode se tarar a subscripto de maneira que era nenhum caso mesmo por morle do
oforao-ee eerw o capataljiem os jjuros correspondentes a estes.
srjprehenflerJtes os resultados que produzem as sociedades da ndole deA NACIO-
5u"S!S aind*'mesmo diminuindo urna terca parte do interesse prodnrido em recentes liqaldv
edes eeoratHnandoTO cooi a mortalidade da tabella de Depareieut que adoptada pela companhia
P*r*J5a clculos e liquidacSes, etn segurados de idade de 3 ai9 annos, urna imposicioannua.
de lOOf p."oui em efTecsvo metlico:
. No fim de S annos.......1:119*300
> de 10 ........ 3:942*600
s de U ........ i 1:208*200
de 20 s.......30:266*000
# de 25 s.......80:331*000
HKidades menores de 3 annos-e maiores de 30, os productos sao mais consideraveis.
Prospect is e mais inormacdes serao .prestadas pelo sob-dlrector nesta provincia.
JoaquimFuza ment dos Srs. Raymuado, Carlos.Leite t Irmo.
Para
TINTTJR
AO GRANDE S. MAURICIO
PROE PARA
Tinglr, lioipar c lastrar a vapor.
F. 1SAL1MRE & C.
29 Rna 7
Defroote da ra aova
de setembro 29
do Oavidor (Rio de Janeiro)
Os proprietrios deste estabelecimento, o primeiro no seu genero do Brasil, por
trabahar com as machinas mis aperfeicoadas para tingir e lustrar, de que se faz uso na
Europa, eajOdados por alguos dos melbores officiaes de Paris e Ly2o, podem assegu-
rar seus freguezes urna perfei.o no trabalho, a qual senao pode chegar pelos proces-
sos ordinarios.
Tingem, lavara, limpam e demofam com a mai r perfeic3o e brevidade qualquer
qualidade de fazendas, tiram nodoas e limpam secco sem molbar as sedas e as vestimen-
tas de senboras e de homens.
8
S 7 2 S'
C T
5*3
1 "S 5 8 S 0 %
S 25 S--2 S -**
era FS-S = X




CASA DA F08p4.
Aos 6:0a0^000.
Bllhetea garantidos.
A'RA DO GRESPO N. 23 E CASAS DO COSTUMB
, O baiioassignado venden nos seus mnitofli-
tes bilheles garantidos da lotera que seacabou
de eitrahir, a beneflcio das frailas dos volunta-
rios da patria, os seguintes premios:
N. 24-69 um meio com a sorle de 6:00O#.
N. 2650 um meio com a serie de 1:208*.
N. 2560 dous quintos Com a'sorle de 3(0*.
N. 768 dous quintos cora a sorle de 200*.
E ontras muitas sortes de 100*, 40*, 20*,
Ospossuidores podem vir receber seus respec'
tivos premios sem os deseontos das leis na casa
da Fortuna ra de Crespo n. 23.
Acham-se a venda os da parte da 2 lo-
tera (66) a beneficio da matriz de S. Jos do Re-
cite, que se extnhira' seita-feira 8 po correnle
PREgo.
Bilhetes .... 6*000
Meios. ..... 3^000
Quintos.....j*200
ai pesseas que cemprarra de 100*000
para cia.
Bilhetes.....5*500
Meios. ..... 2*750
Quintos.....1*100
Manobl Martins Fiuza.
Kmmwmmmtmwmmm
*CASA5DE BACHOS"
26 Pateo do Carme 26.
Norte estabelecimento Ufo impor-
Unte para a saude e assio do cor- '
po, acham-se montados 20 banhei-
ros, que s5o servidos com a ordem
e asseio que para desejar-se. Qua-
tro destes banheiros s5o especial-
mente reservados para senhoras e
por isto acham-se coliocados em lu-
gar reservado, aonde s tem entra-
da as pessoas de urna mesma fami-
lia.
PRESOS DE BANHOS AVULSOS.
i banho fri, momo ou de
cbovisoo...... 5oo
t dito de choque .... 1^000
1 ditodefarello...... |,$000
1 dito aromalisado 1,5000
PREgOS POR ASSIGNATURA.
30 banhos por mez fri,
m'rno ou dechovisco. lOrJOOO
25 banhos com caribes pa-
ra os mesmos .... IOJOOO
12 ditos ditos ditos 5*000
12 ditos ditos de choque. 10*000
12 ditos ditos de farello.. lOfJOCO
0 estabelecimento estar aberto
nos das uteis das 6 horas da ma-
nhaa as 10 da noite, nos dias san-
tificados das 5 as 5 horas da tarde.
rmgm
LOJA DA FRAGATA AMAZONAS
\. 5 una do Qoeiieailo d, >,
Si. s =

SfiAS
" S.5.*
c 3
8 S.
ES QS^r^r-^rX^
1 5." S3=I.
o 21 g lia S-S
o f. %
sB"5i o
^ C Ti B -
BrSasfctr
= O ~^M
*=) S? h 5 -
5 f-
ea.Bg RI-
er s e
Monteiroe GuimarSes, part'cipam a todos os seus amigos e fi eguezes, que recebem
de conta propria por todos t s vapores da Europa, grande e variadissimo sortimento de
objectos de a!ta novidade, e bem afsim adornos proprios para casamentos, pois que seus
correspondentes de Hamburgo, Paris e Londres, na es< lba de taes mercadorias tem
merecido approvagSo das encantadoras Pernambucanas.
A Fragata acaba de receber pelo ultimo vapor grande variedades de sedas de todas
as cores e quahdades, tambem recebe por todos os vapores luvas de pellica, (do afamado
Jouvio) saias de laa com barras colloridas de grande novidade na Europa, vestidos de
granadina bordados agulha, e de grande ton, ditos de popelina muto chiques, ditos
ae esmeraidine (gostos novos,) riquissimos corlinados brrdados a ponto de crochet, ro-
tondas de seda, ditas de linho, ditas de algodSo, chales de guipour de seda, e de al-
godao, pentes para cok, (de phantasia) enfeites para ditos, mbnguilos bordados e
gollinhas, camisinhas ditas, transparentes pra jaoellas com mu lindas paisagem, pro-
ales de apuradissimos gostos e padroes, chapeos de palha enfeitados pelas melhores flo-
ristas de Paris, enlreraeios bordados finos de d'fferentes larguras, riquissimos cintos
bordados com figuras chinezas, (bordado na mesma fita) baloes de hasteas d'aco ameri-
canos, ditlos de mussena, lapete para guarnico de salas padroes muito bellos, chapeos
de sol de seda para senhoras, ditos para hornera, enfeits mperatn'z Eugenia, ditos
a Mana Pia, cestmhas com todos os pertences para meninos de escolla, saias bordadas
para senhoras, gollinhas bordadas fgosto novo) chitas escuras e claras, mdapoloes, cam-
braia de cor, dilas pretas. bolsas de tapete para viagem, ditas de vaquetas para guardar
dinheiro, e outras muitas fazendas que se vendem por menos preco que em outroqualquer
estabelecimento.
34-
DE
V

H10SO w
DO DR. CHABLE
MEDICO E PROFESSOR DE PHARMACIA, DE
DAS ENFIRMIDADS
PARS,
l-AA O TRATAMEMTO E rRHPTO CDaATIVO
SIXDAES, DN TODAS AS AFPECCOES CUTNEAS, VIRUS E ALTERARES DO -8ANG0E.
PLUS DE
COPAHU
Citrato de ierra ChaMc.
Xarope mu preferivel ao
Copahiba. e as Cube-
btu, cura inmediatamen-
te qualquier porgacao ,
relixacao e debilidade, e iguilmente fluxot e
flores brancas das ulheres. lajeeesw te
Ciiafcie. EsU Bjeccao benigna emprega-se mes-
rao tempo do xarope de curato de ferro, urna vea
de mana, e urna toe de tarde dorante tres dias;
ella segara a cura.
DEPURATIF
du SAIVG
Supurativa de anciie.
xarope vegetal sem mer-
curio, o onico cotilleado
e approvadu para corar
con promptidao e radi-
calmeoie tanptpssjs, pattulas, herpes, sarta, co-
mn-s, acrimonia e alieracoes viciosas do pan-
gue ; iras, e qualquer atecao venrea. Ba-
aakM walBirraps. Tomlo-e dous por semana, se-
guindo o tratamento depurativo. raaau aav
tikersia. De um effeito maravilhoso as af-
feces cutneas e comixoes.
.Posada que ai eua em 3 das.
Deposito na ra larga do Rosario h tica de Bartholomeu & G. n. 34.
Vnde-st em Pernambuco:
na
PdeP.MAURER&C;! ^
1 RA NOVARE f
iinftiiK mum
X DEPOSITO DE CALCADO
FABRICADO Ni CASA DE DETENCO R
X Rna Xt I. )H
Ahi se encontrarSo obras Je di- 1
rersas qualidades, e por precn mol
W diminutos, a retalho e em porces. I
H S se vende a dinheiro. flf
lllllfi IMM mUi
Attengo.
Quero no dia 4 do correte na alfandega, perdeu
algum dinheiro, drendo a aspecie e qaantia certa
que fol, pagando as dispeas dos anounclos, pode
procurar na raa da Imperstrit n. 10 que Ine sera'
entregue.
GARRAUX, DE LA1LHACAR & C.
LIBRARIE FRAKCAiSEl
RA DO CRESPO N. 9.
Livros nacionaes e estrangeiros.
Religido, dtreito, liUet atura, etc.
Papelaria, objectos para escriptorio.j
Papis pintados para finar casas, j
Assignaturae para os jornaes da Eu-j
[ropa.
DE
J. VIGNES.
JV. 55. -RIA DO IMPERADOR M. 55.
Os pianos desta amiga fabrica sao hoje ssss conhecidos para que seja necessario insistir sobre a
aa soperiorldade, vantugense garantas queofferecem aos compradores, qualidades estas incontesta-
mindo um teclado e macbinismo que obedecem todas as vontades e caprichos das pianistas sem
nanea falhar, por serem fabricados de proposito, e ter-se feito ltimamente melhoramentos Impo'rtan-
ssimos para o clima deste paiz ; qnanto s voies, sao melodiosas e flautadas, e por isso muilo agrada-
reis aos ouvidos dos apreciadores.
ratern-se conforme as encommendas, unto nesta fabrica como na de Sr. Blondel, de Paris, socio
torrespondente de J. Vignes, em cuja capital foram sempre premiados em todas as exposicSes.
No mesmo estabelecimento se acbaf setapre um esplendido e variado sortimento de msicas dos
nelbores antores da Europa, assim como harmnicos e pianos harmnicos, sendo todo rendido por
precos commodote razoaveis.
CAAS de ferro.
Chocolate de Menier.
CHOCOLATE DE SAUDE.
CHOCOLATE DE BAUNILHA
CHOCOLATE DE CITRATO DE FERRO.
CHOCOLATE LACTATO DE FERRO.
Vende-se
fia botica e drogara
DE
BaRTHOLOMEO k c.
-Roa do Rosarie larga--3
Joo Silva Ramos, medico M
pela universidade de Ooimbra, d
consultas em sua casa das 9 as j
I 11 horas da manhaa, e das 4 as 6 m
B da tarde. Visita os doentes em suas:J&
I casas regularmente as horas para K
I isso designadas, salvo os casos ur-
gentes, que sero soccorridos em
i qualquer occasiao. D consultas aos
* pobres que o procurarem no hos-
I pital Pedro II, aonde encontrado
I diariamente das 6 s 8 horas da
;. manbaa,
) Tem sua casa de sade regular-
| mente montada para receber qual-
i quer doente, ainda mesmo os alie-
| nados, para o que tem commodos
R apropriados e nella pratica qualquer
I oppera?5o cirurgica.
Para a casa de sade.
Primeira classe. .3^(000 diarios.
I Segunda dita____3500
! Terceira dita .25000
Este estabelecimento j bem
j acreditado pelos bons servicos que
I tem prestado. ,
O propnetario espera que elle j
i continu a merecer a confianfa de !
[que sempre tem gozado.
Grande sortimento de camas de
Gadeia do Recite, arasazesn c. CO.
ferro lisas e com enfeites, vende se barato : na roa da
Ha ra do Crespo n. 18, segundo andar, pre-
cisa-se de urna una ) leile.
I
i^LSZAEZXTSi
Tinta Inalteravel
Para escrerer 7
de P. MAIRER k C\
PERNAMBUCO,
Esta tinta reooixiinenda-Be pela sua com-
posica e fluidez como a melhor e a mais
segura de todas as tiutas at Hoje conheci-
das. Nao ataca as peunas de ac, d at
tres excellentes copias, mesmo muitos dias
depois de escrever, e preferivel a qual*
quer outras tintas particularmente para
livros de commercio, documentos eto de
que se careca longa conserva9a.
Vnde-se na liYrtm franceza raa do Crespo e ra No? n. 18 de
Precisa-se de urna ama para cozlnhar e com-
prar para duas pessoas : aa roa da Cadela n. 1.
armazem. ________._/;_________
Aviso-
Rogase ao Sr. Tbomaz de Pigueiredo a Loada-
de de apparecer na ra da Prala n. 23 a' tratar ne-
gocio de sen interesse.
INJECCie E CAPSULAS-
VEGETAES AO MATICQ
GRIMADLT <$: C. PHARMACEUTICOS DE PARS
Novo tratamento preparado com as folha9
de matico, arvore do Per, para a cura rpi-
da e iufallivel da gonorrhea sem receio al-
gum da contraeco do canal ou da inflamma-
(3o dos intestinos. 0 clebre doutor Ricord,
de Paris, tem renunciado, desde sua appari-
c5o, ao empergo de qualquer outro trata-
mento. Emprega-se a injeccSo no comeco de
fJuxo; as capsalas em todos os casos chroni-
cos e inveterado, que resistiram as prepara-
coes da copahiba eas iojeeces com base
metlica.____________________________ '
Na pra;a da Independencia n. 33, loja de
onrives, compra-e nro, prata, e pedras preciosas,
e tambem se fu qualquer obra de encommenda, e
todo e oualquer concert.
Trocam-se notas do banco do~Rrasil e das
caixas flliaes com descont razoavel : na praca da
ndependencia n. 22.
8. Antonio.

A apreciada e mai procurada tresena do glorio-
so S. Antonio, acha-se a venda na roa do Iperadr
o. 15 defronte de S. Francisco.
Precisa-se de um feitor que seja moco e irlo
tenha familia : na Ponte de l'cha, sitio do i
le-coronel Tbomaa Jos da Silva Guemao.
Criado.
Precisa-se de um criado de 10 a 12 anos: na
ra Direita 0. W, i andar.
Eageahs para arreaiar.
Arrenda-se o engenbo Qoiaombo, em Santo A-
maro de Jaboato, o qual tem mulUs e excellentes
trras e ptimas matas: a tratar na roa do Seve
(ilba dos Ratos), sobrado confronte ao ehalarlz.
Menino
O solicitador Pedro Alejandrino da Costa Macha-
do prensa de otn rapai de II a U aooos para ser
ajadante: a tratar na raa Direita a. 68, primeiro
andar.

I

i

.
/'
ipi-SL




4

Diario de cramboco 4|uliU4lcra a de J un lia de iSGC.
MACHINAS AMERICANAS
Terdadelrai do fabricante tt. Y. canttongin C.
iointos tiericiios para moer iuilho.
ama Nova n. 20 2, grande deposito
das verdadeiras machinas americanas de todos
os fabricantes; se eujontra ueste deposito
grande porcao de machinas, e se vendem por
menos preco do que em ootra qaalqer parte,
por se receber em direitura da America; se
brnece todas as expcaces neressarias ao
comprador para conservado das mesmas;
neste grande estabelecimento se encontra mui-
tos artigosdjfcaricanos, q>ie muito deve agra-
dar aos agrB Bares que usam de taes artigos,
encontra-se wroem todas as collecces de de-
senhos sobre os quaes se aceita qualquer urna
encommenda, que com promplidao ser execu-
tada; neste grande estabelecimento, encon-
trare em grosso e a rtaho, gr. nde porcJo
de ferragens, e miudezas que se vendem por preco cotnmodo, pedindo-se attenco
de todos para este estabelecimento que muito lucrarao em fazer suas compras: na
ra Non n. 20 Camelo Vianna.
__________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________:-------------------------------.
corara ok seda \
Chegaram pelo paquete inglet riquissimos cortes de moreantiqne de cores, e sea lavraai p&-
e mteirasneDtt bovos. ,
Seda de quadros por 1#000 Q covado
5RA 00 CRESPO-5 m
Gregorio Pae de Amaral c. Companhla.
-------------------------------------------------------------.--------1-----r- -----r-------
FABRICA
NACIONAL
DE
\ matos

Cantos e phaataslaa.
Umvolume in 12, irapresso e en-
cadenado em Paris r em casa dos
edictores
DE S. ROQUE, RIO DE JANEIRO.
Estabelecimento na ra da Uniao n. 11
PROPRIETARIO MANOEL LOMBOS.
No deposito, roa do Carmo n. 63, existe vo rande sortimento de vidros e crystws, que se
vendem por precos mais baratos do que em qoaloaer parte : fraseos de 1 al 8 libras, bocea larga e
bocea estreita ; copos de 6 cortes, de me la oitava at meio qaartilho ; ditos de 10 cortes, de ns. 1 e t;
globo para lampeoes de kerosene, lavrados, lapidados e tascados; ditos para caudieiro de gaz ; lam-
peoes de keroseoe grandes e pequeos, lamparines de metal; vasos para confetlaria com p e sem
elle, grandes e peqneoos ; chamices para lampeoes de kerosene de todas as. dtmensoes; compoteiras
moldadas de cortes largos, escarradeiras de crespara sali, ditas de mo oom aia, pequeas ; vento-
sas e bicheiros, catties moldados, copos lisos para agua e.vinho, pratos moldados, redomas, garrafas
para vinho e agua, grandes e pequeas, ditas para Leroy, ditas para licores, ditas para minas, ditas
para agua de Colonia, ps para planos, braoeos e de edres-^ tubos para machinas a vapor, de crystal;
globos cora gaareico de metal amarello, amegueiras de vidro, vidros avulsos pera galbeteiros lapi-
dados, vidros para lampadas *e igreja, (rametas para musa, ditas para galbeteiros, mangas para cas-
tices lisas, lvradas e lapidadas ; lampeoees de parede para kerosene, flilos de pendurar; copos gra-
duados de 1 ate 16 oncas para pharroacia, %arantindo-se a exactidao da medida^ vidros para peixes
com p e sem elle, acucenas para casti$aes, chamins para lampeoes de ateite, ditas de cores para illu-
minacoes, viprospra agua'forte com rolba. Compram-se vidros e crystaes quebrados.
O deposito desta fabrica em Pernambuco na roa da Imperatriz n. 19, onde existe constante-,
mente chamins para candieiro a gaz a 25, lampeoes completos a34 a 8, esesrradeiras de cures a 25800 o par, pratos para copos d'agna I **"*> aon* m,ora director, fat se todo e
300 rs, coposUe dez cortes a 600 rs.,-gl9bos lapidados e lavrados para candleiros a ai a 15800. e| qualquer concert-em boleas de viagem raars ba-
proDrietario deste novo osta+elscimento convida ao respeitavepublieo para que vsitem o mesm. cer- "'o que-era outra parte, assim orno chapeos
tos de que comprarap os artigos indispecsaveis a urna casa de familia pela sua baratez* e uiili principalmente a macia. Tambera recebe eccommendas. O eecarregado do propietario Joo"Luiz Encreauaz.
pennas de ac muito boas a 320 rs.
notes muito boas a 40 rs.
alisar cera cosas de metal a 500 rs.
tranca lisa de todas as cores a 40 rs.
' Capachos rodeados compridos a So<) rs
Pulceiras de conlas para senhoras a 500 n.
BA lOTMt. E IUfi.lltl.4
Bgf HOLOMEO & &
34 BA DO BOZABIO LARGA 34
Vend s **T
Xarope da Goiy. I
Granulos d'atropin*.
Capsulas d'apiol,
VinhodequinqmhdeBelline.
Fastubas qegesvas de pepsina Wasmana. gaxas de papel amizade a 600 rs.
Granulos de Bismuto de Chevrier.
Licor e pilulas deLaville.
Injecc3o Feaugs.
Xarope vetdadeiro de Botigny.
Granulos d'Ergotina de Bongean.
. Capsulas e iojeccao aomalico.
Xarope hypophosflto de cal e soda.
Elixir anti-astnmatico de Guilli.
C. nfeitos de cubebina de Lalelonije.
Perolas de ether.
Xarope antigotioso deBoub.
Ole de ligado do bacalbo desinfectado de
Cbevrier.
Eixir de citro-Uctato de ferro d Thermes.
InjeccSo Brou.
Essencias superfinas de Hermam, Piver e
Cbardrin Hadancout.
Granulos de Digitalma.
Vinbo de quiea farraginoso de Moitier.
Xarope de Iodureto de ferro de Blancard.
Agua das caldas da Rainha.
Xfrope de tndacio de M>ba dre.
Confeitosde lactato de ferro deG^irsd
Conte.
Ferro de Qoevene.
Rob de Laffectemv
Agua dentifica d* quinina.
Perolas de assafetida.
Oleo de figado de bacalbo ferruginoso de
Cbevrier.
Xarope de digitales de Labellony.
Ole iodado de persone.
Xarope de cudeina de Bertb.
Emais as principa es drogas, productos,
especialidades pharmaceulica e cbimicas
dos principaes paizes da Europa,
KMlIKtt K ft PWNKf
VAiffiLil
hvai m smm.E '"StmLw
Roa do Qacimado i. 49 fi araOSSimOI >
sposte a continuar a vender por preco Ji DSPtlSSllUO!
admira queiram apreciar e vir ver para Nesle |mporlaDte esubelccimeoto encoDira o res-
< pMiavel publico um variado soiiojCdo de faztn-
das fratcnas, Inglezas e suissas, e as quaes se ven-
derlo por (jrecn cunmedo a saber :
Chales:de renda prea a 5^300.
V*nde-se um si runenlo de chales de renda pre
! ta SMb 6#, tm de seda i 1?5, I e H5,S;'
jisto Da ra dalnieaimp. 72 de Guuuaies & "
mo.
Quadr.rnos de papel mult-i bom a 20 rs.
Peales de tartaruga a 2300 rv
' Realejos para meninos a ICO rs.
..-1 Escovas para limpar dentes a 200 rs.
i Baralhos muito fios a 200 rs.
' Caixas de pi de serr muito suserior a HMt.!
Caixas de linha do gaz OjnoveKos a 700 r.
Caixas de lamparlnas para tres mezes a 40
Caixas de obreias de massa a 40 rs.
Qrozas de Loioes de louca a 160 rs.
Eofiadorea de eordo e nu a 60 rs.
Pecas de fila de cores com 10 varas a 320 rs.
Carlas de a Arietes franceses a 100 rs.
Libras de alfinetes franceses i* qualidade a> 2&.
Pecas de tranca branca e de todas as quaridades a
6r. M'.
Noveilos de linba com 400 jardas a 60 rs.
Ditos ditos com 200 jardas a 30 rs.
Caixas com alfinetes a 20 rs.
Pares de lavas brancas) de cores a 400 rs.
Grvalas de todas as qnalidades a 300 rs.
Resmas de papel almajo superior a 2J400.
Caixas redondas com estampas a 100 rs.
Liyros para assento de roopa lavada a 100 rs.
B[Mecos do choro muito bonitos a 160 rs.
Fraseos de superior agua de colonia a 400 rs.
JM\I
DC
NS
d'&rtifio
Ha grande porco de fogos de artiticio na contie-
nda fabrica da viuva Rufino, o qoal vendido por
commodo preco, e como seja penoso ir l pela dis-
tancia, as pessoas que quizerem fazer suas encom-
mendas para S. Joao e S. Pedro, as podem deixar
no armaxem da bola amarella, no oiiao da secre-
taria da polica, onde havera' um portador para
ir bascar e levar ao logar coavencionado.
' Frascos de bocea
larga com rolhas de vidro de 1 a 45
libras.
Vende-se
na ro larga do Rosario n. 34, botica de Bartbo-
lOme^A C.______________________________
RIVAL SEM SEGUNDO
Rii do inclinado u 49, leja de
Miudezas
DE
V Jos Bigodinho
_ Esta queimaudo as miudezas abaixo declaradas:
LIYRARIA FRANCEZA | Frascos de oleo babosa fino 200 a 320 rs.
WfmMMM M M SlfilSI Fra5C0S ae cheiro rauit0 bonilos a SOO e oOO rs.
1! Ditos de macaca perola a 200 rs.
; Ditos com superior banna a 200 rs.
Canas com 6 frascos dec heiro a 800 rs.
Sabonetes finos a 60, 160, 200 e 320 rs.
Ditos de bolla superior a 240 e 320 rs.
Llvros para menioos Caixas de 12 fraseos com cheiro a 15.
Frascos de oleo babosa muito fino a 400 r.
Dozias de metas superior uualidade para senbora a
4*500.
Cbegaram as agclhas balao (papel) a 60 rs.
Caixas com bonitos soldados de chumbo a ICO rs.
Frascos de opiata para dentes a 300 rs.. Garrafas brancas
Albino Bapusta da Rocha, reto- Dps de agua para limpar dentes a oOO rs. de cores com rior da C|00ia.
joeiro e duurador portuguez, Taz Pedras.de escrever (pequeas) a 160 e 200 rs. Vendem-se na ra do Qiieimado, loja de minde-
qualquer concert pertencente a Sapatos de tranca para meninos a 1#. U8 n 16 '"". '^
sua arte, assim como tambero com- Sapat *e tranca para homens e senbora a 1J>500. Nnvn anutn
pra reloglos em seguuda meo e Pe*\-fo "fitas de la prela para vestidos a 600 rs. 1\V0 8o. ,'..
obras de ouro: na praca da tode- G, -i de fteioes de madreperola finos a 480 e Pentes, fivel as, e bnneos de feligrana.
pendeacia n. 12. tirs. A anll6a e bem conhecida loja n. io na ra do
Cniza Annes4e Aadratto Lear, prdfessora i^'"8 *le,c^nSte?'rancete! a 20IL.
particular de primeiras letras,-tem aberto soa au-1 Pe?aMe Jroco .todas as cores a 200 rs.
la na roa Augusta b. 73, freguea de S. Jos do ^UrP"* soP"ores envelope a 600 rs.

%vso
aos enhores logistas,
Na travessa do arsenal -de guerra, por baixo do
de sol.
inz.n.
-itetoiids-preas a h.
Vedt(i-se*reifjidatphi,'i? t iu i rato preco de
8*, 8*500 e 0*; na ra da.lmpt ratriz n. 72, loja
de Guimaies & Irrfo.
.,, Grande pexiricba a 21 o corte.
Vend-se roes de casemira da China a 2*000.
2*800, 5(KI.- 3*, ditas de brim a i*280,1*100.
' 1*600; I*q00 c 2*.
E' muito batato, tarlaiaoa decores a 240
rs. o covado.
Vede-se um grande soriimento de tarlatana de
cores muito proprias para vestido, fazenda mais
moderna que tem viudo ao mercado a 240 o cova-
do e 280, ditas oais finas a 300 e 320, lasinhas
! escocezas modo modernas a 360 e 400 rs. o cova
. do, ditas muito finas 460 e 500.
Cobertores de algod5o a 800.
Vende-se cobertores de algodao a 800 r?. ditrs
melhores a 1*600 e 1*800, cobertas de chita a 2],
2*500 e 3.
Quem duvidar venha ver.
Cambraia de cores a 240 rs. o covado dita fina a
280 e 320 chitas finas a 280, 300, 320, 360 e 400
rs., ditas percalas a 400 e 500.
Est se acabando chitas a 160 rs. o covado
Vende-se cbilas a 160, 180 e 200 rs. o covado,
riscadinhos francezes a 240 e 280 rs. o covado, roa
da Imperatriz o. 72, de Guimaraes & Irmao.
Lencos brancos a 2-s e 20500 a duna.
Ditos fios a 3* e 3*500, ditos de linbo a 5*000,
5*500, 69 e 7*.
Cambraia branca a 3*5-
Vende-se um grande sortimenlo de cambraia a
3*. 3*500. 4*, 4*500 e 5*.
Bales a 2.
Vende-se balees de arcos a 2*, 2*500 e 3*, di-
tos americanos a 350O 49 e 4*500, ditos de mur-
celma a 5*, 5*500 e 6*, ditos para meninas a 4*
e 4*500; isto na ra da Imperatriz n. 72, loja de
Guimaraes & Irmao.
a 30100 o corte.
a 30000 o corte.
a 30000 o corle.
Vende-se cortes de la com 12 covados a 3*. di-
tos finos a 3*500 e 4*, ditos a Mara Pia a 7*00
8*, 8*500,9* e 12*, grvalas finas para homem
a 640, 800 e 1*000, mantas muito finas a 1*200 e
1*400; islo na ra da Imperatriz n. 72, loja de
Guimaraes & Irmao.
Roupa feita.
Roupa feita.
Neste importante estabelecimento enccnlraro os
fregnezes um completo sortimenlo de rcupa feita
assim cmo palito!, calcas, camisas finas a M600,
1*800, 2* e 2*500. ditas de linbo a 3*, 3*500, 4*
e ,4*500, cortes de brim, ditos de casemira de co-
res a pretas, seroulas de algodao a 1*600 e 1*800,
ditos de linbo a 2*, 2*500 e 3*.
kto na ra da Imperatriz n. 72, loja de
Goimara'es e IrmSos. "_____
Aspas fortes para boloes.
Na rna doQoeimado loja de miudezas n. 16, ven-
de-se aspas de ac fortes, e de diferentes larguras
para baloes.
Bonitos quadros para retratos.
Vendem-se na ra do Queimado loja de miude-
zas n. 16, bonitos quadros con mordura preta e
doorada, todos por precos rasoaveis.
CALQAO-
45- Hua ireila 45
A primeira condicao indispensavel con-
sevaco da sade ,, rrazer os ps hem de-
fendidos contra os alaques da humiOtde;
calcado bom e seguro o nico preserva-
tivo dessas mil enfermitlades a que est su-
jeito o nossoea. Um cftinelo vellio cai-
fado por um datry patuseante, ou urna
bolina acalcanbada em pequenino p de en-
cantadora ueidade alm de acensar que-
bradera liorrii liante, pro\a contra asidui-
dades ntellectuaes dos calcante*, e nao ba
quem, tendo bom senso, queira passar.por
maluco, ou pobre de surriu : ergo, ccr-
ram a:
44-RUADIREITA-4.
e ttendam a' barateza.
Homens.
Borzeguins barcellonezes de lus-
tre e de porco ..... G^OOO
Ditos de Bordeaux .... 70000
Di los parisienses de bezerro e .
cordavao .......
Sapatos de lona, sola de borra-
cha.....; .
Ditos aveltidados .
Dito., de trafica bons
Senhoras
Borzeguins enfeitados. .
Ditos de laco ....
Ditos lisos.....
Sapatos de borracha .
Selleiros, corrieiros
Sola de lustre, meios
E um completo sortimento de calcado la-
bricado no paiz.
m
.. .
>
80000
20'O 10600
10600
. 5000
. 40800
. .., 40SOO
. 10tOO
e segeiros!
grardes 200000
i
FAZENDA E ROUPA FEITA
RA MOTA N* V*
Reg & lloara, proprietario da loja de fazendas e roupa feita, -sita ra-Nova
n. 24, verdaderamente penhorados e recenhecidos para com eus amigos e fregueses,
pela aceilaco e cooGanca que delles tem merecido no curto spaco de tempo em que
se acham -estabelecidos e perfeiamei.ie escudados na stDcendade dos seus tratos, decla-
ram para sciencia daquelles que o quuerem honrar com seus officios, que, em vista da
grande concurrencia que tem merecido o seu estabelecimento, especialmente no que
relativo a roupa feita; acabam de admittir para a sua oficina de alfaiate maior numero
de artistas, inclusive o seu contramestre, dirigido pelo hbil onestre LauriarjO Jos de
Recife. aonde recebe meninas para que "offerece o J^M de-eapatanhos de la para enanca a 400 rs.
seu prestimo aos rs. pais de familia, prometa DiL,snde me,as Dret par* sennora. superiores a
esmerarse no ensino tanto de costuras como de ., ,S-
tudo porque se obrigou. Lloras de pregos de
Caivetes com
-----rea : -500 rs.
Satonetes 4e fimilia, superior a 100 e 120 rs.
i Resma de,papel de peso muito tino a 2*.
-1 i Frascos com tinta superior a 100, 140 e 320.
todos os lamanhos a 240 rs.
duas folbas muito finos a 320 e
compras
Comprar
Queimado, recbeu um sortimento de diversos ob
jectos de novo e bom gosto, sendo pentes brancos e
donrados de moldes enteiramente novos e mu a-
gradaveis, tendo entre elles alguns de filigrana obra
de muito gosto e deBcil execuco, e bem assim 8-
vellas e brincos as mesmas circumstancias.
Tambem receben alguns cintos o qoe de mais
moderno e bonito, se pode encontrar em tal genera.
AJm disso encontraro os pretendentes um com-
pleto SOrtimeniu ae Ovclias e uidrcporoU, /.hris-
tal, tartaruga, e dourados, brincos de christal, e
voltas e cruzes de dito e muitos outros objec
m
;
jaspe,
; tos de gosto, os quaes continua-se a vender commo
AOS agriCQIlOreS .lamente,
eseja boa figura e que stba bem; Sauoders Brothers & C acabara de receber de Penentes de madreperola, e enfeites filetS
tngommar, nao encedendo de 25 annos de idade,' Lirverpool vapores de forca de 3 a 4 caaallos com A loja de miudezas na ra do Queimado n. 16,
e p3p-*e bem : ne escriptorio de Vicente Ferrei- tol'os os peMences, e mui eropnos pava fazer mo- recebeu bonilos pentes com chapa de madreperola,
ra da Costa & Filbo, ra da Sentala n. 136, on em vet machinas dedescarocar algodao, pudendo cada e novos enfeites lilets ornados de laniejoilas dou-
seu MNMCem junto ao arco da Cooceicao. vapor trabalhar ale com tit serras, tambera ser- radas, raoedlnbas, aljofares, vidrilhos ,ic, tendo
r, I vera para enfardar aleodao un i-ara entro qualqupr
Cmpra-se orna secrtria de Jacaranda; .flrv.pn pmflllfl Sam inhalhar com anmae= Os
Barres, o qual n5o se poupa a exforgos para-satisfazer com a-presteza possive quatgaer raogpe,i de amarello, na raa y0va n.7.
bra de encommenda.
Os mesmos annunciam aos seus freguezes que acaba de comprar uin oovo e
muito variado sortimento de fazeodas finas e de bom gosto, proprias para o teaapoda
quaresma, as quaes esto dispostos a vender per precos muito-commodos e mais barato
que em outra qualquer parte.
Como spmpre escusamos esso enfadonlia prolixidade dos annuncios bombasti-
co^ preferimos mostrar na singeleza deste nosso convite os bons desejofi que nairaas
para bem servirmos quelles que vierem.ao nosso reclamo.


Aeabam de receber G. Paes do Amoral & C.
5 RA DO CRESPO 5
Antiga casa de Gaiilherme da Silva Oulaiares
fiieos cortes de vestidos de gros-de-naples preto, com lindas barras bordadas.
Moire-antique preto em cortes e em pecas, Uso, ondeado e com palmas.
Gros-de-naples preto, de diversos precos e larguras.
Gorgurj preto, fazenda superior a todas pela qualidade, e benito tecido.
Este estabelecimento
acha-se sortido com numerosa quandade de filos preto*, de algodao, de tinco o de se-
da, manufactralos em
ckales
retoadas
algerienes fbournus)
anamites
africaines
pompadour
DE FANTHASIA
Receberam tambem bonitos cortes de popeline de listras de cores, e uatisadae,
muito modernas, de gostos intetramente irnos; e outras muita fazendas de gosto,
das pelo ultimo vapor.
Q. P. DO IM..IRAL A
5 RA DO CRESPO 5
o>esmos tambera tem a venda machinas america-
nas de 3o a 40 serras : os pretendentes dirijam-
sf ao largo <" Corpo Santo o. 11.
m.
Onro e prsa.
Era obras velhas : eompra-se na praga da ln
dependeccio n. 22, La de bilbetes.
Liatras sterlinas corapram-se na pr&ca da
Independencia n. 22.
,. f'.o armazeaa da ra do Imperador n. 3 ou no
-T-^!g*"y*!!! &*?% 1Dg6Za 0U Caes de Pedro.il n. 1, tem ^vender-se e me-
mesmo das antigs; ca rna Nova n. 31._______ ; bor ai existente no mercado.
Compra-se na piensa de alfodSo de Satwder8 c\7-------------------r-----'.-------1^7-----~
Brothers <3 C sememes de algodao a 500 rs. por ^MffteS &9H& DaBtO AntOlUO,
S. Jeo e S. Pedro.
Veedem-se'oa offleina de-encadernacao o. 1S
do Imperador, ta
araba,
Coaif>ra-se nmbera seliim ioglez em segun-
da mao,psg-?e bem : aa ra Beltu n. 22.
Compca-se onro, (trata e pedras preciosa ^a raa do .Imperador, unto eaiolhelos 'como em veade mui bonitos fcotoes pretos de vidro com en-
grandes para toda caneca e pequeos para coque
regulando os prpeos de 2* a 4*000 rs.
B mitas caisinhas
cora arranjos dourados para costura, tendo cora
musirs e sem ellas. Vendem-se na ra do Quei-
mado loja de miudezas n. 16.
Trancas pretas
coro vidrilhos, e bicos cora ditos e sem elles para
enfeiies cu vestidos.
Na roa d: Queimado n. 16 loja de miudezas a-
eturo os pretendentes ura bello sortimento dos
oBjectos cima ditos, cascarrilhas, franjas etc. etc
e tudo est sendo vendido por precos commodos.
Sotes pretos
de vidro enfeitados d'aco.
A toja de miudezas n. 16 a rae do Queimado
em obras velbas : na ra da adeta do Reotfe
cja de ourivee no arco da Conceicao.
Compra-te ama escrava de moia idade, sea
vicios, e qoe saiba engommar, lavar e cozinhar
na rea do Cabqg n. i, sobrado.
Compra-se oaro amoedado e notes da calxa
fiiiil do banco de Brasil na Eahia : na ra da Ca-
de do Recite a.."34.
DADA
Vende-se urna mulatinha de idade \1 annos, ba
pouco vinda do Maraofeo, qne engorama, cozinba
Compra-e ama negra on mulata oscura que e cose : quera a pretender comprar dirija-se a roa
saiba vender na ra., de 30 amos, pouce mais on da Crespo n. 20 6.
menos : quem a tiver pode dirigir-se a'-Capunga,
rna das Crionlas n. S3, on annoocie para ser pro-
e-jrado para se tratar este nepoolo,
FIO-
GRAIDE
ARMAZEM
DE
Roupa feita e por medida.
26 Hua Xvwm u. 26.
Jos Antunes Guimaraes, propriet?rio deste novo estabelecimento de roupas e
fazendas finas, participa ao respeitavel publico em geral e a todos os seos freguezes,
qne estando sua casa sobre a direcao de dous dos memores mestres de alfaiate, sendo um
delles o Sr. F. E C. Miranda, e o outro o Sr. M. J. G. Carneiro, ambos com grandes
habilitac5es tendentes a sua arle, pelos quaes dirigida a sua officina, e achando-se bem
montada a desempenbar qualquer encommenda por grande qoe seja, se esforcar para
sabir a conteni dos freguezes, vendendo tudo por menos do que em'outra qualquer
parte, roga ai pessas inieressadas que venbam examinar seu estabelecimento, e verificar
por si m'esmo o que declara, sendo entregue qualquer encommenda no prazo de 24
hars.
.-Compra se urna.escrava qoe seja boa mitn-
deira.e.qoe nao lenha icios nem achaques : .quem
a tiver e quiJer veoder, procure aa ra da Cadeia
n. 40, \ aadar, qne aefcar com quem tratar.
.Compram-se 3 taehas .e i dito para lim(>ar>
para refmaeao, anda mesmo osados, assim como
qualquer uteecilio perteneeote a' jneexna.; preci-
sa -se de um bomem babilKado para tomar coota
do trafleo da mesma, relativo*" facturado assucar,
na roa das Cinco Ponas n. 61, junto a padaria do
Ribeiro.
Queijos do Siridm
Vendem-se queijos do eeMio, lagar do Sirid,
muito frescaes ; no pateo do Carmo, esquina da
roa de Horta?, armazem n. %
E. R. Babello tem para v^der no sea escrip-
torio na roa do Trapiche n. 44, segundo andar, o
segolnle?
Vinho medeira superior em caixa de daas duzias
de carracas,
dem do Porto idem em ancoretas.
dem de Lisboa e da Ffguelra.
^era em vela.
Vende-se
VENDAS
Avidente ou sortes lidas por
urna sonmbula.
Vnde-se na livraria da praca da Inde-
pendencia n. 8 a AS cada exemplar, tambem
ha papis da mesma a 86 rs. cada um.
AOS SRS. ACADMICOS
Vendem-6e as seguintes obras de direito
com pouco uso: Manuel du Droit Romain
iw Mackeldey, i volume por 4$; Diccio-
naire du Contentieta Commercial, por Mas-
s/ i volume, por 5>; Elemento du droit
romain, por Maynz, I volume por 40; Es-
prit de la jurisprudence des successions,
porConflans, i volme, por 40; Codepra-
tique des faillites, por Geoffroy, i volme,
por 30; : na ra do Crespo n. 4, fabrica
ua escravo mualo etfuro, de 28 annos de idade,
pouco mais on menos, do servlco do campo, sem
achaqaesj oa rna de Apollo n. 7,1 andar, /
Vendem-se travs e enlames de Masnram-
dnbae caUros de mangue, por preco comando :
a tratar na Caes do Ramos n. 24._______'*f'
Vende se urna preta crloula de idade de 28 [ lSSaBgag ni
aaoos, sadia e bonita figura : i tratar na roa
feita do Rosario n. 31, armazem.
fettes de aeo, os quaes muito se uzam para eufeitar
vestidos, quera os pretender pode dirigir-se a dita
loja-a. 16 a roa do Queimado.
'o de ni-se na loja de miudezas
a ra do Queimado aa. 16.
Bonitos leques de sndalo e ootras qnalidades.
Bonitos ciatos com fivellas de diversas qualida-
de e moldes.
Brincos e cruzes de crystal.
Ariooaduras de dito para colotes.
Bonitos porl-relogios.
JDelicaaat: eaizas com msica e sem ella, para
costura.
Agolhas e liabas para cbroebet
Retroz superior em carriteis.
Rendas pretas e bicos com vidrilhos.
Fitas de velludo com listras dt cores para en-
feites de gorros e vestidos.
Ditas de grosd^oapoles. Usas e lvradas, brancas
e matisadas.
Para li.ngir cabellos.
Hoild Walter.
Veode-se na roitlo \^9tnt>o, H>ja miudezas
n. 16.
Chrimiaco-hl'c
Para Ungir cabello^*
Vende se na loja de miudezas, a .r0 do Quei-
mado n. 16.
-Tinla de L. Marques
Qara fazer os cabellos pretos.
Vende-se ni rna do Queimado, a loja de nr.'o-
dezas n. 16.
pGraude armazem de tiii-Jf*
tas medicamentos etc. S
Ra do Imperador b. 22.
^loo Pedro das Seren (ge-S
m rente) tem a venda o ;
M segulnte:
|j| Productos chmicos e pharraa- '<
K cen icos os m^is empregados em f,
B medicina. r*
Titilas para todo o genero de pin- \
l tura e para tinturara.
t Productos industriaes e tintas
M para flores, como botes de flores
e modelos em gesso para imitar
fructas e passaros com o compe-
tente desenho.
Productos chimicos e industriaes
para pboiographia, tin!uraria, pin-
tura, pyrotecnia etc.
Montado em grande escala e sup- &
prido directamente de Paris, Lon- g
dres, Hamburgo, Anvers e Lisboa .5
pode offerecer productos de plen3 W
conflanca e satisfazer qualquer en- W.
rM corumenda a grosso trato e a reta- jjg
S Iho fi por preco commodo. "||
mi wamwaammM
Grande LiquidacSo de Fa-
zendas
Armazem da Arara ra da Im-
peratriz n. 56.
BE
Louieco P. Menes Gnimaros.
Chitas*da Arara 160 rs. o covado.
Vende-se chitas escuras e el : a 160 ? 200 o
covado, cortes de ditos a 2 e. ..'."0. Ru.. oa
Imperatriz loja da Arara, n. 36.
Cassasfrancezas finas a 240 o co'ido.
Vun.ii-.se cassas franetzas finas a. i.- 32C
o covado. Cortes de ossssa a 25W0 e 3. Hua da
Imperatriz loja do Arara n. 56.
Arara vende chitas franrezas 20 rs. u
covado.
Vende-se chitas francezas escuras com pe(,".ienc
ioque de mofo a 240 o covado, ditas francezas Boas
largar a 280, 320 e 400 rs. o covado. Ra da !m
peratriz n. 56.
Brelanlia de rolo a 35COO.
Vende-se pecas de hretanha de Telo a 35006.
brim lizopara lnce- a 800. 560 e 640 o covado
Ra da Imperatriz loja do Arara n. 56.
Cambraias lizas do Arara a 35100 a pee.
Vende-se pecas de cambraia finas a 3, i. e
5$. Ra da Imperatriz loja do Arara n. 56.
Arara vende cobertor* s a l>500 e i 000
Vende-se cobertoresa 1G00, ditos finos de .el-
los a 1^500, tobertas de lista 2000 e J50r\
cobertas de damasco 45000, cobertas de fost.o a
5)000. Ra da Imperatriz loja do Arara n. 86.
Madapolo francez do Arara a 3;>000.
Vende-se pecas de madapol3o (rancez de 12 Jar-
das a 35500 e 4jf000, vende-se pecas de madapolo
inglez de 24 jardas a 45, 55500,65, 75 e &U00.
Ra da Imperatriz n. 56.
Arara vende pecas de algodozinho a 3u 0
Vende-se pecas de algodozinho encorpado a :'.
45, 55, 65 e "5. S na loja do Arara vtn .'-
azsim barato, ra da Imperatriz n. 56.
Laasiohas do Arara a 200 rs.- o covado
Vende-se laasinhas para vestidos de senhora pelo
barato preco de 200, 240,320 490 rs. o covado.
Roa da imperelriz n. 56.
Bales do Arara a 2000.
Vende se banlo-s de arcos a 35000, ditrs ncs
de 20, 23 e 30 arcos a 35 35300 e 45, dito; de
mursnlina para stnbora a 55, ditos para m^nin??
a 35 e 35500. Hua da Imperatriz loja da Arara
D. 56.
Lencos da Arara a 201-OO.
Vesde-ee a dozia de lencos branros a 25000
diios com barras tambem de cores a 25000 ranas
cruas para hus a 25400, 35500 e 4550(1 a 00-
zia, aberturas {wra carnizas a 510. Ra da imi.-
ratrtz n. 56.
Roupa feila por medida.
Vende-se WW'.-tdt panno e de casemira rraL<
25, 55300 paleiots de brim a 25 e 35, caira = d
sem.ra de cores a 35, 55. 65. 85, ditas f/etas a
4#, 05 e 5, camisas francezas Soas a 25 e s&:-(m
fimni i**1'??8 df P"a,i'ar?a de linha -a ;}.
355110 e 45. Ceroulas de algodao a 15, de brim a
es-
c o vidrilhos de roces
para enfeites de vestidos veode se todo Isso por
Vande-seuma negrou de 12 annos, na Tra- precos raoaveis na r0a do Qaemado n.l oja 16,
15600 e 25, ronpa feita rara eecravos propria para
servico. ca'caa e camisas a 15 e 15120 5^
ra da Imperatriz loja da Arara n. 58.
Arara vende as sedas a 1,1500 o covado.
tfM iUndifl, Nende"5es,,,,a*Parav'Wosal550O,orBand.D
aiJ0Irei | IHaOWjnnos para teslidos de seohora a 640 800
co-
vessa do Pocinho n. 20.
Cal de Lisboa.
IV- .
I de miedeus.
Gftfjul
fnmmu.
1 chapeos de sol.
Vende-se urna taberna cora poneos fundos e
muito afreguezada pira o mar e para ierra, sita
na ra do Codorniz o. 5 : a tratar com Joao Si-
oides Pimenta rna do Amorim n. 36
Deiembarcada do brigue porluguez Consttnk II, Os chales do Pavio a 6( 7d e 84.
I2i i2LS?r WA 9nv> D MC''P'orfo gjf-! Vendem-se ricos chales pretos de renda multo
stfAi'',0,Wi'M F"h0'larKd0$!rPP trandea com quatro ponas, sendo os mais modT
nos por terem chegido pelo nltitno vipor francez,
evenderase pelo bantissimo preco de 65t 75 e
Veode-se nma escrava de meta idade, boa
qouodeira por 1805000 no pateo de S. Pedro n.
12, sobrado de um andar.
Vende-se excellente arroz de casca e milho,..
Jfm saecos muito graode?; no caes do Ramos o. 4.1 Torres 0. 16, Reclfe.
8, Antonio, R Jollo e R
Pedro.
Veadem-se batedeiras e algoidares da fabrica
do Birbalhoe rnuitii miis loucas que tem de
grande sortimento. tudo pur moito barato preco
por ser no nnico deposito e pode vender mais ba-
rato do que tod,os : no pateo Jo Terco n. 11
Vende-se orna paneadaria, bombo, rufo, pra-
to_s, em borainso, e preco commodo: na roa do
- >*, i0 e
85 : na loja do Pavao, ra da Imperatriz n. 60, de
Gama Si Silva.
Passarinhos mgicos.
Caotaa e lia caneo.
Na rna do Queimado, loja de miudezas n. 16,
vendem-se a 500 rs. esses bonilos, passarinhos m-
gicos que cantar e nao tornera, e servem mui berff
para dlvertimento de crianeas e senhoras, e mes-
an para eieitar o eanto aos de gaiolas.
vado Roa da fmperatrizjojaja Arara n. 56
' r Panno de aifodo da tabir pira "sceos de
assucaf ro.BP* ^e f"AV0< vende Antonio Luiz
de Olivelra a'V^ C no seu escriptorio ru<^
da Crnz n. 1.
Vendem-se
machinas americanas de serrote para descarooar
algodao : na roa da Senzaia ova n. 41
ATTKMCAO
Para Santo Antonio e S. Joao, algoidares de Ge-
nova de todos os lamanhos, muito baratos por ter
Srande porco, jarras Guas, entre-boas e ro?s
e todoi os tanunnr*, adorei otra Ir'atr f. rn-\
vasos fraoeezes em temos de seis, e toda amis
looca de Genova e da trra : na ra do Raneel
numero *.
Cassas decores
pecbincha, porque sio finas e bons padrrjrs, e
melbor ainda o diminuto preco de 280 rs. o cova-
do ; oa Boa-vista, roa da Imperatriz 0. 20.
Tofrede pe sefir e mtlas
Vende-se om cofre de pao, duas partir de
vigam, dooe pares de malas, tudo em bom <<*-
do : quem pretender dirija-ge a rus d.s Cmco
Pontas n. tlO.___________________
Vend*-se oleo de ricino em" latas dr : h-
bras : di ro da Cadeia-velba no Recifj n. 1.
I EBiTflL
.


.
-__
Dlarl de Pernanbae* Qaluta f elr* 9 de Jnnho e 1366.
------r-
OoQue oceupa hoje mais a atteneao do mundo,
econmico? o novo systkema do proprietario do ar-
mazem de molhados
53 RA DA CADEIA 53
PASSANDO O ARCO IIA COTOEfV\0.
Que surge de novo basteando a bandeira da modicidade de presos em todos os
ceas superiores gneros. .
Que o publico recooheca as vantageqs que de tal systhema lhe resalta, o que e
proprietario do sitado armazem deseja, e a que desde ja o convida*: passando tambem a
netar-lhe os precos de alguns dos gneros do seu expendido sortimeoto, e paraos quaes
pede
attenco
U omina de mi I lio forneo americana.
Esta excellenio gonuna, muti se recomcommeoda como alimento mais' subs-
tancial e saudavel; servindo n3o s para papa (no que superior de todas as outras
gommas e farinbas) mas tambem della se pode fazer pao-dc-l, cangica, creme, bolo
francez, podim, etc.: o preco de cada pacote de urna lJ>ca 800 rs., em caixa tem aba-
timento.
MANTEfGA INGLEZA de superior qualida-
de a i ,28o e i,loo rs. a libra, em barril
se faz abatimento.
DEM FRANCEZA a mais nova que ha no
mercado a o rs. a libra, em barris ou
meios a 600 rs.
CHA HISSON de primeira qualidade a1
MOLHO INGLEZ de diversas qualidades, a
72o rs. o frasco.
MOSTARDA INGLEZA muito nova, a. 800,
rs. o frasco
DEM FRANGEZA,a 64o rs. o frasco....
SALMO E LA603BN ehegado, ltima-
mente, em latas de 2 libras, a l,6oo. rs.
Gros de aples preto a llBOMiWff. SV3. 3550O e 46 o coTado.
Gorgorito preto de superior qualidade a 2iJ50O, 2|800,-30 e 4)4 o co-
vado.
Superiores moreantiques a 2*500, 2*600, 3*, 3*500 4* e 5*000 o
covado.
Bons cortes de moreantkjae.
Mera de gorgurao adamascados.
Bons pannos e casemiras.
Sup riores alpacas, princetas, merinos e bembazinas.
Bons villudos pretos.
Grande variedade de chales de fil preto e de guipure S*}' 6*j 8*)
105, !2|, Superiores petoBdas de filo preto e de guipure a 8*. 40*, 42# e;25*,'
e de 30* a 60* cada urna.
Superiores algerienes de ut pre^ e de guipure 'de 44*> 25*, de
305 a 605 cada urna.
Bons chfles> de eeda pret. ,
Ditos de Merino-preto"bordados eoutrasnraitafaaewdasi'prete que
iaenfadonho enumerar, na
CWSIITORO MKWC(KIRl3Illii0
2,8oo rs. a libra, alm desta ha muitas ou ARENQUES m latas a 64o rs. cada urna.,
iras proprias para vender a relalho, que SARD1NHAS DE NANJES em latas e meias
se vendem de l,6oo a l,8oo rs. a libra, j a 600 e 36o res.
DEM PRETO o mais esp :Cal que tem vin- VINHO DE COLLARES legitimo vinha
do a este mercado a 2,2oo rs a libra. desta localidad, muito superior e sem
DEM regular de li6eo a i,800 rs. a libra. confeiclo alguma, a 800 rs. a garrafa.
QUEU03 DO REINO ltimamente chegados IDFM MADURO o veriadeiro do alto Dou-
pelo vapor 2,4oo: ditos do vapor passado ro em barris de lo em pipa por 35,ooo
a 2,000 rs.
LATAS DE CHOURigAS com 6 libras er-
meticamenie fechadas, a 4,5oo, de barril
a 64o, a libra.
E5TRELINHA para sopa em caixas sortidas
de 8 libras, por 4.000 rs.
VINHO VERDE do verdadeiro sumo da uva,
e o mais proprio para se beber n'este
imperio, pela sua extraordinaria fresqui-
dao e agradavel gosto a 64o rs. a gar-
lafa.
AVE "XAS FRANCEZAS em frascos de 4 e
2 libras, a 2,8oo, e l,4oo rs. em caxi-
i.'ias muito enfeitadas com diversas estam
pasa 2,000, l,8oo, l,5oo ei,3oo, reis.
BISC0IT0S INGLEZES emlatas contendo
diversas qualidades a 1,000 e 4,2oo rs. a
lata.
PRINCPE ALBERTO bolachinhas as melho-
res presentemente conhecidas a l,6oo
r3. a lata.
SALAME HAMBURGUEZ chegados no ulti-
mo navio a l,6oo a libra.
PREZUN TOS verdadeiro de Lamgo, a 64o,
rs. a libra, e 56o inteiro.
TRAQUES n. 1. em caixas de 4o cartas, por
8.5oo, e 24o rs. cada urna.
KARMELADA em latas de 1, 4 /i e 2 li-
bras a 600 reis a libra.
JALEA DE MAR MELLO em latas, a 800 rs.
FRTAS EM CALDA pera, pecego, alper-
ce, rainha Claudia, e ginja a 64o reis
a lata.
cada um.
VINHO DO PORTO de diversas qualidades
engarrafado, inclusive o mais fine que ha
n'este genero, por 800, l.ooo, l,2oo,
l,4oo e 1,5oo rs. a garrafa.
FEIJO verde e carrapato em latas emti-
camente fechadas a 600 rs.
CHOCOLATE francez em pacotes de IJibra
por 5oo reis.
AZE1T0NAS das chegadas ltimamente de
Lisboa a l,2oo rs. a aneereta, e5oo, a^
guarrafa.
CAF avado a 24o rs. a libra, e 7,ooo rs.
a arroba, e regular a 22o a libra,. e 6 5oo,
a arroba.
VINHO CHEB&Y do majajsupBriM do mer-
cado a l,5eo rs. a garara* e 15-jfteo rs.
a duzia.
MUSCATEL o verdadeiro de Setubal, a
l,8oo rs. agirrafaj.e 2o,ooo a duzia.
VINHO BORDEAUX das mais acreditadas
marcas, S. Emilion. Sant .Julien Haut
Brion a 7oo e 800 rs. a garrafa, e em
caixa de diizia, a 7,5oo e 8,000 rs.
VINHO BRANC ) de Lisboa de excelente
qualidade, e proprio para missa, a 800,
rs. a garrafa, oo 8,000 rs. a caixa de duzia.
MADEIRASECO al,2oo a garrafa, e 12;ooo
rs. adazia.
VINHO DO RHENO superior, a 2.oao a
garrafa, e 22,ooo rs. a duzia.
VERMOUTH de superior qualidadeem cai-
xas det2meias garrafas porl2,ooo,e
garrafas por l,2oo rs.
DE -ANTONIO -COltHBU DF VASCONCELOS & C.
BIJA INI CRESPO S. 1
PHOSPflATO DE FERRO DE {JERAS
J1R. EM CIENCIAS
INSPECTOR DA ACADEMIA DE PARS. .
Nao existe medicamento ferruginoso tonotawt como pbosphatOJe ferro de
Leras; as snmmidade* medieas do nodo inteiro adotaram-no com solicitude sem igual
nosannaes da scien-jia. As cores paludas, dores de estomago} digfeste* penosasi ane-
mia, convale5cencas diflic^s,.idade criticadas senhoras, irregularidade na menstruac5o,
pobresa do sangue,-{y(&Phatisaio.4i3o curados rapidamenteou undificadofi por este ex-
cellenteoomposta- .e eooserva lor por excelencia da hospita.es e pelas academias a todos., os ferruginosos, conhecidas ao idoreto e ao oitrato
DR. PEDRO DE ATTAHDB LOBO MOSCOSO,
MEDICO, PARTEIRO E OPERADOR.
3 -r-Rua da Gloria, casaidd< Fundao. e
O Dr. Lobo Moscoso d consultas gratuitas aotfpobcaa todos..os das das 7 $s 1,
oras da manho, edas 6 e meia s 8 horas da>ttoilM MmQ&f*>* dias aaoaficadot
Pkffrtnaeia espeeiathmt^ftiiea
Nomesmo consultorio ha sempre o mais apprqpriado sortiaaente de carteirai
iahos avulsos, assim como tinturas de varias Carteirajd,12 Jubos grandes**.'.. 12000 ""-
> de 24 tubos grandes: 181000
de 36 tnbos grandas: 24*000
de 46 tudos grandes. 3CW00
de 60 tubos trmjes,. .. 35^000 .
Prpara-se qualquer crteira.conforme o pedido'que se flzr* e com os remedim
[quef^e pedir. uouw
Um tubo avulso ou frasco, de tintura de meia once 10000.
Sendo para cima de 12 custarSo os precos estabelecidos pagaras careiras.
Ha tubos mais pequeos cada um a .500 reis.'
EfflTOMIfc
A melhor obra da homeopathia, o Manual de Medicina Hoaiaopathieo do Dr JarS
don8grande5.vohwes com diccionario .. ... ... t 2ftl0flh
Medieina domestica do Dr. Hering 1 .......' irSnn
Repertorio doDr. ihe Molaae f.fl ^ '
Diccionario de .termos ,vd medicina ....
Os remeafs deste estabelecimento s3o por demais

de ferro, porque o nico que convem aos estomagosi-delicadiM, quaio5o-provoca consU-
pacSo nico tambem que nao enegrece a bocea-e os dems. -N
Em Pari na ra da FeuiHade n. 7.
A venda em casa de Mdrer.e A, Caors.
6,1000
moo
conhecidos e dispensis oor
tanto de serem novamente recommendados as pessoas que quizerem asar de remedoi
verdadeiros, enrgicos e duradores: ha todo do melhor que se pode deseiar lobos da
verdadeiro assucar de leite, notaveis pela sua boa conservacao, tintura dea mais acredi
tados estabelecimentos europeos, a mais exacta e acurada preparado, e portaoto a nuinr
energia e certeza em seus effeitos.
Cosa de saude paratesemwm^
Recebe-se escravos para tratar de qualqner enfermidade ou fazer-se-lhe aualauer
operacao, pura o que o annunciante julga-se sufBcientemente habilitado.
O tratamento o melhor possivel, tanto na parte alimentar, como na medica
fdnecionando a casa ha mais de qaatro asnos, ha muias pessoas de cujo conceito se nao
pode duvidar, qoe podem ser consonados, por aquelles que deseiarem mandar aaaa
doentes.
Paga-se 2/ por dia dorante 60 dias i d'ahi em diante 14500,
As operariies serao previamente ajattadas, se n5o le qniferem snifjtar aos preco*
razotveis quaxostumapediroanflincianta. ^"v^
NOVO ftstabalaoiaionto
fJA DA CADEIA 1BO UECIFK HT. 49
Roupa feita de todas as qualidades
Faieadas .por barato preca
nperlores baldes de mussellna com cauda
Chapeas de sol balo que val 12)5, e o Ba'ao vende a *Of$.
O Balo vende'paletots de panno preto fino a 85, por ter grande porcao; calcas
de casemira superiores a U; calca de brim branco fino a 40; madapoiao fino a 7ft
chitas escuras proprias para andar em casa a 360 rs.; pa'etots de alpaca, branca; cam-
braias finas W a peca; seroula de bramante incito superior; chales de merino a 40,
ha moitas ootras fazendas que todas se vendem por preces insigniQcantes. Quem dnvi-
\r venha ver.
A barateza do Balito
^

Ricos brincos de crystal lapidados de diflerentes formas e cores, o qoe ba de mais moderno era
*ri* tambem cruzes e botoes para coletos ; flvellas modernas de madreperola para cinto : estes ara*
gos se vendem por menos de seu valor no armaiem da roa da Cadeia do Recite n. 60.
Novo e grande deposito de superior carv&o de Cardiffna
Bahia.
Antonio Gomes dos Santos & C, roa de Santa Barbara n. i, esto habilitados a snpprir de
oarvo, em condifides mais (avoraveis qae em ontro qualqner deposito, a todas os
ccarem naqueile porto. A contratar nesta com Domingos Alves Matheus.,
navios a vapor qne
Sirop du
nrFORGET
JARABE DO FORGET.
Ette xatope est approvado pelos mais eminentes mdicos de Pars,
no sendo o melhor para corar conitipacoes, tost convalsa e outras,
sflecces dos bronchios, auques de peito, irriucoe nervosas e insomnolendas: orna colherad*
pela manba, e ootra i nolte sao sufficientes, O eTelto desie excelente xarope satisfaz ao memo
lempo o doente e o medico. ,
Deposito na raa larga do Rosario, botica de BarUioIomeo C.n. 34.
calares Royer ou colares ano-
dinos.
para facilitar a denticao das criancas e presrva-
las das cobvuls5es.
O feliz resoltado obtido immensas veies pela
r: Jigiosa for^a magntica dos colares Royer, nos
casos de convulsoes, e denticao das criancas, tem'
a!" nente elevado o sea bem merecido prestigio,
e hoje j se pode dizer qne esto feralmente con-
' -ados, e estimados de innnmeraveis pas de
la ;ias : de nos porque do aso1 desses salntares
c: -es viram salvo? ao perico seas charos fllbi-
at; s e de oatros porque colberam daqaelles tio
pnleao exemplo para ignalmenie preservar os
seu?. Assim, pols, a agola branca, tendo em vis-
ta? a utllidade e proveitc desses prodigiosos cola-
re anodinos oo Royer, mandn vir o novo sorti-
vl-jo qae agora receben, e continuar a recbe-
te :>ara que em lempo algum a fajta, delles possa
*-r 'unesta aospais de famina, os quaes ficaro
eertis de os achar constantemente, na roa do Quei
."'i., toja d'aguia branca n. 8.
CNT4SM4ItffllEZt
A toja Enperanca na raa do Qeimado n. 33 A,
jrer*i(8 estas cintas, que ama eousa iodispensa-
vel a qoalqaer sentiora t, consiste sn ntildade em
sospender a vonude- a saia por meio de cordSes,
m rujas extremidades etiie presos eoJchetas qne
se pr-ndem aeaardaplsado vostUa: vndese por
2-500 cada cinta ; da-se amostraom penhor.
-r-.----1-------
----:-----~
O
lar i ii hit.
Vende-se farlnba de mandioca em saceos gran-
de?, recenlemente ebegada dg Rio de Janeiro : na
ra de Apollo n. 20, escrploro de Carvalho & o-
goeira, ou ao trapiche do Cunta.________
os Srs. fegueleirss.
Na drogara da rna larga do Ro-
sarlo n. 84
BARTH0i4>EO C.
, s Venderse
Limalla de ,erro.
Dita de ago.
Dita dt dito de Le.io.
Salitre, refinado de V qualid.<,d,e.
--------------------1------------__-----------_------------------------. .. i
Fareio.
Vende-se farejlo superinr de Lisboa, recente-
e ehegado : oo escfiatqrw d* Majoel Ignacio 1
iveira e Filbo, largo do Corpo Sanio n. 19.
PECHIMHi SEM IGUAL
Ricos cortes de gorgoreo de seda pretos adamascados para vestido com 13 metros
ou 18 aSOcovados esda e^rte, largura de etiita franceza, pelo baratsimo preco de 5"3
cada corle : na toja das columnas da ra do Crespo n. 13 de Antonio Corris de Vaseon-.
'ellos & C
SSET br 'jdr>" ^StriS&r **i\5s' ~ lx5f* 'u&, "fl^s,C^*'^^^^feo ^ZZr ^S&c
VEKDiDEIKl AGUA JIIXEllAIi
%^%!R%a^ m.MWv.
PASTSLHAS DOS SAES NATURAES DE VICHY.
VENDE-SE
Na botica e drogari de Bartoiomeu & C. Riia larga do Rosario n. 3 i.
A DO 1IR[ Tf H* 3H
O proprietario deste estabelecimento Jeseja chamar a attenco dos senbores pro-
prietarios para os acreditados mecbanismos que continua a fornecer; os quaes garante
ser como sempre, damelbor^quaiidade possivel:
* Machinas de vapor
forga de um cavalla para cima. As menores sao mui proprias para motores de de9-
o>ro';nnioutuj ttraTgorjao; ellas viajam annaAr- podem trabalbar den'ro de 24 horas
depois de cheg-rem no lagar. Eiras levam tudo quaoto preciso para o trabalho, e
diversos sobnecellentes. As-pia;hinas. maioies sao proprias para a moagem de canna,
e ha deltas que podem junta e separadamente moer canna e descarocar. Ellas podem
DE
CUSTOUIO CARTAIiHO CV
27 RA DO QUEiMADO N. 27
Madapolo francez muito fino, tendo pouco mofo, cada poca com 27 varas oor
103000, ^
Laa de cores a 300 rs. o covado.
Cambraia franceza a 260 rs. o covado.
Fino organdi9 a preco de 800 rs a vara.
Lencos brancos para algibeira a 25^00 a duzia.
Fd,;is perclaras a.preco de 400, 440a 560 rs. o covado.
Ricos cortes de laa de barra de 105 a 30O00.
Chales de fil pret e outras muitas fazendas.
Novidades do Vigilante
RA DO CRESPO N. 7.
Este estabelecimento apezar de sempre
se acbar bem sortido como todos sabem,
boje mais que nunca. n3o s pelo qae rece-
be de sua propria conta, mas tambem pelo
que recebe do eongignacOes; parece sem
duvida que.deve offerecer grandes vanta-
seapplicar a qualquer moenda jexstente sem outra mudanca do que asubstituicodas
rodas da almanjarra, ha tambem com.moeDda junta. Ellas tem depsitos d'agui e boei-
ros deierro, e nao precisan paca sea assentamento de obra alguma, qur de carapina,
qur de alvenaria. O tempo pan assenta-las na i eicede de dozo dias ao mais, e em
casos de mortes de animaes ou arrombamenios de acudes, ele,, garanie-se o assentamen- &ens Para respeitavel publico tanto em
to em oito dias. Todos estes vapores sao simp'issimus na construccao, e se regem por PreCs como na escolha dos objectos, e co-
qualquer pessoa intilligente, a facidade da conducho sendo especialmente considerada, mo acaba de cne8ar grande remessa pelo
tanto que nao ha lugar em que nao se possam conduzir, q -r por trra, qur embarcado, i ^aPor Doro e o navio Solferino de
Lembra-se aos senhores deengenho que a venda do* animaes e o servico rjald,versos oblectos de ?st? e Proprios do
gente oceupada oo seu. tratamento os hao de recuperar da maior parte da despeza do temP dos quaes se mencionarao alguns,
vapor, deixando-lhes a-vantagem de urna moagem certa e accelerada; e acabando com a J?or n^ ser Possivel mencionar todos. O
despeza da compra continuada de novos animaes, e com os desgostos do trabalho que se don? e estabelecimento espera a pro-
tem com elles.
Ser talvez desnecessarie lembrar aos compradores de vapores a vanlagem que
Ibes resalta de comprarem suas machinas garantidas em urna fabrica, tendo artistas com-
petentes para assentar as mesmas e ensinar a maneira de trabalhar com ellas, e j pre-
paradas para arreme di ir qualquer desarranjo; facilidades estas que jamis podem en-
contrar comprando-as aos simples negociantes, os quaes por falta de conhecimenlo na ma-
teria nem se quer podem garanti-los de que as machinas que vendem sejam proprias ou
sufficientes para o trabalbo em que se queira emprega-las, e no caso de desastre n3o
podem prestar-lnes soccorro algom.
Igualmente nao te esqaecerao os mesmos compradores de quanto podem perder
em ter suas machinas paradas por desamnjos no tempo das safras, sendo que anda
quando venhams fabricas para concertar as machinas alheias torna-seha preciso fazer
repentinamente moldes novos, etc. para as pecas estragadas
Tambem ha sempre prompto Rodas d'..gua de ferro Sarilbos com cruzlas para as
mesmas jMoendas de canna de todo o lamanbo, Rodas de espora e angulares, Paroesou
coches para receber o caldo,Crivos e portas de fornaltia, Taixas de ferro batido, fundido e
de cobre, Fqrmas de ferro-gajyanieadis para purgar assucar, Bombas simples e derepu-
eho. Alambiques de ferro.- Eixos e rodas de carro. Arados, grades, encbadas a cavallo
e outros instrumentos de agricultura, Moinhoi e forn todo oobjecto de mechanismo de que se costuma precisar
Na fabrica se fazem obras novas encommenda e concertos. com a Ynaior p este-
za e solidez. O grande deposito de pecas e objectos babilitam-na muito para este fim.
O proprietario sera sempre mui feliz de poder dar informacSes ou esclarecimento
aos senhores qae se servirem de sea prestimo.
D. W. Bowman, eogenheiro.
menie
de O
xmm
om terreno rr-m ..30 nalwos de (rente e 200 ta-
tos a 300tU toado, Ba ra d Lima, em Santo
Amaro : a tratar no caes do Rawos. armazem bo-
merc 10.
ricos VESTirms mngos
A' loja de fazeadas de-Augusto Bnto &::,
11RU do Queim*do~~lA
A' loja de fazendas de Angosto Porto de C ehegaram os mais bellos.e moderaos,
vestidos brancos e bardados i agalha.
Superiores vestidoa.de load com manta e capella para noiva.
Conloados bordados para camas e jaoeilas de 12a a 800.
Coilas de seda e de lia, wda de cores para casas.
Baldea. spartMbos, lavas de pellica a jaiis bordadas.
Bonros, algeroimiel e chales de renda preta.
v Sobretodos de panno de doas vistas e capas de borracha.
Grsdenapoles de eres preto, e aboiv preto de di venas qoalidades.
Enchovae para baptisado* en vestidos bordados que ba de mais gasto oeste gnero.
Filos bordados, de salpicos e lisos, cambraiasVictoriaa transparentes.'
Chapeo?, bonets e gorros de pal ha d lia lia para senhoras. .
Copos pretos de seda para borneo, e chapeos de sol seda ingletes.
Camisas fraacezas e ingjezas para hornero, meninas e senhoras.
Tapetes para sata, plano e cama, e dito superior em peca*
Alcati/S de listas; baralas.pois se prende a 480 rs. o covado.
Breuaha de liaba BOfwrtor em pecinhas de 6 jardas e em pegas grandes, di 30Jditas.
Na mesma casarse vendem sempre as melheres e mais Baratas
steiras da India para for ar salas
11 Rna do <|Bclsnad-ll
teceo de todos.
Riquissimas caixinhas ornadas e com
msica propria para om delicado mimo.
Caixinhas de msica tanto de veio como
de corda.
Ricos porta joias e necessarios.
Riquissimos estojos a feitio de nm baosi-
nbo ou cbapeuzinho.
Ditos em casca de noz e de outros gos tos.
Leques de madeperola de sndalo e de
faia e madeira.
Gbaposinhos e touquinhas de muito
gosto para criancas.
Meias e sapatiohos de seda para as mes-
mas.
Meias de seda para senhoras.
Capellas e grinaldas de flores proprias
para casamento.
Enfeites e capellas de muito gosto para
senhora.
Riquissimos porta boquets.
Roquet de flores com urna borrachinha
com cheiro.
Luvas verdadeiras de Jovin.
Ditas de seda e de Escocia.
Riquissimas plumas i e guarnieres para
enfeitar chapeos. t. ,
Con tas e tubos de ac braceo, que ha
muito ae desejava fiara enfeites.
Brincos, fivellas e cruzes de crystal.
Fivellas e cruzes de tartaruga, madripe-
rola e dourados. il # ti f 1
Alfinetes para grvalas.
Botoes com croas pafa punios.
Gravatinbas e mantinbas de muito gosto,
tanto para hornera como para senhora.
O castello de Grasville.
Tradmido it fraaei ser A. J. C. da Gru.
Vende-se este bello romance em qaatr
tomos pelo baratissimo preco de 3^00u
aa praca da Independencia, livraria dj.
6e8.
IrmSos
as com alfinetes pretos.
Bengallas de canoa com cabo de marfim,
pitas de balia," borracha e de outras
nitas qualidades, assim domo chicotinhos.
^Riquissimos peales de tartaruga do ulti-
Lmo gosto; assim como de arregaco para
fiieoTna, pois neste artiga ba um completo
ortimanto de todas as qualidades.
* Diademas para cabeca do ultimo goatOv
4 Riquissimas fitas lavradas e lizas.
i '
Frameisco Jos Germano
RA NOVAN. 22,
acaba de receber um lindo e magnifico sor-
timento de oculos, lunetos, binculos, do ul-
timo e mais apurado gosto da Europa e ocu-
los de alcance para observarles e para os
martimos.________
Tasso
Vendem no sen armazem rna *
Amorim n. 35,
Licor fino Curasao em botijas e meias botijas.
Licores finos sortidos era garrafas com rolbas o*
idro e em lindos frascos.
Viohosberes.
Santernes.
Cbambertin.
Hermitage.
Borgonhe.
Champagne.
Moscatel.
Reino.
Bordeau.
Cognac.
Od Ton.
PAezei lagniol.____________
No armazem de azendas
baratas de Santos Coelho
Rui d urimado n. 1.
Venda-seosegnt::
Lengoes de bramante de um s panno pelo ba-
rato pre$o de 3J2O0.
Ditos de panno de llnho a 2JKX) e 2600.
Cobertas de chita da india a 2*400 e 2*800.
Lencos de cambraia brancos proprlos para algi-
beira a 2#000 2*200 a duzia.
Ditos de cambraia de llnbi fioo a 4*500 e 5* a
duzia.
Atoalbado de algodao braoco a 2* a vara.
Bramante de llnho fino coa 10 palmos de largu-
; a 2*500 a vara. 8
Panno de lioho fino com 9 1|2 palmas de largu-
ra pelo barato prego de 2*400 a vara.
Bramante de linho fioo de orna largura, pelo ba-
ratissimo prego de 800 a vara.
Toalhas de lioho acolchoadas para mos, a 13*
a duzia.
Ditas felpodas a 13* e 15* a dezia.
Guardanapos de linho a 3*500 a duzia.
Flanela de todas as cores para coeiros, a 880 rs.
o covado. -
,Tarlaiana da cores a 800 rs. a vara.
BalOes de 35 arcos 3*500, de 40 a 4.
Cambraia de linho floe a 4^500, 6*500 e 9* a
vara.
Cambraia para forro de vestido a 3*700 e 3* a
;egas de bretaaha de. rolo com 10 varas, a
Pega da madapolo fino e largo a 7#.
Liazioha lia ia cares a 500 rs. o covado.
Pecas de cambraia branca de salpicos com 8 e
meia va jas a 4*500.
^Riquissimos aderecos pretos, assim comoj -C^osde casemira bordados pelo barattsskao
ifcibhAs r.nm a'finptps nrAtne pNW 9*.
Esleir da India propria para forro de sato a
4,5 e 6 palmos de largura.
Cambraias finas de ores ntidas a 560 rs. a nra
Neste armazem tambem se encontra om fnads
sortimento de roopa l;;;s o uor medida..
Farinha.
No armazem de Vicente Perreira
nlio junto as arco da Conceigo, ve
rir.Jariaha de mandioca nltimame
efi saceos da tres alqoeires ou cineo arrobas i
passvffalo bumkmlm'pT*io4*UaM*o-
Panao: de altada da Baha, propri para
saceos.de assocar e ronpale escravos; temiiara
Vender Antonio Loiz da Oliveica Azevedo & (i, ao
sea escriptorio ma da Crnt n. 1.
i -' ".i Trancas pretas com vidrilho e de cores.
Pulseiras tanto para senbora' como para
Mnmnmssu
Ligas de seda e de aigodao.
Su8pefj8drioade seda e de algodio emni'
llwswtroTobjWos qne se nio poden an- J*jfL cL^s TnSM
Wnciarportisodelo-^enfadonho. Kfost S no Gallo Vigilante raa do Crespo n. 7. fres oa qaatro machinas parwdtscarocar atgodjuk.

ntl
nnava i


-***
te^
BAfrt do pcm|qco minia lelil 4c Juaho de I8tf6.
ENCIClOPEDIlA
* Ra 4* Intf>cratrlz armazeaa
4a porta larga fct.
junto a paaarla fra4eza 4e
Paredes Porto.
Neste esUbelecimentQ encontrar o respeitavel
publico um variado sortimento de fazendas france-
zas, iigleus, sulssas, e allemes, que, se venderao
por pre^o commodo.
Paredes Parte
Vende chales de. renda de cores que se vende-
rn a 18| esta vendendo por 65, ditos pretos, te-
lenda aova, 85,65, 85 a 205, aro lortimento com-
pleto de manteletes, capas e.sootambarques 145 a
255. Roa da Imperatnz o, 41, jauto a padarla fran-
cesa, armazem da porta larga.
Paredes Parlo
Recebeu um completo sortimento de laasinhas a
140, e 280 rs. corados, para acabar, cambraias de
cor a S40 rs. o covado, riscado escossez para rou-
pa de menino, fustao de linho a 430, 400 e 500 rs.
Roa da Imperatric n. 52 junto a padaria franceza.
armazem da porta larga.
Paredes Parte
Receben para cortinados para cama franceza a
tljt a peca cambraia lisa fina a 35 4 at 105 a
A SALSA PAUILHA M AVEt
PARA A GURA RAWCAL
de escrfulas e molestias escrofulosas, tonorea> olcww/bcaagas farklai *
-loas, bronchoeele, papo oapapoira, a syphiiis, enfermidades Teneras oaer-
curiaes.
peca, cortes de tarlatana.de bonitos gostos a 35300
a i#, cambraia com flor de seda, gostos integra-
mente novos a 400 e 500 rs. o covado, no armaiem
da porta larga n. 52, ra da Imperairiz junto a pa-
daria franceza.
Paredes parta
Receben pelo ultimo paquete um sortimento de
crnzes com podras para o pescoco, bonitos caxineis
de lia parapescoco de senhora. Roa da Imperairiz
e. 52, armazem da porta larga.
Paredes Parto
Vende cortes de gorgorao preto para vestido com
SI eovados cada om 355000, grsdenaple preto a
15600,15*00 e 25 o covado, ISas lizas finas a 400
rs. o covado, lias de qaadrinho para vestido, enfes-
tada, a 320 rs. o covado. Raa da Imperairiz n. 52,
armazem da porta larga.
Retrae feita
Ra da Imperatriz n. 52 armazem da porta lar-
ga junto a padaria franceza, encontra-se neste es-
tabelecimento um completo sortimento de paletos-
saceos e sobrecasacos, de todas as qaalidades, cal-
cas, eolietes, ceronlas, camisas, grvalas, meias,
chapeos de sol, ditos francezes para cabeca, por
presos commodes, ronpa para menino e entras
maitas fazeodas por precos commodo, armazem
da porta larga.
o mesmo esabelecimento encontrar o respei-
tavel publico, sempre om completo sortimento de
ronpas fetas d todas as qualidade?, como sejam
paletos de alpaca preta e de cor, ditos sobrecasa-
cos a 45 e 55, ditos de brim pardo a 25800, 3} e
35500, ditos nos a..4, ditos meias eazemira a
S5300, 45 e 55, ditos eazemira saceos a 64, 75,84
e 104, ditos sobrecasacos a iO e i24, ditos de pan-
do saceos 2 64, 84 e 104, ditos sobrecasacos a 124
i 254, ditos de merino preto a 64, 74 e 104, cal-
cas de brim de diversas qaalidades a 14800 a 44,
ditos brancos a 24500 e 6400, ditos eazemira 55,
34 e 74, ditos pretos a 54,'64, 84 e 104, ditos
meias cazemiras a 34 e 44, colotes de diversas
dualidades, seronlas francezas de algodao, ditas de
Inbo, dras de bramante a 24 e 24500, carnizas de
ilgodo de linho francezas de 24500 e 34. Gran-
de pecBincba neste geoero, grvalas de todas as
;ualidades e brancas para casamento, grande sor-
'.1 ment de meias para senhoras, ditas para horneas
a 34, superiores a 34500 e 5-
Um completo sortimento de chapeos de sol de
alpaca a 34, ditos de seda a 54, 74, 104 e 144,
(titos francezes para cabeca, grande sortimento
a 64.
Vestidos
Peehtaeha ena Igual.
Cbegoa a loja de Paredes Porto um bonito sor-
timento de vestidos de tartalata de cores e branca:
que serve para partidas.por ser urna phantagia ln-
teiramente de gosto pelo barato preco de 44 e
brancos a 44500, estao aeabando-se : no'armazem
d porta larga raa da Imperatriz n. 52, junto a pa-
daria franceza.
Cortinados.
ttiJUMl, ESTABlAECllfiSl0
Chegon a loja de Paredes Porto um completo
sortimento de cortinados ricamente bordados a
preco de 254, 354 e 454 na roa da Imperatriz
a: 52, porta larga junto a padarla franceza.
Ricas romeiim
Paredes Porto recebeu pelo ultimo pequete um
sortimento de romeira de guipure pretes e de fil
a preeo commodo : oarua da Imperatriz n. 52.
porta larga juuto a padaria franceza.
chapeos de sol.
Vendem-se chapeos de sol de panno a 14400 e
ama grande pecbioeha s para acabar : a ra da
imperatriz n. 52 armaiem da porta larga de Pare-
ces Porto.
Cortes ae laa escocesa para vestido a 34 o cor-
te: na ra aa Imperatriz n. 52, loja da porta lar-
ga, junto a padaria fraoceza, estao se acabando.
Para luto.
Las pretas com salplcos brancos a 400 e 500
rs. o covado : na ra da Imperatriz n. 52 junto a
padaria franceza armazem da porta larga.
A 10500.
Vendem-se pecas de tranca preta para enfeites
de vestidos, soutembarqnes, capas de senhora a
(4600 eom 10 varas, nma grande pechincha : na
roa da Imperatpz 52 junto a padaria franceza.
Chales de renda pretos.
Vndese crales de renda preto a 44000, unicc
loja que pude vender na ra da Imperatriz D. 52,
armazem da porta larga; de Paredes Porto.
3SS3o|b&S5Sp
s B 2 i "-p s 9 _
os 13
ZM
fffll
o
o
B
S S
m o a.
t|fg
11*
8
2. **
-1 O
O
12 S H 2-cr2i.
S&q,d 5 sr.a
3.5'ao g
58?
ale,
9 P
o
2
era
5 5
5T
u -1
oq o 3 o
mi
o
s
&?
CB f-i
S
S9
-
a.
3
S
- 9
o.
i
Breu em Uirrica* pequea*.
Cera em velas de todos os tamanhos.
Bofias.
Harcnrio.
Na ra do vigario n. If, primetro
------' > *~
odar.
*
Baldes
Grao de sortimeato.
Cbegou i roa da Imperatriz n. 52, junto a
dara franoeza, na-anad*ioiieato que
de a 2450O rs. paraacaabar.
pa-
stiaa*
AS MOLESTIAS DAS MULHERES
reteocSo^ menstro doloroso, uReracSes do tero, flores brancas, etC;, ulcera-
(j3o, debilidade, expoliarlo dos seos, a nevralgia e eonvulsoes epiteptieas
quando cansadas pela escrfula.
EBSfPELAS RPES; ETC. #1
Enfermidades cutneas, crup/o. borbulbas, pstulas,
aascid9a> -t -<-*
O extracto coroposto de salsa parrilba, confeccioDado pelo Dr. Ayer, urna
combinacSo dos njelhores depurativos e alterantes conhecidos medicina; confeccio-
nado segundo as regras da sciencia, approvado" e receitado pelos piiiteiros mdicos dos
LEstadosrlinjjlfii.da,Afiria -do^ul e Central, da Anthas, do Mxico e das indias,
muitas outras partes do mundo : o resultado de estodos apurados e minuciosos, e ae
experiencias feilas pessoalmentepelo Dr. Ayer, por muitos annos, nos principaes nos-
pitaes e enfermaras da America; tcm sido approvado pelas academias de medicina e
juntas de hygienne das principaes capitaes da America do Norte; para prova disto ede
os attestados authenticos no Almanak e Manual de Saude do Dr. Ayer, os quaes ae^hs-
trituem gratuitamente nos lugares onde se vende o remedio.
A SALSA PARILHA DE AYER
especialmente effDcaz na cura das molestias que tena sua origem
na escrfula, na lnfccco venrea, no nao
excesslTo do merem lo 011 qualiier impureza do sangue.
A molestia ou infecc5o peculiar, conhecida pelo nome de escrfula, um dos ma-
les ruis prevaecectes e universaes que lia em toda a extensa listadas enfermidades que
atacam a nossa rafa; disse um celebre escriptor da medicina que t mais.de urna terca
parte de todos aquelles que morrem antes da velhice so victimas, ou directa ou indirec-
tamente de escrfula; por isso s nao lao destructiva, porm a principalcausa de
muitas outras enfermidades que nao i be sao feralmente al tribuidas.
urna causa directa da tsica pulmonar, das molestias do figado. do estomago
e affeccSes do cerebro; entre seus numerosos symptomas acbam-se os seguintes: taita
de appetite, o semblante plido e enchado; as vezes de urna alvura transparente e outras
vezes corado e amarellento irregular, fraqueza e moeza nos msculos ao Fedor da boc-
ea ; digestao fraca e appettite, falta de energa; ventre enchado e evacuado irregular;
quando o mal tem seu assento sobre os pulmoes urna cor azulada mostra-se em roda dos
Olbos; quandq ataca os org3os digestivos, os olhos tornam-se avermelbados; o bali-
to ftido, a lin/toa carregada; dres.decabeca, tonteiras, etc. Naapessoas dedisposi-
$0 escrofulosa apparecem frequentemente erupcDes na pelle da cabea e outras partes
do corpo ; sao predispostas s affeces dos pulmoes, do figado, dos rins, dos orgaos
digestivos e uterinos. Portante, Doslo smente aquelles que padecemdas formas ul-;
cerosas e tuberculosas da escrfula que necessitam de protecejio contra os seus estragos;
todos aquelles m cujo sangue existe o virus latente deste terrivel flagello (e s vozes
hereditario), estao expostos tambem a soffrer das enfermidades que elle causa, que sao:
A tsica, ulcerafoes de figado, do estomago e dos rins; eropoSes e enfermidades
eruptivas da cutis, rosa ou erysipela, borbulhas, pstulas, nascidas, tumores, rheuma,
carbnculos, ulceras ecbagas, rheumatismo,. dores nos ossos, as costas e nacabeca,
debilidades femininas, flores brancas causadas pela ulcerac5o -iDterior, e enfermidades
uterinas, hydropesia, indigestao, enfraquecimento e debilidade geral.
Offerecemos a estas pessoas um abrigo seguro e um antidoto efficaz contra esta
molestia e suas consequencias na
SALSA PARRILHA DE AYER
que opera directameate sobre o sangue, purificando-o e expulsando delJe a comips5o e o
veneno da molestia-; penetra todas as partes e todos os orgScs do corpo. huBauo, livran-
do-os da sua aeco \iciada e inspirando-Ibes novo vigor. mn alterante poderosissimo,
para arenovac5o do sangue, e d ao corpo j enfraquecido ^ela doenca, forcas e ener-
gas rwiovadas como as da joventude.
E tambem o melhor anty-syphiHtico conhecido
cura permanentemente aspeiores frroas-do tsyphilis e as suas consequencias. Pouca
necessidade ha de informar o publico do inestimavel valor de um remedio que, coma
este, livra o sangue desta (orrupc3o e arrebata a victima das garras de urna morte ledta
e ignominiosa, prm inevitavel, se o'mal n5o logo combatido com energa.
um poderesissioio alteraote para a renovago do sangue e para dar novator-1
oa 40 corpo j enfraquerido pela doenge.
Sendo composto de productos vegetaes, este medicamento innocente eao'raes-
motempo efficaz, um fado de immensa importancia para aquelles que o tomam ; por-|
que muitos dosremedioc alterantes offerecidos ao publico tem por basa o mercurio ou o
arsnico; e sendo assim, beni que s vezes podemeffeetsar curas, comtudo deixam suas
victimas carregadas de ginal. A nica cousa necessaria para obter urna cara radical seguir com juizo c cons-
atncia as direccSes que acompanham C8da frasco.
Nao pretendemes promulgar, nem queremos que se infira que esta composic5o a
um remedio iafallivel .pata a cuca de todos os padecimestos humanes ; infeliiaenie
escrfula e a sypbilis -sao enfermidades tao sulis oas suas naturezas, e arreigam-se tao
firaiemente 00 systema, que muitas vezes evadem e resistem aos remedios mais pode-
rosos que a sciencia -humana pode ventar para combatiias: o quedizemos frf o
Extracto composto de salsa parrilha de Ayer
a melhor,ppeparaf3o -at hoje descocerla para-ejis e eu*ras molestias anlogas, que
urna combinado dos alterantes mais-eflicazes conhecidos, e que esta ombinacioiem sido
regulada por tongas e laboriosas experiencias, -e fiaatarente que temos censciencia deof-
ferecer ao pdMrco o naelhorrcsuttadc que possivel produzir, da ioteigencia e pericia
medica dos nossos lempos.
Este remedio deve ser tomado-com systacia e regula/idade, eno com abandono,
pok um remedio e nSo bebida.
Quando as molestias do figado nao tem sua origem na escrfula, o remedio
mais proprio as pilulas calharticas de Ayer, que sao efficazes na cura da molestia, que
m por causa um desarranjo dos orglos digestios. Pedi a salsa parrilha de Ayer e
nao aeeitai outra preparadlo.
PernambucQ,
VENDE-SE
No armazem de M. J. Ramns Silva & Cenro. ruada vicario
n. 11, constantemente, os seguintes artigo*, -que
iteeebem por eneommenda pronria
-
eneommenda
EW-lTOllK.
de


Legitima salsa parrilha deBristol, preparada por Lanmas & Kemp.
Verdadeira agua florida, preparada pelos mesaos.
Gax em latas de cinco gatoes, o mais purificado que se pode deseyar da acredi-
tada marca F. W. D. & C. .
Relogios perfeitos reguladores, com corda de quatro aoitodias, dos afamados fa-
bricantes E. N. Welch. .. .
Graixa em latas grandes da bem conheeida marca las.S. Masn (00VHUM-
phia).

Superior oleo para machinas de costura.
Agulbas para as mesmas.
Breu em banicas grandes e pequeas.
Vende-se tambem:

BORDEAIV
1.a qoalidade.
st. r>tt'phe.
St; Jutien.
G. Margaux.
C. Lafitte.
Medoc.
Ia qualidade,
Principe Real.
1 Pedro V.
MariaTia.
Princeza D. Isabel.
Vctor Emmanuel.
(Duque.
Maivazia.
Vioho fino do Porto em barris de 5/, 10/ e 20/.
Superior vinho doRheno.
Cera de Lisboa em velas e em grume.

i.
Madapoldo.
' Finas pecas de madapelo Com 20 varas 9.
LENCOS,
Lencos de cambraia branca, duzla 2$.
dem de cores' fixas para meninos, duzia 2#400.
Cambraias.
Cambraia*. da cores a preco d8'260 a 300 rs. 6 ctvado.
uardauapos.
Guardanapos de linho, duzia 3500.
AlfOdo
. Algodao trancado de duas larguras, proprio para toalhas de mesa, a preco de
l(J3O0 asara.
Bramante.
Superior bramante de linhoinglez e francez.
(Cambraia de linho propria para lencos.
ATOALHADO.
Atoalhado braceo para mesa a 11600 a vara,
ntremelos de cambraia muito finos, prego 10.
Lencos de seda para alglbeira a-ltSMno

Ana da Imperatriz, W. 60
DE
GAMA & SILVA.
' LOSA E ARMAIM DB KA1IRDAS.
Tendo os proprieurios desle grande estaoeleci-
coento-feita uao p-aoae abanraenla era muius d
sota (aMBduv'Bela occasiodo balD(Q^oe daxam
no timo de datembro de 4865, resolveram vender
muito mais barato do qoeoostamam abra de/ cada
vei mais agradaren! aos seus numerosos fregu-
zes ; por lamo Ibes olfereeem om avolada-tofti-
me^W de fueodas frauuezas, ioglezas, as quaes
venderao mais barato do que rn outra qualquer
parte, comprometindose a mandar levar qualquer
(azenda em casa dos fregu zes que nao poderem
vir a loja, ou a darem as amostras, deixando ficar
o penhor, assim como cooSidam as pessoas, que
negociara em menor escala que neste grande,esta-
tteleeimento encontrarao um grande sortimento
tanto a retalbo como por atacado, vendendo-se-lhe
apenas pelos pregos que comprara as casas ingle-
zas, sendo com o dinheiro a' vista.
As toalhas de li lio do Pao.
> Vendem-s3 superiores toalhas de linhos para
tomo pelo baratissimo prego de 7j^00 a duzia ou
a 640 cada urna.
. Guardanapos de linho adamascado para meza a
28O0 a doza ou a 240 rs. cada um.
Superior atoaiaad de imbu com oilo palmos de
largura sendo branco.e pardo, e vende-se mais ba-
rato do que em outro parte,pa loja da Pavao na ra
da Imperatriz n. 60 de Gama & Silva.
Os corpinhos ae seda pretos-do Pav5o.
Vendern-.-e oa mais ticos corpinhos de seda pre-
tos, ricamente enleilados, pelo barato prego de 125
cada um : na loja do Pavao na ra da Imperatriz
n. 60, de Gama & Silva.
Rko. vestidos .80000 rs.
pethincba adniravel.
S o Pa/ro recebeu pelo ultimo vapor francez
um grande sortimento, dos mais ricos cortes de
vestidos transparentes com lindas barras e enfeites
de seda, sendo estes-vestidas muito proprios para
baile* e passeios, e vendem-se pelo baratissimo.
preeo de 8000 rs. cada um, na loja do Pavtj na
ra da Imperatriz n. 60 de Gama Silva.
(la chafe preto fe randa da Pavo a 8000 rs.!
Vendem-se os mais ricos chales pretes de renda
eom quatro ponas, senda muito grandes pelo,ba-
ratissimo preco de 8.
Ditos de guepure a 1, 18, 205,25-
Retssdas de dito a f.
Mantelete de renda, tazeeda muito -superior a
15000.
Capas e sautbambarqoes de grosdenaples bor-
dados, fazenda ioteiramente nova, por precos mais
baratos que em oo.ua qualquer parte.
Isto na loja armazem do Pavo na ma da Im-
peratriz n. 00 de Gama & Silva.
Oscilares do pavao a ?ooo e 2ooo rs.
Vendem-se chales de merino estampados a 2$
e 2*300 ceda um.
Ditos de merm liso a 3&b00.
. Ditos estampados de crepon a 6, 75. e 85000.
Ditos pretos bordados com franja de seda a 145-
Na loja e armazem do-Pavo na ra da Impera-
triz a 60 de Gama &. Silva.
Paca luto vende o Pavo.
Setim da Ohina com 6 palmos de largura, fazen-
da -prat para lu'.o, propria para, vestidos e re upas
para homens, sendo esta ueva iazenda sera lustroe
de muito Lea qualidacje, garanttndo-se nao litar
-rossa rom o tempo e veede-se pelo barato prego de
25 e 95609 o covado, assim como neste estabeleci-
mealo lem om grasde sortimento de todas as fa-
zeodas pretas, como ,*iam eassas e dulas pretas,
las tapadas e transparentes, princezas, alpacas,
sarjas, etc. : na loja e armazem do Pavao na roa
da imperairiz n. 60, e Gama V Sirva.
Os -baes do Pavao.
Vendem-se supeciures baloes de mugulina com
mnit roda a 55-, ditos crinollnes com 35 arcos a
35800, .dito* com SO e 25 a 35, ditos para meni-
nas,-endo trancos e encarnados a 25 e 25300 :
na toja-do Faao Gama Silva
Caeibraias de forro a 1(5600 e 21 na loja
\ 'do Pav5o.
Vendem-se pecas-de cambraia de forro con no-
ve varas cada ipeca* pelos barallsslmos preces de
IgoOO e 25: na loja e armazem do Pavao na raa
Impcratrcn.-60, de Gama Silva.
Os corneados do Pavo.
Vendem-se superiores conloados adam>scados
para camas pelo baratissimo pre^o de 15 cada par,
d: u jane I las -a 135,-20 e 235 o par : oa tojae ar-
mazem do **avao na ra da Imperatriz n. 60, de
Gama & SOva.
Panno preto -a 2$ na leja do PavSo.
Vende-se ^anoo preo. fazeada muito boa, pelo
barato proco de 25 o covado, dito muilo fino a
5500, 45,4&e 65,afsitn cora? casimira prea de
oordao a 25 o covado : na loja o Pavo lia-ra da
imperatriz o. 60, de -Gima & Sflva.
ts cspar-tin-'S do Pavo.
Vendem-se urna grande e variado sorliroato de
espartilhos dos n.ais i.em feitos que tem 'viudo ao
mercado, sendo de todos os tamanhos, vendendo-se
por um preeo tanito cazoavel : tslo na loja do Pa-
vao na roa da Imperairiz d. 60, e Gama & Silva.
s salas bordadas do pavo.
Vendem-se sias bordadas sendo Tazenaa muito
fea, sendo ricamente bordadas e<:om mnii.i rda
vendeudo-se velos baratos prenos e 65 8? e 105
rew cada urna na loja do Pavao na ra da Impera-
trir n. 60 de Gama & Suva.
Bretanha> de rttlo a &00U
Vendem-se pe;as de bretanba de rolo com 10
varas cada peea,,paio bsratiss.mo preco de aj :
na ioja e armazem do Paveo, ra da emperatriz o.
60, de Gama <& Bilva.
Ronpa feita.
fia loja do Pavao
Vnde-se nestesiabelectaoento um grande sor-
timesto de roupas,-tanto de panno conM-caxemiras,
e brios e pelos iiaraiissimos precos como sejam
calcas de caxemira preta a65 75 e 85080res, pa-
letots de panno preto saceos a 45 85 e 1-25000 rs.
ditos sobrecasacos de panno flnissimo a 125 185 e
255000 fdennos aqu reltalos; s na toja e armazem do
Pavo ra da Imperatriz n. 60 de Gama & Silva.
Loja do Pavo
firandes peehtnehas.
Sedabas a SCO rs. o coya*)
Sedinha a 500 rs.
Sediaba a 00 rs.
Vende-se na ioja do Pavo. um grande sortimea-
to de sediohas iletradas com as mais bonitas cores,
sendo os padros mais novos qoe tem v*ado aa mer-
cado, vende-se pelo paratisslmo preco de cfneo
tostSes o covado, sendo fasenda que valeai mnito
mais dinheiro, e grande pecbioeha por se ter
comprado ama graade ponida desta (aseada, na
loja e armazem de fasenda do Pavao, roa da Im-
peratriz a: 60 de
Lmmhas,matisadas a 320 fx
Vendem-se as mai lindas laasinhas matisadas
com os mais bonitos desenlio?, pelo barato preco de
320ts; 0 covado ; na loja do Pavao a rea da im-
peratriz n. 60 de Gama 4 Silva.
Os dudes de'gtjjpnre a 12f e
16#000,
Venffeni-sfros mal ricos coates de Guipnre e de
renda de linho e seda, petos baratissimo preewtde
125 e 165 ; grande pechincha em relaco a boa
qusrtide e'tama'nho delles : s na toja do Pavle,
roa VImpdrattlt n.*, de Gama & Silva.
Ldazhhas a 200 rs, s o
Cortes de cambraia oom palman na lujado
Pavo. -
Vendem-se cortes de cambraia branca ci/na pal-
mas, sendo fazenda muito bta, pelo baratissimo
preco de 25500 para acabar : na loja e armazem
do Pavo na roa da Imperan ii n. 60, de Gama 4
Silva.
Lencos brancos a ajfOOO rei a
duzia.
Vendem se lencos brancos fazenda muito- boa
pelo baratissimo preco de 25 a duzia, Ditos com
barra de cor a 25000 isto para acabar na loja d-
Pavao na ra da Imperatriz n. 60 de-Gama A Sio
va.
Ponpelinas modernissimas a 400 e 500 rs.
o covado na loja do Pavo.
Vendem-se poupellnas mnito finas sendo fazenda
mnito moderna de quadnnhos e liza vendendo-se
pelos baratos precos de 400 e 500 rs. o covado na
loja do Pavo na ra da Imperatriz n. 60 de Gama
4 Silva.
Cirosdenanles prelea do Pa\o.
Vendem-se superiores grosdenaples pretos i f los
baratsimos precos de 15&00, 15600,15800 e 25
o covado, sendo fazenda muio boa, s para aca-
bar : na loja e armazem do Pavo, ra da Impe-
ratriz n. 60, de Gama 4 Silva.
tramante de linho do Pavo.
Vndese superior bramante de. linho com 10
palmos de largura, pn prios para lences, pelos
baratissimos precos de 25 e 25600 a vara, assim
como panno de linho mnito fino pelos baratissimos
preces de 640, 700 e 800 rs. a vara : na loja e ar-
mazem do Pavo, ra da Imperatriz n. 60, de Ga-
ma 4 Silva.
Cambraia lisa do Pavo.
Vendem se pecas oe cambraia lisa muito supe-
rior, pelo barato preco de 35200 e 35500 a peca,
ditas muito oas.a 55, 65, 75 e 85 : na loja e
armazem do Pavao, ra da Imperatriz n. 60, de
Cama 4 Silva.
PEGH1NCHA 1
a 2|$000, para calcas, s o Pa.ao.
Vendem se superiores corles de meia casemira
com msela de seda a 25, ditas Garibaldinas a
25800, ditas escuras a 25800, ou a 15600 o cova-
do : na loja e armazem do Pavao, ra da Impera-
triz d. 60, de Gama 4 Silva.
PENTEADORES
oa roupoes de cambraia bordados proprios
para as senhoras vestirem de rxunba.
Cbegou esta novidade paia a loja do Pavo,
muito lindos e do melhor gosto al hoje, por pre-
cos mnito razoaveis : na loja do Pavo, roa da
Imperatriz n. 60, de Gama & Silva.
Cassas francezas a 2-i(' rs. o coiado.
Vendem-se bonitas cassas francezas de eores fi-
xas pelo barassimo preco de 240 o covado.
Ditas a 280, 320 e 360.
S na loja do Pavo, ra da Imperatriz n. 60, de
Gama 4 Silva.
Grsdenaple preto a 1#600.
E' grande pechiachall
Vende-se grsdenaple preto, sendo muito encor-
nado e de boa largura, pelo baratissimo prego de
15600 o covado : na roa da Imperatriz n. 60.
Os cachinez do Pavo.
Vendem-se.bonilos cachinez de laou agazalhos
para cabeca pelo baratissimo prego de 35000, s
na Ioja d Pavao, na ra da Imperatriz n. 60.
MAltTASPARA OPESCOCO
a 15, s o Pavo.
Vendem-se bonitas mantas para o pescoco, pelo
barato prego de 15 : na loja do Pavo tta roa da
Imperatriz n. <>(, de Gama & Silva.
Hadapoles a 3,560 rs. a pessa.
S na loja do Pvo.
Vende-se pecas de madapolo fino com 12 jar-
das, pelo barato prego de 35500 e 15000.
Chales de renda.
Na loja do Pavo.
Receberam-se os mais lindos chales pretos de
renda, assim como as mais modernas e compridas
relonoes, e manteletes da mesma fazenda, e vende-
se mais barato que em outra qualquer parte; na
loja e ajmazem do Pavo na ra da Imperatriz n.
66 de Gama 4 Silva.
Castor a31i0 rs. o covado.
Para caicas.
Vendem-se superiores castores mnito encorpados
padroes eseuros pelo barato prego de 320 rs. o co-
vado, strvindo esta fazenda tambem para escravos
por ser de muita durago ; na leja e armazem do
Favo ra da Imperatriz n. 60 de Gama 4 Silva.
Chapeos para meninas a 6,000.
S na loja do Pavo.
Se vendem os mais bonitos e mais Jbem enfeita-
dos chaposintios de palha da Italia, proprios para
meninas, pelo pwrtwHw pr.yg *^ #o ^ na lula
e armazem do Pavo na ra da Imperatriz n. 60
de Gama 4 Silva.
Attenco.
ULTIMA MMDM
PENTES, ENFEITES, CINTOS.
Gama 4 Silva, acabam de recetier pelo ultimo
vapor francez, um grande sortimento dos mais ri-
cos enfeites pretos e de edres-proprios oara cabeca,
sendo guarnecidos com as mais lindas flores, e com
voltas das mais bonitas peritas: assim comoosmais
modernos e engragados pentes da verdadeira lar-
taruga, marebetados sendo a ultima novidade
que tem viodo de Pars, e os mais ricos cintos com
filas maibisadas e fivelas largas, conforme ultima-
mente se usa as primetras capitaes da Europa, e
vende-se por prego em conta por ter chegado em
direitura para a loja do Pavo, ra da Imperatriz
n. 60 de Gama & Silva.
As rotaadas rio pavo a 8 e IQ.s.
Ventiem-se as mis ricas rotandas de renda pre-
ta, sendo mnito grandes, que. sao as que mais se
usam, pelo baratissimo prego de 85 e 105 na
loja e armazem do Pavo, ra da Imqeratriz n. 60,
de Gama A Silva.
Chitas pretas a 160 rs:
Vendem-se chitas pretas inglezas, sendo fazenda
mnito boa, pelo baratissimo prego de 160 rs. o co-
vado, ou 55300 a peca com 38 eovados : s aa
loja de Ravo, ra da Imperatriz n. 60, de Gama 4
Silva.
llti tas a 180 rs., b o Pavo.
Vende-se o axis gnito ment de cnius m-
glezaa, padtf-iBiiKniK^ ciaros-e coros, e tea-
do tambem roas para Juto,.afiaacando-?e serta
cores fixas, e veuo :mse pelo baratissimo prw9 -fi: ,stonal) e armazem do Pavao, na
ra da Imperatnz n. 00, de Gama 4 Silva.
Vestidos orticos.
^sbrtn 'lefambraia branca m bom-
tas barras todas brancas, assim como om iirr
tTrSJeM0 'i*' '"nsf,rf nte e muiSo
tedo cada um corte bastante fazenda e n uital
J^^rd'nV^0 b^ prr-codefi
0?*.SaSf8rM,Mteto5*--
Cortes de tailataoa na kja do |av.
Vendem seos maimodernos cortes de tarlacna
com as mais lindas barras de cor, pelo baratillo
prego de 55 cada um, sendo neste artigo o meter
qne tem vindo ao mercado : isto na kjae arma.
zem do Pavo na roa da Imperatriz o. 60, de Ga-
ma & Silva.
Ombraias brancas,
Com 8 palmas de largurae
6 Ma loja do pavo.
Vende-se cambraias brancas transparentes recaV
8 palmos de largura, ou duas larguras das regula-
res, qne facelita fazer-te um vestido apenas aa 4
]\r^A e vendem"se Pelo* baratissimos precos de..
150UO re?, e 15280 a vara, nicamente na loja e
armazem do Pavao, ra da Imreratriz n. 60 de Ga-
ma 4 Silva.
UilasbrB as a 28 rs.
Mende-se chitas francezai acentos bramos pa-
droes miudinhos, pelo baratissimo prego de 2S0 rs.
o covado, na ioja e armazem do Pavao, ra da Im-
peratnz d. 60, de Garn & Silva.
Chapees de sol.
Vende-se um grande .ortimento de chapeos da
sol, sende de seda e de varios pregos e qnalidades;
ditos de alpaca e de panno, e vendem se por prnw
muito commodos, na loja do Pavo na roa da !a-
peratriz n. 60, de Gama & Silva.
Cortes de chitas.
Vendem-se cortes de cb.tas Inglezas, sendo pa-
drees escuro tendo 10 eovados pelo barato presa
de 25000 rs.; ditos com II e 12 eovados a 25200
25400 rs; ditos de chita franceza escura e ale-
gre, tendo 10 eovados 35200 ; ditos ce.ni 11 e 1*
eovados a 35520 e 35840 rs: pechincha. ca oja.
e armazem do Pavo, ra da Imperairiz n. 60 e
Gama 4 Silva.__________
Rodelas de borraxa
proprias para atar roassos de papis, e para ser-
viris de ligas-para pannos, manguito?, ee. esc
Vendem-se na ra do Queimado loja d'aguia bran-
ca o. 8.
Mu finas carias
francezas, com cantos dourarios. e sem dourade.
Vendem-se na roa do Queimado loja d'aguia ras-
ca n. 8.
Envelopes szues
500 rs. o cento.
Vendem-se na ra do Queimado loja d'agca
branca n. 8.
Apparelhos de porcelana
donrados e pintados.
Na ra do Queimado loja d'aguia branca o. 8,
vendem-se bonitos apparelhos de porcelana cara
almogo e jamar de booecas.
Bonitos quadros
para retratos.
Vendem-se na ra do Queimado loja d'aguia
branca n. 8.
Perfumarla ingleza
A agua branca ra do Queimado n. 8, receben
um novo sortimento de finas perfumaras ingleza*
de I. Gosnell 4 C.; sendo extractos dos agrada-
veis cheiros Booq da Rainha Victoria, do P. Alber-
to, do imperador Napoleo, da imperatriz Eugenia,
Garlbaldi, Miss Lind, Joch Club, frangipane, n-
dalo, etc. etc.
Oleo lino para cabellos.
Opiat para pentes.
Agua da Colonia.,
Sabonetes finos creme de amendoa para barba.
Pencas d'aco ioglezas
douradas e sem a ser.
Chegou pal% a loja d'agua branca ra do Qjet-
mado n. 8, um excellente sortimento de pennas
d'aco inglezas, dooraoas e sem a ser, porm : :_.
de qualidade extrana, e cntinua-.-e a vende-las i
255OO, 25OO e 1*500 a caixa.
Tinta azul e preta
tinta rocha e preta.
Estas tintas cujas excellentes qualidades ja' sao
bem conhecidas e apreciadas pelos entendedor-:?,
acbam-se a venda na roa do Queimado Ioja d'agaa
branca n. 8.
Lacre nno ce cot*
com ebeiro e sem elle.
Na loja d'aguia branca ra do Queimado d. S,
vende-se lacre fino encarnado aromtico e sem o
ser ; dito verde, e umss caixinbas com ditos de
cores pelo barato.prego de 500 rs. cada urna.
Papel inglez
em cazinhas.
Na loja d'aguia branca a' ra do Queimado n. i,
vende-se desse superior papel inglez em caixiubas,
Luvas de caraursa
brancas e amarelias.
Vendem-se na ra do Queimado loja d'aguia
branca n. 8.
Meias pretas para padres
Vendem-se na ra do Queimado loja d'aguia
branca n. 8.
Aspas largas e fortes
para balo.
Vendem-se na ra do Queimado loja d'aguia
branca n. 8. _______
ATTENQAO.
V>nde-se palha aamborgueza recentimente col-
gada, para empalhador, por prego mais commed*
do que em outra qualquer parte : na ra de Hor-
tas n. 1S.
ATLANTA
rs.
Pavao.
Vendem-s*modernai aztetus-comtiodijskaws
gostos, pelo baratissimo prego de 2O0 rs.; gran-
de pechincha : s na loja do Pavo, roa da Impe-
ratnz n. 60, dfJam & Silva.
Sedas Largas
Na loja do'Pato,
''Cbegoa para a Ioja do Pavo om "motferrrisstnao
oHHneBtoidas mais lindas sedas para vesOO,
sendo nasa* de lislrinhas e outras de floriinbas
com as mais liadas cores, e algumas proprias para
as senhoras qne estiverm de lato e vendem-se
pelo -batato prego de 15000 o tanio, ten*>a
fazenda quatre palmos de largura, que faorWftfa-
er-ee-om venido com poneos-co va des, tetona
toja e armazem do Pavo na roa da Imperatriz n
60 de Gama & Silva.
(.riude juovidadc a SOO
Allanta a 200 rs.
Atlanta a 200 rs.
Allaaa a 200 rs.
Ciiegou para a Ioja do Pavo o mais lindo sor-
timento desta nova fazenda, com o litlo de allanta
propria para vestido e roupas para meninos, sen-
do esta modernissima fazenda de laa com os mais
lindos gostos de qnadrlnbos e listras tendo entre
ellas de cor roxa e preta, eom listras e quadros
brancos proprias para lato, e *endem-se pelo ba-
ratissimo prego de 200 rs. o covado nicamente na
loja do Pavo ra da Imperatriz o. 60 de Gama &
SUva.
As coilas do Pavo a 200 o covado.
Vende-se a mais bonito sortimento de chitas es-
curas e roas sendo ioglezas, mas com os pannos
tao encorpados como os das francezas que-se ven-
dem a 400 ris, e liquidaos peto barate preco de
200 ris o covado ou a 75200 a pega, garanindo-
se trenr"3 eVados eadi pega' eerm1'de cores
fixas istona'toja e armazenr dofavOna roa da
Imperatriz n.60 de Gama 4 Silva.
Armazem! do Pav&o,
Vende-se cera de carnauba da mellror qualidade
empaceos, mala barato qne-em otra qoakjuer
parte no armazem do Pavo na roa da Imperairiz
n. 60, de Gama Silva.
As cates tkrPavdo a 20000
Vende-se
um bom cofre forte haroburguez a secreto ; na roa
do Trapiche-novo n. 22.
Eseravos fgidos
3000 de gratifcalo.
Em 31 de outobro do anno passado, fugio a et-
crava Glaodioa, cabra alta e seca do corno, qos
perteoeen ltimamente aos Illms. Srs. Jos Joaquim
da Silva, Jlanoel Mauricio de Sena e D. Mariana
Ignacia d Castro e Silva que a venden a los M-
meos Ferrelra qne pagar 2O05O90 a qflem Um
entregar dita escrava na roa da Cadeia o. 62.
fieaaapareeea desde o da 2 do crreme mez, a
pret Vtctorma, cnoala, idade 26 annos pooea
mais ou menos, tendo os signaos seguintes : altara
e corpo regular, rosto redondo, tem o andar maito
apressado, tawa. m vestido de chita escara j
usado, cbales de l encarnado, esta preta foi es-
crava da Exro.' Sr.1 D. Harta Candida Salazar da
Veiga Pessoa moradora na raa do Hospicio, consta
que anda pelo Cacbang a veader frnctas: queaa
a pagar leva-a a roa do Crespo n. 18, segando an-
dar, que sera' recompensado.
,-i
ao
ocoyado.
Ghetaram para a toja do Pavao aa mais -liadas
cabaiaa-de leda par* vestidoav-sendo cora os mais
lindes gostos de flores e listas, tendo entre ellas al-
cumas rozas e pretos para qaem estlver de lato,
tendo esto tova fazenda 4 palmo* de trgwa qne'
facilita fczer-se um testldoeom POMo>arariat, sende-se- peto teratisimo preco da J|00ft,:-*aica.
nwate na loja e armazem do pavo a roa da, Impe-
ratriz n. 60, de Gama Silva.
* Novidade
rara tSII*.
Cbegaram- aaaeejada* camUaia oa toriattna-
bmea cem >ieina* |aai>dv '"8P*"Jff 'e* i
dern-a pela baratiawmo preco de 55000 o corto,,
na toja e armazem do Pavo na raa da Impentr,
n. 60 de Gama & Silva.
no da 20 de maio correte om moleque de nome
Gregorio, tendo idade de 20 annos, com os seguin-
tes sigues : or prele, altara reglarj sem barba,
cara cuta, denles alvos, ps grandes e juntas eo-
caadas, tovoa vestido camisa de algodao azul traa-
gado, calca escura de cachemira e chapeo de bata
de cor, copa balxa e redonda, a moderna : quena
appre**nde-to oeira ter a hondada Oe eatrega-to
no eootanto do Gatmo. ao sea eenfaor Jos Jacia-
tao peto, ana :f ara, araxlftoado. ___
Deaappareaeu ne da 9 do corrento da casa
de D. Maciaona Angosta da Rocha Bastos, o sea
escravo.Rayisunao, mulato escaro, cabellos cara-
pinhado?, corpulento e gordo, com ponca oa ofr-
nhaaa barba, t aoaeapooco aula oa meaos
qae leartseataUf aato, por ser baatante oorpa-
lento, tem os deatoi Intoiros e tem um do* bracas
marcados com letras e slgaaes: qaem o aprebeav
der leve-o a roa aetrbora na roa da Aurora n. 12,
qae ser reconapeatado.
aaaaai
r*^
ILEGVEl
.--



scssJfe^
Diario de PerauMhnto Quiata felra t de Jnnho de 1866.
JURISPRUDENCIA

contm o facto criminoso, o rol de testeraaohas, o
jurameoto, as esplicag5es, as exhibieses, a citaglo,
e a lceoga: e a excepgo das eoodlgBes qae aoul-
iam em todo o lempo o processo, e qoe se achara
numeradas nos artigos 75 e 76 do citado cdigo,
ludo mais sopprivel, e as deve mandar snpprir o
O Forum.
Pedem-nos a publicado do seguinte artigo.
I B. C. F.Jmior. jair ranniclpal'o, o"wprter"m mm de o'X'-
. l'e ganto a V. S., quaodo que en. direito, se artigo 290 e 200 2 do regulamento n. 120 de 31
Se ba qoem chame queixa ou denuncia ao sim-
considera em juizo a denuncia, queixa, e accosagao de janeire de 1842.
crime de modo a produzir direilos e obrigagoes
entre as partes?
Segundo, se sendo a denuncia, queixa, e accu- : !eDt0 99 P5e o facto criminoso, e
sacao feitas por procura lor, a licenga de que falla
o ai i. 92 da iei de 3 de dezembro de ve ou nao ser
cripta, e a qte acto deve ella preceder Y
a Terceiro, se a necessidade da licenga 6 de tal
natureza iosnpprivel, que a falta delta nuilitique c
e Z.
Resposta.
Aqueixa s se reputa dada em juizo, depois qae
o qaerelado tem del la sciencia por acto oflleial; por
que deste (acto que aascem cortos direitos, da
ooasa pendente, consernentes ao direito de aecusar,
e a razo de defender.
Antes disto a iniengao do qaeixoso nao tem con-
sumado jurdica; porque a pJe retirar sem res-
pjasabiltdade legal: e se falta a qoeisa alguma
das condiges recommendadas no art. 79 do cod. do
proc at o juu a nao deve admiltir.
Porm dada a queixa e comparecendo em juizo
as partes, est consumada a iotencao do autor e o
arto ioteiro; porque tambem do comparecmen-
to das partes que resulta o quasi contrato em sen-
tido de obrigar a qne abandona, a responder a
mura por sua pessoa e bens at os ltimos julga-
dcs.
lito jurdico, e vem provar, que antes da cita-
rao do reo e comparecimento das garles era juizo,
no crimes em que nao cabe a denuncia, o juiz
nada pode deliberar sobre o fundo do direito, e
smenle a respeito da marcha do processo, orde-
nando que se preencham as suas solemnidades, no
caso de omissao.
Na ordem das solemnidades e condiges substan-
ciaes, que dao vigor a queixa e ao processo, nao
entra no numero destas a condigao de previa li-
cenca de que falla o ari, 92 da lei de 3 de dezem-
bro, quando a qnexa dada por procurador; por
que esta, alm de nao influir substancialmente
sobre as leis do processo, sobre o fundo do direito,
a sobre as nacoes de defeza e aecusago, sempre
saiiafaioria, quando sendo concedida expressa, ou
tcitamente, exhibida na primeira reunio, ou
comparecimento das partes em juizo.
Se porm a queixa dada por procurador ella
faltar o mandato, o juiz ou o deve logo mandar
juntar, on na primeira audiencia mandar qne o
xbiba em certo termo sob urna communicago;
mas nunca julgar logo por isso aullo o feito; por
que a falta de procurado snpprivel at a sen-
tenca conforme dispoe a ord. do liv. 3* t. 63 Io,
pela regra qoe manda vigorar em todos os casos
as leis amigas, quando as modernas sao omissas,
ou silenciosasav. de 22 de julbo de t83o.
A licenga na ordem jurdica, nao tem ouira im.
portancia, senao facilitar a acgo da justiga viodi.
cativa, que por direito couner ao offendido contra
o oilensor, que nao deve ser retradada por motivos
que impesso o seu comparecimento em juizo.
E na ordem do processo, a licenga nao tem outro
nome, senao que lora concedida, ou denegada ex-
pressa ou tcitamente o arbitrio do julgador; por-
que a licenga s depende do juiz pela a lei, e nao
ua lei pelo o juiz, como o juramento, a cilago, e
ootras funecoes e pegas substanciaes, que sem
ellas nao val o processo.
A licenga, urna isencao na ordem classica, um
privilegio todo pessoal, que serve smenle ao li-
cenciado para mostrar que foi dispenso por algum
tempo de fazer alguma cousa que eslava obri-
gado.
Serve anda licenga ao licenciado para o defeu"
uer se algueiu o arge de baver cabido em alguma
omissao culposa por falta della, caso em que a deve
uxhiblr; razo que sobra para provar, que a licen-
<;a um documento que deve estar em poder do
licenciado, e que de modo algum pode ser consi-
derada como urna das pegas substanciaes, de
maueira serera julgados allos por falta della.
A necessidade da licenga escripia nos processos
de queixa ou denuncia dada por procurador, como
alguns entendem,e objeclo meramente decommoda
inlerpretago, mas nao de sincera execugao em ob-
servanga de algum preceiio de lei; eisoquedizo
ciudo art. 29 da lei de 3 de dezembro de 1842:
A denuncia, a queixa, e aecusago podero
ser feitas por procurador, precedendo licenga do
i juiz quando o autor tiver legitimo impedimento
i que o prive de comparecer.
Do texto desta lei nao s se infere de modo algum
a necessidade da licenga escripia nos autos, porque
la! cousa a lei nao diz; antes para os espiritos
austeros que s adoram as palavras das lei, a li-
:enga escripia nos autos c mais um papel que a
lei nao exige expressamente, e por consequencia
um motivo de duvida e serias objeeges.
Se aisto ha mais razao do que ha na opinio d'a-
queiles que sustentara a necessidade da licenga es-
cripta nos autos; nao affirmo, e nem neg, e se-
ment direi, qae o que ha de grande e mais nota-
ve! na boa administrago da justiga a verdade
sabida para o julgamento, e que todo mais sio fer-
tilidades a' servigo da consciencia duvidada, e do
fraco direito.
Tudo qu anto se faz antes do comparecimento da
parles em jnizo, ou a revelia de alguma d'ellas at
testada por acto oficial, e feito previamente a ac-
go de queixa ou decencia ; como a petigo qae
oao a accao deste nome qne priocipja pela cilago
do re; eu nao cbamarei; porque nos crimes em
que nao cabe a denuncia, pode o autor retirar o
requenmento que contm a ejposigo do (seto cri-
minoso, anda depois da cltago"do reo.
Mas ementada a acgo de queixa ou denuncia,
que principia propositara pela citaglo e acaba
pelo comparecimento das partes em jaizo oa a sua
revelia, o autor a nao pode mais retirar; logo, a
queixa ou denuncia o direito em acgo, e nao o
simples reqaerimento que contm a exposgo do
facto criminoso, qae s por si nao prodaz direitos
e obrigagoes por ser ama tentativa de acgo e um
de seas actos preparatorios, como a licenga e a
procurago; quando a acgo proposta por procu-
rador.
Sem embargo, a licenga e a procurago de tal
importancia em direito, que embora nao tenha sido
pedidas, e nem concedidas verbal, oa por escrlpto,
o facto de o juiz admlttir a' queixa oa denuncia
porprocurador basta para se presumir qae ama e
outra censa foram concedidas tcitamente; salvo
se o reo provar Incontinente qae a queixa oa de-
nuncia dada de ma' f e por fa so procurador;
porque neste caso o juiz mandara' qae o autor
comparega pessoalroeate para verificar o tacto ar-
gido de falsidade, oo para consumir legitimo pro-
carador mediante a comminaco do artigo 221 do
citado cdigo.
Se o autor eomparece, abi mesmo podera' tara-
Sira da vida eu nao vlvia,' vegetava entre o
enleio dos cnticos, dos perfames, das noturnas or-
gias e das sensualidades de um laxo devorador.
N'egociei letras de cambio perteaeautes a mea
pai, vendi as jolas de minha mil, e em casa de um
banqueiro jadea, abr conta corrate.
Minba mal, qae serapre ocealton o mea crime,
fallecen de paixao.
Logo depois, mea pai sabendo j de parte das
minhas extravagantes despezas, me ehamou a sea
qaarto, estava doenie e de cama e me disse.
Pilho anda tempo de mudar de vidaval
para Londres, vai ver Paris, necesario sabir de
Sevilha. E' necessario respeltar a Deas e a socie-
dade. O qae esperas de toa actual paixo
amores sem honra I...- amores venaes I... vida
sem dignidade, sem futuro I
As lacrimas o obrigaram a fazer pansa-depois
eoniinuou.
Pego-te em nome das cintas de toa mi qua
abandones essa mulber.
Tremo de horror quando me lembro da minba
resposta 1
Nao posso.
Sea pai assenioo-se na can, fomoa*se de ama
paixo violenta, seos olbos iangarara sobre mim
ehammas de despreso, de odio, de dr, e ds-
se-me :
Bem, nao podes, porm, tens peder par fal-
lar aos leus deveres I... A Providencia divina te
ha de castigar tarde has-de conhecer o abysow
que te espera. Tem cortez, que bas de raorrer
na miseria a mais asquerosa, abandonado e des-
prezado por todos f... e tal vez...
Nao quiz continuar, e imperiosamente nmndbu-
me sahir do quarto.
Nove mezes depois chegaram de Londres ao no-
ticias qne o banqueiro W... E... Haba quebrado e
fgido,, meu pai estava pobre, e do toda a sua for-
tuna s' restava o predio onde vivamos. Mea pal
nanea mais sabio do sen quarto, e enroma macha
o criado o acuou mor o na cama.
No oltsvo dia d> aojo faziam dous- amos, qao
Recebi a soga inte resposta :
t Jallo, amei-te extremosamente, e anda te amo,
como amar pode urna molher~apaixooada.
Nao era possivel catar o amor com a pobreza,
com a miseria. Se continuassemos nos nossos ar-
deutes amores, o final de todo seria o crime e o
cadafalso.
Era do mea dever abandonar-te, fogir, fuglr de
em Sevilha vou para
bem ser renovada a licenga por eseripto, verbal; IP61* primeira vez vi Resala, li no Diario de Sevi
ou tcitamente, se tiver ligitimo impedimento que lha qoe o joven duque de... queaodava viajando,
o priva de assisirr a aegao e aecusacao, conforme'
permute o dito artigo 92.
Mas, por estas e ootras omisses que ah manda
supprlr em qualquer termo do processo, julgar-se
logo aulla a acgo do autor, sem duvida despres-
tigiar-se o nico interesse da jautiga vldicativa, e
contnbuir-se para a icaponidade dos crimes, pelo
vexame e desanimo em qae deix as panes offen-
didas um tal modo de julgar.
Probidade, estado da* leis, e coragem, o que
deve tero juiz na admiolstraco tfajnsttea, sem
odio, ou affeigo.
Joo da Siiveira Borges- Torera:
LITTERATURA.
Iinba dado formosa Resala um rico collar de
brilbantes. Rasgaei o joma!, e em delirio disse :
Ingrata!.,, ingrata...-Levanlei-mefsr buscar
um par de pistolas e jare elle e eU< bio de
BNrrer. Ja la em meia escoda da porta- da roa,
asombra de-meu pai, poro, impedto-aw oca-
atiabo.
Fbi alluciaaeo l fosse oqaofosse, para--mo foi
urna vlso celeste I
Nao posso dar razao porque, posso, pormy con -
fessar qae me seati outro bomom.
A' noticia da.morte de meu pai, e que ea, oaco
nordeiro, tinha-Scado poire, qoe a beraao ao
chegava para pagar a vigsima parte das miabas
(NTidas, voou per loda a cidade.
as esquinas-das roas, ao mercados, aoesaiaes,
o casas particulares s se con versa va :
Nasc em Montevideo, o bem joven aoompanhei
a minba familia para sna patria ; fui vtoer em Se-
vilbaa bella e histrica Sevilhaibeatro dos
meus primeiros amores, tbeatro das rameas desa-
venturas.
Meu pai liquldou em Montevideo alguma fortu-
na, que passou para o baneo W. E. em Londres.
N'aquelle tempo eu tinba vinte annosy e dlziam
que era um guapo rapaz. Quando cortejava as se-
nhoritas ellas entre si diziam-a aquella o mon-
te-vdeano rico.
Parece-me, que a idea de rico era o aaeu verda-
dero mereeimento para as bellas sevilbanas.
E' mana dos europeus chamar a todos- aquelles
que se reliram da America para suas- patrias
Americanos ricos.
Cuidam que s a muila riqueza, que os pd
obrigar a sahir da America, onde, as folhas das
arvores sao de ouro, e os cargos das (rutas dia-
mantes brutos.
Nao concebem, que baja amirgos- esgoskss
as trras que nao nos viu nascer.
Em um domingo sabindo da igreja do armo
onde tinba ouvido missa, no aperto do povo
porta principal fui salpicado com agua benla, qae
urna deosa por leviandade, ou por acaso, espalbou
sobre mim quando por devogo, ou por malicia, a
tomava na pia da quina da portada.
Era na realidade urna deosa I
Vestida de velludo preto com tres ordens de
franja, muito larga, de seda tambem preta, deixa>
va ver em seas fascinadores movimentos um lia-
do p, e nm pedacinbo da perna, segundo era rao-
da na Andaluzia, que faria correr por montes e
valles o ermito mais santo oa mais bypocrita.
Urna rica mantilba de renda de seda preta Ibe
enfeliava o lindo rosto nao muito claro, cr,.p.
rm, qae condizia com os formosos olbos preto,
que matavam de amores a todos aquellas qae li-
nbam a ventura, oa a desgraga de es admirar.
A mantilba crasava sobre o peito com tal arte,
que nao s deixava ver a delicada cintura, como
tambem o encantador seio, que em suas oodula-
gSes pareca chamar o deus do amor, para o ad-
mirar, beijar, e sobre elle rooostar-se descansando
das fadlgas de suas aventaras.
Daas trangas de cabellos pretos cabiam sobre
as costas, e passando por debaixo da mantilba fln-
davam sobre a segunda ordem das franjas do ves-
tido; e dous elegantes lagos de fita azul claro pren-
dan) as pontas das mesmas trangas.
Ha divindades qae necessariover para orer I
Ver desejar, raorrer I
Amores, amores loucos, me prenderam dous an-
uos ao carro triumpbal do goso.
Allucinagao sobre allucnagos me fizeram esque-
cer do dever, me fizeram esquecer da vida I...
FOLHETIM
TRISTEZAS A BEIRA-MAR
POR
M. PINHEIRO CHAGAS
O extravagante, o devasso,. o immoraL
tevideano est pobre, ba do pedir es molas-.
Nos mesmos- lagares, e ae mesmas pesseas,;
aotes diziam que bello cavalaoiro, que Una to
aobre, to generosa; e como sabe gastar, o sea di-
wvro pralicando todas as virtades christas, tem
urna paixo, o qoal o doe-aossos oob?es do alta
pabagem que aao tem taes paixoes 11
Aquelles que--a-bem pooeo tempo como copo em
pasho nos banquetas can tavan bymoos- em mea
loavor, aquelles qae como copo em paabo jara-
vam gratido e servil dedieaeo, sao os mesmos,
qe agora cestera na mtoba sombra, s-com risadas
applaudem os-meos iofortaatos!
Os chamados ntimos amigos, a aleaos dos qoaes
Ibes resgatetseus crditos de enormes-qoaatias,
rasgando-os-generosameote logo & vista dos eredo-
res ; oatrooa qnem dei fondos e credKe, e qae me
devem suas poslges soaiaes, sao aquelles que ago-
ra me chamara de prodigo, de libertino, de assas-
sino de mea pai 11
A gratido ura ird amito pesado pava almas
despreziveis um seati mente muilo aobre que
nao pode pertencec genlalba,. embora depois ar-
mados-era cava I luiros vil loes.
Correu o lempo e no dia... acbei-me s com
urna veltia criada qne de Montevideo veio com a
minba familia.
Todos os empregados e criadosfuguam do patro
que estava era miseria I onesse da o meu parco
jantar foL ama esmola t
A vellia criada fez as despezas tirando dinheito
do seu peculio, de suas antigs soldadas aecumu-
ladas.
Estara' ja completa a maldigo de mea pai ?
Avada nao.
Quando reflectia ao mea actual abysmo, profeca
de mea venerando pai, qaando ralado pelos nemor-
al
Amanha ja nao estou
moilo longe.
O ten retrato fica em meu poder at a morte.
Fatal resposta I
O amor, o amor de Rosala I
Mea corago baila pancadas to fortes, qne o
peito arquejava sem poder respirar, os sologos pa-
reciam ser aquellos da morte.
Minba caboga ardia em fogo, a razo desvairada
s me fazia sentir ama necessidade o suicidio!
nao obstante o vielento zuido dos onvldos eu per-
cebia as palavras compassadas que sabiam de
daas sepultaras o dever o amoro came
o crime o cadafalso a maldigo f...
Soffri! solfri moito I e esto* convencido, que os
coademnados no inferno nao soffrem maiores lor-
menlos 11
Eoeostei-me a urna mesa, crozei os bragos, e en-
tre el les pousei a eabega.
No silencio da deserta sala toruei a ouvir as vo-
zes dos morios.
Assassioo de toa mli e de tea pai, assassi-
ao de toa honra e do tea futuro o qae es-
peras?!..
Neste momento me baferam no hombro, assas-
tado acordei, e olheiera a velba criada, qne me
disse-:
' Senhor, a jastiga esta' aa porta e pede para
entrar.
Can i sem sentidos.
No outro dia ardendo em fbre tornel vida
orbei espantado para a casa onde estava estava
deitado en ama ajenla cama, e no hospital de ca-
ridade !..-.-
Est corapleu a maldigo paterna !
O enfermeiro teve eompaixo de mim, cooton-
me, que a jaetiga fora a minba casa para me obri-
gar a sabir do predio, tomar oonta. dos livros e de
lodosos ppete, e pdr em deposito todos os trastes,
e todos os objeclos de qualquer valor.
Qoeojaiz meacboa moribundo com a cabeg
deitada no eolio- de urna velba, e que- vendo a mi-
seria em que viva, e o perigo em que eslava, me
mandou para o hospital dentro do carro dos po-
bres-.
. No stimo diaa febre abraadoo, e eo ped um
confessor.
A loueura da moeidade, o idealismo do aibeismo
desaparece qoaad a morte visivelment* se apro-
xima.
O enfermeiro fieoa-muito ategre faabem, tem
muito joizo esta' ao quarto do director do hospi-
tal o reverendo padre fre Antonio do Amor Divi-
no e ja' 'o vou chamar.
Entro com um (rade francisoano ve-bode 60
annos bella presenta semblaste respeiiavel
typo das imagens do Cbristo.
Em cuanto ouvia a minba bieioria choran bem
como meu pai oulr'ra cborou !
No vigessimo dia. ti ve alia, e aeesa occasi o en-
fermeiro me disse r.
Fel Antonio esto' no qaarto do dteeetor e
quer fauarlhe.
Fui ao qaarto e ello-eslava soya me disse:.
domo Chrisiao-vos aconselho como sacerdote
e como vosso confessor vos deterauno aecessa-
rlo sabir de Sevilbaa vossa. demora a vossa
perdigas eterna. Kusou conventual do eeaveolo
de S. Francisco da. cidade de Madrid, e amanha
para la' parto seouereis acompanbai-me. Res-
peito a preceilo evaageco a earidade con o pr-
ximoe ficai certo qae nada vos ba do fallar.
Como hornera chero comvosco os erros da. moei-
dade;. e como velbo, coahecedor do amado por
que ja' gozei o auodo, tremo do .vosso futuro. Ho-
ie mesmo, se ella,quizer, poseo fazer admillir a
vossa velha creada oo na mes das creadas das ri-
cas- freirs de Saata Clara desla cidade.
Passado oilo annos bouve-capitulo oo convento
dos franciscano! de Madrid,.en'elle foram nomea-
dos os religiosos padre mestre frei, Antonio do
Amor Divino e o padre frei Jos da Cooceicao o
primeiro para capello e confessor das freirs de
Santa Clara, da ordem fle S. Francisco e o segundo
para o seu. ajudante. Es o peccador Julio, sou o
frei Jos da Coaceigo: ha seis aanos que profas-
sei, e que recebi todas asorden..
Fomos para o pequeao hospicio, junio ao mostoiro
das freirs, e dez dias depois, estando o velho con-
fessor eangado mandou-me con/essar a madre-Rila
de lesos, que nao obstante arlar gravemente-doen-
te estava no confessionario do coro debaixo.
No rondo da igieja ba un pequeo cubcalo fe -
sos derramava lagrimas de saogae, eutroa a velha enado com poru, e em ama .das paredes tem um
criada e me disse : ni0 ae gum que delta para outro cobiculo com
para Montevideo, l, torra, *"* para c3ro' e w P*" e8te coaassionario
XVIII
(Continuago.)
Sao passados cinco annos depois dos aconteci-
mentos, que narramos no anterior capitulo. Em
nada se modificara a triste existencia de Leonor e
oem a mais leve distraego viera cortar a austerl-
dade da sua vida cenobtica. Os aonos baviam
succeddo uas aos outros no sea vagaroso desusar;
Unham se seguido as estagdes com a sua montona
regalaridade; cinco vezes vallara a primavera com
as suas brizas suavsimas, o vero com o sea cor-
tejo de alegras, o oatomno com as'snas tristezas,
o invern com as suas tempestades, e Leonor, a
lado Indiffereaie, como qae nem va nem senda o
eterno fenecer e renascer da natureza. S cada
auno a deixava mais paluda, cada primavera en-
cntrava menos ama flor na sua existencia, cada
esto menos fdgo no sea olhar, cada oatomno lbe
eonablava o rosto com mais ama sombra de me-
lancola, cada invern Ihe avincava mais ama ruga
oa fronte juvenil. Dlr-se-hla|ama estatua tamular.
mmovel junto do sepulchro sombro. Vem a pri-
mavera e" cnge-a de verde manto, vem o eslo e
doara-lhe o marmore com os seas ardentes reflr
Senhor, voitemos
nova, sociedade toda industriosa, offerece todos os
recursos para o irabalho seu pai foi pobre e
voltou para a Hespanha rico, o senhor vai pobre e
li pode ser rico. Eu tenho, Sr. Di Julio (era o
mea nome), dinbeiro qae ebega para a nossa pas-
sagera.
Lancei-me em seas bragos, beijei a enrugada
cara e lbe disse :
Tendes eompaixo de mim I >... sim, sois rau-
Iber, e a todas as molberes a natureza ihes deu em
Quem morrea T Respondi-lhe.
Foi a madre Rita de Jess, e ella aa ultima
hora me entregou este retrato para mandar para
Sevilha a entregar a Dom Juliao de...
Pegoa no retrato, dea am ai, e disse.
A maldio I
Principiaran) os solugos, e cinco minutos depois
estava na eternidade.
A madre Rita de Jess morrea ignorando que
frerJosda Concego era Dom Julio o sea a-
malte.
Eu, e fre Jos, s no coofissionario soubemos
que a madre Rita era Rosalia de Sevilha.
Fage esta declaragao por que ella antes da ulti-
ma reconciliago, fora da confisso, me pedio qae
a flzesse a bem da slvagSo de sua alma. Disse-
me quero qne todos saibam que a pemdora Ro-
sala morreu penitente.
. Paulo 27 de abril de 1866.
FREI ANTONIO/
qae fai levado.
Quando a madre Rita de Jess aeelaroa que
era a desgrasada Rosalia de Sevilha, e qu anda
amava a Dom Julio dei am grito e cahi.
Hoje o segando dia, ja' recebi lodos os sacra-
mentos, e estou to doente qae mal posso escrever-
Coohego que poucas horas tenho de vida.
Fre Antonio do Amor Divino continaou a ma-
nuscripto.
Quaado fre Jos dea o grito no confissionario
algumas beatas que estavam no corpo da Lgreja ca-
grao elevado esse sublime sentimento, essa virtade | maram por soecorro, e eu com os fmulos do con-
christa i vento o levamos para o seu qaarto maodei cba-
No quena deixar em poder de Rosalia o mea
retrato, e escrevi-lbe o seguinte bilhete :
t Pego o mea retrato e espero este ultimo
favor.
xos, vem o oatomno e sacode-lhe aos ps as folbas
seccas das arvores, vera o invern e acouta-a com
o vendaval, inuonda-a com a chava, e ella nada
sent, mmovel, fra, paluda I S de anno para
anno Ihe vai amare neceado a alvara do marmore
e o musgo poaco a pouco enlaca-lhe as forma,
com o seu manto esverdeado.
E Leonor era a estatua! Nao bavia ama s fi-
bra n'aquella alma, qae vibrasse anda ao sopro
de ama paixao oa de am affecto I J nao tinha
lagrimas, nem saudades, nem aspiragdes para o
fuluro ; era urna flor, arrancada do canteiro, arro-
jada torrente da existencia e levada a sabor das
ondas para o pelago da eternidade. Se nio aspi-
ravaj os saceos vitaes da ierra, nao a faziam sef-
frer os tufoes, qae Ihe tinham vergado, vergado a
baste, at consegoirem parti-la, e, arrancando-ibe
ama a ama as raizes, desprenderem-na a final do
chao em qaevicava. Fora dolorosa a lula, porque
Leonor era ama planiasinba qae se afferrava te-
nazmente ao slo em qae nascera, mas as raizes
qae a prendiam, amor de noiva, amor de irmia,
amor de fllha, todas Ih'as bavia despedacado o so-
pro terrlvel da fatalidade. O que Ihe restava ago-
ra T A morte, e s para a morte asplrava com
ancia, s a morte requestava, s para ella tinba
anda surrisos.
A casa da beira-mar liaba am aspecto mais som-
bro do que aa ultima, vez qae l entramos. Mor-
rera ama das velbas criadas, e a ontra e Lourenco
curvados ao peso dos anno?, arrastavam ama exis-
tencia nao menos triste do qae a de sua ama, 0
mar o medico da casa, e fai confessar a freir.
No terceiro dia a sino do campanario auuunciou
a morte de urna (reir.
Frei Jos me perguntou.
Qaeur bale a' porta ? Apre, mal desabrocha a
madrugada e sa a ultima badalada das dez da ma-
nbaa, e ja' rae ioterrompem o comtgado somno |
Se o Lpez que; asylo que siga sea camlnho; e
se vem por parte da polica, volte logo que quero
ter em ordem os- meas papis.
- Abra, Sr. Alfredo, olbe qae o hornera diz qae
cousa grave, faRa-me em typos e eu nao entendo
destas coosas.
Que diceste, Pilippe, esta agora ruelbor, e
eu que tinha esquecido que estou amarrado a' am
folhetim.
Umfolhetim !
A letora tem certe de saber o q'ue aerfo-
Ibetim ?
Aposto que nao, pois eu-lb'o digo... mas, mais
tarde, se le consente a paciencia.
Ola'.-Filippe, corre alfr.a'loja de ferragense
cempra'me um caderno de papel almago qne eu vou.
Efsfl aqnicomo nm pobre hornera qne lem tido
a felicidade de viver vida trie feliz e ignorada er-
gae-se nl;acordado, esfrega os olhos, coga as ore-
lhas, e rompe-o'ora folhetim que eapaz de come-
car pelo fhn'e terminar pelo principio.
A leitora pergontou-me oque-om folhetim, e
en promelti dize-lo. Como pormeamprir a minba
palavra ?
Sao apenara sobre aperturas, de certo desisto
de intento.
Acode-me pare mente, uma-lenbranga I
Era de tardo; os ralos do sol comegavam de
deseambar, e liaham d'espago reflexos de cambi-
antes mesclores-do mais lindo elfeito.
As roas quasi -que sorriam de- alegra que es-
maliava lodos es semblantes; aadavam, gyravam,
meviam-se en ennoveMado tropel.
t eu seguia vereda de passelo descaolHIado e
como qne alheiado n'om scismar- interminavel,
como acontece sempre ao espirito dtaate da nata-
reza ostentar sua belleza sem pan
Dte repente oovi o trisar crystalino do nma ri-
sada-infantil ; ergu- a eabega, e dei com a vista
oo rosto caprichosamente travsso- de- orna meni-
na, mijos olbos negros faiscavam seinSllantes, le-
vemente sombreados petos louros aneis dos ca-
bello qae se derrama vara sobre o niveo eolio.
F a mimosa travsssa desprendante ana tenue
paiha, um sem aura ero de glbulos- de sabo, qoe
pb&masticamente illaomados dos ltimos ratos
do sel; representavau os mais caoriehosos dese-
nbos; o de snbilo apagavam-se.
E agora, se V Sxc. perguntar-nta qoe relago
encontr entre a miaba historia e o-folnetim ; eu
respoodo-Wie que-o-folbeilm lajM cono o gl-
bulo de sahiio, e como elle Incendeia-se ios estos
do eepirilo.
E-oaqni concilio-qoe a fatuidade perdeo-me, que
esnoecl que e?tas-cuu*as eunhara-se-coi os nomes
de Alboric Secom Julio Jaoin ; e que pesadas
as razos pro e atientas as razdes centra, o melhor
eu deixar-me de folbetins.
?ii acto de coatviego; desculpem-me as lena-
ras se mais nao posso, e nao dnsiden, uus i os-
lantes, ouvireai-me a narracao simples e desate-
viada das oceurreucias desta extiaeta semana.
A coitadinha da minha fraala campestre estoca.
dianle das ditaeuiuades.
Cantar no raewa singelo das caatfleBas pastorU,
os feitos brilbantes da guerra, os-reabldos coraba-
tos,.os vivas aoUnsiasticos qae saudavam a vic-
toria, e os gemidos dolorosaraente aoluroos- dos
bravos .que merrem pela patria adorada, eapr-e-
za ardua.
Fora miiisr embocar a tuba, soaora para, to
grandiosos aooutecmentos.
A victoria, da iitn dn CarvalbOy a passagera. do
Passo da Patria, o ui)bate dos-oossos soldadas ao.
som dos trovoss e das refegas- da terapestade,. a
tomada do forte de lupir, e calmete o desam-
paro de sea. acampamento pelos paraguayos,. sao
acontecimentos qae todos saben e qae todos ten
commentado. ao ses sabor.
Mal chegara o lelegrammae-j a noticia, corra
de um ponto ao outro da cidade ; os siuos quasi
qne derietiam-se em festivos, repiques, as msicas
multiplioavain o contentameoto nos cantos lestl-
vaes.
E' qao realmente o povo tinba razio; a digni-
dade desaffronlada maalfestava-so poderosa; e
cada um abengoava os soldados valentes do nosso
Brasil.
E.depois o 7* batalho de volunar-es paolislas
ioscrevera sen nome nos fastos da batalba, e se
novia mostrado digno filho de sous antepassados.
No da 8 nvemos o Te-deum que a presidencia
determioou; de Deas-proveic-nos-a gloria; a Deas
campria que dessemos gragas.
A fesla esteva solemne.
PoDlilicou S. Exc. Hvma qoe nao deixa esca-
par occasio de se lomar credor do nosso reconhe-
cimento.
A' noute bouve espectculo en grande gala.
Cantado o bymno levantaram-se os poetas em
estro altiloqoo e retumbante a eelebrarem as oas-
sas victorias.
A leitora cariosa, desta fette, nao exige da mi-
nba exigua pessoa que eu lbe faga a critica das
diflerentes composlgoes.
A critica cousa levada da breca; se a gente
elogia s tontas offeode o bom senso; e se diz a
sua verdadesmba, ainda que seja de eache-nez%
est tudd perdido.
O criticado esbraveja, declara o critico lvido
de invej, fura daqui, fura dalll, e descobre tina!
capitoRaivose vinba todos os dias e todas as noutes
visitar a sua boa menina. Li janlava quasi sempre.
Mas o bom do capito sabem qae nao era hornera
muito fecundo em palavriado. Como em tempo de
guerra estivera sempre em depsitos de recrutas,
nem ao menos tinha balalhas para contar.So os sos-
tos qae o forte Ihe causa va tioham de qaando em
quando o privilegio de alegrar Leonor. Mas isso
mesmo estava esgotado, porque a mudaoca poltica
de 1851 lechara o eyelo das guerras civis, e Ral-
voso poda dormir descansado com a chave do for-
te a eabeceira, sem que nm pesadelo borrivel ibe
mostrasse os revoltosos, basteando as rauralhas
inoflenslvas a bandoira da Insurreigo.
O outro frequentador da casa solitaria era o pa-
dre Cbrisliano. Tomara o bom velbo a ardua t-
rela de fazer rollar i vida & triste reclusa. De-
balde empregara|todos os recursos da eloquencla]
qne o sea animo evanglico"Jbe suggerira, debalde
a ameagara com as iras de Deus, debalde lbe pin
eador que ella nao tivesse amparado, viava que
nao a visee a eabeceira do pobre leito onde jaza o
cadver do marido para Ihe ensogar as lagrimas e
para lbe poupar as amargaras da pobreza. Mas ta-
lo isso o fazia ella sem o eothusiasmo qae a ani-
ma va outr'ora ao praticar alguma acgo boa. Qoan.
do todos em torno d'ella lbe beijavam as maos e
Ih'as banhavam de lagrimas de agradecimento, ella
fra e mmovel, recebia todo Isso com am sorrfso
distrahido, como se estfvesse albela ao qae se pas-
sava e tivesse pratieado machi nal mente a boa ac-
go, qae lbe grangeava lio ampia mease de ben-
gao.
Debalde o padre Cbrisliano, qae sempre a acora-
panbava as suas excorsoes carldosas, lbe espiava
cuidadosamente no rosto o signal, o indicio da
mal leva commoco. Nem o mais ligeiro rubor
colora a pallidez das faces, nem a mais pequea
commogio agitara o marmore da physlonomta.
O bom do sacerdote meneava a eabega melanco-
Ura ao vivo os deveres, qae a bamaoidade e a (e-' licamente e suspirara. Com todo, nao desista da
menta qae o coitado do infeliz critico seu rival
oo'wateir com elle.
ada, minha senbora, V. Ec hade descalpar,
eu Bao metlo-rae nessas cousu ; nao avallo, pho-
tograpno ; n&ojulgo, transmuto apenas a vibrago.
Na qualidade de chronisuael deo dizer-lhe no
entretanto qoe hoove saccesso de gargalhada para
a pilnerica poesa recitada pelo pataseo do Joo
Eloy, qae intcreve-se (como se diz com estylo
meio classico) o tupplicio do hopa.
A proposito de Lpez e do seo suppllcio ha urna
causa que eu rnmino a moito lempo.
Qae rae diris, leitora, se algnm .Alvares gua-
rany levasse a celebre Mme. oa Miss Llncu a
adulterar por amor de Lpez ? f
Que chibanga nao seria ?!l
Abl qoe os secta- ios de Glrardin alvorogavam-
se a pateotear a moralidade "moralljsima, de la
donne do drama.
Eu as vezes fallo francez nao repare V. Exc.
A leitora foi ao tbeatro, qufnta-feira passada; as-
sistio represenlago do Incendiario de 8. Fl,
e en dra um dedo para ouvir a cooversago se-
gredeira com as amigas, e colber-lhe finara dos
juizos.
Pela minba parte dir-lhe-bei qne o tal incendia-
rio (o drama j se sabe) um respeiiavel macro-
bio: e nao se me d de acreditar que mea- avo,
que era um tremendo viajor, esteve presente a
suas priineiras, represeotages.
Quero dizer com franqueza qae nao agradou-me
contextura do drama ; all de ludo questo me'
nos da causa dos incendios. Quemam-se tanta?
bordados, tamas granjas, e eu nao sei realmente
por que, a nao ser para obrigar o menino Ednardo
sendo acensado de incendiarlo da granja do tio
Thoaaz, ser levado pelo magistrado Audinot ao
castelro de Clah*vllle, afim de darse a scena capital
do drama, em qoe a baroneza de S". Val, ex-condes-
sa de Clairville, vendo que arrancara-lhe e filho e
vo condemna-lo, esquece que desfaonra-se, e ati-
rando-se como looea aperta estreitamente o filho
no seio, e-exclama :venham tlrar-m'o, en sea sua
mi.
Ha finalmente o desenlace da historia, reeoohe-
cendo-se que Eduardo smplesmente o resuttado
de urna cxwnffldo aDonyma que lnhem feito,- ba-
via de 16 aanos, o baro de S. Val e a ex-condes-
sa de Claiwille.
Estas flcj.oes desles ilhos qoe rebeniam, a modo
de sement formentad, sera que a mt saiba qual
foi o pai, e o pai qnal foi a mi, sao escaras s dl-
reitas. Mas- emfim a noile acoberta ludo-; e eu j
li que pergootando-se a orna actriz das mais espi-
rituosas, em estado interessante, qoem era-o pai da
crianga fui ura, ella responde u
Sou tao myooe, cimo queris que eosaiba.
O incendio fot te oaipora que falbou e o respei-
iavel publico esperou de balde pelas cubicadas la-
baredas.
O Joaqnlm Aagasto, no mea entender, represen-
ten perfeitamenleo ultime qoadro ; a Vellati,' ape-
aar do defluxo leve um sobsrbo momento qaando
raal clama desesperada por seo filho.
Da fabrica de cerveja, eu qpe nao gosto de cer-
veia, s posso dizer parodiando a pbrase dos-nossos
coi piras mo e3teve melhor.
Eu creio qoe Hado, ma o mea velbo PttiHppe,
aceasa-me de ter omittido certo Incidente musi-
cal.
A leitora porm perdoe-me;-peto nome eu tenho
am prente que msico, o so eo fallar.____sao
eapazes de afflrma* que nao ha- peior inimigo do
que o offlciai do mesmo otlicro.
Se alguem entender que sou- incompleto e dene-
gu jnsliga, maodarem citadme qne eu reparo, e
da mais naquella caite en tambera estava endeflu-
xado.
Esta semana foi ae fes tas ; ave na Facoldade de
Direito bonve fesla am doaloraneaio feliz.
Posto qae eo falle de festa, nao posso olvidar as
selemaidades commemorativao-a qoe os vivos as-
sietera em memoria dos- morws.-
9o)e pelas 10 horas da maaba os acadmicos
mandaran celebrar nma missa fnebre pela alma
dos qoe morreram aa casamata-do- Tcmnmlari.
E.-ta simples noticia tem r&ais eloquencia do qne
o qae en padesse diter na pbrase a sais cnldada.
3 de mais o collegado risco para- ctma, d todos
os- pormoBores do acootecimeate.
Se eo fallasse do modas o qao riam-me as
lei loras ? Eofadavam.se, noocpefc, e por isso
aveniuro-roe neste tobyrotho iowrlavl.
As BMBbas inforraagdee diiera que osto no tora
as WMaaaam volantjs.que os chapeos faxem-sede
forma arredondada, de palba de arroz croa, e de
lull-braneo e negro, j o qoe triste que, em Pa-
rs a capital das modas, o baleo- teade a desappa-
reeer ao passo que espichaovse-a. metter medo as
candas.
Bm compensagS da derrota- qpo metan de
sonver o bales, ae modas sapUlaro toman de-
sen-volviaentos lusariantes..
Sao shoanons el zoq^ne moaumeatoe; e as pes-
soas habis j tratem de aproveita-loo ponto t\\e,
refere uro jornal francez, os-oEBciaes da alfaodega
descobriram ama- enorme quaoUdad de rendas va-
leaoieoaos e ootras, em nm dessos- lerrivels enge-
ahos da guerra do galanteto.
fia era capaz, o jaro, de-fallav-vos muilo mais
Jas modas: ns quero porm osgotar-me hoja, e
aguardo o prximo domiago.
Em todo o caso recommend s minhas amigas
leitoras os figurmos e desenhos da Mode lllvMre e
do Maniteur dla Mode.
E agora eu algo adeost lesura, principalmente
a leitora.
A leitora o mea publico; eu aborrego o mar'
mamo pesado o massigp ;: sement pego 'ua.sorriso
furto, nm meaeio brando, am aeceno oceulte a.
leitora to querida, por. quem me desvaneeo em fi-
nezas, para captar-lbe a adbesio.
E qaerem ver qoe-non assim logro a veatur:.
cablgada.
Qoem sabe ?
A malber to oapriehosa qoe semjre despaea
quem a adora.
Eu sonbeci, en outro tempo, nm pobre npz
qoe era mesmo derretido por mulheras.
Se elle avista va ao longe bem no fondo de ama
avenida ainda qne fosse a sombra de urna moiber,
deiiava-se s carroiras, esfalfava-sey e qoaa qae
cboravarse ao menos nao consegua por albo no
salto do borzegaim.
Era realmftte para metter pena.
pobre do rapaz carregava osschalls- o capotes;
o pobre do rapaz dava recados somo nioguera ; ti-
nha olhares de camprlmenlo dasmeswad, suspi-
rava at- apagar as velas, desfazia-se en momices
insulsas para ver rir as damas, desmaaobava se em
contorzes difflcultosissimas, dizia ata ehuveiro de
asoalicos trocadilbos, que tahara preteaco de es-
pirituosos, fazia tudo, tudo^ at fazia versos, e coi-
tadiobo toda a sua vida s.lamban, os vidros por
lora.
Adeos pois, qae tenho medo.
S. Paulo 12 de maio de 1860.
ligio impoem aos Oes e aos manos. Todo o ar-
dor da sua palavra nao podera aqaecer o marmore,
resusciiar o cadver. E* p jrque nio era a obstl-
nagio quem retinba Leonor naquelle carcere vo-
lontario ; era o desalent completo, era a atala
em qae o sea espirito cahira e de que os seas pro-
prios esforgos o nao podiam arranear.
Os seas deveres de earidade eumpra-os ella es-
crupulosamente. Nao bavia ama casa pobre em
emprexa e confia va sempre qae encontrarla argoma
flbra anda viva n'aquelle corago j morto.
Maiores esperanzas resentira de cario, se lbe
fosse dado ver a tua doente (assim lbe cbamava
elle), qaando i noute voltava sosinha para o sea
qaarto, e se sentava i eabeceira do leito e abra
um livro em sitio, qae, de ser j. muito lido e rel-
elo, se deparava logo aos oi.tkos' da leitora.
EsselvroeraoHU.'4aiao, qoe anda consegua
qae n3o tivesse eairado, como um aojo do Senhor (evocar o passado bxlincio e illamlna-lo com um re-
a levar coawio e allivo: oao bavia familia ^e pes-' flex.o da (ait^efra laz, qae outr'ora doarara por
am instante o sea viver sombro. Essa livro re-
suma para ella as memorias da visao, qne pbanta-
tiara, e qae fenecer. Este livro era o Camaos de
Garren e os versos to relidos eram os seos pre-
dilectos, aquelles qua Jorge lbe lera no dia em que
principiara o seu malfadado amor, e que, depois, a
pedido d'ella untas veas lbe repetir.
E Leonor, ssinba no seo quarlo, ao claro va-
rillante da vela, murmurara :
Longe por esse un dos vastos mares
Na soidlo melanclica das aguas
S interrorapia-se para prestar o ouvido voz
plangente das vagas e ao sibillar do vento, e todo
quanu jalgava extincto para sempre reviva no
corago alvorotado, e am tropel de visos e de
saudades lbe povoava a mente, e pelas faces em
magrecidas rolavam-lhe ama a ama lagrimas si-
lenciosas.
Se o padre Cbrisliano a viste!
De Jorge e de Magdalena nunca mais houvera
noticia?. Logo depois do casamento, parliram pa-
ra Lisboa, e por l tinbam fleado envoHos no tm-
bilbao dos prazeres e das distraceSes da ruidosa
capital. Era-Ibes impossivel ficarem na Ericeira;
eslariam n'ama posigio altamente penosa junto de
Leonor, cujo isolamento seria o seo constante re-
morso e a sna constante aecusago.
Em casa de Leonor nenbnm desses dous nomes
se proferia ; urna ou outra ves tentara o padre
Cbrisliano proferir a palavra i perdo >, mas
Leonor sorr|r-se tristemente e dissera :
Aefribo Cramer.
( Corrno PatUistano.),
Para que pensa em coasas qne nao aeodem
i mente d'aquelles por quem se interossa t Que
Ibes importa a el les, no seio das alegras da sua
existencia luminosa, o perdo, qoe Ibes ebegasse
aos oovdos, como um som sem significaeao, leva-
do pela briza do mar ? Nem o 63enlarlam con-
fuodi-lo-iam de certo com os vagos murmurios da
noute, qae se perdem no raido das walsas f
E, se o padre Chrisnano teteaava, Leonor mos-
trava-se com isso to afflicu qae o digno sacerdo-
te desista, com dor, do sea intento.
O capillo Raivoso qoe nanea fallara nos deas
ausentes. A Magdalena, para sermos francos,
nunca elle prestara grande attengao. A Jorge -
cra com nma raiva de morte desde o insumo em
que, por causa da aotiela do casamento dalle, t-
vera a sua boa menina am to profundo desgosto-
Nanea o veterano percebera bem o motivo desse
desgosto; dedazira nicamente do qoe se passra
qoe D. Leonor tinha grande odio a Jorge, visto
qoe a noticia de nm aconteeimaato, qae devia ser
agradavel a este, lbe fra a ella desagradare!. O
capito era um lgico desta forga.
Por isso o bom do commandante, implicare! ata
lado qaanto podesse desgostar moito de leve a sua
gentil protectora, desejava poaco evanglicamente
que succedessem a Jorge as maiores desgraga?,
desgracas que j de antemlo iolgava merecidas,
pwoae pessoa, que Leonor 04*va, nio poda dei-
xar de ser digna da aversio dos horneas e dos
castigos, de Deas.
(Coafawmr-s-Aa.)
(PERN.-TYP. DE M. F. F. W ^|FILlTO.-ft8W

'

V







Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EN14M26W1_0GG2XN INGEST_TIME 2013-09-04T22:54:18Z PACKAGE AA00011611_10986
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES