Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:10978


This item is only available as the following downloads:


Full Text
m
ir
\
\
AMO XLII. HUMERO 122
Per furtel pigt ieitrt ds 10 das do 1/ mez.....
dem depeis des 1.' dias de eemeco e dentro de foartel
Perte ee cerreie er tres ezes ............
t <*fri.';l1 ^K'
*
Weee
75e
mmrs9t t% JttMMl
SEGDlfflt FEIRA 28 DE IIO DE 1866
Per ane age deitrt de 4 o dias de 1,
Perte ao cerreie ter aeae .
mez.
leee
Sita*

E.NCARREGADOS DA SUBSCRIPCAO DO NORTE
Parahyba, o Sr. Antonio AlexmdrlnO de Lima;
Natal, o Sr. Antonio Marques da Silva ; Aracaty, o
Sr. A. de Lomos Braga; Ceara, o Sr. J. Jos de
Oliveira ; Maranho, p Sr. Joaquim Marques Ro-
drigues; Para, os Srs. Geraldo Antonio Alves &
Filhos; Amazonas, o Sr. Jeronymo da Costa.
ENCARREGADOS DA SUBSCRIPCAO DO SL.
Alagoas, o Sr. Claodino Falco Dias; Babia, o
Sr. Jos Martins Al ves; Rio de Janeiro, o Sr. Jos
Ribeiro Gasparinbo.
PARTIDA DOS ESTAFETAS.
Oiinda, Cabo, Bseada e estafes da va frrea at
Agoa Preta, todos es dias.
Iguarass e Goyanna as segundas e sextas reirs.
Santo Antab, Gravat, Bozsrros, Bonito, Cgrpar,
Altinho, Garanhuns, Buique, S. Bento, Rom.
Conselbo. Aguas Bellas e Tacaraiu, as tercas
feiras.
Pod'Alho, Na/areth, Liinoeiro, Brejo, Pesqoeira
Ingaxeira, Flores, Villa Bella, CabroM, Boa Vis-
ta, Ouncury, Salgueno e Ex, as qnartas
feiras.
Serinhem, Rio Formoso.Tamamlar, Una, Bar-
reiros, Agua Preta a Plmenteirae.nas quintas
feiras.
AUDIENCIAS DOS TRIBNAES DA CAPITAL,
Tribunal do commercio: segundas o quintas.
Relago : tercas e sbados s 40 horas.
Fazenda: quintas s 10 horas.
Jnlzo do commercio: segundas as 11 horas.
Dito de orphos: tercas e sextas s 10 horas.
Primeira
m
Segunda vara do ervel:
hora da tarde.
Vara do civel: tercas sextas ao meio
qnartas sabbades-a-f
EPHEMERIDES DO MEZ DE MAIO.
7 Qnarto ming. as 7 h., 22 m. a 34 s. da U
i i Loa nova aos 38 m. e 58 s. da t.
21 Qoarto cresc. as 7 h., 38 m. e 46 s. a m.
29 Lna ebeia as 10 h., 52 m. e 26 s. da m.
DIAS DA SEMANA.
28. Segonda. Ss. Senador, Podio e Justo bb.
29. Terca.'S. Maximiano b.; S. Mximo m.
30. Quarta. S. Fernando rei; S. Flix p. m.
31. Quinta egi Festa do Corno de Dens.
1. Sexta. Ss. Firmo e Felino mm.
2. Sabbado. Ss. Prostico e Biblides mm.
3. Domingo. Ss. Pergen tino e Laureo ti no irs. mm.
PR8AMAR DE HOJE.
Primeira as 3 horas e 42 m. da Urde.
Segonda as 4 horas e 6 minutos da manba.
PARTIDA DO VAPOR* COSTURO*.
Para o sal as Alagoas a. lie- 30; para o non*
al a Granja a. 7 e 22:de oada mes; para Forma-
do nos dias 14 ios mezes-de janoiro, marco, auto
jnlho, setembro e novembro.
ASSIGNA-3E-
do Recite, na Imaria da, praga da Independencia
ns. 8, dos propietarios Manoei Figueiroa do Paria
Filho.
DIARIO DE PERNAMBUCO.
si; om jornal desta ultima capital publica urna
proclamago aos estudantes italianos, que transcre-
I vemos para dar ideia aos nossos leiiores do enthu-
siasmo que excita esta promettida guerra, na tan-
tos annos desejada.
a Guerra I. guerra I
< De um extremo ao outro da pennsula sa este
magnifico grito que acolbido cora pbrenesi.
i O cora cao abrasa-se em amor da patria; cor-
Da Europa cbegou hontem o vapor inglez Uou-
ro, com datas de Haroburgo al 5, de Pars at 7,
de Londres at 8, do Porto at 11 e de Lisboa at
13 do correte.
A Europa acba-se em vesperas de grandes
acontecimentos; Ineptavel urna conflagraco ge- ramos ao combate para voltar orgulbosos e dignos
ral. O tratado de allianga entre a Prussia e a Ua- da nossa mal, a Italia, que boje se veste de ac,
lia contra a Austria, e os grandes preparativos mi- cinge a vencedora espada e appella para os bracos
litares destas tres potencias, todo indica que antes de seus Albos. O que vacillar nm cobarde,
de um mez tenham couecado as hostilidades de Os mancebos, fecundos em ideas nobres, ho
um ou de ootro lado. A' roda das partes inters- de se-lo tambem em generosos propsitos e feitos
sadas na luta, encontramos os estados secundarios intrpidos.
4a Allemanba e a Dinamarca azeodo preparativos
para aoxiliarem o partido que Ibes merecer mais
sympatbias; a Russia concentra as suas tropas na
parte meridional do imperto, com o pretexto de
manter a separagao dos principados danubianos;
a Blgica nao qoer acbar.-so desprevenida para
quaiqoer eventualidade'. a Hespanha prepara-se
para manter a sua poltica no interior, e pera qoal-
quer eventualidade. A guerra nao pode evitar-se,
a nao ser que urna poderosa medlaeao leve algu-
ma das potencias interessadas a abandonar as suas
pretencoes e a evitar costa de sacrificios peno-
sos om conflicto europeu.
Parece que o imperador Napojeo tem trabalha-
do oeste sentido, mas os seas esforcos nao tem por
ora tido resaltados favotaveis. A Inglaterra, de-
pois de tnbalaar oficiosamente para a couvocago
de um congresso europeu e ter visto es seas traba-
ihos baldado, declara a ana neutralldade.
Tem alto esperadas com grande avidez as
declarares do governo francez sobre a pol-
tica que as acantea aircumstancias se propde
seguir. Mr. Rouber na seesao de 3docprrente man-
teve-se na mesma reserva qae ha murtos annos
a poltica imperial. O ministro disse que algn*
membros da cmara jalgaram que a .discurso so-
bre a le que deve flxar o contingente do exercito
poderia dar logar a no debate acerca jos as-
sumptos da Allemanha; que o governo, porem, jul-
gava que nao poderla aceitar semelbaoto debate
sem graves e numerosos inconvenientes; mas que
em presenca dos talos bellicos que se tem espa-
Ibado na Europfjulgava o governo de sea de ver
expor a soa poltica.
Hoje estudantes, amanha soldados I
< Vencer ou morrer I seja esta a nossa divisa.
Queira Garibaldi receber-nos entre os seus va-
lentes,
i Corramos a alistar-nos na legio universitaria.
Espera-so que as hostilidades comecem dentro
em poneos das, por um movimeoto dos Aus-
tracos para passar o P em Placencia. Toda a
artilharia disponivel tem sido mandada para aquel-
da parte da Italia, o o exercito que all aguarda os
Austracos numeroso, bem disciplinado e acba-se
s ordens do general CialdinL qae am dos gene-
raes mais populares. O general Garibaldi reconci-
liando-so com o governo volta ao servico da patria
com toda a sua influencia; os seus mais tieis offl
elaes organlsam os corpos francos, que bao de ser
commandados pelo bere italiano Em Mil lio tem-
se alistado porto de tres mil voluntarios, em a-
ples e na Sicilia mais de seis mil, em Florenga a-
cbam-se organizados doos batalbdes.
O general bespanbol Prim, que se acha expatria-
do em coosequencla da revolta de Janeiro, acba-se
na Italia, e diz-seque vai organisar urna legiao es
trangeira, com que se propde operar nos flancos do
exercito regular em apoto dos voluntarios. Prim
intimo amigo do general Cialdini e foi seo com-
panbeiro d'armas, quando este esleve ao servi-
co da Hespanha.
A esquadra Italiana do contra almirante Vacca
tomou posicoes no golpho de Trenlo. Coiupoe-se
de 14 navios de guerra a' hlice, pendo tres coura-
gados. Esta esquadra estabeleceu-se no Adritico,
dominar a entrada daquelle
de maneira que pode
\ mar entre o cabo Olrento e Corf. Naquelias aguas
< No que respeita os ducados, dit Mr. Ronher, encontra-se s am navio inglez que acompanba os
foi esta poltica desde o principio em toda a par-: movimentos da esquadra italiana,
te, em Copenhague,quandose celebroua confe-1 gazeta Offlcial de Florenga publicou o sefuinte
rencia de Londres, em Vienna e em Berlim, decreto:
nunca delxoa de aeonseinar a cordura e a rao-1 o banco nacional emprestar' ao thesouro 250
derago. Hoje emprega com a mesma energa roilhSes, abrindo urna conta corrente com o tbesou-
esses esforcos e este governo que, com tanto em-' ro, que pagar ao banco o juro de 1 1/2 por cento.
penbo, procura promover o desenvolvimento da \ datar de 2 de maio at ndvas disposicQes o
prosperidade interna, animando-a com solemni- {banco nacional Oca iseato de pagar em numera-
dades internacionaes, nao poderia presenciar rio e vista as suas notas. As notas do, banco na-
impassivel o cboqaede massas coosideraveis. Os | cional serlo dadas e recebidas como dinbeiro de
esforcos do governo so podero tender a um II- | contado pelo seo valor .nominal nos pagamentos
m te e esse limite o seguinte:o governo nao j qUe se effectuam no paiz.
quer contrahir nenbuoo compromisso, quer con-
,-' arvar toda saaJibardade de aego. Est re- co nacional, o crdito industrial e o crdito com
sol vi do a observara atis sincera e leal neo-
tralidade n'uma questio qae nao inrolve direc-
tamente nem os ioteresses nema honra da Fran-
ca, e nao ha-de alera disso fazer aso dessa li-
Os bancos de aples, Sicilia, Toscana, o ban-
mercial continoaro a emittir ttulos de crdito, se-
dulas e notasna cooformidade dos seus estatutos.
< Os ttulos de crdito e as sedulas dos bancos
de aples e da Sicilia seo dados e receidos
berdade de acgo seno para proteger o po- como dinbeiro de contado pelo seu valor nominal,
der.a seguraoga e a grandeza do paiz.
c Pelo que diz respeito Italia, a Franca tem
a cumprir certos deveres. A Italia pode acre-
nos pagamentos que se effectaarem as provincias
napolitanas e sicilianas.
O banco nacional e os demais estabelecimen-
ditar que entra nos seas interesses lomar parte jos cima mencionados nao podero alterar a laxa
activa no conflicto pendente entre a Austria e a do seu descont, sem autorisagao do ministro da fa-
Prussia. Toda a nago juiz dos Interesses Zenda.
proprios. N5o pretendemos exercer a menor m aples sentio-se logo o augmento nos pre-
mela sobre a Italia; a Italia livre porque s q0s, em coosequencia deste decreto que da' curso
ella responsavel. Assim como desaprovana-. forcado s notas do banco. A cmara do coramer-
mis um aiaque da Austria contra a Italia, co de Florenga manifestou a respeito deste decreto
estamos firmemente resolvidos a deixar seu a sua approvago ao ministro da fazenda, offerecen-
do ao governo o seu concurso, no caso de futiros
cargo todos osriscos e perigos de urna agressao
(contra a Austria.
i Desta maneira, pois, poltica pacifica, neu-
tralidade leal, inteira liberdade de aegio, eis
aqu a nossa linha de conducta ; julgamos qae
conforme com a verdade e com a justica, e ao
mesmo tempo digna da conflanga do corpo le-
i gislativa e do paiz (aplausos prolongados).
Mr.-Thieres fallou depois de Mr. Rouher, e pro-
nunciou um discurso a que toda a impreosa pres-
ta a devida homenagem; recapitulou a historia da
Allemanba e os fundamentos da actual comeada,
pergontando Analmente se a Franga poderia guar-
dar essa neutralldade, se chegasse a rebentar a
guerra. Tratou principalmente do que se len
passado ua Allemanha durante estes doos ltimos
annos, das ambices reveladas por algumas po-
tencias do norte; e oceupando-se da campanha
militai e diplomtica dos ducados, exalten o valor
e patriotismo dos dinamarquezes. qae se viram
abandonados pelas potencias alliadas.
Na parte mais importante do seu disenrso Mr.
Tbiers, refenndo-se directamente s qnestoes pen-
dentes, atacou em muitos pontos a poltica do go-
verno nos negocies externos, e lancou-lhe em
rosto a responsabilldade, que assumio nos futuros
acontecimentos ja com as suas palavras, j com o
seu silencio. O discurso de Mr. Thiers foi tam-
bem mnito appludldo pelas differentes fracgSes
da cmara.
Votou-se em seguida, quasi sem discasso, a lei
que flxa o contingente do exercito.
Afflanca-se que o governo francez Qzra antever
ao imperador da Austria que, se esta potencia ce-
4esse Veneza a' Italia, poda obter a sna allianga no
seu conflicto com a Prussia, mas que recusando
este ajuste poderia acontecer que a Franga tomasse
o partido da Italia e Prussia contra a Austria.
Afflrma-se por ootro lado qae o governo
austraco regeitra peremptoriamente as condgoes
cora que a Italia e a Prussia se compromettiam ao
desarmamenlo dos seus respectivos exercilos.
A Austria acba-se prevlnida para a guerra ; os
seus preparativos fazetn se com actividade, as suas
tropas concentram-se no territorio veoeziano e as
provincias septentnonaes ; julga-se qae tomara
a iniciativa das hostilidades atravessando o P. (
A Prussia, aacid ssenclalmente militar, esta
prometa a comegar a guerra, tendo feito numero-
sos preparativos, nao s para tomar eosse definiti-
vamente dos ducados, seno para secundar a sua
alliada, a Italia, a reconquistar o Vneto, e tomar
-assim a primeira posigo na Allemanha.
A Italia um paiz novo, com todas as aspirares
e enthasiasmo da moeldade e prepara-se para con-
uistar a soa uolda4e, como se fosse para nma
ssta.
A esquadra italiana conserva-se em Genova ;
o almirante Persano commandara' a esquadra qae
se acha completameoie preparada para todo o ser-
vico que poesa ser exigido pelos acontecimen-
tos.
O governo pedio no dia 4 de maio a cmara au-
torsacoes wpeeues at o fina de juitao. Estas au-
torisaedes foram rotadas por lonawmidade no
meio do maior enlhosiasmo e exalucao, e entre os
vivas entusisticos dos denotados e de todo poro
qne ornav as galeras. Vo formar se quatro cor
pos de exercito em Lodi, Cremona, Placencia e Bo
Jonha, contendo 16 dvisdes de Infartaiia. einma
de cavalUria, e reunindo um-total de 200,000 no-
mens; oh commandos serio confiados aos gene-
raes Dorando, Gucbiari, Deilaroca e CiaJtnL O
general Lamarmora sen' chefe do estado-maior
do rei, e GvibaWi pr-se ha a' (reate dos volunta-
n Foram mobilisadoe trinta batalkSes da guarda
nacional, devendo o seo senrteo dorar tres mezes
acontar de 29 e nudo. Cootinuam as manifes-
taedes em toda a parle i favor da guerra e com o
maior eaJtariMcau. MilSo Torio rivajsam eptra
acontecimentos.
O principe Amadeu ol nomeado major general.
A Nova. Imprenta de Vienna assegura que o
embaixador da Prussia, na capital daquelle imperio,
Mr. Werter declarara ao ministro dos negocios es-
trangeins austsiaeo, conde de Meosdorff, que no
praso de 24 boras Ihe enviara a resposta prussia-
na noli[cac.ao austraca, relativamente ao p de
guerra em que se esta' eslabeleceado o exercito-
austraco no reino veneziano. Nesta resposta de-
clarara' a Prussia que em presenga daquelle fado,
o governo prussiano nao deve considerar como se-
ria a proposta de desarmamento do governo de
Vienna, e que nao pode por conseguate aceita-la,
por Isso qae a Austria esta' dirigilo agora para o
Falla-se muito n'um tratado da allianga entre a
Austria e a Saxoaia, e dlz-se qae a axonia ja en-
vleu a sua respsta annuindo s propostas do go-
verno austraco.
Tomam se medidas para por em communicacao
as tropas saxonlas com as tropas austracas da Bo-
hemia e-para facilitar a marcha das tropas aus-
tracas para Dresde.
Diz-se que a Russia e a Turqua concentrara
forgas as fronteiras dos principados danubianos,
sendo estas medidas tomadas de commom accordo
para impedirem pelas armas a reonio da Molda-
via e da Valachia debaixo do sceptro de om sobe-
rano esirangeiro.
Um dos membros da cmara dos comrauns
na Inglaterra pergantoa ao governo se eram exac-
tos os boatos que corriam de qne o governo inglez
bavia preposto a reonio de am congresso euro-
peu ; Mr. Layard, sub-secretarlo de estado, decla-
ran que o governo nao bavia feito semelhaote pro-
posta ; entretanto affiangam correspondentes bem
Informados nos negocios polticos, qae o gabinete
inglez apresentra as potencias a proposta para a
reunlo desse congresso, aflm. de se regolarem as
questoes que originara os preparativos militares
emprehendidos.
Lord Clarendon declaroa as cmaras qoe todas
as diligencias feitas em favor da pat foram infruc-
tferas, e que a Inglaterra adoptara' o systema da
nao intervencao.
Um telegrama de Londres do dia 13 de
maio noite da' a noticia de ter suspendido os seus
pagamentos a casa Overen Gurney 4 C. Esta
casa era nm dos maiores estabelecimentos de des-
contos. Tnha grandes depsitos monetarios qne o
publico pretenden retirar sbitamente.
Havia grande confuso no mercado monetario,
ficaodo os consolidados a 84 3/8.
Na cmara dos communs prosegua a discus-
so do projecto de reforma eleitoral. Mr. Brlght
proferio um longo discurso a respeito desta medi-
, dizeado os jornaes qne o orador inglez eslabe-
leceu ama rigorosa dootrina em defeza do projecto
e contra os argumentos apresentados pelos seas
adversarios.
O Motuteur dea noticia de am decreto em
qae o ministro da marinba o colonias de Franga,
determina qae a contar do 1. do corrente,
os navios da marinha imperial e os vapores qne;
cruzara as costas de Franca, estejam munidos do
cdigo commercial usado por todas as nacoe-, com-
municando exclusivamente por meio dos signaes
d'este cdigo, com os navios de commercio francez
e bem assim com as erabarcagoes das marinbas
estrangeiras.
O mesmo jornal offlcial publica tambem nm de-
creto imperial de 7 de abril ultimo, que determina
a publlcagao do acto publico relativ) navegago
das embocaduras do Danubio, assiguado em Galatt
a 2 de novembro do auno passado.
Este decreto vem seguido das disposigoes con-
cordadas entre as potencias contratantes, que foram
a Frang. Austria, Gra-Bretanha, Italia, Rossia,
Prnssia eTarqoia.
O principe Ernesto de Saboya autatio uiti-
mameate em Chivasso, pe leguas de Turim, na margem esquerda do P, 4
inaugurado do canal Cavour. Eslava reunido nm
grande concurso de povo, vlndo das differentes pro-
vincias atravessadas por aquella canal. O bispo de
Ivre, procinunciou nm discurso e lancou a bencao
aos trabalhos. Depois desle acto, o principe mo-
veu o macbinismo e as agaas precipitaram-se.
Costn o canal 45 milhies, e nos trabalhos que ali
se executaram, os engeobeiros italianos demons-
traran] qnanto se tornara dignos de consideraco,
Percorre quasi 83 kilmetros, cortando um grande !
numero de oascentes que descera dos Alpes. As obras
d'arte que se verificaran), podem vantajosamente ] da
figurar a par das que no seculo XVI se executaram
as planicies da Lombardia. O canal que ha de
principalmente servir para a irrigago, passou jun-
to de Verceil, e entre Camari e Gulliato, quasi na
frente de Turbico, de S. Martiohoe de Magenta, que
se achara do lado opposto do rio. O corte do Mon-
te Uenis, a concluso do canal Cavour, o engran-
deciraenlo e melhoramento do porto do Genova, as-
sim como a creaco do porto militar de Spezzia,
sao obras a que o antigo Piemonle liga a malor im-
portancia e a cuja reaiisacao se attende para satis-
fazer ao voto dos povos.
t Os consolidados eslao a 84 7/8. Os fondos A assembla provincial do Maranho acaba
turcosa 2S 1/4; italianos, 28; mexicanos, 15 1/4.-de estabelecer um.imposto de 2:0005 sobre cada
CmUo geral, 2 i/i de descont.
< Ifcslvos hespanhes, 21.
i Malo 12, ao meio-dia.
f Os estatutos do banco nao foram suspensos;
mas {o banco foi autorisa4o a fater urna emissao
extraordinaria de cinco milhoes, para pro|>orcionar
os meaos aos estabelecimentos de banco.
O descont esta' a 9 0/0.
Londres, 12.
t A casa de sir Morton Peto suspendeu oe seos
pagamentos.
< A crise contina. Esperam-se muito mais
fallencias.
Madrid, 11, a's 10 horas e 30 minutos da ma-
nba.
0 ministerio bespaohol obleve maior i a no con-
gresso, quando se elegeu a commisso qne deve
examinar o projecto de lei de meios, proposto pelo
governo.
Berln, 10.
Acaba de ser publicado um decreto dissolven-!
do a cmara dos depulados. Julga-se qne dentro 8ados 5 reos. 1 por farto de eseravos, 3 por effen
em pouco se proceder' a's elevos. iSiS Physicas tefes, 1 por ditas graves, sendo cou-
c Copenhague, 11. demnados 1 a gales o 3a prfso simples, e absol-
f Foi posta em p de guerra a esquadra dina- vido 1.
marqueta. Temos oavido qaixas de empreg.'dos do
( Londres, maio 12, a's 5 boras da tarde. consulado provincial pela falla de recebimento de
c Crise tinanceira e monetaria sem precedente, seus vencimentos relativos ao mez (iodo, em con-
A erise attingio hontem as proporcSes mais. sequencia de nao haver crdito. Ora, esta falta
graves. : per certo nma difficuldade bim seria para quem
Houve corrida a varios bancos e nao foram subsiste somente com taes recursos; e assim esla-
poupados os mais respeitaveis. mos convencidos que S. Exc tratara' de obvia la,
t A excitaeo publica e a concorrencia de povo abrindu o competente crdito, se por ventura nao
aos estabelecimentos de crdito foram grandes. [ foi elle definitivamente votado pela assembla, a
t Hoje acalmou a inquietagao. ] quem foi solicitado, segundo nos dizeru.
A carta orgnica do banco de Inglaterra, foi
Movimenlo da enfermara do da 26 de maio do
1866.
Teve baixa:
Serapio dos Santos;. sarnas.
Tiveram alta:
Antonio Francisco de Souza.
pessoa, qae no interior negociar em objectos de
ooro, prata, brilbantes e mais jolas preciosas, sen-
do esta quantia anda restricta cada municipio,
em cujo territorio desejar a pessoa negociar. Flcam
no entretanto lseotos deste imposto aquellos que; Thme\"lrgi^rea'"
negociarera com permanencia as localidades do CDajL Jos Alves Coniiabo
interior, tendo para isto estabelecimentos fixos,
onde facam as- soae transages exclusivamente.
A escuna dinamarquesa Hatma, qne segoira
no da 19 do correte do lamaro para o Rio de
Janeiro, voltou sabbado arribada por ter desarvo-
rado do mastro de proa, 22.
Na sesso do tribunal do jory do Cabo,
que darou de 25- a 27 do mez de abril, foram jnl-
gados 4 reos, t por homicidio, 1 por offensas phy-
sicas, l por estapro e 1 por calumnias; sendo
conderanados i a degredo para fra da comarca, 2
a priso simples,e absolvido 1. O Dr. juiz de di-
relio appellou de duas decisoes.
Na sesse do ;ury de Barreiros foram jul-
CEMITBBW PUBLlfiO. OBtTffARIO DO DIA 24 DE
MAIO DE 1866.
Ignacio Antonio Borges, Pernambuco, 60 asnos,
casado, Recife ; pbtysiea.
Maneel Ferreira da Gunba, Pernambuco, 46 annos,
casado, Boa-Vista; bepalite.
Daniel Antonio Dantas, Macelo, 27 annos, solteiro.
Boa-Vista ; deslateria.
Catharina Mara da Conceigao, Pernambuco, 32 an-
nos, solteira, Boa-Vista ; peritonite.
Rila Mara do Rosario, Pernambuco, 50 annos,
casada, Boa-Vista; hepatite.
Jo.-, Pernambuco, 7 annos, Recife; cmaras do
sangue.
Jos, Pernambuco, & mezes, S. Jos convolgoes.
Jos, Pernambnco, 7 mezes, Coa-Vista ; conval-
ides.
Mara, Pernambuco, 8 mezes, Santo Antonio; c-
maras de sangue.
Joo, Pernambuco. 7 annos, escravo, Affogados
- cmaras de sangue.
Jos Carneiro de Farias Lins, Pernambnco, 31 an-
nos, solteiro, Poco da Panella; pbtysiea.
suspensa.
Sao ja' seis as eompanbias fallidas com nm
passivo de cerca de dezenove milhoes de libras es-
terlinas, incloindo a Ornu Morton Petto.
< Os mercados estio paralysados.
Todos os precos sao nominaos.
toneladas de borracha Para' e
Chegaram
Guayaquil.
Hoove boje boa procura de algodo.
< Venderam-se 20,000 saccas.
Pernambnco, medio......... 13-3/4
Maranho................ ti
Macei................ 41 1/1
. Babia................... 42
c Havre, maio 11, a's 6 horas e 35 minutos da
tarde,
c Algodo. Sempre em decadencia.
< Cotaroes:
< Pernambuco 1* disponivel a francos 200.
A entregar em poca determinada, a francos
isa
t Cacu. Sempre em boa posigo.
Cotaco: -
t Para, de francos 112,80 a LIS.
t Assucar. A franco 28, mercado traco.
< Borracha. Para', ie franco 6- 70 a 6 75.
Jbores:
i Pernamboco, salgados
* Seceos........ 67 50 a 70
t Verdes........ 51
Eiposiro ifos prednetos agrcolas, Mastriae
obras de arte em Pernamboco.
No solicito empenho de auxiliar com as suas lu-
Falleeeu, em Lisboa, o negociante portugoez ws s. eiposlgoes das provincias, a Ilustrada com-
Maranbo, Jos Antonio de Mattos Freitas, que missio d'ectora da exposigo nacional tomou- si
ra ali tinba ido no vapor Auguitine. a tre* de <"gir aos membros das commissoes
daqoellas exposiges
o vapor id-
21 o vapor
do
para ali tinba ido no vapor Auguit
ficavara a' sahir de Lisboa : a 13
glez Gladiator para nosso porto; o a'
inglez Jerowe, para o Ceara*.
Em LiMa eslavaro a' carga : brigne Flortnda
e patacho Flor de Mara para Pernamboco; barcas
Linda e Ligara, e brigaes Henriqw e Mrquez ie
Santa Cruz para o Para"; barca Marta Luiza e
Angeltca l. para o Maranho,
No Porto desvara a' carga: barca Claudma
e brigae Esperanza para Pernambnco; e barca
L'niao para o Para'.
57
48
78
60
68
62
84
105
Rio Grande, boi .. .
> vacca.....
> seceos. .. .
Caf. Sem animago.
' c O Good first.....
t Superior....... 75
t Lavado.......92
Cbegados:
Saint AndrJean Baptiste.
Hambargo, maio 12, a's 7 boras e 18 minutos
tarde.-
i Circnmstancias geraes e commerciaes
ms.
t Paraiisaco completa,
t Nao e possivel cotar preco algam.
c O dinbeiro difficilimo.
PERNAMBUCO.
O governo hespanhol apresentou ao congresso
om projecto de le, pedindo s cmaras aotorisa-
g.to para cobrar os impostos do futuro anno econ-
mico, e occorrer s dspota publicas na cooformi-
dade do parecer da maiora da cmara popular, se
por ventura nao estiverem definitivamente vola-
REVISTA DIARIA
O Exm. Sr. general commandante das armas
Francisco Sergio da Uliveira, falleeeu hontem as 7
1|4 da noite. Seu cadver foi depositado na igreja
da Conceigao dos Militares, e tem de ser sepultado
no cemiterhj pobHce as 9 horas do dia 29 do cor-
rete. A guarda nacional deste municipio far as
honras fnebres do estylo.
Effectoon-se sabbado a reuniao d'assem-
sul as forgas que ootr'ora diriga para o norte. """"" uf t";."'r "c".'""'"":;=":". I Effectno
- AseUdadivisodaguarda real prusslana 1?,^^*.? tSSJ^SL\^ *" dos Quistas da companhia do Bebe-
cooformidade dos seus estatu-
recebeu ordem para se por em marcha e suppoe-se
que se destina a Goerlitz e Silesia.
A Prussia onandou mobilisar todo o sea exercito.
Espera-se a proclamaco em que o rei ba de expli-
car as raz5es da attitude que toma no sentido da
guerra.
O Moniteur prussiano o propro que diz dever
estar dentro em pouco ultimada a mobilisago de
todo o exercito austraco, que at agora se tem
soccessivameote verificado, accrescentando qne se
ordeoou a orgaolsaco do 6o corpo do exercito.
Cada om dos seis corpos do exercito consta de 30
mil homens. Todos os dias ebegam comboyos de
tropas a Praga.
Consta da Allemanha qae ama parte do exer-
cito do Wurteraberg vai ser mobilisada ; qae a
Baviera, alm das forgas ordioarias do sea exercito
vai chamar s armas 70 mil infantes e 9 mil sol-
dados de cavallara, arlilbaria e egenharia.
A esquadra dinamarqus acaba de ser posta
em p de guerra.
O governo belga vai tambem propor ao con-
gresso am augmento do exercito na razo de 8
mil borneas.
A Hespanha pedio tambem autorisaco para
augmentar a sua torga armada se as circunstan-
cias o exgirem.
O gabinete prussiano tem mandado para a
tina de Alsen grande numerb de trabajadores e
sapadores. Era Alionas passaram ltimamente se-
lecentos destes trabalhadores, pela maior parte sol-
dados da milicia chamada landwehr. O gabinete
prussiano parece ter o maior empenno em fortifi-
car as posigdes importantes daqualla ilba.
Publicou-se ero Berlim om decreto disaolvendo a
cmara dos depotadoi. Jalga-sa qoe brevemente
se proceder' novas elelges.
Em Berlim, na noite de 7 de maio am indivi-
para impor um descont aos eropregados de lodos .
os ramos da admlistraoao publica, para realisar
todas as ecooomias qae forero possiveis aos serv-1
eos pblicos, anda mesmo aquelles que tlverem
sido eslabe.ecidos por le.s especiaes ; ^Wj ^S^b r. wrX S &nlS.
car o ajuste dos coupons na razao de 25 por cen-
para, em
tos, eleger a nova adminlstrago, a qoal fteoo cjm
posta da maneira seguinte :
Director.Dr. Jos Eustaquio Ferreira Jacobioa.
lo; para elevar as sommas das diwdas amortisa
veis; para fazer urna emissao de 1,200 milhoes de
ttulos de tres por cento consolidados; o finalmente
para augmentar se for conveniente as forgas do
exercito e armada. Estas aulorisagoes doraro em
quanto o parlamento se conservar fechado.
A apresentacao destas medidas produzlo impres-
sao no publico ; na bolsa soflreram os fundos con-
sideravei balxa, cotando-se o 8 por cento a 35,90;
no dia seguinte a apresentacao deste projecto nao
houve transaegoes, conservando-se todos ua expec
tativa dos acontecimentos europeus, e do resoltado
do exame que deste projecto deve apresentar s
cmaras a commisso eleita por ella para esse
Bro, e cuja malcra ministerial. Os tres por cen-
to estavam a 35,5no da 11fleavara a 36.
Acabava de ser modificado o ministerio por-
tuguez, entrando o Sr. Martins Ferrio para o rei-
no, e o Sr. Casal Ribeiro para as obras publicas e
negocios estraogeiros.
Presidente sem pasta, 0 Sr. Aguiar. .-
Guerra interino e fazenda, o Sr. Fontes.
Estes dous cavallelros, qoe eutraram. de noy
para recompor o gabinete, bavism em satambro ul-
timo publicado un manifest* contra a futao i
qoe hoje se associam.
O novo ministerio abandonon o cootralo De^
brou'se.
Pelas declaragoes do novo ministro d >s negocios
estraogeiros,.na cmara dee deptrtados no da da
sua aoresetltaQao, inlerese qne o oroftto para-1
guez tencin manter a mais slricta neotralidade
na artoal qomstao europea, nao sendo levado a -en-
trar na Iota pelos aperlados vincolos qoe prendem
do vestido cora ategancia disparoa qoatro tiros de
pistola cootra o presidente do conseiho de minian ^j^j de p0nnM| so reino da Ralra.
tros, Mr. de Bismark, qne fleon inclume. O a- ^ t- os Estados-Unidoa fcFawadld por
sasslno foi logo preso. Em poneos dias e a segun-
da tentativa, a primeira cootra o imperador da
Rossia, a segunda cootra o primelro mioistro do
rei da Prussia.
Afflrmava-se de Berlim qoe o individuo que
commettea esta tentativa :e suicidara 1
A Austria pde-se em p de guerra com a
maior actividade, e realisa grandes compras de ca
vallos en toda a parte onde o pode fazer.
Os regimentos do imperador a do archiduque
Carlos, assim como o batalbo 28* de cagadores
chegaram i Moravla nos primeiros dias deste mez.
Naqoelle paiz tem-se encerrado algaos collegos o
aselas para oelies se aquarteliarem as tropas qae
ali se reonera. E' na Bohemia, Moravla e Silesia
qpe a Austria tem formado os seos maiores dep-
sitos de tropas.
Urna ordem do imperador de 30 de abril chama
as armas todas as pregas licenciadas qne nao Uve
rem dez annos de servico. Esta ordem applica-se
Igualmente is provincias lia>itrophe? di Prfltsla.
em li-
berdade o Sr. C. C. Clay, qoe nbvta ooze mezes es-
lava preso oo forte Mearon, como cmplice oo as-
sastinato de Lincoln.
O imperador Maximiliano ceden dotu tercos
da soa lista civil, e a mperatrix me^ad^ aflm de
alliviarem os entra ves do tbeeoaro.
O rei dos hllenos passe actualmente pelas
proviocias gregaS, sendo recebido com enthasias-
mo pela populago.' as"ltimas eleigBes maoici-
paes hoaveram graves.asordaos, qae deram, eoa
resoltado 50 mortes. ,
Eis os oltimos telegrammas recebldos ony..
Lisboa:
c Londres, 11, ao meio-dia.
A crise geral. Abno-se a bolsa sem prego.
A estagnago completa.
f As obrlgacSes da casa Overand Guraey Impor-
tavam em vate milhoes da libras,
c Londres, 11, a's 4 horas.
Diz se qae os estatutos do, tjaqeg yjo ser sus-
pensos.
SecretarioDr. Joo Jos Pinto Juolor.
CaixCommendador Thomai t'-Aawm Fonseca.
f Camraendador fos Jeronymo Monteiro.
t Dr. 'Jos Bernardo G. A colorado.
Domlogos Antones Vi Haca y
Commfssao de oootas.Loiz Antonio Vieira.
> Jeao Ignacio de M. Reg.
< Manoei i. Rodrgaos de Souza.
A eammissao directora da Exposicio Agrioola e:
Industrtal.da provincia da Parahvba, oomposta dos
Eiras. Srs. baro de Mar A, eeaameBdador Fran-
cisco Alves de Soma Carvalbo, Dr. Joo. Rodil roas
Chavea Dr. Antonio da Cruz Cordelro, acaba de
encarregar Basta cidade o nosso amigo sr. Justino
L de g. Campas, natural daqaeUo fewoaela, para
promover, entre seos comprovtneiaaoB aajas reai-
deotes a acquisigo da objeotai fartii otratUgoa
da indastrla, para maior coaoarreawk bcilbaa-.
tumo da etposieOj que deve ter. lagar aquella
cidade o dU a^ afDaso4aa>atoo: ^
vita qoe fuiftSr.'jB*tttafl
provfndanos aflm de eoaoac^mggtn anwrhialo
testa nacional, devendo enien>riMdj[iaaaa o mes-
mo senbor, a rna o Imperador .1
andar, onde dar as inJormates praaael
transporte dos obieatos, qoo avart rudMjar aa1 al
o dia 21 de jolho vbjdooro, foreceda tambera a
materia prima, qoartes seoborea expoltoraVcoju
circuraetaacias asaim o exigirem.
E' bem natural que oaJr-rahybaoos aqu rasi-
deotes, se ioteressem iJliBiiale, pelo engraade-
cimento de saaprovieav* ajo oada quat se esforc
para sattsfazar os toovavete estajea da mai digna
commitsae directora. '.
O Ir. Antonio foa da Uva BraaM, a ana da Ma-
dre de Dau n,28; mover aaoooisicia ieobjeetoa para a oxposic*
A*o xsr
Chegaram a' Lisboa : a' 29 patacho Boa F
do Maranho; a' 1 barca Lmra do Para'; a' 2
brigne Anglica 1.* do Maranho; a' 3 barca Ama-
zona! do Para',
Ao Porto cbegou a' 28 a barca Seguranga
de Pernamboco.
Sabiram de Lisboa : a 7 brigoe Bella Figuei-
rense para Pernambuco; e a' 8 brigue Feliz Ven-\
tur,a para o Para'.
Pelas dez horas da noite de sabbado Mi-
guel dos Anjos Machado,, conhecldo por Miguel
cigarreiro e doos albos, accommetteram aos dous
guardas do 1.- DatalbSo Jos Joaqulm Carlos e An-
tonio Florencio Pereira suecumbindo este em
consequencla de urna lacada que receben na re-
gio abdominal, fleando aquello gravemente enfer-
mo por ter Igualmente recebido na mesma regio
um ferimento, que o prostoa e consta achar-se
gravemente enfermo. '
Miguel cigarreiro liaba nma faca e, tendo traja-
do razoes com pessas em a roa da Lapa, foram
ali ter aquellas pragas, com as quaes trocou pala-
vras. indo em auxilio dos mesmos seus dous filaos,
armados nm de faca de pona e ootro de um eox,
passo.
i Foram presos os criminosos, e vistonados os
muito offendidos, tendo comparecido ao lugar do delicio o
I delegado e o respectivo subdelegado e bem assim
i o major do 1.* batalho de infantaria da guarda
' nacional e o offlcial de dia praga.
Numeragados bllhetes da lotera 65>offere-
cidos pelo ibesouriro das loteras para auxilio da
guerra :
Bilhetes ns. 408,838, 1101, 1444, 2792 e 3278.
Meios ns. 627, 151o, 2052, 2419. 2630" e 3519.
Quintos ns. 529, 1095,1912, 2572 e 3918.
Os bilhetes da loteria 64* produziram 75200
res.
Total 2:023000.
O eserivo dos protestos Alves de Brito esl
de semana, ra do Imperador n. 46, t. andar.
Passageiros do vapor inglez Douro, vlndo de
Soathamptone portos Intermedios:
Tbomaz Rich Branath, John Me. Connell, Wil-
liam Bronwn, Wllliam Burls, Geozge Jatham, Tho-
maz R. Loi-kie, Alberto Camberevorlb, Henry
' Pritcbrd, Flix Jos de Gusmo,. sna senhora o
nm tzlbo, Coronel Hay mundo Jos de Lima, Josepba
Mara da Conceigao, e am filho, Padre Dr. Antonio
i Jos Beotes, Jos Antonio Martins Siqueira, Anto-
nio Augusto Ferreira da Silva, Joao Pereira Pe-
; droso de Lyra.
Seguio para o snl:
Jos Teixeira Bitancourt.
Passageiros do vapor brasileiro Prt'nunja,
vindo do Acarac e portos intermedios:
Dr. Augusto Joaqaim de Carvalbo, sua senhora,
5 filnos e 1 criada, capillo Antonio Candido Anto-
nes d'Oliveira, N. Dado de Carvalbo Gama, Anto-
nio Rangel do Nascimento, Dr. Antonio Joaquira
Seve o 1 criado, Coorado Olirelra Catraia, Jos
Mara de Carvalbo, baarind v. de Carvalho Ga-
ma, Frederlco H. Pimental e 1 escravo, Jos Ro-
drigues Ferreira e I escravo, Francisco Jos Go-
mes, Francisco Beroardino Pinheiro, D. Anna Epi-
pbania de Souza Carvalbo, Manogl Pereira de Aje-
vedo, Jos Paulo de Mendonga, f escravo de fos
P. Ferreira de Sabola, Esievo Antonio Lonsada,
Flix Telesole, Bernardlno C da Silva, Manoei Jos
Martin?, Jos Francisco d'Oliveira, D. Mariana Ger-
trades Pereira, 1 escravo de Santos & Filbo,. 1 es-
orvo de R de A. Moreira, Mlnervino Laii
etlln, foaojolm da Sirva Sant'Aona,
Duarte Ribeiro, Joo Lniz, Jos Domingos Regadas,
Antonio Faxina, i. Faxina, Francisco Antouio Che
(ane e Domingos Felitos.
Passageiros do patacho hambarguez Catka
rmt fitnt
Alberto Heoschel, Carlos Hentlqpe Gotriaff.
Passageiros do biate brasileiro Dous lrmfrs,.
sabido para o Aracaty : <
Eduardo Goacaives Valste. Jos Angosto ens^
gel do Amaral, I. C. P. de Mello e 1 criado.
RaPARTigU da poucfA : .k4.
Extracto da parte do, dia %& de malo W IMS.
Foram recolbidos ak caa de detenico oadjiaS
do corrente : ,., (atwv
A' ordem do sobdalefado do Recife, Caetaoo,
eawavo de Andr 4'Abreo Porto, para averigoa-
edes sobre erim *e homicidio.
d de S. Jos, Lucrecia,
disposlco desta
din-cloras daqoellas exposlgdes esclarecimentos
sobre a forma e condigoes em qoe devem ser ex*
poslos oe grande concurso industrial da cort os
productos de cada orna das provincias do ims
perio.
Seb o modesto titolo de indcagoes foi offesacido-
s commissoes das exposigdes desta provincia, do
Rio-Grande do Norte, de Alagoas e Serglpe, aro
trabalho qoe comprebende o ennonciado de quasi
todas as importantes qnestoes relativas ao estado
das nossas industria?, principalmente das nossas
praticas agrcolas, e economia rural o commercial,
que convm ser estadadas devidamente.
A commisso directora da exposico desta pro-
vincia pede a attengo de todos os industriis para
as citadas indcagoes, que aqoi vo traoscriptas,
afim de que procurem satisfazer tanto quanto for
possivel as questoes neilas comidas, concorrendo
por esta forma para que se attioja o fim a que
tem em vista o justo e louvavel empenho da com-
misso central.
Sala da commisso, 25 de maio de 1366.
M. Buarque de Maeedo,
Secretario.
hatMHttcoes
lasportante encarg
Foram encontrados i B do eojroote,
2> 30" e lona. O. do meridiano oe r~
3>, a barca bamborgueza hsM,
.J Hambargo para Moatevioo, _..
mas de viagepn a it. na lL N. !< T tag.
4o mesmo meridiano 26* 9", a galera Ingjei flrr
prc^ddnta de Uvefpool cowestino a
aotlaiom; eiiV
derand segla para
Tlsgeca.
bNmbaT,Ujvanfl 17i
lal.N.Vto:'e kjapj.0.
tasmo meridlaao.9*
tabana, qoadeSafl:
coto 44 das do
A'- eraaiB do da Boa-Vista, Joaqaim e Raptael,
tseraabij este de Francisco Tetapafal a aqoello de
Jos L.aiz 4o Azevedo, por fogtdnat o Roaa Mana
da QAoeico, por disturbios.
^BTv^yr O ohefe a 2'seceo,
i. G. de Mtqnita.
DI DVrSHQO. M .
memo dacas de1|fl|aclo-lodlaM da
%S*Vi, entrarata 8,, alhiram 4, al.
teo34.
' A saber *
Nactonaes 234, molhores 1, estraagero*
awlheres % eseravos ^'eaoraraa 3.
; Tottl 349. m man
Alinej^fca eosta #95 cofres pubfieos 0.
Indlea;5e8 olereclda s.a illas-
tres commissoes las expoai-
ces das provincia do Rio-
<- rande do Norte,. Reraambn-
eo, Alagdas e serglpe
Nao bao de escapar a sabedoria e iliustragao dos
cavalbeiros que compde as commissoes encarrega-
das da exhibigo dos productos das provincias ci-
ma mencionadas os menores deialbes para a boa
execucao das instrucgdes de li. do oatabro do
1865; todava a commisso directora da exposicio
nacional, no empenho de secundar e assegarar o
bom xito dos esforgos empreados para fazer
coohecida a riqueza do slo fertllissimo da zo-
na equatorial do Brasil, o estada mais ou menos
prospero das industrias fahrls e manofactureiras,
as praticas agrcolas osadas, a economia rural a
commercial das mesmas provincias, chama a escla-
recida attengo das commissoes para as importan-
tes questoes qae ajpfimeira exposicio oaciooal nao
pode resolver por falla de tempo e qae apenas de-
monstrou as lacunas navldas entio, e a necesslda-
de absoluta de que sejara sasteitas na prxima
exposigo. |
Os mais importantes,ramos.de commercio, o as-
sucar e algodo, devera ser estudados debaixo do
ponto de vista econmico e industrial: as amos-
tras que destes productos, se apresentarem nao
convm que venham isoladas de esclarecimentos o
noedes exactas coiligidas desde o planto da canna
de assucar e do algodo at a soa exportago para
o estrangeiro: Betas nogoos reconbecidamente ne-
cessarlas, sao entre ootras as segoiotes:
Quanto ao algodo convm saber :
1.a Quaes os terrenos preferidos para a cultora,
e oatureza destes terrenos.
2. Qual a estagap piopria de effectoar-se as se-
menleiras.
3. Quaes as concucSes essenciaes que devem 01-.
ferecer os terrenos.
4. Se na trabalhos preparatorios, quaes alies
sao, e quaes os. agentes fertilisadores emprega-
oal o me'Jiodo seguido na cuitara,
ne lempo-dora urna plautagao.
rao e quando se effectua a colbeita.
Qlial a pioucgo calculada em relag.'io a
rea cultiva, isso em bectares.
9/ Quantas saccas on arrobas pode colber um
ndivjduo eupregado nesta lavoura.
10. Qoaalas libras de algodo limpo produz urna
arroba de algodo em bruto.
11. Quaes os systemas de descarocadores osa-
dos e quanto pode om homem descarogar por dia
empreando os systemas actuaos.
12. Qoe peso e volme tem ama saces.
13. Qual o systema de ensaccamento a prensa-
Veo- mejajotanado.
Priminle "TV: Se^ensaccamento misturam se as diver-
saaaaaMfas ou se faz-se separagao4e especies.
b5. Vaaa descripcao socelnia dos caracteres phy-
siologJces do algodo, exlenso do fio, so rigidez,
agg*aaeeio das sementes, sua cor, e numero em
eada eapocbo, etc., etc.
Hstes tdos sao. essenciaes. para Qcgaisaram-s8
ttboas comparativas das diversas especies de algo-
dio das provincias do imperio, para serem con-
frontadas com as de iguaes psodoclo do estran-
geiro. E, sendo o algodo indgena do paiz, o Sea
IsUnd, o Egypcio, o Cpland e o Indiano igualmen-
te collivados oo norp, convm axaminar qual a
menor especie destes algodes relatlvameote as
mesmas especies |radazidas no exterior, e assim
tambera verificar se tra sida ou nio om erro subs-
tituir as semeftts. indgenas pelas importadas do
estraDgeiro.
escrava da Qoaoto ao, assucar, & neoessario saber-se :
1- Quaea os ssstamas usados para li
31
ierras daBtraa4*fc o planto da canna de assucar.
2.- Quaaa as maabaraa torras e a soa na"roia.
3.' Qaal a arodoccio da caona em re
rea Uvrada, a qnal a do assucar em
mesma rea.
4.a Quaes os torreapt em ne a cultura 01
abundante e o irabalho mais econmico.
8 Qoal o arocatso atada na labrica$*> do as-
sucar, e aqoelle qae na pratlca oconomisa malor
qaanUdade r ysuUsaveL
>Qoalu| oaaM aaarleicoado e econ-
mico otado pal a cosiaatt*) oacaldo-da caaoa.
7* Metboao empregan ara atacar, clarificar
e decantar a caldo. -^
8a Metano eaakMgada para porgar o ataocar.
9* Qai7oSSo~aaaMttfcose W**

a
,


r --*
~~~.
Marinee
--.
=
Sfgpnrtnfftfbpa S de Mln jc
1866.

oa o das formas, e qaaes as qaalia.des do assucar
produzldo por quilquer lestes raethodos.
10. Sesa empregam caldoiras vacuo e-quaes
as vaotagetaaei*|iaas aa emprege destes -apeo-
relhos.
11. Finalmente, qual a duracao da um partido
de caaos, e qaal a caana que onereoe malor rique-
za saccarlna eutre as diversas espacies cultivadas.
Procerose apparelbos asados na'fabricacao da
agurdente, alcool, etc.
As amostras do algodo, cono as dos productoa
da canoa do assucar, devera tratar o valor relatt-
voo as suas qualidades.
Depois dos doas ramos principos fe commercio
de exportarlo explorados era grande escala, prln-
cipalmeate ais orovinciacae eos te trata, sao im-
portaotisslmas as prodacotas vaguees, mineraes e
aoiioaes, que a commlesSo direetera espera ver
ostenlarern-se no palacio -do Campo da Acclama-
cao oa nroxtroa exposlijSo, e que senfle remetidas
nos termos das insirueoSes oasiariam para aew a
admiracao dos horneas da scieacia e despertaran
a cobija da industria eslraogeira. Entra oulras
tem a commissao por muito recommendado s 11.
lustres commissoes do Bio Grande do -Norte e da
Pernambaco que nao faltem os segniutes produc-
tos organisado com seas noraes vulgares:
Amecega (madeira), cerne, casca e Tesina.
Aodiropa, cipo e (roclo.
Aogelim (madeira), cerne casca e fructo.
Angteo (madeira), cerne, casca, resina, gomma,
cima, fo I liase g re I los.
Anglica do mato (madeira), cerne, raiz e casca.
Ail .
Arae^-nitrrra, pedra, etc. fmadetra), cero?, cas-
ca a {rucio.
Ararata, raz, gomma e farlnha.
Aralicun?, as variedades, cerne, casca e fracto.
Aroeira (rmdeira), cerne, cacea lado qaanto
del la se poder aproveitar. *
Arvore da borra, cerne, casca e (ibas mc-
sando as qualidades n jtaveis que aprsenla esta
arvore.
Arroz, as variedades.
Acafroa (madeira), e a flor, de que se asa para
empero.
Baooilha. tracto preparado e em conserva,
Batata da tana, dita purgativa, (anana e re-
sina.
Balsamo de ooforofco.
Barbatirao, aste, (olbas e flores.
Calinga branca vermelhas.
Batiput, cerae, casca, omas, Iructo e oleo.
Botnica, olbas, raz, etc.
Benjoin (madeira), cerae, casca e resina.
Barriguda, pao barriga oa paiaeira, paina.
Bordo de velho, cerne, casca e fructo.
Beriba oa imberiba, smenles, casca e seos ar-
te (actos.
Ca da varzea (de Peroambueo).
Catacma oa ca*ce amara-oso, foHus, cipo e
rncto intelro.
Carnauba, cerne, palma, sement e cera ; a pal-
ma deve vr bruta e curtida ; devem vir chapeos'
esleirs, cordas, abanos, bombas e o mais que
deila se Qzer ; devem vir modelos de habitaces
raraes eitos completameote com esta arvore, as- ellas paderem vir~com
sim como reculas, gomma?, etc. meatos exigidos felas
Pao it'iMn (ojjJqOjsJl ntrnt, casca, fructo e f>
Iba.
:j
Pereire da' am liquide rocioam coalaado vestal
Us orsafts de que seluwm exeelleta veri?.
Pao (erro,rae, ano* ranos *tm,
Palmatoria oa opuncia, a cochonilha qae neta
cria.
Po-santo, casca, oerne o fructo.
Palauh-a da aerdetatra, lonas e irados.
PareaWba, cerne, tasca e tacto.
Perota, idem, iden,
Peqasi, idaat, ideo.
Piota mada, e fracata m poden vir.
Pitonei, carao -e tasto.
Pimatrtt, as variedades coatacidas.
Praflala, batatas, Mnaa.
Q uixita. eeroe, fraala a latas.
juina da trra, trbs.
Sabimeaio, corve para -cococr oeicboes.
Sapucaia, cerne, casca, fructos inteiros e casta-
nbas.
Samoma, o linho.
Saboneta, o Tracto fax as vezes de sabio.
Sucupira, cerne, casca e artefactos.
Tapia ou Trapi, cerne, casca e artefactos.
Taiajuba, madeira de tinturarla, cerne, casca,
folhas e fructos.
Timbauba, dem.
cupado nesse ramo da industria, doiewresse com- lo irtaM cfcvicas e verdadera pbilantrophia, fo-
mercial que ella promete, etc. xm'elisMarajMMiis em soccorrer a todos du-
Ern coucluso espera' acomioissdtnonn oa jaotooctais qae desta vez durou a eocbeate do
etposioao naciooal que o patriotismo e a Utastr** I*-
C*o das dignas coramiss5es das proviftan itW-f'v Dataaeif Jete-Ibes mais este assignalado ser-
nambuco, Rio Grande do Norte, Alagoas e Setota *ta tauanrdade contempla respetosa esses
supprlro as lactinas qae bouver-jm as Idicacocs entes bemfazejos, e a sociedade fara' a juslica de
que agora Ibes sao dirigidas, e multar aquilatarlo Mes ser grata, aias Dos que recompensa acides
a importancia da (esta a que convidado o Brasil taes, e e Ella abe dar o galardio qae taes virta-
a coaaror em Paris, aaata como, as wutageus das merocertaA nos seja-nos soraeoui licito con
eooonotar qae froatrio da aaolyse comparativa signar acstasKahas um louvor merecido e
dariojasaae do nada das indasBias das provin-
cias qm.alo coawidadasa coacorror a' exposiofo
naataat steda casseissio direotora da ex-
nal,ea46*maifOdelWd.
R. A. GaUBo Hta.
Conere.Buarquc de Maeedo.
Constando ao abaixo assigoado que seo cunbado
Antonio Alves Fetosa se tem asseohoreado do sitio
Taboca e seas suburbios, a pretexto de ser 0 nico
e uuiversal herdeiro dos beos do fallecido pal do
Imesmo abaixo assigoado Josa Alves de Castro
Tip, dem, se est averiguado serem as (olbas
desta arvore um contraveno de cabras.
Tictim on tucum, cerne, fUamentos, flos, cordas
e arteactos diversos.
Tanhardo, batatas e tomas.__________curando quejamnis desistir dos seas direitos nara
Trigo de Pagen de ores, se eofc-raaro de col- :4ir do wvtndieor qateeer 'deeses beos qae
tora nao tem desapparecido convm qae venba for yiotontameote^ebalbado.
vem protestar peranteopnblico contra essapretenco
absurda nao s com f elagao a totalidade dos ditos
beos, como esseneiatoeate acerca desse sitio-
qae consu t-lo dito sau abobado veadido ; aase
urna amostra.
Mamona on carrapato, bagas, oleo ordinario e
limpo.
Mandioca das diversas especies, farinha, polvl-
Iho. tapioca, gruUe, berjo* de massa e de gomma,
oarimi e mantva.
L'baia, as diversas espees, cerne, casca, folhas
e fructos.
Uraba, urapemas oa penetras faltas com a sna
alba.
Umari, eerae, folha e (relos.
Uraonba, psodaz sebo e azelte : convm qae ve-
abara estes producios.
Uvas, com especialidad de Ittmarac.
Veame, plama medicinal, famas, etc.
Quaesquer hervas e pkaalas medicinaes, vindo
de tudo urna diseripea breve do como se apoiiea a
os casos; se ba (acJidade de acqaisicao da todo*
estes objeetos e abundancia dalles, de sorte qae se
possam tornar um ramo lucrativo de eonmercio e
de um consumo regular.
Alm dos productos cima mencionadof, que se
aebam oas provincias do Rio Grande do Norte, Per-
nambaco, Alaguas o Sargype com designacoes di-
versas, alguas ha qae sao peaoliares a algumas
dallas, e fazem um ramo de negocio importante :
por exemplo, as madeiras da provincia das Alagoas
coostltuem por si s ama fonte de riqueza inexgo-1
tavet; as matas secutares daqoella provincia de-
vem ser representadas na exposico nacional por
esplendidas colleccoes completas de madeiras; e se
as dimeos5es e esetareci-
_ instruecoes, competlro e
Cambo i m (madeira), cerne, casca, f-uclo e licor, tai vez excederlo em importancias s mais com pie
ao conbecimenu de todos
npreoaa o presente, pelo
Cajarana (madeira), cerne, casca e iructo, arte-
actos diversos, como pefcs, etc.
Carba, trence, raz e famas.
Caoefla de jan, o elp na soa extenco natural,
cestos ehaneo* e o mais qae deila se (bricar.
Cornrd, rilamentos.
Caj (madeira, cerne, resina, eastaohas, doce
secco e em calda, vlnbo.
Cannafistula, (madeira), fracto.
Cstandaba, (ornas, metbodo porque se appllca
na lavagem de roupa.
Carahoba (madeira), forqnitbas e ciozas.
Cordeiro (madeira), os espinbos grandes, os
(rucios.
Castaabefro silvestre (madeira), ceroe, casca e
(roclo.
Caro, asles e rah, llovi e seos artefactos.
Catle, tronco, coco, palma bruta e curtida.
Chapeos e ootros artefactos.
Carrapebo, as variedades prodoetos.
Cedro (madeira), artefactos diversos, om toro
mostrando a maior grossara qae adqnire esta ar
vore.
Croata, (llamelos em broto, corddos. etc.
jip de ebumbo en berva de chombo.
Cipo de fogo, pede-se as folhas, a verga oa i
astea do cipo.
Chiquechiqae, espinos. .
Copahiba oo pao tToleo, caole e olheo.
Coqueiro, basta qae veaham os cocos e os poo-
teiros.
Cumari, a piraeota.
Cumaty (madeira), cerne, casca e fructo.
Contraberva, folhas e batatas, e o ejre se tiver
colligido acerca das applieares deeta oanla.
Cajoeiro bravo (madeira), cerne, albas e pro-
ductos.
Cabacos, folhas e sbas appficacoes.
tas eollecc8es precedentes da Australia, qae figura-
rara oa exposico internacional de Paris. Se, po-
rm, taes colleccoes nlo paderem vir to comple-
tas coste se desoja, ao menos para dar um espci-
men da grande fertiNdade do solo alagoano, ser
E para qae chage
manda publicar pela
qual se responsabiliza
Pedro A Ivs de Oh vei ra Castro.
Juca, 22 de masco -da 1866.
fara o Sr, Or. dtefe *e prtita e o b-
blico do Recite.
. Pessoa algoma faca negocio com Francisco Teo-
pbilo Ferreira intitulado senhor das iafetizas Jean-
na e seas descendentes acerca destes, porqoaoto
corre no jaiao municipal do termo do Acaraefl do
Ceara' ama aegao de liberdade, em favor dos mes-
mos lafeiizes, como todo se pede ver do documen-
to abaixo transcripto. Giro sim roga se ao mere-
tlssrnto Dr. obele de polica da provincia de Per-
nambaco, que se digne de providenciar acerca do
cumprimeoto da precatorfa, qae, a respailo de al*
gaos daqaelles lafeiizes, fura expedida do mesmo
jaizo municipal do Acarac para S. S., como lado
se evidencia do mesmo dncomeoto.
Acarac, 13 de maio de 1866.
Gimo Satmiel e OHvein.
Illm. Sr. joiz municipal.
Dls Osorio Ssmnel de OHveira, corador da afri-
cana Joaooa e seas descendentes Marcelino, Vi-
cante, Thiago, Aoastaeio, Miguel, Antonia e Isabel,
que a bem do dtreito dos me?mos, se faz preciso
qoe V. S. se digne mandar aprebeder a Anasla-
cia, Miguel e Isabel existentes em poder de seo
intitulado senhor Francisco Theophlto Ferreira, pa-
ra serem devidamente depositados, soto a guarda
de pessoa idnea, cha, e abonada, afim de evitar
deminio senhoril e sevicias qne sobre el les exerce
sea intitulado senhor, visto como o soppiicado abu-
sando da coaflaoca deste jotro vender as ditas
fcaooa a Antonia em Pernamboco, o qoe (acumen
tostar mai* ama vezUrna accao memoriaqoe
ebaraa sobre qaem a pratica a gratHbo dos botos
a bencao do eo.
Pela publicacao destas liabas muito ta sera* sc-
conhecido o sea conslante leltor
taita
CASA EOBRML
D'CHA
Molestia Ulcerosa
Curada.
Caima de assucar, as variedades qae sr culti-
vara, assocar de todas as especies, batidos e mel
batidos, mascavos, rapaduras bandas e brutas, di-
tas de Garaoboos, me! agurdeme, alcool, etc.
Cardo Santo raiz e semeotes, suas apptlcas3es
medicinaes.
Cansancio ou ortiga branca.
Caoella, a casca em estado de sar offerecida ao
consumo.
Canoa brava, flechas, paina e pluma.
Cootas vegetae?, (cresce nos logares alagadicos
e d bagas como as tontas de coco, de edr parda
e com listras brancas e prelas).
Cmara', raiz e (olbas.
Ueod, coco, c-leo madeira, e seus artefactos,
como pentes de tsares.
Eraba, cipo, folhas e seas artefactos.
Erab (madeira), frocto em conserva.
Emburana (madeira), cerne, (ava, casca e (olbas.
Eoga' (madeira), cerne, fructo, casca e folhas.
Esponja, vulgarmente chamada coronha-erlz,
frocto e tinta com elle preparado.
Favas, todas as qualidades qae possam vir.
Feijo, idem, e sendo este nm genero de primei-
ra neeessidade, sera' bom qae acompanbem as
amostras todas as explicares possiveis relativas
ao solo, ao lempo das colheilas, etc., as qualida-
des mais estimadas, etc., etc.
Furao.ou tabaco, o qae poder vir en) bruto e
preparado para veoda. O consumo que tem assn-
mido este producto nao deve escapar a' attenco
dos expositores : os charutos e os cigarros devem
vir com as declara;des de seas preces, o estado
mais on menos prospero da cuitara, ele.
Farinha de mandioca e de aipim (macacheira).da
milho, etc., nao escapando a excedente farinha de
Munbeca em Pernambaco, qae to boa como a
de Suruby.
Gameleira 'madeira), cerne e seas artefactos,
visgo, leite, etc. : apptieacoes medrenats.
Gergeiim, farinha.
Giuhy (madehTi), cerne, casca, (roclo e Whas.
Goiti, idem, (rucio e folhas.
Gorgorl on croirl, idem.
Gravata das diversas especies, Whas, lioba e
seos artefactos.
Gaabiraba, fructo silvestre.
Golandimcarvatho (madeira).
' (tirana, d Ha : plmfta abnndanttaskua ero
Pernambaco.
Garab oa gaaraba, ^aradeira), cene, casca,
fracto e fottus. .
Gengibre, raz e (roclo.
Guagir, idem.
Guaiaco on pao santo, cerne, casca, applfeacta
medicinaes.
Genfpapo (tpadelra), rncto e tinta.
Ipecacaanba, preu e branca. ,
lohame, as variedades.
Jabotiraha, frnclo.
Japecanga, o elp e raic, em bruto e benefi-
ciada.
Jacaratra (matara), cerne, csea e fructo.
Jatob, idem.
Juca, idem.
Ju, dem, ravpas que servem de sabae.
Jurema, idem,raz, fofhas e frnctos.
Jurumbeba oa arnameba, o qoe lr iproveita-
vel para a medicina.
Lingna de vacca, folbas, ralles, batatas.
Lonro (madeira), cerne, casca, (olbas e frtMo,
Loco, baste, raiz e (otas.
I. ron o de diversas snbstaocias tetas ao espe-
cia lidade da macarba, arvore que esMo ana todo
o littoral da provincia de Peraamaao, e ae que
se fbrieam cortas, oes, redes la pescar, flos para
calcado, te.
Macella, flores.
Mangaba, cerne, (olbas, leite, borraeba, (rucios
e doces.
Mossarantralai (madeira i,
les e (nieto.
Merendiba, idem.
Meatras, ttaa,
Mastrarida.
Milbe fMMo, tataW Utat
Mocaoan, o cipo a (nieto.
MaBgomra, cbWMawim
dada at amagas dalfetarn
Mombaca (madeira), carne, casca e resina.
Pao-Brasil, u diTerm va/iedadea.
muito conveniente qae a commissao provincial se: t censegaira fazer com os ootros qne aindaestao
esforc para remedar as especies de madeiras mais ^obre soa descrrpcao, difflcoltaodo assim os efTeitos
estimadas oa linloraria e coostrueces em eral, ida causa, e malogrando a entrfga da le, que no
isto nao devem (altar a acarieora, que alcaoca 8 "so wtente maoda qae sejam tnconltnenlemene
ou 10 palmes de rossura e 30 a 70 de compri-1 deposiUdos.
meato aderno de 3 flahnos da grossara 60 dela_yn,r?.s,m. wojer V. S-, qae para o nvsmo
comprimenio roaogoe, que tem til emprego aoii se(digne mandar expedir precatorus contra os
corturaes : oUcicale 2 a 12 calmos de grossara e i eutes Marcelino, oaona e Antonia, vendidos em
80 de comprimento po-hrasil de 2 a 4 ataIi?wP*.nABgV v'cePje existente era poder do Or.
de grossura e 60 de comprimento ; Utajuba deS a Jo^ ^ies de Moara, ^Saborro, e Thiago no
10 palmos de grossura e 60 comprimeulo; massa- Podf fawoel Moora em Sobral, visto nao terem
raodoba de 6 a 12 palmos de grossura e 100 a 120 prodozido effeito as nutras que para este fim Ja
de comprimento : pa'o d'arco 106 a 2% palmos de Iwam eipedidas a requerimeoto do sopplrcaote em
grossara e 80 a 140 de cmnwtmanto naimente, da de 2 de julho do anuo passado.
havw de cansar a admiraco do odos se fosse re-: Nestes ,ern>os. pede definmeot ^ espera.
Acarac, 26 de fevereiro de 1866."
O carador
Osario Samuel de OHveira.
Despacho.
Especam-se as precatorias reqnerldas, assim co-
pesito.
Acarac, 27 de fevereiro de 1M66.
Arattjo Costa.
Testemimho de frratidao.
mettido um toro de viaaatioo on secc*> transversal,
teodo 4 a 3 palmos de comprimento e 30 a 32 pal.
mos de circumferenca onde se pode ver o cerne
composto de ceoteoares de carnadas corlicaes.
Cbegam-se a acbar viohaticos as Alagoas que
medem de 100 a IfO palmos de comprimento e 30
a 32 palmos de grossara, e que fariara o elogio do mandado de appreheoso dos escravos existen-
expositor qoe livesse o patriosmo, ou pelo menos tes em Pder d fenhorfo em qoesuo, afim de se-
a curiosidade de corta-Ios e de traosporU-ios at ,rea. dfPosiUdos, e nomeio depositario dos mesroos
ao palacio da exposico provincial, sendo fcil o f,?el arenco dos Santos qne assiguara o }e
transporte para a corle, qoe se (aria por conta do
geveroo ; urna rodella com a dimenso cima mar
cada, seria por tanto, snfficiente para demonstrar,
a qaem anda ignorar, a extrema fertiudade das
trras do Brasil.
Os productos do reino animal devem vir tarabem
na maior qoaolidade qae for possiveL Entre oa-: O padre Jeronymo Kaisievriez, encarregado de
tros devem ser remullidos : lirar esmolas para a manutencio do collegio roraa-
Cascaveis de cobra. ,no polaco, fondado por soa saotidade Po IX, tea-
Cabras : carne preparada e queijo. ido de retlrar-se para a Europa no dia 30 do cor-
Vacca : carne preparada em salmoura e secca, rente, jalga do sea dever maoifesiar o sea reco-
quetjo de coalho e de manteiga, maoteiga, sebo a nbecimento a S. Exc. Rvma o Sr. D. Emmanoel
velas, chifres e seos artefactos, iuclusive isqueiros, de Medeirosj hispo desta diocese, nao s pelo bom
cornimboques, etc. | acolhlmento pessoal que Ibe fez, seno tambera pe-
Cera e mel 'de abelbas das diversas especies qae U coadjuvacao real que presloa-lhe com a sua
se criam e velas: aas coHecces qoe vierem nao avallada esmola e circular qae dirigi ao clero e
devem (altaras segnioles especies : limara, capira, | ios leigos desta diocese, coovidando-os a aaxilia-
jaty, maodacaia, caado, vamos embora, tataira, j rem ama obra to pia, qual a do seminario pola-
tubba, ara pa', mombaca, aross, mosquito, sa- co; e tambem a distincta laculdade de direito qoe
nharo, moga braoea, cutia de porga, mondury,' lo expootaoeameote coocorrea com o seu nao pe-
maaoel d'abreu Bespas : enx, enxoy, capoxti,'Qieoo contingente; e aos demais senhores ffesta
cidade, qoe contribuiram com snas esmolas.
Todos aquelles qne se achilo sujitsa aef-
frer mdestMB scrofuloma, vkmcmM, ou aypM-
litica*, elude, mesmo u rapumdas de peir
natureza, apenas neceaaitao de 1er o seguinte
caso maravillioao, pan mente conveaeldoe ene a ana -propriii cora,
nao e6 meramente poanivel mac eim abeolu-
tamente certa.
Joao Joet FKRwaraa Babboza, rdente
na Cidade de MaranhSo, tinha todo o em
corpo ceberto de chagas ulceroaaa, a durante
algunos *nno ae achava debaixo do tratiinento
de mdicos ce malg afamados, te^o usado
durante todo este tempe- quaei teda a eapeeia
de medecinaa que era taes casos empregad
pela faculdade medica, porm debalda aem
rt*w menor beneficio oa alivio: achundo-se
poie em taes apuros elle finalmsnte resolveu-
e, depoia de repetidos e baldadoa ealbrcoa
fazer uso da}
Salsaparrilha
DE BRISTOL.
Notado elle apena chegou a tomar Cinc*
Garrafas e Saieapar-rka qaatro ftasine das
Pulai Vegetaet Ammarmbu, e o reimltado
foi elle obter una completa e perfeita cura.
0s Sefirs. Feioibtra & Ca., Droguistae de
Marajiliio, foro quem suppriro os medica-
mentos, e acliao-ee perfeitamerrte ao ficto
'este caso, e ce meemos Senhores, ale s se
achao promptos cennrmar o mesmo, como
tambem em fomecer o actual adresso do Sefir.
Barbosa, toda e qnahjuer pessoa que por
ventura se desoj informar da verdode.
Recommenda-ae mu particularmente aos
Doentesque tenhSo o maior cuidado naoculha
deete eTeelleBte remedio, no usando ootro a
nao ser a Qenuina Salsaparrilha de Biistol,
a qual enhatvaaunts preparada por
caboculo, boca torta, araarello e chapeo.
Peixes: os qae houverem e poderera vir em sal-
moura e seceos.
Tartaruga verdadera e nao cascos, pentes, ba-
hs, caixas de rap e oarros artefactos.
Tat : cascos
Erna e sariema : ovos.
Pelies cortidas e seccas de boi, egna, cavaTlo, po-
tro cameiro, cabra, veado, onca, porco, lontra e de
quaesqoer ootros aoimaes. Vaqoetas, calcado de
toda a especie, pernelra, vesta, peibfbo, chapeo,
botas, tado de couro e do|uso dos vaqaeiros do ser-
llo.
Prodoetos mineraes.Metaes.
Nao seria muito exigente a commissao directora
da exposico naciooal se.pedisse as commissoes
provinciaas a remassa de qoaotos mineraes a sciea-
eia tem descoberto.pois qoe todos qnasi sera excep-, *UP" indicado Bm.
Para continuar a receb-las tica esiabetecida a
tommisso approvada por S. Exc. Rvma., a cons-
tante dos senhores:
Monsenber Maoix Tavares.
Presidente.
Monsenbor Joaqoim Pialo de Campos.
Vice-presidente.
Conselheiro Pedro Autraa da Malta Albaqaerqne.
Dr. Antonio de Vasconcallos Meaeus de Dra m-
mood.
Dr. Joaquim Jos da t'oococa.
or. Rufino Jos de Almeida.
Commendador Maooel de Pigueira FarTa.
Major Manoel do Nascimento Costa Monteiro; os
qaaes de muito bom grado se encarregaram de
promover asmlas, quaoio Ibes (Ora possivel, pera
Recite, 26 de maio de 1866.
ama eaauli-
Aida urna ateca diettria
Coas a ebegada do oMcao vapor ios portes do
aorte vemos noticias do Araoaty onde *de novo
cresce u o rio Jaguar ibe inauadaado qoasi todas
as ras da cidade.
No dia 16 do carrele entrn rio a* bairro da
Ctmboa, lagar qoe sabem os qoe conbecem alo*
calidade, babjtadaoola gaate mais pobre da ei-
stae. No dia seguiate, aanodo ja a apa baria
. ,~a. 1..joi,,r,,i0d,l,r0 ** eneas aat (mleao e ans, a a
liste em grande qumt.dade no fo0 mki0 M nitor C0^IHi0.V0raM
r'i*. .!*, .. h,**A. m '* ha, aue abuudam aa (azenda de 40 i^ apearaaarasTea disas cidadoc lo>
cao esto espalhados e accumnlados em grandes
massas as provincias a que sao dirigidas estas io-
dicacoes : a industria da mineraco porm,
quasi descoobeeida entre nos ; a commissao, por
tanto contenta-se qae sejam remeuidas as collec-
cVfs que for possivel organisar-se mais oa menos
completas, ou que sejasa remetUdas isoladamente
as amostras daqaelles mineraes e metaos qoe estl-
verem ais a' mo, e qae apenas mostrem a sna
existencia na provincia : estas amostras servirlo
para completar as oollocQoes qoe forero reraetti-
das para Paris.
Imve vir
Amianto, que ex .
Rio Grande do Norte.
Ofglaes de rocha, -otra tououai sm mvu o mggt 40
Grillo, era Peroambaoo. aeate-ooroBel fluilormo fwi
Pedrae calcreas, granUos iris ouiros qne la-
obam aippltcacaaiisa eoabtrtssiges.
Otuo.
Mineraej de ferro, ferro mafneeo, mineraes de
cobra, e qaaesquar cairos mataes oa mineraes da
qae existen amostras.
Uabatingas
Ocres, argas de todas as especies retractaras,
saponceas, etc.
Oesso egiz fself. -arb. ta al).
Caiolin, barros de looea e todos os artefactos
dalles fabricados, a saber : leibas, jetos, te. etc.
Salitre.
Sal marrano; este producto se fabrica de escala no asfi (Rio-Grande do ufane), e em di-
versos outros rogares.
Aris micceas, etc.
Da tudo deveitr aelmo o prwje, s se^ode
otan qnairntfate desefafli, e onde secectmtra a*
disposicao do comroercio.
Prodoetos de Industria fabril e maaaai..
LANMAN&KEMP,
De XOVI YORK,
pois que todas as mais sao iaemoales edsica
> tum preetimo
Vende-se aas boicas de Caors & Barbosa
e C. Bravo & C.
A jurubeba, nova substancia
medicinal.
A jurubeba ama das substancias medicamen-
tosas, que pertencem ao reop vegetal, e pertence
classe dos tnicos e desobstruenies, sendo em
pregada oom vantigem contra as Tebres Intermi
lentes acotnpanbadas de engorgitameoto de ligado
e bago. Ella tem sido applicada com incontesta
vei proveito contra a anemia oo dorse e hvdro-
pesia, catarrho da betiga e mesmo para oombater
a meostrnacaodifficil, resaltante da mesma anemia
ou clrete.
Extrate alcoolico de jurobeba.
Emplastro ideo.
Oleo ideas.
Tintara idem de idem.
Xarope idem.
Vi oh o idem de idea.
Pilulaa dd ext. dem-
Deposito, pharmacia de Pinto, roa largu do Ro-
sario n. 10.
TolfllriERCO-
PRAGA DO RECIFE.
Gotaeoes offlclacs.
26 de maio.
- As 3 ir3 horas da tarde.
Algodao Ia sorte-16,5600 por arroba.
Coaros verdes95 rs. por libra.
Cambio sobre Londres 90 div. 7 1(4 e 27 d.
e do banco 26 7|8 d. por 1*000.
^ubourca Janior,
PresidanB. -
Silvelra,
Secretario,
pitao Antonio Caadle
Uachas o eaaoas para
?tajare mam altas dm
Nodiat7,calaaaaQdea
Jagaaribe, coaUnoar;
\o
banc de Peritalm-
Aieveda coca bMCO.
mjaTk!L^Z W-B"ta tnacan letras a 16 por ceoto
* t! M MU>0 tom* oHobelroopfsso flxo on em conta
'J'.'aorwnte pelo premio e
1 '&tmr. e saca sobre a 1
e aaoas a aas-
eondiedea qoae conven
1 praca da Babia
sar gente qae abaadaaava anas aaWteanta m
talas. Pode (axer<6e idea da aneoio e terror qao
ota wtaamaoBnijm>olai}ca,M'' datata
corria proaiojoaa a oahoo ta* ataa
moveia, aawm aoracatieas o tado cese nada qoe,
consUtoe Os oaciios da jeaw pobre ; gente, aue
como adea sabeaa aabaaa de dia oa cooaer no. c
se raasma dia; que oaractam de oteo' o qoe nada fleadimento
tlnbasj. Na tas tal tea acta
do capltao Aotanes e de Maca
Correado atwosuraaeaa itlmJoi 4a iaawadacio
como cantesbatan letaJmtaei ta tara, na
se esqaaoccam ta peca desea pobre geau e dia-
tribuiram par stwoayota mta,tap-acn grao-
de numero de esmolas pecuniarias a lveaeca (-
aiacpobres aatatasiaoa nmtall ta Ureja
actria onde a amaa. aio sbirnia, aocae
ir macea a mak de
pnasataf/
aLFANDEGa.
dp dio i a 83.....-.
a candado idem do du 26................
talo
per
occldoatol cto ra ;
oocaci do taaia
maioreacaisooa taarotakta aaota taftitafaoj
mesmo bairro. A caridade destes dignos cida-
0 qoe fr julgado dignado ser remanidodevs-o
ser sam acaatameot oa recta de aoje ai l taita itttadaiooo
oa altara do adlantacaaoto taprataoia a atMOta
o em me ai entrar com as taa* irmta do sal.
A atwviacm de Pcracastaca, ta aempTo, jota
pcimta ixftostsa cmroccatoa objecies qoa foraa
premiados; as provioeias ta ftio Graade do-Norta,
Alagoas c atagioe. oaass aricas em recursos, nao dios ataje ltalas a noftccildasH ta a.
estao, todava, mais atracadas as industrias la- mili tajo: cHcs ma*mos corrlom 1 oocorrar 4
bris e manases, nao devem porteaw, betur am loo^fooadlaheiro e vlvoresqa* cota acert dk-
mandar os- cena pretacmt. triboiram, tomando paila ta SasUtaOo eral i
As redes de tapurana do Rio-Grande oca ai ha Ograssando Ja' com baslinu toleliltade entre o,
awtar fabricadas smoatrapart do impexio. Os pooa* cataraido safig^ taom-ie pressa em!
teoidos de algodo de Sergipe, (eitos em tearea ta proenrar o Dr. lrinie (ae prostou na emergencia!
madeira, sao multo soffriveis. Os crivos, brdalas, os bop^ervicos.itadleS costumados, nao so ne*
labynnM* ta ItaGraada^asacads, ec.,tao^i- sawtasljfl,pas alud nos das seatatet, mesmo
doctos dignos de attoaco, e qta devem agorar na depo doift W em fine o rio corneara, a tasar.
exposico. Se grande foi % destlcto e afliCpjfo desse povo,
Todoi os productos dete geaaro devem vir acom- maior oi anda o animo patritico, a caridade at-
panbadoi dos procos relativos, e assim umbem se tenciosa e providente dos distinctos cldadios te-
puder ser de um esboco esutistlco do pessoal 00 nente-coronel Azevedo e capito Antuoes. Dotados
Novo Banco dePeriiambuco.
O novo banco pap 16 dividendo ne
raxlo de 6U50 por acgSio. -
Barca nacionalAmizadeenarque.
tata* nacionalBeluariolitera,
Brigue nacionalAureliandem.
eho portogaeifiarrrfidm.
tanaca hespanholaGuadalupe idem, .
Patacho nacionalSo/-idem.
Hiato portogoez Serra /idem.
Poncho portogoezS. Josidem.
USGEBEDOR1A DE RENDAS INTERNAS GE-
RAES DE PEUNAMBUCO
Resdimento do dia 1 a 25....... 19:939ii6
dem do dia 26.............-.. 5119890
20:4515736
CONSULADO PROVINCIAL
tartimento do da 1
dem do dia 6....
a 35.
78:57*1279
1:8315388
eXk4305867
PRA?A DO RECIFE
2U DE MAIO BE 1 6.
A'S TRES HORAS DA TARDE.
Revista setuaual.
Cambios........Saccou se sobre Londres a 90 d/r
a 27 X o 27 d. por 45000 e o
banco a 26 '/d.^ sobre Parte
de 332 a 355 rs. por (r. e sobre
Lisboa de 93 a 98 por cento, men-
tando os saques elTeciuadus du-
', Ma mesma aooraioru ta Jaz publico qne foi
nena data adrnltnoo a regfctre o'hfate *Senhora
ot MtafRMfes O fil iincUas, doqoalpro-
1 ?r,e,tor0 ^talomoa Loorencp, e mestre Aototio
de Soasa Ctro.
Secretaria, 25 de maio de 1866.
O-offlcial BMier,
_______________jolio GnlmoUsa,__________
Eiposifaa ota prodotao agroMUs^ojhsiriaes e de
otas d'arta em aVraaataee.
A coojmiBso directonoi dacsf^osir^o des-
te pimta<3M*esotrait, qaegTor meio de repe-
tidos dmWBoeios a^pubitata seguinte:
l.^ue Jnaagnraf^o A easposir^o foi
transferida para o dia 15 de agosto prximo;
*. Qae t,-pecepe5e-e9 productos rjesti-
nados i ecposifo pricpiar* do ata 45 de
julho prximo;
3." Que a demora que boaver na remes-
sa dos productos ser nociva su* mais con-
veniente collocacae, conforme a respectiva
importancia;
4.' Que vindo todos atropeladamente as
vesperas |do dia da abertura da exposrcSp,
nem se pode calentar o espaco qae clles re-
querem e se deoer apromptar, neoa fazer
sofcresahir
os productos, espacando-os, e
rante a semana em 85,000. coltocando-os (^nvenieiUneo*a ;
Algodao......... Vendea-se o de Pernambaco de | 5.a (Jueao-agnledt.'i(Qado peloOOsmi-
155000 a 16200 por arroba, o sario oiassiieodor, Sr. Br. 43crvasie o-
175008. y' PS, abordo,adnges Campello, se dever5o entregaros
Assncar........Vendeu-se o branco de 3*000 a! productos no palacio do governo jo referi-
35800, o somenos de 25700 a do dia !5 de julho em diante, e desde as
gado de t." Que a todos os expositores se pascar
recibo de seus productos, declarando, con-
forme eiles detenuinarem, se o estrno do
deixado ao arbitrio da
15830 a 25250 por arroba e o
broto de -15500 a 15700.
Agurdente.....Vendeu-se de 605000 a 625000
a pipa.
Louree.........Os seceos salgados venderam-' objecto exposto
taro*..........oe5iadodV5ndriSa veooeu-se a 'commissao, se deve segnir para a expocSo
35050 a arroba. da (,*eB, ou ser restitado ao expositor, logo
Azeite doce...... Vendeu-se o de Lisboa d 23500
a 2*600 o galao.
fiaealbo.......Em atacado veodeo-se a 165200
a barrica, e a retalho a i8*000 j

Rautas.........Venderam se a 25500 rs. a ar-
roba.
Carne secca.....Ado Rio-Grande do Sal veodeo-
se de 25200 a 35460 por arroba,
ficando em deposito 121,266 ar-
robas ; e a do Rio da Prata de
25200 a 35200, flcaodoem de-
posito 52,553 arrobas, ao iodo
173,821 arrobas.
Caf...........Veodeo-se de 55500 a 65200 a
arroba.
Cha............dem de 15600 a 25300 a libra.
Carvaodepedra. Vendeu-se de 95000 a 125
tonelada, conforme a qualtdade.
Cerveja........Vendea-se de 35000 a 65500 a
dazia de garrafas.
Farinha de trigo. A de Ne\v-Yoik e Riehruond
retalhoa-se de 225000 a 235000
por barrica, a franeeza a 225,
a hespanhola a 215000 e a de
Trieste de 245000 a 235000 ;
ficando em deposito 4,000 barri-
cas da primeira, 2,ao0 da se-
. ganda, 2,400 da terceira, 800 da
qoarta, 10,000 da ultima, ao to-
do 19,700 barrieas.
Dte de mandioca Vendeu-se de 35500 a 55000 o
sacco.
Feijao.......... Vondeu-se de 105000 a 125000
o sacco.
Looca.......... a iegleza ordinaria vendea-se
com 310 por cento de premio so-
bre i factura.
Manleiga.......Veodea-se a togreza de 800 a
900 rs. a libra, e a franeeza a
500 rs. a dita.
Masas......... Venderam-se a 85000 a eaixa.
Oleo de liohaca.. Vendea-se a 15700 o gtlo.
Pascas.........dem a 65000 a cairn.
Presuntos.......Venderam-se a 155000 por ar-
roba.
Os flamengos venderam-se de
157OO a 25200 cada um.
O inglez veodea-se a 140 rs. o
libra, e o do Mediterrneo a 240
rs. a dita.
Toucinho.......Vendeu-se o de Lisboa a 95000
por arroba.
Vinagre........O de Portugal vendea-se de 905
a 1105 a pipa.
Vinhos.........Veoderam-se os de Lisboa de
1755 a 1905000 a pipa, e os de
ootros paizes de 1505000 a 1875
a dita.
Velas..........As de coraposico venderam-se
a 600 rs. por pacote de seis
velas.
Descontos.......O rebate de letras regulou de
9 a 12 por cento ao anno.
Fretes..........Para Liverpool pelo alpodao X
d. por itbra 5 %,, pelo lastro 20/
por tooelada 5 % i pan o Canal
pelo assocar 33/ 3 % a 40 sem
primagem.
_
Queijos........
Sabao..........
613:4435633
14:3475044
537:,Jfl05677
ItTJVimSW r^^A|ittaM
IWomei entrado ceta laaoadai... 334
c compaaecos... 473
ov Wolomes sabidos cen
a> o enm
cem fazendas...
o3
435
707
498
dascarregam bita 28 de maio.
Vapor inglezAwasan=mercadorlas.
r infleBrtftantfdiversos gneros,
aa austracaAmazonjMdom.
rigae ItalianoAifeopodras.
'a tgim-uzf-buitittAo.
infleuTici/ffrmercadorias.
portognezaArmtnda~-dtersos gneros.
(raoceiOr- Coltgymercadorlas.
) ioglezGcrfrusTarrha e ucaltlo.
tfBtate--Beta)ftrinhi e mate teuefos.
nonufUez-'/uooal tersos gneros.
Isuna hamburgaeza-rC(ta-ina'-t4eai.
flttcho ioglezRomeucitiiti.
Barca Tj*eaa--/ia6efla-cirv1o.
Barca inglezaAvenacarvao.
Sumaca bepanhola-i?oio-Tlnhos.
depois da expostgo;
7. Que podendo tersuccedido que n5o
tenham ebegado a sea destino algumas das
flcTndTmVep^t'o 5,3o'o^arri-1 circulares e instrac^es por ellas dirigidas *
cas. todos os cidadSos qoe julgon podwetn con-
tribuir para a exposicae. Ibes roga qoepres-
cindindo de convites especiaes, contribuam
para esta festa industrial, em cajo bom ou
meo xito vio de algirm modo os bros da
provincia.
Sala da commissao, 9 dmelo de l*>6.
M. Buarque de Maeedo.
Secretario.
xpesicae agrkoia e iistrM 4a
faraujba.
Devendo ter logar no dta 5 de agosto prximo,
na capital da Parabybs, a eaposioao agrcola e in-
dustrial, o abaixo assigoado, eacarregado pela
cummissae directora dearomever a acqui(o de
objeetos d'atte, ou artigos de industria dee para-
hybanos aqui residentes, declara e pede pelo pre-
sente aquellas qae desejarem caocorrer para maior
brilhanlismo da referida exposico, qae tenbam a
bondade de dirigir-se a raa do imaerador a. 75 2*
andar, das 7 as 9 taras da maohaa, das 4 da
rte as 8 horas da aoite, eata o abaixo assigoado,
nao soroeele dar' as informacoes precisas sobro o
traospojle dos objecto qoe se desmuren) a refe-
rida exposico (cujas ranessas devero sr feiUs
at o dia 21 de julho prximo), como tambem (or-
necera' a materia prima aquellas seaoorea exposi-
tores cojas circomstancias assim o exigirera.
.No Hecife, podero igualmente enlaoder-se com
o Illm. Sr. Antonio Jos da silva Brasil, oa raa da
Madre Deus n. 23.
Penoamaoco, 22 do malo de 1866.
____________Jnsilno Jos de Soasa Campos.
Arrematar*)
Pinda a audiencia do raizo de orphTs e ausen-
tes do dia 29 do correte, escrivo Nones Ferrei-
ra, sera arrematado por venda a qaem mais der,
om terreno de marinha n. 236 A, na roa Imperial,
freguezia de S. Jos, com sea* atorros e beneficios
existentes, tendo 22 bragas de frente e 187 de mo-
do, etga t>xuno k ha de descontar o espaco
neeessario para as qoarro roas Indicadas no titulo
de marinha do dito terreno, espacy esse que por
aquella razodeixou de ser contemplado, excluidos
os lugares em que esto edificadas as casas, o
qual terreno foi avaliado por 8005,na execocao que
move o revereodo Dr. Antonio da Cunta e Figuei-
re.do contra o espolio do finado Jos Maria Placido
de Magalhes, e vai a praca pela qoaotia de 6405,
j sedozido o abale da le, e caso nao baja lanca-
dor sera' adjuditado ao exequente pela mesma
quautia de 6405-
Consulado previocial
Pela mesa do consulado provincial se faz publico
qae no da 1* de junho vindouro se principiara a
contar os 30 dias atis marcados pera a cobraora
bocea do cofre do 2 semestre do anno fioaoceiro
correte dos impostas de decima dos predios urba-
nos, de 20 0|0 do consumo de aguardante e de 5
0|0 sobre a renda dos beos de raiz perteocentes k
corporaroes de meo morta.
Mesado consulado provincial de Peroambueo
26 de maio de 1866.
Antonio Caroeiro Machado Rios
Administrador.
Secretarte do bispade
De ordem do Exm. e Rvm. Sr. bispo diocesano,
faco publico qae no dia 31 do crrante raez. ppl.is
10 horas da manha, celebrara missa pontifical oa
cathedral de Olinda, d'onde a tarde, pelas 4 oras-
sahir a solemne procissao de Corpas Cnristl -acora,
paobada por S. Exc Rvm. o pelo Rvm. Cabido,
Ao Rvm. clero socalar e regalar desta e daqaeila
cidade convm lembrar a obrlgaeao que tem de
asiistir aqoelle sublime acto de nosea santa reli-
gio, em vista do disposto oa constituido diocesa-
na liv. 3* tit. 16 o. 496 e seg.
Secretarla do palacio episcopal da Soledade 2&
de maio d 1866.O conego,
Marcemno Antonio Dornella.
oSoveraio da prvloi 4.a secgaSeaeuria do goveroo de Pernam-
baco, em 1 de malo de 1866.
ED1TAL.
i*ela secretaria do goveroo, se faz publico
quem ioteressar possa, qae tendo o Exm. Sr. vice-
presidente di provincia, de dar execac.a.0 a li n.
649, de 20 de marco ultimo, abaixo publicada, te
ooavida 4 todas as pessois qoe pretendan con-
tratar a constroeco das estradas de qae trata a re-
ferida le, a apreseotarem ao mesmo Exm. Sr. as
(anas propostas, e mediante as bases nella estable-
cidas, afim de serem examinadas e preferir-so
aquella qae melbores vaotageus offereeer.
O secretarlo,
Dr. Francisco V Paula Selles.
Un N. 649.
O Dr. Manoel Clementino Carnwro da Cooha,
vicepresidente da provincia de Pernambaco : Pa-
+eo saber a todos os sene habitantes qoe a assem-
ata legislativa provincial decretan e oo sanceiooei
o resolcao segointe :
Art. I.* Pica o presidente da provincia anterisa-
taa mandar estadar e a contratar eom tasa oa
non campnulas oa eom pesseas reconheeMamon-
te Idneas, orna rede de estradas, de rodajea oo
tie carcls de (erre, eonheeidas, son a deoaiMtaa
ta u-araways, qne ligue os centros populosos do
orlor da provincia cora as mversae estac&es da
estrada de Trro doRecife i S. Francisco, ene as
amates estradas de commooieacao para esta caps-
do eenmerew do tal ou com os pontos do littoral detacff wteam a
Ve oacta data oca aanegaco. 1
coflstrado eoateracto ta sociedade de Jeta Bapta- Art. !. Pata eieao^lto do artigo precedente po-
U traga e awcaio loaqaim Mentra Saaipaio, es- tara' o mesan presMence adoptar is segantes ne-
tapoMM* OJCWa aidodi seo alma ta Sraga^ cUoai :
Saapalo, devendo a mesma sociedade darar por $ I.- OtOtaoJertaecaaaajnio tatas tattkoia-
bojco de 3 aunas contados da 17 de fevereiro do res, une se oaoMiogann da' cetaotttoia loa
aoneoto, con e caplul oe leflWlee para o opal traorway oa noe os coHecaroTora em diaate aos
entra o socio Braga com 3:0000000 sondo 3975OT6 actaaes estradas, ama obveaeo ktametrlea pro
em ditmeiro e 7^W55 em Objeetos cafeteles porctaaOl tacapftol empregado e por na s m,
no eswbelecirnemD ooeh, e o ocio Sampaio con ficssjdo o coattalo, ae pora iseata aortbwr 6V
f05O00 iannem oxisteotes no estnbeieeitaeato. pendente da approvaeao desta agsemWom
oseraVrm W fe nulo de 6. O eonatafe-podera* iu^parjmoiciinaaoy-
0 offlchrt nafcf, vaAaateone^age stadoa e prooarafla n
JaHo Gurmirles. ; jtaom doc oorac, fliee ednearao nediaan n-
Peja seerettfm do tribunal do cenmereio fe letaaioajpbtarteatjeata a proviaeia caso ota aja
Temifflltraco, se fin poWico ffuo nesta no fot apfta*rloV eetarato cefebrata.
ln1|W talrvTOa nMrlctfla dos eemmeroeute |**>atrlranempnetimo deatr aa fin
o Sr. Antunra dos Santos Tvevw, clBaiflto NaaWoltO, ta poja, mediante coodicoes qoe nao obrigaen a
Me 28annoa de idae, estabelecido na caplttt ao" itaivftata a omJfog loMu sapermr a otare ecnv
Oeart'' com negotiij leaMni, en gwsso e itoommtta de*w aannow.
reurao. arC Wron revoiamsi asaleprtacqn en oao>
Secretarla 15 Baan e f8. **!?*. __ %t/i-t.-
o offlcial matar. Moata pirloolu, a totas o aatorltmatt owtaota
Jallo Gaimaries. o conbeeimento e execocio da presente resompo
MOYIMENTO DO PORTO
Navio entrado no dta 26.
Liverpool 33 dias, barca Ingleza Ctrea, de 308
toneladas, capitio G. G. Steckland, eqaipagem
11, earga carvao; a orden.
Navios sahtdos ne mesmo dta.
LisboaBarea portogoeza Janoto, eipitao Joaqnim
Pedro Viaona, carga assucar.
Liverpool pelo Rio Grande do NorteBrigue loa'"
Ella Bruce, apiolo T. Qcrdiaer, carga assucar e
algodo.
Aracaty Hiate brasllefro Marta Amelia, capito
P. T. de Aquino, carga difiereotes gneros.
Navio entrado no dia 27.
Sontharaplon e portas intermedios 18 dias, vapor
inglez Douro, eommandante J. A Bevls, equipa*
gem 120, carga differeotes geoeros.-
Navios sahidos no mesmo dta.
Rio Grande do* Sol Brigue nacional Otheto, capi-
tn P. J. de OHveira, carga assocar e agoardeote.
Maranho Brigoe-escona nacional Graciosa, ca-
pito Joaquim Jos da Silva Ratis, carga diffe-
rentes gneros.
Rio de Janeiro e Bahia Vapor ioglez Douro, eom-
nandante Bevls.
E-01-TACS
' Perante a cmara municipal desta cidade es
ario em praca nos das 25, 28 e 30 do cor/ente,
Eaerem arrematados .per quem maior preo
caeros maleriaocds casa o. 47 da roa do
jel, qoe (ora desapropiada por otflidada pu-
bIic ;ec que psetttaer-em arrematar encarregan-
do-se da, demai^ie comparecam no paco muoiti-
pal nos iodkados dias para o fim mencionado.
Pac da amara municipal do Recite 23 de maio
fie tOtl. Loit Jos Peraira Simes, pro-presiden,
fe.-Bnaeisoo Canta da Boa-viagem, secretario.
MCURACOES
TkuUiI d< (^mmercio
Jrwa secrettr tatribaoal
. PerianhAco, 00 fu paaooo


1
/
1
r

i
(Ota-



/


de 1866.
pertencer qae a cumprame facam cumprir to in-'
MirMoeate coso oelta seeontm.
Owa-fltara do-govorno (insta provincia a faca
imprimir, pnblwar e correr.
Palaaie do evarno de Pernarneoco, aos 20 de
margo de 184*, i' da independencia do imperio.
I S.
Mantel Clamentmo Cmaro da Cunha.
Sellada. publicada aprsenle resolucao oesta
secretaria do goveroe de Peroamboco, aos 24 de
abril d 1866.
O secretario, l)r. francisco d Paula SalUi.
Registrada a n: do livro 7de leis.provlnciaea.
Secretarla do goverao de Pernambuco, 20 de
narco de 18*6.
Q aseri pintarlo da-* scelo Teodoro Jote Ta-
zares.
Pretende sabir em poneos das para Lisboa a
barca portugom Varia, receba carga paisagei-
ros, para os quaes tem excellentea commodos e p-
timo tralamento : a (aliar com os consignatarios
Lamino & Nogneira, ra de Apollo n. 20. oa com
fi capito.
LIVROS DE SORTES
PITRA AS NOjBS DE
S.'jOO ES. PEDRO
i tonda, na JJtraria Ftanma
IV. Hua do Crespo W. .
IrTfiualaco
fepea-Mra 29 do corrente, (Inda a audiencia do
Sr. Or. juiE de orphaos, ten de ser arrematada a
ren la do enueobo Boas Irmaos do logar de Apit
pucos, serviodo de base para a arxematagao a
qnantia du 5:120, visto lar h*v*do abatimento da
3* parte na base porque (oi a' praga, qae era de
:400J. por nao ter apparecidp laceador._______
Os senhores abano declarados qneiram vir
a admiaistracao do eorreio aflm de receberem car-
tas reoommondadas. .
Adriano Francisco Ferreira feves Jnior.
Francisco Joao Alves Alraeida.
Joao Francisco- Araujo Fonseca.
Joao Cavalcantt Albuquerqne.
Jos Mara Correr Nenes.
Mariano Pereira de Souza.
Manoel Joaquim Lobato.
Rosa Mara da Conceigao._______________^^
Kxposleo dos productos agri-
c trias e iudustrla.es m Pcrnam-
fouco.
A comou5sa"o directora da exposicio ties-
ta provincia, previne aos artistas que de-
8jirem coniorrer com os seus productos a
mesma expsito, e que u3o o possam fa-
zer por falta de recursos, que devern diri-
f ir-se ai aecnaurio d conftnisso para ob-
terem os awul'ros necessarios a acqaisico
das materias primas destinadas aos ditos
productos.
Sala da commissio 9 de maio de 1860.
M. Buarque de Macado,
Secretario.
Para a Rio de Janeiro.
O veleiro e bem conbeeido brigue Adelaide,
pretende sabir com omita brevidade por ter a
maior parte do carregamento engajado, e para o
- pone qae Hie falta e escravos a (rete, tratase com
o cansignatano Joaquim Jas Gjncalves Boltrao na
ruadoVigario n. 17 primeiro andar.
GOMPANHIA PERMAMBDCANA
DE
ftavegaco costeira por Yapor.
Macei escalas e Peoedo.
Segu no da 30 da correata
para os porto* do sal, am dos
vapores da companbia. Recebe
carga nos dias 28 e 29. Bncom-
mendas, passageiros e dinbelro a
frete at as i horas da tarde do da da sabida :
escriptorio no Porte do Matos n. i. _____',
$OOO
Ilha de S mqud.
Segu com muitabrevidade o patacho portuguex
GEORGENCE, para passageiros, trata-se com Joao
do Reg Lima ra do Apollo n. 4.
Para Lisboa
Pila administracao do eorreio desta cidade, se
faz publico para. Qns convenientes, que em viriude
do disposto no art. 138 do regulamenio geral dos
correios de 2t de dezembro de 1841, e art. 9-do
decreto n. 785 de 15 de maio da 1831, se procede-
r' o-consumo das cartas existentes na administra-
fio, pertencentes ao mez de maio do auno passado,
no da o do juatio proximo,as 11 oras da manba,
na porta do mesmo crrelo, e a respectiva lista se
acba desde ja exposta aos interessados.
Admiuisiracao do eorreio da Pernambaco 24 de
mam de 1866.
Domingos dos Passos Miranda.
Administrador.
seguir com brevidade a barca porluguei Nova
Markmna, de primeira classe, e receniemenie
construida ; tem pmmpta a maior parte do sea
carregamento ; e para o restante e passaeeiros,
para os qnaes tem encallantes commodos, trata-se
com Manoel Igoaei de Oliveira k Filho, no largo
do Corpo Santo n. 19, escriptorio, oa com o capi-
to na praca. ________
ra o Para
Caiva filial di fcarnt d1 Brasil em Per-
a ni bu (.'o 22 de maio de 1866.
De ordem da directora se faz publico
aquellas pessoas que tem objectos de ouro.
prata e diamantes depositados sob caucao
oesia caixa cujas letras se acham vencidas,
que nao sendo ditas letras pagas at o dia
8 dejunho vindourose proceder' em hasta
publica a venda dos referidos objectos con-
forme o prescrito nos estatutos.
O guarda livros,
Ignacio Nunes Correa,
THE4TRO
DE
ISABEL
Rnni-nMii.
recita da asslgnatura.
Quinta feira 3 de maio
Seguoda representacao da apoquentacao era
actos, parauhrase do Sr. Dr. Augusto de Castro,
autor o trialogo Tehang-tchlng-baog etc.
lO."
NiNHADtOEMEUSOGRO
li'i'i--ntar-.-L'-iia a comedia em 1 acto ornada
de mu.-ica
La de Fel.
Ordem do espectculo.
l.-Lua de Fel.
2.aNinbada de meu sogro.
Principiara' as 8 horas-
AVISOS MARTIMOS
GttlPaUii lASILEBA
DE
PAQUETES A VAPOR.
Dos porios do sul esperado
at o dia 30 do corrente am dos
vapores da companbia, o qual, de-
pois da demora docostume, segui-
r para os portos do norte. Des
de j reeebtim-se passageiros, e engaja-se a carga
que o vapor poder conduzir, a qual dever ser era-
barcada no dia da saa chegada; encommendase di-
nheiro a frete ath o dia da sua sahida as 2 horas ^
as passagens so sero recebidas na agencia ra
da Cruz n. I, escriptorio de Antonio Luiz de Ol-
eir Azevedo & C. __________
OUSAXHI% BRt*4ILi:iIlA
DR
PAQUETES A VAPOR
Dos portos do norte esperado
at o dia 4 de junho o vapor San-
ta Cruz, commandante Araujo, o
qaal depois da demora do cost-
me seguir para os portos do sal,
Desde ja recefcera-se passageiros e engaja-se a
carga fjne o-vapor poder condazlr, a qaal devera'
ser emtiareada no dia de sua chegada, encommen-
das e dinheiro a frete at o di da sahida as i ho-
ras, as passagens s sarao recebidas na agencia
ra da Cruz o. 1, escriptorio de Antonio Luiz de
Oliveira Azevedo A C -
Partu o Porto por
Lisboa m
A vijeira e bem conbecida barca portogneza
Tentad'>>, pretende seguir com malta brevidade,
tem parte de sen carregamento engajado, para o
resto que Iba (alta trata se oom es seas consignata-
rios Aotnnio Lnrz de Oliveira Azevedo & ., no sea
scriptorte na rea da Crw a. t.______________
DAS
Dlessageries Imperiales:
No da 30 do
crreme mez es-
pera-so dos por-
tos de *ol o da-
l portrocezGi(ii-
' ne, commandante
i A. de la No,.o
}ual depois da
emora da eos-
ama sigpir para Bordeo tocaado en S. Vicente
Lisboa.
Km *. VleeTian vapor enj carresponilencla
eoin Gore.
Para cond^Qs, fretes e passagens trata-se oa
agencia ra Jo Trapii
pretende seguir oestes oito das o patacho porlu-
guez S. Jorge de Avnm, o qaal tem prompto parte
de sea carregamento : para o resto qae Ibe (alta,
trata-se com os seus consignatarios Antonio Luiz
de Oliveira Azevedo & C, no sea escriptorio ra
da Cruz m. i.
Pam o Rio de Janeiro
sabe amanha o vapor amencauo General Sher-
man, o qaal tem ezeellantes commodos para al-
guns passageiros: a tratar na ra do Trapiche
numero 8____________________________
PARA A BAHA.
' Ne- dia 10 do correte devia sabir da Babia pa-
rx esta prowooia o patacbo Sanio Antonio, qae
ch.'gando nao deve tar demora e seguir' com bre-
vidade por ter parte da carga prorapta, para o
resto da carga trata-se c un o consipnatano Jos
Mana Palmalra, pra do Commercio n. 4.
Para a
Pretende seguir com muita brevidade a velleira
sumaca nacional Hortencia, a qual tem parte de
seu carregamento prompto, para o resto que lhe
falta tratase com os s-us consignatarios Antonio
Laiz de Oliveira Azevedo & C, era sea escriptorio,
ra da Cruz n. i.
A roda do destino, novo e
completo livro de sortes, ncompa-
nhado de um mechanismo espe-
cial. um volame e o mecbanismo
Carta fatdicas, raspudas in-
fall veis todos os problemas da
vida humana, um estojo contendo
100 cartoes. ....... 10000-
Jogo da conversaeSo, con-
tendo 108 perguntas e 100 res-
postas : dous estojos cartonados. $$000
Urro do destino, 1 volunte de
lo pagioas, acompanhado de 9
cart5es para homens e senhoras.
Cartas da Pythonlssa Pari-
siense, 1 caixinha com um fo-
Iheto e 36 cartas. .'.... W00<
Orculo das naneas, 1 volu-
me brochado......4*jt280
O Fado, novissimo livro, ou jogo
de sortes engracadas, 1 volume
brochado ...-. 1^280
Pacotllha potica, a mais
comfleta caHeccaode soafcs, 1 vo-
lumnbrocirado. -.....
Revefacdes do clgano. 1 vo-
lume adornado de grande numero
da viohetas burlescas ....
GASA DA
A<*fO
Precisase alugar urna e.-crava qae tenhaJ
boa conducta e sem vicia, qua seja boa engpm-,
madwta: nariwdasQ-Beaa. 38, p?imeiro an- ra, queira
dar, pagase bom ordeoado.
Isl hntes
A'RADOCRESWIf. 23 ECASANDO COSTllfH
O abaleo assignado vendeu am sane amito f eii-
aw bilbetes gara&tidosdalotsrw-que se acaben
ue eitrahir, a beneficio-ds amim doevomnla-
;osda patria, os sefosates premio:
N. 9488 dous quintos com a. sorta de 6:0003.
N. 3824 am raeiomn ion de *:2e&
E oatras rauitas sortea de-100?, 40*, te*.
. Ospossuidore nooso fvfnatft seas rape
yos premios sem o* deaaoBtes da leis naeau
Fortuna ra* te Krespo a. iX.
Acbam-ee a venda o da-M pan da loterli
(6o*) a beneficio das familas do voluntarit da
Patria, qae se extrhira' sabbado t de tasto.
PftBgO.
liilheies. .... SiM
Meios. ..... 34000
Quintos.....feiMO
Para as pessoas que ampraraa > 1005000
para sima.
Biihaaa ..... 53301-
Melos. .... a*7S0
Quintos. f0
Maiton. MMWtfs PHiia.
CONVITE"
Com permisso da respeUnvei oseta regedora da
irmandade do Divino Espinio Sanio do Collegio,
sao convrdK?by todos os devotos do nclito Sanio
Ignacio de Loyola, e com especlafidade todos os
caixeiros naciooaes e portognezes, de coja ciaste
patrono o meso o bemaventurado Santo, a renni-
rem.se qinta-leira 31 do vigente, as 10 horas do
dia, no consistorio da mesma irmandade, afim de'
tratar-se da festividad e ds assamptos argentes,
para o bom rgimen de to lonvssve! excenolal
\)ft\ devocao.
Recle, 5T de malo de 866.
MACHINAS Ai\aCRICANAS
VsTndelras tabrleaate Bt, X. Caattongla f
r i aira* americams ar notr stilVt).
10OOO
1^280
Babia.
LSUGEn
De movis cobjecios de casa de familia
OLYMPIO,
(ara lejlio por coota de ama familia que se retira
para (ora da provincia, dos seguintes movis : 1
cama para casal, 1 marqneza, 2 binquinhas, 18
cadeiras, 1 sola, 1 aparador, 9 cadeiras de Jacaran-
da, 1 candieiro, 1 tbear, 2 mesas de pinho, 2 ca-
deiras de balanco de Jacaranda, 1 cama de mag-
no, 10 dozias de caliies, 1 lote de (acas e outros
muitos objectos para casa de (amiiia.
Hofo No grande armazem da praca do Commer-
_______________ci n. 48.__________
LEHdAO
TercaHfeira 29 de maio as 11 horas na
ra da Cade.ia n. 35, primeiro andar
Pelo agente Euzebio.
Se vender em leilao a casa lerrea n. 30 sita a
ra do Arago: os pretendentes poderao ir exa-
minar alim de aproveitar a oppottunidade de (a-
zer urna favoravel acquisico.________________
Na botica e drogada
DE
Bartot/iomeo C
34Roa do Kozario Larga34
VENDE-SE
Preparados da America
Do Dr. Radways:
Pillas reguladoras.
Prompto alivio.
Rezolutivo renovador.
DoDr. Ayeir:
Salsa parrrlha.
Pilulas catbarticas.
Xarope peitoral de cereja.
De Lammain & Kemp.
Verdadeira salsa parrilha de Bristol.
Pilulas assucaraclas.
Pastilhas vermfugas.
Ole puro de figaclo de bacalho.
Xarope pectoral de anacahuita.
Agu i florida.
Cesar Antonio
ropa.
0 Sr. Manoel do Nasclmento Teixei-
vir praca da independencia n.
8, a negocio que lhe diz respeito.
0 Sr. Dr. Francisco Antonio Cesario
de Azevedo, qaeiraiapjarecer a draga da
Independencia b. 8* negocio de ano inte-
reste.
Ravasini retira-se para Eu-
Fugio do engenbo Solidao, reguezia de Agaa
Preta, no ota iS de maan da corrente auno, unt-nu-
iatinho de nome Joao, Idade fi annos, com os sg-
naes seguintes : cor alva alaranjada, cabellos um
tanto carapinhados e avermeibados, cara larga,
njtn san setas, tem todos os denles na frente,
u bstanle ladino, a coatoma dizer qns forro
qaando foge; lavou vestido calca da castor parda
ja uzada, carniza de algpdao aiul,.cbapo da (eltro
pardo, e fr emurna irouxinha. carniza ecalQa no-
va de algofio de listra, e ilgurn dinheiro qoe ron-
boa- na impontaacia da trinta mil rs. Consta que
o me&mo mulatialiaembarcoaBaesuco-de Cuiam-
buca lo referido dia 23,. e suppoa-se tec ido cara
'o Recife, onde bem conhecido, pofs fdi escravo
do Sr. Manoel Antonio de Sotiago Lessa, e esteve
.bastant* lempo em cas do Sr. capito tiolla,
d'onde fez diversas futidas,,seuda preso em tuna
d'ellas em Pao d'Ailio. Ro^a-se as anxtoridedes
pollcfaes, e caprties de campo a captura do mes-
mo, e maadlweo emnoar n'e-ta praca a Manoel
Antonio de Santiago Lesea, ra do Mondego n.

LUiiO
Jacob Peidinha e Francisco Antonio Feidinba,
subditos napolitanos, retiram-se para Europa.
LOTIWA
AO O:000^000
Coree sa libado 2 de j un lio.
Acham-se venda na- respectiva thesou-
raria, ra do Crespo n. 15, os buhe-
tes, meios e quintos da 16* parte da lo-
tera a beneficio das familias dos volun-
tarios da. patria (65), sendo a extracto no
tugar e num u >-".-,i,,,.->.
s premios de &OtOOGO at O^OO
serao pagos urna hora depois da extraccao
at as 3 horas da tarda, o os outros depois
da distribuicao das listas.
As encommendas serao guardadas so-
mente at a noite da vespera. da extracejio.
O lesoureiro,
Antonio Jos Rodrigues de Sou^.a.
4LUG4-S
um sitio na estrada da Joio de Barros, todo mora,
do, com casa pera familia, quartos para escravos,
muitos-pds de frncteiras, cacimba, banheiro etc.
a tratar na soledade, taberna grande e. 46.
Aiuga.-se ametade da caa u. i3 na roa d]
Crnzes : a tratar na -mesma; .
T3S)
de ferrager, e mtudezas que
de todos para este estabelecimento
ra Wota tt. 29 Carnero Vianna.
Na ra Nova n. 20 e 22, grsnde deposito
das verdadeiras machinas awrJcanas de todos
os fbBcaotea-; se encentra nesie* deposito
grande porc3& de machimn, e se vendem por
menos preco do que em outra qualquer parte,
por se receber e rfireitora da America; se
fofnece todas as explicacBes necessaras ao
comprador paw conservaeao das mesmas;
neste grande eatabelecimeato. se encontra mui-
tos arligos americanos, que muito deve agra-
dar a agricultores auetisam de taes artigos,
encotttaase lamben toda- as cnlttcgns de de-
sanss aobae nonaa se aceita .ftquer urna
encommenda, quecompromptioao ser ejecu-
tada; este grande estabelecimento, encon-
tra-se am grosso a a retallio, grande poreo
se vendem por prego coau&odo, pedindA-se a- altencfo
que myito lucrara.) am fazer anas compras: na
4 PHEVID1NT
Sociedade portogneza de segaros mataos snbre a vida, fuuda.!a J
adnioisirada pelo
BANCO ALLIANCA DO PORTO.
o
Todo o pal que desojar acautelar o futuro de seus filaos deve, quauto antes,
fazer ioscrevef os seus nomes na lista dos socios da Vrevideute por que, com u ; a
pequea quana que, todos os asnos, para ali fr applicando, tirada do fmicto das suas
economias, no fita de 2S- annos alcangar-lhes-ha urna fortuna, que por tienhom outro
meio e com to pequeo desembolso poder obter.
Os exemplos praticos de outras sociedad- s anlogas tem mostrado qae :
tW|0f paf,!> auuualmcnte pMtem pioilaifr.

Por um menioo de
de
de
de
d da
dia a 1 anno.
a 2 anri'S...
a 3 -------
a 4
a lo
o
>
Por orna pessoa de 15 a 20 ann>s
> 0 de0*30
a de 30'a 40
de 40 a 50
Em 5 an-
nos.
Em iO
annos.
Em l-">
annos,
Em Pan-
nos
Em 25 an-
nos.
1 dia al anno.. 1:1000 4:O0O4 9:>00d 20:00'?> 47:0003
900 3:0005 7:5l0^ 17:0000 37:CO0
M*0 2:900^ 7.00 16:000$ 35:0003
MOA 2:80O(5 7:100,5 15:600.* 31:0003
860-3 2;7Oi5 7:8003 15:50>3 33:3003
860^ 2:7003 7:00O? 15:4t03 33 3003
8603 2:7o'3 7:1003 13:60(3 34:0003
8603 4:7006 7:20^,5 16:0"O5 37:0003
9003 3:0003 7:500;> 18:0003 50:0003
Admittem-se 9ubscripcoes annuaes de 83 para cima.
Quem pretender sabscrever para a Previdente ou desejar quaesquer esclareci-
mentose infonroacoes, poda dirigir-se sua direegao, no banco Alliar.ga, eslabelecido na
ra BeomoBte, ou a Jos Ferreira Mout'nho, inspector geral da mesma socied?de. mo-
rad >r na roa da Fabricado Tabaco n 10, do Porto, e aos agentes do mesmo banco e
sociedade na capital e proviacia, que tambem darao prospecto gratis a quem os pedir,
Acbando-.se de passagem nesta cidade o inspector geral da re.et ida sociedade,
promptiica-se,. dorante o pooct lempo que aqui tem de demorar-se, a dar os esclareci-
imentos que se lhe pedirem, todos os dias at as 10 horas da nanlia na ra da Cruz n.
4, auno referido engeabo Soiido ao sea seabor 1, em casa do Illm. Sr. Antonio Luiz de Oliveira Azevedo, onde se acha hospedado.
Pedro Mftano da SilveiraLessa; qua ser, genero-
samente recompensado.
Ama de Ufe
Precisa-se de ama ama de leite, em Pora de
Portas ra do Br um casa da c-squina n. SI A, no
largo do cbafam.
Os abaixo assignados fazem sciente ao res-
peitavel publico e com especialidade ao corpo do
commercio, que no dia 21 do correte dtssoiveraai
amigafim jnte a sociedade qne tionam no estabe-
lecimento de taberna, sito no largo da. Santa Cruz
n. 92, que gyrava sob a ilnn.i social de Bernardi-
no da Costa Ferreira & C fieaodo dito estabele-
cimento daquelle dia em diante pertencendo ex-
clusivamente ao ex socio Beroardino todo o activo
e passivo da extinuta tirma social, e somenle elle
o competente para liquidar dita Arma, com escep-
i'ii das, dividan activas une em parulha flearao per-
tencendo ao ex-soclo Manoel Agostinbo Seixas da
Pooseca, e que constam da Mac/o qoe receben
para cobrar por sna coota, assignada por ambos
os socios, sabindo a ex socio Fonseca pago e satls-
fsito ds teu capital e lacros. Recite 23 de maio
de 866.
iiorar Jm i da Costa Ferreira.
Manoel Agostioho Seixas da Fonseca.
O (B ^ Si
_ i -s-
C !T> O) ZJ
ci 2 c ra '"
2. b B 2
S to a o
2 3 Vi a o
S. S S *'2 *
3 S o.6 g.
&__ .- o SJ w
SO*
TS-.S
De movis, relogios, vidras etc.
Gerdeiro SimSes
por canta e risco de quem perteocer fara' leilo de
t piano de mesa, mobilias de amarello e jacaranr i .... p^d^-se de um caixeiro que"tenna "pratina
da, i sof, 1 mesa, 2 aparadores, 1 cartetra, 2 ban- ,je uberi : no pateo da ribeira a 23.
cas, a mesas de looro, 1 me^a de pinho, 1 mesa ------1 aa ,
elstica, 1 guarda roupa, cadeiras, venecianas no
vas, marquez.s, vidros ete.
Amanha 29 do corrente as 11 horas.
No armazem a roa da Cadeia do Recife o. 29.
LEILftO
De t rico espalbo dourado, i piano boto, t pega
de oleado largo, 12 ditas estreitas, 9 oleados pe-
queos e uma.porcao de j)hosohoros de cera.
C0RDE1R0 SVfOES
por conta e risco de quem perteucer fara' leltSo
dos objectos cima mencionados, isto
TopQa miro flPnPvjl ente as tt horas.
No armazem a roa da Cadeia do. Recife n. 29.
A ti de aiiril do correte anno fugio o e*-
j cravo Joaquim, coa os sigoaes seguintes: cr
I prete, altara regular, ojitos braneos, discDrado,
I bastantes cabellos broncos aa netue da ci-b^e,
idade que representa 40 annos, pernas bem finas
e ps grosso?, parece am tanto corcovado porque
tem o lombo alto; casta a encolber as percas, de
m ffgora, e vagaroso no servjco do campo em que
se occapava. Pertence a Miguel Arcbanjo da Pon-
seca morador no tugar da Venda-Grande distrioto
de Muribeca, o qual recompensar com generosi-
dad* a que tivw a bondade de capturar dito
escravo.
LEIU&
De 40 saceos Itoiu acucar brat
Quarta-feira 3d de maio.
(No trapiche ib Cunha.)
O agente Pinto fara leilao a reijuerinjeata de
Honorato Jos de Oliveina e qoi raanado do Illm.
Sr. Dr. juiz especial do commercio de 40 saceos
com asiucar bruto penhorados M. Peres C, Ja-
come da Gama e existentes no traprebe d > Cunta
no Forte do Matto, onde se effictuara' o leilo as
10 horas do dia cima dito.* .
- 1
i i*i*ta^
Criada,
Precisa-se-4 urna ama para comprar e co-
zinbar, para ama. casa de pauca familia : na ra
danretcaVr/. 8.
Acha-se Justa para comprar a taberna n. 47
'dat nbntra da lina vista ; se agusm se achar coco
dlaettoa dtta taftema declare- dentro em tres das.
- Aluga-se urna boa casa cora terreno e arvore
dos de fractas, com commodos pava famalia por
Precisa-se de urna criada para servico domesti-
co, tratar d*tma senhora e engommar: na roa
do Sebo-n, Si.____^_ _______^
P-nooia-se de um menioo de 14 a* 16 ann,
dos iiliini i nrwijil" do Porto, para caxeiro no pa-
teo de Tee?*, n. 12. ___.
:proco coBimidu, na rus Nena da cidade de Olinda
np ojiao da s a tt; a tratar ao Recife roa das
Aguas-Verdes n, 5.
AVISOS DIVERSOS
1 i- i p m 'i i^^ n uw,
Compra-sa um sobrado em bom es
tado, lie um, a tres andares, as ras se-
guintes : Cadeia, Cruz,, Trapiche, Impera-
dor, Crespo, Gabug, Nova, Queimado, Gru-
zes, Livramento, larga do Rosario e Ffor-
tas; quem ti ver deite carta fechad i com as
iniciaesA. G.E.nalivraria n, 8da.'pra?ada
Independencia.
Anlanip Jas-ns Reis, faz tiente ao publico,
ou a nein ioteresaer possa, que-dissolveu amiga-
velraente a sociedade, que tinha.na prensa de al-
g,adiugjpe gira va sob a firma da>Reis & C, Qcan-
do eenr-a dita prensa Jos Machado dos Santos:
ontro sim julga nada dever da dita firma, porm
stlgueijse ju^ar credor pode apresentar-se no
pjaso da |diaair^Reclfe 25 de m>io de 1866.
F urto
-^r
Na noite de 29 de abril prximo passado furia-
ram do eo^enho Dous Dragos de cima, proprieda-
de seajuttae-: alasJo, castrado, com a dina e cauda
cari e da-aiMO eor, ama Mstra branca da testa
al em cima do beigo sunexior, o p esquerdo e a
mao direita braneos at os travadftres, novo e gor
"Ihrrn rtr Tjb'iJilll fia TflJI minfinMa iitlP1 *'!3tt! "m hai^" fl m- ,ouco 8span
aluguel de ama ama forra para o servico interno *
de ama casa de familia : na r dos. Guarartne
Juaq.uim Jos ge de Soua
Soaza, tendo de re.trareiuse
do, bem felt do corpo e pescogobom andador de | por seas byUMgi ppiae
baixo apVmeio, e andar baiao nm tanto spero,
em Fra de Portas n. 26.
Da-se a quantia de 25
guel de ama escrava para o
ama casa de familia -, na ra
Fra de Portas n. 26.
tn
d gratifJcagSb a quem o trooxer neste
engeoho, qo djla cter ooticia. certa.
Manoel Rodrigues da Silva Cmara,
m
Threa de Franca,
nevando em
por 9e 10 annos.
Portugueza, retira-se
saa companbia ama
Naro
goiaba fino
Ibor a 105
a nm 144ITT garra
DOppSC i
rrafa, (
os
mais gneros da melhor qaalidade e por presos
commodos.
Francisco Jos Gomes, tabi\mMTMf t7t
val Portugal.
.9.
Franciseo J. s Martios snbdk portguez vai
a-Bnropa, tratar de na- saude.
Prawlscfl Josa d*e Saaza"Almeida"tetif-as
para a,Europa.
m p wrptMp(fii.| itwi >car ,,, ..... iiiirti n erniMiir fnin n sni
ciJ,jafa momia**.* romma-jana, o m
* dado e aatividada : <\mm gaiter imuntja.
tthia! pjn.
em****
ngimmo-. pa o respate-e-papufeim,.
nirrsenaMeHiatas ooarnppse,cta>seeea Ms- _:-------.---------,---------,, ...................-
wel \a<*ri>&GtoHm, Piteo, crtfpwio no lar--1 PmipvseaMima amaliTre-on capllva, ptr
m de Corpo Saoso 19, pb ook eapitao na Dio snrtlco interno de nm casa de tm pessoas,
praca. na roa do Hospicio o. 62-
Na praca da Independencia n. 33, loja de
, comrjspjMpitMMHMptedras preciosas,
isa faiHalq^Pg Bl Qcommenda,e
arto.
Furtaram na manhaa do dia 25 do corrente,
4 sala d casa do abaixo assignado, os seguintes
tbjectoaUr- Urna casaca e nm collete de panno
fpto j o r-#a-prete de aeda novo, e am cha
peo de manba, de corredor da sala, os-ps de
.ama cama, de amawUo, de gto aago; auem
dar noticia dfiss* bio, qb apinhBO**r q4lqBer
um desees objectai [uoUmas, sexiU*pasi>il4we o
o abaixo asagjMda
Precisa sede um atojo que lentontMie
trt ndeeejo de appHcav-M a' pKnpwe* raer'
.cantil : na cna da f pmi. 87, 4> oem quera tratar.
Padre Florano n. II.
Fugio no dia 22 de dejembro de 1865 a escrava
Felicia, de 40 annos de i.lad\ com os signees se-
guintes : parda clara, de estatura batxa, magra,
rosto ossudo, olhos encovados, falta de denles na
frente, cabello crescid; foi esccava para, o lado !
de Paulista, porra jalga-se ella andar mesmo pelo
Recife, Afogados ou s*u arrabaldes; roga-se, por-
lano, as autoridades policiaes e capites de campo j
ide-apprebendela e leva-la a' roa oa Cruz n. 22, |
botica franceea, que s ecompensar generosa-
mente._______________
Ama
Na na do Hospicio n. 36, paga-se
ama cozinheira.
" 2 3 = 2.
fi, S. = M a'
"So <3
Q M 5 t ^ 3
f 5 M S =
0.Q.0 Q,S_
g|S5
5
S
?
c
B
3
o.
O -o __. M
SsS
W T3 B
g
a
o
n
Mi
tt
H
9
00
A
00
2- ,
- S 2 s.
o o S'-s
Tai
ICjl por ama o
ir.
x a
9 -
a
B ^:"
8- f
o a
Ser" i.
i; t
s
B
X
o
a 8 m Q.
i T -i o
a.
O
ce
cr
o
ii
pe
|
es
o
t
po
ts
-s
B
>1.
*t
p
PC
o
o
Precisa-se de urna ama forra oa captiva qae
engorante e cosa para casa de pjuca familia : a
fallar na roa do Cabug loja de raiudezas
oa na ra da Cruz armazem n. 54.
n. 1 B
Na roa. da. Imaeratriz
inna vacca, boa letteira.
Engomomatra
Caixeiro
a 14 acba-se a venda | Na fabrica de baleehas a vapor da ra Direita*
n. 84, precisa-se de um eaixeiro que eertIBque a
sua conducta.
Precisa-se de urna eoomnadei>*; na rn*
da Cadeia,do iteeif n. 52 terceiro andar.
Fo#a fog,a
VatdtviM 4a pol*ora.oBi fabrica dd fogo art i
cial na ilha do Maruim, se acha com purcao-
fogos do ar de 1* sorte j postos as fletas, ei.
,ra de festejar os dias.qun line.r noliaus de qaalqi
triumpho aunosjasarBasdiJtroioHuottia; tei
aquelle qoe tiver a mesma saiisfaco dirija-se
armazem de sal da ra Imperial n. 221 poucoalm
da fabrica de spb
* uni.niMiwi
: Precisa-se de um c*ixaira braaslejre de Mi a 16
annos de idade, para a armazem de sal da ra Im
perlal n. 221.____________
aos ST^^Brtns ^fip e'C""ftfte"
de 1866.
f
Manoel Jorge de
a Europa dsi-^
bw>o pyalpstnr dos.
Perowida do> Santos e
26 de maio
rw<-
Precisa-se de ama muiher forra de meia ida-
de que se queira prestar a ser ama e fazer com-
panbia a urna senhora; a tratar na rna do Quel-
mado n. 69.______
Jos Antonio Jordaa, Paschoali Gmlhermino,
Josep Gailhermino e Domingo Barbo, subditos na-
politanos, retiram-se para Europa.
Precisa-se alagar nm oozinheiro para um ra-
paz solteiro : a tratar na roa do Queimado 13,
i andar, dae 9 boraa asjl da tarde. _
Aluga-se o terceiro andar do sobrado n. 37 a
raa da Amorip.;*# m^mm* do mnemo.
Precisa-se dfr unja ama' de leite, naca amamen-
tar nma menina muito mancloha, paga-se bem,
rna Nova de Santa Rita n. f primeiro andar.
Precisa-se danf alieiro'le 14 a 16 annpa,
cnm,pratica. da tabnma : d*-tA 4tt Codorniz qu:
ero 8. '
Agua mineral natur
Depotltcr ptowneia- Phm>- rna do Rosarlo
tatyn. tQ
A iliuDuiaaao a gaz.
, Pedfvse ae Sr- stamlstiador da mesma qae man-
de fechaje oj djtpMpa do iwsmo, 4*6 horas da
manhaa, perqpe niasn pr,e-nUo w aadtrityderxar tenha pratwa o aej*.
d,tr**tprp^p4t|tli|||. |naruadaPonte-ir|
.......K^FW*.------- -CarvilrfQfWfejPa ra do
|to o. 20, sacan fart o Porto a Lisboa,
PreciM-se de nm feltor'para um sKioiperte da ^ m f***- ---- ,, ., ,,,
T.7177,'........................'...mu. tpngt-, qne seja tsapir c trabilhsdor, ja-se casa Icpcrw wffs d Preelsa-se de trata, ama de lelte: na rdrdn propri para morar: t tratar ta roa Nov n. 17. caiai Sfats con Mswmo rawatej: oa pr?ca.aa
loja. t\^ fsa-^r- i nfopentreieia a. ta.
10 17
VeTAS AO BIATrCG
UJJ G. PHARMACEUTICQS DE PARS
itMOpTitu |aeparado com as folhas
e%a'Hb, iMWre do Per, paw acora rpi-
da e inflrrvti da gBnofiw'pwfc receio al-
gum di cortrac?! da-canal o** inflamma-
cle dw intestinos, clebredtwto* Ricord,
de-Pars, tmrwwiwiado, desde sa? appari-
cJb^ao empergode qua^peroBro trata-
meoto. Bmprega-se.a'ifijeoelO'Be camacode
fluxo; as capsulas em todos- oaesa* clni-
cos e DveteradO; tpw neaisUfn s preparta-
ooeada cepafaiaaaas iniaccoas eora base-
metlica.
Engenho para ar-
rendar
Arrenda se o engenbo Quiaimbo, em Sanio A-
maro de Jaboato, o qaal tem rauitas e excellentes
trras, e ptimas maltas : a tratar na ra do Seve
/ilha dos Ratos), sobrado confronte ao chafariz.
-' Precisa-se de urna ama para comprar e co-
zinbar para urna pequea familia de tres pessoas
sem meninos : na rom do Bratii n. -"> .
unan %s-s-^kb^
,*m&mtt*m
Sot ment 4& papis pintados o
lindas guarnicoes para forrar casas.
N i UVaABJA FRANGEZA.
N. 9. Roa do Crespo N. 9.
Manoel Jos Martin*, morador no Monteiro,
declara que >e nao eateade om elle o annuncio
inserido neste Diario pelo Sr. Frederico Chaves, e
Sata evitar engaqos assigoar-se ha d'ora avante
laaoel Joto llartuas dae Naves. Recie 2i de maio
de 4866.
Trcis-se'de nm caWir*. parnlaberoa qiie
stapratie o aelade48>*y **** <* w*d :
GARRAUX, DE LA1LHACAR & C.
[LWMfRE FrUNClSE;
WJA DO CRESPO N. 9..
Livros naciooaes e estrangejFos.
Religiao, dtreito, litteratura, etc.
Papelaria, o ojelo* pntaaaoriptorio.
Papis pintados para Lrrar ca&as.
Assigoaluras paea os jornaes da Eu-^
|repa.3
:
ENfjrECea WMJW.
Remedio nfadivel as agnoirheas antigs
recen, tes, nico deposito na pharmacia
e fraoee* rw da- ref n. t* e ao pre?o de
30000.
fflMUl IBA; wm
kereta-
fogo
-
i iimn
+*M


1
.
-'-.
e 1866.
A LEGITIMA
DE BRISTOL
PREPARABA RICAMENTE POR
LA VMA\ k KEMP,
NOVA YORK.
Composta de substancias, gozando ds
propriedades eminentemente depurativas a
approvada pelas juntase academias de me-
dicina; usadaJno6 principaes hospitaes, ci-
vis militares e da marinha as Antilbas e
no continente americano ; receitada pelos
facultativosos mais distinctos do imperio do
Brasil e da America hespanbol
CURA RADICALMENTE
escrophulas, rheumatismo, escorbuto, en-
ormidades venreas o mercuriaes, cbagas
antigs, morpbea e todas as molestias pro-
venientesd'um estado vicioso do sangue.
Emquanto existem varias imitaces e
fakifcacos, preciso a maior cauiela para
evitar os engaos,
A legitima salsa de Bristol vende-se por
CAORS & BARBOZA
JOO DA C. BRAVO & C.
Jo So da C. Bravo & C.
Deposito geral em Peraambuco ra da
Cre n.22 em casa de Caros___________
Samuel Power Johnston k Conipanhia
Ruada SenzalaNova n. 4.
AGENCIA DA
Fundido de Low Moer.
Machinas a vapor de 4 e 6 cavallos.
Moendas e meias moendas para engenho.
Taixas de ferro coado e batido para enge-
nho,
Arreios d>' carro para um e dous cavallos.
Relogios de ouro patente inglez.
Arados americanos.
Machinas para descarocar algodo.
Motores para ditos*
Machinas de costura.
mMmmmmmm,m mmm
K DEPOSITO DE CALCADO g
m FABRICADO NA CASA DE DETENCAO Pt
gj$ Ra Xova n. 81. p(
^ Abi se encontraro obras Je di- jm
B versas qualidades, e por preco mui !
t diminutos, a retalho e em porches. Wk
r S se vende a dinbeiro.
S. Antonio.
A apreciada e mui procurada tresena do glorio-
so S. Antonio, acha-se a venda na roa do Iperador
u. 15 d^fronte de S. Francisco.
A Salsapariiha
OE -A.YER.
Para x cura radical le
Escrfulas, ulceras, chagas, fer-
idas velhas, molestias syphil-
iticas, e mercuriaes, Enfermi-
dades das mulhere, como re-
tcncao, menstre doloroso, nlcer-
aco do tero, e flores brancas.
A rTevralgia, Convnlsoes, Eri-
sipelas, Enfermi4ades Cutneas,
borbulhas, nascidas, etc.
O extracto componto de SALSAPARILIIA, confeccion-
ado pelo Dr. AYER, c urna combinaco dos melbores depura-
tivos o alterantes conliecidos medicina; 6 composto segundo
i\* lels i'.a seleucia, approvado c receiladji pelos primeiros
mdicos dos Estados Unidos, da America do Sul, do Mxico,
A SALSAPARILIIA de AYER especialmente efficaz na
cura da= molestias, que tem sua orlgem na escrfula, na
Infeoco venena, no uso excesivo do mercurio oh em qualquer
irnpnreza do Sangue.
Entre todas as molestias que amigem o genero humano, n>
lia urna mais universal e tcrrivel do que a escrfula ; por si
nao to destructiva, porem a causa principal de multas en-
fermidades que mo llie so feralmente attribuidus.
urna causa directa da tnica pulmonar de mal do
figado, e estomago, affecpes do cerebro, Itlieumalisino
affeccSes dos RIhs : entre scob symptomas ha os seguintes;
Faltn de apetito, Fraqueza e molcza em todo corpo; Mo
ebeiro da boca, semblante plido e incluido, s rezes d'uma
fdvura transparente, nutras rezes corado e amarello ao redor
(la boca; Digesto traca e apetito irregular; Ventre inchado
i cvacuuco irregular; Quando ataca os pulmoes urna cr
fizuluda mostra-se a roda dos olhos, quando t no estomago
Cao avermelbu dos, as pessoas de dlsposlco escrofulosa
Bpparecem frecuentemente empelles napeUcs canaca e outras
partes do corpo ; sao predispostas as affeccici dos pulmCes, 9o
figado, dos ruis c dos orgaos digestivos e uterinos. Portanto,
i.r.o sao som'ente aquelles que padecem das formas ulcerosas
c tuberculosas da escrfula que necessitam de proteccao
contra os sens estragos ; todos aquellos em cujo sangue existo
o vira latente diste tcrrivel flnrello (e s vejes hereditario),
< -i ,u expostos tambem a soflVer das ennrmldadas que alie
causa.
Oflcrecemos a estas pessoas um abrigo seguro e um anti-
doto efficaz contra esta molestia e sua* oonsequencias, na
SalKaparilha de Ayer
qne opera directamente sobre o sangue, purifleando-o e ex-
imlsando dell a corrupeo e o veneno da molestia: penetra
todas as partes < todos os orgaos do corpo humano, Undo-
os da sua aeeo viciada c Inspirando-Ins novo vigor. E* oa
alterante poderosisslmo para a re.ovaeo do sangue, e d ao
corpo j cnfraquecldo pela doenca forca enerfU renovadas
como as da juventud*.
: TAMBEM O MELBOX A.STI.8TFBII.ITICO
COXHECIDO i
cura permanenmentc as peiores formas de SYPHILI8 e as
as coRsequenoias. Pouca necesidadc ha de informar o pub-
lico do lnestimavel valor de um remedio que, como este, fivra
o sangue dessa corrupeo e arrebata a victima dais farra* de
urna morte lenta e ignominiosa, porem inevitavel se o mal
Dio logo combatido com energa.
Nao pretendemos promulgar, era queatmos que se infira
le st* remedio infalivel para a cura de todo* os padeci-
mentos humanos, o que diiemos que a
Salsapariiha de Ayer
a melhor preparaoao at hoje deeeoberta para estas e ontraa
molestias anlogas, qae urna eombinaco dos alteante*
mais efficazes eonheddo*, e que temes consciencia de oereoer
ao publico o molhor resultado qae i possirel produilr, da
tntelligencia e pericia medica des nonos tempo*.
REMEDIO DE AYER PARA 8EZOB8
Infalivel as febres intermittentaa, ramittaataa,
Febre* Biliosas terca*, mal do figado, in-
cremento do baeo, cegueir a. Dor noa
ouridoa palnitate*, quando
FEBRES INTBRMI1TENTES, OU REMirTETES.
As preparaeoe* de Dr. Ayee to Tendida* ea toda* a
Boticas e Drogara* do Imperio.
Vende-so en Pernambuco:
na
PHARMACIE TRANCIS
DLRMAt
3 RA NOVA N:ES
qLATubX^
^X
FABRICA A VAPOR
99 RA DO MONDEGO "99
Deposito na ra Nova a. M lo Ja de relojoelro.
Deloucbe donos dente eslabelecimento partecipa.ap respeitavel publico que 6ua fa-
brica est montada com as melbores machinas que existem na Europa, e que pode
fabricarcom melhor perfeicao possivel. Todo o chocolate tiesta'fabrica est garantido, e
t.puro, e que nao se pode encontrar naquelle que vem de fra, e que se vende por prego
baio, visto os productos serena do paiz. Na etiqueta tem empre urna aguia.
i<*SSMSSSSSSSSSSSMMMMM^ *
. PREQO.
Meia libra. ......'.. 400
mabbra...... 800
Urna arroba........19,5000
Na mesma fabrica acaba de se montar urna officina com serrara a vapor Dar
obras de marcineiria propria para edificio, para o que encarregi-se de fazer portas; ja-
dellas, assoalhos (parqu francer como se usa na Europa) e armacoes, ludo com ijgpevi-
nade e[perfeic5o. Tomarse qualquer encommenda para fra da cidade, entregando-se
prompta a collar-se no lugar.
DE
COEfalIO & FREIT1
Ra da Cruz n. 16.
Continua a haver diariamente um sortimento de pastis* podios, bolos inglezes,
empadas etc., etc. Os donos deste eslabelecimento, acbam-se as melhores condicoes
de poder satisfazer eucommendas concernentes sua arle, em consequencia do socio
Freitas ter sido administrador chefe de algumas das principaes fabricas na .corte, sendo
urna a do Sr. JoSo Goncalves GuimarSes (confeitaria do Leao) antiga casa de Carceller.
Todos os trabalbos sao difieren tes dos que se fazem em easas particulares.
Os proprietarios deste estabelecimento nao se tem poupado a despezas, nem se
pouparao, se bouver concorrencia como esperam ; tendo continuadamente bom sorti-
mento de doces para cha; presuntos e ditos em fiambre, tambem se recebem para se
rem preparados ; assim como doce de caj novo superior, secco e erystalisado, dito em
calda em latas hermticamente fechadas, podeodo durar anuos em perfeito estado.
Para jantares e partidas recebem-se encommendas dos seguintes objectos; ban-
deijas ricamente enfeitadas sem armacao pecas de amendoas (nogaces), ditas de tmaras
de ovos, paes de l enfeitados com disticos anlogos a qualquer fim; ditos montados,
kechs simples e enfeitados com fructas ingleza; gatheaux de la reine, ditos de le d-
chese, tortas de fructa, massa folhada; ditas de peixe e carne; cremes e doces de ovos
de diferentes especies.
Tambem tem um completo sortimento de vinhos engarrafados, como sejam: vinho
do Porto superior, Figueira, Madeira, Lisboa, Cherez, Bordeaux, Champagne fino, ser-
veja, licores, charopes e conservas. Para festas: bonitas caixinhas com amendoas, con-
feitos e mais enfeites. Muitos destes objectos mencionados podem-se perfeitamente ac-
ondicionar tanto para a provincia, como para fra.
FIGURAS
Acabam de receber bonitas figuras para bandejas de doces, sendo grupos para
baptisado, (asamento, annos, ditta a phntasia, bonitos enfeites para bollos e circular pra-
tos de doces finos, tudo por precos razoaveis.
Vende-se licores em duzia rauito em conta.
BOA CASA
MARTIMOS
CONTRA FOGO.
A companhia Indemnisadora, estabeleci-
da nesta praca, toma seguros martimos so-
bre navios e seus carregamentos, e contra
fogo em edificios, mercadorias e mobilias:
na rna do Vigario n. 4, pavimento terreo.
Alaga-se ama casa e sitio na estrada do Ja-
cobina (Capunga), com temeos e canteiros ao la-
do, banbeiro, coebeira, estribarla, gallinheiro e
qaartos fra, bastante fresca : a tratar na rna do
Pilar, primeiro sobrado a direila logo depois do
arsenal de marinha, 8 andar._______________
Em casa de Tbeod Christiaosen, roa do Tra*
piche-novo n. 16, nnico agente no norte do Brasil,
de Brandenborg frres, Bordeaux, enconirase ef-
fectivamente deposito dos arligos segaintes:
St. Jalien.
St. Pierre.
Larose.
Chateaa Loville.
Chateaa Marganz.
Gracd vin Chateaa Lafitte 1858.
Chateaa Latine.
Haui Saoterues.
Chateaa Saaternes.
Chateaa Lataar Biaacbe.
Chateaa Yqaem.
Cognac em tres qualidades.
Arene doce. Prego de Bordeaux.
El|OWM-M
com asseio, promptidao e prec.es razoaveis: na roa
Augusta n.5, loja.
M.mm ***** ******
H O Dr. Carolino Francisco de Lima San- |
tos contina a morar na roa do Impera- n
dor n. 17, segando andar, tendo alias sea
B gabinete de consultas medicas, logo ao
entrar, do primeiro.
0 mesura doutor, qae se tem dado ao
estado tanto das operac5es como das mo-
lestias internas, presto-se a qualquer cha-
mado, quer pan dentro quer para fra
da cidade.
I da cidade,
Cigarro de 8. Paulo
De fumo de Belem do Descalvado fabri-
cados pelo celebre JUCA.
Roa do Crespo n. 9.
Arrenda se um sitio no lugar daPiran-
ga, com trras de plantar e pasto, e varias
arvores de fracto; na ra do Imperador es-
criptorio:n. 12._____________.
COLLEGIOS E AULAS
PEORAS DE ARDOSIA
Fafrrlea de Paher.
Pautadas, envernisadas ou simples.
A Linaria Franceza recebeu um peque-
no sortimento d'estas Uboas de ardosia in-
contestavelmente de qualtdade superior, e
hoje geralmente adoptadas as aulas da
classica Allemanha.
Ra do Crespo n. 9._______
Antonio Lui de CMtveifa Aievedo & C ten
para vender no tea escriptorlo, rna da Croi n. 1,
vinbo do Porto tm caixa de duna, fio namborgoez,
sola da Babia superior.
Aluga-se na ilba de Bem-fica, a margem do rio,
a razo de 15*1 mensaes, a primeira .n. 2 A :
tratase na ra Nova n. 38.
Precisa-se alagar urna ama para casa de
pouca familia; na ra da Imperatriz n. 36.
~Pribleacao jnrldlea
DOS
Responsaveis nos crimesj
SDe hberdac de exprimir os pensa-
tnentos.
Lices de direito criminal.
PELO DR.
Brai Florentino llenriques de
Soma,
[Lente de direito civil na Faculdadel
j de Direito do Recife.
; Acaba de sabir a' luz esta interessan-
I le pub I ir a cao e acha-se a'venda na li-
vraria Econmica a' roa do Crespo n.
2, pelo prego de 4 cada exemplar.
XAROPE
PEIT0RAL E DULCIFICANTE
DE
SAIXT-CEORCtES
Preparado por GRIMAULT d C.a pharma-
ceuticos de S. A. I. oprincipe NapoleJo.
Cura rpida das molestias seguintes: -r.
tosse, catarrbos, pleuresa, coqueluche, an-
ginas, fortes constiparles, irritarles dos bro-
neheos edo peito, bronchite, phtysica pulmo-
nar, asima.pneumonia, anginas, amygdalites,
tosse ebronica, rouquidao.
Os mdicos recommendam ao mesmo tem
po o uso das excellentes pastilhas peitoraes
con o suco da alface o laureiro-cerejo, que
se preparam no mesmo estebelecimento.
venda as pbarmacias de Maurer e A.
Caors.
Precisa-se de nma ama pira casa de pouca
tamilia, qae faca todo sefvico, prefere-se escravall
na roa de S. Jos n. 2.
-*-----------------------------------f
A NACIONAL
Companhia. geral hespanhola de seguros mutuos
sobre a vida
AUTORISADA PELO REAL DECRETO DE 21 DE DEZEMBRO DE 1859
Urna flanea en dinheiro, depositado no cofres do estado, garante a boa ad-
ral nistracao da companhia.
DIRECCAO GERAL
BANQCEIROS DA COMPANHIA
O Bae de Hespanha
Madrid: Rna do Prado n. 19
Esta companhia liga pelo systema mutuo todas as eombinacoes de supervivencia dos seg
os sobre a vida.
Neila pode se lazer a sabscripcao de maneira qne em nenbam aso mesmo por morte do
segurado te perca o capital nem os jaros correspondentes a estes.
Sao to supreheadentes os resultados que produzera as sociedades da ndole deA NACIO-
^_AL,que anda mesmo diminuindo ama terca parte do interesse produzido em recentes liquida-
ces e combinando^) com a mortalidade da tabella de Depareieux que adoptada pela companhia
para seus clculos e liquidares, em segurados de idade de 3 aiO aoooe, ama mposicaoannaa.
de 100,1 produz em effeetivo metlico:
No fim de 5 ancos. ...... 1:119*300
> de 10........3:941*600
de lo *.......11:108*200
de ?0 .......30:256*000
de 28 "i v......80:331*000
as idades menores de 3 annos e maores de 30, os productos sao mais consideraveis.
Prospecta e mais informacoes sero prestadas pelo sub-director nesta provincia.
Joaquim Fiuz de Ol veira, ra da Cadeia n. 52, ou a Boa-Vista roa da Imperatriz n. 12, estabeleci-
mento dos Srs. Raymundo, Carlos.Leite & Irmio.
TINTURARA
AO GRANDE S* MAURICIO
PROCESNO*^ APCKFEICOAtfiOS
PARA W
Tiogir, limpar e lusrar a vapor.
F. A. SALN
29 Kua 7 de setembro 29
Defronte da rna nova do Ouvidor (Rio de Janeiro)
Os proprietarios deste estabelecimento, o primeiro no sen genero no Rrasil, por
trabalhar com as machinas mais aperfeicoadas para tingir e lustrar, de que se faz uso ua
Europa, eajudados poralgunsdos melhores officiaes de Paris e Ly5o, podem assegu-
rar seas freguezes urna perfei.o no trabalho, a qual senao pode chegar pelos proces-
sos ordinarios.
Tiogem, lavam, limpam e demofam com a mai r perfeicao e brevidade qualquer
qualidade de fazendas, tiram nodoas e limpam secco sem molhar as sedas e as vestimen-
tas de senioras e de homens. *

LOJA DA FRAGATA AMAZONAS
K. 5 Kna do Qaeimado n, 5.
Monteiro & Guimaraes, proprietarios deste joven estabelecimento, participam a
todos os seus amigos e freguezes, que recebem de conta propria por todos os vapores
da Europa, ricos adornos para casamentes, e nntms mniAs -u-tig-oo do grondo modo, o
sfl.rnmidorom foiizespeio bom desempenho que tem lido todas as suas encommendas,
pois seus correspondentes de Hamburgo, Paris, e Londres, tem sabido acertar com o
bom gosto das encantadoras Pernambocaoas.
A Fragata recebeu ricas saias de l a Mara Pa, com barras colloridas e de grande
novidade na Europa, assim como tamboretes atapetados para as senhoras deitarem os
pes, cortes de granadina bordados a agulha, ditos de prpeline, ditos de esmeraldine, ditos
de cbaly com listas de seda, ricos cortinados bordidos, bons bramantes de linbo, boas
selicias, boas bretanhas, retondas de algodao, ditas delinbo, ditas de seda a'gerienes.
tburnus) africaines, pompadoor, transparentfs para janellas com lindas paisagens etc.
e oulros muitos objectos, quesera eufadonho menciona-los.
ramoso flwi
DO DR. CHABLE
MEDICO E PROFESSOR DE PHARMACIA, DE PARS,
DAS EMFIRHIDADES
PLUS DE
COPAHU
MH 0 TRATAMENTO E P1MPTO CURATIVO
SEXAES, DM TODAS AS AFFECCOES CVTAMEAS, VIRUS
Citrato de Cerra Chfele.
Xarope mui preferivel ao
Copahiba, e as Cube-
bat, cura imraediaiameo-
te qualquier purgaQao ,
relaxaco e debilidade, e igualmente Ouxos e
flores brancas das mulberes. lajeeea* de
Chabie. Esta injec<;ao benigna emprega-se mes-
mo tempo do xarope de citrato de ferro, urna Tez
de manbi, e una Tez de tarde durante tres das;
ella segura a cara.
DEPURATIF
du SA1YG
E ALTERACOES DO SANGCE.
DeBurative de s*H:ar,
Xarope vegetal sem mer-
curio, o nico coubecido
e approvado para curar
cor promptidao e radi-
calmente impigens, pstulas, herpes, sarna, co-
mixes, acrimonia e alieraces viciosas do san-
gue; virus, e qualquer affeco Teneres. Ba-
kaa BtfMraea. Tomao-ie dous por semana, se-
(tuino o tratamento depurativo. Pomada an-
tiherpetica. De um effeito nuravilboso as af-
feces cutneas e comizoes.
HemarrabidaPomada que as cuaa em 3 das.
m...u.f:.t Win.,------ .>.. ^. .*r'*MiUHN
<-' Deposito na ra* larga do Rosario hotica de Bartbolomeu A C. n. 34.
MML
Precisa-se de urna ama eserara qae cBsinbe
eDgonme para casa de rauito pequea tamilia
na roa da Concordia n. 34, sobrado do armaiem
do sol, pafa-se bem.
Na rna do Raogei n. 9 precisa-se de ama
ama qae cor tone e eogomme
%m.
Preclsa-se de nma ama qn seja de bons coste-
mes para o servico domesco 4 um casa ds fa-
milia : a tratar sa roa da Gnu n.
Ghooolate de Memer.
CHOCOLATE DE SAUDE.
CHOCOLATE D BAJULHA
CHOCOLATE DE CITRATO DE FERRO.
CHOCOLATE LACTATO DE FERRO.
Na botica c drogara
DE
B4RTH0LOME0 I C.
34Eu Rasarie Ur|a34
Alqga-se na Capunga porto do Lasserre urna
casa terrea coa solio, tendo quartos, copiar,
cosinhs, qaartos para criados, estribara e coebei-
ra : a tratar na raessaa Cipuofi eau da Sr vio-
ta B. Ugserre oa na rna Imperial n. 80._______
Avisos tra Goiaona,
Preciu-se tratar edil o Sr. Francelino Ferrelra
ABlZAKlir,
Tinta Inalteravel
Para escrever
de P. MLRER & ft
PERNAMBUCO
Esta tinta recommenda-se pela sua com-
posica e fluidez como a melhor e a mais
segura de todas as tintas at hoje conheci-
das. Nao ataca as pennas de ac, d at
tres excellentes copias, mesmo muitos dias
depois de escrever, e preferivel a qual-
quer outras tintas particularmente para
livros de commercio, documentos eto de
que se careca longa conservacad.
Casa decommissio.de ese rayas u rna di lape*
rader b. 4o, terceirt aliar.
Recebem-se eseravos tanto do mato como da
praca para seren vendidos por commissSo, afflaa-
ca-se o bom tratamento e segoraoca para os mes-
mos. O abaixo assgnado nao ponpa esforgos jflm
de os vender com promptidao, nesta mesma casa-
ba sempre para vender eseravos deambos os> sexos.
______ Antonio Jos V. de Suza..
- Precisase alugar nm coiinbeiro para um
rapaz soltefro : a tratar na roa do Qaeimado D.
13, l' andar, das 9 horas as 5 da tarde.
Na roa Bella d. 22 paga se 25$ por ama ama.
escrava para o servico de pequea familia.
Precisa-se de amasadores
Chora-meninos.
na padarla do
Precisase de ama escrava para vender froc-
tas, pagndose 204 mensaes u quem a tivr dln-
ja-se a roa do Sebo n. 38, que se dir quem pre-
Naques sobre o Rio de
Jane Ir*
Prente Vianna & c sacam sobre o Rio de Ja-
neiro e do premio.
Joao Baptista Gomes Penna-roga a seas deve
dores que veunam satisazer seus debitos no praso
de 15 dias, quando nao forcam a entregar ao seu
procurador para cobrar amigavel ou judicialmente,
sem excepcao de pessoa alguma, pois tem serlos
compromissos e nSo pode ter mais contempla$6es.
Precisa-se alagar treTmoleqaTs "para- traba-
Ihar n ama fabrica de velas : a tratar na roa da
untan. 3.
Irmandade do S. Sacramento da malrit de Sante-
Antonio.
A mesa regedora da irmandade tendo recebido
da lllm* cmara muuicipal convite para asssr em
corporagao ao Te-Deam em accio de gracas qae
aquella cmara manda celebrar na mencionada
matriz pelo triuropho das armas brasileiras e aca-
hamento da guerra com o Paraguay, logo que se
receba to fausta noticia, qae deve encher de exal-
lamento aos filhos da trra da Santa Cmi, pelo
presente convida a todos os irroaos a comparece-
rem nessedia para assislirem ao referido Te-Deom.
Consistorio da irmendade 23 de maio de 1866>
Angelo Henriques da Silva
Eserivo interino.
mmmmmmmwmm mmmm
* Companhia fidelidade de seguros m
martimos e terrestres
estbelecida oo Rio de Janeiro.
AGENTES EM PERNAMBUCO
Antonio Lniz de Ollveira Aievedo & C,
| competentemente autorlsados pela direc-
8" roria da companhia de segaros Fidelida-
de, tomam segaros de navios, mercado-
ras e predios no seu escriptorio ra da fiS
mmmmmmmmmmmmm
Arrendamento
0 desembargador Doria arrenda e tam-
bem vende a sua chcara no MaDguinho,bem
como vende duas parelhas de muas, tres
carros sendo urna victoria, um coup e um
cabriolet coberto, tres vaccas de leite sen-
do duas paridas, dous bois de car roca e
todos os trastes e utencilios das casas e cha-
cara : quem pretender pode ir examinar e
entender-se com o desembargador ou com
o Sr. Jos dos Santos Neves, na ra do
Crespo n. 19.________
Precisa-se de urna ama para cozinhar e en-
gommar, para casa de pouca familia : a tratar na
ra do Sebo n. 24.
AMA
Na roa da Cadeia n. 50 precisa-se de ama ama
para cozinhar.
Arrenda-se, vende-se oa permuta-se os en-
genhos Goiabeira, Boa-sorte e Ginipapo, lodos de
moer com agua ; o jnnto a povoacao de Santo
Amaro de Jaboato, e os dous ltimos ao sal da
cidade da Victoria (Santo Antao). Por venda nao
se exige dinbeiro ao passar da escriotora. hacan.
jo icu no gaiauraas a |na.*us convencionados: a
fallar na roa da Imperatriz n. 22, 2 andar.
Precisa-seno Paio PublicT.~13,-de um
menino de 10 a 13 annos que lenha alguma pratl-
ca de miudezas : a entender-se na mesma.
Banifacio Graciano, director dos Cavalhinhso
de Pao, participa ao respeitavel publico qae madoa
o sea divertimento da ra da Florentina para a dos
Guararapes n. 20; e tera principio no dia 26.
COMPRAS
Compram-se latas vazias de gaz
Guia n. 9.
ca ra da
. Compra-se ouro, prata e pedras preciosa
em obras velbas : na ra da Cadeia do Recite
cja de ourives no arco da Conceicao.
Compra-se
urna escrava qne seja boa Agora e que saiba bem
engommar, nao excedendo de 25 anuos de idade,
e pagase bem : oo escriptorio de Vicente Ferrei-
ra da Costa & Filbo, rna da Senzala n. 138, on em
seo armazem junto ao arco da Conceicao.______
Compra-se ama secretaria de Jacaranda
mogno, ou de amarello, na roa Nova n. 7.______
Ouro e prata. .
Em obras velbas : compra-se na praca da In
dependencio n. 22. loja de bilbetes.
Libras sterlinas compram-se na praca da
Independencia n. 22.
Compra-se urna burra de ferro, ingleza oa
mesmo das antigs; oa roa Nova n. 31.
. Comprase
ama escrava qae saina cozinhar e engommar com
aceio : na roa da Cruz do Recite n. 45, segando
andar.
Compra-se na prensa de algodo de Saunders
Brotbers & C semeotes de algodo a 500 rs. por
trroba.
Compra-se um bom seliim inglez em segun-
da mao, paga-se bem : na roa Bella n. 22.
Compram-se duas carrocas novas oa com
pouco aso, qae sejam proprias para doas bois ;
quem liver annuncie.
Compra-se ama preta que seja boa eozinhei-
ra e engommadeira: na tnesooraria das loteras.
VENDAS
Vinde-sena livraria franceza ra lo Crespo e rea Nova n. 18 de
DE
J.
. para negocio* qae o
ignora; na rna da Cadeia do
Preclsa-se de orna ama para cozinhar e com-
prar : na livraria da roa do Crespo n. t.
Crespo boticario
mesmo leahor nio
ReeifeiMa________
Preclsa-se de ama ama para consiobar, lo
pateo da Peona o. 14.
DE
VIGNES.
M. 55. RA IM> IMPERADOR N. 55.
O pianos desta antiga fabrica sao boje assis eoabecido para qne soja necessarto insistir sobre a
taa superior idade, vantugens e garantas que offereeem aos compradores, qualidades esta* incontetU-
voto qne tties Km dtflnitmmente conqaisiado obre todo* os que tem apparecido nesta praca; pos-
Miado na teclado e machinismo qae obodecem i toda* as vonudes e capricho* das pianistas, sea
aanea albar, per serem fabricados de proposito, e ter-se Jeiia ulli-namente melhoramentos lmportan-
aslmos para o clima deste paiz; qaaoto s vozes, sao melodiosas e flaotadas, e por sso moito agrada-
-ata ao* onvido* dos apreciadores.
FaM*n-se conforme u encommendas, tanto nesta fabrica como na de Sr. Blondel, de Paris, ocio
Mnvsnnadonte de J. Vignaa, em coja capital foram sempre premiados em todas i
No mesmo estabelecimento se achara sempre um explendido e variado sortii
------ autores da Knropa, assim como harmnicos e pianos harmnicos,
preaos commodo* e razoaveis.
to do msicas dos
Vende-se um bom eteravo de meia idade :
* tratar na roa do Destino o. 14.
Vende-se nma casa na rna de S. Jos, com
doas salas, dons qaartos, corintia fra, quintal e
cacimba: quem quizer dirija se a roa de Santa
Rita n. 83, que achara' com quem tratar.
Vende-se ama cas com frente de lijlo oo lo-
gar denominado Tijipi, freguezia de Afogados, em
terreno proprio, com 42 olimos de frente e 126 do
de fundo, quem a quizer eomprar, dlrija-se a ra
da Cadeia, loja de Ismael C Duarte Ribeiro.
Vendeos-te ceblas solas a
ra da Moeda n. 43.
Pechincha
500 rs. o cento
oa
Vende-se
na bonito e excelleale mallo d cabriolee e raui-
to bom para sella, em razio de ter toda* as mao-
chas; nnoocneira do Tbomaz na rna da Rola.
Vende-te nma preta de idade pooco >najs*40
annos, naci Angola, a tratar na rna da Gloria
n. 95. Recife, 26 de maio d 1866.
VEME-SE
Massa tara tofo, a BO rs. a na roa Imperial
o. 231.*
Vende-**
oanu grande do arosaaao, de
jacaarad qoasi lona mas*ta, s tem foliado as
barras; obra bom feita o do atnia dnraclo;
asiim comounu mesa ehwtiea deraogoo, todo
sendo tudo vendido por novo; quem pretender dirija-** a rna da Aurora
n. 58 casa de nureineira
( %

\
i
il

>>]
fe
1
i
SJ


V
/
Diario de g erwurtNLCtf ~ egimd* ielra e Malo de 1866.
NOVA LOJA
ENCICLOPDICA
fct Rao da iaoeratrlz arauen
da porta larga *.
eato a padaria fradeeza de
Paredes Porto.
Neste estabelecimento encontrar o respeitavel
publico um variado sortimento de fazendas trnce-
las, Iiglexas, suissas e allemes, que se venderao
por pre^o commodo.
Paredf Porte
Vende chales de renda de cores que se vende-
rus a 189 est vendando por 64, ditos pretos, a-
xenda nova, 54,64, 84 a 304, um sortimento com-
pleto de manteletes, rapas e soutambarques 144 *
554. Ra da Imperan ii n. 42, junto a padarla Irn-
cesa, armasem da porta larga.
Paredes Porto
Receben um completo sortimento de laasinhas a
*W. *S0 rs. eovados, para acabar, cambraias de
cor a 140 rs. o covado, riscado escossez para roo-
Bt de menino, fusto de linbo a 4, 400 e 800 rs.
na da Imperatrix n. 52 junto padaria franceza,
armare da porta larga.
Preles Perl*
Receben para cortinados para cama franceza a
1* peca cambraia lisa fina '34 44 at 104 a
peca, cortes de tarlatana;de bonitos gostos a 34500
4, cambraia com Mr de sed, gostos inteira-
toente dovos a 400 e 500 rs. o covado, no armazem
da porta larga n. 52, roa da Imperatriz junto a pa-
liara franceza.
Paredes Porto
Receben pelo ultimo paquete um sortimento de
cruzes com pedras para o pescoco, bonitos caiiirels
de lia para pescoco de senhora. Roa da Imperatriz
n. 52, armazem da porta larga.
Paredes Porto
Vtmdecortes degorgnrao preto para vestido com
SI ovados cada uta 354000, grsdeoaple ipreto a
4600,14800 e 24 o covado, lias lizas fins a 400
Ts. o covado, laas de quadrinho para vestido; entes-
tada, a 820 rs. o corado. Roa da Iaperafra: n. 52,
armazem da porta larga.
Renta feita
Rut da Imperatriz n. 52 armacem da porta lar-
ga jauto a padaria franceza, ewcomra-se neste es-
Ubelecimento m completo sottraronto ile paletos-
saceos e sobrecasacos, de todas as qnadades, cal-
cas, colletes, eeroulas, camisas, gravatas, meias,
bseos de sol, ditos franceses para cabeca, por
pregos commodos, roopa para menino e outras
rouita6 faieodas por precos commoSos, armazem
da porta larzja.
No mesmo estabeleclmrato encontrara o respei-
savel puMieo, sempre nm ompteto sortimento de
roupas tasto de todas as calidades, como sejatn
paletos de Ipaca preu edeer, ditos sobrecasa-
cos a 44 e 54, ditos de brim pardo a 24800, 34 e
34500, ditos finos a 44, ditos netas eazemira -a
34500, 44 e 54, ditos cazemira saceos a 64,74,84
e 104, ditos sobrecasacos a 10 e 4, ditos de pao-
no saceos a 64, 84 e 104, ditos-sobrecasacos a 134
e 254, tos de. merino preto a 6$, 74 e 104, eaK
cas de brim de diversas qua-lidaoes a 1*900 a 44,
ditos brancos a 24900 6400, ditos cazemira }
64 e 74, ditos pretos a 4/4, 84 e 104, ditos
metas cazemiras a 34 e 44, coletos de diversas
qualidades, seroulas r-aucezasde algodao, ditas de
llnho, ditas de bramante-a 24 e 24500, carnizas de
algodao de linho franoezas de-24500 e 4. Gran-
de pecbincha neste fosero, gravatas de todas as
qualidades e braacaspara easamento, grande sor-
timento de meias par-a senhoras, dius para booens
a 34, superiores a 34900 e 4.
Um completo sortimento de chapeos de sol de
alpaca-a 34, ditos de eeda a^4, 74, 104 e 14,
ditos fcancezes para cbeos, grande sortimento
a 64.
Vestidos
Pechtoeaa can Igual.
Chegon a loja de Paredes Porto nm bonito sor-
timento de vestidos de tartalata de cores e brancas
que serve para partidas por-ser urna pteotaaa in-
teiramente de gosto pelo 1 barato preco de 44 e
bxances a 44500, sto acabando-se : 00 armazem
da porta larga retada imperatriz n. 52,OBto a pa
GRANDE ESTABELECIIENTO
DO
Boa da Imperatriz, 60
diria franceza.
A SALSA PARRILHA DE AYER
PARA A CURA RADICAL
de escrfulas e molestias escrofulosas, tumores, ulcera, hagas, feridas ve-
lhas, broncoocele, papo ou papeira, a syphilis, enfermidades Teneras ou mer-
curiaes,
AS MOLESTIAS DAS MULHERES
retengo, menstro dororoso, oiceracBes do tero, flores brancas, etc., ulcera-
c3o, debilidade, expoliacSo dos ossos, a nevralgia e convulses epilpticas
quando causadas pela escrfula.
. a ERYSIPELAS ERPES; ETC.
Eoferojldades entanens, erupeo, borbulha, pstulas,
uascidas, etc. *
0 extracto composto de salsa parrtlba, confeccionado pelo Dr. Ayer, uma
combinacSo dos melhores depurativos e alterantes conhecidos medicina; confeccio-
nado segundo as regras da sciencia, approvado e receitado pelos primeiros mdicos dos
Estados-Unidos a Ajei ica do Sul Central, dat,,intilhas, do Mxico e das Indias, e
muitas outras partes do mundo : o resultado- de estudos apurados e minuciosos, e de
experiencias feitas pessoalmente pelo Dr. Ayer, por muitos annos, nos principaes nos-
pitaes e enfermaras da America; tem sido approvado pelas academias de medicina e
juntas de hygienne das principaes capitaes da America do Norte; para prova disto vede
os attestados authenticos 110 Almanak e Manual de Saude do Dr. Ayer, os quaes se dis-
tribuem gratuitamente nos lugares onde se vende o remedio.
A SALSA PARILHA DE AYER
Especialmente effleaz na cura das molestias que tem sua origen*
a eserofula, pa Infeceo venrea, no aso
excesslvo do mercurio ou qnalqner Impureza do sangue.
A molestia ou infeccao peculiar, conbecida pelo nome de escrfula, um dos ma-
les mais prevtriecentes e universaes que ha em toda a extensa lista das enfermidades que
atacam a nossa raca; disse um celebre escriptor da medicina que mais de urna terca
parte de todos aquelles que morrem antes da velbice sSo victimas, ou directa ou indirec-
tamente de escrfula; por isso s nao tao destructiva, porm a principal causa de
muitas mitras enfermidades que n5o llie s3o gerajBiente attribuidas.
JE urna causa directa da tsica pulmonar, das molestias do figado. do estomago
e affeccoes do cerebro; entre seus numerosos symplomas acham-se os seguintes: falta
de appetite, o semblaste plido e encbado; as voaes de urna alvura transparente e outras
vezes corado e amarellento irregular, fraqueza eaiolleza nos msculos ao redor da boc-
ea ; -digestao fraca e appettite, falta de energa; ventre encbado e evacuacSo irregular;
guando o mal tem seu assento sobre os puhnoes urna cor azulada mostra-se em roda dos
olbos ; quando ataca os orgaos digestivos, osolhos tornam-se avermelbados; obali-
to etido, a lingua carregada; dores de cabeca, tonteiras, etc. Naspessoas dedisposi-
ao escrofulosa apparecem frequentemente eropcoes na pelle da cabeca e outras partes
da corpo ; sao predistwstas s affeccoes dos pulmSes, do flgade, dos rins, dos org5os
digestivos e uterinos. Portanto, nao sao sement aquelles que padecem das formas ul-
cerosas e tuberculosas da escrofala que necessitam de proteccSo contra os seus estragos;
todos aquelles em-oujo sangue existe o virus latente deste terrivel flagello (e s vezes
hereditario), estSo-expostos tambem a soffrer das enfermidades que elle causa, que s5o:
A tsica, Blceracoes de figado, do estomago e dos rins; erupeoes e enfermidades
eruptivas da cutis, rosa 00 erysipela, borbulhas, postlas, nascidas, tumores, rbeuma,
carbnculos, ulceras e chagas, rheumatismo, dores nos ossos, as costas e na cabeca,
debilidades femtainas, flores brancas causadas pela ulceracao interior, e enfermidades
uterinas, hydropesia, indigeso, enfraquecimento e debilidade geral.
Offerecemos a estas pessoas una abrigo seguro e nm antidoto efficaz contra esta
molestia e suas conseqaeocias na
SALSA PARRILHA DE AYER
que opera directamente sdbre o sangue, purificando-o-e expulsando delle a corrupc5o e o
veneno damolestia; penetra todas as partes e todos os orgaos do corpo. humano, livran-
do-os para arenovacao do sangue, e d-ao-corpo j eofraquecido pela doenca, forcas e ener-
gas renovadas como as da joventude.
E tambem o melhor anty-syphitico conhecido
cura pennsnentemeoteas peiores Afamas de sypbilis e-as suas consequencias. Pouca
neoessidade ta de ieforaar o publico do inestimavel valor de um remedio qoe, comol|5a? uPadas e transparentes, princezas,
f*Mwa.o sangue desta corrupcao arrebata a victima das garras de urna morte lenta 2JS2 SfL&StS sva
Cortes de cambraia com palmas na loja do
Pavo.
Veadem-6e cortes de cambraia branca com pal-
mas, sendo fazenda milito boa, pelo baratissimo
preco de 24500 pafa acabar : na Joja e armazem
do Pavao na ra da Imperatriz n. 60, de Gama &
sdva.
AOS SRS. ACADMICOS
Vendem-se as seguintes obras de direilo
eom pouco uso: Manuel du Droit Bomam
or Mackeldey, 1 volume por 45; Diccio-
Leueos braucos a MOOO reto a*" t^Tn^^r^!' ?ral
1 se, i solumej por 00; Elements m droit
Vendemse lencosdbc,o*, fazenda muito boa \ romiai!> V*.*$*> } volume por 40; J-
pelo baratissimo pieeo de 24 a duza, Ditos com Vru "e ,a jurisprudence des successions,
barra de cor a 24000 isto para acatar na loja d- por CinQans, i volume, por kfi ; Codepra-
Pavlo na ra da Imperatriz n. 60 de. Gama Sio tque des falites, por Geoffroy, 1 volume,
500 rs. 'por 3& '' na rua (io Cresp0 n" 4' fabriCia
til
GAMA & SILVA.
LOJA K ARMAZBM Dft FAZENDAS,
Tendo os propietarios deste grande esiabeleci-
inenlo (eilo um grande abatimento em muitas de
suas fazendas, pela occasiao do balaoco que deram
no ultimo de dezembro de 1865, resolvern) vender
muito mais barato do que costumam afta de cada
vez mais agradarem o seus numernos fregu- O covado na loja do Pavao.
zes ; por tanto Ihes ollerecein om avulado sorti- Vendem-se poupelinas muito linas sendo fazenda
ment de fazendas francezas, inglezas, as quaes muito moderna de quadnnhos e liza vendendo-se
venderao mais barato do que em ouira qualquer pelos baratos precos de 400 e 500 rs. o covado na
parte, compromeltendo-se a mandar levjir qualquer, loja do Pavao na rua da Imperatriz n. 60 de Gama \J
fazenda em casa dos fregueses qoe ni poderem di Silva.
a loja, ou a darem as amostras, deixando ficar Cirosdcuaples pretos do Iavo.
Vendem-se
Poupelinas modernissimas a 400 e
. de chapeos de sol.
o penhor, assim como convidara s pessoas, qne
neKociam em menor escala que neste grande esta-
beleeimento encontrarao om grande sortimento
tanto a retalbo como por atacado, vendendo-se-lhe
apenas pelos precos que compram as casas ingle-
zas, sendo com o dinheiro a' vista.
As toadlas de li lio lo Pavao.
Vendem-ss superiores toalbas de Nabos para
rosto pelo baratissimo preco de 74500 a duzia ou
a 640 cada urna.
Goardanapos de linho adamascado para meza a
24800 a duza. ou a 240 rs. cada um.
Superior atoalnado de llnho com oito palmos de
largura sendo tranco e pardo, e vndese mais ba-
rato do que em ontro parte, na loja do Paveo na rua
da Imperatriz n. 60 de Gama & Silva.
Os corpinhos ae seda pretos do Pavao.
Vendem-se os mais ricos corpinhos de seda pre-
tos, ricamente enfeilados, pelo barato preco de 124
cada nm : na loja do Pavao na roa da Imperatriz
n. 60, de Gama & Silva.
Ucea vestidos a 8*000 rs.
aeehiacha adaimel.
S o Pavo receben pelo ultimo vapor francez
am grande sortimento des mais ricos cortes de
vestidos transparentes com lindas barras e enfeites
de seda, sendo estes vestidos multo preprios para
baile* e passeios, e vendem-se pelo baratissimo
preco de 84000 rs. cada nm, na loja do Pava na
rna da Imperatriz n. 60 de Gama & Silva.
Os cuales pretos de renda da Pavio a 8000 rs.
Vendem-se os mais ricos chales pretes de renda
com qnatro ponas, senda muito grandes pelo ba-
ratissimo preco de 84.
Ditos de goepnre a 154,184, 204,254-
Retondas de dito a 105.
Manteletes de renda, iazenda muito uperior a
154000.
Capas e santhambarques de grosdeoaples bor-
dados, fazenda inteiramente nova, por precos mais
baratos que em ontra qnalqner parte.
Isto na loja armazem do Pavo na rua da Im-
peratriz n. 60 de Gama & Silva.
Osckales do pavo a 2ooe e 25oo rs.
Vendem-se chales de merino estampados a 24
e 24500 cada um.
Ditos de merino liso a 34500.
Ditos estampados de crepon a 64, 74, e 84000.
Ditos preos bordados com franja de seda a 144-
Na loja e armazem do Pavao na rua da Impera-
triz n. 60 de Gama & Silva.
Para luto vende o Pavao.
Setim da China com 6 palmos de largura, fazen-
da preta para luto, propria para vestidos e roupas
para bomens, sendo esta nova fazenda som lustro e
de muito boa qualidade, garantindo-se nao licar
russa com o tempo e vende-se pelo barato preco de
24 e 24500 o covado, assim como neste estabeleci-
mento tem nm grande sortimento de todas as fa-
zendas pretas como sejam cassas e chitas pretas,
alpacas,
na rua
Cortinados.
Chfiwtn lojtvd* jJar/des Porto nm futir-Uo
sortimecio de eortwados, camente bordados t
preco de 254, 334 e 454 : na rua da knpratrii
B. o2, per larga juito a padaria franceza.
Ricas romeiras.
Paretec Porto receben pelo ultimo paqoet* nm
sortimeto de romeira de guipure pretas ede fil
-a preco cemmodo : na rua da Imperatriz o. 32
pora Jarg3 junto a pa4ria franceza.
U400
Chapeos de sol.
-.Vendem-se chapeo? de sol de panno
tiua grande pechincha s paca acabar : _
ImperatriZiE. 52 armazem da porta larga de Pare-
dec Porto.
a 14403
na ruada
5S000
- J<>
Cortee e laa escocesa paca vestido a 34 o cor
te: na rua ca emperatriz n. 52, loja da porta lar-;
ga, junt a nadara franceza, sto se acabando.
Para luto.
Las pretas om salpicosbrancos a 400 e 500
rs. o covado : na rua da Imperatriz n. 52 junto a
padaria franceza armazem da porta larga.
A 14500.
Vendem-se pegas de tranca preta para enfeite
e vestidos, soutembarquee, capas de senhora a
14000 com 10 varas, ama grande pechincha : na
ruada Imperatriz n. 54 junto a padaria franceza
48000
Chales de renda pretos.
Veade-se cbaies de renda preto a 44000, nnicc
loja qoe pode vtuder na rua da Imperatriz n. 52,
arnuzunda punta larga, de Paredes Porto.
SffBcs?1' rr"-< o c o -
en
i S.S
69
os
O
o.
o
ifglfffgl
a> ~
U O.B.B
o. o> o
3 l f 3 |^3
-1
v.
%
*|!a?*,H3*sa
iiiirl'flg

s e
frl
MFw-
lili
a.-
I
o.
c
igoomiiiiosa, porm inevitavel, se o mal nao- logo combatido com energa.
E-um poderosissimo alterante para a renovaco do sangue e para dar nova Cor-
ea ao orpo j enfraquecido pela doenga.
Sendo composto de productos vegetaes, esle medicamento innocente e ao mes-
mo teaopo efficaz, um tacto de rmaensa importancia para aquelles que o tomam; por-
que anurtas arsnico; e sendo assim, bem que s vezes poem effectuar curas, comtudo deixam suas
vwttaias carregadas de urna longa erie de males, muitas vezes peior do que o mal c*'
ginaL A nica cousa riecessaria para obter urna-cura radicai seguir com iuizo e cons-
aiocsa as fflreccoes qe acompaubam caaa irasco,
Nao Prendemos promulgar, nem queremos que se infifa que esta composic5oa
um remedio infallivel :ia a aira deHodos os padecimentos liumaDOS ; infelizmente-
escrfula e a syphts sao enfernwades to sutis cas suas ualurezas, e-arreigain-.se tao
nrmemeate no systetna, que murtes vezes evadera e resistem aos remedios mais pode-
rosos que a sciencin btmana pode inventar para .combtelas: o que dizemos que o
Extracto composto de salsa parnlia de Ayer
a raeihorpreparacao-at hoje descx)berta paroslas e outras molestias anlogas, que
urna eomMoac^o dos atteraDtes mais efficazes coabecidos, e qae esta combinacio tem sido
regulada por longas e laboriosas experiencias, e finalmente que temos Gonsctencia de of-
ferecer ao publico o melborresuttatio que posarvej produzr, da intelligencta e pericia
mtdicadosnossos lempos.
.Este remedio deve ser tomado com systema e regularidde, e nao com abandono,
pois e um remedio e nio bebida.
Cuando as molestias do figado nao tem suaorigem na escrfula, .0 remedio
mais proprio as pilulas-eatbarticas de Ayer, que sao efficazes na cura da molestia, que
m por causa um desarranjo dos orgaos digestivos. Ped a salsa parrilba-de Ayer e
nao aseitai outra preparacao.
________Peroambuco, rua Nova n. tS, pharmacia francezade P. Maurer & C.
VENDE-S ~
o armazem de H. *. Ranos e Silva d- ttearo, rua do vfrgarie
iL, censtancemente, os seguintes artifes, qne
reeebem por encommenda propria de
YE.V-IOIlfi,
'. 11
Legitima saka aarrilha de Bristol, preparada por Lanman & K'emp.
Verdadeira agua florida, preparada pelos mesmos.
Gaz em latas de cinco galoe-s, o mais parificado que se pode desejar da acredi-
tada marca F. W. D. & C.
^elogios perfeitos reguladores, com corda de quatro a oito dias, dos afamados fa-
bricantes N. Welch.
Graixa em latas grandes da bem conhecida marca Tas. S- Masn Superior oleo para macbinas de costura.
Agulnas para as mesmas.
Breu em barricas grandes e pequeas.
Vende-se tambem:
(Principe Real.
Pedro V.
Mana Pia.
Princeza D. Isabel.
l'fialidade, Vctor Emmanuel.
Duque.
Malvazia.
pto).
BORDEAVX
1.a qualidade.
St. Estepbe.
St. Junen.
C. Margaux.
G. Lafitte.
Medo/;.
Vinbo fino do Porto em barris de 5/, 10/ o 20/.
Superior vinbo doRheno.
Cera de Lisboa em velas e em gromo.
mmi&
Os bales do Pav3o.
Vendem-se superiores baldes de muenlina com
moita roda a 54-, ditos crinolines com 35 arcos a
34500, ditos com 20 e 25 a 34, ditos para meni-
nas, sendo brancos e encarnados a 24 e 24500 :
na Inj' to Pavo na roa da Imperatriz n. 60. de
Gar .. Os Silva.
C;;iubraias de forro a 10600 e 2$ na loja
do Pavo.
Vendem-se pecas de cambraia de forro com no-
v" *"rB0 <"1" Pe9*. Ploe barnlleehDoe pre^oe de
14600 e 24: na loja e armazem do Pavo na rua
da Imperatriz n. 60, de Gama & Silva.
Os cortinados do Pavao.
Vendem-se superiores cortinados adamascados
para camas pelo baratissimo preco de 1.5 cada par,
ditos muito Onos.ricamente bordados para camas
ou jmilas a 154, 20 e 254 o par : na loja e ar-
mazem do Pavo na rua da Imperatriz n. 60, de
Gama & Silva.
Panno preto a 2)3 na loja do Pavo.
Vende-se panno preto. fazenda muito boa, pelo
barato preco de 24 o covado, dito muito tino a
34500, 44, 54 e 64, assim como casimira preta de
cordq 24 o covado : na loja do Pavo na rna da
Imperatriz n. 60, de Gama & Silva.
Os espartilbos do Pavo.
Vendem-se urna grande e variado sortimento de
espartilbos dos mais bem feitos que' tem Ivindo ao
mercado, sendo de todos os tamanbos, vendendo-se
por um preco muito razoavel : isto na loja do Pa-
vao na rua da Imperatriz n. 60, de Gama & Silva.
As salas bordadas do pavo.
Vendem-se saias bordadas sendo fazenda muito
bOa, sendo ricamente bordadas e com moita roda
vendendo-se pelos baratos precos de 64 8* e 104
res cada urna na loja do Pavao na rua da Impera-
triz n. 60 de Gama & Silva.
firetaoba de rola a 3.s0(0g
Vendem-se pecas de bretanba de rolo com 10
varas cada pega, pelo baratissimo preco de 34
na ioja e armazem do Pavao, rua da Imperatriz n.
60, de Gama & Silva.
Houpa feita.
Na loja do Pav3o
Vende-se este estabeleciraento nm grande sor-
timento de rftupas, unto de panno como caxemiras,
e ,brins e pelos baraiissimos precos como sejam
calcas de.caxemira preta a 64 74 e 84000reis, pa-
letets de panno preto saceos a 64 84 e 124000 rs
alt2^br^cas*c<>8 de paDno Bniss'n> a 24 184 e'
*ou res, e outros muitos artigos que serla en-
fdennos aqu relato-Ios; s na loja e armazem do
Pavaa roa da Imperatriz n. 60 de Gama k Silva.
Laja da pavo
brandes pechlncha.
Sediahas a 00 rs. e cavada
Sedhas a 500 rs.
Miabas a 800 rs.
Yenr%*e-n,> toi* d P**. nm grande sortimen-
to de saifabac tetradas com as mais bonitas cores,
I sendo os padros mais nove* que tem vinco ae mer-
cado, a vende-se pelo paratisslmo preco de cinco
tostoes o covado, sendo (aseada qne valem muito
mais dinheiro, e grande peehiocba por se ter
omprado nma grande ponida desta i. senda, na
^ja earmaiem de fasenda do favao, roa da Im-
perattis n. 60 de
Latinhas matadas a 320 rt.
Vendem-se as mais Jindas lasinhas matlsadas
cora o mais bonitos desenhos, pelo naratopreco de
320 rs. 9 covado ; na loja do Pavio a rea da Im-
peratriz n. 60 de Gama & Silva.
superiores grosdeoaples prelos pelos
baratissimos precos de 14500, 14600, 14800 e 24
o covado, sendo fazenda muito boa, s para aca-
bar : na loja e armazem do Pavo, rua da Impe-
ratriz n. 60, de Gama & Silva.
tramante de llnho do Pavo.
Vende-se superior bramante de linbo com 10
palmos de largura, proprios para lences, pelos
baratissimos precos de 24 e 24600 a vara, assim
como panno de linho mnito fino pelos baratissimos
preces de 640,700 e 800 rs. a vara : na laja e ar-
mazem do Pavo, rua da Imperatriz n. 60, de Ga-
ma & Silva.
Cambraias lisas do Pavio.
Vendem se pegas ae cambraia lisa mnito supe-
rior, pelo barato preco de 34200 e 34500 a peca,
dius mnito finas a 54, 64. 74 e 84 : na loja e
armazem do Pavo. rua da Imperatriz n. 60, de
Gama & Silva.
PECHINCHA !
a 2000, para calcas, s Pavao.
Vendem se superiores cortes de meia casemira
com msela de seda a 24, ditas Garibaldioas -a
24800, ditas escuras a 24800, oa a 14600 o cova-
do : na loja e armazem do Pavo, rua da Impera-
triz n. 60, de Gama & Silva.
PENTEADORES
ou roupoes de cambraia bordados proprios
para as senhoras veslirem de manba.
Chegou esU novidade paia a loja do Pavo,
muito lindos e do melhor gosto al boje, pur pre-
cos muito razoaveis : na loja do Pavo, rua da
Imperatriz n. 60, de Gama &.Silva.
Cassas francezas a 240 rs. o corado.
Vendem-se bonias cassas francezas de cores fi-
xas pelo baratissimo preco de 240 o covado.
Ditas a 280, 320 e 360.
S na. loja do Pavo, rua da Imperatriz n. 60, de
Gama & Silva.
Grosdenaple preto a i$600.
E' grande pechincha !!
Vende-se grosdenaple preto, sendo muito encor-
nado e de boa largura, pelo baratissimo prego ae
14600 o covado : na rua da Imperatriz n. 60.
Os cachinez do Pavo.
Vendem-se bonitos cachinez de 15a ou agazalhos
para cabeca pelo baratissimo preco de 34000, s
na loja do Pavo, na rua da Imperatriz n. 60.
MANTAS PARA O PESCOQO
a 14, s o Pavo.
Vendem-se bonitas mantas para o 'pescoco, pelo
barato preco de 14 : na loja do Pav3o Ba rua da
Imperatriz n. 60, de Gama & Silva.
Hadapoles a 3,oO rs. a pessa.
S na loja do Pavo.
Vende-se pecas de madapolao fino com 12 jar-
das, pelo barato prego de 34500 e 44000.
Chales de renda.
Na loja do Pavo.
Receberam-se os mais lindos chales pretos de
renda, assim como as mais modernas e compridas
retondes, e manteletes'aa mesma fazenda,e vende-
se mais barato que em outra qualquer parte: na
loja e aamazem do Pavo na rua da Imperatriz n.
66 de Gama & Silva. .
Casior a 3(0 rs. 9 covado.
Para calcas.
Vendem-se superiores castores muito encorpados
padroes oscuros pelo barato preco de 320 rs. o co-
vado, servindo esu fazenda tambem part escravos
por er d umita duragao ; na loja e armazem do
Pavo rua da Imperatriz n. 60 de Gama & Silva.
Chapeos para meninas a 6,000.
S na loja do Pavo.
Se vendem os mais bonitos e mais bem enfeita
dos chaposlnhos de palba da Italia, proprios para
meninas, pelo baratissimo prego de 64000; na loja
e armazem do Pavao na rua da Imperatriz n. 60
de Gama & Silva.
Attencao.
ULTIMA NOVIDADE
PENTJES, ENFEITES, CINTOS.
Gama & Silva, acabam de receoer pelo ultimo
vapor francez, pm grande sortimento dos mais ri-
cos enfeites pretos e de cores proprios para cabega,
sendo guarnecidos com as mais lindas flores, e com
voltas das mais bonitas perolas; assim como o?ma
modernos e engragados pentes da veidadeira tar-
taruga, marchetados sendo a ultima novidade
que tem vindo de Pars, e os mais neos cintos com
fitas malhisadas e fivelas largas, conforme ltima-
mente se usa as primeiras capitaes da Europa, e
vende-se por preco em conta por ter chegado em
d,rna/aara a l0J'a do Pavo, rua da Imperatriz
n. 60 de Gama 4 Silva.
Ag rolan das o Pavo a 8 c 1Q^,
Venlem-se as mais ricas rotandas de renda pre-
ta, sendo muito grandes, que sao as que mais se
usam, pelo baratissimo preco Je 84 e 104 : na
loja e armazem do Pavo, rua da Imqeratriz n. 60
de Gama & silva.
Chitas pretas aiQOrs:
Vendem-se chius pretas inglezas, sendo fazenda
muito boa pelo baratissimo preco de 160 rs. o co-
vado, ou 54500 a pega com 38 eovados: s na
loja de Ravao, rua da Imperatriz n. 60, de Gama &
Algodao avari do
A preco de 2$ eada peca.
27 Rua do Queimado N. 27.
"cwrSMAROizr
A loja Esperanga na rna do Queimado n. 33 A,
recebeu estas cintas, qoe urna cousa indispeosa-
vel a qualquer senbora ; consiste sna utilidad- em
suspender a vontade a saia por meio de cortes,
em cujas extremidades esto presos clcheles qoe
se prendern aguardaplsa do vestido : vende se por
2o00 cada cinta ; d-se amostra com penhor.
e ou
Luvus de pellica pretas
tras cores.
Chegaram para a loja de miudezas a rua do
_ yueimado n. 16.
Farinha.
No armazem de Vicente Ferrelra da Costa &.
Filho junto ao arco da Conceigo, vndese supe-
rior farinha de mandioca ltimamente chegada,
ero saceos de tres a queires ou cinco arroba; de
peso, pelo baratissimo prego de 64 o sacco.
Cevadinia de Franca
a 160 rs. a libra, e de 8 libras para cima & 20-
rs.: na armazem da Liga, rna Nova n. 60.
Familia.
Vende-se farinha de mandioca em saceos gran
des, recentemente ebegada do Rio de Janeiro : na
rua de Apollo n. 20, escriptorfo de Car val Ik. No-
gueira, ou no trapiche do Cunha._____________
Vende-se om preio mogo, robusto, perito rar-
receiro. sem achaquec,por prego commodo ; a tra-
tar na padaria da roa do Brora n. 48.
FARINHA BA^TA.
4OOO! com sacco
Saceos grandes de boa farinha ao reduzido prego
de 14 na rua da Cadeia n. 57.
Frascos de bocea
larga com rolhas de \dio de 1 a lo
libras.
Vende-se
na rua larga do Rosario n. 3i, botica de Bartbo-
lomeo Si ('..
= Vende-se urna aimago envidragada, pronria
para loja de miudezas ou calgados, oa rua Oneita
n. 56 : quem a pretender dinja-se a mesma que
achara com quem tratar.
Baldes
Grande sortimento.
Chegou rua da Imperatriz n. 52, junio a pa-
daria franceza, nm grande sortimento que se ven-
de a 245i 0 rs. para acabar.
Caximbo e fumo.
Caxifflbos mnito bonitos a 200 rs., e magos com
fumo a 120 rs., no armazem da Estrella, largo u
Paraizo n. 14.
Vende-se urna 'parte do engrano Iobaman
do t^rmo de Ignarass : a tratar na rua do Qnei-
mado, loja n. 44.
Chitas a 180 rs., s o Pavao.
Vende se o mais bonilo scrtimenlo de cintas id
glezas, padroes miudinhos, claros e escures, e leu-
do tambem roas para luto, afi 1 endose .= reo
core> fizas, e vendem-se pelo bau --inio preg de
nove viniens o covado, ou a pega c i ?.8 covaii: s
por 64800 : isto na leja e armazem o I'. io, l:>
rua da Imperatriz n. 60, de Gama & Silva.
VesiiJos brancos.
Chegaram para a loja do Pavo os mais bonitos
cortes de vestidos de cambraia branca com boni-
tas barras todas branca?, assim como com Larris
de cores, sendo fazenda transparente e mnito fina,
lendo cada um corte ba.tanie fazenda e muita ro-
da, e vendem-se pelo baratissimo prego de 84 e
(Of : na lija do Pavo na rua da Imperatriz n.
60, de Gama & Silva.
Cortes de taHalan* pa Ija do pavo.
Vendem seos mais ""*z}no: res de rtata**
com asmis lindas barras de ccr, pelo baratissi^C
prego de 5 eada um, sendo neste artigo o melhor
que tem vindo ao mercado : isto na loja e arma-
zem do Pavo na roa da Imperatriz n. 60, de Ga-
ma & Silva.
Silva.
ATLANTA
Brra ees rameas peqneasM.
Can en velu de todos os umanboa.
Bcfias.
Mercurio.
Na rua do vifano n. 19, primeiro radar.
RUA DO QUEIMADO IIT. *1a
Madapolao.
finas pecas de madapelSo com'20 varas a M.
LEfICOS,
Lencos de cambraia branca, duzia 2.
dem de cores fizas para meninos, duzia 16400. *&*-^
Caaihralas.
Cambraias de cores a preco de 260 a 300 rs, o covado.
11300
Panno de algodao
trancado
da fabrica de Feraae Veifco : vende-se na roa da
UdeU a. *, arsnzeis de Silva Barroca.
Guardanapos de linho, dozia 8(5500.
AlfoiKo.
Algod3o trancado de dnas largoras, proprio para toalhas da mesa, a proco
arara. ^
Mrnmu\mte.
Superior bramante de linho inglez e francez.
k Cambraia de linho propria para lencos.
AT0ALHAD0.
Atoalhado branco para mesa a 4(5600 a Tara,
Entremeios de cambraia muito-finos, preco 1 .
Lencos de seda para algibeira a l600.
de
Os chales de guipure a 12$ e
16,5(000,
Vendem-se oa mal ricos chales de Guipure e de
renda de llano e seda, pelos baratissimos precos de
124 e 164; grande pechincha em relagio a boa
qualidade e lamaano deHea : s na loja dio Pave,
roa da Imperatriz n. 60, de Gama & Silva.
Ldazinhas a 200 rs s-9 ?
Pavo.
Vendem-se modernas Mazlnhas com lindissimos
gostos, mo baratissimo preco de 208 rs.: gran
de pechincha : s na loja dojPavio, ni* c a Iape-
raVin.60,deGama&Silv
Mus Lar jas
^^^ Na loja do Patio,
55 para a loja do Pavo um moderaissao
sorttmento das mala lindas sedas para vesOdoa,
sendo urnas de listrinhas e outras de flennbas
com asmis lindas cores, e algunas propt ias para
tenhoras que estiveren de luto e viindem-t
rande novidade a OO rs
Atlanta a 200 rs.
Atlanta a 200 rs.
Mana a 200 ra.
Chegou para a loja do Pavo c mais lindo sor-
tlmento df.-ia nova fazenda, com o titulo de atlanta
propria paia vestido e roopas para meninos, sen-
do esta modernsima fazenda de la com os mais
lindos gostos de quadrinhos e listras tendo entre
ellas de edr roza e preu, com listras ^ quairos
brancos proprlas para mi, e vendem-se pelo ba-
ratissimo prego de 200 rs. o covado nicamente na
loja do Pavao rua da Imperatriz n. 60 de Gama &
silva.
As chitas do Pavao a 200 o covado.
Vende-se o mais bonito sortimento de chitas es-
coras e roas sendo Inglezas, mas com os pannos
tao encorpados como os das francezas qne se ven-
dem a 400 rls, e liqoidio-se pelo barato preco de
200 ris o covado ou a 74200 a peca, garaolindo-
Rodelas de borraxa
propnas para atar massos de papis, e para virem de ligas para punhos, manguitos, etc. eic.
Vendem-se na rna do Qoeimado loja d'aguia brn-
ca D. O.
Mui finas carias
francezas, com cantos dourados, e sem doorado
Vendem-se na rua do Queimado loja d'aguia bran-
Cal O. O.
En?elopes azues
500 rs. o cento.
brraSnT rU* d Qaeiraado loa *Wi*-.
Apparelhos de porcelana
dourados e pintados.
iSi rua do Queimado loja d'aguia branca n 8
vendem-se bonitos apparelhos di poVceta? Jara
almogo e janlar de bonecas. F
Bonitos quadros
para retratos.
Vendem-se na rua do Queimado
branca n. 8.
loja o'aguia
Perfumara iogleza ,
A agua branca rua do Qoeimado n. 8. rtcrbtu
nm novo sortimento de finas perfumaras inglezas
de I. Gosnell C.; sendo extractos dos agrada-
veis cheiros Bonq da Rainha Victoria, do P. Alber-
r,*rdh,.i^Puad, ,NPo^ao, da imperatriz Eugenia,
dalo S 'eJ'SS 'JCh ^^ rtN? san-
Oleo fino para cabellos.
Opiat para pentes. .
Agua da Colonia.
Sabonetes finos creme deainendoa para barn
Penoas d'aco inglezas
douradas e sem a ser
igy "ara a ,0J ">" branca' rua do Uoei-
o. 8. um ezcellente soriimenio de peonas
200 ris o covado ou a 74200 a peca, garaotindo- ?fl!? iJiaJ..."? e"e,lenle ^menio de peonas
se terem 38 eovados cadf pega eTrem de c^ll*?'ffiS8.d."?(,M e sea} a s", porm todas
fizas isto na toja e armazem do Pavo na rna da Sm^flS*' e ""m > wnde-laa a
wlo barato prego de 24000 o covado, tendo esu
^??.nSw,ror?"no de"la,que raclluafa-
zer-ee no resudo com poneos covades, isto na
Imperatriz n. 60 de Gama fe Silva.
Armaaom do Pavo,
Vende-se cera de carnauba da melhor qualidade
emsaccos, mais barato qoe em culra qualqoer
As cabaias do Pavao a 2,0000
o eovado.
Chegaram para a loja do Pavio as mais lindas
cabaias de seda para vestidos, sendo com os mais
lindes gostos de flores e listas, tendo entre ellas ai-
gamas rozas e pretas para quem esliver de lote,
lando esta nova fazenda 4 palmos de largura que.
facilita fazer se um vestido con poneos eovados, e *" dse superior papel inglez em caizlohas
vende-se pelo baratissimo preco de JOOO, nnlca-
oaente na loja e armazem do mo i roa da fmpe-
24300, 240Oel500acaiza.
Tinta azul e prea
Unta rocha e preta.
Estas tintas cujas excedentes qualidades ja' sao
bem conbecidaa e apreciadas pelos entendedores .
brraea"n 8 "* "* d Qaeimio lo<'Kt
Lacre fino de cores
i com ctotom e sem elle.
na toja d aguia branca rua do Queimado n. 8.
venderse lacre fino encarnado aromtico e seas
ser ; dito verde, e ornas caixiobas com ditos de-
cores pelo barato prego de 500 rs. cada urna.
Papel inglez
em caiziobas.
Na loja d aguia branca a' rna do Queimado n. 8.
ralrlz n. 60, de Gama & Silva.
Novidade
Para residos.
Chegaram as desojadas cambraias on tariaUna-
brancas com Ih-trinnu tarado transparentes e ven-
dem-se pelo baratissimo preco de 54000 o corle,
na loja e armazem do Pavo na roa da Imperatriz i
n. 60 de Gama 4 silva.
Luvas de camursa
branca. auwrellas.
Vendem-se aa roa do Queinui
branca n. 8.
Queimado loja d'aguia
Meias prelag para padres
Venem-se u roa do Qoeimado leja d'agaia
branea n. 8.
Vendem-se
branca n. 8.
ua
iwrtarakr**
roa do Queimado
loja d'aguia


-T-T-
/ ~ '
Diarto
..- segunda tetra t S ir Hala de 1866.
0 que aottpa hoje mais a attencJlo do mundo
econmico? o novo systhema do proprietario do ar-
mazem de moBiados
MERCANTIL
53 RA DA CADEIA 53 a
F.ISSAVDO O ARCO DA CO*CElC lO.
Que surge de nevo basteando a bandeira da modicidade de presos em todos os
seas superiores gneros.
Que o publico reconheca as vantagens que de tal systbema lhe resulta, e o que o
proprietario do sitado armazera deseja, e a que desde j o convida : passando iambem a
nptar-lhe os procos de argjins dos gneros do seu expleadido sortimento, e paca o quaes
ATTE^iO
(.omma de mllho branco americana.
Esta excelleote gomma, multo se recomcommenda como o alente mais subs
taocial e saudavel; servindo no s para papa (no que superior de todas as outras
gommas e farinhas) mas tamben deHa se pode fazar pao-de-l, cangica, creme, bolo
franeez, podim, etc.: o preco de cada pacote de urna libra 8oe rs., em caixa tem aba-
timento.
SJ^fiBHjnjHjeM9Mfe
JHANTEIGA INGLEZA de superior qualida-
de a 1,28o e i ,loo rs. a libra, em barril
se faz abatimento.
DEM FRANCEZA a mais nova que ha no
mercado a Gio rs. a libra, em barris ou
meios a 600 rs.
CHA HISSON de primeira qualidade a
2,800 rs. a libra, alm desta ha muitas ou
tras proprias para vender a retalho, que
se vendem de i,6oo a 1,800 rs. a libra.
DEM PRETO o mais especial que tem vin-
do a este mercado a 2,2oo rs a libra.
DEM regular de i.600 a i,8oo rs. a libra.
QUEOS DO REINO ltimamente chegados
pelo vapor 2,4oo: ditos do vapor passado
a 2,ooo rs.
LATAS DE CHOURICAS com 6 libras er-
meticamente fechadas, a 4,6oo, de barril
64o, a libra.
ESTRELINHA para sopa em caixas sortidas
de 8 libras, por 4,000 rs.
VINHO VERDE do verdadero sumo da uva,
e o mais proprio para se beber n'este
imperio, pela sua extraordinaria fresqni-
dao e agradevel gosto a 64o rs. a gar-
lafa.
AMEIXAS FRANCEZAS em irascos de 4 e
2 libras, a 2,8oo, e l,4oo rs. em caxi-
nbas muito enlitadas cora diversas estam
pasa 2,000, i,800, l,5oo el,3oo, reis.
BISCOITOS INGLEZES emlat's contendo
diversas qualidades a l,oooe !,2oo rs. a
lata.
PRINC PE ALRERTO bolachinhas as melho-
res presentemente coahecidas a 1,600
rs. a lata.
S.* LAME HAMRURGUEZ chegados no ulti-
mo navio a 1,600 a libra.
PREZUN TOS verdadeiro de Lamgo, a 64o,
rs. a libra, e 56o inteiro.
TRAQUES n. 1. em caixas de 4o cartas, por
8,5oo, e 21o rs. cada urna.
MARMELADA em latas de I, l. */a e 2 li-
bras a 600 reis a libra.
JALEA DEMARV1ELL0 em latas, a 800 rs.
A* leja de fazendas de Augusto Porto & C.
f%Rua do QueimaiotLl
Chegaram pel ultimo paquete superiores enchovae* completos comvesli llanos bor-
! dados para baptizados.
Moir brinco, lavas de peltlja, mantas e capellas brancas para noivas.
Lindas colchas de seda de cor e de la e seda para camas de uoivas.
Grande sortlmento de corrioados bordados para camas e janeilas. .
Chapeos, bonete e gorro3 de plba de Italia para senbora, ;
Prcalles.cassas e chitas finas dos gostos mae modernos.
Algerienoes, mondes e chales de renda pretos.
Camisas Unas com peitos, punhoi e colariuno de linho* para bomens.
Uudas casemira* de core?, rasinbaa, pannos e casemiras pretas, merino e Bom-
Bramante ronito largo a 2J300; 2*700 e-3#W8 a-wa.. ..,js .
Tpetele arcatfta para forrar sal e-iafalespoe*a paflaanos W***L-
Camisas de nanelia, colrtenos de linho, seroulas de Hubo. rtilhr*
Camisas de meia finas, batSes da arcos, de mussellnae de madapola, eSpartiIbos
a finos manguitos bordados.
Esteiras efe ludia para fbr ar ssteS
as melhores a par mais mdico pra?o-
i iRoa do, Queimado11
COKSLTMBO mCO-CIRURGIGO
DR. PEDRO DBATTHYDE H0BO MOSCOSO,
MEDICO, PARTEIR* B
3 Ra da Gloria, casa


-
MOLHO INGLEZ de diversas quatidtdes, a
72o rs. o frasco.
MOSTARDA 1NGLEZA muito nova, a 800,
rs. o frasco
DEM FRANCEZA a 64o rs. o fraseo.
SALMO E LAGOSTIN chegado Diurna-
mente, em latas de 2 libras, a l,6oo. rs.
ARENQUES em latas a 64o rs. cada urna.
SARD1NHAS DE NANTES em latas e meias
a 600 e 36o reis.
VINHO DE COLLARES o legitimo vinho-
desta localidade, muito superior e sem
confeso alguma, a 8co rs. a garrafa.
IDFM MADURO o verdadeiro do alto Dou-
ro em barris de lo em pipa por 3bty>oo
cada ura.
VINHO DO PORTO de diversas qualidades
engarrafado, inclusive o mais fino que ha
n'este genero, por 800, i,000, l,2oo,
i,4oo e 1,36o rs. a garrafa.
FEIJO verde e carrapato em latas ermeti-
camente fechadas a 600 rs.
CHOCOLATE franeez empacte* de 1 libra
por 5oo reis.
AZEITONAS daachgatlass uUimiiWBte de
Lisboa a i,2oo rs. a sncoreta, e 5oo, a
guarrafa.
GAF!avado a 24o rs. a libiw, e7,ooafs.
a arroba, e regular a 226? a libra, e'6i.5oo,
a arroba.
VINHO CHERRY domis superior de inert--
cado al,5oo rs. a garaf#, e '45,000*8.
a dtrzia.
MUSCATEL o verdadeiro de Setubal, a
1,800 rs. agrrafa, e 20,000 a duzia.
VINHO BORDEAUX das mais acreditadas
marcas, S. Emilion. Sant' Julien Haut
Brion a 7oo e 800 rs. a garrafa, e em
caixa ddozia, a 7,5oo e 8,000 rs.
VINHO BRANC > de Lisboa de excelente
qualidade, e proprio para missa, a 800,
rs. a garrafa, oa 8,coors. a caixa de duzia.
MADEIRA SECO a i,2oo a garrafa, e I2;ooo
rs. a dazia.
VINHO DO RHENO superior, a 2.ooo a
garrafa, e 22,ooo rs. a duzia.
FRUCTAS EM CALDA pera, pecego, alper- VERMOTH de superior qualidade em cai-
ce, rainha Claudia,
a lata.
e ginja a 64o reis
xas de 12 meias garrafas, por 12,ooo,e
garrafas por l,2oo rs.
5
Acabam de chegar as muito superiores linguas seccas do Rio Grande do Sul, qu se
vendem por 120rs,
Groa de nadies preto 5500,1^600-U U, 35500 e 4A.o cowdo,
Gorgtlo p^eto de superior qualidade-a 2|500, 2#80O,. U e k& o.CO
' "** Superiores moreantiqoes a 2*500, 2*600, 3^3^300, 4*, o 5,000 o
covado.
Bons coWe'de mowanl^TO!
leiar'dB gorgtrrfr adamascados.
Bons pannos e casemirs. .
Sup riores alpacas, priocetas, merms e bembazioas.
Bofwviflo* pretofc aA
Grande vartettede de chales de fil preto e da gnippre a.5#,. 04. >
, lOi, m, de IU a 20?, e de 23* a 80* cada u. ,
Sttperioresreiondas-.dfrfit preto e da-gutpure.a'8*> 10|Jr 12* e 25*,
e da 30* a 68*cada urna,: MZ-ma ^
Superaras algerienes- de fil preto e de gmpure de IU *&&* de
305 a 60* cada ua.
Bons chileade seda preta.
Ditos de Merino preto bordados e outras muitas fazendas pretas que
seria enfadonbe enumera, aa
IOJ \ jU&l eWbMJSKSAS
DE 4N10NI0 CORREU OE VASCONCELLOS 8 C.
BITA DO CBKSPO ff. 13
O Dr. Lob* Moscoso deoasultas gratuitas aos pobtes todos os-dias dar 7 s li
Qoras da manho, edas 6 e meia s 8 bom da noHM excepcSo de8.dias santificadoi.
Pharmacia espeemt homeopaffiea
N6 msmo consultorio ha sempre o mais appropriado sortimento de carteirai
mboa avulao* assim como tinturas de ?artas dvnraansag5es e pelos pregas seguintes-
Carteiras de 12 tubos grandes. '. 12*000
de 24 tubos grandes. 18*000
de 36 tobos gcaiid*. .. 24*060
> de 48 tudoe grandes. 30*000
w de 60 tubos grandes. 35*000
PreparjHS9-qnarquerarteira conforma o pedido qne se fizar, e com os remedios
que se pedir.
Um tubo avulso ou frase de tintura de meia caca 1*000.
Sendo para < cima da 12 custarlo os preco estabelecdos para as carteiras.
Ha tabas mais paqueaos cada um a 500 ris.
MVROS.
A melhor obra da homeopathia, o Manual de Medicina Homeopathico do Dr. JarS
dous grandes volumes com diccionario ..... 20*00h
Medicina domestica, do Dr. Heting............ 40*000
Repertorio de Dr. Mello Moraes....... .. v 6*000
Diccionario da termos de medicina ............. 3*000
Os remedios deste estabelecimento s3o por demais conbecidos e dispensan) por
tanto de serem novamente recommendadoa as peesoas que qui/.erem usar de remedios
I vaedadeiros, enrgicos a doradores^ ha tudo do melhor qne se pode desejar, globos de
Terdadeiro assucar de laite, notaveispela sea boa conservacto, tintura.dos mais acredi-
tados eetebeiecimentos europeos, a mais exacta e acurada preparafao, e portaoto a maiar
anergia e certeza em seas effeitos.
Casa de mude pard esemvo&
Recebe-se escravos para tratar de qualquer enfermidade op fazer-se-Ihe qnalqnar
operaco, para o que o anounciante julga-se sufilcientemente habilitado.
O 1 ratamente o melhor possivei, tanto na parte alimentar, como na medica,
friccionando a casa ha mais de qaatro anuos, ha mutas pes&oa de cajo conceito se nao
poda dnyidar, qae podem ser consultados por aquellas que desejarem mandar sena
doentes.
Paga-se 2* por da durante 60 dias e d'ahi em diante 1*500.
Asoperacoes serao previamente ajustadas, sanSose quizerem snjeitar aos precos
razoaveis que costuma pedir o anounciante.
P}K>SPHAT0 DE FERRO DE LERAS
R. EH SCIEXCIAS
INSMXTOR DA ACADEMIA DE PARS.
No existe medicamento ferruginoso to notavel como o phosphato de ferro de-
Leras- assummidades medicas do mundo inteiro adotaram-no com soiicttude sem igual
nos annaes da sciencia. As. cores paludas, dores de estomago digestoos penosas, ane-
mia, convalezcas difficais, idade criticadas senhoras, irregulandade aa menstruacao,
Dobresa do sangue, lvmphatsmo sao curados rpidanente ou modificados por este ex-
cellente composto. o conservalor por excelencia da sau-le e declarado superior nos
hnsmtaes e elas academias a todo os ferruginosos conhectdos, ao idoreto e ao eitraio
de^por^?SS%^Swi aos esWagos delicados, que no provoca-consli-
paco anico tambera que nao ertegreee a bocea e-os dentes.
Em Paris na ra da Feuillade n. 7.
venda em casa de Maurer, e A, Caors.
AKMAZEM DE FAKE\AS
DE
CUSTODIO ARVILnO A C.
27 RA DO QUEIMADO N. 27
Madapolo franeez muito fino, teudo pouco mofo, cada peca eom 27 varas por
10*000.
L5a de cores a 300 rs. o covado.
Cambraia francesa a 260 rs. o covado.
Fines orgaadis a pre^o de 800 rs a vara.
Lencos brancos para algibeira a 2* Finas perclaras a preco de 400, 440 a 560 rs. o covado.
Ricos cortes de 13a de barra de 10* a 30*000.
Chales de fil preto e outras muitas fazendas.
BA DO BRIIM *'
O pro rietario deste estabelecimento deseja chamar a
tarros para os acreditados mechanismos que continua a
ser como sempre, da melhor qualidade possivei:
Machinas de vapor
forca de um -avallo na-a^ima. As menores sao mui proprias para
niaofent de algo,L ; ellas viajam armadas e podem trabalhar den'ro de: 24 horas
d -. t de cheg rom im lugar. Ellas levam tado quanto e preciso para o trabalho, e
?] MLXSntes. Asmabinasmaioes s3o proprias para a moagemde canna,
c ,n del as que Llein junta e separadamente moer canna e descarocar. El as podem-
^npplcar aiiualquer m.end! je.vstente sen. putra mudanca dp que asubst.tu.c5pdas
1 idas da almanjrra, ha iambem com moenda junta.
1.3 de fdrro. e no precisara para seu asenlamento
paraassenta-las.nru excede de doze di:
ai
attenco dos senhores pro-
fornecer; os quaes garante

motores de des-
EH.as tem depsitos d'agua e boei-
de obra alguma, qur de carapina.
o'para assenta-las nj excede de doze di
vSk %Em de animaes ouVrombamenlos de aCudes, ett;, garanle-se c' assentamen-
"em oito dias. Todos estes vapores sao simpssimos na construyo, e se regen por
JuSSier peSa intilligente, a facilidade da conduccao sendo espec.almenle considerada,
Soque nao la lugar em que nao se possam conduzir, qur por trra, quer embarcado.
Lembrase aos senhores deengenho que avenga dos an.maes e o serv.co da
c,nleoccuS no seu Smente os L de recuperar da maior parte da despeza do
^^r deKando-mesavantagem de urna moagem certa eaccelerada; e acabando com a
"Rzala ?Smpra^Unuada denovos animaes, ecom os desgostos do trabalho que se
tem comSeer^vez desnecessari0 lembrar aos compradores de vapores a vantagem que
: 0arantidas em urna tabrica
com ellas, e.
m arremedi'r qualquer desarranjo; facilidades esWque jamis podem en-
tonw$Mw***nm negociantes, os quaes por Xalta de conhec.mento na ma-
SriLH^S. garaPnti-losgde W**^ffto^f^&
sufficientes para o trabalbo em que se queira emprega-las, e no caso de desastre nao
podem prestar-Ibes soccorro algom.
PECHIKGHA SEN IGUAL
Reos cortes de fnrgorao de seda prelos adamascados para vestido cora 13 j6*^
OU 18 a 20 cavados cada corte, lardara de chit franceza. pete baratisslmo preco de so*
cada corte : na loja das columnas da ra do Crespo n. 13 d Antonio Corris, de Vascon-
cellos 4 C.
VEKDADEIR1 AGUA ^IIVERAU
PASTILHAS nOS'SAES NATURAES DE VICHY.
m VENDE-SE
Na botica e drogara de Bartbolomeu_& C. Ra larga do Rosario n. 34.
lhes resulta" de'Sb^mIms' machinas garantida's em urna ^'^M^Tl^
ptenles para assentar as mesmas e ensjnar a maneira de trabajar com ellas, e ja pro-
Igualmente n5o se e
esqueceraoosmesmos compradores de quanto' Pjjam Pe[deJ
.lrsuas machina paradas por desarranjos no tempo das sa'ras sendo que anda
c ,n'!o vfnSas fab?Ls para concertar aamachmas alheias torna-se-ha preetso fazer
r-neniinamente moldes novos, etc. para as pecas estragadas.
1 Tambera ha sempre prompto Rodas d'-gua,de ferro Sardhos comcruzetas para as
r,. :smas Woendas de canna de todo o tamanho, Rodas de espora e angulares Paroes ou
, ches para receber o caldo, Crivos e portas de fornalba, Taixas de ferro batido, fundido e
d- cobre, Formas de ferro galvanisadas para purgar asscar,. Bombas simples e aerepu-
clrj \lambiqires de ferro. Eixos e rodas de carro. Arados, grades; enchadas a cavallo
e nitros instrumentos de agricultura, Moinho* e forn >s para fazer farinha e finatmente
V; lo o objecto de mechanismo de que se costuma precisar. ; *
Na fabrica se fazem obras novas encommenda e concertos, com a maior peste-
z. e solidez. O grande deposito de pecas eobjectos habilitam-na mudo para este fim.
O proprietario ser sempre mni felix de poder dar informaeoes ou esclarecrarento
ac-s senhores que se servirem de seu prastimo. ,
D. W. Bowiiaa, engenheiro.
5 RA DO CRESPO 5
NOVIDADES
Convidamos as Exmas. Sras. Fernambucanas a virem
visitar o nosso estabelecimento,
(jae se a(^a sortido com urna variedade
immensa de fazendas dos mais apurados e phantas-
ticos padr5es, proprios para
partidas, soirs. tbeatro, etc^ comosejam:
Ricos cortes de cambraia bordados a aho! ha, brancos e de cftrts.
Bonitas cortos de poil de chevre de lustre e flores _^_.
Elegaatecortes de taratana bondados aseda com flores de einrtrraia brancas e
4a cores,
Agradaveis padr3es em Hewnaui, gaze de seda cem listas. A '
Rotendes e chales de fil de seda de cores e casacos om mangas de filo preto
(gosto ainda nao visto) e muitas especialidades em modas como chapelinas.chapeos, en
feites, flvellas de tartaruga, madreperola, clfrisUl, platina, metal amarello, pentes '
dems, ditoapara cok.______._______________L_ _________
Novidades do Vigilante
RA DO CRESPO N. 7.
Este estabelecimento apezar de sempre
se achar bem sortido como todos sabem,
hoje mais que nunca, n3o s pelo que rece-
be de sua propria conta, mas tambem pelo
i que recebe de consignacoes; parece sem
duvida qu deve offerecer grandes vanta-
! gens para o respeitavel publico tanto em
! presos como na escolba dos objectos, e co-
i mo acaba de chegar grande remessa pelo
vapor Douro e o navio Solferino de
diversos objectos de gosto e proprios do
tempo dos quaes se mencionarlo algnns,
por nSo ser possivei mencionar todos. O
dono deste estabelecimento espera a pro-
teceo de todos.
Riquissimas caixinhas ornadas e com
msica propria para um delicado mimo.
Caixinhas de msica tanto de veio como
de corda.
Ricos porta joias e necessarios.
Riqnissimos estojos a feitio de um bausi-
nho ou chapeuzinho.
Ditos em casca de noz e de outros gostos.
Leques de madeperola de sndalo e de
faia e madeira.
Chaposinhos e touquinhas de muito
gosto para criancas.
Meias e sapatinhos de seda para as mes-
mas.
Meias de seda para senhoras.
Capellas e grinaldas de flores proprias.
para casamento.
kUA DACJJMBI3L BORBCIFEM. 4*
pa a se
Nasla nova loja vendaje fawodas muito baratas, assun como iambem tem um complet sortiraen-
trt>roi)pa de casemira.e.de brha ; sorimwto tte caemras da,coxM pwtas, e bom brisa fceaaca
e fazar obra por me*da. ,
Madapolo vanada
Calcas de ca^emira escura.propfia^^ra a estacao a 7J000.
Paletots de p\auo Bao ojalo a 8*000, ditos de alpaca branca a 4oUJ.
chapeo* 4e s^l de seda com 12 astean a 9 e fflfi
&4K *#os 4e sol todos tendera por 12*000, mas o Baloiquareodo mostrar qae muguen
pMe nvalisar eom elle em Bree)?, reaolveo vender os mais peqaerS)jJ9inllWs e os malores por
10 mu ris, balo es d ao par a wBhora 3*. Ha mollas ontras tazenilas e roupas feitas, qae taw
se vsurte eom grande auaaerto para se apurar dinheiro eJkQjSMi maior Vm de tregaeiei;
quu: duvidar da veracida.de do que 4iio Balso veaba >ejiflear-e.
Venham ver a bamttia d&faj do Baldo.
dea-
Aos agricultores
Satmders BretMrs A C acabam de receber de
Liverpool vapores de torga de 3 a i ca al los com
todos os pnente*, e mol proprios para fazer mo-
ver machinas de descarocar ai^odo, podendo cada
vapor trabalbar ate com O serras, taagbe ser-
vera para enfardar algodao oo para otiro qoalqaer
, aervifo em que usara tiabalhw cora animaos. Os
raesraos Umbem tem a vda machinas nmerita-
nasde 35 a 40 serras : os- pretendentes dirijam-
se aolargo do Corpo Santo.n. H.
Tapares.
Vende-seem casa de Sauodars, Brothers &. C,
no largo do Corpo San o. II, vaporea patasttes
com todos os perlences proprios para Azar mover
tres oa qaatro macaro>s aata descarocar ljo'dap.
G\Z.
IL
oa ntb
o mar
No armaiem da roa do tanneradv 3
Caes de Pedroil o- 2, t*ro W9l*#o**
bor tmeaisleeiW no merww._________
"^"Panoo de algodlo da Bihia parrsactt7**
assucar e roopa de escravo, vende Antoaio Lniz
da Croz n. 1.
Vmdemse
mtctiinas americanas da'serrote para cjdScaroca
algodao: na ra da Senzala nova n. 41
VeBde.senm-mnlaeoOavt* a 16 anaet, proprio
toara tagem: na rae do Imperador a. 41, Y *.%
- alar.
Cassas de cores
O casteUo de Grasville.
Tradozido do franetz per A. J. C. da Gnu:
Venderse este bello romance em quatr
tomos pelo baratissimo prego de 30000
ua praca da Independencia, livraria ns.
6e8.
Frameisco Jos (jermano
BA NOVA N. 22,
acaba de receber um lindo e magnifico sor-
timento de oculos, lunetos, binculos, do ul-
timo e mais apurado gosto da Europa e ocu-
los de alcance para observarles e para os
maritimos._______________________
Tasso Irmos
Vendem no seo armazera roa do
Awoi'im I. 35,
Licor fino Curago em botijas e meias botijas.
Licores finos sortidos em garrafas com rolhas da
vidro e em lindos frascos.
Vinhosberes.
Santernes.
Gbambertin.
Hermitage.
Borgonhe.
Champagne.
Muscatel.
Reino.
Bordeaax.
Cognac.
OMTon.
PAeze lagniol._______________________
Na roa da Madre de Dos n. 14 vendem-se
dous lachos de cobre proprios para reflnacao.
No armazem de azendas
baratas de Santos CoeLb.o
Rata d Quclaaado u i.
Vende-se o segrate:
Lencoes de bramante de um s panno pelo ba-
rato preeo de 3J200:
Ditos de panno de linho a 55200 e 2600.
Coberias de chita da India a 2^400 e 25800.
Lengos de cambraia brancos proprios para algi-
beira a *j>000 e 252OO a duzia.
Ditos de cambraia de linho fino 4J5O0 e 5J a
Enfeites ~e capellas de muito gosto pira da^a- ._ .
Aloalhado de algodao branco a H a vara.
Bramante de linho fino com 10 palmos de larga-
a 25300 a vara.
Panno de linho fino com O ijt palmes de larga-
ra pelo barato preco de 25400 a vara.
Bramante de linho fino de urna largura, pelo ba-
ratissimo preep de 800 a vara.
Toalhas de linho acolcboadas para maos, a 135
seuhora.
Riquissimos porta boquets.
Boquet de flores com urna borrachinha
com cheiro.
Luvas verdadeiras de Jovio.
Ditas de seda ede Escocia.
Riqoissimas plumas e guarnigoes para! a duna.
enfeitar chapeos Ditas teipudir a 135 e 135 a dixia.
Contas e tubos de ac branco, que ha fSSSil S5ren?ffe!J?a sao rs.
muito se desejava para enfeites^ 'o covado.
Brincos, fivellas e crures de crystal. TaHaun de cores'a 800 rs. a ra.
Fivellas e crures de tartaruga, madrige-
rola e dourados.
Alfinetes para gravatas.
Botoes com croas para punhos.
1 Gravatinhis e mantinhas de muito gosto,
tanto para hemem como para senhora.
Cambraia de linto fin a.4;500, 65300 e 9# a
vara.
Cambraia para forro de vestido a 25700 e 35 a

Riquissimos aderaxo's' rjtos, assim como, k
Ditas e baieia borracha e de outn
droiv'erraMtevedo & C., n seu escriptoo rapiuitas qualidades, assim como chicotinh
Riqoissimas pentes de tartaruga do u
mo goito; assim como de arragaco pana
Jerefos pret
lixmlWcoat alBBS f WtOS. Hnela'va jas a 45500.
lengallas de canna com cabo de marfim.; j Coeiros de casemira bordados palo baratissimo
pecbiocha, porque sao finas e bons nantet, a iBtoJna, pois neste artigo ha um COmplet|)
melhor ainda o diminuto preeo de.280 rs. o va- ortimonto d* todas a quahcUKtos.
do : na Boa-vista, ma da hwjeiwrlr a. h J^ % ftja^flmas para cabeca do ultimo gOStO*
. j*iqi83ima* fita lavradaa lizas.
Tranas. pretas com ^idrit a de c6resL
Pulseiras tanto para senhora cpnw fiar
inas.
gas do seda e de algodo.
Sosneiscios o\e seda: e de afeadlo e muir
panno de algodo da Babia, proprio jjf ^a OTtrs objectos que se no podem anr
saceos aaassocar e roopa de esenavos ; MPi JEt:.- or xka ca toraar aaadoXaho.
vender Antonio Lq|t de Oljvelra Ateveda *UD> rW^arJ
. f reco de 95-
Esleir da India propria para fono de sala da
iu" \8 e 6 palmos de largara.
Riquisamas panies de tartaruga do ultf- hmbraias finas de cores miadas *s560 rs. a Tara
Neste armazem tambem se encocara um grande
sortimento de roop? lp.lt a t>or mejida.
Vende-se, arrenda-se ou permnm-se O enge
nho Pindobinba, na (reguezia de Ipjjoca, moante
e cerrante, a de animaes, com wn^cieute,1fm*
para toda* as ptaatasde, aW pMm a do ateattao ;
fat-se todo negocio, com tanto qae se pague orna
divida que o meemo engenbo deve : a fallai
Manoel da Costa Albuqaerquti no mesnM'-1(|lller
00 m praca com Jos P. da Cunta A FUbos.
sen eseriptorio roa da Croz n. i.
Son
alio Vigilante ra do-Craspo n. 7. *v63.
de bretanha de rolo com 10 vana, a
ecas
35500-
Peca de madapolo fino e largo a 7js.
Lazinba lisa de cores a 600 rs. o covado.
Pecas de cambraia branca de salpicos com 8 e
arco da CanariCe
isac
ar-
ao

Vende-se ama novilha muito grande e-ftrda,
reteodet awija-se
aagsaK,jss
remieeriohwlez
linguae
Chegaram asjmito junerioresdo Rio Grande do
Sol qae se v
na roa da Cadela
;
\


f
^|^H|M

-

D1H# < pMIImIhmo segunda Mfi tS de sal t 66.
sWMl
%%
Ricos brseos de crvstal lapidados Paria, tambera croiaa botas paraeoietes; fivnllas modernas de madreperola para einto : estas arti-
gos se vendem por menos de sea valor no armaiem 4a raa d* Cadela do Reeia o. 60.
- ... /___ ..>.-.- ., i- ----------_,----------1 r I I" i i i
Novo e grande deposito de Superior carv&"d Cardiffn
Baha.
Anteojo Gmeseos Sanios & CL, raa e Sania Barbara n. 1, esli habilitados a supprir de
ouvo, em condlcoes mas (avoraveis que em ootro fuatqner deposite, a todos os navios a vapor que
ccarem naqaelle porta A contratar nesta cora Domingos Al ves Matnens.,
B
Sirop du
DrF0RGET
JARABE DO FORGET.
Este xarope est approvado pelos mais eminentes mdicos de Pars,
jmo sendo o melkor para curar constpacots, tosse convnlsa e ouiras,
affeccoea dos bnmchios, auques de peito, irriac&es trvoau e Insomnoiencias: urna celberada
pela mantaa, e outra i nolte sao suficientes,
tempo o doente e o medico.
O efteito detie excelente xarope satisfaz ao mesmo
MflMftM
Deposito na ra larga do Rosario, botica de Bartholomeo & C. n. 34.
FABRICA
NACIONAL
DE
viimo*
ii iivyujuj
Estabelecimento na ra da Unio n. 11
PROPRIETARIO MAHOEL LOMBOS.
No-deposito, raa do Carmo o. 63, existe um graade sortiaento de vidros e cryslaes, que se
-vendem por precos mais barato* do queem qaaiqaer parte : frascos de I at 8 libras, bocea larga e
bocea eStreita ; copos de 6 cortes, de ineia oitava at meto qoartilho ; ditos de *0 cortes, de ns. le?
globo para lampeoes de kerosene, lavrados, lapidados ofuscados; ditos para eandleiro de gas; lam-
peos de kerosene grandes e pequeos, lamparinas de metal; vasos para coofeitaria com p e sem
elle, grandes e neqmnos ; cha raines para lampeos de kerosene de todas as dhneosoes ; compolerras
moldadas de cortes largos, escarradtras de cores para salo, ditas de mo com aza, pequeas, vento-
sas ebicheiros, catitea moldados, copes lisos para agna vlnho, pratos moldados, redomas, garrafas
para vrnho e agaa,randes e pequeas, ditas para Leroy, dias para licores, ditas para minas,ditas
para agua de Coje,ps para pianos, brincos e de edres ; tubos para machinas a vapor, de cristal ;
globoscom guarni de metal amarello, mantegueiras de vldro, vidros avulsos para galheteiros lapi-
dados, vidros para lampadas de igreja, galhetas part-miwa, ditas para galheteiros, mangas para cas-
ticaes lisas, lvradas e lapidadas; lampeoees de parede para kerosene, ditos de pendurar; -copes gra-
duados de 1 ate'K oncas para ptrrmacia, garantinde-se a eiactido da medida ; vidros para peixes
com p e sem elle, acucenaa para caslicaes, chamios para lampeoes de azerle, ditas de cores para illu-
mina$5es, viprospara agua forte cora rolba. Compram-se vidros e crystaes qnebrados.
O deposite desta fabrica em Pernambuco oa ra da Imperatriz n. 49, onde existe constante-
mente chamios para candleiro a ca de ns. 2 e 3 a 320 rs. e de n. 4 a 488 rs., lamparinas completas
a -.'i, lampeoes ompfetos a 7* e *, escarradeiras de cores a 2,5800 o par, pratos para copos d'agoa a
500 rs., copos de dea cortes a 60 rs., globos lapidados e lavrados para caodfeiros a paz a -5800. O
proprietario desta novo estaboiscireenlo convida ao respeitavel'publico para que visitem o-rnei-mo, cor-
tos de que comprars os artigos iBdispensaveis a ama casa de familia pela soa barateza e utilidade,
principalmente acs Srs. pharmaceatlcos pela grande macia. Tamben recebe eacommeadas. O encarregado do proprietario dolo Loiz Encrennaz.
DE
Aipas fortes para bOloes.
. Na roa do Queimado lojide miudeas o. 16, ven-
de-se aspas de ajo fortes, e de diffefentes larguras
para baldes. *
Bonitos quadros para retrato.
Vendem-6e na roa do Qneimado loja de nade
tu i. 18, bonitos quadros oa Mrdua ffvett e
donrada, todos por precos rasoaveis.
Garrafas brancas
e de cores com superior agua da colonia.
Vendem-se na raa do Queimado, loja de miude-
tas n. 16. .
Novo gosto
Penles, fivellas, e brincos de fellsrana.
A antlga e bem conbecida'loja n. 16 na roa do
Qneimado, receben nm sortimento de diversos ob-
jectos de novo e bora gosto, sendo pentes braceos e
dourados de moldes enteiramente novos e mni a-
8 rada veis, tendo entre eUes alguns de filigrana obra
e muito gosto e dficit execuco, e bem assim fl-
vellas e brincos as mesmas clrcumstancias.
Tambera receben algnns cintos o qne do mais
moderno e bonito, se pode encontrar em tal genero.
Alm disso encontrarao os pretendentes nm com-
pleto sortimento de fivellas de msdreperola, etaris-
tal, tartaruga, e dourados, brincos de ehnsla), e
jaspe, voltas crozes de dito e muitos outros objec-
tos de gosto, os qoaes continoa-se a vender commo-
damente.
Penentes de madreperola, e afeites filets
A loja de miudezas na ra do Qneimado n. 16,
receben bonitos pente? cpot topa de madreperola,
I e novos enfeites filets ornados de lantejoilas don-
| radas, moediobss, aljofares, vidrilhos etc., tendo
grandes para toda cabeca e peqnenos para coque,
regalando os precos de 2 a 4,5000 rs.
Bjnitas caixinbas I
com arranjos dourados para costura, tendo com
msicas e sem ellas. Vendem-se na ra do Qaei-
I nado loja de miudesas-n. 16.
Trancas pretas
! com vidrilhos, e bicos com ditos e sem elles para
enfeites ou vestidos.
a roa do Qneimado n. 16 roja de ffllodeas a^
charao os pretendentes um bello sortintento dos
objectos cima ditos, cascarrilbas, franjas etc. etc.
etudo est sendo vendido por precos commodos.
Botes pretos
de vidro enfeitados d'ago.
A loja de miudeas n. 16 i r* do Queimado
vende mui bonitos botoes pretos de vidro com en-
feites de ac, os quaes mnito se nzam para enfeltar
vestidos, quem os pretender pone dirigirse a dita
loja n. 16 a roa do Qneimado.
Vendem se na toja de mludezas
a ra de Queimado n. 16.
Bonitos leqnes de sndalo e outras qaalidades.
Bonitos cintos com fivellas de diversas qaalida-
des e moldes.
Brincos e erases de crystal.
Abotoadnras de dito para coletea.
Bonitos poft-relogios.
Deticaeas caixasom msica e sem Ha, para
costura.
Agulhas e linhas para ebroebet.
Retrez superior em carriteis.
Rendas pretas e ticos cora vidrilhos.
Fitas de velludo com listras de odres para en-
feites de gorros e vestidos.
Ditas de grosdenapoles, lisas e lavrades, brancas
e comisadas.
Pra tingir caberlas.
Hoild Walter.'
Vende-se na ra do Qneimado, laja miudezas
n. 6.
ChroniaCA-mv
Para tingir cabellos.
Vende se na leja de miudezas, a tua do Quei-
mado n. 16.
Tiirtii-a de L. Mm^ics
Qaratazer os cabellos pretos.
Vende-se uatua do Queimado,-a loja de
dezas n. 16.
ffissangas Diadas, abofares imitaid
acoe viuilhos decires
para enfeites de vestidos ; vende-se todo i isso por
precos razoaveis na roa do Qneimado n.I oja 16,
de miudezas.
Ai-Maz
9
dah
56.
peratrlz n.
tiorenco P. Mendes Guimaries.
O proprietario deste estabelecimento receban pe-
lo nrtltoo vapor do Europa diversas cualidades de
fazendas para vestidos de senhora.
Seda de cores a 40500 o covado.
Vende-se sedas d cores pava vestidos de senbo-
ra a 1*300 o covado, lasinhas de liados gostes a
240, 320 e 400 rs. o covado. Roa da Imperatriz to-
ja e armazem do Arara n. 36.
Mefodiqrjes de I2a para vestidos a 400
o covado,
Vende-se ama nova fezesda por Borne metodl-
qoes toda de laa para vestidos a 400 rs. o covado,
chitas finas a 320 e 400 rs. o covado. Ra da Im-
peratriz loja do Arara n. 56.
Arara vende snsim para vestido a 240.
Vende se nova fazenda susim para vestidos fle
senbora e ronpa de meninos i 240. rs. o covado,
ditas a 160, 200 e 240 rs. o covado. Una da im-
peratriz loja do Arara n. 56.
Tarlalana de la para vestidos a 240.
Vende-se tarlatana de Isa para vestidos de se-
nbora a 240 rs. o covado, fil de llnb j a 160 o co-
vado, cortes de chita a 2*000. S no-Arara, ra
da Imperatriz n. 36.
L3a a traviata a 320 rs. o covado.
Vende-se no/a 13a a traviata para vestidos de
senhora a 320 rs. o ovado, s no Arara todas es-
tas fazendas novas viudas pto ultimo vapor da
Europa. S na loja e armazem da rara, ra da
Imperatriz n. 36.
Arara vende'cobertores ai0500.
Vende-se cobertores de pellos a 1*600, ditos sm
pelo 1*000, totertas de IMta 2*000. coberlas de
damasco 4*000, coberlas de fostao a oOOO. Roa
da|lmperatriz n. 66. ,.
Laasiobas do Arara a 200 rs. o covado.
Vende se lasinhas para vestido a 200,240,320,
400 e 800 rs. 6 covado, cotarinhos para faometn a
3(0 rs. a duna. Ra da Imperatriz loja do Arara
n. 36.
Arara vend as Casss a 240 rs. o covado.
Vende-se cassas trancezas finas a 140, 280, 320
e 400 rs. o covado. pesias de cambrla de forro a
2*000, ditas finas a 3*000, 4*000 3*000 e C"
Ra da Imperatriz loja do Arara n. 56.
Cintas a 160 e 20o rs. o covado.
&NBE mmm.
\ 75 e U.
renda muito
Os chale* d Favio m
Vendem-se neos chales pretos de
grandes com quatro ponas,
nos por lerera chegado pelo ultirno vapor francez,
e vendem-se pelo baratissimo preco de 6*,7* e
8* : na loja do Pavao, ra da Imperatriz n. 60, de
Gama & Silva.
FAZENDA E ROUPA FEITA
Reg & Moura, proprietario da loja de fazendas e roupa feita, sita i -ra"Nova
n. 24, verdafteiramente penborados e reconhsciilos para com seus amigos efreguezes,
pela aceitacao e confianra qne delles tem merecido no curto espaco de tempo em qne
se acbam establecidos e perfeitamei.te escudados na sincericiade dos seus tratos, decla-
ram para sciencia daqaelles que o quizerem honrar com seus officios, que, -em vista da
grande concurrencia que tem acrecido o seu estabelecimaato, especiaimeoie no que
relativo a roupa feita ; acabam de admittir paca a sua oflkina deaifaiale maior numero
de artistas, inclusive o seu corrtramestre, dirigido pelo hbil-me6ire Lauriaao Jos de
Barros, o qual n5o se poupa aexforcos para 6atisfazer com a presteza possivel qualquer
obra de encommenda.
Os meamos annunciam aos seus freguezes que acabam de comprar um novo e
muito variado sortimento de fazeadas finas e defbom gosto, prqprias para o4empo da
quaresaw, as.qoaes esto dispostos a vender por;precos mnito commodos e mais barato i DK^de ac. *"
que em outra qualquer parte. DHa dt dito deLeso.
orao empre escusamos -essa enfadonha iprolixidade dos aanuncios i)ombasti- Salitre refloado de i* qualidade._________^__
eos; pFflfarimos mostrar na singeleza deste nosso convite os bons-desejos que -nutrimos | ~ Na raa das Aguas-verdes n. vende-se^oma
para bem servirmos aquellos que vierem aonesso reclamo- i escrava moca com urna cria.
F baratisftnol
E' baratissimo!
E' baratissimo!
Neste importante estabelecimento encontra o res-
peitavel poblico nm variado sortimento de fazen-
das francezas,inglezas e soissas, e as qnaes se ven-
dero por preco coramedo a saber:
' Chales- de renda preta a o^SOO.
Venderse nm sortimento de chales de renda pre-
la a 6*600 e 6*, ditos de seda a 12*, 14* e 16*;
isto na roa da Imperatriz n. 72 de Gnimaraes de !r-
mo.
Re tondas pretas a S&.
Vende-se retondas pretas pelo barato preco de
8*, 8*300 e 9*; na ra da Imperatriz n. 72, loja
de Guimaraes A lrmo.
Grande pexiocba a 2?> o corle.
Vende-se corles de casemira da China a 2*000,
2*800, 2*800 e 3*. ditas de brim a 1*280,1*100,
1*600, 1*800 e 2*.
E' muito barato, tarlataoa de cores a 240
rs. o covado.
Vende-se um grande sortimento de tarlatana de
cores muito proprias para vestido, fazenda mais
moderna que lem viodo ao mercado a 240 o cova-
do e 280, ditas mais fioas a 300 e 320, lasinhas
escocezas muito modernas a 360 e 400 rs. o cova
do, ditas mnito tinas 460 e 500.
Cobertores de algodj a 800.
colares Royer oa afores ano-
para facilitar dentfeio das enancas e preserva-
las dad coavulsdes.
O feliz resultado obtido immensas vezes pela
prodigiosa forca magntica dos colares Royer, nos
casos de convusdes, e dentico das criancas, tem
altamente elevado o seu bem merecido prest icio,
e boje j se pode dizer que esto geralmente con-
ceitoados, e estimados de ionnmeravefs pas de
familias : de nns porque do-uso d"*8ses saintares
colares viram salvos do perico sens charo? filbi-
nhos, e de outros porque eolheram daqaelles t3o
proficuo ezemplo para .igualmeme preservar os
seus. Assim, pola, aagnia branea, tendo em vis-
tas a utllidade e proveitc desses prodigiosos cola-
res anodinos on Royer, mandn vir o novo sorti-
mento qne agora receben, e conrmari a recbe-
los para qne em tempo algum a falta delles po?*a
ser funesta aos pas de familia, os qoaes ficarso
certos de os achar constantemente na ra do Quei-
mado, loja d'agnla branca n. 8.
flja AlgudoziDbo avariado a 2*300 a peca :
5 roa da Made de TJeos n. 16, defronte da ^E
B guarda da alfandega. M.
**wm sen as* nmss
Na ra das Aguas Verdes n. 6, vende-se urna
escrava moga com urna cria.
l!Sarua da Imperatriz n. 28.
Vendem-se cortes de cambrla brancos com 4,
5 e 6 babados a 20* e 25*.
Fil de seda preto com flores a vara 1*.
Cambraias brancas de urna vara de. largura fi-
na a I* e 800 rs.
Ricas lampadas e candieiros a gaz por grosso
ea retalbo.
Escravos fgidos
Vende-se cobertores de algodao a 800 rs. ditos
melhores a 1*600 e 1*800, coberlas de chita a 25,
9*300 e 3.
Quem duvidar venba ver.
Cambraia decores a 240 rs. o covado dita fina a
280 e 320 ebitas fioas a 280, 300, 320, 360 e 400
rs., ditas percalas a 400 e 300.
Est se acabando ebitas a 160 rs. o covado <
Vende-se ebitas a 160,180 e 200 rs. o covado,
riseadinnos francezes a 240 e 280 rs. o covado, ra
da Imperatriz n. 72, de Gnimaraes & Irmao.
Lencos brancos a2 e 20500 a doaia.
Ditos finos a 3* e 3*300, ditos de linbo a 3*000,
5*500, 6 e 7*.
Cambraia branca a 3$.
Vende-se nm grande sortimento de cambraia a
3*, 3*300, 4*, 4*600 e 6*.
Baloes a 2-3.
Vende-se baldes de arcos a 2*. 2*300 e 3*, di- .em 0 peiT )eve;0 a seo senDor naquelle enge-
tos americanos a 3500 4> e 4*500, ditos de mur- nh 0Q a j,ianoe,| ienaco de Ollveira & Fimo ne's-
._ _.____ I_____.1, i-_____C._.,. Ifl .. inri
. Escravo fgido.
Do engenho Serigi, fregoezia de Goianna, i'ugio
; o mulatinbo de nome Raymundo, com os sigoaes
seguintes : cor clara, cabellos nem crespos uem
pegados no casco, altura regular; pernas nm tanto
| arqueadas, lem todos os dentes, esl com o rosto
coberto de pannos pretos, e eos tuina fumar muito:
a 100 e 200 rs. u mjhuu. Ina a 5^ 5*soo e o*, ditos para m n'rara iargo 1 vrn0
Vende-se chHas escuras e claras a 160;200el 4*WoYtlO na ra da Imperatriz n. 72, Ibja de '"recomnensaSo
240 o covado, ditas trancezas finas 180, 320,400 Guiroaries & Irmao. Dem recompensaao.
e 300 iti p covado, percales- matisadas escoras a a 3AQQQ o corte.
500 rs. o covado, s se vende, assim trate 0 Ara- QKnnn'n t-nrta
ra. S na loja e armazem do Arara, ra da Im- a *>uuu ^X'
peratriz n. 96. f- a 30000 o eorte.
Novidade no Arara. Vende-se cortes de la com 12 covados a 3*. di-
Alnadan a 1A- 6>s flDs a 3*500 e 4*, ditos a Mara Pia a 7*500
r **'QW". ^5 ff ... .,. 8*, 8*500,9* e 12*, gravatas finas para homem
Vndese peca teflf ?&* rSM* 800 l*0007inanut muito finas a 1*200 e
Arara n 56 Imperatriz loja do (^. |g|8 J ru ^ Iaipera,ril n. Mj ioja de
Arara\ndem*latK)lao enfestado a 34500. Gnimaraes Airmo^
Roupa feita.
Neste imprtame estabelecimento encontrarao os
freguezes um completo sortimento de ronpa feita
assim como palitot, calcas, camisas finas a 1*600,
1*800, 2* e 2*300. ditas de Imho a 3*, 3*500, 4*
> i SSiSssst ;.s .csas* s.
ditos de linbo a 2*. 2*500 e 3*.
hto na ra da Imperatriz n. 72, loja e
Guimares e lrmaos.
n. 19, qae ser
Vende-se pecas de madapolo entestado a 39300,
4* e 4*500 ditas de 24 jardas a 4*, 3*. 6*, ** e
10*. roa da imperatriz toja do Arara n. 36.
C unbraiss branca,
Com S parris de largara*
O bm loja do pave.
MACHIMAS
A6 Srs. fdgucteiTs.
3Va drogara da rna larga do Ho-
arlo n. Si
t palmos de largura, ou duas larguras das regula-
res, qne facelita rater-re um vestido apenas com 4
varas, e vendem-se pelos baratsimos precos de..
4*000 res, e t*i86 a vare, Boioameate na leja e
armazem do 'tfave, ra da Imperatriz n. "60 de Ga-
ma & Silva.
Oiras liran as a 280 rs,
ifende-se chitas Trancezas acentos brancos pa-
mo- [^roes mlUdtatos, pelo baratissimo preco de 280 rs.
o covado, na ioja e armazem do Pavo, na da Im-
peratriz n. 30. de Gama A Silva.
Chapees de sol.
Vende-se nm grande sortimento de chapeos de 'para deSCarOCOT
sol, seodfl Ce seda e de varios precos-e qaatidades; *
dttosde alpaca ede panno, e Tondem-se por precos
multo commodos, oa loja do Pavao a ra da im-
peratriz n<60, de Gama de Silva.
Cortes de eaiias.
Vendem-se cortes de ch.tts ioglezas, sendo pa-! "o manelras de 14,16, 18 e 20 serras,
os mais modr. dr5es escuros tendo 10 covados pelo barato preco: swrL__________ .________
de *000 rs.; ditos com 11 e 12 covedos a t*2001-----------------------------------------------
e 2**00 re; ditos de chita franceza escara e ale-
gre, tendo 10 covados 3*200 : ditos com 11 e 12
covados aS*520 e 3*840 rs: pecbincba, na loja
e armazem do Pavo, ra da Imperatriz n. 60 de
Gama *4t?a.
200,? de gratifica
Em 31 de outubro do anno passado, fugio a es-
crava Clandina, cabra alta e teca do corpo, que
pertenceu ltimamente acs Illm-.Sr?. Jos Joaquim
da Silva, Manoel Maoricio de Sena e D. Mariana
Igoacia de Castro e Silva que a venden a Jos Ma-
theos Ferreira que pagara 200*000 a quem Ibe
entregar dita escrava na roa da Cadeia n. 62.
Fugio
no da 13 do correte o preto Antonio, do idade
de 20 a 21 aanes, sem barba, naris chato, bocea
grande, ps cambados, levou caiga de casemira
amarella, e presume-so andar pehs arrebaldes da
Capunga on Ponte de U :ba, por j ter sido encon-
trado por estes lados; quem o apprehender queira
de en- \ lvalo ao largo do Hospicio, casa do commenda-
dor Elias Baptsta : que ser recompensado.
VISO
Foglo a 13 de abril do correte anno o escravo
Joao, representa ter 25 annos, cabra claro, nm
ponco baixo, grosso do corpo, ps e mos um ton-
co grosso?, nariz afilado, rosto comprido, pouea
barba, cabellos caraplnnos e meios russos, hom-
bros largos, cora falta de alans dentes, falla man-
so com alguma prosa, e diz que forro, presume-
n 1 andan /i' se que este escravo tenba seguido para Garanbivns
UMfVuwi/ u j on nas pr&xnnidades d*ste lugar por ter conh- i-
4 Wii n fierra dos ; este escravo foi remettldo de Garanbuns: eio
., ... usv,'l\ ... 'sr. Pedro Chaves, para ser vendido no Rr;f',
No Forte do Mattosprenca de algodao n. 17, de, protestaseC(jnlraqnem n ,jver ^^n^,.qae
melhor systema que ha apparecido por
* i ber 100* de gratificacao.
M
BARTHOLOMEO
Vende-se
-C.
f

Medeiros & C, vende-se machinas americanas do pegar elevar t0 ^ seDbor Jos Perelrade.Mirn-
1 da Canha, ra da Imperatriz n. 15, 2o andar, rece-
Og'OS
Veade-se. arrenda-se ou permuta-se o enga'
nho". Todas os Santos, na fregnena de Ipojuca'j
de arti icio
Ha grande porcao de fogos de artificio na conhe-
i Fugio do sitio de Parnaroerim onde r. ra-
| dor o abaixo assignado o mulato Antonio eotr >s
i signaes seguintes : baixo, secco do corpo, um i ti-
co descorado, tem urna fistola debaixo do queixo
com todcs os dentes, os ps cambados e com nr
cas de feridas, ja' velhas, nos carcanhae?, reice-
senu ter 40annos, pouco mais on menos; quem
pegar queira fazer o favor de levar ra da Im-
peratriz o. 19, ou no mesmo sitio ao sen senhor
engenho, ou com Jos P. da Cunta ^ Fimos nesta! ir buscar e levar ao
praca. '
Vende-se farinha de mandioca e potassa su-
perior : naipua de Apollo, armazem n. 36.
na ra Augusta n. 17; vende-se gaz a 440 rs.
frederico Chaves Jnior.
moenta.e correte, de agna, com formidaveis par- i cida fabrica da viuva Rufino, o qual vendido por, Frederico Chaves Jnior qne ser recompensado,
tidos]de boas trras para todas as plantajes e at j commodo prego, e como seja penoso ir l pela dis-
prala do atgodo por serem de muito boa produc-: tancia, as pessoas qne qnizerem fazer suas encom-
cSo ; faz-se todo negocio com tanto que se pague) mendas para-S. Joao e S. Pedro, as podem de'rxar
urna divida.a que dito engenho est obrigado : afno armazem d* bola axnarell, no oitao da secre-
fallar com -Antonio da Rocha Vieira no mesmo j tara da polica, onde llavera' um portador para
lugar convencionado.
Fugio no dia 21 do crreme, o mulato por
nome Vicente, 16 annos de idade, levou vestido ca-
misa branca e caiga azul,fcil de conhecer por estar
muito amarello, em rz) de soffrer inflimacio no
ligado, tem os beicos grosso*, ps inchado?, tem um
ar meio espantado, provavel andar mesmo nesta
praca ; quem o pegar e levar na ra das Ninpbas
no Camiobo Novo n. 1 A, sera' bem recompensado
'~W-




'


-




DOS PREMIOS DA
15'

.

LISTA GERAL.
'


W

PARTE DA LOTERA CONCEDIDA POR LE PROVINCIAL N 605, A BENEFICIO DAS FAMILIAS DOS VOLUNTARIOS DA PATRIA, EXTRAHIDA EM 26 DE MAIO DE 1866.
NS. PREMS.
1 6
2 -
7
9 -
12
13
15 -
21
29
30
3
41
45
48
60
54
58
60
65
69
70
73
74
76"
77
83
95
96
97
99
101
4
A
9
17
i
24
23
36
17
30
32
3
U
46
47
JJJ
1(9
6*
NS. PREMS. NS. PREMS. NS. PREMS. NS. PREMS. NS. PREMS.INS. PREMS.NS- PREMS. NS. PREMS. NS. PREMS. NS. PREMS. NS.
6J
OS
*
10*
6*
15
55
58
62
63
66
68
70
71
75
82
92
97
202
7
9
11
12
16
21
25
30
33
3
37
50
0
6*
65
69
73
a
78
0
82
03
H
302
6 ***fr
40
Mi-
20*
20*
6*
1Sj <*
30
II
34
35
9
43
1
no*
4
6*
36
e^
M O*
- -M
i
10*
6*
W*
9$

720
21
30
31
34
36
37
56
57
60
62
66
69
71
73
76
82
83
87
92
94
95
96
801
5
7
8
15
19
13
23
29
k 30
31
41
49
81
52
69
61
6*
i
M
-*i -?v
Ti za
7
10* 81
6* ;.t9
3
94

20*
6*
so*
898
99
900
2
9
21
25
27
33
41
44
52
54
55
57
59
60
63
65
71
72
76
87
88
89
9t
93
95
98
6*
10*
6*
28*
-
100*
ni
i*
20*1009
to#
6*
.'-
14
13
15
20
23
23
f -
31
33
36
37
46

ti*
68
71
-76
88
1
85-
1086
96
99
1101
5
6
8
12
24
32
34
37
38
39
40
44
45
47
49
50
54
56
58
68
6* 71
7*
80
82
92
1200
*
- 30
40* 33
6* 3* *
37
144.
47
O
5t
r 6
-(61
63
.6*1 64
66
68
6
7
14
10*
6*
40*
6*
10*
6*
40*
6*
10*
-4#
m
100*
4
6*
64
67
10*
6*
6* 1281
85
86
94
98
1303
13
18
20
21
32
33
38
46
57
61
65
68
71
72
75
79
81
87
91
92
93
1401
3
4
- 40
44
1*
17

26
"K
38
44
43
40-
H|U-f8
m
?-J 64
mi 1086- m||
100*
6*
<
(476
79
80
83
88
89
96
98
1500
3
-6
10
15
16
17
24
26
30
34
37
42
44
45
47
56
5
61
64
65
73
74
75
79
,80
81
84
90 .
93
99
im
6 -
a
to
15
8 -
- \m
6*
10*
6#
20*
6*
10*
6*
10*
6*
30*
Wj


20*
6*
IQft
6*
1633
36
40
53
57
60
61
65
68
71
'75
76
79
80
86
87
93
96
1700
18
22
27
31
32
36
37
44
45
57
66
67
73
78
85
98
1885
12
*8.
M
i- !
33
38
84
-4
*
>v*8
Ir
6*
20*
.6*
10*
6*
1866
70
71
80
63
88
93
99
1900
f
4
8
15
17
18
19
20
30
34
36
43
44
45
51
*
59
63
64
72
78.
85
92
95
96
97
98
2800
i
3
9
41.
18
18
18
23-
28
35

38
3
PREMS. NS. PREMS. NS. PREMS. NS. PREMS. NS. PREMS. NS.
NS. PREMS.
3815 6*
17
22 __
24 1:260*
25 *
27
32
35 _
41
51
52
53 .__
62
63 10*
69 8*
71 .
72 _
74
78 10*
80 6*
84
87 .
93 - ^*
94
95
97
.
'

' M
,
18
81
4

)*
68
mm
J HEGfVEl


c
Hj

7
I


-
i
?*
Br
Diarla de FerBatoatotoe wegaada lelra t le Male de 1866.
-r-
LITTERATRA.
Pagina dosqninze annos.
(Concluso.)
XVII
Nessa proriacia, a miaa vida foi um mariyrlo
de Prometho.
sconhecido, sem um amigo, sem um puente
levsi os dous primeiros raezes na reclusio maior
possivel.
Eatoque saudades que tinha do nosso norte!
Qaando chegon o inrerno e o cu cobrio se de
um iengol de chombo, e o (rovlo comecoiMtribom-
itar laucando oas penedias os seus coriseos : tire
multas saudades: Uve saudades dos nossos cs
lio azues, das nossas estrellas to brilhantes, do
nossa sol laucando as suas cataractas de luz, do
oosso (averno tao brando e do n'osso ar tio pa-
ro. La porm o cea era pardo, o vento era gelo, a
ciiuva era horrlvel, o sol sem calor, as estrellas
sem brilbo, as flores sem ebeiros e a trra pare-
cia-se com um tmulo.
ei-me mal e muilo mal.
Gasto pelos prateres, causado pelas decepcoes,
e nao poda levar essa vida de lazarones, que i,
levara os esiudanles. Nao poda acostumar-rae a
passar aoutes e noutes assentado junto a urna mesa
redonda, entre seis ou oito Byronislas, que joga-
vam o lansquenet, e impregnavam a sala com urna
atmosphera do fuma dos seas calimbos. Nao ser-
via tambem para emprovisar-me em leo, e andar
do rigor do lazo, a namorar a quantas meninas
encontrasse, e to pouxo nao servia para levar
urna noute inteira com ama loretle ao lado, esgo-
laodo a pequeos tragos ama garrafa de od
coobac.
Como sabes eu tinha o corpo dormente pela vida
dissoluta de alguu- mezas de loucura, e a alma
qneimada pela febre dos desengaos. Nada pois,
poda aduar sobre mim.
A yida parecia-me urna comedia, a sociedade am
eacaraeo, a amisada urna gargalbada; e a boora
um brioquedo de creancas.
Turnel-me mysantropo.
. Oe casa so sabia para a miaba aula, da miaba
aula para casa e nada mais.
O contrario porm se dava com os meas dous
comsanueiros de casa, eram os meihores pandigos
que tenbo conbecido.
Um, ja nao o encontras-te mais, qaando foste
morar comigo; era o celebre Tdomaz que perdeu
o auno, sacrificando o direito romano ao repertorio
do Aiexandre Damas, o outro era o Dionisio, ido-
latra dos barataos.
O Tbomar, era cyaico como am Diogenes, era
um verdadelro pbilosopho. Aonde aoontecia, abi
era a sua casa, nanea sabia o que possnia se que-
ra sahir a ra, a grvala do collega, o chapeo, a
caiga que encontrasse vesta-se nesses fados e lar-
gava-se: qaando quebrado, nao ahia a roa, met-
na-se em am robe de chambre, deitava-se em urna
rede, e levava lodo o resto do mei, deitado e fu-
mando em um cachimbo.
Dionisio, pelo contrario, era nm verdadeiro petij
mure: se quera sahir, levava horas e horas no
espelho a endireitar a gravata, a pentiar o cabel-
lo. Viva sempre de uubas aparadas escovada?,
botioas engreizadas e begodes frisados.
Eu era o contrario de todos elles; procarava
viver limpo; mas sem affectago, quasi nunca sa-
bia, famava pooco, nao jogava, nao bebia e nao
consenta pandegas dentro de casa.
A principio nao gostaram da modo de vlver
depois acosturaarara se ao mea isolamento, e
chamavam-me, mestre Cato.
Pouco me importara com o que me cbamavam.
O tempo que abi passei, estudei muito como
sabes; nao por esse amor da sciencia que eu pos-
suia outr'ora; mas para desenfastear o espirito, e
tornar menos longos os uieus dias de exilio.
Sabes qual a razo porque voliei para aqui ?
O liil 10 do trpico de Cncer nao pode vivej
debaixo do trpico de Capicornlo. O ultimo inver-
n fez-me muito mal, lembras-ta daqoella noute de
2 de setembro, quando voltas-te da roa, que rae
encontras-te estendido a meio da cama segurando
com todas as forgas no meu travasseiro? Era am
ataque de hepatilico.
Juiguei nessa noute que nao teria mais o prazer
de ver o sol do outro da, A cada aceesso, meu
Joa, faltava-me o folego, fogos extranhos passa-
ram-me pelos oibos, um zuido impertinente me
chegava aos ouvidos, dores agudas acommetiam-me
as fontes, escarros marmoreados de sangoe, me
sabiam da bocea.
Tive medo, muito medo; raorrer tao mogo, longe
da familia, sem um prente, smente junto de um
amigo, qae eras tu; era realmente horrivel, be O Brasil Mercad* to alcadSo
**tM. de Maehefi>.
Concluido o meo acto, voltei para o norte, de- ( -----
morei-me algons dias nd Rio de Janeiro, e os me-1 a-' Dos ajada aquellos qae
dicos declaram-me, que eu soflria do bago, e m ajodam a l proprios.
que era necessario, mudanga de clima, abstemio \ No alttmo numero do voo jornal, chamamos
fatal de appiioaoio. | *HM$a.o dos leltore, para algnmss dasraatagens
que os mannfactorelros inglezes podiam obter, de
tbegaudo em casa, oceupei-me em curar-me ra-
dicalmente. Depois do qae valiei para aqui. Ha
m
FOLHETIM
TRISTEZAS A BEIRA-MAR
POR
31. PINHEIRO CHAGAS
certo esforgo 4 proposito, na materia da exposigo
nacional, que tem deabrir-se aqui no Rio, no mez
dous anuos qae aqu vivo, esta vida iogloria tan H ootubro protimo ; boje parece-nos opportuna a
aspiragOes. Estudo para cumprir um dever de
das operagoes de um lavrador brasileiro, o qual,
tendo empregado a sua energa sobre o sol
tara' colhendo ureos resaltados.
Albo, e nao para ganhar gloria. Vivo na mesma
trra em que vive Naca, respiro o mesmo ar qae
ella respira,
XVIII
Vou Andar, Jos.
A minha lgubre historia dos raeus mores, so
oecislo, de inverter o argumento, affra de mostrar
ao Brasil, o qae elle pode assegnrar-se, atteo'dendo
promptamenle para a exposigo internacional, qne
se val abrir era Pars em 1867.
O impasto estes-entrandoBe fado j entrn
n'uma neva pbise de sna vida nacional, e as clr-
cumstoocias operando pelas mais esperadas cora-
Qnanto at, toma.conflanga no resultado.
Parece-nos qoe o Brasil tem consef enca da ira
portancia vital da qoesto; maitos tactos nos in
duzem nesta conclasao, e-fallamos do imperio, des- Para o fatendeiro brasileiro, dos ergoemos para
de o Para, so norte, at a provincia de Sao Paulo, a iraltago este exemfjjp individual de animo em-
qoal jnlgamos ser o ponto aair avsngado pra o preheodedor, ^m om campo no qual a energa o
sul, onde o algodo produzldo em quantldade de Imperio esta' entrando tioesperaacosamenle.
Ser exportado. O exemplo contagioso, e nos recommendamosi
.,. ,, ... este exemplo com calor, porque elle loca no perno
Por toda parte a mesma act.vldade e desejdi de fflajs ^
adquirir Informagao de natureza pratiea, e por toda
da reputagao e gloria
muito, eremos nos, a
dtspor-se.
8erla ama xperiencia simples e barata: aqoil-
lo que na Inglaterra tem provado tao bem, pode
sob as cirenmstancias especiaes de boje, faier-sa
qae prodnza os mesmos beneficios para o Brasil.
Ha tempo de sobra para isto : o lavrador tem
anda que plantar e colber urna safra, antes que se
podia ser bem escripia, pelo escrip'tr dos roeheos binaeSes, tem dado ao Brasil, urna poalco nova,
de Haute Combe; mas cada nm se exprime coa- entre es palies iarastrlaes da Eoropa, de manelra
ferme pode; portante, tem paciencia, oure o'a. tora** trra dapromlssio,para os desgosto-
resto. sos poYra, soffredores e robustos plantadores, que
Depois daminba cnegada aqui, a quasi doos'bn^ *^WM^ dos es,ado, .sul da
annos sem ver a familia de Nacila, parecia-ms qne
era eu ser o maior dos Ingratos, se a nao
visitar.
Tomei um carro e ful at I.
fosse
A primelra pessoa que eocontrei foi Nacila. Es-
lava cada vex mais bella, pelo menos, assim me
parecen; apenas tinha urna differenga, orna pali-
dez, que anda mais Ibe augmentara a belleza.
Ao v-la, o passado de outr'ora, com as suas
paginas de ouro, veio-me todo a memoria.
No domingo seguate passei odia em sua casa e
a pobre moga, narrou-me todos os seas sollrime.
tos e fez-me amargas exprobagoes.
Tive remorsos, corei da minha Infamia.
Unio Americana.
Nos citames estes fados' aqui, para com maior
empbase- nes dirigirraos aos proprios Brasileiros,
exhortando-os a nao perderem pela indolencia tal
occaslo de se assegurarem da fortuna, como pou-
oas vetes cabe a orna nacao nos primeiros passos
do sea desenvolvimento.
Passemos agora a deseropenhar a farefa que nos
propozemos boje.
O Brasil prepara-se para mostrar-se na exposigo
de Pars em 1867, e desde ja o diremos, qoe nao
nutrimos o menor receio dos bons resultados dos
seas trabalhos.
Elle mostrar por varias formas, os vistos re-
oarsos do sen solo, e os meios illimitados que pos-
sue, de satsfazer as necessidades sempre nascen-
Estive quasi a cab.r-lhe aos ps e ptsliMbe per- dlqaelleg qae na Earopt) babUam e Ubofam
dao j mas acbei qne era am acto de menino ou de em |amades meD0S foTorecl(Jas.
lonco.
Como tudo, nao deiiel de confessar-lhe qoe eu A W >*" a "* Bra9" de ha "<.,em
era culpeo, que eu s tinha culpa de todos os seos se ido encamiohando com urna progressJo segura
soffrimentos;masqueesperava que ela lancasse e incessaDt' "" P6"*" "Europa, quando a
om vn sobre o passado, e que me perdoasse. I P0'?80 abrir M in'8aC6< dos pensadores;
I mas nos chamaremos a attengo do imperio, para
De boa vontade me perdoou. m,, novo elemento, bo sen deseavolvimento, o qual
Era preciso, que eu mostrasse-lbe, que era um' pode ser determinado em Pars de modo a attrabir
bomem de honra. I para estas bandas, a attengo do mondo trabalha-
n i ._a._ a. __.i.-____-.* dor, assegurando para ascente agricultura do
Com todo o ardor de ama paixao que renasce, ,. *r
_ Brasil, o respeito da Eoropa.
trazei-lhe o quadro dos meas son rmenlos, saos- ( '
trei-ibe, que aqaillo qae ea fazia, e qae ella toma-! O leitor j nos ter antecipado, pois colligir qoe
va por um passatempo, para mim era am marty-, as nossas observagoes se dirigem a qoesto do ai-
rio. \ godo. Nos pedimos ao lavrador brasileiro, que se-
_....., o, I ja to fiel a si, quanio lbe tem sido favoravel a Pro-
Pedi-lhe llcenc. para pedil-a em casamento. Sa- y e de m remn_
s. mea Jos, qual fo. a saa resposta ? ^ ^.^ qoe ^^ % ^ JJJ ^
esforgos bem dirigidos no Brasil.
Eairo esta dala, e a poca fixada para a abertu-
ra da exposigo de Pars, os lavradores no Brasil
tem de semear e colber ama oatra safra de algo
do, e o resultado dalia, ter de ser exbibidp na
Europa, em toda a sua forga, de sorte qoe o mano
factoreiro de Mancbester possa formar o juizo, e
flxar a posigo qae o imperio ter de tomar, como
productor daqoella materia prima, pela qual to
bes
Foi urna resposta toda cheia de abnegago e de
amor.
Ouvi-a.
Nao mais posslvel. Os bellos lempos da nossa
lelicidade, ja' passaram, agora qualqoer outra pai-
xao qne resultasse a nossa ailo, seria um sacri-
legio, seria urna maldigo ao nosso amor de meni-
nas e ama affronta ao esplritualismo das nossas
paiioes. Como v, anda boje eston solteirai por-
que comprebendi qne tinbamos nascido om para o anciosamente esperam os teares e as fabricas do
outro, e que o Sr. nunca amon de veras outra que; Laocbasire.
nao fosse eu. Urna fatalidade nos cortn o ello de
nossas almas jovenis, essa fatalidade, ainda boje a
conservo, quer vel-a ?
Dizendo isto, entrn na sua cmara, e pouco de-
pois voltoo, trazendo-me am cravo secco.
Esta flor, conlinuou ella, tem sido a cruz, na
qual tenho expiado os mens peccados. Acostu-
rnei-me a esta vida de isolamento e jorei de nunca
roe casar. Bem v, como mnlher eston velba, o
Sr. esta' mogo. Da velhlce para a sepultura nao
ba seno nm passo, em qnanto qne do Sr. para a
felicidade tambem pouca distancia ha. Qoe gloria
teria, em appresentar ao publico urna mulber ve-
Iba, o Sr. que d'aqui a um anno tem de receber
um titulo da sociedade e aspirar um futuro? Nao
mais possvel a nossa unio. Procure urna moca
que o possa tornar feliz, e esquega-me, Um da,
efectuaremos nma uniao mais pnra, da qual ne-
nhuma forga humana, nenhum prejuizo nos poder
desunir. Esta uniao sera' no cu. O nosso sacer-
dote sera' Deas, as nossas testemonbas os seus
sanctos, os nossos convivas os seus anjos, e os
nossos prazeres a sua gloria.
Aqui na Ierra, qnalquer uuio nossa seria am
crime.
Nada tive que responder a essa phllosophia pa-
ra.
A noite retire! me com mais urna chaga no co
ragao, lamentando a minha cegueira, pois nao son-
be ver, nao soube avaliar a perola que deitei fra,
por eausa da minba loucura.

J. C. Cesar
XIV
(.Continusco.)
Correm os annos, e no seu montono desusar
to rpidamente formara, succedendo-se uns aos
outros, um todo compacto,- que se confundem os
seus varios contornos n'um s,*eomo as Hnbas di-
versas de um edificio se estampam ao longe no
azal do horisonje resumidas n'ama linba nica-
Parece-nos que succedeu -bontem o qu: se realisou
annos antes, e. os aconteciraentos, separados por
longos intervallosj vem-se a condensar n'um s
periodo, que conslitue o que chamamos pas;ado>.
Mas sobreven) nraVdesgraga inesperada, desaba
um raio, que despedaga a cade a montona dos
lempos, e qoe aos festbes de flores faz soceeder
nm grilbo de ferro ou frrea correle a florea
gnnalda ; basta esta solago de continnidade para
rasgar um abysmo entre daas pocas prximas.
Hon'em pas'sou a ser otttr'era, e nem nm reffexo
das alegras ou das tristezas qae forneceram n'esse
instante, vem dourar ou entristecer o novo panora-
ma que se nos desenrola diante dos olbos.
Foi o qae sacceden a Leonor depois do golpe
fatal, qae lbe. decepoa a espranos de am (aturo
risonbo, e com a flor de esperanza a flor da saa ale.
gra oamil. Parecia-lhe. que esees annos, qae
lbe tinham corrido to suavemente, esuvam j
bem longe, qae a sua deseuidosa mocidade pass-
ra avia muito e que j lbe alvejavam na cabega
os gelos da velhice. Lembrava-se.de am cont
qae a Hara lbe eontava, qaando ella era peqaeni-
na, e em que se fallava de nm cavaHeiro qoe fra
levadjp por uqj aajo ao ca_e qae l paaara am
da todo, enlevade n'esses esplenders paradisiscos;
qoe depois o bom cavalleiro, desenlo ierra e
voiuodo para sua casa, onde o esperara a-saa for-
aesa Boira, ejtcootrra a ooiva cesMevaria, jirrui-
Mda a mattio de seis pais, e qae, miraao-se ae
espelbo, se va com ama buba arrojarte, com as j
ragas ou heos, amortecido o fulgor dos eraos,'
treaak)aoe|aJ)k)s,daalWeiooaloaio. Odiado
parae raer por con amos de rid swtaJ.
Leonor nao estava'longe de pensar que lbe snc-
cedera um caso semelhante, com a differenga qoe
a virgem, em vez de ser ao cea, fra ao Inferno, e
quejhe linba corrido rpidamente os annos em
amargaras e nao em delicias.
u qae certo qoe a existencia e a ndole de
Leonor bariam soffrido completo abalo com este
acontecimento. O raio, fulminando aquella arvore
de bengo, nao ibe murchra as flores, transfor-
mara-as em fractos, qoe, se escondiam clnzas por
dentro, apresenurm ao menos am formoso aspec-
to. O seu espirito caprichoso assumira de am dia
para outro inesperada graridade, e austera, melan-
cola, que llie ressombrava das feigdes, diva om
novo encanto saa incontestavel formosnra. J
nao corria oas fragas, j nl pasoiava no mar, e
os pescadores, qaando sahiam para o largo, procu
ravam debalde o vulto da fadastnba ramovel nos
placaros das penadlas. as raras occas(5s em que
sahfa de casa era sempre dando o braco ao seu
avo e servrado-lhe de estelo aos passos Vagarosos*
aova Antigona d'aqoelle Edipo, com a differenga
qae era ella e nao elle quem preoisara de consola
,c5es.
Quando ambos, o relbo marinbeiro e a jurenil
senhora, sabiam a passeiar praa, elle corro, tr-
mulo, decrepito, ella cheia de vida e de mocidade,
mas paluda, melanclica, sem am sorriso a esvoa
gar-lbe nos labios, os qae oe rlam de longe sen-
(iam coafranger-se-lhes o ooragio, como te adri
nhassem o poema de amarforas qoe aquelles toas
rallos em si resumi.am. Bastara tambem om dia
para eovelhecer dez annos Bartbolomeo. Como
esses cadveres de Pompis, qae se coaservarara
intactos durante scalos, e M B'am dia so, o da
saa apparigo luz do sel, se desfizeraas em cin-
tas, assim Bartholemeo, qae por%nto tempo con-
servara a robustez do corpo e a saude de (erro,
seatio todo laso dostater-so-lbe no dia em qo% a
desgraca velo como qae provar a solidez d'
madara, com qoe o relbo naarahsiro
abate dos asaos. J poaco (alian e par
O nosso tbema pois, pertinente occasio, en-
carecidamente rogamos a todos aquellas qae ja ea-
traram, ou que rao entrar na culliragc do algo-
do, que se esmerem individualmente, na sna pro-
secog, como zelosos pela honra nacional, a qual
felizmente neste caso, val de parceria, com o seu
proprio lacro e prosperidade.
J se sabe que o ministro da agricultura, est to-
mando providencias, calculadas a animar e auxi-
liar o lavrador brasileiro, nesta importante empre-
xa, e igualmente sabemos qne os manufacturemos
de Mancbester applaadiro com transporte o plano
comprehensivo quo o S Exc o Sr. Paula Soasa, na
saa capacidade de ministro de estado recommenda-
r aos seus concidados e coja oatureza perteoce
S. Exc. o manifustar oooortonamente.
Elle abranger, segundo eremos, nao s a expo-
sigo do algodo limpo, prompto para os teceles
doJLanchasire como tambem incluir o algodo e
a sua sement as capsulas, e em todas as condiges
porque passa, antes de ser remedido da fazenda ao
mercado inglez.
Amostras do solo tambem acompanharo estas
illustragies de materia prima, e em urna palavra
tudo o que se refere ao cultivo do algodo no norte
e sul do imperio, se reunir em Pars, de modo
qne, qaando os commissarios imperiaes tiverem
concluido as suas investigaoSes neste ramo, esta-
rlo elles, temos disso certeza, em posigao de mi-
nistrar muita informado valiosa, acerca das capa-
cidades algodoeiras do Brasil, e Manchester saber
ento mais acerca do imperio, como productor da
materia .que ella tao encarecidamente reclama, do
que tem sabido at o presente.
a parte as mesmas vistas esperaogosas e animado-
ras no futuro.
i abra exposigo em Parts ; e se a nossa proposta
gar que o Bratil oceupara' na exposigo do mundo fosse adoptada com zelo, 6s garantimos que
em 1867.
N pedimos aos nossos amigos brasileiros dos
reinos terrenos algodoeiros do norte do imperio,
qoe se esforcem, que porfiara por exceder,, tudo o
Com tudo se tiresseraos de escolher om districto
especial no Brasil, no qual tiresseraos de basear,
como escriptor pnblico, a confianca qoe nos anima,, -
. \ \ ..... qoe at agora tem fet a, ou sonhadfazer, tinao em
dos resaltados permanentes desta nova actividade': 1__ ...u____
tomaramos a provincia de Sao Paulo.
Ha apenas qualro annos que os Panlistas pela
primeira rez entraram no mercado europeo, como
productores de algodo, e eremos qun cerca de 600
arrobas, den a noticia dos seus primeiros ensalos
nesta cuitara, entretanto sabemos que a safra que
actualmente se esta' la'colhendo, bade exceder
400,000 .arrobas III Sao escusados os com menta-
rlos. Os factos palenteam-se a lodo o imperio.
Este algodo bade render-se em Santos pelo me-
nos a 15$ a arroba, digamo-lo.
Os Brasileiros sabem tirar conclus5es dos alga-
rismos qae Ibes fornecemos, e nao deixaro de no-
tar, o quanto sao o indiriduo e o estado igualmen-
te participantes, nesta ampliago dos campos da
industria. Podemos porm, em quanto fallamos de
Sao Paulo, Ilustrar as nossas assergoes, apostan-
do para esforcos individuaos e todos os cultivadores
de algodo no imperio, podem confiar na noticia
que Ihes vamos dar.
Um Inglez nosso amigo, qae mantem estreitas
e cordeaes relagoes com a cidde de Manchester, e
o qual tambem mnito conbecido na provincia de
Sao Paulo, cootoo-aos de am lavrador brasileiro,
cuja empreza projecta-se em preeminencia honrosa,
no assompto deste novo deseavolvimento de rique-
za nacional.
Este cavalbeiro cujo nome supprimiraos por mo-
tivos de delicadeza, pretende entrar durante a fu-
tura estago de semear, em urna serie de expe-
riencias, sobre o cultivo do algodo, n'uma escala
que o Brasil la' nio vio.
Elle encommeodou a' associgao de Mancbester,
promotora do supprimento de algodo que esco-
Ihesse e lhe enviasse 200 arrobas para o seu uso
especial, das meihores semenies de algodo pro-
prias para o Brasil, qoe podesse encontrar, pedfndo
ao mesmo tempo. todas as noticias particulares qae
a associagao possa ministrar-lhe, de sorte a melhor
dirigir as soas operagdes dorante a futura estago
de semear.
Por mais difBeil qoe seja a cultura, por maior o
cuidado exigido e qnalquer que seja a despeza,
elle esta' resolvido a sondar toda a qoesto, e co-
mo na lingaagem cha de Inglaterra se diz, a ver
osiresoltados da cousa, qaando a energa e bem di-
girida inlelligencia, empregam os seas meihores
esforgos nella.
Digamo-lo agora, que o nosso pal ista empre
bendedor, nao se ra metter de oibos rendados nes-
ta aventura. Elle um dos qoe dorante os ltimos
qoatro annos, tem melhor experimentado a materia
na provincia, am larrador de primeira classe, e
tem como ja' dissemos encomroendado 200 arro-
bas de sementes de algodo da Europa, estando a
preparar os terrenos para esta rariedade de se-
mentes, as quaes acbaro no fim da presente sa-
fra, maior quantidade dalles do que carecem, pa-
ra auferirem-lhe grandes resultados no futuro.
Urna, pessoa nos informa qne neste momento es-
ta' elle colhendo orna safra composta de sde ou
oito rariedades disuadas de sementes colllgidas
com cuidado, fra do Brasil; que elle plantn estas
sementes sobre ama larga ara do solo, da di (Tren-
les caracteres, e qae em qae em cada caso, adop-
tando o mais possvel a sement ao solo no qual
trabalhava, tomava notas das differeotes datas das
semeoteiras de-modo qne, quando tiver colbido a
sua safra, que sera' enorme, tera' elle colligido
laes informages acerca da escolha dos terrenos, e
eslagoes para a sementeira e tratamenlo geral da
planta que muito contribuir' para formar um ma
naal ou uia para o lavrador de algodo
Paulo de subido valor.
S accrescentaremos, qae o cavalheiro a que
nos referimos, teem-se munido de melhor machi-
nismo conhecido para limpar e enfardar o algo-
do ; que lavra os seas terrenos, eom os meihores
istr'ameotos, asando do vapor como poder motor
em toda a parte, e sempre que'pode, e que elle
rista, o que acabamos de mostrar-lhes estar-se
operando ao snl do Rio, e se aponamos para um
bomem na pro vi ocia de S. Paulo, cajo animo m-
prebendedor tanto tem conseguido,^ s na espe-
rases de excitsr no norte ama honrosa e pacifica
emulago, a qual os levara' no fim a' fazerem mais
do que at agora tem realisado, de maoeira qae,
quando a commisso imperial da Fraoga concluir
os seas trabalhos da invesiigago se veja ella obrl-
gada a reconhecer, que o Brasil, com toda a cer-
teza, se val apossando do terreno, qne os Estados
do Sul da l.'uio Americana perdem, sendo qoe por
isso, os lagos commereiaes que o prendem a Ingla-
terra, cada vez se fortificara mais.
Urna palavra em conclasao. Jamis bouve occa-
sio to azada como a presente, para o Brasit rea-
lizar tudo o qoe pedimos delle. Sobre o assompto
da cultivago do algodo, nos todos os dias avan-
gamos, em conbecimentos praticos, e qnanto ao seu
traumanlo depois de colbido, nao faltara conselbos
solidos para quem quizer procura-Ios.
'Todos os mezes recebemos macbinismo mais
apurado ; e instrumentos agrarios nos ebegam,
dos mais aperieigoados e baratos.
Us lavradures dos Estados do Sul da Unio Ame-
ricana, vo aportando as nossas plagas, em nume -
ro crescente, e com crescente confianga, e elles
trazem cora sigo aquella madura eeperiencia e b*
vengo prompta, cujo valor nao pode ser exagera-
do; aassociacao de Manchester, tambem se apre-
senta, com a sua animago cordial e auxilio prati-
co, e qnanto ao mais os disvelos do governo impe-
rial faro ludo, o que estiver ao seo alcance.
resposta em 1867 seria tal,"que o imperio a con-
templarla com orgalho ; e o movlmento seria um
principio de coosas, e de resoltados, pouco distan-
tes, cojan importancia!.. imperio tu pode deli-
near-i
. E aqoi del tamos a qoesto. Se for preciso rol-
laremos a ella. O qae provocamos dos bomens p-
blicos e dos laVradores uiajvjdualmeute, a acgo
immmediala.
A Providencia adianta-se offerecendo ad Brasil,
aquillo qne os borneas e u nagoes de todos os lem-
pos, mais se empenbam por alcancar. A riqueza e
honra nacionaes o aguardam, e nos o exhortamos
a estender a mo, para receber os premios ami-
gados.
(Do Angto-Brasifm Times.)
II POICO DI TUDO.
* E' do Sr. ocia vio de Mello esta poesa, ( Imita
gao d'ootra de C. de Abren-)
OLERES ASSIM f.. .
Ob I mimosa Isabellinba,
Das bellas lo sraioha,
Qu's um Piado cberubiin;
A todos aslt~d"mores,
Faceira, exhataito odores
Tens imperio sobre mim.
<:
Nos qae escreveraos estas linhas, sabemos com
quanta anxiedade e solicitnde, o Imperador vela
sobre os progressos desta nova phase da vida na-
c anal, e podemos dizer o mesmo, i respeito do
ministro que dirige a repartigo do macbinismo do
estado, a que esta' ella affacta.
Jamis hoove momento mais auspicioso, e prenhe
pelo destino, com condiges favoraveis ao impe-
rio. Na Inglaterra, altos pregos que devem conti-
nuar, e aqui no Brasil, forga productora Ilimitada
no clima e olo.
No anno passado, diz o cnsul geral do Brasil, o
valor do algodo do Brasil, vendido na Inglaterra
montn a qoatro milhes de libras esterlinas. Es-
te anno passar*' disso. O qoe porm nao sera'
elle, daqai a qualro annos, com algum esmero e
adtvdade ?
A solugo depender' dos esforcos iudividaaes
dos lavradores. O governo s pode animar, rom-
pete aos individuos, realisar e recolher os resulta-
dos. E emquanto tocamos neste ponto, aventure-
mos ama suggesto.
Porque nao ha de o governo imperial offerecer
am premio de honra a provincia (ou aind? melhor
ao lavrador, oo a ambos), qne na exposigo de Pa-
rs, aos olhos dos commissarios imperiaes, primar
sobre todos, pelo carcter, qnalMade e extengo de
variedade, do algodo prodoxido ?
Em materia de agricultura, pode dizer-se, apos-
tando para am exemplo, qae a Inglaterra tem con-
quistado a sna posigao, a despeito da natoreza, pois
na exlracgo do solo, de tudo quanto pode elle pro-
duzir, nao tem a Inglaterra rival no mundo. E' a
emolago quem tem operado tudo isto.
Quem ignora a Inta honrosa, travada perpetua-
mente entre os condados do Reino Unido, e a qual
at o proprio governo systematicamente anima, de
sorte a tornar como um legado, a ambiguo de ex-
ceder era cada familia T E' justamente nisto qne o
em S. | Brasil se araesquiuha, a sobre este ponto, que
mais carece de animago. Em uraa escala peque-
a, pode elle applicar o principio a um ramo de
sua vida agrcola.
E* apenas ama sugge sto que ollerecemo?, mas
a qual entretanto, pouco custara' a realisar.
Urna prenda de prata, olleriada a este, ou aquel-
lo lavrador, o qual em honrosa corapetigo sobre-


Debrocaodo-te janella,
Quem te vir dir : do que ella
Mulher mais linda nao baI
Quem assim te contemplar,
Nao te deixar de amar...
Quera por ti nao morrsr I I
Tu s meiga, s innocente,
Como a rola qne contente
Voa, brinca no rosal ;
E's bella mesmo sem galas.
No andar, no siso, as fallas ;
E's bella f... nao tens rival I
D'um anjo tu tens a greca,
Pois, quem quer qoe por ti passa,
Apenas rio-te, paroo I...
Segu depois sea caminho,
Mas rai calado e sosinbo,
Porqne su'alma flcou I...
Qnanto s bella, Isabellinha,
Sentada n'ama baoqulnha,
No piano dedilnar t
E se ah modinhas cantas,
A todos moves, encantas
As almas con mistar .
Obi mimosa Isabellinha,
Das bellas tu s rainba;
Mas nos amores s m :
Ob 1 como Ocas bonita,
Co'as (rangas presa na fita 1...
Mais bella de quantas ba 1
E's am anjo. Isabellinha!
E's de minh alma rainba,
E's meu lindo cbernbim....
Ab 1 lo me matas d'amores,
Faceira, exhalando odores,
Tens imperio sobre mim.
Men anjo, tu s to linda,
Que se (ores minha anda,
Teras extremos d'amor :
Responde, queras assim ?
Nao fallas ?... foges de mim t...
Nao daixas ver-te o rubor?
Contava nm da nm soldado muitos actos de co-
ragem que pralicara n'uma batalha, e entre ou-
tros o de ter cortado as pernas a nm inimigo.
E porque nao lhe cortou antes a cabega ?
objectou-lhe um dos circumstaotes.
E' porque j nao a tinba, responden elle.



am dos meihores lavradores de caf da provincia,.
e os nossos leitores,conviro. que muito breve nao Mr o mus compatriotas : algum signal dis
faltara'ao Brasil, informagao do mais valioso ge- tinctivo do favor imperial, outorgado i
ero, per isso que sera' colhida das esperiencia
aquella provincia, que em
esta ou
Pars se avantajar no
nao liaba vida para outros sentlmentos, | .Bao
. fossem o amor profundo a ana das netafM'lllo
; tenacisimo oatra. ,0 oafeQ sorriso, qoe me
| toara nos labios, en o qoe *efle despertara a j
gada da saa MfJilo pela manhia vraha
^lleaar-H boas dias; o areo
olhos, e
i, se alf
ttSS'
A casa rosrestira-se de mais profunda melanco-
lia do que tinba mesmo antes da chegada de Mag-
dalena. Ento hara uro raio de sol, que alegra-
va as-tristezas d'aqoella noite ; esse raio de sol-
que era a infantil vlvacldade de Leonor, apagara,
se tambem. A merte reinava sem rival n'essa
casa ou antes n'esse tmulo da belra mar. As
aves martimas vinham pousar as vezes nos para-
paitos das janellas, e d'alli, mirando as ondas e es-
preitando a preza, soltavam um grito lgubre e
prolongado, que era a nica voz qoe sabia d'aquel-
le recinto.. Casava-se bem com as selvticas tris-
tezas dos seus habitantes.
Leonor padeca o qoe no Inferno se nao padece,
por que era urna arma boa, nm corago puro, qae
pensava. os tormentos, que s devtam ser reserva-
dos para os espiritos m9s. Salteavaa-na a na
tempo a saudade, o remorso e a der qae a desillu-
sao produz. A partida de Jorge e de. Magdalena
deixra um vacuo profando na saa vida; a idea
de qoe nao cosaprira risca os ultimes desejos dt
saa ali era a tortora constante do seu espirito; a
tralgio dos d oas entes, qae mais estima va n'eate
mando, dileerara-lbe as Obras mais sensveis da
sna alma, toda affedoosa e meiga. A saa indili-
gencia inculta nao podia cnceber a idea de qoe
fosse possvel trahlr a coetnea de algaem. E ella
deposita va Taota conftang* m saa Irma, deposita-
va tanta confianga em Jorge I
Estes sentlmentos diversos tumultuavam-lhe na
cabega escandecida a hora em qae as vis oes noc
tornas poram os^sonhos do celerado lbe en.
ebem o espirito de vagos terrores. J se nao se-
roava na cosmha e raras vezes se jogava o gamo-
na sala do jantar. O vento de tristeza, qae gema
n'aqnella casa, atragantara aadminlstraflor e e bo-
ticario, qie-baviam transportado 0 j taaoleiro e as
discassdesimra cas*Ho medico de partido ou para
casa de Meto e Figoeiredo. S o capillo Ral voso
(toaarb-a ser del os. aos antiges hbitos e a
- coma* ersua caaja de arrox oa siletteiosa sata
de Bartboioaoo. O pobre ralbo nio poda, alad*
i|im qliiiaajlitiniirniiirsTrinrlnhr-1 babito era
para oite api eaW|_ podorotjsslma, e, bo dia ea
fjtsBHijajiwi jo sen logar moa do ga-
no golpee morria do
a pa*la_4iter qo*
m
com mais de qualro palavras poda ser marcado pois da perda sucessiva de tres ou qualro partidas;
com lellras de ouro nos fastos da eloquencia do ca'
pito Haivoso.
Costumado a oovir em silencio, primeiro as or-
dans do coronel, de quera dependa militarmente,
depois as palavras do boticario, de. qoem depen-
no raras vezes saltavam-lhe as lagrimas dos olhos
e deslisavam-lhe vagarosamente pelas faces enru-
gadas. Percebia de um relance o que tentava dis-
fargar a si proprio ; percebia que o sopro da mor-
te, ja' prxima, priocipiava a gelar-lhe o entendi.
dia fioanciramente, perder o bom do com- i ment, e que lhe ia fugindo da alma a luz terrena,
mandante de todo o costme de tomar a iniciativa bem que ainda nao entrevlsse o fulgor da eterni-
fosse no qae fosse. Jogava o gamo com Barlho-1 dade. E cborava, o bom velho, chorara nao por
lomen, ganhava imperturbavelmente, por mais sig-
naos que Leonor lbe flzesse para qae perdesse pelo
menos nma partida, a fim de nao irritar oa intris-
tecer sea avo, qae, percebeodo vagamente o des-
fallecer das suas facuidades intellectuaes, luctava
contra a evidencia, e tentava persuadr-se asi
mesmo de que tinha o espirito to robasto como
nos lempos em qae regia impvido o seu navio en-
tre a confusao da proceda e as agonas da tor-
menta.
Desejava Leonor conserva-lo n'essa illoso sua-
ve, por que sabia qae o desengao o levara mais
dapressa a' sepaHora, de cojas portas o senta ja'
tio prximo. Era para isso necessario que Bar-
thoTomeu nao pereebesse qae jogava ja' raacbnal-
mente e que nem podia combinar o lance mais sin-
si, que ja' desempenhara o seu papel no drama da
existencia-, mas por essa pobre creanga, que Acara
desamparada orpba, lacerada por ama dor ira-
mensa e exposta aos rendaraes, com que o mundo
agobia principalmente as arvores, exticas na ier-
ra, transplaniadas para aqui das regioes do cu.
E era isso o qoe fazia com que o bom velho i-
casse melanclico, mas nao quera Leonor ve-Io as-
sim, por que sabia qoe esses lgubres pensaraen-
tos Iba tiravam annos de uida, se alada tinba an-
nos para viver.
Cor isso, fingiado-se rioonha e fazendo um sig-
nal a Rai voso, dizia :
y-: Meu qaerido av, agora qnero-lbe revelar om
segredo; nao Ih'o disse logo por nao eavergonhar
o 8rc caplio.
Heal acuda o eapio sobresaltado,
goto do gamo. for isso se fartava de telegrapoar J Log9 estaremos conlas I tornara a neta de
Sabe o ar por qoe foi que perdeu
ao capito Rai voso, pedlndo-Ihe qoe cedesse as
honras de ama partida ao meaos. Mas o bom do
capito oo nao a percebia e ia ganhando sempre
ou fazia oavtdosi de marcador, por qoe o aflecto sin-
cero, que consagrara a' gentil menina, obriga-lo-ia
a Odos os sacrificios, menos ao sterificia da gloria,
nica paixao d'esse Qlbo de Bedona, que se nao
poda resignar a perder as nicas balalhas, em qoe
Ibe-fradado conrmaodar em obefe, anda qae os
soldados fosseto tarlas e o campo da peleja um
taboleiro. :' ''
Outras retes, em fina, Instado, rogado, ameaoa-
do pelos gestos eioqueates de Leonor, la' consen-
tis, com maaos suspiros, era ver se perda ama
partida; por mais que toltae, por melhor ren-
tad* qae empregaose, ato era eapaz de eocoasrar
o tonca qae devto entregar as bawssda batalha ao
seo feliz rlvaL Soara, atorineattra-se aa, tno-
doaal se pteajtova, rtoM com todis a tjelas
foia.do jcfv.a aaato o jaa adteruriov eoadoa-J
a aTora8 espsdadora, folmioava com ato
odes|M5tvec
Kicav* BlWbilslII ca Barros twlsoBolW-
Bartbolomeu.
as partidas do gamo ?
' Ora, por que baria de ser, Alba? responda
melancolicameote o veibo. E' por qae ja' nio to-
aba cabega para isto. A morte rom prxima, Leo-
norsrnha i
Vejam como se illude I O qae ata' a dizer.
s paro me affligir 1 Ento eu nao ri qae jogoa
perfei lamente e qoe o Sr. capito Bao era capare
ganhar orna partid s, se oo ftoesse e qae fox T ,
E o que fez eHe, fin T *"*''
Ea t I- dizia o capito com rate pontos de
admiracwraa rot.
Ovjnefez? Fez trapace i Nao ha qoe fiar
n"aqaotorsenhor I
O pobre-capito abra ama boca- tamaito da
enseoda da Rrieeira e fleara tte assbmbrado, qae
nem podto dlter oalavra ea saa doaa.
Ahl.abJ fauapaott exeftaan Bartbolo-
avjaosaa om ralo do alegra* loxir-lbe aos
batto moto mona ana- otooa-, eato qootrapa* foi?
- Ort,qaal'folt Leabra^o-'amalla mu
coaocativM qaa o obrifararo oio poder mer
oasiumarUrola ?
Um campooez, que nunca fra a Pars, entrou
um dia n'essa cidade em casa de um belchior, e
perguntou-lhe o que venda ; osle, enfadado que
pela simples vista de sua casa nao advinhasse o
camponez a qoe genero de negoci se entregara,
disse-lhe :
Vendo cabegas' de burros.
Vejo que tiveram nma extraego enorme,
respndeu-lbe o rustico, poiss lhe flcou urna para
seu uso.
iS'
Um coronel do exercito de Henrique IV veio
am dia ter com elle e disse-lbe :
Senbor, ouvi-me duas palavras: dinheiro, ou
baixa.
Coronel, dsse-lbe Henrique, ouvt qoatro :
nem om, nem outra.
Ora, se lembro 1 Malditas 1 .Se nao fossem
ellas, nao tinha eu perdido o jogo.
Pois ri ea perfeitamente o Sr. capito Haivo-
so, quando o ar deitava os dados, aproveitar-se da
distraccao com aue o fazia e vira-Ios rpidamente
de modo qae ficaram sempre senas.
Ah I ah I Sr. capito, exclamara Bartholomeu,
esfregando as mos todo satisfeito, essa prenda nao
lbe conbecia en I Pois a mim bem me pareca I
Ora nao ba I nao ha 1
Mas, mea amigo 1 bradara o capito espavo-
rido, ea son incapaz de...
Urna plsadella, com que Leonor lbe mimosea va
os callos, estraogolara-lbe o discurso apologtico,
e um oibar severo adrerlra-o de que nio desfilase
a piedosa mentira. -
Nao tem vergonba I bradava Bartholomeu
entre frouvos de riso; para ganhar precia de l-
ser trapacas I Ab I ab I ab I
Ah I ah ab I retraca va o capito Ra voso,
engnlindo em secco nma rjaeulagto de amor pro.
prio ofleoado; preciso de faxor trapacas I
E isto todas a ncites I continuara Leonor.
Toda a antes t redarga o capito. Ah t
ata I ab f**
E o bom do Barthomeu ra aorno ana creanga o
Leonor mrrara-o eom tareora mais maternal do
qae filial, com om sorriso mela'neollco a fluctaar-
Ifa nos toaos descorados, e o capito Rairoso tam-
bem applaodia om tanto contra rontade, mas a
esnja de rroi fnmegara ja' a' porta da cosiaba a
lodos a reseniimentos eram atogados no aboroso
caldo, ao passo qoe Ando episodio seai nomto,
Toitara de novo a tristeza, a metoncoiia, o ssanio,
e ouvi-se o naagapor asna vez austera.
Esu seajj at-se qaasl todos a dia, por
forma qoo Pajas capito Rairoso, homam de ama
prebidade inaiacarel, que fra sempre no sea reg.
meato na sevortaiao directa do rancbo, e qoe
dora at abi, em tolos a jdjos en que entrara,
toa como loto, trust i am, jogo da florla, proras
irreousareis de ato* eatopalwo Moto de talas,
dade atol fataa socoasw ama (am de
i nasa dez legua em redor,.que lhe
asura o mais pxofaudo desooslo.
Pobrsapitioi
ffllIlfaMiBT M il)
ff-6BP,:,4PlLaQ
*




J
i
.
f S
-
I
t-imma


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EI9STGI0X_5ZXHLF INGEST_TIME 2013-09-05T00:39:10Z PACKAGE AA00011611_10978
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES