Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:10961


This item is only available as the following downloads:


Full Text
r /!

ABKO XUI. HOMERO 105
Pr qiartel pagt tartr es 10 dias o !. mez .
Ideni depois dts l,01 lo dias do comee e dentro do qnartel
Porte m otrrtio pr tres mezes .!..,.,....
'** O V *v

6ooo
75o


WlS KflfiM
SEGUNDA FEIRA 7 BE MAIO DE 1866
t
Por anno pagf dentro de lo dias do 1. mez. .
Porte a correio por flm auno ,..,...,,
195ooo
3#ooo
i
ENCARBJSGADOS DA SBSCRIPCAO DO NORTE
.faranyba, o Sr. Antonio Alaxaudrino de Lima;
Natal, o Sr. Antonio Marques da Silva; Aracaty, o
Sr. A. de Lemos Braga; Cear, o Sr. J. Jos de
Olveira ; Maranhao, o S?. Joaquim Marques Ro-
drigues; Para, os Srs. Geraldo Antonio Alves &
Filhos; Amazonas, o Sr. Jeronymo da Costa.
ENCARBJSGADOS DA SBSCRIPCAO DO 9GL.
Alagoas, o Sr. Claodino Falco Dias; Baha, o
Sr. Jos Martins Al vs; Rio de Janeiro, e Sr. Jos
Ribeiro Gasparinho.
PARTIDA DOS ESTAFETAS.
Olinda, Cabo, Escada e estacos da Ta frrea at
Agoa Preta, todos es dias.
Ignarass e Goyanna as segundas e sextas feiras.
Santo Antao, Gravat, Bezsrros, Bonito, Garuar,
Altinho, Garanhans, Buique, S. Be&to, Rom
Conselbo. Aguas Bellas e Tacarat, as tergas
feiras.
Pao d'Alho, Nazaretb, Limoeiro, Brejo, Pesquelra
Ingazeira, Flores, Villa Bella, Cabrobd, Boa Vis-
ta, Ouricury, Salguen o e Ei, as qnartas
feiras.
Serinhaem, Rio Formoso.Tamandar, Una, Bar-
reiros, Agua Preta Pimenteiras, aae quintas
feiras. *.
AUDIENCIAS DOS TRIBUNAES DA C4PITAL.
Tribunal do commercio : segundas e quintas.
Relago: tercas e sbados s 10 horas.
Fazenda: quintas s 10 boras.
Julzo do commercio: segundas as 11 boras. x
Dito de orphos: tergas e sextas as 10 horas.
Primeira
dia.
Segnnajrara do civel:
hora da larde.
?ara do civel: tercas t sextas ao meio
.
quartas t sabbedea a 1
EPHEMERIDES DO MEZ DE MAIO.
Jnarta ming. as 7 h., 22 m. t 34 s. da t.
14 fina nova aos 38 m. e 8 s. da t.
31 Qflrfo cresc. as 7 h., 38 m. e 46 s. da m.
29 IiOS-^aia as 10 h., 32 m. e ,25 s. da m.
TiM I -------------
DIAS DA SEMANA.
7. Segunda. S. Estanislao b. m. S. Flavia m.W
8. Terca. S. Heladio b.
9. Quaria. Ss. Gregorio Nazianzeno dont. da eg.
10. Quinta cgs.Ascenso. do Seohor. S. Blanda ra.
11. Serta. Ss. Fabio, Anastaeio e Sereno rom. .
12. Sabbado. S. Joanna prioceza v.; S. Nereo m.
13. Domingo. S. Pedro Regalado f.; S. Gliceria m.
' PREAMAR DE HOJE.
Primeira as 10 horas e 54 m. da manhaa.
Segunda as 11 horas e 18 minutos da tarde.
PARTIDA DOS VAPORES COSTEIROf.
Para o sul at Alagoas a 14 e 30;. para o norte -
at a Granja a 7 e 22 de cada mez;-para Piran-
do nos dias 14 4os mezes de Janeiro, margo, nui*
julbo, setembro e novembro.
ASSIGNA-SE

no Recife, na livraria da praga da Independencia
ns. 8, dos propietarios Manoei Figueiroa de Faria
& Filbo.
o Imperador por decreto de 20 de fevereiro prxi-
mo lindo, bou ve por bem nomear o cidado
Francisco Manoei de Siqueira para o posto de te-
nente-corono! eomraaadante do batalhSo n. 41 de
infamara da guarda nacional sob seu commando
superior; o que comartmico a V. S. para seu co-
nfieciraento, e aflm de que ordene ao nomeado que
trate de pagar na recebedoria de rendas internas,
a visia da nota junta por copia importancia dos
direitos e emolumentos para obleucode sua paten-
te que se acha na secretaria desta presidencia.
Dito ao juiz municipal do termo do Bonito.-Ac-
cusando a recepcao do offlcio de 23 de fevereiro
prximo ndo em que Vmc. participadme, que pro-
cedeu o inventario e partilhas dos bens do subdito
portoguez Domingos Antonio das Neves, o qual
tendo fallecido no reino de Portugal deixou nesse
termo, no lugarRiacho do Correa; onde resida
sua mulber brasileira, Tbereza Honoria da Cooba,
de cojo consorcio Ibe Acarara dous filhos menores,
tenbo a dicer-lhe em resposta que fico ioteirado do
pela suspensio de pagamentos da mais importante
casa bancaria desta corte, achava-se o bando do
Brasil na sua ca xa matriz com urna emisso em
circulago de 27,574:5204000; com um fundo dis-
ponivei de 13,239:110*486 alm de 11 mil cornos
de notas do goveroo, resgatadas e recolhidas a cai-
de maio de *a da amortuacao, e com ttulos de carteira la im-
portancia deiO, 159:939,9192, dos quaes 3,300:0005
em bilbetes do tbesonro,
Nestas clrcumstancias, se o banco do Brasil,
a situago, cuidasse
PARTE OFFIGIAL
G O V HUYO I A PRO VI \CIA.
Cuuliuuaro do expediente do dia 1
1866.
Offlcio ao commandante superior da guarda na-
ftLft-ss-i ESfi* ^andao beses:
divida do palz, e, alinal, nao produzlria o effeito :%tabelrfmentp de crdito como o banco do Bra
ibelcia
que se tem em vista, porquanto, faltando ao ihesou
ro o recurso dos depsitos particulares, leria de
dirigir-se ao banco para lh'os foroecer direclataen-
te por emprestimo.
1 A directora do banco do Brasil pode ter erra-
do, mas tem preferido as mais Injustas aceuseoes
sil tantoj^e tao-pesados onus e encargos, para cbe-
gar-se no fim de algum lempo a om resaludo me-
ramente negativo.
Os roeos que indica o projecto para restrin-
gir a emimio do banco consistem principalmente
no pagamento em moeda-papel dos H,000:OOOJ
outras, fornecidas pelo the3ouror com carimbo
do thesouro, e assignadas por empregados do tbe-
sonro.
A directora do banco do Brasil esta' fmma-
os principios de jusligi e o respeilo devido f
dos contratos.
' Sala das sessSes da directora do banco do
Brasil, 00 Rio de Janeiro, em 21 de abril de 1866.
lio somenie dos seus proprlos e immediatos inte-
resses, poderia, aos olboa de mu tas, ter cortado as
difflcuMades com que actualmente se lufa. Para
isso nao tmba a directora mais do que cruzar os
: bracos, suspender.immediatameote as opera^oes de
: descomos, ir deixando vencer os ttulos de sua car-
| teira e satisfazer o pagamento das notas que se a-
presentassein ao troco. Os recursos que ento pos-
suia o banco asseguravam o xito desle procedi-
mento, proficuo nicamente quanto ao augmento
da emissao.
Mas, se tal lora, em to grave conjonctura, a
norma de proceder do banco do Brasil; se em pre-
senta da maior crise que tem desabado sobre a
! nossa praca tivesse o primeiro estabelecimento de
I crdito do paiz assnmido urna posico meramente
negativa de abstenco e indifferenca, com razao se
tena clamado, e se clamara at boje, que tinha
elle faltado a sua verdadeira misso de proteger e
auxiliar o commercio; teria merecido as censuras
que espiritos systematicos, e menos reflectidos fa-
aasM*Jt'Ba!a=i-"SBreaBl,B7nK
-inventario e partilha dos bens deixados pelo refe
rido subdito portaguez.
2
Offlcio ao Exm. general commandante das ar-
mas.Sirva-se V. Exc. de informar sobre o que
pede Tbereza Mara de Jess no requerlmenlo que
aqu ajonto com o offlcio do commandante superior
pa guarda nacional da comarca do Cabo datado de
26 de abril prximo Ando.
Dito ao mesmo. Sirva-se V. Exc. de informar
sobre o que pede o soldado sentenciado Firmino
Jos de Sant'Anna no incluso requerimento.
Dito ao inspector da thesouraria de fazenda.
Tendo de ser eitas fra desta cidade e a muilas
leguas de distancia as obras de que trata o meu
offlcio de 21 de abril prximo Godo, e nao sendo
possivel por isso que sejam pagas directamente por
essa repartico as despezas que se tem de fazer com
o pessoal nellas empregado, recommendo a V. S.
que nao obstante o que pondera em seu offlcio de
30 daquelle mez a que respondo, mande entregar
ao fiel pagador da repartico das obras publicas a
quantia de 2:000*, do que elle prestara contas op-
portuoamente.
Dito ao mesmo.Approvo a arrematado que fez
perante essa thesouraria Francisco Mendes Martins
para executar pela quantia ds 1:900* os concertos
necessarios ao lazareto da ilha do Pina, offerecendo
por seu fiador a Jos Goncalves Ferreira Costa, e
recemmendo a V. S. que fsa inserir no termo que
se tem de lavrar, alm das condicoes de que me
remetteu copia, a de ficar a inspeccao da obra a
cargo da repartico das obras publicas, a cujo che-
fe se remetiera copias desse termo e do mais que
Or indlspensavel para esse trabalho.
Dito ao Inspector da thesouraria provincial.
Transmitto a Y. S. para sen conhecimento copia da
lei n. 670 do Io do corrente concedento um crdito
supplementar ao orcamento vigente na importancia
de 3:987*600.
Dito ao mesmo.Recommendo a V. S. que em
vista da inclusa conta, mande pagar a Manoei Joa-
quim de Miranda Sooza a quantia de 207* prove-
niente da encadernaco de diversos livros da se-
cretaria desta presidencia.
Dito ao inspector do arsenal de marinha.Faco
apresentar a V. S. o menor Candido Alexandre da
Silva paraque o faca alistar na companhla de apren-
dizes marinhelros, se esliver as condicoes do res-
pectivo regulamento.
Dito a cmara municipal de Olinda.Declaro a
cmara municipal da cidade de o.inda que ficam
approvadas as arrematacoes das 68 travs velhas
do edificio pertencente a ihesma cmara sito no Va-
radouro, bem como do arrendamento de urna pe-
quena parte do pavimento terreo do dito edificio
pelos preces constantes do termo annexo ao seu of-
licio de 24 de marro ultimo, que fica assim res-
pondido.
Dito ao commandante Interino do corpo proviso-
rio de polica.Mande Vmc. alistar no corpo sob
seu commando os paisanos Joo Luiz de Bastos e
Manoei Joaquim Cavalcanti, que oram considera-
dos aptos para isso em inspecgo de sade.
Portara.O vice-presidente da provincia, alten-
deudo ao que requereu Martinho Lopes dos Reis,
resolve conceder-lhe licenca para remuter ao pre-
sidio de Fernando no vapor que para alli tem de
seguir a serem entregues a Henrique Jos Vieira
da Silva os geaeros constantes da inelusa relafo,
assignada pelo secretario do goveroo, nao podendo
porm effectuar o desembarque dos ditos gneros
sem que por parte do commandante do mae-mo pre-
sidio se proceda a exame atim de se verificar se
ha agurdente on outra qualquer bebida espiri-
tuosa.
Dita.O vice-presidente da provincia, tendo em
vista o que requereu o guarda apontador da estra-
da do Pao d'Alho Candido Emigdio P. Lobo, e bem
assim oque a esse respeilo informaram o cbefe da
repartiQo das obras publicas e o inspector da the-
souraria provincial em offlcios de 26 de marco e
18de abril ltimos, resolve prorogar por 2 mezes
a licenca com vencimentos concedida ao mencio-
nado guarda por portara de 23 de dezembro do an-
uo passado -, clevendo esta prorogaco ter principio
do da em qns se findou aquella licenca.
Expediente di secretario de geverno do dia 2 de
aio de 1866.
Offlcio ao Dr. juiz de direito presidente do tribu-
cal do juryRogo-t V. S. se digne dispensar de
servirem a presenta sesso do jury os offlciaes
chafes de secco desta secretaria Francisco Lucio
de Castro, douiores Luiz Salazar Moscoso da
Veiga Pessoa e Antonio Annes Jacome Pires, por
serem necessarios o seo; servicos nesta reparti-
o.
birem qnando o commercio mais precisa de seus
servicos e dos grandes recursos de que podem dis-
pr.
A esse procedimenlo se attribuiriam os incal-
culaveis desastres que inevitavelmente se deveriam
dar, e nem ao menos teria o banco, com bom sen-
so e inlelllgencla, zelado e resguardado os seus
proprios Interesses; pois, nao obstante o estado re-
gular de sua carteira, poderia lornar-se victima
das perdas que a crise necessanamente bavia de
causar a seus devedsres.
< Com effeito, a primeira commoco causada
pela noticia da catastropbe, foram todos os estabe-
lecimentos bancarios assaltados para a retirada dos
depsitos.
Sendo esses depsitos a vista, e achando-se em-
pregados em ttulos a prazos, como poderiam os
banqneiros paga-Ios de prompto, se nao lhes fosse
em auxilio o banco do Brasil?
< Com o auxilio do banco mnitos desses estabe-
lecimentos se salvaram, sustentando sua posico, e
a difflcnltar auxilios ao (hesouro, na lula em qua que o banco tem recolhido cala da amortlsaco,
se acha empenbado o paiz; e por isso sempre pro- Pr meio do resgate das notas do goyerno, e o
cnrou nao exceder a taxa de juro que paga o.lbe-. pagamento ara apolices da divida publica ao
souro, recebendo a principio .por menos, e depoJs das quantia que estiver o governo *
por taxa igual, que al boje tem conservado.
Poderia igualmente a directora do banco, com
urna al medida pod ur.u^owMiu-a[n?^Salto
beleciojento, e se fra powivel considera-la arica- (Petrococblno
Eugenio lavares.Temistocies
Jos Francisco Alves Malveiro.Jo-
banco pofietconto de bilbetes do tbesonro
vencendo sis apolices joros, emquanto as notas i oecuparia desta poato.
imalto de dim'innir a sua emisso, adoptar aa>e4> do banco tiyerem'curso forgado, e'deveado o bao-1 Qmo, ormT'angustos "oiisimos Sr. 1 ftXeT^roovmo^^
da que ensioam os escriplores mais autorisados da
sciencia econmica e aconselbam os bomens mais
versados na pratlca das materias nanearlas, ele-
vando a taxa dos descontos para contrahir a
carteira.
< A elevacao da taxa dos descontos, segundo
esses mesmos mestres e escriplores, prodoz os me-
co do Brasil retirar da circolagao, no prazo que
__; a im
feridas sommas.
o, representantes da naco, o proprio governo d>' csi-wr.arnf>irn governo designar, a imporiancla total das dnas re- n> >"> ~ *' -- i-SSSS. "---------- 1Mr
paiz que vm dizer ao corpo legislativo que a emis-
sao-do banco do Brasil nao Inspira confianca ac*J
Quanlo primeira somma do 11,000:000*, re- publico, nao por estar essa emisso fra do limite
coonece a directora que, pelo contrato celebrado normal, nao por ser superabundante, segundo os '
entre o foverno e o banco, a obrigaco dfc paga- principios econmicos -que regem a eirculaco fl-|
ment s senaria Ando prazo do previlegio do duciaria, mas pelo facto do ter sahido dos cofres
SS-SB
DIARIO SE PEHHAMBUCO.
corrige pela contraccao da carteira.
t Mas, as condicSes especiaos em que se acha
o Brasil, mrmenle depois dos acontecimentos de
setembro de 1864, e, anda mais, depois que surgi-
r m as extraordinarias necessidades do thesouro,
fra urna illuso, augustos e dignissimos senhores
representantes da Bago, esperar tal resaltado da
elevacao da taxa dos descontos. .
< N'um paiz essenctalmente agrcola, cujo prin-
cipal artigo de produccao constitue a nossa primei-
., w v y.mw K.v~B.v uuvmuo, u Cbegaram hontem dos portos do norte do impe-
lnores resultados em condicSes normaos de um' banco, substumndo, durante esse lempo, o em- do banco, e de ter as asignaturas dos seos- dtrec- rio os vapores Paran e Mamauguap*, sendo por-
banco de emisso, otando se da depressao do eam- prestimo wi jaros, e gozaudo o banco da facul- lores, abre-se campo largo as conjecluras e corol- tadores d jornaes_do Para' al ?6f do Maranhao
bio e escoaroento do fundo disponlvel, symptomas dade de ausso equivalente. larios, por mais exiraviftntes que sjam, e para at 30 e do 'Pauby at 16 do passado, do Ceara*
que revelara superabundancia na circulago, que se Quanfeporem, ao pagamento era apolices, ao os quaes nao ha deeza psstvel. m.2, do^io Grande at 4 e da Parabyba al 5
par, da divMa contrahida, por descoralos de bilhe- r Comprehender-se-bla urna medida que, flxan- do corrate. Delles colhemos o que segu,
tes do thefonro, nao pode a directora occultar a do um limito para a emisso do banco, determl-l baba. Nao recebemos a missiva de nosso cor-
dolorosa sprpreza que Ibe causou a manifesla in- nasse qu esse limite s pudesse ser esoedido para' respndeme, pelo qae nos limitamos ao segainte,
justiga de pretender o governo pagar orna divida occorrer necessidades do thesouro, e qae as no- que copiamos do Jornal do Ammn**:
conirahida por eraprestimo com ttulos cima do tas qae represenlassem o excesso livessem um sig-1 Cabio bontem (24) ao mar,' do estaleiro da
prego porque iivremente se comprara no mercado; nal ou carimbo do proprio banco, qae fcilmente! companhla do Amazonas, o vapor P-ar a' 1 hora
cansando assim ao banco um prejaizo annoal de; as dlstingaisse. da tarde.
varias centenas de contos de res, pela cessaoV Substituir, porm, a emisso sahida dos-oofres A despeito do mo lempo que esteve sempre
dos joros estipulados que essa divida venca, e fal- do banco por notas fornecidas pelo tbesonro, iulga chnvoso, numerosos cidados de todas as classes
tando-se por essa forma boa f isherente a todas- a directora que equivale a suscitar nma suspeita, da nossa socedade, concorreram ao logar para as-
ra riqoeza e o mais Importante meio de permuta j as convenges, mesmo entre os particulares, e sem qne os mais systematicos terroristas, os. mais im-.sisUrem o acto. Alm do Exm. Sr. presidente da
com os dos outros paizes, e em qne, entretanto, nao
existe urna s inslituico de crdito real, a lavoara,
para abastecer-se dos capitaes indispeosaveis ao
seu augmento e desenvolvimento, recorra aos ban-
qneiros e estabelecimentos bancarios, qae lh'os
forneciam, alm dos seus proprios recursos, por
meio dos depsitos qae recebiam dos particula-
res; e a constanteconflanga do publico e o equili-
brio quasi permanente entre as sabidas e as entra-
das desses depsitos, permittiam que se flzessem a
largos prazos os adiantamenlos e recursos presta-
dos a lavoara.
< Era nm erro fatal; era fixar-se sobre um vol-
co prestes a devora-tos a cada Instante, e ao menor
abalo, como os factos se eocarregarao de demons-
trlo da maneira a mais cruel e dolorosa I
< Entretanto, eram os banqaeiros e os estabele-
cimentos bancarios os intermediarios entre os ea-
a quai nao haveria mais contrato possivel. i placaves iolmigos do banco, e os que menos pos-
Augftstos e dignissimos Srs. representantes-da sam confiar na estabilidade desse estabeleoimento,
nagao I no mumento em qae, para terminar com
honra e dignidade a lata travada com os inimigos
do imperio; precisa lalvez o Brasil de procurar
novos recursos nos mercados estrangeiros, e recor-
I rer de novo ao crdito de qae .at boje tem elle
gozado nesses mercados, pela escrupulosa fideli-
dade cora qae sempre lem procedido, que o gover
fazendo face ao pagamento dos depsitos; algumas; pitaes e a lavoura, e em taes clrcumstancias a
casas nao poderam resistir a catasirophe, e tiveram elevago da taxa dos descontos do banco do Brasil
de suspender igualmente os seas pagamentos, de-: poderia trazer a contraccao. da carteira e a di mi-
clarando ss fallidas.
c Faltaram de repente ao commercio vahas ca-
sas bancarias com que tinha relages estabeleci-
das, as trausaeges da praga cessaram, porque pe-
nuigo da emisso, porque os depsitos facilitavam
a retirada dos ttulos descontados.
< Actualmente, porm, que por effeito da crise
de setembro de 1864 e das necessidades do tbesou-
lo effeito do pnico a desconfianga raanifestou-se, e ro- os mo,os ane representara a divida da lavoura
os capitaes se retrabiram e occultaram. I "is,e.m em raDde Pr'e m> ^aco do Brasil, e os
Em to graves e melindrosas circamstancias l apositos se encaminbarao para o thesouro, a con-
fcil de ver quaes seriara as consequencias, se o, ,racca da carteira e a dirainoieo da emisso nao
banco do Brasil, em vez de francamente prestar se Podem esperar senao pelo o pagamento real dos
auxilio e recorsos ao commercio, que delles preci-1 "falos descontadosv-E como esperar e exigr-se o
sava, tivesse o procedimento qae boje retrospecti-
vamente se lhe aconselna.
t No estado de desanimo e de terror em que se
achavam os espiritos, e tendo completamente des-
apparecido os capitaes e Importantes intermedia-
rios das transaegoes, o commercio nao poderia re-
sistir, e a inaego e indifferenga do banco do Bra-
sil correspondera a fallencia da maior parle do
commercio desta praga, mormente do que mais in-
limamente est ligado com a lavoura.
Eis como o banco de Brasil, tendo em vista
nicamente os seus proprios interesses, seria victi-1
ma do erro fatal de ter desconhecido a importancia I
dos servlgos que poderia prestar.
< O que se deu ento na nossa praga
acontece e tem acontecido em todos os paizes em
pagamento prompto e immediato dos muios da
lavoara, qaando os capitaes que ella emprega nao].
se reproduzem integralmente era espago breve, e Srs. representantes da nago, nao resiste menor
s por meio de urna qaota annual de urna araorli- j analyse.
sago lenta se opera a sua reprodaego? Pelo contrato celebrado com o banco o gover-
< Essa amoriisago a directora do banco a tem no nao contrabio obrlgago de pagar a importan-
estabelecido e exigido em lodosos Vencimentos das ca do resgate, seoo no fim do prazo estipulado;
letras, apezar das vivas reclaraagoes a que tem ella { mas tinha o banco, durante esse prazo, a Gaculda-
dado lugar e nao obstante conhecer as dfSculda- de de emitlirquantia equivalente. Cagando, porm,
des com que Iota a lavoura pela deficiencia de co
lbeitas regulares durante urna serie de anuos.
< A elevago da taxa dos descontos nao trarla,
a desejavel diminuigo da emisso, e s
aggravaria a posigo dos devedores do banco, e
q QQe I fundada as consideragoes que ficam exposlas, que
1 4 (lira 'l.-.ri^ non (nm nnqlwA.I. kinnqdA m ,
' a directora nao tem igualmente langado mao
desse recurso, proficuo e efflcaz em clrcumstancias
diversas.
que se faz largo uso do crdito, como o atiesta a
historia das mais notaveis crises commerciaes.
A retraegao em que se colloeam os bancos e A directora do banco do Brasil, angostos e dig-
as medidas de seguranga que toraam no momento nissimos Srs. representantes da nago, julga ter
do perigo, aggravam a situago 5 qnando, pelo con- ] demonstrado, naos, como muito bem diz um dos
trario, o alargamento da emisso seria o nico re-1 considerandos do projecto do illostrado Sr. minis-
pcovncia, e de mnitos fonecionarios- pblicos,
grande numero de negociantes,-. e a oScialidade
nunca nm s instante conceberam. do corpo provisorio, acbo-se presente alli ama
A directora do banco do Brasil ufana-se de commisso da nossa praga do oommercic, que quiz
poder assegorar a esta aogusu. careara, sem re- por este modo dar mais um testemunho publico do
ceio de ser contestada, qne, gracas ao zelo intelii- inleresse qne esta nossa corpora:;o toma por tndo
gcncia e dedicago da primeira directora, o s re-! qnanto pode concorrer poderosamente para o pro-
gras- por ella usadas, e qae, invariavelmentc, teem gresso do mesmo commercio e, oonseqoentemente,
sido observadas at hoje, a admioistragao e servlgo para a prosperidade do pai*.
no acha mais asada a occasio para romper o seu do baneo do Brasil, em todo quanto diz respeilo No acto de cahir ao mar o vapor, ama banda
contrato, pretendendo pagar menos do que rece-! emisso de notas, ao de urna regularidade e per- de msica tocou o bymno nacional e oram dadas
beu, e impondo outra parte contratante condi- feigo sem rivaes no paiz, e constiluem um verda- duas salvas, urna no largo do quartel da polica
goes que nao foram estipuladas. deito modelo. por nm parque de arllharia e outra pelo forte do
Por honra e crdito do Brasil, e por dignldade I a sobstitnicao, pois, da emisso do banco por Castello.
do proprio governo, augustos e dignissimos Srs. ontray fornecida pelo thesouro, nenbnm accrescimo s casa da offleina bouve um lumh dado es-
represeutantes da nago, urna tal medida nao me-.l de garanta poderia dar ap publico;, ao passo qae pecialmente aos aprendize* deste importante esta-
recera' a sanego do corpo legislativo ; e o res- s>a proposia da medida pode diminuir o crdito belecimenlo.
peito devido a' f dos contratos sera' mantido por o estabelecimento. os termos do edital do thesoufo provincial
esta augusta cmara, illeso, paro e sem a raeuor E qnando a emisso sabida dos cofres do ban-, de 15 de dezembro de 1864, oi subvencionado
quebra. i co podesse ser objecto da mais leve suspeita, nao com a quantia de l:000&o bote Bom Jess, de pro-
Dir-se-ha, augustos e dignissimos Srs. repre- tem ahi o governo nm representante, um delegado priedade de Epipbanio Ayres da Silva, que se des-
sentantes da nago, como ja' se tem dilo( que o seo, que, entre ontras attribuiges, tem a impor- tina ao porto de Leopoldina, 28-leguas ao N. 0. da
governo, pagando em apolices ao banco do Brasil, tantissiraa de fiscalizar a legalidade e a veracidade capital de Goyaz.
nenhurn prejuizo lhe caos, pois anticipa a poca, da emisso? A medida proposta tem, portento,: O vapor 'labat'inga da volta do Tocantins, re-
do pagamento, a que, pelo sea contrato, era obri-, alm do gravssimo inconveniecioja apostado, o de boca o vapor Jurupense, que vinba de Londres.
gado; e que podendo pagar em notas do thesouro-! despir o delegado do proprio governo de urna da& O leitor tlcar admirado e pensar-qae gracejamos
a importancia dos bilbetes descontados, e esperar suas mais imponantes foncg5es,.sem vaotagem de quando ler o titulo desta noticia: no entreunto
o venetmeato do prazo para o pagamento da divida especie alguma para o publico. fallamos com tanta seriedad* como se estivessemos-
do resgats; anda ai urna generosa conoesso pa- Nao entretanto, angostos e- dignissimos se- em um confissionario; eis o caso ^
gando emgioeda, desde ja', os 11,QOO:OQ8#000 do jnbores representantes da nagio, este o nice pon- Os leitores estaro Jembrados de que na ma-
hinSfi'.' l/^,,0 as aP0,ices em pag>a>ento dos, u> em qae projecto, de algumasorte, desprestigia drogada de 13 do corrente o vapor Tabatmga se-
,?* *y^Wu,ado6. I o delegado d governo e a propria admiolrago goio com destino primeira das-eachoeiras do Te-
il argumento, angostos dignissimos do banco. cantins, abaixo da qsal ia formar nm deposito do
Para mior garanta, sem davida, e regulari- earvo para a sahida do vapor.
dade das operages do banoo, tambera prope o Estaro igualmente lembrados de que o vapor
projecto que os descontos sejam fiscalisades- por ora Jurtpense, que o segundo que se espera para
agente do governo. o qual poder impedir a reall- o rio Tocantins, fol ambareado era Londres em fe-
sagao de qoalquer dessas operages. 'ereiro a bordo do.patacho inglez Liif, que, semt-
Para bomens que nao tivessem a altivez in-! Ihante ao Tit-Bit, veio ocano tora, a todo seu va-
compativel com urna tutella desta ordera, a medida, Ear-
indiada no projecto constituira umverdadeiro sal-; O Tabalinga seguio sea doslino, e comporian-
0 governo anticipadamente essa importancia,. deJxa
ritlf LSJ,r *?..qn."D,TJTI ***** U os MH ..i, operagaes \ do-se garbosamenie contra a?_eorrent?s do Jocan-
das, mas perJe por outra parte a faculdade da
emisso correspondente ; viudo, portanto, a ser
real e immedialo, pela cessao de juros, o prejuizo
do pagamento em apolices, ao par, da somma do
bilheles descornados.
do descont, visto como podendo o fiscaHmpdlr'',ins chegou a Tapaiuna-qura cora feliz viagem,
qualquer descont, todos-quantos se fizessem te-, f o deposito da carvo e regressou na madroga-
riara Implcitamente a ja approvago, afirma- da do dia 23.
riam a responsablidade desse geme do governo. No dia 24 a's boras do dia, ao pasar a
A directora do banco do Brasil, angostos o dig-' baha do Maraj, a vistea a' baria vento do Conde
t Anda mais, angostos e dignissimos Srs. re- nissimos senhores representantes da nagao, nao' um navio proprio de navegago transatlntica e
presentantes da nago r a proposta io governo quer, nem deseja eximir-se da responsabidade que portanto nao podia estar naqnella altura, sem
obnga o.banco a retirar da circulaeo, em notas dos seus actos e acob3rla-los com. urna inspecgo algum accidente extraordinario.
de sua emisso, nao s& a quantia equivalente aos offlcial; e desde que o projecto estabelece a nter- O Sr. commandante Neves, com uro..zelo que
11,000:000,5000 resgalados, como tambem a im- vengo do governo, as fonc?5es da, directora, qae nao podemos deixar de louvar-lhe, sealo para
portancia dos bilheles do thesouro, descornados, mais tem o carcter e o cunho de propriamente junto do navio afim de saber qual a causa de to
que o governo pagar em apolices,. sem veneiraen-' commerciaes, e retira aos directores do banco a estranha qiq p^rigj)sa derrota. Qual seria a sua
to dejinros. facaldade de livremaote exercerem o maadato qae saiisfago reconbecendo o navio, o que os leito-
i Gomo podera', porra, o banco retirar da cir- receberam dos accionistas, um tal cargo, honroso : res podero avahar desde que sonberem que era,
acbado o thesouro, contribuem consideravelmente | culacao a emisso aqaivaleote av somma dos bilhe-1 at aqui, amesquinha-sa e toraa-se inaeeitavel, e nem mais-nem meaos, do que o patacho Luie, que
para aggravarem-se as difflculdades da situago ;: tes do thesouro, descontados, se- o goverao a pre-' melhor fra, para maior e mais segura garanta I iraz em sea bjo o vapor Jurupense, o qnal tende-
e, flnalmeme, qae as medidas de que ellicazmeote tende pagar em apolices qua nao vencero ja-' dos interesses e capitaes dos accionistas do banco,! se metiido a subin o iio sem pratico, e sendo en-
poderia a directora laucar mao em circumstan-1 ros ? 'acabar de urna vez cora esse simulacro que fica volvido pela tempestado da tarde de ante bontem,
Na podendo o banco vender essas apolices,: sendo de administrago e gerencia, tornando-se perdea-se no ddalo de ilhas que difliculum a en-
s exigindo Inmediato pagamento de seus deve- completa a tutela o assumindo o governo toda a trada d& nosso porto, e foi dar comsigo em Conde-
dores, conseguir a retirada da emisso cerrespon- rosponsabilidade da administrago do banco e dos
dente. mteresses que com elle esio ligados.
A essa ja'avallada aaanlia devem-se anda, A directora nao falta na commisso, al ago-
accrescentar os mencionados nos artgos 4. e 6. ra no meada pelos accionistas, e qae tinha por mui-
prompt'amente em auxilio do banco do Brasil', pro-1 mesmo banco as coBdigoes normaes de sua'ex's-1 do projecto,-- sto o banco tera' de retirar da cir- to espcial atiribaigoes de descont, por entender I
mulgando o decreto n. 3,306 de 13 de setembro tencia e melborem o meio circulante do paiz; mas, culago, alm da importancia da divida represen-, que desapparece essa entldade, em face do syste-
de 1864, que faculton a emisso ao triplo do fundo convicta de que as medidas proposlas pelo Exm. | tada por bHhetes do thesooro, mais a importancia ma de admioistragao inaugurada pela proposta do |
disponivel, e logo, come consequencia necessaria Sr. miaistro da fazenda prodozlriam calamidades; dos lucros excedentes a 7 %. s qoantlas appiica- governo.
daquelle primeiro acto, promulgando igualmente o maiores que os inconvenientes a males quesa pro- das para o fundo do reserva, e mais, semestral- Augustos e dignissimos senhores representan- Jorge, de Carvalho, presidente;; Eduardo da Silva
decreto n. 3,307 de 14 do mesmo mez e anno, que, cura evitar, o qae cortamente nao est no pensa-1 mente, tambem 3 a 0% das notas actualmente em tes da nago, a directora do banco do Brasil julga Santos o domingos Soares da.Slva Santos, secre*
deu curso forgado as notas de sua emisso; pois | meato do governo imperial, que a directora do! cireniaeo. ^ ter demonstrado qne nao loram abusos que ella tarios.
medio salutar e efflcaz.
i As crises mais notaveis doralnam-se, e s po-
dem ser superadas quando os bancos facilitara en-
to os seus recursos; porque nessas silaagoes a
elemento nico de vida o meio circulante, que
vem momentneamente suppria o vasio, feito pelo
capital que desapparece.
O banco do Brasil assim o comprehendea, e
para poder efflcazmente prestar auxilios ao com-
mercio, leve de augmentar consideravelmente a
sua misso.
i O govorno impejial tambem assim o compre-
hendeo, e abundante as vistas da directora, veio
tro da lazenda, que o estado actual do banco o I
resultado da crise de 1864, como anda, que as!
circumstancias extraordinarias em que se tera!
cas dillerentes, produziriam efleitos contrarios aos
que se preteadessem alcancar.
Entretanto, augustos e dignissimos Srs. repre-
I sentantes da nago, a directora do banco do Bra-
sil reconhece com o governo imperial a necessi^
dada de se adoptarem medidas que restabelegam, o
O Tabminga abordou-o com a. solemnidade
: com. que se apacha urna boa presa, dea reboque e
entroa com ella trinmpbante, bontem a's 8 horas
da noute.
O dedo da Providencia nao. so manifestara'
em to feliz, q,oao inesperado aoonteeimento?
mArnhXd. A sociedade Laso Staranhense ele,
gen a seguate directora : Demingos Tbeotonio
banco vem respetosamente pafentear a esta au-1 < Ser erlvel, angostos c dignissimos Srs. repre-
gunta cmara os pontos em que, lhe parece, o pro-1 sentantes da nacao, que o commercio e a lavoura
proporgo, o fundo disponivel, e tornavase mais I jecto nao corresponde s intengos manifestadas
seosivel a cada instante o desequilibrio enlre aquel- pelo governo, e offende os direitos resultantes de
ao passo que o banco do Brasil, para socr-orrer a
praga, augmentava a emisso, diminua, em igual
e o
les dous termos.
< Este estado anormal em qae to extraordina
ras circumstancias tinham oollocado o banco,
devia desapparecer pelo restabelecimeoto da con-
Ranea, que fazendo voltar os depsitos aos estbale-
tmenlos bancarios, permittissem a retirada do ,
titulos descontados no banco do Brasil, a diminui-
go da emisso em circulago, e, finalmente, resll-
tuissem o banco ao rgimen e condiges normaes'
anteriores a crise.
t Infelizmente, porm, augustos e dignissimos
senhores representantes da nagao, sobreveio a
guerra, e com ella as urgentes necessidades do como banco de circulago; o melhor fra resol
INTERIOR.
BIO DE JAXEIBO
22 de abril.
A directora do banco do Brasil dirigi ao corpo
legislativo a segrale represntago :
< Angostos e dignissimos senhor-e* representan-
tes da nago.Com o mais profundo respeilo vem
a directora do banco do Brasil patentear a esta
angosta cmara os perniciosos effeitos que para o
commercio, a lavoara e mais industrias do palz, e
um contrato existente entre o mesa o governo
banco do Brasil.
< O pensamenlo capital do projecto, manifes-
tado nos considerandos qae o precedem, ros-
t ring ir a emisso do banco do Brasil al a somma
50,000:000^, limite que em caso algara poder o
banco exceder.
Parece directora do banco, angostos e dig-
nissimos representantes da nago, que baste a sim-
ples ennnciago do resultado final das medidas
propostas para condemnar todo o projeeto, como
incompativel com a existencia do banoo do Bcasil
praticasse que levaram o banco a situago anormal
em qus se acha, o que as medidas propostas palo
possam resistir a to avallada a extraordinaria' Exm. Sr. ministro da fazenda nao remediaran os
cootraegao, mormente as circumstancias excep-1 males que a directora do banco tambem reconhece
clonaos em que se acha o paiz, empenbado n'uma: de iodispensavei necessidade reparar, senao pos-
guerra externa que absorve, e tem absolvido, bra- i tergando os mais sagrados direitos, e impondo ao
gos e capitaes, e depois de uns poucos de annos de paiz sacrificios, que, por largo tempo, tirnarlam
thesouro, qae teem absorvido a maior somma de
capital flactuaote e disponivel, o qnal teria de
encaminhar-se ou para o banco no Basil, ou para
os outros estabelecimentos bancarios, e, em todo o
caso, teria facilitado nma consideravel diminuigo
de emiso do banco.
t A directora do banco do Brasil nao tem dalos
para determinar cora preciso a importancia total
das quantias que tem o thesouro retirado da circu-
lago para as necessidades da guerra; mas calcla
ver-se a sua immediata hqaidacao, do qae chegar
ao mesmo fim com avoltado prejaizo para o banco,
e grande sacrificio do paiz.
E' principio crreme nestas materias, nao
contestado por escriptor algum authoridado, e
nunca desmentido pela pralica, qae nao possivel
admitir a coexistencia de duas especies de circu-
lago fiduciaria, urna conversiva e outra inconver-
sivel, pois qoe a inconvengivel expelle promp'.a-
mente dos cantes da circulago a emisso conver-
que nao poder a sua somma ser inferiores a I sivel em metal, procurando aflual converter-se em
40,000:000, para a qual tem concorrido nao s os realldade, e o representativo do valor no proprio
capitaes qae se retrabiram da praga, por effeitos: valor.
da crise, como grande parte dos qae se achavam Tal entretanto, a precaria e insusteotavel
depositados no banco do Brasil e outros estabeleci- i posigo que o projecto distina ao naneo do Brasil.
c O banco do Brasil, costa dos maiores sacri
flcios, e fazendo violenta pressao sobre os seos de-
escassas e minguadas colheitas do principal genero
de nossa prodncgo?
Em circumstancias rauito prosperas fra diffl-
cillimo; na sitaago actual do paiz, offouta-se a di-
rectora do banco a dizer qae exigir urna tal
contraegad, fra decretar a mina geral.
impossivel o mecanismo regular da produego da
riqueza, e o restabeleciraenlo, em suas condigoes
& invern va i sendo bom, pelo que se coma
qpe as eolbeitas futuras o sero tambem.
A alfandega renden, do i a 29 do passado,
L-se no Paiz:
Em Caxias suicidou-se no da 20 s 6,horas
da manhaa, o negociante Seraflm Lopes, a qne foi
eharoteiro na fabrica, desta cidade frooteira ao
theairo. Este infeliz,, qna gosava de merecida re-
normaes de ama verdadeira circulago fiduciaria, pntaco de bonradet, oscreven antes de rr.orrer es-
la cana:
t Declaro que estoa em meu jaita aerfeito, e
me mal 3 por nao poder rrastar esta vida to
que o peasaraento dominante e o principio car
deal da lei n. 683 de 5 de julbo de 1853;
t Se as circamstancias extraordinarias em ano
Augustos e dignissimos. Srs. representantes da se tem acbado o paiz sao ncontestavetmente a can- pesada para mira,
nago, as consideragoes qne, respetosamente, lem sa priacipal do estado da emisso do banco e das ( Declaro mais qua todo o giro de negocio desta
at aqui expendido a directora do banco, baslam, perturbarles econmica- que d'ahi provm, parece casa pertencente a meu irmo Jos Rodrigues
no sea entender, para mostrar que a proposia a boa razo que se procure com teda a prudencia Lopes, e que a mira nada perlence.
apreseniada pelo digno Sr. ministro da lazenda, | e orilerio corrigir esses inconvenientes por med
nao s_ nao conseguir' melborar o estado do han-1 das adequadas, que nao tragan calamidades maio-
raemos de crdito.
Ese a esses 40,000:0003
se accrescentarem
cerca de 8,000:0005 qae o banco tem por empres-
limo fornecido directamente ao thesouro, ver-se-ha,
para os interesses dos accionistas do mesmo banco, angostos e dignsimos senhores representantes da
devera resultar das medidas propostas pelo Exm.
Sr. ministro da fazenda a esta angosta cmara, em
sesso de 9 do crreme mez.
i Antes, porm, de entrar propiamente na ana-
lyse das medidas qae prope o projecto, para me-
lborar o estado do banco do Brasil e o meio circu-
lante do paiz, pede a directora venia a esta an-
gosta cmara para, raudamente, esbogar a posi-
go emque saacbava o banco do Brasil antes da cri-
se de setembro de 1864, e das providencias ex-
traordinaria) qne a sabedoria do governo julgou
conveniente eolio adoptar, e s quaes, com jes-
la razio, o projecto, em seas fundamentos attri-
bue a situago anormal da circulago fiduciaria.
Manifestada a crise em 10 de setembro de 1864,
nagao, que sem as superveniente* emergencias e
necessidades da guerra, a emisso do banco do
Brasil, nao obstante o abalo e estremecimenlo, pro-
duzldos pela crise de 1864, nao excedera actual-
mente o limite mximo de 50,000:000#, que o pro-
jecto do Exm. Sr. ministro da fazenda fixa para a
circulago normal do mesmo banco.
t Para neatralisar a concurrencia do thesouro,
chamar a si maior somma de depsitos e diminuir
a sua emisso, poderir o banco do Brasil recorrer
ao mel qae lhe tem sido aconselhdo, de elevar a
laxa do joro qae paga pelos mesmos depsitos. A'
directora do banco, porm, tem sempre repugna-
do essa medida, qae poderia trarer embarcos ao
thesouro, depreciar outros titulo? que representara
vedores, conseguir restringir a sua emisso, a
50,000:000#, e abrir o troco metallico de suas
notas.
Nestas circamstancias a emisso do banco
tera como concurrente na circulago 40,0i 0:000
do papel do governo inconversivel; e ento
claro que, tendo o banco de sustentar urna circu-
lago de 90,000:0005 a cusa do sea fundo dispo-
nivel e do troco metlico de suas propria notas,
ver-se-ha forgado a suspender as suas operages e
a entrar desde logo, em liquidago.
i Nao este por certa, augustos e dignissimos
Srs. representantes da nago, o pencamente enun-
ciado pelo governo; mas os effeitos immedlatos
das medidas propostas conduzem jQeyitavelmenie
a semelbante resaltado.
i A directora do banco delta illastiacao desta
aufurU cmara o decjdJr sa cnvern impor um
\
co do Brasil, collocando-o as condiges anteriores
i crise de 1864, como qae o mesmo projecto, bem
longe de realizar as benficas inteegoes do gover-
no imperial trar ao paiz incalculaveis males, ag-
gravara' as difflculdades da situago, e torna-
ra' impossivel, por largo tempo, o restabslecimen-
to do mecanismo regular da circulago fiduciaria,
que circumstancias extraordinarias tem pertur-
bado.
c Poderia, pois, a directora do banco do Brasil,
conscia da illastragao que distingue esta augusta
cmara, e depositando a mais inteira confianga nos
sentimentos qae a animara pelo bem publico, por
aqui termo as consideragoes qoe Ibe soggeriram as
medidas propostas pelo illostrado Sr. ministro da
fazenda, esperando tranquilla o resultado do estado
e das deliberagoes desta angosta cmara.
i Mas, angostos e dignissimos Srs. representan-
tes da nago, a directora do banco do Brasil nao
teria enmprido o sea dever, se depois de ter apr-
senla os inconvenientes que, a sea ver, resultara
das medidas econmicas indicadas no projecto do
Exm. Sr. ministro da fazenda, nao chamasse igual.
mente a vossa attengo para o aspecto moral do
mesmo projecto, em qoe se propoem providanciis
3ue de alguma sorte affectam o carcter a digni-
ade da adminlslrago do primeiro estabelecimento
de crdito do paiz, *- -'Jglo de qae, compre,
esteja sempre revestid. jfcprio representante do
governo imperial naquVlle estabelecimento.
i Sopp5e o projecto qua o poblico tera' maior
confiaoca na emisso do > banco do Brasil, orna
79i qqe as notas, do banco' toreo Qhs.tui'ias por
res que os perigos que sa procara evitar, at qae,
melhorando essas mesmas cirsamstancias e o as-
pecto geral do palz, se possa desassombradamonie,
e com mais affoateza, marehar para o desejado
flm.
c A directoria do banco do Brasil, angostos e
dignissimos senhores representantes da nago, nao
se julga autonsada nem competente para indicar a
esta angosta cmara as medidas, qoe no sea en-
tender, poderiam contribuir para melborar o estado
i Pego ao meo irmao qae por earidade nao
desampare ornea filho: qoe laca com qae elle
acabe de aprender a ler, e depois maode-lhe ensi-
nar nm ofiisio ou aqailio qae ello aobar mais con-
veniente.
c Nada mais tenbo a dizer.
Adeas aos qoe ca' ficam at o da de juizo.
t Caxjas, 19 de abril de 1866.
t Seraftm Rodrigues Upes. .
l-se no PuMicaw Maranhenst:
tteunio-se o conselbo de disciplina a que- foi
snbmettido, por portarla da presidencia da provin-
do banco, sem causar abalos que aggravem as dif ca de 10 do corrente mez, o lenente-coronel Joao
Acuidades e a situago critica em que se acha o
; palz; mas, tratndole de alieragoes to profundas
na organisago do banco do Brasil, e das condieSes
essenciaes do sua existencia, qae teem por base
um contraa celebrado entre o geverno e o mesmo
banco, confiante espera qae esta augusta cmara
se dignar de atiender aos direitos resltenles do
referido contrato, e a todas as considaraeoes que,
respeitosameate, submette ao sen illostrado crite-
rio, para resolver as medidas qoe reclama o paiz,
de modo que se coneiliem as vistas do governo.
Candido Pereira de Castro, ex-commandante supe-
rior interino do Rosarlo.
* O conselbo reconhecen que o acensado com-
mettera o delicio de desacato a' aotoridade supe-
rior, aggravado por termos calumniosos, (arligos
97 8 2. 98 da lei n. 602 de 19 da setembro de
1850) e o condemnon a doos mezes de prisao (m-
ximo da pena do citado arl. 98.) ... __.
O Dr. Heraclito Graga, advofado do reo, appet-
lou para o suppremo conselho militar.
Piauhy.Nos jornaes apenas encontramos:
com o interesse geral e com os direitos e interess; Tendo sido mnito bom o interno nesta pnmn-
dos accionlas do banco. ca, estando o Parnahiba multo e eio, e
A directora do banoo do Brasil, augustos e noticia de que todos
os nossos ros estavam do
A aireciona ao Daooo ao orun, ubuwu "i"rr --/-- "T" ~'~ a, n. noria azar
dignissimos senhores repreMOtantes da nago, tem mesmo modo resolyeu o Exm. Sr. Dr. Dorin Btwr
robe as provas da illostracao e patriotismo dos le- ama viagem de explorado no rio Cantad, nm dos
gisladores do Brasil, para qae possa duvidar ura
s instante, de qne, qoalquer qne seje a delibera-
cao que bouver de lomar acerca do projecto do
Exm. Sr. ministro da laxenda, tari esta augusta
cmara prevalecer e trlumpbar, como ja o disse
Bina voz das mais amolada? a respetas do paiz
maiores tributarios do Varnahiba, onde se langa,
pooco cima da nova villa de S. Goncalo. O ro
largo e ssm bices, segundo nos intormam, e, sa
offerecer propor?5es, sera' agora navega,* at urna,
legua distante da velba Oelras, que seca dnvidaee
renjocira' se a navegago do Caniod pjder-se rea-


.



_______
. .,
Mari*4 rtnuibwt- fsegnm* felra9 e Malo de 1866.
:__________
? TV
______
lisar por barcos de vapor, ao menes Hrante a-os
taeo as chavas. ,
f Algumas das nossas barcacas ja tem navega-
do at a barra do Mucho.
< Fol feliz a lembranga de S. Kxc, a quera (ere-
mos de dever mais esse melhoraoieoto. '
i A realisac.o desta navegacao de grande al-
cance (i d vaotageos pateutes.
t Acompanharam a S. Esc. nesta viagem, que
leve cometo a 2 do correte, alm de Dr. enge-
nheiro, o Sr. Burlamarque, diversos eavalleiros.
t O Poty tambera um dos grandes alaentes
do Parna&iba, onde se langa a 4 mimas abaixo
d'esta cldada. Nunca (o navegado seno por pe-
queos barcos de pescadores.
O russuhy fes nelle ama excursao no da
31 do passado, navegando sem obstculos at cer-
ca de sete leguas cima de sua foz e voliou no
da* i. do crreme (abril) 11
Nio pode o Unutuhy vencer a correle do
rio Canind e voltou a S. Goocalo onde deixou S.
Exc. o Sr. presidente da provincia e todas as pes-
soas que o acompanharam, e velo para esta cldade,
afim de seguir para ali o Paranagu que, por ser
de mais torga, poder navegar o Canind. Segua
cora efleito este vapor para aquelle destino no dia
11 e provavel que agora a empresa va ao sea
tai
cbar. Seguio para o Maraoho a concertar,
o pequeo vapor inglez Bull og.
Palleera o 3. escripturario di atfaadega
Joaqun de Carvalho Castro.
A cmara municipal da capital proceden i
apuracao dos votos para um deputado geral, pelo
1. districlo, e em vista delta expedio diploma ao
Dr. Jjguaribe.
Dorante o mez passado entraram zzw saccas
com 1006 arrobas e 13 lioras de algodao, na res-
pectiva iuspecco.
Os gneros alimenticios flcavam precos ele-
vados.
O invern rigoroso bavido o mez passado,
causou grandes prewvios provincia, como se' ve-
ra dos segutntes exiragos dos jornaes.
t Somos informados, que as copiosa^ chuva?,
que caairam ltimamente n'esta cidade (eapita]),
arrulm.ram gravemente os trabalhos da excavacao
bastante avangados para a coostrocgo do reser-
vatorio d'agua as obras do encanameato do Bem-
fica. Galcula-se o prejuiso em cerca de 10 con-
tos de res, trazendo como consequencia urna mo-
dificacao parcial do plano das obras, que importa
L'm parecer da cemraisso e polica, mandando nao sejam immoveis, circum-iancia esta qae por Antonia Correa de Mesqulta Cardozo Juoior, Per-
contratar a publicado dos Aanaes da Asserabli. certo nao escaparas vigilancia daepwlles a qtrem sabuco, 20 ancos, solteiro, Recife, febre ma-
Adiadj por ter pedido a palavra o Sr. Buar- a, lei incumbe esse deves.
que. I t Cremos portanto ter assim satreieito a enrioai- Hennenegilda da Costa Ribeiro, Pernambuco, 11
L-se e entra em ceoosso um parecer da cem- dade ou zelo do commonicante.* ; **, S. Jos, desiolera.
misSo'de'ordenados ndefe'rtndo a petico do mor-] Hontemsalvoa 0 brguebarea lxmmM, aa 5o1* Pernamboco, 62 anuos,
domo do GymBaslo.-Apprevado. 1|2 da maiba, por ter saltado no arsenal rrba.
Ontro da eemnisso da posturas, approvando as; marinha, o Se etoee de esquadra Joo Marta *
posturas addleieaaes da cmara municipal do Be-: Wandeokolk que vew no ParoM, c*m destino a
cite. Adiad* por se ter assigaado vencido o Sr. corte.
Paes de Aodcade. B|6Ca0 da Irmandade do Divino Espirita-San-
to, erecta no convento de S. Francisco para o anno
Outro da commisso de ordenados deferindo a
do solicitador da fazenda geral que serve perantea
relaco do cMslrteto.A* imprimir.
Falla pela ordem o Sr. ioaqoim do Reg Barros,
que conclae pedindo ioforraacoes ao governo sobre
nm processo de lomada de presos instaurado no
termo de Garaohuns.
E airando o requer ment em discussao pedem a
palavra 09 Srs. Amorlm eGitrranna, fteando adiada
pela hora.
ORDEM DO DIA
Orgaraento provincial.
Art. 18. Porga policial :
1." Anxllio ao eorpo policial da provincia em
expedigo de guerra.....100:6001000
2 Corpo provisorio .... 147:000*000
S 3. Eduoacao dos fllhos dos vo-
tarlos que fallecerem ou icarem
Invlidos na guerra..... 10:0005030
~307:000*0O0
de 1867.
la.
Jos Antonio da Costa Vlente.
Secretario.
Antonio Maia de Brlto.
Tbesooreiro.
os Mara Perretra da Cunha.
geral.
r
Procurador
Joo Walfredo de Medeiros.
Amaaha se extrahir a 12* parte da lotera
(61*) a beneficio das familias dos voluntarios da
patria, sendo o maior premio 6:0005000. ,
O escrivo Jos Mariano, esta' de semana nos
protestos.
HErinTigo da polica :
Extracto das partes do dia 5 de maio de J.866.
Foram recomidos a casa de delengao o dia
4 do correte :
A' ordem do Dr. delegado da capital, Luciano
Jos dos Santos e Januario Cabral de Melle, orno
Fallam os Srs. Ribeiro e Uuar me, requerendo criminosos vindos de Maeoi ; e Antonio, eeravo
aquelle o adiamento da discussao. de Antonio Joiquimde Vasconcellos, a requerimen-
Encerrada a discussao o reqnerimento rejeita- to d'este.
do e approvado o artigo.
Art. 19. Casa do delengao :
1. Empreados, inclusive o
beiro e cabeUeireiro .....
8 2. Eofermeiro com a diaria
de 2*300.........
3. Expediente.......
illuminaco........
cirurgio, bar-
13:525*000
912*000
398*0(10
1:808*000
16:643*000
Vem a mesa urna emenda do Sr. Joo Teixeira
mandando dar 60* meusaos ao barbeiro.
Eacerrada a discussao o artigo approvado com
a emenda.
Art. 20 Alognel de casas para cadelas e quar
para os cootraclores um accrescim de despeza, leis (ora da cidade-do Recife 2:958*.
* I... im\ri.viln um afala
organd por 30 cootos de res.
t Temos, tido (S. Francisco) um invern copio-
sisslmo; grandes lem sido as encheotes; os ros
traosbordam. Se os clculos dos borneas nao fa-
iham, teremos orna safra abundantsima, a lavou-
ra maite prometle.
< Mas, para nao deiiar de enmprlrse a prophe-
cia do paetanao ha felicidade perfeitalucta-i
mos cora a extraordinaria careslia dos gneros
Appri vado sera debate.
Art. 21. Conducgo de presos 792*.
Approvado.
Art. 22. Com 1,250 lampeoes de gaz na cidade
do Reelfe, etc. 83:313*.
Falla o Sr. Jjao Teixeira qne manda a mesa
urna emenda designando 15 lampoes para diversos
lugares, i
Ora em seguida o Sr. Sirva Ramos, que propOe
A* ordem do subdelegado do Recife, Caetano Ma-
rinho de Sooza, por embriaguez ; e Goilberme Ral-
mando das Chagas, para correegao.
A" ordem do de S. Jos, Estevao Soares, de 011-
veira e Candido, escravo de Bernardo Francisco de
Barros, para correego.
O chefe da 2* seccio,
/. G. de Mesquila.
Casa de detenqao.
Movimento dacasa de detenjo do dia 3 de maio
de 1866. >
Existiam 368, entraram 2, sahiram 6,'Talleceu
1, existem 363.
A saber :
Nacionaes 252, mnlheres 12, estraogeiros 28
mulberes 2, escravos 67, escravas 2, total 363.
Alimentados a casta dos cofres pblicos 193.
Movimento da enfermara do da 4 de maio de
1866.
Tiveram alta.
Jos, escravo de Mello & Irmo.
Joo Baptista Muniz de Souza.
Fallecern] :
Airo-tinho Moreira da Silva.
Pedro Jos Jevelier.
Passageiros do vapor braslleiro Uamanguape.
Isabel Mara Ferreira ornes, Pernambuco, 55 an-
, viuvi, foco da Panella, amoleeimento cere-
Ih, frica, 80annos, aoHeira, Boa-
entrada morta, Boa-Vista, asphi-
xiada.
Senhorlnha, Pernamouco, 5 annos.S. Jos, cmaras
de sango*.
Jos, Pernarnfctnco, 4 annes, S. Jos, desinteria.
Manoel, Pernambuco, Recife, fallecen no nacedouro
[4edfe, Pernaabnco, 8 antros, Bqa-Vista, diarrta.
Francelina, Pernamboco, 1 mez, Santo Antonio, ca-
aras de sangnV'
Maria, Pernambucc, 12 mezes, S. Jos, anemia.
Alfredo, Pernambuco, 8 mezes, S. Jos, convul-
soes.
Valerio, Pernambuco, 22 annos. Boa-Visia, bepati-
te, escravo.
Felippe, Pernambuco, 60 annos, Recife, peneomo-
na, escravo.
Manoela, Pernamboco, 2 annos, Santo Antonio, t-
tano.
4
Antonio Jos de Alcntara Silva, 33 annos, casa-
do, Boa-Vista, amoleeimento cerebral.
Agestinho Moreira da Suva, 64 amos, casado, San-
to Antonio, diarrha.
Pedro Jos Avelino, Babia, 73 annos, casado, San-
to Ant nio, diarrha.
Francisca Maria dos Passos, Pernamboco, 26 an-
nos, solteira, Boa-Vista, Interite.
Laiza, Pernambuco, 45 annos, casado, Santo Anto-
nio, hemorrhagia cerebral.
Francisco, Pernambuco, 5 annos Santo Antonio, de-
sinteria.
Rodopiaoo, Pernambuco, 4 annos, Santo Antonio,
diarrha.
Um preto encontrado morto no porto, Boa-Vista,
submergSo pulmonar.
alimenticios. A caroe verde vende-se a 240 ris nm accrescim de 150 lampeos e aotorrsa a illa- entrado do Ceara eportosloterxedlos:
a libra, a farinba a 960 ris a terga, o arroz(com
casca) a 640, rallbo e feijao nao ha por prego al-
guna 1 E' urna verdadeira calamidade, e a causa
eficiente d'e>sa caresta sao as cheias; os ros difi-
cultara o transito e os gneros por cooseguiote nao
podem vr para o mercado, e o remedio qae temos
sfirermos com resignagao.
As chuvas tem sido extraordinarias ( Araca-
ty ). 0 rio Jaguaribe deixou o seu leito, levando
o seu grande volurae d'agua as ras d'aquella ci-
dade,
Segundo commnnicagSes viudas d'alli a cida
de foi banhada por espago de 9 das, chegando as
aguas a altara de 1,3 metros.
A? casas terreas foram todas alagadas, e se
no baixain as aguas to depressa, cerlamente a
cidade seria abandonada.
t A barra est completamente obstruida, as ba-
usas do rio dsappareceram, e onde ha pouco fun-
deavam os vapores da companhia Pernambucana,
com a agglcmerago das areias condazidas pela
correnieza, formam-se hoje formidaveis coras.
c O vapor Uamanguape esteve nm diaencalhado
sobre urna d'essas coras, conseguindo felizmente
safar-se sera a menor avaria.
< A' ultima hora as aguas diminuiam e a cidade
ficva desasssombrada de outra ianandagao.
< F.is o que comraunicam-nos :
i Viraos urna carta escripta por um negocame
com data de
a
do Aracaty a outro d'esta praga,
do correte, que diz o segrate : -
t Faz hoje cinco das que o rio Jaguaribe en-
cheu Unto que botou dentro das ras d'esta cida-
de, e tara se relindo a maior parte da populago
para fura;canoas, lanchas, cteres e barcagas an-
dara dentro das rase era virtude disto tera -
cado lodos os camiuhos iotransitaveis, a ponto de
nao apparecerem vveres de qualidade alguraa.
Farinba nao ha, a pobreza est morrendo
fome, de forma que se nao chegarem alguns soc-
corros de fora, ser p-ior a calamidade do que a
secca de 1845. Vmc. e ouiras pessoas que manda-
ren! pelo primeiro vapor agurna farinha, estou
certo que alm de fazerenmum grande beneficio,
de ve rao tirar bom resoltado. >
O invern por aqu lem sido copiossimo ( Sa-
horro-
minaca) por toda noite nos seis mexes de in-1 Joo Baptista da Cruz, Jos Coelho Barbosa, Jo-
verno. seph Finck, Thomaz de Magalhaes Porlof Manoel
Encerrada a discussao approvado o artigo com Gomes de Freitas, Manoel Baptista do Nascimento,
a emenda do Sr. Teixeira e rejeitada a do Sr. Ra- Eduardo Gongalves Valente, Francisco Luiz de
mos. Franga, Francisco Joaqulm Nogueira, Jos Augusto
Art. 23. Com 101 lampeoes de azeile em Olinda Gurgel, Tristo Martins de M. Cabral, Eufrasio Al-
9:548*. ves de Olivelra, Jos Candido de Souza e Silva Jo-
Approvado depois de orar o Sr. Sonto Lima. nior.Loiz Manoel de Moraes, Roberto Francisco da
Art. 24. Com 30 ditos em Goyanna 3:175*. Silva Barros, Manoel Joaquim Loyolla Barata, Jos
OSr. Sonto Lima propfie mais 20 lampeoes. Alexaodre Seabra de Mello e 1 escravo/vigario
Encerrada a discussao o artigo approvado e j0s Alexandre Gomes de Mello e 2 escravos, Laiz
regeitada a emenda. Francisco de Almeida e 2 escravos a entregar, Ma-
Arl. 25. Com 30 ditos em Rio Formoso 3:175*. Doe| pmto de Carvalho,
O Sr. Gaspar Drummond propSe que se eleve o | Passageiros do vapor braslleiro Paran, en-
aumero a 50 e oeste sentido manda ama emenda. trado dos portos do norte
de estar mos da harmona como diz S. S. ter, com
todos os mesarlos; mas por muito be que- se tra-
te, as vezes sernos provocados' oh deSfeileados por
tai frma, que o jjnico mel dedesaggravo qae po-
demos ter, ne por certo a continoago da ami-
zade, porm o 8tencio"acflmp"anhadb no desprezo,
sob pena de se nos tomar por falt de sentimentos.
Por ora S. S. nao tem sido aggredido, quando o
for estamos certos de qae tomara' era considera-
gao, e ha de se sentir e subir de ponto seo pezar
Mando conbecer que nio dra motivos pan rece-
per insultos.
Julgamos ter satisfeito ao Sr. de Miranda Castro,
a quem apreciamos .em estas explicagdes, espe-
rando de S. S. a conslderago devida.
Au rttoir.
, Eleieao dos devotos que bao de festejar ao Seuuor
llom Jess da Borgos na igreja da Senbora dos
Prateresdos tioararapes no ano de 1867,
Provedor perpetuo.
O Exm. e Rvm. Sr. bispo diocesano.
Provedores por eleigo.
Os Rvms. Srs. :
Padre Primo Feliciano Tavares.
Frei Antonio de Sania Rita Pimentel e Silva.
Provedores por devogo.
Os Rvms. Srs. :
Padre Angosto Fraoklio Moreira e Silva.
Padre JoSo Francisco de Araoio.
Escrives por eleigao.
Os Illms. Srs. :
Joio Cbrysostomo Bezerra.
Francisco de Paula Chaves.
Escrives por devogao.
Os Illms. Srs.:
Ildefonso Jos da Silva.
Antonio Jos da Silva.
Procurador geral.
O Illm. Sr. Amaro Joaquim do Espirito Sanio.
Procuradores.
Os Illms: Srs. :
Joo Sabino da Silva.
Joo Egydio da Silva.
Tito Francisco de Mello.
Antonio Jos Doarte Cedrim.

Rita de Mello Bar reto, Pernambuco, 40'annos, sol- j Januarlo Soares Raboso da Cmara.
Protectorfperpetuo.
O Illm. Sr. Martinho Jos dos Santos Braga.
Fre Amonio Rainha dos Anjot.
*Regente da capella dos Prazeres.
teira, Boa-Vista, colite.
Lontlon &
Itraslltan Bank (II-
mlied).
BALA.NCO DACAIXA FILIAL EM PERNAMBUCO,
EM 30 DE ABRIL DE 1866.
ACTIVO.
Letras descontadas ....
Crditos diversos, outros ban-
cos e caixas flliaes ....
Caixa :
Emmoeda corrente .
1,798:268*350
1,462:938*960
227:867*460
~389:074*770
Encerrada a discussao
rajeitada a emenda.
o artigo apprevado e
Jos Meirelles da Silva Barros, Joaquim Antonio
de Oliveira Luso, Dr. Pedro Camello Pessoa e I
Vem a mesa diversos additivos autorisando illa- escravo, Aotonlo Gomes de Miranda Leal e 1 es-
minago para as cidades da Victoria, Cmaro', cravo, Jos-Teixeira Bittancourt, Jos Amat, Jesul-
villas de Iguarassu' e Nazareth. no Gomes da Silveira, Francisco Cleto Toscaoo de
Postos em discussao foram rejeitadas com ex- Brito, Jos B. da Silva, Luiz Antonio Gongalves e
cepeo do que se refere a cidade da Victoria. ; \ Qiho, Elias de Almeida Pinto Ferrelra, Avelino
Art. 26. Auxilio a Sania Casa de Misericordia ,je Araujo Bezerra, Jos C. Borges Jnior, Antonio
M. de Farias, Virginio da SilvaFraga, Jos da Silva
Coelho.
'silva
Sues Jnior, soa senbora e 1 escravo, Antonio de
arvalho Salles, Anlonio.de Carvalho Santos e sua
! senhora, Manoel Joaquim de Seixas Machado, Au-
PASSIVO.
Capital fornecido pela caixa ma- .
tria ........ 888:888*890
Depsitos-....... 1,258:251*890
Crditos diversos, outros ban-
eos e caixas flliaes .... 1,341:933*990
3,489:074*770
Recife, 5 de maio de 1866.
W. J. Haynes,
Accountant.
Communicados
C0NIIY1ERCI0
do Recife 30:000*.
Oram os Srs. Joo Teixeira, Gaspar e Ramos.
Tendo dado a hora o Sr. presidente levanta
sesso desigoando a raesma ordem do dia.
O corresponder conservador Aisla provincia pa-
ra oJornal do Commercioe o engenhtro fis-
cal da estrada de ferro do Recife ao S. Fran-
cisco.
Estou resignado a soffrer silencioso ludo que de Iaem do dta g
mloha pessoa quizer dizer o Sr. correspondente |
?RACA DO RECIFE.
Cota? oes o fue i a es.
5 de maio.
As 3 1|2 horas da tarde.
Algedao de Macelo 15*600 por arroba posto
a bordo.
Cambio sobre Londres 90 div. 27 3|4 d. por
1*000.
uubourcq Jnior,
Presidente.
Silveira,
Secretario.
Novo Banco de Pernambuco.
O novo banco paga o 16 dividendo ne
razo de 60150 por acg5o.
Xovo banco de Pernam-
buco.
O Novo Banco descoma leiras a 12 por cento
; ao anno, toma dinheiro a praso flxo ou em conta
' corrente pelo premio e condigoes que se conven-
clonar, e saca sobre a praga da Bahia
Presuntos......: Venderam-se a 16*000 noi ar.
rana. *^
jQueiJos........Os flamea** venderam-se
*800 cada um.
isglez vendeU'se a 130 ri. *
libra, e o do Mediterrneo a 240
rs. a diu^^^
Toucinbo.......Vendeo-se o de Lisboa de 9*400
a 9*500 por arroba.
Vinagre........O de Portugal vendeu-se de 90*
a 110* a pipa.
Vinhos.........Venderam-se os de Lisboa de
180* a200*000 a pipa, eos de
outros paites a 180*.
Velas..........As de cotapojieio venderam-se
a 600 rs. par pacote de sei*
velas.
Descantos.......O rebate de letras regaln de
10 a 12 por cento ao anno.
Fretes.......... Para o Canal de Guara rapes 45/
5 /; para Liverpool earregando
aqu, Vi d. por libra sem prima-
gem a vapor; pelo lastro 20/ a
2/ 6 por tonelada 5 % ; para o
Canal earregando aqu 42/ 6
5 /; para o Rio da Pirata 1 %
por barrica.
MOYIMENTO DO fOBTO
Navios entrados no dia 3.
Rio de Jaoelro9 das, brigue nacional Adelatde,.
de 225 toneladas capito Loarenco Domingos da
Silva, eqnipagem, 12 carga viobo e ootros gene-
ros; a Joaquim Jos Gongalves Beilrio.
Navios entrados no da 5.
Ro Grande do sul22, das patacho nacional To-
dos os Santos, de 172 toneladas, capilo Jos Al-
ves da Silva, equipagem 10, carga 9,300 arro-
bas de carne secca; a Amorim Irmo.
Navios sabidos no mesmo dia.
Parapatacho nacional Paraense, capito Mancel
Jos Pereira Marinho, carga assucar e carne
secca.
Port-s do Nortevapor brasileiro Cruzeiro do sult
commandante Alcoforado.
Havanasumaca bespanbola Mensageira, capito
Millel, carga carne.
Barcelona-barca franceza Amelle, eapilouroenao,
carga algodao.
Navios entrados no da 6.
Para e portos iotermedios-9 das e 7 horas vapor
brasileiro Paran, de 840 toneladas, comman-
dante o capito da fragata Antonio Joaqnim de
baoia Barbarajequipagera 55, carga diflerenles
gneros; a Antonio Luiz de Oliveira Azevedo &
L.
Cear e porios iniermedios5 das e 12 horas, va-
por brasileiro Mamanguape, de 337 toneladas
commandante Trajano da Costa Mello, equipa-
gem 20, carga varios gneros.
Rio Grande do Sul27 das, patacbo banoveriano
Cever, de 192 tonelada, capito Roseodarkl,
equipagem 7, carga 1270 arrobas da carne; a
Maia & Espirito-Santo.
Rio de Janeiro-18 dias, bsrea portngaeza Harta
Adelaide, de 314 toneladas capito Maiheus de
Aveilar, equipaqera V, em lastro; ao mesmo ca-
pilo.
Navios sahidos no mesmo dio.
Rio de Janeirobngue austraco Atron, capilc
Meletich, em lastro-
Rio Grande do sal brigae braslleiro Intrpido,
capito M. Francisco de Souza, carga ajsbcar e
agurdente.
ALFANDEGA.
Reodimento do dia 1 a 4......
132:8065229
33:333*031
166:1395280
boeiro ), de serle que tea*feito estragos
rncAc ..
dado enebentes toexcessivas que
as as plaotagdes : as endientes
as de 1839 e 42.
esto erabrejados ; um clamor
rosos.
O
tera d
sao m.
0
geral.
No da 23 do pausado foram approvados os
estalutos da Associacao Commercial, para coja di-
rectora feram eleitos :
Presidente, Henriqae Kalkraann ; vicepresiden-
te, Joaiuira da Cunta Freir ; secretario Jos Luiz
de Souza ; tbesoureiro, Francisco Coelho da Fon-
ceca : vogaes Manoel Antonio da Rocha Jnior, Ri-
cardo Hughes e Antonio Gongalves da Justa.
L se no Pedro I:
Comraonicam-nos de Canind em data de 16
do corrente, o .seguate :
Deu-se por aqu ara fado horroroso.
< D 'iis individuos, que estavam pousando em
REVISTA DIARIA
Na igreja de S. Jos de Ribamar esto se ce- j
lebraodo os exerciclos religiosos do mez Mariano, |
com toda a devogo e conveniencia, sob a dlrecgo
do Rvm. padre Mello.
Cunha
folha,
tracto amigo o -r. Dr. Tavares Bastos.
< E' urna questo essa de grave aieance. Os
navios nao podem entrar se nao com. pralicos ;
estes, alm de exigirera avultado salario, fazera se
s vezes esperar e atrazam conslderavelmente a
viagera. Chegados barra perdera os navios doze,
quatorze e vale e quatro horas a espera de prati-
co, expondo-se a accidentes lameataveis, fleando
como cam ao desabrigo, n'uma paragem desco-
nhecida e sob a apprehenso de um naufragio.
c Agora que o commercio e a navegago para o
Para se desenvolvem e que j temos a linha dos
vapores americanos, dejustiga e de interesse para
o paiz cuidar se de remover esse obstculo que*,
1 apezar de ser fcil de remogo, vexa e contraria a
| navegago, causandc-lbes despezas e prejuizos con-
sidera veis.
i Sabemos que a companhia americana foi obri-
I gada a contratar um pratico que Ihe custa nada
menos do qae 500* mensaes. E anda assim, oc-
cisa de Manoel Januano Pereira, no lugar Iiha, ri-. ^^ na era qQe no podem enlrar por(]0a a ,r.
beira JoCur. deste districto, viram este receber rebentacosobre o banco coofuode-se com o raa-
900*000 res, que Ihe forara pagar, e a horas de ru|bo das e nao permte precjsar a verda-
viagemserelirarara,,e_ toaiaram PfJ5aBesP|^|*n;' deira posigo do banco.
i Sao facis de calcular os inconvenientes que
resultara desse obstculo ; entretanto que com pe-
quena despeza se pode habilitar este porto livre
entrada e sahida das embarcagoes.
Sera ficarem sujeitos ao pesado imposto dos
pralicos, estimaro todos os navios que demanda-
gusto Ribeiro Googalves, Paulo Famoso a
Souto-Maior, Canillo Norat.
Soguera para o sul:
Cbefa de esquadra Joo Maria Waodenkolk, sua
senhora e 3 escravos, primeiro-tenente Joaquim
Vilella de Barros, sua senhora e 3 escravos, cadete
O Diario do Rio publica o seguinte : Hilario da Conceigo Pereira de Castro, Jote Fer-
Sollicllamos a attengo do honrado Sr. ralnis- ames Flavio, Feiyppe Ellery Cavalcanti, Dr. Do-
tro da marinha para o facto que vamos expor. i mingos Jos Nogueira Jaguaribe, Samuel jweei,
Ha, como sabido, na bocea do Amazonas, no i Francisco das Chgas de Araujo, Lyprian
ponto denominado Salinas, um banco extremamente 'o Pereira de Mello, 40 pragas para o exer
perigoso a navegago e que. quer de da em cenas ditas para a marinha, 2 pragas do corpo d
horas quer de noite, impede a livre entrada aos na- da corte, 13 escravos a entregar,
vios que demandara o porto da capital do Para. Passageiros do vapor brasileiro Cruzeiro
Os inconvenientes e os prejuizos causados ao. Sul, sabido para os portos do norte :
commercio por essi circunstancia, j foram devi-! P- D. Ribeiro, Dr.Antomo Augusto da Silva, Ao-
damenie assignalados nesta folha, pelo nosso dis- ionio Pedro L. dos Santos, William Marti au, w.
Robinson, vigario F. de Almeida Albuquerqoe e
1 escravo, Muhel Palroaio, Raphaelle de Modena,
Guisepe Dallamacbee, Leonardo G. de Modena, Tbo-
maz Belt, Joaqnim J. .Pereira Jnior e 1 criado,
Bernardo Antonio A. Sobrinho, Jos A. da Fonce-
ca, Amaro da B. de Albuqaerqae Maraoho e 2 fi-
nios, D. Maria Francisca das Keves, Jos B. da Sil-
va, Jos Francisco da Silva, Antonio Dias Pinto,
John F. Harry, Henry Harris, D. Antonia Monte-
serrate.
PaBsagelros do. vapor brasileiro Cruzeiro do
Sul, entrado dos portos do sol :
Gulherme Davis e sua senhora,Guilnerrae Bap-
tista dos Santos, Marcolino Evangelista da Pa.xo, ^^^^"^ *
Flix Pereira de Souza, Cesar Augusto Zoaote, lariaQe d0 seu
Manoel Pereira Camello, Jos Guedes Nogueira,
Belarmino Piolo de Araujo, Jeronymo Francisco
Marques, Jos Gongalves Villa-Verde, conselheiro
Smimh, Thomaz Francisco do Reg Muniz, Fu-
mino Leocadio de Lima, Eparamondas da Rocha
em recompensa do esqueclmento que Ibes voto.
No posso era devo fa/er outro tanto cora rela-
go ao meo procedimenlo de fuocciooario publico,
e estarei sempre prompto para protestar contra
todas as censuras injustas com qae me pretendam
ferir ou explicar aquellos dos meus actos que cau-
saren) reparo.
Venho portanto reclamar cootra o segolote tre-
cho da correspondencia conservadora de 18 de
abril ultimo:
t Eotretmto certo que os negocios da estrada
de ferro pao correm com a preers regularidade,
segando 'me informara pessoas sisada?. Na co-
X] braoga dos fretes dos productos a transportar fa-
! zem lolago de peso toda arbitraria, de sorte que
0 os volames pagara maior prego doquedevem. Os
gneros vo despachados e embarcados as esta-
goas do interior, mas chegados aqui na estago da
cidade, deixara algamas vezes de ser descarrega-
dos e voltam para virera no da segoiote. A loco-
motiva n. 1 no tem mais forga para arrastar os
trens, e ainda no foi retirada do servgo. Mutas
oulras queixas temos ouvido que agora no nos
occorre. Em todo, o caso conviria qae o goveroo
tomasse em considerado os negocios da estrada de
ferro desta provincia, qoer para acaotelar a negli-
gencia do servgo, quer por oulras mutas razoes.
No basta ter um engenbeiro, com yenclmentos
superiores aos de presidente de provincia de pri-
melra ordem, que todo engolphado na poltica como
se aoha, lembra-se mais da linha frrea para ar-
ranjar folguedos oas suas estages e ter a seu ser-
vgo trens especiaes, do que da boa ordem e regu-
do quando o dono da casa sahia para uns rogados,
segundo se linha conversado na presenga d'elles.
Pouco lempo depois sahio o pobre acompa-
nhado de uns quatro rapazes, e ento os ladrSes
foram a casa e obrigarara a mulher a dar ihes o
dinheiro, o que ella fez, na impossibilidade de re-
sistir-Ibes.
t No contentes cora o roubo, os malvados que
temiara ser descbenos, por que erara os mesraos,
qae antes ali estiveram raalaram, urna escrava pe
rem o porto do Para, supportar um imposto menor,
cujo producto seja destinado ao estabeleclraento e
manutengo de um ponto-pbarol.
Consta-nos que ern oito a dez contos de ris
jada, um menino de 8 annos, e a propria mulher a poder-se-ha comprar um nvio apropriado a esse
quem sangraran) no pescogo. No haviam outras Om. A sua durago regular pode ser de dez a
quiote annos. E estamos certos de que, langan-
do-se um pequeo imposto sobre os navios que
pessoas na casa.
Depois qoe se retiraran) perraittio Dees, qae
mulher sangrada recobrasse os sentidos, e podesse \ aporten) ao Para, no s ser essa quaotia reera-
contar a triste historia.
t O menino e a escrava tinham morrido instan-
tneamente : a mulher porm esta muito mal, mas,
ainda no consta, que livesse morrido. >
Rio Ghlndb.Nada occorreu digno de meogo.
Pauahvba.A arrematado dos dizimos do gado
vaceum e cavallar reodeu, nos municipio de S.
Joo, Patos, Calle, Souza, Cajazeiras, Pombal, M- dera'vef, do qae pode ser a
sericordia, Pianc, Caropina-graade, Ar, Coito,, bramos.
bolsada, como tica garantida a manutengo do
pbarol.
< Aluda ha pouco, oesse mesmo logar qoe indi-
camos, por falta desse ponto-pharol, naufragou um
navio loglez com carregaraento de carvo. Ora om
s navio perdido nestas circunstancias, importa
um prejuizo ao commercio rail vezes mais consi-
imposigo que lem-
Baoaaeiras, Guarabira, Mamanguape e Cabaeeiras,
60:0<>9*U0e res.
A alfandega renden, oo mez de abril......
48:4!i7*420 res, e o consulado 32:736*907 res.
PERNAMBUCO.
ASSEHBLEA
SESSO
LEGISLATIVA PROVINCIAL.
1 DE MAIO
ORDINARIA EM
DE 1866.
PRESIDBNC1A DO SR. VIGARIO FBANCISC I'EDIIO DA I
SILVA.
Ao meio dia, feita a chamada e achando-se pee-
sent os Srs. depulados Francisco Pedro, Ramos, I
Ayre-, Joaquim Reg Barros, Cicero, Correa da i
Silva, Ribeiro, .Sergio, Gaspar, Buarque, Tiburiino,
Amorim, Gitirana, Soares Brandao, Joo Teixeira,
Amyntas, Jeronymo, Emygdlo, Jansen, Burgos,
Correa de Brito, Lopes Machado, Aodr Cavaicao-
te, Gaspar, Drummond Souto Lima, Bpamiaoodas,
Paes de Aodrade, Candido Martins, Gitiraona e
Arromo.
Abre-se a sesso.
L-se e approva-se a acta da sesso anterior.
O Sr. I." secretario d conta do seguinte
EXPEDIENTE.
Um offioio do secretario do governo, declarando
que S. Exc. o Sr. vice-presidente recebe acommis-
sao qne val levar leis a sanego amanba ao meio
da.Inteirado.
Urna petico de Franquelno Alves de Souza Paes
solicitando o pagamento do que Ihe deve a cmara
de Nazareth.A' commlsso de orcamento muni-
cipal.
Outra da irmandade de N. 8. do Llvramento de
Itanutrac, pedindo a approvago do seo compro-
miicA' commlsso de negocios ecclesiasticos.
O xelo e a patritica sollicitude com que o hon-
rado Sr. ministro da marinha tem procurado e ai-
caneado prestar eminentes servicos ao paiz, na pas-
I ta qoe ainge, faz-nos esperar que, tomando era
coBsideraco estas observagSes, remediar breve-
i mente o mal que Ihe denunciamos.
Da fregoezia de S. Lourengo da Matta escre-
; vem a 2 do corrente o seguinte:
t Est essa popolago atormentada por vexagSes,
pretexto da servjco da guarda nacional, e j foi
| at varejado esta noite o engenho do capilo Jos
i Francisco de Barros Reg, e ahi presos alguns dos
' seus moradores.
Seria de grande allivio para o povo daqai, que
a presidencia maudasse suspender as revistas do
batalho durante o invern, como fez o desembar-
gador Peretii. A satisfaco desta reclamagao seria
um grande favor, pois neutralisaria os incommodos
qoe sotfrem os pobres guardas, muitos dos quaes
multas vezes por vingancinhas. >
Pedem nos esta publicago :
c Sr. redactor da Revista : No Diario de 3 de
maio corrente, trouxe ao conbecimento do publico
um seu comraunir ante a (alta de cumprimelo da
lei bypotbecaria tendente a bypolheca legal dos
menores no juizo de erpbos do termo do Recife,
achando-se a le em execugo an.ve mezes 1 Esta
censura seria per certo procedente se na lei bypo-
tbecaria e seu regularaento no se acbasse a razo
dessa sopppsia oraisso.
i Desde que a lei (art. 168 d) regulamento) de-
termina qae no valor da bypotbeca de legados me-
nores no se comprebende os Immoveis, mas sim
os ootros bens; e sendo o facto constante no joizo
de orphos aqainboarem-se os menores de prefe-
rencia em bens do raz (os chamados immoveis)
claro qoe nenhum bypolheca tem sido preciso fa
e ama s ainda no deixou
E' Inexacto o que afirma o Sr. correspondente,
e S. S. me hade permiltir qua o provoque ainda
urna vez para citar um s facto que justifique o
seu juizo acerca dos negocios da estrada de ferro.
A cobran ca dos fretes faz-se de conforraidade
ramo i*0mwM">, ^.TCST*ZttZ com os regulamentos e tarifas da estrada, e os res-
Vleira, Mladb*23%"fff2f peetftoa documentos sao examinados e correctos
^TS^SS^SSS'^i SKto ^enslmente pelo engenhetro fiscal. Sao ra.issi-
tSi i^s^ss^s%s9 \SfSssxsrpor fre,esodev,dos ou ma
chaao, Joaquim Francisco dos Santos Maia, Theoto-; R^pdid *
nio Torqoato Brandao, Francisco Claudinoitaarie, ** "SL^ que no estejam em estado
Nomesio Uacio de Carvalho Gama, Fraaciseo Xa- \ n" '.'r "s"' .Toda n material rodante
Wer da Silva fe^^^^ffi". I SpK^VSSvaJ^rmiSiLto^
ttttaSttB e e i rniSi.aiTsiB0 em consUDle cir
Cabra., Anua G. Torres, Doraragos os Alves i Ct?CP0 i ero P ?S o rvigo da estrada, e
da Silva, Jos Marques dos Santos, Joaquim da Sil- "J. rrBniarirtad mnio diversas das
va Torres Manoel Cardozo Pereira Leonardo An- Jf J ^FX^S5 pS
ionio da S'lw.Q"'V.en?^.^l>o' Pe da insufflciencia do trem rodante e
r14G1^mK?9 i/MnSE2 ,i !'* de accommodagoes na estago central.
Costa, Joaqulm Bezerra de Mello, alteres Raimun- n, anvprn SPipnria e tenho sido o nri-
do Florentino dos Santos, lente Cleomenes Lopes I \ Td^t^S^JSXSS! P
de Siqueira, alferes Domingos Francisco Dias__Pe-. n' ',,ltM,, ,a ,pr" m.X Mrvim trens es-
Siq
nedo, lenle Joaquim Jos do Nascimento Wan-
derley, alferes Jos Raimando Pereira, capito Sa-
muel de S Montenegro, capito Joo Baptista de
Atoayde Siqueira, tenente Virgolino Epaminonda
Quanto a falsidade de ter a raen servgo trens es
peciaes, ] provoque! o Sr. correspondente para
qae rae citasse um s que estivesse n'aqaeilas con-
digoes a oo ser alguraa machina de servgo quan-
do examino a estrada em companhia do Sr. supe-
de S, tenente-coronel Pedro Pessoa de Siqueira i riDt8ndeBte, do meu aiudaote e mais engeoheiros
Campos, alferes Raimundo Jos de Campos, major u Da0 tivesse resposta continuo a pensar que
Francisco Antonio de Sa Brrelo, alferes Joao: ,. aa
Francisco Paes Brrelo, alferes Carlos Joaquim de
Souza, tenente Antonio Silverio de Alencar, Jos
Maria Googalves da Costa, Francisco de Paula Car-
doso Jnior, padre Jeronymo Raiiinio, padpe Roz-
nio Jacqaes, Br. Ernesto Feliciano da Silva lava-
res, capilo Joaquim Ricardo Msnteiro de Paiva, ca-
pito Antonio Jos Barbosa Bahiano, Manoel Accio-
ly Santiago Hamos, Dr. Joaquim da Silva Gusmo,
capilo Joo Baptista do Amaral e Mello, D. Mara
Silvina de Carvalho. 64 ex-pracas, 1 escravo, Ml-
cbalis Wolff, 1 escravo do conselheiro Sinimb, 1
escravo de Epamioondas da Rocha Vieira, Manoel
Cardoso Pereira Bailadas, 1 escravo de Quinlino
Jos de Miranda, Girolanoo Maniewiz.
Seguem para o norte :
Albaoo Lopes Pereira de Carvalho, Dr. Joaquim
Bento de Souza Aadrade, Jos Rodrigues, alfares
Demetrio Raimundo Mara de Oliveira, Jos Jero-
nymo Figueira de Linhares, Manoel Pereira Gai-
raares, Vital Jos de Freitas, David Will, alferes
Joaqnim Galdino de Almeida, tenente Manoel Ri-
beiro Soares do Nascimento, 59 ex-pragas.
Passageiros do vapor brasileiro Parahiba, en-
trado dos portos do sal :
N. B. da Silva, Antonio Jos Vieira Sabugo, Jos
J. dos Santos Aguiar, Manoel Marcelino, Jos Lo-
pes Ribeiro, J. D. Basenls e 1 criado, Francisco de
Paula Mesqulta Siqueira, Marcelino Jos Lopes, M.
W. Luvin, Benedlto Jos dos Santos, os criminosos
Luciano Jos dos Santos e Januario Cabral de Helio
e 3 pragas de polica, Isabel Maria de Sooza el fi-
Ibo.
i ,
Passageiro do brigae brasileiro Tigre, entra-
do do Rio Grande do Sal:
Vicente Gongalves Fajwira.
Passageiro do paW *as!leiro D. Luiz, sa-
bido para a Babia
S. S. engana-se.
Acerca do mais, pego ao Sr. correspondente que
no se limite a divagar; cite facto?, porque presta
um bom servgo ao paiz denunciando faltas que
sao ignoradas ou toleradas por um engenbeiro fis-
cal que ganha muito dinhetro, e que pode maito
bem ser demittido para ceder.o seu lagar a algum
amigo do Sr. correspondente, que cnide menos da
poltica.
Recife, 4 de maio de 1866.
Buarque de Macedo.
Publicacoes a pedido
Jos Doraingaes de Mtos.f
LE.MITBRIO PDBUCOy OBITUARIO
MAIO DE 1866. 7
DIA 3 DE
Merecendo-nos o secretario da ordem terceira de
S. Francisco, o Sr. de Miranda Castro, toda a con-
siderago, nao podemos delxar de vlr em publico
dizer que a nica referencia que pode ter a pnbli-
cago a pedido do dia 28 de abril, a 8. S. na
parle do pedido do dficit de 6 de fevereiro, pois
no o tendo mencionado na petico, e viodo na
certido, entendemos qae S. S. talvez a tivesse
mandado passar pelo archivista, e na occasio de
assigoa-la s cooferlr-se os saldos e oo o conten-
do no pedido ; mas nisto no ba offensa a S. S.,
tanto mais quanto essa oceultagao em cousa algum
aproveita ao syndico.
Nao tem razio S. S. snppondo attribuldo a si
fornecer apootameoios para a redaeco do reque-
riraeoto do Sr. Pinto de Magalhaes, porque referin-
MOVIMEiNTO DA ALFANDEGA
Volames entrados cora fazendas..
i c com gneros..
Volumes sahidos cem fazendas.
t com gneros..,
Descarregara hoje 7
portugueiConstante
187
373
------562
128
1190
------1318
de maio.
//diversos gene-
Brigue
ros.
Barca francezaFjaromercadonas.
Barca ingleza -Janemerca loria?.
Brigue logleZr-Awmfarinha de trigo.
Patacho hespanholJoven Adele -farinha de trigo
e viobos. .
Sumaca hespaohola-Amable Doloreslarraha de
trigo e passas.
Barca nacional Amizade-charque.
Brigue nacionalBelisanodem.
Brigue nacionalAureliano -dem.
Sumaca hespanholaGuadalupe idem.
Patacho portoguezS. Josidem.
Patacho portuguezGarrf-dera.
ftECEBEUORIA DE RENDAS INTERNAS GE-
RAES DE PERNAMBUCO
Rendlmento do da 1 a 4 ....... *:25KZ2
dem do dia o................ 772*098
5:561*813
PRAQA DO RECIFE
5 DE MAIO BE IMifi.
A'S TRES HORAS DA TARDE.
Revista semanal.
Cambios........Saccouse sobre Londres de 27 3/
mulos ^ 27 3/) d por li(M)0 sobre
Pars a 343 rs. por fr.; montan-
do os saques elfectaados durante
a semana em 100,000, sendo
a maior somma a 27 Vi d- Por
1*000.
alondo........ Vendeu-se o de Pernambuco a
* 153000, 15*500, 16*000 e 17a
por arroba, balxando hoje a
16*500; o de Macei, posto a
bordo a 15*600, e da Parahyba,
tambera posto a bordo, a 17*(00.
Assucar........Vendeu-se o branco de 3*000 a
3*800, o somenos de 2*700 a
2*800. o mascavado purgado de
1*820 a 2*200 por arroba, e
o bruto de 1*500 a 1*700.
Agurdente.....Vendeu-se de 60*000 a 62*000
a pipa.
Couros.........Os seceos salgados venderam-
se a 150 rs. a libra.
Carne secca.....A do Rio-Grande do Sul vendeo-
se de 2*900 a 3*600 por arroba,
ficando era deposito 117,900 ar-
robas e a do Rio da Prata de
2*700 a 3*400, ficando era de-
posito 71,000 arrobas.
Arroi..........O pilado da India vendeu-se de
3*000 a 3*050 a arroba, e o do
Maranhao contina a haver falta.
Azeitedce......Vendeu-seode Lisboa de 2700
a 2*750 o galo.
Bacalbo.......Em atacado vendeu-se a 17* a
barrica, e a retalho de 17*500 a
18*000 a dita; ficando em de-
posito 1,800 barricas.
Batatas.........Venderam-se a 620 rs. a arroba.
Bolacbmhas..... dem a 5*000 a barriquinha.
Caf...........Vendeo-se de 5*000 a 6*200 a
arroba.
Cha............Mein de 1*600 a 2*300 a libra.
Cerveja........Vndense de 5*000 a 6*500 a
duzla de garrafas.
Farinha de trigo. A de New-York e Richmond
retalhou-se de 22*000. a 23*000
por barrica,a de Philadelpha de
21*000 a 25*000, a franceza a
24*000, a hespanhola a 20*500
e a de Trieste a 25*000; ficando
em deposito 4,500 barricas da
primelra, 4,500 da segunda, 800
da terceira, 1000 da quarta, 1,500
da qainta e 10,000 da sexta, ao
todo 22,300 barricas, inclnsive
um carregamento de Trieste, 450
barricas francezas e 750 hespa-
nholas, ebegadas nesta semana.
Dita de mandioca Vendeu se de 5*000 a 5*500 o
sacco.
EDITAES

do-se a defeza ao syndico, ninguem melbor do qne Feijo..........Vendeu-se de 10*000 a 12*000
zer-se, como sacceder quando acontega alguraa Padre Joaqnim Mauricio Wanderley, Pernarobucp,
vez serem aqoioboados os menores em bens qne' 74 annos, Boa-Vista, parasilia.
este o poderla (alar ; portanto S. S. no que ira ac-
oeitar o qae nao ihe tem applicacao.
No tem anda razo S. S. para sappor que seas
Irmios no sf guiem pelos estatutos e nem pelos
dictamos dersuas cqnsciencias; pois nanea soppo-
zemos, e-neta S. S. mostra na publicago de 28 de
abril a raehor allaso a S. S.; salvo se o fim foi
trazer a peblico a sua importancia, intelligencia e
habilidad*, qae somos os primeiros a reconbecer.
Multa/ vezes empreeamos todos os meios afim
Louga..
o sacco.
A ingleza ordinaria vendeo-se
com 310 por cento de premio so-
bre a factura.
Manteiga.......Vendeu-se a ingleza de 900 a
960 rs. a libra, e a franceza a
520 rs. a dito.
Massas.........Venderam-se a 7*500 a caixa.
Oleo de linhaca.. Vendeu-se a 1*700 o galo.
Passas.........dem a 64800 a caixa..
Joaquim da Silva Reg, cavalleiro da ordem
de Christo e escrivo do joizo de paz da
freguezia do SS. Sacramento do bairro de
Santo Antonio da cidade do Recife, pro-
vincia de Pernambuco, e interinamente na
subdelegacia de dita freguezia, em virtude
da lei, etc.
Certifico ser a carta de editos, entre par-
tes, aulor Luiz Ferreira de Almeida, e reos
Joo Jos da Silva Villar 4 C, do tbeor
seguinte:
0 cidadao Antonio Augusto da Fonceca, ca-
valleiro da imperial ordem da Rosa e juiz
de paz do segundo anno em exercicio da
freguezia do SS. Sacramento do bairro de
Santo Antonio da cidade do Recife, pro-
vincia de Pernambuco, em virtude da lei,
etc.
Fd(jo saber aos que a presente carta de
editos virem, que por parte de Luiz Ferrei-
ra de Almeida me foi feita a petico do
theor seguinte:
Illm. Sr. juiz de paz da freguezia de San-
to Antonio.Diz Luiz Ferreira de Almeida
que devendo-lhe Joo Jos da Silva Villar
A C. a quantia de 1:000.51000 rs., prove-
niente da letra junta quer o supplicante
faze-lo citar para a primeira audiencia des-
te juizo, afim de ver se amigavelmetite Ihe
paga a dita quantia, e como esteja o suppli-
cado ausente em lugar incert i e no sabido,
requer o supplicante a V. S. se digne
admitti-Io a justificar a ausencia do mesmo
supplicado, afim de que elle seja citado por
editaes na forma da lei, sendo dita citaco
feita sob pena de revelia.
Nestes termos requer, e pede a V. S.
deferimento E R. M. O procurador Ma-
noel Raymundo Pena-Forte
Na qual petico dei o despacho seguinte:
Justifique-se. Freguezia de Santo Anto-
nio 28 de abril de 186G. Augusto da
Fonceca.
Em virtude" do qual despacho se proce-
deu a jnquirigo de testemunhas que depo-
seram s> o juramento dos Santos Evange-
lhos a respeito da ausencia, incerteza do lu-
gar da residencia de Joo Jos da Silva
Villar & C. ; e sendo tudo autoado e
preparado me foram os autos conclusas, o
por mim lidos, nelles profer a sentenca do
theor seguinte:
Visto provar-se pelo depoimeoto das tes-
temunhas de fls. que o supplicado Joo
Jos da Silva Villar acha-se ausente em
parte incerla, hei por justificada a sua
ausencia passe carta de edictos como ter-
mo de 30 dias pagas as cusas pelo justifi-
cante. Freguezia de S. Antonio da cidade
do Recife 4 de maio de 1866. Antonio
Augusto da Fonceca.
E nada mais se continua em dita senten-
Ca dada nos autos, por bem da qual se pas-
sou ao justificante o presente edital com o
p^azo de 30 dias, pelo qual se chama e cita
o referido Joo Jos da Silva Villar & C.
para que dentro dos 30 dias compare-
ca por si, ou por seu bastante procurador,
para se proceder aos termos de conciliaco
na forma da petico, e a qualquer outra
pessoa para que Ihe faca saber desta mesma
citaco, afim de que elle no fique indefeo.
O porteiro deste juizo Manoel Francisco de
Almeida, publicar este nos lugares mais
pblicos desta freguezia, e o aOxar pas-
saodo certido em forma.
Dado e passado nesta freguezia de S:
Antonio da cidade do Recife aos 4 dias do
mez de maio de 1866. Eo Joaquim da
Silva Reg, escrivo que o escrevi. Anto-
nio Augusto da Fonceca.
Ao sello 300 rs.. vale sem sello ex-causa.
Augusto da Fonceca.
Nada mais se continlia em dito original a
que me reporto e dou f
Recife 4 de maio de 1866, subscrevo e
assigno.
Em f de verdade
O^elBcrivo^
Joaquim da Silva Rgok

K,
'



-- t.
*T
r


ie.866.

i
I
.
/
O Dr. Virgilio de Gusmo Coetho, juiz mu-
nicipal supplente da segunda vara em ex-
ercicio nesta cidade do Recite de Per-
nambuco, etc.
Faja saber aos que a presente carta de
ditos virem, emcomo a junta administra-
ti-va da Santa Casa de Misericordia do Recj-
fe, ate fez a petic-0 de theor seguinte:
Diz a junta administrativa da 8anta Casa
d Misericordia do Recite, que quer fazer
ciiar aos hrdeiros de Miguel Ferreira de
Mello, para a primeara deste juizo fallarem
acis termos de um iibello em que loes quer
ptidir o sitio n. 15 particular, sito no lugar
denominado Satinas, do qual se acha de pos-
sa em virtuda do aforamento feito a aquello
fallecido, visto terem cahido em commisso,
como melbormente expressar em seu Ii-
bello pena de reveli*, dcando logo citados
paira todos os temos da causa at final exe-
cmjlo. E porque a ac^plicante ignore quaes
sejam os hrdeiros do mesmo fallecido, por
isso requer a V. S. se digne de mandar
pasear earta de editos com e praso de 60
dhw para serem citados os supplicados por
todo o conteudo nesta: Pereira e Souza
proc- civ. nota 203: portanto pede ao il-
iuiitrissimo Sr. Dr. juiz municipal da se-
gunda vara lhe defira. E receber merc.
Cerno procurador Jos Tneodoro Gomes.
Cuja petigo sendo-me apresentada, nel-
la dei o men despacho do theor seguinte:
Distribuida, como requer. Recite 24 de
fevereiro de 18G6.V. Coelho.
Em virtude do dito meu despacho foi a
accSo distribuida ao escrivao Cunba, e es-
te passou a presente porbem da qual e sen
theor sao citados os hrdeiros de Miguel
Ferreira de Mello para fatlarem aos termos
de um Iibello civil, que Ihes vai propor a
junta administrativa da Santa Casa de Mise-
ricordia do Recite, em que lhes pede a en-
trega de sitio n. {5 no lugar das Salinas,
visto terem cahido em c mmisso como tudo
declara a petico aqu transcripta, afim de
que no praso de 60 das, contados da data
do presente eomparecam em juizo por si
ou por seu procurador a allegarem seu di-
reito e justica, sbpena de revelia, para 9
qu>2 mando a todas as pessoas parentes,
amigos, e conhecidos dos ditos hrdeiros
de Miguel Ferreira de Mello lhes fagam avi-
se de que pela presente sao citados para o
que cima Oca dito.
E para que chegue ao conhecimento de
todos man de i passar o presente que ser
publicado e afxado no lugar publico do
costme.
Dada e passada com o prazo de 60 das
nesta cidade do Recite, aos 3 de marco de
1866. Eu Pedro Tertuliano da Cunha, es-
crivao o escrevi. Virgilio de Gusmo Coe-
lho.
Vai pagar a quantia de 250 rs. de direi-
tos de chancellara n. 1224. 250 rs. Pagou
250 rs. de direitos de ch mediara.Chaves
Limoeiro.
Vai pagar o sello deste edital, que im-
porta em a quantia de 400 rs. O escrivao
Cunha.
Eslava o sello n 55 4U0 rs. Recite 3 de
marco de 186G.ChavesSena.
Estava o sinete das armas imperiaes do
tribunal da relaco. Firmino Antonio de
Souza, presidente.
Transitou pela chancellara. Recite, 6 de
marco de 18S6.O escrivao, Francisco dos
Res Nunes Campello Jnior.
Lanzada a l. 100 do livro competente n.
13. Recite 6 de marco de 1866.Campello
Jnior.
E nada mais se continha em dita carta de
editos aqu copiada, que eu escrivao bem e
fielmente copiei do proprio original, a que
me reporto; e esta fica na verdade sem cou-
sa que duvida faca, conferida e consertada
na forma do estylo. Cidade do Recife, 6 de
marco de 1866. Escrevi e assigoo em t
de verdade.O escrivao, Pedro Tertuliano
da Cunha.
O Dr. Trislao de Alencar Araripe, official da im-
perial ordem da Rosa, .e juiz de direito espe-
cial lio commercio desta cidade do Recife cap-
cal da proviocia de Pernambueo por sua mages-
ude imperial e constitucional o Sr. D. Pedro II,
a quem Dus guarde, etc.
Paco saber aos que o prosele edital virem e
deile noticia tiverem que no dia 7 de maio do cor-
te auno se ha de arrematar por venda a quem ratis
der em pra$a publica deste juizo as dividas se-
guala.
Antonio Jos de Miranda Falco 13,5720, D.
Toeodi a Mana da Conceicao 30:000, Antonio Ja-
vino da Fonceca 20^000, D. Francisca Peixoto...
65120. Francisco de Salles Gomes 13*060, Jo-
quim Ribiano de Barros 115000. Dr. Belmente
753211, Vic-nte Jos de Andrade 105000, Jorge
Hearique Steple 3}000, Tbomaz de Gusmo Cop-
ino 75640, Dr. Joaquim Dourado 275600, Quini-
liauo M. da Silva 225500, Dr. Antonio Jos Lopes
Filbo 9J920, Beato da Costa Ferreira 135480,
Ignacio Vielra de Mello 635720, Hermenegildo
Fernaudes de Soma Lobo 695760, Goncalo Ferrei-
ra dos Santos 55300, Mariioho Francisco da Silva
21,1800, M-noel Jos da Silva Neves 65040, Maca-
rio de Luna Freir 10JJ080, Joaquim Kelix Macha-
do S^xOO, Angelo Francisco da Cqsta 235340,
Firmino Quaresma 115220, Joa>|aim Fernandes do
Carme, 305540, D. Mara Ignez Gobcalves 105000,
Joiiu J laqom llibeiro Pessoa 105000, capit3o Ma-
ooel Joaquim Bello 705000, Manoel Machado Dias
405000, Eustaquio Antonio Gomes 655000, Jos
Ferreira Lopes Res 305680, Altino Rodrigues Pi-
msot* 655000, Amonio Alves de Carvalho 35080,
Dr. Casado Lima 175280, Joaquim Jos de Santa
Auna 205140. D. Maria de Almeida 45440. D.
Helena dos Santos Pinheiro 25000, Athaliba (mes
tr 65000, Manoel Jeronymo Correa 15000, Antonio
Lobo (Poco da Panel la; 75230, Joaquim Jos de
Oliveira (liiho do floado brlgadeiro Aleixo, 55500,
Flavio Ferreira Clao 85000, Joaqnim Jos Viraes
6J120, francisco de Paula 75480, Agos-
tiniio Morelra 65740, Igoacio da Luz 35120, D.
Mana < -Minora do Manoel Joaquim) 25540, Can-
dido Correa de S 65060, Francisco Xavier Fer-
reira 105280, Antonio Correa de S 25000, Ber-
Uiirdiiw 35940, D. Antonia fviuva do Graca).....
1&5&40, Carlos Marinho 15600. Manricio 15280,
Duarte Pereira 25400, Andr Avelino 25720,Pul-
quera 15440, Jos Nicacio pai 45320, Jos Meado
filio 295160, Firmino Gomes 15440, a mi de
Francisco Pedro 25540, Joao Ferreira 85800, Cas-
simiro 55OOO, D. Caibita 75040, Vicente Ferreira
25680, Cnacoo 15280, Silvestre Pereira de Cam-
in 25200, Manoel Francisco Honorato 205420,
Jo.10 Rodrigues Frer de Carvalho 755000, Anto-
nio Pereira de Medeiros 245820, MarCellino Fran-
cisco Alves da Silva 255000, Supra Frederico....
275200, Gustavo da Babia 25420, Benviodo Lobo
I25J80, Adelino Theodoro Alves 55G00; Dr. Auto-
nin Jo-i'inim dos jPassos 155000, Zefertno Bolelbo
de Andrade 195260, Jos Igoacio de Andrade Pe-
reira 505000, D. FrancUca do Reg Barros 95420
Jos Thomaz Cavalcante (pintor) 205420, Joao Pit-
ia Viraes 135680, a Lul do boceo 6*560, Dr.
Silva Costa 75680. Aristrooto (segnio para o tul)
I35OOO, Antonio de Castro Alves 85480, Galdino
(fimiieirii) 105880, Marcellino (escravo da Bar-
rj) 4590J, Dr. Pedro Jansan Pereira 6*480, D.
Innoojocia 65000. Thom Jos de Andrade 35800,
C-.*Uiio da Cosu Pereira 1205000, Francisco Pe-
dro 605040, Jos Aparicio da Silva 85190, Au-
usto Aires Gnimares 305000, Ignez Maria da
joceicao 295080. D. Mathildes 345820, Francis-
4i Corre* de 84 185160, Marcellroo da Costa.....
720060; Anna Joaquina a lesas Sanios (fallecida)
6-V00O-B*. 2:1655300.
As qtraes foram penhoradas por exeeucb de
Barros ^ilva contra Joaqun Marcolino da Silva
, e m aeho depositadas em mo do mesmo eieen-
fado.
fj nao hivendo laneadar que cubra o preeo da
-valiaeo a arrijmaticle ser felta pelo proco d
adjudicagio na forma dajlei.
E para que efeogue ao conbeoimenlo de todos
mandei pistar o presente que seas/ publicado pela
imprensa afiliado nos logares docostume.
Recite, I de ibril de 1866.
Eu Manoel Maria Rodrigues do Nascimwlo, es
crivao o subscravl.
Trislao de Alencar Aranpe.
_
DECURACOES
->;(
Expsito dos producios agr-
colas, InidnsCrlacs e obras de
arte en Peraasabuco.
Constando commisso directora da ex-
psito que, por falta dos necessarios escla-
recimeiitoa/ pela comparaco havida entre
os nossos productos e outros similares de
diversas, provincias, e per outros motivos
de que nao te ye completa sciencia, nao bou-
ve a desejavel igiiaidade aa distribuicSo tai-
ta para esta provincia das recompensas da-
das pela commisso central do Rio de Ja-
neiro na ultiua exposigao, e que por este
facto alguns dos amigos expositores se re-
cusara a concorrer com novos productos
exposicSo do I* de julho prximo; resol-
veu, em urna de suas sessoes, mandar fazer
publico o seguinte :
4. Haver na provincia, para os traba-
lbos da exposicao, um jury especiar, no qual
nao tero voto os membros da commisso
directora, que jalgara da excellencia, aper-
feicoamento e utilidade dos productos ex-
postos;
2. Esta jsry se dividir em duas sec-
coes, sendo urna para os productos agrco-
las, e outra para os industriaos propiamen-
te ditos, e obras de arte ; "
3. FarSo parte do jury as pessoas de re-
conbecida aptido e especialistas;
4. Segundo o juizo do jury, a commis-
so distribuir aos productores e demais ex-
positores medalbas de duas classes, sendo
as da Ia classo de prata e as.da 2a de co-
bre, ambas acompanbadas de diplomas.
5. A commiss5o far acquisic5o, median-
te valor ajustado, dos productos que para
isto forem julgados dignos pelo jury, e que
nao possam ser cedidos gratuitamente para
figurarem na exposicao central.
A commisso directora espera que estas
medidas serv rao de garanta ao verdadeiro
apreco dos productos expostos, e qu farao
desapparecer o desanimo que a alguns ex-
positores causou a desiguadade que ci-
ma se referi.
Alm disso; a commisso chama a atten-
o dos Srs. expositores e mais industriaos
da provincia para a circunstancia de um
dos seus membros ter de acompanhar ex-
posicao central os productos que d'aqui fo-
rem enviados, e fazer parte do jury julga-
dor na corte, acnando-se por esta forma
habilitado para mioistrar todos os esclarec-
mentos necessarios ao perfeito conhecimen-
to dos productos, e fa-.er valer o direito de
cada um dis expositores desta provincia.
Por esta forma a commisso julga ter re-
movido mais um dos embaracos, com que
porventura venha a lutar na acquisico de
productos destinados exposicao do Io de
julho.
Anda urna vez appella a commisso para
os dignos Pernambucanos, pedindo-lhes com
instancia que promovam com esforco a re-
messa de productos destinados a figurarem
n'aquella festa industrial, onde se empe-
nham os bros da provincia
Sala da commisso, 23 de abril de 1866.
O secretario,
Dr. Manoel Buarque de. Macedo.
Santa Gasa de Misericordia do
Reeife.
O Sr. thesoureirs da Sania Casa de Misericordia
do Recife, commendador Jos Pires Ferreira, man-
da fazer publico que no dia quarta-feira 9 do cr-
reme, pelas 10 tiras da manba, no salo da casa
dos expostos, fara' pagamento das mensalidades
vencidas de Janeiro a marco prximo passado a
todas as amas que se apresentarem com as crian-
cas que Ibes foram confiadas.
Secretaria da Sania Casa de Misericordia 3 de
maio de 1866.
O escrivao interino,
Francisao Gomes Castellao.
Tribunal do wmmereio
Pela secretaria do tribunal do commercio de
Pernambueo se fax publico que em sessao do mes-
rao tribunal de 12 da corrente foi considerado va-
go o offlcio de corretor desta praca, que exercia
Frederico Lope-GuimarSas, o qual o abandonou,
e quo a flanea prestada em favor do mesmo cor-
retor persista por seis meies, contados desta data,;
oque lica marcado o praso de 60 das, para dentro
deUes se babibtarem os concorrentes ao referio
He**
Seeretari' do- tribunal do commerctO db Per-
nambueo 13 de marco de 1866.
O offleiai-maior
Julio Gulmaraes.
.,_._________Z_________________________
inspecci de arsenal de marinba
A iupecgao recebe pedrelros e serventes para
as obras do arsenal.
Inspeccao do a/senai de marinea de Pernambueo
i de maio de 1366.
O secretario,
Alexandre Pereira dos Anjos.
Conselho de etapas navaes,
Faco publico, de ordem da1 Sr. presidenie do
eonselha, que s* acha traosMd para 8 do cor- barca periuaaWirir aitSe"
renie roei, as 11 horas da taMbfta, a sesso ao- '"
Duociada para boje mlativanwnte ao contrato de
forneciraento da cemento e compra de diversos
objocios de material a armada.
Sala do conseibo de compras navaes, 5 de maio
de 1886.
O searijurio,
Alexandre Rodrlf ue i o Aojos.
6a ordem do iflmTSr. nifrorda ibwo-
rarla de fazenda de Pernambueo se taz publico: que
em virtude da circolar do tribunal do tbesour na-
cional, sob n. 10 de 25 de abril ultimo, Sea proro-
gado at o ultimo de dezembfe vtpdforo o praso
para a sobstitaicio, sem descoato, das notas de &&
da 4* estampa, devendo comaoar do Io de janeiro
de 1867 o descont progresslvo de iO 9/0 das mes-
mas notas na forran da lei.
Secretarla da thesouraria de fazenda de Pernam
buco em 4 de maio de 1866.
Servindo de ofBcial-maior
_________________Manoel Jos Plntg.
sniiiQ) umi
Relaco das cartas segaras viadas do norte pelo
vapor Paran, para os senbores abaixo decla-
rados :
Carvalho & Nogneira.
Guimares & Oliveira.
Joao Vianna de Mello.
Dr. Jos Bento da Cunba Fignelredo Jnior.
Jos Rodrigues de Souza (2). ,
Jos dos Santos Neves Jnior.
Raymundo Jos de Araujo. ^^^
Para o Porto ___
rYeteade seguir can -arut&,bredade a.velletra
rea pertuguea Iris, capillo MaMiia de Souza
Maciel, tera dous tercos de sen earregamento
prompicy,. para o resto que Iba falta trata-se com os
anscooigoatarioeiAnlonio Luiz de liveira Aze-
vydo 4 Cr no seu escriptorio, ma da Crne n. 1.
Para a Bahia.
Pretende seguir cora mnita brevidad* a velleira
* nacional Hortma, a qul te parte de
sen earregamento protnpto, para o reste- que Ibe
falta trata-se com os n consignatario- Antonio
Lniz de CMireira Aievedo & C, em seu eseriolorio,
roa da Cruz n. 1. ____________
m\ LISBOA
sabira' com toda a brevidade o brigue portegnez
Constata II por ter prompto quasi lodo o sen ear-
regamento : para o restante e passgeiros, para os
quaes tem excellentes commodos, tratase com Ma-
noel Ignacio de Oliveira Pilho, escriptorio- do lar-
go do Corp o Santo n. 19, ou com o capHao na
PrC- .........
Liverpool por Lisboa
Pretende sabir no dia 9 ou 10 do crrante mez
o vapor iDglez Cassttu, para Liverpool e Lisboa,
recebe passgeiros, para os quaes tem excellentes
commodos; a tratar eom os consignatarios Saun-
ders Breters 4 C, praca do Corpo Santo n. H.
HUSOS DffERSOS
Lisboa
se faz publico que boje (7) as 3 horas da tarde fe
char-se-hao as malas qae o vapor costeiro Persi-
nunga ten de couduzir para os portos do norte at
Acarac.
Pela administrago do correio desta cidade
se faz publico que boje (7) as 2 doras da (arde, fe-
ebar-se^Mo as malas que o vapor Paran tem de Pretende sahir em poneos dias para Lisboa
eouduzir para os partos do snL. As cartas serio barca porlugueza Maria, recebe earga e pa=sagai-
admittidas a seguro at orna hora da tarde, e os ; rog, para os quaes tem encllenle* commodos e op-
jornaes sergo recebidos at o mel da. [Unte ira lamento : a fallar coa os consignatarios
Pela adminimraco do correio desta cidade Carvalho & Nogneira, ra de Apollo n. 20, on com
o caplto.__________________________________
Para o Rio le Janeiro
o veteiro e bem conhecido brigue nacional Santa
Cruz acba-se com pane da carga prompta e segu
com toda a brevidade : para o resto da carga tr-
ta-se com Jos Maria Palmeira, no largo do Corpo
Saato o. 4.__________________________
COMPANHIA Z
DE
PAQUETES A VAPOR
entre os Estados Unido se o
Brasil.
s
THIL%TliO
DE
Corre amanit
Acham-se venda na respectiva thesou-
raria, ra do Crespo n. 15, os buhe-
tes, meios e quintos da 12a parte da lo-
tera (61), a beneficio das familias do vo-
luntarios da patria, sendo a extraco no
lugar e hora do costume.
Os premios de 6:0004000 at 105000
serao pagos urna hora depois da extracto
at as 3 horas da tarde, e os outros depois
da distribnicSo das listas.
As enoomoaendas serao guardadas so-
mente at a no-i te da vespera da extracijao.
O thesoureiro,
Antonio Jos Rodrigues de Souza.
I. P. M. Braga, son gerente da easa eom-
meroiai de Braga Son & C, lendo de relirar-se para
Inglaterra deixa na gerencia da dita so* easa em
primeiro lagar ao Sr. T. W. Royle e em segando
ao Sr. J. O. C. Doyle, os quaes tem procurarse
bastante para esse hm.
I. F. M. Braga saa senbora e ama giba me
or, retiram-ee para Inglaterra, levando em sua
companbia urna criada.
I. F. M. Braga pede a qualquer pessoa com
3uem tenba tido coolas de as apresentar no praso
e sete dias para serem pagas.
Recife, 3 de maio de 1866.________________
Precisa-se de urna ama que satba cozmhar
e engommar : na praca da Independencia n. 39.
Precisa-se de urna ama : na ma de Aguas-
verdes n. 70.
Na ra do Caoug n. 12 existe urna imagem
dolTriumpho do Coracu da Mana a qual se troca-
EMPREZ4--C01MBR4.
(7a recita da assignatura.)
Qoarta-fera 9 de maio.
Primeira representaco do drama em 3 actos,
original jdo actor Angosto Cesar de Lacerda, offe-
recido ao primeiro dramaturgo portagnez Mendes
Leal.
.4 4RIST0C4CI4
E O
Pessal
Viscondessa de Valdomar, de
68 annos de idade, aposen-
tando quasi todos os indicios
da decrepitnde, arrimndo-
se de vez em qnando a ama
muleta
Ernestina sua papila.
Dulciada de Azevedo, viuva
rica.
Maria Luiza, modista.
Joanninha sua irma, 10 annos.
O. Francisco de Noronba, filbo
da vlscondessa,capiiao de ca-
vallarla.
Carlos deSoaza escriptor pu-
blico.
Ocooselheiro Borges.
Antonio dos Res, soldado de
cavallaria.
Joaquim, gaiato de recados.
Francisco, criado.
Mrganos, criada.

Sra. Cleiia.
Sra. Leopoldina.
Sra. Jesnina.
Sra. Adelaide.
Sra. Henriqueta.
Sr. Paiva.
Sr. Souza
Sr. Graca.
G.
At o da 12 do corrente espe-
ra se dos portos do sal o vapor
americano Morning Star, com-
mandante Howes, o qual depois
da demora do costume seguir
para NewYorlc tocando no Para e S.Thomaz. Para
fretes e passgeiros tratase eom os agentes Henry
ForsterdrC ra do Trapiche n. 8
LEILES.
1.1 IM^
DE
6 caixoes com pliospboros do gaz com
pequea avaria.
Cordeiro Siindes
por conta e risco de quem perlencer, far leilao de
6 caixSes com phosphoros, send 1 3 de 100 grosas
e 3 de 25, viodas de Liverpool na barca ingleza
James, cbegida a poacos dias; cajos caixoes se
acbam depositados na escadinba da alfandega ar-
mazem de Vieira Paulo Lopes, aonde ser effectua-
do o leilo, isto
I IO.I I
-
Sr. Pedro Joaquim. i
Sr. Teixeira.
Sr. Manbonso.
Sra. Joanna.
O resto espectculo ser amanha annanciado.
AVISOS MARTIMOS
COlPfVNHU BIASILERA
DE
PAQUETES A VAPOR.
Dos portos do sul esperado
at o dia 14 do corrente um dos
vapores da companbia, o qual, de-
pois da demora doco&tiww, segui-
r para os portos do norte- Des-
de j reeebem-se passgeiros, e engaja-se a carga
qae o vapor "poder caoduzir, a qual deverer em-
barcada no dia da sua chegada; encommeadas e di-
nbeiro a frete ath o dia da sua sabida as S horas;
as passagens so serlo receidas na agencia roa
da Croz n. 1, escriptorio de Antonio LuiZ de OU
veira Azeivodo & C.
COMPAJHIA BUSttilal
PAQEIES A VAFOR.
Dos portos do norte esperado
^4^ o vapor Cruieiro do Sul na dia 21
do rorrete,, coounandaai \lcan-
' forado, oqual depois. da demora do
" costume, seguir para os- portos
do sul. ReceoedHe desda ja passgeiros e enga-
ja-se i carga que o Vapor poder comLuir, a qual
dever ser embarcada no da d sna chegada; en-
commendas e dftffleiro a frete at o dia daisahlda
as 2 horas : as passagens s sero receidas na
inflad* -** r--* iy saaaiaiaaia do Antonio
Luiz de Oliveira Azevedo & C.
LEILAO
DE
Ferragens avalladas
110.1 k.
Izidoro Netto & C, faro leil 1 por inlervencao
rdo agente Pinto e por conta e risco de quem per-
tencer de diferentes ferragens avahadas a bordo
barca ingleza Orion; em coniinaacao vender'
tambetn algumas ferragens limpas, "parafusos e
{rttiraj eni-ienw em seu armazem a ra da
Cruz n. 2.
jaastv? Rados, medico
pela universidad ok MiiaubM, d
consultas en* saa casa das.'9 as
11 horas da manaaa, e da 4 as 6
da tarde. Visita os dbentes em suas
casas regularmeato as horas para
isso designadas, salvo os casos ur-
gentes, que seras soccorridos em
qualquer occasiae. D consultas aos
pobres qoe o procurarem no hos-
pital Pedro II, aeode encontrado
diariamente das 6 s 8 horas da
manbaa,
Tem sua casa de sao.de regular-
mente montada para receber qual-
quer doente, anda raesmo oaalie-
[ nados, para o que tera commodos
apropriados e nella pratica qualquer
opperag3o cirurgica.
Para a casa de sade.
Primeira classe.. 3S0Q0 diarios.
Segunda dita...-34500
Terceira dita .25000
Este eetebelecimento j bem
acreditado pelos bons servidos que
tem prestado.
O proprietario espera qoe elle
continu a merecer a eoofiaoca de
que sempre tem gozado.
ATTENCA.
Henry Forster &C, ra de Trapiche n. 8
tem para vender:
Prensas para enfardar algodSo.
Maehinas de descarocar algodSo, de 30 a
60 serrotes, com motores, assim como moto-
rs qoe servirSo para qoalqaer servico, e urna
machina de 120 serrotes comjoma machina a
vapor, propria para a mesma.
Convldam-se aos amigos do finado tenente
coronel Joo Paulo Ferreira para assistirem
a ama missa, qae pela sua alma se ha de ce-
lebrar no dia 8 do andante pelas 9 horas da
manha na igreja da Conceicao dos Mili-
tares.
GABRAUX, DE LATXHACAR & C.
LBRAME FRANCA1SE
RA DO CRESPO N. 9.
Livros nacionaes e estrangeiros.
Religio, direito, litteratura, etc.
Papelaria, objectos para escriptorio.
Papis pintados para forrar casas.
Assignatoras para os jornaes da Europa.
Precisase de um caixeiro de 12 a 16 annos
de idade : na padaria da roa do Rangel n. 9.
Francisco Pires, subdito;poriuguez, retira-se
para Europa. ________ _
Precisa-se de um pequeo de 12 a 14
annos se idade para criado, tambero serve
um moleque, na ra Direita n. 2i padaiia
se dir quem precisa._____________ .
Precisa se de ama ama : na ra do Encan-
tamento n. 12, 2o andar. ______________
Consulado de Portugal
Sao cbados, pelo presente annaacio-, os credores
da finada subdita porlugueza Justina Mara da
Conceicao, para apresentarem soas contas dentro
do praso de quinze dias, afim de serem conferidas
e pagas.
Consulado do Portugal em Pernambueo, aos 3
de maio de 1866.
Consulado de Portugal
Sao chamados os credores do finado subdito
portngnez Jos Antonio de Carvalho Maciel, para
apresentarem soas contas dentro do praso de quin-
ze dias ; afim de serem conferidas e raleado o re-
ma nocente.
Consulado de Portugal em Pemambnco. aos 3
de maio de 1866.
Consulado de Portugal
Sao chamados, pelo presente annuncio, os era-
doros do finado subdito portaguez Joao de Souza
Lamego, para apresentarem suas contas dentro do
praso de quinze dias ; afim do serem conferidas
e rateado o remnescente.
Consulado de Portugal em Pernambueo, aos 3
de maio de 1866.
O r. Domingos Jos. Pereira da Costa, quei-
ra vir ao correio desta cidade, afim de recebor
nma carta vinda de Lisboa pelo paquete inglez
Rhone.
Pela subdelegada do Peres foi mandado reco-
Iber ao deposito um burro ruco com pintas do
pedrez, juntamente nm cavallo caslanbo castrado
muilo novo e gordo, consta qae estes animaes fo-
ram fuados de nma casa de rancho no lugar da
Estrada Nova, on no Remedio, quem for sen dono
compareca quo provando ser do mesmo ibe serio
entregue. JftlMt (
Subdelegada do Peres, 2 de |maio de 18S6.
O subdelegado,
Alexandrioo Martins Correa Barros.
Para Lisboa.
Leilao
DE
Dez queijos suissos
HOJE.
O agente Pestaa fara' leilo por conta e risco de
quem perteucer de 10 queijos suissos em um 00
mais lotes a vontade dos compradores : terga-feira
7 do corrente pelas 10 horas da manba, no arma-
zem do Annes.
43
IEILIO
De
barricas eom geuebra
I10JE
Segu com brevidade a velleira barca porlugue-
za Belem, capito J. Joaquim de Freitas. Recebe
um resto de carga a frete, par* o que trati-se no
escriptorio de Amoriralrmos,ma da Crnz n.Jj.
~cx)MpIihia"perna8bucan "
DE
Rj>csaco eosteipa por vapor.
' Para *F-mando de Noronha.
No dia 8 de maio, seguir para a ilha de Fer-
nando, um doe vapores da companhia. Recebe
carga ata da 7. Encoramendas, passgeiros e di-
nbeiro a frele at as 10 horas da manha do dia da
sabida. Escriptorio no Forte do_Matlo, n. 1.
BRASILEIRA
C011P1XIII.1
DE
PAQUETES A
VAPOR.
Consulado de Portugal
83o chamados, pelo presente annuncio, os cre-
dores do finado subdito portuguez Jos Pedro Mar-
ques da Silva, para apresentarem soas comas den-
tro do preso de quinze dias; aflm de serem con-
feridas e pagas.
Consulado i,e Portugal em Pernambnco, aos 3 de
malo de 1866.
Bos portos do norte esperado
at o dia 5 de maio o vapor
Paran, commandante o capitao
da fragata Santa Barbara, o qual
_____depois da demora do costume
seguir para os portos de sul.
Desda ja recebem-se passgeiros e engaja-se a
earga qae o vapor poder conduzfr, a qaal devera'
ser embarcada no dia de sua chegada, encommeo-
das e dinheiro a frete at o dia da sahida as 2 ha-
ras : agencia ra da Cruz n. 1, escriptorio de Ao-
tonlo Lniz de Oliveira Azeveao di C
Para o Aracaty.
O velleiro e bem conhecido palbabote naclooal
Dous Amigos, pretende seguir com muiu brevida-
de, tem parte de sea earregamento engajado, para
e rest qae lhe falta tratase com os seas consigna-
tarios Antonio Luiz de Oliveira Azevedo & C, no
sea escriptorio, ra da Cruz n. i.
Para o Rio de Janeiro.
O.veleiro e bem conhecido brigue Adelaidt,
pretende sahir com maita brevidade por ter a
maior parte do earregamento engajado, e para o
pouee qoe lhe (alta e escravos a frete, trata se eom
o canslgnalario Joaquim Jos Goncalves Beltro na
ra do Vigario n. 17 primeiro andar._________
fara o Porto por
Lisboa
A veleira e bem conhecida barca portngnera
Tentador, pretende seguir com maita brevidade,
tem parte de seu earregamento engajado, para o
resto que lhe falta tratase com es seas consigas!*-
ros Antonio Lnlt de Oliveira Azevedo & c, no seo "
escriptorio na m da Crot n. I.
O agente Pestaa fara leilao por conta e risco de
quem pertencer de 43 barricas com genebra a
qaal ser vendida em lotes a vontade dos compra-
dores : hoje pelas 10 horas da manba na porta do
armazem do Annes.
IiBILAO
DE
Movis e objectos de ouro.
O agente Martins (ara leilo a requerimento
de Joo Ferreira da Silva, por mandado do ltlm, Sr.
Dr. jniz de orphos, de um sof de amrello, 1
cama franceza, 1 meia commoda, 2 cadeiras de
balanco, 2 consolos, 1 tocador de amrello, 1 mesa
redonda, 10 cadeiras de dito, 1 cabide, 1 candieiro
a gaz, 1 par de jarros-, 1 relogio, 3 trancelins de
ouro, 1 corrente e 1 (rancellm fino, 4 moedas de
ouro, 1 par de boldes de moedas, 3 alfinetes de
peito, 1 casoleta, 4 aoneis, 2 pnlseira?, 1 par de
brincos, 1 par de boiocs para.camisa, 3 igas, 3
alfinotes, 5 pares de rosetas lado pertencente ao
espolio de Hermllla Flora da Cosa
Terca-feira, 13 do corrente no armazem da
ra da Cideia n. 53 s H horas.
LEIIaAO
DE
Vinte barr* com iiiautelga
bollan I cza.
Terca-feira 8 de maio
O agente Pestaa far leilao por conta e risco de
quem pertencer de 20 barris com manteiga hollan-
deza em lotes a vontade dos compradores, terca-fei-
ra 8 do corrente pelas 10 horas da manha na
porta do armazem do Annes.
LEILAO
FiKlMU.
Vende-se a 6*000 a sacca de 3 alquelres, no ar-
mazem da ra da Cideia do Recife, confronte ao
arco da Conceicao._______________________
Precisa-se de urna criada que saiba engom-
mar, na roa da Senzalla Nova n. 138, ou na ra
da Madre de Deus, n. 22, armazem.
Aluga-se urna casa sua na ra da Guia o.
42, propria para taberna por ser de esquina e ter
armaco e gaz; a tralar na ra do Apollo n. 19,
primeiro odar.
Convida-se aos amigos e prenles do Rvm.
Joaquim Mauricio Wanderley, para, na terca-
feira 8 do correle, seiimo dia do seu falle-
cimento, assistirem missa que se em de
celebrar pelo eterno repouso de sua alma, na
capella do cemiteno publico, pelas 7 horas
da manha. __________^____
H_H_BC9l-_-n-~MM
__ Fuglo era principios do mez de fevereiro do
ann-. prximo passado, um moleque de nome Eu-
zebio, de idade de 13 para 14 annos, com os sig
naes seguintes : cor bem prela, secco do corpo,
p grande e um pouco chata, olhos regulares e afa-
macados, costuma a olbar por baixo dos olhos,
orelha, nariz e bocea regalares, tem dous dentes
da frente um pouco pobres, e a presa tirada de to-
do, restando s a raz; moito esperto, e costoma
diz'er que forro. Roga-se a's autoridades poli
claes e capies de campo que o apprebendam e le-
vem-no na cidade do Becie, na ra da Mangueira
n. 6 a' sua senhora D. Mana Luisa de Mello, via-
va do Dr, Fernando Affonso de Mello, ou a' seu fl-
lho Dr. Pedro Affonso de Mello, no seo escriptbno
a' ra das Cruzes o. 41; e gralificar-se-ha com
200*000 ris, a qaem o trouxer.______________
O Sr. Severioo Manoel Uarte, queira entre-
gar a chave e o alngnei da casa n. 61, a' ra da
Concordia desta cidade, na qual residi, visto nao
ter entregado aos"portadores, etc.
*** aMlKHMl!
EXTBRNATO GADAULT
o
Princtpio da ra do Hospicio
Recebe alomos primarios a secun-
darlos.
Professores
De priottiras lettras Tito Augusto de
Albuquerque Porto Crreiro.
De fraacei, geograpbia i
Hlppolyto Gadault.
De desenho Eduardo Gadault.
e arimethica
DE
urna burra (cofre) franceza, uva secretarla de
amrello, nma carteira, urna machina de copiar
cartas, um balco de amrello, seis cadeiras de pao
d'olho.nma marquesa de amrello, nm oabids para |
roupa, urna banquinlia, um lavatorio de ferro e
baca, ama mobilia Genoveza com dote cadeiras e
um sof, um balalo para condozlr fazendas-
Qaarta-feira, 9 do corrente.
Guilberrae da Silva Guimares tenlo-se retira-
do para Earopa far leilo dos movis cima esis- Precisa-se aligar urna ama para casa
lentes no seu escriptorio a ra da Cadeia n. 64 as ponca familia; na roa da Imperatru n. Jo. ;
11 horas. __Precisa-se de um caxeiro de 15 a 16 annos
11 i ...... _______.
m
llIHIllllll
__Dr_iMca.i> ainoar nma ama para casa de
LEILAO
DA
Precisa-se _
de idade, sendo brasileiro, para o armazem de sal
da ra Imperial n. 221.
Precisa.se
de un caixeiro qoe- atoa ler e
escrever, e se entenda alguma cousa ds padaria
Pm de 1 Mf-MOS C terrea*' melhr, e que abone sea capacidad, a de um me-
i nio de 10-a 1* aunos, pardo on preto : a tratar
i na ma dOtRosario 4a Boa-Vlst n. S9, ou jnnto n.
1 largo da Santa Croa.
Idflnlm"dT0Iveira Pinto retira-se para Por-
tugal, levando em sua companhia sua mnlber e
tres dlhos menores ; o mesmo dfllxa por seos bas
iie Joao de Souza Lamego.
a ra do Lima oh travem
da FuodifSo em Sauto Ama-
ro.
O agente Martins far leilo por ordem do Illra.
A pessoa que desejn fallar com Antonio Luiz
Machado o pele procurar na ra do Qut-imado n.
30, aonde reside j' acerca de dous annos a.lver-
tindo ao annun4ante do Diario de 4 do ccrr.nte
que bem conhecido.
Offerece se a quem queira comprar os prea-
ros de urna fabrica de vela : na ra do Desuno
numero 5.
Precisa-se de ama ama para casa de pouca
familia : na roa do Qneunado n. 4
Francisco Jos Lopes paiticipa ao reapeUavel
publico e principalmente as pessoas inteie-sads,
que em cons^quencU de hav^r ne>ta cidade nutro
de idntico nome, se assiguara' de luje ra diante
Francisco Jo.- da Maia.
4H4
Precisa se de urna ama de meia d;,de pan en-
gommar e coser em urna casa de pouca familia :
ua ra Imperial n. 215, taberna. _____
Precisa-se de um caixeiro :
Marisco n. 7, fabrea de charutos.
na travessa do
Ama
Precisa-se de urna ama
sario n. 6, i' andar.
na ra estrella do R-j-

Criado
Precisa-s-* de um criado : na ra do Queimado
n. 12. 1* andar.__________________________
Precisa-se .iiuj..r urna ama para andar com
um taboleiro de fazendas oa miudezas : a tratar
na ra do Hospicio njj2.________ ,
Precisa-se >*e um caixeiro par taberna que
teuha pratica > seja de 13 a 15 annos ae idade :
na ra da Pmte velha n. 39.
Carvalho A Noguera ni ra do Apollo
n. 20, saco para o Porto e Lisboa, a vista
ou a praso.
\AROrr.
PEITORAL E DULCIFICANTE
DE
H_ULVr-QD0H_BS
Preparado por GRIMAULT & C a pharma-
ceuticos de S. A. I. oprinci; e Napolelo.
Cura rpida das molestias seguate*:
tosse, catarrhos, pleuresa, coqueluche, an-
ginas, fortes conslipacSe, irrito^oes dos bro-
oeheosedo peito, bronchte, phtysica pulmo-
nar, astma,pneumonia, anginas, amygdaiiies,
tosse chronica, rouquidSo.
Os mdicos recommendam ao mesmo tem
po o uso das ecelleites pastilhas peitoraes
coi o suco da alface o tenreiro-cerejo, que
se preparam no mesmo estebelecimento.
A venda as pharuwcias de Maurer e A.
Caors.
F'^o do a:
Sr. De C-uuUuo do*f Aranjo Gnimares oonsal
Prlf a*rE** "*" peefnoem. ao espolio '{^s'--^0^esll claiA* afim d
rorreo i6 S9,1S ""i00105 ^ peadentes, iMfldm Fer Tvm^ ^ ^-^ ^^^ M
j to crrante ,., Mendw Guimares em lugar, 2 aqSf- Jos >j B ^- #*,.,.
da ra da Cadeia do Cadeia do SrS080 da sva P.uto, e ao Sr. Jos de Soou-Tm- fl| ^aJg
armizeni
Recre n, 53 ao meio-dia em ponto.
no armazem ria da polica, rece^am-se encom mendas de fogo
do ar para dentro e fra da provincia.
---------------------.-------------y-------------------
HJPCCAO^OW.
Raaedic infitllivel as agnorrheas antigs
acia
goda






-
t-a
DUrU de 4r>eraaa*)ue
ele 1866.
A LEGITIMA
5ALSAPAMILHA
DE BRISTOL.
PREPARADA RICAMENTE POR
LAMAN & KEMP,
NOVA YORK.
Composta de substancias, gozando das
propriedades eminentemente depurativas'
approvada pelas juntase academias de me-
dicina; usadajnos principaes bospitaes, c>-
vis militares e da marinha as Anlilhas e
no continente americano ; receitada pelos
faculi ati-vosos mais distincjos do imperio do
Brasil e da America hespanhol
CURA RADICALMENTE
escrophulas, rheumatismo, escorbuto, en-
ormidades venreas e mercuriaes, chagas
antigs, morpbea e todas as molestias pro-
venientesd'um estado vicioso do sangue.
Ernquanto existem varias imitacoes e
falsificafos^ preciso a maior cautela .para
evitar os engataos,
A legitima salsa de Bristol vende-se por
CAORS A BARBOZA
JOO DA C. BRAVO & C.
Joo da C. Bravo & C.
Deposito geral em Pernamnuco rna da
Cruz n.22 em casa de Caros
Samuel Power Johnston & Goffi^iiiitkt
Ruada SenzalaNova o. 4.
AGENCIA DA
Fnmc&o eLow Hr.
Machinas a vapor de 4 e 6 cavallos,
Moendas e meias moendas para eogenho.
Taixas de ferro coado e batido para enge-
nho,
Arreios d<> carro para um e doas cavallos.
Relogios de ouro patente inglez.
Arados americanos.
Machinas para descarocar algodo.
Motores para ditos.
Machinas de costura.
wmmMmm-m-m mmm
g DEPOSITO DE GALCAO g
H FABRICADO XA CASA DE UETENCfl M
Ra Xova n. O.
mt Ahi se encontrarlo obras de di- i
" versas qualidades, e por pre?o bhh
W diminutos, a retalho e em porees.
flf S se vende a dinheiro. $f
m
Ama
Precisa-se de ama ama para comprar e coc-
ehar : na ra do Crespo n. t, loja.
A SaJsaparilha
E -A.YER.
Para n. cuya, ratlieal ele
Escrfulas, ulceras, chagas,fer-
idas vclhas, molestias syph-
itiofes, e mercuriaes, Enfermi-
dider das mulheres, como re-
tencSo, menstro doloroso, ulcer-
aco o tero, e ores brancas.
A Kevralgia, Convulsoes, Ery-
sipeIas,;Enfermidades Cutnea,
borbulhfc, nascidas, etc.
O emtmmet compott de SALS.VPARILHA, confeccion-
ado peto J>R. AYER, urna conibina^ao dos melhores depura-
tivos e iHerantes couliecUos mediaioa,' corapesto segando
s lels <\& .ciencia, npprovado c fcceiado pelos primeiros
medico* dea Estados Unidos, da America.do Su), do Mxico,
dafl Indias-c dos principaes Estados da Europa.
A SALSAPARILHA de AYER ospwi.mentc cfficaz na
cura das molestias que lera sua orlaoa na escrfula, na
inffece&o MMM, no uso excessivo do mercurio ou em qualquer
impureza do Sangue.
Entre toda*;!'.? moleslias que nflllgenao Renata humano, nio
ha urna mais umvcrs.il c terriveJ do que a cscnofula; por si
mo tao destructiva, porcni >' a causa principal V muitas en-
fermidaites qae ano llie sito gcralmcnte attpibMidafi.
urna canta .directa da tsica pulmonar do mu do
finado, o estomago, affccQcs do cerebro^ Rhoumatismo
e affeerics dos Itins : entre seos symptomas ha.os eguintes;
Falta de apettq, Fraqueza e molcza era tado.corpo; Mo
celro da boca, Moblante plido c incluido., aa vqzcg d'uma
alvura tran8parente,*utras vezes corado e amarello ao redor
da boca; Digetto fraca c apetito irregular; Vcntre inchado
e cvacuaco irregular; Quando ataca os pulraoes urna cOr
azulada mosira-.-e a coda dos olhos, quando no .estomago
ro avermcllm dos, Xas pessoas de disposieo .csorofalosa
ipparcom lrequentemestc empelles napeile da caneca e outras
partes do corpo ; (o pradlspOstos s affecccs dos pulmn, io
figado, los riits e do* orgaos digestiros e uterinos. Portante,
nao sao somente aquelles que padecen* das formas ulcerosas
< tuberculosas da rserefuta que neccssllam de protocOM
contra r s sens estragos; toaos aquelles em cujo sangue existe
o virus latente deste terrivel dagello (c s vezes hereditario),
esto e.xpostos tambera a tefircr das ennrmidadat que stle
causa.
Oflere?emos a estas pessoas um abrigo seguro e um ant-
doto efficaz contra esta molestia Salsaparilha de Ayer
que opera directamente sobre o sangue, puriHcando-o e et>
i minando delle a corrupeo c o ves? no da molestia: penetra
todasaa prtese todos os orgos do orpo humano, livrando-
os da i,a arco rielada e lnplranda.lhes novo rigor. E' um
uiteraini poderoslsslmo para a reaoyaeio do sangue, c di ao
corpo J enlVmquecIdo pela doenca for^ e energa renovadas
como as da juventud.
/ TAJBBX O MEtmOIl -4.NTI.SYPHILITICO
COXIIECIDO I
cura pemunenmente as petores formas de SYPHII.IS e as
ras eouMqueaeias. Poaea nesessldadu ba d informar o pub-
lico do lnetlmavcl ralor de um remedio que, eomo este, firra
o songae deosa corrupeo e arrebata a rlctiiM das garras di
urna norte lenta e Ignominiosa, porm inevltarel se 0 M
nao logo combatido com energa.
Nao pretendemos promulgar, nem queremos que se infira
que este reraedlo InfalivcT para a tura de todos os padecl-
mentos humanos, o que diiemos c que a
Saleaparilha de Ayer
a melftor preparocio at boje descobtrta para estas e outras
molestias anlogas, que urna combinaco dos aUarantes
mais eflienzen conhecldos, e que temes consciencla de oSereosr
ao publico o mellior resaludo que possivel produzir, da
iatelligeaeia e pericia medita dos nossos tempoi.
^g^l2l3i^
tH
FABRICA A VAPOR
99 RA DO MONOEGO 99
eposlto na rna Nova n. & loja de relojorira.
Delouche donos deste esubelecimento partecipa ao respeitavel publico que sua fa-
brica est montada com as melhores machinas que existem na Europa, que pode
fabricaveom melhor perfeiclo possivel. Todo o chocolate des la fabrica esta garantido,'e
para, que n5o se pode encontrar naquee que vem de fra, e que se vende por preco
baixo, visto os productos serem do paiz. Na etiqueta tem senpre urna aguia. -____
PRECO.
Meia libra......... 400
Urna libra......... 800
Urna arroba '........19^000
Na mesma fabrica acaba de se montar urna officina com serrara a vapor para
obras de marcineiria propria para edificio, para o que encarrega-se de fazer portas, ja-
dellas, assoalhos (parqu francez como se usa na Europa,) e armages, todo com brevi-
nade e perfeiclo. Toma-se qualquer encomfflBnda para f6ra da cidade, entr%j;andf>se
promptaa collar-se no lugar.
Compniia, -geral hespanhola de seguros mutuos
sobre a vida ""
AUTORISADA PELO REAL DECRETO DE 2 i DE DEZEMBR0 DE 1859
Una flanea em diaheir, depesitado nos cofres do estad, gara a te a bea ad-
miBistraco da compaohia.
BANQE1R0S DA COMPANHIA I ^ ^ tURECfXO GERAL
O Banco de Heapanha | Hadrld : Ra do Prado n. 19
Esta corapaahia liga pelo systema mutuo todas as combin(Ces de supervireneia dos sega
o s sobre a vida.
Nella pode se taier a sutscwpgao de maneira que em nenhum ca mesa por wrte do
ief orado ie perca o capital nem os juros correspondentes a estes.
Sao tao suprehendentes os resultados que produiem as sociedades da ndole deA AU-
NAL,-<|ue aina mesmo diminuindo urna terca parteado mteresse prodiido em recentes liqmda-
cesecombinando-ocoin a mortalidade da tabella de Depareieux qa* adoptada pelacompaiMua
para seus clenlos e HquidagSes, em sagurados de idade,.dd *19 anuos, urna imposic*oannua.
4e i00# ptodat em eftectivo metlico: '
** "No fim de 8 annos. ...... 1:119*300
. de 10........3:942*600
. de 15 ........ 11:208*200
de 20........30:8*000
. de 2o.........80:331*000 :
as idades menores de 3 anuos e maiores de 30, os productos sao mais considerareis.
Prospecta e mais nformacSes sarao prestadas pelo sub-director nesta provincia. ....
Joaquim Fiuz de Oliveira, ra da Cadeia n. 52, ou a Bda-Vista roa da Imperatrte n. 12, esiabeiect-
mento dos Srs. Raymundo, Carlos,Leite & Irmcc ^___^_
CASA BA FOlNfli.
Aos 6:000^000.
Oilhetes garantidos.
k n L^ CRESpO N- *3 E CASAS DO COS-TUME
O aoaixoassignadovendeu nos seu mnito feli-
ces bilbetes garantidos da lotera que se acabon
de eittahir, a beBecio das familias-dos volnnu-
rios da patria, os segointes premios :
N. 3986 dous quintos com a sorte de 6:0003000.
N. 3329 ara roeio com a sorte de 300*.
B outras muitas sprtes de 100*. 40*, e 20*.
Ospossuidores podem virreeWr seos respec-
tivos premies sernos descootos das leis na casa
da Fortuna ra de Crespo n. 23.
Acham-se a venda os da 12* parte da lotera
(61) i beneficio das familas dos voluniarios da
patria, qoe se extrabira' terfa-feira 8 do correle.
PRBCO.
Bilhetes. **000
Meios....... 3*000
Quintos* |*200
Para as pesssas qut esmprarca de 100,5000
para'eiaa.
Bilhetes. .... a^soO
Meias. 2*750
Quintos.....ijioo
Manobx, Martims FI02A.

< Oi:ftMIO s FKEITA^
Ra da Cruz n. -1$.
Continua a haver diariamente um sortimento de pastis, podios, bolos inglezes,
empadas etc., etc. Os donos deste estabetecimento, acbam-se as melhopes condices
de poder satisfacer encommendas concernentes soa arte, em consequencia do socio
Freitas ter sido administrador chefe de algomas das principaes fabricas na-c6rte, sendo
urna a doSr. Jo5o Goncalves GuimarSes (confertaria deleSo) antiga casa de Carceller.
Todos os trabalhos s5o differentes dos que se fazm em.casas particulares.
Os propietarios deste estabeleciment n5o se tem poupado a despezas, nem se
poupar5o, se houver concorrencia como esperam ; tendo continuadamente bom sorti-
mento de doces para cha; presuntos e ditos em fiambre, tambem se recebem para se-
rem preparados ; assim como doce de caj novo superior, secce e crystalisado, dito em
calda em latas hermticamente fechadas, podendo durar anuos em perfeito estado.
Para jantares e partidas recebem-se encommendas dos seguintes objectos; ban-
deijas ricamente eneitadas sem armaco pecas de amendots (nogaces), ditas de tmaras
de ovos, pes de 16 enfeitados com disticos anlogos a qualquer fim; ditos montados,
kechs simples e eBfeitados com fructas ingleza; gatheaux de la reine, ditos de le d-
chese, tortas de fruefca, massa folhada; ditas de peixe e carne; cremes e doces de ovos
de differentes especies.
Tambem tem um completo sortimento de vinhos engarrafados, como sejam: vinho
do Porto superior, Figueira, Madeira, Lisboa, Cherez, Rordeaux, Champagne fino, ser-
veja, 'licores, charopes e conservas. Para festas: bonitas caixinhas com ameodoas, con-
feitos e mais enfeites. Muitos destes objectos mencionados ,podem-se perfeitamente ac-
condicionar tanto para a provincia, como para fra.
F1QITRAS
Acabam de recebar bonitas figuras para bandejas de -doces, sendo grupos para
baptisado, casamento, annos, ditta a phantasia, bonitos enfeites para bollos e circular pra-
tos de doces finos, tudo tpor precos razoaveis.
Yende-se licores em duzia muito em conta.

DOS MUS
AO GRANDE S. MAURICIO


A inglr. lliiapar e lastrar a vapor.
F. 1SAIMRE & C
DE
Gaixeiro.
Para-urna casa commercial estrangetra, preci
sa-se de dous caixeiroe habilitados para todo o ser
vijo exteruo, inclusive despachar oa aUaadega, e
que tenham boa letra e escrevam com -wthogra-
phia, .para poderem auxiliar trabalhos de escrip-
turaco : quena se considerar nestas circumslan-
i eias queira deixar carta fechada com as iniclaes
G. A. S. na prac,a da [Independencia n. 20, loja de
1 relojoeird do Sr. Bertraad, declarando onde deve
ser preenrado, e as abonacoes qne porventura pos-
sa oflerecer a respeito das suas habilitagSes o bom
com por lamento. _____

29 Kua 7 de setembro 29

Casa de commisso de eseraves na rna do Impe-
rador n. 4o, terceire andar.
Recebem-se escravos unto do mato como da
praca para serem vendidos por comroissao, afflan-
?a-se o bom tratamento e seguranza para os mes-
mos. 0 abaixo assigoado nao poopa esforcos afim
de os vender com promptido, nesta mesma casa
ha sempre para vender escravos de ambos os sexos.
___________Antonio Jos V. de Sonza.
Deposito de pao e cestas na ra
larga do Rosario n 36
Fructuoso M. G. convida a todos os seus fre-
guezes a virem manir-se de obras de vime, palha
e gesus chegadas recentemente de Lisboa, sendo
sortimento de bercos volantes para os rescem-nas-
cidos, berciuhos finos para nonecas, cestas de vi-
me para compras no mercado, bandeijas de dito
para roopa engommada, cestas grandes para depo-
sito de ronpa suja, acafates de diversos goslos,
tanto brancos como de cores, condeciobas para
amendoas e doces seceos, cadeiras de vime, mara-
cas de palha e outras muitas obras de Franga e da
Allemanba, que se tornara indispensaveis ao servi-
go das casas de familia, aqu te acha sortimento.
e a pregos os mais favoraveis qoe nos possivel
cede-los.

Defronte da ra nova do Ouvidor (Rio de Janeiro)
Os propietarios deste estabelecimento, o primeiro no sen genero no Brasil, por
trabalhar eom as machinas mais aperfeicoadas para tingir e lustrar, de que se faz uso na
Europa, e ajudados por alguns dos melhores officiaes de Pars e Ly5o, podem assegu-
rar seoslreguezes urna perfeito no trabalho, a qual seno pode chegar pelos proces-
sos ordinarios.
Tiogem, lavam, limpam e demofam com a maiT perfeic3o e brevidade qualquer
qualidade de fazendas, tiram nodoas e limpam secco sam molar as sedas e as vestimen-
tas de senhoras e debomens.
Ufferece-se
Jardim n. 28.
nma ama de leite : na ra do
DE
FAZENDA E ROUPA FEITA
UCA MOTA IV* 4.
Reg & Monra, proprietario da loja de fazendas e roupa feita, sita ra Nova
n. 24, verdaderamente penhorados e reconheciilos para com seus amigos e freguezes,
pela aceitaco e confianca que delles tem merecido no curto espaco de tempo em que
se acbam estabelecidos e perfeitameiite escudados.na sinceridade dos seus tratos, decla-
ram para sciencia daquelles que o quizerem,honrar com seus officios, q'ue, em vista da
grande concurrencia que tem merecido o seu estabelecimento, especialmente no que
relativo a roupa eita; acabam de admittir para a sua officina de alfaiate maior numero
de artistas, inclusive o seu contramestre, dirigido pelo hbil mestre Lauriaoo Jos de
Barros, o qual n5o se poupa a exforcos para satisfazer com a presteza possivel qualquer
obra de encommenda.
Os mesmos annunciam aos seus freguezes que acabam de comprar, um novo e
muRo variado sortimento de fazendas finas e de bom gosto, proprias para o tempo da
: quaresma, as quaes esto dispostos a vender por pregos muito coinmodos e mais barato
que em outra qualquer parte.
Como sempre escusamos essa enfadonha prolixidade dos annuncios bombsti-
cos ; preferimos mostrar na singeleza deste nosso convite os bons desejos que nutrimos
para bem servirmos aquelles que vierem ao nosso reclamo.
No coegio da Conceigo na ra dos Coelhos
n. 12 ensina-se a meninas, alem das materias e
disciplinas comidas nos estatutos, a lingua italiana
e a lingua ingleza a ler, tradnzir i fallar.
Aluga-se a casa n. 6 da rna dos Praseres nos
Coelhos, em completo estado de concert, e aceio :
na ra do Rangel n. 36 segundo ardar.
Aluga-se na Capunga porto do Lasserre urna
casa terrea com soto, tendo 8 quartos, copiar,
cosinha, quartos para criados, estribara e cochei-
ra : a tratar na mesma Capunga casa da Sr* viu-
va B. Lasserre ou na roa Imperial p. 20.
Precisa se de nm homem para tratar de nm
| sitio pequeo todo plantado de arvoredos grande,
; e encher algum pequeo espago que resta de ver-
; duras e leeumes, tratando dos mesmos arvoredos
|e se soober enxertar e podar melhor sera'; este
sitio na cidade de Olinda no meio de casas habi-
tadas, quem estiver as circomstancias dirjase a
livraria n. 8 da praga da Independencia, ou na ly-
pographia na ra das Crozes n. 44.
Preciza-se fallar ao Sr. procurador do padre
Vicente Mara Ferrer de Albuquerque, por se ig-
norar a sua moradia; na praga da Independencia
n.8._____________________________
Ama
Precisa-se de nma ama : na ra de S. Francis-
cs n. o.
PII0T8GRAPIIIA
ARTSTICA AMERICANA
RA DO IMPERADOR N. 38.
Artista americano
Artista americano.
Artista americano.
Artista americano.
RetratosRetratosRetratos.
Em porcelanaNiepcotypie.
Em lencosArchrotypie.
Em vidroAmbrotypie.
Em metal=Dag*jerreotypie.
Em papelTafibotypie.
No grande sali da ra do Imperador n. 38
No grande salao da ra do Imperador n. 38
Neste estabelecimento Uram-se retratos
em todos os systemas, com asseio e promp-
tido, desde as nove horas da manhla
at as cinco da larde ; assim como* tem
sempre a venda grande sortimento de cai-
xas finas de diversas formas. Quadros
ovaes Passepartouts e todos os mais ob-
jectos e productos chimicos, relativos a ar-
te e recebidos ltimamente dos melhores
fornecedores de PARS e Nova York, tendo
de lodo, para todos es gostos e para todos
os precos.
SalSo dama do Imperador n. 38.
6al3o da roa do Imperador n. 38.
Annuncio
Na ra da Aurora n. 7, retratista brasileira,
tira-se retratos em cartoes a 6* a duzia e em cai-
xinhas a 3*.
3
Precisa-se de urna ama para comprar e cozi-
.nliar : na ra da Cadeia ido Reci/e, loja do balo
SUraRUaRoorigue^eMeMo^oraea^
mente agradece aos amigos de seu finado es
poso Maoei Pedro de Mello, que se digna-
ran) assistir a mis-sa resada por intengo do
mesmo, e com espeeialidade aos cavallelros
autores da misa reeada na igreja do Carino,
em o dia 30 do mez paseado, a qual por jus-
tos motivos nao pode asssisllr.
CA1XE1R0.
Precisarse de um dos ltimos chegados : na la-
verna da rna do Principe n. 32.
Penhores.
REMEDIO DE AYER PARA SEZOES
Infalirel as febres intermitentes, remitientes,
Pebres Biliosas e tercs, mal do flgade, in-
cremento do ba^o, cegueira. Dfir nos
ouridos palpitares, quando
o causados pelas
FEBRIS rNTEBMITTENTBS, OU EBMnTNTBS.
As BftipsmsdM de Db. Ateb sao rendidas em todas a*
Boticas t Drogaras do Imperio.
Vende-se em Pernamboco:
na
Hpharmcif francaise|-
lavJaiRra
SUA NOVA H.
h^>
O abaixo assigoado tendo annunciado pelo Dia-
rio de Pernambuco de setembro de 1864 e marco
do correte anoo, que tendo deixado de emprestar
dinheiro sobre penhores desde que esse genero de
transaego foi prohibido, e tendo anda em seu po-
der algumas obras de ouro e prata, anda roga s
pessoas a quem ellas periencem, que as venham
resgatar at o fim do correte mez, pois qne o nio
fazendo, as vender'
maio de 1866.
para liquidar. Recite 2 de
Bernardo Alves Pinheiro.
O Sr. Joaquim Antonio de Castro Nnnes
-mestre de meniuos em Santo Anto, leolia a bon-
dade de dirigirse a loja da ra do Crespo n. 17 a
negocio do seu interesse, e deve ser quanto antes
porgue nao se pode esperar muito.
J*s3-;-
10
DO DR.CHABLE
MEDICO E PROFESSOR DE PHARMACIA, DE PARI&
PARA 0 TRATAMENTO E FRMPTO CURATIVO
DAS ENFIRMIDADES SEXOAES, DS TODAS AS AFFECOOES CUTNEAS, virus
Ci trato de ferro Cbable.
Xarope mui preferivel ao
PLUS DE
COPAHU
Copahia e as Cube-
bu, cura immediatamen-
te qualquier purgacao ,
relaxacao e debilidade, e igualmente fluxos e
flores brancas das malberes. injeccuo de
Chabie. Esta injeccio benigna emprega-se mes-
mo tempo do xarope de citrato de ferro, urna vez
de manba, e urna vez de tarde durante tres das;
ella segura a cura.
DEPURATIF
dv SAIVG
ALTERACOES DO SANGUE.
Depurativo de sangue.
Xarope vegetal sem mer-
curio, o nico conhecido
e approvado para corar
con promptida e radi-
calmente impigens, pstulas, herpes, sarna, co-
mix6es, acrimonia e alteraces viciosas do san-
gue; virus, e qualquer afleco venrea. Ba
nboa miBieraes. Tomao-se dous por semana, se-
guindo o traumento depurativo. Pomada an-
tiberpetea. De um effeito nuravilhoso as af-
fecescutneas e comixoes. *,-,
HcniorrafaidaH.Pomada que as cuaa em
iw Mi|.'i 4< tim^n, ^...._ .... mm
3 dias.
Feitor.'
Precisa-se de um feitor para um engenbo perlo
desta capital e que seja portuguez, paga se bem,
estando as coadigoes que se deseja : a tratar no
engenho Santos Mendes, na freguezia de Tracu-
uhaer, on nesta praga com Manoel Ignacio de Oli-
veira & Filho, largo do Corpo Santo, escriptorio
n. 19.
m

Deposito Da ra larga do Rosario holica de Bartholomeu t C. n. 34.
Precisa-se de dois officiaes de serralheiro : na
ra da Imperatrlz n. 17.____________
A Sr* D. Joaqnina Mara da Conceigo Ge-
des, mi do Sr. major Gabriel de Sonza Gaedes,
que se acha no sul, dfgoe-se mandar receber no
escriptorio do bario do Livramento o que o eenbor
seu filho me mandn. Faz-se este anouncio por-
que ba pero de dous mezes qne se indaga de sua
morada e se nao tem achado.
AMA
Precisa-se de nma ama para comprar e coziobar
para nma pessoa s : na rna da Cruz n. 13, pri-
meiro andar.
MflKg
OTerece-se urna pessoa habilitada para ensl-
nar primeiras letras, grammalica e aritbmetica
em algnm engenbo : a tratar na praga da Boa-
vista, casa de Droga n. 24.
BOA CASA
Aluga-se na ilha de Bem-fica, a margem do rio,
a ratao de 15 raensaes, a primeira n. I A
trata-se na ra Nova n. 38.
MLk
Precisa-se de nma ama sem filhos para andar
eom um menino e cuidar de soa ronpa : na rna
larga do fosarlo, botica n. 34._______________
Amm de lelte.""
Precisa-se de nma ama de leite : a tratar na lo*
ja de livros ao p do arco de Santo Antonio.
O abaixo assigoado faz sciente ao respeitavel
publico e com esrecialidade ao corpo do commer-
cio, qne nesta dalo venden ao Sr. Albino Jos dos
Santos o sen estabelecimento de molhados' silo no
largo do Panizo n. 16, llvre e desembargado ;
julfta nada dever, mas se alguem se jolgar credor
queira apresentar suas eontas no praso de tres
das, no mesmo estabelecimento, on na refinaco
n. i no largo cima referido. Recife 4 de maio
da i86.Jos Amonio da Costa Volante.
Alguma multrer branca, de idade ponco mais
on menos, 40 annos, qne tenba capacidade e se
queira sujeitar a coziobar e tratar de nma menina
de i annos, em casa de um homem vluvo, pode
dirigirse para tratar ero Sanio Amaro, taberna
junto ao ehaarfa.________________________
Os abaixo assigoados fazem saber a qaem
interessar possa que seu irmo Antonio Domingues
da Costa Albuquerque defxou de fazer parte desde
o 1* de margo do correte auno, da socledade que
tinbam no engenbo Boacica, fleando todo o activo
e passivo da mesma sociedade a cargo dos mesos
abaixo assigoados. Boacica 25 de abril de 1866.
JoSo Emiliano da Costa Albuquerque.
Joaquim Soriano da Costa AUtuqgerqnt.
Atteoco.
AIIZARIITS
Tinta Inalteravei
Para escrever
de P. MAIRER C.
PERNAMBUCO
Esta tinta recomraenda-Be pela sua com- .
poeicao e fluidez como a melhor e a mais
segura de todas as tintas at hoj*e oonheci-
das. Nao ataca as pennas de ac, d at
tres eKcellentes copias, mesmo muitos dias
depos de escrever, e preferivel a qual-
quer outras tintas particularmente para
livros de commercio. documentos eto de
que se careca longa conseryaca.
Precisa-se de urna ama para casa de poaca fa-
milia, que saiba'engommar e coznhar: a tratar
na praga do Como Santo n. 17.
mmm mmm mmm mmm*
j|| Companbia Gdelidade de seguros H
maritimos e terrestres
estabelecida no Rio de Jaueiro.
AGENTES EM PERNAMBUCO
< Antonio Laiz de Oliveira Azevedo k C,
m competentemente autorisados pela dlrec-
H toria da companhia de seguros Fdelida-
I de, tomara seguros de navios, mercado-
5! ras e predios no seu escriptorio ra da
m Crui n. 1.
Na roa Bella n. 22 paga s 2'5 por nma ama
escrava para o servigo de peqnena familia.
CHOCOLATE MENIER. ""
CHOCOLATE DE SAUDE.
CHOCOLATE DE BAUNILHA
CHOCOLATE DE CITRATO DE FERRO.
CHOCOLATE LACTATO DE FERRO.
CHOCOLATE DE MUSGO.
Vendc-se
Na botica e drogara
DE
BARTHOLOiHEO & C.
34Ra de Rosarig larga34
Vende-a* na livraria franceza ra do Crespo e ra Nova n. 48 de
DE
DE : *
f. VIGNES.
M. 55. RA DO IMPERADOR M. 55.
Os pianos desta antiga fabrica sao boje asss conhecldos para qoe seja necessario insistir sobre a
ua superiondade, vantugens e garantas que offrecem aos compradores, qualidades estas incontesta-
vels que elles tem definitivamente conquistado sobre todos os que tem apparecido nesta praca ; pos-
mindo nm teclado e machinismo que obedecem todas as vontades e caprichos das planistas, sem
nunca ralbar, por serem fabricados de proposito, e ter-se feito ltimamente melhoramentos imporUn-
ssimos para o clima deste paiz ; quanto is vozes, sao melodiosas e flautadas, e por sso mnito agrada-
Era casa do photograpbb Len Cbapelin, roa da vais aos onvidos dos apreciadores.
Imperatrlz n. 15, esto expostos venda os reir. Fazem-se conforme as encommendas, unto nesta fabrica como na do Sr. Blondel, de Pars, socio
tos do i' tenente Antonio Cirios de Mara Barros, sorrespondente de J. Vignes, em cuja capital foram sempre premiados em todas as exposiedes.
morto no Passo da Patria. A mesan casa receben No mesmo estabelecimento se achara sempre nm explendido e variado sortimento de msicas des
ltimamente noros productos chimicos rnra o nso Minores autores da Europa, assim como harmnicos pianos harmnicos, sendo tudo vendido por
da pbotographia. < pregos commodOM razoaveis.
Trocara se notas do banco do Brasil e das
caixas flliaes com descont razoavel : na praga da
Independencia n. 22._______________________
Alfaiate francez.
Qnem precisar de um perito mestre de tbesoura
para roupa confeccionada, ou por medida dirija-se
a rna do Rangel n. 17 officina do cutelelro, para
tratar das 9 horas da manha at raeio dia.
Irmandade do Diviso Espirita-Santa
(docollegio).
De ordem da mesa regedora, convido a todos os
nossos irmos a comparecern! em nosso consisto-
rio domingo 6 do correte as 9 horas da manha,
a fim de em mesa geral, proceder a eleicao da me-
sa regedora para o facturo anuo de 1866 a 1867.
Consistorio da irraandade, t de maio de 1866.
Manoel Luiz da Veiga, escrlvao interino.________
Na botica e drogara
DE
Bartohomeo C.
34Kua de Rezarte Larga34
VENDE-SE
Preparados da America
Do Dr. Radways:
Pillas reguladoras.
Prompto alivio.
Rezolutivo renovado!'.
DoDr. Ayeir:
Salsa parrilha.
Pitillas catharticas.
Xarope peitoral de cereja.
De Lammam 4 Kemp.
Verdadeira salsa parrilha de Bristol.
Plalas assucaradaa.
Pastilhas vermfugas.
Ole puro de figado de bacalbo.
Roga-se ao Sr. Lbano Lopes de Carvalho o
favor de chegar a rna da Cadei d Hecife 47
(loja do balo) a negocio qoe ihe fz respeito.
4*i de leite "
Precisa-se de ama atoa de lelte : na ruada Pon-
te Velha, casa prxima ao caes do Gspibaribe.'
V
A
v


IL
/
^vot^ ~ *******felr **'
186G.
Jfi ET
dof uoicnjos,
pela miobS.-e outra '
lempo o doenie e o medico.
RABE DO I OaGET.
Este atrope esl approvado pelos mais eminentes mdicos de
jfcaejido o melhor para curar constipares, tosse-convulsa e
taquee de peito, irriucftes nervosas eMeaoniaoleatUsY urna coiherad
iolteeo suficientes. 0 effeito deste excelente xarope satisfaz ao mesmo
i-
.'f "OMi^mmt ...: *m*m aww
Deposito na ra larga do Rosario, botica de Bartfiolomeo *C. n. 34.
1 -'- ,_________ __ ; t (I,
I. Compram.e
Guia u.-9.
ca roa da
Paris,
outras,

G4S4 DE MNHOS *
i Pateo do Carmo 26.
>Njte estabelecimento to impor-
1 tante^ara a saude e^asseio do cor-
i po, acbam-se montados 20 banhei-
ros, qae sao servidos com a ordena
-e aseeio que para dsejar-se. Qua-
tro eales banheiros sao especial-
uneote reservados para-senhoras e
poristo acham-se coitocados era lu-
-gar reservado, aonde s tem entra-
da as pessoas de orna mesma fami-
lia.
' Pai^OS DE'BANHOS AVULSOS.
1 banbo fro, momo ou de
chovisoo ....... 500
1 dito de choque..... 4,$OO
1 ditodefarello____ ,. 4#0G0
i dito-aromatisado 1,5000
PRESOS POR ASIGNATURA.
30 baohos por mez fri,
moroo ou deohovisco. 10(5000
25 banhos com cartees pa-
ra os meamos .
42 ditos ditos ditos .
12 ditos ditos de -choque.
42 ditos ditos.de.farello..
O estabelecimento estar aberte
nos dias atis das 6Aoras da ma-
ntisa as ,10 da noite, nos dias san-
tificados das 5 as 5 horas da tarde.
DOS
latas vaiias de faz
, Libras, sterlinas conpram-se na praca da
Independencia p, 21. -
Compra-se nm pretp moco que seja bom
rinheiro e de boa conducta a tratar na ra do
Queimado n, 6, loja.
Compra-se ooro, prat' e 'pedras prec
em obras velhas : na roa da Cadeia do
cja de ourives no arco da Concedi.
Oure e prata
Km obras tenas: compra-se na prca
oependencio o. 22.4oja de bilqetes.
Recite
Diademas domados,
enfeitados com aljofares, peers,
- ele, para meninas e sentar*.
-A gula-branca vende bonitos e modernos dia-
dems dourados, entortados com atorares e pedras!
proprias para meninas e senboras.
Aspas fortes para bolees..
Isa, ra do Queimado lojade miudezas o. 16 ven-
de-se aspas de 50 fortes, e de differentes larguras
para baldes. -* .
Bonitos quadrs paja retratos.
Vendem-se na roa do Queimado loja de miude-
Compra-se orna burra de ferro, Ingleza ou
mesmo das antigs ; na ra Nova n. 31.
Bonitos ehapezinhos
de palha fina 6 avencaes pira meninas.
Sao obras estas de que os bons pas de familia
se nao podefp'escusar de comprar, por fazrem el-
da ln I las parte do" asseio e bom gosto com que trajam
j suas bellas lilhiabas. A aguiabranca ten o pra-
de ver qae too bellas e precisas obras "
, CALCADO.
A primeira condicao indispensavel con-
t, bonitos quadros ca >iord"ura preta e !erN'?C'' da,sade Irazer os ps bem de-
leDtkdos: contra
j donrada, todos por pre{os rasoajeis. cutimos-, contra os ataques
Garrafas brancas calcado bom e seguro
da humidade;
o nico preserva-
e 43 coras cem superior agua da colonia. tivo desfas mft enrtiddes"^ miftpoV ln'.
JendWse oa ra do Queimado. lo.a de miude- Jeito o noso^fum?^^^^^^
10
11
Libras terlUju
ssira como qoalqoer ontra especie de ouro amoe-
dado ; compra se na ra do Trapiche-nevo nume-
I ro 52.
fiesponsaveis nos crime
De hber3aue de exprimir os pensa-
metilos.
Lites fie <4ireito criminal.
* IPBLO DB.
Brai FlorenHno Henriqnes de
tana,
[Lente de direito civil na FaculJade
de "Direito do Recife.
Acan de sahir a' luz esta interessan-
te publicagao* aeba-.e a" venda na li-
- vrariaEconemica a* roa do Crespo o.
Wi 9K -. Pelo pre^e de 45 cada exemplar.
MflDH flflff.KW&VAlK t i"*0 le pistolas boas,
Na praca da ^dependencia n. 33. loja de 'r*a Be,la n- 5i
onrives, compr%-.e ouro,<)rau, e pedras preciosas,
e tambeme ae^joalquer obra de encommenda,?
todo e auajquer concert.
Compra-se na prensa de algodo de Saundrs
Brotners & C. semeotes de algodo a 500 rs. por
trroba. ,
fram
gado; por um dandy patuscante, ou
Dotina acalcanbada em pequenino p de en-
gosto, enfeiudos com toda a perfelcJo : os aven-
naeh V ? e flaa Cmbrvl{iiarnecidos de
qabad.nhos bordados; o que Ibes da muia graca.
Na roa da Imperatriz o 15 comprase um
ierno de medidas de pao e qoatro on cinco de fo-
Ina em bom estado, proprio para taberna, nma
palanca romana para balcio,
Compra-se um bom seliim inglez em segn-
te nao, paga-se bem : na roa Bella n. 28.
Comprase
em segunda mo : na
Novo" gosto
"tWc, Gvellas, e brinros de feligrana.
devidarnente apreciadas" e"eobMdas"7m%eu" i n A.anlJ8a e b/" conbecida Uja n. 16 na ra do cantadora deidade alem de acensar que-
nbo. Os cbapeozinhos, alm de sern d'oma na" &n,ad0' reclu ura S01 limt'otQ de d,v,er?os b" bradeira bornpilante, prova contra -as fjcui-
-amuifloa, de mui bomuTm fi S^T&S^'SiS^^ '^^ d8 ^antea, e nao ba
gradaveis, tendo entre elles alguns de flligrarra obra (JD?m' leDd0 ^^ S6nso> *lu de multo gosto e deflcii execugao, e bem asm 3- maluco, on pobre de surro : ergo, ocr-
vellas e brincos as mesmas circuniitancias. ram a :
Tambera recebeu alguns cintos o que de mais ,i^_bTu nmrfTA _i*
moderno e bonito, se pode encontrar em tal genero. 1 l 44--RA D1RLI1A-4,
Alem disso encontrara os pretendentes um com- e aendam a barateza.
pleio sortimento de flvellas de madreperola, ohris- Ilomens.,
tai, tartaroga, e dourados, brincos de ebrisul, Borzeeuins hanvllftriP7PS rip Ins.
rl^lcries M "'o. otros obje'c- ^^ ^,0
Os precos ^^b^XX, e daxjoeUes, lOf'e'de
quanto sao ellts baratos conbecera o pretendente
Vldrilhos de cores e aljofares,
imitando (, para enfeites de vestidos.
a na ra do Queimado n. 8 rece-1 Jf8 deosto> os quaes continua-seavendercommo-
-Preclsa-se de urna ama para casa de potica
ramilla, queTa^a todo servico, preere-se esorava;
na ra de S. los n. %
Compra-se
ama casa era Olinda, que sea grande en bom
togal, a tratar oa roa Veiba % 11.
beo um beo sortimento dos obiectos cima oro- damenle.
S^i pAr* "^" de vesWos>"etc, etc., e est
vendeodo conmodamente. >
Novidades.
Na Agola branca roa do Qaeimadoo. 8 rece- e ovos enfeites Blets ornados de laoteioila* dou-
.l1Ieri!bjecl081,ettai,08osoeiirteirameo- radas, noedlnhas, aljofares, vidrilhos etc., tendo
60000
7,J0OO
Ditos de Bordeanx
Ditos parisienses de bezerro e
cor_dav5o....... 8,5000
10,-)000
o^ooe
104000
10^000
VENDAS
MARTIMOS
M
DROGARA
BOTICA E
DE
EARTHOLOMEO & .
34 HA DO ROZARIO iAJIGA 34
Vende-se
Xaiope de Goiy.
Granulos d!atropina.
Capsulas d'apiol.
Vinbo de quinquina de Belline..
Pasibas degesvas de pepsina Wasmam.
Granulos de Bismuth de Chevrief.
Licor e pifadas deLaville.
IjeccSo Foaugs..
Xarope verdadeiro de Botigny.
Granulos d'Ergotina de Bongean.
Capsulas e injeccao ao matico.
Xarope hypophosfito de cal e soda.
Elixir anti-asthmatico de Guilli.
CQiifeitos de cubebina de Lalelonije-
Eixir de citro-lactalo de ferro do Dr.
Tbormes.
iojcco Brou.
^Essencias superfinas do Hermam, Piver e
Cbardrin Hadancout.
GraaulosdeDigitalina.
Vinbo de quina ferrugino.-o de Moitier.
Xarope de Iodureto de ferro de Blancard
Agua das caldas da Rainha.
Xarope de tndacio de Abbdie.
,Confeitosde Jactato de ferro de Gelisd
Conloe.
Forro de Quevene.
Rob de Laffecteur.
Peroias de ether.
Xarops anligotioso deBoub.
Ole de figado de bacalho desinfectado de
Cbevrier,
Agua denlifica de quinina.
Peroias de assafetida.
Oleo de figado de bacallio ferruginoso de
Chevrier.
Xarope de digitales de Labellony.
Ole iodado de persone.
Xarope de cudeina de Berth'1.
Emais as principaes drogas, pioductos,
especialidades pharmaceuticas e chimicas
dos principaes paizes da Europa.
X4B&PE
DE
IIVPOPIIOSPHITO JE CAL
DE
GRIMALT & C.
Pbarmaceulico de S. A. I. o principe Na-
poleo em Pars.
Desde muilos seculos os mdicos e os'
chimicos tinham procurado um medicamen-
to que podesse curar as molestias do peito,
todas as pesquizas feitas at boje nao ti-
nham tido nenhum resultado.
Porm os trabalbos que foram communi-
aados ltimamente academia de medicina
de Paris e as mais serias experiencias feitas
no hospital Bromptos de Londres, que* es-
pecialmente reservado para o tratamento da
tsica, provaram que essa terrivel molestia
quando ella nao esta va ainda no seu ultim
grao, tinba do xarope de bypophospbito de
cal um especifico poderoso.
, CONTRA FOGO.
A compankia Indemnisadora, estableci-
da nesta praca, toma seguros martimos so-
bre navios e eus carregamentos, e contra
rogo em edificios, mercadorias e mobilias:
na ra do Vigario n. 4, pavimento terreo.
***?***?*
" O Ur. Garol/no Francisco de Lima San- M
sm tos coBtiuia a morar na ra do Impera- 1
wa',"'i?a*5and0 andar, tendo alias seu *
gabinete de consultas medicas, logo ao
| entrar, no fuwieiro. 6
O mesas daator, que se tem dado ao
Q pst|Jdo tanto das operagoes como das mo-
MC lesnas iweroas, prestase a'qualquer cha-
S ? -i ?aer pafa denlro Q"r para fra
da cidade.

AOS SBS. ACADMICOS
Vendem^se as seguiotes obras de direito
com pone uso : Manuel du tiroit fomain
por MackeWey, 1 volume por W; Diccio-
natre du Cententieux Commercial, por Ha
se, 1 volume, por 54; Elements u droit'
ronmn, por Maynz, 1 volume por 40; Es-
prttde la jurisprudence des successions,
por Conflans, 1 volume, por 4.; Codepra-
tique des fatllites, por Geoffroy, 1 volume,
por 30; Ekments de fEconom Politique,
por Garnter, 1 volume, por 24; Organisa-
Jtondu tramil, por Louis Blanc, 1 volume,
^ i por 10200: na ra do Crespo n, 4, fabric*
jp de chap6os.de sol.
IlWlIflIS
te nevos, sendo .
Bonitos e delicados nenies donradas e prateados
tendo ewre elles alguos de aiigrana obra mai per-
feu e de elevado gosio.
Ditos com chapa de adreperota.
"rjocos de filigrana eoutras agilidades.
pweilas de dita outras Umbem de diversas
qomdades.
Omtos mui boBrlos, enfeitados em toda a exten-
5o com caracteres doorados e prateado*.
Filete enfeitados com moedntias donradas.e lan
tejoilas, aljofares 4 &, sendo para coque, e toda a
cabeca, e outros'com plumas &.
Bonius ToAtts -de jaspe com cruzes, tendo tam
bem algumas de 4uas cores.
Luvas
de laa vegettL para
Hotel Veneza do Norte.
Raa das Cruzes i. 39.
fefo, no mesmo esiabelecimenio acharo om cora-
Plato ortimenlo de diversos pe.lscos a quaKr
5La,; h d?"ngos e dias 5an,os havera?marde
vacca e chocolate com lelte de madrugada Tat
bem se cebe qualquer
seja ella aual for.
encommenda para fra
A uga-se urna casa e sitio na estrada do Ja-
cobina (Capunga), com terracos e canieiros ao-la-
do, banheiro cocheira, estribarla, gallinheiro e
quartos fora, bastante fresca : a tratar na ra do
Pilar, primeiro sobrado a direita logo depois do
arsenal de marraba, 2" andar.
PASTA a XAROPE de IAF da ARABIA
. BE i i.\v(.iti:\ii:u
h acuitad de Medicina de Franca, e por 101
PARA 1866.
Acabam de sahir luz as foihmhas de
algibeira e de porta para o anno de 1866, o
mais correctas possivel tanto no-calculo das
las e eclipses, como as diversas festas
que a igreja celebra; vendem-se unicamen-
70 ?!*ram da Praca da Independencia, a
160 res as de porta e 320 ris as de algi-
elmatisadas.
Para
f/!5'. ?APtriI.' os 1u,es extiflearotanto asna spri-
mdicos dos Hos-
rirtH m,;"'.;j "' H""" tl'uucaro 'anto a sna superio-
racacil \L ,fS0S^.Uir0S P^"como sua poderosa
ESOmLfSSLZ nnux<.., RACAH'OT DES RABES
e ii.A(;itj\|in
nico alimento approvado pela AcademU de Medicina de
J-ariz. Elle restabelece as pessdas que soITrem do Eato-
SS. ,,n'o: fortaleoe as crlancas e as pessoas
aeni nadas, alem aisso em virlude de sua propriedade ana-
lptica he o melhor preservativo das Tebre amaralla e
typooide.
Cada frasco e cada caiiinha dettai preparares Ino
itmpre o ello a firmo Delangrenitr, ra Richelieu, 28,
DeposiUnos no Pernamiuco : Caara Barbera' Bar-
Uiolomeo T" i Souzt j Ola.
beira.
,cOTn.PanD0 de al*odao aat,ahia parasaccoTde
assncar e roapa de escravo, vende Antonio Luii
ilcrazB.l & 'a SeU escriP^mrua
ei Vende-see lai-ae todo negocio com o depo-
sito da ra do Vigarw n. 25, muito proprio pera
um principiante que queira principiar sua vida
com pouco dinheiro ; ao comprador se dir o mo-
tive da venda.
Veoe-se nma escravaereouia, moca, que sabe
coznjiaj^ejngommar ^a_raajmperial n. 43. |
Panno de algodo' '
trangado .:..
da fabrica de Fernao Velho : vende-se na ruada
Cadeia n. 4, armazim de Silva Barroca.
Vende-se um fogao de ferro americano
grande, com todos os pertences necessarlos, pro^
pno para hotel ou casa particular; a tratar na
travessa da ra Bella n. 10.
e meias
quem sofTre de frialdade, pa-
;:"'- "~ -vuuein-se na ra do Queimado loia
o Agma branca n. 8.
Bandolino de roza
para segurar ou conservar perfeitameote audo os
cabellos das seoboras. Vende-se na ra do Quei-
mado loja d'Aaia branca, a AJflOO o irasco.
Enlates pretos para vestidos
A Agaia feranca receben bovos enfeites pretos
para vestidos, sendo ibreos com vidrilhos e *em
e es, trancas com pendentes de vidrilhos e sean
e es, cordae grosso tambora com vidrilhos e sem
enes ; assia como galoes e franjas de diversas lar-
guras, Bus de velludo etc. como sempre os boas
iregoezes^Bcootraro oemmodidade de precos nos
objectos que se vendem na loja d'Aguia brancarna
do Qnermado d. 8.
Bolees devidro
com enfettee d'aco no -centro.
EssesbolSes que toatoservem para melhor se
poder enfeitar om bom vestido preto ou de or
acbao se a venda na ra do Queimado loja d'Aca'
branca n. 8. ^
Acaba a rna do Qaelmado d. 48.
Lbromaco-me para tiogir cabellos.
Hoild walter para dito.
Tintura de L. Marquea para dito.
A guia branca
a roa do Quimado n. 8
acaba dereceber:
Lantijonlas d'aco para enfeites.
Pennas brancas e de corea, para gorjos e chapeos. dezas 16.
fcnfeites filete, mu bonitos e modernos.
Sapatrabos de setim parj baptisados.
Meias de seda para o mesmo.
Bonitos cnapeosinhos de setim para dito.
Rosas camelias e ootras qaalidades.
Novos brincos, flvellas, pentes e pulsfiiras de fili-
grana,
Filss t seda de cores para debrunhar vestido.
wf u de gorgoro, desenhos novos e bonitos para
cintos, v
Cartetras com agulbas.
No
Penentes de madreperola, e enfeites filete
A loja de miudezas na ra do Queimado n-. 16,
eISS SS^^^^f^- -Sapaea de Nantes de duas'bal
tenas rasas ...... StfOOO
grandes para toda cabe$a e pequeos naarfciT SaPat0s de lona, sola de borra-
regulando os pregos de i* a 4$000 rs. Cha. ....;... 2C00
Bonitas caixinhas Ditos aveludados taMflft
com arranjos dourados para costura, tendo com Dito- de tranca hnns itann
mus|casesemellas. Vendera-senaradoQuei- elranCab mm
madoloiade miudetasn. 16. Senhoras
Trancas pretas Borzeguios enfeitados. 54000
oera vidrilhos, e bicos com ditos e sem elles nara D'tos de lago...... 4A800
eaeites ou vestidos. ,v Ditos USOS iKOC
Na ra do Qoejmado n. 16 loja de mludeas a- SaDalos de hnrrarha iwnl
<*rao os uretendentes nm heiin ^r.imon.n ^ OOrracna .... 1*.00
corneires e segeiros 1
de lustre, meios grandes 20-jOCO
E um completo sortimento de calcado ia-
" nopaiz.
pretendentes um belo sortimento los Selleiros
bjectos cima ditos, cascarronas, franjas etc. etc
tudo esta sendo vendido por presos commodos.
Botoes pretos
de vidro enfeitados d'ago.
A loja ae miudezas n. 16 ra do Queimado
vende mu bonitos bot8es pretos de vidro com en-
feites de ac, os quaes muito se uzam para?enfeiiar
vestidos, uem os pretender pode dirigirse a dita
loja n. 1 a ra do Queimado.
vendem-se na loja de miudezas
a ra do Hueimado n. 16.
Bonitos leques de sndalo e outras qualidade.
Bonitos cintos com flvellas de diversas qualida-
des e owldes.
Brincos e cruzes de crvstal.
Abotoaduras de dito para coletes.
Bomtos port-relogios.
Delicaaas caixas com msica e sem ella, para
costura.
Agornas e linhas para chrochel.
Retroz superior em carriteis.
Rendas pretas e bkos com vidrilhos.
Fitas de velludo com listras de
feites de gorros e vestidos.
Sola
bricedo
Grande loja
irmazem da Arara rna da j-
peratrizn. 36.
DE
cores para en-
loureoco P. Mendos Goimares.
O propneiarlo deste estabelecimento recebeu ne-
10 ultimo vapor de Europa diversas qualidades'ae
fazendas para vestidos de senhora
Sedas de coros a 1^300 o covado.
ra ae*M f" l* '2 para W,dos de ^-
a *500.._cova(|o. laasinhas de Irados gostos a
z lo-
240, 320 e 400 rs. o covado. Roa da Imperatn
ja e armazem doArara u. 56.
llelodiques de laa para vestidos a 4C0
.. o covado,
'nnnrlaSLna CVa f"enda P0r nome mt"dl-
ques toda de laa para vestidos a 100 rs.
m& grosdenaoieXilsas e lavradas, brancas g a b TtiSTcSS Tfi^
peratriz loja do Arara n. 56.
(ra-
na
tingir cabellos.
Hoild Walter.
roa do Qneimado, loja miudezas
, Vetde-se
n. 16.
Gorfiuaco-nic
Para tingir cabellos,
v ende se na loja de miudezas, a ra do Que-'-
maoo n. 16.
Tintura de L. Marques
Qara fazer os cabellos pretos.
Vende-se na roa do Queimado, a loja de min-
zas n. lo.
ssaogas miudas, aljofares imitando itas fa"ida
Vende-se as pliarmacias de Maurer e de
A. Caors-
mmmmmm

V
Para quem precisar
Vende-se urna pequea taberna propria para
um [ rmcipiante por ter poucos fundos : na Sol-
quem
armazem de tazendas
baratas de Santos Coelho
Ruado Qaelmado n. 19.
Vende-se o segninte :
Loberas de chita da India a 23400
Lencoes de panno de llnho a SJ2O0
Ditos de bramante de linho de um s panno a
amo.
a tS tuiS" braDC0S PrPrl0S Pa" algibeira
Cantos e phautasas.
Um volume in 12." impresso e en-
cadernado em Paris: em casa dos
edictores
dade, ra de Juo Fernandes Vieira n. 14 ,
mPr.e1?d,erHdiri,",e a Boa-Vista' es1nina d0 Jas" I SSo a vara
mim, 1 andar, qara tratar. 1 KSSk*j?a <
-------------t~------;:--------------------------! Afhoalhado de linho a 23800 a vara.
Calcado barato. r,t0algodIa**avara-
Vende-se na prSca da lodenendencia n^ 17. d V,apos ?e !in5 a 380 a dDzia-
Cambraia branca de forro
acevidrilhos decores
para enfeites de vestidos; vende se tudo .o oor
precos razoaveis na roa do Queimado n.i oja 16
de miudezas. J '
AttertJoT"
Attengao!
a M 4 Attengao!
8r..sdeHaples ppeto a 1*600 o covado.
Vende-se um grande sortimento de rosdena-
Ple a l600? 1800, 2* SfSOO o covado ;difo
multo superior a 2800e 3 : na roa da Impe a-
triz n. 72, loja de Guimares & Irmo.
Monantique preto a 2800.
.f^aV7aJJRST" mrm^
Chales de renda pretes a 8J000.
72!*9*9S*9* nftfc ormento de cha-
Arara \endesusim para vestido a 240
Vende se nova fczenda susim para vestido* da
senhora1 e roopa de meninos a 240 rs. o cv -
ditas a 160, 200 e 240 rs. o covado Ra da m'
peratriz loja do Arara n. 56. ^
Tarlatana de laa para vestidos a 240
nhora 9%iOtarolaIaDa H l3a para ** de se.
nhora a 240 rs. o covado, fil de linho a ICO o co-
vado, cortes de chita a 2*0X0. S no Arara ra
da Imperatriz n. 06. *'ira, ra
-J* a travia,a a 32 rs- o covado.
enhor.;SV?Ia'aa aJraviaIa Para vestido, de
faf r.*i?20 rs- cvado, s no Arara todas .b.
Eur/na ^S.Vf Vndas Pelo ultimo vapor Ja
tSSA 9*e armazem da Arara>da
Arara vende cobertores a i &S0
Laasinhas do Arara
1 200
rs. o covado.
'.nn?*6 laasinbas Para vestido a 200, 240 S20*
10 e 500 rs. o covado, colarinhos -
- para hernia a
Ra da Imperatriz loia do .Arara
8t0 rs. a duzia.
n. 56.
Arara vende as cassas a 240 rs. o covado.
vende-se cassas francezas linas a 240, 280
rs. o covado. pessas de r;
e
dW.I'I3!0^5a.Moo"^ :,:nco e t:;.i.'
>'rala
- 7 i pa,mos de largura |2Wf &TtS^"lff=
20*000.
muio fina a
o covado.
escuras e claras a 1C8, 2C0 e
N.
LIVRARIA FRANCEZA
9 Ra do Crespo N. 9.
MKmmmmmwm
INJECCAO CAPnULAS
VEGETAES AO MATICO
GRIMALT & C. PHARMACETICOS DE PARS
Novo tratamento preparado com as folhas
de matico, arvore do Per, para a cura rpi-
da e infallivel da gonorrhea sem receio al-
gumi da contraeco do canal ou da inflamma-
C5o dos intestinos. O clebre doutor Ricord.
de Pars, tem renunciado, desde sua appari-
empergo de qualquer outro trata-
Borzsguins de bezerro para homem a 5i e 63
bapatees de bezerro para homem a 35
Oorzeguins para senhora a 2J e 3.
Sapatos de borracha a 1 e 13500.
Vende-se umaTasa na roa dos Pescadores; a
n. JO, com duas salas e dous quartos, e cosinha I Cambraia lisa de 43500, 53, 63 73 e 83 a era
fora e um quintal. Comotambem urna meia-agna| ?Cas. de bretathTde tigodcorafvftm
1 para saia, pelo baratissimo preco d
Fil de linho liso fino a 800 rs. a vara?
Dito de dito com salpicos a 1$ a vara.
Panno de linho fino com 9 1|2 palmes de larga-
ra pelo barato preco de 23400 a vara.
Madapoles unos a 83, 93,
no becco
dos Pintos, n. 12: quem pretender diri-
ja-se a roa Direita n.20 primeiro andar que achara
com quem tratar. -
! propria
33500.
! Lazinha lisa de cores a 500 rs. o covado.
Lambraias finas de cores miudinhas a 360 rs.
covado.
Cjo, ao
. As^e,, deHi.cs eaurrhos. M\^^^%5Z*?
pidamente ao uso deste xarope, e os asthma-
ticos acoam nelle um elemento certo para
curarem-se. Recommendam-se aos doentes
de fazerem uso ao mesmo lempo das delicio-
sas pastilhas peitoraes do suco de alface de
louro cereja, dos senhores Grimault 4 C.
Esta excellente preparaco se compoe de
duas substancias as mais calmantes e ao mes-
mo lempo as mais inoffensivas da materia
medica, e na"o contem opio.
Deposito as pharraacias de P. Maurer &
C. e A. Caors, em Pernambuco.
Cbos da copahiba "e as
metlica.
iojecr;oes
prepara-
cem base
Engomma-se
com asseto, promptidao e precas razoaveis: na roa
Augusto n.5. toja._______________
Antonio Luiz de Oliveira Azevedo C tem
para vender no sea escrlptorlo, roa da Cruz n. 1,
vinho do Porto em eaixa de duzia, fio hamburguez
aola da Babia superior. '
O bacharel Jlo Vieira de Araojo advoga nos
termos de Ipojuca, Escada, Cabo, ou em outro
qualquer as proximidades da estrada de ferro :
pode ser procurado na villa do Cabo, onde reside.
Pede-se toda attenco aos senhores sapateiros
e vendedores de borrachas, Unto em peca como a
retalno, qae vsnba a roa do Rangel n. 49 para fa-
zerem o seu sortimento, qae o preco convida e
jautamente a boa qualidade.
Preetsi-se de ama ama qae saiba cozinhar
bem e qae nao saja moca, para casa de pouca fa-
mllia: na rna Nova n. 55 se dlra' qaem precisa.
Aluga-je ama ama escrava para cata de pe-
quea familia : a tratar ao 1 andar do sobrado
da roa das Crasas a. 14.________
" ^MA^----------
Preciza-te de nma ama escrava, qae saiba cozi-
nhar e qae ie fiel; oa raa do Queimido n. 46
loja.
Em casa de Theod~Chrstiaosen, roa do Tra.
dPiCRen0; ? i6'.QPk0 W no or' do Brasil
deBrandenburg frres, Bordeanx, encontraseei-'
fectivamenle deposito dos artigos seguintes:
Si. Jalien.
St. Perre.
Larose.
Cbatean Loville.
Chateau Margaax.
' Grand vin Chateau Lafitte 185S.
Chateau Lafitte.
Haut Saoternes.
Chateau Saaternes.
Chateau Lataur Blanche.
Chateau Yqaem.
Cognac em tres qaalidades.
Azeitedoce. Pregos de Bordeanx.
^T-.2.l,.Aton^ C*rp'nMiro d* Si,?a ciento
ao reapelttvel publico e com especlalidade ao cor-
po do commercio, qae, tendo de retirar-se hreve.
mente para Europa a tratar de saa ande deiu
por seus bastantes procuradores dante i gU?,o-
sencia, em 1-logar o sea fllho Manoel Carpinteiro
da Silva, em 2 o sea sobrinho Jos Carpinteiroda
fil LT,-3 S b"- alh, **"* : C. e Por
isso qnem tiver negocios com o annonciate oa
wL*a r"" $?C."de JoI A0101110,. Carpinteiro da
u&Sl rlUi,"m!!"'Lao esta'beleclmentos do
!S55Si5?*L.podem diriglr'M *8 d08 ss pro-
caradores pela ordem em qne fieam colocados
i nai
Na antiga e bem conhecida reflnacao ra das
LaraDJeiras n. 12, encontrara o respeitavel publico
ura completo sortimento de assucar de caroco por,
barato preeo conforme a qualidade, assucar refina-
do mnito bom a 80,100, 120 e 140 rs. a libra su-
perior assucar candi a 540 rs. a libra; assim co-
mo cafe em grSo boa qualidade a 200 rs. e superior
3 **? rs-jUlbri' cafn,oi(lo a 360 rs., sevada
moida a 200 rs. a libra, cha preto e verde de mui-
to boa qualidade, este a 23800 e aquello a 23400
arcados, velas de carnauba e de coroposico a j O chales do Pav&o a 6^7^ e 85
^ ,___________________ yj'ilden,-e ri008 cha|e8 Pretos de renda muit
SfthOlPf AS E.B,S?.Som qo?lroJP0Btt'. send0 os mais moder-
! nos por terem chegado pelo ultimo vapor francez
steira Xn,; i i*S', ES^IS!e 2*; na ra da Imperatriz
tsteira da India propria para forro de sala de f-,7,2. loJ de Goiraaraes & Irmao.
mmSSRJUSSEL9*"** pre?0 doiE>ratissimo a 120 ris o
320
de forro a
riua da Imperatriz loja do Arara n i t>
Cliitasa 60e 200 rs.
\ ende-se chitas escuras e ciar,
WO Tiy'T fraDCe,zas f,nas a 28. 3*0. 40C
Qoi d'-pertales maliadai "rasa
t L f i ? '0 5e vende assira baral o Ara-
era,rSiznaSaearmaZem **
Novidade no Arara.
Algodoa 3^'
p !u6 peoC.a d-e. al80dao encorpado a 3?,
;Grande pectocha PaDn0 preto, 000o'&W'^ U""""^
i 3 covado. |Ar,?ra vende madapolo enfestado
' toTs fu Wno^9 prop:io para-ca,2as e ""a-
aiJwnn ?ji%Tf^? .-^ad0 ; casiulras pretas
a 13800, 3, 23400 e 23500 o covado. |
K muito barato corles de casimira a 3o00.
llXkWL&"* de Dcasimira Dreta a 3
4# e 430OO ; dita muito fina a 63.
Admira cortes de'brim de
1,280
Sft^fmAe?fy?e brm de CdreS Dara Ca,?a a
Rotondas pretas a iM,
toJe0D4l5"5e relonaas Pretas pelo barato preco de
1 SaflLSf da ,roPeratriz 'ola de'
Guimares & Irmao.
loja do
a 3A?,00.
!Me-se pecas de roadapoiao entestado a 3-SCo'
i3o cores a
que em outra qualquer~pare.
Neste armazem tambem se encontra nm grande
sortimentoderoopafeitaepor medida.
mmm,
Cafe imperial
O superior caf do Rio de Janeiro
de-se a 123 a arroba ; na ra do Vigar
n- 24, escriptorio.
. covado.
vendem-se riscadinhos muito proprios para ron-
pa de escravos, a 120 ris o covado; ditos escoce-
zes muito finos a 240, 280 e 300 ris o covado.
Laazinhas a 3oo rs.
Laaxinhas de quadrinhos a 300, 320, 360 e 400
f,',aCO'ado ; d!Us muit0 Gnas a 500 e 560 : na
ra da Imperatriz n. 72, loja de Guimares & Ir-
maof.
400 rs. a libra.
Medleinaes de aleatrio.
Remedio efflcax contra as doencas cutneas; as' Sni.** Sil*.."'
impigens, burbnlhas, comichees, postulase sarnas- .il? ^
na nharir.aii An DiniA m a~ n-------._ ------- .'
na pbarmacia do Pinto roa do Rosarlo larga n. 10-'
Vende-se urna rotula nova de louro : a ira-
'ar na ra do Hospicio n. 28
Vende-se urna mobilla de amarello
feito estado
. em per-
no pateo do Terco n. 31, sobrado. {
Cortes de 15a a 5,5000.
Acaba de chegar a este imprtente estabeleci-
mento um sortimento de cortes de la que se ven-
de por 53 e 53500; ditos a Maria Pia, fazenda
, camisinba, cinto e grvala a 253 e 283.
I Chitas francezas largas a 260 ris.
! 9ftVeS?'slaAm fi"* "timento de chitas a 260,
c .imTn^ r8, covado dilas Preciares
na loja do Pavlo, roa da Imperatrix iTo, de a ?0, 4 e.800 7'
Cambraias de cores a 280 rs o
Grande armazem de tin-3
tas medicamentos etc.
Ba do Imperador n, 22.
Jtoo Pedro das Neves (ge-S
rente) tem a venda o
segninte: H
Productos chimicos e pharma- $
empregados em M
mais
e vendem-se peto baratissimo preco de 63, 73i e
nperatrix n. 60,
;)s Srs. Tamanqueiros e
Alfaiates.
JtiSE?*0 avar'ado a peca de 20 jardas por 33000
K5araorr? deobras ^oelles senhores
i%L rtt J 5eBd? i?'*" e enc<>rpada : na loja da
rna Ja Madre de Deas n. 16.
Cal de Lisboa
desembarcada do brigne portoguez Constante II
vende-se por barato preco no escriptorio de M*,,
g!!JlMw> Oliwlrt Fllho, largo do Corpo d?*f* PrPr'a Pra loja de miozezas, fabricado
Santo n. 19.
Veodc-se ama preta da coste, a rna do Sebo
n. 3o.
Vende-se nma armaco envernizada e
propria para loja de miozezas, fab
s oa outro qualquer estabelecimento: a
Vende-se um cabriolet em perfeito estado
com os competentes arreios, lanternas e chcete
na offleina do Sr. Poirier, roa do Imperador defronte
de S. Francisco. ____
Vendem-se 5 casas de pedra e cal, sendo 3
na roa do Bu n. 118.120 e 182, oolra na roa de
.b. Miguel prxima a Igreja, fregnezia dos Afogados,
outra na travessa da Remella freguezia de S. Jos
ver e tratar no caf
69 e 71.
de Parlz rna da Imperatriz n.
a qual rende 123000 mensaes, qaem as pretender I uae barriguda
JL.lt; i? ru.* BeJlaD- 36 entender-se com neher travesseiros : \
Na ra da Imperatriz n. 28.
Vendem-se cortes de cambraia brancos com 4,
6 baados a 203 e 253.
Filo de seda preto com flores a vara 13.
Lambralas brancas de ama vara de largara fi-
" '3 e 800 rs.
Ricas lampadas
e i'malho.
e candielros a gaz por grosso
COMPRAS
Compra-se os Diarios de II 13 14 de
Agosto de 1860 ou qualquer numero pa-.
ga-se bem apeessoa que quizer vonder le-
ve-os a Praca da independencia n. 8 loia de
llivros.
Amerlco Ferreira da Silva.
Fariiiar
^ye.nfim;,8?!".s "J'W d ierra muito
*** \*' 7* ?,?> leDd0 3 40 cn' umbem
se vende medida assim como tem nm completo
8E 'S! ie.Tlbad0S *{?** nde muito ba-
rato na ra das Cruzes n. 41 = Guia dos Progres-
VENDE-SE
Massa para fogo a 200 rs. a Imra, oa roa Impe-
rial n. zol. .
Vende-se nma liteira nova propria para
duem tiver de sahir para o mato^uatar na ra
qo Sebo B. 54, taberna.
o qne de melhor ha para
. wnde-se na roa da Madre
ae jiens, no armazemfinnto a' igreja.__________
.nil^!??6"?6 Va* rica armacao eovidracada,
nm ,i ,ustre de <"w,ro bicos' e iontamente
n^K10 *n meoto de ""od, bonecos,ap-
fif" de POMalaa, mobilias e muits objectos
nMock. com tojo por motivos maito justos que se
n wtStllw Va- ,raur rB* d0 Rane'
n. av das nove da manbaa as 4 da tarde.
covado
oJ"1?^'86 camlraias francezas a 280,300, 320,
360 e 400 rs. o covado.
Cambra las lisas a 3.000 rs. a peca.
Vende-se um grande sortimento de cambraias
lisas pelo barato preco de 33, 3300, 43, 43500 e
rt.SUs?.ai,0,floas a 6*300 e ^i ditas victoria
* WOOe 73; ditas de nma vara de largura a 83
e 93; ditas para forro a 13600, 23 e 23200 : na
roa da Imperatriz n. 62.
ROPAIFEITA.
vende-se um completo sortimento e roopa fei-
ta relia, assim como sejam palitots, calcas, coleles,
camisas francezas a 13600 e l8O0; ditas Anas a
%J*. .'flK *, 5?^' 3* e 3i5oe ?- crolas de
13200, 13400 e 13600, de linho a 23 e 23500 : na
rna da Imperatriz n. 72, loja de Guimares & Ir-
mao.
ceuticos os
medicina.
Tintas para todo o genero de pin-
tara e para tinturara.
Productos industries e tintas
para flores, como botoes de flores
e modelos em gesso para imitar
fruclas e passaros com o compe-
tente desenho.
Productos chimicos e industriaes
para pbotographi, usuraria, pin-
tura, pyrotecnia etc.
Montado em grande escala e sup-
prido directamente de Paris, Lon-
dres, Hamburgo, Anvers e Lisboa
pode offerecer productos de plena
\M confianca e satisfazer qualquer en-
| commenda a grosso trato e a reta-
I Ibo e por pref commodo.
MMt lilil ff ft$
colares Royer on colares ano
dlnos -
Ptchivtcha
n 9e-D?!.? ttberM *lt*a r di Senzala-nova
n. g a trater na mesma.
do7ai" M eDenD0 Mollnote da freguezia
SrlSS'an Sm d0 "i Pira*,B' Qoemluizer
dirna-se ao mesmo eogenho qae acharl com quem
Tasso InMos
Vendem no seo armazem roa do
Amorim n. 35,
Licor fino Curajo em botijas e meias botijas
Licores finos sonidos em garrafas com rolhas de
vidro e em lindos frascos.
VInhosJberes.
Saateraes.
Cbambertin.
Hermitage.
Borgonhe.
Champagne.
Moscatel.
Reino.
Bordeanx.
Cognac.
Od Ton.
PAezei lagniol.
para faalitar a dentigao das crianjas e preserva-
las das convulsSes.
O feliz resaltado obtido immensas vezes pela
prodigiosa torca magntica dos colares Royer nos
casos de convulsoes, e dentico das criancas. tem
alumente elevado o sea bem merecido prestisio
e boje i se pide dizer qne esUo geralmente con-
celtuados, e estimados de innumeraveis pas de
lamillas : de uns porque do oso desses salntares
colares viram salvos do perlgo seus charos filbi-
nnos, e de outros porque colheram daqaelles to
proficuo exemplo para igualmeme preservar os
eos. Assim, poli, a aguia branca, tendo em vis.
tas a utllidade e proveite desses prodigiosos cola-
res anodinos oa Royer, mandan vir o novo sorti-
mento que agora receben, e continuar a recbe-
los para que em tempoalgum a falta delles possa
m!b.Tu a08*s de famllU' os Qoae fleario
cortos de os acharcoatntemento n* rna OoOiaL
mado, loja d'aguia branca n. 8. """
Na rna do Livramento n. 19
nos de ferro, proprios para gaz
pollegada.
vendenwe ca-
e agua com 112
d.7. ni^* d0 Brun*fc W. primeiro andar, ven-
de-se um boa piano em mnito bom estado : para
ver de manhaa at 9 horas, e de tardadas 4 horas
em diaote.
Vendem-se malas e bahus usados moli" em
conta : na rna estreita do Rosario n. 24, loja de
trastes.


f ... gegaad felra 9 de Malo e 1866.
A' loja de fazendas de Augusto Porto & 0.
11 Rua do Queimado11
Chegaram pelo ultimo paquete superiores encbovaes completos com veslidlnhos bor-
dadWMor braoco, u'vas de pellica, manta e capellas brancas para noWas.
Lindas colchas de seda de c6r e de l e seda para camas de noivas.
fraude soriimento de cortinados bordados para camas e janellas.
Chceos bonetes e gorros de plha de Italia para senboras,
Percalles cassas e chitas Bnas dos gostos mais modernos.
Aiarienes, retondes e chales de renda pretos.
Tamisas 8ns com pellos, pannos e colariahos de linho para homens.
Lindas casemiras de cores, laasinhas, pannos e casemiras pretas, merino e bom-
b-"iBBramaote mnito largo a 2*300, WOO e 3*200 a vara.
Teles e alcatifas para forrar salas e peles grandes e pequeos para sof.
camisas de fUnelia, colrtenos de linho, seroolas de llnho. m,uhn
Camisas de meia 6oas, baldes de arcos, de musjelna e de madapolo, espartHhos
eflnosmaneuitos bordados. n\ne,
Esteiras da India para for ar salas
as melbores e por mais odlco prego.
H-Rna Qnelmadoli K
Chegaram pelo paete ingle* riqulssimos cortes de moreantiqoe de cores, e seda lanada pa-
^mtelrame^,^ ^^ ^ ^ q .^
5RUft DO CRESPO 5
Gregorio raes do Aaaaral Comparta.
NOVOS GERENTES
DOS
TRES GRANDES
mmm w mouhdos
DENOMINADOS
PROGRESSIVO pateo do Carmon. 9
NlAO E COMMERCIO rua do Queimado n- 7.
ftDADEIRO PRINCIPAL roa do Imperador fi. 40
LOOMOSC
OSO,
DE

BOM RtEW0 DE I
FAZENDAS PRETAS
vado.
DUARTE CARVALHO PERIRA -fcC.
Fazem sciente ao respeitavel publico, e com especialidade aos senhores de en-
Ienhos, lavradores e mais pessoas do centro, que para mais facilitar suas compras deli-
beraram os propietarios dos tres grandes armazeos, reunir todos os seus estabeleci-
mentos em um s annuncio, pelo qual o prego de um ser de todos, promette-
mos que nao infringiremos a tabella que abaixe vai publicado, annunciar os gneros
por um preco, e na occasiao da compra quererem por outro, como socede constante-
mente em outras muitas casas, porm nos nossos estabelecimentos nao se dar isto
ainda mesmo com prejuizo nosso, qualquer pessoa poder mandar seus fmulos que
aerao tambem servidos como viessem pessoalmonte fazendo-nos o favor de mandar seus
pedidos em cartas feixadas; para evitar qualquer engaos, remetiendo nos urna conta
pela qual se ver os preces tal qnal aonunciarmos, o que seno arrepender pessoa
alguma que fizer soa despenca em.nossos estabelecimentos; ppis poupar mais de
5 por cento na sua despeza diaria.
Vtaagre
Superior vinagre de Lisboa a 2,ooo rs. a
caada e280rs. a garrafa. Tambem ha
mais baixo pafa 2oo rs. a garrafa e i,4oors.
MAIVTE1C2A
Gros de aples preto a MM |*. JJ. f^f*^
Gorguro preto de superior qualidade a 20oOO, 2J800, e4o co-
Superiores moreantiques a 2500, 2,5600, 3, 30500, W e 50Q0 o
covado.
Rons cortes de moreantique.
dem de gorguro adamascados.
Rons pannos e casemiras. iw,n.
Sup ores alpacas, princetas, merinos e bembazinas.
KSSffS chales de fil preto e de guipure a 5J, U, 8*.
10& IU, de 165 a 201, e de SU a 805 cada um.
m Superiores retondas de fil preto e de guipure a 8?, W, m e 250,
- G^ %LSmSCi de fil preto e de guipure de 125 a 255, ede
305 a 605 cada urna.
St"JtawnSd*. eoutra, auto toadas P .
seria enfadonlie enumerar, na
IiOJA DAS COIiUMMAS
DE ANTONIO CORRElA DE VASCONCELLOS & C.
RIJA DO CRESPO W. 13
PHOSPHATO DE FERRO DE LERAS
DB, EM SCIEXCIAS
INSPECTOR DA ACADEMIA DE PARIS. _
Nao existe medicamento ferruginoso to ndtavel como o phospbato de ferro ae
sis @S&SS
Manteiga ingleza perfeitamente Qf che-
gada ltimamente a 1,12o rs. a libra, e
em barril ter abatimento. ,. .
Manteiga francesa da safra nova a 8oo rs.
a libra e em barril ter abatimento.
RANHA
Banha refinada superior a 64o rs. e em
barril ter abatimento.
111
Cha uxim de primeira e superior qualida-
de a 2,8oo rs.
dem hysson o melhor neste genero a
2,6oo rs., e sendo em porcSo ter abatimen-
to, tambem ha proprio para negocio de 2 a
2,4oo rs. a libra.
dem preto superior de l,8oo a 2,5oo rs.
a libra.
Hlscoutos
Latas com superior biscouto inglez de di-
versas marcas a l,2oo rs. a lata.
Bolaehlahas
Latas com bolachinhis da acreditada fa-j
a caada.
Azeite doce
Superior azeite doce de Lisboa a 7oo rs. a
garrafa e a 5,5oo rs. a caada.
FUMO CAPORAL.
Latas com superior fumo caporal a l,8oo
rs. a lata.
Passas
Superiores passas a 2,5oo o quarto e
9,5oo rs.; a caixa de arroba hespanhola e a
56o rs. a libra.
GEIEBRA
Genebra de laranja verdadeira a io,5oo a
duzia e 1 ,ooo rs. ao frasco.
Genebra de Hollanda verdadeira a 6,000
rs. aftasqueira e a 56o rs. o frasco.
Idom de Hollanda em botijas a 4oo rs. ca-
da oms.
Garrafes com 24 garrafas de genebra de
'tifo >EDRO M kftMt
MEDICO, PARTEIRO E OPERADOR.
^ iritefi-fflfirfi; ca^'iRr1i2a6o-gj
O Dr. Lobo Moscoso d consultas gratuita aog-pobres todos o das das 7 g II
Doras da manhlo, edas 6 e meia s 8 horas da noite, excepco dos das laotificadoi.
Pharmacia especial homeopathca
-No mesmo consultorio ha sempre o mais appropriado sortimento de carteirai
tobos avulsos, assim como tinturas de varias dymnamisac15es e pelos precos seguintes:
Carteiras de 12 tubos granda. 1*#000
> de 24 tubos grandes. 184000
de 36 tobos grandes. 244000
> de 48 todos grandes. 305000 .
. de 60 tobos grandes. 354000
Prepara-se qualquer carteir conforme o pedido que se fizer, e com os remedios
que se pedir. KMn
Um tubo avulso ou frasco de tintura de meia onca 15000.
Sendo para cima de 12 custaro os precos estabelecidos para as carteiras.
Ha tubos mais pequeos cada um a 500 res.
LITROS.
A melhor obra da homeopathia, o Manual d Medicina Homeopathico de Dr. Jare
dous grandes volumes com diccionario............ 20400a
Medicina domestica do Dr. Hering............' 10401)0
Repertorio do Dr. Mello Moraes ............, 64000
Diccionario de termos de medicina ....,,...... 34900
Os remedios deste estabelecimente sao por demais conhecidos e dispensam por
tanto de serem novamente recommendados as pessoas que quizerem usar de remedios
verdadeiros, enrgicos e uradores: ha tudb d melhor que se pode desejar, globos de
verdadeiro assucar de leite, notaveis pela saa boa conservado, tintura dos mais acredi-
tados estabelecimentos europeos, a mais exacta e acurada preparado, e portante a maior
energa e certeza em seus effeitos.
Casa de saude para escravos.
Recebe-se escravos para tratar de qualquer enfermidade ou fazer-se-lba qoalqner
operaco, para o que o annunciante julga-se sufficientemente habilitado.
O Iratamento o melhor possivel, tanto na parte alimentar, como na medica,
funccionando a casa ha mais de quatro annos, ha muas pessoas de cuj conceHo se no
pode duvidar, qae podem ser consultados por aquellos que desejarem mandrseos
doentes.
Paga-se 25 por dia durante 60 dias e d'ahi em diante 14500.
As operacfles sero previamente ajustadas, sen se quizerem sujeitar aos precos
razoaveis que costuma pedir o annunciante.

brica do beato Antonio, proprias para dar a Hollanda a 8j>oo rs. o garrafao. Tambem
doentes de 2,ooo a 3,ooo rs. a lata. ha garrafes com 5 e 14 garrafas de 3,2oo a
dem com quatro libras de bolachinha de 6,ooo rs. cada um.
AlliUAZEUI DE Fit2GMftA8
DE
CUSTODIO CARVAIiHO C.
27 RUA DO QUEIMADO N. 27
Madapolo francez muito fino, tendo pouco mofo, cada peca com. 27 varas per
104000.
La de cores a 300 rs. o covado.
Cambraia franceza a 260 rs. o covado.
Finos organdis a preco de 800 rs a vara.
Lencos brancos para algibeira a 24^00 a duzi.
v Finas perclaras a preco de 400, 440 a 560 rs. o covado.
Ricos cortes de 15a de barra de 10(5 a 304000.
Chales de fil preto e outras muitas fazendas.

soda a 2,ooo rs. a lata.
Queijos
Queijos flamengos chegados pelo ultimo
vapor de 2,3oo a 2,5oo rs.
CHOCOLATE
Chocolate hespanhol a l.eoo el,2oo rs.
a libra, francez e stsso a l,ooo rs. a libra
e portuguez a 800 rs. a libra, em porcjo
ter abatimento.
VINHOS
Superior vinho de Porto das mais acredi-
tadas marcas, copio-sejam: Madeira Secc,

, .nnaes da scienj. j ^^^^SSm^MMOB m menstruaC5o,
m TSS lS&^^to rapidanente ou m .dificados por este ex-
P3 nico tambem que nao enegrece a bocea e os denles.
Em Paris na rua da Feuillade n. 7.
venda em casa de Maurer, e A, Caors.
PECH1MIU SEM IGUaL
Rieo8 TArte* de eorgorao de seda pretos aiaraa'cados para vestido conj 13 metros
cellos i C.
VELAS
Velas de spermacete a 64o rs. a libra,
dem de carnauba de lo a 12,ooo rs a
arroba e de 36o a 44o rs. a Nora.
PEIXE
Peixe em latas j preparado de f,ooo a
l,2oo rs. a lata
ALPISTA E PAJNCO
Alpista e paineo muito novo-de 3,8eo a
4,ooo rs. a arroba e de 14o e 160 rs. a li-
bra.
CHARUTOS.
Superiores charutos do fabricantes Simas,
las como-sejam: Manija becc* &aes Delicia9 parSHnses e outro9d
Duque do Porto; Velho Secco^ Lagftas do g J T a m3a caixa, tamhlBm
Douro, Mana Pa, D.Luiz, Pedro V, Lagn- Sn,n-.ro. Havaneiros. goeiroa e


VERDAOEIBA AGUA HDEBAIi
PASTILHAS DOS SES NUTURAES DE VICHY.
VENDE-SE
Na botica e drogara de Partholomeu & C. Rua larga do Rosario n. 34.
Acabaui de receber G. Paes do Amaral & 0.
5 RUA DO CRESPO 5
ADilsa casa de ullherme da Silva ulmarSe
Ricos corte! de vestidos-de gros-d-naples preto, com lindas barras bordadas.
Moire-antique preto em cortes e em pecas, liso, ondeado e com palmas.
Gros-de-naples preto, de diversos precos e larguras. .,nta.An
Gorguro preto, fazenda superior a todas pela qualidade, e bonito teciao.
Este estabelecimento
ac >a-se sonido com numerosa quantidade de filos pretos, de algod, de linho e de se-
-. manufactralos em
dales
retoadas
algerienes fbouruus)
anamites
africaines
pompadour
DE FANTH1SIA
Receberam tambem .bonitos cortes de popeliue de listras de cores, e matisaaas,
i-c-to modernas, de gostos inteiramente novos; e outras moitas fazendas de gosto,
das pelo ultimo vapor
G. P. DO AMARAIi s .
5 RA DO CRESPO 5
mas Doces e outras marcas a l,ooo a garra-
fa e 9,ooo a 12 ooo rs. a duzia.
Vinho Figueira e Lisboa das melhores
marcas a 4oo e 5oo rs. a garrafa, e a 3,ooo,
3,5oo e 4,ooo rs. a caada.
Superior vinho chamisso em barril a 64o
rs. a garrafa e a 4,5oo rs. a caada.
Superior vinhe de Lisboa e Figueira em
anceretas de 8 e9 caadas a 24,ooo rs. a an-
coreta.
Superior vinho branco proprio para mis-
sa a 640 rs. a garrafa, tambem ha mais bai-
xo para 4oo, Stoors, a garrafa e 3,2oo a
3,ooo a caada.
Caixas com urna duzia de garrafas de su-
perior vinho Rordeaux a 7,ooo rs. a caixa e
7oo rs. a garrafa.
cafe:
Caf do Rio de 1.* e 2,* qualidade de
6,8oo a 8,2oo rs. a arroba, e de 24o a 28o
rs. a libra.
SABIO
Sabao maca de primeira qualidade de 24o
rs. a libra.
Ligueirosi e
por mdico
Serveja
Superior serveja Rass dos melhores fa-
bricantes, como sejam: Shlers & Rell. T. F.
Ashe a 7,5oo e 7,ooo rs. a duzia e a 7oors.
a garrafa. Tambem ha de outras marcas
como seja: Victoria e Alcope a 5,ooo rs. a du-
zia e a 5oo rs. a garrafa.
BOIES VASIOS.
BoiSes vasios, louca ingleza muito pro-
pria para manteiga e depsito de doce de 4
al21ibrasal,2eoe2,5oo.
FARINHA DO MARANHO.
Farinha do MaranhSo a 240 rs. a libra.-
SAG'.
Sag muito novo a 4oo rs. a libra.
ARARUI4- ~
Ararata verdadeira a 4oo rs. aiibjra
vm-
Vende-se.
I'i.ii casa na villa da Encada do pleo da (eir,
onr-iruida com lijollo, e propria par qoalqoer s-
labflerimeato : a tratar oa mesma tilla eotn An-
tonio Torqnato.
~......
Vende-se a eaa terrea sita m Boa-VtBta rna
co Jjsmln n. 4 : qnem preteodr hlja-se a rua
Eirtia caa terrea b. 5, qoe achara com qaem
traur.
Cigarros.antlasthmatleo de Joy
A vkleucia. e a repeticao des acoessos deata mo.
leslia sao provenidos, impedidos e corados com o
uso constante desta remedio : botica do Pinto, rua
do Rosarlo Larga n. 10.
temos Suspiros Havaneiros,
outros muitos que vendemos
preco.
Licores
Licores francezeseportuguezes a l.ooo e
l,4oors. agarrafa ou frasco.
Doces
Doce da casca da goiaba emcaixes e la-
tas a l,2ooo caixao e 2,800 rs. a lata.
Frotas
Frutas em calda e em latas fechadas her-
mticamente muito bem enfeitadas, conten-
do pera, pecego, ameixa rainha Claudia, al
perche e outras frutas a oo rs. a lata.
Tambem ha latas grandes para l,2oo rs. a
lata.
. AZEITE DE REFINADO
Superior azeite francez refinado a 8,000
rs. a garrafa e a 9,ooo rs. a duzia.
MOLHO ING1EZ SAUCE
Molho inglez Sauce em frascos grandes
com rolba de vidro a l,8oo rs. o frasco em
duzia ter abatimento.
RATATAS.
Gigos com 3o libras de batatas a 1,00o rs.
o gigo.
SARDINHAS.
Latas com sardinhas de Nantes e Lisboa
de 4oo a 46o rs. a lata.
FUMO AMERICANO.
Superior fumo em chapa a 1,400 rs. a
libra.
ERVILHAS
, Latas com ervilhas e feij5o verde j pre-
parado 6 i o rs. a lata.
MASSA DE TOMATE
Latas com 1 libra de massa de tomate a
64o a lata.
VERMUTH
Esta bebida muito fresca e estomac d e
muito propria para a presente estaejo. a
qual vendemos a2,ooo rs. a garrafa e 18$
a duzia.
Veode-se nma boa escrava de idade 24 annos,
com bos habMIdales, nm escMVo, orna moleer,
om moleqne e dnas negra com babilMade de
Idaiie de 13' .1 35 annos : B rravessa do Carmo
n.l.
a,
Pimenta, cominoo, cravo, canella. ervadoce, alfazema, tijollo para limpar facas pa-
litos paradentes, palitos de fogo, e, outros muitos gneros que se tornara enfadonno
mencionar, afiancando cinceridade nos presos e o bom acondicionamento de qualquer
****** ________________________
----------------__---------------- -------------------------------------------------
Veode-se nma masseira de amarello em per-
feito eftao, e mais pertences para nma padaria,
na estrada nova, segunda taberna a ireiu, depols
do sobrado grande : a tratar na. mesma, das 4
horas da tarde em diante.
Pechincba
Na roa do Queimado n. 40
Cortes de laatlnb de cor, bonitos gostos, com
18 corados a 3*600.
Cassas organdys de cores, covade a 240, pecas
de atgodiozlnho largo com 17 varas a 4*.
Ditas de dito com 17 varas, muito encorpado,
com peqoeno defelto, a 4J500.
Grosdenaple preto multo superior, covado 2#.
Dito dito a 1*600.
Retondas de red* preta a 10*.
Chales de renda preta a 8*.
' '' V"
Grande pectaiacha de madapolo ean
^'v-'Jlwria.
Paredes Porto vaoda nma |r|ode porcao de ma-
danolo avarlado, faienda de 10* e 12* a peca, a
No armazem da rua 4o Imperador n. 3 o no ff e 9* wn pwroeno toqn*: na rua da impe-
Gaes de Pedro D n. 2, ten para ,veader-se -o ma- ratrii n. 52, armaiem da porta larga Janto a pa
or faz existente ao mercado. darla franceza.
Cevadinhade Franga
a 160 rs. a libra, e de 8 libras para cima a 120
rs.: na armatem da Liga, rna Novan. 60.
IittH|lM.
A leja da Aurora, na rna larga do Robarlo n. 38,
receben sortimento de lantijolas multo delicadas e
proprias para qualqner enfeite, assim eonw tam-
bem receben tovas de Joovin brancas e de cores
para bomem e senhora, muito frescas, onegadas
pelo ultimo vapor, tudo Isto.naloja da Anrora,
rua larga do Rosario n. 38.
Peehiucba
Vende-se a taberna da rua da Gula n. 36 pro-
prio para principiante, e o motivo se dir ao com-
prador. .
. Vendm-se girrataa e botijas .vasias "lava,
das: na roa da Soledad* a. 38y
Vendem-fe
da Una : a trai
pedras para ladrilhof viudas
rea do Vlgario n. 14. ..
Novidades do Vigilante
RUA DO CRESPO N. 7.
Este estabelecimento apezar de sempre
se acbar bem sortido come todos sabern,
hoje-mais que nunca, nao s pelo qne rece-
be de sua propria conta, mas tambem pelo
que recebe de consignacSes; parece sem
duvida que deve offerecer grandes vanta-
gene para o respeitavel publico tanto em
precos como na escolha dos objectos, e co-
mo acaba de chegar grande remessa pelo
vapor Douro e o navio Solferino de
diversos objectos de gosto e proprios do
tempo dos quaes se mencionarlo alguns,
por n3o ser possivel mencionar todos. O
dono deste estabelecimento espera a pro-
teccSo de todos.
Riquissimas caixinhas ornadas e com
mnsica propria para um delicado mimo.
Caixinhas de msica tanto de veio como
de corda.
Ricos porta joias e necessarios.
Riquissimos estojos a feitio de um bausi-
nbo ou chapeuzinho.
Ditos em casca de noz e de outros gostos.
Leques de madeperola de sndalo e de
faia e madeira.
Chaposinhos e touquinbas de muito
gosto para criancas.
Meias e sapatinhos de seda para as mes-
mas.
Meias de seda para senhora?.
Capellas e grinaldas de flores proprias
para casamento.
Enfeites e capellas de muito gosto para
seuhora.
Riquissimos porta boquets.
Roquet de flores com urna borracbinha
com ebeiro.
Luvas verdadeiras de Jovin.
Ditas de seda e de Escocia.
Riquissimas plumas e guarnicoes par*
enfeitar chapeos.
Contas e tubos de ac branco, que ha
mnito se desejava para enfeites.
Brincos, flvellas e cruzes de crystal.
Fivella e cruzes de tartaruga, madripe-
rula e dourados.
Alfinetes para gravatas.
Botoes com croas para punbos.
Gravatinhas e mantinhas de muito gosto,
tanto para homem como para senhora.
Riquissimos aderecos pretos, assim como
.caixinhas com alfinetes pretos.
Bengallas de canna com cabo de marfim.
Ditas de baleia, borracha e de outras
muitas qualidades, assim como chicotinbos.
Riquissimos peales d tartaruga do ulti-
mo gosto; assim como de arregaco para
menina, pois neste artigo ha om.completo
sortimento de todas as qualidades
Diademas para cabeca do ultimo gosto.
Riquissimas fitas lavradas e lizas.
Trancas pretas com vidrilbo e de cores.
Pulseiras tanto para senhora como para
meninas.
Ligas de seda e de algodo.
Suspensorios de seda e de aigoiao e mui-
tos outros objectos qu se nao podem an-
nunciar por n5o se torear enfadonno.
S no Gallo Vifaote jrna do Crespo n. 7.
MACHINAS DE PATENTE
DE TRABALHAR M6 P.ARA DESCA-
RGAR ALGODAO
FABRICADO POR
PLANT BROTHERS & C.
OLDAM.
Estas machi-
naspodemdes-
^carocar qual-
]quer especie de
algodao sem
estragar o fio,
T sendo bastante
1 duas pessoas
para o traba-
lho; pdedes-
carocar urna
arroba de al-
godlo em ca-
roco em 40
minutos, ou
18 arrobas por dia ou cinco arrobas de al
godo limpo.
Assim como machinas para serem movi-
das por animaes, que descarecam 18 arro-
bas de algodo limpo por dia; e motores
para mover urna, duas ou tres dessas ma-
chinas.
Os mesmos tem para vender um bellissi-
mo vapor que pode fazer mover seis destas
machinas mencionadas; para o que convi-
da-se aos senhores agricultores a virem ver
e examina-lo, no a mazem de algod5o, nc
largo da ponte nova n. 47.
Samadera Brothers A. C.
Recife praca do Corpo Santo n. 11.
Os nicos agentes neste paiz.________
O casteUo de Grasvle.
Tradniido de fraieez por A. J. C. da Cru.
Vende-se este bello romance em qnatr
tomos pelo barati3simo preco de 3|00C
na prafa da Independencia, livraria ns.
6 e $.-
iinesco Jos liermano
RUA NOVA N. 22,
acaba de receber om lindo e magnifico sor-
timento de oculos, lunetos, binculos, do ul-
timo e mais apurado gosto da Europa e ocu-
los de alcance para observacoes e para 01
martimos.________________*
Vendem-se
machinas americanas de aarrote para desearocar
algodao : na roatd Slala Moto m 41
."'-"'
Roupas feitas de .todas as qualidades
Veode-se roopa feita, sendo calcas de cores a
pardo a ti, ditas de brim branco de linho a 3#oOO
e 4*, calcas de casemira preU a o, 64 e Si, di-
tas de cores, meia casemira, a 34 e 34500, ditas
de casemira a 63, 74 e 84, paletots de brim da
cores a 24, 34300 e 34, ditos da brlm branco a
a 44600, ditos de alpaca preta a 34 e +4, ditos do
casemira da cores a 54, 7, 8 e 104, ditos' de
panno preto a 64,7, 8 a 104, eoiletes de cores a
14600, de casemira a 34 e 44, ceroota fraaoeu a
14600 e 242OO, camisas franceas finas, brancas
peitos de cores a 24 e 24300, ditas of leas de li-
nho de pregas largas a 24500, 34 e 34500 : u
rua da Imperatrit, loja da Arara n. 56.
Vapores.
Vende-se em casa de Sannders Brothers & C,
no largo do Corpo Santo n. II, vapores patentes
com todos os pertences proprios para {azar mover
tres ou quatro machinas para desearocar algodo.
1-----------
nmm
De etlde'rtri e ttraiici e.firrt, si-
nesebrenze; com es esrafes,
Vende se a grande fabrica 4e calderetro e fan-
dlgao de mataes a roar-jaiperlal ns. 184 a 158;
e tratar com a viuva de SehaatlSo Jos da Silva,
na rna Novan 35. oh na roa da cadeia o, 57.
v
V t
v~
U
ILEGtVR
-- -1.___'


m
NOVA LO JA
ENCICLOPDICA
ti Una da Ittperatrlz arnaze
da porta larga *.
junio a pagarla fradeeza de
Paredes Porto.
Nesto estabeleciment encontrar o respeitavel
publico um variado sortimeMb de fazendas trnce-
las, lijleas, sulssas e allemes, que se venderlo
por proco commodo.
Paredes Porte
Vende chales de renda de cores qne se vende-
ram a 1&5 est vendendo por 6$, dites pretos, fa-
senda aova, 50,60, 80 a 20*, nm sortimento com-
pleto ce manteletes, capas e.sootambarques 14* a
56*. Ra da Imperatriz n. 42, ]unto a padarla fran-
cesa, irmazem da porta larga.
Paredes Parte
Receben am completo sortimento de lasinhas a
240, e 280 rs. covados, para acabar, cambraias de
cor a 240 rs. o eovado, riscado escossex para rou-
Ki de menino, fusto de linbo a 420, 400 e 00 rs.
na da. Imperatriz n. 52 junto a padaria franceza,
armaztm da porta larga.
Paredes Porte
Receben para cortinados para cama franceza a
11* a pega carabraia lisa fina a 3* 4* at 10* a
peca, cortes de larlataoa de bonitos gestos a 3*500
4*, cambraia com flor de seda, gostos inteira-
mente novos a WO e 500 rs. o eovado, no armazem
da porta larga n. 52, ra da Imperatriz jnnto a pa-
daria francesa.
Paredes Porta
Receben peto ultimo paquete um sortimento de
crujes com pedras para e pesceco, bonitos caiihels
de na parapescoco e senhora. Roa da Imperatriz
n. 52, iimazem da porta larga.
Paredes Parte
Vende cortes de gorgurao preto para vestidocoaa
21 covados cada um 35*000, grsdefiple preto a
1*600, 1*800 e2* eovado, taas-l-as finas a 400
.rs. o eovado, lias de quadrtrbs para vestido, enfes-
tada^a 320 rs. e ejwtor Roa ta Imperatriz n. 52,
irmazom da porta larga.
Roopa feita
Ra da Imperatriz n. 52 armazem da porta lar-
ga junio a padaria francesa, eocontra-se ueste es-
(abelecimento om completo sortimento de paletos-
saceos e*obrecasacos, de todas as qualidades, cal-
cas, colletes, ceroulas, camisas, grvalas, meias,
chapeos de sol, ditos franceses para cabera, por
precos commodos, roopa para menino e ootras
muitas fazendas por precos commodos, armazem
ta porta'larga.
o roestno estabelecimento encontrar o respei-
tavel publico, sempre-um completo sortimento de
roupas fitas de todas as qualidades, orno sejaa
paletos de alpaca preta e de cor, ditos sobrecasa-
cos a A& e 5*, ditos de briro pardo a 2*800, 3* e
3*500, ditos finos a 4*, ditos metas eazemira a
3*500, 4* e 5*, dltcs eazemira saceos a 6*, 7*,*
e 10*, ditos sobrecasacos a 10 e 129, ditos de pan-
no saceos a 6*, 80-e 10*, ditos sobrecasacos a 12*
e 25*, ditos de merino preto a 6*, 7* e 10*, cal-
gas de briro de diversas qualidades a 1*800 a 4*,
ditos brancos a 2*500 e 6*00, dites eazemira 5*,
S* e 70, dites pretos a 6*, 6*, -8* e 10*, ditos
metas cazemiras a 3* e 4*, coletes de diversas
qualidades, seroolas francezas de algodo, ditas de
inho, citas de bramante a 2* e 20o'OO, carnizas de
algodo de linho francezas de 2*500 e 3*. 'gran-
de pectiincba oeste genero, grvalas de todas as
qualidades e brancas para casamento, grande sor-
timento de meias para senhoras, ditas para bomens
a 3*. superiores a 3*500 e 4*.
Um completo sortimento de chapeos de sol de
alpaca a 3*, ditos de seda a 30, 7*, 16* e 14*,
ditos francezes para cabeca, .grande sortimenlo
a 6*.
Vestidas
Peefilacha sena. Igual.
Chegou a leja de Paredes Porto um bonito sor
roento de vestidos de tartaiata de cores e brancas
que serve para partidas por ser urna pliaotasia ln-
teiramente de gosto pelo barato preco de 4* *
brancos a 40830, esto acabando-se : no armazem
da porta larga ra da Imperatriz d. 52, junto a pa-
daria franceza.
Diarto de perwwftie* --- Segunda felra f de Male de 1866.
4
PARRILHA DE W
PARA A GURA RADICAL
fiftlfiaS ESTABEICUENIO
DO
60
Ba da imperatriz, IV.
DI
GAMA & SILVA.
LQM E ABMAZIM DE FAZBNDAS.
Tendo os proprletarios de&te grande estabeleci-
mento feito um grande abattmenlo em ruits de
suas fazendas, pela occasiso do balnco que deram
no ultimo de dezerabro de 1865, resolveram vender
muuo mais barato do qne costumam afim de cada
vez mals agradaren! aos seos numerosos fregue-
ses ; por tanto Ibes offerecem nm avulado sorti-
mento de fazendas francezas, Ingieras, as quaes
venderao mais barato do que
o penhor, assira como convidara as pesaoas, que
negociara em menor escala que ueste grande esta-
belecimento encontrarlo um grande sortimento
a retalbo como por atacado, vendendo-se-lbe
apenas pelos precos que comprara as casas ingle- 4atriz n. 60, de Gama & Silva,
zas, sendo com o dinheiro a" viata.
As toallias de lioho do Pavo.
Vendem-sa superiores toalbas de linhos para
"of'o Plo baratissimo preco de 7*500 a duzia ou
a 640 cada urna.
Guardanapos de linho adamascado para meza a
2*800 a duzia ou a 240"rs. cada um.
Superior atoalbado de linbo com oito palmos de
largura sendo branco e pardo, e vende-se mais ba-
rato do que em outro parte, na loja do Pavo na ra
da Imperatriz n. 60 de Gama & Silva.
Os corpinbos ae seda pretos do Pavao.
Vendem-se os mais ricos corpinbos de seda pre-
tos, ricamente enjeilados, pelo barato prego de 12*
cada'um : na loja do Pavo na rna da Imperatriz
n. 60, de Gama & Silva.
Rico* resudes a 80000 rs.
peenineba admirare!.
So o Pavao receben pelo ultimo vapor francez
om grande sortimento dos mais ricos cortes de
vestidos transparentes com lindas barras e enfeites
de seda, sendo estes vestidos multo proprios para
baile e passeios, e vendem-se pelo baratissimo
prego de 8*000 rs. cada nm, na loja do Pavb na
roa da Imperatriz n. 60 de Gama & Silva.
Os chales pretos de renda de Pavao a 8,-SOOO rs.
Vendem-se os mais ricos chales pretcs de renda
com quatro ponas, senda muito grandes pelo ba-
ratissimo prego de 8*.
Ditos de guepure a 15*, 18*, 20*. 2o*.
Retondas de dito a 10*.
Manteletes de renda, tazenda moito superior a
15*000.
Capas e saulbambarqnes de grosdenapies bor-
Cortinados.
Chegou a losa de Paredes Porto nm completo
sortimento d cortinados r+eaoiente bordados a
prego de 26*, 33* e 45* : na ra da lmpa.-i.iri:
n. 52, poru larga junto a padaria franceza.
Kicas romeiras.
Paredes Porto receben pele ultimo paquete um
sortimento de romeira de guipare pretas e d fil
a prego commodo : na ra da Imperatriz n. 52,
porta larga juato a padaria franceza.
Cortes ae laa escocesa para vestido !a 30 o cor-
te: na ra da Imperatriz n. 52, loja da porta lar-
ga, junto a padaria franceza, esto se acabando.
Para luto.
Laas pretas cora salplces brancos a 400 e 590
rs. o eovado : na ra da Imperatriz n. 52 junto a
padaria franceza armazem da porta larga.
1$400
sel.
Chapeos de
Veod.jm-se chapeos de sol de panno a 1*400 e
urna grande pechineha s para acabar : na roa da
Imperatriz n. 52 armazem da porta larga de Pare-
des Porto.
A
Vendtim-se pegas de tranga preta para enfeites
de vestidos, soutembarques, capas de senhora a
1*600 com 10 varas, urna grande peebincba : na
roa da Imperatriz n. 52 junto a padaria franceza.
de escrfulas e molestias escrofulosas, tumores, ulceras, cbtgai, feridas ve-
lhas, bronchocele, papo ou papeira, a syphilis, enormidades venenas ou mcr-
curiacs.
AS MOLESTIAS DAS MTJLHERES
retengo, menstro doloroso, ulceracSes d tero, flores brancas, etc., ulcera-
rlo, debilidade, expoliado tdos ossos, a nevralgia e convlses epilpticas
quando causadas pela escrfula.
, tA ERYSIPELAS ERPES; ETC.
Enfermidades cutneas, crnpco, borbulkas, postulas,
aseldas, etc.
0 extracto composto de salsa parrllha, con'eccionado pelo Dr. Ayer, euma
combinacSo dos melhores depurativos e alterailtes conbecidos medicina; confeccio-
nado segundo as reigras da sciencia, approvado ereceitado pelos primeiros mdicos dos
Estados-Didos da America do Sul e Central, das Antilhas, do Mxico e das Indias, e
nanitas ootras partes do mundo : o resultado de estudos apurados e minuciosos, e de
experiencias feilas pessoalmente pelo Dr. Ayer, por muitos a.nnos, nos principaes hos-
pitaes e enfermaras da America ; tcm sido approvado pelas' academias de medicina e
juntas de bygiecne das principaes capitaes da America do Norte; para prova disto vdaJ.
os attestados authenticos no Almanak e Manual de Saude do Dr. Ayer, os quaes se dis-
tribuem gratuitamente nos logares onde se vende o remedio.
A SALSA PARILHA DE AYER
Especialmente efflcaz na cura das molestias que tem sua orlgem
na escrfula, na infeccio venrea, no uso
excessivo do mercurio ou qnalquer Impureza do sangue.
A molestia ou infeceo peculiar, conbecida pelo nome de escrfula, um dos ma-
les mais prevalecemos e universaes que ha em toda a extensa lista das enfermidades que
atacam a nossa raca ; disse um celebre escriptor da medicina que mais de urna terca
parte de todos aquelles que morrem antes da velhice sao victimas, ou directa ou indirec-
lamente de escrfula; por isso s n3o 15o destructiva, porm a principal causa de,
mifes outras enfermidades que nao lhe s3o geralmenteattrituidas.
v uma causa directa da tsica pulmonar, das molestias do flgado, do estomago
eaffecc5es-4^cerebro; ntreseos numerosos symptomas acbam-se os seguintes: falta
de appetite, o sabante plido e enchado; as vezes de urna alvura transparente e ootras
veze corado e amarellento irregular, fraqueza e molleza nos msculos ao redor da boc-
ea; digesto fracae appeltite, falta de energa; ventre enchado e evacuac3o irregular;
quando o mal tem seu assento sobre os pulmoes urna cor azulada mostra-se em roda dos
olbos; quaodo ataca os orgios digestivos, os olbos tornam-seavermelbados; obali-
to ftido, a lingua carregada; dores de cabeca, tonteiras, etc. as pessoas de disposi-
C3o escrofulosa apparecem frequentemente erupc5es na pelle da caboga e outras partes
do corpo; s5o predispostas as affeccoes dos pulmoes, do ligado, dos rins, dos orgos
digestivos o uterinos. Portante, nao sao smeute aquelles que padeoem das formas ul-
cerosas e tuberculosas o"a escroula> que neoessitam de protec?5o contra os seus estragos;
todos aquelles em cujo saDgue existe o virus latente deste terrivel flagello (e as vezes
hereditario), esto expostos tembem a soffrer das enfermidades que eltecausa, que s5o: bt^SSSSSSilSSn^ ^^
A tsica, uloeraces de figado, do estomago e dos rins; erupf5es e enfermidades
eruptivas da cutis, rosa ou erysipela, borbulhas, pstulas, nascidas, tumores, rheuma,
carbnculos, ulceras e cbagas, rheumatismo, dores nos ossos, as costas e na cabeca,
debilidades feinisas, flores brancas causadas pela u&eracSo interior, e enfermidades
uterinas, bydropesia, indigesto, enfraquecimento e debilidade geral.
Offerecemos a estas pessoas um abrigo seguro e um antidoto efficaz entra esta
molestia e suas oonsequencias na
SALSA PARRILHA DE AYER
que opera direetnnente sobre o sangue, (purificndole e expulsando delle a corrupeo e
veneno da molestia; penetra todas as partes e todos os orgts do corpo humano, livran-
do-os-da sua acejk) viciada e inspirando-lhes novo vigor. um alterante rx>derosissimo
para a renovacao do sangue, e d ao corpo j enfraquecido pela doenca, forcas e ener-
gas renovadas como as da joventude.
E tambem o melhor anty-syphilitico conhecido
cura permanentemente as priores formas de syphilis e as suas consequencias. Pooca
necessidade ha de informar o publico do inestimavel valor de um remedio que, como
este, livra o sangue desta < orrupfo e arrebata a victima das garras de urna morte lenta
e ignominiosa, porm inevitavel, se o mal nao lego combatido com energa.
E um poderesissimo alterante.para a renovado do sangue e paFa dar nova Jor-
ca ao corpo j enfraquecido pela doeuca.
Sendo composto de productos vegetaes, esie medicamento innocente e ao mes-
motempo efficaz, um fado de immensa importancia para aquelles que otomam ; por-
que muitos dos emedios-tlterantes offerecidos ao publico tem por base o mercurio ou o
arsnico; e sendo assim, bem que s vezes podemeffectuar curas, comtudo deixam suas
victimas carregadas de umalonga serie de males, muitas vezes peior do>que o mal ori-
ginal. A nica cousa neeessaria para obter urna cura radical seguir com juizo e coos-
atncia asdreccoes que aoompanbam cada frasco.
Nao pretendemos promulgar, nem queremos que se retira que esta composc3o a
nm remedio infalvel para a cura de-lodos os padecimentos humanos; infelizmente
escrfula e a syphilis sao enfermidades tao sulis as suas nalurezas, earreigam-se to
firmemente no systema, que muitas vezes evadem e resistem aos remedios mais pode-
rosos que a sciencia humana pode inventar para cembat-las; o que dizemos que o
Extracto composto de salsa parnlha de Ayer
a meibor preparado at boje descoberta para estas e oulra6 molestias anlogas, que
urna combinac/to dos alterantes mais efficazes coDheeidos, e que esta combinaco tem sido
regulada por longa* e laboriosas experiencias, e finalmente que temos confidencia deof-
ferecer ao publico o melhor resultado que possivel produzir, da intelligencia e pericia
medica dos nossos tempos.
Este remedio 4eve ser tomado com systema e regularidsde, e nao com abandone,
pois um-remedio en5o bebida.
Quando as molestias do figado nao tem suaerigem na escrfula, o remedie
mais proprio as plalas cathrticas de Ajser, que saa efficazes na cura da molestia, que
_m por causa um desarranjo dos orgos digestivos. Pedi a salsa parrilha de Ayere
nao aceitai eutra preparacao.
ertes de cambraia coip palmas na loja do
PavSo.
VeBdem-se cortes de cambraia branca com pal-
mas, sendo fazeoda muito boa, pelo baratissimo
preco de WSOO para acabar : na loja e armazem
o Pavo na roa da Imperatriz n. 60, de Gama &
ilva.
Lesees brancos a l000 res a
docta.
Yeodem se lencos brancos farenda multo boa
Eelo baratissimo pre^o de -i a duzia, Ditos com
arra de cor a 200 isto para acabar na loja d-
Pavo na roa da Imperatriz n. 60 de Gama 4 Sio
PorJpelinas medernissimas a 400 e 500 rs.
o eovado na loja do PavSo.
Chitas a i80rs., s a Pavo.
Vende se o mals bonjto sortimento de chitas lo-
glezas, padrSesaiiudJnhos, claro e escoros, e ten-
do tambera roas para loto, afianjando-se serem
cores flxas, e vendem-se pelo baratissimo preg de
noVfl!55n8 cova<,. ou Pe? em 38 covados
por 60800 : isto na loja e armazem do Pavo, aa
rna da Imperatriz n, 60, de.Gama & Silva.
Vestios Iraicos.
Cbegiram para a l)a do Pavio os mals bonitos
cortes de vestidos de cambraia branca coro boni-
tas barras todas brancas, assim como com barras
; de cores, sendo fazenda transparente e moito Boa.
tendo cada nm corte bastante fazenda e muiu ro-
da, e vendem-se pelo baratissimo preco de 84 e
100 : na loja do Pavao na ra da Imperatriz 0.
Vendem-se poopelinas muito finas sendo fazenda. f de Gai?* S1,va-
mnito moderna de quadnnhos e liza vendendo-se' Cortes de tailataoa fia lja (O Pavi
pelos^baratos precos de 400 e {0 rs. o eovado na Vendem seos mais modernos cortes da larltar
. era outra qoalqoer
fPaYenda?mT!leand0;Se a maDdar ,ev?r 1ul(oer fJ0,^0 Da rua da Imperatriz n. 60 de Gama com7s" ^1,^^^
Vendem-se superiores grosdenaples pretos pelos
baratissimos precos de l$50, 10600, 10800 e 20
o eovado, sendo fazenda muio boa, s para aca-
bar : na loja e armazem do Pavao, rua da Impe-
tigo o melhor
que tem viudo ao mercado : isto na loja e arma-
zem do Pavo na rua da Imperatriz n. 60, de Ga-
ma & Silva.
MACHIMA
Pernarabuco, rua Neva n. 18, pharmacia fraacezade P. Maurer & 1#500,
Chales de renda pretos.
Vendo se cnales de renda preto a 40000, nniec
loja qne pode vender na rua da Imperatriz n. 52,
armazem da porta larga, de Paredes Porto.
3 8

o
e 1 g-
3 s.3r *
u
a. a>
a>
v> -t S-S
al
B9 C-
9
o
o
o
S a
BWft
O
m f .p S.NN
' fcj
-5
S c
B
O.
i o
vi
a
99

5
o
B
o.
2
3
" -^
o
o

a.
o
s
o
o
a _
w
O
VENDE-SE
Ko armazem de 91. V. Ramos e Silva & Oi-o. rna de legarlo
n. ;!. constaatemeote, ossegalatcis artlgos, qne
per encommenda propria
.reccbeiu
encommenda
\E\V-AOfiiI.
de
Legitima salsa parrilha deBristol, preparada por Lanman & Kmp.
Verdadeira agua Florida, preparada pelos mesmos.
Gaz em latas de cinco gales, o mais purificado que se pode desejar da acredi-
tada marca F. W. D. & ti.
Relogios perfetfos reguladores, com corda de quatro a oito das, dos afamados fa-
bricantes E. N. Welch.
Graixa em latas grandes da bem conhecida marca las. S. Masn (de Philadel-
phia).
Superior oleo para machinas de costura.
Agulhas para as mesmas.
Breu em barricas grandes e pequeas.
Vende-se tambem:
BORDEAIIX
l.1 qualidade.
St. Estephe.
St. Julien.
G. Margaux.
C. Lafitte.
Medoc.
PORTO
Ia qualidade,
Vinho fino do Porto em barris de 5/, 10/ e 20/.
Superior vinho doRheno.
Cera de Lisboa em velas e em grume.
Principe Real.
Pedro V.
Mara Pia.
Princeza D. Isabel.
Vctor Emmanuel.
Duque.
Malvazia.

Bren em barricas pequea.
Cera em velas de todos os tamanhos.
Bogias.-
Mercurio.
Na roa do vigario n. 19, primelro andar.
Vende-se nm escravo para engenbo, ertonlo
de boa figura e mostr carreiro : a tratar na rna
do Qneiinado n. 44.
'VHde-senVeiWravo preto, crionlo, de SO
annos de idide, pouco mais ou menos, 4o ser vico
aeaaietMertottto* ;e m Apollo a 7,
jeta*
RUA DO QVC11IADO M. 1.
Madapolo.
Finas pecas de madapelo com 20 varas a 9#.
LENgOS,
Lencos de cambraia branca, duzia 2(>,
dem de cores fixas para meninos, duzia 2,->400.
Cambraias.
Cambraias de cores a preco de 260 a 300 rs. o eovado.
Cinardanapos.
Guardanapos ele linho, duzia 35500.
Algodo.
AlgodSo trancado de duas larguras, proprio para toalbas de mesa, a preco de
10300 a vara. [
Superior .bramante de linho mglez e francez.
'^Cambraia de lioho propria para lencos. / "
ATOALHADO. K
Atoalbado branco para mesa a 11600 a vara,
ntremelos de cambraia muito finos, preco 1 .
Lencos do seda para algibeira a 1M
Isto na loja armazem do Pavao na roa da Im-
peratriz n. 60 de Gama A Silva.
Oschales do pavo a 2oe e 25oo rs.
Vendem-se chales de merino estampados a 20
20500 cada om.
Ditos de merm liso a 30500.
Ditos estampados de crepon a 60, 70, e 000.
Ditos pretos bordados com franja de seda a 140.
Na loja e armazem do Pavo na rua da Impera-
triz n. 60 de ama & Silva.
Para luto vendo o Pavo.
Setim da China com 6 palmos de largura, fazen-
da preta para loto, propria para vestidos e roupas
para homens, sendo esta nova fazenda ser.i lustro e
de muito boa qualidade, arantindo-se nao Mear
russa com o ten m e vende-se pelo barato proco de
20 e 205O o eovado, assim como neste estabeleci-
mento tem om grande sortimento de todas as fa-
zendas pretas como sejam cassas e chitos pretas,
laas tapadas e transparentes, princezas, alpacas,
sarjas, etc. : na loja e armazem do Pavo na rua
da Imperatriz n. 60, de Gama & Silva.
Os baioes do Pav5o.
Vendem-se superiores fcalSes de ronculina com
moita reda a 50., ditos orinolines com 35 arcos a
3,5500, ditos com 20 e25 a 30, ditos para meni-
nas, sendo brancos e encarnados a 20 e 2,8300 :
na loja do Pavo na rua da Imperatriz n. 60. de
Gama 4-Silva.
Cambraias de forro do favo.
Vendem-se pecas de cambraia de forro com no-
ve varas cada pega, pelos baratissimos precos de
15600 e20: na loja e armazem do Pavao na rua
da Impocatriz n. 60, de -Gama & Silva.
'1 Os cortinados do Pavao.
Vendem-se superiores cortinados adamascados
para camas pelo baratissimo prego de 10 cada par,
ditos moito finos rlcameate bordados .para camas
ou Janellas a 150, 208-e 250 o par : a loja e ar-
mazem do Pavo na rua da Imperatriz n. 60, de
Gama & Uva.
Panno preto a.2| na loja do Pavo.
Vende-se panno preto. fazenda. muito boa, pelo
barato preco de 20 o oovado, dito muito fino a
35500, 40, 55 e 6$, assim como casimira preta de
cordo a 20 o eovado : na loja do Pavo na rua da
Imperatriz n. 60, de Gama & Silva.
Os espartilhos do Pavo.
- Vendem-se urna grande variado 6ortiaiento de
espartilhos dos mais bem feitos que tem vindo ao
mercado, sendo de todos os taraanbos, vendendo-se
por um preco muito razoavel : Ho na loja do Pa-
vo na rua da Imperatriz n.O0, de Gama & Silva.
s safas bordadas do pavo.
Vendem-se saias bordadas sendo fazenoa muito
boa, sendo ricamente bordadas e com muita roda
vendendo-se pelos baratos procos de 60 8$ e 100
reis cada urna na loja do Pavao na rua da Impera-
triz n. 60 de Gama & Silva.
liretaiilias de rola a 3<0G0jj
Vendem-se pecas de bretanha de rolo com 10
varas cada pega, pelo baratissimo preco de 30 :
na loja e armazem do Pavo, rua da Imperatriz n.
60, de Gama & Silva.
Ronpa feia.
Na loja do Pavo
Vende-se oeste estabelecimento um grande sor-
timento de roupas, tanto de panno eomo caxemiras,
e brio6 e pelos baraiissimos precos como sejam
caljas de caxemira preta a 60 70 e 80000 reis, pa-
letots de panno preto saceos a 60 80 e 120000 rs.
dijos sobrecasacos de panno finissimo a 120 180 e
2o0OOO reis, e outros muitos artigos que serla en-
fadonhos aqu relala-los; s na loja e armazem do
Pavo rua da Imperatriz n. 60 de Gama 4 Silva.
Loja do pavo
Cirandes pechinchas.
Sediabas a 500 rs. o eovado
Scdiulias a aOOrs.
Sedinhas a 500 rs.
Vende-se na loja do Pavo, um grande sertimen-
to de sedinhas listradas com as mais bonitas cores,
sendo os padrSs mais novos que tem vlndo ae mer-
cado, e vende-se pelo paratisslmo preco de cinco
tostoes o eovado, sendo fasenda que valem muito
mais dinbeiro, e grande pechineha por se ter
comprado nma grande portfda desta fasenda, na
loja e armazem de fasenda do Pavo, rna da Im-
peratriz n. 60 de
Lasinhas matisadas a 320 t.
Vendem-se as mais lindas lasinhas matisadas
com os mais bonitos desenhos, pelo barato preco de
320 rs. o eovado ; na loja do Pavo a rua da Im-
peratriz n. 60 de Gama & Silva.
Os chales de guipure a 12$ e
16#000,
Vendem-se os mais ricos chales de Guipure e de
renda de linbo e seda, pelos baratissimos precos de
120 e 160; grande pechineha em relaco a boa
qualidade e tamanbo delles : s na loja do Pavae,
rna da Imperatriz n. 60, de Gama & Silva.
Lazinhas a 200 rs ,so
Pavo.
Bramante de linho do Pavio.
Vende-se superior bramante de linbo com 10
palmos de largara, proprios para lences, pelos
baratissimos precos de 20 e 2,5600 a vara, assim
como panno de linho muito fino pelos baratissimos
presos de 640,700 e 800 rs. a vara : na loja e ar-
mazem do Pavo, rua da Imperatriz n. 60, de Ga-
ma & Silva.
Cambraias lisas do Pavo.
Vendem se pecas ae cambraia lisa muito supe-
rior, pelo barato preco de 30200 e 3^500 a peca,
ditas muito finas a 50, 60, 70 e 80 : na loja e
armazem do Pavo, rua da Imperatriz n. 60, de
Gama & Silva.
PECH1NCHA !
a 2000, para caltas, s o Pavo.
Vendem se superiores cortes de meia casemira
com msela de seda a 20, ditas Garibaldinas a
20800, ditas escuras a 20800, ou a 10600 o eova-
do : na loja e armazem do Pavo, rua da Impera-
triz n. 60, de Gama & Silva.
PENTEADORES
on roupes de cambraia bordados proprios
para as senhoras vestirem de manua.
Chegou esta novidade pata a loja do Pavo,
muito lindos e do melbor gosto at boje, pur pre-
cos muito razoaveis : na loja do Pavo, rua da
Imperatriz n. 60, de Gama & Silva.
Cassas francezas a 240 rs. o corado.
Vendem-se bonitas cassas francezas de cores fi-
xas pelo baratissimo preco de 240 o eovado.
Ditas a 280, 320 e 360.
S na loja do Pavo, rna da Imperatriz n. 60, de
Gama & Silva.
Grosdenaple preto a 1$600.
E' grande pecfaineha
Vndese grosdenaple preto, sendo muito encor-
pado e de boa largura, pelo baratissimo preco de
10COO o eovado : Da rua da Imperatriz n. 60.
Os cachinez do Pavo.
Vendem-se bonitos cachinez de la ou agazalhos
para cabeca pelo baratissimo preco de 30000, s
na loja do Pavao, na rua da Imperatriz n. 60.
MANTAS PABA O PESCOCO
a 10, s o Pavo.
Vendem-se bonitas mantas para o pescoco, pelo
barato preco de 10 : na loja do Pavo na rua da
Imperatriz n. 6C, de Gama & Silva.
Madapoloes a 3,5f)0 rs. a pessa.
S na loja do Pavo.
Verdese pecas de madapolo fino com 12 jar-
das, pelo barato preco de 30500 e 40000.
Chales de renda.
Na loja do Pavo.
Receberam-se os mais lindos chales pretos de
renda, assim como as mais modernas e compridas
retonues, e manteletes da mesma lazenda,e vnde-
se mais barato que em outra qualqner parte: na
loja e ajmazem do Pavo na rua da Imperatriz n.
66 de Gama & Silva.
Caslof a 310 rs. 9 eovado.
Para caJcas.
Vendem-se superiores casiores muito encorpados
parres escuros xibIo barato preco de 320 rs. o eo-
vado, servindo esta fazenda tambem para escravos
por ser de muita duraco; na loja e armazem do
Pavao rua da taperatriz n. 60 de Gama & Silv,
Chapeos para meninas a 6,000.
S na loja do Pavo.
Se vendem os mais bonitos e mais bem enfeila-
^os cbaposiofios de palha da Italia, proprios para
meninas, pelotaratissfmo preco de 60000; na loja
armazem do Pavo na rua da Imperatriz n. 60
de Gama & Silva.
Attencflo.
ULTIMA NOVIDADE
PENTES, ENFEITES, CINTOS.
Gama Silva, acabara de recener pelo ultimo
vapor francez, om grande sortimenlo dos mais ri-
cos enfeites pretos e de cores proprios para cabeca,
sendo guarnecaos com as mais lindas flores, e com
voHas das mais bonitas perolas; assim como os mals
modernos e engracados pentes da verdadeira tar-
taruga, marchetados sendo a ultima novidade
que tem vindo de Paria, e os mais ricos cintos com
fitas mathisadas.e fivelas largas, conforme ultima-
mente se usa as primeiras capitaes da Europa, e
vende-se por preco em conta por ter chegado em
direitura para a loja do Pavo, rua da Imperatriz
n. 60 de Gama & Silva.
As i-o tandas do pavo a 8 c HR
Vendem-se as mais ricas rotandas de renda pre-
ta, sendo muito grandes, que sao as que mais se
usam, pelo baratissimo preco de 80 e 100 : na
loja e armazem do Pavo, rua da Imqeratriz n. 60,
de Gama &. silva.
Chitas pretas a 160 rs:
Vendem-se chitas pretas inglezas, sendo fazenda
muito boa, pelo baratissimo preco de 160 rs. o eo-
vado, ou 50500 a peca com 38 covados : s na
loja de Ravo, rua da Imperairiz n. 60, de Gama <&
Silva.
ATLANTA
para desear oca r algodo a
9.00(1 a serra
No Forte do Mallos prenca de algodo n. 17, de
Medeiros 6 U, vende-se machinas americanas do
melhor systema que ha apparecido por serem
muito maneiras de 14,16,18 e 20 serras, a 90 a
serra.
Cal de Lisboa
desembarcada do vapor inglez Cassine, vende se
por cemmado preco, no escriptorio de Manoel Ig-
nacio de Oliveira & Filho, largo do Corpo Santo
numero 17.____________
Pechimha admimel
Lazinhas de quadrinhos que parece seda a 240
rs. o eovado, urna grande pechineha, esta se aca-
bando : na loja n. 52, armazem da porta larga de
Paredes Porto.
Luvas de pellica pretas e ou
tras cores.
Chegaram para a loja de miudezas a rna do
(jneimado n. 16.
Ptassa"
Vende-se polassa nova, de boa qualidade ca
rua da Cruz n. 23, 1 andar.escriptorio de Antonio
de Almeida Gomes.
N 27
Algodo avaiido
A preco de 9$ cada peca.
T liua do Queimado N. 27
Escravos fgidos
Vendem-se modernas lazinhas com lindissimos
ostos, pelo baratissimo preco de 200 rs. ; gran-
b pechineha : s na loja do Pavo, rna da Impe-
ratru n. o; de Gama &-Sllva.
Sedas Largas
Na loja do Pav5o,
Chegou para a loja do Pavio um modernissimo
sortimento das mais lindas sedas par veatfos,
sendo urnas de Ustrinbas e outras de florna|)as
com as mala, lindas cores, e ahumas pr'oprias para
as senhoras que estiverem de lato e vendem-se
pelo barato preco de 30000 o eovado, tendo esta
fazenda quatro palmo de largura, que facilita a-
zer-se um vestido cora poneos condes, isto na
loja e armazem do PavSan rOA d ImperatxU n
60 de Gama 4 Silva.
Grande novidade a OO rs.
Allanta a 200 rs.
Atlanta a 200 rs.
Atlanta a 200 rs.
Chegou para a loja do Pavo o mais lindo sor-
timento desta nova fazeoda, com o titulo de allanta
propria para vestido e ronpas para meninos, seo-
do esta modernissima fazenda de la com os mais
lindos gostos de quadrinhos e listras tendo entre
ellas de cor roza e preta, cora listras e qnadros
brancos proprias para luto, e vendem-se pelo ba-
ratissimo preco de 2C0 rs. o eovado nicamente na
loja do Pavo rua da Imperatriz n. 60 de Gama &
Silva.
As chitas doPavo a 200 o eovado.
Vende-se o mais bonito sortimento de chitas es-
curas e roas sendo Inglezas, mas com os pannos
to encorpados como os das francezas que se ven-
dem a 400 reis, e liquidao se pelo barato preco de
200 ris o eovado ou a 70200 a peca, garantindo-
se terem 38 covados cada peca e serem de cores
fizas isto na loja e armazem do Pavo na rna da
Imperatriz n. 60 de Gama & Silva.
Armazem do Pavao,
Vende-se cera de earnanba da melbor qualidade
empaceos, mais barato qne em ontra qoalqner
parte no armazem do Pavo na rua da Imperatriz
n. 60, de Gama & Silva.
As cabaias do Pavao a 2$000
o eovado.
Chegaram para a loja do Pavao as mais lindas
cabaias de seda para vestidos, sendo com os mais
lindos gostos de flores e listas, tendo entre ellas al-
gumas roas e pretas para qnera estiver de lato,
tendo esta nova fazenda 4 palmos de largara qne
.TTERICAO
El Estigarribia II fugioJI
No da 25 do mez passado, as 10 horas da noite,
fogio da rua da Praia desta ridade um cao de
fila geraimente conhecido pelo epinicio de EL ES-
TIGARRIBIA II padarta Srm dmknro fogo
certeiro vicissimo de eruztln victoria
- certa ( PARA OiNDE O FRADE VuLTA O CA-
PELLOII.. )
rlecommenda-se, pois, aos capitaes de can,po e
todos em geral, que apprehendam o indicado El.
ESTIGaRRBIA II eo entregnem ao abano asig-
nado, certos de que sero generosamente recom-
pensados.
___________Ferreira do Costado Salgado.
No dia 7 de marco de 1864Tugio da cid; de
da Fortaleza, cap tal do Ceara', Marcellioo, esla-
vo do juiz de direlto da dita cidado o Dr. J< nim
Jorge dos Sanios, rom os sipnaes seguintes o-u-
lato, escuro, cabellos carapinbos, nariz chai", r*m
marcas de bennas pelo rosto, ditas de sarna- i el<>
iouiico e cosas, baixo, corpo regular, idarta Ib pa-
ra 16 annos, nalural da ridade da Viriora. i-m
Santo Anto, sem ofllclo e muito ladino Quem o
trouze'r ao abaixo asslgoado, rua do Crespo n. 19,
loja, sera' generosamente recompensado.
_______________Joi dos Santos eves.
: Ao amanhecer de boje fugiram deste engenbo
Pares da comarca de Nazarelh, 3 escravos sendo
um de nome Joo, alto, barbado, quebrado de nma
verilha, com Idade de 30 aDnos pouco mais ou me-
nos, tem as costas varias cicatrizes velhas de
cbicoie. Outro de none Joaquina, com idade de 24,
annos pouco mais ou menos, cabra, pouca barba
boa altura, bem corpo e bonila figura; e mais um
mulato de nome Benedicto com mais de 30 annos,
boa altura e pouca barba. Peco a toda e qualqner
autoridade e capitaes de campo a apprehenco dos
referidos escravos, qne seram generosamente re-
compensados.
Eogenho Pares, 1 de maio de 1866.
Antonio da Motta Stlveira Cavalcanle.
P. S. O escravo Jtao crioulo e foi comprado
em marco de 1866, no Recife ao Sr. Goncalo Jos
^ffonso, tendo vindo do serio do Riacho do
Sangue.
O de nome Joaqoim, foi comprado em margo
proiimo passado, no Recife, ao Sr. Antonio de
Moura Robim, tendo vindo do Ceara; e o de notte
Benedicto, foi comprado, ha lempos, a Josias de
Tal. morador em Queimadas da freguezla do Boro.
Jardim.____________________
Fugio no dia 26 do mez passado umaeserava
de nome Isabel, de naco Costa, baiia, bem preta,
muito bezigesa, representa ler 40 annos de idade,
anda vendendo fructas, tendo sida vista as mas
desta cldade e seus arraboldes muito embreagada,
dizendo que forra : roga se as autoridades poli-
ciaes, capitaes de campo e qualquer pessoa a ap-
prehenso da dita escrava, e mandem a rua da
Cadea velha no Recife n. 1, qna sera' pago todo
o seu trabalho._______
Fugio o Jacob
Ha tres das se ausentou do poder de sen senbor,
o abaiio assignado, o escravo de naco, de nome
Jacob.com ossigoaes seguintes : alto,.reforcado,
olbos grandes e com o ventre nm pouco proemi-
nente, anda de vagar por soffrer de eansaco, tem
a perpa direita um ponco forelra proveniente de
urna qneimadela que soffreu ba pouco, ladino e
intitula-se forro, presume-se que esteja acontado
por algum parceiro, furtou antes de fugir alguns
objectos, e costme fazer isto qnando foge, acon-
sejado lalvez por algoem interessado no furto; o
abaixo assignado protesta proceder criminalmente
contra qoem o acoutar, e gratificara' a qoem delle
der noticia na rna da Cruz n. 33.
_______ Domingos Jos Rodrignes de Andrada.
Escravo figido. L
Fugio em das do mez prozimo passado do eo-
genho Dous Irmaos, freguezia do Poco da Panella,
o escravo Thom, carreiro, cor preta ; representa
ter trinta e tantos annos, de estatura baiza, ebeio
do corpo ; tem um ibtunbo sobre o olho direlto, e
quando anda fgido cosiuroa trazer o chapea in-
clinado para este lado, com o flm de nao ser co-
nhecido. Foi escravo de Urbano Jos de Sello,
rendeiro do engenbo Curabe de Cima, na freguezia
de Iguarass. A quera o aprehender, on d'elle
dr noticias, promette-se generosamente gratiB-
caco._______________
Escravo figido.
Fugio em dias do mez passado o escravo Amaro,
crioulo, de idade 30 annos ponco mais on menos;,
estatura regular, cor fula, olbos pequeos, nariz
chato, boca grande e com falta de denles, e os bei-
(os bstanle grossos; rogase, por unto, a sua ap-
prehenso, e qam o pegar ou delle der noticia,
facilita fazef-se um vestido com poneos covados, e; dirjase ao largo da assembla no Forte do -Mallos,
armazem de assucar de Jos da Suva liOyo&C,
quesera generosamente gratificado.
200$ de gratifieaeo,
Em 31 de ontubro do anuo passado; fogio a es-
vende-se pelo baratissimo preco de 28000, nica
mente na loja e. armazem do ravo rua da Impe-
ratriz n. 60, de Gama & Silva.
Novidade
Para Testldea. ata Candiea, cabra alta e seca do
Cbegarim is desejadas cambraias on tarlatana-' perttoceu ltimamente aos Mars. S/S. Jas.
brancas com Ustrinbas |sendo transparentes e ves- i da Silva, Manoel Mauricio de Sena e
dem-se pelo baratissimo preco de 50000 o corte, toweU de Castro e Silva que-
na loja e armazem do Pavao na ruada Tnineratri' *e ae pagar
n. 60 e'Gama Silva. ^ 'th^^^^M^M^
L iwrtrc l
.






Diario de rermasnaae* ecuda lelra 9 de Halo de 86.
LITTERATORA.
0 coronel; agora permiua-mu qae Ihe apresante^ Nao ; serapre Jas lacla-1
Binbl sanbar*, e miaba lilha ; a fa-jclarages : ella um aso estupido, qae aliia de
rlham % ser ridiculo, tras os grave* e per
Ubi serio escolstico.
IV
milla : assegi .
pello dos meas semtment..
A honra, e o prazer dos la apreseniago, mi
nhas senhoras, esta to cima das palarras, qu de-i
n.aia inulto G hora* ^ T?"' qtta0,JO balde as proearo' &* SdKlr a efTusTo oV
sonho tao felii l | Muilo agradecida, Sr. Alfredo, disse a esposa
r-enaret-me e sahl. do coronel esloodendo-rae a amo; ea ratifico as pa-
E' intil dizer-lhes, para onde fora guiados os lams do meu esposo.
mes passos. i E ea-----ajuotou a fllha : e nossos olhos se
D riai-me em parar a chcara do coronel. encontraran!, o nossas maos se uniram em doce
Qaando eslava em distancia de poder deseobri- P''
ia vi que hsvia alguem no jardim. Ol! naqaelle olhar ardente -e paro, naqaelle
,.. nn aperto de ruaos trmulas nossas almas se confund.
Apressei-me e pade reconhecer a graciosa ligo-, sB C0OsUbg,anCiaram s ,.....
ndella... ce vestido verde.com um penteador
de cambrala, entremeada de rendas, e cora
os
Fomos em seguida, a convite do coronel, para a
s cabellos sollos, ondeando sobre os conlor-; sala de visita, e ah eotregamo-uos a mais variada
longo
nados hombros 1
Era ella... no jardim, no meio das flores, se-
mejante a ama borboleta, colhendo rosas e cra-
conversagao
Follamos sobre diversos assumptos, e eu uve o
prazer de admirar a intelligencia daqnella menina,
vos, tirando as lolbinhas seccas de suas plantas seu espirito, suas graciosas maneira, e sua voz ar-
queridas, e amparando-Ibes os galbos com vari- gemina
nbas de bamb 1
Era urna flor viva, confundindo seos perfumes)
a sqa belleza com as outras flores!...
O raido d* meas passos obrigou-a a erguer a
vista.
lasensivelmente levei a mo ao chapeo, e com-
primesteta respeltosamente.
Ella corresponden-me com ama leve inclinacSo
da cbeca, e abaixou logo depois os olhos corando.
Com iffeito, interrompea Octavio, eis um
bello exordio para um amor supinamente plat-
nico I
Quanclo passei de volta, proseguio Alfredo, ella
ja nao eslava no jardim ; lancei a vista para o oi-
tao da casa, e divisei-a ao pe do pombal, cercada
de pombee, brincando e dando alimento a uns, e
fazendo voar outros. E essas aves, pousadas as
mos, nos hombros, e aos ps de sua seductora
senbora pareciam dar-lbe as saudagoes da ma-
nilas, e agndecer-lhe os carinbos, com que eram
'.raudos I
Bonito 1 qae bellissimo qaadro 1 bradou Go-
oiredo enlhnsiasmado ; foste logo entregar a car-
ia de reeoaimendago ?
Nao; disse Alfredo proseguindo; fui para
casa esperar ancioso a larde para faier a minha
visita de apresentago.
Passei todo o dia inquieto; nao podia 1er, nem
escrever; cias veres tentei sabir, e outras tantas
voltel tomado de ontra resologao. Eu mesmo nao
sabia o que quera, nem o que devia (aier I
Emflm chegou a tarde almejada. Vesti-me com
esmero e suhi.
Eram cinco horas e meia da mais bella tarde de
fiambro.
A natureza pareca sorrir, e convidar a amar I
O sol, na pbrase de um pensador, pndula de
ouro do relogio do co, marcava o lm do dia, e
preste a se merguihar no Ocano; dourava as
montanhas com seu reflexo.
A brisa perfumada trazia-me aos ouvidos os lti-
mos cantos saudosos dos passaros.
Ea caminhava profundamente pensativo ; mea
corago pulsava violentamente; urna emogo for-
ssima fazia tremer todo o meu corpo, e rainhas
mos estavam completamente geladas.
Ia-me acbar face face com o objecto do meu
culto la receber a sentenga da minba desgrasa,
ou a certeza da minha felicidade I Poder-se-ha di-
zer que a minha vida dependa d'aquella visita !...
Cheguei o gorto... qaz recuar ; mas ella, o
pai, e a mi la estavam no mesmo lugar da vespe-
ra, debaiso da jabotlcabeira
pois impossivel urna retirada.
Fiz om esforz vilenlo sobre mim mesmo, e
avance! resoluto, com a vista qaazi obscurecida !
Saudei todos cora urna profunda cortezia, e sen-
tei-me em una cadeira, qae rae foi offerecida pelo
coronel.
E' ao Sr. coronel A*** de Mascarenhas,
qae temi a honra dme dirigir'?
Exactamente, senhor; e eu tenbo a felicida-
de de responder ao senbor...
Meo nome, Sr. coronel, deve-Ibe ser deseo-
nhecido; com ludo di-lo-hei j para V. S. fazer-
me a honra de inscreve-lo no numero de seus
creados: chamme Alfredo de F**". Esta car-
ta informar lbe-ba melhcr.
Se d licenga___disse o coronel lomando a
carta, e fazendo mengao de abr-la.
Ea inclinei-me ; elle rasgn o envelloppe, e pro-
curou a assignalura.
Um sorriso de prazer illuminou-lbe o rosto ;
olhou-rae com bondade, e prlncipiou a 1er
Em quinto o coronel lia, en lanceei furtivamente
a vista para ella. Ob 1 como eslava linda com os
oibcs baiicos, e as faces purpurinas I.....
Tenho immenso prazer em conhece-io ; Sr.
Alfredo, disse o coronel terminando a leltura da
carta e emendando affeemosamente a mo. O seu
nome, e o de sna familia, a qaem conhego por 1ra-
digo, mais que sufflciente para torna-lo credor
da minba amlsade, e subida considerado, e esta
carta escripia por um sobrinho, a quena muito pre-
so, enebe-me de satisfaco por ser causa de que eu
conheca de pertp as qualidades de urna pessoa de
qaem mea sobrinho se confessa ialimo amigo.
Penhoram-me em extremo as suas affctuo-
sas palavras, Sr. coronel, disse eu com voz commo-
vida; eslorcar-me-hei por merecer a amisade, com
qae V. S me qaer honrar; e tambem jnlgo-me fe-
liz por me ser dada a occasio de apreciar om V.
S. e sua Exma. familia os dotes preciosos, qae or-
nam a pissoa de seu sobrinho.
E' aiitaijohdade, Sr. Alfredo, responden-me
lzaura, disse o coronel {ella cbamava-se izaq
ra I.....), o Sr. Alfredo talvez estime qovir-te
cantar alguma cousa.
Advinhou o meu mais ardente desejo, Sr. co-
ronel ; e eu atrevome a duplicar o sea pedido com
o meu.....
lzaura, com aquella desembarazo, que caracterisa
as raers de espirito e de sali, sentoa-se ao pian-
no, e cantn a poesa de P. de GalasansSe para
amar-le for mister martyrios-----
Sua voz trmula e melliflaa commoveu-me inti-
mamente : ba cousas que se sentem ; porm qne
era a mais fecunda eloquencia poderia exprimir
Eu eslava to arrebatado, que ped liceura ao
corone!, e aproximei-me do pianno para nao per-
der urna s notadaquelle canto, que me fazia vi-
brar o corago
Qaando ella lerminou, eu balbuciei um elogio.
A excellencia de sua voz, miuba senhora, e a
sua maestra no pianno est superiora a todo o elo-
gio : direi smente : que em quanto V. Exc. to-
cou, e cantou, estive no paraizo oavindo am anje
modular um hymno, adompanhado por urna lyra.
Ella agradeceu-me com ara sorriso, e suas faces
se parpuriaram do mais vivo carmim.
As oito horas quiz retirar-me ; mas am pedido
instante do coronel, e um olbar de lzaura me re-
leve.
Devlas ler ficado muilo contrariado com isso?
perguntou Godofredo rindo-se.
A 9 i|2 horas retirei-me com o corago ebeio
de alegra e gratidao ; depois de ter proraettido re-
petir as minhas visitas o maior numero de vezes
que fosse possivel.
Nao Ibes cancarei a paciencia, meas amigos, des-
crevendo a noite, que passei, e os sonbos que Uve :
sao momentos superiores a toda a descripcao.....
Os dias, que se seguiram ao da minha primeira
visita ao coronel, foram me serapre felizes. Nen-
huma olivera toldava o horlsonte do mea amor.
As vezes, eu sabia pela manba para tomar agua
frrea em um sitio visinho, e encontrando-me com
o coronel e a familia, coniinuavaraos juntos o nosso
passeio ale horas de almoQO.
As tardes, quando nao ia visita-los, encontra va-
os as vezes passeiando, e percorriamos conversan-
do as estradas, os montes, e os valles, que embel-
ezam o arrabalde da Tijuca.
e viram-me I era
lzaura, uestes passeios, corra atraz das borbole-
tas, colhia flores agrestes e fructos, e vinha fatiga-
da cfferecer-nos.
Quando subiamos alguma montanha, ella avan-
;ava sosinha al o ponto mais alio, e dabi olbando
para o abysmo, onde algum regato corra espuman-
te por entre as pedras, fugia empallidecendo, e ia
refugiar-se junto ao coronel, oo no selo de sua mi-
Eu enlevava-me vendo-a correr, e brincar, dan-
do gritos de alegra, ou de medo ; extasiava-me
vendo-a com o rosto radiante, com as faces rubras,
com o cello arfando de cangajo, sem poder articu-
lar urna palavra, e rindo se de suas proprias tra-
vessoras I
Basta I bradou Octavio; estou sentindo vehe-
mentes pruridos no coracao I......
Esta convivencia de quasi todos os das, e a
bondade daquella excellente familia creoa logo urna
tal intimidade entre mim e ella, que no fim de dons
mezes eu ja era carinbosaraente tratado como nm
Qlho 1
V
nlentes de fazer oesapparecer essa lemidez, esse
pejo, essa ceremonia, esse comedtmento, essi
qne deve necesnriamente existir no amor1
paro e innocente. Da declarado a sedcelo ha um
s passo...
E' platonisar muilo I disse Godofredo.
Unsqutsque ano uns abundat, mea amigo,
responden Alfredo prosegnindo.
Urna noite passando pala chcara do coronel,
perceb que bavia visita : entrei.
A sna presenca neste momento, Sr. Alfredo,
dlsse-me elle apenando affectuosamente a mo, nos
aplicadamente preciosa : essas meninas que-
rem brincar e precsam de um director.
Felicit a mim e a minha boa estrella por me
ter condolido at aqai; e lisongeio-me mnito em
tomar parte, como director, em um brinqaedo que
pr'omette ser tao agradavel.
Entao vamos; disse lzaura alegre ; vamos
brincar a linguagem da msica : approvam.?
Approvamos; disseram todas as mogas.
Passou som discn&so ? I disse lzaura rin-
do-se ; entilo principiemos: ea toco, e o Sr. Alfre
do, d os faadros.
De aecrdo com V. Exc. t
Pols seja -, mas o senhor Ir tambem adlvl-
nbar T
Sem davida, minha senhora.
E comegamos alegres o folguedo. Urna risada
geral applaudi algara disparate do adevinbador,
ou a algum quadro grotesco.
A linguagem da msica am brinqaedo bastan-
te interessante. El-lo em dua palavras : urna pes-
soa retira-se da sala; e em sua ausencia combi-
na-so urna serie de consas, que ella ter de adevi-
nhar regulando-se pelo plano, qae ltela o som
quando ella acera fazer o que se accordoo, e di-
minue quando erra.
J todos tinham adivinhado; s fa'.tava ea e
Isaura.
Deixei-os combinando o quadro, e retlrel para a
sala vizinh, d'onde voitei logo depois.
Ao entrar notel que lzaura nao estava mais ao
piano ; e isto fez-me desconflar qae era a ella, a
qaem ea devia me dirigir.
Desfarcei am poaco, e apprroximei-me della. O
plano alteou. Oflereci-lhe o men brago, convtdan-
do-a a ergaer-se. Mas o niano emmudeceo.
lnclinel-me em aegao de qoem conversiva: mes-
ma mudez no plano. Fiz am esforgo, venc a mi-
nha timidez, e ajoelhei-me tremolo a seas ps. O
piano vibrou com forga.
Quiz entao ergaer-me ; mas o piano dimi-
nalo consideraveimente. Tomei-lhe timidamenta
aj mosinhas, e o piano teimon em conservar
mudo.
Ergu as minhas em postaras de adorago. An-
da o mesmo silencio do piano.
Resta va s urna cousa a fazer.
Ergui os olhos para ella, como quem pedia per-
do de um crime que ia involuntariamente com-
melter; tomei, tremendo, urna de suas mimosas
mosinhas levei-a delicadamente aos labios, e os-
culet-a com transporte.
Ella estremecen, e coron at a raiz dos cabellos*
+- O beijo o culto mais expresslvo, qae pode-
mos render! disse eu ergaendo me no meio de
ama ebuva de palmas e exclamages.
A qaem devo a felicidade deste quadro T per.
guntei depois a moga, que estava ao piano.
A mim responden ella com um sorriso ma-
licioso ; nao podia _te-lo escolbido melhor I nao
acba?
Sem duvida, minha senhora; basta ter sido
combinado pela sga Intlligeocia e espirito ; en-
tretanto cumpre diie-lo : se V. Exc. tivesse feito
parte delie, lerla sera davida sido mais completo....
Briocou-se e tocou-se anda depois do cha. y
A meia noite retirel-me. Benovet no silencio do
mea qaarto todas as scenas daqnella noite. Nao
sahia-me da memoria o quadro qae no brinqaedo
tinha felto com liaura ; elle estava desenhado vi-
vamente no intimo do meu corago.
Ab I eu era muito feliz I.
Em ama outra noite a casa do coronel estava II-
luminada, e havia l algnmas visitas ; .entrei na es-
peranga de passar am sero to agradavel, como
os que j tioba gosado.
A minha entrada foi saudada com prazer ; e en
desconflei por uns sornsos maliciosos, qae obser-
sei nos labios de todos, qae se premeditara algama
cousa contra mim.
Depois de ter-se conversado um pouco; Isaura
disse-me :
Vamos brincar: hoje talvez haja aqai ama
novidade ; nos o esperamos.
Qual entao o brinqueo escolhido, D. Isaura'
A prenda.
mea ensaiel...
le urna moga,
irnos a nossa
toe olo
Hiitfi P!
que me a*-
pena : JOnlou oop* moca
era instruida ; m tinha
Mas o sentaneiado tem recursos, respon-
d en.
Qaaesaao?
Pode appellar da decisao do juz para um tri
banal de superior instancia.
Pois appelle responderam todas.
-E'o que vou fazer ; attendam as minhas ra
zoes : fui condemnado a cumprir ama sentenga,
1 que excede as minhas forgas ; a lex prohibe, que al-
goem seja obrigdo a mais do que pode : portan-
o confiado na justiga do tribunal, para qaem ap-.
pello, espero que me coramutema pena em ontra
mais branda. VV. Excs., minhas senhoras, repre-
sentam ease tribunal, e eu nao posso, pois, duvidar
do resoltado favoraval de minba appellaglo.
Sao improcedentes as razoes apresentadas,
confirmamos a sentenga appellada I disseram to-
das em curo.
-*- Ainda resta-me ura recurso : ao Sr. coronel,
que symbolisa o poder moderador, eu envi a mi-
nba petlgo, esperando favoravel deferimento.
Jastica I bradaram todas as .mogas; nao
desmorallse o trilqnal revogando a sentenga I
A vista dos autos etc., conformo-me com as
decises dadas : disse o coronel rindo se.
Eston, pois, rremlsslvelmente condemnado a
cumprir to rigorosa pena ?
Sem davida ; escolha a poesa e estreie I dis
se a menina loura, que na linguagem da msica
mffdra para adviuar aqnelle qaadro tao agra-
davel.
E' ama compensago da felicidade d'outro
dia, minba senhora ? pergnntei-lhe.
Nao ; e tanto assim que desojando snavisar-
Ihe a pena, pego a lzaura, que o acompanhe ao
piano.
Qual a modinba ? disse lzaura.
A nica, que talvez possa cantarA vida do
Estudante.Ao menos eston certo qae o estylo es-
pirituoso da modinba ba de agradar.
faz desapparecer nma parte da tris,
sombreava o ceragio.
Ella pedio-me para cantar; acced Minha neces-
stdale de expedir totalmente os ltimos-laivos de
melancola, que anda sentia n'alma.
Eseolhi de proposito ama poesa sentimental, coja
primeira estrpha -PIno manto de-estrella bor-
dado
. Bem escolbida I Interrompeu Godofredo : era
Foi preciso desatar o venc I oo de pal ha e sr<
sso.-
Sa a-intarpr
lei, a* damas prnssianas terao de rennncir,
chapelohos de palha que reetbem da provincia de
Liega; e quem sabe se o papel belga,, em coja
ma9ea entra m'uita palha, lera' de ser reneHIdo da
fronteira da Prnssia I
ama promessa, que toflazlas no caso de realizar-se
a prophecia de lzaura I Havia amigamente na carta da Paasia um asno
E' verdade ; coniinuoa Alfredo. Quando ao qual davam multa estimagio, e-respeitavam a
acabei de cantar, ella agradeceo-m eom um sor- ponto de o levarera era cortos dias- de gal, rica-
rlso lerno e amoroso, e ura raio de kiz, despren- mente ajaesado, ao quarlo do re, onde Ihe davam
dendo-se de seas olhos paros, penewou deliciosa-: de comer n'nm prato de onro.
mente era minha alma. Umdia em qne praticavam esta ceremoai* na
- Como sublime a linguagem do corago !.. j Preseoea de certo embaixador, escandalisoa-se
bradou Octavio i elle Innl,0, e n5 pSde deixar de diser a am *>s
Srs. persas qae eslava junto asi.
E eloquento I proseguio AWredo ; nos
entendamos perfeitamente : um olbar della
pera mira um poema de paixo I ara sorriso
am bymno de agradecimento t am gesto era
nos
eraj
era
am
discarso expressivo, cheio de graga, e natura-
dade I
Retirei-me da casa do coronel a meta noite, pro-
metiendo voltar no dia segrate para assistir a par-
tida.
Nao pude conciliar o somno durante toda notle :
a saudade de deixar aquelle lindo lugar, onde se
haviam desusados venturosos tantos dias fetizes, as
palavras, que lzaura tinha dito, e que occullavam
um presentimento fnebre me causaram uraa ira-
presso tao viva, que a despeno de minha vonlade,
eu jazia immerso em orna pr jfunda melancola 1..
Os ralos tepidos do sol, penetrando por entre as
cortinas do mea quarto ; e canto doce dos passa-
rinhos saudando os primeiros arrebdes da manhaa4
e o snssurro das cachoeiras l fra, rae annunci
raro o principio do da.
Ergui-me, e fui apreciar os primeiros sorrisos
da natureza matutina.
Dncaminhei-me para o bosquezinho, de que j
Ihes falleirqtt~ ficava a esquerda da estrada, to-
mando-se por urna vereda, quasi oceulta
mattas, e ah passe*toda a manha.
Era este o meu lugar predilecto de recolhimen-
to ;cra ahi, queeu ia rominar lodos os pensamen-
pelas
Fui para o pianno ; minha voz estava completa- ^s qne assaltavam-me o cerebro, todas as scenas
mente trmula : talvez isso concorresse para oc-
cultar-lhe os defeitos; demais lzaura me acompa-
Gosando assim daquella famlliaridade, alias to
peculiar dos fluminenses, respirando em urna ath-
mosphera to cheia de felicidade, os meus dias des-
lisavam-se felizes.
Nao tinha ainda certeza absoluta do amor de
Isaura; mas ella tratava-me com tanta amizade ;
ouvia me com tanto Interesse ; mostava se to ale-
gre com a minba presenga ; orava tanto quando
ea lbe diriga algama palavra apaixonada, fgida
involuntariamente de meu corago; fltava algnmas
vezes os olhos em mim com ama eipresso de tan-
ta bondade, que eu tinha a mais viva f na amiza-
de pura, leal e sincera, qae Ihe bavia merecido.
E o que qaeria ea mais ?
Ainda era cedo para ella me amar : nm corago
virgem nio se despena to cedo ; a paixlo preco.
ce de pouca duragio, e quando o despertar len.
to, o amor por isso mais profundo.
Cemecemos, pois, se Ihe agrada, minha se-
nhora.
No flm de meia hora ja' todos tinham dado pren-
da. Comegaram as sentengas : a primeira juiza
foi D. Isabel, mal delzaura.
Se fr bomem, disse ella, cantara' urna mo-
dinha ; se for senhora recitara' urna poesa.
Veja-se a prenda I disseram todos alvoro-
gados.
E' am annel partido l respondeu D. Isabel
sorrindo.
Nao men I bradaram todos una roce.
E' mea; minhas senhoras, disse eu um tanto
desapontado.
Entao cumpra a sentenga l
Pego licenga para, fazer ama observago : ea
nanea cantel, e nem mesmo experimente!...
E' modestia, Sr. Alfredo ; atalhou urna mo-
rinba loura.
Perdi, mioha senhora ; a modestia soppe
am dote qne se quer negar; mas se tal dote nao
Assim como a luz dajua snecede a dosol.^e o i exst em m[m geria eXcesslvamente valdoso, se
quizesseme arrogar tal merec ment.
Alas o senhor nao sabe algama poesa de
cor ? perguntou D. Isabel compadecida de mea es-
tado.
seu reflexo: assim o amor succede a amizade e <
o reverbero deste.
declarado amorosa ? pergnn
E nao flzeste
tou Octavio.
FOLHETU
TRISTEZAS A BEIRA-MAR
POR
M. PINHEIRO CHA GAS
(Contnuacao.)
VI
Ja' era peno do meio dia qaando as doas ir
mas ar pareceram na sala, onde o avd as espera
va, bastante inquieto e tomando o sol, qae raira
claro e alegre depois da noite procellosa. Vinte ve-
zes, Unta ido a velba Mara ao qaarto das meninas
saber ss tinham tido algama censa. Porm, como
a crfs mpre voltara dlzendo qae as doas Ir-
ma** AflUiant am somne to socegado, q
lam dtaimno do cea, o bom velbo tic,
se atrever JVjnanda-las acordar, mas estrimiipi) a
tardang 4 se ter "isto obrva'do a almogar sem ter ao seo la-
do a sna BMa atasinba.
Fufl^^^^^nassos na e.-cada, ouvio om
chilr^H^p alegres e d'aki a oblantes to
ralas ao poaco paludas, ver-
' -Tlliii
dade, com os olhos cercados de aos circnlos cor
de violeta, mas alegres como uns passarlnbos e nio
conservando na pbysionomia vestiglos muito pro-
fundos dos nocturnos terrores.
Bons dias, mea avd, exclamou Leonor, cor-
rendo para elle e beijando-o com o sea azoaga-
mento habitual.
O velbo beijou-a com temara, mas depois, como
que reflectindo, desvioa-a de si, e simulando des-
contentamente, disse com frieza :
At qae aflnal I Julgue qne nao vinha boje I
O' mea avdsinno exclamou a travssi,
ameigando-o e sentando-se-lhe no eolio, nao se zan-
gue comigo... Ollie a Magdalena, qae esta' bi
qae lempos a dar-lbe os boas dias 1
Bons dias, Magdalena, respondeu aflnal Bar-
tbolomeo, estendendo t mo i recem chegada, qae
Ih'a beljoa melanclicamente. Mos cosmmes traz
de Lisboa paraca... Levantar-se ao meto da!
Nao de aso nu aldeias.
Esta' bom, mea aro diste a animada Leo*
sor, ergnendo-se e frastisso o sobr'olno. Nada de
ralbar com minha irmia Ea que live a colpa,
porque fu O reino mariobeiro, qaando nao ceda s cari-
cias de Leonor, ceda s*mpre ao no franzir de
nbava com tanta grara...
S por Isso, disse Godofredo inlerrompendo
eH eFa capaz de cantar divinamente !...
Ea le creio ; ajuntou Octavio, porque quan-
to a mim, era-me mnito possivel tornar-me nma
notabilidade lyrlca I...
Eston certo, que nao acontecen tanto comi-
go ; mas o que verdade foi que qnando terminei
ful saudado por nma chuva de elogios, que me
confundirara ; e para termina-la, fol-me preciso
instar pela continuagio do brinqaedo.
A sentenga de lzaura foi, por urna feliz coin-
cidencia, cantar tambem nma modinha.
Ella escolheu'uma poesa tao linda, to a propo-
sito ; executona com nma voz tao sentimental e
harraoniosa, que jamis a esquecere I....
VI
Nestes agradaveis entretenimentos, e encontran-
do serapre o mais franco acolbimento em casa do
coronel, passei felizes os tres mezes de festa naqael-
le potico arrabalde.-
Em principios do mez de fevereiro o coronel me
annunciou que se retirara em a semana seguinte
para sua casa em Botafogo, onde pretenda passar
o carnaval, e dar. por essa occasio nma partida
mascarada.
lzaura ficou triste com aquella noticia : aqnelle
corago temo e amante nao podia deixar de ter
saudades do seu jardim, de suas flores, do regato,
de lage, da jabotlcabeira, mflm de toda aquella
cbacrinha, theatro de sna vida doce e tranquilla
de quatro mezes !
Urna larde eu eella estavames sentados tristes
sob a jaboticabeira.
On l D. lzaura, disse eu commovido pela sua
melancola, essa tristexa, que Ihe anuvia o rosto
mais nma prova da bondade de seu corago.
V. Exc. sent a mais viva saudade em dixar este
potico arrabalde, oude se deram algumas scenas
felizes de sua vida I e eu tambem sinto que nao
poderei flear aqui: V. Exc. era quem me tornava
este lugar um Paraizo l...
Ah! tambem se retira para a corle i atalhou-
me ella com o rosto irradiado por am sorriso de
prazer.
O corpo segu a alma, D. lzaura, e nossas
almas esto harmoniosamente identificadas
ama s I...
Ella corou levemente, e mudando de assumpto
disse :
Meu pai pretende ir passar o domingo prxi-
mo no jardim botnico ; elle nada lbe disse ainda?
Ainda nao, D. lzaura ; talvez seja cedo de
mais....
Nao, Sr. Alfredo disse o coronel approxlman-
do-se de nos; pretenda fazer-lhe urna sorpresa ;
mas j que lianza lh'o dlsse.considere-se convidado.
Muito agradecido,' Sr. coronel; a qne horas
a visgem '.'
Partiremos do Botafogo no domingo as 10
horas, depois de termos almogado juntos; e daqui
amanha urde.
E' esta, pois, a ultimo noite que passo aqui 1
disse lzaura entrislicendo.
Nao, mioha Giba ; respondeu o ceronel com
bondade, roltaremos pela a festa.
Quem sabe diss lzaura, cada vez mais
triste.
Empaledeci: nao sei que forga oceulta me pe
son no corago ; aquellas palavras della, ungidas
de am tom prophelico, flzeram-me ama Impressao
.al qne estremec.
Qne isto ?! bradeu o coronel; qne pueri
lidade esta ?! Nao quero ver tristezas. Izaara
vem tocar e cantar : preciso ve los alegres !
Fomos para a sala; o plano, e a vo de lzaura
em
de amor, que eu gosava neSta poca venturosa de
minha vida...
A tarde fui despedir-roa do coronel e da fa-
milia.
A nossa conversa verson sobre o prximo pas-
seio ao jardim botnico, e soire carnavalesco.
Quando soou a hora da partida, offereci o brago
a D. Izabel, e acompanhei-os at o ponto da estra-
da de ferro.
"Urna lagrima brilhou as palpebras de lzaura ao
apertar-me a mo.
At quando ?-perguntouella.
Al amanhaa..... respond com voz tr-
mula.
O coronel e D. lzaura ao despedirem-se de mira
disseram :
Al domingo, se antes nao apparecer.
Serei ponlaal.
E o trem parti, segui-o cem a vista e com o
corago at desapparecer, e s voitei para casa,
qaando o manto da noite tinba-se estendido total-
mente sobre a trra.
De passagem pela chcara do coronel entrei :
passeei um pouco pelo jardim, e avisinhei-me da
janella do gabinete de lzaura. Ai cortinas est-
vara ainda abenas, e nesse templo, posto que vazio
respirava-se ainda urna athmosphera tepida e per-
fumada ; via-se anda algumas flores murchas em
ara vaso collocado no peitonl da janella. neos-
tei abi e medite!....
Oh como ludo agora respirava tristeza e aban-
dono Como ludo pareca chorar a ausencia da
fada deste paraizo I Como os pombos arrulando
pareciam lamentar a partida de sna carinhosa se
ahora Como o regato saudoso, que atravessa o
jardim pareca murmurar urna cangao de sau-
dade !
Alguem j disse ; a ausencia a noite do cora-
go, e a saudade a la que'o esclarece l...
Vamos adiante.! disse Godofredo, ests-me
entristecendo seriamente 1...
Nao sei que tempo durou esse arroobo de
minba alma ; estas palavras de Joo, escravo do
coronel, rae accordaram :
Vrac. nao dorme hoje ?! E' meia noite !
Tens razo; preciso nao matar o espirito,
demais nao tenho motivos para Isso : ella ama-me!
Vmc. vai pira casa agora ?! ajuntou o pre-
to, melhor dormir aqui.
Nao, meu Joo ; vou arrumar-me para par-
tir para a corte amanha. Mas escuta : tu amas
muito a toa sinhazinha ?
Oh I maito, meu senhor! tanto como amo a
Deus ; porque ella o aojo prolector de nos todos!.
Obngado, meu bom Joao, obrigdo excla-
mei apenando a mo calosa do negro: roga a
Deus por ella, que ella te libertar ainda !...
Vmc. apertou a minha mo II eu son um ne-
Admiro-me muilo que se faga aqai tanto caso de
nm, animal, que na minb Ierra passa pelo mais-
vil da sua especia.
A raso da differenga responden o Sr. pers*
nao muilo tWHcil de ccraprehender; porque
existem mais asnos no vesso paiz do que na Per-
sla.
sismm
Na primeira represeatagao do Leao enamorado
de Ponsard, pega mullo fallada e que deu grande
numero de enebentes ao theatro-francez do Pariz,
o antbor tnba-se fechado no gabinete do inttor,
disendo a am rapaz, era strvigo ao theatro;
Havendo algum slgnal de approvago, vem
logo darme parte. S nao vieres, ja' sei porqae .
E comega a recitar a si mesmo o primeiro acto.
Depois calculou o tempo que podia durar nm
hire-acto, o qaando lbe parecen que devia ter
passado, comgou.o segundo acto.
Chegando ao ultimo verso, arrancn do peilo
um profundo suspiro, murmtrFft&do '_________
. O rapaz nao vem 1 a pega cahe f
E conlinuou a faser o mesmo para o enlre-acto
seguinte e para o resto da pega.
N'isso levanta se desesperado para fogir d'alIL
No momento em que abre a porta, esbarra cera
o rapaz, qne lbe diz a gritar:
Sr. Ponsard, acabou a primeira scena e a,sa-
la parece que vem abaixo com palmas!
Durante esse pequeo espago de tempo, Ponsard
tinha representado toda a pega na sna cabeca!



a y **
Os homens de 5 ps e 10 polegadas do altnra,
sao cartas como as que escrevla Mme. Sevigo.
Os homens baixinhos sao as cartas lacnicas dos
Sparcialas.
Os homens gordos sao as cartas sagnras porqoo
trazem recheio.
Os bomens magros sao as cartas de aviso.
Os bomens grosseiros sao as cartas de descom-
postura.
Os homeps polidos sao as cartas de comprimen,
tos.
Os bomens humildes sao as cartas da convite.
Os homens ricos sao as cartas de o/dens.
Os homens felizes sao as cartas de flanea.
Os homens desgragados sao as cartas de enterro.
Os operarios cbinezes que extrahem guano as
ilhas Chinchas revoltaro-se ba poaco, chamando
sobre si urna violenta represso; trlnta e seis des-
tes desgragados foram massacrados pelos soldados
peruvianos.
m i m >
Ura jornal rnsso de Kertch-Yenikale (Crimea),
anuncia urna descoberta feita por Mr. Peters, di.
rector da explorago de napbta, concedida por va
de arrendamento do coronel Ardalion.
Depois de algumas explorares infructferas n'a-
quella locaiidade, Mr. Peters quiz empreheader a
abertura de pogos.
Comegaram os trabalbos, e no dia 3 de fevereiro
foi per turada ama rocha qae se encontrn a qaa-
renta melrcs de profundidade,
De repente am jacto de naphta (especie de be-
tume liquido e inflamavel) surdio aos olbos pasma-
dos dos trabalbadores.
Esta naphta continuoa a correr por espago de
vinte minutos.
Sentio-se entao nm abalo violento, e os trabalba-
dores deitarara a fugir; porm, passado o primeiro
momento de susto, aproximaram-se do pogo d'onde
sahia um manancial de agua salgada.
Vinte e seis minutos depois, a agua comegou a
ferver e a cobrir-se de escoma; um denso fumo
elevou-se at ao orificio do pogo, e desta especie
de crtera, foram arrojadas ao ar pedras a bocados
de trra argilosa.
Finalmente, foi visto apparecer am jacto de
naphta para, excellente abundante.
Actualmente esta nascente fornece com o auxi-
lio de um tubo de cinco centmetros de dimetro,
20:000 litros de naphta por dia.
gro !...
Mas tens um corago
somenle negro na cor
go. Adens I....
de branca, Joo ; s
s honrado, e conta comi-
sobr'olbo, prennncio de terrivels tempestades. Gos-
tava de obedecer s ordeus imperiosas da sna ne-
ta. Via nessa altiveza indomavel om reflexo do sen
anlgo genio.
Ao principio, quando o sea espirito ainda nao
tinha rergado ao peso da idade, peso que s senti-
r (mas com que forga I) oestes ltimos dez an-
nos de dique, segando a sua phrase, ao principio,
como ea ia duendo, ti vera o rod marinMro os
seas assomos de colera e quizera luctar com a
creanga qae ousava resistir-lhe. Mas a obstinago
infantil veocera a frrea vontade do velho. Leo-
nor, repellida por Bartbolomeu, ia facbar-se no sen
qaarto, e nnnea as ameagas deste, mas s ai suas
sopplicas, conseguirn! (ate-la sabir da sua priso
voluntaria.
Por conseguiste, Bartholomeu desistira da luc-
ia e resignara-se (resignagao qae Ihe nio costara)
a obedecer em todo son querida neta.
Portanto, rendo o impeto com qae Leonor acu-
da a punir pela irmaa e conseto tambem da injns-
Uca qae. pratlcava, tratando seccamente uma or-
pha, que nao tinha outro abrigo que nao fosse a
sua casa, oatro am; fonem os seus
bracos,
NiDg
teas estouvamentos affliges lea avd I O qae ea te-
mi foi qae a moda lisbonense rencesse esta nossa
reina usanga dos campos e pralas, e qnej em rez
da madrugadora converter a pregulcosa, fosse a
preguigosa qnem convertesse a madrugadora. Nio
fallemos mais nisso. Achaste dnro o tea leito, Mag-
dalena, e a casa rustica da tea avd nao fex estra-
nbeza a quem vem costamada aos regalos da
edrte ?
Meu querido avd, responden Magdalena gra-
vemente, ainda qne houvesse a differenga que snp-
pde entre as commodidades desta casa e as da ca-
sa qne deixei, esteja certo que sempre me seria
mais suave uma dora enxerga partilhada com mi-
nba irma do qae o macio e solitario leito n uma
casa estranba. Nio son to corteza como julga, mea
qaerido ar, e preflro o regago da familia aos es-
plendorando laxo.
Bem respondido exclamou Leonor, batende
as palmas. Ah coatinooo lia eom rivacidade
de harer quem nao presar a minba
.o/fiu a preso Mas olbe, mea av>
mal 3so vizinho Ocano.
;da da sna cortesa. Una tem
No dia seguinte, pela manha, en tomara um
lugar na estrada de ferro, e dava o ultimo adeus a
esse arrabalde encantador, a esse lugar de amor e
poesa.
W. C. F,
(Continuar-se-ha.)
UM POUCO DE TUDO.
Mandou om proprietario francez arbastos do
framboesas para a Allemanba.
As plantas foram atadas em nm felxe com nm
vencilbo de palha.
Eis que se oppoe nm empregado da alfandega a'
entrada dos arbustos, dlzendo qae a introdaegio
da palha era prohibida na fronteira prnssiana des-
de a epizootia.
comigo se
boa irma
qaem.se
Han Iha til
Porque ? perguntou Bartbolomeu, franzindo
sobrancelha.
Porque estavamos com maito medo.
Com medo ta, Leonor ?
Ea mesma, Sr. mea ar 1 redargaio o gentil
dlabreta, destechando nma sonora gargalbada na
cara de Bartholomeu. Minba Irma estara assns-
tada, estara assustada eu tambem.
Leve a breca estas Pbilis, exclamou o reino,
levantndose todo zangado, qne sao capazesde
transtornar a cabeca, com os seos ridiculos paro-
res, is mais ajaizadas raparigas! Nio me faltava
mais nada, continuou elle, dando mostras de se
querer retirar, oio me faltava mais nada... No
flm da minha vida... Nao me fallara mais na-
da... Ora esta I A minba Leonor com medo das
tempestades 1
E, resmungando e ralbando e gesticulando eom
o lenco vermelbo, foi-se diriglndo para a porta,
mas com passos vagarosos e olbando de re em
aando para traz, esperanda qne Leonor se Ihe fos-
se langar nos bragos.
Mas a endiabrada rapariga jurara faze-lo raivar.
msoo-y a pachorra na onde
Ha monumentos que fazem perder a vontade de
ter monumentos, por que parecem levantados an-
tes para eternisar e glorificar o crime, do que para
transrailtir a' posteridade, a memoria de um vario
prestanfe.
Eis o que iemos n'am jornal irancez:
Estar-se-ba lembrado deste Cesare Locateili, qne
em 1861 matou as mas de Roma um gendarme
cora uma panhalada.
Preso em flagrante, se a nossa memoria nos nio
engaa, foi julgado e condemnado a' morte.
Por qae qualidade se recommenda elle ao conse-
Ibo provincial de aples ?
Nao pela sna sua origem, por qae era romano ;
pois pelo sea cobarde assassinio.
Pois bem, este conseibo fez collocar na roa de
Jesu nuovo ama lapida com a inscripgo seguinte :
< A Cesare Locateili, romano, que snpportava
impacientemente os esbirros e os phariseus, dos
quaes o contacto mancha neste seculo o Vicariato
de Christo, calumniado e executado em 1861 pela
justiga. Atbeu dos padres, absolvido e rehabilita-
do pela consciencia livre do povo, a provincia de
aples interprete de toda a Italia, com uma dor
catbollca e orna devogo civil, ievaotou esta memo-
ria para pagamento da divida da nacao, por decre-
to do cooselbo provincial, em data de 27 de setem-
brodel88l.
-------------- '-------

Estava a bella infanta
No sen jardim assentada.
Bartholomeu chegou porta e paroa.
Eato nao se me diz nada ? exclamou elle.
Qae qaer o av que ea diga 1 Responden
Leonor.
Esto' bom! Vou-me embor, qae o me-
lhor.
E nao arredava nm passo do limiar.
Entao adens, avd, tomn Leonor ;muito so-
cegadamente.
Olha qae ea roa-me embora !
vai dar om passeio, ar ?
Bonito Isto esta' bonito exclamou o reino
desesperado, Isto r^ai cada reza melhor... Entao
ta, Leonor, nio tens nada qae me dizer ?
Ea nio senbor.
Pois adens, c'o a breca !
E o relho sahio desesperado, bateado a porta
coa impeto.






.


4
-i
r
*


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID E7MEM8MPV_P7FU0F INGEST_TIME 2013-09-04T21:42:29Z PACKAGE AA00011611_10961
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES