<%BANNER%>

Diario de Pernambuco ( Tuesday, May 22, 1866 )

Permanent Link: http://ufdc.ufl.edu/AA00011611/10973

Material Information

Title: Diario de Pernambuco
Physical Description: Newspaper
Language: Portuguese
Publication Date: Tuesday, May 22, 1866

Subjects

Genre: newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage: Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract: The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding: Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation: Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities: Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution: University of Florida
Holding Location: UF Latin American Collections
Rights Management: Applicable rights reserved.
Resource Identifier: aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID: AA00011611:10973

Permanent Link: http://ufdc.ufl.edu/AA00011611/10973

Material Information

Title: Diario de Pernambuco
Physical Description: Newspaper
Language: Portuguese
Publication Date: Tuesday, May 22, 1866

Subjects

Genre: newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage: Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract: The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding: Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation: Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities: Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution: University of Florida
Holding Location: UF Latin American Collections
Rights Management: Applicable rights reserved.
Resource Identifier: aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID: AA00011611:10973

Full Text
^1
AMO XLII. HUMERO 117

i
I

-

\
i
i
Pr qaartel M ^itr dos 10 dias do l.* ez
He* defis dos 1.' lo das dt ctneco e dentro do qiartel
Porte ao correio jor tres mezes...........
6ooo
75o

TERCA FEIRA 22 DE MAJO 8E 1866


For aino pago dea tro de lo dias do 1. mez. .
Porte ao correio por um anuo.....-....
19*ooo
SAAA
ENCARREGADOS DA SUBSCRIPQAO DO NORTE
Parshyba, o Sr. Antonio Alex?ndrino de Lima;
Natal, o Sr. Antonio Marques da Silva; Aracaty, o
8r. A. de Lemos Braga; Cear, o Sr. J. Jos de
Oliveira; Maranhao, o Sr. Joaquira Marques Ro-
drigues; Para, osSrs. Geraido Antonio Aives &
Filhos; Amazonas, o Sr. Jeronymo da Costa.
ENCARREGADOS DA SUBSCRIPCAO DO SUL.
Alago., o Sr. Clandino Faleo Dias; Babia, o
Sr. Jos Martin Alves; Rio de Janeiro, e Sr. Jos
Ribeiro Gasparinho.
PARTIDA DOS ESTAFETAS. ISerinhiem, Rio Formoso.Tamandar, Una, Bar-
OJinda, Cabo, Escada e estafes da via /errea atl reros, Agu Preta Pimentelras, as qnintas
Agoa Preta, todos es dias. j reiras.
Iguarass e Goyanna as segundas e sextas feiras. I
Santo Anto, Gravat, Bezerros, Bonito-, Caruar, AUDIENCIAS DOS TRIBNAES DA CAPITAL.
Altinho, GaraohiiM, Buique, S. Bento, Boro
Conselbo. Aguas Bellas e Tacarati, as tergajTribunal do oommercio: segundas e quintas.
Relagao: tercas e sbados s 10 horas.
eiras.
Pao d'Albo, Nazaretb, Limoeiro, Brejo, Pesqoeira
Ingazeira, Flores, Villa Bella, Cabrob, Boa Vis-
ta, Onricury, Salgueiio e Ei, as qnartas
feiras.
Fazenda: quintas s 10 horas.
Jnlzo do commercio: segundas as 11 boras.
Dito de orphaos: tercas e sextas s 10 horas.
Primeira tara do civel: tercas sextas ao meio
da.
Segunda vara do clvel: quartas e sabbades a J
hora da tarde.
EPHEMERIDES DO MEZ DE MAR?.
7 Qnarto ming. as 7 b., 22 m. e 34 s. da t.
14 La nova aos 38 m. e 58 s. da t..
21 Quarlo cresc. as 7 b., 38 m. e 46 s. da m.
29 La cbeia as 10 h 52 m. e 25 s. da m.
DIAS DA SEMANA.
21. Segunda. Ss. Marcos e Theopompo b
g. Terca. S. Rita de Cassia viuv.; S. Qoiteria v.
23. Quarta. S. Basilio are.; S. Desiderio b. m.
24. Quinta. S. Antonio b.; S. Manaharn prol.
25. Sexta. S. Gregorio VII p.; S. Alhano p. m.
26. Sabbado. S. Eleuterio p. id.; S. Heraclio m.
27. Domingo. S. Joo d. m.; S. Ranulfo m.
PREAMAR DE HOJE.
Primeira as 10 horas e 54 m. da manhaa.
Segunda as 11 boras e 18 minutos da tarde.
-PARTIDA DOS VAPORES COSTEIROS.
Para o sul at Alagoas a 14 e 30; para o non
at a Granja a 7 e 22 de cada mez; para Feman-
do uosdias 14 os mezes de Janeiro, marco, mal
julho, setembro e novembro.
ASSIGNA-3E
no Recife, na livraria da praca da Independencia
ns. 8, dos proprietarios Manoel Figueiroa de Faria
& Fiibo.
EXTERIOR.
E' de esperar que desta empreza se auflrem no-
' taveis proveitos para a sericultura em Portugal.
O depotado Fradepe da Silveira e Severo de
i Carvalbo apresentaram um projecto de le equpa-
CORKRSPflvnvvrr t na ni* raudo em vantagens os alumnos das escolas medico
HO M PKraMBCO cirurgica de Lisboa e Porto aos bachams forma
LISBOA.
29 de abril de 1S66.
dos.em medicina pela universidade de Coimbra. O
goveroo quiz ouvir a' faculdade de medicina da-
quella universidade, e como era de esperar da Ilus-
trado daquelle corpo scienti8co, a consulta (oi la-
voravel ao projecto. Nao sel se anda nos poneos
Al" dias que restam de sesso legislativa, baver tempo
de passar o projecto de lei, mas seja agora ou de-
pois, ter-se-ba avancado neste ramo um grande
| passo. De mdicos e cirargISes habilitados com o
curso completo nao tem o paz falta. O que ba ex-
I trema necessidade de cirurgies ministrantes ou
i ao que cbamam em Franca officiers de sant para
! as povoaedes ruraes e trras pequeas, onde em
geral nao querem estar os primeiros, porque os lu-
cros que all se ibe offerecem, nao corresponden) ao
capital e tempo que dispenderam na sua babililaco
medica.
O governo estabeleceu que as nspeccSes s
I alfandegas dirigidas por inspectores
(Conclusao.)
No dia 25 houve oulro baile
da. Principion as 9 da nonte e acabou "de madfu
gada. Foi servida ceia as 2 horas, e em seguida
comegou o cotilhar.
S. M. raioba daocou com o ministro da Italia,
duque de Palmella, marquez de Fialbo, ministro
de Hespanha, conde de Laurianes e conde da
Torre.
S. M. el-rei daocou com a esposa do ministro
da Italia, com as Sras. condessa de Penaiel e es-
posa do ministro da Hespanha.
Na mesa de S. M. el-rei cearam as Sras. doqueza
de f tldanba, dnqaeza da Terceira, eondessa de
Penaflel, esposas dos ministros da Italia e Hespa-
nha, e o presidente do conselbo de ministros. (Sr. .
Joaqdim Antonio de Agoiar), conde de Casfro "EM d,r,eclor g"al,das >*.on Pr
(ministro das obras publicas e negocios estrangei- empregado proposto ao ministro da (azenda e sea-
ros) e ministro da Italia. i Pre C0"B Prev otorlsacao dalle.
Na mesa de S. M. a rainba cearam as Sras. eon- JL^S ePs,?-d? P"osaa>ente enfermo o eonse-
dessa de Rio-Maior (D. Maria), eondessa da Torre, lb!ir ^ *" d S."va e CiM*\.- ,adan ? de
duqueza de Palmella, e os Srs infante D. Augusto ?TJ,t-ei', *-*' LmZ- AS nUimM B0,IC,M
duque de Saldanha, ministros da Inglaterra e da e &**JZ*1***< At t
Italia, e conde de Santa Maria. i conselheiro de estado extraordinario Lopes de
As salas estavam adornadas pouco mais ou me- VasconcellosfoJ sacramentado e ungido. Duv.da-se
nos como no baile antecedente, sendo os convida- !JHMSISE fo> governador civil
dos tambera os mesmos, bavendo a mais es Srs. do dl3'r'?,, do Po0r, er" 18" J?15-, .
Anselmo Braancamb, Mendes Leal e sua es- F?lekcea a Sra- Si Ann I**!10 SSS
posa u esposa do bem conbecido e acreditado negociante
Nao houve concert instrumental nem vocal. O* !'1'"** Sr* Tarujo/ Le!"a c prestito fune-
toilettes de todas as senhoras eram primo- a?J"*5! ac2panbamento. Sabio da igra
rosos. v .. da Encarnacao. Foi sepultada no cemiterio dos
El-rei entregou mesmo no baile ao Sr. Fontes PrMen8 < o > . a,
O barao de Barcellmhos arremalou no da 22
(ministro da fazenda) o decreto pelo que namea
do conselheiro de estado eflectivo.
Este lugar o que ficou vago por fallecimento
do Sr. Julio Gomes da Silva Laudres.
Este (acto nao novo, porque o conde de Tbo-
mar, sendo ministro foi tambera nomeado conse-
lheiro de estado eieetivo, por carta regia de 30 de
dezembro de 1843.
Antes d noraeacao do Sr. Fontes indigitava-se
conjuntamente com o nome do ministro das finan-
cas, os dos Srs. Pestaa (governador-geral da India)
e Jos Sivestre Ribeiro.
do correte por 35.0104000 duas herdades perten
centes a' cmara municipal de Campo-Maior. O
prego da arrematado vai ser convertido em ins-
er pc5es.
Esta medida vai sendo adoptada por ootras muni-
cipalidades, com o que muito ganha a agricultura.
I No dia 24 principion o jnlgamento dos reos
Joaqulm da Assumpcao Guedes, redactor do jornal
burlesco o Lucifer, Luis Gonzaga da Silva, Joo de
Carvalbo da Silveira e Francisco Jos Pinto Coelho,
colaboradores do mesmo jornal, acensados de te-
- Foi no dia 26 assignado o decreto pelo qual, 2" wnl*> diversas pessoas quantias de dl-
e nomeado vice-almirante o Sr. Antonio Ricardo nb^iro' araecdo publicarem no seu jornal alguns
Gra;a, emndente da mannha do Porto.
Este lugar o que icou vago por morto do vis-
conde de Ribaroar, Joo da Costa Carvalbo.
Diz-se que o Sr. Antonio Ricardo Graca deixar
(actos particulares da vida intima.
Tem sido inqueridas as segnintes testemtyihas :
Antonio Cabral de S Nogueira (depulado), viscon-
de da Lascada, Jos Mara do Casal Ribeiro (par
a entendebcia de marinba do Porto, Indo oceupar' A, 'S?* Reis,? Vasconcellos (conselheiro de esla-
outro em Lisboa. Para o seu lugar de entendente 9h ?J4ar.1 Coelbo (redactor e proprietario do
ir nesse caso o capito de mar e
Baptista de Andrade.
O Sr. Andrade foi ltimamente governador da , '
: Diario de Noticias), Joaqulm Romo Lobato Pires
* ,'oao! (offleiaJ de marinba), duque de PalmeJi*, conde de
provincia de Angola, e muito conhecido em
frica, onde se distingui, e teve um posto de
accesso na guerra das minas do Ambriz.
E' natural que o Sr. Graga venha oceupar o
de presidente do sopremo conselho de jostica mili-
tar na sesso de mannha.
Outros affirmam que o Sr. Andrade passaria a
commandar a corveta Estefana.
Parece que tambera sao testemunbas de accos-
to oeste curioso processo os Srs. marqnez de
Vianna, conde de Penaflel, marquez de Vallada,
marquez de Flcalbo, marquez da Itibeira, e muitas
i ontras pessoas de distinegao. Tambem ja foi in-
querlda a testemunba Xavier da Silva que em tem-
po foi um dos redactores de Lucifer, e que parece
to bom como os reos. Este Xavier tem dous pro-
cessos contra si, um de falsiflcaco de firma e ms
No Diario se le urna portara acerca do abas": conlas, e oulro de abuso de liberdade de imprensa,
tecimento das aguas da capital. Essa portara diz i Era urna associaco, ou quadrha organisada,
o seguinte: em que os papis estavam destribuidos pelo seguio-
< Foi presente a S. M. el-rei a representado da te modo : um informa va, ootro escrevia as diatrl-
camara municipal de Lisboa de 21 de marco de bes e redigia as calumnias; este ia mostraros
1866, pedindo que Ihe seja entregue o dominio til, artigos e pedir dinheiro s pessoas abastadas con-
posse, admiuistrar-ao e usufructo de todas as obras tra quem eram dirigidos, atim de se nao pubhca-
feitas, aguas aproveitaveis e materiaes fornecidas. rem ; outro, era o guarda-costas, e ficava na ra a
pela extracta companhia, e que mesma cmara rondar para acudir em caso de necessidade, casas
seja por lei autorisada a contrar os emprestimos particulares. O processo hedionda. No dia 28
necessarios para realisar o abastecimento de aguas anda se nao espera que lenha terminado. Os jor-
ca cidade de Lisboa, sendo o juro e amorlisaro naes tem publicado longos extractos da sesso.
dos capitaes mutuados pago pelo producto da ven-; Anda contina a audiencia do jnlgamento. On-
da das aguas, e ficando a direccao techmica das tras testemunbas tem sido inqueridas naquelle to
obras a cargo do governo.
E considerando S. M. que na representacao de 27
e 30 de junho de 1864, a cmara municipal de
Lisboa solicitu do governo a conclusao das obras
indispensaveis para o abastecimento das aguas;
Considerando que, em virtude destes pedidos, e
nao permittindo as circumstancias do thesouro pu-
blico que essas obras fossem feilas a custa e por
conta e risco do estado, o governo comegou a ne-
gociagiio de um contrato para aqoelle flm;
Considerando que, em virtude desta negociago,
alguns capitalistas se propoem a formar urna com-
panhia para fazer, nao so as obras para o abaste-
cimento das aguas; mas juntamente urna galera
para melborar a liropeza da cidade, devendo por
longo quanto confuso processo.
Um dos que mais luz tem dado, o do Sr. Tho-
maz Mara Bessone Achules Fontana, porque refe-
rirn) minuciosamente alguns factos de que os reos
sao aecusados. Tambem o Sr. Manoel de Bilten-
court e Mello narrou o facto que se dora par evi-
tar a pubiieago de urna verrina contra o marquez
de Vianna. Esta narrativa feita por um ancio
produzo verdadeira impresso no auditorio. De-
pois de alguns depojmeotos de secundaria impor-
tancia, seguiram-se as testemunbas de defezado reo
Guedes e Silveira. Na mxima parte as testemu-
nhas fizeram insignlflcantissimos depoimentos, II-
mltando-se algumas a declarar que conheciam mais
ou menos o reo, e que nao Ihes constava nada em
receu um commonicado em que se fazem censo-
ras graves a escola normal e ao seu director. Es-
te commonicado tinba sido condemnaoo a nao ser
publicado por estar em opposlgo ao que por on-
tras vezes temos escripto neste mesmo jornal em
relagao aquelle estabelecimento e ao seu director,
mas por um engao do empregado competente fui
dado para a eomposigo em lugar de outro, e ap-
pareceu Impresso.
c Nestas circumstancias o dever restabelecer
a verdade dos factos, e protestando que a satisfa-
go que podemos dar ao offendido aponlar para
o que temos escripto, sempre que temos fallado na
escola normal, e acrescentar que temos como fal-
sos todos os fados que n'aqnelle commuoicado se
referem como censura a escola normal e como ca-
lumniosas todas as insinnagSes no mesmo escripto
feilas contra o seu director e empregados. >
A lei da Imprensa, cuja ultima reduccao j foi
approvada, nao tardar a poblicar-se. Oxal que
ella concorra para moralisar a imprensa, porque
augmenta as garantas de responsabilidade, sem
urcerar os justos limites da liberdade. Nao s os
peridicos, como Asmodeu, Luafer, Torniquete,
seja feita pes- Campatnha do Diabo, e outros de igual jaez, em-
porcaibam esta nobre Instltuigo. Ha tambem a
covardia de correspondentes e communlcantes, que
iDjuriam a'traz dos editores das folhas serias, e se
escondem quando se qner proceder contra elles.
A 26 do correte fo.i publicada a senteng
proferida pelo tribunal, de primeira Instancia na
causa que a cmara municipal de Lisboa promove
contra a companhia de seguros Fidelidade, sobre o
seguro dos pagos do conselbo. A companhia foi
condemnada no pagamento de 22:500*000, juros
desde a contestago ia divida, e tres quartas par-
tes das costas.
Corre como certo que "o conde de Farrobo
fura no dia 14 do torrente ao pago de Ajuda apre-
sentarse a el-rel e pedir-lbe que o exautorar-ie
das honras de conde e de par do reino, visto que
se acha reduzido a' miseria por o thesouro portu-
guez nao cumprir as obrigacoes contranroas relati-
vas ao papel moda. Accrescenta-se que el-rei oo-
vira o ministro da fazenda sobre o assumpto e qoe
o Sr. Fontes mostrando que a reclamares do con-
de de Farrobo sendo justissimas nem por isso a
coudgo do thesouro melborada a ponto de poder
pagar ao mesmo conde o qoe Ibe deve. El-rei, em
vista d'isto, parece que resolver que a parte que
costuma ceder da sua dotacao annual em beneficio
do thesouro portugus, fosse applicada ao paga-
mento do que se deve ao conde de Farrobo.
A acgo de rei.
Com o titulo de *Carta apologtica- acaba de
publicar o incansavel bibliograpbo, o Sr. lnnocen-
cio Francisco da Silva, um pequeo folhelo, dirigi-
do a um seu amigo, qoe do Brasil o incita va a'
prompta conclusao de Dicionario bibliograpbicn
portuguez.
O Sr. Innocencio di que a mesma carta servir'
igualmente de resposta a ootras receidas no mes-
mo sentido.
O Diccionario, qoe digam o qoe disserem, ba de
ser justamente apreciado, e fazer para sempre lm-
brado o nome do aoctor, que, a' Torga de paciencia
e de trabalho, se abalangoa, como tanto precisa-
vamos, a continuar assim a Btbliotheca de Diogo
Barbosa Machado.
Vai estabelecer-se urna nova carreira de va-
pores entre o Havre e Lisboa, locando na frica
fraoceza. A nova companhia denominada a Afri
cana.
Parece que regressa a Portugal o Sr. Anto-
nio do Canto e Castro, governador de Mogambiqoe
e que se trata de o substituir naquelle governo.
* O excelleoie museo de arebeologia dos archi-
tectos civis portogaezes adquiri novos e impor-
tantes objectos que vem enriquecer a colleccao de
antiguidades que j possue no edificio gotbico do
Carato.
Eotre outros objectos curiosos, obleve ama grade
dos calaboigos da inquisigo de Coimbra com todas
as soas ferragens.
O retabulo do altar da capella de Santa Isabel,
que existia em Santa Clara-aVelha offerecido
pelo socio o Sr. Miguel Rodrigues Cabral de Cas-
.tro.
De Thomar um sarcpbago, que estava abando-
nado em um canto do terreno da torre coberla de
ortigas, e ja to damnificado pelo tempo que mal
se pode 1er o epitapbio.
Urna campa prxima a este, j quebrada pelo
abandono em que tem estado ha muitos annos.
Do lindo claustro da lavagem, boje todo em
ruinas, pois delle nao existe urna nica arcara
em pe, nem orna columna inteira, debaixo dos
entulhos se poderam tirar algumas pedras lavradas,
posto que com defeltos.
A Ilustre cmara municipal vai ceder dous cip-
pos, um des quaes do tempo de Marco Aurelio;
era propriedade de um particular.
De Santarm algumas medalhas raras, urna pe-
dra de um tmulo romano em omito bom estado
de cooservagao.
nSSf0 nternaci0,,al dessa cidade' neceram territorios na margemdo Paragoay, a que tinh di-
premio.
L.
reito; fica com meoor ioieresse na navegago des-
te no -Oca portaoto nossa inimiga, em vez de nos-
sa auxiliar, quando se tratasse de questoas de na-
vegago do rio Paraguay I
iNo sabemos se se trata de reparar por notas re-
versaei o erro deploravel do diplmala brasileiro
em relagao a este importantissimo pooto. Se se
nao sawar o Brasil dessa responsabilidade, muito
nos v,r a prejndicar no futuro semelbaute estipu-
lagao.
Acabamos de 1er com sorpresa, e dr profunda .... IV
o tratado da trplice allianga, segunde cujas estipu- IQfftPllllca "e t.00"0' os governos do Brasil desde
tagSes emprehendemos a guerra contra o dictador,, \ PJillc* j censagrada pelo governo de D.
do Paragoay. Joao *I, fri empedir que se reconstituisse em urna
Na verdade nenhum corago brasileiro pode ver ^ rePu&lica o amigo vice-reinado hespanbol de
sem mago o modo por que se menosprezam os in- BQ6Dos Ayres.
PUMO DE PEBNAMBCO.
A trplice alllaaea.
teresses do palz, e se desperdiga o nosso dinheiro,
postergando a nossa proprla hoara.
Yesse tratado sacriOcam-se principios de alia
poltica, e obriga-se a nago ao despendi de enor-
mes somatas e de precioso sangue sem que se cure
da causa publica.
Desde aquella poca que o Paraguay separou-se
e governa-se iodependente de Buenos-Ayres ; e o
Brasil sempre favoreceo e sustentou a independen-
cia do Paraguay, e procurou o seu reconbecimeoto
por (odas as potencias.
Se nao bouvessemos derribado o ditador Joo M.
To nonveniente tratado ficou oceulto ; e s de Rosas, e elle nos tlvesse vencido em 1852, a
agora d'efa a nagio lem noticia, por qoe o governo P1"110]" consequencia seria a conquista e incor-
inglez o fez publicar para conhecimento do parla- W&o&o Paraguay. Podemos pols afflrmar, que
ment brilaanico. Para Brasil tolerar que a repblica do Paraguay
E' o tratado mats um padro ignominioso da rSi0 absorvida pela Confederagao Argentina, pre-
uossa poltica no Prata n'esses lempos fataes d > do- c!5 */' 1ua os seus exercitos e esquadra tfvessem
minio progressisla. Sld0 aestraldos.
Horneas sem f, nem sentimento da dignidade O tratado-d com) resultado da victoria, que se
nacional sacrificaran o paiz ao calculo de mesqui- esPera> es* destruigo de nossa poltica secular
nho predominio na poltica interna. naquellajpregioes II..
A abjeegao, a que nos redoz o tratado, levou cer-! KecoBWcendo Confederagao Argentina o dona-
tamente os aotores do mal a raaote-lo secreto ; e n' "a margem direita do rio Paraguay, o tratado
secreto atada estara, si o estrangeiro o nao divul- JWrtO a repblica Paraguaya atada de ps e
gasse. i mas a mesma confederagao, que pode do seu ter-
Para honra de alguns caracteres nobres dos nos- riloi"' bombardear Assumpgo e preparar um ata-
sos borneas pblicos, compre declarar, que consta 1|> aoode Jal8?*r conveniente,
nao ter sido semelhante tratado levado a aprecia-: Seabora de urna margem do rio, nao ba ponto,
gao do conseibo de estado nem antes, nem depois de "m 1e a navegago deste Ibe fique exclusiva, sen-
concluido. " a. Confederagao Argentina meeira : o Brasil pon
Nem para se estabelecerem as bases d'esse tra- &ca 1Bh'bido de prevalecer-se da sua superioridade
lado, nem para se Iba dar a devida ratifleago fo- a*S^mM P3" operai" contra qoalquer das duas re-
ram oovldos os legtimos conselheiros da coroa.. POhlicas; e quando a outra nao seja sua aliada nao
Essa falta, se real, como corre, por certo gra- podera bloquear os porlos do Paraguay,
vissima, e digo de serio reparo. A poltica de ler entre nos e a Conferago Argen-
Aflm de conbecer-se at que ponto nos prejudl-1J}03 os quebra-mares das repblicas do Uruguay e
cial e desaroso o tratado, basta urna soccinta ana- Paraguay (como na Europa sao a Snissa e a Belgi-
lyse de soas disposicoes : e o leitor em face d'esse c
tratado cobrir o rosto, vendo as amargaras da pa-
tria atragoada.
Vejamos etsas disposigoes do tratado da trplice
allianga, qoe se ansuncia no artigo 1.
II
ca), aflm de evitar na maior exlenso possivel os
pontos de contacto com aquella confederagao, essa
boa poltica secular, adoptada por todos os gover-
nos, de vantagem clara e intuitiva, est estragada.
O art. 16 do tratado acaba com ella e poe-nos em
contacto com a Confederagao Argentina na maior
O artigo 2. nao ftxa as forgas, com qa deve ca-. extensao possivel da fronteiras.
da adiado eoncorrer para a guerra ; e assim cada I p.ode duer-se, que o erro do plenipotenciario bra-
um jais das forgas, de que pode dispor. Se entrar' stleiro, confeccionando, e o descuido do nosso go-
na campaoha cora um batalho, lera salisfeto a vern0 aceiundo-o, aoniquilaram os esforgos da di-
obrigagoeontrahida. ( plqmacia portugneza e brasileira de Untos annos
O que resultou d'ahi ? A guerra feita por nos
em proveo alheio.
De facto o ejercito argentino compde-se de 4 a
5 mil homras, que o Brasil sustenta, dnidindo at
eom elle a r*e9es dos soldados brasileiros, conao
Toda a superioridade de sacrificios, de forga e
de valor est do nosso lado : todo o ganho de ter-
ritorio, de afluencia, de poder e de triumpbo po-1
utico para a Confederagao Argentina.
Emflm no art 2 do protocolo, como ultimo es-
clare, no mais cort praso qoe Ihe seja possivel,
quaes sao os meios com que conta para realisar,
emprestimos que tem a levantar para a completa
execogo da sna proposta.
Paco, em 13 de abril de 1866.Conde de- Cas-
tro.
A cmara municipal de Lisboa contratoO
com om banco bypotbecario um emprestimo para
as obras da distr ibuigo das aguas em Lisboa. Ja
subiram ao gover no as competentes propostas.
Ha pouco foi sobraettlda coosiderago do
governo a proposta de ama empreza qoe apezar de
modesta, nao deixa de ser motto acceitavel e pro-
metledora.
Propoe-se a empreza orgtnisar urna companhia
que lera por objecio promover a sericultura, era-
pregando para esse flm os segnintes meios :
1.* Propagar as meibores castas de amoreiras, e
as mais apuradas ragas de sirgo, vulgarizando si-
multneamente os metbodos mais aperfeigeados da
sua creaco.
1 Dlffnndir o ensino da flago da seda pelos
procesaos da pequea industria, mais vanta-
iSM constituir-se com o capital de 8.000:0t>0#, pelo; seo desabono.
menos; O Sr. Edoardo Coelho, proprietario do Diario de
Considerando que, neste estado, nao convm ao Noticias narrou o que escrevera na corresponden-1
governo abandonar as negociagSes pendentes sem eia do Nacional (do Parto) o que originara o pro- j Um bello crucifixo em escultura da era de 1588,
urna razo de manifest e incontestavel interesse cesso crine, e declaroa os fundamentos que para QJ Pesa 64 kilogrammas.
publico, e sem a seguranga de que se ha de reali-! isso Uvera, principalmente por julgar que a nobre Alera do busto de el-rei D. Alfonso Henriques, o
sar aquelle grande melhor;>mento. instltuigo da imprensa era para aponlar os vicios sarcpbago da rainha D. Coostanga, pesio qne
Manda S. M. el-rei qoe a cmara municipal de-; e exaltar as virtudes. tenha a campa quebrada, e Ihe.falta a larga parte,
As galeras reservadas eos bancos da sala tem curioso pela sua aoliguidade; escusado dizer
estado completamente chelos, o que prova quanto Qne dentro havia enthalho e trra, e nicamente o
este processo interessa a todos. Um laoro pode '*do voltado para a parede conservou melbor as
| tirar-nos a fazenda; mas um sicario que nos lo- esculturas gothlcas.
i flamma, que nos insulta, e se deixar de faz-lo a
| vista de grossas esprtulas doplicadamente in-
| lame.
Um bando organisado, como aquelle era, para
difTamar e rochar toda a gente limps, era ama ver-
dadeira calamidade publica. Bem baja o Sr. Eduar-
do Coelho, qoe teve a coragem de denunciar pela
Impreosa aquellas extorsoes e dar o primeiro alar-
me a acgo da jnstiga.
A' hora dos reos sabirem da audiencia para a
cadeia do Limoeiro. era extraordinaria a concur-
rencia, nao s junto do edificio da Boa-Hora, mas
pela travessa de S. Nicolao at a roa dos Fanqoei-
ros. Pode calcular se em tres ou qnatro mil pes-
soas as qoe haviam sido attrahidas pela cnrlosida-
de. Algumas patrolbas de cavallara da goarda
municipal estavam postadas de espago a espago pa-
r manter a boa ordem.
Hontem a concurrencia nao foi menor. Deu gran-
'! des esclareclmentos o Sr. Jos Lonrenco da Lux, e
,0 '___.... .iiu, ... k.; ..i foram aeareados-os reos em algumas das testemu-
A empreza sollicita apenas a sobvengao annnal ^ jd ihtTfnZi
de 5:000*000, dorante o espago de cinco annos. Mas <,0 wm W0 ""errogaaas.
Em consequencia desta proposta, apresenloa o go- ; Nao fra de proposito dizer-lbes qoe ajor-
verno s cortes no dia 21 om projecto de le auto-; nal a Naca de 5 do mez passado, traba publicado
sisando a coocessao daquelle subsidio, devendo a; um artigo infame e torpemente calumnioso contra
empreza promover e imllar orna destribulglo de: a direcgo e admioistraeo da escola normal de
premios e plantas gratadas, a creaco das melho- ] Lisboa. Contei-lbes qoe o director prepozera acgo
de injuria contra aquella folba. Feito o corpo de
delicio e depois de muilas averigaagoes por parte
do editor, vlo-se qne o nome do signatario do coot-
munieado era pseudonymo, e que se reeosava co-
vardemente a tomar a responsabilidade do insulto.
Neste caso ficava o pobre edictor, qoe entrara Dis-
to como Plalos no Credo, s compromeltido. Foi
pedir ao director da escola qoe o nao levasse a ca-
deia, porque era om homem velho, e que tinha
aqoelle emprego a troco de om mdico ordenado
qne recebia para o ajodar a subsistir.
Qoe estav prompto, de ace&rdo com a redaegao
a fazer ama retractaeo cabal em juizo. U direc-
tor, condoendo-se d'aqoelle empregado da Nacaor
concordou, eom tanto que da retractagao se lavras.
se um lermo nos autos. O jornal antecipando-.se
a termo, puWicou no seu n. de 25 do corrate o
ciio oriental e quasi uennum, consianao '"""." ,1"""''. le so nw do rsncaay. Para-nairamn rt nif
e 1,200 bomens; e para que o general Fio-' A tomada feita por um exercilo brasileiro de 50! d hra LTS^aSlST
le que commandar preciso foi compor-se i mil horneas, um de 5 mil argentinos e nm de 1,200 Wetaadoa SSS' \
f.ii.. n~ ^,.x. t...:i:__- ..^.u... i nrientafla a divisan nnrm om nnc .... /espeza- aoa negocios 1
vimos socceder no Passo da Patria. I carneo, estipola-se a diviso, em partes iguaes palos
O exercilo oriental quasi nenhum, constando | aliados, do armamento, que se achar no Paraguay,
apenas de '
res tivesse
um exercilo'eom divsdes brasileiras, e argentinas I orientaos : a diviso porm em partes Iguaes
A forga brasileira de 50 mil homens, e a sna es-. Que gualdade t A formiga aqu logra ao leao.
quadra tem sido o forte peo, sobre que a guerra! Eis o qoe o tratado da trplice allianga ; eis
tem girado at agora. como se zoraba do senso nacional; eis como se lu-
Se ella hoovesse sido batida em Riactmello, ou dibria o* interesses pblicos; eis como se raalba-
se nos a nio tivessemos mandado para as aguas do ratam os sacrificios generosos de um povo enno-
Prata, o dictador Lpez haveria entrado em Bue- brecido por tanta dedicago; eis finalmente os fu-
nos-Ayres sem encontrar dous batalhoes para Ihe j nestos resultados da diplomacia progressisla 1
embagarem o passo. E nao deveraos receiar novas miserias e novos
O artigo 3. liza a nica obrigag", qne contrahe vilipendios ?
a confederagao argentina, cojo presidente obriga se >,.
a commandar os nossos soldados : e acbando isso * B_a. A
pouco, quera tambem dispor da escuadra. PKNflMR 1!!
N'estartigo ha um ataque a soberana do Bra-i ________I i-llllHlllUUuU<
sil, tirando-se ao no?so monarcha a livre escolha ~~ ~~~ "
tttZESXSSgi 5SSSE\maw legisutiva provincial.
mandar os exercilos brasileiros por mar e por i SESSO ORDINARIA EM 14 DE MAIO
Ierra. DE 1866.
Bem patete o Um de to extravagante e cen-: presidencia do sn. vicario francisco pedro da
suravel estipulago. Queria-se arredar a eventua- silva. ,
lidade de ver o nobre marquez de Caxias frente ( Ao meio dia, feita a chamada, verifica-se a pre-
das nossos exercitos; Isso pedia fazer sombra ao senga dos Srs. depotados Francisco Pedro, Ramos,
partido que do Sr. F. Octaviaoo fez diplmala e con-, Ayres, Joaqulm Reg Barros, Mergulbo, Ribeiro,
Augusto Lefio, Souto Lima, Emygdio, Jansen,
: Epaminoodas, Amorim, Bnto, Jeronymo, Candido
Marlins, Paes de Andrade, Gitirana, Andr, Hisbel-
lo, Sergio, Gaspar, Buarque, Lopes Machado, Soa-
res Brando, Amyntas e Arminio.
Abre-se a sesso.
L-se e approva-se a acia da sesso anterior,
declara oo baver expe-
res castas de amoreiras.
Propagar as mais aparadas ragas de sirgo, for-
necendo aos creadores orna determinada quantida-
de de semeotes pelo seu custo. Estabelecer 30 pe-
quenas sirgaras qoe slrvm de modelo aos creado-
res em 30 aldeas dlffereotes.
Fundar 3 offleina exemplares de preparacao do
fio da seda, eosiaando graiuitamenle os processos
da pequea Industria.
FlBalmente, fornecer pelo prego de sea casto e
sem eserva algnma de privilegio as machinas
aperfeigoadis da preparacao do fio de seda.
O goverpo, se assim o julgar necessario, nomea-
r om fiscal remunerado.
O governo fieara' autorsado a conceder a' em-
preza de qoe se traa* par tempo Hallado e me-
diante as coodlcdes que se devero estipular, o edi-
ficio da amiga fabrica da Chvese e suas ner
tencas.
selbeiro. Por tanto determinou-se positivamente,
qne o general Osono commandasse as nossas for-
gas de ierra ; e que as de mar ficassem sob a di
receo do visconde de Tamaodar, arredando-se
tambem a possibilidade de ser chamado qualqaer
oulro ofcial da armada brasileira, que oo agra-
dasse poltica progressisla.
E semelhante estipulago pule merecer a appro- j O Sr. 1 Secretario
vago de um goveroo sensato ? diente.
Se por veoinr o general, ou o almirante designa- Failam pola ordem os Sr. Andr, Buarque, Ma-
dos desmerecessem da confianga do imperio, seria-' cbado e Amyntas.
mos obrigados a depender dos adiados para qnai- OSr. Silva Ramos requer urgencia para se pas-
quer mudanca ; e quem nao v os graves incoo- sar a ordem do dia, ficando a discusso do reque-
venientes de to desasisada condigo ? : rmenlo do Sr. Gaspar para ao depois, oo que a
Qaantas consideraedes os sobreveem ao espiri- casa coosente.
to, forgando nos a clamar, que n'esle artigo foi a:
oago vilmente trabida, e sacrificada aos clcalos)
Urna graode espora de metal amarello qoe cobre
o ferro, tendo orna meia Ina, perieocendo sem do-
vida a algum sarraceno, foi tirada da cisterna do
convento de Thomar.
Refere-se que o finado ministro da guerra Sal-
vador de Ollveira Pinto da Franca nio se esqueceu
da patria hora da morte, e diz-se qoe foram estas
as soas ultimas palavras:
i Agora que me desped da rainha familia e dos
meus amigos, despeo-me da patria qoe tanto amei,
e sinto nao Ihe baver feito mais servigos do que os
que Ibe preslei, qoe foram' poneos e Inslgnl-
caotes. i
O alio romo de Pedreanes, prximo da Marl-
nha-Grande, contina a trabalbar com a maior
regularidade e aotividade, segundo diz o L-
chense.
Dorante a semana que dadoo em 14 deste mez
lem-se extrahido ferro na razo de 6,000 kilograra-
mas por dia,
At 13, a quantidade de ferro fundida montav
ja a 36,000 kilogrammas.
No principio deste mez fez-se a primeira remessa
de ferro para o mercado, para Lisboa, por va de
S. Martlnho.
A qualidade do ferro ptima, segando o asse-
veram o* competentes.
At a data das ultimas noticias, (9 de margo
ultimo), reioava socego na India portugneza.
Dous dias antes recolhera-sea s dcapital S.Exc.
o arcebispo primaz de Goa da vUUa qoe tora fazer
s igrejas do real padreado.
'Visitara Bengala o cosa da Pescara e a ilba de
Ceylo, recebendo, tanto das autoridades como dos
particulares, as mais lisongeiras provas de respeiio
e consideragao.
Parece qoe a corveta Si da Braudeira vai
sabir para Maco.
As obrlgagSes do banco bypotbecario tem-se
vendido com o importante premio de nm e meio.
por cento. n < >
Est Boprlo nm tratado de chimoa, escripto
pelo sr. Jos de Saldanha da Gama, fiibo dQ coade
de Rio-Maior.
seguinte:
ORDEM DO DIA.
Terceira discusso do orgamento provincial.
Vem a mesa urna emenda do Sr. Buarque nos
seguiotes termos :
1* Calgameolo da cidade........ 140:0004000
2 Cadeias.................... 25:000,8000
3* Gymnasio.................. 20:0005000
4* Carta da provincia.......... 10:0004000
5* Estrada do Norte............ 40:O0OKK
6* Dita do Limoeiro............. 20:0064000
7* Supprima-se a quota para* a estrada da
via frrea ao Bonito.
8* Restabelega-se a dlsposigo facultativa para
a gralificago dos coadjutores.
9 Sejam contempladas em forma de aatorisago
as obras publicas nao compreheodidas no projecto
do areamemo, com excepgao das igrejas e estabe-
cimentos pos e dos reparos.
tO Substitoa-se a clausula dos bailes masearados
pola obrigaco do emprezario do tbeatro conservar
o edificio.
11 No 5 do corpo provisorio, accreseente-se:
inclusive o sold do commadaole que ser um
major, e podendo o presidente addir ao carpo os
offlciaes que voltarem da guerra as coodieoes da
lelo...
12 Supprimam-se todas as gratificaeoes nao au-
ParagMy por cnoo annos" Isto , pelo espaco de! torisadas por lels espeeiae* a que passaraat em se-
de poltica partidaria.
O artigo 4.*, que declara serem os transportes
por conta dos governos respectivos, nullificado
peto artigo 5. O Brasil lem lodos os meios de
traasporte, e Qca obrigado a fornece-los : e como
Buenos-Ayres e Montevideo os nao tero, nps temos j
dado todo o transporte : de sorte qoe a obrigaco
dos oosaos alliados tem sido nenhnma. Assim sao
as noesas vantagens pelo iractado I
O artigo C* nao pass de mera lluso para o
Brasil; porquanto dando o iractado immensas van-
tagens a* Confederagao Argentina, como se v do
artigo 16, a incita a tratar secretamente com o
dictador do Paraguay, e por sna parte dar por On-
da a gnerra, expondo-se anda o nosso exercilo ao
perigo je urna isolago no meio de inimigos, ci-
ma e abalio dos ros Paraguay e Paran'.
O artigo 7." entrega a sorte do governo para-
guayo ao general Mitre; porque Ibe da' o com-
mando de una tegua de Paraguayos expatriados
descontentes, da qual infelizmente depois da vio
toria ba de sabir os Influentes e directores das
eleigSe, e os escolbidos par o novo governo. do
das do Sr. Baarqae com excepgao das de ns. 9 e
14, e as demais-oom-excepgo da de n. 4.
Fica o projecto preso at a 2* discusso das
emendas approvada-.
Entra em discusso o orgamento municipal pas-
sando.-se a discutir o artigo 2" por ser o primeiro a
fixago da despeza total.
Art. 2. A cmara muicipai da cidade do Recife
autorisada a despender cora os objectos abaixo
designados, a quantia de 92:690*.
SBCBOTAM*
1. Ordenado do secretario 1:6003
de ordenado e 4004 de gratifleago.. 2:0004000
dem do offielal-malor, sendo 9004
de ordenado e4004.de gratificago. 1:3004000
dem do amanuense, servindo de
porteiro, com 8004- de ordenado e
403 de gratifleago.............. l;200400
dem de dois amanuenses com
8004 de ordenado e 2004 de gratifl-
eago............................. 2.0004000
dem de um continuo servindo de
correio, com 4004 de ordenado e
2004 de gratifleago................ 600*000
CONTADURA
2. Ordenado do contador, sendo
1.4005 de ordenado e 400*3 de grati-
fleago............................ 1:8004000
Porcentagem do procurador, na
razo de seis por cento das rendas
que arrecadar.................... 4:6004000
EMBREGADOS- EXTERNOS
S 3. Com o ordenado do advogado. 5004000
dem do solicitador............... 4004000
dem do ofcial de jusliga........ 2004000
4. Com o ordenado dos 3 Qscaes
da cidade, sendo 6004 de ordenado e
4005 de gratifleago............... 3:0004000
dem id-m do fiscal da Boa-Vista,
sendo 6004 de ordenado e 6004 de
gratifleago........................ 1:2804000
dem dem dos fiscaes do Poco e
dos Afogados, sendo 4504 de orde-
nado e 3004 de. gratifleago........ L5004000
dem dem dos flseaes de S. Lou-
rengo da Malta, e de Muribeca 4204
cadaum.......................... 8404000
dem dem dos fiscaes da Varzea e
de Jaboato, 3004 cada um........ 6004000
lem idem dos guardas-fiscaes, a
5005cada um.................... 6:5004000
dem do cirurgiio da casa de de-
tencao, sendo 1:2004 de ordenado e
6005 de gratificag............... 1:8004000
dem idem do engenheiro cordea-
dor, sendo 1:6004 de ordenado e
4005 de gratifleago.............. 2:0005030
dem idem do administrador do
mstadouro publico, sendo 6004 de
ordenado e 2005 de gratifieago------ 8004000
DESPEZAS ORDINARIAS
5. Expediente e impressoes------ 1:8004000
Aluguel do Pago............... 8004000
Jury e eleicoas................ 4:0004014
Coro a compra da mobilia o aateio
da casa do jorjr.......'........... 1:2004000
Para'pagamento de custas em qne
..... 5:0004000
jndiciaes.. 1:2004000
Para desapropnagSes............ 2:6005000
Para concerios ae predios....... 8004000
Para a cootinuago das obras do
maiadouro publico................ 5:0005000
Para a limpeza das mas e pragas
da cidade........................ 6:0004000
Para o planto de arvores na ci-
dade..............-............... 4:0005000
Para eventuass, inclusive a divida
passiva di cmara municipal....... 4:0005000
Para coniego do pago da cmara
e passeio publico................... 10:0005000
(IEMITERI0 PUBLICU
6. Ordenado do administrador.. 2:0004000
dem do capello................ 9004000
dem dosacbristo............... 3604000
dem do porteiro................. 6OO4OOO
dem do jardimeiro.............. 4805000
dem de dous guardas a 6005 cada
um............................... 1:2005000
Vencimeotos de nove trabajadores
effectivos,sendo tres coveiros a 15600
diarios e seis serventes a 14200... 4:3804000
CEMITERIO DA FREGUEZIA DO POQO
Ordenado do administrador....... 4004000
dem de um servente............ 3654000
CEMITERIO DE S. L0URENQ0 DA MATTA
Ordenado do administrador...... 4004000
dem de um servente............. 3655000
Eventuaes, com os cemlterios p-
blicos............................ 2:0004000
92:694000
Paraguay.
O artigo
o 9. apenas assegura a independencia de
lampo necessario para o governo argentino prepa-
rar a oeornoraco do Paraguay na Confederagao
Argentina, rouapto se assim a absorpgo do Pa
m
Para comprehender-se o artigo 16 000v m lan-
gar a vistas sobre o mappa geographico. Do exa-
me das localidades e fronteiras, ve*-se que tudo
nesse artigo Ilusorio para nos.
O limite do Igureby e do Apa o uti possidelu:
o Brasil pois nao ganha nm palmo de trra que
valba coaza alguma.
As coocesso'es de territorio feilas i confederagao
argentina por este artigo excedam de 740 mflhas
pela margem direita do rio Paraguay; e sao terre-
nos a que a confederagao argentina nunca teve di-
reiio, e nanea o alagoa ao menos; e sobre taes
terrenos as repblicas do Paraguay e da Bolivia
despuuram entre si.
Approvado sem debate.
Art. 3. A cmara municipal da cidade doOlinda
autorisada a despender com os objectos- abaixo
designados a quanlia de 7:7424.
S 1. Ordenado do secretario..... 8OO5OOO
I 2. dem do porteiro........... 4504000
3. Porcentagem ao procurador
na raz o de seis por cento........ 6424000
4. Ordenado do fiscal da fregue-
ziade S. Pedro Marlyr............. 4504000
S 5. Ordenado do tlscal da fr#goe-
xiadaS........................ 2004000
S 6. Ordenado do fiscal da fregu-
alz de Maranguape................ 1504000
S 7. Ordenado do fiscal da fregne-
xiado Beberibe................... 1504000
S 8. Ordenado do advogado. .... 4004000
s 9. Expediente e assignalura do
Jornal Offlclal..................... 1204000
10. Para pagamento de costas.. 6O050OO
11. Agua e luz para a cadeia.. 1505000
12. Jury e eleigoes.............. 2004000
13. Para melhoramenlos muni-
cipaes e limpeza das roas........ 1.5004000
14. Eventnaes................
15. Ordenado do administrador
do cemiterio........................
16. Com o servente- um covei-
ro paraomesmo cemiterio..........
6004000
6004000
7304OOO
7-7424000
gunda discusso.
13 supprima-se a ojoola para illaminago da
cidade da Victoria.
14 Accrescente-s ao artigo.
16 Casa de detengan........... 40:0004000
Empreza Mamede.............. 30:0364000
Sao apoiados e entrara igualmente em discusso
as seguales emendas e addltivos.
1 Mandando, contemplar as reslituigdes votadas
pela assemble, e qoota para o ordenado das pro-
fessoras ;
2 Marcando quota para ama cadeira do sexo
feminino a freguezia de S. Fre Pedro Gongalves;
3* Mareando quota para a subvengio votada para
a companhia lyrica, e nalmeme aulonsando um
contrato por tres anndfll
4o Mandando pagar as dtvtdas da fazenda qne
forem liquidadas dentro do exeroicio da lei;
Marcando o imposto de 400*000 por casa que
Por ajustes com esta ultima repblica, tinha ella tender movis estrangeiro;
Como sabe, o Sr, Jos de Saldanha na distlncl este art.
cedido terrenos, as margeos do rio Madelra do
Brasil com a prptessa de coinpensa-los com outros,
1 que mes da van a navegago da Bahia^negra. Por
a*.'
Brasil Sea izopossibilitado de
Na nos (olba de 5 de mirco, n. 8,448 appa- tochlmico e o? prodaoto? a/i apresetjteo ailooroprlr asa balayra; fica ajlolivia privada de
6 Mandando pagar a om empregado do consu-
lado porcentagem a qne tem direito pela arreca-
dac^o feiu da imposto sobre o gado;
5* Autorisando a constracgSo de diversas obras,
costrada a, iscassoi sao approvadas as emeQ-.
Falla o Sr. Sonto Lima, qne manda ama emen-
da ao 8, a qual resellada.
Art. 4. A cmara municipal da eidade da Vic-
toria, aotoriaada a despender com os objectos
abaixo designados a qnantia de 7:5804.
I. Ordenado da secretarlo.....
1 Idea do advogado..........
3. dem do porteiro..........
4. dem do ajudante do dito------
5. Porcentagem ao procurador
niiiode seis por nenio.........
Gralificagao ao mesmo.......
Ordenado do fiscal..........
dem do oirurgio.........
, 9. Expediente e assignalura do
Jornal offlcial,,.............,-......
10. Jury e eleigoes ..<.,......
II. Ai "U Pr a cadeia,.
12. Para tralamento dos pobres.
13. Aluguel do pago...,,.....
14. Para pagamento de cnsus..
15. Despeas do agoague...... uw#uw
16. Obras mnnicipaes e limpeza
d,aj mas..........;,.............
m
1004000
3004000
1204000
4004000
2404000
501000
1204000
1204000
2004000
1204000
SOO4OOO
1:800*000
I,
_-*^7


-

_-------

Harto de re
Terca felra tt de Mata de 1866.
17

\1

| 17. Diversas despesas-.....
"
q& Uuiritudoa. 4a
-
7~
aerp

7:5893600
f derramar em
.empileroo do Ai-
6000080
600000
E'approvado com alfanas emedas depois de
nrarpm os Sas Gaspar eWlbwrft.
rt 5 a amara municipal da cidade doCoian-
na, a'otortsada a despender^com os objeclos,
abaixo designados a quanua de 4:436*1
8 1. Ordenado do secrelarrto.....
I 2. dem do portelro..........
f 3. dem do ajudaote do dito....
| i. dem do advogado......
3. Iem do cirargio..........
6. dem dos flscaes-----'a***-
7. dem do adraiuutrador de
matado uro.....................
| 9. Porcentagera a procurador
na razo de seis por cento do qna ar-
recadar..........................
9. Agua e le para, a cadela....
I 10. Para pagamento de custas..
| 11. dem 4a casa que serve de
ribeira........ -................
11. Jury e leicSes.......
13. Expedanle e assignatura do
Jornal Offlcial.......................
14. Para obras municipaes e as-
seio da cidade.....................
15. Eventuaes.................
l-.lOOjSeOOjE' bello ver
ondas de incens ante o corono
tissicnc, demonstrando assii os^seulitaeotos mais
ltgitimos do eoraeo de- hornees : sj-m'poV entre
os laivos raparos do vwjo sesoprs aTiriude coa-
segue fazer resplandecer a grandeva de seas en-
cantos, que no alcacar da religiao esta' encerrada
toda a verdadelra nobreza da. bunanidade... Su-
e mafia 1 quando o coro dos aojos entda fes-
hy ranos aos grandes segredes do
CHROMCi JlBICIlua
bem a trra dilatando a rbita de seos senli-
mentos deixa eearglr-se na amplitode dos ares os
seguro mais intensos signaos do sen jasta con-
tenta menta.
* Honiem leve lugar urna deseas demonstrares
do jubilo religioso. Dia commemoratlvo da fruc-
tiflcadora dascida do Excelso Parclito sobre o
Apostolado- elle nao passou desapercebido para a
grande assembla dos catnolicos. Nem era pos- i
4000600 sivel que assim nao fosse. '
20000001 t A joven e floreseente irmandade erecta no
4000000 convento de S. Antonio desta cidade oi qoem se
i impoz o dever de offerecer-nos ante-hontem o tes-1
VBIBCIAL 9A BW.Mm.
SE6SAO DE 19 DE MAM) DE 1861.
PRESIDENCIA DO EXM. Sil. OONSELHBB-
MU.
As 40 horas da maunaa, presjiMs os senhores
desentbargadores Gitirana, Almeida Albuquerque,
Eterno iLoursuco Santiago, Doria, ilcha Cavalcanti,
da maniera* qa* se prezara, e.....m erro traz
pos s*outoeror*, e ludo teru sido -soccessao da-
quaiie vosso proeadfmento.
Anl sa vos appresenta a nossa igreja, cnja obra
rs* tanda principiado, gastaodo-se mais de 2:8000
irada se fater, por que, sendo obra
traman 4:0000000, e deseado por sso, ser con-
Do-
960000
1000000
800000
mngaos da Silva, e VMra, faltando os Srs. desem
bargadorea Santiago, Motta, Assis, e Guerra, pro-
curador da cora, abtio-se a sessao.
Passados os feitos, deram-se os segoJates
IDLOASBRTOS. .'
A OCHAVOS 01PETICAO.
Aggravante, Frederico Ctiaves; aggravado, o
juizo:
Relator o Sr. desembargado!-- Vieir.Sorteados
os Srs. desembardores Gitirana e Doria.
Negaram provimento.
A appellaco crime.
Appellante, Jos Felppe Bandeira de Moura;
:. Descarregam boje 32 do malo.
Vapor inglezAmazaamercadoriaa
Escuna austracaAmozonegenabra.
mandasse buscar, a Portagal-orfantrn no valor Upr inglezBillianth~ farlnha de trig Ora o Sr. Sonto Lima.
Yem a mesa diversas emendas.
Verificando-so nao baver numero legal o Sr.
presidente levanta a sesso designando a mesma
ordem do dia.
tmunho mais solemne do espirito de religiosidade, appellado, o julio.
que felizmente anda domina os habitantes desta Absolveramo appellante.
cidade. habrs corpus
Novel, diepondo de bem traeos recursos, ella A Joaqnim Gomes Camello. Mandarara expedir
tem encarado annualmente as maiores difflcul- nova ordem para a sesso de 29 do crreme.
4000000 dades aflm de glorificar a bondade summa do seu diligencia crine. '
100^000 Divino Padroeiro, commemorando o secular aoni- Cora vista ao Sr. desembargador promotor da
---------------versarlo do Pentecosts. E' bonito ver o triumpho justica.
4:4360000; quando a locta grande. Mesmo balda de meios, Appellante, o juizo; appellado,. Joao da Usa
---------------1 a Irmandade do Divino Espirito Santo, erecia no Rogerio. .
i convento de S. Antonio, cooundo apenas cora os Appellante, o promotor; appeluda,.aunaLujza
' pequeos obnlos, que lbe ministra a generosidade da Conceigao.
1 dos fiis, apreseotou nte-hootem ao pnblioo urna diligencia civbl. .
das mais solemnes festividades, que temos presen- Com vista ao Sr. desembargador procurador aa
ciado neste cidade. cotoi
Bella no todo, ella igualmente o foi em cada
urna de sua parces.
c A oraco do Evangelno entregue aos cuidados
do erudito e eloquente pregador da capella impe- \ feitos :
rial Pr. Joaquim do Espirito Santo, nada deixou a
desejar. JNo meio dos arroobos de nma fecunda
MA10
DA
SESSAO OKDINARIA EM 15 DE
DE 1866.
PRESIDENCIA DO SR. VIGARIO FRANCISCO PEDRO
SILVA.
Llraa.-Andr, Lopes Machado, Mergnlhao, Erayg-
Appeilaole, 0 juiw; apollado,
Albuquerqne.
Assignos dlic.para iulgamento dos Mgnmtes
dio, Soares Brandad, Epaminondas, Britio, Gitira-
na, Sergio, Reg Barros, Hisbello, Arminlo, Arao-
rim, Joaquim lavares, Gaspar, Jeronymo e Tibor-
lino.
Abre-se a sesso.
L se e approva-se a acta.
O Sr. Io Secretario d coma do seguinte
EXPEDIENTA.
Um parecer da commisso de legislagao, aulori-
sando a Santa Casa da Misericordia a celebrar um
accordo com os herdeiros do brigadeiro Drum-
mond.A imprimir.
Passaodo-se a ordem do dia, fallam pela ordem
os Srs. Reg Barros, e costa Rebeiro, pedindo este
urgencia para se discutir ura requerimento que
apresenta solicilando novas InformagSes sobre a j
innovafo do contrato de limpea desta cidade.
Depois de apoiada e discutida a urgencia,
rejeitada,
O Sr. Buarque requer urgencia para a ultima
discussio das emendas ao orcamento provincial.
Apoiada e posta em dlscusso a urgencia fallara
contra os Srs. Jaaquim Tavares, Costa Ribeiro,
Souto Lima, Gaspar Drnmmond e Joaquim do Reg
Barros.
Encerrada a discusso a urgencia appro-
vada.
Entra em discussio as emendas do ornamento,
fallam contra os Srs. Costa Ribeiro, Joaquim do
Reg Barros, Gaspar e Souto Lima, prolongn-
dole a sessao at as 5X horas da tarde e tendo o
Sr. Silva Ramos requerido e obtido a prorogacao
da hora at a conclnsao da discu^o.
Verificando se nao haver numero, o Sr. presi-
dente levanta a sesso, designando a mesma ordem
do dia.
mii'i UBI
REVISTA DIARIA
S. Exc. Rvma. administra hoje o sacramento da
contirmaco, na igreja da Santa Cruz, pelas 9 ho-
ras da maoha.
Somos informados que as offertas destinam-se a
coadjuvaco do seminario polaco, estabelecido em
Roma ; e por isso achar-se-ba all presente para
recebe-las o Rvd. padre proposito daquelle semina-
rio, Dr. Jeronymo Kajsiewicz, coja chegada a esta
cidade ja noticiamos.
Polgamos de consignar mais este acto de genero-
so concurso prestado pelo nosso digno prelado a
santa religiao que professamos; e a nossa popula-
cao, eminenleraentemente catholica, lbe devedo
ra de mais esta prova de sentimenlos pos, qae en-
contram em seus peitos o echo sympathico da con-
forraidade de pensar, devendo por consequinte pro-
duzir fructos idnticos na Iiberalsaco de um au-
xilii efOcaz ao catholicistno da Polonia, trucidada
brbaramente no corpo e na alma pelo colosso mos-
covita.
No dia 20 do correte teve lugar no salo do
theatro de Sama Isabel, a primeira sessao judicla-
ria da sociedade acadmicaGremio Scientifico
cuja installacc j noticiamos precedentemente.
Presidio o sessq o Sr. Alcino B. Monteiro, como
juiz de direito interino.
Occupou -a cadeira de promotor o Sr. Aristides
Augusto Milln, e a de defensor o Sr. A. de Souza
Martina. Quer o aecusador quer o patrono do reo
desempenharam com satisfagao os difficeis papis
de que se incumbiram.
O reo era acensado de haver assassinado a pro-
pria lha, facto alias verdadeiro, que se deu ba
pouco, na provincia da Bahia.
O Sr. Milton, depois de abundar em considera-
coes histricas, e citado alguns dos crimes mais es-
pantosos de que ha noticia, demunstrou que nenhum
delles jamis se revestiode circuinstancias taoairo-
zes como aqueile que era entao sobmetliao a apre-
ciado do tribunal, por que ao facto estupendo do
hihictdio vmba se ajuntar ouiro igualmente grave,
qual o da haver sido o reo o proprio que deshon-
rara sua (liba.
O Sr. Milln agradou geralmente, e para limar o
seu talento basla-lhe a pratica.
O Sr. Souza Martlns para prodozir a defesa de
seu cliente recorreu a tangente do 2o do arl. 10
do cod. criQL, e disse qoe so em estado de loucura
poda o reo commetter to horroso crime, o que
demonstran servindo-se de deducoes philosophicas.
O Sr. Souza Martins deve aproveitar o sen talento,
de que deu poressa vez urna prova : continuando
moito conseguir.
O Sr. Alera* resumi ratto bem os debates.
Be m que a nossa mocidade v se compenetran-
do da necessidade de entregar-se estndos serios,
e que desde j v se accostumando aos papis que
em breve tem de representar na sociedade, sendo
para desejar que seja um incentivo pira seus so-
cios redobrarem de eeorco esta- feliz tra, que
aqu historiamos a rpidos traeos.
S. Exc o Sr. marechal Francisco Sargia de
Oliveira, commandante das armas desta provincia,
acba-se bastantemente iocoranaudado em sua saude.
Desejamos qoe tenba breve reslabelecinwnto.
No sabbado ultimo (o eooontrado junto aa
caes de Apollo, no espaco intermedio a poma e o
passadieo, o cadver-de una preto qnesoeeoaaWia
em conseqaearia de asphixia por suboaersao.
Eslava i em estado adianudo de pulretaccio.
Suppoe ser ecravo, mas ignora-se a nessoam
ijuem perteocerla
Ante hornera fallecen a Exma. Sra. D. Marta)
Joaquina Vires, mt de nosso amigo o Sr. commen
dador'Manost LuzViries, a quem aoMaonlaaaus a
expresso dos nosso seot memos, por-urna perda
to credora de ser lamentada.
A Qaada fei hontem sepnltida no cemlterio pu-
blico.
Encerram-se. hoje os trabalhos da nossa a
sembla provincial.
Hontem amaoheceo ronbada a fabrica e de-
posito de charutos, a roa larga do Rosario, perten-
cenle ao.Sr. Joaquim Bernardo dos Reis: e segun-
do nos informara ni M avultada a sotUraccio, a
qual constou de aJgumas caifas de charutos e per-
gao de cachimbos, semduvida por temor ou impos-
sibilldade da paite dos larapios de mais carregar
nessa excarso rpate.
Os autores deste roubo flteram caminopela ra
das Larangeiras, subrado peles andaimes de urna
casa qae ah se conserta ; em seguida desceram ao
chaguo qoe ha mtjneila fbrica,
que sua boca divulgava a verdade nascida mesmo
do corceo. O fundo do qoadro, a bella eseolha
das figuras, as flores da rhetoric derramadas pro-
fusamente, porm com ordem, fazlam arrebatar o
coracao s altas regidos do infinito, meditando nos
profundos mysterios da philosophia christS.
c No Te-Dfum assomio a tribuna sagrada o
profundo orador o padre Antonio de Alboquerque
Mella Foi a viva cootinnaco ao Evaogelho.
Parece que cada qual dos oradores timbrava por
fazer sobresahir os recursos de sua intelligencia na
gloriflcaco dos dons do omnisciente Parclito.
Tuno foi magnifico : as arrebatadoras sym-
phonias da orcbeslra, o sonoro das vezas que se
tzeram ouvlr por oeeasio do Gloria, as eseolhida
pecas da msica marcial, a symetria das cores no
adoroo do templo, iodo convidava os fiis a pers-
Icrutarem os encantos, que enoerra o christia-
Ale-
lojtada a mesa eoojueta, por ta
quando alm diaso nada urga de a tar principiado
em prasenca de valiosas oonsideracoes, que por
ellas ten permanecido em tal estado, aecusaadB-
vos e ae vosso successer o Sr. Silva Mbrarnt !
Dizei-m ama principal razao por qae sa tem de-
morado essa obra por nao haver dintoeiro, como
prestastes o voaso appoio e aunuencla a proposte
do Sr. secretarlo, Passos Guircaaita, para que se
esperas* fatimes entrados coa fazendas...
aLPA.NDEGa.
Randimenlo do dia 1 a 19......
dodta2r........I..'..;.."
. .
442:0580724
MOVIMENTO DA ALFANDEGA
c com gneros...
Vntamds sabidos cem fazendas...
" com gneros....
22
315
41
285
------32
347
nisrao.
Louvores, rail vezes loovores a" esta irmandade
to nova, mas lo segura, lo afferrada ao cum-
primeoto dos deveres para o seu Divino Parclito,
e que com to pouees anuos de existencia tem sa-
bido subir a' altar
AopllacSes crunes, ,
Appellante, o jnfzo ; appellado, PrancisCo
landre de Araojo.
Appellante, o juizo; appellado, Joaquim Xavier
Borba.
Appellante, o juzo ; appellado, Francisco das
Chagas Barbosa.
Appellante, o juizo; appellado, Joo Pedro de Ma-
galhes e oulro.
Appellante, Manoel do RegoTrigueiro; appella-
do, Rufino Lopes da Paz.
Appellacdes civeis.
Appellante, Jos JoaquimOsorio; appellado, Luiz
Paulino Cavalcaoti de Alboquerque.
Appellaote, Francisco Manoel de Oliveira/, appel-
lado, Amonio Gomes Marinho.
Aspellame, Pirmino Jorg de Souza ; appetlado,
FraBcwco Marinbo de Alboquerque GavaJcanil.
PASSAGENS.
Do Sr. desembargadorLourenco Santiago ao Sr.
desembargador Almeid Albuquerque :
A appellaco crime.
Appellante, o juizo ; appellado, Benedicto Gomes
Salgoeiro.
Do Sr. desembargador Almeida e Albuquerque
ao Sr. desembargador Motta :
A appellaco crime.
Appellante, o juizo; appellado, Manoel Alves
das mais antigs e mais nu-
merosas. Affonso.
..... ,.....i Do Sr. desembargador Ucha Cavalcanti
Numeracao dos bilhetes da lotera 64* offare-1 desembargador Domingoes da Silva.
cidos pelo thesourero das loterias par auxilio da
guerra.
Bilhetes ns. 248, 863,1175, 2212, 3053 e 3218.
Meios ns. 627, 2147, 2174, 2462, 2679 e 3831.
Quintos ns. 191, 523, 1326, 2328 e 3929.
Os bilhetes da lotera 63* produiiram 10020b
ris.
Total 2:0650800.
Eneerrouise hontem a segunda sesso do ju-
ry de.-ta capital.
O leilo de predios annuneiado pelo siente
Martins para hoje, fica transferido para exia-feira
25 do corrente.
As 10 horas em ponto de hoje 22 do corren- \
te comeca o agente Piuto o seu lelao de fazendas
avariadas, no armazem da ra da Cruz o. 57.
Repartiqo da polica :
Extracto das partes do dia 19 de malo de
1866.
Foram recolhidos a' casa de detenco no dia 18
A ordem do subdelegado do Recife, Lorry, Ala-
ghes, Jomes Nolom, Tbom e Williaro, inglezes a'
requisico do respectivo cnsul.
A ordem do de S. Antonio, Raymundo Jos de
Lima, para correceo.
A ordem do de S. Jos, Lourenca Mara da Con-
ceicao, por brlga, e Amonio Gomes, paro correc-
Qo.
O chefe da 2* seceo,
J. G. de Mesquita.
As appellacdes civeis
Appellante, Francisco Rodrigues de Almeida ;
appellado, Bernarda Marad Espirito Santo.
Appellante, Guimares & Alcoforado ; appellado,
D. Mara de Carmo Rocha Costa. '
Appellante, Joio Gomes Ferreira; appellado, Ma-
noel Joaquim Baptisia.
A appellaco crime.
Appellante Flix Jos Barbosa ; appeadaajus-
tica.
Do Sr. desembargador Domingues da Silva, ao
Sr. desembargador Vieira da Costa.
A appellaco civel.
Appellaole, Antonio de Squeira Cavalcanti; ap-
pellado, Jos Pelix Pereira de Burgos.
A 1 hora encerrou-se a sesso, e deram-se as fe-
rias do Espirito Santo.
n 3
H 0
-1
B
1




*

s i ra 1
! i
- 1
I : 1: II
: 1 : I
i : I : I
1 : I : I
>
>
o
o
>
te
a 1
00
Masculino.

Feminino.
i

Masculino.
Femimno.
Masculino.
Feminino.
n
9
^
<
o
Masculino.
si
Feminino.
1U.
Masculino.
Feminino.
x
K
>
TOTAL.
o
1
a
3
a.

B
f2.
00
' alURV DO RECIPE.
15 DE HAIO. DE 1866.
Presidencia do Sr. Dr. Manoel iosda Silva Neyva,
juiz de direito da segunda vara*
Promotor publico o Sr. Dr. Joo Thom da Silva.
Escrivo Joaquim Francisco de Paula Esleves
Clemente. f.
Advogado o Sr. Dr. Amerlco Netto de Mendonca.
Reos Manoel Antonio Bastos da Silva, Manoel
Matheus dos Aojos Penante e Claadin Eufrazio
de Franca, accasados por crime de roubo e iocen-
dio na prensa do Sr. Manoel Amonio Rlbeire, os
doos primeiros e o terceiro por crime de perjuro
naquelle processo.
Feita a chamada as 10 horas da manbia achara-
se presentes 36 senhores jurados.
Foram multados em mais 200000 cada ura dos
jurados j multados nos aoleriores dias de sessao
; e a cada um dos senores segua tes:
Dr. Amonio Mara de Faria Neves.
Dr. Braz Florentino Henriques de Souza.
Dr. Francisco do Reg Barros de Lacerda.
Conselbeiro Francisco de Paula Baptisla.
Jos Bernardo Pereira de Brito.
Justino Pereira de Paria.
Dr. Jequira de Souza Reis.
Aberta a sessao procedeu-se o sorteio do jury-
de sentenca, que prestou o respecuvo juramento :
foram interrogados os reos e-lldos os processo da
formago da culpa, rjesenvolvida a aecusacao e de-
feza e depois reqoerendo-se as testemuahas da-
quelle e deste, da replica e trepllca e fiados os de-
bates, resumida a materia da aecusacao e da de-
feza, foram propostas as quesi5es de facto, que fo-
ram entregues com o processo ao presdeme do ju-
ry de seotenca o qual se retirou com.os de mais
membros d'elle a sala secreta das conferencia as
8 1/2 da Doile, d'onde volton as 10 1/2 com suas
respostas que foram lidas em alia voz pelo presi-
dente do jury de senteoca, em vista de cuja decl
sao o Sr. Dr. juiz de direito condemnoa os dous
primeiros reos a 8 anuos de gales e multa de 20
por ceoto do valor ronbado e o terceiro reo a 2
metes e meio de priso, levsntoo a sesso e ad-
diando-a para o dia seguinte pelas 10 horas da
sjantAu
talvez de 8 ou 10:0000000 rs, qn se leriam de
pagar cora as rendas futuras, as deste anno, impos-
sibilitando assim as obras que se tinham de fazer,
por que o cofre tem estado sempre em alcance 7 I
Nao seria nesse caso melhor, que somente se tives-
se feto encommenda da cera; que se precisasse
este anno, para a nao comprarmos aquelle Sr.
Passos, por bom precintan, ja' se sabe, evitndose
mais, que por essa cansa se disse, cora real injus-
lies, um grande desgosto a certo irmo nosso, do
qae resoltoa flear elle fora da mesa, dando assim
lugar a grave acootecimento, como raui bem sa-
bis 1.... Foi assim que o vosso amigo, o mesmo
Passos; pode tambera conseguir os seos 16 volt-
unos para ministro na uliiraa eleicao, e de certo
qae esses qae Ih'o deram nao votaram em Adriano
Brito..., lazei porra o paraltieto entre um e outro,
se ao menos nao fosse fornecedor de cera I.. Um
ministro de nossa mol veneravel ordem, fornece-
dor de cera II
Dizei-me anda nao seria mais urgente a reedi-
Josd Teesio-de cacao desse predio, que jaz quasi em ruinas, na
roa do Livramento? Fomos dos que depositram
em vos toda a conftanca, e alnd vos reconhecen-
do probidade e alguns servidos em nossa. ordem ;
reconhecemos a solicitude vossa; nesse contrato
de illummaco a gaz para a veneravel ordem, em
que obtlvestes a dlfferenca de 10.0000000 rs, para
a mesma ordem, por vossa perseveranca e zelo;
reconhecemos moias vezes economia e bom senso
ora vossas opmide, pugnando pela diminuico de
despezas, oppondo-vos, como vos oppusesles a dis-
pendiosa festa do aooo passado, era que s era um
jamar, dado a algumas irmas recoihidas, se gas-
too mais de 3000 rs 1'
Nao foi assim de certo, qae os oossos maiores
prepararam esse estado orospero,-esse bello rendi
ment, resultado do patrimonio que nos legaram?!
Perd-o vos meus irmos, certos erros, ( e quera
nao errara') TI Ms nao assim aqnelles, que fo-
rera parto do capricho, do odio, e da vinganca e do
Snteresse de continuar e sustentar o mando da or-
dem tercefra. Seria de certo mni louvavel, que
pela segunda vez, nao vos livessels, apreseotado
em campo, na eleicao de 1865 a 1866, coutra a e-
leico do actual ministro Adriano, carcter contie-
ndo e appreciado Ja' por todos1, e tendo ja', oceupa-
do o lugar de vice-mloistro, para o qual vos e os
vossoso acharara digno,.
Nao seria, mea irmo, a oeeasio asada para re-
conclliardes os nimos e nao contranardes aquel-
es, que ja' no auno de 1864 a 1865 tinham pug-
nado pelo Sr. Adriano TI Em que vos.iiavia elle
offendido?*' O odio e vrogaocavos levaram a as-
sim praticar; e essa panoes nao sao Albas da
virtode e da humildade de um terceiro, e por tan?
to nunca poderlam produzir a', vosso coragio pra-
zer verdadeiro e real.
' Coolinuastesainda nessa lula qoe on.aconsetbas-
tes, diciastes dt sanccionasles,
Dizei-me em f*ce do,arl. i dos estatutos, o que
justifica asem razo coro .que se proceden, queren-
do annular a eleigao, nao negando aquelle minis-
tro, uraa ceriido que se requereu, mas sim deter-
minando qa s requetess a mesa, na cooformi-
dade dos estatutos arl. 84, por. que recorrern)
deste despacho logp ao juiz de capailas, fallando
assim ao respeito a le e arrastrando r ordem a
um pleito, para o depois serdes convencidos de
injustos na diclsedada pelo tribunal de relacao ?!
Relrocedel, por tamo, meo irmo, desse cami-
nho, e altendei est, escripto.n ota rueo; non
cas, et no offendts i lapides : nec credos te va
laboriosa, ne ponas anima tute scundatum.
E' da escriptura.
Proseaufremos.
aoSr.
Patacho portuguezGeorji'ensdiversos gneros
Bare ingle*-Janeferro e-pedra.
Patacho ingle*Aomsiscarvao.
Barca ingleza habellacarvo.
Barca nacionalAntizadecharque.
Brigue nacionalBeluariodem.
Brigue nacionalAureliano ideo-
Patacho nacionalSoi-ldem.
Patacho portuguezS. Jos -idefri.
Patacho portuguezGarret dem.
Hiate portuguez Serra /dem.
Importado.
Patacho inglez Romeo, entrado, de Cardlff con-
signado a Wilsons t Hett manlfestou o seguinte :
320 toneladas carvio de pedra ; aos mesmos.
Patacho nacional Sanio Antonio, entrado da Ba-
hia, consignado a Jos Mara Palmeira, manifes-
t o seguinte :
Gneros esirangeiros.
1 caixo chapeos do Chile, 100 saccas farello, 1
caixo livros impressos, 4condecas diversas raer-
cadorias, 5 cascos azeite de palma , a ordem de
diversos.
10 caixas laoz ; a Schafheitlin & C.
1 caixo palitos ; a Joo Feroandes Lopes.
200 saceos farello ; a Bernardo Jos de Araujo.
100 ditos dito ; a Antonio Luiz de Oliveira Aze-
vedo.
23 ditos dito j a Mnlz & F.
500 garrafoes vatios, 6 bailas papel almac\ 56
frasqneiras genebra, 10 barricas erva-doce ; a Jos
Vicente de Lima.
35 barris e 70 meios ditos maoteiga ; a D. A.
Mmeos.
109 saceos farello; a Jos Maria Palmeira.
1 eaixote filelle , a Caetano C. da Costa Moreira.
Gneros naoionaes.
33 fardos fumo; a Sodr da Motta.
- iOditos dito; a Jos da silva Costa.
2 saceos caf ; a Mumz & Pemaodes.
136 fardos panno de algodo, 98 ditos fumo, 4
barricas aramia, 2 sacos farello de arroz, 15 vo-
lumes 238,950 charutos ; a ordem.
464 cailionas o 6 volomes 118,600 charutos ; a
J. M. Palmeira.
22 fardos fumo ; a M. J. R. e Silva & Genros.
2 caixoes 14,000 charutos ; a Sases EDgelhard
& C.
' 4 caixoes 52,500 charutos ; a J. L. Bourgard.
1 taina dbarro, 1 caixo 286 libras de tabaco
em latas , a Domingas Alves Matheu?.
9volotnes e 52 caixinhas 62,200 charutos 5 a
Joaquim Goucalves Beltro.
rBCEBEDOKIA DE RENDAS INTERNAS GE-
RAES DB PERNAMBUCO
Rendlmento do dia 1 a 19....... 15:6700267
dem dodra21................ 1:8080624
Correspondencias
.
17:4780891
CONSULADO PROVINCIAL
Rendicuento do- da 1
dem do di*. 21.
a 19.

59:9690831
8:1140406
68:0840237
MOVIMENTO DO POSTO
ADVERTENA.
Na totalidad dos doentes existem 175, sendo 101
horneas e 74 mulheres.
Foram visitadas as enfermaras estes dias :
As,7 1|2, 7 1|2,7 1|1, 7 1|2, 7, 7, pelo Dr. Rl-
mos.
A's 9 lii/9 1|4, 9^9 1|4,9 3(4, 9, 9 1& pelo Dr.
Sarment.
Fallecerara :
Isidoro Gomes de Sama Auna, ulcerar a o intestinal.
Maris,- desinter ia.,
Sebastiano Pacheco Ogarlo. da Silva, ulceraco sy-
phlitica.
Mara, deslnteria.
Manoel Joaquim do Nascimento, desinterla.
Francisco Perrelra Lssa, astro hepatite.
Anna Maria da Conceielo, tuHercato pulmonar.
Mara Almeida da Conceigao, tubrculo pulmonar.
Maria Escolstica Senna de Freitas, anasarca:
Jos Manoel.Bermo, tubrculo pulmonar.
LKMrraio puBunn. obitcawo do da 9 tw
maio de 1866.
Faustino Prancise de Oliveira, Pernambuco, 39
anno*. casado, S. Jos ; bepalile.
Maooel Mamede, Peroambuco, 40 anuos, soUetro,
S. Jos; tuberodos poimonares.
Stiveria Perrelra de Mendonca, Pernambuco,. 23
airaos solteira, Recife; desinterla.
Maria Almeida da Conceigao, Pernambnco, 24 an-
uos, soUsir, Boa-Vista; tubrculos paUaona
res..
Rosa, Pernambuco, 16 anuos, Boa-Vista; inlerite.
Pernambuco, 6 annos, S. Jos; desiateria.
Communicadjos
No mel do silencio que nos temos Imposto so-
bre os negocios da venera,vel ordem terceira de S.
Francisco, um brado se nos arranca do peito em
appoio d'aquelles, qn tudo nvidam por conservar
i I lesos os direitos da mesma V.ordem, advogando in-
teresses que Ihe pertencem, cercando-a de elemen-
tos que a garantam contra males qoe Ibes prepa-
rara a insidia de uns, as paixOes eivadas de odio e
vinganga de outros, qne, esqoecidos do que devem
a veneravel ordem, ao juramento solemne que
prestaran, nao duvidam solapar-lhe os fundamen-
tos, equic desirnir-lbe os recursos de que um di*.
Veriam a precisar 11* E asstm como a borrasca
nao estada e desata nos asiros, sem certos slgnaes
precursores, que a annunclio : asstm umbem te-
mos nos procurado conbecr a orlgem, o desvio e
causa; que actoarara, na marcha dos acontecimen-
tos para prodzirem esse estado de exallamsnto, de
odios e caprichos, eilgindo medidas, qne s de ho-
je, se procura laucar mo para memorar o nosso
estado, par nos desviar 1 se. diz I des marcha
tortuosa era que temos caminhado, e era queja' nos
tem precedido algnns desses mesmos, que anda a'
pouco dlspoodo do poder, nunca, somenle agora,
que se Ibes antolha a queda, qpe Ibes acarretou
seus proprios erros e mesqoinhas paixtfes, desvian-
do delles o appoio daquelle?, que de boa f os acre-
ditaran), Ibes aproove' recorrer.
' assim que vamos assignalar a origen do ac-
tual e>tado em que existem os nimos naquella Io-
ta, que se deu na eleigo do anno de 1864 a 1865,
sendo ministro o -r. Joaquim Mauricio Goucalves
Roza : este irraao, esqnecend, ou antes despresan-
do a dfsposico do art. 90 de nossos estantos, do
respeito ao cnlto, elle' o primeiro depois do Rvrad.
commissario, que devia acatar respeitar as eons-
ciencias, usou de um mel poueo honroso, para
obter o- vencimento dr elelcio para seu amigo o
es-ministro Silva Brasil, olferecendo e fornecendo
chapas carimbadas, e eppregando meios de toda a
ordem, por ! e seos contados, a flm de que ven
, resse o seu amigo Silva Brasrl, contra aekigaodo
candidato Adriano. Vos tltrbel, diris, melhor df-
Carlota^.
foresram nma, Joaquim, Prnaaateeo, 11 mates, S. Antonio; tu-
grade de /erroque-estabeteee coromwwcste cora!,-bercDnliosL^JSJV^. zw.vi..
interior delta ; e assrm penetwsm *m*t9v^-j^?ta2tt*^^vtat% ^
to e nraram-dahi o que Ihes aproove reHrandc-s \^Franciseo,-Pernamtotco-19 bmbss, Boa-Vista, -
ao depois a seu salvo pelo mesmo caraintw, sem Hogao. ^___
serem presentidos. Mo ^^ etM> $S&,30 nos,u.
Peaeai-nos esu pnblicagao : j, d0 Boa-Visu tuBrcn4.lmoaar. ____
Qasra.quer que a pessoaque moran ra! y. Escolascaftaiin*d&ceUas, Pernambuco,' reito que otros, em asMgmrlaro'vosgo substituto;
"' 3 annos slti,AvVi1a7aoazarca- nao tos oegarel ess- dlrett,1 somante estigmattso
Adelina. Pernambuco, 2 matee,S. Jos, cmaras' censuro e crimino, os meios extremo* dfr qne Itn-
s^nanM. Cate* oao, vtolentando, o qoe d tacto fllestes, as
MonoeL Parnaaboco, 12 metes, Boa-VIU, desln-! eonseleticts, que ndrmWam, nessa poario gri-
tera ^^ Te ' ^b deverles ser o rtmefroa manter Uo
Jesuwv fernaaatwc, 14 tnezes, B, Jos dism*) Ifvre, como llvre devia estar tambero 4 vessa mes-
leria ma coosclencia, par, invocide o Espirito Santo,
Heoriqo, Pernamboeo, 18 mete, Boa-Vista, es-! poderdes, poderem todos, acertar e preenehef
larga do Rosario, etn um sobrado para lados do
(Juartel, queira ordenar que seja dado oulro deii-
00 s sua aguas ammontaeaes qne todas as noites
dahi chavea para a ra; pots quem mera peta
vizubaaca nao estando habhuado ao bmcheiro, nao
pode supporta lo. >
Commuuicam-nos o seguiote:
A igreja miliume acaba de alcancar mais um
ijumpho na manifestagao extrin&eco do seo coito.
pasoo.
saptamente seos deveres, meios torpes e indignos
Senhores Redactores. No Jornal do Recife de
boje vem transcripto do jornal Esperancade
19 do corrate um artigo sobre a overtora qoe li-
nos de ser executada, rindo o evaogelho da festa
do Divino Espirito Santo da igreja do Collegio.
A este respeito curapre dizer qae para execuco
dessaovertura, nao houve a menor isengo de des-
acatar a religiao que com (ama ufana professa-
mos, tanto que apenas o Rv. parodio, em curapri-
raento de ordeus do Exm. e Rro. prelado diocesano
fez-nos ver a inconveniencia da execuco de seme-
Ibante overtnra, demo-nos pressa em aze-la subs-
tituir por ouira, como foi pretenciado por todos
que assistram a festa.
Esta irmandade sempre fez timbre em celebrar
todas as suas festividades com a maior pompa e
magnificencia possiveis, porra tem esquecerse da
religiosidade que deve presidir a esses actos.
Sirva pois esta declaragao de solemne protesto
contra todo e que por juizo menos favoravel que se
procure a aiiriboir a mesma irmandade.
Recife 21 de maio de 1866.
O escrivo,
Francisco Belarmino dos. Santos Freitas.
Publicares a pedido
Ao publica.
Vendo no Diario de 19 do corrente um aunun-
cl da Santa Casa de Misericordia em que diz que
que tenbo recebido dinheiros depois que deixei de
ser procurador, venho pelo presente declarar ao
publico que inexacto o mesmo annnncio,
Psdindo a minba exonerago do dia 5 de abril
(para nao crear embaraces a' Santa Casa) obrignei
toe a servir em quanto nao fosse nomeado outro
procurador, o que foi acceito, conlinuaodo eu a
reeeber dos fnquilinos, que me procuravam para
pagar, e emreguei as quantias recebidas ao the-
soureiro, o Sr. comaendador Jos Pires Ferreira,
nos dias 11 e 17 do mesmo mas ; d'ento para c
nada mais recebi, peto qae julgo qoe a Santa
Gasa foi rauito precipitada em seu anuuoeio.
Dorante o periodo da mioba procuradura del
tnnitos recibos maooseFiptos a aquilinos que me
procuravam era lugar e oeeasio em que nao me
era possivel dar-Ib impressos, sendo ditas cau-
tellas substituidas logo que me eram apresentadas,
islo nunca-foi occulio.
Somenle era atienco ao publico entrei na apre-
eiacao de tal ananncio, visto que a mmha cons-
ciencia repelle imputagoes to indignas e misqui-
phas.
Recife, 21 de maio de 1866
Symphronio tifmpio de Queiroga.
..i 1
Pastllhas rerwtMngn de Kenp.
Grianpas atormentadas por vermes podem
ser alliviadas com ama so dse de pasiilhas
vermfugas de Kemp, qae sao incitantes em
apparencia, e deliciosas ciernis no seu gos-
to para serem regeitadas. Estas paatilhas
^6 muito procuradas por qaatro motivos:
nlo conim mineraes; nao precisara depois
de purgante; effectuam o que se de seja sem
causar dor; aa crianeas esto promptas a
tomar maior dse do que a marcada frt>
ceita. Nenbama roSi qae j as tenhas expe-
rimentado urna vez quer outro vermfugo
na sua casa.
1 A' venda por todos os primeiros droguis-
tas 00 imperto, e em Pernambuco porCaors
Barbosa e J. da C, Bravo & C.
COMMERCIO
Navios entrados no dia 20.
Marcelle74 dias, polaca italiana Adele, de 374
toneladas,capllo S. Scbiaffleu, equipagem 15,
carga vioba e outros geaeros; a Eduardo Bor-
le & C.
Terra Nova 35 dia?, patacho rrglez Mary Bell.
de 130 toneladas, capitn White, equipagem 9,
carga 1,884 barricas e 113 raeias ditas cora ba-
ealho ; a Johnston Pater C.
Navios entrados no dta 11.
Santa Helena11 dias, barca ingleza Volema, d
244 toneladas, capito G. C. Weowlck, equipa-
gem 10, em lastro ; a Johnstoo Pater & C.
Liverpool 48 dias, barca ingleza Apena, de 3i6
toneladas, capito Daly, equipagem 10, carga
carvio ; a ordem.
Rio de Janeiro14 dias, barca ingleza Salwcen,
de 364 toneladas, capito Fredenck Scott, equi-
pagem 13 era lastro; a James Ryder & C.
Barcelona e Valenca 55 dias do ulumo porto
sumaca hespanhola Rosita, de 109 toneladas,
capito Joaquim Martlry, equipagem H, carga
vinho ; a Maury Romagueira Hijo & C.
Ferral na (Hespanha) 35 das.barca ingleza
Sappho, de 299 toneladas, caplo R. Hell, equi-
pagem 13, carga carvo ; Johnsion Pater & C.
Paysand25 das, brigue portuguez Luzlano,
de 219 toneladas, capito Elisiano Jos da Silva
Carreira, equipagem 12, carga 4,500 quimaes
hespanhes de carne; a Marques Barros.
Naci sahido no mesmo dia.
Liverpoolgalera Ingleza Orcadian, capito Go-
ver, carga assucar e algodeo.
vajio dar.comeco aos estudos a preparaeo- do
PM* as dorss, y duae dMfcVl medlaBt f-
daraBiasoj paaasacasse a provincia cas nao seja
approvao o contrato celebrado.
2.Oilrahrr um emprestimotdeMr 00 fora-
do palz, mediante condigoes qoe nao obrignem av
provincia a um dispendio superior a quairo cen-
toscoDtosdoris ananaes.
Art. 2. Ficam revogadasasdtspslc6es em con-
trare.
Mando portanto, a todas as autoridades a quera
o conheeimento e execogo da prseme resolnco-
pertencer qoe a curapram e fasami esraprir taoin-
teiramate como nella secontdin.
O secretarlo do govesno dests rovincia a faga
imprimir, publicar e correr.
Palacio do governo de Pernamboeo, aos 20 de
margo de 1866, 4o* d independencia e do imperto.
L. S.
Manoel ClemenftnoGafnefe dniJunia.
Sellada e publicada a prsenle resologao oesU
secretaria do governo de Pernambuco, aos 24 d
abril de 1866.
O secretario, Ur. Francisco de Panla Salles.
Registrada a 0. do livro T de leis provineJaes.
Secretarla do governo de Pernambnco, 20 de
margo de 1866.
O escripturario da 4* seeco TAeodoro tes lle-
vares. ____________________________________
Sania Casa da Misericordia da
Kecife.
Chegando ao conheeimento da ittm* Junta admi-
nistrativa desta santa casa, qne o ex-procurador
Sympbromo Olymplo de Queiroga tem recebido
algumas quantias, passando recibos manuscriptos,
manda a mesma junta fazer publico a lodos o
seus devedores, que elle nao mais procurador
desde e dia 5 de abril prximo passado, e por isso
nao lbe ser levado.em cuota o que pagaren p
esse modo, visto como os recibos, desia sania cas
sao impres$os, assigoados pelo tbesoureiro e rubri-
cados pelo provedor.
Santa Casa de Misericordia do Recife 18 de
maio de 1866. ,
O escrivo Interino,
_____________Francisco Gomes Castellao.
Santa Casa da Misericordia
do Recife,
A Illm.* juma administrativa da Santa Casa de
Misericordia do Rectfe manda fazer publico qn
ne dia 24 de maio prximo futuro petas 4 horas
da tarde na saia de suas sessoes tem de Ir pra-
Ca a reoda das casas abaixo mencionadas por lempo
de um a tres anno*.
Os pretendemos-deveo comparecer acompanha-
dos de seus fiadores ou munidos de carias desies.
Eslabelecimeatos de caridade.
Ra do Imperador.
N. 1 particular e 24 publico, sobra-
do de 1 andar.......679*000
Ra Direita.
N. 3 dem e 8 dem, sobrado de 2
andares..........1:067*000
Ra do Padre Florlano.
N. 5 dem e 49 dem, casa terrea. 181*000
N. 6 dem e 47 dem, casa terrea. 186*000
Roa do Fagundes.
N. 11 dem e 32 dem, casa terrea 155*000
Travesea de S. Jos.
N. 13 dem e 11 dem, casa terrea. 153*000
N. 14 dem e 5 idem, casa terrea. 169*000
Ra dos Pescadores.
N. 16 dem e 11 idem, casa terrea 216*000
Roa das Calcadas.
N. 20 Idem e 36 idem, casa terrea. 176*000
N. 21 idem e 38 dem, casa terrea. I57*u00
Kua da Viraeo.
N. 21 idem e 7 dem, casa terrea. 204*000
N. 27 idem e 19 dem, casa terrea. 186*000
Roa de Santa Thereza.
N. 32 idem e 5 dem, casa terrea. 168*000
Roa larga do Rosario.
N. 33 dem e 24 dem segundo e
terceiro andares.......6OO9OOO
DECLARACOES
COMPANHIA
DO
Sao convidados os Srs. accionistas desta
companhia a reunirem-se em assembla ge-
ral no dia 23 do correte mez ao meio dia
no escriptorio da mesma companhia para
em conformidade dos seus estatutos deli-
berar sobre as contas do semestre lindo,
approvar o orcamento vindouro, decretar o
36" dividendo e eleger a nova administra
cjio, bem como discutir approvar as emen-
das que o governo imperial exige para a
approvaco dos novos estatutos que lbe fo-
ram sobmettidos.
Eseriptori 3 da companhia do Beberibe i O1
de maio de 1866.
O secretariof
Dr. Jo5o Jos Pinto Jnior.
Governo da provincia.
4.* seceo.Secretarla do governo de Pernam-
buco, em Io de malo de 1866.
EDITAL.
Pela secretaria do governo, se faz publico
quem interessar possa, que tena o Exm. Sr. vice-
presidente da provincia, de dar execuco a le n,
649, de 20 de marco ultimo, abaixo publicada, se
convida todas as pesoas qpe pretendan). eos
tratar a construeco das estradas de que trata a re-
ferida le, a apresentareua ao mesmo Exm. Sr.' as
suas propostas, e mediante as bases nella esiabaie-
eldas, aa de serem examinadas e nteferir-s.
aquella que melhores vantageus otierecer.
O secretario,
Dr. Francisco de Paula Salles.
LE N. 64.
O Ur. Manoel Clemeotmo Caroer da Cunba,
vkJe-presidente da provincia de Peroambuco : Fa-
co sa*et a todos os seos habitantes que a assenv
bla tegiflatlva provincial dwreton e en sanecionel
a resolnco segoinle :
Art !. Pica o presidente d provincia aotorisa-
do a mandar estudiar ea contratar eom urna oa
mais companhias ou com pessoa reeonnecidamen-
t idneas, nma rede de estradas, do rodagem ou
de cama d reno, ceohecidas, sob a dooomlnacao
de trsmwayvqoe ligo os MtkV|Mplo*M.4)o
interior da provincia com as diversas estaeoet da
strdidafer> doReeifs a S. Frasjcwo, como as
aetuaes estradas de commnmeaco para esta capi*
1 tal o cornos pontos do littoral de fcil aeoess a
navegaoio.
Art. 2.* Para execuco do artigo preeedesMe po-
dera' o raesrao presidente adoptar as seguimos ms-
(didas :
1.* Conceder as companhias ou aos partkula-
|resr qa s encarrefarem a onsttacea dos
I trarawari ou qae os collocar d'ora em dlante na
Ovofiaoco descont' letl.P II por cento' actuaos estrada, uma-subveoco kilometriaa pro-
le anno, toma dinheiro a praso flxo ou em coala! porclooat aocapiul empregao por ausu- a *,
corrente pe| prem coadlfo qw se tonn\ Bcando o cootraio, que para isso se celebrar >
clonar, e saca sobre a praca da Babia pendsnt da approvaco desta assemWa.
ZL* O contrataote podera' independente desta appro-


ovo Banco dePernambu^v
o ndvo banco paga o I6* dividendo nc'
razio de 641150 por acejto.
%ov9 banco de Pernam
700*000
408*000
478*000
185*000
141*000
144*000
400*000
50*000
N. 34 idem e 26 A idem loja
Ra do Cabug.
N. 34 dem e 1 C idem, loja. .
dem Idem e 1 D dem, loja. .
Ra do Calabouce.
N. 40 Idem e 18 dem, casa terrea.
Recco do Quabo.
N. 49idem e 8 idem, casa terrea. .
Ra da Gloria.
N. 51 idem e ao idem, casa terrea.
Ra do Encantamento.
X. 52 idem e 3 idem, sobrado.
Ra do Padre Fioriano.
1 N. 67 idem e 65 idem, casa terrea.
Roa do Apollo.
N. 91 dem e 24 dem, sobrado de 2
andares..........1:400*000
Ra de S. Rom Jess das Crioulas.
N. 61 dem e 8 idem, casa terrea. 131*000
Patrimonio de orphaos.
Ra do Rangel.
Casa terrea n. 6 particular e 56 pu-
blico...........
Praga da Boa-Vista.
Sobrado de 2 andares n. 7 particular
e 13 publico.........
S. Goncalo.
Casa terrea n. 10 particular e 22 pu-
blico. .....
dem d. 11 idem e 24 idem.
Rosario da Roa-Vista,
dem n. 14 particular e 58 publico.
Becco das Bolas.
Sobrado de 2 andares n. 39 idem
e 18 dem.........
Azeite do Pelxe.
Sobrado de 1 andar n. 63 particular
e 14 publico........503*000
Ra da Cacimba.
Casa terrea n. 65 particular e 5-pu-
blico..........
dem n. 67. idem e 10 idem. .
Ra dos Burgos.
Casa terrea n. 68 particular e 19
publico...........101*000
Kua do Encantamento.
Sobrado de 2 andares o. 76 particu-
lar e 11 publico,.......
Seuzala Velha.
Casa terrea n. 81 particular e 18 pu-
blico............
Ra da Guia.
Casa terrea n. 83 particular e 27
publico..........
dem d. 84 idem e 20 idem....
Ra da Cruz.
Sobrado de 2 andares n. .89 particu-
lar e 14 publico.......706*000
Roa do Pilar.
Casa terrea n. 91 particular e 105
publico..........168*000
dem o, 92 idem e 103 idem. .. 200*000
dem n. 93 idem e 101 idem. . 200*000
dem n. 94 dem e 99 idem. 200*090
dem d. 97 idem e 110 idem .- 255*000
dem d. 105 dem e 94 idem. 171*000
Sitio n. 1 no Parnameirim. . 240*00o
dem n. 5 no Pomo da Cal. .- 150*091*
Secretaria da Santa Casa,, da Misericordia sto
Recife 16 de mate de 1666..
O escrivo interino,
Francisco Gomes Castellao.
265*000
800*009
189*000
193*000
146*000
501*009
97*000-
3O0O
807*000
183*000
132*000
1 5*000
Exposicio do orodfactos gr#-
cola, IndNnssrlaes e obra dr
arte da provincia.
Em consequencia de resoluclo da com-
mis-o directora da exposicfci desta provin-
cia communico aos Srs. delegados da mes-
ma commissSo, iodustriaes e mais pessoas
que tem de coocorrer aquella festa com os
seos productos, que foi transerida a aber-
tura da i'xposico para o dia 15 de agosto
prximo futuro ; outro sim, que a remessa
dos productos deve ler logar de 15 de ju-
lbo em diante.____
Sala da commissSO 9 de maio de- IWG.
M. Buarque de Macedc
Secretario..
(RREIO GAIL
Peta admimstrapio do oorreio desta cidado-ss
fax publico para fios convenientes, spat as v#ttt- *
da da couvencao postal eetebtad pelos
brastleiro e francet, seroeTpedida
Europa no l 30 do correan soez plo
francw Guye**.
As cartas serio recebidas atddams I
da que for macead para ataida do vapor, **
jsrnsNS at trafchom ates. *
AdmiBistracao.no crrelo de Pemambaao *,
maio de 1866.
O administrador,
Domingos dos Passos
I
<

^ '
.

i
*








f

'
\
J*
tf
t
-
"aTMMHraHatH


er
rrrft f eta * * ni le 1696.
Expolf5o das prodactc* agr-
colas, iadnstrlae* e bras de
arte ca f*eraaaalHtea>
Gansian-lo commi5o directora da ex-
posico que, por falta dos necesarios escla-
reclmentos, pela comparacSo taavida entre1
os nbssos productos e outros similares de
diversas provincias, e por outrosmotivos
de que aa"o tere completa sciencia, na"o bou-
Te a desejavel igualdade na distribucaoej-
ta para esta provincia das recompensas da-
das pela cbmmissSo central do lio de Ja-
COKPANHI.1l BRA9ILEIRA
Im
caisliconi 4
Dos portos do norte
**^rjr- a' o diz 4 de junho
7r^_ ta Cruz, commaudaui
jUulggj qaal depois da demora
*SM Hf me seguir para os porta*
Desde ja recetem-se passageiros e engajaie a
argaqrieo vapor poder condazir, a qual devera'
ser embarcada no dia de sua ebegada, enronasu-
das e diobeiro a frete at o dia da .sabida a% be-
ras, as passagens s serio receidas -na agencia
de
O
i!U7:s de peo-
e de atara
bi barca i i
g!e-
; .

fado alun6 dos amigos expositores se r- -. -jp-,, .....'.--------
cusam acoucorrer com do vos prodnotos t'dV. O ilO 0.6 JilllGirO.
exposiclo do 4* de julho prximo; resol-
vea, en un de soas aesioe, anedar fazer
publico o seguinte :
i .* Haver na provincia, para es traba-
la os da exposiclo, um jury especial, ao qual ra* doVigarto d. 17 primeiro andar.
nao eto vot os membros da cotfnissao Dain a R^Viiq *
directora, que julgar da excelleocrt, aper- ^ Jraid <* Dama.
eicoaaieoto e atilidadA rins nmrinrJn* at- Pretende segolr cora rrraila brevidade a velleira
i tT Buiaaaa aos proauaos ex- somaca naC|0M, florBCiai a qa| ,em parte de
pos*0 sea carregameato prompto, para o resto qae Ibe
2. Este jury se dividir em das sec- falta trata-se com os s-us consignatarios Antonio
O veleiro e bem conhecido brigne Aielaide,
pretende sabir com moila brevidade por ter a
maior parte do carregamento engajado, e para o
pooco qne Ibe falta e escravos a frete, trata-se com
o cansignurio Joaquim Jos Goncal ves Beltro la

oes, sendo urna para os productos ajgrico- Luiz de Oliveira Azevedo & c
las, e outra para os imiustriaes propriamen- r
te ditos, e obras de arte ;
3.* Far3o parte do jury as pessoas de re-
conheeida aptidao e especialistas;
4." Segundo o juizo do jury, a commis-
em sea escriptoriu,



do Dos d. ,'!, escritorio.
^p- m j j
Para o Porto por
Lisboa

A veleira e bem conhecida barca portagueza
Tentador, pretende seguir com malta brevidade,
tara parte de sea carregamento engajada, pira o
resto qae Ibe falta tratase com es seas consignata-
rios Antonio Luiz de Oliveira Azevedo C., do seo
escriptorlo na ra da Cruz n. 1.
I.
Para o Porto.
Pretende seguir em poneos das o patacho por-
taguei NOVO LIMA, por ter ja prompt) todo o sen
carregamento: pan paas ageiros os qufesaflereee
sao distribuir aos"productores e demais ex-j ^tloSrSifrS Fat da*Madre
posttores medalhas de duas classes, sendo ~
as da Ia classe de prata e as da 2a de co-
bre, ambas aoompanhadas de diplomas.
5." A commissao faraaequisico, median-
te valer ajustado, dos productos qae para
iste Terem jnlgados dignos pelo jury, e que
nao possam ser cedidos gratuitamente para
figurare na exposteo central.
A commissao directora espera que estas
medida* servirlo de garanta ao verdadeiro
apreco dos productos exportes, e qu farlo
desapparecer o desanimo que a alguns ex-
positores causou a desigualdade que ati-
na se referi. *
Alm disso, a commissao chama a atien-
do dos Srs. expositores e mais industriaes
da provincia para a circunstancia de um
dos seas membros ter de acompanhar ex-
eosico central os productos que d'aqui fo-
rem enviados, e fazer parte do jury julga-
dor na corte, actiando-se por esta forma
habilitado para ministrar todos os esclareci-
mentos necessarios ao perfeito conhecimen-
to dos productos, e fazer valer o direito de
cada um d)s expositores de:ta pro\iacia.
Pr Mi forma a commissao jtilga ter re-
movido mais um dos emb^ragos, com qu*
porveQtara venha a lutar na acqoisico de
productos destinados exposicao do i" de
julho.
Anida urna vez appella a commissao para
os dignos Pernambucanos, pedindo-lhes com
instancia que promovam com esf^roo a re-
jBaefsa de productos destinados a figorarem
D'aquella festa industrial. nde se empe-
nliam os brios da provincia
6a1a da commissao, 23 de abril de 1866.
O secretario,
r. Manoel Buarque de Macedo.
tes surtido*
findos de tfv
za Janes.
Cerdelro ieies
por centa e risco de quera pertencer far Icilao de
urna eaixao marca JAC, n. 139, coi 43idurias de
pentes para caspas, atizar, praliados, pata algi-
belra, para atar cabello, travessos com guarnico,
tisea etc., e 6 i|2 de graocbos para cabello, viudos
da Uverpoel na barca iegieta JANES e cora pe-
queo loque de avaria, os quaes se acham deposi-
tSVwao armazera a ra da Cadeia do Recife a
29, aoode tara' lugar o lellao isto
Qnarta-feira 23 do correte
as ti horas em ponto. __^^
Pr
raiaCi
L.EI<40
Antonio V. da Silva Barroca faz letio por inter-
vene>o do agente Oliveira, de madapoioes arara-
dos pelo GLADIATOR, no dia qnarta-feira ti do
correnle aomeio di era ponto, em tea armazera
ra da Cadeia n. 4.
LEILO
De rea mobflia de Jacaranda asada, 1 guarda
vestido, i mesa elstica asada, 1 lavatorio de pe-
dra e pertences, 1 sof de Jacaranda', 1 piano de
dito, 3 espalos grandes con moldara de Jacaran-
da', 1 cama francea, i aparelho completo para
jamar, marquezas,cabides, qaartinheiras, smtaa-
loa-na^iry avul^as, bar^oi, uw. para minino,
lo|or|e algibava, d#mteM rassa, porta II-
r, lamernas, copos, gawafas, 20 libras de cha'
-in, 390 pecas de atas pa*a sapaleiro com
jaldas, caodieiros e 'outros TOaiios artigos de
gostor
AMtia 23 de corrale asi 1 Iteras.
Ke'artieem a ra da Gadeia do Recife n. M
J?or iatarvencao do agente
Cordelro Siindea.
Administrado do correio desta cida-
de precisa de seis homens para o servirlo
de caminbeiro, quem estiver nestas condi-
Ces e quizer engajar-se dirija-se a mesma
administrado.
"eassifl sSmT
Pela admini'trago do correio desta cidade, se
faz publico para Hns convenientes, que em virtude
do dsposto no art. 133 do regulamento geral dos
correi' s d l de dezembro de I8i, e art. 9 do
decreta n. 78o de 15 de raaio de 1851, se procede-
r' o coasumo da* cartas existentes na administra-
do. p-Ttencente* ao mez <1a raaio do anno passaao,
nu dia 3 de juaho proximo,as 11 he ras da maoha,
na porta aeha desde ja aposta aos interessados.
Adminitraco do correio de Pernambuco 22 de
maio de 1866.
Domingos dos Passos Miranda.
Administrador.
oitco geral.
Relafo das carias segaras existentes na adminis-
trar de correio desta cidade para os seabore
abaixo declarados:
Andr Alves de Freitas.
Beato Jos Fernanies (Boa-viagem)
Padrn Ignacio Francisco dos Santos. .j
Jos Cirneiro Ro-lrigues Caropello.
Lu'i Canuto Eraerenciano.
Padre Manoel Cordelro da Cruz.
p,^dro Raphael do Amor Divino.
oa Ffdderico de Abren Reg.
TII\TRO
DE
SI
EMIMIE/J- (.(iniHHV.
Hectta extraordinaria
djaartii-feira 23 fie uiaio de 1866.
Representar-st-ha o mnlto appiaudlflo drama em
8 aetoe de Domas tiiho
A IUI414SC4MELI.4S.
Seg'ie-se pela Sr.1 Gielia ev Sr. Perretra a,ex-
t~asfn li em i acto, o nada de canto
m'i noite de carnaval.
Terminara O espectculo '.cora o triaJogo quasi
coraic i era 1 acto, ornado de canto
TcUang-tctiaiig-buag.
Principiara' as 8 hora-
Pretende sabir em poneos dias para Lisboa a
barca portagueza Msria, recebe carga e passagei-
ros, para os qaaes tem esxelteates commodos e p-
timo tratamento : a fallar com os consignatarios
Camino & .Nogoeira, ra de Apollo n. 20, ou com
o capito.
Para o Aracaty.
O velllro e bem conhecido palhabote nacional
Dous Amigos, pretende seguir com muita brevida-
de, tem parte de sea carregamento engajado, pera
o resto qne Ibe falta tratase com os seos consigna-
tarios Antonio Luiz de Oliveira Azevedo & C, no
seu escriptorlo, ra da Cruz n. i.
Para o Porto
Pretende seguir com muita brevidade a veHeira
barca porlugueza Iris, capitao Mathias de S uza
Maciei, tem dous tercos de sea carregamento
prompto, para o resto que lha falta trata-se com os
sens consignatarios Antonio Luiz de Oliveira Aze-
vedo & C, nq seu escriptorio, ra da Cruz n. 1.
PifU LISBOA
sabira' com toda a brevidade o brigue portagnez
Comante II por ter prorapto quasi lodo o sen car-
regamunto : para o restante e passageiros, para os
quaes tem excellentes commodos, trata se cora Ha-
noel Ignacio de Ohveira PiUio, escriptorio no lar-
go do Corpo Santo n. 19, ou com o capitao na
praca.
PRAA_BHIA^
No dia 10 do corrate devia sahir da Babia pa-
ra esta provincia o patacho Santo Antonio, que
chegando nao deve ter demora e seguir' com bre-
vidade por ter parte da carga prompta, para o
resto da carga trata-se om o consipnatano Jos
Hara Palmelra, praca do Commercio n i.
TJirde predios.
Uoarta-feir 23 do crreme as 11 horas.
OL/W?IO
rara' leitao de 3 usas terwa* sitas na treguCzia
d Afogades ra Bu n. 8, 420, 122, todas de
pedra e cal, readmito mensalxente caJa urna Si,
em olaos proprios no dra cima dito no arma-
zem da
Praca do Commercio n. 48.
De
Trastes avolses, mnbilias cumpletas,
crystaes, joias de onro, briihantes,
reiogio.- e entras amitos objectos de
gosto.
AatanfaSa as 11 horas.
OLYMPIO
AOS l>:0003000
ierre sabbade 26 do Cerreate.
Acbam-se vende na respectiva thesou-
raria, ra do >epo n. 15, os biibe-
tes, meios e quintos da 15a parte da lo-
tera a beneficio des familia dos volun-
tarios da patria <4>. sendo a extracto no
lugar e hora do ostuiee.
Os premios de 6.-0O0500O at 40JOOO
seraopa^ostitBa hora depois da extrae*
: at as 3 horas da tarde, e os outro* depois
! da distriboicSo-das listas.'
As encommeadas serio guardadas so-
mente at a noite da vespwra da extracclo.'
O tbesoureiro,
AntoeJa#1d Na roa das Grazes n. 43 vende se doce de
goiaba lino a 14700 a lata da 4 .libras, gaz da ne-
inor a 10$ a lata e a 410 a gatrara, e todos os-
ais gneros da melhor qaslidade e por precos
commedos. _______________________^^
CASA DA FORTOili
Aos 6:000^000.
Uilhetea garantido.
A' RA DO CRESPO t. 23 E GASAS DO COSTMB
O abaixoassigaado venden nos sens muito f eli-
zes bilhetes garantidos da lotera qrje se ucabou
de extrabir, a beneUelb 'das familias dos -volunta-
rios da patria, 63 egaintes preoMos :
N. 1384 tres quintos en a sor te de 6:000).
N. 401 bilbete mieiro com a sorie de l:00.
N. 'S399doos quintos com a son de 200J.
E ostras omitas sortes.de 1000, 409, e 20#.
Ospossuidores podem virreceber sensrespec-
! tivos premios sernos descontos das leisnaeasa
; da Fortuna ra da Crespo n. 23.
I Acbam-se a venda as da 1S> parta da lotera
(4J benefleio eas ftmiras dos voluntarios da
patria, que se extrahira' sbbado 26 docorrente.
#RECO.
Bilhetes. .... $009
Meio. SflOOO
Quintos.....1*200
Para a pesaoai qur eeoprarea de OO^OO'J
pi*a %hn.
Bilhetes. 5*506
Meios......2750
Quintos.....1*100
Manoil Martins FiurA.
mmmm niiiiii
Os seuhores
Antonio Pereira da Cmara Lima e
Felciano Rodrigues da Silva (Mr. -Jg
engenher; tenbam a bondade de ^
dirigirem-se luja da ra do Cres* |
.pon. 17, a negocio deseus inte-
resses. m
fara* leilo por conta e risco de diversos dos ob-
jectos cima mencionados, os quaes serao vendi-
dos pelo maior preco, ao correr do martello em
seu grande armazem
48-Prapa do Commercio- 48
Linosi
com
rae-
LEILAO
De ama arma^ao da amareilo envidragada
um lustre de 4 bicos e registro de gaz.
150 calungas diversos tamaitos e qualidades.
70^parelhos de porcelana sortidos (para
nios.)
210 caixinbas com raobiliasjestradas de ferro e
outros artigos (para enfeites de mesa.) i
274 grozas de botoes para paletots, caiga, col-
lete etc.
16 dazias de carreteis de linha.
Cordelro Mlmes
por conta e risco de quem pertencer fara' ieilo
dos objectos aclraa meuciouados, em um ott tnats
lotes a vontade des eoncorrenies, os quaes exis-
t>?m no eslabelecimenio a roa do Raogel n. 49,
aonde ter lagar o leilo e podem dt-sde ja seren
examinados das 9 as 2 hjras da tarde cujo leilo
ser efectuado no dia
IIOJE.
no referido estabelecimento.
IjEILJLO "
Da casa terrea da rda Imperial n. 263.
Dma dita na ra do "Forte o. 26.
U ni dita da ra da Soledade a. 64.
Em chaos proprios.
IIO.IE
O agente Pinto legairaente autorisado fafa' lei-
lo das casas terreas cima mencionadas ediea-
dai ia itin mppi1, ** quau 9 fwmiu rt-
mmmm*mmm'mmm*
m
commendadas pelo seu |bom reodimento e se
arharemem bom estado, as 11 horas do ^ dia ci-
ma dito no armazem da ra da Cruz n. 57.


LEILAO
DE
Fazendas avntirtda
LEILAO
Dos movis, tonca, vid ros e nnis ob-
jectos do hotel italiaie na do Tra-
piche, n. o
Hdame Ferro
tendo de rAtirar-se para Italia fhn de Tratrr de
sna saie, fara' leilo por intervencao do agente
Cordeiro SimOeSj de todos!.oa otis, looga e mais
objectos de sea hotel sito a* rin do Trapiche n. 5,
como seja : 7 marquezas, 10 ramas, 6o caderas,
8 lavatorios e seus pertences, 4 mesas de pinho,
1 commoda, 2 caderas de balarte/), 2 mesas re
dondas, 1 mesa elstica de 8 tab'oas, 2 ditas de
amarello, 2 aparadores, 1 mesa de mogao, 1 ar-
mario de amarello, 2sofs, 1 porta licor, 1 galhe-
telro, 1 banheiro, 1 reiogio de parefle, aparelhos
dejantar e almoco, escarvadeiras, castlral. copo?,
garrafas, 9 espelbos, l'reas de coinlia, toalhas,
lengs, cobertas e mullos oatros objectos que se
torna eniaoonno menciouar.
Quinia-feira 24 do corrate
as 11 horas era ponto no mesrao hotel. ____^
LEILaO
De 55 caixas com linhas de novelo.
Qainta-feira 24 do correte
O gewe fujtww fara* HgWo y cWfti a risco
de quem pertencer Al' 55 caixas cora lintias de
novelo a variadas a beedo do navio inglez JANE,
em sw* rlBefte vhgelh para este porto : quinta
leira 24 do corrente pelas 11 hora* da mantisa no
*rmara da ra da Senzala Nova o. 42.
...... i i i-----"il I i ' ! ~'t'
LEILAO
De predio e terrenos
de marinha.
Um Obrado de dotjs aclares e softo n ra da
Imperatrix n. 17,cora uas portas de ra sendo
urna para o primeiro andar e outra para o segun-
do, com 59 palmos de vo e 127 de fundo, tendo
4 poTtas de freate, varanda de ferro no primeiro
andar, no segundo duas jauellas e urna sacada
com Varabda d farro, com grandes salas, e quar-
tos, cosinha, grande gabinete ioterno para serven-
ta do prlmriro e segn io andar na parte poste-
rior, afarelho e caaos para toda a propriedade,
jjrjfil i i. iiiinhiiia qi m sitio na estrada do rogo da Panella todo mu-
rado sob n. 10, com fructeiraa, "l1 portoes de ferro
sendo nm de cada lado, grande e elegante casa de
vvenda com 3 salas, 9 quartos, cosinha, cocheira,
uutriuaiiJ.TWTa THrr"pTr,'?iimbas,2 tanque?,
bwBbt de taaqae.
iWtorma.for-iro a marinha too caes do-Capi-
aribesob n. 5i3vJ>eneflciado oora caes e aterro
.ora & ptiaNSfleiyo e 29o de Ando.
[i a marinha seb n. 4 C, ben^fk
ESTRADA DE FERRO
DO
Recife a Sao Francisco.
Fica restabelecido o trafego de passagei-
ros entre todas as estarces e de carga en- j
tre Cinco Pontas e Garaelleira.
Espera que no dia 23 Gcam restabeleci-;
dos o trafego de mercaderas at Una.
Recife 21 demaio.de 1866.
G. O. Mano,
___________Superintendente.
Precisa-se de um copeiro para o sorvico de
ama casa estrangeira : a tratar na ra do Trapi-
Ama
*j
a qne engomme ben : na
i de qoatro da, ao ecearie''
i blicado por este Diario.
Avisa pitra tieixina
Patfe-9 ara aenb'or estaoeleeido com botica
nessTcidade,. ejOe naja de mandar pagar a quaniia
de 120dejoias que comprou effl dezembro do
***ferleo"ChaWpre4*9 falar~com os Srs.' ?? protmo-pasaao a aln Joaih** para isto
Franciseo da Sirva Machado Lobo e Manoel J*so dirljrse aro da Cadeia da Radie l. 18, que estao
Mailins, ignorando sua rtmrada roga Ibes se dirt-|*uto,i'*d,s itceter 'ta'qoadlia, i* no praso
tires *rua da Imperalnz, sobrado o, .*&, ou an- if. '*v >o contrario os* nome pu-
nunciar (Has moradas. ^^ _____^___
Alnra-se a casa terrea n. 7 da roa do caes'
de Detencio >aoto ao sobrado ao norte do gazome-
tro, por 49$ meaaaes, tem 2 quartos, 2' salas, co-,
llana, guanal roa cacimba e psta' pintada.______j
Trocara-se aotas do banco do Brasil e das '
caixas fitiaae coco daManto razoavel na orara da' p e Barret0 vasconcellos acbando-
ndenenSaT2i P ? se competettfemwte aalortoado. abre um curso
ndepenaencta a, sl_____......_ j particular de-rwcuz era soa casa.
Qaem annuncoa para vender urna taberna O mesmo preewa de urna casa no centro da fre-
na fregnezia de Santo Antonio, qaeira dirigir-se a guezla de Santo Amonto, qae leaba aeommodacoes
RU10IHPER.4D0R
numero S5
Passagem da Magdalena o. 3.
Francisco Roberto Machado de
Matos, relojoeiro e dourador, na
rna da Imperatriz n. 12, faz qual-..
quer concert pertencente a sna
arle por preco mais barato do que
ostro qaalquer e responsabilisa-se
pelo sea trabalho, assim como
tambera compra relpgios em segunda mau de al-
gfbeira e americano, espera prbtecco de todo.
ftrecisa-se de urna ama forra on eaptiva qne \\
engorame e cosa para casa de pjea familia: a
fallar na rna do Gabag loja demiudezas d. IB
ou na roa da Cruz armazem d. 54.
para 16 camas,
O mesmo tarubem precisa da urna ama forra ou
escrita qleer-va pata todo sefvifo interno e ex-
mmmmmm m mmm M
f
Na roa do Trapiche, hotel francez, precisa-se
alagar um raoleque de 18 a 20 annos.
Caateee e pheeftaelaa.
lira volme in 42," mpresso e en- K
cadernado em Paris: em casa dus H
edictores m
UVRARIA FRANCE2A
N. 9 Ra do Crespa N. 9.
Finio
Theotonio de Oliveira Neves, subdito porln-
guez, retira-se para Portugal a tratar de sna sande,
e deixa por seas bastantes procaradores os Srs.
Antonio Martins de Carvalbo Azevedo, Joaquim,
Domingaes Fernanda e Antonio Joaquim da Silva
Brito.
Precisase de ama anta de leite qae nao te-
nha fllhos: na .ra do Aragao n. 24.
O meretissimo tribunal do commercio pelo Na noite de 29 de abril prosrrao passado fua-
sen ultimo accordo proferido nos autos da ques- rain do en tao, que o abaixo assignado tinha com Manoel ig- de do abaixo aesigaado, nm cavallo coro os signaes
naci de Siqaeira, julgou vallido o contrato de seguales : alasie, castrado, cora a dina e canda
permutados engenbos Cassn e Massayba, em : curta e da mesara cor, urna Irstra branca da testa
quanto, pelo foro comraum, neo-fosae este.destru- at era cima do beico superior, o p esquerdo e a
do, o abaiso assltroado pois, conformando-se com mo diretta brincos at os trovadores, novo e gor-
o referido accordao, val tentar cara dito Manoel' do, bem feilo do corpo e pescoco, bom andador de
Ignacio e sna ntulher os meios oaclllaterios, afim : baiao al inew, o andar baixo um lea* spero,
de qae reduzlndo, como soobrigados, aqaellecon-1 tem sinal em baixo, e om penco espantado,
trato de escrfptnra publica, paga a respectiva cisa D-se 50J de gratificacao a quem o irouxer neste
do excesso ou volta, que em si tem, a venbam flr- engenho ou dMIe der noticia certa.
marsem mais delonga na conformidade do papel
que assignaram, sob pena de nullidade e paga-
mente da multa imposta : quem portanto se jul-
gar com direito ao engenho Gassu, por qualquer
litlo qae seja, fara especial favor ao abaixo asig-
nado faze-lo publico por este Diarto, antes que
Manoel Ignacio e sua raulher venham assignar a
escriptura pnblica da permuta.
Recife 1 de malo de 1866.
Joaquim Salvador Pessoa S. C
Precisa-se de urna ama para comprar e co-
zinbar para urna pequea familia de tre. pessoas
sem menino?: na ra do Brnm n. 54.
Manoel Rodrigues da Silva Cmara.
Camino & Nogueira na ra do Apol-
lo n. 20, sacam para o Porto e Lisboa, a
vista ou a prazo. _
Precisa-se de urna escrava qne soja fiel
do Queimado n. 46.
na roa
Ao publi O
Ja' por duas vezes teoho recebido da provincia
de Sergipe cartas segaras, em que se acensa re-
messa de diobeiros. Ao abri-las, porm, na me-
lhor boa f nao lenho achado as quantias declara-
das em ditas cartas. N io sabendo a qae possa at-
tribuir semelhante laclo, limilo-me a esta simples
exposiQao, declarando e assegurando desde logo
que bao tenho o mais leve proposito de offender
ou fazer impnlagoes a quaesqoer pessoas.
Pedro Ozorio de Cerqueira.
Precisa-se de urna ama de
Palma n. 41, taberna.
leite : na ra da
Precsase alogar um eozinheiro para um
rapaz solteiro : a tratar na ra do Queimado n.
13, Io andar, das 9 horas as 5 da tarde._______
Aosusto Ribetro Lima Cealaca e Manoal Fer-
reir Rabelio, tenlo comprado a parle que exista
na loja de nvudezas e ferragens da roa da Cadeia
do Recife n. 7, pertencente aos herdeiros de Joao
; Baptista G .nrilviis, faz coohecer ao publico que
i aqoelle estabelecimento que dantes gyrava sob a
__. firma social Joao Baptista Goocalves 4 C, passou
Jos Baptista Gomas Penna roga a sens deve-! a ser possoido e gerido pela firma Chalaca Ra-
dores que veuham satisfazer seus dbitos no praso i bello desde o 1 de abril proxira. passado, estando
che n. 3, primeno andar.
O agente Pinto fafa' TeiSo por Coala e risco de
qaem perlencer de differentes pendas inglezas: d 2(J de freule
avariadas abordo do bngae mglat BLLA BIWGE, "*,. "M alaBa^0 fdre,ra ,
e vapor GLADIATOR, constando de madanolges, I .."JggBgjyg !.?
algodta.chitas ecoberrc.es e ^^^mtSSff^^Xl
Uioras do da cima dito ao aranzen da roa la
Crnz n. 57.

JVISDS MARTIMOS
Corupanliiadt Moe*^s a vapor entre
i fislios .Unidos e o Brasil.
De New-Ybrk
e escalas espe-
rado at o dia 24
do corrate Ora
dos vaporea da
cora pan hia, o
qual depots da
demora do nos-
lome seguir' pa-
ra os portos do su! : para passagens, rretes etc.,
trts-se com os.agenles Henry'Yorster 4 C., faa1
do Trapiche n. 8. ;__________________

Leilao
De 55 latas com massa de tomate.
HOJE
O agente Pestaa fara' lellao por conta e risco
de quem pertencer de 55 tatas com massa Ae to-
mate, vndas ao vapw reglec OUSOA, as qaaes se-
rao vendida en lotes a vontade : terca-feira S?
do corrtnte pUs 10 horas da oaBbaa no arma-
zem do Anne.
IJLIXJU jI
Defa endas avariadas
------4*aj ns 4^ horas em pooto
O agente Pinto fara' leilao p
quem pertencer de differentes
laas, camisas de meia e estop
do vapor francez GUIEN'N'E e da barca iogleza JA
NE. as lOrMrt^ajajaa^l^fMFV
Crnz n. 5741 El^U^c4KPWl><
e raadapoloesTlIHeni avsrraoos.
i'i
do com caes e
265 de fundo
nha na estrada
de leste, com
J- ** 4iao, iunnd-1 nao foreim o. onlrogop an can
procuraonr im.,.i-.. ij-i <>o jadioimini.
sem excepQo de pessoa alguma, pois tem serios
corapromissos e nao pode ter mais cootemplare-.
Precisa-36 de om caixeiro qne tenha pratica
de balea.) : na padaria da ra do Rosario da Boa-
Vista n. 55.
srgn ii n xt*mn\pnin d.i nasslvo e a arreca-
Recite 18 de maio de 1866-
Augusto Rlbeiro Lima Chalaba.
Manoel Ferreira Rabelio.
Rcsa da Cunha Miranda tendo de reiirar-se
! desta proviucia para a de Alagoas, previne ao res-
5_5J?A jpeitavel publico nada de ver nesta praca, quem
01110. se julgar seucredor quein quanto antes dirigir-se
Esta' para arrendar-se ou alugar-se um sitio no por este Diario, assim como declara que qualquer
lugar do Barro, com alguns arvoredo?, boa casa de ; transaccao em que deva entrar seu consentimento,
vlvenda com 2 salas, 4 qoartos e cosinha fora, por effectuada por seu marido Arcenio Antonio Car-
preci razoavel : quem pretender dirija-se ao pateo
do Livramento n. 20, segundo andar.
Ama
Precisa-se de urna an
Gonceico sobrado n. 8.
<1e leite.
de leite :
na ra da
neiroda Cunha Miranda... nao produzira os effeitos
necessarios, visto como a supplicante nao o tem
para tal aulonsado.
boa conducta : na ra do Codorniz
vino Padrdeiro era alguma? das ras annoncladas,
nao s por ter sahido da igreja um tanto tarde co-
mo pela inconstancia do lempo : e pede aos hab- j
taoles daqaellas ras dssoulpa por essa falta.
Consistorio da irmandade do Divino Espirito '
Santo do Gollegio em 21 de maio de 1866.
O escrlvo,
Francisco Belarmioo dos Santos Freltas.
Aviso.
Brender a Brandis & C. mudaram seu.
escriptorio e armazem parra a rna da Cruz
nuaero 9. .
Precisase de om meniBO de 12 a 14 annos
que tenha alguma pratica de taberna, prefere-se
portugoez de
Manoel Ignacio da Silva Teixetra declara aos i ^3^______
seus fregaezes qae contina a mandar fabricar pao
e bolacha, como sempre, era sua padaria n. 1 lar
go da Santa Crnz e roa do Rosario n. 53, e que
nao tem nada cora ura novo deposito que hoje se
abri debaixo do sobrado da esquina da ra Ve-
lha, querenSo imitar a obTa que o annunciante
manda fazer em sna padaria.___________
A mesa rage*ra da ffman'dade do Divino
Espirito Santo do CMtepo faz sflente ao publico
qne deixou de passar com a procissiio do seu Di-
' Ktl>8 ,
marinha e na
jb n. 20 A, com
m diti diwiainbem foreiro
mesma estrada ao lado de leste,
40 bracas de frente e 60 de fundo.
Um terreno proorto no Jargo da nutriz do P050
da PtreUa, cora 24 palmos de frente ponco mais
os menos e 42 de toado.
O agente Martins far leilo a' requerimento de
D. MariaTheodora Alves Ferreira meeira e inven-
tarame dos bens que flearam pof fallecimento de
seo BMrrid Or. Jos Mamde Alrts Ferreira e por
mandado do Uta. Sr. Dr. juiz dejorphaos dos pre-
dios e terrenos anima.
SiAa-feira 25 do co:rente.
No armazera da ra da Cadeia ido Recife n. 53,
as 11 horas.
-r3s piwwmmtes -ffi tMIWlu entender com
mesmo agente para qualquer inormacao.
i
mnmnnmmn
DE
r lOL ETES A VAPOR.
Dosaorti. do sai s parad o
al o da 30 do corrate om dos
vapores ai compaataa, c qaaL le-
po! s da devora do costume, sexui-
___ ri para os portos daarte. Des-
a ja racebena-ie passageiros, eagaja^e a carga
jet vmi* ottr oddutir, a qaal everdser eai-
barcada no dia da sua ebegada; eucommendaaa di*
ttfrerrTrT'frr-altrTJTfrnfcsrA-saniaaas horas,
as passae.ms so serSo recebldas na agencia rna ______________
d&Craz a. 1, eaeripuio deAotapioLnlz de Ol- I
-Ir Arcedo 4. C. , tirtf lefrad de nma
--------------1?......'w-rj - " priprios (lado da so
, casa de pedra a cal em cnlos
---------- priprios (lado da sombra) sita a' ra da matriz da
-- JtTaV LiSOOa. fcoa-flsU Cata 35 palmos de largura, tendo de
Saae cora hreV^ade a vellair barca portagot- commojo *W?*fce^J>l> ffg
aakVftM, MpKo 1. Joaquim de FreiusT Recebe tnonoe cacimba, no da e h
gE&da**m

Precisa-se da-um feitor- para asa engenho pa
desta capiiai, m freguezla de S. Loarengo da Ma
t, e que seja Poringnez, paga-se bem : a tratan
engenho Mussaptaho. op nest pra^a com Man .
Ignacio de Oliveira &iFilho, largo do. Corpo San
escriptorj n. if._______ t .-
Aiuga-se nma boa casa com terreno e arvo
redes de fructo, com commodos para familia, p
mwueutumiHiu.Bi.ru iwramBliiraaarjimn
no oitSoM-M ': > tratar e Recife, ra
Aguas-verdes . *.
3C
Na roa da Bra n. 4 ngomma-sa
com pre&teza e aceio, e por corooiJdo prego,
raspa
aaslm
con se 6ni?rregira d rJUOtfar lavar "q'natquer
poegao detoupa car as meesS ondictes.
*1_ t>8ried-se nm'1reloiro~de*ooro patettte roglez,
de sabooele, n. 28901, aa t*ia am de Rmtjw ao
p do cisco aonda a ar hal : oera o adtou,
LEILAO .2
De ama casi tepaea sita, a. 114a
tria la Boa-Vista.
OLYMPIO,
Nao sendo possivel obler distribuidores
haBMKraoraimBmaa| arpara mandar ei
l*Vwinplefl ma, P^fT t^ada um na s
fl^^tgao^upp^nWotar, rogamos aos genitor
assignantes que qoando chegar noticias import
tes o maadem buscar nesta typograpbla a folh
que heudar de se dar, mandando para reconhec
melo o recibe de sua assigoatura, visto que
elfo nao ser entregue. Tambera lerabramos
quem est devendo a sohscripc5 quelfa mandar
pagar na llvrarta n. 8 da praga da Independencia,
visto que a murro se passoa o tempo,* e estao obrl-
jaflos a pagar 65 por quartel.
querendo restitu-lo leve-o a ra do Raogel, loja de I
n. 4. aae sera recompensado do chado : e
tapa
Jjs Marcelino da llosa, Francisco Anto-
nio da Rosa, Joaquim Mauricio Gonoalves
Rosa, Thomat Francisco de Salles Rosa,
Olympio Gougalves Ro Faria, Albino Jos da Silva, Jos Martinho
da Silva Borges, Anua Umbelina da Rosa
Faria, Joanna Francisca da Rosa e Silva e
Panlina Alejandrina da Rosa Borges, Blhos
e genros d fartetf ITa D. Francisca Maria da
Rosa, compungidos da mais acerba dor pelo
passamento da sua muito carinhbsi e presa-
sada rai e sogra, pelo presente vem tesle-
munbar seus reconhecimentos degratido e
coofes?arase sinceraraeote pehorados aos
- ooun aarot 4T-h*os toeeelrw -e-a-K>a>s -es-ee-
nhores que se ligaanfii honrar com sna
presenga as exequias que se celebraram na
veneravel ordem terceira de S. Francisco e
acooipanbaram seo corpo ao cenaiterio pn-
blico.
. Baamoa
todos os amigos que tantas provas de boi
de Ibe tem prodigalisad se dgoem hourj
com sua presenca os suffraglos qae se
de celebrar no dia 22 do correte pela,
horas da manha (stimo da do sea fall
ment) na igreja da venera ve l ordem ten
l'.ra de S. Francisco, de sua sempre lemb
carinbosa mal e sogra
. Por mais essa prova de consideracao mf
\ de ja os msmos aciof fTibam-lnes sel*
0).s reconhecira"'"
Cit Pepia,
A partida do correte mez tara lugar na
noitelo_dw ^4^,^ imi>, ,, ,-------
- Na roa Bella a.# pagaaalBJl por orna ama
escrava para o serVigojle pequea familia. t
le
na noite de 29 de abril prximo passado, do enge-
nho Dous Bragos de Cima propriedade do abaixo
assignado, am cavallo azalo castrado, com dinas
e cauda da mesma cor, brado urna lista branca da
testa al ao bego superior, p esquerdo e mao di-
reita branca at os travadores, bemfeilo de corpo
e peseogo, novo, gordo e bom andador de baix > a
meio, sendo o baixo um pouco spero : d se 50?
a quem levar ao dito engenho ou dlle der noticia
certa.
Manoel Rodrigues da Silva Camera.
PAPIS P1MI00S
Sortimento de papis pintados e
lindas guarnicoes para forrar casas.
N v LIVRABIA FRANCEZA.
N. 9. Ra do Crespo N. 9.
Precisa-se de um caixeiro par taberna que
leuha pratica e seja de 13
annos ae idade
a 15
na ra da Ponte-velha n. 39.
Na praga da Independencia n. 33, loja de
onrives. compra-, e ouro, prata, e podras preciosas,
e tambem se faz qualquer obra de eocommenda, e
todo e aualguer concert.
Antonio Luiz de Oliveira Azevedo iS; C. tem
para vender no seu escriptorio, roa da Cruz n. 1,
vinho do Porto em caixa de duzia, fio bamburguez,
oola da Bahia superior.
^ Ama de leite.
lar urna "menina rnuifo manciliriSf, paga-se imih,
ra Nova de Santa Rita n. 55 primeiro andar.
m
m
Companhia fidelitiade de seguros $|
martimos e terrestres |
establecida no Rio de Janeiro. ^
AGENTES EM PKRItAMBUCO
Antonio Lniz de MMM aatrraca 4C, |^
competentemente aatorisados pela direc- ^S
toria da companhia de seguros Fidelida- s|
de,tomara segaros de navios, mercado- ^5
ras e predios no seu escriptorio rna da ZS
Crui n. 1. W-
W. 7F\SXZ
\
Aluga-se urna ama para o servico
orna s pessoa : na ra do Torres u.
andar.
de casa de
14, seguudo
Offerece-se ma ama para casa de hjme
lastro, ane coialrt *-etog **MWast,tdMaolf: a tratar aos Capes,
na dos Frazetes n. lt. A
Ama fa
..-Se de urna ama di
lar na roa do Crespo fi. 15.
tasa resin &<> caraa a frete, para o que tratirM a o arffllWBl da _,__.__,_,__.i_, -
^otrMraios,raa-dVC*fazV5. Praija ! Coaaiercl .
aerjffbtio de
49.
Criado.
Precisa-se le utn criado pira lodo ser-vico dej
am sitio : qnem estiver nestas contgoes tffnja'-se
Evgmho pdraar-
rcnfar
-
Arreada se aateabo Quaambo, em Sdato A-
wro de Jabata*,a wl lata cnoilas e exaaantns
trra*. a eptaae aaaUaa : tratar aa toa do Seve
(tUu dea RatoaJ aabrado eoafronte ao cbafrtz.
a esta typographia qne acbarlcom quero trata. I _^ PmJVSe ,* om aoa para cemprarTcozi
' PrecUa-sa de um *aW-*ara um sitio porto nhar para pequen faaaiUa : aa roarle Hortata
da praga : aa roa da Cruz n. i. mero 90.
Arwnitomertt
jptanv
jfif,bem
as,' tresj
coua e om
de nte sen-
de. carroga e
casas e cha-!
ir examinar e,
gador ou com \
na roa
com
carros seod urna victo]
cabriolet cobertA, tr(
do daas paridas,
todos os trastes e
cara : quem
entender-se o
o Sr. Jas dos
49,
Cliocdate de Menier
CHOCOLATE DE SADE.
CIIOCOL\TE DE BAUNILHA
CHOCOLATE DE CITRATO DE FERRO.
CHOCOLATE LACTATO DE FERRO.
Veade-se
Vo botica e drogara
DE
B iRTHftLMEO i C.
31Ra de Rosaric larga34
Joo da Silva Ramos, medico
pala oniversklade de Goiaafera, d
consultas Ma ana casa das 9 as
II poras da maahia, e das 4 as 6
da tarde. Visita os doentes eaa snas
casas regularmente as horas para
isso designadas, salve os casos ur-
gentes, qe serao soccorridos em
qualquer occ asi ao. D consultas aos
pobres que o procurarem no hos-
pital Pedro TI, aonde encontrado
diariamente das 6 s 8 horas da
manhaa,
Tem sua casa de sade regular-
mente montada para receber qual-
qner rloente, alafla mesmo os alie-
nados, para o que tem commodos
j apropriados e nelta pratica qualquer
opperac.ao Cirurgica.
Para a casa de sade.
ft-imeira e!asS6..3i5000diarios.
Segunda dita....3^500
Tertawa dita v .a>JOO0
Este estabelecimento ja bem
acreditado pelos bons servicos que
temores**'.
O pw^Hietarie spera qae elle
continu a mere.cer a confianza de
Ique semprt lol .tfdflflo.
stides de Paula Dias Martins temo
seu escrlp-MrW de rtlvonci ama de S. Pedro,
Rio de Janeiro n. ti,ande pode ser cons ido so-
fajto d segaM* andar a ra da Impera-
trii 4aM^^tavPeM**,ra,lc*i: <,wm
a restituir sera gratificado.
(*rf,*ri
tm
anhaa as
civel,
tartos,
tlc5es.
^des
> Apol-
lo BTnav


't
uiB~T.
-a-.---:--;-,.
-
_HI_HBBaJ


DUrtoel
, Tere
1866.
-----------

------
PASTILHAS
VERMFUGAS
MOTA YORK. .
DE COR CHEIRO E SABOR AGRADAVElS
Intinitamen te mais efficazet do que todos
os mais remedios perigosos enauseabundos
que existem para a expulsao daslombrigas-
Nao causam dores e produzem seu effeito
sera precisar logo depois de purgante ne-
nhum e taoincitantes em apparencia e deli-
ciosas em gosto, que as crianzas esto
promptasa tomar mais do que marca a re-
ceita.
Uteis como um excellente meio de fazer
remover as obstrucges do ventre, mesmo
do cao de nao existirem verme algum, as
PASTHJUSVERMIFUGAS DE KEMPS Sao promp-
tas einfalliveis na sua operario e por todos
os respeitos dignas deconfianca e approva-
cSo de todos os paes de familias. Prepa-
radas nicamente por Lanman & d,
Nova York.
Deposito geral em Pernamcuco roa da
Qrm n.22 em casa de Caros_____________
Samuel Power Johnston & Compaohia
Ra da .Senzala Nova n. 4.
AGENCIA DA
Fundido deLow Iloor.
Machinas a vapor de 4 e 6 cavallos.
Moendas e aaeias moendas para engenho.
Taixas de ferio coado e batido para enge-
nho,
Arreios de carro para um e doas cavallos.
Relogios de o uro patente inglez.
Arados americanos.
Machinas para descarocar algodo.
Motores para ditos.
Machinas de costura.
Mmmwm%Mwmm mmm
g DEPOSITO SE CALCADO g
W FABRICADO NA CASA DE DETEPigiO 91
# Ra \ova n. I.
Ahi se encontrarao obras de di- me
, versas qualidade6, e por preco mui S
W diminutos, a retalho e em porcoes. R
K S se vende a dinoeiro. IB
imiiK mmm mmm
S. Antonio.
A apreciada e mu procurada tresena do glorio-
so S. Antonio, acha-se a venda na roa do Iperador
n. 15 defronte de S. Francisco.
Precisa-se de um caixeiro que tenha pratic
de taberna : no pateo da ribeira n. 23.
Paulino Ferreira da Costa retira-se para Por-
tugal a tratar de sua sande, e deixa como seus
bastantes procuradores Antonio Martins de Carva-
Iho Azevedo, Joaquim Domingues Fernandes e Ib,
noel Moreira Ribeiro.
O Peitoral de Cereja,
DO DB. AYEB,
Pin* --------"" v&iv-
ta de todas as molestias do peito
e da garganta, toase?, coastfpftQdep,
Bronchite, asma, deflnxos, roqui-
dio, Coqueluche, angina, Diptheria.
Este xwope peitoral o resul-
tado de longos anuos de estudo
por um dos primeiros mdicos dn
America do Norte, e de experi-
encias minuciosas nos principaet
hospitaes do mundo; i reoeitado pelos mdicos mais distlnctos
deste seculo na sua clnica particular, portanto i digno de toda
eoiifinncu, 1, por ser tfficoz, ilcimcnndo cora urna certeza infal-
ivel o assento da molestia e arrancando lhc, a ralzes, asslm
dando aos orgos aflectados urna occo natural e i: 2, por
ter innocente e appUcaval a qualquer penda de qualquer idade
cu sexo, ao hornera robusto ou enanca da raais tenra idade,
cada frasco sendo accompanhudo de dlrreccOes minuciosas:
3o, e ultimo, por nao ser um remedio secreto, pola qualquer med-
ico ou pharmaceutico pode obter a formula da sua composicio,
dirigindo-se pessoalmente ou por carta ao agente geral, H. M.
Laxe, a ra Direita Xo. 15. Rio de Janeiro.
Muitos casos qnc tinlio zombodo de todos os recursos
da sciencia tcm sido curados radicalmente com o uso do
Peitoral de Cereja.
As pessoas atacadas de tosse, deflretos, Dr da garganta,
Bronchite, asma, etc., e ontros svmptomas da tsica prima-
ria gcralmentc fazen pouco caso do seu padecimento at
que seja tarde para cura-lo. No descuidis d' urna tosse
porque agora parece de pouca importancia ; urna tosse
descuidada chega a ser chronica c indaz a formaco de
Tubrculos nos pulmij.
Nenhuma casa de familia dere estar sem nm frasco
delta xarope mo; pois nos ataques repentinos de
Angina, de Croup, c nos paroxismos do Coqueluche; on
to'se comprima a que cstfio sujeitas as enancas, nao ha
tempo de chamar um medico, ncm de faier remedios, e
c~te xarope alivia immediatamentc e poo o filho querido
sao e salvo, (ora de perigo.
As molestias que esto ao alcance da* virtudes curativas
do ri: ir un al de cereja. to
Defluxos, Toases, Asma, Esquinencia, Bronchite,
Coqueluche, Toaee Carina ou convulsiva.
Koquidio, Todas aa molestias do peito
e garganta, Consumpefco do Ful*
moea ou Tsica pulmonar.
Acha-se em todas as Boticas e Drogaras do Iaaprio.
FABRICA A VAPOR
99 RA 0 MONDEGO 99
Deposito B*i ra Nova a. 50 loja de relojoelro.
Delouche donos deste esUbelecimento partecipa ao respeitavel publico que sua f-
brica est montada com as melborec machinas que existem na Europa, -e que pode
i fabricarcom melhor perfeigao possivel. Todo o chocolate desta fabrica est garantido, e
puro, o que nao se pode encontrar naquelle que vem de fra, e que se vende por preco
baixo, visto os productos serem do paiz. Na etiqueta tera sempre urna aguia.
PREQO.
Meia libra......... 400
Urna libra......... 800
Urna arroba ......... 19)5000
Na mesma fabrica acaba de se montar urna oficina com serrara a apor para
obras de marcineiria propria para edificio, para o que encarregii-se de fazer portas, ja-
delias, assoalhos (parqu francez como se usa na Europa,) e armaces, tudo coabrevi-
nade e'perfeicSo. Toma-se qualquer eooommeoda para fra da cidade, entregando-se
prompta a collar-se no lugar.
OotQpaimia. geral hespaahola de seguros mutuos
sobre a vida
AUTORISADA PELO REAL DECRETO DE 21 DE DEZEMBRO DE 1859
Dt fases em Mitoiro, depwiU4 -ios cofres do estado, garute a boa ad
ministracoiia empaabia.
BANQUEROS DA COMPANHIA" DKffiCCO GERAL
O Banco d Hespanna Madrid : Ra do Prado . 19
Esta companhia lpa pelo systema raatao todas as combinares de supervivencia dos seg
os ebre a vida.
Nella pode se tazar a subscripto de maneira .que em nenhum caso mesmo por morte do
tegwado se perca o capital nem os juros correspondentes a estes.
Sao no suprebendemes os resaludos que produzem as sociedades da ndole deA NACIO-
NAL,que aioda raesme dimlnuindo ama teaca.parte do interesse prodazido ero recentes liquida-
eoes-ecombinande-o com a mortalidade da tabella de Depareieui que adoptada pela companhia
" seas clcalos e liqaidacSes, em segurados de idade de 3 at9 annos, urna imposicaoannaa.
as ecoanislo de craves na raa do Impe-
rador u. 4o, terceiro andar.
' Recebem-se escravos tanto do mato como da
praca para serem veedidos por commissao, aBan-
sa-sa o bom tratamento e seguraoca para os mes-
mo?. 0 abalso assigoado nao poopa esforcos afim
de os vender com prompiidio, nesta mesma casa
ha sempre para vender e sera vos de ambos os sexos.
__________ Antonio Jos V. de Sonta.
Aloga-se na Uapuoga porto do La'sserre ama
casa terrea com solio, tendo 8 quartos, copiar,
cosinha, quartos para criados, estribara ecoebei-
ra : a tratar na mesma Capunga casa da Sr* vin-
va B. Lasserre oo na raa Imperial n. 20
OE!IiIIO ifc FREITAN
Raa da Cruz a. 16.
Continua a haver diariamente um sortimeno de pastis, podios, bolos inglezes,
empadas etc., etc. Os donos deste esta be lee i ment, acham-se as melbores condices
de poder satisfazer encommendas concernentes sua arte, em consequencia do socio
Freitas ter sido administrador chefe de algumas das principaes fabricas na cftrte, sendo
urna a do Sr. Joo Goncalves Guimaraes (confeitaria do Lelo) antiga casa de Carceller.
Todos os trabalhos sao differentes dos que se fazem em casas particulares.
Os propietarios deste estabelecimento n5o se tem poupado a despezas, oem se
pouparSo, se houver. concorrencia como esperam ; tendo continuadamente bom sorti-
mento de doces para cb; presuntos e ditos em fiambre, tambero se recebem para se-
rem preparados; assim como doce de caj novo superior, secco e crystalisado, dito em
calda em latas hermticamente fechadas, podendo durar annos em perfeito estado.
Para jantares e partidas recebem-se encommendas dos seguintes objectos; ban-
dejas ricamente enfeitadas sem armaco pecas de amendoas (nogaces), ditas de tmaras
de ovos, paes de l enfeitados com disticos anlogos a qualquer fim; ditos montados,
kechs simples e enfeitados com fructas ingleza; gatheaux de Ja reine, ditos de le d-
chese, tortas de fructa, massa folhada; ditas de peixe e earne; cremes e doces de ovos
de differentes especies.
Tambem tem um completo sortimento de vinhos engarrafados, como sejam: vinho
do Porto- superior, Figueira, Madeira, Lisboa, Cherez, Bordeaux, Champagne fino, ser-
veja, licores, charopes e conservas. Para festas: bonitas caixinhas com amendoas, con-
feitos e mais enfeites. Muitos destes objectos mencionados podem-se perfeitamente ac-
ondicionar tanto para a provincia, como para fra.
FIGURAS
Acabam de receber bonitas Gguras para bandejas de doces, sendo grupos para
baptisado, casamento, annos, ditta a phantasia, bonitos enfeites para bollos e circular pra-
tos de doces finos, tudo por precos razoaveis.
Vende-se licores em duzia muito em conla.
C6 No fim de 5 annos.
de 10 .
^ de 15 .
de 20 .
> de 25
1:1195300
3:942*600
11:208*200
30:256*000
80:431*000
as idades menores de 3 annos e maiores de 30, os productos sao mais considerareis.
Prospectas e mais iaformacoes serio prestadas pelo sub-director aesta provincia.
Joaqurai Fiuza de Oliveira, roadaCadeia n. 52, oo a Boa-VisU roa da Imperatrit n. 1S, esUbeleci-
mento dos Srs. Kaymundo, Carlos.Leite A Irmae.___________________
Tinturara
AO GRANDE S- MAURICIO
PROCEROS APERFEICOA1IOI
PARA T
Ttoaglr, limpar e lastrar a vapor.
Preelza-se fallar ao Sr. procurador do padre
Vicente Mara Perrer de Albnqaerqne, por se ig-
norar a sua moradia; na praca da Independencia.
D. 8.
GARRAUX, DE LAfLHACAH [LIBRARIE FMNCAlSEj
RA DO CRESPO N. 9.
Livros nacionaes e estrangeirosv
Religio, dtreito, litleralura, etc.
Papelaria, objectos para escriptorio.1
Papis pintados para ferrar casas, i
Assignaturas para os jernaes da Eu-f
ropa.
Urna mo$a brasilelra offerece-se para casa de
familia para ser occopada em srvico de coser
TfJT,?! : qafmS qaiIer Pde Proenrarna loja
n. 20 B da raa d] Crespo.
Precisa-se de om felor : em Bemflca, filio
de Antonio V. da Silva Barroca.
Precisa-se de ora hornera que entnda de
plantac5es para nm sitio distante da praca, prefe-
re-se portoguei: na refioaco do pateo do Pa-
raizo.
F.A
RE&C.
'A pessoa que annunciou precisar de um mo-
leqoe de 18 a 29 anoos, dirija-se a roa do Impe-
rador n. 16, 3 andar do sobrado prximo, travessa
| do Ouvidor, que achara' com qaem tratar.
29 Eua 7 de setembro 29
Defronte da raa nova do Ouvidor (Rio de Janeiro)
Os proprietarios deste estabelecimento, o primeiro no seu genero no Brasil, por
trabalhar com as machinas mai aperfeicoadas para Ungir e lustrar, de que se faz uso na
Europa, eajudados por alguns dos melhores ofGciaes de Paris e Lyo, podem assegu-j
rar seos freguezes urna perfeir-ao no trabalho, a qual senao pode chegar pelos proces-
sos ordinarios.
Tiogem, lavam, limpam e demofam com a mai r perfeic5o e brevidade qualquer
qualidade de fazendas, liram nodoas e limpam secco sem molhar as sedas e as vestimen-
tas de senhoras e de homens.
GUftGS
BOA GASA
MARTIMOS
Aluga-se na ilba de Bem-flfa, a margem do rio.
a razo de 15* mensaes, 6 a primeira n. 2 A :
trata-se na raa Nova n. 38. _______
por cas* ae
Frec(S3-se
pouca familia;
Mliifar nma '
na roa da Imperatrii
n.36.
CONTRA FOGO.
A companhia Indemnisadora, estabeleci-
da nesta praca, toma seguros martimos so-
bre navios e seus carregamentos, e contra
fogo em edificios, mercadorias e mobilias:
na roa do Vigario n. 4, pavimento terreo.
Alnga-se ama casa e sitio na estrada do Ja-
cobina (Cipunga), com terracos e canteiros ao la-
do, banheiro, cocheira, estribarla, gallinbeiro e
quartos fra, bastante fresca : a tratar na raa do
Pilar, primeiro sobrado a direita logo depois do
arsenal de marinha, 2o andar.
Em casa de Theod Christiansen, roa do Tra-
piche-novo n. 16, nico agente no norte do Brasil,
de Brandenbarg rres, Bordeaux, encontrase ef-
fectivamente deposito dos artigos segnintes:
St. Jalien.
St. Pierre.
Larose.
Cnateaa Loville.
Chateau Margaux.
Grand vn Cnateaa Lafitte 1858.
Chateau Lafitte.
Haut Saulernes.
Cbatean Saaternes.
Chateau Lataar Blancbe.
Chateau Yqoem.
Cognac em tres qualidade?.
Azeite doce. Precos de Bordeaux.
mmm mwmm mmmmmm
Publiea^o jurdica M
DOS B
jResponsaveis nos crimes|
De Itberdade de exprimir os pensa-
menlos.
Licites de. direito criminal.
5 PELO DR.
\ Brai Florentino Henriques de
i SOzil,
fLente de direito civil na Faculdade'
de Direito do Recife.
Acaba de sabir a' luz esta interessan-
I te pablicaco e acha-se a' venda na li-
; vraria Econmica a' raa do Crespo n.
i 2, pelo prego de 4* cada exemplar.
Pilulas Catharticas do Dr. Ayr

CUEAO
Prlzao de ventre, IndlgeetiU, ComHpt^a, Jtkeu-
matUmo, Bemmerrhoidat, Dor de eabetm, A. JTmtrml-
gi'i, mal do rstomai/o, JEnxaqueem, mal de Timado,
r.aslritr, Febre gwitro-hrpatlem, Zembrigms. El\eip-
ella, llydro/itla, Incremento de buce.
Todaa M iMletu que provtm do uso zcessivo de
Quiolno.
0 mlhor purgante at hoje conhecido.
Estas piWla* tusucaradat 2o puramente ntgimm
PFEGO E PUilFIciO HEM XEBCDUO.
A venda en toda aa Betleaa e Drogara* do Imparto.
ACEXTI filllL,
H. M. UkMX, Boa OtMttO No. 15,
Bto de Janlro.
Vende-se em Pernambuco:
na
PHARWACIF SE|
RMAURER&C
1 RA NOVA Nc:El s
Kagommasf
com asseio, promptidao e preces razoaveis : na roa
Augusta d.>, loja.
Preclsa-se de um preta para cotinhar e fazer
mais algum servico em casa de ama s pessoa: a
tratar na raa da Cadeia n. 24.
Criado.
Precisa-se de um criado para todo o ser-
vido, prefere-se escravo f na livraria da ra
do Crespo o. 9.
mm m mM^MWw
__ O Dr. Carollno Francisco de Lima San- H
tos continua a morar na roa do Impera- B
dor n. 17, segando andar, tendo alias sen W
gabinete de consaltas medicas, logo a,
entrar, no primeiro.
O mesmo doutor, que se tem dado ao
estado tanto das operares como das mo-
lestias internas, presta-se a qualquer cha-
mado, quer para dentro quer para fra
da cidade.
Cigarros de S. Paulo
De fume de Belem do Descahido fabri-
cados pelo celebre JUCA.
Ro-do Crespo n. 9.
Arreada se um sitio no lugar daPiran-
ga, com trras dejUantar e pasto, e varias
arvores de fracto; nroa do Imperador es-
criptorio : n. 12.
: COLLEGIOS t AULAS "
PEDR4S M ARDSI4
Faorksa de Faoer.
tatadas, envernisadas oo simples,
rrarh Franceza recebeu um peque-
no 8ortimenUfc4'estas tabeas de ardoeia in-
conteelwelmewSde qualidade superior, e
hoje geralmente adoptadas as aulas da
classica AltemaflH
__________Ra do Creaoo n. 9.__________
XAROPE
PEITORAL E DULCIFICANTE
DE
SJLFVr-GEORGES
Preparado por GRIMAULT & C.a pharma-
ceuticos de S. A. I. oprincipe Napoleo.
Cura rpida das molestias seguintes:
tosse, catarrhos, pleuresa, coqueluche, an-
ginas, fortes constipacoes, rritacoes dos bro-
neheos e do peito, bronchite, phtysica pulmo-
nar, astma,pneumonia, anginas, amygdalites,
tosse chronica, rouquidSo.
Os mdicos recommendara ao mesmo tem
po o uso das excellentes pastilhas peitoraes
cout o suco da alface o laureiro-cerejo, que
se preparam no mesmo estebelecimeoto.
A venda as pharmacias de Maurer e A.
Caors,
Preclsa-ae de ama ama para casa de pouca
familia, qae faca todo servico, prefare-se escrava :
na ra de S. Jos o. 2.
- LOJA DA FRAGATA AMAZONAS
\. 5 Hua do Qaeimado n, 5.
Monteiro & Guimaraes, proprietarios deste joven estabelecimento, participam a
todos os seus amigos e freguezes, que recebem de conta propria por todos os vapores
da Europa, ricos adornos para casamentos, e outros muitos artigos de grande moda, e
se consideram felizespelo bom desempenho que tem tido todas as suas encommendas,
pois seus correspondentes de Hamburgo, Paris, e Londres, tem sabido acertar com o
bom gosto das encantadoras Peroambucanas.
A Fragata rwba ricas saias do 15 a Maiia Pa, r-.om harras colloridas c do grande
uoviaacie ua Europa, assim como tamboretes atapetados para as senhoras deitarem os
pes, cortes de granadina bordados a agulha, ditos de prpeline, ditos de esmeraldine, ditos
coi? Vmu SL de seda' ricos cortDados bordados, bons bramares de linho, boas
sei cas coas bretanhas, retondas de algodo, ditas de linho, ditas de seda ataeses.
(Darnos) afncaines, pompadonr, transparentes para janellas com lindas paisagens etc.
e outros matos oYjectos, qae seria (nfadonho menciona-los.
CASA M BAMIOS |
26 Pateo do Carino 26.
Neste estabelecimento to impor-
tante para a saude e asseio do cor-
po, acham-se montados 20 banhei-
ros, que sao servidos com a ordem
e asseio que para desejar-se. Qua-
tro destes banheiros sao especial-
mente reservados para senhoras e
por isto acham-se collocados em la-
gar reservado, aonde s tem entra-
da as pessoas de urna mesma fami-
lia.
PREQOS DE BANHOS AVULSOS.
i banho fri, morno ou de
chovisoo...... 500
I dito de choque .... 1,5000
I dito de farello...... 10000
I dito aromatisado 1,5000
PREgOS POR ASSIGNATURA.
30 banhos por mez fri,
morno ou dechovisco. 10,5000
2o banhos com cartes pa-
ra os mesmos .... 10,5000
12 ditos ditos ditos. . .'.5000
12 ditos ditos de choque. 10000
12 ditos ditos de farello.. 104000
0 estabelecimento estar aberto
nos dias uteis das 6 horas da ma-
nha as 10 da noite, nos dias san-
tificados das 5 as 5 horas da tarde.
COMPRAS
it ir v o
DO DR. CHARLE
MEDICO E PR0FESS0R DE PHARMACIA, DE PARS,
DAS EMFERMIDADES
PLUS DE
COPAHU
PARA 0 TRATAMENTO E PRMPTO CURATIVO
SEXDAES, DN TODAS AS AFFECCOES CUTNEAS,
Citrato de forro Ghable.
Xarope mui prefervel ao
Copahiba, e as Cube-
tas, cura immedialamen-
te qualquier purgacao,
relaxacio e debilidade, e igualmente fluxos e
flores brancas das mulberes. lajeeea* de
Chmble. Ksta iejecfio benigna emprega-se mes-
mo tempo do xarope de cirato de ferro, umt vez
de manba, e urna vez de Urde durante tres dias:
ella segura a cora.
DEPURATIF
du SAIVG
VUDS E ALTERACOES DO SANGDE.
Depurativo de sanue.
Xarope vegetal sem mer-
curio, o nico coiibecido
e approvado para curar
con promptidao e radi-
calmente impigens, pstulas, herpes, sarna, co-
mixoes, acrimonia e alieracdes viciosas do san-
gue; virus, e qualquer afleco venrea. Ba-
mi^erae. Tomo-ie dous por semana, se-
guindo o tratamento depurativo. Pomada an-
herpeiiea. De um effeito maravilloso as af-
fecoes cutneas e comixes.
HeraMda#._poBjada que as cuaa em 3 dias.
r *ei^f> i-
-A.
Compra-se os Diarios de H 13 14 de
Agosto de 1860 ou qualquer romero pa-
ga-se bem speessoa que quber vender le-
ve-os a Praca da Independencia n. 8 loja de
[vros.
latas vazias de gaz : ca ra da
Compram-se
Guia ? 9.
Compra-se ouro, prata e pedras preciosa
em obras velhas : na ra da Cadeia do Recife
cja de ourives do arco da Copcei^a
Compra-se
ama escrava qae seja boa figura e que saiba bem
(Dgommar, nao excedendo de 2o anoos de idade,
e paga-se bem : oo escriptorio de Vicente Ferrei-
ra da Costa & Filho, raa da Senzala n. 138, on em
sea armazem junto ao arco da Conceicao.
Compra-se urna secretaria de Jacaranda
mogno, ou de amarello, na ra Nova u. 7.
Comprase nma machina de copiar, em se-
gunda mo : qaem a tiver e qaizer dlspr, aonun-
cie por este jorual para ser procurado._______
Ouro e prata.
Em obras velhas : compra-se na praca da Id
dependencio n. 22. loja de bilbetes.
Libras slerlinas
Independencia n. 22.
compram-se na praca da
Deposito na ra larga do Rosario hotica de Bartbolomeu & C. n. 34.
MLlk
Preclsa-se de ama ama escrava qae cosinhe e
engomme para cc.-a de rauito pequea familia :
na roa da Concordia n. 34, sobrade do armazem
do sol, paga-se bem.
CosUreiras de llaiate
Na raa do Crea po n 14,1* andar.
0* administradores da massa fallida de
Joo Jos de Figueiredo pagam o segundo
dividendo na razio de 3 por cento, a' ra
da Cadeia escriptorio de Leal Reis, das 8
as 10 horas da manhSa e das 3 as 5 da tar-
de, devendo os Srs. credores apresentarem
os seos ttulos.
m Deseja-se~mo1t fallar cora os Srs. Ao- S
" tonio Pereira da Casara Lima (senbor 1
Tinta Inalteravel
Para escrever
de P. MAIRER i C.
PERNAMBUCO
Ceta tinta recommenda-se pela sua com-
posica e fluidez como a melhor e a mais
segura de todas as tintas at hoje conheci-
das. Nao ataca as pennas de ac, da at
tres excellentes copias, mesmo muitos dias
depois de escrever, e preferivel a qual-
quer outras tintas particularmente para
livros de commercio, documentos etc de
que se careca Tonga conservacad.
II .>alaadtaaaa. Vende-se na livraria franceza ra do Crespo e ra Nova n. 18 de
Compra-se um sobrado em bom es-
tado, de um a tres andares, as ras se-
guintes : Cadeia, Cruz, Trapiche, Impera-
dor, Crespo, Cabug, Nova, Queimado, Cru-
zes, Livramento, larga do Rosario e Hor-
tas; quem tiver deite carta fechada com as
iniciaos A. C. E. na livraria o, 8 da praca da
Independencia.
Compra-se orna borra de ferro, iogleza~ca
mesmo das antigs; na ra Nova n. 31.
Compra-se na prensa de algodo de Saunders
Brothers & C. sementes de algodo a 800 rs. por
erroba._______________ "- __________
Compra-se um bom sellim ioglez em segun-
da mao, paga-se bem : na roa Bella o. 21________
Compram-se doas carrocas novas ou com
pouco aso, qae sejam proprias para dous bois ;
quem tiver annuncie.
!
VENDAS
da engenho), Joo Baptista do Reg, Fe-
liciano Rodrigues da Silva (Mr. engenber)
a negocio de interesse dos mesaos : na
loja da roa do Crespo o. 17.
Oflerece-se na moco para caixeiro com as
babilitacSes neeessarlas tanto para taberna como
padaria: a tratar na roa larga do Rosario a. 3.
O Dr. Ernesto Feliciano da Silva Tavaras,
regressaodo a esta provine**, acha-se prompto para
o ezerciclo de soa profissao, nao s oa parte medi-
como -na cirurgica, para o qae pode ser procu-
10 horas da manba as 3 da Urde : na
Craz easa n. 19, S* andar, e dessa bora em
'~ roa da Praia en n. 43, Ia andar. Pres-
ta-se ufbem aes cbamados para fra desta cidade.
EspcialMade : sypbiles e molestias do peito.
Na roa do Rasgal n.
ana qae dWnb* engomme.
DE
BE
J. VIGNES.
X. 55. RA DO IMPERADOR N. 55.
Ol pianos desu antiga fabrica sao hoje asss conhecidos para qae seja necessario insistir sobra a
ma snperioridade, vantugens e garantas qae otfereoam aoa cosapowa, aoaiidades estas* ineoaiesu-
vais qae elies tem definitivamente conquistado sobra todo* os qne tem appaABdo ntsta pfMa; pos-
raudo nm teclado e machinlsmo qae obedecem i todas as vontadw e caprienoa dae pi '
onnea alhar, per serem fabricados de proposito, e ter-ae feito altimameote meiftorameMos Maporun-
ssimos para o clima deste paiz ; qnanto s voies, sao melodiosas e flautadas, e por isso multo agrada-
reis aoa ouvidos dos apreciadores.
Faxem-se conforme as encommendas, tanto nesta fabrica como na do Sr. Blonda!, de Paris, socio
eorrespondente de J. Vignes, em coja capital foram sempre premiados em todas as exposicoes.
.. No mesmo esUbelecimento se achara sempre um explendido e variado sortimento de msicas dos
9 precisase de ama malnores autores da Europa, assim come harmnicos e pianos
t precos commodos e ratea veis.
Quadros
das passagens de Cuevas, Mercedes e combate de
Riachuelo, vendem se na roa do Crespo n. i onde
se assigna a Senaria mostrada e oBaiar Volante e
qa om sortimento de albuns para retratos.
Vende-se, arrenda-se oa permata-se o enge-
nho Pindobinha, na fregneiia de Ipjjaca. moeate
e correte, e de aulmaes, com sufflcienles ierras
para todas as plantacoes, e at para a do algodo ;
faz-se todo negocio, com tanto qae se psgue ama
divida.que o mesmo engenho deve : a fallar com
Maaoel da Costa Alnoqoerqae no jesaio eogenoi.
oo na praca com Jos P. da Coana A Filbos.
Vende-se. arreoda-se ou permuta-so o eoge-
nho Todo o Santos na fregoezia de Ipoptca,
moente e correte, de agaa, com formidarels par-
tidos de boas ierras para todas as planiacdes e at
para a do algodo por serem de nraito boa prodac-
oao ; faz-se todo negocio com UBI qae se pague
ama divida a qae dito engenho est obngado : a
fallar com Antonio da Kocna Vieira no matan
engenho, oa cora Jos P. da Canta A Ftlhos nnsta
Panno de algodo da Baha, propno para
saceos de assocar e ropa do osera vos ; tem para
vender Antonio Lotz de CHivofra Azevedo 4 C. no
seo escriptorio roa dvCnu n. 1.
Canos de forra
-i
Na padaria da raa Direiu n. 84 na para vender
harmnicos, sendo tudo vendido por por preco commodo canos de forro com polegada
I oa diamotro, muito bou para agua oo gaz.
j
y
.




.-
\


r
*
\.

*



3m

Diario de Ttrmtmbmco rcrca feira ti de Malo de f866.

NOVA
ENCICLOfEDIfA
o Rua4ii.per.trlz araaazeaa
da porta larga *>.
jhoto o podarla fradeeaa de
Paredes Porto.
Neeto estabelecimento encontrar o respeitavel
publico um variado sortimento de fazendas france-
:as, iiglexas, sulssas e allemes, que se venderao
por pre^o. comnodo.
. Paredes Porto
Vende chales de renda de cores que se vende-
na a 18J> est vendendo por 6*, ditos pretos, fa-
tenda nova, 5*, 6*. 8* a 20$, una sortimento com-
pleto de manteletes, capas e.souumbarqoes 14* a
25*. Roa da Imperatriz n. 42, junto a padarla fran-,
reza, armazem da porta larga.
Paredes Parta
Receben am completo sortimento de lasinhas a
*' *^ *** eoT,,'0. P*r> acabar, cambraias de
cor a 240 rs. o covado, riscado escosses para roa-
na de menino, fusto de linho a 410,400 e 600 rs.
Roa da Imperitriz n. 52 junto a padaria (rasceta,
aroaMm da porta larga.
Preles Parta
Receben para cortinados para cama franceza a
il* a peca cambraia lisa flna a 3* 4* at 10* a
peca, cortes de tarlatana;de bonitos gostos a 3*800
4*, cambraia com Mr de seda, gastos Inteira-
mente oovos a 100 e 500 rs. o covado. no armazem
di poru larga n. 52, roa da Imperatriz junto a pa-
daria franceza.
Paredes Parta
Receben petotrltlmo paquete um sortimento de
ernzes com pedrasptra o pescoco, bonitos caxiuels
de lia para pescoco de senhora. Roa da Imperatrla
n. 52, armazem ta poru larga.
Paredes Parta
Vate cortes de gorgurao preto para vestido com
21 corados cada um 35*000, grsdensple preto a
1*600,1*800 e 2* o covado, lias lizas finas a 400
rs. covado, las de quadrmho para vestido, entes-
tada, a 320 rs. o covado. Hua da Imperatriz ti. S8,
jmazem da porta larga.
Raipa feita
Roa da Imperatriz n. 52 armazem da porta lar-
ga junto a padaria frauceza, encontra-se Be*e es-
labelecimento um completo sortimento depalets-
::accos e*obrecasacos,-de todas as qulidades, cal-
^s, colletes, corontas, camisas, grvalas, meias,
chapeos de sol, ditos franceses para cabeca, por
iprecos commodos, Toupa para menino e outras
muitas fazendas por precos commodos, armazem
da porta larga.
No mesmo esubclecimento eucontrer-i o respei-
tavel publico, seropre um completo -sortimento de
roupas feiUs de tedas as qnadadvs, orno *ejam
paletos de alpaeapreta e de cdr, ditos sobrecasa-
cos a 4* e 5*, tos de brim pardo a 2*800, 3* e
3*500, ditos Buos a 4*, ditos metas cazemiri -a
3*500, 4* e -5*. ditos cazemira saceos a 6*, 7*,-*
e 10*, ditos sobrecasacos a 10 e 11*, ditos de pan-
no saceos a 6*, * e 10*, ditos sbrecasaeos ilfl
e 25*, ditos de merino preto a *, 7* e 10*, cal-
cas de brim de diversas qualidades a 1*800 a 4*,
ditos brancas a *500 e 6*00, ditos cazemira 5*,
6* e 7*, ditesvpcetos a *,*, ** e 10*, ditos
meias cazemiras a 3* e 4*, colotes de diversas
qualidades, seroulas francesas de atgodo, ditas de
iinbo, dius de bramante a 2* 2*500, carnizas de
algodao de tobo francezas de 2*500 e 3*. Gran-
pecbincfca oeste genero, grvalas de todas as
de
qualidades e brancas" para casamento, grande -sor
timento de meias para seotooras,-tttas para booens
a 3*, superiores a 3*500 e 4*.
Um completo sortimento de hapos de sol de
alpaca a I*, ditos de seda * 5*, 7*, 10* e 44*,
ditos francotes para cabeca, agrande sortioento
a 6*.
Vestidos
Pec&lncha seas igual.
Chegoa a leja de Paredes Porto um bonrte sor-
timento de vestidos de tartalata de cores e brancas
que serve para partidas por ser.ama pbanlasia Id-
tetramente de osto pelo barato preco de 4* e
trancos a.4*!00, estao acabaode-se : no armazem
da porta larga ra da Imperatriz o. 52, junto na-
dara franceza.
A SALSA PAMILHA DE AYER
PARA A CURA RADICAL
de escrfulas e molestias escrofulosas, tumores, ulceras, chagas, feridas Ye-
mas, broehocele, papo ou papeira, a syphilis, enfermidades venerias ou mer-
cur-iaes.
AS MOLESTIAS DAS MULHERES
retenco, menstro doloroso, ulcerares do tero, flores brancas, etc., ulcera-
cao, debilidade, expoliacSo dos ossos, a nevralgia e coovursoes epitepticas
quando cansadas pela escrfula.
u ERYSIPELAS ERPES; ETC.
Lniermldades cutneas, ernpco, borbalhas, pstulas,
nascldas, ete.
O extracto composto de salsa parrllha, con'ecconado pelo Dr. Ayer, nma
combinacao dos melhores depurativos e alterantes corihecidos medicina; confeccin
nado segundo as regras da scieaca, appiovado ereceitado pelos primeiros mdicos dos
Estados-UDidos da America do Sul e Central, das Antilhas, do Mxico e das Indias, e
nanitas outras partes do mondo : o rebultado de estudos apurados e minuciosos, e de
experiencias feitas pessoalment pelo Dr. Ayer, por mnitos annos, nos principaes nos-
pitaes e enfermaras da America; tcm *ido pprovado pelas academias de medicina e
juntas de hygienne dal principaes capitaes da America do Norte; para prova disto rede
os attestados authenticos no A Imana k e Manual de Saude do Dr. Ayer, os quaes se dis-
tribuem gratuitamente nos lugares onde se vende o remedio.
A SUS! PAR1LHA DE AYER
Especialmente eftlcaz na cura dea molestias que tem sua origen
a escrfula, na InfeccSo venrea, no uso
exeessivo do morena le ou qualouer Impureza do tiangue.
A molestia, ou infeccSo peculiar, conbecida pelo nome de escrfula, um dos ma-
les mais prevalecentes e universaes que ha em toda a extensa lista das enfermidades que
atacam a nossa ra?a; disse um celebre escriptor da medicina que t mais de orna terca
parte de todos aquelles qoe morrem antes da velhice sao victimas, ou directa ou indirec-
tamente de escrfula; por isso s nSo lao destructiva, porm a principal causa de
muitas outras enfermidades que nSo lhe s5o geralmente attribuidas. ,
^ottia causa directa da tsica pulmonar, das molestias do ligado, do estomago
e affeccoes do cerebro; entre seos numerosos symptomas actam-se os seguintes: falta
de appetite, o semblante plido e enchado; as veres de orna alvura transparente e outras
vezes corado e aawrellento irregular, fraqueza- e moeza nos msculos ao redor da boc-
Ca; ^est3 frs^e appettite, falta de energa; ventre enchado e evacuacSo irregular;
quando o mal tem seu assente sobre os pulmoes urna cor azulada mostra-s em roda dos
olbos; quando ataca os org3os digestivos, os olhos tornam-se avermelbados; o bali-
to etido, a linguaorregada; dores decabeca, tonteiras, etc. aapessoas dedisposi-
?ao escrofuloss apparecem frequentemente erupcoes na pelte da cabeca e outras parte
do corpo ; sao predispostas s affecc5es tos pulmoes, do Bgado, dos rins, dos org5os
digestivos e uterinos. Portanto, n5o sao smente aqueles que padecem das formas ul-
cerosas e tuberculosas da escrofuIa> que necessitam de proteccSo contra os seos estragos;
todos aquelles em cujo saogue existe o virus latente deste terrivel flagello (e s vezes
GRANDE ESTABELECIMEMO
DO
Boa da Imperatriz, N. 60
m
GAMA & SILVA.
LOJA I ARMAJat DE PAZBNDAS. .
Tendo os proprletarios deste grande eslabeleci-
mento feiio um grande abatimento em moitas de
suas fazendas, pela occasiao do bala neo que deram
no ultimo de detembro de 1868, resolveram vender
muito mais barato do que costnmam adm de cada
vez mais agradaren) os seos numerosos fregu
zes; por tanto Ihes offerecem um avulado sorti-
mento de fazendas francesas, ingieras, as guaes
venderao mais barato do qoe em outra qnaiquer
parte, compromettendo-se a mandar levar qual<)ner
iiizeoda em casa dos fregones que na fioderem
vir a loja, ou a darem as amostras, defraudo licar
o penhor, assim como convidam as pessoss, que
negoclam em menor escala que ueste grande esta-
beleeimento encontrarao no grande sortimento
tanto a retamo como por atacado, vendeodo-se-lhe I bar : na loja e armazem do Pavao, roa
apenas pelos precos que compram as casas ingle- ratrit n. 60, de Gama & Silva,
sendo com e dineeiro a' vista.
Cortes de cambraia com palmas na loja do:
Pav2o.
Veadem-se cortes de cambraia Lranca com pal-
mas, sendo fazenda muito boa, pelo baratissimo
preco de 24300 para acabar: na loja e armazem
do Pavo na roa da Imperatriz n. 60, de Gama i
Silva.
Lencos br nucos O S00O res a
Veademse lencos brancos farenda. muito boa.,"'", por Majni, 1 volumepor 4;
palo baratissimo pieco de 2* a duzla, Ditos cota'W'J (le '<* JU-isprudence -des sucBessions,
2*000 isto para acabar na loja d- poTCanflaas, 1 volume, por 44 ; Codepra-
408 M. ACADMICOS
Vendem-se m seguintes obras de direlio
com pouco uso : Manuel du Droit Rommn
\ or Hafkewy, I volume por ifi ; Diccio-
naire da CuHtenWux Commercial, por Mas-
Jk, i vulune, uor,5l; Memento du droit
Es-
barra de cor a
Pavio na ra da Imperatriz'n. 60 de Gaasa A Sto
va.
Poupelinas modernissimas a 400 e 500 rs.
o covado na loja do Pavao.
Vendem-se poupelinas muito linas sendo fazenda
muito moderna de quadrinhos e liza vendendo-se
pelos baratos precos de 400 e ,r00 r?. o covado na
loja do Pavo na ra da Impeatriz n. 60 de Gama
Silva.
Ciresdenapleo pretos do Pavo.
Vendem-se superiores grosdenaples pretos pelos
baratissimos precos de 1*500, 1*600,1*800 e 2}
o covado, sendo fazenda mnilo bea, s para aca-
da Impe-
tigmdft fatllites, por Geofroy, 1 volume,
pftr 0; : na ra do Cr
de chapos de sol.
Crespo n. 4, fabrica
ia?, senao com o ainheiro a'
As toalhas de licito 9 Pavao.
Vendem-sa superiores toalbas de linhos para
rosto pelo baratissimo preco de 7*500 a duzla ou
a 640 cada nma.
Guardanios de linbo adamascado para meza a
2*800 a doza on a 340 rs. cada um.
Superior atoalbado de linho com oilo palmos de
largura sendo branco e pardo, e vende-se mais ba-
rato do que em ontro parte, na loja do Pavio na ra
da Imperatriz n. 60 de Gama & Silva.
Os corpinhos ae seda pretos do Pav3o.
Vendem-se os mais ricos corpinhos de seda pre-
tos, ricamente enfeitados, pelo barato preco de 12*
cada um : na loja do Pavao na ra da Imperatriz
o. 60, de Gama & Silva.
mieos vestidos a 80000 rs.
pichincha admirivel.
S 0 Pavo receben pelo ultimo vapor francez
nm grande sortimento dos mais ricos eortes de
vestidos transparentes com lindas barras e enfeites
de seda, sendo estes vestidos muito proprios para
baile e passeios, e vendem-se pelo baratissimo
prego de 8*000 rs. cada nm, na loja do Pavao na
ra da Imperatriz n. 60 de Gama & Silva.
Os cales pretos de reda de Pavas a 8000 rs.
Vendem-se os mais ricos chales pretts de renda
com quairo ponas, senda muito grandes pelo ba-
ratissimo preco de 8*.
Ditos de guepnre a 16*, 18*, 20*, 25*.
Betondas de dito a 10*.
Manteletes de reala, lateada muito superior a
15*000.
Capas e sautbambarqaes de grosdenaples nor-
mis
Cortinados.
Chegoa a leja de Paredes Porto um completo
sortimento de cortinados ricamente bordados 2
preco de 23*, 55* e 45* : oa roa da Imperatrii
n. o2, porta larga junto a padaria rauceza.
Ricas romeiras.
Paredes Porto receben pelo ultimo paquete
sortimeuto de romeira de guipare pretas e de
i preco commoda : na ra da Imperatriz n.
I poru larga junto a padaria fra&eeza.
1$400
Chapeos de sol.
Vendem-se chapeos de sol de panno a
ama grande pectuooha s para acabar ; na roa da
Imperatriz n. 52 armazem da porta larga ae Pare-
des Porto.
oro
S'.t
ai
heredltarie), esto e*pestos tambem asoffrer das enfermidades qrje elle cansa, trae sao: ** faienaa iramente nova, por precos
. A tsica, ulceracoes de figado, do estomago* dos rins; eropcSes e enfnnidades l ra,os qaeem triqaalqner par,e-
eruptivas da cutis, rosa ou erysipela, borbulhas, pastlas, nascidas, tnmores, rbeoma,
""cfls- ulceras e chagas, rheumatismo, dores nos ossos. as costas e oa cabeca,
debilidades femininas, flores brancas causadas peta ulcerarlo iDterior, e enermidades
uterinas, bydropesia, indigestio, eafraquecimento e debilidade geral.
Offereccmos-a estas pessoas um abrigo seguro e una antidoto efficat contTa sta
molestia e suas consequencias na
, SALSA PARRIIHA DE AYER
que opera directamente sobre o sangue, purificando-o e expulsando delle-a corrupoao e o
veneno da molestia:; penetra todas as partes epodos os orgios do corpo humano, trvran-
do-osda sua acc3o viciada e nspirando-lhes novo vigor. um alterante poderosissimo
para areoovacao do sangue, e d ao corpo i enfraquecklo pela doeooa, forcas e ener-
gas renovadas como as da joventade.
E tambem o rn^lhor aaty-syphilitico oeohecido
cura permanentemenle as peiores formas de syphilis as suas coosequencias. Pouca
neoessidade ha de informar o.publico do inestimavel valor de um remedio que, como
este,'tora o sange desta tonupeo e arrebata a victio das garraspe urna morte lenta
e ignominiosa, porm inevitavel, se o mal nao logo combatido comonergia.
E um poderosissimo alterante para a renovacao -do sangue ca tacarpo j enfraquecido pela doenca.
Sendo coaiqosto de productos vegeta, esle aaedicamento innocente -e-ao mes-
mo tempo eficaz.-om fado de knmensa in^portancia para aquelles que o tomam ; por- S?s{Jen?
que araHoa dos reedioS alterantes offerecklos ao publico tem por base o mercurio ou o "
arseoioe; e sendo ssm, bem que s vezes podem effeotuar curas, oorntudo deiKam suas
victiajas carrejadas ginal- A nica Gema necessaria para obter urna cura radical segoir com juize cons-
atncw as^direccoes que acompartham cada frasco.
NSo pretRdeaios promulgar, nem queremos que se inOra que esta composic3o a
um bo infallive! para a cara e todos os padecimentos humaoos ; infelizmente
escrfula-e a syphilis sao enermidades to sutis as-suas naturezas, earreigam-se tau, -Veodem-
cor-
Cortes de laa escoeesepara vestido a 8* o
te: na ca aa Imperatr-iz n. 32, loja da porta lar-
,^a, junio a padaria fracoeza, esto se acabando.
Para luto.
Laas.pcetas com saipicosbrancos a 400 e .500
. o covado : na ra da Imperalriz-n. 52 junto a
fjadaria franceza armazem da porta larga.
A 1$500.
tfendem-se pegas de tranca preta para enfeites
6 ^vestidos, soutembarque-, cipas de senhora a
1*600 com 10 varas, urna grande pechincha : na
rea 4a Imperatriz n. 52 junto a padaria franceza.
48000
Chales de renda pretos.
Vende se cnales de renda preto a 4*000, unicc
loja que pode vender na roa da Imperatriz n. 52,
armazem da poru larga, de Paredes Porta
firmemente no-systeoea, que muitas vezes vadem e-resstem aos remedios mais pode-
rosos que a sciencia humana pode inventar pera combate-las: o qoe dizemos que o
Extracto composto de salsa parnlha de Ayer
a menortpreparaeo at lioje do&coberta para"estas e liras molestias anlogas, que
urna combkiacso dos acerantes mais erficazes-oonhecidos, e que este cambinaclo teo sido
1 regulada por loogas e laboriosas esperiencils, e finalmente que temos eonsciencia deof-
1*400 e ferecer ao publico o raelbor resultado que possivel preduzir, da ioteHigencia e pericia
medica dosoossos tempes.
Este remedio deve ser tomado com sysiana e regularidade, neo com abandono,
pois e um remedio e nao bebida.
Quando as molestias do figao nao tem sua origem na escroula, o remedio
me-s proprio i as.pilulas catharticas 4.e Ayer, qse sao eflkazes na cura.da molestia, que
m por causa um desarranco dos orgaos digestwos. Ped a salsa parrilha de Ayer
nac aceitai outra ,preparac3o.
que em outra qualqner parte
Isto na loja e armazem do Pavio na roa da Im-
peratriz n. 00 e Gama & Silva.
Oschales da pava a 2oe e 2ooo rs.
Vendem^e chales de merino estampados a 2*
e 2*500 cada om.
Ditos de merm liso a 3*500.
Ditos estampados de crepoB a 6*, 7*, e 8*000.
Ditos pretos bordados com Tranja de seda a 14*.
Na loja e armazem do Pavao na roa da Impera-
triz i.0 de Gama & Silva.
Para luto vende o Pavo.
Seiim da China com 6 palmos de largnra, fazen-
da ^preta para luto, propria par-a vestidos e roupas
para bomens, sendo esta nova fazenda sem lus'tro e
de muito boa qnatMade, garantindo-se nao ticar
russa com o tempo vende-se pelo barato preoo de
2* 2*500 o covado, assim cerno neste estabeleci-
mento tem nm grande sortimento de todas as fa-
1 zondas pretas como sejam cassas e chitas pretas,
lias tapadas e transparentes, prinrezas, alpa-a.-,
sarjas, etc.: na loja e armazem do Pavao na roa
a Imperatriz n.OQ, de Gama & Silva.
Os baloes do Pavo.
Vendem-se -superiores batees de mnenlisa com
rooita roda-a 3*., ditos crioones com 35 arcos a
3*500, ditos com 20 e 25 3*, ditos para roeni-
branoos e encamados a 2* e 2*500 :
Pavao na roa da Imperatriz n. 60. de
a 1.1.a ^ -silva.
- luDraias de forro a .1,5600 e %# aa loja
do; Pavo.
endem-se.pocas de cambraia de forro com no-
ve varas cada.peca, pelos baratissimos precos de
**eOO e 2*: oa loja e armazem do Pavo oa roa
da Imperatriz b.<60, de Gama & Silva.
Os.oertinados do Pavo.
Bramante de linho do Pavao.
Vende-se superior bramante de linho com 10
Salmos de largara, proprios para lences, pelos
sratissimos preco? de 2* e 2*600 a vara, assim
como panno de Moho mnilo fino pelos baratissimos
preges de 640,700 e 800 rs. a vara : na loja e ar-
mazem do Pavo, roa da Imperatriz n. 60, de Ga-
ma & Silva. -
Cambraias lisas do Patio.
Vendem-se pegas ae cambraia lisa muito supe-
rior, pelo barato preco de 30200 e 3500 a peca,
dius muito finas a 5*, 6*. 7* e 8* : na loja e
armazem do Pavao, ra da Imperatriz n. 60, de
Gama & Silva.
PECHINCHA 1
a 2000, para calcas, s a Pavia.
Vendem se superiores corles de meia casemira
________Pernainboco, ra Nova n. te, pharmaoia franGezade P. Maurer.it C.
VENDE-SE J
\o aeaoazem de m. *. amos e Silva Cenro. roa do rigarlo
a. I i, eoaatan4emente, ssegaiates artlgos, que
reeeateo por eacommenda proprfa de
2-glS
2 *>
Q. Vi
o<5
P 00 sr a 2.
& o SKI
O
= >
g
Legitima salsa parrilha de Bristol, preparada por Lanmao k Kemp.
Verdadeira agua Florida, preparada pelos mesmos.
Gaz em tatas de cinco galBes, o mais parificado que se pode desejar da acredi-
tada atarea F. W. D. & C.
Relogios perfeilos reguladores, com corda de juatro a oilo das, dos afamados a-
bricantes E. N. Welch.
Grajxa em latas grandes da bem conhecida marca las. S. Masn (de Pbiladel-
pbia).
8-2.:
tb -g &p So3 ISao-0
9 c
jj co
l'SSS-gf.-f.i-S
?
c
0.0
3 o
o 0>
f1
5
SstS
5F&
o
3.
S
t
2.
1
a
8
m
w
s
5
i
o
8
I
S G as ^fc,
*r
S5 5-
Superior oleo para machinas de costura.
Agulhag para as mesmas.
Breu em barricas grandes e pequeas.
Vende-se tambem:

BORDEAl'X
1/ laliade.
St. Estepbe.
St. Julien.
C. Margaux.
C. Lafitte.
Medoc.
PORTO
1aa,ulidad>,

Principe Real.
Pedro V.
Mack Pia.
Prioceza D. Isabel.
I Vctor Eromanuel.
Doqae.
Malvazia.
Vinho{fino do Porto embarris de 5/, 10/ e 20/.
Superior vinho doRheno.
Cera de Lisboa em velas e em grume.
se snaenores cortinados aaamsscados
para camas pelo baratissimo^reco de 1* cada par,
ditos multo fluos-ricamente bordados para amas
00 jwellas 156, 20 e 23* o par : na teja e ar-
oazoaj do Pavao oa ra da emperatriz n. <50, de
Gama Panno preto a 20 na-oja do Pavo.
Veode-se panno preto. bsenda muito boa, pelo
barato preco de 3* o covade, dito muito-ti00 a
3*500, 4*, 5* e 6*,assim como casimira prota.de
cordo.s 2* o covado: na loja da Pavo na ma da
ImperatKz >n. 60, de-Gima & Silva.
Os espartihos do.Pavo.
Veedem-se nma grande e vahado sortimento de
espartiibo6 dos mais bem feitos qae tem viodoao
mercad^, *ecdo de .todos os lmannos, veodendo^e
por um ptetjo muito raeoavel : isto na loja do Pa-
vo na ra da JmperatrU o. 60, de Gama Silva.
Aa aalao bordadas do pavo.
Vendem-se aias bordadas sendo azenda muito
boa, sendo ricamente bordadas e com muita roda
vendeodo-fe petos baratos precos de 6* 8$ e 10*
res cada urna a loja do Pavao na rn da Impera-
:r7 n. 60 de Gama & Silva.
Bretaakas de role a 3*0002
Vendem-se pecas de bretanba de rolo com 10
varas cada peca, pelo baraUssimo preco de 3* :
na.ioja e armazem do Pavo, ra da Imperatriz D.
60, e Gama & Silva.
Hoiipa feita.
Na loja do Pavo
Vende-M neste estabeleeimento nm grande sor-
timento de roupas, tanto de papno como caxemiras,
e brins e pelos baraiissimos precos como sejam
calcas de ea&emira preta ao* 7* e 6*000reis, pa-
letots de panno preto saceos a 6* 8* e 12*000 rs.
^sobrecasaeos de panno finissimo a 12* 18* e
25*000 reis, e outros mnitos artigos qne serla en-
fadonhos aqu relata-Jos; s na loja e armazem do
Pavio roa da Imperatru n. 60 de Gama A Silva.
Loja da paria
Craodes peehlnefaas.
Mditkis a 500 rs. o cavada
SfdiDhas a SOOra.
Salabas a 500 rs.
Vende-se na toja do Pavio, um grande sortimen-
to de sedlnnas Iletradas com as mais bonitas cores,
*" os padros mais novos qoe tem vindo ae mer-
e vende-se pelo paratisslmo preco de cinco
o covado, sendo fasenda qae valem muito
mais dinbeiro, e grande peciwcba por se ter
,^oprado orna grande ponida desta fasenda, na
loja a armazem de (aseada 00 Pavio. roa da Im-
peratriz n. 60 de
L Vendem-se as mais lindas liaainbas matisadas
cora 01 mais bonitos desenhos.-^&barato preco de
320 rs. o covado ; na loja do PvIo a roa da Im-
peratriz n. 60 de Gama S Silva.
com msela de seda a 2*, ditas Garibaldinas a Ditos
2*800, ditas escuras a 2*8u0, on a 1*600 o cova-
do : na loja e armazem do Pavao, ra da Impera-
triz n. 60, de Gama & Silva.
PENTEADORES
on roupoes de cambraia bordados proprios
para as senhoras veslirem de manhSa.
Chegoa esta novidade paia a loja do Pavo,
muito lindos e do melhor gosto at boje, por pre-
cos muito razoaveis: na loja do Pavo, roa da
Imperatriz n. 60, de Gama & Silva.
Gassas francezas a 240 rs. o covado.
Vendem-se bonitas cassas francezas de cores fi-
las pelo baratissimo preco de 240 o' covado.
Ditas a 280, 320 e 360.
S na loja do Pavo, roa da Imperatriz n. 60, de
Gama & Silva.
Grosdenaple preto a 1$600.
E' grande pechincha !!
Vende-se grosdenaple preto, sendo muito encor-
nado e de boa largura, pelo barassimo preco de
1*600 o covado : na roa da Imperatriz n. 60.
Os cachinez do PavSo.
Vendem-se bonitos cacbinez de 13a ou agazalhos
para cabeca peto baratissimo preco de 33000, s
na loja do Pavo, na ra da Imperatriz n. 60..
Mantas para o pesclo
a i*, s o Pavo.
Vendem-se bonitas mantas para o pescoco, pelo
barato preco de 1* : na loja do Pavo na roa da
Imperatriz o. 60, de Gama & Silva.
Madapoles a 3>,500 rs. a pessa.
S na leja do Pav.
Vende-se pecas de madapolao fino com 12 jar-
das, pelo barato preoo de 3500 t 45000.
Chales de renda.
Na leja do Pavao.
fteoeberam-se es mais lindos chales pretos de
renda, assim como as mais modernas e compridas
retoaaes.e manteletes da mesma fazenda, e vende-
se mais barato qne em outra qualqner parte; na
loja e ajmazem do Pavo na roa da Imperatriz n.
66 de Gama & S.-iva.
Cas lo r 300 rs. a cevado.
Para calcas.
Vendem-se superiores castores muito encorpados
padrees escaros pelo barato preco de 320 rs. o co-
vado, servlndo-esta fazenda tambem para escravos
por ser de mana duraco; na loja e armazem do
Pavo ra da Imperatriz n. 60 de Gama & Silva.
Chapeos .para meniaas a 6,000.
S na loja do PavSo.
se vendem os mais bonitos e mais bem enfeita
des chaposmnos de palba da Italia, proprios para
meninas, pelo baratisstoo preco de 6*000; na loja
e- armazem do Pavao na ra da Imperatriz n. 60
de Attenco.
OLIOTA NOVIDADE
TENTE*, ENFEITES, CINTOS.
Gama & Silva, a-cabam de receoer pelo ultimo
vapor trancez, ooi grande sortimeoto dos mais ri-
cos eeeiles pretos de cores proprios para cabeca
endoguarnecidos coro as mais lindas flores, e com
voltas,das mais bonitas perolas; assim comoosmais
modernos e engracados pentes da verdadeira tar-
laroga, marchetados sendo, a ultima novidade
que tem vindo de Pars,-e os mais ricos cintos com
Atas raatfcsadas e fivelas largas, conforme oltima-
meote se usa as priraeiras capitaes da Europa e
vende-se por preco em conta por ter chegado em
Ailara para a loja do Pavo, roa da Imperatriz
b. W de Gama Silva.
A* ratawfas do pavo a 8 e \ty.
Veniem-se as mais ricas rotandas de renda pre-
ta, sendo muito grandes, qne sao as que mais se
usan?, pelo baratissimo preco de 8* e 10* na
loja e armazem do Pavo, roa dalmqeralriz n.'60
de Gama & Silva.
Chitas pretas a 160 rs:
Vendem-se chitas pretas inglezas, sendo fazenda
muito boa, pelo baratsimo preco de 160 rs. o co-
vado, ou 5*500 a peca-com 38 covados : s na
loja drt Ravo, roa da Imperatriz n. 60, de Gama &
CALCADO
45 Hua hireita ~ 45.
A primeira condico indispensavel con-
servado da sede Irazer os ps bem de-
fendido* contra os ataques da humidade;
calcado bom e seguro o nico preserva-
tivo dessas mil enfermidades a que est su-
jeito o nossoeu-. Um chinelo-velho cal-
cado por um daody patuscante, ou urna
botina acalcanhada em pequenino p de en-
cantadora deidade alm de acensar que-
bradera horripilante, prova contra as acui-
dades intellectuaes dos calcantes, e nao ha
qo.em, tendo bom senso, queira passar por
maluco, ou pobre de surrao: ergo, cor-
ram a :
dRA DIP.EITA4*.
e attendam a' barateza.
Homens.
. Borzeguins barcellonezes de lus-
I tre e de porco ..... 6^000
Ditos de Bordeaux .... 7*000
parisienses de bezerro e
cordavSo....... 8C00
Sapato de lona, sola de borra-
cha..... ; 2000
Ditos aveludados..... 1GOO
Ditos de tranca bons 1*600
Senhoras
BorzeguiDS enfeitados. 5>000
Ditos de lace...... 4soc
Ditos lisos......, 4r5500
Sapatos de borracha .... l^fjO
Selleiros, crrieiros e segeiros I
Sola de lostre, meios grandes 2000O
E um completo sortimento de calcado a-
bricado nopaiz.
Chitas a 180 rs., s o Pavo.
Vende se o mais bonito sertimento de ehitas in-
glezas, padroes miudinhes, claros e escoros, e ten-
do tambem rxas para loto, aflancaudo-se serem
core fizas, e vendem-se pelo baratissimo preco de
nove viotens o covado, ou a peca c-m 38 covados
por 6*800 : isto na ioja e armazem do Pavo, na
roa da Imperatriz n. 60, de Gama & Silva.
Vestidos brancos.
Cbegaram para a loja do Pavao os mais bonitos
cortes de vestidos de cambraia branca com ooui-
tas Larras todas brancas, assim como com barras
de cores, sendo fazenda transparente e muito tina,
tendo cada um cite batame fazenda e muita ro-
da, e vendem-se oeio baratissimo preQo de 8* o
10? *: na loja do Pavao oa ra da Imperatriz n.
60, de Gama & Silva.
Cortes de tarlatao na laja do pavo.
Vendem seos mais modernos cortes de trlatana
com as mais lindas barras de cor, pelo baratissimo
preco de 5* cada um, sendo neste artigo o melhor
que tem vindo ao mercado : isto na lojae arma-
zem do Pavo na ra da Imperatriz n. 60, de Ga-
ma & Silva. _^_______________
Rodelas de borraxa
proprias para atar massos de papis, e para fer-
virera de ligas para puchos, manguito?, etc. etc.
Vendem-se na roa do Qoeimado loja d'aguia brin-
ca d 8.
Mui Anas cartas
francezas, com cantos doorados, e sem dour..uc.
Vendem-se oa rna do Queimado loja d'aguia b.-.r-
ca n. 8.
Envelopes sztfes
500 rs. o cec
na ra do Quei,..^.
I^ja d atufo
Silva.
ATLANTA
Vende oVse
branca n. 8.
Apparelhos de porcelana
dourados e pintados.
wnd m Queimad0 N' d'aguia branca d. 8..
Jim I .S1,.0nis..appare,h05 dB Pc'fcelaoa cara'
airaico e jamar de booecas.
Bonitos quadros "
Pra retratos.
bra^n^6 Da m d ^mo ,o^Sia
Perfumara iogleza
A agua branca ruado Queimado n. 8 receben
dUem rZTuTlTe fiDa.S SKiw'SSas
Oleo fino para cabellos.
Opiat para penles.
Agua da Coloola.
Sabonetes linos creme de amendoa para barba
Penoas d'aco inglezas
douradas e sem a ser.
madoT H l0ja daeua branca roa o Uoi-
-lcl?iiJLu? excileDte sortimento de peonas
une svcrui-ie a vendHas a
Tinta azul e preta
tinta rocha e preta.
rSSfii*" 'lentes qualidades ja
rs.
-
Breu md barricas pequeas.
Cara em velas de todos os tamanbos.
Bogias.
Mercurio.
Na ra do vigano n. 19, primerro andar.
Panno de algodao
trancado
da fabrica de Fenwo Velho : veode-se aa roa da
cadeia a. 4, araaaiem de Silva Barroca.

tH RIJA DO QUEltfADO ]V .
Madapolao.
Finas pecas de madapelSo com 20 varas a 0.'
LENCOS,
Lencos de cambraia branca, duzia 2#.
dem de cores fixas para meninos, duzia 21400.
CaMbralas.
Cambraias de cores a preco de 260 a 300 rs. o covado.
Giiardauapos.
Guardanapos de linbo, dozia 3 Algdfio.
AlgodJo trancado de duas larguras, proprio para toalhas de mesa.
1*300 i vara.
. Braaaaate.
Superior bramante de linho inglez e francez.
Cambraia de linbo propria para lencos-.
ATOALHADO.
Atoalbado branco para mesa a 1*600 a vara,
Entremeios de cambraia muito finos, preco 1 *.
Lencos de seda para algibeira a 1*600,
-
Os chales de guipure a 12i e
1600O,
Vendem-se os mais ricos chales de Guipare e de
Tf*& de JiBbo e seda, pelos baratissimos precos de
** ,e 16* i 6 grande pechincha em reiaco a boa
qualidade e Umaabo otiles : s na Iota do Pava,
roa da Imperatriz n. 60, de Gama A Silva.
Cirande novidade a 300
Atlanta a 200 rs.
llanta a 200 rs.
Atlanta a 200 rs.
Chegoa para a loja do Pavo o mais lindo sor-
timento desia nova fazenda, com o titulo de allanta
propria para vestido e roupas para meninos, sen-
do esta modernsima fazenda de laa com os mais
lindos gostos de quadrinhos e listras tendo entre
ellas de edr roza e preta, com listras e quadros
braocos proprias para loto, e vendem-se pelo ba-
ratissimo preco de 200 rs.o covado nicamente na
loja do Pavo ra da Imperatriz o. 60 de Gama 4
Silva.
As chitas do Pavo 200 ornado,
Vende-se o mais bonito sertimento de chitas es-
coras e roxas sendo Inglezas, mas com os pannos
lao encorpados como os das francezas que se ven-
dem a 400 ris, e liquidao-se pelo barato preco de
206 ris o covado ou a 7*200 a peca, garantindo-
se terem 38 covados cada peca e serem de cores
fizas isto na loja e armazem do Pavo na roa da
Imperatriz n. 60 de Gama & Silva.
Armazii do Pavo,
Vende-se cera de carnauba da melbor qualidade
emfsaccos, mais barato qoe em outra qualqner
parte no armazem do Pavo na roa da Imperatriz
n. 60, de Gama & Silva.
bem contiendas e
nad
branca o. 8.
Lacre fino
sao
apreciadas pelos entendedora
E* ao veda na Queimado SflS
r Pavo. r o covado.
v.uLl a u i a. i Chegaram para a loja do Pavio as mais lindas
Venden* modernas azinhas coro liodlssimos ., *> v n.r* >.;,*. .-j. . '_"!
preco

de
Pavo.
Vendem* modernas lazinhas com lindlssimos
rRo*> peto baratissimo preco de 200 rs.; gran-
peepincha : s na loja do Pavo, roa da Impe-
raln n. 60, de Gama & Silva.
Setos Largas
Na loja do PavSo,
Cbegoo para a loja do Pavio nm mo lernissiao
sortimento das mais lindas sedas pan vestidos,
sendo nmas de listrinhas e ootras de florzinbas
com a$ mais llnda corea, e aiguma* proprias para
as senhoras que estiverem de luto e vendm-M
pelo barato preco 4 2*000 o covado, modo esta
fazenda quatro palmos de largara, que facilita fa-
zer-se um vestido com poocos. covade s, isto na
tojai e armazem do Pavio aa roa da Imperatrla n
60 de Gama & Silva.
Chegaram para a lo|a do Pavio as mais lindas
cabaias de seda para vestidos, seodo com os mais
liados gestos de llrese listas, tendo entre ellas al-
gumas roxas e pretas para quera estiver de luto,
tendo esta nova fazenda 4 palmos de largura qne
facilita azer-se um vestido c kMRgps corados, e
vende-se pelo baratissimo'] 28006, uuica-
meote na loja e armazem i o i roa da Impe-
ratriz n. 60, de Gama & Sirva.
Novidade
Para veatidos.
Chegaram as desejadas cambraias oa unatana-
brincas com li>trinbis Iseodo transparentes" e ven-
dem-se pelo baratissimo preco de 8*000 o corte,
na loja e armazem do Pavo oa ra da Imperatriz
o. 60 de Gama & Silva.
de cores
v i ... coa> cheiro e sem elle.
mniL B0-a branc'a rDa d0 Queimado n. 8
veode-se lacre fino encarnado romaneo e sem o
ser ; ano verde; e nmas caiziobas com ditos de
cores pelo barato preco de 300 rs. cada urna.
Papel inglez
em caizinhas.
Aa loja d'aguia branca a' rna do Queimado n. 8
vende-se desse superior papel Inglez em caixiohas.
Luvas de camursa
brancas e amarellas.
Vendem-se na roa do Queimado Iota d'agoia
branca n. 8. "
Meias
Vendem se na
branca o. 8.
Aspas largas e fortes
para balao.
Vendem-se na roa do Queimado
branca o. 8.
prelas para padres
ra do Queimado leja d'aguia
loja d'aguid
Vende-se urna novilba muito grande e gorda,
propria para {ougne : quem pretender dirija-su
a Santo Amaro, sobrado junto do remiterio inglez
Veidem-se
objectas de padarla : 2 masselras de costadinho de
amarello vinhatico chapiadas de ferro, tendedeirs,
taboas, om caixo grande para deposito e mais
utencllios, ete.: quem qulzer dirija-se a ra das
Larangeiras a fallar com o Sr. Lndgero Francisco-
de Assis.
roa das Aguas Verdes n. 6, vende-se orna
eserava moca com urna eria.
Attenco
Vende-se o sobrado da ra Augusta o. 74
tase no largo do Carmo n. 18, 2 andar.
Farinha de mandioca a
tra-
Continna
Croz b. 33.
4#4JOO
sacce.
vender-se no armazem da roa da
Vende-se algnidares de Genova de todos os
tamauhos, por menos preco do que em ootra qual-
qner parte, assim como jarras tinas e entre finas, e
de toda a rols looca. assadeiras compridas do
Porto para ir o torno : na roa du Raogel o. 4.
= Vende-se ama armacao envidracad, p'repria
para loja de miadezas ou calcados, na ra Direita
d. 56 : quem a pretender dinja-se a mesma qae
achara com quem tratar.

4



^

-!*>;-

.
Diarto de fcTM*rt>oca Terea ***** ** ftci fcalo le 1866.
0 que oocupa -boje inais a atteucuo do inundo
econmico? o novo systkema do proprietano do ar-
mazem de molhados
DNIAQ MERCANTIL
53 RA DA CADEIA 53 .
PASSWDO O ARCO DA 0*TEM 1
Qae Barge de novo basteando a bandeira da modicidade de presos em todos os
seus superiores gneros.
Que o publico reconheca as vantagens que de tal syslhema liie resulta, o que o
proprietario do sitado armazem deseja, e a que desde j o convida : passando tambera a
uotar-lhe os precos de alguns dos gneros do seu explendido sortimento, e para-os quaes
pede
4TTEKC&0
omina de milho brumo amerlcaaa. .,. ,,.
Esta escollen le gomma, multo se recomcommeada como o aliasen lo mais subs-
tancial e saudavel; servind n3o s para papa (no que superior de toda as outras
gommas e farinhas) mis tambem del la se pode fazer p3o-d9-l, cangica
francez, podim, etc.: o preco de cada pacote de urna libra 800 rs.,
tmento.
creme, bolo
em caixa teta aba-
MOLHO INGLEfc de diversas qualidades, a
72o rs. o frasco.
MOSTARDA 1NGLEZA muito nota, a 800,
rs. o frasco
rs. a libra, em barris oa' DEM FRAKCEZA a 64o rs. o frasco.
ISALMO E LAG05TIN chegado ultima-
MANTEiGA INGLEZA de superior qualida-
de a i ,28o e I,loo rs. a libra, em barril
se faz abatimento.
DEM FRANCEZA a mais-nova que ba no
mercado a Gio
meios a 600 rs.
CHA H1SS0N de primeira qualidade a| mente, em latas da % libras, al,6oo.rs.
2,8oo rs. a libra, alm dasta ha muitas ou-1 ARENQUES em latas a *4o rs. cada urna.
tras proprias para wnder a retalho. qne' SARIMNHaS DE NANTES em lates e meias
se veadem de 1,600 a 1,800 rs. a libra.
DEM PRETO o mais espacial que tem Tin-
do a este mercado a 2,2oo rs a libra.
IDM regular de l,6oo a l,8oo rs. a libra.
Q'vEUOS DO REINO ltimamente chegados
pelo vapor 2,4oo: ditos do vapor passado
a 2,000 rs.
a 600 e 36o reis.
VINHO DE COLLARES o legitimo vmho
desta localidad, muito superior e sem
confeso alguma, a 800 rs. a garrafa.
IDFM MADURO o veriadeiro do alto Dou-
roem barris de lo em pipa por 35,ooo
cada um.
LATAS DE CHOURICAS com 6 libras er-1V1NH0 DO PORTO de diversas qualidade*
mlicamente fechadas, a 4,5oo, de barril! engarrafado, inclusive o maisflno que ha
a 64o, a libra..
E3TRELINHA para sopa em caixas sortidas
de 8 libras, por 4.000 rs.
VINHO VERDE do verdadeiro samo da uva,
e o mais proprio para se beber n'este
imperio, pela sua extraordinaria fresqui-
do e agradavel gosto a 64o rs. a gar-
1 afa.
AVE'XAS FRANCEZAS em frascos de 4 e
2 libras, a2,8oo, e l,4oo'rs. em caxi-
nbas muito enfeitadas com diversas estam
pasa 2,900, t,8oo, l,5oo el,3oo, reis.
B15C0ITOS INGLEZES emlat?s contendo
diversas qualidades a l,oooe l,2oo rs. a.
tala.
PftlSC PE ALBERTO bolachinhas as melho-
res presentemente coahecidas a l,6oo!
rs. a lata.
SALAME HAMBRGUEZ chegados no ulti-1
13 navio a l,6oo a libra. i
PRLZN 105 verdadeiro de Lamgo, a 64o,
rs. a libra, e 56o inteiro.
IR \OUESn. 1. em caixas de 4o cartas, por
6,5oo, e 21o rs. cada urna.
m 'MELADA m latas de 1, 1 */
bras a 600 reis a libra.
I'' : \ DE MARMELLO em latas, a 800 rs.
II L'CTAS EM C \LDA pera, pecego, alper- VERMOTH
ce, rainha Claudia, e ginja a 64o reis
;lt.
A' loja de fazendas de Augusto Porto & C.
11 Ra do Qudmado11
Chapan peto-uWmo paquete superiores encbovaesisompletos com vesdinbos bai-,
d^fi5 Knoofov de pellica, manta e capellas brancas para noivas.
yodas colchas de seda de cor e de l e seda para camas .e.-. ,*,
Grande aoriimeoto de cortinados bordados para camas e janellas. .-
Chapeos, bonetes e gorros de plha de Italia para senhoras,
lfcralles,ea*sas e chitas Unas dos gostos mais modernos.
Aleeriennes, retondea e chales de renda pretos- _____
____^od^o n..nhA< o mlarmhos de linho para horneo*.
Camisas finas com pellos, punhos e colariuho:
Lindas casemiraa de cores, lasinba, pannos e casemiras
CONSULTORIO
CIRURGICO
Carteiras de 12 tubos grandes,
de 24 tubos grandes.
pretas, merino
****%"-"---------i- urtoi jiaoo, 2700 e 3J200 a vara.
SSK atoSaViSf forrar 'salas e tapetes grandes e pequeos para safa".
Camisas de fUnelia, colarinbos de linho, seroulas de linho. MMniihA
Camisas de meia finas, balSes de arcos, de musselma e de madapoUo, esparlhos
Anos nanfpitos bordados. nn\nn
Esteiras da India para for ar salas
as melhcrers pof msls mdico rB?0.
11 Ra do Qncliuado11
>

9
>
n'este genero, por 800, 1*000, l,2oor
l,4ooe.l,5oo rs. agarrafa.
FSIJO verde e carrapato em latas emti-
camente fechadas a Ooo rs.
CHOCOLATE francez em pacotes de 1 libra
por 5oo reis.
AZE1T0NAS das chegadas ltimamente ,de
Lisboa a l,2oo rs. a ancoreta, e 5oo, a
guarrafa. I
CAF avado a 24o rs. ajibra, fi;7,"0vQftrs,
a arroba, ereguiar a.22o.a libra, e6!5oo,
a arroba. ,, m
VINHO GHEaRY domis saperior-dSmer-
cado al,5oo rs. a-garafa, o*5000ES.
a duzia.
MOSCATEL o verdadeiro de Setubal, a
l,8oo rs. agrrafa,.e 2o,ooo a duzia.
i VINHO BORDEAX das mais acreditadas
1 marcas, S. Emilion. Sant Jolien Haat
Brio'n a 7oo e 800 rs. a garrafa, e em
caixadedozia, a 7,5oo e 8,000 rs.
VINHO "BRANC de Lisboa de excelente
qualidade, proprio para missa, a 800,
rs. a garrafa, ou 8,000 rs. a caixa de duzia.
.. MADEIRA SECO a t,2oo a garrafa, e 12;ooo
rs. adazia.
VINHO DO RHENO superior, a 2*ooo a
garrafa, e 22,ooo rs. a duzia.
CORTES E SEA [ ; 4
Chear*m peto ampete ingle riqiissimos cortes de moreaitiqae de cores, e soda tama p-
,rcj mteirament now. u/vv/v a
Seda de tjuadros por 10009 o covado
S
4
PEDRO DE ATTAHYD1 LflB HOSCOSO,
MEDICO, PABfBmf rKRiBOfl. d
3 Ra da Cftoria, caa *> Ifmto g
O Dr. LoW boscoso d consultas gratuitas aos pobres todos osdias das 7 s 11
aeras da manhao, e das 6 e meia s 8 horas da iwite, excepto dos dias santificados.
Pharmacia especial horneopatJtiea
No mesmo consultorio ha sempre o mais appropriaflo sorlimento de carteiras
tbbdt i\-ulsos, assim como tinturas de varias dymnamisacSes e pelos precos seguintes-
12^000
18,*000
de 36 tubos grandes. 24S000
de 48 todos grandes. 30000
de 60 tubos grandes. 354(000
* Prepara-se qualquer carteira. conforme o pedido que se fizer, e com os remedioi
eme sepedir.
m tubo avulso ou frasco de tintura de meia onca 1)5000.
Sendo para cima, de 12 custar5o os precos establecidos para as carteiras.
Ha tubos mais pequeos cada um a 500 ris.
LITROS.
A melhor ebra da homeopathia, o Manual de Medicina Homeopathico do Dr. JarS
lous graHdes voluaies com diccionario........ ^ 2000
"" *MediCTta domestica' o Dr. Hering.......... tO^OOO
i^n ^ftpWrtDTie'do-^r. Mello Moraes............ 6^000
ieeionerid tie* termos d medicina ........ 34000
Os remedios deste estabelecimente s5o por demais conbecidos e dispensan por
tanto de serem novamente recommendados as pessoas trae quizerem asar de remedios
verdadeiro; enrgicos e durad ores: ha tudo do melhor qae se pede desejar, globos de
verdadeiro assncer de leite, nota veis pela saa boa conservacao, tintura dos mais acredi-
tados estabetecimeetos europeos, a mais exacta e acurada preparado, e portanto a maiar
energa c certeza em seus effeitos.
Casa de sande para escmvos.
Recbele eseravos para tratar de qualquer enfermidade ou fazer-se-lhe qnalqner
operago, para o que o annunciante julga-se suficientemente habilitado.
O (ratmento o methor possivel, tanto na parte alimentar, como na medica,
fuDCcionando a casa ha mais de qoatro annos, ha muias pessoas de cujo conceito se nao
pe duvidar, que podem ser consultados por aquelles que desejarem mandar seos
doefttes.
Paga-se 25 por dia dorante 60 dias e d'aai em diante 15500.
As operacOee serlo previamente ajustadas, se n5o se qoizerem snjeitar aos precos
razoaveis Gres de aples preto a 15500,1,5(600, $. 35, 35500 e 45 o corad*.
Gorgario preto de- superior /juahViade a 25500, 25800, 35 e 45 o eo-
Vad" Superiores Woreanttques a 25500,25600, 35, 35500, 45 e 55000
cowdo.
Boos eftrt3 de moreanbque.
. dem de gorgurio adamascados.
Bons pannos e casemiras. ,
merinos e bombazinas.
65. 85,
de superior qualidade em cai-
xas de-4 2-mews garrafas por 12,ooo,e
garrafas por l,2oo rs.
Sup ores,alpacas, priqcetas,
Bons villudos pxetos. .
Grande vaciedade de bales de filo preto e de guipure a 55,
105, 125, de 165 a 205, e de 255 a 80* cada um.
Saperiores retondas de-fil preto e- de guipure a 85, *05, i25 e Mft
e-de 300 a6Q5cadauma. ,... a ftla.
Superiares algerienes de filo preto e de guipure de 125 a 255, e ae-
305 a 605 cada urna.
Bons chailes de seda preta. .
Ditos de Merino preto .bordados e-outras muitas fazeodas pretas que-
seria enfadoabo enumerar, na-
IOJ 1 DAS CmUVMMAS
DE ANTONIO .COBREIA DE VASCONCELLOS & C.
RA 0 CRKSPO m. 13
ARMAZEM RE FAZEHD1S
DE
CUSTODIO CAI1V111IO A t.
27 RA DO QUEJMABO N. 27
MadapolS francez muito fino, tendo pouco mofo, cada peca cota 27 varas por
105000.
L5a de cores a 300 rs. o covado. ,
Cambraia francesa a 260 rs. o covado.
Fmos organd a preco de 800 rs a vara.
Lencos brancos para algibeira a 2500 a dozia.
Fia>sperclaras a preco de 400, 440a 560 rs. o covado.
Ricos cortes de 15a de barra de 105 a 305000.
Chales de fil preto e outras muitas fazendas.

vcabam de chegar as muito superiores linguas seccas do Rio Grande do Sol, que se
vendes por 120 rs,

PHOSPHATO DE FERRO DE LERAS
DR. -EM flCIRlIGIAS

Leras
:
i
attengao dos sensores pro-
fornecer; os qaaes garante
de des-
E1CA DO BRUHf &
O pro rietario deste estabelecimento deseja chimar a
;..ros par.; os acreditados mechanismos que continua a
como sempre, da melhor qualidade possivel:
Machinas de vapor
le um cavallo pa-a cima. As menores sao mui proprias para motores
a amentos de algod- ; ellas viajam armadas e podem trabalbar dentro de 2* horas,
(i- ,-s de chee-ivni do lugar. Ellas levam tudo quanto e preciso para o trabalho, e
sos sobrecellentes: As ma huras maio es sao proprias para a moagem de canna,
o ba de as que podem jumas e separadamente moer caima o descarocar. W poaem-
g mlicw aqaalquer m anda jexsteate sem outra mudanc do que asubstiluicaodas
, bs d.i aira injanv, ba tambem com ujoeDda junta. Ellas tem depsitos d agua.e boei-
ro< do ferro, e nao piecisam para >eu armamento de obra alguma, quer de carapina,
uur deaivenaria. O team pan asseota-las na- excede de o/.c das ao mais, -eem
do m rt s de animes va arrombam^nios de acudes, ele,, garanie-se o assentamen-
i, em cito dias. Todos estes vapores s3o simplissimos na construeco, e se regem por
qu il mor pessoa intiiligente, a facilidade da condcelo sendo especialmente cotsideraaa,
i, toque nao ha lugar em que nao se possam conduzir, qur por trra, quer embarcado.
Lembrase aos senhores daengenho que a venda dos animaes e o ser vico da
ieoecupada no seu trtamenlo os fiao de recuperar da maior parte da despeza do
deixando-lhes a vantagem de uma moagem certa e accelerada; e acabando c
i
V I
I.
ItiPSCIOR DA Aa>ElA DE PARS.
Nao existe medicamento ferruginoso tao notavel como o phosphato do ferro de
assummidades medicas do mundo inteiro adotaram-no com sohcitude seo igual
nos annaes da scien^ia. As cores paludas, dores de estomago, digestoes penosas, ane-
mia convale rencas difiieeis, idade critica das senhoras, irregularidad*; na menstraacao,
pob'resa do sangue, lvmphatsmo sao curados rpidamente ou rmdificados por este en-
cllente composto. E o conserva ior por excelencia dasaule e declarado superior nos
hospitaes e peas academias a todos os ferruginosos conhecidr>s, aoidoretoeao citrato
de ferro, porque o-unico que convem aos estmagos delicados, que nao provoca cosH-
pacao nico tambem que nao enegrece a bocea e os denles.
Em Paris na ra da FeuiUade n. 7.
A venda em casa de Maurer, e A, Caors.
PECH1NCIW SEM 1GM
Ricos cortes de gorgurao de sedapretos adamascados para vestido com 13 metros
ou 18 a 20 covados cada corte, largura de chita friaceza. pelo baratissiroo prego de 50J
cada corte : oa loja das columnas da roa do Crespo n. 13 de Antonio Correia de Vascon-
cellos i C
Novidades do Vigilante
RA DO CRESPO N. 7.
Este estabelecimento apezar de sempre
se achar bem sortido como todos sabem,
hoje mais que nunca, n3o s pelo que rece-
be de sua propria conta, mas tambem pelo
que recebe de consignares; parece sem
duvida que deve offerecer grandes vanta-
gens para o respertavel publico 'tanto em

eza .la compra continuada de novo* animaes, e com os desgostos do trabalho que se
i : com elles. 7 '
Ser talvez desn^cesssrio lembrar aos compradires de vapores a vnntagem que
Ib i esulta de comprarcm suas machinas garantidas em nota fabrica, tendo artistas com-
pe ntes para ass^ntar as mesmas i ensilar a maneira de trabalhar com ellas, e ja pre-
di: idas para arremedi r qualquer desarranjo; facilidades estas que jamis podem en-
coi ;ar comprando-as aoa simples negociantes, os qnaes porMti de conhecrmenio na roa-
i nem se quer podem garaoti-los de que a> machinas que vendem soj?.m proprias ou
sufficieotes para o trabalho em que se queira eipprega-las, e no caso de desistre nao
, ni prestar-I es soccorro algnm.
Igualmente nao se e-quecero os mesmos compradores de quanto podem perder
em lersutt machinas paradas por desarranjos no tempo dai satas, sendo que anda
q ndovenham s fabricas para concertar as machinas nao fabricadas nellas torna-se
P Uo Uiq- repentinamente moldes novos, etc. para as pegas estragid. s.
Tambem ha sempre prorapto Rodas d'.tgua de ferro Sarilhos com cruzetas para as
m mis Moendas de canna de iodo o tamanho, Rodas de espora e angulares, Paroes ou
c-..es para receber o caldo, Crivos e portas de fornalha, Taisas de ferro batido, fundido e
d mre, Formas de ferro galvanisadis para purgar assucar, Bombas simples e de repu-
ri. Alambiques de ferro. Eixos e rodas de carro, Arados, grades, cuchadas a cajallo
i < .iros instrumentos de agricultura, Mpinho's eforn>s para fazer farinha e nnaUnente
to.o oobjecto de mechanismo de que se cocuma precisar.
Na fabrica se fazem obras novas encommenda e concertos, com a maior p este-
z solidez. O grande deposito de pecas e objectos habilitam-na muito para este flm.
O proprietario ser sempre mui feliz de poJer dar informag5es no esclarecimento
ao> -enhores qae se servirem de seu presumo.
D. W. Bowmaa, engenheiro.
VEKDADEIRV ACiVA MIXERAIi
PASTILHAS DOS SAES NATURAES DE VICHY.
\rENDE-SE
Na botica e drogara de Bartbolomeu & C. Ra larga do Rosario n. 34.
------
Gorgurai preto, fazenda superior a todas pela qualidade, e bonito teci
. j, Este esfebelecimeato
tcha-se sortido com iwneree quaotlade de filos pretos, de algodSi, i linho e de se-
da, manufactralos- a
retondas
A DA C1DEII Iiq RECIFK IX. It
Ne-la nova joja veode-se fazendas muilo barata?, assim como urobeaj lem um completo sortimen-
ro-jpa de casemira e de ttriin ; soilimaoto de casemiras d cores pretas, e bom brim brauco
[,., :. e lazar obra par medida.
Madapolao avaria

*'.,igai do ca^eajira fscuras proprias para a estajo a 7.
l.iieiot> de panuo O oq preto a 8500Q, ditos da alpaca bra
chapeos de sol de seda oom "
s cba-^os d? sol toda* wtriam por 12O0O, mas o t
)) 11 Usar cora elie era i>rc/>?, naelTeo vender os mal= pequeo* aKO mil
l n. ri?, baldes de arco para etirt*i a 3*. Hi irtoitas oulras (azendas e roupas feitas, que tdo
e vr~.ie com grande abaimoio |Mr m apurar dinheiro eadqil-Oiiior aiairo de tregetef
qasr duvidar da vraciade te qae dho Bilao veBh vrjfl*ar-e. -.-
Venham ver baratera da loja a e 10$
strar que ningu
s e os malores per
' --------------------------------------------------------
AeakHi de receber G. Paes do Amaral & C.
5 RA 00 CRESPO 5
Anllga casa de Cinilkernie da Silva Cuimares
Ricos edrfes de' vestidos de gros*de-naples preto, com lindas barras bordadas.
Mok-e-aetique preto em cortes e em pecas, liso, oBdeado e com palmas.
Gros-de-aaples preto, de diversos precos e larguras. t i
*'do.

': s <-,
r
tigWVim fbournus)
anamites y
aM^aines
iV


MACHINAS DE PATENTE
DE TRABALHAR i MO PARA DESCA-
ROQAR ALGODAO
FABRICADO POR
PLANT BROTHEBS & C.
OLDAM.
Estas machi-
has podem des-
carocar qual-
quer especie de
algodo sem
estragar o fio,
sendo bastante
duas pessoas
para o traba-
lho; pode des-
carocar orna
arroba de al-
godlo em ca-
rolo em 40
minutos, ou
18 arrobas por dia ou cinco arrobas de al
godo limpo.
Assim como machinas para serem movi-
das por animaes, que descarecam 18 arro-
prosrMmo"nae^^dos"obTectos7e co^i1*38 de alod3 limP Por dia motores
mo acaba de chegar grande remessa pelo'PJf3 mover oma' duas ou tres dessas ma-
vapor Douro e o navio Solferino de {cn|Pas- .
diversos obiectos de gosto e proprios do| 0s mesmos tem para vender um beissi-
tempo dos quaes se mencionarlo alguns, mo ^aPr ^ue pode fazer mover seis destas
por nao ser possivel mencionar todos. O machinas mencionadas; para o que convi-
da-se aos senhores agricultores a virem ver
e examina-lo, no a mazem de algodao, no
largo da ponte nova n. 47.
Naunders Brothers A C.
Recife praca do Corpo Santo n. 11.
Os nicos agentes neste paiz.
O castalio de Grasvle.
Tradurido do francf i por A. J. fj. la Cre.
Vende-se este bello romance em quatr
tomos pelo baratissimo pceco de 3|J00C
ua praca da Independatici. livraria n.
6 el.
dono deste estabelecimento espera a pro-
teccao de todos.
Riqnissimas caixiohas ornadas e com
msica .propria para um delicado mimo.
CaUinhas de msica tanto de veio como
de corda.
Ricos porta joias e necessarios.
Riqnissimos est jos a feitio de um bausi-
nho ou chapeuzinho.
Ditos em casca de noz e de outros gostos.
Leqoes de madeperola de sndalo e de
faia e madeira.
Chaposinhos e touquinhas de muito
gosto para criancas.
Meias e sapatinhos de seda para as mes-
mas.
Meias'de seda para senhoras.
Capellas e grinaldas de flores proprias
para casamento.
Enfeites e capellas de muito gosto para______
*Riq5ssmos porta boquets. ^^^i^m
Roquet de flores com uma borrachinha tl^A mjy/r " ,
com cheiro. iacaDa ^e receber um lindo e magnifico sor-
Lovas verdadeiras de Joiia Uimento de oculos, lunetos, binotnlosv do ul-
Ditas de seda e de Escocia. "+iai0 emtls a^u*do ^3a Err*
Riqnissimas plumas e guarnieses pire.,os *? ^anee para observacSes e para os
quenjt
4HBipdooiii ir.ia
DE FAJVTHASIA al1
Receberam itnfonm bonitos cortes de popeline de listras de cores, e maiisaflas,
muijo modernas," de gostos inteiramente novos; e outras muitas fazendas de gosto
dw pelo Ultimo per.
?. DO 4MIK1L 4$ .
5 RA DO CRESPO 5 .~*
enfeitar chapos.
Gontas e tubos de ac branco,
muilo se desejava para enfeites.
Brincos, fivellas e cruzes de crystal.
Fiylias e cruzes de tartaruga, madripe-^
rola e dourados.
Alfinetes para gravatas.
Botes eom crdsym panhts.
nhas t mato gosto,
me p : timo e mais apurado gosto da Europa e ocu-
J los de aleaii
^hiarjtiiBos.
Tasso ImfiM
Vendem no sel armazem mu i%
AmorimiuSo,
Licor fino Curacfi ero- botijas e meias botijas.
L Lieors finos sortdoem garrafas eom reina* d
, rfdro e embudos fraseos.
Vnhosliberes.
'C!*:i4
GUL
1' i"i
. No armazem da roa do lacerador n. 3 ou o
Cae de Pedro U , i> tam pana ader-se o me-
nor aai eiistenl no meado.

Pamio de atgodo a BaWa para saceos de
sanear e roana de esetavo, rende Antonio LrJr
Ve OHtelra Azevedo & C, no sm eserlptorio ra
da Cruz I. t.
i; /
Vapores.
Vende-Seem casa de Sauodem BrotherB
n8 largo do Corpo Sanio n. II, vapores patentes
cf adoras netos, assim como
imawrreras prttos.
mgallas de canna com cabo de marfim.
Ditas de baleia, borracha e de outras' 1
muitas qualidades, assim como chicotinhofc.
Riquissimos pentes de tartaruga do ulti-
mo gosto; assim como de arregaco pata
aenina, pois neste artigo ha um completo
lortimentf de tolas ae qualidades,
IMemas para cabeca do ultimo gosto.
Riquissimas fitas lavradas e tizas."
&C
eom todos os pertences proprios para faxes asonu ii
tres oa quatro machinas para descarocar algodao.
Vendem-se
machinas americanas de serrotfi para dascaro^ir
algodao : na roa da Senrala ova n. 41
Trancas pretas com vidrilho e de cores.
Pulseiras tanto para senben como para

lanternet. -
Chambertin. w
Hermitage. r-
Borgonhe. 5
Champagne.
Muscatel. e
Reino.
Bordeaux. A
Cognac. *>
Od Ton.
PAezei lagniol.

Alllf
iPecfaiiicfaa
Com loqie de capim.
tma 49 4|m|iMMto a.
. i.
i coea wras mIo bara-
Ligas de seda e de JgodSo.
SwpeosoTios de seda e'e algod5o e mui-
\ tes outros objectos que se n5o podem ao-
nanciar por no setemar enfadoaho. I ~NaW^a^ftwoVn.
S DO Gallo Vigilante ra do Crespo n. 7. Ids tachos de e*cra iroprio pan rM{4*.
de cupita : noatrntetnl f8SHIeSsk3loe,
Csrvalho & C.
itairi
-> HaVI
\





p
>
J


wamtmmtmmmim
O
*
-.

Diario de pert1i&> -^ *ma tlra *i 1f MaftTde i866.
Ricol Mneos de cf^H
Pars, tambem erares e botoes'
gos se TtodM por menos de
Aspis forte* pira BolSes.
Na roa o QoMtft lojadeniodetts n. 16, vt*
VS|? ** *** **"' ***4mn*t*i**m
Bonitos quadros para retratos.
Vendem-se na roa do Qoeimado Iota de miude-
msd. If ton1tlqad^o*oaa*rdBra-?re1<
don^ada, todos por preeoe raseeveis.
Garrafas brancas
fl core* cdm snperfor agda da colonia.
Veadem-se na roa do Qoeimado, toja de minde*
tas n. 16.
. Novo gosto
fctes, flvellas, e brincos de fellgrana.
A amiga e bem conbecida loja n. 16 na rna do
Queimado, receben um sorlitnento de diversos ob-
jectos de novo e bom gosto, sendo pentes brancos
doorados de moldes enteiramente novos e mal a-
gradaveis, tendo entre elles algons de Olfgrana obra
de multo gosto e deficil exrnelo, e bem assim fl-
vellas e brincos as mesmas circamsiancias.
Tambera receben algas Cintos o que de mais
mo4.Jrn bonMo, epodoencontrarem tal genero.
Alm dfsso encontraro os pretndanles om com-
pleto sortimento de flvellas de madre perol, chris-
Ul, tartaruga, e doorados, brincos de chnslal, e
jaspe, voltas o ernzes de dito e moitos outros objec-
los de oslo, os qoaes continu-se a vender commo-
damente.
Pnenles de madreperola, e enfeites filis
A loja de miudezas na roa do Qoeimado n. 16,
receben bonitos pentes com chapa de madreperola,
e DOToa eufeites tilels ornados de lantejoilas aca-
radas, moedlnbss, aljofares, vidrilbos etc., leade
grandes para toda cabeca o pequeos para coque,
regalando os precos de 2* a 4*008 rs.
Bu oitas caixinbas
com arranjos doorados para costura, tendo com
msicas e sem ellas. Vendem-se na roa do Qoei-
mado Wfe'de artndekls' n. 16.
Trancas pretas
com vidrilbos, e bicos com ditos e sem elles para
enfeltes ou vestidos.
Na roa de Qoeimado n. 16 loja de mtadezs a-
charo os pretendemos um bello sortimento dos
objectos cima ditos, casca mi has, fraejas etc. etc
e tudo est sendo vendido por precos cemmodos.
Botoes pretos
de vtdro enfettados d'aco.
A loja de miudezas n. 16 & re do Qoeimado
vende mal bonitos botoes pretos de vldro com en-
feites de ac, os quaes muito se uzam para eofeitar
vestidos, quem os pretender pode dirigir-se a dita
loja o. 16 a roa do Qoeimado.
Vndense ata loja de- mindezas
a rna do Queimado n. 16.
Bonitos leques de sndalo e outras qoalidades.
Bonitos cintos com flvellas de diversas qoalida-
des e molde*.
Brincos e orates de crystal.
Abotoadoras de dito para toletes.
Bonitos pqrl-relogios.
Delicadas caltasi com mostea e sea ella, para
costara.
Aguinas e linhas para eferoetiet.
Retroz -superior em carriteis.
Rendas pretas e bicos com vidrilbos.
Fitas de velludo com tetras dt cores para en*
feites de erros e vestidos.
Ditas de grosdenapeles, lisas e lavradas, brancas
e matisadas.
Para tionr cabellos.
HoildWalter.
Vende-se na rna do Qoeimado, loja miudezas
0. 16.
Chramaco-nie
Para tiogtr cabellos.
Vende-se na loja de miudezas, a roa do Qoei-
mado n. 46.
Tintara de L. Marques
Qara fazer os cabellos pretos.
Vende-se na roa do'Qoeimado, a loja de min-
dezas n. 16.
lissaogas miudatv, ajofares imitand
ac e > i J, bos de cares
para enfeites de vestidos ; vende se tado isso por
precos razoaveis na rna do Qoeimado n.l oja 16,
de miudezas.
mmm mmtwL
Os chales do iavo a 6 7-3 e 85.
lados de dJHereuies formas e cores, o ,qoe ba de mais moderno em
eoletes; flvellas ntodernas de madreperola para cinto : estes artl-
valor no armazem da roa da Cadeia do Recife o. 60.
MACHINAS AMERICANAS
Verdadelras do fabrleante N. Y. canitongln & C.
Moinbos americaoos ara moer milho.
Na na Nova n. 20 e 22, grande deposito
das verdadeiras machinas americanas de todos
os fabricantes; se encontra neste deposito
grande porcSo de machinas; e se vender por
menos prego do que em ontra qualquer parte,
por se receber em direitora da America; se
fornece todas as explicac&es necessarias ao
comprador para conservado das mesmas;
neste grande estabelecimento se encontra- moi-
tos artigos americanos, que moito deve agra-
dar aos agricultores que usam de taes artigos,
encontra-se tambem todas as col!ecc5es de de-
senos Sobre os quaes se aceita qnalquer traa
ncommenda, que com promptidSo ser execu-
lada; tfeste grande estabelecimentov encon*
tra-se em grosso e a retalho, gtf nde porcia
de ferragens, e miudezas que se vendem por prego coamodo, pedindo-se a attengSo
de todos para este estabelecimento que moito lucrarlo em razer snas ^compras: na
ra Nova n. 20 Carnero Vianda.
EMferssimo!
W +artrtissimo!
E' baratsimo!
Neste Importaste estabelecimento encontra w
peitvel..|jMUco om variado soitimemo de fazen-
das rraneas, IngTezas e suissas, e as quaes se ven-
der por preco coratnedoa saber:
Chales de renda preta a 50800. '
Me om sortimento de ehalea t renda pre-
ta a 5*500 r 6*, ditos de seda a ISA, 141 e 16*;
isto na roa da Imperatriz n. 72 de Guiroares & >r-
mao.
Retondf pretas a 8.
0 Vende-se retondas pretas pelo barato preco de
8*, 8*500 e 9*; na ra da Imperatriz a. 72, loja
de Guimaiies & Iroo.
Grande petincba a 20 o corle.
Vende-se cortes de ca&eailra da China, a 2,5000,
2*500,24800 e 3*, ditas de brim a 1*280,1*400,
f*6O0, 1*600 e 2*.
' muito'barao, tartetatl* de cre a 240
rs. o covado.
Vende-se um grande sortimento de tarlauna de
cores muito proprias para vestido, fazenda oais
moderna qoe lem vindo ao mercado a 240 o cova- Vende-se tarlatana de lia para vestidos de se-
-Mihora a 240 rs. o covado, fil de linbo a 160 o co-
vado, cortee de chita a 2*000.
Novo e grande deposito de superior carvao de Cardiffna
^ BaAia.
Antonio Gomes*dos Santos & C, rna de Sama Barbara n. I, esto habilitados i sopprlr de
oarVio, em condi^oes mais favoravels que em ontro qaalqoer deposito, a todos os -navios a vapor qoe
ccarea naqoeUe porto. A contratar nesla com Domingos Al ves Matheus.,
DE
FAZENDA E ROPA FEITA
ltCA MOTA N. 4.
do e 280, ditas mais finas a 300 e 320, laasinhas
escocezas muito modernas a 360 e 400 rs. o cova
do, ditas-moito linas 460 o 500.
Cobertores de algodo a 800.
Vende-se cobertores de algodo a 800 rs. ditcs
g^orea, 1*600 e 1*800, coberus de chita a 2#,
?*o00 e 3J}.
Quem duvidar venha ver.
Cambraia de cores a 240 rr. o covado dita fina a
280 e 320 chitas finas a 180, 300, 320, 360 e 400
rs, ditas percalas a 400 e 500.
Est se acabando chitas'a 160 rs. o covado
Vende-ee chitas a 160, 180 e 200 rs. o covado,
riscadinbos francezes a 240 e 280 rs. o covado, roa
da Imperatriz n. 72, d Goimares & Irmao.
Lencos brancos a 2 e 2500 a duzia.
Ditos finos a 3* e 3*500, ditos- de liobo a 5*000,
5*500, 69 e 7*. ^^
_ Cambraia branca a 30.
i -VStfe'se nro rand sortimento de cambraia a
3*,3*o00,4*,4*500e'5'*.
Baldes a U.
Vende-se baldes de arcos a 2*, 3*500 e 3*, di-
os amerleaoo* a 500'4$ e 4*500, ditos de mor-
celirra a o*, 5*500 e 6*, ditos para meninas a 4*
e 4*500; isto na roa da Imperatriz- o. 72, loja de
GuimarSes & Irmao.
a 30CO0 o corte.
a 3,?000 o corte.
a 3)9000 o corle.
! Vende-se cortes de la com 12 covados a 3*, dl-
tos finos a 3*500 e 4*, ditos a Mara Pia a 7*500j
8*. 8*500,9* e 12*. gr*vats finas.para
n. 24,
Rege & Moura, proprietario da loja de fazendas e roupa feto, siU ra Nova r&4oT8WeT*W'mantas moito Qaaaa 1*200 e
verdafieiramente penborados e recoabeoidos para com ws amigos e freguezes, i400; isto na ra da imperauiz n. 72, loja de
pela aceilagSo e confianga que delles tem merecido no curto espaco de tempo em qoe Gn'mawes irmo.
se acham estabelecidos e perfeitamente escudados na sinceridade des seus tratos, deca-. RoUDa feta.
ram para sciencia daquelles que o quizerem bonrar com seus officios, que, em vista da! Pniino al a
-grande concurrencia que tem merecido o sea estabelecimento, especiahnente no que i XtOUpa ieiudt
a sua Offlcina dealfaiate maior nnmewt Neste importante estabelecimento enecntrarao os
relativo a roupa feta; acabam de admittir para a sua onicma dealfaiate maior numero ,
de artistas, inclusive o seo-contramestre, mgido pelo hbil mostr Lauriauo JosdeiSees m -"p ^ sorl,men, ^e rQPa-a
Barres, o quat nao se poupa a exforgos para -satisfazer com a presteza possivel qualquer
obra de encommenda.
Os mesmos annuodam aos seus freguezes que acabam de comprar um novo e
muito variado sortimento de fazendas finas e de bom gosto, proprias para o tempo da
quaresma, as quaes estSo -dispostos a vender por precos muito -coinmodos e mais barato
que em ontra qualquer parte.
Como sempre escusamos essa enfadonha prolisidade dos annuncios bombsti-
cos; preferimos mostrar-na singeleza deste nosso convite os bons desejos que nutrimos
para bem servirmos quelles que vieren ao nosso reclamo.
como palitot, calcas, camisas fina;; a 1*600,
1$800, 2* e 2*300. ditas de Imhe a3*, 3*500,4*
e 4*500, cortes de brim, ditos de casera ira de co-
res a pretas, seroolas de algodo a 1*600 e 1*800,
ditos de linbo a 2*, 2*500 e 3*.
lato na -ra -da Imperatrk n. 72, loja de
______ 'Quimar&s e lrmios.
SiaciiSas
Grande loja
Arnaxeai 4a Araramm 4a Im-
peratrU . 56.
Loarenco P. leudes Guiaiares.
' O proprietario deste estabelecimento receben pe-
lo ultimo vapor de Europa versas qoalidades de
fazenda* para vestidos de senbofa.
Seda de cores a 4|M00 o covado.
Veode.se sedas de cores para vestidos de seobe-
r a 1*500 o covado, laasinhas de lindos gostos a
240, 320 e 400 rs. o covado. Roa da Imperatriz lo-
ja 6 armazem do Arara n. 56.
Melodiques de 13a para vestidos a 400
o covado,
Vende se orna nova fazenda por nome melodi-
ques toda de la para vestidos a 400 rs. o covado,
cbitas finas a 320 e 400 rs. o covado. Ruada Im-
peratriz loja do Arara n. 56.
Arara vende susim para vestido a 240.
Vende se nova fczenda susim para vestidos de
senbora e roupa de meninos a 240 rs. o covado,
ditas a i60, 200 e 240 t$. o covado. Ra da Im-
peran iz loja do Arara n. 56.
Tarlatana de 15a para vestidos a 240.
S no Arara, ra
da Imperatriz n. 56.
Laa a traviata a 320 rs. o covado.
Vende-se nova la a traviata para vestidos de
senhora a 320 rs. o covado, s no Arara todas es-
tas fazendas novas viudas pelo ultimo vapor da
Eoropa. S na loja e armazem da Arara, ra da
Imperalriz n. 56. .
Arara vende cobertorts a tfSoOO.
Vende-se cobertores de pellos z 1*500, ditos sem
pelo 1*000, robertas de lista 2*000, cobertas de
damasc* 4*000, cobertas de fostao a 61OOO. Ra
da Imperatriz n. 56.
LJasinhas do Arara a 200 rs. o covado.
Vende se lasinbas para vestido a 200,240,320,
400 e 500 rs. o covado, colarinbos para hornera a
5T0 rs. a duza. Roa da Imperatriz loja do Arara
n.56.
Arara vende as cassas a 240 rs. o covado.
Vende-se cassas francezas lina- a 240, 280, 320
e 400 rs. o covado. pessas de cambraia de forro a
2*000, ditas finas a 3*000, 4*000 5*000 e 6*000.
Ra da Imperatriz loja do Arara n. 56.
Chitas a 160 e 200 rs. o covado.
Vende-se chitas escuras e claras a 160, 2G0 e
240 o covado, ditas francezas finas a 280, 320, 400
e 500 r. o covado, percales matisadas escoras a
500 rs. o covado, s se vende assim barato o Ara-
ra. S na loja e armazem do Arara, ra da Im-
peratriz n. 56.
Novidade no Arara.
AI goda" o a 30
No armazem de azendas
baratas de Santos Coelko
Ra 4 O*rinand a. if.
Vende-aa o seguiote :
Lencoes de bramante tle om t paaiw wlo ba-
rato prece de 3*200.
Ditos de panno de Hnho a 2*200 e 2*600.
Cobertas de chita da India a 2*400 e 2*800.
Lencos de cambraia brancos proprios para *ki-
beira a 2*000 e 2*200 a duza.
Ditos de cambraia de Hnho uno a 4*500 e 5* a
duzia.
Atoalbado de algodio branco a 2* a vara.
Bramante de linbo'fino com 10 palmos de laigo-
a 2*500 a vara.
Panno de linbo fino com 9 1|2 palmss de larga-
ra pelo barato preco de 2*400 a vara, -.
Bramante de linbo fino de urna largura, pelo h%-
ratissimo preco de 800 a vara.
Toalhas de linho acolcboadas para mos, a 13*
a dozta. .
Ditas felpudas a 13* e 15* a dezia.
Goardanapos de linho a 3*500 a duzia.
Planeta de todas as cores para coeiros, a 830 r..
o covado.
Tarlatana de cores a 800 rs. a vara.
Baldes de 35 arcos 3*500, de 40 a 4.
Cambraia de linbo flus a 4^500, 6*300 e O a
vara.
Cambraia para forro de veetido a 2*700 e 3* a
peca.
Pe$as de bretanha de rolo com 10 varas, a
3*500.
Peca de madapolo fino e largo a 7$.
Laazinha lisa de cores a 500 rs. o covado.
Peras de cambraia branca de salpicos com S
roela va jas a 4*500:
Coeiros de casemira bordados pelo baratsima
preco de 9*.
Estera da India propria para forro de sala de
4,5 e 6 palmos de largura.
Cambraias Snas de cores miudas a 560 rs. a vara
Neste armazem tambem se encontra om grande
sortimento de roopa.';.!-.- uor medida.
Algodo avarido
A pre^o de t cada peca.
N 27 Ra do Queimado N. 27.
Eseravos fgidos
No da 26 de abril prximo paseado, fugo da
engenbo Grvala em Agoa-Preta, o escravo Modes-
to, com os signaes segointes: idade 30 annos,
pardo claro, cabellos regular, cheio do corpo, lem
barba contendo apenas algons cabellos, detites
limados, ps regulares e um tanto largos; ir/tu
nma troncha contendo roupa: rogase portantoas
autoridades policiaes e capies de campo a ca; m-
Vende se peca de algodo encorpado a J, 49, ra do dito escravo, e leva-lo no referido eogenbo
e 6* a dita e 8* e 7*. Ra da Imperatriz lija do sen senhor Ignacio Ferreira de Mello Lssa, om
Arara n. 56. nesta praca ao Sr. Hanoel Antonio de Sanii.-f
Arara vende madapolo entestado a 3a00. Lessa, morador na roa do ondeco, e cem eacna-
Vende-se pecas de madapolo entestado a 3j?500, tono na roa do Appollo, qoe ser gratificado.
4* e 4*500 ditas de 24 jardas a 4*, 5*, 6*, b* e ,
10*, ra da Imperatriz lia do Arara n. 56.
Luvasde pellica pretas e ou
tras cores.
miudezas
Fugio do abano assigoado, no dia 27 de abril
proiimo passado. o seu escravo J> s, crioulo, idade
25 annos, cor bem preta, altura regular, bom cor-
po, sem barba, bocea regular, com falta de denles
na frente, nariz chato, macas om tanto altas, bota
Cbegaram para a loja de
Uoeimado n. 16.
C'OIares Royer om -colares anei-
4laoa .
para facilitar a denticao das crianzas e preserva-
las das coovuls3es.
O feliz resoltado obtidp immensas vezes pela
prodigiosa (orea magntica dos colares Royer,-dos
casos de eoavuises, e denticao das criancas, tem
altamente elevado o sea bem merecido prestigio,
e hoje j seipde dizer que estao ge ral mente con-
Fogos
de artificio
mi do le'no direito para dentro, ps e mos grandef,
tem algumas cicatrizes de chicle, e tambem dt
------bacalbo; o qoal fo escravo do Sr. Hanoel Pedro
\ de Jess, proprietario do engenbo Gua iba da fie-
guezia de Porto-Calvo: roga-se portanto as autori-
dades policiaes e aos capites de campo a captura
do dito escravo, e leva lo ao abaixo assignado oe
Farinha.
No armazem de Vicente Ferreira da Costa &
Filbo juntoaoareo da Cooceico, vndese supe-
rior farinha de mandioca ltimamente f|jf^itBto~6ra^aai Ag"oa"pr7t;*oo""nls"ia"praci
em saceos de tres a qoeires oa cinco arrobas de i0%T Manoel Anlonio de Sanliag0 Lcssa) morador
peso, pelo baratisslmo preco de 6* o sacco._____a rua do Mondego, e com escriptorio na roa do
No armazem de Jos Joaquim Lima Bairao, a Apollo, que ser gratificado.
para
il
Vendem-se ricos chales pretos de renda maftejeeittiados, e estimados "de raoameravels pais de
grandes cea qoalro portas, sendo oseis moder-j familias : de uns porque do oso desses salntares
nos por terem chegado pelo ultimo vapor francezJ colares viram salvos do perigo seus., charos Cl!i-
e vendem-se pelo baratiesimo precode 6*,7*-, nhos, e deoatres porque eolheram daqoelles to
8* : na loja -do Pavo, rua da Imperatriz n. 60, de proficuo eiemplo para Roalmeaie preservarlos
Gama & Stl-____________________________ i seos. Assim, pols, a agoia branca, tendo em vis-
tas a otllidade e proveitf desses prodigiosos coa-
descarogar algodo
9.00o a ierra
No Porte-do Hattos preaca-ae algodio n. 47,'de
Ha grande por^ao de fogos de artltoio na conhe-! Medeiros 4 G-, vende-se machinas americanas do
cida fabrica da viuva Rufino, o qual vendido por melhor systema qoe ha apparecido por serem
commodo ^reco, e como seja penoso ir l pela dis- moito maBeiras de 14,16,1 e 20 ierras, a 9* a
tancia, asz>essoas que quizerem fazer uis eocorn- -serra,
meadas para S. Joo e S. Pedro, as podem deixar
no armazem da bola amarella, no onao da secre-
taria da polica, onde havera' om portador para
ir buscar e levar ao lugar coovencionado.
Salitre refinado
i Vende se a dinheiro a7j|GO0 a arroba no eserip-
-torio de A.'J. Horeira Das rna da Croz n. 50.
CimSMAROUEZi
A loja Especanca na roa do Queimado n. 33 A,
receben estas cintas, que ama cousa indispensa-
vel a quatqner-senhora ; coasiste sua utilidade em
suspender a vontade a saia por meio de cordoes,
em cojas extremidades esto presos clcheles qoe
se prendera a gaardapisa do vestido : vende-se por
2*500 cada cima.-, d-se amostra com penhor.
res anodinos-oa Royer, maodou yir o"novo orli-! rtiTttm. iir fmr?rirn Ar ftiMT-ffSTm^n*''' *** ^a ^|Wftt/t W.
ment que agora receben, e continuara a recebe-
Vendem-se ps de frueta-ipo, abacate, sapo-
tas, pinheiras, vaia, condeca, flgoeira, larangeiras,
assim como roseiraa de diversas qoalidades, lan-
retos, etc. etc.: na roa da Soledade n. 72.
'
da-se sociedade a quera qneira : quem quizer fa-
jos para qoe em lempo algara a falta delles possa zer este mmm aSDBocIe para ser procurado.
ser fanesta aos pas de familia, os qoaes fiearaoi ------- K
certos de os achar constantemente a roa do Quei
atado, loja d'aguia branca o. 8.
Cevadinha de Franca
a IGG rs. a libra, e de 8 libras para cima a 126
rs.: no armazem da Liga, roa Nova n. 60.
i
FaKIMA.
Vende-se a 6*000 a sacca de 3 alqueires, na ar-
mazem da rua da Cadeia do Recife, confronte ao
arco da Conceico.
_____ Vende-se orna parte do engenbo Inbaman'
Na roa dac Aguas-verdee n. vende-se ama 'do termo de Igoarass : a tratar oa rua do Qnei-
escravamo^a com orna cria. nado, loja n. 44.
Vendem-se cortes de cambraia brancos com 4.
3 e 6 babados a 20* e 25*.
Fil de seda preto com flores a vara 1*.
Cambraias brancas de ama vara de largura -
a a 1*eCOrs.
Ricas laapadas e candieires a gaz por gresse
e'a reta iba
Linguas.
Cbegaram as muito superiores do Rio Grande do
Sel que se veedera por 120rs.: na roa da Cadeia
B.-S3. ;
roa da Crac n. 18 tem para vender mate em jaca-
zes, o melbor qoe de presente ha do mercado.
Vende-se om carro americaoo de qoatro
astelos, pozado por om cavallo, em b jm oso e
multo leve : na rna larga do Rosarlo, loja n. 32.
Atteneo.
Vende se orna parda de meia idade, de ptima
conduca, sem vicios nem achaques, sabe lavar,
engommar e cnziuhar com perfeico, na rua da
Imperatriz n. 28,1 andar._________
Vende-se urna escrava da Costa, de vinte e
tantos annos de idade, excedente quitaodeira e p-
tima cozinbelra, por preco commodo : no sobrado
em Santo Amaro, junto ao cemiterio inglez.
lia tu*
Vende-se urna escrava de 22 annos, de boni-
ta figura, oerfeita mucamba e com todas as habi-
lidades : a-tratar na roa da Praia o. 47, primeiro
andar.
Manoel de Baaros Franco Meti
~~:200$^e~grWfica$oh
Era 31 de ootobro do anno passado, fogfc a es-
crava Claodina, cabra alta e seca do corpo. qoe
perlenceo oltimamente aosIllms.Srs. Jos Joaqun
da Silva, Manoel Mauricio de Sena e D. Manaoz
Igoacia de Catro e Silva que a vendeo a Jos S-
lbeos Ferreira que pagar 200*000 a quem :be
entregar dita escrava na rua da Cadeia n. 62.
m
VISO
Fugio a 13 de abril do correte anno o escrava
Joao, representa ter 25 annos, cabra claro,' uiu
ponco balxo, grosso do corpo, ps e maos om ;-'.
co grossos, nariz afilado, rosto comprido, peuca
barba, cabellos caraplnnos e meios russo?, hom-
bros largos, com falta de alguns dente-, falta man-
so com algoma prosa, e diz que forre, presme-
se qoe este escravo tenha seguido para Garanbun
ou as proximidades deste logar por ter coohect-
dos; este escravo foi remettido de Garaobons pelo
Sr. Pedro Chaves, para ser vendido no Recife;
Vendem-se dous bonitos moleques de idade protesla-se conlra qnem o liver occolto: q'jem o
de'9 a 13 aooes, 2 bons escravos, 1 linda negrinha pegar e levar ao seo senhor Jos Pereira de Miran-
do Idade 14 asaos, 1 excellente mulata perita en- da Cunha, rua da imperatriz n. 15, 2a andar, .rece-
gommadeira : na travesea do Carino n. 1. ber 100* de gratificado.
Vende-se
Papis com estalos e amendoas confeitads para
sortes : na roa da Cruz n. 13.

os:
DOS PREMIOS DA
M
PARTE DA LOTERA CONCEDIDA POR LE PROVINCIAL N 605, A BENEFICIO*DAS FAMILIAS DOS VOLNTARWS DA PATRIA, EXTRAHIDA EM 21 DE MAIO DE 1866.

PREMS. NS. PREMS, NS. PREM6. NS. PREMS.iNS. PfiEMS. NS. PflfiMS. NS. PREMS. NS. PREMS.fNS. PREMS. NS. PREMS. NS. PREMS. NS. PREMS..NS.
6*2088
93
94
96
97
2111
13
14
18
19
27
30
32
41
44
48
Si
56
59
es
68
69
6*
10*
6*
10*
6*
10*
6*

- 71, 11. - J6LL..
3
10*
6*
- 13
I
95
96
97
99
10*2201
14
|
24
.?.;
30
34
43
54 ,
56
57
Ul
7*
.70
71
_
2275S
77
78
82
96
97
2300
4
7
11
1
13- e
17
23
30
31
32
34
35
36
40
47 '
6*
2469
71
72
80
85
87
90
95
97
2504
7
10
13
14
18
- 19
20
31
33
35
40
6*
20*
6*
2633
36
37
39
43
45
48
50
51
52
54
64
66
6*
10*
6*

20*
57
'61
66
8
71
4n
76
M
97
9"
2460
'J
13
14
34
wf
,31,
33
38 ...
41
42
45
50
59
40*
6*
10*
200*
6*
20*
6*
44
47
2
57
60
6
7
68
74
75
77
78
81 -
81
84 -
70
__ 81
__ 91
92
fmt 93
mamm 96 S
^^ -98 M
wm- 99
27W
11
17
19
12
29
. 38
51
1 M
i fffr.
_ 63
_- 81
88
10*
6*
20*
6*
I
85
v94
JO*
8890
8
3
4
6
40* *W -
6*
i
11
9i
26
28
29.
11
17
'm
23
M
29
38
2839
45
51
53
54
56
63
76
77
78
80
82
83
86
87
93
2905
6
7
8
19
20
14
29
34 '
35
42
46
48
69
71
74
84
85
96
3001
6 *
18
20
21
24
29
ta
"39
40
42
49
W
55
6
6*
3057
63
66
69
71
75
76
79
82
85
88
97
99
3101
6
8
9
17
18
22 -
31
84
41,
42
44
45
46
t 19
55
63 '
94 -
5
88-
73
T8
77
88
89-
95 '
3209
1
3 -
.15
21
36
28
34
37
39
10*
6*
100*
6*
40*
6*
6*3245
57
60
62
68
70
72
77
79
82
83
85
88
93
3302
3
19
36
37
38
39
40
^41
42
44
47
w
54;
" I
-I 56 |
-' 64
40* 65
6* 78
79
88
89
- 94
- 98,
-3408,
- >
*<;
28
38:
4t
55;
58
59
6*
10*
6*
20*
6*
> .;
3461
64
75
78
79
83
93
97
3508
10
12
18
20
25
36
34
55
63
71
83
94
3603
4
7
22 -
2o -
26
10*
6*
10*
6*
3757
62
67
79
88
93
96
3803
5
6
17
23
25
26
27
38
43
48
55
56
66
69
75
84
88
PREMS.
6*
30*
6*
43
o -
51
61
63
65
80
83
87 ..
97
-37Q1
3901
2
7
11
- 18
S
27
28
40
46
1*
10*
6*
100*,
6*
10|
6*
9
16
28
30
36
38
41
10*
6*
20*
6
10*
6*
Do
69
74
75
"77
85
86
90

i

i
-



I

.






.
*'
I


Mari* c rcrmamhmee tresna lelra ta ate Salo ele 1866.
r
~t
C:

LITTERTURA.
nos]
A CIIXTT.* DO URO.
Leuda hespaafcola.
resplandeca ios rales do sol; elUs castao em no cmalo da fellcidade, toma seu fllho
coro santos benditos em loo vor de Maris, mai d o' go?, depoig cabe de joelhos para agradecer a
sal vsdor. Pettrilta eemprebeodeu que esse da Saotissima todos o bens qne ella Ihe
era o da festa da Virgem, e immediataraente ajoe- ta vet ia esqoecsr-se da tirar q ouro que
Ihon-se e fez orna sopplica fervorosa cuj acceu-' dame de l; m'aU iaimediatamente este
tos snbiram at o o : por si mesmo e parece convida-la- a recolb
Mi de Dos, diiia ella, tende pedade de unja' Ellatpsnha orna qnaotidade snfflcieote.
oaro;
No lempo eca que os dm res Fernando o Ca- - -'---- r""T0 prndentomodersgao, e o leva parasuactaog
tilico e Isabel r siavara Granada, om intrpido [ __. ^^
sollado, de oome Pedro, lendo sempre se distin
guido as primelras leiras do exercito hespanbol
caha crvado de golpes no campo de honra, pa
gando dest'arte a divida sagrada que lodo o ho-
rnera contrahe para com sua patria, embora lenha
ella sido ingrata, anda mesmo a seus mais bravos
defensores: o qoe viu-se multas veres na antigui-
uade, o qne poaeo freqoeotemente se v hoje, e.
digamo-lo em bonra de nosso paiz, o qae nao se
d mais em Franca, gragas a um soberano to
jhmo qaanlo generoso.
Teudo partido simples soldado, sem oatros bens
qu sua bravura, Psdro deixava urna mulber e
um filbo de quera era o nico arrimo ; porque,
autes de ser cbamado para a guerra, laborioso,
activo, lnbtigavel, elle cullivava com extremo ar-
dor a ierra qne nanea paga mal aquellos que tra-
baloam.
A faUl noticia da norte de Pedro muilo cedo
cliegoa infeliz Pedrilla que babitava, perto de
Sevilha, nm valle solitario, onde sobre a fralda de
um monte escarpado, se elevava sua deforme ca-
bana, nico bem que lbe restava com um filbo
que ella inda amamealava, e qae era a viva ima-
gen} de Pedro. Orpha desde seas mais tenros
anuos, Pedrilla s amava a vida por causa de sea
filbo.
< Meu Deas, exclamou ella eolio, lende peda-
de da pobre mi, mas principalmente de seu Altai-
uno. Pedro foi morto em defesa de seu paiz e de
'"nos-a santa religio; vos o qnlzestes, grande
Deas: no murmuro dos vossos decretos : a mea
Pedro meas gemidos e minbas lagrimas; a mea
filbo toda minba ternura, toda minba dedicagao :
servir-lhe-bei de pai qne elle nao conhecen.
Assim fallava Pedrilla, com o'corago soliocado
de selagos: olbava para seu Qlbo qae lbe esleadla,
sorrindo, seas bracinhos, e este olbar reanimava
um pouco sna coragem : ella propria, apesar de
suas lagrimas, sorna-se tambem para esse filbo
querido, qae apertava com forga contra sea seio
maternal, o mais seguro asylo para elle.
Mas, posto qae toda entregue aos deveres da
materoidade, Pedrilla senta ao redor de si um
vacuo terrivel; Pedro nao estava all, Pedro, qae
a amava tanto, qae ella tambem tanto amava, e
qae nao tinba mais a esperaaga de tornar a ver.
< Caro esposo, dizia ella, nao pude nem dar-te o
beijo de despedida, nem fecbar-te as palpebras,
nem fazer-te os ltimos deveres I
Ella era joven, bella; mas a dr ia embaciar
sna juvenlade e seas encantos: esta rosa da ma-
drugada perda sea brilho antes qae o sol naces-
so. Seos grandes olhos zoes viviam continua-
mente inundados de lagrimas ; seas bellos cabel-
los pretos fiaetoavam merc das aura*, sem qae
procarasse pentea-los coquetlenunte: a quem
agradara ella ? Pedro nao poda mais v-la.
Cbegoa o invern, e, anda que elle nao seja ri-
goroso na Andalusa, eonsumiu os poneos recur-
sos e provsoes que patera de reserva a prudente
previdencia e a estrela economa da vigilante ca,
que caidava muito mais de seu filho do qoe de si.
A miseria, a cruel miseria chegava implacavel e
terrivel. < Ab I etclamava a pobre Pednl a, an-
da alguns legumes, este pouco de tractos seceos e
trigo ; depois, mais nada 1 mais nada I Esta idea
horrivel: ser preciso que en veja morrer meu
lilbo, e nao tenho mais nenhum meio de o salvar 1
O' meu Deas, tirai-me a vida, mas conserva a de
meu filbo, deste innocente que deve acbar perdaj
prante vossa misericordia.
Suas desgragas linham de ebegar a sea zenilb ;
esgolada de fadiga, de trabalbo e torturas moraes,
ella cabio victima da febre, do delirio; durante a
noi'.e, dir-se-hia que estava louca : mas emfim o
amor materno lbe restitua um poaco de forg e
de coragem. Ao amanbecer, ella fitou os olhos em
seu filbo qae, em sea bergo, repousava pacifico e
como estranbo a todos os males qae o cercavam.
Um raio de alegra brilhou nos olhos da mi, e
urna voz secreta pareceu lbe dlzer: elle nao pere-
cer.
O invern tinba desapparecido, e a primavera,
lo aprazivel e to linda neste aprazivel e lindo
paiz, voliava com sea festival cortejo de passaros,
saudando, com seus melodiosos trinados, o des-
pertar da natnreza; as arvores se cobriam de no-
vas folbas, o valle se ornava de verdura e flores:
iodo finalmente respirava felicidade e alegra.
Perto da cabana de Pedrilla ha va urna enorme
cordilbeira de roebedos onde, de vez em qoando,
davam-se diversas appariges. Quem nao viu Se-
vilha nao vm maravttha, diz o proverbio bespa-
nbol; os arrebaldes desia maravillosa cidade nao
sao menos cariosos; o lugar em qae nos collcca
esta uarracao era ento um dos mais ptloresco*
Alravs dus penbascos amontoados, oaviam-se al-
gumas vezes eslrondos espantosos, assobiadelas
terriveis; mas habituada a este fracasso da mon-
uua, Pedrilla nao lbe dava attengao, aim de
qae, mulber do bravo Pedro, ella nao conbecia o
raedo; emfim sua consiiencia eslava tranquilla ;
ella tinba sido boa esposa, era excellente mai: qae
poda temer ?
Um da qoe os raios do sol tinham dissipado as
nveos qoe envolviam a montanba, Pedrilla veio,
com sea lho, descangar ao p de um immenso
rochedo que bordava sua choupana. Era meio
da. Triste e exttica ella pensava no seo presen;
te, no sea futuro, e na serte qae esperava seo fi
)bo, qoando de sbito foi despertada de soa dis-
traegao pela vista de urna tuultido de mulheres
qoe iara igreja mais visinba, cojo campanario
de ; em poucos das, nao terel mais pi a dar a
meu filbo : santa virgem, salvaio' da fome e da
mor te ; tirai-me a vida, se este sacrificio neces-
sario, mas qoe meo filho viva para vos dirigir
sopplicas, vos adorar; o pobre pequeo breve-
mente nao ter por mi seno a vos. >
Ella tinlia tido o cuidado de collocar seo fllho
diaote de si e de por as mos deste anjinbo sobre
seus peilos; para que elle assim se associasse em
metade soa orago.
Qnaodo acaboa, voltando-se para elle : Caro
filbo, lbe disse ella, ioondando-o de lagrimas e
cobrindo-o de beijos, boje mesmo qne se paien-
team todas as riquezas da Grulla do.ouro. Quan-
tas vezes ouvi dizer a teu pai que bavia, debaixo
deste rochedo, om tbesooro oexgotavel I Ah I se
eu podesse descobri lo e delle tirar to smente o
qae fosse bastante para assegurar-te pao para to-
da a vida I
o depe com o tbesooro mais 'precioso. q
restituido. Apeos tinba transposto o 11
habiisgo, que v Pedro logar-se para
em seos bragds. Quem poderia exprimir
licidade e sna alegra? so urna esposa,-!
mi.
AfonsTE Duaois.
. (Trd. de A. de Meniowa.)
Entretanto os fiis, de volta da procisso, para-
ran) a pona da igreja. O veneravel sacerdote, es-
tendendo sobre elies as mos,lbesbotava urna ultima
bengo ; tocaram todos os sinos: era o momento
do mllagre. A montanha dea ura espantoso es-
trondo, as arvores se agitaram como em ama vio-
lenta tempestado, os passaros fizeram oovir lamen-
osos trinados, a fonte que corra ao lado paroa, e
o rochedo abriado-se um poaco deixoa ver ama
gruta espagosa onde o ouro brilbava de (odas as
partes. O voto de Pedrilba acabava de cum-
prir-se.
Immediatamente ella langa-se na grata, depe
sea filbo sobre am monlo de oaro, e ao passo que
o Innocente se entretem com essas riquezas que
nao sao para elle seno brioqoedes, ella eoche sea
aveotal de pegas de oaro qae vivamente leva para
soa cabana. Alguns instantes lbe bastaram para
Isto: eoiretaolo, qaaodo volta para tomar nova
carga de oaro, os sinos tinham cessado de tocar,
as arvores nao se agitavam mais com sinistros es-
tremec mentos, os passaros deixavam onvir seas
mais harmoniosos coacertos, e a agua da tote
mormurava agradavelmente sobre seo leito de sei-
xos. Pedrilla dirige-se ao rochedo para tornar a
tomar sea filho qae deixoo na grata: mas, ob des-
graga fooesta I o rochedo se fechara sobre a
criaoga.
Quem, ento, poderia pintar o desespero desta
mi infeliz! Ella torca os bragos, srrancava os
cabellos, roUva por cima de espinbos chamando
por seu Qlbo com dor pungeute. Ah I elle nao
ova mais sua mal: deva pois jamis tornar a
v-la ? Quando o proprio excesso da dor restituio
a Pedrilla um pouco de calma e de saogue trio,
ella se approximoa da rocha esperando aiada v-la
abrir-se de novo, e qae poderia tornar a apanhar
seu filbo, seu nico bem, soa vida :
Pagina do qulnze auno*.
Urna tarde cbovia bastante.
"O fumo do caf e dos nossos charutos sobiam
em novellos por* toda a altara do nosso quarto.
Qae cynismo! exclame! eu.
Que tedio t acompanhou-me Scipio. .
Assim, accresceotel eu, passamos nos, ama
vida borrivelmente cyniea, sempre encorralados
nesta maldita mansarda, envelheceodo como livros
de cascabolhos, e sendo obrigados a estudar as
malditas apostilbas, at qoe a Sra. chava nos d
licenga para sabrmos a roa.
Qoe vida, Scipio, qoe vida I
a acbas m? me pergootoo elle.
Orase.... Qoaado for eleito depotado, be
de apresentar o projecto do ensioo livre.
Ab Jos, esta vida para mim boje tio agra-
davel f respondea-me Scipio. Nao sei se por
qae ji estoa gasto para os prazeres; nao sei se sao
recordagoes dos meas 15 anaos ; seja o qoe for, o
caso qae encontr delicias neste cynismo..,.
* Bsm proveito te faga.
Como s crianga Jos : nao procores olbar
sempre a vida pelo prisma lapidado da felicidade:
elle aprsenla as cores do Iris, em qoanto o sol da
bonanga radiante ; mas qaaodo o sol offascado
pela novem da desgraca, o prisma reflecte as cores
negras dessa nnvem, qae se vo directamente im-
primir na nossa alma.
Bravos 1 estas potico.
Tu qae fallas assim, Jos, talvez qoe anda
nao tenhas soifridOo
Por certo qae oo.
E's feliz, mea amigo.
E tu j soffreste, Scipio T
Mallo, j soffr muito, soffro muito, sofTrerei
muito,e nio sel qoando esse soffrimento, esse sup-
plicio de Prometheo, ter flm.
To moco?.....
E' verdade, mea amigo, to mogo; mas o
qoe importa qae e corpo teoba brilbo, qnando a
Nells todo illusio, todo phantasia, todo Soa familia compunha-se delle, soa molber, ama
" ilismo, todo innocencia. lba e Ws fitOos. ff
Jatelba qoe cabe do frondio gamelleiro tea se > Nos prmeros ,-,. Jhae8Uda, --i sern-
a para fizer om barqoinho ; da flor qne co- pre tri9te D1,m 9 0V{9l^e 445 flores do jardim,
tem-seobjecta para ama festa -, do passa- iMmo ran,areMr;a k^ ^ foibas te man-
qos canta, objecto para om eotretimento. Na ^^ ma Q ^^ nlu aQy ,aBjJie8 me
bra da larangeirs, Imaginamos om palacio; j||?iavanj as ^Tes
correr do rio, urna orchestra; no -toar da.no-1
m am* divindade -, no tocar do stno orna pfece I ^^ P eus; nao a esse Deas qae a idade da razao nos wnheciosato qoe fp, tomando com algoas colle-
eomprehender; mas a esse Deus dos meninos, *as no esluao e P9^0 n>s roa8.de Pn>ba-
isepaldeboodade.quegoarda as suas lyrai eo, me foram apagando as- dorldas sandades da
prata, para os lonros anjinhos da sua corte ce- .Ci9a de men8 Dils-
iste, a esse Deus de qaem falla o menino de La- "Foivvendo am pouco melhor ; mas sempre
rtine no seu : ; abatido, e com um mixto de tristeza que se retra-
Dieuque adore mompere. Uva na pallidez da meu rosto.
Feliz pois, de qaem nessa idade passa melhor A proporgao qae os das se passavam, e qae eu
vida-; por qoe oo tem que lamentar depois o tem- via a filha do amigo de meo pai, senta renascer a
vida, e apparecer-me o esquecimento dejeasa.
Essa menina, cbamava-se -Vacila.
Imagina, o qae ha de mais bello, de mais perfei-
to e de mais Ideal e lado bavia nella.
Tinba quasi qoe a minba Idade; tinba 15 an-
po de ouro, de illasdes e de fellcidade em que vi-
ven.
Passei a minba meninice toda junto a meas pas.
Nesse tempo indo para mim erara prazeres ; ludo
era felicidade. Depois de minbas horas de estados,
vinbam as horas do brioqoedo ; depois das horas
do brioqoedo vinham ta horas de descango : ento
minba boa mi, eusinava-me a rezar a Ave grada
plena, e eu adormeca cercado dos sonhos mais fei-
ticeiros.
Foi crescendo : cbegoa o tempo de ama educa-
co seria, e meo pai coidoo nella com todas as
soas torgas. Meo mestre de lallm, era om velbo
respeitavel; rgido como mestre, e alfavel como
amigo.
Com os annos fui fazendo progressos nos meas
estndos, e no corto espago de qnatro annos, ja' en
sabia bem a liogoa latina, francesa e ngleza : sa-
bia bem geograpbia e om pouca de geometra. No
latim, Virgilio era o mea predilecto, Horacio e mea
sympathico. Gostava do Tito Livio e do Cicero, an-
tipata v* ao Saluslio e ao Tcito. No francex,
principie! a traduzir o Telemaco, e fiqoei lanatico
pelo Fenelom : La Fontaine, me parela am sabio-'
mas os seos escriptos os de om vnageiro, nio gos-
tava das suas fbulas ; porque nellas ludo era so-
bre natural. Acbei rnde a lingoa iogleza, aborrec
mortalmente o Goldsmitb, e a soa historia roma-
na, gostei das estagoes de Tbompsoo, despresei a
cbrestooatla de Sadler, e tornei-me- amigo do Myl-
tom. Deletei-me com a geograpbia, antipatice! com
a geomeiria, nonca nasci para tragar rectas e
corvas.
Minba boa mi, qoeria destinar-me para o esta-
do clerical; mas mea pal, compreheodeo-me me-
lhor. Vio qae em miaba frontd radiante de moci-
dade, bavia alguma cousa de vida, qoe nao eslava
destinada a ser mora no cubculo de om semina-
rio. Conbeceu qae mea peilo entumecido pela vida
da innocencia, bavia de guardar em si algoma cou-
sa, que nao devia ser amortalbada por orna ba-
tina.
Eu ja' nao era ama creanga, era mais do que
om menino ; era om adolescente. Meo pai, proco-
alma s tem vebice ; como sabes o habito de sof-1 roa \Qg0 e |0g0 os meos e garantir a minba feli-
frer enfraqaece a alma e foriiflca o organismo : ' Cfdade, e de accordo com minba mi e meas pa-
o que vs em mim. Por fra om homem de fogo remeS> delerminoo-se mandar-me estndar direito,
por dentro um homem de glo ; nos labios o sorri- aqU, no Reclfe.
antissima Virgem, disse ella, com voz triste
e lastimosa, perdoai-me se tenho sido culpada to-
mando esse ouro qae anda mais detesto boje do
que oo o tenho a principio coblgado : vos ledes
em meu coragao, e sabis que nao por mim qae
o desejei am s instante: por mea filbo anico
qae eu quiz salvar da fome e da miseria. Se an-
da me resta algom direiio a vossa bondade, a vos-
sa indulgencia, tornai a receber, tornai a receber
essas riquezas, mas restitu-me mea filbo. Qae
ea o torne a ver, qoe o abrace anda I Perd indo,
Sanlissima Virgem: meo marido nao existe mais,
meo filbo me foi roobado: estoa s, abandonada,
s me falta morrer : ea vos rogo a morte, a mor te
ou mea filbo.
Acabando estas palavras, ella cahe por trra, es-
gotada, offegante, fra de sL Um somno brando e
bemfaiejo vem repentinamente acalmar seas seo
lidos; um sooho a recondaz a seus bellos das pas
sados e parece lbe prometter um mais aprazivel e
nsonbo futuro. Pobre mulher I ella liaba soffrldo
tanto ; o co, sempre justo, se compadeca delta.
Emfim despena, e, vendo-se de novo s, compre
bende que sonboa cem a felicidade, mas qae esta
desapparecea com o sooho, caja chimara embalava
lo deliciosamente sua alma. Ella langa para to-
dos os lados um olbar doloroso e inquieto: ob pro-
digio I o rochedo est de novo aberto, e de novo, e
ouro briiba aos olhos de Pedrilla. A este aspecto,
ella resente em todos os seas raembros um tremor
convulsivo, sua dor renasce mais pungente e mais
viva.
Meo filbo, meu charo filbo, aonde ests t,
exclama ella I E t, tus anico que s meu thesoa-
ro : nada de todas riquezas. Que eu as perca
pura sempre, e qoe torne a acbar meu filho : serei
a mais feliz das mais.
so da dognra, no corago pheses de abysaintbo.
Nao te comprehendo, ests to metaphysico, ex-
plica-te, Scipio.
Josl
O que queres ?
E's mea amigo f
Palavra de honra que o sou tanto, que por
ten respeiio brigaria com o mais furioso dos bedeis
da nossa academia, moito embora elle para vin-
gar se, me casasse na maldita caderneta, 40 impla-
cavis faltas.
Neste caso s capaz de guardar om ssgredo,
Jos?
Experimenla-o, e veris.
Ento ouve, quero recitar-te um poema.
Em prosa ou em verso ?
Nem prosa oem em verso.
Como dabo eoto se eotende isto I
Moito bem; por que escripto com esperan-
gas, desengaos, lagrimas, maldade se desespero.
Bsm, bem ; mas agora que me lembro, o
nosso caf esfra, a chova aogmenu e o vento ge-
la-me.
Tem paciencia, deixa-me ao menos tomar o
A principio, anda oo discernindo peritamen-
te a verdade da illuso, ea tomava essa viagem,
como ama viagem de recreio, na qaal esperava
ser acompanbado por meas pas, e allegrava-me,
ailegrava-me muito ; mas quando chegou a hora
da partida, e qu en vi a triste re&Hdade apresen-
tar-se-me, trazendo na sna fronte, escripto em let-
tras de fogo, a triste palavra, s*para$ao, oh ento
como bem diz, A. de Azevedo:
Mea corago Iludido
O seno e nao sonboa :
E seotio qae se perda
-Tama dr que oo sabia...
Cborei, cborei moito. O universo parecia-me am
diserto, o ar matava-me, o vapor em qoe segu, era
am tmala Se oavia fallar ficava incommodado,
se oavia gritar trema, o susurro do mar, pareca-
me o canto de om memento, oada me consolava.
A lembranga de casa, eslava no meo pensamen-
t : Se olbava para nm lado parecia-me ver, mi-
nba boa mi banbada em lagrimas dar-rae o ulti-
mo beijo da despedida, se olbava para o outro, eu
via o rosto varonil e magestoso de men' pai, con-
leudo a costo orna lagrima, qae a tarto lbe vinba
nos.
Era alva como o eolio de um cysne; tinba os
olhos negros e scnllllantes como as nossas estrel-
las das noiies de dezembro; cabellos negros como
filas de bano; labios nacarados como um eravo
de Hespanha; faces qae fariam a mais rubicunda
rosa descorar emflm era ama dessas madooas
idealisadas por Corregi ou Rapbael de Urbino, ou
ama dessas ioveoges de Phidias. Sen andar era
magestoso como o de nma rainba, e o seu porte
altivo como o de urna saltana.
Medroso anda nesta idade qae media entre os
restos da Innocencia, e a razo esclarecida, ea a
evilava, por m quando nio a via, senta que algu-
ma cousa me fallava.
Inveneivelmeme estabeleceu-se entre mim e ella
urna especie de corrente elctrica, e cbegoa ella
um ponto tal, qoe muias vezes na mesa, esquecia-
mo-nos um do outro e novamos em muda con-
templago, at que ea era iiterrompido pelo pa
ou mi, que sorrindo me dlziain:
Ento, o qoe tem, que nao come t
Corrido de vergonha, vermelbo al a raz dos ca-
bellos ea tralava de comer algoma cousa; porm
era debalde.
As seosages que soffri qoando sabi da casa #e
meos pas, a mudanga do clima, e as fadigaa do
estudo profundo que en fazia por causa de cloc
exames. Trouxeram-me ama febre iguda, qoe me
prostou por espago de olto das. Dorante esse lem-
po, de que cuidados e carinos qae Nacua me nio
cercoo. Um dia quando ea alada convalescia, ella
pergunlou-me se anda solria, e suas palavras fo-
ram para mim um balsamo consolador.
A principio, senil por ella, o qne pode sentir nm
irmao por urna irma; mas depois esse sentimen-
lo tornoa se rente, immenso e incomprebeasivel.
Procurei observar' os phenomenos desse sentimeo-
to, e tive medo: coobecl que amava-a. Esse amor
foi crescendo, crescendo, e ea maltas vezes recitt-
va baixnbo, e com medo que alguem ouvisse, es-
tes versos, de C. de Abren, intitulados: Cantos de
Amor.
Eu via e minba alma antes de v-la
Sonbara-a linda como agora a vi;
Nos poros olhos e na face bella
Dos meas sonhos a virgem conheci.
,-------------------------.__________
Estas pialaras foram clarificadas como sendo
sun ptturtt, Isto , obtldas pela acgo do sol. Ora,
BouHeo orna em 1809, e Watt em 1819, a
passo que a primeira Invengao de Dagnerra s data
de 1839.
Portauso, se se poder provar qoe estas pintaras
sao effecvamente un pirtures, resoltara' d'ab1
qae a iovengio da photograpbia pertence a' logia-
trra. .
Varios boraens sclentiticos ingleses declararam
que o metbodo seguido por Boolton e Watt Ibes
era desconbecido ; mas eslo ledos concordes em
dlzerem qne o sol tinba sido empregado com0
agente directo.
E as provas sao estas :
Doas destas pintoras sao doas copias de am
qaadro de West; estas copias sao absolutamente
idnticas, e isto a um grao tal. qoe se torna evi.
dente qne nao foram feilas mi.
Exlstem alm disso as facturas de legistas de
Birmingham, onde se achavam domiciliados Boal-
toa e Watt; estas facturas demonstram qae estas
copias eram vendidas em tamanba qnanlidade e tac
baratas, qoe nem a mo de obra se pagarla por tio
diminuto prego.
Veremos se os Ingleses serio capazes de conse-
galr um resultado positivo.
A cidade de S. Francisco da California, qne era
apenas urna aldea em 1818, antes da deseoberU
das minas de ooro, conta boje 120,000 habitantes.
Em 1860, nio bavia em S. Francisco seno 56,000
habitantes.
Assim, a popnlago dnplicoa em claco anaos.
O jornal Les Mondes anuencia qne o Sr. Angas
Smilb, encarregado das experiencias da desinfecca0
e dos desinfectantes ordenadas pela commissao in.
cambida de combater a epizootia, classificoo pela
ordem segninte, depois de repetidos ensaios, as
substancias desinfectantes : chloro, acido eblorhy-
drico, acido sulfuroso, acido phenico e acido cresy-
Hco.

O principe Amadeo de Saboya, irmao de S. M. a
rainba a Sra. D. Mara Pia, foi laucado fra de um
carro detcoberto, em qae passeava.
Felizmente a queda s Ihe occasiooou ligeiras
contusoes.
Houte ltimamente om grande Incendio em Nova
York.
Alada qae nao baja promenores dos estragos que
causn, caicola-se desde ja o seo valor em mil
^ntos.
Era a mesas expresso, o mesmo rosto,
Os mesmos olhos s nadando em luz,
E aos doces longes, como d'urn desgosto
Toldando a fronte qoe Je amor aedaz.
Assim passaram-se quasi uns oito dias depois
da minba convalescenga; e ea cada vez era mais
estimado, e mais querido por lodos de casa,
principalmente por Nacua.
J. C LlSAR.
fContmuar-se-haJ
Em Lyon (Franca) bou ve nltimamente nma apos'
ta estpida, que teve terriveis conseqoenclas.
Um homem apostou com alguns amigos qae be'
beria sem tomar folego, om litro de agurdente.
A aposta foi acceita.
O desgranado beben o litro de agurdente, mas
bem depressa foi accommettido primeiro de om tre"
mor nervoso, e depois de om fro mortal, que o tez
cadver passados algoas minnlos.
O algarismo dos animaes ferozes morios a* In-
dia ingleza, elevoo-se dorante o 1 semestre de
186S, de 1,553, a saber : 350 tigres ; 516 leo-
pardos ; 293 orsos 99 lobos e 286 hyenas.
Estas destruiedes coslaram ao govemo em pre
mos repartidos enlre os seus aniara. 2:3*6 so-
beranos.

men caf, metter-me debaixo do cobertor, e entio os olhos, desejar-me milhoes de felicidades, e de
allaslar-se do prtalo do vapor, com desespeiro, el'
com o corago quebrado de dr.
ua.se sonhei; estou que oo ; porque quando a % nao |Qe esa um instante de reponso.
alma e corpo soffrem jumamente, cansara e ficaol T^^ aborrecd0)^ ^ mm jflm de se des.
Approxima-te, lbe disse ento ama voz suave
e terna, approxima-ie e v.
Ella entra mais pela gruta : que alegra I nao
ousa crer em seas olhos: sea filbo qae v, seu
filbo tranquilamente adormecido, robusto, rosado
e galante. Junto delle est um anjo Cuide de tea filho, durante a loa ausencia,
ibe.disse elle: a Santa Virgem me envin para diser-
te qoe est completo o lempo de toas provas; tea
filbo te restituido: agora podes sem temor met-
ter a mo oestes montes de ooro e levar com qoe
assegurar para sempre leo bem-estar e o de leu fi-
lbo. Td vas sabir delta grata qae nao se abrir
mais de boje em dlanle: ama felicidade nspera
da te aguarda no mesmo instante em qoe entrares
na toa modesta cabana; Pedro oo foi morto; so-
brevlveo a' suas numerosas feridas, e a mi de
Deas as coroo, porque tens sido o modelo das es-
posas e das mus. Adeus: s feliz como o me-
reces.
A estas palavras o aojo desappareee. Pedrilla,
estarel prompto para a toa historia.
Prompto, estou as toas ordens.
A proposito, qae titulo tem o tea poema, Sei
piao. |. _
Um titulo simples, Jos.
Mas qaal esse titulo ?
E's carioso, como ama muwr, Jos. U que
te importa o titulo?
Ora esta boa. Importa-me tanto, como me
Importa ver boje urna menina sem ballao.
Pols bem, ouve. O litlo do meu poema, meu
amigo, s ta, ta smente, " sabers; escatao,
este :
Nacua
I
Scipio eomegou assim:
Como sao doces as recurdagoes dessa idade feliz,
na qaal vivemos cobertos pela sombra das azas de
de nossos pais no lar paterno^ sem qae o coracao
se uos estortegae ao pelto, opprlmido pelos dissa-
bores, pelas traigoes e pelo desengao, Nessa ida-
de, o mundo am idealismo, a vida om poema,
e o futuro um brlnqaedo.
No ciclar da brisa, no cborar da tote, no solu
gar do mar, no romper do dia, no correr do rejato,
no abrir da rosa, no cantar da rola, no por do sol
e no sabir da la ; em tudo acba-ss poesa em lu-
do acha-se fellcidade.
Nessa Idade, a amisade urna verdade, o amigo
um sacramento, as palavras bymnos e os apertos
Cansado pelo sotrimeoto dorm, nao me recor-
_ POUCO DI Tl'DO.
O Inglez John Hippesiey am excntrico mem-
bro do Bee-Sleak-Club.
ste homem uo tem seno nma patxo, mas
esta paixo domina-o^ a de ir visitar os criminosos
prisoes e arrancar-Ibes a confisso dos seas
crlmes.
Qoando Patch assassiaou Bllgb, de Deptford, en-
cerrou-se n'um malismo absoluto.
Niaguem Ihe pode fazer descerrar os denles.
Sir John, cheio de esperanga, visita qootidiaoa-
mente Patch na prisao,|persegue-o com pergunlas
FOLHETIM
TRISTEZAS A BEIRA-MAR
POR
M PINHEIRO CHAGAS
x"
(Continnago.)
Nesse momento bavia o bote de Leonor trans-
posto as terriveis portas para alm das qoaes do-
minava completamente desassombrada a tempesta-
de. Ja' lhu ficava longe a praia os roebedos, co-
bertos coca a sua morlalba-de espuma, alvejavam
sinistros ;i dois passos do barqoinho. Ao largo os
cribos aao viam seuo tre vas e coofosio, nao se oa-
via senao clamores horrendos, fanebres vozes. Os
mirinbeiios descoravam. Jorge, inquieto, approxi-
man-se de Leonor para a proteger, se atcessario
fosse, mns ella, toda inflammada no sanio zelo da
caridade, nada via do que se passava em torno de
si tinba s os olhos cravados no barco dos pes-
cadores, -fjoe faziam eslbrgos sobre-bumanos para
se aproximarem de qaem os vioha salvar.
Osgrilosde indicagao, qae ellas iavam, per-
diam-s ao meio do baralbo immenso das ondas e
do temporal. Leonor voltou-se com as faces affo.
gueadas para os soos dois remeiros e bradou-
Ibes:
Animo I animo I Um esforgo mais e salva-
mo-los
Ai minba boa menina, responden ora delles,
tratar agora de nos salvarmos a nos t Nio v
aquellas malditas rochas, qoe parece mesmo que
noesto abrindo os bragos para nos arrebenta-
rem ? Sabe Deus o qoe nos costa segramos o
bote para nao irmos la' esbarrar, e se andamos pa'
ra H 6, nao ba forgas humanas qoe nos salvem
incapazes de obrar.
Leve dois das no mar, no fim dos qoaes eslava
em om mundo novo ; eslava aqoi em Pernam-
buco.
U
Vira recommendado a am amigo de mea pai, em
cuja casa fui morar ; e por mais bondade e ac-
Ibimento qae nella encouirasse, nunca a sandosa
lembranga da minba familia, da minba casa, da
minba cidade com o sen co to azul, soa relva to
verde, seu sol to brllhante, sua loa lo doorada,
suas estrellas tio scintillantes, seas edificios lio
magestosos, suas casas to alvas e to bem alinba
das me sabiam do pensamento. Urna lembranga en
to nao me deixava: era a lembranga do meo si-
tio, com o sea mar to calmo, soa praia lo alva,
suas maltas to melancbolicas, seus sabias tosau-
dosos, soas flores to perfumadas e sea rio to
chrisialino. Ento s desejava estar s, para cho-
rar, e
Sabein as noites do co
E as las brancas sem veo
As lagrimas qoe cborei
de mo sao verdadeiras prisoes da alma.
como diz, o poeta Humiuen.se.
O amigo de meu pai, mora va em um arrabalde;
em urna boa casa ; em formoso sitio, com am bo-
nito Jardim, cercado de mangueiras e larangeiras.
"embaracar do importuno, qae Ihe fara' as confissoes
que desejar s no cadafalso, antes nao.
Sir John espera o dia da exeengo com a maior
impaciencia.
Chegado o momento do sopplieio, sobe ao cada-
Ka'tre a mullido dos curiosos havia urna veiha,
que vendo-o, julgou que era o proprio Patch.
Ella nao pode assislir al ao fim*do sopplieio e
fugio para bem lnge.
No dia seguinte sir John atravessava Cbeapside,
qaaodo encontrn a velha.
Esta d am grito de espanto.
E' Patch I Patch.! exclama ella. Jolgae
que estava entercado... Qae Deus nos acuda !
E desmama.
Esta aventara fez cabir sir Jobo Hippesiey em
lio grande ridiculo, qoe desde essa poca uo tor-
ooo a por os ps no Beef-Steak-Clnb.
------- i I - --------^
Se dermos crdito a um Jornal inglez, a Ingla-
terra esta" em vesperas de tirar a' Franca a gloria
de ter descoberlo a machina do dagnerreotypo.
Em 1863, atfaram-se enlre varios objectos per-,
tencentes a Boullon e a Watt tres pinturas, que boje
pertencem a Mr. Smilb, do Patent M*tevm.
=
Recebemos as segnlntes linbas da ra H......
c Sendo urna preciosidade a moga a quem foi
o Aereada pede ao... se digne de inser-la na
8.* pagina com o Ululo em frente.
i A obsequiada agradecer cordealmente este
favor ao...
A BXMA. SRA. D. S.
(Poeta incgnito.)
Como bello qoando alta a noite,
Qoando o mando tranquillo repoosa;
E os homens con servara-se quietos
Como aquello que jaz sob a lousa. ;
Quando a loa se occolta no ocano
E as estrellas se vo desmaiaodo,
E o mocho perdido no espago
Deixa onvir seo piado voando.
Como doce em silencio inmerso
Ir uos bragos da amante qoe vella
Saffocar nossos ais e suspiros
E depr nossa vida aos ps de I la !...
Como doce estrelta-las nos bragos I
E ajuntar-lbe as mos de selim t
Abafar-lbe nm sospiro com um beijo
Sobre os labios di cor de carmlm I
E' mais doce qoe em tarde de eslo
Ver a loa sorgiodo do mar
Ver dos olbos quebrados de amor
Um volver vagaroso assomar I...
E' mais doce qae a flauta saudosa
A soar brandamenie ao loar
Suas pbrases trincadas e ternas
tromeltendo constancia em amar
Que o gemido da rola do bosque
Em adens ao dia j~flndo, .
Sea sospiro mais. terno, mais brando
Ao beijar-lhe o seio to lindoII...
sarem seno na sna sal vacio, delxaram-nos ficar
desmatados no fondo do barco e trataram de fazer
forga de remos para entrarem na anseada.
Dez vezes a onda Ibes tomn o bote no sen re-
ara grito de desespero e era varara os olbos com
anciedade no ponto em que se bviam sumido os
pescadores. Por um esforgo immenso, os dois re-
meiros impelliram o bote om ou deis metros para
diante; Jorge,enrocado sobre as aguas, espera- gK P*"1 o enrojar de enconlro as rochas, dez ve-
ta, com as curdas na meo, que viessem cima os *< mtotV vigorosos dos remadores consegul-
afogados par* os salvar, se possivei tosw, e Leo- ram desenleia-lo do Dengoso abraco eporem-noa
nor, desfallecido emfim o seu animo intrpido, cho- minno direilo. Nestes affllcUvos trances, em que
rava e reza va de joelhos aa proa. nTtdo espectro da morte ergua meio corpo cima
Effectivaaeate d'abl a nm instante snrglram' -* *l8i Leow, mulber eom todas as suas fra-
dnas cabegu ao lume d,'agna, qoe refervia cortada' qaeus depois qae levara a cabo a sus, mlssao de
todos os lados o cercavam, e entrn na pequea
mas quasi pacifica, enseada. As ondas, mais bran-
das, levaram no suavemente pra, onde os pes-
cadores, alegres, correspondiam com gritos de al-
voroco aoskrados dos remeiros, qae annunciavam
Sao instantes passados n'um co
De delicias, praze/es e gosos 11
Sao Instantes de febre e delirio
Concedidos a doas venturosos.
I

a cosa I
mea Deas I Jorge I pois bavemos de
delxar morrer aquellos infelizes T
Nio de certo, Leonor Vejamos se podemos
por qoatro bracos, qae no mtincto da vida b-
viam colbido Dm reste de vigor. Jorge logo Ibes
lengona corda, os remadores estenderam os re-
mos, e cada om dos naofrsgos, afferraado-se ao
que acbou oHls prximo, subi para o bote, ampa-
suster o bote, que talvez elles ebegoem a alcance "do nos bracos, tremlos de alegra, dos seos pa
de Ibes deitarmos orna corda. j ir icios.
E, pegando n'om masso de crtame, qne vicha [ Qualqoer dlet mal dava^ aeconto de si. Auto,
no fado do bote, Jorge preperou-se para o *fT^
Mas nesse instaote abriram-se as ondas, e o bar-
aojo, abragava-se a Jorge e murmuravailbe ao ou
vld nio sel qae ineffavels palavras sobre o recelo
que tinba de perter s felicidade qoe devaneara, e
sobre a suprema ventura quesera, aleda assim, o
eeifa-los a morte de om s guipe, e o gelar-lbes a
um lempo os labios confundidos n'um nliimo e de-
iteioao beijo.
EUe ouvia as soas doces palavras o corre!
co desarvorado, que provavelmente eslava ja' Chele
de agua", desapparecea no abysmo, que de novo s
fecboo, cobrindo eom a soa liquida mortaUu o
gil lenbo e os deis trlpolantes.
Jorge, Leonor o os dois compaoheiros editaran
nioert^-emos esueodos em Leonerx mor-__""oraa,uue^eriar __
murou n'um tom em qu o reconheclmeoto se' amorardentissiino, se nao fossem volf
mi
a precaago de traier
bem agitado, arf
resso por am
abanovai *
O desembarque foi um verdadelro delirio. Cho-
viam bengioi de todos sobre a intrpida menina,
I Rosinha baohavalhe os ps de lagrimas de alegria
e tio eirralo grupo se formn em torno de Leo-
nor, qod foi necessario a Insistencia desta para
qne tratassem de reanimar os afogados.
A dois passos estava-se representando urna ace-
a, queturbaria bstanle o jobilo loeffavei da noi-
va de Jorge, se esta a podesse ver.
Jorge, ao desembarcar, correr a Magdalena,
que, de Joelbos e cornos bracos estendldee da dl-
r^doooeaio,sMitraa^IosaiatUeada urna
du Bnr-ir"<" peripecias do rpido drama, que
se descordara no sombrio ttmatro das vagas.
atas eommoeSat >vmm prostrado a frgil
Ibmd so, quando vio Jorge ao seo lado,
ou Salva 1 referindo se a sua irna, ou, uando
multo, Salvos I referlndo-se aos i goee do
drama que findara. cada urna dessas 'liabas fa-
taes resoava com ftida harmona aos < vidas de
OTgtMatvo I Ess -creatur* melga, tiafl fr-
gil, nervosa, encantadora, essa formosjssi_~mu-
Iber, qne tinba nos bracos, pensava s nelle, s
delle cuidara, quando sua irma se arriscara aos
mesmos pengos t Essa palavra resuma em si nm
poema doloroso e ineffavel de amor e de angustias
o bruir da procella era aeompanbamento dig-
no desse preludio de am amor, qoe tinba forgosa-
menie de ser aui. ^
Mae Jorge em nada disso pensara; Jorge arro-
java-se ao abysmo com oega vertlgem, e Magdale-
na, eenvulsa, tremenes, deixava-se apartar uos bra-
cos de Jorge, e sonta*va loncos delinos, amargaras
inebriantes.
Derpertoo-os a voz aastsra do sacerdote.
- Sr. Jorge, diaia elle, acceotuando bem cada
palavra, reparo qne o sua noiva talve preciso do
sea auxilio para levar a cabo a obra de
V

>*
-




\ i
-

e como, de mais a mais, o penga em epto lome os labios A recus-ram a"proferir"
nM'____i
s esia-lm obrigava^s a alo pea-1 Rnalmente o barco Tenceu os porlios, que por I paUm, qoe era proferifo por
|^Hp_3c_^)r?PT ILHO