Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:10971


This item is only available as the following downloads:


Full Text
.

V .
-


*.

,>

r
;
AMO XLH. HUERO J15
________________________ _____ -
Por qaartel aagadeatradasiOaMas da i.* Rez .......
dem depais Its l.M dias 4 cameca e deitrt da fartel .
Parte aa carreia poMres ezes.............,
6aaa
75a
^H^t?

SABBADO 19.BE MAIO DE 1866
_____.___
"''" '.
Par aai faga eitra de 4 a dias-da i.0 mez. ,..... 49#aaa
Parta aa earroia par in ama ?.............. 3oaa
*
*
ENCARREGADOS DA SUBSCRIPQAO DO NORTE
Parahyba, o Sr. Antonio Alewndrino de Lima;
Natal, o Sr. Antonio Marques da Silva; Aracaty, o
Sr. A. de Lemos Braga; Cear, o Sr. J. Jos de
Oliveira ; Maranbo, o Sr. Joaquina Marques Ro-
drigues ; Para, os Srs. Geraldo Antonio Alves d
Filhos; Amazonas, o Sr. Jeronymo da Costa.
ENCARREGADOS DA SCBSCRIPCAO DO SL.
Alagoas, o Sr. Clandino Faico Dias; Babia, o
Sr. Jos Martina Alves: Rio de Janeiro, e Sr. Jos
Ribeiro Gasparnho.
PARTIDA DOS ESTAFETAS.
Olinda, Cabo, Escada e estafes da via frrea at
Agoa Preta, todos os dias.
Iguarass e Goyanna as segundas e sextas feiras.
Santo Anto, Gravat, Bezsrros, Bonito, Carnar,
Altinbo, Garanhnns, Buique, S. Bento, Bom
Conselbo. Aguas Bellas e Tacarat, as tercas
feiras.
Pao d'Alho, Nazarelb, Limoeiro, Brejo, Pesqueira
Ingaieira, Flores, Villa Bella, Cabrob, Boa Vis-
ta, Oaricury, Salgneiio e Ex, oas qnartas
feiras.
Serinhem, Rio Formoso.Tamandar, Una, Bar-
reiros, Agua Preta Pimenteiras, as qntntas
feiras.
AUDIENCIAS DOS TRIBUNAES DA CAPITAL.
Tribunal do commercio: segnndas a quintas.
Reiago: tercas e sbados s 10 hora*.
Fazenda: quintas s 10 boras.
Jalao do commercio: segundas as I i boras.
Dito de orphos: tercas e nextas s 10 horas.
Primeira vara do civel: ureas sextas meto
a.
Segunda Tara do civel: qtitfls sabbades & 1
bora da tarde. -
EPHEMER1DE3 DO-MEZ DE MAIO.
7 Qnarto ming. as 7 h., 2-2 m. e 34 s. da t.
14 Loa nova aes 38 m.% 08 s. da t.
f 1 Quarto rese, as 7 h., 38 m. e 46 s. da m.
29 La ebeia as 10 b., 52 m. e 25 s. da m.
DIAS DA SEMANA.
14. Segunda. S. Athanasio b.; S. Bonifacio m.
14 Terca. S. Isidro lavrador; S. Torquato m.
16. Quarta. S. Joo Mepomoeeno conego m.
17. Quinta. S. Pascboal Baylon f.; S. Aquiline ro.
18. Sexta. S. Felir de Cantalice f.; S. Prisco rei.
19. Sabbado. S. Pedro Celestino f.; S: Ivo
20. Domingo. Pascboa do Espirito Santo.
PREAMAR DE HOJE.
Primeira as 7 horas e 42 m. da manbaa.
Segunda as8 boras 6 minutos da Urde.
-----'
PARTIDA DOS VAPORES COSTEJROB.
Para o sul at Alagoas a 14 e 30; para o norte
at a Granja a 7 e 22 de cada mez; para Fernn
do nos dias 14 4os mezes de Janeiro, margo, aea)
jumo, seterobro e novembro.
ASSIGNA-SB
no Reeife, na livraria da praca da Independencia
ns. 8, dos proprietirios Manoel Figneiros de Faria
i& Filbo.
PARTE OFFICIAL
Expediente de secretario do governo dodia 17 del
maio de 1866.
N. 146Ufflcio ao Dr. Joao da Silva Ramos,
primeiro secretarlo da assembla legislativa pro-
vincial.S. Exc. oSr. vice-presieente da provincia
manda commonicar a V. S. para que o faga sclen-
tiflear a assembla legislativa provincial, .que nos
12 de agos-
assembla
geral o projecto de lei approvando o eompromlsso
da irmandade das Almas da matriz de S.-Loarenco
da Matia, o qual nao tendo sido sanecionado pelo
j mesmo Exm. Sr. por inconstitucional a referida
assembla adoptou por dous torcos de votos.
Fica assim respondido q offlcio que V. S. me
dirigi em data de bontem.
W
GOVEB.\0 WAPROVIVl IV
Expediente dodia 16 de maio de 1866.
_ _. i __... I termos do artigo 16 da caru d, lei de i
Offlcio ao Exm. desembargador provedor Santa Casa de Mericordia. De cooformidade com
a sua informagao de 5 do correte sob n. 847,
mande V- Exc. inscrever no respectivo quadro a
tim de ser opportunamente admittido no eollegio
dos orphos o menor de oome Pedro tutelado de
Francisco de Paula Mlndello.
Dito ao Exm. general coramandajite das armas.
Para satisfazer a deliberago da assembla le-
gislativa provincial constante do offlcio do respec-
tivo primeiro secretario de 23 de abril ultimo, sob
n. 68, sirva-se V. Exc. de informar quantos solda-
dos da corapanbia de volntanos da patria organi-
sada ltimamente na comarca de Goyanna soliici-
taraio suas baixas ou foram considerados incapa-
zes do servigo militar.
Dito ao mesmo, Em deferimento a peticao do
segundo sargento do primeiro corpo provisorio
Manoel Antonio da Silva, sobre que versa a sua
informacao n. 737 de 15 do corrente, aatoriso V.
Exc a mandar despedi-lo do servico, aceiundo em
seu lugar o paisano que offerece se por ventura
for considerado apto em inspeccao de saude.
Dito ao mesmo. Em vista do que pondera o
inspector da tbesourara de fazenda na informa-
gao por eopia Inclusa aatoriso V. Exc. a contratar
nos termos do aviso circular de 22 de julho de
1857, um sacerdote para servir de capello da for-
taleza do lirura em substiluigo do capellio len-
te reformado padre Antonio da Conba Figueiredo
qne vai tratar de sua saude na Europa.
Dito ao inspector da tbesourara de fazenda.
Recommendo a V. S. a expedigao de suas ordens,
OOVERXO DO HISPIDO.
Expediente de 10 de maio de 1866.
Offlcio a Irmaodade de Nossa Senbora do Rosa-
rio da cidade de Macei. Foi-nos presente o offlcio
deVv. Ss. de 6 do corrente, em o qual nos pedlram
que bouvessemos de consentir ao menos por este
auno, que os exercicios da devocio do Mez Maria-
no n'essa igreja comegassera as tres e meia boras
da madrugada, visto como, correado as fuoccoes
desta clevocio por conta de pessoas pobres, leria
muito de arrefecer o fervor e diminuir o concurso
dos fiis, por se nao acbarem as condges favo-
raveis de se apresentarem na igreja de da com
trajes menos decentes.
Cabe-nos significar a Vv. Ss. que nao podomos de-
clinar do que ja determinamos em nossa circular,
da qual enviamos um exemplar. Urna Ul conces-
so abrirla caminbo a muitas outras sobre o mes-
mo objecto.
Longe de promovermos o arrefeclmento na de-
vocao da Soberana Mi de Deas, com a nossa cir-
cular s tivemos em vista unilormisar a mesma
para que em vista do pret junto em duplcala, a devoeao com o que expresso no sagrado cone.
que se refere a sua informagao de 16 de abril ul- tndent e constit. synor, liv. *> til. 4o n. 336. Non-
timo, son n. 221 dada com referencia a da conu- ca agradaremos a Deus, se as funegoes do sea cal-
doria dessa tbesourara, seja paga pela collectoria t0 se transviarem das leis da sua igreja.
da cidade de Nazarelb, conforme sollicitou o com-1 Am d'sto, pedindo Vv. Ss. a nossa annoencia,
mandante superior daquella comarca, em offlcio de [ ao meB03 por es[e anno, a comegarem os actos as
10 de margo prximo passadon. 253, a quantia de tre3 e meia noras da madrugada por causa da po-
6,5370 em que importaran) os veocimentos abona- Drwa dos devotos, consequente deduzir-se ama
dos a urna escolta de guardas uacionaes que con- ae dUasoa para o futuro anuo nao sero pobres
duzio para esta capital com destino ao servigo do eiaea devotos ou cessar a devogo, se a pobreza
exercito o recrota Sebasto Mendonga de Araujo,; ,n(jj ^ acompanbar. Certamente nenbuma des-
visto nao constar qqe houvesse abaso na captura las hypotbeses ser realisavel.
desse recruta que foi posto em liberdade por ba- E- D0SS0 aever exhortar aVv. Ss. que prossigam
ver provado isengao legal a seu favor. \ nos piadosos exercicios, de louvor a nossa Divina
Dito ao mesmo. a. vista de sua informagao n. i ji, de conformidade com o que determinamos em
_ io i tar-se, e se por qulquer motivo nouver recompo-
Offlcio aa Illra. e Exm. 8r. Olyntbo Jos Meira, siglo, ser dentro da mesma eego poltica,
presidenu da provincia do R Grande do Norte. As fojbas peridicas de bontem rajastram as ex-
Tentio.a honra de communicar a V. Exc. para os plicages que deuo ministro da fazenda a pergonta
Dos convenientes, que nesu daU conced dous me- do Sr. Sanl'Anna e Vasconwllos.
zes de dispensa da residencia paroobul ao Rvd. \ A Gazeta de Portugal; idlba ministerial, diz a es-
Jos de Mattos Silva, vigaria de Ireguexia do Ass
desu provincir.
Aproveito a opportuoidade para reiterar a VT vernO proenri etaalmMte ministro da.Jiwrra
Exc. os protestos de minha particular estima e con-
sideraco.
- 1& -
Offlcio ao vice-presidente da Parahyba.Accuso
recebido o offlcio de V. Kxc. de 25 de abril proxi-
te respeUo
c Desu declarag&o parece
denzir-se qne o go-
verno procura acHiaimanie luimsiru ua guano, o
que pv^o obter fel as diligencias e traasaegoes
que o inleresse publico exige, que nao prejudioa-
rem a sitoago poltica, e que podera alcangar o
poio das dias casas do parlamento.,
Estando os ministres na mekior inlelligeocia,
inglez, e do instituto de engenbeiros civis de Lo
i dres, qne collocou o cabo da Terra Nova 1 Iran
da, em 1858, e irae foi eleito pelo governo britan-
nico, para aseeour o cebo do golphao prsico;
Stephen Cave, meabro do parlamento Inglez,
director do banco de Inglaterra ;
- James Lamoat, memoro, do parlamento, in-
glez;
c Francis Clinl, motor de Liverpool;
. H. Mac ulery, director do Nacional Provm-
ciaLRanco de Inglaterra;
W. Boraley Hume, director do Banco Colo-
nial; .
P. N. Bernard, director da companbla ingleza
mo Ando, em o qual V. Exc, depols de-manifesur diz anda a mesma folha, evidente que a neceaai- de-Gntu Percha India Rubber, e obras telegra-
a necessidade de se prover de parocho a fregaezia dade de recomposigio, se chegar a bavla, nao phicas-;
do disuicto de Alag do Monteiro, que fra nova- proveo da incompatbilidade entre os ministros, Exras. Srs. duque de Tetuao, presidente do
mente desmembrada da de S. Joo do Cariri, solli- mas da mora do Sr. Salvader da Franga, e da ur- conselbo de ministros de Hespanba;
cita para este fim a miaba autorldade. i gencia de substituir o Sr. visconde da'Praia Gran- Duque de la Torre, presidente- do senado de
Sendo essenoialmente indispensavel que as as- de qmt sopor dedicago aos seos cellegas, censen- Hespanba;
semblas proviociaes, na creacio oa snppresso de tioear tomar a pasta da guerra. ; Duque de Berwick e de Alba, senador em
freguezias, sollicitem o prasme de ordinario, sem o Mo davidamos, diz o Jornal de Lisboa, folfias
qae nao baver creago ou snppresso caaonica ;! das meaos parclaes, que os senhores ministros es-
procurei saber do Rvm. ex-vlgano capitularse leria tejan aa melbor harmona, principalmente depois
presudo a sua annuencia sobre a creago daquella da deefaraco do Sr. ministro da fazenda. Mas pa-
freguexia : tive em resposu o offlcio que por copia rece-nos que melbor accordo entre elles nao pode
evitar a recomposigio. Veremos. >
Tem levantada grande animosidade contra a si-
tuago, a que algamas folbas da opposigao ja cha-
mam dffporwfa, a approvteao do contrato Debrous-
se para a coastrocgo das dockas aa margem di-
reita do Tejo, mas fleaado dispeasada a empreza
de tazer o caminbo de ferro de Cintra, qae era a
Sirte espinhoga do aotlgo contrato. A proposu de
londet e ootros capitalistas ingleze?, flcou de par-
offerego a V. Exc Nao obstante entender a assem-
bla legislativa deesa provincia qae poda prescin-
i dir da iatervenglo do ordinario no negocio verten-
te, eu suppriria esse consenso, se mesmo agora, ao
offlcio de V. Exc. tivesse acompaahado por copia o
projecto de lei coaceraente i aquella ereaeo da
freguezia.
Sirva-se portante V. Exc. de enviar-me a copia
do projecto, de que ora me occapo, com a do pare-
cer da commisso ecclesiastlca, devendo contar V. te, sendo voz consume qne estes proponentes nao
277, de 12 do corrente, tenbo resolvido que a con-
ta da farinba e feijao entregues ao almojarife do
presidio de Fernando em pagamento da machina
que elle vendeu para o servigo do mesmo presidio
seja leita feta como V. S. indicoo em dita infor-
magao na razo de 2500 o alqueire do primeiro
desses gneros e de 2800 o do segando : o que
declaro a V. S. para os devidos efTeitos. Neste
sentido commumeop-se ao commandante do presi-
dio de Fernando.
Dito ao inspector da tbesourara provincial.
Providencie V. S. para qae em vista da ociosa
coala e nao ba vendo incoa veaieate seja paga a
Antonio Augusto Maciel conforme sollicitou o de-
legado encarregado do expediente da reparligo da
polica em offlcio de 14 do correte mez sob n.
62o, a quantia de 50000 proveniente de aiuguel
de um trimestre, vencido no ultimo de abril deste
anno da casa que serve de cadeia no termo de
Barreiros.
Dito ao commandante superior da guarda nacio-
nal do Recie.-Expega V. S. as suas ordens para
ser substituido por entro guarda o que se acba
actualmente destacado na barrara de Jaboatao vis-' suas congruas.
nossa circular. E confiamos que tarde ou cedo Vv.
Ss. se compenetraro dos felizes resultados de to
saluur providencia.
Dito ao Rvm. Sr. Antonio Marques de Castilba,
parocho collado do Rio Formoso.Com o seu offl-
cio de 6 do corrente, nos foi entregue o mappa to-
I pograpbico dessa fregaezia, de conformidade com
a nossa circular de 23 abril prximo passado.
Cabe-nos louvar o zlo e poniualidade que pre-
| sidiram a confecgo do referido aupa*. Temos as-
sim respondido ao sopradito offlcio de V. Rvma.
11
Offlcio ao Exm. Sr. presidente da provincia.
Accuso a recepgo do offlcio de V. Exc. datado de
9 do corrento, a que acompanbou urna petigo do
arcediano Joto Jos Pereira, parocho collado da
freguezia de S. Pedro Martyr da cidade de Olinda,
pedindo a V. Exc. Ibe mandasse pagar as suas
congruas vencidas de cinco mezes, em que o mes-
[ mo arcediago esleve suspenso do offlcio e benefi-
cio. E solicitando V. Exc. o meo parecer sobre a
allegagao citada, cabe me dizer que o supplicante
pelo acto da sosponso uao tem direito algam as
fio ser de mos costumes.
Dito ao mesmo. Para cumprimento do dispos-
to no aviso da reparligo da justiga de 9 de abril
ultimo, informe V. S.'acerca do incluso requeri-
mento em que o major da amiga guarda nacional
do municipio do Reeife Jos Joaquim Antunes pe-
Em nada aproveita a citago que o supplicante
fez, do Conc. Trd., porque sendo a suspenso de
beneficio urna pena que affecta os beneses e con-
gruas do beneficiado, a nao prodazir o seu effelto,
nada seria em direilo.
Dito ao Exm. vice-presidente da Parahyba.
de melboramento de reforma no posto de tedente- commnnico a V. Exc. para seus convenientes fins,
coronel. I qne nesta data lenho dispensado de residir na res-
ulto ao commandante superior da guarda naci- liva fregoezla 0 Rvd. Gamillo de Mendonga For-
nal dos municipios do Caboe Ipojuca.- Paracom- tad parocno col|ado de Campia-Grande, por tres
priraento do disposto no aviso da repartigao da "^ colgando desta data.
jusllga de 9 de abril ultimo, informe y. S. sobre. provso por um anno a favor de Vicente Lici-
o incluso requenmento em que o capitao secreta- n0 da Cos|a Can,pe||0 para servr no eroprego de
rio geral da extincta guarda nacional do munici- 8onieltador no f6ro eccleslastico da diocese."
pio do Cabo Braz Antonio da tunba e Alou uer- __ 12
qae sollicita reforma no posto de major. omcio ao RVm. Sr. Thomaz Pereira de Aranjo,
Dito ao commandante superior da guarda naci- vKar0 collado do AcarvFoi-nos presente o seu ceie consuraode ora em diaote dos seguales em-
nal de Olinda e Iguarass.- Para cumprimento do j 0|cjo de 20 de abr|, p/oximo passado, em que V. j pregados, subvencionados com honorarios pagos
disposto no aviso da repartigo da justiga de 9 de | Rvraa ejprimio seas senf,mentos de confralnl- "'"" ^L ,
abril ultimo, informe V. S. sonre o incluso reque- o> pela nossa episcopal.
rimento em que o coronel de leglao da extincta ( Acceitamos seus delicados comprimentos, e sin-
guarda nacional do municipio de Olinda Francisco ceramenie agradecemos essas manifestagoes de ju-
de Paula Souza Leo, pede ser reformado no mes- bj)0
mo posto. j yjjo ao Rvm. Sr. Joas Tertuliano Corslno de
... ._____ ,____,. o K :-. Macedo, coadjuctor da freguezia de Maribeca.
Dito ao mtao.-Informe V.S. obre .incluso AcCDSamos 0 JreCeb,mento do seu offlcio de 30 de
requenmento em qae o corone de iegiao reforma* b d V- Rvraa. D0S pede
do da exmete guarda nacional do municipio de Z2ETZJZZ22Z dessa freeaezia logo
Olinda Joao Baptista de Oliveira Lobo sollicita ser l^f^^J^ SLSSSiSmS
reformado no mesmo posto de conformidade com
Exc. com a minba cooperagio episcopal, sempre
qae o bem espiritual dos meos diocesanos o exigir.
Dito ao Rvd. parocho da freguezia do Cuit, pa-
dre Manoel Jacome Bezerra Civalcanti.Acensa-
mos recebido o sea offlcio de 8 de abril prximo
passado, em que V. Rvma. declarando nao ter sido
esclarecido pelo Rvd. ex-vigaro capitular sobre a
fregaezia aovameate creada, da Pedra Lavrada,
nos pede solugo sobre o mesmo objecto.
Passamos a respooderque, nao tendo presudo sua
annuencia na creago da referida fregaezia o mesmo
Rvm. ex-vigario capitular,. nesta data j solicita-
mos do presidente da Parahyba copia do projecto
de lei dessa creago, assim como do parecer da
commisso ecclesiastica. Com a resposta do go-
verno dessa provincia resolveremos o que fr coa-
seataaeo ao bem espiritual dos moradores de Pe-
dra Lavrada.
Eraqaaoto porm nao for decidido fiearo ditos
paroebianos sob a jarlsdigo parocblal da paroebia
a que pertenciam.
Dito ao Rvd. vigario da villa da Imperatriz, padre
Aotooio da Pmeza Vasconcellos.Foi-nos presente
o sea offlcio de 7 do corrente, em qae V. Rma. fez
ebegar ao nosso conbecimento sua posse solemne
nessa fregaezia no antecedente dia a estaco da
mesa parochial.
Cortos de sua communicago desojamos sincera-
mente qne se d ao fiel desempeaho de seos deve-
res paroctuaecrefojeadose sempre pelas Tinados
cbnstas.
Dito ao Rvd. vigario da fregaezia de Quebran-
gulo, padre Francisco Antonio da Costa Palmeira.
Pelo seu offlcio de 27 do passado ficemos inteira-
dos de qae no da 22 daqnelle mez, a estago da
missa parochial, Ibe fra conferida a posse da sua
freguezia pelo respectivo parocho interino.
Sinceramente desejamos qaa V. Rvma. se dedi-
que disveladamente ao desempenbo dos deveres
parochiaes.
Dito ao mesmo.Em sea offlcio de 28 de abril
prximo passado aos expoem V. Rvma. as dfflcul-
dades que os seus paroebianos encontraran) da exe-
cugo de nossa circular de 22 de margo, acerca da
pratica abnsiva na cetebrago do baptismo em ora-
torios privados.
Attendendo porm a sua allegagao, consentimos
que V. Rvma. por si, ou de sua llcenga oulro sacer
dote administre aquellos sacramentos em oratorios
privados, qoando os baplisandos ou nobentes resi-
direm mais de urna legua distante da matriz ou
capella filial; as desobrigas porm poder admi-
nistrar os sacramentos do baptismo e matrimonio,
onde se acbar.
Portara. Sendo da maior conveniencia preci-
sar desde j o numero dos empregados das repar-
tieres da curia episcopal desta diocese, e se fixar a
cada um delles o honorario que deve perceber po-
seas servigos; as determinamos o seguinte :
" 1." As repartigoes da curia episcopal desta dio-
pediam previleglos aera snbveng5es nem garanta
de juros, ao passo que no novo contrato Debrousse
i <
Hespanba .
Mrquez de Marianao, senador em Hespanba,
(da casa Sama, Sotolongo & C);
Conde de Caoneo, senador em Hespanba;
< D. Rapbael de Toca, do conselbo administra-
tivo da ilba de Cuba, e director do banco da Ha-
vana;
f V-se na necessidade de solllcitar a attengo
das curtes, com todo o respeilo qne deve aos altos
corpos co-legisladores da nagao portugoeza, e com
toda a esperanga que lhe d a considerago pela
justiga, pelos loteresses geraes do estado, e pelo
systema representativo que rege o paiz tido como
Blgica do Meio-dia da Europa, para demonstrar
os melhores direitos que ao expooente assistem
concesso dos cabos telegraphicos qne bao de li-
gar as libas da Madeira e de Cabo Verde, do
ba a concesso da garantia de jaro de 6 por cento Atlntico, aos continentes portognez e americano;
de capital indeterminado. e sollicitar s cmaras, ao mesmo teropo que sol-
T8m-se estranhado multo qae nem a propona licita a concesso destas linbas, a das que bao de
Bbcndot, nem o contrato Debrousse tenham sido commonicar Portugal com as suas demals provln-
poblicados. A epinio publica liaba recebido mal C|as do oltramar, na frica e na Asia.
a novagao do eontrato de 14 de outubro coma Em 1854 apresentou o exponente ao governo
companbla do caminbo de ferro de sueste ; nao bespanbol o seu projecto de rede ibero-americana,
acolbeo inelhor as oovissimas acclaracoes ao con-
trato Salamanca; velo o contrato B^llestrioi, de qoe
adiaate Ibe fallo, e de qae ja Ibes teobo dado noti-
cia oas nimbas antecedentes, e coroa-se esta pyra-
inide de esbanjameotos fabulosos com a approvago
de um contrato em qae reconcede ama garanta de
jaro por capital indeterminado. Parece qoe nao
para aqui, pois ba pendentes outras preteagoes so-
bre os piabaes de Leiria qae sao de prejaizo para
o estado, segundo se afflrma geralmente. O parla
para unir telegrapbicamente os dous bemisphe-
rios; e n'aqoelle anno, e subseqnentes, poblicoo
parte dos seus estudos as impreesas hespaahola,
portugoeza, e de ootros paizes.
O engenheiro abaixo assignado pode, por tan-
to, reclamar os ttulos, direitos e considerago,
qae como autor Ibe corresponden!.
Estando o expoaeate na America, prosegnin-
; do em suas investigarles, e renoiado elementos
capazes de realisarem seus planos, promovea-se
ment, apezar da boa maioria que tem apreseoudo preciptadameate em Paris um projecto de conven-
ao gabinete vai-se caasaado de tantas coadascea- g0 internacional para por de accordo os estados
dnelas successivas, a parte histrica da fuso tem convocados, e encarregar da nnlo telegraphica
debaodado para as (leiras da epposlgo, e por da Europa com a America, um particular, o qual,
Isso qoe se insiste na existencia de urna crise que
os ministros e os seas ntimos procuram disfargar,
mas qae nao so existe latente, mas ja se tem ma-
nifestado em factos positivos.
Kis o qae ha poacos dias escreva ama folba de
provincia,sobre o contrato Debronsse:
+ Corre no publico que se teou a ressorreigo
do coDtrato Debrousse, ponde-se de parte o cami-
nbo de ferro de Clotra e fazendo-se a concesso
das dokas e terrenos marginaes do Tejo,
sobre nao demonstrar o saber e experiencia neces-
sarios em empreza to nova, difficil e arriscada, e
nao ter provado possuir recursos financeiros para
levar a bom termo esta obra, evidencioo erros as-
ss exlupendos, den existencia a um rochedo qae
nao se encontra no Ocano, e infondia Ul desean-
fianga na maioria dos estados convocados, qae
parte delles nao asslstiram s conferencias,' e oo-
tros Immediatamente se ausentaran), mas nao sem
que o director de colonias de Franca, e ootras au-
No se acredita qae este boato seja verdadeiro, tordades informadoras, como se nota nos docu
por isso que deste modo tornar-se-hia imposslvel a mentos publicados, e em mais alguns nao dados
realisago do caminbo de ferro de Cintra sem gran- ainda luz publica pelo Diarto de Lisboa, deseo-
des sacrificios do estado. E Unto mais parece isto Drissem parte dos defeitos essenciaes do intitnlado
impossivel que lambem consta existir no minute- projecto, que deu orgem s negociagoes interna-
rlo das obras publicas urna proposta do crdito mo- cionaes.
vel inglez para a construego das dokas e caminbo Antes que Portugal assignasse a convengo,
de ferro de Cintra; sem subvengo algnma do es-1 apresentou o exponente a S. M. fidelissima nm pe-
Udo, e com as mesmas condiges com que estas ddo de concesso dos cabos da Madeira e Cabo-
obras haviam sido concedidas antiga empreza yerde> t$ comiaenies poriuguez e americano;
Lucotte. ; mais econmica, por quanto proporciona urna ga-
Os capitalistas ioglezes em que entram os dlrec- raotia de juros sem grvame para o thesouro por-
tores do Credit mobilier e foncier de Londres, sao tuguez, como a snbvenco solicitada na convengo;
os que apresentaram a proposu igual em indo de maior conaoga" porque a snstentavam autori-
da empreza Lucotte, approvada por lei de 26 de dades demasiadamente conhecidas nestas empre-
julho de 1855. Sao estes capitalistas, que tem sua zas; mais realisavel, pois que ja cootava com o
frente o Sr. Augusto Blondo! e que devem chegar apoio de varios governos ; mais vanlajosa, flnal-
a Lisboa no dia 19 deste mez. mente.
c Entre a aova proposta Debrousse e a Blondot, c Aps quatro annos de negociagdes, nao pode a
ba nm abysmo, visto que a primeira, deixando de [ convengo obter apoio seno de cinco estados :
parte o caminbo de ferro de Cintra, tica com a i Franga, Italia, Portugal, Brasil e Hait. Destas po-
caroe e deixa o osso; ao passo que pela segunda' tencias a Italia nao pode (azer nenhoma concesso
a lei n. 602 de 19 de setembro de 1850.
' Dito ao chele da reparligo das obras publicas.
Recebl o seu offlcio o. 185 de 13 do corrente e
fice sciente das providencias qoe tem V. S. dado
no sentido de serem reparados os estragos causa- < ,.rar.sf
dos pelas enebeutes dos rios em algamas das es-
tradas da provincia.
Dito ao director do arsenal de guerra. Em vis-
te do que ponderou V. S. em sea offlcio n. 628 de
12 do corrente o aatoriso a maodar fornecer aa
commandante do 1* batalbo da guarda nacional
aquartelado 8 caixas de guerra em substituigo de
igualoumero mencionadas no pedido datado de 2
de abril ultimo, as quaes devem ser recolbidas aos
armazens desse arsenal a fim de serem concerta-
das.
qoe se aprsente o parocho proprietaro da mesma
independente de sollicitar exonerago.
Logo, que o estado de sade do Rvd. parocho,
lhe permuta entrar no exercicio das foncgdes pa-
rochiaes, nos mandaremos exonerar a V. Rvma.
do cargo de coadjuctor, sem o qoe nao poder re-
Dito ao juiz de direito da comarca de Flores. -
Abtoriso Vmc a contratar com Jos Qaelroz Lima
de conformidade com o offlcio do engenheiro chefe
da repartigo das obras publicas de 16 do corren-
te consume da copia Junta a obra do agnde a fa-
zer-se na villa de Flores, enviande-me o termo do
contrato para effeetiva approvago.
Dito ao juiz muolcipal da primeira vara desta
cidade. Remello inclusas a Vmc. para'os fins
convenientes a relago e guias dos sentenciados de
Justiga que regressaram do presidio de Fernando
no vapor Parahyba como me commonicou
pectivo commandante em offlcio
corrente.
Dito ao Rvm. Sr. Joaquim Ignacio Gongalves da
Luz, vigario da Gloria do Goit.-Fica recebido o
seo offlcio do Io do corrente, a qoe acompanbou o
mappa por nos exigido em offlcio de 23 de abril
prximo passado.
A promptido com qae envloa o mencionado
mappa, merece nosso louvor,
Dito ao Rvm. Sr. Jos Antonio Alves de Brillo,
parodio de lngazeira.Temos viste o sen offlcio
do do corrente, ao qoal V. Rvma. ponderando
os inconvenientes em que se acha, na exeengo da
nossa circular de 22 de margo prximo passado,
atientas as tongas distancias qae se observam en-
tre mullos lagares, a matriz e capellas dessa fre-
guezia. nos pede permisso para ao meaos as
desobrigas, administrar os sacramentos do baptis-
mo e matrimonio, fra das capellas, para commo-
didade de seas parocbiaaos.
Attendendo as rzoes qae V. Rvma. allegoo,
permittimos, ainda mesmo nSo sendo era desobrl-
ga, qae V. Rvma. administre o baptismo e matri-
monio fra da matriz e capella*, qoaado os baptf-
o res- sendos oa anbeates residirem disunte da matriz e
n. 393 de 12 do capellas, mais de ama legua. as desobrigas po-
i rm a admimstrago d'aqaelles sacramentos ser
305
se aeceitam, sem subvengo nem garanta-do go
verno. ambos os encargos.
t O Sr. Blondot e seos socios aeceitam o antigo
contrato, approvado por lei de 26 de julho de 1855, portancia seria nem favoravel
o qoal nao leve effeito, e obrlga se a mais : tem por fim realisar a empreza
de linbas, porque nao tem dominio as costas, ilhas
e mares qne o cabo segu ; e a sitoaco atrasada
do Haiti, nao d com a sua adbeso nenbuma m-
convengo qoe
mais clvilisadora
portarla.O vice-presidente da provincia, atten- feiU onde V, Rvma. se achar.
dendo ao qae reqoerea o professor publico de -*_**"~ _
iostraego primaria da villa "do Brejo padre Jos: Offlcio ao Rvm. Sr. Felippe Ben.ck deMonra,
Procoplo Pereira resolve prorogar por nm mez a parocho da fregoezla d^dGrn**;^bea
licencS qae lhe foi concedida por portara ta*\"^***^**!W^
da abril oroxlmo Ando. rao Ps"d> QB s- vma. nos expoz a perse-
Dita.- O vice-presidente da provincia, resolve goigo qoe de algnos de seos parochianos esta sof-
era vista das inforraagoes rainislVadas pelas repar- freedo injustamente, por nao censen ir que loquera
ligoes competentes e de conformidade com o arti-1 nos bapt.sandos, na occas.ao da Bosaod H. f
go 20 do decreto n. 2,551 de 17 de margo de 1860 pessoas que os apresentaro, e sobre Isto nos ooa-
conceder Estanislao Alves de Bnlhoes a demis- rolla o que dever obrar.
Chancellara eccletiasttca.
1 escrivo com 505 mensaes.
1 zelador do archivo com 30 mensaes.
Secretaria episcopal.
1 secretario com 505 mensaes.
1 amanuense com 305 mensaes.
1 offlcial de registro com 305 mensaes.
1 porteiro com 105 mensaes.
1 estafeta de correspondencia offlcial com
mensaes.
Viganato geral.
1 amanuense com 305 mensaes.
1 meirinho geraj e porteiro do auditorio com 155
mensaes.
2. Flcam snpprlmidos os lagares de 1, v e
3o offlcaes da chancellara ecclesiastica.
Ficam sem effelto quaesquer outras disposgoes
contrarias a estas.
Dada em nossa residencia episcopal da Soledade,
aos 14 de malo de 1866, sob o nosso signa I e sello
de nossas armas.
17
Offlcio ao Rvd. vigario de lngazeira, padre Jos
Antonio Alves de Brillo. Foi-nos entregue o sen
offlcio de 6 de margo, pelo qual V. Rvma. manifes-
tou seu sentimento de regosijo pela nossa vlagem e
posse desta diocese : acreditando em suas exprs-
s5es, cabe-nos a occasio de agradecer a V. Rvma.
suas ongratulagdes.
EXTERIOR.
CORRESPONDENCIAS OO BIA
RIO DR PERNAMBUC
LISBOA.
27 de abril de 1866.
Succumbio molestia de que fra accommettido,
o Sr. Salvador de uliveira Pinto da Franga, minis-
tro da guerra. O viseerade da Praia Grande de Ma-
can, ministro da marfea, qae eslava encarregado
daqnaUa pasu durante a enferrndade do cea in-
feliz coRega, foi nomeado ministro interino da guer-
ra, entreunto o gabinete procura completar-se por
que s com grande sacrificio seo, segundo as de-
claragSes semi-offlciaes, o Sr. Praia-Grande accei-
toa interinamente a pasu da guerra.
Falla-se em que o Sr. D. Lniz da Cmara Lette,
l- A sojeilar-se' a dar quaesquer garaotias que desie scalo.
o governo exigir para se certificar da execogo da Nos citados quatro annos de negociagdes nega-
empreza. ; ram-se a assignar a convengo:
2 A serem os coneessionaros os que por sua c a Gra-Brelanha, que domina na Guayana in-
cola execoiam as obras, pois nao especulan) com gleza, as ilhas de Trinidad, de Granada, de S. Vi-
a concesso para depois a transferrem a oatrem. centee Antigoa, por cajos pontos, segundo a con-
vengo, ha de passar o cabo ;
f A Hespanba, que domina em Cdiz e as ilhas
3.* A acceitarem as modificagdes que se jul-
garem convenientes azer no amigo contrato de
julho de 1855 para ser barmonisado com ootros Canarias, Porto Rico e Cuba, estages do cabe; e
contratos de caminhos de ferro, approvados poste- imprtente accresceour que no art. 15 do tratado,
nrmente quelle. ha ama clausula, qoe diz, ser a primeira secgo
i." A responsabilisarera-e por quaesquer in- da obra a das Canarias, qoe nao entra na cooven-
demnisages a que se julgarem com direito os gao;
credores portuguezes ; pelas obras J comegadas ( A Dinamarca, soberana na liba de San Tbo-
no caminbo de ferro de Cintra. maz, ponto do cabo assigoalado oa convengo
f 5. A apresentarem orna desistencia formal de Os Estados-Unidos, aos' quaes pertence Nova-
quaesquer direitos, a qae jalgue ter jus o conde Orleans, ciuda tambem na convengo;
de Claranges Lucotte, primeiro concessionario do j c De sorte qoe sao s tres estados os que entra-
dito caminho de ferro. I ram na convengo, e cinco, a saber : Gra-Breta-
6.a A dar comego s obras immediatamente nha, Hespanha, Hollanda, Dinamarca e os Estados-
depois da approvago d) respectivo contrato. > Unidos, entre os quaes est Hespanba, que domina
Soa magestade el rei o Sr. D. Luiz dignou:se na seego das Canarias, indicada como primeira,
receber no dia 12 o Sr. D. Arturo Marcoart, dis- qoe nao s nao adherirn), mas ontorgaram suas
nelo engenheiro e publicista hespanhol. I concesses empreza qoe o balxo assignado tem
Este cavalbeiro foi portador de orna carta para a honra de representar. Ha, pois, em favor deste
o nosso monarcha, dirigida pelo sabio presidente nm {acto internacional, solemnemente autorisado
da academia das scieocias de Paris, Mr. Artbur pelo maior numero de concesses ja dadas, e ba um
Mara, pessoa a qoem sua magestade dispensa projecto de convengo para fazer concesses, que
mu ita considerago. tal q ua i esta hoje, se tornoa, Unto pelo espirito como
sao que pedio do logar de continuo da recebedo-
ria de rendas desta capiul. Commanicoa-se a
loesoararia de fazenda.
Dita.O vice-presidente da provincia tendo 00-
vldo as reparttgoes competentes resolve nos termos
do I 1" artigo 10 do decreto
maio de 1890 nomear para o logar vago
tinao da receoedoria de rendas desta c|
crrelo da mero recebeilgria. Manoel Nunes Cor,! cbtanos este e oniros prineiploa^a gora| que ai-
rela. ijes-igooram
Respondemos que as pessoas, (vulgarmente cha- elevado ao posto de major, ser o fainro mini
aproximar..
te o caso de que toquen o baptlsaudo na occasio
da effoao d'agua; porqne conforme todos os mo-
do 17 de' ralistaf, unUs pessoas nessa occasio> tocara o bap-
luga? vago de con i tisanoo, qaaotos sao os padrinhos. Prevaliendo-
receoedoria;de raoAis desta capiul o! se V. RTma. da predica, easln^aos sen jaro
madas padrinhos de apreseatar ) nao devea ios negocios da guerra. Apezar disto, pofa, po-
aproximar-se da pia baptlsraal, afira de qae se evi- tiaa a insistir-se em qoe a situago eat em eme,
e qoe a presidencia do" conselbo de ministros fra
offerecida ao Sr. duque de Loul. O deptado San
U Amia e Vasconcellos na sesso de 25 pedio ao
governo explicaces acerca dos boatos de crise oa
recomposlgo ministerial. 0 Sr. Pontee (ministro
da fazeada) declaroa que qada Ibe consia de crise dos, entre, ootros, os Srs.:
ministerial, mas qae .o goveroo trata de copjpler 1
O Sr. Marcoart obele dos caminhos de ferro,
eannaes e portes de Hespanba.
Na idade de 24 annos j ara membro do insli-
pela letlra, facto impossivel, e coosegumtemente in-
legislavel.
Estas e mais algumas dlfflculdades, detiveram
tuto de eagenbeiros civis de Londres; e concessio- [ as outras dnas potencias entradas na convengo,
aario por varios governos de cabos teiegrapbicos.' Franca e o Brasil, que nao apresenuram om pro-
' Foi fundador da empresa telegraphica aniversal jacto aos seus corpos legislativos,'como fez
e da
iras.
West Jadan and telegraph compaty e oo-
Saa magestade el-rei recebea o distinoto eslran-
geiro com a roa costomada benevolencia.
O Sr. Mardoart, lambem Ibe fez entrega d'om
gal; e mui nolavel este atraso por parte da
Franga, qoe inieioa a convengo, e qae a nao ter
encontrado serlos obstculos, se teria antecipado ao
governo poriuguez nestes tres ltimos anuos, le-
vando a questeo s cmaras, para estimular com o
exemplar da memoria por elle publicada nos Esu-1 seu examplo as diligencias dos demals osudos sig-
dos-Unidos, acerca da telegraphia oniversal. Esta naurlos da coovencio, Portogal e Brasil^
memoria considerada como ara modelo scientifl-
co no sea genero.
O Sr. Marcoart j conheeido entre nos, nao
Mas qoando nao existissem as anteriores con-
diges, qoe tornam impossivel o tratado, que torna;
rara impossivel a formago de nma companbia, no

EU a representago qoe o Sr. Marcoart diriga
s cortes, e qoe Ibes transcrevo, por ser umbem
de inleresse para osse imperio.
Apeear de to acceiuveis garantias, axonven-
gio Ballestnol que 1W approvada pe cmara
dos depntados de Portugal.
A'$ ertet.
Arturo de Marcoart, engenheiro de cami-
nhos de ferro, canees e portos de Hespanha,
membro do instlalo de eogeobelros civis de Loo-
dm, concessionario, por varios governos, deca-
boe telegraphiooj, fondador da empresa Telegra*
palca Universal, e daWest tedian and Amen-
cao Telegraph eomaany, i qual se acham assocla-
vistos os antecedentes qae o abaixo assignado enun
cia ante a intelligencia. e constitucionalismo de
Portugal, nao se apresse urna resologo sem com-
pleto estado ; por quanto a (alu de luz dara moti-
vos a reclamages ulteriores, capases de Impossibi-
liur a organisago e andamento de orna empreza
que necessita oilerecer aos capiues lodo o prestigio
da justiga, da lei, da sciencia, e do crdito.
t Desejosos de cooperar paroste eume, o abai-
xo assignado e sir Charles Brigbt, soticitaram de
Londres, ao Exm. Sr. presidente do conselbo de
ministros, por intermedio da legaco portogaexa
naquelia capiul, e na data de 21 de margo prximo
passado, snbmetter-se a orna informagao parlamen-
tar, solicitago qoe hoje ra|wra as cmaras; a que
se nao postergaren) sem conbecimento, direitos
respeitaveis nao examinados anda, e coja transcen-
dencia, pela mesma razo, nao foi apreciada.
As condges que esta empreaa solicite das
(cortes para construir 'as linbas telegraphicas no
l dominio poriuguez, proyectadas, na convengo, sao
as seguintes :
A aoiorisago exclusiva para eslabelecer e ex-
plorar pelo espago de quareau annos, a communi-
cago telegraphica entre as ilhas da Madeira, de
Cabo-Verde, e o Cabo deste neme, com os cominea
tes poriuguez e americano.
< Declarago de ser de utilidade publica a em-
preza telegraphica.
Garantia das propriedades da empreza ; neu-
tralidadedas liabas telegraphicas, e inviolabilidade
dos despachos.
As tarifas mximas que a empreza exigir'
nos dominios portuguezes sero as mesmas qoe exi-
gir s mais favorecidas.
i Harmonisando-se os estados do engenheiro
abaixo assignado, e as iodicages feitas pelo conse-
lbo das obras publicas, com referencia a' commu-
nicago da frica portugoeza o mesmo abaixo as-
signado solicita Umbem das cortes aotorisago ex-
clusiva para eslabelecer, pelo espago de noventa e
nove annos, as costas e mares dos dominios por-
tuguezes na frica, e com respeilo a condges que
se determinarlo, as linhas telegraphicas qoe bao
de communicar aquellas provincias entre si, e com
a Metropole.
< Do mesmo modo solicita o abaixo assignado
aotorisago exclusiva para esUbelecer e explorar,
pelo tempo de noventa e nove annos, as coramnni-
cages telegraphicas das possesses orienUes de
Portogal, com a empreza ingleza < Iado-Aoslralian
China, em que esU interessado, em nome da qual
iniciou negociagdes com o governo hespanhol, soli-
citando as concesses que corresponden) ao arebi-
peiago philipino.
A sinceridade do systema constitucional ues-
te paiz, e o zelo que em favor dos principaes inte-
resses de Portugal demonstram os seas represen-
tantes nos poderes legislativo e execativo, tiraro
sem duvida, assim o espera o abaixo assigoado,
todo o apoio que, por sorpreza, pode alcangar a'
convengo allodida, promessa de impossiveis con-
cesses de cabos, > com encargos e dependencias
impostes ao thesouro, logo que se prope empreza
mais vasta, mais garantida e benfica para o osu-
do, e cojas principaes condges sao: reduzir a me-
nos de meta de, a quarenta annos, os novenU e no-
ve do privilegio exclusivo Diado no contrato ; nao
gravar o thesouro com subvengo nenbuma para o
estabeleciment das linbas atlnticas; offerecer nm
systema completo de communicages telegraphicas
com as provincias portuguezas do ultramar, na
frica e Asia, e assegorar com as garantias do sa-
ber, da experiencia, e dos recorsos qoe exigem Ues
obras, o bora xito da empreza.
< O abaixo assignado, confiado na rectido das
cortes e do goveroo de Portogal tem a honra de
reiterar aos poderes do estado os protestos do
maior respeilo e gratido.
Lisboa, tid'abrii de 1866.-Arturo de Mar-
coart.
Antes da ordem do dia d? 14 do comente,
nada se passoa de notavel se nao ter o Sr. Sa No-
gueira insistido pelo apresentago do contrato do
telegra pho submarino de Gatai e Phllipon. 0 con-
de de Castro leo eoto o termo da desistencia da-
qoeiles coneessionaros feito em I* de levereiro de
1861, sendo ministro o Sr. Thiago Horta. O con-
trato bavia sido feito em margo de 1860.
A sesso secreta comegou as duas horas. O mi-
nistro da fazenda leve a palavra primeiro e foi logo
dizendo qoe era necessario feichar boje o debate,
por que linbara muito que fazer. Depois defendeu
a Bale?trinada. >
Enire tres boras e um quarto quando o Sr. Fracis-
co da Silvpjra pedio a palavra para, om requer-
ment. Concedida ia fundamentar esse requen-
mento, quando um deputado da maioria se levan-
toa gritando por qoe se inlerfompesse o Sr. Fra-
desco. A esta ioterrogago segue-se grande alga-
zarra. O presidente tocn a campainba, e os con-
tinuos nos corredores snspeitavam, e com razo,
que os representantes do povo tinha alfira chegado
ao argumento extremo.
Finalmente o Sr. Fonte, conseguio fazer-se ouvir
e insinuoo a' cmara qne attendesse o Sr. Fradesco
da Silveira.
Falloa pois o Sr. Fradesco da Silveira e a reque-
rimenlo do Sr. Pereira Dias, prorogoo-se a sesso
at se votar o contrato t Balestrlnl. As 4 horas
e cinco minutos, o requerimento do Sr. Severo de
Caivalbo, foi julgada a materia discalida por 65
contra 48 votos, e em seguida, em votago nomi-
nal, foi approvado por 22 contra 49 votos.
Disseram approvo, os Srs.: Affonso de Castro,
Anselmo Brocamcoemp, Teixelra de Vasconcellos,
Ayres de Goovl, Camillo Almeida Carvalbo, An-
tonio G. de Freilas, Barros e Sa', Antonio Jos de
Selxas, Aotonio Julio Pinto Magalhes, Fonles Pe-
reira de Mello, Peqoito, Magalhes, Agoiar, A. R.
Sampaio, Serpa Pimentel, Barjona de Freilas, Fai-
co da Fonceca, baro do Mogadouro, Bentoi de
Freitas, Carlos Bento, Cesarte, Claudio Nones, Dei-
fim, Domingos de Barros, Fernando Caldeira, Fran-
cisco Bivar, Namorado, Ignacio Lopes, Costa e !>il-
va,Lampreia, Francisco uniz Lopes, Paula e Fi-
gueirelo, Guilberme de Abreo, Gustavo de Almei-
da, Palma, SaoU Anna e Vasconeelios, Raima de
Bastos, Reis Moraes, Covas, Gomes de Castro, Se-
polveda, Joo A. de Sonta, Martins Ferro, Alcan-
ura, Joo de Mello Soaares, Mattos Correa, Proen-
ca Vieira, Neutel, Joaquim Pinto de Magalhes,
Vieira de Castro, Infante Pessanba, Correa de Oli-
veira, Alves Chaves, Jos LurUno, Jes Mara da
Costa, Sienne de Menezes, Mendos Leal, Jos Vaz
de Carvalho, Leandro Jos da Coate, Lnlz Bivar,
Freilas Branco, Amaral e Carvalho, Alves do Rio,
Manoel Hornera, Pereira Dias, Lavado de Brito, Se-
vero de Carvalho, Pedro M. Gongalves de FrelUs,
Placido de Abren, Tbomai Ribeiro, visconde da
Praia Grande, 72 votos.
Disseram rejeito : Annibal, Alves Carneiro, Soa-
res de Moraes, S Vogue.ra, Correa Caldeira, Sal-
gado, A. J. da Rocha, Faria Barbosa, baro de Ma-
galhes, baro de Vallado, Belehior Jos Garcez,
Caetano Garcef, Eduardo L'abral, Paoslo Gnedes,
Albaqnerque Cooto, Barroso, Gavicho, Sooz Bran-
dq, Fraocisco Rocha Peixoto, Paula Medeiros,
Santos e Silva, Joo Carlos de Asssls, Sapnlveda
Teixelra, Caiga e Pina, Joaquim Cabral, Vieira Lis-
boa, Fradesco da Silveira, J. L Ribeiro da Silva,
J. M. Osorlo, Costa Lemos, J. C Rodrigues Sette,
Jos de Pioho, Figoeiredo e Queiroz, Carvalho Fal-
cio, Jos Julio Oliveira Pinto, J. Maria Lobo de
Avila, Rojo, Jos de Moraes, Jos PaoHno, Jos
Pedro A. Nogoeira, Barros e Lima,. Jos Tiberio,
Levy, Lonrengo Antonio de Carvamo, Manoel B.
Roba Peixoto, Coelbo de Barbosa, Manoel Flrmino,
Manoel J. Julio Guerra, Vicente Garlos. ToUl 49
votos.
Foi approvado o projecto sobre a navegago
regular entre Lisboa a frica, Acores e Algarve di-
. m i ..J. .._. tnm ftn mfXV OCIA UkrTlPfl
.'s^E'BVlghT meabro do nanamente todo o leglti jao futeresge compre denjar, a&m de I
rgido ou flscahsado como tem de ser este servico
pelo digno director geral danrioetra direccao do
ministerio da mariaEa o conselheiro Antonio Selle.
Veri&coa-se no tribunal da Boa Hora a arre-
matago dos vapores que foram da compannia
Unio Mercantil.
Os D. tistepkama e frica van ur convertidos,
pelos que os compraran), em navios de vete e em-
pregados na condocgo de carvlo.
Os vapores D. Lata, D. Pedro, Zatre, D. AftJtfW.
foram comprados pelo Sr. W. Leelbam, ejnprexa-
rlo da carreira d'Atrica. '
S Qcou por vender o IgorwM gue Jem o ;oj;
*
t


jnpk^.

Mari* de PeraiMlnM
tar novament a praga com
SatAade 99 de Malo de
TT.. /.,.' "

parle do valor no da 30 do corrate.
Os precos dados pelos diversos vapores que se
arrematara*iforam estes :
D. Pairo :0G00Q.
Zatre 47:230*000.
D. Antonia 46:300*000.
D. Luiz 7:3009000. ^4tj
D. Estephanta 9:0011000.
frica 10:000*000.
Total 148:85*5000.
S resta ver que os vapores que Bio prestavtaf
na mo da Uaio Mercaatil. pas-em agora a ser
ptimos, apezar de mui'.o otis velaos e damniea-
dos as maos da empreza eatrangeira, diz ara jor-
nal de provincia que itabo a, vista.
Ja' foi hincado ao mar esa Glasgow o novo va-
por pertencente a' ernpreza dos Srs. Acher & Sirva
de Loanda, para a navegacao do rio Coaoia.
Chama se Andrade, do nome do ultimo e disliac-
to goveruador que teve Angola.
(o*iuar--Aa.j
abitaeato da terca "Ko. poda uar cedo resistir a
de ovirti.-
tamao -for^a
4>o*dar daern .vemos recorrer agora,
O correspondente, qne nem ao limas offeoei *-
nulmente, levanta roe ainda ncrttAto teste***-
nbo, quando sepps-me dewjoso as &tt*r 4 a**a*.
Posto qoe a miaba f de oflieia lo eparanaa
Se a ^pae. teman afcgum sttto aroiooo, qae certas notas, como aquellas que Wftfmt a aaa
nos posta valer, queira praticalo ou eraprega-lo a ricolhimento temido o bomem susceptivai de alfa
bem dos atribulados viandantes de tao iseravel pador em presenca de revelares trtstissmra,
estrada : sera' om grande service qoe a agrade- ceno todava que nao aco maii do que usar do di-
cen' assax. reiio de legitima defeza, -
t Como acreditar fra dea trra, qoe esta a : eaeandalizou sigua vez
priaeipal estrada qoe commaniea a lio fallad ca- oesta
roSuSimor^^rjiiv^,0 quant0 uatrlflrqwn* de raas -"w",jd >m
de alguns a ponto de os Utt #lfiaaavel: ...... .._MffiT
e o mea estjlo aiada alo
os onvidoa a gente ba-
to
.ale.
te de osaaaMNTo de alguns a ponto de os
ficar oe estad em que se panha Leandro, quando
etrasessava o fTellesponto para ir ler com a saa
amada ero (.....e' de ootros a ponto de os ani-
mar beijr e abracar S. Exc nos arrobos da ef-
fu sao ? aaaajhaaB
Sera' om artigo editorial censo tese do Minas-
Gerate, taoaaera arranjado como oa aauuacios das
PERNAMBUCQ.
pltal com os seas suburbios mais aotarete 1
< Ha certos orgulbos que sao ama perfeita pue-
riltdade. *
No corrente aano lectivo matricularam-se na
Faenldade de Direto de_S. Paulo 153 estndantes.
Deste numero total 67 perteucia ao i aeno, 59
ao 2", 89 ao 3, 77 ao 4",e 80 ao 5:
\ Del
Cf)rrpntfi
Vamos mal de sande. febres, tosses, dyarrhea,! J" ''tentado polmica com o Mjmao Sr. Sal-.
cmaras de sangue, e ludo quanto e molestia aos. >? Jornal do Recife n. 78 de 3 de abril
1 esta' perseguindo E natural que o meu paoor se augmente agora
Em vista de tanto contra, claro que mofo-' cm a correspondencia publicada na Corte, e cuj:
sido um tempo bem Phraseologia conhecida so parece muito com a
onde a adulacao e a baixua sacrificara
aneputaco poltica de todos os atas aa-
lido mesmo ao trnate bascar as pinzas
erara ontr'ora as glorias do imperio,
s aos ps de S. Exc. I
o Sr. Saldas* anana vat
qae nao a tive nem ajamen, cosa ata
Nao hei dt eonseatir que me vetasra pertor-
bar no meu retiro individuos a quero nem ao me-
aos tstou disfamado a posse de alguna osso.
0 pablico tnsalo aaa livcr lide os meus escrip-
ot, e conhecer que dtatro da miaba esphera nao
volto as costas discnsso, anda qoeeila se reflra
a um pomo iw alto, ha de rr-se provavelmente da nao a quero. Deixo-a para STExc; assenta-lhe
De p*n fAitrn Aoram>m nns om +7 a' qaaad sooeer qoe o correspondente do Diario do; roejbof.
rrente escrevem nos em dita v co, ^--^^ a ^ q h&o eip|icavei_de d5o ,er | Tive as manifestares sinceras e francas dos ho-
Btns srtos e4ronesto, enunciadas na intlraidade
de amigo*.
E' quanto me basta.
Nem lenho prelen{5es a flgnrar em um carna
i. ............
> se mais por ca' agora. Tem
: doentio por toda a parte I
i comraunicanle daqueile jornal.
AS8EMBLEA LEGISLATIVA PROVINCIAL.
SESSO UliIXAHIA EU 12DEMAI
DE 18136.a
PBBSIOE.NCIA DO SB. VIGABIO FBXUCBCO PBDBO DA
SILVA.
Ao meio dia, feita a chamada, verifica-se a pre-
senca dos Srs. depotados Francisco Pedro, Ramos,
Ayre>, Augusto Leao, Soares Brandao, Machado,
Buarque Gaspar, Joaquim Reg Barros, Sergio,
c Mais emQm, a cousa nao tao grande que faca
susto.
I O invern contina, e o Capibaribe nSo da*
passagem. E' o quanto lenho a dizer-lbe desta
vez. Adeus.
nal seraelhante ao em que S. Exc. est colbendo
seos lonros.
Nem os horaens serlos e honestos terao a velei-
dade de manifestar seus senlimenlos perante Indi-
viduos para quena o ultimo grito de Bruto agon-
Depois da pabliea^o do meo collega o Sr. Dr.
Texeira de Sa' no Diario de Pernambuco repellin*
do aggravos que lbe fea a mesma correspondencia,
seria falla de generosidade de minha parte ang-, sanie urna verdad pratica.
mentar a affeico ao ajOicto, que o publico ja' sabe | Duas palavras ao Sr. Dr. Alfonso Celso,
quem S me resta fazer votos para que o cor* I Entre a poblicacSo do atiestado com que S. Exc.
jnos trabamos da rela?ao tem sido pnWfcado, re5p0Ddeote aproveita o castigo para nao andar! me honroo e o dever Indeeilnavel de sustenta-lo, e
por engao do copista o nome de Jos Nogueira, .royoc,,,^ m 00,r08i a nomens aoe nao se lem-, o apoto e amisade aa ditao presidente, achou-
de Souza, em lugar de Jos Nogaeira da Silva, mo- {ram do piSsa0 e nem l0 meDOs prevlnero o fu- "
rador na provincia do Ceara'. I ,aro. Embora ao simples bom senso se afigure
Ilije o agente Olympio, no seu armazera da
. no sea armazera oa iao trans torio ettt frsente, deslnmbram-se ao
iifrana tartirw Paw Pr*5* do Commercio n. 49. fat leilo em continua- ponto decevarem Indiscretamente intrigas pessoaes
Hisbelle, Mergnlho, Aodr, O na, M s fiQ ^ objecU)s txit9ntM'tm ^a arnazem, como q00 pdem trazer-lhes contrariedades e desgostos.
sejam trastes avalsos, mobilias completas, mallos Pretenden) celebrizar-se pela animosidade, na falta
objectos de ouro, e outros mnilos arligos. de ootros titolos qoe os recommendem a' eonside-
Passageiros do vapor Sania Cruz, sabido pa- rarao do publico jllostrado de urna provincia de
ra o norte : primeira ordem.
de Andrade, Jeronymo, Brito, A mor i ni, Epaminon
das, Janseo, Emygdio, e Sonto Lima.
L-se e approva-se a acta da sessio anterior de-
pois de orar o Sr. Gaspar Drumraond.
O Sb. Sbcbktabio d coota do seguinle
EXPEDIENTE.
Um officio, remetiendo um aitograpbo de lei
sanccionado. A arcbivar-se.
Recife," 17 de raaio de 1866. v
Jos Bento da Cunha Figueirdo Jnior.
mm
vada.
Reoaccao do projecto n. 94. Approvada.
Ora pela ordem o Sr. Lopes Machado, que re
Santos, sua senhora e 1 Blha, Dr. Francelino Ber-
nardo Quinteiro, Jos Francisco de Paula Costa,
Miguel do Reg Bispo, Antonio Pereira de Siquci-
quer que se peoam com urgencia a's iuformagoes ra> Joaquim Jos de Araujo de Vascoocellos, viga
rio Pedro Manoel da Silva Burgos, Antonio Jos
Vieira Sabugo, Luiz Jos Divino, Jos Joaquim de
Aguiar, Francisco Xavier de Oliveira, sua senhora
e 1 Giba menor, Benicio Vercosa, Dr. Tibnrtlno
Barboza Nogueira e 1 criado, vigario Francisco
Pedro da Silva, Daniel Antonio Pereira Pinto, te-
nente-coronel Felippe Rodrigues Coelho, eapito
Rufino Jos da Cunha, soldados Joaquim Antonio de
relativas ae pro]ecto n. 63 deste anuo.
Sendo lido e apoiado o requerlmento, appro-
vado.
O Sr. Silva Ramos requer urgencia para se pas-
sar a' ordem do dia, no que a casa consente.
ORDEM DO DIA.
2*. discnsso do projecto n. 2 deste anuo sobre
loteras.
Vem mesa diversas emendas concedeudo igaaes Oliveira e Jos Manoel de Soma, segundos cadetes
loteras para Correntes e Muribeca e associatao
dos aifaiates.
Encerrada a discnsso o projecto approvado e
dispensado do intersticio a pedido do Sr. Buarque.
2*. discusso do projecto n. 47 deste anuo deter-
minando o valor sobre que devem ser percebidos
os direitos provinaes. Approvado, orando o Sr.
Gaspar sobre o art. 2, o qual rejeiado.
3*. discusso do projecto n. 49, autorizando a
coacesso de um privilegio para a conslruccao de
duas pontea sobre o rio Capibarire.
Vem a' mesa urna emenda, elevando o privilegio
para urna dellas a' 30 annos, e dando preferencia
a Audi Porto.
Encerrada a discusso o projecto approvado
com a emenda.
2*. discusso do projecto o. 69 concedendo urna
subvencao ao Instituto Arcbiologico. Approvado
sem debate.
3*. discusso do projecto n. ii deste auno, con-
cedendo urna moratoria a Felippe Benicio Caval-
caote. Approvado sem discusso.
2a. discusso do projecto n. 68 deste auno, auto-
risa odo a construcco de nma ponte sobre o rio
Gitahy. Approvado e dispensado do intersticio.
1*. discusso do projecto o. 89 reformando o
compromisso da ordem 3". de S. Francisco.
Fallara sobre a materia os Srs. Gaspar e vigario
Jeronymo.
Vem a' mesa um requer ment de Sr. Gaspar
para que seja ouvido o Sr. bispo diocesano.
O S. Costa Ribeiro declara que tem materia ur-
gente, e sendo apoiada e votada a urgencia, o il-
lustre deputado requer que se discuta a forca po-
licial, e caso noseja approvado o seu requerimen-1 maio db 1866.
to, que se entre na discusso dos ornamentos.
Encerrada a discusso da urgencia, o requeri-
menlo rejeiado, continuando a discassao do pro-
jecto n. 89.
Verificando-se nao ha ver casa o Sr. presidente
levanta a sesso, designando a mesma ordem do
dia.
Publicacfles a pedido
rao de Porto-Alegre.
asa.
Beagiaatonio Florenzano, Pasqoale Plorenzano,
Geralde Thom, Jos Thomat de AgQiar Pires Fer-
reira e 1 escravo, Ignacio d Costa Miranda, Fran-
cisco Soares da Silva Retumba, Joo Rodolpho Go-
Um parecer da commisso de orcamento, assig- mes, Gutseppe Barnab de Paolo, Geovanl Rossi,
nado pelos Srs. Soares Brando e Candido Martins, j0s0 Antonio daSilveira Gabrieli Corr, Dr. Manbej j
deferindo a peiijao de Jos Amal, qoe solicita ama de b. Brrelo, Antonio da Silva Carvalho, Mr. Gnn' "
subvencao para dar espectculos lyricos. Ap- too, Antonio Flix de Carvalbo, Victorino do Reg ^ \\\gt, e E\B1. Sr, tcneote-SCIieral ba-
provado. Toscano de Brito e 1 criado.
Dous pareceres da commisso de negocios mu- Passageiros do vapor Mamanguape, sahido
nicipaes, pedindo diversas informacoes a' cmara para os portos do sol :
municipal de Olinda. Approvado. '. I 2 cadete Antooio da Siiveira Machado e 2 vo-
E' lida e entra em discusso a redaccao das pos- luntarios da patria, Marcelino Jos Alves, Antonia
turas da cmara municipal de Ingazeira. Appro- jos Barboza Babiano, Andr Jos Fernandes dos
SONETO.

Francisco Sergio F. da Cunha, Jos de Souza Gul
maraes Jnior, Jos Antonio de Oliveira Sena, An
tonio de Almeida, Antonio Lemos de Magalhes,
Joo de Oliveira, Jos Francisco Joaquim da Silva,;
Antonio de Sooza Monteiro. Francisco Jos Albi-
no, TheotonioTy Brando e Justino da Silva Torres. |
REPABTigO DA POLICA *.
Extracto das partes do dia 18 de malo de
1866.
Foram recolhidos a' casa de detenco no dia 17
do crtente:
A ordem do delegado da capital, Francelino dos
Santos Araujo, para correccao ; Jos Joaquim Pe-
reira, por injurias verbaes e amea^as.
A ordem do subdelegado de S. Antonio, Cosme
Manoel do Nascimento e Benedicto Joaquim Anto-
nio, por briga ; Manoel e Benedicto, escravos; es-
Se dado a um coraco reconhecldo
Manifestar a sua gratido,
Consent ao meu grato coraco,
O przer de moslrar-se agradecido.
Essas provas que tenho receido,
De vossa generosa protecco,
Sao paginas de eterna duraco,
Onde existe o vossinome repetido.
De Porto-Alegrc-^o nolne respetado,
Como typo de honradez e de bondade,
Tenho dentro fle mea pello ] gravado.
E lo grande a (orga de amizade,
Uue tenbo a esse nome consagrado.
Que juro, ir comigo a eternidade.
Em S. Borja, aos 21 de.revereiro de 1866.
Bernardo Luiz Ferreira Cesar Louretro.
Primeira lance da estrada a ApiBuecs.
A tres annos seguramente, que passa-se por la-
mas, buracos, e aguas nessa estrada ; ja' neste cor-
rente anno, lcou intransitavel, desde a Instancia
at o Mangoinbo, e se alguorn queiri passar era
em jangadas, que dizem com a paga de 160 res;
mas os pedagios de Capunga, e Mangalnbo sao co-
brados, por passar-se por lamas 11 Algotnas es-
tradas dos arrabaldes da cldade ama miseria
*ara os sephoros._fa&m ^ SriTmea^
Lia.- Portencer que a comprara e /acara cilraprlr lio m-
3o e ardsncia da pelle cansada pela man-
pulagao dt navalaa de fcarba, usando d'este
balsmico e refrigerante perfume, diluido
wn agua, encoatrarrj n'elle a virtode mo-
dificante, o antidoto necessario, servindo ao
mesmo tempo, debaixo desta mesma forma,
cono um meio excellente de issiptr ogos-
to e cheiro que &ca na bocea depois de se
laver fomado
Antes da compra desta agua, bem ser
examinar com cuidado, so es neme de
Murray e Lanman, se acham inscriptos sob
cada envoltorio letreiro ou garrafa, pois
claro est, que na falta dos mesmos toda a
mais falsa.
Vende-s- as pharmacias de Caors & Bar-
bosa e J. C. Bravo & G.
rdia
COMMERCIO
a
te'de'Fra'nc^co de" Pau'li-FicueTreSo eaaaetle de estrada do Arraial com as aguas lluvias, e das en-1 pos; ao contrario, daclrc francamente ao mesmoj
se S. Esc. m serias difflculdades.
Dalii a saa declaracao no Jornal de 17 do mez
ultimo.
O poblico a lera' IMo e eemprado com o atiesta-
do a qoe aliado.
as circumstancias em que se acha o Sr. Dr.
Affonsw para com o Sr. Saldaoha, adrogar a causa
deste advogar pro domo na. <
Entreunto sejam-me perraittidas algamas reBe-
xes.
Se at 1863, poca em que o Sr. Dr. Alfonso
deixou a inspectora da thesonraria provincial,
tinha eu mutia tnteligencia, como elle o afflrma;
se elle nao prora, era allega, que de ento para
ca eu tivesse soffrdOalgama affec;ao cerebral, de
que me resultasse a peda ou enfraqaeclmento de
michas facnldades intelleetaaes, natural que qoan-
do foi demiltido anda possuisse o mesmo grao
de kRIMgetfca. <0 Sf. Dr. ABbdso ba de convlr
nisto. '
Se;.em 1663 eu desempenhava perfeitamente bem
os deveres do meu em prego, e me appltcava uo tra-
balho, quando apenas acabara de cursar as aulas
de direlto, seto pratica nenhoma, nem conheci men-
t de legislaco fiscal; com pratica qae em se-
guida adquir cora a mutta iitHligencia de qne
punha devia continuar a desempenbar cada vez
melbor os meas devores quando fui demiltido. O
Sr. Dr. Affoose ba de convlr ofsto.
E, convfnda em ambos os pontos, ha de convir
necessariameote em qae o acto do seu presidente
foi injesto, seno immoral; tanto mais quanto o
jornal offlclal-o Jastiflea da raaneira porque o jns-
lificou.
Tanto mais quanto S. Ifixe. nao ser desmenli-
do pelos seus suocessores na inspectora dos qoaes
pnbliquei os atteMids e certido que S. Exc.
ja' leo.
Em concluso :
Lanca-me o oesvaaticale em rosto o (acto de ter
eo procurado ora emprego.
E' verdade ; occopando o de procarador fiscal
da fazenda provincial, e nao me dando muito bem
nesta cidade, cujo clima nao me 6 dos mais favora
veis, desejei ser removido para oatro emprego de
noraeaco imperial em qualqner das provincias qoe
indique! ao Sr. cooselbeiro Lobo, a quem Uve a
honra de dirigir me.
Qoe ha nlsto de desaireso?
Para obter til remoco, apartel-me porven-
tora dos tramites que a tneral e o decoro pres-
crovem?
Nio. Nao renuociei para 4rto os meas prinei-
Assucar
roba.
Cambio
1#009.
rRACA DO RECIPE.
Cotacoe! ofOclaes.
18 de maio.
As 3 1|2 horas da tarde.
mascavado americano 15650

sobre Londres 90 d|v.
por ar-
27 1|2 d. por
uaboarcq Jnior,
Presidente.
Siiveira,
Secretario.
Novo Banco dePernambuco.
O novo banco paga o 16 dividendo ne
razio de 60150 por accJSo.
Xovo banco de Peruana
bneo.
O Novo Banco desconta letras a 12 por cento
ao anno, toma dinheiro a praso flxo oa em coota
correal palo premio e condicoes que se conven-
clonar, e saca sobre a praca da Baha
ALFANDEGA.
Rendiroenlo do dia 1 a 17...... 391:488*609
Ideradodtal8................. 17:337*831

411:826*440
MOVIMENTO DA ALFA.NDEA
Volumes entrados com fazendas...
< com gneros...
Volumes sahidos cem fazendas...
< c com gneros
132
321
------456
96
240
------336
um fuo Pessoa, o Io por se acbar au;ente da casa
de sen senhor, e o 2o a requerimento d respectivo
senbor.
A ordem do Donizio Benedicio do Rosario, para correccao, e
Fejppe, escravo de Francisco Alves Monteiro J-
nior, por suspeito de andar fgido.
A ordem do da Boa-Vista, Manoel Dias do Nas-
cimento, para recrota, Manoel Francisco do Nas-
cimento, para correccao, Angelo, escravo de Jos
Joaquim Pereira, por fgido.
A ordem do da Capunga, Graciliano Joaquim
Nasario, para correccao.
O chefe da 2" secgo,
/. G. de Mesquita.
Cemiterio poblico, obituario do da 16 DB
Chentes do Capibaribe, fica inteiramente intransi
tavei, por causa do nacho denominado Jacar, qae
atravessa a mesma : a muito reclama orna bomba,
e um pouco de aterro : alguns moradores desta
estrada que tem mandado abrir a valla desse
riacho, arrancar raizes tapar buracos, e cortar ga-
lhos de cspiohelros em alguns lugares da mesma
estrada : e assim vai o cidado tributario sofrien-
do com muita paciencia, e ja' tao sobearregado de | neeessanas eoodiedes.
Sr. cooselbeiro que era conservador, e iue por isso
nao querva emprego de confianza.
Nao ard fatnga, nem perd metes e annos
as antecmaras dos ministros para fazer vagar
eropregos dignamente preeoebidos, e -nelles me eo-
caixar.
Limite! me smente a pertender aquillo a qne
todo o cidado brasileiro (em direito, estando as
REVISTA DIARIA
Amanbaa celebra a irmandade do Divino Espi-
rito Santo, em saa igreja, a festa do padroeiro,
com toda a pompa, para o que nada tem poupado.
A igreja acba-se ricamente ornada, a msica da
missa de composito do dislincto professor Colas
lho e os fregadores sao de reconbecido talento e
llastraco.
As novenas foram muito coacorridas, apezar da
grande ebuva qne cabio em diversas das nones;
agradando a' todos qae abi foram as bellas vozes
que entoavam os versos como a mimosa masica
qoe os acompanbava.
Consta-nos qoe a irmandade pretende mandar
illumifcar a frente da igreja, hoje e amanha a'
noite, com a luz elctrica.
Amanha depois da testa do Divino Espirito
Sanio da igreja ao Collegio, tem principio o sete
nario do Senbor Santo Cbristo ds Miiagre, devendo
ter lagar a (esta bo domingo 27 do corrate.
Depois d'amanha se extr*hira' a 14' parte
da lotera, a beneficio das familias dos volootarios
da patria (63), sendo o maior premio 6:000*000.
Na sesso do tribunal do jury, no termo de
Goianna, cujos trabalbos eooecaram ao dia 10 e
terminaran a 14 do ratz passado, foram Jalgados
5 reos, todos do exo masenlino e nacionaes, tendo
1 mala de quarenta annos, 4 dos quaes casados e
1 viuvo, comprebendido tm a processos qoe foram
instaurados por qoeixa i, por denuncia do promo-
tor lea ex-offldo 3 ; lodos os reos foram coodu-
zidos aale o tribaoal da priso em qoe se acba-
vam e foram coodemnado a galos perpetuas a 2
a p rita o cora trabalbo, omita e 2 a priso eom ira-
balbo e malta e 2 absolvaos. Os crimes praliea-
dos peiorquaes foram : 2 homicidios,! ajoatameo-
to i llicto, i furto e 1 f en ment grave, nao tendo
sido olerposlo recarao algaa das decisois do tri-
bunal. Dos reos i artista e 4 agricoltores eto-
dos anilpbabetos.
Na poesa doSr. Ly cargo do Paiva, hontem
publicada na 8* pagina, po 2? verse na 1* estropjie,
onde diz :Todos voltero 6 rosto e me detestem
la-se : Todos vottem-me o rosto e me detestem.
Na 5a estrophe, ao 3* verso, onde diz :Ren-
dem-lbe ver-me a palidez do rof tola-se :Ve-
dem-lhe ver-me a pallldez do rosto.
Remetiera-nos a seguate addicio a'jioticia
qoe demos a respeilo do que trata a mesma ad-
dirao :
c Sobre o que Vmc. disse acerca do Te-Deum,
que a cmara municipal resolveu mandar calar
eo aeco de gracas pela victoria final das ooasae
armas na campantia do Paraguay, devo accrescen-
tar para complemento de sua noticia, o seguinie,
cuja publicado tara' se lbe convier.
Sera' o dia em qae teto de celebrar-se esta so-
lemnidade religiosa o posterior a'qaelle da ctaega-
da aqui da noticia da victoria, tendo o acto logar
na igreja do Espirito Santo, e toeando-se nelle urna
masica nova, eomposico do Sr. Colas, ja' to co-
obecido pelas soas produeges e pelos seas conhe-
cimentos e proficiencia na materia.
c A cmara nomeoa tambem para recepsao dos
convidados ama commisso composta do secreta-
rio, contador e procurador da mesraa rauoicipali-
dade.
Commiraieam-Dos o segainie:
Aconteeea o qoe ja' todos previam aqoi, e ba
mptto se maoifestav.
Esta' horrivelmente otransltavel toda a estra-
da, que d'ahi do Recife se dirige para esle Apipa-
eos, qner na parte empedrada, qaer naquella que
nao onde exMelrbieleim lormidaveis que sao
trnsflar por esta esirada da qoalquar modo qae
seja. ^
c E como nao havia de-dar-atisto, se a estrada
nao ttaba nma cooservacao peranoaete, e achata-
se ja' em om estado de deploravel decadencia I
Antonio Jos Pires, Portugal, 43 annos, casado,
Boa-Vista ; tnbercalos pnlmonares.
Sebastiaua Pacheco O;.ono da Silva, Pernambaco,
30 anuos, casado, Boa-Vista; hepatile.
Rita Mara da Conceico, frica, 50 annos, viuva,
Boa-Vista ; eongesto cerebral.
Manoel, Pernambuco, 2 mezes, Santo Antonio ;
desenteria.
Joo, Pernambuco, 6 annos, S. Jos ; dem.
Paulino. Pernambuco, 12 mezes, S. Jos ; idem.
Mara, Pernambuco, Santo Antonio ; idem.
Mana, Pernambuco, 8 annos, Boa Vista ; espasmo.
Jos, Pernambuco, 2 mezes, Santo Antonio ; con-
vulcoes.
Jos, Pernambuco, 5 annos, Boa Vista ; desenteria.
Mara, Pernambuco, 2 annos, Recife ; eonvulcoes. j
Mara, frica, 90 annos. solleira, Boa-Vista; desen- O Diario do ftio, o Jornaf do Commercw e o Mi-
teria. nas-Geraes oceuparam-se cora a rainna correspoa-
Cecilia, Pernambuco, 4 annos, escrava, Boa-Vista ;;dencia ioseru no Jornal de 13 do mez prximo
broochite. BQdo : o primeiro e ultimo em arligos editoriaes,
Quintilisno, Pernambuco, 15 annos, escravo, S. o segando em orna declaracao do Sr. Dr. Affonso
Jos ; pulmonite. Ge'so.
Valenum, Pernambaco, 15 mezes, escravo, Santo | Quanto ao primeiro nada responderel, porque
Antonio; desenteria. nao descerei a discutir com lacaios; nem o meu
Nicolao, frica, 55 annos, escravo, Recife ; hery- carcter o permilte nem me acbo iniciado na giria
sipella.
impostos: apenas acaba a casinha, e mete a cabe-1
5a com os tilhos logo collectada ; e ai d'aquelles
que nSo pagara em lempo, por qae logo se appte-
senta o fisco, e o ultimo banquinho pinbprado, e
posto em almoeda; e qoando mesmo arraoja o'di-
nbeiro e vai tirar a guia para recolher, lem de pa-
gar no cartork) 6*900 rs. de castas I i
Nos annos flnanceiros anteriores ao de 64 a 65,
a relaco dos devedores era remeNida ao ur. pro-
curador fiscal, que anouncava 30 das para tirar
as suas guias; mas 00 dito anno de 64 a 65, foi
logo remedida da thesouraria provincial para o
juizo; de suppor para mais render as castas.
Talvez os senhores do palz digo \ paguem em
tempo, que todo fica sanoade ; responde se, nem
serapre os negocios do cidado correm a' sasfa-
{3o etc.
O cidado.
0 bacharel Caioillo da Ca ha e Fi-
gaeiredo e Sr. Dr. Joaquim Sal-
flanha Marinho.
Descarregam boje 19 de maio.
Brigue francezNotsielmercadorias.
Barca inglez*-Janeferro e pedra.
Patacho ioglezRomeucarvao.
Barca inglezaIsabellacarvo.
Barca nacionalAmizadecharque.
Brigue nacionalBeluariodem.
Brigue nacionalAureliano -ideen.
Snmaca hespanholaGuadalupe idem.
Patacho portaguezS. Jos -idem.
Patacho portuguezGarretidem.
Hiate portuguez Serra /idem.
KECEBEDORIA DE RENDAS INTERNAS GE-
RAES DE PERNAMBUCO
Rendlmeoto do dia 1 a 17....... 13:275*583
dem dodial8................ 1*66*615
14:942*198
CONSDLABO PROVLNCIAL
Rendiuieoto do da i
Idem do da. 18.
a 17.
55:435*336
2:768,5540
58:203*876
Se roe nao acbo hoje empregado, todo Ouro-Preto
o sabe, porque ao qeiz.
Aseim, negue-me o conventculo intelligencia,
serviros ; nao contesta re, Bem vate a pena. Mas
nao negue-me aquillo que os seus proprios correli-
gionarios lbe negaiu, e senhom hornera serio lhe
concede dlgnidade e beoeslidade.
O Sr. Saldaqha e os de sua escoa coslumam ir
rastrear as acco*s as mais expjicaveis no amor sr-
dido do uteresse pecuniario. Gaiam-se pelos seus
proprios nsilnctos I ..
Mas enganam-se a mea respeilo.
Nao foi a parda do logar de procurador fiscal
que oceupava o qne me fez vir imprensa ; de tal
perda, mere de Deas, e nao roe resultar a.ban-
carota, nem. o calote a' praca commercial e aos
proprieiarioe do Rio de Janeiro.
De bom grado e sem o menor constrangimento
(aneara mais esse osso a' cabina de faminlos or-
camentivoros e prothos polticos que rasteja em
torno de S. Exc, se me tora isto eligido em boas
termos.
Sa vim a imprensa, foi para appilcar o antidoto
necessario ao veaeno da calumnia que o Sr. Sal-
danba deixara lassumbrar em suas portarlas de-
missorias.
Presumo t lo conseguido ; estou salisfeito.
Ouro-Preto, 4 de abril de 1866.
fjAMII.IJJ DA CUMHA E ElCUBIBEDO.
( Do Jornal do Commercw.)
Communicados
porem, forcoso me diier
simples protesto e mais
Agua
de Florida de Murray k.
ILauman.
Em consequenca da sua grande e vasta
popularidade e justa celebridade em todos
os mercados da America do Sul e das And-
inas, para o uso vde cujo* paizes, ella foi
exclusivamente manufacturada, ha mais de
dalle*.
Quanto aos ootros,
duas palavras como
nada.
Mo Minas-Geraes, jornal official desta provincia,
- -1 i "i --------:------- o Sr. Saldanba, oao conventculo de palacio por
Agora qoe pude ler orna correspondencia re- elle, declara que fui demiltido por existirem na se-
mettida desta provloola. e publicada no Diario do cretaria do governo Informacoes reservadas, das
Rio de Janeiro o. 99. qoaes conslava ser en supinamente Ignorante, pon- vmte annos ; a mesma tem sido exclusiva-
Apparece em scena mais um ihuriferario do Sr.' co assidao, negligente e rixoso. mente imitada e COOlraeita neste paiz. Po-
Saldanha Marinho, que nem por isso hade ficar; E*-me inteiramente indifferente o coneeltoqoe rm presentemente 0 artigo orififinal foi in-
lisongeado veado assra to mal compensada pelos S. Exc. e os seus caros aduladores, a]liciados a wiuzido e em virtude do mesmo anresen-
novos paladias a desercio de seos mais distinctos costa dos cofres pblicos e de concessoes vergo- f^^J^l^^J^SS^S^
amigos de bontero, os Srs. Ottonis, Martinbo Cara- abosas, possam fater a respeilo da minha inlel- tar a dlstioctiva marca COmmemal dos pro-
pos e cairos, qae a respelto delle dizm eousas..., gencla e illustraco. prietarios, pode fcilmente ser distinguida
sobre as qoaes os proprios adversarios teem tldo Tenho bastante coascieacia de mira. Nada que-: peja sua apparencia exterior dessas OUtras
a longanimidade de guardar silencio. Si en fosse ro, nem espero deltas. Lmiaii9- pfranrlnlpntas cnmnn<5ir7ipq Os
rancoros- nao tinha boje mais do qoe loovar-me Onanto a' minha assidoidade 6 dilieencia como 8 es!
oas palavras competentes e losnspeitas dos anti-
gs e estremecidos amigos de Sr. Saldaoha, de
quera eu nanea disse diatribe e calumnias, como
afflrma o correspondente, levantando assim um
falso lestemunno mioba ndole. Nao Qz mais
do qae oolligir as tradicdes fidedignas qae encon-
tr! no Ceara.
Mas desta vez quero Ur toda complacencia cora
os meas antagoistn, eeixaodo ero anta paz o
seu homtm. O- qae nao desejo, porm, qae es-
tejau a reoder-lhe Baaus a miaa rusta. Iocen-
sem-00 a lartar, sob qoalqaer ouiro pretexto, e
eixem-me.
MOYIMENTO DO PORTO
Navios taidos no dia 18.
Rio de Janeirovapor americano JA Oriental, ca-
p.to Savory ; em lastro.
Rio Grande do SulImperial Mannftiro, capito
Francisco dos Santos Cunta ; carga assucar.
Rio Grande do Sal escuna braileira Formosa,
eapito Antonio Francisco de Souza; carga as-
sucar.
Canalgaleota haraburgueza Eclptica, eapito F
Estrave; carga assuear
Observaco.
Nao houveram entradas.
EDITA ES
Jos Francisco Pires, official da imperial ordem
da Rosa, lente coronel commaadante do 4
bauibo de infamara da guarda nacional do
municipio do Recife, ele'
Faeo saber a quera possi i'atecassar que, era
curaprimento de ordem superior.'jjEpo convocado
os cooceibos de qualificaco e reviso dos guardas
nacionaes das freguezias do Poco da Pauella
Varzea, districto do balalho sob oieu commando,
para o 20 do corrente, os quaes se reuniro nos
consistorios das igreja matrl7.es daqoellas fregu
lias, dando principio a seus trabalbos as 9 horas
da rnanha do indicado dia, que duraro quinze
dias consecutivos.
E para constar mande! passar o presente que
sera' afiliado nos lugares mais pblicos das refe-
ridas freguezias e publicado pela iraprensa.
^Qaartal do commando do 4 batalho de infama-
ra da guarda nocional do Recife, 12 de maio de
1866.
Jos Francisco Pires
Tenente coronel commandante,
OMcwtarto; daaaoWQP p**, nrovincia a faca
imprimir, publicar e correr/
Palacio do governo de Pernambuco, aos 20 de
marco de 1866, 43* da indepeadeacia e do imperio.
L. S.
Manoel Clementino Compro da Cunha.
Sellada e publicada a presente resolucao nesta
secretaria do governo de Pernambaco, aos 24 de
abril de 1866.
O secretario, tt. francisco de Paula Salles.
Registrada a 8. do livro 7o de leis provinciaes.
Secretarla do governo da Pernambuco, 20 de
marco de 18*6.
O escriplorarlo da 4* scelo ThjwdQ.ro Jos la-
vares.
Santa Gasa da-
do Recife,
A Illm.' junta administrativa da Santa Casa de
Misericordia do Recife manda fazer publico qna
no dia 24 de maio prximo futuro pelas 4 horas
da tarde na sala de suas sessSes tem de to pra-
ca a reada das casas abaixo mencionadas por lempo
de om a tres annos.
Os pretenderles deveo comparecer acoraaanaa-
dos de seus fiadores ou munidos de cartas uestes.
Estabetecimeutos de caridad*?.
Ra do Imperador.
N. 1 particular e 24 publica, sobra-
do de 1 andar.......I79J00O
Roa Direita.
N. 3 idem e 8 idem, sobrado de 2
andares..........1:067^000
Ra do Padre Floriano.
N. 5 idem e 49 dem, casa terrea. 1812000
N. C idem e 47 idem. casa terrea. 86J0OO
Ra do Fagundes.
N. 11 idem e 32 idem, casa terrea 153JWOO-
Travessa de S. Jos.
N. 13 dem e U idem, casa terrea. 153,5000
N. 14 dem e o idem, casa terrea. IGU0j0
Ra dos Pescadores.
N. 16 idem e 11 idem, casa terrea 216J00O
Ra da Calcadas.
N. 20 idem e 36 idem, casa terrea. 176#)0
N. 21 idem e 38 idem, casa terrea. i57f JOO
Una da Viraco.
N. 21 idem e 7 idem, casa terrea. 204,5000
N. 27 iiem e 19 idem, casa terrea,. t{6j00O
Ra de Santa Tbereza.
N. 32 idem e 5 dem, casa terrea. 16$00O
Roa larga do Rosario.
N. 33 dem e 24 dem segundo e
terceiro andares ....... 6OO9OOO
Loja do sobrado de 3 andares a. 34
idem e 26 A idem........643oOO
Ra do Cabug.
N. 34 idem e 1 C idem, loja. 408*009
dem dem e 1 0 idem, loja. 478*000
Roa do Calabouce.
N. 40 dem e 18 idem, casa terrea-. 183*000
Becco do Quiabo.
N. 49 idem e 8 idem, casa terrea, 141*000
Ra da Gloria.
N. 31 idem e 33 idem, casa terrea. 144*000
Ra do Encantamento.
N. 2 dem e 3 idem, sobrado. 400*000
Ra do Padre Floriano.
N. 67 idem e 65 idem, casa terrea. 30*000
Roa do Apollo.
N. 91 idem e 24 idem, sobrado de t
andares........, 1:400*000
Ra de S. Bom Jess das Crioolas.
N. 61 idem e 8 idem, cas terrea. 131*000
Patrimonio de orphos.
Roa do Raogel.
Casa terrea n. 6 particular e 56 pa-
blico...........265*000
Praga da Boa-Vista.
Sobrado de 2 andares n. 7 particular
e 13 poblico.........800*000
8. Goncalo.
Casa terrea n. 10 particulare 22 pu-
blico. .....189*000
dem n. 11 idem e 24 idem. 193*ti00
Rosario da Boa-Vista,
dem n. 14 particular e 58 publico. 146*000
Becco das Boias.
Sobrado de 2 andares n. 39 idem
18 idem........ 50I*C09
Azeite do Petxe.
Sobrado de 1 andar n. 63 particular
e 14 publico. ........503*000
Roa da Cacimba.
Casa terrea n. 65 particular e 5 pu-
blico.......... 97*000
dem n. 67 idem e 10 idem. 83{00
Ra dos Burgos.
Casa torrea n. 68 particular e 19
pu'ilico........... 101*000
Ra do Encantamento.
Sobrado de 2 andares n. 76 particu-
lar e 11 publico........807*000
Senzala Veiba.
Casa terrea n. 81 particular e 18 pu-
blico............ 193*000
Ra da Guia.
Casa torrea n. 83 particular e 27
pablico..........132*000
dem n. 84 idem e 29 idem. 126*000
Ra da Cruz.
Sobrado de 2 andares n. 89 particu-
lar e 14 publico.......706*000
Roa do Pilar.
Casa terrea n. 91 particular e 103
publico. .........168*000
dem n, 92 idera e 103 idem. ..- 16400
dem n. 93 idem e 101 idem. 174*d00
dem n. 94 dem e 99 idem. 255*000
dem n. 97 idem e 110 idem 1638000
dem 0. 10o idem e 94 idem. 174SO0O
Sitio o 1 no Parnaraeirim. 240*00o
dem n. 5 no Forno da Cal. 150*000
Secretaria da Santa Casa da Misericordia do
Recife 18 de maie de 1866.
O escrivo interino,
Francisco Gomes Castellao.
DECLARACOES
C overa o da provincia.
4.* seccao.Secretaria do governo de Pernam-
buco, em 1 de maio de 1866.
EDITAL.
Pela secretaria do governo, se faz publico a
ridades e empregados superiores, de quero dil ter 1 r
tido informales, com e conventculo que o dirige *
e que ibas insQflkn.
Com o coovenuemo, qoe lado consegae de S.
Exc. em troco de baixeza, adulacao e intrigas, e
cajo acleos nae sao de certo o orto, a digaidade
Si ao menos o Sr. Saldanba entrasse commlgo e o amor da verdade, por elle renegados aos dala-
era.polmica directa, {toda ser qae en rae resig- bros da ganancia e da aobicol
nasse' perda do meo tempo, para o qnal tenho Cora o conventculo, qoe tem transformado a sol
occapac.no mais decente do qoe soprar forna^as admralstrace em ora carnaval burlesco, onde a
dos defensores oficiosos... seriedade, clrcnmspeeeSo a gravldade da pri-
Devolvendo simplesmente, como restitoicio fiel mefra aatoridaa da provincia se ejgarraro,
a quem toca, algamas amabilidades qae natural se substiiuem pelos feitos e esgares do ridiculo
mente escaparam a meo respeilo por descuido, oa
por forca de habito, oa no enlbasiasmo do corres-
pondente para com o sen amigo, simo immenso
juzar vendu-me qualineado injustamente, como Mas
dos mocoi:mau pretumidos desta trra.
lelas e -entras impuia(5es igualmente graves
nem ao meos teem o mrito da novtdade. Acra-
lumei-me a ouvi-las desde qoe eotrei oa oarralra
publica -, e a razae simples. Ha certos bordbes
comrauns qne serapre se empregara contra o
adversario, quando nio se en con tra na so*
?ida publica algara pretexto para certas arguiedes Ser acaso ana MicilafSo como a qe se lbe di-
1 rigi aqui, minutada pela -seo secretorio, eopiada
mais sertas.
Mao tenbo gosto em provocar; mas estou sea
pre no proposito de repellir offensas conforme o
carcter do aggressor. Esla circunstancia vale
muito para mira. Nao obstante respetar o pre
ceilo da tgualdade perante a la, sigo inalteravel-
meole cenes principios qoe regalivam os desafios
no tempo do rei velbo.
Eis-ah porque nem serapre apanko a lava. Sois
si mi sioa me persegne, deixaiido-me em frente
adversarios de certa orden l A um ou oatro con-
tendor, com quem julguei licito medir, as miabas
toreas, nunca lbe Oqoei a dever nata, Ion vado
seja Deas.
Esta' claro qae ao me refiro ao pugilato, em
qoe nunca me ensaet: nem relo q.ne oprogresto
tenba a craeldade de obrlgar-me a isso. j
Quanto a' minha assidoidade 6 diligencia como
empregado publico, nio serio ioslnuacoes aieivo-' Signags internos de perfeita gepuiade sao quem ialeressar possa, que tendo o Exo. Sr. vice-
sas e aecusagoes vagas qoe destroirao os attesiados' muito menos fcil de engao, por quanto a; presideote da provincia, de dar execuco a lei n.
e a-certido que pabtiqaei de pessoas iosaspeilas,; fim a* florida de Murmii e I a riman tem \G49, de 20 de ffiar( ultimo, abaixo publicada, se
nicas competentes para informar ao 8r. Saldanha A i troap-m o'C0BV,l'a 'odas as pessoas que pretendam con-
sobre a capaodade dos empregados da reparlteao : oesemotve 0 aroma propno uas trebOdb e 1 ,raUr a muqpmjjfa das estradas de que trato a re-
que S. Bxe. reformoa. florescentes llores e plantas do trpico das: ferida le, a apreseotorem ao mesmo Exm. Sr.' as
Mas, o Sr. Saldaoha cenfunde acinteraaate auto- [ quaes ella deriva a sua bella e exquisita com- so&s propostas, e medame as bases neila eslabele
ar em luiTar de cidas'alQS de serem examinadas e preferirse
aquella que melhores vanlageus oOerecer.
O secretario,
Dr. Francisco de Paula Salles.
LEI N. 649.
O Dr. Manoel Clementuw Carneiro da Cunha,
yiee-presidento da provincia de Pernambuco : Fa-
go saber a todos os seus habitantes que a assem-
bla legislativa provincial decretou e eu saoccionei
a resolucao seguate :
. Art, 1. Fica o presidente da provincia aotorisa-
do a maudar esludar ea contraur com urna ou
mais companbias ou com pessoas reconbecidamen-
te idneas, ama rede de estradas, de redagem ou
de carru de ferro, conhecidas, sob a denominaco
de traraways, que ligue os centros populosos do
interior da provincia com as diversas estagoes da
estrada de ferro do Recife S. Francisco, como as
actuaes estradas dt comuunicafo para esta capi-
tal ou coro os pontos do littoral da fcil accesso a
navegaco.
Art. i.Q Para execuco do artigo precedente po-
dara' o mesmo presidente adoptar as seguiotes me-
didas :
l. Conceder as oompaahias ou aos particula-
res, qoe sa encarregarem da construccaa dos
traraways oa qae os collocar d'ora em diaoto as
actuaes estradas, ama subvencao kilomtrica pro-
porcional ao capital empregado e por tuna s vez,
ficaodo o cntralo, qne para isso se celebrar de-
pendente da approvaco desta assembla.
O contratante podera' independeate desta appro
vaco dar coraeco aos estudos e preparacSo dos
e o
pierrot.
Qualificam-me igualmente o Sr; Saedaaha
sen conventculo de empregado riaw.
Chamara-me assim, porqae no exeroicio de mi-
nbas funeces, ole os imitava, e antes procorava
a todo o transe manter a dignidad* do emprego
qae oceupava]....
Dizeaa arada no mesmo jornal official, qoe ae-
abuma vas se levaotoa nesta cidade para conaenv
ar o acto do governo qoe aoe demiuio.
O qae enteoet o Sr. Saldaoha por voz ?
e a exposicao ao
dimiRDir, aogmprrta a delicadeza de seu fino
aroma, em logar de produzir ama emana-
cao acre oa urna certa efiluvia desagradavel
como acontece, com esses perfaffles e aguas
d% cheiro as qoaes s3o preparadas e com-
postas com leos baratos e fortissimos de
essencls. '" "T "
(Tenhajs*, poil, tflo o coidfdo le exami-
nar e ver que os noiaw de Murray e Lan-
man, si achem inscriptos ^ gravados sob
cada enteltorio, letreiro e garrafa e na falta-
dos mesmos, fJCit soseettar da sta falsi-
dade.)
Vende-se as pharmadas de Caors &
Barbosa e J. daC. Braae C.
-.
agua de Florida de Mirr) Lanmao.
Est com ama rapidez espantosa trans-
mttifia e entregando ao ttegro esqneehien-
na secretaria do governo era horas do servico or-' to uma chusma de essencias fi aguas ch,et
dinario, e por uro doe seos empregados 7 rosag para o toocador, as quaes bem que
Sero ogoetes vivas "
qoe a eooventicuK)
do fico imperial, inveulada ^, _..
no dia seguinle extorqoir dos empregados -da
secretaria a qaaatia despendida com tai fes-
tejos?
Ser com jamar coa esse de despedida sede
em palacio as vesperal da partida de S. Exc, e
para o qual cada meesbro da conventculo concar-
rea coro o seu.prale, oa bebida T
Serio kurtat e nades ioecavenientos e mes-
1 eatmea, eoiM ai#M ocm 18e diga, teem servido d'uma miseravel des-
fes^mlserand^^^^ e de um des-
presivel desgosto todas as pessoas de re-
finada goato.
Alem de ser menos expeo*
dWie 'ffoimp os Mtrartos p hriaR euro- P1*008 "* obras'0 <'MM ,*lr.*0 *? n-
"W V. V f110*08 e et8'?^tB eoro^ demnisacao pertoncente a provincia caso nao seja
plJfi;eiW ^ mais pUra e delicada essen- approvado o contrato celebrado,
cia floral existente, e til j como um ex-' | iOntrabir om emprestiroo dentro ou fra
celleoee eaeio bygiemco DOsbindoi8UDerior lo paix, mediante cond$5es qoe nao obrignam
gienico possaindor superior do paii, mediante coniicSes que nio obrln.
qttatMiae8 cosmticas e finalmente j como pr oQcoa^nco^ em con- eatabelectd^os pestaa m,
ao espumar do champagne, ao tinfr dos chrysues, licioso. E' um mimoso e delicado compos- trarie.
ExposicSo dos productos agr-
colas, iudustriaes e obras de
arte da provincia.
Em consequencia de resola?5o da com-
mis-o directora da exposigo desta provin-
cia communico aos Srs. delegados da mes-
ma commisso, iBdustriaes e mais pessoas
que tem de concorrer aquella festa com os
seas productos, que foi transferida a aber-
tura da ixposico para o dia 45 de agosto
prximo futuro ; outro sim, que a remessa
dos productos deve ter lugar de 15 de ju-
jho em diante.
Sala da commisso 9 de maio de 1866.
M. Buarque de Macedo,
Secretario.
Santa Casa da Misericordia do
Recife,
C negando ao conheci ment da Illav Junta admi-
nistrativa desta santa casa, qoe .o ex-proeurador
Symphremo Olympio de Qneiroga tem recebido
algumas quantias, passando recibos mannscriptos,
manda a mesma junta fazer publico a todos os
seas devedores, qae elle alo 6 mais proeorador
desde e dia S de abril prximo paseada, apar tsso
nio lbe ser levado em oonta o qoe pafalWu por
esse modo, visto como os recibos desta saeta easa
sao impressos, assignados pelo theseareiro e rubri-
cados pelo provedor.
Santa Casa de Misericordia de Recife 18 de
malo de 1866.
O escrivo Interino,
Francisco Gomes Castellao.
TRIBUNAL m COMERCIO
Pela secretaria do tribunal do commerclo de
Pernambuco se faz publico qae nesta data fica re-
gistrado o papel de altoraco da sociedade de
Francisco Antonio de Almeida, Antonio ta Costa
Ribeiro e Tbeotooio Flix de Mello, qoe elrava
nesta cidade sob a arma de Almeida, Ribeiro &
C, a qual esto' substituida pela de Almeida & C,
visto ler-se retirado da sociedade o socio Bibeiro -,
continuanqe todavia a mesma sociedade sob as
coodicoes estipuladas no primitivo contrato, e cem
o capital de 13:770A708.
Secretaria, 15 de malo de 1860.
O oiBeiat-nuior
Julfo Guimares.
Pela mesma secretaria se faz i|culmente publi-
co que nesta data Oca registrado o contrato de so-
ciedade de Adriano Angosto de Almeida Jordo,
Joao de Castro Guimares, Manoel Altes Goncal-
Wrrent e Fraectpo Domingnas Silva Argojo,
estabelecidos nesta cidade sob a Arma de Adriano,
Castro & C, da qul podero osar os socios Atria-

-

.

-',
~
rf
h
*



MMHH


*e r%wmmnmit at*do ti vi e ise.

o e Castro, icos gerentes e respousaveis, de-
vendo a raesma sociedada dorar por espado de 5
anos eoBiado* do 1. do crranle, cora o capital
de 130:000*000, pare o qaal entrabada um dos
socios Adriauo e Castro cora 23:030*000 em di-
nheiro, e os socios Ferrelra Araojo cada um
com 4O:O0O*HW em dlohairo fazeodas, em com-
mandiO.
Secretaria 16 de maio de 1866.
O oflkial-maoT
Julio Guimaraes.
Pela mesma secretaria se faz poblico, qoe r*sta
data fot ioseripto no livro da macrioola dos eom-
mercaotes o Sr. Manoel Francisco de Moraes, bra-
slleiro, establecido na cidade de Sobral, provin-
cia do Cetra', com negocio de fazendas, ferragens
e molbadoa, em grosso e a retalho.
Secretaria, 18 de maio de 1866
O offlcial-maior
Julio Guimaraes.
ExposieSo dos productos agr-
colas, lodastrlaes e obras de
arte em Peruambueo.
Constando commisso directora da ex
cosicjto qoe, por falta do$ necessarios escla-
recimentos, pela comparacSo bavida entre
os nossos productos e
diversas provincias, e per outros motivos
de que nSo te ve completa sciencia, nao bou-
ve a desejavgualdade na.distribuicSo fei-
ta para esta' provincia das recompensas da-
das pela commisso central do Rio de Ja-
neiro na ultima expsito, e que por este
fado alguns dos amigos expositores se re-
cusara a concofrer com novos productos
exposicao do Io de julho prximo; resol-
Ten, em unra de sas sesses, mandar fazer
publico o segutnte :
i. Haver na provincia, para os trba-
las da erxposicSo, um jury especial, no qual
nao terSo voto os membros da commisso
directora, que julgar da excellencia, aper-
feicoamento e utilidade dos productos ex-
postos;
2." Este jury se dividir em duas sec*
coes, sendo urna para os productos agrco-
las, outra para os industriaes propiamen-
te ditos, e obras de arte ;
3. FjfMo parte do jury as pessoas de re-
conheclda aptidJo e especialistas;
4." Segundo o juizo do jury, a commis-
so distribuir aos productores e demais ex-
positores medalbas de duas classes, sendo
as da 1* classe de prata e as da 2a de co-
bre, ambas acompanhadas de diplomas.
5. A commisso far acquisicSo, median-
te valor ajustado, dos productos que para
isto forem jnlgados dignos pelo jury, e que
nao possam ser cedidos gratuitamente para
figuraren na exposicao central.
A commisso directora espera que estas
medidas ervirao de garanta ao verdadeiro
apreco dos productos expostos, e qu faro
positores causou a desigualdade que ci-
ma se referi.
Alm disso, a commisso chama a atten-
c3o dos Srs. expositores e mais industriaes
a provincia para a circumstancia de um
dos seus membros ter de acompanhar ex-
posic'to central os productos que d'aqui fo-
rem enviados, e fazer parle do jury julga-
dor na corte, acnando-se por esta forma
habilitado para ministrar todos os esclareci-
mentos necessarios ao perfeito conhecimen-
to dos productos, e fater valer o direito de
cada um d)s expositores desta provincia.
Por esta forma a commisso julga ter re-
movido mais um dos erabaracos, com qoe
porventura venha a lutar na acquisico de
productos destinados exposicao do Io de
julho.
Ainda urna vez appella a commisso para
os dignos Pernambucanos, pedindo-lhes com
instancia que promovam com esforco a re-
messi de productos destinados a figurarem
n'aqtiella festa industrial, onde se empe-
nham os brios da provincia.
Sala da commisso, 23 de abril de 1866.
O secretario,
Dr. Manoel Buarque de Macedo.
- Administracao do correio desta cida-
de precisa de seis bomens para o servico
de caminbeiro, quem estiver nestas condi-
ces e quizer engajar-se dirija-se a mesma
administrado-.
C MUIDA 31ASILEHI
PAQUETES A VAPOR.
. .^Dos portos do norte espejttdo
o vapor Cruzeiro do Sul no di a 21
do correte, commaodanle Mean-
forado, oqual depois da demora do
______, costme, seguir para os portos
do sal. Recebem-;e desde j passageiros e enga-
ja-se a carga qoe o vapor poder condozir, a qoal
devera ser embarcada no da de sua ebegada; en-
commendas e dinheiro a frete at o da da sabida
as 2 horas : as passagens s serio recebidas na
agencia roa da Cruz n. 1, escriptorio de Antonio
LqIi de Oliveira Azeved & C. ________^_
Companliia de paquetes a vapor estre
os Estados Unidos e o Brasil.
De New-York
e escalas espe-
rado at o dia 24
do crreme um
dos vapores da
corapanhia, o
qaal depois da
demore do cos-
tme seguir' pa-
re os portos do sul : para passagens, fretes etc.,
3 trala-se com os agentes Hanry Forster & C, roa
do Trapiche n. 8. _______^___^__
Correio (eral.
Relaeo (lascaras seguras existentes na adminis-
trarlo de correio desta cidade para es senbores
abaixi declarados:
Andr A ves de Freitas.
Bento Jo Fernandas.
Guiiherma Augusto Ricardo.
Goncalo Vieira de Mello (3).
Padr** I lacio Francisco dos Santos.
Jos C*r jeiro Rodrigaes Campello.
Padre Minoel Cordeiro da Craz.
Pedro lt;phel do Amor Divino.
florad da Rocha Bastos.
THEATRO
ISABEL.
assignatnra.
Para o Rio de Janeiro.
O veleiro e bem coohecido brigae AieiaideJ^
pretende sabir com muita brevidade por ter a
maior parte do carregameoto engajado, e para o
pooco que Ihe falta e escravos a frete, tratase com
o cansignetarioJoaqoim Jos Gonealves Beltro na
roa do vlgario 17 primeiro andar.
Para a Bahia.
Pretende seguir com muita brevidade a. velleira
sumaca nacional Hortencia, a qoi tem parte de
seu carregamento- prompto, pare o resto qoe Ihe
falta trata-se com os sus consignatarios Antonio
Laiz de Oliveira Azevedo de C, em sen escriptorio,
roa da Croz o. i.
Para o Porto
pretende seguir com muita brevidade o brigue
portuguez S. Jorge de Avero, o qaal tem parte de
sea carregameoto prompto : para o resto que Ihe
falta trata se com
Laiz de Oliveira A
ra da Cruz u. 1.
os seos consignatarios Antonio
evedo <& C no sen escriptorio
estribarla, atipara pretos, 2 cacimbas, i tanques,
bomba de (erro, jareVm, chafarlz colocado em om
tanque.
Um terreno forelro a matnha no caes do Capi-
barlbe sob n. 53 Mf beneficiado com caes e aterro
com 45 palmos de vo e 29o de fondo.
Um dito contiguo ao sopra mencionado, foreiro
a marinha sob n. 4 C, beneficiado com caes -o
aterro teodo 20 palmos de frente e 265 de fondo
Um dito alagado foreira a marinha na estrada
do Motoeolorabo sob n. 19, ao lado de leste, com
15 bragas de frente e 60 de futido.
Um dito dito tambem foreiro a marinha e na
mesma estrada ao lado de leste, sb o. 20 A, com
40 brecas de frente e 60de fondo.
Um terreno proprlo no largo da matriz do Porp
da Paoella.com 24 palmos de frente pouco mais
ou menos e 42 de tundo.
O agente Martins far'leilo a' requericaeoto de
ra o Porto.
.Pa
Pretende seguir!em poneos dias o patacho por-
tugaez NOVO LIMA, por ter ja prompt) todo o sea
carregameoto : para passageiros os qoaes offerece
ezceileotes commtdos, trata-se com o capio a
bordo on com os consignatarios a' roa da Madre
de Dos o. 3, escriptorio.
Para o Porto por
Lisboa,
A- veleira e bem coobecida barca portogneza
Tentador, pretende seguir com muita brevidade,
tem parte de seu carregamento engajado, para e
resto que Ihe falla tratase com es seus consignata-
rios Aotonio Laiz de Oliveira Azevedo & C, do sea
escriptorio na ra da Cruz o. 1.
jisboa
Pretende sahir em poucos dias para Lisboa a
barca portugueza Maa, recebe carga e passagei-
ros, para os quaes tem excelleotes commodos e p-
timo tratameoto : a fallar com os consignatarios
Camitio & Nogaeira, roa de Apollo o. 20, ou com
o capito.___
Para o Aracaty.
O veileiroe bem conbertdo pathabote nacional
Dous Amigos, preteode seguir com murta brevida-
de, tem parte de seu carregamento eDgajado, para
o resto que Ibe falla tratase com os seus consigna-
tarios Aotonio Laiz de Oliveira Azevedo & C, no
seo escriptorio, ra da Cruz o. 1.
Para o Porto
Preteode seguir com muita brevidade a velleira
barca portugueza Iris, capillo Mitbias de Souza
Maciel, tem dous tergos de seo carregamento
prompto, para o resto que Ihi falla trata-se com os
seus consignatarios Antonio Luiz de Oliveira Aze-
vedo & C., no seo escriptorio, ra da Cruz o. 1.
P 114 LISBOA
sahira' com toda a brevidade o brigae portuguez
Constante 11 por ter prompto quasi lodo o seo car-
regameoto : para o restante e passageiros, para os
quaes tem expelientes commodos, tratase com Ma-
noel Ignacio de Oliveira Filho, escriptorio no lar-
go do Corpo Santo o. 19, oo com o capitao na
praca.
Para Lisboa.
Segu com brevidade a velleira barca portogne-
za Belem, capitao J. Joaqaira de Freitas. Recebe'
om resto de carga a frete, para o que trata-se no
escriptorio de AmonmIrmos,raa da Cruz o. 3.
PR'AABAHA.
No dia 10 do correte devia- sahir da Babia pa-
ra esta provincia o patacho Santo Antonio, que
chegando nao deve ter demora e segoira' com bre-
vidade por ter parte da carga prompta, para o
resto da carga trata-se om o consipoatano Jos
Mana Palmelra, praga do Gommercio n. 4.
2K> eaiziohas com mobilias, estradas de ferro e
outros anigos (para enfeite de mesa.)
274 groeas de botlJes para efPetots, caiga, eol-
leteetc
16 dofis de cerreteis de htfca.
Cordeiro ttmes
por conta e rieco de qoem perteocer fara1- leilo
dos objecloa cima menciouados, em um oo mais-
tates a vontade dos coocorrenles, os qoaes exis-
ten oo estabalecimanto a ra do Raogel n. 49,
aonde ter logar o leilo e podetn dtsde ja serem
examinados das 9 as 2 horas da tarde cujo leilo
sera electuado no dia
Terre-feira 1% de terrete as 11 horas
no referido estabelecimento.
De predio e terrenos
de marinha.
AVISO
600S000.
1
El Estigarbia II.
Contina fogido o chteanista mor Joaqotan
Salprezo, que intitoie-ae de VALENTAO e
EL ESTIGARRIBIA N.
Pagase a qaanlia aeima a quem o ap-
preheoder, amarrar eoadozir a ra da
Prala, armazeae de genero
Salgado.
Criado,
Precisase de um criado : qoem estiver nestas
condiedes dirija-se a esta typograpb qoe achara
com qoem tratar.
Um sobrado de dous andares e sotao na roa da
Imperatriz n. 17,com duas portas de roa sendo
ama para- o primeiro andar ouira para o segun-
do, com 39 palmos de vio e 127 de fondo, leudo p^,,,*- j7%jxta Ja T\riri
4 portas de freote, varaoda de rerro oo primeiro ; L Wgl alIlIBt UB IOSll GO Ul\ 1"
aodar, no segundo duas jaoellas e nma sacada
com varanda de ferro, com grandes salas e quar-
tos, cosioba, grande gabinete interno para serven-
ta do primeiro e segando andar na parle poste-
rior, aparelno e canos para toda a propriedade,
systerna, cambrone, gaz e agua potavel.
Um sitio na estrada do foco da Pantlla todo mo-
rado sob n. 10, com frocteiras, 2 porldes de ferro
sendo nm de cada lado, graode e elegante casado
vivenda coa 3 salas, 9 guarios, cosioba, coebeira, vao padroeiro.
no Espirito Santo na igre-
j do Collegio.
Amanhaa 19 do eorrenie ao meto-din, as bandas
de msica do 2 e 3" batalnao da guarda nacional,
e grande qoantidade de girndolas de fogo, annon-
ciara' aos habitantes desta cidade, ser ebegada a
vespera doia commemorativo da descida do di-
A'RA DO RSW^fflA5ocbTCMB
Oejeiioassignadoveadeanosus mnitofeli-
zes bilhetee garantidos da lotera qoe se acabon
de ewrahir, a benetlcio das familias dos vo.unta-
rieeyfle pama, os segaintes premios: ^_^
N. VStl qoetro quintos com a sorte de 6:090*.
N. H>9 dous quietos coma sorte de 1:200.
N. 098 um meio cora a sorte de 590*.
N. 493 om meio cdli a sorte de 200&
B ontras murtas sortea de 100*, 40*, e 20*.
Ospossoldores podem virreceber seus respec-
tivos premios sernos denceotos das leisnacasa
da Fortuna roa de Crespo n. 23.
Acham-se a venda os da li* parte da lotera
(63-') 4 beneficio das familas dos voluntarios fe
patria, que se extrahira' segunda feiaa 21 do cor-
enle.
PREGO.
Bilhetes.....65000
Meios......35000
Qnintor. .. 1*200
Para m pessoas que compraren de 1000000
para cima.
Bilhetes. .... 5*500
Meios......2*750
Quintos.....1*100
M&NOiL Martins Piuza.
As 3 horas da tarde, novas girndolas de fogo
darao o sigoal das vesperas; as 6 horas di tarde
as mesmas bandas de msica, tocarlo diversas pe-
gas, e em seguida entrarao as vesperas com e San-
lissimo Sacramento exposto sobre o throna, sen-
do a orchestra inleiramenle nova ; linda esta
subir' a tribuna sagrada o Rvra. Flix Brrelo
de Vasconcelos,
As 5 horas da madrugada do dia 20, havera'
missa rezada, tocando tambem nesta occasi) as
mesmas msicas; fiada a missa, ama salva de 21
tiros dar' o signal de arvorada.
As 10 boras entrara' a festa, sendo a orchestra
dirigida pelo hbil e bem conbecido maestro Colas
filbo, sendo os solos do Gloria tirados das raelho-
res missas conbecides. e executadoso de Laada-
mns pelo Sr. Jos Amat, insigne cantor italiano.
Gratias pelo Sr. Saffhto. Domine Dens pelo
mesmo Sr. Amat, Quilo I les pelo Sr. Jos Ra
D. Hara Taeodora Alves ferrelra meeiran-lnveo I monda Quisede dto pelos'Srs. Sabino e Beu-
tariaote dos bens qoe flearam por fallecimenio de ; jamim, Quoniam pelo Sr. Dmaso, que gra-
sen marido Br. Jos Mamede Alves Ferreira e por ciosaraente se presta.
mandado do Illm. Sr. Dr. juiz de orphaos dos pre- Terminado o evaogelho ter logar a xecucao
dios e terreos cima. da grande oovertnra do maesiro Mercadante de-
Terca-feTa 22 (JOCO1 rento. dicada a independencia da Italia Intitulada Gari-
No armazem da ra da Cadeia do Recife o. 53, \bald. executada por professores de prlmeira or-
as 11 horas 'dem-
Os pretendenles se podero entender com o' E'orador no evangelho^) Rvm. Sr. conego Joa-
quim Ferreira dos saatus.
O terminar da festa rer anounciada
mesmo agente para qualquer infjrma;o.
IeiLAO
Da casa terrea da ra Imperial o. 263.
Urna dita na ra do Forte n. 26.
L'm i dita na roa da Soledade o. 62.
Em chaos proprios.
Tere -feira 22 de maio.
O agente Pimo legalmente autorisado Tara' lei-
lo das casas terreas cima mencionadas edifica-
das em chaos proprios, [as quaes se tornara re-
corameodadas pelo seu |bom rendimento e se
acharem era bora estado, as 11 horas do dia ci-
ma dito oo armazem da ra da Cruz n. 57.
LEILO
DE
Fazends ava-riadas
Terpa-fira 22 de maio.
O agente Piolo fara' leilo por coola e risco de
quem pertencer de differentes fazends nglezas
avarladas a bordo do brigue inglez ELLA BRUCE,
e vapor GLADIATOR, constando de madapoldes,
algodoes, chitas e cobertores de algodao, as 10
horas do dia cima dio no armazem da ra da
Cruz n. 57.
AVISOS DIVERSOS
Vai para fora do imperio Rodolpho Lauritsen
subdito dinamarquez.
por nova
salva de 21 Uros, grande quaotidade de fogo e un
rico balo que nesta occasio tem de subir ac-ar.
As 3 horas da tarde dar principio a sabida da
procisso ; a sabida do andor sera annunciada ^or
um outro balSo que tem de subir ao ar, bem como
urna gran je gyrandola de fogo.
Ao recoHier da mesma se dar urna tercelra
salva e logo depois subir a tribuna sagrada o
Rvm. Sr. Antonio Manoel de Assumpco, e em se-
guida lera lugar o Veni Crealor Spiritus, escripto
grende orchestra pelo maestro Colas filho, cantado
pelos mesmos artistas cima, terminando o acto
com a bencao do Santissimo Sacramento por S.
Exc. Rvma.
Em seguida a irmaodade proceder a tirada
da bandeira pela mesma forma porqas fot arvo-
rada.
O Illm. Sr. Dr. Bastos qaerendo dar mais urna
prova de amizade ao seu amigo de infancia Colas
filho, presta se a coadjva-lo com o seu talento ar-
tstico, tocando a missa e a noate o Veni Creator
Spirius.
Recfo, 19 da,maio de 1866.-= No impedimenta
do escrivSo,
J. J. da Costa Leite,
4 definidor.
Precisa-se de um bom araassador para pada-
ria, que enlenda de forniar, e tambem um peque-
no para caixeiro de urna taberna, e sendo ama
pessoaj velha raelhor : a tratar na ra da Flo-
rentina n. 2._______________________
Na'ra do Raogel n. 9 precisa se de urna
ama que cozlnhe e eogomme.
"_ Precisa-se de um menino para caixeiro : na
travessa da rda do Alecrlm n. 2._____________
Aluga se nma ptima casa a moderna, com
bons commodos para familia, quintal murado, p;o
d'agua de beber, no melhor logar da Capunga : a
tratar no mesmo lugar, ra das Creoulas, taberna
numero 27. ______________
Precisa-se de um preta para cozinhar e fazer
mais algara servico era casa de ama s pessoa : a
tratar na roa da Cadeia o. 24.___________
Quera se quizer incumbir de lomar conta de
urna menina branca com dous annos de idade, po-
de indicar seunome e moradia na ra das .Cruzes
o. 13, para ser procurada.
Precisa-se de feitor para tratar de um peque-
no sitio perlo da praca : trata-se uo caes do Apol-
lo n. 55.
LIILOES.
De palitos 4e dente.
O agente Martins fara' leilo de 4 caixas com
palitos de dentes. .
IIOJE.
No anuazem da ra a Cadeia 4o Recife o. 53,
as. II horas. -
AOS 0:00O*OOO
Corre depois d'amauM
Achinase "aTOntla lia YBspeftlva thesou-
raria, roa do tes, meios e quintos da 14a parte da lo-
tera a beneficio das familias dos volun-
tarios da patria (63), sendo a extraco no
lugar e hora do cosHime.
Os premios de 6:000(5000 at 10^000 Quem deixou urna pouca de carne do Ceara
ser30 pagos uma bora depois da extracc5c em urna escada da roa do Imperador, procure-a
at as 3 horas da tarde, e os outros depois mesma ri
da distribuico das listas.
As encommendas serlo guardadas so-
mente at a noite da vespera da extracto.
O thesoureiro,
Antonio JosTtodrigues- de Souza.
Na ra das Cruzes 0. 42 Vende se doce de
goiaba tino a f$700 a lata de 4 libras, gaz do me-
lhor a 105 a lata e a 440 a garrafa, e todos os
mars jeberos da meUior qoalidade e por precos
commodos.______________________________
- O padre Antonio 4 -Conha e Figuelredo, ci-
dadao brasileiro, segu para a Europa.
Antonio Fernandes Duarte Almeida vai a
Europa.
Ray mundo.
Manhonga.
Graga.
Sr.* Jesuina.
> Glelia.
Joaquina.
EIWEZ4-C01HBRA.
H. recita 4a
SibbaiolQ de maio de 1866
Pnmeira representago da comedia em i acto
OS GORSriKVimilES.
fEaS0^\G8KS.
Delaunet, fabricante de Otas. Sr. PiBUo.
Cagoard, sen socio. ....
Pro?p r>, semtnl uefDelau-
net e teuente da guarda
. nacio.iat. ......
MaTi'.|n.\ sapateiro de escada.
ademoiseila Delaunet, mu-
' Iherd) fabricante, ...
Jolieti, mather fle prospero.
gueda, irraa da dtte.
Vl.M'U*. m*ngv> ^ .
Oitata repreeeretaoio do moito applaodido dra-
ma e. 3 actos.
ftHTRIZ HEBREA.
Ordem do espectculo.
1* Actriz hebrea.
2* Os conspiradores
Principiara' as 8 horas-
G14N0O4ILE
NO ___
CLUB CACAjOOTI
DE MASCARAS E SE* nlASCARAS.
Vespera e *a Boje eamanbSa domingo.
1 i T
LEILO
DE
Una escrava con duas crias.
O agente Martn.- fara' leilo a requerlmeoto dos
administradores da massa fallida de Joao Raptisia
Gonealves Baos e por mandado do Illm. Sr. Dr.
I juiz especial do comraercio de uma escrava com
I duas crias.
HOfE
as 11 horas do dia no armazem da roa da Cadeia
do Recife o. 53.
Leo
(Em eoatlanacSe.)
De traites,como, mobilias completas de Jacaran-
da, ditas de araareHo, sof), eadeYras, 'consolos,
mesas, camas, marquezas, lavatorios, grande qaan
tidade de caodieicos a gaz, apparelbos de porcela-
na, muitas joias de ouro e outros rauitos artigas
OLYMP10
nao podendo vender no leilo de taontem todos os
objectos existentes em sea armazem, fax leilo em
continuado de mutos trastes avulsos, mobilias
completas, crystaes, joias de ouro e outros muitos
artigos.
J* Rsreelino da Rosa, Fraejcisco Anto-
nio da Rose, Joaqulm Mauricio Gongalves
Rosa, Tbomaz Francisco de Salles Rosa,
Oivmpio Gonealves Ro-a, Antonio Pereira de
Fa'na, Albino Jos-Ja Silva, Jos Hartinho
da Silva Borges, Anna Umbellna da Rosa
Fana, Joanua Francisca da Roea e Silva e
Paulina Alezandrina da Rosa Berges, lhos
enrog da fallecida D. Franciica Mari a da
isa, oefipuntfidos da mais aceiba dr pelo
issavetto da eua muilo carintosa e presa-
sada mi e sogra, pelo presente vera teste-
munhar seus recoutiecimeotos de gratido e
confessam-se sinceramente penaorados aos
seu* ceros irmros tarceiros e a iodos os se-
nhores que $e dignaram bonrr com sua
presenta as exequias que se clebraram na
ven%ravei ordem tercelra de S. j Franoisco e
" acompanbararn seu corpo ao cemiterio pa-
i ion.
No armazem do mesi
48~P
lo'agnle. ,
Os mesmos Mime referidos convidam a
todos os amigos qoe (antas provts de bonda-
de Ihe tem prodigalisado se difuem honrar
f"COTn stra Treanta "or sUnYglos que se hio
de celebrar no dia 22 do corrate pelas 6.
horas da manhaa (stimo da do seu falleci-
menlo) na igreja da veoeravel ordem tercei-
ra de S. Fcancisco, de sua serapre lembrada
CASAJ7,
Anjos de procisso
>a praga da Independencia ns. 37 e 39 se dir'
qoem veste ricamente aojos para procisso, por
com modo prero. ____^_______________
"Chocolate de Menier
CHOCOLATE DE SAUDE.
CHOCOLATE DE BAUNILHA
CHOCOLATE DE CITRATO DE FERRO.
CHOCOLATE LACTATO DE FERRO.
1fede-se
Na botica e drogara
DE
BMTIIOLWMEO & C.
34Rea do Rosarle larga3i
Trocara-se notas do banco do Brasil e das
caixas flliaes com descont razoavel : na praca da
odependencia n. 22.
Precisa-se de am primeiro ou segundo an-
dar ou ambos de nm sobrado em boa ra : na ra
Augusta n. 2, segundo andar. ___________
A REVOMJ^A
IMPERIALISMO
De*e ser lido por todos os Brasileiros e
estrangeiros; pela meditacao reconhecero
que falla com a voz da razio e proclama a
luz da salvac5o da nacSo (Jornal do Com-
mercio.
Prejo 500 rs.
Exposicao ds vcrda sobre que se basea
i LIBERMDE RELIGIOSA
demonstrando ser a separarlo entre a igre-
ja e o estado uma medida de direito absolu-
to e de summajjtilidade por
Helasporos.
Preco 500 rs.
Da liberdade religiosa do Brasil.
Estudo- de direito constitucional por
A. di. de Hacedo Soarcs
Preco 500 rs.

Ideias sobre colonisaco
precedidas de uma succiota exposigo dos
principios geraes que regem a populacho
por
L. P. de Luir uta ftfinal
Prego 2*000.
OH JESUTAS
historia secreta da fundacao, propagacao e
Na botica e drogara
DE
Bartotliomeo C.
34Ra do Rozara Larga3 i
VENDE-SE
Preparados da America
Do> Dr. Radway*:
Pirulas reguladoras.
Prompto alivio.
Rezolutivo renovador.
DoDr. Ayeir:
Salsa parrilha.,
Pilotas cathartfeas-.
Xareye peiteral de cereja.
lee LantMn-6 Kemp.
TerdarJeira salsa parrilha fle Bristol.
Pilulas assucaradas.
Pastilhas vermfugas.
Ole puro de figado de bacalho.
Xarope pectoral de aoacabuita.
Agm florida.___________________
Costuraras de allaiale
Na ra do Crespn 14.1 andar.
RiiBoirarar
numero S5
O padre Flix Brrelo de Vasconcellos acbando-
se competentemente aotorisado, abre om corso
particular de francez em sua casa.
O mesmo precisa de uma casa no centro da fre-
guezla de Santo Amonio, que lenha acommodacoes
para 16 camas.
O mesmo tambem precisa de ama ama forra ou
escrava que sirva para todo servico interno e ex-
terno cora as devidas excepcoes^___________
Precisa-se de um caixeiro: no pateo do Ter-
co n. 12.
Precisase alugar uma escrava para carregar
um pequeo laboleiro de (azendas com ontra pes-
soa : na rna do Hospieio n. 62.
Trajelo da procisso do Divino Espirito
Sal.
Ao sahir paleo de Pedro II, ras do Imperador,
I travessa Jde S. Francisco, roas das Crures, do
IQueimado, do Livramento, DiMla, do Terco, tra-
! vessa de S. Joo, ras Augusta, de Hurtas, paleo
do Carmo, Gamboa do raesrao, ra das Flores, No-
va, Cabug, Praga da Independencia, Crespo, Im-
perador a recolher.
De ordem da mesa regedora rogase a todos os
moradores das ras porque tem de transitar a
procisso de as mandar limpar aflra de nao coagi-
rem os directores da mesma a mudar era o trajee-
I to. Recife 18 de maio de 1866.No impedimento
1 do escrlvo, J. J. da Costa Leite, 4' definidor.
Prpcisa-se de ama pessoa que esteja habili-
tada para tomar conta de ama padaria por balan-
do oa mesmo se Ihe dar' sociedade qualquer ne-
gocio se fara' por ler o dono de se retirar para o
mato a tratar de >ua saude : quem Ihe coovier es-
te negocio dirija-se a ra Imperial n. 39, padaru.
No hotel das qnatro nacSes, ra do Trapiche
o. 28, acha-se Manoel Feliciano do Nascimento de
cozinheiro, fornece comedorias tanto dentro como
para lora, todos os domingos e dias santos tem
mo de vacca; porlanto convida a lodos os seos
conhecidos e os que mais qulzerem ver seu limpo
trablho.
Programma da esta do Divino Espirito San-
to no convento de S. Francisco-
Sabbado 19do corrente ao meio draanouuciar-se-
ha com uma salva.de 21 tiros e diversas girndolas
ae fugeles, a vespera do divino padroeiro, a ban-
da militar do 1 batalhao de infamara locar di-
versas pessas de msica, e a noite haver malinas
com loda a pomp i, tobando antes e depois a msi-
ca de pancadaria. No dia 20 de madrugada ha-
ver missa com apparato do cnslume, depois do
qoe subir aos ares diversas girndolas de fogue-
les e uma salva de 21 tiros, e ?.s II horas da ma-
nhaa dar-se-lia principio a festividade do divino
padroeiro, sendo a msica de orchestra dirigida pe-
lo hbil ptofessor o Sr. Jos Coelho Barboza, sen-
do o slo do gloria divididos pelos inuilos coh?-
cnius viutcm,.^, os ai>.. lamamos romas, gr.i-
tiass Jos Coelho, Domine Dos, Rvra. padre Jo\
qui tollices Trajano, quoniam Tobias A composicao
da msica do graode professor Jos de Lima,
depois do gloria disiribuir-;e-ha os registros e pies,
no evangelho pregar o Rvm. padre ae>tre prf-
iiioiuna ocutcia Ua *",*""^7"' ^"^"."*"" I gador da capella imperial Fr. Joaquina do E influencia sobre os destino do mundo exer- gjjj. nda a fesU dJstnboiMe-ba esmoias
Tbomaz Feroaodes da Cunba, tendo de
mandar celebrar uma missa pelo eterno re-
pouso 9b seu mui presado amigo o Sr. Do-
mingos de Soma Rodrigues, fallecido na ci-
dade do Porto, convida aos seus amigos e
prenles do fallecido bonrarem com a sua
presenga na Igreja do Divino Espirito Santo,
sabbado 19 do corrente pelas 8 horas da ma-
nhaa a este acto de religio.
cida por esta celebre ordem desde a sna
origem at a sua suppressa por Clemente
XIV, pelo
Revi rendo Ildefonso Llanos G< duez
NOVA EDICO
Preco;.....20000.

Saldos contra o paiz
primeira conta corrente
Reflexes polticas de Marco
Antonio
Preco.....500 rs.
PAGINAS DA ACTL'ALIDADE
OS PARTIDOS
Preco 500 rs.
0 Imperialismo e a reforma
Preco 1(5000.
as obras cima vendem-se
Na livnria franceza ra do Crespo
n.9;
pata
todos os pobres que appareceprn, e haver entra
salva de 21 tiros e diversos balde, a noitj havera
TeDeum, sendo oregador o Rvm. palr Antonio
de Albuquerque Mello, Ando o qual urar-ae-ha a
bandeira.
S,
,
Club Peniamtottcano
A partida do corrente mez ter lugar na
noite do dia 24. <-
arjnpNi Jhl e sogra
Mrmabfess;
ESTMDA DE FERRO
DO
Hecifea Sao Francisco.
Ficarestibaleoido o traegt) anto de pas-
sageiros" como de ctrga -entre as estacoesj
de Cftico Pontas e Gamelleira.
Recife i8demaodel866.
ftxvtua q. o Mano,
I Snperintendente.
c^bivee:
PORTUGUEZ m LITUH4 E PEft-
;\AWBL'C0.
De ordem do Illm. Sr. presidente substituto do
conselho deliberativo, convido a todos os senhores
conselneiros a rannirem-se em sesaSo ordinaria
sabbado 19 do corrente, pelas 6 boras da tarde, na
sala das respectivas sessoes.
Secretara" do conselho deliberativo do Gabinete
Portuguez de Leitura em Pernarobuco 16 de
malo de 1866. llit. __
JosRtbetro da Fonseca
2o secretario.
Precisase de uma ama para comprar e co-
zinnar pan ama pequea familia de tre pessoas
sem meninos: na rna do Brum n. Si.
Offerece-se uma mnlber para ama, sendo
.ara coziobar oo eogommar : na rna do Seflfeor
lom Jess das Creoulas n. 42.
Veoeravel ordem tereelra de
* do Carmo.
O actual prior desta veoeravel ordem convica
todos os nossos irmos lerceiros a se reuoirem e>a
nossa igreja no dia 20 do corrente, pelas 2 t|2 li >-
ras da tarde, am de encocorados a.'ompanharn s
a procisso do Divino Espirito Santo ']u; sane d
igreja do Collegio.
0 secretario,
Manoel Gomes de S.
Precisa-se para taberna : na rna da Sarita Cruz n. a.
ESCR4V4 FGIDA
Evadise bontem pelas 8 horas da noite a es
crava cabra de nome Romana, trajava quando eva-
dio-se um vestido de chita j desbotada e um cha-
le branco de cassa, ludo moito ojo, roas de sup-
Dflr que ella mudasse o dito trajo, porque levou
vestido branco cora babado Bires erfearnadas, e
um chale de merino amarello com fl fres borda-
das, usa de rosetas grandes do lempo e usa tam-
bem do competente rosario, tem o nariz um pouc >
afilado, os dentes limados, estatura regular, c de
poncas conversas e representa ter de idade irlnta
e tantos annos, natural da provincia do l!io
Grande do Norte e comprada e.'te anno ao Rvm.
vigario da villa de Sant'Anna de Mano* o Sr. Joo
Theotonio de Sonta e Silva : (pga-se as autorida-
des pollcraes e capiles de campo qoe apprehen-
dam e levera na ama da Imperstmn. 20. _
Precisa-se de uma ama de leite : na ra da
Palma o. 41. taberna. .
Precisa-se alujrar om cozinheiro para um
'rapaz sotleire : a tratar na rna do Queimado n.
13, 1* andar, das 9 horas as 5 da tarde.
"essa prova de consideradlo des-
de j os mesmds cima trtbuiem-lhes seus
eos
DE

hum WWTWOS

g COMPaNHIa pernambcana
DK
Sia^egacat costeira por vapor.
Parabvba, Natal, Maco, Aracaty e Ceofik-
O'^r NIMviMftMiblHK Ai-
ra para os portos cima no dia 22 do corronte as
3 qoras da tarde. Recebe carga al o da 21 :
passageiros, encommendas e dioheiro a frete atrw
| liaras da urde do da oa sanida: %|e'riptorIb no
Tone aV'Safos fl.t.
i! 31 saceos com as
O agente Martin* fara' lellao a requerimento da
vluva de Manowl Goncahres da.Silva e por manda-
do e Wm. Sr. Dr. inte especial do commereio; o
91 eeeeOB oem ssocar.
Segnnda-feira 21 tr-nert-ente. *
No rrapWhe fle ewBpenhie ao mel dia. ;
De uma armaelo de araarelW envldrijada com
nm lustre de 4 bicoj e registro e gaz.
180 calungas diversos tanfnhos e qualidaoes.
70 aparelhos de tiorcelarja sonidos (para me-
ninos.)
Igreja 4o Divio* Espirito Saito do
Ctllefio.
Os devotos do 8 enhor Saoto^hristo dos Milagrea,
qne ee venera nesta tgrel, 4 acear* eom a me-
sa regedot irmandade Oo Divio &p*rtto San-
io ; ptfnielpua to patuco, que Oieeiuff 20 do
corren, Ovia e-faeu do Bivine **! 9aoio,
a noiie prieftipte o tesarte' do nieeao teahor
Sent CWtete, cuja festa Mri tagar mmUgo a
S. S. Triudade *X do corrente, e opeortunamonte
se eononmr o prefraaae da wewM4wa.
Precisa-ae de ura menino d | "a"fi atmds>
que tsutia alguma pfatlca de taDerna,_ PCfferji'
ODr. Ernesto FeHiao.d
Tegreseanio a esltprevwrtia.vehe^e prempto para i Precis-se de uma eecrava que soja le: na rna
o aretelo *e aira pvoflsrto, no na parte medi-'Hio Queimado B. 46. _____________
ea eomo na cirur*H,para o qne poda ser proen- i----------------------------^------"rr
redo das iO horas de machia as 3 da larde : na
portuguez de Boa conducta
n. 3.
na ra do Codorflti
"Deseja-seaiu|*Tilar>''<*in os Srs. An-
tonio Perene, IftJGiatflMfeima (senhor
de enguoho), Joo Baptist* 4 .Reg, F-
| liciano Rodrigues da Silva (Mr. eegeober)
I negocio de iaieresse dos mesmos : na
loja da roa do Graspo o. A3.
Silva Tavares,
Desencaminhoo se uma carta vinda do Pilar das,
lagoas dirigida a Manoel Jos Machado'dentro
i anal vinba ama letra da quaniia de 2:I93#I80
i.ecltoporf*rl*ai-twtae*Upek> *'-
xo assignado; prevlne-se a qualquer pessoa qoe
nao faj*ta transrt?irt>algew pols netlteiHee ja
se acham pexnteos para nao pagarem a quem
quer que Ihe aprsente a nao ser ao mesura abai-
xo assignado.
Recife 16 de maio de 1866.
Manoel Jos Machado.
4114
ra da Cruz casa a. 19, 2a andar, e deesa bora em
diente oa rae d* Praia e*u n. 43,1 andar, fres-
te-se umbem aos chaoado *r* fra desla idade.
Especialidade : syphiles a molestias do paito.
ODr. ArttUdes te Ihnla Dias Martins tem o
eu escriptorio de adVenaea na roa de S. Pedro,
Rio ,bre rrhestrJBS JOriolct, das 9 horas da manhaa as
3 4a tarde. Baenrrega-se de qualquer causa civel,
tommarcial, ccleeiastlea e criminal, invenurios,
ppeHasoes, revluts e aegootoe pelas repartioMS.
Os negocios fra da crte, lem das procuracoes
devem vir acompanhados das competentes ordena.
|o pibli+.
Ja' por duas tetes tenho recebido da
de Serglpe cartas seguras, euvaOe se aecusa re
messa dadin>etro> Aq abri-l*s, porn), na me-
lhor bea'fl nao wtrbo ieBadoas-qneollaa declara-
das em oitns certas. NM entoende a ne posea ai-
tribuir seraelhante facto, limiuwne a asta simples
exposiQio, declaraddo e assepittndo desde logo
que ho tenho o nU leve pro>srto de offender
"L -N* re* do Rangel, padaria, precisa-:
nm caiterrt e 14 a 9 annos, floe Wnn
oa sea ella.
Augusto Ribeiro Lima Cuala^a e Manoel Fer-
reira Rabello, toado comprado a parte que istia
na loja de m udezas e ferrageos da-roa da Cadeia
do Recife n. 7, pertancente aos herdeiros de Joo
Baptista Gonealves, faz eoobecer ao publico que
aqualle estabeiecimanto am dantas gyrava sob a
firma social Joo Baptista Cujcatves & C, passou
a sar possdtdo e gerldo peta Brma Caiaca & Ra-
bModesOe^ tfa abril proal, pmwdo, estando
a cargo desta o pagamento do pasSlto e a iraca-
dajao do activo.
TAosa da Conha Miranda tendo de relirar-se
desta prorffleift para a de Alagos, previne ao res-
peitavel .publico nada dever nesta praca, a quera
se julgar seu credor queira quanto antes dirigir-se
por este Diario, assim-aoora- declara que qualquer
transaego em que deva entrar seu consentimento,
eJIacraadatfJtirseu roariJo ArceoOo Atttnio Car-
neio 8a CufllTa Miranda... nao pYoUuztrans eTTeitos
necessarios, visjp,caaw^a. suppluante nao o tem
para tal auiorfdmO.
____________M i.
A ntJt
na
PreUst^M-Oe1- onertjtse geowo-tem
1. Fraderlcothves precSa^aWar cm os Srs.
provincia. ee
I
#
Martins, ignorando sua morada rop mes oe drrt-
girem a roa M Imperante, sobrado o. 19, ou an-
nunciar snas moradas.

a--*-MP
_


.- I

*Uri e
~'Y ~

AGUA FLORIDA
MURRAY & LANMAN
A agua florida de Murray & Lanmail
olhada como um artigo de perfume, nao
tem podido ser igualada pelas preparacoes
as mais custosas: conserva seu aroma, co-
mo se formasse parte da prenda a que ella
se applica.
Sua efficacia t3o delicada, orno elegan-
tes s5o seas multiplicados osos, qur seja
empregada como artigo de toreador, qur
bo uso 4o banho, ou como avisador da
pelle, depois que se tenha fetto a barba;
j para limpar as geDgivas ou aromati6ar o
balito. ..,
Da suavidade, brilho e elasticidade as
compleices, depois de se baver lavado; al-
livia a irritacao de erupces ordiaarias; faz
desapparecer o des'agradarel afecto dos
pannos, das sardas, do rosto; rugas e toda a
casta de ebulices, e d vigor e frescura a
parte onde quer que se applique. Sua efi-
ciencia e elegancia sao igualmente infalli-
veis nos casos em que seja preciso appliea-
la como estimulante e antisptico, nos con-
cursos e assemblas numerosas, as loca-
lidades infeccionadas, na alcova de um en-
fermo, assim como um antidoto excellen-
te para os desmaios causados por cansaco
ou suflbcaco. Preparada nicamente por
Lanman & Kemp, Nova York, e a venda por
Caors & Barbosa.
Je5o da C. Bravo & C.
. Deposito geral em Pernamnuco ra da
Gru n.22 em casa de Caros__________
Samuel Power Im k Corapanhia
Ruada SenzalaNova n-, 4.
AGEKCIA DA
Fundido deLow Moor.
Machinas a vapor de 4 e 6 cavallos.
Moendas e meias mocadas para engenbo.
Taixas de ferro coado batido para enge-
nbo,
Arreios di' carro para um e dous cavallos.
Relogios de onro patente inglez.
Arados americanos.
Machinas para descarocar Igodo.
Motores para ditos.
Machinas de costura.
m DEPOSITO DE GALCADO g
m FABRICADO NA CASA DE DETEXCAO JH
Ilua .\ova n. I. jg
w Ah se encontraro obras de di- a*
versas qualidades, e por preco mui S
Pe diminutos, a retalho e em porooes. Wk
SU So se vende a dinheiro. W6
S. Antonio..
A apreciada e mui procurada tresena do glorio-
so S. Antonio, acha-se a venda oa ra do Iperador
p. 15 ri-fmnin de S. Francisco. ______
-- Precisa-se de ura caixeiro que tenha pratica
de taberna : no pateo da ribeira n. 23.
COLLEGIOS E AULAS
PEII1US DE 4RII0SU
Faforlea de Faber.
Pautadas, envernisadas ou simples.
A Livrar'n Franceza recebeu um peque-
no sortimento d'eslas taboas de ardosia in-
contestavelmenie Je qualidade superior, e
hoje geralmente adoptadas ns aulas da
ciassica Allcmanha.
________Ra do Crespo n. 9.________
Ama de ieile.
Precisa-se de urna ama de leite : a tra-
ar na ra do Crespo n. 15.
Preclsa-se de om carroceiro: no Corredor
do Bispo taberna n. 38.
As Pilulas Catharticas
OE AYER.
O purgante mal efeeat at hoje conhcctdo.
Estas plalas so paramente veg-
itmtt, alo tendo na sua conpo-
alcSo netn mtrturin nem ostro
ingrediente mineral; sao inno-
centes para aa eriancas e peaaoas
mais delicada, oo mesmo tempo
qae, empostas como sao de vegi-
taes mal fortes, to bastante acti-
ras e eticares para as pesioas mala
robo tas.
Estas plalas catharticas purgiiu e purlflcio todo eyitema
humano tem mercurio.
Nao se tem poupado trabalho era despeza para levar estas
pilulas a um gre de perfeceo tal, qae nada deixa a desejar;
eo o resultado de anuos de estudos laboriosos e constantes.
Para alcancar todas as rantagens que resolta* de aso de cathar.
ticos, tera-se combinado eoiacate aa rlrtuet curativa das
plantas que sao emprefadas na eonfseeo das plalas. Son
composicao tal qae a* enormidades que esto ao alcance
V -" Ccao, rara vezes podera reslsti-las on vadi bu.
Suaa propriedadas penetrantes explorio penetrio, puriflcio a
dio vigor a todas as parteare organismo humano; pois corrigen!
a sua ocio vciada e faz recuperar a ana vitalidade. Urna das
ooBseqoeacias dstas proprledadei 4 que e doeate, abatido de
dr e debilidade pbjrtica, admtra-se de eaaantrar, to depressa,
eaa saade e eacrgla recuperada* por meto d' am remedio to
simples e agraeiavel.
As molestias que esto as leo alcance ate.
Prizo ile ventre Jlhtumtiliimo, Dr da eakCfl, A tfevralgia,
Enxaqueca, IndtgttUo e mal do estomaga, Htmorrkoidat,
rADECIMEXTOS DO FIGADO,
Febrt.gattro-hepatioa, Gtutrite, afaceta Bhotai Lombrigat,
Erytpela, Budreptia, turdu, uguira parcial, t Paralara.
No almaaak e Kaaaal de Saude do Dr. Ayer, que a* publica
todos os annoa para dlstribuieo gratuita, eaeontra-se usa tra-
UUo sobre u dirersas dacacas qae esto ao alcaace de
KSMSDIOS PUKQANTE8.
AcUa-se em todas as Boticoi e Drogaras do Imperio.
O Peitoral de Cereja
DE AYER,
FU A FROMPTA CUKA OA
Angina, de Oonatipacoee, Toaaet, Bouquldio Inflo.
na, Bronchite, Tiaica primaria, Tmberculo
pulmonaje*, toda aa moieaUaa do
Paito, assna oomo par aliTiar
oe athiooa daalaraaV)*.
As pnparacies do Da. Atxb sao TendWa* cas ptfclall!
*reri*i botiau do taperio.
Vene-se em Pernambuco:

na
oeP. MAUR
A NO
FABRICA 4 VAPOR
99 RA DQ MONOEQO 99
DeiMfcsU na ria Nova n. o loja ale relojoelr.
Delouche donos deste esUbelecimento partecipa ao respeitavel publico qae sua fa-
brica est montada com as melbores machinas que existem na Europa, e que pode
i fabricarcom melhor perfeic3o possivel. Todo o chocolate desta fabrica est garantido, e
paro, o qae nao se pode encontrar naquelle qoe vem de fra, e que se vende por preco
baixo, visto os productos serem do paiz. Na etiqueta tem sempre urna a guia.
PRE^O.
Meia libra. ....... 400
Urna bra.....- 800
Urna arroba........19.5000
Na mesma fabt ica acaba -de se montar urna officina com serrara a vapor para
obras de marcineiria propria para edificio, para o que encarregi-se de faaer portas, ja-
dellas, assoalhos parqu francez como se usa na Europa,) e armacSes, ludo com.brevi-
nade e perfeicao. Toma-se qualqaer encommenda para fra da cidade, entregando-se
prompta a collar-se no lugar.
COl-IalIO fe FREIT1N
Ra la Cruz n. G.
Continua a baver diariamente am sortimento de pastis, podins, bolos inglezes,
empadas etc., etc. Os donos deste estanelecimento, acbam-se as melhores condioes
de poder satisfazer eneommendas coneernentes sua arte, em consequencia do socio
Freitas ter sido administrador chefe de algumas das prmeipaes fabricas na corte, sendo
urna a do Sr. Joao Goncalves Guimaraes (eonfeitaria do Le?o) antiga casa de Carceller.
Todos os trabaIhos sao differentes dos que se fazem em casas particulares. .
Os proprietarios deste estabelecimento nao se tem poupado a despezas, nem se
pouparo, se houver concorrencia como esperam; tendo continuadamente bom sorti-
mento de doces para cb; presuntos e ditos em fiambre, tambem se recebem para se-
rem preparados ; assim como doce de caj novo superior, secco e crystalisado, dito em
calda em latas hermticamente fechadas, podendo durar anoos em perfeito estado.
Para jantares e partidas recebem-se eneommendas dos seguintes objeclos; ban-
deijas ricamente enfeitadas sem armaco pecas de amendoas (nogaces), ditas de tmaras
de ovos, paes de l enfeitados com disticos anlogos a qaalquer.fim; ditos montados,
kechs simples e enfeitacfos com fructas ingleza; gatheaux de la reine, ditos de le d-
chese, tortas de fructa, massa folhada; ditas de peixe e carne; cremes e doces de ovos
de differentes especies.
Tambem tem um completo sortimento de vinhos engarrafados, como sejam: vinho
do Porto superior, Figneira, Madeira, Lisboa, Cberez, Bordeaux, Champagne fino, ser-
veja, licores, charopes e conservas. Para festas: bonitas caixinhas com amendoas, con-
feitos e mais enfeites. Muitos destes objectos mencionados podem-se perfeitamente ac-
condicionar tanto para a provincia, como para fra.
FIGURAS
Acabam de receber bonitas figuras para bandejas de doces, sendo grupos para
baptisado, casamento, annos, ditta a phantasia, bonitos enfeites para bollos e circular pra-
tos de doces finos, todo por oreos razoaveis.
Vende-se licores em duzia muito em conta.
Coaipanhia, geral hespanhola de seguros mutuos
sobre a vida
ATOWSADA PELO REAL DECRETO DE 21 DE DEZEMBRO DE 1889
dala iM$a diaheiro, depositado as cofres do estad*, garante a baa ad-
ministraco da campaihia.
BANQUE1ROS DA COMPANHIA* DIRECgO GERAL
.Sanco de Heepanha Madrid : Ras do Prado b. I
Esta companhia liga pelo systema mutuo todas as combinacoes de supervivencia dos seg
es sobteavMa.
Nella pode se tazer a subscripcao de maneira qae em-nenham caso mesmo por morte do
legurado e perca o capital nem os juros correspondentes a estes.
Sao tito saprehendentes os resultados que prodozem as sociedades da ndole deA NACI-
NA1v--o,b* liada nesmo dirainuindo ama ter^a parte do interesse prodaudo em recentesliquida-
coes ecombiuando-o com a mortalidade da tabella de Depareieui qae adoptada pela companbJa
P**" sea* clculos e liquidaedes, em segurados de idade de 3 at9 annos, urna imposi^ao annua.
ae 100# proatazem efectivometlico:
No fim de 5 annos.......1:119X300
de 10........3:942,5600
de 15 t.......11:3084200
i de 20 ...#... 30:236*000 *
de 28 ........ 80:331*000
as idades menores de 3 annos e maiores de 30, os productos sao mais consideraveis.
Prospectos e mafs informacoes serao prestadas pelo sob-director nesta provincia.
Joaquim Fluza de Oliveira, roa daCadeia n. 82, oa a Boa-Vista ra da Imperatriz n. 12, esUbeleci-
mento dos Srs. Raymundo, Carlos.Leite & Irmo.
TINTURARA
AO GRANDE S. MAURICIO
PROCESSOS APEKFtICO AI608
PARA *
Tinglr, limpar e lastrar a vapor.
F. A. SALN
BOA CASA
MARTIMOS
Alnga-se na i iba de Bem-fica, a margara do rio.
a razo de 13* mensaes, a primeira n. 2 A :
, trata-se na ra Nova n. 38.__________________
Precisa-se alogar ama ama para casa d
; ponca familia; na roa da Imperatriz n. 36.
CONTRA FOGO.
A companhia Indemnisadora, estabeleci-
da nesta praca, toma seguros martimos so-
bre navios e seus carregamentos, e contra
fogo em edificios, mercaduras e mobilias:
na rna do Vigario n. 4, pavimento terreo.
Aluga-se urna casa e sitio na estrada do Ja-
cobina (Capunga), com temeos e cantelros ao la-
do, banbeiro, cocheira, estribarla, gallinbeiro e
quartos fra, bastante fresca : a tratar na roa do
Pilar, primeiro sobrado a direita logo depois do
arsenal de mancha, 2 andar.
Em casa de Theod Christiansen, ra do Tra-
piche-novo n. 16, nico agente no norte do Brasil,
de firandenburg frres, Bordeaux, encontrase ef-
feciivamente deposito dos artigo seguintes :
St. Julien.
St. Pierre.
Larose.
Cbateaa Loville.
Cbateau Margaux.
Grand vin Cbateau Lafitte 1838.
Chateau Lafitte.
Haut Sauternes.
Matean Sauternes.
Cbateau Lataur Blanche.
Cbateaa Yqaem.
Cognac em tres qualidade?.
Azeite doce. Precos de Bordeaux.________
Engommase
com asseio, promptidao e preces razoaveis : na roa
Augusta n.5, loja.
Alagase o pequeo sobrado
soto da roa do Calaboaco n. 20
numero 14.
de um andar e
na roa Nova
Na roa Bella n. 22 paga se 23* por ama ama
escrava para o servico de peqona familia.
Criado.
Precisa-se de um criado para todo o ser-
vico, prefere-se e?cravo f na livraria da ra
do Crespn. 9.
******** *****
O Dr. Carollno Francisco de Lima San-
I tos continua a morar na ra do Impera- ]
W dor n. 17, segando andar, tendo alias sea
M gabinete de consultas medicas, logo ao
mm entrar, no primeiro.
O mesmo doulor, qae se tem dado ao
estudo tanto das operacSes como das mo-
lestias internas, presta-se a qaalqoer cha-
mado, quer para dentro quer para fra
da eidade.
Iraariate do Saatissimo Sacramento
da matris da Baa-Vista.
Sao novimente convidades todos os nossos cha-
rissimos irmaos paja comparecerem no dia quinta
feira 17 do co> rente raez, pelas 6 horas da Urde,
aflm de em mesa geral proseguir-se na dlscusso
e approvacao do nosso compromisso. Oatro sim
scientiQco aos nossos charfisimos irmaos que do-
mingo 20 do correte, as JO horas da manba, te-
re' lugar a eleicao para a nova mesa regedora que
tem de funecionar dorante o anuo compromlssal
de 1866 a 1867.
Consistorio 14 de maio de 1866.
O escrivao
, Manoei Polycarpo Morelra de Azevedo
Cigarros de 8. Paulo
De fume de Belem do Descalvado fabri-
cados pelo celebre JUCA.
________Roa do Crespo n. 9.________
Arrendarse um sitio no lugar da Piran-
ga, com trras de plantar epaito, e varias
arvores de frocto-jiu ra do Imperador es
criptorio: n. 12.
Publieafo
DOS
jurdica
Responsaveis nos crimes
ag De Itberdade de exprimir os pensa-
mentos.
Lifes de direito criminal.
Brai Florentino Henriqoes de !
S Seeia,
wLente de direito civil na FaculdadeS
de Direito do Recife.
SR Acaba de sabir a' las esta interessan- 1
| te pubiieacao e acba-se a' venda na li- M|
25 vraria Econmica a' roa do Crespo n. S
B 2, pelo preco de 4* cada exemplar. ^
XAROPE
PEITORAL E DULCIFICANTE
DE
SIIVTGEORGBS
Preparado por GRIMAULT & C.a pharma-
ceuticos de S. A. I. oprincipe Napoleio.
Cura rpida das molestias seguintes:
tosse, catarrhos, pleuresa, coqueluche, an-
ginas, fortes constipacoes, irritacoes dos bro-
nebeos e do peito, bronchite, phtysica pulmo-
nar, astma,pneumonia, anginas, amygdalites,
tosse chronica, rouqaidSo.
Os mdicos recommendam a o mesmo tem
po o uso das excellentes paslilhas peitoraes
co;n o suco da alface o laureiro-cerejo, que
se preparam no mesmo estebelecimento.
A venda as pharmacias de Maurer e A.
Caors,
Precisa-se de ama ama para casa de pouca
familia, que faca todo servico, prefere-se escrava :
na ra de S. Jos o. %.
PECH1NCH4!
Occasio umea de adquirir as obras de
Alexandre Dumas.
M 500 RIS
Cada volime encadernido
edicAo _vy
LlTrarla Franceza
Ra do Crespo n. 9.
29 ftua 7 de setembro 29
. Defronte da roa nava do Onvidor (Rio de Janeiro)
Os proprietarios deste estabelecimento, o primeiro no seu genero no Rrasil, por
trabalhar com as machinas mais aperfeicoadas para tingir e lustrar, de que se faz uso na
Europa, eajudados por alguns dos melhores officiaes de Paris e Lyao, podem assegu-
rar seus freguezes urna perfeigo no trabalho, a qual seno pode chegar pelos proces-
sos ordinarios.
Tingem, lavam, limpam e demofam com a mai r perfeicao e brevidade qualquer
qualidade de fazendas, tirana nodoas e limpam secco sem molar as sedas e as vestimen-
tas de senhoras e de homens.
CALCADO .
45 /to Direita 4$.
A primeira condicao indispensavel con-
servado da sade trazer os ps bem de-
fendidos contra os ataques "da humidade;
. calcado bom e seguro o nico preserva-
tivo dessas mil enfermidades a que est su-
jeito o nossoeu. Um chinelo velho cal-
cado por um dandy patuscante, ou ama
botina acalcanhada em peqoenino p de en-
cantadora deidade alm de acensar que-
bradera horripilante, prova contra as 'acui-
dades intellectuaes dos calcantes, e nao ha
quem, tendo bom senso, queira passar por
maluco, ou pobre de surrao : ergo, cor-
ram a:
4*-RUA DIREITA4*.
e attndam a' barateza.
Homens.
Borzeguins barcellonezes de lus-
tre e de porco 6|j000
Ditos de Bordeaux .... 70000
Ditos parisienses de bezerro e
cordavao 8)J0OO
Sapatos de lona, sola de borra-
cha.....; .* 2,5(000
Ditos aveludados ..... i^eoo
Ditos de tranca bons ... ijeeo
Senhoras
Bonegoins enfeitados. 5*D0O
Ditos de laco .... imo
Ditos lisos..... oo
Sapatos de borracha .... ,,$600
Selleiros, corrieiros e segeiros I
Sola de lustre, meios grades 20/W0O
E um completo sortimento de calcado fa-
bricado no paiz.
Casa itemmmh de eseravos aa roa a* Inpe-
radr n. 48, terceiro andar.
Recbenme eseravos tanto do mato como da
praca para serem vendidos por commisso, affian-
_f nb,hmJraUmeal e segnranca para os mes-
2?t / X assiDad0 d5 POOP forcos am
de os vender com promptidao, nesta mesma easa
ha sempre para vender eseravos de ambos os sexos
__________Antonio Jos V. de Soaia.
LOJA DA FRAGATA AMAZONAS
N. 5 lina ti o Quemado n. 5.
Monleiro & GuimarSes, proprietarios deste joven estabelecimento, participam a
todos os seus amigos e freguezes, que recebem de conta propria por todos os vapores
da Europa, ricos adornos para casamentos, e outros muites artigos de grande moda, e
se consideram felizespelo bom desempenho que tem tido todas as suas eneommendas,
pois seus correspondentes de Hamburgo, Paris, e Londres, tem sabido acertar com o
bom gosto das encantadoras Pernambucanas.
a / Fra,?ata recebeu ricas saias de l a Mara Pi, com barras colloridas e de grande
novioade na Europa, assim como tamboretes atapetados para as senhoras deitarem os
pes, cortes de granadina bordados a agulha, ditos de prpelioe, ditos de esmeraldine, ditos
ae cbaiy com listas de seda, ricos cortinados borddos, bons bramantes de linho, boas
selicias, boas bretanhas, retondas de algodo, ditas deliDho, ditas de seda algerienes.
(burnns) africaines, pompadour, transparentes para janellas com lindas passagens etc.
eoulros muitos objectos, quesera tnfadonho menciona-Ios.
MEDICO E
DAS ERFIBIHDADrs
PLUS DE
COPAHU
DO DR. CHARLE
PR0FESS0R DE PHARMACIA, DE-PARIS,
ARA O TRATAHE!TO E PHMPTO CURATIVO
SETOAES, DR TODAS AS AFFECCOES CETREAS, VIRys E ALTERACOES DO SASCUE.
Citrato do ferro Chablc. mPfPM U-purat>io o Sn5uc.
Xarope mu prefenvel ao I_1L_______ Xarope vegetal sem mer-
curio, o nico coubecido
e approvado para curar
con promptidao e radi-
calmente impigens, pstulas, herpes, sarna, co-
mixes, acrimonia e alteracdes viciosas do san-
gue; viras, e qnalqner affecao venrea. Ba-
! mineraes. Tomo-e dons por semana, se-
guindo o tratamento depurativo. Pomada an-
tiherpetiea. De um effeito nuravilhoso as af-
feces cutneas e comizoes.
eMorrokidaaPomada que as cuaa em 3 dias.
Copah'ba, as Cube-
tas, cura immediatamen-
te qualquier purgacao ,
relaxacao e debilidade, e igualmente fluzos e
flores brancas das mulheres. iajeea de
Chahie. Esta injeccao benigna emprega-se mes-
mo tempo do xarope de cilrato de ferro, urna vez
de manb, e urna vez de Urde durante tres dias;
ella segura a cura.
DEPURATIF
do SA1VG
Deposito na ra larga do Rosario hoca de Bartholomeu A C. n. 34.
Mk
Preclsa-se de ama ama escrava qae cosinne e
eogomne para easa de malta pequea familia
tu toa da Concordia n. 3a, sobrado do armaze*
do sol, paga-se bem.
Aloft-sea casarreaa. 7 da roa do ees
de Deteoco junto ao sobrado ao norte do Batme-
tro, por 13J mensaes, ten 1 quartos, 2 salas, oo-
slnba, quintal com cacimba e esta' pintada.
Acba-se justa e contratada a compra da ta-
berna sita na ra dos Acougalanos o. SO, penen-
cenle a Antonio Jos Goncalves Plexe, quem se
alfar com direito a mesma appareca no prazo de
I dias a contar deita data, paleados os oqaes nio
se attendera' a recia mica o alfosia. ___
Osadoinistadoresda massafalidado
Joao Jos de Figueiredo pagan o segundo
dividendo na razio de 3 por cento, a'ra
da Cadeia escriptorio do Leal Beis, das 8
as 10 horas da manilla e das 8 as 5 da tar-
de, devendo os Srs. credores apresentarem
i os seus titulo.
I.LZZATiZVr
Tinta Inalteravel
Para escrever
de P. MALRER & Ca.
PERNAMBUCO
Esta tinta recommenda-se pela sua com-
posicao e fluidez como a mellior e a mais
segura das. Nao ataca as pennas de ac, d at
tires excellentes copias, mesmo muitos dias
depois de escrever, e preferivel a qual-
quer outras tintas particularmente para
livros de commerefo, documentos etc de
que se carees longa conserVaca
Aluga-se na apaoga porlo do Lasserre urna
casa terrea com soto, tendo 8 quartos, copiar,
cosinna, quartos para criados, estribara e coebei-
r* : {*'' o> mesma Capunga easa da Sr* via-
va B. Lasserre on na roa Imperial n. 20.
Precita-se fallar ao Sr. procurador do padre
Vicente Mara Ferrer de Alboqaerque, por se ig-
norar a sua moradia; na praca da Independencia
o.o.
.
GABBAUX, DE LAILHACAR & C.
LIBRARIE FRANCAiSE;
RA DO CRESPO N. 9.
Livros rtacionaes e estrangeiros.
Religiao, direito, litteratura, etc.
Papelaria, objectos para escriptorio^
Papis pintados para forrar casas.
Assignaturas para os jornaes da Eu-
ropa.
NA BOTICA E
DE
BARTHOLOMEQ & C.
34 ROA DO ROZARIO LARGA 34
Vende-se
Xarope de Guiy.
Granulos d'atropina.
Capsulas d'apiol.
Vinho de quinquina de Belline.
Pastilhas degestivas de pepsina Wasmam.
Granulos de Bismuth de Chevrier.
Licor e pilulas deLaville.
Injeccao Feaugs.
Xarope verdadeiro de Botigny.
Granulos d'Ergotina de Bongean.
Capsulas e injeccao ao matico.
Xarope hypophosfito de cal e soda.
Elixir anti-asthmatico de Guilli.
Cenfeitos de cubebina de Lalelonije,
Eixir de citro-lactato de ferro do Dr
Thermes.
Injeccao Brou.
Essencias superfinas de Hermam, Piver e
Chardrin Hadancoul.
Granulos de Digitalina.
Vinho de quina ferrugino-o de MoiUer.
Xarope de Iodureto de ferro de Blaucard.
Agua das caldas da Rainha.
Xarope de tndacio de Abbdie.
Confeitos de lactato de ferro de Gelis *
Conte.
Ferro de Quevene.
Rob de Laffecteur.
Perolas de ether.
Xarope autigotioso deBoub.
Ole de flgado de bacalho desinfectado de
Chevrier.
Agua dentifica de quinina.
Perolas de assafetida.
Oleo de flgado de bacalho ferruginoso de
Chevrier.
Xarope de digitales de Labellony.
Ole iodado de persone.
Xarope de cudeina de Berth '*.
Emais as principaes drogas, producios,
especialidades pharmaceuticas e chimicas
dos principaes paizes 3a Europa.

" VAKELLi
lljl
I
Vende-se na livraria franceza ra do Crespo e ra Nova n. 18 de
DE .

DE
f VIGNES,
N. 55. RA DO IMPERADOR X. 55.
Os pisaos detta antiga abrica sao boje asss conhecidos para qae seja necesaario iaaisr sobre a
a snperioridade, vantugense garantu qaeofferecem sos compradores, qualidades estas iacentesta-
veis qae ttim tea dettalUnmeote co^nifUdo sobre todos os qae tem appar^ldo Mt praea; pos-
iiindo om teclado e mtfbrnrtmo qut obedece i todas as voiKadee e eapriehos las pianistas, sen
Miea talnar, por serem fabricados de proposito, e ter-se eito ltimamente meJaoramentos ImporUn-
ttfjnos para clima doste paiz; omiMos votes, sio melodtWM eltaatadas, e por isso nruito agrada-
veis aos oavldos dos apreciadores.
Faasasse eonforae aa eocommem, tanto nesu fabrica como na do Sr. Blondel, de Pars, sodo
$MwamHtn da I. Yuro, em caja < apiul foram sempre premiados%n todas as eiposieBes.
No mesmo astabeiectasanto se achara sempre am ezpleodldo e variada sortimento de msicas dos
saibores aatores da Borona, assim como harmnicos e pianos harmoaicos, sendo tado vendido por
preoos eommodoM razoaveis.
Canto* e _
Um volume in 12." impresso e en- II
cadernado em Paris: em casa dos jjp
edictores
LIVRARIA FRANCEZA
N. 9 Ra do Crespo N. 9.
s
Precisa-se de am caixeiro pan taberna me
teuba pratica e seja de 13 a 15 anos oa idade -
na roa da Ponte-velba n. 39.
Na praca da Independencia a. 33, loja-do
ourives, compra-te ooro, prata, e podras preciosas,
e tambem se faz qaalqoer obra de encommenda, e
todae onalqaer concert^________________
Antonio Luiz de Oliveira Azevedo & C tem
para vender no seu escriptorio, roa da Cruz n. 1,
vinbo do Porto em caixa de duiia, fio bamburguer,
oola da Babia superior.
Ama d leite.
Precisa-se de ama ama de leite, para amameo-
tar ama menina muito manclnba, paga-se bem,
roa Nova de Santa Rita n. 55 primeira andar.
mus nmm
Sortimento de papis pintados e
lindas guarnieses para forrar casas.
N l LIVRARIA FRANCEZA.
N. 9. Ra do Cretpo N. 9.
Offerece-se ama
gomma com perfeiglo
sotfBiro a qual tem a devida
sroa
iba a ea-
I pati lrt-
razeres a. ti


-

\
I


I

\t
,
i
aanaBaa



>


Sabbado it de Male de 186G.
V.
Ricos-brincosdecryslal lapidadosdesurenles formase cores,"4 que had mais moderno em
Parts, tambera crures e bol8es para coletas; Omitas modernas de madreperola para cinto : estes rti-
cos se vendes por meos de seo valor no armazem da roa da Cadeia do Recite o. 60.'
.* .
FABRICA
NACIONAL
DE
TOAROS
DES.ilEJIOEJWEIRO,
Estabelecimento na ra da Uniao n. 11
PROPRIETARIO MANOEL LOMBOS.
No deposito, roa do Carmo n. 83, tiste om grande sortimento de vidros e crystae?, qne se
vendem por precos mais baratos do que em qaalqoer parte : frascos de 1 at 8 libras, bocea larga e
bocea estrella ; copos de 6 cortes, de meta oitava at meio quartilho ; ditos de 10 cortes, de ns. 1 e 2;
globo para lampeos de kerosene, lavrados, lapidados e tascados; ditos para candleiro de gaz ; lam-
peos de kerosene grandes e pequeos, lamparinas de metal; vasos para confeitaria com p e sem
elle, grandes e pequeos; cbamins para lampeoes de kerosene de todas as dimen-oes; compoteiras
moldadas de cortes largos, escarradefras de cores para salao, ditas de mo com aza, pequeas ; vento-
sas e bicheiros, calixes moldados, copos lisos para agna e vinho, pratcs moldados, redomas, garrafas
para vinho e agua, grandes e pequeas, ditas para Leroy, ditas para licores, ditas para minas, ditas
para agua de Colonia, ps para pianos, brancos e de cores ; tubos para machinas a vaper, de crysial ;
globos com goarnicao de metal amarello, maotegoeiras de vidro, vidros avolsos para galheteiros lapi-
dados, vidros para lampadas de igreja, galhetas para missa, ditas para galheteiros, mangas para cas-
licaes Usas, lvradas e lapidadas ; lampeoees de parede para kerosene, ditos de pendorar; copos gra-
duados de i ate 16 oncas para pharmacia, garantindo-se a exactidao da medida ; vidros para peizes
com p e sem elle, acucenas para casticaes, chamins para lampeos de azeile, ditas de cores para illu-
minacoes, vipros para agna forte com rolba. Compram-su vidros e crystaes quebrados.
O deposito desta fabrica em Pernamboco na ra da Imperatriz o. 19, onde existe constante-
mente chamins para candleiro a gaz de ns. 2 e 3 a 320 rs. edn, la 400 rs., lamparioas completas
a 2/, lampeoes completos a 7/ e 8|, escarradelras de cores a 25800 o par, pratos para copos d'agua a
500 rs., copos de dez cortes a 600 rs., globos lapidados e iavrados para candleiros a gaz a 1/800. O
proprietario deste novo estabelscimenlo convida ao respeitavelpablico para que visitem o mesmo, cor-
tos de que comprarp os artigos indispensaveis a urna casa de familia pela sua barateza e utilidade,
principalmente acs Srs. pbarmaceoticos pela grande quantldade de frascos e vidros proprlot de phar-
macia. Tambem recebe encommendas. O encarregado do proprietario Joao Luiz Eocrennaz.
Ouro e praia.
Em obras veibas : compra-se na praca da tn
dependencio n. 22, loja de bilbetes.
Libras sterlinas compram-se na praea~da
Independencia d. 22. S
-------
VENDAS
Quadros
MACHINAS AMERICANAS
verdadelras do fabricante X. Y. canttongin & c.
Moinhos americanos para moer milito.
Na roa Nova n. 20 e 22, grande deposito
das verdaderas machinas americanas de todos
os fabricantes; se encontra neste deposito
grande porcao de machinas, e se vendem por
menos preco do que em outra qualquer parte,
por se receber em direitora da America; se
fornece todas as explicacoes necessarias ao
comprador para conservarlo das mesmas;
neste grande estabelecimento se encontra mui-
tos artigos americanos, que muito deve agra-
dar aos agricultores que usam de taes artiges,
encontra-se tambem todas as colleccoes de de-
senhos sobre os quaes se aceita qualquer urna
encommenda, que com promptidlio ser ejecu-
tada ; ueste grande estabelecimento, encon-
tra-se em grosso e a retalho, grcnde porcao
de ferragens, miudezas que se vender por preco eommodo, pedindo-se a attenco
de todos para este estabelecimento que muito lucraro em fazer suas compras: na
ra Nova n. 20 Carnei o Vianna.
Novo grande deposito de superior carvo de Cardifna
Baha.
Antonio Gomes dos Santos & C, raa de Santa Barbara n. 1, esuio habHitados a supprir*de
carvao, em coodicoes mais avoraveis que em oro qualquer deposito, a todos os navios a vapor ocarem naquelle porto. A contratar nesta com Domingos Alves J9ateosr
PHOTOGRAPHIa
abtistica american!
RA DO IMPERADOR N. 38.
Artista americano
Artista americano.
Artista americano.
Artista americano.
RetratosRetratosRetratos.
Em porcelanaNiepcotypie.
Em lencosArchrotypie.
Em vidroAmbrotypie.
Em metal=Daguerreotypie.
Em papelTa botypie.
No grande salao da ra do Imperador n. 38
No grande salao da raa do Imperador n. 38
Neste estabelecimento tiram-se retratos
em todos os systemas, com asseio e promp-
tidSo, desde as nove horas da manha
at as cinco da tarde; assim como tem
sempre a venda grande sortimento de ca-
xas finas de diversas formas.. Quadros
ovaes Passepartouts e todos os mais ob-
jectos e productos chimicos, relativos a ar-
te e recibidos ltimamente dos melhores
remecedores de PARS e Nova York, tendo
de tudo, para todos es gestos e para todos
os precos.
Salao.da ra do Imperador n. 38.
Salao d ra do imperador n. 38.
Joe da Silva Ramos, medie
pela uttiversidade de Coimbra, di J
consultas em sua casa das 9 a* ]
11 horas da manha, e das 4 as 6 '
casas regularmente as horas para j
isso designadas, sarvo os casos nr- |
gentes, que serao soccorridos em
qualquer occasio. D consultas aos
pobres que o procurarem no hos-
pital Pedro II, aonde encontrade
diariamente das 6 s 8 horas da i
manha,
Tem sua casa de ade regular-
mente montada para receber qual-
quer deen te, anda mesmo os alie-
nados, para o que tem commodoc
apFopriados e nella pratica qualquer |
opperacao cirurgica.
Para a casa de sade.
Primeira classe..3i000diarios.
Segunda dita___30SOO >
Terceira dita .2i$0OO
Este estabelecimento j bent
acreditado pelos bons-cervicos que
tem prestado.
O proprietario espera que elle
continu a merecer a confianza de
jue sempre tem gozado.
Loja e (aseadas e roapa ftHa na ra Nove
e. 26, de Jee Aniuoes Guimaraes, o annuociaoie
tendo em sea estabelecimento om.grande e cea:-
plato sortimeate de fazendas finas-e ronpas feitas
de itodas as qoaHdades dlspde-se a vender mais
barato 20 por cerno do qne em oatra qualquer
parte, a vista (as ,e sa vista dos fregueses
que se poderlo justificar da verdad?, no mesmo
estabelecimento lea oa offleina deaVaiate aonde
dirigida por om dos melhores mestres tendente
aquella .arte, e se aprompta qnaiqaer^acommenda
de obra feitas por maiio grande que ceja a sua
encommenda no prazo de 34 toras, e se possa en-
tregar en antea se fr de multa preoio. o aa-
onnciante ii z sciente ao tabuco em .getai que del-
xa de bular os precos de suas fazendas e 4e roapa
feKas em raeao deter moitos objectos dkpostos a
vender e como se tornaste aito dispeodieso com
seas annnnclos esta a razio que deia de o faier.
A Jrmandade do Divino Espirito Sardo rec-
ta no convento de S. Francisco.
O secretario da mesma convida a todos os naos
para comparecerem no consistorio, am de reuni-
do* assistirem a vespera, testa e Te-Dtum do divi-
so padroeiro, assim eomo a acompanbarem a pro-
elsso do Divino Espirito santo do Collegio
Consistorio da irmasdade do Divino Espirito
Sanio de S. Francisco, 17 de maio de 1866.
francisco Landelino da Silva,
Secretario Interine.___
AitMda-te o sitio denominado Tacarna, no
Salgadnbo, estrada de Beiem, com excrllentes
commodos pac* ter vaccas de ieite pela sua gran-
de extensa bom pasto, lem grande baixa deca-
pito, muitos arvoredos de fructo, bom terreno para
plantacio da legames, e ezceltente agua para be-
ber em dona grandes cacimbas : qoem o preten-
der podera' eorre-Io, e depois dirigir-te ao trapi
ene do Sr. Loyo, onde achara' comquem tratar.
Aatonio Fernaodes Daarla Almeia tas sci-
ente que dorante toa ausencia a Europa fieam en-
camgadei de todos os negocios de sua casa e pr-
tieavares seos socios o Sr. Laiz Pereira de Carva-
lbo e Bernardo Jos Pereira, e eomo procuradores
em 1* logar o Sr. Joao Hartios de Barros, e em 2
os tn. Luiz Jos da Cosa Amorim d C
XAROPE
DE
eYPPtOSPHITO OE CA
DE
GR1MAULT & C
Pharmacemico de S. A. I. o principe Na-
poleo em Paris.
Desde muitos secutes os mdicos e os
chimicos tinham procurado um medicamen-
to que podesse curar as molestias do peito,
todas as pesquizas feitas at boje sao ti-
nbam tido nenhum resultado.
Porm os trabalhos que foram communi-
cados ltimamente academia demedicina
de Pars e as mais serias experien ias feitas
no hospital Bromptos de Londres, que es-
pecialmente reservado para o tratamenlo da
tsica, provaram que essa terrivel molestia,
quando ella nao eslava ainda no sea ultimo
grao, tiriha no xarope de hypopboephito de
cal um especifico poderoso.
As toases, defluxos, catarrhos, bronchi-
tis, grippa, coquetuelte, cedem tanbem r-
pidamente ao uso deste xarope, e os asthma-
ticos acbam nelle um elemento certo para
curarem-se. Recommendam-se aos de fazerem uso ao mesmo lempo das-delicio-
sas pastilbas peitoraes do soco de alface de
louro cereja, dos senhore's Grimault.4 C.
Esta expeliente preparacao se compde de
duas substancias as mais calmantes e ae mes-
mo tempo as mais inofensivas da medica, enao contem opio.
Deposito as pharmacias de P. Maurer &
42. e A. Caore, em Pernambuco.
INJECCie E CAPSULAS
VEGETAES AO MATICO
GRDdAULT & C. PHABMACETICOS DE PARS
Novo tratamento preparado com as folhas
de matico, arvore do Per, para a cura rpi-
da e infallivel da gonorrhea sem receio al-
gum da contracto do canal ou da inflamma-
?5o dos intestinos. O clebre douter Ricord,
de Paris, tem renunciado, desde sua appari-
c3o, ao empergo de qualquer outro trata-
mento. Emprega-se a injeccao no comeco de
fluxo; as capsulas em todos os casos cbioni-
cos e inveterado, que resistiram s prepara-
ces da copahiba e as iDJec?6es com base
metlica.
Veneravel ordeui terceira de S,
Francisco.
A convite da irmandade do Divino Espirito San-
to, erecta no convento de S. Francisco e da do Cot-
legio,epor deliberacao do irmao ministro, convido
aos dossos cbarissimos irmaos a comparecerem em
nossa -ordem paramentados com seus hbitos, no
da M do corrente, es 9 horas da manbaa, para
assistlrmos a festa do mesmo Divino Parclito, ce-
lebrada no referido convento peta primeira das
ditas irmaodades, e as 2 1|2 horas da tarde para
acompanharmos a procissao que tem de fazer a se-
ganda.
Secretaria da veneravel ordem terceira de S.
Francisco 16 de maio de 1866.
Jeronymo Emiliano de Miranda Castro
__________________Secretario.
Veneravel arden terceiro de S.
Francisco.
Para cumprimento dos arts. 97 e 98 dos estatu-
tos, e para regularidad da escripturacao Itima-
raente adoptada, scientifleo a todas as pessoas que
liverem coutas cora a mesma ordem, por qualquer
titulo que seja, que as devero apresentar oo res-
pectivo consistorio as 9 horas da manbaa do dia
21 do cada roez, uao sendo admissiveis a presen-
tacao por terceiras pessoas.
Consistorio da veneravel ordem terceira de S.
Francisco 16 de maio de 1866.
Jeronymo Emiliano de Miranda Castro
Secretario.______
Ama dt ieite.
Pfecisa-se deema ama de ieite : a ipatar a'
de Heras n. 68.
das passagens de Cueva?, Mercedes e combate de
Riachuelo, vendem fe na roa do Crespo n. 1 onde
se assigoa a Semana mostrada'e o Bazar Volante e
ha um sortimento de albuns para retratos.
Gobs ~"
Vende-se um jogo ,de globos ('celeste e
terrestre; do afamado autor Delamarcher,
por 10$: na ra do Crespo n. 4 fabrica
de chapeos de sol
FOLHTIMS
PARA 1866*
Acabam de sahir luz "as folhinbas de
algibeira e de porta para o anno de 186, o
mais correctas possivel tanto no calculo das
lnas e eclipses, como as diversas festas
que a igreja celebra; vendem-se nicamen-
te na livraria da praca da Independencia,
160 ris as de porta e 320 res as de algi-
beira.
408 SRS. ACADMICOS
Vendem-se as seguintes obras de direilo
com pouco uso: Manuel du Droi Romain
por Mackeldey, 4 volume por 40; Diccio-
natre du Contentieui Commercial, por Mas-
s, 1 votome, por 5#; Elementa du droit
romain, por Maynz, l volume por 4(5; Es-
prk de la jurisprudence des successions,
porConflans, 4 volume, por 4 ; Codepra-
tique des failUtes, por Geoffroy, 4 volume,
por 3; : na ra do Crespo n. 4, fabril
de chapeos de sol.
Armaco
Vende-se nma armaco sta na loja da travessa
das Cruzes n. 12, multo propria para calcado; e
aluga-se a mesma loja: a tratar na roa larga do
Rosaric n. 21,-fabrica de eigarro.
mmm
Pechincha
Com loque de cupim.
Ruado <|ucImado n. S9.
Superior algodao largo com 20 varas pelo bara-
to preco de 6 a peca, em raiao de ter om toqne
de cupim : no armazem de fazendas de Custodio,
Camino & C.
Aspas fortes para bolees.
Na roa do Quelmado loja de miudezas n. 16, ven-
de-se aspa de ajo fortes, e de diferentes larguras
para bal6e;. ,
Bonitos quadros para retratos.
Vendem-se na roa do Quelmado loja de miude-
zas n. 16, bonitos quadros con mordora preta e
dturada, todos por precos rasoaveis.
Garrafas brancas
e de cores eom soperior agua da colonia.
Vendem e na ra do Queimado, loja de miude-
zas D. 16:
Novo gosto
Pentes, fivellas, e bftneos de feligrana.
.. E' baratissimo!
W baratissimo!
E' baratissimo!
Neste importante estabelecimento encoDta ore?-
peitave! publico um variado sortiaeoto de fazer,-
oas franceza?, inglezas e suidas, e as quaes se ven-
derio por pr^n eemoedo a saber:
_ -Chales de renda p;eta a 8,JO0.
'i, .2* u"lto/itoeniode chales de renda pre-
. ta a #50G e 6*, ditos de seda a 115, 14 e 165;
isto na ra da Imperatriz o. 72 de Goiraaies & ir-
mao.
o de
i, loja
A amiga e bem conhecida Ir ja n. 16 na ra do,
Queimado, reebtu um sortuiu uto de diversos ob- "etondas pretas a 8^.
jectos de novo e bom gosto, sendo pentes brancos e B oSe rnullllas preli,:, pe, Laral Pre
dourados de moldes enteiraraente novos e mui a- ** 8*5oo e na ra da Irap.ratrii n. 7
gradaveis, tendo entre elles algnns de filigrana obra de "U'njsfae l"1 a>
de muito gosto e detlcil execncao, e bem assim Grande pexiltcha a^o corle,
vellas e urincos as mesmas circumstancias. Vende-se cortes de csemira da China a 2^000
Tambem recebeu alguns cintos o que de mais 2#500,28O0 e 3ir ditas de brim a 1280, IJiO",
moderno e bonito, se pode encontrar em tal genero. W600, IJ&800 e 2$.
Alm disso encontraro os pretendentes um com- E' muito barato, larlataoa de Cres a 240
pleto sortimento de flvellas de madreperola, chris-,- rs 0 covado
i*.1 ei Vende-se um grande sortimento de tarlatana da
cores muito proprias para vestido, faienda mais
tal, tartornga, e donrados, briocos de _
jaspe, voltas e cruzes de dito e muitos ontros objec-
tos de gosto, os quaes continua-se a vender commo- moi1(,rna
damente. ? eIn ^ue lm vlD(l0 ao mercado a 240 o cova-
Penentfis lft marlrpnernla a nfoitoc filtta I e dilas n,ais finas a 300 e 320, laasinhas
aTZ, L en]aarePerola> e entettes nitS escocezas mnito modernas a 360 e 400 fs.
A loja de miudezas na ra do Queimadon. 16,'do, ditas muito tinas 460 e 500
??.!!!? b0.mA.s Pf,?'?8 cm .chaPa d.e nwdreperola, | Cobertores de algodao a 800.
Vende-se cobertores de algodao a 800 rs. ditcs
o cova-
e novos enfeites lilets ornados de iantejoilas deu
radas, moedlnhas, aljofares, vidrilhos etc., tendo
grandes para toda cabeca e pequeos para coque,
regulando os precos de 2 a 4000 rs.
Bonitas caixinbas
eom arranjos dourados para costura, tendo com
msicas e sem ellas. Vendem-se na ra do Qoei-
mado loja de miudezas n. 16.
Trancas pretas
com vidrilhos, e bicos com ditos e sem elles para
enfeites ou vestidos.
Na ra di Queimado n. 16 loja de miudezas a-
cbaro os pretendentes nm Lejo sortimento dos
objectos acuna ditos, cascarritbas, franjas etc. etc
e ludo est sendo vendido por precos commodos
Botes pretos
de vidro efeitados d'aco.
A loja de miudezas n. 16 ra do Queimado
vende mni iwnitos boiSes pretos de vidro com en-
feites de ac, os quaes muito se uzam para enfeitar
vestidos, qjiem os pretender pode dirigir-se a dita
loja n. 16 a roa do Queimado.
Vendeni-se na loja de miudezas
a raa do Quelmado n. 46.
Bonitos leques de sndalo e ontras qnalidades.
Bonitos cintos com fivellas de diversas qualida-
des e moldes.
Brincos e ernzes de crystal.
Abotoaduras de dito para colotes.
Bonitos port-relogios.
Delicadas caixas com msica e sem ella, para
costura.
Agulnas e linbas para chrochet.
Relroz superior em carriteis.
Rendas pretas e bicos com vidrilhos.
Fitas de velludo com listras de cores para en-
feites de gorros e vestidos.
Ditas de grosdenapoles, lisas e lvradas, brancas
elmatisadas.
Para tingir cabellos.
Hoild Walter.
Vende-se na rna do Qneimado, loja miudezas
n. 16.
Chromaco-me
Para tingir cabellos.
Vende se na loja de miudezas, a ra do Quei-
mado n. 16.
Tintura de L. Marques
Qara fazer os.cabellos pretos.
Vende-se na rna do Quelmado, a loja de miu-
dezas n. 16.
Vende-se
Papis com estalos e amendoas confeitadas para
sortes : na roa da Cruz n. 13._____ ^^^^
A preeo com modo
Vende-so a casa terrea da ra de Joo Fernan-
dos Vieira n. 14, ea freguezia da Boa-vista : tr- IHMIMS miodas, a'jofaiCS imitando
- i acevidiilhos decores
para enfeites de vestidos ; vende se tudo isso por
: precos razoaveis na raa do Queimado n.l oja 16,
I de miudezas.
grUSuf fiGHlICHL
! Os chales do Pavo a (!> 7 e 80.
Vendem-se ricos chales pretos de renda muito
n \ grandes com quatro pontas, sendo os mais moder-
| nos por terem chegado pelo ultimo vapor francez,
I e vendem-se pelo baratissimo prece de 0#, 7fi e
memores a i600 e IJ800, cobertas de chita a 2
2/300 e 3.
Quem duvidar venba ver.
Cambraia de cores a 240 rs. o covado dila 8oa a
i 280 e 320 chitas finas a 280, 300, 320, 360 e4C0
I rs., dilas percalas a 400 e 300.
Est se acabando chitas a 460 rs. o covado
Vende-se chilas a 160, 180 e 200 rs. o covado,
riscadlnhos franeezes a 240 e 280 rs. o covado ra
da Imperairiz a. 72, de Gniraaraes & Irmo.
Lencos brancos a 2$ e 2)5500 a dozia.
SUS*"? a 3* e 3*^00, ditos de linbo a 5000.
o/oOO, 69 e 75.
Cambraia branca a 3#.
Vende-se oro grande sortimento de cambraia a
3*, 3/500,4,8, 4/500 e 35.
Bales a U-
Vende-se baloes de arcos a 2/, 2/300 e 3, uc
tos americanos a 3J300 -ij e 4/300, ditos de i-.ur-
celina a 3/, 3/500 e 6/, ditos para meninas :. -i/
e 4/500: isto na ra da Imperatriz n. 72, loja d
Guimaraes Si Irmo.
a 3)?C00 o corte.
a 3^000 o corte.
a 30000 o corte.
Vende-se cortes de laa com 12 covados a 3-5, -
os finos a 3/300 e 4/, ditos a Mara Pia a 7/800
8/. 8,5500,9/ e 12/, g'ravatas finas para hemem
a 640, 800 e 1/000, mantas muito finas a 12G0 e
18400; isto na roa da Imperatriz n. 72, loja de
Guimaraes & Irmo.
Roupa feita.
Roupa feita.
Neste importante estabelecimento enecntrarao is
freguezes um completo scrlimento de rcupa feita
assim como palitoi, calcas, camisas finas a 15300,
1/800, 2/ e 2/500. ditas de linho a 3/, 3/301:', 4/
e 4/500, cortes de brim, ditos de casemira tfe co-
res e pretas, semillas de algodao a i/600 e 1/800,
ditos de linbo a 2/, 2/00 e 32.
Isto na ra da Imperatriz ri. 72, loja ce
Guimarts e Irmos.
xWACIII^xtlS
l
para
descarocar algodao
9,000 a serra
fw Porte do Manos prenca de algodSo n. 17, de ^ : n| lo)f do Pa,5.rua da Peratriz n. 60, de
Medeiros & C, vende-se machinas americanas do uaraa bl,va*
melhor systema que ha apparecido por serem
muito maneiras de 14,16,18 e 20 serras, a 9/ a
serra.
rua
Salitre refinado
Vende se a dinbeiro a 7J000 a arroba no escrip-
orio de A. i. Moreira Dias rua da Cruz n. 50.
colares Royer ou colares ano-^gGrande armazem de tin-ij
m
Camina & Nogaeira na rua do Apol-
0 n. 20, saeam para o Porto e Lisbca, a
A'ista on a prasa.
PEfTOR.
Precisa-se da om hornera para fettor, paga-se
bem ; pa rua da Anrora n. 68.____________
na noite de !9 de abril prximo ipassado, do enge-
nta Ceas Bracos de Cima propriedade do abaico
assignado, om cavalloazalo castrado, com dinas
e cauda 4a mesma cor, tendo nma su branca da
testa al ao beico superwr, pe esgnerdo e mo di-
reita branca at os travadores, fceorfeito de eorpe
e peseoco, aovo, gordo e bom andader de baiio a
meio, sendo9 baizo nm pouco asnero : dase 50a
a qoem levar ao dito engento oo delle der noticia
certa.
Manoel Rodrignee t- ftlva Camera.
Agencia de passa porte e por-
tara.
Claudino do Reg Lima, despachante de passa-
Crte e portarla: tiramos para dentro e fra do
oerio com presteza eommodo preco: na rna
da Praia n. 47, 1 andar.
*_Q____t____t^_t
panhia fidelidade de seguros
maritimos e terrestres
estabelecida no Rio de Janeiro;
AGENTES EM PHNAMBDCO
Antonia Lnz ie Oliveira Azerede k C,
competentemente autorisados pela direc-
tora da companhia de segaros Fidelida-
de, tomam seguro* de navios, mercado-
rias e predios no sen escriptorio rna da
Croa a. i
dinos
para facilitar a demico das criancas e preserva-
las das coavulsdes.
O feliz resultado oblido immensas vezes pela,
prodigiosa tferca magntica dos colares Royer, nos,
casos de cosvulsoes, e denticao das crianzas, tem
altamente elevado o sen bem merecido prestigio,;
bon- ^e ** Qb&0 dizer que estao geralmente con-
ceitnados, estimados de innumeraveis pais de;
amilias: de uns porque do uso desses salutaresj
colares viram salvos do perigo seos 'charos fllhi-!
; nhos, e de autros porque colherara daquelles tao \
1 profteuo eiemplo para igaalmenie
(Jiiem ansunciou vender ou dar sociedade
em urna taberna na freguezia de Sato Antonio,
dirije-se a rua d- Hortas a 114.
OSr. enjpregadopuhlicTque'RaMera 15~de
correte foi rua Bella n. 22, offerecer urna es-
crava por aiugoel de 23/ mensaes, tenha a
dade de mandar levar a cita casa ou fazer o favor
toandar a ella dizer onde pode ser procurado, pois
precsase fallar-se-lhe a respeito da mesma escra-
va por quem se esta' a espera.
A pesson qne anonncia vender urna taberna i^aST _Z_ ^?J50iT 22S2fJ"
em Santo Antonio dirija-se a Camfcoa do Carmo Sf ml i-t f ^ branCa' e^ em ^S"
n.f |0a !Ms a utiiidade eproveito desses prodigiosos cola-
^ti__________ res anodinos ou Royer, mandoo vir o novo sorti-
frugio da casa de -eea sennor, oa estrada de I ment que agora recebeu, e continuar a recebe-
Juoo de barros, urna escrava de nomo Izidora, cora los para que em tempo algom a falla delles possa
os gnaes seguintes : orioola, alta, bem parecida, ser fnnesu aos pais de famWia, os quaes ficaro
a qeal aasentoa-se desde o dia 12 do corrente leertos de os achar constantemente na rua do Quei-
mee.1 pede-sea polica e aos capitaes de campo a mado, loja d*aguia brancas. 8.
captura da dita escrava, levando-a a' casa de sen
seaher-SebasUo Marques do Nasciaeulo, rna da
Imperatriz n. 2.
COMPRAS
Comprarse os Diarios de H 13 14 A
Agosto de 1860 ou qualquer numero pa-
ga-se bem apeessoa que qoizer vender le-
ve-oe 3 Praca 4a Independencia n. 8 loja de
ivros.
Compram-se
Guia n. 9.
latas vacias de gaz : na roa da
Cempra-se ouro, prata e pedras preciosa
em obras velhas.: na rua da Cadeia do Recite
cja de oorives no arco da ConceicSo,
Coapra-se urna escrava auca, de 13 a 20
annos, crwula, qne aaiba engommar e cozichar, e
qne nao tenna vicise achaques: quem a, tiver
as condiedes mencionadas, dirija-se ao trapiche
do Sr. Loyo, no Porte no Mattos, que achara' eom
qnem tratar.
Compra-se
na escrava que eeja boa figura e qne saba bem
gommar, nao ceedendo de 25 annos- de idade,
e paga-se bem : no escriptorio de Vicente Perre
ra da Costa & Filbo, rna da Senzala n. 138, on em
sen armazem junto ao arco da Concelcjo.______
Compram-se garrafas vasias : na rua da Ca-
deia do Recife n. 53.______________
Compra-se nma secretaria da Jacaranda
mogno, oa de amarello, na roa Nova n. 7.
Na rua da Imperatriz n. 28.
Vendem-se cortes de cambraia brancos com 4,
5 e 6 babados a 20/ e 25$.
Fil de seda preto com flores a -vara !/.
Cambraias brancas de nma vara de largura fi-
a 1/ e 800 rs.
Ricas lampadas e candieles a *az por osso
e.a retalho.
Vende-se ama parte do ngeoho lobaaan,
do tftrmo de Igoarass : a tratar na rna do Qaei-
mado, loja n. 44.______ ,_____________
Vende-se gaz de primeira qnalMade em pe-
quenas e grandes porcoes e barris coa farinha de I
milho iuuile fresca e nova, tudo por precos ra-k
zoaveis; no armazn de Matbeus Aosun & C-'
rua dalenzala Velha n. 106._______________'
Luvasde pellica pretas e ou
tras cores.
Chegaram para a ioja de miudezas a rna do
_______Qneimado n. 16.
. Vende-se urna novilba multo grande e gorda,
propria para acoogoe : qnem pretender dirija-se
a-Santo Amaro, sobrado junto do cemiterio inglez.
Farinha.
No armazem de Vicente Ferrelra da Costa &
Filbo junto ao arco daConceico, vende-se supe-
rior farinha de mandioca nltimamente chegada,
em saceos de tres aqueires oa cinco arrobas de
peso, pelo baratissimo preco de 6/ o saceo.
m
que
%1^
m
Aloga-se ama ama para o servicn de casa da
ama so pesioa : na roa do Torres n. 14, segando
andar.
Roga-se ao Sr. Joaquim de ui Cyrne ,
morn no priraeiro andar da-raa das Agoaa-verdes
n. 86, pertencente ae abaizo assignado, tenha a
bondade de entregar as chaves do dl sobrado no
praso de tres das, a coalar da data deste, pois j
fazem mais de dez dias qne se madoa e nem cha-
ve nem dinbeiro.
Recife i de mato de 1866.
Jos da Costa Donrado.
Compra-se ama machina de copiar, em se
ganda mo ; qnem a tiver e qoiier dispar, annnn-
cie por este jorual para ser procurado.
Compra-se.nm sobrado em bom es-
tado, de nm a tres andares, as ras se-
guintes : Cadeia, Cnrz, Trapiche, Impera-
dor, Crespo, Cabug, Nova, Qneimado, Cru-
zes, Livramento, larga do Rosario e Hor-
tas ; quem tiver deite carta fechada com as
imciaesA. C. E. na livraria o, 8 da praca da
Independencia.
Compra-se ama barra de ferroTtngleu on
mesmo das antigs; m rna Nova n. 31.______
-~ Compra-se na prensa de atoodio de Saonders
Brothers &C.
rroba.
ementes de algode a 800"rs. por
No armazem de Jos Joaquim Lima Bairao, a
rua da Cruz n. 18 tem para vender mate em jaca-
les, o melbor que de presente ha no mercado.
Na rua da Madre de Dos n. 14 vendem-se
upas tachos de cobre proprios para refinaco.
Vende-se um carro americano de quatro
assentos, pasado por ao cavado, em bom aso
malte leve : na roa larga do Rosarlo, loja n. 31
" T Vendem-se dona bonito* moloques de idade
5*B l*annos, 2 boas escravos, 1 linda negrinb*
de idade 14 annos, 1 sccellante mulata perita en"
gommadeira : na travessa do Carmo n. 1.
Compra-se nm bom seiiim inglez em-segun-
da m5o, paga-se bem : na rna Bella p. 21
Compram-se doas carrocas novas -po com
pouco uso, qne sejam proprias para dous bols;
qoem tiver annuncie.
tesela.
Vende-se ama parda de meia Idade, de ptima
conducta, sem vicios nem achaques, sabe lavar,
enzommar e cpzinbaa eom pereicSo, na rna da
Imperatriz n. 28,1 andar. ________
_ Vende-se orna escrava da Costa, de vlnte e
tantos annos de idade, xcettente qultandeira e p-
tima cozinheira, por%eco eommodo : no sobrad
em Santo Amaro, jnnto ac^emiterto inglez.
Linguas.
. Chegaram as muito saperfores do Rio Grande do
Sol qne se vendem por 110 rs.: na roa da Cadeia
n. 53.
tas medicamentos etc.
Rua do Imperador n. 22.
loo Pedro das Seves (ge
rente) te ni a venda o
seguate:
Productos chimicos e pbarma-
ceuticos os mais empregados em
medicina.
Tintas para todo 0 genero de pin-
tura e para tinturara.
Productos industriaes e tintas
para flores, como botes de Aeres
e modelos em gesso para imitar
fructas e passaros com o compe-
tente desenho.
Productos chimicos e industriaes
para photographia, tinlnraria, pin-
tura, pyrotecnia etc.
Montado em grande escala e snp-
prido directamente de Paris, Lon-
dres, Hamburgo, Anvers e Lisboa
pode offerecer productos de plena
confianca e satisfazer qualquer en-
^ conunenda a grosso trato e a reta-
I lbo e por preeo eommodo.
mmm mmm-mmmmmmm
No armazem de azendas
baratas de Santos Celfeo
Rna do Quelmado n. 19.
Vende-se o segninte :
Lencoes de bramante de om so panno, pelo ba-
rato preeo de 3/200.
Ditos de panno de linbo a 2/200 e 2/6C0.
Coceras de chita da India a 2/400 e 2/800.
Lencos da cambraia brancos proprios para algi-
beira a 20000 e 2/200 a dazia.
Ditos de cambraia de linbo fino a 45300 e 5/ a
dazia.
Atoalhado de algodao branco a 2/ a vara.
Bramante de llano fino com 10 palmos de larga-
a 2/300 a vara.
Panno de linbo fino com 9 l|2 palmes de largu-
ra pelo barate preeo de 2/400 a vara.
Bramante de nono fino de uros largara, pelo ba-
ratissimo preco de 800 a vara.
Toalhas de linho aeolchoadas para raaos, a 13/
a duzta.
Dilas felpudas a 13/ e 15/ a dezia.
Gnardanapos de linho a 3/300 a dazia.
Flanela de todas as cores para coeiros, a 880 u.
o covado.
Tarlatana de cores a 800 rs. a vara.
Baloes de 35 arcos 3/500, de 40 a 4*
Cambraia de linbo Qne a 49500, 6/300 e 9a a
vara.
Cambraia para forro de vestido a 2/700 e 3/ a
peca.
Pecas de bretanha de rolo com 10 varas, a
3/500.
Peca de madapolo fino largo a 7*.
Lazinha lisa de cores a 500 rs. o covado.
Pecas de cambraia branca de salpicos com 8
niela va jas a 4/500.
Coekos de casemira bordados pelo baratissimo
preeo de 9/.
Esleir da India propria para forro da sala de
4,5 e 6 palmos de largura.
Cambraias Anas de cores miadas a 560 rs. a vara
Neste armazem tambem se encontra nm grande
sortimento de roapa falta o vor medida.
Grande loja
Armazem da Arara rna da im-
peratriz n. 56.
PE
Lourenco P. Menes Guimaraes.
O proprietario deste estabelecimento receba j pe-
lo ultimo vapor de Europa diversas qualidad?s de
fazendas para vestidos de senhora.
Sedas de cores a 1#500 o covado.
Vende-se sedas de cores para vestidos de senbo
ra a 1/500 o covado, lasinbas de lindos gosios :
240, 320 e 400 rs. o covado. Rua da Imperatriz lo
ja e armazem do Arara n. 56.
Melodiques de la para vestidos a 410
o covado,
Vndese nma nova fa7.eiu!a por nomo melod-
ques loda de 13a para vestidos a 400 rs. o oovade
chitas finas a 320 e 400 rs. o covado. Rua da Im-
peratriz loja do Arara n. 56.
Arara vende susitn para venido a S'A
Vende se nova f.zena susim p*ia vestido.' de
senhora e roupa de meninos a 240 i -. ocovaoo,
ditas a 160, 200 e 2i0 rs. o covado. Rtu : i lm
peratriz loja do Arara c. 56.
Tarlalana de la psra vestidos a 240.
Vendt-se tarlatana de laa para vestidos de se-
nhora a 240 rs. o covado, fil de linho a 160 o co-
vado, cortes de cima a 2/000. S no Arara, rua
da Imperatriz n. 56.
Laa a traviata a 320 rs. o covado.
Vend-se nova la a traviata para Vestidos d
senhora a 320 rs. o covado, ; no Arara todas es-
tas fazendas novas viudas pelo ultimo vapor da
Europa. S na loja e armazem da Arara, rua da
Imperatriz n. 56.
Arara vende cobertores a i500.
Vende-se cobertores de pellos a 1/500, ditos sem
pelo 1/000, roberas de lisia 2/000, cobertas de
damasco 4/000, cobertas de fasto a 5{000. Rna
da Imperatriz n. 56.
Lasinhas do Arara a 200 rs. o covado.
Vndese lasinhas para vestido a 200, 240, 330
400 e 500 rs. o covado, colarinhos para bocrm ;.
5(0 rs. a duzia. Rua da Imperatriz loja do Arara
n. 56.
Arara vende as cassas a 240 rs. o corado.
Vndese cassas francezas finas a 240, 2S0, 32',
e 400 rs. o covado. pessas de rambrala de forro 2/000, ditas finas a 3/000, 4/000 5/000 e 6/GCO.
Rua da Imperatriz loja do Arara n. 56.
Chitas a 460 e 200 rs. o covado.
Vende se chitas escuras e claras a 60, 200 ,>.
240 o covado, ditas francezas finas a 280, 3-20, 4C
e 500 rs. o covado, percales malisadas escuras
500 rs. o covado, s se vende assim harato o Ara-
ra. S oa Inja e armazem do Arara, rua da lm
peratriz o. 56.
Novidade no Arara.
Algodao a 3*
Vende se peca de algodao encorpado a J, .;
e 6/ a dita e 8/ e 7/. Rua da Imperatriz leja *o
Arara n. 56.
Arara vende madapolo enfestado a 3ou00
Vend*-se pe$as de madapolo entestado a 3a5C0,
4/ e 1/500 ditas de 24 jardas a 4/, 5/, 6/, b/ e
10/, rua da Imperatriz loja do Arara n. 56.
I1EGVE1
Vende-se ama casa na raa deHortn por pre-
eo eommodo, cojo rendimento paga 12 0,0 ao anno;
na rua das Trincheiras n. 9 se dir qoem vende.
r*
ftwr
j\a antiga e bem conhecida refinacao rua tas
Lararjeiras n. 12, encontrar o respeitavel publico
um completo sortimento de assucar de caroca por
barato preco conforme a qualidade, assucar refina-
do muito bom a 80,100,120 e 140 rs. a libra su-
perior assucar candi a 540 rs. a libra; assim co-
mo caf em grao boa qualidade a200 rs. e soperior
a 240 rs. a libra, caf moldo a 360 rs., sevada
moida a 200 rs. a libra, cha prete e verde de mui-
to boa qualidade, este a 2/800 e aqoelle a 2/4ot
a libra : o assucar e caf sendo em arroba se Tara'
o abamento de 5 por cento nos precos cima
mareados, velas de carnauba e de comoosico a
J400rs. libra. ^
Fogos
de artificio
Ha Brande porjo de fogos de artificio na .'onh-
cida fabrica da viuva Rufino, o quai vendido por
eommodo preco, e como seja penoso ir l pela dis-
tancis, as pessoas que qnizerem fazer suas eEccm-
mendas para S. Joao e S. Pedro, as podem dixar
no armazem4a bola amarell, no ortSo da -erre-
tarja da polica, onde havra' um portador para
Ir buscar e leva/ ao lagar coavencionado
- Vende-se una taberna bem aregnezada pa-
ra a trra, na ftegaezia de Santo Antonio, tamtem
aa-ae sociedade a qnem qneira : qnem quirer h-
zer este nefocm annuncie para ser proco r
Fartafca d> Mandioca a fflOdJO
anee*.
venderse no armazem da rua d<
Continua
Cruz d. 33.


.?
Diario de rtrmumbmf Sabtad* i de Halo de 1866.
0 (jueoccnpa hoje mais a attengo do mundo
econmico? o (M) systheina do propietario do ar-
* mazem de mlhados
UNIAO MERCANTIL
53 RA DA CADEIA 53#
PASSAXIIO O ARCO DA' COMCEfCO.
Que surge de novo basteando a bandeira da modicidade de presos em todos os
seus superiores gneros.
Que o publico reconheca as vantagens que de tal syslbema lbe resalta, o que o
proprietario do sitado armazem deseja, e a que desde j o convida : passando tambem a
notar-lhe.os precos de alguns dos gneros do seu explendid sonimento, e para os quas
pode
ATTENCiO
.onirna de mllho branco americana.
Esta excellente gomma, multo se recomcommenda como o aliaaenio mais subs-
tancial e saudavel; serviodo nao s para papa (no que superior de todas as outras
gommas e farinhas) mas tambem della se pode fazer p5o-de-l, cangica, creme, bolo
francez, podim, etc.: o preco de cada pacote de urna libra 800 rs., em caixa tem aba-
timento.

A' loja de fazendas de Augusto Porto & C,
11 Ra do Queimadoi i
Chegaram pelo ultimo paquete superiores ecbovaes completos eom wstMfllhos bor-
4ad0*M?W branco, "uvas de pellica, mantas e capellas brancas para nofvas.
Liadas colchas de seda de cor e de la e seda para cateas de noivas.
Grande sonimento de cortinados bordados para camas e janellas. .
Cbapos, bonetes e gorros de plha de Italia para senhoras,
Pereales.caSas e chitas tinas dos gofios mais modernos.
Aleerienoes.retondese chales, de renda pretos. Kmaa '
Camisas Anas com peitos, pnnhos e colanubos da lioho para bomens. 1,
U^\t,1^toWn6aiTU prelas' merin 6 bom*
b"nfe 3ffiKSsK^K^puenos para so,.'. '
' e flnw BartrnUos bor(J*s. i -k 1<,
Esteiras da India para for ar salas
as raelhores e por mais mdico prego.
iiRa do luelntadH
COm'LTOWO MEDICO-CIRURGICO
DO
DR. PEDRO DE ATTAHYDE LOBO MOSCOSO,
HEDICO, PARTEIRO E OPERADOR.
3 'Ra da Gloria, casa do Fundao g
O Dr. Lobo Moscoso d consultas gratuitas aos pobres todos os das das 7 s H
da manuao, e das 6 e meia s 8 horas da noite, excepto dosdias santificados.
Phrmctcia especial Iwfheopdtfti'a
No mesmo consultorio ba sempre o oais appropriado sortimento de carteiras
tobos avulsos, assim como tinturas de varias dymnamisacSes e pelos precos seguintes:
Pirtoiras Aa 19 tnhn oranHoa 4 9*000
Qoras
Carteiras de 12 tubos grandes.
de 24 tubos grandes.
de 36 tnbos grandes".
de IB todos atildes.
de 00 tnbos grandes.

i25boo
184000
245000
365000
355000
M.vNTElGA INGLEZA de superior qualida-
de a 1,28o e 1,100 rs. a libra, em barril
se faz abatimento.
DEM FRANCEZA a mais nova que ha no
mercado a 6io rs. a libra, em barris ou
meios a 6oo rs.
CII HISSON de primeira qualidade a
MOLHO INGLZ de diversas qualidades, a
72o rs. o frasco.
MOSTARDA INGLEZA muito nova, a 8oo,
rs. o frasco
DEM FRANCEZA a 64o rs. o frasco.
SALMAO E LAGOSTIN chgado ltima-
mente, em latas de 2 libras, a i,6oo. rs.
2,8oo rs. a libra, alm desta ha muitas ou- ARENQUES em latas a 64o rs. cada urna.
tras proprias para vender a retamo, que' SARDINHAS DE NANTES em latas e metas
se veudem de l,6oo a l,8oo rs. a libra. I a 6oo e 36q reis. ,
DEM PRETO o mais esp.cial que tem vin- V1NH0 DE COLLARES o legitimo vinno
co a este mercado a 2,2oo rs a libra.
DEM regular de 1.6oo a l,8oo rs. a li
desta localidade, muito superior e sem
confe-cjio alguma, a 8co rs. a garrafa.
QUEIJOSDO REINO ltimamente chegados IDFM MADURO overiadeiro doaltoDou-
pelo vapor 2,4oo: ditos do vapor passado ro em barris de lo em pipa por 3o,ooo
a 2,ooo rs- cada um.
LATAS DE CHOURICAS com 6 libras er- VINH0 DO PORTO de diversas qualidades
mlicamente fechadas, a 4,5oo, de barril i engarrafado, inclusive o mais fino que ha
a 64o. a libra. n'esie genero, por 8oo, l.ooo, l,2oo,
E^TREMNHA para sopa em caixas sortidas l,4oo e l,5oo rs. a garrafa,
de 8 libras, por 4ooo rs. FEIJO verde e Garrapato en* laUs ermeti-
CORTES DE SEDA %
Chegaram pelo paquete ingles riquissimos cortes de moreantique de coresft seda lavraaa pa-
-g^^ ^jos ^ i^kooo o covado
5-RUA 00 CRESPO-5 ^
Gregorio do Amaral et CMafMftJ
VCHO VERDE do verdadeiro sumo da uva,
e o mjais proprio para se beber n'este
impeifio, pela sua extraordinaria fresqui-
do a agradavel gosto a 64o rs. a gar-
tafa. i
AMEIXS FRANCEZAS em frascos de 4 e
2 librlas, a 2,8oo, e i,4oo rs. em caxi-
nhas muito enfeitadas com diversas estam
pas ;i{2,eoo, l,8oo, l,5oo e l,3oo, reis.
BI COITOS INGLEZES emlat-s contendo
diversas qualidades a l.ooo e l,2oo rs. a
i ata.
'PRIC PE ALBERTO bolachinhas as melho-
res presentemente conhecidas a l,6oo
rs. a ata.
SaLAMS HAMBURGUEZ chegados no ulti-
mo navio a i ,6oo a libra.
PR.:ZUN TOS verdadeiro de Lamgo, a 64o,!
is. a!libra, e 56o inteiro.
camente fechadas a 6oo rs.
CHOCOLATE francez em pacotes de 1 libra
por 5oo reis.
AZE1T0NAS das chegadas ltimamente de
Lisboa a i,2oo rs. a ancoreta, e 5 guarrafa.
CAF avado a 24o rs. a libra, e 7,ooo rs-.
- a arroba, e regular a 22o a fibra* e 6 5oor
a arroba.
VINHO CHERRY domis superior do mer-
cado a l.ooo rs. a garafa, e 15,ooo rs.
a duzia.
MUSCATEL o verdadeiro de Setubal, a
l,8oo rs. a garrafa, e 2o,ooo a duzia.
VINHO BOREAUX das mais acreditadas
marcas, S. Emilion. Sant ulien Haut
Brion a 7oo e 8oo rs. a garrafa, e em
caixa de dozia, a 7,5oo e 8,ooo rs.
VINHO BRANC ) de Lisboa de excelente
TR.VQUSn.'i. em caixas de 4o cartas, por
6,5oc
MARMlUftA em latas del, i V* e2 li_
a 6oo reis a libra.
DE MAR MELLO em latas, a 8oo rs.
L1VS
JALEA
I i LCT
. e,
a !at
AS EM CALDA pera, pecego, alperl VERMOTH de superior" ^a^de em cai-
iinha Claadia, e gioja a 64o reis
k
e 21o rs. cada urna.
qualidade, e proprio para raissa, a 8oo,
rs. a garrafa, ou 8,ooo rs. a caixa de duzia.
MADEIRA SECO al,2oo a garrafa, e 12;ooo
rs. a dazia.
VINHO DO RHENO superior,, a 2.ooo a
garrafa, e 22,ooo rs. a duzia.
xas* de i 2 meias'garrafa's por 12,ooo,e
garrafas por l,2oo rs.
Gros de aples preto a 15500 8,%UJ. VBSL^Slt
Gorgurio preto de superior quahdade a 25&00, 2?8(K>, ewoco-
y^' Superiores nweantiques a 25800, 25600, 35, 3550O, 45 e 5*000 o
covadb.
Bons cortes de moreantiqoe.
dem de gorgurio adamascados.
Bons pannos e casemiras.. m
Sup riores alpacas, princetas, merinos ebombazinas.
Bons villudts pretos. ... [ ^m
Grande variedad deschales de fil prelo e de guipure a 55, &#, 85,
105, #25, de 165 a 205, e de 25* a 805 cada um. ia..aJt,
Superiores retondas de fil preto e de gwpure a 85, W, 125 e 255,
e de 305 a 605 cada urna* .
Superiores algerienes de fil preto e dft-guipure de 15 a 255, e de
305 > 605 cada urna,
Bons chailes de seda preta.
Ditos de Merm preto bordados e outpas muitas fazeadas preta* que
seria enfadonhe enumerar, na
E ANTONIO COUREIA DE VASCONCELLOS RIJA BESP W. t3
t
Prepara-se qualqner cartera1 conforme I pedido qle'se fiM, e co* os rifeCos
que se pedir. -^
Um tubo avulso ou frasco de tintura de meta onca IJOOO.
Sendo para ctitoa de 12 custarao os precos estabacidoS para ft tarteiras.
Ha tubos mais pequeos cada um a 500 reis.
I,i vitos.
A melhor obra da homeopathia, o Manual de Medicina Homeepathico do Dr. JaiS
dous grandes volemos com diccionario............ 20500b
Medicina domestica do Dr. He ring........... 105000
Repertorio do Dr. Mello Moraes.......-...'.. 6*600
Diccionario de termo de medicina ........... 3*900
Os remedios deste estabeiecimente s3o por demais eonhecides e dispensam por
tanto de serem novamente recommendados as pessoas que quizerem osar de remedios
verdadeiro, enrgicos e duradores: ha todo do melhor que se pode desejar, globos de
verdadeiro assucar de leite, notaveis pela saa boa conservacio, tintura dos mais acredi-
tados estabelecimentos europeos, a mais exacta e acurada preparacSo, e portanto a maiar
energa e certeza em seus effeitos.
Casa de saude para eseravos.
Recebe-se escravos para tratar de qualquer eufermidade ou fazer-se-lbe qualqner
operaro, para o qne o annunciante jolga-se suficientemente habilitado.
O Iratamento o melhor possivel, tanto na parte alimentar, como na medica,
fnnecionando a casa ha mais de quatro annos, ha muitas pessoas de cujo conceito se nao
pode duvidar, qae podem ser consultados por aquellos que desejarem mandar seus
doentes.
Paga-se 2* por dia durante 60 dias e d'ahi em diante 15500.
As operaces serio previamente ajustadas, seilo se qaizereo sujeitar aos precos
razoaveis que costuma pedir o annnnciante.
DE
* c.
CUSTODIO CARVAIiHO
27 RA DO QUEIMADO R. 27
Madapoiao francez muito fino, tendo pouco mol>, cada pega eom 27 varas por
10*000.
Laa de cores a 300 rs. o covado.
Caitraia franceza a 260 rs. o covado.
Fmos organdis a preco de 800 rs avara.
Lencos braneos para algibeira a 2*PO0 a duzia.
Finas perclaras a preco de 400, 440 a 560 rs. o covado.
Ricos cortes de la de barra de 10* a 305000.
Chales de fll preto e outras muitas fazendas.
4^3 &%9
cabam de chegar as muito superiores linguas seccas do Rio Grande-do Sal, que se
vnde.a por 120rs,
DE

D -i-
h ai
-..- acn
rom V'
grande)
relativi
de srti
Barros
obra d
FAZENM E ROUSA FEITA
RA NOVA St ^. _
. Mvmra, proprietario da loja de fazendas e r< upa feita, sita rua~va
Sdeir-fiente penhorados e reconocidos pata com .eus amigos e freguezes,
SffiSJw~4*m tem merecido no curto espaCo de lempo em que
.rSiiw w us l o rfeiume: te escudados na smcendade dos seus tratos, decla-
Sencia dquell une o quizerem honrar com seu.. oficios, que, em vista da
nSum h Se tem merecido o seu eslabeltcimemo, especialmente no que
'r o t la 4Sm de admiltir para a biu offiema dealhiate mator numero
.;, i e o seu contramestre, dirigido pelo l#l mes.re Launaco Jos de
o qual 3 se poupa a exforcos para sat.sfazer com a presteza poss.vel qualquer
f SuMMaUMi* aos seus freguezes que acabam de comprar fl
, Ib aiado sortimento de fazendas Anas e de bom gosto, proprias para otomod;
sma as quaes elo o.sposlos a vender por pregos muito commodos e ma.s barato
eD SoqSm?SSEuinos essa enfadonha prolixidade dos annuncios bombasti-
tiOuiJ semino wvu 3 ^_____^ :? no hnna <1oAins miA nutrimos

v^SSSZfSSiZ ^7o vte mbo-sdesejos que utrimos
' para bem servimos aquellas que erenl ao nosso reclamo.
PHOSMIATO DE FERRO DE LERAS
I. EM SCIEICIAS
rNSPECTOfi A ACADEMU OE PARS.
"Nao existe medicamento ferruginoso t5o nota?el como, o phosphato de ferro de
Leras; assummidade* medicas do mundo inteiro adotaramno com so .citudei sem igual
nos annaes da scienci. As cores paludas dores de estomago, diaestoet PJ^^
mia,convale5cencas difficeis, idade critica das senhoras, irregular.dad^ na menstraagao,
nobresa do sangue, Ivmphatismo sao curados rpidamente-ou tnid.Scados por este ex-
Sentecomposto. fio conservalor por excelencia dasaade e declarado superior nos
S e pelas academias a todos os ferruginosos conhecidos, ao doreto e ao citrato
de ferro, porque o nico que convem aos estmagos delicados, que sao provoca consi-
pag5o nico tambem que nao enegrece a bocea e os denles.
Em Paris na ra da FeuiHade n. 7.
A venda emeasa deMaurer, e A, Caors.
PECHINCH4 SEM IGUAL
Ricos cortes de gorgurao de seda pretos adamascados para vestido com t3 mpjfos
on 18 a 20 covados cada corte, largara de chita franceza. pelo baratissimo preco de 50*
cada corte : na loja das columnas di ra do Crespo n. 13 de Antonio Correa de Vascon-
cellos & C.
Sirop du
[QiW**11
JARABE DO FORGET.
Ete xarope st tpproTado peto mais eminentes mdicos de Pars,
--como.sendo o melhor para curar con.paoes, tosse concisa hus'
llcces dos bronchios? ataques de peito, inluoBee nervosas einsomnolencias:
iempo o doente e o medico.
11
v
Ne
r'
Ca
Pa
r :- r
^X^J^ti&r?^^
Deposito na ra larga do Rosario, botica de Bailhlomeo &. C. n. 34.
ti DO BlL&O
HIJA DA CADEIA UOBECIFEV. 44
ta nova loja vende-se faiendas muito baratas, assim como tambem tem um completo sortimen
upa de casern>ra e de brim ; sonimento de casemiras de cores pretas, e bom brim branco
tazar obra pur medida. '
Madapolao avanado .
km de casemira escuras proprias para a estaco a 7JO0O. ,
y eiots de panno fino preto a 84000, ditos de alpaca branca a 4$o00. .
Chapeos' de sol de seda com 12 asteas a 9 e 10$
E-ies cnapos Jo sol todos" vddem por 12*000, mas o Balao querendo mostrar que ningnem
validar com elle-em Bfec1)?, resolveu vender os mais pequeos por 9 mil rls e os maiores por
reis baloes de reo para se**ora a 3. H maltas outras fazendas e roupas feMas, qoe tudo
ue com grande abatimento para se apui^r dinbeiro e adquirir maior numero de tregoezes;
duvidar da vera, Idade do que diz o Balo tenba yeriBcarse.
Venham ver a bar ateta da loja do Balo.
-

Vndese alguidares de Genova de todos os
taraanhos.-por menos, prego do que em ootra qual-
| quer parte, assim como jarras usas e entra finas, e
V c.lK-se a 6*000 a sacca de 3 alqueires, no ar-; de toda a mis louca. assade^ conoprldas de
msr m da rua"da Catfea do Recie, confronte ao
are; da Conceito.

adinia de Franca
a V\: (s. a libra, t de 8 libras pan cima a 120
rs. : o armazem da Liga, roa tjon P- SO-
' .Na roa-das AgaMres 6*&toe se um
escrava ucoa md wra cria.
Porto para ir o fumo : na ra do Rngel n. 4.
Vende-se ama armagao envidracida, propria
para loja de miudezas ou calcados, na roa Dtreita
n. 58 : quem a pretender dirjase a mesma qoe
char com qnem tratar. .
Caaos para catnbrone oa agua teltos m fa-
brica do Barbarao do Cabo' fperior fazenda :
L?ende-se_no nico deposito do pateo o Tereo nu-
mero 11.
VE RDA.DE IR A AGUA MOERAIi
PASTILHAS DOS SAES NATURAES DE VICHY.
VENDE-SE
Na botica e drogara de Bartholomeu & C. Rua larga do Rosario n. 34.
Acabam de receber G. Paes do Amaral & C.
5 RUA DO CRESPO 5
Antlga casa de Cnllherme da Silva CJnlaiares
Ricos cortes de vestidos de gros-de-tiaples preto, com lindas barras bordadas.
Moire-aotiqne preto em cortes e em pecas, liso, ondeado e com palmas.
Gros-de-naples preto, de diversos precos e larguras.
GorgarSo preto, fazenda superior a todas pela qualidade, e bonito tectdo.
Este estabelecimento
acha-se8ortido com numerosa quantidade de filos pretos, de algodUo, de linho e de se-
da, manufacturados em
ctales
retondas
algerienes /bonrnus)
anamites
, africaines
pompdor
BEFANTHASIA
Receberara tambem bonitos cortes de popeline de listras de cores, e mattsaaas,
_-a.____j ,**+~ ;;..-_4_^>.n. n ,,l.^ mn'itac tziaridi* \f CTnstD. VM-
Novidades do Vigilante
RUA DO CRESPO N. 7.
Este estabelecimento apezar de sempre
se acbar bem sortido como todos sabem,
boje mais que nunca, nao s pelo que rece-
be de sua propria conta, mas tambem pelo
que recebe de consignacoes; parece sem
l duvida que deve offerecer grandes vanta-
gens para o respeitavel publico tanto em
! precos como na escolha dos objectos, e co-
' mo acaba de chegar grande remessa pelo
vapor Douro e o navio Solferino de
diversos objectos de gosto e proprios do
lempo dos quaes se mencionarao alguns,
por nao ser possivel mencionar todos. O
dono deste estabelecimento espera a pro-
tecc5o de todos.
Riquissimas caixiohas ornadas e com
msica propria paranm delicado mimo.
Caixiohas de msica tanto de veio como
de corda.
Ricos porta joias e necessarios.
Riqnissimos est jos a feitio de um baasi-
nho ou cbapeuzinho.
Ditos em casca de noz e de ontros gostos.
Leqnes de madeperola de sndalo e de
faia e madeira.
Chaposinhos e touquinhas de muito
gosto para criancas.
Meias e sapatinhos de seda para as mes-
mas.
Meias de seda para senhoras.
Capellas e grinaldas de flores proprias
para casamento.
Enfeites e capellas de mnito gosto para
senhora,
Riqaissimos porta boquets.
Boquet de flores com urna borrachinha
com ebeiro.
Lovas verdadeiras de Jovin.
Ditas de seda e de Escocia.
Riquissimas plumas e guarnieres para
enfeitar chapeos.
Contas e tubos de ac branco, qne ha
mnito se desejava para enfeites.
Brincos, flvellas e cruzes de crystal.
Fivellas e cruzes de tartaruga, madripe-
rila e dourados.
Alflnetes para grvalas.
MACHINAS DE PATENTE
DE TRABALHAR MO PARA DESCA-
RgAR ALGODAO
FABRICADO POR
PLANT BBOTHEBS & C.
OLDAM.
Estas machi-
nas podem des-
carocar qual-
Iquer especie de
algodao sem
estragar o fio,
sendo bastante
duas pessoas
para o traba-
lho; pdedes-
carocar urna
arroba de al-
god5o em ca-
roco em 40
minutos, ou
18 arrobas por dia ou cinco arrobas de al
godo limpo.
Assim como machinas para serem movi-
das por animaos, que desear a gam 48 arro-
bas de algodo limpo por dia; e motores
para mover urna, duas ou tres dessas ma-
chinas.
Os mesmos tem para vender um bellissi-
mo vapor que pode fazer mover seis destas
machinas mencionadas; para o que convi-
da-se aos seohores agricultores a virem ver
e examina-lo, no aimazem de algodao, no
largo da ponte nova n. 47.
Saanders Hrothers A .
Recife praca do Corpo Santo n. 11.
Os nicos agentes neste paiz.
Rec^beram tambem bonitos cortes de popeline m iura ae cores "^ itaa5ta8 saudades, assim como eMbtbdE
muito modernas, de gostos intetramenlenovos; e outras mmUs fazendas de gosto, vio- ^ J8mos 1S de txtX[m do oM
das pelo nhimo vapw.
G. P. DO AM %RAIi St .
5 RUA DO CRESPO 5
Bofes com crOa para pnnhos-.1'' *;
Gravatinhas e mawtinhas de muito gosto,
tanto para homem como para senhora.
Riqulssimos aderecos pretos, assim como
caixiohas com alflnetes pretos.
Bengallas de canna com cabo de marfim.
Difes de-bal^ia; borracha e deon^as
No armazem dan do Imperador n. 3 ou do
Caes da Pedro 11 n. 1, tem pan ,?ndert*a o m-
bor gas existente oaanercado.
Riquissimos pentes de tartaruga do _
mo gosto; assim como de arregazo pava
menina* pois neste artigo ha um completo
sortimento de todas as qualidades.
diademas pasa cabeca do ultimo gosto.
Riquissimas fitas lanadas e lizas.
VapJre?. Trancas, aretas cimi vMrilim ajBxOtB.
Vende-seem cajle Sanuders Brothers &C. ; ^ukeins tanto Ktrt aWBMBMVl
jo.JacodoCoci'S\o7li; vaporea patedtas7 *'
com todos os perteOTs proprios para faiw mover '
tres ou qaairo maotiioa* para descaroear alfodio.
O castello de Grasville.
Tradmido do franeei por 1. J. C. da Croa.
Vende-se este bello romance em quatr
tomos pelo baratissimo preco de 300G
na praca da Independencia, livraria ns.
6 e8.
t
-------------------.-------.-.
PiBao flw alfooao oa
assncir e roopa e <
de Ollvetra Azevdo
da Cni d. 1.
la pica sicros Re-
vende Antonio Luk-
Vendem*se
meninas.
Ligas de seda e de algodSo.
Suspeseorios de seda e de algodSo emni-
tos outros objectos que se nlo podem ta
Frameisco Jos (iermano
RUA NOVA N..22,
acaba de receber nm lindo e magnifico sor-
timento-de oculos, lonetos, binculos, do ul-
timo e mais apurado gosto a Europa e oce-
los de alcance para observacSes e para os
martimos. '
Rna das Larangeiras n: 16.
Vicente Aquino de Albnquerqne tem a honra de
apresontar'ao respeitavel publico nm Tariatel sor-
timento de molhados em seo novo estabelecimento
na rna cima mencionada, casa qoe outr'ora fdra
de Manoel Francisco dos Santos e Silva, scieniifi-
cando a todos os freguezes qoe neste estabeleci-
mento encontraro sempre um corftpleio sortimen-
to de todos os gneros e por pregos mais commodos
do qno em outra qualquer aarte. Cha byson libra
3*500, dito miudinho superior qoalidade a 1*600,
caf libra S40 a MO rs. superioT, Was-Som Sola-
ctiinhas de soda a tf e IJttOO pTitneira qualidade,
dita franceza a 7 rs. libra, cb pwto multo
bom a 1J800 a libra, arveja Bass a 080 rs a jftr-
rafa, dita marca H a 600 rs., queijos mntto frescos
vlndos pelo ultimo vapor a S|W04 cerveja preta a
ajraTa a 640 rs., velas de espiiaeott a libra a
840 rs.,vinho do Porto aflperior a 4*900,* l*a
garrafa, vlnbos Figoetra, Lisboa e Madeira.400,
Him ijiriir n. a anafa, fraaa *a tndea
friuilPW rs.,oosm,cbarutoa, papel *lco
taina mrttos ferros, au aatia aeras amaar
oa freHaes mb aacioaa-loa ta4o aala ftacos
maa raaoaveU que em ortra aoalquer sarta, e
oBveacido desta verdade espeto #m o raapalttvel
e todos aqaeliei qoe j ao fragoeaes da baja to-
ntiectda casa, diguem-se em hoorar'tne ooai aa"iiias
presencas freguetlas, cortos de que serio bem
servidos, com promptlISo bom .psso-e aetmao.
mo
-res"c;&T|sr "jSffi;^Sfi!g&n.7. r.vTSTQmm* ti.
Alga
t
y


*
h
m
zt:
*
T ftttiffl i
0
I


i
\J
i
r
DiirlideMWlbaM Sabbado 19 (k Hilo de 1866.
ENCICLOPDICA
11HM ** impertob arnazea
da port> larga fct.
tria fradceza de
-------les Porto.
Neste estabelecimento encontrar o respeiuvel
publico tira variado sortimento de fazendas Trnce-
las, raglexas, suissas e allemies, qae se venderlo
por proco commodo.
Paredes Parle
Vende chales de renda de cores qae se vende-
4
SALSA PARABA Dfi AYER
PARA A eRA RADICAL
de escrfulas e molestias escrofulosas, tumores ulceras, chafas, feridas ve-
lnas, bronchoctJe, papo oa papeira, a syphilis, enfermidades Teneras ou mer-
curiaes.
rain a 18 est vendendo por 6*, ditos pretos, fa-1
xenda nova, 5*, 6*, 8* a 20*, um sortimento com-
pleto de manteletes, capas e.soatambarques 14* a
25*. Ra da Imperairu n. 42, Jauto a padarU fran-
cesa, armatem da porta larga.
Paredes Perto
Receben um completo sortimento de laasintaas a
340, e 280 rs. covados, para acabar, cambraias Ae
cor a 240 rs. o eovado, riscado escossez para rou-
pa te menino, fastaoda ntoo a 420, 400 e 800 rs.
AS MOLESTIAS DAS MLHERES
reteocSo, menstro doloroso, ulceraces do otero, flores brancas, etc., ulcera-
rlo, debilidade, expoliacSe dos ossos, a nevrajgia e convulsoes epitepticas
quando cansadas pela escrfula.
ERYSIPEUS ERPES; ETC. t,
Enfermidades cutneas, erupeo, borbulhaa, paaiulas,
nascldaa, etc..
. 0 extracto composto de salsa parrllha, coleccionado pelo Dr. Ayer, euma
combinacq dos melhores depurativos e alterantes conhecidos medicina; confeccio-
nado segundo as regras da sciencia, approvado ereceitad pelos primeiros mdicos dos
Estados-Unidos da America do Sul e Central, das Antilbas, do Mxico e das indias, e
militas otras partes do mundo : o resultado de estados aperado* e minuciosos, e de
Roa da Impertr'a. 52 junto Vpadaria francex experiencias Untas pessoalmente pelo Dr. Ayer, por muitos annos, nos principaes hos-
armaiem da porta larga. pitaes e enfermaras da America; tein sidp approvado pelas academias de medicinaie
Paredes Perl juntas de hygieDne das principaes espita es da America do Norte; para prova disto vede
Receben para cortinados para cama trancen a os attestados aulhenticos no Almanak e Manual de Saude do Dr. Ayer, os qnaes se dis-
lll: l^W^t$ tribem e^fcit-meote nos lugares onde se rende o remedio. ..
r de sda, gostos mteira- ( SALSA PARILHA DE AYER
Especialmente efflcaz na cura das molestias qae tem sna orlgem
na escrfula, na infeccSo venrea, no nao
exccsslvo do mcrentlo oa qnalqaer Impureza do sangue.
A molestia ou infeceo peculiar, ceubecida pelo nome de escrfula, um dos ma-
les mais prevalecentes e universaes que ha em toda a extensa jsta das enfermidades que
; atacan a nossa raes; disse um celebre escriptor da medicina que mais de orna terca
I parte de todos aqHelles que morrm antes da velhice sao victimas, ou directa ou indirec-
Vende cortes te gorgario preto para vestidocom tamente de escrfula; por isso s nSo to destructiva, porm a principal causa de
t&rt?ffiffittMPi0 muitasS?tras enfermidades que nao Ifae sao geralmenteattribuidas.
l*eou, iRueewe covaffo, as lizas ron yi ,. *u.i a* ..::-* ..i. a.. mi.;.0 a rs. o eovado, lias de qaadrmto para vestido, entes-
mente bows a *.Q0 e 500 rs. o eovado, no armatem
da porta higa n. 32, ra da Imperatriz junto a pa-
daria franceza.
Paredes PerU
Receben pelo ultimo paquete um sortimento de
cruzes com podras para, o pescoco. bonitos carinis
de lia-para pescoco de senbora. Roa da Jmperatrix
a. 52, armazem di porta larga.
Paredes Porta
lada, a 320 rs. o eovado. Roa da Imperatriz n. I
trmazem da#oru larga.
Reapa feita
Roa da Imperatriz n. 52 armazem da porta lar-
ga junto a padaria franceza, encon-ra-se neste es-
tabelecimento nm completo sortimento de paletos-
saceos e sobrecasacos, de todas as qualidades, cal-
cas, coltetes, ceroulas, camisas, grvalas, meias,
chapeos de sol, ditos franceses para cabeeja, por
precos cora modos, ronpa para menino e entras
muitas fazendas por precos commodos, armasen
da porta larga.
No mesmo estabelecimento encontrar o respet-
tavel publico, sempre um completo sortimento te
ronpas fettas de todas as qualidades, como sejam
paletos de alpaca preta ede cor, ditos sobrecasa-
cos a 4* e 5*, ditos de brim pardo a 2*800, 3* e
3*500, ditos Sbos a 44, ditos meias eaiemrra a
3*500, 4A e 51, ditos cazemira saceos a 6*, 7*, 6*
e 10*, ditds sobrecasacos a 10 e 2*, ditos.te pan-
no saceos a 6*, 8* e I 0*, ditos sobrecasacos a 121
e 25*, ditos de merino preto a 6*, 7* e 10*, cal-
Sas de brim te diversas cualidades a 15800 a 4,
tos brancos a 2*500 e 6500, ditos cazemir-a f,
Gi e 73, diK-s.pretos a 5$, 6J, f-i e 10*, ditos
meias cazemiras a 31 e 4*, colotes d diversas
qualidades, serontas frencezas de algodo, ditas te
llnbo, ditas-de bramante a 2f e 3J300, carnizas de
algodo de linho fraacezas de 2*500 e 3*. Gran-
de pecbinoba neste geoero, grvalas de -todas as
qualidades e brancas para casamento, -grande sor-
timento de meias para sennoras, ditas para bomens
a 3*, superiores a 3$300 e 4JL
sortimento de chapeos te sol de
os de seda a 55, ?*, 10* e 14*.
ti cab-,-ca, -grande sortimento
GaUNK fiSTABELBCUENTO
a da impera
GAMA & SILVA.
LO JA B AHMAZIH DE FAZENDAS.
Tendo os pronrleurlos destsgraide asubeleoi-
meoto eito nm grande abatimento em muitas de
suas fazendas, pea occasiao do bataneo que deram
no ultimo de dezembro de 1863, resolvern) vender
omito mais baratado que costamam aflea te cada
vez mafs agradarem aos seus numerosos fregue-
ses ; por tanto lhes oflerecem nm avulado sorti-
mento de faaeBdas francezas, lnglezas, as quaes
vendern mais barato do que ero oulra qualquar
arte, comprometindose a mandar leva/ qualqoer
izenda em casa dos freguezes que nao poderem
vir a loja, ou a darem as amostras, deixando flaar
o penhor, assim como, convidan! as pessoas, qne
negociam em menor eseala qne neste grande esta-'
beleeiraento enroDlrarao nm grande sortimenjo
tanto a relalbo como por atacado, vendendo-se-The J
apenas pelos precos qne comprara as casas ingle-
zas, sendo com o dinheiro a' vista.
As toalhas de li lio do Favo.
Vendem-sa superiores tbaraas de linhos para
rosto pelo baratissimo preco de 7*500 a duda ou
a 640 cada urna.
Guardanapos de linho adamascado para n.eza. a
2*800 a dnzia ou a 240 rs. cada um.
Superior aioatbedo.de buho com oito palmos de
largura sendo braceo e pardo, e vender mais ba-
rato do que em ootro parte, na loja do Pavao na ra
da Imperatriz n. 80 de Gama & Silva.
Os corpinhos ae seda pretos do Pav5o.
Vendem-se os mais ricos corpinbos de seda pre-
tos, ricamente enfeitados, pelo bafalo prego de 12*
cada nm : na loja' do Pavio na r' di Imperatriz
n. 60, de Gama & Silva.
Rice* vestido* a 80000 ra.
. .. pechiutha adssiravel.
S o Pavaftrecebeu pele ultimo vapor francez
um grande sortimento dos mais ricos corles d
vestidos transparentes com lindas barras e enleites
de seda, sendo estes vestidos muito proprios para
baile* e pa$seios, e vendem-se pelo baratissimo
preco de 8*000 rs. cada nm, na loja do Pavfc na
roa da Irpertriz n. "6o de Gama & Sirva.
Os dales pretos de- renda do Pavao a 8O0O rs.
Vendem-se os mais ricos cuales pretcs d renda
eom noatro pon las, senda moito grandes pelo ba-
ratissimo preco de 8*.
Ditos te guepnre a I5*f !*, 20*, 25*.
Um comple
alpaca a 3*, d
ditos francezes
a 6*.
Vastite
Pcchiatcha om Igual.
Cbegoo a loja de Paredes Porto nm bonito sor-
timento de vestidos de tartalata de cores e brancas
que serve para partidas por ser urna pbantasia ln-
teiramecte de goso pelo barato preco de 4* e
brancos a 4*500, estao acabando-se : no armazem
d porta larga ra da Imperatriz n. 52, junto a pa-
daria franceza.
Cortinados.
Cbegoa a loja te Paredes Porto nm completo
sortimento de cortinados rieameote bordados a
preco de 25*, 35* e 45* : na- roa da imperatriz
n. 52, porta larga junto a padaria francesa.
Ricas romeiras.
Paredes Porto receben pelo ultimo paquete nm
sortimento de romeira de guipare pretas -e de fil
a preco commodo : na ra da Imperatrit o. 52.
porta larga junto a padaria franceza.
1$400
toa de sol.
Vendem-se chapeos de sol de panno a 1*400 e
ama grande pechinea s para acabar : na na da
Imperatriz n. 52 armazem da porta larga de (Pare-
des Porto.
urna causa directa da tsica pulmonar, das molestias, do figado, do estomago
e aflecces do cerebro; entre seus numerosos symptomas acham-^se os seguintes: falta
de appetite, o semblaste plido e enchado; as vezes de urna alvura transparente e outras
tows corado e amarellento irregolar, fraqueza e molleja nos msculos ap redor da. boc-
ea; digest3o fraca e appettite, falta de energa; ventre enctado e evacucjt irregular;
quando o mal tem seu asseoto sobre os pulmSes orna cor azulada motra-se em roda dos
olhos; quaodo ataca os orgSos digestivos, os olhs tornam-se avermelbadqs; obali-
to ftido, a lingua carregada; dores decbela, tonteiras, etc. Naspessss dedisposi-
c3o escrofulosa apparecem frequentemente erupces na pelle da cabega e outras partes
do corpo; s3o predispostas as affecces dos pulmoes, do figado, dos rlnsj dos orgos &0B digestivos e uterinos. Portante, n5o s5o smente aqoeHes que padecem das formas ul- Mmeteles de reda,]jazenda mito superior
cerosastuberculosas da escrofula> que necessitam de protecl^o contra os seus estragos; 15*000.
todos aquelles em cujo sangue existe o virus latente deste terrvel flagello (e s vezes J"*' SftSffiKntl.?*?T?&
hereditrto), estao expostotambem asoffrer das enfermidades qw elle causa, que sao: KS^SS^SiE pT^^s
A tsica, ulcer-acoes de figado, do estomago e dos rins; erupces e enfermidades, isl0 na ^ araem4o pav#o na ra da Im-
ernptrvas da cutis, rosa ou erysipel, borbulbas, pustolas, niscidas, tumores, rheuma, peratrlzn. 60 de Gama f Silva.
"carboscnlos, ulceras bagas, rhemnatismo, dores nos ossos, as costas e na cabera,
debilidades femininas, flores brancas causadas pete ulceracSo interior, e enfermidades
uterinas, bvdropesia, indigesto, enfraquecimento e debilidade geral.
Offerecemos aestas pessoas um abrigo seguro e nm antidoto eficaz contra esta
molestia e suas consequencias na
SALSA PARRILHA DE AYEB
que opera directamente sobre o sangue, purificando-o e expalsando delle a corrapio e o
veneno da molestia; penetra todas as partes e todos os orgaos do corpo humano livran-
do-os da sua acc5o viciada e inspirando-Ibes novo vigor. um alterante podorosissimo
para a renovacSo do sangue, e d ao corpo ja enfraquecido pela doenca, torcas e ener-
gas renovadas como as da joventude.
E tambf39ii o no^lhor amty-syphitieo conhecido
cura permanentemente as peiores formas de syphilis e as suas consequencias. Pouca
necessidade ba de informar o publico do ineslmavt valor de um remedio que, cerno
e^e, livra o sanguedesta < orrupeo e arrebata a victima das garres de urna morte lenta
e ignominiosa, porm inevitavl, se o mal nao logo combatido com energa.
um poderosissimo alterante para a renovaco do sangue e para dar nova flor-
ea ao corpo j enfraquecido peta doenca.
Sendo composto de productos vegetos, este medicamento innocente e ae mes-
mo tempo efflcaz, um faci de immensa importancia para aquelles que o tmame por-
que muitos dos remedios alterantes offerecidos ao publico tem por base o =mercure ou o Gama 4 sft.
arsnico; e sendo assim, bem que s vezes podem effectuar curas, comtudo deixam suas Cambraias -de
victimas casregadas de urna longa serie deanales, mukas vezes peior do que omal ori-
ginal. A nica cousa necessaria para obter nma cura radical seguir com juizo e cons-
atacia as direccoes que acompanbam cada frasco.
(rsebaies do MVff a 2ooe e 2boo rs.
Vendem-se diales te merino estampados a 2*
e S*500 cada um.
Ditos de merm Mo a 5*560.
Dito estampados de crepon a 6*, V*. e 8*000.
Ditos pretos bordates com franja de seda a 14*.
Na loja e armazem do Pavo na ra da itor*-
triz n.0'te-Gama <&-Silva'.
Para luto vende o Pevao. -
Setim daCbina.com 6 palmos te largara, facen-
da preta para luto, .propria para vestido.- e ronpas
tara hociens, sendo esta nova fasenda sem lustro e
de muito boa qualidade, grantindo-se nao ficar
russa com o tempo e vende-se peto barato preco de
2* e 2*800 o eovado, assim como neste estabeleci-
mento tem um -grande sorUmeato de todas as fa-
zendas pretas comosejam cassas e chitas nretas,
laas tapadas e transparentes, princezas, alpaias,
sarjas, etc. : na loja e armazem do Pavao na ra
da Imperatriz n.<60, de Gama>& Silva.
Os ba;5es do Pavao.
Vendem-se superiores baldes de mocoljna com
mova reda a o*., di los crinolmes com 3 arcos a
3*S00, ditos -com 20 e 25 a-5*, ditos para meni-
nas, senda brancos a encarnados a 2* e -2*500 :
na loja do Paveo na ra da, Imperatriz ti. 60. de
forrla 1^600 e 2 na loja
do Pavao.
Vendem-se^ecas de cambrala de forro com no-
ve varas cada fpeca, pelos barallsslmos precos de
1-5600 e 2*: a loja e armazem do PavLo na ra
ni-. 3 f ... ..__~.:xn o""" c va luja e iiiii m uu r
Nao pretendemos promdgar, nem queremos que se mOra que esta compesicao a ^ irapcratriZ;,. 60> de Gama & Silva.
c
99
Cortes ae laa escocesa para vestido [a 3* o car-
te : na ra aa Imperatriz n. 52, loja da porta lar-
ga, junto a padaria franeeza, estao se acabando.
Para luto.
Laas pretas com salpico? brancos a 400 e 500
rs. o eovado : na ra da Imperatriz n. 52 junto a
padaria franceza armazem da porta larga.
A 10500.
Vendem-se pecas de tran$a preta para enfeites
de vestidos, soutembarques, capas de senbora a
1*600 com 1Q Varas, urna grande pechincba: na
ra da Imperatriz n. 52 jonto a padaria franceza
um remedio infallivel para a cura de todos os padeoimentos humanos:; infelizmente
escrfula e a syphilis sao enferaidades tao sulis as suas naturezas, e arreigam-se. t5o
firmemente no systenoa, que muitas vezes vadem epesistem aos remedios mais pode-
rosos que a sciencia humana pode inventar para combat-las: o que dkemos que o
Extracto composto de salsa parrilha de Ayer
a melhor preparacao at hoje descoberta para estas e outras molestias anlogas, que
urna combinado dos alterantes mais efficazea conhecidos, e que esta combinacJo tem sido
regulada por tongas e laboriosas experiencias, e finalmente que temos consciencia deof-
fereoer ao publico o meltaor resultado que possivel produzir, da intelligencia e-pericia
medica dos nosaos tempos.
Este remedio deve ser tomado com syslema e regularidade, e nSo com abandono,
pois um remedio e n5o bebida.
Quaodo as molestias do figado nao-tem sua orlgem na escrfula, o remedio
mais proprio as pilulas -catharticas de Ayer, que s5o -efficazes na cura da molessia. que
m por causa um desarranjo dos arg5os digestivos. Pedi a salsa parrilba de Ayer e
nao aceitai outra preparago.
Pernambuco, ra Nova n. 18, pharmacia francezade P. Maurer < C.
Chales e renda pretos.
Vndese cnales de renda preto a 4*000, nniec
loja qne pode vender na roa da Imperatrit n. 32,
armatem da poru larga, de Paredes Porto._____
immmift*


2 -
O. co en
e
1*1
O
01
3 "
o, o*
e-s 5 &b 2.??
S*.&5 S-
c- -"9 2 a.
d.1
aS
o K- 55., s5 t a!>S,B
o 2.B g-S "E 3 S.s-S SI 2
80
1 Bren em Wrica's pduenaa. x"
Cera em velas da totes os taannos.
Ba*a*
Mareara,
Sa ra do yjgano n.^, nrigeiro andar..
Panno de algodo ,u
Jran$adQ
da fabrica te VtnZo Velho : vente-se na ruada
Cadeia n. 4, amazen de Silva Barroca.
VENDE-SE
\'o aroftasem de M. *. amo Uva & denro. roa do vigaa-Io
a. 11, ceastartemente. os seguintes artigas, jue
reeefrem por cacommenda proprla de
Legitima salsa parrilba de Brlstol, preparada por Lanmao & Kemp.
Verdadeiraagua Florida, preparada pelos mesmos.
Gaz em latas de cinco gaioe6, o mais pnrifieado que se pode desejar da acredi-
Uda marca F. W. D. & C-
Relogios perfeitos reguladores, com corda de qualro a oito dias, dos afamados fa-
bricantes E. N. Welch.
Graixa em latas grandes da bem conhecida marca las. S. Masn (de Philadel-
pbia).
Superior oleo para machinas de costura.
Agulbas para as mesmas.
Bren em barricas grandes e*pequenas.
Vende-se tambem:
iiohi>i:ai \
1." qnalidade.
St. Estephe.
St. Julien.
G. Hargaux.
C. Lafltte.
Medoc.
.-.
PORTO
4a fnalidade,
I
Vinho ttno do Porto embarrls de 5/ 10/ e 20/.
Superior viflbo do Rheno.
Cera de Lisboa em velas e em' grume.
4
Principe Real.
Pedro V.
Maria Pia.
Princeza D. Isabel.
Vctor EmmanueL
[Doqne.
Malvaziat-
RIJA DO OtEIADO IV. M.
Madapolo.
f inas peftt de madipelSe co40varas a 9^.
LEMOS,
l^ios dd cambraia branoa< dusiaUL
dem de cores fixas para menino, duzia 2400.
" Cambrala. *. u .4
GambtaiaS do cores a pfec % S60 a 300 r& o covtdo.
Gnardauapos. ,
Guardanapos de Hnho, duzia 3^800.
Algodo.
. Algodio trancado de duas larguras, proprio para toalbas de mesa, a prego de
i^mO a vara-
Bramaae.
Superior bramante de linho inglez francez.
' Cambraia de linho propria ptra lencos.
i0i ATOALHADO.
Atpalbado branco para masa a 10600 a vara.
Entremetes da cambraia muito finos, proco 14.
Lencos de seda para algibeira a 10600, {-,
Os cortinados do Pav5o.
Vendem-se superiores cortinados ademascados
para camas pelo baratissimo prego de 1* cada par,
ditos muito Saos ricamente bordados para camas
ou janellas a>o*. 20$ e 25* o par : na loja e ar-
mazem do Pavao na ra da Imperatriz n. 60, de
Sama & Silva.
Panno.preto a 25 na loja do Pavo.
Vende-se panno preto. fasenda muito toa, pelo
(tralo prego e 2* o eovado, dito muito n'no a
3300, 4*, 5*-e 6*, assim como casimira preta de
oordo a 2* o eovado : oa loja do Pato na roa da
Imperatriz ?. 60, de Gima Silva.
Os e6partilnos do Pavo.
Vendem-seuma grande e -variado 'sortimento de
eepartilhos dos mais bem feites que tem ;vndo ao
mercado, sendo de todos os umanhos, vendendo-se
por um pfeeo' mnito razovel r isto na loja do Pa-
vo na ra dalmperatriz n. 60, te Gama & Silva.
s sala bordadas do pavao.
Vendem-se &aias bordadas sendo fazenda muito
boa*, sendo ricamente -bordadas e rom muita roda
vendendo-se peUwbaratos arecoe de 6*3$ e 10*
res cada urna na floja do Pavao aa ra da Impera-
triz n. 60 de Gama Silva.
Bretasltas de rolo 3^10602
Vendem-se pegas varas cada p?ca, .pelo baratissimo preco de 3* i
na loja e armazem do Pavao, roa 4a Imperatriz n.
60, de Gama & Silva.
RowpafeMa.
Na toja 4o Pavo
Vende-se neste estabelecimento um grande sor-
timento de roupas, tanto de panno como eaxemira?,
e bros e pelos tarallsf-imos precos como sejam
calcas de eaxemira preta a 6* 7* e 8*000 res, pa-
l tots de panno preto saceos a 6* 8* e 12*000 rs.
ditos sobreeasacos de panno flnissimo a 12* 18* e
2S*000 reis, e outros muit06 arllgos qne serla en-
fadonbos aqu relata-los; s na loja e armazem do
Pavio ra da*Imperatriz n. 60 de Gama & Silva.
Loja do Pavo
<-randes peehlaelias.
Sedinlus a 500 rs, a cavado
Sedtlias a OO rs.
Sediabas a 00 rs.
! Vende-se na loja do Pa-rS, nm grande sertimen-
lo de sedlobas listradas com as mais-bonitas cores,
sendo os padr&s mats-novos que ten) viudo ao mer-
cado, e vende-se pelo paratisslmo preco de cinco
tostoes o eovado, sendo fasenda qae >ralem muito
mais dinheiro, e grande pecbincba por se ter
omprado orna grande ponida desta fasenda, na
oja e armazem de fasenda do Pavao, roa da Im-
peratriz n. 60 d
LasinKas matsadas'a 3%Q rs.
' Vendem-se as mais.lindas laasinnas ma(isada6
com os mais bonitos desenhos, pelo barato prego de
320 rs. o eovado'-'na loja do Pavio- a roa da Im-
peratrrz n. 60 da Gama & Suva.
Os chalerte guipur a 12jl cr
16$000,
Vendem-se os mais ricos chales d Guipore e de
renda de linho e seda, pelos baratissiroos presos de
12* e 16*; frdne pechincba em reiaco a boa
qualidade e lamaoao delles : s na loja do Pavae,
roa da Imperatriz n. 60, de Gama & Silva.
Idazinhasa 200 rs,so
Pomo.
Vendem-se modernas lazinhas com hndlssimes-
goatoaVplO btfaileslro prteo de 500 rs.; gran-
de paontae^a t s na loja do Parto, roa da Impe-
ratriz n, 60,. da Gama & Silva
Sedas l
Na luja do Pavao, ,.^._
n para a )la do Pavio m molernissimo
sortimemodasrili tlndw sedas para vestidos;
sendo nmas de lstrinbas e oirtraada anMioi
com aamatt Un4aa*iees,e ateavaa nrofriB P*
as senboras quaiwiterem de loto e vendere
Pelo barato preoajl1*000. o eovado, tendo eU
fawtwa qtratro pali a da ratgat*, que faciraa-
ear-aauai tiall|taai aoonaaavades, tsao-aa
laja e armazem do pvfio b& n d* Imperatrii o
Cortes da cambraia com palmas na loja do
Pavo.
VeBdem-se cortes de cambraia branca com pal-
mas, sendo faienda muito boa, pelo baratissimo
preco de 2*500 para acabar : na loja e armazem
do Pavo na roa da Imperairiz n. 60, de Gama S
Silva.
Lencos rameos a t^OOO res a
duzia.
Vende.rn.se lencos brancos fa/enda muito boa
pelo baratissimo prego de 2* a duzia, Ditos com
barra de cor a 2*000 isto para acabar aa loja d-
Pavao na roa da Imperatriz n. 60 de Gama A Sie
va.
Poupelinas modernissimas a 400 e 500 rs.
o eovado na loja do Pavo.
Vendem-se poupelinas muito ioas sendo fazenda
muito moderna de quadnnhos e liza vendendo-se \
pelos baratos precos de 400 e 500 rs. o eovado na j
loja do Pavo na ra da Imperairii n. 60 de Gama ;
& Silva.
Cirosdenaples prelos do Pavo.
Vendem-se superiores orosdenaples pretos pelas,
baratissimos pregos de 1*500, 1*600, 1*800 e 2*
o eovado, sendo fazenda amito boa, s para aca-
bar : na loja e armazem do Pavao, ra da Impe-
ratriz n. 60, de Gama & Silva.
Bramante de. llnbo do Pavio.
Vende-se,superior bramaple de linho com 10
palmos de largura, prrprios para lences, pelos
baratissimos pregos de 2* e 2*600 a vara, assim I
como panno de linho muito fino pelos baratissimos,
preces de 640,700 e 800 rs. a vara : na loja e ar-
mazem do Pavao, ra da Imperairiz n. 60, de Ga-
ma Si Silva.
Cambraias lisas do Pavo.
Vendem se pegas ae cambraia lisa muito supe-
rior, pelo barato preco de 3*200 e 3*500 a pega,
ditas muito finas a 5*, 6*. 7* e 8* ; na loja e
armazem do Pavo, ra da Imperatriz n. 60, de
Gama A Silva.
PECH1NCHA.I
a 2f$000, para caigas, s a Pavio.
Vendem se superiores cortes de meia casemira
com meseta de seda a 2*, ditas Garibaldlnas a
2*800, ditas escoras a 2*800, ou a 1*600 o eova-
do : na loja e armazem do Pavo, roa da Impera-
Uizn.60.de Gama & Silva.
PENTEADORES'
oo roupoes de cambraia bordados proprios
iara as senboras vestirem de manbaa.
hegou esta novidade pata a loja do Pavo,
multo lindos e omelhor gosto al boje, pur pre-
ces muito razoaveis : na loja do Pavao, roa da
Imperatriz n. 60, de Gama & Silva.
Casaas francezas a 240 rs. o eovado.
Vendem-se bonitas cassas francezas de eores fi-
las pelo baratissimo preco de 240 o eovado.
. Ditasa 280, 320. e 360.
S na loja do Pavo, ruada Imperatriz n. 60, de
Gama & Silva.
Grosdenaple preto a-l#600.
E' gramie pechincba!!
Vende-se grosdenaple preto, sendo muito encor-
d e de boa largura, pelo baratissimo prego de
" o eovado : na rna da Imperatriz n. 60.
Os cachinez do Pave.
Vendem-se bonitos cachinez de 13a ou agazalhos
para cahega pelo baratissimo prego de 3*000, s
na leja do Pavao,. na ra da Imperatriz n. 60.
MANTAS PARA O PESCOCO
al*, s o Pavo.
Vendem-se bonitas mantas para o pescoco, pelo
'barato preco de t* : na loja do Pavo na rna da
Imperatriz n. W, de Gama & Silva.
Madapates a 3,500 rs. a pessa.
S na toja do Pavio.
Venderse pecas de madapolao lino com 12 jar-
das, pele barato prego de 3*00 e 4*000.
Chales de renda.
Na loja do Pavo.
Receteram-se os mais lindos chales pretos de
renda, assim como as mais modernas e compridas
mondes, e manteletes da mesroa fazenda, e vnde-
se mais barato que em outra qualqder parle: na
loja e ajmaeem do Pavao na ra da Imperatriz n.
66 de Gama Silva.
Casiar a 3(0 rs. o cavada,
Para caJeas.
Vendem-se superiores castores muito encorpados
padrees escuros pelo barato preco de 320 rs. o eo-
vado, servlndo esta fazenda tambem para escravos
por ser de muila duracao i na loja e armazem do
Pavo ra da Imperatriz n. 60 de Gama & Silva.
Chapeos para mcuinas a 6,000.
S na loja do Pavo.
Se vendem os mais bonitos e mais bem enlejia-
dos chaposlnhos de palba da Italia, proprios para
meninas, pelo baratissimo preco de 6*000; na loja
e armazem do Pavo na ra da Imperatriz n. 60
de Gama & Silva.
Attencao.
l'IJniA MIVIDADE
PENTES, ENFEITES, CINTOS.
Gama & Silva, acabam de recetier pelo ultimo
vapor francez, nm grande sortimento dos mais ri-
cos enfeites pretos e de cores proprios nara cabera.
sendo guarnecidos com as mais lindas flores, e com
yoltas das mais bonitas perolas; assim como os mais
modernos e eogracades pentes da verdadeira tar-
taruga, marchitados sendo a ultima novidade
one tem vindo de Pars, e os mais ricos cintos com
filasmalbisadas e fivelas.Jargas, conforme.ltima-
mente se usa as primeiras capitaes da Europa, e
venderse for preco em conta por ter ebegado em
direitara para a loja do Pavo, roa da Imperatriz
n. 60 de (iama & Silva.
As rtandas do pava* a 8 e IQ>\
Ven Jem-se as mais ricas roiandas de renda pre-
ta, sendo mnito grandes, que sao as que mais se
usam, pelo baratissimo preco de 8* e 10* : na
loja e armazem do Pavo, ru da Imqeratriz n. 60,
de Gama &. silva.
Chitas pretas a 160 rs:
Vendem-se chitas pretas- lnglezas, sendo fazenda
mnito boa. pelo baratissimo preco de 160 rs. o eo-
vado, oa 5*500 a pega com 38 covados : s na
loja de Ravo, roa da Imperatriz o. 60, de Gama &
Silva.
ATLANTA
Grande novidade a JOO r.
Atlanta a 200 rs.
Atlanta a 200 rs.
Atlanta a 200 rs.
Chegou para a loja do Pavo o mais lindo sor-
timento desta nova fazenda, com o litle de allanta
propria para vestido e ronpas para menino, sen-
do esta modernissima fazenda de la com os mais
lindos gostos de qoadrlnhos e listras tendo entre
ellas do-cr rota e preta, com listras e quadros
brancos proprias para loto, a vendem-se pelo ba-
ratissimo preco de 200 rs. o eovado nicamente na
loja do Pavo ra da Imperatriz n. 60 de Gama &
Silva.
4s chitas da Pavo a 200 o cavada.
Vende-se o mais bonito sortimento de chitas es-
coras e roxas sendo lnglezas. mas com os pannos
(So encorpados como os- das francezas qae se ven-
*n 400 ris, e liquido se pelo barito preco de
200 ris o eovado ou a 7*200 a peca, garanainde-
se-lerem 38 eovados cada peca eserem da cores
fixtrs isto na loja e armazem do Pavo na ra da
IWlperalrrrn. 60de Gama & Silva.
Emazem do Pavo,
Vende-se eera de Carnauba, da melbor qnalidade
empaceos, mais barato que em outra qoalquer
.parte no armazem do Pavao na ra da Imperatriz
n. 60, de Gama & Silva.
As cakias do Paro a 2#00
acotado.
Chegaram para a loja do Pavo as mais lindas
cabalas de seda para vestidos, sendo com os mais
lindos gostos de Dores e listas, tendo entre ellas al
gomas rozas ft pretas para quem estiver de luto,
tendo asta nova fazenda 4 palmos de largura que
facilita fazer-se um vestido com poneos covados, e
veide-a* pefe baratissimo pree> da l|e3, nato*
laja a armaaem do mvo roa da lmpa-
ratr n. 60, da Gama i Silva.
NoTifede
para veslMe*.
Cnaiaranl as'desejada camoraias oourianna-
kraaea toa* jmm Hndo rrasyareltes vea-
am-M pea*aillaaimo preco da *OOao aorta,
na loja e armaeam do Pavo D roa da Impexatru
8. 60 de Guaitt Silva.
Chitas a 180 rs., s o Pavo.
Vende-se, o mais bonito scrlimento de chitas m- .
glezas, padrSes miudiuho?, claros e escuros, ten-
do tambem rozas para lulo, afiancando-se seren
cores fizas, e vendem-se pelo baratissimo preco de
nove vileos o eovado, ou a pega c.m 38 covados
por 6*800 : isto na loja e armazem do Pavao, na
rna da Imperatriz n. 60, de Gama & Silva.
Vestidos braceos.
Chegaram para a loja do Pavio os mais born- s -
cortes de vestidos de cambraia branca com gni-
tas barras todas brancas, assim como com barras
de cares, sendo fazenda transparente e muito fina, .
tendo cada um corte balame fazenda e muita ro-
da, e vendem-se pelo baratissimo preco de 8* e
iOa-: na loja do Pavio na rna da1 Imperatriz u:
60, de Gama & Silva. >
Cortes de tariaiana na loja do Pavj&.v
Vendem se os mais modernos cortes de i, -
com as mais lindas barras de cor, pelo barsisKjno
preco de 8* cada nm, sendo neste artigo cie
que tem vindo ao mercado : isto na loja e ariba-
zem do Pavo na roa da Imperatriz n. 60, de Co-
ma & Silva.
Tasso Irmaos
Vendem no sen armazem rna do
kru rim a. 35,
Licor fino Curaco em botijas e meias botijas.
Licores finos sortidos em carrafas com ralbas vidro e em lindos frascos.
Vnooseneres.
Santernes.
Cbambertin.
Hermitage.
Borgonhe.
Champagne.
Muscatel.
Reino.
Bordeauz.
Cognac.
Od Ton.
PAezei lagniol.
Rodelas de borraia
proprias para atar massos de papis, e para .-er-
virem de ligas para punbes, manguito!, etc. tic.
Vendem-se na roa do Queimado loja d'aguia jriD-
ca 0. 8.
Mui finas cartas
francezas, com cantos dourados, e sem douradj.
Vendem-se na roa do Queimado loja d'aguia bran-
ca n. 8.
Envelopes azues
a 500 rs. o cento.
Vendem-se na ra do Queim3do loja d'aguia
branca n. 8.
Apparelhos de porcelana-
doorados e pintados.
Na-rna do Queimado loj> d'aguia branca n. 8,
vendem-se bonitos apparelhos de poreelana pa;a
almoco e jantar.de bonecas.
Bonitos qoadros
para retratos.
Vendem-se na ra do Queimado loja d'aguia
branca n. 8.
Perfumarla ingleza
A agna branca ruado Queimado n. 8, receben
um novo sortimento de finas perfumaras ingkza-
de I. Gosnell & C.; sendo ezlractos dos agrada-
vela cheiro9 Booq da Rainha Victoria, do P. Alber-
to, do imperador NapoleSo, da imperatriz Eugenia.
Gailbaldi, Miss Liod, J-jcIi Club, frangipane, sn-
dalo, ele, ele.
Oleo fino para cabellos.
Oplal para pentes.
Agua da Colonia.
Sabonetes finos creme d-1 amendoa para barba.
Pencas d'aco irglezas
douradas e sem a ser.
Chegou para a loja d'agua branca ra do Quei-
mado n. 8, um expeliente sormento de peon^
d'aco inglezas, douradas e sem a ser, porm todas
de qnalidade eztrafina, e continua-se a vende-la* a
2*300, 2*00 e 18500 a caiza.
Tinta azel e preta
unta rocba e preta.
Estas tintas cujas ezcelleoies qualidades ja'
bem conbecidas e apreciadas pelos entended..e
acham-se a venda na ra do Queimado loja d'd_;.
branca n. 8.
Lacre fino de teres
Com cheiro e sem elle.
Na loja d'aguia branca ra do Queimado n K
vende-se lacre fino encarnado aromtico e sen
ser ; dilo verde, e urnas eaixinhas rom ditos :
cores pelo barato preco de 500 rs. cada urna.
Papel inglez
em caizinbas.
Na loja d'aguia branca a' ra do Queimado r
vende-se desse superior papel inglez em caixlor.^
Luvas de camursa
brancas e amarelias.
Vendem-se na ra do Queimado loja d'ogui:
branca n. 8.
Meias prelas para padres
Vendem-se na ra do Queimado leja d'aguia
branca n. 8.
Aspas largas e feries
para balo.
Vendem-se na roa do Queimado loja d'aguia
branca n. 8.
Na ra das Aguas Verdes o. 6, vende-se orna
escrava moga com urna cria.
Escravos fgidos
5*S>
No dia 26 de abril prozmo passado, fugio do
engenho Grvala em Agua-Preta, o escravo Modes-
to, com os signaos seguintes: idade 30 annos,
pardo claro, cabellos regular, cheio do corpo, sem
barba contendo apenas alguns cabellos, denles
limados, ps regulares e um tanto largos : levou
urna tioucha contendo roopa: roga se portanto as
autoridades policiaes e capiles de campo a captu-
ra do dito ecravo, e lvalo no referido engenho a
sen senhor Ignacio Ferreira de Mello Lessa, ou
nesla praca ao Sr. Manoel Antonio de Santiago
Lessa, morador na roa do Mondeeo, e cem escri-
torio na roa do Appollo, que ser gratificado.
Egcravo fgido.
Fugio em dias do mez passado o escravo Amaro,
crioojo, de idade 30 annos penco mais ou menos,
estatura regotar, cor fula, olhos pequeos, nariz
chato, boca grande e com falla de denles, e os bei-
cos bstanle grossos ; roga-se, por Unto, a sua ap-
prehenso, e qoem o pegar ou delle der noticia,
dirjase ao largo da assembla no Forte do Mallos,
armazem de asMcar de /os da Silva Loyo & C,
que ser generosamente gratificado.
v Fugio do abano assignado, no dia 27 de abril
preztpao passado. o seo escravo J s, orioulo, idade
23 annos, cor bem preta, altura regular, bom cor-
no, sem barba, bocea regular, com falla de denles
na frente, nariz chalo, macas um tanto altas, bota
o Joelbo direito para dentro, ps e maos grandes,
tem algomas cicattizes de chicote, e tambem de
bacalho; o qual foi escravo do Sr. Manoel Pedro
de Jess, proorierario do engenho Gua Iba da fre-
goeiia de Porto-Calvo: roga-se portanto as autori-
dades policiaes e ao capiles de campo a captura
do dito escravo, e leva lo ao abaizo assignado no
engenho Gravat em Agua-Preta, ou nesla praca
ao Sr. Manoel Antonio de Santiago Lessa, morador
na ra do Moodego, e com escriptorio na ra do
Apollo, que sera gratificado.
Vflnott de Baaros Franco Mello
200$ de gratifica^,
Em 31 de ootobro do anno passado, fugio a es-
crava Claudica, cabra alta e seca do corpo, qne
perlenceu ltimamente aosIllms.Srs. Jos Joaquim
da Silva, Manoel Mauricio de Sena e D. Mariana
Ignacla de Castro e Silva que a vendeu a Jos Ma-
trieos Ferreira qne pagar 200*000 a quem lbe
entregar dita escrava na roa da Cadeja n. 62.
Iyiso
Fugio a 13 do abril do correle anno o escravo
Jojo, rRWseU tar 25 annos, cabra_ claro, nm
nonc balzo. groaso do corpo, ps e mos um pou-
coTrossoj, nai-ii adrado,'rosto comprido, ponca
barba, cabellos caraplnnoe e malos rosaos, hom-
bros Urges, com falta de alguns dentes, talla man-
l,aJgoa proaa, ^a'qBa 4 forro, presme-
se que este escravo tenha seguido para Garaoboos
Jn xas nrpzjmjdades deste logar por ter conheci-
os; este escravo foi remettldo de Garaohuns pelo
Sr. Pedro Chaves, par er vendido no Recife;
prateaUria contra qoem o ti ver occolto t aaem e
pegar a levar ao sea senhor Jos Perelra de Miran,-
da Coana, rna da IniBeratrii n. 15, i' andar, reee-
ber !00| de gralificace.
\


ILE6VE1


. .1
1
8

Dlarl de reranabac* *>bale 1 > Hale de 1863.
i <
LITTERATDRA.
maito pequeo defeito nariz era aquilino sabr te realisar o nosso casamento, repetMfae as pala-
tina Jodia.
Na sei em Lisboa na roa de S. Jos, e na mesma 4gaii_
jui em urna cas> frontetra casa da mlnba familia
mor. va orna outra vulgarmente chamada judai-
ca o histricamente chamada de chrlstos
novos.
A fliha da f.milia judaica, un ica Giba, linha c
mioha idade, e talvez mais um anno.
EulUma cinco annos.
Naquelle lempo era Lisboa as familias manda,
vsm os meninos para as escolas das meninas, se-
guam a opinio agora adoptada nos Estados Unido3
da America do Norte, que as senhoras sao as pro.
prias para ensinar e educar as 'enancas sua pa.
ciencia, seus hbitos domestico?, as tornam verdas
detrs, naturaes, mestras da infancia, ou em outra,
paiavras segundas mais.
Naquelle tempo, tempo brbaro, comodizem os
progressistas, ainda nao havia a m opinio que
agora ha, que a natureza est pervertida, que as
ideas immoraes nascem com o hornera. Ainda ha-
vu respeito as leis de marquez de Pombal, e ainda
nao reinavam de novo os padres jesutas.
Ainda iamos mesma mestra, ambos, quasi sem-
pie acompanhados pela mesma criada regra de
economa, sciencia ja naquelle tempo conbecida,
sem embargo de nao baver aulas publicas.
Multas vezes, com bastantes ralbos da judaica
triada, fugiamos pela travessa do passeio publico
e la iamos dar a nossa alegre corrida.
O habito de viver jontos, saltar, comer doces
nr, e fazer as nossas travessaras, nos dea a vida
da ..:".'. iza le, amizade de crlancas.
O ebristo velbo, e a christa nova, nao sablam
que existlam taes distinegoes sociaes, cu antes, fal-
lando mais rigorosamente, taes distinecoes the.era-
ticas e vulgares. Nem por sonhos nos podamos
lembrar, que taes paiavras eram um abysmo, que
nos devia separar, e lanzar-nos na infelicidade.
A trra da' milhoes de voltas e eu del as minbas
volitabas.
o grande.
Quando Ihe aperiei a mi, a moda ingleza, edu-
cado da liba.....fez-se vermelha como urna rosa
Je Alexandria, quiz negar-se, hesou, reaolveo-se
Que mudan ja II
Aquella, que antigamente na roa andava com-
migo sempre de raaos dadas, aquella face que
tantas vetes beijei sem que houvesse hesitado, ou
mudanza de cor, nao era a mesma Sara.
A uatureza. ter-lhe-hla dado outras ideas I
O seotimento intimo far-lbe-bia sentir ama linda
moral de separacio .entre mim e ella 11
Essa luta, que a verdadeira vida do bello sexo,
resistencia erterna s paixes, e attracco ao grito
do amor, sera' urna lei da Datura, ou ama lei dos
homensedneacio domestica, e edoeaco social ?
Sara ja' nao era a menina, era slm ama mu-
liier, esta palavra diz tudo, explica todo.
Continuei a frequentar a casa do cambista, e
sara principioa a flear triste e inquieta de espirito.
as conversas as vezes ficava abstracta como
pensando em um idealismo I
Outras vetes levantava-se na sna impaciencia
desassocego mostrava um desejo, um querer, espe-
rava, procurava nma visao I
si propria, eu, porem,
nella os novos sent-
Sara nao se conbecia a
conbecia a Sara.
O amor tinba despertado
meatos da natureza.
Da de S. Jco, dia de folgnedo universal em
Lisboa, passei a nonte em casa do cambista.
Reparei que nao havia iivro algam de sortes, e
quando a familia eslava conversando ao p de
orna mesa de jogo ped, instei, que consultasse 9.
Joa"o sobre o casamento de Sara.
Pedi a me que escrevesse qoatro dos seas de-
sejos correspondendo aos qoatro naipes do baralbo
de cartas.
Ella escreveu espadas casamento com nm
primo paos com um lio banqueiro copas
Depois qne flz sete annos fni para a escola del com nm viajante da Palestina-onros con nm
um ex-padre de Rilbafolles, e aos nove embarque1
para ailha...
Depois de sete annos tornei a ver Lisboa, devia
eguir para Coimbra, como, porm, era o mez de
dezembro, flqoei em Lisboa.
Sete annos de ausencia nao me fizeram esquecer
da minha linda companheira de infancia a bella
Sara era o sen nome.
a
Sem saber a razio porque, on para que, foi ru
de S. Jos, travessa do passeio publico, e l ainda
achei o mesmo herbolario, na loja do qual a criada
quando nos trazia da escola da mestra, multas ve-
zes se demorava para comprar sabugueiro, outras
vezes herva cidreira, etc.
O velho cooheceu-me, e fez-me multas testas.
Esta' um bomem, di-se elle estregando as
mao;, e como est bonito I !..
Em troco da lisonja lbe perguntei :
E como vai Sara, aquella menina ?...
Bem sei... bem sei, ja a nao vejo ba annos.
O velho jadea mudoa-se para o Roci, e l tem a |
loja da Iadroeira cambista, cambista !
O herbolario fez urna revoluco as minhas re- i
cordacoes, pois ainda nao eram saudades. Sent
urna torga invisivel (era o poder da minha m j
estrella) que me arrasava para o Roci, sent nm
lonco desejo de ver Sara.
Corr ao Roci, procurei a loja do cambista F...
e la fui trocar alguns guineos que tinha trazido da
Una... Tambem me cocheceu, mostrou alegra, e
d:e-me :
O' meu desiuquieto amigo visinbo I... ento
ainda se lembra de r correr com Sara no passeio
pobiieo ?... d'onde vera ?
Respond-lhe que tinha chegado da liba e
que devia seguir em breve para Coimbra.
O bom bomem entregou a loja ao caixeiro, pe-
gou no chapeo, e disse-me :
Venba ca*.
Logo ao p subimos urna escada, e no prmero
andar puchou por urna campaiuha, e em pouco
lempo me acbei em urna sala ricamente .ador-
nada.
Poneos minutos depois veio Sara com a mi
cao era mais a mesma Sara, era slm urna linda
joven de 17 annos I
Em tudo estava mudada, so conservava os mes-
mo olhos, o mesmo brlho no olhar, e no rosto
ceno ar, que lbe era muito particular.
Estava alta, um tanto magra, nma cintura tio
delicada que se poda abracar com as mos, cabel-
los pardos perneados em duas grossas trancas so-
bre as costas, e que quasi chegavam ao chao.
Os olhos rabes eram pardas, mas tao cheios de
bruno, que pertubava aquelle qae olhasse Aumente
para elles, nao ora muito clara, mas tambera
na. era trigaeira: vista de frente era ama cara
linda, perfeita j vista porem de perfil tinha um
rice prente.
Baralhai as cartas, e ped a Sara qae tirasse
urnatirn espadas um prime.
Dea am rpido movimeoto na eadeira, e dnas
lagrimas Ihe eabiram sobre a face.
Publicado solemne de guerra, eu accelto a luvai
a me, porem, jaroa nao ser neutra.
Fatal nonte...
Nunca mais fai bem recebido- na casa do cam-
bista I
Na vespera em que tinba de sabir para Coim-
hra, tive a felicidade de encontrar a' tarde Sara no
passeio publico e na volta de nma parede de mar-
ta lbe pude fallar.
Amanbaa parto para Coimbra, e- serei com-
pletamente esqiwcido T
Respondea-me com malta ternura.
Esta' engaado I
Offerefo-lhe urna pequea medallia com o meu
retrato, acceitoo, e guardou do seto.
Nada mais lbe pude dizer, pois a mi estava ja'
rente comnosco.
S as ferias do terceiro anno pude vir a Lisboa
a porta do eambista me ioi completamente fe-
chada. Senil tanto, qne logo me reti-rei para San-
tarm para easa de am tio.
Miseria humana I !
A reacio da famHia do cambista aagmentoa mais
a minha palxao, e foi to visivel a mudanca do
mea genio alegre e folgazao ; qae- minha ta me
pedio ama explicarlo.
A' instancias de am esladaote mea companhei-
ro de casa, prente de Sara, fllho de F....., juiz
da India e Mina, tornei a Lisboa as ferias do
qoarto anno.
O juiz era nm excelleote hornero,, tinha duas fl-
uas, ama deltas, D. Julieta, era fra, porm muito
instruida, e muito amavel, nao era. christa nova,
era christa yelha.
Por intermedio da criada velba (Martha seeba-
oiava ella), mande i tres cartas a Sara e nao- Uve
respost.
Rogaei ao juiz para pedir era roen nome Sara
em casamento : o juiz deu ama grande risada e
me disse.
Sei de ludo,Sara taro ama paixo loaca, ama-
o cegamente, ella porm, iafeliz, e a familia to*
da se julga desgracada. Esqueca-se de Saca, e se
a ama quanto antes deve sabir de Lisboa* Entre
o senhor e Sara ha nm abysmo, sao as deas reli-
giosas, o senhor chrisiao e mea primo (o cam-
bista ) segu cegamente a lei de Moyss nao se
lembre mais ae la) casamento.
Depois de formado vim para Lisboa e a* espera
de navio me demorei um mez.
D. Julieta teve com paixo de mim dos meas
amores, qae ella sempre chamava (osearas e
prometeu-me, que antes de embarcar havia de ler
nma entrevista com Sara.
Na vespera da viagem ao mekhdia, na sala do
juiz, acbei Sara s.
Depois das triviaes paiavras dos namorados, Ihe
contei lado quanto tinba procurado para legal mee-
vras do juiz, e chelo de fogo Ihe disse
' necessario fugir, vinde, vinde camlgo, ama-
nbia de madrugada estaremos (ora da barra, o na-
vio jie*t em Belml
Ella chorando me diste :
Pois am bomem qae diz arcar-me pede-me
que fuja, pede-me qae faite ao dever I Qae tristes
ideas leudes de mim I... Queris ter por esposa
urna rhulher sem virtude, desprezada pela socieda-
de e amaldicoada por seas pas? Esperai, tende
paciencia, mea pai alinal ba de dar o sea coosen-
timeoto.
A paixo nao me deixoa oavir a voz da razo,
e o amor proprlo me precipiten-peguei-lbe na mo
e disse colricamente :
Agora oa nanea I
Ella levaniou-se e respondeu :
Nanea I
Abri ama porta qae dar para o interior da ca-
sa e desaparecea.
Pegaei no chapeo, no cae* do Sodr cbamei am
bote e fai para bordo, e no oulro dia s tres boras
da madrugada a escuna sabio para fora; com ven-
to rijo porm favoravel.
Da ilba ful para o Rio de Janeiro onde estava o
rei, fai despachado para a secretaria de estado dos
negocios estrangeiros, e no fim de anuos recebi
ama mlsso diplomtica para aples.
Embarque! para Lisboa, e no dia do desembar-
que fazia seis annos qae es tinha sabido barra
fra.
O cambista tinba quebrado estava pobre ; Sara
.tinba casado com am primo, sabido da Portugal;
e o jab eslava no Porto cora toda- a familia.
Embarqoei-me no paquete ioalez, e entrei em
Gibraltar, fui a ierra, e na primeira- ra vi Sara no
balco de orna loja de jolasnao era a bella Sara,'
era sim a sombro de Sara, estava to magra, tio
paHida, to moribunda, qne me parecen am sonbo,
ama visao:
Ella percebea o mea, reparo, e com* as lagrimas
nos olhos me deu a mo, que cordealmenteapertel.
Lembra-se, quando pela primeira vez, sendo
en j mnlher me apertoa a mo ?
Para que recordar-se dos-nossos ameres I
E porque|ll.... me disse ella, pois saiba, qae
taes recortlac5es sao-os nicos ateas prazeres1.
Contoo-me toda a sea vida.
Sara era desgracada e muito desgracada.
Sent amador profunda, o sentimento de-com-
paixo, e o amor, me arrebatarapeguel-lbe na
mioe Ihe disse:
Sara, ainda te posso fazer eiia, vem comigo i
Nao 1 Seria loucura, e ama tomara sem ne-
eessidade; a marte esta perto e ella Indo vai aca-
bar. Nao se lembra de quando em Dteboa me pe-
dio que fogisse-, nao se lembra do meanunca?"
lalao respeitav*deveresr respeito que me obrigou
a annuir a um> casamente violento, repugnante
odioso; boje respeito am dever. A desgrana Dio
tirou da mioba alma os seofemeatos de Honra, que-
ro descer sepoJtura.-pur* do crime
No oulro da fol-me despedir, e ella me disse z
Tenho a conviecao que poneos dias tenho de vi-
var, tenho a condeci que nao nos torearemos mal
a nejo meusempre o ameiamei ardeatemente, e
anda no dia de aoje tenbo a loneara da o amar
Aupinha paixo s6 ba de acabar'com a-vida 1
Su Bocada em solucos s rae pode dizer mais :
Lembre-se, leabre-se saaapre da soa amada-
Sara 1
Dous annos depois voltei para Lisbc*, o paquete
atrou em Gibraltr.
Saraj nao eaistr, esuva.perante Deas de r
sericordiaDens-dosjadeos-e dos cbnetaes.
O marido tinba-se mudada para Taaier.
Vim para bordo chorando; o commandante cota-
a fneza propria de nm iaglez me pergnutou
O que tem ?!
Chore a mor te de-nma mal he que sincera-
mente me amon.
Qnem? pergunton-me elle.
lima Judia 1 respoadi-lbe.
O prmero comi3e-se do exercito activo; com- qae sio velhos soldados mni ^estros no manejo
prebende- recrotameato de mancebos de X) a 13 das armas, {3 Tegmentos, de cooraceiros, S de dra-
annos, e aprsenla urna forca effecliva de JMOO g5es, 12 de hussires, l de lanceiros oo balnos,
FOLHETIH
TRISTEZAS & BEIRA-MAR
POR
M. PINHEIRO CHAGAS
IX
eConiinuacao.)
A pe da do barco pareca inevitavel; nao de tres
pontes, qae andassem uaquella occasllo to perto
da cost, vlnha infalllvelmente despedacar-se nos
roete ios, tal era a forca do vendaval. Como nao
succederia o mesmo a um frgil barqainno, qae
eslava sendo o ludibrio das ondas ?
Esta certeza prostrara a todos os circumslantes
nesse torpor, qae a fatalidade gara. A primeira
pessoa, que reagio contra elle, foi Leonor.
Bom rezarmos, mas bom prepararmo-
nos tambem para sermos instrumentos da miseri-
cordia de Deas. Nada fazemos aqu; deseamos i
praia para vermos se podemos valer de algam mo-
do a esses infelizes.
Vamos 1 exclamaram todos.
E descerara a' praia do desembarque.
Alguns, passando por saas casas, trooxeram ar-
chotes, que accenderam, mas o vento soprava
to rijo, qae nao foi possivel conserva-Ios accezos.
O mar, visto assim de perto, apresentava nm as-
pecto borrlvel. Estavam tranquillas relativamente
as vagas, qae esmoreciam na praia, e pareclam an-
tes fugir assustadas do tumulto das saas compa-
nbeiras do qae investir a ierra; como vanguarda
dellas.
As gotinhas d'agua que se arrastavam pela arela
a murmurar os seas namorados queixames,.como
se a dous passos se nao astivesse travando am
combate horrendo.
Mas para alm do peqaeno promontorio de rc-
horaens, os quaes azem servico por espaqo de tres
annos.
E' o exercito activo, permanente, dorante a
paz.
1 O segando grupo, qae tem estreita Hgacao com
o pnm3ro, a reserva de ffurra.
Pode fornecer nm contingente do 130:000 ho-
mens ao exercito permanente; mas flea nos seas
lares com baixa, e s chamado para entrar em
campanha.
3 de voluntarios, eavallarla magniflea, qae pode
apresentar em llnh-rS0:O0O sabrs. -
Finalmente, o exercito austraco coala il regi-
meatos de artilharla, S de sapadores e 1 regiment
de fogueteiros, o que constttoe ama forca de
50:000 homens em p de guerra.
LM POICO DI TEDOi
A Prussia, que boj conta 18 milbes e qoiahen-
tos mil habUantes, tem om exercito apparentemen-
le mais numeroso do qae o da Austria, e todava o
seu orcanento do ministerio da guerra eieva-se
apenas a vinie e sete ou vate o dito mil centos de
ris.
Com nu despeza relativamente diminuta, sus-
tenta urna forca armada, que pode atliogir a nm
algarismo enorme em lempos de guerra.
Apressemo-nos a dizer qne este exercito, com.
prehendendo a parte mais valida da aaclo, con-
siderado, militarmente fallando, como urna espeeie
de guarda nacional mobilisada.
O systema militar pinsslano dreide-se em ejuatro
grnpos.
O seu tempo de servico de dous anno...
O terceiro grupo ou laniwehr, de primeira e de
segunda classe, pode fornecer 140:000 homens;
composto de bomens de 86 al 40 annos. '
E' urna guarda nacional com os sens reglmentos
organizados como os da tropa de linha.
O qaarlo grato Analmente, composto de todos os
bomens validos qne teem qaarenta anno faltos,
nma espeeie de levaatamento em roassa, com o
qual s se pode contar n'am momento de irise
suprema.
A Prassia, a'uma guerra com a Austria, poderia
pois apresentar em campanha. cerca de 600:000'
bomens; porm j se vio quaes sao os elementos
de qae esta forca se compe.
Sao acaso verdadeiros combafentos es9es 200:000
mancebos, dos quaes o mais idoso conta 3 annos,
tende apenas tras annos de servico na flleira;
esse 130:000jboroeas, que j regressaram a seus
lares, e que s cera repugnancia hao de cingir
novameate s crrelas, finalmente, esses fcOOO
bomens, pela maior parle casados, estabeleeidos,
paes de familia ?
Esie deleito, o exercti) prassiano- resgata-o eom
nma organreaco vigorosa-, racional, e-que permiti
as tropas permanentes, a rpida paesagem do p*
de paz para w p de guerra.
Est sempre-formado- em oito corpo* de exerci-
to, dos quaes-sete sio da guarda reai'eum de
liaba, e estes carpos teem constantemente agrega-
dos^ si o sea pessoal de estado maior, dos-servicos
administrativos, aesia como sen material.
Numa palavra,-um corpo prassiano pdfe de nm
para entro da entrar em campanha.
No p de paz, cada corpo tem dnas divisaos de
infamara, um batalbo de cacadores, am de sapa-
dores a um de tren
A di.visao tem duas brigadas de-infamar ia e nma
de eavallarla.
A brigada tem dous reglmentos.
O exereito prossiano manobra ce ib perfeigao.
Ha ma+io que a preeisao dos seos movimeotes
tem causado maravilha aquel les que tiveram ocoa-
sio de aprecia-la nos- seos acampamentos de ias-
truego; porm aqnilt qae se julga- exceHente-e
de fcil eseencao em ffrate de um iafcnigo imagi;
nario, e quando a plvora nao arroja projectis;
soffre modificaces radieaes n'um veroadeiro carc-
po de batalla.
Eolo, movimeoto regular, mecnico, nent
sempre equivalente i iniciativa vigorosa, de.
serdem apparente, mas iaSelllgente.
Tem-se alternamente elogiado muito a armas de-
que a infaauria.prussiano-'tez oso.
Na opiata* dos entendido, sao ellas-eseellentes,
e bao de prodazir ptimos- resaltados 3 aio forem
manejadas por>soldados demasiado j^vease nex-
perientes.
fara maaejar com vaalagem a carabiaa de pre-
cbo que se -carrega pela ealatra, -precisa ter nao
s serenidad,, sangne-frto, mas taaaea a expe-
riencia de nm velho soldado.
Ha mulles-que jnlgam a organisaea militar da
Austria prefertvel a da Pvassfa, oretendeado qae o-
exercitodaqneHa mais solido qae o desla,.
O exercito da Austria tem contra si}a-nosso verj
o ser cempesto de elementos pouco homogneos e
tem um armamento inferior ao da frossia; porm
os seus soldados-os to mais -aflei tos-as- la digas e aos-)
pangos da guerra.
Os seos rgimen tos hngaros seo tropas exce-
lentes, todas as vezes qae o lnceativo da paliia
hngara nao prende os seos bracos-e quando qae-
rem francamente corabater a favor do imperio.
Tudos se-recordam do valor com.qae o exereito
austraco se bateu em. 1839 contra.os fraucezes e
italianos.
A sua. infantaaia est mui bem exercitada,
pacienta e apta para fazer tongas e penosas mar'
chas.
A sua cavallaria est hern mooiada e admiravel-
mente constituida.
Os seas cooraceiros, os seus blanos avanta-
jam-se a quaesque ontros eorpos de igual arma,
uns em executaroi, urna carga brilhaote, os outros
no servico dos reconhecimealos e dos postos ayan-
cados.
Os sens nussares. coasutaem ama das- melhores
tropas ligeiras.
exercito, austraco permanente consta de
350:000 bomens;, em tempo de guau, pode doplir
car-se, como asslm snecedea em 1K89.
A sua nfantarla de linba compS-se de 14 regl-
mentos qae se sabdividem em 320 magnficos, ba-
lalbes; IA regimantos das fronteiras; 40 bala,
Ibes de cacadores tyrolezes ou cacadoros- de p,
Peridicos de Manilos referem ama seeoa hor-
rorosa qu se passou rJIpraca de Cavite no domin-
go 18 de fevereiro.
Sariam pouco mais de dez horas da manba
quando aquella tranquilla povoacao apresentava
todos os sigoaes de nm tumulto; individuos cor-
rendo em todas as directas, as portas das easas
fecbando-se gritos incoherentes, ergueodo-se de to-
das as partes a propagar o espanto.
Eis os promenores dados pelas referidas folbas i
. Vea soldado indgena do regiment n. 8, de goar-
nie*o naque I la praca, tinha entrado em ama cata
da roa do Arsenal, habitada por ara mestra escola
com quera se travou as raides, e dominado pela
ira, laneon mo de am punbal, e dando-lhe nm
terrivel golpe na regio do baco, eahio o infeliz
mestre escola para nunca mais se levantar.
Um seu Olio, rapaz de 18 annos, traroa de am
sabr e acadto em' defeza de sea pai, mas o assas-
sioo, mais desfro, pode evitar um golpe, e-cravou
o panhal WcoracSo do pobre moco qneeabio mor-
te jueto do cadver de sen pai.
Esta horrivel sean a era apenas o primeiro ac-
to do espantoso drama que povoacao ia presen-
ciar.
Perpetrado o duplo- assassinato-, sabio o soldado
para a ra, e a primeira creativa qne se IbeoDe-
recen aos olhos foi urna-menina aa des a doze an-
nos ; correo-nara ella e- deixou-a morta com oa
punbaladas.
Acto coDliraio, saltando-corno pambera em me-
tas, arreaaessoa-se sobre-outra creanca- de nao-
mais idade fljoVa primeira,. e aderribon mora *
seas ps.
Inglaterra
^pnres............... 3,0*7:000 habitantes
Lhrerpool............. -*8S:000
Manchester........... 359:000 >
Birmingbara........... 336:000 -
Leeds............... f!8:000
Seheefleid............. J|8:000
Bristol................ 163:000
NewCasre....... 152:000 **i,,,'
Salford................ 112:000
, Hall................. >03:000
Escocia
Edimburgo.......... 173:000 >
Glasgow.............. 432:000
Irlanda
Dablln e seas arredores 318.000 r
----------->aa^9eaSMB-------
Ha algum tempo, diz a Palri?, nm jornal offe-
rece nm premio para a melbor novella nova, ,
em rasosla receben 1^00- mannserlptos 1 '
Aatrn-se qne os sinos de mergorbar deixaram
de servir no Tamisa, e teem sido substituidos pe-
los facios de-mergolbar, prioelpalmenfe porque os
mergulhadores que se empregavam, em quanto se
constroio a ponte de Westatastr, toram qnas,
sempre encontrados a jogar eartas ae-fondo do
no.
Este quadruplo assassinato nao prodozio no ant- ebi'os mascnHnos.
C-Arauto de Ssato Antonio aostra-se motto sa-
tisfeia {pelo socego que ba na-cidade ; dft qne
coma excepeo de qnfnze ou viole Dngas, e a
troca de alguns tiros sem resultados desgranados,
nada importante havia oceorrido aos ltimos- dias.
~--------- ii
f*gu?? a,x .;*""" bunmt disLongt-
T&h lO?*16 ** aMOS- de 8<7 a 60 nasceram
21.847:42* rapazes e 20,619:901 raparigas.
rnmIl.t0,al do ""Ctmeatos ananaes das
rapazas ede urna deca sexto parle o numero
total dos nascimentos da* raparigas.
JJasceu c Olho illegitaio para MWT'lasM-
naf.i!f!i!eci12^t0.s annnM mascolinos exeedam
os fallecimea* feminlnos; assim a- 71-falleci-
menlos femlntoos corresponden! termo- medio 73-
mo do soldado o jiro efieito qae nao fosso o de pro-
curar mais victimas:
f asaou correndo per ama travessa para a-roa
Real, e tomando direcgo do qnarlel ferio muito
gravemente urna mnlher coca ama poonaiada na
regiao do flgado ; um menino de oito a nove an-*
nos receben um golpe na regina inferior do braco
esquerdo-; nm cocbetfo flcou raortalmente- ferido
na regla do baco; ootra mnlher recebes nma
ferida transversal oe-paiso direito; um ramete
europeo da corveta ynrvaez cahte gravemente fe-
rido na costas; unr- artlbeiro do exercito, evi-
tando ota-bom golper receben nma leve ferida
transversal no ante braejo direito; om soldado do
mesmo regiment 8 levoa urna paahalada no seto
direito; e analmente, am soldado europeu de in-
famara de-marinba tefe um ferimento leve e fi-*
coa com a farda 'rota.
Todos este erimes foram perpetrados de corri-
da e talve:v em meos tempo do qae o necessario
para os- referir.
Ao chegas as portas d quartel com o espaalo
ao geslo e coca, o lato todo manchado d sangue,
deteve-o a seetinella, e eHe ceg de furor, cravou
em si mesoo-o pnnbal aaregiao do astomago, a-
xendo um ferida d Cabio, e atada asslm cidifficil desarraa-lo-
O instromeato de tantas- desgranas era notario
poohal de manufactura iai^ena, coja ierro timba
amas cinco -Denegadas.
O criminoso est no hospital, e posto qae sen
ferimento saja grave parseeque no-mortak
chodos as ondas montuosas apresenlavam nm pa-
norama verdaderamente assustador. A noite cer-
rara-se de todo e nao se podia ver ao longe sano
ama confusa massa, d'onde sahiam clamaros inde-
flniveis. Os que estavam napraia sentiam correr-
Ibes am calafrio pelas velas; ao horror, qae o
mar furioso inspira, juntava-se o vago e immenso
horror do desconbecido.
Debalde os pescadores cravavam os olhos expe-
dentes na vasta extenso do ocano; era-Ibes com-
pletamente impossivel distinguiris no meto desse
espesso negrome o ponto alvejante, qne tinbam
visto desapparecer as sombras do crepsculo.
Debalde aparavam o ouvido ; nao escatavam se-
no o clamor immenso e incessaate das ondas e
do vendaval
Jorge, disse Leonor, tomando ama resolnco
abita, deixe-se estar aqu e aproveite qoalquer en-
sajo de salvar esses desgracadoa, se ainda fr tem-
po. Eu velto ja*.
onde val, Leonor t
Vou a casa ; nao me demoro. .
Mas vai a T
Entao qae [tem ? Julga qae tenho medo T
Isso bom para a mana Magdalena.
E, recommendando a Jorge com am ultimo ges-
to que tentaste salvar os nufragos, dnilou a cor-
rer pelas escadas cima.
Magdalena procurava nesse nstente consolar
Rosinha, qae se debnlbava em pranio.
Pssoa-se mais de nm quart de hora nestas an-
gustias. Subilo entre o agudo si billar do vento, en-
tre o rijo bramir da tempestade, ouvie-se om grita
dilacerante, qne parela resumir n'ama nota a
quanto desespero, qnantas agonas, qnantes sup
plicas se podem contar n'am peito humano.
Ua relmpago, preludio da trovoada, abri ao
mesmo tempo o eo e illaminou de na relaace a
praia, onde se apinhava a tnrba, o aar, onde se
niio via mais qne U ondas enlaeando-se qmas as
outras com os seos bracos de espuma e contorcen-
do-se como os loiadores na arana.
Do barco nem o mais Jeve signa!} o ocano im-
menso estava solitario.
O trovo reboon as altaras, como Se ao grito de
agona dos desgracados responda* a voz tremen-
da das iras de Dens.
Mas segundo grito, mais forte, mais dilacerante
ainda, se possivel, vibren nos ares com fnebre
sido.
Um calafrio de supersticioso pavor corren pelas
veias dos slngelos pescadores. Serian la* as almas
dos afogados 1 Todos esperavam com anciedade se-
gando relmpago,
O relmpago nao se demorn, e a' sua luz rpi-
da, mas intensa, vJo-se entao o bareo a ponca dis-
tancia para alm dos roebedos, porm desarvora
do, sem vela, sem mastro, sem lente, vogando a
toa sobre as ondas.
Na proa nm vulto fazia gestos de aflictiva an-
e pareca Implorar soccorro da ierra ; oulro, ajoe-
lhado e Immovel, pareca resignar-se ao destino fa-
tal e ter apenaa esperaba na proteecio do cea
Vinte vozes angustiosas respondaram ao brado
do pescador, qaarenta bracos se estajaderam para
os desgracados, coma se podessem alcanca-los e
arranca-Ios ao abysmo, qae dentro em pouco os
tragarla.
Mas a todos esses orados sobr>
toroso de ama mnlher
marido nesse vulto indi
cosamente na proa do
Acudiram as I
ao ver a dr immensa
Jorge e disae-l L
Obi pelo
aqnelie bomoa I
Jorge relanceou os olhos pana a irraia de Leo-
nor a vio-a bella como nanea? terror e a coa-
paixo, confqqdiQdo-M no meiffo ollar, as faces
A popn|acevqoe cresceo ao iBtervallWe 1MT
a 1833, diminato em 1894 e 1853.
O'augmento medio annoal. nos 44 annns d
W7 a 1860, Sor de 153,16^ de
^"foodewMo-do-govern francerdellda
jaaeiro ae 1862* recenseameato que se ffcer este
anoe, sera considerado coooonnico aatbentlco
daraate cinco asaos, a comeen- do 1- da-Janeiro
00*11*07.
0 ilaj/d Univ&ai aprecia da seguinte zaaaeira
as forcas represeotadas pela machinas a-vanor
qae fuocclonam em Inglaterra-:-
nwas machina* representa-n e-trabalho- de 30
milnoes de obreiros.
A .massa de capvode pedra. necessario para to-
da, asslm como para os fogSes-domsticos;.-tal
qne, ara obter o seo equivalente em combastivel
vegeta*, seria precisopara provsr Londres s 4a-
rapte om annoen reino da exaeoso de artugal
todo caberlo de florestas.
ET preciso acreseeatar que o fooaa perdida exce-
de era calor despresado a roassa que daramos
corles- regulares de quinbenies- mil hectrea de
maltas.
mais anas em.Gastella-
Umajas.cariesidades que flgurarA na exposl-
co universal de Pars de 1867; diz urna..fortia de
Londres, ser .um plano da-cidade de Nova-York,
de 23 ps-oomprido por 8 -de largara, contendo
nao soroeale as pracas, ras,, vlallas- e beccos,
mas tambero todas as cuas, cora, a Damero e o
nome das-pessoas que as oceupam.
Cada e&sa ser representada cor> a- soa forma e
cor particular, de modo- qne cada-nm possa re
conhecer. o sen domicilio como se o tivesse diante
de si.'
Um> aspaco de 40 ps- reservado para esta obra,
prima da arte typographica, que attrahra muito
a atteaoao publ ca.
Pela sua parte os fabricantes de pannos de Al-
coy. (ILespanha) esto resolvidos. a fazer represen-
tar a-soa industria, omais-cosapietamente possivel,
na exposico universal.
Com este fim celebraram. nma numerosa rsuuiao
e-accordaram nos- meios qne ho de empregar
desde j para que a indasuia fabril de suaaspe-
clalidade concorca. dignamente ao grande cna-
me de 1867.
-------------i niiu -------
Os ltimos mappas de recenseamenta a Gra.
Bretanba avaliam do seguinte mdo. a populac o
de treze das. maiores crdades do Reino Unido, no
A Italia- possne boje qoatro magnificas fragatas-
conraeadas de I* classe, das quaes tres- ja-'-nava-
gam,. acbando-se ainda em ccasttuceo amaos
estatoiras da Foce, as visinhaacas de Genova.
Esto se constraiado
mareo na Speziaw.
EsOa promptae,.alm O'iSsOijele fragatas-d2a
classe, duas corvetas de classe, e-daas-oanbo'
neiratambero da-classe, e doae-canhoneras.tam-
bent- da mesma chuso.
Estao se constrw'ndo qnatto canhoneiras- de 2.
classe em Castellamare e Leoyns,- e duas baderias
flustuanies ja' Cteram as suas-exparedtiasw
Soulidade dos-navios cotnracados. 24
Fofea nominal-.-em cavallos-. ._____".. 1.-248
Becas de animarla.. .^ .......... 448
Tripolacio. .--------......_________ 8:738
Alm d'esta esquadra respeltavel^ possne a Italia
os-segnintes vasos de guerra, nao eooracados :
Navios de todas asdmensoas 7.1, ar ti I hados poc,
ki97 pecas e trpolados por 20>62aiarinbeiros.
A forca em cavailos diestes navios sobe a. .
25:820 cavallos.
anno corrate
*ejl si
paludas da gentil menina, davam am realce nota-
vel a' sna graciosa formosara.
O tom de sapplica, em que proferir essas pon-
cas paiavras, dalclficava de am modo iodiscripti-
vel a meloda suavissima da sua voz. Jorge sen
tio am certo orgalno em ver a soa proteceo invo
cada por esta graciosa creatura, Leonor nao o ha
bltolra a esses gosos da vaidade varonil.
Um barco I disse elle em voz alta, volteado'
se para os pescadores, qne o rodeiavam afilelos,
mas silenciosos. Queta so atlouta a ir salvar aquel-
es dous desgracadoa 1
.Nenhuma voz lbe responden se nao o bramir da3
ondas e o estalar da trovoada. S de verem o mar
enfiavam os mais intrpidos.
Um gemido doloroso de Rosinha snecedea a este
silencio, qae era a sentenca da morta do sen ma-
rido. Magdalena, lavada em lagrimas, tomou-lhe
o tilno dos bracos, e, ergoando o nos seas e, aos-
trando-o aos pescadores, bella como a Virgen Mal,
pdica e maternal, exclamou :
Ninguem salva o pai d'este inncoenle f Nen-
bam pai extremoso ponpa a esta crianca a orphan-
dad'e, a qae desojarla, em idnticas agonas, qne
Ihe poupassem sens Albos ?
Orphao seria igualmente e orpbos serlam os
nossos tambem, se a tanto nos arriscas sernos 1 ac.
dio nm dos pescadoras com o modo assentimento
dos ontros. O mar esta' hoja, famlnto ; ninguem
Ihe arranca a preza I
Cem moedas a quera se arriscar! bradou
Jorge.
Mi precivamos de dlnheiro para salvar-
mos nossos irmios, redarguio seccamente ontro
pescador, se nao fosse rematada ioocura s ten
ta-o.
O barco, impellido pelo continuo jognetear das
ondas, pareoeu por am instante estar prximo a
entrar na eneada protectora; os relmpagos, qua
iuccedum qaasl sem interrqpcao W? ontros,
mosti aiam-ao, aos espectadores suspensos entre a
esperanca e o receio, a resvajar a' Qor das vagas,
qae-o trazlam no dorso escaro, mosqueado de bran-
co pela espuma, como golphtahos protectores. Hou-
ve um instante de silencio profundsimo. O bar-
co, a impulsos da propria tempestade, poda, ser
eospido a' praia, qua a reeeberia carinhosa, mas
podia tambem ser arremessado is rochas, qae se
dispanham a aparar-lhe o embate ao gama das
saas mil asperezas, aado palo constante balar das
ondas.
Um grito de afflicgo terminou este momento de
esperanca. Um capricho das yagas des vio u -o a
am tempo da salvaco e do perigo immediato, ar-
rojndolo ao alto mar. .
Magdalena segua com olhar vido as varias pe-
ripecias d'esta lata. Ao ver baldadas as saas espe-
rabas, tapn a cara com as mos e exclamen:
Oh 1 levem-me d'aqui 1 Parece-me qae soa
cmplice do assasslulo d'aquelles doas bomens I
Ninguem, nlttgnemse afrontara' a salva-Ios 7
as lagrimas corriam-lhe a ama a ama pelas fa-
ces foraosissitnas. Nos olhos, reqoetmados por
esse pranto qne brotava de verdadeira angustia,
brilhava am falgor estranbo. Dir-sa-hia qae a il-
asnina va um libio 1 anexo do fogo ana arda no
paito varonil de soa irm.
Se eu (osse bornea I.. murmuroa ella em
voz manslssma e como temando ser ou vi da.
Foi. Oovio-a Jorge, e, exaltado por essa vaga
sapplica, asta indirecto rogativa, como nm antigo
cavalleiro de trnelos por nm olhar, um gasto, nm
sorriso da sua dama, ebegoa-se a' beira-mar o bra.
don com os olhos scinilllantes, tirando o chapeo e
deitando para tras os sens formosos cabellos, loa-
ros:
Qaem oasa aeompaahar-me ? Qaem ha ahi
qae nao temaipor-se eommigo a' mortb pa sal-
var dona lofeilzes, qae morrea a' issa vista T
Jorfe estova, retnente b^\o n'essa Instante,
Dispe, alm d'isso, de 24. tiansportes com 184
pecas, 4:330 cavallos de-forca 3:220 borneas-de
tripolacjio.
ET do Sr. Octavio Alipio aoonso de MeJio, esto
poesa:
o meu osssjo...
Isbella eu te amo com o amor mais poro,
Qae -i o futuro podera' provar-te ;
Ab I tn bem sabes quanto solro em aacia,
Quando a distancia a mim vem roubar-te.
Oh.. 1: quem modera qne n'nm s momento,
Fiado o tormento de nm atroz soffier;
Por companheira tendo-te eu na vida....
Quanto querida devoras tu ser? I
Oh I que prazeres gosarei ento.
M'essa uaiao que esperancoso aknejAt
Hoje te vendo me fugir vaidosa.
E emBm bondosa cumprir meu desojo71...
wmmsBSBSBBBesmBBEaaasv
Purpureava-lbe as faces o rubor da exaltacio, qu8
infUmmara o seu espirito, entbusiasta e o oeguibo
qae senlia no intimo d'alma de se mostrar om h-
roe aos olhos de ama mnlhar, digna de comprenen-
der e de recompensar o herosmo.
Jorge, digamo lo com vergonha nossa pensava
mais n'essa occasio am si proprio do qao nos ho-
mens que ia salvar. Animava-o mais o desejo de
mostrar nma grande alma do que o de praticar
nma boa .aeco,
A recompensa nao se tez esperar; Magdateaa
avancou para elle, e, fez aperundo-lbe a mo eom
ardor, disse-me:
E' grande, nobra o que vai fazer, Jorge !
Feliz a muiher que se pode nfanar de sabor qae
palpita por ella to generosa corace I Feliz son
eu tambem de ter por irm a muiher, a quem essa
ventura coube t
- As saas paiavras, Magdalena, disse Jorga em
voz baixa, serian recompensa bastante para mais
oasado commettimanio 1 Fetlz qaem Ih'as pode
inspirar I mil vezes mais feliz aquelle qae possulr
osea corceo, capaz do compraheoder todo quanto
abre e delicado I
Magdalena corouao ouvlr estas paiavras a reir-
bio-se, como qae assastada do qae dissera e ou-
vira. Jorge continuou, volianlo-sa para os pesca-
dores, com am sorriso de orgalhoso desdem aos la.
bios :
Ninguam me acompanba T Pois bem! ir1
sol
Nao ira' s, Jorga I txclaaoo ao san lado
orna voz a um lempo dona o enrgica, e n'osse mo-
mento impregnada om profunda commocao. Aqu
estou eu para o seguir a' salvaco ou a' aorta I
Jorge voltease rpido dea de roste com Leo-
nor.
r;Co*ftniar-i4a.J
PERNAMBUCO.-m.) OS M- F-DB/. & YlSQ

I
&l
y
*.




' :
"


*

ti
?
Si
iy

nsannnwsnHnnnnnB
innnnnBBaauai


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EG8VHYI76_67MUN6 INGEST_TIME 2013-09-05T04:30:53Z PACKAGE AA00011611_10971
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES