Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:10984


This item is only available as the following downloads:


Full Text
F xl

"


i
*
i
/


AMO XLII. HUMERO 128

Ptr qnartel agf dentrt des 10 dias do 1 mez ,
dem depts des l.M lo dias do comee e dentro do qnartel
Porte ao correio jor tres meses
Sjeee
Wooo
75o
"- "- : >jr?
TERCA FEIRA 5 DE JSHO DE 1866

Por a roo pago leitro de lo dias do 1 mez. \
Porte ao crrelo por am auno ....
.....


^,.Vl.,
DE
BNCARREGADOS DA SUBSCRIPCAO DO NORTE
Parahjba, o Sr. Antonio Alexsndrio de Lima;
Nata!, o Sr. Antonio Marques da Silva ; Aracaty, o
Sr. A. de Lemos Braga; Cear, o Sr. J. Jos de
Oliveira ; Maranhao, o Sr. Joaquim Marques Ro-
drigues ; Para, os Srs. Geraldo Antonio Aires &
Filnos ; Amazonas, o Sr. Jeronymo da Costa.
BNCARREGADOS DA SUBSCRIPCAO DO SUL.
Alagoas, o Sr. Clandino Falco Dias; Babia, o
Sr. Jos Martins Alves; Rio de Janeiro, o Sr. Jos
Ribeiro Gasparinbo.
PARTIDA DOS ESTAPETAS.
Olinda, Cabo, Bseada e estacos da vfa frrea at
Agoa Preta, todos es dias.
Ignarass e Goyanna as segundas e sextas feiras.
Santo Antao, Grvala, Bezerros, Bonito, Garuar,
Altinho, Garanhons, Buique, S. Bento, Bora
Coselbo. Aguas Bellas e Tacarat, as tercas
feiras.
Pao d'Alho, Nazaretb, Limoeiro, Brej'o, Pesqueira
Ingazeira, Flores, Villa Bella, Cabrob, Boa Vis-
ta, Ouricury, Salgueii o e Ei, as quartas
feiras.
Serlnhem, Rio Pormoso.Tanandar, una, Bar-
reros, Agua Preta o Pimentelras, as quintas
feiras.
AUDIENCIAS DOS TRIBUNAES DA CAPITAL.
Tribunal do commercio: segundas e quintas.
Relaco: tercas e sbados is 10 horas.
Fazenda: quintas s 10 horas.
Jnlzo do commercio: segundas as 11 horas.
Dito de orpbios: tercas o sexta* is 10 horas. .
Primoira tarado civol: tercas sextas ao mei
**
Segunda vara do eivel: quartas sebbados a 1
hora da tarde.
EPHEMERIDES DO MEZ DE JUNHO.
6 Qnarto rntog. as 4 h., 53 m. 58-s. da m.
12 La nova as 7 h., 47 m. o 52 s. da t.
19 Quarto cresc. as 9 b., 55 m e a s. da t.
28 La chela a 1 b.. 16 m. o 10 s. da m.
DIAS DA SEMANA.
4. Segunda. S. Francisco de Cancello.
5. Terca. S. Pacifico f.; Ss. Nlcacio e Marcia mrn
6. Quarta. S. Norberto b.; S. Eustorgle b.
7. Quinta. S. Roberto ab.; S. Sabiniano m.
8. 8exta. S. Maximiano ab.; S. Gildardo b.
9. Sabbado. S. Pelagla v.; S. Melania c.
10. Domingo. Ss. Getuho e Primitivo mm.
PREAMAR DE HOJE.
Primeira as 9 horas e 18 m. da manha.
Segunda as 9 horas o 43 minutos da tarde.
PARTIDA DOS VAPORES COSTBIROf.
Para o sol at Alagoas a 14 e 39; para o norte
at a Granja a 7 o 22 de cada mez; para Fernn-
do no? dias 14 ios mezes de Janeiro, marco, mai
julho, setembro e novembro.
ASSIGNA-SE
no Recife, na livraria da praca da Independencia
ns. 8, dos proprietarios Manoel Figueiroa de Faria
& Filho.
INTERIOR
O tratado da trplice alllanea.
xv
(Cootinuacao.)
Ao artigo que publicamos no Jornal do Commer-
cio de 12 do correte, comegou a apparecer no
Correio Mercantil de-ontem (13) urna resposla
que contina boje, e promette ir por diante. Alea
dessa ha no Correu Mercantil de boje outra asig-
nada Epamtnondas, e urna terceira assignada A. V.
No Jornal tambem de hjo apparece urna quarta
assignada P. L.
Nao responderemos primeira.
sobre ura assumpu to momentoso, nao devemos
preoecupar-nos com o que diz a gente que er
dlscuitr quando insulta. De resto, nao sabemos a
quera atira esse escriptor.
Em todos estes escriptos se v um extraordina-
rio incommodo, por terem fleado lio claramente
expostos os inconvenientes de urna obra do homem
em cuja capacidade se depositavam tantas espe-
rancas. O Sr. Octaviano, porm. cujos ttulos a
essa reputaco de capacidade assentam sobre o
desembarace- com que por tantos annos> na folba
de que era co-proprtetario e redactor, e na tribuna,
censurou actos governativos de todo o genero, in-
clusive convenedes, ajustes e tratados internacio-
naes, celebrados 'por seus adversarios polticos;
o Sr. Octaviano, dizetnos, de corto nao deve gostar
mental a independencia da accio publica e da ac-
cae privada, coroprebeodendo aquella a applicaco
das penas, e esta a reparaco do damno eausado
pelo delicto.
c Para que esta independencia se torne urna
realidade, para que a punicao dos crimas soja im-
parcial o inexoravel, nao urna iniciativa da vin-
1 ganga, nao urna contingencia do interesse privado,
que cede e transige casta da sociedade, essen-
clal que a aeco publica soja extensiva a todos os
crimes, exceptuados smente aquellos qua .votivos
i de honra e o proprlo interesse das familias podem
querer que flquem no silencio.
i Se a extenso da aeco publica um principio
I fundamental, nao menos locootestavel a necessi-
Em dlscussio dai^9 ^a SQPPresso "0 precedimento offlcial: sa-
beis que nao se podem combinar bem os dous ca-
racteres de autor e Juiz do mesmo procosso.
i t Assim que : Io, a accao publica deve eompre-
bender todos os crimes, com excepcao do estupro,
rapto e adulterio, salvo sendo commetlidos eom vio-
lencia ; as calumnias e injurias nao referidas no
art. 37 do cdigo criminal; o parto sopposto.
t Assim que : 2*, a accio publica, exceptuados
os casos expressos de negligencia o de conluio, de-
ve, ser sempre iniciada pela denuncia do minute-
rio publico.
f A defeza dos sagrados dlreitos, aos qoaes a!
sociedade deve proteeco, como sao os da mulher
casada, do orpho, interdictos, ausentes, escravos,
\ estabelecimentos pos ou publica utilidade, comple-
ta a missio ds ministerio publico como defensor e '
T^STUSES HS^iSCTi I TET&ESEZ ao ministerio co-1
o ver Epamtnondas lembrar no g 14,- que mais \ ggl*? &.*^P&J&kf.*S3!b*
fcil escrenr eontra tratados J aue fal,los. R^Se^^^
buir-nos propci^as 'contraria, as que sustenta-1Og^fcJ^^^tTJJ
< i 3.* As questdes de competencia.
t 8 4. O recarsos a corda dos abusos
a^ais3 $s$gesr$to \Tiz; risss^'ar.is sasssr
Epaminondoi e P. L. resultara da simples eolio- a,e a f"OCtsn, se nao ivesse cheles que garants-
cago dos paragrapbos do Curius em frente dosl&JCiSttSSSJSS** "' 8 "**
Depois do urnas cincoenta linbas de jogos de es-! fS^TS^j^^^^AnZSS^- '
jarto 6 lugares communs, entra P. L. em mate-'nho ahonra de "*** a ,,,""lil *sta aB-
approva^io desta au
ria avancando logo urna inexactido. Diz elle:
Doas sao as theses que Curius se propoe a sus-
tentar : Primeira O tratado nao se devia ter ce-
lebrado. E' falso, nao sustentamos semelbante
tbese.
No g IV, alm das palavras que cita P. /.., ha
as seguules, que anda sao mais irisantes : Para
< obter-mos o nico auxilio indispensavel, e quasi
o meo que nos tem prestado aquellas duas re-
publicas nem precuavamos tratado algum.
Concluir destas palavras, tomadas isoladamente,
que so nao .devia tratar ja era bem triste herme-
nutica : mas aiada mais digna de compaixo
ella bavendo artigos em que Curius diz claramen-
te que se devia nzer o tratado, e at indica o como.
Vejamos: No V disse Currj : A posicao do
< Brasil... Ibe dava o poder de dictar aos seus
alliados as condicoes qae qulzesse. Deus nos
< livre de acenselhar que aceite-se duras e
egosticas... De vamos aceitar com reconheci-
c ment e cortezia, os traquinos auxilios que
para a lula nos offereciam... Deviamos mostrar-
nos desinteresados grandes e generosos, e nunca
reservar para nos a parte do leo, porque mais
nos vale a amisade daquelles potos do que nesgas
de trras.... ououircs quaesquer gaubos maie-
riaes e immedfatos. >
Esta citaco nao s destre a primeira proposi
rancor com que nos pinta, animados contra aque" *& ***L32 ^Q au,orldades
las repblicas, e nos conselhos de egosmo que nos; m""f 5P. So 0brigados a
nho a honra de apreseutar
gusta cmara.
Proposta.
c Art. 1. O ministerio publico ser exercido :
f Pelo procurador da corda, fazenda e soberana
nacional e sen ajadante ;
i Pelos delegados do procurador da corda ;
c Pelos promotores pblicos ;
c Pelos agimos dos promotores pblicos;
< Pelos procuradores espociaes da fazenda pu-
blica o seus ageotes na conformidade da legislacao
em vigor.
t I I* O procurador da corda, fazenda e sobera-
na nacional o ebefe do ministerio publico, e o
exercer immediatamenle perante o supremo tribu-
nal de justica, onde ter asiento, compelindo-lhe i
todas as honras que competen) aos ministros deste
tribunal.
c Ser para este cargo nomeado um juriscon-
sulto notavel, anda que nao seja magistrado.
c | 2o Delegado procurador da coroa perante a
relacao ser um desembargador nomeado pelo go-
verno sob proposta do procurador da corda.
< O delegado do procurador da corea ter o ti-
tulo de conselho.
< i 3 Em cada comarca havera um ou mais
promotores pblicos, conforme a extenso ou popu-
i laco da comarca, e a aifluencia dos negocios da
competencia do ministerio publico,
i 8 4 Os promotores pblicos nomearo em ca-
e acordaos que Ibe parecerem
da corda, fazenda e
attribue.
Basta. Com esta amostra temos preven'-*- os
leitores, e como ambos estes campedes prora, .i
continuar, esperaremos que concluam, e que nSo
tardem muito a faz-Io.
XTII
Como A. V. nao promette continuar, vamos j
responder-lhe, apezar de conter o seo escripio in-
sinuares mesquinhas e rediculas, que nos davam
o direito de deixa lo no-mesmo esquecimento em
que deixamos o outro. O artigo do tratado em
que vimos claramente coarctada a liberdade do
poder executivo do Brasil, de nomear e demittir
os commandantes das forjas de ierra o mar, o
terceiro em que os generaes >ao designados por
seus nomes. iNo ousariamos attribuir essa irre
obrigadosa aceitar o cargo de agente
do ministerio publico,sendo comeados pelo promo-
tor publico :
i Os collectores;
f Os supplentes dos juizes municipaes, delega-
dos, subdelegados, juizes de paz, nao estando em '
exercicio ;
Os secretarios e procuradores das cmaras!
municipaes.
f 6 Podem ser nomeados agentes do minis-
terio publico os advogados e quaesquer possoas
doeas que merecerem a confianca dos promoto-
res pblicos. (Art. 12 g 5o.)
7. Os cargos do ministerio publico, excep-'
toados os nasos dos paragraphos antecedentes, sao'
ineompaliveis com a advocada o com o exercicio
guTardade"^to^SK nao t^ems | ^ST^ empregS UdCa"S ?*** '
do ministerio pobli-1
ouvido itivos.
S Sr'lnTmVfe &.&**. "Z | -. H-P- *&*
\ da coroa e do delegado delle, servir o magistrado
i que for designado polo
moedes que teve, fhe foram concedidas por "minis-, denl!9,nas,{>*j.Ilc.laf:
s'JS.pA t^S*"*?Far-iM*
10. O substituto do promotor
nomeado pelo juiz de direito, e o
publico ser
substituto do
terios conservadores, que sembr apreciaran) sen
omc'^^^ a miriisterio publico pelo juizes munici-
rigem-se as questdes polticas como pensara, iD,,co ., n .Tnfil1M,te do nrnenradnr da corda'
mas batem-se pelo.paiz. A preferencia d,cUO. lT!SmJTI^SZ\
pelo espirito do partido para os commandos militar i
res, se ha, inveoco nova.
Repitamos anda que se a Impericia e levianda-
de de nossos negociadores compromeltem os in-
ters-es do Brasil, nem por i-so perdemos a espe
ranea qoc nos inspira o valor heroico e deieacao
de nossos gnerreiros desde os generaes de torra o
mar at ao mais modesto marinheiro, guarda na-
cional, voluntario ou soldado de leva.
Rio de Janeiro, 10 de malo de 1806.
Cunus.
KIO DE JANEIRO
10 de mo de 1860.
O Sr. ministro da justica apresen!ou a seguinte
proposta :
a Augustos e dtgnissimos senhores representan-
tes da naco.A Instituico do ministerio publico,
nao sd na parte criminal seoao tambera na parte
civil, ha muito tempo, urna reclamado da opi-
oiao publica.
t Se outr'ora, nos primitivos terapos, a persegui-
do dos crimes se fandava na vinganca o no inte-
resse privado, hoja a emlisaco mostra que essa
perseguicao urna aUriboicao da sociedade, coja
segoranca depende da vida, honra, probidade o li-
berdade de seas moabroo.
< E' corlo que em quasi (odas ai organisacoes
judiciarias o ministerio publico entra como parte
essencial.
< Na Inglaterra, diz Miltoanayer (na sua recen-
te obra sobre o jury), a ausencia desta Instituico
j coraeca a ser asiiinalada como ama lacnna, sen-
do que amitos crimes Qcam impones por causa das
transacedes.
t Numerosos jurisconsultos, cuja frente so
acham Broogham o lord Campbell, reclamam a sua
creacio. Gerlas corporacoes e cidades j tem agen-
tes para exercer a perseguido criminal. Observa-
se que aoode ha um solicitor a perseguicao se faz
com aais steeosa, e a represso mais efflcar.
Assim qoo ota) Mancherter nao ten havido em cada
auno seno t) abaolviedos sobro 100 acensados pe-
lo solicitor da cidade.
< Na Franca, na Blgica, na Italia, Portugal
outros potos coitos es/ consagrada coujg funda-
cretaria da justica.
Art. 1* O ministerio publico comprehende na
parte criminal a denuncia e accusaeao de todos os
' crimes exceptoados:
t g i .> Os crimes de calumnias o injurias nao
referidos expressameate no art. 37 do cdigo do
proeesso.
i g-2.* Os crimes de estupro, rapto e adulterio,
salvo sondo commetlidos por violencia, ou sendo
o offendido possoa miseravel e inizer perseguir o
otTensor.
c g 3.* O parto sopposto.
Art. 3. O ministerio publico na parto civil
comprehende:
g 1. As causas pertencentes a corda, fazenda
e soberana nacional.
i g 1 As causas dos menores e possoas seme-
jantes.
3.
I*.
Id.
As causas de ausentes.
As causas de eapellas o retidnos.
Ai causas de liberdade dos escravos como
autores ou reos.
S 6.* As causas municipaes.
< g 7.a As causas das mulneres casadas relativa-
mente ao seu doto o alienaco dos boas de raz
tem ontorga dola.
i g 0* As causas dos bospitaes e quaesquer
estabelecimentos pos.
t g 9.* As causas do desapropriacao por utilidado
ou noeessidado publica.
110. Al causas de responsabilidade civil dos
empregados pblicos.
c g 11. As causas relativas aos assentos de nasci-
monto, casamento o bito, qoo nao se flzerem nos
livros eccleslasticos, e oulrosim as de impedimento,
divorcio e nollidades, que Dio pertencerem ao
ecelesiattico.
% II Em geral quaesquer outros negocios que.
a lei designar.
f Art. 4.a O ministerio publico, no interesse da
le a em relaco a ordem publica e liberdade indi-
vidual comprehende:
i g 1.a A sealisaco da exacta e uniforme
observancia das lois o reaulamontos. (ArL 7.)
i g 1 O* conflictos de jurisdico entre as au-
toridades judfcianas e entre eatas o as adminis-
trativa.
das
autoridades ecclesiasticas.
g 5. As questdes de suspelcao dos magis-
trados.
< g 0.* A reqnisicSo do habeos corpus em favor!
de qualqner pessoa nacional ou estrangeira que'
s ffrer constrangment Ilegal.
s g 7.a A impetraco da graca imperial em favor
dos cooderanados quando o proeesso fdr evidente-':
mente nullo ou a condemnaco se fundar em falsajj
prova.
< Art. 5.a O ministerio publico, na parte admi-
nistrativa, continuar a intervlr e funeciouar nos
caaos e pola forma qoo determina a legislacao'
vigente', i
g 1.a O ministerio publico comprehende aa
parte commercial: >'
As cansas de dote de mulber casada.
As eausas de moratorias.
< As causas sobre o registro dos contratos de
sociedade.
c As causas de rehabilitaco de fallidos.
Art. 6.a u ministerio publico parte:
< g i. as causas criminaos que sao da com-
petencia da justica publica.
i 2.a Na execoco o contas da testamentos.
< 3.a Pdde ser parte por impossibildade de ,
pessoa tesada, ou pela falta de pessoa interessada
ou coojuncta, as cansas de inventarlo, tutella,
interdicto; resclso ou nullidade da indevida
alienaco dos bens da muibar casada, orphos, ea-
pellas e residuos; as eausas de liberdade dos
escravos, e as de dote. .
g 4.a O ministerio publico naaontras causas
de art. 3a nao sondo adjunto.
g 5.a as causas em que o ministerio publico
ou pdde ser parte compete-lhe propd-las ou con-
testa-las, interpdr os recursos qae oouberem, e ser
ouvido em todos os tormos do proeesso perante
todas as instancias, assim como as revistas.
< g 0.a as causas em que o ministerio publico
i adjunto ser ello ouvido sobro ellas antes do
julgamento, e no acto do julgamento, mas nao po-
dar interpdr recurso nem impedir o direito das
partes.
g 7.a Em todas as causas que pertencerem ao
ministerio publico ter ee vista dos autos, o ser
ouvido na forma determinada nos artigos seguiu- j
tes, pena de nullidade.
c g 8.a O ministerio publico nao pdde transigir
sobre as causas do sha competencia e nem desistir
daqnelUs que propuzer.
g 9.a Ser obrgado a propSr as causas que
sao de sua competencia, mas nao obrigado anda
que propostas por ordem superior, a opinar contra
a verdade manifestada nos autos e nem reeorrer
das sentencas ***> '**> i1
justos.
c Art. 7.a Ao procurador
soberana nacional compete:
< g 1.a Inspeccionar mediata ou immediaumen-!
te os delegados, promotores pblicos e agentes do
ministerio publico.
< g 2.a Dar aos seus delegados as Instrnccdes
necessarias para o desempenbo uniforme e regular.
das funcedes do ministerio publico.
< g 3.a Apreseutar annualmente ao goverao im-
perial um relatorlo sobre o estado da administra-1
cao da justica, expondo as diflreurdades e lacunas
encontradas na execucao das leis, assim como os
erros, abusos e incoherencias que observar na
jurisprudencia dos tribnnaes, aflm de que occorram
providencias legislativas.
t g 4.a Dar parte ao governo das negligencias,
omissdes e prevaheaedes dos magistrados e empre-
gados na adminislraeo da justica.
t gS.a Maodar qae os delegados e promotores 1
pblicos denuociem os crimes de sua competencia 1
que Ihe coo.'tarem pelos autos e papis, nos quaes
olliciar, ou chegarem ao seu conhecimento por
outro meio.
< g 6.a Mandar que os delegados eos promotores'
pblicos interponham appellaroourevistadosjulga-
raemos nullos, ainda que seja passado o praso legal
atim de que os ditos jolgamentos sejam aonullados,
nao em prejuixo do direito adquirido pelas partes, I
mas sd no interesse da lei, e para veriBcaco da j
responsabi|jdade dos juizes e tribnnaes.
t g 7.a Impetrar a graca imperial em favor dos
reos condemnados quando o proeesso fdr evidente*
mente nullo, ou a condemnaco resultar de falsa:
prova verificada posteriormente a condemua-
eao.
t g 8.a Requerer ao supremo tribunal, verbal-
mente ou por escripto, habeos corpus a favor de
nacional ou estrangeiro, se Ihe contar, a vista dos
autos e papis em que offlciar, ou por outro:
qualquer meio, que elle solre constraoglmento
i Ilegal.
g 9.a Interpdr recurso a corda dos abusos das
autoridades ecclesiasticas. (Decreto n. 1,911 de
1857, art. 10) I
< g 10. Suscitar os conflictos de jnrisdiccao entre
a antoridade judiclaria e administrativa. (Decreto
n. 124 de 1842, art. 24.)
< g 11. Acensar perante o senado os deliclos
individuaos commetlidos pelos membros da familia
imperial, senadores e deputados. (Art. 48 da cons-
lltuico.)
i g 12. Denunciar e acensar os delietos indivi-
viduaes e os de responsabilidade, cujo conhacimen-
to compete ao supremo tribunal.
g 13. Assislr ao julgamento das revisas cri-
mises ou civeis em que deve ptervir e ministerio
publico, competindo loe fallar nessas occasides o
em qualquer ponto da discussao das cansas quando
e qnantas vezas o regulamento determinar.
i g 14. Sera'onvfdo noajolganuntos de lodosos
conflictos de jurisdiccio e questo-s de competencia.,
< g 15. Sera' outro sim ouvido no julgamento
de antigoidade dos magistrados.
< g 10. Promover' o andamento das revistas e
celeridade dos jolgamentos dallas as causas que
sao da competencia do ministerio publico, requisi-
tando verbalraente ou por escripto ao supremo tri-
bunal as providencias que co'nvierem.
i g 17. Nos negocios em que o ministerio publi-
co competente, se em ras da gravidad- de al-
guna causa parecer conveniente ao procurador da
corda, podera' elle pessoalmente' as'sistir ao julga-
mento della na relaco, para fallar a bem da causa
publica, quando e quantas vezes o regulamento de-
terminar.
t Comparecendo o procurador da corda a' rela-
jeo tora' assento a' difeita do preoidente, e neste
caso cessarao as funcedes do delegado.
i g 18. Representar ao governo o reqnerer ao
supremo tribunal todo o que convier a bem (a ad-
minislraeo da jusifca.
t g 19. Sera' analmente snvtdo sobre todos os
negocios administrativos em que actualmente ou-
vido.
t Art. 8. Os delegados do procurador da corda
exereero, pera-ate a reiaedet, as attribuicdes que
conjpotni ao nrwnrador da corda palo art. 7a. gg
8a 12,13,14. OeieV-.....
g Ia. Inspeccionar unmediaumento es promo-
teros publico, a dar-ibes as lusirucgdea neceasa-
ras para o uniforme e regular desempenbo das
funcedes do ministerio publico.
e 12*. Remoller annualmente ao procurador da
corda um relatorlo sobre o estado da adminlstrec&Q
da justica, expondo as difflculdad.es e lacunas, que
encontrar na exocuecao das leis, assim como os er-
ros, incoherencias e absurdos que observar o ju-
risprudencia do tribunal da relaco*
g 3a. Dar pru ao proearador oa corda das
ne*l,^"octas, omissdos a previrfeaca* dos magUtra-
aos e empregados da 1ust. -
eos as funcedes de que tralo os gg 5a e 6a do
art. 7.
g 5a. Participar ao procurador da corda os ca-
sos ao art. 7" g 7a verificados no districto de sua
competencia.
f. j 6a. Exercer perante o presidente da provin-
cia as funcedes dos gg 0,10 o 18 do art. 7.
g 7a. interpdr revista dos jolgamentos em que
o ministerio publico parte.
somma superior a 500,000 dollars, com a qual se I Manoel de SoQza Machftd0i Mari. Izabel Machado,
Camarina Candida Machado, ura filho e duas fi i ha-
menores, Francisco Cordeiro de Miranda, Antonio
Pavo Pereira de Aranjo, Carolina Amelia, Julio
Tmha apparecido em Nova-York um caso fa-
tal de cholera-morbus, a qual ba lempos fazia es-
tragos a bordo dos navios ancorados no porto, sem
communicar-se cidade.
A noticia do bombardeamento de Valparaso
pela esquadra bespanhola linba causado grande
sensaco nos Estados-Unidos. Os jornaes de Nova-
g 8a. AssisUr a* julgamento das appellacSes York, votando o governo de's. M. Cathollca exe-
novas 10 /> t^ A Coa rt o An rvk rtf ^ n A ^ -tv\ m m i l* I A r i A __-_~_J
as cansas que sao da competencia do ministerio
publico, sendo ouvido sobre ellas anteado mesmo
julgamento, e no acto delle, pena de nullidade.
< g 9. Visitar as prisoes, tomando nesse acto as
oonveniootes notas para representar ao governo so-
bre o rogimen e estado deltas; para promover o
andamento dos proeessos, e requerer a soltura dos
reos indevidamente presos.
< Nestas visitas tara' aeompsnhado pelo promo-
tor publico.
Art. 9a. Aos promotores pblicos compete :
< g Ia. A denuocia dos crimes de que trata o
art. f g Ia.
2. A requisico de priso dos delinquentes.
f 3a. A promoQio perante as autoridades judi-
craco do mundo civilisade, censurara tambera es
almirantes francez e inglez, por nao terem aceita-
dos Res, Jos Silveira da Rosa, Fernando Jos de
Gusmo Moreira, Francisco de Almeida, Joo Ja-
cintbo do Amarat, Agostinbo Raposo, Augusto de
Teres, Mara de Jesuz e nm filho menor.
Cbmiterio publico. Obituario do da 30 de
MA10 DE 1866.
Dionizlo Ferreira Cavalcante, Pernambueo, 36
do aproposu que ihe? tS feiupelo. eomote "T1 "^ 8* ADl0D' 4ia"bea-
americano para se opporem, mesmo empregando a Thoophilo Januario dos Santos, Pernambueo, 8
forga. a pepetracao de tal acto de vandalismo. I aDn.0.s> ? Jos. diainteria.
Havia noticias do Mxico at 11 de abril. O Hl'rio Francisco de Mello, Pernambueo, 45
cerco de Hazatlan anda continuava. Segundo re-; annos' sol'eiro, Boa-Visa, tubrculo,
fere um jornal de Baltimore, o commandante libe-! Llbania Joaquina de Freitas, Pernambueo. 26
ral Mandes, achando-se gravemente enfermo, foi anuos, solteira, Boa-Vista, phlhysica pulmonar.
I aprisiopado pelos Franceses, e tendo recasado en-
tregar-so, .foi fusilado na cama em qae se achava.
Deixamosao Baltimore Advertiser a respoosabilida-
\ de de tal noticia.......
O presidente Jurez ia partir para Chihuahua no
dia 10de abril..Cartas deAcapulco confirmam a
ciaras o poltciaes a todas as diligencias necessa- victoria de Porfirio Diaz sobre os imperialistas. Em
ras para o andamento dos proeessos, celeridade compensacao os jornaes de Vera-Cruz d5o noticia
dos jolgamentos e execoco das sentencas e man- de muitos combates de pequea importancia todos
dados judiciaes. com resultado favoravel aos iroperiaes.
g 4a. A accosacao dos deiinquentes perante o | Na ba de S. Domingos as torcas do governo
jury, a perante o juiz de direito e o chefe de polica. f eslavam pacificando a frontelra do sal, encontrando
'. A interposicao dos recursos qne convle- apenas opposigo da parte de pequeas guerrilbas.
Nada mais de importancia encontramos nos re-
feridos jornaes.
rem e compelirem a' justica publica.
6. A interveocao que actualmente exerce na
formacao da lista dos jurados.
"IIa. A requisico da eonvocac,ao extraordina-
ria do jury.
Si*. Dar parte ao governo na corte e aos pre-
sidentes as provincias, assim como ao delegado do
procaradur da corda, das negligencias, omissdes,
prevarteacoes dos magistrados e empregados da
jostica. No domingo tarde chegoo o vapor eneou
i g #. Requerer ao juiz oe direito habeas-corpus j rado CoUmbo, um dos construidos em Inglaterra
a favoc .alo nacional ou estrangeiro se ihe constar,! por cenia do governo. imperial. E' monitor qne.
a' volados autos e papis nos quaes offlciar, ou ,deve montar doas pecas rayadas de calibre 70. doanterja.
REVISTA DIARIA
Cordolina Mara do Espirito Santo, Pernambueo,
25 annos, casada, Recife, pneumona.
Mara Vieira dos Santos, Pernambueo, 35 annos,
soiteira, S. Antonio, febre purpnral.
Francisca das Chagas, Pernambueo, 60 annos,
viuva, S. Jos, hypertrophia.
Sara Mendes, Pernambueo, 42 annos, viuva,
Poco da Panella, peritonite.
Luisa, frica, 92 annos. Boa-Vala, desinteria.
Mana, Pernambueo, 50 dias, S. Antonio, desin-
teria.
Francisco, Pernambueo, S. Antonio, inlerite.
Joanna, Pernambueo, 4 annos, S. Jos, toase con-
vulsa.
Manoel, Pernambueo, 6. anana, 8. Jos, Oeeti-
teria...
Luiza, Pernambueo, 2 mezes, Soa-Vista, desin-
teria.
Adelaide, Ptrnambueo, 3 mezes, S. Jos, desin-
teria. -
Pedro, Pernambnco, 6 annos, Boa-Vista, gan-
grena, n .
Francisco, Pernambueo, 4 meces, S. Antonio, en-
maras de enaguo.
Benedicto, frica, 30 anuos, escaavo, S. Jos,
Tem 160 ps de comprimento, 34 de bocea e 16 e |
6 polegadas de pon tal. E' de 858 toneladas, ar-
omlngos, frica, 60 annos, Recife, intente.
Mara, Pernambueo, 9 mezes, S. Jos, desinteria.
mado escuna e movido por dous hlices d tres I .... ..""' "**
medio do delegado respet vp os casos do art. 7a g p3S cada um, sendo a machina da torca de 240 ca- Mal falda Ludovtna Marques, Pernambueo, 60 an-
7a verificados em sua comarca, ajuntando os do- vallos. Foi construido era Greenwicb pelos habis I no8> sokeira, Boa-Visu ; hernia estrangulada.
por outro meio, que elle soffre constrangimenlo II-
legaL..
g 10. Participar ao procurador da corda, inter-
compelm aos procuradores especiaos da mesma
fazenda publica.
g 13. Ser ouvido em todos os termos do pro-
comentot necessarios.
11. Exercer como annexos os cargos de cu-
rador geral de orphdss, e promotor de eapellas e
residuos, ficaodo revogada a legislacao existente
que determina a nomearo de curador a' lide as
causas dos menores, o pessoas semeihantes.
g 12. Propdr ou contestar as acedes civeis em
qne o ministerio publico parte, com excepcao das
causas da fazenda publica, por que nestas causas
as funcedes do ministerio publico na instancia jmrao servigo entre Glasgow e Belfast, sob a ban-
pelos
constructores J. a. C. Rennie, Na experiencia
dellou a machina 10 milbas e meia o durante a
viagem 9 1(2. Cala 9 ps d'agua. Assisllo soa
construccao o Sr. Ia tenente Argolo.
Amanbeceo bentem no lamarao o vapor ame-
ricano Isabela, em viagem de Baltimore por S. Tbo-
raaz para o Rio de Janeiro.
JS um bello navio que, bavendo sido construido
deira ingleza e o nome de Gtraffe, foi vendido aos
confederados e armado em guerra com o nome de
Bobert E. Lee, conseguindo romper 12 vezes o
cesso e negocios que oleressoao ministerio pu- bloqueio; acabada a guerra passou ao governo
blico, pena de nullidade dos EsUdos-Lnidos com o nome de Forte Dowel-
S 14. Remelter annualmente ao procurador da lon>e hoa pertence marinha mereante e tem o
nome supra.
E' um dos maiores vapores que tem vindo ao
nosso porto, tem 263 ps de comprimento, 26 de
bocea e 14 1(2 de altura ; cala 9 ps d'agua e tem
643 toneladas. O seus aceados coramodos per-
rniltem-lhe conduzir 30 passageiros de primeira
ordem, alm de crescido numero de ouiras. E'
um bello navio, inteiramente conforta ve!, qner nos
seus commodos, quer no aceio e profusao dos ob-
corda, por intermedio do delegado do districto da
relaco, o rotatorio do que trata o art. 8a g 2a.
< g 15. Exercer perante o delegado do procura-
dor da corda e perante autoridades judiciarias e
policiaes a aiiribuicio do g 18 do art. 7.
t Art. 10. Aos agentes do ministerio publico pe-
rante as autoridades municipaes e paroebiaes cora-
trata o art 9a gg Ia,
outro sim a obrigacao de
petem as attribuicdes de que
2a, 3a, *, 5, 12 e 13, o outri
Francelina Mara da Coaeeicao, Pernambueo, 26
annos, soiteira, Boa-Vista ; tubrculos pulmo-
nares. .
Josefa Marcelina do Espirito Santo, Pernambnco,
80 annos, viuva, Santo Antonio ; paralizia.
Romualdo Jos Thomaz, Pernambnco, 38 annos,
solteiro, Boa-Vista ; pbtysica pulmonar.
Jos, Pernambueo, Santo Antonio ; desinteria.
Joo, Pernambueo. 2 annos, Boa-Vista: deniiQo.
Marcionlla, Pernambnco, 4 mezes, Boa-Vista ; c-
maras de sangue.
Virgilio, Pernambueo, 9 mezes, escravo, Boa-Vista;
deniico.
informar'ao'promotor publico de ludo quanio oc- Jec,os necessarios. Velo tomar carvo e segu
correr e convier para o exercicio das aiiribuicdes Para R' de Janeiro.
de que tratara os gg 8a, 9a, 10 e 11 do mesmo art. i, ^girado nos communicou
Os agentes ao promotor publico procedero, ,0,mara os passageiros que apparecerem para o Ro
sempre de conformidade com as instrucedes delle. *l araannaa, da de soa sabida.
Art. 11. Ao procurador da corda cora petem lo
dos os vencimeotos que teem os ministros do su-
premo tribunal de justica, assim como a gratifica-
cao de 4:80)5000.
< g Ia. Os delegados do procurador da corda,
alm dos vencimeotos de desembargabor, tero me-
lado do gratlficaco de procurador da corda.
c g 2a. Os promotores pblicos tero o ordeoado
de 1:600 e a gratificado de 800*000.
g 3a. Os agentes do ministerio publico nao e-
ro se nao os emolumentos que Ibes competirem
pelos actos qu praticareoi.
. Ari. 12. O governo antorisado para dar os
regnlamentos necessarios para execucao desta lei.
g Ia. U procurador da cerda, se a affluenca
dos trabalbos o exigir, lera' um ajudante, e a eale
ajudante corapetem as honras e venclmentos de de-
sembargador.
Destribuio-se honiem as malrizes desta ci-
dade urna pastoral de S. Exc. Rvraa. em que pres-
creve ao clero de sua diocese cenas normas, no
tocante ao seu vestuario.
Acharaos muito justa esta deliberado, tanto mais
quanto nos consta que S. Exc. 'Rvma. tolera
que no uso diario os Srs. padres sirvam-se de so-
brecasaca, calca e collete preto, o vclta ao pesco-
co : felta esta modificaco, acreditamos que tica
tudo regalado convenientemente.
Um sacerdote, que se aprsenla com o uniforme
indicado, faz-se immediatamenle destingoir das ou-
tras classes, e eremos ser este o peosamento do
Sr. hispo, que, rasoavel como nlo quer mais do
que a prudencia aconselba, e os usos recebidos
comportara.
Urna reforma nao urna destruigo; por isto
deve ser prudente, e bem calculada, para que seja
6 ,
g 2a. Nao ba mais precedimento offlcial, salvo | sem repugnancia feceb'ida e aceita,
o caso de negligencia ou omlsso do ministerio' Proceda sempre s. Exc. Rvma. com esta regu-
publico. laridade e moderaco, que ha de ter o apoto de
g 3a. A' parte offendida, salvases excepgdes |0das as pessoas sensatas e honestas da sociedade
do g Ia do art, 2a, s compote a aeco civil.
g 4a. Todava pode a parte civil auxiliar ao
ministerio publico, dar-llie a denuocia do crime,
prestar-lbe provas, assisiir eom elle aos termos do
proeesso o julgamento e reclamar perante os juizos
o tribuoaes o exercicio da accao publica, no caso
do g 2a desie ortigo.
t g 5a. Os hachareis qae forem agentes do mi-
nisterio publico serio preferidos para o cargo de
promotores pblicos.
g 6a. Os ministros do ministerio publico, nava
o desempenbo de suas funcedes, poderlo requlsitar
das secretarlas de estado, dos tribunaes, dos arebi-;
vos o cartorios pblicos, ou qualquer repartico ou
em pregado, o documentos o itlosiracdes de que
precarem, e bem assim requorer ao governo, aos
iribunaes, e autoridades competentes os exames,
averignaedea e diligencias qne litaren) por indis- \
pcDSea'CiS.
< g 7a. As requisicdes relativas a' secretarias de
estado, iribunaes, archivos pblicos, repartiedes e
Pedem-nos a pnbllcaco do segnlnte :
O annuncio publicado bontem sob a epigrphe
- Vou para Guimares nao se entende com a
respeitavel viuva do Sr. Domingos Jos Ferreira
Guimares nem mesmo com algum dos seus em-
pregados.
Mappa dos doentet tratados no hospital por-
tuguen de Beneficencia, no mez de maio sob a di-
receo do Dr. Pitanga.
Existiam 38, entraram 46, sabiram 33, morre-
rara 4, existeo* 47.
Os fallecidos foram ; 1 de pulmona, 1 de tu-
brculos pulmonares, t de hepatite, 1 de gastro-
bepatite.
-- Repartico da polica :
Extracto das partes dos dias 3 e 4 de junho de
1866.
Foram recolhidos a' aasa de deteneao no dia 2
do correle :
A' ordem do subdelegado de S. Antonio, Custodio
empregados superiores da corto,sero dirigidas por ] Antonio Lopes o Joaquim Caetano da Motta, por
intermedio do procurador da coroa; as que sao rea- brlga.
Uvas a' secretarlas das presidencias, repartiedes e A' ordem do de S. Jos, Francisco Lins Marques,
amotinados superiores das provincias sero dirig- 'paro correccao.
das por intermedio do delegado do procurador da
cerda. Joslhomt yabuco de Araujo.
DIA1I0 SS PEBIAMBUCO.
Temos n vista sigis jornaes dos Estados-Uoi-
dos, cujas ultimas datas ataanitm a 4 de maio, che-
gados noniem pelo vapor americano izabtUa.
Em ambas as cmaras do eoagrosso tinba sido
approvada urna lei otoado o territorio de Colo-
rado caibegom de estado da nmo, o anal ficar
sondo oomposta de trila o sote estados.
dos representantes em daU do 3 do mato por 80
votos contra 59. Tendo sido apretentada uma
emenda propondo qo a ttecoeao da lei ficasse
suspensa em quanto 0 rltrUo estado nao alteras-
so a sua constituido oa parte qne exige a condl-
o de tranco para ser votante; essa emenda foi
regeitada por 95 Ootos contra 37, eotando-se cn-
tre.ot qne a ella se oppotoram alguns dos deputa-
dos. naja ndicaes.
No senado tinba sido approvada urna lei es-
tabelecendo nffl lelegrapho elctrico submariobo
entre os Estados Unidos e a ilna de Cuba. O prego
a transmssao das oommuntoaedes foi usado em
3 X dollars por 10 palavras.
Alano bancos casas commerciaes de .Xo-
va-York Unham sido vioUmas de faliifleacdes de
r
empregados da jusUr>x.
g 4a. Exercer para com os procuradores pubii-
A' ordem "do da Boa-VIsla, Justino Manoel Pe-
reira, para recruta.
No da 3:
A* ordem do Dr. delegado de capital, Manoel Ce-
cilio dos Santos, para recruta; Antonio Joio Paes
de Almeid, e Joo Cavalcante de Mello, como
guardas naclonaes designados para a guerra vindos
da Escada.
A' ordem do de S. Jos, Antonio,, escravo de um
fuo Dantas, por briga.
O ebefe da V seceo,
J. G. de Mesqvita.
Casa di iwtkhcao.
Movimento da casa de deteneao do dia 3 de
junho de 18M. ,
Existlam 353, entraram 4, sabiram 6, exls-
tem 351.
A saber.:
la^eteaaee 27, nrntnoros 13, estrangetriM 3
mulheres 2, escravos 7, escrava t.
Total 35*.
-. Alimentados a cusa dos cofres pblicos 199,
MovimeaiQ da eofermaria do da Ia de jonho de
jodur
TiterambMxa:
Hermogenes Jos dos Anjos, retire. |
Teve altt:
Antonio Vicente dos Santos, 1
Antonio Caliito de Luna,
Antonio, escravo de.Jos do Reg Cavalcante.
Passageiros da escuna portdgoeu Erna
rinda de S. Miguel:
Guimermina Luis, Manoel de.M*doiros
CHR0MC4 JUDIG14RIA.
TRIBUNAL DA RELAt'.iO.
SESSAO DE 2 DE JUNHO DE 1866.
PRESIDENCIA DO EXM. SR. C0NSELHE1R0
SOUZA.
As 10 horas da manha, presentes os senhores
desembargadores Gitirana, Guerra, procurador da
corda, Loorenco Santiago, Almeida Albuquerque,
Motta, Assis, Doria, Domingues da Silva e Vieira,
faltando os Srs. desembargadores Santiago, Uchda
rJLJrIS J a? Cavalcanti, abrio-se a sesso.
Passados os feitos, deram-se os seguintes
JULGAMRNTOS.
Appellacoes crimes.
Appellante, Pedro Americo de Almeida; appel-
lada, a justica.
Reformada a sentenca, absolvido o appellante.
Appellante, o juizo ; appellado, Manoel Alves
Atonto.
A nevo jury.
Appellante, Marcolioo Francisco de Sooza ; ap-
pellada, a justica.
Improcedente.
Appellacdet civeis.
Appellante, D. Maria Cavalcanti Meira Lima; ap-
pellado, Feliciano Rodrigues da Silva.
Confirmada a sentenca.
Appellante, Rento Vieira Pinto ; appellado, Clau-
dio Calumbi Azevedo.
Confirmada a sentenca.
Appellante, Antonio oucalves da silva \ appel-
lados, Dr. Galdino Ferreira Gomes e outros.
Julgou-se a desistencia.
Dia de apparecer.
Appellantes Leopoldo do Reg Rarros e outros ;
appellados, a viuva e Albos de Rernardo Antonio
de Miranda.
Julgou-se deserta a appellaco.
HABRS CORPUS
Concedeu-se ordem a Tolenlino Antonio Jos pa-
ra a sesso do dia 5 do crreme.
DILIGENCIA CRIME.
Com vista ao Sr. desembargador promotor da
justica.
Appellante, Francisco Alves de Sonta; appellada,
a jastica.
Appellante, o juizo ; appellado, 'Joao Ribeiro da
Silva.
Appellante, o juizo; appellado, o escrave Joao.
Appellante, o juizo; appellado, A v el no Francis-
co Correa e Oliveira.
Appellante, Lniz Jote dos Santos Galbardo ; ap-
pellada, a jasiica. .
Appellante, o juizo; appellado Jos Joo da Silva.
Appellante, o promotor; appellado, Francisco
Jos de Sooza.
Appellante, o promotor appellada, Maria Rosa
Simplicia.
Appellante, o juizo ; appellado, Jos Alexandre
de Lima.
Appellante, o joino; appellado, Manoel Gomes dos
Santos.
juorwcu cirro..
Com vista ao Dr. curador geral :
Appellantes, Manoel de Souza Serodio e outros ;
apeonados, Francisco Pereira e outros.
Assignon-se dia para julgamento dos seguintes
feitos :
A appellaco crime.
Appellante, Flix Jos Barbosa Honorato; appel-
lada o juizo.
Appellante, joiso ; appellado, Benedicto Gomes
Appellante, o oscravo Feliciano; appellada, a jos-
tica.
PAssaomis.
De Sr. desembargador Gitirana ao Sr. desembar-
gador Guerra:
Aa appellacdes civeis.
AppollaDte, Matbeos Amonto de Ferias o outro;
appellado, Ignacio da Costo Brlto.
Appellante, Jos Antonio Goncalvee; appellado,
Joio Manoel Peres. .
Do Sr. desembargador Lourenco Santiago ao Sr.
desembargador Almeida Albuquerque :
As appellacdes civeis.
Appellante, Lourenco Besem de Slqnelra Caval-
canti; appellado, Dr. Amaro Joaqnia Poaseea e i-
^A^Siio, D. Joan-te Bonif acia Pnr*; fant
ontoiro ? appellado 8ymb"^ Otjanfw > Quei-
ESg&^Vt^& !?51/faSvJ!*"*
ra.ldo, F
poellante, Joaquim Vicente Marques: appella-
Francolino Ferrol Chaves.
r iwii_j)
R^-^^^^^^^^ i i ^aaiMoi'^ae^sjnnjMa,aTTTs^n*nB*^^MM~ tvaoratavaTaaavnaramarararanna




- : --
a
rr-rr:r
Mari* **** ~ reir Kivt ft de Jnnho de 1866.


*

B
=
1Z
Do Sr. d*sembarg*dor Almeida. albaam'rqaai
ao Sr. deseaibargador Motta:
A6*pppettece3 crimes.
Appellsara, Leureace Rodriga te Silva O*
tro; appeUeo,Jos Lcaes da }lv oairo, __
Appellante, Manoel de Barros ocha Wandertey-,
appellado, Gabriel Antonio.
Appeaate, Loareaco Bezerrada SiqueiraGava-
canii; appellado, Dr. Amar Joaquim da Feaeeca
Albuquerque.'
Do Sr. desembargador Matta ao Sr. deaeaabar-
gador Assis
Appellame, Oilveira Irn** & C.; appellada, a
fazenda.
Appellante, a administrado dos caoveatos de
Olioda e Iguarass j afaeliaae, o promotor de ca-
pailas.
Do Sr. desembargoor Dona ao Sr. desembarga-
dor Ucboa CavatoenH : .
A appellago crime.
Appellaoiej o jai? appetlAdft, Jos VHnteFer-
reira. .
Do Sr. desembargador Domingues da Silva, ao
Sr. desembargador Vteira da Costa.
As appelrac,oes civels.
Appellante, Francisco Rodrigues de Almeida ;
appellda, Bernarda Mara de Espirito Santo.
Appellante, Joaqnim Goncalves Ferreira ; appel-
lado, Manoel Joaqoim Baptista.
Ao Sr. desembargador Guerra ,
A appellaco civel.
Appellante, Guimares 4 Alcoforado ; appellado,
D. Mara do Carmo Rocba Costa.
Do Sr. desembaraader Vieira ao Sr. desmbarga-
dor Santiago :
A appellafo crime.
Appellante, o promotor; appellado, Antonio De-
metrio Ca valoaoti.
os admiatotoadores da massa taluda
de Amorim, Fragoso, Santos & C-; appellado, Ru-
fino Luii doitogo toa*.
Foi confirmaba seutedc* ipaeftlfaom tima de
claracao. If
Appellantes, os administradores da massa falli-
da de AmoTitn, Fragoso, Santos fc C.; appellado,
Manoel Francisco Maraaet.
Dasaresaeam-se oa embargos.
AMpMIameB, os administradores da mam CfHda
de Aawrim, Fragoso, Santos A C.; appeado, lo-
s Domingues Mal.
Despresaram-se oa embargos.
OMMHAQE DA.
Recorrento Carlea CoitMan i recorrido Cirios
Frederico Taylor.
Primeiro dia til.
PASSAGENS.
Do St. desenibirgador Silva Guimariesw Sr.
desembargador Accioli.
Appellantes, os administradores da massa falli-
da de Joo Baptista- Goncalves Bastos; appeltados,
Keller &
Do Sr. desembargador Reis e Silva ao Sr. de-
zembargador Accioli.
Appellante, Joo Cavalcaate d Albuquerqne
Mello; appellado, Bernardioo Joaquim da Silva.
Do Sr. deiembargador Accioli ao Sr. dexembar-
gador Silva Guimares.
Appellante Julio Cotorahy, r,oraW-late tes StooM Baria
menores de Hypolito Oamood eSttjw Cate Aloes
appellada Mane Augastine Leuuie Cafa. '
Appellante Joo Pereira Rabello'BrafM appella-
do Antonio Jos de Castro.
Appellante?, os administradores da de Amorim, Fragoso, Santos C.; appellado
Jos Cordei
antea,
mor
Jos Joaquim
Magllhiesd
JE!"
d-da Ara
otes.
stradores aanasaatalli-
SaateseVC.,? appellado,
(Mt^os, atronarlo 4o
& Irmao.
_^ ma*uicAO.
Ao ft. dezeta*attaisr Silva Guimarfes.
Anralnte 1>. fsoaaeia d Abren Lkn a Bastos;
aft>ellll?*os*afiberM Gatalaraea.
ig 1. Tickleridom,
'Haliseo-.l,'Wdiversos gneros
iBgWfirt/Aanie-idem.
jrtttgea Juliodem.
rMatmnirgueza Catharine & Jane -
OTUmeToJ.
Barca portuguezaArmindapedras.
BrigMPpTtaense-flj Woli Butfttplerdt tari
o*.
diver- \
Burn \ogtnih-Imogeni -diversos
Pataoto "isftt omeu-carvao.
Bare* iflea /sabHa-carvao.
Barca iagtexaAvenacarvao.
Barca ingtoetSaphoidem.
Barca nacionalAmtzadechargas.
Bcigue naeloalBeluarioitam
Brigue naeMalAnre Sumaca hespanholaGuadalupe idem.
Patacho nacionalSo! idem.
, Hiate portugue-Serra /-idem.
O Exm. Sf. presidente jarou suspenso nos aatos Patcno portuguezS. Josidem.
RBCEBEDORiA DE RENDAS INTERNAS GE- Clausulas especiaos.
PERNAMBUCO I IftB * i:334*91 i As obras da 9. laucd da estrada da Escada se-
1:883*040 rtto exeuadas de cbnformidade com a planu e
RAES .DE PERNAMBUGa
Readimeoto do dia 1 a 2 .......
Idetti dodui...............;
CONSULADO PROVINCIAL
Rendimento do da i a i......
Uem do dia 4..............
3:218*454
3:574*065
7:793*362
11:369*427
AOTMTa .
de aggravo interposto do jaizo especial do comraer-
c|o entre partas :
Aggravante Antonio Mara Ramos; agfravado
Manoel Antonio de Azevedo, e foraro ditos autos
apresentados ao desembargador Silva Guimares.
Nada mais havendo a traur, o Exm. Sr. G. Torres.
iaiportaco.
Vapor nacional Mamanguape, entrado dos portos
do norte, manifestoa o seguate:
Do Penedo.
134 saceos 762 arrobas e 11 libras algodo; a .
presidente
1 tarde.
eocerrou a sessao as 1 tura a meia da
MEZ
TABELLA DO RENDIMEN10 DA ALFaNDEG DE PEBNAMBBCO NO MEE DlT MAIO |DE
TORRENTE ANNO FINANCE1R0 COMPARADO COM 0 DE IGAJSS- 1IEZKS- DOS DOUS-JlNNOS.ii Reg.
LTUOS.
tB6ol866
52 ditos 231 arrobas o 31 libras dito ; a J. M.
Palmeira.
34 ditos 248 arrobas e 21 libras dito
Beltro. :*.'.,
14 ditos 83 arrobas e 11 libras dito
aJ./t.
a Andra*
i

mpurtanio.
A 1 bora da tarde encerr s a sesso.
Direitos de consumo.
" ^________^ Ditos addicionaes de 5 % .
TBIBl'XAL I>0 COHHBKCIO Ditos addicionaes de 2 "/Q .
ACTA DA SESSAO ADMtNtTrUTIVA DE 28 DE Ditos de baUeaoao eroexportao
MAlO DE lflfl. i Ditos de ditos e reexportacao para

.......
.......
PRESIDENCIA DO EXM. SR. DESEMBARGADOS
ANSELMO FRANtlSCO' PSETTI.
s 10 horas di riratitr, estando presentes os
Sfs. depotados Rosa, C. Alcofwado, Basto e Mi-
randa Leal, o Exm. Sr. presidente dedrroa ater-
a a sessao. '
Lida, foi approvada a acta da precedente ses-
sSo.
EXPEDIENTE.
Ofllcio do secretarlo da joota do corretores, da-
tado de hoje, juntando o bolettm commercial da so-
mana prxima paseada.
Ao Sr. depntado Basto foi distribuido o Ilvro co-
piador de Manoel de Sotiza Gefdelro Simoes J-
nior.
DBSPACHOS.
Requerimento de Paulino Ferreira da Coala e Ma-
noel Moreira Ribeiro, subditos portuiroezes, domi-
ciliados netta citlade, pedindo o registro do paf el,
que juntara do contrato de sua sociedade commer-
cial. Vis** ao Sr. deseribargador fiscal.
Dito de Antonio Feraaiides de Flgtwiredo Paiva,
pedindo que fosse admiltldo a registro o papel de
a Costa.
d'Africa .
Expediente dos gneros estraogeiros nave-
gados por cabotagenr. ... .
Ditos dos gneros do paix ......
Dilos dos gneros livres.......
Arniazenagom1......., .
Premio dos assigaados ..*..,.
Despacho martimo.
Ancoragem............
Direitos de lo /p das embarcaQSesestrangei-,
ras que passam a nacionaes
Ditos de 3 % na compra e* venda das embar-
cacoes............'
Exporta^ao.
Direitos de 13 % do-pao Brasil.....
Direitos de 7 % de exportacao ....
Ditos de 2 %idem......
Ditos de 1 % de ouro em barra ....
Ditos do llt dos diamantes. .....
Expediente das capatazias.......
Interior,
Multas.............
Sello do papel lixo......^ .
Emolumentos
Imposto Jos despachantes .
Extraordinaria.
Receita evental .
. .
compra que Bzera Henrque Jos dos Sanio*, da; Dito do papel proporcional.
padaria sita na ra Direila desta cidade n. 129."
Registrese.
Dito de Jos dos Santos Oilveira e Manoel Janoa-
rio de Arroda; pedindo o registro de contrato de
sna sociedade commercial, o qual juntara.Vista
ao Sr. desembargador riscal.
Dito de Schafheitlin & C, pedindo o registro de Dizimos da provincia das AtegOas,
urna procuraco bstame, que joniam. Keglstre-se. I Ditoe da provincia da Parahylia .
Com informago do Sr. desembargador fiscal. I Ditos da provincia do Rio Grande do Norte.
De Theolotrio de Oilveira eves e Manoel Pratt- Contribuidlo de caridade......



412:944*003
32:2:29*872
30*949
48*228
#
929*473
1:963*239
837*i5i
845*400
3:335*100
573*000
38*000
.
*
139:632*8!
*
1:390*980
1:027*188
573*180
281*780
94*z00
680*000
Alfandega de Pernambaco, 30 de maio de 1866.
cisco Ferreira, para ser admittido a registro o seo
contrato social.Registre-se.
De Jos Vellos Soares a Filbo, para se* Ibes dar
titulo de irapicheiros.Como requerem.
Sendo presente um olflcio do eserivo do iuizo
especial do commereio Manoel Marta Rodrigues do
Nascimento, firmado de 26 do crrente, reverteado
os papis da flanea que de novo presura o agente
de leudes Francisco Ignacio Pinto, o tribunal de o
quinte despacho :-0^offlcUb^wr.otoriM B, t d Novo Banco de Prnaiuliuco, em
ae tem sido praxe prestavetn os correctores e agea- vvwv
tes de leoes Banca em predios, nina vei que a le} o w* M 'or-
nada diz a respelto. activo. onnnA
Sendo tambera presente a inrormatao dada pelo I Apolicesda divida publica........ 8/0.800^000
offlcial-maior da secretara relativamente ao laclo > Estrada de ferro d Baha........ ^V-^'S^lxx.
de se nao ter colado no boletim commercial da juu-1 Joias depositadas...... 5:73o*280"
ta dos correctores o preco de varias vendas de al- Ttulos depositados...... 57:461527
608:466*877
4:498*406
5:083563o
189*750
884*475
6t8:823*193

1864 1865
.
II mil.-lili H
3:88(1*4
63:132*497
73*024
521*1132

501*024
2:174*083
607*820
3:128*406
.
3:501*750
*

64*000
*
86:667*346
j
1:011
775*319
520*800
233*500
76*000
487*600
648:356*323
3:443*044
8:091*341
1:180*775
900*050
662:029*503
1863 1864
i
49ditos 200-arrotmB-9 Hbras dlw; a C. C. da
Costa Moreira.
28 ditos 118 arrobas dito ; a Mindello Oilveira
&C.
141 ditos 653 arrobas e 6 libras dito, 20 ditos
milho, 100 ditos arroz com casca, e 60 latas-oleo
de nciae ; a diversos!
100 saceos mil no ; a F. de Paula Andrade.
36 saceos algodo,0 ditos arroz ; a ordem.
Brigue nacional Trovador, enfado do Rio de
Janeiro, consignado a Marques Barros & C, mani-
festoa o segara** :
Genero estrangeiro ja despachado para con-
1:837*068. soma
1:734*017 14 balas papel de lia no, 1 quartola e 3 me i as di-
125*940 tas vioho, 8 caixas machinas para desoarocar al
1:226*932 godao, 80 ditos ogo da china, 1 barril cerveja, 2
5 caixotes miodeas, 3 calas copos e callees, 20 di
tas mercadorias, Q caixoes cestinhas de vime, 5
2:147*400 quartolas adueilas de barricas de farlnha, 300 bar-
: riquinhas e 252 meias barrma vasias; a ordem.
497:875*760
06:362*890
93*346
281*410
. i
-f-r*

130*000
1:381*000
*
139:183*725
14*392
*
1:407*740
597*195
499*200
Gneros aaotonaes.
1 barrica tinta de escrever, 5 ditas e 1197 sac-
eos caf, 8 caixas rap, 72 rolos ramo, 14 pipes
graxa, 103 caixas sebo coado, 340 arrobas graxa
embexigas; a ordem.
Patacho nacional Bemftca, entrado do Ro Gran-
de do Sol, consignado a Bailar A ( liveira, nrani-
festou o segninte :
10,307 arcobas de charqae, 1,548 bexigss com
219 arrobas de graxa, 40 lages, 10 couros vaecuns;
aos mesmos.
Escuna baonoveriana Alib Carotne, entrada do
Rio Graade do Sal, consignado a Antonio Lula de
MOVIMBrTO DO POMO
Naviot entrados no dia 3
London, Plymoutb, Madeira e 8. Vicente-21 dias
vapor encouracado inglez Columbus, de 418 to-
neladas, capitao Turner, eqalpagem 40 em las-
tro ; a Willson & Hett.
Nrvtoi saludos no mesmo dia.
Rio Grande do Sulbarca nacional Thereza, ca-
plto Carlos Esleves Alves, carga assucae agur-
dente.
Portopatacho portuguez Novo Lima, capitao J.
M. des Santos, cara* asencar.
Nawot entrados no dia 4.
Baithimore por S. Thomaz 28 dias do primeiro e
17 do segundo porto vapor americano /soo, de
648 toneladas capitao Urigg, equipagsm 40, em
lastro; a ordem.
S. Miguel 31 dias escuna portugueza Emma, de
85 toneladas, capitao Angosto Borges Cabral,
equipagera 12, em lastro, a Joo do Reg Urna.
Navios safados no mesmo dia.
Montevideovapor Villa del Sallo, capitao Paiten,
em lastro.
Portos dfe Sulvapor aacional Santa Cruz, com-
mandame o 1 teaente Alves de Antojo.
Otteroace.
Fundeou no lamaro o brigae portuguez Bella
Figtatmm, mas aaoteve! oenwBDOcaeio
terrd.
16-905O0O **' 01*M** *" Pirjlela de
11 o. *
: O arrematante advera- cumarir restricuroente as
nstrtccSes do engenheiro fiscal da obra e as con-
diccSsi do orcamaato e contrate. ^
III
O aVMMUnte- oar eomega as obras no praso
de f das, e as coaeluirA no da 14 mezes, ambos
coafado da datada coMKto.
O pagamaotc* gero MU tres prestagoes
igoaes, correspondentes ao valor da obra feta,
I menos o empedramonto qne ser em urna so pres-
taco, 'qTiandoTrzerli entrega provisoria.
V
De cada prestacao sera' deduzido o que deter-
mina o art. 83 do regolamento de 9 de julbo da
VI
Orecebimento definitivo de todo o Unco, e obras
sera* 18 meies depols da entrega provisoria.
Vil
Para todo mais que nao eetiver aqni especifica-
do no contrato, seguir-se-ha o que prescreve o re-
ferido regulamenlo das obras pubhcas.
Conforme.Miguel Affonco Ferreirfc
ffEClARJsffS
C&MPJUfttIA
DO
EDITAES
188*540 Oliveira Azevedo, manifestoa o segniate :
wttu
80*000
216*750
80*000
715:217*766
3:907*812
4.003*709
392*460
1:168*870
9,120 arrotas da cbarqae, 94 ditas de graxa em
bexigas, 44 ditas de sebo em pes, e 40 couros
vaecuns; a ordem.

O 3* escripturario,
Joao dos Santos Port*.
ALFANDB1.A DE PBRNAMBCO.
PAOTA DOS PR1COS DOS GNEROS 8UJEITOS DA IREITOS
DE EXPOBTAQAO. SEMANA DB 4 A 9 DO MEZ DE
JIHO1806.
Mercadorias. Unidades. Valores.
; Abanos. ....... eedto 2*500
1 Agoardente de cana .... caada 900
724:750*670 dem restilada ou do rerno 800
====== dem caxaca........ 360
dem geaebra...... 880
** 900
NOVO BANCO DE PERNAMBLCO.
30
Letras depositadas...... 33:392*990
Letras caucionadas..... 4:530*000
Letras descontadas..... 942:938*939
Letras receber...... 18:426*735
Letras protestadas..... 217:490*998
Banco da BahiaN/C ...... 172:783*878
Francisco de Pigueiredo & C, do
Rio de Janeiro................ 281:880*389
godao que houveram durante a semana que findou
em 10 do corrente, o tribunal resolveu que se offl-
ciasse ao presidente da dita junta, reeommendaodo
a fiel execuQo do % 6o do art. 41 do decreto n. 806
de 26 de julho de 1851.
Resolveu mais qne fossem avisados es correcto-
res da praca para que pelas 9 horas da manha do
dia 1* de jnnbo prximo vindouro comparecessem
ante o tribunal munidos dos livros com que func- Aluguel de casa
cionam, nao sendo o motivo de molestia aceito como Fornecimento .
excusa. Juros-----.......
Outro sim deliberou o inesiao tribanal que todos Despezis geraes
os correctores se reunissem as 3 horas da tarde de Caixa.........
cada dia til, no edificio da associaco commercial:
beneQcente, afim de miuistrarem as olas o es-
i vio para a factura da cotaco semanaria que a j un-,
ta dos correctores tem por dever e obrlgacao en-
viar aos tribunaes do commereio.Officiou-se nes- Capital.....
te sentido ao presidente da junta, ao da associaco Emisso............
aommerciai Beneliceole para franquear urna das Letras por dinbeiro
salas do edificio da praca do Commereio parase- juros ....................
melnanle lira. Contas correntes com juros
CompareceDdo Manoel Camello Pessoa, procura- Comas correntessimples
dor bastante de Luiz Goncalves da Silva, assignou
o competente termo de juramento para
1:108*320
3:0005000
r: 9325 re
2:916*102
238:674*979
Reis.... 3,005:846*754
expedico da carta de registro do brigue tuza.
Constando ao tribunal nao se acbarem garanti-
das na conformidade da lei as flaneas prestadas
pelos agentes auxiliares do commereio abaixo de-
clarados, resolveu que fossem elles intimados para
o fazerem com a mxima brevidade.
COa RETOBES.
John Gatis, nao tem o 2o reformador.
Henrique G. Slepple, nao tem o 1 dito.
Francisco Mamede de Almeida, nao tem o 2o dito.
Luiz Amavel Dubourcq Jueior,Bo lera o i" dito.
Joo da Cruz Macedo, nao lem os reforcadores.
Antonio Botelho Pinto de Mosquito Jnior, Idem,
idem.
Bernardino de Vasconcellos, sao tem o 1* re-
orcador.
AGENTES DE LEILES.
Francisco Goncalves de Oliveira, idem, idem.
Jos Mana Pestaa, nao tem o 2 reformador da
1' llanca.
Jos Eusebio Alves.da Silva, nao tem os retorca-
dores.
Antonio Jos Cordeiro Simdes, nao temo primeiro
reforgador.
Nada mais bavendo a tratar-se, foi encerrada a
sesso s li horas e meia do dia.
SESSAO JUDICIARIA EM 28 DE MAiO DE
1866:
PRESIDENCIA DO EXM. SR. DE6EMBAR0*00B
A. P. PBREITI.
Secretario, Julio Gumar&et.
As onze horas meia da maahao Exm. Sr. pre-
sidente declarou abena a sessao, estando reunidos
os Srs. desembargadores Silva Gaimares, Reis e
Silva e Aceioli, e os Srs. depulados Rosa, Caadido
Alcoforado, Basto e Miranda Leal. .
Lida loi approva*a a ac*a d precedente sesso.
ordenou que se nwsae
PASS1VO.
.....2,000:000*000
............. 93:050*000
recebido a
62:898*450
. 374:592283
9:2329024
Fundo de reserva. '. 124:721*523
ter lugar a Ttulos ero cauco..... 96:589*346
Banco da ltahia S/C
Rnowles & Foster, (de Loodrei.l
Banco da Babia S/C.............
Dividendos........
Premios de saques e remessas. .
Premios e commissoes..........
Deaconlos........................
117:631*133
15*270
4:172*333
3:517*600
3:000*000
99*300
84:304*090
Ris. 3,003:846*754
Estado da caixa.
Em ouro amoedado...... 36:958*000
Em notas do Ihesouro de 10*000 15:100*000
Em ditas mrtwres de 10*v 30:225*000
Em ditas da caixa filial do Ban-
co do Brasil....... 176:190*000
Em trata e cobro 201*979
Ris. 258:674*979
247 notas do valor
313 t
ic
Dcmoastraeid da emisso.
de
200*000
100*000
30*000
49:400*000
31:300*000
12:350*000
S. E.e-0.
Ris 93:050*000
O guarda Uvros
Francisco Joaquim Pereira Pinto.
Cmara muijieieal do Recite.
M-ATADOUIlO PUBLICO DESTA CIDADE.
Mataram se para o consumo desta cidade no mez
dff nro do corTrirt no 745 rezes.
foanfo &ddlttoHlblra A C............. 790
IrtWNraao dO PfrS....... ..... 3*5
descer para o respectivo cartorio os autos de ra^ *| Lucto Lins..... ;j- ....... 5}
vista denegada pelo supremo tribunal de justica Chrysostomo de Alboroertide....... 291
entre parles : fe ^t^fe"........ l?
Recorrentts es administradores da massa fallida g "a?cTf. S*lta L,ma........
de Seve F.Ihos a C e ootros. aDoeJ Pa' de Alfeuquerque...........
Recorrido Franeisco Xavier de 0**ir. S^^fSfJ? r"^ LZ'
O Eam. Sr. presidente ordenou qae de ora em WeneesIJO Machado Freir Pereira da
diante se declare as acias das sessoes deste trillo-J. f. '";; jfl............'"
nal da pnmeira conferencia de cada semana, que' Benarmino A'yPS ATOJm- v. .....
os escrives de protestos de letras apresentaram- i Jominano Josff o ^aomierqTje.........
lbe os seus livros : e que m ditas actas se inscre- Manoel Joao, -ares.......
veram igualmente'as datas das ltimos protestos.
sr
Os escrives apresentaram ao Exm. Sr. presi-
dente os livros dos protestos de letras.
O eserivo Albuqaerque inscrevea o ulliuw pro-
testo a 23 do ates oate mer, e eserivo Alvos de
Briuo a 22 do indicado mes.
minaion
Appellante, Virginio Barbosa da Ufa appelia*
dos, Cardoso & Souza.
Receberam-se os embargos asa parle.
Appellante, Manoel Rodrigues Varas ; aapelia-
do, Pedro Barroso Valente Veras.
Aunullou-se procatsa da felfeas 16 em diaote.
Appellante, Francisco Antonio da Brila-v #**- ,
lados, Bocha Minada, Filos C.
Appellante, Josa Pate da Leaos Jaawr ; apa*
lado, Antonio Peregrino Cavalcaate de Albuquer-
qae.
Adladoapid*doSrs.dep.ta4os.
Appellantes, os administradores da m*|tffl.faJJ'-
Str^BHaWff* ***** ^PW'
FM cenfirra-ia a seiltoeca ppelada.
Appellante, D. Francisca de Salle* Candida da
Rocha % appeltoda,^oal|0*'L W4e.
Annuiloa-ie o proceaw cog o voto do kn, sr.
presidente.
Jacob da Silva..-...'...................
Ernesto Celestino de Mendonca..........
T
77
OOf
59
39
2,745
, ConlaaWtt
*i868.- ^,1
manrclpai dd Rectfe, f m /nirto
O^tmtadbf,
Caetano SUverio da Silva.
H I I II II III
Publicac^es a pedo
mk> .i.-iimnrt iiii'i h im nmiiicuni
Pede-se o Sf. Coimbra qu, zeloso enmpridor
4a seos deveres como empreiario do Santa Isabel,
reprehenda a um dos seus empregados, um indivi-
ge sol, o qual alm de ser bouco agradavel no
"ixaroieio de suas funecies, demora se da proposito
reentrega d'esses objecti A pedMo* de algU-
sSoas, fazemos esa pubcacao. e esperamos
' "f^wb pvpentadOres do thevtro).
Idemacoolou espiritode agna-
ardente .......
.____________________. |__ Algodao em caroco ....
dem em rama da ertt la .
AO publico. Arroz com casca .....
Manoel Fernandos da Costo & C*. Candido Al- dem descascado ott pflado .
berto Sodr da Mbtta e Jos Francisco Xavier de Assucar mascavdo ....
Mello, lendo no Diario de Pernambuco n. 126 de 2 dem branco .:.....
do corrente ama correspondencia, que Jos da C. dem refinado......
Redondo fez publicar de ma' f, e no proposito d (AzeiteHe amendoi'm o mefldo-
llludlr ao jaizo do publico como dos tribunaes do i bim ........
pan, e com referencia os negocios do aetivo e dem de coco
passivo de sua casa, pretenden) dar-ihe a conve-
niente resposta, e mostrarem de .que lado esta' a
razo e boa f.
E porque para isto seja-lhes necessarto docn-
mentos que acbam-se juntos a autos, e por isto seja dem fina
mlster algans dias, apressam-se em protestar Caf bom......
contra a materia de ama tal correspondencia'; e [dera escolha ou restolho. .
lauto ao publico, como aos rribduaes pedem a sus- dem torrado.....
pensSo de jaizo por algans dias, nos qaaes a ver- Cabrs .......
d a de sera'esclarecida e resta belecida. Cal.........
Reeife, 2 de juttbo de 86fl. dem branea .....
i.i^ii Carne secca (xarque) .
PastHhtts venuifugas de Henp Carneiros
.
arroba
>
i

caada
. .
dem de mamona .
Batatas alimenticias ....
Bolacha ordinaria, propria para
embarque.......
.....
arroba

*
libra
um
arroba
um
arroba
ama
libra
cento
Criancas atormentadas por vermes podin S^Kicupira" '. '.
ser alliviadas com orna s dse de paslilnas cera de carnauba em bruto,
vermfugas de Kerap, qae sao incitantes me dem idem em velas .
apparencia, e deliciosas demais no seugos- j|a .......
to para serem regeitadas. Estas pastilbas SosS(porcosj '. '. '. '. S
s5o muito procuradas por qatro motivos: c^os (seccos) ..... cento
nio coolm mineraes; nao precisam depois Coila........libra
de purgante; effectuam o que se de3eja sem Couros de boi, salgados^. t
causar dor; as criancas estao prompUs a SSJX **^ '. '*
tomar maior dse do que a marcada na re- idem idem cabra cortidos
ceita. Nenbuma mai qne j as tenbas expe- dem idem de onea .
rimentado um vez quer outro vermfugo poces seceos .". .
n na paoa ldem em ^e,ea m m3S!A *
na sna casa. __. i dem era calda ..... >
A venda por todo OS prirteirOS drogUlS- Repasadores grandes um
tas no imperio, e em Pernambuco por Gaors dem pequeos ...... >
4 Barbosae J. da C.Bravo & C. lEsteiras para forro de esvas
......______ de navio........cento
san ; Estopa nacional. .
I Farinha de de mandioca .
um
libra
A jurubeba,noYa substancia L*
medicinal.
A jurubeba urna das substancias medicamen-
tosa!, qae pertencem ao reino vegetal, e perUnce
i classe dos tnicos e dasobslraentes, sendo em-
preada com vaotagem contra as febres intermi-
tentes acompanbadas de engorgitamenlo de figado
e bago. Ella tem sida apaUcada com incontesta-
vel proveito contra a anemia ou clorse e bydro-
pesi*, catarrho da bexig* e mesmo para eombater
a meostrnacaodifllcil, resollante da mesma anemia
ou olorose.
Extrato alcoolico da jurubeba.
Emplastro idem.
Oleo idem.
Tintara idem de Idem.
Xarope idem,
Vinho idem de idem.
Pilulas de ext. idem
COMMERCIO
m
'iW
'K. '': '
lates
PRAC*DO
cotaeoes
dei_
horardT tarde.
Algodao de Macelo 1330O por arroba posto a
' Bordo.
Cambio sobra Londres 90 div. 26 d. por 1
uboarcq Jnior,
nnraniM.
J .
. .' .
....
J i .'
.
....
....
. .
....
SOTO fe
O NovoBaaoo
s2a.
de PeruH

lavas a 10 per cerne
ao anoo, toma Msairo prava Ixo on em coala
correte pete prsate e eeatitedes qae se eonvea
ciaoar. o saca sofcaa a praca da Babia
Noro Banco itEenmt^
O novo banco
raz3o de MISO p
Feijao de qualquer qudlidade
Frechaes ......
Fumo em iolha, bom .
dem ordinario oa restolho
dem em rolo bom ....
dem ordinario on restolho. ..
Gallinhas ......
Gomma.......
Ipecacuanha (rata) ....
Lenha em acnas
Toros v 9 .'
Linhas e esteios .
Mel oameiaco .
Milho ....
Papagaios .
Pao Brasil .
dem de jangada.
' Pedras de amolar
dem de filtrar
dem de rebolo
Piasssv........
Pontos, oa cbifres de vaccas oa
nOVnOS ''' .- .
Pranchoes de amarello de idas
costados ........
dem d lodrtr......
Rap ..... ;-..;
Sabio i < .
8aL......- -
Salsa parrilha. .
Sebo em rama .
dem em velas .
$01* etaltaqaeta. .
Tanoas*alnarell.
* diversas .
Tapiocas. ,fc^.
TatajQba.......
Travs....... .
Unhas.de boi ;
Vassooras de de pilssava .
Ditas de timbo.....
tas de carnauba ,
arroba
alqneire
arroba
1|500
2JW00
1
2*360
15800
1*400
15500
35000
75000
75000
65500
440
360
400
580
SSS
15600
35500
320
i 500
25000
35000
155000
45OOO
660
160
360
100
380
O5OOO
I5OOO
360
520
45000
25OOO
165000
25000
25500
45000
25800
55000
155000
85000
105000
85000
15000
25800
255000
25500
125000
65000
180
15600
35000
65000
55000
900
800
15000
160
35800
205000
Rsodimento do da i
dem do dn4.........
***.a.k
MOVIMENTO DA A
Voiiims entrados com Oti
< < com
AKDBGA
1S4
no
Volamos sabidos ecm ftasMat... 134
1 tm feaeros----- 57
Deaearregw baje 9 da jaabo.
[Barca franceia--C>/i9li|f~aieTca9rtas.
I Galera franeezaAmebamercadorias.
*%
701

. .
um
arroba

1
*
ama
arroba

eento
1
um
caada
arroba
um
qnintal
ftxA
ama

moldo
eento
o* *
libra
alqneire
arroba 255000
?jooo
25000
1405000
87,

*
>
ama
duzla
0 !6 dividenrio n cera le carnauba. .
, CJiesoeiras de jacaraar.
Encbameis......
51 0755087 EsteiMS da-oaroanba. i
26:6455606 0a09. .......
' Penna de ema .
Sapatoe de couro braneo*
Era ot aapn.
caato
>

caoada
de'Perna'muco, 2 de junhe de 1866.
KABITAMMiUdO. > .
arroba
duaio <
nm
on
froto
aoiho
Ubia
aar
O Dr. Tristo de Alencar Araripe, offlcial da im-
perial ordem da Rosa e juiz especial do com-
mereio n'esto cidade do Reeife, de Pernambuco
Por sua magestde imperial etc.
ac saber aos que o presente edltol virem e
d'elle noticia tiverem que no dia 2 de julbo do cr-
reme aono se ba de arrematar por venda a quem
por elles mais der o segrate :
Um sobrado de um andar sito no caes do Apollo
fregoezia do Reeife. com o n. 32, com tres varan-
das de ferro na (rente, e oilo do lado, coia quintal,
tendo o 1 andar dous grandes salos, oceupado
dito predio com armazem, avallado por 10:0005-
Urna casa terrea sita no caes do Capibaribe fre
guezia da Boa -Vista, com o n. 8 A. com ama porto
larga e urna porta pequea aa frente com tcaveja-
mento para urna solea em caixo, avaliada por
1:50005.
Urna dita- no mesmo lugar e fregoezia com o n.
8 B, com tres jaoedas de (rente e seis quartos, com
travejamento para ama sota, e com quintal, ava-
liada por 2:5005-
As quaes foram penboradas por exeiucao do
London aad Braiiliaa Banks contra D. < Mara
Theodora Alves Ferreira por si e como tutura de
seos Albos.
E nao havendo lancador que cabra o preco da
avaliacao, a arremalaco sera' feila pete preco da
adjudicado na forma da lei.
E para que chegue ao conbecimenio de todos
mandei passar o presente que ser*' publicado pela
imprensa e afflxadcr nos locares do coslume.
Reoife i de joobo de 1866.
Eu Manoel Maria Rodrigues Rodrigues do Nas-
cimeoto o sobscrevi.
Tristo de Alencar Araripe.
O Dr. Tristo de Alencar Araripe, oficial da impe-
rial ordem da Rosa e juta de direito especial
de commereio desta cidade do Recite de Per-
nambuco por S. M. Imperial e Constitucional
o Sr. Dora Pedro t, a quem Deas guarde
etc. ele.
Paco saber aos qae o presente edital virem e
d'elle noticia tiverem qne no dia 2 de julho do cor-
reato anoo, se ba de arrematar por venda a quem
por ellas mais derenvo.segninte :
Um sobrado de um andar sito no caes do
Apollo, freguezia do Reeife, com o n.3i,com 3 va-
randas de ferro na frente e 8 de lado, com quintal,
teodo o Io andar 2 grandes sallSes, oceupado, dito
predio com arraazera, avahado p Urna casa terrea sita no caes de Capibaribe,
fregaezia da Boa-Vista, com o n. 8 A, com urna por-
ta larga, e urna porta pequea na (rente, com tra-
vejamento para nina soleia, em caixao, avaliada
por 1:5005000.
Urna dita no mesmo logar e freguezia com o
n. 8 B, com 3 jmilas da (reate, 6 quartos, com
travejamento para atas, soleia, com quintal, avalia-
da por 2:5005000. .
As quaes foram penhoradas por execucao de Joao
Frederico Jorge Eladio contra D. Maria Theodora
A Ivs Ferreira, por si e como tutor 1 de seus filhos.
E nao havendo lancador que cubra o prego da ava-
liacao, a arremalaco ser feila pelo preco da ad-
judicac,ao oa (rma da lei.
E para que chegue ao conhecimento de todos,
mandei passar o presente, que ser publicado pela
imprensa, e afiliado nos lugares do coslume.
Recito, 2 de joano de 1866.
Eu Manoel Maria Rodrigues do Nascimento,
eserivo o sobscrevi.
Trtsto do Alentar Araripe.
O Dr. Tristo de Alencar Araripe, offlcial da Imde-
nal ordem da Rosa e juiz espeeial do commereio
nesta cidade do Recito de Pernambuco, por Sua
Magestde Imperial e Constitucional o Sr. D. Pe-
dro II. a quem Deus guarde, etc.
Fago saber aos que o presente edilal virem e
delle noticia tiverem, qae por parle de Luiz Fer-
reira de Almeida me foi dirigida a peiicao do theor
seguiute:
Illm. Sr. Dr. juiz do commereio.Diz Luiz Fer-
rein de Almeida^ que evendo-lhe Joao Jos da
Silva Villar & C, a quantia de 1:0005 proveniente
da letra junta alm dos respectivos jaros, quer o
suppilcaote (are lo citar para a primeira audiencia
deste juizo, adra de ver assgnar-se-lbe os 10 dias
da lei para dentro deltas allegar os embargos que
tiver, e nao o fazendo ser condemnado ao paga-
mento da quantia pedida, joros e castas, sendo di-
ta eitacao feta sob penar do revena. E como este-
ja o sapplicado ausente em lugar Incerto e nao sa-
bido, reqaer o suplicante a V. S. digne-so admit-
idlo a justificar a sua ausencia para que seja elle
citado por editaes na forma da tai.
Nesles termos reqaar e pede a V. S. dererimento
e recebera merco.O avogado Joao Teixeira.
Na qual dei o despacho do taeor seguate : jos-
liriqoe a ausencia no dia 11 do correte mez as 11
horas da manha. Recite, 9 de maio de 1866.
Alencar Araripe.
Em virtude do qual lora a mesma petigao distri-
buida ao eserivo deste juizo Manoel Maria Rodri-
gues do Nascimento. Modo sopplicaoie pro-
dusido suas testeraoohas, sellados e preparados
os aetos suWram a miaba oeaotnsad e ositos dei a
sentenga do tbeor segninte :
Het por justificada a ausencia dos soppllcados,
qae se ciuro por edllos de 30 dias para o le re-
querido. Recito, 28 de maio de 1866.Alencar
Araripa. .
Por torga da qual o referido eserivo fea passar
o presente edital, pelo qoat enamo, ato e mi per
intimados os ditos soppllcados. para que compara
gam oeste juizo dentro de indicado praso, adra de
allegarem o qnalr dajostiea.
B para que oaagd ao ooahaeiawakv de tedos
mandei passar o presente, que ser pnWieado pela
Imprensn e affixado aos lugares do cosame. Re-
cite, 30 de mate de 1066.
Ba aVeaadiaarBIaaaoro da Canta*, eserevate
juramentado o escrevl.
Era Maaoal Mafia Rodrigues da Nasoiaente,
eserivo o sobscrevi.
. Tristo de Alencar Araripe*
- film. Sr. inspector da taasaararia roH0-
ia+, e*a pamarimeato da ordem da Bao. U-W-
sidente da provincia d 28 do eerreoie, manda fa-
ijttSAY zer poblieo, ana ao dia 30 de agesto proalma vm-
^nX do ZUU goofarta, s* ba da arrematar a saem por meos
W> flxsr, a obra do 9.; lajeo da surada da Eseada,
AMO oa Importancia de 16-9055000. .
a\c\n A arremalaco ser feila na/orma da lei pro-
*^*f vlacial o. 343 da 13 de mato as l|L.a sbb as
sw clausulas especiaos abaixo declaradas;
As pessaas ejue se propnzerem t essa irremaft.
SI
g;
O caixa desta compaubia commeodador
Thomaz de Aquinj Fonaeca, aeba-oe auto-
*! ritado a pagar no seu eseriptorie- ruft do
Vigario n. 19, das 10 horts as 3 da tarde
do dia 29 do Corrente em dlante o 36 di-
videndo desla companhia na proporc^o de
30 por cada accao; previne-se aos Srs. ac-
cionistas qae este pagamento devr ser em
cobre \ isto ser na especie que o mesmo Sr.
caixa recebe dos arrematantes des chafari-
zes desta conapafihia.
Escriptrio da Companhia do Beberibe 28
e maio de 1866.
O secretario,
Dr. Jo5o Jos Pinto Jnior.

105000

c*
Santa Casa da Misericordia
do Reeife,
A Illm.* junta administrativa da Santa Casa de
Misericordia do Recito manda fazer publico qu
no dia 7 de jnnbo prximo futuro pelas 4 horas
da tarde na sia d suas sessSes te de ir pra-
ga a renda das casas abaixo mencionadas por lempo
de um a tres annos.
Os pretendentos deveo comparecer acompanba-
dos de seus fiadores ou munidos de cartas destes.
EsUibeleciiueMtod te caridade.
Ra da Imperador.
N. 1 particular e 24 pdblieo, sobra-
do de 1 andar.......6795000
Roa Direlta.
N. 3 dem e 8 Idem, sobrado de 2
andares.......... 1:0675000
Roa do Padre Florlano.
N. 5 idem e 49 idem, casa terrea. 1813000
N. 6 idem e 47 idem. casa terrea. 186500u
Una do Paeundes.
N. II Mera e 32 idem, casa terrea 1555000
Travessa de S. Jos.
N. 13 dem e II Idem, casa terrea. 1535000
N. 14 Idem e 5 idem, cas terrea. 1695010
Ra dos Pescadores.
X. 16 Idem e 11 idem, casa terrea 2165000
Ra das Calcadas.
N. 20 idem e36 idem, casa terrfca. 176500O
N. 21 idem e 38 idem, casa terrea. i75j00
Kua da Viragio.
X. 26 idem e 7 idem, casa terrea. 2045000
N. 27 idem e 19 idem, casa terrea. 1565..00
Ruade Santa Thereza.
X. 32 idem e 3 dem, casa terrea. 1685000
Ra larga do Rosario.
N. 38 dem e- 24 dem segundo e
terceiro andares...... 6OO3OOO
Ra do Calaboaee.
N. 40 dem e 18 ideal, casa terrea. 1855000
Boceo do Qaiabo.
N. 49 idem e 8 idem, casa terrea. 1415000
Ra da Gloria.-
N. 31 idem e 55 idem, casa terrea. 1445000
Raa do Encantamento.
N. 52 dme 3 dem, sobrado. 4005000
Ra do Padre Florlano.
N. 67 idem e 65 idem, casa terrea. 505000
Ra do Apollo.
N. 91 idem e 24 idem, sobrado de 2
andares..........1:4005000
Ra de S. Bom Jess das Crioalas.
N. 61 dem e 8 idem, casa terrea. 1315000
. Patrimonio de orpho.
, '' Ra do Rangel.
oasa terrea n. 6 particular e 56 pu-
blico........... 3005000
S. Goncalo.
Casa terrea a. 10 particular e 22 pu-
blico. .....1895000
Rosario da Boa-Vista,
dem n. 14 particular e-58 publico. 1685000
Azeite do Peixe.
Sobrado de 1 andar n. 68 particular
e 14 publico........6OO5OOO
Roa da Cacimba.
Casa terrea n. 65 particular e 5 pu-
blico. 7.....1445000
dem n. 67 idem e 10 idem. 83*000
Ra dos Burgos.
Casa terrea n. 68 parUcular e 19
pa-Lhco...........1915000
Roa do Encantamento.
Sobrado de 2 aodares n. 76 particu-
lar e 11 publico........ 900500O
Senzala Velba.
Casa terrea n. 81 particular e 18 pu-
blico............ 2O050OO
Ra da tiuia.
Casa terrea n. 83 particular e 27
publico. ...-....
Mema. 84 idem e 29 ideo.
Raa do Pilar.
Gasa terrea n. 91 particular a 105
publico..........
dem n, 92 idem e 103 idem. .. .
dem n. 94 idem e 99 idem. .
dem n. 97 idem e 110 idem .
dem n. 105 idem e 94 idem.
dem n. 5 sitio 00 Forno da Gal. .
A mesma Illm." junte em virtude de
cao tomada em sesso do 1* de joobo manda lazer
publico que os predios abaixo declarados cuja ar-
remalaco ficara adiada, vao de novo a praca com
alguma* condiccoes que serao apresenladas no
acto da arremataban.
Eslabeiwimeatas de earrdade
Roa Nova.
N. 45 particular e 67 pabllco sobra-
d ara indar.........:03i5030
Raa da Moeda.
. 85 particular d 41 publico sobra-
do de um andar........2865O0O
Ra da Moeda.
N. 64 particular e 37 publico sobrado
do de 3 .andares. .4....._* 4805000
patrimonio de erphw
Rea da Madra de Daos
N. 27 particular e 10 paWica asa
terrea. >.. #' t -* O8I500O
Secretoria da Santa Gaaa da- Miaettoordia. do
Recite 4 e junao de 1836.
O aserivaa iateriio,
Pedro Rodrigues; de Souza,
do
Awro>-jraa^e'dattflMfla^^ *, p "tf*!* ^SJ*.
da liad.A. Enialio.
(Assignados
O O aanfllPnfa, Jba Jltoaai tUrm
&Xt&*t*m,imd*YrtM BarUitt
conforme. 0 4.* aaariptBtario, AUsandnno
'Skmai a"'Aqttma Corta.
tunta, ao da cima indicado, pe! meto df# e
eoapeMMemerjte (Mbelftodft.
E para eoaitar sa-maadoa paBHcar seto toraaf.
Seeretarta da Mtostararto prottoeiil e Nraam-
baeo, ds mato de lW.
O offlcial da secretaria
Miguel Atronco Ferreira.
Caixa il*ai do bie4)d Brasil ePeT-
aBiietMdemaiadefSM.
De ordeai d difautora se fas fmblieo
aqoeila pessoas ffue tem objeeloa de ouro.
pflpte diamaotes depositados Sob caocSo
"nesta caixa cujas letra se aobaatL vanadas,
que nio sendo ditas letra pan* al dia
8 de jtmho viadoaro se procadVjrtJ tmmsa
publica a venda dos xeferidoa oiactos con-
forme o prescrito dos estatutos. | .
\-4 gaarlaiivaa,
Ignacio Noaes Corre,
\^

\
1265000
1445000
1685000 H
200aooo
2555000
2OO8O0O
2O0SO0O
4505000
delibera-

i

*
i
i

\


**
' -
s
I

66.
Consulado. ptTiscial .
Pela mes* do consolado previocial ie faz publico
que no da Io de junbo vJndeuro se prioei piara a
coatar os 30 das uieis arcados para a cobranza
bocea do cofre do 1* semestre do auno financeiro
corrate dos Inipoos de dcima dos predios urba-
nos, de 20 0(0 do consqmo do agurdente e de 5
0(0 sobre a renda dos baos de rata pertencentes a
corporales de mo morta.
Mesado consulado provincial de Pernarnbuco
6 de maio de 1866.
Antonio Carneiro Machado Rios
Administrador.
xpesieo agrcola e industrial da
farad)'ba.
Devendo ler logar ao da 5 de agosto proximo,
a capital da Parahyba, a exposicao agrcola o in-,
dastrial, o abaixo asitgnao, encarregado pela
commissao directora de promover a acqafsicao de
objectos d'arte, oa artigos e industria dos para-
lbanos aqu residentes, declara e pede pelo pre-
sente aqaelles que desejarem concorrer para maior
brilhanlismo da referida exposicao, que teoham a
bondade de dirigir-se a roa do imperador n. 75 V
andar, das 7 as 9 horas da raaoha, e das 4 da
tarta as 8 horas daaoite, onde o abaixo assigaado,
nao somonte dar' as inormacSes precisas sobre o
transpone dos objectos qae se destiurem a refe-
rida exposicao (cujas remessas devero ser feitas
at o da 11 de julho prximo), como lambem for-
necera* a materia prima aqaelles senhores exposi-
tores cajas cireomstancias assim o exigirem.
A o Recife, podero igualasen -yateader-se com
o Illm. Sr. Antonio Jos da Silvr Brasil, na roa da
Uadre Deas m. 23.
Pernamft, 21 de malo de 1866.
Justino Jos de Sonza Gimpos. _
Pela secretaria 4a caara muaicipal desta
idade se fax publico qae coatinaam era praca, no
dia 6 do corrente, ptrante a mesma cmara, para
serem arrematados por qnem maior preco offere-
ee r, os ma.eriaes da casa n. 47 da roa do Rangel,
desaproprlada ltimamente por nlidade publica.
Secretaria da caara municipal do Recife 4 de
ionho de tMQ.Q secretario
____________Francisco CboIo da Boaviagea.
?erm da provincia.
4.* seccao.Secretaria do governo de Pernarn-
buco, em 1 de maio de 1866.
ED1TAL.
Pela secretaria do governo, se faz publico
quem interessar possa, que tendo o Exm. Sr. vice-
presidente da provincia, de dar xecacao a tai n.
49, de 20 de marco ultimo, abaixo publicada, se
convida todas as pessoas qae ptwtendam con-
tratar a constroeco das estradas de qae trata a re-
ferida le, a apresentarem ao mesmo Exm. Sr.' as
snas propostas, e mediante as bases nella estable-
cidas, afir de serem examinadas e preterirse
aquella que melhores vanttgens offerecer.
O secretario,
Dr. Francisco de Paula Salles.
LE N. 649.
O Ur. Manoei Ciernen tino Carneiro da Can ha,
vicepresidente da provincia de Peroambaco : Fa-
co saber a todos os seus habitantes qne a assem-
!a legislativa provincial decretou e eu sancciooei
a resoluco seguirte:
Art. 1.* Fica o presidente da provincia antorisa-
do a mandar esladar e a contratar com urna oa
xnais companhias oa com pessoas reconhecidamen-
te idneas, ama rle de estradas, de rodazem ou
de traraways, que ligue os centros populosos do
interior da provincia com as diversas estacoes da
estrada de ferro do Recife S. Francisco, como as
actuaes estradas de communicacao para esta capi-
tal ou com os pontos de littoral de fcil accesso a
navegacao.
Art. 2. Para execocao do artigo precedente po-
den' o mesmo presidente adoptar as seguales me-
didas :
1. Conceder as companhias ou aos particula-
res, que se encarregarem da construyas Jdos
tramways ou que os collocar d'ora em dlante as
actuaes estradas, ama subvengo kilomtrica pro-
porcional ao capital euiprtgado e por urna s vez,
ficando o contrato, que para isso se celebrar de-
pendente da approvaco desta assembla.
O contratante podera' independente desta appro-
vaco dar comero aos estados e preparando dos
panos das obras, os qoaes editteiro mediante in-
demnisacao pertencenie a provincia caso nao seja
approvarfo o contrato celebrado.
% t." Cootrabir am emprestimo dentro ou fra
do paiz, mediante condicoes qne nao obriguem a
provincia a um dispendio superior a quatro ce-
ios eontns doris aunuaes.
Art. i.' Ficam revogadas as disposicSes em con-
trario.
Mando portanto, a todas as autoridades a qaem
o conhecimento e execuciio da presente resoluco
pertencer que a campram e facam cumprir to in-
te ira mente como nella secontm.
O secretario do governo desia provincia a faca
imprimir, publicar e correr.
Palacio do governo de Pernarnbuco, aos 20 de
marco de 1866, 45o da independencia e do imperio.
L.'S.
Manoei Clementino Carneiro da Cunha.
Sellada e publicada a presente resoluto cesta
secretaria do governo de Peroambuco, aos 24 de
abril de 1866.
O secretario, Dr. Francisco de Paula Salles.
Registrada a fl. do livro 7o de leis provinciaes.
Secretaria do governo de Pernarnbuco, 20 de
margo de 1866.
Oescripturarloda 4" seccao Tkeodoro os la-
vares.
productos destinados exposif ao de 15 de
agosto.
Aioda usa vez appelta a commissao pira
os dignos Pernambueanos, pedindo-lhes coa
instantta qne promovam com esforco a re-
messa de productos destinados a figuraren!
n'aquella testa industrial, onde se empe-
oham os brios da provincia.
Sala da commissao, 9 de maio de 1866.
Secretario,
_*_______Manoei Buarque de Macedo.
Arsenal de guerra.
0 conselho de compras do arsenal da guerra
precisa comprar para fornecfmento do almoxarlfa-
do o seguinte :
Para a companbia de cavallaria.
16 apparelbos de limpeza,
1 clarim.
2 formos grandes.
Para o Forte do Buraco
1 bandeira Imperial, grande, de Glele.
i dita dita pequea.
1 dita de signal.
Fortaleza do Brum.
1 oculo de alcanee.
Fortaleza de Itamarac.
1 bandeira imperial pequea de flele.
Para o laboratorio.
S arrobas e 15 libras o 80,325 kilogramas de
plvora fina.
2 arrobas e 11 libras, ou 34,423 ditos dita
grossa.
Para provimento do almoxarifado.
20 cixas cora pennas cahgraphicas de Perry.
50 resmas papel almaco pautado superior.
500 caadas de azeite de carrapato.
20,000 pregos eabeca de pipa.
2 arrodas pregas francezes de 1 1|2 potegaf as.
3 arrobas dito tjito d 2tas.
5 ditas dito dito de l|l ditas.
2 arrobas diuriliio Te 3 las. .
50 dnzias de lapis de superior qualidade-
50 ditas de caetas de superior qualidade.
As pessoas qae quizerem vender ditos artigos
apresentem saas propostas na sata do conselho, as
11 horas da man tila do diaodejunho prximo
vindouro.
Sala do conselho de compras do arsenal de guer-
ra 30 de maio de 1366.
O encarregado da escripturacSo
Manoei Jos da Azavedo Santos.
Anaaiataca
Pelo juizo de orphaos desta, cidaer Mcrivao'
Goamares, tem degaer arremtala por venda, fln-
dasjas tres pravas, ama parte Msitio no togaV de
Tygipi, pertencente aos bens-do finado Joao Fer-
reira de Azevedo, servindo de base para a arrema-
taclo a qoana da 569^10.________________
O Illm. Sr. inspector da thesoararia prouin-
eral, em cumprimento da resoluco da junta de
fazenda, maada fazer publico que, no da 14 de
juoho prximo vindouro, perante a masma juma
nhia de laonctes a Tapor catre mow ao sitio que foi do eapisirano, rom grande
niPiia.1,!. r.iJ... n R,L;i a**u-vi venda, jardim e- diversos arvoredos.
OS fedaaO!-LBi4a8 e O JlraH tn)iB># Wi,y^ Aadrade tendo de neli-
Ato-e ra Qrrapa far M4o dos movis, escra-
eorfenle espera- vos e sitto da-Cspunji jasr mtervencao doaganie
Martfns.
1 balanca remana de l^'OO Kbras de peso.
1 dita de bra^o Romo tom-pesos.
2 cariajra.- de amarello.
Caixoes de deposito para assucar.
Qotata-feira 7 do corrate.
Ao sobrado da ra da Cruz n. 33, as 10 horas
*
.IMijta
f'iS^IgSw
se dos portos flo
sal o vapor ame-
ricano Hort h
Anurtca, m>m-
mandante Tiru-
merraann, o qual
epois da dom-
se ba de arrematar a qoem por menos fizer, o for- ra do cosame seguir para New-York tocando no em ponto,
necimentodos medicamentos e utencis para a en- Para e S. Thomaz. Para teams e passagens trata-se
fermaria da casa de detencao desta cidade, per
terapo de nm anno, a contar do 1 de julho do cor-
rente auno, ao fin de janho de 1867.
As pessoas que se propozerem a esta arremata-
cao comparecam na sala das sessoes da referida
junta, no dia cima indicado, pelo mel dia, com-
petentemente habilitadas, onde acharo presentes
os formularios e condlcdes da arrematacio.
E pare constar se mandn publicar o presente
pelo jornal.
Secretaria da thesonraria provincial de Peroam-
baco 29 de maio de 1866.O offlcial da secretoria
_^_____________Mtgael Affonso Ferraira. .
O Illm. Sr. inspector da ihesouraria provin-
cial, em cumprimento da ordem do Exm. Sr. pre-
sidente da provincia de 28 do corrate, manda fa-
zer publico, qne no dia 14 de juoho prximo vin-
douro vfio englobadamente a' praca pare serem ar-
rematadas as obras da estrada e passadreo do Cam-
po Grannde, com o augmento de 15 0/0 no valer
dor respectivos orcaroeotos; os qaaes sendo da
importancia de 8:000#, ficam elevados a 9;200*.
Secretaria da thesoararia provincial de Pernarn-
buco 29 de maio de 1866.O offleial da secretaria
Miguel Aflonso Ferreira.
O a ternas geraes d.
cora os agentes Henry Perstar t C roa do Tra-
piche n, 8.
C0MPANH1A PERNAMBCANA
DE
^avepcia costeira par vaaar.
Para Aracaj e escalas.
Segne no dia 14 o vapor Pa-
rahyba, eoannaadauue Martms.
Recebe carga at o dia 13, en-
comraeadas, dinheiro a frete e
____passageiros at o dia da sahida
as 3 horas da tari i fcdrtpmrio no #orte de Ma-
tos n. 1.
LEiLAO
Seita-feri* 8 de joalta.
Pelo agesta ECazebio.
Se vender' urna mobilia de Jacaranda.
Urna casa terrea n. 3 a ra do Arago.
Urna dita n. 71 na ra da Palma.
P_pretndanles qoeiraro ir examinar com ante-
raasen aAra de fazer urna compra favoravel na-
4Mawdiaas ti horas na ra da Cadeia b. 55,
pnmeiro andar.
Exposicao dos producios agr-
colas, ladastrtaes e obras de
arte em Pernambneo.
Constando commissao directora da ex-
posicao que, por falta dos necessarios escla-
recimentos, pela comparaco havida entre
os nossos productos e outros similares de
diversas provincias, e por outros motivos
de que nao leve completa sciencia, nao hou-
ve a desejavel igualdade na distribuQ5o fei-
ta para esta provincia das recompensas da-
das pela commissao central do Rio de Ja-
neiro na ultima exposicao. e que por este
facto alguns dos amigos expositores se re-
cusam a concorrer com novos productos
exposicao de 15 de agosto prximo ; resol-
veu, em urna de suas sesses, mandar fazer
publico o seguinte :
i. llavera na provincia, para os traba-
Ihcs da expsito, um jury especial, no qual
n3o terso voto os membros da commissao
directora, que julgar da excellencia, aper-
feigoamento e utidade dos productos ex-
postos;
Illm e S MtqutL
Segu cora coaita brevidade o patacho portogaez
GEORGENCE, pare passagelroi, traia-se com Joo
de Reg Lima 1 ra do Apollo n. 4.
Para o Porto por
Lisboa.
A veleira e bera conhecida barca portngneza
Tentador, pretende seguir cora mola brevidade,
internas geraes declara qae no frrente mezde 'em Pie de sea caraejaamento engajado, para o
jun*o qae'a devajores da iecima'fas corporagoes res'u que Ihe falta trata-se com es seas consgnala-
demao mofla, dfrlmposto de 20 0/ sobre lojas e \ res Antonio Lulz de Olveira Azevedo & ., no sen
mais estaWeciraentos commerciaej, do imposto 'escriptorto na roa da Croa n. 1.
especial sobre perfumaras, casas de movis e rou-
pa fabricados em pan estrangeiro devem pagar,
livre de multa, o 2 semestre do exercicio corren; j O veleiro e bem conhecido brigue Adelaida,
re, eqoe, findo o referido mez, sao obrigadosa' pretende sahir cora muita brevidade por ter a
multa de 3 0(0 maior parte do carregamento engajado, e para o
Recebedofiaie PeriMmbueo-4* da jubo de 1866. poUco que Ihe falta e escravos a frete, trata se com
Para o io de Janeiro,
Manoei Carneiro de Soaza Lacerda.
Pela flscalisaco da freguezia dagQoa-vista se
faz publico a quam interessar possa, que acbam-se
depositados dous bola mansos, s quaes foaam ap-
prenendidos por Clandino Jos Olas, em sen terre-
no na Soledade, se dia 31 do mez prximo pas-
tado.
Fiscalisaco da freguezia da Boa vista 3 de ju-
nho de 1866Jerooymo Jos Ferreira._______
Pela jcalisace da freguezia da Boa-Vista
se fz publico a quem interessar possa que se
acba depositado am quarto re lio pedrez que tora
encontrado no sitio do Sr. Aatenio Gomes da Cu-
nha dentro de suas plantic5as. e qae pelo mesmo
foi entregue nesti fiscalisaco.
Fiscalisaco da freguezia da Boa-Vista 30 de
maio de 1866.
____________Jeronymo J >s Ferreira.______
Correio geral.
Relaeio das cartas segaras existentes na adminis-
trar!) "do correio desta cidade para os senhores
abaiio declarados:
Armidio Saraiva.
Andr Al ves de Freitas.
Antonio Manoei de Souza Oliveira.
Dr. Flonsino Jos Correia.
D. Francisca Menna Barreto de Barros Falcao.
Hermenegildo Firmino de Leraos.
Joaqun] Nicolao Ferreira.
Luiz Canato Emerenciano.
1J x pos i cao dos producios agr-
colas e ladustrlaes m Pernarn-
buco
A commissao directora da exposicao des-
ta provincia, previne aos artistas que de-
sejarem concorrer com os seus productos a
mesma exposigao, e que nao o possam fa-
zer por falta de recursos, que devem diri-
gir-se ao secretario da commissao para ob-
terem os auxilios necessarios a acqursic5o
das materias primas destinadas aos ditos
productos.
Sala da commissao 9 de maio de 1866.
M. Buarque de Macedo,
_____ Secretario. ______
Exposicao dos proiliicles agrcolas, induslriaes e de
obras d'artes em Pernarnbuco.
A commissao directora da exposicio des-
ta provincia resolveu, que por meio de repe-
tidos anouncios sejpublicasse o seguinte:
1. Que a inaugurac5o da exposicao foi
transferida para o dia 15 de agosto prximo;
2. Que a recepcao des productos desti- D. Maria Joaquina da-Silva Manta,
nados exposicao principiar no dia 15 de Cordeiroda Cruz,
julho prximo;
3. Que a demora que houver na remes-
sa dos productos ser nociva sua mais con-
veniente collocacao, conforme a respectiva
importancia;
4." Que vindo todns a1ropel_dat_?nte as
vesperas jdo dia da abertura da exposicao,
nem se pode calcular o espaco que elles re-
querem e se derer apromptar, nem fazer
sobresahir os productos, espacando-os, e
collocando-os convenientemente ;
5. Que ao agente designado pelo commis-
sario classificador, o Sr. Dr. Gervasio Ro-
drigues Gampello, se devero entregar os
productos no palacio do governo do referi-
do dia 15 de julho em diante, e desde as
9 horas da manha at as 3 da tarde.
6. Que a todos OS expositores se passar Goncalves, capitalista. Sr. P. Joaquira.
recibo de seus productos, declarando, con- Francisco, sea irmo.....Gra$a.
forme elles determinarem, se o destino do J*"*'S__ fl'h0- P'."3- .
,,.1,:,.:. a. i Carlos, hlho de Goocalves. Guimaraes.
u-i- -~:- a. EZZZhu pinto.
Postes.
Raymunlo.
i Mauhonsa.
o caosinnatario Joaquim Jos Gongalves Beltro na
roa do Vigario n. 17 primeiro andar.
Para Lisboa
segair.'i com brevidade a barca portuguesa Nova
tarianna, de primeira classe, e recentemenie
construida ; tem prompta a maior parte do sen
carregamento ; e para o restante e passatreiros,
para os qaaes ten exceileoles eommodos, tratase
com Manoei Iguacio de Oliveira 4 Filho, no largo
do Corpo Santo n. 19, escriptorio, oa com o cap
iao na praca.
AVISOS
Instituto Archeologico e Geo-
prapbico ternambucano
Haver sesso ordinaria qafnta-feira 7 do cor-
rale, pelas 11 horas da maafaaa.
ORDEM DO DIA.
RecepcSo solemne do Sr. Dr. Francisco Manoei
Raposo de Alraeida, como soeio effectivo.
Relatnos e pareceres de cemmissdes.
Secretaria do Instituto 4 de janho de 1866.
J. Soares de Azevedo
________ Secretario per.aetao.
bem es-
roas se-
1 PreeisMe de ama ama aara casa de familia, que
raea o servico ordinario da mesma : oa ra da
tm#a/atriz Iota de pinte- n. St
Lava-se e eogumma-se roop^a >le hodiem e
seariora aom per/elco e .isselo : a tratar a ra
da-tfui do Recife ti. 31, 3'aodar. *
Urna pessoa habilitada para enfermeiro, se
offereee para occopar esse lugar, em qualqaer en-
fermarla nesla cidade, ou mesmo para algum enge-
nlio de grande fabrica, que necessite do seus serv-
eos, e mesmo para qualquer eerupacao tendete a
engen'io, sendo esta Iivre campo : quem precisar
dirjase a roa da Concordia o. t.__________
Precisa se de urna ama paracosinbar : a tra-
tar na toa Direita n. 106.
Precisase de um menino de a 14 anuos,
para eiizeiro de taberna : a tratar na roa do Ro-
sario Estreita n. 5.
Qoem pto4aar Ae naa pessoa baailKida, pa-
ra ensinar prHMira luirs, e soMo de msica,
em algum ngaftho umilo perto de^paaja; oppa-
reca para contratar no colegio dos orphos das 2
horas da tarde em diaute, i^e alil acUar^' o pro-
fessor de aosiaa le dato colegio1, o qoel indicara'
qaem a pessoa que para este nm se presta.
Perdeu-se ao dia 3 de junao da porta da ma-
triz da Boa-Vista at dentro da igreja, urna pulsei-
ra de pedras pretas do nome nix, quadradas e
era radas em euro, em cima nm feixo redondo,
cravada com perolas grandes e rubias, qoem a li-
jar acbado, leve a casa de D. Emilia de Moraes
Gomes Ferreira, no sea sitio do Mondego, que sera'
bem recompensado.
todo o servigo : na
Atuga-se um preto para
ra do Arago n. 43.
Alfeu Odn da canha Goiaoa, participa ao
resp^itavel poblico que elle naoa deve a Joao Luiz
Ribeiro de Parias, o qae a taberna cala na roa da
Palma o. 41 sua, e ajo de Octavie da C. Goiana,
embora assim fusse julgado pelojaiz de pazdafre-
guezia de Santo Antonio, que presentando o an-
zes, Livramento, larga do Rosario
tas; quem ti ver deite carta fechada com as
iniciaes A. G. E. na livraria n, 8 da ,'praca da
Indepeadencta.
Para o Para
S
THC.4TUO
DE
21
EMPHEZ4 -fOHIA
recita da assignaturn.
Baha.
pretende seguir oestes oito das o patacho porto-
guez S. Jore de Aveiro, o qual tem prompto parte
de sea carregamento : para o resto qae Ihe falta,
trala-se com os seus consignatarios Antonio Luiz
de Oliveira Azevedo A C, no sea escriptorio raa
da Cruz b. 1.
Para a
Pretende segDir.com muita brevidade a velleira
sumaca nacional Horlencia, a qui tem parte de
sen carregamento promplo, para o resto que Ihe
falta trata-se com os sus consignatario Antonio
Luiz de Oliveira Azevedo & C, era sea escriptorio,
roa da Cruz n. 1.
Para a Bnhia
sabe cora toda a brevidade o patache nacional San-
to Antonio ; para o resto da carga trata-se no lar-
go do Corpo Santo n. 4, escriptorio de Jos Maria
Palmeira.
Para Lisboa
Seguir cora toda brevidade o lagar portu-
gaez Julio, por ler ja a maior parte da carga
prompta, para o resto e passageiros, para os qaaes
offereee excellentes eommodos: trata-se com os
seus coqjigoatarios Thomaz de Aquino Fonceca
& C. ra do Vigario n 19 oucom o capito na
prafa.
Quarla-feira 6 ift jnohe 4e 1866
Primeira representacao aa comedia drama tu
3 mu o repertorio do ibeatro portuguez imita-
gao do actor Jos Carlos dos Santos
NAO COM ESSAS
UILOI
Objecto expOStO deixadO ao '>". u-lMorelra, amigo de Goncalves.
commissao, se deve seguir para a exposicao Jos, criado.......
da (orle, OU ser restituido ao expositor, logo | Mr. Julin, sapateiro francez.
depois da exposicao;
7." Que podendo tersuccedido que nSo
tenham chegado a seu destino algumas das
circulares e instrueces por ellas dirigidas a, Anua/criada....... Joaquina
todos OS Cidadaos que julgOU poderem con- Representar-se-ha a comedia em 1 acto
Um segundo saoateiro.
Henriqueta, mulher de Goncal-
ves. ......Sr.' Clelia.
Laura, rilha de Moreira. E. Ponte.
tribuir para a exposicao, lhesroga que pres-
cindido de convites especiaes, contribuam
para esta testa industrial, em cujo bom.ou! ornada de msica
mo xito vo de algum modo os brios da
provincia.
Sala da commissao, 9 de malo de 1866.
M. Buarque de Macedo.
Secretario.
0 CASAL MANGA
A Sr.' D. Eugenia representara' a scena cmica
O Illm. Sr. inspector da thesoararia provin-
cial em cumprimento da resoluco da junta da fa-
tenda maada fazer publico que se coutrata por
terapo de 3 mezes, a contar do 1 de julho ao ul-
timo de setembro prximo vindouro o fornecimen-
to de alimentacao e dietas dos presos pobres da
casa de detengo, servindo de base a arrematacio
os preces segantes :
Domingo, almoco e jantar 330
Segunda-feira dem dem 380
Terga*feira dem dem 380
. Quarta-feira dem dem 360
Qainla-feira dem dem 380
Sexta-feira dem dem 340
Sabbado idem idem 340
Dieta?.
N. 1
N. 2
N. 3
N. 4
N. S
'

.
380
400
640
400
400
As pessoas que se propozerem a contratar dito
_. bsie jury se Uiviaira em auas sec- fornecimenio apresenlem suas propostas em cartas
(oes, sendo uma para OS productos agrico- fechadas no dia 14 de janho prximo vindouro, ao
meio dia na mesma thesoararia onde encontrarlo
as tabellas dos forneclmentos e condicgdes com
que devem effectuar o mesmo contrato sendo ha-
bilitados previamente os fiadores. E para constar
se mandou publicar o presente pelo jornal.
Secretarla da thesoararia provincial de Peroam-
buco 29 de maio de 1866.
O official da secretarla,
- Miguel Affonso Ferreira.____
Conselho de eomp'as avaes,
O conselho contraa no dU 5 do corrente mez o
fornecimento por lempo e tras mezes, fiado em
setembro proximv violaflro dda objectos abaixo
declarados, para os navios da armada e estabeleci-
mento*s de marinha.
Objectos. ^^
Arroz do Maranbo, assucar branco grosso,
afoardeMedeMIgraot, aaatte doce de Uiboa,
branco refinado, aJetria,
m caloiro em vespera de
fejoada.
Ordem do espectculo.
1. O Casal Pitanga.
2. Um caloiro em vespera de feijoada.
3.' Ne com essas. ,
Comecara' as 8 horas.
AVISOS MARTIMOS
COMPANHIA PERNAMBUCANA
DE
costeira por vapor.
para
Parahiba, Natal, Maco, Aracaty^ Cear e
Acarac.
No dia 9 do corrate" seguir'
para os portos cima indicados
am dos vapores da comp*nhia.
Recebe carga at o da 8. En-
commeuJas, passageiros e di-
Dheiro a frete at as 3 horasi)a tarde do dia da
sabida : escriptorio no Port do Matos n. 1.
las, e outra para os industriaes propriamen-
te ditos, e obras de arle ;
-3. FarSo parte do jury as pessoas de re-
conhecida aptidao e especialistas;
4. Segundo o juizo do jury, a commis-
sao distribuir aos productores e dentis ex-
positores medalhas de duas classes, sendo
as da 1' classe de prata e as da 2a de co-
bre, ambas acompanhadas de diplomas.
5." A commissao far acquisicao, median-
te valor ajustado, dos productos que para
isto forem julgados dignos pelo jury, e que
nao possam ser cedidos gratuitamente para
figurarem na exposigao central.
A commissSo directora espera que estas
medidas servr3o de garantia ao verdadeiro
apreco dos productos expostos, e qu farae
desapparecer o desanimo que a alguns ex-
positores causou a desigualdade que ci-
ma se referi.
Alm disso, a conunissao chama a lten-
lo dos Srs. expositores e mais industriaos
da provincia para a circunstancia de um
dos seus membros ter de acompanbar ex-
posicao central es productos que d'aqni fo-
rem enviados, e azer parte do jury julga-
dor na cort acnando-se por esta frma
habilitado para oatrar4odo os esclareci-
mentos necesarios ao petfeito conhecimen-
to dos productos, e fazer valer o direito e
cada uai d)s expositores desta provincia.
Por ei forma a commissao julga ter re-
movido mais nm des embaraces, com que
Bfra
COMPAXIIIA BHIN1LEIRA
PAQUETES k VAPOR
. Dos portos do norte esperado
.- f inin.,conimandant > o capitol-
nenie Parias, o qual depois da
mora do costme sega ir par
partos o t.
Desde ja recebem-se passageiros e engaja-se
carga qne o vapor poder conduzir, a qual dev
ser ambareada no dia de sua ebegada, eneon
das e dinheiro a frete at o dia ra sahida as
ras; as paesagens s- sero recebidas na agencia
ra da Crnz n. 1. escriptorio de Antonio Luiz de
Oliveira Aaeveao A C
C0IP1NHIA BRAS1LEI8A
DE
pl<
ft<
porventura venha a lutar na acqoisl^o de administracio.
^t^^u^SJSS!J& PAQUETES A VAPOR.
em grao, carnauba em velas, eevadidha, Oo> Prlos do *Q| P*
e verde, dita secca do Rlp brande do Sol,
farinha aemaeloee da Cerr%,*^pmnhas, len
teiga francesa, dita tngleza, mane, pao, sabia-
toucinbo de Lisboa, tapioca, lijle de aivene-
jrossa, velas steariuas, vinbo de Lisboa e vina-
de Lisboa.
ntrata o conselho sob as conoleSes *e estyte
m no rXrMRiV'd jalho at as 11 horas da
raanhaa.
Sala do conselho de compras navaes, 1 de juano
de 1866.
O secreurlo,
Altandre Rodrlgae Hq$ Aojos.
AdtninistracSo do correio desta cida-
de precisa de seis bomens para o servigo
de caminheiro, quem estiver nestas condi-
c5es e quizer engajar-se dirija-se a mesma
portos do sal espralo
al dia 14 do corrate am dos
vapores da oompanhia, o qual, de>
, poi da demora do costurae, segui-
r parados portos do norte. Des-
de j reeebem-se passagerros, e engsja-se a carga
qae o vapor poder conduzir, a qual Javere ser am-
bareada no da da sua chegada; encommendase di-
djpro a fresaxat a4ia 4a sna tbida as 3 koraa;
aa passagens s jserao recibidas na apencia raa
daCrnx n. 1, etenrptorio de Anloaio Lui: de Olr-
velra Azevedo &, C.
4|-----------^=--------^^-. ------i-------r-M
ParaUsboa

Segoir eam toda brevidade a barca portognea-
Mthanna I por ler parte de sua carga carga en-
gatada, paca reate akseaceiaoe pM as qaaav,
offereee excellentes cora modo?: trata-se coa os
seas consignatarios Thomaz de Aqmo Pooeeca
4 C. roa do Vigario n. 49 ou com o caplflo na
praca.
Da.
20.
la terna a na do Fogo i
Miguel Arcfaanjoda Hora
nao Ihe sendo possive eSectaar no dia i do cor-
reot^mez o Idilio aaaonciado da taberna cima
data em razo de se echar encem modado o agente
Cordeiro Si.odes encarregado do referan lello.
no enta ato teca' -rogar
Hoje as II horas
na-mesna"taberna e por interveaco do mesmo
agente.__________________________
Lt:iL.4o
De 6 venecianas novas e 2 resolveres,
57 chapeos do Uiyli, 300 calimbos
americanas
Awmlrtm
6 do corrale as 11 horas.
No armazeg) da praca do Commercio n. 48.
JELAl
De 94 grozas de botoes de ouco para pale-
tots, 4 ditas de metal, 17 caixas d'agua
de colonia, cujos objectos serio vendaos,
por coala e risco de quem pertenter.
Amanhaa 6 do corrate as 1 i haaas
Noarmar.em da pra^a do Commercio n, 48
LsEWMaAU
De movis, relogias, caaliairos a gas,
jiias 4 fmmt ft e antros
tos oajaetas t$mi.
C.ompra-se um sobrado em
tado, de um a tres andares, as
guintes : Cadeia, Cruz, Trapiche, Impera- imciaBte vinle e lantes doeasieoios orno fra re-
dor, Crespo, Cabag, Nova, Queimado, Cru- j ^tS^ut^SoTt Stt oTirV-
e rlor-1 plcheiros, tudo isto foi pouco para o dilojuiz jul-
" Kar que Octavio da Cimba Goiaoa tuina parte na
referida taberna, pois publico e notorio que avis-
ta dos documentos que o annoociaiUe apresentou
ser a taberna sua e nao de Octavio da Cuaba ju-
na, qae simples caixelro.
Pr*param-se bandeijas com bolinhos de di-
versas qualidades: bullo de mandioca, bollotngh?,
francez, podim e pao-de^; na ra Direita a. 27,
segundo andar. _
Precisa-se de um amassador: na padaa"de
Len, alraz da fundicao du Star.
Fiiiio
9
no da 20 de maio correcle am moleque de come
Gregorio, lendo idade de 20 aonis, com os segua-
les Mgnaes : cor preta, altura regular, senviarba,
cara curia, denles alvos, ps grandes e juntas en-
cbadas, levou vestido camisa de algodao azul tran-
cado, calca escura de cachemira e chapeo de bata
de cor, copa baixa e redon la, a moderna : quem
apprebende-lo queira ter a bondade de entrgalo
bo convento do Carmo ao seu senhor Jos Jacio
tho. arfa que ST grmifio^d i._________.
Hngculio para arrendar.
Arrenda-se o engenh) Quiaombo, em Santo A-
maro de Jaboato, o qual tem muitas e exceileoles
trras e ptimas matas : a tratar ua ra do Seve
(ilha dos Ratos), sobrado confronte ao chafariz.
Quem liver adiado 2105 em sedulas, contan-
do oilo de 205 e cincoenta em miudo, os quaes Co-
rara perdidos no dia sabbado a tarde desde a re-
partirlo do sello ata o aterro da Boa-vista, queira
entregar oa mesma reparticao, ou na Soledade a'
Manoei Antonio Simoss do Amaral, que gratificara
com generosidade.
"Jaconte Fixioa subdito napolitano retira-se
para Eoropa, levando em sua conpaabia seo iilho
Antonio Fixioa.___________________________
Francisco Jos de Souza Alraeida retira-se
para Portugal, e deixa por seus bastantes procura-
dores nesia cidade aos Srs. Jos Alves Lima e Do-
mingos Antonio da Silva Beiris.
Offerece-se uma mulher para casa da
familia esirangeira para todo o servico de
portas a dentro: quem precisar annuncie
para ser procurado.
Aluga-se a parte de nma c Aguas Verdes n 92.
Joao Valente da Crnz.'vaiTEuropa. ~~
Luiz Paula Lopes, cidadao brasileiro, vai a
PortugaL______________________________
LOTERA
aos o:ooo$'ooo
Corre sexta-feira 8 de junhu.
Acham-se venda na respectiva thesou-
raria, ra do Crespo n. 15, os bilhe-
tes, meios e quintos da 2a parte da 21
lotera a beneficio da matriz de S. Jos do
Recife (66.a em typo preto), sendo a|extraco
no lugar e hora do costume.
Os premios de 6:OOOi5000 at 100000
serSopagos uma hora depois da extraefao
at as 3 horas da tarde, e os outros depois
da distribuicaodas listas.
As encommendas sero guardadas so-
mente at a noite da vespera da extraccao.
0 thesoureiro,
Antonio Jos Rodrieues de Souza.
Precisa-se de um criado
ra Direita n. 68, Io andar.
Criado.
de 10 a 12 anoos
: na
Menino
6 de corrente as U eras.
BNo-wmaaem da progaado Canmurcio o. 48
Imprmme leitia*
de ariuazem degeueros e molhados si-
to Da ana da Imperador n. 46
Qiiintii-feira 7 do eorrente.
, 0 propneiario desle granle armazeo tanda de
rtirar-se para tratar de sna saude fara' leilo por
intervenco do agente Pestaa de lodos os gneros,
laucas, viohos engarrafa 1os de diversas qoalida-
des, iicOres, cervejas, armacao.flandres, li tetros en
drenados, gax, caateiros, 1 cofre grande, 1 guar
da livros, carleiras, mesas etc.
Este esiabelecimeoto acba-se multo proprio pa-
ra se fazer interesse, pois qu o logar am das
meHions em ama das primeiras ras, e muito
bem afreguezada, segara-ge a casa a qaem ten-
ctonar i'mpKar em um so tole, o i|ae tara' lugar
quinta (eir 7 do correle pelas 10 boras da raa
nha no mesmrr armazem ra do Imperador n.
46, aehndo-se obalaneo em mao do agente.
Antonio Centeie Lopes, subdito portuguez,
vai para a Baha. ______________________
Na botica e drogara
DE
Bartothomeo .
31Ra do Rozario Larga34
VENDE-SE
Preparados da America
Do Dr. Radwaya .-
Pilulas reguladoras.
Prompto alivie.
Rezolutivo renovador.
Do Dr. Ayeir:
Salsa parrilha.
Pilulas catharticas.
Xarope peitoral de cereja.
De Lammam & Kemp.
Verdadeira salsa parrilha de Bristol.
Pilulas assucaradas.
Pastilhas vermfugas.
Ole puro de figado de bacalho.
Xarope pectoral de anacahuita.
Agu florida.______________________
Insiriera o primaria.
A professora puMca da 3.* cadeira da freguezia
da Boa-Vista faz aaieote aos pas de familias que
mudou sua residencia para o Corredor do Bispo,
casa que tem um oKizeiro no portao, onde continua
no exercicio de sea magisterio.
llecife 1. de junho de 186J6.
A professora publica,
gal Sophia Guhermina de Helio.
Quem annunciondar 1-000A sobre hynothe-
ca dirija se a ra do Nogoeira 86, 2" andar.
ajua do Crespo n. 18, segundo andar, pre-
^cisa-se dvjma ama de leite.
Caixeiro _
Na fabrica de bolaenas a vapor da raa Direita
n. 84, precisase de am eaiieiro qae eertiuque .a
m conducta.
Preeisa-se de am bixeiro de 44 a II aanes
para tafcernaaa' roa do rmnggl n. df.
LEILAO
..
O solicitador Pedro Alejandrino da Costa Machi-
do prerisa de um rapaz de 12 a 14 airaos para ser
ajudante : a tratar na rui Direita u. 68, primeiro
Andar.
Ama
Precisa-se de nma ama para comprar e coziohar
para uma pessoa s : aa ra da Cruz n. 13, pri-
meiro andar.
Aluga-se uma pequea ea>a com 2 qaartos,
quintal com cacimba, por 10J mensaes na ra
de Gazometro, confronte ao portan da fabrica do
gaz, lado lateral._________________________
No da 26 de maio fugio o cabra de nome
Xicacio que as vezes troca o nome para Manoei,
tem -JO anno?, nio tem barba, desdentado, tinto
em baixo como em cima, um tanto paucudo e
assim como cambado de uma perna, tem as costas
com cicatrizes de peia, baixo, porra encorpado,
vestido com camisa de algodao e calca debrlm es-
caro : qaem o pegar entregar a sea senhor, na
ra da Gula n. 34, que ser recompensado._____
A ttenco.
Um moco com habilitacoes necessarlas offerece-
se para caixeiro de seceos ou molhados, o quai da
conhecimento a saa conducta : quera precisar di-
n>a-#e ao becco da Lixtgoea, no Recife n. 8, que
achara' com quem tratar.___________________
Aitencao.
Na rea da Imperatrii a. 6, 31 andar, existe uma
carta vinda da Europa para os Srs. Drs. Antonio
Joaqaim Moraes e Silva e Jos Bernardo Galvo
Alcoforado.
Cozinbeira
Precisa-se de uma ama forra ou captiva para
coziohar o diario de uma casa de rapazes soltei-
ros, preferlndo-se de idade, e que seja limpa na
cozioha ; na rna do Crespo n. 21.
XAROPE
PEITORAL E DULC FICANTE
DE
Preparado por GRMAULT & C pharma-
ceuticos de S. A. I. opriaci, e Napoieao.
Cura rpida das modestias seguiotes:
A pedlde. tosse, catarrhos, pleuresa, coqueluche, an-
Jos Antonio Gomes Jnior, autor das nocoes do ginas, for tes constivacoes, irritacies dos bro-
sjfstema mtrico decimal, attendendo ao acofhra-1 neheos e do peito, bronchite, phtvsica polmo-
Bal T.!^^ De i ni p orlantes movis, prata. joias,
ivres, scrtYfsjB in sitie na Ca-
fiffa,
Sendo uma mobilia de Jacaranda constando .da
to cadelras de goarnicao, 1 sof uma mesa re-
donda, 4 cotfsolos cora pedra, i cadeiras de batan-
eo, 2 bonitos espelhos, nm excellente piano, 12
cadenas de bracos auieiItanas, jima "gnmle eJ-
tante eovidragada para livros, um armarlo envi-
drando, nm toillet, 2 gaarda roupas de amarello,
2gaarda looca, uma rica cama de Jacaranda com
cortinados, orna dita de amarello, 12 cadeiras de
Jacaranda, 13 ditas de amarello, 2 cadeiras de ba-
lanco, i onnsoios de amarello, marquetas, camas
de farra camas de veuu, 3 ricos candelabros pra-
taados, diversos aparemos, garrafas, campoteiras, cisea^ apresentarem quanto antes as snas propos-
9 seu preco seja o mais comroodo possive, solvido conceder aos compradores de 25 exempla-
res (sobre o preco corrate de 25 o exemplar)nm
baoefirio oa racao de 25 exemplares por cent.:
ra do Destino n. 3.
- Preis*ea da-oaaa maaei. dapotiaa
familia : na raa da Florentina n. 14.
Boiite :\'A jHkyjb 1866.
O abaixo assignado tendo de am breve retirar-
se do seu engeabo Calende no termo do Bonito pa-
ra oseu eagenho Viracao, no do Rio Formoso ; a
ny podendo despedir-se em parlicnrar de todas
acuellas pessoas que com tanta bondade o acolbe-
ram dorante o tempo de sua residencia n'aquelle
lugar, vem por meio do orgao mais publico desta
provincia pedlr-lhes qtje hajam por desculpada es-
sa falta involuntaria e s ftlha das cireumstaneias.
Assim pois agradecendo cordialmente oa bons of-
leios que com elle desperdioaiam, aprovetU a oc-
casiao para offerecer-Ibes o sea pequen i ao presu-
mo, onde a sor le o leva a residir.
Pedro AJexandrino da Costa Lima.
Per deliberado do irraio ministro convido a
todas as pessoas qae se quizerem encarregar da
redleacao do predio n. K a do Limmento,
perteBcenie a veneravel ordem terceira deB.'ran-
tosse chrouica, rouquidao.
Os medicas recomeod*m so mesmo tem
po o uso das excellentes .pastilhas peitoraes
co o saco da alface o laureiro-cerejo, que
se BTepatam no mesmo "estebelecimento.
A venda as pnarmacias de Maurer e A.
Caors.
sopas, cilicee, garlos, lacas, trem de cosinUa,
importante quadro a oleo, 200 volumes obras em
tfortogaei, fraucex e ioglez de Importtdles escrlp-
tores bem como IGarret, Alexandre Herealaao e
ontiuii piala, diiarafa viiatliu de ntrro, vttrhos,
cervej, licoraa alo.
Este vio, pardo.
Jacob, de naaio.
Um itio aa Capotga na das Pernambacatus
tas em carta fachada no oomMWfio da mesma
ordem. .
Secretaria 4 de juaao da 1866.
Jeronymo KmMiano de M. Castro,
Sacralar..
Precisa-se a logar uma esoaxade
de e que pqssa venlef ns raa : na raa
aeres n. 18 oa qaem tiver annaaci.
owia id*.
dos 'Pra-
Samnel Pewer Jehnston Gompanhia
Ruada Senzal'aNova n. 4.
:^_^ aeqcHAa.^4.^xQ
ffUmUtrao vlr I.ow Tlr>r
Machinas a vapor do A e 6 cavallos.
Moendas e meias moendas para engenho.
Taixas de ferro coaflo e batido para enge-
o,
Arreios d*xmt p*t sa dous cavallo*.
Relogios de otwvpwnfe inglw.
Ax^dofr attttfioajftos
Machinas para descarotjwfllgodo.
Motores para ditos.
Machinas de costura.
no
ria
doar
1 ai :(iUil3l^

rt
V
reta-
fogo
(/ra ucutr v lor* ua pi-uTuvi*.


t

~ rer^a 4cf r* dte
4 4866.

|
PASTILHAS
VERMFUGAS
NOTA YORK.
DE COR CHEIRO E SABOR AGRADAVEIS
lalimtamente mais eflicazes do que todos
os mais remedios perigosos enauseabundos
que existem para a expulsao daslombrigas.
Nao causam dores e produzem seu effeito
sem precisar logo depois de porgante ne-
nhum e taoinei tantes em apparencia e deli-
ciosas em gosto, que as enancas esto
promptasa tomar mais do que marca a re-
ceita.
Uteis como um excedente meio de fazer
remover as obstruccoes do ventre. mesmo
do caso de nao existirem verme algum, as
PASTILHASVERMIFUGAS DE KEMPfi SO promp-
tas einfalliveis na suaoperaco e por todos
os respeitos dignas deconftanea e approva-
c3o de todos os paes de familias. Prepa-
radas nicamente por Lanman 4 d,
Nova York.
Deposito geral em Pernamboco rna da
Cruz n.22 em casa de Caros
MRITMS
CONTRA FOGO-
A companhia Indemnisadora, estabeleci-
da nesta praca, toma seguros martimos so-
bre navios e seus carregamentos, e contra
fogo em edificios, mercadorias e mobilias:
Da ra do Vigario n. 4, pavimento terreo.
Engomna-se
com a?seio, promptidaoe preces razoaveis: na roa
Augusta do, leja.
&** mmmm ****
m O Dr. Carollno Francisco de Lima San- |
tos contina a morar na roa do Impera- g
dor n. 17, segando andar, tendo alias sen "
jB| gabinete de consultas medicas, logo ao ]
entrar, no pnmeiro.
O mesmo doator, que se tem dado ao
S estado tanto das operares como das mo-
lestias internas, prestase a qnalquer cha-
mado, qner para dentro quer para fra
Sjt. da cidade.
tfiC^ 'M>MyKm^mmmr- ^ ata Wat
Era casa de Theod Christiansen, roa do Tra
piche-novo n. 16, nnico agente no norte do Brasil
de Brandenburg rres, Bordeaux, encontrase ef-
fectivamente deposito dos artigos seguintes :
St. Julieu.
St. Pierre.
Larose.
.".hateau Leo vi lie.
Cnateau Margaux.
Graed vin Cliateau Lafitie 1S58.
Chat^au Latitte.
Haut Saterues.
Chatean Sauternes.
Cbateau Lataur Blanche.
Cbateau Yquem.
CognaC ei.n tres i|ualdades.
Azeite d"ce. Precos de Bordeaox.
Precisa se !e urna mulber forra de meia ida
de qje se queira prestar a ser ama e fazer com
paohia a urna seuhora; a tratar na ra do Quei.
mado n. 69
Na ra do Queimado por cima da loja
de cera, vende-se um fardamento completo
dar official.
INJECCAO BROW.
Remedio infallivel as agnorrbeas antigs
recen, tes, nico deposito na pharmacia
e fracceza ra da Cruz n. 22 e ao prego de
34000.
As Pilulas Catharticas
DE A-YER.
O purgante mal efeeaz at haje conliecido.
Estn pilulas bao puramente vtg-
itaes, ro tendo na buu eompo-
ei^ao nem uiercuria nem ontro
ingrediente mineral; sao inno-
CnUs para as enancas e pessoas
mais deHcadas, ao meemo lempo
qc, eompostaa como sao de vegi-
taes mu fortes, sao bastante acti-
vas e eficaxea para as pessoas mais
robustas.
(-- pilula* catharticas purg|o c purificas todo ereteaia
buin.-.iio sem mercurio.
Me se tem foupado trabalhe nem despsza para levar estas
pilulas a um pre de perfeccao tal, que nada deixa a desejar;
tho o resultado de auuoa de estudos laboriosos e constantes.
Para ulcancur todas as rantagens que resalta* de aso de catbar-
ticos, tcm-se combinado sameate as wirtudet rural ra das
plantas que sao empregadas na eenfecco das plalas. Sua
composieo tal que ai enfermidades que estio ao alcance
de sua accao, raras vezes podem realstl-las on evad las.
.Suas propriedades penetrantes exploro peaetro, parlflco e
ciao vigor a todas as partes de organismo humano; pols cerrigen
sua acjio viciada e fas recuperar a toa TitaJMade. Urna da*
consecuencias dstas propriedades que o (lente, abatido do
dr e debiUdade physlca, admira-se de encontrar, to deprciea,
eua i audc e energa recuperadas por meio d' um remedio to
simples e agrasavel.
As molestias que esto ao seo alcance sao.
l-rizao Hnxaqueca, IudigeUto e mal da estomaga, Hanorrkoidat,
PADECIMENTOS DO FIGADO,
fibre gatro-hepatiea, Gmttrite, qftCfCt Biriosat Lombrigal,
Eryaiptla, Hydroptia, surdez, ceguira pardal, e Ptratytia.
So almaaak e Manual de Saade do Dr. Ayer, que se publica
totlos os annos para distribuido gratuita, encontrante ujq tra-
tado sobre as d i versas duenca qae esto ao alcaace de
BMEDIOS FCTHGANTES.
Acba-se em todas M BoUcoa Drogaras de Imperio.
O PeitoraJ de Cereja
I>E AYER,
FABA A rROMPIA CURA DA
Angina, de Conatipaeaa, Toaaaa, Beuquidio Influ-
enza, Bronchite, Tiaioa primaria, Tnbarculoa
pulmonares, e toda* aa moleatiaa do
Paito, Mtlm como par aliviar
ob etbioM tleolartoe.
As prcparaotei do Di:. Ayer mo vanclida oat priociaeet
drogaras boticas do Imperio.
Vende-se em Pernamboco:
na
IPHARW CI FRANCAISr.
IdeRMUUIUC1!
RA NOVA NIHJI
FABRICA A VAPOR
99 RA DO MONDEGO 99
lio na ra !? n. e IJa de rrlojoeir.
Delouche dorios deste esUbeiecimento pariecipa ao respeitavel publico que sua fa-
brica est montaa com as melbores machiDas que existem na Europa, e que pode
fabrcarcom meibor perfeico possivel. Todo o chocolate desta fabrica est garantido, e
puro, o que nao se pode encontrar naquelle que vem de fra, e que se vende por prego
baixo, visto 06 productos serem do paiz. Na etiqueta tem sempre urna aguia.
PRECO.
Meia libra....... ... 400
Urna libra......... 800
Urna arroba........ 19(5000
Na mesma fabt ica acaba de se montar urna officina com serrara a vapor para
obras de marcineiria propria para edificio, para o que encarreg >se de fazer portas, ja-
dellas, assoamos (parqu francez como se osa oa Europa,) e armacoes, tudo com brevi-
nade e perfeicSo. Toma-se qulqaer encommenda para fra da cidade, entregando-se
prompta a collar-se no logar.
A NACIONAL
Oompeinhia. geral hespanhola de seguros mutuos
sobre a vida
AUTOliISADA PELO REAL DECRETO DE 21 DE DEZEMBRO DE 1859
a flanea en diHteiro, depositado nos cofres de estado, {orante a boa ad*
ministraco da compaahia.
BANiUEIROS DA CQMPANHIA DIBECAO GERAL
O Banco de Hespanlia | Hadrld: Ana de Pradou. 19
Esta companhia lgaselo systema ranino todas as combinacoes de supervivencia dos seg
0 sobre a vida.
Nella pode se tazer a subscripeo de maneira que em nenhum caso mesmo por morte do
egaradq se perca o capital nem os joros correspondentes a estes.
soprehendestes os reeultades que produzem as sociedades da ndole deA NACIO-
tr'~(,ue ain,*a m6soio dimlnuindo ama terca parte do interesse prodnzido em recentes liquida-
afiee e combinitndo-o com a nortalidade da tabella de Depareieui que adoptada pela companhia
Jar* seas clcalos e liqnidac5es, em segurados de idade de 3 a!9 annos, ama impositio annua.
Mi wu# produz em effectiTO metlico:
No fim de 5 annos.......1:1194300
de 10 .......3:9424600
de 15 i...... 11:2084200
de 20 *.......30:2364000
de 85 ....... 80:3314000
as idades menores de 3 annos e maiores de 30, os productos sio mais consideravels.
Prospect )s e mais informacoes serio prestadas pelo sab-director nesta provincia.
Joagoim Piaza de Oliveira, roa daCadeia n. 52, ou a Boa-Vista ra da Imperatriz n. 12, estabelcl-
ment dos Srs. Raymando, Carlos.Leite & Irmo.
TINTURARA
AO GRANDE S. MAURICIO *
.........' "T m^^
PUOCESNOS APERFEICOAIBOS
PARA *
Tlogir, llaipar e lastrar a vapor.
COEJLHO s FREITIS
Roa da Cruz c. 1C. .
Continua a baver diariamente um sortimento de pastis, podios, bolos inglezes,
empadas etc., etc. Os donos deste estabelecimento, acham-se as melhores condigoes
de poder satisfazer encommendas concernentes soa arte, em consequencia do socio
Freitas ter sido administrador chefe de algumas das princi) aes fabricas na corte, sendo
urna a do Si. Jo5o Goncalves Guimar5es (confeitaria do Leao) antiga casa de Carceller.
Todos os trabalhos s5o differentes dos que se fazem em casas particulares.
Os proprietarios deste estabelecimento n3o se tem poupado a despezas, nem se
pouparSo, se houver cbncorrencia como esperam ; tendo continundamente bom sorti-
mento de doces para cb; presuntos e ditos em fiambre, tambem se recebem para se-
rem preparados ; assim como doce de caj novo superior, secco e crystalisado, dito em
calda em latas hermticamente fechadas, podendo durar annos em perfeito estado.
Para jantares e partidas recebem-se encommendas dos seguintes objeelos; ban-
deijas ricamente enfeitadas sem armapao pecas de amendoas (nogaces), ditas de tmaras
j de ovos, p5es de lo enfeitados com disticos anlogos a qualquer fim; ditos montados,
{kechs simples e enfeitados com fructas ingleza; gatbeanx de la reine, ditos de le du-
: chese, tortas de fructa, massa folhada; ditas de peixe e carne; cremes e doces de ovos
de differentes especies.
Tambem tem um completo sortimento de vinhos engarrafados, como sejam: vinho
do Porto superior, Figueira, Madeira, Lisboa, Cherez, Bordeaux, Champagne fino, ser-
veja, licores, charopes e conservas. Para festas: bonitas caixinhas com amendoas, con-
feitos e mais enfeites. Muitos destes objectos mencionados podem-se perfeitamente ac-
condicionar tanto para a provincia, como para fra.
FIGURAS
Acabam de receber bonitas figuras para bandejas de doces, sendo grupos para
baptisado, casamento, annos, ditta a phantasia, bonitos enfeites para bollos e circular pra-
tos de doces finos, tudo por precos razoaveis.
Vende-se licores em duzia muito em conta.
F. A. SA WR
o a ii
3 7 S o
i'

w -i S
B*a -.8 5*
ES s crZ-^S -^
E.S 3 = o. &
g"52S-w3S
o." 8 & S. S
29 Ra 7 de setembro 29
Defronte da raa nova do Onvidor (Rio de Janeiro)
Os proprietarios deste esiabelecimento, o primeiro no seu genero no Brasil, por
trabalbar com as machinas mais aperfeicoadas para tingir e lustrar, de que se faz uso na
Europa, e ajudados por alguos dos melhores officiaes de Paris e Ly5o, podem assegu-
rar seus freguezes urna perfeivao no trabalho, a qual seno pode chegar pelos proces-
sos ordinarios.
Tingem, lavam, limpam e demofam com a mai r perfeicSo e brevidade qualquer
qualidade de fazendas, tiram nodoas e limpam secco sem molhar as sedas e as vestimen-
tas de senboras e de bomens.
LOJA DA FRAGATA AMAZONAS
K. 5 lua do Queimado n, 5.
Monteiro & Guimares, proprietarios deste joven estabelecimento, participamos
todos o> seus amigos o freguezes, que recebem de conta propria por toaos os vapor a
da Europa, ricos adornos para casamentos, e ootros muitos artigos de grande moda, e
se considerara felizes pelo bom desempenho que tem tido todas as suas encommendas,
pois seus correspondentes de Hamburgo, Paris, e Londres, tem sabido acertar com o
bom gosto das encantadoras Pernambucanas.
a a^ Frar?ata recebeu ricas saias de la a Maria Pia, com barras colloridas e de grande
novidade na Europa, assim como tamboretes atapetados para as senboras deitarem os
pes, cortes de granadina bordados a agulha, ditos de prpeline, ditos de esmeraldine, ditos
de cbaiy com listas de seda, ricos cortinados bordados, boDs bramantes de linho, boas
sel cas, toas bretanhas, retondas de algodao, ditas delirio, ditas de sed^ agerienes.
(burnus) africaines, pompadoor, transparentes para janellas com lindas paisagens etc.
eoulros muitos ojelos, quesera enfadonho menciona-Ios.
DE
DE
J. VIGNES.
X. 55. RA DO IMPERADOR W. 5o.
Os pianos dfcstaantiga fabrica sao hoje asss conhecidos para qae seja necessano insistir sobre a
na superiondade, vantagens e garantas que offerecern a* compradores, qaalidades estas inconte^ta-
ets que elles tem deflottivamente conquistado sobre todos os que tem apparecido nesta praca : pos-
intndo um teclado e machinismo que obedecem todas as vontades e caprichos das pianistas, sem
aunca ralbar, per serem fabricados de proposito, e ter-se feito ltimamente melboramentos importan-
tissimos para o clima deste paiz ; quanto s vozes, sao melodiosas e flautadas, e por isso muito aseda-
reis aos onvidos dos apreciadores.
Fa*em-se conforme as encommendas, tanto nesta fabrica como na do Sr. Blondel, de Pars socio
correspondente de J. Vignes, em.cuja capital foram sempre premiados em todas as exposicSes.
No mesmo estabelecimento se achara sempre um explendido e variado sortimento de msicas dos
Minores autora; da Europa, assim como harmnicos e pianos harmnicos, sendo tudo vendido por
precos commodoe razoaveis.
CASA DA FORTa
Aos 6:000$000.
Bllhetrs garantidos.
A'RA DO CRESPO N. 13 E CASAS DO COSTUMB
O abalioassignadovendeu nos seas muito feli-
ces bUhetes garantidos da lotera que seac?bou
de extrahir, a beneficio das fmiliag dos vo'onta-
rios da patria, os seguintes premios :
N. S469 nm meio com a sorte de 6:0004.
N. 8650 om meto com a sorte de 1:200,3.
N. 2360 doas quintos cotu a sorte de ikOJ.
N. 768 dou.* quintos com^ sorte de 2004.'
E outras rauitas sortee de I00A, 40#, e 201.
Ospossaidores poden vir receber seas respec-
tos.premios sernos descontos das leisnacasa
da Fortuna ra de Creepo n. i.
Acham-se a venda os da 2* -parte da 2 lo-
tera (66J bensucio da matriz.de S. Jos do Re-
cife.que se extrhira' sexta-feira 8 po corrate.
PRECO.
Bflnetei.....6*000
"!"......3*000
Quintos.....i^joo
i ai pessoas que compraren de 100,5009
para cima.
Bilhetes.
Meios.
5*300
2*730
Quintos.....1*100
aUnoni. Mabtihs Fiuza.
CAS4 DE B4NH0S
26 Patr do t armo 26.
Neste esbelecimento to impor-
tante para a saude e asseio do cor-
po, acham-se montados 20 banhei-
ros, que sSo servidos com a ordem
e asseio que para desejar-se. Qua-
tro detes banheiros sao especial-
mente reservado* para senboras e
por isto acbam-se coltocados em lu-
gar reservado, aonde so tem entra-
da as pessoas de urna mesma fami-
lia.
PRESOS DE BARROS AVULSOS.
i banbo fri, momo ou de
chovisoo...... 500
i dito de choque ..'.'. f^oO
i dito de farello...... 1^000
1 dito aromalisado fc|0O0
PRECOS POR ASSIGNATURA.
30 banbos por mez fri, Wk
momo ou dechovisco. IOiJOOO W
25 banhos com cartoes pa- Z
ra os mesmos .... 10^000 S
12.ditos ditos ditos. 50000 S
12 ditos ditos de choque. 100000 R
i2 ditos ditos de farello.. 1O0OCO W
O estabelecimento estar aberto >?<
| nos dias uteis das 6 horas da ma- m
i nhaa as 10 da noite, nos dias san- K
| tifleados das 5 as 5 horas da tarde. 2?
ATCIBflCAO
Fogo fogo
Valdivino da plvora com fabrica de fogo artiQ-
I na liba do Maruim. se acha com purgo de
GARRAUX, DE LA1LHACAR & C.
[LIBRARIE FRANQAISEI
RA DO CRESPO N. 9.
Livros nacionaes e estrangeiros.
Religio, dtreito, literatura, etc.
Papelaria, objectos para escriptorio.|
Papis pintados para forrar casas.
Asignaturas para os jornaes da Eu-jj
Alug -se a casa terrea o. 4 da rna do Nas-
cente : a traur no escriptorio de iuo Qairino de
Agoilar & C ra da Cadea n. 62, 1* andar.
i Precisa-se de ama ana para cozinhar e en-
gommar para orna casa de pouca familia: na
praca da Independencia n. 39.
( Precisa-se alugar urna escrava debons
costumes para o servico interno de casa de
| familia ou um moleque de- idade de 12 a
14 annos ; a ra do Sol n. 21.
%m*
Precisa-se de urna ama qae seja de bons costu-
mes para o servico domestico de ama casa de la-
milla : a tratar na roa da Crui n. 45.
Perdeu-se no da 31 de malo prximo pas=:
do nma pulseira de ouro de lei, largura de don:
dedos, com cinco conchas e ama corda de metal,
da igreja da Madre de Dos at a rna do Pilar
qaem acboa, qaerendo restital-la, Jeve a mesma
rna, refinacao n. 118, qae ser recompensado.
Precisa-se de ama ama que cozinbe e compra
para casa de pouca familia : ao pateo do Terco
o. 31, sobrado.
Luia de Franca, crioala, de idade 24 annos,
precisa de 600* para completar a soa alforria, e
hypoibeca os seas servicos at real embolso; abe
coer, engommar, pensar de criancas e fazer os
mais arraojos de ama casa de familia : quem con-
vier fazer este negocio, dirija-te atraz da matriz
da Boa-vista, casa terrea n. 1.___________
Baos & Silva em liquidaclo jolgam Dada
de ver a praca, nao obstante se alguera se jalgar
credor qaeira apretentar sua conti dentro do pra-
zo de 15 dias, para ser paga, i rna do vigario o.
38 oo travessa da Madce de Dos n. 23. Recire 2
de jt ntio de 1866.
Precisase alagar ama e.-crava que
boa conducta e sem vicio, qae se)a boa
madeira: na roa da Orines n. 36, primeiro
dar, pagase boro ordenado.
tenba
as-
Casa de eommtssio de escravos u roa Impe-
rador n. 45, Ureeira aodar.
Recebem-se escravos tanto do mato como da
praca para serem vendidos por commisso, affian-
ca-se o bom tratamento e segoraoca para os mes-
mos. O abaixo assignado nao poupa esfor^os afim
de os vender com promptido, nesta mesma casa
ha sempre para vender escravos de ambos ot sexos.
^ Antonio Jos V. de Sozi.
Antonio Luiz de Oliveira Azevedo l CTtem
para vender no seo escriptorlo, ra da Cruz n. 1,
vioho do Porto em caixa de duzia, fio hamburguez,
aola da Baha superior.
O sollcindor Pedro A. da Costa Hachado etv
tlna no exercicto de soa proflssao nao s ante os
auditorios desta cidade como nos termos do Cabo,
Ipojuca e Escada, para onde se encarrega de co-
brancas: pode ser procurado na' ra Direita n.
68,1* andar, oo estrella do Rosario n. 3, primei-
ro andar. *
t^Sn^^S^S^iSSiiir^Z fog? ,d0"de l'sor,e i pos,os Das flas a p*
CneS^ ; [*''lZ%ZnT que,,vaer ?0,i,c,a^de W
ana aVhirV' I ,riQO,Pho das nos*as arraasdentrodoHumaita; todo
que acnara aquello que tiver a mesma satisfacSo dirija-se ao
' armazeo de sal da roa Imperial n. 221 pouco alm
, da fabrica de sabo.
diri]a-se ao pated da Santa Cruz o. 3,
dom qaem tratar.
Sy:^a/2^n{afaf tt^^VafXlaV^Sf im%
R W. Wm*----------
I Companhia fidehdade de seguros
maritimose terrestres
estabelecida no Rio de Jaueiro.
AGENTES BM PERNAMBUCO
AoUoie Liiz de Oliieira Azeree k C,
eompeteatemente antorisados pela direc-
tora da companbia de segaros Fidslida-
de, tomam soguros de navios, mercado-
rias e predios no sen eseriptorio roa da
Cruz n. 1.
Arrenda-se, vende-se ou permata-se os en-
: gentos Goiabeira, Boa-sone e Gioipapo, todos de
i moer com agua.; o 1 junto a povoacao de Santo
Amaro de Jaboatio, e os dons ltimos ao sal da
cidade da Victoria (Santo Aotio). Por venda nao
se exige dinheiro ao passar da escriptura, bastan-
do letras garantidas a prasos convencionados: a
fallar na roa da Imperatriz n. 22, f andar.
O Sr, Dr. Francisco Antonio Cesarlo de Aze-
vedo rogado a vlr a' livrana n. 81 da praca da
Independencia a negocio de sea interesse.
Chocolate de Meaier.
CHOCOLATE DE SAUDE.
CHOCOLATE DE BAUNJLHA
CHOCOLATE DE CITRATO DE FERRO
CHOCOLATE LACTATO DE FERRO.
Vende-se
Na botica e drogara
DE
BaRTHOLMMEO c.
31Ra do Rosarie larga3-f
Joao da Silva Ramos, medico MI
pela universidad de Coimbra, d W
cuusuitas em sua casa das g as H
11 horas da manha, e das 4 as 6 I
da tarde. Visita os doentes em suas
casas regularmente as horas para
isso designadas, salvo os casos ur-
gentes, que sero soccorridos em
qualquer occasiao. D consultas aos
pobres que o procurarem no hos-
pital Pedro fl, aonde encontrado
diariamente das 6 s 8 horas da
manha,
Tem sua casa de sade regular-
mente montada para receber qual-
quer doente, ainda mesmo os alie-
nados, para o que tem commodos
apropriados e nella pratica qualquer
opperacao cirurgica.
Para a casa de sade.
Primeira classe.. 3,5000 diarios. B
Segunda dita___30500
Terceira dita .. 20000
Este estabelecimento j bem |S
acreditado pelos bons servicos que i
tem prestado.
O proprietario espera que elle
continu a merecer a confiauca de
que sempre tem gozado. f
Precisa-se alugar urna ama para comprar e
cosinhar para urna casa ae pouca familia : quem
quizer dirija-se a roa do Arago o. 43, que achara
com quem traur.
Caixeiro.
Precisa-se de um rapaz para caixeiro de ama ta-
berna a tratar na rna Imperial n. 37.
Na raa das Cruzes n. 36 2. andar, precisa-
se de ama ama com idade, nao importando ser
forra oo captiva._____________^_^_^
Precisa-se de ama ama para cozinhar e com-
prar para duas pessoas : oa raa da Cadeia o. I,
arraazem._______________ ______'
Precisase de um menino de 14 a lti anuos
para caixeiro de urna taberna na cidade da Vic-
toria : a tratar na ra do Livrameoto, armazem de
molhados o. 24. '
Arrendamento
0 desembargador Doria arrenda e tam-
bem vende a sua chcara no Manguinho,bem
como vende dais parelhas de molas, tres
carros sendo urna victoria, um coup e um
cabriolet cober to, tres vaccas de le i te sen*
do duas paridas, dous bois de car roca e
todos os trastes e utencilios das casas e cha-
cara : qaem pretender pode ir examinar e
entender-se com o deaembargador ou. com
o Sr. Jos dos Santo* Neves, na roa do
Crespo b. 19.
AMA
Precisa-se de ama ama forra oo escrava qae sai-
ba cozinhar e comprar ; na loja fnnceza da rna
Novan. 11.
s
I
Arrenda se uaa sitio no lugar da Piran-
ga, com trras de plantar epaito, e varias
arvores de fructo; na ra do Imperador es-
eriptorio: n. 12.
Ama de leite.
de
PAPIS PINTADOS
Sormer lo de papis pintados e
linda* guanices para forrar casas.
NA LIBRARA FRANCEZA.
N. 9. Raa do .Crespo -* N. 9.
Precisa-se de ama ama
Corpa Saoto u, 17.
Precisa-se dd um coaubeiro ,iara urna casa
leile; na pra$a doUstrangeira : na roa doTcajucbe n. 3, primeiro
'Aftar. 3
mmmm^mmmmmmm
DEPOSITO DE CALCADO
FABRICADO NA CASI DI DITHNCjO
Raa xov* u. i.
Ahi se encontrarlo obras de di-
H tersas qualidades, e por preco mui
K diminutos, a retalho e em porcoes.
M S se vende a dinheiro.
ffiMIlffMWlfl
Uenq&o.
Qaem tlver algum sitio com bastante terreno,
sendo perto da cidade, e qaeira vender oa arren-
dar, dirjase a rna dos Pires, sobrado n. 37, qae
achara com quem. tratar. __________
Precisa-se logar om
praca da Boa-vista n. 1*.
escravo : a tratar na
Offerece-se ama pessoa habilitada para co*
brancas oesta praca, dando fiador de so* conduc-
a : a tratar na rqa do Codorniz o. 12 A.
Aviso.
Roga-se ao Sr. Ttiomaz de Pigoeiredo a bonda-
de de apparecer na roa da Praia a. i'i a' traur ne-
gocio de seu interesse.
lfSSCCiO l CAPSULAS-
VEGETAES AO MATICO
GMMAOLT C. PHARMACETICOS DE PARS
Nov tratamento preparado com as folhas
de maticp, arvore do Per, para a cura rpi-
da e infallivel da gonorrhea sem receio al-
gum da contraccSo do canal on da inflamma-
cSo dos intestinos. O clebre doutor Ricord,
de Paris, tem renunciado, desde sua appar-
c5o, ao empergo de qualquer^utro trata-
ment. Emprega-se a injeegao no comeco de
fluxo; as capsalas em todos os casos enrm-
eos e inveterado, que resistiram is prepara-
rles da copabiba eas iojeccoes com base
metlica. '
Na praca da Independencia n. 33, loja de
onrtves, compra-ie onro, pratt, e pedras preciosa,
e tambem se fax qualquer obra de encommenda, e
toan e roakmer concert.
Troeao>-ae mus do baneo 4o Brasil e das
caitas flliaes com descont razoavel : na praca da
ndependencia n. 22.
8. Antonio,
A apreciada e mal procurada tresena do glorio-
so 8. Antonio, acha-se a venda na rea do Iperador
o. Ib defront de 8. Friociseo. ___________
Preeisa-sn na nitor qae saja nwoo e nao
uaba familia : na Ponte de UaUa, sitie do te
ie-cwpBf-1 Tboaai Jos da Silva Gnemao.
'-'
i


i
I


-
Diaria eU *etm*mkM ~ frea leir f de ftjnho 4c 1866.
f*

MACHINAS AMERICANAS
deiras do fabricante X. Y. canttongln c.
tobas awerieauos par moer milito.
Na ra-Nova n. 20 e 22, grande deposito
das verdadeiras machinas americanas de todos
os fabricantes; se eojontra oeste deposito
grande porreo de machinas, e se vendem por
menos preco do que em outra qoalquer parte,
por se receber em direitura da America; se
brnece todas as explicaces necessarias ao
comprador para conservacSo das mesmas;
ueste grande estabelecimento se encontra mui-
tos artigos ameritar-->s, que muito deveagra-
dar aos agricultore usam de Ues artigos,
encontra-se lambem touas as colleccoes de de-
senhos sobre os quaes se aceita qualquer urna
encommenda, que con? promptidSo ser ejecu-
tada ; ueste grande estabelecimento, encon-
trarse em grosso e a retalho, gnnde porcSo
de ferrageos, e miudezas que se vendem por preco commodo, pedindo-se a attencao
de todos para este estabelecimento que muito lucraro em fazer suas compras: na
ra Nota n. 20 Carneiro Vianna.
CORTaan IHB SEDA
Chegaram pelo paquete ioglez riqaissimos cortes de moreantique de core, e seda lavrafla pi-
coas ioteiraateate botos.
Seda de quadros por 10000 o covado
5-RM DO CRESPO-5
rrgorlo iae d A atara I a* C ompanhla.
FABRICA
NACIONAL
a ICO rs. ^
Eseovas para iimpar denles a OO rs.
Baralhos muito fiaos a 200 rs.
Caixas de p de .erro muito superior a 800 rs.
; Caixas de liona do gaz SOJwneltos a 700 rs.
Caixas de lamparinas para tres meies a 40-rt.
Caixas de obreias de massa a 40*rs.
1 Grozas de boioes de louca a. 140 rs.
: Bufiadores de cordiio e Uta.a 60 rs.
Pejas de fita de cores com 10 varas a 320 fa.
' Cartas de alflnetes franceses a 100 rs.
Libras de alfineles raocezes i* qualidade a 1&
Neste importante estabelfcimento eoontra o res-
grilavei (..ubico um variado soiliacolo de fzen-
tas frauceaa, ios leus esuissas, eas quaes *e ven-
derlo por jireco coniexdo a saber:
ChaJes de renda preta a 50800.
. Vende-se um sor tmenlo de chales de renda pre-
ta a 160* e 61, dnos de wjda r l, I4# e Itf;
i isio na ra da Imperalriz n. 72 de Guimares & r-
1 mao.
Hetonds gretas a S.
j A'end-se retnflas ueu pelo-barato prego Je
| 81, 8*300 e 9*; na ra da imperatriz n. 72, toja
de Guimarae & linio.
i Grande pexincha a 2$ o corle.
! Vende-se coi tes te casemira a China a 2UOO,
*1500, 21800 e 3,5, ditas de brim a 14280,1*400,
! 11600, ifeOO e 2.
E' muilu barato, tarlatana de cores a 240
i rs. o covado.
Vende-se um grande sortimento de tarlatana de
cores muito proprias para vestido, razeDda mais
VI MUIOS
Estabelecimento na ra da Uniao n. 11
PROPRIETARIO IAH0EL LOMBOS.
No-deposito; roa do Carmo n. 63, existe am grande sortimento de vidros e crystaes, que se
vendem per precos mais baratos do que em qualquer parte : (rseos de 1 at 8 libras, bocea larga e
bocea estreila ; copos-de cortes, de mefa oitavt at meio qaartilbo ; ditos de 10 cortes, de ns. 1 e 2 ;
globo para lampeSes de -kerosene, lavrados, lapidados e foseados; ditos para candieiro de gaz ; lam-
peos de -kerosene grandes e pequeos, lamparinas de metal-; vasos para oonfeitaria com p e sem
elle, grandes e pequeos ; cbamins para lampedes de kerosone de todas as> dtmeosoes ; compoteiras
moldadas de cortes largos, escarradeiras de adres para sallo, ditas de mao com axa, pequeas ; vento-
sas e bicheiros, calixes moldados, copos Hsos para agua e viudo, pratos moldados, redomas, garrafas
para vinko e agua, grandes e pequeas, ditas-.para Leroy, ditas para licores, ditas para minas, ditas
para agua de Colonia,-ps para planos, francos e de cores rabos para machinas a vapor, de crvstal;
globos com guaroicaode metal amarelfo, raaoiegueiras d* vidro, vidros aval sos para galheteiros lapi-
dados, vidros para lampadas de igreja, igalheas para nitssa/dilas para calbefeiros, mangas para cas-
ticaes lisas, lvradas e lapidadas ; lampeoees Je parede pare kerosene, ditos de peo durar; copos-gra-
duados de 1 ate 16 magas para pnarmacia, -gmolindo-se aesactido da medida ^ vidros para peixes
com peo sem elle, adocenas para casticaes/chamins para tampeoes de alerte,ditas de cores para i I lu-
miuaeoes, viprospara agna forte cosa rolna. Compram-sevidros e crystaes quebrados.
O deposito decta fabrica em Pefcambuco na ra da Imperatriz o. 19, onde existe constante-
mente cbamins para candieiro a gac de ns. < 3 a 320 rs. 3 de n. la Mw rs., lamparinas completas
a 25, laiii[ees completos a "5 e Sj, escarradeiras de coros a 25800 o par, pratos para copos d'agua a
SOO rs., copos de dez-cortes a 600 rs., globos lapidados e ^avrados para candieiros a gaz a 18O0. O
proprietario deste nevo estabelscirneuto convida ao respeilc-vei;publico para qne visitem o mesm\ cer-
tos deque coraprarpos artigos iodispeesavevs a urna casabe familia pela sor. barateza e atilidade,
principalmente acs &>s. pbarmaceuticos peto grande quaotidade de frascos e vhlros proprios de pbar-
rxacia. Tambera recebe encommendas. encarregadv do proprietario Joo Luiz Encrennaz.
M BOTICtJ rnmu rival SEN MM. E' baf S' ,
OAIllOUiUiUEiU t4 EsUdispoito a continuar a vender por preco "R* hArati^SimO^
34 Ra DO ROZARIO arga 34 'n,ue i todos admira queiram apreciar e vir vr para
^*^* Vndese L* f r .
X-irnriP A* finito (,rozas S* P604* d 2o oiui.to boa a 30 fa*
xarope ae Guiy. Lltira ^ MtS Inuil0 lMS, ^^
drailUlOS a atropina. Pentes de alisar com costas de rnetal a 500 rs. '
Capsula d'apiol. P^cas de tranca isa de todas as cores a 40 rs.
VinllO de miihnnin fi ITpIIiip Capacho* redondose compridos a-'iOO r. 1
(irauulos de Bismuth de Chevrier. Qoadcrnos de papel mui. tom f,20 rs.
Licor e l-ilulas deLaville. Penles de tartaruga a 25500 rs.
IojeccSo Feaugs. Kealejos para meninos
Xarope verdadeiro de Botigny.
Granulos d'Ergotina de Bongean.
Capsulas e ojelo ao matico.
Xarope hypophosflto de cal e soda.
Elixir anti-asthmatico de GuiHi.
Cvnfeitos de cubebina de Lalelonije.
Perolas de ether.
Xarope antigotioso deBoub.
Ole de figado de bacalho desiafeclado de
Chevrier.
Eixir de citro-laciato de ferro do Dr.
Thermes.
InjeccSo Brou.
Esseccias superfinas de Hermam, Piver e
Chardvin Hadancoul.
Granulos de Digitalina.
Vinho dejpijifru|iBosade Moier.
Xarope de toaureto Je ferro de Blaucard.
Agua das caldas da Rainha.
Xarope de tndacio de Abbidie.
Confeitosde actato de ferro deGelis^
Conte.
Ferro deX3evene.
Rob de Laflecteor.
Agua dentifica de quinina.
Perohts de assafetida.
Oleo 4e 6gado de bacalho ferruginoso de
Chevrier.
Xarope de digitales de Labellony.
Ole i oda do de persone. -
Xarope de codeina de Berthe.
Emais as principaes drogas, producios,
especialidades pharnwcewicas e cbwcas
dos frincipaes paizes da Europa.
Pecas de tranca brenca e de todas as quailates a mcK,e"a 'e ,era "1** mercado a 240 o cova-
60rs.
Novellos de liaba com 400 jardas a 60 rs.
Ditos ditos eom 2'JO jardas a 30 rs.
Caixas com a I Omites a 20 rs.
Pares de lavas brancas e de cores a 400 rs. '
Oravalas de todas as qualidades a 500 rs.
Resmas de papel alraaco superior a 25100.
Caixas redoodas com estampas a 100 rs.
Livros para asseoto de ronpa lavada a 100 rs.
Baneeos 4o choro maito bonitos a 160 rs.
Frascos de superior agua de colonia a 400 rs.
Fogos
de artificio
Ra grande porcao de fogos de artificio na conbe-
cida fabrica da viava Rufine, o qoal vendido por
commodo preco, e como seja penoso ir l pela dis-
tancia, as pessoas que qnizerem fazer suas encom-
mendas para S. Joao e S. Pedro, as podem deixar
no artnazem da bola amarella, no ouao da secre-
taria da polica, onde ha vera' um portador para
ir buscar e levar ao lagar coavenciooado.
a 15
KMGI
" VAKELLi
Cantos e phantadaa.
Umvoluae in 12," impresse e en-
cadernado -em Paris: em-casa dos
edictores
UVRARIA FRANCE2A
N. 9 ua do Crespo N. 9.
s
5
Frascos de bocea
larga com roldas de vidro de 1
. libras.
Vende-se
na roa larga do Rosario o. 34, botica de Bartbo-
(omeo & C._____________________________
RIVAL SEM SEGUNDO
Ra do Qu imado u 4, lo ja de
mlndczas
DE
Jos Bigodinho
Est queimando as miudezas abaixo declaradas:
Frascos de oleo babosa Sno 200 a 320 rs.
Ditos dito de bilocme verdadeiro a 800 rs.
; Ditos dito falco a 00 rs.
Frascos de ebero muito bonitos a 200 e 300 rs.
Ditos de macaca parola a 200 rs.
Albino Baptista da Rocha relo- 5itc,s ec" SDPrior DaDDa a ^ rs.
^oeiro e dourador portuguez, faz Ca'18 com % frascos dec beiro a 800 rs.
qoalqaer concert pertencente a Sabonetes-finos a 60,160, 200 e 320 rs.
sua arte.assini xoojo tambera com- D'los &* olla superior a 210 o 320 rs.
ora relogios em segunda mSo e ljiv[0i Para meoiaos com estamos a 320 rs.
obras de ouro.
DE
FAZENDA E ROCPA FEITA
RIJA JiOTA ]. t.
Reg 4 Moara, proprietario da loja de fazendas e roupa feita, sita ra *ova
d. 24, verJadeirameate penhorados c reconhediilos para com reos amigos e freguezes,
pela aceitscao e couanca que delles tem merecido no curto espaco de lempo em qt
se achare estabelecidos e perfeitameuie escudados na sinceridade dos seus tratos, decla-
ram pan sciencia daquelles que o quiaerem honrar com seus oficios, que, em vista da
grande concurrencia que tem'merecido o seu esttbelecimeoto, especialmente rio que
relativo:roupa feita; acabam de admtir para asua oDcina dealfeiate maior numero
de artisas, inclusivoo seu contramestre, dirigido pelo hbil mestre Lauriauo Jos de-
Barn s, o qual n5o s vbra ds eacommeoda.
Os mesmos annunciam aos seus freguezes.que acabam de comprar um aovo e
muito variado sortimento de fazendas finas e de bom gosto, proprias para o tempo-da
quarema, as quaesestSe dispostos a vender por.precos muito coinmoiGs e mais bareto
que Como s^mpre escusamos ess;? enfadonha prolixidade dos annunejos bombsti-
cos'preferimos mostrar aa singeleza deste aosso coavite os bons desejos que autrimas
parabem servirmos quelles que vierem ao nesso reclamo.
Bsrnartino de Sena Dias, o bactiarel Ber-
oardino Ce Sena Das, D. Maria Candida de
Sena Das e D. Tnemira Bemvinda de Sena
Ws, crdialmente agradecem a todos os
IXms.Srs. que assislirare aos ltimos suffra-
*ies por alma de^aa finada e chorada ies-
posa-e-roi D. Joanna Silvena Maeiel Mon-
eiro e-de novo con lUms.-firs. e bem assim aos pareotes da fl-
oada.para assistirem a missa do etinro da,
One leca iugar aa matriz-da Boa-Vista, pelas
7 toms da manhu do da 5 do correte e
desde ja' agradecem mais esu prova de
awizade e coosidrracao.
Caixas de 12 frascos ora cheiro'a
! Frascos de oleo babosa muito fino a 400 rs.
Duzias de meias superior oaalidade para senbora a
! 4J500.
Cbegaram as agulhas balo (papel) a 60 rs.
i Caixas com bonitos soldados de enua do a 100 rs.
Frascos de opiata para denles a 00 rs.
: Ditos de agua para Iimpar denles a 509 rs.
Pedras de escrever (pequeas) a 160 e 200 rs.
Sapatos de tranca para meninos a l.
Sapai' de tranca para borneas e seahora a lo0Q.
Pee- -o fitas de la preta para vestidos a 600 rs.
ir" .o de boioes ue madreperola fiaos a 480 o
. -rOrs.
xiaixas de clchete;; rancezes a M rs.
i Pegas de Iroeo de todas as cores a 209 rs. eetos de D0V0 > bom gosto, sendo pentes brapcos e
Caixas com anperujresenvelope a 600 rs. donrados de moldes enteiramente novos e mal a-
Pares de sapalinhos de la para crian$a a 400 rs.: ra(iaveis, tendo entre elles algons de iili^rana ebra
do e 280, dias mais finas a 300 e 320. Iaa*ichas
escocezas muito modernas a 360 e 400 rs. o cova-
do, ditas muito finas 460 e 500.
Cobertores de algod5o a 800.
Vende-se cobertores de algodo a 800 rs. ditcs
melhures a 1J600 e 1800, cobertas de cba a 2,
5*500 e 3.
Quem duvidar venha ver.
Cambraia de cores a 240 rs. o covado dita fina a
280 e 320 chitas Boas a 280. 300, 320, 360 e 400
rs., dilas percalas a 400 e 500.
Est se acabando chitas a 160 rs. o covado
Vende-se chitas a 160, 180 e 200 rs. o covado,
riscadiolios trnceles a 240 e 280 rs. o covado, roa
da Imperatriz o. 72, de Guimares & Irmao.
Lencos brancos a 2 e 2^500 a duzia.
Ditos finos a 3* e 3*500, ditos de lobo a 5*000,
5*500, 65 e 7*. ~
Cambraia branca a 3f$.
Vende--n um grande sortimento de cambraia a
3*. 3*500. 4*. 4*500 e 5*.
Raloes a 2$.
Vende-se baloes de arcos a 2*, 2*500 e oj>, di-
tos americanos a 3J50O 4; e 4*500, ditos de mur-
celina a o*, 5500 e 6*, ditos para meninas a 1,5
e 4*300; isio na ra da Imperatriz n. 72, loja de
Guimares & Irmo.
a 30COO o corte.
a 30000 o corte.
a 30000 o corte.
Veude-se cortes de la rom 12 covados a 35. di-
tes finos a 3*300 e 4*, ditos a Maria Pia a 7*300
8*, 8*500,9* e 12*, gravaus linas para hornera
a 640, 800 e 1*000, mantas maito finas a 1*200 e
1*400; isto na rna da Imperatriz n. 72, loja de
Guimares & lrmo.
Roupa feita.
Roupa feita.
Neste importante estabelecimento enecntraro os
freguezes um completo sortimento de re apa feita
assim como palitot, caigas, camisas finas a 15600,
1*800, 2* e 2*500. ditas de liobo a 3*, 33oO, 4*
e 4*500, cortes de brim, ditos de casemira de co-
res e pretas, seroalas de algodao a 15600 e 15800,
| ditos de liobo a 2*. 2*500 e 32.
Isto na ra da Imperatriz n. 72, loja de
Guimares e Irmos.
Aspas fortes para boioes.
Na roa doQuelmado loja de miudezas n. 16, ven-
de-se aspas de ac fortes, e de dilTerentes larguras
para baldes.
Bonitos quadros para retratos.
Vendem-se na ra do Queirnado loja de miude-
zas n. 16, bonitos quadros coa mordura preta e
dourada, todos por precos rasoaveis.
Garrafas brancas
e de cores com superior agua da colonia.
Vendem-se na ra do Queimado, loja de miude-
zas n. 16.
Novo gosto
Pentes, fivellas, e brincos de felicrana.
A amiga e bem conhecida loja n. 16 oa ra do
Queimado, recbeu um sortimento de diversos ob-
CALCADO-
45 Hua uireila 45
A primeira condico nispensavel con-
servaco da sudt i (razr os ps bem "de-
feodidos contra os ataques da humidade;
clcao bom e seguro e o nico preserva-
tivo dessas mil enfermidades a que est su-
jeito ,o nosso eu -. Um chnelo velho cal-
cado por um dancrv patuscante, ou orna
botina acaicanhatja em pequenino p de en-
cantadora, deidade alm de aecusar que-
brado ira bctfrii'ttante, pi ova centra as acui-
dades intellctuaes dos calcantes, e nao ha
quem, tendo bom senso, quera' passar per
maluco, ou pobre de surro : ergo, ccr-
ram a:
4*-RA DIREITA4.
e attendam a' barateza.
Homens.
Boneguios barcellonezes de lus-
tre e de porco ..... 6*000
Ditos de Brdeabx .... 7^00
Ditos parisienses de bezerro e
cordavao....... 8*000
Sapatos de lona, sola de borra-
cha.....; .* 2000
Ditos aveludados..... ijitiOO
Dito- de tranca bous 1#600
Senhoras
Borzeguins enfeitados. 5*000
Ditos de laco...... 4*800
Ditos lisos......t 4*5(0
Sapatos de borracha .... i*t00
Selleiro8, corrieiros e segeiros 1
Sola de lustre, meios grandes 20*000
E um completo sortimento de calcado ta-
brirado no paiz.
MMmkwm mmmmemm
I HKl 1
Grande armazem de ti-1
g tas medicamentos etc. &
Ra do Iaipera Ttforio Pedro das \evcs (ge-S
^ reate) (em a venda o >&
sepniate: S
d Productos chimicos e pharma- J|
"^ centicos os mais empregados em &
' medicina. ^
Tintas para todo o genero de pin-- \
m tura e para tinturara.
R Productos industriaes e tintas
M. para flores, como botoes de flores
|i e modelos em gesso para imitar
9 fructas e passaros com o compe-
la tente desenho.
Productos chimicos e industriaes
m para photograpbia, tinluraria, pin- f
f-, tura, pyrotecnia et\ fl
'> Montado em grande escala e sup-
fprido directamente de Paris, Lon-
dres, Hambnrgo, Anvers e Lisboa
pode offerecer productos de plena
S$ conflanca e satisfazer qualquer en-
$< comraenda a grosso trato e a reta-
W Iho e por preco commodo.
i
1
1
i
m

COMBAS
Compra-se.
Ditos do meias preas para -senbora, superiores a
360 rs.
Libras de pregos de todos os tmaiifes a 240 rs.
Caivetes com duas folbas muito Daos a"" 320-e
500 rs.
, Sabonetes de familia, superior a 100 e 120 rs.
' Resma de papel de peso muito Sno a 2*.
i Frascos cora tinta superior a 100, 140 e 320.
Aos agricultores
i Saunders Brothers C. acabara de receber de
I Liverpool vapores de torca de 3 a 4 caaallos com
; todos os pertences, e mui proprioe para fazer rao-
uroa esoFava que seja boa.flf!<*ra e que^aiba bem 1 ver niachioas de descarocar algodie, podendo cada
tnfcia)mar, , e paga-s bem : no escriptorio de Vicente tferrei- vem !Jara enfardar algodo on para outro qualquer grande?
de muito gosto e deflcil execucao, e bera assim fi-
vellas e brincos as mesmas circunstancias.
Tambera receben alguns cintos o que de mais
modai-no e bonito, se pode encontrar em tal gener<*.
Alm disso eocontraro os prelendentes um com-
pleto sortimento de fivellas de madreperola, i-hris-
tal, tartaruga, e donrados, brincos de chrisial, e
jaspe, voltas e cruzes de dito e muitos outros ubjec-
tos de gosto, os quaes conlinua-se a veedor commo-
damente.
ra daCoslaJk Filho, EM seaarmazem junto ao aroo da Conceico. mesmos tambem tem a venda machinas america
, as de 35 a 40 serras : os preteadentes dirijam-' coo,
Aeabam d reeeber GL Paes do Amaral & C.
5 RA DO CRESPO 5
t&ttga easa de allheraie da silra CinlnarSes
Ricos cortes de vestidos de gros-de-naples preto; com lindas barras bordadas.
Moire-antique preto em cortes e em peas, liso, ondeado e com palmas.
Gros-de-naples preto, de diversos precos e largaras.
Gorgurao preto, fazenda uperior a todas pela qualidade, e bonito tecide.
Este estabelecimento
coa-se sonido com numerosa quaatidade de filos pretos, de algodSo, de Jiuho e de se-
da, manufactura os em
ctales
retoadas
algerienes fbournus)
anamites
africaines
pompadour
DE FANTHASIA
Receberam tambem bonitos cortes de popeline de listras gde cores, e matisadas
muito modernas, de gostos inteiramente novos; e outras mui tas fazendas de gosto,
das pelo ultimo vapor.
G. P. 1IO IMAKAL 4$ C.
5 RA DO CRESPO 5
l Ponentes de madreperola, e enfeites filets
A loja de nuadezas na rna do Queimado n. 16,
receben bonilos pentes com chapa q> madreperola,
e novos enfeites filis ornados de [anteioilas dou-
radas, moediohas, aljofares, vidrilhos fie, tendo
para toda cabeca e pequeos para coque.
Fa-
lll
Grande Liquidado de
zendas
Ariuazcm da Arara rna da Im-
peratriz u. 56.
DE
Lourenco P. Heniles Guimares.
Chitas da Arara 160 rs. o covado.
Vende ,-e chitas escuras e c. a 160 < "0 (
covado, corles de ditos 2* e '. '.f>. plU la
lmpairiZ loja da Arara, n. 36.
Cassas francezas tinas a 240 o a ma.
Vende-se cassas francezas finas a 2u e 3*0
o covado. Cortes de casisa a 25400 e 3^. Ra d
'i
mo^gfraareKo: S^Si^ f"
Ouro e pra Em obras nglhas : eompra-se na praca
depeodenciojE. 22, loja de bi I botes.
Libras oterinas
Independeaoia o. 22.
da ln
eompram-se na pra^a da
tilia do Oivalhy.
Quadros represeaiaodo o auqae daqaella ilha
e a derrota des Paraguayos, assim como mappas
do Passo da Patria al* cada am.
bor caz existente no mercado.
Vendem-se na calcina de encaderaacao n.
; da ra do Imperador, tanto era folhetos como em
avalso.
nm
vin-
Copra-eo urna burra de -ferro," ingle oof
mesmo das antigs ; roa No va.0^31._______ No arrocera da-rw. do Imperador n. 3 oa
Coaipra-se na prensa de ajgodo de Sauaders I Caes de Pedro II ,n. f, tem para wnder-se o
Brothers & C.-sementes de algodo a 500 rs. por
grroba. _________ '
Oorapra-se am bom seliira iogiez em segun-
da mao, paga^serbem : na rna Bella a. 32.
Compra-se ouro, prau e pedrae preciosa
em obras veihas: aa ra da Cadeia o Recife
cja de ourives no arco da Coneeicao.
Compra-se ama escrava do mefa idade, seo
vicios, e oaroa do Cabug.q. J, sobrado.
- i *
Compra-se ouro.amoedado e antas da cala
filial do banco do Brasil ia Baha : w ra da Ca-
ndela do Recife n. Si.
-Compra-se ama aegea ou mulata scau jue
saiba vender na roa, de 30 annos, pooeo oais oa
menos qaem a tivor pode dlrieir-se a' Capnngj,
roa das Crioalas n. 13, u anoaneie para er pro-
curado para se tratar este negocio,
Contpra se urna escrava que seja boa quitaa-
deira e que nao ienni vicios neo achaques: qaea
a tiver e joier vender. Brocore na ra da Cadeia
n. 40,1* andar, que achara eom quera tratar.
Comprac-se" 3 "tachos l Ho para Iimpar,
para refinacao, anda mesmo asados, assim como
qualquer uteooiko pertencente f sesma ; preci-
sa-se de am hoK-ai habilitado para tomar conta
4o trafico da meswa, relativo a' fac ora do assucar,
aa ra das Cinco Puntas n. 61, junto nadara do
Rlbeiro.
regulando os preeos de "2* a 4*000 rs.
Bnitas caixinhas
arranjos dourados para costura, lendo com
moc-iras e sem das. Vendem-se na ra do Quei-
mado loja de miudezas n. 16.
Trancas pretas .
com vidrilhos, e btcos cora ditos e sem elles para
en feries ou vestidos.
ita ra do Queimado o. 16 loja de miudezas a-
charo os prelendentes um helio sortimento dos
objectos cima ditos, cascarnihas, franjas etc. etc
e todo est sendo vendido por pregos commodos.
Botoes pretos
~ i de vidro enfeitados d'ago.
A loja de miudezas n. 16 ra. do Queimado
oOrtes Dar Santo Antonio 7e-?delmi bonitos bol5es preIos de vidro ifim en-
kjux uuo yaia wu"^' ^.UWlllU, feue, ueac,os quaes muito se uzam para enfeitar
O. JOftO e- !S. rdrO. I S? -0*'-q!lem os. Pender pode dirigir-se a dita
GtZ.
nei -
e 25.00.
tj a
no
j loja n. 16 roa do Queimado.
Vendem se na loja de miudezas
a rna o Uueimado n. 16.
Bonitos leques de sndalo e outras qualidades.
Bonitos cintos com fivellas de diversas cualida-
des e moldes.
Brincos e ernzes de crystal.
Aboloaduras de dito para coletes.
. Bonilos port-relogios.
Vende-se um malanbaae Idade 17 aa.os.aa JSS^ C>iWcom """^ e sem e,la' P"a
DABA
pouco inda do Maranliao, .que engomla, cozinoa
o cose : qaem a pretender comprar diriia-se a ra
do Crespo n. 20 B.
Comprase am sitio pequeo, oa ama casa
com quintal grande ra da cidade : oa roa dos
Piros a 34 se dir qaem compra.
Que*jos. do Siridm
Vendem-se qaeijos d sero, lugar do Siridd.
wlto freseaes : no pateo do Carmo, esquina da
rna dp tiotm, armizem n. i._________~*
. Vendem-se 46 caitros de qualidade, a ver e
a tratar na rna Augusta onde se esto fazendo duas
casa*.
Agitlna* liabas para ebroenei. .
Retroz superior em carriiels.
Beodas pretal e bicos com vidrilhos.
Fitas de veliaao cota listras de cSres para ed
faites de gofros eeitldos.
DHas da grosdeoapoles, Usas e iavradas, brancas
e matisadas.
Para
na
Ungir cabellos.
Hoild Watter.
roa do Queimado, loja miudezas
Imperatriz loja do Arara d. 56.
Arara vende Chitas fbnrezas a 240 rs.
covado.
Vende se ehitas francezas escuras com peqaenr,
pS5S.n&3a0e400r8OCOva4!- "**
Brelanha de rolo a 3400.
Vfcodt'-se pecas de brelanha de rolo a 3*000
brim Jiro para leocoe. a 300. oGO e 640 o covado
P.ua da imperatriz loja do Arara n. 06.
Cambraias lizas do Arara a 3i00 a peca.
Vende-se pecas de cambraia finas a 3*, 4-5, e
5*. Ra da Imperatriz loja do Arara n. 56.
Arara vende cobertores a 1^500 e 1AOO0
. VeDd.p;* no! "toresa 15060, ditos finos d
los a 1*500, cobertas de lista 2J000
ce bertas de damasco 4*000, cobertas de fas,.. *
ojooo. Kua da Imperatriz loja do Arara n. 56.
Madapolo francez do Arara a 3^000
. VenS'lPefasde madapolo raocez de 12 jsr-
das a 35500 e 4J000. vende-se pecas de madapolo
ioglez de 24 jardas a 45, 5*500, 6*, 7* e 85000.
Ra da Imperatriz n. 56.
Arara vende pecas de algodaozinho a 3 W
a 2 e*s.e Ptc.8sde 'gOoznho encorpado a 35,
5, 05, 65 e 75. So na loja do Arara vend.e
azsim barato, ra-da Imperatriz n. 56.
L5asinhas do Arara a 200 rs. o covado.
Vende-se laasinhas para vestidos de senhora pelo
barato preco de 200, 240,320 e 400 rs. o covado.
nua da impef eiriz n. 56.
Bales do Arara a 2,5000.
Vende se banioes de arcos a 2*000, ditos en. s
de 0, 25 e 30 arcos a 3* 3*500 e 4*, ditos ue
mursulina para senhora a 5*, ditos para raeaiuis
e 3*fi0- fiua fla Imperauiz leja da Arara
Lencos da Arara a 20(00.
Veude-s-a duzia de lenco* brancos a 2*000
dilos com barras tambara de cores a 2*000, metas
cruas para bomeos a 25400, 3*500 < 45500 .1 du-
wa, iberiuras para carnizas a 500. Ra da rope-
rainz n. 56.
GRAMDE
ARMAZEM
DE
Roupa feita e por medida.
26 Raa *? n. 26.
Jos Antune GuimarSes, proprietrio deste novo estabelecimento de roupas e
fazendas unas, participa ao respeitavel publico em geral e a todos os seas freguezes,
que estando sua casa sobre a directo de dous dos melbores mestres de alfaiate,- sendo um
delles o Sr. F, E C. Miranda, e o outro o Sr. M. J. G. Carneiro, ambos com grandes
habilitarles tendentes a sua arte, pelos quaes dirigida a sua ofcina, e achando-se bem
montada a deseinpenbar qualquer encommenda por grande que seja, se esforcar para
sabir a contento dos freguezes, veodendo ludo por menos do que em outra qualquer
parte, roga as pessfias interessadas que vennam examinar seu estbeldclroento, e verificar
por si mesmo o que decUra, sendo entregue qualquer encommenda no prazo de 24
hora*.
VENDAS
Avidente ou sortes lidas por
urna sonmbula.
Vende-se na livraria da praca da Inde-
pendencia n. 8 a i cada exemplar, lambem
ha papis da mesma a 80 rs. cada um.
AOS SUS. ACADMICOS
Vendem-se as seguintes obras de dheilo
com pouco uso : Manuel du Droil Romain
por Mackeldey, ^ volume por 44; Diceio-
naire da Contentieux Commercial, por Mas-
s, 1 volme, por U ; ElemenU du droit
romain, por Maynz, 1 volumepor 4; Es-
prit de la jurispnidence des successions.
porConflans, I volme, for"4; Codepra-
ligue des faillites, por Geoffroy, I volume,,
por U; : na ra do Crespo n. 4, fabrica
de chapeos de sol.
*> *- Rabollo tem para vender no seo escri-
torio na roa do Trapiobe a. 44, segando andar, o
Vinho medeira superior em eaiza de duas duzias
de garrafas,
dem do Porto dem era aneoreUs.
dem de Lisboa e da Figueira.
Cera em volas.
Vende-se um bonito e bom raoleque idade 13
annos, um bom escravo idade 20 annos, ara alla-
lo idade 19 annos, orna liada negrioha idade 14
asaos, ama escrava liara todo ser.vico idade 20
aonos : na travessa do Carmo n. 1. I
tofrede puo seguro e malas
Veade se am cofre de pi, duas carteiru de
vigem, dous pares de malas, lado em bom esta-'
do : qaem pretender diriia-se a roa das Cuco
Ponas n. 140.
Vende-se
on escravo mualo escuro, de 28 annos de idade,
pooeo mais oa meaos, do tervfco do campo, sem
acbaoae ; na roa de Apollo n. 7, andar,
Vondem-se travs e enxami de Massan-
dnba e calbros de mangue, por preco commodo :
a tratar no Caes do Ramos n-24. __________I
Vende-se una prt-ra crioola'de Idade de 28
aanos, ttdia e bonita figura : a tratar na roa es-
treiu do Rosario n. 35, armazem. i
Voaaa-sa
a. 16.
Cirro maco-me
Para tngir cabellos.
Vende se na loja de miudezas, a roa do Quei-
mado n. 16.
untura #e L. Harifaes
Qara fazer os cabellos pretos.
I Vende-se na roa do Queimado, a loja de mia-
, deus o. 16.
lisos ugas miudas, aljofares imita na!
ac e vidrilhos de cores
para enfeites de vestidos; vende se todo isso por
precos rasoaveis na -na do Queimado n.l oja 16,
de miudezas.
mmm mmwu,
99 chales do Pari a 6 73 e Si.
Vendem-se ricos chales pretos de renda maito
grandes com quatro ponas, sendo os mais moder-
nos por terem chegado pelo ultimo vapor francez,
e vendem-se pelo baraiiss.mo preco de 6* 7f e
B* : na loja do Pavo, ra da Iaiperatriz n. 60, de
Gama & Silva.
Frello.
Passarinhos mgicos.
Caaton e ais eoaea.
Na roa do Queimado, loja de miudezas n. 16,
vendem-se a 800 rs. esses bonitos passarinhos m-
gicos que cantam e nao comem, e servem mui bem
para dlvertimento de criaucas e senf.ora-, e mes-
mo para excitar o canto aos de gaioias.
Roupa feita por medida.
Vende-se paietots dt panno e de easemlra pretos
MedSS Sfc P& e t0*> w'C* Je brim a
2*, 5#00, paietots de brim a lf e 3JL calcan de
casemira de cores a 31, 1, 61, 8, dllas preas a
41, 61 e 81, camisas franceas finas a 21 e 2SC0
carneas nglezas de prega larga de llnha a m*
3100 e Cerclas de algodo a II, de brim a
i#ouo e 1$, roopa feita para escravos propria par.t
servido, calcas e camisas a 11 e UI20. S na
ra da Imperatriz loja da Arara n. 36.
Arara vende as sedas a 10500 o covado.
Vende-se sedas para vestidos a 11600, oreandios
linos para vestidos de senbora a 640 e 800 o co-
vado Boa da Imperatriz loja da Arara-n. 36.
Loja de c lcado~
Vende te orna armacao e utencilios de gaz, (we
lera servido de calcado, em bom local para obras
da ierra, sila na loja da travessa das Cruzes o. 12
e garante-se o alnguel da mesma loja : a ir* lar
oa roa larga do Rosario n. 21, fabrica de cigarros.
Vende-se por commodo preco urna 'nobtba
de amarello era bom estado : no pateo do Trro n
31, sobrado.
Panno de algodo ,da Bah;* para saceos de
assjcar e roopa de escravo, vende Antonio Luiz
de Olivelra Azevedo 4 (1, no seu escriplorio ra
da Croz n. I., ,
Vendem-se
Cassas de cores
mon??.?."56 iare" 'Pf/tor de Lisbca, rcenle-' pechincha, porque sio Unas e bonspadrdes,e
mente eaegaao : no escriptono de Manoel Ignacio melbor anda o diminuto preco de 280 rs. o cova-
oe unveira e Fimo, largj do Corpo Sanio n. 19. do ; pa Boa-vlsU, rna da imperatriz d. 20.
machinas americanas de errte para descarocar
algodao : na rna da Seorala nova n. 41
No armazem da rea da Concordia n. 34; existe
um bello sorUmento de canos vidrados de varias
grossnra?, e vende-se por commodo preco.

*




s*.
Diario de rcraanbnco Terea felra & ie Juafco de 1866.
.
0 que occiipa hoje mais a att.en$o do mundo
econmico? o novo systhema do proletario do ar-
mazem de molhados ~\ml^i
NIO MERCANTIL
53 RA DA CADEIA 53 v
PASSANDO O ARCO DA COMCEIClO.
Que sorge de novo hasteando a bandeira da modicidade de pregos em toaos os
seas superiores gneros.
Que o publico reconheca as vantagens que de tal systhema le resulta, e o que o
rproprietario do sitado armazem deseja, e a que desde j o convida: passando tambem a
notar-lhe os precos de alguus dos gneros do seu esplendido sonimento, e para os quaes
pede
ATTENC&O
(ouma de mllho hranco americana.
E&ta excelleme gomma, mnito se recomcommenda como o alimento mais suos-
aocial e saudavel; servindo nao sopara papa (no que superior de todas as outras
gammas e farinbas) mas tambem della se pode faaer po-de-I, cangica, creme, Dolo
fraticez, podim, etc.: o pre$o de cada pacote de urna libra 800 rs., em caixa tem aba-
timento.

MANTEIGAINGLEZA de superior qualida-
de a 1,28o e l.Ioo rs. a libra, em barril
se faz batimento.
DEM FRANCEZA a mais nova que ka no
mercado a Gio rs. a libra, em barrifl ou' DEM FRANCEZA a io rs. o frasco.
meiosa6oors. (SALMO E LAG09THH. chegado i
CHA HISSQN de primeira qualidade a
MOLHO INGLEZ de diversas qaalidtdes, a
7__n rs o ff3$co.
MOSTARDA INGLEZA muito nova, a 800,
rs. o frasco
2,8oo rs. a libra, alm desta ha muitas ou
tras proprias para vender a retalho, que
se vendem de l,6oo a i,800 rs. a libra.
DEM PRETO o mais especial quetemvin-
do a este mercado a 2,2oo rs a libra.
DEM regalar de l,6oo a l,8oo rs. a libra.
QL'EUOS DO REINO ltimamente chegados
pelo vapor 3,4oo: ditos do vapor passado
a 2,ot>o rs.
LATAS DE CHOURICA.S com 6 libras er-
meticamente fechadas, a 4,5oo, de barril
a 64o, a libra.
ESTRELLVHA para sopa em caixas sortidas
VINHO VERDE do verdadeiro sumo da uva,
e o mais proprio para se beber n'este
"imperio, pela sua extraordinaria fresqni-
do e agradavel gosto a 64o rs. a gar-
tafa.
A^'EiXAS FRANCEZAS em frascos de 4 e
2 libras, a _,8oo, e l,4oo rs. em caxi-
nhas muito enfeitadas com diversas estam
pasa 2,eoo, l,8oo, l,5oo el,3oo, reis.
BISCOITOS INGLEZES emlatss contendo
diversas qualidades al.oooe i,2oo rs. a
|ata-
PRINCiPE ALBERTO bolachiDhas as melho-
res presentemente conhecidas a l,6oo
rs. a lata.
SALAME HAMBURGUEZ chegados no ulti-
mo navio a l,6oo a libra.
PREZUNIOS verdadeiro de Lamgo, a 64o, 1 "A* RR :*,
rs. a libra, e 56o inteiro.
TRAQUES n. 1. em caixas de 4o cartas, por
8,5oo, e 24o rs. cada urna.
MARMELADA em latas de i, i */_ *-
bras a 600 reis a libra.
JALEA DEMARMELLO em latas, a 800 rs.
FRL'CTAS EM CALDA pera, pecego, alper-
ce, rainha Claudia, e ginja a 64o res
a lata.
mente, em latas de 2 libras, a i .too. rs.
ARENQUES em latas a 64o rs. cada urna.
SARDINHAS DE NANTES em latas e meias
a 600 e 36o reis. .
VINHO DE COLLARES o legitimo vido
desta localidade, muito superior e sem
confeicao algoma, a 800 rs-. a garrafa.
IDFM MADURO o verdadeiro do alto Dou-
ro em banris de lo em pipa por 35,ooo
cada um. .
VINHO DO PORTO de diversas- quahdades
engarrafado, inclasive o mais-fino que ha
n'este genero, por 800, l.ooo, 4,2oo,
Gros de aples preto a 1*500, 10*00, 20. U. 30500 e 40 o covado. 8}
- Gorgor_o. preto de superior qualidade a 20800, 20800, 30 e 40 o co^
vado.
Superiores moreantiques a 20500, 20600, 30, 30500, 40 e 506jr#o
covado.
Bons cortes de moreantiqne. *
Idem.de gorguro adamascados.
Bens pannos e casemiras.
Sup riores alpacas, princetas, merinos e bembazinas.
Bons vittudos pretos. .
Grande variedade de chales de fil preto e de guipure a 50, 60, 80,
O0, 120, de,160 a 200, a de 250 a 800 cada um.
Superiores retondas de fil preto e de guipare a 80, 100, 120 e 250,
e de 300 a 6Q0 cada urna. t
Superiores agerieues de jilo preto e de guipare de 120 a gaJ, ede
300 a 600 cada urna.
Bons chailes de seda preta. HM
Ditos de Merino preto bordados e outras umitas fazendas pretas que ^
seria enfadonhe enumerar, na
CONSULTORIO Sp^-MIC
DR. PEDRO DE ATTAUTDB .MO MOSCOSO,
EDICO, PARTGIRO E OPERADOR.
3 Ra da Gloria, casa So Funda g
O Dr. Lobo Mescoso d consultas gratuitas aosfbMS todos ostias das 7 s li
aeras da manho, edas 6 e raeia s 8 horas da aoite, rapcio-das dus saatflfcacloi
Pkarmacm especial h/ommpatkica
No mesmo consultorio ba sempre o mais appsjpriado sortimento de carteiras
wbos avulsos, assim como tinturas de varias frmnmm&m e pelos prc
Carteiras de 12 tubos, grandes. *. Iltf-f
. de 24 tubos grandes. .- 180000
de 36 tubos grandes. 240000
> de 48 tudos grandes. 301000
de 60 tubos granees. 350000
Prepara-se qualquer carteira conforme o pecTao qa se flzer, e com os remedios
que se pedir.
Um tubo avuiso ou frasco de tintura de meia onca 10000.
Sendo para cima de 12 custario os precos estabelecidos para as carteiras.
Ha tobos mais pequeos cada um a 500 ris.
Quintes:
-; I I
-
HYIUIS^^
IiOJl DAS
DE *NT0N10 eOHngU DE TASCONCEL-LOS
MA 90 CRESPO M. 13
m c.
l,4oo e l,5oo rs-. a garrafa.
FEIJO verde e cawrapato em latas- ermett-
camente- fechadas a 600 rs.
CHOCOLATE franceempacotes del libra
por 5oo reis.
AZEITONAS- das chegado ultunamflntB- de
Lisboa a l,2oo rs. anconeta, e 5oo,. a>
guarrafa.
CAF 'avado a 24o rs. Ufara, e 7,000.
a arroba, ewgular a 220-a libra, e 6-,5oo,
a arroba. _;
VINHO CHERBY do mais- superior demar-
cado a l,5oo rs. a garafer e 'K.o&ts-.
a duzia.
MUSCATEL o verdadeiro de Setubal,. a
lf8oo rs. a garrafa, e 2o,ooo a duzia.
VINHO BORDEtfJX das mais acreditadas
marcas, S.'Emilion. Santr Jlien Haot
Brion a 7oo e- 800 rs. a garrafa, e em
caixa dedozia, a 7,5oo e 8S000 rs.
de Lisboa de excelente
qualidade, e proprio para missa, a 8ooy
rs. a garrafa, oa 8,000 rs. a caixa de duzia.
MADERA SECO a l,2oo a garrafa, e 12;ooo
rs. adazia.
VINHO DO RHENO superior, a 2.000 s
garrafa, e 22,ooo> rs. a duzia.
VERMOUTH de superior qualidade em cai-
xas de i 2 meias garrafas por 12,000, e
garrafas por l,2oo rs.
PH06PHATQ DE FERRO DE LERAS
HR. EM CIENCIA
mSPECTOR DA ACADEMIA DE PARS.
Nao existe medicamento terruginoso to notavel como 0 phospbato de ferro de
Leras; as suromidadM medicas do mundo inteiro adotaram-no com solicilude sem igual
nosannaes da sciencia. As cores paludas, dores de estomago, digesfes penosas, ane-
mia, conwlejcenca diffieeis, idae critica ilas aeohoras, irregularidade m menstruacijo,
pobresa do sangoe, Ivmpbatismo sao curados rpidamente ou modificados por este es-
colente composto. o conservador por excelencia dasawle e declarado superior nos
hospitae e pelas- academias a todos os ferruginosos- ooobecidos, ao idoreto e ao curato
de ferro, porque ro nico que convem aos estomago dedicados, que sao provoca consli-
pagao nico tambe que nfto enegrece a bocea e os denies.
E Paris na ra da-Feuillade 7.
A venda- em easa e Maurer, e .%, Gaors.
A melhor obra da bomeopathia, o Manual de Medicina Hoaeopatbioo do Dr. JarS
dons grande rotames com dcciODarie............ 20000b
I Medicina domestica do Dr. Hering....... tjuwn
Repertorio do-Dr. Melle loraes ........... ; l^
Dicciooario de termes 4e medicina............ 3*a00
Os remedios deste estabelecimento s5o por demais conhecidos e dispensam por
tanto de serem uovamente recommendados as pessoas que qnizerem usar de remedio
verdadeiro, enrgicos e duradores: ha tudo do melhor que se pode deseiar, globos da
verdadeiro assucar de leite, notaveis pela saa boa eonservaco, tintura dos mais acredi-
tados estabelecimentos europeos, a mais exacta e acurada preparaco, e portante a maior
energa e certeza em seus effeitos.
Casa de saude para escraws.
Recebe-se escravos para tratar de qaalquer enfermidade ou fazer-se-lhe qaalouer
operac3o, para o qoe o annunciante julga-se sufficientemente habilitado.
O Iratamento o meihor possivel, tanto na parte alimentar, como na medica
funecionando a casa ha mais de qnatro aunes, ha muitas pessoas de cujo conceito se nao
pode duvidar, qae podem ser consultados por aquellos que desejarem mandar seus
doentes.
Paga-se 20 por da drenle 60 das e#abi em diante 41500.
As operacoes serio previamente ajasttdas, se nao se sjaizerea wjeiar aos precos
razoaveis que costum pedir o anataeiaote.
PECBIKCHA SE.H IGUAL
Ricos cortes de gorguro de seda pretos- adamascados para vestido com *3 me'lj,0|
oa 19 aSfreovados cada corte, largura de chka francea, peto baratsimo preco de 305
eada corte : na lo}a dascolaranas da rna do Crespo n. 13 de Antonio Uorreia de Vascon-
eellos & C
Acabam de chegar as muISraiorea lioguas secca's do"Rio Grande do-Sul, que se
vendem por 120 rs.
JADOB
VERDIDIRA ACUA MIXERAIi
PftSTILHAS DOS SAES NATURAES DE ViCHT.
VENDE-SE
Na botica e drogara de Bartholomeu & C. Ra larga do Rosario n. 34.
H
VA DA CAMBIA BOBECIFEH.
de casemiras de cores pretas, e boro brim braaco
Nesta nova loja vende-se fazendas muito baratas, ass.m .^u*^.^^
:o dp ronpa de casemira e de brim ; sortimento
nara se fazar obra por medida. i
Madapolao avanado
75000
Calcas de casemira escuras proprias para a estadio a 7#W
PaMDtt de NBM :ioo preto a 80000, ditos de alpaca branca
a 45301).
Paleiots de panno oo preto a BHN, anos ae *4 "-- -p-~- ft
Chapeos de sol de seda com 12 asteas a e
rUaF. Y.? TZ, u*~ onA0m nnr ISIOOO. mas o Balao querendo Mitrar
s de sol todos vendem por 124000, mas .
Yenham ver a bamteza da foja do Balao.
que ningaem
e os roaiores por
ferias, tpM tudo
maior numero de tregoezes;
quem
^
- TH^S^iwff
Novo e grande deposito de superior carvlo de Cardiffna
Baha.
- rnmc. n, cantos & c roa de Santa Barbara n. 1, eslao habilitados a snpprir de
JARABE DO FORGET.
Sirop du
mmw
O DR. CBAE&E
MEDICO E PROFESSOR DE PHARMACIA, DE PAIS,
ARA O TATAME!TO FMirTO Cl'RATtVO
DAS ENFCRHIDAMS SEXHAES, DN TOSAS AS AFFECCOES CDTANIAS, Vlkl'S E ALTEAi;OES M SAMCOE.
PLUS DE
COPAHU
DEPURATIF
da SANG
Ci tritio dr ferr*Chahlc.
Xarope mu preferivel ao
Copahiba, e as Cube-
ta, cura inmediatamen-
te qualquier purgaQlO ,
relaxaQo e debilidade, igualmente finios e
flores brancas das raulberes. ajcatao de
Chohle. Esta Bjeccao benigna emprega-se mes-
mo lempo do xarope de ciirato de ferro, urna tea
de manba, e ama Tez de tarde durante tres dias;
ella segura a cura.
rrehiabM.Pomada que as cnaa em 3 dias.
Depurativo de ansuf.
Xarope vegetal sem mer-
curio, o nico conhecido
e approvado para curar
con promptida e radi-
calmente impigeos, pstulas, herpes, sarna, ce-
mixdes, acrimonia e alteracdes viciosas do san-
gue; virus, e qualquer affecio venrea. Ba-
nhoa nineraiM. Tom&o-se dous por semana, se-
guindo o tratamento depurativo.fiada a-
tiherpetiea. De um etfeito maravilhoso as af-
feces cutneas e comixoes.
' r w; m* f
v*.iJB.
Deposito na ra larga do Rosario ntica tle Bartholomeu A C. n. 34.
/.L-ZAEIltE
Tinta Inalteravel
Para escrever
de P. )\ VIUEK i C.
PERNAMBUCO
Deposito na roa larga do Rosario, botica de^Bartbolomeo & C. n. 34.
_____
colares Royer ou colares ano-
ttsM
p^ra facilitar a denticSo das crlancas e preserva-
las das convulsoes.
O feliz resollado obtido immensas veres pela
prodigiosa forja magntica ios colares Royer, nos
caws de convnlsdes, e dentiglo das criancas, tem
_!;.imente elevado o sea bem merecido prestigio,
e 1. ^je j se pode diier qae estio geralmente con-
cei ados, e estimados de innmera veis pais de:
ar.ilias : de uns porque do oso desses salutares
cj .res viram salvos do perigo seus charos filbi-
nh ;, e de outros porque colberam daquelles to
pr jcuo exemplo para igualmente preservar os
ec*. Aisimi pols, a aguia branca, leodo em vis-
ta a utilidade eproveito desees prodigiosos res anodinos oa Royer, mandn vir o novo sorti-
n*-Ltn que agora recebeu, e continuar a recbe-
les ;>ara qne em tempo algum a falla dallas possa
se: .'unesta aos pais de familia, os quas ficarao
cortos de os achar constantemente na rna do Quei-
ma-io, loja d'agoia branca a. 8.
Farinba.
mm maroiez \
A loja Esperanza na ra do Qaeimado n. 33 A,
recebta estas etatas, qne orna consa indlspensa-
ve! a qualquer senhora ; contiste na ntilidade em
suspender a vontade sala por mel de cordOes J
em cujas extremidades esli presos bcheles qae
se [lindera agoardaplsa do vestido : vndese por
JJ5500 cada cinta ; d-se amostra com penhor.
Vende-se farinba de mandioca em saceos gran-
des, recentemente ebegada do Rio de Janeiro : lia
rna de Apollo n. 20, escritorio de Carvalbo & No-
gueira, ou no trapiche do Cunha.
nmu BAHATA.
4#000'! com saceu
Saceos grandes de, boa (arinha ao reduzido prefo
de : na ra da Cadeia n. 57.
ATTENQAO.
Vajlde-se nm escravo peca de 25 annos de ida-
de, proprio para ledo *rVteo por ser muito pos-
sante : na rna da Conceicao n. 58.
km Srs. fagMteiras.
Na drogara da rus lawga do Ro-
sarlo B. 8_
DE
BARTHOtOMEO
Vrtde-se
Lima'ka de ferro.
Dita de ac.
Dita dt dito de Leso.
Salitre refinado de Ia qnaHdjde.
& C

Esta tinta rocommenda-se pela sua com-
posicad e fl_tidez como a melhor e a mais
segura de todas as tintas at hoje conheci-
das. Na6 ataca as pennas de ac, d at
tres excellentes copias, mesmo muitos dias
depois de escrever, e preferivel a qual-
quer outras tintas particularmente para
livros de corrwnercio, documentos etc de
queeeeareca longa conservaca.
Vende-se na livraria fraOcwa ra do Cresgo e ra Nova n. 18 de
II1C0S VESTIDOS BRAMOS
A' loja de fazendas de Augusto Porto & C.
11
,.* ^"..j. -
e modernos
-Kua do Quemado
A" loja de azendas de Angosto Porto & C, chegaram 'lospV4i _
vestidos brancos e bordados aun I ha.
Superiores vestidos de blond cora mana e capella para noiva.
Cortinados bordados para camas e jaueltos de iij> a 805-
Colxas de seda e de lia, e seda d cores para camas.
Bal5es, espartilhos, lavas 'de pellica e saias bordadas.
Bourns, algerninnel e eriales de renda prett.
Sobretodos de panno de doss vfstas e capas de borracha,
Srsdenapoies de cores* preto, e abeiv preto de diversas qoalidades.
Enchovaes para baptisades com vestidos bordados qne ha detnats gosttrtwste f enero.
I
Filos bordados-de aalpicos e lisos, cambralas Victoria-e transparentes. _"
Chapeos, booets e gorros de palba d Italiatparttfdor|&| i JifJi
Chpeos pretos de ssda para borneas, e chapees1 *m>\ Mi |)glfts. .. riti~: r\
Camisas fraocezas e inglezas parafcemem, meninas e senhoras.
Tapetes para saJ,plaoo e cama, e dito superior em peca.
Alcatifas de listas, baralas pois e vendeja 480 h. o eovado.
Bretanha de liuho superior em pecioha de 6 Jardaetmpecas graades de 30 ditas.
Na mesma casa se vendem sempre as melberes e mais karatas
Esteiras da ludia para for ar salas
11 Rna do Quei toado-II
r

mamm
nieftH l
ARMAffiH Um FAif.t \AS
CXSTOI>IO CARTATiHO C.
27 RA DO QUEIMADO N. _7
Madapol.o fraoeezmoito fino, tendo pouco aofo, cada peca com 27 vara_ por
10*000.
Lia de cores a 300 rs. o covado.
Cambraia franceza a 260 rs. o covado.
Finos organdis a preco de 800 rs. a vara.
Lencos brancos para algibeira a 25000 a duzia.
Finas perclaras a preco de 400, 440 a 560 rs. o covado.
Ricos cortes de la de barra de 105 a 30(5000.
Chales de fil preto e outras nanitas fazendas.
0 castello de Grasville.
Tradniie do (rancez por A. J. C. da Cru.
Vende-se este bello romance em qnar
tomos pelo baratissimo preco de 300o
na praga da Independencia, livraria os.
6 e8.
aaNovidades do Vigilante
RA DO CRESPO N. 7.
Este, estabelecimento apezar de sempre
se achar bem sortido como todos sabem,
hoje mais que nunca, n5o s pelo que rece-
be de sua propria conta, mas tambem pelo
que recebe de consignaces; parece sem
duvida que deve offerecer grandes vanta-
gens para o respeitavel publico tanto em
precos como na escolha dos ebjectos, e co-
mo acaba de chegar grande remessa pelo
vapor Douro e o navio Solferino de
diversos objectos de gosto e proprios do
tempo dos quaes se mencionarlo alguns,
por n5o ser possivel mencionar todos. O
dono deste estabelecimento espera a pro-
teccao de todos.
Riqnissimas caixinhas ornadas e com
msica propria para um delicado mimo.
Caixinhas de msica tanto de veio como
de corda.
Ricos porta jotas e necessarios.
Riquissimos est jos a feitie de um bausi-
nho ou chapeuzinho.
Ditos em casca de noz e de outros gostos.
Leqo.es de madeperola de sndalo e de
faia e madeira.
Chaposinbos e touquinhas de muito
gosto para criancas.
Meias e sapatinhos de seda para as mes-
mas.
Meias de seda para senhoras.
Capellas e grinaldas de flores proprias
para casamento.
Enfeites e capellas de maito gosto para
senhora.
Riquissimos porta boquets.
Boquet de flores com urna borrachinha
com cheiro.
Lnvas verdadeiras de Jovin.
Ditas de seda e de Escocia.
Riqnissimas plumas e guarnieres para
enfeitar chapeos. *. i -
Contas e tubos de a?o branca, ;qie ba
muito se desejava para enfeites.
Brincos, fivellas e ernzes de crystal.
Fivellas e cruzes de tartarnga, madripe-
rula e dourados.- A | J| |
Alfinetes pata gravitas.
Botes com croas pan puuhts. ,
Gravatinhas e mantinhas de muito gosto,
tanto para homem como para senhora.
fdouissimos aderemos pretos, assim como
caixinhas com alfinetes pretos.
.Bengallas de canna com cabo de marflm.
Ditas de balea, borracha e de outras
moita qualidades, assim como chctinhos.
Riquissimos peales de tartaruga do ulti-
mo goslo; assim como de arregaco para
menina, pois neste artigo ha um completo,
sortimento de todas as qualidades.
DiBemas para cabeca do ultimo ..gosto.
"THquissimas fitas lavradas e Tizas.
Trancas pretas com vidrho e de Cdres.
Pulseiras tanto-pera senhora coa paro
meninas.
Ligas de seda e de algodlo.
Bnspensorios de seda e de afgo__o e mui-
tos outros objectos que se nao podem an-
noneiar por nlo se tornar errMon_o.
S no GlUo Vigilante ra do Crespott. 7.
Frameiseo Jos Gennano
RA NOVA N. 22,
acaba de receber um lindo e magnifico sor-
timento de oculos, lunetos, binculos, do n!-
timo e mais apurado gosto da Europa e ocu-
los de alcance para observages e para os
maritimos.______________________
Tasso Irmaos
Vendem no seo armazem roa da
Amarim n. 35,
Licor fino Curago em botijas e mes botijas.
Licores finos surtidos em garrafas con ralbas de
vidro e em lindos frascos.
VinhosCberes.
Santernes.
Chamberlin.
Hermitage.
Borgonhe.
Champagne.
Moscatel.
Reino.
Bordeacx.
Cognac.
Od Ton.
PAezei lagniol.
No armazem de tazei
baratas de Santos Coel
Ra do Qneiaeade a. 19.
Vende-se o segninle :
Lencoes de bramante de nm s panno Desba-
rato preco de 34200.
Ditos de panno de llnho a 2J200 e .4600.11
Cobertt^de chita da India a 34400 e 248001
Lencos de cambraia brancos proprios para y,
beira a 29000 e 25200 a dnzla.
Ditos de cambraia de linbo fino a 44500 e 54 a
duzia.
Atoalbado de algodSo branco a 24 a vara.
Bramante de linho fino com 40 palmos de largo-
a 24300 a vara.
Panno de linho fino com 9 1|2 palmes de larga-
ra pelo barato preco de 24400 a vara.
Bramante de linho fino de urna largara, pelo ba-
ratissimo prego de 800 a vara.
Toalias de linho acolcboadas para mos, a i34
a duzia.
Ditas felpudas a 134 e 154 a dezia.
Gnardanapos de linho a 34500 a duzia.
Flanela de todas as cores para coeiros, a 830 rs.
cavado.
Tarlataoa de cores a 800 rs. a vara.
Baldes de 35 arcos 34500, de 40 a 4.
Cambraia de linho fine a 49500, 64500 e 9* a
vara.
Cambraia para forro de vestido a 24700 e 34 a
!?as de bretanha de calo com 10 varas, a
34500.
Peca de madapolao _no e largo a 7$.
Liazinh lisa de coras a 500 rs. o covado.
Pecas de cambraia branca de salpicos com 8 e
mela va jas a 44500.
Ceeiros de casemira bordados pelo baratissimo
f^raeo de" 94-
Estotra da India Mppria para forro de sala da
4,5 e 6 palmos da lognra."
Gambraias Inas da cores miadas a 06O rs. a vara
* Nest armazem tambem se encontra nm grande
sortimento de nw falla uor medida.______
Tnha.
No armazem de Vlcerte Ferreira da Opta &
Filho jonto aoarco da Concei;ao, vendaos -.aope-
rior iariaha de mandioca Dliimameoia Fhigirli,
em saceos de tres aiqneires oa cinco arrobas de
peco,galo.barai-aao prey.de 64 o aacao.
ftaaae de algodao da Babia, proprio para
saceos de assucar e roapa de escravos; tem para
vender Antonio Lniz de Oliveira Azevedo 4 C, no
settcriptorio rea da Grntn. 1.
Vapafee.
Vende-se em casa da Sao-iers .Batbers & C,
so largo do Corpo Santo n. 11, vaporas patentes
cora todos os pertences proprios para fazer mover
tres oa qnatro machinas para descrocar atgndSn.
' I
I




X


'
.'
v-


IHatl*4ft
aaakxic Terea te Ira 4 4a nata de 1866.
..
V

I
ENCICLOPDICA
fe Rm d* lafnertffMa arBatltr
da parta larca a*.
junta a nadarla fradeeza de
Paredes Porto.
Neste estabeleeimento encontrar* o respeitavel
publico um miado ettinsento do farondas Iranco-
ias, inglesas, suissas alleaMes, que se venderlo
por preso commodo.
Paredes Ptrtt
Vende chales de renda de cores qne se vende-
ra a 18'or renffefiflo por /, ditas pretos, fa-
tenda nova, 8*. 6*, 8*a 20#, unsorrrmento com-
51eto de manteletes, capas e.soutambarques 14* a
5*. Roa da Impar*is-a> U, jwuo a nadarla fran-
cesa, armazem da porta larga.
Pareaos Per te
Recebea am completo sortimento de llasintaas a
140, e 280 rs. covados, para acabar, cambraias de
cor a 840 rs. o covado, riscado escossez para ron*
pa de menino, fusto de linbo a 430, 400 e 800 rs.
Roa da Imperatriz d. 52 junto a padar Iranoeta.
armatem da porta larga.
Paredes Porte
Recebea para cortinados para cama francesa a
11* a peca cambraia lisa na a 3* 4* alo 10* a
peca, cortes de tarlatana.de bonitos gostos a 3*500
4*, cambraia coca Mr-4 odo, gestos inteira-
mente dovos a 400 e 500 rs. o covado. no armatem
da porta larga n. S, roa 6a Imperatriz junto a pa-
daria francesa.
Paredes fwte
Receben pelo ultimo paejaete um sortimento de
erares com pedras para o pescoco, bonitos caxieis
de lia para peseoeo de senhora. Ra da Imperatril
a Uti armazem da pona larga.
Pircan Parta
Vende cortes de gorgorito preto para vestido com
21 covados cada'R"90pO9O, grosdenaple preto a
1*600,1*800 e 2* o covado, lias litas finas a 400
rs. o covado, las de qnadrinbo para vestido, enfes-
tada, a 350 rs. o covado. Rila da Imperatriz n. 52,
armazem da porta larga,
Roopa feita
Roa d Imperatriz n. 52 armazem da porta lar-
ga junto a padsria francesa, ncontra-se neste es-
labelechnealo am completo sortimento de patets-
saccos e sobrocasacos, de todas as qaalidades, cat-
eas, colletes, ceronlas, camisas, grvalas, meias
chapeos de sol, ditos franceses para cabeca, por
procos commodos, roopa para menino e outras
muirs azendas por preces commodo?, armazem
da porta larga.
No mesmo estaaelectsaento oneoanaffa o respai-
la vel publico, sempre um completo sortimento de
ronpas fetas de todas as qualidades, como sejam
paletos de alpaca prta ede edr,/ritos sobrecasa-
cos a 4* e 5*. ditos -do brim pardo a 2*800,35 e
3*500, ditos finos a 4*, ditos metas eazemrra a
-35*00, 4* e 35, ditos catemfra secos a 0*, 7*, 8*
e 10*, ditos sobrecoeoeos a 10 e *, ditos de pau-
so saceos a 6*, 8* e 10*, ditos sobrecasaeos a 12*
e 25*, ditos de merino preto a 6*, 7* e 16*, cal-
cas de brim de diversas qualidades a 1*800 a 4*,
ditos brancos a 2*500 e 6*00, ditos cazemira 5*,
c* e 75, ditos pretos a 5*, 6, 8* e I*, ditos'
metas cazemiras a 3* e 4*, col tes de diversas
qualidades, serontas francezas de algodo, ditas de
uno, ditas de bramante a 2*-e 2*500, carnizas de
algodo de litmo francezas de 2*500 e 3*. Gran-
de pecbincba neste genero, grvalas de todas as
cualidades e brancas para casamento, -grande sor-
cimento de meias para senioras, ditas para bomens
a 3*. superiores a 3*500 e 4*.
Um completo sortimento de chapees de sol de
alpaca a 3*, ditos de sede a 5*, 7*. 10* e 14*,
ditos franceses para cafetea, grande sortimento
a 6*.
Vestidos
Foehittcha sena lajaial*
Cbegoa a loja de Paredes Porto un bonito sor-
timento de vestidos de tartalata de cares e brancas
que serve para partidas por ser urna pbantasia la-
teramente de tost telo barato oreco del*
brancos a 4*500, estio acabando-se : no amaten
d porta larga ra da imperatriz o.52, junto apa-
dara (raneeza. .
A SALSA PAKRILIIA DE AYER
PARA A CURA RAWCAL
WttrtfbJaemolestias escrofalosae, uanoiaa^uican nagas, feridas m-
Ibas, bronchocele, papo ou papeira, syphiHej. Bfenfiidadea tefleria ou mer*
curiet.
Cortinados.

- Cbegou a loja de-Moredes Porte arn compietc
sortimento de cortinados litamentc berdaoc a
precode45*,,3o**5o* : na roa da Imperairi:
n. 52, port larga junto a padaria franceza.
Ricas romeiras.
Paredes -Porto reeafceu pelo ultimo paquete um
sortimento de romeira de gnipure pretas e de fil
a prego commodo : na rua da Imperatriz n. "52,
porta large junto a padaria francesa*
1#400
ha|es de ol.
Vendem-ee chapeos de sol de panno -a 1*400 e
urna grande pecbincba s para acabar : na ruada
Imperatriz -e. 52 armatem da porte larga de Pare-
des Porto.
venderlo mais barat do qu em outra qualqner pelos baratos pregos de 400 e 500 rs. o covado na
fiarte, compromettendo-se a mandar levar qntfqoer loja do PavSo na ra da Imperatriz n. 60 de Gama
Hienda en casa dos freguezes que nao podermn & Silva.
AS MOLESTIAS DAS M(ILHEBESi
retengo, menstro doloroso, ulcerares do ulero, flores brancas, etc8) tricere-
c3o, debidade, expoliado dos otila, a nevralgia e coavulsea epilpticas
qaaudo cansadas pela escrfula.
ERYSIPELaS RPES; ETC. ;,.
Enlerntidadea cutneas, empto, borMilfea, pstulas,
nascldas, te. '-
0 extracto composto de salsa parrllha, corireec.ODado peto Dr. Ayer, euraa
combinatfa'o dos melhores depurativos e alterantes conhecidos medicina; confeccio-
nado segundo as regras da sciencia, approvadjo ereceitado pelos prrtteiros mdicos dos
Estados-Unidos da America do Sul e Central, das Antilbas, do "Mxico e das Indias, e
muitas oulras partes dolnundo: o resultado de estudos apurados e minuciosos, e de
experiencias feitas pessoalmente pel Dr. Ayer, por muitos annos, nos principaos hos-
pites e enfermarias d^Ameica; tcm sido ppmado pola aeademias de medicina e
juntas de hygienne das principaes capitees da America do Norte; para prova disto vede
es attestados autbenticos no Almanak e Manual de Saude do. Dr, Ayer, es quaes se dis-
tribtwm gratuitamente nos lugares onde se vende o remedio.
A SALSA PARILHA DE AYER
Eapeeialaieate effleaz na cura daa aaoleatlaa que tena ana origem
a escrfula, bm infecto Venrea, no nao
eaeeaaiTe do mercurio oa qualqner Impureza d aaagne.
A molestia ou infeca peculiar, conhecda pelo nom de eserofttla, tira dos ma"
les mais prevalecentes e universaes que ha edf'tda a extensa fst dsr% emefmiddes que
atacara a nossa raca; disse um celebre escriptr da medicina tfde mais de tima twa
parte de fMrjg tqelles que morrem antes da velhice slfotictiMas, ou1 directa ou indirec-
tamente de escrfula; por isso s alo tao destructiva, porm a principal ctws de
muitas outras enfermidades que nao lbe sao geralmente attribuidas.
uttra cansa directa da ttisica pulmonar, das molestias do figaflo. do estomago
e affecces do cerebro; entre seus numerosos' symptomas aham-se os segorntes: falta
de appetite, o semblante plido e enchado; as vezes de rMa alvufa transparente e oatras
vaos corado e amalrellento irregular, fraqueza e mollea nos msculos ao redor da boc-
ea ; digestSo fraca o apfettite, falta de energa; ventre enchado e evacuacSo irregular;
qoando o mal ten seu assento sobre os pulmoes urna or aeulada mostra-se em roda dos
olbos; quaodo ataca os orglos digestivos, os olbos tornam-se avermelbados 5 o bali-
to ftido, aliogua carregada; dores decabeca, tonteirw, etc. Naspessoas dedispost-
c3o escrofulosa apparecem frequentemente erupcoes na pelle da cabe?a e outras partes
do corpo; sao pred'rspostas s affecces dos pulmes, do figade, dos rins, dos orgos
digestivos uterinos. Portante, o3o s3o smente qulles que pdecem das formas ul-
cerosas e tuberculosas da escrfula que necessitam de proteoetto contra os seus estragos; aaooo.
todos aqueUes em cojo sangue existe o virus latente dste terral Ylagello (e S *es .^^SS&^S^nS, S3 ^
hereditarroXe^expostostamtemasofirer das enfermidades que lie causa, que alo: QSli^ISSBSW ^^ '
A tsica, ulcerafoes de figado, do estomago e dos rms; eropces e enfermidades ( jsto na toja *nmiem e Pavo na roa da im-
eruptivas da cutis, rosa ou erysipela, borbulhas, pstulas, nascidas, tumores, rhexrma, poratria. 60 de Gama & Silva,
carbnculos, elceras e chagas, rheumatismo, res nos ossos, as costas e na cabeca,
debilidades femininas, flores brancas causadas pela Ulooraco interior, e eafermidades
utermas, bydropesia, indigesto, enfraquecimehto e debiiidade geral
(rftauWE ESTAbELECIMEMO
t a
a da imperatrla, M. GO
GAMA SILVA.
LOJA E ARMAZM DE rXZMDAS.
Tmdo os propietarios daate grande estabeleci-
meoto fciu um grande abatimeoto am muitaa do
suas fazendas, pela occasiao do balanco que deram
no ultimo de dzembro de 1868, resoiveram vender
muito mais barato do que eostomam aBm de cada
vea mais agradaren! aos seos namerosos llregue-
zes ; por tapio Ibes orTerecem um avulado soti-
mento de fazendas francesas, inglezas, as quaes
Curtes de cambraia com paiiaas na lujado
Pawaa
Veadem-se cortes de cambraia branca com pal-
mas, sendo (azenda muito boa, pelo baratUsimo
preco de 2500 para acabar: na loja e armazem
do Pavo na ra da Imperatriz u. w, de Gama &
Silva.
Lencos brancos a tuOO reis a
duzia.
Vendem se lencas brancos fazenda muito boa
pelo baratsimo prego de 2> a duzia, Ditos com
barra de cor a 2J000 isto para acabar na loja d-
Pavo na ra da Imperatriz n. 60 de Gama dt Sio
va.
Peupelinas modernissimas a 400 e 500 rs.
o covado na loja do Pavao.
Vendem-se poopelinas muito finas sendo fazenda
muito moderna de qaadrinhos e liza vendendo-se
vir a loja, ou a darem as amostras, deixamio flear
o penkor, assim como convidam as pessoas, que
neaoclam em menor escala que neste grande es\a-
beleeimanto eocontraro um grande sortimento
tanto a retalbo como por atacado, vendendo-serlbe
apenas pelos precos que compram as casas ingle-
zas, sendo com o dinheiro a' vista.
As toalhas de finir de PavSo.
VeWenvsa superiores tathas de lintios para
rosfo pelo barathsimo preoo de 7|M)0 a duzia ou
a 640 cada una.
Goardanapos de linbo adamascado para meza a
2800 a duzia 011 a 240 rs. cada um.
Superior atoainedo de linbo con oito paimos-de
largura sendo branco e pardo, e vende-se mais ca-
rato do que em oatro parte, na loja do Pavo na ra
da Imperatriz 0. 60 de Gama & Silva.
Os corpinbos oe seda pretos do Pavo.
Vennenyse os-mats iecs corpinhos de seda pre-
tos, ricamente en lutados, pelo barato preco de 12 Gas Silva,
cada sm : n tef* de Pavao na ra da Imperatriz
n. 60, de Gama & Silva.
Meo veatldoa a 8^000 rs.
pe<*incia tdmiravel.
S o Pavao receben pelo ultimo vapor francez
um grande sortimento dos ais rices cortes de
vestidos transparentes com lindas barras e enl'eites
de seda, sendo estes vestidos muito pro pr i os para
baile W aassei*, e Vehett-sa p^fo bararlssimo
prece de eiOOOrs. cada nm, na loja do Pav na
ra da Imperatriz n. 60 de Gama & Silva.
Os chales pretos de renda de Pavit a 8000 rs.
Vendem-se os mais ricos cbales pretos de renda
cora qoatro ponas, senda muito grandes peto oa-
ratissimo prece de 8.
Ditos de guepore a 15*, 18*, 20*, 25*.
Retondas de dito a 10*.
ttatteletes de rtoda, fazetda raultb superior a
Cirosdenaples pretos do Pavo.
Vendem-se superiores grosdenaples preto. 1 .dos
baratissimos precos de 1*S0U, 1*600,1*800 e 2*
o covado, sendo fazenda muito boa, s para aca-
bar : na loja e arn>asem do Pavo, rna da Impe-
ratriz n. 60, de Gama Silva.
Bramante de Ilnho do Pavo.
Vndese superior bramante de Iinho com 10
palmos de largora, proprios para lenfes, pelos
baratissimos precos de 2* e 2*600 a vara, assim
como panno de iinho muuo fino pelos baratissimos
pregas de 640,700 e 800 rs. a vara : na loja e ar-
mazem do Pav3o, ra da Imperatriz n. 60, de Ga-
ma & Siiva.
Cambraias lisas de Pavao.
Vendem se pecas oe cambraia lisa muito supe-
rior, pelo barato preco de 3*200 e 3*500 a peca,
ditas muito tinas a o*, 6*, 7* e 8* : na loja e
armazem fio Pavao, ra da Imperatriz n. 60, de
PECHINCHA l
a 2000, para caifas, s o Pava.
Vendem se superiores cortes de meia casemira
com msela de seda a 2*, ditas Garibaldinas a
2*800, ditas escuras a 2*800, ou a 1*600 o cova-
do : na loja e armazem do Pavo, ra da Impera-
triz n. 60, de Gama & Silva.
PENTEADORES
ou roupes de cambraia bordados proprios
para as senhoras vestir de manhSa.
Cbegon esta novidade pata a loja do Pavo,
multo lindos e do melnor gosto at boje, por pre-
Jos muito razoaveis : na loja do Pavo, ra da
mperatriz n. 60, de Gama & Silva.
Cassn franeeias a 240 rs. o eovads.
Vendem-se bonitas cseas francezas de eores ti-
zas pelo baralissimo preco de 240 o covado.
Ditas a 280, 320 e 360.
S na loja do Pavao, ra da Imperatriz n. 60, de
Offerecemos a estas pessoas em abrigo seguro e vm antidolo efficac contra sta
molestia <" *~w.:
Osclwles de pavee e 2eee e 2ooo rs.
. Vendem-se chale* de merino estampados a 2*
e 2*500 cada mn.
IKK* eenwnnb liso* 3$300.
Drtos estampados de enqoa a 6*, 7*. e 8*000.
Ditos pretos bordados com franja de seda a 14*.
Na loja e armazem do Pavo na ra da Impera-
triz n. 60 de Gama & Silva.
Para loto vfcdeo Pavao.
Setim daCbioa com *6 palmos de largura, fazen-
da preta para luto, propna para vestidos e roupas
para homens, seado esta nova fazenda. sem lustro e
de mtrito 'trt)a qoaltwte, trarantindo-se nao ficar
russa eom o lempo-e \ende-se pelo barato preQO de
2* e 2*500 o covadevassim como neste estabeleci-
mento tem um grande sortimento de todas as fa-
zendas pretas como sejam cassas e chitas pretas,
ftas lapadas e transparentes, princesas, alpacas,
sarjas, etc. : na loja e armazem do Pava- oa rna
5S000
'o
Cortes ae iaa escocesa para vestido [a 3* o cor-
ce : na roa ua Imperatriz n. 52, loja da porta lar-
(ja, junto a padaria franceza, esto ce acabando.
Para luto.
Laas pretas eom salpicos brancos a 400 e 500
rs. o covado : na ra da Imperatriz n. 52 junto a
padaria franceza armazem da porta larga.
A UoOO.
Vendem-se pecas de tranca preta para enfeltes
de vestidos, sontemearqaes, eapas de senhora a
1*600 com 10 varas, orna grande pecbincba : na
ra da Imperatriz n. 52 junto a padaria franceza.
4(000
Chales de renda pretos.
Vende se cnales de renda preto a 4*000, nnicc
loja ae peda vender 6 na roa da Imperatriz n. 52,
armazem da porta torga, de Paredes Porto.
' co'ra'oV) ci 5BV~jT(hrSK 9 9 t 3
a M
a
a. eo
o" 9-5 S
Si
a,
5 >
_ O. IA
O o, eo =


P
lis
< a
B
s?5b
2 2 3 3
S3 ":.93&ib
1
O o.
|ls&|2.".|i:&
3-"?
aa O.
e o
* <
3 s
8F
9 "* S
w a
8
o
ta
3
o
o
3.

t
s
a
I
s
!
9
s
-1
O

~ BretfeaiAwienf neyeaav "^
Cera em velas de todos os tamanhos.
ofiae.
Ugrcurie.
Na ruado vigaripn. j9,priaeiro&#&
iMt
Baldes
Ctraaie sortimento.
Chegou rna da Ira peratriz n. 52, ionio a pa-
dafiafraoeniayBm^a.ad*soitlia8tocraft aw>
de a 2*500 r. para acabar.
e snas consequeocias na
SALSA PARRILHA DE AYER
que opera directamente sobre o sangue, purificando-o e expulsando delle a corrun?ao e o
veneno da molestia; penetra todas as partes e todos os orglos do Cb'rp Humano, livran-
do-os da soa aecio viciada e inspirando-Ibes novo vigor. um alterante poderosissimo
para a renovacao do sangue, e da ao corpo j enfraquecidd pela denfca, wrcas e ener-
ias renovadas como as da jovetrtude.
E tambem o melhor anty-syphilitioo conhecdo
cura permanentemerrte as peiores formas de tsypuilis e as suas coasequencias. Pouca
necessidade ha de informar o publico do inesttoavel valer de um remedio -que, coaso
este, livra o sangue desta corrapeSo e arrebata a victima das garras de urna norte lenta da'imperairiz n.'6u, Silva.
e ignominiosa, porm inevitavel, se o nal no' logo combatido con energa. um poderosissimo atterafite para a treoovago o sangue e Sara dar nova1br-| vodemse -superiores balSes de mn?niraa cem
ca ao corpo j enfraquecido pela doenca. 0,,a roda '&*>-di* crioolines com 8S arcosa
Sendo composto de productos vegetan, este medicamento innoceste ^^^^^^^^^^^J^9^\^
mo tempo efficaz, um fado de immensa importancia para aquelles que otomam ; por-1 0a<0ja flo ipav?t3 na rua ^ imperalnr D. eo_ 'e
que muitos dos remedios alterantes ofierecidos-ao publico tem por base o "mercurio ou o I Gama sama.
arseniso; e sendo assim, bem que s vezes podera effectuar curas, comtudo deixam suas! Cambraias de forro a 45600 e 2-5 na loja
victimas carregades de urna longa serie de males, muitas vezes peior do^que o mal ori-j do Pa^io.
ginal. A nica cousa necessaria para obter ama cura -radical seguir com juizo e-cons- Vendem-se pecas de cambraia de forro com no
atncia as direcc5es que acompanham cada frasco.
Mo pretendemos promulgar, nem queremos qae se infira que esto compos^ao a
um remedio infllivel para a cura de todos -os padeoimentos humanos.; infelizmente
escrfula e asypbilis sao enfermidades tao -sutis nasuas naturezas, e Rrreiggm-ee to
firmemente no systema, qee muitas vezes evadem e resistem aos remedios mais pode-
rosos que a sciencia humana pode 'inventar para combate-las: o que drzemos que o
Extracto composto de salsa .parrilha de Ayer
a mehor prepara5o at boje deecoberta para estase outras molestias anlogas, que
urna combinado dos alterantes mais efficaze regulada por lorigas e laboriosas ecperienciae, e finalmente que temos censcincia de ef-
ferecer ao publico o melhor resultado que -possival produzir,-da inteligencia e pericia
medica dos nossos tempos.
Este remedio deve er tomado com systema-enegularidae, e nao com abandono,
pois um remedio e nao bebida.
Quando as molestias do figado notem sus-arigem na escrfula, o emedio
mais proprio as pilulas catharticas de Ayec, que s&o efficaesa cura da molestia, que
m por causa um desarranjo dos orgos digestivos. Pedi a salsa parrilba de Ajer e
nao aceitai outra preparagao.
Pernambnco, rua Nova n. 48, pharaacia francezade P. Maorer^c C.________
" ~WlfBfrM~~" ~~~
Mo arnts/cm de II. a. Ramas e s\\\* & (.puio. rna ao VJgartlo
a. 11, constantemente, oa segua tes artlges, ae
recebeiu por encoibmenda proprla de


VEU-TOltH.


Legitima salsa parrilba de Batatal preparada por Lanman & Kenp.
Verdadeira agua Florida, preparada pelos mesmos.
Gaz em latas de cinco gales, o mai purificado que se pode desejar tada marca F. W. D. & C.
Relogios perfei^os reguladores, com corda de quatro aoito dias, dos afasiados la-
bricantes E. N. Welch. -_ ..
Graixa em latas grandes da bem conhecida marca las. S. Masn (4e ailaaei-
Superior oleo para machinas de costura.
Agulhasparaasmesmas.
Bren em barricas grandes e pequeas. .
Vende-se tamfeem:
Principe Real.
IIORDEALX
4.a qnalidade.
St. Estef he.
St. Mu..-
C. Mar-aux.
G. Lafiue.
Medoc.
PORTO
4a fBitidade,
Viabo-fine do Porto en barris de /, 0/ e 20/.
Superior vinho do Hheno.
era de Lisboa envelas e em grumo.
______________________________________________________:___________________________________________^_,-
Pedro V.
Maria Pia.
Princeza D. Isabel.
Vctor Emmanuel.
Duque.
Mavani.

i i i *n
1 OCA DO QUEHIADO W. T7.
Madavoto.
Finas pecas de madapelo com 20 v;
LEN
Lencos de cambraia branca, duzia
dem a eores fiaas pan mentaoa, duzia 2400.
Caaaa ralas.
Cambraia* da cores a preco de 260 a 300 rs, o covado.
aaraanapos.
Guardanapos de Iinho, duzia 3^600. k
Algodo.
, Algodo trancado da duaa larguras, proprio paca toalhas de mesa, a preco de
tISOO avara.
Braasaae.
Superior bramante de Iinho inglez e francez.
i Camaraia do Iinho propria para lencos.
ATOALHDO.
Atoalhado branco para mesa a 11600 avara.
ntremelos de cambraia muito finos, preco i.
Lencos de seda para algibeira a 45600,
ye varas cada ^>eca, peles Uiratlssimos precos de
f600-e*ii: na loja e armazem do Pcvo na rna
da Impcnatriz-n. 60, de Gama & Silva,
^cortinados do Pavo.
Vendem-se aperiores cortinados adamascados
para camas pelo baratissimo preco de t& cada par,
dr.os muito fleo? ricamente bordados para camas
en Janellas &'.'*$, 208 e 2 o par : na loja e ar-
mazem do Pavo na roa da Imperatriz n. 60, 4c
Gama & Sirva.
Panno preto a 2 na loja do Pavo.
Vende-se panno preto. fazenda muito boa, pelo
hr.rato precede U o covado, dito muito tino a
itoOO, 4, SjS-e 65, assim como casimira preta de
cordao a 2 o covado : na loja do Pave na rua da
[peratriz n.'<0, de Garoa.& Silva.
Os -espartilhos do Pavo.
Vendem-se ama grande e variado sortimento de
eepartilhos desamis bem fei:os que tem 7vindo ao
mercado, seno de todos os tamanhos, vendendo-se
por um preco .auilo razoavel : isto na loja do Pa-
vao na rua da'fcnperatriz o. 60, de Gama Silva.
a.a salas bordadas do pavo.
Vendem-se salas bordadas sendo fazenda muito
boa, sendo-rieanenie bordadas e eom moita roda
vendendo-se peles baratos precos de tjj 8 e lOf
reis ada urna oa loja do Pavao oa rua da Empera-
triz O- 60 de-Gama & Silva.
Bretaa de role a 3^000
Vcnem-se pecas de' bretanba de rolo com 10
varas cada peca, jielo baratissimo prego de 35:
na loja e armazem 60, de Gama & Silva.
Roaapa feia.
Na leja do Pavo
Vende-se neste estaoeiecimento un grande sor-
timento deroopas, tanto de panno como caxemiras,
e brins e pelos baraiissimos prego* como sejam
caigas de caxemira preta i b 7 e 8JOO0reis, pa-
letots de panno preto saceos aCj8j 12000 rs.
ditos sobrecaeacos de panno Bnlssimo a 125 185 e
io^OOO reis, ootros muitos anigos qne seria en-
fadoobos aqu relata-ioe; so na loja e armazem do
Pavas rua da mperatriz n. 60 de Gama A Silva.
Loja de pave
Crandra peehinehas.
SHialiaa a 500 rs. o cavado
Sedana n aOOre.
Inanaa a so .
Vene-*e na loja do Pavo, um grande sertimen-
to de sdiofaas iistradae eom as ais bonitas corea,
sendo os padres mais novos qne tem vlndo as mer-
cado, e vende-te polo paratisslmo prego de cinco
lostoea o eovado, sendo faeenda que valem moito
mais dinheiro, e grande pecbioeba por se ter
comprado urna grande ponida desta fasenda, na
loja annazem faaena 4o Pavio, rua da Im-
peratriz n. 60 de ,
La8tnhat matisada a 320 rr.
Vendcm-se as mais lindas lasahas matisadas
com o mal bonitos descnbos, pelo barato prego de
3S0 rs. o covado ; na loja do Pavo a rna drfcn-
perattiz o. 60 de Gama & Siiva.
Grosdeiriple "preto a I#600.
E' grande peehincha!!
Vende-se grosdenapie preto, sendo muito encer-
rado e de boa largura, pelo baratissimo prego de
15600 o covado : na rua da Imperatriz n. 60.
Os cachinez do Pavo.
Vendem-se bonitos cachinez de la ou agazallu
para cabera peto baratissimo prego de 35000, s
na loja do Pavao, na rua da Imperatriz n. 60.
MANTAS PARA O PESCOCO
a 15, s o Pavao.
Vendem-se bonitas mantas para o pescogo, pelo
barato prego de 15 : na loja do Pavo na rua da
Imperatriz n. 60, d Gama & Silva.
ladapoles a 3,arj0 rs. a pessa*.
S na loja do PavSo.
Vende-se pegas de madapolSo fino com 12 jar-
das, pelo barato prego de 35500 e 45000.
Chales de renda.
Na loja do Pavo.
Receberam-se os mais lindos chales pretos de
renda, assim como as mais modernas e compridas
relondes, e manteletes na mesma tazenda, e vende-
se mais barato que em outra qualqner parte: na
loja e ajmazem do Pavao na rua da Imperatriz n.
66 de Gama & Silva.
Cas le r a 31 rs. 9 cavada.
Para caigas.
Vendem-se superiores castores moito eneorpados
padroes escuros pelo barato prego de 320 rs. o co-
vado, servlndo esta fazenda tambera para escravos
por ser de muita duragao; na loja e armazem do
Pavao rua da Imperatriz n. 60 de Gama & Silva.
Chapees para meninas a 6,000.
S na loja do Pavo.
Se vendem os mais bonitos e mais bem enfeila-
doe cbaposinnos de palha da Italia, proprios para
meninas, pelo baralissimo prego e oooo, ot> i..j
e armazem do Pavao na rua da Imperatriz n.
de Gama & Silva.
Attencao.
ULTIMA NOVIDADE
PEWTES, ENFEITES, CINTOS.
Gama & Siiva, acabam de receoer pelo ultimo
vapor francez, nm grande sortimento dos mais ri-
cos enfeites pretos e de cores propries nara cabera.
endo guarnecidos com as mais lindas flores, e com
voltas das mais bonitas perolas; assim como os mais
modernos e eaeracad.is pentes da verdadeira lar
taroga, marche tari os sendo a ultima novidade
uc tem viudo de Pars, e os mais ricos cintos com
fitas mathisadas e (velas largas, conforme ultima-
mente se usa as primeiras capitaes da Europa, e
vende-se por preco em conta por ter chegado em
direitura para a loja do Pavo, rua da Imperatriz
a.-60 de Gama Silva.'
As r o laudas do Pavo a 8 e IQs,
V. n icrn-sc as mais ricas rotandas de renda pr-
ta, sendo muito grandes, que sao as qne mais se
usam, pelo baratissimo preco de 85 e 105 : na
loja e armazem do Pavo, roa da Iraqeratriz n. 60,
de Gama & Silva.
Chitas pretas a 160 rs:
Vandem-se chitas pretas inglezas, sendo /azenda
muito boa, pelo baratissimo prego de 160 rs. o co-
vado, ou 55300 a peca com 38 covados : s na
loja de IUvo, rua da Imperatriz n. 60, de Gama &
Silva.
ATLANTA
Chitas a f 80 rs., s e Pavo.
Vende-se o mais bonito sortimento de chitas in-
glezas, padroes o-indiunos, ciaros e escures, e ten-
do tambem roas para lulo, afiaogando-se s cores Oras, e vend-m-se pelo baratissimo prego de
nove vintenrp covtJo, ou a pega evm 38 covides
por 65800 : fsto na loja e armazn do Pavao, na
rna da Imperatriz n. 00, de Gama & Silva.
Vestidas brancos.
Cbegaram para a loja do Pavo os mais bonitos
cortes de vestidos de cambraia branca com boni-
tas barras todas brancas, assim como com barras
de cores, sendo faeenda transparente e muito fina,
tendb cada nm corte Bastante fazenda e muita ro-
da, e vendem-* pelo baratissimo preco de S e
100 : na loja do Pavao na rua da Imperatriz n.
60, de Gama & SHva.
Cortes de tarlalana na laja do pavao.
Vendem seos mais modernos cortes de tarlalana
com as mais lindas barras de cor, pelo baratissimo
pTego de 55 cada um, sendo neste artigo o meihor
qne tem viudo ao mercado : isto na loja e a:sa-
zeo do Pavo na roa da Imperatriz n. 60, de Ga-
ma & Silva.
Cambraias brancas,
Com 8 palmas de largurae
S na loja do pavo.
Vende-se cambraias brancas transparentes tendo
8 palmos de largara, on duas larguras das regula-
res, que facelita fazer-se um vestido apenas com 4
varas, e vendera-se pelos baratissimos prego de..
I5OOO reis, e 15260 a vara, nicamente na loja e
armazem do Pavo, rua da Imperatriz n. 60 de Ga-
ma & Silva.
Chitas braa as a 280 rs.
Mende-se chitas francezas acentos brancos pa-
droes mindinbo?, pelo baratissimo prego de 80 rs.
o covado, na mja e armazem do Pavo, rua da Im-
peratriz n. 60, de Gama & Silva.
t lia pees de sol.
Vende-se um grande sortimento da cbapos de
sol, sendo de seda e de varios preco? e qualidades;
ditos de alpaca e de panno, e vendem-se por precos
multo commodos, na loja do Pavo na rua da Im-
peratriz n. 60, de Gama & Silva.
Cortes de chitas.
Vendem-se corles de chitas inglezas, sendo pa-
droes esenros tendo 10 covados pelo barato prego
de 25000 rs.; ditos com 11 e 12 covados a 252OO
e 254OO rs; ditos de ebita franceza escura e ale-
gre, tendo 10 covados 35200; ditos com 11 e 12
covados a 35520 e 35840 rs: peehincha. na leja
e armazem do Pavo, roa da Imperatriz n. 60 de
Gama & Silva.__________________________
Rodelas de borra xa
proprias para atar massos de papis, e para ser-
virem de ligas para punhos, manguitos, etc. ec.
Vendem-se na rua do Queimado loja d'aguia brin-
ca n. 8.
Mui Coas carias
francezas; com cantos dourados, e sem dourado.
Vendem-se na rua do Queimado loja d'aguia brin-
ca n. 8.
Envelopes azues
a uU rs. o cento.
Vendem-se na rua do Queimado loja d'aguia
branca n. 8.
Apparelbos de porcelana
dourados e pintados.
Na rua do Queimado loja d'aguia branca n. 8,
vendem-se bonitos apparelhos de porcelana para
almoco e jantar de bonecas.
Bonitos quadros
para retratos.
Vendenr-se na rua do Queimado loja d'aguia
branca n. 8.
Perfumara ingleza
A agua branca a rua do Queimado n. 8, receben
um novo sortimento de finas perfumaras inglezas
de I. Gosnetl & C.; sendo extractos dos agrada-
veis cheiros Booq da Rainha Victoria, do P. Alber-
to, do imperador Napoleao, da imperatriz Eugenia,
Garlbaldl, Miss Lind, Joch Club, frangipane, sn-
dalo, etc. etc.
Oleo fino para cabellos.
Opiat para pentes.
Agua da Colonia.
Sabonetes finos creme de amendoa para barba.
Pennas d'aco inglezas
douradas e sem a ser.
Chegou para a lja d'agua branca rua do Quei-
mado n. 8, um ezcellente sortimento de pennas
d'aco inglezas, douradas e sem a ser, porm todas
de qnalidade extraina, e continua-se a vende-las a
25500, 2500 e 19500 a caixa.
- Tinta azul e preta
tinta rocha e preta.
Estas tintas cujas excellentes qualidades ja' sao
bem conhecidas e apreciadas pelos entendedores,
acham-se a venda na rua do Queimado loja d'agua
bronca n. 8.
Lacre fino de cores
com cheiro e sem elle.
Na loja d'aguia branca rua do Queimado n. 8,
vende-se lacre fino encarnado aromtico e sem o
ser ; dito verde, o urnas caixinbas com ditos ce
cores pelo barato prego de 500 rs. cada urna.
. Papel inglez
em caixinhas.
Na loja d'aguia branca a' rua do Queimado n. 8.
vende-se desse superior papel inglez em caixinhas,
Luvas de camursa
brancas e amarellas.
Vendem-se na rua do Queimado loja d'agoia
branca n. 8.
Meias pretas para padres
Vendem-se na rua do Queimado loja d'aguia
branca n. 8.
Aspas largas e fortes
para balo.
Vendem-se na rua do Queimado loja d'aguia
branca n. 8._____________
ATTEIH AO
Para Santo Antonio e S. Joo, alguidares de Ge-
nova de todos os tamanhos, muito baratos por ter
grande porg5o, jarras finas, entrefinas -e grossas,
de todos os tamanhos, assaores para Ir ao forno,
vasos francezes em temos de seis, e toda, a mais
longa de Genova e da trra : na rna do Rangel
numero 4.
Os chales de gnipure a 12jjl'e
16#000,
Vendem-se os mala Heos bUes di Gnipure e de
renda de linbo e seda, pelos baratissimos precos de
125 165; grande pechmcea en relaco a boa
qualidade e tamanho delles: s na loja do Pave,
roa da Imperatrfrn.'OO, de Gama & Silva.
Ldazinhas a 20 rs >s o
Pavo,
-
Vendem-se modernas lazinMn eom lindlssimos
gostos, palo baraaisnlnat ntedn dattttrs.; gran-
de pachiacha ; s mv leja do Pavo, roa da Inpe-
ratnx n. 60, da Gama & Silva.
Sedas Largas
Na loja do Pavao,
egon para a loja do Pavo nm modernsimo
Ciraude novidade a 800 ra.
Allanta a 300 rs.
Atlanta a 200 rs.
Atlanta a 200 rs.
Chegou para a loja do Pavio o mais lindo sor-
[intento desta nova fazenda, com o titulo de allanta
propria para vestido e roupas para meninos, sen-
do esta modernissima fazenda de 13a com os mais
lindos gostos de qnadrinhos e listras tendo entre'
ellas de cor roza e preta, eom listras e quadros
blancos proprias para loto, e vendem-se pelo ba-
ratissimo prego de 200 rs. o covado nicamente na
loja do Pavo rua da Imperatriz n. 60 de Gama i
Uva.
le chitaste Pava* a 200 o cavado.
Vende-se o mais bonito sortimento de cbitas es-
coras e rotas sendo Inglezas, mas com os pannos
tao encornados cerno os das francezas que se ven-
dan a 400 res, e liquidao-se telo barato teco de
200 ris o. povado ou a 75200 a peca, garantiodo-
se terea 38 covados cada pega e seram da- cores
fizas isto na loja e armazem do Pavio na rna da
Imperatriz a. 60 de Gama & frva.
Armazem do Pavao,
Vende-se cera de carnauba da melhor qualidade
empaceos, mais barato qne em outra qoalquer
parte no armazem do PavSo da rna da Iwperatriz'
pr. 09, de Gama a Silva.
As tfbuas do Paro a 2^000
o covado.
Cbegaram para a loja do Pavo as mais lindas
cabaias de seda para vestidos, sendo com os mais
.lindos gostos de florea e' Ifstas, tendb entre ellas al-
gumas roas e preta* pata queffl esfiver 'Se turo;
tendo e?ta neva farewd palmos d* largwa que
facilita, fater-se n vestido coa poneos, covados, o
pelo baratissimo prego de 2*000^ unlca-
loiaa armazem do pavo i ra da Im#e-
Escravos fgidos
poaatN _
w Sffn!*60, de Gi
as-mls lindas sedas par vestido,, f S^HftnkQ
Escravo ugido.
Do engenho Serifi, freguezia de Goianna, fsgio
o mulatinho de norae Raymundo, com os signaos
seguintes : cor clara, cabellos nem crespos nem
pegados do cisco, altara regnlar, pernas um tanto
arqueadas, tem todos os denles, est com o rosto
coberlo de pannos pretos, e costoma fumar muito:
quem o pegar leye-o a seu senbor naquelle .enge-
nho, on a Manuel Ignacio de Ollveira & Filho nes-
f* pra^a, largo do Lorpo Santo n. 19, qne ser
bem recompensado.
300$ de gratificado.
Ua 31 da outubro 4o anuo paseado, fugio a es-
crava Clandina, cabra alta e seca do corpo, que
pertencen ltimamente aoelllms.Sr. Jos Joaquim
da Silva, Manonf Mafcricio de Seta e D. Mariana
Ignacia de Casto* Sirva qw a erfdeu a Jos Ma-
tbeos Ferreira qne pagar 2005000 a quem ino
entregar dita escrava na rua da Cadaia n. 62.
Desapparecen desde o dia i do correte mez, a
preta Victorina, crionfa, idade 26 annos pouco
maisou menos, tendo os signaos seguintes : altura
e corpo regular, rosto redondo, tem o andar muito
apressado, levou um vestido de ebita escura j
usado, cbales de la encarnado, esta preta foi es-
crava da Kxm.* Sr. D. Maria Candida Salazar da
Veig PMso* moradora na rua do Hospicio, consta
qne anda pete Catnang a vender frnctas : quem
a pagar leva-* a roa do Crespo n. 18, segundo an-
dar, que sera'' recompensado.
seado antas de llstflnha e outrade flonH l
com as mais lindas cores, e algumas proprias nara
a senhora que estiverem de loto e vendem-se
pelo barato preco de 25000 o covado, tendo esta
taettii(fawrtfpatms deargnra,qtte facimlf*-
zer-s um vestido cora poneos eotics, IM>aV
loja armazem do Pavoaa roa da Iroperatri a
60 de Gama & Silva.
Fek
MI
Para tetfaa*. _
(SBegar'aTri'deiejdiCamnraltt et tartaiana-
brtacw e* lfsiiHntn fcendd trMK2' *
dese pelo rnssitn*rn>aft> do 55008 corta,
na loja e armazem do pavo aa ronda Inperatrix
D. 60 de Gama & Silva.
agio no dia 22 de dzembro d 1866 a escrava
oi.cfa, de 40 anuos de.Idade, com os signaos se-
rttaw : prmrctnr, eV estatura bata, magra,
roeooso*vcrj encovados, falta de denles na
caJjeUo areseide -, fdi escrava sera o lado
tt.PQrtm Inlga-se ella andar mesmo pelo
ftMisd seos aVrabaldes; roga-se, por-
tanto, >s autoridades policia.es e capitaes de campe
ite appwheBde-n e teva'la a' ra on Cruz n. SB,
botica franceza, qae so recompensar geneies*-
mente".

*
i




Diario de Fernafnnneo ferea letra 5 e Jnnho de 1866.

LITTERATDRA.
0 vocabulario portueuse, a giria da sociedade
elegante, a langue verde desta cidade aeaba de en-
riqaeeer-se com ama parase, que a synlbase de
jola a revista que ea possa fazer desti qaitnena.
A plirase a que me refiro a seguate: E' pera 1
Aoti^araente davaii-se na vida uoajuncturas que
h javira a gente a dizer : E' bota 1 batata
fe; ; estopada 1 tolice I a quando Deus que-
r: tambera : E' corraspanii e mais moderada-
mate : E' piteira I A palavra peira tambem
perteuce langue vert, mas est qoasi madura,
porque ja tem mais de um anoo de existencia.
ltimamente as pitreiras, quando viam um no
mera tocado por urna garrafa de vinbo sobrexc-
dante do numero laxado pela sua forca gastica, ja
nao diziam que eslava apiteiraio, diziam que es-
lava tarto. Ha mezes ja que nenbum hornera de
born gosto se apiteirava, todos preferan] entortar-
se. Era mais i moda.
Agora tudo isso est revogado. A pbrase sacra-
mental pera encovou toda a dislincgo e ra-
z^ireu todos es caprichos da moda. Dizendo-se
i pira est tudo dito. A pera carecterisa
quinto ba de exquisito, de excepcional, de ruido-
so, oe enthnsiastico, de febril, de petillant, de ori-
Rinal, de cr, de escandaloso.
Se os meas leitores estivessem ja iniciados no
Mr iadeiro sentido, graga, peso e valor da pbrase
-- e-pira, nao teria onde gastar mais redan-
hacas para Ibes referir os successos dos ltimos
das. Doas palavras s me sobravam para con-
tar-Ibes tudo : E pira !
Ob I pera 1 divina pira, ou pira diablica I
ab;ncoada a mao que te verejou da grande arvore
da ciencia, da arvore do bem e do mal para sa-
tufaco do geral apetite t
Quantas lacunas nao vem encber esta simples
pbrase 1 Que grande ara nao esclarece esse sim-
ples dito I Pira I tu s a luz, essa chamasinha
do tamanbo de ama amendoa, essa insigniflcantis-
sima cousa vista ao clarao do sol, mas enorme,
perfeita, cabal, impagavel apenas te mergulbam
as trevas que mystenosamente se descortinara
e recaam como de nm sopro ao tea contacto I
Quantas cousas para abi estavam sem nome,
pera, antes de tu haveres surgido a lame para re-
demir a impotencia da palavra 1
Quantas vezes diante de certas cousas, de cer-
tas pessoas e de cerios saccessos, era a gente
cbrigada cruzar os bracas, e a exclamar desa-
tentadamente : isto i mcrivel I inaudito I in
ciassificavel I i indiscriptivel I unpossivel I
Nao se explica I nao se diz I nao se conta I nao
ka nome para isto I Vejam quantos desmaios,
quantos emperros, quantos ferrolbos na lingua,
guantas confirraagoes claras, positivas, solemnes,
de que nos faltava c urna palavra suprema, ulti-
ma, indispensavel na harmona da lioguagem, sem
a qual o mundo da palavra deixava de ser um
muado, assim como o universo deixaria de ser o
universo se Ibe faltasse um grao de ara!
O grao de ara indispensavel as harmonas da
natureza, o grao de insenso pelo qaal bavia de
ammuucar-se o Incoe aromtica substancia que
eochia o turibulo, o grao de plvora que bavia de
incendiar a mina, a luz que bavia de alumiar o
carcere, a pontinba de alAnete que bavia de des-
moronar o eixo do globo, era a pira I
Proponho-me explicar, para bem da humanida-
de, as accepges em que se toma esta preciosa pa-
lavra, que eu trago s voltas no paladar da intel-
igencia, nao me cansando nunca de a gostar, de
a saborear, de a cbucburrubiar bastante 1
A pira serve para mil usos e tem mil significa-
<-o-, segundo mais ou menos acenta, comprime,
isteode, avoluma, arredonda, aguga, colore, re-
piala, lavra, salga, refina, tempera. E' como um
desses luysteriosos vocabulos dos grandes dialectos
da India, com um s dos qaaes, que para pouco
vale nos labios de um estrangeir, dizem os natu-
raes quasi tudo quanto querem.
Relagao de algumas passagens em que nenbuma
outra palavra substitue a famosa palavra pira:
Quando se contrata um caminho'd" ferro debal-
so das condiccoes mais ruinosas para o paiz. quan-
do de todas as partes chovem as representares e
as reclamares dos povos lesados nos seus sacra-
tsimos inleresse?, quando toda a imprensa dis-
cute a questao quando fica exabcrantissimamenle
prcvado que no projectado contrato existe o ger-
mai de urna grande lesao, quando no nm de tudo
isto o parlamento approva o dito contrato, que pas-
sa a ser ama lei, esse facto o rebento do seculo,
o pomo em que todos mordera ou todos querem
morder, o fructo prohibido, o fructo da pocba
a pera I
bous omens requerem um emprego que, se-
gundo a lei do paiz, ser dado por concurso ao
mais hbil. Um dos requerentes um parvo que
dispoe de quatro votos na sua fregaezia; o outro
um bomem de trovada honestidade, grandes co-
nbecimentos, assiduo trabalno, magnifica intelli-
gencia. Batalla-s dous mezes entre empenhos e
averigoagSes, e prvido aQnal o mais asno.E
pera I
Um bomem de 40 anuos, rico, namora-se de
urna malber de 18 annos e pobre. Ella diz-lhe que
a fatiga o mundo, que a enojam as adulagSes, que
quer o remanso da familia, o apoio de um coragao
sincero, a protecgo de um verdadeiro bomem de
intelligencia e de juizo. Casada com este bomem
a menina aborrece-se, quer as reunies, os as-
seios, os theatros, os bailes, que a arranquera por
momentos da convivencia de um velho que a em-
brutece. Vai aos bailes, e em cada baile desafoga
a confidencia do sea infortunio no seio de um no-
vo amante. E o mando diz: pobrezlnha, coitadi-
nba I Tambem pira.
Um rapaz da a outro rapaz nm jantar qoe lhe
custa urna Ibra, e a sobremesa pede-lhe 80* em-
prestados, deiando-o penhoradissimo pela sua
amizade inteiramente desartificiosa e fraternal.
E a pira que segu.
No sabbado e no domingo de paschoelia houve
deu bailes de mascafas'no sallio principal do pa-
lacio de crystal. NestW tallas, como era toda a
parte, appareceu a pira como adiante se vera'.
A nave principal do palacio eslava elegantissi-
raaraente adornada para a festa referida. Logo ao
entrar na sala levantava-se urna iiudisssiaia fonle
de ferro' de elevada altura, coberta de flores e de
lozes, por entre as quaes esguichava a agua de mil
pontos para dentro de ama grande laca, crcuoda-
j da de verduras e de plantas aquatica3 de um per-
fume suavisslmo. Em varios pomos da sala enor-
mes vasos de ferio, collocados em pedestaes de pe-
! dra, ostenavam arbustos preciosos,"por entre as
estatuas e os espelhos. As colnmnas qne segurara
as galeras estavam circundadas de vigoslsslmas
trepadeiras, que depois pendlam em festdes de
urnas para as outras columnas. No centro da sala
levantava-se um grande cceto da mais esbelta for-
ma com elegantes escadas, dispostas em qaalro
differentes pontos, ornadas de candelabros, esta loas
de brooze e vasos de flores. A banda de msica
do palacio, que est magnifica, executava nesle c-
relo as mais escolladas pegas, sob a direegao do
do (gente Holly, para esse flm escripturado na
Aliamanha pela direcQo do palacio. As pessoas
que teem viajado erara concordes em asseverar que
se nao dao em Paris mais bonitos bailes daquelle
genero. A concor reacia, que no sabbado foi dimi-
nuta, no domingo enebeu completamente a sala,
subindo o numero dos mascarados e nao mascara-
dos a cifra de bastantes mil pessoas.
O restaurante, o caf e a casa de refrescos, ao
chalet, atirahia mais gente que o sali da dansa.
Era a pira que entrava.
Tres horas depois de principiado o baile, isto ,
quando acaboa a opera no theatro de S. Joio, e a
jeunesse dore foi d'abl*para o baile principioa a
reinar no restaurante, no caf e no chalet a ani-
maco mais ruidosa e mais frvida. Segua a
pera.
A exciucao da alegra foi gradualmente sablndo,
at que os estos do Champagne e doXerez sobrex-
cedern] os do entbasiasmo secco.
Dabi a pouco principiaran: a quebrar os copos,
depois foram quebrando tambem os praios, que-
braran igualmente as garrafas e terminaram que-
brando tambem algumas cabegas para rematar a
pera.
Mas, senbores, Isto urna borracbeira formal
e terrivel 1 aqu ninguem pode permanecer I isto
um charivari horrivel I
Nao I exclamaram todos os convivas, em res-
posta ao pacato cidadao que aeabava de formular
o seu reparo, nao I isto simplesmente pira, isto
nao passa de pira !
O Sr. polica queira notar qne me arranca-
rara a mascara da face, que deram um cascado no
chapeo de meu lio, e que bellscaram um hombro
de minba raulher que vinha decolada I
Nao faga caso, que isso nao por mal, isso
pira 1
Pira! e o que vem a ser para t
Levaouram-se ento vinte gritos em volta do
pobre bomem.
Olba este que nao sabe o que pira I
Qual historia 1 elle faz-se ignorante j por
pira.
Palavra que nao sabe o que pera?
Pira com elle I
Dsse-lhe urna ligio de pira I
V I vamos todos I siga a pira I
Mas o quei&oso deslinda-se vigorosamente dos
bragos que tentam segura-lo, faz praga diante de
s com alguns vigorosos arremessos, e exclama fu-
rioso :
Se urna provocago, respondo j como um
bomem!
Nao, replicaram os da pe'ra. acredito qua
nao; daoos-lhe a nossa palavra de honra de que
nao temos a menor idea de o offender, e que estas
cousas n o passam de pira, das mais innocente
pera do que se tem visto em pira de mais inof
fensivo e amigavel. Ora venba d'abi tambem a
pera.
Va' la' I vamos la' a ver o que vem a ser
isso I
E meia hora depois a victima passa a ser algos;
levanta-se tonto da mesa, e da' vivas a pira com o
maior entbusiasmo.
E os policas afastam-se para dei xar passar a-
quella onda de epigramma, de provocacoes, de
dsordens, e muita vez de pancadaria, e conten-
tan) se apenas com pergaotar uns aos oulros :
Quem que traz a pira 1
o fllho do barao de B.; o visconde de
X.; o conde de K.; o morgado de T.; o do-
no da grande quinta de li.
Ola' I
E a pia vai segnindo sempre e levando tudo
dianle de si.
No baile de domingo passeava na sala um sujel
to chamado D. Antonio Padilba, descendente de
urna das primeiras casas da velba aristocracia
portugueza, e multo conbecido por alguns factos
de vulto que ltimamente assignalavam a sua vida
domestica, Padilba que nao eslava mascarado, ira-
gou por debaixo do prago o seu capote a castelba-
na, e convidou para a walsa urna das mulberes
que procarava par. Depois de algumas voltas da-
das no turbilbo da dansa, desavieram-se os dous.
Padilba disse a bella que Ibe arrancava a mascara
da cara. A bella redarquio que remunerarla essa
insolencia com ama bofetada, Um segando depois
a bella tinba a mascara na mao do Padilba, e o Pa-
dilba tlnba na face urna bofetada da bella. Nada
mais prompto nem mais semanario. Agglomerou-
se gente, nter velo a polica disseram todos :'
pera I
Algam tempo depois Padilha beba de todos os
modelos e quebfava a louga que lhe apresenta vam Nos nao propugnamos a opl ni ao do nafler dixt,
FOLHETIM
TRISTEZAS A BEIRA-MAR
POR
M. PINHEIRO CHAGAS
XVII
CContinuago.)
Espalbou-se a noticia da morte de Bartholomeu
na villa e foi geralmente sentada, porque o bom va-
lu era bemqoisio e possuia principalmente as
sympathias dos pescadores, a quem sempre fizera
bem e tratara com affecio. Vieram todos trazer o
seu tributo de lagrimas a' dor da fadasinha. Leo-
nor mandou-os entrar e agradecen pessoalmente a
cada um d'elles a sympathia que lhe mostravam.
Era nm espectculo a um tempo cmico e patbeti-
co ver essa pobre gente entrando tmidamente as
salas, que resumiam para eles o ideal do laxo, en-
rolando as raaos o barrete e balbuciaodo algumas
palavras que as lagrimas ioterrompiam ao verem
o como os desgostos tinham mudado a sua gentil
fadasinha.
Leonor pareca que se Iba seceara a fonte doi
plantos, mis quando Rosinba, a pobre rapariga ca-
jo marido ella salvara, se Ibe veio tancar nos bra
gos, chorando, as lagrimas romperam dos olbos re-
qaeimados pelas tormentas, que a tinham salteado,
e alliviarara-lhe nm tanto o doloroso martyrio.
Alguns dos ledos lisbonenses, que estavam a ba-
nhos, e que por varias vexes, durante a vida de
Bartholomeu, tinham procurado insinoar-se na in-
timidado do velbo, aproveitaram vidamente a occa-
sio para tentarem nm assallo. Mas a esses fechou
Leonor Inexoraveknente a porta a das pessoas da
villa que a foram visitar s receben o padre Chris-
tiano. O capito Ra voso, esse eslava sendo .quasi
o commensal da casa.
No dia seguate foi o enterro. Quiz Leonor a-
companba-lo, indo de encontr aos usos estabeleci-
dos. Formavam o cortejo mallos pescadores e al-
urnas pessoas gradas da villa.. Os lees, apesar
i influencia que exerciam sobre eles estas mgi-
cas palavras: kerdeira tuvo, bonita e non, lie ti-
veram animo para se enamalkarm com to ple-
ba companhia.
Declina va o sol para o occaso, quando o fanebre
prestito ebegou ao cemiterio. Lancou-se o corno
na cova ao som do rquiem magnifico entoado pelas
ondas. Quando a Ierra cobrio o cadver, nao boa-
ve outro elogio fnebre que nao fossem os selagos
d alguns dos assislentes e a singela crui da ma-
deira nao te ve onlro ornato que nao fosse auro-
la com qne o sol-posto a cinglo.
na mesa do restaurante. Por flm ergueu-se e pro-
clamou as sentengas mais faribandas contra a so-
ciedade e contra o adox de algoaus mulberes.
Advertido jj tardamente pela poMcia, arrancn
um pnnhal e um rewoiver, e gritn a maUlKo t
Li para fra tudo I quero lugar I
Calculen) o eflelto destas palavras na bocea d
um hornera sobrexcitadissimo, qne rodeia em vol-
ta de si com mao tremola e febril as seis boceas de
I nm rewolveif prestes a despejar seis balas ?
O restaurante eslava cheio, encontrando-se en
tre os concurrentes grande numero de senboras.
Foi um auF qui peut lamultaoso e geral. Uns
metteram-se debaixo das mesas, oulros eniriocbei-
raram-se com as cadeiras, com os biombos c com
as bandeijas; alguns puderam escapar-se pela
porta atulbada pela multido, muilos saltaram pe-
las janellas qne sao quasi ao res do jardira.
Afinal, depois de grande lula, foi preso o Padi-
lba, cojo revolver estava felizmente encravado pe-
la vareta. O oobre Infangio debaten-se como h-
roe, e s pode ser levado para o Carmo depois de
ter mordido a oreina 4a ora polica e da ser amar-
rado for(emente da ps e raaos. Doas das depois
estava solio a' flanga, accreseetriasdo-ie qoe, alera
do ministerio publico, vai querelar lio culpado a
direcgo do palacio de Crystal.
Qne grande pira t aquilio qne foi pira I ditera
os sabedores da giria, emguanto as outras pessoas
nao sabem de tudo em tudo o que bao de dizer a
isto.
si' (Cerrwo ftercatilil.)
ao queremos acibocracia da razo, mas nao des-
eoobecemos certas soperioridades intellectoaes a
ponto de reduzi-las a' expressao de nihibilidade
eomo flzeram com esse emulo e Garre e de Ale-
xaadre Herculano, esse bomem a quem a nato reza
Este documento entra em promenores de doloroso
interesse.
O numero dos hospiaes dedicados ao iratamento
dos dementes de 99, e os moradores destes esta-
beieeimentos nao team cessado de augmentar desde
1835, data dos primeires dados recomidos. Eato
rouboo a luz dos olhos talvez porque era muito, & DMr,a em FriD* ^fi00 dementes, e na actoali-
juntar-se a vista que conterapla as maravilhas di!ade cste numero passa de 35,000.
creagao divina com o resplandor qoe diffande al* Quaes sao as causas desta rpida e considararel
visu dos creadores humanos. /> progressio ? pergunta ama folba d'onde eitrabl-
Antooio Feliciano de Casiilbo, esse poeta insigne,mos esta noticia.
", e lio popular, esse acorogoador da mocidade iolel- j a exposigo nao as da a conbecer e nem seqner
ligente, essa sublimidade na cegueira,'essa. pro- trata de descobri-las, mas nao sera'temerario pro-
pheta da redempgio Iliteraria,.esse baluarte da'cura-las nos excessosda nossa civlllsago, nos abu-
poesia metrificada contra as predestinares de sorda loxo e dos gosoS as decepgSes crois que
Pelleun, esse guia tao fidedigno com a' escuridio reCebem mullos dos que eorrem desenfreados apoz
nos olbos, esse crneo sempre fervente, essa pro- t fortona.
va irrefragavel de Deus era refutada irrisoria-, .
mente por quera defera dar gragas a Provideo- Toda Rette 1er enriquecer se ejosar; ar-
cia pela coniinuagao da vida de nm tao aolorsado! f?s,a"J,se ,nd.ptra o consegalr.eaqnelle que v mal-
Antonio Feliciano de castllho e
a escola Colmbran.
A velhiee dos grandes talentos parece que de ve
de ser sempre brilbante, porque assemelba-se ao
sol de larde estiva ao descambar no occidente, ful-
gido eomo na aurora, cortejado de nnvens trans-
parentes por onde coam-se os esplendores desse
re luminoso dos das.
A antoridade na velhiee dos genios creadores
deveria de ser respeitada com a mesa siagnlari-
dade com qoe sao recebidas essas doas lampadas
do mondo pelos nimbos qoe se rom pera, dando
passagem aos magestosos conductores da luz
diorna.
A velhiee das illustrages incootroversas re-
qner, no coaceito dos que se comegam a Ilustrar
os mesmos respeilos e deferencias qoe exiga as
eras remolas a pessoa iovioiavel do patriarcha a
guiar sua tribu por caminhos Bio trilhados e si-
nuosos, sem orna exprobragao, sem um arrepeadi-
mento, sem orna desconfianga, sem orna desconsi-
deragao dos viandantes para com o sea amestrado
guia.
De entao para ea' fortaleceu-se a preponderan-
cia de no bomem sobre moitos, a influencia do
encarnecido nos livros sobre os qoe encelara a car-
reira dessas blsarmas do seclo XIX, e quando os
alentados caminbeiros do porvir ebegam a tocar o
marco almejado, qoe regosijos nao Ibes vao pelas
almas ao pronunciaren) o verbo da gratidao aquel-
lo que ibe servir de estimlo, ao pai espiritual, ao
novo patriarcha, ao mestre I
Mas porventura comprebendem todos o que
quer dizer esta palavra mestre f Avaliam quaes
as locubragdes que sao precisas para ganhar-se
nm dia de ascendencia no espirito de tantos T Po-
zara o valor da abnegagio com qoe o mineiro do
pensamento esforga-se, cavando tbesonros para re-
partir com os oulros, despiodo-se de todos os de-
sejos para somente anhelar a felieldade dos que o
cercam, a dizer orgulhoso,as rainbas glorias nao
esto em mimsabem todos o que isto T Nao ;
porque moitos discpulos anda existem que, eiva-
dos de ambigao ou de inveja, nio se conten-
tara de oegar o sea mestre, nao pejam de de-
sacreditar o que aprenderam por gosto, mas,
dyscolos e repe lena dos, apodera m-se de peona e,
lavraodo os ttulos hediondos da malevolencia qoe
coaxa, julgam-se victoriosos esses argonautas do
progresso, quando insultara o seu palinuro I Mal-
dicta ingratido I
Admira que nos qoadros da natureza e na pri-
meira idade do mondo o genio sublime da creagao
tenha manifestado essa reverencia das nuvens pa-
ra o sol e da tribu para o patriarcha, amesqui-
nbando desl'arte a ndole daquelles qne, lendo nes-
se grande livro do universo, subroettem-se a' tris-
te coodigJo de Igoorantes, porque desconceltnam a
mao que Ihes tragou a derrota, o a varin ha que
extrahlo do deserto agua pora para Ibes matar a
sede da sciencia. E' qoe mollas vezes esta' marca-
do pelo destino que esses astrosinbos humanos
(corpos qoe nao brilbam com luz proprla, reuoam-
se n'am ponto e, reduzidos a sombras, condnsen-
se n'uma grande u vem que ha de ser espancada
pelos raios de um bomem sol, e quando os con-
templadores desse immenso triompho applaodam
esse bomem, deslumbre todos as intelligencias o
brllbaniismo com qoe o mestre destacou-se dos
discpulos mos, a' semeibanga do astro do dia
quaodo resurge no mefo de nma tempestado.
Eis o qne justamente aeenteceu ba pouco. Cer-
tos Iliteratos anda engolados entendern) deslus
trar o mrito de quem ibes foi mestre, e reprodu-
ziram a fbula da ra, on (para nio materialisar-
mos a comparagio), mostraran) Telemaco dando
com os ps em Mentor.
Estas ias nos acudirara ao pensamento, quan-
do por noticias exactas e alada mais por urna
gazela portugueza soubemos qoe alguns mogos,
alias de esperanga, tentavam pela imprensa apon-
car ou nulliflcar a magoilude do Milln luzitano.
Indignaram-nos sobren:aneira essa desabrida in
dlfferenga e vaidade cora que dous ou tres filhos
do Tejo quenam desmentir a venerabilidade desse
vallo Iliterario to acatado dos doas palzes onde se
falla a lingua de CamSes.
Leonor agradeceo a todos os qoe tinham acora-
panbado o cadver de seo av6 a' sua ultima mora
da e qoe se foram affastando vagarosamente. A
pouco e pouco foi ficando deserto o cemiterio e s
Leonor se deixct estar ajoelbada sobre a eova, re-
zando e scismao o. Um passariaho, poasado n'am
cypresta, canta va as snas melanclicas endeixas, e
os vagos bymoos do crepsculo soavara branda-
mente em torno da pobre orph.
Er todo tristeza n'essa hora soiemae.
Ja' o sol desappareeera as vagas, j as sombras
iam iovadlodo as penadlas e a relva do cemiterio
principia va a bumedecer-se, quando Leonor se le-
vantoo, e, ao levaotar-se, den com um hornea, que
a cont mplava tristemente.
Era o pai de Jorge.
Pobre creanea I disse Mello e Figueiredo, es-
tendeado-lbe a mi; quanto en sinto o sen infor-
tunio e quanto mais sinto ter involuntariamente
contribuido para elle t Perdoa-me t
Leonor aperton-me a mi com melancola.
Perdoar-lhe o que I Fes o sen dever, meu
amigo. Prevenio desgragas maiores. Assim ba
s nma vielima I >
E, eomo sempre, a fatalidade escolbeu a que
s venturas mereca t Diga-rae o qoe tenciona la-
zar agora. Posso-lbe ser prestavei ara aiguma
censa t
mestre.
Quera tiver lido os inslaoradores da Esehola
Cambra* ver que justo o oosso resentimento
contra essas capacidades gigantescas e innovado-
ras, que foro cabalmente desmascaradas per dous
folbetos que ltimamente sabiram a. lome no Rio
de Janeiro, e qoe se intilolam : A aguia no ovo e
nos astros sive a Esehola Combran na sua aurora
e em seu zenilh. HP B c '
A anlyse chistosa e magistral que trazem es-
sas poucas folhas basta para araordacar os adver-
sarios do autor dos Quadros histricos de Portu-
gal, do Tratado de metrificando, dos Amor de
Oridio, do draasa Camoes, da Noute do Castello;
dos Ciumes do bardo, das Excavarles poticas,
das Cartas de Echo a Narciso, do Amor melanco-
la, etc.
Convencam-se essas agoias depennadas qoe bao
de passar pelas decepgSes dos vos de Icaro, quan-
do forcejem topetar ao cedro qoe por tanto tempo
as obrigoc e Ihes inspiroo os vos.
Os entusiastas do Castilbo, os brasileiros pre-
conisadores do genio vencem a larga distancia que
os separa de Lyziapara prolestarero altamente con-
tra os qoe depreciara a ivra mais afinada de Por-
tugal.

A Alhenas braslleira perdera muito dos saos
foros Iliterarios, se nao acorapanbasse Pernarabu-
co e Varanhao na idea de qne o nome de Castilbo
ja' nao pode apagar-se das modernas glorias de
Portogal porque est laogado no livro immenso da
prosteridade.
Babia Vi de maio de 1866.
Virgilio Climaco Damazio.-Joo Pedrada Cunba
Valle Junlor.-Manoel Pessoa da Silva.Dr. Anto-
nio Joaqun) Rodrigues da Costa.-Gustavo Adolpbo
de S.Joaqoim A y res d'Ameida Freitas.A. A.
de Mondonga.Francisco Moniz Barrete Rozando
Moniz Brrelo.
perde muilas vezes a
| logradas as suas esperangas
razao.
Quantos desses desgragados que povoam os hos-
piaes de alienados se julgam millionarios e grao-
des senbores I
Continuara sendo na sua loucura o que ambicio-
navam em entro tempo, e o pbantasma donrado
que perseguan) anda o objecto das suas irreall-
saveis aspiragdes.
Os doos sexos eniram por um algarismo qoasi
igoal nesta sombria estatistlca da loucura; todava
a balanga inclina-se para o lado dos horneas, e
entre eles tambem maior o numero de fallec-
mentos.


l'M POUCO DI TUBO.
Ha em Londres um hospital para os caes, como
o ba para os pbtysicos e para os incoraveis.
Os animaes movem a nossa solieitude como os
borneas ; uns algumas vezes mais do que os ou-
lros.
Dense a esse hospital o nome potico deHouse
(casa) para nio se ter de applicar-lne alguma
qualifleagao que offendesse o melindre daquelles
bichos.
E' em Isiington a casa temporaria para os caes
perdidos e [aramios.
Todos esses brulinbos vivem la em familia; ca-
da um tem a soa raco a horas marcadas : aca-
boa-se o fro e fome ; a cama queote e confor-
tavel, a alimentagao solida e abundante.
.Nao ba all um senbor brutal a quem se v lam-
ber a mao'depois de um ponla-p ; ha urna sala
bem arejada, um servigo bem feito, urna limpeza
admlravel.
Em Londres e em muitas outras partes ba infeli-
zes que quereriam ser caes com essa sorte.
Os asylados da casa temporaria sao muito
mais felizes do que os das casas de corree gao ;',sem
contar qas se I a vam em agua mais limpa, que leem
urna alimentagao mais agradavel, qne as suas ca-
mas teem meos vermes, teem alm d'isso o privi-
legio de Bao fazerem fios todas as maobas e de
nao quebraren) montes de pedras para mac-
adam.
O marqaez de Townshend o presidente da
casa temporaria.'
Nao s tira da ra as creancinbas que andam a
mendigar, e que manda para a prisao on para a
casa de correcgo, mas tambem anda a carta de
caes famintos.
Mu,ta gente o tem visto com um vadio debaixo
de um brago e oro ci debaixo do ootro.
Algumas vezes eogaoa-se, e manda a creaoga
para a casa dos caes e o cao para a casa de cor-
regi ; cao qoeixa-se sempre do gaoo.

Este asylo especialmente patrocinado por se-
choras.
Com effeito, qaal a dama, dotada do coragao
seoslvel, qoe nao senie as lagrimas a acudir-lbe aos
olbos s com a idea de qoe um cao vagoeia na ci-
dade sem asylo e sem pao ?
E' para soccorrer estes pobres bichos qoe as da-
mas protectoras flzeram um lello e deram concer-
los em 25' e 26 de abril ultimo.
Pelo menos assim o refere o Internafocmal nos
termos em que nos o referimos.
O Monitor francs poblicoa receotemente orna
cariosa eiposigo dirigida ao imperador, sobre a
alienago mental em Fraoga.
Teoclono encerrar a miaba vida n'este limi-
tado borisonte: o cemiterio, a casa e o mar. De*
seja ser-me prestavel 7 Faga eom qoe o meo eoa-
seiho de familia resolva como entender essas
quesloes de heranga e de tutora, comanlo qoe
me deia socegada, e com um pedago de pi para
mim e para os criados. Rada mais.
Conversando, tinham ambos sabido do cemiterio
e camiobavam de vagar em direegao-de casa*.
Qoe idade tem T perguotou Mello e Figuei-
redo.
Vinte e tres annos.
E assim lio nova enteta sem trepidar esse
longo suicidio moral T assim se enterra viva n'este
sepulcro ?
Leonor paroo, e, esteodendo o braco para o
Ocano, qne espadaa va as fragas, soltando a voz
melanclica, disse:
Veja, meu bom amigo, se com este panorama
se nio casara bem as tristezas I Mas tristezas se-
renas, suaves, contemplativas, as tris tetas da sella
com as consolages da orago I Se bavia de andar
no bnlieio de mondo, esquecendo no seio d'esta
vida transitoria as preoc&ppagdes da existencia
ImroorUl, vou-me nabituarrao a pensar na eterni
dada.
O mar nm grande consolador, Sr. Figueiredo.
E' triste, mas solemne. A sua vox witera, mas
E' do Sr. Tbemoteo
DESTBOgo Di V* NAMOBADO.
Eu vou contar nma historia
Em tosca prosa rimada;
Nao tomem, pois, eassaada
Que a cousa certa, real.
Pego a palavra. Eu comego :
(Silencio grande e profundo)
L vai um facto qoe o mundo
Nuoca enebergou outro igual t
Um mogo bello, bonito.
De barba toda, crescida,
Cutis rosada, luzda
Carca emfim (mo signa! I)
Nunca deixou moga quieta,
Mette o Recifen'om joto
A's mogas todas faz ogo
Vive urna vida infernal I
de favereiro este ilhu anda estava
Cimeni por nm canal de 17 bragas de
40 metros da largnra.
5o do ilhu Jorge foi assigualada pela
ejacnlagao de penados do peso de 2,(00 kllcgram-
mas. que foram aneados a 200 e 300 metros de
distancia.
O fondo do canal entre a nova e velba Camama
diminue lentamente. -< ._,
Era de sessenia bragas antes do principio da
erupgo, e boje tem apenas tnnta.
Bastara estes algarismos para mostrar a energa
das forras empregadas oeste phenomeno, insignifi-
cante todavia em comparagao do tamanbo da trra
porque se limita a augmentar nma das innumera-
veis illias qoe constiiuem o archipelago grego.

Na larde de 29 de abril ultimo manifeslou-se um
grande incendio nos armazens de algodao de East
fxdia Docks, em Londres.
As cbammas flzeram rpidos progressos; e ape-
rar do capitao do porte ter soa dlsposigo um
grande numero de bombas, foi abrigado a mandar
vir mais.
O incendio caosoo prejaizos enormes.
I !!
S. A. R. o principe Artbar de Inglaterra recebeu
ba poneos dias, na tgreja de Wbippingbam (ilha de
Wbigbt) o sacramento da conflrroago.
A esta ceremonia assistlram a rainba Victoria,
as princesas Helena, Luiza e Beatriz, os principes
Leopoldo e Cbristiano de Schleswig Holstein. Offl-
ciou o arcebispo de Canterbnry.

Elle, rupor de couraca,
Nao leme nunca o combate,
Encontra chatas... abate,
E' sempre grande e feliz...
Mas honiem... da funesto I...
Era j certa a conquista,
De chofre levanta a vista,
V-se perdido, e maldiz I
Era urna hora!... garboso
Fez fogo co'os seus ol bares,
A chata responde em ares
De brigue, escuna ou capor j
Foi tiro que a casamata
Ou eabega do tal mogo
Qoasi salta do pescogo
Por perder o seo amor I
Trema, todo convulso,
Em p do meio da ra,
Por sentir na cara sua
Dar-se de rijo, sem d !
E foi tremendo, tremendo,
Medindo o cbo co'as pisadas,
At que as miabas escadas
Subi aos palos, e s I...
Que isso, amigo, que isso ?
Comega, falla, me coma,
Recebaste alguma affronta ?...
Estou prompto p'ra vingar I
Ai I Ai I estou j sem forgasf...
Dem-me vinbo, qa'eu desmaio...
Olhem... vejam... tremo... caio...
Vou delxar de namorar I
Deixar-me I malber ingrata!
Ella... por quem qoasi lonco
Ando no mondo, e por pouco
Que perco a vida tambem I
t Maluco, tolo, idiota I
Bradei co'as torgas qoe tinha ;
Foi pouco I... mais te con vinha I
Toma juizo I Ora bem I...
Diz urna folba de Madrid que foi adoptada n'a
quella capital urna reforma ba lempos reclamada,
jsto a de por nos lampees de todas as esquinas
o nome da ra, para que os estrangelros oo os
pouco conhecederes dos bairros saibam onde esto
e por onde vio, sem necessidade de incommodar
ninguem com perganias e sem que se exponbam
serem engaados.
^mi
A academia das sciencias de Pariz recebeu urna
nova carta de Mr. Fouquier, que permitte fazer
urna idea exacta dos pbenomenos qne se tem dado
no archipelago grego, e de que temos fallado por
diversas vezes.
A ilba da Nova-Cameni esta' agora ligada com-
pletamente com tres libos qoe tem surgido do
mar saccessivamenie; e apresenta dous cabos.
O primeiro, voltado para o sal, compreheode
aotigo ilhu Jorge, que, no da 7 de fevereiro ulti-
mo tinha 150 metros de comprimenlo, 60 de largo
ra e SO de altara sobre o nivel das aguas.
O segundo, voltado para o oeste, compreheode
juntamente os dous lbeos Reka e Aphroessa.
tambem geme comnoseo. J v qoe a mlnha so
lidio nao desprovida de encanto. Estou a' porta
do meo mosteiro ; nao o eonvMo a easrar, porque
os ares, qoe se respiran) aqui, nao sao bons para
os respiraren) vivos. Adeos; pense algamas vezes
em mim.
E, apenando a mao ao negociante, impelllo a
porta e entrn. Elle esteva alguns momentos com
os olbos cravados n'assas paredes negras,' e de-
pois, senrindo nma lagrima rolar-lhe pelas faces
fot prosegoiodo silenciosamente no caminbo da
villa.
Nio desistirn) os ledas dos projectos qne ti.
obam formado sobre a riqueza e a pessoa da gen
til berdeie. Tentaran) debalde entrar d assallo
a fortaleza ; defendia-a o capito Raivoeo, a, como
sabem, o domo velbo amigo nio era para brinca-
deiras en qnesto de defeza de pragas. Passeia-
ram largas horas por diante das jaoellas, invaria-
vslmente cerradas, qne deitavam para a rala;
frequemaram com devocio exemplar a capaila,
aende Leonor la oovlr missa ; chegaram at a dar-
me serenatas andaluza, em noutes de loar sere-
no e de mar de lei te, passando, embarcados em bo-
las chatos d luz a de msica, por defronte la casa,
qne, isoiada e negra, formava nm contraste assus-
tador com os jubilosos e festivos son, qne sabiam
do solo das yagas, eosno l os entoassem arelas,
Ao novo livro de Roan, os Apostlos, movem ja
ama guerra to pertinaz como a que soffreu a Vida
de Jess, do mesmo escriptor.
Alguns jornaes religiosos de Paris ja comegaram
a assestar as snas bateras contra aquella obra, e
annuncia-se que outros mais segairao este
exemplo.
O alto elero tambem vai entrar na polmica
sendo o bispo d Mimes o que primeiro rompe a'
marcha.
Em muitas cidades de Franga ja principiaran!
as preces para a reparagao dos sacrilegios commet-
tidos pelo Ilustre orientalista.
No- dia 28 de abril findo, o vapor inglez Little
Western conduziu a Penzance (Inglaterra) os nu-
fragos do vapor Cufiara, de 800 toneladas, qua
naufragou na manbia de 26 do sitio conbecido pe-
lo nome das Seta pedras, a nove milbas de distan-
cia de S. Marimbo (Ibas Sorlengas). O Cubana
com ama tripalago de 16 borneas e am passagei-
ro, tinha sabido de Swansea eom ama carregago
de farro e de earvo com direegio a Santiago de
Cuba.
A's duas boras da manbaa do dia 26, o Cubana
baten as Sete pedras e sogobrou rpidamente.
A tripnlagao saltn logo para a lancha, mas nes-
le perigoso movimeoto afogaram-se sete bomens.
O vapor tinba sido construido anda ba poupo.
IMIBI1
O bravo tenor qoe os dilettantt portuenses Uve-
rano o prazer de oovir ba cerca de um mez no
theatro de s. Joo, acaba de fazer a sua estrela uo
theatro de Soa Magestade de Londres, na opera II
trovatore, de Verdi.
A respeilo desta estreia escreve o chronista de
theatros do International, as legnintes liabas :
O Sr. Moogini (oa parle de Manrique) foi randa-
do eom appiausos pbreoetieos ; raras vexes temos
assistido no theatro de Sua Magestade a ama es-
treia tao brilhanle como a sua.
O Sr. Mongioi possue Dio smente um orgam
admiravel, superior as notas de peito, mas pos-
sue tambem um notavel talento dramtico. Elle
foi obngado a repetir :
Ab, si ben mi
Ab, que la morte.
Felicitamos o emprezario, o Sr. Mapleson, pela
acquisigao de um artista de tanto merecimento co-
mo o Sr. Mongioi.
O easamenlo da prioceza Helena de Inglaterra
com o principe Cbristiano, qne devia verificarse
em 9 de julbo, leve urna anleclpacao de 4 dias;
realisar-se-ba era 8 de julbo.
Fallecen em Inglaierra no dia 29 de abril Ando
o Dr. Dinon, arcebispo catholleo romano da dioce-
se de Armagh.
Succumbio rpidamente a ora accesso da fobre.
Ha poneos das houve um terrivel accidente na
linba do eamioho de ferro em construegao entre
Mitcban e Saltn (Inglaterra).
Cabin nma ponte levando comsigo seis operarios
que Acarara todos monos.
Na linba de Brlgblon tamben bouve ltimamen-
te nm sinislre.
Um trem de viajantes descarrilhoo u'um atierro,
mas a cadeia que prende a locomotiva aos wagoes
quebrou e o trem, era logar da segair a machina,
foi laogado violentamente fra da linba.
Tres pessoas socenmbiram e um grande nume-
ro de outras Acarara gravemente feridas.
E* esperada na Europa nma embaixada cbineza.
E' a primeira vez qoe o fllho do co enva altos
dignatarios do sen imperio em missao junio dos
barbaros da Europa.
Nada conseguirn), seno divisar nma oa outra
ves nm vulto immovel, encostado ao parapeito da
janella, coa o rosto paludo banhedo pelo argnteo
claro da la e com oa olhos fltos vagamente no
espago. Nem a esleir de luz, qne os barcos Ilu-
minados espraiavam pelas ondas, nem as notas
alegres das msicas, voiteiaado nos ares, conse-
gntam arrancar Leonor a' atenta am qoe eslava im-
mersa.
Qnera poderla quebrar o encanto qoe matava
pata o muado aquella gentil ereaiara T O amor ;
UM, aa aquello coragio eslava todo am clnxas,
onde encentrara essa perfumado sopro ds moci-
dade seentelba qne podesse reanimar? Estava
em einsas realmente. Leonor nao aoffrla. Sof-
frem j qne esli no tmulo ? Nao soltava um
gemido, orna quena. O ouvido altalo, diz Soares
dePassos.
No silencio das campas nada escola".
Leonor nem se lisongeava nem se irrita va eom
a perseguigao dos pretendentes. tspanta-la-ia
qsem iba djsseaaa masmo qne taes pretenden-
tes existiam. Aiad*. alo dera por semelbante
oousa.
(C&ntimtoMe-ha.) .
PERN.^TYP. DB M. F. F. DS IJrUH^--iaW
- <
*
i
r


.



*
I

r
I i
llPi HI.IM
BKlJ
11 i Mi"IM' "


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID ERQN7FZAP_HTI946 INGEST_TIME 2013-09-04T23:11:24Z PACKAGE AA00011611_10984
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES