Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:10983


This item is only available as the following downloads:


Full Text
-


AMO XLII. HUMERO 127
>'i* udmuht +*
Por qaartel pag eitr d.s (O ias do i.' mez

1
Idem"depislwl.Mldia8 4cniecoe4eBtrdqMrte 6so
Porte ao crrelo por tres mezes.......... 75o fi
".
wH1 !>.<)f ii
SEGUNDA FEIRA 4 DE JHHO DE 1866
Por aano pago dentro de lo das do !. mez.
Porte ao eorreio por am aino ,...,,.
-
i^ooo
tUM
-
ENCARREGADOS DA SUBSCRIPCAO DO NORTE
Parahyba, o 3r. Antonio Alaxandrino de Lima;
Natal, o Sr. Antonio Marques da Silva; Aracaty, o
Sr. A. de Lemos Braga; Cear, o Sr. J. Jos de
Oliveira; Maranhao, o Sr. Joaquim Marques Ro-
drigues ; Para, os Srs. Geraldo Antonio Alves &
Fhos; Amazonas, o Sr. Jeronymo da Costa.
ENCARREGADOS DA UBSCRIPCAO DO SL.
Alagoas, o Sr. Claudioo Faicao Das; Babia, o
Sr. Jos Mariins Al ves: Rio de Janeiro, e Sr. Jos
Ribeiro Gasparinbo.
PARTIDA DOS ESTAFETAS.
Olinda, Cabo, Eseada e estafes da via frrea at
Agoa Preta, todos es dias.
Ignarass e Goyanna as segundas e sextas feiras.
Santo Anteo, Gravat, Bezerro?, Bonito, Caruar,
Altinbo, Garanbuns, Buique, S. Bento, Bom
Conseibo- Aguas Bellas e Tacarat, as tercas
feiras*
Pao d'Albo, Nataretb, Limoeiro, Brejo, Pesqoeira
Ingazeira, Flores, Villa Bella, Cabrob, Boa Vis-
ta, Ouricury, Salguen o e Ex, as quartas
feiras. i
Serinhem, Rio Formoso,Tamandar, Una, Bar-
reiros, Agna Preta Pimenteiras, as quintas
feiras.
AUDIENCIAS DOS TRIBUNAES DA CAPITAL.
Tribunal do eommereio: segundas e quintas.
Relaco: tercas e sbados as 10 horas.
Fazenda: quintas s 10 horas.
Juizo do eommereio: segundas as 11 boras.
Dito de orphaos: tercas e sextas is 10 boras.
Prinwira tra do civeti tercas a saxus ao meio
dia. 2
Segundeara ao clvel: quartas sabbades a 1
hora da Urde. (',9',l ,J ''' :i]hU
MERiDES DO JEI-DB'JUNHO.
aung. as 4 h., 53 m. 58 s. da m.
12 Loa nova as 7 b.. 47 na. e 59 s. da t.
19 QuartO cresc as 9 b., 15 m. e 52 s. da t.
28 Lua'ebeia a 1 h., 16 m. e 10 s. da m.
DAS DA SEMANA.
4. Segunda. S. Francisco de Caracclolo.
5. Terca. S. Pacifico f. ;Ss. Nlcacio e Marcn-mm
6. Quarta. S. Norberto b.; S. Eostorgie b.
7. Quinta. S. Roberto ab.; S. Sabiniano m.
8. Sexta. S. Maximiano ab.; S.Gildardo b.
9. Sabbado. S. Pelagla v.; S. Melania c.
10. Domingo. Ss. Getulio e Primitivo mm.
PREAMAR DE HOJE.
Prlmeira as 9 horas e 18 m. da manbia.
Segunda as 9 horas e 42 minutos da tarde.
PARTIDA DOS VAPORES COSTKntOf,
Para o sul at Alagoas a 14-e 30; para o noria
at a Granja a 7 e 22 de cada-mez; para Pernaa-
do nos dias 14 ios mezes de Janeiro, marco, anta
julbo, setembro e novembro.
ASSIGNA-SE-

no Recite, na livraria da praca. da Independencia
ns. 8, dos proprietarios Manoel Figueiroa de Faria
& Filho.
PARTE OFFICIAL
MINISTERIO DA JUSTINA
SeohorCumprindo o augusta determinacao de
V. M. Imperial, a seccao de justica do conseibo de
eslado passa a consultar com seu parecer sobre a
questaose ura estrangeiro pode ou nio ser advs-
gado perante os tribunaes do imperio.
Sobre este assumpto foram ouvidos a secretaria
de estado, o presidente do tribunal da corte e o
conselbelro consultor.
Todos elles opinaram pela solurSo negativa, fun-
dados em argumentos que se deduzera do aviso de
7 de oulubro de 1828 e do art. 7 do reg. de 3 de
Janeiro de 1833.
A seccao concorda com essas opinioes, tanto por
que ellas se derivam e se sustentan) de argumen-
tos deduzidos dos textos citados, como da natureza
das cousas.
Com effeito a profissao de advogado de um ca-
rcter mixto; elle nao so o mandatario da parte,
de mais urna especie, seno de funecionario pu-
blico, ao menos de agente publico e especial, a
quem a lei confere direitos e impoe obrigaedes.
E' um interprete dootrinal das leis do estado,
urna entidade publica que tera carcter e respon-
sabilidade como tal, o que presuppoa a qualidade
de cidado, de memoro da nacionalidade.
Niogaem pode invocar esse carcter como pro-
veniente de um direito natural, ou individual con-
vertido em direito civil, nicos de que os estran-
geiros gozara. Pelo contrario, essa funeco Alna
das instituicoes naclonaes, creatura desias, e por
isso mesmo privativa dos nacionaes.
Se nao se pode denominar um direito poltico,
pode-se cbamar um direito publieo, urna preroga-
tiva nacional.
A agencia na administrado da juslica nao pode
ser clasificada como pura e ampia protisso indus-
trial, titulo nico que poderia favorecer ao estran-
geiro.
O advogado faz parte do corno judiciario do paiz
e em alguns forma a candidatura para os lagares
de magistratura.
A ordem dos advogados tem graduacoes ja' na
1 instancia, j na 2* perante o tribunal|supenor,ou
perante o conselho de estado, tem seus costumes
ou distinetivos especiaos, etc. Em snmma urna
instituico especial, que cada paiz modela como
julga conveniente, e que corresponde a qualiucacao
nacional.
Asslm que a seccao entendeque nao ha (anda-
mento para a davida da presidencia da provincia
de Mraas-Geraes.
V-. M. Imperial, porm, mandara' o que for mais
acertado,
Sala das conferencias da seccao de justiga do
conselho de estado em 19 de abril de 1866.Jos
Antonio Pimenta Bueno.Visconde de Jequitinho-
nha.Visconde do Urugoay.
Resolucao imperial.Como parece.
Paco, 11 de maio de 1866.Com a rubrica de
S. Mgestade o Imperador.Jos Tnomaz fabuco
de Araujo.
Senhor.Houve V. M. Imperial por bem que a
accao de justlga do conselhe de estado interpozesse
seu parecer sobre a duvida suscitada pelo procura-
dor fiscal da tbesouraria de Pernambuco em seu
officio dirigido ao ministerio da fazenda e por este
transmitido ao da juslica.
Eotende o dito procurador fiscal que o jaiz dos
feilos da fazenda nao deve appellar ex-ofi3cio das
sentencas que julgam extictas as obrigages dos
devedores, que por acto do poder administrativo
sao relevados da responsabilidade.
Entende o referido juiz, como expoe em seu offl-
cio incluso, que por argumento deduzdo do art. 13
da lei n. 312 de 29 de novembro de 1841, deve ap-
pellar ex-ollicio desde qae o valor da materia ex-
ceder de sua aijada para os effeitos que indica.
Ouvido o conselheiro consultor disse este o se-
guate :
t A questao de ordem judiciaria e por conse-
guite da privativa competencia dos tribunaes.
t Quando mesmo o poder administrativo deves-
se intervir, nio seria por este ministerio, mas pelo
ministerio da fazenda, do qual privativo o juizo
dos feitos.
Este parecer sem duvida jurdico, e portanto a
secgo concorda com elle.
Todava ella accrescentara' que na hypothese
dada melhor fura que o procurador fiscal tivesse
inlerposto revista, ou solicitado qoe o procurador
da coroa se interpozesse no inleresse da lei, do que
recorrido ao governo, que pode dictar ao juz o co-
mo tinba de enter a lei.
Por meio da revista que o tribunal supremo
firmara' a raiellgenca genuina e genrica da lei a
respeito. Preterir esse meio legitimo, e sollicitar
mei 35 incompetentes so pode provlr do mo habi-
to de recorrer em tudo e por ludo ao governo.
V. M. Imperial, porm, mandara' o qoe for mais
acertado.
Sala das conferencias da seccao de juslica do
conselho de estado, em 18 de abril de 1866.Jos
Antonio Pimenti Bueno.-Visconde de Jequitinbo-
uha.Visconde do Uruguay.
Resolucao imperial.Como parece.
Pago, II de maio de 1866.Com a rubrica de
S. M. o Imperador. Jos Tnomaz Nabuco de
Araujo.
i
GOVERNO DA PROVINCIA
Ei|>edieute do dia 26 de malo de 18(1(5.
Officio ao Exm. e Rvra. hispo diocesano.Acei-
to e agradeeo o convite que V. Exc. faz em sen
officio de hoje a que respondo para assistr a pro-
cissao de Corpus Cbristl que tem de sabir da S
m Olinda as 4 horas da tarde do dia 31 do cr-
rente.Reitero a V. Exc os protestos de minha
estima e consideraco.
Dito ao tenente-eoronel commandante das armas
interino.Scienle pelos seus 2 offlcios de bon-em e
desta data de baver fallecido o marecnal de campo
commandante das armas desta provincia Francisco
Sergio de Olive.ra tenho a dizer-lbe em resposta
que acabo de expedir as convenientes ordens para
que as honras fnebres que compotera a esse ge-
neral sejam feitas por urna divisao de infamarla
e um piquete de cavallaria da guarda nacional
deste municipio e bem assim por um parque de 4
boceas de fogo, prestando o commandante do bri
gue-barea ltamarac 24 artilheiros para darem a
salva do estylo.Offlcioa-se ao commandante su-
perior da guarda nacional do Recife para mandar
prostar em frente da igreja de S. da Cooceicao
dos militares urna diviso composta dos balalbdes
da guarda nacional deste municipio e um piquete
de cavallaria, ao director do arsenal de guerra
para fornecer o carluxame necessario para as
salvas e descargas, e ao commandante do brigae-
barca flamarac para mandar apresentar ao mes-
mo director do arsenal 24 artilheiros para goar-
uecerem 4 boceas de fogo.
Cito ao inspector da thesouraria de fazenda.
Mande V. S. passar revista de mostra ao l* bata-
lho de infamara da guarda nacional deste muni-
cipio no dia Ia de jonbo prximo vindouro as 8
boras da manbaa ficando V. S. sciente de que esse
batalhao tem de ser substituido no aqnarteliamen-
to oaqaelle dia pelo segando da mesma arma e
manlciplo.
Dito ao mesmo. -Ioteirado de quanto V. S. el-
poz em seu officio de 26 do crreme sob n. 304
relativamente ao saldo de 27:303*807 res qae
resta do crdito votado pela orden do thesonro
nacloaaln. 111 de30de agosto do idoq prximo
passado para cobras geraes e auxilio as provln-
ciaes o qual segundo a minha ordem de 23 do ca-
dente mez devera ser applicado ao pagamento da
despeza proveniente da obra de um lanco de es-
trada quo se mandn por em arrematado a par-
tir da margem dlreita do rio Una prximo ao
povoado de Trombetas com direceo a colonia mi-
litar de Pimenteiras, tenbo a dizer em resposta
que essa despeza ba de ser feita nos termos do
contrato que se ti ver de ce labrar com o arrema-
tante da predita obra a qual tambera ser applica-
da a importancia de igual crdito qae se nouver
de votar no exercicio prximo futuro.
Dito ao inspector da ihesonrarla provincial.-
Recommendo a V. S. que mande por em praca a
obra do 9 lanco da estrada da Escada na impor-
tancia de 16:905*000 res a extensao 1338 m
servindo de base a essa arrematado as clausulas
e orcamento junto por copia qae me remetteu o
ebefe da repartico das obras publicas com officio
de 23 do correte sob n. 201.
Dito ao mesmo.Estando em termos o incluso
pret que me remetteu o commandante superior
deste municipio com officio de 25 do crreme sob
n. 144, e nao baveodu inconveniente mande V. S.
pagar os vencimeutos relativos a 1* quinzena des-
te mez dos guardas nacionaes destacados na fre-
guezla de S. Lourenco da Malta.
Dito ao mesmo.Mande V. S. por em arrema-
tado inglobadamente, conforme indica o chefe da
repartirlo das obras publicas em sna informacao
junta por copia, datada de 25 do crreme sob n.
202, as obras da estrada e ponte do Campo Gran-
de com o augmento de 15 por cento sobre o va-
lor dos respectivos ornamentos, e dando-se ao ar-
rematante o praso de 6 meze* para a execucao
de taes obras, visto nao baver apparecido licitan-
tes a ellas.
Dito ao mesmo.Atlendendo ao que soliciton o
director geral interino da instruccao publica em
officio de 25 do correte sob n. 108 aatoriso V. S.
a mandar entregar ao Bibliotecario provincial a
vista dos documentos qae apresentar a quantia de
2005000 reja designada no artigo 10 1 da lei
do orcamento vigente para a compra de diversas
obras para aquella bibliotbeea.
Dito ao commandante superior da guarda nacio-
nal do Recife.Pode V. S. como propoz em sea
officio n. 145 de 26 do corrate mandar substituir
no aqnartelamento pelo 2* batalhao de Infamara
deste municipio a 1 da mesma arma ; ficando
V. S. ceno de que nesta data expeco ordem para
S-se passar revista de mostra ao referido 1 bata-
Ibo no dia 1 de jauho prximo vindouro as 8 bo-
ras da manha.
Dito ao commandante superior da guarda nacio-
nal de Olinda e Iguarass. Expeca V. S. as suas
ordens para que o batalhao n. 9 de infantaria da
guarda nacional de Olinda no maior p de forca
que for possivel obter-se se aprsente devidamenle
asseiado em frente da S no dia 31 do crreme as
3 boras da tarde para acompanuar a procissao de
Corpus Cbristi.
Dito ao mesmo.Remetto a V. S. para terem o
conveniente deslino as retardes de alteracfos e pa-
gamentos das pracas da guarda oacional dos mu-
nicipios de Olinda e Igoarassu destacadas no pre-
sidio de Fernando relativamente aos mezes de Ja-
neiro a abril do crreme anno.
Dito ao director do arsenal de guerra. Recom-
meado a V. S. que remeta para o presidio de
Fernando a proporco que se forem apromptando
nesse arsenal os artigos e utencilios mencionados
em dous pedidos que despachei nesta data.
Dito ao director das obras publieas. Autorlso
V. S. a mandar fazer pela quantia de 242*000 em
que foram oreados os concertos argentes de que
precisa a coberta do quartel do deposito, e de que
trata a sua informacao de 28 do corrente n. 204.
Dito a Francisco Xavier da costa Aguiar d'An
drade.Accuso recebido com o officio de V. S.
de 8 do corrente sob n. 7, o relalorio semestral
apreseniado pela directora da estrada de ferro
desta provincia aos accionistas na reunio geral
ordinaria do da 24 de abril ultimo.
Ditoao delegado eucarregado do expediente da
reparlico da polica. Declaro a Vmc. para seu
coobecimento que nesta data officio ao comman-
dante superior da guarda nacional de Barreiros e
Agua Preta para mandar destacar no 1 destes
municipios 8 guardas e um sargento aos quaes
devem ser pagos de seus vencimentos pela tbesou-
raria provincial.
Dito ao cmara municipal do Recife. A reso-
lucao da presidencia de 6 de fevereiro ultimo con-
tra que fez poderacoes a cmara municipal da ci-
dade do Recife em seu officio de 21 d'oquelle mez,
tem fundamento na decisao da mesma cmara de':
3 de maio do anno passado tomada em vista do podera' celebrar os Sacramentos do baptismo e
parecer da commisso de edificagoes qoe fo'i acei-! matrimonio, respondemos Io que nunca prohibimos
ta em todas as suas parles como consta da infor-' as desobrigas, como de cosiume, as casas par-
macao da predita cmara municipal de 2 do cor- ticuiares, ao contrario,queremos que elles se dife-
rente, i luem, guardada a decencia e decoro devido, para
Essa decisao deve ser levada a eflaito para se commodiuade das fiis: 2* que no corso das so-
abrir a travessa indicada e votada pela cmara que brigas podem os Rvds. parocbos administraros
desse modo altendeu tambem ao interesse publico.; Sacramentos do baplismo e matrimonio, onde quer
Nenhama oulra resolucao poi tenho a tomar e que se acbem.
sim recomraendar a devida execugao das decisdes Tratando agora dos desacatos que V. R. declara
da mesma cmara e da presidencia ficando deste ter recebido, mesmo de algnmas autoridades desse
modo respondido o supracitado officio de 21 de lugar, no desempenbo do seu ministerio parocbUl,
fevereiro ultimo. : declaramos que faremos levar ao coobecimento do
Dito a direcejio da Assoclacao Commercial Be- governo da provincia, para providenciar como
Dito ao Rvd. padre Jos Goncalves Ourique e
Vascoocellos, parocbo collado da parochla de Santa
Ruta. Acensamos recebido o seu officio de 25 de
abril, em que V. R. nos felecita pela nossa chega-
da a esta diocese, e posse episcopal.
Agradecemos esta manifestado de -seos sent-
memos, que benignamente acolitemos.
Circular aos Rvds. parocbos da dtoeese. Che-
gando ao hosso conhecimento, que algnns Rvd.
parocbos exigem, e effectrrtmente percebem emo-
lumentos parochiaes em exeesso, naturalmente por
ignoraren) a tabella dos dlreftos parochiaes em vi-
gor nesta diocese : por isso enviamos a V. R. urna
copia da mesma, recommendando-lbe sua mais
escrupulosa observancia; visto como tora approva-
da pelo poder geral legislativo.
26
Officio ao Rvd. padre Manoel Tavares de Souza,
coadjutor pro-parocho da parochia de Ipioca. O
sea officio de 4 de corrente occapa-so de pedir nos-
sa soluce, sobre si em casas particulares, nos lu-
gares onde nao ha capellas, podera os parocbos
administrar por desobriga o Sacramento da peni-
tencia. Respondemos a V. R. que podem e devem
fazer ; e nessas occasioes, onde estiverem, podem
tambem administrar os Sacramentos do baptismo e
matrimonio.
Dito ao Rvd. parocbo da parochia do Poco da
Paoella. NSo nos sendo possivel ir a essa matriz
no dia 27 do crreme para administrar o Sacra-
mento da cenfirmacao, como haviamos deliberado,
Ihe communicamos para sua inlelligencia.
-28-
Offlcio as senhoras irmas da confraria de Nos-
sa Senbora das Dores dacidadede Mamanguape.
Recebemos com especial agrado o officio que por
parte dessa mirara de Nossa Senhora das Dores
nos foi dirigido, no qual, depois de se nos manifes-
tar o pezar que em cada urna das irmas produzio
a noticia da retiraddo Rvd. Fredenco de Alm. i-
da Albuquerque Mello, entao parocho encommen-
dado dessa'parochia e director da mesma contra-
ria, se nos pedio qae o conservassemos na adminis-
trado da parochia dessa cidade de Mamanguape.
Louvamos essa manifestac.o do senlimento da
confrana, ja' por que fez ella chegar ao nosso co-
obecimento o zelo, com que na directora da irman-
dade se lera portado o Rvd. Frederico de Almeida
Albuquerque Mello, ja' por que avernos oecasio
de apreciar o esmero Inequvoco da confraria em
desejar o augmento no explendor do culto de nossa
divina re igio. Mas a recordaco de qae os m-
ritos do ttvd. Frederico, o recommendara para
que o encarregassemos di administrado da paro-
chia de Nossa Senhora das Neves da cidade da Pa-
rabiba, deve muito consolar a essa contraria. Por
ouiro lado, o sacerdote, a' quem provisionamos pa-
ra reger essa parochia de Mamanguape, por sea
nao meaos apreciavel zelo deixa esperar qae cor-
responder' aos pos desejos da confraria. a quem
damos a nossa bencao paternal.
Dito aos senbores membros da mesa regedora da
irmandade de S. Jos da cidade de Mamanguape.
O officio que por essa irmandade do glorioso pa-
triarebo S. Jos nos foi enviado, pedindo a conser-
vadlo do Revd. Frederico de Almeida Albuquerque
Mello na admimstrago dessa parochia de Maman-
guape, pelo sen zelo na destriboi^o do pasto espi-
ritual, fol-nos de consolaco, por vermos qae acer-
tamos na escolba que delle fizamos para a regencia
da parochia de Nossa Senbora das Neves da cida-
de da Parabiba, onde, esperamos, prestara' bons
servicos a' causa da religio.
Atm disto confiamos que e novo Rvd. paracbo
dessa parochia nao desmerecer' na eslima publica
pelo desempenbo de suas obrigacoes para com os
seus paroebianos.
29
Portarlas nomeando vlganos forneos da diocese
os Revd. presbyteros segrales :
Padre floreada Xavier Das de Albuquerque,
para a 1' vigararia fornea do bispado.
Padre Luiz Jos de Araujo, para al."
U padre Sebastiao Fabio Pereira Una, para
a 18".
O padre Antero Ourique para 4 <*
O padre Manoel Vieira da Silva para a 22".
O padre Luiz Marrano de Freilas, pira a 23*.
O padre Cbrlspiano Ferreira Lima, para a 28*.
O padre Jao Jernimo da Cuaba, para a 26*.
Cilicios a cada um dos nomeados, commuoican-
do-lbes para os fins convenientes.
Officio ao Rvd. padre Agostlnho de Godoy e
Vasconcellos, parocho do Altinbo. Acensando re-
cebido o seu officio de 10 do correle, em qae nos
declara estar de posse dos dos nossos offlcios de 19
e 28 de margo e 10 de abril.
Sobre a consulta que nos faz se as desobrigas
Joaqmm*Tbom de Medetros e Rila Mara da qnele, commissionado poV differentes colonos, afim
vffL.. t *. deescolher local para os primelros emigrantes que
\ icentdfferreira Lima e Joaquina Acelraa de esta a partir de Mobile.
Vasconcelos.
e Joaquina
Soares de Mello e Mara Vieira da Con-
Um navio ja' tinba sabido e naofragou; outro
foi demorado por molestias sobrevenientes.
A reunio de que trato dirigida pelos-Srs.
Fallecer em Sobral o Sr. Ignacio Gomes Pa
rente.
A arremataco do dizimo de miuncas produ-
zio esto 55:419*100 res.
Reodea a thesouraria de fazenda, de Janeiro
Sr =SsS- KfBiSS StSSBSA
Jos
ceicao.
Francisca Silvestre de Espindolae Mara Jos de
Sant'Aooa*
Paulo dnocba e Mara Antonia da Conceicao.
AntonioQoaquim da Silva e Joanna Hara da
Conceicao,
Domingos Coutinho de Araujo Pereira e Idalina
Mara de Araujo Pereira.
Manoel Duarte ferreira e Antonia de Souza No-
'oeira' |
COMANDO BAS AMAS.
Quartel general do canmanda das armas de Per-
nambnce na cidade do Recife, i de innho de ,
1866. f A 10 de junho tambera deve st abrir aqui a """ da, c,da-da damio estrepitosos e entusisticos
ORDEM DO DIA N. 234. iposico provincial; diz-se que com grande appa- ^SS&FJS?"**' *> erc,t e W
0 tenente-eoronel commandante das armas in-; ral. e assim o demonstram os convites qoe ja' se
terino, declara a guaraicSo para os convenientes item 'eit0-
< Vamos tambem ter ama nova sociedade- alm
do Cassino Paraense: por isso qae os jornaes an-:
nunciam para 2 do futuro mez a installacao da so-
ciedade Corintia, que tem por objecto a cultura da .
msica, ou para melhor dizer am club pbilbarmo-
nico. Dizem que as principaes familias esto as-'
signadas e convidadas a fazerem parle de seme-
Ibante associacao.
Se for convidado dir-lhe-bei o que houve e o
Cosa e Jos Coelho da Gama Abreo ; veremos o
assumpto e deliberares a tomar, e ao resultado
dar-lhe-hei conta para conhecimento dos seus lei-
lores.
t Muiros artigos se tem- escripto e transcripto.
ltimamente sobre a emigracao norte-americana
para o valle do Amazonas; hoje a idea predomi-
nante. Mas sem o auxilio do governo pens que
pouco se far, quando ba actualmente tanta falla
de capltaes para as mais urgentes necessidades do
eommereio.
i Com todo estas reunidas demonstram a ten-'
denca para as associacfos e a libertado das em-
prezas, sem a iniciativa governamental.
a 10 de junho tambem deve se abrir aqui a
CoQiosas chuvas cabiram sobre a capital, des-
de as 2 horas da larde at ama ora da madrugada
de 23, causando males enormes.
Foi multo festejada a victoria do Passo da
Patria. O Cearean&e diz a esse respeito :
< Apenas divulgaram-se na cidade as noticias
do theairo da guerra trazidas pelo Sania Cruz, o-
comentamento e o jubilo pintaram-se logo no sem-
blante de lodos que se achavam. possuidos de ver-
dadeiro enthusiasmo.
< As girndolas fendlam os ares e a' noite illu-
minaram-se os edificios pblicos e muitas casas
particulares e nm numeroso concurso de povo,
precedido de urna banda de mosica percorreu as
fins, qae approvou o eogajamento que nesla data
contrahio para servir por mais seis annos nos ter-
mos da lei n. 1.220 de 20 de jalho de 1864, o cia-
ra) da corapanbia de cavallaria desta provincia
Amancio Lopes Machado, conforme partcipou o
respectivo commandante em officio n. 109 ; e que
hoje se Ibe apreseotou vindo da corte o Sr. capi-
to do carpo n. 11 de voluntarios da patria Manoel
Goncalves Nones Machado, qoe por aviso de 10 de
abril ultimo, obteve do governo qnatro mezes de QDe '' 'al Cortnna.
Iicenca com lodos os seas vencimentos para tratar
de sua saade nesta provincia, como se fez publico
em ordem do dia da secretaria do estado dos ne-
gocios da guerra n. 514.
(Assignhdo)Francisco Camello Pessfla de 'La-
cerda.
Esta' conforme-Estevao Jos Ferraz, leaente-
ajudante de ordens encarregado do detalhe.
2
ORDEM DO DIA N. 235.
O tenente-eoronel commandante das armas inte-
rino faz publico que hjotem desaquartelou o 1* ba-
talhao de infantaria da guarda nacional 'deste mu-
nicipio que faiia o ser vico da guarnirlo desta cida;"
de, sendo substituido pelo 2 da mesma arma e
municipio. .". .
Tornou-se recomraeodavel o citado bataltiao Io
pela regularidade com qae servio ; e portable o
commandante das armas fax juslica ao sea digno
commando interino o *r. raajor Claodino Benicio
Machado, aos Srs. officiaes e guardas, declarando
que sao merecedores de iouvor pelo, interesse, que
lomaram no comprimento-de-s'uas obrigacSes.
O aesmo commandante dis armas interino, de-
clara para os fins conve.aientes.iqae o Sr. tenent
do 9* batalbo de infantaria do exercito EmiUnb,
Ernesto de Mello Tamborito, tendo a'18 de maio
ultimo finaluadoa Ucenca qoe frua para tratar de
sna saade nesta provincia, e sido inspeccionado de
saude, fot considerado desde aquelle dia com par-
te de doenfe.
(Assignado) -Francisco Camello Pessfia de La-
cerda.
Esia' conformeEstevo Jos Ferraz, tenente-
ajudante de ordens encarregado do detalhe.
do Per.
O Sr. Dr. Moreira, cnsul porlogoez estava
ltimamente bastante doente ; a saa molestia de
jjrtfvidade e meia prolongada foi motivada pelos
jornaes desta capital. Consta-nos que agora j vai
com nrogressivas melhoras e quasi reslabelecido.
t ralleceu no corrente mez o juiz de direito de
Manos e lavice-presidente do Amazonas, Dr. Ma-
noel Gomes Correia de Miranda. Tendo perdido
ha poneos mezes sua esposa, deixou urna porcia
,de prpbios em extrema necessidade. Esta a
sorte dos. magistrados no Brasil.
Do eommereio nada ba de notavel. Pouca
neficente.Respoadendo ao officio qae me dirigi
a direceo da Associacao Commercial Beneficente
em 26 do corrente tenho a diser que no dia 1 de
junho prximo vindouro as 12 boras da manha
pode comparecer em palacio a commisso a que
aliada essa direceo.
Dito ao 4* jbiz de paz do quatriennio da fregue-
zia de Gravata.Declaro a Vmc. em resposta ao
seu officio de 16 do correte que tendo sido appro-
vada segundo constoa de aviso da reparlico do
imperio da 22 de Janeiro do corrente auna a elei-
cii de joizes de paz dessa freguezia feita no dia 7
de dezembro de 1864, exped em 24 deste mez as
uecessaras ordens a cmara municipal do Bonito
para juramentar na forma da le os* respectivos
juizes de paz aura de entrarem quanto antes em
exercicio.
.____________
t-overuo do b
Expediente da diocese do dia 23 de mais de 1866.
Officio ao Rvm. padre Manoel Lopes Rodrigues
de Barros, parocho collado na parochia da
convem.
30
Officio ao Exm. Sr. Dr. Manoel Clemeotino Car-
neiro da Caoba, vice-presideoie da provincia.
Passo as mos ae V. Exc. o offleio por coia do
Rvd. parocbo do Alilnbe, pelo qual vera' V. Exc.
qoe elle, no desempenbo das funecoes parochiaes,
vai sendo desacatado.
Peco a V. Exc que, a bem da religio e mesmo
da civilisac,ao, se sirva providenciar de modo que
se nao reproduzao taes ultrages.
collado na parochia da Serra
Talhada. Ficamos de posse de seu officio do 1 do
correle, em qae pondera-nos as difficnldades, qoe
encontra na execucao de nossa circular, em que
prohibimos a administrado dos Sacramentos do
baptismo e matrimonio em oratorios privados. Al-
te adeudo ao que nos expo, tolrame* que os Rvdt.
parodias possara administrar aquellos _
em oratorios privados quando os baniiaam
nubentos residirem mais de orna lega
das respectivas matrixes ou de qualqaer dei
pellas da parochia.
Nesie sentido temos respondido ja' ideticas
sullas. .
Dito ao Rvd. padre Francisco Seabra de Anta
de Lima. Acensamos o son officio de 10 do eor
rente, asaque V. R. declara a difficnldade de se pres-
tar a' adminisiraco das obras da matriz do Grava-
la'. Altendendo ao que uos expde, e mais arada a
necessidade daqueilas obras, consida/ando igual-
mente que a nao ser emprgado o dlnheiro para
eUas destinado, sera' reeoibldsvao cofre .da tbesont
raria provincial, e eabra' em retelos fiado, an-
kfisamos, que Y. R. nomei aigoma paswa'ia-soa
cioflanca para administrar as referidas aras, fi-
cando assim removidos os embaraeos por V. R. al-
legados, e tendo o servico o djevido andamento
Lista das dispensas nialrimsniaes que ehegaraa da
Rio de Janeiro pela aHima vaper, e aadeai ser
procuradas na secretaria da palacio epistaaaj da
Soledade. -' IX'
PRIMB1RO GRAO DR AFMUBABfi LCITA EM LINHA LA-
TSAL. _
Jos Severino de Soma o Joseph latftla Con-
ceicao. i.-b ?'
Joaquim Aleixo de Barros e Francisca Mara de
Jess. 3 _, ;
Manoel Francisco de Otuajfa Iguacia Marte de
sus.
Jess.
' Antonio Pedro Pereira Machado e HenriqueU
Mara da Conceicao. .
Ivo Abdias Portado de Mendonga e Mara, Rosa-
ra Leopoldina de Queiroz. (
Jos Basilio d Silva e Rila Mana Saturniua.
SKaraan tiaM>AW'. Carneiro e Vlcencia ufana d Coocelc.0.
isco Alfonso Ferreira e Aana Eqirosina
Ferreira, .;............
Bornes da Silvia. Francisca Bbsli de
Kdseo de. Araujo Lefaa' e Joao^lna i(arii'oil
frito Smo. w,Mv--
Thoae e Mariana, .escravoe de Manoal Francjaco
ieire. ___ *
Fraoataoo Xarter do Reg Francisca Marta o*
ka
jiaaeSonzaBarbozae Firmioa Mara d| Al-
bu quesjane.
JoaorranciKo dos Jautos e Joanna Mara de
Jeras. >..t VJ A
Manoel Serwiao dO'N&afoanjQ a Mari*
--" '. )'-}\ (ai
Chegon sabbado dos portos do norte o vapor
Santa Cruz, sendo portador de jornaes do Para al
25, do Maranhao al 27, do Piauhy at 12 e do
Cear at 30 do passado, e da Parahyba at 1 do
corrente. Eis o que delle- colbemos.
Para.A segrate minuciosa carta de nosso
correspondente narra quanto occorreu :
Volto ao meu posto de transmittir ao seu
Diario, as noticias e as novidades desta parte do
Brasil.
E' verdade que ha alguns vapores tenho dei-
xado de Ihe escrever; motivos superiores minha
voniade e aos meus desejos me obrigaram a seme-
Ibante omisso, mas recuperemos boje o que (lave-
mos perdido.
Passaodo s novidades desta provincia, tenho
a dizer-lhe que a suprema direceo dos negocios
pblicos esta' entregue ad 1 vice-presidente, Dr.
Joo Mara de Moraes; por isso que o presidente
da provincia, Dr. Couto de Magalhes, seguio efec-
tivamente a 8 do corrente no novo vapor Para
para as cachoeiras do Tocanlins, na iotenco de
realisar o seu projecto da commooicaco desta
provincia com a de Goyaz, por vas por assim di-
zer ignotas e arriscadas, como a passagem das
ditas cachoeiras, superiores a 30 leguas de ex-
tensao
ltimamente receberam-se noticias de parle
do itinerario de S. Exc, tendo ja vencido bastante
caminbo e nao pequeas difficuldades e obstculos
na viagem empreheadMa.
Por emquante anda nao lempo de se afflr-
mar o bom ou mao resultado da empreza I
< O qne verdade qoe nao pequeas sommas
se tem gasto na realisaco deste negocio, quer
com o vapor que de proposito foi mandado vir de
Inglaterra, quer com os estados e aprestos que se
fizeram para emprebender a viagem com seguras
probabilidades da commanicaeao e navegado do
Tocanlins.
t A provincia prosegnen paz osera maior al-
teraco na orden pnWica ; ao obstante, mullo se
tem fallado em mudanza administrativa para aqu,
a vista do estado dos negocios polticos na corte,
estando a maiorta des depntades do Para e Amazo-
nas era opposicio ao ministerio actual, por isso
qae no Pan ludo esta, montado no sentido progres-
sista o conforme as ideas dos respectivos deputados
geraes.
< Entretanto sfflrma-se tambem qoe o gabinete
Olinda nao podera' resistir a opposico que so con-
gregoa as cmaras, 9 portanto retiraado-se o ac-
tual ministerio as cousas polticas alada mais me
lborao em ordem a sustentar a situacao qae dirige
os negocios pblicos desta provincia. At ver nao
tardo, e de ceno ronveoo-nse que as causas
lauto, pela corte como pelas provincias nao de em
breve tomar nova face, principalmente em vespe-
ras do eleie5es geraes o conforme se diz estaraos
no flm e desenlace da guerra coa o Paraguay.
< A nolicia das ultimas victorias e invasao da-
qnella repblica pelas nossas tropas, foi aqui roce-.
bida pelo paquete americano e confirmada por
este.
Nao hooveram grandes restas nem enthoslas-.
mes populares como acontecen, pela rendicio de
Uruguayana.
.. Hoveram afumas- casas lllaminadas, alguns
fotuates e luminarias no palacio da presidencia,
Viva ole,' oms^ as msicas /nao percorrejam as
mas pela grande ehuva qoobouw nessa noite.
Nos dias segrales nenhum novidade, neabom
regosito mais non ve I '[
Este paquete nada nos trouxe s nao a conur-
naacSo do passado como Ihe diese, o por isso nada
por aqui succeden de notavel.
Temos tido aa cathedral o Otea de Maria com
grande concurrensia de.ovo-.,
O Exm. hispo D. Antonio de Macado Costa tem
pregado varas vexes, assim como varios conegos o
ouiros sacerdotes.
t Aajabia devera'Jlaver dpaa, ronwio a 1 hora
da tarde, no Gabinete de Lellara, para se tratar da
Acaba de ser confirmado cnsul interino da
Gra-Bretanha, o negociante ioglez Ambrosio Cara-
pbelfe ; foi tambem retirado desta provincia o Sr.
L-se ainda no Cearense :
< A alfandega rendeu, no exercicio de 1864 a
1865 681:2782323, e no de 1865 a 1866. at o
dia 30 de abril do corrente anno 732;039619,
donde resulta urna differenca para mais do cr-
reme exercicio para o lindo de 70:761^296, de-
yendo-se notar que o exercicio corrente fiada em
junho d'este auno, e tado nos leva a crer que o
rendimento d'esta reparlico alliogir ama cifra
importante demonstrativa do progresso de nossa
provincia.
No dia 10 do passado deu-se em Batort am
raro e muito interessante phenomeno meteorol-
gico. .
dir-se-hia urna chuva de saogue.
t O povo ailrfbuio logo o phenomeno a causas
sobrenaturaes, e fez toda a especie do conjectaras
sobre o facto maravilbo.
Nao sabemos da ultima palavra da setencia a
respeito de taes chuvas, bem com das de ferro,
enxofre, atizas -etc.
< Urna cartl particular de Inhamuns refere :
t Quasi lodos os acudes tem estourado com as
ebuvas torrenciaes, e extraordinarias enebeotes.
J sobe a mais de 30 o numero dos que arromba-
ram..'~
s cenems npins hairna nrpcn mna\ Sair*m despachados dos armazens de nossa
Sffr.SK SJSSSSl** S 8eDer0S aq0 ^-SSffiSE *> O caixas, com
*^$&yS^irl cognac 614 barricas cora cerveja, m ancorelas,
osejunnte"- "<"" yut 3 mB|j0|t<(.j|g eaixas, 72 meias pipas, 133 pipas,
.-rplrtjicbobrasilelroParam.dito inglez Pau- 3* tt*^^^''^ ft. n nnmorn rtfl
./_ .... ... j...:v < Prpra(r(io o total dos cascos o numero de
fin,.dito dito Lily, brigue dito Atine Villiams, dito- &"
dito Northati Crown, dito francez Jeum'ldg; barca." rt(~yr
.dita Tbcas/h,-escBna austraca-*ua, dite-Betna, ^, "jl"!^
patacho hllandez-Forluna. '-------: mec.a- mencao.
Granor k Parahxb-v.Nada occorreu, que
t Acabara d chegar dous brigues inglezes, um
delles o Aracaty, de Liverpool e um patacho.
< Sablram para Lisboa e Porto a 19 e 23 as
barcas Aelatde e Nota Palmeira.
O vapor Santa Cruz segu boje a' meia noite
para o sul. >
Maranhao.Entrara no exercicio de capitSo do
porto o ebefe de divisao Francisco da Silva Lo-
bo.
Na sesso de 22 do passado, logo depois de
PERNAMBUCO.
REVISTA DIARIA
Passcu hontera para o norte um vapor.inglez,
sera ter coramunicago com a trra.
--; O vapor Santa Cruz, chegado sabbado do
lida a acta da anterior pedio a palavra o deputado norte, sahe hoje para os portos do sol, tirando a
Serra e disse o segainte : mala no eorreio s 3 horas da tarde.
O Sr. Joaquim Serra :-Peco a palavra pela E. bem sabido 0 facl0 de ,eram a|gUBg m(yos
n a -i... .... -- de Coimbra, em boras minguadas, concebido o es-
O hr. presdeme :Tem a palavra. ,u),0 projecio de'derribar de seu eminente pedestal
O Sr. Joaquim Serra (movirnento de al tensad): j |trir|0 0 grao le poeta e escriptor portuguez An-
-0 echo de um grande acontec ment velo nter-1 ,on|0 pe|iCjano de Caslilho.
romper os nossos irabalhos, Iroando com a mais; Po((. bem diversos dos nossos bomens de let-
explendida e raagestosa harmona A ante-raa- (tras deu provinca> qoerendo, em certo modo,
naa de um grande da Ja despedio os seus primei- desaggravar 0 lllastre poeta dos immerecidos does-
ros fulgores I Na historia militar do imperio es- tos e ma| pensa(jos desacatos, que Ihe foram diri-
creveu se urna pagina immoredoura ; meraoravel gidos,enviaram a sua presenca palavras de summa
pela gentileza e para orgolho da nacSp. As hostes coaso|aQa0era urna bem elaborada caria, que leve
victoriosas do grande exercito ; a innumeraveis em resposta oulra nao raen0s delicada, mimosa, e
legioes brasileiras calcaro o terreno mimigo. A e|eganl9 qQe ambas flzemos hoje pablicar na nossa
passagem do Passo da Patria, felo bnlhantisslmo 0Jva Daena.
pelos episodios e peripecias, acontecimento to! _F .' ._, .., i: .:._ ,
magnilico, que nao precisa que eu o commenle. ~ O eacrivao dos protestos Jos Mariano esta
t A assembla legislativa do Maranhao, flel ex-1 ae na-
presso dos sen ti melos da provincia, acha-se aba
lada e sob o rafluxo da mais grata commocao. Nem!
possivel, Sr. presidente, deliberarmos, nem pro-
seguir hoje era nossos trabamos ordinarios. Para
Numeraco dos bheles da lotera 66% oil'e-
recidos pelo ibesoureiro das loteras, para auxilio
das despexas da guerra :
Bilbeles ns. 449, 1752, 1754, 2283, 2738, 3661.
Meios-as. 982. 1527, 2673, 3179, 3516, 3517.
Quintos ns. 800, 1400, 2000, 2900, 3500.
Os bilheies da 65a produziram 12000. -
Total Z:08-jms.
Hoje, as duas horas .da larde, na casa das
dar expansio a esses semimentos vou enviar a':
mesa a segainte indicado, qae sem duvida nenhu-
ma sera' acoltiida por todos os coilegas presentes :
( leudo ) Indico que, em signal de regosljo pela
passagem do rasso da Patria operada pelo nosso ]
exercito e os adiados, levante-se a sesso, e orna! sessoes do jury, deve ter lugar a do instituto filial
commisso de nove merabros incluindo sea prest- j dos advogados, sendo o fio da sesso a discasso
dente, em nome da assembla, va' congratular-se! de seus pa/eceres, que foram apreseutados sobre
com S. Exc. o Sr. presidente da provincia.S. R. o projecto'da responsabilldade limitada.
Joaqaira Serra. > p6dem.nos a presente publicacio:
E s quanto tenho a dizer. A eloquencia mu-; t Ja> uveram oecasio de tractar dos exeici-
da do coracao falla mais alto do qae os atavos da C)S do meI marlano no hospicio da Penha sob a
linguagem, qae sempre fallecem na so emnidade dI.eccao dos virtuosos missionarios capdchlnbos,
Soem os hyranos da alegra, de-; de j^,^ qUe rendamos os mesmos' lovores ao
} Rvd. padre Bento Scambrs, qoe dirigi na igreja
d'eslas occasides.
pois de tamas vozes da victoria. ( Bravos,
bem, apoados.)
t O Sr. Presidente : Antes de submetter a roo-
cao a' consideraco da casa, permitti que nos con-
gratulemos todos aqui presentes pelos brilhanles
tollos d'armas do nosso exercito e ane o saademos
( levantndose da cadeira da presidencia.)
Viva o exercito e a armada brasilelra I ( vivas
prolongados e enlhustesllcos, nao s dos senbores
deputados, como dos espectadores.)
da Santa Cruz, iguaes exercicios.
O digno sacerdote diriga sna palavra eloquen-
le, duas vezes por da, aos neis que enebiam o* tem-
plo, para instrui-los nos seus deveres de ebrijtaos;
e com tanta felicidade que alm do profundo res-
paito e recolbimento com que todos assisUam aos
actos religiosos, ouvio roals de oilocentas oonfis-
s3es- duraole-o mez I *"
Como se o tempo se reprodazisse, e as proprias
Vivara os exercllos alliados I ( anda repetidos fo M roQ||ip|teas vivase applausee do senbores deputados e das ga-1 ^^ j)ms no e'xertc0 d8 sQa sahla msso, em-
**"*' l o n prega-se elle tambem no epsi'no dos meninos, 'qua
t Depois de approvada a moeao, passoa b. lxc. g loda9 a$ ,ardeg ^^ |j?5es ^ mhecismo, o
a nomear a commisso qae tinha de comprimentar dpC|ary!^e oromoto pa'ra qualque chamado afim
ao presidente da provincia, qne recabio nos senbo-
res depotados : Serra, Lago, Tavares, Maia, Sole-
ro Jnior, Beltort, Berredo, Tbeopbtlo, tendo como
relator o presidente da assembla. Levantada a
sesso, dirigio-se ella a palacio onda S. Etc. a re-
ceben, maa*festaodo o maior jubito e eolbuauamo
pela demooslraco de regosijo por parto do qesso
corpo legisla ti vo. >
L-se no Paiz :
i Foi suspenso o 4.a substituto em exercicio do
juiz municipal do termo da Tntoya Feuppe Neves
de Almeida, afim de ser responsabilisado como in-
cuso no art. 160 do cod. crim., visto que as dill-
Sancias a que procedeu por oecasio do naufragio
o navio aoslriaio denominado Marta que lave lu-
gar nos baixos das Preguicas,,infringi varios
artigos do decreto de 19 de setembro de 1860 ; por
quanto nao Inventarou os obiectos salvados, como |
determina o art. 336 $ i.*: nao veriflcou o estado
de coalessar e assistr moribundos aa hora extre-
ma. '
t Aequisicdes como a d'esse virtuos sacerdote
sao sempee agrada veis e mis a ura povo. >
A barca' bremense Gerroa Bntt U encon
irada a 29 de maio Ando na lat. S. 9 long. O.
34 30' do merdranode Greenowich. Era sea
destino a cidade de New-York, e a sna proceden
ca Rio de Janeiro, d'onde te-viva ja seis das.
A companbia de Bebaribe paga o sea 36a di-
videndo na razo de 34000 por apolice.
Padem-aos este pnblicacao : *
t Srs. redactor* da Bernia.Temosyido^ no .
Jornal sob o seuVtoaymo t Nervoso, morador_a _
roa da Aurora, am pedido aos Srs. da polica da
providencias no sentido de fazer eessar o tncom-
modo que o mesmo Sr.Nervosodiz caosar-lba
ospo^em arremataco eaglobadamente, sem ser! ner!0,os Pl
. realisaclo da emigracao america?, para, o Para' e
Vtaa> Amazonas. t
0 major Haatiafs aqni oh*iou o ultimo pa-
ouvido o capiao, qae eslava presente, contra o dis-
posto no referido 13.a, sendo alm disso a mesma
arremataco effectuada sem ftsistencia de um em-
pregado nscal; a despeito do qae terminantemente
estatu o % 9.* do sobredito artigo. >
, Puchi.Ja' se achava na capital o Dr. Candido
Gil Castello Branco,. quasi' restabeleeldo do feri-
ment qoe recefiera no Maranhao
ChabXO Aracaty foi anda a vioma do urna
terceira lnnudacao, pelas extraordinarias endien-
tes do Jaguaribe.
* sabida do vapor o rio balnva, masas casas
ainda conservavam 2 palmos d'agua o' aa canoas
navegavam dentro ty nm da cidade. O clamof
era
nacao me*iai.
c tsssa lejiura provocon nos o desejode por nos-
sa ves, faiermos tambem um pedido, nio is an-.
loridades pollciaea e nem da natnreu, do que e
tollo pelo Sr.Nervoso, porquanto alm dares-
neitarmos con a caridade, qne devemos, o eslado
dessa infeliz senbora, do qual nao podemos dizer-
nos isentos, nao conhecemos dispostcao alguma, pe-
la qoal possam as autoridades policlaes tomar co-
nhecimento de semelhante padido^ sempre qne nao
sotfrara o socego e ordem publica, que nio pode-
j verter^ aqoejla'rwi^m campo *


m
------r
arana
4
.. Win- I------
ra
... w
^
y.'


frarle i Pemaliae* tegua lelra 4 de Jamho tfe 1866.
v-rs

t
=5:
i > i.i

T~*Ri
Z5Z
=253
*-
SE
carneiros, cabras e bodes, que nao-ooauoua 4o>aa.aaa mu', gas bise jn-calcnlo parai com-
privilegio de pastaren em urna das ras mais promissos, coja realisagaoialvet tenha de apoiar-
bellas e publica da cidade, parecen tambera os-
tentar certa Mtarrlt, ovatndo os corredores- e at
pene raudo ot-iBrler de rouitas casa* con grave
incommodo e prejuio dos seas moradores. Una
morador da roa da Aurora.
Remettem-nos o seguinte :
t No domingo 27 do mei BMHdo, lev* la-
gar na igreja do Espirito Santa de Collegio a festa
do Seolior Santo Cbristo dos Msfres, a final tor-
nou-se digna de especial mengia/pols oa* alera da
boa orden) e desempenho dos lRios arrlnos, teve
urna bella e excellenle msica, foe, segando ios
m rmam, de coraposico do insigne, mestre por*
tuguez Francisco Eduarav da Costa, e que sendo
levada a execuco pelo avrtto hbil mestre o Revd.
padre Primo Feliciano Tavares, eocheu de ju-
bilo e satrsfago aqaelles que a onvirm e aprecia-
rain, nada deiaodo a desojar.
Fassageiros do vapor nacional Sanca Cruz
viudo do Para' e portos intermedios :
Vicente Lopes da Silva, Aliplo Luis Pereira Sil-
va, Raymundo Ferreira dos Sanios Caminba, Sil-
vestre Ferreira Caminlia, Francisco Marques de
Figneiredo, Jos Correa dos Santos e 1 Olbo, Fran-
cisco Luit Manios Pereira, vlgario Frederico de
Almeida Albuqaerque e 1 criado, Petronilla es-
crava de Candido Cesar de Santa Rosa.
- Segoero para o sdl :
Jos Mendes da Silva, Antonio Jos Fernandos
uimaraes e i criado, Antonio Manoel Crespo, C.
Quinte, Guilhermo Ulerbache, Jeronymo Jos Ra-
mos, Antoniu GoRe.nlves de Abre, miz Jos Vi-
cente, Joaqun Mara da Coneeigao, Hercolano Jo-
s de Almeida, SS-pracas para o exerclto e 3 es-
cravos a entregar.
RkpaiHcao da polica :
Extracto das partes do da 2 de junho tle
1866.
Foram recolhidos a' casa dedetedfao no. da i.
do correte :
A' ordem do Or. delegado da capital, Benedicto
e Vicente, escravos do barSo He Mara, vlddos das
Alagdas, como fgido?.
A' ordem do subdelegado do Recite, Manoel Joa-
qnim de SanfAuna e Mauoel JoaOaira do rtaci-
meto, o 1* por tentativa de homicidio e o 2o por
desobediencia.
A* ordem do de Santo Amonto, Ignacio,, escravo
de Joo Ferreira llamos, a' reqaerimento d'este.
O Ctiete da 5* seccab,
J. G. deHesquila.
- Moviraeoto do hospicio dos alienados na Mi-
sericordia de Oliod da Io ao ultimo de raaio de
1866.
Existiam 24 do sexo rriasculno, 40 do sexo fem-
nino, total 64; entraram 1 do seto mascolino ; 3
do sexo feraiaioo, total 4; sahiram 2 d.i sexo mas-
culino, total i ; ext.-iem 23 do sexo mascatlno ; 43
do sexo femlnino, total 66.
Existen 8 ampregadcs oeste estabelecimento, 6
lioraeos e 2 mulberes, sendo medico, eapello, por-
teiro e sacntlstao, entermeiro, barbeiro, enfermeira
corinheira.
Foi visitado o mesmo estabelecimento pelo res-
pectivo medico nos dias 8,11,15 e 18, aj hora, 2
e 3 da tarde, e por elle o Or. Seve nos dias 25 e 29
a I e I ){ hora da tarde.
O regente,
Luiz do Reg Barros,
fjfmordomo,
J. J. Antones.
Movimento do hospital dos Lazaros do Io a
31 de maio de 1866.
Existiam 12 doenles do seto mascolino, 14 do
sexo femloino, total 26;entrou 1 do sexo eminino,
total !;-morreu 1 do sexo te mino, total 1 ; exislem
12 do sexo mascolino. ti do sexo eminino, total
26.
Existen empregados do estabelecimento 8, a sa-
ber : f eapello, 1 medico, 1 regente, urna dita, 1
barbeiro, 1 cczlnheiro e 2 serventes.
Foi visitada as enfermaras Dlo Sr. Dr Firmo
nos dias 1, 4, 11, 15 e 18, e no impedimento este
no dia 26, 29 pelo Sr. Dr. Seve.
Rita Emilia do Espirito Santo Vianda, entrou
para este hospital a 3 de julho de 1859 falleceu a
23 de maio de 1866.
O regente,
Diniz Ignacio P. dos Santos.
O raordmo,
J. J. Anlunes.
se
de,alcumas.retJBM*srs*Sj)kt THMH^-qo* teem
i-ido obrigadas a bypotbecar ao estrangeiro quasi
indefinidamente certas fontes de renda para paga-
mento d* dividas insoluveia.
Estalnh#BpreBens6eJ, vefOBeto, neep-
parecona n* occasfto de celebrar- da oa-
tramway sera' estabelecila de acco.'do con o go
veroo, tendo por base a da estrada d ferro d* ft*
cifc a S. Francisco, e nao podera eMtdi-la pdbcento. .__
t)as duas urna: ou o trafliiayha de ser B** K
ou mais barato do que a estrada, cujirMrltftaft l*Htom do bem arruina as cousas, e dirime os
nufr>se aiartfa dos"trWr a Bdtaa^qiHT'e" aag-
menlam os troocos das estradas de ierro, salvo
qliaedo o entroncaroento ou augmento mais dlf-
flcil. Eolre.ns o effeile ouiro: angmenu-se um
ramal, que deve ser muri mais barato, e augraen-
so Igualmente o frete 1
O arl. 16 do contracto tamben me soggere algu-
raas observacas. EsUndo, pre balecido que ogovemOdara' tima qurta"Pfte dos
orcamentos, como subvencao, claro qae a pro-
prfetario do* traWway #6 dispeodefa' tres qaartos
do seu valor; mas eooo Itw perteocarie es lucros
de 8 por ceota, calculad sofera o valor total, a
porcentagem que Iba e destinada corresponde a
qiiasi 11 por cento sobfe os capitaes.'qde effectiva-
metKc Boarar drsiMBatdo; e ataia. t*rtws os ca-
p laes da provincia rendeado para o proprietario
do tramvlag'at qQb malores lucros natnriiem ogo-
verooa perceber alguma-cousa para ir amansan-
do o adan lamento ferio.
. Se, como provavel, os capitaes empenhados na
Communicados
THAHWAV.
Acaba de ser publicado o contracto effectuado
pela presidencia da provincia com o Sr. E. de Mor-
oay para a construcco de um r-mai de trilhos de
ferro (lramioay),-qaf, partindode um ponto da es-
trada de 5- Francisco entre Escada e Trombetas,
vtei minar as villas de Bonito ou de Bezerros,
ou em um ponto intermedio.
Meltioramenios dsta ordem sao digaos* de ap-
plauso em sua generaljdade, como instrumentos
de trubalbo, que xercem um papel muito impor-
tante na economa' das sociedades; mas considera-
dos especial e individualmente, a qustao do sen
estabelecimento complexa, delicada e dependen
te, para boa deciao, do mais escrupuloso exame
das torcas dos cofres pblicos, das condicSes e ba-
ses do contracto, e da escolha da direcco.
Qoando este trabalho essenelal nao felto de
modo a evitar todo o risco nao rarover-se o fac-
i de se converter um dos meios mais promptos e
seguros de desenvolver a riqueza publica em can-
sa de embaracos futuros, ou instrumento de ruina,
fazendo-se despezas improductivas e sacrificio^
matis. O menor mal, que soccede, diminuir-se
a utilidade do melhoramento, quando para o sen
goso immediato sao preferidas localidades, que nao
sao as mais necessitadas, nemas mais capazes de
retribuir com brevidade a despera commum.
A f raprem, de que me occupo, tal como se acha
estabeiecida no contracto, pareteme arrededa das
me I hc-res bases, em que podera fandar-se ; e cou-
tm cuudices mullo onerosas pare a provincia.
Esta convicio, e a circo instase! a de aebar-se contracto dependente anda da approvaco da as-
sembla, que o otorisou, com recurso s lates do
presidente da provincia, que podera' rescind lo em
ultima instancia, me enimam a exper os inconve-
nientes que eolrevejo, afim de serem examinados
e corrigidos opportunamente.
A discosso, qae inicio, eqae pretendo manter
imparcial e franca, pode trazer este resaltado, ou
alias demonstrar o mea erro. Entro nella de boa
f, sem o mnimo desejo de ofrascar e anda me-
nos de interpretar com desfavor as intencSes das
pessas, que fignraram como partes contractintes.
Pretendo analysar algumas bases e coodcoes do
contracto, mas jolgo necessarlo fazer antes ligei-
ras ccnsideracoes gerae= sobre o estado Hnaaceiro
da provincia, sobre a necessldade da subvencio,
que o governo se obrlga a dar, e sobre a conve-
niencia do tramway contractado.
O augmento gradual de Dosas rendas tei crer
que sao prosperas as nossas Aasgas proviciaes.
Eu Bao flavido afflrmar qae-se fascioara cois mi-
ra gens aquel les, que assim pensam. fnho nara
mim que a presumida prosperidade inteiramente
ephemera, e qae flo^de, eOmo til, se'rvir de ba-
ante qae a appaf etrte utiMtMtf ertfeWBhae
prtvalecerao. De ouir#.mod* lio ex-
e es favores feiioS ao coneesskmarto a
sutveneSo, de qae falla o art 7*.
9abvenciaiia- udsl empreza quaiqoer em cases
etpeciaes edotweessidade indeclinavel.'quando.por
exemplo, coavm animar ama industria nova, ou
trata-so de estabelecer arterias de tommunlcacao
de utilidade incotesiavoi, que nao possam ser exe-
cutadas de outro modo.
Em neoliuma destas coodcoes patece-me achar-
se a nova empreza Mornay; direi por qae.
As estradas de ferro j sao muito cooliecidas en-
tre nos, e para as localidades,que se prestan a re-
dtber este raelhorameo existem construccoes con-
tratadas sed subvencio nem garanta de juros, fe-
to se observa em todo o Imperio. Para S. Paulo o
baro de Mau acaba de contrariar ama estrada
de ferro railwav, e nao tramway, entroncndose
na linlia existente ea Jundiaby, sopeonho, median-
te a concesso dt siroples ..favores. Igual exemplo,
sem subsenco nem gafantras de juros, temos na
Babia, par-onde os SirrthJrian e Detro contrae-
taram um tramway, que ha de percorrer ama ex-
teusio de 60 a 80 leguas, etre a cidlde da La-
choeira e a Cnapada. Aqai mesm na provincia ja
se est constroindo um tramway de perto de duas
leguas de ettenso, da capital a Apipdcos, gracas
aos louvaveis esforcos de Signas particulares.
Eis aqni exemplos de contractos-sem subvencao
nem garantas da juros, qae'oes deviam animar pa-
ra esperar ao menos qre outr Uufo se desse entr
nos, tendo-se de levar a effelto obras semelhantes.
Querer-se-ha poT ventura justificar a dadiva da
qoarta parte do ornamenta ( esta a subvengas)
com a atilidade incontestavel da estrada?
Cmhego oatras tanto ou mais utcis, como sejam
a da Victoria por Jaboatlo, e a de Lsrnoeiro ou Na-
zareth por Pao d'Arao ; e em meu conceito ha me-
Ihoramentos mais urgeotes, e at lembrados pelo
digno director das obras publicas em sea relalorlo
esle anuo.
Como taes coasidero eu a ,ioote sdore o Caplba-
ribe 6m Pao d'AlIro, o abastec ment de agua pota-
vel para a cidade da Victoria, e o canal de Goiana,
qae, podendo ser feito com cedi e cincoenta a da-
zenis coates, tria tornar aquella cidade, to impr-
tame, acceisivel a lrates, pequeos naVias e vapo-
res, e eleva-la assim grande prosperidade para *
qual ha tantos elementos accessoros.
Bem sei que nio se pode acudir a todo ao mes-
mo tempo ; mas razoavel que os melnoramentos
menos uteis nao se|am preferidos adi de palpitante
necessldade, e sobr lado me parece que se deve
ter muito em consideragao a partillia igual, a qae
devem ser chamadas certas localidades, como qde
preteridas na distribuigao.dos beneficios, para cu-
jas despezas coucorrem todvi. 'iSo se deve prefe-
rir melhorameatos reaes e de fe!ies consequen-
cias, e espalbadcs p r difteren es pontos da provin-
cia, om qae ioteiramenie probleraalfco ; lio pro-
blemtico que o prprlo contracta4or anda nao sa-
be d'onde deve partir, por onde passar, e onde
terminar. Tem 10 leguas para escoler o ponto
de partida, e perto de 20 para a estagSo terminal.
Lie mais, quando urna estrada carece para, ser
construida de snbvengo ou garanta de juros por
parte do govefno, orqae saa constrocgo nao
offerece sufBclentes luerjs aos capitaes qae ten de
costar; por sso qae a zona percorrer nao se acha
bastante desenvolvida para gosar de emelhanb
melhoramento ; qaerer dota-la com elle de prefe-
rencia a oatras localidades, sera faz-lo pesar sobre
os cofres pblicos em prejuio dos contrbnintes de
todas as outras.
Se o tramway contractado est neslas condigSes,
porque se nao adhou para quanlo estives^em sa
lisfeitas neeessidades mais imperiosa-?
Acho qae o contracto devla precLar o sacrificio
que a provincia vai fazr, e debalxo ie,-ie ponto de
vista rae parece vago, incerto e iod< i i ninae. _'
Ha de se verificar anda onde o tramway deve
coaje^ar, per onde deve passar, e oode deve terml-
.nar. cs .pontos esco!nidos depende a sua ma.ior
0*1 fneqor extenso, e o seu mal or o u menor coste.
Para que' seja elle mais til deve terminar antes
em Bezerros que no Bonilo. Maior exlenso ne-
te;caso, sigoiflcando maior despendi, importa tam-
bera malor subvengo ; e a quanto esta chegar
cousa que se ha de ver depois do orgamento do
coucessionano, visto que no contracto faltam dados
pelos quaes se possa avaliar o prego da estrada.
Ah apenas se v que elle, podendo ser exorbitante,
pode ser por isto rescindido, devendo-s ao conces
sionario neste caso o pasamento dot astudoe gra-
phicos e amaindemnlsago que pdechegar a trio
la eontosde rls.
Terei de tocar neste ponto mais adianle no se-
guimeifto daanalyse, que passo a fizer, Jas bases e
condigoas do contract?.
Observo, quanto parle technica.que seria mais
conveniente que oo se marcasse um limite lao for-
te para as rampas, 3 a 4 por cento
Nao tenho noticia de pendoresde 4 por cento em
taes estradas. E urna vez qne se raarcou o peso dos
trilbos e admiltio-se a bypolhese de duas estradas
cem largaras differentes entre elles, nao compre-
bendo por que nao se estabeleceu o peso dos mes-
aros trilhos era ambas as hypotheses
Nao consta do termo do contrato qne se tenha
prestado fianga para boa execuco do qae se con-
venconon, e para garanta das multas, as quaes
o emprelleiro pode incorrer.
Foi preterida de-te modo a condigo de fianga
observada em todos os contratos e em toda a parte
do mondo, principalmente uos casos em que se es-
tipula snbvengo.
Consta do contrato qae o empreiteiro tem direito
primeira parte da snbvengo quando dr nomego
aos trabalhos, como se v do art. 8; e esta condi-
go pde-se considerar cumprida desde qae se ca-
var a primeira p de trra. Como nao se estipula
garanta aera ao menos para este adiantamento,
ro, ._
faculta elevarse para aquella at 25 por cento. No
pi irauiro caso aapretMade se qm dwpeu
cessiSral fazer aprovioela; egnado' tojie-
tilica*! o augrneoto, principal mente coosMeraodo-
se qne, atm dos IWtet wamtm o seu pMttteMffc qo reortw 10 pm
ce o** frates ******* gea*** eja circjfc-
resDM *Kda drS. FrtaMisco, s caasJrmidade
foi Qm inceativo poderoso Secretoria do Monte Po Portuguez em Pernam
tao feia ingraUdio I m bwt, 30 de maio de 1866.
*M*rdesM no,
mtm*'tmwwm+ de
laao ais se faz menos se merece; quem fa-
*e* iadtjatos, pe cea duas vetes; sempre
val a iograiidao; maitas vetes a
coaro W*w que Wawde>ngorersK gerai.
D'stemodo o fHtes d> tramway setao
cari* do qoe os da eetrad* de ferro, o qae contra
ra o fado observado em todos os paires de dimi- do ceno como sabido, qae o vlgario anda o nio
vincules mais sagrados.
Basta dewr-avque aquello ingis*MH|flez atona
mil etlM favores iecebid4't vigaeto,
amanee* do sasmo a remlsso de una i;tnta qna-
iroceme e dnoenta mil ris de gades, que me
aavu caalBMtavqua em cima de aolotmts do aaes-
BM> vigarto monas vezes faz o sed aengeio, que
eonstantemeote icava com dinbeiros 'Ja seu viga-
no em si, paM pagar no anuo seguinl, e eJ*4a
Boje, segunda adoso, fazendo-lbe Mi tjtwrra en-
eifmgada a onrtnno, deve um cento e ris,
Jas da Suva Loyo,
Presidente.
Joaouim Gerardo de Bastos
i* secretario.
iiver, enoofaundo ser coodmiada ao paga-
ntdai Vaf jmmffiir pflW-jnao e mu*, sendo
COMWERCIO
--- *- o'iui/j *^uo u n^anu iiioh w *jv
recebeu: parece qa* delato We- peta aseatondas
gregas.
O Ingrato sempre foi reputado pelo liom senso,
como perigoso aa sociedade, o caso em que est
e celebre veihinbo da [eir, ou leoenle-coronel Ma-
uoel Ildefonso ; faz boje angustias ao< sea vigario
e um mai Immenso a' fregeiia da villa do Jardim, .
qae fora tambem servida de parocho; todo por- ??B<"BeDj V (,,a l
Moto bae* 4* Pernam-
Micaa
O Novo Banco descorna letras a 10 por eente
i ano, toma dinheir a pnse Oa ou em conta
mte pelo premio eeaaJteOes aasenenvea
r. e saca sobre asnea da Baha
Novo Banco de Pernambuco.
O novo banco paga o 16 dividendo m
razao de 6^130 por aegao.
que esta possuido de um espirito da trevas, fasci-
nado pelo furor de sua ingratido, e talvez, pare-
cndo um sando ou antes um possesso, segundo a
eapressao de certa pernea qualiicada da villa do
Aeary a seu respeito; de ficto qn*ns souber da
tbtgicago da denuncia dada aa curia episcopal,
quera souber do estado de inimisade daquelle in-
feliz dBlaioT com seas proBties pato, n&o e cu-
nhados, por semelhante proceder, infaiaaado in-
jastamente ama sua prxima prenla, a quem de-
vra respeitar como typo de virtudes, qne nao
dir outra cousa.
O publico sensato que avalle de semeluaate sey-
aLFANDEGA.
dem do da 2
25:607*718
2o:467{3S8
51:078*087
MOVIMENTO DA ALFANDEGA
Votantes entrados com fazendas...
com gneros...
Volamos sabidos cem fazendas...
som gneros....
234
943
----- I,f77
64
630
-----694
empreza nio dejara mais d 12 0|0, tarde ou ouo- copttaate, pistado com as cores negras, qae lite sao
ca voltara para os cofres provinciaes a grande
somraa que delles val sahir.
Isto nao ludo. Maior onnus recae sobre a pro-
vincia com a condigo, qne estatu u malo de
amortlsar-se a subvencao.
Na estrada do Rewfe a S. Francisco, logo qae os
reudiraeatos excderem de 7 OjO, o governo prlB-
ci piara' a embolsar-se sem restricgSo atijuma, ap-
propri-s; e o E'xm. e Revio, prelado, que feliz-
mente rege os destinos da diocese Pernambucana,
esmerilbando os fados que fazem objecio da de-
nuncia, e os documentos incoocursos. que ba de
ver, se convencer da sem razao de tio infeliz, de-
lator e recoobecera' a innocencia de seu coadjutor,
vigario da fregueza da villa do Jardim, fazendo-a
gozar outra vez dos oeoeticios nanea iaterrompi
phoando-se todo o excedente d'aquella renda a' dos de seu ocaugavel pastor dos quaes muito ne-
cessita; ficaudo certo de que, si aquella vigario
assim aecusado, porqu teve a sorte de Scrates
de ser acensado, estando, iauoceole, lembraudo-se
que do furor e sauha da aopnlago se levaotaram
tetterauntus para accoaar e jurar cjntra o preprio
Filho do Deus Vive o Salvador do mundo.
Recito, 25 de maio de 1866.
0 Justit.
i"""-
amortisago; na estrada projectada, porm, apesar
de tlxar-se maior rendlmemo ante Vreemoolso,
limita-se este entre 8 e 18O|0 do vator*do orga-
mento, e s se appliear part a amortrsagJo meta-
de do exceaso, porque, dad este, a oatra-aetade
alada do coaeessiooarto.
Se vamos n'esta marcha, devo receiar qde os
encargos e sacrificios do paiz irao augmentando a
prporgo que man forera sendo coofleeidas entre
nos a estradas de ferro, e era malor nainero fo-
rem construidas.
Continan os ioeovenletttes do contracto. Noe
arls. 30, 31, 32 e 34 estipoloo a deeisSo das qaes---------------------------------------------------------
t5es que sa suscitarem, por meio do arbitramento, o^ 0 evido respailo, prgonu-se ao Ulna. Sr.
cabendo a decisao final, na parte scieutiflea, ao pre- COmraandaule superior iateriae d'eeto capital, se o
si denle os a ara dos ei-pres- denles do ost nulo j. esquadro de cavallaria da guarda aaetooal des-
do enffentieiros civls de Londres. No caso d res- le municipio, pode dar todos es dias seis pracas
csao de comracto o governo deve pagar os esta- pari as rondas notflurnas da fregaezia de Santo
dos grapaieos, e decsoes das duvida?, qae podera Amonio compoodo-se elle de dezoito praeas ?
Publicacoes a pedido
a boa votode dos governos e p~ess6as, que adian-
iau. rapdes despezas por eonta de futuras rendas
incertas.
Todas as nossas foatee de rendimento permaoen-
te, nao sujeitas a' .grandes eventualidades,. .como
sao o aswcax, conj^^oiges de.^edio' qrpap*j
dizimos etc., ou teem estado estacionarias, ou teem
augmentado pouco. A qoe tem.crescido extraordi-
nariamente oeitoa ptimas, anoQS. a ponto de' [azar
avallar a .repita, proviacig^l^las Uojj^ ..oyt,
maes e o algodao ; mas qne produelo fia entre nos
mais eventaale aricado.*
Lula cora os m6arac;8s crtimans aos" riossos
productos agricolares ; .o sea transporte mato ca-
ro, a ttepta 4 disuocia aonda vea para o mercadea
esta' :.ujeito *a ser damnificado pela* fcecas tao
frequentes no sero, e a' ludo isto secretee o pa-
ngo ce ser abandonado pela superveniencia do
mofo, germen petmaneate da-deatraJoSat, 4>k <..
E' :laro, polsrqae cessando as atoas transit-
nas, o qaasi pasaadas, da alta do-ataco, aao deve
inspirar conflanga urna prodaegio to ameagada.
INa se olvide que ja' entre nos, era poca qae nao
esta" mnjio dade para quasi total abandono ; e attenda-se ao
tacto acta}. Wi- m
Em cioco aqsos
dio sabp da 6,**,'
agora esta '
EnJje as qa
signare a ~
priocinaj
sea t,
funda*
raes-a,
'sU^i "esncago lie paree*
para indicar que nao prudente tomar na reodi-
meato, qae toade a descer cada vez mala do pon-
arro,.aoP^oqaedSfffia
i augmento con:
se a compromis.aos futqfos, principalmente camle3w' sole, nterpreugoes e cosungen.ias, que
estraiigeirQ9,,sob pefli & amar|r'mos mais tarde s} ?o esteva? ayate rpiviaia. NaooqsW
qae pode ser de grande valer ; se a companhia
quebrar, a coasequencia qoe a provincia perde
sem remedio o sea dinbeiro dado sem llanca.
A segunda prestago, das qoatro em qne divi-
dida a snbvengo, ser paga < qoando esiiver con-
cluida em segaimento a va permanente na exten-
sio de urna quarta parte da distancia total aproxi-
madamente. Deita condigo resolta qae o em-
preiteiro embolsar metade da subvencao qoando
pesas tiver felto obras prximamente eorrespon
dente a quarta parte em extenso das que contra-
tou; e pode acontecer, se o principio da estrada
for mais fcil do que a continuago que a quantia
receida seja superior ao cnsto das obras feia*.
8e a compaobla quebrar nessa poca anda tora' a
provincia de lamentar a parda do seu dinbeiro.
E nao bos devoraos lembrar da estrada como ga-
ranta do qae enl&o se houver adiaotado, porqne
rth) eeiara' aojeKa aos eredores da companhia, e o
governo provincial podera' apenad eBlrar em rateio
com'ette!
O modo eomo se ha de determioar a sobvengo
esta' soieito a nterpretagdes e contingencias, qae
me dernr os contratos dependentes da boa f de
Sma das partos; entretnjto o-de qoe me oecupo-
*W f fenerosldtde do concessiooarlo jiof
poderao tivrar de otns excssrvo q, variadas cir,
cumstancias ondm trarer.
P p arp X* 1 > c-ero la pr*vtnv4a MH* O
ocessiooarfo ama sobveogio igual a qnlrn par-
te d valor aos ofarneitoi.
. Esses orgamentos pelo art. 2 sao commetfidc-?
ao mesmo CQacessionar{o. E' possivel que elles ~
fkia fetos de modo que durante a execuco
i-se muito menos do qoe .se cali
emente ptfe a%rmtec^,#lS&
"qarta parte do orgamerifo prlnntfvO,'se
nos a um terco on metade do valor
obrasrtw
consegu
em vez.
eleve ol_
real das cL,
.. .Poda alpaa-aposieter que, qa
dapoisimconfjni
a^JBc^;HnKj(r,
Naje caso de
aconto ..qae di
veBcfiLn^m fl.ai^
dianuda se dedo ero
so, qoe p cot}ft8siOB "
Tambem nao ;e
quaru parte "
apparecer, sereo eornmettida ao desempatador in-
glez.
Veto tflsto grande inconvealente, porqae as des-
pezas com taes estados costaraam ser multo aval-
ladas na Inglaterra. Antes se tlvesse eseolhldo pa-
ra arbitra desempatador o presidente do lostfloto
Polythecttnico dos engenlrelroS el vis do Rio de Ja-
neiro (actualmente o conselheiro Manoel Felisardo),
mais habilitado para decidir a qnesto no Brasil,
onde os estados grapbicos castam menos.
A quantia que assim for arbitrada, com desvan-
tagem ara nos atienta a differenga dos prego?, se
elevara a 50 oa 60 contos pelo menos com o ac-
qresclmo de 30 promettidos a titulo de ndemnisa-
gio no caso de reseindtr-se o contracto pela pre-
sidencia.
'Assim resguardados os intresses do contracta- j
dor com todas as cautelas de um espirito descoofla-
do e versado aa arte dos contractos, vejamos o re- (
versa da medalha, e como o governo oao tem reci-
procidadn de condigoes.
Contraetador e governo parecem marebar emj
um tetreao desconhecido. Aqaelle precisa de cor-
tos favoaes, que tracta de obteT; este precisa de da-'
aos preliminares, que* Ibe devem ser foraecidos.
I'ra um e para oatrq admltte-se a faculdade de'
respiodir o cootracto, qae ceTebraram. Se for o
igoverno'qaem rescindir, corre-lne a obrlgago de
pagar. lnderrrasfsag53S no valor mencionado ; mas i
se for o coneessionarfo, o contracto de?faz-*e por
sua vontade sem a mais leve pena I
Dada esta destgualdade, devla qoando mnito li-
mlar-se a Inderanisago aos estudos grirphicos, l
que tem algum valor; se oem qae, podendo sac-1
ceder (como se previo no contracto), que nao sir-
vam elles na occasrao verteote, cesse a sua uti-
lidade, e ento iro jaser cora muos ontros nos
archivos; eat talvez depois d'elles feitos reconhe-
ga-se a difBcoldade de execuco e d'abt a sua
inntilidade. Conviria por torito'antes qae corres-
sem taes estados por coala do contraetador, para
que ao menos aniscasse elle tambem algurxa cou-
sa.
Entretanto, alm das indemnisagoes por taes es-
tudos, ha anda a de 30 contos 1
Sao estas as priraeiras reflexSes, qae me sagge-
rio a leitura do contracto, e qae entrego a publiei-
dade com o Ora de fazer conhecidos defeitos, qae a
seren uadados, como me parecen, podem anda
ser remediados; e nanea o de deprimir o trabalho
do presidente da provincia, a quem alias me preso
de dedicar toda a estima e conslderagao a que tem
direito por seos talentos, lealdade e boos desejo?,
que domlnaram n'este contracto. Tambera nao te-
nho em vista molestar por qualquer sorte a pes-
sa, qae offlcialnente devera ter sido ouvida no
que concerne a parle technica, a respeito de
quem nutro iguaes sentimestos.
Uonelolodo, seji-me per mi tt ido dlzer qae- fazendo
as reffexdes, qae cima (icam exaradas, rae honra-
re! mano em ler as apreciagoes da parte de quem
quer qae entenda, que ellas sao menos bem fonda-
das. Previno, porffl, qae nao accefto discosso
aaooyraa ; assigno meu norae, tenho direito a me-
recer outro tanto.
Reetfe 30 de malo de 1966.
Manoel de Barros Barrcto.
Quem foi e quera presentemente a villa do Jar-
dim da comarca do Serid, provincia do Rio Gran-
de do Norte, chronica do celebre lenente-corouel
Manoel Ildefonso de Olive ira Aievedu, e o requinto
e sua iograiidao para como sen bemfeilore vigario
Francisco Justino Pereira de Brito.
Todos sabem, qae a villa do Jardim da comarca
do Serid era a poucosanuos um lagarejo insignifi-
cante, qae nada valia e qae nem dava esperaegas
de vida, mas que boje e urna villa, pequea sim,
porm elegante a r i son ti a, qoe possue boas casas
(algumas de muito gosto) nata matriz bem decora-
da e um cernlerio protpto e decente para todos',
o enierramentos porque teudo conspirado em fa- r
vor daqoejle logar oa genios beaazejos do finado j
vigario da reguezia do Serid e visitador da pro-
vincla Manoel Jos Fernandas, e do digno vigario
da fregaezia do Aeary ThOmaz Pereira de Araujo.
logo combinaran ealre si ceder cada qual um pe-,
daige de ana reguezia para cratgao de urna torcei-1
rat que d facto foi creada com a denomioaedo de ( -
O Atropellado

CURA
Espaittoza e Admiravel
DS tjma chaga
CaNCROSA E ROEDORA

00
POLYPO 1\0 NAK1K.
fregiezia da Conceiglo do Azevedo no anno de
1886; e toado ido no bmmqo anae a concurso por
maitos emaennos das ,prlaeipae pessos*> loeattaade, a eHa se oppoi eem exeluso de todu as
mais do coacurso a vicaria, qae neje felizmente a
ref e, e tVd, FranciscoJuetaa Pereira 4a Brito, que
cdo terceffo genio Mmtatio'para il!i !?;**
go se codoa, promoved*) dMf ento em fvpr di
sna fregaezia todo o t
sive, ja'cora a nstri
Um* cread* de servir residente em Pernam
bueo e pertence-nt*- Bx^.' Sefli*, VieitnfDKBaA
BK GOTJUWA, foi attncfida d'nmi terrlvel cha
ga cancrosa e roedorao- Pol j po no Naris.
A mesrua inrolvi e tomava todo a parte In-
ferior do nata, ameacand j distrnir tanto a
parte cartilaginosa como o mesmo oso ; Coin-
con primeiro por apparecer sob o beifo supe-
rior e parte da face, etrtendende-so por tal
forma e com tal rapidez, qne em ponco amea-
cava transformar todo o rosto n'nma enorme
charga viva e asquerosa. Durante todo este
terrivel estado, todos os recursos medienaes
qne em taes cacos se uzilo foro abundante-
mente empregadoe, sem que de leve fizeeee
parar a marcha lenta e distmidora de tao hor-
rivel enfermidade, e todos os meios e eeforcos
forfto baldados, e no em tanto o mal crescui els
que por milagrosa fortuna da infeliz estando
as couzas aeste ponto, ee experimentou pela
vee primeira a
SALSAPARMLHA
DE BRISTOL.
O effelto prodnzido, qnasi que instantneo
por este inestimavel remedio foi Tordadeira-
mente maravillioso e sem igaal; este grande
pnrificador do Bangne e dos humores do svs
tema, inmediatamente poz um termo mar-
clia dieaatroxa e fatal da molestia, derramndo-
te inflltrando-se atravea dos teeidefl os rnals
delicados do corpo, espelHndo at ultima
prepriedade ou vestigio virulento da molestia,
e dentro d'um erarte eapaco de tempo produzlo
una
CURA
Completa e Radical.
Beto feliz quo admiravel resultado foi obti
do apenas com o simples neo
Puna m iiHka (iaiTafa!
d'esteinoomparavel e inapreciavel depuratorio,
reeommondamos portante i. todos os Poentes
qne procurem obter com o maior cuidado a
nica e verdadeira akaparrilha de Bristol,
nicamente preparada por
LANMAN & ZEMP.
De XOVA YORK,
Descarregara hoje 4 de janho.
Barca fraacea Coitgnyraercdorlas
Galera TraocezaAmeliamercadorias.
Barca inglezaTicJrferdiversos gneros.
Logar inglezBrilhantedem.
Lugar'portugaez Juliodem.
Barca portaguezaArramtffipedras.
Brhjue italiaooAdeiediversos gneros
Escuna haaburgaeza -Calftarn< & Jane diver-
sos gneros.
Patacho inglezGertriidebacalho.
Briguenoraeguense Rs Wold HutfttpUrdt fari-
nba de trigo.
Patacho InglezRomeucarvao.
Barca ingleza-Zaft/facarvSo.
Barea inglezaAvenacarvao.
Barca inglezaSaphodem.
Barca aacionalAmizadecharque.
Brigae nacionalBeluario dem.
Biigue nacionalAurelianoidem.
Sumaca hespasholaGuadalupe dem.
Patacho nacional So/idem.
Hiate portugoez Serra idem.
Patacho portuguezS. Jos-idem.
Barca inglezaImogenediversos generoj.
RECEBEDRIA DE RENDAS INTERNAS
RAES DE PERNAMBUCO
Rendlmeolo do dia 1...........
Idea do dia 2................
O
CONSULADO PROVINCIAL
Rend cuento do dia 1 ..........
dem do dia 2..............

gresso material;
!^ [Sitad 6Ve%l
so^rejCrazei
< de qne, toaba a aato sasaaaatjllM
1 nao vatoa eartUsjas airona
Vtei a boiai deCaori oVB*rboN
e G. Bravo 6 G.
lM( pit-|Mat|MI.-
moral. ja' cora o pro- A directora provisoria desta institoigao
' ao a cainegorla de tmo' tif diversas tatas irf'qiaH"*
U dwfflm%ih'
ido isto.assHri eor-
oa Ousl todas as
dffi vlgirio tal,
tendo
rlrraconadas, importancia das jolas de varios
socios, JHtalmento aifrafleoe aos digoos cava
PRAGA DO RECIPE
E J t VII K ise.
A'S TRES HORAS DA TARDE.
ReTlsta semanal.
Cambios....___Saccon-se sobre Londres de 25
a 26 d. por 1*000.
Algodlo......... Vendeu-se o de Pernarabnco de
135000 a 13500 por arroba, e
* o de Macei posto a bordo, a
12$, 12$500, 130200 e 13500.
Assucar........Vendeu-se o branco de 3000 a
30800, o soraenos de 20700 a
20800, o mascavado porgado de
10800 a 20200 por'arroba e o
broto de 10500 a 10700.
Agurdente.....Vendeu-se a 600000 a pipa.
Couros ........Os seceos salgados venderara
se a IV* rs. a libra.
Arroi..........O pilado da India vendeu-se a
30000 a arroba, e o do Maranho
a30OOO.
AzeitedOce......Vendeu-se o de Lisboa a 2J500
o galao.
Bacalho.......Em atacado vendeu-se de 165 a
17$ a barrica, e a retalbo a 160;
fleando era deposito 4,500 barri-
cas.
Batatas.........Venderam se de 800 a 20500 a
arroba.
Caf...........Vendeu-se de 50200 a 60200 a
arroba.
Cha............dem de 10600 a 20200 a libra.
Cerveja........Venden-se de 50000 a 60300 a
duzia de garrafas.
Farinha de trigo. A de Philad^lphia e New-York
retalhou-se de 220000 a 230000
por barrica, a franceza a 220,
a hespanhola a 210000 e a de
Trieste de 210000 a 250000;
fleando em deposito 3,500 barri-
cas da primeira, 2,000 da se-
gunda, 2,000 da terceira, 600 da
quarta, 8,000 da quinta, ao to-
do 16,100 barrica?.
Dito de mandioca Vendeu-se de 30500 a 40300 o
sacco.
Peijio..........Venden-se a 120000 o sacco.
Louca..........A ingleza ordinaria vendeu-se
com 310 por cento de premio so-
bre a factura.
Manteiga.......Vendeu-se a ingleza a 950 rs. a
libra, e a franceza a 500 rs. a
dita.
Maesas.........Venderam-se a 70800 a caixa.
Oleode Irahaga.. Vendeu-se a 10700o galao.
Passas.........dem a 60000 a caita.
Presuntos..< Venderam-se a 150000 por ar-
roba.
Qaeijos........ Os flam%ngos venderam-se a 20
cadaum.
Sabo.......... O inglez vendeu-se de 140 a loO
rs. a libra, e o do Mediterrneo
a 240 rs. a dita.
Toucinho.......Vendeu-se o de Lisboa a 90000
por arroba.
Viaagre........O de Portugal veudeu-se de 800
a 1100 a pipa.
Vlnhos.........Veoderam-se os de Lisboa de
1880 a 2000000 a pipa, e os de
outros paites a 1550000 a dita.
Velas..........As de composlgo venderam-se
a 600 rs. por paCole de seis
velas.
Descontos.......O rebate de letras regulou de
a 12 por cento ao anno.
Fretes..........Para Liverpool pelo algodSo X
d. por libra 5 /, Pe' lastro" 50/
nominal; para o Casal, pelo aa-
snear 38/ a 30 5 /. nominal.
dia eJUeao atta.** pena de revena, E como o
supplicado se retjraese para a Europa e esteia era
lugar iBerto;'eco*,e> sabido o stiyphcante reqner a
i V. S. dgnese admitti-lo a justificar a sua ausencia
I aflm de que tenha lugar a citafa requerida por
aditaes aa forma da lei.
N'estoa tamos reqoer e pede a V. 8. deferimen-
to.-E..*. B.-0 aduanado-Joto Tataira. Na qual
dei o sagninte despacto :
Justifique a ausencia no da 25 do torrente mer,
as 11 botar da mantea. Recito 23 de abril da
1866.-Ale.acar Ararrp.
Ea virtode do qaat lora a mana petigao des-
VibuidaKao ejcrrvao deste joba Mainel Mara Ro-
drigues do Nascimento.
E toado o-supplicautB prtHiuzItto soas testema-
nhas, sellados e preparados os auto sobtram a
miaba eOBCosao e n'erles dei a segnlnte sen-
totga :
Hei por justificada a' ausencia dos supplieados,
aos qaaes mando citar por editos de 30 dias
para o flm reqnerfdo. Recife 28 de abril de 1866*
Tristo de Alencar Araripe.
Per forga da qnat o referido eserivo fez passar
o presente edlta pelo qual chamo cito e hei por
intimados os ditos snpptieadns para qoe compare-
gara neste jaizo alim de aUegarem o que fOr de jus-
tiga.
E para qae ehegue ao conhecimento de todos,
mandei passar o prsenle, que ser publicado pela
imprenta, e aullado oo luaaree do costme.
Recife, i. de malo de 1866.
En Manoat ifarta Rfidngues do Kascimento,
esortvo o suteorevi.
tVrirtdo de Alencar Araripe.
Dr. Tristo de Alencar' Araride ofDcial
da imperial orf5en da Rosa, jutz de di-
reito, especial dacosamereio desta cida-
de do Mecife de Pernambuco, e ?ea ter-
mo, por Sna Magestade Imperial e Cons-
titucional o Sr. D. Pedro II, quem
Deus guarde etc.
Faco saber aos qae o presente edita! vi-
rem e d'elle noticia tiverem qne por parte
de Aniaral Morara C, me foi dirigida a
peticao do tbeor seguinte: *
lilm. Sr. Dr. juiz especial do commer-
cio.Dizem Amaral Moreira &C. commer-
ciantes moradores nesta cidade. qoe tendo
vendido Manoel Francisco dos Santos e
Silva para sua taberna cita ra das Laran-
geiras o. 16, tambem nesta cidade as mer-
cadorias constante da conta junta na impor-
tancia de 6i9;)4iO rs. por conta da qual
pagou apenas o supplicado a quanlia de
193$500 rs, ficaudo conseguintemente a
8420961 dever a quanlia de 45.'in40 rs., querem os
6910953 FBopplicantes chama-lo a este juizo afim de
vir propr a competente acgo ordinaria
commercial, e porque se ienha o supplica-
do ausentado para lugar incerto e nao sabi-
do, dando lugar a que os snpplicantes fi-
zessem por este mesmo juizo assetrto nos
gneros achados na mencionada taberna, e o
chamassem a juizo conciliatorio por editos,
querem os supplicantes justificar a ausencia
do supplicado e julgada esta por senten^a,
pedem que V. S. se digne de mandar pas-
sar e allixar editaes com o prazo legal afitrt
de que na ausencia posterior a espiraeo do
mesmo prazo, veja o supplicado propr a
['dita accio em que os supplicantes lhe pre-
tesdem pedir a dita quantia, juros da mora
e custas, ficando logo citado para todos os
termos da accao at final sentenca, e res-
pectiva execuco sob pena de revolia.
.Vestes termos pedem a V. S. que man-
dando distribuir o presente ao eserivo Nas-
cimento por dependencia, visto que o'
eserivo do arresto, se digne de marcar
dia e hora para a justificaco requerida se-
gdindo-seos demais termos. E. R. M. O
advocado Paula Penna.
GE-
1:5340914
1:7120658
1:8610107
3:5740065
MOVIMENTO DO POMO
H.UfU
ii i ii -jytn"
Navio entrado no da i.
'Para e portos intermedios8 dias, vapor nacio-
nal Santa Cruz, de 960 toneladas, commandan-
te o Io tenentaFrancisco Manoel Alves de Araa-
jo, equipagefit!f4at|li WrertHH geWftrs ; a
Antooie Laiz de 0, Aaevedo & C
Oosefv'
jwdas.
rW
disto de urna
" co j
do Rio G,
tfptitrjoqaea]
do do m
IHiiros,
ve
para o
bra.
No
cife a S.
vo de
t fio attiu* n pe)
i inilhares de libras sterlinas para aa qo-
'rt. 14 de contrato dii-se: t A tarifa do
Hbdtetn o -rtgirfb fv,effl'i Docca
fl6 vrtqd.es, era nm
To mando f Pre qae & peso dos nal
tos1 beneficios recebidos por este hornera, q&% o
ttente ooroel Manoel Ildefonso de Oliveir e Aze-
vedo, acobertado com d nome deVelblnbo da
Felranos Diarios de Pernambuco de SO, 23 e 27
ros. que tal trela haviara assu
ligends erprgadii'd o flin d
" melhor forma.
Do ffldficllrt. i
do Cont Alies dJLSilva.......
mingos Jos CrinSa La^s Iflc
Antonio Gomes GoftnafTs Idem
. e4"de'iv^''U'm'la^m
aV&'ilivi'ferVei {':.".':". I 'A'...'.'.
DOItiuv 'J0S6 wK)Oy*i*6o vm\ rOaVB e
,aato Cew de Aievedo Gaedes lnclu-
slvfT^l oMtt fie O.....
Ido, as ba
ramafefi
no i 3. _-t
$spanhol"Pauta,. cpf-
ga a' mesffia que trou-
ae Manoel
Na qual dei o despacho do tbeor seguinte:
Justifique a ausencia no dia 27 do corren-
te mez as 11 horas da mauba. Recife 25
de abril de 1866.Alencar Araripe.
Em virtude do qual fra mesma petigo
distribuida ao eserivo deste juizo Manoel
Maria Rodrigues do Nascimento.
E tendo os supplicantes produzido suts
testemunhas sellados e preparados os autos
subiram minha concluso e n'elles dei a
sentenca do theor seguinte:
Hei por justificada a ausencia do suppli-
cado, que mando seja citado por editos de
30 dias para o fim requerido, pagas as
custas ex-causa. Recife 28 de abril de 1866.
Tristo de Alencar Araripe.
Por forca da qual o referido eserivo fez
passar o presente edital, pelo qual chamo
cito e hei por intimado o dito supplicado
para que compareca n'este joizo dentro do
indicado praz*o aftm de allegar o que for de
juslica.
B para que ehegue ao conhecimento de
todos mandei passar o presente que ser
publicado pela imprensa e affixados nos
logares do costume. Recife 2 de maio de
1866.
Eu Manoel Maria Rodrigues do Nasci-
mento eserivo o subscrevi.
Tristo de Alencar Araripe.
O Dr. Tristo de Alencar Araripe, ofllcal da im-
perial ordem da Rosa e jaz especial do com-
mercio n'esta cidade do Recife, por toa magesta-
de imperial etc.
Pago saber aos qae o presente edital viren e
d'elle noticia tiverem qne por parle do capto An-
tonio Jos Silva do Brasil, me foi dirigida a petigao
do theor seguiote :
rlpe, offlca aa impe-
Ittttd dtreito eapeelal
do commercio desta cidade do Recife de Per
140*000
Por sflllMWnV a Mctoril
cobranca se incamblram, o favor de os evol
qfiaifc -m, M que aiMnote por isso se
espera para ler lagar a solemne instalaco do
MonSsvflb Nrtatoei, (XMIWfe erf vl|o> Os'estato-
tos, e proceder-se is eleigoes em conlSWioaia conl
os meamos estatutos, Andando assim a missao da
actual directora provisoria.
Illm. Sr: Dt.jm'zdo conrmerclo.Dii o capito
Antonro Jos Silva do Brasil, qoe devendo Joio Jos
da Silva Villar dr C. a quantia de 2:0390690 re,
proveniente das comas Junta?, Isto e 1:2110050 re?.
que directamente devia *o suptiheaote como se v
dos documentos e u. 1 a 4, e mais 6140140 res,
qae a Ramos & Sirva e Jlo Martin de Barros, co-
jas debito^ foram traspassados ao sapplicanie ceno
se v dos dcatneoters de n. 8 a 7, e bem assim
1840300 res, qoe devla a Vicente Ferreira da Cos-
ta & Pillio, debito ete que tambera foi traspasado
o supplicante como se v dos documento? de d. 8
a fl ; vetar o soppllrante reqeref a V. S. drgfie-se
mandar citar os sopplicados par a primeira ao>
diencia d'este jufzo, 0 de ftHarera aos tetraos de
ama aegao ordinaria etn qoe ten) de pediMhes o
psgartiefrW de dtt qflantis, sendo dita cifagSo feita
sob petlsfd revena.
Eeottroo sopplicad* strretirassepara a Batopa
e esjl rffWWr ifleerto e* nao saMdo, o sMppfl-
caaie reqtjfi i V. *. dlgte-'U-adrnfflMo a JrJMificaT
a sd ausencia, afim de que tenha lugar a ettacao
reflaetaa pt dnaBs i fotmdaiei : nestes ter-
nireqrJef epeoJa-V.S. dftfufittd rtcebera'
mrcA-0 advoWto, Wo'TUttlra.
Na qpal dei o despacho do ihor segbitatt
Jasque a ausencia no dia 25 do corrente mez,
as II horas da roanbaa.
ReClFe abril de 186o.-Alencar Araripe.
Erh Wade lid qifort a desata ptgo des-
'mfc a e'sctiv deste JiUto annet firVl Ro-
orTftttWlftiscnlelftb. ,,_.,
E tendo o sappkcante produiido suas lesiemu-
fiba liadas e preparados os autos sabiram a mi-
nha asao e nellas dei e profer a setteoca do
tbeor segninle : .
Hei por-justificada a ausencia, dos supplicados,
,je se ciuro por editos de 30 das para o Dita re-
e ^ilfe'A"brU de i866.-l'rUtao de Alencar
to- Araripe.
isMstfBoo "jf'fclt-Imperial Qonsttttaetonal
o Sr. Don PaSfi a quera Deas guarde qoe
t^jtD. *< _
aas an a preaenta edul viren
MMtaSr- ^^^ presente edital palq qual chamo, cito hei por
ir* kasaarOo Hit o eaaHio Jtiraados os ditos sopplicados para que compare-
,S,ulxo!lZdeTer^gnar^ne o.des das Tecle 1- de mato 4e 1&
1 da le, para dentro delles allegar os embargos qae
".
I

t

i
-



I
's.'*
K


J MHim i
t*
-11.-1 :."-..


MMt a* aVitoMum* > segMft,Mr 4 Ji..h i* < 8.
_-

i
*
t
-r-
DEIMU.C6ES
COVIPAiVHIA
DO
0 caixa desta companhia coramaadador
Tnomat di Aqaio > Foaseca, acha-ee auto-
risado i pagar no sea escriptorio ra do
Vigario n, 19, das 10'horas as 3 di tarde
do da 29 do crreme em diante QfW0 di-
videndo desta companhia na propfd(lo de
5# por cada accao ; previne-se aos Srs. ac-
cionistas qoe este pagamento dever *er em
cobre visto ser Ha especie que o memo Sr.
caixa recebe dos arrematantes dos chafari-
zes dasta companbia.
Escriptorio da Companhia do Beberibe 28 plvora Boa.
de maio de 1806. .
. O secretario,
.Dr. k>io Jos Pinto Jnior.
*' Pela admioistraet do correio' desta cidade
se faz poblieo que Buje (4) as 1 horas da larde,
fechar-se-bo as mala* que o vapor SMa Cruz
tem da conduzir para os pono* do sal. A* cartas
aera admitidas A seguro at 4 hora da tarde, e
os jornaes sero recebidos at o maio lia.
o Illm. Ir. Antonio Jj' da tlva Brasil, na ra da
Madre Oas n. 23.
Peroaboco^.ll de amo de 4866.
Justino Jos de SOuza Campes.
Arsenal de guerra.
0 conselho de otaras do arsenal le f larra
precisa comprar para rorneetmeato do almoxarlfi
' do o seguate :
Para a companhia de cavallaria.
16 appareihos de Hrapeza.
i clarim.
1 fbrmfjes grande.
Para o Forte do Buraco
1 baodeira Imperial, graade, de Alele.
1 dita dita pequea.
I dita de signal.
Fortaleza do Brum.
1 oculo de alcance.
Fortaleza de llamaraca.
1 bandeira imperial peqnena de Alele.
Para o laboratorio.
5 arrobas e 13 libras ou 80,325 kilogramas de
Iatpecffo do arsenal 'de
MarlBlM.
Faz-se publico qui a dfRsao d peritos
j-examinaUdo, ua forma detetaioada uo regulamen-
1o anoexo ao decreto n. 1,324 de 5 de fevereiro do
1864, o casco, machio*, caldmra*, apparelho, mas-
treacao, veame, amarras e ancoras do vapor Ca-
mwagibe da companhia vigilante, acbou todos esses
objectos em estado de poder o vapor continuar no
servico de reboque em que se emprega.
Inspeccao do arsenal da marinba de Pernambu-
oo, 16 de maio de 1866.
O inspector,
U., A. Barbosa de Almeidm.
2 arrobas e fl libras, ou 34,428 ditos dita
groas*.
Para provlmento do almoxariado.
20 cixas com peonas caligrapbicas de Perry.
50 resmas papel almeco pautado superior.
500 caadas de azeite de carrapato.
20,000 pregos cabeca do pipa.
2 arrobas prego fraueezes de 1 1|2 polegadas.
3 arrobas dito dito de 2 ditas.
8 ditas dito dito de t IrJ ditas.
2 arrobas dito dito de 3 ditas.
50 dutias de lapis de superior qualtdade.
50 ditas de canelas de superior qualidade.
As pessoas que quizerem vender ditos artigos
Ciisiladi amincial
Pela mesa do consulado provincia! s fax publico
que uo da 1* de junho viudouro se principian: a
coo"ar o? 30 das uteis marcados para a oobranca (""^uiom oU iiiv|iiij n. m. u vuuoomu.
bocea do cofre do 2* semestre do anno Baanceiro M Dors *a -mannia do dia 5 de juuho prximo
crrante dos importo de dcima dos predios urba-' vmdooro.
nos, de 20 0|0 do consumo de agnardente e de 5
0(0 sobre a renda dos beos de raz pert-ncentes a
efporacSes de*o morta.
Masado consursdo provincial de PerMmbuco
26 de maio do 866.
ornar os 30 dias'uteis mareados paro'a eobranoa Presentera suas propostas na sala do conselho. s
'1 horas da manota do diaSdejuuho prximo
indoaro.
Sala do conselho de compras do arsenal 40 guer-
ra 30 de malo de 18M.
O encarregado da eseriptaragao
Manoel Jos do Azevedo Santos.
Antonio Caraeiro Machado Rios
; AlmioitWadcr.
Caixa filial da Lihi-.o <1 Brasil em Pr
namtaee 22 de maio 4a 1866.
De ordem da directora se faz pablico
Expslei dos productos agr-
colas e Indnstriacs m lernam
buco.
A commissio directora da exposicao des-
ta provincia, previne aos artistas que de-
sejarem concorrer oom os seus producios a
aquellas pessoas que tem objectos de ouro, mesma expsito, e que nao o possam fa-
pralae diamantes depositados sob caucSo'ker por falta de recursos, que deven diri-
nesta caixa cujas letras se acbam vencidas, gir-se ao secretario da commissio para ob-
qui; nio sendo ditas letras pagas at o dia terem os auxilios necettarios a acqoisico
8 de jun'io vindouro se proceder'em hasta das materias primas destinadas aos ditos
CWiPtMI;. SMmEH.4
DB
PAQIISTBS A VAPOR.
* Dos porte*-4o"?tn" fi etflb
M o dia 14 do eorrenle um dos
vapores da comalMaAaual, de-
pois da doraora doeestuaff, segui-
. ra para oaportos do ja retebem-se oassafeiros, a engaja-se a carga
que o vaptr poder conlir, a qual devera ser em-
barcada do dia da ana cbogaia; eucommeniwe di- rana, roa do Crespo n. 15, os bilhe-
??--a.rre,e M* *" d*-*!* nm**" I**' tes,autos e guintos da 2 parte da 2*
ktkff
I Jos Flix da Cmara Pim^ntel
\ aoublio ijue at'_ un. oa -wr-sigt
nMa leaua lia D. K >>> Candida
Honfel, en u casa de r>stf
*Tlfl|l!ff!tllif2l, ofidf ple
i vasto
[unior sefentifirr
oom compa-
i femara Pi-
na rvi das La-
se'r'prpforano.
Ce.-ario de Aze-
FraociscO Aatomo
r% a' Hvrana a. 8-da praea da
aos e:ooo^ooo
Cdjrre seita-feira 8 t junho.
AchWMe venda na respectiva th0Bon-'*H^,,*e,H,to_'*ocio*,'tMl meresie-
........... AMA
inspector da tbesonraria prouin-
cral, om enmerMnentc^ di reootoao da juma
Lompainia te aequetes a >a*r eiirc 0s premios de 6:0000000 at 10&000
Brasil serSopagos urna hora depois da extracto
2 at as 3 horas da tarde, e os outros depois
Jda dilWfcigSo das listas.
As ancemmendas serlo guardadas so-
menta at a noite da vespera da extracto.
II i (' tDeso(lrai',o>
Antoftio Jos Rodrigues de Sonza.
coHite
se dos pora I
sul o vapnr ame-
ricano Nort h
America, com-
andarte Tira
mermann, o qual
depois da demo-
ra do^costntie segairi para New-Yortc tocando no
Para e S. Thomaz. Para (retes e passagenstrata-se
com os agentes Beory Forster os C, ra do Tra-
._
{mblica a venda dos referidos objectos con-
orme o preacrito nos estatutos.
O gaarda livros,
_________Ignacio^ Nunes Correa,
AdministracSo do correio desta cida-
de precisa de seis homens para o servico
de camiobeiro, quem estiver nestas coudi-
ces e quizer engajar-se dirija-se a mesma
admioistracio.
Carreio geral.
Ria.;i das cartas se juras enstentes na adminis-
trario 'de correio desta cidade para os senneres
aliaiie declarados:
Andr Alves de FreiUs.
Beotn Jos<; Beraardss.
Felicio ios Vaz de Oliveira.
Padre Ignacio Francisco dos Santos.
Joaquim Antero de Oliveira Luso.
Lniz Canuto Emereactano.
Padre Manoel Cordeiro da Cruz.
Pedro Bapbaeldo Amor Divino.
D. Ramn Lopes de Tyada (Madrid).
JBxposIc&o dos productos agr-
colas, iudnstriaes e obras de
arte em Peruambueo.
Constando commissio directora da ex-
posigo que, por falta dos necessarios escla-
productos.
Sala da commissio 9 de maio de 1866.
M. Buarque de Macedo,
Secretario.
Bx|sifo das productos agrcolas, idoslriaes e de
obras darles Pernambaco.
A commissio directora da exposicao des-
ta provincia resolveu, qne por meio de repe-
tidos anouncios sejpublicasse o seguiote:
l.'Que a inauguraoio da exposicao fui
transferida para o dia 15 de agosto prximo;
2. Que a recepcjSo dos productos desti-
nados exposigao principiar no dia 15 de
julho prximo;
3. Que a demora que houver na remes-
sa dos productos ser nociva sua mais con-
veniente collocacSo, conforme a respectiva
importancia;
4. Que vindo todos atropeladameate as 23*i
O Illm. Sr.
de
fazenda, manda fazer publico que no d*ia 114 de
junho prximo viodooro, perante a mesma junta,
se ba de arrematar a quem por menos tizer, o for-
necimento dos medicamentos e utebeU para a en-
fermara da casa de deiehC>o desta cidade, por
lempo de um anno, a contar do 1* de julho do cor-
rente anno, ao flmde junho de 1867.
As pessoas que se propozerem a esta arremata-
cao comparoeata na sala das sessoos da referida
junta, ao dia acnaa indicado, pelo meio dia, com-
petentemente habilitadas, onde acharo presentes
os formularios e'condlcas da arrematado.
E para constar se mandn publicar o presente
pelo jornal.
Secretaria da ibesouraria provincial de Pernam-
buco 21 de maio de 1866.O offlctal da secretaria I piche n, 8.
______________Wfaei AtTonso Ferre.ira.------- ... ^ ~M%nUr]
0 Illm. Sr. inspector da tbesonraria provln-1 1W*U C.O ifXW/et,
ctal, em cumprimento da ordem do Exm. sr. pre-! Segu com mmta brevidade o patacho porluguez
sidente da provincia de 28 do correrte, manda fa-. kaORGENCE, para passageiros, t:au-se com Joo
xer poblieo, qoe no dia 14 de junho prximo vin- do Bego Lima a ra do Apollo n. 4. ^
.douro v3o aoglobadameatea' pao*.para seom ar- ,^. .sZ .'!" *^
amatan* as obi^earafla^Vssadico do Cara- H(.Wa O 1'OrtO pOf
po Gratode, com o augmento de 15 0/0 no valor > f LJl
los resbecuvo* orcameatos ; es quaes sendo da IjlSOOfl
Importla d'8:O0O#,lcam levados a 9:200,.; .. .
Secretaria da thesooraria protrncial de Pernam' A. **an fl *** Mhecida barca portOgueta
buco.29 de maio de 1866.O offleial da secretaria TentaOor, preUfldesegwr -ora molla brevidade,
Miguel Aflonso Ferreira. item D*rt ?e ieu carregamento engajado, para o
" resto que Ihe falta tratase com es seus consgnala-
O llm. Sr. inspector da thesourana provin-' fWe Antonio Lrtz de Oliveira Azevedo & C, no sen
cial manda fazer publico, que do dia 2 do correrte esCriptorio na roa da Cruz n. 1.
por dtante se paga m os ordenados dos em pregados. ------------------------------------------;-----------
proVintiaes, vencidos no tflez de maio prximo' Pfir& O KlO Q6 J &I1G10
Socretarta da Ibesoorari provincial de Pernam-! 2 v5te,ro^ bem eoDh*cjdo .j>rgne Aiektide,
buco 1 de junba de 1866.-0 offldai-da-secretaila ren sahir oom raaiu brevidade por ter a
Miguel Affonso P*ralra. maior d rregameoto engajado, e para o
-----=-t-----------".' *. poueo que Ihe fala a oscravos a frete, tiata-se com
- T UI!- ^ lusPector thesourafa previo- 9 ean?lgutrioaqu4m Jos Goncalves Bettrw na
cial mauda razer puiiiuM.-^ue do dia 4 o correrte- na fl0 Vigario n. 17 prrraeiro andar.
se pagam- as ctasignsceos deixaram 4s soas familias as praas (ro corpo de JT&l*l LlSUOi
pollera qn* marcharam para a carapanha do sul. ', M___. ,__.,
Secretaria da ibesouraria provincial de Pernam-!!^u.,racom.brev1',ai16 abarca portugueza 2Voo
5a Cruz Ti. SSSSX&Ji ffoT I^ j16**0 da m"* df S".Jos d* "* Bm a. escrava qu,
veira Azevedo-A C. -JiecIlB^B am tyj preto), sendo a(extrac30 ba eozfabar e comprar ; a* l.>ja frvnleza da
Antonio Centeie
vai para a Babia.
Lopes, subdito portuguez,
Precisa-se de urna ama forra oa escrava que sai-
czabare comprar ; aa luja /rvnleza da rna
Novan. H.
mmmmm
DIPOIITO B CA]
FaBiWIOtiACAMDE
Riia .liova d. 111.
Abi se encontrarSo obras de di-
* versas qualrdades, e por prego moi
' diminutos, a retalbo e em porgues.
M So-si vende a diftbaro.
^:uctdii ua uicjuuidild l/iu*iuuiai uc rrmaiu-; #, j
buco 1* de junbo de 1866.--0 offleial da secretaria Uartannc, de pnmeira classe, e recentemenie
Hisoel Affonso Ferreira. construida : tem prompta a maior parte do seo
carregamento ; e para o restante e passaeiros,
bar os quaes tem excedentes commodos, tratase
com Manoei Ignacio de Oliveira & Filho, no largo
do Corpo Santo o. 19, escriptorio, ou com o cap-
jo na prac.
i Hl"l O i 17"'i
aos proprietarios des predios urbanos, e aos de di- ^^,,.
versos estaeleciroertos, qoe a eobranoa da deci- ?twdewitn'r oestes io'diae o patacho portu-
ma e dos impostos de 4 0/0 e de zO 0/0 de aguar
Aviso
O collector da collectoria de Olinda scientiica
dente do cousumo do 2" semestre do exerciciu cor-
rente de 186a a 1866 principia a realisar-se no
mez de junho prximo, no praso de 30 das. Todos
aquelles que os nao maodarem pagar uesta collec-
toria dentro do referido praso, Incorrero na multa
de 9 0/0 do valor da decima e dos mais imposto,
ainda mesmo que os paguem logo depois. E aquel-
es que nao salisBzerem voluntariamente os impos-
tos devidos, e a multa incorrida, nao serao consi-
derados os seus dbitos como dividas activas e re-
recimentos, pela compararlo havida entre dngaes Campello, se daverSo estregar os
os nosses productos e outros similares de'jweductos no palacio dogoverno do referi-
diversas provincias, e prr oatros motivos do dia 16 de julho em diante, e desde as
a aoioizooompelente para serem executa-
vesperas |do da da abertura da exposigao,; das por orna e nutra.
nem Se pode calcular O espago que elles re- j Manoel Jos de Azevedo Amorim.
querem e se devora apromptar, nem fazer adminisuador da recebederla de rendas
SObresahir OS productos, espacando-OS, e nteroag geraw^deetara que no correrte mez de
coHocando-os convenientemente ;
5.a Que ao agente designado pelo commis-
awio classiflcadttr, Sr. Dr.Gervasio Ro-
d que nao leve completa sciencia, nSo hou-
?e a desejavel igualdade na distribuig3o fei-
ta para esta provincia das recompensas da-
das pela commisso central do Rio de Ja-
neiro na ultima exposigSo, e que por este
fado alguns dos amigos expositores se re
9 horas da manhaa at as 3 da tarde.
6. Que a todos os expositores se passar
recibo de seus productos, declarando, con-
forme elles determinaren!, se o destino do
objecto exposto deixado ao arbitrio da
guez S. Jo} de Avtiro, o qatl tem prompio parte
de sen carregamento : para o resto que Ihe falta,
trata-se com os seus coasignatarios Antonio Luiz
de Oliveira Azevedo 4 C, no seo escriptorio roa
da Cruz o. 1. ____ _____________
"Para~a~ahar
Pretende seguir OMUMila brevidade a veileira
sumaca nacional Horl^p/, a qual tem parte de
seu carregamento prumpto, para o resto que Jtae
falta trau-se com os s us consignatarios Antonio
Luiz de Oliveira Azevedo & C, em seu escriptorio,
ra da Cruz o. a. .....
Para a Bnhia"
sahR com toda a brevidade o patache nacional San-
to Antonio ; para o rosto da carga trata-se no lar-
de Jos Hara
juaho qoe os devodores da decima das oorporaQes
de mao mora, do i>o=i de 20 ttp<0 sobre lojas e -o do Corpo Santo n. 4, escriptorio
mais etaateefcneMs commeraiaea, do imposto Palmeira.
especia sobro aorfmoarias, casas de movis e rou-
pa fabricado em paiz estrangeiro devem pagar,
tvreOe multa, o 2o semestre do exereicto corre-
le, e qu-.-, lindo o referido mez, i-au obrigados a'
mulla de 3 0(0
Recebedoria de Pernambco Io de Junho de 1S66.
-Manoel Carneiro de Souza Lacerda.
Pela inspeoeao da alfandega desta cidade se
faz publico que no dia 4 do crreme contina a
arrematarlo dos objectos para cunsumo aununcia-
do por edital de 21 de maio ultimo. E para cons
cusam a concorrer com oovos productos da < rte, ou ser restituido ao expositor, logo
exposicao de 15 de agosto prximo; resol- depois da exposigao;
commisso, se deve seguir para a exposigao | wr se faz o presente
4a seccao da alfandega de Pernambco 2 de ju-
nho de 1866.O 4" escripturario,
veu, em urna de suassessoes, mandar faier
publico o segumte :
!. Haver na provincia, para os traba-
Ihcs da exposigSo, um jury especial, no qual
nao tero voto os membros da commisso
directora, que julgar da excellencia, aper-
feigoamento e utilidade dos productos ex-
postos;
2." Este jury se dividir em duas sec-
fSes, sendo urna para os productos agrco-
las, e outra para os industriaes propriamen-
te ditos, e obras de arte ;
3.' Faro parte do jury as pessoas de re-
conheeida aptido e especialistas;
4.a Segundo o juizo do jury, a commis-
so distribuir aos productores e demais ex-
positores medalhas de duas classes, sendo
as da Ia classe de prata e as da 2a de co-
bre, ambas acompanhadas de diplomas.
5. A commisso far acquisigo, median-
te valor ajustado, dos productos qoe para
isto forem julgados dignos pelo jury, e que
Do possam ser cedidos gratuitamente para
figurarem na exposigao central.
A commisso directora espera que estas
medidas erviro de garanta ao verdadeiro
apreso dos productos expostos, e qu faro
desapparecer o desanimo que a alguns ex-
positores causou a desigualdade que ci-
ma se referi.
Alm disso, a commisso chama a atien-
dan dos Srs. expositores e mais industriaos
da provincia para a circumstancia de um
dos seus membros ter de acompanbar ex-
posi.;ao central os productos quad'aqui fo-
rem enviados, e fazer parte do jury julga-
dor na corte, acnano-se por esta forma
habilitado para ministrar todos os esclarec'*
entos necessarios ao perfeito conhecimea*
to dos productos, e fazer valer o direito de
cada um dos expositores desta provincia.
Por esta forma a commisso julga ter re-
movido mais om dos embaracos, coa que
por ventura venha a lutar na acquisjco da
prod ii;!os destinados exposicao de 15 de
agosto.
Anda urna vez appella a commisso para
os dignos Peraambucanos, pedindo-lhes com
instancia que promovam eom esforgo a re-
me ss'i de prod actos destinados a figurarem
{.'aquella festa industrial, "nde se empe-
aham os bros da provincia.
Salada commisso, 9 de maio de 1866.
Secretario,
Manoel Buarque de Macedo.
i." Que podendo tersuccedido que nao
tenbam chegado a seu destino algumas das
Joao de Assis_Perejra Rocha.
Pela scalisayj da freguezia daJBoa-vista se
faz publico a quem interessar possa, que acham se
circulares e mstruegoes por ellas dirigidas a (depoSj,ados dous bois mansos, os quaes foram ap-
todos OS CdadOS que julgOU poderem con-1 prenendidos por ClauJino Jos Das, em sen ierre
tribuir para a exposigao. Ibes roga que pres- j" na Soiedade, no da 31 do mez prximo pas-
cindiodo de convites especiaes, contribuam saF0isca|isaCo da freguezia da Boa vista 2 deju-
Fara Lisboa
Segotra com toda brevidade o logar porto-
guez Julio, por ter j a maior parte da carga
prompta, para o resl) e pasageiros, para os quaes
offereee ezcellentes commodos: trata-se com os
seus consignatarios Thomaz di Aquino Fuoceca
di C raa do Vigario a I9oueora o capitio na
*m'__......__.........._____ _
Para Lisboa
Seguir icmo toda brevidade a barca portugueza
A.in gajada, para a resto e ?aisaietros para os qnaes
ulf-rece excelentes commodos : trata-se com os
seusconsigBamrios Thomaz de Aquino Fonceca
& C. ra 11 Vigario n. 19 ou com o capito na
praca.
para esta festa industrial, em cujo bom ou
mo xito vo de algum modo os bros da
provincia
nho de 1866.Jeronymo Jos Ferreira.
CORREIO GfcRAL
Sala da commisso, 9 de malo de 1866. Relago das cartas seguras viudas do norte pelo
M. Buarque de Macedo.
Secretario.
O Illm. Sr. inspector da thesooraria provin-
cial em cumprimento da resolnoao da junta da fa-
zenda manda fazer publico que se contrata por
lempo de 3 mezes, a contar do 1 de julho ao ul
timo de setembro prximo vindouro o -fornecimen- j Dr. Francisco de Paula Salles,
to de alimentario e dietas dos presos pobres da Hermenegildo Firmino de Lemos.
casa de deteneao, servindo de base a arrematarlo Johnston Pater & C
vapor Santa Cruz para os seohores abaixo de
clarados :
Alfredo Nuuo de Castro Lavor.
Dr. Antonio Buarqae de Lima (Boa-vista).
Antonio Manoel de Souza Oliveira.
Dr. Francisco Menna Barreto de Barros FalcSo.
Fabio Nunes Leal.
os prego seguales
Domingo, atraoco e jantar 380
Segunda-feira dem idem 380
Terca-feira idem idem 380
Quarta-feira dem idem 360
Quirta-feira idem dem 380
Sexta-feira idem dem 340
Sabbado idem idem 340
Dietas.
N. 1...... 380
N. 2...... 400
N. 3....... 640
N. 4...... 400
N. 5...... 400 -
As pessoas que se propozerem a contratar dito
foroecimento apresentem suas propostas em eartas
fechadas no dia 14 do juntan prximo vindouro, ao
meio dia na mesma thesouraria onde encontraro
as tabellas dos foroeclmeotos e condicc5e* com
qoe devem efleeluar o mesmo contrato sendo ba -
bilitados previamente os fiadores. E para constar
se manden publicar o presente pelo jornal.
Secretarla da thesouraria provincial de Pernam-
bco 29 -de maio de 866.
O offleial da secretaria,
______. Miguel Affeaso Ferreira. _^___
Arremata cao
Pelo juizo de orphos desta cidade, escrivao
Gui maraes, tem de ser arrematada por venda, On-
das as tres pracas, ama parte do sitio no lugar a
Tygipi, perteocente aos beos do finado Joao Fer-
reira de Azevedo, servindo de basa- para a arroma-
taco a quanlla de 669|l7ia_________.
Camella de ceap-as aavaes,
O conseibo contrata no da 3 do correte mez o
foroecimento or tempe- de tres mezes, findo em
Dr. Jos Aognsto Chavea (Bahia).
Dr. Leopoldo Cesar de Berredo.
Jos Rodrlgaes de Souza (2).
Luiz Emigdio Rodrigues Vlanna.
Loiz Ferro.
D. Mara Joaquina da Silva Manta.
setetrbro prximo vindouro dos objectos abaixo
declarados, para os navios da armada e estabeleci-
mentos de marinba.
Objectos.
Arroz do Maranho, assucar branco
agurdente de 20| graos, aserte doce
azeite inferior, assucar branco refli
araruta, baeaftao, bolacha, bolachinh.
caf em grao, carnauba em velas, cev
carne verde, da
jo, farlnba d
TIIEATHO
S. ISABEL.
1MPREZ4-C0.HBR4-
21'recita da a*stuattir.n.
Qaarta-feira 6 jnah de t866
Primeira representagao da comedia drama em
3 aetos do repertorio do theatro portuguez imita-
gao do actor Jos Carlos dos Sanios
NAO COM ESSAS
O resto do espectculo sera' araanhaa annuu-
ciado.
Comeeara' as 8 horas.
Os Srs. assignsates pedom aatde ja' mandar bus-
car os seus cartoes.
avisos martimos
a
mantelga fraa
sal, louciuho
ra grossa, ve!
Contrata o
Fauosco agrcola e industrial da
Pira/aa.
Devendo ter logar no da 5 de agosto prximo,
na capital da Paratayba, a exposigao agrcola e In-
dustrial, o abaixo asslgnado, eaaarragdo pola
commis>.in directora de- promover a acquisioao de
objectu o'arte, ou arttaos de indaalWa dos para-
feybaaos aqu residentes, declara o pede pelo pre-
sente intaeiios nao aVsejaronji ameorrer para maipr
fcrHbaatiMno da referida exposicao, que tenbip
aondade de dlrifr-se a rna do Imperador n, t*
andar, das 7 as 9 horas da mamSa, e das 4 da Pola M
tarto a* *ora da noite, onde o abbfjto assignado, so pobHao a quem
mo soiH^rte dar' as iofornwcbesnrats&ssobre o acbadopoatado um uansM.4'0S obfeetos que o4eaMbarem a refe- encontrado ao sitio do
cida 6xposfgao. (colas remesias devorio aer /ellas aba dentro de suas pUaltfaos. e que
ai o a ti na rao prximo), como umem for- foi eotregnnjwita. sealiM^ao.
ecerii* a materia prima aqoalk* anhore exposi-
totes coja* f irenrastaocias asslm o exiglram.
/Ko Recite,noderao iguaiounts edtenler.se com
COMPANHIA P8RNAM8UCANA
Kavegacie castfcira por vapor.
pa*
Parahiba, Natal. Maco, Aracaty, Geari e
Acarac.
No dia 9 do correte seguir'
para os pnrtos aciraa indicados
_________. um dos vapores da companhia,
lOJlobrande do Sul, fel-! ; ||ad: Recebe etrga ki o dia 8. En-
galinhas, lenba,.( ^ p cormneodas. 5*s*ageiros e di-
aite, pi, sabio- nheiro a frete al w 3boro da taede de dia da
sabida : escriptorio.no'Ftorte do Matos n. j..
COWPANtA MIAHILI^RA

lijlo de alvena-
de Lisboa.
idicSes de eityk)
e vista depropostas em cartaj fechadas recebi-
das a referido d|a re yaSXssiM U hrs da
manbaa.
Sala do coosetbodocdnaarai navaes, 1 de junbo
de im
Ai
DI

CWIWi
nonte
aDrranteovapoeTov,
anteo capitn te-,
a, omjaldfppisajade-
be|Oiri par os
Deode^ajrec^emrae pptssaoijrcu a ewaja-ne a
fia Ca- carga que o vapor poder conduzir, a qoal devera,
(amo dwrMrea W*<^e*a%m*n.
lillas e ambeiro a frete at o va da .sabida as J bo-,
Fiscasacio daTregoezU' da toa-vista 30 de '*** ; as passagens s. serio recebidas, aa agencia
maio d 1866. r fla Crar n- criptori de Antonio Luiz de
lerottymo h*i Firfeirs, ()liv!ra Axoveao 4 a
J.SILES.
L.II,AO
Da taberaa m raa \h Fog
Miguel Arcanjo da Hora
d 20-
Na botica e drogara
DE
Bartothomeo C.
34Rna do Rozario Larga3 i
VENDE-SE
Preparados da America
Do Dr. Radways i
Pilulas reguladoras.
Prorapto alivio.
Rezolutivo renovador.
DoDr.Ajoir:
Salsa p arrima.
Pilulas catbarticas. 4
Xarope peitoral de cereja.
De Lammam di Kemp.
Verdadeira salsa parritba de Bristol.
Plalas assncaradas.
Pastirbas vermfuga?.
Ole puro de ligado de bacalho.
Xarope pectoral de anacahuita.
jigu.i florida.
Manoel da Conba Saldanha, puozido da
mais profonda dor pela morte de sua presa-
da mii Francisca das Chaja< Pereira, con-
vida'* lodos os parete* e amigo? para as-
sistirem a missa do stimo dia que por alma
da mesma tem de celebrar na igreia de N.
S. do Carmo, boje segunda-feira 4 do eorren-
le polas 7 horas da manha 'desde j agra-
dece a todas as pessoas que se dignarem
comparecer.
VcWh
Na fabrica -de bolachas a vapor da roa Dlreit a
n. 84, precisa-e de um ciixeiro que ertique a
sua conducta. ......
Na praca da Independencia n. 33, foja de
onrives, comprado ouro, prata, e pedras nreciosas,
e tambera se fax qalquer obra de eneomraenda, e
todo e nualrjuer eoncerto.
i Arrenda se um sitio no lugar da Pran-
;ga, com trras de plantar epaslo, varias
' artores de frocto; na rna do Imperador es-
! criptotk): n. 18.
Negria fgida.
Poneiana, escrava de ti anoos d tdaaO. ps
tortas, feigoes miadas, mmto ardosa e-faladelra;
suppoe se acoutada por algucm, futiio h* 15 di>s
da rna db Vigario n. 21, oede deveri ser coodu-
zida por quem a apprehender.
Trocam-se olas do banco do Brasil e das
caixas liliaes com descont raxoavel : na praca da
? dependencia n. 22.
Ama de leite.
Precisa-se de urna ama de leite; na praca do
Corpo Santo n. 17.
Precisa-se de urna mulher forra etia ida-
! de que qneira ser ama ou fazer curopanhia a ama seuhora ; a tratar na ra
do Rangel n. 20 1 andar.
S. AutofioT
A apreciada e mui proeutmrta trecena do glorio-
! so S. Antonio, acha-se a venda na ra do Iperador
o. lo defronte de S. Francisco.
Precisa-sede um caixeirO d* 14 a 16 anuos
para taberna a' roa do Rsngel n. 69.
CASA DA FORTOi
Aos 6:000(000.
fara' leio com consenso de seus credores e por
interveneao do agnt Cordeiro Si m5es, dos ge-
wero?, rmag*o eutencihos de sua taberna a ra
doFogo o. 20, isto
HO*E
as 11 horas namesma liberna.
LEliiO
De imporiaolfs m >eis, prata. jefes,
livros, escrava^* um sitio aa Ca-
Sendo orna mohilia de Jacaranda constando do
12 cadeiras de guamieao, 1 sof urna mesa re
douda, 4 consol* com pedra, 2 Cadeiras de balan-
ce, 2 bonitos osneftios, om exeolleote piano, 12
cadeiras de bracos americanas, ama grande as-
unte pavidracada para livros, um armarlo envi-
dracado, unvtoiileW 2 gnardi roupas do amar ello,
2 guarda ionca, urna rica cama de Jacaranda nem
cortinados, urna dtaoo am*Ho, 12 aaoiraa de
Jacaranda, 14 ditas-da amarell-, 2 oadeiras dabs-
lanco, coowios de amaroil, marquesas, oamat
de ferro, r*w* Himm*, i nc oandirtaameaw-
teados, di versos'ayamlbar,- jtirrafa.s campoMlrn,
copos, clices, garios, facas, trem de cosoh, om
importante qna 1ro a ulti-), 200 volumes obras em
portuguez, fraueez aiog^z tores bem como IGarxat, Alejandre lla-culano e
outros, prata, divenos objeetos de ouro, vlnboa,
cerveja, lieores ele.
E'ievo, pardo.
Jacob, de naco.
Um sitio na Catinga ra das Pernarabocanas
junto ao sitio qu* oi do Capislrano, cora grande
casa de vvenla, jardlm e diversos arvorodos.
Demingos Rongus de Andrade lendo de reti-
rarle para Europa tari leilodo movis, escra-
vos e sitio da Ctpntqra por intervencao do agente
Martfus.
Qointa-feira 7 do correte.
Ao sobrado di ruada Cruz u. 33, as 10 horas
ero-porto.
....i,.i, -,a-_-t-.ax_J4.
AVISOS DIVERSOS
Mlhetes garantidos.
A' RA DO CRESPO N. 23 I CASAS DO COSTUMi
O abaixoassignadovendeu nos seos moitofeli-
ces bilbetes garantidos da lotera qne se acabon
rios da patria, os seguales premios :
N. 2469 um meio com a sorte de 6:0009.
N. 2630 um meio com a sorte de I:00i5.
N. 2560 dous quintos com a sorte de SiO$.
N. 768 dous quintos eom a sorte de 2003.
E outras muitas sortes de 1003, 40*, e 201.
Os possuidores podom vir recebar seus respec
livos premios sem os descontos das leis n^ casa
da Portnna ra de Crespo n. 23.
Acbam-se a venda os da 2" parte da 2" lo-
tera (66'J beneficio da matriz de S. Jos do Re-
cife, que se extrhira' sexta-feira 8 po correte.
PRECO.
Bilhetes .... 63000
Meios......3*000
Quintos.....13200
'Para as pessoas que compraren) de lOO^OOO
para cima.
Bilhetes.....53300
Meios......23750
Quintos. .... 13100
,___________Masqel Mabtins Filxa.
O boticario estabelecido em Goyaona a qoe
se alinde o annuncio inserido no Diario de 22 de
maio pedindo-se-lhe o pagamento da quantia de
1203000 de joias compradas a am joalheiro em
dezembro, declaro que p joalbeiro que assim pro-
ceded o cidadioallemao Gustavo Lartur, pessoa
nica capaz de tanto, esse bom mogo prevalecen-
do-se do pequeono conhecieaenlo que tintu de nos-
sa casa quando aqu foragido aessa eidade, que-
bastante encoramodon a poiloia pelos boas tratos
que realisara com om dos seus acredores dessa
praga, que veio sobre suas pegadas, apresenla-se
com urna caixa de joias t taes foram soas instan-
cias que foi obrigado a comprar-lbe um par de
brincos por 203, nao saMsfito anda cora o gasto
feito em sua earregacao, Insiste aiuda para que
Ihe oomprasse ana pulceira no vaior de 803 o co-
me de forma algama me sugeitei, a deixa ficart
oondicionaimente, recebeodo-a ua volta pois s as-
sim consentirla ficar depositario de am objecto da
qual nao precisava, de valia o Sr. Rodolpbo apre-
sento-ihe a pulceira o examinando-a conheeeu que
eslava no mesmo estado em que a bavta deixado e
fitregande-a com os 203 Importancia dos brincos,
qne tinha deixado de.receber recusa ponderan 10
que faiia-lhe dillerenga em receber a pulceira por
. vallar ora porcao de joias o resol vi do a polas em
leilao por tencienar ir a Europa, cabendo me di-
A visa
No engenho Bonito, comarca de Narareth, preci-
sa-se de om feitor : a tratar no mesmo eneeoho,
00 com Leal & irmo ne>ta praca, roa da Cadeia
n. 06. j
Precisa-se M am lorneiro que emenda per-
teitamente de paJaria, e tambera se admutea tra-
balhadores : oa ra larga do Rm-ario o. 16.
Na ra do Crespo n. 18, segundo andar, | re
clsa-se de urna ama de leite. __
Aluga se urna escrava quesaiba cozinhar e
comprar para casa de poma familia : a tratar na
ro da Roda n. 8.
Para casa de bornea solteiro precisa-se de
urna ama para c/izinhar e tratar de urna menina
com 2 annos, paga-se bes, sendo pessoa que d
conhecimento de sua conducta: na camboa do
Carmo n. 19, 1 andar.
A pedid*.
Jos Antonio Gomes Jnior, autor das oegoes do
sysiema raelfico decimal, attendendo ao acolhimen-
to que lera (ido, nao s ne.-ta provincia como as
ouiras do imperio, a referida obra, e desejando que
o seu prcQoseja o mais commodo possivej tem re-
solvido conceder aos compradores de 23 exempla-
res (sobre o preco correle de 25 o cxemular) um
benelieio na ragao de 25 exerapiares por cento :
roa do Destino n. 3.
Precisa-se de urna ama
n. 33.
na ra das Cruzes
zer-lhe que fcilmente incluir a pulceira, visto
ao ser obrigado a ficar eom om objecto deixado,
imposto por elle mesmo a condigao de aceitar, nio
resol vendme a Icar com ella, depois desta entre-
vista apparece o Joalheiro exigindo 1203, e nao o
qne dovia importar os dous objeetos, e nada con
seguindo prevalece-e de um annancio
Bernardlno de Sena Das, o bacbarel Ber-
nardino de Sena Das, D. Mara Candida de
Sena Das e D. Themira Bemvinda de Sena
Dias, cordialroenle agradecen) a lodos os
Illms, Srs. que assistiram aos ltimos suffrar
gios por alma de sna fln3da e chorada es-
posa e mi D. Joanna Silvena Macel Mon-
teiro e de novo convidan) a todos os mesmos
films. Srs. e bem assim aos prenles da ti-
nada para assistirem a mi>.-a do stimo da,
que teri lugar na matriz da.Boa-Vfeta, pela?
7 horas da miaba do di o do correrte e
desde ja' agradecem mais esta prova de
amizade e consideracao.
11 'iinwiiMrrn'i
maa
O aoalxo assignado bavendo resulvido seguir
o prximo vapor paia a Euroua, aflm de tratar
de sua saude, e nao ihe sendo possival despedir-se
pessoalraente de lodos os seus amigos e pessoas
de suas relajSes o faz por este meio, offerecondo-
ibes o seo 00110) prestate em qalquer ponto onde
e acbar.
Outro sim declara aos seos constituales que li-
carara eaearregados dos neuocio clvois e com-
roerciaes seu irmo ci>oselheiro J.se liento da Ca-
oba e Eigomredo e seu sobriabo o Dr. Jos l -ot
>-
de
^-. rv..,.^-,, uu um annancio a arma _
que julgou mais azada para manchar a reputaco d,a 9,UQha F'8utiredo,UB,0_r- e d"s uejocios ere
de quem na boa f se detxon illodir por ene mer-' .'^J.*!? ??.S?,1?SS??. ..0elJ*n
ador ; aguardo-rae para esclarecer miuotsaraeo-
te os factos pralicados nesta eidade por esse joa-
lheiro se a isso for obrigado, para o publico me-
Ibor eonbecer o carcter aubterfagoso desle para-
zita.
": tuc9foL 'Naana.'
A professora publica da .'(.' cadeira da froguazia
da Dea-Vista fas scigute 401 pas de familias que
mudou ao residencia: pan o Corredor do Hispo,
casa n. 2, onde contina no exerejejo de sea. ma
gisterio.
Recital.0 da jubo da-1866.
A professora poWca,
Sophia Guhermina de Millo.
po-
sna
so de Almeda, que tica morando na casa
residencia na estrella do Rosario o 28.
Padre Antonio da Cunta e Fgueiaedo.
Precisa-so alagar orna ama para comprar e
eosinbar para ama asa 00 poaoa familia : quem
quiser dinja-se a roa do Arago o. 43, que achara
com qoem tratar.

Oaixeiro.
----------T-
-~
Boailo 1' da juaho de IStG.
O abaixo asslgnado toado de um breve retirar-
se do sen engenho Calende bo termo do Bonito pa-
\ra o seo eogenho Viraro, ao do Rio Formoso -. e
nao podendo aesped^se era particular de tortas
aquellas pessoas que com tanta bondade o aclhe-
ram durante o tetnpo de su resitencia n'aquelle
logar, vera por meio do orgo mais publico desta
provincia pedir-Hies que najara oor desculpada es
sa falta iuvoiiitariae s fllh das circum-t inr.;\-.
Assim pois agradeceodo cordialmerte o boas of-
ficios que com elle desperdigaran), a#roveita a or-
eaiao para olferacnf Ibas o sea neqjOMkiao presti-
m, oode a sotteoteva a wM*r.
fedro Alexandrino da Costa Lima.
~^T"BarTos sYva m liquid'*Qao ju'gam nada
de ver a praea, na* obstarte eewlfoem se julgar
credorqaeira apresentar sna eontt dentro do pra-
Compra-se U sobrado em bom es-' ^Sk na esoartra que bloqneia o Paraguay, com .de 15 das, parser paga .1 rea do vigario n.
tado, de ra a tres andares, nS mas se- sandade se desVede dfe mi amigos e patrie! .s, of- 2^o^ra^sada4ladrdeDeos a. W- RaaieS
gointes : Cadeia, CrtU, Trapiche, Impera irnnaadn Ihm ion .^oaa pwttima para iqoelle mW^fii*^_ ^
dor, Crespo, Cabug, Nova, Queimado, Cru- l?8!T:------------ mm_ f Na rua,do^oimadr> por cima da loja
zes. litramento, larga do Rosario e Bor- ^^^SS^^^^LLT de cera, vende-se um fardatnento completo
Precisa-se de um rapaz paca caixeiro de urna ta-
berna ; a tratar na ra Imperial n. 37.
NatoajiUs CrozesA.aa 2" fc'.'i'ft^
m de urna ama eam tdae, aao.iaanoaado ser
to"*J>"JBBiIk.----------------------------
O teaonle Leopoldo Borgei Gaivo Uoba-
lendo de embarear no vapor de 4 do corrate para
a etWt eom oeMpo a se wnar ae wu bamjho 9
K^Iiv^deitTcarU toda oa {"f **** M ** <* <**** l>
iniciaes A. C. E. na limri. n. 8 da praca da _-Preclt.at,,,. MM independencia.________________p,ra ^^0 aa .om .t*briu na cia>e Sa'Vc-
- Jacoto' rlxin'a sobdrto napolitano retlra-sa rti W M r* *> Uvrameoto, arpaxem d
dar offical.
1 t c
.l'MllUIII!
ca**
nara Eqroba, levando em sqa companbi seu filbo """"PMf^ .____
Antonw:gilifba. ^ ^ AtSCiu
Francisco Joi^de' Soota AZumd* retira-se
~------U-----
Quem rrrerafgn Sirio cem bastante terreno,
sendo perlo da croade, e queira vender ou arren-
dar,dirija* a ruado* Pire*, sabeao a. 37, que
>char com quem tratad____
dores nesta cidade sos Srs. lOf Alves Lima e Do dede apparecer na rw daPratt n.^3 a trajarne- branBM nesu praca, dando flad..r de su* conduc-
Tolete Aay&tUSiiva Beirli. i I0 o en mteresse.____________ u a ,ralar na rua fio codorniz n. 12 A.
Vp par$ Qtmaraes. 'uiiuJiM^^aa4a tm\-
PerouirU-e a cario ancL) pan^ acaiuirado, U'lra.
a eia geoorosidada dos homeDs ireprovisados om| ao contda*a o sbo8 aeows para a aameo
pairoainboi p**de$tcUma Domingo' Guima- do dia do owtOWlaK ^> rSei. am atora na ma o Ommato, se &-&.1HM- norAs.d> lar*, aa asa do tm- mscattos
trlssima pode asar aa lema cqmmercial 4a asa o& don* oareceres qoe toram aftreseataaai sobro o, do
como tem feito; isto desala saber, o espera tesaos-.pro(ecro da sociedad** 4 iaponsbilWe U- jrft_
la o simples caixeiro da Joanninha. mltada. do ar para
j^Bf'^'
\e l'-ig
,] HESITO
'



Diario t l-cruibico ... seguada Iclra A i sJBh, de
1866.
N

A LEGITIMA
SALSAFARRILHA

DE BRjSTOL
PREPARADA IHCMENTE POR
LAflMJJ & KEMP,
NOVA YORK.
Composta de substancias^ gozando ds
propriedades eminentemente depurativas a
approvada pelas juntase academias de me-
dicina; usadajnos principaes hospitaes, ci-
vis militares e da marinha as Ad ti Ibas e
no continente americano ; receitada pelos
facultativosos mais distinctos do imperio do
Brasil e da America bespanbol
CURA RADICALMENTE
escrophulas, rheumatismo, escorbuto, en-
ermidades venreas e mercuriaes, chagas
antigs, morpbea e todas as molestias pro-
venientesd'um estado vicioso do sangue.
Emquanto existem varias imitaces e
falsificacos, preciso a maior cautela para
evitar os engaos,
A legitima salsa de Bristol vende-se por
CAORS 4 BARBOZA
JOO DA C. BRAVO & C.
Joo da C. Bravo & C.
Deposito geral em Pernambnco ra da
Cruz n.22 em casa de Caros
FABRICA A VAPOR
99 RA DO MONDEGO 99
Deposito na roa Nova n. o lo ja de relojoelro..
okmche dopos deste estabelecimento partecipa ao respeitavel publico que sua fa-
brica est montada com as melbores machinas que existem na Europa, e que pode
fabricarcom melhor perfeicJo possivel. Todo o chocolate desta fabrica est garantido, e
puro, o que n5o se pode encontrar naqoelle que vem de fra, e que se vejide por proco
baixo,-visto os productos serem do paiz. Na etiqueta tem sempre urna aguia. -
PRECO.
Meia libra......... 400
Urna libra......... 800
Urna arroba........ 19,8000
Na mesma fabrica acaba de se montar urna oficina com serrara a vapor para
obras de marcineiria propria para edificio, para o que encarreg '-se de fazer portas, ja-
dellas, assoalhos (parqu fraucez como se usa na Europa,) e armaces, ludo com brevi-
nade e^perfeico. Toma-se qualquer encommenda para fra da cidade, entregando-se
rompta a collar-se no lugar.
DE

COEIjHO
Una da
Cruz n. 16.
MARTIMOS
CONTRA FOGO.
A companhia Indemnisadora, estabeleci-
da nesta praca, toma seguros martimos so-
bre navios e seus carregamentos, e contra
fogo em edificios, mercaduras e mobilias :
ua ra do Vigario n. 4, pavimento terreo.
Engomma-ie
com asseio, promptidao e preces razoaveis : na ra
Augusta d.5, loja.
O Dr. Carolino Francisco de Lima San-
tos contina a morar na ra do Impera-
dor n. 17, segundo andar, tendo alias seu
gabinete de consultas medicas, logo ao
entrar, no primeiro.
O mesmo doutor, que se tem dado ao
estudo tanto das operacSes como das mo-
lestias internas, prestase a qualquer cha-
mado, quer para dentro quer para fra
da cidade.
Em casa de Theod Christiaasen, ra do Tra-
piche-novo n. 16, nico agente no norte do Brasil,
de Bratdenburg frre?, Bordeaux, encontrase e-
Itrvamente deposito dos urtigos seguintes :
St Juljen.
St. Pierre.
Larose.
Chateau Loville.
Chateau Marga ux.
Grand vin Chateau LaGite 1858.
Chateau La hite.
Haut Sauterues.
Chatean Saoternes.
Cbaleau Lataur Blancbe.
Chateau Yquem.
Cognac em lies qualidades.
Azeite duce. Precos de Bordeaux.
Precisase de nm feitor que seja meco e nao
tetiha familia : na Pinte de l'rba, sitio do tenen-
lecoronel Tlirmaz Jo da Silva Guf mao.
Continua a baver diariamente pm sortimento de pastis, podios, bolos inglezes,
empdas etc., etc. Os donos deste estabelecimento, acbam-se as melbores condices
I de poder satisfazer encommendas concernentes sua arte, em consequencia do socio
Freitas ter sido administrador chefe de algumas das principaes fabricas na corte, sendo
urna a do Sr. JoSo Goncalves GuimarSes (confeitaria do Leo) antiga casa de Carceller.
Todos os trabalhos sao differentes dos que se fazem em casas particulares.
Os proprietarios deste estabelecimento nao se tem poupado a despezas, nem se
pouparao, se houver concorrencia como esperam ; tendo continuadamente bom sorti-
mento de doces para cha; presuntos e ditos em fiambre, tambem se recebem para se-
rem preparados; assim como doce de caj novo superior, secco e crystalisado, dito em
calda em latas hermticamente fechadas, podendo durar annos em perfeito estado.
Para jantares e partidas recebem-se encommendas dos seguintes objectos; ban-
deijas ricamente enfeitadas sem armaco pecas de amendoas (nogaces), ditas de tmaras
de ovos, pes de l enfeitados com disticos anlogos a qualquer fim; ditos montados,
kechs simples e enfeitados com fructas ingleza; gatheaux de la reine, ditos de le d-
chese, tortas de fructa, massa folhada; ditas de peixe e carne; cremes e doces de ovos
de differentes especies.
Tambem tem um completo sortimento de vinhos engarrafados, como sejam: vinho
do Porto superior, Figueira, Madeira, Lisboa, Cherez, Bordeaux, Champagne fino, ser-
veja, licores, charopes e conservas. Para festas: bonitas caixinhas com amendoas, con-
feitos e mais enfeites. Muitos destes objectos mencionados podem-se perfeitamente ac-
ondicionar tanto para a provincia, como para fra.
FIGURAS
Acabam de receber bonitas figuras para bandejas de doces, sendo grupos para
baptisado, casamento, annos, ditta a phantasia, bonitos enfeites para bollos e circular pra-
tos de doces finos, tudo por precos razoaveis.
Vende-se licores em duzia muito em conta.
O cd B Zil
3 7 5 <=
O 3> g> -s
3 g\a s S 0
O -3
a.fr
v o2o =-3
g "2 c s-s i||'ZzSR
"Ill
A NACIONAL
Companhia. geral hespanhola de seguros mutuos
sobre a vida
ATORISADA PELO REAL DECRETO DE 21 DE DEZEMBRO DE 1859
Urna fiucs em dinheire, depositado ees cofres do estado, garante a boa ad*
ministrar da eompaahia.
BA.NQUEIROS DA COMPANHIA* DIRECCO GERAL
O Banco de Hespaaha Madrid: Ra do Prado n. !
1
GS
Esta companhia liga pelo-systema mamo todas as combinaedes de supervivencia dos seg
sobre a vida.
Nella pode se fazer a subscripta de maneira que em nenbum caso mesmo por morte do
segurado se perca o capital nem os juros correspondentes a estes.
l* soprebendentes os resultados que prodozem as sociedades da indole deA NACIO-
'(,ae ainda tnesmo dimfnuindo urna terca parte do interesse produzido em recentes liquida-
coes e combinando-o com a mortalidade da tabella de Depareieux que adoptada pela companhia
gara seus clculos e liquidacoes, em segurados de idade de 3 a!9 annos, urna imposigao ancua.
de 100J produz em effectivo metlico:
No fim de 5 asnos.......i:li9J300
de 10........3:942*600
de 18........11:2084200
de SO .......30:236*000
> de 18 i -......0:331*000
as idades menores de 3 anuos e maiores de'30, os productos sao mais consideraveis.
Prospecta e mais informacoes serao prestadas pelo sub-director nesa provincia.
Joaquim Fiuz de (Miveira, ru da Cadeia n. 82, oa a Boa-VisU roa da Imperatriz n. 12, estabeleci-
mento dos Srs. Hay mundo, Carlos.Leite & Irmo.
TINTURARA
AO GRANDE S- MAURICIO
PROENON APERFEIOAllOI
PARA
TlDgir. llmpar e lastrar a vapor.
F. A. SAIMRE & C.
29 Ra 7 de setembro 29
Defroote da ra nova do Ouvidor (Rio de Janeiro)
Os proprietarios deste estabelecimento, o primeiro no sea genero no Brasil, por
trabalbar com as machinas mais aperfeicoadas para Ungir e lastrar, de que se faz aso na
Europa, eajadados por"alguns dos melbores olBciaes de Paris e Ly5o, podem assega-
rar seos freguezes urna perfeigo no trabalho, a qual seno pode chegar pelos proces-
sos ordinarios.
Tingem, lavam, limpam e demofam com a mai r perfeigao e brevidade qualquer
qualidade de fazendas, tiram nodoas e limpam secco sem molbar as sedas e as vestimen-
tas de senhoras e de bomens.
**
M

Precisase de urna mulher forra de meia id a
de que se queira prestar a ser ama e fazer com-
panhia a urna senhora; a tratar na ra do Quei-
inado n. 69.
Quem annuDcioudar 1-000* sobre hypothe-
ca dirija se a ra do Nogueira n. 26, 2 andar.
As Pilulas Catharticas
DE AYER.
O purgante mai* efeeat at hnje eonheeUio.
Estas pillas bo puramente veg-
Itai s, M'to tendo na sua compo-
si^ao nftm mareurie nem outro
ingrediente mineral; sao inno-
canteB para aa eriancas e pessoaa
mais deHcadas, ao mesmo tempo
qae, eompostaa como sao de vegi-
taes mui fortes, sao bastante acii-
vas e encazes para as pesaoaa mais
robustas.
Estas pilulas catharticas purgio e purifico todo syitema
humano ttm mercurio.
Nao se tem poupado trabalhs nem despeza para levar estas
pilulas a um grao de perfeceo tal, que nada deixa a desejar;
o o resultado de annos de estudos laboriosos e constantes.
J'.r:i alcancar tedas as vantagens que resulte de so de catfaar-
ticos, temase combinado souente as virtudes curativa* das
rlantas que sao empregadas na eanfeceo das pilulas. Sua
cemposicio tal que as enfermidades que esto ao alcance
de sua accao, raras rezes podem reslsti-las on evad bu.
Suas propriedades penetrantes exploro penetro, purifico e
do vigor todas as partea e organismo human*; pols cerrigem
a sua aocio viciada e faz recuperar a sna vitalidade. Urna daa
consequenidu disu propriedsdes qne o doente, abatido da
dOr c debiliade physlca, admlra-se de encontrar, to depressa,
ma saude e energa recuperadas por meto d' um remedio to
(imples e ugradavel.
As molsstlaa que esto ao seo alcance sis.
J'rizao Macaquees, Indigtitio e mal do tttomag, Btmorrhoidat,
PADECIJENTOS DO FIOADO,
Febre aitre-ltepatica, Gattrite, affecgtes BOiosai Lombrtgai,
irytipla, Hydraptia, turdez, etguira parcial, t Paralysia.
No almanak e Manual de Saade do Dr. Ayer, qne se publica
todos os iinnoa para dlstrlbuifao gratuita, eacontra-se um tra-
tado sobre ai diversas den9as que estao ao alcance de
REMEDIOS PHOANTE8.
Acba-se em todas as Boticos e Drogaras do Imperio.
O Peitoral de Cereja
1>E AYER,
PAIU A PROMPTA CCRA DA
Angin, de Oonatipacos, Tossm, Houquldio Infla.
BM, Bronchito, Tisioa primaria, Tubrculo
I ulmonaree, e toda aa molastiaa do
Feito, assira como para, aliviar
oa ethiooa declarados.
Ai preimracact do Dr. Ate sao Tendidas nat principae
arogarias botieas do Imperio.
Vende-ae em Pernambnco:
mf
D y
-* 3
CD SL 3
3 o. S 03 -z. 9
c? o e-f-
o
cb g q o => s
a 2 o. rr g
-s cr o-o s 3
K o "
3 -
o f 1 i
ir.
O.
O

^5?
sse
ta.gK|
"
eS
as a
3 _.s?
CB >T3 O
o O a.
o ^ e*
wo 2
g.=?
5 "S
O O
a> e.
B S-
o
o
?-
5J
a so
2.0.2L5
O t -^M
O _D
a
.* -
w e o *
0 Z."u<
Sf-8.*
-"Si
as
rs
w
aS a.
"t 1 -1 o
LOJA DA FRAGATA AMAZONAS
S. 5 Kua do Queimado n, 5.
Monteiro & Guimar5es, proprietarios deste joven estabelecimento, participames
todos os seas amigos e freguezes, que recebem de conta propria por todos os vapor a
da Europa, ricos adornos para casamentes, e ootros muitos artigos de grande moda, e
se consideran felizespelo bom desempenbo que tem tido todas as suas encommendas,
pois seus correspondentes de Hamburgo, Paris, e Londres, tem sabido acertar com o
bom gosto das encantadoras Pemambucanas.
A Fragata receben ricas saias de 13 a Mara Pia, com barras colloridas e de grande
novidade na Europa, assim como tamboretes atapetados para as senhoras deitarem os
ps, cortes de granadina bordados a agulha, ditos de popeline, ditos de esmeraldine, ditos
Idechaly com listas de seda, ricos cortinados bordados, bons bramantes de linho, boas
selcias, boas bretanhas, retondas de algodao, ditas delinlio, ditas de sed* a'gerienes.
(burnus) aricaines, pompadour, transparentes para janellas com lindas paisagens etc.
e outros muitoso'ectos, quesera enfadonho menciona-los.
DE
DE
J. VIGNES.
X. 55. RA DO IMPERADOR N. 55.
Os pianos desta amiga fabrica sao hoje asss conhecidos para que seja necessario insistir sobre a
ma snperioridade, vantagense garantas que offerecera aos compradores, qualidades estas incontesta-
eis qne elles tem definitivamente conquistado sobre todos os que tem apparecido nesta praca ; pos-
inindo um teclado e machinismo que obedecem todas as vontades e caprichos das pianistas, sem
nunca falbar, por serem fabricados de proposito, e ter-se feito ltimamente melboramentos importan-
tissimos para o clima deste paiz ; qoanto s vozes, sao melodiosas eDauudas, e por isso muito agrada-
reis aos onvidos dos apreciadores.
Fasem-se conforme as encommendas, tanto nesta fabrica como na do Sr. Blondel, de Paris, socio
eorrespondeite de J. Vignes, em cuja capital furatii sempre premiados em todas as exposicoes.
No mesmo estabelecimento se achara sempre um explendido e variado sortimento de msicas dos
melnores autores da Europa, assim como harmnicos e pianos harmnicos, sendo tudo vendido por
precos commodose razoaveis.
GARRAUX, DE LAUHACAR & C.
LBRAME FRANQAISEj
RA DO CRESPO N. 9.
Livros nacionaes e estrangeiros.
Religio, dtreio, litteratura, etc.
Papelaria, objectos para escriptorio.j
Papis pintados para forrar casas.
Assignaturas para os jornaes da Eu-]|
ropa.
->- ..: :-
Precisa-se de urna ama de Idade para casa
de pouca familia, podendo dormir em sua casa : a
tratar aa ma dos Martyrios n. 18.
Precisa-se de nma criada para casa de pouca
familia : na ra Augusta n. 5, i* andar.
*m
i
Precisa-se de urna ama qne seja de bons costa
mes para o servico domesuco de urna casa de* fa-
milia : a tratar na roa da Cruz n. 42.
Perdeu-se no dia 31 de maio prozimo passa-
do nma pulseira de ouro de lei, largara de dous
dedos, com cinco conchas e ama corda de metal,
da igreja da Madre de Dos at a ra do Pilar :
quem acbon, querendo restilui-la, leve a mesma
ra, refinacao n. 118, qne sera recompensado.
Precisa-se de urna ama que cozinhe e compre
para casa de pouca familia : no pateo do Terco
o. 31, sobrado.
Lulza de Franca, crioula, de idade 24 annos,
precisa de 600$ para completar a sua alforrla, e
bypotbeca os seas servicos at real embolso; sabe
coser, engommar, pensar de criancas e fazer os
mais arranjos de ama casa de familia : quem con-
vier faier este negocio, dirija.se atraz da matriz
da Boa-vista, casa terrea n. 1.
Um rapaz com habilitacdes necessarias offerece-
ce para caixeiro de cobrancas nesta cidade, o qual
sa' conbecimento a sna conducta : quem precisar:
diri]a-se ao pateo da Santa Cruz n. 3, que achara'
dom quem tratar.
.mmmmmmmmm
mpannia ndedade de seguros
martimos e terrestres
estabelecida no Rio de Janeiro.
AGENTES EM PEHNAMBUCO
Aitenie Luiz de Oliveira Asevede k C,
competentemente autorisados pela direc-
tora da companhia de seguros Fidelida-
de.tomam seguros de navios, mercado-
ras e predios no seu escriptorio ra da
Cruz n. 1.
********** mmm
Arrendamento
0 desembargador Doria arrenda e tam-
mos. o anaixo assignado nao poup esforcos am IDem vendea soa chcara no Manguinho,bett)
de os vender com prompiidao, nesta mesma casa, como vende duas parelhas de muas, tras
ha sempre para vender escravos de ambos os sexos. carro sendo uma victoria, um COUp e 001
.-*. A^l^ v- s2nl-,. cabriolet coberto, tres vaccas de leite sen-
vinho do Porto em caixa de duzia, fio hamborgnez to cara : quem pretender pode ir examinar e
entender-se com o desembargador ou com
o Sr. Jos dos Santo* Neves, na roa do
Alugi-se a casa terrea n. 4 da ra do Nas-
! cente : a tratar no escriptorio de Juo Qolrino de
Agoilar & C, ma da Cadeia n. 6z, 1* andar.
Precisa-se de uma ama para coziohar e en-1
gommar para nma casa de pouca familia : na
praca da odependencia n. 39..
j Precisa-se alugar uma escrava de bons
[: costumes para o servico interno de casa de
i familia oa um moleque de idade de 12 a
j.Uannos ; a ruado Sol n. 21.
' Precisase alugar uma e.-crava que teaba
boa conducta e sem vicio, que seja boa engom-
madeira: na ra das Crazes n. 36, primeiro an-
dar, pagase bom ordenado.
Gasa de eemmissao de estraves na ma de lose-
radar u. 45, terceire aadar.
Recebem-se esclavos tanto do mato como da
praca para serem vendidos por commisso, affian-
ca-se o bom traumento e seguraoca para os mes
Publleaco jurdica
DOS
Responsaveis nos crimesj
De liberdade de exprimir os pensa-
mentos.
Liriies de direito criminal.
PELO DB.
lira i Florentino Ilenriqaes de
Soniti,
- Lente de direito civil na Faculdade"
de Direito do Recife.
Acaba de sabir a' luz esta interessan-
te poblicaco e acba-se a' venda na li-
?raria Econmica a' rna do Crespo n.
2, pelo preco de 4# cada exemplar.
1 CASA DE BAMIOS
26 Patea do Carme 2.
Neste estabelecimento tao impor-
tante para a saude e asseio do cor-
po, acham-se montados 20 banhei-
ros, que s3o servidos com a ordem
e asseio que para desejar-se. Qua-
tro destes banheiros sao especial-
mente reservados para senhoras e
por isto acham-se colIo{ados em lu-
gar reservado, aonde so tem entra-
da as pessoas de uma mesma fami-
lia.
PREQOS DE BANHOS AVLSOS.
1 banbofrio.morno ou de
chovisoo...... 500
1 dito de choque .... 1000
1 ditodefarello...... j^oco
1 dito aromatisado i^ooo
PRESOS POR ASSIGNATURA.
30 banhos por mez fri,
momo on dechovisco. 10^000
25 banhos com cartoes pa-
ra os mesmos .... 10^000
12 ditos ditos ditos. 50000
12 ditos ditos de choque. 10*5000
12 ditos ditos de farello.. 100060
O estabelecimento estar aberto
nos das uteis das 6 horas da ma-
nb5a as 10 da noite, nos das san-
tificados das 5 as 5 horas da tarde.
Chocolate de Meaier.
CHOCOLATE DE SAUDE.
CHOCOLATE DE BAUNILHA
CHOCOLATE DE CITRATO DE FERRO.
CHOCOLATE LACTATO DE FERRO.
Vende-se
Na botica, e drogara
DE
BlRTHOLOMEO & C.
34Raa do Rosarje larga34
Jlo da Silva Ramos/ medic" |
pela universidade del Coimbra, d H
consultas em sua casa das 9 as j
11 horas da manha"a, e das 4 as 6
da tarde. Visita os doentes mjsuas
casas regularmente as horas para
isso designadas, salvo os casos ur-
gentes, que serSo soccorridos em
qualquer occasiSo. D consultas aos
pobres que o procurarera no hos-
pital Pedro II, aonde encontrado
diariamente das 6 s 8 horas da
manha,
Tem sua casa de sade regular-
mente montada para receber qual-
quer doente, ainda mesmo os alie-
nados, para o que tem commodos
apropriados e nella pratica qualquer
oppera$o cirurgica.
Para a casa de sade.
Primeira classe..30000diarios.
Segunda dita___30500
Terceira dita. ..20000
Este estabelecimento j bem
acreditado pelos bons servicos que
tem prestado.
0 proprietario espera que elle
continu a merecer a confianza de
[qne sempre tem gozado.
Precisa-se de orna ama para casa de pouca
familia : na ra da Florentina n. 14.
COMPRAS
Compra-se
uma escrava que seja boa figura e que saiba bem
ngommar, nao excedendo de 25 anuos de idade,
e paga-se bem : no escriptorio de Vicente Ferrei-
ra da Costa & Filho, ra da Sentala n. 138, on em
seu armazem junto ao arco da Conceicao.
Compra-se urna secretaria de Jacaranda
mogno, ou de amarello, na roa Xova n. 7.
Ouro e prala.
Em obras velhas : compra-se na praca da ln
dependencio n. 22, loja de bilbetes.
compram-se na praca da
Libras sterlinas
Independencia n. 22.
Compra-se uma burra de ferro, ingleza ou
mesmo das antigs ; na ra Nova n. 31.
Compra-se na prensa de algodao de Saunders
Brothers & C. semeotes de algodao a 300 rs. por
srroba. ________
Compra-se um bom seliim inglez era segun-
da mo, paga-se bem : na ra Bella n. 22.
tCompra-se ouro, prata e pedras preciosa
em obras velhas : na roa da Cadeia do Recife
cja de ourives no arco da Conceicao.
Compra-se nma escrava de meia idade, sem
vicios, e que saiba engommar, lavar e cozinhar :
na rea do Cabug n. 2, sobrado. ______
Compra-se ouro amoedado e notas da cala
filial do banco do Brasil na Bahu
deia do Recife n. 54.
na ra da Ca-
VENDAS
Fogo fogo
sola da Babia superior.
Aluga-se na Capnnga porto do Lasserre uma
casa terrea com solio, tendo 8 qoartos, copiar,
cosinha, quartos para criados, estribara e cocbei-! Crespo 0. 19.
ra : a tratar na mesma Capunga casa da Sr* viu-
va B. Lasserre oa na ma Imperial n. SO.
Precisa-se alagar um
praca da Boa-vista n. 14.
escravo : a tratar
Precisa-se de nm caixeiro de 12 a 16 annos:
na raa do Pilar n. 138, taberna.
O solicitador Pedro A. da Cosa Machado con-
tina ao exercicio de sua proflssao nio so ante os
auditorios desta cidade como nos termos do Cabo,
Ipojuca e Escada, para onde se encarrega de co-
brancas : pode ser procurado na ra Oirelta o.
68,1* andar, oa estrella do Rosario u. 31. primei-
ro andar.
PAPIS PINTADOS
Sortimento de papis pintados e
lindas guarnieses para forrar casas.
NALIVRARIAFRANCEZA.
N. 9. Ra do Crespo N. 9.
Precisa-se de nm cozioheiro para uma casa
estrangeira : na roa do Trapiche n. 3, primeiro
andar.
Valdivino da plvora com fabrica de fogo artifi-
cial na ilha do Maroim, se acha com pnrcao de
ogos do ar de 1* sorle J postos as flexas, a espe-
ra de festejar es das que i ver noticias de qualquer
triompho dasno&as armas dentro doHumait; todo
aquelle que tiver a mesma salisfacao dirija-se ao
armazem de sal da ra Imperial n. 221 poucoalm
da fabrica de sabao.
Y
Agua mineral natural
PASTILHAS
De saes naturaes de Yichy
Deposito pharmacia do Pinto, roa do Rosario
larga n. 10.
Arrenda-se, vende-se ou permuta-se os en-
genhos Goiibeira, Boa-sorte e Ginipapo, todos de
moer com agua ; o 1 jante a povoacio de Santo
Amaro de Jatoatlo, e os dous ltimos ao sol da
cidade da Victoria (Santo Antao). Por venda nio
se exige dinbeiro ao passar da escrfptara, bastan-
do letras garantidas a prasos conveneionados: a
fallar na roa da Imperatriz n. 22, 3* andar.
Avidente ou sortes lidas por
uma sonmbula.
Vende-se na livraria da praca da Inde-
pendencia n. 8 a 10 cada exemplar, tambem
ba papis da mesma a 80 rs. cada um.
AOS SRS. ACADMICOS
Vendem-se as seguintes obras de direito
com pouco uso : Manuel du Droil Romain
por Mackeldey, 1 volume por 40; Diccio-
naire du Contentievx Commrcial, por Mas-
s, 1 volume, por 50; Elements du droit
romain, por Maynz, 1 volume por 40; Es-
prit de la jurisprudence des successions,
por Conflans, 1 volme, por 40 ; Codepra-
tique des faillites, por Geoffroy, 1 volme,
por 30; : na ra do Crespo n. 4, fabrica
de. chapeos de sol. _^ _______
Vendem-se 46 caibros de qualidade, a ver e
a tratar na roa Augusta onde se estao fazendo duas
casas.
E. R. Rabello tem par vender no seo escrip-
torio na roa do Trapiche n, 44, segando andar, o
segointe:
Vinho medeira superior em caixa de duas dalias
de garrafas,
dem do Porto idem em ancoretas.
dem de Lisboa e da F/gueira.
Cera era velas.
Vende-se um bonito e bom moleque idade 13
annos, am nom escravo idade 26 annos, um mula-
to idade 19 annos, uma linda negrinba idade 14
annos, orna escrava para toda servico idade 20
anaos: na traveesa do Carmo n. 1.______.
Cifre de pe segoro e malas
Vende-se nm cofre de pao, duas carteiras de
vlgem, dous pares de malas, todo em boa esta-
do : qaem pretender dirija-se a roa das Cinco
Pontas n. 140.
'",

-*
." '


m
BUri de r erBAMbacQ -, ef aad* lir* A de Juuuo de 1866.
h -
.
ENCICLOPEDIOA
t Ra da Uaperatrtx _
4a parta larca *t.
i anta a padaria fradceza de
Paredes Parto.
Neste estabelecimemo encontrar o respeitavel
pulilico am variado sertisaento de fazendas franca-
xas, inglesas, suissas e allemes, que se venderao
por preco commodo.
Preles Parta
Vende chales de renda de cores que se vnde-
nla a 183 est vendando por 6*, ditos pretos, la-
teada nova, 54, 64, 84 a 204, nm sortimento com-
pleto de manteletes, asas e sontambarqnes 14* a
25^. Raa da Imperatris n. 43, junto a padaria fran-
ceza, armazem da pona larga.
Paredes Porto
Receben nm completo sortimento de liasinhas a
JMO, e J80 rs. covados, para acabar, cambralss de
cor a 240 rs. o covado, riscado escossez para rou-
Ki de menino, usto de linbo a 420, 400 e 600 rs.
na da Imperatrix n. 52 junto a padaria franceza.
armazem da porta larga.
Paredes PorU
Receben para cortinados para cama francea a
11J a peca cambraia lisa fina a 34 4 at 104 a
peca, cortes de tarlatanalde bonitos gostos a 3,8500
44, ambraia com flor de seda, gostos inteira-
mente novos a 400 e 500 rs. o covado, no armazem
da porta larga n. 52, roa da Imperatriz junto a pa-
daria franceza.
Paredes Porte
Receben pelo ultimo paquete nm sortimento de
crnzes com pedras para o pescoco, bonitos caxinels
de lia para pescoco de senhora. Roa da Imperatriz
n. 52, armazem da porta larga.
Paredes Porto
Vende cortes de gorgnrio preto para vestido com
21 covados cada nm 354000, grsdenaple preto a
i 4(500,14800 e 24 o covado, las lizas finas a 400
rs. o covado, las de qnadrinbo para vestido, entes-
tada, a 320 rs. o covado. Roa da Imperatriz n. 52,
armazem da porta larga.
Ronia feita
F.ua da Imperatriz n. 52 armazem da porta lar-
ga junto a padaria franceza, encontra-se neste es-
tabelecimeato nm completo sortimento de paletos-
saceos e sobrecasacos, de todas as qaalidades, cal-
cas, colletes, ceroulas, camisas, grvalas, meias,
chapeos de sol, ditos franceses para cabera, por
precos commodos, roapa para menino e ootras
maitas fazendas por precos commodos, armazem
da porta larga.
No sesmo estabetecimento encontrar o respei-
tavel poblico, sempre um completo sortimento de
roupas eitas de todas as qualidades, como sejam
paletos de alpaca preta e de cor, ditos sobrecasa-
cos a 44 e 54, ditos de brim pardo a 24800, 34 e
34500, ditos finos a 44, ditos meias asemira a
34&00, 44 e 44, ditos cazemira saceos a 64, 74,84
e 104, ditos sobrecasacos a 10 e 124, ditos de pan-
no sacos a 64, 84 e 104, ditos sobrecasacos a 124
e 254, ditos de merino preto a 64, 74 e 104, cal-
cas de brim de diversas qualidades a <4800 a 44,
ditos brancos a 24500 e 6400, ditos cazemira 54,
64 o 74, ditos pretos a 54, 64, 84 104, ditos
meias cazemiras a 34 e 44, coletos de diversas
qualidades, seronlas francezas de algodio, ditas de
linho, ditas de bramante a 24 e 24500, carnizas de
algodo de linbo francezas de 24500 e 34. Gran-
de pecbincba neste genero, grvalas de todas as
qaalidades e brancas para casamento, grande sor-
timento de meias para senboras, ditas para homens
a 34, superiores a 34500 e 44.
Um completo sortimento de chapeos de sol de
alpaca a 34, ditos de seda a 54, 74, 404 e 144,
ditos rancezes para cabeca, grande sortimento
a 64-
GRODE ESTABELECI1IE.M0
DO
Boa
N. GO
da impera tria,
DE -
GAMA & SILVA.
* LOJA I AliUZBM DE FAZE.HDAS.
Tendo os 'proprtelarlos derte grande estab
ment feito um grande abat ment em omits de
us fazendas, pela occasISo do baloco qne leram
no ultimo de dezembro de 1865, resolveram vender
muiio ma8 barato do que costamam atim da cada
vez mais agradarem aos seas numerosos fregu-
zes ; por tanto Ibes offerecein am avalado sorti-
mento de fazendas francezas, inglesas, as qaaes
A SALSA PARRILHA DE AYER
PARA A CURA RADICAL
de escrfulas e molestias escrofulosas, tumores, ulceras, chafas, feridas *-
lhas, bronchocele, papo ou papeira, a sypfais, enfermidades venerlas ou mer-
curiaes.
AS MOLESTIAS DAS MULHERES
retenclo, menstro doloroso, ulceracBes do tero, flores brancas, etc., ulcera-
c5o, debilidade, expoliacSo dos otsos, a nevralgia e convulses epilpticas
quando causadas pela escrfula.
. ERYSIPELAS ERPES; ETC.
En tenuidades en toncas, empefio, borbulbas, pstulas,
nascldas, etc.
O extracto composto de salsa parrllha, confeccionado pelo Dr. Ayer, urna
combinacSo dos melhores depurativos e alterantes conbecidos medicina? confeccio-
nsdo segundo as regras da sciencia, approvado e receitado pelos primeiros mdicos dos
Estados-Unidos da America do Sul e Central, das Antilhas, do Mxico e das indias, e
mtiitas outras partes do mundo: o resoltado de estudos apurados e minuciosos, e de
experiencias fetas pessoalmente pelo Dr. Ayer, por muitos annos, nos principaes hos
pitaes e enfermarias da America; tcm sido approvado pelas academias de medicina e
juntas de hygienne das principaes capitses da America do Norter; para prova disto vede
os attestados authenticos no Almanak e Manual de Saude do Dr. Ayer, os quaes aedis-
tribuem gratuitamente nos lugares onde se vende o remedio.
, h SALSA PARILHA DE AYER
Especialmente efflcaz na cura das molestias que tem sua orlgcm
a escrfula, ualnfeeeio venrea, no un* |(
excesslvo do mercurio ou qnaiquer Impureza do sangue.
A molestia ou infecc5o peculiar, conbecida pelo ome de escrfula, um dos ma-
les mais prevalecemos e universaes que ha em toda a extensa lista das enfermidades que
atacam a nossa raca; disse um celebre escriptor da medicina que mais de urna terca
parte de todos aquelles que morrem antes da velhice sao victimas, ou directa ou indirec-
tamente de escrfula; por sso's nao lao destructiva, porm a principal causa de
muitas outras enfermidades que nao Ibe sSo geralmente attribuidas.
urna causa directa da tsica pulmonar, das molestias do Ligado, do estomago
e affecc5es do cerebro; entre seus numerosos symptomas acham-se os seguintes: falta
de appetite, o semblante plido e enchado; as vezes de urna alvura transparente e outras
vezes corado e amarellento irregular, fraqueza e moeza nosmusculos ao redor da boc-
ea ; digestao fraca e appettite, falta de energa; ventre enchado e evacuacSo irregular;
quando o mal tem seu assento sobre os pulmoes urna cor azulada mostra-se em roda dos
olbos ; quando ataca os orgaos digestivos, os olhos tornam-se avermelhados; o bali-
to ftido, a lingna carregada; dores de cabeca, tonteiras, etc. Na* pessoas dedisposi-
c5o escrofulosa apparecem frequenlemente erapcoes na pelle da cabeca e outras partes
do corpo ; sao predispostas s affecces dos pulm<5es, do figado, dos rins, dos orgaos
digestivos e uterinos. Portanto, nao sao smente aquelles que padecem das formas ul-
cerosas e tuberculosas da escrfula que necessitam de protecelo contra os seus estragos;
todos aquelles em cujo sangue existe o virus latente deste terrivel flagello (e s vezes
hereditario), estao expostos tambem a soffrer das enfermidades que elle causa, que sao: u^^^SSSSSSm' ^^
A tsica, ulceracoes de figado, do estomago e dos rins; erupcoes e enfermidades isl0 Da oja armazem do Pavo na ra da im-
erupvas da cutis, rosa ou erysipela, borbulbas, pstulas, nascidas, tumores, rheuma, peratriz n. 60 de Gama & Silva.
Chitas a 180 rs., so o Tanto.
Vende se o mais bonito sortimento de chitas in-
glezas, padres tniudinho?, claros e escoro9, e leu-
do lambem rozas para luto, afiancando-se serem
cores fizas, a vendem-se pelo baraiisslmo pr?c o de
0<"cn,eD*0 cova,Jo* ou a PeC c m 38 envados
pi 65800 : feto na loja e armazem do Pavo, na
Cortes de cambraia com palmas na loja do
Pavao.
Veadem-se cortes de canibral; branca com pal-
mas; sendo (azenda maito boa, pelo baratisslmo
preco de 1*300 para acabar : na loja e armazem
do Pavao na roa da Imperatriz n. 60, de Gama i
Silva. .^
Lencos brancos a MOO> res a! ra da lmptratriz o. O, de Garaa"& SIvj
duzla. Vestidas brancos
Venfcmse lencos brancos" fafenda maito. boa. CheBiram.paw a Iota do Pavo r, tr hrr.mc
pelo baratissimo preco de 8J a duzia, Ditos com con- ie venidas LX ul f
Barra de cor" a rf isto para acabar a toja d- tas bar a, todi?brancati" >m bom-
Pjvacr na ra da mneratriz n. GO de G3ma A Sio | deacores^^\VZ^
Poupelinas moderniss^as a 400 e 500 rs. ^^S^^T^
0 COvttloDa loja do PavSo. i '?.: ra H f> Pvi0 na ra da Imperatriz n.
Vendem-se poupelinas muilo unas sendo fazenda j J~> de '*an'a f"lva-
muito moderna de quadnnhos e liza vendeudo-se tOI'teS de lailalailrt Da loja do Pavo
venderao mais barato do que em outra qualquer pelos baratos precos de 400 e 500 rs. o covado nal Vendem seos mais moderna ortesd
parte, comprometiendo se a mandar levar qualqoer loja do Pavao na ra da Imperatriz n. 60 de Gama com as mais lindas barras de cor nelo harai m
fazenda em casa dos freguezes que nao poderem *" {preco de 8# cada um, sendo neste anta o melnar
vir a loja, ou a darem as amostras, deljundo ficar; rosdenaples pretos do Pavo.' qoe tem vindo ao mrcalo
o penkor, assim como convidara s pessoas, qne
negociam em menor escala qne neste grande esta-
beleeimenlo encootrarae nm grande sortimento
tanto a retalho como por atacado, vendendo-se-lbe
apenas pelos precos qne compram as casas ingle-
zas, sendo com o dinheiro a' visia.
As toalhas de liuho do Pavo.
Vendem-ss superiores toalhas de linhos para
rosto pelo baratissimo preco de 7&00 a dazia ou
a 640 cada urna.
Guardanapos de linbo adamascado para meza a
2f800 a dnzia on a 240 rs. cada um.
Superior atoalbado de linbo com oito palmos de
largura sendo branco e pardo, e vende-se mais ba-
rato do que em outro parte, na loja do Pavio na ra
da Imperatriz n. 60 de Gama & Silva.
Os corpinhos ae seda pretos do Pavao.
Vendem-se os mais ricos corpinhos de seda pre-
tos, ricamente enfeiudos, pelo barato preco de 12
cada um : na loja do Pavio na roa da Imperatriz
n. 60, de Gama & Silva.
Ricos vestidos a 80000 rs.
pechindia admirare!.
S o Pavo receben pelo ultimo vapor francs
um grande sortimento dos mais ricos cortes de
vestidos transparentes com lindas barras e enfeites
de seda, sendo estes vestidos muito proprios para
bailes e passeios, e vendem-se pelo baratissimo
preco de 8000 rs. cada nm, na loja do Pavo na
rna da Imperatriz n. 60 de Gama & Silva.
Os chales pretos de reda do Pavo a S000 rs.
Vendem-se os mais ricos chales pretc s de renda
com quatro'ponas, senda mnito grandes pelo ba-
ratissimo preco de 8.
Ditos de guepure a 15*, 18*, 20*, 25*.
Retondas de dito a 10*.
Manteletes de renda, tazenda muito superior a
18*000.
Capas e santbambarqoes de grosdenaples bor-
isto na loja e arma-
Vtndem-se superiores grosdenaples pretos pelos "m do Pavao na ra da Imperalriz n. 60. de Ga-
baraussimos precos de 1*500, l SGOO, 1*800 e 2* na & Silva,
o covado, sendo fazenda muilo b a, s para ac-
Cambraias brancas,
Com 8 palmas de largnrac
fi na loja do pavo.
Vende-se qambraias brancas transparentes tendo
bar : na loja e armazem do PavSo, ra da Impe-
ratriz n. 60, de Gama & Silva.
Bramante de linho do PavSo.
Vende-se superior bramante de linho com 10 ,
palmos de largura, proprios para lences, pelos B Palmos oe largura, on doas larguras das regula-
baratissimos precos de 2* e 2*600 a vara, assim *res' 9ue 'acelita azer-ie um vestido apenas com 4
como panno de linho mnito fino pelos baratissimos' JlSi e vendem-se pelos baratissimos precos de..
preces de 640,700 e 800 rs. a vara : na loja e ar- '*U(I reii:> e 'J80 a vara. unicameule na loja e
mazem do Pavo, rna da Imperalriz n. 60, de Ga-1 arraa.zet,ra1 do Pavo, ra da Imperatriz n. 60 de Ga-
ma & Silva. I** Sl|v-
Cambraias lisas do Pavo. Lili las Iiivh as a 280 rs.
Vendem se pecas oe cambraia lisa mnito sope- Mende-se chitas francezas acentos brancos na-
nor, pelo baraio prego de 3*200 e 3*500 a peca, roes roiudinhos, pelo baratissimo preco de 280 rs.
ditas muito finas a 6*, G*. 7* e 8* : na loja e o covado, na oja e armazem do Pavao, roa da Im-
armazem do Pavo, ra da Imperatriz n. 60, de peratriz n. 60, de Gama & Silva.
Gama & silva. i Chapees de so!.
. o/uin r,unil;unA Vende-se um grande sortimento de chapeos de
a 5000, para caifas, so o Pavo. sol, sendo de seda e de varios precos e qualidad^;
Vendem se superiores cortes de meia casemira ditos de alpaca e de panno, e vendem-se por pr-cos
com msela de seda a 2*, ditas Garibaldinas a multo commodos, na loja do Pavo na ra a lm-
Vestidos
Peehincha sen igual.
Gnegou a ioja de Paredes Porto um bonito sor-
timento de vestidos de tartalata de cores e brancas
que serve para partidas por ser ama pbantasia ln-
tetramente de Rosto pelo barato preco de 4* e
brancos a 4*500, estao acabando-se : n armazem
d porta larga ra da Imperatriz n. 52, jtwto a pa-
daria franceza.
Cortinados.
Cnegou a loja de Paredes Porto um complete
sortimento de cortinados ricamente bordados a
prego de 25*, 35* e 45* : na ra da Imperatrix
n. 52, porta larga junto a padaria franceza.
Ricas romeiras.
Paredes Porto receben pelo nltimo paquete nrt
sortimento de romeira de guipure pretas e de fil
a prego commodo : na ra da Imperatriz k. 52,
porta larga junto a padaria franceza.
1$400
Chapeos de sol.
Vendem-se chapeos de sol de panno a 1*400
urna grande peehincha s para acabar : na ra da
Imperatriz a. 52 armazem da porta larga de Pare-
des Porto.
Oschales do pavo a 2ooe e 25oo rs.
Vendem-se chales de merino estampados a 2*
e 2*500.cada um.
Ditos de merm liso a 3*500.
Ditos estampados de crepon a 6*, 7*. e 8*000.
Ditos pretos bordados com franja de seda a 14*.
Na loja e armazem do Pavo na ra da Impera-
triz n. 60 de Gama & Silva.
Para luto vende o Pavo.
Setim da China com 6 palmos de largura, fazen-
da preta para luto, propna para vestidos e roupas
para homens, sendo esta nova fazenda sem lustro e
de maito boa quaiidade, garantindo-se nao ficar
russa com o tempo e vende-se pelo barato prego de
2* e 2*509 o covado, assim como neste estabeleci-
mento tem nm grande sortimento de todas as fa-
zendas pretas .como sejam cassas e chitas pretas,
las tapadas e transparentes, princezas, alpaca?,
sarjas, etc. : na loja e armazem do Pavo na rna
da Imperatriz n. 60, d Gama & Silva.
Os baldes do Pavio.
Vendem-se superiores baldes de mugulina com
mnita roda a 5*., ditos crinolines com 35 arcos a
3*500, ditos com 20 e 25 a 3*, ditos para meni-
nas, sendo brancos e encarnados a 2* e 2*500 :
na loj. Garf h & Silva.
Cortes de laa escocesa para vestido 'a 3* o cor-
te : na roa da Imperatriz n. 52, loja da porta lar-
ga, junto a padaria franceza, estao se acabando.
Para luto,
Las pretas com salpicos brancos a 400 e 500
rs. o covado : na ra da Imperatriz n. 52 junto a
padaria franceza armazem da porta larga.
A 1$500.
Vendem-se pegas de tranga preta para enfeites
de vestidos, soutembarques, capas de senhora a
1*600 com 10 varas, urna grande peehincha : na
rna da Imperatriz d. 32 junto a padaria franceza
Chales de renda pretos.
Vende-se cuales de renda preto a 4*000, unic''
loja que pode vender na rna da Imperalriz n. 52,
armazem da porta larga, de Paredes Porto.
nnpngni,q-g
^H ccon *-* i o c
es
^flilliflil8-!.
a
ai
s

6=

B
05
O (7 &
' cr S
as*!ffg!l si si-
lo
b
? S" 2
a o o
--i
6'o"
S
la
S
o
s
s
9 s
w o a q
MI i
o> as

Ff

o
&
s
p
f
el

>
Brea em barricas pequeas.
Cera em velas de todos os lmannos.
Bogias.
Mercurio.
Ha roa do vigano n. 19, primeiro andar.
Baldes
Grande sortinento.
Chegou i rna da Imperatriz n. 52, junio a pa-
daria franceza, nm grande sortimento que se ven-
de a 2*500 rs. para acabar.
carbnculos, ulceras e chagas', rheumatismo, dflres nos ossos, as costas e na cabeca,
debilidades femininas, flores brancas causadas pela ulcerac5o interior, e enfermidades
uterinas, bydropesia, indigesto, enfraquecimento e debilidade geral.
Offerecemos a estas pessoas um abrigo seguro e um antidoto efEcaz contra esta
molestia e suas consecuencias na
. SALSA PARRILHA DE AYER
que opera directamente sobre o sangue, purificando-o e expulsando delle a corrupto e o
veneno da molestia; penetra todas as partes e todos os orgos do corpo humano, livran-
do-os da sua acc5o viciada e inspirando-Ibes novo vigor. am alterante poderosissimo
para a renovacao do sangue, e d ao corpo j enfraquecido pela doenca, forcas e ener-
gas renovadas como as da joventude.
E tambem o melhor anty-syphilitico conhecido
cura permanentemente as peiores formas de tsypnilis e as suas consequencias. Pouca
necessidade ha de informar o publico do inestimavel valor de um remedio que, como
este, livra o sangue desta corrupeo e arrebata a victima das garras de urna morte lenta
e ignominiosa, porm inevitavel, se o mal nlo logo combatido com energa.
um poderosissimo alterante para a renovac5o do sangue e para dar nova for-
ca ao corpo j enfraquecido pela doenca.
Sendo composto de productos vegetaes, este medicamento innocente e ae mes-
mo tempo efficaz, um fado de immeosa importancia para aquelles que o tomam ; por-
que muitos dos remedios alterantes offerecidos ao publico tem por base o mercurio ou o
arsnico; e sendo assim, Lera que s vezes podem efectuar curas, comtudo deixam suas' Uutbraias de forro a 14600 e 20 na loja
victimas oarregadas de urna longa serie de males, muitas vezes peior do que o mal or- do Pavo.
ginal. A nica cousa necessaria para obter urna cura radical seguir com juizo e cons-
atncia as drecc5es que acompanbam cada frasco.
N5o pretendemos promulgar, nem queremos que se infira que esta composigo a
um remedio infallivel pata a cura re todos os padecknentos humanos; iBfelizmente
escrfula e a syphilis sao enfermidades to sulis as suas naiurezas, e arreigam-se to
firmemente no systema, que muitas vezes evadem e resistem aos remedios mais pode-
rosos que a sciencia humana pode inventar para combtelas: o que dizemos que o
Extracto composto de salsa parnlha de Ayer
a melhor preparaco at hoje descoberta para estas e outras molestias anlogas, que
urna combinado dos alterantes mais eflicazes conhecidos, e que esta combinac^o tem sido
regulada por longas e laboriosas experiencias, e finalmente que temos consciencia de of-
ferecer ao puhlico o melnor resultado -que possivel produzir, da intelligencia e pericia
medica dos nossos tempos.
Este remedio deve ser tomado com systema e regularidade, e nao com abandono,
pois um remedio e nao bebida.
Quando as molestias do figado cao tem sua origem na escrfula, o remedio
mais proprio as pilulas catharticas de Ayer, que sao efficazes na cura da molestia, que
m por causa um desarra.njo dos orgos digestivos. Pedi a salsa parrilha de Ayer e
nao aceitai outra preparaco.
Pernambuco, ra Nova n. 18, pharmacia francezade P. Maurer C*
TENDE-BE
Nm armazem de n. a. Ramos e Silva dr Cenro, rna do vlgarlo
n. 11, constantemente, os seguintes artlgos, que
re cebe m por encommenda propria de
\E\V-\OtlK.

-------------
Legitima salsa parrilha de Bristol, preparada por Lanman & Kemp.
Verdadeira agua Florida, preparada pelos mesmos.
Gaz em latas de cinco galoes, o mais purificado que se pode desejar da acredi-
tada marca F. W. D. & C.
Relogios perfetfos reguladores, com corda de quatro a oito dias, dos afamados fa-
bricantes E. N. "Welch.
Graixa em latas grandes da bem conhecida marca las. S. Masn (de Philadel-
phia).
Superior oleo para machinas de costura.
Agulhas para as mesmas.
Breu em bar icas grandes e pequeas.
Vende-se tambem:
BORDEAtn
1.a qoaliade.
St. Estephe.
St. Jalien.
G. Margaux.
G. Lafitte.
Medoc.

PORTO
Ia fulidade,
Principe Real,
i Pedro V.
[Mara Pia.
Princeza D. Isabel.
I Vctor Emmanuel.
I Duque.
Malvazia.
Vinho fino do Porto embarrs de ty. 10/ e 20/,
Superior vinh doRheno.
Cera de Lisboa em velas e em grume.
mmn
tH RA DO QVEOIADO IV. 9.
adapoldo.
Finas pecas de madapelo com 20 varas a 9^1.
LENCOS,
Lencos de cambraia branca, duzia 2$.
dem de cores ixas para meninos, duzia z#400 ...
Cambraias. ,
Cambraias de ores a preco de 260 a 300 rs. o covado.
uardauapos.
Guardanapos do linho, dozia 3500.
Algodo.
Algodio trancado de doas larguras,'proprio para toalhas de mesa, a prego de
14900 a vara.
Bramante.
Superior bramante de linho inglez e francez.
LCambraia do linho propria para lencos.
ATOALHADO.
Atoalhado branco para mesa a 1)9600 a vara,
Entremeios de cambraia muito finos, preco Ifi.
Lencos de seda para algibeira a 10600,
Vendem-se pechas de cambraia de forro com no-
ve varas cada pe?a, pelos baratissimos precos de
l600 e : na lo]a e armazem do Pavo na rna
da Imperatriz n. 60, de Gama & Silva.
Os cortinados do Pavo.
Vendem-se superiores cortinados adamascados
para camas pelo baratissimo prego de 15 cada par,
ditos mnito finos ricamente bordados para camas
od janeilas a 134, 20 e t&i o par : na loja e ar-
mazem do Pavo na ra da Imperatriz n. 60, de
Gama & Silva.
Panno preto a 20 na loja do Pavo.
Vende-se panno preto. (azenda mnito boa, pelo
barato preco de 2 o covado. dito multo lino a
3o00, 4, 5& e 64, assim como casimira preta de
cordo a 24 o covado : na loja do Pavo na ra da
Imperatriz n. 60, de Gama & Silva.
Os espartilhos do Pavo.
Vendem-se urna grande e variado sortimento de
espartilhos dos mais bem feitos que tem Ivindo ao
mercado, sendo de todos os lmannos, vendendo-se
por um prego mnito razoavel : isto na loja do Pa-
vo n?. ra da Imperatriz n. 60, de Gama & Silva.
As salas bordadas do paro.
Vendem-se saias bordadas sendo (azenda muito
boa, sendo ricamente bordadas e com muita roda
vendendo-se pelos baratos precos de 64 89 e 104
reis cada nma na loja do Pavao na rna da Impera-
triz n. 60 de Gama & Silva.
Bretankafc de rolo a 3*00 0
Vendem-se pecas de bretanba de rolo com 10
varas cada peca, pelo baratissimo preco de 34 :
na oja e armazem do Pavo, ra da Imperatriz n.
60, de Gama & Silva.
lio upa feita.
Na loja do Pavo
Vende-se neste esubelecimento nm grande sor-
timento de roupas, tanto de panno como caxemiras,
e brins e pelos baraiissimos precos como sejam
caigas de cazemira preta a 64 74 e 84000 reis, pa-
letots de panno preto saceos a 64 84 e 124000 rs.
ditos sobrecasacos de panno finissimo a 124 184 e
254000 reis, e ontros muitos artigos qne serla en-
fadonhos aqu relata-los; s na loja e armazem do
Pavio ra da Imperatriz n. 60 de Gama & Silva.
Loja do Pavo
Grandes pechlnchas.
Sedinhas a 500 rs. o covado
Sedinhas a 500 rs.
Sedinhas a 500 rs.
Vende-se na loja do Pavio, nm grande sortimen-
to de sedinbas listradas com as mais bonitas cores,
sendo os padros mais novos que tem vindo a mer-
cado, e vende-se pelo paratisslmo prego de cinco
tostoes o covado, sendo (asenda que valem muito
mais dinbeiro, e grande pecbiocha por se ter
comprado nma grande ponida desta fasenda, na
loja e armazem de (asenda do PavSo, ra da Im-
peratriz n. 60 de
Ldasmhas matisadas a 320 rs.
Vendem-se as mais lindas liasinbas matisadas
com os mais bonitos desenbos, pelo barato preco de
320 rs. o covado ; na loja do Pavo a ra da Im-
peratriz n. 60 de Gama & Sirva.
Os chales de guipure a 12$ e
. 16#000,
Vendem-se os mais ricos cbales de Guipare e de
renda de linbo e seda, pelos baratissimos precos de
124 a 164 ; grande peehincha em reiagao a boa
quaiidade e tamanbo delles : s na loja do Pave,
roa da Imperatriz n. 00, de Gama & Silva.
Lazinhasa 200 rs,s o
Pavao.
Vendem-se modernas lazinhas com hndlssimos
gostos, pelo baratissimo preco de 200 rs.; gran-
de pecbincba : s na loja do Pavo, ra da Impe-
ratriz n. 60, de Gama & Silva.
Sedas Largas
Na loja do Pav3o,
Chegou para a loja do Pavo nm modernissimo
sortimeaio das mais lindas sedas para vestidos,
Moda urnas de lisiriphas e outras de Oortlnbas
com as mais lindas cores, e algnmas propria* para
M senboras que estiverem de loto e vendem-s
pelo barato preco de 24000 o covado, tendo esta
(azenda quatro palmos Ae largura, qne (acuita (a
zer-seom vestido com T
loja e armazem do Pavio
60 de Gama & Silva.
, ditas .
24800, dilas escoras a 2480O, ou a 14600 o cova
do*: na loja e armazem do Pavo, ra da Impera-
triz n. 60, de Gama & Silva.
PENTEADORES
ou roupSes de cambraia bordados proprios
iara as senhoras veslirem de manba.
Iiegon esta novidade paia a loja do Pavao,
mnito lindos e do melhor gosto at boje, pur pre-
cos muito razoaveis : na loja do Pavo, ra da
Imperatriz n. 60, de Gama & Silva.
Cassas francezas a 240 rs. o corado.
Vendem-se bonitas cassas francezas de eores fi-
zas pelo baratissimo preco de 240 o covado.
Ditas a 280, 320 e 360.
S na loja do Pavo, ra da Imperatriz n. 60, de
Gama & Silva.
Grsdenaple preto a 1$600.
E' grande pecbincba! 1
Vende-se grsdenaple preto, sendo muito encor-
nado e de boa largura, pelo baratissimo prego de
14600 o covado : na ra da Imperatriz o. 60.
Os cachinez do Pavo.
Vendem-se bonitos rachinez de l.i ou agazalhos
para cabeca pelo baratissimo prego de 34000, s
na loja do Pavao, na ra da Imperatriz n. 60.
MANTAS PARA O PESCOfO
a 14, s o Pavo.
Vendem-se bonitas mantas para o psseogo, pelo
barato prego de 14 : na loja do Pavo na ra da
Imperatriz n. 60, de Gama & Silva.
Madapoles a 3,500 rs. a pessa.
S na loja do Pavo.
Vende-se pegas de madapolao fino com 12 jar-
das, pelo barato prego de 300 e 44000.
Chales de renda.
Na loja do Pavo.
Receberam-se os mais lindos chales pretos de
renda, assim como as mais modernas < compridas
retondes, e manteletes da mesma (azenda, e vende-
se mais barato que em ontra qualquer parte: na
loja e ajmazem do Pavo na ra da Imperatriz n.
66 de Gama & Silva.
Castor a 3(0 rs. o covado.
Para caigas.
Vendem-se superiores castores muito encorpados
padres escuros pelo barato prego de 320 rs. o co-
vado, servlndo esta fazenda tambem para escravos
por ser de muita durago; na loja e armazem do
Pavo ra da Imperatriz n. 60 de Gama & Silva.
Chapeos para meninas a 6,000.
S na loja do Pavo.
Se vendara os mais bonitos e mais bem enfeita-
dos cbaposinbos de palba da Italia, proprios para
meninas, pelo baratissimo prego de 64000; na loja
e armazem do Pavo na ra da Imperatriz n. 60
de Gama & Silva.
Attenc&o.
LXTIHA NOVIDADE
PENTES, ENFEITES, CINTOS.
Gama & Silva, acabam de receoer pelo ultimo
vapor (rancez, um grande sortimento dos mais ri-
cos enfeites pretos e de cores proprios para cabega,
sendo guarnecidos com as mais lindas flores, e com
voltas das mais bonitas perolas; assim como os mais
modernos e engranados pentes da verdadeira tar-
taruga, marebetados >ndo a uliima novidade
que tem vindo de Paris, e os mais ricos cintos com
filas malhisadas e fivela largas, conforme ultima-
mente se osa as primeiras capitaes da Europa, e
vebde-se por prego em conta por ter chegado em
direitura para a loja do Pavo, ra da Imperatriz
n. 60 de Gama & Silva.
As rotaudas do pavao a 8 e 1Q,s.
Veniem-se as mais ricas rotandas de renda pre-
ta, sendo muito grandes, que sao as que mais se
usam, pelo baratissimo pregn de 84 e 104 : na
loja e armazem do Pavo, roa da Imqeratrit n. 60,
de Gama & Silva.
Chitas pretas al60rs:
Vendem-se chitas pretas inglesas, sendo fazenda
muito boa, pelo baratissimo prego de 160 rs. o co-
vado, ou 54500 a pega com 38 covados : s na
loja de Ravo, ra da Imperalriz n. 60, de Gama &
Silva.
ATLANTA
peratriz n. 60, de .-.roa & Silva.
Corles Oe chitas.
Vendem-se cortes de chas inglezas, sendo pa-
drees escuros tendo 10 covados pelo barato preco
de 240C0 rs.; ditos com II e 12 rovados a 2;0
e 241OO rs; ditos de chita franceza escora e ale-
gre, tendo 10 covado 34"20 ; ditos com 11 e 12
covades a 34520 e 34840 rs: peehincha. ha leja
e armazem do Pavo, ra da Imperatriz n. CO de
(jama & Silva.
Rodelas de borraxa
proprias para atar massos de papis, e para *>r-
virem de ligas para punbos, manguito-, etc. ?c.
Vendem-se na ra do Queimado loja d'aaula bran-
ca n. 8.
-Mui Gnas cartas
francezas, com cantos dourados, e sem deurade.
Vendem-se na roa do Queimado loja d'aguia bran-
ca n. 8.
Envelopes azues
a 50 rs. o cento.
na ra do Queimado loja d'aguia
. Grande novidade a tOO rs.
Allanta a 200 rs.
Atlanta a 300 rs.
Atlanta a 200 rs.
Chegou para a loja,do Pavo o mais lindo sor-
timento desta nova fazenda, com o titulo de allanta
propria para vestido e roupas par* meninos, sen-
do esta raodernissima fazenda de la com o mais
lindos gostos de qnadrinhos e listras tendo entre
ellas de cor roa e preta, com listras e qdadros
brancos proprias para loto, e vendem-se pelo ba-
ratissimo prego de 200 rs. o covado nicamente na
loja do Pavio ra da Imperatriz n. 00 de Gama 4
Silva.
As chitas do Pava a 200 o covado.
Vende-se o mais bonito sortimento de chitas es-
coras e roas sendo inglezas, mas com os pannos
to encorpados como os das francezas que se ven-
dem a 400 reis, e liquido-se pelo barato preco de
200 rfs o eovado ou a 74200 a pega, garantindo-
se terem 38 covados cada pega e serem de cores
fizas isto na loja e armazem do Pavo na ra da
Imperatriz n. 60 de Gama & Silva.
Armazem do Pavao,
Vende-se cera de carnauba da melhor quaiidade
em^saccos, mais barato que em outra qualqner
parta no armazem do Pavo na ra da Imperatriz
n. 60, de Gama & Silva.
As cabaias do Pavao a 2#000
o covado.
Chegaram para a loja do Pavo as mais lindas
cabaias de seda para vestidos, sendo com os mais
lindos gostos de flores e listas, tendo entre ellas al-
gumas rozas e pretas para qoem estiver de luto,
tendo esta nova fazenda 4 palmos de largura qne
facilita fazer-se um vestido com poneos covados, e
vende-se pelo baratissimo preco de 2J(000, nica-
mente na ioja armazem do vavo i rna da Impe-
ratrii n. 60, d Gama & Silva.
Novidade _
Vendem-se
branca n. 8.
Apparelhos de porcelana
dourados e pintados.
Na ra do Queimado loja d'aguia branca n. 8,
vendem-se bonitos apparelhos de porcelana f ara
almogo e jantar de boneeas.
Bonitos quadros
para retratos.
Vendem-se na ra do Queimado loja d'ac;ia
branca n. 8.
Perfumara ingleza
A agua branca a ra do Queimado n. 8, rceixu
um novo sortimento de finas perfumaras ingleas
de I. Gosnell & C.; sendo extractos des agra-
vis cheiros Bonq da Rainha Victoria, do P. AILer-
to, do imperador NipoleSo, da imperatriz Eu^cra.
arlbaldi, Miss Lind, Joch Club, fraugipan?, n-
dalo, etc. etc.
O:eo fino para cabellos.
Opiat para pentes.
Agua da Colonia.
Sabonetes finos creroe deamendoa para baiu.i.
Pencas d'aco inglezas
donradas o sem a ser.
Chegou para a leja d'apua branca ra do Q jet-
mado n. 8, um excellente sortimenio de neunas
d ac inglezas, douraaas e sem a ser, porm ti-jas
de quaiidade extrana, e continuare a vende-la s
24500, 2300 e 1*500 a caixa.
Tinta azul e preta
tinta rocha e prr''.
E>las tintas cujas expeliente i,,..; laaes j,. Ao
bem conhecidas e apreciadas pelo.- i.Mendedu
acham-se a venda na roa do Queimau ii a d'cua
branca n. 8.
Lacre fino de cores
com cheiro e sem elle.
>a loja d'apuia branca ra do Queimado u. 8.
vende-se lacre fino encamado aromtico e sea
ser; dito verde, e urnas caixinhas com ditos di
cores pelo barato prego de 500 rs.-cada urna.
Papel inglez
em caixinbas.
Xa loja d'aguia branca a' ra do Queimado o. 8.
vende-se de>^e superior papel inglez em caixirirs.
Luvas de camursa
brancas e amarelias.
Vendem-te ua roa do Queimado Iota d'agnla
branca n. 8.
Meias pelas para padres
Vendem-se na ra do Queimado leja d'a;ui..
brancaji. 8.
Aspas largas e fortes
para balo.
Vendem-se na ra do Queimado loja d'a^u.a
branca n. 8.
Farelo
a 54 rs. a sacca, e de milho a 64500 : no arma-
zem da estrella, largo do Paraizo n. 14.
ATTEMCAO"
Para Santo Antonio e S. Joo, algoidares de Ge-
nova de todos os tamanhos, muito baratos por :er
grande porgo, jarras finas, entrefinas e grossas,
de todos os tamanhos, assadores para ir ao Torno.
vasos francezes em temos de seis, e toda a ma
louga de Genova e da trra : na ra do Ilanpel
numero 4.
ia do Carvalho.
Quadros representando o ataque daqnelia i)ha
e a derrota des Paraguayos, assim como ra r .
do Passo da Patria a 14 cada am.
Vende-se urna bonita casa de morada no .lio
da, estacao de Una, com 2 salas, 5 quartos, c z.un.i
fra e terrago : qoem a quizer dirjase as Cinco
Puntas, a tralar com Jos Carjfi.ro da Silva.
Loja dectgado
Vndese urna araiagao e utencilios de gaz, que
tem servido de calgado, em bom local para obras
da trra, sita na loja ta travessa das Cruzes n. 12,
e garante-se o aloguel da mesma loja : a tratar
na ra larga do Rosario n. 21, fabrica de cigarros.
ios Srs. fogneleiros~
Ma drogara da rna larga do Ro-
sarlo n. 34
DE
BARTHOLOMEO
Vende-se
Limalha de ferro.
Dita de ac.
Dita de dito de Leno.
Salitre refinado de 1* quaiidade.
& C
Vende-se por commodo prego urna mobllia
de amarello em bom estado : no pateo do Tergo o.
31, sobrado.
Para vestidos.
Chegaram as desejadas cambraias on tariatana
. brancas com li.-trinhas |sendo transparentes e ven- recen, tes, tnico
meo* covaoV s, Isto na dem-se pelo baratissimo prego de S4000 o corte, | #_._-_ pn. Aa
a rna da Imperatoria n na loja e armazem do Pavo na rna da Imperatriz i umu W3**J!"* ua
'n. 60 de Gama* Silva. 30000.
Panno de algodio da Babia para saceos de
assucar e roupa de escravo, vende Antonio Luiz
de Oiivelra Azevedo & C, no sen escriptorio ra
da Cruz n. i.
Vendem-se
machinas americanas de serrote para descarecar
algodio: na rna da Senzala Nova n. 42.
Canos vidrados.
fto armazem da roa da Concordia n. 34, existe
um bello' sertknento de canos vidrados de vanas
grossnras, e vende-se por commodo prego.
INJECCAO BROW.
Remedio infallivel as agnowkeas antigs
liarmacia
ae preco de
I



MM
ILEGVE1



.** ~~
Diarto de rerw*mhwt* fteguada Mt t atril de 1866.

O que oceitpa hoje mais a attencao do mundo
econmico? o aovo systhema do proprietario do ar-
de molhades
mazem
UNIAO MERCANTIL
53 RA DA CADEIA 53
PASSANBO O ARCO DA CONCEIClO.
Que surge de doto basteando a bandeira da modieidade de presos eoi todos-o*
seas superiores gneros.
Que o publico reconheca as vantageos que de tal systhema lhe resalta, o que o
proprietario do sitado armazem deseja, e a que desde j o convida: passando tamben a
notar-lhe os precos de alguns dos gneros de sen explendido sortisaento, e paraos-quaes
pede
ATTENCAO
-ora rna de milho branco aaaerlcaaa.
Esta excellente gomma, multo se recomcommeoda como o aumento mais subs-
tancial e saudavel; servindo nao s para papa (no que superior de toda as oatras
g raimas e farinhas) mas tamben dalla se pode fazer p5o-de-l, cangica, creme, bolo
francez, podim, etc.: o preco de cada pacota de urna libra 800 rs.f em caia tan aba-
timento.
5|,

MANTEIGA INGLEZA de superior qualida-
de a 1,28o e i,loo rs. a libra, em barril
se faz abatimento.
DEM FRANCEZA a mais nova que ha no
mercado a iHo rs. a libra, em barris ou
meiosa6oo rs.
CHA HISSON de primeira qualidade a
2,8oo rs. a libra, alm desta ha muitas ou
MOLHO FNGLEZ de diversas qualidades, a
72o rs. o frasco.
MOSTARDA INGLEZA muito nova a 800,
rs. o frasco
DEM FRANCEZA a 61o rs, o frasco.
SALMO E LAGOSTIN chegado ltima-
mente, em latas de 2 libras, a l,6oo. rs.
ARENQUES em latas a 64o rs. cada urna.
tras proprias para vender a retalho, que: SARDINHAS DE NANTES em latas-e meias
vmm potas
Groa de aples preto a 10500,1)>6(K), U, W, 30500 e 4* o covado.
Gorgurao preto de superior qualidade a 20500, 2J800, 3# U o co-
vado.
Superiores ffiOfantiques a 25500, 24600, 30, 3#ttO 40 e 50QOQ *
covado J' .1 .
Bons cortes de moremtique. >**i
dem de gorgorito adamascados.
Bons pannos e casemiras.
Sup ores alpacas, princetas, merinos e bembazinas.
Boas villudos pretos.
6re.nde -vaffedade- de chales de fil preto e da guipure a.ft#, 60, 80,
100, 120"; de 160 a 200, d 254 a 800 cada um.
Superiores, retoodas de fil preto e de guipure a 80, 100,120 e 250,
e de 300 a 605 cada usa.
Superiores -algerieaes de fil preto e de guipare de 420 a 250, e de
300 a 600 cada urna.
Bons chailes de seda preta.
Ditos, de Merino preto bordados e outras muitis-'tzandas preta* que
seria eafodone enumerar, na
ahO.Uk DAS COIjUM^AS
DE ANTONIO CORREA D TASGOtfCEttOS & C
JtVJL DO CRESPO K. 13
consultorio we-aRaeao
m. PEDRO DE ATTAHYDE LOBO HOSCOSO,
MEDICO, PARTEMtl avPVIllAMlI.
se vendem de.l,(ioo a l,8oo rs. a libra.
DEM PRETO o mai8espcial queteravin-
do a este mercado a 2,2oo rs a libra.
DEM regular de 1.6oo a i,80o rs. a libra.
QUEDOS DO REINO ltimamente chegados
pelo vapor 2,4oo: ditos do vapor passado
. a 2,000 rs.
LATAS DE CHOURIC.\S com 6 libras er-
metieameate fechadas, a 4,5qo, de barril!
a 64o, a libra.
ESTRELINHA para sopa em caixas sortldas
,de 8 libras, por 4,000 rs.
ViNHO VERDE do verdadeiro sumo da uva,
e o mais proprio para se beber n'este
imperio, pela sua extraordinaria fresqui-
do e agradavel gosto a 64o rs. a gar-
tafa.
AMFJXAS FRANCEZAS em frascos de 4 e
2 lihras, a 2,8oo, e l,4oo rs. em cali-
nitas muito enfeitadas com diversas estam
pas a2,900, 1,800, l,5oo et,3oo, reis.
BTSCOITOS INGLEZES emlat^s contendo
diversas qualidades a l.oooe l,2oo rs. a
rata.
PRINCIPE ALBERTO bolachinhas as melho-
res presentemente conhecidas a l,6oo
rs. a lata.
SALAME HAMBRGUEZ chegados no ulti-
mo navio a 1,60o a libra.
PREZUNFOS verdadeiro de Lamgo, a 64o,
rs. a libra, e 56o inteiro.
TRAQUES n. 1. em caixas de 4o cartas, por
8,5oo, e 24o rs. cada urna.
MARMELABA em latas de 1,1 /, e 2 li-
bras a 600 reis a libra.
JALEA DEMARMELLO em latas, a 800 rs.
FRCTAS EM CALDA pera, pecego, alper-
ce, rainha Claudia, e gioja a 64o reis
? lata.
a 600 e 36o reis.
VINHO DE COLLARES o legitimo vinho
desta localidade, muito superior e sem
confeigo alguna, a 800 rs. a garrafa.
IDFM MADURO o verdadeiro do alto Dou-
ro em barris de lo em pipa por 35,ooo
cada um.
VINHO DO PORTO de diversas qualidades
engarrfelo, inclusive o maisflno que ha
n'este gener, por 800, l.too, l;2oo,
1,400 e 1.3oo rs. a garrafa.
FEIJAO verde e Garrapato em latas emti-
camente fechadas a- 600 rs.
CHOCOLATE francez em pacotes de 1 libra
por 5oo reis.
AZEITONA& daschegadas ltimamente de
Lisboa a i,2oo rs. a anco'reta, e 5oo, a
guarrafa.
CAF avado a 24o rs. fibra*; ft T,W)r*r6..
a arroba, e regular a 226 a libra, eiJ Soo,
a arroba.
VINHO CHERRY domis superie^frBP4|
cado al,5oo rs. a garafa, e tfl.eoufs.
a dozia.
MUSCATEL o verdadeiro de Setubal, a
l,8oo rs. agtfra'a, e 2o,ooo a duzia.
VINHO BORDEAUX das mais acreditadas
marcas, S. Emilion. Sant Julien Haut
Brion a Too e 800 rs. a garrafa, e em
caixa ded^zia, a 7,5oo e 8,ooo- rs.
VINHO BRANC de Lisboa de excelente
qualidade, e proprio para missa, a 800,
rs. a garrafa, on 8,000 rs. a caixa de duzia.
MADEIRA SECO a1,2oo a garrafa, e 12;ooo
rs. a dazia.
VINHO DO RHENO superior, a 2.ooo a
garrafa, e 22,ooo rs. a duzia.
VERMOUTH de superior qualidade em cai-
xas de 12 meUs garrafas por 12,ooo,e
garrafas por l,2oo rs.
PHOSPHATO DE FERRO DE LERAS
1>I*.K3I8IE*CI4S
INSPECTOR DA ACADEMIA DE PARS.
Nao existe medicamento ferruginoso tonotovel cerno o phosohato de ferro de
Leras; assummidadef medicas do mundo inteiro adotaram-no com solicilude sem igual
nos annaes da sciehcia. As cores pltidas, dores de estomago, digestoes penosas, ane-
aaia.convale'Weneas dlffieeis,-idade CFitica das seahoras, irregularidade aa menstruac5o,
pobresa do sanstue, lyaaohatiamo sito curados rpidamente ou modificados por ste ex-
cellente compostck o conserva lor por excelencia dasauie e declarado superior nos
hospitaes e pelas academias a todos os ferruginosos oonuecietos, ao idoreto e ao citrato
de ferro, porque o nico que conven aos estmagos delicados, qm n5o provoca consli-
pacao nico tamben que nao enegrece a bocea e os denles.
Em Pars na ra da Fettillade n. 7.
. venda emeasa deMaurer, e A, Caors.
Acabam de chegar as muito superiores linguas seccas do Rio Grande do Sol, que se
vendem por 120 rs,
RIJA A CADEIA DO KECIFE I. 4fi
Nela nova ioia vende-se fazendas muito baratas, assiro como tarabem lm ura compJelo sortimeo-
to dn. roapa de casemira e de brim ; sorlimento de casemiras de cores prelas, e bono brim braoco
para se fazar obra p.>r medida. m
Madapollo avanado
Calcas de caseraira escuras proprias para a estacao a 75000
Paleiots de paaoo floo preto a 83000, ditos de alpaca branca a oO).
Chapeos de sol de seda com 12 asteas a 9 e 10$
Este-s chapeos de sol todos vendem por 12*000, mas o Balao querendo mostrar que ningoem
pM rivasar com elle em preeo?, resolvea vender os oais pequeos por 9 mil ris e os maiores por
; i-il r^i* baioes de arco para senhoiaa 34. Ha muitas outras aiendas e roupas fetas que tuno
i' rpnde com grande abaiimeuto para se apurar dinhein e adquirir maior numero de tregoezes;
qiiem duvidar da veracidade do qne diz o Balao venha verifiear-.se.
Vcnham ver a baratez a da Lojado Baldo
PECHM4 SEM IGUAL
Ricos cortes de g^rgunto d seda pretos adamascados para vestido com 13 metros
oo Ifta ^covado caflh eortej.lardara de chita franceza, pelo baratissimo prego de 50J
cada corte : na loja das columnas da roa do Crespo n. 13 de Antonio Crrela de Vascon-
cellos & C.
VERUADEIRA AGIIA MI\ERAL
PASTILHAS DOS SAES NATU-RAES DE VOY.
VENDE-SE
Na botica1 e drogara de Bartbolomeu & C< Ra larga do Rosario n. 34.
-

IVBOI-0 HOWfl
DO DR. CHARLE
MEDICO E PROFESSOR DE PHARMACIA, DE PARS,
PLUb DE
COPAHU
VAS ENFERIDADES SEXAES
Ci trato de ferro Chablc.
Xarope mu preferivel ao
Copahiba, e as Cuba-
ba, cora immedratamen-
te qualquier purgagao ,
relaxagao e debilidade, e igualmente fluxes e
lluores brancas das mulheres. Injertan de
CiutMe. Bsta injeccao benigna emprega-se mes-
roo tempo do xarope de citrato de ferro, ama vez
de nianbi, e urna vez de tarde durante tres dias;
rila segura a cura.
AA O TRATAMENTO E PRHPTO CDRATIVO
DM TODAS AS AFFECCOES CUTNEAS, VIRUS
DEFURATIF
dn SAING
E ALTERACOES DO SANCUE.
Depurativo de nngae.
Xarope vegetal sem mer-
curio, o nico conhecido
e approvado para curar
con promptida e radi-
calmente impigens, pstulas, herpes, sarna, co-
mixdes, acrimonia e alterarfiies viciosas do san-
gue; virus, e qualquer anecio venrea. n-
ahos mineraes. Tomao-se dous por semana, se-
guindo o tratamento depurativo.Pomada aa-
tiherpetica. De um effeito maravilhoso as af-
feces cutneas e comiies.
emorrohida.Pomada que as cuaa em 3 dias.
9.
Deposito oa ra larga do Rosario hulica de Bartbolomeu & C. n. 34.
Ricos brincos de crystal lapidados de dinlerentes formas e cores, o que ha de mais moderno em
pjns tambem ernzes e botoes para eoletes ; fiwllas modernas de madreperola para cinto : estes rti-
cos se vendem por menos de sea valor no armazem da roa da Cadeia do Recife n. 60.
Novo e grande deposito de superior carv&o de Cardiffna
Baha.
Antonio Gomes dos Santos & C, roa de Santa Birbara n. 1, eslo habilitados a sopprir de
osrvao, em condicSes mais favoraveis qne em ootro qnalqner deposito, a todos os navios a vapor que
ccarem naqoelle porto. A contratar nesla com Domingos Alves Matheos.,
Sipop du
DrFORGET
JARABE DO FORGET.
Este xarope esta approvado pelos mais eminentes mdicos de Paris,
__omo sendo o melhor para corar constipacoes, tosse convulsa e outras,
a&ecc&es dos bronebios, ataques de peito, irriUcoaa Bervosas e insomnoleocias: urna colherada
pela mattha, e outra i noite sao sufficiernes. 0 efleiw deste excelente xarope satisfaz ao messao
iempo o doente e o medico. .
Deposito na roa larga do Rosario, botica de Bartholomeo & C. n. 34.
Colares Royer n colares
dlas
p.?ra facilitar a denticao das criancas e preserva-
las das convulsfies.
C feliz resaltado obtido immensas vezes pela
p giosa forga magntica dos colares Royer^ nos
cas > de convulsoes, e denticao das criancas, lem
a --L\f elevado o sea bem merecido prestigio,
e <: je j se pode dizer qne estao geralmeite con-
ce'""jados, e estimados de innumeraves pais de
f ; 'as : de nns porque do uso desses salntares
cobres virara salvos do perigo sens charos fllhi-
c; e de oniros porque colheram daqaelles t5o
p- iuo exemplo para igualmente preservares
eus. As9im, pols, a agoia branca, leudo em vis-
tas i ulllidade eproveit" desees prodigiosos cola-
re: -nodinos oo Royer, mandn vir o aovo serti-
n>e::c que agora receben, e contlDoar a recbe-
los para que em tempo algum a falta delles possa
s :' -.uesta aos pais de familia, os quaes flearo
cer: de os achar constantemente na rna do Qnei
m?':. loja d'aguia branca n. 8.
im \s mmm
A loja rpcf-iu estas eintas, qne nma eoosa inispeosa-
vel a qoalqner-senhora ; consiste toa utilMade em
sospeoder a vontade a na por mel de cord5es,
em enjas extremidades eWao presos eeWketes qne
se pr-ndem a-pQardapisa do vestlo
2J500 cada cinU

* 1 '
Farinha.
Vende-e farinha de mandioca em saccos-gran
des, recentemenie cnegada do Rio de Janeiro : na
ra de Apello n. 30f escripterio d Carvalho & Ho
guelra, on no trapinie do Cunta.
n*m\ iakata.
4j|OOO! com acco
Saceos grandes de boa farinha e reduzido preco
de ii : na ra da Cadeia n. 57.
' tf '"' '' '
Linguas.
Ctiefiramas mdrfOO'fierioresdo-Rlo Grande do
Sol que se vendem por iO ts. : na rna da Cadel
B.S3.
Wassa para fogri, a ?00 r=. n. 151.
/.LizAEirrs
Tinta Inalteravel
Para escrever
de P. N.41RER i Ca.
PERNAMBUCO
Esta tinta recommenda-se pela sua com-
posicad e fluidez como a melhor e a mais
segura de todas as tintas at hoje conheci-
das. Nao ataca as pennas de ac, d at
tres excellentes copias, mesmo muitos dias
depois de escrever, e preferivel a qual-
quer outras tintas particularmente para
livros de commercio, documentos etc de
que se careca longa conservaca.
J
V vende-se por'de, .Mpt-H? para todo senrtco por w mnlto posv
d-ie amostra com penhor.' sant? : n rva da Cchcfic n. 8S,
Vende-se Da livrari franceza ra do Crespo e ra Nora n. 18 de
blCOS VESpi BRAMOS
A" loja de fazendas de Augusto Porto & C.
11 Ra fo Qu9imado+~H
A' toja \ de faiiffdas de Augusto Porto 4 G, chegaram os mais bellos e modernos
vestidos rseos o bnMados agalha.
Superiores vestidos de binad com mana e capella pan aoiva. sf. l^H
Cortinados bordados para cmea e janelias de lia a adj>.
Celias de seda e de la, atda de cores para camas.
Baldes, espamlhos, lavas de pellica e salas bordadas.
Booros, algerniond e chales de rsnda preta.
Sobreados de panno da don Vistas e capas de borracha.
Grsdenapoles de cdrfs a preto, e aboiv preto de diversas qualidade?..
Enchovaes para baplisados com vestidos bordados qne ba de mais gosto nesle genero.
Filos bordado, de salpicos e lisos, cmbralasVictoriae transparentes.
Chapeos, bonetr. e gorros de palha di Italia para seohoras.
Cnpos pretos de seda para borneas, e chapeos de sol seda inglezes.
Camisas francesas e Inglezas para hornero, meninas e seohoras.
Tapetes pira saifi, piaoo e cama, e dito superior em pega.
AtoMibs de Usts, baratas pols se vende a 480 rs. o covado.
Breanba de Kuho superior em pecibbas da 6 jardas e em pavas grandes d 30 ditas.
N mesma ca^a se vendem sempre as melbores e mais baratas
EsteiW dft kdia para for ar salas
. Il-Rna do Queiniado-ll
3 Rna da Gloria, casa
O Dr. Lobo Moscoso d eonraltas gratuitas aos pobre todo m'm d*s 7 s n
ooras da manbao, edas 6 e meia s 8 horas da norte, Meafoio dw dia* garrtifleado,
. Pharmacia especial horepadAiea
No mesmo consultorio ba sempre o mais approprfado sqrtimento de oarteirat
ttbos avulao, assim como tioturas de varias dyfltoaaifeactteS e pelos precos airiruAc-
' Carteirs de 12 tubos grwues. UOOQ
* de 24 tubos grandes. tWOOO
> de 36 tubos grandes. 240060
de 48 tudos grandes. 36J900
de 60 tubos grandes. 354000
Prepaw-se qualqaef csrtera conforme o pedido que se fliF, e con os remedios
que se pedir.
Um tubo a val so ou frasco de tintara de meia oves 44GOO.
Sendo para cima de 2 custarSo os pfecos estabelecidbs para as carteiras
Ha tobos mais pequeos cada um a 50O ris.
IIVMOS.
A snelhtr obra da homeopathia, o Manual de Medicina rfotteopathico do Dr JarS
dtousgreades volmies com diccionario *...... unnh
Medicir domeitict df> Dr. fefing TrSnr*
Repertorio der-Dr. Mello Moraes.........'..' So
Rccionario de termos de medicina......... a^aoft
Os remedios deste estabelecimento sio por demais conhecidos dispeosam oor
tanto de serem novamente recommendados as pessoas que quizerem usar de remedios
verdadeiros, enrgicos e duradores: ha tudo do melhor que se pode desejar tobes de
rerdadeiro assucar de leite, notaveis pela sua boa conservaclo, tintara dos mais acredi
tados establecimentos europeos, a mais exacta e acurada preparado, e nortanto a mainr
energa e certeza em seus efleitosV
Casa de saude para escravos.
Recebe-se esenavos para tratar de qualquer enfermidade oa fazer-se-lhe analoner
operario, para o que o annunciante julga-se sufficientemento habilitado.
O tratamento o metbor possivel, tanto oa parte alimentar, cono na medica
(unecionando a casa ba mais de qoatro annos, ba murtas pessoas de cojo conceito se nao
pode duvidar, que podem ser consultados por aquees que desejarem mandar seus
doeases.
Paga-se 2$ por dia dorante 60 dias e d'ahi em diante i 5560.
As operares sero previamente ajustadas, se nao se qazerem sajeitar aos orecoa
razoaveis que costuma pedir o annunciante.
AIUIlKEn I1E l\/J\IM^
M
CUSTOIIIO VIHVII.HO
27 RDA DO QUE'IMADO N. 27
MadapolSo francez muito fino, tendo pouco mofo, cada
iO^OOO.
Laa de cores 800 rs. o covado.
Cambraia francs a 260 rs. o covado.
Finos ergsodisa preco de 800 rs a vara.
Lencos brancos para algibeira a 2-500 a duzia.
Fin is perclaras a preco de 400, 440 a 560 rs. o covado.
Ricos cortes de lSa de barra de i03 a 30$000.
Chales de fil preto e outras muitas fazendas.
peca com 27 varas por
, 0 castello de Grasville.
Tradnxide do francez por A. J. C. da Gris.
Vende-se este bello romance em quatx
tomos pelo baratissimo preco de 3|}00C
na pra?a da Independencia, livraria os.
6e8.
Frameisco Jos Germano
RA NOTA N. 22,
acaba de r'eceber um lindo e magnifico sor-
timento de oculos, lunetos, binculos, do ul-
timo e mais apurado gosto da Europa e ocu-
los de alcance para observares e para o
martimos.________________________
Tasso Irmos
Vendem no sen armazem roa 4*
Amorim a. 35.
Licor uno Cnracio em botijas e meias botijas.
Licores finos sonidos era garrafas com rolbas da
idro e em lindos frascos.
VinhosCberes.
Santernes.
Cbambertin.
Hermitage.
Borgonbe.
Champagne.
Moscatel.
Reino.
Bordeaux.
Cognac.
Od Ton.
PAezel lagniol.___________
No armazem de lazendas
baratas de Santos Coelho
Rna de turimado n lo.
Vende-se o seguinte :
Lencoes de bramante da um s panno pelo ba-
rato preco de 34200.
Ditos de panno de llnho a 2J2O0 e 25GQ0.
Cobertas de chita da India a 2*400 e 2*800.
Lencos de eambraia brancos proprios para algi-
beira a 29000 e 2*200 a duzia.
Ditos de eambraia de linho fino a 4*300 e 5* a
duzia.
Amainado de algofo branco a 2* a vara.
Bramante de linho floo com 10 palmos de largu-
e capellas de muito gosto para!a 2**X> >
Panno de linho fino com 9 i]2 palmes de largu-
ra pelo barato preco de 2*400 a vara.
Bramante de linho Qqo de urna largura, pelo ba-
ratissimo proco de 800 a vara.
Toalbas de linbo acolcboadas para mos, a 13*
a duzia.
Ditas felpadas a 13* e 19* a dozia.
Guardanapos de sjuao a 3*300 a dozia.
Flaoela de todas as cores para coeiros, a 880 rs.
o covado.
Tarlataoa de cores a 800 rs. a vara.
Baldes de 3S arcos 3*300, de 40 a 49.
Cambraia de linbo fine a 43500, 6*500 e 98 a
vara.
Cambraia para forro de vestido a 1*700 e 3* a
Pecas de bretanha de rolo com 10 varas, a
Peca de raadapolo fino e largo a 79.
Laazioha lisa de coras a 500 rs o covado.
Pecas de eambraia branca de salpicos com 8 e
meia va jas a 4*800.
RiqiSSimOS adsrocos^COtOS, assim como f Coeiros de casemira bordados pelo Uratjsaimo
Novidades do Vigilante
RA DO CRESPO N. 7.
Este estabelecimento apezar de sempre
i se achar bem sortido como todos sabem,
i hoje mais que nunca, n3o s pelo que rece-
be de sua propria conta, mas tambem pelo
que recebe de consignacSes; parece sem
duvida i}ue deve offerecer grandes vanta-
gens para o respeitavel publico tanto em
precos como na escolha* dos objectos, e co-
mo acaba de chegar grande remessa pelo
vapor Douro e o navio Solferino de
diversos objectos de gosto e proprios do
tempo dos quaes se menciona rao alguns,
por n5o ser possivel mencionar todos. O
dono deste estabelecimento espera a pro-
teegao de todos.
Riqnissimas caixinhas ornadas e com
msica propria para um delicado mimo.
Caixinhas de msica tanto de veio como
de corda.
Ricos porta joias e necessarios.
Riquissimos estojos a feitio de um baasi-
nho ou chapeuzinho.
Ditos em casca de noz e de outr*os gostos.
Leqnes de madeperola de sndalo e de
faia e madeira.
Chaposinhos e touquinhas de muito
gosto para criancas.
Meias e sapatinhos de seda para as mes-
mas.
Meias de seda para senhoras.
Capellas e grinaldas de flores proprias
para casamento.
Enfeites
senbora.
Riquissimos porta boquets.
Roquet de flores com urna borrachiuha
com cheiro.
Luvas verdadeiras de Jovin.
Ditas de seda e de Escocia.
Riqnissimas plumas e goarnicSes para
enfeilar chapeos.
Contas e tubos de ac branco, que-ha
muito se desejava para enfeites.
Brincos, fivellas e cruzes de crystal.
Fiveilas e cruzes de tartaruga, madripe-
rula e dourados.
Alfinetes para grava tas.
Rotoes com croas para punhps.
Cravatinhis e mantinhas de muito gosto,
tanto para homem como para senhora.
caixinhas com alfinetes pretos.
fe*
muitas qualidades, assim como chicotinhos.
Riquissimos peales de tartaruga do utu-
mo gosto; assim como de arregaco para
anana, pois oeste artigo ha um completo
aortimeaUs de todas as aaiilissiki.
Diademas para cabeca do ultimo gosto*
Riquissimas fitas lavradas lisas.
Trancas pretas am vidrilho de cores.
Pulseiras tanto para senhora como para
maainas.
Ligas de seda e de algodao.
Susjpensorioi de seda e de atfolao e mui-
tos outros objectos que se nJo podem an-
BUQCiar por nJo se tomar eafaiaaho.
S no Gallo Vigilante rea do<3repo n. 1.
>reco de 9*.
Est<
steira da India propria para forro de sala da
Bengallas de canna com cabo de marfim.. *, 5 e 6 palmos de largura.
Ditas de bateia, borracha e de outras Cambraias finas de cores miadas a 360 rs. a vara
Neste armazem tambem se encostra nm grande
sorlimento de roop? '.~.',-.i uor medida._______
' Vende-se nma cama grandeile armaco, de
jacanrad quasi toda massica, s tem foliado as
barras; obra bem feita e de nauta duricio;
assim como urna mesa elstica de mogno, tudo
novo; qoem pretender dirija-se a ra da An/ora
n. 58 casa de marcineiro.
Farinha.
No armazem de Vicente Ferrelra da Costa 6
Filho junto ao arco da Cooceico, rende-aa supe-
rior farinha d nuodioca niUmamopte chafada,
-tfta i'qnalrti oa' cinoo trropie da
peso, pelo baratlsalaad .trae Jje 6* o saecb.
Panno de alodio da Babia, proprio para
saceos da.aaasaar 1 etapa djwWvas ; tempera
vender Aatosio Lmi d Oliwira *aa*o & C.. no
ieu esefipiorio ra da Croa *, |.
' f



mm

t
juiO



.
I
fteguatda eir 4 de janh* de 1866.
>'' ""
v/
MACHINAS AMERICANAS
VerdadflrM de fabricante N. Y. Caattoigla C.
Mobbos americano pira moer milho,
farua Nova n. 20 e 22, grande deposito
das verdadeiras machinas americanas de todos
os fabricantes; se en con ira neste deposito
grande porca"o de machinas, e se vendem por
menos precn do que em outra qualquer parte,
por se receber em direitura da America; se
fornece todas as explicacoes necessarias ao
das
Aspas fortes para boloes.
Na roa do Queimad lojade miudazas n. 16, ven-
de-se aspas de ajo'fortes, e de dlfTerentes larguras
para balfies.
Bonitos, quadros para retratos.
Vendem-se na roa do Queimado leja de miode-
zai d. 16, bonitos quadros. coja mprura preta. e
degrada, todo* por" presos rasoavels.
Garrafas brancas
e de cores com superior agua da. colonia.
Vendem se na ra do Queimado, loja de miude
10.16.
Novo gosto
Pentes, Qvelias, e brincos de feliirrana.
A amiga e bem eonbecida loja n. 16 na rua do
Queimado, recbeu um sortitneoto de diversos ob
tu
comprador para conservado das mesmas;
neste grande estabelecimento se encontra mui-, jeitos de novo e bom gosto, sendo pentes brancos e
tos rticos americanos, qae muilo deve agr-: dourados de mW entecamente novos e mui a-
tlar ons 9arirnltnrfl iiip iiam re tapq artiffns Pr'avels.lendo enlre elles ^os de filigrana obra
tr os agricultores que usam ae taes arugos, e.mailQ goslo p tiMl eMCUco, e bem assim fl-
OtKoatra-se tambem todas as COlleccoes de de- vellas e brincos as mesmas cirenmstandas.
senbos sobre os quaes se aceita qualquer urna Tambem recebeu alguns cintos oqnedemais
encommenda, qae com promptid5o ser execu- moderno e bonito, sepode encoatrar em tal gea*ro.
Alm disso encontrarao os ptetendeotes um corn-
uda nPtA orande AlahfllftfHHflntn Pnrnn- A,e,u 0ISS e"01 os preienoenies um cuiu
lada, neste granae estarjeiecMBen, encon- pleU) sor,menlo de flvellas 4e madreperoia, ehrls
trt-so em grosso e 8 retamo, gnnde porcao tai,; tartaruga, e acurados, unaoos de cbhsiai, e
de ferragens, emiudezas que se vendem por preco commodo, pedindo-se a attenco jai>e, voltas e crozes deditoemutio&ouirosobjec
de todos para este estabelecimento que muito lucrarn em fazer saas compras: na
HUIDO/
45 htm Direita 45.
A primeira cndilo indispensavel con-
servaco da atde trazer os ps bem de-
fendidos contra os ataques da bumidade;
calcado bom e seguro o nico preserva-
tivo dessas mil enfermidades a que est su-
jeito o nossoeu. Um chnelo velho cai-
ra tiaioo'cwado,sIds" Wdos'gostosalMdo por um daody patuscante, ou urna
240,320 e 400 rs. covado. Ra da Imperatriz lo botina acalcanhada em pequenino p de en-
a e armarem do Awa n. 56. cantadora deidade alm de acensar que-
Melodiques de laa para vestidos a 400 bnBn horripiIante) prova Contra as f4ca.
Vndese orna noKa* por neme melodl- **^ \tellectuaes dos calcantes, e nao ha
I qoes toda de 13a para vesrldos a 400 rs. o covado, JOn> tendo bom S6BSO, queira passar por
ou pobre de surro : ergo, cor-
Grande loja
Armazem da Arara rna da Im-
peratriz n. 56.
PE
Looreice P. Meodes Gnimares.
O proprlelrto desie elafe*leclWn,nto receben pe-
lo ultimo vapor e Europa ditersqoalidadee de
fazendas para restidos de senhora.
Sedas de cr$s a 1(5500 o covado.
Vende-se sedas de cores para vestidos de senbo-
rua Nova n. 20 Carnero Vianna.

FABRICA
NACIN Al
DE
YIDKOS





>
i itvyuju
Estabelecimento na ra da Uniao n. 11
PROPRIETARIO MAROEL LOMBOS.
No deposito, roa doCarmo d. *3, existe um grande, ortimento de vid ros e crystaes, que se
vendem por precos mais baraioi do que em qoalquer parte : frascos de 1 at 8 libras, cocea larga e
bocea estreita ; copos de 6 cortes, de mela oltava at meio qoTlHUo ; ditos de 10 cortes le ns. le ;
globo para lampeos de kerosene, lamdos, lapidados fuscado; ditos para candleiro de gai; lam-
peoes de kerosene grande* e peqtww, lamparinaa de metal; vasos para confeltaria com p e sem
elle, grandes e pequeoos : cbamios para lampdes de kerosene de todas as -dfmen?5es ; compoteiras
moldadas de corles largos, escarradeiras de cores para salo, ditas de mao com aza, pequeas ; vento
sas e bicheiros, calixes moldados,conos lisos para agua e vinbo, pratos moldados, redomas, garrafas
para vinho e agua, grandes e pequeas, ditas para Leoy, ditas para licores, ditas para minas, ditas
para agua de Colonia, ps para planos, brancos e de cores ; tubos para machinas a vapor, de crystal;
globos com goarnico de metal amarello, maDlegwrfras de vidro, vidro avalaos para galheleiros lapi-
dados, vidros para lampadas de igf*)a, atteUs para missa, ditas para palheteiros, mangas para cas-
ticaes lisas lvradas e lapidadas; lampeoees de 4reda para kerosene, ditos de peudorar; copos gra-
duados de 1 ale 16 oocas para pharmacia, garantiodo-se a exactidao da medida ; vidros para peixes
com p* e sem elle, acocenas para astcaes, cbamios para lampeSes de arelte, ditas de cores para llln-
minaooes, vipros para agua forte com rolba. Conaaram-se vidros e crystaes quebrados.
O deoosito deeu fabrka em 4>roambuco oa roa da Imperatrlr n. 19, onde existe constante-
mente chamins para candieiro a g&z de ns. 2 e 3 a 320 rs. e de n. 1 a 400 rs., lamparlnas completas
a 24, lampeoes completos a 7* e 8, escarradeiras de c6res a 24890 o par, pralos para copos d agua a
300 rs., copos de dea cortes a 600 rs., globos lapidados e lavrados para caodJeiros a gax a 14800. O
proprietario deste oro eswbelseimalo convida ao respeitavel;publico para que visitera o mesmo, cer-
tos de que oomprarap os artigos iDdispeusaveis a uaa casa de familia pela sua tratela e ntilidade,
principalmente acs Srs. pharmaceuticos pela grande quantidade de frascos e vMros proprios de phar-
macia. Tambem recebe encommendas. O encarregado do proprietario Joao Luii Encrennaz.
tos de gosto, os quaes continua-se a vender commo-
damente.
i Penentes de madreperola, e enfeites filets
I A loja de mindeus na ra do Queimado n. 16,
receben bonitos penlts rt.m ciia-pa dmadreperola,
e nevos enfeites filis ornados de lantejoiias doa-
radas, moedlnhas, aljofares, vidrilbos etc., tendo
grandes para toda oateea e pequeos para coque,
regulando os presos de 34 a 44000 rs.
Bonitas caisinbas
com arranjos dourados para costara, tendo com
musirs e sem ellas. Vtndem^e na rea loQoeJ-
mdo loja de miudezas n. *6.
Trancas pretas
rom vidrilhos, e bicos com ditos e sem eltes para
eafaites ou vestidos.
Na ra di Queimado n. 16 loja de miudezas a-
chareto os pretendentes um bello sortimento dos
objectos cima ditos; cascarrilhas, franjas etc. etc
e tudo esta sendo vendido por precos commodos
Bot8es pretos
de vidro en fe i lados d'a$o.
A loja de miudezas n. 16 ra do Queimado
vende mui bonitos botOes pretos de vidro com en-
feites de ac, os quaes muito se otara'para enfeitar
vestidos, quem os pretender pode dirigirse a dita
loja; n. 16 a ra do Qnerrnado.
Vendem se na loja de miudezas
a rna Bonitos lomees de sndalo e ootrs qnalidades.
Bonitos cintos com fivellas de diversas qnalida-
des e moldes.
Brincos e ernzes de crystal.
Abotoaduras de dito para coltes.
Bonitos port-relogios.
Delicaaas caixas com msica e sem ella, para
costura.
Agalbas e linhas para chrochet.
Hetroz superior em carriteis.

DE
FAZENDA E ROUPA FEITA
uva mova m. si.
Reg & Moura, proprietario da loja de fazendas e roupa feita, sita ra Nova
n. 24, verdadeiramente'penborados e reconliecidos para com eeus amigos e freguezes,
pela aceitaoSo e confianca que delles tem merecido no curio espaco de lempo em que
se achara establecidos e perfeitamente escudados na sincwidade dos seus tratos, decla-
rara para sciencia daquelles que o quizerem honrar com seus officios, que, em visU (k
grande concurrencia que tem merecido o sen estabelecimento, especialmente no que
relativo a roupa feita i acabam de admittir para a sua offielfia de atftriate TBaiOT numero
de artistas, inclusive o seu contramestre, dirigido pelo hbil meslre Lauriaao Jos de
Barres, o qual nao se poupa a exforcos para sattsfazer com & presteza possivel qualquer
?bra de encommenda.
Os mesmos aenunciam aos seus freguezes que acabam de comprar um novo e
muito variado sortimento de fazendas finas e de bom gosto, proprias para lempo da
F baTatissimo! *
! E' baratisimo!
j E' baratissimo!
Ilesl Tmpottante estabelecimento enconua ores-
peinsal i{Mablii:e o um variae soflioMato de fazea-
das franceag, iagjeiAs esuissas, eas quaes se ven-
derlo por preco com mi do a saber:
Chales de renda pieta a 5#500.
Vende-te nm sortimento de chafes de renda pre-
ta ai 54600 e 64, ditos, de seda a 124,144 e 164;
isto na roa dalmperalriz n. 72 de Gnimares &. ir-
mo.
Retonds pretas a 8$.
Vende-se-reteodas pretas pelo barato preeo da
84, 84500 94; aa roa da ImptralrU n. 72, loja
de Guioiaies & lrmo.
Grande pexinclia a 2 o corle. cruus linas a 320 e 400 rs. o covado. Ra da Ikh i maluco,
Vend-se corles de casemira da China a 24000,' peralrlz loja do Arara n. 56. : ram a :
24800,24800 e 34, ditas de brrm a 14280,14400, Arara vende susim para vestido a 240. 4*RA DIREITA-4*.
14600,'14*06 e 24. Vende se nova fizenda susim para vestidos de auniam a' haratPia
E' moito barato, tarlalaoa decores a 240' senhora e roopa 'de mernims 248 rs. o corado, Ud^;
rs o catado -daas a 160, 200 e 240 rs. o covado. Ra da n- nomens.
Vende.se t grande eriinNao^ Urlauaa4e, P^atriz loja do Arara n. 56. Boneguins barcellonezes de lus-
cresnowto- ptoprias para vestido, fazenda mais Tarlatana de laa para vestidos a 240. tre e de porco .
Vende-se larlatana de I3a para vestidos de se-'DJtos de Bordeaux ....
Bhora a 240 rs. o covado, fil de linho a 160 o 00-' nu*,, narisipnsps (\c bc7crm
vado, cortes de chita a 24000. S no Arara, ra | ^L?!" oezerro
da Imperatrit d. tS6.
Laa a traiata a.320 rs. o covado.
Vende-se nova la alraviata paca vestidos de
sentiora a 326 rs. o covado, 56 no Arara todas es-
! tas fazendas aovas vindas pelo ultimo vapor da
moderna que lem vfndo ao mercado a 240 o cova-
do e 260, dims mais finas a 300 e 329, Itaslnhas
e-cwezasajurU) modernas a 3*0 400 rs. o cova
do, dius muito tinas 460 e-600.
Cobertores de algod j a 800.
Vende-se cobertores de algodo a 800 rs. ditos
melhores a 14600 e 14800, cotertas de cbiu a 2*,
?4o00 e 39.
6#000
7^000
80088
Quem duvidar venha Ter. Europa. S^bs lojae.armaiem da Arara, ruada
Cambra* de cores a 240 rs. o covado dwa Boa a' lperalnz n. w.
280ie 320 chitas Oaaf^a.SSOk 800, 320, 360 e 400 Arwa vende cobertores a 1,5500.
rs., ditas percalas a 400 e 500.
Est se aoebando chitos a-460rs. o covade
Vtnde-se cbltas a 160, 180 e 200 rs. o covado,
riscdinhos francezes a 240 e 280 rs. o covado, roa' dajmperalriz n. 56.
Vende-SBUobertores de pellos a 15300, ditos sem
pelo 14000, (berta* de lista 24000, cohertas de
damasco 44000, cobertas de faslao a ojOOO. Roa
da Imperatrlr n. 72,'de Guimaraes & lrmo.
Lengos brancos a 2$ e 2#50'J a dniia.
Ditos unos a 34 e 34300, ditos de linho a 50O0,
545OO, 6 e 74-
Cambra-ia tirana* a If
Vende-se um prande sortimento de cambraia a
34,34500, 44, 4 4500 e 54.
Bales a ~2-\
Vende-se baldes de reos, a 24,,a4300 e 34, di-
tos americanos a 34300 45 e 44500, ditos de rour-
celma a 34, 54500 e 64, ditos puamesinas a 44
e 443OO; isto na ra da Imperetr. n. 72, loja de
Guitearles & lrmo.
a 3#C00 o corte;
a 2&M o corte.
a 3*000 o corle.
Vende-se cortes de laa com 12 covados a 34. di-
tes finos a 34300 e 44, ditos a Murta Pia a 74300
8#. 84500,94 e 124, grvalas toes pan bomem
a 640, 800 e 14000, manas muito Anas a 14200 e
18400; isto na roa da-fraporatri* n. 72, loja de
Gnimares & lrmo.
llendas pretas e bicoscom vidrilhos. lOUpt .IQllU.
filas de velludo com listras de cores para en-
feites de gorros e vestidos.
Ditas de grosdenapoles, lisas e lvradas, brancas
e matisadas.
Para t'iRir cabellos.
Ilond Walter.
Vende-se na roa do Queimado, loja miudezas
n. 16.
Chromaco-mc
Para tinar cabellos. >
Vende se na loja de miudezas, a roa do Quel-
mado n. 16.
Tintura de L. Marques
Qara farer-os cabellos pretos.
Vende-se na roa do Quelmado, a loja de min-
dezas n. 16.
Kissaugas miudas, aljofares imitaui
ac e vid iihos re cores
para enfeites de vestidos; vende se todo isso por
presos razoaveis na rua do Queimado n.l oja 16,
de miudezas.
mmm nmmm.
Os chales do PrSo a 6?5 1& e 85.
Vendem-e ricos chales pretos de mj4a moito
grandes com qoatro ponas, sendo os mais moder-
nos por terem cliegado pelu ultimo vapor francez,
e vendem-se pelo baralsstfno pre?0"de04, 74 e
84 : na loja do PavSn, rua da ImperaUiz a. 60, da
Gama & Silva.
Roupa feita.
Neste importante estaberecimento enecntrarao os
fre|uezes um completo sertmento de rotrpa fetta
assim como palitot, calcas, camisas finas a 146OO,
14800, 24 e 243OO. ditas de linho a 34, 34300, 44
e 443OO, cortes de fcplw, dte* de cawmira de #o-
res e pretas, seruulasifoalfpdao a 14*00 e 14800,
ditos de linho a 24, 24500 e 34.
Isto na rua da Iroperatriz n. 72, lo]a c"e
Guimarars* IrBBSOs.
Laasinbas do Arara a 200 rs. o covado.
Vende-se lasinhas para vestido a 200, 240,320,
400 e 300 rs. o covado, rolarinhos para hornero a
5X0 rs. a duzia. Rua da Imperairiz loja do Arara
n. 56.
Arara vende as cassas a 240 rs. o covado.
Vndese cassas francezas Onas a 240, 280, 320
e 400 rs. o covado. pessas de cambraia de forro a
24OOO, ditas Dua, a 34000,44000 34000 e 64000.
Ba da Imperatriz loja do Arara o. 56.
Chitas a 160 e 200 rs. o covado.
Vende se chitas escuras e claras a 160, 200 e
240 o covado, ditas francezas finas a 280, 320,400
e 500 rs. o covado. percales matisadas escaras a
: 300 rs. o covado, s se vende assim barato o Ara-
ra. S na loja e armazem do Arara, rua da Im-
| peratriz n. 56.
Novidade no Arara.
Algodo a 3-
Vende se peca de algodo encerrado a 3?, i?,
e 65 a dita e 64 e 74. Roa da Imperatriz loja do
I Arara n. 36. *
Arara vende madapolo enfestado a 3500.
Vende-se pecas de madapolo enfestado a3?300,
I 44 e 44500 dit*= de 24 fardas a 44, 54, 64, 84 e
104, rua da Imperatriz loia do Arara n. 56.
cordavSo
Sapato de lona, sola de borra-
cha.....; .
Ditos aveludados.....
Ditos de tranca bons ,
Senhows
Borzeguios enfeitados. .
Ditos de laco ...... .
Ditos lisos......,
Sapatos de borracha ....
Selleiros, corrieiros e segeivos 1
Sola de lastre, meios grandes 20&000
E um completo sortimento de calcado fa-
bricado no paiz.
20000
i:.00
W00
5f.0ti
4M.iO
4*500
i^eoo
G\Z.
No armazem da rna do Imperador n. 3 ou co
Cites de Pedro II n. 2, tem para ;vender-se o me-
nor gaz existente no mercado.
"Vapores.
Vende-se em casa de Saunders Brothers & C
no largo do Corpo Santo n. II, vapores patentes
com todos os pertences proprios para fazer mover
tres oa quairo machinas para descansar algodo.
m
Escravos fgidos

.
ogos
de (frtifitro
Ha grande porco de topos de artificio na conhe-
cida fabrica da viuva Rutioo, -o qnal vendido por
commodo preco, e como seja penoso ir l pela dis-
tancia, as pessoas que quizer.m fazer suas encom-1
metidas para S. Joo e S. Pedro, as podem deiiar
noarmarem d bola amarella, no oito da secre-|
tarta da polica, onde ha vera' om portador para
h" fcuscar e levar ao lugar convencionido.
Escravo fagido.
Do engenho Serigi, freguezia de Goianna, fugio
o molatinho de nome Raymundo, com os signaes
sv'guintes : cor clara, cabellos nem crespos nem
pegados no casco, altura regular, pernas um tanto
arqueadas, tem tdos'os dentes, est com o rosto
coberto de pannos pretos, e costuma fumar muito:
quem o pegar leve-o a sea sennor naquelle enge-
nho, ou a Msnoel Ignacio de Ullveira & Filho nes-
ta praca, largo do Corpo Santo n. 19, que ser
bem recompensado._______________________
SOOjji de gratificaeao,
Em 31 de outobro do aono passado, fugio a es-
crava Claudma, cabra alia e seca do corpo, que
pertencea ltimamente aosIllms.Srs. Jos Joaqcim
da Silva, Manoel Mam icio de Sena e D. Mariana
Ignacia de Castro e Silva que a vendeu a Jos Ma-
tbeos Ferreira que pagar 2004000 a quem lbe
entregar dita escrava na rua da Cadeia n. 62.
ATffll
Francos de bobea
larga cora rolhas de vidro de 1
a 15
Passarinhos mgicos.
Cantan c nao eomem.
Na rua do Quelmado, loja de miudezas o. 16,
veodem.se a 300 rs. esses bonitos passarinhos m-
gicos qae caotam e nao comem, e ser*nj nrai bem
libras.
Vende-se
na rua larga do Rosario n. 34,
lomeo <5C
botica de Bartho-
4os agricultores
Saunders Brothers <& C. acabam de receber de
Liverpool vapores de torca de 3- a ,4 caaallos com
todos os perteuces, e mnl proprios para faret mo-
quaresma, as quaes esto dispostos a vender por precos muitoommo que em outra qualquer parte. Cassas de cores
Como sempre escusamos essa enfadonha prolixidade dos anrrancios bombasti- pechinfihai porqlie sSo 8aas e bons padro>,5 e
eos; preferimos mostrar na singeleza deste nosso convite os bons desejos que nutrimos i raeibor alada o dimmnto preco de 280 rs. o cova-
para bem servirme* quelles que vierem ao nosso reclamo.
para divertimento de criaucas e senioras, fl mes- ver machinas de dupcarocar algodo, pudeodo rada
i do : na Boa-vista, roa da Imperatriz n. 20.
vapor trabalbar ate com 140 serras, tambem ser-
ven para enfardar algodo un para outro qoalqoer
servido em que usam trabalhar com animaos. Os
mesmos tambem tem a venda mucamas america-
nas de 33 a 40 serrar : os pretendemos dirijam-
seao largo do Corpo Santo o. 11.
(Grande armazem de tin-
| tas-medicamentos etc. B
\ Roa do Imperador b. 22.
4o Pedro da Meves (gc-
\ reate) tem a venda e *
seguate: %
I Productos chimicoe e pharma- f0.
g ceuticos os mais empregados em J
s medicina. M
J Tintas para todo o genero de pin- Z
tura e para tinturara.
Productos industriaes e tintas B
| para flores, como botes de flores ^
| e modelos em gesso para imitar ^
| fructas e passaros com o compe- a
5 tente desenho.
| Productos chimicos e industriaes *
1 para photographia, tininraria, pin- M
I tS3K2"* ocpoI, o RS S *'em no dia 22 de dezembro de 1865 i
| Montado em grande escala e sup- ^ mtii de ioannos de Made, com os signaes se-
I prido directamente de Paris, Loo- j^ guintes : parda clara, de estatura baixa, magra
I dres, Hamburgo, Aovara e Lisboa :'
Desappareceu desde o dia 2 do correte m?z, a
preta Viclorina, crioula, idade 26 annos pouco
maisou menos, tendo os signaes seguintes : altura
e corpo regular, rosto redondo, tem o andar moito
apressado, levoa nm vestido de chita escura j
usado, chales de l encarnado, esta preta foi es-
crava da Exm.' Sr." D. Maria Candida Salazar da
Veiga Pessoa moradora na rua do Hospicio, consta
que anda pelo Cacbaog a vender fructas : quem
a pegar leva-a a rua do Crespo n. 18, segando an-
dar, qne sera' recompensado.
g pode offerecer productos de plena
t& confiaica e satisfacer qualquer en-
commenda a grosso trato e a reta-
$5 lho e por preco commodo.
roslo ossudo, olhOs encovados, falta de dentes na
frente, cabello crescide ; foi escrava para o lado
de Panlista, porm jolga-se ella andar mesmo pelo
Becife, Afogados ou seas arrabaldes; roga-se, por-
tante, as autoridades policiaes e capiles de campo
deapprebende la e leva-la a' rua a Cruz n. 22,
! botica franceza, qno se recompensar generosa-
] mente.


i
.

V

es:
. a

DOS PREMIOS DA 16. PARTE DA LOTERA CONCEDIDA POR LE PROVINCIAL N. 605. A BENEFICIO DAS FAMILIAS DOS VOLUNTARIOS DA PATRIA, EXTRAH1DA EM 2 DE JNHO DE 1866.



*7P
8
DI arte le rernamhae ... rgnada lelra 4 e Junho de 1868.
LITTERATRA.
l'M POLCO DE TUDO.
Damos ao conbecimento dos nossos leitores as
duas segainte8 carias:
Exro. Sr. Antonia Feliciano da Castilho.A'' pre-
seuga de V. Eic. vimos nos, voies obscuras no deja, se felieite.
Para esta, nao sei se utopia social.
o vos, senbores, e s por isso lbe queris tanto, e (em quanto dura, val o tea contagio produzindoma-
eom taes brados o estorcaes I
A saa Roma, Roma incruenta e gloriosa, Roma
para as conquistas immensas, sem a mnima usar-
pagSo, verdadaira Roma do verdadeiro Jpiter p-
timo mxime, o poro que se deve aliuraiar cada
vez mais de da para dia, para que de dia para dia
se humane, se melbore, se christianise, se engran-
curo universal dos seus admiradores. Nunca o
opuiento* idioma que, por nossos avs, commum
as duas nago"e3 irmas de ambos os heraispherids,
ev sabio, ameno, variado, numeroso o magistral, do
qne na pessoa de V. Exc. Seja na penna do pro-
sador, seja na lyra do poeta, nao conhecera jamis
a Imgua portugueza estro capaz de luctar com Y.]
Exc, senao Y. Exc. mesmo, cujas obras adraira-
veis bastaran para eternisar o formoso dizer lusi-
tano, se jamis o volver dos tempos aspirasse
coademna-los.
Todos, e cada um de nos desde o oso da razio,
nos costnmamos a venerar, tanto por suas quallda-
des moraes, como pela inattiagivel altura de sua
inteligencia, ao mestre nos todos, aquello, cujas
paginas tem deliciado, instruido, Ilustrado os seas
contemporneos,
Nao sabemos pois exprimir se maior Coi a dOr
ou a indignadlo, que sentimos, ao lr que ans
amcebos obscuros, arrastados pela vaidade e pela
inveja, baviam ousado apedrejar orna das maiores
glorias de Portugal, e que o Rrasil por Untos ttulos
acolhe como se osse saa.
Porra, Exm. Sr., ser injuriado por taes boceas,
receber o ultimo sello do mrito superior. A obra
dos demolidores sociaes essa mesma: abaixar os
grandes vultos de seas pedestaes, mutila-los, deca-
pita-los, para os rednzir s proporcoes lillipntianas
dos proprios demolidores.
Quera sao os inimigos de Antonio Feliciano de
Castilho1? Sao os inimigos. confessos e ostentosos
da Deas, da igreja, do sentimento de amor da pa-
trit, das trras -.nde falla o idioma portuguez, das
instituicdes, dos soberanos, das fontes do bello na
Grecia e Roma, dos modelos dos nossos classicos,
do ludo quanto, em Qm, ou os secnlos nos bao
legado de venerando, ou o consenso unnime da
actual e Ilustrada generaco proclama digno de
nossos respeitos.
Se os revolucionarios separassem Y. Exc. de
lito alta corapanbia, derramando-lbe elogios, em
qaanto enebem de improperios quanto ha mere-
cedor de reverencia, ento e s ento devera V.
Exc. dar-se por infamado.
Esses pobres mancebos, exasperados por ver que
ante V. Exc. retnmba nos ares, ha maitos decemios,
olo triumpbo Iao general victorioso, ja nao
podem sabir at Ihe caspir na tnica plmala pre-
sendem imitar o escravo ebrio, que atraz do crr-
ebarneo a, com ademes, de energmeno, insnlo
tando a quera era alvo dos applausos ooiver-
taes. Despreze-o, Exm. Sr.; j chegado ao clivus
capitolinus, e seu nome em lettras de ouro nin-
guem ser dado risca-lo dos Fastos trtumphaes da
i literatura do nosso idioma. Oa antes, vingne-se
V. Exc. continuando cada vez com maior brlho a
opulentar-nos com saas inexbauriveis riquezas
para qae anda Ihe devam mais, duas naedes que
ja tanto Ihe devem.
Receba Y. Exc. com benigoidade os ardentes
votos dos seus admiradores por sua dilatada vida e
continnas prosperidades.
De V. Exc.
Sinceros apreciadores e criados.
Recife, 10 de fevereiro de 1866.
lllrns. e Exms. Srs.Parece-me que nao pode
haver maior gasto logo abaixo do amar, que o sen-
t rmo-nos amados.
Foi este o qae Vv. Excs. to generosamente se
comprouveram de me dar na saa forraos* allocu-
jio (poderia chamar-lhe apotheose) datada de 23
de fevereiro deste anno.
Be>jo a Vv. Excs. as mos, tanto mais entranha-
daraente agradecido, quanto mais viremos aparta-
dos e qaasi estranhos, apezar do commum da nossa
estirpe e das no>sas glorias seculares, dos nossos
sosturaes e da nossa correligiosidade para com o
bello, o bom, e o verdadeiro.
Romeiro doslugares santosque taes conside-
ro eu as escolas primarias, ainda boje e por toda
parte em poder dos fiis, duas vezes passei sem me
poder demorar seno poucas horas por essa trra
do Recife e de Olinda to potica de natureza como
de nome, tao illustre pelos seus grandes bomens
pretritos como pelos actuaes, e to bospedeira
pelo trato como pela amenidade de cu e solo; mas
nessas poucas horas colhi saudades para, toda a
vida; saudades que j l me teriam levado ontra
vez
me si fata meis paterentur ducere vitam
auspiciis...................
Sim, meas senbores meas Ilustres e carissiraos
cenfrades I o affecto que Vv. Excs. me testemu-
nhara corresponde ao que eu tributo j de multo
ao= moradores desse paraizo transatlntico; assim
eu podesse expressarvo-lo agora, que m'a accres-
centasles com tantos incentivos para a gratido,
que oecessaramenle ba de flear muda.
Ainda mal para raim que a opulentissima corda
que me tecestes e com to apraziveis flores mali-
zastes, nao pode deixar de ser desfeita a ramo e
ramo pela mo inexoravel da consciencia.
Onde o enthusiasmo do amigos, consocios e ir-
raaos vos figurou eslardes vendo um triumpbador
j no divo capitolmo, existe apenas, se a mim pro-'
prio me nao engaa a vaidade, a sombra de um
Cmcinoato emboscado na cultura do sea torriosi-
nbo, que anda nao alcancen victoria algama, dado
lbe nao fallecam espiraos para pelejar pela venta-
ra da saa Roma, para arriscar e deixar lado por
servi-U,se necessario fr.
Qual seja a Roma deste pobre trabalhador sabei.
se profeca
religiosa, ouse cubicar aotes de todo que se des.
bravasse a gndara millanaria, safara, maninba e
empedernida da plebe, riqaissimo solo e sabsolo
das nagoes, onde a luz, os fluidos subtis, o as in-
fluiges do cea nunca chegaram.
Mosirei como da escola tradicional, Instrumento
roooeiro, pesado, intil, nocivo talvez, se poda a-
zer sem nenhura eosto, urna charra a vapor, de
ralbas inumeraveu, de movimentos facis e bar-
moniosos, que lavrasse, adubasse e semeasse ao
mesmo tempo e multissimo.
Era ( e ha da ser I ) a abolido da escravatara
pueril (sinita prvulos venire ad me.)
Era (e ha de ser I) o evangelho terrestre, a boa
nova de amor para os coraedes das rais.
Era (e ba de ser I) para o povo servo da igno-
rancia, o prloeipio das liberdades que a philoso"
pr.ia invoca e prometa de balde ba untos annos.
Este ensino ridante as apparencias, e no inte-
rior, o mais serio, a to fcil que basta o querer-se
para o haver as raaos, a to amorestodo lie, que
chegar por-lbe os olbos abraca-lo, este ensino,.
nao fracto de setnela a raro engenho, mas s da
boa vonude e do trabalho perseverante, este qae
o mea poema, os meas Lasiadas, o qae me ha de
sobreviver, o nico pelo qual j pode ser qae o
mea nome afestoado de saudades nao esqueca-
Depois do bom, o bello. Cincinato pode culti-
var tambem um jardimsinbo.
A litteratura e a poesa, delicias minhas de mel
secuto, nao puderam receber de mim, por mais
que a vossa imaginaco naturalmente bondosa vos
finja o contrario, se nao escassar a muito impar fei-
las homenagens que bem pouco valiam a pena d
ser praguejadas de Invejosos.
Mas se, poeta no interior a para mim mesmo,
nao iogrei peodurar jamis a minba lyra nos Iou-
reiros altos, o muito menos arroja-la para entre
as constellagoes, d'onde ficassem brilhando repart
sempre a boa mente e com mo larga o tracto do
mea grangeio estudioso e as observaos da miaba
experiencia quelles a quera, s por terem encela-
do a carreira depois de mim, me parecen qne nao
devia denegar esse beneficio embora nao pedido,
embora at nao desejado.
Derrame! pois aos qae sappaaba carecentes del-
les, os conselbos, os dictames, os aforismos que dos
mestres antigos e dos grandes seclos das artes re-
cebera, que o proprio uso me eosinra tambem, em
que a reflexo me confirmara e em qne oa meas
t/opegos e quedas me baviam feito advertir para
os assignalar em roteiro aos inexpertos que a pos
vlessem.
Vi nascer e ir crescendo tendencias desgranadas
e vergonbosas no tocante ao gosto e at ao sizo, ao
saber e at a probidade ; cale os nomes dos colpa,
dos, mas os mos exemplos que aspiravam a arvo
rar-se em doutrina, esses forcejei para os repellir,
para os esconjurar como pblicos maleficios qae em
verdade eram.
Disto em que tambem nao havia se nao rauito
amor, provieram os odios e os improperios.
Bemvindos sejam ellas por tal prego e dobrados
que fossem bemvindos e bemditos, por que a nma
suscitaran! a altengo geral para as coasas da arte
que ameacavara ir-se desmandadas de foz em fora
e a outra por que rae carcaram mais demonitra-
goes de estima da parte dos entendidos e honrados
do que eu j mais imaginei possiveis nos mens so-
nhos de vaidade, qnando por ventura os tinha, a
4 qae liaba, ia na idade a que tudo se releva a
conta da ignorancia.
Mas se o favor unnime dos sabios, meus con-
terrneos, me commoveu a maravilbou, que drei
eu do vosso de to longe, tao espontaneo e* to ex-
cessivo I Direi s qne mais vos engrandece vos
do que a mim mesmo, pois o que daqui se liquida
a final, que v3 outros prefizestes urna clara fa-
canha de vingadores, em quanto eu nicamente
sou e he i de sempre ser um homem de bons de-
sejos.
A mlnba carreira, senhores, esta pelo fim.
Para mim saperfluo esforcardes-me ja' agora :
Salve senescentem..........
Como o Entelo nos jogos fnebres de Ancbises*
se algnm dia combat, apraz-me assistir sentado aos
t-x. i cicios dos combatentes.
les ir resarc veis.
Alerta pois l e c 1 o perigo commum. Pre-
servemos a Uogaa, a litteratura e a poesa da de-
cadencia opprobrlosa a que no-Ia-bam expondo.
Essa voto flz ea e bei de camprl-lo na miaba pe-
quea parte. Vos qne assim me approvastes e ga-
lardoastes as intengSes, envida! no mesmo empe-
nho todas as vossas Jorgas, ja qae Untas pos-
sais.
Permitti-mea honra de me assigoar de Yv. Excs.
Illms. e Exms. Srs. Dr., Pedro Antran da Matta
Albnquerque, monsenbor Joaqaim Pinto de Cam-
pos, Dr. Joaqaim Jos de Campos, Dr. Joo Jos
Pinto Jnior, Jos Bento da Conba Figaeiredo J-
nior, Dr. Jos Antonio de Pigueiredo, Dr. Antonio
Herculano de Souza Baodeira, Dr. Jeronymo Vil-
le de Castro Tavares, Dr. Vicente Pereira do Re-
g, Dr. Antonio Joaqaim de Moraes e Silva, Ber-
nardo Pereira do Carmo Jnior, Jos Honorio Be-
zerra de Meoezes, Dr. Jlo Alfredo Correa de Oli-
veira, Dr. Hermogeoes Scrates Tavares de Vas-
concellos, J. inij Ribeiro da Canha, Joo Hyrcano
Aives Maciel, Dr. Prxedes Gomes de Sonxa Pitan-
ga, Dr. Tristao de Alencar Araripe, Dr. Joao Jos
da Silva, Dr. Francisco Pinto Pessoa, padre Joa-
qaim Graciano de Araujo, Francisco Telxeira de
S, Dr. Jos Bernardo Galvao Alcoforado, Dr. Ga-
briel Soares Raposo da Cmara, Pedro Alfonso
Ferreira, Dr. Cypriano Fenelon Gaedes Alcoforado,
Miguel Jos da Atmeida Pernambnco.
Respetoso eonfrade e servo para sempre. e ob-
gadissimo
Antonio Feliciano de Castilho.
Lisboa, 23 de fevereiro de 1866.
Segurado o vosso exemplo quero flear applaudin-
do os esforcos albeios.
Nao faiUm boje aquem e alem mar, as bem
fadadas trras da nossa llngua, engeohos que lu-
tem com justa rivalidade e a quem mesmo venci-
dos se devam palmas
E' para esses que ea volas peco : ellas, todos
as devemos.
Vive Dens I qae nanea hoave era mais abundosa
do que esta se vai mostrando de bons e ptimos en-
genhos I E' por isto mesmo qae mais abomina-
vel, qae mais sacrilego se torna o acinte systemati-
co dos depravadores qae nao pagos de se perde-
rem a si, querem, como os anjos orgalbosos, arras-
Ur os espiritos de luz na saa queda.
Creio firmemente qae a peste do falso, do lami-
do, do abstruso, dos fogos ltaos, das argucias im-
pertinentes, das ideas em kaleidsopo, das abun-
dancias indigentes, das immoralidades tontas, das
grosserias inspidas, das erudigoes ignorantes, a
das aiada mais ignorantes profecas ba de passar
como todas as pestes, e ja coraega a decabir ; mas
FOLHETIM
TRISTEZAS A BEIRA-MAR
POR
M. PINHEIRO OHAGAS
XVI
(Conlinuago.)
Esteve algons instantes Leonor sem se poder
convencer de qae a immobllidade do rosto de sea
av era immobllidade da morte. Quando afinal
percebea qae o aojo terrivel se anticipara as pre-
visos do medico, soltou am grito angustioso, a
cajo som correram os criados, qae cboravam na
casa prxima.
Debalde Inteouram ellos, morcados pelo espi-
ta 3 Ra voso, que ebegava nesse Instante, faxer
com qae Leonor se affastasse d'aquelle triste es-
pectculo. A nada se rendea msnlestoa a fir-
me tenefto de velar o corpo de sea ave. Dtn or-
dem qae fechassem as janellas, porqae o especu-
ealo da natureza alegre e o son das votes jubilo-
sas que partan da villa, tornavam mais pungen-
te a saa amargara. Mandn aceendar as tocha?,
do Sr. J. Patricio de Castro.
A MINBA FLOR,
Onde ri-se a natureza
Eterno vergel de Deas,
Lindovrente painel,
Gomo o solestrellas e ceas;
Onde a fonteo rioa planta,
O echo, qae me encanta,
O insecto, a relvaa. flor,
A briza nos matagaes.
As aves nos taquaraes,
Gantam hosanna ao Creador.
Ahi sombra dos valles
Em urna eterna frescura,
A margem d' ama cerrente,
Que mollemonte murmura
Em saa doce linguagem,
Como a briza na ranugem,
Um hymno creacao,
Nasceu ama flor mimosa,
To ledatio perfumosa,
Que incensou-me o coraco.
Resume em si os prodigios
Creados por Jehov !
lindacomo as roseiras
Do valle de Josaphat!
O sol, que nasce e que morre,
A aura, que alem percorre
A malta das tuberosas.
Nao mancba-lhe a cor nevada,
N3o Ihe falla apaixonada
Doces fallas amorosas.
Nosjardins docorac5o
Vm, flor mimosa, crescer,
Eu faria gotas de orvalho
Sobre teu calix descer;
Vemldes'brcha, louc,
frescae linda amanh5a
Na primavera do amdr;
Vem e as dores acalma
Na minha to tiiste alma
Vergada ao peso dador.
Flor d'etherosnovos climas,
Transportada para aqoi,
To formosa inda nos gelos,
Como a aurora, que sorri,
Deixars do berco a trra,
As delicias, que olla encerra.
Saudavaporem contente.
Viras em meu coracSo
Abrir a corolla ento
Ao calor d'um peito rdanle.
Mas emquanto a vossa luz
Nancio de um dia, qae, vem.
N5o arreiaocerulo manto
- Co'as cores que o iris tem,
N3o preludia-te o da
O dia que te annuncia
A moma manlia de amore<;
Vive l na solidao,
E, no seio da creacao,
Cercada de leus cultores.
Que eu crogando-te aos ceus,
A cada instante te vejo
No solna loana aurora,
D'astro no seu lampjo;
E na doce-aura da tarde
Envi te urna saudade,
E, cantos da frouxa lyra,
Que irSo aos teus oovidos.
Como ais estremecidos
De virgem, que alem suspira.
Flormulherarchanjo ou astro.
Milagro que Deuscreou l
Es um poema nao lido
Qae smente Deus cantou!
Flor I derramai-me aroma;
Mulher 1destendtei a coma;
Astro 1aquecer-me vem I
Archanjo!dai-me a tu a m5o,
As azas da salvaco,
Nos ceus conduz tambem.
Flor, crescida l nos ermos.
Educada na soido,
Vem desabrochar aos raios
Do fanal do coraco:
Astro tombado dos ceus,
Rebento das mos de Deas,
Mea firmamento de luz!
Eu quero viver da chamma,
Qne tua pupilla derrama,
Quebrada d'amor flux.
Bardos da selva cantai
Um hymno creacao
Primeiro,depois ella,
Suave terna cancao:
Orvalho, cae mais brando,
Sobre seu calix, quando *.
O sol Ihe manchar a cor:
Meu Deus,velai vossa filha
Da vossa m3o maravilha
Prodigio de tanto amores!
E a fronu altiva, impvida levantas
E elles se cnrvo p'ra beijar-te as plantas I
Margarida Gautier regenerada *
Deixas o fansto do viver de outr'ora
Oppnlencia, cortejo e luxo. Agora
Miseria, solidao, fome, pobrera,
Trazem la alma triste amargarada
J no arranco final da natureza,
Mas vem Duval e a fronte inda levantas
E elle se curva p'ra beijar-te as plantas 1
E' que tinhas o corpo corrompido
Mas tua alma era ainda Ingenua e pura;
Tu nao tinhas gosado da ventara
Que traz comslgo o amor n'um peito joven,
E' que a vida qae tu tinhas vivido
S teve d'astas scenas qne commovera,
Qnando o corpo banhaste em sacro-santas
Lagrimas, com que Duval, lavou-te as plantas I
Adelatde I quem pode indiferente
Ver-te oa acea sem flcar pasmado i
O povo te admira exUsiado
Rende-te coitos mil e adoragoes ;
Tn s a artista mais proeminente
Que mais tem conquistado coracSes,
Genio quando sublime te levanUs
Qaem nao se curva p'ra beijar-te as plantas ?
Actriz, primor do palco brasileiro
Linda estrella das artes rutilante
Que deixas na carreira triompbante
as almaspasmoe no proscenio la?,
Soberana qae teas o mando intelro
Por throno, onde o talento s reuz,
E's genio e quando altiva te levantas
Teas proprios zoilos, vio beijar-te as pianus II
O Jornal do Commercio diz o seguate :
Ha tempos annnnciamos o apparecimento do 1
tomo de orna importante obra escripia em lingua
hespannola e impressa em Pars com o titulo :
Apontamentos para a historia da Repblica Orien-
tal do Uruguay.
Temos agora a vista o 2 tomo, que abrange os
annos de 1829 a 1839, memoravel periodo, emque
cahiram a instaurado do ominoso dominio do Ro-
sas em Bueuos-Ayrps e o ievaotaraento da nossa
provincia do Rio Grande do Sal, successos que se
prendera intimamente com a agitada e tormentosa
historia do Estado Oriental.
Apezar da modestia do titulo offereee-nos esta
obra urna historia asss desenvolvida, escripia com
criterio e apoiada em documentos pouco conbeci-
dos.
N'um paiz continuamente lacerado por guerras
civis todos os escrptos que podem servir para sua
blstoria se resentem necessarlamente da parciali-
dade daquelles de quem proceder, contradizendo-
se as exposices dos mesnos lacios, e muito mais
ainda das saas causas e effeitos.
No meio da confusao que daqui nasce ama t-
rela improba e mutas vezas impossivel aprofun-
dar a verdade com animo desprevenido.
as suas pesqaizas parece o autor da obra a qne
nos referimos ter posto mallo empenbo e boa t, e
se porveniora nem sempre acertou, nao deixa por
isso o seu traba no de ser um bom ser vico pros-
udo nao s. a historia do Uruguay, mas* tambem a
dos povos vizinbos.
A Gaxeta de Portugal publica :
Frederco III, o Pacifleo, imperador de Alloma-
nba, am dos monarenas qae com mais enthusias
mo protegerra a imprensa, conceden em 1470 as
seeuintes armas aos que se dedieassem nobre
arte typograpbica :
Em campo de ouro agola de sinoble, tendo na
garra direita am mordente e divisorio a o natural,
e na esqnarda um componedor tambem natural.
Elmo Imperial de ouro, direito, rematando em
corda de marquez e com lamberqoins alternado de
rozo e azul.
Gripho azul tendo as garras duas balas ao na-
tural.
Ten, ob filho de Ado, na ingenua fronte
A tteBavet aureola da belleza
Qae a virlude nos dtoa alma inuunda
Essa sanu alegra qae Deus manda
Como am dom precioso a' seus delictos I
Saa flauta canora, inda mais doce
Que o fulvo mel, perfumes das clmelas,
Cbama as ovelua* suas que retornara,
De sea cenbor a lu partilhando. .
Apta elle a trra de altiva* exulta,
E sea manto reveste embalsamado
Para gaardar-lbe o saleo das pisadas I
Ei-Io avisu Calm, e abrtndo os bracos
A' elle va em clere carreira.
t Irmo, querido irmo, vem abragar-rne.
Recua, vil serpente, nao me enlaces.
Irmo, fojamos da procella as furias.
Cobarde I antes eviia meas furores I
Ab l que te flz, qae Uoto assim te agastas ?
Queres acaso meas tbesoaros todos ?
No, nao; antes de afn vergae mea corpo.
Roga ao Senbor, taras ricas seras
Deas I Deas me repellio, qual ea t'o fago I
Mas a seus olbos o teu odio crime.
Crime de Adao, que fez-nos desgragados.
Mtseravel I teu pai blasphemar ousas ?
T losultar-me?... prova minba ira I
Disse, a com furia os ps no cbo batendo
Ergue a mo criminosa e descarrega
Sobre a fronte do irmo um mortal golpe T
Cahe Abel I... Justo Deus no olhar extremo
Perdo ao delinqaente Inda lbe Implora ?
As faces hediondas do assassino
Funrea pallidez sbito invade
E nm glido tremor lbe agita os membros t
Snccnmbfdo ao terror, tremente a dextra
Immovel fita o olhar, rangendo os.dentes;
Seos cabellos de horror as irrigara todos,
E em multldo assalua-n'o os remreos I
qae se pozeram i cabeceira e aos ps do leito, e dos, os beijos frvidos, as ignotas delieias i E
ordenando com am gesto a todos qae se retiras- Ua s, triste, vel ha antes de tempo, tendo apenas
sem, enclaasurando-se n'aqaalle ambiente, qae res- n'am relanco do sen passado o pequeo algrete
plrava morte, repellindo a mais leve emanaco ond6 vioavam algumas flores, cojo esmorecido
qae Ihe podesse lembrar a vida, ajoelbon, pallida, periame a consolarla por instantes. la viver com
como ama estatua (amolar, 4 beira do leito e prln-! om odaver tambem, e essa cadver ara o sen
cipiou a rezar fervorosamente.
O qnarto, instantes antes serenos a levemente
melanclico, apresenuva agora am aspecto lgu-
bre. As janellas, cerradas escrupulosamente, mal
deixavam passar am tmido raloslnbb de sol, qae
dourava os corpsculos suspensos na atmosphera
a tragava prximo da janella nm pequea linba' var-se a todo o eusto, aiada que Ihe fosse necessa-
lomino'sa. O som do sino, ba pouco tao alegre, r, esmagar o coragao para sorvar ans haastos do
agora, tornndose indlstlncto, explrava em fine-,*r d vida. Comd o naufrago, perdido e s na
bre toada no ouvldo de Leonor. Jazla o resto do '*9,s solidao do-Oceano, almeja por aflerrar-se a
proprio corpo, a qae alada flcaria preza a alma,
bem que fosse ntranba aos seas movimentos ma-
ebinaes.
A pobre creaiea vergou oporessa ao peso d'este
pensamento; Mo se achou cora animo para Urna-
nho sacrificio e ergaea a fronte, decidida a sal-
Na typogrspbla nacional acaba de ser impresso
um livro com o titulo Manual do empregado de (a-
zenda.
E* ama recapitulacao que por ordem do governo
organisoa o Sr. Aagusto Frederco Colla, ebefe de
secgo da secretaria de estalo dos negocios da fa-
zenda, de todas as leis, decretos, instruegoes, avisos
e consaltas que dizem respeito ao ministerio da
Tazenda no decurso do anno prximo passado.
Esta publicago, cujo autor promelte contina-
la nos annos segaintes, de incoatesuvel interes-
se pratico, pois tem a vantagem de systematisar e
rednzir a porttil repertorio as disposic5es con-
cernenles a um ramo da publica administrarlo
esparsas pela Colleccao das leis, a qual de anno a
anno se vai avolumando, a ponto de tornar difScir
incommoda a consulta.
Ao fragor de nm trovo sbito rog
Tremenda tempestadotOb vea mea filho
Clama-lbe a mi, Deas I em voz .tao melga I
t Fog ambos a' sanaa da procella.
Guarda Calm silencio pavoroso;
Aps lanca-se a mi qne os bracos Ihe abre;
Sbito para paludo e tremendo,
E um frmito medonbo aos ares langa
Pelo fondo dos bosques se Internando.
E' esta poesa dedicada pelo Sr. C A. Machado
adislinctissima actriz D. Adelaida .de Amaral, pelo
sea admiravel dsempeoho de Margarida Gautier,
no dramaA Dama das Camelias.
Salve brilbo do palco brasileiro I
Salve estrella das artes rutilante
Que deixas na carreira triompbante
as almaspasmo, e no proscenioluz,
Soberana que tens o mundo ioteiro
Por throno, onde o talento s reluz,
E's genio e quando altiva te levantas
Curvo-se todos p'ra beijar-te as plantas I
A luz qae o tea talento em nos derrama
E' fogo sacro-sanio, luz divina,
E' luz qae ao proprio sceplico illumiua
Luz que deslumhra as grandes mollidoes I
E' luz que o peito mais gelado inflmala
Qae fa-lo te render mil oblacdes,
Sim, tu s genio e qnando te levantas
Carvao-se todos p'ra beijar-te as plantas I
Margarida Gautier trajando galas
Deslumbrante, pisaste sobre flores,
Corrompida, cercada de esplendores
Todos pasmavam da belleza toa;
Quandosobernapercorres-te as salas
egnlram-te teas vis adoradores,
O doator Wbitgman era am santo homem.
Quando era ainda rapaz, reqoestoo ama bonita
miss da sna fregaezia.
Miss Clara aceitava de bom grado as suas ho-
menagens, de to bom grado que o doator aven-
tnroa-se am da a orna deelaracao.
Nao drei que nao se a maman disser qae
sim, respondea a joven inglesa fagiodo.
O doutor apresenton-se matrona a quem abri
de par em par o sea cor agio.
Esta d-se por conteatissima com a proposta de
casamento, e responde, segundo o coslume :
Ella ainda muito aova; com certeza nova
de mais para a doutor, qoe um senbor to grave
e circumspecto.
Pois bem ; muito bem I disse o doutor depois
de refleetir am pouco. A seobora sabem mais
disso do qae ea. Nao tornemos a fallar n'esus
coasas.
E retiroa-se.
Nanea mais falln em casamento.
Gontmuou a viver em boas relagoes eom a mi
e com a ttiba, e ltimamente, depois de passados
qaarenu annos morrea solteiro, e miss Clara Um-
bem morrer solielra.
MORTE DE ABEL.
( Versao do francez.)
Horrendas, airas ouvens carregadas
Qae em ivido claro o ralo fande,
Com lunera rio crpe o cu velavam ;
Do cimo do borisonte em lenta marcha,
O destroc levando a' toda parte,
Os flancos da tormenta se alongavam;
E o medonbo ulular dos rotos troncos,
Os rugidos do tigre furibundo.
Casados ao ribombo estrepitoso
De longinquo trovo, ludo agonrava I
Sobre a face da trra infando crime I
De tartreo, letbifero veneno,
Pejado o coraco, n'adnsla fronte
Sentindc-lhe o soor correr em bagas,
c Grande Deas I ( diz Calm ) quanto retardas
Me redazir a' p I (arto da vida -
S te pego qae me abras o sepalcbro I
Nao vs este mea corpo mal-coberto
De affrontosos andrajos da indigencia ?
Gottejando suor nao vs mea braco
Ingrato slo sem cessar arando?...
Minha esposa.....a miseria dessecou-a I
Meus Albos estaimados pao me pedem t
Nada me das. a meo irmo das todo..
Mimosos do Seobor, da mi orgplbo
Seas Albos la' o aguardara entonados
Com sumptuosas vestes, espraiaodo
Nos armamentos sem cont alegres vistas I
Qae vergonba p'ra mim I qae dnro opprobio I
Se holocausto offerece ja' sobre elle
Baixa do co a protectora chamma I
E o co me renegn I... seu fogo esquivo
Insulta mea altar, meus dons humildes t
Treme, Abel I sim, ea quero te pnnindo
Cm s prazer gozaro da vingancal
Acabou de fallar. Por am momento
No sereno borisonte o sol avalu
Com flammeo raio as novena dissipando.
Foge a negra procella, e vem pouzar-se
Sobre a fronte de Abel eelittua chamma.
qaarto immerso aa mais profanda escuridao, sol-,
cada apenas pelos lvidos claroes das lochas. O
rosto de cadver tingia-se de phantasticos reflexos
e sombras vagas e tremolas endeavam as pa-
redes.
Leonor como qne vio no qaadro, qae a rodeava,
o symboio do sen viver fatoro. acerrada n'essa
casa, especie de celta mortuaria, ia fechar as por-
tes da sna existencia ao sol da mocldade, aos can-
ticos alegres, ao riso, i luzcas frangranclas I L
fdra o rlsonho turbilblo da vida, os elotres amo-
ama rocha, anda qua alia lbe rasgue as mos, o
peito e as faces, comante que- acbe am instante
de alvio, qoe possa respirar mais ama vez o ar
da existencia, contemplar o firmamento atol era-
var os olios na* estrella*, (agir por am momento
Proearoa respirar com desaffogo e nao pode;
levautou-se, caminhou para a janella, aflm de a
abrir de dar entrada ao sol, aos aromas, aos
murmurios do dia; mas s tinha dado dons pas-
sos, qaando sentio rumor na sala prxima; qaasi
logo abrlo-se a pona n'um impeto appareceu no
limlar nm vulto femenino, Gradando:
Minha irma I
Magdaleua 1 exelamou Leonor, resumindo
nesse brado todaaas angustias, toda* as amarguras
qae havia provado nos longos mezes que tlBbam
decorrldo.
E correa para ella de bracos abortos. Mas bi-
to paroo, e as races qoe a alegra lbe rosara, flze-
ram-se horrivelmente paludas. Deixou cahlr os
bracos a cerrou os pantos cob ira. Saltaram-lhe
dos olbos abrasados lagrimas de raiva e am rugi-
do safiocado coon-se-ibe pelos labios, promptos a
soltarem o grito de perdo e de livramento.
No sobresalto qoe lbe occasionara a triste noti-
cia que o medico lbe (ora levar, quando ella volu'
a essas ondas negras, faltes impiacaveis, assim' va para casa coa as mos enlaeadas as maos de
a pobre menina esta va prompu a sacrificar orgn-! sen marido, Magdalena correr iqgo a casa da sen
iho, amor, todos os sent meatos que at abia lbe' av^ sam a lanbrar de desplr o cto nnpBlu4pereleroesforcocomqoanMoawvr^^^
obam dado (oreas, para sor ver nm trago s4 d'es-
te elixir da vida, qne Ihe parela to doce agora,
qne se va inmersa n'am lamnlo.
Cingtt4be a (rente a grinalda de Adres de larar
geiras \ candi*) veo de gaze ondeava-lhe em tomo
das formas abollas e o vestido da seda brinco da-
Escrevem de Veneza ao Journal du Havre:
N'am peqaeno jardim dependente da igreja de
Sant'Anna, no bairro de Dorsodno, em Veneza
andava-se abrindo um poco arteziano, qoe j linba'
50 metros de fondo.
Na tarde de 11 de abril, qaando os mineiros
suspendiam os trabalbos, ouvio-se de repente nm
raido subterrneo como o da aproximaco de njn
tremor de trra, e o poco comecoo a anear una
jaeto de agua da altura de urna casa e de espesura
ignal a circumferencla do poco.
A erupgo continuou ate que, redoblando de
intensidade o raido subterrneo, o jaeto de agua
foi acompaohado de materias famegantes e gajo-
sas, que cahiam depois em massas espessas sobra
os tectos das casas adjaeeates.
Eogenheiros, empregados e soldados de polica
acudiram a toda pressa, e recooheceram instaau-
neamente a gravidade do perigo, porque passeio
comecava a abater, as massas lodosas innundavam
as casas e as columnas terrosas ameacavam-n'as
no mais alto gran-
.Veste momento prodaziram-se rauitas feadas
as paredes visinbas e a igreja de Sant'Anna apre-
sentava-as ja' do comprimento de ama toesa.
Os habitantes de trinta e duas casas qae amea-
cavam raina viram-se na necessidade de fogir para
a roa a toda a pressa, se nao arrisca varase a mor-
rer debaixo da ruinas.
Nao se pode ainda terminar a natnreza das ma-
terias lanzadas pelopoco.e qae conslstem em subs-
tancias negras misturadas com cinza e das qoaes
se desprende am ebeiro a gaz qae saffoca.
Attribae-se este pneoomeno a' forga de expansao
dos gazes, qoe, comprimidos entre as carnadas da
trra, acbaram urna sabida pela abertura do poco.
Os eogenheiros monicipaes mandaram apagar
os candieiros do gaz as immediagdas da igreja e
probibiram que fossem accezos at nova ordem.
Tambem foi prohibido aproximar-se dascircums-
^tinbas do poco, com o cigarro accezo ou qual-
qer luz.
Calcala-se em 1,000 quintaos o peso das mate-
rias expelidas pelo pogo.
Receia-se novas erupgoes.
va am realoe oris vivido as rosas das saas faces.
Em todo o esplendor da mocldade e da belleza, en-
voiu nessas alvas roupas, qae to nouvaimente
contrasUvam eom o aspecto fnebre do qaarto e
com o vestido negro da Leonor, Magdalena pareca
m deses aojos de ios, que baiiavam outr'ora,
por mandado do Seobor, s babitaedes dos bomens
onde moravam dr t o late.
Fdra isso qne dora na vista da Leonor, qaando U
ebria de esperanca, receber nos bracos sna irma-
Um sorriso de amarga irona eucrespou-lhe os la-
bios, e (azilando-lhe relmpagos nos olhos, cami.
nhou de novo para Magdalena, mas com passo bir-
lo, solemne e pausado, como de esutoa qne desee
do pedesul oa de cadver qne se levaaU do ta-
mo te.
Magdalena recuou aesostada ao notar tao sbila
mudanca e ao ver a vanear para ella aquelle phan-
tasma negro. Mal poda inpporUr a loa fra, qne
vibravam os. olhos de Leonor. Foi recnando, re-
caando, at qoe sua irma paroa ao anegar ao II-
miar da porta.
Enganou-w no caralnho, Sra. O. Mutltsi I
exelamou Leonor com voi fra, mas qat deixava
aqoi nao paco de alegras, casa de tristezas I
Julgava entrar na aloovt nupcial e entrn n'am tq
malo I Qaelri sabir (
Os ttulos de duques creados no segundo imperio
(rancez sao em numero de 7, a saber: Malakotl,
Montmorot (filho da rainha Christina de Haspanba)
MagenU, Moray, Persigny, Montmorency e Colon-
na-Wallewski.
Deste numero dons ja esto extinctos, Malakoff
e Montmorot.
Desde 22 a 25 do correte ha de ter lugar em
Londres urna exposlcao internacional de horticul-
tura, o ao mesmo tempo am congresso botnico,
presidido por Affoaso de Candoile.
Entre outros attraetlvos para os concurrentes
(naciooaes e estraogeiros; dar-se-lbes-ha aecesso
nos principaes estabelecimantos de jardinera:
ler-se-hio diversos eseriptos dos principaes botni-
cos e depois de impressos em varias lioguas servi-
rao de thema para as discossoes do congresso.
O governo japonas mandoa refundir todas as
moedas do imperio polo systema francez.
Vai ser creada orna casa de moeda em Yeddo.
m
Leonor I exelamou tmidamente sua irma.
Sala I bradoo Leonor, sao podendo mais re-
primir-se; nao venba eospir as faces do cadver
quem cuspio na faca do vivo I
Venba, Magdalena I exelamou ama voz da
homem de ao p da porta da cada; nio se expo-
sma a mais insultos!
Era Jorge. Leonor eontemplou-o framente a ape-
nas eom am sorriso de escarneo. Seguio eom a
viste Magdalena, qne se ia retirando com a face
Uvada de lagrimas, at qae elU sabio, encostndo-
se ao braco dt Jorge.
Depeie feahaa a porta e voitou vagarosamente,
para jomo datan avd.
Ardiam as tochas, projectaado logobres reflexos
aa mea livida do morto e vagas sombras na parado
do qaarto. Calra-se ao loage o site, mas aa vagas
antoavam o sao hyea.no lgubre.
Leonor ajuelnou ao p do teito, paluda como se
fosse de marmore, mas sam qoe nma lagrima Ihe
snleasse o rosto.
Pora nma creatnra, eom (ertentes aspiraedes
para a vida, qaem se ergoera havia pouco daqoella
sitio; era devana um cadver qae ajoelbava agora
aos ps de oatro cadver.
PERNAMBUGO. TtP. OS M. F. DE F. & FILBQ

I

i
.
1
I I
w
'

J


<.

''.



SSSJB


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EJZKF9ZBG_T0I61D INGEST_TIME 2013-09-05T04:26:15Z PACKAGE AA00011611_10983
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES