Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:10954


This item is only available as the following downloads:


Full Text
I
^1S
Mn

fl IMH

AUNO IL, flDMEBO 98
Por qHartc! pago dentro dos 10 dias do \.' mti ,. .
Uta depois dos i.0' lo dias do eomeeo e dentro do qiartel
Porte ao eorreio por tres mezes...........


80000
6oo
75*
>k 'TK!I
SABBADO 28 DE ABRIL DE 1866
Por obdo pago dentro de lo dias do l.mez. .......
Porte ae eorreio por um auno ........
.
m
3oot

.
I
ENCARREGADOS DA SUBSCRIPQAO DO NORTE
Parahyba, o Sr. Antonio Alatondrino de Lima;
Natal, o Sr. Antonia Marques da Silva; Aracaty, o
Sr. A. de Leraos Braga; Cear, o Sr. J. Jos de
Oliveira; Maranho, o Sr. Joaqun) MarquesTto-
drigues; Para, os Sis. Geraldo Antonio Alves &
ffilhos; Amazonas, o Sr. Jeronymo da Costa.
ENCARREGADOS DA SUBSCRIPCAO DO SCL.
Alagoas, o Sr. Claodioo Falco Dias; Baha, o
Sr. Jos Marti lis Alves; Rio de Janeiro, 0 Sr. Jos
Ribeiro Gasparinho.
PARTIDA DOS ESTAFETAS.
Olinda, Cabo, Escada e estafes da va frrea at
Agoa Preta, todos es dias.
Igaarss e Goyanna as segundas e sextas fetass
Santo Antao, Grvala, Bezerros, Bonito, Caraar,
Altinho, Garanhons, Buiqne, S. Bento, Boro
Conselho. Aguas Bellas e Tacarat, as tercas
feiras.
Pao d'Alho, Nazareth, Liraoeiro, Brejo, Pesqneira
Ingazeira, Flores, Villa Bella, Cabrob Boa Vis-
Serinbem, Rio Formoso.Tamaodar, Una, Bar-
reiros, Agoa Preta Pimenteiras,nas qnintas
feiras.
AUDIENCIAS DOS TRIBUNAES DA CAPITAl
Tribnnaldo commercio : segundas e qnintas.
fRelago: tercas e sbados s 10 horas.
Fazenda : quintas s 10 horas.
ta, Ouricury, Salguen o eEi, as quartas Ja,zo doeommercio: segundas as 11 horas
feiras. I Dito de orohos: trras a naitas s 40 hora
Dito de orphos: tercas e sextas s 10 horas.
Primelra var do civel: tercas sextas ao meio
dia.
Segunda vara do civel: quartas- sabbades a 1
toro da tarde. 1 '
EPHEMERIDES DO MEZ DE ABRIL.
8 Qoarto raing. as 6 h., 22 m. ls. da m.
15. Loa nova as 4 h., 44 m. e |0> Svda m.
21 Qoarlo cresc. as 8 h!, l m. e 4 s. da t.
20- Loa cbeia as 7 h., 4 01. e 14- s. da L
DIA8 DA SEMANA.
?3. Segunda. S. Jorge ra.; S. Adberto b.
24. Terca. Se. Honorio e Mileto bb.; S. Leoncio-m
25. Ouarta. S. Marcos evang.; S. Hermioo m.
26. Quin. S. Pedro de Ratis b.; S. Cleto p. m.
27. Sexta". S. Tertuliano b.; S. Turybio are.
28. Sabbado. S. Vital id.; S. Agapito ro.
29. Domingo. S. Pedro m.^ S. Tertulia v. m.
PREAMAR DE HOJE.
Priaeira as horas e 42 m. da Urde. <
Segunda as4 horas e 6 minutos da manhaa.
PARTIDA DOS VAPORES COSTKIR0O.
Para o snl at Alagoas a 14 e 30; para o norte
at a Granja a 7 e 22 de cada mez; para Fernan-
do nos dias 14 4os mezes de Janeiro, marco, maio
julho, setembro e novembro.
ASSIGNA-SE
no Recife, na livraria da praca da Independencia
ns. 8, dos proprietarios Manoel Figneiroa de Paria
& Filho.
PARTE OFFIGIAL
GOVEB.VO DA PROVINCIA.
LEI N. 667.
O ur. Manoel Clementino Carnetro da Cunta, vi-
t-presidente da provincia de Pemambaeo : Paco
saber a todos os saos habitantes que a assembia
legislativa provincial decretou e eu saneelonei a' re-1
soluto segulnte:
Ar't. 1, O presidente da provincia contratar
cora os Bpreiielro dos trilhos urbanos, on cora
quetn melhores vantagens offerecer, um ramal dos
sesmos irilbo, que, parliudo desu capital va ter-
minar na cidade de Olinda passando pelas estradas
de Joo de Barros e Belm, de cuja encrosllhada
tleve partir ootro ramal para a povoaco de Bebe-
Tibe.
Ar!. 2. O contrato ser redlgido de modo a flear
o contratante obrigado a concluir a obra dentro de
dex mezes contados da assignatura do mesmo con-
trato sob pena de pagar a multa de 5:0009, e de
ver acabar a obra a sua costa.
8, 1. O prazo para o ramal de Beberibe ser con
tallo da data da conclusao da estrada pela lei n.
626 de 16 de maio de 1865, ficando o contratante
respoosavel pela conservadlo de dita estrada.
Art. 3. O presidente da provincia poderi auxi-
liar por ama s vez ao contratante cora urna sob-
venco kilomtrica nunca superior a 1/5 do capital
empregado.
Art. 4 Ficar 0 mesmo contratante sogeito s
condicoes segointes:
Soldados
Cornetas
2* companhia.
Capillo
Tenente
AI feres
l sargento
2o" sargentos
Furriel
Cabos
Soldados
Cornetas
3* companhia.
Forca igual a segunda
Total
Recapitulado.
Offleiaes do estado maior
OfOciaes das tree eompaobias
Pragas do estado-menor
Pracas das tres companhias
78
S
79
i
i
i
I
8
78
l
98
.98
300
5
il
2 I
282
300
Fizeram-se as nebessarias coramunleagoes.
Dita. O vice-presidente da provincia tendo em
vista o que requere u o eterlvo da collectoria de
rendas geraes do municipio do Bonito Jovenete
Taclano Marins, e bem assim o que a esse respeito
inforraoo o inspector da tbesonraria de fazenda em
offlcio de 19 do crreme sob n. 229, resolve nos
termos do art 3a do decreto n. 247 de 15 de no-
vembro de 1842, prorogar por tres mezes a licen-
ga de ignal lempo que ibe foi concedida por por-
tarla de 12 de Janeiro deste anno para tractar de
sua sande.
% i' Subraetter o orcamento da obra approva- Expediente de secretan de gerente do dia 23 de
_io do governo.
2* Esubelecer pelo menos quatro viagens dia-
rias sendo doas de ida e duas de volta.
I 3* Nao poder exigir de cada passageiro mais
jie 400 rs. por viagem en wagons de 1' classe, de
300 rs. nos de 2\ e 4e 200 nos de 3\
4 Abaixar estes oreos a proporgao que aug-
mentar a coaeurreoe d modo a comblnarem se
es interesses da empresa com os dos passageiro.
o Estabelecer'tren de carga logo que as con
veoiencias publicas as reclamaren), nao podendo
abril de i 866.
N. 113. Offlcio o Dr. 1 secretario da assem-
bia legislativa provincial. De ordem de S. Exc.
o vicepresidente da provincia transmiti a V. S.
para terem o conveniente destino os inclusos au-
tographos dos actos ns. 666 e 667 promulgadas
pela assembia legislativa provincial em sua pre-
sente sesso.
N. 114. Dito ao mesmo. De ordem de S. Exc.
|" Sr. vice-presidente da provincia transmito a V'
S.
1 u. para serem presentes a assembia lecislativa
em caso algum exigir pelo transporte dos volomes BT(iac]il os 5^clusos D,0graphos das resolu-
^'|dprH^ei'ge "* '* erfea d ReC"e *' S5es i mesros embla de 13, 21 e 23 de mar-
* ?S,* a~, mo.m. n,a= I C al,im. e ll e 13 d0 corrente que nao foram
Art. 5. O coniratantejosara dos mesroos previ- |anccionados pe|0S motivos n.el|es dHeC|arados.
Jegios concedidos a companhia dos trilhos urbanos; iu.nho= n* a:. -i. k-i a. Voe
do Recife Apipucos, as por prazo nunca supe- lapachos 4t da 2a de abril de 1806.
rior a 30 anuos, flodus os quaes flear a empreza, i ,. ... tuiuerimentos. i
em estado de funecioaar regularmente, pertencen-' ^P".3 Alberto de Brito Cavalcantl Arco-Ver-
do provincia. I de.Informe o Sr. inspector da tbesonraria de fa-
Art. 6. Ao governo flea reservado o direito de!' (,*>
fiscal isa r a conslrncgao,
Offlcio ao "Ex'ro. Sr. presidente do conselho e mi- daqoella triste noticia, porque se acha em conll^o rdVqiialdadMrNqDWSs para^um"
. fama popu
lar, mas os bomens polticos difcilmente oaccei-
tarao como chefe, porque Ibe negam o complexo
nistro do imperio.Foj-lne entregue o aviso de 28 prospera, alm de te'r sua disposiclo MCBtna fclMfeOe parttO?9'0' Pafa um,|Mder'on
de marco findo, que V. Sxc se dignoa dirigir-me, importante ; este estabeleclmenlo nao realison I Mr. Gladstone nem sempre tem mostrado eran-
em resposta ao offlcio q^eem 12 daquelle mez tive porm anda a sua fuso com o Banco Man,o que de fldelidade aos eus principios Dolilicos alm de
a honra de enderecar a V. Exc. pedindo algnm au- creio ten1 do 1motivado por nao estarem liquidados qoe o seu orgulho desmesurado tem-lhe por vezes
xilio pecuniario para acodir as faltas deparamen-. os rwpec hvof activos | alienado a boa vontade dos seos, correligionarios
los, outros objectos de que se reseona a sanu ^ Ns" data o algodao de Pernambucaflea era emqoanto lord Palmerston reuna urna Brande
igreja cathedral desta diocese. Nelle antorisa-me "v%rpoel de 20 d. 3|4 a 22 d 1|2; e o do Mar- pratica parlamentar e mnlta intelligencla grande
V. Exc. a despender no ejercicio actoal com para- nno a 21 d. i% por libra. O pedido tem sido bom, dse de affabilidade que quasi sempre arrastava
mentos, e outros objectos de qne carece a cathe-
dral al a quaotia de 5:0005000 e apresentar as
comas a tbesourana de fazenda para serem pagas,
enviando a esse ministerio a relacao do qoe hoover
omprado. E conclue V. Exc. d'ec arando-rae que
a parte do crdito concedido, que nio fot gasta at
o lira deste exerciclo (icaria annullada. Agradeco
a V. Exc. a attencao qoe se dignou dar quelle
e os precos indicara firmeza.
46 i. a 68 s. por 112 arralis inglezes. Caf de 1
qudlldade de 72 s. 84 s. por cwt; dito de 2* quali-
dade de 60 68 s.; e ordinario de 48 s. 59 s. por
cwt ou UI arralis. Pao Brasil de 60 s. a 70 s.
por tonelada. Assucar branco de Peroambuco e
da Parahyba de 24 s. 6 d. 27 d. por cwt; masca-
vade de 20 a. a 24 s. por cwt. Dte branco da Ba-
meu pedido ; e anda qoe seja essa qnantia insuf- i bia de 24 s. a 26 6 d. por cwt; e maseavado de
conservacao e servico da
empreza, assim como o de regular as respectivas
tarifas de transporte e as vantagens que deve ter
direito a provincia.
Art 7. Ficam revogadas as disposigoes em con-
trario.
Mando, por tanto, a todas as autoridades a quera
o conheclmento e exdcuco da presente resolucao
perteocer, que a cumpram e facam comprir to | hicaa
inteiramente como nella se contm. < John
O secretario do governo desta provincia a faga
imprimir, publicar e correr.
Palacio do governo de Pernambuco, aos 23 de
abril de 1866.45 da independencia e do imperio.
L. S.
Manoel Ctemenlino Carneiro da Citnha.
Sellada e pnblicada a presente resolucao nesta
secretaria de governo de Pernambuco, 19 de abril
de 1866.
O secretario Dr. Francisco de Paula Salles.
Registrada a fl do livro 7 de leis provinciaes.
Secretaria do governo de Pernambuco, 23 de
abril de 1866.
O escripturario Tkeodoro Jos Tavares.
Expediente do dia 2o-de abril de 1866.
OfQcio ao Exra. e Rvm. bispo diocesano.Pas-
sando a; mos de V. Exc. o incluso exemplar im-
presso do decreto n. 3,572 de 30 de dezembro do
anno passado, acompanhado do respectivo mappa,
rogo a V. Exc. que se digne providenciar, para que
seja cumprido na paite qne diz respeito ao vigario
geral desta diocese e no praso marcado no art. 22.
Renevo a V. Exc. os protestos de estima e con-
siderago.
Alexandre Joaqun Villa-Verde. Informe o
Sr. commandante da companhia provisoria de po-
lica.
Albina Joaqnina Martin?..Informe o Sr. inspec-
tor do arsenal de marinba.
Ciar Calbarina de Sonza.Informe o Sr. com-
mandante da companhia provisoria de polica.
Dr. tpaqolm de Aquino Fonceca.Remedido ao
Dr. enginheiro chefe da repartigo das obras pn-
a attender ao supplieante.
n Pater & CInforme ao Sr. inspector
da alfandega.
Teneote Joao Moreira a a Costa.Passe nao ha-
vendo inconveniente.
Joao Antonio Carpinteiro da Silva. Informe o
Sr. engenheiro chefe da repartigo das obras pu-
Dlicas.
Manoel Francisco da Silva.Informe o Sr. com
t mandante superior da guarda nacional do Li-
l rooeiro.
Rufino Manoel da Cruz Couseiro.Passe porta-
ra prorogaodo por 45 dias o prazo para conclusao
da obra.
Rosalina Francisca Negro Monte.Informe o Sr.
delegado encarregado do expediente da repartigo
da polica.
Trajaoo da Silva Perelra.Informe o Sr. com-
mandante da companhia provisoria de polica.
Umbelina Joaquina da Costa Mello.-Informe o
Sr. inspector da thesouraria de fazenda-
(OVKIIXO DO HISPIDO.
(Adilitamento ao expediente do dia 12 de abril de
1866.)
Ao Kxm. Sr. vice-presidente da provincia.Re-
Dito ao commandante superior da guarda naci- i ceDl offlcio que V. Exc se dignou dirigir-me em
nal da Boa-Vista.Em resposta ao seo offlcio de 10 do correte pedindo o meu parecer sobre o
8 do corrente, teoho a dizer-lhe que ainda nao che- projecto n. 56 da assembia legislativa provincial,
garam a esta capital os guardas Angelo Fanstino I Tenho a honra de responder a V. Exc. que apesar
da Silva e Francisco Pereira Maroto, que V. S. ac- das deligenclas que bel empregado aflm de ser in-
cusa ter remettido para aqoi por intermedio do! 'e"do da otilidade espiritual, que possa resultar
juiz de direito da comarca de Tacarut.
Quanto porm ao guarda M*nrel Vicente Barro-
so se estiver effectivamente casado cjoio allegou,
o que deve verificar se em vista de certidflo passa-
da pelo parocho da freguezia, e que deve serme
remettida, convenho em que seja elle dispensado
do servico da guerra para que estava designado,
cumprindo que V. S. faga vir para esta cidade ou-
iro guarda em sobstitnigo delle.
Dito ao Dr. juiz de direito do Rio Formoso.
Tendo deferido o reqoeriraento em que o escrivo
de orphos do termo de Serinhem Joaquim Igna-
cio dos Santos provou que podia continuar no
exerejeio de soas funegoes, visto nao haver de sna
aos Deis residerjles nos territorios, qoe o projecto
que V. Exc. me envin por copia, trata de anne-
xar a parocbfa de Garanhnns, nao me foi possivel
colher informagoes bastantes para poder emittir
tranquilamente o meu juizo, por isso, e para pro-
ceder com seguraoga, -me preciso mandar ouvir
os respectivos parochos. Logo que me tenharo
vindo essas informagoes passarei s mos de V.
Exe. '
Renov a V. Exc. os mens protestos de respeito,
estima e considerago.
Ao mesmo.Em resposta ao offlcio de V. Exc.
de 10 do correle em qoe me pede, qoe roitta o
meu joizo acerca do projeeto de lei da assembia
parte impossibilidade pnysica ou moral, que o pri- legislativa provincial, que traa de erigir em ma
ve daquelle exercicio, assim o comrnnico a Vine,
para sea eonhecimento, e afim de que considere
sem effeito as ordens desta presidencia em con-
trario Communicou-se ao juiz municipal de Se-
rinhem.
Dito ao jniz de paz mais votado da freguezia da
Luz.Nio tendo funecionado no dia 29 do corren-
te, designado por esta psesideocia em offlcio de 20
trlz a capella de Sant'Anna da povoaco do Sacco
da parochia e comarca de Cabrob; tenho a hon-
ra de assegurar a V. Exc, qoe a vista das iofor-
rnages que rae tem sido possivel colher, e da per-
soaso em qoe estou de qoe a creago dessa fre-
guezia viri a ser de otilidade espiritual aos fiis
residentes nessa povoago e seos contornos, nao
julgo inconveniente a ereegio de dita capella em
Jle margo ultimo, a junta revisora de qualificago matriz, e poysso nao duvidarei dar-lbe a sanego
dessa freguezia era sna segundareuniao pelos mo- cannica, se V. Exc. elevar
tivos declarados no offlcio que Vmc. me dirigi em | projecto.
12 deste mez, designo novamente o dia 18 de ju- Renov a V. Exc.
nho pro:cim > vindooro para a referida junta rea- camprimentos.
nir-se e proceder aos trabalbos de que trata o art
22 da lei n. 387 de 9 de agosto de 1846 : o qoe
Ibe eommnaico para sea conhecimento, e em res-
posta ao seu citado offlcio.
Portarla.O vlce presidente da provincia, dan-
do execocao ao disposto nos art-. 3* e 4a da lei
provincial n. 611 de 2 de maio de 1865, resolve
crear o corpo provisorio qoe tem de substituir o
corpo policial actualmente em servico na guerra
Qciente para aecudir as multas precisos da cathe
dral, eu aceito-a reconocido; e ebeio de esperan-
za de que logo que as circunstancias permutara a
augmentar.
Entretanto peco a V. Exc. qoe aitendendo as
difflculdades com que devo lotr, afim de obter
dentro do corto^praso qoe resta do exercicio ac-
toal os objectos' de que carece a cStnedral, visto
ser preciso faze-los vir da Borona em cojo merca-
do somante se encontrara, sirva-se dar ordem a
thesduraria para entregar-me aquella quaniia de
5:0005000 Independentemente da apresenlagao das
coalas, Meando eu porm sogeito depois a raesma
thesouraria ou a esse ministerio, como V. Exc. de-
terminar.
Com praxer renov a V. Exc. meas sinceros
protestos de sabida considerago e respeitosa es-
tima.
23 -
Offlcio ao Rvmo. deao da cathedral.Approxi-
mando-se o dia 30 do corrente mez tnniversarlo do
20 s. a 23 s. 6 d. Coros'seccos do Rio de 6 1|2 d.
a 8 i|2 d. por libra.
Na ultima quiozena chegaram do Brasil a Ingla-
terra os eguintes navios : da Parahyba Landwrs-
ter (23), a Liverpool do Para Aracaty (23), a Li-
verpool ; de Santos Margaret (24), a Falmonth;
da Babia Beln (24), a Falmontn ; da Babia Emma
(25), a Gravesend; da Babia CArwfian (25), a Ply-
onth ; de Pemambaeo Codner e Gleaner1$%) a
Liverpool.
Os nossos fundos amigos de 5 % Acara de 96 a
Brasil de aqoelles que nelle confiavam.
O actoal ministro da fazenda, Mr. Gladstone, pos-
sue um grande talento e eonheciraemos vastissi-
mos, alm dos grandes servigos econmicos que
tem prestado no sea paiz ; mas isto nao basta para
o tornar digno da soccesslo do viseonde de Pal-
merston, preciso que elle busque demonstrar por
factos a sua constancia poltica, bem como orna
certa modificagio quanto violencia do seo ca-
rcter.
0 lllastre Palmerston, cuja perda a Inglaterra
chorara' sempre, deixou aqu ama reminiscencia
de alto prego ; e a idea dos seas relevantes servi-
go3 esta' anda tao fresca, qoe a ninguem dado
fcilmente o comparar-se com aquello immenso
volto poltico.
O parlamento acaba de solicitar e conseguir de
S. M. a rainba a permissao de fazer erigir no edi-
flcio de Westminster a estatua desse
punir quaesquer actos oe aggresso contra o Ca-
essa seila poltica contina a reunir
fundos, prometiendo enviar expedigdes Irlanda.o
que incommoda devoras o gabinete de Londres.
O presidente Johnson contnuava a sua poltica
de reconcfllagao, e o partido unionista pareca ce-
der peranle a vontade desse Ilustre magistrado.
O premio do ouro ficava a 128 1/2.
que o Revd. padre Antonio los da Costa teaba ti- a 3 do corrale, tivemos noticias do Brasil que ; de Russell e de Mr Gladstone nara r n,,,^;.,
tulo algum de mestre de ceremonias dessa matriz,; desta vex foram ainda sen maior Importancia substituido poV^ lord GrS
nem suppomos, que elle tenha provisto dada por, qaoto aos soecessos militares. A sobstitaigeo do Mr. Grosehen ; mas esta combinaco difRementl Sada', "??v,d0 a,les Dela* rec'amaCoes de sir Fre
nosso antecessor de piedosa memorie, porqoe a 1 Sr. D. de Carvalb. pelo Sr. Carro na pasta da I poderia governar o paiz porbue o nartido con'er denck Bru.c!' do.qae Djr Iel PrPri. vis' "mo
ser assim elle ja nos teria feito apresentar como-, fazenda tem ido explicada pele desejo que liona ador Ihe negara em nuetSes iirSLTSn ? eoverDO fedef al Pac<> ** >e darla com o ver a
Ibe campm. __. ____ S,M- JL*stn,lr?e ? pes0,da re9Ponsablli- Polo, e d'abl a necessidadeid lareaf a redeasdo ?g1ta,.errf ,DCODmodad* Pl* Invaso dos fenians.
Quanto s altriboigSes dos mestres do cerem*-! dado d um eargo qae de dia era dia se torna mais governo reueas uo (Entreunto
nas m genere, respondo a V. S. que coasfstem em diffleff pela certeza^e meios que affecta as nos- Se pois o ministerio Gladsmno nn..Qu
asslstlr s festividades, prevenir os ministros do sas Obangas. NestaTraga se acredita mesmo que I soffrerTma u^^MzSmtaSj^w
altar do que Ibes compre fazer, convidar as k- o.M* ministre1 da fazenda do Brasil ser obrigado la volta de S^fftowSS^STm^iJ
mandados nu procissges occoparem seos res- a rjcorrer em breve ao Stock Exchange para sol- mos todava calcular cora ama iosna d^aato d
pectivos pestes, avisar previamente a msica do licWar ooJro emprestlmo, visto como se acredita partido conservador era Tunec Zrnna^tuf?adn
qoe se deve cantar, fazer manter o silencio e res- qw o de 1865 se aeba completamente-eagotado: era que se acba^i&M1b&E^3M?
peito devido aos actos religiosos; era ama palavra essaan-p0olco tem mesmo influido no prego oos Bretanha esta' bem lonae de seaoir e aoolar todas
faxer qae as fanegues do callo pnblico secelebrem nossos fundos de 5% de 1865, qae se cbam ao as ideas politices que bofe Drevalecem aoi Fn
com oda a devida decencia, dignldade, e mages- preco de 72 1/2 ex-divideodo I tretanto a rainha seria obr8adaTrama^aauelle'
tade, 6 a er todo o cuidado em que as ceremonias ra aqu tambera que o Banco do Brasil vai chefe de partido, porque elle reoresenta cabeca
prescMpta* pela santa igreja para os offlclos divi- liqmdar noticia esta qae tem abalada fortemente dos conservadores, que na derrota do ministerio
nos 8%Jfm sempre feitas com a possivel exaegio, *s relagoes comraerciaes enlre os dous paites pelo actqal tero de Agorar em erande maioria Tal
j procurando remediar pradenlemente as faltas rcelo de novas fallenclas. Entreunto nioguem aquillo que cora antecedencia nosso conirtnrar
dos ministros, j advlrtlndo-os caridosamente dos criminara o governo Imperial se tiver de ordenar Os jornaes de boje annunciam ane honiem leve
errot^m que etlverero, e j principalmente cui- na liquidagao para salvar em lempo da,total raina lugar em Liverpool uro grande meettna no nual
dando de promover por todos os modos caridosos, a parte do publico que se acha interesada naquel- tomn parte Mr. Gladstone advoaando necessi
que d xele Me snggerir que o eullo publico res- le estabeleWmento de crdito ; se bem que seja dade de imporuntes concesoes ooliticas s classes
plandega pelo decoro dos altares, pela decente para extraahar que, tendo o mesmo governo um operaras. Este esudista quer tornar-se a todo cus-
compastora dos asssteotes e jlo santo recolbi- nc Jonto d aquella instituigo, as cousas che- to o substituto de lord Palmerston na
ment dos ministros do altar.* eassem a um ponto to desastroso 1 O London & ''
19 Brasilian Bank ha de aprov/itar com a realisago
DIARIO DE PERNAMBUCO.
O vapor Inglez Rhne, procedente da Europa, foi
portador de uoticias de Bambnrgo al opae Paris
at 7, de Londres at & e de Lisboa at 13 do cor-
rente.
a esutua desse grande bo-
_ mem de estado, a qnal sera' collocada ao lado das
98 ; os de 1865 a 72 1|2 ; e os de 4 1|2 % de 67 de Pltt, Chatam, Fox, e ontros moitos que tem il-
68. Consolidados inglezes 3 % fleam a 87; e a i lastrado a historia parlamentar da Inglaterra. O
renda franceta 3 % a 68 frs. 60 c. Italianos 5 /! Hcido lord Palmerston nao aspirara a tamanba
60 1)8. Mexicanos 3 / 21 1|2. Portoguezes 3 / | honra, se depois de mono podesse ainda influir no
46. Hespanhoes 3 % 42. Russos 5 "/ 87 a 89. i que Ihe dissesse respeito, porque oas suas disposi-
Ttrcps 4 /. garantidos de 98 a 100.. goes de ultima vontade deixoa escripto qae os
As estradas de ferro do Brasil continuara com seos restos mortaes fossera humildemente sepulta-
nota vel depreciago, acbando-se os seos fundos ero dos, querendoassim significar que com a sua mor-
frande baixa. Assim, os da estrada do Recife tem te devi cessar a gloria de um to prestimoso cida-
Nlisado 12 Ij2, a 13; as da Baha 15, e os do.
fallecimento do nosso antecessor de saudosa re- de S. Paulo 16 1|2. Acaba de fallecer ao ca<
cordagao o Exm. Rvmo. Sr. D. Joto da Purificagao As directoriasdessas emprezas esto todas em M. Mara Amelia, ex-rainha dos Francezes Foi a
Marques Perdigo acharaos conveniente que nese descondanga contra o governo imperial, e o ultimo 24 do mez prximo passado oue annella illustre
desaccordo entre ellas e o caplio Medeiros, agen- victima da" revolocdW polticas entregou as
te do governo imperial qae como j disse em ama mos do Creador a soa alma, na Idade de 83 an-
mmVaiVi?t9riores carlas vei0 a,,ai par? solver D0S>tend0 Passado longa e virtuosa vida, durante a
as difflculdades existentes, le contribuido mais qual experimenten mais de nroa vez a adversidade
pm o psiino ssialo dents enpreiu. Ocaplto da fortuna. S. M. a rainha falleceu de urna bron-
tiwS* -egreSsa, a0 Bras" pel y,por de Sou" 'cnit chronlca, que se Ihe aggravra ulilmamente
thampton d amanhda. era consequencla de urna forte constipago que Ihe
a ausencia das sessoes do parlamento, que ain-' sobreviera ; entretanto a soa morte foi quasi nma
da esta em ferias a opmiao publica se oceupa to- sorpreza. porque a illustre enferma se achava con-
davia da questao da reforma eleiioral, que acaba
de ser discutida nesta capital peranle urna nume
rosa reuniao (raeeting) das classes operaras. A
maioria dessa assembia dicedio-se em favor da
dia se celebre em nossa cathedral urna missa so-
lemne de requufk i canto plano, que assistlremos,
dando no hm ielle a absolvigo do tmulo confor-
me a rubrlfa.
Recomraendamos por isso a V. S. que alm dos
Rvms. capitulares residentes faga convidar para
esse po acto os licenciados e clero dessa cidade,
dando acerca do .nais as providencias a seu al-
cance.
Dito ao Exm. presidente do Rio Grande do Nor-
te.Fico de posse do offlcio de V. Exc. de 10 do
corrente, no qual me communlca a necessidade uue
valescente sem que os facultativo? esperassem da
sua molestia para lo prximo esse resultado
fatal.
A rainha morreu qnasi sem sentir-se, exhalando
teve de conceder ao Rvmo. vigario da parochia de
S. Jos de Mipib dous mezes de llcenga medida apresentada recenteraente na cmara dos ] 0 seu ultimo sospiro com aquella serenidade
Approveito a occasio para renovar a V. Exc.' communs por Mr. Gladstone, sendo que Mr. Geor- d'alma, que o adorno das almas puras que dei-
meus protestos de estima e ceosiderago. ge Potter, deputado radical, apoiou essa delibera-; Xam a ierra sem remorso
Dito ao mesmo.Accuso o recebimento do offl- cao como presidente desse meetmg. o funeral de S. M. a rainha teve lu"ar a 3 do
ciodeV.Exc.de 10 do corrente e com elle dous j Mr. Brigdt, chefe do partido liberal extremo,! correte, sendo o se corpo depositado na capella
exemplares do regulament'o para a instrnego pu- sustentou ha dias em Rocholale a necessidade de j de Weybridge, (pertencente familia Taylor) ao
blica primaria desta provincia Is* "[ concessSes polticas s classes operarlas lado dos restos mortaes de Luiz Philipe e dos das
Acolhendo benignamente a offerta que V. Exc. na Inglaterra mediante nma reforma eleitoral in- \ duquezas de Orleans e de Nemonrs. Urna nurae-
se dignou fazer-me, sou reconhecido por essa prova tegral, sem comtudo retirar o apoio que ja" pro-: r0sa reonio teve tambera lugar em Clameront
de attencao com que me honrou e approveito a oc- metteu na casa dos communs ao projecto apresen-! aflm de acompanhar d'alli para Wevbridije o pres- ~~ 80Verno 'taliano publicou um decreto cha-
casio para renovar meas protestos de estima e ; lado pelo ministerio. Como disse na minha ante- tii0 fnebre da illnstre exilada fienrando nella ""ando s armas o recrutamento de 1865. Esta
O gabinete prnssiano Intenta fazer reunir ama
assembia nacional alienta, a que terio de ser sob-
mettidas algumas|qaest5es determinadas. O Mr.de
Bismark j expoz em orna circular a'os represen-
tantes das potencias estrangeiras, quaes erara as
intengoes do governo prassiano. Parece que o Mr.
de Bismark pretenda propor a' assembia nacional,
se chegar a reunir-se, a ideia da concentracao das
rorgas de trra e mar da Aliemanha do norte, as-
sim como o regulameoto da organisago consalar,
e a fortiflcago das cosus do norte son a direcgo
da Prussia. O ministro prassiano pretende que a
Aliemanha do norte seja diplomticamente repre-
sentada pelos agentes da Prussia.
Mr. de Bismark tem affirmado qae se as propos-
tas prossianas nao forera attendidas n'aqaella as-
sembia ou na dieta germnica, a' Prussia deixa-
ra' de fazer parte da confederago.
Os EsUdos medios e pequeos tem ja' remettido
a Ii^rlim as suas respostas a' circular prussiana;
estas resposus sao redigidas com a maior reserva
sera que nenbora delles tenha oiferecido o seu a-
poio s prelengoes da Prussia. A Baviera e outros
estados invocam os artigos do poeta federal. Da
Saxonia parti imraedkitamente para Viena o pre-
sidente do conselho Mr. Benst, que e um declarado
antagonista da poltica de Mr. de Bismark.
Um telegramma de Francfort do dia 10 de abril
diz que a dieta adopten nina proposta appresenu-
da pelo seu presidente para que se communique
inmediatamente a proposu prussiana aos gover-
nos federaos, e para se fixar o praso de orna sema-
na afim de se poder tratar della, segundo os regu-
laraentes de urna commisso especial que para esse
effeito se ba de nomear.
Outro telegramma de Berlim de 9 de abril, diz
que a Prussia regeiura' o pedido que o governo
austriano fez ao governo prussiano n'uma nota ex-
pedida ltimamente, pedindo o desarmameoto da
Prussia.
O gabinete de Berlim prohibi a exportago de
cavallos em lodo o reino, como o foi prohibido na
Austria.
O imperador da Russia enviou um carta ao im-
perador d'Austna e oulra ao re da Prussia, sobre
o aetnal conflicto; nio propSe nma inediago, ma-
nifest nicamente e desejo de manter a paz.
O consol geral austraco era Berlim telegraphou
para as casas do banco de Viena afflrmando, qae a
paz entre as duas grandes potencias nao seria al-
terada. Esperava se alera i isso em Viena, o prin-
cipe Hobenlohe, ajndante de campo do principe da
Prussia. Esperava se tambera o general lian-
te ulie I.
Urna carta de Viena diz qae se fixou em dazea-
tos mil bomens, a forca qae se pretende formar.
Havia duvidas oa escolba docemraandante em che-
fe; eram'indigitados o archiduque Alberto e o
principe Alexandre de Hesse; mas a final a esco-
lba recahio sobre o general Benedeck.
Diz ura dus fronleiros da Babenia que haviam
comegado as concentrages de tropas. Os sete re-
gimentos que esto na Gollitria receberam ordens
para estarem promplos para marcharen. Os bata-
Ihoes de cagadores foram poslos em p de guerra.
Abrio-se lcitagoes para o fornecimento de quaren-
ta rail cavados.
No reino da Saxonia laiuuera se fazem grandes
preparativos militares. Esta' se armando a focU-
leza de koemigstem.
considerago. cedente carta, os radicaes que de facto nao cons- alm do prineipe de Galles, do duque de Cambrid-
Dito ao Rvd. coadjutor da parochia de Muribe- muera nma maioria na cmara lectiva, querera ge, e de todos os principes de Orleans aqu resr-
ca.Em resposta ao seu offlcio de 10 de aoril cor- aproveitar-se da oecasiao para obter em favor das. denles, os Srs. Thiers, Guizot viseonde Dchate!
renta, temos a dizer-lhe que Ihe mandaremos pas-
sar a proviso de coadjutor da parochia de Cim-
bres, logo que tendo cessado o Impedimento do
Rvd. parocho, possam ser dispensados seos servigos
nessa parochia.
Dito ao Exm. presidente da provincia d?. Parahi-
ba.Coramunico a V. Exc. para os fias convenien-
tes, que nesta data aitendendo ao que me reqoereu
o padre Herculano Xavier da Rocha, coadjutor da
classes referidas a vantagero offereeida, reservan | duque Pasquier, principe de Broglie, duque de La
Trse.!odam Para no futuro reclamarem o que fal- rochefoneauld d'Estissac, conde Rpger, Prvost
Parado!, Vitel, Panl Daru, e muitos outros qoe ti
nham expressaraente vindo de Paris par aqaelle
flm.
Os ministros do Brasil, de Portugal e d'Aostria,
figuraran) igualmente naqueile cortejo, qae tendo
sahido de Ciaremont pela volta das 10 horas da
manhaa ehegon a Weybridge ama hora depois, se
em lei provmelal esse
meas respeitosos e sinceros
-13-
Ao Exra. Sr. vice-presidente da provincia.Re-
cebi o offlcio qne V. Exc. me enviou em data de
ll do corrente acorapanhando incluso um memo-
rial do Revm. arcediago Placido Antonio da Silva
Santos, parocho collada na paroqhia de Sao Fre
Pedro Goocalves do Recife, em que impetra do go-
verno Imperial urna lioenga annoal de tres raeies
com veocimenios, e direito de nsar della interpol-
contra a Repoblica do Paraguay, e ordena qoe na ledamente no decurso do aqn, para que eu infor-
orgaoisaco daquelle corpa se observe o plano in- roasse sobre essa preleneio.
cluso ass'ignado pelo secreUrio do governo. Tenho a honra de dizer V. Exc, qne a vista
Plano a que se refere a porUria snpra. dos dous atlestados de professionaes qae exhibe o
O corpo provisorio de policU mandado crear por Revm. peticionarlo, nao tenho a menor dnvlda em
portara desta data e de conformidade com a le. crer, qae padece as enfermidades, qae allega em
provincial n. 611 de 2 de maio de 1865 tera' a lar-, seu dito memorial, por isso nao me parece no to-
ga segrate:
1* companhia.
EsUdo maior e-menor.
Major graduado commandante do corpo
Alteres ajndante
Alferes quartel-mestre
Alferes secretario
Alferes cirurgiao
lar para o completo trlompho dos seus sonho?, que
o snffragio universal. Entretanto o partido ra-
dical nao ignora que os Tories esto dispostos a
guerrear o projeeto de reformas, se bem que estes
o fagam allegando que o Ministerio acaba de lan-
gar o paiz n'uroa excitago poltica sera resultado
pratieo favoravei, apresenUndo urna medida qae
parochia de S. Joo do Cariry, ihe cncedi'30 dias por nao ser integral nao satisfaz as exigencias das gurado-se a comraend"acSo"reTi"iosa" que "foi pro-
de licenga. 'deas polticas do tempo sobre ama reforma elejio- ferda pelo Dr. Gran!, bispo de Soulbark- e cora a
Circular aos Rvds. parochos da diocese.Re- ral sensata. O partido Torg acceitarla com effeito qual Sodoo a ceremonia,
commendamos a Vv. Rvmas. que nos mande com a a proposu de Mr. Gladstone, se esU tivesse por flm a familia de Orleans soffreu com esse- triste snc-
posslvel promptdo as InformagSes de que trau o nao s extender a ora maior numero de cidados ; eesso orna perda irreparavel, unto mais que a fal-
mappa, cuja copia inclusa Ibe enviamos irapressa. qual,licados o direito do voto, como tarabem aug- Leclda era o centro dessa virtuosa gente. Agora
24 mentar em eerUs localidades j Importantes o na-' qae a cruel sorte veio experimenta-la por (al modo,
Offlcio ao Exm presidente da provincia.Em* mero de representantes, que actualmente nao est alguns dos raembros dessa respeiUvel familia se-
resposta ao offlcio de V. Exc. de 23 do correte, n ellas em conformidade com o acereseimo da sua' rto eMgMi s a se separaiem, sendo que o castello
em que me pede que d o mea parecer acerca do popaUgao; alm de ootras garaotias concernentes de Cteremoot deixara' provavelraene de ser babi-
projecto n. 85 da assembia legislativa provincial, s praticas abusivas, que se observa aqoi por oe- iad ser esses Ilustres exilados.
que tem por objecto; pnmeiro, elreoinscrever a pa easio das eleigoes, e contra as quaes a opnio pu-
roenia de Nosa Seohora da Goneeigo de Quipap bllca. reclama seriameme. Fazer porm a primel-
aos limites que tinha antes da promulgado da lei ra concesso qoe todava nao sera' execouda sem
n. 508 de 22 de maio de 1861 e tendo por matriz a a adopgo oas ootras medidas, e tal o flm da. rae-
mesma igreja qae o era o'aqaelle tempo ; segando, dida ministerial, na opiniSo dos conservadores
desmembrar da parochia de Qaipap o districio de excitar sera proveito as paixoes polticas, o o/ae
fanellas, e da do Bonito o da Alagoa dos Gatos e pode ser de conseqoeoelas perigosas.
formar delles ama nova parochia com a denomina- O partido conservador nao oasaria combaler a
gao de parochia de Nossa Senhora da Conceigo de tendencia das ideas modernas, qae a visu da ios-
Panella-, tendo por matriz a igreja qae actualmente truego e riqueza progressiva das classes operaras
matriz de Quipap; (eoho a honra de dizer a V. Exc.' na Inglaterra reclama m en favor dellas a retorna
qus por estar persuadido que nenham detrimento es-' allndida, porqoanto am tal expediente s& servarla
pintoal resultar aos fleis da parochia de Quipap, I para nulllflcar a soa rosso poltica. Combate po-
a ser de novo aquella parochia rednzida a sens pn-! rn omodus opermi pelos motivos referido?, e as
suas Ideas tem merecido o apoio de moitos e im-
portantes memhros do partido Whig oa liberal mo-
derado.
raitivos limites, e que de mulla atiliaade vira a
ser aos habitantes dos dislrictos de Panellas e Ala-
goa do Galos o serem elevados a catbegoria de
paroehia, somos de parecer qae mui rasoavel e
coasentanea essa deliberacto da assembia : E
por isso asseguro a V. Exc. que nio terei a menor
A interpeUaclo de lord G.ros venar que sera' breve-
mente discutida na cmara dos eommoos, e de que
ja' del noticia, da' a medida da crenca poltica da
dovida, de na parte que me dli respeito, sanelo- opposicto quanto ao pfofeeta de Mr. Gladstone ; e
gao qne propde a fazer a assembia f0 ^se meio de guerra to hbilmente eogeodra.
Essa residencia pertencia a fallecido reda
Blgica, Leopoldo I, mas por nerte deste pa*sou
para a corda da Inglaterra, vieto como aqaelle
principe a possnia vitaliciamente por ter sido ca-
sado com urna princeza iogjeaa ; entretame S. M.
a rainha Victoria bavia insistido com a tallecida
rainha Amelia para continuar a residir alli, o que
com effeito teve lugar al' o fallecimento desU il-
lustre senhora, devendo porm cessar agora, por
vontade todava dos principes d'Orleaae qoe se re-
cusaram a atceitar psrmals tempo e>flerecimento
de S. M. brkannlca.
El-re dos. belgas neto de S. M. a rainha Ame-
lia, assistie lamben ao enterre sna av, teodo
vitado eapressaroetOe de BruxeUas para esse flm.
A rainha Victoria nao comparaMU alli, mas acha-
va-se representada pelo pruteipe de Galles, her-
deiro da corsa.
Noticias d Valparaiio e 20 de feverelro com-
manicam para aqu que a 4 desse mei as fragatas
hespanhous Filie de Mairid e Blanco aucaram a
esquadra chito-peruana qoe se havia refugiado no
canal de Chilo, desliendo as fragatas Amazonas
Sargento ajndante
Sargento quartel-mestre
Teneote commandante da companhia
Alfares
1 sargento
S" sargentos
furriel
Cabos
i
1
l
i
1
- 5
i
1
t
i
1
1
4
1
do desarrasoada a sua sopplica. Entretanto devo
dizer a V. Exc. qne nao comprehendo a necessida-
de que tenha esse parocho de ir at os ps do an-
gosto ihrono imperial com semelhanle pretengo.
Renov a V. Exc. meas respeitosos impri-
men.
-19-
Ao Sr. Flix da Costa Moraes juiz da irmandade
do Santissino Sacramento de Macei. Recebemos
o offlcio que V. S. nos dirigi em 14 do corrente
mez, consultando-nos em nome da irmandade do
Santissimo Sacramento erecta na matriz dessa ca-
pital, noaes gio as atlribnicdes do mestre de cere-
monias dessa matriz padre Antonio Jos da Costa,
e se suas atlribnicdes se eotendem com a discipli-
na e regimem da matriz; e se finalmente tem elle
ingerepela com as confrarias e lrmandades deesa
mairjz. Respondemos a V. S. qae oio bes onusta.
nar essa alteragao qae propoe a lazer a ssemuic- IOi asse meio de guerra
legislativa provincial, urna vet que V. Exc. Ibe de, u0> que 0 ministerio receta ser vencido por oeea-
por sua sanecto a forca de urna le proviocial, un- sia0 da discusso dessa mogto. Mr. Gladstone oom-1 e Afwmac e a corveta Union, alen do destrogo
lo mais quando assim satisfarei ao que me repre- bate este ardil, e faz portante questo de gabinete feral em que Ocoo o resto dessa forga naval. Os
sentaram ltimamente os flels noradoree en Qui- a adopgao da mogltjre lo#d Grosvenor. Beenaahes tlveram s feridos, eo iniraigo Mu
pap e suas cireuravltinhangas. No da 5 do corren teve lugar em Liverpool morios e feridos I Foi urna completa .yictosia, e
Repito com lodo o praxer a V. Exc. meas pro-' Dm grmde banquete poltico em honra de Mr. GU-! mais lardeo contra-almirante Nemex expedir as
dstone. Este eminente hornera de estado proouo-1 fragatas encooracadas Numancta e Atmanaor e a
ciou am malte imprtente discurso em favor da fragata a vapor B/anc, i
testos sinceros de respeitosa estima e subida consi-
derago.
Dito ao mesmo.Participo a V. Exe. para os nos
convenientes, que aesta date coneUdi ao Rvd. paro-
cho damarochia de Nossa Senhora das Dores de
Catuar padre Antonio Freir deJCarvalho 30 das
de licenga. .
I EXTERIOR.
CORREBPOffBBSCIA DO BV
miO B PEBWA.M1H7C
Landres, 8 de abril de 4866.,
Pela mala de Southampton que, qul repebemos modificac&o que se resna)iria na sabida do coqde
reforma Weitoral, aproveitandose da occasio para
fazer vehettentes ataques contra o partido conser-
vador.
Nao tardara' a reanir-se o parlamento britanni-
co, e em seguida tera' lagar a segunda discusso
do projecto- de reforma eleitoral, se nao pa*r a
emenda do conde. Grovenor. Se porm esta inter-
pellacao f&r volada favoravelmenle, o ministerio
ra' de reBrar-se e de ceder o lugar ao partido
conservador, que alias nio rejeita como disse a
idea da reforma eleitoral em Inglaterra. Ha toda-
va quera pense que mesmo nesse caso o partido
liberal nao perder' o poder, soffreodo apenas ama
mente o resto da esqoadra adiada, qu anda Ac-.
ra em Chilo ; de modo qoe sao aguardadas com
aociedade as ulteriores noticias do. Pacirtco, as.
quaes mostraro noticias decisivas a semeihaate
respeito.
Temos noticias dos Esiados-.Uoidos at 27 do
prximo passado. A fesla de S. Patricio (padroeiro
da Irlanda) livera feltimente lugar sem oceorren-
cias desagradaveis qoa eram m.'aito reeeiadas, e
mesmo tinha abatido ooosideravelmante & excita-
go dos fenians nos Estados-Unidosjalvz pelo re-
ceio dos preparativos feitos pelo governador do Ca-
nad ao intento de ppor-se rm qualquer Invaslo.
pemaij o gabiaete de Wash^i'agton esta' disposto a
resolucao caosou bastante surpresa, apesar do go-
verno pelos seus orgos semi-officiaes na imprensa
declarar que se tratou nicamente de urna medida,
ordinaria, igual a's que se costumam adoptar em
circumstancias normaes; entretanto o ministerio
julgra eu janeiro ultimo, dever addiar adopgo
desu medida por economa, e que logo depois o
govexno responder' no parlamente a urna nter -
pellago que o recrutamento, era um negocio deci-
dido, mas qus entreunto se nao tratava de seme-
lhanle assumpto. Dizem os jornaes italianos, que
era ptesenga da critica siluago da Europa a talia
dever estar prevenida para as eventualidades, mas
se os jornaes rainisteriaes sustentara que a gabine-
te italiano longe de pretender langar-se no caminho
das aventuras; traa de promover a consolidago
da noidade italiana, sem todava querer encontrar-
se desprevenido em presenga de acontecimentos que
possam occorrer.
u celebre republicano Mazrlni. pnblicoa ama de-
clarado na UnidadeItaliana duendo qu*, ba trin-
ta annos presten o seu juramente a' Italia urna e
independen, e que nao tenciona. falsear esse jura-
mento, prestando outro. Renuncia formalmente a
candidatura ao parlamento que Ihe tem sido offe-
reeida por alguns circuios eleiteraes da Ralla.
Celebrou-se em Roma, urna missa solemne
pela alma da fallecida rainha Amelia.
O santo padre respondeado a' mensagem dos 400
francezes raanifestou o sea agradecimento peto a-
poio que a Franca tinha constantemente dado a*
santa f e lembrou com elqgto o discurso do- impe-
rador Napoleto, e a mensagem das cmaras fran-
cezas.
Parece qoe JA esto destinadas as tropis que pri-
melro devem sar da Roma: sao os reglaientos 59
e 71; jolga se qae.se ellectuara' em maio quando
tiverem recoihiqo as fochas que se coaservam em
algumas provincias, dos estados romanos. Prepa-
ra se ludo para a.completa evacuagio. Os depsi-
tos que exjsuara.qo casullode S.Angelo diminuem
todos os. dias ; em Cierta VechU conden tram-s
suce&sjvarae.nt iodos os maieriaes e munigdes de
guerra,
A questo do eraprestimo romano anda nao es
rsplvda. Mr. Ferran, ministro da fazenda, enje-
gou, a tr.es banqueiros romanos nma porgo de
conpons das dividas consolidadas, encarregandp-os
da sua emisso pelo prego mais vantajoso. Ape-
nas, na bolsa romana houve noticia desta traosac-
?lb, as consolidadas que estavam a 71, 75; desce-
ram a 66, 80 sem oom tndo se encontrar quem qai-
zesse fazer operago alguna nesses ttulos.
Drz-se que na extraccio da oltina lorla ogo-
verno romano teve de saldar um grande demclt,
para poderem pagar os premios^ veijdo-se lore>do
para isso a procurar o dinheiro ijecessario no cofre
da congregago da propaganda,^ ltalo deempres-
,i0J0-
De toda a parte acoden voluntarios para o exer-
cito romano. O maior numero sao francetes, bel-
gas, allemes e suissos; mostrando-se todos anima-
dos do melhor asoirito.
0 ministerio afflrma qae o* tumultos do L-
bano sito terminados. As tropas ottomanas j
principiaran a retirar.
' Na Inglaterra contina o movimente da je-

-
MsOMi M


......
te Perai
bfeao t8 e Abril de 1866.

n
II
-4*-

r
-forma eeltortl- os raeetiogs
oatros; em Leed resoiveu o meaang convidar os
operarios a*grem e dirigwem pelicoes ao
parlamento, e te robrar ao raesme teapo a classe
media que .Teeompcomettaa *\ sustentar a classe
operarla na iota para a coaquista dos seas di-
reitos.
Ao raeeliog de Glascow coneorrerara delegados
das principies cidades da Escocia.
Em Sihnfford adoptaraa-se duas resolucSes, ana
a favor do bil appresentado pelo governo, e-outra
convidando a assignatura por meio de peticoe?; em
outros meetings tera-se declarado que o' bil nao
satisfaz as aspirares a que pavo tem direito.
Em Londres bouve a 8 de abril ama grande
demoostracao popular a favor 4a reforma elelto-
ral; reaairam-se osdelegada* de todas as soeie-
snceeiem-ge as-ao8-| a*fa4seo annoneion ^ne-haviam de ser reeleites
todas em Mscate a S de fcvereiro.
Kss di* tmw urna lesU soiame m ^MlMdoi
feram investidos as altas fonccoes que Ihes ha-
viam sido premetdns, e nantto, tdaois de'tares-
Mdos coro grandes honras, eolravam nos aposentos
A'.ordem do da Boa-Vista, Jnair,
Jos" Antonio Bastos, por fgida.
chete (Itt'BWoio,
J. G. fksqmita.
Passageiros vindos de Inglaterra ao apar
Rkotuz
interiores do palacio, forana ceceados pelos guardas j Antonio P. L. dos Santos, TheroiiBelt. JohnW.
de imn, e noucos instantes dtpob estranfulados.; Maekinnow, John Mide! I, Osarte]firey fus, J
dades operaras em Martis-Hull, sendo o meetlag
presidido -por Mr. Jeorge -Poner, -ftesorvea-se
apolar o projeclo .de reforma apresentado pelo
governo.
Nesse da se realisou em Liverpool o banquete
dado em honra de Mr. Gladstooe, que pronuocioa
um discurso demonstrando a necessldade da refor-
ma, e refutando as otojeccOes de Mr. Goscheo ; Mr.!
Gladstone dirigi alguns saques contra o partido
tory.
Por onlra parte lord Jobo Russell promovea ama
reunio a que procurou attrahir os msmbros do
parlamento que partiiham opioies liberaos.
A luta entre as diversas opinloes permanen-
te. O partido radical procura supplantar a oppo-
sigan, que encootram as suas ideas por meio de
ruidosa* maotfest*c5es populares.
Alguns jornaes declaran) que os repetidos
meetings nao gtgoiftcam a opinio publica, mas a
opinio de alguns radicaes que tem figurado na
tribuoa.
Projeelam-se manifest-oes populare!: os dele-
gados das opinies de perarios resolvern orga
aisar urna grande
O isaan annunciou publicamente qaeo tinbam que
f rido assassinar, e por isa fura obrifado manda-
! los matar. Estas aceas que se paramas no inte-
rior do palacio nio prodoxiram desordeas do paiz.
Alcaoeam a 13 de abril as noticias de Porta-
gal. Prosegua na cmara electiva a discnsso do
orcamento na especia lidade.
Pal lava-se ai oda emraeoroposicio mialsterial pa-
ra depois de encerradas as cortes, cuja prorogacao
terminarla a 10, mas que seriam, segundo se espe- abril de 186C.
rava. novamenle prorogadas. Todigita-se o Sr. Car- David, Pernambaco, -S
los Brando de Castro Ferreira, para a pasta da
guerra o Sr. Corvo para as obras publicas.
Um compaahla ingleza instava pela coacessSo
do caniinho de ferro de Cintra e dookas, sem sub-
vencao.
A familia real, depois do baile qne dara a oor-
te, partira para a sua residencia de Mafra.
liam Robensoa, soa senhora a 1 lllno, Mde. Jane
A. L. Wade,Jos Pereira da Cuaba, Henry A. de
Moura, BersWro A. A. .
seguem para o sol :
Cksorge Darse, t Moor L, W. Clupdiao, Pr. Jos
de Swta Julia Botelho e i criado, Francisco. A. da
Gaita Dorgean, Pr. Antonio do P. Araujo, Augusto
C Lefia e R. B. Coanolley.
LawiTsMO puauao, ostro ario ao da 25 de
o de conste ao abati assignado que o dito Sr. Caetano
propala que fura quem levara o abaixo assiguwio
yara negociar neste povoado; vera por meio des-
te declarar ose falsa, falsissima tal gaboliae,
visto como todos sabem que o abaixo assignads
aegoeia neste povoado mals de tres anuos sem
que precizasse, nao s do abono do Sr. Cae-
tana, amo de pessoa alguna, deste mesa po
voado. Por tanto, o mesmo abati assigno roga ao
dito Sr. Castao que o deixe vlver, qne alo o pro*
voqae com suas bespanboladas.
Povoaciode Trombeta, 27 da abril de 1886.
Tbomat de Aqoiuo Carvalbo.
Atoro baes e Peruana- Itrihqidas como Ktajwr., RaCe#28 da fave-
bweo. reiro de 1866,Celho.
S0V0,^lieS- i^^J^! SlnTS' % S0tMjo feita a distribuiflSo ao esr/rivao
d anno, toma diobeiro a praso nxo on em conta A,matt. i_j_.,f,.il..__M ,,.,,:,. ** liw.^a^
corrente pelo premio e eondfeoaa qoese|conven- a e8te !"> Guilherme Augusta da Athayde,
clonar, e saca sobre a praca da Babia* este em observancia a este meu despacho,
fez passar o presente, pelo tfaal e seu tbeor,
chamo, sito e hei por sitados aos menciona-
aLFANDEGa.
Rendimento do dem do di. 27.............. 32:76*W75
PERNAMBUCQ.
HEV1STA OWRIA
A trmandade de S. Pedro dos Clrigos desta ci- i
dade manda soffragar na segonda-feira prxima a
alma do finado bispo o Sr. D. Joao, celebrando em
sua igreja om officio solemne com missa e libera.
No mesmo da, pelas 7 horas da manbSa, re-
za-se na Igreja do Livrameuto orna missa pelo
proeissao que ha de percorrer eterno reponso do mesmo prelado.
aooos, Boa-Visu; anemia.
Alfredo, Pernambuco, i anno, Santo Antonio ; va-
rilas.
Manoel, Pernambuco, Santo Antonio 5 bemorrba-
fts.
Jo, Pernambuco, 6 mezes, S. Jos; interite.
Manoel, Pernambuco, 11 mezes, Recife; -
maoao.
Delpbina Rosa da Conceico de Jess, Portugal, 60
annos, soltsira, S. Jos; samaras de sangue.
26
Aro Tbeodorodos Prateres, Pernambaco, 9 annos,
S. Jos ; desinteria.
Cypriano Pereira Peres, Pernambuco, 33 annos,
vinvo, S. Jos ; febre perniciosa.
i Vieeate Ferreira do Nasclmeato, Pernambaco, 80
anos, viuve, Boa-Vista ; congesto cerebral.
Mara da Silva Vasconeellos, Pernambuco, S an-
nos, casado, S. Jos ; sanaras de sangue.
Juviua Los Franca, Pernambaco, 26 annos, casa-
da, Santo Antonio ; febre perniciosa.
Francisca Romana do Nasclmenlo Araujo, Pernara-
Xarope inico refrigrame de velase e de
ferro preparado pelo -plMrtBMeutico Jos
da Rocha Paranhos, estabelecido nacidade
do Recife provracra de Pernambuco, rna
Direita d. -88.
Este xarope, que d tom aomovimento
muscular por sua qualidade frrea, ao
mesmo tempo purgativo pela parte do ve-
" *laine que encerra, e refrigerante pela par-
te acida, alm da precisa para perfeita so-
Iuc3o e combinaco do ferro; este atacado
pelo acido fica em extrema tlivisSo, e as-
sim o mais soluvel que possivel, de sorte
queja nao to dependente de ser digerico
pelos cidos fracos, que se acham no suedo
gstrico durantes digesfio. Os expositores
de medicina s3o e opinilo qe o ferro e
todas as suas preparares gozam das virtu-
des eminentemente tnicas, que proveita
km todas as molestias que sao caracterisa-
das por fraqueza; e com effeito acho exac-
Volnmes entrados com fazandas...
< com gneros...
Yolumes sabidos cera aiendas...
soaa gneros....
as roas de Londres no da em que tiver lagar a
segunda leitura o bil da reforma.
Projecta-se ama reunio de todas as sociedades
com os seas respectivos estaodartes, levando alm
dess bandeiras urna que se lea. tQaeremoi a
reforma.
dado o ferro em
buco, 40 annos, solteira, S. Jos ; cancro.
Emilia Flora da Costa, Peraambuco, 30 annos, sol- ta essa opiniarj; n3o DM8 e
teira, Santo Antonio; moiHua no cumeso: substancia pelo mao resultado que tenno oD-
Rosa, frica, 74 ancos, viuva, Boa-Vata; febre ty-1 ^ervado, (e que ja fiz publicar) em certas e
phoide. ___.,.,..,.. Vi- [determinadas mole-tias; por exemplo: ane-
Daarte. Pernambaco, 20 .naos, soite.raaBoa-VtsU, 1 febres ^^^g; ten^m mu.
"pinera*se aue a nrooissose e checar aeectuar a^Mi0i da erdem benedictina nesta provincia; Jos PernainDBC0| 1 an00, S. Jos ; espasmo. tas vezas por anazarca, que accumuUcao
bsperA-sequeaprotijsaosehe enejar '""'f po ?, no per odo de soa administracao, a par de GnJih-rmlM Pan
nao contera menos de dozentas mil. pessoas guando ^ tm^tUm> S0Qbe conquistar a affei?Io de l
Hontem seglo a bordo do Rhone para a Ba-
bia o Exm. e Rvm. Sr. D. abbade de S. Bento de
Olinda Fr. Antonio do Patrocinio Araujo.
S. Exc Rvma. foi um dos relegiosos de mais me-'
recimento e do meibor trato, qne tem vindo dirigir
Guil'bermina, Pernambuco, 2 mezes, S. Jos ; con- e serosidade no tescido cellular (agua quan-
passar pela fre*e_do patacio de W.sUm.oster. ^os quantos o commauioaram, creando um bom
EstaroanrfestacaoaTealisar-sedeve ser impor-: ^ g, SiDCeros, que Ihe apreciaram
tante, e naodeuara de exer.er urna grande mfluen- devidamenle as excllates qoalidades, e ora sen-
da na reforma. _____ i.,em os erreitos da soa ausencia, attenuados no en-
-Ateleicoss mjoieipaes sao o asomp oque de qoeesta fllha sement
em Alhenas e m toda a Grecia atirahe a aiien;ao
do publico.
No meio das ambicies polticas dos partidos o
governo procura satisfazer as necessldades dos
differentes ramos da administraco.
- A Grecia parece querer entrar no rgimen ordi-
nario, lera sido resumidos aos seas songos cargos
. os reaccionarios que oa poca da grande erise ta-
ran exonerados ou demittidos pelo espirito parti-
dario on de favoritismo.
El-rei depois de ter recebido o enviado da Blgi-
ca, que Ibe notidcou a exaltaco ao ttirono do rei
Leopoldo II, parti para Santarm.
Esperase em Alhenas o representante dos Esta-
blos Unidos ; o pnmeiro qne aqaelle estado acre-
dita junto da corle de Amenas.
Falla-se de ama viagem do rei Jorge a Pars,
Londres, Cop-nhague e S. Petersburge, e diz se
que sta v*agem tem relaco com o casamento de
el-rei dos Gregos.
volsoes.
Herculaoo, Pernambuco, 10 annos, escravo, Santo
Antonio : febre adinomica.
JPubli ATfEftQAO
O abaixo assignado resolvendo-se conservar si-
lencioso, por aigum lempo, at ver se o actual julz
de orphos da comarca de Olinda, ero exerclcio,
quem quer que seja, se digna dar andamento ao
inventario de D. Joanna da Silva Medeiros, vem
declarar .que qoalqner demora alm da que ja' tem
havido, pode acarretar prejuizos a alguns dos ber-
deiros, assim como pede ao dito juiz que se nao
delxe illudr por algum BANCA ROTEIRO ; decla-
producco,lemeffectivaraente sido urna justa re- "ndo que nenhnma inlencao nha ,fJ5**'
'compona deferida ao mereciraento dallas, sendo Sr. Dr. Eduardo Angosto de W^Wffr**:
alm disto urna aneco a' escolha da emprasa. &&# *g**3C&JE2J*l i,!
dos ioteresses de soa ordem, qne argem por sua
preseoca ao capitulo geral.
Faxendo votos pela prospera viagem de S. Exc.
Rvma., nao podemos deixar de acompaoha-los da
aspirado de que volte elle a occopar o mesmo car-
go entre nos, ou alias que eonlrlbua para que seja
(iado ao mosteiro de S. Bento de Olinda um prela-
do no futuro triennio, que imitando-o na sua ges-
to e trato, seja credor das afTeices e do respeito
dos pernambucanos.
Hoje repete o Santa Isabel a representarlo do
drama a Vida da Bohemia e da comedia Tcliang-,
tching-bung.
A aceitaco qu tem merecido as duas anlerio-.
res representares do nosso publico ama e oatra
MOVIMENTO DA ALFANDEGA
Desoarregam hoje 88 de abril.
Vapor inglez Olindamercadorias.
Lugre inglezaMarn"*diversos gneros
Brigoe inglez Casiic Graydiversos gneros.
dos herdeiros do fallecido Manoel Pinto,
para que dentro do prazo de 60 das compa-
830:468*831 recam ante este juizo, par si ou por seus
"=== procuradores, allegando e trovando o que
for a bea de seus direitos e justica, sb pe-
na de se proceder soas revelias.
6321 Por tanto toda e gu^lqex4ifl8ioa, prente,
. amigo ou conhecidos dos referirlos herdei-
t.053 ns' poder-meB-bSo fazer sceote ile todo o
I expendido. E para que chegue aa conheci
1 ment de todos mandei fazer o presente que
ser affixada nos lugares do costume, e pu-
75
457
8i0
Barca lubeckense-iadyfr-farinba de trigo e mais Ducados pela imprensa.
Dado e passado nesta cidade do Recife de
Pernambuco, aos 3 de margo de 866.
gneros.
Brigue austracoArionedem.
Galeota hamborgaezaEclipticamercadorias.
Brigue inglez Ella Bruce mercadorias.
Barca ingleza Edh Manoncarvo.
Brlgae inglezJoAn & Elisabethidem.
Barca nacional Amzadecharque.
Brlgae nacionalBeluario dem.
Brigue nacionalAurelianoidem.
Brigue portuguezS. Josidem.
Samaca hespanholaGuadalupe idem.
Patacho- portuguezGorrtfarinha de trigo.
Barca portugueza Betlem diversos gneros
Brigue hespanholToroidem.
BECEBEDORIA DE RENDAS INTERNAS GE-
RAES DE PERNAMBUCO
Rendimento do dia 2 a 26.
Idemdodia 27 .........
Eu Guilherme Augusto de Athayde, esert-
vo o subscrevi. Virgilio de usmao Goe-
lho.
N. 60.Rs. 400rs.pagou 400 rs. Reci-
fe 3 de marco de 1866.Chaves.Sena.
Vai pagar 250 rs. de diraoa thanceU
laria. Recife era supra.O escrrvle, Athay-
de.N. 1221. Pagou 230 rs. de direitos
de chancellara. Recife 3 de marco de 1866.
I Chaves.Limoeiro.
Transitou pela chancellara. Recife, 3 de
O paiz comeca a uistroctar alguma seguranca: as pois as pecas de merecimento pelo que retraUm e
guerritbas vao desapparecendo: mas ainda ultima- ;.pelo bem delmeado das stluaSes nao cansan de
-mente flzeram senslveis estragos as provincias ser vistas.
da Blacedoma e da Tessalia.
O joi nal francez o Moniteur publica urna nota
Pedem-nos a segnjnte publicado :
Boga-se a autoridade a quem possa pertencer
Ordem Tercelra e H. Francisco
sobre a retirada dss tropas francezas do Mxico, providencia, que lance suas vistas para ama rea-1 a forca irresistivel da verdade dos cbrlga mni-
dizendo que tinha regressado a Paris o baro Sai-
Ibard, depois de ter desempenbado a missSo de
que harta sido encarregado no Mxico.
O imperador mpoleo, em vista das communica-
cues trocadas entre Mr. Daro, ministro de Franca,
o marechal Bazaioe e o governo mexicano, resol-
vea que as tropas francezas evacuaran, o Mxico
em tres destacamentos parlndo o primeiro em
novembro prximo futuro, o segundo em 1867 e o |
ultimo em novembro de 1867.
Continnam porm as negociares para substituir
as estipulares flnanceiras do tratado de Miramar,
estabelecendo-se novas condices que tenbam por
fim assegurar garantas dos credores da Franca, e
aos interesses francezes iovolvidos no emprestimo
mexicano.
Vo partir para o Mxico novos voluntarios
austracos. O engajamento parece nao Inferior a
cinco mil homeus.
Nos pontos em que os republicanas aioda resis-
ten, s armas imperialistas, tem havido alguns
combates que nao deixam de ser importantes.
EmTampi Inuveuma insurreisao a favor da
repblica.
O presidente Jurez tem sido obrigadp a retirar
diante das tropas francezas que o perseguem, mas
os imperialistas tem tambero sido obrigados a aban-
donar algnns pontos mais ameacados.
Puebla tem sido investida repetidas vezes.
Diz se que Jurez ainda nao perder a sua
popularidade no territorio mexicano, e que ditTe-
rentes povacoes Ibe tem enviado por escripto os
seus votos de agradecimento pela dedicago com
que o presidente tem sustentado a causa da rep-
blica.
Algumas das povacoes da fronteira americana
pedem a continuaco do goveruo de Jurez.
A questo de Bagdad parece ultimado, ainda
que segundo uns, o general imperialista Mexia
sastentava coro o coromandante americano ama
pclemica internacional, reclamando o primeiro a
entrega da praca que primeiro fra tomada por
urna forca de negros e depois oceupada por tropas
de nha americanas; contestando o segundo com
que este agente do archiduque Maximiliano apre-
sentava as suas reclamacdes fundando as suas
duvidas no facto de nao haver ainda sido 0.impe-
rio mexicano reconhecido pelo governo ameri-
cano.
Afflrmam porm alguns jornaes que em Bagdad
ja existe ama guaroicSo de austracos e mexicanos
e que se esperam all algumas tropas francezas.
A empaliada belga ao Mxico so seu trajecto
do Mezico para Vera-Cruz foi accommettido por
um bando, a embaixada compunha-se do general
Fonry, do tenente baro d'Huart, ajuthot* de
campo do conde de Flandres, do lente Marcha I,
ajudaote de campo do general Fonry e dos Mrs.
Alcntara e Dorlodot.
Iam acompanhados pelo major Altevies. que faz
parle de um corpo belga ao servico do imperador
Maximiliano, e que a para a Europa com li-
cenca.
O general Fonry, o major Altevies, dHuarte
Marcbal iam n'urna carroagem de posta; Alcnta-
ra e Dorlodot precedan, a cavallo a carroa-
gem.
A viole leguas do Mxico 'oa. disBUdeiro
em Hio-Frio foi a carroagem accommetula por
um bando que disparou urna descarga geral Mean-
do logo mono o baro de Huart com nma bala oa
cabeca.
O general Fonry, Marchal e Altevies saniram
logo da carroagem de espada oa mo, e apesar de
duus delles estarem feridos, poieram em tuga os
agres&ores.
O imperador do Mxico apenas leve noticia deste
soccesso parUo em direco do Rio-Fro, jtazendo
condozr os tenaos para o M*xleo.
Assgnou-se em Vienna a 5 de abril nm tratado
entre a commissio imperial mexicana e o repre-
sentante da companbia geral~ transatlntica de
Franca para o transporte para o Mxico de cinco
mil voluntarios austracos. A primeira partida de
1,200 homeos ter lugar em Trieste no flm deste
mez; as oatras devem effectaar-se em setembro,
ootnbrQ e novembro prximos.
0 Times publica um artigo do jornal americano
Neto York Herald em qne diz que o presidente dos
Estados-Unidos Mr. Johnson, apresentra a cmara
dos representantes urna carta do Sr. Romero ao
ministro dos negocios estrangeiros Mr. Seward, em
qne se dlzia que o imperador Napoleo cessaria de
sostentar o imperador Maximiliano e restateleceria
a repblica mexicana com o general Bazaine pre-
sidente Interino t
Noticias da China de 9 de margo diz que a*
tropas imperiaes bateram completameate as insar*
gentes do norte, flcando fra do combate entre mor
tos, feridos e prlsioceiros, ciacoenta mil rebeldes
. Annancia-se o fallecmento do imn de Has
case o do Zaozibar, qne foi assassiado pelas (ribas
srabss qus nabttam o IXtoral pgolpbo prsico. Es-
tas tribus foram excitadas e seduzidas pelo filho
mais velho do imn, principe ambicioso, qne foi I
proclamado em logar de seu pi.
0 aovo imn tinha por cumplices cinco dos prin-
cipa** ceee rabes que cam elle dlriglam a cons-
piracio, e a quemaba feito proroessas de'eleva-
dos cargos. Um dVia ser primeiro ministro ; o ou-
tro, governador de Maspjte ; o terctro comman-
dante em chfe da trodas; o quario, governador
de Ormox ; eotmOK que era o mais terolvel e
perjgoso, vice-rei de Zanzbar: mas o novo lana
eomprebenden qw se enmprisse u suas promes-
sas Bearia a merc dos seus cmplice!, e recelan-
do a sorte da seu pal, rttolvea desazer-se delles 5
mo de meninos e moleques, que todas as noites [ tas vezeg a confessar nossas faltas, e implorronos
costumam atacar foguetes buscaps desde o pnn- de.-culpa sem fundamento que a justifique ; por
cipio at o fim da ra do Raogel, coadunada o seu Certo o svndlco da Ordem Terceira de S. Francis-
armarlnho sonido de fogneles, traques, etc. co Da0 podando repellir a verdade, confessa na
c Tem succedido ja' queimar a algnem que pas- correspondencia de 6 do correle que quaodo den
sa ; e na noile de 26 do corrente entrn
cap no 1 andar do sobrado n. 2 i, e abi
um bus-
queimoa
urna chanca de 5 mezes, eujo pai assim forcado
a pedir garanta a'respectiva autoridade, aflm de
se nao reproduzir semelhante incldeute.
Hoje effectua o agente Pinto o seu leilo de kne S. S. esuva na posse das chaves do cofre que
movis Jobjectos de oro e prata, ^M^^Z^^^l^^^^^fjt
ra da Cruz n. 57, conforme esta annunciado.
O vapor Inglez Amaspii, da linba de Liver-
pool, era esperado em Lisboa de 26 a' 27 do cor-
rente em viagem para o nosso porto.
Eis os precos dos gneros de produego bra- {terrivel opposicio ?
siletra em algumas prac.as da Europa : Parece pue S. S. devia ser o primeiro a respel-
Hamburgo, 5 de abril. lar e acatar o respeitavel ministro, pelo menos nao
O assucar fica frouxo, de 18 % MO )i 0 bran-. fazer parte da opposlcao qae Ihe dirigid, a flm
co e de 15 X a' 16 3/4 o mascavado ; o caf regu-1 de qae nao se faga um julio desfavoravel de S. S.,
la de 4 7/H a' 7 5/8 segundo a qualidade ; o cacao
do Para' oe 7 3/8 a' 7 1/2; os conros salgados ver-
,l.,.- rt '1 ')('. K 1/1 n taniln n Miranhn
do est entre a pelle) e depois aseite--oo by-
dropesia do Tentre, que accumula$o de
serocidade no peritoneo.
E'sabido que o ferro um dos agentes
mais importante para qne o sangue se pre-
pare e aperfeice devidamente, e por con-
seguate o mais proprio para impedir 'o des-
envolv ment destas molestias; mas sendo
elle um efficaz excitante, rnente esecer-
nente, claro que s associado como se
acha neste xarope, pode dar o resultado
que se espera, e a experiencia me tem de-
monstrado sem risco de offender as entra-
nbas.
Os eTeitos dos incitantes, sao: promover
as secrecoes, eabsorces, augmentar o ca-
lor natoralf e remover aquellas dores que
nascem da falla dos raovimentos irritativos.
Os sorhentes sao tambem aquellos agentes,
os quaes augmentan) os movimentos irrita-
tivos, qne formara absorclo, e os s cernen-
tes aquelles que augmentam os mormenlos
irritatives que cooslituem as secresoes.
Assim, pois, v-se que sem a precisa combi-
nacSo e modifleaco n5o pede ser elle appli-
cado indistinctamente. Mudas vezes o pra-
tico deixa de fazer applicacSo do Trro por
conhecer suspeitar que o ligado, o bofe ou
pulmSo, e orgSo essencial da respiraco, ou
outra enlranha est offendida; entretanto
que, se se*tivesse applicado em tempo se
' poderia ter evitado o desenvolvimento da
molestia. Assim, .pois, o xarope prepara-
do como fica exposto se pode usar sem ris-
co por nao offender as entranlias. As mo-
nistro, que conflava em S. S, e contina a confiar tag egam ag ^ ofcarope tnico re-
HSSS aVSedido0 CR S^r ^ I hirante pode ser applic^o com proveito,
E" porm, a este ministro, qae delicadamente sSo: as amenorrbeas,|ou SUSpenfO do n-
trala s. s., e consente seus amigos dirrjam a mais x0 menstrual das mulheres, anemia, ou di-
minuico da massa do sangue e sua consis-
E' de crer qaTS *hff JuafconT/encia, 2o do corrente agoardando-se comiudo para occa-
siao mais opporluua, se assim o quizerem.
Recife, 26 de abril de 1866.
O MACACAO.
sabida aos 3:0000000, para pagamento do saque
qae se havia de veucer 30 das depois, tinha a
ordes um saldo da 2:1420900 III
Felizmente a aiscu*sao trouxe a verdade, nao
s de que bavia saldo a favor da caxa, como de
des de 3 3/i a? 5 3/4 ; o algodo do Maranho,
Cear e Pernambaco de 18 a' 20 b.; e a borracha
do Para' de 28 a' 30.
Porto, 11 de abril.
0 assucar fica colado branco de 20 a' 20300, sc-
menos de 10900 a' 20 e mascavado de 10600 a"
10700 por arroba 5 e o caf d 30400 a' 40100 se-
goodo a qualidade.
Fica a' carga a barca Arminda para Pernam-
buco.
Chegaram : a' 29 o brigue Esperanza de Per-
nambuco por Vigo ; a' la barca Claudina de Per-
nambuco; a* 4 a barca Restauragao do Maranbo;
e a' 8 a barca Stlencio do Para'.
O brigue Tamega devia partir para o Para' no
dia 18.
Lisboa, 12 de abril.
O. algodo vende-se a 380 rs.; o agurdente de
480 a' 490 por pipa; o arroz do Maranhao e Para'
de 30200 a' 60400 por quinlaes ; o assucar bran-
co de 10900 a' 20oaO, e o mascavado de 10'iOO a
10GOO por arroba ; o cacao de 40300 a" 40400 a
arroba; o caf de 30300 a' 40200 por arroba; os
cooros salgados de 80 a' 120 por libra e os seceos
de 120 a'130 rs.
Ficam a' carga : para Pernambuco barca Grati-
do. lugre Julio, brigue Bella Fijueirense e pata-
cho Flor de Mara; para o Cear o patacho Estrel-
la ; para o Maranhao a barcaifano Luiza; e para
o Para" os brigues Tamega, Feliz Pnfura e Mr-
quez de Santa Cruz. -
Chegaram : a' 29 o brigue Bella Ftgueirense de
Pernambuco ; a' 6 a barca Uniao do Para'; e a' 7
a barca Mora Luiza do Maranhao.
Sabiram : a' 29 o brigue Comante II para Per-
nambuco ; e a' 8 o patacho Marta da Gloria ideo.
L-se na Correspondencia de Portugal:
< Grangemoalh 21 marcoSabio para o Brasil e
Mar^areth.
t Soilly 20Cbegou o Rawteys de Bremen para
a Baha.
Holybead 26 -Cbegou o Avena de Liverpool para
Pernambuco.
t Cdiz 19A sabir para o Rio Grande o Maja.
c Falmoutb 240 Odi* do Rio de Janeiro para
Aliona entrou aqu arribado tendo alijado,parle da
carga (caf) ao mar, e soffrido entras ararlas em
cousequeocia do mi tempo.
< Dardaoellos 24Cbegou do Brasil o B-Vst In
dio.
t Deal 31 Cbegou o Edh Mary de Sunder-
laod para o Rio de Jaeeiro.
Dover 1 de abril Chegoa Vetat da Babia
para Bremen.
< G1 bra I lar 23 marcoCbegou o Krommeme da
Babia e Cdiz e sahio para Trieste.
. Falmouth 2 de abrilSabio para o Brasil o
Sostrene Clausen.
Trieste 89 de marcoA sabir para Peraambu-
co o He-nrick George.
c Havre 3 de abrilChegou o Mrquez ie Sa%ta
Cruz do Maranbo e Para'.
1 Londres oCbegou do Rio de Janeiro, Saaios
e Santa Catharina o Delphim.
Penzaoce 31 de mareo O Comtanct do Rio
Grande para Falmoutb, arribou aqu hoje por taita
de maamentos tendo alijado alguma carga, e ex
perimenudo moilo mo lempo.
Liverpool 4 de abrilO vapor Arago de Per-
nambuco para este porte naufragou a 29 de marco
prximo a Sonth Surh. Do carregameoto que coc-
stia em 3,000 fardos de algodo, um-se salvo e-
tade e espera-se que m salte todo.
A quesiao aa nullidade do leslameato de Jos
Fernando da Crac, lando avallado entre nos por
aJgamas circumsiancias qae a slla se prendero, pe-
dimos a alinelo dos leltores para o que vai publi-
cado na 6* pagina (o Forum). E' nm irabaibo que
oiuilo se reoommeada por soa eoncisao e clareza,
e que bem codera' babiliiar aiada aos menos escla-
reeidos a emittirem nm juizo seguro.
KErAJmco os policu :
Exirscto das partes do lia 27 de abril de
MM
ForaiB raeoAUos a casa de detencao ao dia 26
do correle.*
A' oien ito *>r- dsiegado da ea#nal, Jiizebio,
que dli chamar-*' Antonio Jos* Francisco, seravo
do Dr. Pedro Atfok'so <* Mello, por andar fgido.
A' orden do g*>',aelefr*o- de S. Jos, Aalenio
Marcelino dos Santos e Constantino Alvos da Silva,
para atarlgaasSes em ct',BM laaaanflaviL j
tencia alterada, dores de estomago, debili-
tado dos orgSos digestivos, faslio, fluxos
mucosos, flores brancas, chlorose, molestias
como naturalmente farSo os horneas iroparc,aes que |do gexo femenin0 caracterisada por lan-
^iSSV&*tmSE!1i^.devia'guor geral acclorisacao paluda da cor eu
apoiar o ministro, ou tornar-se neutro, ou retirar-1 esverdinhada, empobrecimento do sangue,
se, mas nunca ser cabega e autor da opposicao eofartes-ehronicos das visceras abdomioaes,
feita a to nobre carcter. | aip0rcas ou esorophulas, escorbutos, opila-
iSiO^^^^JS^ii t. Paidez, eos'estragos produzidos pe-
las molestias syphiltticas: asthenia ou falta
de forcas; fraqueza geral: e ha bydrope-
sia anazarca e ase tes; tendo-se o cuidado
de observar nestas doas ultimas molestias
principalmente, e em todas s nutras, que
um dos effeitos salutares de* te xaropa te-
ro-ventre corrente, e as urinas desernbara-
cadas.
O modo de usar-se e regular-se vai des-
cripto no letreiro pregado no frasco.
Vende-se nicamente na botica da ra
vem aspirar ; de ludo se encontra neste orbe de
' lagrimas, sem que se possa dizer, novidade.
Voltando a primeira confisso de S. S., visto
como basta de eonsideracoes sem applicacao a
materia. Tendo S. S. retirado o saldo de 2:1420900
e acreditado-se como credor da Ordem pelo exce-
dente necessario para prefazer a quantia de
3:0000000 ; cousequencia, que desde esse da a
Ordem linba pago o saque feito, embora uao esti-
vesse completo lodo o capital com dinbeiro d'ella.
por Unto nao devia tomar o saque a praso, e re-
MOVIMENTO DO PORTO
Atawoi entrados no dia 27.
Southampton e portos intermedios16 das, vapor
inglez Rhone, d !Mt toneladas, commandanle
Woolward, eqoipagem 133, carga differentes
gneros.
Rio Grande do Sol31 das, escuna nacionel Geor-
giana, de 149 toneladas, capito A. Torres, equi-
pagera 11, carga 6,100 arrobas de carne; a Tas-
so Irmao.
Rio de Janeiro21 das, brigue nacional Liberal,
os 207 toneladas, capliao Jos Henriqoe deOli-
veira, eqoipagem 10, carga 9,000 arrobas de car-
ne *, a Antonio L. de O. Azevedo & C.
Barcelona e Almaria46 das do primeiro porlo
30 do segundo, sumaca hespanhola Joven Elisa,
de 127 toneladas, capito Jaime Pl, eqoipagem
10 carg 900 barricas com farinha de trigo ; a
Tasso & IrmSo.
amburgo41 das, escuna austraca Peter, de 126
toneladas, capito I. Breckweldt, equipagem 7,
carga fazendas e outros gneros; a Parate Vlan-
na & C."
Liverpool41 dias, barca ingleza Jane, de 226 to-
neladas, capito G. E. Lyoret, equipagem 10,
carga differentes gneros; a Johnston Paier & C.
Rio de Janeiro17 das, brigoe hanoveriano Ani-
2/0, capito Phelippus Sap, equipagem 9, em las-
tro ; a Amorim Irmo.
Vacio* sahidos no mesmo da.
Canal-Lugre inglez Badotria, capito W. Eyman,
carga assucar.
Liverpool por Macelo. Brigue ioglez Titania, ca-
pito W. Tbomas, carga assucar.
Observaco.
Fundearam no lamaro duas sumacas hespanho-
las, mas nao liveram comraunicac,ao com a trra.
EDITAES
tirar desde o dia da tomada o saldo da caixa
(2:1420900) e figurar como credor domis que
faltava ; por quanto para a Ordem a transaccao
est completa e acabada como se fra a vista pois | Direita n. 88 de
Jos da Rocha Paranhos.
ATTENCSO.
Xarope alchoolico de veame, preparado
pelo pharmaceutico Jos da Rocha Paranhos,
estabelecido com botica na ra Direita n.
88 em Pernambuco.
Este xarope incontestavelmente superior
a todos os saropes depurativos, de cuja
de oatra forma nao se pode admittir o adiaota-
mento por parte de S. S.
Mas, assim nao leudo procedido, antes feito a
iraasaeco a praso no qne trouxe prejuizo ; visto
como as circumsiancias em que esuva a praca
e o cambio, o saque a vista era muilo proveitoso,
e, conseqnencia que S. S. nao praticou convenien-
temente, quer retirando o saldo e constituindo-se
credor, quer tomando o saque as condicSes em que
lomou ; por tanto a verdade qae hoave um
prejuizo real para a Ordem, que nao foi acautela-
do e previsto por S. S. cujo tino financeiro est
osciiianie, se nao prejudicado. _an i composicSo o seo mair eleaento a salsa
01^!^^^ 1e.se temeonhecido ser o
credor pelo excedente, cora receio de desembolso veame mais enrgico para a prompta cura
real da parte, que figurara oa eaixa ter adiantado; ^ molestias, CUJA base ;essencial depende
S. S. ainda nesta parte fez mal ; porque nao devia 1 nnrfwan a0 RanciiP a^im nois se
em taes casos ter-ss feito credor, e mais porque aa puriucacao ao sangue assim pois se
como S. S. sabe sea receio nao tinha seno funda- tem verificado por murtas, pessoas que se
mente, por quanto as rendas da Ordem podia logo' achavam desengaadas, as quaes acham-se
ors oa dias deeois oflerecer dinbeiro para ser; noje restabelecidas CO* O referido xarope
reembolsado d'ssse adianiamenlo. Assim pois S. S. 1 aiPkftoiro a* elame : entretanto oue al*
*~* e pralCO am aCt n0BVeniente! r^Sdp to7oa^S?cffi,
Nao pode aproveiiar a s. S. qualqaa; conside- de Larrey, de salsa parrilha, de saponaria,
in-
dias e
raco lirada de antros adiantamentes eitos
porque ao aos declaroa quanus horas,
mezes tem ellas durado ; 2o-porque esses
1 melos nao jusiificam, era aulorisavam a se apos-
sar do saldo de 2:1420900, e aeredilar-se pele res-
to trinta dias antes do saque, nao realisado a visu.
Semeibanumente nio o justifica a jaros possivel do saldo retirado de 2:1420800, com
os adiaolameatos por S. S. feHos e a raio est
cima expendida ; o se por ventora tesse equiva-
lente ao dianumeoto eniao 6. 8. aso Mana s
commeiudo um erro, on um acto irregular, porm
s accao nito -diflsmnte s impropria de hornera de
repolaco fundada.
Nos qae diseuttmos n'esla occisio nao somos
inimigos do S. S. que reconbecemos possnir ami-
gos na Ordem, cuja prova est na cerjidao que
juntaram a sua deteza ; na qal se v- o dficit
de 6 de fevereiro, que nao foi pedido, nern se fez
meacao oa pelico, e mais arada por se ter pedido
e acertado as datas em que trooxeram dficit con-
tra a Ordem, nao obstante nao ser a dala do pri-
meira meza 24 se novembro, bem como as oatras
nao serem as mencionadas.
Tudo isso foi feito, e concordado por S. S., como
iitWH por tanto nao se pode cluvidar qoe tem
amigas i to feliz nao o ministro, que maltra-
tado por aquelles a quem mallo bem trata.
Avela do exposto eremos que subsiste a con-
vicio da qae o Sr. syndico nao procedan regular
e convenientemente; que S. S. se -fez credor 30
dias antee-de ter pgo a divida, qae S. S. assim
procodendo ravel Ordem, como prova com a assignatura pres-
tada para a resogacao dos artigos. 18 e 19 doees-
utuios.
Aou Revnr.
11
O abaixo assignado declara para coohecimento
publico, qae nio devedor de faror sjgam ao Sr.'
Castao Detoo Monleiro de Carvalbo, morador
aa ciaade da Gaysana soda teja soa familia., e de
presente assistmoo neste povoado, cerca ae dez
metas, a titulo ae receber nma pequea beranca
.guelb delxarao.fallecido paire ajwono;como
oleo de figado de bacalho, e outros agentes
aataata" desta orem nada con9eguiram- E' elle de
fcil digesto, agradavel ao paladar e ao ol-
phato. Alguns mdicos desta cidade e da]
de Macei o teem recommendado para a cu-4
ra-das
Impigens, tinha, escrophulas,
Tumores, ulceras, escorbuto.
Cancros, sarna degenerada, fluxo alvo.
Tedas estas affeoeCes provem de urna cau-
sa interna; n2o ha pois razSo alguma em
crer que ellas se podem curar com remedios
externos. Tambem se prescreve o*arope
alchooKco de veame para o tratamento das
aflecc5es do sjstema nervoso e frbroso, taes
como:
Gotta, rbeumatisao, paraJy6ia,
Dores,"topoteocia, etrterilidade.
Marasmo, nyPcondr'a' emmagreermento.
0 xarope"alchoolico de veame sobre
tudo, da maior uHdade para curar radi-
calmente, e em ponorj tempo o rtwoma-
tismo.
Averte-se que o verdadeiro xarqpe s se
vende nesta eidade na botica cima indica-
da, de abaixo assignado; e em outfn qual
deferiiamljuco.
o novo banco paga 16 divideod ni
razSo de 6^150 por aeco.
23:*ai marC0 & 1866.O escrivo, Francisco dos
"* ] Reis Nunes Campelio Juoior.
23-7630715 i Lancado a lis. 400 do competente livio
=====!n. 13. IKcife 3 de marco de 866.Cam-
consulaoo provincial i pello Jnior. Firmino Antonio de Souza,
Rendimento do da 2 a 26...... **a6S presidente. Estavam as armas -imperiaes.
Idem d0 d,a ............. 5: j E nada mais se contiena em dito edital
109:4730614' aqui copiado do proprio original.
===="= Dado e passado nesta xidade, aos 5 de
-ij ii ..i.. !marc) de 1866. Eu Guilherme Augusto de
Athayde, escrivo o subserevi..
O Dr. Virgilio de Gusmo Coelho, miz municipal'
sapplente em exercicio -da segunda vara desta
cidade do Recife de Pernambuco e sen termo,
por soa mageslade imperial e constiiocional o
Sr. D. Pedro II, a qnem Deas guarde ele. .
Paco saber pelo presente que a junta administra-
tiva da Sania Casa de Misericordia do Recife, por
seu procarador me enderecou a pelicao de theor
seguinie:
Diz a junta administrativa da Santa Casa de Mi-
sericordia do RecHe, que quer fazer eitar aos her-
deiros de Miguel Ferreira de Mello, para a primei-
ra deste juizo fallaren) aos termos de nm libello
em que Ihes quer pedir o sitio de n. 18 particular,
no lagar denominado Salina, do qoal se acham de
posse por titulo de aforameoto feito ao dito Miguel
Perretra de Mello, visto terem os snpplicados ca-
bido em commisso como melhormente se expres-
sara' em seo libello, pena de revelia, Bcando logo
citados para todos os termos aa cansa at final exe-
cucao.
E porque a sopplicante ignore quaes sejam es-
ses herdeiros, por isso requer a V. 8. se digne
mandar passar cartas de editos, com o prazo de 69
dias para serem os snpplicados citados por todo o
conteodo nesta.Pereira e Souza.Proc. eiv. n.
203.
Portanto pede ao Illra. Sr. Dr. jnlz municipal da
segunda vara assim Ihe defira.E. R. M. M.Co-
ino:procurador Jos Theodoro Gomes.
E nesta peticao que me foi apresentada dei o
despacho do theor segrate :
Destnboida como requer. Recife, 28 de feve-
reiro de 1866.Coelho.
E sendo feita a distribnico ao eserivo deste
juizo Guilherme Augusto deAthayde.este em obser-
vancia a esle meu despacho, tez passar o presente
edital pelo qoal e seu theor, chamo, cito e hei por
citados a todos os herdeiros do mencionado sappli-
cado Miguel Perreira de Mello, para que dentro do
prazo de 60 dias comparecam por si ou por seus
procuradores ante este juizo, allegando e provando
o qae fr a bem de seu direito e justica, sob pena
de se proceder as suas revelis.
Portanto toda e qoalqner pessoa, prente, amigo
ou conhecldos dos referidos herdeiros, poder-lhes-
ho faier sciente do todo o expendido.
E para que chegue ao conheclmeno de todos
mandei fazer o presente qae ser' afflxado nos lu-
gares do co-tunie e publicado pela iraprensa.
Dado e passado nesta cidade do Recife de Per-
nambuco, aos 3 de-marco de 1866.
Eu Guilherme Augusto de Athayde, escrivo o
sasberevi.Virgilio de Gasrro Coelha.
N. 59 rs. 400. Pagou 400 rs. Recife, 3 de marco
de 1866.-Cha ves. -Sena.
Vai pagar 250 rs. de direitos de chancellara.
Recife, 3 de marco de 1866.-0 escrivo Athayde.
N.1222. Pagou 230 rs. de direitos de chancel-
lara. Recife, 3 de margo de 1866.Chaves.Li-
moeiro.
Transitou pela chancellara. Recife, 3 de margo
de 1866. O escrivo Prancisco dos Reis Nunes
Campelio Jnior.
Laogado a fls. 100 do competente livro n. 13.
Recife, 3 de margo de 1866 Campelio Jnior.
Firmino Antonio de Soma, presidente.
Estavam as armas imperiaes.
E nada mais se continna em dito edital aqui co-
piado do proprio original.
Dado e passado nesta cidade do Recife, aos 5 do
margo de 1866.
Eu Guilherme Augusto de Athayde, escrivo o
subscrevi.
Virgilio de Gnsmao Coelho.
O Dr. Trlstao de Alencar Araripe, offlcial da im-
perial ordem da Rosa, e juiz de direito espe-
cial do ccmmercio desta cidade do Recife capi-
tal da proviucia de Pernambaco por soa mages-
lade imperial e constitucional o Sr. D. Pedro II,
a quem Deas guarde, etc.
Fajo saber aos que o presente edital virem e
delle noticia liverem que no dia 7 de raaio do cor-
te anno se ha de arrematar por venda a qaem mais
der em praga publica deste juizo as dividas se-
grales.
Antonio Jos de Miranda Fateo 130720, D.
Theodora Mara da Conceicao.304000, Anin Ju-
vino da Fonceca 200000, D. Francisca Penlo...
60120, Francisco de Salles Gomes 130O8Q, Joa-
qun! Bibiano de Barros 110000. Dr. Belmonta
70320, Vicente Jos de Aodrade 100600, Jorga
Henriqoe Stople 3JO00, Thomat de Gosmao Coe-
lho 70640, Dr. Joaquim Doorado 270600, Qain*-
liano M. da Silva 220500, Dr. Antonio Jos Lopes
Filho 90920, Bento da Costa Perreira 430480,
Ignacio Vielra de Mello 630720, Hermenegildo
Fernandes de Souza Lobo 690760, Gongalo Ferrei-
ra dos 8aotos 50500, Martinbo Francisco da Suva
210800, Manoel Jos da Silva Neves 60040, Maca-
rio de Lona Freir 1O968O, Joaquim Flix Macha-
do 3200, Angelo Francisco da Cqsia 230340,
Firmino Qoawma 110O, Joaaoim Frdj*
Carmo, 300*40, IX Marta Ignez GoBCave 100000,
Joao Joaquim Ribeiro Pessoa 100000. eapitie Ma-
noel Joaqaim Bello 700000, Manoel Mnabaib Dias
40OOO, Eustaquio ABlonk) Gomes 00000, Jos
Perreira Le?es Res 300680, Aino Rodrigues P-
meata 50000, Anin Atves de Carvalbo 30080,
Dr. Casado Lima 170290, Joaquim Jos ae Santa
Anna 200140. D. Mam de Almelda 40440. D.
Helena dos Santos Praheiro 20000, Albaba tre pecheie) 4*300, Francisco Ferreim a SiWa
60000, Manoel Jeronymo Correa 10000
Lbo(PoQo daPaoelUj 70230, feaaai
Oltvelra (tlho do Baado bTlgadeiw Aiefcc
Flavio Ferralra Catao 80OW, Jeartm Ije Vitaas
601O, Francisco e aoja ^^.Afr
tinho Moreisa 60740, igaacia a I^",**120,. D.
Marta (senhora do Manoel loaaasa) 0, an-
anona de S 60060, Fraawsco JMr Fer-
rw 1028*. Antonio Careead 6a0,Bar-
nardino 309iO, D. Antoniai Oria va^do faja).....
190640, Carlos MartaHa i/MO. Mauricio 10280,
Duarte Pereira 90400, Andr Aeno sWPal-
queria O440, Jos Nicacra pai *0m Jos Htaaeio
fllha 290160, Firmino Gomes 10440, ai da
Francisco Pedro 20540, WoPewaw 8*800, ,Cas-
sinaro 50000, D. Caihita 70040, Viaaala ferreira
20080, Chacn 10280, Silvesua Pareira daCarva-
iha 20200, Manoel Francisco Honorato 9)0420,
Jo Rodrigues Freir de Canalla 730OQ, -Anlo-
nioereira de Medeiros 240820, HamoHiao JBran-
ciseo Alves da Silva 250000, Sopra Frederico-----
2:0200, Gustavo 4a Baha MWO, Benvindo Lobio
120480, Adelino Theodoro Alves 50000, Dr. 0oto-
nio Joaquim dos|Passos 150000, Ze/ariao Bolelho
de Aodrade 190260, Jos Ignacio de Andrade Pe-
reira 500000, D. Francisca do Reg Barros 90*20
Jos Thomai Cavalcanie (pintor) 200*20, Jola Pit-
a Lola do beceo 60880, Dr.
A cmara municipal desta cidade, tendo co-
nhecimeoto por communicagao que Ihe fez o Exro.
vicepresidente da provincia em offlcio de 12 do
correte, de baver a Divina Providencia reluchado
a este Imperio com o pascimeoto de um principe,
qae S. Alteza Serensima a Sra. D. Leopoldina den
a luz em o dia 19 de margo ultimo- pede aos seus
municipes desta capital que se sirvara Iluminar as
frentes de suas casas nos dl.s 28, 29 e 30 do cr-
reme como demonstrago de rego-ijo por to faus-
to acontec ment.
Paco da cmara municipal do Recife, 25 de abril
de 1866.
Luiz Jos Pereira Simoes.
Pre-presidente.
Francisco Canuto da Boaviagem,
Secretario.
O Dr. Tristo de Alencar Araripe, offlcial da impe-
rial ordem da Rosa, juiz de direito especial do
commercio desta cidade do Recife de Pernam-
buco e seu termo, por S. M. Imperial e Consti-
tucional o Sr. D. Pedro II a quem Deas guarde,
etc.
Fago saber pelo prsenle, qne no dia 14 do mez
de maio da crreme anno, se -ha de arrematar por
venda a quem mais der em praga publira depois
da audiencia respectiva,a escrava Mara, crionla,
de 14 annos de idade, avallada em 6000, a qual vai
a praga por execugo de Albino Jos Ferreira da
Conba, contra Manoel Ignacio das Caodeias.
E na falla de langador qoe cubra o prego da
avaliaco, ser a arrematoslo feita pelo prego da
adjudicagao com o abatimento respectivo da lei.
E para que chegue ao conhecimento de lodos
mandei fazer o presente, que sera' afflxado nos lu-
gares do costume e publicados pela iraprensa.
Dado e passado nesta cidade do Recife de Per-
nambuco, aos 26 de abril de 1866.
Eo, Manoel Silyino de Barros Falco, escrivo
interino a subscrevi.
Tristao de Alencar Araripe,
Pela inspeegao da alfandega se faz publico
que no dia 39 do presente mez, a 1 hora da tarde
a porta da mesma affandega se ha de arrematar,
livre de direitos ao arrematante, urna caixa da
marca P C n. 36, cootendo 80 libras de saboneles
vindo do Havre no navio lean Mauric, entrado em
23 do prximo passado, o qual le abandonado aos
direitos por Cmara A Guimaraes.
Para constar lavre o presente. 4' seceo da al-
fandega de Pernambaco, 27 de abr de 1866.
O 4" esoripturario,
Alexaodre Thomaz de Aquino Coelho.
0 Dr. Virgilio de Gusmo Coelhs, juiz mu-
nicipal suppleote em exercicio da segunda
vara desta cidade do Recife de Pernanv
buce e seu termo, por S. M. I. e C. o Se-
ntar D. Pedro II, a quem titus gaarda.
etc., etc.
Faoe saber pelo presente que a junta ad-
ministrativa da Santa Casa da Misericordia
do Recife, por seu procurador, me indtre-
cou a peticao do theor seguinte:
Diz a junta administrativa da Santa Casa
da Misericordia do Recife, qoe quer fazer
citar aos herdeiros do fallecido Mnoel Pin-
te*,, para a primeira daste juizo fallar em aos
termos de om libello, em que Ibes quer pe-
dir o sitio n. 21 particular as salinas, no
lugar dedemicado Carreira dos Mazombos,
do. qual sitio se acham de posse os suppli-
cadoe por totolo de aforameoto feito queHe
fallecido, visto lerem os suppHeados -cabido
em conunisso, como melbonnerte se expres-
sar em seu libello, opteposdarevea; fican
>do logo' citados parasoae termos da can-
sa at final execucao.
E porque a suplicante ignora qtiaes se-
jam os herdeiros, por isso requer a'T.S.
quer parte qne se tem annuncrat! nio da se digne mandar passar carta de edital m
mflfffltf C^njpnsjfjn, fi nem n ahaixo assignv'-------
do se raaponsabilisa.
o praro de Otlias, para serem itades s
snpplicados por todo centeudo nesta. 'Pe-
reira e Sooza, Proc. civ. n. 203 : portanto
pede ao lm. Sr. Dr. juiz municipal da se-
gunda vara sam toe defira. apera woeber
merc. Como procurador, Joae-Pheodoro
Gomes.
E aacta peticae que me oi apresentada
dei oldespacho do theoraiguill' fi^i Vlries 191160,




:
i"
i
"M
i
r


I
gato para o jal)
o da
6*489.' D.
_ d m OO,
OOO, Francisco-Pe-
8*190, Aa-
Mari da
Fraocis-
Costa.....
(fallecida)
qaemaaflo a todas as gossoas
amigos, iconhtidos m dms ]
de MiguafeFerriiri de Mello lies f
sed*au^eia$reserjjb sS dad
quecTkna tica dito.
para que chegue ao conhecimento de
todos mandei pasear o presente que seca
publicado e anisado no lugar publico do
cosime.
BaMSti^ cidade do Recife, aoi^amp 4
e se achia depositaos era mao do masio execu- 1866. Eu Pedro Tertuliano da Cimba, es-
E oioeevendo lascader qoe cubra o preco da tfjfo,- -.* r-'? nWff: r
avaliact a arrematacaoser feila pelo preco da v._____.___... -A
adjudicaco na forma da le. Vai pagar a quantia de3B0,r*. de d#rei-
E ara qae obeso aa eonheeiaiesto de todos tos de chancellaran. 1224. 250 rs. Pagou
maodei paasar o presante que ser*' publicado pela 290TS. de direitOS de chmceUaria.Chaves
imprem-e afnado no* logares dVcostume. .Limoeiro.
^sod.fis RoVJSe iaNsdlnJao, e*! paflar o sello deste edital, im-
am ana* proposUt a~*rdem, pesas, medidas e qaa- Papo n i rf*.*.fv
'cadas ntxelacao dosikeneroi descrlpio i J al O U A.lUVn\lA_
f tJ3* ve,ie,ro e b*mj^ahieWii pajfcabojft i
cfile arao ogjiuclarecimeatos de Dour Amigo*, pretaade MuiPbftmtJ
relies precisare* e no acto da arre- det toerpajiejiksai crfyja>im mslaeaFdeverao elles comparecer com seas nado'- o reato qo*IM-ftlta tfl-Mua os seu3 cd
I
crivio o subscreW.
Tristo de Menear Aranpe.
O Dr. Virgilio de Gustafo Coelbo, juiz rSu-
nicipal supplente da 2.* vara em exerci-
cio nesta cidade do Recife de Pernambu-
co etc.. etc.
Faco saber aos que a presente carta de
editos virem em como a unta administrativa
da Sania Casa de Mi-ericordia.do Recife, me
fez a peticS do theor seguinte: Dit a
junta administrativa da Sania, Casa da Mise-
ricordia do-Rfecife, qae qoer fazercitata
viu*va de Manoel Antonio Carneiro, para
pritneira d'este juizo fallarem aos termos de
um libello em que lhe quer pedir o sitio n.
20 particular no lugar Carreira dos Mazom-
bos, as salinas, do qual se aeha de posse a
suppcada per titulo de aforamento feito ao
dito Manoel Antonio Carneiro, vis ter a
supplicadfl cahido em commisso, como me-
Ihorn ente expressar em sen libello, pena
de revelia, fieando logo citada para todfls os
termos da- causa at final execucjo. E por
que a supplicante'ignore quem seja essa
viuva, por isso requer aV.S. qnese digne de
mandar passar carta de editos com o praso
de 60 dias para ser citada a supplicada por
todo o centendo n'esta Pereira e Souza.
Proc, civ. notta 203 por tanto pede ao IUm
Sr. Dr. juiz.municipal da 2.a vara lhe deli-
ra. &R. M. Como procurador Jos Theo-
ore Gomes.
Cuja petico sendo-me apresentada n'ea
dei o dispacho do theor seguinte:
Destribuida, como requer.-' Recite 22
de fevereiro de *866. V. Goellto.
Em virlude de dito meu dispacho foi a
acco distribuida ao escrivo Cunha, e este
passou a presente por bem da qual e sen
theor citada a viuva de MBnoel Antoniej
Carneiro, para fallar aos4ermo8 de um li-
bello civil que lhe vai propor a junta admi-
nistrativa da Santa Casa da Misericordia do
Recife, pedido-lhe a entrega do sitio n. 20
no lugar Carreira dos Mazombos as salinas,
visto ter eahido em commisso; como tud
declara a petico aqui transcripta; afirn de
em a quantia de 400rs. O escrivo
fetava o sello n 55-.400 rs. Recife 3 de
marco de 1866..ChavesSena.
Estava o sinete das armas imperiaes do
tribunal da relaejo. Pirmino Antonio de
Souza, presidente.
Transitou pela chancellara. Recife, & de
marco de 48rjt.O escrivo, Francisco dos
Res Nunes Campello Jonior.
Lancada a fl. 100 do livro competente n.
13. Recife 6 de nwgo-de 1866. Gamjelle
Jnior.
E aada mais se coatinha em dita carta de
edito* aqui copiada, qoe eu escriv bem e
fielmente copiei do proprio original, a que
me reporto; e esta Hca na verdade sem cor>
sa que duvida faca, conferida e consertada
na forma do estylo. Cidade do Recife, 6 de
marp) de i 66.'- Bserevi e aaigno em^fj
de vrdde.O escrivSo, Pedro Tertulianq
da Cunha. .
QCCLIRACOES
i g1. p '
Bxfaosl^io do productos agr-
colas, indusriae e obras de
arte em Penaambue#.
Constando commisso directora da ex-
posigo que, por falta dos necessarios escla-
recimentos pela comparaejio havida entre
os nossos productos e outros similares de
diversas provincias, e pr outros motivos
de que nao teve-complela sciencia, n5o hou-
ve a desej&vel igualdade na distribuicao fi-
ta para esta provincia das recompensas da*
das pela commisso central do Rio de Ja-
neiro na ultima exposico, e que por este
-focto algum dos amigos expositores se re-
cusam a concorrer com qovos productos
exposicao do Io de julhs prximo; resol-
veu, em urna de suas sesses, mandar fazer
publico o seguinte-:
4. llavera na provincia, para os traba-
Ihos da exposifSio, una jury especial, no qual
nao terao voto-os membros da commissSo
qu no praso de 60 dias coudos da data, directora, que julgar da excellencia, aser-
do presente, compareca em juizo por si ou tfeicoamento e utilidad* dos productos ex-
por seu procurador a allegar o seu direito,, postos;
e defesa, sob pena de revelia; para o que; |
mando a todas as pessoas, parentes, amigos
ou conhecidos da viuva de Manoel Antonio
Carneiro, lhe facam aviso de que por este;
Rada para oque cima fica dito.
E para que chegue ao conhecimento de
todos, mandei passar o presente que ser
publicado e aflixado no lugar publico do
custume.
Dado e passado com o praso de 60 dias
n'esta cidade do Recife aos 3 de marco de
1806. Eu Pedro Tertuliano da Cunha. es-
crivo o escrevi, Virgilio de Gusmo Co-
Iho. Vai pagar a quantia de 2o0 rs, de di-
reitos de chancellara O escrivo Cunha.
N. 1211 2S0 rs. Pagou 250 rs. de direi-
tos de chancellara. Recife 3 de marco de
4866. Chaves,Limoeiro,
Vai pagar o sello d'este edital que impor-
ta em a quantia de 400 rs. O escrivo
Cunh. Estava o sello n. 56400 rs. Pa
gou 4' >0 rs. Recife 3 de marco de !866.=-|
Chaves.Sem.
Estava o smete das armas Imperiaes do
Tribunal da Relaclo. Firmino Antonio de
Souza, presidente. Transitou pela chancel-
lara Recife 6 de marco de 1886. O
escrivo Francisco dos Reis Nunes Campello
Jnior. Lancadoa fl. 100 do livro
compele ite n. 13. Recife 6 de marco de
1866. Campello. E na mais se continha
em dita curta de editos aqu copiada que eu
escrivo bem fielmente coei do proprio
original a que me reporto, e este fiz sem
cousa que duvida faca., conferido e concerta-
do na forma do estylo. Cidade do Recife
aes G dias de maceo de 1866w Escrevi e
assigoo emf de verdade. O escrivo Pe-
dro Tertuliano da Cunha.
O Dr. Virgilio de Gusmo Coelho, juiz mu-
nicipal supplente da segunda vara em ej-
ercicio nesta cidade do Recife de Per-
nambuco, etc.
Faro saber aos que a presente carta de
editos virem, emeomo a junta administra-
tiva da Santa Casa de Misericordia de Reci-
fe, me fez a petiplo do theor seguinte:
Diz a junta administrativa d;t Santa Casa
de Mise icordia do Recife, que quer fazer
citar aos herdeiros de Miguel Ferreira de
Mello, para a primelra deste juizo fallarem
aos termos de um libello em que lhes quer
pedir o sitio n. 15 particular, sito no lugar
denominado Salinas, do qual se acha de pos-
se em virtude do aforameqto feito a aquelle
fallecido, visto terem cahido em commisso,
como menormente expressar em seu li-
jadlo pena de revelia, cando logo citados
para todos os termos da causa at final exe-
cuco. E porque a supplicante ignore quaes
sejam os lerdiros do mesmo fallecido, por
isso requer a V. S. se digse de mandar
passar carta de editos com o praso de 60
dias para serem citados os suppficados per
todo o conteudo nesta: Pereira e Souta
proc. civ. nota 203: portanto pedeao il-
nstrissimo Sr. Dr. jujz municipal da s-
funda vara lhe defira. E recebar merc*,-*-
4pmo procurador Jos Theodoro Gomas.
ap-Cuja petico sendo-me apresentada. Sf-
a dei o me*djnteo do ttaeor
2. Este jury se dividir em duas sec-
c5es, sendo urna para, os productos agrco-
las, e outra para os industriaes propriamen-
^e ditos, obras de arte ;
3. Faro parte do jury as pessoas de re-
conhecida aplido e especialistas;
4. Segundo o juizo do jury, a commis-
so distribuir aos productores e demais ex-
positores medalhas de duas classes, sendo
as da Ia elasse de prata e as da 2a de co-
bre, ambas acompanhadas de diplomas.
5. A commiso far acquisico, median-
te valor ajustado, dos.productos que para
isto forem ju'gados dignos pelo jury, e que
nao possam ser cedidos gratuitamente para
figurarem na exposico central.
A commisso directora espera que estas
medidas serviro de garanta o verdadero
apreco dos productos expostos, e qu faro
desapparecer o desanimo que a alguns ex-
positores caurou a desigualdade que.ci-
ma se referi.
Ali'in disso, a commisso chama a atlen-
Cao dos Srs. expositeres e nsais. industriaos
da provincia para a circiimstancia de um
dos sus membros ter de acompanhar ex-
posico central os productos que d aqui fo-
rem eaviados, e fazer parte do jury, julga-
dor na corte, achando-se por esta forma
habilitado para ministrar todos os esclareci-
raentos necessarios ao perfeito conhecimen-
to dos productos, e fater valer o direito de
cada um d)s expositores desta provincia.
Por esta forma a commisso julga ter re-
movido mafs um dos embaracos, com qu*
porventura venha a lutar na acquisico de
productos destinados exposico do Io de
julho.
Anda urna vez appella a commisso para
os dignos Pernambucanos, pedindo-lhes com
instancia que promovam com esforco a re-
messa de productos destinados a figurarem
n'aquella fes!a industrial, onde se empe-
nham os brios da provincia.
Sala da commisso, 23 de abril de 1866.
O secretario,
Dr. Manoel Buarque de Macedo.
-------------1-----------------............ ''
Saota Casa de Misericordia do
Recife.
A Illm.'janta administrativa da Santa (asa de
Misericordia do Recife manda fazer publico que
no dia 3 de majo prximo vindouro, pelas 4 boras
da tarde, na sala de snas sessSes tem de ser arre-
matado o tornee i ment de pao e bolacha que boa-
ver de consumir o hospital Pedro II, dos Laaaros e
casa dos expostos nos mezas de maio e janbo pr-
ximos fuluro?.
Os concurrenles devem vir com seas Oidores
ou manidos de cartas desle.
Secretaria da Sania Casa de Misericordia 27 de
abril de 1866.
O serivlo interino,
Francisco Gomes Uastetlie.
Nanla Casa da Misericordia do
res ou uadj de cartas
ponsaveis pelo inwiro campr
WBiratos.
Santa Casa da Misericordia do Recife 37 da
abrU de im.
- O escriTaotiuarini).
_ Fraiachco Gfcmes Casieilla. ^___
advartoaos donoa de carrooai e carras de 4 roas,
d esingao das Cinco Ponas, i|ue os carroceroi
nao poderlo condniir os referidos vinhiculos s*m
que nao leonam satisfeito os aru. i" e 17 das pos-
turas addicionaes de 24 de julho de 1855, combi-
nado com o ari. 1* do regolasaento policial de 18
dejalbo do mesmo anno.
Freguezia de S. Jos. 37 de abril da.1866.
Jeronymo Jos Ferrelra.
Tribunal do coramercio
Pela secre4ria do tribeuul do cosaraercio de
Peroimbuco se fas. publico qoe ero sesso do mes-
mo tribenal da 13-da corrente foi considerado va-
go o officio de correlor desta praca, qae exercia
Fredenco Lopes Gaimarias, o qual o abandonou,
e qno a flaoca prestada em favor do mesmo cor.'
retor persiste por seis mezes, contados desta data;
e qoe fica marcado apraso de 60 dias, para dentro
delles se habilitaren) os concor.rentes ao referieo
offlcio.
Secretaria do tribunal do commercio de Per-
nambuco 13 de marco de 1866.
O afficfelaar
_____________________ Julia-Gulmaraes.__
Nofla 1 tfmaio Apois as audiencia do
Sr. Dr. juta muoicipal da primeira vara, escrivo
Can ha, s ba de arrematar ara lerreno no lagar
do Camjnho.Novo, com 60 palmos de frente e 380
de fondo, conteudo o mesmo terreno ama pequea
casa de taboas, ludo avadado por 7005, cujo ter-*.
renoe casa foi peahorado a Candido de Albuquer-
que MaraoMo nos execnfao d Joaquim Jorge de
Araoj4 ..
Arsejial de guerra.
O consolho de compras do arsenal de guerra
precisa comprar para forneajmeoio de almoxari-
do o seguinte
eii> qst,Scar5o res-
tarlos AiSento Lu de Oliveira Azevedo A C, so
n"2os respectivos) sea escripterlo, raa da Croa n. 1 w
PanToTltio de hmptMIb' satt em
poneos-dias a veleira gpjr* INOEAO, a# ter
qaasi lodo o carreganaeMo tratado e pata o resto
TergTcira i > aio as 10 bara as' TcIW^lt^-buiig:!
JfjfcPgyjJ q^fOa da Cl'UZ B, b1 abajxo assigaado precisa fallar ao Srf Th
a reqaerimentn dedeGfsmo
Thomaz
Gctelfco, a.aegoco- de seu ioteresse.
qoe 11 falla e escravo* a frota para ase teas
boas commodos: inli ni mu n ii|(l|||l|lii Tu
aalm Jos* Goncalm Saitrio, na roa do' ^wio n.
1", prlmeiro andar.
Taro bem se recaSem feaeras aataofeifos.
-.,. ,...........-
a Lisboa
Para provimento do almoxarifad*.
kilf-
540 arrobas da carvo de pedia, ou
gramo s.
Para o rancho dos menores do mesmo arsenal nos
mezas de maio e junho.
Pao de 4 onijas.
Bolachas. *
Assncar refinado.
Feijao, carne verde, dita secca. fa;ioha da trra,
arroz pilado, caf em ario, toncinbo de Lisboa, cha
da India, vinagre, aceite doce, bacalhao.
As pessoas qoe qaizerem vender ditos artlgos
^presentera soas propestas na sala do conselho, s
10 horas da maoh do dia 30 do correte.
Sala do conselho de compras do arsenal de guer-
ra 35 de abril de 186.
O encarregado da escripturaclo
Maooejl Jos do Azavi^q Saatos.
" Adminitracao dt) cirreio desta cidar
Segae com braridade a velleira barca portogae-
za Belem, "capitao J. Joaqaim de Frenas. Retaba
um resto de carga a frele, para o qa tratase oe
escriplorio de Amorira Irmaos,roa da Ooz D. X
T"
i*H
Para o Rio deJaatw.
O veleiro e bem conbecido brigae nacional San-
ta Cruz, acha seapsn-f arl* 4a aargfcprompta e se-
gu com toda a br^rllade ;' para resto dbearga
trata-se com Jos Maria Palmeira & C, largo do
Corpe fanji m 4,
Para a Bahi^
Segne sem falta por estes oito das, o veleiro e
bem conbecido patacho nacional D. Luiz ; para o
resto da carga qoe lhe falta, tratase com Jos Ma-
ra Palmeira, largo flo Corjp, Santo n. 4._________
Para Lisboa
Vai sahir breve a barca portogueza JANOTA,
de primeira elasse, capitao Joaqaim Pedro Vianna,
recebe alguma carga miuda e passageires, trata-se
com o consignatario & R. Rabello roa dq Trapiche
p. 44, segunjoAndar, oqcomo capttOj
Corap:iubladas Mensagerles Im
pe rales.
No dia 30 de
corrente mez es-
pera-se des por-
to do sal o va-
por francez Na-
varre, comman-
dante Massenet,
o qual dapois da
deaiora do cos-
tume seaaira' paraBjrieaux tocando, era S. Vi-
cente e Lisboa.
Em S. Vicente ha nm vapor em corresponden-
dencia com Gore.
Para coodic9s,ffetes e passagens tratase na
agencia ra do Trapiche n. 9.
cima mencionad
da ftiMira, as 11 horas i
oa da Crozn. 57,
ado do IUm. i para o qii) lhe pede o fyvor de ama/ecer no arse-
~ escravos nal de marjnha, das as 3 horas d.i larde..
OfUedtD G)etrio
Cima dte no ar-
e
Q* fabrica de charutos
ft>Feafcira 1 de maio
Travcsaa i S. Fedre a. I
Aa 11 horas
i O agente Mart>aija;ielJo por coma e risco
e quem pertencer da fabrica de charutos cima
dilo com todos seas pertences a qaal sera' vendi-
da em um oa mais lotes a vontade dos compra-
dores.
MISOS DIVERSOS
Francisco Marinbo de Miranda Gaslro.
i.-5e ama casa e sitio na estrada do Ja-
cobina; (Capuog), com terracos e caaieko* ao la-
do, Jnheiro. .chaira, estribarla, Kalliubeiro e
(ora. hasianl^ fresca : a tratar na ra do
ir.i sobrado a direita logo dpois do
roarn a,2 audar.
Para o Porto
Pretende spguir com moita brevidade a velleira
barca portugueza Iris, capitao MatUias de Soasa
Maciel, tem dous tercos, de sea carregamento
prompto, para o resto que Illa falta trata-se com os
sean consignatarios Antonio Loiz de Oliveira Aze-
vede di C, oo seo escriptorJOj roa da Cruz n. 1.
El E^tigarribiallfagiol!
Nq dia 25 do corrente rae?, as 10 horas da n .te.
fagio da roa da < Praia desta cidade nm co de
fita geratmente conhecido pelo epitheto de EL ES-
TIGARRIBIA II paiana sem dmheiro fogo
certeiro vituimQ de cruzeta victoria
- certa ( PARA ONDE O FRADE VLTA O CA-
PELLO.. )
Recommenda-so, pois, aes capltes de campo e a
todos em eral, que apprebeodam o indicado ELj
ESTIGaRRIBIA II ao entreguen! ao abaixo assi.--
nado, certos de que serao generosamente recom-
pensados.
Ferreira do Costado Salgado.
Rio (te Janeiro
O brigue Imperial Manuheiro prestes a seguir
de .precisa de seis lioro-os para o serwc,0 P,rft o Rio de Janeiro, ainda recebe a.lgoma cara :
1 os pretendemos polera d4rlgir-sa aos consignata-
rios Marques, Barros & C, no largo do Corpo
Santo n. 6. -
de caminhairo, qae estiver nestas coodi-
aoes e quizer engaj v-se dirija-se a mesma
administraco
CiaKEliMEBAL
Pela admioisiragao do correio desta cidade, se
faz publico que oa virtude da convenci postal
celebrada pelos ovemos brasileiro e francez, se-
rio expedidas malas para Europa, no dia 30 do
correte pelo vapor francez.
As cartas sero recebidas at 2 horas antes da
qoe fr marcada para a saluda do vapor; e os jor-
naes at 3 horas ames.
Administraco do correio de Pernambuxo, 81 de
abril de 1866.
O administrador
* Domingos dos P.assos Miranda.
Pela administrado do correio desta cidade, se
faz publico para Sos convenientes, que era virtude
do disposto no art. 138 do regalamiento gerai dos
crrelos de 31 de dezembro de 1841, e arl. 9 do
decreto n. 785 de 15 de malo de 1851, se procede-
r' o consumo das cartas existentes na adminUlra
I2U&X.S.
I/EILAO
De um cabro'.Bt com arreios, lanler-
nas, chicotes e um cavallo proprio
para o mesmo,
HOJE
Por intervencSo do agente Pinto, a 1 hora da
tarda em frente a* ar-mazem da ra da Cruz n.
57, onde hayera' ieild de movis, obras de ouro
e prata.
'
AOS f^OOOOO
Corre quarta-feira 2 de maio.
Acham-se venda na respectiva tbesou-
raria, ra do Crespo n. 15, os bilhe-
tes, meios e quintos da 11a parte da lo-
tera (60), a beneficio das familias dos vo-
luntarios da patria, senoV; a extracto no
lugar e hora do costume.
Os premios de G:00000 at 1000i
serao pagos urna hora depois da extracto
at as 3 boras da tarde, e os uutros depois
da distribuirlo das listas.
As encommendas serio guardadas so-
mente at a noite da vespera da extracto.
O ihesoureiro,
Antonio Jos Rodrigues de Soua..
O paore Luiz Ferreira Nobre Pelinea, cida-
dao brasileiro, vai para Roma.______________.
-r Narciso Jos Netto e Manoel do Costo Goe-
des, vao a Europa.__________________________
"-^Manoel Carreiro 'da-Silva v a Portugal tra-
tar de negocio._________________________
O Dr. Francisco Pinto Pessoa segu para Eu-
ropa afirn de tratar de sua saude.
MHnMHHBB
IiBILAO
ge movis, ofcms de ouro e prata.
A saber ;
Urna mobilia- de Jacaranda' cora nm sof', 2
consolos e mesa redonda com tarapos de pedra, 4,
cao, perlencentes ao mea de abril do anno passado, cadeiras de bragos e 18" de guaroico, 1 plano tor-
no dia 3 de maio proximj, as 11; h ras da manha, te, 1 candelabro e^erpeottaas, ricos jarros e vasos
rn r^^nrvun nnruAn .1 n Pi: r\^r*l i i"l (Ol PQ .. n r'. ~> Ja .^.^-w >.
na porta do mesmo co/reio, e a respectiva lista se
acba desde ja exposta aos nteressados.
Administraco do correio de Pernambaco 17 de
abril de 1866.
Domingos dos Passos Miranda.
Administrador.

para cima de mesa, cauJtmros a gaz, 1. secretaria,
1 mesa de jantar, 2 apparadores, cadeiras de ba-
lengo, ditas de faia e rauitos objeotos de casa de
familia. *
Um rico aderezo de ouro com fiaos brilhaates,
1 dito com pedras menores, diffarentes anneis e
trancelins, colheres, salvas e outros objeclos de
prata.
HOJE.
0 agente Pinto fara' leilo por conta de ama fa-
milia que mudoa de residencia, dos objectos ci-
ma mencionados, as 10 boras do dia cima dito no
armazem da ra da Cruz a. 57, para onde sero
transportados ditos objectos.
T7ELO"
I De um sof', um consol cora espelho, 12 cadei-
ras, 1 mesa, 1 lavatorio, 2 bancas, 1 commoda,
1 relogio, 1 santuario, 1 guarda louga, 1 mar-
queza, 2 mesas de jantar, 1 dita com abas.
HOaE.
O agente Pinto fara' leilo por mandado do IUm.
Sr. Dr. juiz municipal da primeira vara, dos mo-
vis cima mencionados penhorados a D. Seohori-
nha Joaquina do Almeida Leal, por execuco de
Jos Rodrigues de Arauio Porlq, as 10 boras do.
dia cima dito no armazem da ra da Cruz n. 57
THE .-vr 110
DE
S. ISABEL
EHPREZ4--C01MBRA.
Recita extraordinaria livre da
assignatura..
Sabbado %8 de abril de 1866.
Representar-se-ha o iotereseanle* drama em 5
actos, ornado de msica
A VID i M ROOEMIA.
Dar' fin ao espectculo o applaudido Tralo
go-^-oroado de canto
Tciaaiig4cbij^-l3Uiiig 11!
Principiara' as 8 horas.
Os Srs. assignntes tara preferencia, aos seas ca-
marotes e cadeiras al o dia 17.
""avisos martimos ~
ni i i........Wl M i i I I
(OMIMMIH HR.INILE1R.1
DE
Dospoos doMrteesperado Dei cai\a co"caros de lastreava.
at o da o de maio o vapor i fiados-
Por ano, comniandaoM o oapito I H0JE A8 12 HOras. /.i) I
da fragata suda, Barbara io qual Parente VjaQna k G? faroo i^j^r, interven-
dep.ois da demora do costume oao do jgeme Pesua e por conta e risco de qaem
pertencer de 1 capta marca PV&Cn. 3,9, com 12
duzias de copro da lastre avahados d'agua salga-
da a bordo do navio 1IELENE, capitao Arsten,
LEILO
De urna vacca com crlr.
662 pegas de papel para forro de sala.
1 microscopio so ar.
1 machi oa ttrica de Sigeadre.
40 garrafas de cognac.
HOJE.
Tor intervenglo do agente Pisto, no armarem
da ra da Cruz o. 57.
/
portes do su!,
reeebem-se passaf eiros e engaja-so a
o vapor podar cowtutir, a qaai devera'
ser embarcada no dia de.sua chegada, encommen-
das e dinbeiro a frele at o dia da sahida as 2 ho-
ras : agencia roa da Cru o. 1, escriptorlo de Aa-
Ionio LoiC de Oliveira Azeveno 4 C.
COMPJLfHIA Bl
DE
PAQUETES A VAPWt,
fthj.'.T.t.. Dajrtos do sul esperado
6 Vapor jocantmt,,
fotaros, a saber
Epsrribuirja requet Recfe'f4 de'tS^tZSfi}sorte, dem,
fevereiro de 18rJj.~V. Coefio. | Dito dito de 1* sorte, idem. ..,
Em virtuda do dito eu daspoaho foi a ^ "aOJem._________, ______
acc3o dstrhBi> ao escrivo Cuaba,, o ea- ArroI p|tljo4p IbranM*. -f A
te passou a p iflote por bem da qual e sea Bacaibao, dem. ,x*
ha herdoiros de Mignel |^*,iaaj
Furr, ^faWtlra fallarem aos termos ^g;^" '
a um libello Civil, que Ibas, vai propor a parioba de maiido*>4AJarra, alqneira novo,
junta admiaisteativa liaJaata Casa de Mise- Feijao moiatinho, Nea
e,B -rrae lhea pede n- *** SS?^
^V*M*S VES?"-*
visto terem cabido eni c. mmisso como-todo Lrnhatn r*1"^ caato.
ociara a peticSo aqui aoscripta, afirn de Carn****, Miwa,
m preseatc ( HBtptrii eeRegk *orfMt- dSjs ci-
fBto ejustica, 36bp>S#r iB'lfisj' fhbit Recomroeato-te aos eoncoriunaa^tsHMf
Iteerft.
A IUm' juaa administrativa da SanU Casa de
Misericordia, do Recfe manda^ faur^ pahjlco qae
no dia 3 de maio prximo vndouro, pelas 4 horas
da tarde, na sala de snas sessSes tem de ser arre-,
matado o forneclmento de gneros era seguida de-' o
clarados, que houver da cossoroir as oofegls de cada no dia de sua chegada ; encommendas e di-
orphaos e hospicio de alienados em Olinda, a cargo nheiro a frote at o dia da sabida as 2 horas :
da mesma Santa Casa nos mezes de Halo e jonho agencia roa da Craz n. 1, escriplorio de Antonio
commandante
primeiro tsente Araujo, o qaal
a da aora do costme sa-
uir para pa mut^i do norte.
ssagelros e eturajarse a, car4a.qaa
poder CoDanzir a qual ilevert ser embar-
Alguns amigos do fallecido Manoel Pedro
de Mello mandam celebrar urna raissa por
sua alma no dia 30 do corrente as 7 horas,
no convento do Carmo, e convidam a Exm.'
% esposa e prenles para assistirem.
A mesa regeaora da fiiaudadu de S. Pe- |
.dro, tenoo de suffragar a alma do finado
bipo D. Joao, de saudosa memoria, na se-
gundafeira 30 do corrente, segundo anni-
. vorsario do seu passamento, com offlcl) so-
lemoe, convida a todos os seus irmos para
assistirem dito offlcio.
O Dr. Antonio Vicente do Nascimento Fei-
tosa e seus irmos, profundamente penhora-
dos pela honra que lhes dispensaran) as
pessoas que se dignaran assistir ao enterro
de seu pae, Vicente Ferreira do Nascimento
Feitosa, vex render-lbes publicamente o
mais solemne e cordeal reconhecimento ; e
de novo solicitara que tenham a bondade de
comparecer a missa do stimo dia, que se
na de celebrar na izreja matrir. do Sntissi-
ms Sacramento da Boa-Vista, quarta fe[ra
prxima vindoura, as 7 horas da maohaa.
Por mais este obsequio des te ja' se confes-
sam sobromaneira agradecidos.
CLUIp PERfWMBUOV^O
Domingo 29 do corrente baver reuni5o
familiar.______________________________
Fugio no dia 28> do corrate a escra-
vadenome Rosa, idade 22 ann)s pomo
mais ou menos, alia, seca do corpo, cor
fula, rosto comprrdo, beicos grossos e olhos |
amortecidos, levoa vestido de chita verde
claro com palmas rxas, chales de la cin-
zenta ou rxo com barra preta. Esta es-,
crava foi do Sr. Rofino Antonio de Mello,
e doscenfia-se esteja acoutada e contra,
quem a tiver protestas-se-ha com todo o
rigor da le: roga-se a quem a pegar le-
va-la a casa da residencia do abaixo ass-
nado a' ra da Aurora n. 38, que sera' re-
compensado.
Jo5o Pereira Moutinho.
MU
ADEIRO LE ROY
de SIGNORET, Docteur-Mdecin
Ru de Seine, 51, PARS.
Ea.cada garrafa, ral, tatrt a rolha c >apl azsl
ue leva o meu nele, un rotulo impeeaso Mn araa-
ello cun Sello Iki-hul do coviin* fkikcfx.
N. B. l'em(U4Q4 urna Ultra de 60U fnaeo
obre Parii, aeeitavrl a 60 dial de vista, ao mximo,
o/a-jt do alwlirtenlOA uo
i leitiaio I.e Bp/
m Caza do nosso
anieo cente pete t* -*
lirazil a Ss Ajno-
'io Fn'c : de Ll-
eca! na Babia c
aoprincipi fkit-
laawiitta,
i i ii H
FERRO 0UEVENNE
Apmotado pela Academia dt Medid**.
Andonead por frcmfir etpeeUl d Mimttro.
O PERRO QUEVEMVE 5* Ufa m lodo M C*-
as para quaes os ferreos (lo proscriptos; lo
fai os dentes ficarem prelos; it a preparatio a
vais activa, a mais agradavel e a mais co-
Baiea; multas vetes um fraseo h sufficienU para
curar urna chlorosis.
A experiencia me provon eme neshumi pre-
paraco frrea li supportada mai facilment
. que o FERRO Vrf.EVEKNS, en observando ai
' limites d dose* inulto reguladas.
Smovarcat, Annuariod* tkerapaitica, tasa.
0 Fimo Qtsvsjui vende- bucM d
t0|r-r. 5
Deposito geral an ease de Emito ammmiw,
la, ru dea Beau-ijis, em Paria, e em toda* M
'boticas. Exi'gir-o Sintte Queve%*c e arca
di Febric aci*.
SaMkSl
Le se DO Monimur de la t'liarnmcie.
Aelectricidade 6 boje empreada por todo* os
mdicos afamados, para o tratamento de militas
molestias, mesmo para as que resistes aa oulras
medicaces.
A electridade produxida pela Meeaotem ama
tsuperioridade incontestevd, e a vanlagem de nao
dar alalos, e de poder ser graduada pao doeote.
A causa a mais frequenie das molestias a
estagna^a do sangue ou dos outros lquidos vl-
lacs. Restablecendo se a c'irculaea do orga-
nismo, curacao-se as molestias.
yuan do se sent alguma dfir em quelquer
parte do corpo logo, e nstinctivamente, se erfrega
o lugar endolorido com a ma, e isto allivia. Isto
explica o resultado ioeontcstarel que deve pre-
duzir um apoarcllio elctrico. Por isso temos
> prazerem annunciar ao Publico que o Sur Buisson
>de Bivillicrs residente, boulevart da Prince-
Eug&ne, 48, em Pariz, dotou a medicina de om
apparelbo eetro-Magnetieo, sob a forma de
suma escora, com o qual os doentes se podera
aturar sem nebuma outra mediaacad. Os mdicos
que a tem experimentado, atistenlo que a
Escova Electro MAomrriCA eflica para
rurar: os Rheumt,moj,I*rlya, Cotia,
Traqueza dos membros, e da Columna vev-
tebral, debilidade geral, Nevralgiaa, ata,
Estamos certos que breve cada familia powuira
eu es co va que prestara grandes servicos.
A pedido de mu i tas pessoas, o autor decid o-se
a establecer um deposito de seos apparelhas na
*Bio de Janeiro, em caa de S Dtaisa Roar,
ra nova do Ouvidor, 83.
auiNA
LAROGHE
ELIXIR Fehifuge e Ftitificait
scrniH im tumi I aun n ni.
Experimentada eem pleno suceesso nos
hosprUe, a qais Uroebe (oat astrawto i
completo de quina) ama piepaneao
excepcional, por ser privada do amargo
daqaiaa. Agrada porconse|UBteaspessa*s
as mais intolerante e ao paladares os dais
delicados, pas man multo doce nemauio
viscosa, sendo de urna limpidez constante.
Bmprega-te oa marite protesto nos casos |
de gastralgia, dyayepaia, aMxaagia, aa-
mia, maraimo, eacbexia, magreaa, I
&MtiosmaaaMaappa^ete,eBnralc- ]
M di limad a, bloca*ma aiaupl
E o especifico das molestias febril .
QUIH USDCNE FfJWeilOSA
EM PARE, -------
10, rtuDrou*.
P. MAUAEk ft C.
ra t\ova n. lc^.____________
Houleni palas 7 hos da noto, 'auaeMtyuso
|a>
m
Laix de Oliveira Azav*o 4 C.
*P*.
CtatoMfait Peros ntoacsM
;Va.YegafS* costslra por rspof
Wsooi e otalas.
O vapw Prtfaf/fci, crn
danta blarai, asMra' :
?Mmsactessa awSia S0-
rama aa i iwraa da tarde. R
___tqSa atan: sorMass ate. o ata
Iros, encommeodas e dinbeito airara
'Skamml mmmmmmmmmSatl
Wr^dPfcaWWP-f!!
^PB:ahia.
m
roa da Crax s. 1.
em sna rececta viagem de Haraborgo para esta; Joa> Dra c,aro- d .,,*,00?* i- nZ' oma weoina dawmWumd: cm.i.lada. 4, 10
porto.teodo logar boje o leilo as 12 horas da POMO do corpo. coai falta de^.fr para 11 aupas cmmm** *v> *****>
maSOa no armazem dos mesmos roa da Cadela! "m Pooco grossos, barba ponca cabellosi carag- ^ d J ^^ ^Wae
do Recifa n... .________________ "^ "" Pocf rui'. ^V0ilaMQdemfef"dO sen talor, rog* ntara.-idMtmDtl. a, Se d-XIa
-'chapeo de baea parda e camisa de madappia e noli'c7e ,Hyor et^tinr a-abalxa as-
regrista e iotitula-38 de forro. Esta escravo foi ^ ^ ^nii.-JtfSft'rll-
comprado ao Sr. Manad Ribeiro de Carvaibo com g ''"l.." M. lt cffll
loj, S. rj do Rimado o qaal escrave.foi re- itllSSS^F.H'^rW^
meltido de Garantios peloSr. Pedro Chaves para totidMlSeipolilMS p*toeipaliiisu *w Sr.-1l#ec-
ser vendiSo no Recife, prsame-8e qa ?**<; ,,, ^fsswtairio; moa itiM-^ Kr> ShWbri-
mn-, aoloa'essa muoina, cofas sinliaes ons'seaoiD-
capitaes ae camp> e e(f ]ttrA^^r)l emm V09.9 agilitada, rosto
o peguem e le em a sea se- imi ^,ieMo cres^-ulio^c^Ma-Ss*^ m-
. Miranda Caoh na ra da ;',, ;nrn orn u,,,^; .
a ao Sr. Manoel I belro de Lar-
lil21L\0
Qtqutifw suissos e biseoitos
sortidos em latas.
Por intri
em ponto,
alfandegajj
T>crn^s*iTT
a^M^J. .-. '.'.-ij-ii.
-

11 1(2 hor
da Craz n.
mEwntts
De urna escrdLfreos
ferca-feiri i.e tajio .. .a
lellil i raJierMn
ba Cesarla da Canl liiaiaf^
Illm. SC Dr. jaiz de orphaos
O agent Pinto fara'
D. Senhor
despacho
ito
Queimado, |ue sero ge-
__ ados, coslt nava vender
toT"e Boa-Vista
tt*fiRe?a26 de abril, fugio o esfravo
r norae Luiz, com idade de 22 mnos
crioulo
pooco
os sigaaes segahtes : offlcio
baixi, cor p la, falla de
o caiga de bri branco, ca-
da asex- 'PaU&lf6 madapolo ja saja por ter boje mesmo
l$HrTs* ffefcl'wo de outra fuga apadnahado Este escra-
i,aa majsBs, coa o
d,. Mta^a^i^Bj----ijjjajSghiatei^*
i
L'13/rt '*'?
i Atabe*.
Domingos, AngoJa da. 45 avw >4^r*-
Manoel,
Antonio
Joaqaim
Jos
Joio
Luiza
Jrloulfl {


>
0
10
0o
do 10
de 8
0 40
Tneodora
Tkerata de 25
Mirla Olba de tos t
Anglica crioala 22
>
' a
>
a
V
pletos, corpo grosso e fofnto, JipagaaSlaj en
relaco a '-utnx.-u
Bacrte 26 de atiril.. tts 1^58.
' t.__________sbpVcju o> C^oz Ribeiro._
Precisa-se* de orna ama para conohar a paga-
se bent: raTit *t Gina h. 2".> *~
____ l/Aif II f|l |# --_________
Precia-se d^xiftAHtf'Iftt* cnx i) piuca
familia : aa ra da Palma o. 3?
... i, MH i -i !'. I .i- '< ,
Fugio ejbdja^do Utez. passado o escravo Amar,
crioulo, de rdjfe 30 paos pono man ou menos.
estatura
chato,
r^^,K'&mw^?
llims iiifl ilinlOll alinln al autoridades
ait"e ilo escrava e anUwaJo.na.riia.de tota Rita No- -
alllgeYrl^TltfiaWRsfGoi es, que sera1 os tasteoiegrossos-; r^x-se, pw tanto, a tni ap-
]LBra^ca*,'oWr3 rtkrotft.'le ci itra qaalqaer preheosae, sumusa a.neaar'ou tU&t noticia,
lasaoa as e tenia iOSiOo. J *rii-e wW#a as aaseitjl^iidjfttTM do Matos
i- -W4K elMadsWIraMasjqne ainda nao
tr* tonos der-anfrapias, noticias e
Mftkf* tmivmjtm Betas, e outros
nieJBjJIt^flsl da. Rrayipcl,fta. Peafambaoo, e os
smsaki
Ut
afnati i9i, gralaita-
armazem de assanac d lM i
toy> i C,
Precisa-se
servigo de casa
moca e qae sirva
em quizer din"
r-aSWr
JVo servico al^^nsts^sl
posta familia : al rsa tovAf aojarles- a 70. Chora Menino.
da ou ureta pa-a
nao seja.
compras :
i o. 38,




'


mf'*-~irumm*
MaBsaHaaVSmll


r

- k



GASA DA FORTONA.
Aos 6:000:
Bllhetra garaatldos.
A' ROA DO CRESPO fi. 23 E CASAS DO COSTIS?
Oabaixoassignadovendeuiiossens muitofli-
tes Mlhetes garantidos da ioeria qne se acabon
de extrahir, a beneficio da jrl-] de S. Gonzalo
da Boa-Vista, os seguidles premios:
N. 2879 tres quintos con a sorte
N. 932 am meio eom a sorte de 41
E outras maitas sortea de 100#, jp>, 20#
OipiMMllinnii padaaa niMensaasaaba respec-
tivos premios s
da Partuaa ra
Acharole a i
(60'J beneficio
osdesconios das 4eis na casa
H
_ das faniiM Mpriiuiiltios da
patria, qu se xtr*nira quai ta-felra 2 de malo.
PRECO.
lita, .. .....
elos.....
Quintos.....1*200 .;
Para n petseas qne casprarem de 100($000
\ para cia.
Bhetes; 5#SOO l '
Meios......21788
Quintos.....1*100
ManosL Martins Fioza.
AGUA FLORIDA
^5h5$
MURRAY&LANMAN
FABRICA A VAPOR
* RA DO MONDEGO 99
Deposito a roa Nova n. o laja e relojoetro.
Deloache donos deste estabelecimento partecipa ao respeitavel publico qne sua fa-
brica est montada cem as melhoras machinas que exstem na Europa, e que pode
fabricarcom meihor perfeicJo possivel. Todo o chocolate desta fabrica est garantido, e
puro, o que 5o se pode encontrar naquelle que vem de lora, e que se venite por preco
baixo, visto os productos serena do paiz. Na etiqueta tem sempre urna aguia.
PRECO.
Meia libra......... 400
Urna libra. "........ 800
Urna arroba........ 19)5000
Na mesma fabrica acaba de se montar urna oficina com serrara a vapor para
obras de marcioeiria propria para edificio, para o que encarreg'i-se de fazer portas, ja-
dellas, assoalhos (parqu francez como se usa na Europa,) e armares, tudo com brevi-
uade e^perfeicSo. Toma-se qoalquer encommenda para fra da cidade, entregando-se
prompta a coilar-se no lugar.
A agua florida de Murray & Lanman
olhada como un artigo de perfume, nao
tem podido ser igualada [telas preparares
as mais cusiosas: conserva sen aroma, co-
mo se farmasse parte da prenda a que ella
se applica.
Sea efficacia USo delicada, como elegan-
tes sao seus multiplicados usos, qur seja
empreada como artigo de torneador, qur
so uso do banho, ou como uavisador da
COEIiHO c FREITAS
Roa da Cruz n. 16.
Continua a haver diariamente um sortimento de pastis, podins, bolos inglezes,
empadas etc., etc. Os donos deste estabelecimento, acham-se as melhores condices
pette, depos que se tenha feito a barba;'de Pod" satisfazer encommendas concebentes sua arte, em consequencia do socio
j para bmpar as gengivas ou aromatisar o, Freitas ter sido administrador chefe de algumas das principaes fabricas na corte, sendo
balito. ama a do Sr. Joao Goncalves Guimaraes (confeitaria de Le5o) antiga casa de Carceller.
D suavidade, brilho e elasticidade as Todos os trabarnos sao differentes dos que se fazem em casas particulares.
compleicoes, depois de se haver lavado; al- 0s proprietarios deste estabelecimento nao se tem popado a despezas, nem se
poupar^o, se houver cencorrencia como esperam ; tendo continuadamente bom sorti-
mento de doces* para cha; presuntos e ditos em fiambre, tambem se recebem para se-
rem preparados ; assim como doce de caj novo superior, secjp e crystalisado, dito em
calda em latas hermticamente fechadas, podendo durar anuos em perfeito estado.
Para jantares e partidas recebem-se encommendas dos seguintes objectos; ban-
deijs ricamente enfeitodas sem armacSo pecas de amendoS (nogaces)r^ditas de tmaras
de ovos, paes de 16 enfeitados com disticos anlogos a qualquerfim; ditos montados,
kechs simples e enfeitados com fructas ingleza; gatheaux de la reine, ditos de le d-
chese, tortas de fructa, massa ralbada; ditas de peixe 9carne; cremes e doces de ovos
de'differentes especies;.
Tambem tem um completo sortimento de vinhos engarrafados, como sejam: vinho
do Porto superior, Figueira, Madera, Lisboa,. Cherez, Bordeaux, Champagne fino, ser-
veja, licores, charopes e conservas. Para festas: bonitas caixinhas com amendoas, con-
feitose maisenfeites. Muitos destes objectos mencionados podem-se perfeitaniiente ac-
condicionar tanto para a provincia, como para fra.
F1C-IRAS
liviaa irritacSo de erupces ordinarias; faz
desapparecer o desagradavel aspecto dos
pannos, das sardas, do rosto, rugas e toda a
casta de ebulicoes, e d vigor e frescura a
parte onde quer que se applique. Sua efi-
ciencia e elegancia sao igualmentejnfalli-
veis nos casos em que seja preciso applica-
la como estimulante e antisptico, nos con-
cursos e assemblas numerosas, as loca-
lidades infeccionadas, na alcova de um en-
fermo, assim como um antidoto excellen-
te para os desmaios causados por cansaco
ou suffocaco. Preparada nicamente por
Lanman & Kemp, Nova-York, e a venda por
Caors & Barbosa.
Joo da C. Bravo & G.
Deposito geral em Pernamnuco rna di
Cruz n.22 em casa de Caros___________
Stmoel Power Johnston & Cempanhia
Ra da SenzalaNova n. 4.
AGENCIA DA
Fundido deLow lioor.
Machinas a vapor de 4 e 6 cavallos.
^5oendase meias moendas para engenbo.
Taixas de ferro coado e batido para enge-
nbo.
Companliia, geral hespanhola de seguros mutuos
sobre a vida
AUTORISA.DA PELO REAL DECRETO DE 21 DE DEZEMBRO DE 1859
Obi flanea em diaheiro, depositad es cofres 4o estado, garaote a boa id-
ministraeo da conpaikia.
BANQUE1R0S DA CGMPANHIA DfRECCO GERAL
naneo de Hespanha Madrid: Rna de Prados. 19
Est companhia liga pelo systema mntno todas as eombinaeSes de supervivencia dos sega
o s sobre a vida.
Nella pode se fazer a subscripto de maneira que em nenhnm easo mesmo por norte do
segurado se perca o capital nem os juros correspondentes a estes. *
Slo tao suprehendentes os resultados que produzem as sociedades da ndole deA NACIO-
NAL,que aiuda mesmo diminuindo urna terca parte do interesse prodozido em recentes liquida-
coes ecorabinando-o com a mortalidade da tabella de Depareieax que adoptada pela companhia
para seascalculose llquidacdes, em segurados de idade de 3 a!9 annos, ama impsteloannoa.
de 100* produz em effectivo metlico:
o flm de 8 annos.......1:1194300
de 1 ........ 3:94W600
de 15 >.......11:108*100
de 20 .......30:2564000
de 25 ........ 80:331*000
as idades menores de 3 annos e maiores de 30, os productos sao mais consideraveis.
Prospectis e malPnformac5es serio prestadas pelo sub-director nesta provincia.
Joaquim Fiuza de Oliveira, rna daCadeia n. 82, ou a Boa-Vista roa da Imperatriz n. 12, esubelecl-
mento dos Srs. Raymundo, Carlos,Leite A Irmo.
TINTURARA^
AO GRANDE S. MAURICIO
l'HOC ESSOS APERFDieOAltO
PARA w
Tlnglr, limpar e lastrar a vapor.
F. A. SALINdR
29 Kua 7 de setembro 29
-
PHOTOGRAPIIIA
artstica amiricana
RA DO IMPERADOR'N: 38.
Artista americano
Artista americano.
Artista americano.
Artista americano.
RetratosRetratosRetratts.
Em porcelanaNiepcotypie*.
Em lencosArchroiypie.
Em vidroAmbrotypie.
Em metalDaguerreotypie.
Em papel Talbotypie.'
No grande salo da ra do Imperador n. 38
No grande salao da ra do Imperador a. 38
Neste estabelecimento tiram-se retratos
em todos os systemas, com asseic e promp-
tidSo, desde as nove horas da maahaa
at as cinco da tarde ; assim como tem
sempre a venda grande sortimento de ^ai-
xas nnas de diversas formas. Qaadros
ovaes Passepartouts e todos os mais ob-
jectos e productos cbimicos, relativos a ar-
te e recebidos nltimamente dos melheres-
fornecedores de PARIS^e Nova York, tendo
de tudo, para todos es gostos e para todos
os precos.
Sal5o dama do Imperador n. 38..
Salao da ra do imperador n. 38.
Defroote da rna nova do Oovidor (Rio de Janeiro)
Os proprietarios deste estabelecimeotoj o primeiro naseu generoiio Brasil, por
trabalhar com as machinas mais aperfeicoadas para tffigir e lustrar, de que se faz uso na
Europa, e ajudados por alguns dos melhores officiaes de' Paris e Lyao, podem assegu-
rar seus freguezes urna perfeito no trabalho, a qual sen5o pode ebegar pelos proces-
sos ordinarios.
TiDgem, lavam, limpam e demofam com a mato perferco e brevidade qalquer
qualidade de fazendat, tiram nodoas e limpam secco sem molbar as sedas e as vestimen-
tas de senhoras e de homens.
I
DE *,
FA2ENDA E ROIJPA FEITA
1U1 MOTA M. 94.
Reg &*Moura, proprietario da loja de fazendas e roupa feita, sita rua"va
n. 24, verdaderamente penhorados e reconhecidos para com seus amigos- e freguezes,
pela aceitado e conGanca que delles tem merecido no curto espaco de lempo em que
Acabam de receber bonitas figuras para bandejas de doces, sendo grupos para ** acham estabolocidos ei peritamente escodados na sinceridade dos seus tratos, decla-
baptisado, casamento, annos, ditta a phantasia, bonitos enfeites para bollos e circular pra- ram_ P31"3 Kxenm daquelles que o quizerem honrar com seus officios, que, em vista da
tos de doces finos, tudo por precos razoaveis.
Vende-se licores em duzia muito em conta.
Aeabam de receber G. Paes do Amaral & C.
5 RA DO CRESPO 5
Arreios d carro para um e dous cavallos.
Relogios de onro patente inglez. .
Arados americanos.
Machinas para descarolar algodo.
Motores para ditos.
Machinas de costura.
>; **$*>:** ;^ mmm
DEPOSITO DE CALCADO g
Si FABRICADO NA CASA DI DETENCAO H
H Ra 1%'OTa ni. I. |^
ml Ah se encontrarlo obras de di- m
! versas qualidades, e por preco mui ?
I diminutos, a retalho e em porces. 91
SI S se vende a dinheiro. K
Na rna estrella do Rosario n. 43, segundo
andar, precisare de orna ama forra ou escrava
pera casa da familia, e paga-se bem.
Mevisstaao Hez de Mara.
Saho afinal luz o Novissimo Mez de
Maria, 2.a edicSo correcta e augmeotada ^ pelo ultimla por
com um segundo exemplo, tirado da edico
de Lisboa, ilustrada com estampas proprias
e anlogas a cada um dia do mesmo mez
maano, conten do instituida o e indulgen-
cia, e o modo de meditar o Santissimo Rosa-
rio, os mysterios gososos, dolorosos e glo-
riosos, versos proprios para se cantarem no
mez de maio, em que se fompreheade o de-
finido do dogma da Conceico por Pi IX,
e um appeodice com o ordinario da missa
illostrado cem vinbetas proprias, e as ora-
coes oecessarias ao cbristSo em cada dia;
acha-ee a venda na officina de encadermclo
n. 16 da roa do Imperador.
Antiga casa de Ciallherme da silva Calmarles
Ricos cortes de vestidos de gros-de-naples preto, com lindas barras bordadas.
Moire-antique preto em cortes e em pecas, liso, ondeado e com palmas.
Gros-de-naples preto, de diversos precos e larguras.
Gorgor5o preto, fazenda superior a todas pela qualidade, e bonito tecido.
Este estabelecimento
acha-se sonido cora numerosa quantidade de filos pretos, de algodao, de linho e de se-
da, manufactura-.o> em
ckales .
retondas
algerienes (bournus)
anamites
africaines
pompadour
DE FANTHASIA
Receberam tambem bonitos cortes de popeline de listras de cores, e matisadas,
muito, modernas, de gostos inteiramentenovos; e outras umitas fazendas de gosto, vio-
grande concurrencia que tem merecido o seu estabelecimento, especialmente no que
relativo a roupa feita; acabam de admittir para a sua officina de alfaiate maior numero
de artistas, inclusive o seu contramestre, dirigido pelo hbil mestre Lauriaao Jos de
Barres, o qual n5o se poupa a exforcos para satisfazer com a presteza possivel qalquer
obra de encommenda.
Os mesmos annunciam aos seus freguezes que acabam de comprar um novo e
muito variado sortimento de fazendas finas e de bom gosto, proprias para o tempo da
quaresma, as quaes estao dispostoa a vender por precos muito commodos e mais barato
que em outra qalquer parte.
Gomo sempre escusamos essa enfadonha prolixidade dos annuncios bombsti-
cos ; preferimos mostrar na singeleza deste nosso convite os bons desejos que nutrimos
para bem servirmos aquellos que vierem ao nosso reclamo.
os pas
que fa-
Tendo lembraoca que muito sofTre
de familia por va dos cboros e alarme
zem os Abas, e
pais como tambem
mo de facto se acba aberta ama leja na roa do
Rangel a. 49, teodo ao eompleto sortimento de
calnos, boneeaios e aparelbot de poreelaoa o
melbor que tem apparecido neste genero, coa
poaco se satiifas o desalo do vendedor como tam-
bem daqnatte que reeeae o ob)eeto. ______
Iraaaadade da Divino Espirite
H*utm do Collef lo.
O procarador geral ababo astignaao coooca
os memore* do ooaselbo fiscal a reuoirem-se em
dos eeosietono domingo 29 do correte as 9 ho-
ras da maubia para o flm designado nos arts. 97 a
101 do corapromisso.
Recie 36 de abril de 1866.
__________Jos Fernandes Lima._______
Maximino da Silva Gustnao declara que nao
tem casa de commfssSes e n3o compra nem vende
esclavos. ________^^^
Mudanza
Por ordem do Ulna. Sr. prestdeote scientifleo aos
Srs. socios qae se acba transferida para o palace-
te de S. Pedro a sociedade ReeceaUva Jnventnde.
Sala das seasdes t8 de abril de 1866.
E. L. Cerque* ra.
l'aeerWMIo.
Na na da Florentina n. 36 prepara-se com-
. da eom asaeio e promptldio, e por preco raioavel:
qnem qnlwr dirpa-se. |
Preclu-se de orna ama para eexinbar ; na
roa do Imperaor 41, armaxem____________
G. P. DO \M % WAIi t C.
5 RA DO CRESPO 5
DE
RIJA DO IIROI \. 38
Jo3o da Silva Ramos, mdico
pela universidad de Coimbra, d-
consultas em sua casa das 9 as
l horas da manbla, e das i as 6
da tarde. Visita os doentes em suasl
casas regularmente as horas para
isso designadas, salvo os casos ur-
gentes, que serao* soccorridos em
qalquer occasiao. D consultas aos-
pobres que o procurarem no hos-
pital "Pedro II, aonde encontrado
diariamente das 6 s 8 horas da'
manba,
Tem su casa de sade regular- I
mente montada para receber qual- !
quer doente, ainda mesmo os alie- I
nados, para o que tem commodos K
apropriados e nella pratica qalquer M
opperacJo cirurgica.
Para a casa de sade.
Primeira classe..3i$000diarios.
Segunda dita....34500
Terceira dita. ..24000
Este estabelecimento j bem |
acreditado pelos bons servidos que i
tem prestado.
O proprietario espera que elle g
continu a merecer a confianca de i
[que sempre tem gozado.
Fogo do ar
Valdivino da plvora se acha com fabrica de
fogos artificiaos na ilba do Maruira, com grande
porijao de fogos de 1* sorte, j preparados a espera
de festejar o grande dia que tiver noticia de qnal-
quer triumpho de nossas armas dentro de Para-
guay : todos aquellos que tiverem a mesma salis-
facao dirija-se ao armazem do sal na ra Imperial
B.W._________________________
Aluga-se
por se retirar para fra o actual morador, a casa
da roa Formosa n. o, em bom estado de asseio,
e toda esleirada : irata-se na mesma casa, das 5
hor-s da tarde em diante, a resptito do alu-guel e
das bemfeitorias do predio.
SVAHELLii
cantos e phantasiaa.
Um volme in 12." impresso e en- I
i cadernado em Paris: em casa dos
S edictores
8* LIVRARIA FRANCEZA
N. 9 Ra do Crespo N. 9.
DE
r. VIGNES.
ff. 55. RA DO IMPERADOR W. 55.
^J^"0i/dest anua abr'c* sao boje asss eonnecidos para qne seja necessario insistir sobre a
querendo nao so descancar es!,n* np*n*w, .vantugens e garantas que offerecem aos compradores, qualidades estas incontesu-
i os Albos lembrei-me abrir co-1 TeJi 3ae *,WiJeni definitivamente conquistado sobre todos os qae tem apparecido nesl praca ; pos-
i inindo ob teclado e roacbmismo que obedecem i todas as vonUdes e caprichos das pianistas sen
ranea ralbar, por serem fabricados de proposito, e ter-se feito nltimamente melboramentos importan-
ttsatax para o cilau ieetepaii; qnanto s vozes, alo melodiosas e flautadas, e por isso inoito aerada-
veis aos envaos dos apreciadores.
Faaem-se conforme as encommendas, unto nesta fabrica como na do Sr. Blonda) de Paris socio
correspondente de J. Vignes, em caja capiul foram sempre premiados em todas as einsicoea.
lb^2SJ8dfa^I^*Cbar tmpre um P'eod'de variado senteeeMdemus'icas dos
^^pWc^l&Soei0,DO b,rm0B,c"e #" harmonice., ^o todo vendido por
m
Precisa-se de urna ao;
Billa, Qooniitiiaafioaar e eononar:
aa praea do Corpo Sanio n. 17.
poocaA-
a untar

mmwmmmmmmmwm
-.?.:it
Tinta Inalterav^i r
Para escrever
de P. MAIRER k C*.
PEaJiAMBlCO
Boto, tinta reoomzyenda-ee pela sua oozn-
po4lv6 fluidez como a meihor e a mais *
sogxira Oe todas as tintas at hoj conlieoi.
das. Nao ataca s j>ennas de ac, da ato
tres eaccellentes copias, mesmo muitos dias
depoiis de eaorever.e preferivej a qal-
quer outras tintas particularmente para
livros oio, documentos oto' de
O proprietario deste-estabelecimento deseja cbamar a attenco dos senhores pro-
prietarios para os acreditados mechanismos que continua aYornecer: os quaes garante
ser como sempre, da meihor qualidade possivel:
Machinas de vapor
forca de 2 '/a cavallos para cima. As menores s5o mui proprias para motores de des-
carocamentos de algodSo; as maiores para moer caona; ha tambem que podem junta ou
separadamente moer canna e descarofar, segundo suas proporcoes. Estes vapores s5o
simpliesimos na construcc5o, e se regem por qalquer pessoa intillfgente, a facilidade da
conduc?5o sendo especialmente considerada, tanto que n5o ba lugar em que nao se pos-
sam conduzir, qor per trra, qur embarcado.* Ha com moendas juntas ou sem ellas e
podem-se applicar a qalquer moenda j existente sem outra mudanca do que a substi-
tuifo das rodas da almanjarra. E'las tem depsitos d'agua e boeiros de ferro, e n5o
precisam para seu assentamento de obra alguma, qur de carapina, qur de alvenaria.
O tempo para assenta-las nao excede de doze dias ao mais, e em casos de mortes de ani-
maes ou arrombamentos de acudes, etc.. garante-se o assentamento em oito dias. lem-.
bra-se aos senhores de engenbo que a venda dos animaes e o servico da |*to oeca^! pii.^
no seu tratamento 06 hao de recuperar da maior parte da despeza do vapor, deixando-' de Brandenburg frres, Bordean, encontrase ef-
lhes a vanUgem de urna moagem cena e accelerada; e acabando com a despeza da com-
pra continuada de novos animaes, com os jjesgosto do trabalho que se tem com elles.
Ser talvez desnecessario lembrar aos compradores de vapores a vantagem que
Ibes resulta de compraran suas machinas garantidas em urna fabrica, tendo artistas com-
petentes para assentar as mesmas e ensinar a maneira de trabalhar com ellas, e j pre-
paradas para arremediar qalquer desarranjo; facilidades estas que jamis podem en-
contrar comprando-as aos simples negociantes, os quaes por falta de conhecimenlo na ma-
teria, nem se quer podem garantir-Ibes o trabalho das machinas' que vendem, e no caso
de desastre nao podem prestar-lhes soccorro algom.
Igualmente nSo se equeeer5o os mesmos compradores de quanto podem perder
em ter suas machinas paradas ppr desarranjos no tempo das safras,, sendo que ainda
quando venham s fabricas para cojicertar as machinas nao fabricadas nellas toma-se
preciso azer repentinamente moldes novos, etc. para as pecas estragadas.
Tambem ha sempre prorapto Rodas d'.igua de ferro Sarilhos com cruzeias para as
mesmas moendas de canna de lodo o tamanho, Rodas de espora e angulares, Paroes ou
coches para receber o caldo, crivos e portas de fornalha, Taixas de ferro batido, fundido e
de cobre, Formas de ferro galvanisadas para purgar assalar,. Bombas simples e de repu-
cho. Alambiques de farro. Eixose rodas de carro. Arados, gradas enchadas a cavado
e outros instrumentos de agricultura, Moinhos e tornos para fazer forraba e finalmente
todo o objecto de mecbaoismo de qae se costama precisar.
Macinas de descarocar algodao.
Na fabrica se fazem obras novas encommenda e concertos, coa a maior p este-
za e solidez. O grande deposito de pecas e objectos babilitam-na maito para este fim.
O (iroprietario ser sempre moi feliz de poder tar occasiao d dar informaoSes ou
esclarecimentos aos senhores que se servirem de seu presumo. I
D. W. Bowbun, engenbeiro.
aVaWHaW i
martimos e terrestres
setabalscida a Rio da Haeiro.
aoimibs bu nanaioco
AaUaU Lnii de OUuira Aievede A C,
;.aoapeteniemeBUaiMoriMO>6
i Mria da coopaoMa de i
de, tonaaaa segmros de aa
i e predios ao sea
i a. i. -
Amassador
Precisase de nm amassador; na roa do Pires
B. 41.
Ama 16#000.
Preeitt-Mdenmacoiinbeira, preferiido-se cap-
tiva, pelo preco cima ; ae Hospicio a. 34. .
Potassa
fectivamente deposito dos artigos seguintes:
St. Jalien.
St. Pierre.
Laros.
Cbateau Loville.
Cbaleau Hargaox.
Graod via Cbateau Lafitte 1858.
Cbateau LaBtte.
Haut Sauteraes.
Cbatean Saoternes..
Cbaleau Latanr Blancbe.
Chateau Yquem.
Cognac em tres qualidades.
Azeite doce. Precos de Bordeaux.
Casa 4e cesnussio de estraves aa rna de Impe-
rada? b. M, terceire andar.
Recebem-se escravos tanto do mato como da
praca para serem vendidos por commissao, afilan-
ea-se o bom tratameato e segoranca para os mes-
mos. O abaizo assignado alo poopa esforcos afim
de os vender com promptido, nesta mesma casa
ba sempre para vender escravos de ambos os sexos.
Antonio Jos V. de Soma..
Antonio lose Rodrigues de Soma na roa do
Crespo n. 16, loma diobeiro para raendar entregar
aa Babia, Para e Maranbao.
Dp. Igiaci ilcifciiies VeJRxi.
MBOICu
RA DA IMPERATRIZ N.-48.
Trata especialmente das molestias sy-
pbiliticas e de criancas.
Coalnhelro.
Precisa-se de umeosinheiro forro ou cap-
tivo que d fiador a sua conducta: na ra
da Croi n. 48, primeiro andar.
jtmonio Luis de Oliveira Azeveo & C (sb
para veader no sea eecrlpOrio, ruafUpta. 1,
vinbo do Porto em caixa de duak, nonaaaaaaaaaV
oohr di BaMa si
Vende-* na livraria tsa
do Crespo e ra Nova d. 4 et
Vende-se potassa aova, de boa oahaada: aa
roa da Crat n. S3, f andar.escriptorio de A
de Alamda Gomes.
-~ Pode-ae toda atteocio
*
.
'


V
I
K
. -
4 SEM IGliL

on 18 aJaaaoaaoia-H itoihraNil3BftE3n^6fo Alrlwltao pre?o dTsoJ
cada corte : o loja das columna da ra do Crespo n. 13 de Antonio Uorreia de Vascon-
celos & C.
>
13 14 de
amero pa-
dems doara
Ag&sto ae
Qg** bem apeessoa que qoilor vender 'le-! proprts para meninas e senboras.
ifc*s a Praca da Independencia n. 8 toja de Boaltoa ekapez
Hvros.
45
CALCADO.
Rua Direita45.
A primeira condico indispensavel i con-
servado da Mude trazer os ps bem de-
fendidos contra os ataques da hwdade;
calcado bom e seguro o nico preserva-
tivo dessas mil enfermidades a qae est so*
jeito o nossoen. Um chineto velho cal-
fado por um dandy paloscanto, ou orna
botina acalcanhada em pequea p de ea-
cantadora deidade alm de accusar que-
bradeira horripilante, prova contra as facili-
dades intellectaaes dos calcantes, e na ha
quem, tendo bom senso, queira passar por
maluco, ou pobre de suTrS : erg, cor-
rama:
4*-RA DIREITA4*.
attendam a' barateza.
Homens.
Borzeguins barcellonezes de las-
tre e de porco [.,... 6000
Kajromna se
com asseto, pronptidlo e preces moaveis: na ra
Angosta n.5, loja,_____________.
Aiteneo,
Tendo sido awombada ao amanhecer do dia 25
to corrate a toja do Passeio Publico n. II, do
abaito assignado, e tendo os ladrees roubado dons
transelins de ooro, sendo um com truz tamben
de ouro, i par de botdes de punho, qnatrocentos e
trila e tamos mil ris em sdalas, prata, ouro e
cobre, e mais cinco letras sacadas pelo abaixo as-
signado e aceitas pelos segu otes senbores: Ma-
uoel de Souza Leao Jantor, Frankltm Velloso de
(jusraio Ucha, Vicente Perreira Lontras, Hinoej ""L Coropra-se urna carrosa que este/a
Joaaotm de Olivera e Antonio Joaquim das Neves; e9iado : na Toa da Cruz n. 85, 3 andar.
Diademas dourados,
enfeik oa* alfares, ~
1 ^HMMasi seaba ra s
(irnos |fc
os, enreiUdos com alease* e p>
A ttAnfiSiY!
mM&
de talhi fina e aveaeaeo arCMa%as.
Sao obras estas de que os noooylB ie fa
se nao poog (casar de comprar,'por f.
Atten
tenc&o!
i0o Cavado, 'porenco P.
^"de pos**. lnriP^pr.jelati0 ?ei
Plea.l<60p, 1*800. 24 e 24500 o covado ; dito **'
Grande loja
41-nia/cni da Arara iva da Im-
peratriz n. 56. "
DE
"t* Compra-se ourof^pr^.
obras velhas : na ra da Ca>a~drTlReclfe'! lft rWfe""oTr Isseio e bom gosto coaVque
cja de ourives no arco da Conneto. suas bellas fihinbas, A aguia branca, Wm o
------------- *k,^ -.. ,_---------------ieeJe yef uflao'illas e pncIsae-oMas fcr*n
VrtflP,npa devidamente apreeijdos e comprad* em sen W-
jm obras venus : compra-sena praca da ln nbo. Os cbapeozinhos, alm de sern 4'om'a pv
aopendenclo n. ti, loja de bilhetes. Iha mui flna, sao de mui bonita forma e ultimo
Compra-se orna bnrra de ferro, ingleza oq *osl0' e"feitads com toda a perfele* i os ave*.
roesrao das antigs; na ra Nova n 31, taes, porem, sao de flna cambraia, guarnecidos de
------------------ i qabadinbos bordados; o que Ibes dajeoita graca.
carroca oo Os precos destes, 5*000, e aquella), 10*; e de
Compram-se duas rodas
orna carroca que esteja em bom estado : no arma-
zem da boda amarella no oilo d secretaria da
polica.
Cempra-se na prensa de algodao de Sanoders
wothers & C. sementes de algodao a 500 rs. por
vrroba. r
Compram-se latas vanes de caz
Guia n. 9.
cara da
Z#Q0t
8f>ooe
5,5006
Ditos de Bordeanx
Ditos parisienses de bezerro e
cordavJo .......
Sapat&es de Nantes d^uas ba-
teras rasas ......
Sapatoa de lona, sola e borra-
cha.....;'-."..
Ditos awludados.....
Ditos de tranca bons ....
Senboras
Borzeguins enfeitados. ,
Ditos de laco......
Ditos lisos .....,,
Sapalos de borracha, ,
Selleiros, corrieiros e segeiros I
Sola de lustre, meios grandes 20^000
E um completo sortimeoto de calcado fa-
bricado no paiz. __________
Aluga-se na (apanga porto do Lasserre ama
casa terrea com soto, tendo 8 qaartos, copiar,
osinha, quartos para criados, estaara e coebei-
ra : a tratar na mesma Capunga casa da Sr* viu-
va B. Lasserre ou na ra Imperial n. 20.
Precisase de urna preta escrava para o ser-
vico de casa de poaca familia : na ra do Hassicio
n.38.____________ _________________
Preeisa se de ubi caixeiro para padaria,~qe
J conheeimento de sua conducta:: na ra Dtreita
dos Afolados n. 66 A.
prevrne-se, portanto, aos senbores aceitantes que
nao agam nenbama iransaccfo e nem pagarem
referidas letras, sob pena de que em juizo paga-
rse ao abaixo assignado, visto se aebar provade
pala subdelegada desta fregoetl. Recre 26 de
atril de 1866.
I______________Heliodorio Aeaeio Bangel.
I Henriqwe Jos dos Santos tendo de se retirar
l^ara traur desna saude dispoe de suapadaria da IIZL^v2?.2!2 i i f
?ua Direttat,. 129, coto todoToV pertencem e 2 fo7 ^J^SSfSt fe^beriba>
BOS
5,5000
4500
l^OO
pesma
/ ~ .N"
perteacem
quem pretender dirija se ao mesmo ou aa
ra n. 106.
Na ra do Liyraiiteaio n. 19 ha para alugar
urna escrava para servio interno.
Os devotos eucarregados do Mee Mariano da
Igreja da Santa Gru previnem aos devotos e mo-
radores da fregneiia da Boa-Vista, qce no dia 30
do correte, as 6 horas da urde, cameear com
ladaioha e sermo a pratica dos santos ejercicios,
qoe, a igreja conforme as ordens de S. Esc. Revm.
abnr-seba as4
que as 5 horas comeara
em bom
Na mes-
ma casa se dir quem veade dous escravos cabras,
de idade 40 anuos, boas carrelros.__________
Compram-se duas casas terreas : a tratar na
coa do Qneimado n. 13, primeiro aadar.
Libras sterlinas
Independencia n. 22.
Compra-se um *obradinbo ou duas moradas
de casas terreas nesta cldade. tambero comprase
be, a fallar na ra
larga do osario, loja n. 26.
compram-se na praga da
VENDAS
AOS SRS. ACADMICOS
lablleavo j uirldlca
SDOS
R^sponsaveis nos crimes
3)e hberdacte de exprimir os pensa-
atentos.
Lie fies lis di re i lo criminal.
:PEL0 DR.
Braz Florentino Henriqaes de
8ouza,
ente de direito civil na FaculJadeS
de Direito do Recife. ?
Acaba de sa.nr a' lu esta interessan- 101
a casa de peuca sm ie publicago e acha-se a' venda na li- m
K vrariaEcooom ca ?' ra do C'espo n. B
2, pelo prego de i eada ejemplar. mS
1UII MK.HBiWj
, ,,/: ----- I Na praga da Independencia n. 33, loja de
ue Arajjo Lima, se- ( ourives, compra-se ouro, wata. e cedras nrnaBniii
nbor do engenho Castor,^neira ter_a bondade di-1 e tambem sTaz qualquer obra de encommfnd e
t'recisa-se de urna ama para
lamilla.: na ra das Cruzes n. 35.
Veodem-se as seguinte6 obras de direito
Mtodinffi^KiTjTr5. mrldu Droit Ro,Hain
comecara o santo sacrifico da' l,or. Mackeldey, 1 VOiume por
missa, e que o Revm. Sr. padre Baoto Shembugs | natre du Contentieux Comtnercial, por Mas- < cabellos das senboras
o encarregado das praticas diarias- nos flomin-|s, 1 volume, por 5,5 ; Elements du droit] aiio 'J d'Aguia branca,*" 1*000 o frasco.
8 r-\romain, por.Waynz, ^ volume por 4; Es- Enfeites pretos para vestidos
prit de la jurisprudente des successions, A Agaia brane* receben novos enfeites
por quaoto sao eilts baratos conbecera o pretendente,
que se dirigir a' loja d'aguia branca, na ra do
Queimado n. 8.
vidrllhos de cores e aljofares,
imitando aro, para enfeites de vestidos.
A agaia-branca na roa do Qneimado n. 8 rece-
ben um bello sorlimenlo dos objectos cima pro-
prios para enfeites de vestidos, etc., etc., e est
vendendo commodamente.
Novidades.
Na Agula branca i ra do Queimado n. 8 rece-
be diversos objectos de mnito gjsto e inteiramen-
te novos, sendo:
Bonitos e delicados pentes dourados e prateados,
tendo entre elles alguns de filigrana obra mai per-
feita e de elevado gosto.
Ditos com chapa de madreperola.
Brincos de filigrana e outras qualidades.
Flvellas de dita e outras tambero de diversas
qoalidades.
Cintos mui bonitos, enfeitados em toda exten-
go com caracteres dourados e prateados.
Filis enfeitados com moedinbas donrads,e lan
tejoilas, aljofares & &, sendo para coque, e toda a
cabefa, e ouros com plomas &
Bonitas voitas de jaspt com croies, tendo tam
bem algumas de duas cores.
Lnvas e meias
de la vegetal, para quem soffre de frialdade, pa-
I ralesya etc. Vendem-se na rna do Queimado loja
, d Agma branca n. 8.
Bandolino de roza "
uicno-1 para segurar ou conservar perfeitamente atado os
Vende-se na ra do Quei-
mnltd" loptpr al*800?e 3': na rna- da Impera-
rla n.-7Hbja de>GHmar5es & Irffio.
Moriactique preto a 2-3800.
Vende-se nm graoile'sartimento de morianiique
a 2J800, %S e 35500 o covado.
Chalis de renda preles a 8^000.
Vende-se tambem um variado tortim.nto de cha-
les de renda a 8, 9500 s 10 ; ditos mnito finos
a t i e ItJ; ditos de seda fazenda muilo fina a
20*000.
Retondas pretas a iO.
Vendem-se retoodas pretas pelo barato prego de
103 e il : na rna da Imperatriz n. 72, toja de
Guimares & Irmao.
Grande pchincha panno preto a 2,5000 o
covado.
Vende-se panno preto proprio para calcas e pa-
litols a 24 e 24200 o covado ; casimiras pretas
a 14800, -l, 24400 e 24500 o covado.
E' omito barato cortes de casimira a 3jt00.
Vendem-se cortes de casimira preta a 34500
44 e 44500 ; dita muilo fina a 6,3.
Admira cortes de brim de cores a
4,280
Vendem-s_e_ cortes de brim de cores para caifa a
Rendes Guimares.
3esle eMabelfrcimento recebeu pe-
d Eura;a diversas qualidades de
fazejodas para vestidos d.seniora.
Sedas de cores a 1(5500 o cova
Vcnde-.-e sedas de creS para vestidos dksenbo-
ra a 143W ocovado, ias inlias de lindos estos a
2i0, 350 e 400 rs. o covado. Roa da Imperatriz lo-
ja e armazem o Arara n. 56.
Melodques. de-laa para vestidos a40O
o covado,
Vende-se urna nova fazenda por nome meiodi-
qoes toda de la para vestidas a 400 rs. o covado,
chitas finas320 e 400 r.*. o covado. Una da im-
peratriz lofdVo Arara n. 56.
' Arara vende susim para vestido a 24^
Vndese nova f.zenda susim para \e> /'
senhora e roupa de meninos a 240 rs. r '' ne
ditas a 160, 200 e 240 rs. o covado. Rr } aovado,
peratriz loja do Arara n. 56. "*a- Im-
Tarlalana de 15a para vestid _
Vendt-se tarlatana de laa para -y a2*o. v
nhora a 240 rs. o covado, fil f u!Sf!:,(,0LF Fe'
vado, corles de cbiu a 2400*-,je' co"
da Imperatriz n. 56. J- So no Arya, roa
La a traviata a >nf __ ,rtB,-
V-nd-se nova la ',20 O Covado.
' senhora a 320 rs. o
tas fazendas no'/as
So
a traviaU para vestidos do
covado, s no Arara todas es-
vindas pelo ultimo vapor da
1480.14600, 14800_e 24 : na rna da Imperatriz, grf'Pr SJ D loja e arnme da Arara, ra da
-gos e das santos distribair-se-neo vernicas
sarios.
O collegio dos orphaos tera preclso de sr-
venles : a entender-se com o director na rna da
Anrora._______________________
O Sr. Jos Corumbiuo
Castor, -qoe
rifiwe a rna do Padre Floriano n. 25.
- Precisa-se de orna ama para comprar e cozi-
nhar^^ara casade pouca familia : na roa do Quei-
mado n. "47.
todo e aualquer concert.
Aodr Blaneo retira-se para Europa e deiza
por sene procuradores durante sua ausencia os
Srs. Gabriel Antonio de Castro Quintaes, em pri-
meiro logar, em segundo o sea socio o Sr. ios
Celia Fernaades, e em terceiro lugar ao Sr. Jos
Joaquim Das Fernaades, com os quaes podera'
entender-se quem tirer negocies com o aonun-
ciante.
Na padaria da roa do Rangel precisa-se de
um trabalhador de masseira.
= Na ra do Imperador, casa n. 22, segundo
andar, ba para aiugar nma escrava moca, engora-
ma e cose; quem a pretender dinja-se a ra do
Queimado, loja n. 1 para tratar.
i^
Precisa-se de nma ama para comprar e cot-
onar : oa ra de S. Fraacisc n. 54.
na ra da Concei-
Precisa-se de orna ama
eao n. 47.
. Codeara-
tique des faillites, por Geoffroy, 1 volume,
por 3)5; Elements de l'Economie Politique,
por Garnier, i volume, per 2& e Orgauisa-
tton du travaii, por Louis Blanc, ^ volume,
por I 1200.: na ra do Crespo n. 4, fabrica
de cbaposde-sol.
FOUINIAS
PARA 1866.
Acabam do sahir luz as folhinhas de
algibeira e de porta para o anno de 1866, o
mais correctas possivel tanto no calculo das
las e eclipses, como as diversas festas
que a igreja celebra; vendem-se nicamen-
te na iivraria da praca da Independencia, Lantijonias daco para enfeites.
*60 ris as de porta e 320 ris as de algi-! ^n*s_b"DCaS e de cores, para gorjos e chapeos.
pretos
para vestidos, sendo bieos com vidrilhos e sem
elles, trancas com pendentes de vidrilhos e sem
elles, cordo grosso tambem com vidrilhos e sem
elles; assim como galoes e franjas de diversas lar-
garas, filas de velludo etc. como sempre os bons
fregoezes encontraro commodidade de precos nos
objectos que se vendem na loja d'Aguia branca rna
do Queimado n. 8.
Botoes de vidro
com enfeites d'aco no centro.
Esses botoes que tanto servem para melbor se
poder enfeitar um bom vestido preto ou de cor,
acbo se a venda na ra do Queimado loja d'Aguia
branca n. 8. i
Acaba de cbganiloja da apia braBei|STje .J5boT1|oorS ISS^STU
o. 72, loja de Guimares'& Irmi.
E' baratissimo a i 20 ris o covado.
Vendem-se riscadinbos mnito proprios para rou-
pa de escravos, a 120 ris o covado; ditos escoce-
zes muito floos a 240, 280 e 300 ris o covado.
Laazinhas a 3oo rs.
Laazinhas de quadrinhos a 300, 320, 360 e 400
rs. o covado ; ditas jnuito finas a 500 e 560: na
roa da Imperatriz n. 72, loja de Guimares & Ir-
Mas.
Cortes de 15a a 5,5000.
Acaba de ebegar a este importante estabeleci-
mento um sorlimento de corles de la qne se ven-
de por 54 e 5#500; ditos a Maria Pia, fazenda
muito moderna a 12a, 144, 84 e 264 i ditos com
camismna, cinta e grava a 254 e 284.
Chitas francezas largas a 260 ris.
one5l?*laRra *rande "limento de chitas a 260,
. .' 32() e 360 rs. o covado : ditas preciares
a 400, 440 e 500 rs.
Cambraias de cures a 280
covado
Vendem-se camlraias francezas a 280,300, 320
360 e 400 rs. o covade.
Cambraias lisas a 3.000 rs. a peca.
Vende-se nm grande sorlimento de cambraias
lisas pelo barato preco de 34, 34500, 44, 44500 e
* i*f"5"Ho flDas a 54500 e 64; ditas victoria
a 64000 e 74; ditas de orna vara de largura a 84
e 94; ditas para forro a 14600, 24 e 2,8200 : na
rna da Imperatriz n. 62.
ROPAIFEITA.
Vende-se nm completo sorlimento de roupa fei-
ta relia, assim como sejam palilots, calcas, eoletes,
camisas francezas a 14600 e 1*800 : ditas finas
rs. o
a roa do Queimado n. 48.
Chromaco-me para Ungir cabellos.
Hoild walter para dito.
Tintura de L. Marques para dito.
guia branca
a ra do Quimado n. 8
acaba dereceber:
boira.
Vende-se
Desappareeeu no dia 25
7 horas da noite indo da ra Nova para as Cirico-
Poctas, um preto levando comsigo um enxoval de
cambraia branca propria para baplisado e um cha-
peo de pello para homem, rogase a pessoa que
souber de apprehender, e levar a loja de Antonio
Jos das Res no passeio Publica n. 5, que ser re-
compensado.
Carvalho & Nogueira, na ra do Apollo
n. 20, accam sobre Lisboa e Porto, a pra-
zo ou a visia
Precisa-se de nma non para casa de pouca
An ^rrr:-------- "mi,ia Ia8 aca lodo servico, prefere-se escrava :
do eorrente mez, as na ra de S. Jos n. 2.
Ll VROS
Urna casa na villa da Eseada no pateo da feira.
construida com lijoilo, e propria para aaalquer es-
tabeleoimenio : a tratar na mesma villa com An-
tonio Torquato.
Taberna.
Vende-se a uberna sita na ra da Senzalla Ko-
iiD.9 : a ratar na mesma.
DB
Ama
Precisa-se de urna ama para cozinhar
da Cadeira n. Si, terceiro andar.
GASA DE HAMOS
| 20 Pateo do Carato 26.
Nete estabelecimento t3o impor-
tante para a saude e asseio do cor-
po, acham-se montados 20 banhei-
ro5, que sao servidos com a ordem
e asseio que para desejar-se. Qua-
tro destes banheiros sao especial-
mente reservados para senboras e
por isto acbam-se collo;ados em lu-
gar reservado, aonde s tem entra-
da as pessoas de urna mesma fami-
lia.
PRECOS DE BANHOS AVULSOS.
i banbo fri, morno ou de
chovisoo ..... 500
1 dito de choque .... 1,5000
I dito de fare'lo...... liJOOO
1 dito aromalisado I 5000
PRECOS POR ASSIGNATURA.
30 banbos por mez fri,
momo ou deciiovisco. 10000
25 bandos com cartes pa-
ra os mesmos .... 10|$000
i2 ditos ditos ditos. ,'000
12 ditos ditos de choque. 104000
12 ditos ditos de farello.. 10,5000
O estabelecimento estar aberto
nos dias uteis das 6 horas da ma-
nbaa as 10 da nojte, nos dias san-
tificados das 5 as 5 horas da tarde.
i Mmm JBnuR HKKKSi
PREPARATORIOS
UNGL'A INGLEZA.
HILLARDS-First ClassReader. in 12.
MOTTA -^- Grammatica pratica da lingua
ingleza, in 8.
SADLER -- Couk complet de langue an-
glaise.
SADLERDictionaire franfais-anglais *-
na ra anglais-frangais, in 8.
ystvu,' ^IE^S Dictionaire francais-anglais
mm anglais-francais, i n 4."
OLLENDORF.Methode d'anglais, in8.
RUSSEC Curso de lingoa ingleza, se-
: gundo o methodo fobertson 3 in 8.
VIEIRA Dictionary of the english and
portugoese languages, 2 in 4.
WALKER Pronuncing dii tionnary, in 8o
NA LIVRARIA FRANCEZA
N. 9 Roa do Crespo N. 9.
tenco.
Na ra do Apollo n. 36, vende-se superior po-
tassa e farinha de Santa Catbarina a presos cam-
Eofeites fllets. mui bonitos e modernos.
Sapatinhos de setim parg baptisados.
Meias de seda para o mesmo.
Bonitos cbapeosinbos de setim para dito.
Rosas camelias e outras qualidades.
Novos brincos, flvellas, pentes e pnlsCiras de fili-
grana.
Fita r seda de cores para debrnnbar vestido.
Dfi sarja com differentes cores e lurguras.
'** de gorgoro, desenhos novos e bonitos para
.utos.
Carteiras com agnlbas.____
a ra da Imperatriz n. 28.
Vendem-se cortes de cambraia brancos com 4.
5 e 6 babados a 204 e 254.
Fil de seda preto com flores a vara 14.
Cambraias braneas de nma vara de largura fi-
na a 14 e 800 rs.
14200,14400 e 14600, de linho a 24 e 24500 : na
ra da Imperatriz n. 72, loja de Guimares & Ir-
mao.
Impnrr.iriz n. 56.
i Arara vende cobertores a 1^500.
peK^:cXS8d,^^24^S/Te
iLaasinhas do Arara a 200 rs. o covado.
l/.nn?^e laas'Dhas para vestido a 200, 240, 320.
' ,i lm/S- ^*"10' col"bes para homem a
o(0 ra. a duza. Ba da Imperatriz loja do Arara
u. 00.
Arara vende as cassas a 240 rs. o covado
Vende-se cassas francezas finas a 240, 280, 320
S2?Ar CnVa(,- pef>as de Mi le forro a
25000, ditas fiDas a 34000, 44000 54000 e CfiCOO
Ra da Imperatriz loja do Arara n. 56
Chitas a 160 e 200 rs. o covado-, ,*
aiA de se c,lits escoras e Cana a 160, 2C0 e
240 o cuvado, Has francezas finas a 280, 320 4C0
e oOO r.-. o covado, percales matisadas escura), a
JO rs. o covado, s se vende assim barato o Ara-
ra. So na loja e armazem do Arara, ra da im-
peratriz n. 56.
Novidade no Arra.
Algodao a 3^
vende se peca de algodao encorpado a 3S, 4j
!r3 d"Le ** e 7- Raa da 'mperatriz loja do
Ar3id n. ou.
Arara vende madapolo enfestado a 34500
vende-se pecas de madapolo enfestado a 3jo00,
*i e 44500 ditas de 24 jardas a 44, 54, 64, 64 e
104, ra da Imperatriz loja do Arara n. 56.
Aspas fortes para boloes.
Na roa do Queimado loja de miudezas n. 16, ven-
de-se aspas de ac fortes, e de differentes larguras
para bales.
Bonitos quadros para retratos.
Vendem-se na ra do Queimado loja de miude-
zas n. 16, bonitos quadros con mordura preta e
dourada, todos por precos rasoaveis.
Garrafas brancas
e de cores com superior agua da colonia.
Vendem-se na ra do Queimado, loja de miude-
zas n. 16.
Novo gosto
Pentes, flvellas, e brincos de feligrana.
A amiga e bem conbecida loja n. 16~na ra do
Queimado, recbeu um sorlimento de diversos ob-
jectos de novo e bom gosto, sendo pentes brancos e
dourados de moldes entecamente novos e mui a-
gradaveis, tendo entre elles algnns de filigrana obra
de mnito gosto ~-x- i
m
modos.
Pf chincha
Vende-se palha para empalhar cadeiras muito
na ra das Cru-
em conta por ter grande porco
zes n 25.
Vedde-se urna pequea taberna
da Conquista n. lOfCaminho Novo.)
Ricas lampadas
e'a retalbo.
e candieiros a gaz por grosso
sita na ra
H1CIII\1S
para descarogar algodao
9,000 a serra
a
AN4
Precisase de orna ama para comprar e cozlnbar
para urna moca : na ra de Hortas n. 16, segando
andar.
GARRAX, DE LAELHACAR ft C.
LIBBARIE FRANQAISE
RA DO CRESPO N. 9.
Livros nacionaes e estrangeiros.
ReUgio, direito, litteratura, etc.
Papelaria, objectos para escriptorio.
Papis pintados para forrar casas.
Assignalom para os jornaes da Europa.
km secca"
Offerece-ao nma ama para casa de homem soltel-
ro oo de penca familia : qamt precisar derlja^e
a roa da Senalla Tama n. m.______________
PrettM m de n aa para a casa de tonca
faorta: M a da SoUa k m*mi
- Desapwrecea ac dU J do correle da roa
do Ptor eaati n. 13, cinco anaelSe, ires aifloales
da peilo um trancan* cha*, assim como bom ll
bra surtan* ancastoada, qom dar notieiu done
roDte ot daoBitrtlo dirtja-se a mm tima a
sora bwn recompensado.
| Dr. Fraucisco Pires HacbdoB
Portellt
8 MEDICO E OPERADOR
PELA
Facnldade de Pars.
8" continua no eiercicio da sua profisso,
especialmente as moiestias de oinos, de
vas urinarias e de pelle, para enjo tra-
Stamento julga-se habilitado ltenla a pra-
tica adquirida nos hospitaes aquella ca-
pital, e os instrumentos mais modernos
Kque possne.
Accode prompumente a qualquer cua-
| mado para fora da cidade.
8 E encarrega-se de collocar olhos artl-
ficlaes.
No pateo do Carao n. 2, esquina da
u rna de Hortas, das 6 as 10 horas da ma-
m nhaa, e das 3 as 5 da Urde.
a
SEGUROS
MARTIMOS
. CONTRA FOGO.
A companhia mdemnisadora, estabeleci-
da nesta praca, toma seguros martimos so-
bre navios e sena carregamentoa, contri
fogo em edificios, mercadorias e mobilias:
na raa^o Vigario n. 4, pavimento Urreo.
No Forte do Matlos prenca de algodao n. 17, de
Medeiros & U, vende-se machinas americanas do
melbor systema que ba apparecido por serem I
muito maneiras de 14,16,18 e 20 serras, a 94 a ;
serra.
Vende-se nma escrava de"25~annos de" idade
por 6004, um bonito escravo de 24 annos, um Un-1
do moleque de 12 anuos, nma excellente moleca
de 14 annos : na travessa do Carmo n. 1.
Vende-se um escrawo-preto,- crionlo~de 20
annos de idade, pouco mais ou menos, do servico I
de campo e sem defeitos : na rna de Apollo n. 7
andar.
Cal de Lisboa
desembarcada do vapor inglez Cassine, vende-se
por commado preco, no escriptorio de Manoel Ig-
nacio de Oliveira & Filho, largo do Corpo Santo
numero 17.
Peeiiicha adniravel
Laazinhas de quadrinhos que parece seda a 40
rs. o covado, nma grande pecbinena, est se aca-
bando : na loja n. 52, armazem da porta larga de
Paredes Porto.
Francisco Gomes Castellao e sna anlber
Tbereza Francisca Novaes Castellao, cordial-
mente agradecem a todas as pessoas de sua
amizade qoe assistiram e acempanharam o
enterro ao ceratterio de sua mi e sogra D.
Tbera de Jess Frreira e de novo ao
convidara para a missa do 7a dia que tara'
logar oa canalla do cunilerio pelas 7 horas
da manbla de sanbado 28 do eorrente pelo
qoe se confessario gratos.
Joao da Silva Salgado e isa zenDora man-
dam seo Sitio Joitiniami Jos do Costa. Salgado
para Roma no vapor de 90 do eorrente.
Luvas de pellica pretas e ou
tras cores.
Cbegaram para a loja de miudezas a rna do
Qneimado n. 16.
Vendem-se garrafas e botijas vasias e lava
das : na ra da Soledade n. 38.
Vende-se urna uberna benTafreguezadaT a
traur no pajeo do Terco n. 12, loja de loufa.
Parlaba de naadlocalT
Conlina
Cruz n. 33.
a vender-se oo armazem da roa da

HOTEL
Vende-se o hotel de Italia, sito aa rna do Trapi-
cho, eom grandes aecommodacoes acceiadas e me-
Hlhataa com todo necessarlo e a^nm-trem do seo
trafego. por qoererem sens proprieUrios retirarte
para fra dq imperto. A toealMade e o Udo do
estabelecimento garanten boa resonado ao com-
prador e Ido assegnram prospertdade,
n7A*?JS? ***!>+> i*vendem-se' ca-
nos de ffo, proprioa para gaz e agua cotb li2
aoi legada.
Fechiucba
Vende-se a Uberna da ra da Guia n. 36 pro-
prio para principiante, e o motivo se dir ao com-
prador.
I No armazem de lazendas
baratas de Santos Coelho
Ra do Uuclniado a. i.
Vende-se o segninte :
Cobertas de chita da India a 24400.
Lencoes de panno de llnho a 24200.
Dito de bramante de linho de um s panno a
342OO.
Lencos de cassa brancos proprios para algibeira
a 2#000 a dozia.
Algodao enfesudo com 7 1(2 palmos de largura
a 14200 a vara.
Atboalhado de linho a 24800 a vara,
Dito de algodao a 24 a vara.
Guardanapos de linho a 34800 a dnzia.
Pecas de cambraia desalpicos a 44500.
Laazinha abena de cores a 320 o covado.
Cambraia branca de forro a 34 a peca.
Fil de linho liso fino a 800 rs. a vara.
Dito de dito com salpicos a 14 a vara.
Panno de linho fino com 9 li2 palmes de largu-
ra pelo barato preco de 24400 a vara.
Madapoldes finos a 84, 94,104, 114 e 124.
Cambraia lisa de 44500, 84.64, 74 084 a ^a.
Pecas de breun ha de algodao com 10 vara,
300Pm Para Saf' Pfl' b'ralissimo Dre0 *
Laazinha lisa de cores a 500 rs. o covado.
Cambraias finas de cores miudinhas a 360 rs. o
covado.
f8ter* da India propria para forro de sala de
*, o e 6 palmos de largura, per menos preco do
que em outra qualquer parte.
Xeste armazem Umbem se encontra nm grande
sorlimento de roupa feiue por medida.________
Farinha
Raa da Madre de Reas a.
A4|3O0.
Vende-se farinha de mandioca desembarcada
boje do palbabote Beberibe, pelo barato preco ci-
ma, a melbor qoe existe no mercado, saccas
grandes.
Vandem-se tres yarandoa do farro em mnito
bom esudo, urna tem 28 palmos de comprido e
doas tem 9 cada nma : a traur na rna do Qnei-
mado loja b. I. t'-
Redlelaaes da aleatria.
Remedio efflca contra as daenen cntaneas; ai
impigeu, burbnlhas, comlcboes, postulase sarnas:
na phormacia do Pinto roo do Rosarlo larga a. 10.
Vendem-se malas e bahus usados muilo em
eonU : na ra estreiu do Rosario n. 24, loja do
trastea.

le-
na
bo-
ma
Fraacisc Doarte Pinto
pettavel publico eom tyeela
atoroc 00 e redor
Viofra avisa
lidado ao
'.11-
ao ros-
no
da
. Vende-se nmeservorloulo, moj;
mu figura e com offlcio de marclneiro
estreita do Rosarlo n. 34, loja. '
i lores, flores,
-i ,' J* andar, ha
S^t^VS. NHuaSoWis ontrat
Oror, o leatoes proprJpoAa aaoacio do iareias a
'fiof!
__
Rroaa e arcos
imagens.
r 7 1
Vende-se

Um carro americano novo de
com competentes arreioa
n. 8. 1
na
4 rodas
ffda
as e 4 arreste!
Ponte Velha
barato o
1 de todas as
. ~ .HH "a armazem do
daa monores localidades diste
jporgoes para fazer n| "
basunte espacoso, como per i
niro da eidada
iwnda se dir ao i
"'5leUMAA- poraaor
naascie soa moradia.
e deficil execncao, e Lem assim fl-
vellas e brincos as meamos circumsuncias.
Tambem recebeu algons cintos o que de mais
moderno e bonito, se pode encontrar em tal genero.
Alm disso encontraro os pretendentes um com-
pleto sorlimento de flvellas de madreperola, ebris-
tal, ururnga, e dourados, brincos de christal, e
jaspe, voius e cruzes de dito e mullos ootros objec-
tos de goslo, os quaes continua-se a vender commo-
damente.
Penentes de madreperola, e enfeites filete
A loja de miudezas na ra do Queimado n. 16,
recebeu bonitos pentes com chapa de madreperola
e novos enfeites filis ornados de lanteioilas don-
radas, moedinhas, aljofares, vidrilhos etc., tendo
grandes para toda cabeca e pequeos para coque
regulando os precos de 24 a 44000 rs.
Benitas caixinbas
com arranjos dourados para costura, tendo com
msicas e sem ellas. Vendem-se na ra do Quei-
mado loja de miudezas n. 16.
Trangas pretas
com vidrilhos, e bicos com ditos e sem elles para
enfeites ou vestidos. ?
Na rna de Queimado n. 16 loja de miudezas a-
charao os pretendentes um bello sorlimento dos
objectos cima ditos, cascarrinas, franjas etc. etc
e todo este sendo vendido por presos commodos.
Botoes pretos
de vidro enfeitados d'aco.
A loja de miudezas n. 16 ro do Queimado
vende mui bonitos botSes pretos de vidro com en-
feites de ac, os quaes muito se nzam para enfeitar
vestidos, quem os pretender pode dirigir-se a dita
loja n. 16 a ra do Queimado.
Vndense na loja de miudezas
a raa do dliieiniado n. 16.
Bonitos leqnes de sndalo e ootras qualidades.
Bonitos cintos com flvellas de diversas qualida-
des e moldes.
Brincos e cruzes de crystal.
Abotoadnras de dito para eoletes.
Bonitos port-relogios.
Delicaoas caixas com msica e sem ella, para!
costura.
Agulnas e linhas para chrochet.
Reros superior em carrileis.
Rendas pretas e bicos com vidrilhos.
Filas de velludo com listras de cores para en-
feites de gorros e vestidos.
Ditas da grosdenapoles, lisas e lavradas, brancas
e.matisadas.
Para tiacir cabellos.
HoiidWalter.
Vende-se na ra do Qneimado, loja miudezas
n. 16.
Chromaco-me
Para Ungir cabellos.
Vende-se na loja de miudezas, a rna do Qnei-
mado n. 16.
Tintura de L. Marques
Qara fazer os cabellos pretos.
Vende-se na ra do Queimado, a loja de miu-
dotaa n. 16.
ssaifas Riadas aljofares imitando
ac e vidrilhos deeores
para enfeites de vestidos ; vende se todo lisso por
oreos razoveis na rua do Queimado n.l oja 16,
Haf
"af inierial
O superior caf do Rio de Janeiro, ven-
de-se a 124 a arroba; na rua do Vigario
n 24, escriptorio.
C;
w
i
i 11.1,111 m
Grande armazem de tin-p
tas medicamentos etc. II
Roa do Imperador d. 22.
rfot Pedro das Hieres (ge-B
ren(e) te a venda o
segninte: 0
Productos chimicos e pharma- ^
ceuticos os mais empregados em m
medicina. g~
Tintas para todo o genero de pin- l
tora e para tinturara. w
Productos induslriaes e tintas lH
para flores, como botoes de Aeres $|
e modelos em gesso para imitar m
\ fructas e passaros com o compe-
tente desenho.
Productos chimicos e indnstriaes v
para photographia-, tintorera, pin- M
tura, pyrotecnia etc. ^
Montado em grande escaiu c sup- iSt
prido directamente de Pars, Lon- sg
dres, Hamburgo, Anvers e Lisbu^ !
pode offerecer productos de plena
confianca e satisfazer qualquer en- t
commenda a grosso trato e a ret-
lho e por preco commodo. y*
I

Tasso Irmos
Vendem no seo armazem rea d
Amorim n. 33.
Licor fino Curaco em botijas e meias botijas.
Licores finos sordos em garrafas com rolbas-de
vidro e em lindos Irascos.
VinhosLiberes.
Santernes.
Cbambertin.
Hermitage.
Borgonbe.
Champagne.
Muscatel.
Reino.
Bordeaux.
Cognac.
Od Ton.
PAexei lagniol.
IIIiKMttJil9

I


:-

1




s
*
m
fiSAIGi
a ehaleado
Vendem-se ricos chales proteo de
gr
oa
0 Vi
84
iaaj|
ta ooaajrtl o bala
na raa do Mondego, ola-
^*~JMMaVM 400 poraa nra iadrlmo, viadas
do BU: a traur na roa do Vigario n. 14.
Boa acqaisicao.
Vendem-se 4 casas terre'as novas, lim-
a' pas, bem alngadas epar mdico pre^o:
os pretendentes entendam-se com o es-
Jfc" envo Alhayde qoe se acha autorisado
55 pelo respectivo proprieUrio a realisar as
fg referidas vendas.
BSttBaUtSSaitt
colares Royer on rolare ano-
dinos
para facilitar a denticao das crianzas e preserva-
las das convulses.
O feliz resuludo obtido immensas vezes pela
prodigiosa torca magntica dos colares Boyer, nos
casos de convulsoes, e denticao das criancas, tem
altamente elevado o sen bem merecido prestigio,
e hoje j se pode dizer que estao geralmente coo-
ceituados, e estimado de innuroeraveis pas de
familias: de ons porque do uso desses saloUres
colares viram salvos do perigo seus charos etoi-
nhos, e de ontros porque colheram daquelles tac
proficno exemplo para igualmeme preservar os
sens. Assim, pols, a aguia branca, tendo em vis-
Us a utilidade e proveito desses prodigiosos cola-
res anodinos 00 Royer, mandn vir o novo sorti-
meoto que agora recebeu, e continuara a recbe-
los para que em lempo algum a falla dalles possa
ser funesta aos pais de familia, os quaes ficaro
cortos de os acbarconsUntemente na roa do Quei
mano, loja d'aguia branca n.'8. .___________
Vendem-se
machinasnmericanas de serrote para escarcear
algodao : na roa da Senzala ova n. 42.
FABMG4
De caldeireira e iudieo de ferro, si-
los ebronic; com os escravos,
Veode-at a graode fabrica de calderelro e fun-
di^o dVtojUes da rna Imperial ns. 154 a 158 ;
o tratar cooi aviuva de Sebastilo Jos aa Silva,
na raa Nova o 35", ou na rna da cadeia n. 57.
Rogios americanos
^O-Rus laaira
E. A a us Daloncbe a rum gran-
de sorna /: aaarica ^Hfr parede
e efma do meso, com dea^^^^^Htperta-
dor, corda da oito Oias, aL lUe. veo-
doJaaaann.
Dlrofta, casa
qnov tratar.
1, ma
quem pretender di
terreo n. 58, qne achara' ah eom


A' loja 11Roa do Qvmmado11

Cnegaram pelo ultimo paquete superiores enebovas completos com vesUdinhos bor-
da i inda colchas de seda de cor e de la e seda para camas de noivas.
Grande sorlimealo de cortinados bordados para camas e janellas.
Chceos, bonete e gorros de palba de Italia para senhoras,
Percalles,cassas e cMtas Bnas dos gostos mais modernos.
Aieerieanes, releodes e chales de renda pretos.
Camisas Boas com peitos, punhos e colariuhos de linho para amen*.
Liadas casemiras de cores, lsinbas, pannos e casemiras pretas, merino a bota-





i(*
...-)
bZn Bramante moito largo a 300,2*700 e 3#200 a vara.
Taoetes e alcatifas para torrar salas e tapetes grandes e pequeos para Ma.
Camisas de flioea, colarlnhos de liaho, seronlas de liobo. .,ik'
cSdemeiaflQas,bal39sdearcos,demusielnae de madapoJSo, esparlhos
e flnos-maoBoltos bordados.
Esteiras da India para for ar
as melhoreae'por mals mdico preco.
11 Ra do1 Quelnado11
CORTES HE SEDA V-
Chegaxam pelo paquete inglez riquissimos cortes de moreantique de corea, e seta- lavraoa
-""TSTde quadros por 10000 o covado
5-R DO CRESPO5 M
Gregorio Paef do Amaral A conipanhla.
m- kb* 3Ms
HOYOS GERENTES
DOS
TRES .11ASDES
AUAZENS DE M0L4HD0S
DENOMINADOS
PftOGRESSIVO pateo do Carino n. 9
UNJ.O E COMMERCIO roa doQueimado o- 7.
YERDADEIRO PRINCIPAL na do Imperador d. 40
BE
DUARTE CARVALHO PERffiA #C
fizar saente ao respeitavel publico, e com especiatidade aos senhores de ea-
genhos, lavradores e mais pessoas do ceatro, que para mais facilUar suas compras deli-
beraran! os proprietarioa d>s tres grandes armazens, reunir todos;o seos estabeleri-
mentos em um so annuucfo, pelo qual o preco de um ser* mos que nao infringiremos a tabella qae abaso vai publicado, annunciar os generas
por um pre^o, e na occasiao da compra qaererem por outro, como socede. constante-1
mente em ontras muitas casas> porm nos nosset estabeleermentos no se- dar ato,
linda mesmo com prejuizo nos, qualquer pessoa poder mandar seos fmulos que
serlo tambem servidos como viessem pessoalmente fazendo-nos o favor de mandar seas
pedidos em cartas feixadas; para evitar qualquer engaos, remeneado nos urna conta
pala qual se. ver os preces' tai goal anr.unciarmos, o que senao arrepeoder pessoa
algama que fizer soa despenca em nossos eslabelecimeatos; pois poupar mais de
* por centona sua deipeadiaria.
i
PRETAS
2,5oOO, 20600, 3, 3#>0O, 40 a 5jJf00D*:
;> : *-.

Gros de aples preto a 10500, 10600, U, U, 3$590 e 40 o covado;
Gorgurao preto de superior qualidade a 20500, 2.J800, 30 e 40 o co-
vado.
Superiores moreantiques
covado.
Bons cortes de moreantique.
dem de gorgurSo adamascados.
Bons pannos e casemiras.
Sup riores alpacas, princetas, merinos e bombazinas.
Bons villados pretos.
Grande variedade de chales de fil preto e de guipure a 50, 60, 80,
100, 120, de m a 200, e de 230 a 800 cada um.
Superiores retondas de fil preto e de guipure a 80, 100,120 e 250,
e de 300 a 600 cada urna.
Superiores algerienes de fil preto e de guipure de 120 a 250, e de
300 a 600 cada urna.
-Boas chailes de seda preta.
Ditos de Merino preto bordados e outras muitas fazendas- pretas que
seria enfadonbe enumerar, na
IiOJA DAS CWfcUAEVJJi
DE ANTONIO CORRElA DE VASCONCELLOS & C.
BIJA I>0 CRESPO H*. 1
Manteiga ibglfifta perfeitamente flor ene
gada ltimamente a ,1,12o rs. a libra, e-
em barril ter abatimento.
Manteiga franceza da safra nova a 8oo rs.
a libra e en barril ter abatimento.
BANRA
Banba refinada superior a 64o rs. e em
barril ter abatimento.
Cha uxim de primara e superior qualida-
de a 2,8oo rs.
dem byssoa o melhor neste genero a
2;6oo re., sendo em pereSoterr abatimen-
to; tambem baproprio para negocio de 2 a
2,4oo rs. a libra.
dem preto superior, do i,8oo a 2,5oo rs.
a libra.
Latas com superior biscouto inglez de di-
versas marcas-a 1,2oo rs. .a lata.
Bolaehiahas
Latas com bolacbinhis da acreditada fa-
brica do beato Antonio, proprias para dar a
doentes de 2,ooo a 3,ooors. a lata.
dem com quatro libras de bolachinha de
soda a 2,ooo rs. a lata.
Qaeijos
Queijos flamangos cbegados pelo- ultimo
vapor de 2,3oo a 2,5oe re.
CHOCOLATE
Chocolate hespanhol a l.aoo e l~2oo rs.
a libra, francez e suiss a t.ooo rs. a libra
poroab
1110 DO
UUA DO BKUJi BK 38.
0 proprietario desle estbelecimento deseja chamar a atteneo dos sonhores pro-
- ios aos acrtiftados raechanisrnos que continua afornecer ; os quaes- garante ser,
:um, sempre, da melhor qualidade possivel:
Machinas de vapor


orr-i de 2 lk evallos para cima. As menores sao mu proprias para motore sde
id .\rucamentos de a'g>do ; as maiorjes ^ara moer canna; ha tambem que podem junta
taradamente moer canoa e destrocar segundo saas proporces. Estee vapores
. aptisBits na c .nrtruccaa. e seregera por qualquer pessoa inteligente, a facitda-
; n conducco-seuiti especialmente considerada, tanto qae no ha lugar em que nao
.wam condozir, n*:? por trra, qur embarcado. Ha com moendas juntas ou sem
- .' nodem-se appiicar a qualquer moenda j existente sem outra mudanca do que
- britituicSo das rodos da almanjarra. Ellas tem depsitos dagua e boeijos de ferro,
e q3d precisam para o seu assentamento de obra alguma, qur de carapina, quer de al-
: ira O lempo para assenta-las no excele de doze dias fo mais, e em casos de
r-o> es de animan cu arrombamentos de acudes, etc., garante-se o assentamento em
u i dias. Lembra-se aos senhores de engenho que a venda dos animaes e o servico da
itfl occupada no seu tratamento osh5o de recuperar da maior parte da despeza -

do
a
que

vjjot deixando-lhes a vantagem de urna moagam certa e accelerada; e acabando com
despeza da compra continuada de novos anlmaes. com os desgostos do trabalhoqi
se tem com elles. ,
Rodas d'agna de ferro, mu maneiras e moendo com qualquer altura
d 3CU3
sarilhs eom crnzetas de ferro para as mesmas, quando se desege fizer
c resto da roda de madeira, tornando-se assim a roda ligeira no trabalho.
Hoemdas de canna de todos os tamanhos, desde as mais pequeas chama-
das do sertao. Obra ?erfeita em feitio e acunhamento.
Rodas de espora e angulares de todos os tamanhos e proporces.
Paroes on coches para receber o caldo.
Crlvos de f ffra:ide calor com pouco combustivel, e duradouro.
Portas de fornalha de todos os tamanhos e de diversos systemas.
For nos e mtanos para a fabrica de farinha e tambem chapas redondas
pira fornos pequeaos.
Roaabas simples e de repucho.
Tafias de ferro batido e fundido e de cobre.
Foraaas de ferro batido galvanisado para purgar assucar, leves para ca
e isemptos de quebrar-se.
Alambiques de ferro de todos os tamanhos, custando s a terca parte do
proco dos de cobre, mais regulares na distillacao e igualmente durareis.
ni* e rodas de carro com mang.s de patente, obra mu segura para
carregaclO de peso. / .
Arados, grades, enehades a cavallo e outros instrumentos de agri-
cultura. E finalmente todo o objecto de que possa precisai- um engenho.
- Machinas de descaro(?aF algodi. i-
a!
Na fabrica se fazem obras novas encommenda e concartoa, coma kbft-jMSte*
solidez. O grande deposito de pecas e obiectos habilitam-na muito para- eits*|ali.
O proprietario ser sempre mui feliz de poder ter occasiao de dar mfenaacSesu
es larecimentos aos senhores qae seservirem efe seu prestio.
W. Bowman, engenbeiro.
--------
?Imagre
Superior vinagre de Lisboa a 2,ooo rs. a
caada e 280 rs. a garrafa. Tambem ha
mais baixo para 2oo rs. a garrafa e 1,too rs.
a caada.
Azeite dme
Superior azeite doce de Lisboa a 7oo re. a
garrafa e a 3;5oo rs. a caada.
FUMO CAPORAL.
Latas com superior fumo caporal a l,8eo
re. a lata. .
Passas
Superiores passas a 2,5do o qnarto e
9,5oo rs. a caixa de arroba hespanhola e a
56o rs. a libra.
CEVEBRA
Genebra de laranjaverdadeira a hr,5oo a
duzia e l,ooo re. aofraspo.
Genebra de HoianT verdadira a 6,ooo
rs. a fiasqueira o a 56e rs. o fraseo.
Ido de Hollanda em botijas a 4oo rs. ca-
da ums.
Garrafoes com 24 garrafas de genebra de
Hollanda a 8,ooo rs. o garraflo. Tambem
ha garrafoes com 5 e 14 garrafas de 3,2oo a
6,ooo rs. cada um.
VELAS
Velas de spermaeete a 64o rs. a libra.
dem de carnauba de lo a 12,ooo re. a
arroba e de 36o a 44 rs. a libra.
DR PEDft DE ATTAHYDE BOBO MOSGfiSO,
MEDICO, PARVEIRO B PBRA#R.
3Eua da Gloria, casa 2o fundi -*g
O Dr. Loba Moscoso da consultas gratuitas aes pebres todos os dias da 7 s 11
ooras da manbSo, e das 6 e meia is 8 horas da aoite, excepcSo dos dias santificado!
Phvttmacia especial hatmopaMca
No mesmo consultorio ha sempre o mais appropriao sortimeito de carteirai
tubos avuisos, assim como tinturas de varias dvmnamisaces e pelos pracos guintes
Carteiras de 12 tubos grandes. 12^000
de 24 tubos grandes. 180000
de 36 tobos grandes. 24OO0
de 4 tudbs grandes. 300000
de 60 tubos grandes: 350000
Prepara-se qualquer carteira conforme o pedido que se fizar, a com os. remedioi
Hue se pedir.
Um tobo avulso ou fraseo de tintura de meia onca 10000.
Sendo para cima de 12 custartto os precos establecidos para as carteiras.
' Ha tobos mais pequeos cada um a 500 ris.
LITROS
A melhor obra da homeopathia, o Manual de Medicina Homeopathico do 0T. Jarh
doas grandes vol ornes com diccionario V;....... 200000
Medicina domestica do Dr. Hering.......... SnftA
Repertorio do Dr. Mello Moraes........... 6^00
Diccionario de termos da medicina..........* moo
OS remedifls deste estabelecimente sao por demais conhecidos e dspensam or
tanto de serem novamente recommendadi as pessoas que quizerem nsar de remedio
verdadein, enrgicos e duradores: ha todo do meihoT que se pode desejar, globos de
verdadeiro assucar de Wte, notaveis pe sua boa eonservacao, tintura dos mais aeredi-
lados estabelecimentos europeos, a mais exacta e acurada prepara cao, e por tanto a maior
energa e certeza em seus cubitos.
Casa de saude para esefavos.
Recebe-se escravos para tratar de qualquer enfermidade u fazer-se-lhe qualguar
operac3o, para o que o annunciante jalga-se suficientemente habilitado.
O Iratamento o melhor possivel, tanto na parte alimentar, como na medica
fonecionando a casa ha mais de quatro anuos, ha muias pessoas de cujo concert se nao
pode duvidar, qae podem ser consultados por aquel les que desejarem mandar seut
doentes.
Paga-se 20 por da durante 60 dias e cKabi em diante 10500.
As operaces sera o previamente ajustadas, se nao se quizerem sojeitar aos precos
razoaveis que costoma pedir o annoneiante.
AISJIlZEvI DE FAZI VIVS
DE
'
* c
CUSTODIO CARVALHO
27 RA DO QUEIMADO N. 27
MadapolSo francez muito fino, tendo pouco mofo, cada peca com 27 varas por
1*0000.
La de cores a 300 rs. o covado.
Cambraia franceza a 260 rs. o covado.
Finos- organdis a preco de 800 re a vara.
Lencos brancos para algibeira a 20OOO a duzia.
Finas perclaras a preco de 400, 440 a 560 re. o covado.
Ricos cortes de 15a de barra de 100 a 300000.
Chales de fil preto e outras muitas fazendas.


.
e portugoez a 800 rs. a fibra, em
ter abatimento.
VINHOS
Superior vinho do Porto das mais acredi-
tadas marcas, como sejam r Madeira Secca,
PEIXE
Peixe em latas j preparada de l.ooo a
1,2oo rs. a lata
ALPISTA E PAINCO
Alpista e painco muito novo de 3,8oo a
4,ooo rs. a arroba e de 14o e-160 rs. a li-
bra.
CHARUTOS.
Superiores charutos do fabricantes Simas,
Duque do Porto, Velno Seseo, Lagrimas do g"gf J*^ lffS,6. S2
DoJro, Maria Pia, D. Luiz, Pedro V, Lagri-1 *'!?% 3, ^
mas Doces e outras marcas a l,ooo garra-
fa e 9,ooo a 12ooo rs. a duzia.
Vinbo Figueira e Lisboa das memores
marcas a 4oo e 5oo rs.- a garrafa, e a 3,ooo,
3,ooo e 4.ooo rs. a caada.
Superior vinho chamisse em barril a 64o
rs. agarrafa ea.4,5oo rs. acanada.
Superior visho de Lisboa e Figueira em
anceretasdede9caadas a24,ooofs. aan-
coreta.
Superior vaho branco proprio para mis-
sa a 640 rs. a garrafa, tambem ha mais bai-
xo para 4oo> 5oo rs. a garrafa e 3,2oo a
3,5oo a caada.
Caixas com urna duzia de garrafas de su-
perior vinho Bordeant a 7,ooo rs. acaixa e
7oo rs. a garrafa.
CAFE
Caf do Rio de 1.a e 2,1 qualidade de
6,8oo a 8,2oo rs. a arroba, e de 24o a 28o
rs. a libra.
SARAO
Sabao maga de prime ira qualidade de 24o
rs. a libra.
iMifi'3
Sa-*v
Serveja
Superior serveja Bass dos melbores fa-
bricantes, como sejam: Shlers & Bell. T. F.
Ashe a 7,5oo e 7,oao rs. a duzia e a 7oo rs.
I garrafa. Tambem ha de outras marcas
como saja: Victoria e Aloope a 5,ooo re. a du- libra; -
zia e a 5oo rs. a garrafa.
BOIGES VASIOS.
Boi5es vasios, louca ingleza muito pro-
pria para manteiga e deposito de doce de 4
a 12 libras a l,2eo e 2,5oo.
FARINHA DO MARANHO.
Farinha do MaranhSo a 240 rs. a libra.
SAG'.
Sag muito novo a 4oo re. a libra.
ARAR0TA.
temos Suspiros, ffevaneiros, Ligueiros e
outros muitos que- vendemos- por mdico
preco.
licores
Licores francezes e portogaezes a 4^)00 e
l,4oo rs. a garrafa ou frasco.
Doces
Doce da casca da goiaba era caixes a la-
tas a l,2ooo caixao e 2,8oo rs. a lata.
Frutas
Frutas em calda e em latas fechadas her-
mticamente, muito bem eufeitadas, conten-
do pera,pecego, ameixa rainha Claudia, al
perche e outras frutas a oe rs. a lata.
Tambem ha latas grandes para l,2oo rs. a
lata.
AZEITE DE REFINADO
Superior azeite francez refinado a 8,ooo
rs. a garrafa e a 9,ooo rs. a duzia.
MOLHO INGffiZ SAUCE
Molho inglez Sauce em frascos grandes
eom-roma de vidro a l,8oo rs. o frasco em
duzia ter abatimento.
BATATAS.
Gigos com 3o libras de batatas a i >ooo rs.
o gigo.
SARDINHAS.
Latas com sardinhas de Nantes e Lisboa
de 4oo a 46o rs. a lata.
FUMO AMERICANO.
Superior fomo em chapa a 1,400 rs.
Araruta verdadeiri a-4oo rs. a libra. I a duzia.
ERVEHAS
Latas com ervllhas e feijao verde j pre-
parado 64o re. a lata.
MAS3A DE^TOMATE
Latas com 1 libra de massa de tomate
Gioalata.
VERMUTH
Esta bebida muito fresca e estomac-il e
jqiuitn propria para a presenta estaejio. a
qual vendemos a 2,ooo rs. a garrafa e fS0

- Pimenta, cominho, cravo, canalla, ervadoce, alfazema, tijollo para I impar facas pa-
litos para dente, palito de fogo, a outros muitos gneros que se tornaria enfadonho
mencionar, afiancaudo cinceridade nos'preco e o bom acondicionarnento de qualquer
enero. ..f
$21___________1______________L______.-------________________i____________.
Gevadinhft de Franca M^SV^W
a 160 rs. a, libra, e de 8 libras para cjjm 120
rs.: no armazem da Liga, roa Nova a. 66.
A loja da Aar% rtrfHHtpi do Rosario n. 38,
receba ****** ******* feHoiMicadas e
proprias para qoaliaar afeita, aaaim eooao tam-
ban receben lavas 4* Jouvin. liraneas d oores
p^ra twmam e saubora muile frescas, befadas
pelo ultimo rapor, tudo tato m loja da Aurora,
lUrg, tSfiaj;,_______----
_ Vendes ama porcao de Ierro bruto, aarve
pata ulnM.de frr1rovryoT- prep) nmtw com-
modo : a trataiaa javtaqppty&!n. 1,1* andar.
****** ^ ^. *ttm&immmmjm'tapella a. a W,
na estrada nova, sagaindWtaberna a direita, depols
6 sobrado randa.: a tnrtar oa mesesa, das 4
oras da tarde em diante.
la raa a QoeiBiadi i. 40
CrtesdwlaBtibb^de eor, boaitos gostos, eom
15 covados a 3*aOO.
Casaasonandjs de cores, eomde a 2W, pecas
de alfodoaiabo largo com 17 varas ai*.
Ditas de aito com 17 varas, muito eeoewd,
eom pwraeaqdgfetto, a l#m. "._,.,'-=
Grosdewple preto muito soserior, covado 2*.
pri
>ra a fmM<0 dajjwfeaf jisn*
16fpalm7*MaMMi; 50 e
16
as
Receben grana
verdAtr.** ama
i aft, 23, "30 e Z^uuoia da iqa raidh, as qhie si) das n
' iepeio >reco de Iflt o serr, Vdttf coatinnafa a vencer, v
em fretttM da lawfica.
_
a
del-----------
fes Barbes i na ru* dV
Craiie ftkimim* e mitf^mt cm
aYaria.
Novidades do Vigilante
RA DO CRESPO N. 7.
Este estbelecimento apezar de sempre
se achar bem sonido como todos sabem,
hoja mais que nunca, n5o so> pelo que rece-
be de sua propria conta, mas tambem pelo
qae recebe de consignacoes; parece sem
duvida que deve offerecer grandes vanta-
gens para o respeitavel publico tanto em
precos como na escolha dos objectoa> a co-
mo acaba de chegar grande remessa pelo
vapor tDouro e o navio c Solferino de
diversos objectos de gosto e proprios do
lampo dos. quaes se mencionar ao alguns,
por nao ser possivel meneionar todos. O
dono deste estbelecimento espera a pro-
teccao de todos.
Riquissimas caixinhas ornadas e com
msica propria para nm delicado mimo.
Caixinhas de msica tanto de veio.como
de corda.
Rteos porta joias e necessarios.
Riquissimos estojos a feitio de um bausi-
nho ou chapeuzinho.
Ditos em casca de noz e de outros gostos.
Leques de madeperola de sndalo a de
faia e madeira.
Chapaosinbos a touquinbas de muito
a gosto para enancas.
Meias e sapatinhos de seda para as mes-
mas.
Meias de seda para senhoras.
Capellas a grinaldas de flores proprias
para casamento.
Enfeites e capellas de muito gosto para
ubora.
Riquissimos porta boquets.
Boquet de flores com urna borrachinha
com cheiro.
Luvas verdadeiras de Jffm.
Ditas de seda e de Escocia.
Riquissimas plumas e
eafeitar chapeos.
Conta e tubos de ac branco, roe ba
muito se de^ajava para wfei
Brincos, Umfas e cruzes de crystal.
Fiveas a cruzes de tartaruga,, madipe-
rola&fjNM! ^
Amnetes(par*gjratas.
Botoes com croas paca punhos.
Grafatinhas e mantinhas de muito gosto,
tanto para homem como para senhara.
uisSimos aderecos pretos, assim como
com alfinetes Timos.
Beagallas de. canoa, com cabo da mar
Ditas da baleia, borneha e de ootr;
itas quaHdades, assim como chjcotinhci
Riquissimos peales, de tartaruga do ul'
3 gosto; assim como da arregaco pa
ania, pois neste artiga na um cemple
rtimento da todas as qnadades.
Diademas para cabera do ultimo gasto
Riquissimas fitas lavradas e fizas.
Iranoaa pratas com Vvliitt a de adres,
"selfaa ftnto para senhora"&*-

MACHINAS DE PTENTE
DE TRABALHAR MO PARA DBSCA-
RugAR ALGODAO
FABRICADO POR
PLANT BfiOTHERS & G.
OLBAM.
Estas machi-
nas podem des-
carocar qual-
qner espacie de
algodio sem
estragar o fio,
sendo bastante
duas pessoas
para o traba-
lho; poedes-
carocar urna
arroba da al-
godio em ca-
roco em 40
minutos, eu
18 arrobas por dia ou cinco arrobas de al
godolimpo.
Assim como machinas para serem movi-
das por animaes, que descarecam 18 arro-
bas de algodo limpo por dia; e motores
para mover urna, duas ou tres dessas ma-
chinas.
Oa mesmos tem para vender um bellissi-
mo vapor que pode fazer mover seis destas
machinas mencionadas; para o que convi-
dare aos senhores agricultores a virem ver
a oxamina-lo, no a mazem de algodao, no
largo da ponte nova n. 47:
Sauuders Brothers A C
Recife praca do Corpo Santo ;n. H.
Os nicos agentes neste paiz.
O castlo de Grasville.
Traquido d frasee i per A. J. C. it Cris.
Yende-sa esta bello romance em qnatr
tomos pelo baratissimo preco de 3|>00C
oa praga da Independencia, livraria ns.
3 e-8.
Prameisco Jos (icimno
. RA NOVA N. 22,
acaba de receber um lindo e magnifico asr-
timento da oculos, lunetos, binculos, de ul-
timo a mais apurado gosto da Europa e atu-
ra las de alcance para observares paraos
k. W--- | -,H nnna lio. malhnr flA Ura
acher travesseiros : vende.se oa roa
d* Dens, no armaEemfjTJOto a' igreja.
Laade ba/r
i, oque de raahor
da-ai
luto apa.
RaaitMfaitasi
Vende-se roupa felta, sendo calcas
pardo a 2J, ditas de arff |rancodelinl
e 4J, calcas de casera.
tas de cores, meia casi
de casemira a 64, 7d e 83, paletots
decrese
13*500
8#, *-
33500, ditas
de brim d
anatas*, 33300 e 33, ditos
a 4JUS0Q, dllos de
.cjsamiae.-oQ!
pannpBretaa.fi
13600, tmm
136O0et#W0,c;
peitos de cores a .
abo de pregas largas a 1390% 33:
ra da IperaifJa>,tojatda AfW. Sd,
Em casa da- ftebe Schmettau & C,
ra da Cadeia a. *8, vende-se:
Champaaba.
Cognac do superior qnahdada..
Vidros para espelhos d todos os tama-
nhos tudo a precos moito oanmodoe*
.>
>
/>
-' -i
^:
al



) '
'
>
*
?

\
)
l 'l
LOJA

ENCICLOIEDIOl
laa da laaaerntrU
4a W+rt* larga a,
amato a avadarla trodcesa 4a
Paredes Paria.
Neste estabelecimento encontrar o respeilavel
publico nm variado sortimento de fazendas france-
sas, inglexas, sulssas tMIetoes, qae se tenderlo
por pree, commodo.
Paredes Perla
Vende chiles de renda da cores que se vende-
rain a 18 est vendando por 6*. ditespretos, fa-
tenda nova, Si, 6*. 8* a 20*. nm sortimento com-
pleto de manteletes, capas e soutarobarques 14* a
55^. Ra da Imperatntn. V.t, junto a padarla fran-
cesa, armazem da porta larga.
Paredes Parte
Receben om complete sortimento de llasinhas a
140, e 280 rs. eovados, para acabar, cambraias d
cor a 140 rs. o corado, riscado escossez para nm-
Kt de menino, fusto de linho a 420, 400 e 500 rs.
na da Imperatriz d. 52 junto a padaria franceza.
armazem da porta larga.
Paredes Parte
Receben para cortinados para cama francea a
114 peca eambraia lisa fina a 34 44 at 104 a
peca, cortes de tarlatanalde bonitos gostos a 34500
44, eambraia com flor de seda, gostos inteira-
mente noves a 100 e 800 rs. o corado, no armazem
da porta larga n. 52, ra de (mperatrii junio a pa-
daria francea.
Paredes Parte
Receben pelo ultimo paquete um sortimento de
cruies com podras para o pescogo, bonitos caxinels
de lia para pescogo de senhora. Roa da Imperatrii
n. 52, armazem da porta larga.
Paredes Perte
Vende cortes degnrguro preto para vestido com
51 covados cada nna 354000, grosdenaple preto a
14600,1*800 efi* o covado, lias lizas finas a 400
rs. o covado, lias de quadriribo para vestido, enfes-
tada, a 320 rs. o cavado, fina da ln.pfalriiB.aa,
armazem da porta larga.
Renpa f(Ht
Rna da Imperatriz n. 52 armazem da porta lar-
ga junto a padaria franceza, eocon tra-se neste es-
tabelecimento am completo -sortimento de paletos-
saceos e sobrecasacos, de todas as qialidades, cat-
eas, cohetes, ceroulas, camisas, grvalas, meias,
cbapos de sol, ditos franceses para cabera, por
prego* commodos, ronpa para menino contras
muitas fazendas por pregos commodos, armazem
da porta larga.
Ne mesmo estabelecimento encontrar o respei-
tavel pobtico, sempre um completo' sortisreoto de
roupas fitas de todas as qualidades, como sejam
paletos 4e alpaca preta ede cdr, ditos sobreeasa-
cos a 44 e 54, ditos de brim pardo a 94800, 34 e
.'-4500, ditos fino? a 4*, ditos meias eezemira a
34500, 44 e 54, ditos eazemira saceos a'4, 74,84
M4, ditos sobrecasacos a f0 e 124, ditos de pan-
no saceos a 64, 84 e 104, dites sobrecasacos a 124
e 284, ditos de merino preto a 64, 74 e 104, cal-
cas-de brim de diversas qualidades a **800 a 44,
ditos brancos a 24500 e 64(0, ditos caeemira 54,
64 e 74, dites pretos a 54. 64, 84 -e 104, ditos
metas cazemiras a 34 e 44, coletes de diversas
cualidades, seroulas francezas de algodio, ditas de
itabo, ditas de bramante a 24 e 24500, carnizas de
Glgodo de linho francezas de 24500-e 34. Gran-
de pecnineha neste genero, grvalas de todas as
<;aalidades e brancas para casamento, grande sor-
'-iment de meias para senhoras, ditas para homens
34, superiores a 34500 e 45.
Um completo sortimento de cbapos de sol de
- Ipaca a 34, ditos de seda a 54, 74, 104 e 144,
ditos francezes para cabega, grande sortimento
a aj
_ ^Vestidos
sFwlaaaeha sen igual
Cbegon a loja de Paredes Porto um bonito sor-
timento de vestidos de tarta I ata de-cores e branca
que serve para prfidas por ser urna pbantasia ln-
teiramente de gosto pelo barato ..prego de 44 e
brancos a 44500, estao acabando-se : no armazem;
da porta larga rea da Imperatriz n.32, junto a pa-
daria franceza.
Cortinados,
Cbegon a loja de >"aredes Porto W completo
sortimento de cortinados ricamente bordados a
prego de 254, 333 e 454 : na roa da Imperatrr
n. 52, porta larga junto a padaria franceza.
Ricas romeiras.
Paredes Porto receben pele ultimo paquete um
sortimento de rorneira de guipore pretas e de fil
a prego commodo : na ra da Imperatriz n. 52,-
porta larga junte-a padaria franceza.
SALSA PARRILHA DE AYER
PARA A CURA RADICAL
de Mrofulas e molestias crofutosas, tnmores, alteras, chagas, feridas ve-
lasa, bronclwcele, papo oapapeira, a syphilis, enfermidades venenas ou mer-
curia&s.
AS MOLESTIAS DAS MULHERES
retolo, menslro deloroso, ulcerares do tero, flores brancas, etc., ulcera
co, debidade, expoliac5o dos ossos, a nevralgia e convuisies epilpticas
quaoio causadas pela escrfula.
-_ fRTSPELIS ERPES; ETC. ;;
Enferiald ades cntaneas, erapcio, borbnlhas, pustnlas,
naeldas, etc.
O extracto composto de falsa parrilha, confeccionado pelo Dr. Ayer, urna
combinado dos melbores depurativos e alterantes conhecidos medicina; confeccio-
nado segando as regras da sciencia, approvado e receitado pelos primeiros mdicos dos
Estados-Bidos da America do Sul e Central, das Antilhas, do Mxico e das Indias, e
muitas outras partes do mundo: o resollado de estudos apurados e minuciosos, e de
experiencias feilas pessoalmente pelo Dr. Ayer, por amitos annos, nos principaes nos-
pitaes e enfermaras da America ; tcm sido approvado pelas academias de medicina e
juntas de hygienne das principaes capitaes da America do Norte; paraprova disto vede
os attestados authenticos no Almanak e Manual de Saude do Dr. Ayer, os qoaes se dis>
tribuem gratuitamente nos logares onde se vende o remedio.
T A SALSA PARILHA DE AYER
Especialmente efflcaz na cura das molestias que tem sua origem
/ na escrfula, aa lofeccao venrea, no usa
exeesslvo de mereut fo en qnalqucr Impureza do sangue.
A molestia oa infecc5o peculiar, conbeoida pelo nome de escrfula, um dos ma-
les mais prevalientes e universaes que ba em toda a extensa lista das enfermidades que
atacan a nossa raca; disse um celebre escriptor da medicina que mais de urna terca
parte de todos aquellea que morrem antes da velbice s5o victimas, ou directa ou indirec-
tamente de escrofela; por isso s nao 13o destructiva, porm a principal causa de
muitas outras enfermidades que nao Ibe so geralmente attrifcuidas.
urna ansa directa da ttisica pulmonar, das molestias do ligado, do estomago
e affeccoes do cerebro; entre seus numerosos symptomas acham-se os seguintes: felta
de appetite, o semblantepalido e enchado; ssvezes de urna alvura transparente e outras
vezes corado amarellento rregnUr, fraqueza e moeza nos msculos ao redor da boc-
ea ; digestSo fraca e appettite, falta de energa; ventre encbado e evacuarlo irregular;
quando o mal tem seu assento sobre os puimoes urna efir azulada mostra-se em roda dos
olbos ; quando ataca os orgSos digestivos, os olhos tornam-se avermelhados; o bali-
to ftido, a lingua carregada; dores decabeca, tonteiras, etc. Naspessoas dedisposi-
C5o escrofalosa apparecem frequentemeote erupcfjes na pelte da cabeca e outras partes
do corpo; sao predispostas s affeccoes dos pulmes, do flgade, dos rins, dos orgos
digestivos e uterinos. Portento, n5o sao somante aqueltes que padecem das formas tul-
cerosas e tuberculosas da escrofula> que necessitam de proteccSo contra os seus estragos;
todos aquelles em cujo sangue existe o virus latente deste terrivel flagelk) (e s vezes '
GRAJSDE ESTABELECliEXTO
o

M. 60
imperatriz,
DB
GAMA & SILVA.
LOJA I ABMAIU DB PAZCMDAS.
Tendu os proprietarios detrte grande estabaleci-
manto feto um grande abatimento em rauiUs da
soas razendas, pela occasiao do balango que deram
no ultimo dedezembro de 1863, resolvern vender
rotulo mus barato do que costumam afJm de cada
vea mais agradaren) aos seus numerosos fregu-
; por tanto Thes offerecem um avuiado sorti-
Crtes de eambraia com palmas na leja do
Pav3o.
. Veiem-se cortes d eambraia branca com pal-
mas, sendo fazenda multo boa, pelo baratissmo
no de JJjoOO para acatar : aa loja e armazem
avio na ra da Imperatriz o. 60, de Gama &
Silva.
Chitas al 80 rs., sdPavo.
Vende-se 9 mais bonito sertiaeolo de chiras in-
tleiaa,padr5es mindinhos, clare* escoro?, e ten-
ao taiBbem rozas para luto, afianzando-se serem
cores flxas, e veadenMe pelo tiarafissimo prego de
n^J212?ns covad. oa a pega c^m 38 covados
. !Z> y?T : im M 'J* e armazem do PavSo"
LCBCOS brancos a IfOOO reifl a ra 4 Imperatrit D. 60, de Gama d, Silva.
ua
Vestidos l.raocos.
!?J,".!.,'.eAud0? eambraia branca com .booi-
duzia.
Vendem se lengos braneos fazenda muilo boa
pelo baratissmo prego de 2 a dnzla, Ditos com
bacn de cor a 2#000 isto para acabar na toja d- j tas barras to7slranc7s""!?m' fnmn .ftm 1
jvkp M roa da Imperatriz 60 de Gama A Sio Je eorej^ndo fazenda tr.ns5rent?0e muilo nn"
Popelinas modernissimas a 400 e 500 rs. da e wnden4e'ttS Jn?^
0 COvado na loja do Pav30. 11*.: l0)* f0c?** na ra da Imperatrii n.
Yendem-se ponpelinas multo finas sendo fazenda l g a.e bai5a Sll1va-
S.-M fazendas francezas, inglezas, aa qoaes muito moderna de quadrinhos e l vendendo-se' LorteS de Ul la lana na lea do Pava
SiVVS"!? d0 que "1 .u,ra flB,flW ^,<^b1,,?s pre08 de i0 e S0 covado na I Vendemseos mais modernos corte de urJuLak
B. ? T"HDd0,M a mandar levar qnil,,rer M Pavi0 na rua da ^f n. 60 de Gama com as mais lindas barr.as de eorVpelo baatSlmo
fazenda em casa dos freguezes que tjSo podwem A Silva. ^ i Dreco de Meada um sendo net M,rn n ,ih
o'ne'nK' SS M lIS^ de,XaDd fie" *daples pretOS do PavSo. SSU%*&, Jo meSo : i to na ojaeffia ms
S -2?*-'?^*** a? P^8* q.M Vendem-se superiores grosdenaples pretos pelos zem do Pavo na roa da Imperatriz n. 60 de el-
menor escala que neste grande esta-1 baratissimos pregos de i500, 1*600, 1*800 e 2* ma & Silva. '
o covado, sendo fazenda moiio boa, s
beleeimento encontrarlo nm grande sortimento
f ^f prec?,s 2u,e coraPm as casas ingle- wtriz n. 60, de Gama & Silva,
zas, senao com o dinheiro a vista.
bar
para ac-
Astaalhas de lioho do Pavo.
Vendem-ss superiores toalnas de Iinhos para
rosto pelo baratissmo preco de 71S0O a duzi* ou
a 640 cada urna.
Goardanapos de lnbo adamascado para meza
23800 a duzia oo a 240 rs. cada um.
Superior atoalbado de hubo cora oito palmos de
largura sendo Lranco e pardo, e vende-se mais. ba-
rato do que em outro parte, na loTa do Pavo na roa
da Imperatriz n. 60 de Gama & Silva.
Os corpinb08 oe seda pretse-do Pavao.
Vendem-se os mais ricos corpinhos de seda pre-
tos, ricamente enlejiados,.pelo barato prego de 12*
cada um : na loja do Pavao na rua da Imperatriz
n. 60, de Gama & Silva.
Meo* vestidos a &0OOO rs.
teebneba adjravel.
S o Pavo receben pelo ultimo vapor franeei
um grande sortimento dds mais ricos cortes de
vestidos transparentes" com lindas barras e enfeites
de seda, sendo estes vestidos muito proprios para
baile e passeios, e vendem-se pelo baratissmo
prego de 8*000 rs. cada om, na loja do Pavft na
roa da Imperatriz n. 60 de Gama & Silva.
Os chafes pretes de reda de Pavia a $000 rs.
Vendem-se os mais ricos chales pretos de renda
com qnatro postas, senda- muito grandes pelo ba-
ratissmo prego de 8*. .
Ditos de goepure a 15*, 18*, 20*, 2o*.
Retondas de dito a W*.
Manteletes de renda, lazenda muito superior a
15*000.
Capas e saotbambarqnes de grosdenaples bor-
tra loja e armazem do Pavao, rua "da Impe-
ama & Silva.
Bramante de linko do Pavao.
Vende-se um engenho
d'agoa denominado Triompho na comarca de Ssn-
to Antao junto ao engenbo Coqoeiro, com terrtfs
tender nafra dingir-se a rua da Praia n. 76, para
tratar at o flm do crreme mez de abril.
Vende-se e faz-te todo negocio cem o depo-
sito da rna do Vigario n. 29, moito proprio pera
om principiante que qneira principiar sua vida
com ponco dnbeiro ; ao comprador se dir c mo-
tive da venda.
fiiZ.
No armazem da rua do Imperador n. 3
Caes de Pedro II n. 2, tem para .venderse
____*or gaz existente no mercado.
oa nc
o me-
-+.
hereditario), estao expostos tambera a eoffrer das enfermidades que elle cansa, qne s5o:' K?Ssfai^da 'D'?l"Se^V,p0Dr pre50S B*'8 nll'i" t i a h\/\
' A tistca,_nkenaces de figado, do estomagoe dos rins; eropcoese enfermidades ^J^'^iS^tSStnm^M, WOSdenaple pretO a lj?600.
n,!Le 5'iei.,Uperior LramaDle de,Hnh. com ,101 Para ffreJr de 500 a~800 pe^ epio'boVs obr,
palmos de largura, proprios para lengoes, pelos I casa de vivenda por prego commodo : quem o ere
baratissimos pregos de 2* e 2*600 a vara, assim ---------
como panno de linho muito fino pelos baratissimos
pregos de 640,700 e 800 rs. a vara : na loja e ar-
mazem do-PavSo, rua da Imperatriz n. 60, de Ga-
ma & Silva.
Cambraias lisas do Pavo.
. Vendem-se pegas ae eambraia lisa muito sope-
or, pelo barato prego de 3*200 e 3*500 a pega,
ditas muito finas a 5*, 6*, 7* e 8* : na loja e
armazem do Pavao, rua da Imperatriz n. 60, de
Gama l Silva.
PECH1NCHA I
a 26000, para calcas, s a Pavo.
Vendem se superiores cortes de meia casemira
com msela de seda a 2*, ditas Garlbaldlnas a
2*800, ditas escoras a 2*800, ou a 1*600 o cova-
do : na loja e armazem do Pavo, rna da Impera-
triz. a. 60, de Gama & Silva.
PENTEADORES
u ronpoes de eambraia bordados proprios
iara as senhoras vestirem de manbSa.
hegou esta novidade pata a loja do' Pavo,
muito lindos e do meibor gosto at boje, por pre-
gos muito razoaveis: na loja do Pavo, rua da
taperairiz n. 60, de Gama & Silva.
Cassas francezas a 240 rs. o corado.
Vendem-se bonitas cassas francezas de eores fi
xas pelo baratissimo prego de 240 o covado.
Ditas a 280, 320 e 360.
S na loja do Pavo, roa da Imperatriz n. 60, de
Gama & Silva.
Fejao,
Vendem-se saccas con feijo amarello, branco
rajado e preto, mais barato que em qualquer par-
te : na rna da Madre de Dos n. 5.
5$000
Cortes ae laa escocesa para vestido c 3* o cor-
te : na rna aa Imperatriz n. 52, loja da porta lar-
ga, junto a padaria franceza, estao se acabando.
Para luto.
Laas pretas com salpicas brancos a 400 e 500
rs. o covado : na roa da Imperatriz n. 52 junto a
padaria franceza armazem da porta larga.
1#400
A tsica, olcenaces de figado, do estomago e dos rins; eropcoes-e enfermidades
eruptivas da cutis, rosa ou erysipela, borbnlhas, postlas, nascidas, tumores, rhenma,
carbonelos, ulceras e cbagas, rneumatismo, dores nos debilidades femininas, flores brancas causadas pela ulceracao interior, e enfermidades
uterinas, bydropesia, indigestao, errfraquecimento e debifcdade geral.
Offerecemos a estas pessoas um abrigo seguro e um antidoto efflcaz contra esta
molestia e suas cossequencias na
SALSA PARRILHA DE AYER
qae opera direcfciaente sobre o sangue, purificando-oe expulsando deile a corrupto e o
veneno da molestia; penetra todas as partes 4 todos os org5es do do-os da sua acc3o viciada e inspirando-lhes novo vigor. om alterante poderosissimo
para a renovado do sangue, e d ao corpo f enfraquecido pela doenca, forcas e ener-
gas renovadas como as da joveutade.
E tamfoem o ielhor anty-^yphilitico conhecido
cura permanentemente as peiores formas de tsypbilis e as suas consequencias. Pcwca
necessidade ha de informar o publico do mestimavei valor de om remedio que, como
este, livra o sangue desta corrapc3o e arrebata a victima das garras de urna morte lenta
e ignominiosa, iporm inevitavel, se o mal nao logo combatido com energa.
E um poderosissimo alterante para a renovacao do sangue e para dar nova fer-
ia ao corpo j enfraquecido pela doenca.
Sendo omposto de productos vegotaes, esie medicamento innocente e aoaies-
rao te rapo efflcaz, uih facto de imraensa importancia para aquelles que o tomam ; por-
que muitos dtjsn'emedios alterantes offerecidos ao publico tem por base o mercurio ou o' Gama"& "s\iiV.
arsnico; e sendo assim, bem quesvezes pedem-effeclHar curas, eoratudodeiiam suas Cambraias de forro
victimas carregadas de urna Icnga serie de males, -muitas vezes peior do que o mal ori-
ginal. A uniea-cousa necessaria para obler urna cura radical seguir com juizoe cons-
atncia as diree5es que acompanbam cada frasco.
N5o pretendemos promulgar, nem queremos que se infira que esta composic3o a
um remedio itfallivel para a ura de todos os padecimentos humanos; infelizmente
escrfula e a sjiphilis sao enfermidades So sulis as suas naturezas, e arreigam-se tao
firmemente no sjstema, que muitas vezes evadem e resistem aos remedios mais pode-
rosos que a sciencia humana pode inventar para combtelas: o qne dkemos que o
Extracto wmposto de salsa parriHia d Ayer
l- a melhor preparacao at hoje descoberta para estas e outras molestias anlogas, que
urna corabinaese dos alterantes mais efScazes conhecidos, e que esta corabinacio tem ido
regulada por langas e laboriosas experiencias, e finalmente que temos eonsciencia de of-
ferecer ao publico o melhor resultado qwe possivel produzir, da intelligencia e pericia
'medica dos nossos tempos.
Este remedio deve ser tomado com sjstema e regulandade, e n5o com abandono,
pois um remedio e n5o bebida.
Quando ae molestias do figado nio tem sua origem na escrfula, o remedio
mais proprio aspilulas catharticas de Ayer, que sao efficazesca cora da molestia, que
rh por causa om desarranjo dos orgSos digestivos. Pedi a salsa parrilha de Ayer e
nao aceitai ootra preparac5o.
Qoalquer parle
Isto na loja armawm do Pavo na roa da Im-
peratriz n.t0 de Gama 4 Silva.
Oscbates do pavo a 2ooa e 25oo rs.
Vendem-se chales de merino eslampados a 2*
2*500 cada um.
Ditos de menn liso a 3*500.
Ditos estampados de opepon a *, 7*, e 8*000.
Ditos pretos bordados com franja de seda a 14*.
Na loja e armazem do Pavo na ruar da Impera*
triz a.00 de Gama & Silva.
Para luto vende o Pavao.
Setim da Cbina cem O palmos de largura, fazen-
da preta para luto, propria para vestidos e ronpas
para -homens, sendo esta nova fazenda sem lustro e
de muito boa qualidade, garantindo-se nao ficar
rus?a com o tempo e veide-se pelo barato prego de
2* e 2*500 o covado, assim como neste estabeleci-
mento tem um graede sortimento de todas as fa-
zendas pretas como ejam cassas e chitas pretas,
las tapadas e transparentes, princecas, alpacas,
sarjas, etc. : na loja e armazem do Pavo na rua
da imperatriz n. 60,-de Gama & Silva.
Os bitoes do Pavao.
Vendem-se superiores bal5es de mugulina com
motta roda a 5*., ditos crinolines com 33 arcos*
3*800, ditos com 00 e 25 a 3*, ditos para -meni-
nas, sendo brancos e encarnados a 2* e 2*500 :
na loja do Pavo i rna da Imperatriz n. 60. de
!.
Chapee* de
Veudem-se ehapos de sol de panno a 1*400 t
urna grande pechincba s para acabar : na rna da
Imperatriz n. 52 armazem da porta larga de Pare-
des Porto.
A I 500.
Veadetn-se pegas de tranga preta para entees
de vestidos, sootembarqoes, capas de senhora a
1*600 com 10 varas, nma grande pecbincba : aa
roa da Imperatriz n. 32 jauto a padaria franceza.
48000
Chales de renda pretos.
Vende se cuales de renda preto a 4*000, uniec
loja qne pode vender na roa da Imperatriz 0.52,
armazem da porta larga, de Paredes Porto.
ills.&l-l-i^&ili
Pern^mbuco, rua Nova n. 18, pbarmacia francezade P. Maurer C.
VENDE-SE
a
a o.
O. (A en
afih
gti w s
B*-a.sf-9 3 s
S H o e
fff8l
6~ co "9 ~
4> .
1
g-
UfflP
p 5
a f?zr. O.P.
si
*.?*
en --S5
o,
l!
a S> P
-i *>
o r n
1
2.
P -1
2 2.
cr
s o*
D
5"
lili
S P o
o
o.- g
B
Bren em barrhr peqtioas. ~
Cera eoi velas de todos os tacaanbes.
Bagaaa.
lerctrio.
la rua do vifario n. J9, primeiro andar.
Vaade-se um aerara {taca, eugeuho,
sgurae-------
de boa Igura e mestre carreiro
do Quemado a. 44.
a tratar
ciioulo
na roa
Qqetjps do serlao
Teode-aa anarIit quaijri ao swiio: na rua da
Madre Oe Seos, armazem junto a igreja.
armazem de H. f. Ramos c Suva & aro. ft rna to vigario
n. 14, eonatantemnte, nsaegninica artigas, ]ne
recefrem por eocomnenda propria de
Legitima salsa parrilha de Bristol, preparada por Lanman & Eemp.
/ Verdadeira agua Florida, preparada pelos mesmos.
ag em latas de cinco ga!5es, o mais purificado que se pode desejar da acredi-
tada marca F. W. D. & C.
Relogios perfeilos reguladores, com corda de quatro a oito dias, dos afamados fa-
bricantes E. N. Welch.
Graiza em latas grandes da bem conhecida marca las. S. Masn (de Pbiladel-
ph).
Superior oleo para machinas de costura.
Agulhas para as mesmas.
Breu em barricas grandes e pequeas.
Vende-se tambem:
a 1^606 e 20 na loja
do Pavo.
Vendem-se pegas de eambraia de forro com no-
ve varas cada pega, pelos baratieetmos pregos de
!*6S0 e 2*: na loja e armazom.itn Pavao na rua
da laapcratrii o. 60, de Gama & Silva.
Os cortinados do Pavo.
Veudem-se superiores cortinados adamascados
para camas pelo baratissimo prego de 1* cada par,
ditos muito Anos ricamente bordados para camas
ou Mellas a 15*, 20 e 25* o par : na loja e ar-
mazes) do Pavao Da roa da ImperatriE n. 60, do
Gama & Sirva.
Panno preto a 25 na loja 4o Pav5e.
Vende-se panno -preto. fazenda moito boa, pelo
barato prego de 2* o covado, dito muito boa a
3*500, 4*, 5* e 6,5, assim como casimira preta de
cordo a 2* o covado: na loja do Pavo na rua da
Imperatriz n. 60, de Gama & Silva.
Os espartilhos do Pav3o.
Vendem-se nma grande e variado sortimento de
espartilhos dos mais fam feitos que tero Iviodo ao
mercado, sendo de todos os tamanbos, vendendo-se
por om prego muito racoavel : isto na loja do Pa-
vo na roa da Imperatriz n. 60, de Gama & Silva.
As salas bordadas do pavo.
Verinem-se saias bordadas sendo fazenda moito
boa, sendo ricamepie bordadas e com moito roda Uende-se por prego em conta por ter ebegado em
vendendo-se pelos baratosjregos de b* 81 e.lO* direitora para a loja do Pavo, rua da Imperatriz
E' grande pechincba!!
Vndese grosdenaple preto, sendo muito encor-
nado e de boa largura, pelo baratissimo prego de
1*600 o covado : na rua da Imperatriz n. 60.
Os cachinez do Pavo.
Vendem-se bonitos cachinez de la ou agazalhos
para cabega pelo baratissimo prego de 3*000, s
na teja do Pavo, na rua da Imperatriz n. 60.
MANTAS PARA O PESCOgO
a 1*, s o Pavo.
Vendem-se bonitas mantas para o pescogo, pelo
barato prego de 1* : na loja do Pavo na roa da
faparalrii n. 60, de Gama & Silva.
ladapoles a 3,500 rs. a pessa.
S na loja do Pavo.
Vende-se pegas de madapolo fino com 12 jar-
das, pelo barato prego de 3*500 e 4*000.
Chales de renda.
Na loja do Pavo.
Receberam-se os mais lindos cbales pretos de
renda, assim como as mais modernas e compridas
retondes, e manteletes da mesma tazenda, e vende-
se mais barato que em outra qualqner parte: na
loja e ajroajem do Pavo na rua da Imperatriz n.
00 de Gama & Silva.
% frtlor a 31.0 rs. o covado.
Para caJcas.
Vendem-se superiores castores mnito encorpados
padres esenros pelo barato prego de 320 rs. o co-
vado, servlndo esta fazenda tambem para escravos'
por ser de malta diirac.ao ; oa.ici* c tiuimcui ik.
ravao roa da imperatriz n. 60 de Gama & Silva.
Chapeos para meninas a 6,000.
S na loja do Pavao.
Se vendem os mais bonitos e mais bem enfeita-
dos cbaposiohos de palha da Italia, proprios para
meninas, pelo baratissmo prego de 6*000; na loja
a armazem do Pavo na rua "da Imperatriz n. 60
de Gama & Silva.
Attenco.
ULTIMA NOVIDADE
PENTES, ENFEITES, CINTOS.
Gama & Silva, acabam de receoer pelo ultimo
vapor francez, nm grande sortimento dos mais ri-
cos enfeites pretos e de cores proprios para cabeca,
sendo guarnecidos com as mais lindas flores, e com
voltas das mais bonitas perolas; assim como os mais
modernos e engranados pentes da verdadeira tar-
taruga, marebetados sendo a oltima novidade
qne tem viudo de Pars, e os mais ricos cintos com
Otos malhisadas e Gvelas largas, conforme ltima-
mente se osa as primeiras capitaes da Europa, e
SAB0!\ETES
medicinaes de atcatro
Retnedio'efficaz contra as doengas cutneas, as
caspas, ioipigens, bort.uli.as, comiches, pstulas e
sarnas ; na pbarmacia do Pinto, rua larga do Ro-
sarjo n. 10. ^^__^
Algodo avari::do
A preco de S# cada peca.
N 27 Rua do Queimado.N. 27.
Armazem das machinas
06-Rna da Cadeia do Reeife--bO
HORua da Sinzala VelhaUQ
Silva 4 A Ivs
Avisara aos senhores agricultores e aos seus fre-
guezes era geral, que acabam de receber de New-
York um completo e vanado sortimento das ver
dadelras machinasNoite Americanaspara des-
carogar algodo ; as qoaes vende pelo prego de
10*000 o serrote. Os senhores pretendentes po-
dero se dirigir ao seu estabelecimento a rua da Ca-
deia do Recife n. 56 oo ao armazem da roa da
Senzala Velha n. 140.
Vende.se nma preta crioola, moga e robusta,
com principio de coziuba : na rua do Queimat'c
loja o. 44.
Escravos fgidos
s.
V
BORDEO;
4. fialidade.
SU Estepbe.
St. Men.
C. Margaux.
C. Lafitte.
.Medoc.
I Principe Real.
Pedro T.
Mara Pia.
Prioceza D. Isabel.
1* quaMade, Tictor Emmannel.
Duque,
la.
Vinho fino do Porto embarris de 5/, 10/ e 20/.
Superior vinbo doRheno.
Cera de Lsboa tn velas e em grome.

*? RUA OO QIJEIXA
tadapolcn.
finas pecas de madapelo com 20 varas a 9$.
LENCOS,
Lencos de eambraia branca, duzia 20.
dem de cores fixas para meninos, duzi 204007
Caaafcralas.
Cambraias de cores a preco de 260 a 900 rs. o covado.
Cinardaaapos.
Goardanapos de linho, doita 30500.
AlgadSo.
Algoflfo trancado de dtas larguras, proprio para toaiaas do mesa, a proco de
10300 a vara.
transte.
Soperior bramante de tnbo inglez e fraoeez.
[ Cambrait de linho propria para leocoe.
aTOtUfaUX).
Atoaihado braoos para oooo a 1|600 a vara,
Entmrm*mjgmf*\ itaaawtsanoi, preco <0.
Lencos de sw para algeira t <#C00,
reis cada urna na loja do Pavao na rua da Impera-
trir. n. 60 de Gama & Silva.
Bretaabaa de ralo a 3004)g
Vendem-se pecas de bretanba da rolo com 10
varas cada pega, pelo baratissimo prego de 34 :
na loja e armazem do PavSo, rua da Imperatriz n.
60, de Gama & Silva.
Roaipa fella.
Na loja do PavSo
Venderse ueste estabelecimento om grande sor-
tmenlo de roupas, tanto de panno como cazemiras,
e bros e pelos barallssimos pregos como sejam
calcas de caxemira preta & 6$ 7ie 0$00 reis, pa-
letots de panno preto saceos a G 8 e 12^000 rs.
ditos sobrecasacos de panno flnistimo a 124 18* e
25*000 reis, e ontros muitos rticos que serla en-
fadonhos aqoi relata-los; s na loja e armazem do
Pavao roa da Imperatriz n. 60 de Gama 4 Silva.
Loja do Pavao
Grandes perfiladlas.
Sediabas a 500 rs. o covado
Sedinhas a 300 rs.
Sedinhas a 500 rs.
Vende-se na loja do PavSo, nm grande sortimen-
to de.-einhas iistradn com smale bonitas cores,
stny m padrOs mais novos qne tem vindo m mer-
cado* e vende-se pelo paratisslmo prego de cinco
tosjoes o covado, sendo fasenda que valem muito
osis dinheiro, e d grande pechincha'por se ter
comprado nma grande ponida desta faseuda, na
loja e armazem de fasenda do Pavo, roa da Im-
peratriz n. 60 de
Lasmhas matisadas a 320 rs.
Vendom-se as mata liadas laasioftas malieadas
com os mais bonitos desenbos, pelo barato prego de
320 rs. o covado ; na loja do Pavao a roa da Im-
peratriz 0. 60 de Gama & Silva.
Os chales de guipare a 12Jf
160000,
Vendem-se os mais ricos cbales de Guipore e de
renda de linho e seda, pelos baratissimos pregos de
12* e 16*; grande peehincha em relaglo a toa
qualidade e tama uno de lies: s na loja de favie,
rua da Imperatrit n. 60, de Gama Si Silva,
Ldazinhas a 200 rs ,so
Pavo.
Vendem-se modernas laaznhas com lindlssimos
gostos, pelo .baratissimo prego de 200 rs. ; gran-
de, pechtacha : s na lofa do Pavao, roa da Iaape-
ralrn n. 60, da Gama 6 Silva.
j Mu largas
' Na loja do Pavao,
Cbegon tara a loja do Pavao um aooderBiaaSw
sortimento das maU liadas sedas para vestidos,
seado ornas de listrinhas e ootrls de fferziobas
con) as mais lindas eores, e algunas proprtaa para
as teabaras qaa attiverem da asa vosdasMa
pelo barate preco 4 2*000 o covado, leadaatu
fazenda quatro palmos da largara, que facilita fa-
zer-se um vestido com poneos covafci, isto u
loja e armasem do Pavio Bt rot ttif
00 Oa Gana & Silva.
n. 60 de Gama & Silva.
s rotondas do pavo a 8 e lQ.s,
Ven jem-se as mais ricas rotandas de renda pre-
ta, sendo mnito grandes, qne sao as que mais se
osam, pelo baratissimo prego de 8* e 10* : na
loja e armazem do Pavo, roa da Imqeratriz n. 60,
de Gama & Silva.
Chitas pretas a 160 rs:
Vendem-se chitas pretas inglezas, sendo fazenda
muito boa, pelo baratissimo preco de 160 rs. o co-
vado, oo 5*500 a pega com 38 covados : s oa
loja de Ravao, rua da Imperatriz n. 60, de Gama &
Silva.
ATLANTA
Grande asovidade a 900 rs.
Allanta a 200 rs.
Atlanta a 200 rs. ,
Atlanta a 200' rs.
Cbegon para a loja do Pavo o mais lindo sor-
timento desta nova fazenda, com o litlo de allanta
propria para vestido e roupas para meninos, sen-
do esta modernissiraa fazenda de ISa com os mais
liados gostos de quadrinhos e listras leudo entre
ellas de cor roa e preta, com listras e qoadros
braocos prbprias para Into, e vendem-se pelo ba-
ratissimo prego de 200 rs. o covado onicameute na
loja do Pavo rua da Imperatriz o. 60 de Gama &
Silva.
As caitas do Pavo a 200 o covado.
Vende-sao mais bonito sortimeato de chitas es-
coras e roas sendo Inglezas, mas com os pannos
to encorpados como os das francezas que se ven-
dem a 400 ris, e liduido se pelo barato prego de
200 ris o covado ou a 7*200 a pega, garaotindo-
se tereoa 38 covados cada pega o serosa de cores
fixas isto na loja e armazem do Pavo na roa da
Imperatriz o. 60 de Gama & Silva.
Armazem 5o Pavc
* Veade-8 eera do carnauba da melhor qualidade
empaceos, mais barato que em outra qoalquer
parte no armazem do Pavo na roa da Imperatriz
n. 60, de Gama & Silva.
As cabaias do Pavo a 2#000
. 0 covado.
Chegaram para a loja do Pavo as mais liadas
cabaias ds seda para vestidos, sendo com os mais
udos gostos de flores e listas, leudo entre ellas al-
gn rana e pretas para quera estiver de Iota,
taado asta aova fasenda i palmos de largara qu
facilita azerse un vestido com pouco covados, e
vende-se pelo baratissimo prego de 2$006, nica-
mente naloj a aromen do ravao a roa da Impe-
raima. SO, de Gana & Silva.
Novidade
Para vestidos.
Ctaegacan as uesejadas ambralas oa uriatana-
brancas com lUtrlnbas Isendo transparentes e ven-
tfWB- pelo baratissimo pre$o -de 5*000 o oorte,
sa toja a amaten do Pavlo na rua da Imperatri
B, 60 de Gama & Silva.
Fogio no da 20 do correte pela manha
com nma trooxa de ronpa em companhia de mn
preto mogo de cabellos cacheados, a escrava Gui-
llermina, com vestido escoro de recortes bruTo?,
idade de 20 annos pouco mais ou menos, fa. >:.,
' ul yu ICUII -C UOUID3 aiTU IIU..UU?, i'U -MiO
encontrada na Boa-Viagem : quem pega-la l?vf ;,
a roa da Imperatriz n. 17, segundo atdar, !ue
ser gratificado.
Contina fgido o escravo pardo Selsfuai;
de 18 annos, alto, cabellos carapinbos e ru.vts,
olbos castanbos e grandes, sem barba, nariz cbaioj
com todos os dente, orelhas peqnenas, tero a mar-
ca de om taino sobre o labio soperior, marcas de
bichos nos calcaohares, sabe ler e e-crever, trajia
caiga de brim e camisa de algodo branco : quem
0 pegar leve o as Cinco Ponas n. 152, qoe sera
recompensado generosamente.
Fugio no dia 24 de fevereiro prximo passa-
do, do engenho Baticun, do termo de Barreiros, o
molato de nome Francisco, idade 34 annos, estatu-
ra alia, seco do corpo cor nm tanto plida, com
pannos pelo rosto, um pouco beigudo, pouca barba,
algnns dente- podres, cabellos caraplnhos, tendo
era urna das pernas urna sicatnz de orna ferida, o
coosla ter dito que ia sentar praga de volunta-
rio. Roga-se por tanto Srs. commandantes de cor-
pos, as autoridades policiaes, capitaes de campo,
1 m como a qualquer pessoa, de o pegarem, e de
remette-lo a seu legitimo seohor Francisco Paes
Brrelo, lavrador do referido engenbo, on a rua do
Imperador n. 42 terceiro andar, que se gratifi-
car. __________________________
Est ansente da casa de sea seobor desde 31
de margo prximo passado, o escravo por oorae
Joo, nago Zongo, de meia idade, levoo caiga
branca, camisa de algodo fuchlcada, chapeo voltio
de couro, tem cara grande, ventas repagadas, nariz
chato ; foi escravo de Sr. capito Joaquim Francis-
co Lavra, e (em sido encontrado as ras do lian-
gel, pateo do Carmo e Campo Grande : roga-se a
quem o pegar lvalo a casa a rua da Imperatriz
n. 80, que ser recompensado._______________
Acha-se fgido desde sabbado o escrvo Ce-
(ano, fula, balxo e grosso do corpo, descontia-se
ter seguido a estrada da Serra do Telxeira, por ser
natural da villa de Patos ; foi comprado ao tenente
coronel Ildefonso Ayres de Alboquerque Caval-
canli : portanto roga-se as autoridades daquelle
lugar ou a qoalqoer pessoa que o encontr o fa-
gam conduzir a roa do Qoeimado loja n. 1, aonde
se satisfar a despeza que se bonver feito com tal
appreoBpelq____________________
200$ de gratifica^ao.
Em 31 da outubro do anno passado, fugio a es-
crava Clndina, cabra alta e seca do corpo, que
perienceo ltimamente aos Illms. Srs. Jos Joaqaim
da Silva, Manoel Mauricio de Sena e D. Mariana
Ignacia de Castro e Silva que a venden a Jos 11a-
iheos Ferreira que pagar 200*000 a quem lho
entregar dita escrava na roa da Cadeia n. 62.
I(gM
Desappareceu desde o dia 2 do correte mes a
preta Victorina crfoula de 26 annos de idade pouco
mais ou menos, tendo os seguintes signaos: altara
e corpo regulares, rosto redondo, tem andar moito
aprassado levou om vestido de chita escara j usa-
do e cbales encarnado; esta preta foi escrava da
Exma. Sra. D. Maria Candida Salazar da V. Pessoa,
moradora a rua do Hospicio consta que anda pelas
ras da Boa-Vista, onde foi sua anliga residencia;
quem a pagar leve a roa do Crespo a. 18 2a andar,
qoe sera' recompensado. _______________
Attenco
d
Tendo vindo da villa de Iguarass no da 6 do
crreme, com licenga do seu senbor, a escrava
Marfa, conhecida por Maria (quenre) esta eidade,
qne representa ter trinta e tantos annos de Idade,
con aa slgnees seguales : cor bem preta, osatu-
ra alia, ebeia 4o corpo, bem fallante, tem urna cos-
tura no queixo do lado esauerdo, tem falta d den-
tes na frente, costuma ailar a bahaiana, tamben
ja' lavou roopa em Beberibe, e ja' venden agua
nasta eidade; foi escrava de D. Guadiana Goardl-
net. a tanbem foi escrava do Dr. Oiticlc,em Ma-
celo. Como at o presente nao senoo apparecifla,
roga-se as autoridades policiaes e capitSes Oe oin-
po na a appreheBdaaj, e a levem na roa Aogastt
s. 20 oo na villa de Iguarass ao sea senbor lo*o
BapUsta Teixaira Cavalcanti, que sera' geseros-
meate recompensado.
ILE9VEL


HHHHHH
9
.

tarto de rttm**b*e<> ftabhado t 4e Atoll 4 1866.
JURISPRUDENCIA
parte lis renda Qxada por seis, anuos : a cerlido'
da escrtptura de venda da tima sorie de ierras des-1
membradas da ura eogenbo : a cerlido da escrip
O Foruni.
dmittimos em nossas.columnas um cotomuQi
cado relativo i questo da oullldade do teslameo
to de Jos Fernanda da Cruz. O-.desenvolviroen-
,o minucioso desse irabalho, que se refere a todos os lura da ivcindmemoTlm pro
pantos o .,ccordo' dlspenM re0ex5e3 "* Diia cora o embolso adiaotado da respectiva importan-
parte. cia : on,ra cerlido de ama eseriptara de hypothe-
- *"-'....... i c* S callidade do testamento di Jos Fernando da do o principal 26:6004005 que se figurara tomados
Crni. a tiaio de emprestmo pelo finado : mais ama car-
Os leitores estaro leasbrad da celeuma que tldo da escriptusa de outro debito contrahido para
5e levantou pal iraprensa em eonsequencia deum Cm Correia & Irmao, o depots elevado a 11:000*
dispendio realiaado em lio ponco tempe, e accesso qe o transtornasse fazendoo Incipat de
qae compromettea a fortuna do finado,' ama ver-' qnalqner deliberado valida T
, dade autenticada palas provas dos autos, taes co. I
100 a certido da iseriplara do arrendamento do',
, engenbo Qulaombo, com reeebtmento adiamado de',
e transferido a Baltir A ullveira, qoe receberam
i mais de ll:000jr000.
De am modo contradictorio se tem pretendido
ora negar vagamente o fado da despeza mysterlo-
, sa, ora explica-lo pelos gastos feilos com a demar-
cado e trafego do eDgenbo Pintos.
A segunda allegado nao mais satisfactoria qae
accordao da Relago do disfru:lo aunullando o tes-
tamento de Jos Fernando da Craz.
A decisao fot proferida sem discrepancia de am
so voto : cinco jaitas (*) examinaram os autos;
ous somonte o relator provocou as iras dos que
propugoavam pela validado do me.-iuo testamento.
A qaesto, que devia ser somenie apreciada
luz do direito, tomou ura carcter pessoal e odioso, a primeira.
A sera razo das invectivas virulentas dirigidas, Pf ^ avQludo fos9e q despeQdio com
ao relator, e qae provocaram a md.gnac.ao pnbli. demarcas0( Do pocleria raIave,meDla ^^ a
ca, torna-se anda mais patente por urna circums 3omma C0QS[aQte dos dociMneDtM cludos.
tancia qae convm notar. Quando se discatiam
os autos em conferencia do tribunal, reeonhecen-se era tambera licito soppor que elle proviesse
que era unnime o voto pela nullidade : mas quaaio aos fundamentos deste, o Sr. desembarga- | q testador nada devia at bem poucos annos an-
dor assisam dos revisoresdivergi do relator, les de seu faiiecimento; possoindo entretanto, alm
o Sr. desembargador Domingaes Silva, que em de cinco predios nesta cidade, dous engenboe, nma
taes circumstancias pedio que o seu ollega, cuj fabrica de cento e trlnta e ura escravos, e gados.
epinto prevaleca, se incambisse de rediglr o Um desses estabelecimentos compreheode terrenos
rnesmo accordao. mu feriis e extensos.
Dahi se tiram duas coochsoes : 1'que o ne- Solteiro, sem filbo algara, e privando-so da me-
octo nao foi s aUeniamenle examinado pelo re- or ostentago, nunca teve o testador notaveis pre-
iator, para que a este, nicamente, se podesse im- jnizos com mortes de escravos ouqaalquer oniro
putar a decisao, faiendo-so aos oufros juiz.es orna desastre conecido.
censura tacita, mas immerecida : 2*que o Sr.
doserabargador Domingues ligava tanto interesse
Nestas condic&es crivel qae as safras corres
\ pondentes torga do que dispunba o testador nem
O testamento foi esenpto pelo pwfrio indivi-
duo que como tabelliao publico interino o appro'
veu, o assigoado em proseaba da appellada, que
(sempre constante e asslda) ajudou o doente a
levantarse para firmar a assignatura.
c Nao cortamente defeito que invalide o tesla-
< meatoo ser elle escripto peto tabelliao qae de-
pols o approvou. >
Antes o assento do 23 de julho de 1911 diz-que
nSo obsta qoe o tabelliao tear escripto o testamen-
to, e o approve dpols como pessoa publica.
< Ma, (coniina o aceordao>oas circamslancras
t qoe se deram am motivo de desconfiaro ha-
ver am s individuo accumulado as duas fooc-
f (es, em vez de se dividirem esta por dous, ca
c mo geralmente acontece.
lato se faz mar reparavel considerndole qae
o testamento fot feito nesta cidade, onde abnn-
dam advocados de alto conceito, a qsem Cruz
estado normal, e
tado pof nr bemera no. sen
< nao to nrofmo da rnorte. *
Entretanto a natureza da molestia e os accessos
de febre de qae era aeommettido o testador pro-
testara contra a existencia dessa ealma qae o tes-
trnoslo revela.
Posto queobserva o accordSose possa dar
inleireza dy julzo e voalade em ura doente, to-
c davia, qcando a doeaca elxgx a certo ponto,
V quando a morte est raramente, nao se presu-
me qae tal doente dicto disposigoas corao at que
t constara do testamento argido, as quaes pare-
cem de um hornera que calcula framente sobre
seas interesses e negocios, preveodo, slra, a
< morte, mas sem estar na hora da agenta. Nin-
f puera deixa de recoaneeer qae em bera i*o so-
c prensa o doente pode conservar sua razio; fa-
< mais porra pode usar delta para dictar am ies-
c lamento lembrando-se de- tantas e algamas tao
desusadas disposicoes, como* as do testaaeoto
r de qae se iraia.
Urna das (HsposiQdas qae leruou o primorro
ama morte prxima, o em vista das considerares
exposus, fundadas em fados inconlesuveis, e do
mais que dos autos consta, nao poderam os jugado-
res deixar de eonjectarar e concluir qoe o teeta-
mento effeitode maehioacSes esoggestSes dolo-
sas, e frueto da fraude dos interessados, e nao da
livre vontade do estador. >
B porque em taes causas os juizes e tribonae,
< a quera compete a aprecia;ao dos fados nao DO
dem deixar de fundarse era conjectdras o indt-
emoutra clrcomslaela preferirla confiaras f vperd0 irfcj^ doaspoiio do testador, dand
disposicSes de sua ullima voaUde, e que-m re-
yraso as pessoas ebamadae para taes servidos.
< O escriptor do testamento e as testemonttas,
chamadas pelo padratto de Basiliaoo e urados
legatarios, assigaaram o instramenio na presen-
5a e com auxilio da appeitada.- (Sempre este aa-
< xilio desvelado t)
A esta assergo bastada nos aatos, nao se oppoc dissimo, deisara todo isto>dependente da-b f do
mais qae a negativa, e at se dlsse qoe o accordao testamenteiro,. que podia a sen bel prazor figurar
1 como ver dad eiro- todo titulo de-divida assignado
f pelo mesmo appeitado, de tanto alcance e van-
< tagem para este, qu nao se pedo conjecturar
que seja a expressao da vontade do testador. ?
Este argumento iwi1 dos mais conclndentes.
Como qae o testador,, teodo deixado tantas e di-
versas disposigoes qatretigem despendi" avulta-
causa, que em vez de redigir o accordSo (como cnegassem ao menos, para cobrir as despezas Bgn-
osa da palavraescolWdas,quando certo que
elle emprega o termeebamadas.
t O doente leo, ou levm vista o ioswuraeatu
de approvagao, e tirando debaixo do travesseiro
< dous attestados mdicos, comprobatorio de bom
estado de suas facoldades, enlregoa-os ao label-
t lio, pedindo-lbe que os incorporasse ao insiru-
menio. >
E' um tacto inslito e lalvez virgen esse dos
attestados, qae entretanto do multa loa sobre a
naturalmente faria quem vesse o inculcado em
penho na questio) entregoa de boaraenle esse Ira
balto a um collega, cuja integridade ainda mn-
guom se atreven a por em davida, nem mesmo
seas proprios advorsarios polticos. -
i\em havia motivo para que o Sr. Damiogues
SilvaJurasse suspeigao voluntariamente, nao leudo
havido ao menos, sobre este ponto, a mais ligetra
aliegacao da parle, que at agora nao se digaou
de apreseniar algum motivo convincente para a
escasa dojuiz.
Era sabemos que a questo do testamento en-
leude com certos interesses e affeig5es individuaes.
Procuraremos porm, quanto for possivel, ^bs-
irabr das pessoas dos julgadores,, dos litigantes, e
de qualquer oniro interrassado.
Apreciemos cora toda calma o accordao de 11
de abril de 1865, qae, o lucido e lao desenvol-
vido como fornece por si mesmo urna prova da
attengo especial que mereceu a gravidade da
causa.
D. Joanna Mara das Dores, rai da Jos Fer-
nando da Cruz, e nomeada segunda testamenteira,
intentou aegao para nullidada do [estamento feito
por este, e entrou assim em litigio contra Basilia-
no de Magalbaes Castro, primeiro lestamenteiro e
legatario, assim como ouiras pessoas que lau.bera
sao legatarias.
A senlenga de priraeira rasunca, julgando D.
Joanna carecedora da acgo intentada, e valido o
testamento, foi reformada pelo tribunal superior.
Posto que nao considerasse procedentes alguos
dos fundamentos da acgo, o accordao j citado,
cojas pauvras iremos asansuaiaum,, jutjuu piu-
vada a arguigao de ser otestaraenti obra de ma-
chtnaciio e suggestes dolosas dos appellados Basi-
liano e Mara Jda Conceigo Ramos Chaves,
egataria de quanlas certas, e dos reraaoecentes
da terga.
Essa conviego flrraou-se nos segrales fados e
circunstancias que nao fjrara contestados, e
que constara "dos autos. Nao os rvelaram somen-
ie os depoimentos das tesiarauubas da appellante ;
mas tambera os ditos das testemunhas da parte
adversa, e at as allegagoes desta.
t uurante o ultimo anno ou raezes da sua vida,
c o testador, por sua fragilldade, entregara sua
< pessoa o bens aos appellados.
E' o proprio Basiliano quem confirma esta ver-
dade sustentando com tudas as torgasque a mai
do testador era iateiramenie eslranba aos negocios
deste, e que ba muito tempo, ainda era vida de
Jos Fernando da Cruz, elle appellado se achava
encarregado de tudo, e at da distribulcao do ser-
vico no campo entre os escravos.
Saramas nao pequeas, provenientes de em-
< prestimos.venda de benseadiantamenlo de rendas
foram arrecadadas e consumidas sem qae se sai-
t ba o emprego deltas, e sem que se applicassera ao
t pagamento de dividas, ou contratadas, ou que de
t nevo se contrahissem.
quanios ttulos de divida qtrizesse, absorvendo al
a importancia'da raassa testamentaria, de caja ap-
plicaco se tornara talvez o-supremo arbitro? Es-
ta concasso inslita nSo fara per si s presumir a
existencia de machinacao e suggestes dolooa que
excluem a vontade livre e reSeclida de am-testa-
dor moribundo, e, alen disto, fraeode espirito e
extremamente perturbado?
< Ninguem pode comprehender, diz o accordao,
que um doente, no-aso perfeito de suas faculdadas,
em estado de sade, ou lora da perturbagSes de | mais |^e tropogito de tornar pessoa! esta qnestao,
omiiilnios- at algunas eonsidefl|oet qoe a etla se
prendeen.
Nao podemos par deiiar pasear desapereebi-
4a a aasergao grafnla-*- de querer oi Pernando
da Cruz apesgar* da fateoda 4a 9* Irno.
yoem contenda a mt deste, lerdteira necessa-
ria. Mis aiada qnaado Joio Fernando da Cruz,
como bon Albo, qatiesse prestir qaalqner aaxiiio
a' vindicacfo dos dlreitos da litigante, o que have-
ria nisso que n3o fossemul Jonvavel?'/Menos ra-
ci para jolgarem procedente e provadasasUa^ sem davda> assisle ao appellado para azer o
suggestSes eeaptacao allegada ve seja conforme _Qe terB fet0i
'() Os.Srs. deserabargadores Domingues Sito
Santiago, Gltirana, Almeida Albuqoerque, e Assis.
radas, sendo elle obrigado por isso a contrahir de.
bitos avultadissimos ?
Pois o appellante se aprsenla como credor de
mais de 20:0000000 da heranga, allegando te-Ios
emprestado ao tallecido para este remir as pri-
nieiras necessidades da vida. E at se esqoece de
que assim revela da parte do sea bemfeitor ama
tal prodigalidade e deteixo que pelo menos deno-
tara um cerebro enfraqnecldo.
Ainda mais :O appellante, no invenUrio, se
diz tambera credor de urna dezena de contos de
ris, por urna adrainistragao de mez e mel, ape-
zar de se baver locupletado de quasi toda safra.
1 O testador dorante a sua enfermldade, e nlti
< rao i das, continuo sempre em poder dos appel-
c lados, e Maria Chaves nao dexou-lhe a cabecei-
t ra do leito, logar que competa appellante, qae
t nio devia ser apartada de seu filbo, como foi,
c por suggestes dos interessados. >
A assiduidade de Maria Chaves poderia ainda
simular ama prova de affecto, st infelizmente nSo
coincidise com o empenho de afastar-se a mi do
testador'; pols nao se presume como diz acer-
tadamente o accordao, < que ura til no prximo da
morte, estando no uso de suas (acuidades, remita
sua ra^i, e consinta que lbe lome o logar urna es-
tranba' com gera elle viva em peccado.
Nem ao menos consta dos autos que a appellan-
te hoivesse dado algum motivo de qaeixa ao |as-
iad. r. Antes eslabelece urna presumpeo contra-
ria o tacto de procurar a mesma appellante sea
lit.
1...... .ir. .jojii nipr testemnnho imoertinente
tinhara os appellados lodo interesse e toda facili-
dade para soggerirem dolosamente o testamento,
prevalecendo-se do predominio que tinham sobre o
doente, e abusando da fraqueza de sua intelligen-
cia.
O testamento aprovado em um dia e eserlpto
no mesmo dia, ou no anterior, foi feito quando o
f doente peiorou consideravelmente, a ponto de es-
t tar cabeceira um medico para ministrar-lhe
1 remedios no intento de prevenir novo accesso de
tebre. >
Os defensores da validade fazera grande escar-
ceo, porque mostrando as dalas do testamento que
elle foi feito no dia 4 e approvado no dia 5, o ac-
cordao nao as fixou precisamente. Mas que di
versas pegas dos autos e at o dito de urna teste-
raunba de vista induzem a suspeitar que tudo se
fez no dia 5. Depois: que merecem as dalas de
um testamento doloso, para que o accordao se fir-
maste aellas ?
Contestara os appellados que o medico estivesse
a cabeceira. Pois o attestado transcripto no testa-
bjto que nos d certeza disto. O Dr. Silva San-
ios declara que esleve cabeceira do doente desde
as 9 boras da maDhaa at s daas da tarde do mes-
mo dia 5.
Querero dizer os appellados que a cousa se fez
depols da retirada desse medico assistenie ? Mas
entao como pretender provar com esse mesmo
allestad > a sanidade de espirito do doente, qoe po-
dia ter soffrido, na ausencia do facultativo, algum
ou sem engao e snggestoes dolosas,ordene em seu
1 auesto. Anda nao houve testador que se lem- u __L.n* j. .
I*______.*!*-.. ^..^H^lastamenio qae.se reconbega como valido todo> ti-
tulo de divida assignado por um esiranho, por
FOLHETIM
brasse de pedir com antecedencia attestados de
sanidade de espirito para apresenta-ios ao offlcial
encarregado de approvar-lbe o testamento. Si
bouvesse um doente to providente qae na hora
de sua morte quizesse prevenir argaigoes contra
sea testamento, iembrarse-bia de o fazer por
am acto publico, na presenga de mdicos e de
testemunhas maiores de loda exeepgao. >o
mandara porm escrevMo em segredo por pes-
soas menos habilitadas, para depon faz-to ap-
provar com taes attestados, que nao serviam pa-
ra provar a sanidade de espirit, qur no acto
da factura do testamento, qur no de approvacao.
Bem se v quanto fallivel em favor da valida-
de o meio de prova, adrede preparado. Desde
qae nem ao menos se mostra qae o exame medico
teve logar na occasiio do acto testamentario, qne
conflanga pode merecer urna declarago anterior a
respailo de am doente cuja eafermidade gravsi-
ma eslava sujeita a variagoes e a accessos de fe-
bre capases de pertarbar-lhe as faca dades ?
Um dos mdicos, como j se viu, declara haver
smente asslstido ao leito dorante certo periodo,
depois do qual se podiam realizar esses accessos
peridicos da febre, a que tambera se refere posi-
tivamentl% dito medico.
Aos defensores da validade parece sem funda-
mento a assergo de qoe es attestados foram
pedidos com antecedencia por Baziliano. Mas a
verdade que o proprio Cruz nao se lembraria de
pedir taes documentos, qoe, por suggeslao caute-
losa de am dos interessados, lirou de baixo do
travesseiro para apresenu-los ao tabelliao, como
se verifica dos autos.
Acham porm os defensores da validade qoe
um fado maravilhoso qae o testador, no estado em
que se achava, fosse am aatomato, decorando al
a tarca da leilara t
As testemunhas--, accrescentam elles.-iuram one
o doente pondo os occnlos lea o instrumento de
approvacao. Logo nao se pode admlttir a dubie-
dade do accordao quando diz que o doente leu ou
levou vista.Entretanto essa dubiedade era urna
cousa natoralissima. O testador podia levar vis
ta o instrumento de approvagio, simular urna lei-
tura cedendo influencia dos interessados, e nao
ler effectivamente. De mais : ainda quando as tes-
temunhas fallassem em leitura do instrumento de
approvago, circumstancia que nio podiam jurar,
porque o doente passou-o pela vista silenciosamen-
te, ainda se Oca por saber si foram lidas as dispo-
sigoes testamentarias, que fcilmente se asatgna-
riara de croz, por suggestes dolosas.
t No estado em que se achava o testador, nao
f podia ler o testamento que mandn escrever, e
< posto qae tal falla de leilara o nao invalide, to-
c davia na duvida de ser elle ou nao a expresso
c livre da vontade do testador, essa falla deve in
c fluir para a decisao da causa, tanto mais quan-
c to em outras nagoes civilisadas de absoluta
c necessidade para a validade do testamento mis-
c tico, qoe o testador saiba ou possa ler. >
t O testamento conten maltas e diversas dispo-
c slges, e est bem ordenado, como si fosse dic-
maior conlianga que nelle depositarse v a tai privi-
legio Cruz nao podia conceder a appellado, sem
que a isso fosse indotido dolosamente.
< No dia, ou ponco antes, ou no- acto de sacra-
mentarle, sendo visitado por seu rmo J. o Fer-
nando da Cruz, retirou sua m;o da deste, que Ih'a
apertava, e voliando-se para o lado da parede, nao
trocou com elle urna palavra at expirar. Entre-
tanto legoa-lne 1:000*000; a ama lilha do mesmo
irmao 2:000*000 e ama escrava; a00*000>a oaira
filha, e igual quania a am fUho, ludo isto-sem a
clausula de nao succeder o pal em taes legados. >
Estas circurastanciae induzem a erer que o tes-
tador, ou nao liona a seu irmao esse odio que pa-
recen mostrar na hora extrema, e apenas o quiz
fingir napreseoga daquellesque exereiamsobreells
tao nolavel influencia, ou nao eslava no aso de
suas [acuidades, 00 foi levado por snggestoes dolo-
sas, segundo deprebendeu o tribunal superior.
c Si como diz o appellado Baziliano, o testador
teve para com seu irmao o procedimento referido,
como explicar razoavehnenreos legados que deixoa
a esse mesmo Irmao o a seas futios T
t O padrasto do appellado, apezar do ser procu-
rador contra o testador em demandas judiciaes, re-
ceben deste o legado de 1:000*000, > sendo alm
disto nomeado terceiro testamenteiro..
Similhante generosidade de quem tioha mais
natural applicago qoe dar a seas bens, s se ex-
plica por machnucao ou suggettes dolosas feitas a
am cerebro ji desorganizado pela enfermidade.
. 1 Rev la-se em tudo isto ura procedimento cal-
entado para garanta dos interesses dos appellados,
e de seus prenles, entre os quaes como j se ob-
servou, nem foi excluido o proprio procarador ad-
verso 1 Adoptando se ara bom systema de se expli-
carem < o Juizo e liberdade que presidiram ao tes-
tamento, collocoo-se ao lado de urna disposigo favo-
ravel aos appellados e seus pareles, urna ontra,
qae, comquanlo menos importante, favorecerse al-
gum prente do testador. Houve assim um exces-
so de prevengo contra futuras duvidas: o qae
cerumente prejudica muito a causa dos appella-
dos. >
Passemos urna vista rpida pelo testamento.
Coube ao appellado e a seus prenles em diver-
sas verbas 7:500*000, alm de dous escravos.
Tocou appellada e sua neta 7:0003000, ama
morada de casa, urna escrava com crias, e os re-
manescentes da terga.
O restante dos legados nao exceden de 3:600*
e mais um escravo.
Temos portanto am avallado qaioho para os
dous interessados e para os seas, qainbo que ad-
dicionado importancia dos litles de di vidas apo-
sentados e os qoe apparecessem, firmados por Ba-
ziliano, podiam absorver a massa berediiaria.
t Na ausencia de certas cirenmstancias condu-
centes a convencer que o testamento foi o resalta-
do da livre vontade de Cruz, como de ser elle es-
cripto por sea proprio panno, e de ter sido feito
c ao direito que em caso de duvida, quando as pro-
r vas sao eerpten, se deve decidir pela nolRdade
* do testamento, a sor favor dos herevros natwraes,
sobra tado quando se trata oo de am simales
t berdeiro de saogue, mas de urna mi, pronoo-
ciara a nullidade do testamento, etc.
J virara os leitores qoe se tratava- mats espe-
ciaimeate de urna- questo de fado. Havia que
averiguar si o testamento era 00. nao ora mero si-
mulacro,, bino da fraude. No caso afflrmalivo elle
nao podia reputarse a expresso da vontade livre do
testador,e como tal devia ficar invalidado, taato mais
quanto prejudicava coneideravetmente herderros de
sangoe para favorecer estranbos. Um destes- poda
temar essenciaimente a posicio de principal her-
detro como soecorro das taes -dtndas qae beropo-
deriara abranger a importancia total dos ben do
faUeeido, graga a' disposigo qae authenlicava
quaeequer ttulos- de crdito- urna (vez assignados
pelo- legatario I
Coa esta garaoira, e disponde ella das regala
de primeiro testamenteiro, poaeo-importara que-'
mi do testador fosseoominalmente terdeira de duar
parles da-fazeoda, segando resa o-testamento.
A fraude de am toetrumento destes- revestido ds
formalidades legaes nao se pode rocoonecer senao
por comparagos, confrootag5es, conjeetaras, indi -
cios e prasoapges. A-rennio destes elementos,
no naso vrteme lem toda a torga para dalles se
ehegar a' conclu ao do accordao.
E* certo-que decis5es-dest* naturez nao produ-
zem'smeate o effeito do firmar o legtimo direito
de ans contra as- preteoees injustas- de outros.
Tmbem coocorrem para-tazer pairar sobre os ven-
cidos ama saspeita que olfende o amor proprio.
Mas cora esta consideragaO nada tem ajostlga pu-
blica, que na pode deixar de pronunciarse clara-
mente pela verdade provad.
Ha.cerias simu'.agoes engenbosas que anda dei-
-xam no espirito duvidas fondadas. Mas- a. de qae
se trata palete. Os proprios estratagemas de
que se serviram os appellades para arredarem sus-
peita, liveram apenas o elfelo de confirma las. Os
attestados preparados com tanta previdencia, pare-
fcem conslitait um estratagema desses. Nao me-
nos coooeitooso o fado de deixar o enfermo lega-
dos a paremos aqun repellia at a hora extre-
ma do passaraento. Ou esse-homem era ora per-
verso incapatdegenerosdade,oano estava em cir-
comstanclas de manifestar saa vontade livremente.
Mas-si elle ainda tinha corado para lembrar-se de
parentes to prximos, nao ha razo de presumir
que voluntariamente se prestasse a lesa4os, car-
ceandolhes tanto a beranga e substitulndo-a por
mesqpinhos legados, afim de instituir outros mais
ampios em beneficio de estranhos.
S por esta reflexo, desde- qne nao so mostra
qne os parentes do finado Ihe tivessemdadoprovas
da ingratidao, o senso coromum -arrasiado-a sus-
peitar a existencia da fraude.
Parece natural que se remeta sobre a influencia
decidida que os interessados- exereiam sobre o tes-
tador. Mas nio sao mui raros esses exemplos- da
fraqueza, que por va de regra sao o symptoma ir-
reousavel de um espirito fraoo e enfermo
Clama o appellante qoe se acha redolido a* mi-
seria, apezar da pujang ojie Ihe permtliam as li-
beralidades de testador. Mas quando assim fosse,
que direito sagrado tem elle a' heranga?' Si tao
amargamente se queixa, apezar de ter sido o for-
necednr da fabrica e casa do engenho, como elle
declara, e o proprio testamento, o que nao dir
com fundamento a anica berdeira neeessaria, mi
do finado?., ella a quera ponco resta da solida for-
tuna de sen filbo?... ella a quem pretendem tirar
esse pouco, procurando at exclu-la da (uocgo
de inventanante?
Em- eoucluso:
Os> praiistas sio accorde? enr deflnrr a preftmp-
cao-orno a legitima coosequencia qae'a ei oa
o jnif tira de am fado eoobeeido para outro des-
conbeeidoBasta ella para prvraro'doto ott'frau-
des.-Coe/to da Rocha Jg IMt
c Na hapossibilidada de se regularem os diver^
sos graos de-Torca probante das presurapgoes, e>
vislo qae concurso deltas qaamto graves (isto
proprias afkrm mpressao em' um pessoa ra-
zoavel) precisas e concordantes, pdir fazer ama
prova integrar,, (lea livre ao ju*ddazvlas e apre-
cia-las com cr'Herio prudencia,- segaado as cir-
cumstancias.
Foi' o que tire rain os signatarias do accordao.
Tomaram por ponto- de partida ct verdade conlie-
cida pele' valioso concurso de presumpedea, e na,
conformidade da OroX L 4o T. 8% |J proaaneia-
ram a auiliJada do testamento extdrqufdo por
engao oaeuggeloa doioaas. Ainda no eaeo da
davida se devia antes decidir pelo inda favwaveL
aos herdeiros naturaas a neceasarlos--
LTITERATOM.
IMPOtOr BE TUJO.
Ogoverno aastriaco acaba de prolongar no reino
*a Boemia a tei marciat eaceptuanda-apenas a c-
daOe de Praga.
A animosidada-da popota^io rural para cera os Is-
raelitas havia-se- tradmido nestes ltimos temos
oo> scenas de violeaeia e e pilhageok
As autoridades militares apressaram lories -destcame*ws do tropas para arotegeram a
propiiedade particular aa pontos ameofedosi
Beraoger o poeta popaiar da Franca, cswtante-
meale assaltado per urna nnvem de-importunos
aam sempre se prestava as solicitaosaqoelles
naaaadavam a esmela deautograpbo*
Alguem pedia-liie uta dia que escrevesse alga-
mas tinhas n'uio lbum; depois de resistir por
rooilo lempo, aeabou.' por pegar na peaaacom ter-
io-iedio e eserevea n'oaa pagina em braaco-:
Existe 11ra Deas aperante elle curvo a fronte,
Bobre e contntemeos nada Ihe pedir.....
Deuois assaltado-de repente, por Bra*-reconside-
raeao,.pegou na penaae accrescentouc.
Heflectiodo metaor, pego-lbe a suppiesso dos
bUOMf*
teve lugar na.Noruega,
em varios-distralos da
O tremor de terra.qoe
fea-se igualmente sentir
baeoia.
Escrevem de Siosfde qae uestes.citiraos-lempos
tem cnido qaanlidades considerareis de aeve, ro-
lando das mootanhas e esmagando as-habuagoes.
Sir Fe ni more Smith, que ltimamente morreu em
Maxwell, nos arredores de Londres, e idade mu
avaogada, deisa.uma. fortuna que avallada ern
18,000 contos de rs.
Era o decano daquillo que os- inglesas chamara
nababs por terem adquirido a< sua apaleada na
India.
Tinha sido companhoiro da- londi Warren llas-
lings, e nao o.abandonou mesmo doaois que o par-
lamento applicou a este conquistador expoliador,.
um ferrete gamioso.
Sir Feaimore Sralth lega,a. mar parte da sua for-
tuna a esiabeleciraentos- po, sainados as qqatr
partes do globo.
Dous mil cento e sesseata. coates de ris sao des-
tinados a fundagao noEypto oa no Liiano, da
ama escola universal, em que estaro representa-
das todas as nagoes do globo.
Os mancebos qae d'aiu sabrrem vira> a ser se-
gundo as ideas do testador, verdadelros apostlos da,
civilisago.
TRISTEZAS A BEIRA-MAR
POR
M. PINHEIRO OHAGAS
(Contmuacag.)
IV
Ura relmpago vivissrao i'.luminou as janellas,
sulcando iastaotaoearaeale as treva do firmamen-
to, onde se cooglobavara navens. Segnio-se-lhe o
estroado grave e magestoso do trovo. como se
a natureza s e3pera3se por esse aviso para desa-
grilhoar a procella, as ondas ergueram mais alio
a sua vtz bramidora, e as torrentes da chuva,
alliviando o bojo das navens, desabaram com fra-
gor e vieram agoutar os vidros da janella. O
vento, como feitlceiro ebrio de alegra infernal,
qae doadeja no meio das dangas dos entes sinis-
tros ]ue evocoa, galopava 00 sea corcel pbanias-
tico, e ora desgrenbava as espumosas trancas das
ondas, ora fazia gemer as portas da casa de Bar
tholomeu.
Ei-la comnosco I exelamou Baribalomeu Soa-
res -, e, chamado pela atiracgo que o mar exercia
sobre elle, ergoea-se e foi eocostar a fronte aos
vidros hmidos da janeifa.
Leonor voltoa a cabega, e, obrigando Jorge a
voltarse tambera, cravou os olhos eolevados na
magestosa amplidao do ocano. Mal se distingua
a alvejante espnraa das ondas por entre os ne-
grames da tempestado, mas, quando algum relam-
page cingla o horisonte com a saa fita de cham-
mas, divisavam-se aqai e alera phanlasmas brac-
eos, envoltos copio qae n'am manto de sangae*
Sahiam as rochas do saio das trovas e apruma-
vam-se, melanclicas, solitarias, tranquillas, como
as legldes da aojos, fuloaioados pela colera do
Altissimo, que assistem 1 tamo veis oa inferno ios
tormentos dos proeailos.
Oh! como isto bello I murmarava Leonor
extasrada -, e apertava a mi de Jorge, e, curvan-
do se para elle, eucostava-lhe a cabega ao hombro,
affagando-lhe o rosto com as negras trangas.
Ainda la nada* viste, Leonor, dlzia-lhe Bar-
tholoroeu enlbusiasmado ; a bordo de um navio
que se goza toda magnificencia d'este espect-
culo I Quando as ondas estalara no convez, quan-
do somos adores e nao espectadores, quando sen-
timos a commogao da luda, quando cada relm-
pago pode iluminar para nos os abysmos da
ternidads, quando cada trovo nos pode annun-
ciar a hora solemne do passamento, qae bem
se percebe a grandiosidad* da procella. N'oma
noute assim, bem me lembro, apanheieo, a bordo
do mea Cysne Enceira, ama tempestado formi-
davel na altara dos Acores. Navegavamos com a
amara...
Leonor, interrompeu a tia Dorotha, onde
estas tu, Leonor f
-- Estoa aqai, minba tia, disse ells, voltan-
do-se.
j J rezastes pelos navegantes, qoe andam a
estas boras no mar alto expostos furia das tem-
pestades ?
j Ainda nao, miaba lia, responden Leonor,
auando a cabeca.
Pois reza, fliba, reza, qae esse o nosso de-
ver. Nao esqaegamos os desgranados para qae
Deas se nao esqueca de nos.
Seguio-se am momento de silencia, dorante o
qual osllabios de Leonor murmuraram devola-
mente a prece que saa ntae lbe ensinara aa In-
fancia. O vu das pestaas resguardou o fulgor
ardente das papillas, quando as palpebras sean-
cerradas indicaram o recolbimento com qaa a
devota menina argoia a Dem o incens da saa
oraco, Bartholomeu Soares, religioso como todos
os marinbeiros, rezn tambera, com os olnos ds
corpo utos na immemidade do mar, qne tanta-
vezee saleara-, a com as olnos da alma era vados
no plago da eternidade, por qtjde ira 0Q breve
navegar.
Depois todos tres se persignaram e Dorotha
disse, cora a saa voz tremola e montona :
Foi o padre fre Joio do convento de Mafra
quem me ensiaou esta orago. Lembram-se, fi,
Ihos, do padre fre Joo ?
Eu nao, minba ta, responden Leonor. Lem-
bro-me* de lbe ter onvldo fallar n'elle, e ao pap
tambera, como bomem de maltas virtudes. Ma0
elle ja' morrea ba tanto tempo l
Ha tanto tempo, ba tanto lempo t tor A a
velhinba impaciente. Fallecea outro dia, ah por..
por.. ora esperem ; qaaodo foi a primeira cons-
tituigo, meo cavaiheiro ? (Era assim que ella
chama va Jorge.)
A primeira constitaigio, miaba senhora, tors
non Jorge, rindo, foi em 18)0 t
E' verdade, em 1890; pois foi quando elle
morrea.
O' ta, acndio Leonor, rindo s gargalba-
das, n'esse tempo ainda nos nao eramos nas-
ctdo!
Dorotha Atoa na sobrinba um olbar meigo
e rlsonbo, e exelamou com folgaza impaciencia
Apre l Voces mullo oovos sao I No mea
tempo nio havia gente to nova '
Festejavara os noivos o dicto, rindo a bom rir
quando se abri a porta da cosinha e entraran em
proclsso a duas criadas, trazando urna aballas
uraa formidavel terrina de eanja de arroz e ontra
ama travessa, onde campelava um gallo, nadando
n'umjplago de perlumados mullios.
Seta entrada triumpha! interrompeu todas,aa
conversagdes, acalmon todas as dissidencias a re-
galn os olbos dos ira convidados. O olbar enier.
nacido, com qoe es guerrelros romanos contein-
plavam os gansos que salvsram o Capitolio, moito
pela rama pode dar nma Idea do lernissirao olbar
com qae o capitio Ralvoso miroa o gallo qae Ihe
viaaa salvar o que elle presava mais do qae trinta
Capitolioso estomago. O boticario, qae la para
dizer m e tras casa fez, > adloii o annexlrjo para
otra occaao e sotloa am suspiro de alllvio. O
ferrenbo opposicionista ficr? gm tjQfo oaatMUTQ
Nem sempre quera mais clama lera razao.
Durante um anno o appellado pos embaragos ao
levantament 1 de parte do producto da arremata-
gao do engenbo Pintos, prodado cora que a ber-
deira inventarame tinha de pagar dividas do fina-
do. Ainda os mesmos embargos, e por igual pe-
riodo, quando se tratou da venda daqaella propiie-
dade e de escravos, anda para pagamento de d-
bitos, i
Tambem ao appellante se attribae auxilia pres-
tado a escravos da fazenda que se inlitulavam. for-
ros.
N'uma questo suscitada pelo rendelro do enge-
nbo Quiaombo para nao pagar a renda de ara an-
no garantida por escriptura publica, procurador
o padrasto do appellado.
Prescindimos dos coronarios qne sa tkam dos
tactos referidos. Para que nao aos aUribnam o
Trata-se em Franca da organisagao de urna aom-
paohia martima 0001 a denominado de a,A Afri-
cana, > a qual tena por fin astabaweer urna liaba
regalar de paquetes a vapor euiie Nantes Argel
com escalas por Vigo, Porto, Lisboa, Cdiz, tanger,
Gibraltar, Halaga e Oran.
O capital d'esia companhia ser de 3 railhoes- de
francos ( WO contos de reis )> divididos em txOOO
acedes de SOO francos cada urna. A doragaa da
companhia fixada em 20. annos.
Na lista dos membros do conselho.eventual de
vigilancia Qguram os notoas do presdante a varios
memaros da cmara da commercio do Naates, do
tribunal do commercio e do conselao. mnaieipal da
mesma eidade, e do ejaselho geral do departamen-
to do Loire-Ioferior.
O fundador da companhia c Sr.. Ch.. CbevaMer.
Partlicipam de Londres que o. imperador apo-
leao consentio em proloogar a duxaco do tratado
de eztradicgo. entre a Franca e a Inglaterra cajo
passo tinha expirado, para dar lempo a qae os S
governos podessem ehegar a aja accordo.
Os jornaes inglezes ioavam a delibetago toma-
da pelo imperador.
depois da noticia do golpe de estado, mas qaaodo
vio entrar, em seguida a canja e ao gallo, ama for-
midavel batera de garrafas de Collares, de gomo
da boa uva de Collares, anda nao maculada pelo
nefando oidium tuckery, poz de parte todos os re-
sentimentos, e esteve por um tris para abragar o
administrador e para o proclamar mais liberal do
que qualquer dos Passos.
Mas a benfica influencia, exercida pela perspec-
tiva da ceia, nao se proloogoa maito para alm da
realisago do soobo doorado dos gastrnomos. As
garrafas erara numerosas ; o administrador bebia
com orna parcmonia oficial; Leonor e Jorge nao
icontribuiarn muito para que ellas se esvaziassem ;
Bartbolomeo prefera am exeellente rnum da Ja-
maica, de que linba ao sea lado am fraseo; Ral-
voso, obrigado a dividir as suas torgas para fazer
frente ao mesmo lempo ao licor britaonlco e ao vi.
nbo compatriota, nao podia ser competidor muito
temivel do boticario. Vlo-se esta, por tanto, quasi
sosiobo em campo e as libagoas rebatidas, foram
despertando n'elle o patriotismo ardente, qne o le-
vava sempre a combater as medidas, governamen
vaes, ainda que amas s outras se eontradiesessenl.
Com tudo, a lembraoga da rcente declamagao
suspendendo a meio camlnho da bocea am pedago
de aza de gallo, que se preparava para engulir.
Eu nao soa aobre, seahor, tornava o botica-
rio, soa plebea, e d'isso me vanglorio. Eu perten-
go ao povo, Sr. administradore dava um marro
no pertoao povo soberano I
Ningnem lh'o contesta, acuda o seu merlo.
autor pergunto-lheo que desejt de mlm ?
Desejo saber a attUude que tencin* lomar
em presenga da acontec meatos de tanta importan-
cia, desejo saber se obedece ao povo, que reclama
os seus direitos, ou corte, que os aprtate.
Mea bom amigo respondeu o administrador,
en obedeeo ao governo.
O governo j nao governo legal t barrava
o boticario; o governo trahto as suas promessas, o
governo abdicou morattnenle t
Mas, Sr. Silva, o meu amigo, alada agora, se
bem me lembra, entenda qne se eslava tornando
neeessario am golpe de estado.
Eu bodisse isso... balbuciou o balicario...
ai foi bes eso o que eu dlsse... eu agourei...
presagiei... slm,presaglel... qoerodizer...previ...
ou antes advlohet... oa, para raelhor dizer receie.^
Km ooncluso, ninguem me Ura da cabeca qua
contra a Iraqaeza dos governos obrigava-o a repri
mir mais ou menos a vontade que tinba de advo-1T" "^"" ?.~7T" ~ ~"
gara revolia e de fulminare despotismo, ^ r. administrador um tyranno l
constranglmento ainda mais lbe"exacerUva u iras O' Sr. Silva, nao me chame tyranao I bradod,
e lbe azedava o mo humor. 1 a. pobre bomem, engasgandose com a aza do gallo;
Primeiro comacou resmungando, espera qae o, eu...
provocassem, mas o eapilio, todo embebido na ar Na4a mais pode dfter; um aecesso de tosse in
duatarefaderedutir i mxima simplicidade uma|''P,)o-,n a eloqaenci e deixoa ficar triam4
peroa do gallo, e o administrador, trinchanda ama abante o Demosthenes pharmaeentico.
ata do mesmo voltil e lavrando am madrigal em Obedega jaota do Porto, que o sen dever
homenagem formosura de D. Leonor, nao davam
attengo s allosoes do boticario.
Um golpe de estado 1 resmoneava elle; nao
sa emendara, por mais qoe o povo os ensine I Eu
sempre dlssa. Nio ha qne fiar em tyrannos t Ba
bem presagiara t O* Sr. administrador I
O qae dtela o mea nobre amigo ? responden
com. inalteravel paciencia o bom do idministraor como qoe selniillavam rjibiras.
de fanecionaria da nagio I bradava o bom do Sil-
va, agitando no ar am osso estragado. Sr. cap,
to Raivoso, ajti dlsposto a reconhecer o governo
popaiar ?
De certo, responden o djajno veterano, qae es.
Uva n'eaaa occasiao mirando i luz da vela um
copo da ptimo GollaretMfmi coja liqojda superac.'.e
Sr. capito, veja o qae faz I articuloOt q, ad."
ministrador; oihe qaa esse um acto formal de ra*
beldia I Pois nao quer obedecer ao governo de
saa magestade a raiaba ?
Obedeeo... J se v... gaguejoa 0.pobre capi-
to, qne nao sabia para onde se havia. da virar.
Qoa est disendo ? gritn do, l a boticario
enfurecido.
O capito, talado, espavorido, sem saber como
havia de coaciliar as daas opiatoea, via-se na posi-
cao-d'essfts deputados do cealro, qna sa chamara
Snduantes... como se os ootros. a nao fossem taffi.
bem,
Raivoso esleve alguos (ostaaass, sem pode? tal-
lar. Via de am lado a esguia e magra figura do
administrador, representante e retrato fiel do orea.-
meato, garanta nica dos recibos rebtate, o, por
consegrante, do futura; da outro lado 0. gordo vul-
to do boticario, representante da burra bom provi-
da, onde esses recibos, un tanta ideaos, se reda-
ziam s mesqainhas proporges da ama tal oa qual
reatidade.
A final o pobre vetero, aturdido pelas intima-
ges dos dous adversarios, exolamou, como quem
sa deita ao mar-para fugir dos pergos diversos,
qae em torra de dona lados o saltelam :
-." Meas senbores, en nio en teodo de partidos ;
reconhego o governo qne me der artUharia para o
forte,
Quando as gargalhadas dos oirenmstantes aco-
Ihlam a respesu do veterano, qaandqo boticario ia
a exclamar : Venalidade I oorrnpgo I > abri-'
se de sbito a porto e am vulto de malher A ros*
urlonnoso, melgo a triste, apparecen/ no ttaiar.
Magdalena I exolamou Leoaor ao. vA-U.
E, levantndole, corren para soa irml, qm a
receben nos bracos. Todos se ealaram, t Bartw-
lomeo, ergaendo-se tambem, espern com gravt-
dada que a recem-chegada lbe (osta pedir a ben<
vo*
(C
< I
'

r<
4
<
\
,

.1
jt
/

PJJRNAMBCO.-fVP. t)8 M- t-H.fi
m-
1 ILEGiVEL


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EAHKPDAMX_0ZPWPY INGEST_TIME 2013-09-05T03:12:25Z PACKAGE AA00011611_10954
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES