Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:10977


This item is only available as the following downloads:


Full Text
.*La
*
\
I
1
'f
i
/
i
\
AMO XLII. HUMERO 121
Por qaarlel paga dentro dos 10 dios do 1.* mez ....
Ideai desos dos i.0' lo dios do comeco e dentro do qaartel
Porte o correio or tres mezes
6soo
75o
SAMADO 26 DE MAIO DE 1866
Per uno pago dentro do lo dinao i. mez.
Porte no correio por am aun* r ,
3looo
x
DE PERNAMBUCO.
ENCARRUJADOS DA SBSCRIPQAO DO NORTE
Parabyba, o Sr. Antonio Alex?odrino de Lima;
Natal, o Sr. Antonia Marques da Silva ; Aracaty, o
*r. de Leraos Braga; Cear, o Sr. J. Jos de
Oliveira; Maranhao o Sr. Joaquim Marques Ro-
drigues; Para, osSrs. Geraldo Antonio Alves &
Filhos ; Amazonas, o Sr. Jeronymo da Costa.
ENCARREGADOS DA SUBSCRIPgAO DO SL.
Aiagoas, o Sr: Claodino Falco Dias; Baha, o
Sr. Jes Martins Alves: Rio de Janeiro, o Sr. Jos
Ribeiro Gasparinbo.
PARTIDA DOS ESTAFETAS.
Olinda, Cabo, Escada e sstaeSes da va frrea at
Agoa Preta, todos es das.
Iguarass e Goyanna as segondas e sextas feiras.
Santo AntSo, Grvala, Bezerros, Bonito, Caruar,
Altinbo, Garanhtnn, Buique, 5. Bento, Boro
Consebo. Agnas Bellas e Tacarat, as tercas (Tribunal do eommercio:
feiras.
Pi d'Albo, Nazaretb, Limoeiro, Brejo, Pesqoelra
Ingaxeira, Florea; Villa Bella, Cabrob, Boa VI*
ta, Ouncury, Salguen o e Ex, as quartas
feiras.
Serinhem, Rio Formoso,Tamandar, Una, Bar-
relros, Agua Preta Pimental ras. as quintas
feiras.
AUDIENCIAS DOS TRIBNAES DA CAPITAL.
segundas e quintas.
Relago: tercas e sbados as 10 horas.
Fazenda: quintas s 10 horas.
Jnizo do eommercio: segundas as 11 horas.
Dito de orphaos: tercas e testas s 10 horas.
Primeira Tara do civel: tercas
da.
Segunda vara do civel
hora da tarde.
saitas ao meio
quartas sj.fob.
al
EPHEMER1DES DO MEZ" DE MAIO.
7 Quarto ming. as 7 h., 22:m.:a3 s. da t.
14 La nova aos 38 m. e 8*s> da u
21 Quarto cresc. as 7 b., 30 m. e-46 da m.
29 La ebeia as 10 h S2 m. e 25 s. da m.
DAS DA SEMANA.
21. Segunda. Ss. Marcos e Tfreopempo b-
22. Terca. S. Rita de Cassia viuv.; S. Qulteria v.
23. Quarta. S. Basilio are.; S. Desiderio b*-nu
24. Quinta. S. Antonio b,;.S. Manaban prof.
25. Sexta. S. Gregorio Vil p.; S. Albano p. m.
26. Sabbado. S. Eleuterio p. m,: S. Heraelio xa.
27. Domingo. S. Joo d. m.;S.anulfo ra.
PREAMAR DE HOJE.
iPrimeira as 2 horas e 6 m. da tarde |
iSegnnda as 2 horas e 30 minutos da mania.
PARTE 0FFIC1AL
GOVERYO DA PROVItrii.
Expediente d dia 23 de raaio de 186fi.
Oficio ao tenente-coronel commaodaote das ar-
mas interino.Informe V. S. a cerca do que pede
Joaquim Severiano Alves no incluso requeri-
mento.
Dito ao mesmo.-A V. S. sero apresentados,
alien de que Ibes d o destino depois de inspeccio-
-------;~z*-------------------------------
concessionino, ootros trese destes ft se tirara' por
sorte um cujo voto sera' decisivo.
Art. 35. O que par o futuro for julgado indispen-
savel para boa a execuco deste contrato sera' re-
PARTIDA DOS VAPORES COSTERO*
Para o sul at A'sgoas a 14 e 30; para o aorta
[at a Granja a 7 e de cada mez; para Parala-
do nos dias 14 Jos airas de Janeiro, marco, nula
jjulho, selembro e novembro.
A9S1GNA-SE
Ido Recife, na livraria da- praca da Independencia
Ins. 8, dos proprietarrs Manoel Figueiroa de Paria
l& Filho.
sionario pela tbesouraria provincial, e os jaro* e a
atnortisacao calculadas ao cambio de 27 dinbeiros
(moeda inglesa por i000).
Art. 11. O governo'obriga-se a applicar em cada
anno ao resgate das apolices ama cuanta, que, solvido de accordo entre o govrno e o concessio
unida aos joros de 8 % pagos no respectivo anno, ~
perfaca urna somma igual a 10 "/, do valor da
subveocao. O resgate se fara' ao par por serie e
a' sorte,
Art. 12. O governo lera' o direito de inspeccio-
nar a construeco das obras.
rt. 13. O governe fara' examinar e flsealisar o
costeio e receitas da linha, por intermedio de
ados os goardas nacionaes Manoel Joaqnim Ma- agentes seus, para o que fornecera' o concessiona-
ct$tf> do batalbo n. 40, e 'Francisco Ferre-a do rio .,odos os dados e esclarecimentos que forem
de n. iv-ns quaes foram designados para o servigo exigidos,
da guerra. i Art. 14. A tarifa do tramway sera' estabelecida
Dito ao inspector'da ,thesouraria provincial. de accordo com o governo, tendo por base a da dea subrogado em todos os direilos, favores, isen
nano e importando o accordo era onus pecunia-
rio para a provincia Acara' dependente da appro-
vacao ila assembla provincial.
Art. 36. U concessionario podara' osar do direi-
to de desapropriar, na forma das lets em vigor o
terreno e obras do deminio particular, que forem
necessarias para o leito do caminbo, estagoes, ar-
mazens e mais obras adjacentes, e para extraccio
dos maleriaes precisos do servigo.
Art. 37. O concessionario levara' a effeito a cons-
trueco do iramway por mel de urna companbia
que incorporar dentro en fora do imperio, a qual
Ao cabo Flix Dacia de Barros, mande' V. S. pagar estrada de ferro do Recife a S. Francisco, e nao
conforme soliciten o cominandanie superior da co- podera' excede-la de 25 */
marca do Cabo, em offlcio de 15 do corrente sob Ar|- Ufc A estrada e snas obras sero proprie-
n. 261, os venc mentos relativos a 1." quinzena dade do concessionario, que recebera' os lucros li-
deste mez, dos guardas nacionaes destacados na qnidos, que a mesma estrada produzir at 8 / do
villa de Ipojuca, nma vez que esteja era termos o i va,or do ornamento.
pret junto era duplicata e nao baja inconveniente.' Art- *6. (toando os lucros excederem de 8 /., e
Dito ao Juiz de direito interino de Olinda.Res- excesso at 10 /. sera' entregue ao governo quan-
pondendo aos seus officlo de 16 de abril prximo
passado, e de 2 do corrente, aos quaes acompanha-
ram os mappas da pro molera publica dessa co-
marca correspondentes aos mezes de marco e abril
do correte anno, devolvo incluso os mesmos
mappas para que Vmc. os remeta ao chefe de po-
lica, nos termos da circular de 6 de novembro de
de 1854 do ministerio da lustica.
Dito ao gerente da companhia Pernambucana
Restitua a Vmc. as 3 inclusas contas documenta-
das na importancia de i37,5997 rs., e relativas a
fretes. comedorias e passagens dadas a bordo dos
vapores dessa companbia, por conta dos ministerios
da (azenda e Justina pois que nao podera ellas ser
do passar de 10 % sera' este excesso dividido em
partes Iguaes entre o governo e o concessionario.
Art. 17. As quantidades recebidas pelo governo
nos termos do art. 16 serao applicadas ao reem-
bolso do capital da subvenco, de que trata o art.
7, e depois de realisado o reemblco, todos os
lucros pertencerao ao concessiorio nos termos do
art. segointe :
Art. 18. O lucro liquido da estrada nao dever
exceder de 16 % do valor do orgamento; e qnando
houver de exceder de 12/. sera' o excesso ap-
pilcado no prolongameulo da mesma linha, redu-
zindo-se os precjs da tarifa e lucro lujurio for su-
perior a 16%, aOm de que se mantenba neste li-
gues e obrigaedes estipuladas no presente contrato,
relativos a execugao do mesmo tramway.
E ha vendo o contratante declarado que aceita va
as condigoes cima estipuladas, e tendo satisfeito
na recebedoria de rendas internas o sello propor-
oionaj como constou da nota lancada na guia que
se Ibe passon e flea archivada, mandn o Exm. Sr.
vice-presidente da provincia lavrar este termo, que
assignou eom o contratante e as testemunbas pre
sentes.
E en Francisco de Paola Balites, secretario do
governo o fiz escrever.Manoel Clemenlino Car-
ne I ro da Cunha.Eduardo Moma y.Como teste-
munbas, Joo da Silva Ramos.Antonio Annes Ja-
come Pires.
(iOVKRXO DO HISPIDO.
Extracto de expediente da dioeese do dia SI de
au de 1866.
Cilicio ao vigario da freguezia de Santo Antonio.
Informe V. Rvma. o que soober acerca da re-
presentago inclusa de A. Bertrand, a qual nos se-'
ra' devolvida.
Proviso de coadjutor para a parochia de Nossa
Senhora da Escada ao Rvd. padre Manoal Barroso
Pereira.
Dita ao vigario da freguezia de S. Fre Pedro
Gongaives, Rvd. Placido Antonio da Silva Santos,
licenca da residencia parochial por trinta dias.
22
Cilicio ao Rvd. gnardto do convento de S. Fran-
obras do seu contrato a contar do dia em que se art- *- i cisco desta cidade.Ten chegado ao nosso conhe-
fiodar o prazo que para esse m ihe foi mar- Art- ** Nos lucros lquidos da estrada, de que cimento que nesse convento, em diversas occa-
cado. traum os artigos antecedentes, sera' comprehendi- Si5es, se tem feito exposlco solemne da sacro-
Dita.Os Srs. agentes da companhia Brasileira jda a porcentagem, de que trata o art. 31, se ella: santa Hostia a' adoracao dos fiis, como ultima-
de paquetes, manden) dar urna passagem de estado or obtida pelo concessionario. : mente acontecen em novena, missa e Te-Detm, sem
a r, at o Rio de Janeiro no vapor Cruzeiro do Art- **. O governo podera' fazer em toda a ex- o nosso beneplcito, conforme dispSem os caones,
Sul a Octaviano de Souza Franca. teno da estrada as construyes e apparelhos ne- e expresso em diversas autenticis decisoes da
Dita.Os Srs. agentes da companhia Brasileira cessarios ao eslabelecimento de urna linha telegra- i Sagrada Congregago dos Ritos, mxime na de 18
de paquetes, considerem sem effeito a portara de Phica elctrica, responsabilisando-se o concessio- de dezembro de 1647, em que, como que abran-
22 do correte, na parte relativa ao recruta de a*tio Pela guarda dos fios e apparelhos elctricos, | gendo todas as snas
marraba Zeferino Manoel da Paiao, que nesta
data mando por em iiberdade por ter isengao
legal.
pagas em vista das razSes apresentadas pelo ios- mi,<<-
pector da thesouraria de (azenda no offlen junto Art- O excesso liquido, de quo trata o art.
por copia datado de 19 do corrente e sob n. 288. antecedente sera' depositado, vencendo os juros em
Portara.O vice presidente da provincia tendo; niM eslabelecimento bancario, e empregado me-1
em vista o que requeren o arrematante das obras diante accordo entre o concessionario e o governo,
da ponte sobre o Rio Formoso, Joao Francisco He- nuando o seo valor for julgado suficiente para dar
meterio Portella, resolve de conformidade com a! comeco aos trabalbos sem auxilio algum pecunia-
informaco ministrada a esse respeito pelo chefe j do governo.
da repartigau das obras publicas em 18 do corren-! Arl- O capital empregado no proloogamenlo
te, e sob n. 195 conceder ao mencionado arrema i da linba sera' reunido ao capital primitivo para o ,
unte 40 dias de prorogacao para a concluso das calculo e percepcao da porcentagem, de que trata o
Termo de contrate celebrado eom Eduardo lior-
na), para a construeco de um ramal de tri-
Ihos de ferro denominado tranmaj, na con-
formidade da lei provincial n. 649, de 20 de tencenies
marro deste anno, medanle as bases e eondi-
t'fs seguinles:
Aos 23 das do mez de malo de 1866, corapare-
ceu no palacio da presidencia Eduardo Mornay
para contratar cora o Exm. Sr. vire presidente da
provincia Dr. Manoel Clemenlino Carneiro da Cu-
nta, a consirucgao de um ramal de trilbos de ier-
ro denominado tramway, na conformidade da le<
provincial n. 649 de 20 de marco deste anno, me-
diante as bases e condigoes seguintes em que ac-
cerdou com o mesmo Exm. Sr.
Art. l. O concessionario obriga-se a levar a
effeito a construeco de um ramal de trilhos de
ferro denominado tcarawav, o qual partindo da
estrada de ferro do Recife a S. Francisco no ponto
que se reconbecer mais conveniente entre a esta-
dio da Escada e a de Trombetas, v terminar as
villas do Bonito ou de Bezerros, ou em um ponto
intermedio.
Art. 2. O concessionario obriga-3e a apresenlar
ao governo da provincia dentro do prazo de um
anno, a contar da data deste contrato, sob pena de
urna multa de um cont de ris, as plantas, per(i<,
orcamento detalhados, e oVscripgo de obras, para
a construegao de uraa linha cora a largura entre
os trilhos igual a da estrada de ferro do Recife a
S. Francisco e de outra com a largura, que os es-
tudos mostraren) ser mais econmica e conve-
niente.
Art. 3. Os projectos sero organisadas com as
seguintes bases:
1 O suficiente de resistencia do ferro para
o calculo de dimendes ser de quatro kUogram-
mas por milmetro quadrado, nao so para a com-
presso como para a exieogo.
2. O peso dos trilbos nao ser inferior a vin-
te kilogramroas por metro corrente.
3." As ponte serio de (erro ou de alvenaria,
sempre que o vo for superior a cinco metros.
% 4. Os atierros e pontes tero a largura iodis-
pensavel para a collocacao dos trilhos.
o." As escavacoes de mais de doze metros de
exiengao e os tunis tero a largura na parle in-
ferior, alm da que for indispensavel para a passa-
gem dos trens a de Om, 70 de cada lado.
6. Os maiores pendores sero de 4 /,, e
quando excederem de 3 /. nao lero mais de 100
melros de exteoso em um interrado de 80 metros
pelo menos, com um pendor nao superior a 1 /.
7. A velocidade dos trens sera' de 20 a 25 ki-
lmetros por hora.
Art. 4 O governo onvlndo o concessionario re-
solver' sobre a adopgao definitiva de nm dos pro-
jectos de que trata o arl. 2.
Art. 5." O concessionario dar' comeco aos tra-
balbos, no praso de doos annos, e os concluir
dentro de seis annos, a contar da data da apuro-
vago deste contracto pela assembla provincial,
sob pena de urna multa de 10:000^000, salvo o
caso de forca maior,
Art. 6." A estrada nao impedir' o livre tran-
sito dos caminhos e estradas publicas actuaes, e
de mitras que para commodidade publica abrirem-
se, nao podendo o concessionario exigir taxa ai-
goma pela passagem de quaesquer estradas nos
pontos de interseegao.
Art. 7.c O governo da provincia dar' ao coro-
cessionario urna subveocao igual a' 4' parle do
valor dos orcamentos, no qual se devera' tomar
em considerago a importancia dos favores con-
cedidos pelos poderes geraea, de que resolte eco-
noma na execuco das obras.
Art. 8. O pagamento da subvengo sera' feito
em quatro prestagOes iguaes, da maneira seguinte:
I. prestac3o, quando o concessionario der co-
cneco aos trabalbos.
2.* preslacio, qoando esliver concluida em se-
guimento a va permanente na exlenso de ama
4* parte da distancia total aproximadamente.
3.' prestaso, qnando estiver Caita em segui-
mento a' va permanente na metade da distancia
total.
4.a prestagao, quando estiver estabelecida em
segairaeoto a' va permanente, na extensa,) de tres
4.** partes da distancia total da linba.
Art. 9.* A subvengan sera' dada em apolices da
divida publica provincial ao par, vencendo jnros
de 8 % pagos semestralmente nesta cidade do
Recite, ou em dinheiro, se assim convier ao go-
verno.
Art. 10. As apolices serao entregaos ao Maces-
decisoes anteriores, e ratifl-
e preslando-se a transportar gratuitamente os cando-as, diz -S. Ritium Congregatio inheerendo de-
agentes da telegrapba, que viajarem em razo do. crelis scepius per orbem terrarumpromulgatu. Dio-
sea emprego O concessionario lera' o direito de cesis, et ctvitau Tote Fana Clero (um Saculan,
fazer seraelhante construeco, se o governo a nao Monialibus et Confratribus Sanctistimum Eucka-
quizer execular por sua conta, sendo naite caso ristia Sacramenten publice exponere, niti cum
gratuito o servico prestado ao mesmo governo. spiciali ordmam luenlta non hcere, et inobedientes
Art. 13. As malas dos correios e seus conducto- pais, et censuris coercendos esse.
res, bem como qualquer somma de dinheiro per-1 A visia destas oceurrencias, nao nos podendo
aos cufres pblicos sero conduzidos convencer qne baja da parte de V. Rvma. Igno-
gratuitamente pelo caminbo de ferro. Igual van- rancia do direito que regala o caso na espeoie ver-
tagem lero dous passageiros ao servico do govejr- tente, e nem proposito deliberado de menos-pre-
no em cada viagem, e a carga nao excedente a 150 Sar a nossa aoioridade episcopal, devemos pensar
kilogrammas. I em boa parte que taes solemnidades se tem feito
Art. 24. Se o governo mandar tropas para qnal-. em virtude de breve pontificio, este presupposto,
quer ponto o concessionario sera' obrigado por tambera nao podemos altingir a razo, que tem in-
I mmed latamente a sua disposico, por metade da1 bibido a V. Rvma. de fazer chegar ao nosso co-
tarifa estabelecida, todos os wagonsdo servico or-1 nhecimento esse breve,
dinario. | sirva-se V. Rvma. tomar era consideraco o
Art. 25. Por igual preco fara' o concessionario que levamos dito, e responder-nos para nossa in-
transportar os presos e seus respectivos guardas,' telhgencia.
prestando o governo os carros proprios e com a 33 __
necessaria segoraoca. Oficio ao Illm. e Exm. Sr. marqoez
Art. 26. O gov.-rno da provincia prestara ao ministro e secretario dos negocios do .
concessionario por meio das autoridades, toda a', Acabo de receber o oficio de V. Exc. datado de o
proteceo compativel com as lels, assegurando-lhe por sua parte o gozo de todos os favores e sencoes ,er providencalo, para que pela thesouraria de
que forera dadas pelos poderes geraes. \ fazenda desta provincia me fosse entregue a quan-
Art. 27. O governo da provincia expedir' os re- j tia de 5:000, concedida por aviso de V. Exc. de
golaraentos ndispensavels para a seguranca, con-! as de marco para a compra de paramentos e oa-
servago e polica do tramway. tros objectos de que carece a cathedral de Olinda.
Art. 28. u concessionario flea sento de qualquer dBV(J por esta providencia, significar a V. Exc.
imposto provincial ou municipal, sobre os bens, 0s raeus sinceros agradeciraentos.e ao mesmo tem-
rendas ou trafico do tramway no decurso de 30 p0 declarar que rae dare pressa em cumprir a
annos, a oartir da poca em que toda a linha esti-
ver entregue ao transito publico.
Art. 29. O presente contrato fica dependente da
approvago da assembla provincial, e no caso de
de nao ser approvado sera' o concessionario reem-
bolsado das despezas feitas com os esludos graphi-
cos, projectos e orcamenio, queflearo perlencendo
ao governo,
de Olinda,
imperio.
ima parte do ja' citado oficio.
Dito ao Rvm. vigario de Santo Antonio de Plan-
e.Accusamos recebida a sua oficiosa carta de
2 do passado, era que V. Rvma. nos manifestou os
sentimentos de sua alegra pela nossa posse epis-
copal.
Nao podemos deixar de agradecer-lhe suas de-
licadas expressdes, e tanto mais porque acredia-
Art. 36. As despezas sero avalladas por peri-. mos que sao filhas ib seu pensamento.
tos nomeados por ambas as partes contratantes, e i Sendo to oneroso o cargo que a Divina Provi-
no bavendo accordo, sera' a qoesto resolvida dencia confiou ao nosso cuidado, nos seriamos fe-
como determina a primeira parte do art. 34, nao \\z s6 podessemos contar em cada um dos paro-
podendo o terceiro arbitro sabir dos limites dos Chos um Bel cooperador do nosso ministerio; pois
landos dos peritos. : que sendo a teara grande, sao poneos ou mol ra-
Art. 31. O presente contrato nao ssra'obrigato- r0s opera-os.
rio, se o concessionario nao obliver dos poderes
geraes os favores sobre isengao de direllos, recruta-
ment, reeebiraento de passageiros e raereadorias,
dentro da zona do previlegio da estrada do Recife a
S. Francisco a porcentagem sobre o transporte na
mesma estrada de que trata o projecto de le apre-
sentado na cmara dos Srs. deputados.
Arl. 32. Se o governo entender, a vista do valor
do orgamento qoe a sobvenco marcada no pre
Nutrimos a esperanga de contar com os bons
servicos de V. Rvma. na vinha do eterno pastor.
Anda qoando V. Rvma. podesse emprehender
nma viagem de mais de cem leguas para nos visi-
tar, com toda a justiga o dispensaramos: resta-
nos somente contar com os bons desejos de V.
Rvma., a quera debamos prospera vida, ue todo
coroco abncoamos a V. Rvma. de qnem somos.
Dito ao Rvm. Sr. Igoacio Alves da Costa Sonto
sent contrato superior aos recursos da provincia. Maior, parocbo da freguezia da Luz.Com o seu
podera rescmdi-lo, e nesse caso ter o concesslona-! oficio de 15 do corrente, licamos inteirados da ra-
rto direito alera do valor dos estudos, como deter-! zjj, porqoe'V. Rvma. nao celebren nessa fregu-
mina o art. 29, a urna indemnisago arbitrada, de z0 0 exercicio do Mez Mariano.
c nformidade com segunda parte do art. 34, nao po
dendo ser soperior em caso algom 30:0004.
Art. Em qoanto vigorar este contrato, nao sa po-
dera conceder emprezas de ontros caminhos de fer-
ro deotro da distancia de 5 leaoas tanto de nm co-
mo de outro lado, e n j mesma direceo do tramway,
salvo se houver accordo com o concessionario.
Dito ao mesmo. -Accosmos rocebido o seu of-
ficio de 15 do corrente, a que acompanhou o
mappa estatistico de sua fregnezia.
Dito ao mesmo.Fica mos inteirados do qne em
seu oficio de 15 do corrente, nos manifestoa V.
Rvma. sobre a diligenciado faxer com que os seus
paroebianos enviassem para a exposico desta pro-
Esta problbico nao comprehende a da constroc- ,DCja algoma prodaccao fabril ou agrcola.
Cao de outros caminhos de ferro, qpe, ainda parti- Proviso a Idaloa de Siquelra da Costa Mene-
do do mesmo ponto, mas segurado diretes diver- ies, para qne possa trasladar os restos mortaes de
sas, possara aproxlraar-se occidental mente de al- seu> marido Jos Ravmundo da Costa Menezes, do
gum ponto da estrada, on raesrao corta-la, comtao- cemiteno, onde se aoba para a ordena terceira de
lo que dentro da zona previlegiada, nao possam re-; s. Francisco desta cidade.
ceber mereadonas e passageiros, excepto no ponto
de partida da direccao transversal.
Art. 34. Podendo nao obstante a clareza da esti-
pulaco deste contrato dar-se desaccordo entre o
governo e o concessionario, sera a qoesto decidida
da maneira segninta:
1* Se o desaccordo recahir sobre os planos, oa
execugao da obra na parte S' ientiflea, nomearo
por coramom accordo tres eneenheiros, e qoando
nao combinar nessa nomeago, cada urna das par-
les nomear um engenneiro e quando os doos as-
sim nomeados divergirem na deciso, o governo
por Intermedio do ministro brasileiro em Londres,
escolher o presidente effeelivo oa nm dos ex-presi-
denles do instituto dos engenheiros civis de Lon-
dres.
2* Se, porm, a divergencia versar sobre direitos,
deveres e seus respectivos interesses, a questio se-
r decidida definitivamente por tres arbitros, um
dos quaes sera' nomeado pelo governo, outro pelo
concessionario, e o 3 qoe nao podera' decidir alera
dos landos, dos doos arbitros, sera' nomeado por
accordo de arabas as partos. Se, porm, nao concor-
daren) na nomeago desse terceiro arbitro, o gover>
no apresentara' tres nomes escotbidos entre os des-
etnbargadores jaizes i direito dej|| oiduje, o
Senhora das Nereida Parabyba a infelicidad de nhora da Conceico de AUgdas Nossa Senhora do
perder o seu digno parolo collado o-padre Joa- Pilar de Alagas, Nossa SennowatiBrSS de
&^3?2ZL.*S*ttA0 de "Cidade Atalaia, Nossa 'Senhora H' do Rio de o Mi
dar aos fie s dessa parochia um- ivo pastor, que guel; e se denominar deema-terceirc1 wWarw
por sen zelo e caridade suppriodo a falta que sen- fornea do bispado wgarana
tem da seu narocho consol seos espirttos Inlriste- I A deciraa-qoarta, das oarochias de Nnsw. Snhn.
cdos, tos persuadido de encontrar era V. Rvma. ra da QMtlSSS^s^T
mm* par reger como Calvo, Nossa Senhora "-
essas qualidades, o nomearaos
8.As parochias deS. Fre Pedro Gongaives,
Santo Antonio, S. Jos, Bda-Vista do Recife, e as
do Curato da S, S. Pedro Martyr de Olinda, Afo-
gados, Varzea, Santo Amaro de Jaboato. Poca da
Panella, S. Loorenco da Malla e Muribeca, eslaro
sob a immediata dependencia do vigario feral ;
assim como as paroebias comprehendidas as vi-
.- Senhora da Aoresentario da. villa d "u ds Kfrocnias coraprenenaiaas as vi-
parocbo encommendado aquella, parochia e desean- Porto-Calvo, Senbor Bom Jus de raWwih* ****! 'raneas 9.*, 13., 20t e 14.* estaro sob a
Cando em soa ded.cacio. Sania Maria' MagoalSnada "hl da IrapIS?
be> superintendencia inmediata dos arciprestes, tanto
Dito ao Rvm. Sr. Polis Alves- de Soma, vigatio se denomnara"d7*oM^a vwa^anTma^ea di no que C0QCern9 a' 'gUancia e inspeccao do'clero,
de Anglcos.Acensamos o reoebimento doseuoi- bispado. "u""*w'wru,ieue*0corao no que respeila a attestaco da residencia
ficlodatadode 8 do correte, emqne, depois de A decima-qaraia, das parochias de Nossa Sanan- Paroc1laL(,0S Parocnos e coadjutores,
descrever atopographia d'essa fregoezia, nos pede ra da Piedade de Anadia Senhor Bom. Jess do c. Dfc,arana03.sem vigor quaesquer ootras dispo-
autorisago para fazer a desobriga fora da mainz, Bom-Flrada Assembla, Nossa e perraissao para administrar os Sacramentos do da Palraeira dos Indio/ Nessa Senhora das Guacas raaQllameDt0 diocesano, ou em praxe, assa,como
StiTP^S^^X^^'*^^^. I. P*n conhecimentod
Baptismo e Maijimonio era oratorios privados. de Muricy, Senbr. Bom Jasu dos Aflfeclos <
Temos adizer em resposta qt nanea prohibemos
o uso das desobrigas fora das matrizes, ao contra-
rio anhelamos ardenleraenls que ellas sejara assim
feitas; porque pelas distancias das differsntes lo-
calidades relativamente as matrizes, e pobresa da
Quebrantlo; e se deoominar aecima-quinta
vigorara fornea dobupado.
A decima-sexta, das parochias de Nossa Senhora
do Rosario do Penedo, Nossa Senhora do Puxim,
i\ossa Senhora da Gdneeicao do Porto-Real, Nossa
soja esta nossa portara remedida por copia a to-
dos os parocnos da dioeese ; aos quies retoomen-
djaraos e mandamos que leiam parante os leis- de-
pois da,.missa parochial na domingo iaraedato a*
sua recepgo; e a fagam afiliar as sacaristias de
todas as matrizes, capellas e oratorios provisiona-
dos de snas parochias.
Dada no Recife em nossa residencia episcopal
da Soledade ao* lidias do mez de mau de 1866.
.. Entmanuel de -Medeiros.
Bispo diocesano.
maior parto dos povos nao eiequivel que as Senhora do O' do Tralpo, Sanl'Anna d* Ribeira de
desobrigas sefacam exclusivamente oas matrizes ; Panam, Sao Francisco de Borja de Piagabus; e
em cujo tempo ou trabalho podem os Rvs. parochos ; se .denominar decima sexta viaaria fornea do'
administrar os Sacramentos do Baptisooio e Ma- bispado. I
trimonio.ondeseaeharem. Nao sendo em de- A decima-setiroa, das parochias do Santismo
sobriga, os Rvds. parochos s podero ad ninistrar Coraco de Josas do Pao de Assocar, Nossa Seoho-
aquelles Sacramentos fora das malrizes, qnando ra da Conceico da Malta-Grande, Nossa Senhora
distante de al- da Conceico de Agua-Branca; e se denominar '
decimasetima vtgaria fornea do bispado.
PARAHYBA.
A decima-otava, das parochias de Nossa Senho-'
ra das Neves da- Parabyba. Nossa Sennora da!
do correte, maHioicaod>me a triste noucia do Apresentacao da Albandra, Nossa Senhora da Con-!
W?n?SLdi0 d ,B FV0*?10 w "ad d erSTSa- '" ?* ?a Jacoca> Nossa SBDhora d0 Livraraento da;
^iL^d.r!^q0"Di*tS? *$***; Q1Qd- Pa1yba, Sao Pedro e Sao Paulo de Mamanguape, federaclo AreeS euTSc
Ume^.oP9c^l|Xsen^Jdf HSW \M* da T!;ai50' ^ Seahora da ^S^^i^J^S
w !T? 1a? ens vel perda. Penha da Taqurat e se denomina decima-oitava
H esta dala mandei provlsionar o Rvd. Fredenco vigorara Manea do bispado
de Alrne a Albaqnsrqae Mello para /e.ger essa a decima-aona, das parochias da Santlssima
freguez.a como parocbo encommendado. Rainba dos- Aojos de Taip, Nossa Seobora do
Dito ao Rvd. ar.Fnlippe da Cunha Ribeiro. coad- Pilar da Parahyba, Nossa Senhora do Rosario de
joctor da freguezia da cidade da Parabyba. -Accu-. Natuba, Nossa Senhora da Coocecao do Inga,
o baptisando, ou a nnbente residir
guma capella mais de uraa legoa.
Dito ao Hlra. e Exm. Sr. Dr. Felisardo Toscaoo
de Brito. vice-presldealt da provincia da Parahy-
ba.Acabo de receber o oficio de V. Exc. de 21
DIARIO DE agEMAMMICO.
A trkfallce lllana.
I
A leitura do tratado qoe celebramos-com a Con-
OrienUl
Paraguay, en-
chen-nos de magoa vergonha. Ao ver sacrifica-
dos to importantes interesses do pa, soltamos nm
brado. Compre que os negocios da maior magni-
tude para a nacao nao corram sem exame.
Vivemos em um paiz livre e a imprensa trahe a
sua raisso, vendo impassivel ademados contra in-
samos recebido o seu oficio de 30 do corrente, em Nossa Seobora dVcnceico drda'mpioa'Gra'Sd uLSZmmSS^L
que nos comraunicou o fa.lec.men.o do digno pa-1 Nossa Senhora da Conceico de Cabaceiras .do Ca-' TmprenTadSe esclarecer a
> nacao acerca de
adamoi passar proviso \ do^Jal decma-aoaa ^ararta franea odoi.oi tactossociaes : cabe-lhe abrar a discusso,
rocho d-essa freguezia o padre Joaquim Antonio
de parocho encoraraendado d'essa parocDi. a fa- A vigsima, das parochias de Nossa Seobora da ""setrTm an^Meatfaccas,
mJ.u0 5'd- Fredenc0 de A,me,da Alboquerque Lqz de fiuarabira da villa da Independencia, Nossa a imnVeVidencia i^iSanS
Mello. Temos assim respondido ao sea siipracita- Seobora da Conceico dn Rrein n Areia n,w ,,!! i mesmo a iraigao ae um governo,
do oficio SonX yj""w'Vu uo urejo ao Are, nossa por oatro pode mostrar o engao dessas acensa-
do oficio.
Dito ao Rvm. Sr. Manoel Cordeiro da Cruz, .
rocho da fregoezia de Patos.Picamos de posse de
sea oficio de 22 do passado com a remessa da
relago por as exigida a tambera do officlo de
Senhora
da Coocelgao de Bananeras, Nossa Se- des. Assim se esclarecer a opinlo geral, e se
P--'! 2? I i. B"*"v,a8tm da Lagoa-Grande, Sant Anna firmar o juizo censcieocioso da naco.
r^.v0"' a5f Se,Dhorada Conceigo de A imprensa livre lera esta imraensa e inaprecia-
Ararnna, Nossa Seobora dos Milagros do Coite*.' vel vantagem
demos --~,- t^ t*0 e "Clt0 S9m traicao do paiz, deixar qoe se
, n A vegesiraaprlmeira, das parochias de Nossa commettam Bravas-arros e nua tudo marche re-
Toleramos que os Rvds. parochos admloistrera Senhora da Guia dos Patos, Santa Mana Magdale- ^mtneium raveserros, e que taao marene a re
os Sacramentos do Baptismo e Matrimonio em: oa da Serra do Teixeira, Santo Antonio do Pianc, O overeo de om oaiz aaalauer oo infallivel
HBaUS!!!M-"Lb^$aaZaK ^ R" d" Bom-Successo do Pombal, Santa y fuSa0 ecro :^porff.toTd.XT&
de urna legua distantes da LtKia do Sabugy, Nossa Senhora dos Remedios do peilavel para mostrar a verdade.
tatole do Rocha; e se denominar vigesima-prt- frisar o gpveroo praticar quanfo quizir sem re-
meira vigorara fornea, do bispado. \ paro igum, bao seguir principios llvres: pro-
A vigsima-segunda, das parochias de Nossa pr6 sim dos- preceUos dos governos de origetn mu-
Seohora dos Remedios do Rio do Peixe da villa de I salmana.
Souza, Nossa Senhora da Piedade de Cajazeira, Sao
Qul o brasileiro que ao ler o tratado publicado
tientes morarem mais
matriz 00 capella.
PORTARA
Reconbecendo nos ser de maior neotssldade,
ltenla a grande exlenso de territorio d'esta Dic-
cese, syslematizar desde ja a soa divisan ecclesias-
fiis; ^aKe^raor'&KS ^4S^JZS^^SS^S ^S=Si^TK T rep^=
casos que naoaamittam tarda so ogao, obteado- vigorara fornea do bupado. tanda nuando essa traudn estata como oerniciosa
se mformacoes garantdas por mas de ora leste- ; Rinr,m\np im norte- lancia, qaaaao esse irauao esiata como pernic osd
munho. finimpniP mniiniVnrtnT a n' r 4 muKAN4' D NORTE. bomba no mew da popu acao, confiada em outros
^An,, m simplificando-se a no.sa cor-1 A vigeslma-terceira, das parochias de Nossa Se- auspicios da guerra t -
d^J!^!^r!3lv^0S e "^.Tunamos; nhora da Conceico do Pao dos Ferros, S. loao Tratare? po?vSnra de uraa ele.go de aldeia,
Baptlsta da Porta Alegre, Nossa Senhora da Con- em qoe pode tolerar-se a indifferenca T
ceigao da Imperatriz, S. Joo Biptjsla do Apad, ( Nao; joga-se a vida de milhares de nossos cida-
!>. Sabasiiao de Ciraubas,, Nossa Seahora das Do-! daos ; arnsca-se a fortuna do estado por muitos
res do Patu ; e se denominar vigesimaterceira
vigorara fornea do bispado.
A vigessiraa-qoarla, das parochias do S. Joo
Uaptista do As-6. Sinta Luiia de Mossor, Santa
Aa do Campo Grande, Nossa Senhora da Con-
ceigao do Macau, S. Jos dos Aogicos, Sanl'Anna
do Mallos: e se denominar vigesima-quarta vi-
gararia fornea do bispado.
A vigessiraa-quinta, das parochias de Sant'An-
na de Caico, Nossa Senhora da Guia do Acary,
Nossa Seahora da Conceigo da villa do Jardira,
viga-
e seis
fazer a ciscumscripgo segointc.
Residencia episcopal da Soledade, 16. de malo
del8S6.
+ Emmanurl de Medeiros,
Dispo Diocesano.
CircDUScripcao eclesistica di Dio-
cese de Pernadabuco.
1Esta dioeese ter d'ura em dame ara
riato geral, quatro arcipresiados, e viole
vigararias forneas.
O vigariato geral abranger toda a dioeese.
3Os arciprestados coraprehndero : o pri-
raeiro a provinia das Alagois ; o segando a da
Parabya ; o terceiro a do Rio Grande do Norte ; e
o quarto as comascas do Brejo, Garaobons, Flo-
res, Boa-Vista, Cabrob e Tacarat da de Per-
uano naco.
4oAs vigararias forneas se comporo das se-
guintes parochias: a primeira, das parochias de.
Nossa Senhora dos Prazeres de Marangoapa, San-|nhora da Conceico da Villa da Penha, Senhor
annos. Portante nao licito conservarse queda a
imprensa, qoando traospiram symptomas manifes-
tos. de erros gravisslmos, que comprometiera Inte-
resses maleriaes e sacrificara a digmdade nacional.
Levantando o nossa voz para que se examine o
tratado que se aprsenla cora visos de traigao a
causa do paiz, em proveito do estrsngeiro e de ama
faeco interna, coraprimos um dever sagrado de
bom cldado. Temos profunda consciencia disto.
II
No entretanto vemos no Jornal do Recife, qne se
tos Cosme e Damio de Igaarass, Noa Senhora
da Conceico de Itamarac, S. Lou renco de Tijo-
cupapo, Nossa Senhora do Rosario de Goy .nna, e
Nossa Senhora do O' de Goyanna ; e se denomina-
r primeira vigorara fornea do bispado.
A segunda, das paroebias de Nossa Senhora de
Nazaretb, Nossa Senhora do Desterro da Itamb,
Santo Antunio de Tracuohem, Nossa Senhora da
Nossa Senhora do O' da Serra-Negra; e se deno- ,jos arge por que despertamos o animo nacional,
minara vigesima-quinta vigorara fornea do quando devia proseguir o mysteno.
bispado.. Mas o que se diz no artigo publicado no Jornal
A vigesima-sexta, das paroebias de S. Jos de 0 Recife f
Mipib, Nossa Senhora do O" de Papary, Nossa I cousa oenhama que contrari as nossas asser-
s Prazeres de Goyanninha, Nossa Se- soes. Fallamos cora o tratado na rao : nao pos-
svel resistir & evidencia das cousas.
O nosso censor nao contesta que as vantagens da
guerra sao para a C.oolederago Argentina,.e-que os
sacrificios sao para o Brasil.
Devenios vingar a nossa honra vilipendiada pelo
Paraguay; mas fazer da guerra instrumento da
grandeza albeia, nao loleravel.
Cun pre-nos viogar a injuria recebida ; isso po-
Bom Jess dos navegantes da villa da Touros,
Nossa Senhora dos Prazeres de Estremoz, S. (ion-
galo de Amarante, Santa Rita da povoago da San-
ta Cruz, Nossa Senhora da Conceico de Nova-
Cruz, Nossa Senhora da Apresentacao da cidade
do Natal; e se denoraiaara' vigesiw-sexta vigora-
ra do bispado.
5.' Ao vigario geralj competir* velar sobre rm'n) quer dlzer que o goveroo malbarate os sa-
Coneeico de Craaogy ; e se denominar segunda <* arciprestes e todo o clera sujeito a- jurisdiccio; orificios da oaco e os converta em resultados fa-
vigararia fornea do bispads. diocesana, e exercer as funccSes de jure estabele- i-aestos para o futuro do paiz.
A terceira, das paroebias do Divino Espirito c>das. I Faga-se a guerra com os menores, sacrificios
Saflto de Pao d'Alho, Nossa Ssnhora da Apresen- 6, ~" 0s arciprestes sero ncombidos; 1 i possiveis, e colhara-se dola as raetbores vantagens.
lago do Limoeiro, Nossa Senhora da Gloria do snperrotender imraediatamease sobre os vigarios
Goiti, Santo Amaro de Taquaritinga, Sanl'Anna 'oneos, parochos e mais clrigos dos seus arci-
do Bom Jardim, Nossa Senhora da Loz; se de prestados; 2.' de fazer a vissita cannica das paro-
nominar terceira vigararia fornea do bupado, i cb'as qae nestes se acharera comprehendidas ; 3.-
A quarta, das paroebias de Santo Anteo da ci- de dispensar a publicacao dos proclamas nos casos
1 de urgente necenidade ; i do administrar o Sa-
cramento da conlirmagao aos adultos das paro-
chas comprehendidas no arclprestada sob a sua
inspeegao; 0* de coaoeder dispensas matrirao-
nlaes; 6* de dar proviedes por um anno para pre-
gar, celebrar o santo sacrificio e confessar aos sa-
dade da Victoria, Santo Antonio da villa do Cabo.
S. Miguel de Ipojuca, Nossa Senhora da Escada ;
e se denominar quarta vigararia fornea do bis-
pado.
A quinta, das paroebias de .Nossa Sen lora da
Conceico de Serlnbam, Nossa Senhora da Con-
ceico do Rio Formoso, S. Goncalo de Una, S. Mi-
guel de Barreiro, S. Jos d'Agua-Preta ; e se de-
oominar quinta vigararia fornea do bispado.
A sexta, das parochias de Sao Jos de Bezerros,
Nossa Senhora da Conceico de Caraar, Nossa Se-
nhora do O' do Altinbo, Sant'Anna de GraraU, Sao
Caetano da Ra posa; e se denominar irf vigara-
.na fornea do bispado.
E' o que queremos e o que de*aja o paiz. Para
isso cumpre esclarecer o proprio. governo, se elle
caminba errado.
O tratado tal qual se aprsenla desvantajoso e
ignominioso para a nacao : convm pois despertar
o goveroo para reconbecer o erro e emenda-lo.
Esse o dever da Imprensa; e isto o qae faze-
raos. Admira que o Jorml do .Recife, orgo da
imprensa, desconbeca e contrare principios to
valgansados e aceilos.
Quer qoe a impreasa.se reduza ao incomio do
cerdotes ja' approvados m st;r,ptis; 7 expedir i poder ? o essa a saa. raisso augusta,
provistos de coadjutor e parocbo encommendado Esclarecer a opinio, delucidando as questSes,
e coadjutor pro-parocbo por seis metes para as | om granda [servico ao,governo, que nao pode dei-
parochtas do arciprestes ; 8* conceder licences Xar de estimar a lux para seguir caprichos desar-
de residencia parochial por trinta dias ; 9* de no- razoados.
' raerar e rubricar os livros de baplisamenlos, ca-1 m
smenlos e obtos de seo aroiprestado; l* o de de-1 Diz o Jornal do. Recife qae vamos fazer nma
clarar incurso na pena de sospensao aos sacer-1 gaerra de civibsacao, na qual nao devemos armar
A stima, das puoebas de Sao Jos do Brejo da! io^s *os arc'preslado que nella incorrerem juxta \ coota de lucrase pardas.
" hora das Moataohas de 1** 5 i4* de MT Madre de Deus, Nossa Senhora
Cimbres, Nossa Senhora da Conceigio
den a nacao alguma
da ierra o direito de civilisar as outras, levando-
Oficio ao Rvm. Sr. Targino Paulino de Carva-
Iho parocbo collado na villa do Ceara'-raeirim.
Nao tendo chegado nessa provincia o nosso Rvd.
visitador, para cumprir o qoe determinamos em
nosso despacho de 6 de fevereiro do corrente an-
no exarado oa policio de V. Rvma. que ora devol-
vemos ; apreciando devidameote o qae V. Rvma.
ponderen em seu posterior oficio, e tambera a re*
presentago qae submetleram ao nosso c rabeci-
mento os habitantes de Extremo?.; tendo se ulti-
mado o praso de saa residencia nessa villa do
Ceara'-meirim, praso improrogavel; determina-
mos qae, sem perda de tempo, sob soa responsa-
bilidade, va' residir em Extremoz, onda esta' col-
lada a igreja matriz, longe da qual nao perraii-
tida pelos caones a residencia dos parochos. E
logo que assim o teoba curaprido, nos eommuoica-
ra' para nossa inielligeneia.
Dilo ao Illm. Sr. Manoel Jos Pereira Borges,
juiz municipal Interino.Bm resposta a consulta
em reservado o qoe V. S. fez ao Rvm. ex-vigario
capitular em data de 20 de dezembro do anno pas-
sado, remettemos-lbe nm exemplar da tabella, que.
regula os direitos parochias nesta. dioeese,
Dito ao pa.4re Fredarioo de Almeid* Albaotierqae
U?.-eedo do igreja parocUjil de Nona
i Alagoa --^ de attestar sobre residencia parochial para o
d"Ba'lio7e~MdnM^^ fora- ^bimaato das congroas; 13. de autorisar* I mes a cimluacao na poatt das bayonetas
neadobpaio posicio da sacrosanta hostia as procissSes dentro Este principio baroarlsana o mundo, esttbele-
A otavaVdas parochias de Santo Antonio de Ga-!dos I,mi,e8 da paroohla; 14* de apresenlar anna- cendo-o poder da forca e acabando com a forja do
ranbuns, Jesns-Maria e Jos de Papacaca, Nossa al mente ao prelado diocesano nm relatorio cir- r^a. para entregar as nacoes Iracas ao arbitrio
Senhora da Coneeieio de Agaas-Ballas, Senhor'oumstanciada^ de sua adm.n.stragio mencionando| das nagdes fortes.
Bom Jess dos Afflictos da villa de Sao Bento, oceurrencias, que de qualquer modo inleressem i ET assim que a Franc-a veio ctviltsar o Mxico, a
ao rgimen espiritual; 15* de commumear oppor-1 qUe a Hespaoha vai civilisando o Chile e o Per.
tunamente ao mesmo prelado Diocesano qaaes-. a civllisao&o como a fe; nao se impoe, adqai-
qaer factos au providencias que Bzerera o assmp-
a to de saa correspondencia cora os vigarios (ora-
re-se.
Nao:
nos nao varaos ao Paraguay civilisa-lo ;
Nossa -enhora da Conceico de Quipapa; e se
denominar oitata vigararia fornea do etraado.
A nona, das paroebias de Sao Jos de logaiira,
Nossa Senhora da Penha da Serra-Talhaia, Sao;-------li.V'r-'-----------,-----
Goncalo de Cibrob SeohOr Bom Jesos de Fazen- ine0s i ** de dar a es,es instrnecoes sobre objec-, mjj sim ^^ reparagio de oHensas e prevenir
da-Grande, Nos>a Senhora da Saode de Tacarat,: os Qae a*0 dependam essencalmente de solacao| tutores prejaixos e moUvOs de cootenda. E' isto o
Nossa Senbora da Conceico de Pajed de Flores, do Pldo, j qoe no4 permilte o direito das nagoas ; o a isto li-
Santo Antonio de Saigoeiro; e se ie denominara 7.*Ao vigarios forneos cumprir^: \. vigiar i mltar o bom senso do governo imperial a missao
nona vigorara fornea do bispado. sobre os parochos e clero das respectivas paro-' do nosso exercito.
A dcima, das paroebias de Santa Maria da Boa
Vista, Senhor Bom Jessus da Igreja-Nova, Sao Se-
Ooncory; e se denominar decima
baslio de
vigorara fornea do'kumado.
A declma-primaira, das parochias de Sant'Anna
do Bora-Jordlm, Senbor Bom Jesos do Ex; a se
denominar dcima prtmttra vigararia fornea do
bispado,,
ALAGOAS.
A decima-seganda, das parochias de Nossa Se-
nhora dos. Prazeres de Macei, Nossa Senhora Mi
do Povo de Jaragnlr, Santa Lwia do Norte, Nossa
Senhora do O' do Meirim naPioca; e se denomi-
nar deema-segunia vigorara (tranea do bu-
pado.
A declma-terceira, das parochjaa je ]|foiji Se-
chas; i* atiestar sobre residano.a parochial e: Sa prevalecesse o auotto priacipio do Jornal do
oaraprimento dos respectivos de^res dfts mesmos Recife, ter-nos-hiamos conMtoido Pa^xn> "*?.**
parochos e coadjutores para o, Tecebimonto de snas cees, para nao dlier u.elhor D. Qmxoie potinco
congruas; 3. conceder tpjyis5es de coadjutor. | dos povos. Z.^.-.n An ,..,*** Ax
parochos encommendado coadjutores pro paro- i Repetimos : locetando a d.scussao do yatado da
chos a.trinta das aa\,ianto so recorre aores-; trplice allianca, cumpnmos ara grande dever de
pectivo arcipreste \ V" autoaiiar as exposigSes da; jornalista. jj.-m
acrosanta HoaU, prociisoes e novenas; l- dar ApresonUmos os n$MMvn["J**
conta por jorlpio fe sua admiolstraco fornea de' do tratado : mostrem m efooaarmide tudo quan-
seis em sois me'^ ao arcipreste respectivo ; 6*|4V> Wr*> ( commoaioar ao arcipreste respectivo os factos e
providencias que fizerem o assompto de sua cor*
respond.encia cora os parochos ; 7.* dar aos paro-
cbo! tnstrncgSas sobre objectos qae nao depen-
dam essencialmeote de solacao do prelado dracer
Mfo, oa 4o arcipreste.
E'lsso o qne desojamos s isso o qae provoca-
mos. Infelizmente o nosso esnsor nao tocn em um
s dos pontos argolles por n6s! traz porm a ba-
teta de qae tratamos de ama guerra estrene;aira, e
devemos por ino deixar o governo obrar desm-
baracaiaMmfh


IttW---' ;+.
mmmmmm^B*
...
..... .'


Mari* 4e Ser_amfc_ea Saftfcada *e Malo de 1860.
s:
.-
y :

:
Contestamos esse perigoso principio, fita**-**-
weroo livremente ; mas nao arbitrariamente, sera
c-msuliae. os ulereas gees do paiz.
Se nao bastase-HOS o eaeoplo de grande ne-
coes antigs e. lernas, bastanos o. fervor do
natriotismo para nos acooselhar qae nao-e licito
deixar o governo desaliar, qnando seus erros se
vio roaniresiando, s por que tem_iuerra com o
estrangeiro '
Em guerras notaveis os goveaatae dwersos pal-
tes bao sido chamados a conta para para emendar
erros funestos : e assim se ba saltado a cansa na-
cional.
Mal estaramos se se devesaa atteader, como
quer o Jornal do Recife, a inttela do monarcha.
Por este principio acto oeaaum de governo estaria
soieito a discusso; O abatido de sem Uiaate pro.
posicao manifest. A vontade irrospoosavel da
constiluico jamis se considera ote disoussdes po.
liticas, ntm pode ser nra obstculo a ellas.
IV
Convm notar o que acerca do nobre marquez de
Caiias pooderou o Jornal do Recife, qnando disse
que nao devlatnos fazer queslo de nome. el*c"
umente por isso que censuramos a disposicao do
tratado que designon o nome dos generaes, que
deviam commandar na carapanha.
Se a quesle de nome nao ten importancia, para
que o tratado estipulou nomes T A estraoheza da
eslipulaco que nos lava a ver o manifest espi-
rito de polilica facciosa, que ditou esta parte o
tratado.
O tratado foi quem amesquinhou a grande causa,
fazendo questao de -nones.
O nobre marquez tem mnita gloria, e muitos
servicos para merecer os applauso da nacao, que
altamente o indigitava no solemne momento da
guerra. Caba nos calculo de orna poltica ponca
generosa arredar a possibiliaada da sua presenta
para a dtreecao da eampanha. Assim o fez
Se os nome nada importavam, nao se devia
mencionar oomes no tratado, deixandc-se ao go-
verno imperial a livre escolan dos seas generaes
era ledo o tmpo e em quaesqoer clrcumstanclas.
Nisso havia mata dlgoidade e incontestaveis van-
tagens.
V
O paz est sobretodo : a elle dve-e a verdade.
Jfotfa Banca de Pernambuco.
O Sr. Dr. chafo do poiwi* conta oliimar o res-, Chima hora
pectivo processe em pouco, e, isto feito, drveria.se-, t Urna patrulha pedida pelo Dr ebele dtpor
CUir para eiapiial,; &ulp>i|ue ppr,toaos.fi*- .licia com destino tf Serra do Mo, _> lema are- O 80VG banco paga 9 1(5 dividendo DE
tes dias oo principio de junbo proiimo-vtara' elle 1ante d'esta villa, acaba de -chegar coaduiado Maj0 deddtSO por accjio.
de regreso eoaa nos. prese Simo de tal, mandatario do assaawato (
Fallece-e foi sepultado o Sr. alteres Ignacio' (8111 Dr. Estevo.
. O agsassino oi encontrado no centro
EDITAES
! Sal
de 4
conseno.tecomoras pavaes, ,2de maio
Por isso mesmo que os iotereaes da guerra ^ao
de alcance supremo, convm naci proceder
com lino e criterio.
Os governos caera; mas o palz flea. As faecoes
levantam-se e abatem-se rpidamente; mas os seus
erros podera ser fataes ao paiz.
Combatamos o orre por amor do paiz; e deiw-
mos os ministros e as facetos que sao cousas tran-
sitorias. Caiba outros a triste gloria de se faze
rem orgaos de seos desabafos e paixSes. A espe-
culando jamis nos mover a peona. Os grandes
interesses nacionaes, sim. O publicnos faz justica,
Erratum. Em o precedente artigo aoode dizle-
gio de Paraguyos... do qual infelizmente depois
da victoria devem sabir os influentes, eledeve
ler-semfalivclmente etc.
Antonio Borges, veterano da Independencia.
Toado j, em ara dos nmeros paseados, in-
telrado aot leitores da ehegtda a esta cidade do
abastado commeroianle do Porto o Sr. Jos Parra*-
ra Moutinha, director geral da acreditada compa-
una de seguros frevidente, vimos agora chamar a
atteoco para oannunclo, qaeea> ostra parte vai
publicado, no qual vam mencionadas a vantagens
que se col be m em urna tal sooiedade, e ao mesmo
terapo scientiScar ao publico que, oestes pouco
dias de estada entre nos, lera esae cavatleiro- obtido
os seguintes subscriptores pela importante somata
de 138:9*05600 de n.>ssa moeda :
Maooel Jos da Silva Oliveira........ 2:5004000
Araerico Nones Corroa............. 2:5004000
Pirmino Antonio Souto-Maior Rapozo. 2:0004000
Francisco Jos de Azevedo.......... 5:0004000
Antonio da Silva Santos............. 1:2504000
Francisco Alves Monteiro Jnior..... 8:0004000
Jos Caetano de Carvalho........... 2:0004000
Antonio Jos Ferreira Monteiro....... 2:5004000
Bernardino Doarte Campos.......... 2:0004000
Francisco Jos Carneiro............. 1:0004000
Francisco Boaveotnra da Luz Loureiro 2:0005000
Custodio Moutloho da Silva.....i.... 5:0005000
Jos de Azevedo Maia e Silva........ %XSl em crirae ioaflancavel
SeraflraTeixeira Basto.............. 2:5004000 v^mndTs.1
Maooel Antonio Pereira............. 1:0005000
Jos Pereira Vianna,...............25:0094000
Juvenci Augosto de Albavde........ 2:5005000
Joaqulm Ferreira Dwia.. i........... 2:5005000
Dr. Bartboloraeo Toraoato de Souza e
Silva........................... 5:0005000
Francisco Vitira Perdigan........... 2:5004000
JosJoaqaim da Canoa............. 2:5004000
Augusto Frederieo dos SantoPorto... 2:3005000
Antonio de Pinho Uorges,........... 1:3004000
Isidoro Bastos de Oliveira........... 4:5004000
Antonio Bernardo Vaz de Carvalho.... 250005000
Antonio Bernardo Vaz de Carvalho J-
nior............................ IJOigOO
Jos Pedro de Seoza e Silva.......... 5:0004000
dos
mattos. em um raneniobo, onde ctrava-ae de
ferid* na perna, E-ta (Mida (ai teas dovid pro-
duznia por orna aorta de veame que enconlrou-se
suja de aaogne, na direoQao que ctrria o assasslno
do Dr. graoga, depois que Ibe iteaeobco o tiro I
ALFANDEGA.
Rendimeoio do dia i a 21......
dem dodu-W................
502:9255299
:5l843a^J8.'
- Parante a.catnara oMOlelpal oieata ddade ea-,
aro em p/aca nos das 25, 28 e 30 do correle,
para serem arrematados per quem raaior prego
offerecer os materlaes da casa n. 47 da roa do
, que fdra desapropriada por otildade pa-
ifeMa
523:4434438
MOVUfENTO DA ALFANMDH
Alea este, obecanoi das.partes.do R.acfc foiames mmies com fen-dag>.,
do Navio, aais dona ertaiposos de marte, presos
por qrdw da Dr. Pind^bvin.
Hojeao meio-diaseextrafcira' a i5d parte da lo-
tera a balancia dos voloaiarlo da patria (6V),
sendo o maior premio 6:0004000.
Repartico da poxtcia :
Extracto da parte do dia 25 de malo de 1866.
Foram reeorhdos a' casa dedetene no da 24
do correte:
A' ordera do subdelegado do Recife, Antonio e
Maiaias, escravo, este de Antonio Henriqpes Ro-
drigues, e aquello de Antonio Jorge Guerra, Jos
Francisco da Silva Samuel e Joanna Mara Baplis-
ta da Paz, para averiguacoas em crime de homici-
dio, Maria Francisca da Conceico, por crime de
furto, e Maximino, eseravo de Manoei Ignacio de
Avila, por (agido.
A' orden) do de Santo Antonio, Vicenta, escravo
de Maooel Corra da Queirot, para averiguares
Antonio Lopes Braga................ IO:00O50fK>
Corbiniano de Aqu no Poneeca.......,
Francisco Joaquim Ribeiro de Brito. .
Manoel Jos da Silva Gaimares......
A' ordem do de S. Jos, Raimundo Jos Ignacio,
para reernta.
a' ordem do da Boa-Vista, Josepha Maria da
Conceico, por disturbios.
O chete da 2' secc.ao,
J. G. de-itesqutla.
LKMITEfilO PBLim. OBITUARIO 00 DIA 23 j
M.uo di 1866.
Manoel Jos de M.-nezes, Pernambnco, 60 anuos,
viuvu, Rlcife, cmaras de sangne. ..
Luiz Dervim, Paris, 35 annos, casado, Boa-Vista,
hepatite.
Maria de Sampaio, frica, 70 anuos, 5. Jos,
coogestdes.
Prxedes, Pernambnco, 6 K anaoj, S. Jos, de-
siuteria.
Maria, Pernambuco, 12 meras, Boa-Vista, dar-
rbea,
Domingos, Pernambuco, 22 anuo, S. Antonio,
pbihisi''.
Raquel, Pernambuco, i anno. escrava- Boa,
Vista, diarrba.
mtmsm
PEftaiAMBUCOt
ASSEHBLE4 LEtilSLiTIVA l'ROVINCIiL,
SESSAO URDINARIA EM 21 DE MAIO
DE ai866.
PRESIDENCIA DO SR. DR. A00OST0 DE S01ZA LBO.
Ao meio da, (eita a chamada, vrtflca-se a pre-
senca dos Srs. depatados Soaza Leao, Ayres, Ra-
mos, Paes de Aodrade, Buarqae, Soares Brandao,
Correa da Silva, flaspar, Joaqnim Reg Barros,
Ribeiro, Arminio, Sergio, AmynUs, Lopes Machado,
Jeronymo, Amorim, Emygdio, Correa de Brito,
Jansen, Candido Martin?, Sonto Lima e Andre.
Abre-se a sesso.
L-se e anprova-se a acta da sessao anterior.
O Sn. i* Secretario d conta do seguate :
EXPEDIENTE.
Um offtelo do secretario do governo, remetiendo
o parecer da ihesooraria provincial sobre a peti-
paa de Francisco das Chagas Pessoa. A qaem fez
requisica >.
Urna petizo de G. O. Mann, engenheiro e supe-
rintendente da estrada de ferro do Recife a S.
Francisco, solicitando a lsenjao dos imposto* de
dcima a que esto sujeitd a esta?o das Cinco
Puntas e os seus telhelros.A' commissao de peti-
efles. .
Urna petiQio do vlgario da freguezia de Ipojuca,
reclamando om auxilio para a continaac.ao das
obras da respectiva matriz.A commissao de or-
namento.
L* se e approvase a redaccao do projeeto o. 86
ORDEM HO DIA.
Ultima discdsso das emendas ao orgamento mu-
nicipal.
Sao approvadas e igualmente o projeeto emenda-
do. .
3* discusso do projeeto n. 101, qtre tnasda em-
pedrar a estrada de Joo de Barros.Approvado
sem debate.
3" dicassSo do de n. 100, qae aotorisa a cotrr-
posicao da Santa Casa da Misericordia com os ber-
deiros do finado brigadeiro Drummond.Approva-
do sem dbale. i-
3" dicusso do projeeto o. 90 desteanno, sbbre
os lugares de ubeiliaes do termo de Ipj&ea.
Faliam contra os Srs. Gaspar, Costa Ribeiro e
Andr Cavalcanti.
Vem a mesa um requerlmento do Sr. Gaspar pa-
ra que se. oupa ao presidente da provincia sobre o
preojeto,'
Encerrada a discusso o requerlmento appro-
vado, Picando o projeeto adiado.
Siio lidas as redaceoes dos projectos d orna-
mento municipal, de .as. 100 e 101.
Entram era discusso e ^o approvadas sem de-
bate.
2a discussaj do projeeto n. 85, que estabelece
certos limites para a freguezia de Quipap.
E' approvado sem debate, e dispensado do in-
tersticio pedido do Sr. Amyntas e depois de fal-
lar peia ordea o Sr'. Reg Barros.
Ultima discusso da emenda do Sr. Correa de
Brito ao projeeto n. 63, e que eleva a porcentagem
dos empregados do consulado.
Falla contra a emenda o Sr. Silva Ramos, e a
favor o Sr. Brito. .
Encerrada a discusso a emenda rejeilada, sen-
do approvado o projeeto. .
E' approvada a redaegao do mesmo projeeto, de-
pois de orarem pela ordem o Sr. Ribeiro e Ramos.
Contina a diacnssao do projeeto de flxago da
(orea policial.
Ora o resto da sesso o Sr. Gaspar Drummond,
litando a discusso adiada pela hora.
O Sr. Presdeme levanta a sesso de designa
paraordtni de dia a coaliouaco da anterior.
i i
SESSAO DE E.NCRRAMENTO EM 22 DE MAH>
D&I866.
PRESIDENCIA DO 9R. DR. A. DB 80DZA LEAO.
Ao meto dia estao presentes os Srs. deputados
Souza Leo, Ramos, Ayres, Gaspar, Cowa da Sil-
va, Sergio, Riberro, Arminio, Hisbetlo, Soaro
Brandao, Buarqae, Lopes Machado, Candido Mar-
lins, Jeronyoio, Paes de Aodrad, Jaoaav Ewiaao,
Amyntas, Souto Lira, Carrea da Brtte, AmartaS*
Hisbello, Aodr C Abre-se a sesso. '-' *'
L-se e approva-se a acta da sesso anterior.
O Sr. 1* SCRETARro W o enltate
, EXPEDIENTE.
Urna petico de Francisco Gomes de OHveira, so-
licitando exonerado de una multa de aforamentos.
A commissao de orcamento monicipal.
ORDEM DO OA.
3* discnssiio do projeeto n. 88 deste anno sotre
a freguezia de Qn'pap.Approvado sem d*iato.
! discasso do projeeto o. 84, sabr a ixaco
da base que deve regular o ordenado dos coliecto-
res seas escrlvSesjias respectivas apesacittdorias.
Approvado sem debate.
L-se v appTOva-se a redaecto 4c projeeto n. 8B.
Contina a discusso da torca policial.
Uram os Srs. Correa de Brito, i Cosa Ribeiro e
Lopes Machado.
^Encerrando-so a dlscus^io o.projeeto epprova-
do|com orna emenda do Sr. Silva Ranwaiqte.dA t
patente de capillo ao eirorgiio do oorp de po-
lica.
L-se o apurova-se a acta* ateerramonto, e e
Sr. presidente d por fttde os tranalboa da pr->
sent sesso.
3:5005000
2:5005000
7:5005000
Ioformam-nos que varios mocos nacionaes
e portuguezes se esforcam por effectuar o restabe-
lecimentoda adoraco especial, que outr'ora se vo-
tava a imagera de Santo Ignacio, na reja do Col-
legio', e para iniciaco deste intento piedoso pre-
tended festejar ao mesmo santo este anno.
Foram encontrados a 10 do correte, na lat.
N. i* 15' e long. O de Grenwich 24 15", a galo- ElCCO #tS dVOt0S d-deVtS flOC ha
ra ingleza Briths Cion, qae de Plymontb segua i
par?. Adelaide, com grande porgo de passageiros ; i
e a 17. na lat N. 3o, 23" e long. O de Grenwoh !
23 7', a galera iogleza Caracatus, procedente de i
Londres com destino a Busheer.
Nao havla at eoio novidado alguma a bordo j
urna o outra embarcaco, lavando a primeira 30
das de viagem, e % segunda 26.
Na presupposico da existencia! de le probi- Dr. Miguel de Figneirda Paria,
biliva de abrir se no centro da cidade estabelecl- Tenente-corooel Sebastio Lopes Gaimares.
melos comorefiaacao, mandara nos edi anonyraos Padremestre Leonardo JoSo G.ego.
urna reclamac8o a respeito de urna -qae se intenta Domingos Jos Ferreira.
loealisar na ra do Aragao, qnando anteriormente Jorge Jacome Tasso.
se negava para isto. Juizas.
Nao podemos, em satisac&o a tal reclamo, se- As Exans. Sras.:
nao submette lo ao apreco daquelle a qaem possa D. Libania Emilia de Albuquerque Mello,
competir provitfincia, depois de apreciada a ma- D. Francolina Angosta dos Santos Ribeiro.
teria, e reconhecWa a procedencia d reclamaco. D. Ludo vina Ayres de Almelda.
De Villa-Bella nos escrevem em dala de 29
de abril prximo passado :
Como ja Uve occasio de commuoicar-lhe, I j-
ram presos pelo Dr. clu-o de polica Pedio Antonio
de Aodrada Jnior, Francisco Gomes e> Andrada
e Joo Pereira de Vasconcellos, como m liciados
t com gneros...
iflumes sahita cera fazendas....
t c com gneros....
Descarregam hoje 26 do maio.
Vapor inglezAwaz Brigue ialiaao-.A Escuna austracaAmazonedem.
Barca inglezaftcWermercadorias.
Patacho inglezBurybacalbo.
Lugar inglezBrilhantetarinha de trigo e mais
! heneros.
i Barca inglesa/saM/acarvo.
Patacho inglez/ I Barca inglezaAvenacmio.
Barca nacional Amizade charque.
Brigue nacionalBeluariodem.
Brigue nacionalAurtttano -idem.
Patacho portugusGwrWido.
Sumaca hespanhofaGuadalupeden*.
Patacho nacionalSoi idem.
Hiate portoguez Serra idem.
Patacho portogoezS. Josidem.
Importaos.
Barca portngueza Arciunda, viada do Porto, ma-
nKesloa o seguate :
Alhos, 106 canastras, a Marques Barros-4 C.;
65 a J. J. Gonsalves, BeltrSo; 22 A. Lopes Braga
di C. Arcbotes, 15 fardos aos ditos. Arcos de pao,
302 a J. J. Goocalves BeltraO. Azelte, 40 barrls a
Joaqulm Monteiro da Crnz; 3 ditos a Domingos
Ribeiro de Aodrade; i3 ditos a A. F. da SHva No-
nes ; 6 ditos a Manoel Ignacio de Oliveira ; 10 bar-
ris a Thomaz de Aquino- Fonceca & C. Azeitonas,
100 ancoretas a Domingos Rodrigues de Andrade;
do-sa da demolico compareeam no paco raunici
pal tos indicados da para o flm mencionado.
o da cmara municipal do Recife 23 de maio
da 1866.Luiz Jos Pereira. Sinoes, pro-paiden
te.-Francisco Canuto* Boa-viagem, secretario
a-wi.i..i... jL-L-.-imt-.j
DEClIRKOES
COMPANHIA
J?0
Publica^oes pedido
d festejara Gloriosa Yirgcui c Mar
lyr Santa Cecilin, erecta aa coavea-
to da Goma desU cidade, na anno
de 1865 a .866.
Jnizes por elelco.
Os Iflffls. Srs.:
REVISTA DIARIA
De ordem do digto r. Br. ehele do polica^ bem n|o che^aram a ler otes dA^^prtsoes! ...
rindabybau Mailoe, ffecluoa-ae .na Sera do Man,
distante de Viltatiellaomat -viola loguas, a pnsao
do pardo Simio, naadaario 4 aasassinat do Dr.
Estevo Franca.
Assim, perianto, gn& ao talo a a' firmeza do
digno mafaaado, oatao ftaobados dante e.
mandatario a to. agro eriioa, sea4
um serrlco prestado pelo incansavel i
dabyba a* moralidade e a' jostica pnWl
S. S. om verdadeiro sacerdote.
D. Vrgina Barboza de Almelda.
Juizes por devoco.
Os Ulras. Srs.:
fgaacio Pessa da Silva.
Joo Baptlsta d S Padr-mestre Fr. Ignacio de Santa
mandantes do brbaro assassina'to do Dr. Estevo. jos'ijJ,aqm'm da Costa Pereira,
t O mysterio que iovolvia este atroz altentado, ihraa nnrdfivnc
os grande recursos de que dispanbara seus auto-
res, e o apoio moral que teem enconirado as au-
toridades policiaes deste termo, revelana assaz o
tino, perspicacia e coragem cera que o Sr. Dr. Pia-
dahyb de Mattos se houve no desempenho dessa
dfflcil e arriscada commissao.
< Como se anda nao fossem suul:ieoles s pro-
vas que j llnha a polica, quiz a Provleaea Di-
vina que, na occasio em que proceda o Sr. Dr.
ehefe de polica busca em casa do criminoso Pe-
dro Antonio, viessem duas mulalinhas suas fazer
importantissimas revelacSos. acerca de como os
criminoso, concebera ra e leva*am a afterto o ne-
gro projecio do assassioato do infeliz Dr. Franca!!
< O criminoso Pedro Amonio aquelle eleitor e
4o suppleote de subdeleaado, cuja casa foi manda-
da cercar pelo finado Dr. Franca, para arrancar-
'Ihe recruta. : e o mesmo que em uma correspon-
dencia que por este ficto poblicoa contra aquelle
funecionario tnsiouava sua demisso de delegado,
fazendo crer que suas violencias e injusUcas ja iam
causando desesperos II
< Francisco Gomes de Andrada, seu irmao, col-
lector e negociante nesla villa, e Joo Pereira de
Vasconcellos, lazendero abastado e cuahado da-
qpelle, sao todos pertenceotea ao lado progressista; D Em||a i:anuida da Conceico.
pelo qae tal vez se julgassem invulneraveis "
* O processo est em comeoo, mas
Umbelina de
Juizas por devoro.
As Ex mas. Sras.:
D. Maria Augusta de Menezes Costa.
D. Francisca" Carolina Tasso.
D. Adelaide Marina Pinto de Lemos.
D. Joanna Aquilina da Assampco Aojos.
Escrives por eleico.
Os Illms. Srs.:
Rofiao da Costa Pinto.
JoSo das Virgens Molta.
Luiz Antonio da Silva Pereira.
Jos Bernardino de Sena.
Escnvaas por devogu.
As Esmas. Sras.:
D. Mirla Mrcionila Beltro.
D. Umbelina Francisca Macil Monteiro.
D. Mana Eugenia do Nascimento.
D. Ignez Mara da Concecab:
Escrives por devoco.
Os lllms. Srs.:
Dr. Jos Tiburcio Pereira Magalbes.
RoberiO Francisco Furtado-
Major Raymundo da Silva Mala.
Escrivas por devoc.So.
As Ex mas Sras.:
D. Francisca Romana da Gosla Motta.
dar o valor e importancia devida s immensas
digas, sacrificios e ztlo do Dr. Pindahyba de Mat-
tos, que pelo josto e loovavel comportameoto que
teffl tldo nao pode*mesmo contar com seguranza
de vida ; e alguma cousa ja se sabo semelbante j
resperto I...
c Nunca sero por tanto demasiados os louvores
dados ao magistrado aue toma o curaprimento dos |
seus'deveres por orna relieio que sabe venerar, j
Na minha ullima de 22 do correte ja Ihe fiz
ver como o Dr. Pindahyba de Mattos soube inspi-
rar conflanca ao enrainoso Gomes de Andrada, na
esperanca de que raandasse elle chamar sen irmo
fedro Antonio de Andrada que tinha se embezer-
rado na Piauhv; portanto mudo de assumpto.
Emaeu Chano de 5 de abril vi cora sorpreza
o resumo da uma parle offlcial do delegado de po-
lica deste termo em que se pretende mostrar que
o espirito publico em Villa-Bella reconhecen nos
doqs infeltzes por elle presos os assassinos do Dr.
Estevo. E' verdade qae o delegado sobretudo
Aa i D- Ma Aqoilina Maclrl Monteiro,
3hlD- Victorina Mara da Conceico.
: :." Mordomos o raordomas.
I
Todos os devotos que forera carteados.
Convento do Carmo do Recife, 22 de
de 1866.
Fr. Jorge ie&mt'Anna Loao.
Provincial.
novembrb
rasta
OdC
Agua de Fkorlda de nurray <
I.auuian.
Em consequencia da sua grande e r
popijjaridade e justa trelebrtdade m todi
os mercados da America do Sol e das Aoti-
Ihas, para o aso de eujos paizes, ea foi
exclusivamente manufaelorada, ha mais de
vinte annos; a mesma tem sido exclusiva-
mente imitada e contrafeita neste pais. Po-
rm presentemente o artigo, original foi in-
do desta maliciosa imputa?o, em ama outra pn> tar a dtstinctiva marca commerciai aos pro-
sao, qae pelo mesmo facto haviam soflrid^ mos? prietarios, pode fcil mete ser distinguida
trou-se alguma coasa inspirado de qae fossera al- S". apparencia exterior de8S89 OUtrt
!,.SSSirS^,.C"; Ute 7fraudulenta, compre. 0S
nestes doas iofelizes mais do que a sombra, atrai gignaes internos de perieua genutaue sao
da qaal se pretendiera occultar os ?erdadeiros erj- m\j[to menos fcil de engnoo, por .quanto a
minososl E tant isto verdade queochefe ceo- ^ rf j,^^ ^ Mnfr Lammn tem
Joo Pereira, e at Pedro Antonio, relevando aioda florescentes;flore3 e plantas 00 UopiCO aas
poaderar que estas mesmas prisoes somente tive- qrjaes ella deriva a sua bella e exquisita com-
ram rogar no dia-, em queoebefe sabio desta \illa 2 ai/^A nnai^n ao T. emlurar dfl
. t ueeopando-me aiftda do.ui Teaon^ ou copta aroma, em lugar de produpc, orna emaaa-
aoollcio na para em qae ocolea servloos pre-' c50 acre qq ^jj, certa euvia desagradavel
^er^l^^^e"T- W aeBBtoea.eom-.tl perfumes e aguas
^^^^V^^)^^^- c5tfo'. Is Tratr V preparadas e com*
pos -qne thegu i esta vida o Dr. Pindahyba ; postas com leos baratos e fortiSSMOS de
assim cobo qae bwiante inglorlos seriaa os seos i gggencias
resaltados, se acuelle llustre magistrado nao son-'
besse tirar id^lii.'agwn provatto, azendo as ca-
rambolas por bambas 1...
< Finalmente julgo que foi anda por carambolas
bambas que o autor do citado offlcio, esqueeido dos
verdadeiros assassinos do Dr. Estevo, foi por em
relevo os servicos, actividade e grande ta) do Dr,
Pindahyba I...
< Antes de concluir nata qoero mostrar algumas
coincidencias notaveis qae se deram aqu a 4a
em qne foram presos os assassinos do Dr. Franca.
1.* O Dr. Franca Coi aqui sepultado no mesmo
dia e s mesaas botas, aa qae foram preso os
seus assassmos.
2.a Ho mesaao dia em qae foi aaMaioado a Dr.
Estevo Franca ebegou o correio trazend ama
correspondencia que lie flxora publicar em seu
Diario contia Pedro Antonio de Andrada Jnior;
esta correspondencia lie nao ebegou a ler. No
oaesmo dia.labzbem em que (oran presos
Nao se tendo reunido numero legal dos
Srs. accionistas para ler logar a assembla
geral annunciada para hoje, sao novamente
convidados os mesmo seahores a se reuni-
rem no dia 26 do correte mez ao meio dia
no escriptorio da mesma companhia para
em conformidade dos seus estatutos deli-
berar sobre as contas do semestre lindo,
approvar o orcamento vindorjro, decretar o
36 dividendo e eleger a nova administra-
cao, bem como diseaUr approvar as emen-
da qae o govereo imperial exige para a
approvacjo dos novos estatutos que lhe fo-
ram submettidos.
i Escriptori) da companhia do Beberibe 23
de maio de 1866..
O secretariof
___ Dr. Jo3o Jos Pinto Jnior.
(iovtruo da provincia.
4.* seccio.Secretarla do governo de Pernam-
300 r7Lo7esB7agr&"c.VW"arqnes Barros bneo, em 1 de malo d.1866.
4 C. Cal, 3 barricas aos ditos.' Calcado, 3 caixas'
a M. J. da Silva Filgueiras. Capachos, 3 fardos a
Antonio Ferreira Braga; 3 a Domingos Rodrigues
de Aodrade; 3 a Monteiro & Irmo; 4 a J. d"Aze-
vedo Maia e Silva. Carne de porca, 31 barrls a
Manoel Daarte Rodrigues; 10 a Manoel J. de Oli-
veira' o Silva; 20 a Guedes & Miranda; 1! e 1
O secretario,
ifc.e> ^os Aojos,
Caia filial do banco do Brasil em Pcr-
a mouco 22 de maia aa 1866.
De ordem da directora m faz publico
aquellas pessoas que tem objpclos de ouro,
prata e diamante depositados sob caugo
nesta caixa cujas letras se acbam vencidas,
que nio sendo dita letra paga at' o dia
8 de junho vindourose prooodera' embasta
ml.lica a venda do referido objectoscon-
orme o prescrito nos estatutos,
O guarda Itvros,
Ignacio Nunes Correa,
Consulado de Franca.
Conforme o art. 7 da convenco consular entre
o Brasil e a Franca, o cnsul fraocez faz publico
que fallecen no da 17 do correte o subdito fran-
cez Pierre Theodore Jacobi. Pernambuco 22 de
maio de 18660 consol de Franca,
___________________Osmio Laporte.
EDITAL.
Pela secretaria do governo, se faz publico
quem interessar possa, que tendo o Exm. Sr. vice-
presidente da provincia, de dar execucSo a lei n.
649, de 20 de marco oltimo, abalxo publicada, se
convida todas as pessoas que pretendam con-
tratar a constrneco das estradas de que trata a re-
cunheta Am/ellno J. dos Santos Aodrade; 0 bar- ferida le, a apreseotarem ao mesmo Exm. Sr.' as
rls a Jos Maria Palmeira : i a Jos dos Santos saas propostas, e mediante as bases nella estabele-
Heves; 2 a A. de Souza Silva ; l a A. J. Antnnes cfdas.aflm de serem examinadas e preferirse
Guimaraes; 4 a Thomaz de Aqoino Fonceca & C ; aquella que melbores vaniageus otlereoer.
1 a J. D. da Silva Guimaraes; l a J. F. da Silva O secretario.
Jonior; 1 caixa a J. B. Vteira Coelho. Castanhas,
1 caixa a A. de Souza e Silva. Ceblas, 5275 res-!
lias a M. Barros & C Coxins, 2 caixas a Thomaz
F. da Cunba ; 1 a Prenle Vianna & C. FarellO,
300 saceos a Marques Barros & C Feijo, 50 sac-
eos a Thomaz F. da Guaha. gerafons, 49 volumes
ao dito; 2 cunhetes a Vianna Guimai:s; 2 a
Monteiro & Irmo; 5 a Ao^etioo J.o'es Santos An-
drade ; 4 a C. G. BreoOenfeid; 7 barr* a Joaqoim
de Oliveira Pinto; 2 a J. F. de Araujn Guimaraes;
2 caixas a Prente Vianna & C. Ferro em obra.
Dr. Francisco dt Paula Salles.
LEI N. 649.
O Dr. Manoel Cleraentino Carneiro da Cuoba,
vlce-presidente da provincia de Pernambuco : Fa-
co saber a todos os seus habitantes que a assem-
bla legislativa provincial decretou e eu sanecionei
a resolncao segainte :
Art, 1." Fica o presidente da provincia anlorisa-
doa mandar esludar ea contratar com uma u
mais compaohias ou com pessoas reconhecdamen-
te idneas, uma rJe de estradas, de rodagem ou
60 fogareiros e 4 caixas confferros dVengommar de carrls de ferro, conhecidas, sob a denoralnac.ao
a Marques Barros & C. Fitas, 1 caa a Joaquim de tramways, que ligue os centros populosos do
de Souza Maia. Folha de louro, 14 saceos a Joa- interior da provincia cora as diversas estacoes da
qmm Veira Prente Vianna & C.; t a J. F. da Silva Jnior; 1 actuaes estradas de communicacao para esta capi-
a Jmquim Monteiro da Cruz. Latao em obra, 1 tal ou com os pontos do httoral de fcil accesso a
caixa cora ferros de engommar a J. F. de AraDJ oavegajao. .... ,
Guimaraes. Linha, Icalxas a Monteiro & Irmo. Art. 1.' Para execu?ao do artigo precedente po-
Linha de barqnlnha, i ennbete a Tbomaz F. da
Cunha; 2 fardos a C. G. Brecbenfeld. Dita esraer-
Um, 8 fardos a Domingos "Alves Halheus. Livros,
1 calxa a Jos Barbosa de Mello. Milho, 20 sacess
a Thomaz F. da Cunha. MoblUa, T caixa com 2
cadelras a Alves Hamburger & C; 38 c.deiras, 2
solas e 4 mezas a Marques Barros & C. Palitos,
1 caixa a Antonio F. Braga & C. Panno de linho,
1 pacote. a A. J. Alves da Fonceca. Pedras de lou-
sa, 66 i'Marques Barros &C.; 1 a J. A. da Silva
Guimaraes. Pedras para calcaraento, 3074 a J. da
Silva Loyo & C. Pentes, t caixa a J. L. Goncalves
Ferreira; 1 a Manoel Joaqoim Ribeiro; a Prente
Vianna & C. Pinboos, 4 barricas a Jos Maria Pal-
meira. Pomada, 1 caixa a J. L. Goncalves Ferrei-
ra; 73 cunhetes a Guedes & Miranda ,100 a M.
J. Ramos da Silva 4 Genro; 72 a Thomaz F. da
Canha; 50 a Monteiro & Irmo. Pregos, 87 bar-
risca Thomat F. -da Coalla ; '18 a M. J. Rodngaes
Ferreira; 3t a J. A. Morelra Das; 5 a J. F. d*A-
raujo Guimaraes. Rolhas, 20 saceos a J. da Silva
Faria & C.; 10 a A. Lopes Braga & C Torneiras
de pao, 1 cajxa aos ditos. Varios artigos, 4 caixas
a J. L. Gpn$alves Ferreira ; 1 a Antonio Ferreira
Braga; 1 a Monteiro & Irmo; 2 a Domingos Ro-
drigues de Andrade; 2 a C. J. Alves Guimaraes ;
1 a J. Martins PioheiTo; 1 machina a vapor e per-;
jenees a Vale Porto & C. 1 toiro, a Augusto Maria
Machado. Vassouras de piassaba, 20 volumes a J.
J. Goncalves Beltro-; 23 a Marques Barros 4 C.
Vimes, 1229 liacas aoditos. Yraagre, I barril a
A. Lopes Braga & C. Vioho, 8 ditos a Antonio
Leit de MagalhSes; 25 ditos e 150 caixas a Cunha
Iimo 4 C.; 68 barris e 90 caixas a Marques Bar-
ros & C; 27 barris a Euzbioft. Rabello 48 ditost
a Manoel Duarte Rodrigues; 55 ditos e 330 caixas
Domingos Alves Malheus, 8 ditos a M. J. Goncal-
ves da Fonle; 10 ditos e 130 caixas a Meodes &
Coelho;-20 ditos a A L. de Oliveira Azevedo
C.; 45 ditos a Domingos Rodrigues de Andrade; a
barril a Antonio L Braga & C; 1 a F. D.
Pereira da Silva; 10 a J. F. de AraiijoGoimarSes:
2 barris e 2 caixas a J. D. da Silva Guimaraes; 7
barris e 2 caixas de desenho, a Antonio Gonc,alvs
de Azevedo ; 20 barris e 50 caixas de desenlio, a
ordera ; 100 caixas de desenho, a Thomaz de Aqui-
no Fonceca & C.; 127 ditas de dito a Jos Maria
Palmeira.
iRECEBEDORIA DE RENDAS INTERNAS GE-
RAES DE PERNAMBUCO
Rendlmento do dia 1 a 24....... 19:470*780
dem do dia 25................ 468366
era' o mesmo presidente adoptar as seguintes me-
didas :
t. Conceder as corapanhias ou aos particula-
res, qae se encarregarem da eonsirucc dos
tramways ou que os collocar d'ora em dianle as
actoaes estrada?, uma subvengo kilomtrica pro-
porcional ao capital mpregado e por uma s vez,
fleando o contrato, qae para Isso se celebrar de-
pendente da approvajo desta assembla.
O contratante podera' independente desta appro-
vagao dar comeco aos estudos e preparacSo dos
planos das obras, os quaes editiciro mediante in-
demnisajao perteucente a provincia caso nao seja
approva-o o contrato celebrado.
2." Contrahir nra emprestimo dentro ou fra
do palz, mediante condicoes que nao obrignem a
provincia a ara dispendio superior a quatro cen-
tos contos de ris anpnaes.
Art. 2." Ficara revogadas as disposicSes era con-
tr*m.
Mando portanto, a todas as autoridades a qaem
o conhecimento e execago da presente resojuco
pertencer qae a eumprame facam cumprir to m-
teramente como nella se contera.
O secretario do governo desta provincia a faga
imprimir, publicar e correr.
Palacio do governo de Pernambuco, aos 20 de
marco de 1866, 45 da independencia e do imperio.
L. S.
Manoel Clementmo Carneiro da Cunha.
Sellada e publicada a presente resolano nesla
secretaria do governo de Pernambuco, aos 24 de
abril de 1866.
O secretario, Dr. Francisco de Paula Salles.
Registrada a M. do hvro 7o de leis proviociaes.
Secretaria do governo de Pernambueo, 20 de
marjo de 1866.
0 escripturarlo da 4* seccur-TAOtoro Jos la-
vares.____________________________________
Pela inspectora da alfandega se faz publico
Pinto! que se precisa contratar para o expediente da roes-
19:939*146
MOYIMENTO DO POBTO
Vanos entrados no dia 25.
(Tenha-se, pojs, todo o cuidado de exami-
no- e ver; que os nomes d Murray eLan*
man, se acbem inscriptos a gravados sob
cada envoltorio, letreiro e garrafa e na taita
dos meamos, fcil suspeitar dt sua farsi
dade.)
Vende-se naa pharweias -de Caors &
Barbosa e J. da G. Braf A C.
:-----------1
WiWMClO
rRACAW.to.
"* aJBB_J_i<
..... I I,
Baha7 dias. brigue inglez Aemiral, de 329 to-
neladas, capito Thomas Williams, equipagem
9, em lastro ; a Jonnsion Paier <& C
Liverpool35 dias, barca ingleza Jmogen, de 311
toneladas, capito S. Tobonpson, equipagem (4,
carga fazefidas e outros gneros ; a Mills La-
tham & C.
Xerra-rtova21 dias, patacho inglez Busy, de 177 { ias>
toneladas, capito Jobo, eqnipagem 3, carga
1823 barricas com bacalbo ; a Johnston
&C.
Havre33 dias, galera franceza Amelia, de 310
toneladas, capito Limiere, equipagem 15, car-
ga mereadorias; a Tisset Frwe.
dem26 dias, brigue fraocez Belm, de 187 tone-
ladas, capito Paresot, equipagem 11, carga
mereadorias; a Tisset Frere.
Hamburgo- 48 dias, palaolw hamborgnea Catha-
rina Jane, de 250 toneladas, capio J. H. Es-
tero, equipagem 8, carga fazendas e outros g-
neros ; a Rabe Sehameteao. & C.
Acarae e portos iotermedio8-'8, das, vapor bra-
sil beiro Ptrsinunga, de 422 toneladas, cornman-
. daate Rata, eqnipagem 24, carga vario gene-
^ros.
.Tfiste80 das, brigne ncrueguense Rs Woldti
jHuitfeldt, de 215 toneladas.capllo tto Siewers.
.equipagem 8, carga 1885 barricas com larlnha
de trigo ; a Tasso & Irmo.
rLlaboa-3.4 das, lo*r portoguez /i/m, de 77
toneladas, capito Joo de Barros, equipagem
" '13, carga vinho^ueRe e oulros gneros ^a Tbo
maz de Aq_fo%onseca.
me reparlico, durante o anno nanceiro de 1866
1867, prximo futuro, o foruecimento dos objeclos
constantes da relacao abaixo.
i A saber :
Para a guardamonia.
Lonas, bhns, bandeiras para signaes de dous e
; tres palmos, oleo de linbica, tinta preparada a
| oleo, dita em p, breu, alcatro, verniz, o de
algodo, lijlos para limpar ferrageos, piassava e
1 estopa.
Para lacraco.
Graxa, sebo, cera era grume, cadarco estreto,
azarco, taxas de bomba, cabos de dlfferentes qua
lldades e grossoras, azeite de carrapato e de coco,
lanternas ou phares, forquetas de ferro, correles
! de differentes grossura?, ferros de differentes ta-
manhos, remos de 12, 14 e 16 ps, e louga de
cosinba.
Para o servlco da capalazla.
Livros ea branco para os armazens, azeite-ddee
para os guindastes, tinta roxo-terra em p, broxas
para pinturas e verniz de carvao de pedra.
! Pata o expediente das serrues.
Qaaderno de papel pautado para extractos de
mappas, papel greve pautado, dito liso, dito de
de lioho, dito malta borro, penoas de ac, ditas
de ave, lapis preto e de cores, tinta preta e cor de
; rosa para escrever, dita carmim, arela preta,
regoas, cadarce, caivetes e raspadei
ras.
Pater O*- protendentfis poderao apresentar suas propos-
' tas por cartas fechadas at o dia 11 de junbo pr-
ximo futuro.
Quarta seceo da alfandega de Pernambuco, 24
de maio de 1866.
O 3 escripturarlo
Joo Carlos Augusto de Figueiredo.
Exposl^o do productos agr-
cola, ludustrlaes e obra de
arte em Pernai-bueo.
Constando commissao directora da ex-
psito que, por falta dos necessarios escla-
recimentos, pela comparaco havida entre
os nossos productos e outros similares de
diversas provincias, e per outros motivos
de que n8o rt#e completa sciencia, n|o hou-
ve a desejavel igualdade na distribuico fei-
ta para esta provincia das recompensas da
das pela commissao central do Rio de Ja-
neiro na ultima exposicjlo, e que por este
facto alguns dos amigos expositores se re-
cusara a concorrer com novos productos
exposico de 15 de agosto prximo; resol-
veu, em uma de suas sesses, mandar fazeo^'
publico o seguinte:
1. Haver na provinfiia^para os traba-
lhos da expsito, um jury especial, no qual
n5o terao voto os membros da commissSo
directora, que julgar da excelleocii, aper-
feicoamento e utilidade dos productos ex-
postos;
2. ste jury se dividir em duas sec-
ces, sendo uma para os productos agrco-
las, e outra para os industriaes propiamen-
te ditos, e obras de arte ;
3. Farao parte do jury as pessoas de re- .
conhecida aptido e especialistas;
4. Segundo o juizo do jury, a oommis-
s5o distribuir aos productores e demais ex-
positores medalhas de duas classes, sendo
as da Ia classe de prata e as da 2a de co-
bre, ambas acompanbadas de diplomas.
5." A commissao far acquisiclo, median-
te valor ajustado, dos productos que para
isto forem julgados dignos pelo jury, e qua
nao possam ser cedidos gratuitamente para
Bgurarem na exposiejo central.
A commssSo directora espera que estas
medida* servir3o de garanta ao verdadeiro
apreco dos productos expostos, e qu faro
desapparecer o desanimo que a alguns ex-
positores causn a desigualdade que ci-
ma se referi..
Alm disso, a commissao chama a atien-
co dos Scs. expositores e mais industriaes
da provincia para a ciroumstancia de um
dos seus membros ter de acompanhar ex-
posico central os productos que d'aqui fo-
rem enviados, e fazer parte do jury julga-
dor na corte, achando-se por esta forma
habilitado para ministrar todos os esclareci-
mentos necessarios ao perfeito conhecimen-
to dos productos, e fa.er valer o direito de
cada um d?s expositores desta jjrovincia.'
Por esta forma a commissao julga ter re-
movido mais um dos embaracos, com que
porventura renta a lutar na acquisico de
productos destinados exposi?ao de 1 o de
agosto.
Aioda uma vez appella a commissao para
os dignos Pernambucanos, pedindo-lhes com
instancia que promovam com esforz a re-
messa de productos destinados a figuraren!
n'aquella festa industrial. nde se empe-
nham os brios da provincia
Sala da commissao, 9 de maio de i 866.
Secretario,
Manoel Buarque de Afacedo.
ArTeuialae
Terca-feira 29 do correte, linda a audiencia do
Sr. Dr. juiz de orphaos, tera de ser arrematada a
renda do engenho Dous Irmos do logar de Apij
pucos, servindo de base para a arrematacao a
qaanlia de5:l20, visto ter havido abatimeoto da
3a parte na hase porque foi a' praga, que era de
6:i00 por nao ter apparecido lancador.
Os senhores abaixo declarados quelram vir
a adrainistracao do correio aflra de reci;berem car-
tas recommedadas.
Adriano Francisco Ferreira Neves Jnior.
Francisco Joo Alves Almeida.
Joao Francisco Araujo Foosec.
Joao Cavalcaoti Albuquerque.
Jos Maria Correia Neves.
Mariano Pereira de Sjaza.
Manoel Joaquim Lobato.
Rosa Maria da Conceico.
assassinos ebegou o correio trazando orna corres-
pondencia que flz publicar. em seu Diario, e em
que del bem a entender que por causa.da ausencia
de Pedro Antonio anda nao havia o chefe falto as
prisoes dos criminosos; esta correspondencia iam
ttanato.
As 3 ItS horas daarte.
os seas A,ROaio t. surte M#00 por rtoba.
i .-
d.
3.a Desde que aqu esta' o Chefe de polica, aioda
nao se tlqha daib occasio de reunirse m sua
casa de orna s vez todas'as autoridades do termo.
_Jaia. porra em que os criminosos o foram vi-
que foi o mesmo erh qne se deram as prisoes
enUrarn-seiostrocilvamelte em sua sala em
rrbdor dos crimibosos todas a,s aatorldades; a
ber f chefe de poHeia, jan de direiio, jalz muni-
cipal, promotor publico, delegado e subdelegado I
< Alia sunt judttia Uei...
Cambio sobre taera 94) div. 27 i|8
o do banco 26 7|8 d. por 1*_0. e V
Cambio sobre Pars 90 d*v. 2 rs. por transo.
Descont para o e 6 mtza-rt9 0|0 o anno.
t'fHwawa imriet.
Presidente,
ilteira,
Sacretanp.
!* hmnt* de P
f *_ea.
O IfovtrCaVritr^irirJnta letras 146 por cont
ao anno, toma dinbeiro a praso flxo on em copa
torrente poto premio e eoudwoes qne se conven
clonar, e saca sobre a praca da Babia
Ho
vinbflu<
jnlCT)D
JViat** %ahi&os no memo da.
AracatvHlale nacional Uma Senkor* das Nem,
capito Antonio de Sonta Castro, carga di fe-
barita Casa da-Miscricrdia
ttecife.
Cbegande ao conheciraealo da lito* Junta admi-
nistrativa desta tana casa, que o ex-procurador
Syraphroao Glympto de Qoeiroga tem rocebdo
alguaas quantias, pastando recibos manuseriptos,
manda a masaa junta fazer publico a toaos es
seos dovederea, que alio nao mais proaaador
desde o dia 5 de abril prximo pasaado, a par isso
nao Ibe ser levado em conta o qae pagaren) por
esse aodo, visto cono os recibos desta santa casa
sao irapressos, assignadus pela ibeaouretro a rubri-
cados pelo provedor.
Santa Casa de Misericordia da Bedfe 18 da
malo de 1866.
O escrtvao 1nte,rlno,
francisco Gomes Casteilo.
Gfiseilit 4e omvtm tvaw,
O conselho 'promove no da f do eptrepte mez,
sob as eonc&es do estyh) e a vwta de proportas
ecebidas no mesmo da at as 11 horas da ma-
rena enero. jecebidas no mesmo ata aie as it m_ nni-
Oioal--Baroa ingleza Monieznma, oapito Willla-**,ia aenpra des seguintes objeclos do material
mes^ carga algodo e assuaar.
dem -Brign iaglez Acn, capito W
oarfiatnaar.
tiveroool-Barca ingleza Conttanca Amiba, oapi
to Wllllam Bk, carga assoaar e algoiao.
Wbeddoo.
da armada
300 agulbas de brim, 6 barquloba? de pateqle,
100 bandejas ferradas, 200 dtdaes de ropaio, 6-
prumes de -patente, SO dozias de praoeboes de
amatello, pao carga, sooplraoa aogella amargoso
com 38 psde eorntrltioolo e polefadas de groK
snra, W SMto de pranehdes de slcopira ou an-
lospenden do lamario para Babia o br|gue ra- gelim amarpiocom 33 ps de fP"ftri 6
fiaJmav capito M.Neoll, com a mesma carga polegadas trato^-*t^fl l^X aoSe*
Sfi trnnxe de Terra Nova cobre' dltas de Pre|f0S l ,l e '
^UaV Pmtiyba a arca ingle aM, c- '" d VWf 7_UiittR, a "ST
BilaoSootLcom o mesmo lastre qne trome do prlmentoell a 12 polegadasem qoadro, 11 tta-
810 de Janeiro. deiras de constraccao para o transporte do goarra.
Obaervacp.
GORREIO GERAL _
Pela adminisuaco do correio desta cidade so
faz publico para fias convenientes, que em virtu-
de da courencao postal celebrada pelos governos
brasileiro e fraocez. sero espedidas malas p?ra
Europa no dia 30 do correte mez pelo vapor
francez tGuyenoe.
As cartas sero recebidas at duas horas antes
da que for marcada para a sahida do vapor, e os
jornaes at tres horas antes.
Administraco do crrelo de Pernambuco 24 de
maio de 1866.
O administrador,
Domingos dos Passos Mandoa.
CttllftElO GtftAL
Pela administrago do correio desta cidade, se
faz publico para tius convenientes, qne em virtude
do disposto no ari. 138 do regalamento geral dos
correios de 21 de dezembro do 1844, e art. 9 do
decreto o. 785 de 15 de maio de 1851, se procede-
r' o consumo das cartas existentes na administra-
cao, per (encent ao mez de maio do auno passado,
no dia 5 de juatio proxirao,as 11 bcras da manhaa,
na pora do asmo correio, e a respectiva lisa so
aeba desde ja exposU aos iolaressados.
Adraioistraco do correio de Pernambuco 24 do
maio de 1866.
Domingos dos Passos Miranda.
_________ Administrador.
' AdministracSo do correio desta cida-
de precisa de seis horneas para o servigo
de caminheiro, quem estiver nesias condi-
Coes e quizer engajar-j*e dirija-ee a mesma
administrado.
Bxpaalcio doi producios ap-
colas e ladiisi rlaes leraaaa-
b-e*.
A commissao directora da exposipte des-
ta provincia, pr.vipt aos rtistas ue rja-
aejarem concorrer com os seus productos 9
mesma exposico, e que n5o o possam fa-
zer por falta de recursos, que devem diri-
gir-se ao secrettrio da ,commissSp para 90-
terem os auxilios necessarios 4 ac^uisiejo
das ateras primas destinadas aos ditos-
productos.
Sala da cbmmissSo 9 de maio de 180$*
M. Buarque de Macedp,
Secretario.'
i
a -
K L


r
V

r-
_


/
e*8f.
Tribunal doooramercio
Pela secretaria do tribunal do coraroercio de
Pernambaio *e faz publico que em sessSo do mes-
mo ttibaa I di 12 d; correote/fol considerado vago
o ofiio do eorretor desta praca, que exercia Fre-
a 13 inga prstata em favor do mesni) corretor per-
siste por tal* ames, contados desta dita; e que
flca mrcalo o prasa de 60 das, para dentro del-
les se habiUtarem 05 coacorrentos o referido,
offlcio.
Secretaria do tribunal do omoiBTCio da Per-
nambuco 13 de margo de 1866.
O offlrcial-maior
___________________Julio Galmaraei.
Cerrero feral.
Relata** das cartas segaras existentes ia adnrinis-
trafia di wraei deita cilade pira as sniores
abaixe dechrans:
Andr Altes da Frailas.
Beato Jos Beraardes.
Feiicio Jos Val de Oliveira.
Padre Ignacio Francisco dos SaKos.
Joaquim Antero da Oliveira Luzo.
Lui Canato Einereociano.
Padre Maooe Cordetro da Craz.
Pedro Itepbioldft Anwr Divino.
D. Ramn Lopes de Tyade (Madrtd).
Crrelo geral
O brigue esatraa GrBtit recebe a mata para o
Maranhao boje (19) as 11 boras do da.
"______ gggLL .j-BBg.
rer i:\rito
< DE
ISABEL.
EWREZ1-C0I.WBRA.
." recita da asignatura.
Domingo 27 de maio de 1866
Reentrada da Sr.a D. Eugenia Infante da Cmara.
Prlrueira repr-esentaeo da apoqueotajlo em 3
actos paraphrase do Sr. Dr. Augusto de Castro,
autor do irialogo Tcnaog-tchlng-bung etc.
DAS
Memgei-ifjs
Imperiales.
No dia m
correte mes es-
pera-so dos por-
to do sul o va-
porfrBcezG to-
ne, commaodante
A. de la No, o
quai depois da
demora do cs-
ame segaira para Brdeos loriando em S. Vicente
e Lisboa.
Em S. Vicente ha um vapor em correspondencia
eem 6ote. r
Para cooJigoes, freas e passagens trata-se na
agencia ra do Trapiche n. 9.
Offerece-sna qnantla de 20 mensaespelo|
alugnal de amayama forra ara osertlco interno
de mi casa de familia : g ra dos Guirarapes
a de-Portal _n. 26.^
Da-se i quanlia dei%
fuel de urna escrava para o
mactsaMamilit; aa raa
Pora de Portas n. 26.
mensaes pelo alu-
servio interno de
dos Ga srarapes em
Lisbo
a
Pretende sabir em poneos dfis pira Lisboa a
barca portugueza Mario, recebe carga e passagei-
ros, para os quaes tem excehentes commodos e p-
timo tralamento : a faltar com os consignatarios
Carvalbo & Nogaeira, roa de Apollo n. 20, ou com
o capito.
............ ______
Para o Aracaty.
O vellelroe bem conhecldo palhabote nacional
Dous Amigos, pretende seguir com maita brevlda-
de, tem parte de sea eaftegamento engajado, para
o resto que Ihe falta trata-se com os seas consigna-
tarios Antonio Luiz de Oliveira Azevedo & C, no
seawcrlptallo, rfta da Cruz n. i.
NiNHftDA DEW1EU SOGRO
P8BS0MAQENS.
Jklberto Soares, engenheiro, 29
anos.........Sr. Paita.
Alvaro Botelb da Cimba, 31
n onos........., Teixeira.
GeraMo Botelho, deputado pro-
vincial, 53 auno-.....> Graca.
Jerooymo Botelho, irmao de Ge-
< rat.lo. 48 anoos.....> p. J*qnim'.
Capit i Leocalio, 55 annos.. Raymaado.
Cypriano, sobrinho e pupillo de
G raido, 20 anoos. .... Sr.'E. Cmara
D. Felicia, raallier de Botelho. > Clella.
Cecilia, (lina de heraldo, 19 an-
boa......... Enoilia.
Barbara, eniiada de Felicia. > Jesaina.
Victorina........> Joaquina.
Jos, criado........> Soler.
Cjnvidados typoB representados por aetores.
Um. preta, aoj moleque etc.
O Io acto e;n fgaassdjs outros 2 na corte.
poca actualidade.
Sobe novameaie a' scena a comadla em 1 acto
oroadi de msica
MI LISBOA
La de Fel.
PEHSO*AGENS.
Alfrel >. 26 anuos.....Sr. Paiva.
Thejlorico, sea amigo, o mes-
rao..........
Julia, raaltnr de Alfrel). 22
anus.........Sr."
Rita, criada........>
Jas, criado.........
Urdem do espectculo.
1.a-La de Fel.
2.* Xinhada de meu sogro.
Principiara' as 8
Teixeira.
E. Cmara.
Leopoldina
Manbonsa
horas'
nvo salao.;
Sabbido 20 do crreme as 8 horas da
Doite.
SARAO MUSICAL,
C).n o concurso dos Sr-. Snnltz, Mumz Birreto
Rr,)iida, Cola-, Martin- e Canudo, dado com o
lim principal de fazer conhacer e coadjuvar a
elico dos unimos cantos do iraraortai poeta
Goacilves Das, postosem msica por
i)K VHMlT.
PRIMEIRA PARTE.
1." A concha e a virgem, rooance composto e
ex-cu: iiio oor A'nat.
2. Pnaotaata de H-rnani, exacutada no clarine-
to paio Sr. MartinsVerdi.
3.* U ua visao Reverte) ambas compostas e
4." Pjr um Ail meloda) execuladas por Araat.
5." Vtriagoes para flauta execuladas pelo Sr,
Candido sobre motivos da operaVerdi.
6." v -:i !..:!.!i i e dificiliraa aria variada de Be-
no', n\ -ctala ai rabaca palo Sr. Muoiz Barreto
Beriot.
7. O jfimado duelo d) Bvbtiro de Scvilha
Al idea di igual metal lo, cantado pelos Srs. Ramond
e Amat Ronini.
SEGUNDA PARTE.
8. A canQao do Exilio, co.uposta e execatad
por Amat.
9. Phantasia sobre os mais lindos motivos la
TravMii executada na flauta pelo Sr. Colas
Verdi.
10. Meu anjoecata) ami)5 ronances compos-
11." Satis olhos. .) Ijs e executados por
Amat
l. Diversos mMivos sobre varias operas le
Vardi ex acatados ua Qauta pelo Sr. Colas -Verdi.
13. Graole phantasia sobre motivos da opela
Y Lombardi executada na rabeca pelo Sr. Huntz
Brrelo- Verdi.
li. lianordacoes de Haspanba, caagSes bespa-
nh-jias por Amat.
N. B. As cartas de convite srveos, de bilbete de
entrada.
Pregos.
Urna familia .. 10*000
Urna s pessoa. 5#000
sabira' com toda & brevidade o brigue portoguez
Constante II pof ler otompto qnasi todo o seu car-
regamento : para o restante e passageiros, para os
quaes tem excellentes commodos, tratase com Ha-
noel Ignacio da Oliveira Filho, escrlptorio no lar-
go tfo Corpo Santo a. 19, ou com o apiWo na
praca.______^_________________
Para o Rio de Janeiro.
O velolro e bem conhecido brigue Adelaide,
pretende sahir cono muita brevidade por ter a
maior parta do carregamento engajado, e para o
pooco que Ihe falta e escravos a frele, trata se com
eansigaalatio Joaqaim Jos Gmcalves Bultrlo na
ra do Vigario n. 17 primeiro andar.
COMPNHIA PERSAMBUCANA
DE
o costeira por vapor.
Macei escalas e Peaedo.
Ssgae ao da 30 do correte
para os porto > do sul, um dos
vapores da companbia. Recebe
carga nos das 28 e 29. Encora-
_____ mendas, passageiros e dinbeiro a
frele at as 2 horas da tarde do da v da sabida :
escriptorlo no Forte do Matos n. 1.
Para Lisbo
i
vai sahir no dia 27 do crrante, por ter a maior
parte da carga prompta o veleiro patacho Mana da
Glorta, capitao Antonio de Barros Valente ; para
carga e passageiros trata-se com E. R. Rabello, raa
do Trapiche n. li, 2 andar, ou com o capio.
"i 11 ^^^
Ilha de S Miqud.
Segne com maita brevidade o patacho portuguez
GEORGENCE, para passageiros, trata-se com Joo
do Regu Lina a ra do Apollo n. 4.
Para Lisboa
seguir com brevidade a barca portugueza Nova
Mariunna, de prlmeira clas construida : tem-prompla a maior parte do sea
carregaraeot); para o restante e passaceiros,
para os quaes tem eKalleates commodos, trata-se
com Manoel Ignacio de Oliveira & Filho, no largo
do Corpo Santo n. 19, escriptorio, ou com o capi-
o na praca.
Na raa das Cruzes n. 42 vende se doce de
goiaba tino a 1*700 a lata de 4 libras, gaz do rae-
loor a 10* a lata e a 440 a garrafa, e lodos os
mais gneros da melhor qualidade pdr presos
commodos.
LIVROS OE SORTES
PARA AS NOtTS DE
S. JOAO E S. PEDRO
4 venda, na Livraria Francas
IV. 9 Raa 4o crespe N. 9.
' i i i
A roda da destino, novo e
ciplelo livro de sortes, acmpa-
nhado de um mechanismo espe-
cial. um volume e o mechanismo 2,->(XXl
Cartas fatdicas, respostas in-
falliris todos os problemas da
vida humana, um estojo contendo
fc 100 cartes......, 4^000
rfogo da eonversaeio, con-
tendo 100 perguntas e 100 res-
pailas : dors eslojos cSfrtrjnados. 2^000
Llvro do ffestto, 1 volume de
154pagias, acpanhdo de 32
cafces Sara honns e senhoras. 1^000
Cartas da Pythonlssa Parl-
slejase, 1 c^iiinha com um fo-
Iheto e 36 cartas......ifJOOO
Orculo das moeasy 1 volu-
me brochado ......1,5280
O Fado, novissimo livro, ou jogo
da sones engrandas. 1 volume
brochado ....... 1^280
Pacotilha potica, a raais
^completa Cblleccao A-sorles, I vo-
lume brochado. 1#280
Revelaees do elgano. 1 vo-
lume adornado de grande numero
de vitthetas burlescas ....
I
iso a-signado t
OSA DA FORTDNi.
m
.i.(Lf.'*>'a35^<'a*B t"-evlna avH'rtliBa pe-l, m>y a^Uli1n&
memoria, vai ao Rio de Janeiro, onde pMeo lempo L|bauoassignadov*Bdeu nos sens omito fe*
se dem>rar, deixande wsu cidade por aeusbas-'?7^?1,,es garantidos da lotera que se acaboo
tantes procuradores o Dr. Praocisco Lunas de Sou-1' *hir- a beneBc,o da* lamillas dos vo.unta
M Rangal e lente JdIeaetano d* Abroo.
O. doScwza Franca.
na raa do
I T pfcis-*e de urna aa de leit
' Padre Floriaao .
Jos Antonio Jordaa,' Pafcbo GoMberoW
Josep Guilhermino o DooHogo Barbo, sabditos na
politanos, retlram-se para Europa. _
Precisa-se de urna escrava para veadeveftc
tas, pagando se 20* mensaes
ja-se a raa do Sebo a. 38, que
cisa.
qaem a tMer OTri
se dir (athtfre
_ Precisare
Chora-menino.
Precisa-sValaa
paz solleiro : HiftfUar
de amassadores : na i
ar um cozlnhe
_ Mt ra YQaeiqllMlon.il,
Io andar, das 9 boras as 5 da tarde.
- Al
raa do A
terceiro andar do-sobrado a. 37 a
frtaf no fmazem _do resmo.
-- Manoel Js Martins, morador no Monteiro,
declara qtteseuao emende com elle o annnncio
inserido neste Diario pelo Sr. Prederico Chaves, e
para evitar engaes assignar-se-n d'ora,abante
Manoel Jos Martins das Nevos. Recite 2i de maio
de 1866.
rio da patria, os seguimos premios.
N. 1384 tres quintos- com a sorte de 6:000i.
fl blftiete ioteiro coma sorte de 1:2003.
ft. 1391 #oos <|ulntos coov a sorte de 20#.
E oifMtt mnitas sortes de 100J, 40^, e 20*
0S>o8snid tivos prtottos seta o> doscootos das leisnacasa
da Fortuna rita Serwpo n. 23.
Acham-se a venda os da 15" parte da lotera
(oi') beneficio das familas dos voluntarios tt
I patria, que se extnhlra' sabbado 26 do correnfc
PREGO.
Whetes.....64000
Jaios. ...... 3*000
uintos.....1*200
iro para um ra- Para as pessoas qne eemprarem de 100000
ptra cima.
Bilhetes.
fe:
& Sacramento da freguezia
de Santo Antonio.
De ordem da mesa regedora da irmandade do
S. Sacramento, comido a todos os nossos irmaos a
comparecerem domiDgo 27 do emente as 10 Horas
da mantona em ocodsmoto da irmandade, afim de
elegerem a nova mesa que te de funecionr no
anno de 1866 a 1867.
Consistorio da irmaodade, 22 d* malo de 1866.
Angelo H*i>Tques da Silva,
M EserrrSo iuerino.
- Te
tvreza do Franca,
para Portugal, le vai do em
l'ortugueza, retira-se
sui companbia urna
do
neta menor de 10 anuo.<.
fTERDADEIRQ U BOT
de SIGIVORET, Doctehr-SRdecln
Ru de Seine, 51, "PARS.
f
53300
2730
13100
Manobl Martins Fiuza.

J^OOO
-- Ignacio de-Barros Waaderley.'cidadao brasi-
leiro, vai a Europa.
Perdeu-se no dia 21 do correal*" ora relogio
de prata mel patente snisso, com um traneelim
de onro de le com 5 oitavas e mela, com urna ca-
foleta do mesmo e agalha de matear: qaem
achou o queira eutrega-lo na caKa d'agna da ma
dos Pires da Boa-Vista, que ser recompensado.
Precisa se alagar urna e.-crava que tenha
boa conducta e sem vicio, que seja boa engom-
madeira: na rna das Cruzes n. 36, primeiro an-
dar, pagase bom ordenado.
Para o Para
pretende seguir uestes oito diaj o patacho portu-
guez S. Jorge de Aveiro, o qual lera prompte parle
de seu carregamento : para o resto que Iha falta,
trala-se com os seus consignatarios Antonio Luiz
de Oliveira Azevedo 4 C, no seu escriptorio ra
da Cruz o. 1.
Para o Blo de Janeiro
sahe araanhaa o
mtn, o quil tem
guns passageiros
numero 8
vapor americano General Sher-
excellentes commodos para al-
: a tratar na ra do Trapiche
Na botica e drogara
DE
Bartothomeo C
31Roa do Rozario Larga31
VENDE-SE
Preparados da America
Do Dr. Radways:
Pilulas reguladoras.
Prompto alivio.
Rezolutivo renovador.
Do Dr. Ayeir:
Salsa parrilha.
Pilulas catharticas.
Xarope peitoral de cereja.
De Lamraam & Kemp.
Verdadeira salsa parrilha do Bristol.
Pilulas assucaradas.
Pastilhas vermfugas.
Ole puro de ligado de bacalho.
Xarope pectoral de anacahuita.
Agu florida.
Cesar Antonio
ropa.
Ravasini retira-sav para Eu-
PARA A BAHA.
No dia 10 do correte devia sahir da Babia pa-
ra esta provincia o patacho Santo Antonio, que
chegando nao deve ter demora e seguir' com bre-
vidade por ter parte da carga prompta, para o
resto da arga trata-se 6 im o consipnatarto Jos
Mana Palmelra, pra- do Commercio n 4.
Para a Baha.
Pretendo seguir com muita brevidade 8 velara
sumaca nadonal Hortenca, a qul tea parle de
sea carregamento protnpto, para o resto que Ihe
falta trata-se com os s-us consignatarios Antonio
Luiz de Oliveira Azevedo & C, emseu escriptorio,
ra da Cruz n. 1.
AVISOS MARTIMOS
CePllHIA BR\SILE1B\
DE
PAQUETES A VAPOR.
Dos portos do sul esperado
at o da 30 do correnle um dos
vapores da companbia, o qual, de-
pois da demora do coetume, segui-
r para os portos do norte. Des-
de j recebem-se passageiros, e engaja-se a carga
que o vapjr poder conducir, a qual deveri set* em-
barcada no dia da sua chegada; encoraraendase di-
nheiro a frele atb o da da sua sabida as 2 horas;
as passagens s aero recebidas na agencia rna
da Cruz o. 1, escriptorio de Antonio Luiz de Oli-
eir AcevedO & C.
Para o Porto.
Pretende seguir em pouco3 dias o patacho por-
tuguez NOVO LIMA, por ter ja prompto todo o sea
carregamento : para passageiros os quaes oferece
encllenles commodos, trata-se com o oapitao a
bordo ou cora os consignatarios a' rn da Madre
4 Dos a. 3, esorlptorio.
LE1L0ES.
IEILA 'T
De mobilias de Jacaranda, ditas de amarello,
guarda roupa, cadairas avulsas, santuarios, sofs,
maequaaat, ooaaolaa, iawtirtos,- oaaaaoj catees,
relegios de parede, ditos de mesa, toaeadwes,
candieiros a gaz, lantaroas, grande qnantidde de
objectos de ouro e bri Ihante e outros mnitos arti-
gos.
r
Jacob Feidlnba e Francisco atonio Feidinha,
subditos napolitanos, retiram'se para Europa.
LOTMRIA
ios 0:000^000
Corre salbado 2 de jualit.
Acham-se venda na respectiva theson-
raria, ra do Crespo n. lo, os bilhe-
tes, tatm e quiritos da i* parte da lo-
tera a beneficio das familias dos volun-
tarios da patria (65), senda a extracao no
lugar e hora do costume.
Os premios de 6:OOe$000 at IO?5OO0
sero pagos utnhoTa depois da extracelo
at as 3 horas da-fare-, e os outros depois
da drstribTric?Po das lisias.
As* ehcommendas sera guardadas so-
merte at a noite da s^espera da extraegao.
0 thesonreiro,
AntonioJosRodrigaes deSouza.
AtlCDCi.
No escriptorio n. 4,*a ra do. Crespo, i
ha urna caru para o Sr. Adolpho Targi- 5
no Accioli.
mmmM>mmmmw
De ordem da mesa regedora, convido todos
os nossos irmaos a' comparecerem en) nissa igre-
ja pelas 7 horas da manhaa do dia 28 do corrente,
afim de assistirmos ao ofOcio anniversario de que \
trata o 3 do artigo 34 do nosso compromlsso.
.Consistorio da irmandade do Divino Espirito '
Santo do Collegio, 25 de maio de 1866.
0'"escriv3o
Ffanotsco Belarmino dos Santos Freitas.
-t------->------.i m .
De ordem da mesa regedora, convido aos
nossos irmaos, para no domingo 27 do corrente,
cotnpareceTem em ftossa IgVeja pelas 9 horas da
manha, afim de assistirmos festividade do Sinhor
Santo Christo dos Milagres.
Consistorio da irmandade do Divtno Espirito
Santo do Collegio, 25 de maio de 1866.
O escrivo
_______Francisco Belarmino dos Santo: Freitas.
SOCKOADE
Bella Harmona.
De ordem do Htm-. Sr. director convido aos Srs.
socios para que comparecam no domingo (27) as
10 1|2 horas do dia, aflm de tratar-se de negocios
que interessam a sociedde.
Socledade Bella Harmona 25 de maio de 1866.
Belmiro Goms de Alose di.
__________________1 secretario,_______
FeitorJ
Precisa-se de um feitor para um sitio! oerto da
praca, que seja capaz e trabalhador, dase casa
propria para morar : a trar na ra Nova n. 17.
toja.
Fabrica de pao e bolacha a vapor a
primeira na cidade do ReciCc-
la viova Hachado & Filho.
Rna i>iiclta na. 82 e 84.
Os proprietarios devte aotigo estabeleclmento
querendo levar a mxima perfeicjio possivel o fa-
brico do pao at entao lio pouco cuidado, tem
feito montar urna machina especial (a nica nesta
cidade) para trabalhtr perfeitam^ate a massa do
pao. Para bem sj poler avaliar a differen?a des-
te processo para o'antigo, basta sab^r-se que esta
machina a vapor faz todo o trabalho com o maior
asseio possivel, o que nao se poda obter com o
bragal feito geralmenle por escravos pouco cnida.
dosos de si.
Neste estabeleciraento ha pao todas as manhaas
a hora do costume e a tarde das horas em dianle.

Agradecimiento
Miguel Jos de AJmeida Pe-nambuco, seus filhos
e genro.:, cordealmenle penhorados pelo obsequio
que Ibes preniram os seus patentes e amigos de
ter aesistido no dia 17 do corrente a missa que se
celetorou pelo descanso eterno do tenente Joo Jos
de Alrteida Pernambuco, vera publicamente mani-
fesfer-lhes o seu agradecimiento por este acto de
caridade e benevolencia. <
Criada.
Precisa-se de urna criada para servijo
co, tratar de urna senhora e engommar
do Sebo n. 33
domestl-
na ra
tfugio
NO AftJfXZESl rJo^AETE
OLYMPIO
JLKII.AO
De diversos objectos de mobllla
de junco proprlos para Uto.
Oagente PestBa* rara" leilao por conla e risco
de qaem pertencer de diversos abjeflos avatlados
a borUo do ai vip ROSALA envina vfegm de Li-
verpool para e#e porto como sejain :
2 ddeiras de balando, 2 ditas de abrir e feehar,
2 ditas pequeas, 18 ditas, 4 ditas de braco, 21>an-
quinbas altas, 9 ditas baitts tutto ue Janeo pro-
prios para sitio, cojos dbjectos serao veffffdos
sabbado 26 do corrente pelas 11 horas da manbaa
no armazm de friaha dos Srs. Tasso Irmao no
caes d'Apollo.
LLEIXiO
Terca-feira 29 de makJMI,
ru da Cadeifin.o5^ieiro andar
Se ven
roa do A
ser embarcada" nodia de sua chegadaTencommen-,' minar afim de aproveitar a oppoanidade d* (a-
das e dioheiro a frete al o dia da-sahida as 2. bo- zer unia favoravel acquisigao.
ras, as passagims s serao retetidas na g*-i'
ia da Cruz n. 1, escriptorio de Antonio Laiz de
ESTRADA W, FERRO
DO
a Sao Brancisco.
Acha-se estabelecido o trafego tanto de
paseigeiros oto de carga das Cinco Pon-
laral Una ,
Recife 23 de maio de 1866.
G. O Mano.
. ., Superintendente.
no dia 1"3 do correte o preto Antonio, de idade
de 20 a 21 anoos, sem oatfba, nariz chalo, bocea
grand.1, ps cambado?, I^Vou caiga de 'asemira
amarella, e presniue-se andar pelw arretaldes da
Capungaou Ponte de Och6a, porj ter sido encon-
trado por estes lados; qnem o apprehender queira
lvalo ao largo do Hospicio, casa do commenda-
dor Elias Baptista : que ser recompnsalo.
Irmandidn 4o Santimmo Sa
cramMtodo Jecife
Daodnm do nosso irfttio jnTz convido a todos
es nossos irtnSos a rbuuirem-se em mesa geral do-
niiogo 27 db corrente>pelas 10 horas da manhaa,
afim de se proceder a eleicao da nova mesa reee-
dora.
Recile, 26 de maio de 1866.
Joo rft Currlia Mugafhaes Jnior,
Esffivao.
_ Precla se oe um merilno de 14 a' 16 annos,
dos plumos-ebegados do Parto, paraaxeiit> no pa-
teo do Terco, n. 12.
rite
'uu*a
COHPAXHIA BR11LE1R4
PAQUETES i VAPOR
Dos porto? do norte esperado
at o dia 4 de jnnttt'O vapor San-
ta Cruz, comaaodaata Araojo, o
qual depois da demora do costu-
- me seguir para os portos do sul,
Desde ja recebem-se passageiros e engaja-ie a
carga qw o vapor poder nduzir, a qaal nevera'
NI tuWHospicio, segunla casa terrea con-
fronte ao gym'naslo, precisa-se le um criado.
Urna pessoa com pratica he toro se oferece i
para fazer qualquer arrecadagl amigavel ou judi- i
cial, grame sta eoMuta, e pfemetie todo o cui-!
dadft.eJ^ivldadja.j ojuom gan annuncie._____
Precisarse de 3.-O00*-a julos sob hypotheca
en.t>gs. de raii; a tratajrjia ra Imperial n. 272.
Oflereoe-se rna* wnpars casa de borneo I
solteiro ou qne tenha pouca familia : quem as qui-
zef Sinja-se ra Augbsta n. 91.
Antonio Jbs des Res, faz soiente-ao publico,
ou a quem ioteressar posea, que dissolveu amiga-
velmente a sociedde, que tinba na prensa de al-
godao, qne grrtva sob a firma de Res & C, flean-
do com a dita prensa Jdsd MaWnMo dos SsnM :
outro sim jolga oada-dOTr da diattrara, pordm
se alguem se juigar credor pode apresent*r-se no
prao de 3 dias.Recife 25 deroaij de 18(56.
Precisarse de urna ama pa>a cozinhar e coin-
prar : na livrarta'd ra do Crespo n. 9.
PH0TOGR.4PIII4
artstica americana
ROA D0 IMPERADOR N. 38.
Artista americano ,_
Artista americano.
Artist americano.
Artista americano.
RetratosRetratosRetrates.
Em porcelanaNiepcotypie.
E ii lengosArchrotypie.
Em vidro Ambrotypie.
Em metSt=Daguerreotypie.
Em papelTalbotypie.
No grande saI5o da ra do Imperador n. 38
No grande sal5o da ra do Imperador n. 38
Neste estabelecimentb liram-se retratos
em todos os systemas, com asseio e promp-
tidao, desde as nove horas da manha
at as cinco da tarde; assiifi como tem
sempre a venda grande sortimento de cai-
xas finas de diversas formas. Qnadros
ovaes Passepartouts e lodos os mais ob-
jectos e productos chmicos, relativos a ar-
te e roetbidos ltimamente dos melhores
fornecedores de PARS e Nova York.tendo
de tudo, para todos os gostos e para todos
os precos.
Sal5o da ra do Imperador n. "38.
_J3al5o da ra do imperador n. 38.
A flluminacifo a gaz.
Pede-se ae Sr. administrador da mesma que man
de fechar o deposito do m-smo, as 6 horas da
manhaa, porque causa prejoizo as padarias deixar
de traballiar por falta de luz.
_____________________Cm padelro._______
Programma da fe ta do Se-
nhor Santo Oliristo dos Mi-
logres, na igreja do Divino
Espirito-Smto, domingo
27 do corrente.
Sabbado, 26 do correnle, ao meio dia, achar-se-
ha abena a igreja, e sera) executada* diversas pe-
gas de msica pela banda militar do 3o batalbao da
guarda nacional.
No domingo,.27, as 5 horas da raanhSa, ter lu-
gar urna mlssa eanlaia, mandada dizer por um
devoto de NossaSenhjra do Senaculo. As 10 ho-
ras entrara' a' festa, coja missa appllcala por
intengo de todos aquelles que concorrerem com
suas esmolas; esta' encarregado da orchestra o
mestre de eapellas, Rvm. Primo Feliciano Ta-
vares.
A msica da mlssa lem por titulo Santa Isabel
composicao de um dos pnmelros autores de Por-
tugal, e executada pela primeira vez nesta capital.,
Os solos serSo executados pelos primeiros cantores
desta cidade, e a regencia da orchestra pelo insigne
maestro Innocencio Saioltz. E' orador no Evan-
gelbo o Rvm. Sr. Dr. Araojo.
Pinda a festa lera' lugar a ascencao de um lindo
balo.
As 6 horas da tarde, feita a expsito, subir a
tribuna sagrada o Rvm. Sr. Antonio Manoel d'As-
sumpgao, depois do que o Rvm. parocbo entoara' o
hymno Peni Crealor Spirtus, terminando o acto
com a bencao do S. sacramento.
Sao convidados os Rvm?. sacerdotes que qnlze-
rem celebrar no altar do Senbor Santo Christo, no
domingo 27 do corrente, por intengo daqueltes
que tem concorrido com esmolas e donativos para
alfaias, a comparecerem na referida igreja.
Banifacio Graciano,* director dos Cavalhinhos
de Pao, participa ao respeitavel publico que mudou
o sea diverimedto da rtm da Florentina para a dos
Guararapes n. 20; e ter principio no dia 26.
Era eadi garrafa, tal, correa rolha t o papaVaz.a
"' leva o neu alnet, udi rotulo imprrwo em ara*
rrlIO cnttt O SttlO IbVRU DO tOYKNO PNCt z
A'. #. l!e*emlo-e ama Ultra de SO franruj
obre Paria, atrilavel a Ci das de i,t;., ao bwxIui
%aine do aliainenlo t do maior descont.
Deposito principal
lo legiltaia Le Roy
*m ta do bosso
traite afate pelo
Urzi! a Skh AT.I-
o Faaifk: de La-
cerda na Babia a
nos principie plitr-
maceutcos.
Le se nO lUoniieur de la Pharmacie.
AelectricMade i hoje ampregada por todos oa
mdicos afamados, para o tratamento de rauitaa
molestias, aaesraopara aa qae resisten as outraa
HiPdica^es.
A clictriilade prodmida pela fricr^aotemum
suprricr.ilade ntoirtesiavel, ea vaangem de na
dar abalo, e de poder ser graduada alo doente.
A causa a mais frequente das molestias a
p-t:i mr-i.'i do sangoe on dos ouiros lquidos ti*
tur-, Realablecendo te a circatata ao orga-
ni-ino, curarao-se as molestia*.
Quando se sent alguna d6r en quelqner
parte do corpo logo, e instiuc ti vamenle, se erfrega
>a lu^ar endolorido com a mao, e istoallrria. lato
nplica o resaltado incontestavd que dte prs-
duzir um appacclho elctrico. Por isso temoa
> prazerem annunciarao Publico (foeoSnr Buissoa
de Biviliiers .residente, boulevart da Prince-
Eugne, 18, em Pariz, dotou a medicina de ana
jpp-ireino Electro Magntico, sob a forma de
urna escota, com o qual os doentes se podera
aanrar sem nebuma oiura medicacao. Os medicoo
que a tem experimentado, attestara qae
KsaoT* iECTHo MioHinc t ?icaz para
i curar: es &beumatismos,a Varaltfia, Gotts,
Traqueza dos mcmbroi, e da Columna ver-
tebral, debilidade geral, KTevralgias, ata
i Estamos certos que breve cada familia possuira
esta escota qae prestara grandes sertkos.
t A pedido de muitas pessoas, o auter decidila
a establecer un deposito de seos apparelhes no
Rio de Janeiro, em cata de Sn Didieb Roirrt,
manota do Ouvidor, SI. a
SED.ini.l DE Ol'RO, PREMIO DE 16,600 F.
auiNA
lili
arros, todo'maMt-
do, com casa para familia, qaartos para escravos,
nanvMB ps de frnttMm,- eirelmiba, baoheiro, etfil
a tratar na Sol edad e, taberna grande e. 46.
IVecisa-se alugar urna escrava que eozrdbe e
engomme para casa de muito pouea fam lia : na
ra da Concordia n. 61, paga-se bem. ,-,
* ^a *,______i:________ ... -^ .>j
Agua mineral niwfal
PASTILHAS
De saes iitmes de Vichy
Deposito pbarmacia do Pinto, ra do Rosario
Urgan. 10 ", .
Precisa-se de urna ama para consinhar, no
pateo, da Penha n. 14. '"*>________
Precisa-se de uma ama parijODzujbar e en-
gommar, para casa de pouca familfa : a tratar na
ra do Sebo n. 24.
-ii
F rto
Oliveira Azeveoo 4 C.
Para o Porto
Lisboa
por
Na noite de 29 de abril ftoxinra passaflfSfrta- ,
rabo Doos Brajsrie cima, prBffeda-
o asigisaiM.'uWilMIIrfWr's slgnaes'
BlaaSo,- castra*, ante a cfma e cauda
I _?/** e da m!sn".PaTif tWrtt branca d tesia
laVTeffli cTUIajO Wr trpaTIOf.' fi Miirdo e a
matrdireitlraneMtd'tTl^rei, taovo e gbf-
pratica
Trasp4ss-*e 'ren'o*a pf 'doos asnos do en^
geobo Sant'Anna, na freguezia de Serinhem, e
vende-se abafra d mile untos "paelassim como
6 nurtds' 10 bms'-i um'car-d i a? rjessots queJ
pTottntleryradlrliam se a rak Dlrtlla n. 3.
? | i Vea iriiJ-ir
ELHIR Febrfugo e Fortificante
icrwti ios mgoi i nuris K geni.
Experimentada com pleno successo nos
hospitaes, a quii Larocbe (oo extracto
completo d quina) urna preparaeao
ezcepeioal, por ser privada do amargo
daqaina. Agrada por consrjMinte as pessoas
as mais intolerantes e aos paladares os mais
dellcad s,pois neme multo doce ncm muito
viscosa, sendo de uma limpidez constante.
Emprega se oro muito proveito nos casos
de gastralgia, djripepcia, nerralgia, ane-
mnmt marasmo, eacfaexioi, magreza,
tastioMm causa ajiparente, conva lescen-
fa> dcmoiadaf, chloros- e escrophulaj
E o especifico das molestias febris.
OWM IAR0CHE FERRUGinosa
leniKt (das ti tnsristi4 fem t di tiiu.
EM PAFIZ, ^sT^S^
15, ru Dnmoi. rz^^S&U>&&{
P. MARER & G.
________rnaNova n. 18.
Ama de 1-eite.
Precisa-se de uma ama de leite, para amamen-
tar una memoa mnito mancinna, padja-se bem,
rna !fva U Santa Rila n. 58 primeiro andar.
Aiuia-se a casa terrea n. 7~da" ra do caes
de Detenco junto ao sobrado ao norte do gazome-
tro, por 12$ mensaes, tem 2 qaartos, 2 salas, co-
slnha, quintal rom cacimba e esta' pintada.
Trocatn-se notas do-banou do Brasil e Oas
caixas flliaes com descont razoavel : na praca da
ndependencia n. 22.
Engenho para ar-
rendar
Arrenda se o engenho Quiaombo, em Santo A-
maro de Jaboatao, o qual lem militas e exr-HIenti's
trras, e ptimas maltas : a tratar na roa do Seve
(ilha dos Ratos), sobrado confronte ao chafariz.
Precisarse de urna ama para comprar e co-
zinhar para dtta pequea familia de tre> pessoas
sem meninos : na ra do Brum n. o'i.
7
Sortimento de papis pinlados e
lindas gaamices para forrar casas.
N i LIVRARIA FRANCEZA.
N. 9. furrio Crespo N. 9.
ate ma ama
recisa-se daum caixeiro part taberna que
teuba pratica evsejt de 13 a 15 annos ae idade :
na rna da Ponte-velba n. 39.
*- ^orrarho Nogeira na ra do pol-
1 4o n: 80, sneam para o Porto e Lisboa, a
vista o i-pfto.
do, bem feito do ee
baixo at meip, ti
tem signtl em ball
AVISOS DIVERSOS

ebeni cotrtiecHa uarea rjortti-aeza
A vHeira
Tentador,
tem porte
resto qae IrVe-
riw Antonio-
eseriptorlo ni raa da Cruz n. i.
**> wftprt-se ti sobfadb ew boto es-
tado, de nm tres andares, as ras se-
guirte: Cadaia, Gro., Trapiche, Impera-
dor, Crespo, Cabug,.Nova, Qaeimado, Cru-
ftor-
cotaas
[pvaftjat-
Independencia,
m caHaW*qae tenha
taberna : no pateo da ribeira n. 23.
Ta( Jjjjnjj. Jos Gomes, subdito de S. M. ^SSft^
3"lfeof*fee-ne m calfeiro de 14 a 16 anoos.
!
fiseMo, bom andador-*
rtr/ um tanto spero,
nV pi*eu espantado.
TiWib b 'irbxir nefle
lacerta;
oesda Silva Cmara.
com prata de taberna
mere 8. __ .,
- tofiitM t mabnia7!
da alia da cat. d* Mlxo
otijerios: tni r-
prtb; om chapH
peo.de manilha, e
nA ama de amatll,
derrmfrCi* desse foff, oa
om dsses objeetos-frtads,,
abafxo assi%*do T)rmette
dama f^Qoiarniz nu
~ ty*t(D livr e.QI^r vender uma escrava n>; can^i: ra
- frfAMe, Mbdeft WtMaM,
_ -se os en
genhos Geibetra, Boa^orte e Glnlpai*, toddkde
r.cem jpia ; o i* jjMq a poyoafa de sknto
se exige- dioheiro to palsir A' sttrl^iiWra, batan-
de tetras garawldas. prata canveticjonados: a
fallar na roa da Imperatr:^J^itrajHf.i..
Predsa e d ttt rjfo ,q* tenba bonita le-
tra e desojo de applicar-se i'
melaiSd, nj vftioi,' a qt silba
^_ I diario de uma casa.oogommar e lavar, dirjase a
nte, ^* o Sebo o- 7, que se dir quem precisa,,
oN I ^.{..niiiiiini
m. Renedio irJaHivl as gnorrheas imtigas
y0 recen, tes, orneo deposito m'phaiMAcia
'fraoceza roa da Crat m n e oprst de-
33000.
cozinhar o [fcorj rfem tratar.

Precisa-se de m
mes para o seri
ifilia;: if.trtaf nrwrytartti: w. i
la pra^a da r8^^r*ea% 33, Jotf _..
onrives, cbmpra-se ouro, prata, e podras preciosas,
tambem se faz qualquer obra de eucommeodfc, e
todo e analaner concert.
ij, de bqps cofctn-
-a*M.'eas* de'lfa-
.0 CPSULAS
VEGTAES AO MATICO
WMAULT & C. PHABMACECTICOS BE PARS
Novo tratamento preparado com as folbas
1tW matfcfj, miste a'Petit, para a c''a rpi-
das itrferiivet da'.^traofriiea a*ft"fflceo l-
gum da contraccap dp ca_na,l ou. Ja injQamma-
cabs intestinos. O clebre donter Ricord.
de Paris, tiMtir!urWeWrj?flesde sua appari-
, gao, ao emperno di ajaalqrjenoutro trata-
r*-iart(x Batprega-se a injecp3o no cometo de
fluxo; as'caiSIletS' eUffWWfJS os casos cbroni-
cos e jpveteradol Que reaistiram as prepara-
im base-
M
T



* M


".

1866.
x
AGUA FLORIDA
^O^I^JlAh
MURfUY & LANMAN
A agua florida de Marray 4 Lanmanl
ornada como um artigo de perfume, nao
tem podide ser igualada peas preparaces
as mais custosas: conserva seo arama, co-
mo se formasse parte da prenda-a 6eapplica.
Sua efficaoia fio. delicada, como legan-
tes s3o seus, multiplicados osos, qur seja
empregada como jftrtigo de toucador, qur
no nso do banho, ou como suaviaador da
pella, depois que se tenha feito a barba;
{ para limpar as^gaagivas oo aroaatisar o
lalita.
D soavidade, brilfao e elasticidade as
compleicoes, depois de se baver lavado; al-
livia a vrritacSo de mpc3es ordinarias ; faz
desapparecer o desagtadavel aspecto dos
pannos, das sardas, do rosto, rugas e toda*
casta de ebulicoes, e.d vigor e frescura a
parle onde quer que se applique. Sua effi-
ciencia elegancia sio igualmente infalli-
veis noseasos em que seja preciso applica-
la como estimulante e antisptico, nos con-
cursos e assemblas numerosas, as loca-
lidades infeccionadas, na alcova de um en-
fermo, assim como um antidoto excellen-
te para os desmaios causados por cansaco
ou suffocacao. Preparada nicamente por
Lanman & Kemp, Nova York, .e.a venda por
Caors 4 Barbosa.
i5o da C. Bravo & C.
Deposito geral em Pernamouco ra d
Cruz n.22 em casa de Caros__________
Samuel Power JoJinslon i Companhia
Ra da Senzala Nova n. 4.
&OSMCJA DA
Fundidlo deLow Moer.
Machinas a vapor de 4 e 6 cavallos.
Moendas e meias moeadas para engenho.
Taixas de ferro coado batido para eege-
nbo.
FABRICA A VAPOR
99 RA DO MONDEGO 99
Deposito na ra Xova & loja e relojoeltw.
Delouche donos deste esubelecimento partecipa ao respeiUvel publico que sua ra-
brica est montada com as melhores machinas que existem na Europa, fabricarcom melhor perfeicao possivel. Todo o chocolate desta fabrica est garantido, e
puro, o que nao se pode encontrar naquelle que vem de fra, e que se vende por preco
baixo, visto os producios serem do paiz. Na etiqueta tem sempre urna a guia.
A NACIONAL
Companhia. geral hespanhola de seguros mutuos
sobre a vida
. AUTORISABA PELO REAL DECRETO DE 21 DE DEZEMBRO DE 1859
laa flanea em dinheiro, depositad* es cafres 4o estao, garante a boa ad-
inistrace da compaabia.
BAiQUEIRGS DA COMPANHIA DIREGCO GERAL
O Banco de Hespanha Madrid: Ra do Prado n. I
Esta companhia Jiga pelo systema mutuo todas as combnales de supervivencia dos seg
os sobre a vida. ______
Nella pode se tater a subscripco de maneira que em nddbunj caso mesmo por morte oo
segurado te perca, o eapjtai nem os juros correspondentes a estes.
Sao to supretaemientes os resultados que proiciea as sociedades da indole deA AUO-
NAL,que ainda mesma Jiminuindo urna terca parte do interesse produrido em recentes uqnida-
coes ecombinando- com a mortalidade da tabella de Depareieax que adoptada pela companhia
para seus clculos e liquidacoes, em segurados de idade de 3 ai9 anuos, unja imposicao annua.
dedOOf produz em elTeclivo metlico:
No-anide 5 anuos. ....*.. 1:1104300
. de 10...... 3:942*600
. de 15........11:08,I200
de 20........30:256*000
. oe 25........80:3314000
as idades menores de 3 anuos e maiores de 30, os productos sao mais considerareis.
dtospectis e maisioformacdes serao prestadas pelo sub-director nesta provincia.
Joaqoim Fiuza de OJiveira.riwa daCadeia n. 2, ou a Boa-Visa ra da Iraperatrir a. 12, estabelecl-
mento dos Srs. RJymundo, Carlos,Leite & Irmo.
Arreios de carro para um e dous cavallos.
Relogios de o uro patente ioglez.
Arados americanos.
Machinas para descarocar algodo.
Motores para ditos.
Machinas de costura.
mmmmmmmmwmm mmm
DEPOSITO DE CALCADO
FABRICADO NA CASA DE DETENGO
Ra Nova n. GI.
Ah se encontraro obras Je di-
versas qualidades, e por preco mui
diminutos, a retalho e em porces.
S se vende a dinheiro.
mmwmmmm
S. Antonio.
A apreciada e mui procurada tresena do glorio-
so S. Antonio, aeha-se venda na ra do lperador
u. 15 defrnte de s. Francisco.
S
m
PRECO.
Meia libra......... 400
Urna libra......... 600
Urna roba........19i*000
Na mesma fab iea acaba de se montar urna officioa com serrara a vapor para
obras de maicineiria propria para edificio, para o que eocarreg i-se de fazer portas, ja-
dellas, assoalhos (parqu francez como se usa na Europa,) e armacoes, tudo com brevi-
nade e, perfeicao. Toma-se qualquer encommenda para fra da cidade, entregando-se
prompta a collar-se no lugar.
Casa ieeoaaisso de escravos na roa do Impe-
rador n. ', toreara andar.
Recebem-se escravos tanto do mato como da
praga para serem veodidos por comroisso, afflan-
ase nb?m traUmeDt0 egaraoca para os mes-
mos. O abaixo assigoado nao poupa eaforcos aflm
de os vender com promplido, nesta mesma casa
ba sempre para vender escravos de ambos os sexos..
j;_____________ Antonio Jos V. de Sonza.
Aluga-se qa Caponga porto do Lasserre urna
casa terrea com solio, tendo 8 quartos, copiar,
cosinba, quartos para criados, estribara e cocbei-
ra : a tratar na mesma Capunga casa da Si* viu-
va B. Lasserre ou na ra Imperial n. 20.
GARRAUX, DE LAJLHACAR & C
[LIBRARIE FRlNQAlSEi
RA DO CRESPO N. 9.
Livros nacionaes e estrangeiros.
Religio, dtreito, litteratura, etc.
Papelaria, objectos para escriptorio.I
Papis pintados para f< rrar casas. 1
Assignaturas para os jornaes-da Eu-S
(ropa.
COEIiMO A FREITA8
na da Cruz a. 16.
Continua a baver diariamente nm sortimento de pastis, podins, bolos inglezes,
empadas^tc, etc. Os donos deste estabelecimento, acbam-se as melhores eondices
de poder satisfazer encommendas concernentes sna arte, em con6equencia do socio
Freitas ter sido administrador chefe de algumas das principaes fabricas na corte, 6endo
urna a do Sr. Joo Goncalves GuimarSes (confeitaria do Leao) antiga casa de Carcelier.
Todos os trabalbos sao diflerentes dos que se fazem em casas particulares.
Os proprietarios deste estabelecimento nao se tem ponpado a despea, nem se
pooparao, se nouver concorrencia como esperam; tendo continuadamente bom sorti-
mento de doces para cha; presuntos e ditos em fiambre, tambem se recebem para se-
rem preparados ; assim como doce de caj novo superior, secco e crystalisado, dito em
calda em latas hermticamente fechadas, podendo durar annos em perfeito estado.
Para jantares e partidas recebem-se encommendas dos seguintes objectos; ban-
deijas ricamente enfeitadas sem armac5o pecas de amendoas (nogaces), ditas de tmaras
de ovos, p5es de l enfeitados com disticos anlogos a qualquer fim; ditos montados,
kechs simples e enfeitados com fructas ingleza; gatheaux de la reine, ditos de le d-
chese, tortas de fructa, massa folhada; ditas de peixe e carne; cremes e doces de ovos
de diferentes especies. ,
Tambem tem um completo sortimento de vinhos engarrafados, como sejam: vinno
do Porto superior, Figueira, Madeira, Lisboa, Cherez, Rordeaux, Champagne fino, ser-
veja, licores, charopes e conservas. Para festas: bonitas caixinhas com amendoas, con-
feitos e mais enfeites. Muitos destes objectos mencionados podem-se perfeitamente ac-
ondicionar tanto para a provincia, como para fra.
FIGURAS
Acabam de receber bonitas figuras para bandejas de doces, sendo grupos para
baptisado, casamento, annos, ditta a phantasia, bonitos enfeites para bollos e circular pra-
tos de doces finos, tudo por precus razoaveis.
Vende-se licores em duzia nraito em conta. _________ '
O Peitoral de Cereja,
DO DE. AYER,
Tara a cura radical e cer-
ta de todas as molestias do peito
e da garganta, tosscs, constlpa;oes,
Brondiite, asma, defluxos, roqul-
do, Coqueluche, angina, Diptlierin.
Este x;rope peitoral o resul-
tado de'longos annos de estudo
por um dos primeiros mdicos da
America do Norte, e de experi-
encias minuciosas nos princlpaes
hosLitaes do mundo; i receitado pelos mdicos mais dlstlnctos
leste seculo na sua clnica particular, portanto 6 digno de toda
conflanca, 1, por ser eficaz, nlcancando com urna certeza Infal-
Ivel o assento da molestia o arrancando lhe as ralzes, assim
lando os orgos aneciados urna acco natural c si: 2, por
ser innocente t appeaeal a qualquer pesada de qualquer idade
ou ceo, ao hornera robusto ou crianca da mais tenra idade,
cada frasco sendo accompanuado de dlrrecces minuciosas:
Z>, e ultimo, por nao ter um remedio secreto, pols qualquer med-
ico ou pliarmaceutico pode obter n formula da sua composico,
dirigindo-sc pessoalmente ou por carta ao agente geral, H. 31.
Laxe, a ra Dlreita No. 15. Rio de Janeiro.
Muito- casos que tinlio zumbado de todos os recursos
da sciencia tem sido curados radicalmente com o uso do
Peitoral de Cereja.
As pessoas atacadas de tosse, defluxos, Dr da garganta,
Bronchite, asma, etc., c outros gymptomas da tsica prima-
ria feralmente fazem pone caso do sen padecimento at
que seja tarde para cura-lo. No descuidis d' urna tosse
porque agora parece de pones importancia ; urna tosse
descuidada chega a ser chronica e induz a formacao de
Tuber.nlos nos pnlmes.
Nenhuma casa de familia deve estar sem um frasco
deste xarope mo; pois nos ataques repentinos de
Angina, de Croup, e nos paroxismos do Coqueluche; ou
iosse comprida a que csto sujeitas as enancas, nao ha
tempo de chamar um medico, nem de fiuer remedios, e
este xarope alivia, inmediatamente e pOe o filho querido
Efio e salvo, fra de perigo.
As molestias que esto ao alcance das virtudes curativas
do P'ITOIt.iL DE CERJEJA o
Defluxo, Toase*, Asma, Esquinencis, Bronchite,
Coqueluche, Tosse ferina, ou oonniUivs.
Koquidio, Todas as mulslstisa do peito,-
e Bareant. OaunnKio dos Pul-
moes ou Tiste pulmonar.
Acha-se em todas as Boticas e Drogaras do Iaperio,
Pilulas Catharticas do Dr. Ayer
CTTRO
Tritio de entre, Indiaeitio, CoHtiipm^io, Hheu-
tnatitm, Hemmorrhoidm, Dir e estaca, A Xevrml-
gia, mal o emtomaffo, Eiuraguecm, mea de Figtido,
OattriU, y*re gmttro-htpmtiem, Zimirlfm: Erytip-
ella, Myiropiia, Incrementa de Jmsj.
Toas* a* melMtla* qae proven do asa exeeuivo d
Qainino.
0 melhor purgante at hoje conhecido.
Estol pilulas assucaradat sao puramente vegitaes.
tmaio x puwncio sem mxbccxio.
A venda em teda* a* Botica* e Drogara* do Imperio.
B04 CASA
Aluga-se na ilba de Bem-fica, a margera do rio,
MRITIMOS
a razo de lb$ mensaes, e
trata-se na roa Nova n. 38.
ji
a primeira a. 2 A
na roa
H. M. ZiASn, Bus Diroito Ko. 16,
Bio de Jarjairo.
Veade-se em Pernambaco:
na
^PHARMACIE FRANCAISE
MAURER
% RA NOVA N
CONTRA FOGO.
A companhia Indemnisadora, estabeleci-
da nesta praca, toma segaros martimos so-
bre navios e seus carregamentos, e contra
fogo em edificios, mercaduras e mobilias:
na ra do Vigario n. 4, pavimento terreo.
Aloga-se urna casa e sitio na estrada do Ja-
cobina (Capunga), com terra?os e cantelros ao la-
do, banh'eiro, cocheira, estribarla, gallioheiro e
qnartos fra, bastante fresca ; a tratar na ra do
Pilar, primeiro sobrado a direita logo depois do
arsenal de marinba, 2 andar._________________
" Em casa de Tneod Christiansen, ra do Tra"
piche-novo n. 16, nico agente no norte do Brasil,
deBrandenburg frres, Bordeaax, encontrase ef-
eclivamenie deposito dos artigos seguintes:
St. Julien.
St. Pierre.
Larose.
Cbateau Lovllle.
Cbateau Marga ux.
Granel vin Chateau Lafitte 18S8.
Chateaa Lafitte.
Hant Santernes.
Chatean Santernes.
Cbateau Lataur Blancbe.
Cbateau Yquem.
Cognac em tres qualidades.
Aiette doce. Precos de Bordeanx.
Engomma-se
com asseio, promptidao e preces raioaveis
Augusta n.5, loja.
%m* mmmmm mmmm*
f| O Dr. Carolino Francisco de Lima San- jB
tos cootina a morar na ra do Impera- Mf
dor n. 17, segundo andar, tendo alias sea
M gabinete de consullas medicas, logo ao
entrar, no primeiro.
O mesmo doator, qne se tem dado ao
estudo tanto das operares como das mo-
lestias internas, presta-se a qualquer cha-
tado, auer par dentro qcer para (ora
_i cidade.
Cigarros de S. Paulo
De fumo de Belem do Descalvado fabri-
cados pelo celebre JUCA. .
Roa do Crespo n. 9.
Arrenda se um sitio no lugar daPiran-
ga, com trras de plantar epasto, e varias
arvores de troci; na ra do Imperador es-4
criptorio: n. 12._________________
COLLESIOS E AULAS
PEDRAS DE AR0S1A
. Fabrica de Faber.
Pautadas, envernisadas oo simples.
A Lirraria Fraoceza recebeu um peque-
o sortimento d'estas taboas de ardosia in-
contestaTelmente de qualidade superior, e
hoje geralmente adoptadas as aolas da
classica Allemanha.
_________Ra do Crespo n. 9._______
Antonio Luir de OUveJn retedo 4 C. teo
para vender no sea escrlptorio, roa da Crui n. 1,
vinbo do Porto em caixa de duiia, go hamburguei,
aola da Babia superior.______________
Precisa-so de M copeif para o sorv
-ama casa estrangeira : a tratar na ra do
cbo n. 3, prbaolro andar.,
O tiotureiro da camboa d Carmo, casa n.
18, fai ver ao* seos Tregoetes qne tem obra ja
Ungidas a bastante tempo que as mndeos receber
dentro de 30 das, do contrario serao vendidas pa-
ra pagamento de sea trabalbo.
Precisa-se alugar ama ama para casa de
pouca familia; na roa da Imperatrix n. 36.
mKmmmmmmmmmm
m Publlcacao jurdica
g DOS
Responsaveis nos crimes|
De liberdade de exprimir os pensa- .
9R metilos.
$ LirOes de direito criminal.
8| PELO DR.
Braz Florentino Henriqnes de
Sooia,
'Lente de direito civil na Faculdadel
\ de Direito do Recife.
| Acaba de sabir a' luz esta interessan-
te publicaQoe acbase a' venda na II-
. vraria Econmica a' ra do Crespo n.
1, pelo prego de k> cada exemplar.
$
XAROPE
PEITORAL E DULCIFICANTE
- DE
Preparado por GRIMAULT 4 C.a pharma-
ceuticos de S. A. I. oprincipe NapoleSo.
Cura rpida das molestias seguintes:
tosse, catarrhos, pleuresa, coqueluche, an-
ginas, fortes constipacoes, irrtac-oes dos bro-
neheos e do peito, bronchite, phtysica pulmo-
nar, astma.pneumonia, anginas, amygdalites,
tosse chronica, rouquidSo.
Os mdicos recommendam ao mesmo tem
po o uso das excellentes pastilhas peitoraes
co:n o suco da alface o laureiro-cerejo, que
se preparan* no mesmo estebelecimenlo.
venda as pharmacias de Maurer e A.
Caors, ____________
Precisa-ae da urna rama para casa de pouca
familia, que taca todo servlco, prefere-=e escrava :
na ra de S. Jos n. 2.
MRIk
Precisa-se de urna ama escrava que cosinbe e
engomme para casa de muito pequea familia :
na roa da Concordia n. 34, sobrado do armaiem
do sol, paga-se bem.
lonhnr
Deseja-se rauito tallar com os Srs.
tonio Pereira da Cmara Lima (senbor
de engeabo), Joto Baptisu do Reg, Fe-
liciano Rodrigue*da Silva (Mr. engepber)
a negocio de interesse dos mesmoa : na
loia da roa do Crespo n. 17.
*~gm BWWMMMWMf
"-^Na roa do Rangei a 9 precisase de urna
ama qae cozlohe e eagcjame.
Chocolate de Memer.
CHOCOLATE DE SAUDE.
CHOCOLATE DE RAUNILHA
CHOCOLATE DE CITRATO DE FERRO.
CHOCOLATE LACTATO DE FERRO.
Vende-se
Na botica e drogara
DE
BARTHOLOMEO & G.
URoa
e Botaric larH-34
aves precita fallar ^Bom
Frederlco Chaves precisa fallar com os Srs.
Fraaeisco-da Silva Hachado Lobo e Manoel Jasa
Martins, ignorando ana morada roga Ibes se dirl-
girem a roa da Imperatrix, sobrado u. 19, ou an-
Donciar suas moradas.
UNTURARIA
AO GRANDE S. MAURICIO
PKOCEIS^O APE1IFUI{OIBOS
PARA
Tingir, limpar e lustrar a vapor.
F. A. SALIN&R
29 fiua 7 de setembro 29
Defronte da roa nova do Oovidor (Rio de Janeiro)
Os proprietarios deste estabelecimento, o primeiro no sen genero no Brasil, por
trabalhar com as machinas mais aperfeicoadas para tingir e lustrar, de que se faz uso na
Europa, eajudados poralgunsdos melhores officiaes de Pars e LySo, podem assegu-
rar seas freguezes urna perfei.o no trabalho, a qual seno pode chegar pelos proces-
sos ordinarios.
Tingem, lavam, limpam e demofam com a mai r perfeico e brevidade qualquer
qualidade de fazendas, tirara nodoas e limpam secco sem moldar as sedas e as vestimen-
tas de senhoras e de homens.
LOJA DA FRAGATA AMAZONAS
N. 5 Hua do Qiifimado n, 5.
Monteiro & Guimaraes, proprietarios deste joven estabelecimento, participam a
todos os seus amigos e freguezes, que recebem de conta propria por todos os vapores
da Europa, reos adornos para casamentes, e o litros muitos artigos de grande moda, e
se consideran* felizes pelo bom desempenbo que tem tido todas as suas encommendas,
pois seus correspondentes de Hamburgo, Pars, e Londres, tem sabido acertar com o
bom gosto das encantadoras Pernambucanas.
A Fragata recebeu ricas saias de in a Mara Pa, com barras colloridas e de grande
novidade na Europa, assim como tamboretes atapetados para as senhoras deitarem os
ps, cortes de granadina bordados a agulha, ditos de prpeline, ditos de esmeraldine, ditos
de cbaly com listas de*seda, ricos cortinados borddos, bons bramantes de linho, boas
selicias, boas bretanbas, retondas de algodo, ditas delinco, ditas de sedi a'gerienes.
(bornus) africaices, pompadour, transparentes para janellas com lindas paisagens etc.
e outros muitos objectos, quesera enfadonho menciona-los.
EIVBOSO S W
DO DR. GHABLE
MEDICO E PROFESSOR DE PHARMACIA, DE PARS,
PLUS DE
COPAHU
VARA O TBATAMENTO E PRMPTO CIRATIVO
DAS ENFIRMIDADE6 SIXCAES, DN TODAS AS AFFECCOES CUTNEAS, VIRUS
C Irsto de ferro Chablc.
Xarope mui preferivel ao
Copahiba, e as Cube-
bas, cura inmediatamen-
te qualquier porgado ,
relaxaco e debilidade, e igualmente Duxos e
flores brancas das mulberes. lajeces de
ensille. Esta iBjecco benigna emprega-se mes-
mo tempo do xarope de cinato de ferro, urna vez
de manh, e urna vez de tarde durante tres das;
ella segura a cura.
DEPURATIF
d SANG
E ALTERACOES DO SANGCE.
Depuratit o de Mague.
Xarope vegetal sem mer-
curio, o nico conhecido
e approvado para curar
con promptidao e radi-
calmente impigens, postulas, herpes, sarna, co-
mixtes, acrimonia e alterares viciosas do san-
gae; virus, e qualquer anecio venrea. Bav
ahas minera**. Tomo-ie dous por semana, se-
guindo o tralamento depurativo. Panada -
tiherpetiea. De um effeito maravilhoso as af-
feces cutneas e comixoes.
Hemorrohiaas.Pomada que as cuaa em 3 dias.
,:,.:.
CASA DE BANHOS
26 Pateo do (armo 26.
Neste estabelecimento to impor-
tante para a saode e asseio do cor-
po, acham-se montados 20 banhei-
ros, que s5o servidos com a ordem
e asseio qne para desejar-se. Qua-
tro destes banheiros sio especial-
mente reservados para senhoras e
por isto acham-se collocados em lu-
gar reservado, aonde s tem entra-
da as pessoas de urna mesma fami-
lia.
PRESOS DE BANHOS AVULSOS. i
1 banlio fri, momo ou de
chovisoo...... 500
i dito de choque .... 1,5000
1 dito de farello...... 1^000
l dito aromatisado 1(5000
PRECOS POR ASSIGNATURA.
30 banhos por mez fri,
morno ou dechovisco. 10,5000
25 banhos com cartees pa-
ra os mesmos .... iO^OOO
42 ditos ditos ditos 30000
12 ditos ditos de choque. !0f000
i 2 ditos ditos de farello.. 1O0OCO
O estabelecimento estar aberto
nos dias uteis das 6 horas da ma-
nhaa as 10 da noite, nos dias san-
tificados das 5 as 5 horas da tarde.
RUADO IMPERADOR
numero 35
O padre Felii Brrelo de Vasconcellos achando-
se competentemente autorisado, abre um curso
particular de francuz em sua casa.
O mesmo precisa de urna casa no centro da fre-
goezla de Santo Amonio, qae tenha acommodaces
para 16 camas.
O mesmo tambem precisa de ama ama forra ou
escrava que sirva para todo servico interno e ex-
terno com as devidas excerocoes.
cadernado em Paris: em casa dos
edictores
LIVRARIA FRANCEZA
9 Ra do Crespo N. 9.
s*t
Deposito na ra larga do Rosario hotica de Bartbolomeu A C. n. 34.
i.l:zaf.:its
Tinta Inalteravel
Para escrever
de P. MAURER k C\
PERNAMBICO
Esta tinta recommenda-se pela sua com- (
posicao e fluidez como a mellior e a mais
segura do todas as tintas at 4ioje coulieci-
das. Nao ataca as pennas de ac, d ate
tres excellentes copias, mesmo muitos dis
depois de escrever, e preferivel a qual-
quer outras tintas particularmente para
livros de commercio, documentos eto de
que se careca longa conservac^.
i
---------------
Vende-s* na livraria francea ra do Crespo e ra Nova n. 18 de
DE
DE
J. VIGNES-
W. 55. RIJA DO IMPERAIrWI H. 55.
O pianos deau antk fatirica ti hojeassas ooiheddoa pkrl m saja neoeaaMio inetstir sobra a
oa roperioridade, vantotens e pirantias qne oflereeem tos compradores, qoalidadei mus iRcontest.
vais que elles tem definitivamente conqisUdo sobre todos os que tem apparecido Mttt pra^; pos-
Mt^um teclado a machinsmo qae obedecem i todas as vonudes ecaprichos das pianistas, sem
m ajnar, por serem fabricados de proposito, e er>se felto nltlmamente melboramentos taportw-
ssimos pan o clima doste paix ; quanlo s votas, sio melodiosas e flautadas, a por lato ontto agrada-
vals aoi envido dos apreciadores. S.B.-U WlA
Faaem-se conforme as encommendas, tanto nesU fabrica como na do Sr. Blondel, de Wru, socw
Mieatanilrialp de J. Vienes, em cuja capital foram sempre premiados em todas as exposieoes.
N mesmo estabelecimento se achara sempre um explendldo e variado sortimento de Bosteu do
albores antoreTaa Europa, asam como harmonleo a piano narmonicos, sondo tudo ?andido por
presos eonmwdose razoaveis.
Joo da Silva Ramos, medico j]
pela universidade de Coimbra, d l
consultas em sua casa das 9 as !
11 horas da manha, e das 4 as 6 I
da tarde. Visita os doentes em suasl
casas regularmente as horas para I
isso designadas, salvo os casos ur- f
gentes, que serlo soccorridos em
qualquer occasiao. D consultas aos
pobres qne o procurarem no hos-
pital Pedro II, aonde encontrado
diariamente das 6 s 8 horas da
manha,
Tem sua casa de sade regular-
mente montada para receber qual-
quer doente, ainda mesmo os alie-
nados, para o que tem commodos
apropriados e nella pratica qualquer
opperacSo cirurgica.
Para a casa de sade.
Primeira classe..3<5000diarios.
Segunda dita....30500 >
Terceira dita. ..2,5000
Este estabelecimento j bem
acreditado pelos bons servicos que
tem prestado.
0 propietario espera que elle
continu a merecer a conhanca de
jue sempre tem gozado.
Precifase alugar um cozinheiro para um
rapa solleira : a tratar na ra do Queiroado n.
13, l* andar, das 9 horas as 5 da tarde.
Na roa Bella n. 22 paga se 2o por urna ama
escrava para o servico de pequea familia.
Precisa-se de amissadores:
Chora-meninos.
oa padarla do
Precisa-se de urna escrava para vender frac-
tas, pagndose iOf mensaes : quem a tiver din-
Ja-se a roa do Sebo n. 38, qae se dir quem pru-
eba.
saques sobre Ro de
Janeiro
Prente Vianna & ti sacara sobre o Rio de Ja-
nelro e do premio.
Joso Baptisu Gomes Peana roga a seos, deve
dores que venham satisfazer seos dbitos no praso
da 15 das, qoando nao forcaos a entregar ao sea
procurador para cobrar amigavel ou judicialmente,
sem excepeo de pessoa algnma, pois tem serios
compromissos e nao pode ter mais contemplac.oes.
' Precisa-se alagar tres moloques para
Ibar n'oma fabrica de velas : a tratar na
Guia n. 3.
traba-
roa da
lrma-dade da S. Sao-naente da atril de Sania
Intoaio.
A mesa regedora da rmandada tendo recebido
da Illm* cmara muaicipal convite para assistir em
corporaclo ao Te-Deum em aeco de gracas qae
aquella cmara manda celebrar na mencionada
matriz peto triompho das armas brasileiras e acii-
hamento da gnerra oom o Paraguay, logo qu9 se
receba lio fausta noticia, qae deve encher de exal-
tamenlo aos Albos da trra da Santa Croz, pelo
presente convida a todos oslrmaos i comparece-
rem neste da' para aasistirem ao referido Te-Deum.
Consistorio da irmendade 13 da maio de 1866.
Angelo Henrlqoes da Silva
Escrivfo tntarino.
Lava-se e eogomma-sa por preco commodo :
na roa da Harta n. 61.
m




?

I \
\



i
1
i

- I
n
r
Diarlo de Fentabaco Sabbado t de Halo de 1866.
crysta.1 lapidados de diflerentes formas e cores, o qoe ha
. boi5es para coletes fivella modernas demadreperolai
gos s vendea por meos da-seu talor no armazem da roa da Cadeia do Recife n. 60.
Ricos brincos decjysta.1 lapidados de diflerentes formase cores, o qoe ha de mais moderno em
Pars, tambera crines e boi5es para coletes fivella modernas de madreperola para einto : estes art-
Novo e grande deposito de superior carv&o de Cardiffna
Babia.
Antonio Goaies dos Santos & C, roa de Santa Barbara a. I, esio habilitados a sopprir de
oarvo em condlcSes mais favoraveis qne em ootro qualquer deposito, a todos os navios a vapor qne
carem aaquelle porto. A contratar nesla com Domingos Alves Mathens.,
tempo o doente
*i*-v c 5
JARABE DO FORGET.
Este xar*P* est approvado pelos mais eminentes mdicos de Pars,
orno sendo o methor para curar conitpacoes, tosa* convulsa e ouirit,
ataques de peito, irrittcftes nervosas e Insomnolencias: urna colherada
i oite sao sufficientes. O effeito deste excelente xarope satisfaz ao mesmo
medico. ,
Deposito oa ra larga do Rosario, botica de Bartholomeo & C, n. 34.
FVBRIJA
--------
C.n. 3
NACIONAL
U BOTICA E DROGARA
DE
BARTHOLOMEO & C.
34 RA DO ROZARIO LARGA 34
Vendc-se
Xarope de Goiy.
Granulos d'atropina.
Capsulas d'apiol.
Vinbo de quinquina de Delline.
Pastiihas degestivas de pepsina Wasmam
Granulos de Bismuth de Chevrier.
Licor e pilulas deLaville.
IojeccSo Feaugs.
Xarope verdadeiro de Botigny.
Granulos d'Ergotina de Bongean.
Capsulas e injeccao ao rnalico.
Xarope hypophosfito deca e soda.
Elixir anti-aslhmatico de Guilli.
C-nfeitos de cubebina de Lalelonije.
Eixir de citro-lactato de ferro do Dr.
Thermes.
InjeccSo Brou.
Essencias superfinas de Hermana, Piver e
Chardrin Hadancout.
Granulos de Digitalina.
Vinbo de quina ferruginoso de Moitier.
Grande loja
uma ra a 1&500 o covado, lasinhas de liados goslos a
aos srs. acmmicosL fiLK--4S vwir *-
Vendem-se as seguintes'obras de direUo *D-----ttUU UU CllU, < peratriz a. 56.
com pouco uso: Manuel du Droit Bomain i A primeira condicao lodispensavel a con- r^ 0 M VB fi-u,...*
por Mackeldev, 1 volume por 44; Diccio-' servaco dt sade trazer os pes bem de- Lenrenco Y. HCBfles *" a;
S* g&ta. CoJ.cia!, por k, todfh^' > m^ J^^^ ^^rZr.T^^^^^
s, 1 volme, por U ; Elemento du dmt calcado bem e seguro e o umco presen a- fazenaas p, YesIidos de fenllora.
romain, por Maynz, i volme por 40; Es- tivo dessas mil enfermidades a que est su- Sejas de cies a i^qq 0 covado.
1 prit de la jurisprudente des successions, jeito o nossoeu. Um chnelo vtlno cal- v/ende-se sedas d rres para vestidos de senfto-
1 por Confiaos, i volme, por 4 ; Codepra- cada por um dandy patuscante,
tique des faiUites, por Gee/froy, I volme,
\ por 30; : na ra do Crespo n. 4. fabrica
de chapeos de sel.__________' /_..
Algodao avarii do
A preco e 98 cada peca.
N TI Rua do Queimado N. 27.
A Vende se ama pjrda de meta idade, de ptima
conducta, sem vicios nem achaque?, sabe lavar,
engommar e cpzinhar com perfeiciio, na roa da
Imperatru n. 28, 1 andar. ______
i ClTASMAlQlEZi
A loja Esperan? na roa do Queimado n. 33 A,
' recebea estas cintas, que ama cousa iidispensa-
1 vel a qualquer senbora ; conslsia soa ulilidade em
dades intellectuaes dos calcantes, e nSo ha; Vendes* ama nova fazeoda por neme melodi-
qoem, tendo bom senso, queira passar por ques toda de jaa^paia venidos a 400 r. ochado,
maluco, ou pobre de surrSo : ergo
ram a
Koa da 1ra-
4*.
4*BADIREITA
e attendam a' barateza.
Homens.
Borzeguins barcellonezes de lus-
tre e de porco 60000
Yarnnn do'lnrlurptn rp fprrn dp Rlanrard suspender i vontade a saia por meio deicordSes,
Xarope ae loaureto ae ierro ae Hiancara. em cu.as exlremidades es,a0 presos eolebetes que
DE
y mitos
Estabelecimento na rua da Uniao n. 11
PROPWETARIO MAHOEL LOOS.
Agua das caldas da Rainba.
Xarope de tridacio de Abb? die.
Confeitos de lactato de ferro de Gelis &
Conte.
Ferro de Qaevene.
Rob de Laflecteur;
Perolas deether.
Xarope antigotioso deBoub.
Ole de figado de bacalho desinfectado de
Chevrier.
Agua deotifica de quinina.
Perelas de assafetida.
Oleo de figado de bacalho ferruginoso de
Chevrier.
Xarope de digitales de Labeltony.
Ole iodado de persoae.
Xarope de cudeina de Berth'.
Emais as principaes drogas, productos,
se prenden a goardapisa do vestido vndese por
2J500 cada cinta ; di-se amostra com penhor.
Luvas de pellica pretas- e ou
tras cores.
Chegaram para a loja de mindezas a rna do
______Queimado n. 16._________________
Farinha.
No armazem de Vicente Ferreira da Costa &
Filbo junto ao arco da Conceicao, vndese supe-
rior farinha de Mandioca all mmente chegada,
ees saceos de tres aqaeires oa cinco arrobas de
peso, pelo fcaratteslmo proco de 6 o sacco.
Ditos de Bordeaux
Ditos parisienses de bezerro e
cordav3o .......
Sapatos de lona, sola de borra-
cha.....; .
Ditos aveludados.....
Ditos de tranca bons ,
Senhom
Borzeguins enfeitados. .
Ditos de lago
ccr- hilas finas a 320 o 4C0 r?. o covado.
peratriz luja do Arara o^M.
i Arara vende susiai'para vestido a 2W.
Vende se nova &*! sosim para vestidos de
senbora e roupa dumeninos a 240 is. o covado,
ditas a 160, 200 0 rs. o cov2do. Rua da Im-
' peratriz loja do Arara n. 56.
Tarlatana de 15a para vestidos.a 240.
VeBde-se tarlatana de laa para vestidos de fe-
chora a 240 rs. o covado, fil de llnbo a 160 o co-
20G0. S ao Arara, rua
7*000
., vado, cortes de chita a
80000 da Imperatriz n. 56.
I La a traviata a 320 rs. o cavado.
20000' Vende-se nova la a traviata para vestido? de
i,s!nn'seDhoraa320rs. o covado, no Arara todas es-
i sfiAA ts faiendas novas vindas pelo ultimo vapor Ja
10OUU Eurtpa. S oa loja e armazem da Arara, rua da
Imperatriz n. 56.
50000 Arara vende cobertores a 10500.
40800 Vende-se cobertores de pellos a 1500, ditos - 2A0O0, coberias de
a SiOOO. Rua
Atttncd.o
Vende-se o sobrado dama Augusta n. 74
ta-se no hffgo do Carmo a. 18, 2* andar.
ira-
No deposito, raa-do Carmo n. 63, existe nm grande sortimento de vidYos e crystaes.qae se
Tendera por precos mais baratoi do que em *ealquer parten frascos de 1 at 8 libras, bocea larga e
bocea estreiU ; copos de 6 cortes, de meta ottava at meio nartilbo ; ditos de 40 cortes den, tal; fi)?npriairiiHle: nha"rareuticas e" chiimicas
-globo para lampeoes deikarosene, lavrados, lapidados foseados ; ditos para oandle.ro de az ; lam-1 espectaiiuaoes pnarmaceuucas e cuimio.
peoes de kerosene grandes e pequeos, lamparinas de mewl; vasos para centenaria com pe e sem; OOS prinotpaes paizes Ua Luropa. yendo-se ama armacio envidracada, propria
ejle, grandes e pequeos ; chamins para tempeoes de kerosene de todas as dtmensoes; compoteiras mtjem,]m 9K9KM|WW KSjKft para loja de mindezas oa calgados, na rua Direita
moldadas de cortes lardos, escarradeiras de rres para salto, ditas de mito cota aza, pequeas; vento-; 'Sr^; *1vJPLWjk^^ ^^^W n. 56 anern a pretender dirija-se a mesma que
sas e bicheiros, calixes moldados, copos usos para agua e vioho, pratos moldados, redomas, -garrafas jB Companbia delKlade e seguros jQ achara com quera tratar.
para vinbo e agua, grandes e pequeas, ollas para Lerogt, ditas para licores, ditas para minas, ditas | Z maritiDSOS e terrestres
para agua de Colonia, ps para planos, braacos e de adres--; tubos para macbiaas a vapor, de orystal; I estabelecida O Rio de Janeiro;
Cevadinha de Franca
a 160 rs. a Hfera, e de 8 libras para cima
rs.: na armazem da Liga, rua Nova n. 60.
a 120
niLl i;L- iAXftfl pelo 1^000,tobeitas de lista 210
DltOS llSOS '' *,Sni damasco 4^000, cocerlas de foslo
Sapatos de borracha *0toU|da|lmperatriD. 56.
Selleiros, corrieiros e segeiros 1 I Lasinhas do Arara a 200 rs.
Sola de lustre, me'lOS graudes 2000001 Vende se lasinhas para vestido
E nm completo sortimento de calcado ^m*^^^T
bricado nopaiz. ________________ D 36
Aspas fortes para boles. Arara vende as cassas a 240 rs. o covado.
o covado.
a 200, 240, 320,
a
Arara
globos com goaroico de metal amarello, antegueiras de vidro, vidros avolsos para galhcieiros lapi-
dados, vidros para lampadas de igreja, gaitietas para awssa, ditas para galheteiros, mangas para cas-
ticaes lisas, tvradas etapidadas ; taaapeoees de parada para kerosene, ditas de pendurar; copos gra-
duados de 1 ale 16 oncas para pharmacia, garantiado-se a exactido da medida ; vidros para peixes
com p o sem elle, aeucenas para casticaes, chamins para lampeoes de aieile,ditas de cores para 111a-
minacoes, vipros para agaa forte com rolba. Compram-se vidros e crysues quebrados.
O deposito deste fabrica em Peraambuco m roa da Imperatriz n. 10, onde exista constante-
mente ehaimos para-candleiro a gac a ML lampeos completos a 7 a 8, escarradeiras de res a 2*800 o par, pratos para copos d'agaa a
500 rs., copos de dez-cortes a 600 retobos lapidados-e lavrados para candleiros a gaz a 1^800. O
proprieur destow esubelscimento convida ao espeitavellpublico para qae visitera o mesmo, cer-
tos de que comprar os arligos iidispensaveis a ama casa de familia pela -soa barateza a illdade,
principalmente aos-Srs. pharmaceatoes pela grande qoantidade de frascos e vidros proprios 4e phar-
macia. Taaafeem recebe encommeodas. O encarregade do propietario JooLaiz Enerennac
DE
FAZENDA E ROUPA FETTA
IOTA MOTA W. 94.
Bego & Moura, proprieario da loja de fazendas e rrupa feita, sita rua Nova
n. 24, verdaderamente penhorados e reconheoitlos para com serte amigos e freguezes.
npla awitaro e ^onfianca que Oelles teiu mcr.a.-------- .-,.-, ^.cmyv fSi^^wwmicii^overMuui^io escattadoa na sinceridade dos seus tratos, decla-
ram para sciencia daquelles que-o quizerem honrar com seus officios, que, em vista da
grande conourrTOCia que tem merecido o seu estabelecimento, especialmente no que o
relativo a roupafeita; acabam de admittir para asuaofficina dealfaiate maior numero
de artistas inclusive o sen cootrameslre, dirigido pelo hbil mestre Launaoo Jos de
Barros, o qual nao se poupa a exforcos para satisfaaar com a presteza possivel qualquer
obra de encommenda.
Os mesmos annunciam aos seus freguezes.que acabam de comprar um novo e
muito variado sortimento de fazendas finas e de bom gosto, proprias para o tempo da
quaresma, as quaes esto disposto a vender por precos muito coinmodos-e mais barato
que em outra qualquer parte. v ... .
Como sempre escusamos essa enfadonha prohxjdade dos annunwos bombsti-
cos- preferimos mostrar na singeleza deste nosso convite os bons desejos que nutrimos
' para bem servirmos aquellos que vierem ao nosso reclamo.
MACHINAS AMERICANAS
verdadeiras do fabricante \. V, 'auttougin & C
Joinhos americanos para moer millio.
Na roa do Qaelmado loja de miudezas n. 16, ven-
de-se aspas de ac fortes, e de diflerentes largura*
para bales.
Bonitos quadros para retratos.
Vendem-se na roa do Queimado loja de miude-
zas n.' 16, bonitos quadros con mordura pret.* e
dourada, lodos por presos rasoaveis.
Garrafas brancas
a de cores com superior agaa da colonia.
Vendem-se na rua do Qaelmado, loja de miude-
zas n. 16.
Novo gOStO
Pentes, Bvellas, e brincos de felierana.
A amiga e bem conbecida loja n. 16 na rua do
Queimado, receben nm sortimento de diversos ob-
jectos de novo e bom gosto, sendo pentes brancos e
dourados de moldes enteiramente novos e mu a-
gradaveis, tendo enlre elles alguns- de filigrana obra
de muito gosto edecil execu<;ao, e bem assim fi-
vellas e brincos as mesmas circumsiancias.
Tambem recebea alguns cintos o qoe de mais
moderna e bonito, se pode encontrar em tai genero.
Alm disso encontraro os pretendentes um com-
pleto sortimento de vellas de madreperola, ctaris-
-desembargaor Doria arrenda e tan- Sea escriptorio roa da Craz n. I. .lmeme.______ ,. fi. .
perior : a rua de Apollo, armazem 36. I recebJu b0Dl0S peDtes com chapa de madreperola,
ni i, iaiii i ni i m I :e novos enfeiles filets ornados de lantejoiias don-
b/lKllH/1 K-lHill I radas, moedlnhas, aljofares, vidrilhos etc., tendo
' illalllllil MI*.*'Iw I il i grandes para toda cabeca e pequeos para coque,
d#00 !.'.' emi SacCO regulando os presos de 2 a 4^000 rs.
Saceos grandes de boa farinha ao reducido prec Bjnitas caixinbas
| de 4 : na rua da Cadeia n. 57._________ com arranjos dourados para costura, tendo cora
AGENTES SM PEHNAMWJCO
Antaaio Lnii de Oliveira leavede k C,
competentemeate aatorisados pela direo- (
-loria da compauhia de seguros Fidel ida-'
de, tomam segaros de navios, mercado-
ras e predios co sen escriptorio rua da'
Gru n. i.
Vende-se, arrenda-se ou permota-se o enge-
nho Todo os Santos, na freguezia de Ipojuca,
moente e eorrente, de agua, com formidaveis par-
tidos de-boas trras para todas as plaotacSes e at
. para a-do algodao por seram de muito boa prodac-
! gao ; faa-se todo negocio com tanto que se pague
; orna divida a qoe dito eogenho est obngado : a
i fallar eoaa Antonio da ocha Vietra no mesmo
! eogenho, ou com Jos P. daCunba & Pllhos nesta
; praca.__________________'_______________
Vende-se cassas francezas finas a 240, 280. O
e 400 i, o covado. pescas de rambrala de for'n a
2*000, ditas finas a 3*000, 4*000 5*000 e 6*1 00.
Rua da Imperatriz loja do Arara n. 56.
Chitas a 160 e 20o rs. o covado.
Vende se chitas escuras e claras a 160, --lOe
240 o covado, las francezas finas a 280, dw, itu
e 500 r.. o covado, percales matisadas escuras a
500 rs. o covado; s se vende assim barato o Ara-
ra. S Da loja e armazem do Arara, rua da ;rn-
56.
Novidade no Arara.
Algodao a 3*
Vende se peca de algodao encorpado a 3?,4$,
6* a dita e 8* e 7*. Rua da Imperatriz leja do
Arara n. 36.
Arara vende madapolo enfestado a 3uo.
Vendf-se pecas de madapoiaoenfesiado a-oCO,
4* e 4*500 ditas de 24 jardas a 4*. 5& 65, b*
10*, rua da Imperatriz loia do Arara n. 56. _
perairiz o.
Arrtndamento
como vende duas parelhas de muas, tres
carros sendo urna victoria, um coup e uto
cabriolet coberto, tres vacca6 de leite sen-
do duas paridas, -dous bois de carrosa e
todes es trastes e u ten cilios das casas e ch-
cara : quem pretender pode ir examinar e
entender-se com-o desembargador ou com
o Sr. os dos Santos Neves, na ruado
Crespo o. 19.
Queijos
Venderse na roa Direita b. -99 queijos do reino
-Vrecsa-se de urna ama forra oa .captiva que ^imamente ehagados pelo vaW de 1*800 a 2*
engorante e cosa para casa de p juca familia: a
fallar na rua do Cabug loja de miudezas n. 1 B
ou na raa da Cruz armazem n. 54. ____
Preeisa-se de trabalhadores com as babilita-
coes oecessarias Dar padarta : na raa do Jtosari
te _________
Caixeiro
Na fabrica de bolachas a vapor da raa Direita
n. 84, precisa-se de um ci*eiro qoe certifique a
sua conducta.________________________ +
"^"Precisa-ee de urna muiber forra de meia ida-
de que se queira prestar a ser ama e fazer com-
paohia a urna senhora; a tratar na rua do Quei-
mado o. 69.
rada um.
msicas e sem ellas. Vendem-se na rua do Quei-
mado loja de miudezas n. 16.
Trancas pretas
i com vidrilbos, e bicos com ditos e sem elles para
i enfeltes ou vestidos.
Na rua do Queimado n. 16 loja de miudezas a-
charo os pretendentes um bello sortimento dos
irmacao
' ':.je-se ama armagao muilo propria para cal-1 objectos cima ditos, cascarrilhas, franjas etc. etc
r;.;o, sita na loja da (ravessa da rua das Crazes. e tudo est sendo vendido por precos cmm-odos.
ii. ti, e alnga-se a mesma loja : a tratar na rua
a tratar na rua do Destino n. 14.
Fraseos de bocea
larga .eom rollias de vi '-nrVrjt
Botes
pretos
libras.
Venderse
na rua larga do Rosario n. 34,
lomeo & C
botea de Bartco-
Na rua Nova n. 20 e 22, grande deposito
das verdadeiras machinas americanas de todos
os fabricantes; se encontra neste deposito
grande porejo de machinas, e se vendem por
menos preco do que em outra qualquer parte,
por se receber em direitora da America; se
forcece todas as explicacGes necessarias ao
comprador para conservac3o das mesmas;
neste grande estabelecimento se encontra mui-
tos arligos americanos, que muito deve agra-
dar aos agricultores que usam de taes artigos,
encontra-se tambem todas as colleccSes de de-
senhos sobre os quaes se aceita qualquer urna
encommenda, que com promptid5o ser ejecu-
tada ; neste grande estabelecimento, encon-
tra-se em grosso e a retalbo, grcnde porc3o
de ferratrens e miudezas que se vendem por preco commodo, pedindo-se a attencSo
de todos para este estabelecimento que muito lucrara em fazer suas compras: na
rua Nova n. 20 Carnero Vianna.
Os seuhores
Antonio Pereira da Cmara Lima e
Felxiano Bodrigues da Silva (Mr. $g
engenher) tenbam a bondade de g
dirigirea-se loja da rua do Cres- Jg
pon. 17, a negocio de seus inte- 1
mwMMzmm mmm mn
Precisase de| ora criado de 16 annos, qoe
seja gil e desembarazado para andar com nm me-
nino : na rna do Mondego o. 8o, casa franceza.
-..' Precisa-se no Passelo Publico n. 13, de um
menino de 10 a 13 annos qne tenha alguma pratl-
ca de miudezas : a entender-se na mesma.
Aos Srs. fagueleiros.
Xa drogara da rna larga do Ro-
sarlo n. 3i
DE
BABTHOLOMEO
Vende-se
Lima ha de ferro.
Dita de ac.
Dita dt dito de Leo.,
Salitre refinado de I* qualid&de-
& C.
COMPRAS
Compram-se
Guia n. 9.
latas vazias de gaz : na rua da
i PREVIDENTE
toeiedade p#rtugaea de seguros motiles sebre a vida, faadada e
ad ma isi rada pelo
BANCO ALLIANCA DO PORTO.
Todo o pai que desejar acautelar o futuro de seus filhos deve, quaDto antes,
fazer ioscrever os seus nomes na lista dos serios da Providente por que, com ama
D^ue^quantia que, todos os annos, para alli-fr apphcando, t.rada do frocto das suas
Somias, no fim de 25 annos aleancar-lhes-ha urna fortuna, que por oennom outro
meio e com t5o pequeo desembolso peder obter.
Os exfmplos praticos de outras sociedades anlogas tem mostrado qoe:
Gompra-se ouro, prata e pedras preciosa
em obras velhas : na rua da Cadeia do Recife
cja de onrives no arco da Conceicao.
Gompra-se
uma escrava qne seja boa Agora e qoe saiba bem
tngommar, nao excedendo de 25 annos de idade,
e paga-se bem : no escriptorio de Vicente refrei-
r da Cosa & Filho, rna da Senzala n. 138, on em
seu armazem junto ao arco da Conceicao.______
Compra-se ama secretaria de Jacaranda
mogno, ou de amarello, na rua Nova n. 7.______
Ouro e prata.
Em obras velbas : compra-se na praca da lo
dependenclo n. 22 loja de bilhetes.
Libras sterlinas compram-se na praca da
Independencia n. 22. _____
Compra-se uma burra de ferro, ingleza oa
mesmo das antigs; na rua Nova n. 31.
-----------------________^-,-*-..
Compra-se
ama escrava que saiba cozinhar e engommar com
aceio : na raa da Cruz do Recife n. 46, segando
andar.
Gsmbraias brancas,
Com 8 palmas de largurae
fi na loja do pavo.
Vende-se cambraias brancas transparentes tendo
8 palmos de largura, oa duas largaras das regala-
res, que facelita fazer-ee um vustido apenas com 4
varas, e vendem-se pelos baratissimos presos de..
1J000 re?, e 1,1280 a vara, aalcamente na loja e
armazem do Pavo, rua da Imperatriz n. 60 de Ga-
ma & Silva.
Chitas bran as a 280 rs.
Hende-se chitas francezas acentos brancos pa-
drees miudinhos, pelo baratissimo preco de 280 rs.
o covado, na toja e armazem do Pavo, raa da Im-
peratriz n. 60, de Gama & Silva.
Chapees de sol.
Vende-se nm grande sortimento de chapeos de
sol, sendo de seda e de varios precos e qualidades;
ditos de alpaca a de panno, e vendem-se por precos -
muito commodos, na loja do Pavo na rua da Im-
peratriz d. 60, de Gama 4 Silva.
Cortes de chitas.
Vendem-se cortes de chitas inglezas, sendo pa-
droes escaros tendo 10 covados pelo barato preco
de 24000 rs.; ditos com 11 e 12 covados a 2200
e 24400 rs; ditos de chita franceza escara a ale-
gre, tendo 10 covados 34200 ; ditos com 11 a 12
covados a 34520 a 34840 rs: peehincha, na loja
e armazem do Pavo, roa da Imperatriz n. 60 de
Gama & Silva.
Pechinch
Vendem-se ceblas solas a 500 rs. o cento ; oa
rua da Hoeda n. 43.
' Compra-se na prensa de algodao de Saunders
Brothers & C. semeotes de algodao a 500 rs. por
trroba. -*"_________,_
, vende mu bonitos botoes pretos de sidro com en-
feiles de ago, os quaes muito se uzara para enfeltar
vestidos, quem os preteuder pode dirigirse a dita
loja n. 16 roa do Queimado.
vendem-se na loja de miudezas
ama do Queimado n. 16.
Bonitos leaues de sndalo e outras qualidades.
Bonitos ciatos com flvellas de diversas qualida-
des e moldes.
Brincos e cruzes da crystal.
Abotoaduras de dito para coletes.
Bonitos port-relogios.
Delicadas caixas com msica e serrr wia, para
costara.
Agulhas e linhas para chrochei.
Retroz upenor em carritels.
Rendas pretas e bicos com vidrilho*.
Fitas de velludo com listras de cor' Dar* en'
feites de gorros e vestidos.
Ditas de grosdenapoles, lisas e lavradas, Lranca.
e matisadas.
Para tiagir cabellos.
Hoild Walter.
Vende-se na rua do Qneimado, loja miudezas
n. 16.
Chi'f-maco-me
Para Ungir cabellos.
Vende se na loja de miudezas, a rua do Quei-
mado n. 16.
Tintura de L. Marques
Qara fazer os cabellos .-reos.
Vende-se na roa do Qaelmado, a loja de miu-
dezas n. 16.
lissangas miadas, aljofares imitando
acevidrilhos decores
| para enfeiles de vestidos; vende se todo isso por
1 pre$os razoaveis oa rua do Queimado n.l oja 16,
I de miudezas;
mmm mmmmh.
Os chales do Psto a 6 75 e 85.
Vendem-se ricos chales pretos de renda muito
grandes rom qoatro pontas, sendo os mais moder-
nos por lerem chegado pelo nltirao vapor francez,
e vendem-se pelo baratiss mo preco de 64, 74 e
84 : na loja do Pavao, rua da Imperatriz n. 60, de
Gama & Suva.
Mfc
Vende-se gaz branco
na raa Direita n. 73.
a 400 rs. a garrafa :
por um menino de i da a i anno.
, de i a 2 ann's...
, de 2 a 3 ....
, de 3a 4 -----
, de 4' a 15 -----
Por urna Dessoa de 15 a 20 anno ..
, de20a30 ....
> de 30 a 40 ....
de 40 a 50

>
Cm5 u
nos.
1:1000
9000
86(\5
8600
86Q0
8601
8600
8600
9000
Em 10
annos.
4:0000
3:0000
2:9000
2:8000
2:7000
2:7000
2:7000
:7OO0
3:0000
Em 15
annos,
9:0000
7:5100
7:4000
7:4000
7:6000
7:QPO0
7:1000
7:2000
7:5000
Em 20 an-
nos.
20:0000
17:0000
16:0000
15:6000
15:5000
15:4000
15:6000
16:0000
18:0000
Em 25 an-
nos.
47:0001
37:0000
35:0000
34:0000
33:3000
33:8000
34:0000
37:0000
50:0000
Admittem-seubseiipcoeaannuaesde 80ra cima.
Qaem pretender wbscrever para a Providente orj deaejar qoaeaquer esclareu-
mentos e wferLoes, pode dirigirse saa direcco, no banco Allane*, laMecido na
roaBellomonteToo a Jos Ferreira Moot:nbo, inspector geral da mesma soe.edade, mo-
SteinrarH Fabrin do Tabaco n 19, ro Porto, e aos agentes do mesmo banco e
ndadade na capital e provincia, que tambei dar5o prospecto graiu a quem os pedir
Acbawlo-se de passagem nesta cidade o inspector geral da referida sociedade,
nromptifica-se, dorante o poco tempo que aqni tem de demorare, a dar os aadaraa-
iSnSrSeM lhe pedirom, todos os dias at as 10 boras da nanhaa na roa da Croz n.
1 !m M do mm Sr. Antonio Luiz de Oliveira Azevedo, onde se acba hospedado.
Gompra-se um bom sellim inglez em segun-
da m5o, paga-se bem : na roa Bella n. fx.
^"Compram-se duas carrocas novas oa com
pouco aso, qae sajan proprias para dous bois ;
qaem ti ver annancle. ______ ___
Compr'se ama preta que seja bda eozinbei-
ra a engommadeira: na thesouraria das loteras.
VENDAS
Rap Paulo Cordeiro. igual ao boa) de Lisboa
nao s por ser do mesmo dono da fabrica da Lis- :
boa em Xabregos, como por- ser mais fresco a
4400 a libra : na roa do Imperador n. 18.
Baldes
Grande sortmeato.
Chegou i raa da Imperatriz n. 52, junto a pa-
daria franceza, nm grande sortimento que se ven-
de a 24500 rs. para acabar.
E' baratissimo!
E' baratissimo!
E' baratissimo!
Neste importante estabelecimento encoiitra o res-
peitavel publico om variado soilimento de fazen-
das francezas,inglezas esuissas,eas quaes se ven-
derlo por prego commedo a saber :
Chales de renda preta a 50500.
Vende-se amsoriimentode chales de renda pre-
ta a 54500 e 64, ditos de seda a 114,144 e 115;
isto na rua da Imperatriz u. 72 de Guimares & 'r-
mi.
Retonds pretas a 80.
Vende-se retoodas pretas pelo barato preco 84, 84500 e 94; na rua da Imperatriz n. 72, i.ja,
de Guimares & Irnoo.
Grande pexincha a 20 o corle.
Vende-se cortes de casemira da China a 24000.
24500,24800 e 34, ditas de brim a 1,5280, i.00,
14600, 14800 e 24.
E' muito barato, tarlatana decores a 210
rs. o Covado.
Vende-se um grande orlimento de tarlatana oe
do e 2^dltas'maTs"fins".-Tot/'e 3^J,"1na.- ~
escocezas muilo modernas a 360 e 400 rs. o .
do, ditas muito finas 460 e 500
Cobertores de algoda.. ; SOO.
Vende-se cobertores de algodao a t 0 rs. 6 ; -
melhores a 14600 e 14800, cobertas Qc cl.it a "fc.
?4a00 e 3.
Quem duvidar venha ver.
Cambraia de cores a 40 rs. o cGvado dita tica a
280 e 320 chitas ficas a 280. 300, 320, 360 e 100
rs., dilas percalas a ICO e 500.
Est se acabando chitas a 160 rs. o covado
WBdf-se 'Mas a 160, 180 e 200 rs. o covado,
riscadiDtios franceses a 240 e 280 rs. o covado, ua
da 1ii:i-i ;,/ o. 72, de Guimares & Irmao.
Lencos brancos a 20 e 2030'J a duzia.
Ditos finos a 34 e 34500, ditos de lioho a 54000,
54500, 8* e 74-
Cambraia branca a 30.
Vende-se um grande sortimento de cambraia a
1* ;*fW0,*4*> 500 e 54-
'5*" Baloesa20.
-^ ... L.y*t de aros a 24, 24500 e 3, d:
tSi Lt, t "W ** 43C0 1,tos de rrur-
to americanos a 3?,;. ,,,05 para meninas a" 4
celioa a 54, 54^00 e 64, .*.ri, n 7o ,r.;. Z
e 445OO; m na roa da lo.,. P'r8Inz ** "* J" ue
Guimares & Irmao.
a 30( 00 o corle.
a 30000 o corte.
a 30000 o corte.
Vende-se corles de la com 12 covados a 34.,i(-
tos finos a 34500 e 44, ditos a Maria Pia a 74500
84, 84500,94 e 124, grvalas finas para hornero
a 640, 800 e 14000, mantas muito finas a 1200 <.
1*400; isto na rna da Imperatriz n. 72, loja de
Guimares & Irmo.
Roupa feita.
Roupa feita.
Neste importante estabelecimento enecntraro es
fregnezes um completo scrlimento de nnpa f '.a
assim como palitol, calcas, camisas finas a l60i'.
14800. 24 e 245OO. ditas de Imho a 34, 3450 '. 44
e 545OO, cortes de brim, ditos de rasemira de c-
res e pxeias, seroulas de algiwto a I40O" e I4S<10.
ditos de lioho a 24. $4500 e 34.
lito na rua da Imperatriz n. 72, loja e
Guimanus e lrmos.

Quadros
das passagens de Cuevas, Mercedes e combate de
Riachuelo, vendem se na rna do Crespo n. 4 onda
se asslgna a Semana mostrada a o Bazar Votante a
ba nm sorttmento de albuns para retratos.
coa
ulntal a
le Santa
Farinha.
Gaz
na rna Aogosu n. 17; vetde-se gaz a 400 n.
Vende-se ama casa aa rua de S. Jos,
duas salas, dons qnartos, eadnha fra,
'cacimba: qaem qaizer dirjase a roa
Ria n. 83, qoe atoara' eom quem iraur.
tagem
Vende.se nm molato^e 15 a 16 atvnos, proprio
para pagem: la raa do Imperador '43, T an-
dar.
Vende-se farinha d mandioca em saceos gran-
des, reeeotemeote ebegada do Rio de Janeiro : na
roa de Apollo n. 20, escriptorio da Camino & ^0-
guaira, 00 no trapicha do Caoba.
Vende-se om nreio moco, robusto, perito car-
rocelro. sem achaquec.por preco commodo ; a tra-
tar na padaria da roa do Brom a. 48.
Vende-se ama cas com (rente de lijolono lo-
gar denominado Tijipi, freguezia de AfopO, em
terreno proprio, com 42 palmos de frente a I dt>
de fundo, qaem qaizer comprar, dlrija-se a roa
da Cadatet loja de Ismael C. Pnarte Ribeiro.
Caximbo e fumo.
Caximbos muito bonitos a 200 rs., a macos com
fomo a 120 rs, no armazem da Estrella, larg&do
Panten. 14.
rande armazem de tin-j
tas medicamentos etc.
Rua do Imperador a. 22.
JoaW Pedro das Nevea (ge-
reate) tena a ?*
segalnte:
Productos chimicos e pharma-
ceuticos os mais empregados em
medicina.
Tintas para todo o genero de pin-
tora e para tinturara.
Productos industriaes e tintas
para flores, como botoes de flores
e modelos em gesso para imitar
fructas e passaros com o compe-
tente desenho.
Productos chimicos e industriaes
para photogrphia, tinluraria, pin-
tura, pyrotecnia etc.
Montado em grande escala e sup-
prido directamente de Paria, Lon-,
dres, Hamborgo, Anvers e Lisboa
pode offerecer productos de plena
conflanca e satisfazer qualquer en-
commenda a grosso trato e a reta-
lbo e por precb commodo.
~_Ta ca das Aguas-verdes n. 8 vende-se ama
escrava noca com ama cria.
MACHIMAS
,BJ
descarogar algodao
a
para
9.00o a serra
No Forte do Mallos prenca de algodao n. 17, de
11 edaMi & ti, veode-se machinas americana- do
melbor systema qae ha apparecido por serem
muito maneiras de 14,16,18 e 20 serras, a 94 a '
serra. ^^_^^________-
Fogos
de artificio


Ha grande porco de fogos de artificio na r^nhe-
cida fabrica da vinva Rufino, o qual vendido por
commodo preco, e como seja penoso ir l pela dis-
tancia, as pessoas que quizerem fazer suas encom-
mandas para S. Joao e S. Pedro, as podem denar *
no armazem da bola amarella, no onao da secre-
taria da polica, onde ha vera' nm portador para
ir buscar e levar ao lugar convencionado.
Na rua da Imperatriz n. 28.
Vendem-se cortes de cambraia brancos com 4.
5 e 6 babados a 204 e 254.
Fil de seda prelo com flores a vara 14-
Cambraias brancas de orna vara de largura fi-
na a 14 e 800 rs. A
Ricas lampadas e candieiros a gaz por grfeso
ejareuiho. __________
Venda-sa ama parta do engenho lohaman
da termo de Igaarass : a tratar na rna do Qoei-
mado, loja n. 44.
j.
*



' *
r a
Diarlo de Peraaalmeo sabfoad te de Hale de
1866,

0 pe occupa hoje mais a atteiie&o do mmia
econmico? E o novo systhema do propietario do ar*
ma^em de molhados
UNIO MERCANTIL
pAS^i3oiuHDwaEWio
Que surge de novo basteando a bandeira da modicidad? dTpre?of em todos os
seas superiores gneros. UUB ue Prevus em roaos os
ATTEi\(!S0
.. **"" de millio branco americana.
tiento.P elC': PreC d6 C3dl paCOte de "ETOtT^Sft S
MANTfilGA IN5LEZA de superior qualida-
de a 1,28o e l,loo rs. a libra, em barril
se faz abatimento.
IDem FRANCEZA a mais nova que ha no
mercado a 6io rs. a libra, em barris ou
meios a 6o'o rs.
3ISSON de primeira qualidde a
MOLHO INGLEZ de diversis qualidades, a
72o rs. o frasco.
MOSTARDA INGLEZA muito nova, a 8oo,
rs. o frasco. /
DEM FRANCEZA a 64o rs. o frasco.
SALMO E LAGOSTIN chegado ultima-
~ov mente, em latas de 2 libras, a l,6oo. rs.
2,8oo rs. a hora, alem destaha nanitas ou ARENQUES em latas *4o rs. cada urna.
raat3PHPridf P,a VeDd!roa reUlho' qae SARINHAS DE NANTES em latas e meias
ir-M;d/Tndei,- a *.> -^bra. a Coo e 36o reis. P
lbc..\i Fhb.TO o mais espacial que tem vin-; VINHO DE COLLARES o legitimo vinho
do a este mercado a 2,2oo rs a libra. desta localidade, muito superior e sem
v'rnne0gUnA E&S00,* 1,8o n~3libra-1 confeicao alguna, a 8oo rs. a garrafa.
UuEUOS DO REINO uUimamente chegados IDFM MADURO o verJadeiro do alto Dou-
pelo vapor 2,4oo: ditos do vapor paseado ro em barris de lo em pipa por 35,ooo
a z.ooo rs. cadg nm e r r
"ISSSTO18 ?? 6 "T erM'VINH0 D PORTO de diversas qoalidades
mlicamente fechadas, a 4,6oo, de barril engarrafado, inclusive o mais fino que ha
A' loja de fuzendas de Augusto Porto & 0.
11 Ra do Quemado -11
Chegaram pelo ultima paquete superiores eachovaes completos con vestidinlo* bor-
dados para ba plisados.
Molr brinco, luvas de pellica, mamas e capellas brancas para noivas.
Lindas colchas de seda de cor e de la e seda para camas de noivas.
Grande sortmeoto de cortinados bordados para camas e janellas.
Chapeos, bonetes e gorros de palha de Italia par* ssohoras,
Percalles, cassas e cbitas tinas dos gostos mais moderaos.
Algeriennes, retondes e chales de renda pretos.
Camiias finas com pellos, puohos e colariuhos de linho para homens.
Liadas caserairas de cores, lasinhas, pannos e casearas prelas, merino e bom-
baxioa.
Bramante muito largo a 25300, 23700 e 3J200 a vara.
apetes e alcatifas para forrar satas e tapetes grandes e pequeos para sof'.
Camisas de Amela, colartnhos de linho, seronlas de linho.
Camina de mjia fioas, balo js de arcos, de mus telina e de madapalo, esoartilbos
e floos mananitas bprdadgs.
Esteiras da India para for ar salas
as melhores e por mais mdico prego.
U-Bna do sueiuaado11
a
MEDICO-ORlRGiCO
a 64o, a liora
E5TRELINHA para sopa em caixas sortidas
de 8 libras, por 4,ooo rs.
VINHO VERDE do verdadeiro sumo da nva,
e o mais proprio para se beber n'este
imperio, pela sua extraordinaria fresqui-
dao e agradavel gosto a 64o rs. a gar-
lafa.
AMEIXAS FRANCEZAS em frascos de 4 e
2lit>ras, a 2,8oo, e l,4oo rs. em caxi-
n'ias muito enfeitadas com diversas estam
pasa 2,oo, l,8oo, l,5oo el,3oo, reis.
BISCOITOS INGLEZES emlats contendo
diversas qualidjdes a l.ooo e l,2oo rs. a
lata.
PR1SC PE ALBERTO bolachinhas as melho-
res presentemente conhecidas a l,6oo
rs. a lata.
SALAME HAMDUBGUEZ chegados no ulti-
mo navio a l,6oo a Ubra.
PREZN f08 verdadeiro de Umgo, a 64o,
rs. a libra, e 50o inteiro.
TRAQUES n. 1. em caixas de 4o cartas, por
8,300, e 2*0 rs. cada urna.
XAUMELADA em latas del, 1
bras a 6oo reis a libra.
JALEA Di; MAR MELLO em latas, a 8oo rs.
FRL GTAS EM C\LOA pera, pecego, alper-
- -, rainha Clan-lia, *e gioja a 64o reis'
i at;.
n'este genero, por 8oo, l.ooo, l,2oo,
l,4ooe l,5oo rs. a garrafa.
FEIJO verde e carrapato em latas erael-
camente fechadas a 6oo rs.
CHOCOLATE francez em pacotes de 1 libra
por 5oo reis.
AZE1T0NAS daschegadas ltimamente de
Lisboa a l,2oo rs. a.ancoreta, e 5oo, a
goarrafa.
CAF avado a 24o rs. alibra,;e7,ooors.
a arroba, e regular a 22o a libra, e-6 5oo,
a arroba.
VINHO CHERRY do mais, superior do mer-
cado a l,5oo rs. a garafa, e 48,ooo rs.
a duzia.
MSCATEL o verdadeiro de Setobal,
l,8oo rs. agirrafa, e 2o,ooo a duzia.
j VINHO BORDEAUX das mais acreditadas
marcas, S. Emilion. 5ant Julien Haat
Brion a 7oo e 8oo rs. a garrafa, e em
caixa de dozia, a 7,5oo e 8,ooo rs.
VI.VHO BRANC ) de Lisboa de excelente
qualidade, e proprio para missa, a 8oo,
rs. a garrafa, ou 8,ooo rs. a caixa de duzia.
/. e II- M-^DEIRA SECO a l,2oo a garrafa, e 12;ooo
> adazia.
DO
DR. PEDRO DEATTAHYDE LOBO MOSCOSO,
MEDICO, PARTEIRO E OPERADOR.
3 Eua da Gloria, casa do Fundao g
k- ? *** tS1*0 Mo8COSO d consultas gratuitas aos pobres iod os das da 7 *-,.
Horas da manhSo e d 6 e meia as 8 hoW da mita7n^ das incadM
Pharmacia especial homeopathica
fnKnoLi!1"1"111 l.UIIJUiluluJa *M"P o m* ap-piopritffl) sortimeoo de carpir,.
* e 24 ttbos pavAm. >'
> de :i6 tobas grandes. .
> de 4 todos grandes. .
> de 60 tabos grandes. .
Jlrumr mbms carleta CMimw ih&dio
qae se pedir.
m tubo miso oa frasco de tintura de meia onca 1,5000
Sendo para cima de M cusUrao os preces estabelecidos para as cartei
Ha tobos mais pequeos cada um a 500 ris. caneiras.
IIVRON.
..000
303000
35^000
w remedios
A melbor obra da Aomeopatbia, o Manual de Medirina in^. donsgraBdes volmnescom diccionario HobWpaaico do Dr. JarS
Medicina rlnmpsties Hn n- u..:n .. 20400b
10,5000
64000
vado.

h
&.
rs.
VINHO DO RHE.\0 superior, a 2.ooo a
garrafa, e 22,ooo rs. a duzia.
VERMOUTH de superior qualidade em cai-
xas de i2 meias garrafas por 12,ooo,e
garrafas por I,2oo rs.
a?^
<&
^)o
Acat.am <3p chegar as rriTiito srip'erlres ngiias sectas do Rio Grande da Sul, que se
vendem por 10 rs,
Gros de aples preto a 14500,14600, 24, 34, 34500 e 44 o corado.
GorgurSo preto de superior qualidade a 2^i00, 2*800, 34 e 44 o co-
Supariorps moreantiques a 24500, 246G0, 34, 34500, 44 e 84000 o
covado.
Bons cortes de moreantique.
dem de gorgurao adamascados.
Bons pannos e casemiras.
Sup riores alpacas, princetas, merinos e bombaziaas.
Bons villudos pretos.
Grande variedade de chales de fil preto e de guipure a 54, 64 84.
104, 124, de 164 a 203, e de M4 a 804 cada um.
Superiores retondas de fil preto e de guipure a 84, 104, 124 e 254,
e de 304 a 604 cada urna.
Superiores algerienes de fil preto e de guipure de 124 a 254, e de
304 a 604 cada urna.
Bons chailes de seda preta.
Ditos de Merino preto bordados e outras muitas fazeadas pretas que
seria enfadnos enumerar, na
IiOJT.1 \S CfIiU?I\AS
DE ANTOtO CORRE** DE VA8C0NGELL0S & C.
RIJA DO CRESPO N. 13
Medicina domestica do Dr. Hering
Repertorio do Dr. Meo-Mioraes .
Diccionario de termos de medicina .
Os remedios deste estabelecimento s5o por'demas conheridA* a" a: m
tanto de serem novamente recammeadiidne aa np^iS? ., n e d,sPensam por
verdadeiros, enrgicos e daS^Ko do^h J^^^^f d remedas
rerdadeiro assucar de Jeite, aotaveis
pela sua boa fMervatf., iLture doi Lis aCri.
tado. estabelecimeitos europeos, a mais exacta t acSSSwST SilSLacw?i"
energa e certeza em seus eflitos. "^iwnpwacao, portairtoa maiar
Casa de smde pam esemvos.
Recebe-se escraros para tratar de qualquer enfermidade operado para o que o armunciante julga-se tSLSSmSS^S^!^9 qnaI(Iaer
p^duvidar, qae podem >^Egl%!^^
Paga-se 24 por da durante 60 das e d'ahi em diante 14500
As operares ser5o previamente ajustadas, se n5o se quizerem suieitar am n^
razoaveis que costuma pedir o anannciante. J ** pre501

u

RA DO ISRr.H Xm 38
O pro rietano deste estabelecimento desoja chamar a attenco dos senhores pro-
tirios para os acreditados mechanismos que continua a fornecer; os quaes garante
omo sempre, da melbor qualidade possivel:
Machinas de vapor
de um -avallo pa*a cima. As menores sao mui proprias para motores de des-
.amento9 dealgodS-i; ellas viajim armadas e poJem trabalhar den'ro de 24 horas,
s .le cheg rem no lugar. Ellas levam tudo quanto preciso para-o trabalho, e
'-sos sobrecellentes. As ma hias mato'es sao proprias para a moagem de canna,
ii^!. as que poden) junta e. separadamente moer canna e descaroear. Ellas podem-
. appbf.ar aqualqtnr m .endi j ex stente sem outra ratvlanca do que a'substituicaodas
. las di almanjarr^, ha lambem com moenda junta. Ellas tem depsitos d'agua e boei-
i fio ferro, e nao precisam para seu a'sentamento de obra alguma, qur de carapina,
daalvenaria. Otempo para assenta-las n> excade de nozo dias ao mais, eera
c.*os de mirt-s de animaes ou arrombamenios de acudes, etc,. garanlc-se o assentamen-
? emoitodias. Todos estes vapores sao simp'issimos na construeco, eseregempor
[uer pessoa intilligente, a facilidade da conduego sendo especialmente considerada,
tiato que nao ha lugar em que nao se possam conduzir, qar por trra, qur embarcado.
Lembra-se aos senhores de engenho que a venda do* animaos e o servico da
p oleoccupada no seu tratamento os ho de recuperar da maior parte da despeza do
v por, deixando-lhes a vantagem de urna moagem certa eaccelerada; e acabando com a
dfspeza da compra continuada denovos aDimaes, ecom os desgostos do trabalho que se
tem com elles.
Ser talvez desnecessario lembrar aos compradores de vapores a vantagem que
Ibes resulta de comprarem suas machinas garantidas em nma fabrica, teodo artistas com-
petentes para assentar as mesmas e easinar a maneira de trabalhar com ellas, e ^.pre-
paradas para arremedir qnalquer desarranjo; facilidades estas que jmate podem en-
conl rar comprando-as aos simples negociantes, os quaes por falta de conhecimenlo na ma-
teria nem se quer podeaa garanti-los de que as machinas que vendem sejam proprias ou
s:; Ti .'entes para o trabalbo em que se queira emprega-las, 6'no caso de desastre n3o
r lem prestar-1 'es soccorro algum.
Igualmente nao se e^quecerSo osmesmos compradores de quanto podem perder
c ter suas machina paradas por desnimos no tempo das sa'ras sendo queainda
a mo venham s fabricas para concertar as machinas alheias torna-se-ha preciso faxer
K_ entinamente moldes novos, etc. para a&pecas estragad s.
Tanabem ha sempre prompto Rodas d':gua de ferro Sarilhos, comxruzetas para as
i. -mis Moendas de canna de todo o tamanho, Rodas de espora.e angulares, Parees ou
< es para receber o caldo, Crivos e portas de fornalha, Taixas de ferro hatido, fundido e
o c )!.re, Formas de ferro gajvaniaadis para purear assucar, Bombas simples e derepu-
r. Atmbiquea de Ierro. Eixoserod *
f 'itros instrumentos de agricultura, M"0hoV e forn s para
t o objecto de mechanismo de que se costoma precisar.
PHOSPHATO D FERRO DE LERAS
IXSPEGTOR DA ACADEMIA DE PRIS.
Nao existe mdicameoto ferruginoso Vio notavel como o phosphato de ferro de
Leras; assummidades medicas do murtdo inteiro adotaram-no comsolicitude sea igual
nosannaes da sciencia. As cores paludas, dores de estomago, digestoes penosas, ane-
mia, convale cencas di'fflceis, idade criticadas senhoras, irregularidade ni menstraacao,
pobresa do sangue, |yuiphatsmo-sao curatos rapi-Ja nenteou m)diQcado3 por este ex-
cellente composto. E o conserva lor por excelencia da sania ed3jlarjd>-qpqiiui iioj
ho97>t)3 poas-nmroinins-a-mios 03 Ferruginosos conhecidos, ao idoreto e a3 citrato
de ferro, porque o nico que convem aos estmagos delicadas, que no provoc-a coos-
pa?o nico tambem que nao enegrece a bocea e os denles.
Em Paris na ra da Feuillade n. 7.
venda emeasa deMaurer, e A, Caors.
PECHIXCHA SEM IGUAL
iqR22? Cortes fl ?orfor30 de seda pretos adamascados para vestido eom 13 meiros
ou 18 a 80 covados rada corte, larjtura de chita franceza, peto baratsimo prego de 50
cada corte : na loja das columnas da ra do Crespo n. 13 de- Antonio Corroa de Yascon-
cellos & C.
VERDADEIK.1 AGUA ^II\ERA,
PASTILHAS DOS SAES NATURAES DE VICHY.
AR9IAZE9I 1E FAZEWDAS
DE
(T8TODIO CAHV 1T.TIO C.
w ^ RUA D0 QEIMADO N. 27
101000^adapoI3ofraDCezmQlofino'tenopoucomofo, cada peca com 27 varas por
L5a de cores a 300 rs. o cotado.
Cmbraia franceza a 260 rs. o covado.
Finos organdis a preco de 800 rs a vara.
Lencos brancos para algibeira a 2^00 a duzit.
Finas perclaras a preco de 400, 440 a 560 rs. o covado
Ricos cortes de 15a de barra de 105 a 30,5000.
Chales de fil preto e outras muitas fazendas.

.
a
O castalio 4e Grasvfile.
Trriniie do franeM por 1. J. C. da Cris;
Vende-se este bello romance em quatr
tomos pelo baratissimo preco de 30OOG
ua praca da Independencia, fmaria ns.
6 e 8.
VENDE-SE
Na botica e drogara de Bartholomeu & C.
Ra larga do Rosario n. 34.
5 RUA'DO. CRESPO 5
a virem
Convidamos as Exmas. Sras, Pernambucanas
visitar o. nosso estabelecimento,
que se acha sortido com urna variedade
immensa, de fazendas dos mais apurados e phantas-
ticos padr5es, proprios para
partidas, soirs. tbeatro, etc., como sejam:
Ricos cortes 4e cmbraia bordados a abo ha, brancos e de cores.
Bonitos cortes de poil de chevrede lnstre eflores
Elegantes crtss de tarlata^a bordados a seda com flores de cmbraia brancas e
carro. Arados, grades, enchadas a avalhr oo-fiores,
m< e forn s para fazer firinha e fioaJiaente Agradareis pad/o^s, em.,H;mani, gaze de seda com listas. T
ihjtoiu ue meciiausniu ue que se.costoma precisar. Retondes e chales de fil de seda de coree-teasoces om-mangas de fit oreto
Na fahncase fazera obras novas acommenda e concertos, com a maior p-este- .0StQ *mi*a n5o?isto) e muiUs especialidades em modas como chiDelias cbaneoex en-
2 solidez. O grande deposito de pecas obiectos babilitam-na muito para este fim. fftes, fleUas de tartaruga, madreperola, christal, platina, metal amirelto Dent* dea-
o Toprietino ser sempre mu feliz depojer dar ioform3c5es ou esclarecimento 1 dCTaa,> depara cok. r
s1- enhores que se servirem de seu presumo
Novidades do Vigilante
RUA DO CRESPO N. 7.
Este estabelecimento apezar de sempre
se acbar bem sortido como todos sabem,
hoje mais que nunca, n5o s peto que rece-
: be de sua propria conta, mas tambem pelo
I que recebe de consignacSes; parece sem
I duvida que deve offerecer grandes vanta-
| gens para o respeitavel publico tanto em
procos como na escoma dos objectos, e co-J
I mo acaba de chegar grande remessa pelo
vapor tDouro e o navio Soh*erino de
diversos objectos de gosto-e proprios do'
tempo dos quaes se mencionarSo algnns, I
por nao ser possivel mencionar todos. O
dono deste estabelecimento espera a pro-
tecc5o de todos.
Riqoissimas caixinhas ornadas e com
msica propria para-um dedicado mimo.
Caixinhas de msica tanto de veio como
de corda.
Ricos porta joia6 e necessartos.
Riquissimos estojos a feitto de um bausi-
nho ou cbapeuzinho.
Ditos em casca de noz e de outros gostos.
Leques de madeperola de sndalo e de
faia e madeira.
Chaposinbos e touquinhas de muito
gosto para criancas*.
Meias e sapatinhos de seda para as mes-
mas.
Metas de seda para senhoras.
Frameisco Jos Germano
RUA NOVA N. 22,
acaba de receber um lindo e magnifico sor-
timento de oculos, lnnetos, binculos, do ul-
timo e mais apurado gosto da Europa e ocu-
los de alcance para observacoes e para o
martimos.
lasso irmos
Vendem no sen armazem roa de
Anorm h. 85,
Licor fino Curaco em botijas o meias botijas
Licores finos sortidos em garrafas com roloas'di
viaro e em lindos frascos.
VinhosCberes.
Sm ternes.
Cbambertin.
Hermitage.
Borgonhe.
Cbampagne.
Muscatel.
Reino.
Bordeaux.
Cognac.
Od Ton.
PAezei lagniol.
Na ra da Madre de Dos n. 14 vendem-se
0008 tachos do obre proprios para refinacSo.
o arm^em de azendas
baratas de Santos Coelho
Rna de Qiirlmailo a. IB.
Vende-so o segninte :
Lencoes de bramante de um s panno pelo ba-
rato preco de 3**00. ^
Ditos de panno de linho a 2200 e 25600.
ww > octjq yai a acu Cobertas de chita da India a 2400 e 24800
,!?!,ogrD,ldaS ^res proprias be^A^S^fa.^'08 paraa,g-
D. W. BowsrAN.'engenheiro.
UA A ADK% llO IIECIFC: I. 4A
m i 'm'!^ndVa lfl?r!v!Jile-ad" m^ bmu*> *SSim cmo an">em tero um completo ssrtmen-
;,', t^S'^SL*?'' SOrl"DeD, flB ". de cores pret.,, e bosftn lS.
Madapolao avariado
U}*- c2-pro;ra escuras proprias para a staco a 7JW00.
Paleiots de panno qno preto a W000,4i|03 d alpaca braacaa 4J504.
tapeos de sol de seda com 12 asteas a 9 e 10
P i 'lrahS'com uA' '^l *eode?1 P^SIOOO, mas o Balso qnersndo mostrar quentagaeja
Venham ver a-barafata da Loja do Baldo.
Aos agricultores
riSan#$ll-.Brylor* & C acabam de receber de
Ltwpool vapores de forQa de 3 a 5, caaallos com
todos os pertences, e mui parios para aier mo-.
ver machinas de descaroear afeodo, podenda cada
vapor (rabalbar ale com IW^erras, tambem ser-
vem para enfardar algodo on para ouKo qualquer
servico em que ostFlAbalhar com animaos. Os
meamos tambern lam a venda machinas america-
na? de 35 a serras : os pretneaias dirijam-
se ao largo do Corpo Santo p. fT^
Vapores."
Vende-sem casa de Sannders Brothers & Q..
no largo do Corpo Santo n. II, vapores patentes
comtooj ^#s pertences proprios para faxer mover
tf6 Pfl j tro macaloas para destarooar ti&iht.
GiZ.
No armazem da rna do Imperador n. 3 on no
Caos do Pedro II n. 2, tem para {vender-so o mo
bar un eligiente no morcado.
* jtiPma sj algodiu SaDaStt uanrwwbs a
assucar e r*~
ae Olivelra
da Cruz n
Vende-so I lindo maleqoe de idade 13 anuos,
i crioulioho de 4 anats, { eseravo bom carreiro,
1. osera va para tado Qorvioorii.taoravodo 23 an-
nt)s, de boa conducta; na travessa'do Cirmo n. 1.
fSisr
vende Antonio Luir
seu escrlptorio na
Scbinas amaricaBas de sorf oto para descaroear
Hfodao: na.ra da Senxala JNova b. 41
Oanos de ferro.

N PWMf wa, fraila., f ba para vender
por proco eommodo canos de ferro com polegad*
de dimetro, multo bons para agua ou git.
Cassas de cares
E aduncha, pwqua sao finas elxi>adr3es,
mel.br/f*f dimiomo preco de 280 rs. o cov'
20.
e
cova-
do
*" V, ariMiN-so*oarpeYm4ila-se o enge-
nto Pindobinba, na freguezia de Ipjjuca, moenle
e corroBte, edeaatmaa, com sufflciotHe trras
para toda as ptaMagoaa, o aU para.a do algodio :
fM-setodoneaocio,corataDto qtw so paso* ama
M.TnJ:lTr^CT?>h^[!Bfae_d JsrasPs; ^iTpycuna,baTB1sfeDh9
para casamento.
Enfeites e capellas de muito gosto. para
seuhora.
RiquissmwB-porta boquets.
Boquet de flores com urna borrachinha
com cheiro.
Lqsas> veradeiras de ovin.
Ditas de seda e de Escocia.
Riqoissimas plumas e guarnices para
enfeitar chapeos.
Contas e .tfbps d jafo brapco, qifli
muito se desejava paja enfeites.
Brincos, fi?ellas e crozes de crystal.
FifeHasecruzes de tartaruga, madripe-
rula e dourados.
Alfinetes para grava tas.
BotSes com croas para punhos.
firav^ipb^s w>Pnttoh:it de muito gesto,
tanto pare homam como para senhora.
Riquissimos aderecos pretos, assim como
eakfflhae eom a+finetes pretos.
Iengalte8 de canoa eom cabo de marfim.
Dita de baleia, borracha e de outras
muitas,qualidades, assim como ehicotinhos.
Riqnissimospentes de tartaruga do ulti-
mo gosto j assim como de arrejaco para
menina, pois oeste artigo ha^iainpftto
sortimento de todas as qualidades.
Diademas para cabepa do ultimo gosto.
Wqui8simar fitas lavradas e lizas.
I Ditos de cmbraia de llbtio fino a 44500 e Si
duzia. v
Atoalhado de algodSo branco a 31 a vara,
a %STl?* m a COm 10 palmos de Iar-
Panno de lifbo fino com 9 2 palms de largu-
ra pelo barato pwco de 21400 vara.
Bramante de Imho floo de urna largura, pelo ba-
ratissimo precoWSOO a vfl"
Toalhas de lindo aeotoboadas para maos. a 135
a duzia. ^
Dirs felpudas a 131 e 151 a daiia.
GcardaBapasdeiLlit)o-a^|oOO a duzia.
Faosla de tedas as eeroffara coeiros, a 880 te.
o covado.
Tarlatana de ores a 800 rs. a -vara.
Baloes de 38 are os 31500, de 40 a 4
Cmbraia de linho fias a 49300, 61500 o 9# a
Cmbraia para forro de vesdo a JJ700 o 31 a
peca. v
SMOO** d8 breUnha de ro* com 10 S?*. *
Peca de* madapolao fino e largo a 7}.
Laazinba lisa de cores a 500 rs. o covado.
Pecas de cmbraia branca de salpicos 'com 8 e
meia va jas a 44500.
Coeiros de casemira bordados pelo baratissimo
preco de 94. 'r
Esleir da India preprla para forro de sala do
4,5 e 6 palmos.- de largara.
Cmbraia* finas de cores miadas a SSrjfSjg. a vara
Neste armizom tambem se encorara nm grande
sortimento do ronp? filias ior modWa.




Trancas pretas com vidrilho a de edres.
Pulsfirw Unto para senhora oomo para
meninas.
Ligas de seda e de algodio.
Suspensorios de seda e de algodio e mai-
tos outros objectos que se no podem -
nuneiar por naosoteraar enfedenho.
S no Gallo Vigiarte nado Crespo n. 7.
immi.
a saco 4a i alfueires, no ar-
ideia do Recita, eonfronto ao
Ve,nd*-t a .
mazem da roa da
arco da Cfljeelcgo-
ama novilha muUo graaldo e mrd
propria para oofwr aoeni prnender dlrtta-so'
* S*"**11"* aaln-fc jama, do o^iqh^i
"Iigias.
Chogaram as muito 3Daefiorad*Mo,GteMb do
J^pe so ven&mpor flfr;M753?35oia

H)j


A

ILEGlVEl



i


^a^san
K
ftiarVaPl^iit.^i^i44^i< **de i8W.
Neste estabelecimento encontrar* o respeltavel
publico um variado sortimento de fazendas fraoce-
xas, Ingieras, suisaas a allemaes, que se veoderao
por preso commodo.
Paxeei Porto
Vende chales de repda de cores que se vende-
ram a 18* est vendendo por 62, ditos pretos, fa-
zenda nova, 82,62, 82 a 14, um sortimooto com-
pleto de manteletes, capas e.soutambarques 14,1
552. Ra da Imperatriz. n. 42, junto a padaria fran-
ceza, armatera da porta larga.
Parees Pert
Reoebeu aro completo sortimento de laasinhas a
240, e 280 rs. covados, para acabar, cambraias de
cor a 240 rs. o covado, riscado escossea para roa-
na de menino, fuslo de linho a 420, 400 e 500 rs.
Ra da Impe -atriz n. 92 junto a padaria franceza,
armazem da porta larga.
rlroffS I VIIV
Receben para cortinados para cama franceza a
U2 a pe^a cambraia lisa tina a 32 42 at 10* a
peca, cortea de tarlatana.de besitos gostos a 3*500
42, cambraia eom" or de seda, gostos Jnteira-
mente novos a 400 e 500 rs. o co vado, no armazem
da porta larga n. 52, rna da hnperatrk junto a pa-
dwia Iraocea.
Paredes Perl*
Receben pelo ultimo paquete um sortimeato de
cruzes com pedras para o pescoco, bonitos caxinels
fe lia para pescoco de senhora. Ra da Imperatrii
n. 52, armazem da porta larga.
Parodea Porte
Vende corte* de gorgurao preto para ve8tdoom
21 covados cada um 3o#0JJ0, grsdenaple preto a
1*600,12800 e 22" o cavado, Has lizas unas a 400
rs. o covado, las de qoadrinho para vestido, nfes-
uda, a 320 rs. e covado. Ra da lmperatrn a. 52,
armazem da pona larga.
Roupa feita
Ra da Imperatriz n. 52 armazem da porta.lar-
ga junto a padaria franceza, eocontra-se ueste es-
ubeleeimento nm completo sortimento de paletos-
saceos e sobrecasaces, de todas as qaahdades, cal-
cas, eolletes, ceroulas, camisas, gravatas, meias,
chapeos de sol, ditos franceses para cabeca, per
precos commodos, roupa para menino e outras
muitas fazendas por precos commodos, armazem
da porta larga.
Ifo mesmo estabelecimento encontrar o respel-
tavel publico, sempreum completo sortimento de
roupas fetas de todas as qualidades, como sejam
paletos de alpaca preta e de cor, ditos sobrecasa-
cos a 4* e 5*, ditos de brim parlo a 2*800, 3* e
3*500, ditos tinos a 4*, ditos meias eazemira a
3*500,4* e 5*, ditos eazemira saceos a 6*, 75, 8*
10*, ditos sobrecaeacos a 10 e '12*, ditos de pan-
no saceos a 6*, 8* e 19*, ditos sobrecasacos a 12*
e 25*, ditos de merino preto a 62, 7* e 10*, cal-
cas de'brim de tersas quaHdedes a 1*609 a 4*,
ditos braneos a 2*800 e 6*08, ditos cazemi ra 5*,
6* e 32, ditos pretos a L 6*, 8* e 10*, ditos
metas cazemi ras a 3* e 4*, col tes de diversas
qualidade?, seroukts francezas de algodo, ditas de
lnbo, ditas de bramante a 2*-e 2*500, carnizas de
algodao de linho francezas de 2*500 e 3*. Gran-
de pecbincba ueste genero, grvalas de todas as
cualidades e brancas para casamento, grande sor-
timento de meiae para sen horas, ditas para homens
a 3*, superiores a 3*500 e 4*.
Um completo -sortimento de cbapeos de sol de
alpaca a 3*, ditos de seda a 5*, 72, 10* e 14*,
ditos francezes para cabeca, grande sortimento
a 6*.
Vestidos
Pechiucka Km igual.
Gbegou a loja de Paredes Porto um bonito sor-
timento de vootiiood taroamut de cores e brancas
que serve para partidas por ser urna pbantasia in-
teiramente de sosto pelo 'barato preoo do i* a
braneos a 4*500, eslao acabando-se : no armazem
da porta larga ruada Imperatriz n. 52, joato a pa-
daria franceza.
Oortnados.
Gbegou a loja de Paredes Porto um oompteto
sortimento de cortinados ricamente bordados a
preeo de 25*, 3a* e 45* : na roa da -Imperatris
n. 54, porta laaga jDto a padaria franceza.
Ricas romeiras.
Paredes Porto ceben pelo ultimo paquete um
sortimento de romeira de guipure pretas e de Co
a preeo commodo : na roa da Imperatriz a. 52,
porta larga junto a padaria franceza.
Um
Chmeos de sol.
Vendem-se ehapes de sol de panno a t*400 e
ama grande pechinoba s para acabar : na ra da
Imperatriz n. 52 armazem da porta larga de'Pare-
des Porto.
A SALSA PABMLHA M AYER
PARA A CURA RADICAL

de escrfulas e molestias escrofulosas, tumores, ulceras, chagas, fridas vfe
Ibas bronoboceie, papo on papeira, a syphilis, eufermidades Teneras ou mer-
curiaes.
GRANDE ISUIAUU1LMO
w*".
Baa tblnperatrlz, N. 60
| DE
GAMA & SILVA.
LOJA E ARMAZCX DE FAZENDAS.
Tendo os proprietarios dste grande estabeleci-
mento feito um grande abatimento em muitas de
suas fazendas, pela occaslo do baiasco quodeam
apenas pelos precos que compram as casas .ingle- ratriz n. 60, de Gama & Silva.
zas, sendo com o dinheiro a' vista.
As toallus de i ao do Pavita.
Vendem-ss superiores toalhas de linhos
rosto pelo baratissimo preco de 7*500
a 640 cada urna.
para
Gnarilanapos de linho adamascado para meza a
2*800 a dnzia ou a 240 rs. cada um.
Superior atcalbado de liuho com oito palmos-de
largura seDdo tranco e pardo, e vende-se mais ba-
rato do que em ootro parte, na loja do Pavo na roa
da taperairizn. 60,e Gama & alta.
Oscorpinhos ae seda pretos do Pavao.
Vendem-se os mais ricos corpinhoadd seda pre
(OS, ricamente tnfeitados, pelo baat.prego de,tti Cama & S
cada um : na loja do Pavao na ra da Imperatriz
n. 60, de Gama & Silva.
Reos vestidos a 80000 rs.
prenjata admirarel.
S.oPavo.receba pelo ultimo vapor kancez
um grande sortimento dos mais fieos corles de
vestidos transparentes Com lindas barras e enfeites Irk n.-60,-de Gama & Silva.
"AA/a
'O
Cortes ae laa escocesa para vestido [a 3* o oor-
te: na rna aa Imperatriz n. 52, loja da porta lar-
ga, junto a padaria franceza, estad se acabando.
Para luto.
Lias pretas com salteos braneos a 400 e 500
rs. o covado : na ra da Imperatriz a. 82 junto
oadaria franceza armazem da porta larga.
A 1$500.
Vendem-se pecas de tranca preta para enfeites
de veste eos, sofltosdMrtpiss, capas de senhora a
1*600 com 10 varas, urna grande peebincba : na
rna da Imperatriz n. 52 junto a padaria franceza.
Chales de renda pretos.
Vende-se enalM de renda preto a 4*000, unicc
loja que pode vender na toa da Imperatriz n. 52,
armazem da porta larga, da Paredes-Porto.
a*
S-ts-e-s.
OS
-3I
1

s.dTSp^SlSnpfc.
ptrisa. t% ptiir n tndsfv ,
Jmw Je atyodm
M
imnfado
Udeia n. 4, armatea de BiTri
75.^*
AS MOLESTIAS DAS MULHERIS
retencSo, menstro doloroso, ulcerarles do tero, flores brancas, etc., ulcera-
c5o, dbildade, expoliag5o dos ossos, a nevralgia e conTulsSes epilpticas
quando causadas pela escrfula.
ERVSIPEUS EfiPESi EK. ,
Eafernildades cutneas, erupeo, borbulhas, pstulas,
ascidas, etc.
.0 gxtracto composto de salsa parrilha, confeccionado pelo Dr. Ayer, e urna
combinado dos mlhores depurativos e alterantes conhecidos medicina; *^^c^
nado segund as regras da sciencia, approvado ereceitado pelos primeiros mdicos dos
Estados-Unidos da America do Sul e Central, das Antilhas, do Mxico e das Indias, e
muitas outras partes do mundo: o resultado de estados apurados e minuciosos, e de
experiencias feilas pessoalmente pelo Dr. Ayer, por nuitos annos, nos principaes hos-
pitaes o enfermaras da America ; tcm sido approvado pelas academias de medicina e
juntas de hygieone das principaes capitaes da America do Norte; para prova disto Tde
os attestados ayibeuUcos no Almanak e Manual de Saude do Dr. Ayer, os quaes-aedts-
tribuem gratuitamente nos lugares onde se vende o remedio.
A SALSA PftRILHA DE AYEfl
Especialmente efllcaz na cura das molestias que tcm sua origem
a escrfula, na InfcccSo venrea, no uso
excesslvo do mercurio ou qnalqner Impureza do sangue.
A molestia ou infecco peculiar, conhecida pelo nome de escrfula, um dos ma-
les mais prevaJecentes e unwersaes que ha emtoda a extensa lisia das eDfermtadesqtJe
atacam anpssa ra$a.; disse um celebre escriptor da medicina que mais de urna.terca
parte de todos aquelles qne morrem antes da velhice sao Tictimas, ou directa ou indirec-
tamente de escrfula; por isso s nao to destructiTa, porm a pcincipal causa de
muias outras eofermidadesque n5o lbe s3o geralmente attribuidaSi
urna causa ireclaua tsica pulmonar, das molestias do figadOi dp esVonwgo
e affecces do cerebro; ealre seus numerosos symptomas acham-se os seguintes: alta
de appetite, -o aunblacte plido e enehado; as vezes de urna alvura transparente e outras
vezes corado o amarelleuto irregular, fraqueza e nol'.eza tros msculos ao redor da boc-
ea ; digestto fraca e appettite, falta de energa; ventre enehado e evacuaeo irregular;
guando o mal tem seu assento sobre os pulmSes urna cor azulada mostra*se em roda dos
olbos; quando ataca os orgSos digestivos, os olhos tornam-se avermelhados; o bali-
to ftido, a lingua carregada; dores de cabeca, torrterras, etc. Naspessoas dedi8po6i-
f3o escrrtWosa apparecem frequentemente erupces na pelle da cabeca e outras partes
do corpo ; s2o predispostas s affeccoes dos- pula>e8, do tigade, dos rins dos orgos
digestivos e uterinos. PorUnto, nao sao smenle aquelles que padecena das formas ul-
cerosas-e tuberculosas da escrfula que necessitam de proteccao contra os seus es-agos;
todos aquelles em cajo sangue existe o virus.latente deate enrivel flageo (es vezes
hereditario), estn expostos tamben a offner das enfermidaes que elle causa, que s5o: ^rilos quein ouua qnaiquer parte.
A tsica, ukeraces de figado, do estomago e dos rins; erupcese eufermidades, ist0 na loja armazem do Pavao na ra da Im-
eruptivas da cutis, rosa ou erysipela, borbulhas, pstulas, nascidas, tumores, rheuma, peratrizn.-odeGamaetS'
carbuncukis, ulceras e chagas, rbeumatismo, dores nos ossos, as costas e na cabeca,
debilidades feminmas, flores brancas causadas pela ulceractfo interior, e enfermidades
uterinas, bydropesia, indigesto, enfraquecimento e debilidade geni.
Offerecemos a estas pessoas um abrigo seguro e um antidoto effiGaz contra esta
molestia e suas consequencas na
SALSA PARRILHA DE AER
que opera directamente sobre o sangue, purificando-o e eiprisando'a corrupejo* o
veneno da molestia; penetra todas as partes 4 todos os orgos docorpo -humano, livran-
do-os da sua acejo viciada e inspirando-lhes novo vigor. um -alteranle poderosissimo
para a renovaco do sangue, e d ao corpo j enfraquecido pela ena, fo reas e-eoer*
gias renovadassomo as da juventude.
E tambem o mellior aaty-syphilitico conliecido
cura permanentemente as peiores formas de syphilis e as suas consequencias. .'Pouca
neeessidade ha de informar o publico do inestimavel valor de um remedio que, como
este, livra o sangue desta torrupcao e arrebata a victima das garras de urna morte lenta da emperatriz n.'o, de Gama & iva.
e ignominiosa, porm inevrtavei, se o mal nao logo combatido com energa. i Qs ,fea;oes do Rttao.
nm.poderosisamo alterante para a renovacSO do sangue e para darnov* for-| Vendem-se superiores baldes de mucujina com
ca ao corpo j enfraquecido pela doenca. ?S^LT(^a a'55.;tds crioottoes com 35 arcosa
Seodu^mposto de productos .egotaes, es.eiedicamen4o innocente e ae mes- ]g"H" ^**ZlS^i*" jmr
motempo efficaz, um racto de immetwa importancia para aquetes que o tomam.; por- Da io^ do Pavcn> rua da toparatnz n.60,de
que muitos dos remedies Iterantes offerecidos ao publico tem por base o mercurio ou o | Gama & Silva.
arsnico; e sendo assim, bem queevezes-podem efectuar curas, comtudo deixana suas Cembraias de 'forro a 1(5600 e 2 na loja
victimas carregadas de emalonga serie de males, muitas vezes peior do-que omai or-1
ginaj. A nica cousa neo^efisaria nara obter urna cura radical eeguir com juizo econs-
atacia as dreccoes que companham cada frasco.
Nao pretendemos promulgar, nem queremos que se nflra que esta compQsico a
um remedio irrfallivel pata a cura de todos os padecimentos humanos ; infeliimeote
escrfula e a syphilis sao enfermidades to sutis as snas naitrrezas, e arfegam-se to
firmemente no systema, que muitas vezes-evadem eresistem aos remedios mais pode-
rosos que a sciencia humaea pode inventar para combat'Jas: o que dizemos qtle o
Extracto composto de salsa parrilha de Ajff
a melhor preparacSo at boje descoberta para estas e outras moiesas anlogas, que
umacombinafSo dos alterantes mais efficazes conhecidos, e que esta combioeclo tem ido
regulada por loogas e laboriosas experieacias, e finalmente que temos consciencia deof-
ferecer ao publico o melbor resultado que possivel prodzir, da intelligencia e pericia
medica dosnossos lempos.
Este remedio deve ser tomado com systema e regularidade, e nfb com abandono,
pois um remedio e nao bebida.
Quaodo as molestias do figado nao tem sua origem na escrfula, o remedio
mais proprio aspilulas catbarticas de Ayer, que s5o efficazes n'-cura da molestia, que
m por causa um desarranjo dos orgos digestivos. Ped a salea parrilha-de Ayer e
nao acestai outra preparaejo. ''
Pernambuco, rua Nova n. iS, pharmacia francezade P. Maarer & C.
Grtes de cambraia com palmas oa iojsdo
.. ,Jflrao.
Veedem-se cortes de cambraia Lraaaa cem.pal-
maSJcjido fazenda muito bea, pelo baraUssimo
.. para acabar : tfa:mj*'B armazem
m Patio na rua da Imperatria n. 90, Be Gama &
Silu.
Lencos branjeos a %$QOO reis a
duzla.
Vendem ae lencas braneos fazenda mnito boa
pelo baratissimo preco de 24 a duzla, Ditos com
barra de cr a 2C0O isto para aeabar na loja d-
Pavao na rua da imperatriz n. 60 de Gama & Sio
va.
no ultimo de dezembro de 1863, resolvern), vender rtnnplinas mndprniwimaa a ilfl p KilO rs
multo mais barato do que costomam am de cada "oape" moaernissimas a 4UU e auu rs.,
ves mais agradarem aos seas namerosos fregae- O COVarlO na loja doPavao.
Yendem-se ponpelinas muito finas sendo fazenda
ment de fazendas francezas, ioglezas, as quaes muito moderna de quadrinhos e liza vendendo-se
Vendero mais barato do que em outra quaquer >pelos baratos precos de 400 e 500 rs. covado na
parte, compromettendo-se a mandar levar quaquer loja do Pavao na rua da Imperatriz n. 60 de Gama ;
fazenda em, casados fresuzes. que nao podutsm & Silva.
vir a loja, ou a darem as amostras, deixando osar ,'Cirosdenaples preto* do Pava.
o penhor, assim como convidam as pessoas, que Vendem-se superiores grosdenaples pretos ^elos:
negoclam em menor escala qoe-oeste gratule esta- 'baratissmos pregos de 1500, 1600,1^800 e 2
beleeimento encontraro nm grande sorttaeeto
tanto a relalbo como por atacado, vendecdo-seillie
o covado, sendo fazenda muri bea, s para aca-
bar : na loja e araaaem do Pavao, raa da Impe-
I Bi'amante de linho do Pavo.
Vende-se saperior bramante de linho com 10
palmos de largura, proprios para lenc.6s, pelos
a duziaL ou Ibaratissimos precos de 2$ e 2G00 a vara, assim
coo patino (precos de 640,700 e 800 r. a vara : na loja e ar
imzem do Pavo, rua da Imperatriz n. 60, de Ga-
ma & Sirva.
Cawbraias Usas do Pavo.
Vendem se pe;as ae cambraia lisa muito supe-
rior, peto barato prego de 3200 e 32500 a peca,
dm muito finas a hS, uj. 75 e 85 : na loja e
Srmazenj da,ftajfao, rua da Imperatriz o. 60, de
PECHINCHA!
a 2000, pira taifas, s o Parto.
Vesdem se tnperiores cortes de meia casemira
com msela de seda a ti, ditas Garibaldlnas a
2800, ditas escoras a 2800, on a 1G00 o cova-
do : na loja e armazem do Pavo, roa da Impera-
do seda, sendo estes vestidos muito proprios para
bailes e passeios, e veDdem-se pelo baratissimo
preco de 6^000 rs. cada um, m loja do Pavc na
rua da Imperatriz n. 60 de Gama & Silva.
Os cbaes pretos de renda do Pavo a 8000 rs.
Vendem-se os mais ricos chales prelcs de renda
com roatro ponas, senda mnito grandes pelo ba-
ratissimo preco de Si.
Ditos de guepre a. *|, 18 20, 25*.
Retonda deditoaiG.
Manteletes de renda. Uzeada muito superior a
153000.
Capas-e sstricbar dados, fazenda inteirameote ova, par precos mais
Oschrcs'df-'pavt a 2u% e 25ors.
Vendem-se chales de merino estampados- a$$
e 25500 cada nm.
Ditos de merm liso a 35500.
Ditos estampados de orepon a 6J, 7,5, e 8000.
Pitos T'relo6 bfirdados -coto franja de seda a 442.
Na mja e armazem do Pavao na rna di Impera-
triz n. SO de Gama* Siva..
Para lulo vende o Pavao.
Setim da China com O palmos de largura, fazen-
da preta pwa tulovpwpria' pamr Testiaos e renpas
paraiiomens, seado-sa ra lateetfa em loetro'e
de muito boa qualidade, garautindo-se moi fiear
rnssa com o tempo*e vende-se pelo barato preco de
22 e 22500 o covado, assim-tonwtfeste siabeleci-
meata tem um raade scroimeoto e todas as fa-
zendas pretas mo sejam cass*s e-chitas pretas,
lias tapadas e traasparentes, princezas, alpacas,
sarjas, etc.: na laja-e armazem do Pavo na rua
VENDE-SE
No arntazem de H. 4. Ramos e Silva & ienro. a rua do vi&ario
nu 11, constanteniente, os seguintes artigos, que
recebem por encommenda propria de
XEW-YORM.

Legitima salea parrilha deBristol, preparada por Lanaan & Eenip.
Verdadetra agaa Florida, preparada pelos mesmos.
Osj em latas de tiaco galges, o mais parificado qne se pode desejarda acredi- ^^^v^^^vj^j^gm
do Patao.
Vendem-se pesas de cambraia de forro com no-
Te varas cada paca, pelos baratissmos .precos de
15500 e 22: na loja e armazem do Pavao na roa
da Imperatriz n.'60, de Gama & Silva.
Os cortinados do Pav5o.
Vendem-se superiores cortioados aanrascados
para camas pelo baratissimo pre<;o de 12 c?.da par,
ditos muito finos rkamente bordados para camas
on ja uel I as .a !> 20] e 232 o par : na loja e ar-
mazem do Pavao na rua da Imperatriz n. 60, de
Gama Silva.
Panno pretd a 20 na leja de Pavf o.
Vende-se panno preto. fazenda mnito boa, pelo
barato preeo de 22 o corado, dito mnito lino a
32503, 42, 52 e 02, assim como casimira preta de
cordo a 22 o covado : na loja do Pavo na rua da
Imperatriz n. 00, da Gima Si -Silva.
Os espartilhos doavo.
Voadem-se amasTande e variado sortimento de
es panal aos dos tnais bem feitos que tem findo ao
mercado, sendo de lodos es tamanbos, vendendo-se
por um preco mnito razoavel : isto na loja do Pa-
vo na^rua dalmpemrh n. 60, da Gama & Silva.
As saias bordadas dto pavo.
Vendem-se saias bordadas 6endo fazentfa muito
boa, sendo ricamente bordadas e com maila-r.oda
vendndo-e pelos baratos prfds de 62 8jf e wf
neis cada ama na loja do Pavao na rua da Impera-
triz n. 60 de Gama -Silva.
relaulia 4e role a 3^0002
Vendem-se pecas e-faretaiiba de reto com 40
vacas cada pega", pelo baratissimo pceeo de -32.;
na leja e armazem do Pavo, rna da imperatriz n.
6*\td**4iJH#ra.
1 Roupa f elta.
Ka loja de Pavlo
\ Vende-se neste estabelecimento utn grande sor-
meato 4eroapa, ttnto de panno cerno caxemiras,
tada marca F. W. D. & C.
Retegios perfeitos regaadoresi com corda de qoatro aoitodiaa, dos BaaVaW fa-
bricantes E. N. Wdeh. -
Gnxa em latas grandes da bem onbeeida marca las. S. Masn (de Pbiladel-
phia).
Superior oleo para machinas de costura.
Agulhas para as mesmas.
Breu- em barricas grandes e pequeas.
Yfguae-se tambem:



.
BOHDl-AI V
1.a qoalidade.
St. Eslepbe.
St. Juen.
G. Margau.
C. Lafitte.
MadAfi.
m


Principe Real,
"edro V.
[aria Pia.
PrincezaD. Isabel.
* qaalidade, Vctor Emmanuel.

Vinho fino do Porto embarris de 5/, 10/ 120/.
Superior vwbo de Rbene.
Cera d Liaiwa em vetes em graate.: 0y


Soque.
Malvazia.
rat4B

i_iui> iiii. i'ii'i't un aiii-iiiiiiii >a> >
UlW
fl
liS300
ti BA DU OIKMAOO W f.
Finas pecas de madapetto omn6 masa 9$.
0HI4G ^5 < ^ *??>
mm*M flus para ineaioatv dazia tfcOQ.
Csamloratas.
, Cambraia* da cores a pesco de;tf*> a 3W fs. covado
uM-dnuapos.
pwndaoapoa da liabe, dua UUi.
"iimr
Algodao trancado de duas ]gim, popa JW* tna1ha!^ d^ mesa 2 n|co d
avara, **** -........ -.'- m
letots de panno preto saceos a 62 82 e 122000 rs.
ditos sobrecasacos de pah ffflfsslnlo'a 12> 182 e
232000 me, e outf os ntortos aftiges'qt seria en-
fadoBbos aqui relatt-lce; s nO'loja e armazem do
Pavo rna da Imperatriz a. 60 de Gama & Silva.
brandes pochinehas. .
Sediahaa M r. o modo
ja-icsau ^IMBBas-a-laWrfc-
>4a**a a MO rs.
Vende-se na loja do Pavo, am grande- sertmea-
to de sedinbas listradas com as mais bonitas cores,
sendo os padr" mais tiovs qoe tem viddo ao mer-
cado, e vende-se pelo paratisslmo preco de cloc
toetoes o covado, sn*e A senda 400 Talem mallo
mais dinheiro, e grande peebmeba por se- tar
comprado nma grande ponida desta fisendajaa
loja e armazem de fasenda do Pavao, rua daTm-
peratriz b. 0 de
Ldfosmhai matisadifgnlfVnit.
fbaSM-tt as mais lidas lsnnas matisara'as
d*t*r mal bonitos eseWWs, p%lorlHro,precff 3t ra. covado ; aa k*a do Pavo a raa fclm-
peratw n. 60 de Gama k Silva.
Os-dmfcr de ffiptire a \U e
1J05 1
Veas)**- 08 mais
PEMEADORES
ou roupoes de cambraia bordados proprios
para as senbot-as vestir em de manlia.
Gbegou esu novidade paia a loja da Pavo,
tnuito lindos e do melbor gosto at boje, por pre-
tos mnito razoaveis : aa loja do Pavo, rua da
Imperatriz n. 60, de Gama Silva.
Cseas fraacezas a 240 rs. o covado.
Vendem-se bonitas cassas francezas de eores li-
sas pelo baratissimo preco de 240 o covado.
DTtas a 280, 320 e 3B0.
I S na loja do Pavo, rua da Imperatriz u. 60, de
Gama & Silva.
Grosdesapie preto a 1#60G.
F grande pwBineba I!
Ver-sBitrwdiat*'PTeto, sendo muflo encor-
nado e de boa largura, pelo baratissimo preco de
|2600 o covado : na rua da Imperatriz n. 60.
Os cachinez do Pavo.
Vendem-se benitos cachinez de 15a on apazarhos
para cabeca pelo baratiswtno preco de 32000, s
na loja do Pavo, na rua da Imperatriz n. 66.
MANTAS PARA O PESCOCO
a 42, s o PavSo.
VtafiTTiff trflaV't ""-r1" para o pescoco, pelo
barato preco d 12 : na loja do Pavo na rna da
Imperatriz n. 60, de Gama & Silva.
Madapelees a 3,566 rs. a pessa.
Sd1 na loja do PavSo.
1 Vende-se fiemas de madapolo fino com 12 jar-
das, pelo barato preco de 32500 e 42000.
Chales de renda.
Na loja do Pavao.
Receberam-se os mais lindos chales pretos de
renda, assim como as mate modernas "e eompridas
retonoes, e manteletes da mesma lazenda,e vende
se mais barato que em outra qualqaer parte: na
lofa e oimazem do Pavo na rua da Imperairiz o.
66-de Gama & Silva.
Gatior a 3i>0 rs. covada.
Para caicas.
Vendem-se superiores castores muito encorpados
padres escaros pelo barato preco de 320 rs. o co-
vado, servlndo esta fazenda tambem para eaeravos
por ser de mnita doraoo ; na loja e armazem do
Pavo rua da Imperatriz n. 60 de Gama & Silva.
Chapeos para ipenieas a 6,000.
S na loja do Pavao.
Se vendem os mais bonitos e mais bem enfeita-
dos obaposinhos de palba da Italia, proprios para
meninas, pelo baratissimo preco de 6000; na loja
e armazem do Pavo na rua da Imperatriz n. 60
d Gama & Silva.
Attenc&o.
IILTWA NOVIDADE
PENTES, ENFEITES, CINTOS.
Gama & Silva, acabam de recener pelo ultimo
vapor francez, nm grande sortimento dos mais ri-
cos enfeites pretos e de cores proprios para cabeca,
sendo goarneeidos cora as mais lindas flores, e cora
voltas das mais bonitas perolas; assim como os mais
modernos e engranados peales da verdadeira tar-
tarupa, marebetados aendo a ultima novidade
que tem, vindo de Pars, e os mais ricos cintos com
utas mathisadas e fivelas largas, conforme ltima-
mente se usa as primeiras capitaes da Enropa, e
vende-se por preco em errata por ter ehegado em
direitura para a' loja- do Pavao, rua da Imperatriz
n, 60 de Gama 4 Silva.
As retan das do pavo a Se Qs,
Ven jenvse as mais ricas rotandas de renda pre
la, sendo moHo grandes, que sio as que mais se
usam, pelo baratissimo preeo de 82 e 102 : mu
loja e armazem do Pavo, rua da Imqeratrix n. 60,
de afta & silva.
Chitas pretas a 160 rs:
Vendem-se chitas pretas infieras, sendo fazenda
mnito boa, pelo baratissimo preco de 160 rs. o co
vado, ou 52500 a pega com 38 covados: s na
loja de Ravao, raa d Imperatriz n. 60, de Gama &
Silva.
ATLANTA
Jto^bramai^fo.li^ etfracez,
t^wbjaia de babo prppxia para f
^toalhado branco
Entremek de can
Lcoidesedapa
t
*oo
rs.
rande novidade a
illaata a 20 rs.
Itlnfa t- 206 rr.
Atlanta a 290 rs.
Owgarpara a lo}a do Pavo o mais lindo sor-
timento daela nova fazenda, com o tilmo de atlant
propria para vestido e roupas para meninos, sen-
do esta modernissima fazenda de 13a com os mais
lindos gostos de quadrinhos e ristras tendo entre
orlas-1 de c*r roxae preta, eom I tetras e quadros
braneos propria* para luto, o vendem-se peto ba-
ratissimo preco de 200 rs. o covado nicamente, na
loja do Pvp fu da Imperatriz n. 60 de Gama &
va.
is chita* 4a Pavo a 200 o-ca^T
Vende-se o mais bonito sortimento de chitas es-
coras e rfcris sendo fnglzas, mas com os pannos
ao encorpatw com#W das- franeezw que se vw-
WOlrols, e lKaa4toa se peoo barato poce-de
toe ris o covado ou a 72200 a peca, garaatindo-
terem 38 covados cada, pea e serem do cores
#g MO BU loja e artSzti do Pa?3o na ra da
I Wperavrft! *. 68 oMaWS Silva.
Vende-se cera de' carnauba melbor qnafil
cnalotdmfjbljJtfro''Hemlsaccos, mais barato que em outra qnn
reada do ltB^ooadatiaaMaawilso*awi>ro?oo-de \pm n nwiatoVtHlo*tle a rife A f>r
125 e 162; grande peebincba em reiaco a t^p I arfio, do Gaoat **!?'
qualidade e lamanbo dello : s na loja do Pave, fi aaoaaai
VnMm^-aiedonwklaavabas ooaVIHilfcsaafe*
gte% tei.baaatiome>#Mo de W9 rs. w -fraav
-tmttU-itotk doP4%d a'maW llttRlg
^atarea Wfc par vestido, sendo- *mm mate
ndel sootw e aoat llsOa, toado eitte eilas- at-
fSkSaldrKon*.
*eafra1Mtiav pffflHdo .
jMja ^.ujimalaiaiia pao oavaajss*
Wtmm rs., fUftTavo.
VendesaaMaWbnMo socllmedlode chitas in-
glezas, padroe miudinhos, claros e eseoros, e ten-
do tambem roas para luto, attancaudo-se serem
cores itti^^eiJWnWe*b%l Btfartsslmo-trero nove vileos o covado, ou a peca c m 38 covados
por 62800 : isto na foja e armazem roa da Imperatriz n. 60, da Gama & Silva.
Vestidas braacos.
Cbegaram para a loja do PavSo os mais bonitos
cortes e vestidos fle Calbrala bratc com boni-
tas barras todos brancas, assim como com barias
de coree, seido faaenda transparente e multo fina,
tendo cada nm corte bastante fazenda e mana ro-
da, e vendem-se pelo baratissimo preco de Si e
10# : na loja do Pavo na rna da Imperatriz u.
60, de Gama & Silva.
Cortes de tarlaiaaa ira tftj do* ptiv*.
Vendwn-eeos mais moderaos cortes de tartas La
com asmis lindas barras de cor, pelo baratis-:n>o
preco de 52 cada um, sendo neste- artigo o meiaor
que tem vindo ao mercado : isto na loja e ajm-
zem do Pavo oa roa da Imperatriz n. 60, de Ga-
ma & Silva.
Rodelas d'borraxa
proprfas para atar masaos de papis, e para ;er-
virem de ligas para porto, maoguirt, etc. etc.
Vendem-se oa roa do Qoeimado loja d'agnta bran-
ca o. 8.
* Mui finas carias
francezas, com cantos dourados, e sem dourado.
Vendem-se na rna do Queimado loja d'agtia brin-
ca a. 8.
Envelopes azues
a 500 rs. o cento.
Vend>m-se na rna do Qneimaflo loja 3'aguia
branca d. 8.
Appareloos de porcelana
dourados e pintados.
Na rua do Queimado loj? d'aguia branca o. 8,
vendem-se bonitos apparelfis de porcelana para
almoco e jantar de bonecas.
Bonitos quadros
para retrato?.
Vendem-se oa roa do Queimado loja ri'ag..
branca n. 8.
Perfumara iDgleza
A agria branca rnado QufnJado'n. 8, recebo
nm novo sortimento de Boas-perfore anas ingieras
de I. Gosnell & C.; sendo extractos dos agrsda-
veis cheiros Bonq da Bainba Victoria, do P. Alber-
to, do imperador Napoleo, da imperatriz Eugenia,
Garlbaldi, Miss Lhid, Joch Club, frangipane, sn-
dalo, etc. etc.
Oleo lino para cabellos.
Opiat para pentes.
Agua da Colonia.
Sabonetes finos crwne deamendoS para barba.
Permas d'aro ioglezas
douradas e sera a ser. '
Gbegou para a loja d'agua branca a rua do Quei-
mado o. 8, um excedente sortimento de peonas
d'afo inglezas, douradas e sem 'a ser, porm lodas
de qualidade extrafine, e eontinoa-se vende-las a
22500, 2200 e 1*500 a caixa.
Tinta azul e preta
tinta rocha e preta.
Estas tintas cujas excellentes qualidades ja'-sc
bem conbectdas e apreciadas pelos entendedores,
acham-se a venda na rua do Queimado loja d'agua
branca n. 8.
Lacre fino de cores
com cheiro e sem elle.
Na leja d'aguia branca rua do Queimado n. 8,
vende-se lacre fino encarnado-aromtico e sem o
ser : dito verde, e ornas csiiinbas com ditos iit
cores pelo barato preco de 500 rs. cada urna.
Papel inglez
em caixinbas.
Na loja d'aguia branca a' rua do .Queimado n. 8.
vende-se desse superior papel inglez em caixinhas,
Luvas de camursa
brancas e amarellas.
Vendsm-se na roa do Queimado loja d'agnta
branca n. 8.
Meias prelas para padres
Vendem-se na rua do Queimado l'jad'at*.'
branca n. 8.
Aspas largas e fortes
para balo.
Vendem-se na roa do Queima4o loja d...
branca n. 8.
colares Royer ou colares aa
daos
para facilitar a dentlcao das criancas e prescr*
las das convulsoes.
O feliz resallado oiitiao immensas vc-/.e- .
prodigiosa forja magntica dos colares Royer. ...
casos de convulsoes, e dentico das criancas, .-w
altamente elevado o se bem merecido prestigie,
e hoje j se pode dittr que-estad geralmente con-
ceituados, e estimados de loeumeraveis pas de
familias : de uns porque do uso desses salqtare3
colares viram salvos do perigo seus charos filbi-
ohds, e de ootros porque colbfcram daqoelles to
proficuo exemplo para igualmeoie preservar os
seus. Assim, ppls,.aaguia branca, tendo em vis-
tas a nlitldda e proveitf desses prodigiosos cola-
res anodinos ou Royer, mandou vir o nevo sorti-
mento que agorairocebeu, e continuar a recbe-
los para qoe em lempo algum a falta delles possa
ser funesta aos pas de familia, os quaes ficaro
certos de os acbar constantemente na roa do Quei-
tnado, loja d'agoia branca n. 8
*m%mmm mmmmm uwm
Algodaozohoavariado a 22300 a peca : 1
rua da Hade de Dos n. 16, defreote da
guarda da alfaodega.
ffffl
^wai
| Na rua das Aguas Verdes n. 6, vende-se urna
escrava moga com urna cria.
II. '. JUIT'IW." l'l' aaa^ajajajpsjaMipiBaaal
Escravos fgidos
Escmvo fgido.
Do engenho Serif i, fregoetia de Goianna, fagio
o molatiobo de oome Raymundo, com os slgnaes
seguintes : cor clara, cabellos nem crespo nem
pegados no casco, altura regular, pernas um tanto
arqueadas, tem todos os denles, est com o rosto
coberto de pannos pretos, e costoma fomar muito:
quera o pegar leve-o a seu seabor naqueUe enge-
nho, oo iHmiroel Ignacio d6Hveira & Ptmo nes-
ta praca, largo do Corpo Santo n. 19, que ser
bem recompensado.
200j9t> de gratifica^
Em 31 de odtubro do anno passado, fugio a es-
crava Clandro a, cabra alta e seca do corpo, qoe
pertenceu ultimameote aos Ilims. Srs. Jos Joaqurm
da Silva, Masoet Mauricio de Seaa e D. Mariana
Ignacia de Castra e Silva que a vendeu a Jos M-
meos Ferreira que pagar 2002000 a quem lbe
entregar dita escrava na rua da Cadeia n. 6%
.".
. Fugio a 13 de abril do correte asno o escravo
Joao, rpreseina ter,25 annps, Wbr"cIaro, trm
pouco balxi, trossd'do corpd, p'oVoMlos nm pou-
eo grossos, nortt asmdo, rosWamaaprido, pouca
barba, oateUoo oaraplonos o majo rpssoa, hom-
bros largos, com falta de alguns denles, falla man-
so com algtmajrosa, e dtt que Torro, presotoe-
se due orte ncriv 'Tsnna segriioo fSfa Oararanits
Ott-tas prMitmdmiu*- logap ptmr eaoosaa
dea; t*e eatmiiauloj ramoMtod dajOafaoboas^ete
Sr. Pedro Chaves, .para ser vendido no Recife ;
protesla-se coBlra qenT 15 livr oceutto: qtrem o
fffar levat OCOdo-seMmr JoseT-Pfereira Miran-
da Conha, nfe da lmperaarh 15, andar, rece-
boil^.d^g^flaacija,.
Fogio *D su> o PaaaaamojriVk
dor o abalxo a&signado o mulato Aoi
signaos seaolnt'es: baixOj sccc i
ctffieseprado, Ot orna flsro*
eom wooos lales, os ps
oaftdaHrtda*,- ja' valbaa, nos
ar ojmrfliaw o fitof ae
TO, 0aIOaa mft. a%>
Fredorico Cbaveo Jooior qoe
A morar-
lo com os
Ttsa
MBJBJ








Hii'
M


}
I f
'I
p
* .
' .


9
Marta efe a*e
e Metal 1886.
LIERATRA.
-
Pagina m qulnze asnos.
% (Contlnuago.)
?! XUI
Compre bilbete, emrei; mas estiva como um
hornera qus disperta de ara pesadello horrivel.
O lindo sallo do Sania Isabel, .as familias que
meu insultos, e s mostrava que soffria, pela ex-
traordlnaria pallidez e deftabameoto.
Assha lerei en urna vida desregrada e
at que chegaram as feria. Nesse nter!
ama carta do atea pai, che a de acres 4\
goes, ordenndome qoe depols dos meas exames,
nio toseoNa, qae ea ffcass aqu nemi'ma1s ora
dia.
XIV
Cbegada a poca dos exames, eonneei a reallda-
de da mioha situaco. Lancei ama vista retrospecf
tugrioaldavam os camarotes, o gax qae iluminan-
do a sala tremulava no lastre, nada disto prenda ti va sobre o passado, e vi o abysmo prolando e
a miaba alinelo. A orchestra principioa a tocar urna cavatina do ra me podsse livrar delle.
Barbeiro d SevUhm ; a sua harmona espalbsva-se ; Pf0 .
pela sala em torrentes, evaporava-se pelas jananas, fc| ,Qdo ei' '
*nnAnll* hhIa C*ineir\e\ Aa Dvinnaian a nor/iift.ca *
A proporco qae se aproxlmavam os dias dos
exames, en desaoimava completamente. Como po-
O ponco qae
repercatia pelo Campo das Princezas e perdia-se
.ravlta com o canta da brisa que rugava as pra
teadas aguas do Capibarlbe.
Puco depois sabio o panuo : o drama princi-1 fles avaliar> en ponco ou nada sabia.
P'.oa en escara tao disttahido qae via os actores aPPl'Qiei-me durante os primeiros tres mezes do
slicularem; mas nao entenda o que ellas di- aD0 fot logo perdido, por ama vida desregrada e
ztau. Appareceu urna atriz, bella como sao lodas!0ci0sa-
as acirizes, que a torea de se metamorphosearem J Guiz eolio recuperar emiquinze dias o qoe ha-
i- jin p d. arroz e rebique, aprsenlas era sce-! va perdido em cinco mezes.
na um rosto mascaraoo e ficticio, em quanto que ,,.___, .
i j Appltque -me a om estado serlo e (oreado : aue
no remanso do camarim, apresentam o rosto da! ,, :**han, ;", V vuu que
na comprebender tudo de uraa so vez, quena ac-
cauurun, apresentam
muiher gasta pelo irabalho, e pelos enredos dos
bastidores.
Tornei-me louco por essa mulber. Nao te
preciso dixer o nome.
D'ahi em diante tornei-me um dos mais imper-
tinentes frecuentadores do Santa Isabel : parece-
m que se podease tena transferido a minha resi-
dencia para o tbeatro. Todos os dias eu 1a aasis-
tir aos eusaios, nao perda se quer um espect-
culo. Quaudo a aciriz apparecia em scena, ea era
o mais impornineote dos seus admiradores, rompia
a palma, e quaiqaer pbrase, por mais banal que
ella dissesse, ou soliava um bravo enthusiasiico,
tornndome as vezes o alvo das risotas da platea
intsira.
Na noute qae en nao tinba ama grinalda, oa-
um boaqaet para sacudir aos ps dessa malber
uomo urna bomeaagem da minba loucara, tinba
remorsos, parecia-me pnr um dever.
P.ra os actos raaos nao altam companbeiros.
Um mea coilega, conbeceodo quanto en eslava
louco por essa actriz, se me offreceu para apre-
sentar-me na casa fetla. O que ea hoje teria re-
ia repellido com borrer, aceitei com reconheci-
m.-nto.. A aegio dasse collega qae ea boje reputa-
rla m e desacisada, repatei-a sabia e jadiciosa.
Marcado o dia da apresea(ac, ,eu mandei vir
iim carro. Quaado elle cuegoe, a .mi de Naeila
p.rguntou-me se ea ia fazer alguma visita de im.
ponencia. Entao eu para saboreara minba vin
ganga, e para que Naeila ouvisse, disse bem alto
carregando sobre cada palavra.
E' verdade, voo fazer ama visita de rauita im-
portancia, vou ser apresentado em casa de ama ac
inz do Sania Isabel, linda como ama rosa, seducto-
ra como ama fada.
Naeila relirou se ira mediatamente para a sna ca_
mar, e sua mi disse-me: que lamentava a m
nba loucara.
Depois da minba apreseulaco, priocipiei a pas.
sar essa vida de-orgias, oaqual as almas nuaea fe-
ndas, se procurara lanzar, quando por acaso o me.
or espinbo da vida as [ere.
Gomecei a tancar petas coxeiras, pelos hoteis e
p3las lojas, as-economas qae com suores de sao-
gue fazia meu propri pai, para garantirme um fu-
turo. O ouro escoava-se das miabas mos como se
escoa a agua da cataracta que salu do cume do ro-
chedo.
Quasi todos os dias raandava ver dinheiro em
rasa do meu correspondente ;. viva sempre pobre,
e gastava milito. Essa muliier, sedozida pelo bri-
laodo meu diobeiro^u julgando-ma Albo de al-
enm abastado proprietario, procurou difructar-me,
e na verdade, disfructou-me. Vendia-me um riso
por um vestido de seda; dava-me um olbar por um
laques dava-me um beijo (rio e convulso por urna
moeda de ouro.
Eu cavava a miaba ruina, procurava a minba
des Honra.
O meu correspondente adverta-me constante-
mente da minba prodigalidade ; meu pai, escrevia-
me cartas chelaa de reprebenses, de conselhos be-
nficos, atravez dos quaes transitla a lingnagera
do amor paternal; minha mi, escrevlame cartas
ebeias de dolorosas queixas, e eu, eu lonco, a nada
attendia. -i***-
Orgulboso como um sulio, eu tioha garbo de
fater alarde das miabas proesas, principalmente
diante de Naeila. Eodeosava a actriz, emprestava-
Ibe qaalidades qae ella nao tinha; cbamava-lhe, qoe
blaspbemia, virtaosa; dizia qae me senta feliz e or-
gulhoso com o sea amor, e a pobre menina, como
urna dessas virgens martyres das primeiras pocas
da sociedade ebrist, soffria resignada todos os
cumular idea sobre idea, e o resultado foi que nada
fiz ; liaba a cabega semelhante a um mosayco qne
tera de ludo.- Asstm eu tinba fragmentos de pby
losopbia e de retborica; mas nem se sabia ptiyioso-
pliia e nem sabia rethorica. Tornei-me um basar
de definieses sem applieaco e todas viciosas.
Nao sabia nada. Nao eslava habilitado para fa-
zer os dous exames que me faltavam. Eoto o
pbautasma das reprovaeea me apparecea negro e
borrivel, e a seu lado en va o venerando vallo de
mea pal, que ebeiode ama justa colera me expro-
brava os meas crimes, como o Deas de Israel ez-
probava a Sal os seus neceados,
Cborei pela primeira vez depois de tantos mezes
E de quanto allivio que me nao foram essas la
grimas Ellas suavisavam a minha ddr, eram ver-
dadeiras ; por que bomem qne chora depois de ter
surt i Jo muito, nao cbora essas lagrimas qne as
omitieres chorara sempre por qnalquer motivo,
anda qne frivolo ; elle cbora as lagrimas do deses-
peiro, lagrimas callidas que^lbe queimam- as faces
e que ibe curara a alma.
Depois qae acabei de chorar, veio-me a refleao,
meditei muilo sobre a minba vida pastada, e a
mim mesmo pergunlava, que rime traba commet-
tido, para solfrer tanto,, e qoal a cansa desee soffri-
mento.
Aebei urna s resposta j respeeta despida- de so
pbismas, e revestida do cunti descarnado da ver-
dade, eu tioha prattoad om criase, e esse epime,
era ter amado.
Foi mais um motivo que eu tivt para amaMiooar
Naeila, e faze-la respoasavel por qaatqner daegra-
(ja que me podesse saceeder.
Entao tomei um resolugo desesperada ; deoidi-
me a laucar mo des- empenhos, e- de recorrer as
pessoas a qaem liaba sido recoameadado.
Gbegoa o da do- mea exame de retborica, en
com todo o arrojo de om hornea qae- se julga pei-
dido, fui para a banca, dizendo eomigo mesmo.
A fortuna ajada-aos audazes.
Dado o ponto, om cotlega a qnem en j tinba
previnido, atlrou me ama bolla de papel, por elle
escripio ; apanbei-a e o examloadar como j. es-
lava previnido a mea favor, se a vio, fez que nao
via, e ea a copiei materialmente sem mesmo saber
o que copiava.
Na oral sucoedea a raesma coasa, nao respond
nada, ]a eu estava resignado eom a miaba re-
provaeao ; mas gracas aos meus protectores sahi
bem.
meu exame de pbilosopbia, foi o ultimo.
Gracas a miaba approvacao de retnorica, que1
om pouco mais animado, e se nao disse la muita
cousa ao menos, sempre disse mais do que no exa-
me de retborica. Nao Uve tantos sustos, nem ed-
uca?, quando corren a votaco, fui pieaameate ap-
provado.
Eslava cal ouro.
Todava o mea calorato nio prodazio em mim,
essa alegra qae ea va os outros experimentaren).
No meio d >s abraco?, aperlos de mo e felicitares
dos colegas, eu eslava tao calmo, como se estives.
se estranho a todo quanto se passava.
Eram duas horas da tarde, e no outro da as 10
horas da manhaa o vapor Tocanfins segua para o
uorte.
Quando cbegaei em casa, e disse qae me liaba
colorado, todos ficaram sorpresos, um riso de pra-
cer passou pelos labios de todos, e a propria Naeila
cc;: os olbos baixos, veio darme o parabens.
Agradeci-lhe seccamente, e disse que estava dis-
posto a embarcar para casa no dia seguale.
O ca*5tmrfm.*DWlml
Naeila, solugava como urna crianca, e sua mit
me pedia, que en me demorasse nsSa tus quinte
dias: por qne anda me esuaMKator qoe a
pobre criaDCT anda me ama^rf a llMa, qne a faxia
soBrer tanfe, a mim qae reirreuta^HW tao fraude
sorama de amor, com tanta estupidez.
Respond qne nao ; que nao poda licar, qae as
ordens do meu pal eram terminantes, e qae alera
dlsso, eu necessltava respirar outro ar;
de Pernambaco, matava-me.
No outro da, a hora da partida, at eu que me
tinba tornado inaccpssivel seotibitidade, senil-
Naeila, e sua mi chora vam; o pai de Nac I acalmo
e sombro estava a mioha espera para ir commfgd
i bordo.
=====
Reinrf,#a|evava(ailnteirosqw s Wn
qaandoltajbjiado a ntfsnder aJ|(tso| coa.
Meces inteiros ea passava, sem qne me lembrasse
de calcarme para sabir.
Urna magrem espantosa se apoderava de mi, e
tta pallldez mortal cobrla-me as faces.
E qae a alma agitada pelas mudas latas qae
tioha travado cora o mea organismo, havia final-
mente o cansado, e o eerpo tinha afinal cedido na
por que o |uta.
m da, ao acordar qulz levantarme nao pude :
o crneo era fogo, as faces estavam paludas,
|o al a bordo, abate i se denorarim ate e mo-
mento em fue ol iajfcifjjetava/hira largar.
Meo pai, finga urna grande tranqaillldade appa-
rente ; mi eu conhetia qoe elle soffria interna-
mente.
Eu porm era urna estatua de granito, o** ti-
nha, nem saudades, nem dores.
As tres horas o vapor deslisoa-se cc< ara
moDstro raariaho pelas verdes aguas do AUaoco.
No dia 26, as quatro horas da tarde, fundeavamos
na babia do Rio tje Janeiro, defronte da Sade, e
no dia 1 de marco eq segua para S. Paulo, no
mado pcT eU-ea nossaaSi.ennni *-W' Vos, e ge-
FOLHETII
TRISTEZAS a BEIfta-MAR
POR
M. PINHEIRO CHAGAS

.'.*
Quando en tomei o chapeo, e despedi-me da fa-
milia, nao pude de zar de chorar ; o quadro era de
mais sensibilisador.
Adeos I disse ea
Al quando T me pergnntaram todos.
Jolgfl qae nao vollarei mais.
Eoto, pergunloa-me Naeila, eom ara frito
de desespero, nao o verei mais nanea ?
Nanea I respondMbe commovldo.
Pouco faltn para qoe a pobre menina cabase
com ama syncope.
Sahl, quando ful subimfo A carro, a roSi de Na-
eila, disse-me com voz sentida
Sr. Scipio ao menos- espero qae eserewr*
sempre; promette f
Prometi.
Um estallo de chicote fez andar os cavallos, s' en
perd de vista a casa de Naeila.
-xv- -*
Quando cheguei a bordo se*la-me eneoamoda-
do, aai pese de chambo pereorria-me os mem-
broa, ama laognidez se apoderaba de todo meo
organismo.
Fallava-me a respiracao e o crneo en fago.
Atirei-me oe beliche e nm son profundo eerroa-
me as palpebras. N3o sel guantas horas, dorm
sel qae quando accordel era'madrugada alta. Le-
vaoiei^me sub a vim ao iombadilho,.o vapor pare-
ca ermo : smeate o oficial de qnarto com os
bracos- crudkdos e tendo o-ebarto na booea, pas-
seava da extremidade da popa ao prtala, o raari-
nheiro do leme cora as pernas nm ponoo abenas,
segura va-na roda, e a torca observando as oscila-
gdes da agulha. O mais era silencio, sement in-
terrompido pelo tique taqui da machina e pelo ro-
lar das vagas no costado do'navio. Oar da ma_
nha fez-ate mal. Sent urna compresie bo esto,
mago, qoe subio-me at a garganta, apparecen-me
um vomito, e en retirei-me.
Todo dia-Ievei no bel!che.
U calor era iosopportavel; mas en linea a ea-
beca to pesada qoe me-oao poda levantar. De
repente, ouvi a voz estridente o commandaale qoe
gritava ferra o latino, a esiibordo 1
Com pone urna unvira-violenta soen aoeonvez
e o carquejar de un mu, urna vos.- griioa'
larga I e um eerpo cabio na agaa.
Estain^jlBadeados.
Ea tioha anegado ae porto de mioha pjvtfneia
Levantei-me eemo nm hornera qne acaba de ama
bebedeira ; sabi, mandei tirar o meu baha.de po-
ro, cbamei um Lote, e mandei remar para torra
Ja era quasi netle.
Ao pisar na rampa do caes nm sino dobrou 7
Horas, e eu estreaeci ouviade este sem eonhoeido
e o qoal eu estar aeostnmad desde a infancia.
Chame! um gastador mandei condozir o bahu,
e fui para casa.
As 1/2 pisava eu nos bateles do lar paterno;
mas nao era-o-mesrao filbo. A- 16 meaes-pessados
tinba sabido -.da casa de meev pai, nm asnino inge-
nuo e fnnoeente : agora entrava-lhe ea casa nm
mancebo, jovem no corpo e velho na alma ; affavei
no semblante, e ra voso no coraco.
Mea pai. me nao esperava aioda. ko verme 8-
cou sorprezo, e julgou-me- reprovadev Tomn um
ar grave e serio. Minha mai tornou-se paluda e
muda como urna estatua.. Eu tcroei-lhes a bencao,
eelle> mnrmuraram ama preca repassada de
unci..
O-qne flzeste? forana as primeiras palavaas
de osen pai.
Apresentei-lhe os atetados de-exame.
Urna, nuvem de felicidade parece que passou
pelo semblante de man. pai. AUagou-me, pro-
curou euchugar urna lagrima de prazer qne- teima-
va em cahiNbe da palpebra.
Nos primeiros das, da manda chegada pareca
qoe em casa ha vi urna test permanente, sempre
alguem da familia estava eomigo, e a norte todos
os prenles se reaniam em nossa casa ; mas essas.
visitas eram para mira ara verdadeiro incoramodo.
En me aborreca de ma, de todos e de todo.
Minba mai, qae eonbecia qnanto ea era alegra e
foigazao, adeairava-se de ver quanto en estava re-
cndito e byepcondrco.
tff
Estava bem longe d'aqai e dos meas
Chegaei a Santos no dia 4 e a 10 j en estava na
capital de S. Panlo.

fConlinuar-se-ha./
I. L. Cesar.
os olbos encovados, as raaos eslavara ardentes, as j Santa liara.
pernas tremiam-me, ama languidez geral me tinba
apoderado do corpo ; eu offrla orriveis dores de
cabeca, e orna oppresso no coracio qae rae trazie
repetidas syocopes.
Immediatamente o alarma foi geral era casa, e
mandou-se a toda pressa ver o Dr. Jaliao. O dou-
tor chegou tomou-me o pulso, e ou porque conhe-
cesse que o raen mal nao era physico e sia moral,
oa porque nao quizesse declarar a meus pais quai
o mea soflrimento, reeeitou-me na calmante, cas-
sificou o ueu mal eom o titulo de bepatite, e orde-
nou qne logo e logo me mandassera para o
campo.
Efectivamente, o campo, o-espectculo vivo-da
natoreza real, a siaplrcldade dos costnmes e o ar
livre eonsegniram, senao corar-me radic&mente, T
ao menos melborar*e. 1? V'da ^ ^^ de encn,os
D auras iraporas, ineensoo meoco,
UM POL'CO DE TUDO.
E' do Sr. Lycnrgo J. H. de Paiva.
LAGBIMAS AFFLICTAsT.
To moco t pena, qoe em mea ser cavartem
Sulcos-as dores de um fatal vlver,
Qaen'ama idade Obresceole e bella,
Victima eu (osse de infernal soffrer.
Animado)
'gens e
meWdehaifo do ee--e&ftW'poetados me
prostro a votada pei"**! liaq eJi
(rwktdo Verbft Iocarnado, nio desprezeis as
rainhas anpplcas, ouvi-as favoravelmenie, e dgnai-
vos coflceder o despacho. Amen.
O' Mara, sem peccado noBcebida, rogai por nos
qae recorremos a vos.
O' Maria, refugio dos peccadores-, rogai per
nos.
Mea Senbor Jess Christo, Vos qae por especiaF
I favor vos digoastes ter cuidado. dos pescadores
dando vossa Santissima Mi om coraco ebeio de
temara pela salvacao dos horneas, da i-nos um co-
raco ebeio de respeilo e amor, oa melbor, dai-nos
o vosso eoraco e o de Maria, para que possamos
eternamente ama-la com o vosso coraclo, e a' Vs
com o eoraco de vossa Santissima Mi. Amen.

Ab I da DDocencia o. talismn divino,
Orvalbo insano innodoou mea veo.
XVI
Entretanto as ferias voavam.
O mea de Janeiro tloba passado-sedepressa comor! eorreii mevfrtto j no r-^, rpa.
M*6iSr -0b' M"*"******" ffl'sn'alma a cor;
?aivet trvessea cOmpdlxao do mo?o,
um relmpago. Fe ve reiro principia va
perguntoa-me se j nao era- lempo de
para aqu. Respondi-lbe qae era,;e nao era.
Elle ficou mystiflcado e pedio qne me expli-
caste.
Qae de desgostoe se abysmou na dr f
Gerrei, saudoso,.pela face abaixo
Na idade rica deillusoes, correi
Lavai as magoas do infeliz, qae geme,
Em treva agora des ciardes, qoe ame!.
-


Dizem, que o estodo nos desterra d'alma .
As luzes turvas de um viver peior,
| Mas qaal I busquei-o e se respiro anda,
p que outro allivio sao achei meihor..
E
A moeidade na sua asa d'ooro
Disse-lbe qoe era ; porque eu preteodia seguir
ao primeiro paquete para S. Paulo, e que-nao era
se elle quizesse que eu voitasse aqoi para o Re-
eife.
Perguntou-me qual a razao, parque eu nao que-
ra mais vir para aqu.
Fui franco : nada Ib oceultei. Mostrei-tbe qne
aqai nao poda mais vivar, qne ea tinha recehido
urna ferida muilo recente, que s agora princioiava Adeja em mundos, enja luz Deas,
a cicatrizar, e que mandar-me para agni-era querer E na pujanca do ideal soberbo
rasgar-lbe o apparelho e aatar-me. Aspira mato nos deiyrioa seus.
Em Pernambaco, Ibe dizia en, a minha vida Son, coa o cysne, que per de a seo-peaso,
sera' sempre desregrada, por mais qn eu procare QQe ao sol do esli agonison morreo,..
eneoaracar o coraco : elle sempre te de sangrar,! Anj s.m (a|t descaabar gelado
todas as vezes que eu lembrarme de- Naeila, e-(Na campi fr,a _qae *gelizsou eu!
que eu desejo evitar sao essas sangra;, que rae
podem perder. Um primeiro amor -om Deus de
Israel, e urna vea ofleudido, a vingane> certa. E
de qne forma poderei eu-viagarme dessa moca?
despretando-a ? o desprezonem sempre-nma vin-]
ganca que tortore : as molberes tem o-seo fraco,
que preferir-se-!bes oulra mulher, o um genero
de vioganca des tes, pode trazer-me, senao males,,
ao menos prejuiaos incalculaveis; pertaato o me-
Ihor meio que eu.tenlio deenrar-me a-vtagar-m
dessa moca ingrata, anseatando-me :- a ausencia I Se s oas dores exhaun ainb'lma,
c-aelhor remedio para enrar amores^ omelbo ; Se nunca pode no vi ver gozar,
Rompendo as nevoas da uoeira infame-
. Talvez eu possa algum allivio adiar.
um.ul carcter de evidencia que aliena me pude
objeetar.
Apenas moatroo-me qoe ea era. nm moco,
e qne os climas-do sul nao sao bons para os filhos
do norte.

n-
Padego males, que mnguem padece,
Da carne e- d'alma mea soffrer proven;
To mogo-aleda no florir dos aanos,
Nem simo amores nem prazer tambenv I
Correi, me pranto se ea- morrer maneebo
Soffrendo as dores do vi ver sem par
Oh I mundo- Ingrato, miaba mi sement
Deixal-a muda sobre mira chorar.
narctico para esqneeer aSeicoes.
Esta lingaagem. qne ea.fallei a meu pai,
I
Urna correspondencia de Londres, re/ere este
estranho eostame dos habitante? de Srnithfieid.
este um aos bairros pobres da grande capital:
Na sesia-feira passada o cemiterio de S. Bartho-
loraen o Grande apresentava um singular aspecto;
bavia muitos centenares de pessoas de todas as
classes que se apiobavara de redor de urna sepul-
tara sobre a qual estavam qaarenta moedas de seis
pence.
' Cbegaram-se sepaltara qaarenta mulheres, e
cada urna dolas recebeu urna daqoellas moedas.
Eis a explicarlo deste costme, que aotigo.
Ha algnns seculos urna mulber rica daqnellapa-
roebia legou urna certa quantia para que em cada
sexu.feira sania fosse pregado um sarmo om sea
nome. e se distribuase seis pence a qaarenta Tia-
ras de Srmtbfietd.
Pedio com instancia qae as qaarenta moedas
ossem depositadas sobre a sua pedra tumular.
Ha multo lempo que desapparecen a pedra, mas
lancam-se as moedas no sitio, onde se suppoes qae
existe o c*ixao.
Esta estranha ceremonia chama sempre grande
concurrencia.
Depois da desiribuico do dinheiro, honre um
sermao-na igreja, no qnal falln o ministro em no-
me da candosa senhora, como ella deixou recom-
mendado.
$ ii
O jornal americano Gormo de 8. Francisco, nar-
ra qne nm preto f "ira recenteraenle levado perante
o joiz de paz de StocktO por ter espancado nm
Cblnez.
Perante o juiz, Sambo reelamou o privilegio de
ser julgado por gente de sua cor.
Isto nio tinba resposta.
Os agentes da polica puzeram-se de allala,
pre adeudo todos os individuos cuja cor de pe le
Ibes pareis harmonisar eom a de Sam-bo, condu-
zindo o forca perante o jni.
Foi assim que o jury se constiluio.
Sambo deu as suas razoes, e o jury, como f-
cil de snppor, absolveo o acensado, por Ibe achar
a consciencia mais branca do qne a nev.
J nao -nosEstados-Uaidos que a.raulfcer pede a
ana emancipago.
Um cougresso de treaentas Qlbas de Eva reunio-



XIII
(Contiauaco.)
Nesse mesmo dia foram os criados villa saber
o que era feito de Magdalena. Leonor nao" teva
socego emquaato nao obrigou o av a dar esse
passo. Rasgaram mais a ferida no peito da Leo-
nor as toformaepes, que ihe troaxeram. Magda-
lena eslava em casa do pal e da mi de Jorge.
Sahira este para Mafra, a flm de upar a bocea
aos preguemos. Havia um ceno rumor na Eri*
eeira, porque ledos tiaham visto Magdalena atra-
vessar a
evidentes mostris'oo de profundo desgosto ou d
grave alienacao mental. Taes eram as noticias
qae o velho Louren.o colhera da bocea de nm
pescador, vreinbo de Mello e Figueiredo.
Leonor canica n'um profundo abaiimenio depo.is
da partida de sua Irma. Quiz Bartholomeo ia^
snftlar-lbe de novo a colera para desse modo a
arrancar a M* letbargo mortal, anda qae o re-
tente ibe causasse urna doi,profuadisima. Todo
prefera a ve-la immersa n'aqoelra terrivel atona.
Commanicou-lhe brutalmente as noticias qae rece-
bera, sem as eoavisar nem amortecer com alga-
mas camellas'-o prinwtro abalo, qoe forgosamente
baviam de prodnzir. Mas Leonor, bem que sen-
tise enalarera-lhe ana a ama as Obras do cora-
cao. appT?nIon completa serenMade e disse :
Poiij pr^a onde quera o av que ella fosee T
Ninguemoaalt a conhece na Ericeira e a doce voz
da mi de Jorge a nica tarrea qae Ihe pode
abrandar a angustia, que Ibe cansamos. Oh I mea
aro, a elle nio (osee culpada, que remorso Im-
maoee aaaeria o nosso I
Mi, W%, nao me disseste qne tinbas visto
com oe leu bom
~^TT""-" .ageggyjamm.j
ama orgaoisacao extremamente nervosa, e qne
essas expansoes ferventes sao orna das neceesida-
des da sua ndole amoravel e melanclica 1 Nao
era Jorge para ella j quasi como um irmo 1
Mas tambera nao me disseste, continoava o
attribulado velho, que Jorge confessava bem alto
o seu enme e que at quasi se ufanava delle t
Disse-ibe Issot tornou Leonor, ameigando-
o; fui urna louca I Entao eu nao sel, e dava sua
voz um tom adoravel de puerilidade, entao en nio
sei o quanto arrebatado o genio de Jorge, nao
Ibe conbeco o. orgulbo to indoaavel amo tam-
bera O meu? Irritei-o; qolz-se viajar. Olhe
que nio oulra coua, avd.
Deus o queira 1
t- t' assim mesmo. A culpa de -indo isto s
pertence a este maldito genio, que nio reeonheee
barreiras nem sujeico. Son tambem como o Oeea
no; em tendo alguma tempestade a ferver-me ca
i

m,!o *i.i. ii -~.a nn aj. Mr. n s ltimamente na Suissa, na cidade- de Oberstars,
JJemais, me duia elle, voce nao pude ir para tao ; .'...
as immediagoes de Zoricb.
Icage; sem usa protector, sem. ua. amigo, poder
adoecer, pengar, morrer mesmo a mingas, sem
ter um peito.amigo qae o affague.
Tornei-me fatalista, e disse-lhe: que sobre a
ouesto de aera eu nao cu ida vx; porque o mor-
rer era ora. faci mal natural, e qne tanto se nor-
ria em S. Paulo, coma em.Pernambaco, ou Para.
Quanto a protector, que eu os havia de grangear
com a mioha conducta, e qne quanto a amigos,,
qoe en deseonhecia essa palavra vasia de ideas no.
diccionario da vida social.
Esta minha ultima resposta foi to decisiva, qne
mea pai nao me-disse mais cousa alguma.
No outro diavaoaaecrara, os preparativos para a.
minha viagem. Minha mi cborava, en o coobeeia
por dous.pequeos arco-ir.es. que ella Uoba as
palpebras, e pala verraelbidio dos seus olhos; mas.
julgo qne meu paz, lhe antou. a minba resolugo
com cores, tao vivas, que ella nada me falln.
No dia 15 de ovexeico, chegou o vapor eu, em-
barquei.
A despedida qoe- minba mi me fez, foi ama
ver.dadeira despedida de mai : foi om pqema de
lagrimas e de soiacos : era.o quadro do amor ma-
ternal sacrificando-se ao bem-estar de sea filbo.
Meu pai e alguns amigos e parenjes-form coml-
Os debales llveram lugar com ama dignidade-
verdadeiramente parlamentar.
Tratava-sade designar as duas- sentaras mai:
dislinctas.
A assembla comeeou por elegor ama presidente
depois constitnio a aesa, e proceden finalmente a
eleiro dos cargos deanUivos por meio do escruti-
nio secreto.
Discatiram-se as qaestdes apontades Ha ordena-
do dia,e depois de se levantar a. sesso, qne duron
tres horas, celebraram um banquete, que costn
dose vlntens por cabeca.
A cmara municipal eoviou as senhoras um pan.
sent de tres tonel* Ue-viabos.pora como ellas nao
podessem consumir tanlo liquido, aandaram aba-
mar seus maridos,.e o banquete converteu-se n'um
baile aniraadissimo.
N'este congresso feminino s se admitiera is. se
nhoras casadas.
villa coa cabe'ga descoberta, dando deqtro, bei de fazer loocuras por lorea.. Qne ge-
nio, meo Deus, qoe genio 1 ft*r i%oem m
cohibi, nanea ninguem me fez verga'r I Nao
minha a culpa; a culpa toda do av !
Minba, Leonor 1 exclamou o pobre i
eslapfito da iccnsacJo. ''' :,\'
Sua, sim senbor 1 Porque nio ralhava com-
migo, quando en era creaoca, porque me fazla to-
das as veotades, porque me dava tanto mino T
Porque* transformoa em Vbora qaem poda ser
potaba?
E passeiava freneca pela sala; Bartboloaaeu
segua a com os olbos, em qae transltnia urna
profunda tristeza.
" U n* toa edoeaolo errei, filaa, disse elle
com certa solemnidade meJaneoilca, foi pelo multo
amor que me mereceste; estrellas contas me pe
diri Deus, mas nao me pode dar maior castigo do
qae ase qne a ana boeca adorada ae muga. 1
Perdi t perdi I neo aro t exeleteea Leo-
nor, lancando-se-lhe nos bracos; nio atienda
estas loocuras; sinto que nao atoa em mim i
punge-me nm remorso atroz; tentw a latiaa
ciencia;
na deba!
u<3ncis T Nio
bUeiete
ingrata, Jorge nao pesia ser aflininoso. Foi nm
qul a issteMes gara. m pedirea ferdao gara
q*m mm Vo pt^a, porqM a1lMt
cattt***Wo m, fi o arosinl, se clls loe fie-
em fallar, nao se zanga com el les; trata-os cora
muito carinbo, abre-I bes logo os bracos, siml
Faz-me isso t fas, isto sua neiasioba, que tao sua
amiga ?
E abraoava-o, e beijava-o, e fazia-lhe festas, e
dava urna iuflero to suave, lio mega i sua voz
que as lagrimas involunuriamente aoqdiram aos
olbos do velho capitio de navios, do marinheiro
qne nao sabi o que er*m prantos.
Tudo quanto qaieres, aajo do co 1 raspon-
den-lbe elle, a accresceetou, serrindo : com tanto
qoe me nao obligues a pedirlhes perdi.
E olhe qae devia, terlion Leonor, ameagan-
do-o com o dedo, porque traiou bea mal a sna
a Alba do sen fllho 1 -
Interrompen-os o Loorenco, qae entrn, dl-
rendo :
O Sr. Antonio de Mello e Jggneiredo desoja
saber se e Sr. Bartbolomeu Soares lhe poda dar
doms patarras.
'M'\, que (he dizia eu 7 exclamou Leonor, bi-1
tendo as palmas de contente ; abi vem j o par de
Jorge trazer o ramo de oliveira. Veja como rece-
be O embalador, Sr. meo av l Tem plenos pode-
res para asignar o trtalo da pax. Conceda to-
do, todo qnanto lhe pedir, todo, meo avd, ea-
tendea T Nao se prenda eom escrpulos de uaa
sopposta dignidade. R
ros quise so mida, que db resultado dessa eonfe
rancia est pendente o aaeiipo da ataba vida!
Pobre aoje 1 aunan Barrhotomets, apar-
tando-a ao peito. '.!,/Hs
Foi longa a Mnj^eM^'eayre, '.os dous velaos
Leonor, tnquieU, gassaava na ala pronm, e,
suspensa eafire atvoroco e o receio, centava por
seclos os instantes que lhitiecorrendo. Nio po-
deado j soOraiar a impaciencia, depois de Iotar
por multo teaipo contra asta desejo, qoe a perse-
gua, foi hdr otrrido i HW da saU onde se ef-
tara decidlndo o se deltlfio. pitar alto, bem
que moderado, o pal de Jorge.
-MenAomJ
tesa de qoe ae tllosto; Magdatapa nao pena safatteadas is rioea, e, qoe te nio deiiN eegar# oe,
las os seus eommentarios, segando o cosame das
.Ierras pequeas.. E' necessario uparmos-lhe a
boeca. O qoe tu queres fazer nao vai senao ag-
gravar a nossa ra posigao, e vers, no diada
realisaQa) do tea desejo, um sorriso de sarcasmo
em todos os labios. A honra de tua neta, macula-
da por ti mesmo, por ti deve ser lavada. Eu mes-
mo, era neme da honra de meu fllho, seriamente
ferida pelas tuas allnsdes, reclamo a execuco da
mioha proposta, proposta qae ta me abrigaste, a
fazer. Bem alheio estava eu a semelhante cousa,
quando a Sra. D. Magdalena me apparecea em
casa. A tua recasa, mea amigo, nao faz saao
aagmeatar-nos os embaragos, sem, com todo, nos
servir de obstculo jasnperavel. Vejo-os bem de-
cididos. E' a fatalldaoe qhti osjaelle j e a fa-
ulidade, met velho amigo, !* eS "hora deesas
trombas raarinhas, que tarauilas vwes bavias de
ter observado as tuas viageas; em algum navio
lhe entrando na espnera de attracsSo, nao ha re-
o nem vela, nio ha pnela de mareante qae
ossa arranca- lo ao vrtice. Assim a fatah da da
amigo.
A resposta de Baribolomeu nio a pode Leonor
parir. A-saz trmenla do xalho liaba am timbre
monos sonoro do qne a do negociante. Domis,
urna ioajaieieei dotortsa bavla-N apoderado do
ir, contlnuou ella em espirito de Leonor a affaslara-a do siio, oade co-
mo que ueraia de c*rir aigaaa reveiaai total.
Que ser igjf T/diiia ella,' eoaprimmdo as
ulsagdes do seio. A reparacio, a qoe Figueire-
do allude, nio pode ser senao am casamento ; mas
de quem f Ab I infeliz que eu son I Porque
motivo arroja lio pesada injuria is faces de mi-
nha irma ? Amante de Jorge a proclame!
diante de todos 1 Pobre e Innocente
E vi-a quasi rojar-se a meas ps, e nio .
nos breos, e nao a aperte ao' pello, e nao implo
rei o perdi d'aqoella santa I Pode conservar-'
me fra, irapassivel, atroz, como um demonio, a
qaem am aojo Implora, e qne se ri e qae foiga
de ver imiera, not mesaos toraeaYlo onepad-
aqaeila crea tura celestial I... Se en
rao
pos
L-se na Estrella A),Norte para ser reatada to-
dos os dias do mes da maio, a segalnte prodigiosa
OaAgAO DES. BBJUNAROO X NOSSA S8NM0RA.
Lembrai-vos, pilssima Virgem Maria, que nun-
ca se ouvio dizer qoe aquellas, qae tan recorrido
qne se apodara
i mesma ira, des-
saJSf
toseritdot;
fN te passoae
tanto I O soflrimento rerdadeirameate
abo onde se prora o ouro das almas boas e onde
ae revelam as teses vis dos espirito! mace. B o]
mea espirito meo. T. Ha de set por ferca I
Por Meo Jorge m nao ama, por isso; elle me tra-
bio | Mas ea gesto de tasar o bem, mas en -*!
affeetaosa, mas eu tenho] lagrimas, para todos os
infortunios, animo para ledos os sacrificios I Ser
por orgulho ? Oh I meu Deas,' esclarecei me e
pani-me, aaon mereco castigo, mas peupai me
agora a urna dr, que seja gajra, paja a morte I
Sa eu morrer, que ser (sito, de mea avd?
E a pobre creaoca passeiava agitada pela sala,
com as lagrimas a borbuihareinrlhe -s olbos.
Sbito nm outro pensamento acodio-lbe ao espi-
rito e enxugon-lhe as lagrimas como nm ralo de
sol, hllrando-se por entre as niveas, bebe as gotas
de chuva, que ireaem no clice das rosas.
Mas que ranarafo pode elle exigir, murmu-
roa ella, que a8d eia o bosso casamento? Pois
nao isso bstanlo para fazer calar todas ae sop-
posigoes ? Nao ama ptima resposta aos que
aUrootarem com algama suspeila a repuiago de
mioha irma ? Nio o reconhecimeuto qne fa
sernos do qae nos lllodiaws ? Nao pono ser ou-
lra cousa ; o pai de Ja-gaaio se pode a outra cou-
sa referir.
fi, araad* por ate peasameao, dirigio-se de
novo para a. parta. Mas a meio caminbo parou, e,
lavando a mo a fronte, murmurou :
asas, se assim se Figueiredo pretende
convencer meu av da neeessidade do meu casa-
memo can Jorge, sMnsa-ae me av a da o sea
ccia^ntiosento. I Sgri possivel ? iria eU d'esto
vez contra minha voetade ? Mo eumprir a sua
promessa, ? Oh 1 qae toae aaatella 1 concluio
Leonor, franzindo as sotrancelDas.
E forcollar o oovido i techadora. Fallara ais
I opa*le Jorge.
: Demais, Barlholomeu,-dizia ella, ha urna ra-
sio mais forte do qoe Mdaaae daHIQ-I qae se
tmitn as dous eom ota d'estea aaora vehemente!
conhecera obstculos, qoe saltam por cima
de todas aa barfairas, iada que sajan as da boa-
% apa-B*) trepidam parante o oseatdaio, qoe s
de si proprios se aUaMorara e.qae dao a ventara
IftMrei oa a mona aqaelles de cajo coracSo so
aponara.
E' a mim qoe se refera por forca, muran
; aquel le o amor qae ea. sinto !
aeHa paixio fatal hrotoa nio o sai
o, nem te nem ella mataos o ana sei ~ aue fot
lavnm.de, i
a*%V
Uto abriste, Tadeboje coaveneeri|"4'9o i seaio
--
u~ :..
Refere ana folha de Londres qne o capellio da
rainba nao er no qaarto mandamento,. mas em
compensaeao eniende qae divina a msica da
gaita de folie.
Val todos os dias a 6renpark i hora, ea que os
E-scossezes marchara para o quarlel com a msica
na frente.
E' pasmoso, diz o Intemaemal, como o reve-
rendo se delicia com os horriveis instrumentos qae
semelhaa os gritosbavlpilanles-de utaaerianca en-
calar roada. a- qocm se-dao aIgamas varadas.
Nio sei o qne ha na msica dos Eseossezes,
diz o capellio;.mas o que ceno qoe durante
mu i tos aanos tenho oovido a melbor msica exe-
cutada pelos melbores artistas,, e sempre com
prazer que a' tenho escotado; mas quando ouco a
mnsica da gaita de folie -, oh r todo o meu interior
fica deliciosamente- abalado. Quem aehar nm Es-
cossez qne nio goste da gaita de folie, nio Ibe era-
preste dinheiro sera um recibo, porque este homem
um mo bomem Nio ba msica no mundo com*
par&vel i da gaita de folie;, -a msica da naiOr
reza.
A rainba Victoria,, de Ibglaiwra, dar' do sea
bolsiobo particular a qaanlia annoal de. Si;0005
a' pcineeza Helena, soa. filba, no dia ea qoe for
desposada pele principe Chrisliano.
O joven par tera' poie 81:0005 de rendimento,
para comecar a fazer oeea, visto qae o parlamento
inglez ja lhe destinoa o reanmenlo de 7:0005.
Assim p6de-se casa* sem receios pelo futuro,
apezar de que nao o dinheiro que faz- a felicidade
dos casados..
Estas sommas eetio representadas em moeda
portuguesa.
cedermos, acaremos responsavejs. por grandes-des--
graeas. ja j.
Oh l mea Deus, exclamou teonar, affas-tan-
do-se e eom as laerlmasa bailapm-tae nos olbos,
nao sel realmente o qae bet de, pensar l -Aterram-
me estas patarras, conservem-me n'oma indiciso
borrivel. Oh I mea Deas, valei-me I
E, sahindo da sala, fot refugiar-se no sen qnarto
onde cabio de joelhos diante do crucifixo, e all se
conservou, rosando o derramando lagrimas, at
qoe seutio abrir-se a porta e vio entrar Bartholo-
meu, com profunda tristeza i rapressa as feeoes.
Ella ergoeu-se^e, afectando surrir-se, camiohoa
para o ato, dizendo :;_ \
finteo pareae-mejroese oo fezaindaapaz ?
Temos apenas arniatian); eomo ata, O-eatio Ra-
aoolt c '-s
-^Ansfao, Leonor I eaneanea sauthoiomea ;
leaabra-te qoe, a os ruira abaadonam, teas
ttManori>sdao)fBsfsad-este pobre velho t
Bem o sei, mear rV tornou Leonor ; por
isso eslou serena, como v. Eoto que sueceeu?
Antonio de Mello o Plgueiredo veio-nu pedir
para seu liiho a mo de tua rmaa.
E concedeu-l'a, nao verdade? cootlnaoa
Leonor, procurando domar-se, mas cerrando os
dans com farra.
Para aim tua irmaa ja nao eslea. Pa ella
0 fie entender, nada tenho com as fai acees,
Mas tenho en 1 bramio Leonor, aaanWando
mjgh a porta Esse casameqfe nio se ha da* fazer j
ftmpadio-lbe o passo Bartbolomea. -; fisteadea %
aas coa aatoridade e dase :
"^ Nio constato qoe te a villas JTaHaai sos.
Desoje em diante vestimos o loto dElaa irmia ?
1 Leonor parou, subjugada pelo tom aijaero e enr-
gico da ros de Bartholoaen. straai a cabeca, a
as lagrimas, irrompeodo-lbe dos o a, deehearam
vagarosameale pelas faces.
5oJlrj_ajBir
crepsculo aotura earrageva de
upeclo fonebre lio co. Prineiirtara a~e |i
chava, e aa golas do agua, eseorrendo pelos ^rtros
da/

pi

;
.

"" i'iiisn-i
lr7


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EJ70GFE1E_PIS9CE INGEST_TIME 2013-09-05T04:11:17Z PACKAGE AA00011611_10977
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES