Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:10951


This item is only available as the following downloads:


Full Text


Ji.,1

-
AMO
I XLII.

HUMERO 95
$. itartel pig dentr des 10 dias do i.* mez.......
llMt depois dw I." lo dias lo comeco e dentro do qnirtel .
Porte eorreio |r tres mezes '............
6$ooo
75
OARTA FEIRA 25 DE ABRIL DE 1866
v
Por.ano oago dentro de lo dias do l. mez.
Porte ao correio por nm anno ,..,-,,
ftyi
Z$M9
BNCARREGADOS DA SUBSCRIPCAO DO NORTE
Parahyba, o Sr. Antonio Alexfndrino de lima;
Natal, o Sr. AfltWW Marques da" Silva ; Aracaty, o
Sr. A. <*'Leras Braga; Cear, o Sr. J. Jos de
Oliveira ; Miraobo, o Sr. Joaquim Marques Ro-
drigues ; Para. os Srs. Geraldo Amonio Alves &
Pulios; Amazona, o Sr. Jeronymo da Costa.
ENCARREGADOS DA SUBSCRICCAO DO SL.
Alagoas, o Sr. Claudino Falcao Dias; Babia, o
Sr. Jos Martina Alves;
Ribeiro Gasparinho.
Rio de Janeiro, e Sr. Jos
PARTIDA DOS ESTAFETAS. ISerinhlem, Rio Formoso.Tamandar, Una, Bar-
Olinda, Cabo, Escadae estocos la t torea at reros, AguaPret Pmenteiras,na8 quintos
Agoa Preta, todos os dias. feiras.
Iguarass e Goyanoa as segundas e sextas feiras. .
Santo Antao, Grvala, Bezerros, Bonito, Caruar, AUDIENCIAS DOS TRIBUJUES DA CAPITAL.
Altinho, Garanhuns, Buiqae, S. Bento, Bom
Conselho. Aguas Bellas e Tacarat, as tergas Tribunal do commercio: aofondiis e quintas.
feiras. JReiaeSo: tercas e sbados as 10 hora.
Pazenda : quintas s 10 horas.
Pd'Alho, Nazareth, Limooiro, Brejo, Pesqueira
Ingazeira, Flores, Villa Bella, Cabrob, Boa Vis-
ta, Ouricury, Salgneiio eExt, as quartas
feiras.
Julzo do commercio: segundas as 11 boras.
Dito de orphaos: tercas e extas is 10 boras.
Primelra rara do civel: tercas sextas ao mel
ate
Segunda vara do ctvel: quartas sabbades a 1
. hora da tarde.
BPHEMERIDES DO MEZ DE ABRIL.
8 Qnarto ming. as 6 b., 22 m. o 52 s. da m.
15 Lna nova as 4 h., 44 m. e 10 s. da m.
21 Qoarto cresc. as" 8 h., 12 m. e 4 s. da t.
29 La cbeia as 7 h., 4 m. e 14 s. da t.
DA SEMANA.
23. Segunda. S. Jorge ra.; S. Adberlo b.
24. Terga. Ss. Honorio e Hlelo bb,; S. Leoncio m
25. Quarta. S. Marcos evang.; S. Hermlno m.
26.. Quinta. S. Pedro de Ralis b.; S. Cleto p. m.
27. Sexta. S. Tertuliano b.; S. Turybio are.
28. Sabbado. S. Vital m.;.S. Agapito ni.
29. Domingo. S. Pedro ms S. Tertulia v. m.
PREAMAR DE HOJE.
Primeira as 2 boras e 18 m. da tarde.
Segunda as 1 boras e 42 minutos da manba.
PARTIDA DOS VAPORES COSTEJROa.
Para o snl at Alagoas a 14 e 30; para o norte-
at a Granja a 7 e 22 de cada mez; para Fernn-
do nos dias 14 -ios mezes de Janeiro, margo, maio
julho, setembro e novembro.
- ASSIGNA-SE
no Recite, na livraria da praga da Independencia
ns. 8, dos proprietarios Manoel Figneiroa de Fria
& Filho.
PARTE OFflCIAL
OVI.MO 1AlPHOVIWCI V*
LEl N. 661.
I ca do Cabo, em offlcio de 18 do andante, a impor-
tancia dos vencimentos relativos a 1" qainzena des-
te mez, do destacamento de guardas nacionaes
O Dr. Manoel ulemenlloo Carneiro da Canha, existente na villa de Ipojuca. .
vlce-presidente da provincia de Pernambuco : Fago! Dito ao presidente e
saber a todos os seos habitantes que a assembla
Dito ao roesmoEstandoera termos o pret junto E' de crer porm segando dalii nos escrevero,
em duplcala e nao haven inconveniente, mande' que a approvaco do convenio Balleslrin nao passe
V. S. pagar ao cabo Flix Dacia de Barros, con- como passou ha poaco ocontrato cora a eompanhia
forme solicitou o commatdante superior da comar
legislativa provincial decretou e en saneelonei a
resolugo seguiote :
Art. 1 O presidente da provincia mandar cons-
truir duas pontes de madeira no3 lagares abalxo
declarados, podeodo despender at dez contos de
ris (10:000*000) com cada ama delias.
| Io Urna ponte sobre o rio Seriante ra no lugar
denominadoPorto de Pedras.
2 Oaira sobre o rio Ipojaca junio a villa da
Estada.
Art* 2* Ficam revogadas as disposigoas em con-
trario.
Mando, por tanto, a todas as autoridades a
quem o conhecimento e exacugao da presente re-
solugo pertencer, que a compram e fagam enra-
prir tao inteiramente como nella se contera.
exposigao agricola e industrial.Tendomedecla-
rado a cmara municipal da vWa de Tacarat, em
offlcio de 2 do andante, qae, com quanto seja o seu
municipio mui pobre de prodactos agrcolas e in-
dustriaes, todava promette que nao deixar de
fazer por lodos os meios possivels com qae os soas
monicipes coneorram para exposieao que se tem
de fazer nesta capital no andante anno: o que
communico a Vv. Ss. para seu conheciniento.
de sueste e com a empresa Salamanca dos cami-
nos de ferro de norte a leste. Parece que roesmo
entre os proprios ministros havia uivergenca so-
bre o assnmpto.
Um deputado pedio n'uma das ultimas sessSes
qae fossem remettidas a cmara as aropostas nui-
to mais vantajosas qae o governo tem reeebido pa-
ra o estabelecimenio do nm cabo elctrico para a.
frica e o Brasil, a primeira, fela ao governo por-
tuguez pelo general Wilde e pelo almirante ingles
(Sartorios) conde de Peoba Firme ;a segunda,
feta por sir Charles Britbt o pelo eagenheiro hes-
panhol Marevartu, a tesa de urna sompanbla an-
glo-hespanhola.
Afflrmava-se que estas propostas erara omito
Foi anoullada pelo parlamento italiano a elelgao | A Turqua pz em p de guerra o corpo do
de Mazzini. Antes da votaclo, em que a cmara exercito que se acbava na Romelia.
Dito ao conselbo de compras do arsenal de mais vantajosas.porqne nao se pediam subveocoes,
guerra.Recomraendo ao consemo de compras do
arsenal de guerra, que compre para o servigo das
respectivas offleinas, o carvo de pedra menciona-
do nolncluso pedido. -Commanicou-seao inspector
da tbesonraria de lazenda.
nem encargos de soudagens, e nicamente pediam
na permisso de tocarem em territorio portuguez,
quer no reino, quer as possessdei de ultramar.
O mesmo depmado pedir tambera 10 governo qae
maodasse para a cmara o conlralo definitivo feito
por urna forte raaioha se pronunciou contra as il
legalidades praticadas era Missina no acto eleito-
ral, diziam francamente todos os correspondentes
defioreoga qae o gabinete Lamarraora nao hesita-
ra diante de orna dissolugo, se porventura a elei-
go do celebre agitador fos.su approvada.
Hoje que o parlamento pronuocioa o sea voto,
agita-so o partido democrtico em differentes pon-
tos da Italia, e al na capital para promover a sua
reeleijlo.
Um grande meettng a que concorreram tres mi-
pessoas, em Florenga, foi celebrado para applaa- 50.
Alcangam a 9 de margo as ultimas noticias
da China.
Os iroperiaes bateram completamente os insur-
gentes do norte. Qaiohentos insurgentes foram
morios ou capturados. Oatros despachos dizem
50 mil. Em iodo o caso a derrota foi conside-
ra val.
Praga de Londres, 4 (abril).Consolidados a 86
%. Os 3 por cento portugueses a 45>.
Praga de Paris, 4.Os fundos de 3 por cento,
coiaram-se a 67. 70* Os de )4 por cento, a 97.
Dito ao engenbeiro chee da reparlicao das obras em 1860 com os Srs. Gatai ePhllippon Bernex,
publicas.Recoromendo a V. S. em vista de sua; acresceotaudo que este contrato dava aos conces
P O IS:rS ** *V m^^^S^"^ : US ,M pro.: sion.ros o exclusivo da construcgao do. cabo elec-
imor mirPublicar^e correr prov,BCM v ,ongar Tcalgaraento da ra do Rosario at a extre trico; e que se a convenci Balesirlni fosse ap-
'Tl^io'd^goveraoT^rnarabaco, aos 18 de! mif.de da ga d'armas do quartddo corpo de provad. ^ que idoelMJS^SS
i governo %,* ............., --------- .--.
abril de 1866,45* da independencia e do imperio, i polica, como pede o commandante da companhia
L. s. i provisoria, no offlcio de 18 do andante n. 149, a
Uanoel Clementino Carnetro da Cunha. qoe se refere a sua citada Informago.
Sellada e publicada a presente resolugSo nesta Dito ao capilo de eugenheiros Domingos Jos
secretaria do governo de Peroambuco, aos 18 de Rodrigues.-Tendo resolvido empregarvmc. no
abril 1866. I servigo das estradas da provincia, com a graiinca-
O secretario Dr. Francisco de Paula Salles. \ gao mensal de 450f, assim Ih'o communico para
Registrada a B do lisro 7o de leis provinciaes. seu conhecimento e aflm de qae enteudendo-se com
Secretaria do governo de Pernambaco, 18 de
abril de 1866.
exigissem do governo grossas e avocadas indemni
sages.
J se v pois a qne3to complica-so muito, e
de presumir que arada nao seja resolvida por
parte do governo de Portugal na seiisSo legislativa
qae eslava a concluir.
Tinba feito sensago nos diversos grupos polti-
cos a sabstituigao que o gabinete presentara na
O escripturario da 4* secgao Tkeodoro Jos Ta-
"jares.
LEl N. 662.
O Dr. Manoel Clementino Carneiro da Cunha,
vice-presidente da provincia de Pernambuco : Fa-
go saber a todos os seas habitantes qae a assem-
bla legislativa provincial decretou e eu saocciouei
a resolugo segaiote:
Art. 1 Fica o presidente da provincia autorisa-
do a conceder um anno de licenga as seguales
pessoas, para tratarem de sua saude, onde lhes
convier.
1." Ao professor de instrucgJo primaria Jero-
nymo Theotonio da Silva Loureiro, com o respec-
tivo ordenado.
2.- Ao director da Escola Normal, o conego
Francisco Rochael Pereira de Brito de Medeiros,
.sem perda de nenbam dos seus vencimentos.
Art. 2. Ficam revogadas as disposigoes em con-
o chee da repartigaodas obras publica?, de qaem comm.ssao de ieglslagao, dai cama a -dosJopou.
recebera as necessarias instracg5es, siga quanto ; dos, aos ariigos do cdigo civ sobre o cmninto,
antes asea destino.-Fizeram-se as necessarias questao estaque era Portogal tem Diurnamente
communicag5es. suscitado vivissima polmica pola imprensa. u
Dito ao Io lente de engenbeiro Cbrisoltto Fer- '<
reir de Castro Chaves.Tendo resolvido empregar
dir a eleigo de Messioa, conclaiado por nomear
u.ma commissao de tres membros para manter a
agitag publica a favor da nova eleigo. Reinou
tranqdllldade.
O ltjode Ganbaldi assislio ao metmg e ohstou a
qae os concurrentes lbe Ikessem ama ovago a sa-
fa Ida. -
Um despacho de Florenga do dia 3 de abril, diz
que o jornal a Nazione assegurou terera sido con- -
vocados os principaes generaes italianos para se ia>
reunirem no da 6 naqoella capital, e qae o go-
verno dera ordem para a esqaadra se encontrar -
era Ancooa.
lia mesma data participara de Bruxellas, qae
all coostava por despachos offlciaes qae a deputa-
Sao belga eocarregada de notiflear ao imperador
laximiliano a exaltagao ao throno de Leopoldo II,
tinta fido assaitada pelos gaerrilbas no caminho
de Sania Cruz para o Mexieo ;que houvera um
encaroigado combate, Ocaido mono o bar3o Huart,
e fer idas maltas pessoas.
Qaasi toda a mprensa falla dos.armamento
a qae esta provendo a Austria e m formago de
tres eorpos do exercito que se hao de reunir as
iraimdiagoes da
Praga de Madrid, 4.Os consolidados a 39. 60 e
os defferidos a 36.90,
declarando qual o motivo qae movea-me a mar-
char para o campo de batalba :'
< Predominando em meu corago o amor da pa-
tria, resoivi-me a acodlr aos seos reclamos; por-
que o verdadeiro patriota, quando v ludibriada a
sua nacao, offendidos us seus bros, o pulsar de
sea pito s diz vinganga ; porm vinganca justa
e necessaria E, sendo este o senlimento mais
nobre, que com ardor dj mea pello se imprime,
como poderia deixar de ouvir os gemidos da pa-
tria?
< Os meres de impaciencia e os das de ancie-
dade, que at este lugar tenbo passado, sao pravas
ir recusa veis de micha perseverancia, dos senti-
menlos patriticos que nutro em mea peito, da
profunda f e lisongeira esperanga arraigadas em
Praga de Lisboa 5.-Inscripg5es de 3 por cento, m^Tplniod^m o-*iSo!d^
/iP'?n tra *m -Io *S2"L d"fl 1865 v'57so7rl'uros"nas"lides"de""Ma?te".
483/4 a 49. CoopSes, dem 483/4 a 49.
. Ttulos de ciuco accoes do banco de Portugal,
478a480Jl.
-S^-
PERNAMBUCO.
ASSEMBLA LEGISLATIVA PROVINCIAL.
SESSAO ORDINARIA EM 23 DE ABRIL DE
1866.
PRESIDENCIA 00 SR. VICARIO FRANCISCO PEDRO DA
SILVA.
Ao mel dia. faz-se a chamada, e veriflea-se a
presenga dos Srs. depuiados Francisco Pedro, Ayres,
Ramos, Gaspar, A. Souza Leao, Sergio, Cicero,
Hoje ha espectculo no Sania Isabel, sobrado
a' sceoa a Dama das. Camelias e a comedia
Tc/Kino-sAinfl-ounC.
Conhecido o mrito destas prodoegoes pelo oosso
publico, que, alm disto, tem sciencia do sea pti-
mo o desempenho pela aotaal companhia, de crer
que a concurrencia corresponda aos esforgos da
eropreza. *
Pedem-nos que adamemos a attengo da
competente aotoridade para o procedimento frau-
dulento de dous individuos, qae, se fazendo conse
nhores do theatrinbo da ra da Florentina, vendem
a seu sabor bilhetes do entrada, sem aotorisago
do dono, promovendo assim constantes barulhos
all.
Sendo instado pelo Sr. Dr. delegado enearre-
A. Souza Leao,
Souto Lima, Teixeira, Brillo, Amorim, Tibordno, gado do expediente de policia, acerca do assassina-
Macbado, Buarque, Jansen, Burgos, Eraygdio, Paes | to occorrido em Maneota e de que demos noticia,
Crocavia, na Siberia austraca e de Andrade, Aroyntas, Epaminondas, Candido Mar- o respectivo delegado declara que fugira para Ma-
utortdaaes a quera gislativa ate 20 ae abril; mas apezar ae ja ir mu.- PPiphrwera o casamento oor aquella
presente resolugo ; w adlantada a discussS) d* orgameoto geral do es- \*a? -o^raVooiS ilt?a de ambos pro-
,ra curaprirtoiu- tado na cmara dos denotados, ^m^_m\^^^^^^m^ ae amos p
trario.
Mando porUnto, a todas as autoridades a quera gislativa ale 20 de abril; mas apezar de ja
o conhecimento e execagio da
pertencer qae a compram faga
teiramente como nella secontm
O secretarlo do goveruo desta proviocia a faga
imprimir, publicar e correr.
Palacio do governo de Pernambaco, aos 18 de
abril de 1866, 45 da independeocia e do imperio.
JWaiwf Clementino Carneiro da Cunha.
Sellada e publicada a frsenle resolugo nesia
secretaria do governo de Pernambuco, aos 18 de
abril de 1866.
O secretario, Dr. 'Francisco de Paula Salles.
Registrada a fl. do livro 7o de leis provinciaes.
Secretaria do governo de Pernambuco, 18 de
abril de 1866.
O escripturario da 4' secgaoTheodoro Jos ro-
tares.
contendores da polpa d'Alexandre Harculano por
urna parle, do visconde de Seabra, por outra, sem
rallar em muitos nomes mais ou monos conbeeidos
que se tem manifestado pro on contra o projectado
artigo do cdigo civil.
Eis a su os li tul gao do governo :
Art. I. Os catholicos celebrar J o casamento
em conformidade com as leis cannicas recebidas
n'este reiao.
Art. 2. O casamento catbolico s pode ser an-
nullado no jaizo ecclesiastico, e nos casos previstos
as leis da igreja, recebidas n'este reino.
Art 3. Os qae nao professarem a religio catbo-
lica celebrarlo o casamento perac.te o oQlcial do
Recebemos noticias da Europa que alcangam as! reglo civil mm condlsBes e pela lrma esu-
seguintes dalas: de Liverpool a 1 e de Lisboa a 5 ^iVoofml do registe civil lora artl-
d0CSga, hav* sidoprorogada,sess^.:|^?ocod.g^coff^^^
Vmc. no servigo das eslradas da provincia, com a
gratificagao mensal de 400$, assim Ih'o communi-
co para seu conhecimento e aflm de que entenden-
do-se com o ebefe da repartigao das obras publicas
de qaem receber as oecessarias instruccoes, siga
quanto antes a seu destino.Fizeram-se as neces-
sarias communicagoes.
DIARIO DE PERNAMBUCO.
~i'a novo nrnroadas ceder a celebragao do mesmo.
Art. 5. Nem baver loquiricao previa acerca
da religio dos contrahentes, nem por motivos das
depois daquelle praso seriara
as sessoes das cortes.
dei5 Cuf iSSflSrJSf SHiX^ 15^ '*" >**> 8" "**?!! "*
tlnha sido condazide era maca para o sitio do La-
miar, nos arrabaldes de Lisboa, tal "era o sea esta-
do de debilidade.
A pasta eslava a cargo do ministro da marraba,
(visconde da Praia Grande de Maco.)
ment.
Arl. 6.a A annallagao do casamonto contrabldo
perante o oficial do regisio civil s pode ser pro-
ferida pelos tribuiues.ciyis. ,,*.'
Art. 7." A lei civil estabelece os impedimentos
elvis e entre ellos enomerara o impedimento de
Parece que ia lavrando maior to**e*\0 ordemYoTa lig'a'gao'por'rao solemne, reconheci
Continoafo do expedteute do da 20 de abril de
1866.
Offlcio ao delegado encarregado do expediente
da repartigao da polica.Devolvo a Vmc. o ol
do subdelegado supplente da freguezia de
s, a que allude o seu de n. 507 e data
na offlcialidade do exercito por causa -------.....- .
para a reforma, innovagao flnanceira com que o aVr' 8 O casamento em todo o ca*o umeon-
actual gabinete ameagava aquella numerosa classe trfl^lnrnplUnncasaraenl e em loao
a titulo de econora.as e a pretexto ^ reorgan.sa- W^p uu,jpMi na ira-
gao de finangas. ...... %
Mais < 500 offlciaes militares t.nhara disido Pr^:Qaava affirmar.Sfl que tecoostracC50.do
se faria depois de encerradas as cor
6 A julgar pela llogoa a qaem dos peridicos
",, a situa-
presidida pelo general O' das mais
de
Jo
19 do
militares
representagSes as corles, ora a urna, .
cmara, para que lal medida (proposta conjuncta-. miuisierio
mente com o orgameoto) nao passasse Entretomo _
o ministro da fazenda ^^^J^S^To da opposigo, que se publicara em Madrid
a necess.dade de comegar por gJ^ J ; 5o -presidida^ pelo general O'Dooneil ,
que no hra de conlas nao tolTW annaaes v k k nma minls,ena..
de suppressao as despezas publ cas e os olDc.aes ara'acad0ra ,nas con1,Mte e latente, sendo a
do exercito, apezar da eloqueneta P"""^J quesio de fazenda o poni principal da d.ssiden-
Ilustre fazendtsta, anda se nao tinham podido con- i
na Bohemia. Os jornaes austracos sem desmen-
tir^ estas noticias, dizem qne o gabinete austra-
co, preveniodo as evontaalidades, nao deixar de '
respeltar o pacto federal. Dizem porm de Ber-
Um qae o embaixador austraco junto da corte
pruisiana entregara ao conde de Bismark ama
nota de 31 de margo em qae desmente as noticias
qoe se tem espalbado sobre as intengoes bellICas
por parte da Austria, o declara qae o imperador
Francisco Jos nao violar o pacto federal no pon-
to em que prohibe a qualquer dos membros da
federagao o empvepo d\ forga para vingar as saas
queixas e injurias particulares, e manifesta o de-
sejo de v>r a-gabloeto prussiano repollir sem sab-1
lerfogio, as saspeitas qae se lbe atiribaem de
querer "Violar a paz. i
Esta noticia apesar de oarecer anda, de conflr-
macao por ser traosmittida pelo telegrapho, coin-
ria-Farloha o assassioo Bernardino de Sena Croa,
| a quem continua a perseguir.
Em S. Looreneo da Matta saccombiram duas
j criaogas, no dio 5.do correte, por haverem coml-
| do por engao mandioca' que a propria mi Ibes.
; dra sappondo ser macacheira.
i Amanha se extrabir. a 2* parte dft 1' lote-
ra (59*) a beneficio da igreja de S. Gongalo, sendo
do jury daquella comarcaT maior Pre" e^000*000'
Hoje fax leiio o agente Cordeiro Simoes de
dividas da massa de Amorim Fragoso Santos & C,
e de movis, Icaga, orna caixa com linteiros, qaa-
dros, cruciflxos e outros objectos. a's k horas em
ponto: no armazem a' rna da Cadeia do Recife
n. 29.
iras, Giliraoa, Soares Brando e Joaquim do Reg
Barros,
Abre-se a sessao.
L-se e approva-se a acta da sesso anterior.
O Sr. 1* Secretario d coala do seguate
EXPEDIENTE.
Urna peticao de Francisco de Aranjo Cesar,
solicitando o pagamento do que lbe de ve a cmara
municipal da comarca de Nazareth, como cessio
nano do escrivo
Gommisso de orgamento municipal.
Outra de Cosme Flix Correa de Mello, porteiro
do collegio dos orphaos, pedlndo augmento de or-
denado.A commissao de ordenados.
Outra de Victorino Francisco de Oliveira Van-
derley, fiscal da freguezia de S. Lourengo de Teju
pedindo o pagamento do que lhe deve
cnpapo, pedindo o pagamento do que lhe deve a
uiaW por ser iraosmiiui ptnti_ w Kr **V&** r,,0 aDfer,..r Jia_bJi^p!L'.?a!f' orgamento municipal.
Outra da irmandade de Nossa Senbora da Con-
ta 4* Vienna em que raostra clarrseme qae o ga-
binete austraco se nao aaer^afTastar pelos seus ce^o^po"^^^ PeDres""pedindo'"a apprava-
actos da op.niao da confederagao germamea. | clov do M Conipromlsso.- commissao de neg-
A crise apresenta-se portanlo sob um aspecto *
multo sombro o parece aggravar-se todos os dias;
se por iim i parle na Aostria se raoveram em 24
horas 80 mil horneas sobre a fronteira da Saxonia
e oatros pontos; por outra parte a Prnssia nao fl-
ca iaactiva, pois o rei Goilherme dea a sea com-
pleto assontimento a algamas disposifdes milita-
res, que com quanto sejam s preparatorias estao
looge de destruir os receios de urna guerra. Os
jornies prOssianos declaram que as medidas toma-
das pelo gabinete prussiano tem un carcter pa-
ramente definido, e exigido pela attitade qae a
Austria apesar da sua precaria cituagao flnanceira
tomara, procedendo a armamentos.
Os pequeos estados e estados medios da Alle-
manba parece acharem-se em maior perplexidade.
Sao convidados pela Prnssia a tomarem urna reso-
lugo, e a usina invoca os direitos da dieta e
quer ouvir n'aqaellas assemblas as opinioes da
confederagao. Diz-se porm que o ministro da
Saxonia Mr. Benst partir para Vienna, e que o
governo bavaro vai prximamente submetter a'
dieta urna mogao que sem se referir expressa-
mente ao desacord austro-prussiano, mas apoian-
do-se na sitoaco geral, foroece a' coofedorago approvaao
germioica o meiq de mtervir na questao schles- SLT,HjC j:
correte, e lhe recomraendo que logo que esteja; vencer de que navia suprema vantagem era nao screvla um iornal d'aquella cidade
oonvenientemente habililado ministre loforraagoes, bolir nas altas sinecuras e oppaleutas accamula- aQtes da JJ serja r. ^ (acl0 con.
c esclarecimentos,que devem ser completos exig- c5es do fQnccionalismo raudo, ao;Psoquese v estivossem volados;
dos por despacho de 18 do correte, acerca dos fac- lnes offrecia a eHe) depois de urna tao pobre par- sutnmauo se os orgoieB
tos que tiveram lugar na linha frrea na tarde de! reira um ru,aro ap3qaentado no nllimo quartel da ?>Vei.,JD.\!ffJ^T!2.TS3-- nnro
15 dest'e raez.
vida. Temia se pois que este descooteotameoto se
e pouco
a dissolugo
cios ecclesiasticos.
- Ura parecer da commissao de orgamento moni-1
cipal pedindo qne se solicite informagSes acerca da
petigo dos guardas naoionaes desta cidade, qae
pedera ama gratBcago.Approvado.
Oatro da commissao de iostruegao publica, acer-
ca da petigao de Francisco Mara Duprat, pedindo
a distribalgo do sea jornal Brasil Agrcola, petos
professores das escotas primaras, e mandando qae
a petieio v a commissao de agricultura.Adiado
por pedir a palavra o Sr. Buarque.
Foram approvadas as redacgdes dus" projectos
ns. 31, 35, 74 e 76, todos deste anno.
Falla pela ordem o Sr. Armioio, qae conolae
requerendp informagoes acerca do numero de re-
crnlas mandados para esta capital pelo baeharel
Henrique Pereira de Lncena.
E' approvado o requerimento, depois de orar
contra o Sr. Hisbello.
Ora igualmente pela ordem o Sr. Jansen, pedin-
do informagoes acerca dos motivos porque oo
teem sido prvidos os lugares de colleciores geraes
dos termos do serio da provincia.
Vem a mesa o requerimento do Sr. Jansen, o
ra o gabinete contrahlndo emprestimos
Wto a cmara municipal do Bonito.-Tendo sido I manifessseVx"tra-egamente. O orgamento fra j aP?, ,aJ al, provavei
nollas pelo governo imperial, segundo constou de ; approvado na generatidade na cmara electiva, so- \ ^ ^nes
aviso da repartigao do imperio de 22 de jaoeiro ni- j bre ura discurso do Sr. Fontes (ministro da la- Q al)Q'ete alm da excitago que se manifesta-
timo as eleiges de vereadores, a que ltimamente zen(la.) ya D* encontrava na cmara legislativa obs-
se procedeu nas tres parochlas desse municipio, ( Q ^-^ segQno os ca|CU|0S baseados era docu-, taca|03 serios,
bem como as de juizes de paz das parocniasae iv menlos offlciaes (ol .computado em 4,600 contos. | ltimamente vio-se o governo bem arriscado no
Senhora da Conceigao do Bjnito e de &. Jos oe Qs sa sobfe a agencja fljaaca| de Londres fa : par|aroenio por causa de ama mogo, sabida do
Bezerros, assim o declaro a cmara municipal ao. i(m da djyi(Ja nQClaan,aj e parl9 ueSsa divida ^remio ne0-catholico. Tinha por Om proclamar, de
Bonito para seu conhecimento e aflm.d ^ocn; ja' se acbava satisfeita. i Um modo absoluto, a Incompatibilidade do maoda-
tinoem a funecionar os vereadores e juize^ aei p A qaeslao da reorganisago do servigo de saude l0 pariamentar com o exercicio de quaesquer (une-
do quadriennio Ando, como ja se oeciaraou ; ob|lca e da jnstruc5ao-primarla fleavam addiadas 5es ara a excepcao 0 cargo de ministro da co-
era offlcio de 27 de maio do anno prximo passado Q-o UQham che[ado a ser apreseniados os res. vr6a v Vi
al qoe se procedam as novas eleigoes logoi que o cllV05 projectos d8 |ei, promettidos na fallando A mo.5o foi Q3teDtada com bastante energa e
mesmo governo resolva sobre a eleigo aa ireKue-. lnrono e no seio das COmmissoes pelo ministro fo aftnal volida por 9i votos contra 7o. O ga-
zla de Quipap, prevenindo ao mesmo^eP "' do interior. | bnete havia declarado que nao poda presiar-lhe p
erida cmara que a eleigo de vereaaoirrens[>o.00 Na cmara dos pares tinba-se approvado depois seu a 0 mas Qe n3o faiia questSo ministerial,
muoiciplo de Bezerros, a que se \at P"ce de longa discusso o projecto sobre a liberdade de Varios nomes se tem vagamente indignado, a
dia 29 do correte, deve ser presidida Pe'0 J""1 mprensa. que dra margem na cmara dos depu- Droposlo da transformagao ministerial, qae se diz
paz mais volado do quadriennio Ando da '"'; lad0J al ser approvado, a calorosos debates. O ^roxima ,aes como Sersundi, Rio Rosas, Calonge,
de Bezerros, sendo a chamada dos potante, na w- ament0 da nova lei rooraisar a imprensa. A N0?aiches, Llrente, Sallaverria e Mayano.
erida eleigo feta pela qualifleagae do presente ^erdade ae a sombra de lo benfica Instituigao
anno, visto acbar-se concluida e nao ter pavioo re-, se tj|jham nesteg ulumos annos abrigado os mais
clamagao desatendida embora nao tenbafuncciona-d abusos qne orna quasi impooidade
do o coaselh muoicipal de recurso como expheam
os artigos 11 e 12 das iostrucg5es _a _que se_refere
wig-holsteiaeta ; raogo que deve ser formulada
de modo que a Prassia oo eocoutre oella pretex-
tos para a declarar formalraeate inadmissivel, e
qae a Austria encontr all fundados motivos pa-
ra a apoiar. O mioistro bavaro baro de Elels-
heim, foi ha pouco a Fraocfort segando se afflrma
para recommendar aos ministros federaos n'aqael-
la cidade esta mogo.
No dia 18 de abril deviam. rennir-se as c-
maras banoverianas.
Na Saecia a dieta vai oocupar-se brevemeo-
Contina a discusso do reqaerimento'do Sr.
Gaspar Drumraond acerca do soldado Joo Paulo
da Conceigao.
Encerrada a discusso, o requerimento
rejelado.
ORDEM DO DIA.
Segunda discusso do projecto n. 69 deste amio,
autorisaodo a resciso do contrato Mamede na par-
te- relativa a estrada do norte.Approvado sem
discusso, e dispensado do intersticio a pedido do
Sr. Ramos.
O agente 01 ympio em sea armazera na praga
do commercio n. 48, faz boje leiio de mobilias,
piaoos, objectos de ouro, e oatros mailos artigos
do ase domestico,
Hootem pelas 8 horas da noile-aonve um pe-
queo insendto a' roa Nov n. 28 em ama loja de
quloquilhenias e deposito de gaz liquido.
insenuio seroanifestoa por occaso de ha ver-
so dado, motivo a verifleago do regjsto do gaz car-
bonico, qae seado feta por meio do urna luz, esta
provocou a exploso qae communeaodo-se a um
flteiro estragn os objectos qae nellese cootinbam,
alguns dos qoaes eram de fcil- combusto. O
prejuizo afiuai foi de pouca importancia. O predio
e as fazendas constam que se achavam seguros.
Compareceram ao logar, no rpido lempo em
que dnrou o incendio, o subdelegado da freguezia
respectiva, e os seus competentes inspectores.
De Sergipe e Alagoas chegou hootem a' tar-
de o vapor Parahiba, da companhia Pernamboca-
na, cora datas da primeira at 14 e da segunda
at 23 do crreme. Eis o qne collemos dos jor-
naes.
L-se no Correio Sergtptinse :
t Nos mezes de julho. a' dezerabro de 1865,
renden a alfaodega :
Importago............... 15:8695685
Exportato............. 23:287*372
Interior................ 4-.880J404
Depsitos................ 2:4133096
Primeira discusso do p*ojecto n. 6T deste anno,
te de urna proposta em que se concede aos dissi-, disposico taxativa a inspeegao
dentes calholicos e israelitas a adraissao a's func- d^ a|vod| p *
cSw publicas n'aquelle reino. Esta propostaJa" I 0 |; Amyntas 9aiai0 explIoacSes ao autor
foi adoptada pela commissao que a dieta tinha en- Droec, 'r
carregado de seu exam*. e ura golpe profundo ^ ( g ^ e coatra o Sr. Silva
na intolerancia protstame que at agora tem pre- namos
dominado no norte. __ Eocerrada a discusso, o projecto approvado,
Esta medida um grande passo no' Prograsso, da raenciODan(lo.se ^ acla> a peOdo, qae os Srs.
liberdade de cooscieocia, mas nao se pode const- Buarque e Drummond volaram contra.
derar completa, pois os suecos que nao forera TJceira disollsSao do projecto n. 59 deste anno,
JS ^SASStJSSTffiS!^ marcando ama subvengo de dous contos de ris,
para o conservatorio dramtico.Approvado sem
O ministro da marinha apresentoa ao parlamen-
to o projecto de lei em que se flxam as forg
mar durante o prximo anno econmico.
Segun-
alimeotava e reprodazio aura ponto verdadeira- j "0 "fotto jo governo as torcas navaes hespa
* mente repugoante. Ternera algnns naquelle paz nnolas para 0 servico dos mares da pennsula e
^ *vi^.k; S ?Sw wlSrs2^MmW Y I ^ se frauaem as l">eraaes publicas por meio de colonias forcas ndependentes das prefeitoras mari-
de oatobro de 1856.-Neste seniido offleioa-sei aos j positivamente repressivas da ira-
juizes de paz do actual quadneonio e do Ando da n^V abjecU q\;e moitosTalsos sacerdotes daim-
fazeodo naqaelle paiz, a casta da re-
"freguezia de Bezerros.
21
Offlcio ao Exm. general commandante das ar-
mas. Sciente pelo sea offlcio de honlem datado
sob n. 453, de haver V. Exc. nomeado o alferes re-
formado Jos Mara Benjamn de Assis para servir
prensa tara .
putago dos mais respeitaveis cldadaos; entretanto
a raaioria de ambos os ramos do corpo legislativo
entendeu bem qne era preciso augmentar a respon-
sabilidade sem ferir as prerogativas constitucionaes
do livre exercicio da manifestaco do pensamento
lu iti*v \s*j\r .- ii ~rt*^j------ m ii lili IIViH PtrL
no deposito emsubstltuigao do teoente Joaqnim^Ma- As 0Qsadils 'qae"chegaca" a parte igobll da im
noel da Silva e S qae passon a commandar a cora-, ens ji ^ onde yg ha ^s eser.p-
panhia de operarios, tenho a dizer em resposia,. ^ ^ e algong qne gep6deverda-
qne approvo essa arrematagao. raUf-,n \ deiramente conferir o titulo de publicistas, tiobam
Dito ao Exm. conselbeiro presidente da relagaa prodazido ^a iodignago geral.
para a concesso de
i. 74 de 17 de margo,. nm cabo elctrico que unir' a Europa com aAme-
1 rica, secando ja' temos nesla folha noticiado^ tinha
excluidos das funcgSes judiclarias e do ensino.
O governo ingles declaran no parlamento qae
rejeitada a emenda apresentada pela conde Grosvo-
nor, para ampliar as disposigoes do htll de reforme
eleltoral, declarando Mr. Gladotone qne a adopgo
daquella emenda seria considerada como ura voto
de meaos candanga, por actos do gabloete, por
parte do parlamento.
Mr. Gladotone assegurou que o governo eslava
resolvido a appresentar bilis sopplemeotares para
debate.
Terceica discusso do projecto n. 32, Interpre-
tando o imposto sobre o capim.Approvado sem
discusso.
Primeira discusso do projecto n. 75, igualando
os ordenados das professoras aos dos professores,
ossta capital.Approvado sem debate.
Contina a segunda discusso do orgameoto
Digne-so V- Exc. de emlttir o sea parecer
a consulta do joiz municipal do termo do Baiqne, O convnolo Ballestri
constante do incluso offlcio n. '
ultimo. rica, segundo j--------------------
Dito ao mesmo.Rogo a V. Exc. que se sirva de occopdo a cmara electiva em vanas sessoes se-
dar-rae o sen parecer sobre o qne participa o julz cretas soccessivamente, e nltlmamente n folha
de direito da comarca do Rio-Formoso em offlcio offlcial do governo portuguez tiohafltjidfl publicas
de 13 do corrate, qae aqu ajunto. as consultas do conselho das obras publicas sobre
Dito ao Dr. chee de polica.A vista do qae aqoelle contrato. Tambem apparecera noswoaes
Donderon V. S. em seu offlcio de 30 de marco ni-' a carta do mesmo concessionarie ao conde de Las-
umo com referencia ao do init de direito da co-1 tro ministro das obras publicas de Poatngal com
marca de Tacarat, firmado em 19 de fevereiro des- te anuo, expedi ordem nesta data para qoe da estlpulavam como ja' aqu se disse qae Portugal
nuarda nacional da comarca de Flores destaqaem! d^se 360 cootos fortes de sabveogao, alm dos
um offlcial subalterno e 20 pracas de pret em ca- navios a vapor neeesairios par. nmii eiteosa son-
da urna da villas de Tacaratd e Floresta, sendo dagem etc., condiedes, qae a jalgar das vaougens
dissolvido o destacamento qne actualmente existe j aoferidas, tornavam o cootrato multo oneroso para
na primeira destas villas, logo qne a ella cheque o aqaella naci. Na carta do cavalleiro Pier
que tem de sabstltui-lo : o qae declaro a V. S. pa-
ra seo conhecimento.Fez-se neste sentido o ne-
cessarlo expediente.
Pito ao inspector da lhes ouraria provincial.An-
nnindo ao que soliciton o commandante superior
interino deste municipio em offlcio de 19 do cor-
rente sob n. 107, antoriso V. S. a mandar pagar,
em vista dos dous ociosos prets, e nao havendo
inconveniente, os vncimemos relativos aos mezes
de fevereiro e marco deste anno do destacamento
de guardas nacionaes existentes na (regneiia de
Santo Amaro de Jaboatao.
Bilestrini.'a qne alladimos, declara formalmente
que pelo que diz respeito a snbveneao, que sera
iralda no contrato particular a concloir. depois da
troca das ractiacagoes do aclo diplomtico, se en-
trega a equidade do governo poriagoez e acceita
desde ja'as resolocSes qae no sen espirito de jos-
tica jalgar conveniente adoptar.
Eotretanlo ha ainda doenmentos importantes so-
bre este negocio, como se dedaz dos peridicos da
oooosico eqae multo a elneidaritra, se fossem pu-
blicados, mas qae. por anda nio tiveram a Jsvldl
poblicdlde,
timas da colonias, sao Diadas do segaiole modo
Seis fragatas brindadas, jogando 200 pegas de
artilbaria, sendo todas munidas de machinas, com
a forga total de 5,400 caballos.
Sete fragatas de vapor, de hlice, com 330 pe-
cas, representando a Torca de 4,060 cavallos.
Olio transportes com 18 pegas e a forga de 840
cavallos.
Tres traosportes com a forga de 510 cvanos,
computando 2,700.
Vapores de rodas oito, com 30 pegas e a forga
de 1.160 cavallos. -
Navios de vela, ama nao de 8i pegas; ama fra-
gata de 42; tres corvetas de 76 ; tres transportes
com 1,760 toneladas; onze canboneiras com 11
pegas ; setenta e seis gnarda -costas ; seis chalupas
e um ponto. ,, _
O effeclivo da eqnipagem destes navios esta n-
xade em 5,874 marlnhelros e 3,857 soldados de
marinha. .._'.,_. .
Alm desta (orea, 566 soldados sSo destinados a
guardados arseoaes.
_ Diiem-nos as noticias de Italia quanta sensa-
cao nao produziram os tristes ncontecimentos de
Barletta. Segundo declarac5ej do governo, a popn-
laga motioada pelo padre Rotglro Portiglione, in-
vadir a casa de nm ministro protestante, assassi-
nando todas as pessoas qne all se encontravam. u
ministra declaran na cmara qae a aalormade ti-
nha efleetnado algomas prisS, e qne os preeos se
achavam entregues a aegio dos trlnnnaes.
Os jornaes de Florenga contara promenores ae
tio deploravels scenas de inlolerancia reHgloa- u
presos andam por setenta e tantos, em conseqoen-
cia daquelle (co. .
O parlamento italiano clama pelo estabelecimen-
to offlcial da liberdade de conscencia.
Segando nm telegramma d* Florenga dol e
abril, eorria o boato de nm emprestimo de xw mi-
Foi desmentido o qae se refera a rmanjentoi
cons^eraveis.
que a reorma'se estendesse a Irlanda e a Escossia prAvinat' subvencao a companhia Pernambacana
para alterar a diviso dos colieglos eleiloraes, pro-. cq qqo4
metiendo sobmetter ao parlamento estes novos ^' SfS jMqQm do Reg0 Bapros e Silva
trabalhos, durante a actual sessao.
Jolga-se que lera brevemente logar em Londres
nm grande meeting popular a qne concorrero de-
Oram
Ramo..
Vericando-se nao baver numero legal, o Sr.
presidente levanta a sessao dando para a ordem do
da o seguinle : on
Primeira discusso dos projectos ns. 80 e 84
deste anno. M am _
Segunda discusso dos de ns. 60,63,67 e 75'
j conseguido escapar a todas as per^J dexeroBlra*do de n. 79 deste anno.
ollcia ingleza, o que demonstra ai L.inaaCao d
legados de todas as sociedades reformadoras da
uglaierra, sendo esle meeting pcomovido por Mr.
Bright.
Parece qne Mr. Stephen chefe dn partido femano
loa Irlanda em vez de ir para a America, j aeacba
em Pars tendo
seguigoes da p
graadea protecgSes qte encootra entre o povo
irlandez, o a inefflcacidade das medidas poli-
ciaes. Esta noticia tem causado profunda, sensa-
go em Inglaterra. -
Consta qae Stephens participop aos chefes do
partido /"emano na America septentrional qoe bre-
veraerate se acharia a seo lado Jetara dentro em
pouco tentirem am golpe de mo sobr a irlan-
da.
Ditia se qae o imperador dos Francezes diri-
Conlioaago da anterior.
REVISTA DIARIA
A carta que damos em senulda escrlpta do
acampamento braslleiro em Talacora, sob a data
de 20 de margo prximo passado, pelo Sr. Henri-
qae Hercalano do Reg, nosso comprovracuno e
alistado no corpo de voluntarlos da patria desta
gira ama carta aVwnmi'ato'd'eestado,compre- pro*","*= D de V|elra, de Cmaroo
hendendo urna especie de prograrama ministerial o'j^^^ao^desmenUr e nem
em que sobresaiam algamas novas dlspos.cSes no Henrique Das, rednao| ,D 0 nome pernam.
senimo raais liberal; o que tortada 6 qae depois | J^"^.81?./^^ 0 deter mais sagrado es-
dos ltimos debates do corno IfitaUro, o impera, bucano I do minhas fraCas for-
dor quer. consultar a opin.ao diiPranca, e pijecta roroai m e dosn0890S MWMttdoi.
izr^zsi i asse^.s( ^rrsid'e ts usbuS
sendo
tldo solemne as opiniSes adversas
Parece porm que estas demoostragoes
devidas a sympathia qne merece o nome e a pessoa
do imperador, nueca podem ser consideradas como
om sigoal de approvago dos acto polticos dnaeu
governo, quando o paiz reclama n^sua i
*-'o governa provisorio dos prinoioados (dJaej
de Bochares) dissolveu as c&oaris.
vos dirige o vosso comprovincia
eulanodo Reg.
46:450|559
c Pelas 7 horas da noile de 26 do mez passado,
oe silio Varzea a Gama, o individuo Tnemoteo
Jos de Mendonga foi assassmado por nm sen es-
cravo de nome Francisco, qoe se diz menor de 14
annos. O criminoso acha recolhido a' priso.
L-se no Diario das Alagos :
c Hontem (.18}, prestaram o juramento da es-
I tylo perante a cmara muoicipal desta cidade, os
' Exms. Srs. Drs. Galdlno Aogosto da Natividade e
Silva, e Renjamim Francklim da Rocha Viejra, a'-
qnelle como primeira, e este como segando vice-
presidente desta provincia.*
RepAimc-o da polica :
Extracto das partes do dia 24 de abril de
1866.
Foram recolbidos a casa de detencao no dia 23
do crrante.
A' ordem do subdelegado do Recife, Antonio Si-
moes e Jos Leovegildo dos Santos, por disturbios
e fer i mentes.
A' ordem do de Santo Antonio, Iorolos, inglez,
por embriaguez. ., .
A" ordem do da Roa-Vista, Theodora Mana da
Conceigao, por disturbios.
A' ordem do da Magdalena, Marcellmo Velno e
Jos Hermenegildo de Soma, para correccao.
O chefe da 2* secgao,
J. G. de Mesguila.
fasssageiros do vapor Paraaioa, vlndos de Ma-
ceta' e portos iotermedios: '_ ,
Olympio de Souza Campos, Jos Zachanas de
Souza, Antonio A. da Costa, Francisco L. de Bar-
ros, Eugenio T. da S. Fontes e i escrava, W. Ja-
ques, Miguel F. do Monte e 1 escrava, Francisco
de P. Andrade, Antonio J. G. de Atevedo, Jos E.
de A. Duro, Jos M. de Lima, francisco de O Ma-
chado, Francisco A, Dargean, Luiz P. Duarte, Jos
D. Pereira e i criminoso escoltado por duas pra-
CUS.
Passagelro d) patacho nacional D. Lmiz vindo
da Babia :
Jos Doroiogues da Molla.
LiUUTBRIO POBUCO, OBITUARIO DO DIA 19 DE
ABRIL DK 1866. t, _i
Jos Antonio Ferrao de Flgueiredo, Portugal, 43
annos, casado, Boa-Visto; ntrax.
Manoel, Pernambuco, 5 mezes, S. Antonio, con-
vuls5es. ,. .,,
Bento, Pernambuco, i mex, S. Antonio; diarrba.
Maa, Pernambucoj 3 mexes, S. Antonio v contui-
Joaqnlm Marcelino, Baha, 60 annos, soUeico, Boa-
Visto; hepaite.
SO -
Prudencio Gomes da Silva, Pernambuco, 28. annos,
s,lteiro,S. Antoulo, pneumona.
Roberto, Peroamboco, 16 annos, 5. AoniP i '0
Rottlm?PerMmbnco, 1 a*no, S. Antonio,' pnlmo-
Jaanha, Pernambuco, 3i5 annos, aollelra, Boa-Vs-
AotonneOUvetw, Portugal, 25 annos, solteiro,
Boa-Visto; laborelos noJmonires.

'jTtSS'dTc^a^Rr^ M.
SasoK endinos gaeascomprovlnca, leda.^^^^ ^^ lf ^
n> i


*.
*#
iv ')
nrfftlM
ftlarlo ie PeMA
___________.a
Oaart* felfa & e Abril ie 1866.
-
I

feliX PernambneP, 6 anno?, S. Jos;* desinteria.|percebido, e sem nssposta, am artigo publicado na tberapeuticos obtidos ltimamente>-** !e IMttttt sao de 0pini30 qwe 0 ferro e
r
Urbano Pereira da solteiro, .ia VlPu; wlerile
Pedro Goncal ves de Lima, Pul.
leiro, S. Antonio; apople
Porlagal, 63 anoos, sol*
Marii>ern"anlboo; Tonos, Boa-Vista; eollte.
Enstaqolo, Pernambaeo, 18 inexea, Boa-Vista ; n-
3 mete, S. Antonio; destn-
termitente.
Maria, Pernambaeo,
PbUomeoa, Peroambuco, 3 Wwes, S. Jos? con val-
Joo Garlos Augusto da Silva, Pernambuco, 47 an-
nos, casado, Po^j da Pantila; prtiistea.
Manoel, Peroainbuco, S. Antonio; desloterla.
Francisco Antonio Vilra da Silva, Pernambaeo,
7 aonos, S. Jos; eslnleria.
Mara, Penutsbuco, 18 mezes, Boa-Vista ; inter-
mitente.
- 81 -
Maria, Pernambaeo, 15 mezes, Boa-Vista; interm-
teme.
Pedro, Pernambaeo, 4 mezes, S. Jos; tosse con-
valsa.
Marina, Pernambaeo, 18 mezes Bea-Vista coquelu-
che.
Pompeo, Pernambuco, 12 annos Boa-Vista ttano.
Marcos, Pernambaeo. 3 annos, S. Antonio, gaslro
intente.
Maria ViceBcia da ConceicSo, Baha, 3o annos, ca-
sado, Baa-Vista; intente.
Esmiro francisco Gomes, Maranho, 17 annos, sol-
leiro Boa-Vista ; pneumona.
Delffoa Mara, frica, 60 anuos, sorteira, Boa-Vis-
ta ; apoplexia.
Joo Capristano de%raojo, Pernambuco, 26 nnos,
solteiro, Boa-Vista ; tubrculos pulmonares.
Maria, liberta, encontrada mora na ribeifa, S. Jo-
s; heffiophezia.
Miguel, Pernambuco, 2 anuos, Boa-Vista; inflama-
cao.
Abllio Bandeira de Mello ioureiro, Pernambuco,
11 aonos, Boa-Vista; cohte.
Leonila, Pernambuco 2 annos, S Antonio; saram-
po:
Thomaz Lins de Souza, Pernambuco, 25 anoos, ca-
sado, Boa-Vista ^ tubrculos pulmonares.
Clemenlina, Pernambuco, 24 anuos, escrava. Santo
Antonio; diarrnea.
l* pagina do sea Diario de 3 do corrala mea, pa
raqte srfritMW qMe-pbWo--Ji *}**<*##* kW
res expr ao ridicofooe memoNMt toctos da des-
cendencia do prttnnro homem, e ao diluvio -
versal.
Esse rtico fol a trauscrlpcao de am jornal da
provincia da Parahyba, qde descrevea urna nova e
importante fascobm*.ti* Par hyba ao primero de
brl do rorreo te Ibdb, aH*er : acercado nm ko-
SfiSo^js *m ill4f *"^S5 str&r^80zam das
Depoto : pharmacia de BWfceole tnicas; que aproveit*
Joaqmm de Aimnda hm.
ajkrobbba, nova sobstAkoj. HUiaRA. rja Jibr frqueza; e com effeito acho exae-
O.^et.e^s.flSSffiaas^B.. ^^^ ^ ""** V22
s raramente se eaeotoinalM tt n* graos d subiiyeit gelo mao resultado que tena* ob-
lalriuo norte,
, entretanto qw ?ais*artedades lo sefVido, ( que j fiz publicar) i ceiUs fe
mem petrificado etnjUohfltit,tm brtm, -afeen taoWtterosas ho llnl, qa M podara crer^he determinadas mole -lias ; por XetplO: *ne*
rapada que se encontrn trole o ma brftfe ao sna*oatria ; *- -
fundo da otclmba da prprledade, oufr'ora peften-' oiWba<*e
----- mm L---:-_ -__ :;:mm
'de serosidade no tescido ctihitot (g
do est rtre a pelie) e depos *;ite ob'y-
raPq*'Qae *t 'W^l\^^^U%ZtS1tS- mi9'* **rts intermitentes, terairamui-
cente a um certo /ofc' io'Vrtm't ooe" "prWte- j aMMos/MMv aHcns mictn tfe aguilbw ta vezeii Jpor anazarca, que Mfeu6tec
mente se afUa pattlmdo tf%ao o "Sr. tweoffler- i IfHUtas asfafts.
minio Jos Pereira,tea do qtia um tal r.as As'aatMeas tarneeMt ThersplBica pKWW
alli resfdeWeassevefaperantemutsexISectJidotes.'fBBdiciiafBs ; qfflfsl todas'tem tttna sccio tnalsOQ
nao ser aquelle phisnomeno da geraco de No, menos enrgica, muitas sao violed, vMs \ f-
ffls simwmeTnTifSBo il A(Ho, por TJWnW 5S' raTmeTlTe sea prHerpI) cIrVo Tfsnie tos rolBs, 8*^"1*ac.m pwrtoneo.
descendentes daqai-lle (*c*pararn com elle na sua nos rractos e ta casca da hMAe m 4 ralles. -
arca, cojas escotilbas lacraram por occasio do ul- Um pharmaceatico de Pernambac timo cauclysmaa (na obrase do mesmoSr. Cira- mentado o solaneam pamculatunt, denominado no
gas) da marrada de um dos planetas viajantes to' Brasil jurubeba. Elle rcooheceu-lbe proprieda-
grande ocano, ae passo que qaando ells poste- des to maravilhosas, qae peosa qfle sena am be-
riormente vieram America ja encontraram-ta nificlo a introduego de sau uso na Tnewpeuiica
povoada por diversas familias, {qae ento tambetn franceta ; e Ja, en Pernambuco, se prepara com
para alli se havram refugiado e salvado, bem como,' esta sabstancia am emplastro, nm p, am xarope,
am vinho, urna tintara aqoosa, om extractoalcool-
lico, om electuario, um olee,- qae se empregam le-
das as vetes qae se tem de combater febres io-
termileotes, affet^oes do gado e do baco, catar-
rhos da bexifa, anemia, ohloro.se, hydropesife
dea-se sobre o solo qae Irte fleava adjaceot'e na di- westraacodiAeil; eraftm, segundo os oamToses
recro do norte, deixando atli sepultados os mise- attestados que nos foram commuoic,aao3, ess suos-
ros habitaotes daquella poefta. tanda ser o tnico dsobstruetne ttais enrgico
Outro sira, qae a maravilfia aa petrifiedeftoto qd ^tairs h Waferia *dfca ; o fmSrrtrttrttftO
tal hoAsero procedia de ter pelo esd aaqewi ire- qae dseottio este doto medicamento j*tgre-hia
casiao cahido sobre elle urna graode pedfa, que fetl Se o Visse etflernTjeo'tir ios bspifirs tfe
edm todo o nao oftendeu peta concavidade que o Pars. Em qoanto isto se nao faz. nos encarre'n-
resgnardon de ser estoagado ; sendo qoe dlrlo mes de faer eonUfieer os catatetes phTsicos des-
em tai distancia do calnr o sol nio permittio qQe ti pabScea.
fosse a carne corrompida. A jurubeba^ri offereCida ^ao codmyBrclo em'dS'-i,
A vista deste exacto escripto deprehende-s ft- ta'db fie Tdlha^fle ffottbs 'detalzl Ai MMs fes aquel les que augmentara 08 mOtmeMOS
cilmente, que toda aqaea nrracSo, ttSo passon de tem eot*Mib ffle'tarmde TO a 90centmetro, irritattves .qae constHaem s secresoffi.
um verdadeiro canard, bn pela, preparada oa Pa- as mas grbsas Blo"tgm l cetfttffletro de Asstffl, fjOS;t-9fr-qiK"SiMfl'a 'pWCtsa COmbi-
rahyba, para embattlr Os rdrredulos, e fltef nt- circuraferencia ; ellas sao guarnecidas de peqoe-' nac3o e ,mdflcad5o 5o lide Ser elle 3ppli-
a cusu delle o pciwWro 'de fenri,dia gerilnWnte as rarts, ttais en IttWDs delgadas, era grande V iruatincfamflnb nita assignalado, como necessariameote teria all suc- enmero ; SoatexWri' Matadora, lirvosa ; BiW .f"i- u. r j ? PI!
cedido. bras sao tio buidas que, cortada transversaimen- tico aena"e *wr apptK0O 0 ferro por
umm JtDiciAiii
THatlITX.tfi S KBLAClO.
SESSAO DE 24 DE ABRIL DE 1*866.
PRESIDENCIA DO BXM. SR. C0NSBLHEIR0
SOUZA.
s 10 horas da-mantisa, presentes os senhores
desembargadores Santiago, Gitirana, Looreoco
Santiago, Almeida Albuquerque, Motta, Assis, Do-
ria, Dodjingues da SilVa e Vilra Costa, fVItndo o
Sr. desembargado,- Giierta, (Jr''t''rador fla CtfrOa,
abrlo-s a sesso.
Passados os feitos, derm-se s seguintes
JULGAMB!tOS.
"Recurso errme.
Recrreme, Joaquim Dias de l'ontes; recorrido,
o juno.
Relator, o Sr. desembargador Lourenco Santia-
go.Sorteados os Srs. deserabargidores Motta, Do-
ria e Domingaes da Silva.
improcedente.
Apppellac5es criraes.
Appellante, o promotor ; appellado, Ignacio Mo-
retra.
A novo lafy.
Appellante, e juizo ; applldo, o fescrave Gre-
gorio.
A rfovo jury.
Appellante, o juizo ; appellado, Vicente, eseravo.
Nao tomaram conhecittieBlo'da,'ppella6ao.
Appellagoes civeis.
Appellante, Francisco Ribelro Pontes; appella-
do, Silva Leo & C.
Confirmada a sent?nca.
Appellante, Mah'l GoQCWes de Souza ; appel
lado, padre Jos Barbosa Mehdes 'Rocha.
Confirmada a senteoca.
DILIGENCIA CRIME.
Com vista ao Sr. desembargador promotor
justica /
Appellaole, o juizo; appellado, Beoedlcto Gomes
Salgoeiro.
Appellante, Joao Jos Damasceno; appellado, o
juizo.
Appellante, o juizo; appellado, Jos Vrtlra de
Mallos.
Appellante, o juizo ; appellado, Manoel Alves Af-
fonso.
Appellante, ojm'zo; appellado, Florentino, es
cravodo Dr. Ltiite'Oiffsica.
Assignou-se da para joigameolo dos eguintes
feitos :
A ppellacao civel.
Appellante, Joaquim Gonfalves de Lemos; ap-
pellado, Manoel Ridrigoes de AzeVdo.
Com visia ao Sr. desembargador procurador da
coroa.
A appellagSo civel.
Appellante, Olivira & InnSo; appellado, o juizo
PASSAGBNS.
Do Sr. desembargador Gitirana ao Sr. desembar-
gador Lourenco Santiago
As ppllacSes crimes.
Appellante, Pedro Araerico de Atmerda; appel-
lado, o juizo.
Appeltante, Jos Felippe Bandeira de Moura;
appellado, o juizo.
Do Sr. desembargador Lourenco Santiago ao Sr.
desembargador Almeida Albaqaerque :
A appellago crime.
Appellante, o juizo ; appellado, Manoel Jos de
Almeida Jonior.
que a prlmetra e anterior marrada dos referidos
planetas fura em trra Arme, dando lagar a desto-
cado ; e desflguracao do osso globo, e por isso
ama montanha, qno ao sal da Parahyba existia ar-.
razou-se com o choque dos dod planetas, estn-
Descarregam boje 25 de abril.
StYca lubeckenset(fyfr--farlnha 4% trigo.
Brtgne austracoArtwte* Mero.
Wlg'ae hespinholToroidem.
Vapor inglezCassinemercadorias.
Brigoe inglez-Casic Graygaz, brea e machinas
Brigue ingles Ella Bruce mercadorias e mt-
eMaasr
Barca portuguezaBeem diversos gneros.
Patacho dinamarqus Palluce farlnha de trigo
Galeota hamburguesaEclipla diversos gneros.
Escuna inglezaJaron-diversos gneros.
Barca ingleza Edtth Manonearvao.
"rigue ioglez=JoAn& Eheateth^-Uea.
iara nacionalMtndellolaem.
Patacho portugoez Carretedem.
Sumaca hespntiolaGi RECE8ED0RIA DE RENDAS INTERNAS G-
RAES DE PERNAMBUCO
P.endlmeoto do dia 2 a 23....... 19:015*381
idem do dia 24 ............... 1:601*668
CONSULADO PROVINCIAL
nacionalAwts-charf.
dropesia do vetre, qae aecumuiaco deH E" pormjaezBe/isorwdem.
rocittadB to peritoneo. ?
' abio tjfle o ferro um dos afentes
b8 iofortaflfMi pffa qtre o swigiie e pre-
pare e aperfeice devidamente, e por cob-
seguiote o mais proprio para impedir o des-
errvolvimento destae molestias; mas sendo
elle am effieaz excitante, srbante e secer-
nente, claro que s associado como se
acha neste xarope, pode dar ^o resultado
que se espera, e a experiencia me tem de-
monstrado sem risco de offender as entra-
nhas.
Os effeilos dos frrcitaTrtes, s5o: promover
asecre?5es, e absocs, augmentar o ca-
lor natural e remover aquellas dores que
nascem da mu dos movimentos irritativos.
Os sorbeotes sao tambem aqvelles gentes,
os quaes avjgmentam os movrmentos irrita-
tivos, que formam absorco, e OS s'cernen-
conbecer sospeltar que o^garlo, o bofe do
pulmao, e or3o essencial da respirado, ou
outra eniranba est offeadida; entretanto
Se porm aquella correspondencia enerTSSe s- te, lhrece bma snperflcle lisa cmo impn'effa'-
mente a*i pOueK seria toleravel, pfs qaanflo vel. Pira parvorisa-la, preciso otWdl-'la antes
mallo poderia desalar ovfse. Mas o tfoe torfla al- por meio de urna faca.
tameute reprheasTvel'e ceasafstel, a ilnpredade A Wlz SfnrWtba teffl Orna eotanlttga a da ,.
com qnetal artigo fof re ves t a o, epondo-seao per- rMz de anna d Provanca ; a casca qtte a cbre-' que, >se e tivese appHMOBm tempo se
reito escarneo e ridiculo publico a verd*8e dask- um tanto escura. Essa casca tem espessuras Va- pfjdetla tT etitadO O deSeTfVOlvinientO 'da
gradas escripwraja#r a descendencia do homem, rlavels^egudo a Idade da plant ella rogb*a, molesfia. Assim, pOS, O Xrop prepara-
e o facto do dtluvioyHuversal. ssavda 6m aipUns Ittfates ; Se epara Bm lam -, fl Ainnuto ** nodo iiar n ris-
Ninguem ignora qde a Eserlptm-a agrada mengRias e reduz-se fcilmente em po ; tem potteo Cltei-1uo w,mo "a fPf810 "^P0"6 Lu*8r 8*m "s
ciooaqueAdo e EVa tlVertm tiopTlncipio doaf'ro.^sdOpor'ffleio da W{ao. Se mstlgada,; 00 por DflO OflWlQer as-entWnhas. 'AS
iBstias cofira ?rs qoaes o xarope tnico te-
frigerantepde ser appficao com pftvTto,
s5o: as ameaorrheas, ou sospengao do-fla-
aihos Caira e Abel, ras qae ptJr flTdrte desie Deus cdmmtltrfta itibecaoTanes dto amargo dae dora
deu-lhes ootro de mome 8eih ; sendo qae da 9na por muito tempo, entretanto qae a libra Undosa;
ranb descnden(*ra-praceaXh *6'patriarctia No*. qlttSi ftrtlplda.
Ora, se ioquestloovelmeote No foi descendeote as hastes do sotaitum oantrulatum san rnmnri- .
de m, filho de Ado, chro que tambera elle foi "''J^guarnecld^ de Sncia T5i> Iw. **nl *** Wttrheres, d0mia, OH d.-
descedente de Ado. tanda, e aftuilhdes moi pontudos; as folhas qae minuiCO da massa do sangue e sua censts-
' adherem s hastes tem urna bella rr verde, a mor tencia alterada, dores de estomago, debili-
parie se achara quebradas pela desecacio: essa (fade dos Orgao digestivos, aeiio, fluxos
fu na bao temebeiro ; sea sabor u qoasi nullo ; os
fructos sao de
Logo, quando nvesse ct'istirto falffl da Imagina
u do Sr. Cbagas) o tal homem petrificado e chrys-
taliso daPartln'ba, epodess'esor cOUtempotaneo
de Ado, seria anda da sua descendencia, a noal
tambem fflra da de No, pois d*de aqefa primi-
tiva era, ootra rattfha flo rslfo arrm da WqtleTle
primeiro homem. Lo^o, mu falsa 'foi a a?ser5So
contraria do' Sr. Chagas.
Atm disto, cbmpdts*ndo-se amesitia Enripia-
ra, eocontra-se no Gnesis a fl. 6 v. 7, 17 e 18, qde
Dens dissera a No :Exterminara da superficie
da tena desde oomem-hr -M'tnMHHtM; efe**! o
reptil alias aves, porque DfeKpiMPINHAi crtado.
Resolv fazer perecer todos 09 homens, por que
elles teem enchuto a trra de iniquidades; mat, tu
estabelecerei a minha allinnca cemitgo
Na cap. 8 v. 17, e oep. vv. 1 e 7, Deus- alada
falln a No e a seus Slhos, como nicos homens
que subsUtiam anda sobre a trra, repeiiodo-lbes
fas mesmas palavras qae elle ja havn Mito Adi
e a sua esposa no momento da erea<*Bo. llrttstei t
multiplicai, povoui a trra, e deminai tobre todos
soutros ananaes.
Emtlm no v. 19 do mesmo eap. 8, Me adresoen-
ton, qae os tres fithosde No'erom 'rrHHici origen*
de iodo o genero humano dupetsndo svbrea trra.
Logo, serlissimo que outrt dvivndencia no
podra ter existido depois da juelie diluvio se nao a
de No, o qoal por ventado de Deas foi a nica
qae salvoa-se na arca roanoada por elle construir,
e por cooseguinte ainda falsa foi aquella ootra-as-
sercao do tal Sr. Chagas. de tar escapado desse ca-
taclysnva, para a America, otgnns (outros) descen-
dentes de Adao, de qoem (ora eentemporanee, o
tal seu homem crys!alnado.
Em summa a crenea"geTal 'de todos es povos, a
tradiQo universal, a propria historia profana, % os
eriptores de todas as oaeoes sobre, (queo sabio
Ilo.it fez orna precios* uttnpHacao na sua obra
Qnfflst Aluct L. i cap. 19 v. 5.) nonca dirergiraro
sobre o facto de ter batido mn nico e universal
diluvio, como anda conrma a existencia no pro-
fundo seio dos mais altos rochados, de urna quan-
tidade prodigiosa de coochas fossis,-e outros despo-
jos marinbos; o que todo prova eoncladentemente
o transporte das'aguas do-mar sobre essas^erol-
nencias da trra.
Logo, a vista de untas e to ioconcnsssas provas,
nao mais possivel boje pr-se em duvfda aqoee
tacto, histrico sagrado, de am nico e universal
diluvio, acerescemdo que tambem nao ha razoes
bastantes para allirmar qae antes del le a A menea
fosse, como hoje, separada dos outros continentes,
e antes o contrario se deve presumir.
Nem esse escarneo ora trazido sobre a existencia
de dbus diluvios, tfm faeto'novo, mas sim foi
exhumado de antigs eras, em que incrdulos phi-
losophos apresentaram exdruxulas opinides, as
qoaes foram cabalmente pulverisadas por eximios
pbysicos e ontros sabios.
E pois de plena evidencia'qae toda aquella his-
toria do 8r. C&agas'sobre o homem petrifiaado e
passar de
tem o
grande demerito de "seracompanhado da mWr in-
lidelidade possivel, alm de conter perfeitas tiere-
sias sobra pontos multo graves dos Iivro3saerados.
am amargo moflo pronunciado, e
se conserva mesmo depois que es-es fructos tem
seccado.
A raz da jurubeba tratada pela agua ou pelo
alcool forece um extracto de ara sabor amwago
multo pronunciado. Esse extracto mais a
dante os parte cortical da rail do qne oo lint.
Pomos disposicao de taos aquellos qoe qU
rein fazer um ensaio therapeatico este novo me-
dicamento.
(Extrahido do Bulletm General ie Thrapeuli-
que medcale et chirurgicale de 15 de Janeiro de
1866.)
mu i m wm
CURA
fcpaHtoza f Admira vel
DE UMA CHAOA
GANCROSA e roedora
00
mucosos, flores brancas, olorose, molestias
do seXo lemetiino, caratHerisada por lan-
guor gera I, acclorisacao pallida da cor ou
esverdinhada, eropobreciment do sangue,
eiirfrte^cirronicos dns visceras abdominaes,
alporcas ou escropbulaa, escorbutos, op'ila-
cao, pallidez, e os estragos produzidos pe-
las molestias sypbililicas: asthenia ou falta
de Torras; Urqrjezageral: eba bydrope-
sia anazarca e ascites; tendo-se o cuidado
de observar nestas duas ultimas molestias
principalmente, e om todas s nutras, qoe
om dos eeitos salutares deste xaropa te-
ro-ven t re corrente, e as urinas desembara-
zas.
O modo de osar-se e reguiar-e va i des-
cripto"bo lefretro pregadonofrasco.
Vende-se uDicamente na botica da ra
Direita n. 88 de
Jos'da Rocha Paranhos.
POLYPO M MRIZ.
Do Sr. desembargaderr vMotta ao Sr. desembar-
gador Assis
iu A.apl?lW.re,'-,rtBiiiiA Pian rystalisade da PaMhyba, alm de ososas
Appellante, Beato Vilra Plto: appellado, Clan- om dosfutei contosde'nil e urna nvites,
dio Calumby e Azevedo.
Dia de apparecer.
Appellantes, Leopoldo do Reg Barros e outros;
appelrados, os heTdeirbs de Bernardo -Antonio de
Miranda.
Do Sr. desembargador Assis a Sr. desembarga-
dor Doria
A appellaco crime.
Appellante, Clemente Correa Jardim; 'appellado,
o juizo.
Ao Sr. desembargador Guerra :
A ppellacao civel.
Appellante, Manoel Vicente favares ; appella do
Leandro Pereira Barbosa.
Do Sr. desembargador Doria ao Sr. desembar-
gador Domrmjues da Silva :
A ppellacao civel.
Appellaole, Jo3o GoraBs Ferreira ;appeliada, Lu-
cinda Maria da Conceico.
Do Sr. desembargador Domingues da Silva, ao
Sr. desembargador Vieira.
As appellacoes civels.
Appettsole, -Segismundo Sergio dos Santos; ap#
pellado, Vicente Ferreira Padilha Calumby
Appellante, Francisco Rogerlo (Jorrea; appellado,
Jos Barroso de Araujo. /
Ao Sr. desembargador Guerra :
A appoMtaoivel; ...
-AppellikBte.Mtmdel Meateiro de Macede; appella-
do,'.BorgeB dt Mello.
A i bor* encenou-se a seasto.
Se porm o tal Sr. Chagas por oeoaslao daofletle
memoravel da 1 de abril, quiz assim ridicularisar
principios to verdadeiMs fundamentaos das eren-
ras religiosas que seguimos, conveD^a-se' para sem-
pre qoe falhou o seu calculo, e nao attiogio ao seu
malenco rim. por que ellas eslo profundamente ra-
dicada-, ijue janao-podem ser fcilmente baladas
pelas graeolas de. pessimo gosto de qualqoer fabn-
lista de aldei.i.
Apenas elle, ou qnem redfgio e ap-oprion Ihe
aquelle ajtlgo, dever conveocer^se de qaedSrtir-
te s poda conseguir tfrrra 'triste vantagem, a'de
expor-se ao eterno ridiculoubi et orbipela au-
dacia e originalidad)! na concepeo dcrtal pheeeme-
Oo ante dihjviano,-achado oa cacimba dolMo^o
Joo do Trem, o qual com elle viva, e a seutddo
|cresca,mllipHqee"prospere, usque adconsutnma-
lionemsoxuh, como cordealmente deseja-lhe o
Um secular caththco "ie Pernambuco.
Recffe, ir de abril fle 66.
ii
i i
m
Communicados
O Dr. II. Pereira tle Lncena.
O nosso armgo'Dr.1!. PWira d"e Ijacena, xomo
PblicaQoes a pedido
As Virtudes theraputlcas da jurubeba sao desde
muito coohecidas nao s no Brasil,.poisque deltas
tramo Pisn emSua excellente obraHtitOria na-l
turaset medica Miae ocadentalis, senaotras'
Antilhas, odde o saeco das tornas' e rrdclds 8, eo- <
moequi, muito eslimado e applicado conBia'aa-1
obstrueges abttorainaes, principalmente do (toado
e bago; e se todos os'facultan vos desta provincia !
Urna crwi'da de rervir rendente em Pernun
buco e fjeonJente 'BtT.' 8err". Vootn)HA
db GOiArlrA, 161 atteada daina terrivel cb
ga canetoaa e roedorao* Polypo ni Narik.
A mesna tavol'via e totmiTa'todo' a parte -te-
ferior do nariz, amea'can'do j distruir tanto'a
parte cartilaginosa como o mesiiio oso ; Come-
<;ou primeiro por appaeecer-sob o bei;o"8itpe-
rler e parte da fcee, "eTtewlwido*o or al
forma e'com tal' rapidez, qoe em pouco amea-
cara transformar todo o rosto n'uma enorme
barga viva e-asquerosa. Dorante todo este
terrivel estado, todos o'recursos medicnaes
que em taes cazos se uz.'io forSo abundante-
mente empregadoe, sem que do 4ere fir.ease
parar a marcha4enta e dtatroidora de to hor-
rivel enfermHade, e' todos os- meios e esfbrCos
forio baldados, e no m tanto o mal resela eie
qne por milagrosa fortuna da infeliz-estando
as cemaas este ponto, se expernentou pela
tez prlmetra a
SALSAPARRILHA
DE BRISTOL.
O effeito produnido, quasi que instantneo
per este in os tima vel remedio 4bl verdadeira-
mente masaviHioso e sem igual; este grande
purficador do sangue-e dos humores do sys
tema, inmediatamente pz un termo mar-
cha dlmstroaa e fatal da molestia, derramndo-
se-e infiltrando-se atravs dos tecldos os maif
delicados do corpo, expellindo at ultima
prprledade ou vestigio viralanto da molestia,
e-dentro-dlum curto moeo-de tempo prodrojla
orna
CURA
Completa e Radical.
Este feliz quio admiravel resn: tado foi obti
do-apenas com o'simples uso
20:647*149
Rendimeoto do da 2 a 23.
dem do dia 2i
91:4553159
f.: 187*2 lo
97:642*374
MOVIMENTO DO PORTO
Ndvtoi tntraijtnodia 24.
Barra16 das, patacho nacional u. Luiz, de 433
toneladas, capKSo los T. de Azevedo, eq.otpa-
gem 12, carga charutos e antros gneros; a Jo-
s Baria Parraira.
Ro de- Janeiro8 dias, barca inglefa Mary Bond,
de 430 toneladas, taptlo Heed, equipagem l,
com lastro; n Phtpps Brothers & C.
Ro Be Janeiro-"15 dras, barca ioglea Enictg A-
grtet, de 469 toneladas, apilo D. H. Wutuoo,
qorpagem 14, en lastro; a Phipps BrdHiers
&C
Liverpoblpr L*bfl3dias e do oitimo 16--va-
por iogler O/imfd, de 511 torrelodas, caprto F.
Witliam, equipagem 27, carga foseadas e db
tros gnneros; a Thevnas JefTtries & C.
Mace e portos mfermedios24 horas, vapor bra-
slleiro Parahyba, commandante Belmiro Bptis-
de Sooza, eirmpagem 30, toneladas 194, carga
algodao e outros gneros.
Navio tbido no mesmo dia
Rio-Grande do Sol-p&tacho brasilelro Trovador,
capftao 811 veno tvo Bastos, carga assuoar.
lilil IJ.M1I II
01TAES
Xarope tcbrcrj de veame, -preparsfdo
I pelo pharmaceutico Jos da Rocha Paranhos,
estabelecido com botica na ra Direita n.
-8 em'PerMmbeco.
Este xarope incontestavlmeirle superior
a todos os xaropes depurativos, de cuja
coroposiclro o sea maror elea en to a salsa
parrilha, pois rae se tem conhecido ser o
veame mais enrgico para a prompta cora 20 particular n lugar Can-era dos Mazom-
| das molestias, coja base essencial depende bos, as salinas, do qual se acha de posee a
da pnrificaclo do aogae ; assim pois m supplicada por titulo de aforamenlo feito no
O Dr. Manoel Antonio dos Passos e Silva Jnior,
)niz municipal e d'orpbos, -suppleme em ier-
clcio do terme d'Olinda, em virlode da le ete.
Faco saber aos que este virem que flndos os dias,
e pracas da le, se ha de arrematar, por venda m
praca publica, deste juizo, am eseravo de nome
Joao, crioulo, com idade de 1S anoos pouco mais
ou menos, a qoem mainr lance ofterecer sobre a
qu; ntia de 5005009, por quanto fol avadado vista
de sea estado de magma, prov-nieote de sarnas,
cujo eseravo perteoeo aos eoherdeiros, Kirmino
Alhaoasio d-Arflujo e-aos orphtfs lilhos do linado
Germano Francisco do >Rotario, e vai a praoa, a
reqaerlmento d'aqaelle (ao herdeiro, e do Dr. ca-
rador geral d'orpos por parte destes.
E para que chegue ao ecnhecimenlo de todos,
maodei passar o preseote que sera' alisado no la-
gar do costume, e publicado pelo jornal passado
nesta cidado d'Olinda, sob meu signal, e sello
deste juizo. vaina sem sello ex cansa, aos 16 de
abril de 1866.
Bu Frttrtefceo "Has Oafcas 'CfcvalRrnti Pessoa,
escrlvao d'orphaos o escrevi Manoel Antonio dos
Passos e Silva Juoior. :Ao sello 300 res vaina
sera sello ex-causa. Passos Juoior.
O Dr. Virgilio de Gusmao Coelbo, juiz (mu-
nicipal supplente da 2.a vara em exerci-
cio nesta ctdade do Recife de -PernambB-
co etc. etc.
Face saber aos que a presente arta de
editos virem em como a unta administrativa
da Santa Casa de'Mi ercordta do'.Recffe,-me.
tez a petiGo do theor seguinte: Diz a
junta administrativa da Sania Casa da Mise-
ricordia do Recife, que quer fazer citar a
vinva de 'Manoel Antonio Carneiro, para
primeira d'este juizo fallarm aos termos de
um libello em que Ihe quer pedir o sitio n.
tem verificado por muitas pessoas qoe-se
achavam desengaadas, as quaes acham-se
hoje restabelecidas com o referido xarope
alchoolico de veame; entretanto que al-
guns, tendo nsado do xarope de Curinier,
de Larrey, de salsa parrha, de saponaria,
oleo de figado de bacalho, e outros agentes
desta ordemnada eonseguiram. E' elle de
fcil digesto, agradavel ao paladar e ao el-
phato. Atgnns mdicos desta cidade e 'da
de Macei o teem recommendado para a cu-
ra das #
Impigens, tinha, escrophulas,
Tumores, ulceras, escorbuto.
Cancros, sarna degenerada, fluxo alvo.
Todas estas affeccoes- provm de ama cau-
sa interna; n5o ha pois raza igoma em
crr qae ellas se podem cqrar com remedios
externos. Tambem se prescreve o xarope
i alchoolico de veame para o tratamento das
! affeccoes dosystena nervoso-e fibroso, taes
como:
Gotta, rheumatismo, paralysia,
Dores, imponencia, esteri lidad,
Marasmo, bypocondria, emmagrecimento.
O xarope alchoolico de veame sofcre
tndo, da maior ntilidade para curar radi-
calmente, e em pouco tempo o rheuma-
tismo.
Advefte-se que o verdadiro xarope s se
vende nesta cidade na botica cima indica-
da, do abaixo assignado; e em outra qual-
qoer parte que se tem aanunciado n5o da
mesma composicao, e nem o abaixo assigna-
do se responsabilisa.
Jos 4a-Rocha Paranhos.
era de esperar, polverizou a infundafla, e esiem-1 D? PP'on CS* frequencia, isto se nao deve
' a nao recenhecerem enes essas virtudes, mas sim
poranoa argido, quena nssedflJIeYpr&v'itjeial fbe
fez o Sr. depurado Dr.*rrattldrFavares,*cosrad-o
de haver evaitaaoi'tomma, de Goyaona, quan-
do foi imcumbido do recrulamento por ooeasiao de
orgaorsar aHl mna odptlnliia e >Wattcarios.
O Sr- 'ttr. Afmrmn Tavares, 'baWo'tie'fonda-
mento, atira-se pela impreosa lurioso contra o
nbsso amifo.'i'OJo crtterto e s*fvlcos esto oonhe-
cidos, e estad to cima da mi/lidde acusadora.
Rale-se de despelto o'-f epatado o bico de penna ;
mar- respeto owm-ismedlo, s efewaciao e-oarac-
ter de um cidadSd ptOHIHioso-e dedicado a' causa
do seti pdrt
Nao sao parras fatuas, qoe teitam jorsos des-
favoravte o'osson%oi esta' escudado pela oppi-
noi publica, que o concerna e emqnanlo o Sr.
Dr. Armtoto Tarares nb espeSIfleiT e provor os
factos, qoe consumera a que elle tmcvmentt cha-
ma devartiei de Geymtna, e tiremos omo "decla-
mador vulgar, afllmo pqneniro,ie calmnmoao.
DeSaflatoes osrra oWrrenodee faetos; e *hi e
esperamos para eeornal-lo com a vferflade.
Recife 21 de abril de 1866.
m amigo.
so utka Garrafa!
a*lr*e1ttj(nhpvifl*4ttpreciaTl depurtor!o,
recommenainoB portante todos os DoenUi
fue procurom obtr com o maior toldado a
le* e mdatlarroSalMpmrtiha 4* Briatol, -
. IIiiIMMIimI I Ifcl *- ______
LAJMAI&EUMP,
De XOVA <

a nao seren encentradas aera JaeMidade e em to-
das os estaeSes do anuo es froctos dessa planta, e
a repugnancia qae a presentara os doentes em fa-
zer uso do sueco desses frffctos, em conseqaencia:
d Ser extremartrfthte amargo. i
A jurubeba io desconoeclda flos botanistas :
esta planta'pertence a familia das solanea?, e tem
a denominacao "de solamm pariiuldtm, qne Ihe
foi dada, por Lyneo. i ""' "
.n?r!Sfda0''*os uconVen1T 'he,l,,*r \$ A* Xarqpe tOBro iiBlrigertme He velftw c*e
i?25!_!* .* i.*"***. Q< '** ferio preparado pelo pharmacerJtico JtS
na eertwoi- (de rae, tedas s ait preparacew
imitativas-alo vlem para eonza alguma
Vende-se as boicas de Caors & Barbeta
VCv Bravo AC.
hemea petrMead, erytalt-
sada aa Parahyba.
Senhores redactores.Campre nao passar desa-
da Rocha ,ParDbos, estabelecido na cidade
d Recife provincia de Pemnabnce, tua
Bireita. 8.
Este xarqpe, que d totn ao movhneTJto
BMwanmr por sua queiidade ferfea, ao
mesmo tempe purgalrvo frea parte do ?-
pregado, nos prqpnzettios e conseguimos preparar
cora elle nao s am extracto alcootleo qne:pbde ser
appdcado era pflulas, mas tambera nm viono,'um
xarope e am emplastro que pode Sonsflirr, om
certos casos, o de Vigo : o asamos prsu*dldos
qne com fsto prestamos afra etVnjoi harainfdle
e rmjrapebtica.
Pisn, traundo da bydropesia, prescreve a 9e-
coccio as raites <> jUMa, ejlerat eje Leos, Ime froe ettceffa,"'e trrigwairte Mh'Dar-
em sen DtctioriariOem hf ico, dizeroijue as Antilbas se faz aso do sotco T t *' t- ^V^T^f para Perrelta to-
dos fructos maduro*dessa pleffta eontra o cau^ O0 coaMMOfio do ierro; este atacado
rho vesical; e a autoifdaHs tos n.otoes deses-tiie- pdlo acide taVAtt Mrtrema di'fieSo, e s-
meos, rtteTecidaraentecelebTes.tnosfs#a cr#m gim q mais soiuvel que possivel, de serta
suas palavras, e porjsWeWdar<*m>*nVtr ettrnos- flr^ 4 nSrVA ftn tonXaVwr ieW^
so estabeleclmentonasnfilzes, para qde possam <*1eJa n?. e ao Oepenaente aeser HigBricp
ser experimentadas. pelos cidos fracos, que se acham no suedo
A repniagao da jurubeba tal, e os resoltados gstrico durante i digestSo. Os expositores
UM PEDIDO
Pede-se ao Illm. Sr. Dr. juiz de orphaos de Oliuda
que por sna bondade digne-se de proceder o in
ventano da fallecida D. Joanna da Silva Medeiros,
aflm de por este meio obstar qualqoer prejnizo
que possa recahir sobre alguns dos herdeiro.
Recire.Jl de'abril e tBB6.
O inca<3o,
SlRCTo
Nava baaoe de Peraaat
buco.
O Novo Basco deseonta letras a 12 por eento
ao anno, toma dinbeiro a praso Oxo en em coma
corrente pelo premio e ooBdiedes qne se o errr ven
clonar, e sana sobre >praoa da -Babia
Sove'Banco e^raambueo.
O novo btuco paga e f60 ividende bb
razio de 641 S-por.accao-
dito Manoel Antonio Carneiro, visto ter a
supplicada cahido em commiseo, como rae-
Ihoru ente expressar em seu libello, pena
de revelia, ficando logo citada para lodos os
termos da causa at final execaco. E por
que a suplicante ignore quem seja esa
viuva, por isso requer aY.S. qnese digne de
mandar passar arta de editos com o praso
de 60 dias para ser citada a supplicada, per
todoo contendo n'esta. Pereira e Souza.
Proc. civ. notta 203 por tanto pede ao lllm
Sr. Dr. juiz municipal da 2.a vara llie deli-
ra. E R. M. Gomo procurador. Jos Theo-
dore Gomes.
Cuja peticSo sendorae apresentada n'ella
deio dispacho do theor seguinte:
Destribuida, como requer. Recife 22
de fevereiro de 1866..V. Coelho.
Em virtude de dito meu dispacho foi a
acc3o distribuida ao escrivo Cunha, e este
passoua presente por bem da qual e sen
theor citada a viuva de Manoel Antonio
Carneiro, para fallar aos termos de um li-
bello civil que Ihe vai propor a junta admi-
nistrativa da Santa Casa da Misericordia do
Recife, pedindo-lbe a entrega do sitio n. 20
no lugar'-arreira dos Mazombos as salinas,
visto ter eahrdo em commisso; como tudo
declaran pelico aqui transcripta, afim de
que no praso de 69 dias contados da data
por seu procurador a allegar o seu direito,
e defesa, sob pena de revelia; para o quel
mando a todas as pessoas, parentes, amigos
ou conhecidos da viuva de Manoel Antonio
Carneiro, Ihe facam aviso de que por este;
citada para oque cima Qca dito.
E para que chegue -ao conhecimento de
todos, mandei passar o presente que ser
publicado c affixado no lugar publico do
custume.
Dado e passado com o praso de 60 dias
n'esta cidade do Recife aos 3 de marco de
1866. En Pedro Tertuliano da Cunha. s-
crtvaoo escrevi,Virgilio de GUsmlo Coe-
lho. Vai pagar a quantia de 2$0 rs, de di-
reitos de chancellara. O escrivSo Crjrrha.
i N. 1223--2S0 rs. Pagou,-2S0 rs. de direi-
tes de ch8cellana .--Rcife 3 de marco de
1866.V- Chaves,Limoeiro,
' Vaj pagar o sello d'este edital que imper-
ta em a quantia de 400 rs. O escrivo
Conho. stevaosWoa.&6400 ts.Pa
gou 400 rs. Recife 3 de nardo de 1866*=
Chaves.Sem.
ALFANDEGA.
Hendimento do dia 1 a .23.....
Nmi #0'd*a U..............
HVflIlWTO t>A ALFANDEGA
Volnmes entrados com fazenflas... !34
f t com gneros... 467
Volnmes sabidos cem fazendas... 142.
* t com gneros.... 918*
Estar o nete das armas hnperiaes do
Tribunal da'Relagao. Fimfno Antenie fle
Seoza, presidente. Transitea pls chancel-
Itafia..iRacife-6 de marco de 18*6. -O
638:2871009' escmaVFraneisoo doaAeasNunesGawpeUo
51:4*3*909 Jnior. Intimado a fl. 100-do livro
^r competente n. 13. Refe'6'de maree de
709:T3d9i8 f&8(}._ Canjpello. E na mais se continha
em dita carta 4e editosqai copiada.que eu
escrivSo bem fielmente eo>rei do proprio
original a que sao reporto, e esle fiz sem
cousa que duvKia l^&, ceaferido e coHcerta-
do na forma do estylo. Cidade do Recife
1,060 acs 6 dias de marco de 1866*. Escrevi e
701
fetgfto # t tera. feftxrrvaa Pe-
,drn Tertabaao 1 ODL?,n^odABoar*rarlpe, olfical da i a-
. penal Ordemnnte'^^>lore-ospecial
do commercio desta cidade do Recife de Per-
nambuco por So Magosta di taperial e Consti-
tucional o Sentar D. Podroll a quem Deo
guarde etc. "
Facosaneraes roe npttsem edtal virem a
delta MMa tl^rwi^no^inn,, de abr
do cweajBannoobaderramar por venda, a
que* mofe der m prapa^blta <6ste juizo o se-
gitaM :
Ds peonenai sas dMtantas na Capunga
M lagar Mil ?Wf e, al pacs nao tem numero.
tendo cada orna desenove palmos de largura e tri-
la e seis eto palmos de lJij|ira, com urna porta e janella na frente, duas pequeas
satas e nm anaMr/.-eOstmia, na ata'de'nemis qBln-
ui em aberte,Avallada por qualroeolres mil ris,
cada oraa; as qnes loram peoboradas per execa-
co de Llbaalo Candido Ribeiro & C*. contra Anto-
nio Luiz Nooes.
E nio havendo langador qne caira o preco da
avahado, a arremaaco sera fa pelo preco da
adjudicacao na forma da le. E pvtt'qee ehegne
ao conhecimento de ledos mandei passar o-prewn-
te qoe ser publicado pela imprensa, e afiliado aos
lugares do cusime.
Recife i2 detnreOde 1866.- En Manoel Mara,
Rodrigoes do Nasclmeoto, scrivfo, o sobscreve.
n TaisOo de Ataoear Am**-.
O Dr. TrtstSo fle Alencar Ararpe, offlcial da im-
perial ordem da Boca e juiz de dtaetto especial
do commeroio *ts cidade do Iteette a*Teoim-
buco por 8oa Jtf,mae Imperial e Oensfltncio-
nal o Sr. D, PedroII, a quem Deus goarde etc.
Paco saber pe presente m do fta 14 do roez
de maio do corrente anoo se ha de arrematar por
venda a quem mais r em praea publica deste
juizo, depois damdienoli refpeclva, si casa terrea
de peflra-e'oa.n.*!, lia a povnaeaO o Jtaotelro,
em cbao proprio, com 3 (saetas a fretate, portao
de madera, om 34 palmos O largnra, e e lrt
de fundo, i quarlos, 2 salas, copiar (ekbeiro
oceupado por padaf la corintia fr* e M pequeao
sitio murado, que fiada at a estrada do Arraial,
avallada por 1:700JWOO, a qual tal a praca por
execuQo de Vicseie ritmes da Sem, eatra: Rcsa
Maria de Lim como berdira do fioado Amonio
Francisco Pereira e Joaquim Jurewio da Silva
como testanienftiro do mesmo (nado.
E na falla de lancador que cubra o proco da
avaliaofto ser* a arremaiaoao lerta pola adjodkaeao
com o abatlmento respectivo da lei.
E para qne chegue ao eonheermento de todos
maedel 1ner o presente edai qjoe sera afilia-
do nos lugares de costme e publicado pela Im-
prensa.
Dado e passado oosta cidade do 'Reelle de Per-
nambuco, 16 de abril de 1866.
Ea Maaeel Sikino de Barros Faico.escrrvio ia-
terlao o subscrevi.
Tristao de Alencar Araripe,
0 Dr. Virgilio de GusMlo GoeHw, jtz mu-
nicipal supplentc em ejercicio da segunda
vara desta cidade do Recife de Peraam-
bucoe seu'terrflo, .por S. M.'l. e C. oSe-
nhor D. Pedro n, a quem Beus guarde,
etc., etc.
Face saber pelo presente que a junta ad-
ministrativa da Sauta Casa da Misericordia
do Recife, por seu procurador, me indire-
cou a peticao do theor seguate:
Diz a junta administrativa da Saita Casa
da Misericordia do Recife, que quer fazer
citar aos herdeiros do fallecido Manoel Pin-
to, para a primeira deste juio falkrem aos
termos de um-libello, ruque lhes quer pe-
dir o sitio n. 21 particular as salinas, no
lugar dedeminado Carreira dos Mazombos,
do qual sitio se acham de posse es suppli-
oadoe por titulo de aforamento feito,aquelle
fallecido, visto terem os supplicados cabido
em commisso, como melh rmente se espres-
sar emseu libeo.opteposdarevelia ; fican
do logo citados parasoue tenaos da cau-
sa at final execuoSo.
E porque a supplicante ignora quaes se-
jarn os herdeiros, por isso requer a V. S.
se digne mandar passar carta de edital cem
o prazo deGOdies, para serem eitados os
sTrppIlcdos portodo-e-conteiido -nesta, Pe-
reira e Souza, Proc. civ. :n.\203 : .portanto
pede ao lito. Sr. Dr. juiz iMioidpal da se-
gunda Tara assim Ihe defira. Espera receber
merc. Como procurador, JosTbeodoro
Gomes.
E nesta peticao que me foi apresentada
dei o despacho do theor seguinte: Dis-
tribuidas como requer. Recife,"28 de feve-
reiro de 1866.Coelho.
E sendo feita a distribuicao no escrivo
d'este juiso Guilherme Augusto de Athayde,
este em observancia a-este meu despacho,
fez passar o presente, pelo qual e seu theor,
| chamo, sito e hei por sitados aos menciona-
dos herdeiros do fallecido Manoel Pinto,
para que dentro do prazo de 60 dias compa-
recam ante eete juizo, por si ou por seus
procuradores, allegando e provando o que
for a bem de seus direitos e justica, sb- pe-
na de se proceder suas revelias.
Portanto toda e qualquer pessoa, prente,
amigo ou conhecidos dos referidos herdei-
ros, poter-llies-ho fazer sciente'de todo o
expendido. E para que chegue ao conheci-
iL-ento de todos mandei faaer o, presente que
ser affixade nos luf ares -do costunae, e ^pu-
blicados pela imprensa.
Dado e.passado nesta cidadedo'Rectfe de
Pernambuco, aos 3 de marco e 1866.
Eu'Guimerme Augusto de Athayde, escri-
vo o subscrevi. ~ Virgiiio-de Gsmao Coe-
lho.
N. 60.-Rs. 400 rs. pagou .400 rs. Reci-
fe 3 de marco de *866. Ghaves.Sena.
Vaj pagar DO'TS. de'drte8dechaneel-
larial Becifeerasqpra.-^Oescifvlo, Ambay-
de.N. 12at. Pagou 230 rs. Hle direitos
de chancellara. Recife 3 de marco de {866.
-Chaves.limoeiro.
Transitou pela chancellara. Recife, 3 de
marco de 1866.O escrivo, Francisco dos
Res Nunes Campdlo Juoior.
Lancado a fls. 400 do competente afiavo
n. 43. Recife 3 de marco de #866.dm-
pello Jnior. Firmno Antonio de Souza,
presidente. Estavam as armas imperiaes.
E nada mais se cootidlia -em dito edital
aqu copiado rjo.pnjprio original.
Dado e passado nesta cidade, aos 15 de
maro i-de 4866. -Eiz Guilherne,Augusto de
Athayde, escrivo o sabswevi-.
O Dr. Virgilio de tbsm3p Coelho, piz municipal
supniente em exercicio da segnnda vara desta
cidade do Recife fle Pernambuco e seo termo,
por sna magetade imperial e constitucional o
Sr. D. Pedro 11, a quem Dens guarde etc.
Faco sabrmelo presente'one a joala administra-
tiva da Sania Gasa de'Misericordia'do Reelfe, por
sen procarador me esderecoa a peticao de theor
seguinte:
Dii a junu adrafnlstrativa da-SMW Gasa de Mi-
sericordia do 1\eeiferqtte oner'ttaer Mar-nes'her-
deiros deBfg'defrVrrelra leeno,hwaa pfhKl-
ra deste jaizo farlarem awioWWi e Wn HbeTIo
em que lhes qaer pedtr-o sflfotte n. 1% particular,
no lugar denominado-Samvs, #e qnflane'M^aaB de
posse por tirlo de aforamento fWIO'aodito Miguel
FerrerraHe'Mello,trsto ferom je-sapifianU ea-
hido ero cornnih(*so c^tto ttHWdrortHlfc '^pws-
1 n seu IHMflo.^eM e iWWHWn'HWHIIIi logo
los parawosos termos tHtUfm M ftrtl'Ote-
cnCao.
E porque a-supplicaote itililtj^Wda M$m s-
nnmdar-paiww"wHattB ma.owp'O psaao e-SO-
das para soreannw nppgiile ntan por rio o
comeado nesu.-Vertir ^SaailnuBroc. cK n.
03.
Portaoto-oeAenothK46r. Dr. inJx tmaiierpal da
segoada vara sjrarlhor4tfin^-. R. *. M^-o-
molproeorador tas Thoorioto fioaaos.
E nesta peticao qoe e rol aproeomada it o
despacho do theor segaime:

''
1

l
^ :;_ -


'
___________


' ff

-~ aw
rUUn
i* de Atoll 4e 1866.
''"*"'."
Destrm da como raqanr. rTeelfe, de feve-
relro 4 i886.-dlta
E sendo f*ie a diatrmalcao o escrivao deste
junoGuiih.irmtAU|iHt*iAthky4t,efte em obser-
vancia & niiwilitWWf**, le passar o presente
edita) pela u,ual e seo Iheor, ehuao, eilo e hei por
citados a ludm os hpUiras do adicionado suppli-
cado Mifnel rerreira* Mello, para que dentro do
arato de 90 das comaatagaM or h ou por seos
pwaradom te ate jirao, adiando e provando
o que Br a. bM d seu direito eJaUi<;s, sob pena
de m prestada-aa us revelias.
Portaalo. teda.* *o.alqaer peasea, prente, amigo
o inftrtdQtt eeferidos lHle. poder-tbes-
bo faaer atienta do (do o espndilo.
& para que cjwftw ao coaoucircieoo de todos,
nuodei ter o presente ra* sera" afflxado nos la-
gares d cosiuroe paWicado pela impreosa.
Dado e passado nesta cidade do Recite de Per-
araboce, aos 3 de. marco de 18*4.
Ea Gailherme Augasu da AUtayie, escrivao o
susberevi.Virgilio da Satmeo 60*0.
N. -SS rs. 400. Pagou 400 rs. Reele, 3 de marco
18M.-Gkes.-Sena,
C')mpaDbia Teraambacana
DE
Staregacift costeIra por vapor
Macei e escalas,
O vapor* Parahyba, comman-
dante Mamas, taiura' para os
portos cima 00 da 30 do cor*
rente as S horas da tarde. Rece-
_ be carga somenle al o da 28,
passageiros, eneoeameada e diaheiro a rotate
' as 2 horas da urde, do da da sabida. Escciptoro
' no Forte do Maltn. I.___________________
Para o Rio de Janeiro pretende sabir em
poneos das a vuleira- gabm MJNOELLO, por ter
qaasl lodo o carregamento tratado e para o resto
1 que Ibe falta estraves a frete. para que tem
bous commodos : trata-se com o consignatario Joa-
Idsaecc 4a arseaal de Minaba
Par. se publico que a comaissd de peritos visto-
riando nos termos do ivgataOMBto anneso ao de-
creto 0. I3ii de 8 da l>vnreiro da 1831 o vapor
Baronesa do Llvraraento, propriedade do Bario
do Livramento, achon que o apparelbo, mastrea-
edo, veame,amarras, caldeiras, machina, btete
boias de salvacao estavam em bom estado, e quan-
to ao casco, que s poda o vapor empregar-se ea
navegaco de rios, e, qaando multo, em pequeas
viagens de alto mar sena carga, em conseqaencia
da fragilidada da coqsuuc ;ao do casco, e do dat-
nos qoe tem offndo. ___.,
nspeccio do arsenal de marinba de Peroambu-
co 23 de l>ril da 1866..
0 inspector
___________ H. A. Barbos m Almeida.
De ordem do Illm. Sr. inspector d*4hesoara- J" js^nca'lves "Beltr," roa ao~Vigaflo n.
ria de fazeoda desta pnvincia se taz publico que -
ao dia 28 do correte mea, as i oras da tarde,
parante a jauta da me-ma tbeiouraru, ira' a pra-
ea para sar arrematada w quera por menos fier
a obra precisa no lazareto da Iba do Pina. O or-
17, primeiro andar.
Tambem se receben) gneros estangeiros.
Vai pagarWQ rs. da direitq* de chancellara, amento sera mostrado na mesma thesourana aos
Reclfe,^ de marco de 1888-0 oscrlvio Atbayde. ureteadentes: as pessoas a quem coovier a sobre-
N.1222TpZa2Orr^ereitos de cbaocel- dita arrematado devero comparecer na referida,
laria Rvif 1 a marro do 4866 Chaves Li- thesourarla a hora e da indicados.
morir i.-Wves. u SecreUrja da loe40UfjSl de fazenda de Pernam-
Transiton pela chancellarla. Reclfe, 3 de marco buco 24 de abril de 13 de 1866. 0 escrivao Praoelseo dos Reis Nunes "
maior,
Caupello Jnior.
Uncido an_.W0 doomaeiente livro n. 13.
Recuera de majeo de 1866 -Campello Jnior.
Firniino Antonio de Soma, presidente.
Estavara as armas imperiaes.
B n&da mais s* eootinha em dit" edita! aqu co-
piado do proprio original.
Dado e passado nesia cidade do Recite, aos 3 de.
mateo de 1866.
Bu Guilheroie Augusto de Athayde, escrivao o
souscrevi.
Virgilio de (iosmio Coelho.
Mantel Jos Pinto.
No da 37 do oorrente, as H horas do da
na sala das audiencias, vai a' praca por venda a
ascrava Lueia, erionla. de idade 17 anuos, cem ha-
bilidades, avallada por 1.0004 ; coja eserava
pertencente a urna orplia, e vai a' praga a reque-
rimento da tutora.
Companhia de aaqaetes a vapor eatre
s Estadqs-Cai las e Brasil.
At o da 28
d crreme es-
pera-se deNew-
York e escalas
por S. Tbomaz e
Para um dos va-
pores america-
nos, o qual de-
pois da demora
1 do costme seguir' para os portos d sol; para
l" passageiros fretes etc., trala-se com os agentes
O Honrv f/nrelar A T. rr
Henry Pofster & C ru do Trapiche n. 8.
Para Lisboa.
DECLARACOES
Acha-se depositado por ordem da aabdalega-
cia da freguezit de Santo Antonio um garrote que
foi encontrado ea mauDaa de 24 do crtenle, va-
gando pelas raas da raesma freguezia.
O subdelegado,
_________Maaoel Antonio de Jesns luaior.
Administracaa do correio desta cida-
S-guecora breVidad- a valleira barca portugue-
1* Belem, capitao J. Joaojaim da Freas. Recebe
um resto d-e carf a frete, para o que trata-se 00
escripierto de AmorMB-Fnrrios.Tin da Cruz n. 3.
Para o Porto
Pretende seguir com muita brevidade
a velleira
de Sonza
Continuado de leilSo
Ferraigea, asHidMa. etc., etc.
Meti Lobo & C, aoUinoaiir^> seo leilao de
mradozas, ferragens, etc. ale., as II horas em pon-
I no seo arnmeaa na da Crnz.
ieilo
Be ama casa terrea sita na travessa do
Meateiro ao lado da casa de deteocSo.
Maesa fallida de Irine Jaanari 4* Miveira.
O agente Marti as fara* lettio a' reqowrtinanto
dos administradores da massa railtta de kioo
Januario de Oliveira por despacho da IB, ir.
Dr. joiz especial do coimnercio de wh* caaa ter-
rea sita na travetsa do Hontelro ao tatfo da casa
de deleaco pertencente a mesma.masea,
Sxta-feira 27 do corrate.
No armazem da roa da Cadeia do Reakf 80,
as 11 horas.
CftLCiDO. i Ama de leite.
fcM *?+?'< iiM i Freeisa-ie de ama ama de wra
*5 ^* BU DlVeita 45* ifW>Praln.l3.e tS.armstww.
Frecisa-sede ama ama de Wfe : attraur na
^
A primeira r)(Hc|o HKiisireaaavel con- \
servado da sade trazar os pea bera de- i ^ ^^ ^ l
feodidos contra os ataqaes da bumidade;' precisa se v ama ama ara comprar e eozi-
calcado bom evgegoro o nico preserva-1 ohr: na ru w a. Kramrieee n. 64.
lyo daa mil nferaaidades a que est su-: Prensa s uh Si menina ,ara c^neiro
jeito o bossoeu- m chnelo velho cal- awrt...o sen, **, P.ra i*raa: aa
com
ra do
cado por um dandy patuscante, ou urna
Alearian.'3
Botina"acaleanbada em pequenino p de en- ae tm '* -o' d* M*. J0*
caladora deidade alm de aecusar que- ">*"*e ^ *M ,a," de l*,ra-se 0kTece
I^deira-E7ipilante, prora contra as f.cal- e ^ M^t casa
uga-
commodos para lamina.
em
moderna com
iiii' (i elliures lu-
Leltao.
I llliAO
DE
Urna taberna
Seita-feira 27 de carrale
O agente Pealan (ara leiiae por atmtt-de qaea
pertencer, d'armacao, gneros e ulencilios eiistea-
tes na taberna da roa da Guia o. 42, em lotes a
vontade dos compradores: sexta-feira 27 do cor-
rente, petas Id horas da manla na mesma ta-
berna.
AVISOS DIVERSOS
VERDADEIRO LE BOT
de SIGNORET, DoctetM-Mdeeia
Ru de Seine.51, PABIS.
GxpwaleS* dos productos agr-
cola, ladwittriaes e obras de
arte em PcrautaaU>neo.
Constando oemmissao directora da ex-
posirao que, per falta dos necessarios escla-
recimentos, pela comparaeio havidd entre
os dossos productos e outroe similares de
diversas- pcevjaias, e por outros motivos
de que nao leve completa sciencia, nao bou-
Te a desejavel iguatdade na distribuicio fei-
ta uara'-esta provincia das recwuipensas da-
das pela cominissao central do Rio de Ja-
neiro na ultima exposiejio, e que por este
facto ajUQS dos amigos expositores se re-
cusara a concorrer com novos productos,
eipasH&a do Io de julho prximo ; resol-
veu, em umi de saas sesses, mandar aier
publico o seguinte :
i." Haver na provinaia. para os traba-
Ihos da exposicSo, um jury especial, no qual
nao tero vol os membros da commissao
diretUora, que julgar. da excellencia^ aper-
feicoamento e uidade dos productos ex-
postos;
2." Este jury se dividir em duas sec-
es, sendo urna para os productos agrico^
las, e outra para os industriaes propriamen-
te dos, e obras de arte ;
3." FarSo parte do jury as pessoas de re-
conhecida aplidSo e especialistas;
4.* Segundo-o juizo do jury, a commis-
sao distribuir aos productores e demais ex-
poitores medalbas de duas clames, sendo
as da Ia classe de prala e as da 2a de co-
bre, ambas acompanbadas de diplomas.
5.a A commissao far acqnisic3o, median-
te valor ajustado, dos productos que para
isto foi'em juigadus dignos pelo jury, e que
nao possam ser cedidos gratuitamente para
figurarem na expusicfo central.
A commissao directora espera que estas
medidas serviro de garanta ao verdadeiro
apreco dos productos expones, e ,qu faro
desapparecer o desanimo que a alguns ex-
positores causn a desigualdade que ci-
ma se referi.
Alm disso, a commissao chama a atten-
cao dos Srs. expositores e mais industriaes
da provincia para a circunstancia de um
dos seus membros ter de acompanhar ex-
posicaj central os producios que d'aqui fo-
rem eiviados, e fazer parte do jury julga-
dor na corte, aeftando-se por esta forma
habilitado para ministrar todos os esclareci-
mentos necessarios ao perfeito conhecimen-
to dos productos, e fai.er valer o direito de
cada um dos expositores desta provincia
For esta forma a commissao julga ter re-
movido mais um dos embaracos, com que
porventura venha a lutar na acquisico de
producios destinados expsito do i de
julho.
Anda urna vez appella a commissao para
os dignos Pernambucanos, pedindo-lbes com
iasUncia que promovam com esforco a re-
messi de productos destinados a figurarem
n'aquella festa ibdustrial. nde se empe-
oliam os brios da provincia
Sala da commissao, 23 de abril de 1866.
O secretario,
Dr. Manoel Buarque de Macedo.
Tribunal do commercio
Pela secretaria do tribunal do commercio de
Peruambur.o se fas pabliro qae em sessao do mes-
mo triiiual de 12 da correnie foi considerado va-
go e.offlcio de corretor dasta. prac, qoe. exercia
edcrico Lopes Guimaras, o qoal o abandonon,
a banca prestida em favor da mesrao cor
riierslste por seis metes, contados desta data ;
i (i<-.a marcado o praso de 60 das, para dentro
se babilitarem os concurrentes ao referio
' ScoratU- SK-TlSf^traSf S- l1^
de caminheiro, quem estiver nastas
(oes e quizer engajar-se dirija-se a mesma
administrado.___________^^^^..^__
CO10 GERAL
Pela adminisiraco do correio desta cidade, se
faz publico.qoe em vlrlnde da conven?ao postal
eslebrada pelos goveroos brasileiro e franee, se-
r*o expedidas malas para Europa no da 30 do
correte pele vapor frincer.
As cartas sero recibidas at 2 horas antes da '
que for marcada para a saluda do vapor; e os jor- j
naes at 3 horas antes.
Adrainistra^o do crrelo de Pernambuco, 21 de
abril de 1866.
O administrador
Domingos dos Passos Miranda.
"MiiiiFgl ,
Pela administrago do correio desta cidade, se
faz publico para flns convenientes, que em virtade
do disposto no rt. 138 do regulamento geral dos
correio de 21 de derembro de 1844, e art. 9 do i
decreto n. 785 de 15 de maio de 1851, se procede-
r' o consumo das cartas existentes na administra-:
rao, pertencentes ao mes de abril do anno passado,!
no dia 3 do maio prximo, as 11 turas da manha,
na p>)rta do mesoo correio, a a respectiva lista se j
aeha desde ja esposta aos aleressados.
Adniiaistraoao do correio de Pernambaco 17 de
abril de 1866.
Domingos dos Passos Miranda.
Administrador.
prompto, para o resta-anal he tafta trata-se com os
seas consignatarios Antonio Luiz de Oliveira Az*-
vsdo & C, ira sen escriptorio, rna da Croz n. 1.
Vew York
io :000300o
Corre amanha
Acham-se vsenda na respectiva tbesou-
raria, ra de Crespo n. 15, o bilbe-
tas, meios e quinto da 2* parte d Ia lo-
tera (5), a beaeficio da igreja de S. Gen-
calo da Boa-Viste, aendo a- extrajo tro Ju-
gar e hora do costume.
Os premio de 6:0000000 at 10,5000
serao pagos urna hora depois da extrac?5o
Manoel Ignacio Perrelra capitao da barca nacional at as 3 horas da tarde, e os outros depois
Real Piro,preeisede-nro navio de lote de trinla e ^ distribaiciodas listas,
cinco mil arroba pmcondnzir immk wr- A encommendas sero guardadas so-
ca de quinze mil couros, peno de 201) fardos, sac- *"' ~ _,____
eos e snrrSes com cabello e laa e ontras miadezas, mente ate a noite da vespera da extracto.
com que entrn oeste porto, cora agir aberta, na
sua rescente viagem do Rio Grande 4o Sal, para o
porto de New York, nos Estados-Unidos ; e para
qualquer informacao mais, 09 pretndante-; podem
dirigir-se ao escriptorio dos consignatarios Mar-
ques, Barros dr C. As proponas, em carta fecha-
da, tanto podem ser entregues no escriptorio dos
referidos consignatarios, como no consulado dos
Eslados-Unio?, onde sero>abertas pela respecti-
vo consol na presenoa dos ooocorrentes sexta fel-
aa 27 do correte mez de abril a urna hora da
tarde.
O ibesoureiro,
Antonio Jos Rodrigues de Souza.
'^GregoriaJos de endon?a Jnior, portuguez,
vi a Europa._______^___ ______________
manda para
filho menor
Joaqnim Ignacio Ribfiro Jaoior
a: Europa a tratar de sna sanide sen
Joaquim EJesbao Ribelro.______
Rio de Janeiro
Cwreio geral.
Re4a?5o das cartas seguras viadas de Macei pelo i ^ios Marques, Barros
vapor costeiro tParahyhaxe das existentes na'
adminstra^ao do correio desta cidade, para os
senhores abaixo declarados :
Teneote Justino Jos de Souza Campos.
Joio Jos Marques.
Joao Loura?o dos Santos.
Jos Caroeiro Rodrigues CampeJIo.
Dr. Jos Jorge de Siqucira Filho.
Jos Maria Ferreira da Canha.
Pedro Raphael do Am r Divino.
Tobas de Souza Lima.
O brigne Imperial Martnlietro prestes a seguir
para o Rio da Janeiro, anda recebe ignora carga :
os pretndanles podara dirigir-se aoi consipnata-
4 C, no largo do Corpo
Santo n. 6.
A partida do do corrente mez ter logar Par
na noita do dia 26.
dades intelleetuaes dos calcantes, e nao ba
qoem, tendo bom senso, queira passar por;g^e"t" apuuga, irfo aja**): a= tratar no
maluco, ou pobre de surre : ergo, cor-; nw legar, rea dat Cftoa-* 3M, eotn B. Jos
ram a:
A-RA DIHEITA1*.
attendam a' barateza.
Homens.
Borzeguins barceltonezes de lus-
tre e de perro 60000
Ditos de Bordeaux .... 7^000
Ditos parisienses de bezerro e
cordarlo....... 8,51000
Sapat5es de Nantes de duas ba- i
terias rasas...... 5000
Sapatos de lona, sola de borra-
cha..... ; 20000
Ditos aveludados..... 10600
Dito; de tranca bons 10600
Senhoras
Borzeguios eafeitados. 50000
Ditos de laeo...... 408GO
:Ditoh9ds-......, 40500
Sapatos de borraeha .... 10.00
Selleiros, cwrieiros e segeiros!
;Sola de lustre, meios grandes 200000
E um completo sortimento de calcado fa-
bricado no paiz. !
CASA DF0RTO8i
Aos 6:000,^000.
Bllhetes garantido*
A' RA DO CRESPO N. 23 E CASAS DO COSTUME
O abaixoassignado vendeu nos seos muito f li-1
zes bilheles garantidos da lotera que seacabouj
de extrabrr, a beneficio da matriz de Villa Bella,
os segointes premios:
Um toeio n. 3806 com a son de 6:0003.
Bilhete inteiro n. 3209 com a sorte de 1:200J. j
Um meio o. 1273 cora a sorte de SOOsOOO.
Una meio n; 991 eom a sorte de 3003-
E ontras omita* sorte-s de 100*. 40, e 20*. <
Ospossoidores podem virreceber seus respec ,
tiros premios sernos descontos das leis na eass ,
da Portnna roa de Crespo n. 23. i
Achara-se-a venda os- da 2* parte da i* lo-
tena (89-> beneficio daigreja de 3; Gonzalo da
Boa-Vista, que so extrahira' quinta-foira 26 do
corrente.
PRECO.
i Bithetesi .... 6OOO
Meios......3*000
Quintos.....1*200
as pessoas que oomprarem de 1000001
para cima.
Bilhetes. '. 5*500
Meios......2*750
Quintos.....1*100
Manoel MsktinsFiuza.
Na roa da Florentina n. 36 prepara-se comi-
F.m cn.la 3m!z, a', riitrr a ru>- o |>3|>f Miill
flu lft:i o rrtrli ini'ii, mu rotiilo iii.frr. i-ii *"*.-*
,r!l.i cmn u Sri.i. lnrSMt o Mrt*';**n~CH.|
f i cmfl!rii.iil-i- iiim Icllf.i ilf .">!>' iruif u|
*iihrf Pntai MWavrl a Jia*iW- 'lt, a miimo,!
fon-* du baliuirnto < o mrnt-iutan\.
tr
lio Ir
m
limen i.-.-nle pelo
llrazil Sn AITii-
iu FC : ile !.i-
:(-rii* na Baha e
s principa* pkar-
maciiitrca.
'i-i- du al.aliiii'iil" J" iim-T
KrposiM priiifiial s
laza do noM> K//o*s
viie.-tTtto
DE
EMPRE4-C01MBRA.
4.a reclt > da asslguatara.
AMANHA
Qaarta-feira 25 de abril de 1866
Representar-seha.o excelleate drama dividido
em 5 actos, de Dnmas Filho.
D4H4 IMS eMLI4S.
Peraoaageos.
Margarida Gaulhier, Dama das
Camelias....... Sr." Adelaide A.
Nichette......... Emilia.
Nanine......... Leopoldina.
Prudencia....... Jesuiaa.
Oiympia......... Clelia.
Anais....... > Joaquina.
Armando Duval..... Sr. Paiva.
Jorge Doval, seu pao..... P. Joaqnim.
Gustavo........ GH.
SaintGattdens...... Graga.
Odouto......-. Pioto.
Gastan Rieux...... Ttixeira.
Baro de VarviUa..... Lisboa.
Arthur......... Sonza G.
Conde de Giray..... Manhonco.
Criado......... Silva.
Moco de recados...... Santa Rosa.
Terminara o espectculo com o bem aceito
Trialogoquasi cmico em 1 acto
Tckang-tching-buug I!!
Jogado entre a Sr." Clelia, Paiva e Raymnndo.
Principiara' as 8 horas.
m IiEILAO
Das dividas da raass< falftita de Amo-
i-ini, Pagse, Sanios k (1, na im-
portancia de 14:690283 rs.
Cordeir ^liue '
por despacho do lllm Sr. Dr. jais de dirert espe-
cial do commercio, levara' pela qnarta e ultima
vez a Ieilo os ttulos de dividas pertencente* a re-
ferida raassa,todos na iroeortaom de 104:590,5283
rs., serviudj de-baea.off*et* oasida n leilao pas-
sado, isto ____
HOJE
as 11 horas em pouij o armazem a ra da Ca
deta do Recife n. 23. _____
LEIaLAO
De 1 mobilia de Jacaranda' cora taospo di pe
i dra marraore (incompleta), 1 piano de armario
(Collard & Collard), espelbos cora molduras dou-
I radas, Iguarda-vesiMo, relagios de algibeira de
'ouroo prata, jarros para .flores, qnaires com Anas
I gravuras, objectos de ouro o prala, relogios de pa-
redee cima de mesa, 2 silhSes para: montara de
senhora, urna granie porfo de cacnimbos de va-
rios gistos e urna porcio de fumo de differentes
fabricantes, camas francezas de Jacaranda e ama-
relio, marquezas largas e estrenas, candieiros a
caz e outros morros artigos.
: JiretjraK:
NO ARMAZEM DO AGENTE
Jos IgnaeioPereir,natural desta provieoia,
vai a Europa. _________^__^__^-^.^-
Rernab Guiseppe de Paolo, subdito porln-
guezj vai a Europa. L_
Atttooio~Pereira.da Costa Gama, subdito por- da cora aaseio-e promptido, e por preco razoavel :
togoez vai a Europa tratar da soa saude. qoem quizer dirija-se. t_______________
OLYWIPIO
48-PIUCA DU COMHERCIO-*e
Manoel da Rocha Hollanda Cavalcanti,
Europa no prximo vapor, afim de estudar
cultura._________________ ____
Luiz Alberto Antones da Molla,
trjguea retire *w pataa Enropa.
vai a
agri-
4ma secca
Oflerece-se orna ama para casa de hornera soltei-
ro ou de pouca familia : quem precisar derija-se
subdito por'.' a ra da Senzalla Velha n. 40.
Joao Ribeiro Lopes vai a Europa.
Isaacio Pereira do Valle vai a Europa.
Am
Precisase de urna para coziohar e comprar
roa de S. Francisco n. 54.
na
FERRO QUEVENNE
Atprovado pela Academia ie Medicino,
Aucloruado por circular etpecM do Mnmtn.
O FsnRO quevennb se usa em todos o e-
ios para os ques os ferreos sio preserptes; rilo
tai os denles ficarem prelos; he a preparacio i
mais activa, a mais agradavel e a mais econ-
mica; muitas veies um frasco h iufficiente pan
curar urna chlorosis.
A experiencia me provou que nennuma pre-
paracao frrea h supportada mais fcilmente
que o ferro QVEVEXNE, em observando ai
lim)e*-de dose* moilo regulad*.
BducHARUAT, i4nnuario da (nerapeuheo, 1863
O Feriio QuEVESKt vende-a em frascos de
IttMhi
50. CEKT16._
SN
2M)r"l"". S
10 irMfkM. S
Median da due.
Deposito geral em casa de Eull* Geevol,
14, ru des Beaux-ArU, em Ptrit, e em todas as
boticas. Exigir- Sintle Quevmne e a marca
dt Fahrka adna.
narobiK.o
aria do tribunal do commercio de
13 de margo de 1866.
O oSlciaL-maior.
______ Julio Gnlmaraes.
Santa Casa de Misericordia do
Avrsos MARTIMOS
I I ".....^
COXPAMHIA IIRAMILKIRA
DE
P41111S A VAPOR.
Dos porto do norte esperado
5 de maio
r-se para dito Qn deven dirigir-se ionio Luiz de Oliveira Azeveoo A C
prxima pelas 4 horas da tarde a'
Casa de Misericordia
Ret.e.
A Uta-'lonata administrativa da Santa Casa de
Mtsericjrdia V Recife inania fazer publico que
precisa contraflar para o servido interno do colle-
gio dos orphoV quatro mulheres com obriga^ao
de nirrem aa 6 1|2 horas da manhaa e safairera
as 5 l|2 da tarjde. As pessoas,dense sexo que qui
zerera contra
na<|ainU-feir;
sal das sess54 da mesma junta,
Secretaria /a Sania Casa de Misericordia 20 de
abril de 18661
O escrivao interino,
Francisco Gomes Castellao.
Caaa da Misericordia do -
Recife.
"A Uim.' junta administrativa da Santa Casa de
Misericordia.do Recife manda fazer publico que
mt da 2i> do correte pelas-i horas da tarde, na
Ma de suas sessfies, ira' a prg;i o foroecimenlo
ecarur, verde que Iwuver de consumir os esta-
belecmirnius de car idade e os dnns collegios de
rsnaos, n*s rnezM do1 maio e jajlbo firpxirno fu-
turo. Os pretndanles podem dirjgir-se ao indi-
cada teaafl*l*dftSttUs du 4* iWaaaiaflpes de
^oa-ptveieaae^em.ooeasia apresctitar suae pronusias em carias fechadas e
ttazerem seas, fiadores.
Santa. Cana, de Misericordia do Raelfe 20 de
abril de 1866.
&rlvio interino,
Praaac Ckmms Caetetlo._____
Denrai porcade titrteiros, crucifiios,
quadros de santa* em Ules.
($EM LIMIT.v.)
Cordeiro imi-es
por contar risco de qaam pertencer fara' leilao
de tintelros e mais objectos vindos a pouco de Pa-
rs, com alguns Iroperfeitos.
HOJEa
No armazem' a ras da Cadeiajto Reette nv 29.
De movis, louga e vidros
Cord-'iro SimOes por conta de diversos far lei-
lao de raobillas, cadekas, marqoazas, mesas, ca-
bidos, commodas, santuarios, marqaesdes de ama-
relio, cjnsolos, eadeiras debalao**. ditas de abrir,
mesas redondas. 1 rewolver, 1 ptielS| 1 lazarlna
de 2 canos, qaartinheiras, apr*retos de Janlar,
Leopoldina Lins Acioli Silva eseasfMhos,
pungidos da mais profunda dor pela morte
de seu presado esposo Joao Carlos Angosto
da Silva, convida a todos os pareles e ami-
gos do fallecido para a*sstirem a missa do
stima dia celebrarse na igrela matriz do Corpo Santo,
no dia 27 do corrente pelas 7 horas d'ama-
nba. Desde ja agradece a todas as pessoas
que se dignarera comparecer.
Precisa-se alugar um moleque de idade de
16 annos, pouco mais ou menos, na rna do Quei-
mado n. 12, i. anoar.
A pessoa que prd--u 2 facas com cabo de
prala, dando os signae* certos, pode procora-las na
livrana da prac.a da Independencia n. 8, que Ihe
serao restituidas._______________________
Percisa-se de um caixeiro para taberna, na
povoacao dos Apipucos, de_14 a 18 annes; na ven-
da grande.
1
lE^
ivida
ttaymund aquim ETwerton Haia, convida
os seus amigos e collegas para assislirem
ama missa qoa pelo descaneo etern.de seu
fallecido oai se celebrara* oo dia 26 do cor--
rente, as 8 horas da manhaa na igreja Santa
Crnz. ________
Hotel Veneza do Norte.
Rna das Cruzes a. 39.
Fornecese comedorias para fora com iodo as-
seio e no mesmo estabelecimento acharao um com-
pleto sortimento de diversos petiscos a qualquer
hora, nos domingos e dias santos haver mfio de
vacca e chocolate cora lelte de madrugada. Tam-
bem se recebe qualquer encoramenda para f jra
, seja ella qual for.
I
i
Caixeiro.
i Freei.ja-se de urncuxeiro para tomar conta de
nma taberna por balando, dan^e-se-lbe bom ordu-
nado, e raesmo se dar' sociedade entrando com
algura capital, dando garante a soa conducta para
urna e outra cousa : a tratar no becco das Barrei-
ras n. 1, de manha al as 7 1[4, e a tarde de 5
horas em diante.
Precisa-se de urna ama para comprar, cozi- i
nbar eengoramar : na ra da Cruz n !*, segun-
do andar.____________________________
Precisase de ura caixeiro dos ltimos che-
gados do Porto, de idade 12 a li annos: no pateo
da Ribeiran. 23._______________________
J .ao da Silva Salgado e sua zenhora man-
dam seu filho Jusiiniaoo Jos da Costa Salgado
para Roma no vapor de 30 do corrente.____
Na noite da partida, dada pela sociedade Ter-
plcicore no dia 21 do corrente, trocaram um cha*
les de renda por urna capa tambem de renda, e por
isso pede-se a essa pessoa qoe fez semelhante tro-
ca, haja de mandar levar a capa ao Sr. Ferreira, I
no escriptorio deste Diario, e assim o nao fazendo
sera' seo nome publicado logo que for descoberta a ,
pessoa que tal acto praticou_____________ _
-Garvalo 4 Nogueira, na ra do Apollo, precisa-.se-alirar reserava que saiba co-
n. 20, saccam sobre Lisboa e Porto, a pra- .inbar e comprar: ua rna d0 Par n. 6, sobrado
zo ou a vista._______ | encarnado.
O abaixo assignado, morador no engenho. ------
Diamante, freguezia de Ipojuca, tendo comprado i
os escravos Maaoel, nac,o da Costa, e Joao. crioo-
lo, este a Jerooyma de A4bnq.uerqoe Cavalcanti e ,
aquello a Candido Jo. de Slqaelra por procuraijao
de Joaquim de Siqueira Barbosa, ambos em 1856 ;
acontece agora qoe estes escravos dizem chamar-
se Bazilio e Patricio, e pertenesrem. ao senhor do
Bote
at o" dia 5 de maio o vapor
_ Pirand; commandante o capilo| candieiros a gaz, garraUs.^calixes etc ele.
ES
d;. fragata Santa Barbara, o qual
___depois da demora do costme
seguir para os portos do sul.
Desde jajecefceoj-se passageiros. e engajarse a
carga que o vapor poder condazir, a qnal dwera'
ser embareada no dia de soa ebegada, eocomaaea-
das e dinheiro a frite al odia da sahida as 2- he-
ras : agencia roa da Crnz a. 1, escriptorio de Aq
GOMPIIIHU B11SILEIR1
DE
PAQUETES A VAPOJR.
Dos portos do sal esperado
o-4-apor Tocaim, commansnle
o- primeiro lente Araujo, o-qual
jdepois da demora do cosame se-
'goir para os portos do norte.
Recebem-se passageiros e engaja-se a carga que
o-Tapor pader-condnzir a qual dever ser embar-
cada no rna de saa ebegada ; encommendas e di-
nheiro a frete at o da da sabida, as S horas :
agencia roa da Cruz n. 1, escriptorio de Aptoolo
Laiz de Oliveira Azevedo & C.
No acmazem rna da Cadeia do Recife numero 29
Para o Aracaty.
Girreif gem
nraadinialstraeie do crrelo testa cidade se
tm f*-18o ka a mita qoe a va*or brawleiro Boroneza do Li-
womsMs, tem- da condazir para. 0 Rio da Janeiro.
^frei4id#enamlJBiJa da abril de tfitfc
G adniaiMradar.
Domingcft dos Passos Miranda.
O velleiro e.bem eoihsoldo palhabote nacional
Dotu Amigos, pretwde seguir eom mmu brevida-
de, tea parte de sea ciirregameato eagajado, para
o resto que Ibe falla trnta-se com os seas consigna-
tarios Antonio Lnlz de Oliveira Azovedo & C, no
sen escriptorio, rna da Cruz n. t.
i" para a Bafada.
Pretende-egnir eom marta brevidade a velleira
sumaca nacional .flor-funda, a q_al*tem parte de
seo earregamento prompto, para o resto que Ihe
falta trata-se com os s'OS consignatarios Antonio
Lnird Oliveira Amwhx C, etusea eseiipWrio,
ra da Crnz n. 1.
"" lIKr
De 300 meias caitas de charutos da
Bahia c 126 ditas de dito.
CORDEIRO SIM0E5
far leilao por coala.e.riseo- da qoem pertenrer
de 426 nielas caixas de charutos da Babia, isto
boje 23 do cprrente, a 11, Uoraa, no arma-
zem a roa da Cadeia do Recite n- 29.
LEIIAI
DM
0aixasctmcebo!fes.
0 de quem pertencer, daaixa8i0*mhc_illa*deiei-
' barcadas njtimaroenie em KHan.i^aoiii^m com-
pradores: hoje pls10'lwrada,tnl*ai eea-aon-
to, no armazem,.da-4mi4ftote i alfandega.
lblM
Beivros w tm
proprio para ogaanhow* qofrteai loja de
lhrt. /
Em lotes a vontade dps compradores.
teas ** hars
No araaazem do W*c
ni ympo*
W PRaVIA'UU

Na prxima passada enchente fugio da Ponte de
chda nm boie de quatro remos, pintado de preto
engenho Contador da provincia defKM>e e fora p^fasa e braaeo por dentro : quera o tiver acba-
vendidos a aqaelles senhores por pessoa que '; do oa delle poder dar noticia, pode dirigir-se a
nvia furtado, ee vista do que o abaixo assignado ru4j ^ imperador n. 57, Io andar, entrada pelo
iaz a presente declara? para qoe, sendo verda- ^g, de _|.,je novembro.
de o referido, possa o sea legitimo senhor vlr por
elles com documentos esclarecidos, para com estes
o abaixo assignado poder cobrar das -pessoas que
Ihe vonderam os referidos escravos, visto
Paulo Gomes de Almeida tendo de se retirar-
' para Portugal, deixa sea Io procurador a sea se-
tena. Rro Manoel Pereira Marques, em 2 Carlos Perrei-
pessoas bem coohecldas e incapazes de tal proce-
dimento ; declaro qoe nao me responsabiliso por
morte- ou faga.Izidoro Camello Siqueira Caval-
canti Jonior.
Tendovindo da villa dtlgaaraewi. atdML fti
corrente/jcom liceoga do t
ra Borges.em 3 Jeronymo Salgado de Castro Gui-
nuries. \
Precisa-se de ama ama. paraacasa de pouca ,
familia : na roa da Soledade a 48>_________!
A abaixo asstgnad no entnito de evitar que |
aiguera a procure illudlr, aproveitando-se di sua
avaogada idade, declara pelo prsenle qoe d'ora ,
ptpeP por ella assignado lera
seja igaalmenie.i assignado por,
sea vara o oaip*ndador Jos Pires Ferreira, en- j
UMliiir j-""'- de Ddos os seus negocios,
assignatara
sa, ou obtida.
Joanna Maria je Dos.
6"
roa da Ca-
deia do Recife, defronie do becco Ljirgo n. 29, se
segai
ra alta, oieia do corpo, bem fallante, tem urna eos________________
tura ho qpei do lado esquerdo, te laHa da *eaa-1 -.'^.nVa-feira 26 do corrente,
tes na frente, costoma andar a bahaian, tambem (jea 0 Recife, defronie do becco
ja' lavou roupa em Beberlbuk e ja" verdeo, aaaai ffc-lJ|lao nesta cidade ; foi eserava de V <<&<"**J*S "TKa suido Calamento n. 19
mi. e tambera foi eserava oVDr..*>"" _a eserava para servio interno.
cei. Como at o presente nao sendo fmwi*i u-~ v \_. nn t^r*T r^n.-ai
roga-se a> autoridades policiaes e capltieT%cajfc1 Precisase de orna ama: na (aa da Concei-
poqoe aapprehendam,e a levem na roa Ajitrosu:j#p.n.47. _,_ : ,.----------------
n. 26 oa na vrWa-a*.lijaeais aoseo-senftor r_rriii_wsa .liu Dir comprar e cozi
Baplisla Teixeira (taraicaau
para alugar
mente reeomnflosauq.
OIarficerse unta ama para comprar
que sera gaMtnee>>nnar ffi^Mtt de homem soReiro : a tralar a ra
Conservatorio rtiB_tatfe tfe
Devendp prn4er-ee a eWcio do diversos fanc-
cionarios do GoAMqvatMio ai temarem-sa ootras
medidas de instancia, epnvidaav se ledas, o, socios,
efTectivos a comparecerem a c,oofe.reacia geral.
que lera' lagar qainta-feira 26 do correte, pelas (
horas da larda, Miaatfa inlhniirn dalialn fa-hah
Le se no Momieur ae la faarmacte.
Aelectricidade hoje empregada por todos os
mdicos afamados, para o tratamento de rauilas
molestias, mesmo para as que resisten) as oulras
. mrdicaoes.
>A electrdade produiida pela friccaotem um
superioridade inconteslavel, e a antagem de nao
dar abalo, e de poder ser graduada pelo doeute.
. A causa a mais frequeuie das molestias
estagna?a do sangue ou dos ouiros lquidos vt-
taes. Kestablecendo se a circula$a5 no orga-
nismo, curagao-se as molestias.
Quando se sent alguma d6r em quelquet
parte do corpo logo, e iostiactivamente, se erfrega
o lugar endolorido com a ma, e isto allivia. Isto
explica o resultado inconteslavel que deve pre-
duiir um apparelbo elctrico. Por isso temat
. prazerem annunciarao Publico qoeo Sur Buissoo
do Bivilliers residente, boulevarl du Prince-
Eugne, 48, em Paria, dotou a medicina de um
apparelbo Electro-Maguetico, sob a forma de
turna eseova, cem o qual os doeute* se paeera
eurar sem nebuma outra medicacao. Os mdicos
que a tem experimentado, aitestara que a
, Eaoo-* lbotko-Maghetica effica para
curar: as Hheumasmoi, a Paralyia, Golta,
Traqueza dos membros, e d* Cblumn -r-
tekral. debilidade geral, BTevralgias, eto.
sEstaoo* certos que breve cada familia possuira
esta eseova que prestara grandes servicos.
t A pedido de muitas pessoas, o auter decidio-sa
a establecer um deposito de seos apparelhes no
Bio de Janeiro, em cata de Su Dcdih Roirr,
ras nova do Chuidor, S^j______________
Q.UINA
LAROCHE
ELUIR Febrifajo e Fartificante
wiiih us unos i uitra m wu.
Eiperunentadt eom pleno iucosmo nos
hospitaes, a quina Laroche ( cstraeto
completo de quina) urna preparacao
excepcional, por ser prirada do amargo
daquiua. Agrada por eonsef-lRte as pessoas
as mais tatolemes e aos patedares os mais
delicad.s, pois nern muits doce oem muito
riscosa, sendo de urna limpidei coastaote.
Bmprega-*e ntm muilo psoreito nos casos
flaga.tralia.dr.pa^cia, nevralgia, -M
ma, marasmo, eaohenai, magrea,
Castiosem eausa ajurente, eoBraleseen-
rs ilssnilfci, chlsraae amcrayhalaa
o especifico du molestias febris.
QnlM LMQGHE FERMIGUUU
ImWi Imjs m srssMaiM U (sm k (h.
BM PARIZ,
l, r_ir#twt.
' P. MAtWSlt & C.
roa SoTa n. 18.
Henry toi-sier i- G., ru do Trapiche n. 8
tem para verutur:
Prensas |ara uiittrJar algodo.
Machinas de decaeoar algodo, de 30 a
60 serrotes, com iMMrv?, a?stm como uioio-
rsqatservravr irar (ualcjner servic^, e utua
machina de li serrtes-cotujuma machina a
vapor, propria pata anmesaia.
NECCAO BROWT
Hemediij iafaUivii;Hr-agtuveiMW antigs
recen, tes, unteu iiarma
e iVancza na da Crtts n. i VW%8 pre? de
da Cadeia do fteclfe n. 13.
"J-i tre'clsa*se 'de'"ura mblho de i
anuos pata erlado : o Corredor
oit& qaatorze
Bispo, viodo
F
..i it-
* ca
;n-
da.rodo>> lado-eiquepdo, na sexta casa.
Recite, 23 de abril de 1866.
larras Baadaia
Secretario.
____ no armazem. da tnl* a'parmiai rt->, ouo da rec^'rinSa sobora- de i#de de boa con' ria da polica, reoetiem^e. e-Rvoipiiadas de fogo
paea ser ama de casa de pouca familia de do ar para dentro e ra,da,i>r>~inci*.
i^^treaaeaaoas oudahe^em splteiro : qaen, .__ precIsa.^afe^--yf'caM-frr>e.:no"nafrio
precisar dirijasa a roa da SeniaU ova n. 13. rt> BJ.Vlsla> se_d oum>s d Bwtri0j Pire$,
Vende-se a taberna sita na ra de S. Miguel Ponte Velha. Cotoveil, priccip.o 3o C->eihs e Con-
des fiiB-dni I. fl^: qm a pralender comprar celgSo por lij a I6i : a pessoa querendo alugar
di-lja-seTmesaauoeroa, que se diriquem vende, dirija-se na Pra$a de Independencia os. n e th.







-

iMIltjb
-* ntMMn d a** e 1866.
AGUA FLORIDA
Zg&EE2lIlAG
MURRAY &. LANMAN
. A agua florida de Murray 4 Lanman
olhada como um artigo de perfume, nao
lem podido, ser igualada petos preparacoes
as mais custosas: conserva seu aroma, co-
mo se formasse parte da prenda a qve ella
se applica.
Sua eficacia tao delicada, como elegan-
tes sao seus multiplicados usos, qur seja
empregada como ajtigo de toucador, quer
no uso do banho, ou como suavisador da
pelle, depois que se tenlia feito a barba;
j para limpar as gengivas ou aromatisar o
hlito.
D suavidade, brilho e elasticidade as
compleicoes, depois de se haver lavado; al-
livia a irritacao de erupces ordinarias ; faz
desapparecer o desagradavel aspecto dos
pannos, das sardas, do rosto, rugas e toda a
casta de ebulicoes, e d vigor e frescura a
parle onde quer que se applique. Sua efi-
ciencia e elegancia sao igualmente infalli-
veis nos casos em que seja preciso applica-
la como estimulante e antisptico, nos con-
cursos e assemblas numerosas, as loca-
lidades infeccionadas, na alcova de um en-
fermo, assim como um antidoto exceden-
te para os desmaios causados por cansaco
ou suffbcac3o. Preparada nicamente por
Lanman & Kemp, Nova-York, e a venda por
Caors A Barbosa.
io5o da C. Bravo & C.
Deposito geral em Pernamouco ra da
Cruz n.22 em Casa de Caros__________
Samuel Power johnstou & Companhia
Rut da enzalaNova n, 4.
AGENCIA DA
Fundido de Low tfoor.
Machinas a vapor de 4 e 6 cavallos,
Moendas e oeias moendas par* engenho.
Taixas de ferro coado e batido para enge-
Oompanhia. gsral hespanhola de seguros mutuos
sobre a vida
ATORISADA PELO REAL DECRETLE 2i DE DEZEMBRO DE 1859
Orna tanca em dinheiro, depositado nos cofres de estada, garaete a boa ad<
miuistrsco da compaohia.
FABRICA A VAPOR
99 RA DO MONDEGO 9
.psito na ra Nova a. O loja de relojoeliro.
Delouche donos deste esubelecimento partecipa ao respeitavel publico -que sua fa-
brica est montada com as melhores machinas que existem na Europa, e que pode
fabricarcom melhor perfeicao possivel. Todo o chocolate desta fabrica est-garantida, e
e paro, o que nao se pode encontrar naquelle que vem de fra, e que se vende por proco
baixo, visto os productos serem do paiz. Na -etiqueta tea sempre urna aguia.
PREGO.
Meia libra......... 400
Urna libra......* # 80
Urna arroba ....:;., 19J0OO
Na mesma fabrica acaba de se montar urna oficina com serrara a vapor par
obras ae narcioeiria propria para edificio, par-a o que encarreg;:- de fajer portas, ja-
dellas, assoalbos (parqu francez como se usa na Europa,) earmacSes, tudo com brevi-
nade e perfeicao. Toma-se qualquer oncomtaenda para fra da cidade, atregando-se
prompta a collar-se no lugar.
COEJLIfO Kua da Crin n. 16.
BANQUE1ROS DA COMPANHIA*
Banco de Uespanha
DIRECCO GERAL
Madrid: Ra do Prado n. 19
Esta companhia liga pelo systema mutoo (odas as combinacoes de supervivencia dos segu
o s sobre a vida.
Nella pode se tazer a subscripto de maaeira que en nenhum caso mesmo por morte do
segurado se perca o capUal nem os jaros correspondentes a estes.
"Sao lio suprehendentes os resaltados que prodazem as sociedades da ndole deA NACIO-
NAL,que anda mesmo diminuiudo uraaierca parte do iateresse produzido em recentes liquida-
coese-combinando-o com a mortalidade da tabella de Depareieux que adoptada pela compauhia
Sm-wus clculos e liquidares, em segurados de idade de 3 al9 annos, urna imposicSo annua.
Mp prodnz em eftectivo metlico:
No fim de 5 annos..... 1:119,2300
de 10 .......3:948*600
de 15 ..'*.....11:208*200
de 20 .......30:256*000
i de 23 .......80:331*000
as idades menores de 3 annos e maiores de 30, os productos sao mais considerareis.
Prospecta e mais informacSes serao prestadas pelo sub-director nesta provincia.
Joa^iim Fiuz de'Orrreira, roadaCadela n. 52, oa a Boa-Vista ra da Imperatriz n. 12, esubeleci-
mento dos Srs. Raymundo, CarlosXeite & Irmio.
TINTUR
AO GRANDE S. MAURICIO
PROCESSOS APERFEI^OAIIOS
Tlnglr, limpar e lustrar a vapor.
I
F. A. SAL

29 Kua 7 de setembro 29
PHOTOfiRAPfllit
artstica amebicam
RA DO IMPERADOR N. 38..
Artista americano
Artista americano.
Artista americano.
Artista americano.
RetratosRetratosRetratos.
Em porcelanaNiepcotyme.
Em lencosArchrotypie.
Em vidroAmbrotypie.
Em metal=Daguerreotypfe.
Em papelTalbotypie.
No grande sal5o da ra do Imperad a. 3a
No grande salo da ra do Imperador n. 38
Neste esubelecimento tiram-se retratos
em todoros systemas, com asseio e promp-
lidao, desde as nove horas da manha'a
ate as cinco da tarde ; asim como tem
sempre a venda grande sortimentode cai-
xas fioas de diversas formas. Cuadros
; ovaes Passepartouts e todos os mais ob-
jectos e productos ehimicos, relativas a ar-
te e reabidos ltimamente dos melbores
foroecedores de PARS e Nova York, tendo
de tudo, para todos os gostos e para todo
os precos.
Salo da ra do Imperador n. 38.
Salao da roa do Imperador n. 38.
nho..

Arreios di* carro para nm e dous cavallos.
Relogios de o uro patente inglez.
Arados americanos.
Machinas para descansar algodo.
Motores para ditos.
Machinas de costura.
m
Debute da roa nova do Onvidor (Rio de Janeiro)
Continua a haver diariamente um sortimento de pastis, podins, bolos inglezesj, ,. 0s proprietarios deste estabelecimento, o primeiro no seu genero no Rrasil, por'
is etc., etc. Os donos deste estabelecimento, acham-se as melbores condices! ja,t)ar roas machinas mais aperfeicoadas para Ungir e lustrar, oVque se faz uso na
- encommendas concernentes soa arle, em consecuencia do socio hur0Pa> eajudaoos por alguna dos melhores officiaes de Paris e Lyo, podem assegu-
rar a seus freguezes urna perfeicao no trabalho, a qual senao pode ebegar pelos proces-
sos ordinarios. t> r r
Tingem, lavam, lmpam e demofam com a mai r perfeicao e brevidade qualquer
qualtdade de fazendas, tiram nodoas e limpam secco sem molLar as sedas e as vestimen-
tas de senhoras e de homens.
DEPOSITO DE CALCADO *
FABRICADO NA CASA DE DETENCAO
8 Bna \oti n. I.
mt Ahi se encontrarlo obras de di-
' versas qualidades, e por preco mui ?
g diminutos, a retalho e em porcoes. *w
S se vende a dinheiro. ^
wmmmmmm mmm mmm
Na ra estreila do Rosario n. 43, segando
andar, precisa-se de urna ama Zorra ou escrava
pera casa da familia, e paga-se bem.
Aluga-se a casa dehvnte deS. Jo do Man-
iuinho o 9i, tem urna boa sala na frente, alcova,
e outra sala, com quintal, boa cacimba com agua
para beber : a ira ar na ra da Madre de Deus
D. II.__________________________
D. Francisca de Paula Figueiredo, cordeal-
mente agradece aos amigos e a todos as pessoas
que se dignaran) acompanhar os restos mortaes de
sea presado Jos AntonloFerriO de Figueiredo ao
cemiterio pnbliso desta cidide; e de novo convida
os mesmos senhores para assistirem a raissa no s-
timo da terca-feira 24 d) correte na ordem ter-
ceira de S. Francisco.
AMA
Precisa-se de urna ama : na ra do Livramento,
loja n. 14.
Novissimo Hez de Mara.-
Sahio alinal luz o Novissimo Mez de
Maria, 2.a edicto correcta e augmentada
com um segundo exemplo, tirado da edicao
de Lisboa, Ilustrada cora estampas proprias
e aoalogas a cada um dia do mesmo mez
mariano, contendo instituicSo e iniulgen-
cia, e o modo de meditar o Santissimo Rosa-
rio, os mysterios gososos, dolorosos e glo-
riosos, versos proprios para se cantarem no
mez de maio, em que se comprehende a de-
finiejo do dogma da CoDcei?3o por Pi IX,
e om appeadice com o ordinario da missa
illastrado com vinhetas proprias, e as ora-
coes necessarias ao chiisto em cada dia;
acha-se venda na offiesna de encadernagao
n. 15 da ra do Imperador.
Mudanza do estabelecimen-
to-Fabrica d carros e
jelozias.
F. Poirir, mudou-se da ra da Impe-
ratriz para ra do Imperador, junto ao
Gabinete Portuguez. Contina com os seus
constantes trabalhos de fabricar e con-
certar carros, e. tudo o mais concernente
sua arte. Os seus freguezes e amigos po-
dem ali procura-lo sendo que o seu esta-
belecimento offerece acommodacoes para
guardar carr- s e cavallos tratar ; ai pes-
soas que ali os quizerem deiiar teem a
vaotagem de fazer-se com promplidao qual-
qur. concert que os carros, preciaarem
de molo darem-Ihe" o servido constante e
sem intenopcSo o que n5o pode fazer qual-
quer coxeira.
- O D. abbade de S7 tUSTR Oia~FF. An-
tonio do Patrocinio e Ara'njo, teodo de psrtir para
a Bahia aflra de tomar parte no trabalho capitular,
e nao podeodo despedirse pessoalmente de todas
as pessoas, que o nonraram com a soa considera-
cao e amisade, em coosequencia de baver sido re-
solvida de momento a na viagem, vem por meio
da impreosa signiflcar-lhe os sentimentos de pro-
fundo reconltecimento, veneracao e respeito, offe-
rocendc-lhes os seos racos servicos naquella pro-
vincia, ou em qoalquer parte onde se achar. Nao
Ihe sendo possivel expressar por palavras a grati-
do, que deve aos habitantes da heroica provincia
de Pernambuco, quer como simples religioso, qner
como representante da ordem Benedictina, s pede
a Deus que ibe permita palentear por faetos os
sentimentos de que se acba possuido.
Mosteiro de S. Bento de Oliuda, 24 de abril de
1866.
Fr. Antonw do Patrocinio t Araujo.
D. abbade. .
Anu
Precisa-se de orna ama para cozinbar : na rna
da Cadeira p. 5z, tereelro ailar.
A Sra. D. Joaqaina MulalirConceieio Go-
dee, mi d Sr. majar Gabriel da Sonta <3uedw,
que se acha so sol, digne-so mandar, receber no
tscrlplorlo do barSo do Livramento, o que o Sr.
sea Bino Ibe mandoa.
Faz se esle annaneio, porque. ba perto de dous
mezes, que se isdaja de ua morada, te nao tem
acbado.
empadas etc., etc.
de poder satisfazer encommendas concernentes soa arle, em consequencia
Freitas ter sido administrador chefe de algumas das princii aes fabricas na crter. sendo
urna a do Sr. Joo Goncalves GuimarSes (confeitaria de Le5o) antiga casa de Carceller.
Todos os trabalhos sao "differentes dos que se fazm em casas particulares.
Os propietarios deste estabelecimento nao se tem poupado a despezas, nem S6
pouparao, se hou-ver concorrencia como esperam ; tendo continuadamente bom sorti-
mento de doces para cha; presuntos e ditos em fiambre, tambem se recebem para se-
rem preparados ; assim como doce de caj novo superior, secco e crystalisado, dito em
calda em latas hermticamente fechadas, podeodo durar annos em perfeito estado.
Para jantares e partidas recebem-se encommendas dos seguintes objectos; ban-
deijas ricamente enfeitadas sem armacao pecas de amendoas (nogaces), ditas de tmaras
de ovos, pes de 16 enfeitados com disticos anlogos a qualquer fim; dilos montados,
kechs simples e eBfeitados com fructas ingleza; gatheaux de la reine, ditos de le d-
chese, tortas de frueta, massa folhada; ditas de peixe e carne; cremes e doces de ovos
de differentes especies.
Tambem tem um completo sortimento de vinhos engarrafados, como sejam: vinho
do Porto superior, Figueira, Madeira, Lisboa, Cherez, Bordeaux, Champagne fino, ser-
veja, licores, charopes e conservas. Para festas: bonitas caixinhas com amendoas, con-
fettos e mais enfeites. Muilos destes objectos mencionados podem-se perfeitamente ac-
condicionar tanto para a provincia, como para fra. ^
. fc w FICtHAS
Acabam de recebeF bonitas figuras para bandejas de doces, sendo grupos para
baptisado, < asamento, annos, ditta a phantasia, bonitos enfeites para bollos e circular pra-
tos de doces finos, tudo por precos razoaveis.
Vende-se licores em duzia multo em conta.
flachadogl
5
DE
|0 Dr. Francisco Pires
Portella
MEDICO E OPERArOR
PELA
Faculdade de Pars.
continua no exercicio da sna profisso-
especialmente as molestias de olhos, ds
vas urinarias e de pelle, para cajo tra-
tmentojulga-se Cabilitado atienta a pra-
ca adquirida nos bospivUes daquella ca-
pital, e os instrumentos mais modernos
que possue.
Accode promplamente a qualquer cha-
mado para fora da cidade.
E encarrega-se de collocar olhos arti-
nciaes.
Jo pateo do Carmo n. 2, esqoina da,
ra de Hortas, das 6 as 10 horas da ma-
nha, e das 3 as 5 da tarde.
FAZENDA E ROUPA FEITA
11UA IOVA W. 4.


Acabam de receber G. Paes do Amaral & C.
5 RA DO CRESPO 5
Antlga casa de nilherme da Silva <-ni maraes
Ricos cortes de vestidos de gros-de-naples preto, com lindas barras bordadas.
Moire-antique preto em cortes e em pepas, liso;ondeado e com palmas.
Gros-de-naples preto, de diversos precos e larguras.
Gorgurio preto, fazenda superior a todas pela qualidade, e bonilo tecido.
Este estabelecimento
acha-se sonido com numerosa quantidade de filos pretos, de algodo, de linho e de se-
da, manufactura .'os em
ckales
retondas
algerienes fbournus)
anamites
africaines
pompadour
DE FANTHASIA
Receberam tambem bonitos cortes de popeline de lisls de cores, e matisadas,
muito modernas, de gostos inteiramentenovos; e ouftras mu i tas fazendas de gosto, viu-
das pelo ultimo vapor.
G. P. DO iMiRAL dfc .
5 RA DO CRESPO 5
Reg & Moura, proprietario da loja de fazendas e roupa feita, sita ra Nova
n. 24, yerdadeiramente penhorados e reconhecidos para com teus amigos e freguezes
pela aceilacSo e confianga que delles tem merecido no curto espaco de lempo em qu
seacham estabelecidoseperfeitamente escudados nasinceridadedos seus tratos, decla-
ram para sciencia daquelles que o "quizerem honrar com seus officios, que, em vista da
grande concurrencia que tem merecido o seu estabelecimento, especialmente no que
relativo a roupa feita; acabam de admittir para asuaofficina de alfaiate maior' numero
de artistas, iucIusive o seu contramestre, dirigido pelo hbil mostr Lauriaa Jos de
Barros, o qual n5o.se poupa a exforgos para satisfazer com a presteza possivel qualquer
obra de encommenda.
Os mejsmos annunciam aos seus freguezes que acabam de comprar um novo e
muito variado sortimento de fazendas finas e de bom gosto, proprias para o tempo da
quaresma, as quaes esto dispostos a vender por precos muito coinmodos e mais barato
que em outra qualquer parte.
Como sempre escusamos essa enfadonba prolixidade dos annuncios bombsti-
cos ; preferimos mostrar na singeleza deste nosso convite os bons desejos que nutrimos
para bem servirmos quelles que vierem ao nosso reclamo.
t*.
Compauhia fidelidade de seguros
martimos e terrestres
estabelecida no Rio de Jaueiro.
AGENTES EM PEHNAMBUCO
Antonio Luiz de Oliveira Azevedo k C,
competentemente autorlsados pela direc-
tora da companhia de seguros Fidelida-
de, tomam seguros de. navios, mercado-
rias e predios no sea escriptorio ra da
Croa n. 1.
DE
DE
f. VIGNES.
X. 55. RA UO IMPERADOR l. 55.
O pianos desta antiga fabrica sao boje asss conbecdos para que seja necessar o insistir sobro a
.na superioridade, vantugense garantas qneoflerecem aos compradores, qualidades estas lcrales-
res que elles em deflnitivamente conquistado sobre todos os que-tem apparecido nesta praca ; p*-
h?t.,ecUd0 e mac/hi1n,.sm i obedecer todas as vonudes e caprichos das pianistas' sem
^^SFV? abri?ados de Proposito, e ter-se feito ltimamente melhorajiwntos> imi
T o^fdo/dlraSaS. qU"t0 8 *' n,el0d0SaS* fladUd"' e ^ so *'oT3-
,nrJ^^, c2n''?,mre as eocon,me,"las, unto nesta fabrica orno na de Sr. Blondel, de Paris socio
""MKESifiS fm ci capital foram sempre premiados em todas as eVpsiccS'
mrtSZZSlfttSSQSe aebara s!mpre om P'"*e variado sorUmaptede mnfcu des
\- O Dr. Garolino Francisco de Lima San-
tos contina a morar na rna do Impera-
dor n. 17, segundo andar, tendo alias seu
gabinete de consultas medicas, logo ao
entrar, no primeiro.
O mesmo doulor, que se tem dado ao
estodo tanto das operaedes como das mo-
lestias internas, presta-se a qualquer cha-
mado, quer para dentro quer para fra
da cidade.
i
ir1
.i:z.f.:it-
Tinta Inalteravel
t Para escrever
de P. MAIRER i C".
PERNAMBCO
Est, tinta recommenda-se pela sua com-
poeica e fluidez como a melhor e a mais
segura de todas as tintas at hoje conheci-
dae. Nad ataca as pennas de ac, d at
tres excellentes copias, mesmo mui tos das
depois de escrever, e preferivel a qual-
quer outras tintas particularmente para
livros de commercio, documentos eto d <1U> se careca longa couservaca.
Vende-se na livraria franceza ra do Crespo e roa Nova n. 18 de
Em casa de Tbeod Christiansen, roa do Tra
piche-novo n. 16, nico agente no norte do Brasil
de flrandenburg frres, Bordeaux, encontrase ef-
ectivamente deposito dos artigos seguintes :
St. Julien.
St Pierre.
Larose.
Chateau Loville.
Cbateau Margaux.
Grand vin Cbateau Lafite 1858.
Chateau Lafitte.
Hant Sauternes.
Chelean Saaternes.
Cbateau Lauur Blancbe.
Chateau Yqnem.
Cognac em tres qualidades.
Aaeite doce. Pregos de Bordeaux.___________
Cesa deeommisss de. escraves na rna de Impe-
rador a. 4S, terceiro andar.
Recebem-se escravos tanto do malo como da
praca para serem vendidos por commissio,' aman-
earse o bom tratamento e seguraoca para os mes-
mos. 0 abaixo assignado nao poupa estorbos aflm
de os vender com promplidao, nesta mesma casa
ba sempre para vender escravos de ambos os sexos.
_______________Antonio Jos V. de Sooia.
..Antonio Jos Rodrigues de Souza na roa do
Crespo n. 1S, toma dinheiro para mandar entregar
na Bihia, Para e Maranbao.
ff mmmmmmm
m Dr. Igiacie Alcibiades Vellozo, m
MEDICU Z
^ HA DA nmraATitiz N. 18. 2
Trata especialmente das molestias sy- 9}
Sphililicas o de criancas. m
sVliUlill HSSIiMilll
Ceslahelro.
Precisa-se de umeosinheiro forro ou cap-
tivo que d fiador a sua conducta: na roa
da Crn n. 48, primeiro andar._______
A abelxoasef nada no intnito de evitar qne al-
|uem a procure i I ludir, aproveitando-se de ene
avancada idade, declara pelo presente, qae de ore
em dtante nenhum papel por ella assignado ter
validade, sem qne seja igualmente assignado por
sen genro o commendedor jote Pires Ferrelra, in-
cumbido da gerencia de todos os seus negocios, de-
vendo ter-se, no caso contrario, a assignatura da
mesma abaixo assigoada por falsa, ou obtida por
meios. freadoleotc* Reelfe, 1 He atril de INS.
. Joeni *UU de "
Imperalrii n. l#, Jo
Jlo pela universidade de Coimbra, d
consultas em sua casa das 9 as (
11 horas da manba, e das 4 as 6 I
da tarde. Visita os doentes em suas
casas regularmente as horas para 1
isso designadas, salvo os casos ur- j
gentes, que ser5o soccorridos em i
qualquer occasiSo. D consultas aos I
pobres que o procuraren! no hos- I
pital Pedro II, aonde encontrado |
diariamente das 6 s 8 horas da 1
manhaa,
Tem sua casa de sade regular-
mente montada para receber qual- 2
quer doente, ainda mesmo os alie- I
nados, para o que tem commodos I
apropriados e nella pratica qualquer |
opperaco cirurgica.
Para a casa de sade.
Primeira classe.. 3^000 diarios. 1
Segunda dita....3(J500 >
Tercetra dita ..20000
Este estabelecimento j bem |
acreditado pelos bons servicos que *
tem prestado.
O proprietario espera que elle I
i continu a merecer a conanca de I
que sempre tem gozado.
.Antonio Luir de Oliveira Azevedo & C lem
para vender no seo escriptorio, ra da Cruz n 1
vinho do Porto em caixa de duzia, flo hambnrgueC
oola da Baha superior.
Engomma-se
com asseio, promptioao e preces razoaveis: na ra
Augusta n.o. loja.
wmmwm mmmmwmm
| GASA DE BANHOS (
36 rateo do Carao 26. I
Neste estabelecimento tao impor- I
tante para a saude e asseio do cor-
po, acham-se montados 20 banhei-
ros, que sao servidos com a ordem
e asseio que para desejar-se. Qua-
tro destes banheiros sao especial-
mente reservados para senhoras e
por isto acham-se collocados em lu-
gar reservado, aonde s tem entra-
da as pessoas de urna mesma fami-
lia.
| PREgOS DE BANHOS AVULSOS.
pw 1 banho fri, momo ou de
chovisoo ...... 500
B 1 dito de choque .... 1,5(000
1 dito de fareilo...... 1,J0G0
* i dito aromalisado 1000
PRESOS POR ASSIGNATURA.
R 30 banhos por mez fri,
f< momo ou dechovisco.
^ 23 banhos com cartoes pa-
ra os mesmos .
e 12 ditos ditos ditos .
8R 12 ditos ditos de choque.
i2 ditos ditos de fareilo..
R O estabelecimento estar aberto
| nos dias uteis das 6 horas da ma-
nba as 10 da noite, nos dias san-
* tiicados das 5 as o horas da tarde.
10000
100000
50000
100000
10000
J

'
m
I VAKELLl
Cantos e phantaslas.
Umvoiume in 12," impresso e en-
cadernado em Paris: em casa dos
edictores
LIVRARIA FRANCEZA
N. 9 Ra do Crespo N. 9.
wmmmmmmmmmmm.^
Fogo do ar
Valdivino da plvora se acha com fabrica de
fogns artificlas na ilha do Maruim, com grande
porco de ogos de 1* sor te, j preparados a espera
de festejar o grande dia que tiver noticia de qual-
quer triompho de nossas armas dentro de Para-
guay : todos aqoeUes que tiverem a mesma satis-
faco dirija-se ao armaum do sal na rda Imperial
n. MI._________ .
JoaoChrysoetofleodeAlbeqierqoe, scienlilica
do commercio que compron a taberna,
Precisase de urna ama para comprar e cozlnhar
para urna moca : na roa de Borlas n. 16, segundo
andar. "> {
Na ra do Codorniz n. 12 A existe uma.fear-
/
ta viuda da Parahyba
xellas Galvflo.
para o Sr. Eneas
- LIVROS
BE
PREPARATO
LINGUA INGLEZ
HILLARD'S-First Class R
MOTTA Grtmmatica pra
de^Arro-
4-r
ios
ingleza, in 8."
/
ider. in t.
Sea da lingua
ao corno _
sita rna do Nogoeira n. 49, ao Sr. Francisco Jos
de Freitas Guimariae, livre e desembaracada ;
qaem se julgar com direito mesma, queira en
tender-se com o comprador nestes tres dias. ____
Aluga-se
por se retirar para fora o actual morador, a casa
da roa'Formse, n. 23, em bom estado de asseio,
e toda esteirada : tratase na mesma casa, das 5
hONS da tarde em diante, a/esptito do aln-guel e
das btmfeltorias do predio.
Preeltt-ee de orne ama para casa de pouca
familia : oa roe do Hospicio o. 61
SADLER Cours complet de langue n-
glaise. )
SADLERDictionaire fraiicais-aoglais ^~-
anglais-francais, io 8.a
SPIERS Dictionaire francais-anglais '<
anglais fraocais, 2 in 4.
OLLENDORF.Methode d?anglais, in 8.
RUSSEL Curso de lingos ingleza, se-
gundo o methodo Robenson Zja 8.
VIEIRA Diconary of th. english, and
portuguese langoages, 2 in 4. l
WALKER- Pronuncing dietionnary. in 8o
NA LIVRARIA FRANCEZA
N. 9 Ra do Crespo N. 9.
Quem precisar de nm caixeiropara escripta-
racao simples, annuncie por este Diatio, onde de-
ve ser procurado. ___________
GAREAUX," DE LAELHACAR & C.
LIBBARIE FRANQAISE
RA DO CRESPO N. 9.
Livros nacionaes e estrangeiros.
Religio, dtreilo, litteraur, etc.
"1
Papelaria, objectos para escriptorio.
Papis pintados para forrar casas.
Asignaturas para os jornaes da Europa.
- Um mo?o luteWMMp, e qae tem BogiJes ge
raes de ponoguex, latan fraoeea, qne prova' se
for preciso com documento, desoja eosiaar. estas
materias fra^esia cidade : quem necessiur del-
earta fecnada nesta typofrspbia con as ini-
eiaes A. t. -


Ti


Di rio de *T crui salmeo guara felra 15 de Abril de I
I----'. ...i,.. ..----i----------------------------------------LiL*----.__*.
1866.


INJECTION BROU
.?^rin^t'^'*'"^ e Pre*T^*',K"' *b*ol^memo nica que cura sem t" u^S^^^f
INJECCAOe CAPSULAS
JEGETAES aoMATICO:
GRIMAULT&C'JpharmaceuticosemPAKIS
H.N^trlU"ent0 P^P?^,0 com f*lhai d* *<. non do Perv, para a cura rpida e lnfaUTt
'*rs snassscopah'cubeba e s ** baM "uum-
Vende-se na na Nova nt 18, pharmaciafonceza de
P. MAURER 4 C.
PERFUMERA oa casa oger
Boulevart Sebastopol, 56, Iarlz-
Dex medalbas, a coneceraco da Legin
d'honneur e grande reputacao que tem lhe
dado o publico, laessao u recompensa que o
serros prestado! a industria merecerao a
esta importante casa desde sua fundacao em
N'um sortimento de mais de 500 artiges,
as pessoai elegantes escolherao os segurntes:
ROS! DU PARAOIS, extracte superfino
para lenco. *^
*>OMMADA CEPHALIQUE costra a cal-
ria.
agua VERBENA para o toucador.
OXIMEL MULTIFLOR.
VINAGRE DE PLANTAS HYGIENICAS.
TINTURA VIRGINALE de beijoira.
ROSEf OE LYS, verdadeira agua de
Jouvencie,
Creme labiale de sueco de Rosas.
POMMA0A VELOURS pan aaiaoiar a
pelle.
ELIXIR ODONTOPHILE.
SABAO dedicad* as damaj amen cama*.
SABAO de bouquet de Franca.
d* de flores de alcea rotea.
d* de flores printaniref.
d* de bouquet do ouUm.
o> de perfumes exticos.
> aurora, dedicado apa dedos cor da
rosa.
d* de flores das montanbai.
d* de cheir* de foins nouveaux.
d* de bluets ckeirosos.
d* de altfaea balsmica.
d* diapr, eaixa rica, antesia par-
sieoee.
mmmk sem igual
n ll^R,i!ftf2tn *?^^^X*VnitiehFitriaea*' >e, baratsimo prep de 503
tfw&C dflfiC"QmDa8 "a do Crespo n, 13 de Antonio Correia de *ra*eoo-
m
Precisase de ama ama para asa de potrea fa-
milia, que saibafengororaar e eozmbar : a tratar
na praca do Corpo Santo n. 17._________
= Na roa do Imperador, casa o. 22, segundo
andar, ba para alogar ama escrava moca, engom-
ma e cose ; quem a pretender dnja-se a ra do
Qoeimado, loja p. i para tratar.______________
Ama
Oflerece se am mnlher que sabe multo bem co-
ziobar toda as qualidades de comidas ou par en-
gommar, assim como da ioformaeBes de sua con-
duela ; na roa do Martyrios a. 8.
Ha praca da Independencia n. 33, tola de
oorltes, compra-je ooro, prati, e pedras preciosas,
e tambem se faz qualquer ohi-a de eucomroenda,
podoe ooalqwr concert.
SEGUROS
MARTIMOS
I CONTRA FOGO.
A companhia Indemnisadora, esLabeleci-
da nesta pra$a, toma seguros martimos so-
bre navios e seus carregamentos, e contra
i fogo em edificios, mercadorias e mobilias:
na ra do Vigario n. *, pavimento terreo.
Versos
para o mez mariaono : vead*m-se a ra do Im-
perador n. 18, offleina de eBcadernasJo.
COMPRAS
Compra-s onro, prate e pedras preciosas
em obras Tenas: oa roa da Cadeia do Recife
cja de oorjves no arco da CMiceieao. ___
Onro e pruta.
! Era obras velhas : con pra-se bu praca da fn
dependenclo n. 22. loja de billietes._______ _
Compra-se urna burra de ferro, ingleza ou
mesmo das amigas; na ra Wevsin.tl.
Compram-se duas rodas par carroca ou
urna carroca que esteja em bem estado : no arma-
zn da bolla amaretia no oito da secretaria da
polica._______________________________
Comprase na prensa de algodao de.Sanoders
Brothers & C. semeotes de algode a 500 r?. por
trroba.
Cbmprara-se
Guia n. 9.
latas vazias de gaz : ca roa da
Cobre lalo e chumbo
No armazem da bola araarelU no etao da
secretaria de tollcia, cempra-se cobre, latao e
cbambo._______________________________
Compra-se urna carroca que esteja
estado : na ra da Cruz n. 55, 3* andar,
ma casa se dir quem vende dous escravos cabras, prios
de idade 40 annos, boas carre ros.
Diademas dourados,
eifeitidos c aljofares, pedras,
etc, tira neiiase seo hora?.
A agula>branca vende bonitos e njtdernos dia
dems orado,"enfeitados com aljofaras e pedras
iJtfopiaa para meninas e senhoras.
ltoniCos chapezlnfaos
de palba fina e.aveacaeg para ajeniis.
So obras estas de que os bous pas de familia
se tfo poden esusar de comprar, porjizerem el-
las parte do aswio e bom gosto cora (jne trajam
suas bellas filhinhas. A aguia branca'lem o pra-
zer de ver qie toUelhs e precisas obras forero
derldamente apreciada e compradas em seu nl-
nbo. Os cbapeozinoSs, alm de serem d'oma pa-
lba mal tina, sao. de mui bonita forma e uliimo
gosto, enfeitados com toda a perfelc59-: os aveo-
taes, porm, sao de fina cambraia, goaruecidos de
qabadinhos bordados; o que Ihes da Aila graca.
Os precos destes, C000, e daquelles, <0; e da
quanto sao elles baratos conhecera o pretndeme,
que se dirigir* loja d'guia branca, amado
Queimado n. 8.
Vidrlitios de cores e aljofares,
imitando ac, para enfeiles de vestidos,
em born A aguia-branca na roa do Queimado o. 8 rece-
Na mes-. beu am bello sortimento dos objectos cima pro-
para enfeites de vestidos, ele, etc., e est
Aspas fortes para bolCe*. '
Na roa do Queimado loja de miudezas n. 16, ven-1
de-se aspas de ajo fortes, e de differenles larguras
para baloes.
Bonitos quadros para retratos.
Vendem-se oa ra do Queimado loja de minde-
zas n. 16, bonitos qoadros cou nlordora pre!3 e
Compram-se duas casas torreas : a tratar na
ra do Queimado d. 13, primeire andar.
VENDAS
vendendo commodamente.
Novidades.
Na Aguia branca roa do Qoeimado n. 8 rece-
ben diversos objectos de muito gosto e inteiramen-
te noves, sendo:
Bonitos e delicados pentes dourados e prateados,
tendo entre elles alguna de filigrana obra mni per-
feita e de elevado gosto.
Ditos com cbapa de madreperola.
Brincos de filigrana e outras qualidades.
Fiveilas de dita e outras tambem de diversa
qoalidades.
Cintos mol bonitos, enfeitados em toda a exten-
Grande loja
irmazeai da Arara raa da Im-
perairiz o. 56.
DE
40$ SR$. ACADMICOS
Vendem-se as seguintes obras de direito
com pocoTjso : Manuel du Droit Bomain! clo'comMractereTdorrdosVpraTead^ "
or Mackeldey, 1 VOlume por 4# ; Diccio- Filis enfeitados com moedlnhas dourads.e lar.
naire du Conienlieux Commercial, por Mas- ejoilas, aljofares & &,sendo para coque, e toda a
S, I volume por 5^ ; Ele*** du ^,ctnlus vE T $S'i'*. tendo tam
roiMOi, por Maynz, i volume por 4^; Es-! bem aigumas de duas eores.
prit de la jurisprudence des successions, I Luvas e meias
por Confiaos, 1 volume, por 4# | Traite de de laa vegetal, para qaem soffre de frialdade, pa-
droit penal, por P. RosSi, 2 vojmes, por ;*?,esya etc- Vendem:se na roa do Queimado loja
U;Code pratique des faillites, por Geof- 'Aemabnaci|^ de
froy, 1 volume, por 3 Hitments de l'Eco-1 para 0o\oBs4mr perSmente atado os
nomie PoMique, por Garnier, 1 volume, por cabellos das senboras. Vende-se na ra do Quel-
2# ; e Organisalion du liavail, por Louis nado loja d'Agaia branca, A 1,5000 o fraseo.
Blanc, { volume, por ^(200: na. ra do Enfeites pretos gara vestidos
A Aguia branca receben novos enfeites pretos
para vestidos, seado bieos com vidrilhos e seta
elles, trancas com pendentes de vidrilhos e sen
elles, cordogrosso tambem com vidrilhos e sem
i elles ; assim como galoes e franjas de diversas lar-
I garas, fitas de velludo etc. como sempre os bons
freguezes encontrarao commodidade de precos nos
, objectos que se vendem na loja d'Aguia branca roa
i do Queimado n. 8.
Botoes de vidro
a lux as rotTjftas de' com enteites d'aco no centro,
algibeira e de porta para o auno de (866, o; Esses botfles que tamo servem para meibor se
mais correctas possivel tanto no Galoulo das Podr enfeltar um bom vestido preto oa de cor,
las e eclipses, como -as diversas festas f ^^ 'da na roa do Queimado loja d'Agtri
qe a igreja celebra; vendem-se unicamen-
Crespo n. 4, fabrica de chapeos de gol.
VOUINIAS
IMRV 1860a
Acabam de sahir
te na livraria da praca da Independencia,
4<>0 ris es de porta e 320 ris as de algi-
beipa.
Cal de sLlstioa
desembarcada do vapor .nglez Gasne, vende-se
por coramado preco, no^scriptorio de Manoel Ig-
nacio de-Ollveira & Piho, largo-do Corpo Santo
numero 17.
Acaba de cbgar aloja 4a aguia branca
a roa do Queimado n. 48.
Chromacome para tingir cabellos.
Hoild walter para dito.
Tintura de L. Maracaes pera dito.
\ guia branca
a roa do Quimadon. 8
acaba dereceber:
'Lantijonlas d'aco para enfeites.
PechiDcha admiravel
Laarrabas de nuadriobus que parece seda a 240
rs. o covado, ama grande peeliincha, est se aca-
bando-: na loja o. e2, armazem da porta larga de i MeliS de se Paredes Porto. Bonitos cbapeosinbos de setim para dito.
-llosas camelias e oatras-qaalidades.
Novos brincos, fivellas, pentes e pulsaras de fili-
grana.
Fita= i- seda de cores para debronhar vestido.
Di'.. ;,, sarja coa dilferentescores e larguras.
dourada, todos por procos rasoavei?.
Garrafas brancas
e de cdris com superior agua da colonia.
Vendem se na roa do Queimado, loja de miude-
zas n. 16.
Novo gosto
Pentes, fivellas, e brincos de feliarana.
A amiga e Sem c< onecida loja n. 16 na ra do
Queimado, recbeu um sortimeuto de diversos ob-
jectos de novo e bom gosto, sendo pentes brancos e
dourados de moldes enteiramente novos e mu a-
iradaveis, lendo entro elles alguns de filigrana obrz
de muito gosto e detleil execoro, e bem assim fi-
vellas e brincos as mesmas c'ircumsiaDcias.
Tambem recebeu alguns cintos o qoe de mais
moderno e bonito, se pode encontrar em tal genero.
Alm disso encontrarlo os pretendentes um com-
pleto sortimento de fivellas de madreperola, chris-
tal, tartaruga, e dourados, brincos de christal, e
jaspp, vollas e ernzes de dito e muitos outros objec-
tos_.de gosto, os quaes continaa-se a vender commo-
damente.
Pnenles de madreperola, e enfeites filets
A loja de miadezas na roa do Queimado o. 16,
recebeu bonitos pentes com chapa de madreperola,
e novos enfeites filis ornados de lanlejoilas dou-
radas, moedlnhas, aljofares, vidrilhos ele, tendo
grandes para toda cabeca e pequeos para ceque,
regulando os precos de 2 a 45000 rs.
B mitas caixinbas
com arranjos dourados para costura, tendo com
msicas e sem ellas. Vendem-se na ra do Quei-
mado loja de miudezas o. 16.
Trancas prelas
Com vidrilhos, e bicos com ditos e sem eiles para
enfeites oa vestidos.
Na ra de Queimado n. 16 'loja de miudezas a-
charo os pretendentes um bello sortimento dos
objectos cima ditos, cascarrilhas, franjas etc. etc
e lado est sendo vendido por precos commodos.
Botoes preos
de vidro enfeitados d'ajn.-
A loja de miudezas n. 16 to do Queimado
vende mui bonitos botfies pretos de vidro com en-
feites de ac, os quaes muito se uzam para eofeitar
vestidos, quem os pretender pode dirigirse a dita
loja o. 16 ra do Queimado.
Vendem-se na loja de miudezas
ama do Queimado n. 16.
Bonitos leqoes de sndalo e outras qualidades.
Bonitos ciatos com fivellas de diversas qualida-
des e moldes.
Brincos e cruzes de crystal.
Abotoaduras de dito para toletes.
Bonitos port-relogios.
Delicadas caizas com msica e sem ella, para
costara.
Agulbas e linbas para cbrocbel.
Retror superior em carriteis.
Rendas pretas e ticos com vidrilhos.
Pitas de velludo cum listras d cures para en-
feites de gorros e vestidos.
Ditas de grosdenapeles, Usas e lavradas, brancas
e matisadas.
Para Ungir cabellos.
Hoild Walter.
Vende-?e na ruado Queimado, loja miudezas
n. 16.
Ghremaco-nie
Para tingir cadjeilos
Vende se na loja de miadezas, a roa do Que
raado n. 16.
Tiutura de L. Marques
Qara fazer os cabellos pretos.
Vende-se na ra do Qoeimado, a loja de miu-
Lfiireico P. Mcndes Guimarcs.
O proprieiarlo desie esiabel^cimento receben pe-
lo llimo"vapor fazendas para vestidos de senhora.
Sedas de coros a -1^500 o covado.
Vende-se'sedis de cores para vestidos de senho-
ra a (500 o covado, lasinhas de lindos gostos a
240, 320 e 400 r. o covado. Roa da Imperatriz lo-
ja e armazem do Arara n. 56.
Melodiques de 13a para vestidos a 4C 0
o covado,
Vende-se urna nova fazenda por nome melodi-
ques toda de laa para vestidos a 460 rs. o covado,
chitas finas a 320 e 400 r?. o covado. Ra da im-
peratriz loja do Arara n. 56.
Arara vende susim para vestido a 240.
Vende se nova f. zenda susim para vestidos de
senhora e roupa de meninos a 240 rs. o covado,
duas a 160, 200 e 240 rs. o covado. Ra da Im-
peratriz loja do Arara n. 56.
Tarlalana de laa para vestidos a 240.
Veodc-se tarlalana de 13a para vestidos de se-
nhora a 240 rs. o covado, fil de linbo a 160 o co-
vado, cortes de chita a 2OC0. So no Arara, roa
da Imperatriz n. 56.
Laa a traviata a 320 rs. o covado.
Vende-se nova laa a traviata para vestidos de
senhora a 320 rs. o covado, no Arara todas es-
tas fazendas noyas viudas pelo ultimo vapor da
Eurc pa. So ua loja e armazem da Arara, ra da
Imperalriz n. 56.
Arara vende cobertores a i1500.
Vende-se co'-ertores de pellos a 13500, ditos sem
pelo 15000, roberas de lista 2*000. c< berias de
damasco 44000, coberlas de fosto a 5000. Roa
da Imperatriz n. 56.
Laasinlias do Arara a 200 rs. o covado..
Vende se lasinhas para ve3tido a 200,240,320,
400 e SCO rs. o covado, colarinhos para bomt-ro a
5(0 r?. a duzia. Ra da Imperatriz lo;a. do Arara
n. 56.
Ama vende as cassas a 240 rs. e covado.
Vndese cassas franeczas finas a 240, 280, 12U
e 400 rs. o (ovado, pesras de cambraia de forro a
25000, dilas linas a 3C00,4,5000 5,5000 e 6#C00
Ra da Imperatriz loja do Arara n. 06.
Chitas a 460 e 200 rs. o covado.
Vndese chitas >scuras e claras a 160, v,0e
240 o covado, ditas fraocezas finas a S80,30, 4CC
e 500 rs. o covado, percales matisadas escuraba
500 rs. o covado, so se vende assim barato o Ara-
ra. ? na loja e armazem do Arara, ra da .m-
pera'riz n. 56.
Novidade no Arara.
Algodao a 3#'
Vende se peca de algodo encorpado a3tf,4S,
e 63 a dita e 8I < 75- Ra da Imperatriz loja do
Arara n. 56.
Arara vende madapolo enfestado a 34500
Vendf-e pecas de madapolo entestado a3;:(0;
13 e 43500 ditas de 24 jardas a 43, 53, 63, > e.
103, ra da Imperatriz loja do Arara n. 56.
9fK
, i Grande armazem tfe.tm-jjj
I tas medicamentos, etc.
g Ba do Ifnpera'ior d. 22.
Leas de p4ica poetas e ou
tras cores.
Chegaram para a loja de miudezas a ra de
Pennas brancajf ede cores, para gorjos e chapeos.: dezas o. 16.
Enfeites filis, mnl bonitos e modernos. HSSangaS miuililS, a jfaiPS IDlllaDUO
Sapatinhos de setim par3-bapUsados. ^ fi f j}||fg rte f0res
para enfeites de vestidos ; vende se ludo isso por
i pregos razoaveis na ua do Queimado n.l oja 16,
de miudezas.
ijueiraad-ou. 16.
Vendem-se arrafas e botijas vasias e te-*. v'ar.Vh-a* <-m a e: na raa da ^pdaa n as ^aeiras com aguldas.
e gorcero. desenbos eovos e bonitos tara
uIOS.
das: na ra da Soledade n. 38.
Favos da ITha.
'Mende-se na ra fr-eote a roa do Vigario. pelo commodo preco de
190 rs. cada libra.
Vende-se urna taberna bem afreguezada; a
tratar no pateo do'Terco n. 12, leja de louca.
Vendem-se 400 pedras para ladrilbo, viodac
da ltia : a tratar na ra do Vicario o. 14.
Aos amantes des bailes.
No armazem de tazendas
baratas de Santos Coelho
19.
Ruado Qneiaaado n.
Vende-se o seguinte :
Cobertas de chita da India a 23400.
Lencoes de panno de llnho a 23200.
Ditos de bramante de lindo de um s
panno a
a 25000 a duzia.
!*f3l200ar?adOCflm
Atboalbado de linho a 23O0
hamem e senhoras, (pelo admimtvel prego Je OOO,
80C 7 1(2 palmos de largura
a vara,
Dito de algodao a 23 a vara.
Guardanapos Pecas de cambraia de salpieos a 43500.
fLaaziuba abena de cores a 320 o covado.
Cambraia branca de forro a 33 a peca.
Fil de linho liso fino a 800 re. vara.
Dito de dito com salpieos a 13 a vara.
(Panno de linho fino com 9 1|2 palmos de larga-
ra pelo barato preco de 23400 a'vara,
liada poloes finos a 83, 93,103, 113 e 123-
-Carobraia lisa de 43500, 53.63,73 e 83 a peca.
Pecas de brelanba de algodao com 10 varas,
propria para faia, pelo baratsimo preco de
Laazinha lisa de-oores a 500 rs. o covado.-
00=I{a ua Cadeia (lo Recife ot Cambraias finas de ores miudiobas a360rs. o
covado.
Esleir da India propria para ron de sala de
i 4,5-e 6 palmos de largura, per mecos preco do
que era outra qualquer parte. *
Mate armazem tambem se encontra um grande
sortimeaWde roupa feita e por medida.
Relogios americanos
JO-Rna \ov8-O
B. Augusto Delondie acaba dereceber um gran-
de sortimento de relogios americuoos para parede
e cuca de mesa, com despertador e sem desperta-
dor, corda de otto oas, afilancaa qaalidade, ven-
de-se porprecoem-eoota.
Vende-se uto-eneravo : na. roa da Imperariz
r. 40.
Armazem 4as machinas
if.W)Ra da-Swzala Velha440
Silva 4 A Ins
Avisan aos senhores agricultores e aos seus fre
guezes eci geral, que acabam dereceber de New-
Yoik um completo e variado sortimento das ver-
daderas machinasNorte Americanas-;para des-
carocar algodo; as quaes vende palopreco de
4O300O o serrote. Os senhores pretendentes po-
dern se dirigir ao sea estabeJecimento a rea da Ca-
deia do'Reciten. 56 ou ao armazem da ra da
Seozal Velha o. 140.
Plantas Jas cidades le Lisboa e
Porto, tiradas iilifataiuente,
Acabam de.cbegar estas planta, de Lisboa, e se
aehama' venda na livraria econmica, raa do Cres-
po a.
Fariuba de inaudioca a 40OOO
o sacco.
ConUoia a vender-se no armazem da ras da
Craz n. 33.
Vende-e am cavallo bom andador
novo : na ra do imperador n. 50.
e muito
Attencao!
Atten$o!
Attencao!
6r< sdeuapl s preto a l.sffl o covado.
Vende-se um grande. sortimento de grosdena-
' pie a 11600, 13800, 23 e 23500 o covado ; dito
muito superior a 23800 e 39 : na ra da Impera-
triz n. 72, loja de Guimares i IrmSo.
Moriantique preto a 2^800.
Vende-se um grande sortimento de moriantique
; a 2J800, 33 e 33500 o covado.
Chales de renda pretos a 8^000.
Lencos de cassa brancos proprlos para algibcira I. Vende-se tambem um variado sortimento de cha-
les de renda a 83, 93o00 e 103 ; ditos muito finos
a 113 e 123 ditos de seda fazenda muito fina a
203000.
Retoadas pretas a lO.
Vendem-se retondas pretas pelo barato prego de
103 e 113 : na ra da Imperatriz n. 72, loja de
Guimares A Irmo.
Grande pechincha panno preto a ^OOO o
covado.
Vende-se panno preto proprio para calcas e pa-
litots a 23 e 23200 o covado ; casimiras pretas
a 13800, -i, 23400 e 235O0 o covado.
B' milite barato cortes de casimira a 3->i00.
Veadem-se cortes de casimira preta a 33500
43 e 435OO ; dita muito una a t3.
Admira cortes de brim de cores a
1,280
Vendem-se cSites de brim de cores para calca a
1*280,13600, 13800 e 23 : na ra da Imperatriz
n. 72, loja de Guimares & Irmo.
E uaratissioio a 120 ris o covado.
Vendem-se riscadinhos muito proprios para ron
pa de escravos, a 120ris o covado; ditos escoce-
zes maito finos a 240,280 e 300 ris o covado.
Laazinh?s a 3oo rs.
Laziohas de quadrinhos a 300, 320, 360 e 400
rs. o covado ; ditas muito finas a 500 e 560: na
ra da Imperatriz n. 72, loja de Guimares & Ir-
maos.
Cortes de la a 5,KG0.
Acaba de chegar a este imprtame estabeleci-
mento um sortimento de cortes de laa que se ven-
de por 5J> e 53500; ditos a Mara Pia, fazenda
muito moderna a 129,143, 183 e 203 ; ditos com
camisinha, einla e grvala a 253 e 283.
Chitas francezas largas a 260 ris.
Vende-se nm grande sortimento de chitas a 260,'
280, 300, 320 e 360 rs. o cpyado : ditas preciares
a 400, 440 e 500 rs.
lambraias de cores a 2S0 rs o
covado
Vendem se camlraias francezas a 280,300, 320,
360e4O0rs. o covado. .
Cambraias lisas a 3.000 > s. a peca.
Vende-se um grande sortimento de cambraias
lisas pelo barato preco de 33, 33500, 43, 43500 e

m

i
Na rua da Imperatriz .28
Vendem-se cortes de cambraia brancos com 4.
5 e 6 nabados a 203 e 253.
Pil de seda preto com flores a Vara 13.
Cambraias brancas de osa vara de largura fi-
na a 13 e-800 rs.
Ricas lampadas e candieiros a gaz por grosso
e'a retamo,
W
Vende-se a taberna da ra da Goia n. 36 pro-
prio para principiante, 4 o motivo te dir ao com-
prador.
mmm nmwmL
Os chales do Pavo a 641 73 e 83.
Vendem-se ricos chales pretos de renda muito
graodea com quatro pontas, sendo os mais moder-
nos por terem chegado pelo ultimo vapor francez,
Vende-se a loja coro fazendas todas venda-
veis para pagamentos dos redores, da ra do Pa*.
seio Publico n. 8, d'onde eacontrara' o seu pro- .
pnetario a qualquer hora do da e fara' todo o na-' ^ V6nem se pelo baratissmo preco de 63, 73 e, ^53 ; ditas mnito finas a 53500 e 63; ditas victoria
goclo com desobriga dos meemos seos credores.
- Vende-se a casa terrea da roa das
-----, Nimpbas
n. 8, coa J qaartos, quintal, eaelsnba, 2 salas, no
diariero da Boa-visla : a tratar aa roa da Concor-
dia a, 12.
,83 : na loja do Pavio, ra da Imperatriz lT9>ii
Gama & Silva.
adoio Pedro das IVeves (ge-
^ rente) lena a yenda o
&k se^nlnte:
^l| Productos chimicos e pharraa-
}S ceticos os mais empregades em
K medicina.
S Tintas para todo o genero de pin- S
tura e para tintoraria.
S Productos industriaes e tintas ir
H para fltres, como botes de flores ^
W e modelos em gesso para imitar g
ag fructas e passaros com o compe- okl
B tente desenho.
Productos chimicos e industriaes
para photographia, tin'irraria, pin-
JP tura, pyrotecnia etc.
yM Montado em grande escal,: e ?up-
^ prido directamente de Paris, !. n* ^
j dres, Ilamburgo, Anvers e LisU-n
B pode offerectr productos de plena
m confianca e satisfazer qualquer en-
MB commenda a grosio trato e a reta-
^ lh e por preco commodo,
Tasso lrmaos
Vendem no seo annazeis roa do
4mo un o. 35,
Licor fino Curaco em botijas o meias botijas.
Licores finos sor'.idos em garrafas com rolbas da
vidro e em lindos irascos.
Vinbosberes.
Santernes.
Chamberliu.
Hermitage.
Borgonbe. :
Champagne.
Moscatel.
Reino.
Bordeaox.
. Cognac.
Od Ton.
PAezei lagniol.
FABR1C4
De calde reiro e lundicao de ferro, si-
nos e bronze; cola os escravos,
Vende se a grande fabrica de calderelro e fon-
dico de metaes da ra Imperial ns. 154 a 158 ;
e tratar com a viuva de Sebastio Jos da Silva,
Maria Pia, fazenda I na roa .Nova n. 35, oa na ra da cadeia n. 57.
P Boa aeqoisico. ft
2 Vendem-se 4 casas terreas novas, lim- JftS
J pas, bem a logadas e por mdico preco : ff
aS{ ospretendenies entendum-se rom o es- fl?
U| envo Ailiayde que se acha aulorisado ffia]
^ pelo respectivo prcprieUrio a realisar as
S referidas vendas.
m
Sabonetes
Medlclnaes de aleatrSo.
Remedio ellica contra as doem;as entaneas; as
impigens, bnrbalbas, comieboes, pstulas e sarnas;
na pharmacia do Pinto raa do Rosarlo larga n. 10.
Farinha
Roa da Madre de Oeoh n. *
A 4,500.
Vende-se fa-'inha de mandioca desembarcada
boje do palhabote Beberibe, pelo barato proco ci-
ma, a meibor que existe no mercado, saccas
grandes.
Vendem-se malas e babas
eonta : na rna estrella do Rosario o. loja do^ia n'13.
Vende-se ama armacao para divisio de es-
icripiorio, do amarello, com poru e balanstros,
alto esf obra multo boa: a tratar na rna do Mondego, ola-
a 63500 e 73; ditas de urna vara de largura a 83
e 93 ; ditas pira forro a 13600, 23 e 23200 : na
roa da Imperatriz n. 62.
ROUPA FEITA.
Vende-se a casa terrea sito n Boa-Vista, ra
do Jasmim d. 4 : quem pretender dirija-se a' ra
Direita, casa terrea n. 52, qoe aefcar' ah cem
quem tratar.
Vende-se sal grosso: a tratar aa roa da Ma-
dre da Deas n. 1
Venase
Vende-se um methodo para flaaU, encader-' Um carro americano Wo de 4 rodas e 4 arrestes
nado, do autor Divionne : na roa du Cadeia, o. 7. i *>m competentes arreios : na ra da Ponte Velba
Na ron do Livramento n. 10 vendem-se ca- "
nos de ferro, proprios para gaz e agua cora li2
palmos. '
Veode-se ama casa lerrea oa roa do Ooro o.
12, por preco commodo : a tratar na
Goncallo n. 24.
Fazendas avariadas.
Algodaozlnho superior largo com um
-.. pequeo
rna de s 1,ef?UosMm *> jardas, a peca por 33300 e 4, diio
" 2LQ. lar da marca T com 24 Jardas a peca por
------------------------------7#ow, este pela qaalidade superior parece brim,
b."SL^J!! .H<^W!Aw K-IWBtiJOHap, madapolo mmto fino e largo Ulvez o raelhor do
nP., llSSl ** CT 9 ml1 8p 80ffl,,d' ,mercad0 POf 8r d o- 6 verdadeiro por 93, lado
SireTftm\*V?V.n9ml*V*]n ^ op W op ,,t0 "S? ara De,laeDe *Wo,- por este preco esto
t-" p^ aW nqmt opBM: "OU no "bando : na loja da roa di Mldn 4e Peas n.
ooj op o|3M40d ?a 9-i-a seqp 9s.9p09A 116, defronte di goard da alfandega
COIares Royer oa colares ano-
dimos
para facilitar a deniico das enancas e preserva-
las das convulses.
O feliz resaltado obtido immensas vezes pela
prodigiosa forca magntica dos colares Royer, nos
casos de coovulsSes, e dentico das criancas, tem
. altamente elevado o seu bem merecido nresticio
^Vende-se u completo sortimento de roupa fei- hoje j se pode dizer que esto -ramente con-
EmuaVfra^^^ celn*dos' estimados de .nnuralraveis pas de
mL d! i&VmI" t^; i / fwnil,as : de ans Porque do aso desses salotares
S<0fl^lM^I^,l^n'hiiMiSa?i colares viram salvos do perigo seus charo fllb"
ra aaimper.trizn. 72, loja de Guimares & Ir- proficuo exempo para igoalmeme preservar os
seus. Assim, pols, a aguia branca, tendo em vis-
tas a ulllidade e proveitr- desses prodigiosos cola-
res anodinos oa Royer, maodoa vir o novo sorii*
ment qoe agora receben, continuara, a recbe-
los para que em lempo algum a falla delles porsa
.ser funesta aos pais de familia, os quaes ficaro
certas de os achar constantemente na roa do Qoei-
mado, loja d'agoia branca n. 8.
s
Caf imperial
O soperlor caf do Rio de Janeiro, ven-
de-re a 123 a arroba ; na roa do Vigario
O 24, escripterio.
Vendem-se.
Vende-se o hotel de Italia, sito na ra do Trapl- machinas americanas de serrote para descarocar
che, com grandes aceommodaedes acceiadas, e me- algodao: na roa da Senzala nova n. 42.
buhadas com todo necessario e algom trenado seo_________________________
trafego.por quereremseas propietarios retirarse
para foca do imperio. A localidade e o estado do
estabeleclment gafantem bom resaltado ao com-
prador lhe auegttram prosperidade.
AwisatiA'
Saccas com farlnba de mandioca de soperlor qaa-
lidade e nova pelo dlminoto preco de 43500 rs a
saeca : na roa do Arooriro, arraizem n. 45.
^____ __
Vende-se ama roala nova de lonro : a tra
lar Ba rea do Hospicio n. 28_______________ __________________
Vende.se um escravo prelo, crionlo, de20 ~~ ^eD* nm sax-horn em perfeito e.-tad-j :
annos de Idade, pouco mais oa menos, do servico n* r> da imperatriz n 20, loja.______
d campee tem defeilo; na roa de Apollo d. 7, Vende-se urna prea crioula, moc.a e com ba-
andar. bilidades: na roa da Coneeicao n. ti.
ILHill


fmWr
Diarlo de Permaimlme* Qaaria ledra 14 de Abril de 1866.
&ff:
-
^B>~~

A' loja de ftizeadas de Augusto Porto & C.
11 Ra do Queimadoil
Chegaram pelo ultimo paquete superiores enchovaes completos cora vestidinttos bor-
dados Para baptisatfos.
Moir'branco, luvas de pellica, mantas e eapellas brancas para noivas.
Liadas colchas de seda de cor e de la e seda para camas de noivas.
Grande sortf ment de cortinados bordados para camas e janellas.
Chapeos bonetes gorros de plha de Italia para senhoras,
percalle,' cassas e- cintas- tinas des gostos mal modernos.'
Alcertndes,' retotodee e cintos de renda pretos.
Camisas-Boa eom petios, punhos e colariubos de linho para homens.
Lindas easewras de coree, liasinhas, pannos e casemiras pretas, merino e bom-
baZ BramaBW moito largo a 1*300.2*700 e 3J20O a vara.
Tapetas e alcatifas para forrar salas e tapetes grandes e pequeos para sof .
Camisas de flanella, colarinhos de linho, seroulas de linho.
Camisas de meia Boas, balSes de arcos, de musielina e de madapolo, espartano*
e QMs'maDBWto bordados. ...
Esteirs da India para for ar salas
as melhores e por mas"mdico pretjo.
11Rna do Qnelmado-l!


NOTOS GERENTES
DOS
AHAZENS DE MOLAHDOS
DfiNOMlNADOS
PrWfcRESSIY patee doCarmon. 9
WIO ECKDWtfERelO ra do Queimado n- 7.
VERDADEIRO PRINCIPAL ra do Imperador n. 40
G0NSLII0HO MEWCO-CIRIRGICfr
CORTJBS ME SEA
Chagaratn telo paete intfw riquissimos cortes de moreantiqae de eores, e seda
1^000 o covado
5RA DO CRESPO5
roas integramente notos
Seda de quadros por
Gregorio Pac
do Araaral Companhla.

Gros de aples preto a 10500,10600, 20, 30, 30500 e 40 o ovado.
Gorgorito preto de superior qualidade a 20500, 2?800, 3>e 4*oo-
Vad' Soperiores moreantiques a 20500, 20600, 3?, 30500, 40 e 50000o
covado.
Bons cortes de moreantique.
dem de gorguro adamascados.
Bons pannos e casemiras. .
Sup riores alpacas, princetas, merinos e bombazinas.
Bons villudos pretos.
Grande variedade de chales de fil preto e de guipure a 50, 60, 80,
100, 120, de 165 a 205, e de 250 a 800 cada um.
Superiores retondas de Ql preto e de guipure a 80, 100, 120 e 250,
e de 300 a 600 cada urna.
Superiores algerienes de fil preto e de gutpure de 120 a 25*. e ae
300 a 600 cada urna.
Bons chailes de seda preta.
Ditos de Merm preto bordados e outras mutas fazeadas pretas que
seria enfadonhe enumersr, na
m
I. PEDRO BETAai*BE LOBO BASCOSO,
MEDIO, PAHTEIBO E OPERADOR.
3Kfeaida Qloias Gasa do Fihtfte***g
O Dr. Lobo M(fecoft, coasuitas gratuitas so* pobrestoda* os das da 7;g 14
notas da mohao, e 68 hars da note, JMp^'d dias aatfcadoe.
PharnGXtia espacial k**meupfUhka
No Sesmo conaBltdriot ueemare. o mais approprrad**aieirto do- coteira
tubos avulios, assinr-corfftrtiutiuas ae varias ywmmmcbes e pelos preco-sefltintM-
Carteiras de12 fubowgrandea*. .. *f"
de 24 tubos grandes.
.t de $6 tobos grandes.
' de48 indos grandes. 3C
i. de60 tobos graadfig. 3_.
Prepara-sequafcfuer TSuieii deforme o.padffla qiHtSe pedir.
Um tobo avulsfluouJc4sco He tintura ddjneia.ooca 10000.
Sendo par ciara de 12 cufiar) os preeanv-estabeiexidos,, para aa carteiras.
HI tubos maispequnr>s cada um a 500 ris.
.Miomas;-
A melhorobradlahoneopithia, o-Hfcaiial.de Medicina HotoeoOthia) do Da. Jarh
mosquenab infringiremos a tabrUa que abaixo vai puboadc.aonunciar os genero o^grandes votomes^om^cionario VY 7 mJSSt
nnr untta rama oacaHa ennstanift. 1 ,;..;., a~..:__i_ i4_ ii._a_ vy *ww
:t3
BE
mjARTECAKVALHO PERIRA $
, Fazein scwnte aVraipettevel publico, e com especialidade aos senhores de en-
fenhos, lavradoresamaispessoas do centro, que para mais facilitar suas compras deli-
berramos proprietarieg. deis- tres grandes armazens, reanir todos os *seos estabeleci-
mentos em um s anrmncio, peto qual o preco de um ser de todos, promette-
por um proco, e na ofiaasi5a.ia-ooBipi:a quererem por .entra, come socede constante-
mente em outras maulas casas, poim nos nossos estabelecimentos nao se dar isto.
ainda mesmo coi prejuizo aosso, qualquer pa^eoa poder mandar seus fmulos que
erao tambora serrids como siesseuv^essoafciente fazeodornos j> favor de mandar seui
pedidos em cartas feixadas; papa.evitar qualquer engaos remeneada.nos urna conta
pela qual se ver,^Supnoooa.tal,qual annunciarmos. o q,ue seao arrepender pessoa
alguau. qu fizar <8aa-dofc era^nossosr.establ,9piniwfps,;. pois.pflunaxi mais df
5-por cento xnsm despega fttia^
TIAMEICJA
Manteiga ingleaa perfeitamente flor che-
gada ltimamente al,12j,rs. a libra, e
em barril ter abatimeutq,
Manteigjt,raBcaza,d4afa nova a 8oo rs.
a WmMiSibwril .tay uiftiiwnttfft
BAf^iA
Banha refinada superior-, a, Q^o rs. e en
barril tora aMtfmenti ^
CHA
Cha uxim de primeira e suporior qualida-
de a 28oo rs..
Ido hj^sgo o. mj^r nosjft genero a
2,6oo rs., e, seodo em por^ao Ui abatimen-
to, tarabom ha proprio para oegociit de 2 a
2,4oo rs. a libra.
dem preto sapqnp^de, Ififfl $X$fi9 *
aliar*,
Itinroutot
Latas com superior biscouto inglez d di-
verjas iparcaj,, a \,fyo. r.s^ a,lat|,
Uolaehloha'*
Latas CftlliiioScwiw fa acreditada k?
brca do beato Antonio propriis para dar a
doentes de 2,ooo a 3,ooo r. a lata.
dem com quatro libras de .bolachinha de
soda a 2,ooo rs. a lata.
Suoe/Qrynagrj d^ijipa a 2,opQ:rs. a
caada. e 280 rs. a: garrafa. Tambem ha
mais bawoparA^op r^. a.gar*a,fa,e 1^400rs,
^caada,
A^zeie doce
Superior azeite doce de Lisboa a 7oo rs. a
garrafae a 5,5oo rs. a capada.
FP4Q CA^OR^L,
Latas com superior fumo caporal a l,8oo
rs. a lalv
aaaaa
Sppqriores passas a.2,5po o qaarto e
9,5oo r.j:a caixa d atyopa hespanhola e a
56o rs. a libra.
GEVKBRA
Genebra de 1 aran ja verdadeira a lo,5oo a
duzia e looo rs. aq frasco.
Genebra, de Hollanda verdadeira a 6,ooo
rs. a fi asqaeira e a 56o rs. o frasco.
Idom de Hollanda em botijas a 4oo rs. ca-
da urna.
Garrafoes com 24 garrafas de genebra de
Hollanda a 8,ooo rs. o garrafo. Tambem
ha garrafoes com 5 e 14 garrafas de 3,2oo a
DE
IjOJA DAS COIUMMAS
ANTONO CORRElA DE VASGONCELLOS & C.
RA DO CRESPO W. 13

e acabando com a
do trabalhcque
RA VM BIUJM 3ST. 38.
O proprietario deste estabelecimento deseja chamar a attencSo dos senhores pro-
. iroa aos acre jit^dos mechanismos que continu a fornecer ; os quaes garante ser,
m > sempre, da melhor qualidade possivel:
Machinas de vapor
orca de 2 l cavallos para cima. As menores sao mui proprias para motore sde
imeamogn de a'godio; as maiores para moer canna; b/i tambem que podem junta
u irada nente moer c-inna e descarocar segundo saas proporces. Estee vapores
5 s ipii.-siraos na controocao, e se regem por qualquer pessoa intelligente, a facilida-
ie i :nnduc?o sen lo especialmente considerada, tanto que nao ha lugar em que nao
ve ,sm oniuzir, qir por trra, qur embarcado. Ha com moldas juotas ou sem
< :!- podem-se applicar a qualquer moenda j existente sem outra mudanga do que
s sbsttuieSo das rod,.s da almanjarra. Ellas tem depsitos d'agua e boeiros de ferro,
e Dio precisam para o seu assentamento de obra alguma, ^ur de carapina, qar de al-
venaria. O tempo para a>senta-las nao excede de doze das ao mais, e em casos de
mones le aaimaes ou arrombameutos de acudes, etc., gar-inte-se o assentamento em
oito dias. Lembra-se aos senhores de engenho que a venda dos animaes e o serfico da
gente oceupada no seu fatamento os ho de recuperar da maior parte da despeza do
vapor deixando-lhes a vaotagem de urna moagem certa e acelerada; *
despeza da compra continuada de novos animaes. com os desgostos
se tem com elles.
Hodas d'agua de ferro, mui maneiras e moendo com qualquer altura
d'agua. .
arilhos eom cruzeias de ferro para as mesmas, quando se desege fazer
e resto da roda de madeira, tovnando-se assim a roda ligeira no trabalho.
Hoeadas de canna de todos os taraanhos, desde as mais pequeas chama-
das do serto. Obra perfeiU em feitio e acunhamento.
Rodas de espora e angulares de todos os taimnos e proporces.
Faroes ou coches para receber o caldo.
Crlvos de fornalha para assentamentos, frescos para o foguista, fazendo
grande calir com pouco combnstivel, e duradouro.
Portaa de fornalha de todos os tamanhos e de diversos systemas.
Forana e malahos para a fabrica de farinha e tambom chapas redondas
para fornos pequeos.
Bombas simples e de repucho.
Talsas de ferro batido e fundido e de cobre.
Formas de ferro batido galvanisado para purgar assucar, leves para oattegar
e isemptos de quebrar-se.
Alambiques de ferro de todos os tamanhos, cubando so a terca parte ao
preco dos de cobre, mais regulares na distillaef o e igaalmente daraveis.
Fiaos e rodas de carro cora tuaag-s de patente, obra mui segura para
csrregacao de peso.
Arados, grades, enehades acanallo e outros instrumentos de agn-
caltara. E fioalmente todo o objecto de que possa precisar uto engenho.
Machinas de descarocar algod&o.
Na fabrica se fazem obras novas i encommenda e coacertos, com a maior preste-
za e solidez. O grande deposito de pecas e objectos habitam-na moito para WtJ flm.
O proprietario sera sempre moi feHz de poder ter occasilo de dar infortoacoei ou
es lareciraentos aos senhores qae seservirem de seu presumo.
D. W. Bowman, engeohoiro.
la
BASTOS
RA HA CADEIA AS A.
6
as
Recabea grande aorUtMDi dunacbioas V6rdaaeiras americana? e descarocarslfote, de-14,
IS, 20, W, 30 e 33 serrotes.diqajtCDiio, as-qua-i4s-nate8peferde'Bfeo-rqne
vende pelo preco de IOS o se,-rote, e qtte comtattara* a veutftr, visro-esperaT grandes sortlmentos
em direftnra da America.
Queijos flamengos chegados pelo ultimo
vapor de 2,3oo a 2,5oo rs.
CHOCOLATE
Chocolate hespaohol a 1 ,ooo e 1,2o rs.
a libra, francs e saisso a 4,ooo rs. a libra
eportugaez a 800 rs. a libra, em por cao
ter abameiito.
VINHOS
Superior vinho do Porto das mais acredi-
tadas marcas, como sejam: Madeira Secca,
6,ooo rs. cada um.
VELAS
Velas de spermacete a 6io rs. a libra.
dem de carnauba de lo a 12,ooo rs
arroba e de 36o a 44o rs. a libra.
a

PE1XE
Peixe em latas j preparado de l,ooo a
1,200 rs. a lata
ALPISTA B PAINQO
Alpista e painco nwjto novo de 3,8oo a
4,000 r?. a arroba e de 14o e 160 rs. a li-
bra.
CHARUTOS.
Superiores charutos do fabricantes Simas,
e outros de
^^^ttol^^lc6MtaMd taperiaes. Delicias, Parisienses e outros de
DoTo arUI& > LpSmfl^l %* e ^rs- a m caixa: t?mbem
ia, i). MU, t temos Saspiros> Havaneiros, Ligueiros e
mas Doces e outras marcas a l,ooo a garra-
fa 9,ooo i2 eoo rs. a dqzia.
Vinho Figueira-e Lisboa das melhores
marcas a 4oo e 5oo rs. a garrafa, e a 3,ooo,
3,5ooe 4,ooo rs. a caada.
Superior vinho chamisso em barril a 64o
rs. agarrafa ea 4,5oo rs. a caada.
Superior vinho de Lisboa e Figueira em
anceretas de 8 e 9 caadas a &i,ooore; a an-
cor eta.
Superior vinho branco projjrio para mis-
sa a 640 rs. a garrafa, tambem ha mais bai-
xo para 4oo, 5oo rs, a garrafa e 3,2oo a
3,5oo a caada.
Caixas com urna duzia de garrafas de su-
perior vinho Bordeaux a 7,ooo rs. a caixa e
7oo rs. a gafrafe.
CAF
Caf do Rio de 1." e 2, qualidade de
6,8oo a 8,2oo r^. a arroba, e de 24o a 28o
rs. a libra.
NAH.iO
Sabo maca de primeira qualidade de 24o
rs. a libra.
outros mullos que vendemos por mdico
preco.
Licores
Licores franeezes eportuguezes a l,ooo e
l,4oo rs. agarrafa ou frasco.
Doces
Do:e da casca da goiaba em caixes e la-
tas a l,2ooo caixSo e 2,8oo rs. a lata.
Frutas
Frutas em calda e em latas fechadas ber-|gens
MejeinadomeacarmtDr. tierifigx-^ "-*'. 'r-5 iflAOOfl
RmjnorindoSr.^ltoHoneiv.........5 "3 2! eloOO
Diccionan de-termai demeiisiBa.............. ytQOQ
Os^rejpaedios deste aMabeleciiifinto-Oo por.; dMis conbeejdo^ e dispensam por
tanto de,serem novamente commesdados as rHMJ Y" quizecer%usar de remedio*
veedadeires, enrgicos e duradore&j ha tudo do melhr quasse^dandesejar} globos de
rerdadeiro- assucar dft leite, notavei.,pjia,ua boa conservaojo, Uhtui do mais acredi-
tados estabtjecimentoa europeos, a ma exata^wfijrada pr$parf5oe palanto a maior .
energa e .certeza em^eus effeitos. {
Cam de saude para esciwioj.
Recebe-se escravos paras,tRrtar de quahrueo. enfejapidade e faser-sa,-lha qualquer
operac-o, p ra o que o annunciante julgirse suffieienteaente habilitado.
O Ifikamentg I o melhor possiveL tanto oa parte, alimentar, como, na medica,
funecionango a casa ha mais de quatro annos, ha rnuhag-peseoas>de cijjo cenceito se nao
pode duvidar, qae poden*,8e/;> consultados por aquejles que.desejare mandar seca
doqptes.
Paga-se %5 por dia durante 60 dias e d'ahi em diaote 1^500.
As op^races sero preaiameato.ajustadas', se nao se quizerem sujeitar. aos precoi
raeoaveis que costuma pedir o aauunciante.
r~
AllIAZiSiU; DE FAVGUBAS
DE
iisxodo eiKViiLim *
27- RA DQ, QUEIMADO K. 2?T
Madapolo francez mui lo fino, tendo pouco mofa, cada peca com 27' varas por
lOtfOOO.
L5a de owaa-OOtre, o^CQyado.
Cambraia franceza a 260 rs. o covado.
Finos orgapdis *.pr#co de 800 rs a vara.
Lencos branco paja algibeira a 2^C0Oa dalia.
Fin is pejclaras a preco de 400, 440-a 560vrs..o,covado,.
Ricos cortes, de.la. de barra de 105 a 36)5000.
Chales de fil preto a oulras muitas faaendas.


Novidades do Vigaufi.
RA DO CRESPO N. 7.
Esta etebelecimastpi ap^r, d&soippre
se achas bem soriido comjk todos sabem,
hoja mjis.q^ auoca, na be de.su propria,coate, m^s.tambfiW-.pelo
MACHINAS DE PATENTE
DE- TRAfiALHAR MAO PAfiA DESCA-
RogARvALGQDp
FABRICADO FOR
PLANT BROTHERS & C.
OLDAM
Estas machi-
nas podem des-
carocar qual-
Iquer especie de
"Hgodao aem
estragar o fio,
sendo bastante
duas pessoaa
para o traba-
lho ;*pode des-
eanecar urna
arje<^>a de al-
godao em ca-
rp) em 40
tos, ou
que recebe, da coawgoaoo&; pame-sem-:8**0j:,,,P0'"
*arrobae pof^e^ ejoco, arrobas de al
, duvida que deve offerecec grandes vanta-
para o respeitavel publico tanto em
Aissm como mabjuas paca, serem movi-
das por animaes, que desearecam 18 arro-
meticamente, moito bem enfeitadas, conten- QS com0 Qa escQ]hai ^ 0)>liCtQs, e co- ^* dft al^odao Upipo por dia; e motores
dopera,pecego, ameixa rainha Claudia, al }m(> acaba de cheaer erando remessa pelo R^a mever nm> dttas ^ ^e&oessas ma-
perche e outras frutas a oo rs. a lata.
Tambem ha latas grandes para 1,2oo rs. a
lata.
AZEITE DE REFINADO
Superior azeite francez refinado a 8,000
Swveja
Superior serveja Bass dos melhores fa-
bricantes, ceato sejam: Shlers & Bell. T. F.
Ashe a 7,5ofte 7,ooors.a-duzia e a 7oors.
a garrafa. Tambem ha de outras marcas
como seja: Victoria e Alcope a 5,ooo rs. a du- libra,
zia e a 5oo rs.-a garrafa. ERVILHAS
B<>!$fiS VASIOS. l Latas com ervilhas e feij5o verde j pre-
Boi5es vastos, tonca inglez ttaito.pro- parade i 6io r, a tata-,
pria para manteiga e deposito de doce de 4
rs. a garra'a e a 9,ooo rs. a duzia.
MOLHO INGtEZ SAUCE
Molho inglez Sauce em frascos grandes
comrolhade vidro a l,8oors. o frasco em
duzia ter abatimento.
BATATAS.
Gigos com 3o libras de batatas a l.ooo rs.
o gigo.
SARDINHAS.
Latas com sardinhas de Naates e Lisboa
de 4oo a 46o rs. a (ata.
FUMO AMERICANO.
Superior fumo em chapa a 1,400 rs, a
_ 12 libras a l,2oo e2,5oe.
FARINHA DO MAR*NH0.
Farinha do MaranhSo a 240 rs. a libra.
saair.
Sag mit novo a 4oo rs. a libra. .
ARAftUTA.
Afarola tWaiefta a ioo ft. I Hbfa.
Pimenu, eomkAO) rar9, cabella! ervadoce, alfazema, tijollo para limpar facas pa-
litos para dente*, palitos de fego, e outros muitos gneros que se tornara enfadonho
mehcioflar, afiancad clhtetidade nos procos e o bom acondcionamento de qualquer
#&Yb. ...
MASSA OE TOMATE
Latas com 1 libra de massa de tomate a
64o a lata.
VERMUTH
Esta bebida muito fresca e estomac d e
muito propria para a presente estacao. a
qijal vendemos a i,000 rs. a garrafa e 18,
a duzia.
r.-',a j' --na
Oeyadmha de Franca
a 160 rs. a libra, e de 8 fibras .para ci
r* > o Matan ft Liga, ral Ntfr n.
a 120
Laatljlas.
A taja a Aorarki aa ra rtrgi'cio Ro?trlo ti. 38,
fee#beu sortimento d laftllJMas nnlto delicadas e
proprias para qualqaef enfeite, ajsirn como tam-
bem reeebeu lavas de Jouvin brancas e de cores
para bomern e seibor, mnt frescas, ebegadas
patodltfm vapor, todo io na loja da Afora,
ra tarfa do Rosari d. 38.- __
, Vndese urna porcao de ferro bruto, S8i*ve
para obras de ferreiros, e pr pruco amito cora-
modo : a tratar aa roa Imperial n. i, !? dar.
Veaie-s* orna museelra de aroarello em per-
feiio efiad6, e mais perteoces para ama padaria,
ua estrada aova, sefo ni a taberna a direita, depois
do sobrado grande : a tratar na mesoa, das 4
beras da tarde em diante.
11 1 ni* iii
VENDE-SE
o graode araanm da rna do Apollo a. 38 s 40,
proprio para nm armazem de 'assucar oa prensa
de algodo em- pontojrande, por ter 0 portas de
frente com ate *f pata** laffnrt e 300 e
tantos palmos da comprimento, too oobeirto so-
bre arcad a para comodWade dos compradows
se vende coa oprazodelannos cu o qae se con-
tesotenar o*m ve? qae se)a com garanga a- pa-
jrsa'ft-se pila defflDra nrfl modteo joro: as pes-
soas a fjaem convlr esla/ compra, poderao entB-
der se coro Amont" Aives Barbosa na roa dos Gua-
ranpes n. 78.
Pchincha
Na na o Qneimado n. 40
Cortes de laamha de cor, bonitos gostos, com
15 eovados a 3*600.
Cassas otfaadjf de cores, covade a 340, pecas
de algodioiJaho largo cara 17 varas a 4.
Dius da dito cam 17 varas, muito encerpado,
Com pequeo defelto, a 4J5O0.
Greeaaple preto moito superior, covado ts.
Diro dito a 1*600. ,
Betendas de renda preta & 1DJL
Chates de reada preta a f.
Grande pechiocha de madapolae com
avaria.
Paredes Porto vende ama grande- porcao de ma-
dapato awariado, racaoda d10.tlS a paca, a
6JBO0 71 cato peaueao laqae : nvroa-da Icupe-
ratrjt n. 55; armazem da pana laraa joiao. a pa-
dada, franceza.
vapor Doaco* e o aavio Solferino de
diversos objectos de goste- e proprios do
lempo dos quaes se meficioaar-ao alguns,
Sor nao ser possivel mencionar todos. O
ono deste estaieiecimeio espera a pro-
teccjto de todos.
Riquissimas caixinbas ornadas e com
msica propria para um delicado mimo, v
Caixinhas de msica tanto de veio como
de corda.
Ricos porta jotas e necessarios.
Riquissimos est jos a feitio de um bausi-
nho ou chapeuzinho. .
Ditos em casca de nqz e de outros gostos.
Leques de madeperola da sndalo e de
faia a madeira.
Chaposinhos e touquiubas de muito
gasto para'ctiancas.
Meias e sapatinhos de seda para as- mes-
ns. .
Meias de seda para senhoras.
CapoHes e gPinafdaa de flores proprias
para casamento.
Enfeites e capella* de muito gosto para ;
sanhora.
Riquissimos porta boques.
Boqoet de flores com urna borrachinha
com ebeiro.
Lavas verdadeira de Jovin.
Ditas de seda e d Escocia.
Riquissimas plumas e guarnigoe para
enfeitar chapeos.
Gontas e tubos de ac branco, que ha
muito se desejava para enfeites.
Brincos, fivellas e cruzes de crystal.
Fivellas e cruzes de tartaruga, madripe-
rula e doUrados.
Alnetes para gravatas.
Botes com croas para punhos.
Gravatinhas e mantinhas de muito gosto,
tanto para homem como para senhora.
Riquissimos aderemos pretos, assim como
caixinhas com alfinetes pretos.
Bengallas de canna com cabo de marfm.
Ditas de baleia, borracha e de pairas
muitas quadades, assim como chicotinhos.
Riquissimos peales de tartaruga da ulti-
mo 0084o; assim como de arregace para
menina, pois oeste artigo ha um completo
sortimento de teaai as dualidades.
Diademas para cabeca do oltimo gosto.
Riquissimas fitas lavradas e lizas.
higas.
Os raesmos tem para vender um bellissi-
mo vapor que pode fazer mover seis destas
machinas mencionadas; para o que eonvi-
da-se aos senhores agricultores a virem ver
examina-lo, no a mazem de algodao, no
largo da ponte aova n. 47.
Sanuders Brothers A C.
Recife praca do Ctorpo Santo n. 11.
Os nicos agentes neste paiz.
0 castello de Grasville.
Traduzido de francez por A. J. C. da Cru.
Vende-se este bello romance em quatr
tomos pela baratsimo pxeco de 3d00C
ua prafa da todapeideaa. livrariani.
6 e8.
RA NOVA N. 22,
acaba de receber om lindo e magnifioD sor-
timento de oCTloy,ftTnetos,;Unoculos, do ol-
tfmo emais apurado gwsto da Europa e ocu-
los de alcanea para obaeevafe epara o*
martimos.__________________"%
La* de barriguda, o qae de melhor ha para
encher travesseiros : veade-se na ma da Madre
de Deas, no armazem|ianto a* igreja.
Roupas feitas de todas as qualidades
Vende-se roapa feita, sendo calcas de coras e
pardo a i, ditas de brice branco de linho a SfBOO
e 4. calcas de casemira preta a 5, 6 e 8#, di-
tas de cores, meia casemira, a 3 a 3*U00, altas
de casemira a 64, 7# e 84, paletots da brim da
corea a 24, 34*00 e 34, ditos de brtm araaao a
a 41500, ditos de alpaca preta a 34 e 44, ditos da
casemira de cora* a 54, 6, 7 & a 104, ditos ae
panno preto a 64, 7, 8 e 10Jr coetas da cores a
14000, de casemira a 34 e 44, ceroala franeexa a
14600 e 24200, camisas franeeus finas brancas a
peitos de cores a 24 e 24500, dius ingieras da li-
nho de pregas lamas a 24500, 34 e 34500 : na
ra da ImperatriC loja da Arara n.. 56.
Em casa de Raba ScometUu a C.
ra da Cadeia n. 18, veads*fle:
Ghampanba.
Copiacde superior qoaWadte.
Vidros para espelhos de todos os tama-
nhos tudo a preces, moito commodoe.
VjftpDires.
Vende-ssem casa deSmaM Bramen' di C,
m lano-aV^rpoSaatOK ratwrw patas
com lodosos perteiicwproprtos-para flaar mover
tres ou qaatro machinas para < SSLJBfi?"
Felli*.
Vende se feljio matatrno no^o a S3| o alqoel-
S 00 GaHo Vigdaale roa do Crespo D. 7. re e a caa a 7*0 r?.; na raa Wreta n. *.
Trancas pretas com vidrttho e de edres.
Pulseiras tanto para senhora como para
meninas.
Ligas de seda e de algodao.
Suspensorios de seda e de algodSo e mui-
tos outrof. objectos que se nao podem an-
nunciar por n5o se tornar enfadonho.
m

1 aBhH
-' m nm


9
r
Diario de per (tambal co -E Qnarfa letra 15 de Abril de
MC2GL0PEDI0A
*9 Ruada laaperatriz armazett
da prta larga *l.
junto a padarla f radeeza de
Paredes Porto.
Neste eatabeecioiento encontrar o respeitavel
publico om variado aetlitnenlo de fazendas franee-
tas, lB|laaas, sulssas e alleroaes, oue se veuderao
por prego commodo.
Paredes Perla
Vende chales de renos'de cores qne se vende-
ram i 18 esta vendende- por 6*, ditos pretos, fa-
xenda aova, 8*, 6*, 8* a JO*, ura sortimento com-
pleto de manteletes, capas e.sootambarque* 14* a
23*. Ra da Imperatriz n. 42, junto s padarla trn-
cela, armazem da porta larga.
Paredes Porte
Receben nm completo sortimento de laasinhas a
240, e 580 rs. covados, para acabar, cambralas de
cor s 240 rs. o covado, riscado escossex para rou-
pa de menino, fusto de nho s 420, 400 e 500 rs.
lina d Imperatriz n. 52 jonto a padana franceza.
armazem da porta larga.
Paredes Perte
Receben para cortinados para cama franceza a
lid a peca cambraia lisa Bna a 3* 4* al 10* a
peca, corte* de tarlataoa de bonitos gostos a 3*500
4*, cambraia cora flr de nda, gostos kMeira-
menle ovos a 400 e COO rs. o ovado, no armazem
da porta larga n. 52, rna da Imperatriz junio a pa-
daria franoeza.
Paredes Porto
Receben pelo ultimo paquet; nrn sortimento de
crozas com pedras para o peaeoco, onllos cattaefs
de lia para pescoco de senhora. Rna da Imperatriz
o. 52, armazem da porta larga.
Paredes Porto
Vetee cortes de gorgorSo preto para vestido com
SI covados cada nm 354000, grsdenaple preto a
14600,14800 e 24 o covado, laas lizas finas a 400
rs. o covado, lias de quadrinbo para vestido, entes-
tada, a 350 rs. o covado. Rna da Imperatriz n. 52,
armazem da porta larga.
Ronpa feita
Roa da imperatriz n. 52 armazem da porta lar-
ir a junto a padarta franceza, eocontra-se neste es-
tabeleeimento om completo sortimento de paletos-
saceos e sobrecasacos, de todas as qnalidades cal-
cas, Golletes, ceroulas, camisas, grvalas, meias,
chapeos de sol, ditos franeezes para cabega, por
procos commodos, roupa para menino e ootras
monas (acendas por preeos commodos, armazem
da porta larga.
o mesa estabelecimento encontrara o respei-
tavel publico, sempre om completo sortimento de
roupas foftas de todas as qualidades, eemo sejam
paletos de alpaca preta e de dr, ditos sobrecasa-
cos a, 44 e 54. ditos, de brim pardo a 24800, 34 e
34500, ditos finos a 44, ditos meias eazemira a
34500,44 e 54, ditos eazemira sa ecos a 64, 74,84
e 104, ditos sobrecasacos at e 124, ditos de pan-
no saceos a 64, 84 e {04, ditos sobrecasacos a 124
e 254,"ditos de merino preto 64, 74 e 104, cal-
cas de brim de diversas qoahdades a 14800 a 45.
utos forneos a 24500 e*00, ditos eazemira 54,
64 e 74, ditos pretos a 54, 64, 84 e 104, ditos
metas cazemiras a 34 e 44, coleles de diversas
qualidades, seronlas francezas de algodio, ditas de
nho, ditas de bramante a 24 e 24500, carnizas de
algodo de linho francesas de 24500 e 34- Gran-
de pecbincha neste genero, grvalas de todas as
qualidades e brancas para casamento, grande sor-
timento de meias para senhora?, ditas para nomens
a 34, superiores a 34500 e 4*.
Um completo sortimento de chapeos de sol de
alpaca a 34, ditos de seda a 54, 74, 104 e 144,
a 64.
Vestidos
Pechluetia sem Igual.
Cbegon a loja de Paredes Porto om bonito sor-
'.imento de vestidos de tarialaa de cores e branca.-
qne serve para partidas por ser n ma pbaatasia In-
teiramente de posto pelo barato prego de 44 *
brancos a 44500, esto acabando-se : no armazem
Ja porta larga ra da Impera riz n. 52, jonto a pa
Jara franceza.
Cortinados.
Cbegoa a loja de Paredes Porto, nm complete
sortimento de cortinados ricamente bordados a
prego de 254, 354 e 454 : na rna da Imperatri:
n. 52, porta larga jonto a padaria franceza.
Ricas romeiras.
Paredes. Porto receben pelo ultimo paquete nm
sortimento de romsira de guipnre pretas e de file
a preco commodo.: na ra da Imperatriz n. 52,
porta larga junto a padaria franceza.
A
SALSA PARRILBA BE iM
PARA A CURA RADICAL

de escrofulus & molestias escrofulosas, tumores, ulceras, ohigas, feridas ve-
lhas, bronchocele, papo a pipeto, a sypb^8}afera>tadesa curiaes.
AS MOLESTIAS DAS MLHEIES
retengo, ministro doloroso, ulcerac&es dolitcro, flowsiteafleas,#jtc.)''ntew'
fiRAUDE ESTiBElECIIERTO
DO
Boa
da imperatriz, W. 60
ps
GAMA & SILVA.
i-OJA. K ARMAUH DK FAZENDAS.
Tendo os propietarios date grande, estabeleci-
meoto felKrum'graode'abatrnrento -em mutus -de
snts fazendas,-pela oeeaeigo de tttl4agoqaer.den
Cortes de cambraia com palmas na loja do
Pav3o.
Vendem-se cortes de cambraia branca com pal-
mas, sendo facenda moito boa, pelo baratisslmo
preco de 24500 para acabar: na loja e armazem
do Pavo na ra da Imperatriz u. 60, de Gama &
Silva.
Lesees brancos a *$QQO res a
dIa.
Vendem se lencos1 brancos farenda mnito boa
peto baratissimo prego de a duzla, Ditos com corteslle vestidos de cambrfa "branca cooT'boni-
&*&. rrsit <"S0!'a DevralgU e ""^'"^t^isrMKSw *^= -***-,_. oo.
que-cosluBiam
vez mals agradarem aos seus numerosos fregu-
tes ; por tanto Ihes offerecem nm avolado softi-
o penhor, assim cerno ewt*#am< as ipessoisi -$ue
negoelamem menor estala que neste grande esta-
belecimeuto enconiraro nm grande sortimento
quando cansadas pela escrfula.
ERYSIPEtAS ERPES; ETC.
Enfermldades cutneas, er upeo, bort>Hlhas, pugtlas,
acidas, etc.
O extracto composto de salsa parrllha, con'eccionad pelO'Df.' Ayer, ftna
combinaclo dos melhores depurativos e alterantes conhecidos medicina; confeccio-
nado segundo as regras da sciencia, approvado e receitado pelos prtaeiros Bjetccedos
Estados-Unidos da America do Sul e Central, das Antilhas, d'Mwtico e das Indias, e
nroitas outras partes do mundo : o resultado de estdos apurados e Hrinttfoeosi "de
experiencias feitas pessoalmente pelo Dr. Ayer, por muitos annos, nos'principae-feos-
pitaes e enfermaras da America,; tcm sido approvado peas academias do-medicina e
juntas de hygienne das principaes capitaes da Alderica db Norte; parapfova dtsto!vde
os attestados auMiefitcos no Almanak e Manual de Saude do Dr. Ayer, oo'qwes-rt'dis-1
tribuem gratuitamente nos lugares onde se vende 0 remedio.
A SI.LSA PARILHA DE AYER
Espeeialmeate effleaz na cura das molestias que tem sua orlgem
na escrofnla, na lnfeceae Tenerea, no uso
excesslvo do merenio ou qnalquer Impureza do langue.
A molestia ou infecfao peculiar, conhecitra pelo nome*de escrfula, una dos ma-
les mais prevalecentes e universaes que ha em toda a extensa ligia das enfermklade6 que
atacam a nossa raca; disse um celebre escriptor da medicina 'que mis-dftmaterca.
parte de todos aquelles que morrem antes da velbice $3o victimas, ou directa ouiodtrec-
tamente de escrfula; por isso s nao to destructiva porm a principal causa de
militas outras enormidades que nao Iba sao geralmente attriruidas.
turna cansa directa da tsica pulmonar, das molestias do figado, do estomago
e affeccues do cerebro; entre seus numerosos symptomas acbam-se os segaintes: falta,
de appetite, o semblaste plido e encbado; Mvezesdewna-afraralrsasparentoeoutra
vezes corado e amarellento irregular, fraqueza e mol!eza nos msculos ae redor da boc-
ea ; digestSo fraca e appettite, falla de energa;?entre enefaado e vaouacSo irregular;
quando o mal tem sen assento sobre os pulmoes urna cor azulada mosira-se em roda dos
olbos; quando ataca os orgaos digestivos, os obos tornamseaveriBelba to ftido, a linpua carregada; dores de cabeca, tonteiras, etc. Naspessoas dedisposk
c3o escrofulosa apparecem frequentemente erupcoes na pelle da caneca e entras partes
do corpo ; sao predispostas s affecces dos pulmes, do.figado,-dos-rins, dos prgos
digestivos e trterinos. Portaoto, nao s3o somonte aquelles que padeeem d*s formas pul-
cerosas e tuberculosas d'a escrfula que necessitam de proteecao contraff W! osragos;
todos aquelles em cujo sangue existe o virus latente -deste terrivel flagello. bereditario), esto expostos tambem a soffrer das enferroidadesquelle causa, que s5o: ^^ qw en) 90lr^ajojier parte. -
A tsica, ulcerafes de figado, do estomago e dos rinsi-erupeseenferndades isto na loja artmaie*Ho t^aviona roadabn*
eruptivas da cutis, rosa ou erysipela, borbulbas, pstulas, nasoidas, tumores, rbejjpaa, peratris n. 60 de Gama aSHva.
carbnculos, ulceras e chagas, rbeumatismo, dbres. nos osos, as wslase.na, cabeca,
debilidades femininas, flores brancas causadas-pela ulceracao interior, e enferndades
uterinas, bydropesia, indigesto, enfraquecimento e debilidad geral.
Offerecemos a estas pessoas um abrigo seguro e om antidoto efGca; contra esta
molestia e suas consequencias na
SALSA PARRILHA DE AYER
que opera directamente sobre o sangue, puricando-o.e, expulsando delle a comrpclo eo
veneno da molestia; penetra todas as partes e todos os orgaos do corpo fetmano, lvrafe-
do-os da sua accao viciada e inspirando-lhes novo vigor. pm alterante poderosissimo
para a renovacao do sangue, e da ao corpo ja enfraqiecidp pela doenca, torcas e 'ener-
gas renovadas como as da jeveoaude.
E tambem o melhor anty-syphilitco conheddo
cura permanentemente as peiores formas de sypfetbs e asOTascenseqoaetias. Jtouca
necessidade ha de informar o publico do inestimavel valor de um semedio.que, como !. .t^P><^, \*Wt&****l*!Q'Q*_'
livra o sangue desta < orrapeo e arrebata a victima das arras ,de.uma> mor te lesU, ^^^^^^S^^'i
Os Jttaioes do^ Pav3o.
. Chitas a 180 rs., o Pavo.
Vndese o,aai$. bonito scrtlmeptp de chitas in-
gieras, padroee-rotaDhos,-daros escoros, e tea-
do tambem roas para loto, afiancando-se serem
cores fixas, e vendtm-se.pelo jsaraiissimo preco de
nove vintens o covado, ou a pega c. m 38 covados
, por 6J.800 ; isto na la, e ajjmsiem,.dol?avo, na
roa da Imperatriz n. 60, de Gama <& Silva.
Vestaos braneos.
Chegaram para a loja do1>avio os mals bonitos
carra de cor a 2#000 isto para acabar na loja d-
Pavo na rna da Imperatriz n. 60 de Gama 4 Sio
va.
tas barras todas brancas, assim como com barras
de cores, sendo fazenda transparente e muito flna,
tendo cada nm corte bastante fazenda etnoita ro-
da, e vendem-se pelo baratissimo pre$o-de86
10j> : na loja do Pavo na ra da Imperatriz n.
60, de Gama & Silva.
o covado na loja do PavJo.
muui-' Veadem-se poopelinas muito finas sendo fazenda, -
meDto de fazendas franeetas, nuezas, as'anaes mnito moderna de quadrinhos e liza veudendo-se Lories (le tai latan;! Da lij.UlO PavaO.
venderao mtis brslo do que emoutra quaquer pelos baratos.preeos de 400 e 500 rs. o covado na Vendem-se os mais modernos cortes de tarlauna
parte, comprometiendo-se a fnandar levar qualquer loja do PavSo na ra da Imperatriz n. 60 de Gama j com as mais lindas barras de cor, pelo baratissimo
fazenda em casa dos fregoezes que nao oderem' & Silva. preco de 5$ cada nm, sendo neste artigo o melhor
vir a loja, ou a darem as attdsiras, deftawfMa^'earesdeirapIes pretos do PaTO. 'que tem viudo ao mercado : isto na loja a arma-
tanto a retalbo como por atacado, vendendo-s-the' tar : na loja e araazem do Pavao, rna da Impe-
a?.ena.Se'* Pre5?? Qne compram as casas ingle- ratriz n. 60, de Gama & Silva.
Bramante de llnho do Pavo.
VendetB-se superiores grosdenaples pretos pelos ', zem do Pavo na roa da Imperatriz n. 60, de Ga-
batassimos preeos de 1*500, 1600,1*800 2i ma & Silva,
o covado, sendo fazenda muito boa, s para ac-
zas, sendo com o'dinheirtPV'vista.
As toallias de Hubo do Pavo.
Veodem-sa superiores toalbas de linhos para
rosto pelo baratissimo preco de 7*fM)0 a dnzia ou
a 40 cada urna.
Gnardanapos de linho adamascado para meza a
' 4*WK a duxia-ou a 240 rs. cada um.
Superior aloalhado de llnno com oito palmos de
largura sendo braceo e pardo, e vende-se mais ba-
rato do que emootro parte,na toja do Pavo na rna
da Imperatriz n. 60 de Gama & Silva.
Oscorpinbos ae.aeda pretos do Pav3o.
Vendem-se os mais ricos eorpinhos de seda pre-
tos, ricamente enlejiados, pelo barato preco de 12* Gama & Silva,
cada nm : na loja do Pavo na rna da Impeatriz
n. 66, de Gama A Silva.
n Ice vestid o a 00Q rs.
Bccuiacba admiravel.
S o Ptvao receteu pelo ultimo vapor franeez
um ,grande sortimento dos mais ricos cortes de
vestidos transparentes com lindas barras e enfeites
de seda, sendo estes Vestidos muio propries para
bailen e pasete, e vendem-se pelo btfatissimo
preco de 8*000 rs. cada nm, na loja do Pavfc n
roa da Imperatriz o. 60 de Gama & Silva.
Os chales pretos de renda do Pavao a 8000 rs.
Vendem-se os mais ricos chales pretcs de renda
com quairo ponas, senda muito grandes pelo ba-
ratlssimo pree* de 8*.
- titos de^oapnre. iU, 8*, 20*, 23*.
Betondasde.ito a 1U*.
Manteletes de renda, lazenda mnito superior a
Vende-se um engenho
d'agoa denominado Trinropho na ermarca de San-
to Antao jonto ao enpenho Goqueiro, com trras
para safrejar de 300 a 800 pes, com boas obras e
casa de vivenda por prega commodo : quem o pre-
tender queira dirigirse a ra da Praia n. 76, para
^ende-se superior bramante de linho com 10
palmos de largura, pri prios para lences, pelos
baratsimos preeos de 2* e 2*600 a vara, assim
como panno de iinbo mnito fino pelos baratissimos ; tratar at o fim do eorrente mezcle abril,
preeos d 640, 700 e 800 rs. a vara : na loja e ar-
mazem do Pavo, ra da Imperatrii n. 60, de Ga-
ma i Silva.
Cambra as lisas do Pau.
Vendem-se pegas ae cambraia lisa muito supe-
rior, pelo barato prego de 3*200 e 3*500 a pega,
ditas mnito finas a S*, 6*. 7* e 8* : na loja e
armazem do Pavo, rna da Iroperariz n. 60, de
Vende-se e faz-se todo negocio com o depo-
sito da ra do Viga rio n. 29, muito proprto pera
um principiante que queira. principiar sua vida
com pouco diobeiro ; ao comprador se dir o mo-
tive da venda.
GiZ.
Ose ha les do pavo a 2ooe e 2ooo rs.
Vendem-se chales de mertn estampados a 2*
e 2*00 cada um.
Ditos de merm liso a 3*600.
Ditos .estampados de^reoon a 6*. 7*. e 8*000.
Ditos pretos bordados com franja de seda a 14*.
Na loja e armazem do P\io na ra da impera-
triz m60 de ;Gama &-Silva.
;- Par* luto wnde o .ItevSo.
Selim da Chioa com 6 j-aIrnos de largura, fazen-
da preta fiara loto, propna para vestidos e roupas
para homens, sendo esta nova fazenda sem lustro e
de mnito"boa quatdade, "garairtiodo-se nio^flear
rassa rom o tempo e veude-se pelo barato prego de
2* e 2*509 c tovado, assim como .neste estabeleci-
menlo tem um grande forljmeolo de todas as fa-
zendas pretas oomo sejam cassas e chitas > pretas,
laas
este,
Vendem-se superiores baldes de mugulina com
moita roda a 3*.,~ditos crinolines com 35 arcos a
3*500, ditos cora 20 e 2S a<3*, ditos para meni-
nas,, sendo trancos e eticamados a 2* e 2*500
e ignominiosa, porm inevjtavel, se o mal nSotog combatidooomeoeiigia.
nm poderosissimo alterante para a renovacao do sangue e para dar sovaibr-
ca ao corpo ja enfraqnecido pela doenca.
Sendo composto de productos vegetaes, este medicaneoto ioDOcente eiao ees-
mo tempo efBcaz, um fado de immensa importancia para acoeiles..ojBe o.toiwim; #or-r^j^ J5S"m r^driwperatnz ."60. de
que muttOs dos remedios alterantes offerecidos ao publico tem, por-base o-mercurio.oa o 'Gama & sftn.
arsnico; e sendo assim, bem quesvezes podem effecluar curas, comtudo -Jeixam suas Cambraias de Torro a t600 e 2$' na leja
victimas carregadas de umalonga serie de males, nroitas vezes peior-do que.o.jttaliOri-
ginal. A nica cousa necessaria para obter urna cura radical seguir eom. jujzo e cojos-
atncia as direccSes que acompanham cada frasco.
....do Pvo.
Vendem-se. pecas de cambraia de forro com no-
ve varas cada pega, pelos baratissimos pregos-da
1*600 e-2* : na loja e armazem do Pavo na roa
Nao pretendemos promulgar, nem queremos que se inSra que esta c;omposic5o a .^.jinMMm- n-ea^de fiama &.Silva.
m
Cortes de laa escocesa para vestido c 3* o cor-
te : na rna aa Imperatriz n. 52, loja da porta lar-
ga, junto a padana franceza, estao se acabando.
Bara luto.
Laas pretas eom salpices brancos a 400 e 500
rs. o covado : na roa da Imperatriz n. -2 junto a
padaria franceza armazem da porta larga.
10400
Chapeos de sol.
Vendem-se chapeos de sol de panno .a 1*400 e
ama grande pecbincha s para acabar : na rna da
Imperatriz n. 52 armazem da porta larga de Pare-
des Porto.
A 1*500.
Vendem-se pegas de tranca preta para enfeites
de vestidos, sootembarqnes, capas de -6enbora a
1*600 com 10 varas, ama grande pecbincha: na
rna da Imperatriz n. 32 junto a padaria ranceza.
um remedio infallivel para a cura-de todos os padecimentos humanos ; infelizmente
escrfula e a syphilis sao enfermidades to aitis as suas.jiaturezas, e arreigam-sc tao
firmemente no systema, que muitas vezes evadem. e.resistem aos remedios mais pode-
rosos que a sciencia humana pode inventar para combat-las: o qoe -dizemos que o
Extracto composto de salsa parnlha d Ayer
a melhor preparacao at hoje descoberta para estas e outras molestias anlogas, rae
urna combiuac'o dos alterantes mais efficazes conhecidos, e que sta combinadlo tem sido
regulada por longas e laboriosas experiencias, e finalmente que temes conscienoia de of-
fereGer ao publico o melhor resultado que. possivel preduzir, da intelligencia e pericia
medica dos nossos lempos.
Este remedio deve ser tomado com systema e regularidade, e u3o com abandono,
poifi um remedio e nao bebida.
Quando as molestias do figado nao tem sua origem na escrfula, o remedio
mais proprio aspralas catbarticas de Ayer, ques5o efficazes na -onra da motestia, que
m por causa um desarranjo dos org5os digestivos. Pedi a salsa parrifea de Ayer e
nao ceitai outrapreparacao.
Pernambuco, rua.Kova n..I8, pharmaciafranoezade P. Maurer & C.
Chales de penda pretos.
Vende se chales de renda preto a 4*000, unicc
loja qne pode vender na rna da Imperatriz n. 52,
armaaem-da perla larga, 4n Paredes Porto.______
SS'.K^a aoo sr'i.? 2 o
S S B sb O.S SffSaSB
"-S.S*f r glri-3'S 8 .!
S"" C-. 2 O moa, Q-=>" es 3 -L.5-^^
S -. Si*} 3 v> ^ gil B n r. v

o i.
K Z. rs. -* P o- a D 5 ~i
B#il

a =2
1
fes. -s-

O.
t J O. 9> ^ O. -_
Pfff:ts
**^ Q.-t
O os S O *m
*** i
i-S
s?
t
>
>
o
4
a

VENDE-SE
% armazem tic M. .amos e Hts & Genre. rna do vlgarlo
n. 11, eoastantemente, osseguintes rticos, qne
reccbem por cacommenda proprla 4e
]ew-yorm;
Legitima salsa parrilba defiristol, preparada por Lanmao & Kesnp.
Verdadeira agua I- lorida, preparada pelos mesmos.
az em latas de cinco gales, o mais parificado que se pode 4eseior-da aowdi-
tada marca F. W. D. 4 C.
iBelogios perfei^os reguladoresy com oeeda de quatw a oito .das, dosafamado6fe-
bricantes E. N. Welcb.
Graixa em Utas grandes da bem conhecida marca las. S. Masen (de Philadel-
phia).
Superior oleo para machinas de oostusa.
Agulhas para ismesmas. f
fireu em bar icaa grandes e pequeas.
Vende-se tambem:
BORBEIO
1.a qoalidaJe.
St. Estephe.
St. Juen.
G. Margaux.
CLafitte.
Medoc.
Principe Real.
Pedro V.
Mara Pia.
Prineeza-D.. Isabel.
Vctor Ematanuel.
Duque.
Malvazia.
Os.cortinados do Pav5o.
yedem:se" superiores cortinados adamascados
pan camas pelo baratissimo preco de 1* cada par,
ditos mnito Snos ricamente bordados para amas
ou Janellas a 15*, 30 23* o par : na loja e ar-
mazem do Pavo na roa da Imperatriz n. 60, de
Gama & Silva.
Panno preto a t# na loja o Pav5e.
Vende-se panno preto. aieoda multo boa, pelo
barato preco de 25 o covado, dito muito fino a
3*UU, .4*, $* e 6*,.assim como casimira preta de
cordao a 2* o covado : na toja do Pavao na rna da
Imperatriz n. 60, de Gima & Silva.
Os espartilhos do Pavao.
Vendem-se ama grande e variado eortimento de
espartimos dos mais bear feitos que tem ;vdo ao
mercado, sendede odos os tamanbos, veodendo-se
per um preco.muito-razoavel : .isto sa ioja do Pa-
vo na ruadla Imperatriz n. 00, de Gama <& Silva.
As salas bordadas do pavo.
Vendem-se saias bordadas sendo fazenda mnito
boa, sendo ricamente bordadas eom mnita roda
vendeado-se pelos baratos presos de ti* 8 e 10*
reis cada ama-na loja do Pmo na ra da Impera
tri7, n. 60 de Gama & Silva.
liretanhas de rolo a 3 Vendem-se pecas de bretanha de rolo com 10
varas cada peca, pelo baratissimo preco de 3* :
na loja e armazem do Pavao, rna da imperatriz d.
60, de Gama & Silva..
Ronpa felta.
Na toja.do Pavo
Vende-se neste estabelecimento nm grande sor-
timento de roupas, tanto de panno como eaxemrras,
e brios e petos barassirnos preeos como sejam
calcas de casemira preta a 6* 7* e 8*000 reis, pa-
leto ts de panno preto. saceos a 6*8* e i2*O0O rs.
ditos sobrecasacos de panno flnissimo a. 12* 18* e
25*000 reis, e outros moitos artigos qne serla en-
fadonhos aqol relata-los; s na loja e armazem do
Pavo rna da Imperatriz n. 60 de Gama 4 Silva.
Loja do pavo
brandes pecluchas. -
Sadintas a 00 rs. a ovado
Shunta a 400 rs.
Sadiuhas a o00 ra.
Vende-sama loa.4i> tayo,.m.grande ortiroen-
(0 de sedinbas listradas cosa asmis bonitas cores,
sendo os padros mais novos qoe tem vtndo-ae mer-
cado, e vende-se pelo paraiisslmo preco de cioco
totoes o covado, sendo -(senda, que valen) .mnito
mftis dinbeiro, e grande pecbincha por se ter
comprado ama grande ponida desta 'fasenda, na
loja e arroatem.de fasenda do PaTo, ra da Im-,(|s CblUlS dsPftVWO 8 200 0 C0YM0.
Viaho fino do Porto embarrisdeS/, 10/ e 20/.
Superior "vicho do Rheno.
Cera de Ldoi em velas e em grume.
Brea em barricas.peqaenaa.
Cera em velas de todos os taraubos.
Bogas.
lafarenrio.
fliarna^o Ynarwn.,iO,7primelro andar.
Vende-se nm ecewvo para engento, ortoOlo
de boa figura e mestre carreiro : a tratar na rna
do Qnaiwado d. 44.
Qoeijos dt xrto
Vendo ye aaaartergaaitodo sartao : 4 roada
IHdra de Bees, rBjatao Jtmto a igreja.
S* RA DO QCEEII.1DO 3
Madafolo.
Finas pecas de madapelo com .20 varas a 9.
rateos,
Lencos de cambraia branca, duzia 2 dem de cures fixas para meninos, dnzia $M0O.
Cambraias de cores a prego de 60a 300,rs. o covado.
a^asrdauapos.
Goardaaapos ce linho, duzia 3^500.
Algodio
algodio teancido de duas Jargoras, praprio para.toalhas demesa:, a prsio de
1<>300 a vira.
Bramante.
Superior braminle de linho inglez efraocez.
Cambraia de iinho propria paraiancos.-
ATOALFttDO.
Atoalhsdo branco para mesa 1^(600 a vara,
lEntremeioi de cambraia msito nos, preco t(9.
teneos de oda pare algibeira a 1^600,
a
PECUiNCHA 1
a 2^000, para calcas, s o Pavo.
Vendem se superiores corles de meia casemira
com msela de seda a 2*, ditas Garibaldmas a
BI800, ditas escoras a 2*800, ou a 1*600 o cova-
do : na loja e armazem do Pavo, rna da Impera-
triz n- 60, de Gama & Silva.
PfiNTEADORES
on roupoes de cambraia bordados proprios
para as.senh.oras veslirem demanbaa.
Chegou. esta novidade pata a loja do Pavo,
mnito lindos e do melhor gosto at hoje, por pre-
eos mnito razoaveis : na loja do Pavo, ra da
Imperatriz n. 00, de Gama dr Silva.
1 Cassas franelas a 240 rs. o corado.
Yendem-se bonitas cansas francezaa de cores 0-
xas pelo baralissimo prego de 240 o covado.
Ditas a 280, 320 e 360.
- S na lja do Pavo, rna da Imperatriz n. 60, de
Gema & Silva.
Grsdenaple preto a 1$60O.
E' grande pecbincha 11
Vende-se grsdenaple preto, sendo muito encor-
pado e de boa largura, pelo baratissimo "prego de
1*600 o covado : na roa da Imperatriz n. 60.
Os cachinez. do Pavo.
Vendem-se bonitos caebinex de lia ouagazalhos
para cabeca pelo baratissimo prego de 3*000, s
na Jola do Pavo, na ra da Imperatriz n. 60.
MANTAS PAHA O PESCOCO
- a 15, s 10- Pavo.
Vendem-se bonitas mantas para o pescoco, pelo
barato, preco de I* : na loja do Pavo na ra da
Imperatriz n. 60, de Gama & Silva.
f adapolees a 3,360 rs.. a pessa.
S na loja do Payo.
Vende-se pecas de madapolo Dno com 12 jar-
das, pelo barato prego de 3*500 e' 4*000.
Chales de retida.
Na loja do Pavao. *
Receberam-se os mais lindos chales pretos de
renda assim como as mais modernas e compridas
retoide?, e manteletes da mesma fazenda,e vnde-
se mais barato qne em oulra qualquer parle: na
loja e ajmaiem do Pavo na ra da Imperatriz n.
'66 d Gama & Silva.
Caslor a 3*0 rs. 9 covado.
Para calcas.
Vendem-se superiores castores moito encorpados
padrees eeenros polo barato prego de 320 rs. o ao-
vado, servlndo esta fazenda tambem para escravos
por ser de muita darago ; na loja e armazem do
Pavo roa da Imperatriz n. '60 de Gama & Sila.
Chapeos para meninas a 6,000.
S na loja do Pavo.
Se vendem os mais bonitos e mais bem enfeita-
dos ehaposlotios de palha da Italia, proprios para
meninas, pelo baraiissfmoprego de 6*000; na loja
e auaazem do Pavo na ra da Imperatriz n. 60
de. Gama & Silva.
Attenglo. *
ULTIMA NOVIDADE
PENTES, ENTEITES, CINTOS.
Gama & Silva, acabam de receser pelo ultimo
vapor franeez, nm grande sortimento dos mais ri-
cos enfeites pretos e de cores proprios para cabega,
sendo guarnecidos com as mais lindas flores, e cora
volla das mais bonitas perolas; assim como osmais
modernos e engragados peales da verdadeira tar-
taruga, marchetados sendo a ultima novidade
que tem vindo de Pars, e os mais neos cintos com
Otas mathisadas e flveias largas, conforme ltima-
mente se osa as primeiras capitaes da Europa, e
vende-se por prego em conta por ter chegado em
dir tura para a loja do Pavo, ra da Imperatriz
n. 60 de Gama 4 Silva.
As rotondas do pavo a 8 e IQ\
Venem-se as mais rica? rotandas de renda pre-
ta, sendo muito grandes, que sao as que mais se
usara, pelo baratissimo prego de 8* e 10* : na
leja e armazem do Pavo, ra da Imqeratriz n. 60,
de Gama & Silva.
Chitas pretas a 460 rs:
Vendem-se chitas pretas inglezas, sendo fazenda
multo boa, pelo baratissimo prego de 160 rs. o co-
vado, ou 5*500 a pega cora 38 covados : s na
lojad* Ravo, rna-da imperairizn. 60, de Gama &
Silva.
ATLANTA
Grande novidade a O rs.
Allanta a 200 rs.
Atlanta a 200 rs.
Allanta a 200 rs.
Chegou para a loja do Pavo o mais lindo sor-
timento desta nova fazenda, com o titulo de allanta
propria para vestido e roupas -para meninos, sen-
do osla modernsima fazenda de la-com oa mais
lindos gostos de qoadrlnbos e listras tendo entre
ellas de cor roxa e preta, coro listras e quadros
brancos proprias para luto, e vendem-se pelo ba-
ratissimo prego de 200 rs. o covado nicamente na
toja 'do Pavo ra da Imperatriz n. 60 de Gama &
Silva.
Ne armazem da ra do Imperador n. 3
Caes de Pedro II n. 2, tem para ,vender-se
bor caz existente no mercado.
...... ---------- ..ni-------------.....i -
ou no
o me-
JY
pe ratriz n..60 do
Lasmhm maiadas a 3.20 rs.
Veadem-se'asmis lindas asinbas maneadas
com os mals bonitos desenbos, pelo barato prego de
320 rs. o covado ; na loja do Pavo a rna ma Im-
peratriz n. 60 de Gama & Silva.
Os chales de guipare a 12$ e
16#000, .
Vendem-se os mais ricos chales de Guipure e de
renda de'tinne e seda,-petoBantstme-p,egos d*
12* e 16*; grande pechincba em reiao-a boa, ,n> jq^ fign 4 Silva.
quaHdade e lamanbo'delles : sTja-toja -*-Pavie,
imil hniinim. ITfl 1 Ai fr. I "Tiln -1 ._l_;___J
rod*imperatriz*. 60, e Gana'& Silva.
Ldazinhas a 200 rs
Pavo.
o
reij
* i
o.
Vendem-se saccas com feijo amarello, branco
rajado e preto, mals barato que em qualquer par-
te : na ra da Madre de Dos n. 6.
OJ*DVliEilr,0
medicinaos de a lea (rao
Remedio'i flii-az contra as doengas cutneas, as
caspas, iropigens, brbulhas, comiclies, pstulas e
sarnas ; na pharmacia do Pinto, ra larga do
sarro n. 10.
Ro-
Sacadas e portas.
Vende-se na ra do Queiroado n. 7, duas saca-
das de ferro com 22 palmos Cada urna, tambem se
vende 8 pares de caukbos algomas portas, tudo
por prego eemmodo.
Algodo avarido
A preco de cada peca.
27 Ra do Queimado /V 27.
ULll-IL. -"""'-'T
Escravos- fgidos
Fogio no da 19 do eorrente, uro rooleque de
nome Hilario, de Maue pouco mais ou menos 1G
annos, traja caiga branca, camisa de algodozinho
e jaqueta de riscado azul, e perlence a Sra. l). The-
reza de Je.' os de Scrtiza Leao : os a^reendederes
conduzam a ra da'foperatriz n. 86. __
Fugio no di 20 do correte pela manbaa
com nma tronza de ronpa em companhia de um
preto mogo de cabellos cacheados, a escrava Gui-
Ihermlna, com vestido escoro de recortes branco?,
idade de 20 annos pouco mais ou menos,'fallante,
corpo regular e dewes alvos limados, leodi rido
encontrada na Boa-Viagem : quem pega-la leve a
a ra da Imperatriz n. 17, segundo andar, (ne
ser gratificado.
i
Desappareceu do collegio de Wos.-a Senhora Jo
Bom Conselho, desde o dia 9 do eorrente, b" psrra-
vo Gadio, de 9 para 10 annos, acahoclad. c m
marcas de feridas na cabega, cabellos eHiradi>.> e
apparados, tendo um hombro derriado por haliii ;
levou caiga de riscadinno azul e camisa ti ac
(que devem estar em pessimo estado, por ser elle
demasiadamente estragado) e bonet. Desemlij^e
que esteja acoitado por forro, e proiesta-se contra
quem otiver feilo de m f. Rogase s autoridades
policiaes e capitaes de'campo que o aprehendan) e
levem ao diio cotfegio, rna da Aurora n. 30, que
se gratificara' generosamente. Recite, 23 de abril
de 1866. __ ____
Contina fgido o escravo pardo Sebastiao
de 18'nidos, alto, cabellos caraprnhos e rnlvos,
olhos eastanhos e grandes, sem barba, variz obato,
com todos os dente*, orcinas pequeas, tem a mar-
ca de om talho sobre o labio superior, marcas de
bichos nos calcanhares, sabe ler e escrever, traja
caiga de brim e camisa de algodo branco : quem
o pegar leve o as Cinco Ponas n. 152, que ser
recompensado generosamente. ,.
200$ de gratificado.
Em 31 de outubro do anno passado, fogio a es-
crava Claodioa, cabra alta e seca do corpo, qne
pertenceu ltimamente aos litas. Srs. Jos Joaquim
da Silva, Manoel Mauricio de Sena e D. Mariana
Ignacia de Castro e Silva que a venden a Jos Ma-
theos Ferreira que pagar 200*000 a- quem Ihe
entregar dita escrava oa ra da Cadeia n. 62.
ImS^mI

Desappareceu desde o dia 2 do eorrente mez a
preta Victorina crioula de 26 annos de idade pouco
mais ou menos, tendo os seguintes slgnaes: altura
e corpo regalares, rosto redondo, tem andar mnito
apressado levou um vestido de chita esenra j usa-
do e chales encarnado *. esta preta foi escrava da
Exma. Sra. Maria Candida Salazar da V. Pessoa,
moradora na ra do Hospicio consta que anda pelas
ras da Boa Vista, cOde foi sua amiga residencia;
quem a pegar leve a rna do Creepo n. 18 2*-andar,
qnaeera' reropensao.___________
Fogio no dia 18do correte ao meio dia a
escrava de nome Anteaia, Idade 40 e rentos annos,
corpo regular e o rosto com marca de bexigas
bem vislveis, mal encarada, levou vestido de chita
velbo e desbotado, um chafes de la roxo tam-
bem velbo e dosootade, j foi apanbada no Poco
lavando roupa e de toppor qoe continu no- mes-
mo ofBcio : quem a pegar leve a roa da Cadeia
do Recjfe o.lO, que sera'gratificado.......
Fuglo no dia 10 de abril eorrente, o escra-
vo Antonio, de nago, cor preta porm um pouco
fulo, estatura um pouco menos que regular, do
rosto miudo, nariz bem afilado, quando anda abre
os pes para os lados, nm pouco cambado on como
derriado das cadeiras, entende alguma cansa de
sapatelro porm ja' a muito tgmpo nao osa do or-
flero, moito'regnsta e'-'mtrito beftado. foi escravo
do Sr. Jos Rodrigues Ferreira a ma do por isso bem eonbecido pelas diversas fgidas
qoe fez em poder daque.le senhor, os lugares por
onde costuma anda Ollnda, Casanga e Varza :
quem o pegar e te*ar a rna da Concordia n.:8, re-
fioago, sera' geaeroaamentegratificado. _____
Fogio o da 24 de feverelro -prximo passa-
do, do engenho Baticnn, do teraao de Bar reros, o
mulato de nome Francisco, idade 34 annos, estatu-
ra alta, seco do corpo cor um tanto plida, com
annos pelo rosto, nm pouco beigodo, poooa barba,
Igocs denles podres, cabellos earaplnbes, tendo
em ntoa das pernas urna sicatriz de nma ferida, e
consta ter dito rio. Roga-se por tanto Srs. coinmandantes de cor-
'pbs,<-as*iatrloTi"'dl'des ppticias, cptUs de fampo,
ndosfosiosde flores o-listas/tvBdo entre ellas al- -tvta botto Hi quakjner-pesoa.d'e op>garem, e de
gama reas e pretos. para quera tetiver d loto, reroetfe- b*bu i legtimo eabor Francisco Paes
tendo esta nova fazenda 4palmos de largura que Brrelo, lavraderoo referido eagenho, ou a ra do
Hvmtt fzer-se m 'vsid'o com pocos covffs, e Imperador n. 42tercelro andar, que se graliB-
MOe-ae 'pio'iMFtisslmo 'pre?o ifOOO, lea- cf. ..
mante-na-toja^B armatew do navo* roa ^btpe- Esli aosente da cSa de'seo sennr "desde 31
ratru n. 60,4e Gama & Silva, '% margo prximo assado, o afavo por nome
Joao, 'nago longo, 4* rtit\< '
a
Vende-se o mais bonito sortimento de chitas es-
curas e rozas sendo Inglezas, mas com os pannos
tao encorpados como os das trncelas qne se ven-
AmvOO neis,-eliqWHHw se'pelo Toarato prego de
tOOris'o-wrado ou'a l*'JOO se terera 38 covados e*d*pega serem de Ores
fixas isto na loja e armazem do Pavao oa rna da
Iroperatrtt'n; 60de Gtttna''Silva.
Armazem do 'PaYo,
' Vende-se cera de carnauba da melbor qqalidade
em"saccos,'taals 'barato que era outra qnalquer
jfciWTfovarmaaenvdo Pavao na wa -da Imperatriz
As cabaias do Pavilo a 2^000
o covfdo.
Chegaram para a loja do Pvao as mais lindas
Vendem-te-mdernas M*ato*as oora HnWksimni caMia^We sda paraYettde*,-sndb com OS mais
gitos, de pecbincha : s na loja do Pavo, Tua da Impe-
ratriz n. 60, de Gama & Silva.
Sm langas
Na.fca> do'Faraao,
Cbegon para a loja do Pavio nm modernissimo
sorun*o dastnato NMas das .nara 'vestido,
sendo urnas >de MrMaa eoaafl'de.Iorznaas
com as mais lindas cores, e algamas proprias para
as senhoras qne esllverem de luto e vendem-se
pelo bartto prego de 1*600 o bdvaflo, tendo esta
fazenda-yoifroMNBoa 'liriara.^a 'facilita a-
zer-seinm eesaMoaom sonaa* atrvndcs, isto na
^amaaa^doJ,vio M.roa da Imperatriz o
nwia Idade, levan 'talca
.branca, amia oealgodSo {uoblcaj4, chapeo velbo
de conro, tem cara grande, ventas regagadas, nariz
ijmKfBe
lara vertdo*.
Cttenafan a*'tJelJjlMai nIWafas onKrhitana- chato ; foi escravo de Sr. caoiiio loaqnlm Frlnels-
bm**< v4m^.toUlMm>9iy> *P*W*>> aatt^ajel,. paleo do areane ampo Gatofle unfffe a
na^arnjMemo Pavo na rwdaImperatrix;qojnio1pf^r,^ar|#^lifl

i

d.w), que ier reeompi

..-.i i
I I1EGVH
^




Kmr


.
M



8
Diario de FernaMtmc luirla felra 5 de lrll de 1866.
LTITERATORA.
Se Dio me acreditaes, manda! a' casa de mi- sua parte na preza conquistada par Stin brago;
nha mai alguma malher idosa levar nra recado ;' roas incitado pela belleza da escrava negra, pe-
este podera' entrar :iem obstculos no interior, re-' dio a aos guerreiros como nica recompensa,
servado para as molbens, e o veo de rainha ir- A paixio dos rabes palas raparigas negras da
maa cabira' a seus ps. I AbissiDa, cojos traeos tem a purera das estatuas
Nao ( diz Zobeir), farcj melbor, vou vestirme com trageu de mercaior de aromas,' O alambre preto (diiem os sena versos,) o
e cera urna caixa de perfumes na mao, serei ad- j que mai- embriaga com o sen perfeme.
ANTAR.
(A de LamartineTrad. de T. A. A. Jaaier.)
( Continuado J
X.
O nascimento de Anlar to romanesco com a mittido na tenda, podepdo assim entrever o rosto
saa vida. Quem a le,]ulga ler ama pagina d& bis- de vossa irmla.
loria ingenua e singular do5 patriarchas. Eil-a : Logo depois deste colloqoio, Zobeir ordenando a
Zobeir, chee ou rei da tribu d'Abs, tribu nume- seas escravos, que oonstrvassem a tenda feUada
ro
grrnagao a Meca. Os rabes sedentarios, e os A- sencia, vestiose de mercador ambulante, tomn
rabes errantes, antes de Mahomet, ja vinbam ci- debaixo do brago um cofre de aromas, e com os
dade sania adorar o primeiro templo construido ps descalcos, e um cinto de colro na cintura, eva-
por Abrahio, e divinisado pela iradcgo. j d'C-se da tenda. antes do amanhecer sem ser pre-
Zobeir estabefeceu-se com sua tribu nis circa-j sentido, e dirigi si, para o acampamento d'Amru.
nas de Meca. Adolescente, poderoso, e reconhe- Mal tioha Zobeir partido assim desfargada.qnando
cido como chefe por outras tribus menos numero- ] Temadur, occnltando-se tambem sob as vestes de
sas d* que a sua, Zobeir bnscava esposa wtre as Werreiro aos oihos dos escravos adormecidos, sa-
lina da sua raga. O, boatos da maravilbosa bel-. h> da tenia, e despeiando o cavallo mais corredor
esa de urna lba de um xequel independente eha- de seu marido, e fuglndo a toda a brida para o a-
nudo Amru o inamou com o desejo de possui-la. i campamento d Arara, seo pai, ganbou a d.anteira
O nome desta virgem era Temadur. d fls0 mercaaor ae ar,,mss MB "r reeonbetnda,
Zobeir nao ousava pedir Temadur a Amru, rec- e assim chegou antes deste a tenda de sua mii_
_,_________._... .-.i. n*. a fmi. Temadur conou iramedialamente i seu pai e
Esta formosa escrava, ja' mae de dois Altaos rap
tados com ella, ebamava-se Zebedha. Xedad le
vou-a para a sua tenda, amou a
com Drmesa e
Xedad, seu pai, assigoalou-se as
Zobeir contra
ass
s outras. tribus do
ciando recusa motivada por antigos odios de fami
lia. Cheio desta aprebensao recorre ao estratage-
ma. Convida a Amru para urna testa em suas ten-
das, e em quanto este sem desconfiar enlrega-se s
docuras e bonras da hospitalidade, aquelle da' se-
cretamente ordem a um punbado de guerreiros de
urna tribu visinha para attacar de noile as tendas
de Amru, a^spersar os seus rebanbos, e espavorir
sua familia sem defeza. Mas probibio-lhes fazer a
mtaiua injuria a mulber e a lba de Amru. A or-
dem secreta execuia-se como tora dada por Zobeir.
Oj .cavalleiros designados caem sobre as tendas d'-
Airu, afugentam os escravos, roubam os rebanhos,
, os taugem para um desiadeiro.
O boato da premeditada violencia ebega aos ou-
vidos de Zobeir. Este dissimula a alegra, e fren-
te dos seas mais bravos cavalleiros, langa-se no
deserto como para voar em soccorro das tendas do [
seu hospede. E' o primeiro, que ebega ao limiar,
da tenda de Amru. Amru, informado mais tarde,
Nascido de mil escrava e negra, e sendo tam- j escravos de
bera negra esoato, posto que estimado por sen t guerras de
pai como fllho legitimo, Antar nio dlssimulav, que Jet
o sea amor por Abla era aos otrts dos rabes^ ama
especie de sacrilegio, e que Malek, pal de Abla, nao
concederla ja mais saa fllha, salvo algom milagre,
a dm fllho assignalado pela cor da escravido.
. Foi esta paixio por Abla, que Ihe inspiren logo
em principio a idea da o sonbo de tentar prodigios
de herosmo, eapazes de vencer o destino, e con-' se bastante na estima dos rabes para merecer a
qoistar a rao daquella, cujo corago j bavia con-1 mo de Abla, nico premio do seu valor e do seu
libo. Este fllho do guerreiro Xedad quistado; e assim dizla ello : engento. Numerosos cantos do poema de Antar
e da scrava negra Zebedha foi Antar. Precipitar-me-hei na poeira da peleja, elevar- sao consagrados a' narracao dos prodigios do sen
e da escrava negra ,e ^ ^ ^^ ^ v^ ^.^ ^.^ ^ | ftraDte 0. anJ05 je orovacoe?) e(n que Xe
0 vigor e a Inteligencia precoces do joven ne- fletas dos- inimlgos de tea pai, 6 Abla I Enlo dad e Malek, seu irroo, reensayan conceder-lhe a
tnSStii^opJ^^mL^ choraras sobre meu corpo'extendido, erivado de amante. Em eondicio serapre Indecisa entre a es-
golpes a teus ps, ou ento teu pai te conceder em
De volta dos combates Zobeir sentava-o em seos
festins. Aotar, semelhante a' Achiles recrendo-
se com sua lyra, cantava mesa do rei as victo-
rias da tribu, e as proprias faganhas. Misturava
sempre o nome d'Abla em seus cantos de guerra e
de amor, nao pedindo gloria senao que o elevas-
irmios o plano, que concebera para vingar a honra
da familia. Collocou-os em emboscada a' sombra
de um bosque de tmaras vislnho do acampamen-
to, recommendou-lbesr que aecudissem a' sua voz,
snrprehendessero Zobeir, desarmado, debaixo da
tenda, o amarrassem ao pilar do meio, e lhe nao
dessem liberdade, em quanto nao jurasse pagar a'
seu pai Amru o valor do sua fllha.
XIII
Tendo entao despide as vestes de. tomem, Tema-
dur cubrise com o veo das virgens, e esperou a
chegada do falso mercador, ao qual gritn a mae,
logo que o avlstou, girando como raposa em roda
das tendas: tEntrai, vendedor de perfu
mes; estendereis vossos aromas diante de minha
Lilia Temadnr, amante dos perfumes do Iemen.
Ouvindo o nome de Temadur, Zobeir julgou-se
realmente engaado pdr Amru.
c Tendes entao outra fllha? perguntou elle a
mae, que diz : c Sim ; tinbamos outra chamada
annos aos companheiros de guerra de Xedad; re-
vendlcaram a posse do menino nascido, dlziam el-
les, de urna mulher escrava, que haviara cedido a
Xedad, cajos fructos porm, s*o prntendlam ceder.
Xedad recusou entregar o sen proprio singue a
escravldio. _^
O litigio foi levado perfile o proprio Zobeir, que
i Tragara aqu o menino, adra de que jalgoe por
meos proprios oihos sobre oobjecto da contenda.
Oavindo isto Hedad, retira-se e volta, trazndo o
fllho pela mao. >
' No momento, em que o menino entrava, um cao
monstruoso, que acabava de agarrar urna gazella
na tenda do chefe, sabia traiendo-a nos dentes.
Ninguem ousava arrancar a presa o cao. O me-
nino, sem esperar ordem algama, esquivase da
miwpaterna, precipita-se contra o co, enterralhe
o pnnho na guella, obriga-o a largar a presa, e
agarrando com as maos nos queixos do animal
abre-os com tanta for?a a ponto do desloca-los at
o pescoco. O cao expira aos ps do menino; e en-
tao disse Zobeir: i Concebo qoe se dispute a pos-
se de tal menino; mas a le o confero a Xedad.
Ne diz ella : Aquelle que semeou o solo deve co
recompensa minba mao libertadora. >
xvm
Os tos d'Abla, bumilhados e irritados por ousar
um vil negro levantar os oihos para ella, armara
mil ciladas para suplantar o mancebo, ora contra
osgaerreiros, ora contra leras do deserto. Sua
forca e coragem frosiram as ciladas.
Um dia mandando-o os tios desarmado em busca
de camellos na praia do mar, em dm reciolho de
roehedos, covil de um leo monstruoso, que os de.
via desembalar do fllho importuno de seu Irmo,
acharo de minhSa o negro deitado, 0 adormecido
sobre o cadver do leao, que elle com as proprias
maos estrangulara. A admiradlo e o respelto pela
estatura cotlstal e tona sobrenatural de Autar
cravidSo e a liberdade, salva em vao muitas vejes
a honra da tribu e a vida d'AJila, o orgulho rabe
revolta se com a idea de consentir na uoio de urna
donzella livre e de um escravo negro. Seus ver-
sos nesta poca sio queixosos gemido?, e algumas
vezes terriveis, sobre o seu destino.
XIX
Carregado de honras e affetcSes pelo rei Z >belr,
Anlar nao poda obter o nico premio, que ambi-
clonava, que era o titulo de lho reconhecido, e le
gltimo de seu pai Xedad, que lhe diz:
c Vil bastardo, ousas pretender entrar na calhe-
goria dos eutros meus Albos, lo, fllho de escrava'
tu que trazes a vergonha do teu nascimento escrip-
ia na pella
Antar, desesperado com estas rudes expreses
segue-o de longe. A formosa Temadur, sua Dlba,
b ," lhn^ M rah,- Clida, muito menos formosa do que Temadur. Mu-
cnorav na porta da tenda, olbando para os reta-1 .mmm \
,ul r------ r 'ilamnclho r, nnma a domno enh aaoa talan nr\ma
nhos dispersos de sea pai, e levantando as maos
ao ceu para Implorar soccorro e vioganca.
damos-lbe o nome, e a demos sob esse falso nome
de Temadur a' Zobeir, para viogar-nos da ajara
irrogada a' nossa casa, aceitando esposa sem offe-
tuasfaces (diz o poeta Antar) erara rubras como recef n compe,en|e ,alor Guardamos a ,erdade-
a peona, e seus cabellos negros e espessos como as, fa TemadQ,.( maravilna de todas as tribaas> pm
irevas da uoite ; as iajtrimas, que lhe fluctuavam > ^^ por majs ^ pre50 jlgam gaerrelro do
uas palpebras sem correr, augmentavam o brilbo : SemeD ,
dos seus oihos.
Zobeir, ailucinado, manda um velho do sea se-
XIV
Zobeir, com esta conflsso corava de vergonha,
quito respetosamente lanjar um veo sobre a don- e esqoecenao gen pape| de mercador, preparava-se
x|fe Parte com os seus cavalleiros a' vista dos arrebalar vio,entamente a belleza, que se lhe
.lsos raptores,^Jf^fS^^^^Ugmm. quando Amru, ^eus filhos, e irmos,
j precipitando-se do bosque de tmaras para o a-
l campamento, lan;am-se como leoes sobre Zobeir,
! atam-!he as maos e os ps, e o amarram, sem of-
ijode-l em parte alguma, em cima do tapete da
de Amru, e os seus escravos libertados para a ten
da do amigo. ,
XI.
Durante este semulacro de combale de iivra
(cento, Amru acudir em .occorro de sua familia ''"""
' i tenda.
e de sua irib. Temadur saf BSposa vingada, deixando ento
E- tesiimunha do zelo e da generosidade de Zo | cahir snrr Zobeir ,, alm e ternQ.
beir, roga-o que acce.te por sua vez bospilalidade e ^ ^ nCfim Q flngiment0 eom
ca tribu salva por seu braco, no me.o do fest.m oulfo Zq bamilhado e feUl ao mesmo tempo
efferecido por elle ao libertador de sua fllha, ex- ^ sjdQ vencdo someDl9 por mu|herj C0B.
clama: Zobeir se meu coraCao nao poder dif- conJou em daf ao Amro mj| camel|0Si VDle|
undiroseu reconhecimento,-necessanamente se cavallos nobres trazndo as pescogo a genealoga
despedacar. Nenhuma preciosidade maior tenbo ^ da raQaj cincoenla escravos e Cincoenta donzellas
para offerecer-te do que minha filha Temadur : eu para servif snl mQ|ber Por Mle nTeqo foi pos.
ia dou para escrava 1 Aceito-a,nao como escra- ,0 em |berdade) e levado pela familia de Amru a'
va, mas como esposa; replicn Zobeir. j suas lendas
Di.as estas palavras, as donzellas da tribu con- SeiJ ^ robasU)s como ,e5jSj e uma |ha)
duzem Temadur envolta em veo diante de Zobeir frm05a como a mae_ nasceraa) desta uaio. aie
o depois retirando o veo, deixam a belleza da vir- filhQS vjeram a sef chefes da triba de Abs> da
gem irradiar aos olbos do esposo. | qual AnUr fo here_
Zobeir condusio a sua conquista para a tribu, e i ^y
embnagou-se de elicidade. i VlQ(Jo am m; Xe(]a(Jj fllbo desta lriba> a qM(n
., cbamavam mais commummente o iSen/ior do Si-
Eutretanlo Temadur, posto que feliz pelo amor,
aue inspirava Zobeir, e experimentava por este,
sentia-se pungida em seu orgulho por ler sido con-
quistada como escrava, e nao paga com ricos pre-
sentes a seu pai como filha livre, e segundo os cos-
tuoies dos rabes.
O imprudente Zobeir, altivo pelo bom xito de
seu subterfugio, o manifestara em delirios de amor
a' sua esposa, pelo que Temadur jurara punir a es-
i'/,1 em razo do nome de um jumento celebre,
de que elle era possuidor, com dez cavalbelros tao
aventuremos e bem montados como elle, lomar es-
cravos e rebanbos aos rabes de Catan, acharam
os aggressores a tribu to numerosa, que nao ou-
saram atacal-a de da.
Esperaran) pois pela noile metindose no deser-
to para pr os cavallos a pastar.
Uma escrava negra de incomparavel belleza

iratigia com outra, e obrigar Zobeir a' pagar o va- guardara alli, em companbia de duas crianzas, os
ior do dote. camellos da tribu de Cantan.
Em certa noite, em que ella exprobava com fa- Os companheiros de Xedad a loda pressa bridara
miliaridade a seu marid) o ogimento empregado os cavallos, tangem os camellos, e raptam as duas
para conquista-la sem resgate, Zobeir irrtou-se,! oriangas, e a formosa escrava negra,
e levantndose encolerisado do leito, disse, que com o rumor deste rapto, mil cavalbelros das
ella era demasiado ousada em censurar seu senhor endas de Catan precipilam-se a pista dos rapto-
e esposo. E logo Temadur, surrindo-se, responden: res.
* Pois bem; sabei, que o vosso artificio foi illa- Xedad, sem se espantar com o numero dos ca-
dido por outro melhor. Eu nao son essa Temadur, valneiros, manda, que sens companheiros, o reba-
cujos encantos apetecesles; apenas son sua irmaa.' Bbo, a escrava negra e as cranlas entrem para
e sua sombra. A maravilbosa belleza, a' qual me um desfiladero; p5e-se na entrada deste com
substituirn) para vos satisfazer, repousa abrigada
aos vossos desejos, e armas na tenda de meu pai
Amru I
Zobeir, ouvindo isto perturba-se, e duvida. E
Temadur acrescenta :
FOLHETIM
quatro dos seus guerreiros, defende a passagem
at a noite, e junca os seus ps a trra de ferldos
e monos. Durante esta lucia, os seus companhei-
ros conduzem os despojos em seguranza para a
beira do mar. Xedad renne-se a elles, regeila a
Iher e aqaelle que plantn a irtors deve comer o
fructo?
Xedad levou o fllho e o restitaio Zebedha, saa
mai,
tr de um chefe livre e de escrava preferida, foi tras
tado pelo pai, ora como servo, ora como filho-
Gnardava os rebanbos no deserto, mas exerciiava.
se em combater toras. Uma tarde, entrando de
volta na tenda, langoa sea sacco sujo de sangne ao.
pos de sua mai Zebedha. Esta o abri e estreme-
cea de horror achando a cabega de um leao venci-
do e estrangulado por Antar.
Generoso e intrepidox matn nm da com uma so
pancada, descarregada por sea trago de torre, o
maioral dos rebanhos de Zobeir, qae brutalmente
disputava um pogo a nma veltaa, cujas cabras mor-
riam de seda. Ao verem isto, todos os pastores es-
cravos de Zobeir langam-se sobro Antar para vio-
gar o maioral. Antar langando mao de um noddso
basio.que jazia na areia, defende-se s contra to-
dos, e extende grande numero loa aggressores mor
tos seus ps. Ao rumor da luta o adolescente
Melik, fllho de Zobeir, qae cagava na planicie, ga-
lopa para o pogo. V Aotar assaltado por mil bra-
gos. Contempla os prodigios de intrepidez e torga
do mancebo. Comovido de piedade, enternecido de
admiragao, voa em soccorro de Antar, jura-lhe eter-
na amisade, affasta os escravos, cobre Aotar com
sen sabr, f-lo marchar ao lado do sen cavallo,
prote-ge-o contra a colera de sen. senhor, obtem-lhe
o perdo, e o leva tenda de XeJad. As mulheres
e as donzellas da familia de Xedad precipitamse
ra das cortinas para contemplar o trinmpbo do
joven escravo negro, prodigio dos bomens, vinga-
dor dos fracos, e protector das mulheres.
No meio dellas Autar s enchergava Abla, idolo
de sua alma. Abla, a mais formosa das virgens da
Irib d'Abs, era filha de Malek, irmio de Hedad ; e
assim prima de Antar. Mediante este parentesco
das duas familias e a uniio existente entre as duas
tendas de Hedad e de Malek, Autar e Abla tiqham
vivido desde a mais lenra infancia n'esta famllia-
ridade, que os costumes rabes permiltem entre os
filhos do mesmo sangae.
Desde a mais lenra Infancia tambem o amor, qae
devia fazer a desgraga, a gloria, e a felicidade de
Antar, pareca nascer e engrandecer com elles.
Anda nao raanifestavam reciprocamente amor
precoce, mas esta paixao j respirava em seas pen-
samenlos.
Antar comegava a cantar em versos rabes pas-
toreando ss camellos de seu pai Xedad no deserto*
Nao tinha outro assumpto mais habitual de seas
versos do qae sua prima Abla. Todas as imagens
poticas do deserto, do da, da noite, do sol, das es-
trellas, da sombra, do orvalho, das palmeiras, dos
oihos da gazella, eram pedidos pelo poeta pastor a
esta natureza para evocar e colorir aos oihos de sua
alma a imagem de Abla, e a impressio, que lhe
causavam sua presenga, sua voz, ou smente sua
lembranga. Mas embora estes primeiros versos de
Anlar, conservados de memoria pelos mancebos
rabes, seus companheiros, e repetidos pelas don-
zellas em todas as tendas, tornassem j seus nome
celebre entre os filhos d'Abs, cirio accento de me-
lancola e de desanimo entristeca sempre o fitn de
seus cantos.
co-ubatora n'elles o odio, de que se achavam ani- abajxa a cabB?a> em^oba-se sozinho no deserto,
mados contra o sobrinho. Parece-nos ler a cada j abandonando as redeas do sea cavallo, e assim de-
iaslante a historia de Jos, odiado e perseguido pe-1 p|ora sea infl)rlanio .
los Irmaos. j gm Vao luto contra a mlnba desgraga. Serv
Durante-a ausencia de todos os guerreiros aa i aos nomenSj e jQ|gae que meus prenles servs-
tribu d'Abs, qne partiam para uma expadigao Ion- sera.me de proteclores; tomaramse peiores do que
ginqua, 'flaram.se as mulheres, filhas, velhos, re-1 serpenles sob ^eng p^ No campo da batalha
banbos, thesonres e tendas a guarda de Antar s. j gQa|0 a0j fl|bos dos reS| dizem elles; mas na paz
Os gaerreiros da tribu de Catan aproveitaram-se, n2o pasg0 para e[|es do fl|bo de z9bedeha, o escra
O eollegio dos augures de Tarqainies era con-
sultado pelos Tyrio?, Pbenlcio e Pelasgios, a tajos
os navegadores primitivos da antiga Marin-
terne.
.0 modo de geragio das lempestade era entre-
visto ; ligava-se Intimamente ao modo de geraeao
dos nevoeiros, e a bem dlzer, o mesmo pbeno-
raeno.
Existem no rasmo ocano tres regioes de bru-
mas, ama eqoatorial, duas polares; os marinbe-
ros do-lhe um s nome lepot mi mir.
Em todas as paragens, e sobretodo na Maneto,
os nevoeiros de equinoxio sao mu perigosos.
Fazem anoitecer de sbito.
Um dos perigos do nevoero, mesmo quando nao
moito cerrado, impedir qoe se recoobaca a
mudanga de fundo pela mudaoga de edr da agua;
resulta d'aqui flearem dissimulados os cactopos e
pareis.
O navegador aproxima-se de um escolto sem
ser advertido.
Muitas vezes os nevoeiros nao deixam ao navio
em marcha outro recurso que nao seja pr-se i
capa ou ancorar.
Ha tantos naufragios causados pelo nevoeiro
como pelo vento.
A policia das costas e dos portos oaer menos
sonondade e menos clareza no dialogo.
A mesa dos meslres de navio era presidida par
um velho capillo de longo curso, o Sr. Gertrais-
Gaboureau.
Nao era um homem, era um barmetro.
Os turnios do mar deram-ihe nma espantosa in-
fabilidade de prognostico.
Elle derrelava -o tempo que devia haver no dia
sefruinte ; ascultava o vento ; tomava o pulso
portarla eu iguaes insultes? O" Abla I Venha tua
imagem consolar-roe e aaimar-me 1 Se fosse no
co tua morada, amanhaa minhas mos invadiriam
as estrellas para merecer-te e conquistarte.
(Continuarse ha.)
-&+*
d'esta usencia dos bomens para sorprehender as v0 Qegro Aa j sem 0 amor qae ma consom, sop
tandas d'Abs. Aotar, que, affastado do acampa-
mento, velava no cume de nma calina, v cahir
uma nuvem de cavalleiros sobre a morada d'Abla-
Um deste cavalleiros segura a donzella as ancas
de seu cavallo, e foge com a presa. Antar voa mais
rpido do qae os corseis de Catan, mala o' raptor,
galga o corsel do gnerreiro morlo, persegue os ou-
tros, alcanga nos aps outros, junca de cadveres a
areia do deserto, e regressa vencedor e vingado
para entregar Abla sua mal e gosr das sauda
g5es e bengaos da triba inteira.
Cantor das proprias facanhas, gaba-se, com a in-
genua altivez do rabe, da incomparavel torga de
seu brago ; e por isso apostrophaodo seus ioimigos
eosanguentados e extendidos a seus ps exclama :
t Eis-me em meu elemeoto ; saogue o que
respiro, mloha torga celebre, mea sabr corta
como o fogo do raw ; nenhnm gnerreiro o pode
evitar, o sabr e o arco foram brincos da minha
infancia. Hel de saciar a sle com vnho, vinho
tao velho como o mundo. Ouvirei o grito, que
prefiro ouvir ao ruido do torro contra o torro na
peleja, qaando os gaerreiros se embatem e cahem I
esvasiando a taga da morte, o grito d'Abla *
IM POICO DE Tl'DO.
E' de V. Hago esta bella descTipgSo :
Cedo aonancia-se o eqoxonio na Mancha.
Aquelle mar estrello, tolne o vento e irri
ta-o.
Desde fevereiro comegam alli os ventos do oeste
saecudindo as aguas em todos os sentidos.
A navegago torna-se inquieta ; a gente da costa
contempla o mastro de signal; a todos preoecupam
os navios qoe podem estar em perigo.
O mar apparece como orna emboscada; iovsve'
clarim tra para uma estrinha guerra.
Longas e furiosas lutadas abalam o horizoote j
i terrivel o vento.
A sombra silva e spra.
Na profundeza das nuvens o rosto negro da tem-
0 vento um perigo; o nevoeiro outro.
Os nevoeiros caasara sempre medo aos navega-
Abla I Abla I tuJo s o nico soaho do meu cora- ^ entumece as bochechas.
gao, e eu s procuro nomeada para nao ser um aia ft ^nin nm nnrign. ft nfishfi
despresado por t I Sou negro, sim; mas estou
ceno de esmagar a invej, aniquilar ludo o qae ^^
ousar me resistir. Combato por Abla I sou sen es-1 ^ nevoeiros que trazera suspensos prismas m-
crav0 I croscopicos de geto, aos quaes Mariotti altribue as
Depois de haver assim cantado o sep tr.ampho, aureola qs Qg e Qs paraseleDes.
e ter trazido era seguranga todas as mulheres e Devoeiro31 tQ0S0S s5o COmpositos 5 va-
criancas para as tendas, o negro mon a outra vez dimsos d(j especiQco desgna, combi.
era am cavallo conquistado, quando elle persegua ^ ge com q vapof da agQa e superp5era.se em
os inimigos, e conduz para o acampamento de nma ordem dividft a bruma em I0nas e Ul do
Xedad lodos os corseis daquelles que lngara sem '
vida por trra.
Concordou-se em consideraglo s mulheres e
sobretudo a Semeha, esposa legitima de Xedad, em
oecnltar-se esta iocursSo dos ioimigos do aoampa-
meoto j mas vcflndo Xedad, e indo visiur 03 re-
baohos, admrou-se de encontrar soberbos corseis
mar.
Dizia nuvem : mostra-me a tua lingua.
A liogua era c relmpago.
Era o doutor da vaga, da brisa e da lufada-
0 ocano era o seu doente ; faz umr viagem
roda do.mondo como quem fsz uma clnica, exa-
minando todos os climas na sna boa e m saude ;
sabia a fundo a palholagia das estagdes.
Enociava factos como este :o barmetro des-
ceu ama vez em 1796 a tres liabas abano da tem-
pestado.
Era marinheiro por amor.
Odiova a Inglaterra tanto quanto eshmava o
mar.
Estudoa cuidadosamente a marinha ingleza para
conhecer os seos lados traeos.
Expllcava em que ponto o Sovereign de 1637
deffria do Royal Witliam de 1670 e d Viclory de
1755.
Comparava os costellos de popa.
Lamentava as torres no tombadllho e os cestos
de gavea afunilados do Qreat Harry de 1514, pro-
vavelmente no ponto de vista da bala franceza
qne se aninhava pertoitaroente naqnellas super-
ficies-
Para elle as nagoes s existiam por suas insti-
taiges martimas; fazia syoonymas estravagan-
tes.
Chamava a Inglaterra Trinily Houie, a Escossia
Northren Commtssioners e a Irlanda Ballatt Board.
Abundava de informages ; era alphabeto e il-
manact.
Sabia de cor a portagem dos pbaroes, principal-
mente ingieres; um penng por tonelada ao passar
diante deste, nm farthing ao passar diante daquel-
le. Dizia : o pbarol de Small Rock: qoe consu-
ma apenas dazentos gailoes de a'zeite, consom
agora qoiobentos.
Achaodo-se muito doente am dia, a bordo, a tri-
pulado que j tinha por defanto, estava a roda de
sua maca, quando elle interrompen os selncos da
agonia para dar ao mestre carpioteiro uma ordem
relativa a am concert do navio.
nevoeiro uma verdadeira formagio.
Em baixo Cica o iodo, cima do lodo o enxofre,
cima do enxofre o bromo, cima do bromo ophos-
phoro,
Isto, em certa proporgo, dedazindo a tensao elc-
trica e magntica, explica rouilos pbenomenos : o
Santelmo de Colombo e de Magalhaes, as estrellas
pastando com es seas sob a guarda de Aotar. volantes de que falla S?neca, as duas chammas,
Desgragado (diz ao fllho), pois para roubar Castor e Polux, de que falla Plutarcho, a leg.o, ro-
della.
TRISTEZAS A BEIRA-MAR
I'OR
H. PINHEI RO CHAGAS
(Continuado.)
Qoe gentil mogo I disse elle, erguendo-se e
estendendo-lbe a mao, com nm sorriso nos labios.
Adoptoa esse distares para endoodecer duplamen-
te as suas companheiras, 4s quaes, senhora, ins-
pira lave)*, e, cavalheiro, paixo 7
, lsso que quer dizer ? perguntou Leonor, li-
tando em Jorge um oihar cheio de ingenao as-
sombro.
Quer dizer, tornoa Jorge nm tanto enleiado
por ver que desperdigara ibesouros de rbetorlca
que nao ba dama qne se lhe avantaje em formosu-
ra nem cavalbefro que a venga em elegancia.
Leonor solton ama sonora gargalbada.
Sabe quem me est lembrando com essas
Jallas ? disse ella entre rouxos de riso; o admi-
nistrador do concelbo.
Devo confessar que me nd lisongeia a cons-
paragao, tornoa Jorge, mordendo os labios.
Ab I en nao os comparo, acudin a sna gen-
til interlocutora; ha grandes differengas entre os
dona; olbe, e comeeou a contar pelos dedos, o
administrador feio e o Sr. Jorge bonito, ama.
Muito obrigado, aeadia o elogiado, rindo.
O administrador tem o nariz moito compri-
do, continuou a ingenua rapariga imperturbavel-
mente, e o nariz do Sr. Jorge parece-se eom o da
mana Magdalena, duas.
Ah I o meo nariz parece-se com o da mana
Magdalena T tornoa Jorge com igaal seriedade; e
com o devido respailo, qaem a mana Magda'
lana 1
ET miaba irmaa. Vive em casa da nossa ta
rsula. Va e estar tras das o anuo passado,
mas so tras das, porque a ta nao pode vivar sem
ella e a ta nSo qaiz es vir. E' tio bonita 1
Podra I Nao tem o nariz comprido I
Nao mangue, que sou muito^amiga
E' mais bonita do qoe eu.
Ser difflcil. Ora vamos, nao ba mais algu-
ma differenga entre ;mim e o administrador ?
Ha outra : que eu do administrador nao
gsto...
E de miro ?
Gsto muito.
Havla uma tal simplieldade no tom com qne
Leonor proferir estas palavras, de tamanho al-
cance qaando as proferem os labios de ama meni-
na de vinte annos, era tio lmpido o sen oihar,
Uto serea a sua voz, demais o trajo masculino da
galante menina lornava apparentemente esta con-
fidencia to penco perigosa, qne Jorge, creaoga
tambem em questdes de amor, nao sentia a mni-
ma commogo e ouviu essas duas mgicas pala-
vras com o mesmo socego com qae ouviria os
protestos de amisade de nm sen collega. Apertou-
Ihe a mo, dizendo-lbe com singeleza :
Tambem en sou multo sea amigo.
Sim ? toroou ella, bateado as palmas de
contente. Olto 1 sabia qae eslava aqu, vim pro-
curado. Gostava tanta d'antes de passeiar ssi-
nba e agora a solidad enfastame. Qaeria a>tar
sempre ao seu lado. Mas o que Ibe dizem asses
livros, que tauto gosla de conversar com elles t
Estas livros, Leonor, segredam-me lodos os
mysterios da poesa.
E o qae vam a ser poesa ?
Poesa, Leonor, tornoa Jorge, sorrindo-se,
o reflexo de ludo o qne no mundo ba bello a san-
to, o espelho em qne se miram todos os esplen-
dores da torra, o vldro mgico onde se imprimem
n'am relance os raios qae entrevemos a farto, da
luz mysleriosa do Ideal, a gruta encantada qae
tem am ceo para todas as harmonas, o frasco da
ooro onde se encerra a essencla de todos os per-
fumes. E' a barpa sonora qae despena, qaando
Ibe vibra aa tordas a virago qae passa pelas seas
cabellos, Leonor, ueste momento em que a vejo,
tio graciosa, tio baila, eom as (rangas solas i
briza da tarde, eom a fronte aureolada pelos ult-
I mos raios do sol, e eom asses graoles oihos vivos
mana que a Cesar parecea ver arderem os dardos,
mpre te"arrad"para tora do acara- ***** stello do Duino no Frioul, que a sen-
tioella acendia tocando cora o ferro da sua langa, e
tal vez mesmo as fulguris que os antigos cha-
mavam relmpagos terrestres de Saturno.
No equador, Immcusa bruma permanente parece
cingir o globo, o Cloud ring, annel de nuvens.
O Cloud-ring resfria o trpico, do mesmo modo
que o Gulf-Stream aquece o polo.
Debaixo do Cloud-ring o nevoeiro fatal.
Sao essas as latitudes dos cavallos, Horse latitu-
de; os navegadores dos ltimos seculos quando
passavam all atiravam os cavallos ao mar, em oc-
caslao de temporal para aliiar o navio, em tempo
de calma para economisar a agua.
Dizia Colombo : Nube abaxo es muerte. Nuvem
baixa, morte certa. 1
Os Etruscos, que sao para a meteorologa o que
os Chaldeos sao para a astronoma, tinham dous
pontificadoso pontificado do trovo e o pontifica-
do da nuvem : uas observavam o relmpago, ou-
assira 03 cavallos escolhldos dos nossos irmaos do
deserto, que se
pameoto, e te abrigas como salteador em desfila-
deiros e roehedos ioaccessiveis? Nenhum bem se
deve esperar de ti : o latrocinio e assassinato gi-
rara em toas veias. Has de iofamar o nome da
raga, que den asylo a toa mai. >
Fallando assim Xedad deu em seu innocente fl-
lho com o cabo do chicote, qoe linba na mo, e
atando-o com cordas ao tronco de um sycomoro, la
abandona-lo aos animaos nocturnos. Mas Semeha,
sua mulher, vendo de longe o brago erguido de
seu marido e ouvindo os gemidos de Antar, espan-
cado por seu pai, correu, banhou-se em lagrimas,
cobrio Aotar com seu corpo, e confessou ao marido
a incursd dos cavalleiros de Calan, e as proezas
do joven negro, punido por tamanha virtude.
Xedad desatou o fllbo, cnorou de alegra e de
orgulho com a narrativa das suas proezas e o con-
duzio ao rei Zobeir, que o admitllo na classe dos
Este soneto do Sr. Sentinclla do Parnazo,
que o. D. C. ao Illm. Sr. Dr. A. S. A. L em me-
moria ao dia 25 de abril, anniversario do natalicio
da sua unignita Af
Amigo i4fi, fagamos boje as pazes.
Nao queiras, a' final, mostrar, qu's tolo:
S oda tens na cachola algom midi,
Segu sempre o pensar dos bons rapazas.
Os poetas nao fogem: sao tenases,
o Ja quando depois jos chame ao bo-lo ;
Que este mundo, a girar, como um reboto,
Pode anda ti dar melbores phases.
Pois, a lyra quebraste ? !.. oh.. que pateta!..
Quando tens um talento tao fecundo,
Que abracas mesmo a cor, sem ser concreta? 1..
Le vastes um erre s do anco segando. v
No'terceiro nao levas... sjiota I...
Canta o lado moreno a lodo o mundo II!...
seus guerreiros.
Desde este dia Antar deixou de fazer parte dos: tros o nevoeiro.
Na communa de Chateauvienx, departamento
(rancez de Liire-al-Cber, as teimosas chovas deste
invern teem dado lugar a alguns desastres.
Segundo diz o Avenir, de Blois, na nonte de 26
de fevereiro ultimo ouviu-se n'aquelia povoago
uiQ pavoroso estrondo e destacoo-se uma enorme
massa de roehedos, ao p dos quaes muila gente
tinha edificado as suas habitagdes, esmagando na
sua queda as casas e os curraes simados no fundo
da colima. Ha a lamentar a morte de tres pes-
soas, que foram esmagadas pelos penedos.
Attribue-se a causa deste desabamento a's chu-
vas persistentes, que amoleceram os terrenos e
deslroiram a adherencia que ligava entre si os pe-
nedos.
Temem-se novos desastres, porque mutos ro-
ehedos, abalados por terem recebido o choque dos
que ja' cabiram, acbam-se suspensos como por en-
canto por cima das casas visinhas.
A autoridade competente ja' linba tomado as
medidas necessarias para evitar as tristes conse-
cuencias de um novo desabamento.
e ingenuos,,|Hue se fliam era mim com to encan-
tadora expresso. Aqui est o que poesa, Leo-
nor, e aqui tem as lindas coasas que estes livros
me dizem.
Os livros fallara em mim? perguntou ella
com uma adoravel expresso de pasmo.
Fallam, tornou Jorge, sorrindo-se.
Leonor meneou a cabega com ar de dovida'e
esteve tostantes a ver se encontrava a solugo do
enigma. Vendo qae nada ceosegaia, fez am mo-
vimento de impaciencia e perguntou :
Esse como se chama 1
O Cames de Garren.
Deixe ouvir?1
E, sentaodo-se ao lado deile, langoa com um
movimenlo de cabega para traz das costas as trac-
gas., qoe se Ibe tinham desatado, e, encostando o
rosto mi, Atoa os oihos negros nos labios de
Jorge.
Este princlpiou:
Saudade, gsto amargo de infelizes,
Delicioso pungir de acerbo espinbo,
Que me estaos repassando o intimo peito
Com dr que os seios d'aima dilacera.
Leonor ouviu atteota por alguns segundos -, de-
pois, encolheudo os hombros disse com impacien-
cia :.. .
Nao gsto. Lela entra consa.
Jorge fecboa o livro, sorrindo-se, e, tornando a
abrir ao acaso, encontrn o principio do eanto
quinto.
Leonor ouviu disirahida, at que o leitor ebe-
gon a estes admiravels versos :
Longe, por esse aznl don vastos mares,
Na soido melanclica das aguas,
Ouvi gemer a lamentosa aleyone
* E com ella gemeu alnbt saudade.
Alta nule, escutel o carpir fnebre
Do nauta que suspira por um (amalo
Na trra de seos pais, e aos longos pos
D'ave triste ajante! meas ais mais tristes.
Ella ergueu-se a poue e pouco, impellida como
que por vontade estranha; depois, estendendo o j
brago para as ondas, que espadanavam na base
dos roehedos, exclamou :
Oaves-me, Oceauo "i Tambem a poesa falla
em ti; revelaste-lbe tambem o segredo daa las
inmensas tristezas, da toa profuoda melancola !
O mar triste, Jorge, continuou ella, voltando-se
para o seu companheiro, e, comtudo, eu gsto do
mar. Tenbo sentido taotas vezes a impresso qae
atii diz t Qaando voo, nobarco do pescador, res-
pirar desahogada entre as vagas do horisonte, ac-
commette-ma uma saudade nem eu sei de qae, ao
ouvir em torno de mim esse ma ruinar constante,
constante das ondas. Lembra-me se serio saudades
de minba mi, e bao de ser, ainda qoe me parece
qae a minba alma nao se satisfaz com essa idea e
voa anda mais para alera, mais para alm, a mer-
gulbar-se n'um mandf onde me parece qoe ja' vi-
v e de que teoho nmas apagadas memorias. E as
ondas sempre a gemerem e cantarera nmas toadas
que me fazem chorar, como algumas historias que
a Maria nos canta ao serio, eom a sua voz trmu-
la, emqoanto o av inclina a cabega, pensativa, e
o claro da fogneira Ibe doura os cabellos cor de
nev. E quatido estou sosiob na alcova, e qae j
alta noite acord e slnto sempre o mesmo estron-
do, o mesmo rugido grave e melanclica, desato
a chorar, porqu me lemhro das cantigas com que
minba mii membalava e qne eu, ja' crescidinha,
adormeca tambem a mipba Irmaa. Escondo a ca-
bega debaixo da roupa e afflgura-se-rae qne estou
s uo mando, qae a minha vida nao ba de constar
senio de desgragas e que me ha de fugir sempre a
felicidade, qne eu desejo e para a qual aspiro com
uma desconhecida ancia... e adormego, saudosa
sem motivo, emquanto as vagas continuara a en-
trar sem descanso a sna eterna e melanclica me-
loda.
Pobte aojo disse Jorge comraovido, apor-
tando as snas mios 'as mos de Leonor ; Deas
affaste da toa innocente cabega as desgragas de qae
tens o presentlmento.
Ella retave-lhe as maos, e ora Atando os olboa
nos delle, ora as vagas espumantes, normaron
com ama expressSo de feiceira ternura:
O mar! Como eu gostava de entrar contigo
n'um bote, Jorge, de irmos arabos ssinbos para
onde nos levassera os ventos e as ondas Qaem
sabe onde Anda o mar, quera sabe aonde vio ter
essas vagas, que en agora vejo la' ao tonga tintas'
de cor de rosa ? Nao o sei en tambem, mas (oiga
va de ir cemtigo aportarmos a a alguma dessas
ilhas mysteriosas em qae fallam os marinheros,
Ibas encantadas que fluctan) sobre as aguas co-
mo cestinbos de flores Como alli seramos felizes
entio Ssinbos nessas trras bemditas, tendo por
horisonte as ondas, sempre as ondas, tendo por al-
cova uma grata forrada de cenchas e madreper-
la, Iluminada sempre pelos doces claraeOes de
uma luz rosada... E' verdade contiouou ella,
bateado as palmas ; quem sabe se essa edr de rosa
esmorecida, que vemos a estas horas matizando o
mar, nio o reflexo dos esplendores que .algumas
dessas ilhas espalbam, flactoando, longe de nos,
muito alm do horisonte ?
A' minba Leonor, qae nio sabia o qae era
poesa e que se me saho poeta I disse Jorge, sor-
rindo. Quem lhe inspira esses sonos orientaos ?
Que fada se lhe debruga cabeeeira4 do jeito a
contar-Ibe essas histerias maravillosas T
Nio sei, responden ella ; s agora qoe tor-
mo estas pbantasias. Sempre gostei de contemplar
o mar, mas d'antes satisfatia-me espirito pensar
qae tudo eram serras de agua at ao extremo ho-
risonte.
Os mens sonhos fluctuavam de vaga em vaga
com os raios das estrellas e sem perder-se na am-
plido envoltos n'um vn de vapores. Nao me af-
frentava esse mmenso deserto, a solido melanc-
lica das aguas, como diz o livro que me leu. Hoje
nao ; o mea pensamento selvagem como qoe o
abrandon ama desconhecidi influencia. O rugido
do mar tornou se mais orando para mim e cada
gola de espuma pova-se-me de creatnras gracio-
sas. Sorgem da seto das ondas as Ibas encastadas
am que Ibe falle!, e vejme, nio ja' como gostava
de me ver, reclinada no regago das vagas, mas sim
brandamenie reoostada em topetes de verdura. Ao
man lado esta* o seu vulto, Jorge, o sea vallo, qae
me persegue sempre agora o sem o fwl me par
ce mpossivel vi ver. Qual ser o motivo da trans-
formagao'qae suto que se pern no meu espi-
rito ?
E, dizendo isto, tremiam-lhe duas lagrimas na
franja das pestaas, e desprenden Jo se, resvala-
va'm-lhe vagarosamente pelas faces. Arfava-lhe o
seio, comprimido pelo casaco de velludo. A voz da
gentil creanga linba nao sei que timbre austero,
como de quem aprendeu a fallar com as ondas'
mas oesse instante era harmoniosa e melga, e qua-
si abafada pelo concert do Ocano, ebegava como
um suspiro de barpa eolia aos ouvidos de Jorge. O
vallo de Leonor, erguido no piocaro da rocha e es-
tampando-se as sombras do crepuscolo, exhalava
nm vago perfume de original poesa. Toda sun-
elo a ierra, todo harmona o Ocano ( O vea da
ooiie ja' cobria ae longe o horisonte. Nio sai qae
voluptuoso enleio se apoderoa de Jorge, e attrahia-
do a s a formosa' menina, que tao ingenuamente
lhe revelava o qae senta, disse Ibe tambem em
voz baixa e trmula :
E o amor que desparta, aojo !
O amor! tornon ella, como que saboreando
todas as melodas dessa palavra ; o amor !
E ficon, de sorriso nos labios, coa os olbos cra-
vadffs nos oihos de Jorge. Confundiam-se os cabel-
los de um e de outro... e a onda qnebrava na ro-
cha, exhalando nao sei que namorados queixumes.
O sino de nma ermidinba distante solton as vi-
bragdes das Ave-Maras. Leonor desprndanse
brandamente dos bragosde Jorge, ajoeltou na ira-
gaj alli, em presenga-do mar e da solidad das ro-
chas, a saa prece virginal subi, como 0 incens
da tarde, para o co, qae prioejpiava a estrel-
lar-se.
Depois, erguendo-se toda radiante e risenha, del-
tona correr sem se despedir de Jorge, e s la'
moito ao longe se voltou para elle e envion-lhe
ara adeas, qae lhe chegou aos ouvidos contundida
coa o marolbat das vagas.
(ConfiMr-4a.)


PERNA.MBUCO.-TYP- DE *- ***.* & WlflU

'


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EDQMP6DT5_5L0VM6 INGEST_TIME 2013-09-05T04:23:50Z PACKAGE AA00011611_10951
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES