Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:10976


This item is only available as the following downloads:


Full Text

*.
(
'
AHITO XLII. HUMERO 120
* ojfcH 9


Ptr qiartel pap eitr dos 4# lias do i.* mi
Idn lepis Its 1," 1 lias do emeco c dentro de qnartel .
Porte & ctfreto |tr tres aezes.....
5joae
6*oo
75
M-* !> 8l',:;i
SEXTA FEIRA 25 DE IAI0 DE 1866
I

Uil .
Por ano pago deitro de U dias do 1. mez........
Porte ao correio por a aune .

19iooo
ttett
.
TI
.
NCARREGADOSDA SUBSCRIPQAO DO HORTE
Parahyba, o Sr. Antonio Alex?drino de Lima;
Natal, o Sr. Amonio Marques da Silva ; Aracaty, o
Sr. A. de Lemos Braga; Ceara, o Sr. J. Jos de
Oliveira ; Maranho, o Sr. Joaqulm Marques Ro-
drigues ; Para, os Srs. Geraldo Antonio Alves &
r'ilhos; Amazonas, o Sr. Jeronymo da Costa.
ENCARREGADOS DA SUBSCRfPCAO DO SUL.
Alagoa?, o Sr. Claudino Falco Dias; Sabia, o
Sr. Jos Martins Alves; Rio de Janeiro, e Sr. Jos
Rlbeiro Gasparinho.
PARTIDA DOS ESTAPETAS.
Oiinda, Cabo, Eseada e estarces da via frrea at
Agoa Preta, todos es dias.
Iguarass e Goyanna as segundas e sextas feiras.
Santo Anto, Grvala, Bezerros, Bonito, Caruar,
Altinbo, Garanhuns, Buique, S. Bento, Bom
Conselho. Aguas Bellas e Tacarat, as tercas
feiras.
Pao d'Albo, Nazaretb, Limoeiro, Brejo, Pesqueira
Ingazeira, Plores, Villa Bella, Cabrob, Boa Vis-
ta, Ouricury, Salgueiio e Ex, as qnartas
feiras. >
Serinbiem, Rio Pormoso.Tamandar, una, Bar-
reiros, Agoa Preta Pimehtefras, as quintas
feiras.
AUDIENCIAS DOS TRIBUNAES DA CAPITAL.
Tribunal do commercio : segundas e quintas.
Relago : tercas e sbados s 10 horas.
Pazenda: quintas s 10 horas.
Juize do commercio: segundas as 11 horas.
Dito de orpfct*: tercas e lextas s 10 horas.
^
Primeira
4ia.
Segunda vara do cival:
hora da tarde.
Tara do civel: tergas sextas ao meio
quartas sabbades a 1
. EPHEMERIDES DO MEZ DE MAR).
7 Qnarto ming. as 7 h., 22 m. 34 s. da t.
14 La nova aos 38 m. e 58 s. da t.
21 Quarto cresc. as 7 h., 38 me 46 s. da m.
29 La ebeia as 10 h., 52 m. e 25 s. da m.
- DIAS DA SEMANA.
21. Segunda. Ss. Marcos e Theopempo b.
22. Terca. S. Rita deCassia viuv. ;S. Quiteria v.
23. Quarta. S. Basilio are.; S. Desiderio b. tn.
24. Quinfa. S. Antonio b.; S. Manaban) prof.
25. Sexta: S. Gregorio VII p.; S. Albano p. m.
26. Sabbado. S. Eleuterio p. m.; S. Heraclio m.
27. Domingo. S. Joo d. m.; S. Ranulto ra.
PREAMAR DE HOJE.
Primeira as 2 boras e 18 m. da tarde.
Segunda as 1 horas e 42 minutos da manha.
PARTIDA DOS VAPORES GOSTBIP.OS.
Para o sn! at Alago? a 14 e 30; para o norte
at a Granja a 7 e 22 de cada mes; para Paran-
do nos dias 14 4os mezes de Janeiro, mar,;o, aaia
julho, setembro e novembro.
ASSIGNA-SE
no Recite, na livraria da praca da independencia
ns. 8, dos propietarios Manoel Figueiroa de Faria
& Filho.
PARTE OFFRAL
CiOVKRVO D.VPBOVI.YCI.1.
LE N. 684.
O Dr. Manoel Clementiuo Carneiro da Cunha,
vide-presidente da provincia de Pernambuco : Fa-
so sabrr a todos os seus habitantes que a assem-
bla legislativa provincial deeretou e eu sanecionei
a resolugo segrate:
Ari. 1 Pica pprovado o compromisso da ir-
mandande de Nossa Seubora Mi dos Horneas,
erecta na Igreja da Madre de Deus desta cidade.
Art. 2* Picara revogadas as disposiges em con-
trario.
Mando, por tanto, a todas as autoridades a quera
o conhecimento e execugio da presente resolugo
pertaneer que a cumpram e faeam cumprir o
i jiramente como nella se contm.
O secretario do go verno desta provincia (ac im-
primir, publicar e correr.
Palacio do governo dePemamtjuco, 5 de maio
de 1866, 4* da independencia e do imperio.
L. S.
Manoel Cltmentino Carneiro da Cunha.
Sellada e publicada a presente resoiucao nesta
secretaria do governo de Pernambuco, o de maio
de 1866.
O secretario Dr. Francisco de Paula Salles.
Registrada a fl. do livro 7 de leis
Dito ao commandante do corpo provisorio de po-
lica.Faga Vrac. alistar no corpo sob seu com-
mando o paisano Jos Paulo de Souza que foi con-
siderado capaz para isso em inspeccao de saude.
Dito ao juiz municipal de Ipojuca.Responden-
do o offlcio que Vrac. me dirigi era 7 do correute,
tenbo a dlzer-lhe que nos termos do aviso circular
n. 70 de 7 de fevereiro de 1856 e de 16 de novem-
bro de 1865, deve Vmc. decidir a duvida constante
do seu citado offlcio.
Dito aos Srs. agentes da companhia brasileira
de paquetes a vapor. Podem Vmcs. fazer seguir
para os portos do Sul o vapor Cruzeiro do Sul,
amanba a hora Indicada m seu offlcio de hoje.
Portara.O vice presidente da provincia, atten-
i dendo ao que requereu Pedro Antonio de Alcanta-
' ra, e tonda em vista infermagao do capito do
porto, datado de 12 do corrente soba. 48, resol ve
conceder-lhe licenca para tirar pedras calcarlas
somente ao sul da barreta que lica em frente de
Rio Formoso. devendo ser esta apresentada ao
mesino capito do porto, e as autoridades locaes.

U
A

U
5
C0MM.WDO DAS ARMAS.
Secretaria do governo de Pernambuco, 8 de maio
de 1866.
O escripturario d V secgo Theodoro Jos Ta-
cares.
LE N. 685.
O Dr. Manoel Clementino Carneiro da Cunha,
vice-presidente da provincia de Pernambuco.
Fago saber todos os seus habitantes que a as-
sembla legislativa provincial deeretou e eu sane-
cionei a resoiucao segointe :
Art. 1. Os repetidores do gymnasio vencerlo o
ordenado de 700 e 3005 de gratifleacao, devendo
desde ja serem prvidos dous desses lugares.
Art. 2. Pica creado no mesmo estabeleclmento
um lugar de preparador do musen cora o ordenado
de 1:0004 e 400$ de gratificago, podendo ser pa-
ra elle contratado qualquer estrang6iro devidamen-
te habilitado.
Art. 3. Ficam revogadas as disposiges em con-
trario.
Mando, portanto, a todas as autoridades a quem
o conhecimento e execugo da presente resoiucao
pertencer, que a cumpram e facam cumprir to
tateiramente como nella se contm.
O secretario do governo desta provincia a faca
imprimir publicar e correr.
Palacio do governo de Pernambuco, 8 de maio
de 1866, 45 da independencia e do imperio.
L.S.
Manoel Clementino Carneiro da Cunha.
Sellada e publicada a presente resoiucao nesta
secretaria do governo de Pernambuco, 8 de maio
de 1866.
O secretario Dr. Francisco de Paula Salle.
Registrada a fl. do livro 7. de leis provinciaes,
secretaria do governo de Pernambuco, 8 de maio
de 1866.
O escripturario da 4." secgo. Theodoro Jos
Favores.
Qaartel genera) do eomaande das armas de Per-
nambuco na cidade do Reeife, 23 de maie de
.1816.
ORDEM DO DA N. 231.
O tenente coronel commandante das armas inte-
provinciaes.' rio determina que Oque nesta data desligado do
Expediente do dia 22 de maio de 1866.
Offlcio ao Exm. desembargador provedor da San-
ta Casa de Misericordia. Attendendo ao que me
requereu Jos Lopes Albeiro, e leodo em vista a sua
informago de 19 do corrente, sob n. 870, autoriso
deposito o Sr. capito do 4" batalbo de artilbaria
a p, Joo Paes Barreto de Mello, qoe tendo hontem
fmaiisado a sentenca de seis mezes de priso que
eumpno na fortaleza do Brnm, foi posto em liber-
dade, e qne o mesmo Sr. capito se aprompte para
seguir para a corte na primeira opportunidade cora
o destino de reunirse ao seu corpo.
Determina outro sim, qoe o Sr. tenente Estevo
Jos Ferraz passe a exercer as funecoes de secre-
tario deste commando, continuando todava no
exercicio do emprego de ajudante de ordens, at
que possa ser convenientemente substituido.
(Assjgnado.)francisco Camello Pessoa de La-
cerda.
REVISTA DIARIA
S. Exc. Rvma. deve offleiar no Teeum, que se
ha de celebrar pela vieorfa Anal das nossas armas
contra o Paraguay, pois dignou-se de acceder ao
convite que para isto leve a honra de fazer-lhe
a filma, cmara mnnicipal.
o panegyrico est incumbido ao Rvm. conego
Joaqulm Ferrelra dos Santos.
De presente funeciona o qoartel do comman-
do das armas no sobrado da ra Nova n. 56.
foi preso pela delegada de Nazaretb Joo
Barboza de Souza, nao s por ser Indiciado
criada, Fructuoso Jos da Costa, Antonio Jacintbo
Carneiro, o escrivio da armada, Bailbasar Alves de
Oliveira Pessoa e 2 recrutas da armada, Jos Gon-
calves V lia Verde, sua senhora, 1 filho menor e 1
criado, 2 pragas de polica, Leopoldo Jos Rodri-
gue* Braga, Anna Mara do Espirito Santo, Anto-
nio Alves de Camino Veras e 1 escravo, Estamil-
do Lopes de Carvalho, Jos Lisardo da Silva, 6 re-
crutas de marioba, J. D. Burnes, Octavia no de
Sonza Pranga, Henriqoe da Costa Rodrigues, Theo-
prego de 1$000 e bem assim urna earroga, quando
lor preciso.Posto em discusso, concedeuse a au-
torisago pedida, devendo empregar a carroga no
servigo quando for indispensvei
Outro do riscal da freguezi S. Jos, represen-
tando que em frente da igreja de S. Jos de Riba-
Mar, e as mas que Ibe ficam adjacentes ba tanta
quantidade d'agua, devino a chova que tem cabido
nestes das, que torna intransitavels as mesmas
mas, succedendo que por ser o lugar muito baixo,
mesmo coofessado, como tambem por participante
de um conflicto havido em jurisdiego d'aqoella
delegada, no qual sahira elle ferido.
Este conflicto teve lugar no povoado da Alagoa
do Carro entre Souza, conhecido por Joo Simpli-
cio, e que da-se no auto de perguotas pelo nome
de Joao de Souza Leal, e Matbias lavares de Mei- I maio de 186G.
pbylo Jos Paulino de Pigueiredo, Jos Luiz Soa-1 nio pode ter esgoto para o mar, e lendo-se laten-
res, Candido Jos Siqueira, Manoel Moreira do Car- dido com o engenheiro eDcarregado do calamento
rao, Manoel Alvares, Eduardo de Mornay, Adriano da cidade, aflm de ver se consegua delie o reba-
de Albuquerque, Jos Candido de Aceloly el es-; smenlo do dito calgamento junto ao muro da Pe-
vieram da ilha de S. Mi-
visto como
no as-
sassinato de um inspector de quartelro no termo crivo, 20 passageiros qoe vieram da ilha de S. Mi- nha, para fazer o esgoto pela'ra de S. Jos, uuico 10re dnvjHn^
do loga, provincia da Parahyba, crime por elle : gUel no patacho Georgense. lugar por onde se podera faz-lo, visto como abi '
tliegoria na ordem social do Imperio, urna pro-
vincia pobre ; torga confessa-lo.
Entre nos nao ba riquezas. Os eapilaes acham-
se por tal forma divididos, que a grande parte dos
agricultores e dos commerciantes possuem apenas
o qne Ibes indispensavel para o movimeuto de
suas transacgdes.
Nao queremos, porm, dizer com isto qoe fra
desie circulo, nem mesmo dentro dalle, se nao en-
contr capital disponivel. Ha, porm ponco, e
to fcilmente acba emprego, e por to subido pre-
go que os possnidores nao precisara entregar a sua
adraimstrago a outrem, a quem teriam de pagar
urna comraissao, e nem sojeita-lo as consequencias
sah-
Acresce a isto que os poneos agricultores abas-
existe o cano do pateo da Ribeira, nao teve respos-1 ud0Si em cojlg mo9 M lem reDnisdo a( c _
ta alguma, e nao devende continuar no mesmo es-. lai circulante, tem ideas 13o atrasadas a respeito
i Passageiros do vapor braslleiro Guar,
do para o Rio de Janeiro :
Pedro Carollno Doarte Loureiro, Luiz da Silva tado aquellos lugares, communica a cmara para [e associagSes,"que preferem twna"Improduct7v<>
Soares, Jos Peres de Brito, a senbora e 1 filho do providenciar.-Que se levasse ao conhecimento da aqueile que adquirem do que concorrer com ella
primeiro machinista. presidencia, rcmettendo-se-lbe copia do offlcio do I para fnrmagoes de emprezas
Cbmiterio pbuw. obituario no da 2! dr fiscal. Os do alto serto, athesourando todo o que so-
da freguezi da Boa-Vista, com-1 bra ao seu costelo, tem feito desapparecer urna
fiscal.
Outro do fiscal
lo, tres filbos deste e um seu escravo de nome, Benedicta Mara do Rosario, Pernambuc, 28 an- municandoque diversas mas da mesma freguezi,; grande parte do meio circulante e oue ha corrido
Manoel, todos os qnaes j haviam sido capturados,
sendo devldamente Iniciado logo o competente pro-
cesso, a cojos termos tem -de assistir o referido
Souza; ao qual foi feita a vestoria necessaria.
Depois d'araanhaa tem logar a reentrada em
scena da actriz o. Eugenia Cmara.
O espectculo comp5e-se da bella comedia or-
nada de msica, A La de Fel, e da apoquentago
em tres actos a Ntnkada de meu Sogro, cojo elogio
est em ser este paraphrase composigao do Sr.
Dr. Angosto de Castro, que no genero faceto
nimavel como j o apreciou por si o nosso pu-
blico no tnalogo Tchang-tching-bung.
Foi hontem prvido no lugar de corretor
geral desta praca o Sr. Jos de Aqoino Fonceca.
Da Capunga reclamam sobre o estado de
abandono em que ficaram as vallas abenas para
a nova canalisago d'agoa potavel, sendo isto um
estorvo para o transito, alm do perigo qne otfe-
rece d'alguem precipitar-se nellas, mormente
creangas.
A sociedade dramalica Thalia Pernambucana
nos, solteira, S. Jo tubercui pulmenar. acbam-se chelos de aguas estagnadas, principal- i para soas mSl0S m yirtude do grande desenvol-
Ameha, Pernambuco, 10 at.i, Santo Antomo,' mente na roa dos Pires, cojas aguas sendo conser- vimento que nestes nllimos dois anuos tomoua
pnramonia. | vadas se tornaram ptridas, e para eviur isto, tem coUnra do aIgodo e 0 eIe?ado preeo a qae e||9 at.
Manoel, Pernambuco, 10 meze, Boa-Vista, escravo, empregaoo no esgoto dallas a pequea torga de que tinglo. .
deeintera. ,'"".'' dlsP6f> Jeixando por isso de fazer a tempo a lim- i Espalbada pelos longiqoos sertSes da provincia,
Mana, Pernambuco, 6 annos, Santo Antonio, desia-, peza das mas; e assim pede autorisagao para aug- Dma somma va|iosa Vasi ^ iaoM a ^as pos:
. tel*- i ?>n,*r c"1. "Dais dous serventes o numero dos ex-Unidores, como se a nao tivessera, e s reappare-
Amella, Pernambuco, 3 mezes, Recito, espasmo. | istentes, assim como mais um guarda, que com os cera' quando passarem as roaos mais liberaos; ou
Henrtqneta Mara do Espirito Santo, Pernambuco dous que tem, nao possivei dar as providencias forem arrancadas de sua immobilidade por moti-
40 asnos, solteira, Santo Antonio, ascite. de qoe precisara os arrebaldes da mesma fregu- vos imperioso
Henrique, Pernamboco, 3 annos, Santo Antonio, I zia.Inteirada. se a estas circumsuncias ajuntrmos a de haver
marasmo. A commissao enctrregada de apresentar as con- por a|gans annos pasaos a Importago da provin-
Alredo, Pernambuco, 4 annes, Santo Antonio, te- digoes para o contrato de arbonsago, apresentou C(a excedido de muito a sua exportacao veremos
uno. abase para o mesmo, a qul entrando em dlscus-' -
Maximiana, Pernambuco, 2 mezes, S. Jos, desin-: sao, mandou-se que voltasse a referida commissao,
tena. bem como a proposta que nesta occasio fez ebegar
Leonardo, Pernambuco, 1 anno, Santo Antonio, be- ao conhecimento da cmara o cidado Manoel Al-
yes Guerra, para encarregar-se do contrato, aflm
Est conforme.Estevo Jos Ferraz, tenente- acaba de acceder a' solicitnde do actor Sacramento
ajudante de ordens
Ihe.
interino encarregado do deta-
PERNAMBUCO.
ASSEMRLEA LEGISLATIVA PROVINCIAL
SESSO ORDINARIA EM 19 DE MAIO
DE 1866.
PRESIDENCIA DO SR. DR. AUGUSTO DE SOUZA I.EAO.
Ao meio da, feita a chamada, verifica-se a pre-
senta dos Srs. deputados Souza Leo, Ayrc.-, Ra-
mos, Ribefro, Sergio, Arminio, Bnarque, Soares
cedendo o sen tneatrinho da Capunga, afim deja
mesmo actor dar abi um espeetaculo em seu fovor|;
e nos informara que para isto ja' esta' a ensaiosjo
pega Antonio Jse'.
A referida sociedade, com esta eoncessio, torna-
se credora de elgolos. pois pratica um acto de
verdadeira benemerencia.
Do Mangulnho dizem-nos o seguinte:
Ha muito tempo que trabalha aqu um s
d'esses homensM que se empregavajn na conserva-
gao desta estrada; e desta falta o resullado estar
a estrada em tal estado que s da' passagem a
quem anda descaigo, ama vez que esta' toda co-
berta de areia, lama, grande quantidade de mato
creseido, alm dos ralos estarem todo obstroi Jos.
Tem esta circumstancia dado logar a que nos
Brandao, Machado, Amyntas, Joaquim Reg Bar- aus mais chuvosos crescam as aguas em tmanho
ros. Emygdio, Jeronymo, Correa da Silva, Paes de volme, que tomam todo o leito da estrada, exten-
Andrade, Candido Jlanlns, *&mT**^^\BE& a urnaTSJmaOfiOalHa; e isto
tem sido tal que o proprio cobrador da barreira
to Lima, Amorim, Jaosen, Andr, Correa de Brito,
e Hisbello.
Abre-se a sesso.
L-se e approva-se a acta da sessao anterior.
O Sr. 1* Secretario d conta do seguinte :
EXPEDIENTE.
Redacgio do projeclo n. 69 deste anno. Ap-
provada sera discusso.
dem do de n. 99. Approvada sera discusso.
ORDEM DO DIA.
2". discusso do projecto.n. 90 deste anno sobre
a diviso dos cartorios do termo de Ipojuca.
Falla contra o Sr. Costa Ribeiro, que manda a'
V. Exc. a mandar admittir no collegio das orpbas | mesa uraa emenda para qu s tenha lugar a sup-
a menor Balbina, filha natural de Launana Maria presso do 2 cartorio por
da Assumpgo, dando o mesmo Alheiro por uraa actoa( serventuario.
como offereceu, a quaotia de 400} e a roupa
morte ou abandono do
vez, como otlereceu, a quaotia
necessaria para um anuo, Meando a dita menor nos
termos do floai de sua citada mformago sera dote
algum.
Dito ao mesmo. Intelrado do que V. Exc. me
comraunicou em seu offlcio de 19 do corrente, sob
o. 873, approvo as nomeacSes dos empregados des-
sa Santa Casa mencionados no final do seu citado
offlcio.
Dito ao tenente-coronel Francisco Camello Pessoa
fle Lacerda.Recebi o seu offlcio n. 753^ fico scien-1
te de ter V. S. assumido interinamente nesta data o I
commando das armas desta provincia por se adiar
empedido por grave molestia de que foi accommet-'
tidoo marechal de campo commandanteflas armas
Francisco Sergio de Oliveira.
Dito ao mesmo Informe V. S. sobre o qoe pede
o soldado Gemimano Roberto no incluso requeri-
mento.
Dito ao inspector da thesouraria d8 fazenda.
Remetto inclusas a V. S- com offlcio do teooote-co-
ronel commaneante do 1 corpo provisorio de 18 do
corrente, para os convenientes exames as contas
documentadas por duplicata da receita e despeza
da enfermara militar, relativas ao mez de abril
prximo lindo.
Dito ao mesmo.De contormidade com o qoe so
Ucitou o director do arsenal de guerra em offlcio
ve-se o ti r i gado a descalcar -se. para poder receber
do* passageiro a taxa, pois a' frente da mesma bar-
reira esta' toda alagada.
t E' por isso qae reclamo alguma providencia,
e mesmo para evitarem-se damnos a' saude pu-
. blica com a permanencia de charcos.
A boia que deve ser collocada no lugar em
que afundou a barca iogleza Felisbella, vai s-lo
reqoisigo da capitana do porto; e esta necessi-
dade ja' nao havia sido satisfeita, enveonsequencia
de de ver ser fornecido pelo arsenal de marinha o
respectivo material.
A mesma capitana a quem incumbe essa co-
lacago.
O brigue ioglez Billiant, ebegado hontem a
este porto, procedente dos Estados-Unidos, deu
urna salva de 21 tiros no Lamaro, por ser o an
Ora o Sr. Ayres Gama em sustentago do pro-
jecto.
Encerrada a discusso o projeto approvadoe
dispensado do intersticio a pedido do Sr. Amyntas, oiversario natalicio de S. M. Britnica; e a fortaleza
sendo rejeitada a emenda do Sr. Costa Ribeiro.
3*. discusso do projecto n 63 deste anno, qne
regula a forma do registro dos gneros de outras
provincias.
Fallara contra um das arts. do projecto, os Srs.
Correa de Brito e Candido Martins, e a favor oSr.
Buarque.
Vem mesa urna emenda do Sr. Corroa de Bri-
to, para que a porceotagem dos empregados do
consulado, seja de 4 2/5 em vez de 3 3/5, como
actualmente. _
Encerrada a discusso a emenda approvada 0-
cando o projecto dependente da 2* discusso desta
ultima
2*. discusso do projecto n. 100 deste anno, qne
aotorisa o presidente da provincia a' celebrar com
os berdeiros do brigadeiro Dmmmond, urna cora-
do Brum, vendo que este navio liaba gado no
topo do mastro de proa a bandelra brasileira, cor-
responden aquella salva com ootros tiros?
No correr do dia de hontem estiveram em-
bandeirados os navios inglezes surtos no porto, em
bomenagem ao anniversarlo da rainha Victoria.
Cbegou hontem, de New-York (pelo Mara-
nbao), o vapor General Shermans, que se destina
a rebocar navios no Rio da Prata, para onde deve
seguir apenas tome carvo. .
Amanba ao meio dia se extrabir a lo'-parie
da lotera a beneficio das familias do voluntarios
da patria (64), sendo o maior premio 6:000}.
Hoje o agente Olympio, no seu armazem da
i praga do Comraereio n. 48, faz leilo (por conta em
risco de quem pertencer) de urna porgo de fumo
patita.
Maria Joaquina Vires, Pernambuco,
viova, Boa-Vista, bydropezia.
Margarida, Pernambuco, 40 annos, escrava, Boa-
Vista, tubrculo pulmonar. .
Horacio Raimundo do Reg Camlnba, Pernambu-
co, 22 annos, solteire, S. Jos, hepatite.
Odom Tbom dos Santos, Pernambuco, 22 tanos,
soltiro, S. Jos, lebre perniciosa.
Joo. Pernambuco, 5 meze, Boa-Vista, desinteria.
Mara. Pernambuco, 2 annos, escrava, Boa-Vista,
desinteria.
Caetaoa Anglica da Cenceico.
Marta, Pernambuco, 6 dias, Boa-Vista, espasmo
Daael, Pernambuco, 23 annos, escravo, Santo
tfnio, pneumona.
Carteu, Pernambuco,
llene.
encarregar-se do
80 annos, de qoe a commissao estabelecesse o numero das
arvores qoe deviam ser plantadas, a sua quali-
dade e as mas por onde devia principiar a arbori-
sago.
A cmara foi intimada de baver Tibnrcio Vale-
riano Baprista contraprotestdo acerca do protesto
que mandara a mesma cmara fazer na obra do
referido Tiburcio no lugar da Ilha dos Rallos, na
freguezi da Boa-Vista.
Comparecendo o solicitador, declamo que o joiz
municipal da segunda vara bavia dado sentenga
contra a cmara na questo que move a Joaquim
Jos Pereira Albandra, por iofraegao de posturas,
An-' pedio que se Ibe dlssesse se devia appellar, resol-
4 metes, Afogados, coque-
CA1ARAIMWPAL DO RECIPE
SESSAO EXTRAORDINARIA AOS 11 DE ABRIL
DE 1866.
Presidencia do Sr. Pereira Simda. ,
Presentes os Srs. Gustavo do Reg, Aqoino Foo-1
ceca, Santos, Costa Montelro, Pinto e Dr. Seve,
abrio-se a sessao, e foi llda e approvada a acta da
aolecedenle.
L-se o seguinte
EXPEDIENTE :
Um offlcio do Exm. presidente da provincia, de
10 do corrente, dizendo que estando Basilio Alves
de Miranda Varejo, segundo lhe declarou seu ad-
vogado cooselbeiro Jos Bento da Cunba Figueire-
do, disposto a terminar por nm accordo amigavel a
questo que move contra a cmara, deseja enten-
der-se com assistenca do seu mencionado dvoga-
do com a mesma careara, afim de se proceder de
contormidade com o disposto no artigo 47 da lei n.
645 de 3 de junho do anno passado; o que dr clara
a cmara para tomar a resoiucao conveniente em
ordem a ser cumprida a referida le.
- Posto era discusso, e tendo fallado sobre a ma-
teria os Srs. Gustavo do Reg, Santos, Costa Mon-
teiro e por ultimo o Sr. presidente, resolveu-se
mandar responder a S. Exc. que a cmara ia to-
mar em coosiderago o coaleudo do citado offlcio.
O Sr. Costa Mooteiro pede a palavra, e aprsen-
la o seguinte requerimeoto que foi approvado :
Requeiro a esta illuslrssima cmara, que or-
dene ao procurador, para que com urgencia faga
veu-se que nao; votando contra esta deciso o Sr.
Costa Mooteiro.
Mandou-se remetter a commissao de polica um
requerimento em que os empregados monlcipaes
sugeitos ao ponto, pediam um accrescentamento
nos seus vencimientos, visto ter-se augmentado mais
doas horas de trabalho.
Concedeu-se ao fiscal sopplente da freguezi de
Santo Antonio, em exercicio na da Boa-Vista, Vi-
cente Jos d Costa dous mezes de liceoga com
vrncimcntoi pira traUr de toa sade. VUlO ter
probado com attestado medico acbar-se dente.
Despacbaram-se as petigoes, da junta adminis-
trativa da Santa Casa de Misericordia, Bailar &
Oliveira, Francisco Borges das Chagas, Francisco
de Barros Correia, Francisco Maria dos Santos Fer-
reira, Dr. Joo Baptista Casa-Nova, Jos Botelho
Rezende, Jos Vital de Negreiros, Malaquias Pri-
meado Ribeiro, Vicente Jos da Costa, e levanlou-
se a ssso.
Eu Eranei.-co Canuto da Boaviagero, secretario
a sobscrevi, Pereira Sirodes, pro-presidente, Reg,
Fonceca, Pinto.Dr. Seve, Santos.
x'^S'Oomjo^
Assciaco Commercial BeneGceule.
OFFICIO DIRIGIDO A S. EXC. O SR. MINISTRO DA AGRI-
CULTURA, COMMERCIO E OBRAS PUBLICAS.
Iiim. e Exm. Sr.Era circular datada de 26 de
agosto do anno prximo passado, que nos foi com-
monicada pela presidencia desta provincia, e cuja-
: recepgo ja' tivemos a bonra de acensar a V. Exc,
; em data de 15 de setembro, tambem do anno pro-
i xioio passado, tomos por V. Exc. consultados so-
I bre as causas que entre nos entorpecen] o desen-
volvimiento do espirito de assoclago, assim como
posigo sobre o pagamento da. metade da divida a; amerlcano e dQ- pa e rande poro de caximbes
que eslava elle obrigado, para com a santa Casa da de )ooca#.
Misericordia desta cidade. Approvado sem deba
te, e dispensado do intersticio a pedido do Sr. Re-
g Barros. .
2*. discusso do projecto n. 101, que manda fa-
zer o erapedramento da estrada de Joo de Bar-
de hontem, sob n. 631, recoromendoa V. S. que em rM._ E- approvado sem debate cora urna emenda
vista da inclusa conta e nao bavendo inconveniente &, Sr. Amyntas, que requer e oblem a dispensa do
mande pagar a Agostinho Moreira a quaotia de 15J intersticio,
que se lhe est a dever, por baver cooduzido para
aquelle arsenal diversos objeclos perlencentes a en-
fermara militar.
Dito ao inspector da thesouraria provincial.A
Cypriano Torqoato da Trindadefoo ao seo procura-,
Aodrade, soo*.-S. R. Tasares 4 Mello.-Correa da Silva.
Fiea a tatuara maoiepal do Rio Formoso, auto-
dor Januario Constancio Monteiro de
mande V. S. pagar se nio bouver inconveniente e
estiver em termos as Inclusas contas que me re-
mellen o delegado encarregado do expediente da
repartigo da polica com o offlcio de hontem, sob
n. 650, a quantia de 165800 despendida com o sus-
tento dos presos pobres da cadeia da Villa-Bella du-
rante o mez de fevereiro ultimo.
Dito ao mpsmo.Mande V. S. em vista do com-
pleteme certificad j pagar ao arrematante de 200
metros de erapedramento na estrada de Sant'Aona,
a importancia da 1* presiago "a que tem direito
por haver execolado a 3a parte das obras do seu
contrato, segundo consta de offlcio do ehefe da re-
partigo das obras publicas datado de hontem e sob
0.199.
Dito ao mesmo.Declarando-rae o ebefe da re-
partigo das obras publicas em offlcio de bontem,
son n. 100, haver recebido provisoriamente o 17
lango da estrada de Nazereth (empresa Mamede)
Repartico da polica :
Extracto da parte do dia 24 de maio de 1866.
Foram recolbidos a' casa de detengo no dia 23
do corrente:
A' ordem do subdelegado do Recito, Antonio Luiz
Dias, por Insulto.
A' ordem do de S. Jos, Joaquim Pacheco de
3- discusso do projecto do orcameato moni- Lyra,A^^^^
Vera a mesa, sio apeladas entrara em discos- *l tAoVrtTTr-!tra vedTlflooOO. diga-ae ^den? dVTffi. Joio Joaquim Eleoterio,
apresentar todos os documentos que por mira to-1 qQe providencias convm sejam adoptadas, para fa-
rom indicados, para que os referidos documentos -
sirvam de base para a acgo rescisoria, que esta
illostrissima cmara tem de propor contra Basilio
Alves de Miranda Varejo.
Sala das sesses em 11 de abril de 1866 Cos-
ta Mooteiro.
cilitar a congregago individual, e a associago de
capltaes, e deste modo estimular e tornar opulen-
tas as desaproveitadas tontes de produego, que of-
\ ferece o paiz ; indicando tambem nos cora espe-
1 cialidade as medidas, que dependem do ministerio
! que V. Exc. dirige, e as causas que por elle po-
Outro offlcio do director da repartigo das obras dem ser removidas ou modificadas, quer ellas pro-
publicas com despacho da presidencia, mandando veobam da legislago em vigor, quer se refiram a
informar, no qual o mesmo director dando o seu outra qualqper origera; e outro sim, que funda-
parecer acerca da petigao da associag) Commer- mentemos o nosso parecer com fados, qoe possa-
cial Beneflcente, que pede para ser revogado o des- mos colllgir, tanto na ordem social, como na in-
pacho da cmara negando-lhe licenga para fazer no dustrial, que habilitem o governo imperial para
predio n. 1 da ma do Trapiche diversas alterages; corregir os detoitos, que forem effectivamente re-
declara que uraa parle do largo da Lingoeta Qcara conbecidos e esliverem debaixo da sua acgo.
periencendo a associago sem compensago alguma Aqoiescendo com a melbor boa yontadeao con-
para a cmara seria por tanto conveniente que o vite de V. Exc, vamos satisfaze-lo com a solicitu-
projecto fosse modificado de maneira cortar esta de e franqueza caracterstica dos homens da nossa
difflculdade que se oppSe a sua execugo, com quan- classe, apresentando a nossa opinlo a respeito, a
risada a pagar ao actual promotor publico da co-
marca al a qntntia tfe 200$ provenientes de cos-
tas de processos decahidos. S. R. G. Dmm-
mond.
Fica a cmara municipal do Ra Formoso auto-
risada a pagar o que e est a dever ao juiz muni-
cipal do mesmo termo, de cpstas de processos de-
cahidos. S. R. G. Drummond.
Fica a cmara municipal de Serinhaem, autori-
sada a pagar o que esta' a dever de costas de pro-
cessos decahidos, ao actual delegado de polica do
mesmo termo. S. R. G.' Drummond. Silva
Ramos,
Ao art i!. Para o advogado, 250$. Bmigdio
Marques,
ao capitulo 1 | Ia, em vez de 400#,diga-se
600$ de gratificago. dem de dous amanuenses,
em vez de 200$ diga-se, 400$ de gralificaco "
por j se achar concluido, assim o communico a V. 4. vez de 400j *i\gj8fo oe gratifleacao -
para sea conhecimento, recommeodando-lhe ao sfva ftomos Reg Barros
mesmo tempo Me em vista do competente cetti Ao art 5.1# #. ^ m 'e 60oa_diga.se,...
cado mande effectuar o respectivo pagamento. 1:MOfc sendo 300 tlaeaea do Itamb e
Dito ao mesmo. Aonu.ndo ao que sol.citou o Nossa SutMi do Q._$ R ^uto Lima.
delegado encarregado do expediente da repartigo ^ Fica a camara manicjpai de Serinhaem autori-
da polica em offlcio de hontem sob n. 655, recom-! Mda pgsr ^ a qnin,ia de jq,^ do escrio
mendo a V. S. que, nao bavendo inconveniente e mer|||0 do Jary Jos AB(ms0 Rj^eira, quantia es-
estando em termos a conta mota em duplicata, w proTMetA te eustas de processos decahido.-
S.i?,PSMSiiBiino l?/880 Llmi J"D,Ii|S-R- G.Dnmnd.^ Silva Ramos.
2! inl **** de,Dend.i,1Ia om. roniecimenia EBcerrt4a rjlscnsslo sao approvadas todas as
ialaS-J _Cton_rtaa*rtal d. ieil^ae\ie enduTtdrtrvw, (lcando o projecto preso at
gnaroas nackmaes existente no termo de auto An- d.ns.o dos Mmmm
to^conurde Jnnho a oolubrodoanao prximo ^u^, f**saoo'projecto de forg poM-
ftara'a Sn^vs^T Vf I?C' T6ttm"'? *a ^^ LiB e SUw Hmo8' fleMdo
para a coro ao vapor Cruzro do Sul para o que >, aH-MsiA adiada Ma han.
Silva, de que trata o sea offlcio n. 52 de 21 do cor-
rete.
deste aura.
como recruta.
A' ordem do delegado de Jaboalo, Aotono Jos
do Silva, para ser proeessado.
O ebefe d* 2* seceo,
: J. G. ic Mesquita.
Casa db obtexcao.
Mov ment d casa de detengo do dia 23
maio de 1866.
Existlam 353, eatraram 8, sahlram 13, exis-
tem347.
A saber:
Naconaes 241, mulheres 12, estrangeiros 32
mulheres 2, escravos 58, escravas 2.
Total 347.
Alimentados a costa dos cofres pblicos 203.
Movimenio da enfermara do da 34 de maio i
1866.
Teve bata:
Mariano, escravo de Manoel Ignacio Alves, chagas.'
Tiveram alta :
isoberla Francisca da Gonceigao.
Antonio Jos Rodrigues.
Passageiros da barca portugueza Armtnia,
entrada do Porta:
Carlos Gongalves da Costa Lima, .Adolpho Jone
Pereira da Motu, J. Mr|arid*A.aarroo e 1 filho,
Antonio Avs Barroso, Domifos Antones, Jos
Comes Jnior, Joaqnisa FetrtHW^rea, Raynnmda
Francisco Cava, Antonio Joslhftpaio, Avaro Jos
Ramos, Bernardo Perreira Mala, Jo^ Goncalvoi Re-
Passafeiro do vapor braslleiro ftlonr, sabido
para o Rio de Janeiro :
Coronel Francisco Ftdelis Barroso.
Pasaageirai do vapor braslleiro Cruzeiro do
Sul, sahida par* os porte* o sol :
Maria Francika de Araojo, Angelo Spmelt, C
Velllno, bacaarel Veaoaalao Garca Chaves, Pran-
cisco L'rbano da Silva Braado, cooselbeiro Sioinv
bu, ana senhora, soa segra, l governante, 2 fllkna,
1 sobriana e 1 criado, Aotooia Marta da Cooc*e4a
e 2 flihos menores, Resa da Coaha Miranda, Mara
Emilia Uvoa df Mello, Loiza 4a Lemos Mallo o i
to se acbe bem concebido e aformoseie o largo da
Lingoeta. .,
0.oanto a questo de desapropriagao parece-rae
que nao pode proceder, visto que a associago Lorn-
mercial comprometiere a assignar um termo, fa-
zendo desistencia do direito a indemnisaco pelas
bemtoitoras, quando a cmara tiver de fazer a
compra do predio para abrir a roa
qual baseia-se na observago dos tactos, e nos co-
nhecimenlos, que a experiencia nos tem feito ad-
! quirlr.
Antes, porm, Exm. Sr., de entramos no desen-
volvimento das materias, de que vamos tratar, per-
mita-nos V. Exc. que conseguineraos aqu a sor-
preza e admirago que nos causou a circular de
' V. Exc. a que nos referimos, e tambem oreconhe-
. Posto em diicussao, resolveu-se que o engennei- cimento a que por ella nos julgamos obrigado.
ro cordeador lotormasse se-o logar, oode a asso- ; Acostomados, ha longos annos, a ver o governo
elago Commercial quer fazer o lerrago com a ra- 0Drar descrlcionalmente sobre o commercio, (ur-
de de torro ao lado, est de accordo com a planta
de da cidade.
Outro de Jos Antonio Gomes Jnior, oflerecendo
acamara omexemplar da obra qae faz publicar
Noges do sysiema OMtneo decimal, segunda edi-
cao.-Qoa se respondesse agradecendo.
Qotw d^onaenhftm cordeador, Informando o re*
eoertmento da Hai. .too'"0 Monteiro, qoe pede
ear* coilc ir urna gradara de ferro sobre o muro
i* frita Ja m i n. ll da roa Real, e recoos-
tmur o moro eaaloda a exieoso do seu terreno de
ojo dlserever oraa linha reoU< declara qoe na-
eordear.
Ootro do mesmo, l|ifomaa4li o reqoerimento em
mando para alies leis e confeccionando regularaen-
tos, sem se dignar consulta-lo no mais insignifican-
te ponto, e nem mesmo attender as suas reclama-
goas, pelo, que tem creada, sem talvez pensar e
querer, vexatorias iraposigoes, que tem mais ou
menos concorrldo para entravar o desenvelvimen-
to da segunda fonte da riqueza pnblica, nio po-
damos deixar de ficar sorprendidos ao ver qne
pela primeira vez eramos consoltados, e se pedia a
conesrreneia dos nossos conhecimentos em as
sampio, que to de peno nos interessa e diz res-
peito.
Este acto de V. Exc, fazendo desapparecer de
nosso espirito a crenca de que estavaroos possni
dos, de clamar no deserto, em relaco a obter do
qne Joaquim Goacalves Salgado, proprietano do so-; governo imperial medidas tendentes a melhorar o
brado de deas andares sito a roa estrella do Rosa- i estado commercial da nossa' praca, nos enebeo de
rio a. 27. Mde pan que Ibe seja permitUde fuer animo para melbor responder-a consolu de V.
varios melboramentos na frente do mesmo sobrado Exc, na esperance de que desta vez as nossas pa-
ollocar mais portas, soleirae, verfae ombrosfas, lavras od serio, como tantas outras o tem sido,
diz qoe o sobrado do poiicionario dessee de coos
tmeco aatlga, e atollo baixo, mais qoe ao obs-
nie isto, nada h qoe oppor a soa pretencao, de-
veaeo porm ae aolelras serem postts ae nivel ato
aotoiras da eaaa n. 33.Conceden de oootorraidade
eom a informagao,dev|do*ser tofo a primeira obra
a eollocaco das soleiras.
Outro do fiscal da freguezi de Santo Antonio,
comroiinicando qoe algnraas mas, becoos e praeas
da mesma freguetla aenam-se bastantemente sojas
e chelas de latan, precisando aerea qoeito antes
limpas e retiradas as jamas existente! em alguns negocios das "*lt^',emJf^,
logares, a sendo o numero de tres serve-fos losuf- de algumas decIstesnM >_.r^Pel.2Sl!S?
Ocente para este sor vino dlariameB, pede a c-
mara o aumrisa a admmir mala -ious com o ven-
elmette de 1$W0 resa, oo> am visto ser mnlto
icaltso acjjar-se vfalwM* semwas pelo
levadas pelo vento do esquecimento.
E' sob a impressio da robnsU f que estas ideas
fazem nascer em nossa consciencia, que paseamos
hoje a responder a circular de V. Exc, satistozen
do assim ao qoe nos ha vemos compromettido.
Era nosso entender, Exm. Sr., as principees cau-
sas que uesto provincia enlorpecem o deseovoivi-
mento do espirito de associago podem-se reduxir
as seguintes: _. "
1 A falta de capital circulante.
2 A tofervengo mal dirigida do governo nos
- injustiga
algumas _
3. 0 mo resoltado de
tro nos.
Expliqueroo-nos detalhadamente
muitas astoeiagSes en.
| fcilmente que nella nao existe abundancia oe ca-
pital circulante, principal fonte para o desenvolv-
ment do espirito de associago, visto qoe, como ja
t cima distemos, s quando elle abunda, e nao en*
contra fcil, seguro e prompto lucro de dez, doze e
mais por cerno, como actualmente acba entre nos,
que os seus possnidores busca rao meios de o
tornar productivo, applicando-o na formago de
associages e emprezas, com que lueraro tanto
ellos como o paiz.
Assim, pois, Exm. senhor, nossa opioio, que a
j primeira causa, que difficulta entre nos o desenvol-
vimento do espirito de aesociago, a pobreza da
proviocia, ja pelas cansas apernadas, ja tambem
porque nem a agricultura enera o commercio, tem
nella attingido ao grao de prosperidade e desenvol-
vfmento civilisador, que pareca dever attingir,
pela fertilidade do seu solo, variedade dos seos
productos e vantajosa posigo geograpbica.
Qual o motivo disto ?
E'o qae ceovm ser maduramente estudado.
Nao sendo esta praca smente o centro do com-
mercio da provincia, mas sim o imporio das que
nos ficam limilropbes, desde o Cear at Alagoas, e
nao sao menos de quatro, fallando do nosso estado
commercial, oo podemos deixar de esteoder a
ellas todo o que avancarmo?, visto que os seus in-
teresses agrcolas e commerciaes esto por tal for-
ma ligados aos nossos, qoe pde-se dizer que nesta
parle, como qoe forsaemoa ama s e mesma divi-
so territorial.
Farsee que, ligadas por tal forma, o capital cir-
culante de cada urna dellas, deve affluir para aqu,
e bem que nao possa ser abundante, coratudo sem-
pre contribuira para augmentar o nosso.
Nao ha duvida que assim o devia ser, e assim o
succederia, se o estado normal do meio circulante
no paiz, nao o segregass completamente.
Isto deve parecer estranho a' V. Exc, entretanto
a verdade.
Pela localisaro dos bilbetes do Banco do Brasil
e suas caixas filiaos, e com a falta absoluta de
ouro, prata e notas do governo, de qoe todo o Im-
perio se reseote, tornou se impossivel o transporta
de capital de urna provincia para outra, o que
um verdadeiro ftagello, que actualmente opprime
todo o paiz, com grave damno do commercio, das
rendas publicas e prosperidade geral.
Joigamos baver demoostrado a nessa primeira
assergo, examinemos a segunda.
O governo intervindo, como iotervem, na forma-
gao das sociedades anonymas, nao permittindoque
ellas funecionem sem soa previa autorisago, e
collocando as bancarias om fiscal seo, exerce
em nossa opioio um bem entendido direito, que
lhe permute examinar o fim louvavel que ellas
se destinam, e flscalisar a marcha que levam, ofle-
recendo cora isto mais garantas ao publico do seu
bom andamento, visto que os seos agentes, acom-
panhando de perto todo o movimenio dellas, o in-
forma do sen estado, servindo assim de sentinella
dos interesses alheios, que sao confiados, pde-se
assim dizer, aos seus directores ou gerentes; mas
esta iotervengao nao devia passar d'ahi.
Entretanto assim nao succede. O governo, Ion-
ge de Ibes deixar o movimenio livre, quasi que
Ihes tolbe a liberdade de acgo.
Limila-ihes as attribuigdes, irape-lbes compro-
misso, allera-lhes a vezes at a (rma, e ordena a
reforma, sem levar em conta que algumas form
encorporadas ha multo, e se teem regido admira-
velmente, e ebega a ponto de marcar-Ibes o divi-
dendo qae devem fazer de seos lucros.
Pelo qoe temos dito v bem V. Exc oue esta
mal entendida intervenco do governo deve ter
concorrido para afugentar o espirito de associago
e nio desenvolve-lo, e anda a isto podemos accres-
centar a serie de difflculdade?, que se encontra
sempre de soa parte, qor se trate de encorpora-
coes de emprezas, qnr de reformas de seus esta-
tutos ou de obter concesses justas, oppondo elle
como por habito, ja futilidades e exigencias, ja
urna demora qoe caosa e desanima.
E que diremos de algumas de suas decisoes a
respeito destas mesmas sociedades ?
V. Exc pede-nos exemplos, vamos apresentar-
lhe nm bem recente.
Nesta provincia existe nm estabelecimento ban-
cario, o Novo Banco de Pernambuco, que pelas
aceriadissimas direcedes qae at boje tem tido, ba
conseguido ebegar a um estado de prosperidade
real, como deve ler ciencia o governo imperial,
pelo agente qoe all tem.
Desde a soa creaco manteve elle sempre abun-
dantemente a garanta da soa emissio nos termos
de sens estatutos e da lei n. 1,063 de 22 de agosto
de 1860, e a datar do 1* de abril de 1863 comecoD
elle a faier effectivo o troco de soas notas em ouro,
como oeste referida data participou ao ministerio
da fazenda.
A crse, porm, que rebentou no Rio Janeiro em
meados de anno passado, e a medida tomada pelo
governo imperial, com o decreto o. 3,307, Oe 14 de
setembro, dando corso toreado as notas do banco
do Brasil, e de soas caixas flliaes, levoo a direccao
deste estabelecimento a po-lo abrigado das even-
tualidades que tace acontecimentos podiam fazer
apparecer com prejulzo delle e do publico, com o
bem fundido receio de nio podenoo deixar de re-
ceber as notas incooversiveU i cMxa Ola! do
banco do Brasil nesta cidade, fosse bem depressa,
pela especnlagao esgotado o fondo destinado para
0 tron das anas notas, assim obrigado a acabar
com a sua emisso, e neo fazer mais descont?,
graves transtorno propro, por que nio-poderle.
realisar oa seus efleitos de oarteira,.e do geral mo-
vimenio da praca, estando, como estova ento, a
comecar a aura, poca em qae sao precisos maio-
rescapUaoe.
Nesta situago este eslabeletocimeBto, quanun-
ica havia feito oso da autorsaeo, q^poi\e*cti-
vidade o troco de suas notas por Ufo, **
1 elevar a soa emisso ao eompnio do sea *P*I
A provine. de Pernamboco, apear d na evl o*pwu ao governo imperial poto, qw
ILEGVEl


'


:=
MorU 46 fnipUw Sexta fe** *4 ele Halo e 1866.
r*TW t f
w *V y
=
a executar as disposigSes da rtitfit lm, ratating a tantay.
falta deste troco, e -Ja limitar K agosto de 1865
(offlclavam wn 8 de oatobro de W64) a sua gmis-
sao a soma* se l,354:800#, qte Hie cavia sMore-
centemejBie Jxada pelo tripaaal fio .thesouro, em
data de7de julbo de'1852, cerno pareca de eqo>
dade, ou eolio Da somma que o governo houvesse
por bem determinar, nos 'termos, do decret n.
2,685, de 10 de novembro de 4B60, devendo trocar
elle as suas notas por mcietaJfegal.
A necessidade desta previdencia sendo urgente
e mam (esta, ao passo que-estava a rbita da le,
nao alterava o estado dasxeusas, e cautela va as
desastrosas consequeocias fie pederiam sobrevir,
como esperar se devia.
Nada bavia mais jaaie nasa mais razoaveL
O crdito de quegsiiva oesUbelecimente ; a 0-
deildade com aue hara cumprldo at enio es seus
compromisios,. sobre todo seu tado iisoogeiro
', .. ,,m i JiktnmSh-
L_mata_rogadora sempre quejigar
preciso a meza oonjuncta a pode reunir-: a res-
tricta obwvacia.dejkosMaesuy4Jl tdi*
ujeltos pelo ianmto*W6*rCM dos estatutos,
par tanto coate tmje**" fajali-e floptotnas,
como o flzeram pea imprenta, quinde disestes,
-que: o juramentodos mezares para obedecer ao com
promisso 6 emqoanto loe vigente, e depois aceres-
seotastes, fae nao baveado so cowproqsjsso vigen-
te ; pois na compromisso figeole a nao na com-
pramisso vigente 11 I Ditsestes perea, se nio
havia no comprocsisso vigente tal aerinaicao: Mas,
s em vossa correspondencia dissestes que s5 a'
meta regadora Imcumbe a administrajao Mema;
unto que muitas vezes era casos de malor gra
vidade, ella obtigoda a ebatnar a neta coi-
junta ; parece, que por irossas proprias paiavrj*
si fs convictos de vosso erro.
>
ltenla l
1'so Diario de Pernamb^com. 17 4t 3 de fe-
vereiro- do correte anno occonet a alsatf n do
respeitavel publico, narrando -Iba, -tfflcatoartes
que teoho tido em obter do cartorto do jtrtao de
orpbsos desta cldade orna certido-da senW
que ebtive a mea favor em um pleito qne me mo-
m os Jgftieires do mes raflaeMe sogro Fran-
Gonsalves da .Rocha, em co)a aaquiai^a-tiaba
lo a sais annos; e aflnel -se diste que os aotos
irecera do reapeotrto caMerio I ... Entre-
onst* que elle* praan as poder 4a parte
rearara 11 ... H'eata miaba correspondencia ad-
ulta eu na* la dirigir umaquolia a tal respailo
rc!denda 4a pravinata, a ver se alcancav
, e da tacto a dia l de abril prximo pas-
A*t$,Z$K!l- br,?ile,ir0 Dous Irmaos, capillo da le, para dentro deHes allegar osenibargos que.-f.-.,^,*,. ij^i______k .. _
.*anietfe/r*ira da Losu, carga diTeroot:**- tiver, e nao o fjzepdo ser condemda ao paga- -**MM<#,iai|f>e' dvKrasfl B Per
?2f*li 0 n. atento di quantia. pedidaJnies, afasias, senda
fflo-Grande d* Snl-Patacho brasileiro Swattfcay Hka citacao elta se* pifia fle reten* E Como o
; JJpdo SolBrigoe aacionl S.Jo, cap3o
Dio Mootelro de AlmeMa, carga assacar.
-------
DIT
-^arawea
tarfenpr*cai

s da (acto a
eraeeioiaa*
commerciaes da praca o exigiam
Mas que fez o governo t
Com admiracio geral de todos nio den a menor
providencia, e mu meatoo se digooa deferir de corso de bomens sisados'! Nao por esta forma,
qualque"' forma a representacao que Ihe.havia sido esquecidosdos votos fitos em mo do M. Rvm. Pfe-
feiu. lado, quando recebestes a Santa Regra, nossa guia
uto dea causa a que o Novo Banco recolhesse de espiritual (cap. iS e 16). "nao por esta forma,
de todo a sua emissao e com grande prejmzo, visto despreando as pecas que fulmina o cap 19, que
que os especuladores aproveitando-se da circums- podis escapar a pecha de caprichoso e injustos,
tancia da alta do ouro, se apresentavam ali moni-: Certo porm, que estamos, que a esta hora a
dos de notas para seren nelle convertidas ao par, maior parte d'aqnelles nassos irmaos tem o remor-
en) qaanto que fra dava um premio de 8 a 9 por so e arrependimento nos coragoes : se assim ;
cento. nao sejamos nos qne Ihes inflijamos novas penas,
Eatreuato, a,va. Sr., o governo qne assim ma- antes, aeooselbaaos pela santa e para doatrlna do
tava, permitanos a eipressSo, urca das associa- homens Deas, quando entre os Fariseos pregava,
c5es de mais crdito e mais tem dirigidas do paie, dizendo: Dico vobis quoi ita gandium erit tn calo
com prejoizo, nao s dos seas associados, como do super peccatore pamlemttam agente, quameuper
commercio da praga em geral, pois estancava a nonagtnanovem juste, _qui non tndigent ponen-
nica fonte aopde ella chava recursos as saas tiam, Ibes abriremos com o maior amor os bracos
precisos, era o masmo que forcava por um decre- e os cingireuoos em fraternal amplexo.
to o corso das notas de caiaa filial do banco do Se existe'm odios e Intrigas na V. OrdM somos
Brasil, cajo estabelecimeoto nao poda prestar ser- alhelos essas paiaees, e declaramos com o auxilio
vico algum ao commercio, visto que ba mais de de Dase do S Padre nanea-seremos instrumento
dous annos nao faz transacces de descomo. dellas. Conhecemos-nos multo humildes, carece-
Bem v V. Exc. que a nter ve ncao da orden das dores de capacidade e inlelligenc para virmos
que ciumos, e iojuaicas iguaes a esta, devem con- discutir i imprensa: porm suum cuiq*e tr'i
icoao Esm. Sr. presidente
im 9 nlfirna attmitin r.n/ta >lur nc oclalnlAC V*V"eBBIM, "i 86 Oepa
Pois bem, oquem desde ja certos os cm-
tallavam altamente em seu favor, e as necessldades com a ultima afteracio, pode alterar os estatutos, -T
--quando por ^0eiu oeeasiao tolouvido oPod* ^s ^oIgnobl^rTdfcuTT m
Nao desta lorma que podereis obter o coa- lod- esse faci ao conhecimeato de S. M. o Impe-
iiuc* 1% de mo t 4866.
suppcado se re.tirassVpara"a E rpa, e.esteja em' Pa ordem- da dirfletorja; se faz publica
logar inoerto, e nao sabido o supplicanle reqaer a aquellas pessoas ^ue tem ODjctos de ouro,
V. S. digae-se adraitti-lo a justificar a sua aasencia prata e diamaotes depositados sob cauc5a
aflm de que tenba li gar a cKaeio requerida por nesta caixa cujas letras se tcham. vencidas.
cmara maniagaai casta cldade ee-
nos das 2o, 28 e W do carrenla,
para seraje arrematados por qqtm mgr pregad T,
offerecar* materlaesd. mI dTUl i l8^-*l^
Rangel.^tji fra desapropra* #ar utilllaca fa-
blica ;oa qtie pretenderem arretimaT encarregan-
uo-se na ^*tni(}iif'ao romoaracaro no oaoo mnnic,
pal nos indlcadosTltarBaTS oUm mcTndo.
' Paco da cmara muaieipat do lUafe 43 de roaio
de 18*6^-1^111 fes* Bufen*. **moe, pro-araaiden
le.Francisco Cannto da Boa-viagem, secretario
rador, para Elle, seos minislros e o mundo sabe- ,0 r. Tristao de Alencar ArKipe,~oBcia da lm
rem como correm os negocios da justica no carto- penal ordem da Rosa e juie especial do com-
rio deorphaos da capital da provincia de Pernam-1 raercio n'esta cidade do Hecrfe, por sua magesta-
buco ; o depois verei se posso chamar a cootas de imperial etc.
qoem couber responder pelo extravio dos aotos i Faco saber aos qoe o presente edita! virem e
em questo.
editaes na forma da lei.
Testes termoa requer a peca a V. S. deferalo-
to.-E. R.lL~t advogado Joio Teixeira. Naqaal
de.i o segainte deapacho
Justifique a aacancia nodla 15.do corrate mez,
as i I horas da lanbaa. Recie 23 de abril de
-^.'ipe.
Em virtude okl fra a mesma-Mticao dis-
tribuida ao escrivo cete juleo Hanoel MariaUo-
drlsaes do Nascimento. ,
* *>UiM 4 SOppttMIDlo pTOtl 11 SitlO S8S IcSlODii"
nhas, sellados e preparados os aulas subiram a
minba concluso e n'elles del a seguate sea-
teaea:
Hei por justificada a' aasencia dos snppllcados,
aos quaes mando citar por edites de 30 das
para o lira requerido. Recite 38 de abril ce 1866-
Trisio de Alencar Araripe.
Por (orea da qoal o referido cscrivao fez passar
Perde-me o respeliavel publico estar o occo-
pando com lelturas desta-ordem ; mas para que
avalie como se bartela e amesqainha os direitos
do cidadao, e agr que -se ponha de sobreviso a
?<> ser.yicjifln, cojmo estau seodp,.de iranias se-
melbantes.
Eogenho Algrete, 19 de malo de 1866.
Zephei me da Cunha Bastos.
Da Escada nos commaoicam que solitemos das
autoridades da localidade providencias afim de nao
conliauarem os arrorobameotos dos estabeleeimen-
4'elle noticia tverem qoe'por parle do capilo Ao"-12 ES2? ad2? Pel I"8'chamo cito e hei por
ionio Jos Silva do Brasil, me foi dirigida a petico intlmaoo,s os ditos sapplicadns para que compare-
- <*.......:----- *#euv ^m neste jolzo aflm fo a||egarem 0 que for fa jas.
liga.
E para que ebegue ao conhecimento de todos,
mandei passar o presente, que ser publicado pela
imprensa, e afiliado nos lugares do costme.
Recife, i. de maio de 1866.
Eu Manoel Maria Rodrigues do Nascimento,
do Ibeor seguinte
Illm. 8r. Dr.ioizdo commercio.Diz o capillo:
Antonio Jos Si Iva 4o Brasil, que cacando Joo Jas
da 3ilya.yillax.iSi C.a qnantia d Aa36ao res,
proveniente-das tontas juntas, Istu'8l:2ilji0a0 rei?,
qoe directamente devia ao supplicaate como se v .
dos documentos de a.Hl a*4,*e ma1s-6lV5140 reis, i M
que a Ramos & Silva e Joao Martim de Barros, cu- escrivo obacrcvi.
Tristao de AleucarAraripe.
DECURACOES
"*"'' 'J'T i '"g"!'. "
<-overoo da provincia.
4.* seceo.Secretaria do governo de Pernam-
jos dbitos oram traspassados ao sopplicanie como
se vendos documentos de n. 3 a 7, e bem assim
8'io00 reis, que devia a Vicente Ferreirf. 4a Cos-
ta & Filho, debito este que tambera foi traspassado
tos pelos laraplos, como acontecen na noite de 19 ao supplicanle corao se v dos documentos de a. 8
para 20 do corrale qoe com descanco arromba- a 9 ; vera o supplicanle requerer a V. S. digoe-se
ram pela irenta os estabelecimeutos dos Srs. mandar citar os suplicados para a prirr eir au-
Chaves, Acenso Luir, conduiindo daquelle di- diencia d'estefolio, afim de fallaren) aos termpsde t^0 en^l"de^na'lode 1!
. ; nbeiro e alguns gneros, deixndo parte espalbado ama aeco ordinaria em qoe tem de pedir-lhes o ktmtm '
correr ma,s pauextiag-tr 4o qoe desenvolver o lmere-,j os naa podamos deiiar de langar esse ^ rQa.*e n dUe'nm reoorremos aoEllD. pagamento de dll quantia, sendo dita citacao feila I Pela tmm% jo ivVo se / nnhlic^
Fice-presidente da provincia para augmentar mais sob pena de revella. I qaeB1 inleresgar possa, que teodo o Bxm. Sr. vjee*
o destacamento dos guardas naetonaes de sorte | E como o soppltcado se reUrasse para a Europa Residente da provincia, de dar execcao a lei n
qoe cheguem para rondas nocturnas, e assim se e estoja ero logar incerto e flao sabido, o soppH- m> de 30 de marco nlimo, abalxo pablicada se
cante requer a V 3. digne-se admltti-lo a Justificar! COnv.da todas as pe^oas que pretendam con-
?"*.".sen5i"! ? de. V?i?"$? .I,?*ar_ a..eiia.a_0 tratar a constroeco das estradas de que trata a re-
vi/ib ---j v u\ra uav uuuiouiyj utit
fraco echo de possas eonvlcQoes.
Cairespondeneias
MB
evitarlo oulras moilas cousas que, por falta de
urna rooda, aparece na desvajlida Tilla da Es-
cada...
#
espirito de asociaeao.
Passeraos agora ao dessavolvimeoto da nossa
ultima proposicao : o mao resultado de muitas as-
socia^oes entre oes.
E' ama chaga dolorosa a qoe vamos tocar, oe-
cessano para melhor applicar-se-lbe remedio.
A historia das associacSes em Peraambuco offe- jj0 jornal o Recife de boje vein transcripto do-i
rece aoestdo o resultado de havere a maior j0na| Esperanca de 19 do correte, um artigo so-
parte dellas naufragad), oo pela ra direccao qoe Dre a ouvertura qoe tinha de ser executada, lindo
tiveraro, ou pelo aboso de confianca, e algnmas 0 evangelho da Testa do Divino Espirito Santo da
mesmo s chegaram a unecionar ao ma de sua jgreja 0 Colfgia. .FrOgPeSSOS da medicina,
iostailago. A este reSneto campre dizer qoe para xecocao A sciencia nos da' alegres novas aonun-
nnia de Sberibe. alodemnisadora a Oti.id.de ^^f,**, JfJf^iSSo? .SS.* !**< dlJBCObnilgllto, e qqe a> inndlOBas
Publica, o Novo Banco de Pernambuco .eaPer- amento de ordens do Exm. e Rvm. prelado dio- amarguras e SOrimentOS causados pelas
nambucana de navegado costeira. su uli ma jbmb te ^ % r inpnnVfln,n/.ia ^ MIBae3a molestias da careanla c. dos orgaos da re-
^i^n a nrinno cesanofez nos %bt, a inconveniencia da execocao molestias da garganta e
esteve por mnito lempo ero Ul estado de enfraque- ae aenje|aame ^ertura, demo-pos pressa em 5.......
nestes ler-
e recebera',
cimento, devido as pessimas administraces. eme
livera, que as suas acedes ebegaram abaixar 75
por cento.
A sua dissoluQo teria sido infallivel, se os pode-
res do estado, cumpre confessa-lo, nao a tivessem
susientado como o flzeraro, por ver e conhecer
quanto servico ella prestava a provincia, e as que
lbe ficam limitropbes.
Felizmente boje ella se acba em bom p, e pro-
melle urna existencia looga e proveitosa aos seus
associados, graeas a boa marcha e scalisaco, que
ihes souberam dar os homens qoe de certa poca
para c a tem dirigido.
Entre as que terminaram por aboso de confian-
ca, temos receatemente a coa1 mandilarla, sob a fir-
ma de Amorim. Fragozo, Sanios & C, coja queda
foi urna verdadeira rede de arraslo, que levou com-
sigo grandes e pequeos.
O terror que imprimi o seu desraoronameato
abalou por tal forma o crdito e a confianca no
seio da popolaeo, que s o correr dos annos poda-
r de novo restabelece-lo com o esqoecimenio do
passado.
Se ajuetarmos a estes factos, o de haverem qoe-1
brado at boje quasi todas as casas cambiaes, que
tem tido a provincia, e giravam, pde-se assim di-
zer, com alheios capitaes, e os deponentes aconte-
i-iaientos, que repetidamente se deram na Caixa
Filial do Banco do Brasil; vor-se-aa que ba razio
de sobra para escacear entre nos a conanca ne-
cessana para a formacao de associagoes e empre-
zas, o qoe por Unto, justifica a nossa derradeira
assercao.
Eis, Exro. Sr. as causas que julgamos impedem
nesta provincia o desenvplvimenlo do espirito de
associago, to necessario como V. Exc. bem o dis-
se, par a prosperidade, riqueza e aperfeicoamenlo
morai do pan.
Terminaramos aqu a nussa tarefo, se sao ti-
vessemos de satsfaier ao pedido de V. Exc, relati-
vamente as medidas, que esta corporaco entende
conveniente para remover as causas, de que cima
fallamos.
Fazer enriquecer a provincia, desenvolvende a:
sna agricultura e extendendo o sea commercio, e i
derramando as luzes e a civilisaco pelo seu centro,'
certamente o principal remedio aos males apun-
tados.
Abrir vias de commnnicacv, para o interior at
aos extremos do seriao, permillindo aos mais lon-
gmguos moradores a conducao regalar dos produc-
tos do seu trabalbo, sem o despendi e o tempo,
qoe boje precisara empregar, e que Ibes absorve
todo o lacro que podem aulenr; animar o agricul-
tor laborioso, arrancando-o da tutella do agiota,
com a creai.ao de um banco rural na provincia;
crear urna contribuido sobre trras devolotas, pa-
ra assim obrigar ao proprielario indolente ooegois
ta a faz-la cultivar oo ced-Ias por preco rasoavel
a classe laboriosa e pobre, coodemoada al boje a
improficoo trabalho, e sempre sugeita a caprichos
e arbitrariedades, que Ihe matara o amor ao tra-
balho; melhorar o porto da provincia, afim de qoe
possam entrar nelle os navios de qualquer classe,
que diariamente e em grande numero pa-sam pela
nossa costa, e vo demandar alm, o que certamen-
te aqu procurariam, se encontrasse um franco e
seguro fundeadouro, acabar com a associago dos
pralics da barfa, to perniciosa a navegaco, por-
que tirando a liberdade ao armador, o obriga a en-
tregar o sea navio a um iodividuo, em qoem elle
oo (em coQflanca, que de mais a mais nenhoma
responsabiJidade assume, e o torca lambem a des-
pezas qoe lbe absorvem todos os lacros, o qoe tem
dado causa a aagentar muito e multo a oavtga-
co para aqu, at a mesma costeira nacional; li-
bertar o commercio de impesifes mesquinbas, e
disposicoes vexatorias, e algumas al anlecivilisa-
doras, de qoe esto repletos os regulamentos adoa-
neiros, que qaanto antes devem ser reformados;
ordeoar-se qoe as estacoes publicas das provin-
cias limitropbes de Ceara, Rio Grande do Norte,
Parabyba e Alagas, sejam recebidas como as d'a-
qoi, as notas da Caixa Filial do Banco do Brasil
nesta provincia, visto qoe ellas all correm como
entre nos; apandar continuar na referida caixa fi-
lial, as iraDsaccoes de descernios da lettras a sa-
ques, fuoccoes de qoe se acba privada ha mais de
dous annos, com grave prejoizo do commercio e
um contrario para qoe fra creado seraelhante es-
tabeleciaoeuio; sao medidas, Exm> Sr., algumas
das quaes estn na aleada de V. Exc, a qoe loma-
das desde ja darao deotro da alguna lempo resul-
tados grandiosos, que ir ara o a *cca>i*U(o de ca-
pitaes, qoe pata orden natural das cousas, Dlo
bem estar que proporcionar a todos, fomentar o
espirito de associacao, e este se desenvolver' am-
pio e ebeio de vida por toda a parte e para todo.
Eolio a provincia prospera, abundaste e jtea, I
bemdir o sabio governo, qoe a t;ver elevado a i
verdadeira altura a que est destinada.
Dar-nos-hemos por feliz Exm. Sr-, se as not&as
ideas, aproveiladas pelo governo imperial poderem
coocorrer atara a felicidade desta porcao do impe-
rio brasileiro.
Den guarde a V. Exc. Associjcao Commer-
cial Beoeficente de Pernambuco, em 20 de marco
de 184&
lllm. e Exm. Sr. conseih*iro Dr. Fraaciseo da
Paula e Souza, mol digno ministro a secretario da
estado dos negocios de agrtecMora, coranwraie*
obras publicas.Felippa Needabo, presideole ; Jo-
s da Silva Loyo, vice-presidecta; Caodico Casal-
miro Guedes Alcoforado, seerelMic.
requerida por editaes na fornia da lei
mos requer e pede a V. S. defenmeoto
merc.O advogado, Joo Telxeira.
Na qoal dei o despacho do theor seguinte :
Justifique a ausencia do dia 35 do correte mez,
as 11 horas da manbaa.
Recife 23 de abril de 1865.Alencar Araripe.
Em virtude do qual fora a mesma peticio des-
tribuida ao escrivo deste iuizo Maooel Maria Ro-
drigues do Nascimento.
E teodo o sqpplicaote produzido suas testemu-
obas selladas e preparados os autos subiram a mi-
do
spiragao, podem ser atalhados com O imme- i aba conaluso e nelies dei e profer a sentenca
[T^X&X't^0 t9i presenc,ad0 tto uso d0 Peitoral ** ^"iAt *'<"****
Esta rmandade sempre fez timbre em celebrar ap; e 1910 com uma certeza e nfalliblll-
todas es festividades com a maior pompa e magni- dade, at agora desconhecida na pratioa da
Ucencia possiveis, porem sem esqnecer-se da medicina.
religiosidade qoedevepresidir a essesactos. I
Sirva pois esta declarado de solemne protasto, A base fundamental d'este delicioso e ri-
cpntra lodo e qualquer juizo raenos favoravel que quissimo Xarope consiste do balsmico SUCO
se procure attribor a mesma irroaudade. Pxtrahido d'nma arvnrp moticana
Recife 21 de maio de 1866. (*) i iraniao a ama arvore mexicana
p escrivo, ;Anacanurta, o nico especifico nataral
Francisco Belarmino dos Santos Freitas., boje, conbecido para ai affeccues pulnio-
Recie 30 de abril de 1846.-tristao de
Araripe.
fe
1 l
PuhliQacoes a pedido
HUMA VIDA SALVA!

Kao teraoe conhecimento algum de nenhum
caso que tio perfeitamente mostr d'uma ma-
ncira n mais clara e persuasiva o pod^r da
Seienex Jfcaica sobre a molestia; qual aeja o
de Antonio Joaquiu Pereiba, da Babia.
Este bomem infeliz havia mais d'um anno que
soflria as dores as maig atrozes e pungentisi
proveniente de
Treae
lerriveis t hias AKTtas
espa'.liadas por sobre diffi-rentes partes de sen
corpo, sendo ama das quaes sobre o peito do pi
uma fonda e maligna chaga, a qual o privava
de andar, cauzando-lhe as dores as mais agoni-
santea quer de dia quer de noute; continuada-
mente atormentado por taes affliccoes e dores,
e quasi que aborrecido da contitsuacilo de sim-
ilhante vida, tendo ix>eto de parte toda a f e
coiili.-'.nca emmedecinns, e na real i dade pareca
qu para elle nao lhe restava mais esperanfa
alguna; assim pois resignado esperara cora-
paciencia o termo final de seus mutiplicadoa
8offrimcntos, eis que milagrosamente por for-
tuna sua lhe ruccitarao o grande puriCcador
do sangue
A Salsaparrilha
DE BRISTOL
e mediante a sua grande eficacia eexcellencia
elle se achou dentro de pouco tempo, livxe de
seu irremediavel estado de desespero, e a doce
e risonha esperanca tornou da novo revlver
em seu coracSo; sob a poderoza e benvola ia:
(uoucia deste admiravel medicamento, as suqa
:agaa em breve principiarlo assumir um ca-
rcter favoravel diminuindo o aspecto de sua
malignidad. A masa do sangue e mais
UujDorea do aratema tornou adquirir uma
apparencia dar e aaudavel, as dores ator-
mentadoras d'outro ora o deixar&o, e uma doce
s suave traquiHidade principiou precorrer
iodo O sea systema, rsstaurando-lhe a dosejada
paz e Bocego d'espirito; aa chaga uma un
e forio fechando ate que finalmente se cica-
trizarao d'um lodo, e boje acha-se perfeita-
mente sao, gosando d'um peri'eito estado de
saude, depois de se ter visto privado d'este
grande goza durante mais d'um anno. Elle
durante esta sua cura,, apenas fez uso de
Desastil garra-fas da Gemiina Salsaparrilha
i* Bristol, prepurada exclusivamente por
LANMAN&KEMP,
Se XOVA YORK.
"1
nares.
As esquinencias, os bronchites e asthma,
cedem a' sua aeco com uma facilidade ver-
dadeiramente assombrosa.
Faz desapparecer a rouquido dentro de
pouca.s horas, e tomado a tempo e a' horas
impede a possibilidade de thisica.
A' venda em todas as boticas e tojas de
pormmarias.
Vende-se as pharmacias de Caors $ Bar-
bosa e J. C. Bravo & C.
COMMERCIO

?RAfA DO RgaPt.
Cotar^es ofDelaes.
24 de maio.
As 3 1)2 horas da tarde.
Assucar mascavado pareart) 14850 por arroba
Alirodo sorte -153600 por arroba.
Cambio sobre Londres 90 dtv. 27 1|4 d. e do
banco 27 d. por 1*000.
Cambio sobre Paris90 div. 33o rs. or (raneo,
abourcq Jnior,
Presidente.
Sirveira,
Secretario.
Novo Banco de Pernambuco.
o novo bancp paga 9 16 dividendo ne
raz5o de 6150 por acejio.
ferlda le, a apresentarem ao mesmoExm. Sr.' as
snas propostas, e mediante asbases nella estabele-
1 cidas, aflm de serem examinadas.e preferirse
aquella qne melhores vantageus oflerecer.
O secretario,
Dr. Francisco de Paula Salles.
LE K. 649.
O Dr. Manoel Clementino Carneiro da Conba,
vice-presidente da provincia de Pernambuco : Pa-
co sanar a todos os seos habitantes que a assem-
bla legislativa provincial decretoa e ea sanecionei
a resoluco seguinte ;
Art. 1. Pica o presidente da provincia aatonsa-
; do a mandar estudar e a contratar com uma ou
n^VoT, M*. *M?^. das SQPPlcad09.; mais companbias ou com pesseas recoohecidamen-
nnprMr. iaMLPr/ditoS ^ M d'M P"a ta "" 1te idoDeas' > rle astridas, de rodagem ou
de carrls de ferro, conhecidas, sob a denominagao
Alencar e tram^ys, que ligue os centros populosos do
interior da provincia com as diversas estacoes da
Por torca da qual o referido escrivo fez passar estrada de ferro do Recife S. Francisco, como as
o presente edita! pelo qual chamo, cito e hei poractuaes estradas de communicacao para esta capi-
chamada Intimados os ditos suplicados n>ra que compare- tal ou com os pontos do littoral de fcil accesso a
at gam neste uizo deniro do indicado prazo, afim de navegaco.
llegarem o que or de justica. Art. 2. Para execocao do artigo precedente po-
E para que chegue a.o conaeciraenio de todos dera' o mesmo presidente adoptar as seguiDtes me-
man.dei passar o psente qqe sera' publicado pela. didas :
imprensa e afflx'ado nos lunares do costume. t. Conceder as companbias ou aos partleola-
Recife 1 de maio de 1866. res, qoe se encarrgarem da construcfo dos
Trlstp de Alencar Araripe. j tramways ou que os collocar d'ora em diante as
Dr. Tristao de Alencar Araride official actnaes estradas, urna subveoco kilomtrica pro-
da imperial ordem da Roa, iuiz de di- Pwclonal ao capital empregado e por uma s vez,
rpitn Pn>i-ial dn rnmmarm rl'nta r-irla. Acando o contrato, que para Isso se celebrar de-
retto, especial ao commercio a esta ciaa- 0^4,^ ^ a|H>rovaco desta assembia.
de do Recife de .Pernambuco, e seu ter-, O contrataste podara' independeate desu appro-
mo, por Sua Magestade Imperial 3 Gons- va?o dar comego aos astados e preparagao dos
titucional o Sr. D. Pedro lli quem P|anos das oblis> 5 aoaes edlcdrao mediante in-
npii< amarn Ptr- I d'Pn|saSao peeucepie a pr,ovjn9ia casp nao seja
ueus guarae etc. aanrovao o cottrato cetebrado.
*aco saber aos que O presente edttal .vi-, 2.C.ontrahiri]m emprestiroo dentro oa fra
rem e d'elle noticia tiverem gue por parte do paii, mediante coodieoes qoe nao obriguem a
deAmaral Moreira & C, me foi dirigida a propia 11 um dispendio superior a qaatro cen-
petico do theor seguint: | ^S^1"^ ai disposis5es em con.
Illm. Sr. Dr. juiz especial do commer- trariu.
CO.Dizem Amaral Moreira & C. commer-' Mando portante, a todas as autoridades a quem
ciantes moradores nesta cidade, que tendo, conhecimento e execuco da presente resolugo
vendido .Manoel Francisco dos>ntos e! "^^35^8"' BUBpt"r ^^
Silva para sua taberna Cita ra das Laran- O secretarlo do governo desta provincia a faga
geiras n. 46, tambera nesta cidade as mer-, imprimir, publicar e correr.
O
.Vovo baoct de Peraam-
buco.
cadorias constante da conu junta na impo.r-! m,Palae' d<,g0!eJ0 de, Pemboco, aos 20 de
tancia- de 649^440 rs.. por conta da qual. maLr.csde 1866'4a da ,ndePendeDCia '#
pagou apenas o suppicado a quantia de: Manoel Clementino Carneiro da Cunha.
1935500 rs., fleando conseguintemenle a! Sellada e publicada a presente resolugao nesta
devr a quantia de 455094 rs., queremos UJfSiJg governo de Pe^ambuco, aos 24 de
sapplicantes chama-lo a este juizo aflm de
vir propr a competente acc3p ordinaria
commercial, ,e porque se lenha o suppca-
do ausentado para lugar incerto e nao sabi-
do, dando lugar a que os supplicantes fi-
zessem por este mesmo juizo assento nos
abril de 1866.
O secretario, r. Francisco de Paula Salles.
Registrada a l. do livro 7 de leis provinciaes.
Secretaria do goverpo de Pernambuco, 20 de
margo de 1866.
O escripturario da 4" secgoTheodoro Jos "la-
vares.
aLFaNDEGa.
Rendimeoto do dia 1 a 23......
dem do dta 2*................
M0V1MENT0 DA ALFANDEGA
Volumes entrados com fazendas...
t com gneros...
Volumes sabidos cem fazendas...
< i com gneros....
186
447
~76
504
que nao sendo dita* letrs 8 dejanho vindouroie pUSedera' em hasta
publica a veflfla ds refetHos objectoscon-
forme o prescrito nos estatatos.
O gttwda livros,
_________ IgWH^ Nanes Correa,
^Bsalad eTraoca.
Conforme o an. 7 da ooaveofto -eonsuiar entre
o Brasil e a Franga, o eoosul fWHez faz .poblieo
qoe fallecen to dia 17 do correte o subdito fran-
oez Pierre Taeedore Jacobi. Pernamboeo R de
maio de 18660 consol de Franga,
Qsmin Leparte.
Exposleio dos producto agrl-
colas, ladnstrlacs c obras de
arte da provincia.
Em consequencia de resoluc3o da com-
mis-ao directora da esposico desta provin-
cia commanico aos Srs. delegados da mes-
ma commissSo, industriaes e mais pessoas
que tem de concorrer aquella feela com os
seos productflar^tw foi trMgferkla t aber-
tura da.rxpoflfSo para o dia IS' de agosto
prximo futuro ;loutro sim, que a remessa
des productos deve ter lugar de 13 deju-
lbo em diante.
Sala da commissSo 9 de maio de 1866.
M. Buarque de Macedo,
Secretario._________
iBxpoaico do prodnetoa agri-
eolas, industriaes e obras de
arte em Pernambuco.
Constando commisso directora da ex-
posicao que, por falta dos necesarios escla-
recimentos, pela comparaco havida entre
os nossos productos e outros similares de
diversas provincias, e per outros motivos
de que n5o leve completa sciencia, n3o hoc-
ve a desejavel igualdade na distribuicao fei-
ta para esta provincia das recompensas da-
das pela commisso central do Rio de Ja-
neiro na ultima exposicao, e que por este
tacto alguns dos amigos expositores se re-
cusara a concorrer com novos productos
exposicao do Io de julho prximo; resol-
veu, em uma de suas sessoes, mandar fazer
publico o segainte:
!. Haver na provincia, para os tr.aba-
Ibos da expsito, um jury espacial, no qual
n5o ter5o voto os membros da commisso
directora, que julgar da excellencia, aper-
feicoamento e utilidade dos prodoctos ex-
postos;
_2. Este jury se dividir em duas sec-
ces, sendo uma para os productos agrco-
las; e outra para os industriaes prqpriamen-
te ditos, e obras de arte ;
3. Farao parte do jury as pessoas de re-
conhecida aptido e especialistas;
4. Segundo o juizo do jury, a commis-
so distribuir aos productores e demais ex-
positores medalhas de duas classes, sendo
as da I* classe de prata e as da 2a de co-
bre, ambas acompanhadas de diplomas.
5. A commisso far acquisico, median-
te valor ajustado, dos prodoctos que para
isto forem jnlgados digoos pelo jury, e que
nao possam ser cedidos gratuitamente para
Ggurarem na exposicao central.
A commisso directora espera que estas
medida serviro de garanta ao verdadeiro
apreco dos productos expostos^ e qu faro
desapparecer o desanim que a alguns ex-
positores causou a desigualdade que ci-
ma se referi.
Alm disso, a commisso chama a atten-
co dos Srs. expositores e mais industriaes
da provincia para a circunstancia de um
dos seus membros ter de acompanhar ex-
posicao central os productos que d'aqui fo-
rem enviados, e fazer parte do jury julga-
dor na corte, acnando-se por esta forma
habilitado para ministrar todos os esclareci-
mentos necessarios ao perfeito conhecimen-
to dos productos, e fa&er valer o direito de
cada um dos expositores desta provincia.
Por esta forma a commisso julga ter re-
movido mais um dos embaracos, com que
porventura venha a lutar na acquisico de
productos destinados exposicao do Io de
julho.
Anda uma vez appella a commisso para
os digoos Pernambucanos, pedindo-lhes com
instancia que promovam com esforco a re-
messa de productos destinados a figurare
n'aquella festa industrial, ende se empe-
nham os bros da provincia
Sala da commisso, 23 de abril de 4866.
O secretario,
Dr. Manoel Buarque de Macedo.
Pela inspectora da alfaodega se faz publico
gneros acijados na mencionada taberna, e o que se precisa eontraur para o expediente da mes-
0 Novo Banco descoma letras a 10 por cento' chamassem a juizo Conciliatorio por editOS, me repartigo, dorante o auno Boanceiro de 1866
ao anno, toma dinbeiro a praso fixo ou em conta nuerem os sunnlicants mitificar a ausencia 1867. prximo futuro, o fornecimento dos objectos
crreme pelo premio e condicoes que se conven Y*e'n,."VI,p ,ta^ Jusimcar a iafa^d cons^tes da relaco abaUo. "
clonar, e saca sobre a praca da Baha Ido suppicado e julgada esU por sentenca, J^er ^
! pedem que V. S. se digne de mandar pas- para a goardamonia.
sar e alfixar editaes com o prazo legal afim Loaas, bnns, bandeiras para signaos de dous e
i:ooS de que na ausencia posterior a expiraco do lles P>lmos. oleo {e IQhacl. i'Qta preparada a
16.Ut)#5W vpi n snnnlir-adn nronra oleo-.dlU eP P6' bren, alca.trao, vernir, flo de
ZnZ M.tM ?f _Prazo .veJa suppncaao propora 1)J5 u fog u ferrageQ3, piassava e
602:925*299 dita aeco em ue os supplicantes lhe pre-; estopa. -------------
=. tendem pedir a dita quantia, juros da mora Para lacragao.
e custas, ficando logo citado para todos os Graxa' s*1, cera em grame, cadargp esireito,
i tprmos da acro al final Antonra p tp<;. azarca. ,axas de bomba, cabos de differentes qua
I termos aa accao ate nnai sentenca, e res- ,|dadag e grosnra. azeite de Carrapato e de coco,
633 pecttya execuco sob pena de revoa. lameraas ou pbards, forquetas de ferro, correntes
.Vestes termos pedem a V. S. que man- de dtfferentes grossuras, ferros de diferentes ta-
dando distribuir o presente ao escrivo as-maD^s. remos de 12,14 e 16 ps, e louga de
cimento por dependencia, fisto qae o."" *' Para o servido dacapaiazia.
escrivo do arresto, se drgne de marcar Liyroa em branco para os umaas. azeite-dce
dia e hora para a justilcagao requerida se- para os guindastes, tinta roxo-terra em p, broxas
guindo-se os demais termos. E. R. M.~ O P*1- Pintoras e vernia de carvio de pedra.
arlvndarln Paula PAnna Para o expediente das secgoes.,
avogaao faua Fenna. Quaderaos de papel pauudo para exiractos de
Na qual dei o despacho do tneor segrate: roappas, papel greve panudo, dito (so, dito de
Justifique a ausencia no dty 27 do corren- de liaba, dito malta borjeo, peonas ae ac, ditas I Os senhnres abaixo declarados quelraff'vir
te mez as H bnras da manba Recife 2! <* 1V9 '** preto-a de cores, Unta preta e cor de a adminlstracao do correio aflm de receberem car-
dP ahrildP l^fil-AIPnrar TiWir r0B P" ^ver, dita carmim. artia preta,. -.-.
ae arii ae isob.Alencar .\1ar1pe. obrqJA rflgWi) wdar50 CWivetes e raspadei-
Em virtude do qual fra mesma peticao ras.
distribuida ^k) escrivo deste juizo Manoel Os pretndanles poderlo apresentar suas nropos-
Maria Rodrigues do Nascimento. ta.s Pr carlas fechadas at o dia u de junbo pro-,
E tendo os supplicantes produzido suas x,Qaarcca0 & iUndega de Pernambuco, 24
testemunhas sellados e preparados os autos da maio de 1866.
680
Descarregam boje 25 de maio.
Vapor ingleAmaz Patacho portuguez CeoraNMdiversos gneros-
Escuna austracaAmazonedem.
Patacho loglezMary Bell bacalhao
Brgue italianoAdeHadiversos gneros.
Barca inglesaAt>ocarvao.
Barca ingleza- Isabellacarvao.
Patacho ioglez/7okhcarvao.
Barca inglezaTuklerplvora.
Barca nacionalArmzadecharque.
Brigoe nacionalBeluario dem.
Brigue nacionalAt Patacho nacKmalSoldem.
Patacho portugoetGarretdem.
Patacho porwgueiS. /osedem.
Hiate portoguez Serra /dem.
Sumaca hespaoholaGuadalupe idem.
Lagar ioglezBrUhantetannha de trigo.
REGEBEDR1A DE RENDAS INTERNAS GE-
RAES DB PERNAMBUCO
Rendlmento do dia 1 a 53....... 16:994,^43
dem dodia24................ 476#837
Ar rema la cao
Terca-feira 29 do correte, "linda a audiencia do
Sr. Dr. juiz de orpbaos, tem de ser arrematada a
renda do engentio Dous Irmaos do logar de Api
pucos, servindo de base para a arremataco a
qnantia de5:120, visto ter bavido abalimento. da
o" parte na base porque foi a' praga, que era da
i 6:4005 por nao ter apparecido langador.
Commumeaaps
ttt:-----
^
liada, prasegainde cam
1 Bjmento ao gne ji 1!
*r
neesas etnsierafea e
ios pe Waria
ia |erfl.;r|,
Nointakode atterer a lei estatuaria porque te
refaaVmTMOi*Tartara*.l'ra#eico,
dirigiram-sea Asaemblea Provincial, loaaos irmaaa
*"*** **' y*"*1** aaalara me* 0-
juKta (a* JOt) r**mtmmmoe 4 atondo*
os asmnioa, oona anecao do Paan laplrtasd, a-
gude daanis para *<9w*r Ttmftmk. 1
Ft desta forma aae faa a nWraa alterap,
como se observa dos mesaos estatutos; e sabem
Kecommenda-ee ui particularmente toa
Doeatts d'amboe oa sexos, qoe npragnem
toda a canten* na escoria d'eete adminyel
remedio, afim qoe nao obteniao outra CO
poaico qujOquw, qoe nao aeja a Sabapaiitt.
ha Genuina de Bristol, pola que todas aa
mis preparaijoeg e imitafoes d'eeta naureaa
a|o aalaaa oto oaauisdo virtud e alguna.
Vende-se as boioas de Caors 4 Barbosa
eCftavo, aa m aaaa*
m*v Mlehlckelro.
Em resposta ao artigo do Diario de Pernambaco
sotyre o iraiado da tripyqa >H|aca, desperton o
jornal 9Q Becffe de sha apalhia.-depois que dei-
xoo de ser o ot-pSo ojjicia/ do governo.e dea age
seus leitores um paslelUo, que-a principiojulga-
mos ser obrado retombaate 8..., mas eaganomo-
Quando nos disseram q,uem era o novo *alhi-
twiraf wn o ^. m de VakpnceWs,ieweia
SiO BMMMT.-.****
CONSULADO POVlNaAL
19:470*780
rs
Kendiment do dia 1 a 23......
dem do da 14...........
sene
72:767*267
34MJ806
-
() Repelimos esta correspondencia, par ter s-
Moepmarroseisenciaei.
A Redacco.
oraoiTo no pono
-!Mll
Navws entrados no Ha 24.
Porta-39 ias barca aortogueu Anmela, de> 240
toneladas, eapMo Aatoaio ftanetteo deSoua
Nones, eaapagooi earg* vina e ouiros ae-
ana; a kiarfses Barrea C ^
ftarre26 das, baa francesa (Mtgny, de 284
tonaiadas, caallio Ncelas, eajiipagem 14, carga
mercaorlai $ a Tessat Fren k G,
fam.Nova-30 ias, brigae ingles loawradaa, capUi* M. A*, eqtUpagem 13, car
SL5I0 barnca .osa baeaoo; a Sawnders Bro.
tbers&C
TerrarNova33 das, nafacfaa ingau Carrd#, de
i3 toneladas, caaitaa fi. Bonall, anainagoai g,
cargn M*> nairiaaa. aam bacalbao a MO coa
lerintet aawndtn BnekafsdVCL
Maranhao9 diaa, tapar aaieijcano Gintrai Mar
pian, da *M towHaiaa, eapttlo Taylor, equina,
gim 16, em hMkra; orteea.
io de Jaoai^^taf Uaiaaaittaw Vapor aa#io
%(StM% commaedairtt taaenie Padra H.
WW. ^^
subiram minha conclus5o e n'elles dei
sentenca do theor seguinte:
Hei por justificada a ausencia do suppi-
cado, que mando seja citado por editos de
'30 dias para o Qm requerido, pagas as
custas ex-causa. Recife 28 de abril de J866.
^Tristao de Alentar Araripe.
Por forca da qual o referido escrivo fez
passar o presente edita], pelo qua!. chamo
cito e hei por mtim,ado o dito suppicado
para que comprela n'este juizo dentro do
indicado prazo afim de allegar o que for de
justica.
E para que ebegue ao conhecimento de
todos raaodei pausar o presente que ser
publicado pela imprensa e afixados-nos
lugares do costume. Recife 2 de piaip de
1866. *
Eu Mnoef Maria Rodrigues do Nasci-
mento escrivo o subscreri.
,.Tfr$lod Alentar 'traTipe.
O Dr. Tristao de Arencar Araripe, offleial da impe-
rial ordem da Rosa e jaiz da diraito espacial
do commercio desta cidaate do Bacjfa da Per
nambuco por S. H. Imperial e ConstitucedaJ
o Sr. Dam Padso Ii, a qoem Dh guarde
etc. ele
Fago saber aoa qua e presente edilI virem e saxa, 20 ajai*s de pranc
03-e8crip;urai:io
Joao Curien Acuito de Ftguetredo.
^aata Casa 4a Vi&ericr4ia do
IB*!
Ghegando ao conhecimento da Illm' tunta admi-
{iva desta santa casa, qoe o ex-procurador
ronto Olymplo de Qneiroga tem receb'ldo
mas qnantlas, passando recibos manuscriptos,
manda a mesma junta fazer publico a todos os
seus devedores, que elle nio mais procurador
desde o dia S de abril prximo passado, e por Isso
Do lhe ser levado em conta o que pagaren) par
esse modo, visto como os recibos desta santa casa
sao mnressos, assigoados pelo thesoureiro e rubri-
cados pelo provedor.
Sanu;Casa de Misericordia do Recte 18. de
malo de 1886.
O escrivo interino,
________Francisco Gomes Castellao.
CoQselho de compras uavacs,
O conteibo sxomove no dia 26 do corren la mez,
sob as coadijSe^ylo esiylo e a vista de propostas
' as U,bras da ma-
is objeetos do material
ojosas de patenta,'
da NRflxo, 6
raaches de
aYena aolicla trvareai qn per parta ato upitio An
ionio Jos Silva do Brasil, aaa (pi dirigida a aeticio
do Umot sagointe:
Illm.. Se- O. Jnta do commarcio.-^- s)is o capitao
Antonio Jos 8Uva do Brasil, ooesendo-lbe evedor
Mo Jos aa Sirva Villar & C da qaaniia de un
canto a rea, provaniaale da latra juou, ntaesaJt
nanppeanta a bem da sea direito aa V. S. sa
Sigo* andarto eUar para nrlmeira ajdtanckt
este juizo, Am de ver assignar se-lhe os dez das

tas recommendadas.
Adriano Francisco Ferreira Neves Jnior.
Francisco Joio Alves Alraeida.
Joao Francisco Araojo Foosecs.
JoSo Cavalcaoti Albaquerque.
Jos Maria Correia Neves.
arlano Pereira de Sooza.
Manoel Joaquim Lobato.
Rosa Maria da Conceigao. ...
-----------GORREIO GERAL
Pela administrsgao do correio desta cidade se
faz publico para tos convenientes, que em virtu-
de da coareogo postal celebrada pelos governos
brasileiro e francez. serio erpedidas malas para
Europa no da 30 do eorrente mes pelo vapor
francez tGoyenne.
As cartas serio recebidas at duas boras antes
da qne for mareada para a sahida do vapor, e os
jornaes at iras horas antes.
Administragao do crrelo de Pernambaco 2i de
maio de 1880.
O administrador,
Domingos dos Pastos Manda a.
mmm
geiim amargoso
zesoe cobre,
nta
Pela admiaistragao do correio desta ci4.ade, se
faz publico para Has convenientes, qoe eqj virtude
do |sposto no art. 138 do regulamento geral dos
omms de 2( de dezembro de (844, a art. 9 do
decreto n. 786 de IB de mato, de 18%!,. se procede-
r' o consjiov das cartas exisianias.nA idtnioistra
cjifi, pertencentes ao mez de maio do anno passado,
no dia o de jonho proximo,as II be ras da manbaa,
na porta do mesmo correio, e a respaciixa lista, se
acba desde Ja exporta aos tnteressados.
^dmjflitracjiq q coiTftio da Pernataptico. 2i da
' 'DomingosIJjjLjp^W^
s da presos da batel de cobra,
d8,.com.tTS a 70 palmos de.com-
" polegadas em quadro, e ma-
,q para o transporla da guerra.
o de compras navaes, 2|,d> maja
U secretario,
Alexandre Rodrigues Crrei geraj.
Rebele diseariis segara existentes na idnuai*-
tracie de cerreie eeta eidae aaxaasseiikerea
aaako declaradas:
Andr Alves de Fraitts.
Bnnto Jos Berna*des.
Padre Ignacio Praacisea dos Santas.
Joaquim Antera de Olivelra Lazo.
Joao Frederico de Abren Reg.
Y
I
*l
i

.


>


"?
-V


**>.|
xta
?ite.
m
n
LurtCsutrto Emerenciano.
Montear & Itm'ao.
Dr. Metido de.Sa Uarreto Simpad-e-
Padre Manoel Cortlejro da. Gra,-
Dr. Mano! Jos Pereir da Mello. .
Pedro ftapbael 4o Aingr Divino.
D.RatgoTT Lopes .de Tyaa (Madrid).
~ <- Adririistracao do correo desta cia-
de canoljeiro, quero estivernesta* tandi-
les e qaizer engajar-se dirija-se a mesma
administrado. "
mimmmm
-~r-
Prete
iB&e-silltr IB

poneos* dias para Lisboa a
b#rea pprwf^eza /Urw, recebe carga epasaagei-.
ros, para os quaes tem ecellentes cornmodos e p-
timo trataraento : a fallar com os
Carvalbo & Nogueira, roa de Apollo'
o capitp.__________
AHfi
alarios
oucfim
mm
mt
THE4VM
Sr. fttlva.
> Telxeir-
Graga.
8r.<
t. Jotqaim.
Ray mundo.
1 E. Gamara
Cltlia.
Emilia.
Jesuina.
Joaquina.
Soler.
adores.
EIPREZ4--CMMW.
*- O.* recita as^asslgaatura.,
Domingo 27 de maio de 18|6
efutraiU fa Sr.J D. lugatefvrfcnte i* Ctmu*.
Primalra repre*ewacaa.4a apoquaitacie e 3
actos, paraphrase do Sr. Dr. Augusto de Qafto,
Mor dJ trialogo Tcbang4ebJi*f-*iai etc.
NINHADA DEMEUSOGRO
i LI PlRSOltt#a}r!S. i 'J !
Alberto Sirs, en#li6ro, 29
aoo*. I '. *7 .
Alvaro Boteibo da Cunha, 3i
, anuos. .' '. .
eraldo Boteibo, deputado pro-
vincial, 53 anuos.....
Jerooymo Botelho, lrmiio de Ge-
raido, 48 anuos. ....
f apila) Leocadio, 53 anuos.. .
ypriano, sobnnlio e pupillo de
GraWo, 80 aonos. ...
D. Felicia, njulher de Boterho. .
teca, Sitia d Uaralda, 19 an-
"nos..........
Barbara, entiada de Felicia. .
Vielorina........
Jasis, criado........
Cravidadostypos representados por
Urna, preta, una raoleque ele.
O Io acto eta Iguassdos outros 2 aa corte.
Epoc aclualilade.
Sjbi oov.meatea'.scen* a cataedla era i acto
ornada de msica
La de Fel.
PERS0XAQKN6.
AlreH 26aunos......Sr. Paita.
Theriorico, sea amigo, o mes-
mo..........
Julia, mulhpr de Alfredo, 22
anuos.........Sr.a
Hita, criada........
Jas, criado........
Urdem do espectculo.
1.- La de Fel.
2.'Ninbada de mea sogro.
Principiara' as 8 hora-
NO SALA..J
8ai-!> ido 2(5 do coi-rente as 8 horas da
ooite.
SIRIO MI i.CAL,
ftamonda. Cola-, Marlins e Canudo, dado cora o
Ora principal de fazer conhecer e coadjuvar a
eJrao dos ltimos cantos do immortal poeta
Gocalves Das, postos era msica por
JOS 1111T.
PRIMEIU PARTE.
1." A concha e a virgem, romance composto e
executado por Amat.
2. i'liantasia de Hernani, executada no clarine-
lo peio Sr. MarlinsVerdi.
3.* l'oia viso Revene) ambas compostas e
4. Por ura Ai! meloda) ejecutadas por Amal.
5. Van ages para flauta ejecutadas pelo Sr,
CandiJo sobre motivos da operaVerdi.
6.a A ingnir: i e diSciliraa aria variada de Be-
rioi, e-cutada na rabeca pelo Sr. Munix Brrelo
Beriol.
7." O afamado duelo do Barbeiro de tcvilha
Al idea di qualmetallo, cantado pelos rs. Ramond
e Aik.i- Roniui.
SEGUNDA PARTE.
8." A cango do Exilio, composta e execntada
por Amat.
9. Pnantasia sobre os mais lindos motivos da
fravuua executada na flauta pelo Sr. Cols
Verdi.
10. Mea anjobscata) amojs romances compos-
Seus oibos. .) tos e executados por
Para o Aracatr.
O vellelroe bem conbecido paHMMt*Mlui>
Dous Amigos, pretende sefuif cora muita brevida-
de, tem parle de seu carregaraeuto engajado, para
o reilo que ihe falte trataba ooid os seas oonsigna-
tarios Antonio Luiz de Oliveira Atevedo di C-> no
sea escriptorio, ra da Crin n. i. _______________
PA1U LISM4
ablr*' coai toda a brevidade o brigue portagaei
Cotuttmte II por ler prompto quasi todo o sea car-
reganeslo : para o restante e passageiros, para os
qnaes tem excellenies commodos,tratase com Ma-
noel Ignacio de Oliveira Ribo, escriptorio no lar-
go do Corpo Santo n. 19, ou com o- capitfio na
praca. __________
Para o fia de Janeiro.
O vefelro bem conhecido brigue Adelaide,
pretende sahlr cora muita brevidade por ter a
maior parte de earregamento engajado, e para o
ponco qpe Ibe falta e escravos a frete, tratase com
o cansignalario Joaquim Jos Gencalves Beltro na
ra do Vicario n^j7 pyiey andar.
CdH PA.^I A^Eil AMBC AN*
DE ^f
Kairgae&cotfeill pw vap.
^tfaceict escalas e Peaedo.
Segoe no da 90 de corrate
para es partos do sol, um dos
vapores da compannia. Receba
carga nos dias 28 e 29. Encom-
meadas, pasaageiros e dinhalro a
oras da tawe do dia da sahida
Teixeira.
E. Cmara.
Leopoldina
Manhonsa
escriptorio no Forte do Malos
Para Lisbo i
vai sahif no dia ^7 do crreme, per ter a maior
parte da carga.jwmpta o veieiro patacho Hara da
Glorta, eapiloAirtanio de Barros Valente ; para
carga e passagaiips trata-se com E. R. Rabello, ra
do Trapiche n. 41, 2 andar, ou com o capito.
bordo do navio ROS
vogem de Lfr
ero
eomo sej
b, i ditas
lia, 4>dil
baiaas tai
jos- ebjet
sabbada 26-do*oreote pata* 11 nois a ranbaa
no armazem de fartaha do Srs. Tasen irmao no
caes d' Apollo.
ir e fecha,
brago, 2 baa-
junco pro-
serwo vendidos
ERRO
tecife a Silo Ftahcfeco.
Acha-se:esabelecidootrafc,,'o tato de
passageiros como d*carga dai Cinco Poo-
tas at Una
Recife 2^ de na de 18W.
G. 0. Mano,
Sap^rioteaAarta,
trj---------------------------r? i l>uem praeigar diaara cosiDheire poda ott-
55T mensae* pelo .alq- !gr.Se a rua*& PraDcisco n. 42,
a o jervco interno de ,. .---------;------- umacasa de familia a* ra 4os Guarafape em | J>;?.dr?'.,*L^! ''** noiufoel
AVISOS DHERSOS
r l'^WV^gf-------'-----------------------^~
Offeraoe-a a quontia de 20 naeasaes pelo
aluguel de urna ama forra para o servlgo imernp
de urna eaa it faoitia : na roa toa (uararapas
era Fra de Portas n. 26.
' "Da-'se a'quantt de
guel de uma esjravi para
Fra da PorUs n. 26.
Na ra das Cruzes n. 4 vende se doce de
golaba bao 17B0 a lata de 4. Horas, gax do ma-
Ibor a 104 a lata a a 440 a garrata, e todos os
mais gneros da melhor qoalidade e per presos
commodos.
FORTOHi i8- tramonto da freguezia
00. de Santo Antonio.
Ilha de S Miqwl.
Segu com muita breviJada o patacho po/tngaez
GEORGENCE, para passageiros, trala-se com Joo
do Reg Lima ra do Apollo n. 4.
Para Lisboa
seguir com brevidade a barca porlugueza Nova
Marianna, de priraeira classe, e recenteraenie
construida; tem prompta a maior parte do seu
earregamento ; e para o restante e passaeeiros,
para os qaaes tea excelleoles commodos. tratase
com Manoel Ignacio de Oliveira & Filho, no largo
do Corpo Santo n. 19, escriptorio, ou com o capi-
to na praga.
LEIL0ES.
IjEIIjAO
De
Grande qoaotidade de fumo e cachim-
bos por conta e risco de quem
perteacer
OLYMPIO,
fara' leilao de urna |jorgo de -foni .do Para ^1*
quafWed>) e urna outra porgao de caxirabos de
louga.
IIO.II.
DO ARMAZEM DO MESMO AGENTE
48--Pra?a do Couiuierclo- 48
i^iiiO
li.'
Amat
12.
Verdi
13.'
1 Dvtsos mjvos sobre varias operas de
eseeqtadoi ua flauta pelo Sr. Cjls -Verdi.
1 Grande pnantasia sobre motivos da opera
Y Lo stnrdi executada na rabeca pelo Sr. Muniz
BrreloVerdi.
14. lleurdacoes de Hespauna, cancoes hespa-
nholas por Amat.
N. B. As cartas de convite servem de bilhete de
entrada.
Precos.
Una familia 104000
Urna s pessoa. 55000
AVISOS MARTIMOS
De urna casa terrea n. 49 na Tua de Malhias ter-
reir em Olinda, com 2 salas, 4 quatro, cosinba
e quintal (chaos proprios.)
O agente Martins fara' leilo da casa cima
MOJE "
No armazem da ra da Cadea n. 53, as U
horas.
LEILA
DE
Ferragens e miudezas,
VOH o:000^'000
iva thesoir-
rara a aa ayvrespan. m, os bilho-
tesjpieiojp qr^tos dpl5J Jferte da lo-
tera a beaecio das familias dos volur-
tarios di patria (64>,|etido a extracto no
lugar e hora do costume.
Os premios de 6:0000000 at 10$000
rao pago upa*or% la^wi 4a exfraccao
at as 3 horas da tarde, e os outros depoia
da distribaicoda lisias.
As ecommeadas sero guarrlada so-
naenteat a noite da vespira ^ extraiga.
. 0 Ihwoureiro,
AotoBio fos Rniirjfaas de Son#a.
IIVROS OF SURTES
PARA AS NOITES DE
S. JOAO E S. PEDRO
i venda, na Ldvraria Francea
%. O Ra do Creap &
A roda do destn*? novo e
completo livro de sortes, acompa-
nhado de um mechanismo espe-
cial... um volume e o mechanismo 2^000
Cartas fatdicas, respostas in-
falliveis todos os problemas da
vida humana, um estojo contendo
100 cartees........10000
logo da coa versa pao, con-
tendo 100 pergunias e 100 res-
postas : dous estojos cartonados. 20000
iJvro do destino, 1 volume de
156 paginas, acompanhado de 32
car loas para borneas e senhoras. 10000
Cartas da Pythouisa Pari-
siense, 1 caixinha com um fo-
lheto e 36 cartas......20000
Orculo das macas, 1 vela-
me brochado ..... 10280
O Fado,,novissimo livro, ou jogo
de sartes ongrat.-ada, 1 rorume
brochado.......13280
Pacotilha potica, a mais
completa collec?5o de sor tes, 1 vo-
lume brochado...... 10280
Revelaces do clgano. i vo-
luuio t'iiiuJv Jo grttnJo'numorn
de vihetas burlescas 10000
-^"lauaeio de Barros Wandrle'y, esdadao Drasi-
leiro, vai a Europa.
Denker & Barroso faro leilo por intervena
de agente Pinto de um sorliraento de ferragens e
miudezas existentes era seu armazem da ra da
Cruz, onde se effectuara'o leilo as 10 horas do
dia cima dito.
D. Urabelipa Viraes Dutra, D Joaquina
Vires Cavalcanti, Iienjwain Vires Dutra,
e Z^ferino de Lima Cavalcanti, Qlbos, neto
e genro da finada 0. Mari a Joaquina Viraes,
convidara todas as pessoas de sua familia e
mais amigos.ajj^;j,irrim.AJttiaida. aliiBft
dia que por a'ma da raesma finada raandam.
resar na igreja da Saqla Cruz, as 6 horas da
maqhaa do dia St 4o crrente.
I
am
Perde,U;Sa np.dla ai-do^orr^U: *ra relogio
de prata nrelo patale saino, cora um trancefjm
de oqro de lei cora 5 oitavas e raeia, com urna ea-
golela do mes ni o e agolpa, de marear: quem
' achou o qneira entrega-ip na. caxi d'ayaa da ra
des Wres de Boa-Vista, que sar recompensado.
ua e.-crira
" \ BB.4S1LEIU\
DE
PAQUETES A VAPOR.
Dos portas do sul e esperado
at o dia 30 do corrente nm dos
vapores da companhia, o qual, de-
pols da demora do costume, segui-
r para os porlos do norte. Des-1
de. ja ri-ebera-se passageiros, e engaja-se a carga
que o vapor poder conduzir, a qual dever ser em-
barcada no dia da sua chegada; encommendase dl-
nheiro a frete ath o dia da sua sabida-as 2 horas;
as passagens so sero recebidas na agencia ra
da Croz n. I, escriptorio de Antonio Luiz de 011-
v eir Azevedo & C.
Precisa se aJugar
boa conduca e sem vicio, pa
madeira: na roa das Crine n.
dar, pagase oom ordenado.
CO 511XIIIA B11.1M1L.EI11.4
DE
PAQUETES ft VAPOR
. Das portos do norte 6 eaeM0o
at o dia 4 de janho o vapor San-
ia Cruz, commandante Araujo, o
qual depois da demora do cosa-
me seguir para os portos do sal,
Desde jarecebem-se passageiros e engaja-se a
carga qiw o vapor poder conduzlr, a qual devera
ser embarcada no dia de sua chegada, encomraen-
das e dinheiro a frete at o dia da sahida as 2 he-
ras, as i> issagens so sero recebidas na agencia
ra da Cruz o. L, escriptorio de Antonio Luiz de
Oliveira Azevedo & C.
PARA A BAHA.
Kc. dia 10 do corrente devia sabir 4a'Babia pa-
ra esta provincia o patacho Santo Antonio, que
cbejanlo nao deve ter demora e seguir' com bre-
vidade por ter parte da carga prompta, para o
resto da carga trata-se cim o consipnatario Jos
HatuPaJajelra-pra -do Comaereio a. 4.
para a Baha.
Pretens segair cora mnia brev4ade a velleira
sumaca nacional Bortencia, a qnil lera parte da
seu earregamento prompto, para rest que lhe
falta trata-se com os *? oasignatarios Antonio
LuizdftOlivixa^zevedo& O, alasen eseriptotio,
ra da Cruza. I.
,___________... >i '-
Para o Porto.
Pretende seguir em pono das o pataebQ por-
tuguei mV0LIMA, sor lefjafeotiptJ lodoaiiOB
carregameni : para^assataifos as qoaes oSerace
escettantaaBfMMsadM, irau-aa eaa ? apMa a
bordo 00 aera as aaflMlafM a raa da Madre
do Deo o. i. entriatorio.__________________
LEIiLAO
De predios e terrenos
de marinha.
Um sobrado de dous andares e sotao na roa da
Iraperatriz n. 17,com duas portas de ra sendo
urna para o primeiro andar e outra para o segun-
da, com 39 palmos de vo e 127 de fundo, lendo
4 portas de frente, varanda iL ferro no primeiro
andar, no segundo duas jaoellas e orna sacada
cqp varanda de ferro, com grandes salas e quar-
los, cosioha, grande gabinete interno para serven-,
tiado primeiro e segundo andar na parte poste-
rir, aparelho e canos para loda a propriedade,!
syateMW, eewbww^jtra ages polave!.
Ura sitio na estrada do fogo da Panella todo mu-
rado sob n. 10, com fracteiras, 2 porlSes de ferro
sendo um de cada lado, grande e elegante casa de
vi venda conj 3 salas, 9 QuarlQj, cosilia, Ccbcir,
estribara, casa para pretos, 2 cacimbas,2 tanques^
bomba de ferro, jardim, cha(erii collocado em um
tanque.
Ura terreno foreiro a marinha no caes do Capi-
oaribe sob d. 53 A, beneficiado..com caes a ajer/o 1 PIuI Itertia?.
com45 palposde vo^etatvJo, | xarone Deitoral d,
L'ra dito contiguo ao supra mencionado, foreiro
a marinha sob n. 4 C, beneficiada
de 1866, juntamente eam a gaveta q
! estes objecios, da banca em ** l
dita gaveta duas menores das lada} _
gola de prata na gaveta grande e duas as peque-
as, lendo a gaveta grande repartmenlos os dous
lados tinha lampa tM^ftftjfe guale o do Aeio
urna divido. 1**V-W wy* W-
Os objectos- fortados forarn os segufntes :
Um relogji|4miMaKi daaaobsrie baadado a
ouro com cadeia a chave da ouro, saado o florado
da caixa do relogio, de ouro verde e vermelho; 1
caixa pequea de pao cora tarracfia, coalendo 4
quilates da brlMwmtes gande, um de ferma regular
com meio qutele, ooiro qaadrlloego, lamben con),
mel quilate e os mais pequenq;; I. caita deo*
breia contendo 5 quilates de diamantes rosas, escr-
ibidos; 1 caixinha de papelo coberia de couro en-
carnado formando a imitacaode ama car te ira, con-
tendo 4 quilates entre rubios, esmeralda e, perolas
encasloadas era ouro, alora de 3 grandes; 1 cala
de obreia chela de grisoltas ametistas, e brllbnti-
nas; 1 caita de pao com tar racha, cem ame listas
rochas grandes corazas grandes araes e encarna-
dos, sendo Z azuese 3 encarnados; 1 cejado de pra-
ta de S. Jos; 3 hastias de cajado de ouro, sendo
duas maiores e urna menor, pesando todas 4 oitavs;
3 resplandores de praia,sendo dous peqnenos e um
grande, pertencentes ao Sr. Antonio da Cunha Soa-
res Guimares, e juntamente qualro cravos de pra-
ta com eabecas de pedras rochas qnadradas, e for-
mando ama pyramide cada un perlencente tam-
bero ao Sr. supradito Cuiraares; 2 cadeias de re-
legio garvaalsadas; I caia de relogio de prata
deseeberta, sera machina ; 1 leaue de marHaa fl.no
com -urna baste quebrada; 1 lia de ouro de pul-
celra moderna ; 1 caixa de pao quebrada com 00
folhas de sombra de prata fina; 4 chaves de gave-
ta em urna correnta de prata ; 2 patacoes de prata;
1 cele de marfim com duas maos dadas; 1 era-
vaco de annel de dez pedras pequeas, sendo ellas
rubins esmeraldas e diamantes; 4 oculos, sendo
um de ouro, um. de metal, um azul de tartaruga e
um de bnfalo; 1 caixa com 23 cornalinas entr
grandes e pequeas; 1 cornalina encasteada para
pulceira; 1 flg .graode de. coral encastoada, pe-
sando o castor 3 oitavas; 1 liga de uoicorne eneas-
loada em ouro; 2 diamantes sollos encravados; 2
moedas de dous tastoes cada urna; 1 microscopio ;
2 moedas de rail res cada orna; 1 par de argoll-
abas de onro lisas; 2 vidros de cristal-qoadrado
pararetralos e ura uval; 2 vidros para paules de
miope; 1 luneta de tartaruga com ares de ouro vi-
dros de cristal rocho ; 1 frasco azul com pululas
frreas; 2 vallas de cordo novo, urna com oito oi-
tavs enxaiae outra com seis; i brineo de ouro
azul furia cores, parieaceetes ao Sr. Amaro de
Barros Correa ; 1 par de argolas da coxal azul en-
castoada em oaro; 1 annel de ouro com duas pe-
rolas, faltrado o diamante do mel; 1 volta de co-
ral enriad is em contrallas de oaro, e ura bracinbo
de oaro pendurado Djsmesmas coatinbas; 1 caixa
com ura par de rozetas e um alfinete obra de fora;
1 fivela para cs; 1 trancelim de prata com gan-
cho para relogio; 1 pingeate lapidado de coral, li-
cando um igual em ama outra gaveta.; 1 par de
botoes do punbo de coral encastoado em ouro; 1
par de rozetas de coral, encasteadas em uuro; 28
oilavas de prata fina forrado de onro, contendo de
descravagoes ; 1 luneta de caixa da prata doura-
da com trancelim de ouro ja. asado, perteacanla
ao Sr. Hemeneglldo Borges Dlnjt dada, para con-
ceriar; 2 moedas de elnccTtoswes embrulhadas
em tres mil reis era cdulas ; 960 era cobre; 1 par
de rozetas de agarra de ouro, faltando as pedras ;
2 pares botoes de punhos de pedra prela, en-
castoada era onro; 4 oitavas de prata fina de galo;
2 piogentes para brincos feilo de azas de besouro
encasloadas em ouro, e 8 ou 10 besouros para
fazer obras; 1 cordo fino e servido de ouro com 4
nitific 1 i>iiroi /.am ae fnihu< lima crande
e duas pequeas; 6 pares de corchetes de ouro
liara trancelim; 2 medalhas p:ra pescoco de Sra.,
urna maior a outra meoor; um alfinete de peilo
para senhora.
Perraroenia constando:
L'oia palmatoria de tarracha Dequena ; 2 carri-
nhos para brocas; 1 damasquilbo; 2 bruidores ;
1 riscador ; 2 agarras pequeas ; 1 martellinho; 1
pedra de tocar; 1 porgao de limas finas e buris e
brocas de todo lamanho; 1 agulha da trabalhar em
13a; 1 boiio de ouro esmaltado para be/tura; va-
rios papis, carias de fungas papis de compras de
escravos e recibos, e tres letras urna pagaVel de
861JOOO, acceita por Amonio Francico das Neves,
outra de 504, aceita pelo capillo Antonio Alves
Paiva.
Foi preso o escravp do capilao Marcellino Jos
Lopos, urna hora depois que e por nom Lobino,
adiando se pequea parte do roubo.
Vicenta Antonio do Espirito Santo.
isa ig nada
arantidos da lotera que se acaboa
fbeneflcio das f/millas do voionla-
a seguales premtoe-c,
quintos- cora a sorte de 6:000$.
ato^aWrocom a sorte de 1:200$.
ai iiaimo cora a sorte da 200ju
ras mota sotaes de 100#, 40, a 20J.
iBossuidores podara virreceber seusrespae-
ra- premio sera oadaaaoutos das leis na oasa
db Fortuna ra dCraaon. 23.
Acbam-se a venda os da 13' parte da lotera
M") beneficio das ferallas dos voluntarios da
Bufia, que se extrabira' sabbado 26 do corrate.
PRECO.
Bfltaia.....6000
Meos......3i00
Duirar .... 14200
ai pessoas qne eamprarem de iOO(jOC*
Bilhetes. .... 34500
Meios......24730
. tuMos.....14100
Makow. Martins Piuza.
totdemda ra;egeilora da. irpuadade do
acramenio, convido a todos os oosso. rmos a
^ '^M*.? i eomparecerem dqmlgo JT da correo*? s 10 Horas
'' da raanba era o consistorio da irmandade, abra de
eiegerera a nova mesa que tem de fuuccionar no
anno de 1866 a 1867.
Consistorio da irm****y *-f*o de 1866.
Ang-lo H-nriques da Silva,
Pata
pa|*P*t
nsamap
elira-se
a ama
VERBIliO LE ROT
Je 5JGWORET, DoctearMdecin
t- Lava se e engoaiaM-se por p^go commdo :
p roajiaJI4>rlas_n^6t,__________________
1 Compra-se ai sobrado en bom es-
tado, de um a tres andares, as mas se-1
goiates: Cadeia, Cruz, Trapiche, Impera-
dor, Crespo, Cabug, Nffva, Queimado, Cru-
zes-, Livrameato, larga do Rosario e Hur-
tas; quem ti ver deile carta fechada comas
iniciaes A. C. E. na I i vraria n, 8 da jpraca da
lodependeocia.
Ru dm>
Em cada garrara, Tai, Dlre a roHia e o paptl arul
(lie leva o mcu linrlt, lin rotulo iHir rcil* COm O Sil LU IHI-BUL DO tO.YUM) KHiNC. Z
N. B. l!emettemlA-se urna lettra de 500 IrancoJ
obre l'ans, acrilarrl a 80 dia le vMb, w puxauo,
gozarK do abaUueulu t do auior descont.
Dqwsito princiji
I Ii'itimo Le Ror
r:n taz.i do nosso
Jiuico agente pelo
Brazil a Skr Anto-
nio Frinc : dt La-
cerda na Babia
nivs principis j.lur-
maccutco.
iucmo c uo owiiir
Ipal >
que tetilla
ej boa eugom-
96, primeiro an-
S'Botiea drogara
DE
Bartothomeo C.
34Ra do Rozado Larga34
Vfffif^p gp -
Preparados da Ameripa
Do Dr. Radways:
Pilulas reguladoras.
Pf*OBr^M#^WW-'
Reiot i* reuj vado:-.
DoDr. Ayeir:
Salsa parrilha.
Xaropepitorai de
opta' a"De Lajnaam S Kemp
cereja.
Verdadeira salsa parrilha da Bristol.
Pillas ^sucafadas.
Pastilliai vegMifugas.
ole puro de ligado de bacalao. '
Xarope pectoral de anacahuitji.
Agu i florida.
r IllilJJJ J l iJ.J
e de um
aterro tenda 20 planos de frente e 20S7 de 'fondo
Um dito alagado foreira a marinha na estrada ]
do M uocolomb sob n. 19, aa lado de leste, cae
51 bragas de frente e 60 de fijado.
Um dito alto tarabem foreiro a marinha e na
raesma estrada ao lado de leste, sob n. 20 A, com
40 bragas de frente e 60 de fundo.
Um terrenopreprlonoJargo da matrii doPooo .
daPanella.com 24 palmos de. frente poupo .mais Precisa-?,fe uncuMjrofl.uajs
ou menos 42 de fondo. taberDa : no V** > 4
U agente Martins faralellao a* requerlaienlode
D. Maria Theodora Alvos Ferreira. meeira oiaven-
taante dos bens que flearam porc tyiepigwle de
sea mardo'Dr. Jos Mamede Alves Ferreira, e por
mandado do Illra. Sr. Dr. jaiz ae orphos ds.p.re-
diose terreaos aelma.
No armazem da coa da Cadeia do Recife n. 53,
as 11 horas............nM,
Os pretendentes se podera entender com o
mesmo agente para qaalquer informago.
niia pratica
Trcis'co Jos^ Gqm*ts,"sflbdii de S. M. F.,
vai a Portugal." '" ,'_________
1^ Prcfsa-se'ae;um'calx'ero 'de li a 16 anuos,
cora ortica de taberna : da roa do Codorniz na-
imarA8.i_____. ,a- < '.-_________
^Alopja-se o teHoairo andar do soprado n. 37 a
rirt teA^ojmtraiaM>a'armaieai do mesmo.
Prer.isa-se de 3:6004 *ohre1iypotheca de um
sitio : na ra do Nqgueira n. 26, segundo andar.
* Na tua do Hospicio, segunda casa terrea con-
fronte ao gymnaslo, precisa-se de um criado.
tiotureiro da caraboa do Carmo, casa n.
18, faz ver aos seus frageles q je tem obras ja
tingidas a bastante lampo, jo* as mandem receber
dentro da 30 dias, ra pagamento de sen trabalho.
Urna pessoa cira pratica df Orp sp olferece
para fazer qualquer arrecadaro umigaval oo judi-
cial, garante sua conducta, e prometa todo o eui-
dsdo'e actvidade : qaem quizar annuncie._____
Precisa-se de 2:O05 a jqfos sob' hyptheca
a tratar na roa Imperial n. 472.
r
em bens de raz
Precisa-se de ama, ama qfte saja de bens cosxu-
mes para o servigo domestico de urna casa de fa-
milia : a tratar na rqa da Cruz n. 42.______
Irraandae do S, Sacramenito da matriz de S|iqto
ntooio.
A masa regedora da irmandade tendo recebido
da Illra' cmara muucipal convite para assistir-em
corporago ao Ta-eum ra acgo de gcacas qo
aquella cmara manda celebrar na meneiauad*
matriz pelo iriumj>bo das armas brasileiras eaca-
hamenlo da guerra com o Paraguay, logo qus se
receba tao fausta noticia, aue de\ e enclier do exal-
lamenio aos filhos da trra da Santa Cruz, pelo
presente convida-a lodos os icraaos a comparece-
rera nesse dia para ssirem aareferidoTe-Deom.
Consistorio da irpaeopide 23, |e maio de 1866.
Angelo HeDriqaes da Silva
Escrivo iptario._______
- PB0T0GRM4
ARTSTICA mebicana
RA DO IMPERADOR N. 38. -
Artista americano
Artista americano.
Artista americano.
Artista americano.
Retratosr-Retpa tosRetratos.
Em porcelanaNiepeotypie.
Em lencosArcherotypie.
Em vidro-irAtftbrotypie.
Em metal=Daguerreotypie.
Em papelTalbotypie.
No grande sali da ra do Imperador n. 38
No grande salo da ra do Imperador n. 38
Neste estabelecimento tiram-se retratos
em todos os systemas, com assaio e promp-
tidao, desde as nove horas da manha
at as cinco da tarde ; assim como tem
sempre a venda grande sortimento de cai-
fas finas de diversas formas. Quadros
oyaes Passepartouts e todos os mais ob-
jectos e productos chimicos, relativos a ar-
te e recebidos ltimamente dos melhores
fornecedores de PARS e Nova York, tendo
de tu do, para todos os gostos e para todos
os precos.
Salo da ra do Imperador n. 38.
_Salao da ra do imperador n. 38.
A fflumiiii^aQ a gas?.
Pede-se aa Sr. administrador da raesma que man
de fechar o deposito do mismo, as 6 horas da
manha, porque causa prejuizo as padarias deixar
de trabalhar por falta de luz.
Um padeiro.
_L__ i m i--------------------------'~
Programia da fe-ta do Se-
nlior Santo ClxrirSto dos Mi-
lagres,na igpeja do Divino
Espirito-Santo, domingo
27 do corrente.
Sabbado, 26 do crrante, ao raeio dia, achar-se-
ha aberta a igreja, e sero ejecutadas diversas pe-
gas de msica pela banda militar do 3 batalhao da
guarda nacional.
No domingo, 27, as 5 horas da raanhaa, ter lu-
gar ama mlssa cantada, mandada dizer por ura
devoto de Nossa Ssnhora do Seoacnlo. As 10 ho-
ras entrara' a festa, cuja raissa applicada por
intengao de todos amelles que concorrerem com
suas esraolas ; esta' encarregado da orebestra o
mestre de capailas, Rvm. Primo Feliciano la-
vares.
A msica da missa lera por titulo Santa Isabel
composigno de um dos priraeiros autores de Por
toga!, e executada pela priraeira vez nesja capital.
Os solos sero executados pelos prlmeiros cantores
desta cidade, e a regencia da orebestra pelo insigne
maestro Innocencio Smoltz. E' orador no Evan-
gelho o Rvm. Sr. Dr. Araujo.
Fmda a festa lera' lugar a asceogao de um lindo
balo.
As 6 horas da tarde, faiu a ipasigo, subir a
tribuna sagrada o Rvm. Sr. Antonio Manuel d'As-
sumpgao, depois do que o Rvm. parocbo entoara'
bymn Veni Creator Spiritus, terminando o acto
oosb a bengao do S. sacramento.
8ao convidados os Rvm.-. sacerdotes que quise-
Le se no Monileur dt la PharmaeU.
Aelectricidade boje empregad* por lodosa
medies afumados, pura o tratamento de muitaj
molestias, mesmo para as que resistem as oukraa
mnlicacej.
A electridade produilda pela (ricfMtem um
supcrioridadeincontestavel, ea vanlagem de nao
dar abalot, e de poder ser graduada pelo doente
A causa a mais Trequenle das molestias a
eslagnaca do sangue ou dos oulros lquidos vl-
laes. Restablecendo se a circulucao no orgi-
nismo, curacao-se as molestia*.
Quando se sent alguma dr em quetquer
parte do corpo logo, e instinctivamente, se erfrega
o lugar emlolorido coma mo, e islo allivia. lito
replica o resultado incpntestavel qge deve pro-
duiir um apparellio elecirico. Por isso temaa
> prazerem annuuciar ao Publico que o Snr Buisson
i de Biilliers residen le, boulevart da Prince-
Eugue, 18, an Paaiz, doiou a medieioa de um
apparelbo Electro Magntico, sob a forma d
turna escota, com o qual os doentes se podera
aurar sem nebuma outra medicacad. Os medico*
que a tem experimentado, attesiara que a
Escov LECTao Magmbtic*. eicaz para
curar; os Kheumatismo,, Faralysia, Gotta,
Traqnea do j mrmbroi, da Col mana ar-
tebral. dbilidade geral, Ncvralgiai, ate
Estamos certos que breve cada familia possuira
> esta escova que prestara grandes servicos.
A pedido de muitas pessoas, o autor decidio-sa
a esublecer um deposito de seos apparelhos no
Ato de Janeiro, em com do Su Dibiu Koirr,
ra nova do Ouiidor, a* 88.
5IED.4LIIA DE OURO. premio oeis.boof.
au i IM A
e'.
ALUG4-S.E
rem celebrar no altar do Sanbor Santo Chrisio, a
domingo 27 do correte, por intengao daquel|R
'tem cncorrio com esraolas e donativos para-
jas, a comparecerera na referida igreja.
"Baifacio Graciano, director dos QavaHnkijt
Pao, participa ao respejiavel poblieo que madajf
ja divertiinenio da ra da Florentina para a do
irarapes n. 20; e ter principio no dia 16.
ELIXIR FfMgo
ItrlllH IOS TI1BUS I liMf II MtU.
Experimentada com pleno successo nos
hospitaes, a quina Laroche (ou extracto
completo da quina) t urna preparacao
excepcional, por ter privada do amargo
daquiua. Agrada por conscgninte as pessoas
as mais iulolerantes e aos paladares o* mais
delicad s,pois neme multo doce nemmuito
viscosa, tendo de urna limpidez constante.
Euiprega-se om muito proveito nos casos
de gastralgia, dyspepcia, navralgia, ane-
mia, marasmo, cacheadas, magreza,
fastiosem cauta apparento, convalasceu-
caj demoradas, cblorose e escropbulas
E o especifico das molestias Tcbris.
QUINA LAROCHE FERRUGINOSA
lauilt Ittei >t irapritiiits Je ierra t ti quiii.
EM PAFIZ,
15, ru Drouot.
F. MARER & C.
ra Nova n. 18.
Ama de leite.
Precisa-se de urna ama de leite, para araarnen-
tar urna merwua i:iuno mancinh, paga-s bem,
ra Nova de Sania Rita n. 53 primeiro andar.
Alug-sea casa terrea u. 7 da ra do caes
de Delencao junio ao sobrado ao norte do gazonit-
iro, por 125 mensaes, tem 2 quartos, 2 salas, co-
sinba. quintal rom carimba a esta' pintada.
Trocafti-se notas do banco do Drasil e das
caixas iiaes com descont razoavel : na praga da
ndependencia n. 22.
Engenho para ar-
rendar
Arrenda se o engenho Quiaombo, ora Santo A-
maro-de Jaboato.o qual tem muitas e eeellentes
Cerras, e ptimas maltas : a traxar na ra do Seve
(iba dos Halos), sobrado confronte ao cbafariz.
Precisa-se de ama ama pa/a comprar e cc-
zinhar para urna pequea familia de'tr pessoas
sem aawaiaes : na roa do Urum n. SI.

__.fiaibto a- 13, de um
menino de iu a 13 annos que tenha alguma pratl-
cao> mtf*W :..a^afltfln#rasa maaasma
IiEILAO
De mobilias de Jacaranda, dll
uarda roupa, cadeiras avulsas, ssmuar
maequezas, consolos, lavatorios, camas, cabidos,
-elogios de pa
candieiroi a ga
objectos de ouroT
Ma>
Sabbado 23 do correte as 11 kmay-j
NO ARMAZEM DO AGENTE *fi\Ji < I
Manoel Jos Martins, morador no Monteiro,
declara que 89 |lo entende com elle o annancio
nseJMB a^mqlrio pelo Sr. Frederico Chaves, e
la^HB^itjMagapos assignar-se-ha d'ora avante
"inoel Jos Martins das Neves. Reeife 2i de maio
1866
e e
iros
Para ti Porto
Lisboa.
por
OLYIV.PIO
Frac* *<* vommtrtto m. 48,
IBILAO
K ireliHra a. bem c^bacnia "barca portngieza De diversos objectos de mobUU
de Jn-eo preprlo para sitio.
Sabbado 86 do corrente.
O agente Pestaa faca' leilo por coala e riseo
de qaem perteacer de diversos objectos avariados
No esj
Da amaf
ce
Tentador, pretende aguir com a.alta brevidade,
ten pre de seu canegamanto engajado, para o
resto tjue Hw fakateata-aacoa) as seas ooMn-
rka Aatunio Late > Obvaira Atevedo & aa saa
escriptorio na roa da Crn o. i.
tCDCftO. M
riptorio n. 4, a roa do Crespo, tf(
para o Sr. Adolpho Targi- !
zmmmMMM
-M Fagio do sitio de Parnanaerim ond mora-
dor o abaiio atwgaado o taaia Aatooio com os
sigaaes.sagnlatas : aaiio, sacco da corpo,apon-
co descorado, tem oau Stala dbaixo do quciao
coa todoaos tates, os ps ea rabadas a aom ar-
cas de feridas, ja' velbas, nos earcaaaaM, repre-
MOta ter 40aaaos, pooco natooa moas Hr o
pegar qoaira faiar o favo* Se lavar i iwaS'in-
peralriz o. 19, oo ae nasa) sulo ao ea seahor
Frederico Caavas Jamar que ter eeecapeoado,
Kradefiaa CaaiM fam.
Agua wiinerftl natural
..______'. PASTILHAS---------------
Be SMS uatBraes de Vichj
Daposilo pharmaeia do Pinto, ra do Rosario
Precisa-se de urna ama pita -ftfislWMrVlly
pateo da Penha ^<4
Precisa-se
escra^a engorame para casa da amito pauea familia : aa
ra da ContDTu1ifr1it,|)Sga2sj"Bfipr .'
eja gil e desembao|\jac* u.Ht catavUB me-
pino : na rad^pi^amp.,^. tayjfwaaft.
-r Uopaa tirer .pafW le*r suraa, aaC-J-?* de
ra do Sebo n. 7, qalu;M1qoem precisa.
!"- FranciBJe'AttoMo florrVh' fc^osaenvida
gom
ru
94
Trasp#t*fc&e.ifcpue>*i1aTos do en-
genho Sjtpi'aia, n.km*p* de SQi&fro, e
rfois^^cri Fiifers.
pretenerem dirijam se a roa Direita a. X
---------------------------------------'zr
o
e a'
Til."
-rr.
Na roa da Cadeia p, {SOflree^a-'iftrlde ama ama
para cozinhar
8
seos credores a recebereoa o ultimo
[de sua ^concorda
Crufes: a tratar
racoanaar.
- Arfesd-s
lae-s
.....i i
Sortimento de papis pintados e
lindas guarni$S_jiariL forrar casas.
NvLlVRARA FRANGEZA.
afei
tsS;
Hi>t
Precisa-se de

par taberna que
teuhaj)raiica e seia de. 13. a 15,;aono.s ,ae- idade :
e-velh n, 39.. .'
na rus da Ponte- .
0.a
.....i
PToiSa^e de dofT'amSssrtOrWqul' eUtn-
iaaiiiiafniaiaayiTlf do iraieo-de padari, p-ra tra-
talnarera na villa da fiscada : a tratar, .oo bota
fTrovador.
, a'_____________^______________^___
Canalbo 4 Nogueira na ra do Apol-
o n. 20, i*e*ai para o Porto e Liaboa, a
yista oua pmo.
i
*
.A'
Pcia4araia
Crespo Boticario
oiauBu
aSr. lftraoeliao Ferrevra
i, |r aegoefcss qo a
Recife n. 18.
se/veode-se ou permuta-sa. os en-
! genhos Goabeira, Boa-aorte Glapapo, todos de
pagamento moer com agua ; o Io junto a povoago de Santo
fimirff d f>'"'t^l -i" nitratos ao sal da
hde da Victoria (Santo Antao). Por venda uSo
exige tHoaird o paasr- d;a escrjora, bartan-
lo letras ftarantidas a orasor wtWBftiat,o: a
pelaV'K. e On raoojftjtft rnlilf bftrti te-:
trae dse jo de applfcar-s V npturaeSo mer '
orno saibor nio (yaant'n m43MM.aa ^''iJi? 5?..^* mi* n" 4?' 1*,(rt,r' vfc**|
A CAPaaiS
ftJtUGP..>
GRIMA-DLT dt C.'PHARMACEl'TICOS DE PARS
Novo tratamrttVj^'r?pa?alr5-tftm as folhas
fle matica, arvore dof etir,a?*raa osra rapi-
h o ttaMIiTf t h gDnorrhea sem receio al-
um da contracto do canal on da ififlamma-
3o dos intestinos. O celebre doutor Ricord.
ri-
a-
da
j-
v
se

coa quem tratar.
-SBfc.
^astaaa




Irritado dospulmoer. angi-
nas, tosse, escarros de
sangue, crupo ou garro-
tilho, catarro, rouquido
e todas as innumeravei molestias que affeo
ao aos orgos da respirarlo
BESAPPARECEM
ediante a accao da balsmica e irrev
ANACAHUITA
M

FABRICA A VAPOR
99 RA DO MONDEGO"99
Deposito na ra aova & laja de relejaelro.
Delouche donos deste esubelecimento partecipa ao respeitavel publico que sua fa-
brica est montada com as melbores machinas que existem na Europa/ e que pode
[jr ITrj 11 l/rtin 'fabricarcom melbor perfeicao possivel. Todo o chocolate desta fabrica est garantido, e
ILI I Utl AL DE KrMl puro' ,qae n3 ^ pde encontrar naquelle que vem de fra, e que se vende por preco
baixo, visto os productos serem do paiz. Na etiqoeta tem sempre urna aguia.

a anacahuita mexicana que da o nome es-
pecial este incomparavel remedio, ama
aore, cuja madeira por muito tempo se
ha usado no Tasnpico para a cura das -en-
fermidades cima mencionadas. Foi tam-
bem ensaiada e approvada pela academia
medica de Berlim. O peitoral de Kemp
um xarope delicise inteiramenle livre de
opio, acido bydrocyanico e outros ingre-
dientes nocivos.
A' venda as drogaras de Gaors & Bar-
boza, Bravo & C. e em todos os estabeleci-
mentos pharmaceuticos do imperio.
Deposito peral em Pernamnuco ra da
Croi n.22 em casa de Caros__________
Samuel Power Johnston & Companhia
Ra da Senzala Nova n, 4.
AGBNCIA DA
Fuadico deLow Hoor.
Machinas a vapor de 4 e 6 cavados.
Moendas e meias moendas para engenho.
Taixas de ferro coado e batido para enge-
nho,
Arreios de carro para um e dons cavallos.
Relogios de ouro patente inglez.
Arados americanos.
Machinas para descarocar algodo.
Motores para ditos.
Machinas de costura.
PRECO.
Meia libra......... 400
Urna libra. ....".... 800
Urna arroba........ 19,5000
Na mesma fabrica acaba de se montar ama oficina com serrara a vapor para
obras de marcineiria propria para edificio, para o que encarreg i-se de fazer portas, ja-
dellas, assoalhos (parqu francez como se osa na Europa,) e armagoes, ludo com brevi-
nade e perfeic5o. Toma-se qoalquer eucommenda para fra da cidade, entregando-se
prompta a collar-se no logar.

COEIiHO <* FREITAS
Ra da Cruz n. 16.
m
H DEPOSITO DE CALCADO 5
m FABRICADO NA CASA DE DETENCAO JH
X Ra \ova n. I. gg
Ah se encontrarlo obras Je di- mt
versas qualidades, e por preco mui *
diminutos, a retalho e em porcoes. Wk
\ So se vende a dinheiro.
S. Antonio.
A apreciada e mui procurada tresena do glorio-
so S. Antonio, acha-se a venda na ra do Iperador
u. lo defronte de S. Francisco.
Na praca da Independenca"n733rio)a"de
cnrives, compra-se ouro, prata, e pedras preciosas,
e lambem se fai qualquer obra de encoromenda, e
todo e aualquer concert.
Offerece-se ama ama para casa de homem
solteiro on que teDha pouca familia : quem as qui-
er drtja se a ra Augusta n. 17.
o P2orl~de Cereja,
DO DB. AYER,
T.VRA A CERA RADICAL E CER-
TA de todas eb molestias do peito
e da garganta, tosses, conetlpaces,
Brondiite, asma, defluxos, roqui-
do, Coqueluche, angina, Diptlieria.
Este xarope peitoral i o resul-
tado de longos annos de estudo
por um do primaros mdicos da
Amrica do Norte, e de experi-
encias minuciosas nos principaes
hospitacs do mundo; reccitado pelos mdicos mais distlnctos
tiente .-culo na snn clnica particular, portanto 6 digno de toda
conflanca, 1, por ser eficaz, alcaocando com urna certeza infal-
ivel o .isscnto da molestia c arrancando Ihe as ralzes, assm
lando aos orgaos afectados urna aceo natural e s: 2, por
ser innocente e applicaval a qualquer peisoa de qualquer idade
ou sexo, ao homem robusto ou enanca da mais tenra Idade,
cada fiasco sendo accompanhado de dlrrecfes minuciosas:
8a, e ultimo, por nio ler um remedio secreto, pols qualquer med-
ico ou pharniaceutico pode obter a formula da sua composicao,
irigindo-se pessoalmente ou por carta ao agente gem, H. M.
.\se, a ra Dirclta So. 15, Rio de Janeiro.
Muitos casos que tinho zombado de todos os recursos
da scicnciu. tern sido curados radicalmente com o uso do
Peitoral de Cereja.
As pessoas atacadas de tosse, defluxos, Dr da garganta,
Bronchite, asma, etc., e outros symptomas da tsica prima-
ria feralmente fazem pouco caso do sen padecimento at
que seja tarde para cura-Io. Nao descuidis d' urna tosse
porque agora parece de pouca importancia; urna tosse
descuidada chega a ser chronica c indnz a formaco de
Tubrculos nos pululos.
Nenhuma casa de familia (leve estar sem um frasco
dste xarope mo ; pois nos ataques repentinos de
Anilina, de Croup, e hos paroxismos do Coqueluche; ou
tosse compritla a que esto sujeitas as crianfas, nao ha
teropo de chamar um medico, nem de fazer remedios, e
este xarope alivia inmediatamente e pe o filho querido
sao e salvo, fra de pergo.
As molestias que esto ao alcance das virtudes curativa
lio rjEITOBJLL DE CEREJA Sao
Defluxos, Toases, Asma, Esquinencia, Bronohits,
Coqueluche, Tosse faria ou convulsiva.
Eoquidio, Todas aa molestias do peito
garganta, Consumpcio do* Pul-
moes ou Tisiea pulmonar.
Acha-se em todas as Boticas e Drogaras do Imperio.
Continua a haver diariamente um sortimento de pastis, podios, bolos inglezes,
empadas etc., etc. Os donos deste estabelecimento, acbam-se as melbores condices
de poder satisfazer encommendas concernentes sua arle, em consequencia do socio
Freitas ter sido administrador chefe de algumas das principaes fabricas na corte, sendo
urna a do Sr. Jo3o Goncalves GuimarSes (confeitaria do Le5o) antiga casa de Carceller.
Todos os trabalbos sao differentes dos que se fazem em casas particulares.
Os proprietarios deste estabelecimento nao se tem poupado a despezas, nem se
pouparSo, se houver concorrencia como esperam; tendo continuadamente bomlsorti-
mento de doces para cha; presuntos e ditos em fiambre, tambem se recebem para se-
rem preparados ; assim como doce de caj novo superior, secco e crystalisado, dito em
calda em latas hermticamente fechadas, podendo dorar annos em perfeito estado.
Para jantares e partidas recebem-se encommendas dos seguintes objectos; ban-
deijas ricamente enfeitadas sem armacSo pecas de amendoas (nogaces), ditas de tmaras
de ovos, pSes de l enfeitados com disticos anlogos a qualquer fim; ditos montados,
kechs simples e enfeitados com fructas ingleza; gatheaux de la reine, ditos de le d-
chese, tortas de fructa, massa folhada; ditas de peixe e carne; cremes e doces de ovos
de differentes especies.
Tambem tem um completo sortimento de vinhos engarrafados, comosejam: vinho
do Porto superior, Figueira, Madeira, Lisboa, Cberez, Bordeaux, Champagne fino, ser-
veja, licores, charopes e conservas. Para festas: bonitas caixinhas com amendoas, con-
feitos e mais enfeites. Muitos destes objectos mencionados podem-se perfeitamente ac-
ondicionar tanto para a provincia, como para fra.
: fc u FIGURAS
Acabam de receber bonitas figuras para bandejas de doces, sendo grupos para
baptisado, casamento, annos, ditta a phantasia, bonitos enfeites para bollos e circular pra-
tos de doces finos, todo por precos razoaveis.
Vende-se licores em duzia muito em conta.
Companhias geral hespankola de seguros mutuos
sobre a yida
AUTOBISADA PELft REAL. DECRETO DE 21 DE DEZEMBRO DE 1859
l ni iaoc en diiheir, depositado eas cofres da astado, garante a boa ad-
minisfraco da conaaikia.
ANQUE1ROB DA COMPANH1A*
Banco de Hespanka
UVi.
fc
I
os
DIRECgO GERAL
Madrid: Rita do Prado n. i
. Esucompanhia liga pelo systems mutuo todas as cmbinafSes de supervivencia dos seg
^^Nella poda se faier a subscrtpso de maneira qne em nenhum caso raesaia,ior morte do
efartaq se perca o capital nem os juros correspondentes ates.
Sao tao suprebendentes os resoltados que produzem as sociedades da ndole d*A NACIO-
j^~~que1.a'Dda me8mo timlnuindo runa terca parte do mterese produiido em recentes lqnida-
coea ecombinaodo-o com a mortatidacle da tabella de Depareieax que adoptada pela companhia
par seus clculos e liquidares, em segurados de idade de 3 ai9 annos, urna imposicao annua.
oe iOO prodnf em effectivo metlico:
No fim de 5 anuos. ... 1:1194300
r~ de 10........3:942*600
A de 15 .......il:O8#J0O
' dt:S0 .......30:eW00
-..-.. de 25 .......80:331*000
was dades menores Je 3 amos e maiores de 30, os productos sao mais consideraveis.
Prospgct* e mais uNkmajMl sero prestadas pelo sub-director nesta provincia.
Joaqnim Fiuza de Oliveira^ ruadaCadeia n. 52, on a Boa-Vista ra da Imperatri* n. U, estabelcl-
meto dos 8ni. Raymundo, Carlos.Leite Se Irmo.
TmTRARlT
AO GRANDE S- MAURICIO '
PKOE0 APDRFEICOA1IOI
PARA p
Tlaglr, I Impar e lastrar a vapor.
Caa de commissio de eacravos aa na do Impe-
radaf n. 4S, (erceiro andar.
Recebem-se eseravoi tanto do mato como da
praca para serem vendidos por commiisao, afflan-
ca-se o bom tratamento e seguranca pira os mes-
mos. O abairo assignado nao ponpa esforcos afim
de os vender com promptido, nesu mesma casa
ha sempre para vender escratos de ambos os sexos
Antonio Jos V. de Soma '
Aluga-se na Upnoga porto do Lasserre ama
casa terrea com soto, tendo 8 quartos, copiar
cosinha, quartos para criados, estribara e coebei-
ra : a tratar na mesma Capunga cas*, da Sf io-
ta B, Eislerre oa na ra Imperial n. 20.
"3-:
UIRAUX, DE UILHAfiAR & ILJ
bbarie mmm
RA DO CRE#0 | 9.
Lhros nacionaes e estrangeiros
Religiio, itreito, litteratura, etc.
\t,'*taei 1 j
Papelaria, objectos para eseriptorio.l
Papis pintados para forrar casas, j
Assignaturas para os jornaes da Eu-3
ropa.
F. A. SALINGR
29 Kua 7 de setembro 29
Defroate da roa aova do Ouvidor (Rio de Janeiro)
Os proprietarios dest estabelecimento, o primeiro no sea genero no Brasil, por
trabalhar com as machinas mais aperfeicoadw para Ungir elastrar, de que se faz uso na'
Europa, eajudados poralgunsdos melhores officiaes de Paris e Ly3o, podem assegu-
rar seos freguezes urna perfei;3o no trabalho, a qual sen5o pde chegar pelos proces-
808 ordinajios. .
Tingem, lavam, limpam e deraofam com a mai r perfeicSo e brevidade qualquer
qualidade de fazendas, tiram nodoas e limpam secco sem molliar as sedas e as vestimen-
tas de senhoras e de homens.
GUES
MARTIMOS
CONTRA FOGO.
A companhia Indemnisadora, eslabeleci-
da nesta praca, toma seguros martimos so-
bre navios e seus carregamentos, e contra
fogo em edificios, mercadorias e mobilias:
na ra do Vigario n. 4, pavimento terreo.
Aluga-se urna casa e sitio na estrada do Ja-
cobina (Capunga), com terracos e canteiros ao la-
do, baoheiro, coebeira, estribarla, gallinheiro e
quartos fra, bastante fresca : a tratar na ra do
Pilar, primeiro sobrado a direita logo depois do
arsenal de marinha, 2' andar._______
Em casa de Tbeod Chrisiiaosen, ra do Tra*
piche-novo n. 16, nnico agente no norte do Brasil,
de Brandenburg frres, Bordeaux, enconira-se ef-
fectivamente deposito dos artigos seguintes:
St. Julien.
St. Pierre.
Larose.
Cbatean Loville.
Cbateau Margaux.
Grand vin Chaleau Lafitte 1858.
Cbateau Latine.
Haut Sauternes.
Cbatean Sauternes.
Cbatean Lataur Blancbe.
Chateau Yquem.
Cognac em tres qualidades.
Aieite doce. Pregos de Bordeaux.__________
Engoanna-ae
com asseio, promptido e preces razoaveis : na roa
Augusta n.5, loja.
BOA GASA
------ j
Aiuga-se na una de Bem-fica, a margem do rio,
a razo de i'> mensaes, a primeira n. 2 A :
trata-se na rna Nova n. 38.
Precisa-se alugar urna ama para casa
pouca familia; na rna da Imperatrix n. 36.
Punas Cathartca8 do Dr. Ayer
CURlo
rrizae de ventre, Indigesta*, CottsUprneao, Rheu-
tnatieme, BemmorrhuUUu, Dir de tmUe; A Xevrml-
gia, mal do ettommgt-, Enxeuuec+, nutl do Tloade,
Oaetriie, IWw tmtro-hfmHem, LomorUymi. EryHp-
ella, Bydroptla, Incremento do bmeo.
Toast as melestias que pnrm do neo ezcessiro o>
QuiuliK).
O mlhor purgante at boje cenhecido.
Estas pHuios assucaraaas sao' puramente vegitaes.
rrnaio x nutricio m xncraxo.
a Tenda todas as Botica e Drogaras do Imperio.
AOIXTt BU,
H. ai. LjUTS, Boa Direito No. 15,
JUo da Jaoairo.
Vende-se em Pernambuco:
na
#HARiyiACIE FRANCAISE
|deRMAURE:
i RA NOVA NE1
2
9| O Dr. Carollno Francisco de Lima _
tos contina a morar na rna do Impera
dor n. 17, segando andar, tendo alias set
j gabinete de consultas medicas, logo ao
I entrar, no primeiro.
O mesmo doutor, qne se tem dado ao
estudo tanto das operacSes como das mo-
lestias internas, presta-se a qualquer cna-
_ mado, quer para dentro quer para fra
m da cidade. ^
XM|aaa|k aJKa^a^aWMK ltaW
Cigarpos de 8. Paulo
De fumo de elem do Descalvado fabri-
cados pelo celebre JUCA.
________Roa do Crespo n. 9.
Arrenda se um sitio no lugar daPiran-
ga, com trras de plantar epasto, e varias
arvores de fructo; na ra do Imperador es-
criptorio: n. 12.____________-
COLLEGIOS E AULAS
PEDRAS DE AROSIA
Fafcrlca e Faber.
Pautadas, envemisadas ou simples.
A Livrarii Franceza recebeu um peque-
no sortimento destas taboas de ardosia in-
contestavelmente de qualidade superior, e
hoje geralmente adoptadas as aulas da
classica Allemanha.
_______Rna do Crespo n. 9._______
Antonio Luis de Oilveira Azevedo S Tem
para vender po seo escrlptorlo, rna da Cruz o. 1,
vinho do PorW em caixa de duzia, fio hamburgoez,
aola da Babia mpjerior
de
Pnblc^o jurldici M
DOS
lEesponsaveis nos crimes!
De Itberdade de exprimir os paisa- M
WIMOS.
Lices de direito criminal.
| PELO DI.
Braz Florentino Henriques de
Soaza,
^Lente de direito civil na Faculdade
de Direito do Recife.
I Acaba de sabir a' luz esta interessan-
I te publicacao e acha-se a' venda oa li-
j vraria Econmica a' rna do Crespo n.
2, pelo prego de 44 cada exemplar.
LOJA DA FRAGATA AMAZONAS
X. 5 tilia do Queimado n, 5.
te* Monteiro Guimaraes, proprieUrios deste joven estabelecimento, participam a
toaos os seus amigos e freguezes, que recebem de conta propria por todos os vapores
ua uropa, ricos adornos para casiimentos, e outros muitos artigos de grande mnd, o
nnie^one6SSiJt / *?* kcu,i:nh<' m"c tem nao todas as suas encommendas,
VmSSXEESZ dHaffib"r0- Paris, eLondres, tem sabido acertar com o
Dom gosto das encantadoras Pernambucanas.
novidade na'Fninnfc6-0 rC3S fi e l5 a Maria Pia' com barras coBoraa e de T cortes dSS'rtT ?T tam^ete!. apelados para as senhoras deitarem os
Uc^^^lS^^^^^0^^^1^ dilcs deesmeraldine, ditos
adicta hna?hffh.. f' *cor\a*?<>* tortc*. bons bramantes de linho, boas
SSS^aM^S eDd3S dea,80da. dtas de linho, ditas de seda a'gerienes.
(Durnus) af caioes, pompadour, transparentes para janellas com lindas paisagens etc.
e outros muitos o^ectos, que seria enfadonho menciona-Ios.
CASA DE "fSi
. 26 Pateo do Carao 26.
Neste estabelecimento t5o impor-
tante para a saude e asseio do cor-
po, acham-se montados 20 banhei-
ros, que sao servidos com a ordem
e asseio qne para desejar-se. Qua-
tro destes banheiros s2o especial-
mente reservados para senhoras e
por isto acham-se collocados em lu-
gar reservado, aonde so tem entra-
da as pessoas de urna mesma fami-
113.
PRESOS DE BANHOS AVULSOS.
1 banbo fri, momo ou de
chovisoo ....... 5oo
j dito de choque ..'.'. 1^000
1 dito de farello...... 1,5000
1 dito aromatisado 1,5000
PRECOS POR ASSIGNATURA.
30 banhos por mez fri,
momo ou dechovisco. 10^000
2o banhos com cartoes pa-
ra os mesmos ....
12 ditos ditos ditos. .
12 ditos ditos de choque.
* 12 ditos ditos de farello..
M O estabelecimento estar aberto s
50( nos dias uteis das G horas da ma- M
J7 nh5a as 10 da noite, nos dias san- m
gg tificados das 5 as 5 horas da tarde. S
naiaiajiaGiianniS
Rl i OIMPERADOR
numero 35
O padre Flix Barreto de Vasconeellos achando-
se competeutemente autorisado, abre um curso
particular de francez em sua casa.
O mesmo precisa de urna casa no centro da fre-
goezia de Santo Antcaio, que tenha acommodacSos
para 16 camas.
0 mesmo tambem precisa de urna ama forra oa
escrava que sirva para todo servido interno e ex-
terno com as devidas excepcSes.
100000
30000
100000
10000
XAROPE
PEITORAL E DULCIFICANTE
DE
siiM
Preparado por GRIMAULT & C.a pharma-
ceuticos de S. A. I. oprincipe NapoleSo.
Cura rpida das molestias seguintes:
tosse, catarrhos, pleuresa, coqueluche, an-
ginas, fortes constipacoes, irritec5es dos bro-
neheos edo peito, bronchite, phtysica pulmo-
nar, astma.pneumonia, anginas, amygdalites,
tosse chronica, rouquidao.
Os mdicos recommendam ao mesmo tem
po o uso das excellentes pastilhas peitoraes
com o suco da alface o laureiro-cerejo, que
se preparara no mesmo estebelecimento.
A venda as pharmacias de Maurer e A.
Caors,
-. Precisa-se de orna ama para casa de pouca
lmina, que faca todo servloo, prefere-se escrava :
na m de S. Jos n. 2.
^ DO DR. CHABLE
MEDICO E PROFESSOR DE PHARMACIA, DE PARS,
BAS BKFiaiHDADES SEXCAES,
PLUS DE
COPAHU
Citrato de ferro Chahlc.
Xarope mui preerivel'ao
Copahiba, e as Cube-
bas, cura aimeciatamen-
te qualquier purgacao,
relaxsclo e debilidade, e igualmente fiuxes e
flores brancas das mulheres. lajecea* de
cuabie. Esu isjeccao benigna empreg-se mes-
mo tempo do xarope de citrato de ferro, urna vez
de raanh, e urna vea de tarde dorante tres dia;
ella segura a cura.
DE
PARA O IRATAHENTO E PftMPTO CURATIVO
DN TODAS AS AFfECCOES CUTAKBAS, V1RDS E ALTERACOES DO SANGE.
DEPURATIF
du SAIVG
Depralo o de ssbsiw.
Xarope vegetal sem mer-
curio, o nico condecido
e approvado para curar
con promptido e radi-
i"!eBt* unPifc"e"*> pstulas, herpes, sarna, co-
mixes, acrimonia e alteraces viciosas do san-
gue ; virus, e qoalquer affecao venrea. Ba-
nhos mineraea. Tomo-ie dous por semana, ge-
guindo o tratamento depurativo. Panuda
^reMe. De um effeito maravilhoso as af-
| fecoes cutneas e comixoes.
Hemarrahiaas.Pomada que as cuaa em 3 dias.
Cantos e phaatasias.
Um volume in 12." impresso e en-
cadernado em Paris: em casa dos
edictores
LIVRARIA FRANCEZA
N. 9 Ra do Crespo -- N. 9.
M
m
Deposito na ra larga do Rosario botica de Bartholomeu 4 C. n. 34.
t*.
Miik
Precisa-se de ama ama escrava qne cosinbe e
engomme para casa de muito pequea familia:
na roa da Concordia n. 3i, sobrad* do armazem
do sol, paga-se bem.
Precisa-se de nm copeiro para o sorvico de
urna cau eitrangeir : a tratar na roa do Trapi-
che n. 3, prliiro andar.
Manoel Martina Rios, brasileiro adoptivo, vai
a Portnfal tratar de soa saude, e tova em sua
companhia suas duas finas maiores o nm Albo
menor, e nad* fica a dever a esta praca nem fra
delta.
ieseja-se muito fallar com os Srs. An-,
ionio Pereira da Cmara Lima (senhw
de engenho), Joo Bapsu do Reg, Fe-
liciano Rodrigues da Silva (Mr. engenter)
a nanpi0 # muresae dos mesmos : na
lobfla roa do Crespa n. 17. _
T. M
Na rna do Raigal n. a precisa-se' de orna
ama q eoilobe e eogone.__________
Chocolate de Menier.
CHOCOLATE DE SAUDE.
CHOCOLATE DE BAUNILHA
CHOCOLATE DE CITRATO DE FERRO.
CHOCOLATE LACTATO DE FERRO.
Veae-se
iVd botica e drogara
DB
BARTHOLOMEO G.
FreJertco Cbaves precisa faMar com os Srs.
A 3"Zi ~"1T~
*i"aiaii'
Tinta Inalteravel
Para escrever
de P. MUREIU C.
PERNAMBUCO
Esta tinta reoommenda-ee pela sua com-
posicao fluidez como a melhor e a mais
segura de todas as tintae at hoje conieci-
das. Nao ataca as penras de ac, d at
tres excellentes copias, mesmo muitos dias
depois de escrever, e prefervel a qual-
quer outras tintas particularmente para
livros de comxnercio, documentos eto de
que se careca longa conservaca.

Jo5o da Silva Ramos, mdico
pela universidade de <:oimbra, d
consultas em sua casa das 9' as
11 horas da manhSa, e das 4 as 6
da tarde. Visita os doentes em sua
casas regularmente as horas para
isso designadas, salvo os casos ur-
gentes, que serSo soccorridos em
qualquer occasi5o. D consultas aos
pobres que o procurarem no hos-
pital Pedro II, aonde encontrado
diariamente das 6 s 8 horas da
manhSa,
Tem sua casa de saude regular-
mente montada para receber qual-
quer doente, ainda mesmo os alie-
nados, para o que tem commodos
apropriados e nellapratica qualquer
opperacJo cirurgica.
Para a casa de sade
Primeira classe. .30000 diarios
Segunda dita___3,5500 >
Tercetra dita. ..2|JOOO >
Este estabelecimento j bem
acreditado pelos bons servicos que
tem prestado.
0 proprietario espera que elle
continu a merecer a conQanca de
ue sempre tem gozado.
1
1
1
1
I
1 *
Vende-se na livraria francezt ra do Crespo e roa Nova n. 18 de
DE
Precisa-se alugar um coiinheiro para
rapar solteirs : a tratar na roa do Queimado n.
13, andar, das JUioras as S da arde.________
- Na rna Bella n. 2J paga se Sol por urna ama
escrava para o servico de pequea familia.
Ama
Precisa-se de orna ama qne tenha bom e abun-
dante leiie para amameatar urna menina : na roa
Imperial n. 1.
Precisa-se de amasadores
Chora-menteoj.
oa padarla do
Precisa-se de urna escrava para vender fruc-
tas. pagndose JO* mensaes : quem a ti ver dln-
aj-SB af ua do Sebo n. 38, qne se dir quera pre-
de
aques sobre Rl
Janrlre
Parate Vianna & C sacara sobre o Rio de Ja-
netro e dao premio. ______
M. 55.
"^ UCT,OMJ IO IBS
apptrecido nesta
frfcsciso da Silva Machado Loe* taaoai Jato
MarUas, ifBoraadeeaa morada raga ibe se din-.
girem a n dalaapeMtrz, sobrada a. 49, -ou aa- aMlhores aartores da Earopa, -ma
anclar toas moradas. I agecoacoBBOdoiaraamvel
*- DE
J. VIGNES,
m. 55. ra mwwmmm
m piaBotdaauaaa (abriea al feaja aaste coab m vara
toa soperioridade, vaatngeas e garantas qiie oierecem tai coaapr
eis que elle* tem definitivamente eosfonaiao sobre todos os ______________________
miado un teclado e machinUmo que obeiecem todas as voatades e eaprfeboe das tfaMHaff sem
aaaca falaar, per aerem fabricados de proposito, e ter-se feito ltimamente malaorameatos Importaa-
tUtbso para o clima deste pas ; qaaou) s votes, sao melodiosas flautadas, e par isto muito agrada-
vais aos ouvidos dos aprecudores.
Faiem-se conforme as eaeommeodas, tanto nesu fabrica como na de Sr. Blondel, de Paris, socio
' ite de J. VifDas, em caja capitril foram sempre premiados em todas as exposlcCes.
lamo astabeleoimeaa se achara sempre om explendtdo e variado sorUaiento de msicas dos
---------------------' como harmnicos e pianos harmnicos, sendo todo vendido por
Aviso,
Brender a Brandis & C. mudaram sea'
escriptorio e armazem para a rna da Cruz
numero 9.
Perdeo-se um relogio deouro patele inglez,
de sabonete, a. 13*01, na praia caes do Ramos ao
p do-cisco aonde a asar bate r quem o acbon
qaerehdo reetitai-lo leven) a raa da Itaagat, toja de
louca n. 4, qoe ser reoompeasado do achado : a
adverte-se aos senbores relojoeiros que se Ihe for
oflarecido qoe o apprebendam. _______
Jle Baptisu Gomes Peana rota a seus de ve
dores qoe veabam satsfater sena dbitos do praso
de 19 dias, qoaodo nao foreaa entregar ao sea
procurador para cobrar amiga vel oa indieialmeale,
sem excepceo de pessoa alguma, pois tem serios-
compromissos e nJo pde ter mais contempiaede*.
Precisa-se alojartres moloques para traba-
lhar a'ama fabrica Be velas : a tratar aa roa da
Guian. 3.
V


|HHHHHHH|flH


'*!?''.
866.



I
&A^_______ ______
Rupi, TT ais moenrtwd r u^ir
botoes par eoletes; flveilas modernas de madreperola par cinto '. es les irlU! |$ AJtl 1II
o di ajo f^| f oarHaft d>rroa dalfrlla do-Beicife tu'60. 34 RU v 1
tBOTIJ DROGARA
Paris, umbem cruzes e
Novo e gHmde detfbsftd'd superior crvfto* de Cardiff na
Baha.
Antonio Gomes dos Santos & C, roa de Santa Barbara n. 1, estao habilitados a sopprir de
otrvlo., em condlcoes mais favoraveis que em ootro qualquer deposito, a todos os navios a vapor que
ceaxeni naquelle porta A contratar nesla com Domingos Al ves Matheus.,
Sirop du
JARABE DO FORGET.
[M1U U Este xaropa est approvado pelos mais eminentes mdicos de Pars,
lAUAUEUKomo sendo o melhor para curar conttipacoes, tosse convulsa e outris,
afleccoes do bronchios, ataques de peito, irriucoes nervosas e Insomnolencias: urna colherada
pela manha, e outra i nolte sao sufficientes, O effeito deste excelente xarope satisfaz ao mesmo
tempo o doente e o medico.
Deposito oa roa larga do Rosario, botica de Bartholomeo C. n. 34.
'
*4
FABRICA
NACIONAL
wnoz
Xarope de Guiy.
Granulos d'atropina.
Capsulas d'apiol.
Vinho de quinquina de Belline.
&
c.
45
AOS SIS. AftDilCOS
Vendem-se, as seguintesjobras $ direitQ
iso : Manuel du Drom$oman
Mckeidey, i volunte por iSrDiccio-
#e */ (Mmieux Commercial, por Mas- j fendi
1 rolume, por 5#; Elemente jftt droycaV
M tivo
CilfflLDO.
Hua Pireita~- 45
Grande loja
data-
se,
rotmm, por Majoz,
i ttktteiporfl; Et
prit de la jurisprudente des suecetsioQS,
porConflans, I volme, por t; Codepra-
Pastiihas degestivas de pepsina Wasmaat.'we des fatllites, por Geoffroy, 1 -lime,
por 35; : na ra do Crespo n. 4, -faBrioa
de chapeos de sol.
Granulos de Bismuto de Chevrier.
Licor e pilulas deLaville.
InjectfSo Feaugs.
Xarope verdadeiro de Botigny.
Granulos d'Ergotina de Bongean.
Capsulas e injeccao ao raa tico.
Xarope bypophosfito de cal e soda. |
Elixir anli-asthmatico de Guilli.
Csnfeitos de cubebina de Lalelonije.
Eixir de citro-lactato de ferro do Dr.
Thermes. ^
InjeccSo Brou.
Esseocias superflnas de Ilermam, Piver e;
Chardrin HadaDCOUl. A loja Esperanca na roa do Queimado n. 33 A,
Granulos de Digitalina. | receben estas cintas, que orna cousa indispensa-
Vinho de quina ferrugino-o de Moitier. vel a qualquer senhora ; consiste sna ulllidade em
Xarope de Iodureto de ferro de Blancard. ***%? 1T0B*d" a sa'> Pr mei0 c?rd5es'
em cujas extremidades estao presos eolebetes que
Algodao avriiido
A pre^o de t# cada peea.
N 27 Ra do Queimado N. 27.
Atteaeio.;
Vende se urna parda de meia idade, de ptima
conducta, sem vicios era achaque, sabe lavar,
engommar e cpsiubar com perfeico, na raa da
Imperatriz n. 28, 1 andar.
CINTAS MaRQUZ
DE
VI lutos
...
ILUDE
Estabelecimento na ra da Unio n. 11
PROPRIETARie MAML LOMBOS.
No deposito, roa -o Carmo o. 63, existe ura grande sortimento de vidros e crystaes, qne se
vendem por pregas mais baratos do qne em qualquer parte : frascos de 1 at 8 libras, bocea larga e
bocea estreita ; copos de 6 cortes, de meia oitava at meio qnartilbo^ ditos de 40 cortes, detrs. 1 e 2;
globo para IampeSes de kerosene, lavrados, lapidados e'uscados; drtos para candleiro de faz ; lam-
peos de kerosene grandes e pequeos, laroparinas de metal ; vases para cenfeitaria com p e sem
elle,-grandes e peqeeoos; cha mines para lampees de kerosene de todas as dtmensoes; compoieiras
moldadas de cortes largos, escarradelras-de cures para salo, ditas de mSo coa aza, pequeas ; vento-
sas e bicheiros, caHxes moldados, copos usos para agna e vinho, pratos moldados, redomas, garrafas
para vinho e agua, grandes e pequeas, ditas para Leroy, ditas tpara licores, ditas para loas, ditas
para agua de Colonia, ps para panos, ferancos e de cores ; tobos para macMoas a vapor, de crystal;
globos com guarnido de metal amarelk?, motegoeiras de vidro, vidros avolsos para galheteiros lapi-
dados, vidros para lampadas de igreja, galbeus para missa, ditas para galheteiros, mangas para cas-
ticaes lisas, lvradas e lapidadas-, lampeoees de parede para kerosene, ditos de pendurar, copos gra-
duados de 1 ate'16 on;as para ptoarmacia, garaatindo-se a exaotidao da medida ; vidros para peixes
com p e sem elle, acncenas para cast^aes, chamins para IampeSes de azeite, ditas de cores para illu-
minacSes, vipres para agoa forte rom rol ha. Compram-SH vidros e crystaes quebrados.
O depoilc-desta fabrica em Pernambnco na roa da Imperatriz n. 19, onde existe constante-
mente chamins para candleiro agac de os. 2 e 3 a 320 rs. e de n. '1 a 409 rs., iampartnas completas
a 25, lai.ipees completos a 7$ e $$, escarradelras de cores a 25800 o par, pratos para copos d'agna o
500 rs., copos de dez cortes a 600 rs., globos lapidados e lavrados para candleiros a gti a 15800. proprietario deste novo estabelscimetito convida ao respeitavel|pablico para que visitem o mesmo, cer-
tos de quecomprarap os arligos indispensaveis a ama casa He familia pela sna baratera e ntilidade,
principalmente aos Srs. pbarmaceuticos pela grande qoantiSade de frascos e vidros proprios de phar-
macia. Tambem recebe encommendas. O eocerregado do proprietario oo Luiz Eaeretmaz.
Agoa das caldas da Rainha.
Xarope de tndacio de Abbsdie.
Confeitos de lactato de ferro de Gelis &
Conte.
Ferro de Quevene.
Rob de Laffecteur.
Perolas de ether.
Xarope antigotioso deBoube.
Ole de flgado de bacalho desinfectado de
Chevrier.
Agua dentjfica de quinina.
Perolas de assafelida.
Oleo de figado de bacalho ferruginoso d
Che\Tir.
Xarope de digitales de Labdlony.
Ole iodado de persone.
Xarope de oudeina de Berth^.
Emais as prlncipaes drogas, productos,
especialidades pliarraaceuticas e chimicas
dos principaes paizes da Europa.
lusa nimica ansMA:
Companhia fidelidade de segaros jp
martimos e terrestres
estabeiecida no ;Rio de Janeiro; __
AGENTES EM PERNAMBCO
Antoie Loiz de Otiveira Azewda & C,
competentemente autorisados pela direc-
tora da companhia de seguros -Fidelida-
de, toaam segaros de navios, mercadu-
ras e predios no-sea escriptorio raa da
Croa n. i.
DE
FAZENDA E ROPA FEITA
IOTA WOVA ]. 9*.
Rege & Moora, proprietario. da loja de fazendas e roepa feita, sita i rua*va
n. 24, verdadeiramente penhorados e reconhecidos para com seos amigos.efreguezbs,
pela aceilacao e confianza ^ue delles teai merecido no curto spaco de tempo em qu
se acham establecidos e perfeitamente escodados na sinceridado dos seus tratos, deca-
ram para sciencia daquees qu o quizerem honrar com seus- officios, que,, em vista da
grande concurrencia que tem merecido oseu estabelecimento, especialmente no que
relativo a roupa feita; acabam de admittir para a sua officina de alfaiate maior numero
de artistas, inclusive o seo contramestre, dirigido pelo hbil .tneslre Lauriaoo Jos de
Barros, o qual b5o se poupa a exforcos para satisfazer com a presteza possivel qualquer
obra de encommenda.
Os mesmos annunciam aos seus fceguezes que acabam 4e comprar ua novo e
muito variado sortimento de fazendas finas e de bom gosto, proprias para oempo da
quaresma, as quaes estao dispostos a vender por precos muito commodos e mais barato
que em outra qualquer parte.
Como sempre escusamos essa enfadonha prolixidade dos annuncios (bombsti-
cos ; preferimos mostrar na siogeleza deste nosso convite os bonsedesejos que .Butrimos
.para bem servirmos queiles que vierem ao nosso reclamo.
se prendem aguardapisa do vestido : vndese por
255QO cada cinta ; di-se amostra com penbor.
. Salitre refinado
Vende se a dinbeiro 750O0 a arroba no escrip-
torio de A. J. Moreira Dias roa da Croi n. 30.
Luvas de pellica pretas e ou
tras cores.
Chegaram para a loja de miudezas a roa do
(Jueimado n. 16.
tmazm da Arara raa
perairlzn. 56.
DE -
Lonrenco P. lendes Gairaars.
0 proprieirlo desttestabelecimento recabeu pe-
le ultimo vagrWe Europa dive'rsa qual!des de
fazendas parlcveslidos de senhora.
Sedas de cores a 1)>500 o covado.
i Vende-fe awlasde efires para vestido d fenbw
__|taady patascante, OU Uitta raa I5o00 o^eid, ISaMnhas de lindos-gosios a
botina acaleanhada em pequenino p de en- M?i.3Le *gj- o eovado. Roa da imperatriz lo-
13 M3q^deriaanpat vestidos a 4C0
o covado,
A primeira condicae indispensavel con-
servac3o da sade trazer os ps bem d-
os ataques da bumidade,
guw ftf nico preserva-
enfermidades a qne est so-
u. Um chiBelo vItfo ca-
jeito o aos
cado por
lcanhada em pequeni
aecusar que-
bradeira horripilante, prova contra asf.cul-,
dades intellectuaes dos calcantes, e nao ha, VDd melodj.
qtiem, tenao bom senso, queira passar por q0es toda de lia paia vestidos a 400 rs. o covado,
de surrSo : ergo, cor- cbas.lnas a 320 e 400 fs. g covado. Roa da lm-
maluco, ou pobre
ram a:
4*RA DIRE1TA4*.
e attendam a' barateza.
Homens.
Borzeguins barcellonezes de lus-
tre e de porco ."**
Ditos de Bordea .
Ditos parisienses de bezerro e
cordavao .......
Sapatoi de lona, sola de borra-
cha.....; .
Ditos aveludados.....
Ditos de tranca bons ,
SenhoM
Borzeguins enfeitados. 5)5000
Ditos de laco...... 40800
Ditos lisos 41500
Sapatos de borracha .... i 600
Selleiros, corrieiros e segeiros 1
Sola de lustre, meios grandes 20^000
E um completo sortimento de calcado fa-
bricado no paiz.
2,5000
1,5600
1^600
Arrendamento
Farinha.
No armatem de Vicente Ferrelra da Costa &
Filbo junto ao arco da Conceicio, vende-se supe-
rior farinha de mandioca ltimamente chegada,
em saceos de tres a'queires oa cinco arrobas de
peso, pelo baratlssimo prego de 6 o sacco.
Oevadinha de Franca
a 160 rs. a libra, e de 8 libras para cima a 120
rs.: no armazem da Liga, roa Nova n. 60. ____
ira.
Attenc\o
Vende-se o sobrado da roa Augusta n. 74
ta-se no largo do Carmo n. 18, 2 andar.
(= Vende-se ama armacao envidracada, propria
para loja de miudezas oo calcados, na raa Direita
n. 56 : qaem a pretender dinja-se a mesma qae
chara com quem tratar.____________________
Na roa das Aguas Verdes n. 6, vende-se ama
eserava moga com moa-cria."_________________
Vndese, arrenda-se ou permuia-se o enge-
nbo Pindobinba, oa freguezia de. Ipojnca, moeute
e corrente, e de anlmaes, com sufficientes trras
para totas as plantaoees, e at para a do algodao ;
faz-se todo negocio, com tanto que se pague ama
divida que o mesmo engenbo deve : a fallar com
Manoel da Costa Albuqaerque no mesmo engenho,
ou na praca com Jos P. da Cnnha A Filbos.
O desembargador Doria airenda e tam-
bem vende a sua chcara no Manguinho.bem
como vende duas parelhas de muas, tres
carros sendo urna victoria, um coup eum!
cabrioiet coberto.lres vaccas de leite sen- udos de boas trras pari todas
do duas paridas, -dous bois de carroca
Aspas fortes para boloes.
Na roa do Queimado loja de miudezas n. 16, ven-
de-se aspas de ago fortes, e de differentes larguras
para baldes.
Bonitos quadros para retratos.
Vendem-se na ra do Queimado loja de miude-
zas n. 16, bonitos qoadros con mordura preta e
dourada, todos por pregos rasoaveis.
Garrafas brancas
e de cores com superior agoa da colonia.
Vendem-se na ra do Queimado, toja de miude-
zas n. 16.
Novo gosto
Pentes, frvellas, e brincos de feligrana.
A amiga e bem conhecida loja n. 16 na ra do
Queimado, receben nm sortimento de diversos ob-
jectos de novo e bom gosto, sendo pentes brancos e
dourados de moldes enteiramente novos e mu a-
Sradaveis, tendo entre elies alguns de filigrana obra
e muito gosto e delcil execnco, e bem assrm li-
vellas e brincos as mesmas circunstancias.
Tambem receben alguns cintos o que de mais
moderno e bonito, se pode encontrar em tal genero.
Alm disso encontrarao os pretendentes um com-
pleto sortimento de flveilas de madreperola, chris-
tal, tartaruga, e dourados, brincos de christal, e
jaspe, vollas e cruzes de dito e muitos outros objec-
tos de gosto, os quaes conlinua-se a vender commo-
damente.
Penentes de madreperola, e enfeites filets
Vndese, arrenda-se ou permuta-se o enge-1 A loja de miudezas na roa do Queimado n. 16,
nho Todos os Santos, na freguezia de Ipojuca, receben bonitos pentes com chapa de madreperola,
I moente e corrente, de agua, com formidavels par-1 e novos enfeites Qlets ornados de lantejoilas dou-
tidos de boas trras para todas as plantacSes e at radas, moedinhas, aljofares, vidrilhos etc., tendo
e' para a do algodo por serem de muito boa produc- grandes para toda cabeca e pequeos para coque
' peratriz loja do.Arara o. 56.
I Arara vende susim para vestido a 240.
Vende se nova f-zeoda susim para vestide de
' senhora e roupa de meninos a 240 rs. o covado,
! duas a 160, 200 e 240 rs. o covado. Rna da Im-
i peratriz loja do Arar n. 66.
6#000 Tarlalana de 13a para vestidos a 240.
7,5000' Vendt-se tarlatana de laa para vestidos de se-
. nhora a 240 rs. o covado, fil de llnbo a 160 o co-
. vado, cortes de chita a 2000. So no Arara, roa
8,5000 da imperatrii o. 56.
L5a a traviata a 320 rs. o covado.
Vende-se nova lia a traviata para vestidos de
senhora a 320 rs. o covado, s no Arara todas es-
tas fazendas novas vindas pelo ultimo vapor da
Eorcpa. S6 na loja e armazem da Arara, ruada
Imperatriz n. 56.
Arara vende cobertores a 1,5500.
Vende-se cobertores de pellos a 1,5500, ditos sem
pelo I 000, cobertas de lista 21000. coberlas de
damasco 41000, cobertas de fusto a 5(000. Roa
daflmperairiz n. 56.
Llasinhas do Arara a 200 rs. o covado.
Vende se lasjnhas para vestido a 200,240,320,
400 e 500 rs. o covado, colarinbos para bomem a
5X0 rs. a duzla. Ra da Imperatriz loja do Arara
o. 56.
Arara vende as cassas a 240 rs. o covado.
Vndese cassas francezas finas a 240, 280, 320
e 400 rs. o covado. peas de rambrala de forro a
2*000, duas finas a 3*000, 4*000 5*000 e 6*C00.
Ra da Imperatriz loja do Arara n. 56.
Chitas a 160 e 200 rs. o covado.
Vende-e chitas escuras e claras a 160, 2C0 e
240 c covado, ditas francezas finas a 280, 320, 400
e 500 rs. o covado, percales matisadas esenras a
500 r?. o covado, s se vende assim barato o Ara-
ra. So na loja e armazem do Arara, ra da ni-
Novdade no Arara.
Algodao a 35*
Vende se pega de algodo encorpado a 3$. 43,
e 6* a dita e 8* e 7*. Ra da Imperatriz loja do
Arara n. 56.
Arara vende madapolo enfestado a3*00.
' Vende-se pefas de madapolo enfestado a350O,
4* e 4*500 ditas de 4 jardas a 4*, 5*, 6*, 8* e
10*, roa da Imperatriz loja do Arara n. 56,
peratriz n.
todos-os trastes e'-utensilios das casas echa-19*; '-se'todo negocio com unto que se pague
cara : auem pretender pode ir examinar e uma d,vlda a I06,0",0 eeeno sta obngado : a
b*------" ("~ > u~uu*nn ^ fa|| jtnm Anlnnin rta lincha \ inri nn mosr
enteoder-se como desarabargador'ou -com
o Sr. 'Jos dos
Crespo n. 19.
Santos Neves, na ra do
Piecisa-sede uma ama forra on captiva-que
engomme e cosa para casa de piuca familia: a
fallar na ra do Cabog loja de miudezas a. 1 B
ou na rna da Cruz armazem n. 34.
Ensebio Rapbael Rauello pelo presenta
convida a todas as.pessoas de sua amisade
para assistirem a uma missa que manda re-
zar na matriz d-Santo Antonio no dia 25 do
correte pelas 8 horas da maobaa em com-
memorago anoiverearia do faileeimento de
sua sobrinha D. Julia Amelia iibi-iro fitoa
desea eunbado Joaquim Ignacio Ribeiro J-
nior e*ua Irma Thereza Marta Ribeiro.
MACHINAS AMERICANAS
'erdadefras do fabrieaaie jH. \\ Cnttongln & C.
Moinhos aaericaoos para moer Jiiilho.
Na ra Nova n. 20 e 22, grande deposito
das verdadeiras machinas americanas de-todos
os fctbrjeantes; se encontra neste deposito
grande poflgfio de machinas, e se vendem por
menos preeo do que em outra a^aalquer parte,
por se receber em direitura da America; se
fornece todas as expicaces necessarias ao
comprador para conservado das mesmas;
neate grande estabelecimento se enoontra mui-
tos artigos americanos, que muito deve agra-
dar aos agricultores que ueam de taee artigos,
encontra-se tambem todas as collecces de de-
senhos sobre os quaes se aceita qualquer uma
encommenda, que eom promptido ser ejecu-
tada ; neste grande estabelecimento, encon-
tra-se em grosso e a retalbo, grande por cao
de ferragens, e miudezas que se vendem por preco commodo, pediadO'se a attenco
de todos para este estabelecimento que muito lucrar o em fazer suas compras: na
ra Nova o. 20 Carnero -Vianna.
Preeisa-se de um meoino para caixeiro ao
da que nao tenha pra tica para (abarna : na raa
do Alecrta a. 2.
T teatro
Porque razo nao sobe scena o muito applau-
d:co drama--Correio de Leao: isto deeeja saber
____________O se,rtanejo.
_ Preqisa-se.de trabalbadores com as iabilita-
eoee.necessariac^para padaria : na ruada Rosario
largio. 16. ______________
Caixeiro
Na fabrica de bolachas a vapor da ra Direita; 'omeo g
o. 81,-precisarse de um caixeiro que certifique a
sua conducta. ____________
Fiyrio no dia 21 do correle, o calato por
nome Vicente, 16 annos de idade, levoo vestido ca-
misa branca e calca azul,fcil de coneecor por estar
muilo amarelio, ero mao de soffrer inflaraagao no
figado, tem os eigos rossos, ps inenador, tem um
ar meio espantado, provavel andar mesmo nesta
praca ; quem o pegar e levar na rna das Nlnpbas
oo Caminbo Novo n. 1 A, sera' bem recompensado;
Vende-se fariaha de mandioca e .
i>njr : na ra de Apollo, armazera n. 36.
FARINHA BARATA.
IgOOtt eom sacco
Saceos grandes de boa farinha ao reduzido prego
de 4* : na ra da Cadeia n. 57.
(hieijos
Vende-se na roa Direita n. 99 que i jos do reino
altimamentechegados pelo vapor, de 1*800 a 2*
cada um.______________________
Armacao
Vende-se uma armago muito propria para cal-
cado, sita na loja da travessa da ra das Cruzes
n. 12, e aluga-se a mesma loja : a tratar na ra |
larga do Rosario n. 21, fabrica de cigarros.
Vende-se um bom escravo de .meia idade : |
x tratar na ra do Destino o. 14
Precisa-se de ama mufcer forra de meia ida-
de que se queira prestar ser ama e fazer com-
panhia a orna senhora j a tratar na roa do (Quei-
mado n. 69.
COMPRAS
XAROPE
DE
HYPOrHOSPIITO DE GAL
DE
GRIMAULTAC.
PharmaeeQtico de S. A. I. o principe Na-
poleo em Pari.
Desde muitos seculos os mdicos e os
cbimicos tinham procurado um medicamen-
to que podesse curar as molestias do peito,
todas as pd^uizas feitas at boje nao ti-
nham tido nenhum resultado.
Porm os trabalbos que foram communi-
cados ltimamente academia de medicina
de Paris e as mais serias expenen ias feitas
no hospital Bromptos de Londres, que es-
pecialmente reservado para o tratamento da
tsica, provaram que essa terrivel molestia,
quando ella nao estava anda no seu nltimo
grao, tinha do xarope de hypopbosphito de
cal um especifico poderoso.
As tosses, definios, catarrhos, bronchi-
tis, grippa, coquetache, cedem tambem r-
pidamente ao uso deste xarope, e os asthma-
ticos acham nelle um elemento certo para
curarem-se. lecommendam-se aos doents
de fazer em oto 3ae mesmo lempo das delicio-
sas pastiihas peitorae* do suco de anace de
louro cereja, dos senheres Grimault di G.
Esta excellente preparacSo le compoe de
doas substancias as mais calmantes e ao mes-
mo tempo as mais inoffensivas da materia
medica, e nao contera opio.
Deposito naspbananM deP.Maurer 4
C e A. Caors, em Peroambuco.
...i.
Precisa-se de ama ama para eeembar e com-
prar : na lirraria da roa do Crespo n. 9.
na noite de 29 de abril prximo passado, do enge-
nbo Done Bracos de Cima propriedade do abaixo
asstgnado, um cavallo azalao castrado, com dinas
e canda da mesma cor, tendo orna lista branca da
testa al ao beico superior, pe esqoerdo e mo di-
reita branca at os trovadores, bemfeito de eorpo
e pescoco, novo, gordo e bom andador de baixo a
meio, sendo o baixo nm pouco spero : di-se 50
a quem levar ao dito engenho oa delle der noticia
certa.
Manoel Rodrigues da Silva Camera.
Os senhora
Antonio Per eir da Cmara Lima e
Feliciano Rodrigues da.Silva (fjr.
engenher) tenham a bondade
dirigireaa-se loja da ra de Cres-
po n. 17, a negocio de seus inte-
resses.
Compram-se
Guia n. 9,
latas vacias de gac ; oa roa da
Compra-se ouro, prata e podras preciosa
em obras velbas : na roa da Cadeia do Recife
cja de oarfaes no arco da Coeeeicao.
Compra-se
ama eserava qee seja boa figura e qne siba bem
Dgommar, nao exeedendo de 23 annos de idade,
e paga-se bem : no escriptorio de Vicente *Ferrei-
ra da Costa de Filho, roa da Senzala n. 138, on em
sea armazem jonto ao arco da Conceico._______
Compra-se uma secretaria de Jacaranda
mogno, oa de amarello, na roa Nova n. 7._______
Ouro e prata.
Em obras velbas : compra-se na praca da ln
dependenclo n. 22. loja de blibetes.
regalando os precos de 2* a 4*000 rs.
B i ni tas caixinhas
com arranjos dourados para costura, tendo cem
engenho, oa com Jos P. da Conba & Filhos nesta msicas e sem ellas. Vendem-se na ra do Quei-
praea. mado loja de miudezas n. 16.
Panno de algodo da Babia, proprio para' Trancas pretas
sacces de assncar e roupa de escravo*-; tem para', com vidrilhos, e bicos com ditos e sem elles para
vender Antonio Luiz de Oliveira Azevedo & C, no enfeites oo vestidos. .
sea enripiarla raa da Cruz n. 1. Na rna do Queimado n. 16 loja de miudezas a-
cbarao os pretendentes um bello sortimento dos
objectos cima dilos, cascarrilhas, franjas etc. etc
e tudo est sendo vendido por precos comm-odos.
Botoes pretos
de vidro enfeitadoa d'afo.
A loja de miudezas n. 16 roa do Queimado
vende mui bonitos botSes pretos de vidro com en-
feites de ac, os quaes muito se uzam para enfeitar
vestidos, quem os pretender pode dirigir-se a dita
loja n. 16 a ra do Queimado.
vendem-se na loja de miudezas
ama do Queimado n. 16.
Bonitos leques de sndalo e outras qualidades.
Bonitos cintos com flveilas de diversas qualida-
des e moldes.
Brincos e cruzes de crystal.
Abotoaduras de dito para Toletes.
iioDitos porl-relogios.
Delicaoas caixas com msica e sem ella, para
costura.
Agulnas e linhas para cbrocbel.
Retroz superior em carriteis.
Reodas pretas e bicos com vidrilhos.
Fitas de velludo com listras de cores para en-
feites de gorros e vestidos.
Ditas de grosdeoapoles, lisas e lvradas, brancas
e'.matisadas.
Para Ungir cabellos,
Hoild Walter.
Vende-se na ra do Qneimado, loja miudezas
n. 16.
Ghremaeo-me
Para tingir cabellos.
Vende-se na loja de miudezas, a ra do Que-
mado n. 16.
Tintura de L. Marques
Qara fazer os cabellos pretos.
Vende-se na ra do Queimado, a loja de miu-
dezas n. 16.
issangas miadas, aljofares imitando
ac e vidrilhos de cores
para enfeites de vestidos; vende se tudo isso por
precos razoaves na 'ua do Queimado n.l oja 16,
de miudezas.
gRIIOl PiiMjt.
Oa chales do Pari a 6 7,5 e 85.
Vendem-se ricos chales pretos de reoda muito
grandes com quatro pona?, sendo os mais moder-
no por terem ehegado pelo nltimo vapor francez,
e vendem-se pelo baratissiOio preco de 6*, 7* e
8* : na loja do Pavao, ra da Imperatriz n. 60, de
Sama & Silva.
E' baratissimo!
E' baratissimo!
E' baratissimo!
Neste importante estabelecimento encontra o res-
peilavel publico um variado sortimento de fazen-
das francezas, inglezas esuissas, eas quaes se ven-
derao por preco commedo a saber :
Chales de renda preta a 5^500.
Vende-se nm sortimento de cbales de renda pre-
ta a 5*o00 e 6*, ditos de seda a 12*, 14* e 10-3 ;
isto na ra da Imperatriz n. 72 de Guimares & 'r-
mo.
Retonds pretas a 8$.
Vende-se retondas pretas pelo barato prefo de
i, 85500 e 9*; na ra da Imperatriz n. 72, luja
de Guimares & lrmo.
Grande pe&incha a 26 o corle.
Vende-se cortes de casemlra da China a 2*000,
2*500,2*800 e 3*, ditas de brim a 1*280,1* .oo.
1*600, 1*800 e 2*.
E' muito barato, tarlatana de cores a 240
rs. o covado.
Vende-se um grande sortimento de tarlatana de
cores muito proprias para vestido, fazenda mais
moderna que tem vlndo ao mercado a 240 o ova-
do e 280, ditas mais finas a 300 e 320, laasnhas
escocezas muilo modernas a 360 e 400 rs. o cova-
do, ditas muilo finas 460 e 500
Cobertores de algodao ;. 800.
Vende-se cobertores de algodo a 80.0 rs. dte?
memores a 1*600 e 1*800, cobertas e rbt:a a ;;
2*uO0 e 3.
Quem duvidar venha ver.
Cambraia de eores a 240 rs. o covado dita fina a
280 e 320 chitas finas a 280, 300, 320, 360 e 400
rs., ditas percalas a 400 e 500.
Est se acabando chitas a 160 rs. o covado
Vende-se chilas a 160, 180 e 200 rs. o covado,
riscadinhos'?JCf^zea a 240 e 280 rs. o eovado, ro
raseos 4e bocea
lwga com ffolhas de vidro de i a 15
libras.
Vende-se
na raa larga do Rosario n. 34, botica de Bartbo-
os Srs. fogieteiros.
Xa drogara da rna larga do Ro-
sarlo o. 84
DE
BARTHOLOMEO
Vende-se
Liraalha de ierro. *
Dita de ac.
Bita de dito de beso.
Salitre refinado de 1' qnalidade-
& c.
compram-se na praca da
Furto
Na noite d 29 de abril prximo passado torta-
ram do eoganbo Don* Bracos da cima, pronrieda-
de do aoarxo ut%aa4o, am eavaNo sm os sigues
iUniql : alasio, aotradto, oa a dina cauda
corta e da mesma cor, orna llstra branca da Mata
at em cima do beigo superior, o pe esquerdo e a
mo direita brancos at os travadores, aovo o gor-
do, bem feito do corpo e peseoco, bom andador de
baixo at meio, o andar baixo um tanto spero,
tea sgnal em baixo, oa pouco espantado.
D-se SO* de gratifleafio a quem o tronxer neste
engenbo oa delta der noticia cerls
Manoel Rodrigues da Silva Cmara.
Libras slerlinas
Independencia n. 22.
Compra-se nma burra de ferro, ogleza on
mesmo das antigs na roa Nova n. 31.
Compra-se
orna eserava que saiba cozinhar e engommar eom
aeeio : na rna da Croa do Recife n. 45, segundo
se na prensa de algodao de Saunders
C. semeotes de algodo a 500 rs. por
Compra-se um bom selfim inalez em segun-
da oacvm bm : na rna BtHn 21
Conpraa-M doa* eaaroeas novas on com
pouco oso, qne sejam proprias para dous bois ;
qaem livor anaoncie.
VENDAS
Quadros
daa passagens de Cnetas, Mercedes e combate de
Riachuelo, vendem se m roa do Crespn. 4 onda
se aesigoa a Semana Ilustrada e oBaaar Volante e
na nm sortimento de albaaa para retrato. .
Vade-flB gaz brinco a W n. a garrafa;
na roa Direita n. 73.
CaaaTaiss brancas,
Coa 8 palmas de largurae
Homa loja do pavo.
Vende-se cambraias brancas transparentes tendo
8 palmos de largura, oo doas larguras das regola-
res, que facelita fazer-se nm vestido apenas com 4
,aM& e vedem-se pelos baratsimos precode..
1*080 res, e 1*280 a vara, nicamente na loja e
armazem do Pavo, ra da Imperatriz n. 60 de Ga-
ma & Silva.
Chitas brairas a 280 rs.
Mende-se chitas francezas acentos brancos pa-
droes miodinbos, pelo baratissimo prego de 280 rs.
o covado, na toja e armazem do Pavao, rna da Im-
peratriz a. 60, de Gama & silva
Chapees de sol.
Vende-se om grande ortimento de chapeos de
sol, sendo de seda e de varios precos e qualidades;
ditos de alpaca e de panno, e vendem-se por precos
moito commodos, na loja do Pavo na roa da Im-
peratriz n. 60, de Gama de Silva.
Cortes de chitas.
Vendem-se. cortes de chitas inglezas, sendo pa-
drees escuras tendo 10 eovados pelo barato preco <
de 2*080 rs.; ditos con 11 e 12 eovados a 2*200
2*400 rs; ditos de chita franceza escara e ale-1
gre, tendo 10 eovados 3*200; ditos com 11 e 12'
eovados a 3*520 e 3*840 rs: pecbinena, na loja
e armazem do Bivio, roa da Imperairiz n. 60 de
Gama & Silva.
i^mmmmmmmmmm
da Imperatriz u. 72, de GoauT*" & lTm*;
Lencos brancos a e 2^50'J a u"*
P'S* finos a 3* e 3*500, ditos de linbo a 5*000,
0*300, 69 e 7*.
Cambraia branca a 3#.
Vende-se om grande soriimenlo de cambraia a
3*. 3*500, 4*, 4*500 e 5*.-
Baloes a 2^.
Vende-se balSea de arcos a 2*. 2*600 e 3 di-
c^T^Tm^l^ 43bo d,los de ';-
?a 5*> 5*500 e 6*. d"os para meninas a 4*
e j*a00j isto na ra da Imperatriz n. 72, loja oe
Guimares & Irmao.
a 30000 o corte.
a 3^000 o corte.
a 30000 o corte.
Vende-se cortes de ia com 12 eovados a 3*. di-
i.s ftSSi 24500 4*- dilos Mar' ?' a 7*300
%X$!9*,!2*'enm,s flMs Para hornera
a Mft 800 e 1*000, mantas muito finas a 1*200 e
1400; isto na ra da Imperatriz o. 72, loja de
Guimares & Irmo.
Roupa feita.
Roupa feita.
Neste importante estabelecimento enecnirarao es
freguezes um completo sortimento de rcopa feita
assim como palito!, caigas, camisas finas a 1*600.
^800, 2* e 2*500. ditas de linho a 3*, 3*500, 4*
e 4*300, cortes de brim, ditos de casemira de co-
res 8 preas, seroulas de algodao a 1*600 e 1*800,
ditos de linbo a 2*. 2*600 e 3*.
lito na ra da Imperatriz n. 72, loja te
Guimarats e Irm3os.
MIC III VAS
para
Pechincha
Vendem-se ceblas solas a 500 rs. o cesto ; na
roa da Moeda n. 43.
Vende-ae om pro moco, robusto, perito car-
roeeiro. seo achaquec,por pre^o commodo ; a tra-
ur na padaria da roa do Brom n. 48.__________
Rap Paaio Cordeiro, igual ao bom de Lisboa
nao s por ser do mesmp dono da fabrica de Lis-
boa em Xabrego, como' por ser mais (rosco a
2*400 a libra : oa ruado Imperador o. 28.
Baloes
(ralee sortiaenle.
Chegen rna da laperatfl n. ai, junto a pa-
daria franceza, om grande ertioeoto que se ven-
da a 2*500 rs. pan acabar.
laMad.efcKsn.Vderroii
IM Mil
s
brande armazem de tin-i
tas medicamentos etc.
lia di lateradir i. 21.
Pedro daa JVevea (ge-[
Mate) tena a reada o
segnlate:
Productos cbimicos e pharmi-
ceuticos os mais empregados em
medicina.
Tintas pana todo o genero de pin- j
tora o para tinturara.
Productos industriaos e tintas
para flores, como botoes de flores
e modelos em gesso para imitar
fructas e passaros com o compe-
tente desenbo.
Productos cbimicos a industriaes
para pbotograpbia, tinturara, pin-
tura, pyrotecia etc.
Montado em grande escala e sup-
prido directamente de Par, Lon-
dres, Hamburgo, Aq^ers e Lis_
pode offerecer productos de pie
confianca e satiafazer qualquer
Lcommenda i grosso trato e a ret
e por preco coma
Na roa das Agnas-verd-
eserava moca com nma cria. mado,
desearocar algodo
i.OO o serra
a
Im No Porte do Mattos prenca de algodo n. 17, de
Medeiros & C, vende-se machinas americanas V>
melbor systema que ba apparecido por serem
muito maneiras de 14,16,18 e 20 serra?, a 9* a-
serra.
Fog-os
de artificio
Ha grande porcao de fogo* de arflcio na conhe-
cida fabrica da viuva Rufino, o qoal vendido or
commodo preco, e como seja penoso ir l pela dis-
tancia, as pessoas qne qoizerem fazer suas encom-
mendas para S. Jlo e S. Pedro, as pedem deijar-
no armazem da bola amarella, no oiio da secr-
tala da pollcia, onde havera' om portador para
ir bnscar.e levar ao logar conTencloaado. ___
Na ra da Imperatriz n. 28.
Veadera-se coros de cambraia brancos com 4.
8e6baba*8.
Filj"
Cas
na a

aiol
laaaaaaas!
J MJB1IE




-




1 I
11

O que occupa hoje niais a a{fca$te do mun
econmico? novo systhema 4o prprfctftrio *> ai*
mazem de niolhados
* ^ f
f loja 11 Ra do Queimado
Porto *a
ti
COPfSllMW IBlCOrCKlRGiCO
53 RA DA CADEIA 53
PASSA1VDO O ARCO DA COXCEIClO.
Que surge de novo hasteando a bandeira da modicidade de presos em todos os
seus superiores genero. .
Que o publico reconhega as vantagens que de tal systhema lhe resulta, o que-a
proprietario do sitado armazem deseja, e a que desde j o convida: passando tambem
notar-lhe osprecos doalguns dos gneros do seu esplendido sortimnto, e para os quaes
pede
ATTE\(1A0
de milho brauco americana.
Esta excellenie gomnw, mnito se recomcomuienda como1 o aliuento mais subs-
tancial e saudavel; servindo nao sopara papa (no que superior de toda as outras
gommas e fariuhas) mas tambem della se pode fazer po-de-l, caogica, creme, bolo
francez, podim, etc.: o preco de cada pacote de urna lbra 800 rs., em caixa tem aba-
t ment.
Chegaram pelo ultimo piquete superiores enchovaes completos com veslidiohos bor-
dados para baptisados.
Moir braoco, (uvas de pellica, mantas e capellas brancas para noivas.
Liadas colchas de seda de cor e de la e seda para camas de notras.
Granule sortimnto de cortinados bordados para camas e jaoellas.
Chapos,* bonetes gorros de plha de Italia par seaboras,
Jercalles, cassas e chitas Moas dos gostos mais moderaos.
Igerlermes, retondes 6 chales de renda pretos.
Camisas Boas com peitos, punhos e colariuhos de linho para homens.
Lindas casemras de cores, laasinhas, pannos 6 casemiras pretas, merino e bota-
bazina.
Bramante muito largo a 25300,2470O e 3$200 avara.
Tapetes e alcatifas para forrar salas e tapetes grandes e pequeos para sota'.
Camisas de fUnela, colarinhos de linho, seroulas de linho.
Camisas de meia Boas, baloes de arcos, de musselina e de madapolao, espartanos
e Anos maojraitos borlados. r "
Esteiras d India para for ar mm
as melhores e por mais molleo preoo.
11
ua do' -nweimadoII
MANTEIGA INGLEZA de superior qualida-
de a 1,28o e l.loo rs. a libra, em barril
se faz abatimento.
DEM FRANCEZA a mais nova que ba no
mercado a ti io rs. a libra, em barris ou
meios a 6oo rs.
CHA HISSON de primeira qualidade a
2,8oo rs. a libra, alm desta ha moitas ou
tras proprias para vender a relamo, que
se vendern de i,600 a 1,800 rs.alibra.
MOLHO INGLEZ de diversas qualidades, a
72o rs. o frasco.
MOSTARDA JNGLEZA muito nova, a 800,
rs. o frasco
DEM FRANCEZA a 64o rs. o frasco.
SALMO E LAGOSTIN chegado ultima-
mente, em latas de 2 libras, a l,0oo. rs.
ARENQUES em latas a 64o rs. cada urna.
SARDINHAS DE NANTES em latas e meias
a 600 e 36o res.
DEM PRETO o mais espacial que tem vin- vinho DE COLLARES o legitimo vinho
do a este mercado a 2,2oo rs a libra.
DEM regular de I.6oo a l,8oo rs. a libra.
desta localidade, muito superior e sem
confeiclo alguma, a 800 rs. a garrafa.
Ql'EUOS DO REINO ltimamente chegados IDFM MADURO o verdadeiro do alto Don
pelo vapor 2,4oo: ditos do vapor passado' ro em barris de lo em pipa por 35,ooo
a 2,000 rs. cada um.
LATAS DE CHOURICAS com 6 libras er- VINHO DO PORTO de diversas qoalidades
meticamente fechadas, a 4,000, de barril' engarrafado, inclusive o mais fino que ba
a 64o, a libra.
ESTRELINHA para sopa em caixas sortidas
de 8 libras, por 4,000 rs.
VINHO VERDE do verdadeiro sumo da uva,
e o mais proprio para se beber n'este
imperio, pela sua extraordinaria fresqoi-
dao e agradavel gosto a 64o rs. a gar-
tafa.
AME'XAS FRANCEZAS em frascos de 4 e
2 libras, a 2,8oo, e I,4oo rs. em caxi-
nhas muito enfeitadas com diversas estam
pasa 2,eoo, l,8oo, l,5oo el,3oo, reis.
BISCOITOS INGLEZES emlahs contendo
diversas qualidades a l.oooe l,2oo rs. a
lata.
FRINC PE ALBERTO bolachinhas as melho-
res presentemente conhecidas a l,6oo|
rs. a lata.
SALAME HAMRURGUEZ chegados no ulti-
mo navio a 1,0oo a libra.
PREZUN TOS verdadeiro de Lamgo, a 64o,
rs. a libra, e 56o iateiro.
TRIQUES n. 1. em caixas de 4o cartas, por
8,5oo, e 2io rs. cada urna.
MARMELADA em latas del, i
tras a 600 reis, a libra.
V2 e 2 H-
JALEA DEMARMELLO em latas, a 800 rs.
FRUCTAS EM CU.DA pera, pecego, alper-
ce, tainha Claulia, e ginja a 01o reis
a atJ.
\%
M
iw
n'este genero, por 800, l,ooo, i,2oo,
l,4oo e l.Seo rs. a garrafa.
FEIJO verde e carrapato em latas ermeli-
camente fechadas a 600 rs.
CHOCOLATE francez em pacotes de t fibra
por 5oo reis.
AZE1T0NAS daschegadas ltimamente de
Lisbi a l,2oo rs. a aneoreta, e Soeva
guarrafa.
CAF avado a 24o rs.a libre, e7,oo"r$.
a arroba, e regular a 2poa Ibrty e 6 5oe>
a arroba.
VINHO CHERRY domis superior do mer-
cado a l,5oo rs. a garata, e 15,ooors.-
a duzia.
MOSCATEL o verdadeiro de Setubal, a
l,8oo rs. a garrafa, e 2o,ooo a duzia.
VINHO BORDEAUX das mais acreditadas
marcas, S. Emilion. Sant Jtolien Ilaut
Brion a 7oo e 800 rs.a garrafa, e em
caixa de duzia, a 7,5oo e 8,000 rs.
VINHO BRANC) de Lisboa de- excelente
qualidade, e proprio para missa, a 800,
rs. a garrafa, ou 8,000 rs. a caixa de duzia.
MADEIRA SECO a 1,2oo a garrafa, e 12;ooo
VL\HO DO RHENO superior, a 2,ooo a
garrafa, e 22,ooo rs. a duzia.
VERMOUTH de superior qualidade em cai-
xas de 12 meias garrafas por!2,ooo,e
garrafas por I,2po rs.
-'o
Acabam de chegar as muito superiores linguas seccas do Rio Grande do Sul, que se
vendem por 120 rs.
or
Ui
RA WO BRIDH 8
O pro rielario deste estabelecimento deseja chamar a attenco dos sentares pro-
.-ios para os acreditados mecbanismos que continua a fornecer; os quaes garante
orno sempre, da melhor qualidade possivel:
Machinas d vapor
1 de um 'avallo pa-a cima. As menores sao mui proprias para motores de des-
atientos 'le dlgod; ellas viajara armadas e podem trabalhar den ro de 24 horas.
de cheg-rem no lugar.
Ellas levam tudo quanto preciso para o trabalho,
sos sobi'ecvllentes. As ma binas maio es sao proprias para a moagera de canna,
lia dlas que podem junta e separadamente moer canna e descarocar. Ellas podem-
1 applicar a qualquer m enda j ex stente sem outra mudanca do que a substituifao das
di almatijarra, ha tambem com moenda junta. Elias tem depsitos d'agua e boet-
ro de ferro, e nao precisara para seu assentamento de obra alguma, qur de carapina,
q '; da!venaria. Otempo para assenta-las nj excede de doze das ao mais, eem
caios de morts de animaes cu arrombamentos de acudes, etc,. garante-se o assentamen-
t em oito dias. Todos estes vapores s5o simpssimos na construcc5o, e se regem por
qjaljuer pessoa intilligente, a faeilidade da condcelo sendo especialmente considerada,
tanlo que nao ha lugar em que nao se possam conduzh-, qor por trra, qur embarcado.
Lembrase aos senhores de engenho que a venda dos animaes e o servico da
.g-Hite oceunada no seu tratamenlo os bao de recuperar da maior parte da despeza do
V..J.01-, rieiiando-lhes a vantagem de urna moagem certa eaccelerada; e acabando com
d'peza da compra continuada denovos animaes, ecom os desgostos do trabalho que se
twii com elles.
Ser talvez desnecessario lembrar aos compradores de vapores a vantagem que
Ihcs resulta de comprarcm suas machinas garantidas em urna fabrica, tendo artistas com
pelentes para assentar as mesmas c ensinar a maneira de trabalhar cora la, e j pre-
paradas para arremediir qnalquer desarranjo; facilidades estas que jamis podem en-
contrar comprando-as aos simples negociantes, os quaes^orfta de conheeimento na ma-
teria era se quer podeaa garanti-los de que as machinas que vendem sejam proprias ou
sufrientes para o trabalbo em que se queira emprega-las, e no caso de d
em prestar-hes soccorro algom.
Igualmente nao se equecerao osmesmos compradores de quanto podem perder
em ter suas machinat paradas por-desarranjos-no tempo das sa'ras, sendo qaeainda
q indo venham s fabricas para concertar as machinas alheias torna-se -ha preciso fazer
r, o'Uinameate-moldesnoToa, etc. para a9 pecas estragad is.
Tamem ha sempre prompto Roda* d'agua, defetro Sariiho cora ruzetas para as
m >mas Moendas de canna de todo o tamanho, Rodte d espora e angulires, Parees ou
es para receber'o caldo, Oriws e portas" de fomalha, Taixas ie ferro-batido, fundido e
-oiire, Formas de ferto gallaiisfdas para purgar assucar, Buraba^ sfmples e derepu-
! AUmblquas da fc*o. Eks ? rodas dt carro. Arados, grades, endiidw a
e utroT instrumentos de agricultura, Muinho; eforn is para fazer brinha e
ti, o o o'bjecto de mechanismo de que se cwtuma precisar. 5
Na fabrica se fazem obras novas encomnaeoa eencertos, con a niior p
z 3 solidez. O grande deposito de pecas edbjectos ittbU|IP-***riUte? gie Osa.
O proprietario ser sempre moi'ftW*de poder dw Rfirma^g oueplafeci|
aos senhores que seservirem de seu presia. ,.-.
D \V. BawjUN, eogenheiro.
,.......
DO
DR PEMHO fflBATTAHYDfi LOBO MO8C08O,
MDICO, PARTURO OPERADOR
3Ra da Gloria^ casa do Fundao g
O Dr. Lobo Moscoso d consultas gratuitas aos pobres todos os dias das 7 s u
Qoras di manh, e das 6 meia s & horas da aeite, 4 excepce dos dias sintifleadoi
Pharmacia especial homeopathica
sMgtBMuRuiiu- ugafpw

tubos ^^Kf^^l^1^JJt^iV^___ iaiSef;
tSxr lioET ^3f5 X&r tSR vccrtSSSri
de 24 tuUos grandes.
do 36 tubosr graadea. ,
de^ttrfesgwBds-. 30^000
> de 60 tubos grandes. 35,5000
Prepara-se qual^uer carta-a cootosm, flMMd Mi Mdtofe. (team o-remedioi
que se pedir.
Um tubo a miso ou frasco de tintura de meia tica 1 5000.
Sendo para cima do il custarao os preces- estabelecidos para as carteiras
Ha tubos mais pequeos cada um a 500 ris.
LSS^SLtSSSSt T** de Medicina Ho^thiao dj.Dr. JarS
jlotfs grandes volues conidiccionario .4 **
! MedicinadomesticadoDl". Hering ....... A T^SS
1 Repertorio do Dr. Mello Moraes........ '. X
Diccionario de termos de medicina
Gres de aples preto a ^500,1,5600, U, U, 35500 e i o corado.
Gorgurlo preto de superior qualidadei a- 20560, 2$800, 3fl e o co-
T8(!0* Superiores raoreantiques a 2^500, 2^600, 3, 30500, 40 e 5jOO0 o
eovdo.
Boos cortes de mereantiqe.-
dem de grgur5o adamascados.
Bons pannos e casemiras.
Supriores alpacas, priucetas, merinos ebombaz'mas.
Bods vi lidos pretos.
Grande variedad de chales de fil prete e de guipare a 5)5, 6& 8-3,
m, tU, de m e '20$, e de 25d a 80,5 cada um.
Superiores retondas de fit preto e de gpure a-85-, 105, 12#.e255,
ede30l a 605eada orna. .
Superiores algerienes de fil preto edeguipure det2$ a 250, ede
30# a 60-0 cada urna.
Boas cbailes de seda preta.
Ditos de Merino preto bordados- e outras mitas fazendas pretas $ie
seria enfadonhe enumerar,, na
IjOJA da coloims
DE 4NTONIO. CORRE I* BB VASCOff CELLO A C.
RIJA RO CRESPO N. 13
60000
30000
Os remedios deste estabelecimento s5o por demais conhecidos e disDensam oor
tanto de serem novamente remendados as pessoas que quizerem usar de remedios
verdadeiros, enrgicos e dursdows r ha tade do melhor que se pode deseiar alabea!A*
Terdafcire asquear de leite, noteveis pela na boa comerta?o, tintura dos mais redi,
tadoa estabelacimenles europeo*, a mais exacta e acurada pjaparacao, e portoto.ainaiar
nergia e certeza era seus efeitos. ^wmr
Casa de saude para tsemvts.
Recebe-se escTavos para tratar de qnalquer enfermidade ou laEer-se-lhe gnalauer
operago, para o que o annunciaote julga-se suificientomeate habilitada:
O iratamento a melhor poasifeT, tanto na parte alimentar, coa na medica
funecionafldo a am ha mate de quatro armos, ba,muas pessoas de cujo conceito se nao
pode duvidar, qae podem ser consultados por aquellos que desejarem mandar tena
doentes.
Paga-se 20 por dia durante 60 dias e d'abi em diante 10500.
As operares serSo previamente ajustadas, se nSo se quizerem sujeitar aos procos
raioaveis que costuma pedir o annunciante. ^^
AIMIIZEM DE FAXilADAS
PHOSPHATO DE FERRO DE LERAS
am. EM SCf EXC1AS
INSPECTOR DA ACADEMIA DE PAB1S.
Nao existe modicamento ferruginoso t5o notavel como o phosphato de ferro de
Leras; assummidades medicas do mundo inteiro adotaram-no comsolicitude sena igual
nos annaes da sciensia. As cores paludas, dores de estomago, digestes penosas, ane-
mia, convalecers di&lceis, idade critica das senhoras, kregularidade pa menstraacao,
pobresa do sangue, lymphat;smo sao curados rpidamente ou nidificados por este ex-
cellente compo3to. '.o conserva lor por excelencia da sau le e declarado superior nos
hospitaes e pelas academias a tod06 os ferruginosos conhecidos, ao idoreto e ao citrato
de ferro, porque 6 o oico que convem aos estmagos delicados, qae nao provoca, consti-
paco nico tambem que nao enegrece a bocea, e os denles
Em Paris na ra da Feuillade n. 7.
. venda em casa de Maurer, e A, Caos.
DE
CUSTODIO CARV1LHO
27 RA DO QUEIMADO N. 27
MadapoKo francez muito fino, tendo pouco mofo, cada
IGtfOOO.
L5a de crese 300 rs. o covado.
Cambrar franceza a 260 rs. o covado.
Finos organdis a preco de 800 rs a vara.
Lencos ora neos para aigibeira a 20000 a duzia.
Finas perclara a preco de 400, 440 a 560 rs. o covado.
Ricos cortes de 13a de barra de *O0 a 300000.
Chales de fil preto e outras muitas fazendas.
peca com 27 varas per
nto
BA BA CADEIA 10 ItR II I" HT.
Kfl?t aova toja vende-se faiendas milite baratas, assim como tambem tem ato cotvptofs so
t; -i roupa de ca>emr e de brim ; soclimento
-e fazar obra por medida.
(/!' is d casemira escuras i^opras para .
Pajeas de Wf> prq a 8#00P, tto
Chapeos--de sai e seda
Esle chapeos de sol todos vendem por 12
.-ar com ee em prec*v resol veo veni
i-, bal5ss de reo para seaooraa.J.
.ve r-nde com grande abatimento para se acarar dinheiro e adquirir
ijvidar da veracid'Side do qae dli o Batp vetii veriflear se.
V.enham ver a barate 4m$f do
e*#tmnt'46*om prette, e boa brim
. iq
atanado .
m a 7atte.
brao*fc*A*iJ.
1# asteas ^ e
o BaR< jWreltlo' mostrar qae Bit
peqtwoos per 9 sil rete siBirfer
ouras fttDdASAKPUva
maior ayaa^o.
m
PECIII\CH\ SEM IGUVL
- Ricos cortes- de gorgurn de seda pretos adamascados para Vestido com 13 metros
ou 18 a 20 covados cada corte,, largara de chila trance, pelo baratisslmo preco de 30
cada corte : na k>ja das colamaas da ra do Crespo n. 13 de Antonio orreia de Vascon-
ceHos & C.
VERDADEIRA AGUA UlMERAaL
PflSTILHAS DOS SAES NATURAES DE VICHY.
<\
':*a
VENDE-SE
Na botica e drogara de Bartholomeu & C. Ra larga do Rosario n. 34.
G. P. 1IO .411 %RAIi ifc Co
5 RA DO CRESPO 5
NOVIDADES
Convidamos as Exmas. Sras. Pernambucanas a virem
visite o nosso estabelecimento,
que se acha sortido eom urna variedade
immBnsa de fazendas dos mais apurados e phanta- ,
siados padrSes, proprios para
partidas, soirs. tbeatro, etc., como sejam:
Ricos cortes de cambraia bordados a ah'ha, brancos e de cores.
Bonitos cortes de peil de cbsvre de instre e flores
' Elegantes cortes de taratana bordados a seda com flores de cambraia brancas e
de coras,
Agradareis padiwes.em Hernamgaze de seda com iistas.
Retondes e chalas de fil de seda de cores e asacos com mangas de fil preto
(gosto ainda nao visto) e moitas especialidades em modas como chapearas, chapeos, en -
leites, flvellasdeiarttroga, mdrepeFolf, cbrislal, platina, metlanwrello, pontes, dea-
^mw, ditos para atar cetfello. '-
..............* ............ ......i.....
Aos gricaU#rs ...
Sannders Brothers & C. acabam er de
Liverpool upores de torga de 3 a 4 caaallos com
todos os pflences, e mui proprios para fazer mo-
ver machinas de descarocar algtde, podendo cada
vapor trabalhar ate com 140 serras, tambem ser
-gooT
Novidades do Vigilante
RA DO CRESPO N. 7.
Este estabelecimento apezar de sempre
se achar bem sortido como todos sabem,
hoje mais que nunca, n3o s pelo que rece-
be de sua propria conta, mas tambem pelo
que recebe de consignacoes; parece sem
duvida que deve offerecer grandes vanta-
gens. para o respeitavel publico tanto em
precos como na escolha dos objectos, e co-
mo acaba de chegar grande remessa pelo
vapor Douro e o navio Solferino de
diversos objectos de gosto e proprios do
tempo dos quaes se mencionarlo alguns,
por n3o ser possirel mencionar todos. O
dono deste estabelecimento espera a pro-
teccao de todos.
Riqoissimas caixiohas ornadas e com
msica propria para um delicado mimo.
Caixiohas de msica tanto de veio como
de corda.
Ricos porta joias e necessarios.
Riquissimos estojos a feitio de um bausi-
nho ou cbapeuzinho.
Ditos em casca de noz e de outros gostos.
Leques de madeperola de sndalo e de
faia e madeira.
Cnaposinhos e touquinhas de muito
gosto para enancas.
Meias e sapatinhos de seda para as mes-
mas.
Meias de seda para senhoras.
Capellas e grraaldas de flores proprias
para casamento.
O castello de Grasville.
Tradazido do fraaen per A. J. C. da Crai.
Vende-se este bello romance em quatr
tomos pelo baratissimo preco de 3^00C
aa praga da Independencia, livraria ni.
6 e8.
Frameisco Jos Germano
RA NOVA N. 22,
acaba de receber um liado e magnifico sor-
timnto de oculos, lunetos, binculos, do ul-
timo e mais apurado gosto da Europa e ocu-
los de alcance para observafes e para os
martimos.______________________
Tasso Irmaos
Vendem no sen armazem roa de
Amorim i. 35,
Licor fino Curaco em botijas e meias botijas.
Licores finos sonidos em garrafas com rolhas da
'idro e em lindos frascos.
VinhosUheres.
Santernes.
Cbambertin.
Hermitage.
Borgonhe.
Champagne.
Moscatel.
Reino.
Bordeaux.
Cognac.
Od Ton.
PAeiei lagnioi.__________________________
Na roa da Madre de Dos n. 14 vendem-se
doas tachos de cobre proprios para refioaco.
No armazem de lazendas
barates de Sanios Coelho
Wtmm ciirimndo ai. i.
Vende-se o setrninte :
Leacoes de Bramante de um s panno pelo ba-
rato preco de 3200.
Ditos de panno de linho a 2J200 e 25600.
Cobertas de chita da India a 2400 e 2800.
Lencos de cambraia brancos proprios para aigi-
beira a 5)000 e 2$300 a duzia.
a
Ditos de cambraia de linho fino a 4#500 e 55 a
Enfeites e capellas de muito gosto para d0Jia-

vem para enfardar' atgodao on para outio qualue.
[[iAnricnaroT^n-.m tP.hilA-., >rtm tnlm..,^ nIfc-n,.,p. veflO4etanro Lal
nmwx tMatoem Mm a wada Batatos ameriesc. de OlIMfra Awvelb & C., to sen eserlpWTta rt
cas de U a 40 erras : os proteadesies olrljkm- da Croz n. 1.
se ao largado Corpo Santo n. 1).
m
No armazem da rna do Imperador n. 3
Caes de Pedro Un.% tempara tnder-se
bor gai existente no mercado.
Pannn rtf algTlan il* DffKif yur >fft*
Tapares,
no li
com
OlHrWfyOlimto B. T, Vapores pSWBte;
os os panaaces -Mftprto par* ate awyer
tresoaqoatro mcbttjfc ffldescarogar algodao.-
cem
ametro. mullo bons pal* agua on fax.
***********
Sobretudos e capas de bor-
..." ,recto.
Augusto Porto & C. tem para *edr um com
macbtaaaaaoeriai-fc.iwaepra 4at0ars|at
l la*: nana Ha Stmuh. JWi i. m
pleto sortimnto do sobretodos e capas
IOD.lt.
Vende-
rc?loTi5E5
1 escrava para
nos, de boa co
- IdjjeJliBnds,
annos,Tiscravo bom carreiik, ^Jiliaa
--------"S escn.vo de 5 a1-
__ivessa do Carmo n.
Cassas4
piehaeha, poran sao toaanf iwpa^rtM,
seubora.
Rianiissiaos porta boqnets.
Boquet de flores com urna borracbinba
com cheiro.
Luvas verdadeiras de Jovin.
Ditas de seda e de Escocia.
Riqnissimas plumas e guarnieses par
enfeitar cbapos.
Contas e tubos de ac braoco, que ba
mnito se desejava para enfeites.
Brincos, fiveflas e cruzes de crystal.
Frreas e cruzes de tartaruga, madripe-
rola e dourados.
SwWaroWlylrii pminos. I
Gravatiaas e Tantinhas de muito geito,'
tan lo para homem como para seribora
Hiquissimos aderemos pretos, assrm
as com alfisetes pretas.
BeBgallas de canna com cabo de mar
Mas 4 bafeia, borracba o de o:
mitas qualidades, assim comotJbieoti__
f^m**ve*m<#mm>m 4a ^ti-
mo gosto; assim como jj^regaco para
menina,jipjsBigsJfiy]ige^*m completa
Aloalbado de algodSo branco a 2f a vara.
Bramante da liotio fino com 10 palmos de largu-
a 25300 a vara.
Panno de linho fino com 9 i|2 palmes de largu-
ra pelo btalo precede 2500 a vara.
Bramante de linho fino de-orna largara, pelo ba-
ratissimo preco de 800 a vara.
Toalhas de linho acoTctioaOas para maos, a 135
a duzia.
Ditas felpadas a 135 e 155 a duzia.
Guardanaposde linho a 35500 a daga. '
Fasela de todas as corea para coeiros, a 830 rs.
ocovaou.
Taptalam de ocres a 900 rs. ajrara.
Baloes de 33 reos 35500, Wi &&
Cambraia da Itabo fine a 49500, 5500 e 9J a
vara.
Cambraia para^forro de vestido a 25700 e 35 a
de brataotaa de rolo com 10 varas, a
Peca de madapolao uno e largo a 7j.
Laazinha lisa de cores a 500 rs. o corado.
Pecas de cambraia branca de salpicas com 8 e
meia vwas a 44500.
Coeiros de casemira bordados pelo baratissimo
preco de 95-
Esleir da India propttapafa tWr de sala de
4,6 e pateo* Be larfw.
Cajpbrataa hM*<4e cores -ntion a m n. a vara
Neste armazem UaatAm e.eacaaua um,
sortimnto oe rotw !^,s uar.medtda.
DiadeSaV^nrerl^i doWim gosto. uL
Riauissimas.fiias lacadas e lizas. 4fmim J3 ^
ora riattMd. aaia.. SHifiSffi4* ^^
**?+
Tranca* pretas aom aifao-ed* caras. ^
Pulseiras taslo pjntaeflterra catto^jlftni'' "" ygaifntnmanriui
roprla para iceogaa: aneai .pretender
Santo ittiMh^aew* junto o lemiwrto
53
melhor atoda o dimiato preeo 2*0 t o cWa ir por n3o
-^o-raa BnyTlKa, roa da Jtpsrairit a. at). l So no Gallo vi
igt de seda a de algodSo.
Sospeaoriosdefledaede algodSoenrai-
jtros objectos que se n5o poden an-

pro
a!"
Chegaramas aauUo >en aaoo
Crespo n. 7. M.
ltl L
.' !'



| yr^.

y
SP**P"PPPP1S
Diarto
w*wm > E8QIQWPEDI0A
* t Rna da 'TipitrrWwlir "irir*
da porte larga *t.
Juoto a padaria *radoexa de
Paredes Porto.
Neste estabulecimeato encontrara o respeluce!
publico ntn variado sortimanlo de (nudas franen-
ias, Inglesas, suissas e allemaes, que se venderao
por pwco commodo.
Pareces Porte
Vende cuales de renda de cores que se Tende-
rn! a tenda nova, 50, 6& 8* a 20/, um sortimento com-
pleto de manteletes, capas .soutambarqnes li a
25J. Ra da Imperatnz n. 42, junto a padarla fran-
cesa, armaxem da porta larga.
Paredes Parto
Receben um completo sortimento de laasinbas a
140, eUO rs. covados, para acabar, cambraias de
cor a 2*0 rs. o covado, riscado escossez para rou-
pa de menino, fusto de linbo a 420, 400 e 800 rs.
Ra da ImperatrU n. 52 junto a padaria francesa.
armaxem da porta larga.
Paredes Porta
Reoebeu para cortinados para cama franceza a
iij a peca cambraia lisa Ona a 3$ 41 ate iOf r
pca. cortea de tarlatana de bonitos gostos a 8o00
a 4, cambraia cora flor de seda, gostos eir-
mente oovos a 400 e 500 rs. o covado, no armazem
da porta larga a. 52, ra da Imperatriz junto a pa-
daria franceza.
paredes Parte
Receben polo ulthno paquete um sortimento de
cruzes com pedras para o pescoco, bonitos caxineis
de faa para peseoco de seniora. Ra da Imperatri*
n. 52, armazem da porta larga.
Paredes Porto
Vende cortes de gorfiuro preto para vestldoccm
SI eowdQS cada um 35*000, gredenaple pasto a
4JG00,1*800 e 2 o covado, lias lizas Anas a 400
rs. o covado, las de quadrinho para vestido,ates-
tada, a 320 rs. o covado. Ra da Imperatriz n. 52,
armacem da porta larga.
Roupa feita
Roa da imperatriz o. 52 armazem -da porta lar
a junto a padaria francesa, ncontra-se ueste es-
tabeleeimento um completo sortimento de nalets-
raccos e sobrecasacos, de todas as qaalidades, cal-
cas, colletes, ceroulas, camisas, grvelas, meias,
chapeos de sol, ditos franceses para cabeca, por
oreos coramodoe, roupa para entao e oatras
murtas fazendas por presos eommodes, armazem
da porta larrfa.
No mesmo estabelecimento encontrar o respei-
avel publico, sempre aea completo corttmetito de
roupas fetas de todas as qualidades, como sejam
paletos de alpaca preta de cor, ditos sobrecasa-
cos a 4* e o, ditos de brim pardo a 21800, 34 e
31500, ditos Snos a 44, ditos metas cazemira a
3450O, 44 e 54, ditos cazemira saceos a 64, 74, 4
e 104, ditos sobrecasacos a 40 e 4, ditos de pan-
no saceos a 64, 84 e 04, ditos sobrecasacos a itf
e 254, ditos de mene preto a 64, 74 e 104, eaW
cas de brim de diversas qualidades a 14800 a 44,
ditos brancos a 24500 e 00, ditos cazemira 54,
64 e 74, ditos pretos a 54, 4, 84 e 104, ditos
metas eazemiras a 84 e 44, olotes de diversas
qualidades, seroulas fraocetasde algodlo, ditas-de
.nho, ditas de bramante a 24 e 24500, carnizas de
ilgodo de linbo fraucetas de 24500 e 34- Gran-
de peeuincba oeste genero, gravatas de todas as
qualidades e brancas para calamento, grande-sor
timeuie de meias para senhoras, ditas para hornees
a 34, superiores a 34500 e 44-
Usu completo sortimento de chapeos de sel de
alpaca a 34, ditos de seda a 4, 74, 104 ei4,
ditos francezes pera cabeca, grande sorttaeoto
a 64.
Vestidos
PeeMaeha sem Igual.
Cbegou a loja de Paredes Porto um bonito sor-
timento de vestidos de tartalata de cores e trancas
que serve para partidas por ser urna pbaotasia Id
tetramente de gesto pelo barato prego de 4 1
braoces a 4*500, estao acabando-se : no rmaxea
d porta larga roa da Imperatriz n. 52, junto a pa
daria franceza.
Cortinados.
Cbegou a toja de Paredes Porto nm completo
sortimento de cortinados ricamente bordados a
preco de 254, 35* e 454 : na roa da Impotatri:
n. 52, porta larga junto a padaria franceza.
Ricas romeiras.
Paredes Porto receben pelo ultimo paquete nm
sortimento de romeira de guipure pretas e de fil
a prego commodo : na ra da Imperatriz a -52,
porta larga junto a padaria franceza.
um
Chapeos de sol.
Vendem-se chapeos de sol de panno a 14406 o
ama grande pechinoha so para acabar : na ra da
Imperatriz n. 52 armazem da porta larga de Pare-
des Porto.
1 saisa pahua n m
PARA A RA RADICAL
gbwe estabeisgmento

Ba 9a imperatriz, "&. 60
DE
GAMA & SILVA.
..LOJA E ARMAZBM DE FAZENDAS.
Tendo os propfltarios deste grande estabeleci-
mento Tetro um graudelbatimento eta multas de
seras fazendas, pela occasiao do balnco que deim
00 ultimo de dezembrode 1865, resolveram vender
muito mais barato do que coslumam aOm de ca'da
vez mais agradarem aos seos numerosos fregu-
zes; per'tanto Ibas otfererem um avulaito sorti-
mento de fazendas franceza?, inglesas, as quaes
vendero mais barato do que era outra- qualquer
.parte, comprometindose a mandar levar qoalquer
Cortes de cambraia com palmas na loja do
Pavao.
Chitas a f80-n., soofavo.
Vende-se o ccats bullo scrtlmento de hitas ro-
Veadem-se cortes de cambraia branca com pal- glezavpadrSes rciudinho?, claros e escuro?, e ten-
mas, sendo fazenda moito boa, pelo baratisslmo do tambera rxas para luto, aflancandose seren
,preco de 245OO para atacar: na toja e armazem cores fizas, e veadenvvapeU tasatisimaprecx de
do Pavao na r-ua da Imperatriz *. 40, de laa 4 nove vintens o covado, ou a pega c m 38 covack
Si|va. por 6*800 : isto na loiae armazem do Pavao, na
Lesee braoeOS a |4M>0 re a | raa da Imperatriz o. 60, de Gama & Silva.
dula. Vellidos braceos.
Vendem se lencos brancos fazenda muito boa Chegram.para a loja do Pavao os mais bonitos
Klo baYatisstmo preco de 24 a duzia, Ditcs com cortes de vestidos de cambraia branca com bom-
rra de cor a 24600 isto pira acabar na loja d-, tas barras todas brancas, assim como codi'Mrras
Pavao na roa da Imperatriz n. 60 de Gama & Sto 'de cores, sendo fasenda transparente e mitofina,
va. i tendo cada um corte bastante faieuda e mnita ro-
Poupeliias modernissimas a 400 eSOOra. tb, e vendem-se pelo baratisslmo prende 8* a
o covado na loja do Pavao. kffL^! S Ittper>,ril "'
Vendem-se poupelinas multo finas sendo fazenda, tarllB na lu-i !n Ps.%-
muito moderna de quadrinhos e liza vendendo-se,i.0res ae Idliataua va ig pelos baratos precos de 400 e 300 rs. p covado na
loja do Pavao na ra da Imperatriz n. 60 de Gama
tazenda casa dos freguezes que nao pode'ram & Silva,
vira loja, ou a darem as amostras, deiando flear j Cirosdenapl ea preto* do Pavao.
o penhor, assim como convidam as pessoas, que Vendem-se superiores grosdenaples pretos pelos
.Begoelanrm menor escala que ueste grande esta- 'baratissimos precos de 1500, 14600, 14800 e 24
beleeimento encontrarao um grande sortimento' o covado, sendo fazenda muito bea, s para aca-
lanto a retalho como por atacado, vaodendo-se-lhe
3S000
Cortes ae laa escocesa para vestido !a 34 o cor-
te: na ra ea Imperatriz n. 52, loja da porta lar-
ga, jnnto a padaria fraaeeza, esto ee acabando.
Para luto.
Lias pretas com salpicos brancos a 400 e 500;
rs. o covado : na ra da Imperatriz u. 52 junto a
padaria franceza armazem da porta larga.
A 1#500,
Vendem-se pecas de tranca preta para enfeites
de vestidos, sootembarques, capas de eennora a
14600 com 10 varas, urna grande pecbioeba: na
roa da Imperatriz n. 52 judio a padaria franceza.
4(000
Chales de renda pretos.
?ende-se cuales de renta preto a 44000, uncc
loja que pode vender na ra da Imperatriz n. 52,
armazem da porta larga, de Paredes Porto.
~i a a 1 ^.. r-.. aa aa. rr. i-a
",2SftBnioS,an
en
SStfftSSg

1 s;
apenas pelos precos que compram as casas ingle-
rs, sendo cbm o dinheiro a' viita.
As toalhas de lidio do Pavo.
yendem-ss superiores toalhas 'de linios "para
rosto pelo baratisimo pre^o de 74600 a nala ou
a 640 cada urna. -*, .
Guardanapos de litigo adamascado para meza a
24800 a durfa bu a -240 rs. tada om.
Superior atoalhado de linbo com oito palmos de
largura sendo trance e pardo, e oende-fc mais ba-
rato do que ea outro parte, na leja do-Pava o na ra
da Imperatriz n. 60 de. Gama & Silva.
0s corpinhos de seda pretos do" Pavao.
Vendem-se os mais ricos corpinhos de seda pTe-
**, ricamente enl> nados, pelo barato prepone 124 Gama & Silva,
cada um : na loja do Pavao na ra da Imperatriz
n. 60, de Gama & Silva.
Rico* TMtMo a 813000 rs.
ecfcinttat adnriravel. "'
Sdc.Pavao TCceUeu peto ultimo vapor francez
i;m ande sortimento dos mais ricos cortes de
vestidos transparentes com Undas barras o enfeites
de sefli, sendo estes vestidos multo propros para
baile* e passeios, e vendem-se peto baratsimo
preco de 8*000 rs. cada um, na loja do Pavt Da
ro* da-tttfpera-trlz n. 60 de Gama & Silva.
Os Mes Mirtos le re e Pari a 8,J00e rs.
Vendenhoecs ais rices chales pretes derebda
bar : na loja e arreazem do Pavao, ra da Impe-
ratriz. n. 60,de Gama (Silva.
Bramaste de Iloho do Pavo.
Vndese superior bramante de linho com 10
palmos de largura, prrprios para leores, pelos
baratissimos precos de 24 e 24600 a vara, assim francs
como panno de linho muito fino pelos baratissimos yn(jem.V,
precos de 640,700 e 800 rs. a vara : na loja e ar
nrazem do Pavao, ra da Imperatriz n. 60, de Ga-
ma & Silva.
Canbraias lisas do Pavao.
Vendem se pegas ae cambraia lisa muito supe-
rior, pelo barato preco de 34200 e 34500 a pega,
ditas muito finas a 54, 64. 74 e 84 na loja e
armazem do Pavo, ra da Imperatriz n. 60, de
de asrofulas e molestias escrofulosa, tumores, ulcera, tmagas, feridas ver
lhaft, broneaoeete, papo ou papeim:a syphilis, eufermidades areneras oumer-
curiads. 'i
AS MOLESAS DAS MIHB2RIS '
reteocSo.menstro doloroso, uleennBes do tero, flores brancas, etc., ulcera-
cao, debilidad*, expoliacao dos ossos, a novralgit e convuteoes eprteptica
quando cansadas pela escrfula.
fSrSffELK ERPES; ETC. mtm-.
Eufermidades cutnea, erpc3o, borlraflbaa, pnHias,
Xn*2 Baseidaas < -'" "*
O extracto omposto de aaiea porrillin. confeccionado pelo Dr. Ayeri exorna
combinado dos melhores depurativos e altanles conhecidos medicina; confeccio-
nado segundo as regras da ciencia, approvddo ereceitado'pelos primeiros mdicos dos
Estados-Unidos da America do Sul e Cenlrt, das AalhM do Mxico e das Indias, e
mBitas outras partes do mundo : o resultado de estndos apurados e minuciosos, ede
experiencias feitas pessoamwnte pelo Dr. Ayer, por muitos annos, nos prineipaes nos-
pitaes e enfermaras da America; tem sido approvado pelas academias de '}?^I^IJ,:
juntas de hygienne das prineipaes capitaes da America do Norte; para prova drsto veae
os attestados autbenticos no Almanak e Manual de "Sade do Pr. Ayer, os quaes'eais-
tribuem gratuitamente uos lugares onde se ve/tde o Vemedio.
A SALSA PAfltLHA DI AYER
Especialmente efflcaz na enra as molestias que tem sua origen
a escrfula, na Inffecco venrea, no oso
excessiTo do meremlo ou qnalqner Impureza 1*0 aangate.
A Urolestia ou infeceo peculiar, cnbecida pelo nome descrofula, um dos ma-
les mais prevatecentes e universaes que ha cm toda a extensa lista das eafcoaidades que
alacam a nossa rae; disse um celebre escriptar da medicina que mais de urna teBsa
parte l todos aquells que morrem antes da velbice s5o victimas, ou directa ou indirec-
tamente de escrfula; por isso s nao Rio.destructiva, porm a principal oausaue
touitas outras enfermidades que nao lbe sao geratafnte Bttriboides. _
urna causa directa da tsica pulmonar, das molestias te ligado, do estomago
.eaffeccoes doteretfro; entre seus numerosos symptomas cbarse es- seguintes: Bita
de appetite, o semblaste plido e nchado; as^ezes de urna alvura transparente ovl|ras
vezes corado e amarellento irregular, fraqueza e mol'.ez nos msculos ao redor da boc-
ea ; digestao fraca e appettte, fatta de energa; ventre encbado e evacrjec3o wrefQl!rj
toando o mal tem seu assento sobre os puteyes urna cor azulada mostra-se em roda oos
olhos ; quando ataca os orgSos digestivos, os olhos tornan>se avrmelbados; -onaft^
to ftido, a lingua carregada; dores de^cateca, tonteiras, etc. as pessoas -de dispost-
Clo-escrfaloes apparecen frequentemente erupc5es na pelle da cabeca e ostras partes
do oorpo ; s3o predispottas as ffecces dos pulmes, -do figado, dos rins, dos orgaos
digestivos e uterinos. Portacto, nlosau sement aqwlles que padecem das formas wr-1
cerosas e tuberculosas daescrofula> qoo-'necesitam de protecc5o contra oseeuB'estrago*; "faoo. ^w ,,Wi,,.,iii hori I S na loja do Pavo, ra da Imperatriz n. 60, de
todos aquells eairajo aama existeo Tims latente deste terrivel flagello (e s veas e ^,S^ HPAA
Grosdenaple preto a l#oUU>
E' grande peehineha!!
Vndese gcosdeaaple preto, sendo muito eacor-
pado e de boa largura, pelo baratissimo preco de
14600 o covado : na ra da Imperatriz 60.
Os cachinez do Pavo.
Vendem-se bonitos cachinez de la ou agazalbos
fra cabeca pelo baraiissimo preco de 34000, s
a loja do Pavao, na ra da trnperatriz n. 60.
MANTAS PARA O PESCLO
a 14, s o Pavo.
Vendem-se bonitas mantas para o pescoQO, pelo
fcarato preco de 14 : na loja do Pav3o Ba ra da
Vendem se os mais modernos corles de iariat<.f*
com as mais lindas barras de cor, pelo baraljs*tao
preco de 54 cada um, sendo neste artigo o melrwr
que tem viudo ao mercado : Isto na toja e arma-
zem do Pavo na ra da Imperatriz n. 60, de Ga-
ma & Silva.
I I -------- l< ......I !
Rodelas de borraxa
proprias para atar massos de papis, e para ser-
viren de ligas para punbos, manguito?, etc. etc.
Vendem-se na roa do Queimado loja d'agoia brin-
ca n. 8.
Mu finas cartas
com cantos dourados, e sem doarado.
se na ra do Queimado loja d'agpia brin-
ca n. 8.
Envelopes azues
tiO rs. o cento.
na roa do Queimado loja d'aguia
fECHlNCrA 1
a 21000, para calcas, s o Favo.
Veudem se superiores cortes de meia casimira
com msela de seda a 94, ditas Ganbaldinas a
4800, ditas escoras a 2*800, ou a 14600 e cova-
do : na loja e armazem do Pavo, ra da Impera-
triz u. 60, de Gama & Silva.
PENTEADRES
ou roupBes de cambraia bordados proprios
para as senhoras vestirem de manlia.
Cbegou esta novidade pata a loja do Paveo,
muito lindos o do raelhor oslo at hojo, por pre-
ces moito razoaveis : na loja do Pavo, ra *
om qoatro ponas, senda muito grandes pelo b-'4|glperalrz go, de Gama & Silva.
nrMSS5!SnraKa u Cs Irancen a 2-10 rs. o corado.
ElSL^!^ .?' W> ^' Vender^se bonitas cassas franceza de cores fi-
SS^ma?mmte multo superior a .aj^to^jtaop^d.140 0 wsa
da
1 na ra da Ira-
' neretriz n. 60 de Gama & SHva.
(helares 4o pata* a 2ooe c 2r Vendem''Cbea de merino estampados a 24
e "14500 cada um.
Ditos de merm liso a 34500.
Ditos estampados de crepon a 64, 74. e 84000.
Ditos pretos bordados cota franja de seda a 14$.
Na loja'e armazem do Pavlo M ra da Impera-
triz a. 60 de Gama-&-Silva. -.
Para luto vende o Pavo.
Setim^a Cbioa com 6 palmos de largura, fazen-
da
para
de
russa oom o tempoe vende-sepelobaTato preQO de
S4'e-3|R0 o covado, aslm como neste estabeleci-
' ment tem om grande sortimento de todas as fa-
Pouca; zenda pretas-como sejam eassas e cbtlas preus,
las tapada e transparentes, princezas, alpacas,
o na rea
preta para luto, propria para vestidos e roupas, n,Der8[rz n. ^ Gama & Silva.
a twanens, gando fia nova atenda sem lastro e i(ial.f.|x,o % RaI ri a nP^sa
muito boa qualtdade, garantindo-se nao car llaoapOlOCS a d,0U rs.d pessa.
aqueltes em cujo sangai existe o hereditario), esto eipostos tambem asoffrer das enfermidades que elle causa, que sao. barak)S qae em ^^ qaa|qaer parta.
A traca, uJeera^oes de figado, -do estomago e os rins; erupcoes enfermidades (^isto na loja armaien^do Pavo i
eruptivas da cutis, rosa ou erysipela, torbulbas, pstulas, nascidas, tumores, rheuma,
carbnculos, pjeeras e cbagas, rheumatismo, dores nos ossos, as costas e na cabeca,
debilidades femininas, llores brancas causada pela ulcerac3o interior, e enfermidades
uterinas, bydropesia, indigesto, enfraquecimento e debilidade geral.
Offerecemos a estas pessoas um abrigo seguro e om antidoto efficaz coctra esta
molestia e suas consequencias na
SALSA PARRILHA E AYER
que opere directamente-sobre o sangue, purificando-o e expdsando delle a comipcao e e
veneno da molestia J rpietra todas as partes e todos os orgSos do corpo humano, livran-
do-os da sua accao viciada e inspirando-Ibes noto vigor. 12 om alterante poderosissimo
para a renovaco do saagne, e d o corpo j enfraquecido pela doenga, forcas e ener-
gas renovadas como as da joventude.
I tambem o melhor anty-syphilitico conheeido
cura permanentemente as peiores formas de sypbilis e as suas eonsequeocias.
neoessidade ha de informar o publico do inestimavel valerse am remedio que, comoj ^"eTc'.'f na^oj armaim" do Pevi
este, lrrra o sangue desta (orrupcSo e arrebato a victima das garras de ama morte lenta da ^etinkiLm, de-Gama V Silva.
e ignominiosa, porm inevitavel.-se o mal n3o< logo combatidoeom energa. Os*batees do PavSo.
' um poderosfssimo alterante para a treaovacio do sangue o para dar nova for- Voudem>se superiores baes *e muconna oom
ca ao corpo j enfraquecido pela doenca. SSn'Sftf S?S ^^"uTJ^u
-Sendo composto de productos vegetaea, esle medicamento innocente ^^^^^^^^^m^TifelS^:
mo tempo efiScae, om facto de iminensa importancia para aquells jue otomam ; por- n,.^ o Pavo-na ra -da imperatriz n. 60. de
quemlos dos remedios alterantes offerecidos ao publico tem por base omercurio ou o, Gama & Silva.
arsnico; e sendo assim, bem queas vews podem effectuar curas, comtodo deixa suas
victimas carregadas de urna longa serie de males, muitas vezes peior do-qvie o mcl ori-
ginal. A nica eousa oecessaria paFaobter urna cura radical seguir com juizo econs-
atncta as diretxoes qae aeompanbam cada fraseo.
Nao pretendemos promolgar, nem queremos que se infire que esta composico a
um remedio infafltwl para a cura de todos os padecimentos bananos; infelizmentee
escrfula easyphis-sao enfermidades to satis as suas naturezas, earreigam^e to
firmemente no systema, qae muitas vezes evadem e resistem aos remedios mais pode-
rosos que a sciencia humana pode inventar para combate-las: o -que dizemos que o
Extracto imposto de salsa parnlha de Ayer
a melhor preparacio at boje deseoberta para estas e outras molestias anlogas, urna combinaeso dos alterantes mais effieazes conbecdos, e que esta combinaco tem sido
regulada .por longas e laboriosas expewencias, e finalmente que temos confidencia de of-
ferecer ao publico o molbor resultado que possivel produzir, da inteligencia e pericia
medica dos nossos lempos.
Este remedio deve ser tomado com systema e regula/idade, e nao com abandono,
pois um-remedio e nao bebida.
Quendo as molestias do figado* nao tem sua origem na escrfula, o remedio
mais proprio as pilulas catharticas de Ayer, que s3o effieazes na cura da molestia, jue
m por causa um desarranjo dos orgSos digestivos. Pedi a salsa pari'ilba de Ayer e
nao aceitai outra prepacacao.
Pernambuco, ra JVova n. 18, pharmaca francezade P. Maurer 4 C
Cambraias de forro a 1^600 e 2l na loja
do Pavao.
Vendem-se pecas de cambraia de forro com no-
ve varas cada peca, pelos baratissimos precos de
14^00 e 24 : na loja e armazem do Pavio na rna
da Imperatriz ti. 60, de' Gama & Silva.
Os cortinados do Pavlo.
Voadfioe superiores cortinados asmarcados
para camas pelo baratissimo prego de 14 cada par,
ditos muito finos ricamente bordados para camas
ou jane 11 as a 154, -03? e 254 o par : na loja e ar-
mazem do Pavo na rna da Imperatriz n. 60, de
Gama &-Silva.
Panno,preto a A5 na loja do Pavao.
Vende-se panno preto. fazenda muito boa, pelo
barato preco de 25 o covado, dito muito lino a
343OO, 45, 55 e 64, assim como casimira preta de
cordo a 24 o ovado : a loja do Pavo aa ra da
Imperatriz n.-W, de Gama &-Silva.
Os espartilhos do Pavao.
S na loja do Pavo.
Vndese pecas de madapolo fino com 12 jar-
das, pelo tarato preco de 34500 e 14000.
Chales de renda.
Na loja do Pavao.
Reeeberam-se os mais lindos chales pretos de
renda, assim como as mais modernas e compridas
retonues, e msrateltes se mais barato que em-outra qoalquer parte: na
loja e ajmazem do Pavc na ra da Imperatriz n.
66 de Gama Silva.
Castor a $(& rs, 9 covado.
Para-calcas.
Vendem-se superiores castores mdito encorpados
padroes escaros peto barato preco de 320 rs. o co-
vado, servindo esta fazenda tambem para escravos
por ser de mnita durago; na loja e armazem do
Pavao ra da Imperatriz n. 60 de Gama & Silva.
para nrcninas a 6,000.
S na toja do Pavo.
Se vendem os mais bonitos e mais bem eufeita-
4oscbaposiotios de pama da Italia, proprios para
meninas, pelo baratissfae prego de64000; aa loja
o armazem do Pavo na ruada Imtieratriz n. 60
de Gama & Silva.
Atfee$k).
ULTIMA NOVIDADE
GENTES, ENEITUS, CINTOS.
Gama & Silva, acabam de recener pelo nltimo
vapor francez, om grande sortimento dos mais ri-
co enfeites pretos e de edres proprios para cabera,
Vendem-se
branca n. 8.
Apparelhos de porcelana
doarados e piolados.
Na-ra do Queimado loja d'aguia branca n. 8,
' veBdem-se bonitos apparelhos de porcelana para
1 almcco e jantar de bonecas.
Bonitos quadros
para retratos.
Vendem-se na ra do Qoeimado loja d'aguia
branca n. 8.
Perfumara iogleza
A agua branca ra do Queimado n. 8, recebea
um novo sortimento de floas perfumaras Dgleza<
de I. Gosnell & C.; sendo extractos dos agrida-
vels cheiros Bonq da Flainha Victoria, do P. Alber-
to, do imperador Npole2o, da imperatriz Eugenia.
Garibaldi, Miss Lind, Joch Club, frangipane, n-
dalo, etc. te.
Oleo fino para cabellos.
Oplat para pentes. .
Agua da Colonia.
Sabonetes finos creme de amendoa ira barba.
Pennas d'aco inglezas
douradas e sem a ser.
Chegou para a loja d'agoa branca roa do Quei-
mado n. 8, dm excetlente sortimento de peonas
d'aco inglezas, douradas e sem a ser, porm toda*
de qualidade eitraina, e continuare a vende-la; a
255OO, 2400 e tOO a caixa.
Tinta azul e preta
tinta Torna e preta.
Estas tintas cuja^excellentes qualidades ja' o
bem conhecidas e apreciadas pelos entendedores
acham-se a venda na ra do Queimado loja d'agua
branca n. 8.
Lacre fino de cores
com ebeiro e sem elle.
Na loja d'aguia branca roa do Queimado n. 8,
vende-se lacre fino encarnado aromtico e sem o
ser ; dito verde, e urnas caixinbas com ditos d*
cores pelo barato preco de 500 rs. cada urna.
Papel inglez
em caizinhas.
Na loja d'agoia branca a' ra do Queimado 0. 8.
vende-se desse superior papel inglez em caixDha,
Linas de camursa
brancas e amarellas.
Vendem-se na ra do Qoeimado loja d'aguia
branca n. 8.
Meias pretas para padres
Vendem-se na ra do Queimado iffrdtoui
branca n. 8.
Aspas largas e fortes
para balo.
Vendem-se na roa do Qoeimado loja ePapata
branca n. 8. _________^_________

Vendm-seama grande e variado sorlimento de i d guarnecidos com as mais lindas flores, e cora
espartilhos dos mais bem fetos que tem jvmdo ao
VENDE-SE
mo
i\r n. J. Ramos e Uva A CJern**. rm garlo
a. 41, constaatemente, os seguateh artigos, une
recebem por encommenda propria de
mew-york:

Legitima salea parrilha de Bristol, preparada por Lanman de Kemp.
Verdadeira agua Florida, preparada pelos mesmos.
Gaz em lata* de cinco gales, o maw purificado que se pode desejar da acredi-
tada marca F. W. D. & C. ., : ..
Relogios perfeitos reguladores, com corda de quatro a oito d*s, dosaumaiosia-
bricantes E. N. Welch.
Graixa em latas grandes da bem conhecida marca las
Superior oleo para machinas de costura.
A guias para as mesmas.
Breu em barricas grandes e pequeas.
Vende-se tombem:
- .
S. Masn
phia).
(dePbiladel-

ffi3

5? o g* se S
BORDEAIX
qnalidade.

rst. Estephe.
iSt. Julien.
[C. Margaux.
C. LaBtte.
I Medoc.

PORTO
Ia palidade,
Vinho fino do Porto embarris de 3/, 10/ e 20/.
Superior vinho doRheno.
Cera de Lisboa em velas e em grume.
Principe Real.
Pedro V.
Maria Pia.
Princesa D. Isabel.
Vctor Emmanuel.
Duque.
Malvazia.
.i-. '-1 11. 1 1-
mercado, sendo de todos os tamanbo?, vendendo-se
por om preco oito razoavel : isto na loja do Pa-
vo aa ra da knperatriz o. 60, 4q Gam;i,& Silva.
As safas bordadas do pavo.
Veadem-se satas bordadas sendo fazenda muito
boa, sendo ricamente bordadas e eom mnita roda
vendondo-se peles baratos precos de 6$ 89 e 10
res cada urna aa loja do Pavao na ra da Impera-
tria a. -60 de Gama & Silva.
Bretankas de rolo o 3fOr}02
Vendem-se pecas de breCictha de rol com iO
varas cada peca", {telo baratisslmo prego de.'i :
na ioja-e armazem 4o Pavao, tua da imperalrii n.
60, de Gama & Sirta.
Roupa felta.
Na teja do PavSo
Vende-ae neste estabeleclroento um fraude sor-
tmeato de roupas, tasto de panno como-caxemiraa,
e bros a petes barassimos precos como sejam
calcas de caaemira preta a6 ~3> e 8^0X>reis, pa-
letots de panno preto saceos a6j8z |2000 rs.
ditos cofcMcasacoe de paauo fluissimo a 1E 18 e
25000 res, e ouiros manos arligos que seria en-
fadoaboa aqnl relata-loa; s aa loja e armazem do
Pavio roa da Imperatriz u. 60 de Gama i Silva.
Lu do pavo
CraoJLes peehineha*.
Se dianas a 500 rs. a covado
Sedinhas a 500 r.
SedMas a 500 rs.
Venda-ae na loja do Pavio, om grande sertmen-
t de sedinhas listradas eom as mais bonitas cores,
endoos pairos mais oovos rjue tem'vinio ao mer-
cado., e vende-se pato paratisslmo preea de cinco
tostoes o covado Mpdo (aseada que vaiem muito
mais dinheiro, e grande peehineha por a ter
eomprado urna grande portida desta (aseada, na
loja e armazem de fcsenda do hrtSo, roa daTm-
peratrix n. *0 de -1
La8inhas ikasadas a 340 n.
Veadem-se as Ms lindas ffiMkibas matwaitas
eom es maU koaito desenbo, pelo barato preoo Ae
320 rs. o covado; na laja 4*p4Vao a zna da Im-
peratriz n. 80 d Gama &'5Tlva.
Os chales de guipure a 12$ e
1^000, *
Vendm-se ot neis ricos chales de Gtiipore e de
Cera em velas de todos o tamartios.
Bogias.
Mercurio.
jftraadP vi
panno
frm DO QlEIH IDO M wu
Madapolo.
Finas pecas de madapelSo com 20 varas a 90.
LENCOS,
Lencos de cambraia branca^ duzia 1$.
' rdem de cSrfes'flxas pafa meninos, dorfa IfflXt.
Cibraraa.
Ojfibrtias d* cores* preco de W a 3f, o covado.
Gnardaaxpos.
Guardanapos de linho, duzia S'iJrjOO;
Alo*O' rincado'. de duas largor^ Tjrbprto para tbalr/ay de ffiesa1, a pre{rj dt^
.

;

i li-aisiv
i i eam-
15300 i vart;
^flioYlfrto&alflfr do lrAO r-Srf*^ fftataz.
4:t-#*fe tmym-w0m mm.
COIare Rdyer ou colares acu-
dios
para facilitar a denticao das eriancas e prestfr*-
las das convulsoes.
O feliz resultado obtido immensas vezes peta
prodigiosa torca magntica dos colares Rover, nos
casos de coovoisoes, e dentico das crianca.-, ':ai
altamente elevado o seo bem merecido prestigio,
e boje j se pode dizer qne estao geralmente coa-
ceiluados, e estimados de mnumeraveis pais de
familias : de nns porque do uso desses salutares'
colares viram salvos do perigo seos chsros filM-
nhos, e de outros porque colheram daquelles to
proficuo exempio para igualmeBie preservar os
aeus. Assim, pols, a aguia branca, tendo em vis-
tas a utilidade e proveito desses prodigiosos cola-
res anodinos ou Royer, mandou vir o novo sorti-
mento que agora recebeu, e continuar a recebe-
tos para que em tempo algum a falta delles possa
ser funesta aos pas de familia, os quaes ficarao
voltas das mais bonitos perolas; assim como os mais H"** t^ttX^TT d0 '"
modernos e engraCados pentes da verdadeira tar- [mad. loJa a8u,a braDca n- 8- __________
taroga, marebetados sendo a ultima novidade \ j^^%
que tem viudo de Pars, e os mais ricos cintos eom
utas roattiisadas e fi vetas largas, conforme ltima-
mente se nsa as primeiras capitaes da Europa, e
vende-se por preco em conta por ter cbegao em
direitura para a loja do Pavo, ra da Imperatriz
a. 60 de Gama & Silva.
As trotandas do pavo a 8 o- IQs,
Veoiem-se as mais ricas rotandas de renda pre-
ta, sendo moito grandes, qoe sao as qne mais se
usara, pelo baratissimo preco de -8<| e 10$ s na
loja e armazem do Pavo, roa da Imqeratriz o. 00,
de Gama & Silva.
Chitas pretas a\Q0rs:
Vendem-se chitas pretas inglezas, sendo fazenda
muito boa, pelo baratisslmo preco de 160 rs. o co-
vado, ou S5600 a peca com 38 ebvados : s* na
loja dt Havo, ra da Imperatriz o. 60, de Gama &
Silva.
AILANTA
Escravos fgidos
0A000.
Cirande uvi Atlanta a 300 rs.
AtlanU a 200 ra.
AlanU a 200 ra.
Obegou para a loja do Pavo o mais lindo sor-
tlmesto desta nova fazenda, com o titulo de atlanta
propria' para vestido e roopaS para meninos, sen-
do esta modernissima fasanda de la eom os mis
lindos gostos de quadrinhos e listras Modo entae
ellas de cor roa e preta, -com listras e quadros
brancos prdprias para loto, e vendem-se pelo ba-
ratissimo pYeeo de MO rs. o covado tnicamente na
loja do faaio rna da Imaeratrie o. O de Gima a
Silva.
Fogio do poder do abaixo assigoado, um escravo
de nome Thomaz, de estatura regular, mulato, da
40 annos 4e idade pouco mais ou menos, barba es-
palhada, principiando a pialar, aro tanto ou quanto
potroso, levou vestido caifa de brim pardo, carnea
de riscado ou branca, fol arrematado nesta cidada
em leiMio por ldro da Silva Reg, hoje pertencen-
te ao abaiio assignado, eonsta ter estado morando
no corredor do Bispo, e a dous ou tres dias ter se-
guido para a.Capunga : roga-se portanto as auto-
ridades poUaiaes e capitaes de campo a apprehen-
so do dito escravo, e leva-lo a casa do Sr. Fernan-
des & Irmo, natravessa da Madre de Dos, que
aera' recompensado.
______Joe CadMo Act.wll;____
Escravo fgido."
Do engenho Serigi, .freguezia de Goianna, fogto
o molatinbo de nome Raymundo, com os siguaes
segumies: cor rtara, cabellos nem crespos nem
pegados ao asco, aliara refutar, persas nm tanto
arqueadas, laa lodos os denles, est eom o rosto
coberto de pannos pretos, e costuma fumar mullo :
uem o pegar leve-o a seu seonor naquelle enge-
am>, ou- IWMStf*tfnacio de Olfveira & Plrao nes-
la praca, largo do Corpo Santo d. 19, que sera
bem recompensado.
hgow pan- tlojiPaVf t m*^
Contina a estar fogda a escrava Izidoria,
bem cotmeclda, tem os srgnaes segomtes: crionla,
alta, b parecida, muito regrista, tem a cabeca
chata e cabellos cortade* ba pouco, dantas limados,
orna cicatriz no braco direilo provenients de urna
estocada, protesta-se com todo o rigor da lei contra
3nem a tiver occrUm roga-se a rodas as autor!-
ades peticiaes qte apprebendame levem-na a sea
senbor na ra da Aurcra n. 2.
20# gratMeajao.
E 31 de eutufcro do anuo paseado, fugio a e-
erava Gtaamna, cabra alta e seca do efirpay .aa
Etaaceu ltimamente acs lllms. Srs. Jos Joaquiaa
Silva, Manoel Mauricio de Sena e D. Mariana
acia de Castro e Silva que a venden a Jos S-
Ferreira que pagara 2004000 a quera loa
entregar dita esefM fia ra da Cdeia n. 62.
diaooPavo a 200 o covado.
Vende-se tf alsbonlto sartiraento de Chitas es-
coras e roas sendo Inglezas, mas eom os pannos
tSa eacorpados eomo os das fraoeeaas qne se veu-
dem a 400 ris, e liquido-se pelo barate prece da
200 ris o cavado ou a 7J20O a eca, garaotindo-
se terem 38 covadbs caUapca Wffem de cores
flm isas- n taja e anaa-M de PaVIo a rtia tra
Imperatriz n. 60 de Gama di Sito.
Armazem do Pavfto,
Vendase era de earDatrba'Ba-mdfhdr quarTSae
erosKco, mais barata queem entra o,aa*uer
ronda de naka e tada, iwios baratisstaaoii neeos de parte n0 armazem do Pavo na loada IooeraOK
\Ut W~, grande pectancaa em nt** 60, de Gama & Suva. t
S/S^^^^W^. A^^as-do Pavao a 2$m
ocovadotr
?eoem-s moderuts laatlnbM com Htlssioe caaaiaa d* sada para vaelidos, saada tem Ma
fostea, palo aajMfssIii ataca 4e>IOO*.; tmw iHpdas gostos da flores e listas, tendo aou Mlafat- Fggte 43 4a abrt do correte aneo escrav
.t8 M.,^Wr.*Lrw,aa *' U ,"W.jHMa largos, ceoJaSade aJiona, illa m
anitai vmmt*\
aco^WAMoiMada u
armazem do mi o roa" da'wiMfiulaft S^^I*mTttm60 Wnuni
le Gama di

1 iialm L
>
n









i

i l
Pagina dosqulnze amaos.
(Continuagan.)
VIH
Ataisade intima que libamos matuaraenie, nao
mente pude conseguir fazer-Ihe um recitativo do
qual uabo apenas fragmentos, tendo-o perdida nao
rhrdeoaw9enOa^to,qB^ruilmTfcsoq-fl!Wi aondei lodavis aiDda ffle lembro d8 tlguns
Naeila levou todo o resto do da alegre, e mal medo de mim; tod;.s as rezes que o meo oibar se
foi nootinh, eomecon a cantar eom todas as forjas crasa va com o d'elta, a pobre menina aballara oa
da saa alma. A sna -roz era argintina e sonora, as olhos e corana.
nottas lbe ubiam do peitocom ama forga tai que E- qae Nicilu tl>( renwrgo.. p
me abaiavam lodo. Nao pode oovlr mas: fecbei yirgm tinha ^^^ am ^Jg^
os Iirros e principie! a eserever orna tosca poesa,' Um. ^ q6totB^ rapaz traba e
eue pretenda offereeer-Ibe no ootro dia. Rastel
muito papel, estire com a peona na mao por muito
infamia. Ella era digna de perdo; porqae como
menina e amante nao teve a derida energa para
mh da fiedla sabia perfeitamente' que a nossa
aiT^.ao Dio ara smente fllha da aroisade ; mas
a..sou desoffrer os seus commeutos em casa, e a |?m_P?L.?'l!?_in,f*.??i ^fc.!" dHf a sua/raqueta. Eu era digno de "iedas as
rergoohas; por que como horneo) nao1 trepldei em
eoraraeuer um crime.
a
0 prlmelro pisso no crime ao rrflhar da (Jes-
honra. Da ra da amargura ao Calvario pequea
foi a distancia; do meu crime ao mea castigo,
pequen* foi o espago.
obrfeBMaf i asseolar em am banco de Pelas suai palavras qae djro comprebea-
e pfjfl]|n> j.coor*nar. Com |.oaeo reio def T me pergnnfoo **
bt-ss
ma> que ella
ssemos perfeitamepte traduzr;
tradazia com a signifleagao. amor..
Realmente; nem poda deizar de ser asslm, ja
nao podamos virer um sem o outro : se Naeila
estara cosendo no jardim, eu para la levava os
meus compendios e assentando-me juoto a urna
laraogelra, abi estudara: se Naeila eslava na sa-
la, eu estara com olla: se ella eslava Da sua
: nara. eu estara isolado no meu quario.
Quantas rezes no silencio profundo da noute,
qoando j todos dorman), eu invocara o seu nome'
quantas rezes eu procurando estudar nao poda se
quer ligar dnas ideas; porqae se abra o compendie,
cada pagina pareca ter o retrato de Naeila, cada
vocabulo o sed nome. Ficava incapaz de qaalquer
esludo. Principiara. a raciocinar oa a dissertar
sobre qualquer ponto, com pouco perda a associa-
co da ideas, e acbara-me em um mundo de
abstragoes. A lembranga de casa s a tinba, quan-
do quinzenalmente recebia urna caria de. meu
pai. Ento en chamava Naeila, mostrava-lhe o
ccatedo da carta, e eom que ardor eu lbe fallava
da miaba trra 1 Com o enthusiasmo de quem se
orgulba de ter por amante urna menina, como eu
lhe fallava da minba ierra, contando-lbe com as
cores mais viras, quanlo sao azues os cus do
norte, quauto sao verdes as suas colinas, como
d...arada a saa la, como scintfllantes as suas es
relias, ery&tallinas as seras fontes; fresca as suas
brisas, serenos os seas ros, maviosos es seus
passaros e encantadores os seus arrebaldes.
i versos.
Naeila apoiava a face na palma da mao, e ficava j ras com '
- v.tinniniun rdele nnmnitn as minhus flpsrr n- *
Ei-los :
Ai! se eu te visse, linda Cila, um da
Dar-me se quer am olbar smente,
Ento ditoso, te dinaama-me
Ama-me sempre com amor Ingente.
Todas as cousas nos seus- principies sao boas
e agradaveis. O principio de um amor nma
epopeia de felicidade : o dia de am noirdd am
verdadeiro dia de festa : o dia de ama prmeira
commuubao, am da de saotidade.
Depois, ludo rai cahindo ness embryo em- que
a alma se enrolre com a posse e- a repetida vista
dos mesmos objectos.
O meu amor, foi asslm.
A principio; era ardente, intenso, delirante, or-
gulhoso e apoixonado; depois calido, suave, reflec,
tido e tranquillo; por fim triste, fri e gelado.
Como nao eram cheias de voluptuosMade aquel-
las tardes em qae nos riamos no beijo qae dar o
beija-ilor na rosa, nm casto beijo dos nossos amo-
res. Na ptala da rosa qae caba crestada pelos
aliimos raios do sol, o emblema de am amor sau-
doso. No sussurro qae a brisa fazia soprando as
folbas das mangaeiras, os cantos de am amor
innocente. No perfume que as flores espalhavara
hlito aromado de dous paitos olegantas de
paixo.
Como nao eram poticas aquellas noutesem que a
la lerantando-semageslosa por detraz das-aoaosas
uj raios dourados careca im-
em vo uptuoso ex asIs oarindo as minhas descrip- ""*" 7 ya,TOia ""
oui uiuF.u .,,.-;. prirair-nos nalma urna epopea de pa xo
css, qaando eu parava, ella como que accordava r ^^
?stremecendo, surria-se, e dizia-me: eu anda bei
de ir ao norte.
Um dia eu ebegava do estudo, e Naeila estava
ionio sempre tecendo oa sala o seu crochet. Quau-
do entrei estava muito cansado; porqae o sol era
abrasador; assentei-me defronte de Naeila, ella
nltiou para mim surrio-se e ficou rubra. Segunda
vez olhou-me, surrio, e e mesmo rubor. Final meu.
te ella me diese.
Quero lhe pedir urna cousa faz-me ?
Sem dvida nenhumal o que me pedir V.
que eu dcixe de fazer Naeila?
Qual, V. me engaa, responden ella.
Nao tem razao para dizer isto, Naeila, urna
ojasliee que me faz.
Mas eu tenho tanta vergonha, me disse ella.
Nao se enrergoohe, diga o quer.
Eu quero.... quero o seu retrato.
Amanlia o ter; mas, olhe: sua mu pode
um dia rer esse retrato, e o que lbe responderei
eu, se ella me perguutar quem me autorisou a la-
xar lbe am tal presente?
Nao, mamai nao o ver, eu o esconder!.
Nacilla estava fallando assim, quando sua mi
entrara na sala.
A nossa conversa nem era to alta que todos
podessem ourir, nem lo baixa que se podesse
absolutamente deixar de perceber. Eu quiz ea-
lar-me-, mas j era tarde, a mi de Naeila tinha
onvtdo de mais, para que nao conhecesse do que
eslavamos fallando.
Nao parm; disse ella, podem continuar; eu
OUfl ludo; tudo sei, e a nada me opponho : conhe-
ja a pureza das suas insteneges, e longe de estor-
var ou por obstculos ao primeiro amor de minba
ulna e seu, protejo-o, desejo-o mesmo. Pode dar
o retrato a mioba filha, eu lbe autoriso.
Se um raio me tivesse cabido aos ps naquelle
momento, me nao teria aterrado tanto. Fiquei
oafundido tanta era a minba vergonha : um suor
fro banhoa-me a testa, urna nuvem espessa pas-
sou-me pelos olhos, e um zumbido extranho aba-
loa me os oaridos. Fiquei petrificado, com os olhos
crarados no chao. Naeila pela sua parte, ficou
rubra como urna rosa. A mi de Naeila vendo a
nossa contrariedade, retirou-se.
Immediatamenie retirei-rae para o meu quarto,
e caht oppresso como se tivesse urna m ontanba
sobre o peito. Depois veio a reflexo, e eu fiquei
orgulhoso da confianea que a mi de Naeila deposi-
t&va em mim, protegendo o meu amor e o de sua
Siba.
Em que o passar ligeiro, da nuvemstnha branca
orladas de franjas de oure, pareca deixar-nos um
poema de felicidades.
Em que ociciar da aura entre asfolhas das
roseiras, pareca cantar-nos um ydillio de. pra-
zeres.
Em que a per-fumosa aragem das flores, pareis
deixar-nos urna ode de amores t
Ohl sim : era tudo to bello, lo meigo, to po-
tico e to innocente, que nem a rolla que em temos
arrulos beija a innocente companheira no mais
espesso do matagal, seria mais bella. Nem a rir-
gem qae no silencio da alta noute, com a face
apoiada na rao seria mais meiga. Nem a fonte
que corre entre a reir rerde, matisada de doura-
dos malmequeres seria mais potica. Nem a
creaocinba procurando apertar as sedosas mes as
grosseiras rosea* da venenosa spide que a deve
morder, seria mais innocente.
Foi um tempo de illusdes.
Teropo em que os nossos coraces nao eram es-
pesinhados pelo frreo p da desconfianza.
Tempo em qne a innocencia ainda nao nos tinha
feito as suas depedidas para dar lugar a moeldade.
Tempo em que os nossos coragoes eram to pu-
ros como as gottas crystalina da lympba que corre
dos rochedos.
Naciia tinha pedido-me o retrato, era o seu pri-
meiro pedido, para mim era ama ordera : dei-lhe.
Urna tarde porm, tinha en ido visitar am meu
comprovinciano, e fui obrigado a rollar para casa
depois de dez horas da noite. A la estara magni-
fica, derramando torrentes de sna placida luz na
trra. Quando ebegnei ja' todos estavam recola-
dos em casa, i Naeila relava. Ella estava na ja-
nella da sua cmara, e esperava cuidadosa por
mim. Tudo era silencio. Ao passar por junto
d'ella apertei-lbe a mao. Um fogo estranho devo-
rou-me o peito, um pensamento infernal veio-me
ao crneo, pedi-lhe am beijo. A pobre menina
tornou-se toda rermelha, feichou os olhos e apre-
sentou-me a fronte. Eu imprim lhe um beijo ar-
dente, ella den pequeo grito, e en retlrei-me.
Foi o principio da decadencia do meu amor. El-
le ja' n3o era aquello amor espiritual e innocente;
era um amor meio material, eu ja' tinba profana-
do com os labios a branca rosa da sna fronte de
virgem.
Tinha sido o verme nogento que se deitou as
ptalas da Sor, para depois lbe roer o ealix.
Na mauha do dia seguinte, Naciia, parecia ter
FOLHETIM
TRISTEZAS A BEIRA-IYIAR
POR
M. PINHEIRO CHAGAS
X
Es taramos no mez de agosto. Os nossos amores
tinbam cinco mezes de rida, e fam rfreno plci-
damente. Naeila viria para mim, e eu para ella.
So$ domingos, anammara passar o dia conmosco,
o guarda Iirros do pae de Naeila. t'm domingo,
fatal domingo, o gaarda Iirros dia ole de lodos, o-
fereceu a Nacilla nm craro branco. Naeila oltou
para mim, sorric-se e acceitou o craro.
L'm- punhal de dois gome qae naquelle momen-
to me tiresse arraressado o eorajfo, nao tan teria
dofdo tanto, como me dcu aqnella offerta, e a ac-
cetaSo. 7:
At aquelle momento nanea tire cousa- alguma
que exprobar a-Naeila; mas r/aqnelle rastmie, o
ciume com toda asna forga fulminante, acabru-
nhou-me.
Fiquei esaponlado. i
LevanteMne da meza-do almoco e recolhi-me ao
meu quarto; e a preteno de ter nma grande Hccao
a-' estudar e urna dissertaco mamr anda a' faier,
enserrei-m fechado at-horas de-jantar. AW, no
silencio, qoaatas exprobagoes qae eu nao fiz aNa-
ciia 1 Quanlos projecioe de ringaaca qae en nao
meditei contra a traidora I
A horas de jamar, porm, en apnareci tranqoillo
e calmo. Tinha o rosto sereno; mas o coraje-em
tempestado. Tinha o Qegimento na-face e o des-
espero na alma.
Bao del patarra-. Dnrante o tempo de jantar
coDservei-me mudo, e por mais animada qne tosse
a conversa, nem orna palavra minaa-se ourio.
Acabad i o jantar levantei-me e-tornei a entrar
no mea quarto, e contrae meu costme; porque
nunca o tinba feito nos domingos, ealeei-me a pre-
texto de urna risita sabi.
Quando voei- eram quasi nore horas, nab-quiz
celar, e disse que ja' tinha ceiadv em um hotel.
Nunca ment tanto.
Retirei-me para o quarto, descaloei-me, e procu-
re! a cama, minba confidente das minhas- dores.
Abi soltei urna torrente de empreoacSes contra Na-
ciia. Lcvei muito tempo sem poder dormir, tire
um somno agitado, accordando por varias rezes
com urna especie de conrolsao espasmodlaa.
No outro dra, appretentei-me ao almogo eom a
mesma imperrorBarel serenidade, muito embora
eu tiresse a alma despedacada. Era o hornera es-
tatua por fra, por dentro- era o bomam vulcao.
Tinha apparentemente urna placidez-herclea; mas
tiaba o coradlo queimad pelas dores da ingrati-
dao. Comtudo nem urna queixa nem, nma demons-
trado dava; posto que estivasse oom o peito hor--
rirelmente torturado; mas eu era como mar qae
esta' tranquillo na superficie, emquaato que aos
seus abysmos ferr a pororoca.
Naeila reio para a ahnoco, nem se quer a orbei.
Se me fallaram responda ; mas nao era en qae
(irasse um s assnmpto para conversa.
Aeabado o almoeo levantei-me, tomei os Mvros e
segu para aula.
Nesse dia, em lugar de rollar as oaze horas
como eu costumava, s voltei as duas horas da
tarde. E' que a casa de Naeila j nao tluba mais
encantos para mim. Alguns das antes ella me
parecia um paralxo, boje s parecia um inferna
Em oalros das eu tinba a certeza de, voltaado
da aula, achar um olbar meigo, e um snrrisodoee;
mas agora eu s adiara olbares baixos e roslos
rubros pela traico.
Quando vol.e Naeila estava no mesme lugar,
em que ae costumava esperar. Entrei, fiz que nao
a via, e dirigi-me ao quarto desesperado de rer
tanto cynismo, em urna idade lo mnra. No furor
da minba paixo, eu inlerregova a mim mesmo>
desojando saber, aonde estava a innocencia, se no
seio de urna familia, ella moma e nao brotava
flores.
Concluido o jamar, torne! a pretextar ootra visi-
ta, e sahi.
Voltei um pouco mais cedo, e encontrei o pal de
Naciia no jardim.
Elle
musgo,
Naeila a preenrou tomar parte na conversa ; po- Que nada ba mais de commum entra sos,
rea tere o dissabor de rae rer sempre abstracto minba aenhora.
todas ti mea que se ufe diriga. Urna ulma patarra. E o que juiga da mim ?
Vendo WW'llMF nio reaROBdta; oa tem porj-- Wgq a senhera, sememantea urna se
altrt, ffrpor Terge'im>,-eln lerantcm-seenfwada'WiaJfl?*! P' poder mattr o Incauto qne a
e retlron-se, eu fiquei no jardim. Acabada a con- (ea : Qm semelbante ao croeadillo, que cbp-
reijMi, retlrei-me para o quarto, proeexei .rer. se ^ i poder devorar ao que o fr soccorrer.'
estadava; mas quaJ, ao poda decorar. O era- f,, Bem, disse ella, com um ai tirado do peito,
neo era- fogo, a luz parecia-me cor de sangue, os nc-rri : nem para o senbor e nem para.mais ne-
caracter9#r4o comp*n4io pareciam-rae tremular, nhura. O senhor assasslnou o mea amor, e samo
e eu tinha-a cabeca completamente vasia '
Entretanto, dista eu eomige mesmo, isto
pede durar : e precise por um paradeirr ms ao
mefmo lempo parecia-rae que fallar no travo a
Naciia era descer da npsico de olTendidc a de in-
vejoso; Conservar-me callado, parec ser ioeom-
patirel comigo. Aeseotei de votar-ih o mai so-
berano despreso- Foj o que fiz ; porque, dizla eu
comigo, que juz.tenbo eu a que Naeila me am?".'
Fez como todas,as autras mplheres, qu sao rer-
daileiros anjo em quanto gesam a loa de mei;
mas que sa temaes demonios quando sejenfastiam,
Eu pols nada- tinba eppor. Naciia tinba gosa-
do da loa de mei dos nossos amores -, agora eslava
enfastiada, procura ra um- novo-aman te,, eis. a bis-
orla. ^ ii^ Jy *4"
Assentei ear despreza-lav a pnc des.rrlgo%m
pratica o me proposito.
'Jito das se pasuram se que Naciia ouvisse
ama s patarra salame. Durante elles, sita levan-
tava-se ailectando- raa 'calma que nao possuia.
As frescas cores da, rosa ja' nao exisiiam impressas
na suas faces, seus olhos nao pareniam ter o
de chorando como urna louca<

. | E ea; eu, fui tao infame que em lugar de se-
0 gura-ta, laogar-me a 'sena ps, pedir-lbe perdo de
tinta mfaaia mioha; fiquei todo eoehado como a
greha de- Bsopo, saboreando a longos sorros o
meraMBjiinu-fless do mettlaar d da mmb rin-
gaaca. i Hbio >b
#6so qne dunm ,poneo e se transformou ao
amargor da myrra.,
Vmgao^a que se transormon em odio.
Orgulho que tornou em baiieza.
XR
Naeila ofleMlda no mais santo dos seas sentr-
mentos eacerroa^se no seu quarto. Ns primeiroe
das a pobre menina cliorou muilo, depois- as la-
grimas se lhe secoaram, e nero-mals esse refrige-
rio que nos mitiga o coraco quando a alma sof-
fre, ella tinha. Estava em urna prostracSo espanto-
sa, e urna vez por outra sola va do intimo do peno
um ai maguado, nica quea desse, aojo oflen-
dido.,, .
Ed pela mioha parle, depoje da scena de cani-
balismo, pareca ter perdido todos os sentmenlos
de honra. Orgul-bava-me do que constitua a mi-
ra esroo brilho, suas palpebras-.wrnaram pesadas e 0S* wrgonha. Cada um ai que Naciia soltara, eu.
cahlam sobre o oilios circaJados de uro oi^Mira
azulr e-o carmim de seus iaMos liaba desappere-
cido.
A. pobre menina- soflria. ,
Eu porm affectava urna,,calma e urna iraoquili-
dade de estatua.
Urna tarde quando, eu sabia ao passeio, ella j
estara assemada debaixo do carramara:bo> tinha
o olbar desvairado, o peito arquejante e a falta
tremola.
Quaodo passei por junto delta, chamounae; fiz
que nao a ourla.
Perpiedade, renha! me disse ella.
Ento senti pulsar do meu peito iodo o orgulho
de um amante offeodido, e toda a roinha dignida-
de de-bomem parecia pedir-rae que me viDgasse.
Fui-at aonde ella estava.
Deseja algomacouea, minha- senhor ?
Desejo, slm-r tire-medesta.borrlvelmcerteza
que me devora o cora cao; m qne lhe ollendi ?
Basta, minha senhora, nao ajunte a bypocrl.
si a maldade; permuta que me retire.
Nao: disse- ella, agarraado-se a mim.
Nao conseutiroi que d'aqui saia, sen;, me dizer
qual a razo porque me dispresa, em qne lbe of-
feadi?
Fiquei indignado com tanta ingehotade, que roe-
pareca fiogimento.
Nada tean a dzer-lbe; a senhora morreo,
para mim, a a sua sepultara foi aquelle craro
branco, que a senhora recebeu no domingo.
Ab I nao, nao me jalgue aiada.
Senti toda a forca do mea orgnlbo, senti teda a
forca do me amor offeMide, Jos, torr ei-rea mais
do que no grosseiro, lornei-me -am estupido-para
Naeila, e disse-lhe.
airaba senhora, entes na qae nae oasceram
para orna vida de felicidades, e sim para ama rida
de ignomia : abusa da mais santa iaspiracio que
o co Ibes enra, calcara nos ps essa liberdade
que Ibes d o direito de optar entra a bsm e o mal,
e perdem-se. A senhora um dess.es entes; o
nome de um bomem honrado, que sempre fez da
senhora urna dmndade, cujo templo era o raeu
coracio, na lbe servio : proeurou ser thurl-
ferada por um desses materialistas coja vida
um embretara perfeito, a cojo amor um sin-
cretismo : escolhea-o, nao tenbo direito a queixar-
me. Bem vo, minba senhora, que entra um guar-
da Iirros e um esiudante, ba a separsicao do Infi-
nito. Aquelle, rire tragando calamnas e somman-
do fracc5es, este faz do sea crneo um templo da
sciencia, e procura elerar os sefttimentos que ex-
perimenta. O guarda Iirros possue as vezes al
gumas libras sterlinas, o esiudante pos sua a parca
mesada, obulo do amor paternal: este faz da mu-
lher um ideal, aquelle urna letra de cambio, e a
troca pelo seu ouro.
Rasta, me disse ella, chorando. Ento pensa
que eu descea a namorar um caixelro ?
Quando as mulheres teem o eoraoao elstico,
minha senhora, namoram e accommodam no peito
a todo o genero masculino.
acife eomprhendeo que ea nao que-
a, sabio com o desengao na
*ef para o Santa Isabel, qtasi
mente porque nao sabia mesmo o qae
*>>***.
i- C ClSAft.
{Continar-u-n*.)
.-----
XII
(Continnaco.)
Onde o pincei serta talrez impotente, mais im-
potente a penna. Estas scenas nao se descre-
rem, adirinbam-se. Jorge desriou-se um pouco,
e ficou silencioso e grave, esperando as conse-
cuencias ; Magdalena fez-se palhda como urna de-
fama ; os seus olbos sem expressao fltaram-se em
Leonor, mas o terror e o assorabro parecia que
ibes haviam furtado a luz. Saa irma, am ins-
tante assombrada, senta urna nuvem de sangue
toldar-lhe a vista, e rerelara as feieoe? transtor-
nadis a tempestado de colera immensa que refer-
ra l dentro. A sua natureaa aelragem nao era
das que sabem oa podem domar oe impetos da
ira. A tormenta, que lbe ragia no peito em on-
das embravecidas, rebentou com terrivel fragor.
Paluda, espumante, arancou para Jorge com os
deates cerrados, e, lancando-lhe a mao i gola do
casaco, bradoa :
Infamia 1 Qae alma de lacalo se disfargava
debaixo desu apparencia de earalheiro ? Viram
bem os mous olbos o que riram ? Nao me Iludo,
nao sonbo ? Foi o homem de bem, que jurou ser
meu esposo, o que ea ri agora nos bracos desta
mulherT
Mcdere-se, Leonor I redarguiu Jorge, ailec-
tando serenidade, mas seando a colera tambera
succeder pouco. a pones ao sentimeoto de rergo-
nha, qae primeiro %$ apossar dalle. O que se
est passando e desgrasa irremediavel; nao
a exacerbe ainda com os seos transporte* irreflec-
lidos. O coracio nao se ronce; nao somos nos
qae o dominamos, elle qae nos domina : quera
qae a saa imagem tao pora, Leonor, tao digna de
ser adorada exclusivamente, babrtasse n'um altar,
que a fatal idade consagren a outra ? O que te pas-
sou, repito, foi ama desgraca; o sen espirito jus-
to, se o nao desrairasse a paixo caga, viria a
conrencer-se das rasos, qae ea bamUderneute
lhe apreseorii, e a traMi?5o baria de se perar
der otn modo mais suare. InfeUzmente, qniz o
acaso qae fosee abrupto o dasealace deste drama
doloroso. Acceitemos, pois, a triste sitnaeao em
Leonor nao pode conservar por muito tempo
aquelle tom de irona. Foi di re la a sua irmaa,
e, apertando-lhe o pulso e fazendo-a rergar, ex-
clamou :
Pois tambera tu me trahlsie ? O beijo, que
boje me dste, julgando-me adormecida, era c
beijo de Jadas ? Bem te senti e sorri-me com inef-
farel jubilo, como se me houvessem rogado pela
fronte as azas de nm anjo. Quiz rir"fturprehen-
der-te e surprebendi-te, nao assim ? Qae sur-
preza to agradaren... Ah t moa eu de va co-
uhecer os leus instinetos, ribora, qae, aiada qaa-
se no bergo. mataste tua mai !
' Oh I Leonor 1 exclamou Magdalena, soltan-
do um grito horrivel e debulhando-ee em lagrimas.
Neste momento abriu-se a porta, e o vulto gra-
ve e austero de Bartbolomeu Soares assomoa no
limiar.
O que isto aqu ? perguntou elle tom es-
panto, porque ouvira os gritos de Leonor.
Esta corren para elle, e, anda impedida pela
raira cega, que apagara sella eodas os Instinetos
bons para s dar lagar aos teraiveis Impetos da
sna brava organisago, bradoa-lbe com voz vi-
brante, afferrando-se-lhe ao palso e apoatando
com a ootra mo para Magaalena :
Meu ar, vingae-me, que a matara Aqnel.
la infame, qne all v, era amante1 do mea noivo t
Eu I exclamou Magdalena, atterrada pela
sbila aecusagao.
Demos-lhe asylo, meu avd^ contrmwa Leo-
nor, sem attentar na tnterrbnc|b| demos-lhe cari-
nhos e anecio -, tiremos todo o cuidado em acce-
der aos seas hbitos de lisboeta; cernemos para
nos os esplnbos, a fim de qee ella se nie ferlsse
ao eolber as rosas, de qae Iba orlamos a estrada
da existencia; e ahi lem o pao, qae recebemos I
Admitlo-a na inllmidade dos nossos amores nas-
centes, delxo-a aqaecer-se a' anee calor do nosso
que nos remos. Eu nao posso ser seu esposo
Leonor; o amor apaixonado, que julgara consa.
grar-lbe, era affecto fraternal, riolento como todos
os affectos que a sua nobre orgaoisago est fada-
da a inspirar. Seja minha irma, Leonor, e con-
ceda-me o perdi, que de joelhos lhe imploro!
E ia effeciiramente ajoelbar, porm ella, que
a muito casto o ouvira silenciosa, mas com os
olhos a fozilarem relmpagos, nao Ih'o consentiu,
e, impellindo-o com vehemencia, exclamou com
profunda amargura:
Ab I como en reconbeco as palarras de mei,
que por tanto tempo me enfeltigaram Bastou um
instante para Ihes destruir o prestigio 1 Perdem
todo o poder perante a Leo? que se ergue embra-
vecida ? Ainda me julgava alguma crea turbaba
que desmalara quando perdesse o seu amor f En-
gaua-se 1 Pede me que lhe tenba affecto de ir-
ma % O amor que lhe consagre'! foi substituido
pelo despreso I Amara loucamenie a mascara que
lbe ria no rosto, mas a mascara cahiu e a face
qae deixoa naa merece apenas ser cortada pelo
chicote 1
Sra. D. Leonor, exclamou Jorge, cruzando
com o olbar colrico da sua noira am olbar nao
menos scinullant, as regalas femiuinas nao ao-
torisam o insulto levado a esse ponto. Por amor
de Dens lbe eco qae poaba as mos de nm ho-
mem esse chicle Nao preciso de protectores I exclamou Leo-
nor, avaocando para elle; sei Tingar en mesma
os insultos que me fazem. Saina t
Doro a mim mesmo, responden Jorge com
am riso sareastico, poupa-la vergonha de se
arillar mais ainda I
E, roltaodo-lbe as costas, sabiu furioso.
Leonor ja o nao carta, Voltira-se para Magda-
lena, e filara nal la um olbar fri e agudo como a
pona de um punbal.
Porqae nao acompanha o sea amante, minha
senhora ? Pessoe tao delicada, to oorietaa, lio l*** e ff Ia *>Jig*-<*
hbil em reprimir os seus eenimentos, nao se de-' ^ a a* >o men e^ow I V.ae-m., ar,
re manchar eom a presenca de orna aelragem ra- vin*,w"Bie
de, qae lem bramidos de leda das selvas, em res Nao eram noces jaras untas exejtaces para se
de arruino* de rola da* salas t Nao aqu o sen aflatomar o anima iraeelrel de relbo. Via elle a
logar; um relicario d dde lbe compete t na neu querida, a menina dos sea olbee, com
E avancara para ella pasto a nasso; Magdale- faena affegaeadas, traaateraadas as feiedea, se-
na, toda tremola, awasUda caer a tenapeetade de ceta em fogo sinlstro a vaga papilla, e tae \mk>
clera infrene deaMJrsaaa, neta se poda mover, por causa dessa estranba, dessa -ntrus, por qaem
As mane, qne *egtrla snpteaaMes, par entera qne- eUe sempre sentir iaatractira aaupatbia 1 Que
rer proteger e rosto, sea otearen oebrMo. NM sea* era preciso para exaltar o espirita, j poeto
olbos traospareca O terror levado ao sen paro- firme, do remo, espirite, de muis a mais, eoetnx
sismo. nado a tima tonga strjeigio a Le( or T
acompanha va com urna praga grosseira. Ja' nao
era mais aquelle menino tmido de cinco mezes
passados; eu era audaz como1 um bomem prosti-
tuido. Meus Iirros jaziam cobertos de p e nanea
mai; foram abertos. Fu dos buhares e betequins o
meacollegio, dos tacos os meas compendios. Le
rara- das e das fra de casa,, urna transfigucagio
geral se tinha operado em mim.
Ouera a coneciencia que mordia-me, el era
cede de vinganga.; eu conbeeia qne me fallava al-
guma cousa.
Fermei o= mea* planos de vinganga. A princi-
pio atirei-me loc*o nos prostbulos- immuodos da
messalna vil e ahi procurava-gasiar o meu ser com
todoeafao. Quantas fezes as labios da mulher
cadver, eu n.depositei na.osalo de fogo.
Quantas vezes nao apertei no men corago r-
deme, o peito da mulher estatua. Loocara insana
tinba se apoderado de todo, men ser, ea dizia no
auge da febre da orgia, qne na mulher perdida eu
tinba adiado, o que nSo bavia achado na mulher
honrada ; que na mulher honrada nao liaba en-
eonlrado viriude; mas que na mulher perdida ao
menos eu tinha aebado firmeza, firmezas comprada
[com as gotas do suor de meu pai, queeu demente
espargia no bordel damagdalena.
Esa vida porm caocoa-me ; porqfie ea nao po
dia fazer anegar at aos. ouvidos castos- de Naciia*.
essa sorto de felicidade.
Procurei namorar ; mas todas as- mogas oa me
pareciam. muito vaidosas, ou todas-muito faltas-de
espirito nenhuma tinba, am nao sei que, que en
sabia smente achar em Naciia, ou por outra to-
das atlas, eram sempre mogas, isto mnlhases: eu
nao as poda deixar de julgar ama por toda*.
Vma tarde, depois de ea te* esgotado lodos os
recursos que nos tacaltam os prazeres, eslava em
aborrecimeuto mortal. Deitei-mev Qaando pro-
carava dormir um pouco, a mai de Naoila, entrn
no meu quarto, e principion a conversar, eu oa
nao ouvia-a. ou nao lbe dava attengo. Ella po-
rm tanto conversn, qee levou a convera sobre a
doenca da filha e prinetpioa a defeade-la, e a mos.-
trar-me a innocencia d'aqoelle anjo martyr das
minhas injustigas, para melhor dizer, da minha
estupidez.
Se ama vbora me tiresse mordido taJwz que
eu cao seotisse tanto, como sent quando ella lerou
a conrersa para esse lado.
Quiz fugir, nao hara meio; lancei os olhos para
todos os lades, e a nica cousa qae ri, foi am
Diario sobre a mesa de estudo, agarwi-o e pnz-me
a lei a pagina de annuncios, a primeira que en-
contrei ; quando ri em letras sordas o annuncio de
um espectculo. Esse Diario foi o meu santelmo.
Calce! as bolinas, tomei o palitot e o chapeo
disse.
D. F... nao posso mais ouri-la. Tenhe de
ir ao espectculo, por isso pego-lhe mil perdes
por nao poder continuar mais a ourir a ua agr
darel conrersa.
Deu um passo para Magdalena e disse-lhe fra-
mente:
Menina, prepare-se para se retirar a um re-
colbimento, at que o seu conselho do familia de-
cida a saa sorte. Bem v que n'e:ita casa nao
pdeficar nem mais um minuto.
Mas de que me aecusam, meu Deus ? excla-
men a afflicta menina; qual foiocrime que eu com-
metti ? Porque motivo me acabrunnara todos com
o peso de sua colera ? Sou culpada, bem o sei,
mais nao tao grande a culpa, que mereca este
enorme castigo I
A culpa ser leve na cidade, continuou Bar-
tholomeu com a mesma frieza; n'eslas aldeias sel-
vagens ainda ba o man costume de sa presar a
honra cima de tudo I
Oh 1 meu Deus I tornou Magdalena, cahin-
do de joelhos e debulhando-se em praoto; pois
uinguem lera compaixo de mim ? Ninguem tem
d d'esta pobre orpha, que. ja n&o .tem seio de
mi, onde v procurar consol e perdi ? Sosi-
nba no mundo, ser destino meo beber at as fezes
o clice de todas as amargaras 1 O" men ar,
meu bm av, tenba commlgo coragao de pai I
Bem v que eu sou orna pobre aresiolia sem i-
lbo, qne, desde a infancia, tenbo vag.do na trra
a capricho dos vandavaes t Nao me expulse d'es-
te modo 1 Ooga-me ao menos; o que lhe pego.
Leonor intercede por mim... Minha boa irmaa,
minba segunda mai, assim repelles i, tua Alba ?
Criminosa sim, mas que mporiaj? quji 0 eme
para qae nao ha perdi n'um cerajao de eaS ; e
o coragao de nossa mai legou-i'o ella, bem sebes.
Nao me privem de todo o affecto, alo me arre-
jera assim a esse immenso deserto do mando, onde
nao ba nm rosto qae tenba am sor riso par a pobre
orpha 1 Meo av, pela alma de mea pai I Leo-
nor, pela alma de nossa mai l
Leonor conserrara-se silenciosa e sombra. En
aostara-se janella e contemplara com as sobran-
ceibas franzidas o espectculo do mar. Apesar
do sea aspecto glido, a agltagb do pello, sable-
vado pelos solucos reprimidos, as lacrimas qne
lie merejavam nos olbos, tudo denunciara o hr-
rido combate qae se eslava travando naquella
alma. Porm o orgulho subjngaea talos os sen-
ttmettto* genrelos qne lbe brotaram no espirito
nao lbe consenta qae codese a sapr licas. Con-
serrara-se de costas voltadas, porque, se assim
ai ise, nio resistirla ao desejo ce se laucar
laude, ea (agrlaus, nos bracos de na irmia.
Mas Barmoloaeo, eom o egosmo ImpUcavel
Idos vemos, nao pensava ssa&o qo jqbliq de i rer
fcf MUCO DE TFDO.
Na setlo i Meara dos ceratmins, em #9 da-
abril, sir Joio Grey spresentoa urna proposta,
para-ijue o parlamento tome em considerago 9
estade da igreja eslabelecida ( protesiante) na Ir-
landa. .
O illustre deputado deelarou que o estado em
qne se acba a igreja e^teiwlecida na Irlanda nma
justa eausa de desconieoiamento para o poro
d aquelle paiz, e reclama urgeatemente a alteneo
do parlamento.
Deelarou que o principal ponto qae qae ra sos-
temar era o da liberdade religiosa e igoaldade, e
qne embora a etecugSo' d'esse principio possa ser
adiada, os seus advogados esto rsorvidos a
continuar nos seus esfbreos at qu aobtenba em
todo o remo anido.
SirJ.6rey sastebtoa que a igreja prdresmBtflr
na irlanda, tinba falhado a todos os respeHbs" nos
flns para que fra establecida, depois de orna
dispendios* experiencia qae darava haria ,99
anuos, e que a quesio agora se essa experiencia
deve continaar por mais temao.
Sir J, Grey mestrou que de urna populagio de
9,78,56i habitantes, os menbros da ij-rej esta-
belecida sao 603:357, e que o numero dos nao oon-
formistas, ou eatbolicos, de fyiOSiltff:
Na provincia de Ulster. que fondada ne-pro-,
testantisrao, a proporgao dos hahiiantes que seguene
a igreja de Inglaterra era de 20'para 4% ao con-
formistas, inciaindo os caiholieos,. sendo a propor-
gao dos catholieos da 2 1|? para- 1 protestante.
Em Leinster, es sectarios da igreja de Inglaterra
estona proporgao de 11,89 para 88,11 nao con-
formistas;
Em Munster e em Connaugrrt, asproporges sio
5,10 para 94,90, e 4,15 para 95.6S
as dioceses do Armagb, Dowo, Doblin e Derry
aproporgao dos- anglcanos" de 19,3 para 80,7
nao eonformistas e as oito outras dioceses, a
proporgao de 3, ws para 94.S8, sendo os calbo-
leos 92 13 por eenlo.
Fe*- depois urna pintora peltieo histrica da
igreja anglicana nos tempos paseados, taes como
os deSpeneer, sip Joo Dariesr.e hispo Bramhall
(em 1633), Maskaim, o historiador ecclesiastico,
etc., mostrando a baixa coodi,* religiosa a qne
chegou, e a sua qnasj necessaria eonnexo eom
as ieis penses, promulgadas centra- os catholieos
romanos.
Temando ao astompto das rendas actuaos da.
igreja iriandeza, mostreu que exeediam a 700:080
libras-esterlinas (3ii50 contos de ris) por anuo.
O numero total de beneficios- na Irlanda de
1:5M>,- ao passo qne ha 169 parenlas em qne nao
se aeha um uoico membro da religie do estado,
mas-eontem 98:417 catholieos reeaanos.
Dos- 1:510 beneficios, 615 dao ama propergo-
de 23.individuos por-cada uo, emquanto o rendi-
meaio de 257:207 libras (t.i7;*31*50O} ou 31
libras (1395500);por cada (aaia de cisco protes-
ta ates.
Em 2x9 beneficios o reodimenio era de-lrbras-
8J:B71.(373:8l9i|500)ou 139dibras e lashillings.
(6285200) por familia.
Em 111 heneados as rendas eram 36:355 libras:
163:5975500) sendo a populacao de 5TO indiMr
doos, ou 178 libras- 80I50GO).
O coronel Sreville sustentou a proposta, mos-
trando a neeessidade de remover urna, cansa de
desafeico e desgosto na Itteada.
Mr. Chicha^ter Forteseae, por parte dogoverno,
oppoz-se a proposta, emojoaelo se nao mostrassa
eom nm fim elaro, sobre- o modo de se proceder a
este respeto,, declarando ao mesmo. lempo que
sympaibisava pessoarmente eom o fim que se tinba
em vista, e que se nao opponha proposta com
rasao alguma de politiea permanente.
E' suaopinio que a igreja protastanle irlande-
u deve resignar-se a ceder, em. devido tempo
nma parte dos seos rendimenloe*. de medo qne o
estudo obtenha um fundo, qna possa applicar i
igreja nio retribuida da maloria do povo.
Mr. R. P. Dawsoa. oppoz-se proposta, e Mr. B
Urqabark snstentoa-a.
Mr. O'Donoghns observen qne era evidente qna
o governo nio quera tratar immediaument da
questao da igreja irlandesa; disse mais que os
reodimentos da igreja irlaadeza tinhm sido des-
viados do fim para que haviam sido primitivamen-
te destinados, e que nao eram apropriadns aos
fku religiosos da maioria do povo; de maneir
que am estado tal apresentara nma anomala e
urna infnstfga sem igual e desconhecda no mundo.
Mr. Whitheslde sastentoa que as propnedades
da igreja (protestante) estabelecida na Irlanda sao
bens nacionaes ; mostrou seotimenio pela poltica
mesqulnha do gorerno que aconselhava a aga-
go para destrbir a igreja irlandeza. ao mesmo
tempo que se negara a tomar a responsabihdada
de empregar para esse fim a sua accao offlcial.
N'egou qae a Irlanda, gomo nago, seja calboliex
romana, anda que a maioria dos camponezes pro-
fessem essa religio; e em referencia propesta,
disse qne se opporia da manera mais formal e
constante, por acreditar qae era apresentada como
um movimento revolucionario por parte da cha-
mada associagio nacional, cojo fim era separar a
Irlanda do reino unido. Sustentou qae a igreja
estava intimamente ligada com a propriedade e as
instituirles da Irlanda, e que nm ataque aquella
estabelecimento devia ser repellldo como nm as-
salto propriedade e religio do paiz. Susten-
tou mais qne os catholieos romanos tiobam-se
comprometido, no tempo da emancipadlo, a nao
fazer ataque algam ao estabelecimento da igreja
protestante.
A discassio foi adiada, depois de algomas ob-
servacues de sir 11. Hoare.
ootra vez s com a saa Leonorsinba n'essa doce
intimidade, que a ebegada de Magdalena riera
perturbar. Depois, pensar elle que haria alguem
n'este mundo que, sendo amado por Leonor, poda
amar outra mulher, era cousa a que se nao ba-
bituava; e a creatura que fra motivo de lamanho
desacato, a creatura que banhara de lagrimas os
olbos da sua querida neta, mo poda ser senao
um monstro de perrersidade. Por Isso foi com o
mesmo sorriso sareastico a fluctuar-ihe nos labios
qne elle respondn ardente sopplica de Magda-
lena :
Porqae se queixa de estar s no mundo ?
Nao tem abertos para a receberem os bracos do
seu amante ? ".
Esta ultima gota de fl fez trasbordar o raso
Magdalena humilhara-se, rojara-se no p em quan
toa dominara completamente a ideada saa col-,
da. Todas as expiagoos lbe pareciam poucas para
tamaoho crime. Mas o peccado estranho que lhe
attribUiam restitoio-lhe a consciencia da sua pro
pria dignidade. Vlstam-Ihe o cilicio da penitencia
e ella obedecer resignada, mais rio-se insultada
como a mulher mais vil, vio levantaren) lama para
Ih'a arrojaren), e, olbaodo para si, nao encontrn
macula que motivasse a injuria. Operon-se enlao
no seu espirito nma reaegio sbita ; ferreu-Uxe
as velas o sangos ardente de sna irmia; ergaeu
a fronte, ruborisada, nao de vergonha, mas de ia-
dignaeio, e exclamou, entre solucos qne lhe ar-
rancara nio j tanto a dr, como o i-esentimento :
Oh I de mais 1.. Estou-me ailando com
estsxdeeae 1 Lancam o desespero n'ama alma
panf*>B^d>aaom^aet>jKinnfnjBn... tremara
das conssqaencis I... Nio ficarel D'esta casa,
onde s encontr o insulto ea calumnia... Verei
se os estrenuos se compadecen) do pobre, a quem
os seus despresam.. Adeus, men ar... adeas,
minha irma.. Pedir! ap Omnipotamte qne
Ihes nao tome contas am dia da crealdra fraca e
iodefeza, qae talrez arrojaram ao abysmo I
E. lavada em lagrimas, sabio como doada pela
porta lora.
Bartbolomeu eneolheu os hombros para Leonor
como quem se est sorrlndo de exaltaco sem con
seqnencls de ama creanca. Leonor, sosaawa
aotre mil encontrados sentidos, foi-se rollando a
ponco e pooco, e relaoceou para sen ar am oihar
inquieto j meio desvairado. Bartholomen sur-
rleree e murmorou :
foi-se metter no quarto.
Leonor, abr t glandes elnoa
* W* WHwn m Wfao raio de .pieza o
prnoipiavam a despontar as primelras lagrimas,
volvia-os ora para |a porta, onde suppunba rec
surgir de noro a figura de sua irmaa, ora para a
janella, que deitara para o lado da Erioeira. Nao
dizia patarra, mas a agitagio do seio bem revela-
ra as tormentas, que l iam por dentro. J nao
poda conserrar-se qnda, e-, se nao fosee nio sei
que mal entendida vergonha, sahiria procura de
Magdalena.
N'isto relaeceou de novo os oaos pata a planicie
e rio um rulto, que ia correndo como insensato
na direcgo da villa. AfBrmou-se e recouheceu a
irmaa. A dr comprimid!, fez exploso. As la-
grimas gol pharam-lhe dos olhos em torrales e nm
grito dilacerante lhe Irrompeo do peito :
Magdalena t
Esta j naa a podia oorir. Leonor, como se
risse de sbito' a ama lu sioistra o horror do sea
precedimento implacavel, estendeu os bragos, e,
cahindo de joelhos com as faces baohadas de la-
grimee, exclamou com doloroso transporte:
O' minba pebre irmia I
Barlholomeu, inquieto, aproxmense d'ella. Nem
dea pela saa presenca Leonor, Os Temos criados
que, attrahidos pela curiosidade, tiahaa -assistMo
cena das reeriminaces, Hmpavam os olbos
eboeeeos ao contemplaren) a doroa sna jovenil
ama.
Beta ejgueu-se vagarosamenie, e, Otando oe
olbos no mar, consolador e confidente das suas
tristezas, murmnrou :
,. Oh I dia fatal I Tudo boje perd, amor de
esposo, affecto de irmaa l Estou s, eslou s I
y,E ea miaba filha f murraurou por traz d'ella
tmida de Bartholomen.
Leanor vollou-se e lancou-se-lbe nos bracos, de-
lafanda em pranto, sem poder articular ama pa-
M
43
Chora, rola vinva, fulminada pea tempesta
i, mormurou o velho com solemne tristeza; cao-
> pensada no roble nutil, qne e vendaval nao
. usa I O I eent !*% miu Dea* 4 Teenattedo
o sangue das miabas vetos, mas poapai as lagri-
ma* a esta querida creanga !
Omar-awaawa,-aaeenJO'iM-roemi, e o co, la-
gnbrre imiitiia, lavotvta-se nwtoncellcameaw ao
;onfiwar-i<-aa.)




f

4


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EFK37FMSA_Q3TIAR INGEST_TIME 2013-09-04T22:31:53Z PACKAGE AA00011611_10976
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES