Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:10950


This item is only available as the following downloads:


Full Text
-*
9
*
i

AMO XLII. NUMERO 94
i *l i
Ptr qitrtol W di,M dM *P das de i.* nez .
dem depois dos i.0* lo das d comec e deitri d qaartel
Porte ao correio or tres Mezes......m* .
S^ooo
6ooo
75o
$** 9b ol+*S
TERCA FEIRA 24 DE ABRIL DE 1866
----- _______________ ____________________________________
Por aaoo pago dentro de 1 odias do l,mez. ...... 19ooo
Porte ao correio por om anoo...........* jfm

PERNAMBUCO.
.'
EiNCARREGADOS DA SUBSCRIPCAO DO NORTE
Parahyba, o Sr. Antonio Alextndrino de Lima;
Natal, o Sr. Antonia Marques da SUva; Araeaty, o
Sr. A. de Lemos Braga; Cear, o Sr. J. Jos de
Oliveira ; Maranho, o Sr. Joaquim Marques Ro-
drigues ; Para, os Srs. Geraldo Antonio Alves &
Pilaos ; Anmonas, o Sr. Jeronymo da Costa.
ENCARREGADOS DA SUBSCRIPCAO DO BUL
Akgoas, o Sr. Clandino Falco Das; Babia, o
Sr. Jos Martins Alves: Rio de Janeiro, e Sr. Jos
Ribeiro Gasparinbo. I
PARTIDA DOS ESTAPETAS.
Olinda, Cabo, Escada e estacoes da va farrea at
Agoa Preta, todos os dias.
Iguarass e Goyanna as segundas e sextas feiras.
Santo Anto, Gravat, Bezerros, Bonito, Caruar,
Altinbo, Garanbuns, Buiqoe, S. Bento, Boro
Conseibo, Aguas Bellas e Tacarat, as tercas
feiras.
Pac d'Albo, Nazarelb, Limoeiro, Brejo, Pesqueira
Ingazeira, Flores, Villa Bella, Cabrob, Boa Vis-
ta, Ouricury, Salgueiio e Ex, as qnartas
feiras. i
Serinbem, Rio Formoso.Tamandar, Una, Bar-
reiros, Agua Preta Pmenteiras, as quintas
feiras.
AUDIENCIAS DOS TRIBUNAES DA CAPITAL.
Tribnnal do commercio: segnndas e quintas.
Relagao: tercas e sbados s 10 horas.
Fazenda: qnintas s 10 horas.
Julzo do commercio: segundas as 11 horas.
Dito de orphlos: tercas e sextas s 10 horas.
Primeira rara do civel: tercas
dia.
Segunda vara do civel:
hora da tarde.
quartas sabbades a 1
EPHEMERIDES DO MEZ DE ABRIL.
8 Qaarto ming. as 6 b., 22 m. e 82 s. da m.
1S La nova as 4 h., 44 m. e 10 s. da m.
l Qoarto cresc. as 8 b., 12 m. e 4 s. da t.
29 La cbeia as 7 h., 4 m. e 14 s. da t.
iol DAS DA SEMANA.
23. Segunda. S. Jorge m.; S. Adberto b.
U. Terca. Ss. Honorio e Mileto bb.; S. Leoncio ro.
2o. Quarta. S. Marcos evaDg.; S. Hermino m.
26. Quinta. S Pedro de Ratis b.; S. Cleto p. m.
! ISSSf-J5- Ier'liaD0 *] s- Turybio are.
28. Sabbado. S. Vital m.; S. Agapto m.
29. Domingo. S. Pedro m.; S. Tertulia v m.
PREAMAR DE HOJE.
Primeira s O horas e 30 n. da tarde.
Segunda as O1 horas e 54 minutos da manbaa.
PARTIDA DOS VAPORES COSTEIROS.
Para o snl at Alagoas a 14 e 30; para o noru
at a Granja a 7 e 22 de cada mez; para Fernaa-
do nos dias 14 -ios mezes de Janeiro, marco, mala
julho, setembro e novembro.
ASSIGNA-SE

no Recife, na livraria da praca da Independen?.-*
ns. 8, dos proprieurios Manoel Figueiroa de Faria
& Filho.
PARTE OFFICIAL
villa de Barreiros a lha do Jardim, pede a entrega I brasileiro, Albo da serenissima princeza I). Leopol-
da quantia de 1:0005 que diz ter sido volada,'no dina, assim como por tal motivo os navios neste
correte exercicio para auxilio daqoella obra, roas porto se embandeiraram, dando os jornaes a cir-
tambem as inforraacSes ministradas a esse respei- cumstanciadaUoticia de aconteciraento lie impor-
GO VERTf O UA|PHOVl\Cii' 1,0 P*1" repartieses competentes/afim de seren taes tante e jnbiloso para os futuros destinos da monar-
._. I papis submettidos a considerado da assembla cbiabrasileira.
Lti t>w. legislativa para resolver o que entender convenien- O Jornal do Amazona m seo numero de bon-
ur. Manoel Clementino Carneiro da Conha, vi- te, visto declarar a thesouraria provincial que a tem acaba de dar-nos varias noticias relativas
ce-presidente da provincia de Pernambuco : Faco j 0Dra fi autonsada pela lei n. 619 de 19 de maio | navegaco para Goyaz pelos rios Tocantins e Ara-
saber a todos os seus habitantes que a assembla do anoo prximo passado, na qoal nSo se actia guay, que Ibe transmitto para eonheeiraento dos
incluida a mencionada quantia. J seos leitores no seguinte extracto :
N. 110.Dito ao raesmo.O Exm. Sr. vlce-pre-! Vapor Tabatlnga.Na madrugada de 13 do
sidente de provincia, manda transmittlr a V. S. corrente largou para o Tocantins o vapor Tabatin-
nao s o incluso requer ment em que o conductor ga, levando um carregamento de carvao, aflm de
da reparticao das obras publicas, Jeaquim Galeno fazer la um deposito para consumo do vapor Para
oeiho pede pagamento da gratificado annual de ;em sua subida.
400*, que diz competir-lhe por aehar-se exercendo! Consta-nos que as iustruccBes que u comman-
nierraamente as fOoeedes de engenheiro, mas tam-' dante levou recommendam lhe qne suba at o po-
bem copias das ioformacSes ministradas a esse 50 que flea por baixo da primeira das coebeiras do
respeito pelas repartes competentes, aflm de ser rio Tocantins, denominadaTapaina-qura. O va-
tudo presente a assembla legislativa provincial, por deve estar de volta nesta capital no dia 30 do
para regular devidamante esta materia sobre a correte,
qual nao ha lei expressa. t Vapor Para.No dia 17 do correte cabe ao
Dito ao inspector da thesouraria de fazenda.S. i mar o vapor Para, na preia-mar do dia.
Exc. o Sr. vicepresidente, manda transmittlr a V. Nossos leitores estarao lembrados que a quilha
S. as tres inclusas ordens do dia, sob ns. 510, 511, do vapor foi posta no estrleiro no dia 17 do mez
e 512 (em doplicata) expedidas pela reparticao do passado, e por ahi poderlo avaliar os prodigios de
servico da expirtelo do Tocantins, deve cabir Do Para" trouie nos mo mKnn *,,,.. in.,.
ao mar pela volf do meiodia para urna hora da at lodocrreme P ,ornMS
tarde, porqde o principal trabalho, da armaco do! A minuciosa arta do nnn n.Qo-j ;
casco se acha concluida com solidez e adraravel' ra quat occlrreu correspondente nar-
presteza
legislativa provincial decretoa e eusaneelonei a re-
soluco seguinte:
Art. 1. Fica o presidente da provincia autorisa-
do a mandar construir mais um mi 00 edificio
que serve de hospital de caridade.
Art. 2. Ficam revogadas as disposiedes em con-
trario.
Mando, por tanto, a todas as autoridades a quera
o conbecimento e execugo da presente resoluco
pertencer, qne a cumpram e facam cumprir to
inteiramente como nella se contm.
O secretario do governo desta provincia a faga
imprimir, publicar e cerrer.
Palacio do governo de Pernambuco, aos 18 de
abril de 1866.45 da independencia e do imperio.
L. S.
Manoel Ctemenlino Carneiro da Cunha.
Sellada e publicada a presente resolaco nesta
secretaria do governo de Pernambu:o, 18 de abril
de 1866.
O secretario Dr. Francisco de Paula Salles.
Registrada a O do livro,7 de Itis provinciaes.
Secretarla do governo de Pernambuco, 18 de
abril de 1866.
O escripturario Theodoro Jos Tavares.
--------- a m
Por este lado o Dr. Cont de Magalhaes v che-
gados os momentos de realisar os seus provectos,
de navegar o Tocantins, vencendo se ior possivel,
Fondeen bontem
a noitinha no laraaro, o va-
por inglez Olinda, procedente de Liverpool e Lls-
a travessa dascachoeiras que separaartParJde Goy- Doa> mas nao leye conmunicao com a trra,
az.na extenco de 30 leguas pouconiais 00 menos! \ eHaj^^^pM^,^^^^^
Ha moita gente que prezume irreallsavel o pre-
jeclo do presidente desta provincia pelas difflcul-
dades naiuraes a vencer, e em lagares onde ne-
nnuns recursos ha para superar qualquer trans-: --------------------------
^^XSZSSZS^SS^ SU i ASSEMBLA LEGISLATIVA PROVINCIAL.
1 Professores.....
2 Expediente.....
3 Aluguel de casa.
8:300,6000
7145000
8004000
PERNAMBUCO.
Approvado sem debate.
Art. 8 Aulas de laiim :
f Professores.................
& Aluguel da easa do professor
de S. Jos.....................
10:0144000.
4:8154000
2OO4OOO
1:0154000
do administrador dasta provincia, e que a commu-
nieagao entre as duas provincias se realise anual.
Appareceu aqu transcripto no Diario do Grao
Para um bello artigo do.eonselbeiro Jos Feliciano
de Castilbo, refutando um topieo da carta do conde
de Hura que se refere a' assergo de G. de Velle-
SESSAO ORDINARIA EM 20 DE ABRrL DE
1866.
PRESIDENCIA DO SR. VIGARI0 FRANCISCO PEDRO DA
SILVAi
meio dia faz-se a chamada, e veriflea-se
Approvado sem debate.
Art. 9 Escolas primarias :
1* Ptofessores, inclusive os de
mais 10 cadeiras..,............ 1 149:4734000
2 Aluguel de casa.......... 25:0004000
Ao
pin, de ave Portugal loi a triste inventor e inicia-
Eipedieute de dia 20 de abril de 1S66.
Offlcio ao Exm. general commaudante-das ar-
mas.Sirva-se V. Exc. de informar-me acerca do
que pede no incluso reqoerimento o guarda nacio-
nal Antonio Fernandos do mscimento.
ispector da thesouraria de .
V. S. para qne nao bavendo ioconve-!
Diente sejam pagos os vencimentos relativos a !
se v do pret junto em duplcala que me remellen I ,la. S RrJSSS*
a cimminriinij cnnnn.:n. jama mr,iA,^,n ^m .-.i Mara i^oemo 1
ajudante gen o ral.
Despachos do dia 20 de abril de 1806.
Requerimento$.
Antonio Malacbias de Macedo Lima.Nao ha o
oilicio de que pede certidao o supplicante.
Bernardino Jos Monteiro Filho. Informe de
novo o Sr. commandante superior da guarda na-
cional do Recife.
Vigario Joo Clemente da Rocha.Informe o Sr.
pector da thesouraria provincial.
lente Joaquim
trabalho que toram feitos pela officina da compa
nbia do Amazonas. O assentamento da machina e
obras de madeira estarao provavelmente concluidos
no flm de mez, de modo qne o vapor pode seguir
o sen destino nos primeiros dias de maio, e infeliz-
mente ja nao vai cedo.
< Vapor Jornpenses.Nos fins de fevereiro pre-
trito foi embarcado em Londres a bordo da escu-
na indeza Lilie o vapor Jurupensen, e portanto
esperado todos os dias. Este vapor o segundo
Jos Ferreira de Almeida. destinado carreira do Tocanstins e foi construido
I Remettido ao Sr. inspector da thesouraria de fa- em casa ds Srs. Somnda, Brothers and Sons, que
' zenda para decidir a questo nos termos do decre- Passam pelos mais perfitos constructores de Lon-
to n. n. 2343 de 29 de janeko de 1859 e art. 23. dres-
Joaquina Pedro da Costa Moreira.-Informe no- j Como os nossos leitores ja sabero, a vista do
Dito ao insnector da ZS1 faiPnda vamen,e Sr- "Ispector da thesouraria da fazenda. >o flM em lempo publicamos em nosso Jornal:
PtmtSSTs^SS^hLiL u. l0i(iaiai Maria da Conceico-Ioforme o Sr. di- menor do qne.o vapor Para e armado de deas
rector do arsenal de guerra. P'das, aflm de nao ser necessarto voltar o navio
1 i?narda nacional I Manoel Frne'o do Reg Barros.Informe o em r,os' C0J* Pei.aena largura ou pouco fundo tor-
estac.da!naa.P^ do expediente da repar- Ja esta operado difBcil, e algnmas vezes peri-
Botes.Nestes nltimos das tem chegado tres
botes, provenientes do alto Tocantins, acompanha-
das respectivas garHs, e sao :
c L'mdo Sr. Joo Ayres da Silva Joca, vindo de
Carolina. O bote e igarit arqoelam;de 1.000 a 1,200
arrobas, e tripolado por eerca de 30 pessoas ;
troaxe carregamento de couros, e sobe per estes
dias com gneros de importado.
Um do Sr. Juvino Ermio Alvares Perelra, de
Santa Tbereza. Tem a mesma tripolacao e arquea-
' fo do antecedente, tronxe carregamento de cou-
ros e leva sal.
Ootro do Sr. Jos Joaquim Severiano, de Por-
to Franco, moito
174:4734000
O Sr. Buarque requer em nome da commisiao o
adiamenio do artigo al'que sejam designadas as
Bte artigo que revela, como serapre, a intelli- rea da Silva, Candido Martin Buaraue LonsMa- i ^aDdo dar malor somma Pwa os ^agam de casas
gencia fecunda qne o dictoo, foi mu Sem recetdo chado, AmorW Emygdlo Jmo !n^ e eleva'10 a *loU do i 2 a
pelos Portuguezes e Brasile.ros; porque retirou, do R_ego ,"H!0%T^SffVSBS
a presenga dosSr.'.depuiados Francisco Pedro, Ra-
mos, Ayre.% Mergulbo, Andr, Sergio, Ribeiro,
&nrfPiiS,aan^q0",OQK a trste"id!L?1^S9 res Brando" Sonto LK; AmVmo HSSjtU.
lea feto de qne as duas naces, com espcialida-; Abre-se a sessio uji.
d* Portugal, sao as mais amantes do trafico da car-i L^se e approva-s'e a acta dsessio anterior
'9Bb-US5ne aaSnqYet,n"ram os V"? AW" 'S-' Skbwahio da' con?a tTseguTto
a ecravidao, ao passo qne no centro da Europa,! EXPEDIENTE acu,ul
na Asia e na frica, traflea-w e mercadeja-se com m offlcio do secretario do noverno remetiendo
aada95rtarn"C^cT ?-Ue,S l9VaB,,e Qm "0l aul0,ri- CP' da Pa^a SSJStt5 gym-
sada das nacSes civilisadas em favor de tantos n- oasio.-A' quera fez a requisico
rabies, que se exportara d Barbaria* e do Egyoto Outro, remetiendo a Si oedida sobre a
Ar?h.0.n tErEr T V pa,ra CoDS.,an,nopla'' pre,eD5ao de Jos CesarlTe Mello^A'corarais-
Araba, Persia, India, Java e outras regiSes, como; sao de fazenda e orcamento.
o commandanie supperior deste municipio com of-
flcio dalado de hontem e sob n. 106.
Dito ao mesrao. Recoraraendo a V. S. que em
vista do pret junto em duplcala que me remetteu
o commandante souperior deste municipio com
olicto de honlem sob n. 105, e nao bavendo in-
conveniente mande pagar os vencimentos a contar
de 2 at 15 do corrente mez das pracas do Ia ba-
taihao de infamarla da guarda nacional desta ca-
pital que se acho aquarteladas para o servico da
guaroicao.
Dilo ao inspector da thesouraria provincial.
Restaurado a V. S. as 4 inclusas comas
porlancia de 1394800
10 da Silva.Passe portarla conceden-
do a craliOcaco pedida.
COMBANDO DAS ARIAS.
yuariel general do eomuando das armas de Per-
nambuco na eidade do Recife, 23 de abril de
1S66.
Ordem do da n. 225.
O marechal de campo commandanie das armas
' nomea, com assentimento do vice-presidencia, ex-
na ira-1 presso em offlcio de 21 do corrente, o Sr. alferes
maior do que os de que cima
nhre* r-, d,l .f !* o susiento dos | reformado Jos Maria Benjamm de Assls para ser- fallamos; arqueia 2,000 arrobas, e tripolado por
fmmH.m.J Kadeia d0 Brej0 daran'' v,r-no dePs|K>, em substiluicao ao Sr. lente Joa-_ cerca de 40 pessoas. Trouxe couros e leva sal
pagado recSmS SL f PrX,m T* MaDOel da Sllva e Sa' *ae Passoa a C0B,M- ,D oaUo P"** > cachoeiras da \L-
r^VTS^t^^LSJTJ.IL *", a coraPaBh!a de aprendizes operarios doarse- ca, parte da tripolacao pode salvar-se, a outra par-
recer da cenudona dessa thesouraria a que se | nal de guerra desta provincia. te morreu afogada.
nna ^SSIh?.1 u?FT6- ? D'13i'' (Assignado.)-/ranCco Sergio de Oliveira. Presidios de & Jos dos Martyrios e de Santa
.i m,~ q assembl legislativa pro- ( Est conformeEstnao Jo:i Fotos, tente. Maria do Aragoaya, o provincia de ftoyaz.As
0 Pert_eo.-1 ajudante de ordena interino enearregado do deta- datas destes dous pontos alcancam 15 de Janeiro
i e as noticias sao tristes: os ludios continuam a fa-
bem diz o douto e honrado conselheiro ; red'uzidos
a' mais negra degradacSo.
A par desi* notavel artigo tambem appareceu
um folbeto anonymo, publicado no Rio de Janeiro
por um Portuguez, era qne se acensa e inculpa o
33:3004.
Fallam os Srs. Tixeira e Buarque.
Encerrada a discusso approvado oadiamento.
Entrando em discusso o-art 10, verifica-se nao
baver numero legal, e o Sr. presidente levanta a
sesso, dando a segninte ordem do da :
Conliuoacao da anterior ; 1' discusso dos pro-
jectos ns. 68) 69, 73, 76 e 70 deste auno; 2' dos de
ns. 47 deste anoo e 97 de 1864'; 3 dos de ns. 74
24 deste anoo.
DA
SESSAO ORDINARIA EM'2rDE ABRIL
DE 1866.
PRESIDENCIA De SR. VIGARIO- HUNCBCO PEDRO
SILVA.
Ao meio dia, faz-se a chamada, e verifica-se a
presenta dos Srs. deputados Francisco Pedro, Ra-
mos, Ayres, Joaquim Reg Barros, Sergio, Cicero,
Urna peticao de um offlcial de jnstica, solicitan-
do o pagamento do que Ibe deve a cmara muni-
oipal da Victoria.A' coinmissao de oreamento
municipal.*
Outro do major Alexandre Gomes de S, pedin-
1 '?' *251" esla P^Incia, e o ministro do o pagamento dos prejoizos que soffreu noseoD-
P^oS,Vr*^^d?offloS^ %S55? ^Sal-ro-A "nlMiod. 1
S?,,*** e omiclliado, Jds Joaquim Mendes Outro de Joaquim Jcs da Cost, pedindo paga-)
t>avaueiro. 1 meot do QQe ||)e ^^ a ^^^ de Goyanna.
Esta produego de forma incorrecta, da estylo A.' oommissao de orcamento municipal.
virulento, inexacto em relacio aos faotos, e male- Ontra de Antonio Ferreira de Agoiar, soliciuo-
volo e despeitoso quanio a' ioten^io, demonstra a do idntico pagamento da mesma cmara.A' com-
nenbuma intellgencia e o desamor da verdade missSo de orcamento municipal,
com que foi escripia ; porque, eonheoldo o neg- Leem-se, entrara em discusso- e sao approvadas
co como ajul se passou em referencia ao acto da. as redacedes dos projeelos nf 10 de 1860, 37,51 e
deportaco, ver-se-ha que o autor do folbeto de 40 deste anno.
L-se e entra em discussSo um reqoerimento da
cer essa divida ao exercicio Ja' encerrado de 1864 lhe.
a 1863 somente a quaniia que nos termos da lei
venficar-se haver sido despendida.
Dito ao mesrao.Mande V. S. por em hasta pu-
blica obra do 4 lanco da estrada do Limoeiro na
extenso de um kilmetro, e na importancia de
3:3004- servindo de base a essa rremaco as clau- i
sulas e orcamento junto por copia e que para
esse flm me remelleu o chefe da repartidlo das
obras publicas com offlcio de hooteui sob n. 132.
Dito ao inspector do arsenal de marinha.Ten-
do-meoExra. Sr. ministro da marinha decjradoi
em aviso de 7 do corrente haver expedido ordem '
nao s para se aecolher a corte o 2' sargento do
corp) de iraperiaes raarinhelros Bibiano Jos de
Araujo que serve de mestre da corapanhia de
aprendizes marnheiros desse arsenal como tam-
bera para ser nomeada oulra prac.a aflm de subs-
tituir aquella : assim o comraunico a V. S. para
S9U conheciraento e execucao na parte que lhe
toca. 1
Dito ao bacharel Adelino Antonio de Luna Frei-
r.Contando de coramunicaco da repartigo da
justica de 22 de fevereiro ullimo que por decreto'
de 17 do mesmo mez houve b. M. o Imperador
por bem nomear a Vmc. julz de direilo Aneo*
marca do Limoeiro, assim lh'o comraunico para
que quanto ames entre era exercicio independen-
tente de apresentagao de sua carta que devera' 1
exhibir no praso de 3 mezes contados desta dala.'
Dilo ao mesmo. Por portara de hoje resolv
exonerar a Vmc. do careo de delegado do termo
ama iguoraneia a toda a prova I
Nao se sabe com certeza o intento com que se
esereveo semelbantes falsedades; neme possivel
que o autor do folbeto, que se mosira to lido e co-
obecedor do que se screveu n'esta provincia, nao
lesse algunas correspondencias dirigidas d'aqni ao
Jornal do Commercio e Cotrtto Mercantil da corte,
era qne se arguia o Dr. Moreira pela proteeco e
defesa offlcial qoe fez a Mendes Cavalleiro, cha-
mando, alm disto, a-attenco do ministro portu-
guez, para qoe no-dise considerado a's recia-
raacoes do dito consol, imputando-se-lbe relaces
igoobeis e ser conscio do depotado.
Que se esefiva ccwra .0 cnsul portugaez por
protege ou ser contrario a Cavalleiro, isto ser o
oommissao de obras publicas, pedindo taformac5es-
sebre a peticao de Pater Cesar.Approvado.
L-se e julga-se objeeto de deliberaco um pire-
oer e projecto da eommisso de oreamento muni-
cipal concedendo um abate ao arrematante da pas-
sagem do rio Una.A' imprimir.
Um parecer da eommisso de >astica civil e cri-
minal, sobre a desannexaeao do offlcio do crime do
cartorio da Victoria, pedindo infermacoes ao juiz.
de direito da comarca.Approvado.
Ootro da mesma oommissao, solicitando informa-
fi5es ao governo sobre a constrneco de um ceraite-
rlo.Approvado.
L-se e jolga-se objeoto da deoeracao om pro-
INTERIOR.
CORRESPONDENCIAS ROMA
RIO DE PERHTAHRUCO
PARA.
Beln, 16 de abril de 1866.
Fazem hoje oilo das que lhe enviei a minaa ul-
tima pelo paquete Cruzeiro do Sul; de eoto pa-
ra c pouco tem occorrido de notavel.
Entretanto aproveito a passagem do novo- vapor
americano Morning Star, aqui chegado hontem
pela tarde dos Estados-Unidos. E' um belk> navio,
bem construido, de excedentes acommodaedes e
superior a duas mil toneladas de lotago -, emflm
em ludo melhor ao America do Sul e America do
Norte, da mesma companhia.
As noticias dos Estados-Unidos sao as mesmas,
isto que aquella importante repblica contina
nos seus actos de reconstruccao e omidade nacio-
naes. Quanto ao commercio e industria prospe
rara como outr'ora nos
mentos e progresso.
Muitas cidades, mnitos ediueios, caminhos de
ferro, e notaveis estabelecimentos que Acarara
destruidos com a guerra dos quatro annos, sur-
zer seus estragos no rio Araguaya, e como nao ha
de succeder assim, se mais fcil ir aos antpodas
do que ir a esses lugares I A secretoria do gover-
no comrauoicou-nes urna carta dirigida polo capi-
to commandante do presidio de Santa Murta S.
Exc. o Sr. presidente da provincia, e na a- traes-
creremos aqu para dar ao leitor urna idi do que
vai ahi por esses deserto.
t Consta-nos que o Exm. Sr. Dr. Franca presi-
dente da provnola de Goyaz activo e enrgico, co-
mo ja toraou respeito as providencias conve-
nientes.
a O capUSo Adreqn conhecido vulgarmente.
do cargo de delegado uu >cnuu
de Mores, por ter sido noraeado jun de direito da Kem de n(,<' reconstruidos e edificados de tal fr-
.comarca do Limoeiro ma ""8 Parece impossivel, que no pequeo, inter-
fiecooheceodo o proveito qoe resultou para o val de Paz decorrido, o esoirito e a actividade hu-
^Kiblico da eommisso que Vmc desempenhou no mana lauto tenhara fenol
termo de Flores, cumpre-me louva-lo pelo zeloj Do Mxico, as folbas de New-York um pouco
cora que nella se bouve e agradecer-lhe os servi- parciaes a favor dos republicanos do as tropas
cosque presin. Mzeram-se as necessarias com- imperialistas e^franeezas em serios apuros pelas
monicacos explendidas victorias que os liberaes tem aleanca-
cargo da repartido
obras publicas provinciaes, por torera sido dtspen
sado del le por aquello aviso os offlciaes do corpo de
engenheiros a quera estava Incumbido.
Portara.O vi ce-presidente da provincia, alten-
dendo ao que requeren a professora publda de
instroeeo primaria da freguezia de Atogado?, Ma-
ria Colho da Silva, e tendo em vista as informa-
oles do director geral interino da instrueco pu-
blica de 15 de margo proximo^flndo, sob n. 60, ou-
vido o conselho director e do inspector da thesou-
raria provincial de II do corrente, sob n. 128, re-
solve, na conformidade da 1' parte do art. 28 da
lei n. 369 de 14 de maio de 1864, conceder-lhe a
com o nomede capito Qoaly, de qaem falla a car-
ta o mais feroz dos chefes indios qne habam as
margene do rio Aroguaya, e um verdadero fia-
gello para os ootros indios, sobre Uno para
a tribu dos Apinajes, que elle guerreia constante-
mente, redozindo a escravido os prisiniros bo-
rneas e raulheres menores de 2D>aunos, matando
desapiedadamente os outros.
a Eis a carta :
a IUm. e Exm. Sr. Dr. Josc Vleira Couto de Ma-
galhaes.SauU Maria do Araguay, j de Janeiro
de 1866.Penetrado do maievivo sontimeoto vou
seus "grandes comme- parllcipar a V. Exc. o mais. triste suacesso que bo-
je couirista os coracjes dos habitantes deste lagar.
c Tendo fallecido o capito Joaquim Rufino Ra-
mos Jub, commandanie do.presidio de S. Jos dos
Martyrios, como j commnniquei V. Exc, tu pa-
ra all seguir a tomar coma do commando o len-
te Joaquim Manoel da Oliveira, e com elle 8 pra-
cas que deviam regressar com a familia que acom-
panhou ao referido capito, irazendo os seus bens
que all tlvessem : em sua volta, em o travessao
do Pao d'Arco, foram atacados pelos IndiosCbum-
oas-e ahi perecea toda a nossa gente, inclusive i
3 pracas que vieram. dos Martyrios em auxilio, e
mais tres familias, que vinbam de mudanca para
aqui. Calcula-se o numero de mortos em vinte e
tantas pessoas. Ejta noticia live por Jos da Malta
Lisboa, que aqui ebegoa no 1* deste mez, e com-
municou me ter visto no pescocodo capito Andre-
qu urna volta de comas da ouro grossas,, outra
lina no de outro indio.
No travessao acharam urna nota de bu res ras-
gada e soja de nroc, a qual enviei a S. Ex. o Sr.
presidente desla provincia, pedindo ibe 3roviden-
cias a respailo, e lembrando-lhe tambem que nesse
mesmo lugar em oulobro de 186A esses indios
haviam tomado urna igarit de orna familia que
etc.Son
Marques,
ama oa outra cousa admittir-se, mas dizer-se que jecto de lei, assignado por oilo Srs. depotado,
elle protector consocio etc., etc., do deportado, e mandando nominar a eidade da Victoria.A tin-
ao mesmo tempo sea sacrifleador e a nansa do Drimlr.
SESfSu .(la9aaai.'1.0Qve em referencia a Outro do Sr. Silva Ramos, autorlsando a resci-
airo, sao ideas inteiramente oppos- sao do contrato Mamede, na parte relativa estra-
da do norte.A* imprimir.
tas e repugnantes.entre si
Dos folhetos poneos ha para lhe mandar um ;.es-
to na alfandega como mercadoria sem despacho,
por que a pessoa.a quera segundo ma consta, vie-
ram dirigidos nao os quer dar a publicidade ou. des-
tribuir por tambem tocarem elies em um parele
que nao pones aggredido
Falla pela ordem o Sr. Gaspar Drummond, que
conclue mandando a' mesa um requerimento pe-
dindo informacoes sobre as providencias tomadas
acerca do soldado Joo Pauto da Conversacao.
Oram contra o requerimento os Srs. Gitirana e
Bruto, e a favor-o Sr. Lopes Machado,
O autor leve lembrangas admiraveis, oSender os discusso adiada Dla hora.
vincia, e por isso a praja. i vista do estado dos
mercados inglez e -americano para os seos gene-
ros, nao se acba em maior aoimacao, como esteve
nos fina do anno prximo passado.
I Do Amazonas tambem hontem pela manha
aqui aportou o vapor Belm, sem novidades de
considerado por aquella parre do imperio. Con-! Para c* v,nha, e mataram um horaem
1 tinuava na presidencia o Dr. Antonio Epamlnon- de Y: Exc etc.-Jes Manoel da Silva
das de Mello, sem que se saiba ao corto se S?Exc. "P'wo commandanie do presidio.
ir defflnitivamente para a edrte oa se continuar s-,0SB araguay. As datos deste ponto
na administraco, at passar a crise eleitoral que "moniam 19 de fevereiro do crreme anno.
devemos ler em todo o Imperio a sete de setera-1 s noticias sao. porem, moito mais agradaveis.
Dro prximo Era <)uaDt0 indios Chorabios, sedemos de san-
E" verdad que depois da ebegada do Cruzeiro ue, praticam barbaridades iguaes s que noticia-
mos cima, os Indios Chavantes, mnito mais fortes
gra '52SE. cor f Pnden'e 5".i>arte 5JS\0 Sul> correa por aqu. differentes versffes, quan
vencimentos visto ter-se desl.ngoido no ensino por, ,0 esIablida(le da s4itaa50 politicI ^ ^ ns
mai'1[nMSFlwramseas necessarias com- em que a esla horaOvmin78teriotera- aissolvi.
mn!, C n i .-.m-.- a -.1. ,.m r*5 a cmara e tomado nova attilude a direccao
m lf7?, n,^PZSleDn \TTC^SJ!^0S Pblicos; outros afflrmam porm
em vista da proposta do Dr. chefe de polica, no- aue aanaannaMi* da orande onnnsicao no se-
naaerarocaarPrGalherhDn ?TT^T^ i ^ K!^?V VonXWZPt
ESfjfwEE qQPse acha Tag0 de n1 e*^LL tL da Peqaeqa maioria ministerial que ha na cmara
mo de Flres.-Commumcou-e ao Dr. chefe de po-, 4os depatSclos, o abinete Oi(nd> alo e poder
i3'. ~ 1 1 usteniar, e por riso mais provaval e rasoavel a
Dita.-0 vice-presidente da provincia, resol ve qaed7do njinisterio do aue a dissolucao, porque
exonerar o bacharel Adelino Antonijge Luna Frei- eslfl miiofibtto e maites ioteresses agitara no
re do cargo de delegado do teemo de*FI6re, visto
ter sido nomeado juiz de direito da comarca do
Limoeiro. Communicou-se ao Dr. chefe de po-
lica.
paiz.
Seja o qoe fr.^0 qae
Contumacia de expediente de secretaria da go-
verno de dia 19 de abril de 1866.
N. 107.Offlcio do Dr. Joo da Silva Ramo?, I*
secretarlo da assembla legislativa provincial.De
ordem de S. Exc. o Sr. vice presidente da provin-
cia, transmiti a V. S. para torera o conveniente
destino, os inclusos autographos dos actos de lis.
654 a 663, prcmulgados pela a assembla legisla-
tiva provincial na sua prsenle ses-o.
certo que se espera
'.4 com afn a ebegada do vapor americano, que de
hontem pera boje j deveria ter tocado neste porto
em sea regresso para os Estados-Unidos; tm re- acabar, e
e enrgicos do qoe estes, aldeados em S. Jos do
Araguaya, em fins de 1863, sobre a direccao do
misionario capuabmho frei Segismundo de Tae-
gia, entregando-se ao trabalho, e tem formado, em
pouco tempo urna linda povoacio.
t Eis nma outra, carta dirigida a S. Exc. pelo
missionario, e qoe d em resumo essas noticias:
< IUm. e Exm. Sr. presidente Cont de Maga-
Iges.Comraunico a V. Exc. que a sua povoaco
de s. Jos est bem adlantada,; na egwja e desde
o anno passado 4 de outubto, celebramos a festa
de N; S. do Rosario; a- capella-mr e a sacrista
esto ja catadas por dentro na aula regia tambem
desde o anno passado esta acabada e fr jquemada
pelos alumnos^ casa parochial esta para se
nos; a c
assobrad
N. 108.Dito ao mesrao.-O Exm. Sr. vlce-pre- al desto capital como lhe aquciel na minha
*___._ ...UiiU mrvnil* laannm m nnat lirfl'J
sidente da provincia, manda transraittir por copia
a V. S. nao s o offlcio de 6 de setembro ultimo,
em qoe o vigario Joo Baptista Soares encarregado
da coostroeco da ponte qae une o territorio di
saltado elle nao pode tardar, f de hoje at ama
ha, a nio ter tido algum transtorno na viagem, sa-
beremos como as cousas correm l pela corte e
qual a sitaaco que nos agualda em relacio ao go-J
ver00 do Brasi .
Por aqui oestes dias o que tem feto os jornaes
discutir a reintegracao do Sr. Antonio P. de Maga-
-Ihes, ai posto de tenento-coronel commando do
respectivo batalho de eaeadoi-es da guarda n
tima.
No dia immedlato i chegada do Qruteiro do Sul
por orden da presidencia saudou o forte do Cas-
telio eom daas Salvas o nascimento do principe
ada; o Sr. alferes Ctiristiniano
quartel, que qoasi to grande como o
ai: em summa pode ser j nma capital
ene
fez
de
pelos bellos e grandes edificios que se levantara.
c O que multo los atrasou foram as molestias,
mas como foram geraes na provincia, nem por
isso nos esmoreceram. Do V. Exe. etc. Frei
Segismundo de Taggia, missionarla capuchino.
Accrescento que segando nos consto 1 viagem
do Exm. presidente Como de Magalhaes, deve rea-
lisar-se para as localidades supra indicadis al mea-
dos do mez de maio.
Amanha, que completa ara miz qae foi posto
no eetelelro da companhia do Amazonas o vapor
que ? Inglaterra veto para *oui se armar, pan o f
mortos que ja nada lera com. as miserias- d'este
mundo, e aggredir e insultar os vivos que nao co-
nbece era sabe como procedern* nos actos male-
volamento imputados, por cerlo o supra- summo '
da jactancia ou impudencia, p propriodo horaem do
jaez de um selebre Goncalves Barbos*,, que nem
com as bolas da Santa Cruzada, era com indulgen-
cias plenarias, capaz de roodiflear o odio o o ran-
cor gratuito qoe vota a todo quanto > cnsul ou
empregado consular no Brasil.
Os navios n'esie porto sao os seguiotes-;
Braslleir, Berilio Rhcimlhorf.
dem, Lindo Paquete.
dem, Progresso.
dem, Amelia.
Portuguez, Ligeiro.
dem, Flor do Vez..
Inglez, Alliole.
dem, Josetph Buehy.
Mem, Cambise.
dem, Enchantre.
dem, Rhonda.
dem, Titibit.
Francez, Occident.
dem, Tocantins.
dem, Cassard.
Hamburguez, Paulme.
N. B.O telegrapno Saz sigoal qae vem entrando
P vapor americano dos portos do sal.
DIARIO HE PRBAMBnco:
Pelo vapor americano recebemos o Nem-Korh.
Timis de 29 a 29 de marco ultimo, dos quaes ex-
trabimos as seguintes noticias:
O presidente Johnson Unba nsado de seo. di-
reito de t-fto recusando a sua saneco a urna lei
do coogresso sobre oa dlreitos civis dos cidadaos.
Devolvendo essa lei ao senado o presidente fez ama
looga analyse da mesma, apontando o. que havia
de inconstitucional em algumas das suas dlsposi-
c5es, as quaes, ao qae parece, sacrifteavam os de-
cretos dos differentes estados da Uniao, ao poder
federal.
Como ji noticiamos, ha pouco tempo o presi-
dente tinha opposto o sea veto a outra le sobre oa
libertes. Ha portanto nm antagonismo entre o che-
le de estado e o coogresso.
Nada mais encontramos a respeito do restele-
cimento da repblica no Mxico debaixo dos aus-
picios de Napoleo III, noticia que ha poneos das
transcrevemos com a devtda reserva do New-York
Herald, e qae eremos nao passou da bons detejos
da redacto deste jornal.
Um Individuo chamado Sterling Kiog e que
se acba detldo na prisao de LooesvilTe pelo crime
de furto de cavallos, fez ltimamente urna declara-
cao qoe desperton a coriosidade publica. King
afflanca qae foi elle qaem assassinou o presidente
Abraham Lincoln e qae tambem elle flzera os fe-
rimentos qae puzeram em risco vida deSeward.
Emqoanto a Bootb, a qaem todos altribuem a mor-
te de Lincoln King diz qne este apenas o liaba es-
perado a porta do theatro eom om cavailo sellado,
e qae ambos fuglram para o Canad. Stelling
King declara qae voltoa aos Estados-Unidos com
intengo de ajadar Jefferson Davis a recobrar a li-
berdade.
Supp5e-se qae taes deelaraedes sao falsas, e fo-
ram feias por King com o intento de llvrar-se da
justica civil a que responde para ser entregue a
um conselho de guerra, perante o qual fcilmente
se conheceria a faUldade de seus pretendidos cri-
mes. Finalmente talvet recelando o mi resulta-
do de seas planos, King tontou suicidar-se.
Nada mais de interesse encontramos ios re,:
fertdos jornats.
URDEM- DO DIA.
2* discnssio.do projecton. 74 deste anno, man-
dando abrir diversos crditos suppleraentares.
Approvado, e dispensado.do intersticio a pedido do
Sr. Buarque.
1' discusso.dos orejelos ns. 77 e 78 deste anno
sobre algumas medidas-relativas as loteras.Ap-
provados depois de orar o Sr. Ramos.
Ia discusso do pcojaeto n. 60 deste anno, man-
dando dar mais 20 por cento dos respectivos orde-
nados aos erapregados da secretaria da presidencia.
Approvado.
2a discusso do orearaento provincial.
Sendo o art. t a fixaco da despeza total, fica
reservada a sua volaco para o fitn, e passa-se ao
art. 2.
Assembla provincial :
1 Subsidio dos deputados.....
2a Ajuda de custo...........
3 Empregados.............
4 Expediente.................
5o Publcaseos.................
Ora o Sr. Silva Ramos, qoe manda ama emenda
ao 4, elevando a quota a 1:2000 eao ;3. com-
prehendendo mais 6100 para pagamento do orde-
nada do porteiro interino.
Encerrada a discusso o artigo approvado com
as emendas.
Art. 3* Secretaria da presidencia :
i conpregados................. 20:1600000
i 2 Expediente. ................ 3:0520000
I 3 Serventes.................... 1:4600000
24:6720000.
Approvado sem discusso.
1 Art. 4 Directora geral da instroeeo publica
Empregados..
Expediente.
Serventes..
38:
Approvado sera debate.
Art. 5* GymnasTo provincial :
i 1* Empregados e professores...
i 2 Casa............*......)..
I 3 Expediente................
S 4 Mensalidade dos alomaos po-
bres..........,...........
5 Musen.......^. ..^v-
4477030000
Urna emenda do Sr. Ayres Gama, mandando sup
primir as palavras qae aatorisam a suspenso do
provimento das cadeiras vagas durante o (atoro
exercicio.
Fallam os Srs. Buarque e Ayres.
Urna emenda do Sr. ioo Tixeira elevando as
gratificosles do bedel e do secretarlo.
Outra dos Srs. Arminio e Sergio, augmentando
o ordenado do mordomo, fallam os Srs. Joao Tei
xeira, Buarque e Arminio.
Urna emenda da eommisso contemplando quota
para os repetidores e preparador, ltimamente
creados, e para os quatro alumnos, pobres manda-
dos admitlir.
Eocerrada a discusso sao approvadas as emen-
das da eommisso, e a do Sr. Tixeira, na parte
relativa ao bedel, e regatadas todas as*outras.
Art. 6* Escola, do commercio :
1* Professores,,v ..........
* Porteiro..,................
3'&ned>;0,e......ti........
Approvado sem debate.
Art. 7 Bscola normal:
que, Soares Braodo, Jeroeymo, Emegdio, Giti-
rana, Burgos, Manoel de Carvalbo, Amorim, Epa-
mlnondas, Brito, Amyntas, .lanceo,Correa da Silva,
Sonto Lima, Jos Reg Barros,.Arminio, e Tibor-
tino.
Abre-se a sesso.
L-se e approvasea acta da sesso anterior.
O Sr. 1. secretario le o seguinte
EXPEDIENTE.
Dous offlcios do secretario do'governo, remetien-
do os autographos dos actos de ns. 654 a 665 pro-
mulgados pela assembla e saneeionados pela pre-
sidencia A-archivar-se.
Outro do raesmo, remetiendo por copia o offlcio
em que o vigario Joo Baptista. Soares, encarrega-
do da coustruccao da ponte que une o territorio da
villa de Barreiros a ilha do Jardim e informacQoes
a respeito. A.eommisso de fazenda e orcamento.
Ootro do mesmo, transmittindo o requerimento
com qoe Joaquim Galeno Uoelho, pede pagamento
da graliflcaQode 4000000 rs. annuaes, e copia das
informaecces ministradas pela.reparticao das obras
publicas. A.eommisso de ordenados.
Uma petizo dos guarns di cmara municipal
desta eidade, pedindo augmentes dos seus yenei-
mentos. A eommisso de oreamento municipal.
Foram idos os seguintes-pareeeres.
Da eommisso de instrueco publica, deferindo
a pretendo do professor publico da escola prima-
ria do gymnasio provincial. A imprimir.
Outro da mesma. fraalisando por ora projecto em
qae eleva a 1:0000000- rs, o ordenado dos profes-
sores e professaras desta eidade. A imprimir.
Outro da eommisso de obras publicas, deferin-
do a peticao de diversos moradores e seobores de
engento da villa do Cabo. Approvado.
fieando a Outro da mesma eommisso^ pedindo novas in-
formales acerca da petiQodo tenenle-coronel Ma-
noel Joaquim do Reg e Akbuquerque, tutor da
orbpa filba do fluado Manoal Goveia de Souza.
Approvado.
Outro da eommisso de ordenados, pedindo in-
formaces a cerca, da peticao de Domingos Sorano
Alves da Silva, porteiro da thesouraria provincial.
Approvado.
Ouiro da mesma, finabsando-se por nm projecto
em que eleva o ordenado do substituto das aulas de
latim addido ao gimnasio provincial. A im-
primir.
Outro que tambem anda por om projecto elevan-
do o ordenado, do barbelro e sangrador dos nospi-
taes Pedro 11 e dos Lasaros. A imprimir.
Outro finalmente, da mesma, solicitando infor-
dnagdes a cerca da pretenco do bacharel Eseqniel
Francisco de Sa. Approvado. .
Foram apoiados e mandados imprimir os segnin-
tes projeetos:
Dividiado. os offlcios de tabellos de coiasdo
termo do Cabo, e o escrive do crime, civil orphos,
ausentes, eapellas e residuos do mesrao termo.
Outro, regulando a aposentadoria dos collecteres
35:1430000 provinciaes e seus escrkves.
Sendo, dispensado da impresio e maadndo-se
ouvir ao.Ex.rn. prelado sobre om ootro que marca
limites, das freguezias de Paoellas e Quipap.
Fallam pela ordem os Srs. Ribeiro^Joaqaim do -
Reg Barros.
Contina a discusso sobre o requerimento ao
Sr. atrummond em qae pede informaedes ao go-
verno, sobre as providencias por este tomadas er-,
ca dos factos relativos ao soldado de polica Joao
Paulo da Conversacao.
Ora novaraeole o Sr. Gaspar Drummond.
Fica a discusso addlada.
ORDEM DO DIA
2." discusso do projecto n. 66 de 1855, man-
dando restituir a Joo Hypouto de Meira Lima, a
quantia de 4:5000000 rs, pela inderausacao de
prejuizos que soffreu na construcQo de obras pu-<
bcas.
Ora a favor do projecto, o Sr. Correa de Brito.
Encer-ada a discusso. e o projecto pejeitodo.
nica discusso do projecto n. 76, approvando o
compromisso da irmandade da Madre-Deus. Ap-
provado.'sem discusso.
5430000 1-* discusso do projeclo n. 79 deste anno, aoto-
rsando a reslso do 'contrato Mamede na parta
2:5200000 relativa a estrada do norte e contrato addicional.
1:2000000 Approvado.
1.* discusso do projecto a 69 deste anno, auto-
risando urna snbvenco ao Instituto Aroheologico.
Approvado.
i* Do de o. 25 de 18G3 distribulndo os emolu-
mentos da thesouraria provincial.-* Rejeitado.
3.* Discusso do projecto n. 74 deste anno, a-
brindo diversos crditos sopptementares. Appro-
vado sem discusso.
Ultima discusso das emendas do projecto n. 31
de*te anno, autorisando a coustruccao de ama linha
teiegraphica. Approvadas. .
Contina a discusso do ornamento provincial.
A eommisso aprsente nm are substitutivo ao
art. 9 sobre as escolas primarlas, designando
as cadeiras para as quaes se deve oo-s'0',0^;
Vara a mesa novas emendas marcando quota para
ontras cadeiras.
Fallam os Srs. Sonto Lima, Tixeira.
Eoerrada a disensso o art. substitutivo ap-
provado com as emendas.
Art. 10 bbliotheca provincial.
8 l bibliotbecario.............. 1:0800000
t. Obras novas............. 300)080
{ 3. Aluguel de easa e expe-
5:6500009 diente..................... 5610000
i:M10OO)
17:9400000
1:8430000
7:4600800
9000000
7:0000000
4:480000a
2490000
6990000
5:1*80000
5:1000000
5000000
500000


__. mu,.


.
uauaa
*Y
*a*
MHHHMBHI
.
I PJ
I
.
Mario ie rermaMbne* rer*a telra t4 ie Abril de 1866.
. Falla o Sr. Csspar Drammoud.
Vem a mesa orna emenda do.Sr. Amonm, ele
vando a que feg > 600*090. j
Ora o Sr. Soars Branda.
Encerrad aiscassip .o art..*pproyadp cprna
meada,
art l i Subvencao ao Instituto Archeologi-
co................. ........ 50*000
O Sr. Ayres requer o arfJiaaieato 4o arl.
Falla contra o addiameoto o Sr. Boarque.
Encerrada a discnsso o art. approvado re*
jeiudo o adiamento.
Art 12 Sabvencao a' coutpanbia pernambu-
cana........................ 60:000*00
Orara os Srs. Joaquim Rogo Sarros, Buarque 0
Gaspar Drnmmnnd.
Verificndose nao hver casa o Sr. presidente
levanta a sesso, dando para ordem do dia o se-
guate :
i.* Dlscnssao dos projectos ns. 82 e 87 deste an-
no, 2.' do da o. 79 desta.anuo; 8.' dos de as. 59
deste anno, e 62 do anno passado.

REVISTA DIARIA
Qftaria feira, 25 do correte, renne-se o Ins-
tituto uus Advogados as 2 boras da tarde, na sala
do jury.
As audiencias do juir. de paz da freguezia de
S. Jos, sao as segundas e quintas-feiras, e nao
as quartas como por engao demos no Diario de
21 do correte.
Depois d'araaohaa se exlrahira* a 2' parte da
1* lotera (59*) a beneficio ca igreja de S. Goncalo
da Boa-Vista, sendo o maior premio 6:0OO.
De novo lembramos a qaem competir que i
deiie suas vistas para o mo estado era que se acba
o calcameoto da roa do Queiraado e de preferen-
ca a outra qualquer raaodem calija-la logo que
acabem o paleo do Collegio, isto pede un logisia
prejudicado.
i
Hoja celebra-se na igreja matriz de Santo An-1
tonio, pelas 8 1/2 horas da manha, urna cnissa
pelo repouso eterno da Sra. D. Pampbila Francisca
da Silveira Liu*, consorte do Sr. capito Antonio
Marques de Hollanda Cavalcanti
A este respeito escrevein-nos o segainte :
t Succumbindo ioexperadamente na idade de 37
annos incompletos, lia leve ao menos a fortuna
de receber na hora extrema todos os soccorros es-
pirituada, como receben os da medicina, que nao
consegaio salvar da orpnaodade 8 nlhos cuja edu-
cacao me'ecia todo desvelo da finada.
fin dos melhores modelos de mi, de esposa, de
nina e de parenta, ella deixon iocoosolavel nma
familia numerosa a estimada geralmeote. O es-
)*ria Vioonciada Gonoeq&vgastro Intente.
Anaa liarla dos Prazeres, taoprcolo pulraooar.l
Casa o betej*;ao.
Movimeoto dacasa'e detenis flo de 8(j6.,
Existlam 362, entraran 3, sahiram 4, existem
361.
A saber: .
Nadoeaes 248, mulneres 10, estraogeiros 32
ulberes 2, escravoa 67, ascravas 1, total 3M.
Alimeniados a cnsU dos cofres publico 190.
Movtmento da enfermara do da 23 de abril de
1866.
Ti vera m baixa: .
Pedro Jos de Lima, dlarrhea.
Antonio Joaqoim Alves Pereira, dr eapamodica.
Jos Virissimo da Silva, diarrbea.
Manoel Felj de Mello, febre.
Sucrioo Francisco da Costa, febre. -
Tiveram alta:
Joaquim Ramos Machado.
Frncisco Barbosa Camello.
Thiago Alves Ribeiro.
Jos (escravo)de Domingos de Sonza Le5o.
Fallecen.
Jos Mauricio Gomes.
Passageiro do vapor americano Jform'noSar,
viudo de New-York :
Augusto Meyer.
Passagelros do vapor americano Moming
Star, sahldo para o Rio de Janeiro e Babia.
Joaqnim Pedro Amara! e Brando e Samuel Le-
rey.
nosso posto, posto de honra, e, porgarlo, de drfH-
tnltosissimo desempenho para nos; mas uaaae te-
te trabalho, 'porque nem a todas ejaii rwprawaU' eMades a vencer, da dor|a sapponar, do prazer a. de Sania Rosa, tudo empreando para embaqgar
roes nos ser dado assistir; encuato, seatpre fcMov>ge,>t da>aoBtancia e cuidado em nao des- a atiaba entrada para o engenta^
jue Uso nos seja posslve, esurMs-firaaet en fiar *otaM viatas de Deus.
direito smente, pa- ,todos os das com descompostura,.al.qaa dirigi- Pa1ac"0 dr0amaTZz^aE^fSade' tria
Ibera a oatroso tomaremnos a vanguarda, e4ew*- aa aojettar-se a todo o sorTrimento grande ou pe-'se a casa d'elfa compnbado de fon moradores e e bolac^hinha f
CAMRVMUNIl^L 1)0 RECIPE.
TERCERA SESSAO ORDINARIA AOS 19 DE
MARCO DE 1866.
Presidencia do Sr. Pereira Smoes.
Presentes os Srs. AqoJao Fonseca, Gustavo do
Reg Saqtos, Costa Monteiro e Dr. Seve, abre-se
a sesso, e da e appnrovada a acta da antece-
dente.
L-se o segrate
EXPEDIENTE.
l'ra officio do procarador declarando que exis-
tindo em sea poder dioheiro sufflciente para
occorrer as despezas ordinarias, pede a cmara
que se digne ordenar que seja recolbida ae cofre a
quantia de seis cantas de ris, que julga desoe-
cessaria estar a sna guarda. Inteirada por ter
o Sr. presidente declarado acbar-se ja recolbida a
citada quantia.
Ouiro do contador, informando como lbe fura
determinado, a petioao de Manoel Teixeira de An-
drade, na qual pede que se lbe reslitua o Importe
do imposto que pagou por Francisco Correa Car-
doso, declara que nao tendo o peticionario feto a
do-se a" altura do assampto.
Os ornes Qfttveis de Tb. Barriere e H. Murger-
chaaanm-nos^tMSMtt Uabel por molo do drama
em cinco actos A vid da Bi*tm\a.
Esta eoraposicSo em grawta.p!rte, digaa da
acceitecao iraaweai que tem receido nos prtoci-
paea taeMros oade ha sido repreitentada. Aqu di-
tem-nos que daajaradoa a aignoias aeasoas nimia-
mente eeerppuJaaas e ebalas do temor pela caos*
da raoratade publica ; ao geni, porm, agradoo,
e Unto isto verdade, que as duas representa-
{6es que desta pesa se tm dado arada nfcflcou
nm s bilhete por vender. Sinceramente fallando
nao vemos all fiada por qae se possa condemnar
0 drama como nocivo ao decoro e honeslidade.
Nao elle da rgida moral do padre Tbeodoro
d'Almelda, tm mesmo algumas sUnacoes em que
a penna correa nm ponco mais llvre obre o papel,
em que o pincel do artista resvalou mais descai-
goso sobre a tela; mas nem por isso o quadro fi
cou menos completo. A vida da Bohemia urna
scena de costnmes, o intimo viver de orna certa
elasse social, nm retrato moral, e, como todos us
retratos, precisava das liabas, dos mais minuciosos
traeos para se tornar vivo e palpitante. O que se
nos dira do escultor que veanse com o recatado
veo da pudicicia as formas sub, mes da Venas an-
tiga?
Os auctores nao foram ao Olyrapo buscar os pro-
togonistas da saa peca; sio tudo creaturas fra-
1 quissimas, formadas daquelte narro de Adi, e qae
nao popem desmentir a saa origem.
Drama Imooral I
A autopsia tambero inspira urna especie de re-
pugnancia, e isto porque aos o'.hos do observador
se apresentam descarnadas as partes sas e vicio-
do organismo; pols bem : a coraposico dos
10 ffioe^lw-CaasuJjqv-^divtraos genero.
leve noticiainlimoa a mutr* -MieJeAr g- -diversos genero.
Otomem vive assim n'uraa lata constante: para albo, e a isto-ella nao acceflenJ, a imltrauva
rtrtfir- ao que de sea
Brigna iaglsiCflti Bruoe-mepcadorias.
ia InglezaJlumn/-iliversos .ganerof.
queno, reslstindo a toda a tentacio do que lbe ve- escravos, e destrolo a casa e tudo despedazo, sen-
dado, doqae aao r^u, carece de tusa forca joe
o susteate aeospre e todo o roawiato, e esta, aao
pode ser sanio Deus.
Mas Deus est looge quando nao sustentamos a
do obrigada a pobre velha a sabir com sea neti-
nbo para nio morrer debaixo das minas.
Foi isto no dia 9 do crranle aa 4 horas da lar-
de ; a pobre vluva honesta e de idada vaneada
aua preaeaca ou nao temos o cuidado de velo per- s Joi dest'arte para Intimidar aos ootros morado-
to, saa josNca remota; os soffrimeWos e a* seda-i res que o Sr. Sa e Albuqnerque acompanboa-se
5es da vida esto perto, tao perto mato Beoe e assim de unta forca, e nao se coatentou com isto,
sua justira esto longe dos sentidos. Par isto que oamo muito a maltrato* cosa descomposturas.
o mais poce, ao mais santo se escaamDeus can
momento.
Por Isto qae tanto mais cuidado e constancia
devemos ter em faz-lo empre prosele 4 oeaa
conscieocla. /
Por isto nio ba fortaleza oora que o homem de-
va contar, se nao s em Deas qae elle depSe to-
da a saa coofianca ; por que, se tem resistido a
provanfas como cem, nio sabe se resistir a da-
temos oa mil, nem mesmo inda outra vez a cem,
e anda menos. Por isto o principio de toda a dr-
ade a desconfianca e o temor que o bomem de-
ve ter de si praprio per mais experimentado que
se teoha visto; a prudencia qae ocoaselbe fagir
de toda a occasiio de tentaco e de lata; embora
toda a f ao conforto celeste, todo o cuidado era ter
E isto ainda nio_ todo porque sendo o dia
to invernoso, nao conseniio qae algura visinho '
da pobre mulher a agazalhasse, ameacando fazer .nlfestouo segninte:
Barca ingUia- Edak ilano-**xiio.
Brlgue inglez*=;o** & ElitaMk idem.
Galera nacional-Jtade/10-.ibena.
Barca acionalAmzadecharqn.
Brigae porlogaezBefwano-idem.
Brigoe portoguezS. Jos -idem.
Sumaca hepanhola-4;ua(laupe-.f Sumaca nacional Hortenaa, imada da Babia,
consignada a A. L. deoliveira Azetedo & C, roa-
Deus sempre presente: nanea taita esse conforlo J res,iaver em nossas leis, contra os eapriebos de
quem o procura ; mas apezar de todo o cuidado umjal despota potentado t
em nio perder a Daos de nossas vistas, as tribua-
(des da vida por um lado, as sedacedes qae ella
nosofferece por ouiro, poiem era um e a cada mo-
mento perturbar-nos toda a alma e fazer-nos per-
der de Deus nossas vistas. Nio ha santo qae nao
esteja a Isto sujeito, em qaaalo tem os ps sobre a
trra : ama verdade sabida.
Se para as cousas grandes, as aeces de maior
alcance, os actos de costosa pralica carecemos do
conforto celeste pela presenga de Deas ; nio ella
mesmo por isto menos dispensada em todos os pe-
Barrir e Marger ser, se as-im nos podemos lquenos e communs actos da vida ; por que se nio
les que Ihe eram conjunclos nao duna so origem !S6 de ,aost de *\ *2i?SHivS
no vinculo do paraatoseo : nascia principalmente cimento que se abrir; com razio eotendea a con-
desse carinho sincero e dessa providente discrip- '^oria que eslava elle no caso fcMgMIW
cao que realcara os dotes de ama mulber ebrista, *** over o seu antecessor tmW* n
a lornam digna do nome respeitavel de mal de, 8 d mesmo regulamento, aio ft4M
facililla pe"61003"0 comprou o estabelecimento, oa o abri
Aos que d peno apreciaram as excelentes qaa- de i pnmeiro caso foi bem recebido o im-
lidades da fallecida, resta dirigir urna oraSdo er- \ vm. e no segando esta sngeito a multa, que
vorosa por saa alma, como tributo piedoso, e Um- PP06 Clla(l0 art- 2 Por nao ler eUo a miTi'
bem urna especie de consolacao para os qae ficam I a0; ,. _. .. M _
ueste vale de lagrimas lamentando opassamentoi Posto em d.scussao e 'end falUdonf^re f
de pessoa lio chara por untos ttulos. eria os Srs- Presidente, Gustavo do Reg, Santos,
ue pe>soa wu ui< pur wuu iuiv. ^ Aquino Fonseca, resolvea se qae o procarador
Pedem-nos a pablicacio do seguinte : restituase a quantia que pagou o peticionario, visto
< Com o titule de-No vos exempios para o Mez ter provado que pao sabstitalo no eslabeleci-
de Mana acaba de ser publica io nesla cidade
i m bello livnnho, composto de urna colleccao de
tactos milagrosos, operados pela intercessao da Mai
de Deas. Escolbidos com maito gosto e colleccio-
nados com ordem, por um sacerdote desta diocese,
esses factos sao narrados em estylo piedoso e edifi-
cante, o que torna a saa ieitura maito propria e
adequada para o mez de maio; sendo que por isso
recommendaraos aquelle livrinho a todas as pes-
soas que teem o loovavel e santo costme de fazer
o Mez Mariano em suas casas. Aqaelles, pois, qae
quizerem possuir nm desses lateressantes livrinhos,
ment.
Outro do fiscal da freguezia de S. Frei Pedro
Gooeaives, informando o reqaerimenlo ooqaai Ma-
noel da Silva Tavares, declara ter mandado rebo-
car e tapar nma fenda em sea sobrado n. 130 da
ra da Seaaalla-Veiba, acontece qae nio tendo pe-
dido iicenca, fra moJUdo, e agora requer para
continuar com essa obra, tem a dizer que o peti-
cionario reqaerea em 12 de fevereiro ultimo, licen-
ca para concertar a (reate do dito predio, de-
molindo-o por ser singello desde o travejameuto
- at o lelhado. e continuar depois pirede dobrada
os encontraran venda na ivrar.a Econmica, do ass04jtw g!? esU licenga nao lbe fra
ff^JfltJ^JSSiJL V* imm' i concedida em consequeneia de infornacao de enge-
nbelro cordeador, mas nao obstante mandou elle
lo prego de 500 ris cada exemplar.
0 agente Cordeiro Simoes, faz leilao hoja do
armazem de molhados intitulado pbarol, a ra do
Rangel n. 73, em pequeos lotes, o qual tem grao-
de sortimento de gneros de primeira quaiidade,
comprados a bem pouco lempo : as 10 horas em
ponto.
Na prxima quinta-teira reane-se o conser-
vatorio dramtico Veroaionucano em conferencia
(,'eral para proceder a eleico dos diversos func-
ciouarios e oceupar-se de outras materias de ins-
tancia.
A reuniao no saiao do theatro de Sanu lubel.
pelas i boras 4a tarde, e ahi deverio
tolos os socios efectivos:
Conlina achover de um terceiro andar, na
ra do Cabog, aguas ptridas combinada com
outras materias de natuieza mal ebeirosas; e os
vizinhos e aquellesque passam em laes occasioes
a soffrerem o iocommodo I
E' preciso, que qaem isto aatorisa, saiba que a
ra nao lugar de despejo, e que um semelbante
A propaganda protetaate. (i)
Se o bomem nao v a presenca de Deus a to-
das as suas acedes, nio pode baver rectido nos
seus acios ; porque poueo valem as leis sociaes,
qae sempre ba mais ou menos meios de illadir,
para aquellos que meuospresaai a sanecao da eter-
na justica. Bem sei qoe algucis e bem poucos ha
que desta descreoste nao obstante vivera entre
os ootros ama vida quast irrepreneasivel e at ca-
ridosa : sao dessas ndoles raras qoe, bavendo re-
cebido moraiisada edacacao e se assimilado sera
sentir-se os preceitos evanglicos, assim pralicam
Outro do fiscal da freguezia de Santo Antonio, por habito. Nio tratemos do que nesie sentido se
informando nio baver conveniente era perait-' encontra entre povos qoe descoonecem. Jesos
tir-se licenca a Joao Teixeira de Souza, proprieta-! Christo, qoe seria maito descorrer para o nosso
ro t1 casa n. \ da roa da Palma, para construir | assumpto. que a respeito cks o*rist5rjs,atholicos.
comparecer om ^ a encontrar cora o do aqueducto, de pro-' ou nio, do que nos occopamos.
priedade municipal, afim de se escoar as aguas do! Esses justos entre povo christio qae nao crem
quintal da mesraa casa.Concedeu-se. | em Deus e meaos em seu Christo, nio sao todava
principiar a obra, e por esta falla (Ora multado, do
que leve seleacia, e com qaanto elle fiscal o avi-
sasse de que nao poda continuar, sem qae ttvesse
a licenca, nio cumprio, e pz em execucio a obra,
pelo que de novo o consideran incurso na reinci-
dencia.
Posto em discassio, resolvea-se despachar a pe-
ticao, que, depois de satisfeita a importancia da
multa pela reincidencia, seria deferido.
de Santo Antonio,
exprimir, urna autopsia moral, om que os auctores
cortam e os espectadores examinara.
Drama Immoral t
Mas os LaceHemonios, para lerrloar o vicio da
embriaguez, davam ao public o espectculo da
um ebrio.
Drama immoral 1
Porm o espectculo do vicio mata o proprio
vicio I
* pois, forcoso confessar; A vida da Bohemia
nao fere daquella requintada immoral'idade qae ar-
guenas pessoas bem iotenciooadas lbe qqizeram
descobrlr. All nao ba nenhuma apotbeoss aos
mos costumes. Ha ama mulber qoe se deixa
cahir com o amor e se levanta com a morte, e ou-
tra (seraelhanga de mallas) para quera o faci da
propria vid deve ser ja um triimendo castigo, co*
berto com a mascara da alegra.
O desempenho corren boro.
A Sra. Adelaide sempre a mesma actriz inspi-
rada pelo sentimento e pela arte. Foi na Mimi o
que tem sido em Margarida Gaathlers.
Desconbecida para nos, revelou-se-nos a Sra.
Clelia, logo a' primeira vez, urna alriz de mereci-
mento. Foi bastante o papel de Violelia, daquella
risonha B hernia, para dar-nos ama idea do sea la-
lento.
Aos Srs. Paiva e Graca dirigimos as nossas feli-
citagoes. Ambos corresponden ao bora nome de
artistas que possnem.
Os Srs. Lisboa, Pedro Joaquina e Raymundo ja
sao bastante conhecidos do publico. E -nos, pois,
dispensado o seu elogio.
O Tchanq-tching-bung urna comedia engranada
recheiada de calembour e ditos ioteressantes.
Agradou muto.
'Au revoir.
G.
30 caixas a^o, 1 -dtta Hvn rmpressus, Tf ~votn-
mes fogo da cbina, 50 caixas, 100 latas de kerose-
ne, 5 caixas moiloes e cardenaes, 121 saceos alfa-
tema, 7 barris vinbo verde e 8 pipas lomo moido ;
a ordem de diversos.
Gneros nacionaes.
16 pipas fumo moido ; a Meo roa f C
,5 Jardos, 30 arrobas e 26 libras e fimo-,
104.980 cbarmos em caixinhas; a Costa & Irmio.
1 volme com 10,600 charutos; a Joquim Jos
Goncalves Beltrio.
3o fardos fazenda de algodio, 68 calxoes___..
1,031:450 charutos em eaixinhas e 1,073 ditos,
89,850 ditos; a ordem de diversos.
Brigue bespanbol Toro, entrado de Barcelona,
Consignado a N. o. Bieber & C., manilestoa o se-
I gointe :
i,075 barricas, 50 meias dita, 100 saceos fari-
j nha de trige, 30 barris vinho ; aos mesmo.
Hiato nacional Dois rmeos, entrado do Ass,
, consignado a Tasso Irmaos, manifeston o secainte:
236 alqueires de sal e 200 molhos de palha, 170
I meios de sola ; aos mesntos.
Recebi do Sr. Antonio Lope Pereira de Mello, a KECEBEDOR1A DE. RENDAS INTERNAS GE-
offrer a mesma pesa a quem a anrrgasse, e assim
ficou a mulber debaixo de copiosa coa va em de-
sespero sem saber o qae fizesse.
Tudo isto protesta e declara o Sr. Si e Albuquer-
que que foi para qae nenham morador de dito
engenho se atreva a aar-me assistencia em sna
casa.
De modo qae o Sr. Si governa pela forca de
brbaro despotismo o interior das casas dos mora-
dores do engenbo Santa Rosa.
D'onde velo este poder do Sr. S ?
Haver re oa dictador mais despota no mando?
Que recurso ou garanta proficua, Srs. Redacio-
A menos o publico aprecie.
Recite, 23 de abril de 1866.
Afigiui P. Pires Falcao.
Publicares a pedido
nos habituamos a ser justos as pequeas acedes,
menos o aeremos as grandes; e ainda mais por
qoe, se nao tivermos Dos sempre a tudo presente,
nio sabeodo nem podando prever as occasioes dif-
ficis era que mais de sea conforlo carepunos, po-
de facilmeute saa. presenga fallar-nos quaado laes
occasioes se offerecam.
O nosso caminbo na vida comoo gome de ama
navalba, sa tivessemos sob cada ama das plantas
urna lamina estreitissima de ac para sulca-lo,
como ama corda teza. Qaanto seria-fcil escapar-
se n'um passo ou gume dessa lamina e oortar-nos
esse ; quanto seria fcil tombar dessa corda se
nao houver cuidado em marcar e regular nossos
passos, em sustentar o equilibrio ? No caminbo da I
vida s a presenta de Deas qae sostena esse
equilibrio e a regalaridade desses pasaos. No mo-
mento em qae desviamos nossa vista dessa estrella,
qualquer cousa do maito qae est em voRa de nos
nos transtorna o coraco oa o espirito e necesaria-
mente nos cortamos oa cantmos, mais oa menos
forte ou brandamente.
Nio obstante porm todo o cuidado em ter a
Deus snmpre presente, toda a constancia na orti-
ca da viriude, o bomem ainda oeste caso se desvia
e mais oa menas cabe, ao meaos as cousas pe-
qunnas, ao meaos as mais pequeas ; porque, nao
obstante esse cuidado, a presenta das coasas da vi-
da algumas veses distrabe-nos da presenca de
Dens. Mas cessa o motivo do desvio e o homem lo-
go entra em sea caminho. Se elle porm volta a
sea eamiaho com a alma tranquilla como se nun-
ca livesse deJie sahido, sa sao se compunge de seu
desvio, de saa distracao.se nio tem a ddr do ar-
repenimenlo, o remorso dasse descuido, desse erro
como sua consequeneia, laes distraccOes e descui-
dos se tornara mais 'requemes, dos pequeos erros
se passa eolio a maiores peceades. a at aos cri-
raes, ues sejam as circumsuocias oecorrentes, se
o hornera nunca se lembra em tai, progressiya car-
reira de se corrigir anie o tribunal da penitencia.
E sera esta nao pode o bomem voltar com segu-
ranca a seu caminho, presenca de Deus.
ET nm juiz qae nio carece de prova e a quem
se nao pode mentir. Nao carece de momento in-
flingir-nos outra pena por nosso grande ou peque-
o erro e desvio, seoio deixar-nos entregue a nos-
sa propria levlaodade e descuido. Se depois de io
fringirmos o mais levemente sea preceto e assim
ofiendermos a Deus, o procuramos tranquillos, me-
os poderemos contar com o sea conforto para o
futuro ; porque tambera mais facii nos sera perder
de nossa vista a saa presenca. Cada vez que o bo-
mem se desvia de sea caminho e portaoto das vis-
las de Deas, nio pode procura-Ios nem contar com
o conforto de Dos sem lavar sua alma, sem puri-
fica-la da mancha por mais pequea que seja, que
lbe lenba imprimido tal erro. B o arrependimen-
to e a ddr a agua que lava tal mancha, o fogo qoe
parifica a alma.
E' raro, rarissimo praticar-se sempre assim,
ao menos as coasas pequeas ; por isto tambem
quantia de 3060, importancia, segundo o dizer
do mesmo seobor, das custas coudas no processo
intentado pelo cnsul porluguez contra o refetido
senbor, e o[o qual decabio aquella por senlenca do
juzo municipal da primeira vara, e de direito da
segunda, cusas a qae o mencionado consol foi
coodemnado a pagar e qae o Sr. Mello offerece
como esmola a este hospital.
Thesouraria do hospital portuguez de beneficen-
cia em Peroambuco, aos 21 de abril de 1866.
Cbrlstovao Ferreira Campos,
Esmoler.
!! I
RAES DE PERNAMBUCO
Rendlmento do dia 2
Idem do dia 23.....
a 21.
17:778*337
1:267*244
19.-045*581
CONSULADO PROVINCIAL
Rendimento do da 2 a 21...... 83:382*787
dem do dia 23 ............ 8:01*37S
91:455*159
UM PEDIDO.
Pede-se ao Iiira. Sr. Dr. juiz de orpnaos de Olinda
que por sna bondade digne-se de proceder o in
ventano da fallecida D. Joanna da Silva Medeiros,
afim de por este meio obstar qualquer prejuizo
que possa recahir sobre alguos dos herdeiros.
Recife, 21 de abril de 1866.
0 macacao,
CURA
Espanto/a e Vdmiravel
DE TJMA CHAGA
fANCROSA E ROEDORA
ou
POLYPO NO NARIZ.
MOVIMENTO DO PORTO
Navios entrados o da 22.
Barcelona44 das, brigue bespanbol Vigilante,
de 132 toneladas, capito Jaime Meranbell, equi-
pagera 12, em lastro; a Amonm Irmo.
New-York e porios imermedios-22 das, vapor
americano Uorning Star, de 2400 toneladas,
commandante Horres, eqaipagem 73, carga dif-
ferentes gneros; a Herxy Porster & C.
aos sahiitos no mesmo da.
Aracatyhiate brasileiro Exhalagao, capillo Tra-
jano Antones da Cotia, carga dlflerentes gene-
ros,
Rio de Janeiro e Bahavapor americano Mornmg
Star, commandante Horres.
Observacao.
Fundeoa no lamario o vapor inglez Obndar
mas nao leve comrauuicacao com a trra.
EOITAES
Outro do fiscal da freguezia da Boa-Vista, infor- capazes de grandes sacrificios ; por mais orca que no raro contrario coramum ver-se os
mn oji,;,!,. ....i i?.,hn .i' Hhnnnuriiiij fJfi. .tp.ntia np.llp. A haniti da nratir.a da mora Ihe. fal- ,_______ _\ _._,. __________ u. k.
mando a peticiona qual Fabio d'Alboqnerque Ga
ma, requer licenca para abrir um estabelecmento
depadaria na encruzilbada de Bel era ; declara que
indo examinar o lugar eoconlrou nio s o foroo
construido, como todos os mais accessorios cencer-
proceder nao tem justificacao, tanto mais quanto' nenies ao estabelecmento, pelo que, em obediencia
as posturas, mandou lavrar termo de acbada contra
que a licenga pode ser concedida por nio ser
lugar em questao vedado por postara algoma.-
Posto em discussao, o Sr. Gustavo do Reg pede
a palavra, e faz ver que a multa de que trata o
fiscal nao pode proceder, por qaanto, alm do la-
gar, onde vai o supplicaote eslabelecer a padaria,
no estar prohibido pelas posturas, acresce que no
havia e.le aberto o estabelecmento.
Pensando como o Sr. Gustavo alguns dos senho-
res vereadores, resolveu-se cooceder a licenga,
se reincide nesse terceiro andar n'essa pratica,
contra a qual j havemos fallado.
O Sr. riscal queira tomar isio em con-iJeracao,
a ver si poupa aos moradores prximo o incommo-
dc, qae se Ibes d quasi todas as noites.
Repartiqo da polica :
Extracto das partes dos dias 22 e 23 de abril de
1866.
Forano recolhidos a casa de detengo no dia 21
do crreme.
A' ordem do Dr. delegado da capital, Agostioho
de Mello, por offensas physicas leves.
A' ordem do subdelegado do Recife, Antonio F-
lix da Cunha Teixeira, para correegao.
A' ordem do de Santo Amonio, Daraiao, escravo
de Joo Baptista da Rocha Lins, a requerimenlo
deste.
- 22 -
A' ordem do subdelegado de S. Jos, Antonio,
escravo de Amonm & Irmio, por disturbios e sus-
peito de andar fgido.
A' ordem do da Boa-Vista, Leandro Pereira de
Lima, por disturbios. termos de infraccio as posturas contra Thoraaz
A'c rdem do da Magdalena, Isidro Jos Simoes, Fernandos _da Cunha, Dr. Jos Vicente Daarte
tenba nelle o habito da pratica da moral, Ibes fal
ta o apolo da crenca no Todo Poderoso a dar for-
taleza sua alma as aeg5s difflceis ou costosas,
quando por ellas tem de mais ou menos soffrer.
Se alguns desses taes algum sacrificio pequeo
fazem para cumprlr o dever que a sociedade Ibes
inpe, e em respeito saneco do publico concei-
o referido Gama, cumprindo-Ihe wdavia ponderar, l', quasi impossivel ser dellus esperar aquellos
_____ ar._________ f J .______________!i_ __ ... .- .-.inrifioiA:- nna mnriA" imU.^An unA oi\i>V\ rtlt COA
sacrificios, por menos vulgares qae sejam, que sao
albos paramente da caridode, aqaelles qae se se
admiram oa estlmam, mas qoe de Bioguem se po-
de exigir.
Em um povo que no geral mais ou menos v a
presenca de Deas s suas aeges, ba rectido no
ge ral, e respeito moral assim privads como
publica que desta nasce ou sa forma ; e por tanto
ba no geral respeito a le social, exaego em seu
cumprimento e da parte dos que tem cargo de ve
absolvendo o referido Gama da multa, e daodo-se )ar por e(|a e faze.|a cumprir. Em tal povo os
' scieocia ao respectivo fiscal.
mais pervertidos, os que menos ou nunca vem a
"tWTf Prew?8a,fe,uB, seus actos, ^^P^ceiVse i^prteow dar om""passo sem"a pre-
para correegao.
O chefe da 2' secgio,
J. G. de Mezquita.
y. 9 C/J 3"
-i s
~ a>
B u 3
l 3
. .
"
. .

i1!

I 6 I
13 I
i : I
l : I
>
5
>
o
a
>
1 i* 1 > 1 I 1 Masculino. 2 > O > o > s m E3 O
i l 1 l 21 mJ *-l -a i 1 Feminino. 1 03 e
i 1 -1 - l Masculillo. N B i 5
i .1.1. Feminino. |
l 1 1 n 1 1 7 1 1 1 Masculino, ex 1 < o a.
1 1 * Feminino. M O a *
.* - a fes Masculino. 1 "2 >
1 J i 1 * * ^ Feminino.
1 1 1 L i -j Masculint} i [> So
01 m \ m m 5? Feminino. '
in 1 J O 1 fc TOTAL.
2.
veniente em permittir-se que Francisco Jos no-1 ran) d nadir a lei social, hi' por isto que quano
drigues construa um torno para estabelecer orna i am ^vq teraente a justica de Deus, a lei nelle
padaria no quintal da casa n. 3 da ra da Santa geralmente se cumpre, embora maitos sejam seos
az, viste que tem elle suficiente espaco, e tem as i membros pervertidos, como rnuitos pelo menos o
icessarias proporgoes para este flm.Concedeu-se sao ein t0l|as as socedades civis; porque o pri-
votando contra o Sr. Costa Monteiro. : meiro dever do que teme a Deus, cumprir e fazer
Outro do-mesrao, comrauoicando ter feilojavrar comprir no qUe est a seu cargo a iei qae rege a
sociedade em que vive.
Quando porm no geral a crenca fallece, ou
tao libia que cada um em seas actos nem se lem-
bra que ha Deus, e menos de sua justiga, em tal
povo se some a moral, nio ha mais jastiga, e a
lei civil desfallece ; porque nao ha mais quem a
guarde, e sao os que mais a nallificam aquelles
mesmos que tem cargo de fazs-las cumprir.
E nao basta s crer em Deus, e preciso telo
sempre presente, porque sem una presenca peren-
ne, a simples creaca nao tem valor. Saa. justica,
a sanecao deila sempre indirecta e remota, cons-
tantemente nos escapa seno procararmos cons-
tantemente v-la e fra desta vida. Por maior
une seja a creoga em Deas e na saa jaslica, ella
esquecida compiemameote ou supplaolada dianie
dos diversos motivos que constantemente excitam
os nossos desejos, se nao temos por habito e prin-
cipio ter sempre presente essa erenga em Deus
e era sua juatiga.
Mu tas vetes mesmo aquelles que tem e'sse ha-
bito e segaem esse principio, se esquecem de Deus
oa por descuido, ou oor menospresaiem a impor-
tancia da cgao qae vio praticar, oa arrabiados
Brando e Tiburcio Valeriano Baptista, o primeiro
: por estar construindo urna agua-furiada na mesma
casa da ra aas Ninpnas com 12 palmos de altura
. do assoalho ao frechal e 4 de altura as janellas
' o segundo por estar tambem fatendo agua-furtada
| no seu predio da ra da Aurora com 10 palmos
de altura do assoalho ao frechal e as janellas com
4.'4 palmos, e o terceiro finalmente, por estar cons-
truindo tambem agoa-furtada em sua casa da Iba
| dos Ratos com 16 palmos de altara do assoalho ao
frechal e as janellas com 6 palmos.
I Posto em discassio, o Sr. Gustavo do Reg, pede
a palavra, e declara qae a sota feita por Tiburcio
i parece mais am andar do qae solea, por qaanto
acba-se construida de urna maneira desproporcio-
na! ao qae determinara as posturas, quando per-
I raittera a construeco das soleas, e no deixado
estes fatos passar, sem qae sobre elle se torne
urna providencia, reqner que se manda immediata-
mente embargar a obra, fazondo o seu propietario
rebalxar a' sota, on fater nm andar de conforrai-
dade com as posturas. Assim se resolvea.
Sr. presidente, propz, e foi approvado, que a por motivos que excitara seus desejos, pela espe-
cmara mandasse passar urna procurago bastante,
daido poderes ao seu procarador a substabelecer
os meamos poderes no solicitador para por eHe
fallar aas audiencias.
O Sr. Santos, membro aa commissao encarrega-
da das obras do matadoaro, pede a palavra.e expoe
I a cmara qae tendo Ido- aquelle estabeleciraento,
observoa qae a cheia*qe ultimamento bouve, aju-
dada palas grandes mares fizera ama escavagio em
um dos lados da casa da administtacao, e bem
assim na bocea do ceno de esgoto.e que para evitar
maiores estragos, miodara chamar o arrematante
ADVERTENCIA.
NatotalidOdodotdoantosexistem 163, sendo 87
bomens e 76 mnlheres.
Foram visitadas aa enfermaras estes dias :
Asi 7 14a, J, 3|4,6 314, i|2,6 1)2, 6 1|2, pelo
Dr. Ramos.
SaSeoto5' 9i'*' *A9 1|2' 9 1,i' 9 1|4,,el Dr"
Fallecern):
Mara Jos da Gonceiiq, lubtreato palmooar.
Cariosa Silva, hepate chronico.
Joaqainj Marcelino, hepatite chronico.
Esmere Francisco Gomes, pneumona dupla.
Joo Capltaloo de Araojo, tobercolo pulmonar.
Delfioa Maris, apoplexia.
, ranga de seas gosos, os comraodos da vida, oa para
evitar iacommodos e soiTri raen tos,proseles.
Est mui perto, ao alcance, de nossa mi, era
contacto com todos os nossos sentidos, prximo a
todos os nossos sentimeutos, o resultado da oossos
actos aesta vida, mais oa menos directo. O ca-
minho do bem, a verdade urna, todo o descarrea-
mento de seu trilho o erra Esse truno estrel-
lo e mailas vezes espinhoso, cortado por milbares
de desvos mais ou.menos seductores, que nos ex-
citara a segai-los, se dio temo os oibos da coos-
ciencia Otos na sua bucpla celestial, oa saa ostrei-
dos concertos o- ewabeleciment, e Ihe deu ordem |a pollar, Deus, com a arme nisolagio de nio per-
para mandar reparar quanto antes, o que commu- dermos um insunte o romo qae elle nos apoma,
oleara para sciencia da cmara. o bem est no flm desse cainlnho, na meta, ud
Despaooaram se as peteSes de Aoaa Francisca proprio Deas. Se encootramos em caminho algu-
de Souza, Francisco Berges das Chagas, Ptaocisco mas flores, gosamos sam difflculdades de seas aro-
anoel de Souza Tavares, Gensalo Jos Affooso, mas; mas quando elle ingrato, logo que se faz
Manoel Teixeira de Andrad, Victorino Jos Mon-
teiro (2), e levanton-se a sesso.
Eo Francisco Canato da Boaviageiii secretario a
subscrevi.Pereira SimSes pro-presidente, Reg,
Foosoca, Santos, Dr. Seve e Costa Monteiro.
J_-m-lJ'".lB!l "" 1 ___!_ _mmm*mmi
Communicados
I I l| I --
Theatro de Santa Isabel.
I Sabbado, 21 de abril.
A vida.da.Bohmia, Tchang-tching-bung 1 /1
Encelamos boje a pablicacio de uds artigui-
nhosespecie de chroicas com gao pretende-
mos acompaobar as representares dadas pela em-
preza Coimbra. Nio prometamos asslduidade nes-
pedregoso, puaudo coberto de espinos, preciso
coragem e fortaleza para segal lo, delxan'do os des-
vos qae nos offerecera allivlo o maltas vezes fcil
embora momentnea fellcidade.
Mas estes dasvios no sao nossos caminbas; obem
I que est nelles semeado per te acem a ootros que
' devera ja ter saleado espinhoso nrllbos. Mas dian-
te das difBculdades e dos trances qae se apresen-
tam em nosso caminho, desses espinaos qe en-
trera ou nos mesmos temos nelle lemeado, na pre-
sen?a desses flesvios qoe nos oiTerecem esse alrvto
e momentnea feherdade, com facllldade o animo
se abate, a coragem desfalece, at o entendlmento
se embota, e o hornera nio considera mais se o des-
vio lbe pertence ou se a ootrem; com facllldade,
periarbada a vista da consciencla, te escapa a sua
bagla, Deas esquecido, segundo o grao das dlffl-
"(1) Vid. o Diario d. 88! '.....""
bomens cada vez mais se prevaricaren). Mas ba
muitos que de lempos a tempes fazem urna recor- 1
da gao de seus erros, de seus peccados, de seus
crimes, e vio ao tribunal da penitencia chorar a
vida que levaram mais 00 meaos desregrada, para
assim poderem receber a Deas em sea seio, e as-
sim poder contar com a saa presenga e com o sea
conforto.
E' por isto a Instituigao da confissio, cuja neces-
sidade sublime desconbece o orgalho protstame;
porque no basta que o homem diga corasigo :
peqaei ; preciso que alguem em logar do supre-
mo jnizouga o como e o admoeste e o guie. Cada
um pdese conhecereconfessar-se rea ; mas nin-
guem pode ser juiz de si mesmo nem para se in
flinglr alguma pena, nem para se dar o perdi;
para jolgar saa alma bastante porgada de toda a
mancha e assim poder entrar no seu caminbo bas
tante confiado na presenca de Deus.
Se em todo o nosso caminho na vida care-
senga de Deus, a primeira necessidade para nao
a perdernos ara instante, cuiioarmo o sen amor;
porque no o temor a Deas como o temor do es-
cravo ao senbor, como o temor dos lisongeiros aos
soberanos e aos grandes da trra.
Nao pelo simples temor a Dos qae o homem
pode obter saa graca, qae pode fazer bella sna al
ma. Tal sentimento faria Deas ioimigo e a alma
abjecta. Por tal sentimento alguem dominado tor-
nara saa alma incapaz de resistir a menor lenta
gao, a menor sedacio da vida.
E' necessario o temor a Deus, o maior temor, mas
s aqaelle qae nasce do amor; porque no ba
amor sem temor. Mas por isto mesmo que Deas
esta'.longe e s se raanifsta por seas actos ao ho
meas humildes e de boa vontade, por isto mesmo
qoe sna justiga indirecta e mais ou menos rem-
te, e as suas gragas muito mais toquem a-alma, a
seu aperfeigoamento e paz da consciencla do qae
aos gozos da vida ; como sem esse amor verla o
homem a valer menos que o broto ; como desse
amor smente depende toda a graca e a presenga
de Deas, primeira necessidade em todos os passos
da vida, por isto deve esse amor ser cultivado eos
o maior empenho e dedicaco, por todos e os mais
proficuos meios qae o podem enraizar em nossa
alma, em nosso coragio.
E' d'ahi que vera o culto e a adoracio em paga
ao amor de Deas, em tribal* sua grandeza e
bondade, em sopplica i saa graca para man ter em
nossa alma o sen-santo, amor e s o temor deper-
Recife, 21 de abril de 1866.
Afronto d'Albuquerqite Mello.
Correspondencias
------------------------------------------------Tf!--------------------
Srs. Redactores.Em um pata tio constitucional
oamo este, no sei eomo se pratica tao revoliaote
alternado, qae s pode ser eacoalrado em algum
Miz selvagera como o Paraguay, e sob uro inver-
n despata como o de Lopes. m '
A nossa constiluJoio garante-aos o asyto doct-
dadio inviolavei, e o cdigo criminal fax pratico
este principio por meio je conveniente sanecao
penal. k
Mas vem um rendeiro de am engento e nao e-
ira s nesse asy lo, nao o viutatoowato, o detfra
eomo brbaro e ioimigo iavasor. E* do Sr.-Fran-
cisco de Sa eAlbuqaerque de qaeo me oecopo,
qae ao termo de Ipojaca lio perto desta cidade e I
diaate das autorididaa. constituidas, e membro de
familia ora preponderante e membro do partido
regenerador liberal dominante, vai am pessoa e
cosuanbado botar cata abaixo eoM>anjeabo|Saata
Rosa de que era reodeiro sena respailar aquem
nella mora 1 multas anuos.
Seobor da dito ofenno Sania Rosa qoe obtive
por per muta,, estaaao lindo (eque nioeslivesseV
o arrendameato doSr. S e Alboquerque, tendo i
de fundar safra em dito engenbo ao aeemo temp
em qaee.Sr. S tea de colbar otra, nma pobre
mulber viava qaa lea em sua cooftiohia someola
omoetioho, ou permemo a assisteoeia em saa
casa em trras do engenbo Santa Rosa.
0 Sr. Si e Alboqaerque qae pretende Dio sabir
Urna, creada de nervir residente em Pernara
buco e pertencente Ex Seitr". Viscondbssa
DK Goianna, foi atiacada d'uina terrivel ch*
ga cancrosa e roedoraou Polypo no Nariz.
A mesma involvia e tomava todo a parte in-
ferior do nariz, amparando j dietruir tanto a
parte cartilaginosa como o mesmo oso ; Come-
coa primeiro por apparecer sob o beico supe-
rior e parte da face, eztendendo-se por tal
forma e com tal rapidez, que em pouco amea-
vara transformar todo o rosto n'uma enorme
cbarga viva e asquerosa. Durante todo este
terrivel estado, todos os "recursos medicnaes
que em taea cazos se uzo forio abundante-
mente empregados, sem que de leve fizesse
parar a marcha lenta e distraidora de tao hor
rivel enfermidade, e todos os meioe e esforcos
forao baldados, e no em tanto o mal crescia eis
que por milagrosa fortuna da infeliz estando
as couzas neste ponto, se experimentou pela
vez primeira a
SAlSAPARRILHA
DE BRISTOL.
O effeito produzido, quaei que instantneo
por este inestimavel remedio foi verdadeira-
mente maravilkoeo e sem igual; este grande
puriflcaor do sangue e dos humores do srs
tema, immed'latamente poz.um termo mar-
cha disaatroza e fatal da molestia, derramndo-
se e infiltrando-se atraves dos tecidos os mais
delicados do corpo, expellindo ate' ultima
propriedade ou vestigio virulento da molestia,
e dentro d'um curto espaco de tempo produzio
nma
CURA
Completa e Radical.
Esto feliz quao admiravel resultado foi obti
do apenas com o simples usa
D'uma so nica Garrafa!
d'esteincomparavel e inapreciavel depuratorio,
reeommendamos portante todos os Doentea
que proenrem obter com o maior cuidado a
nica e verdadeira Salsaparrilha de Bristol,
nicamente preparada por
L ANM AN & KEMP,
De XO VA YORK,
na certeza de que, todas as mai* preparaeOsa
Imitativas nio valem para couza algum*
Vende-se as boicas de Gaors & BarDosa
e C. Bravo & C
C0MMERC10
Xot au4 le Per:
teweo.
O Novo Barjao desconta letras a 11 por cento
ao anno, toma dinheiro a praso flxo ou em conta
correte pelo premio e eoadires que se con ve n
cionaK e- saca sobr a praca da Babia
NovoBaneo deFraambuQ)*
o novo banco pagare 16" dividejdo ne
razSo de 6|ji50 por ac?2o-
aLFadega.
Rendimento do dvi a 21.....
dem do du li.........4V.
I
621:1434696
37:1433I3
658:287*009
M.OVU1E4NTO OA ALFA.NDEA
Volumes entrados con fazendas... 245
t c coa, gneros... 267
Votemos sabidos cem fazendas... 93
. com geaeto*..
Descarregam.N)e 24 do
Vapor iaglaaCaaiiwmeroadorias.
Barca IobeckeaseHanfier iarioba
mais gneros.
Brigae austracoAtronidem.
Brigae bespanbolVoroidem.

su
719
de
trigo
O Dr. Hermogenes Scrates Tavares de Vasconcel-
os, ]aii municipal da primeira vara da cidade
do Recife de Fernambuco, por S. M. o Impera-
dor, qae Dens guarde etc.
Fa$o saber a quem interessar possa, qoe em vir-
tude da le, tenho convocado o conseibo munici-
pal de recurso para domingo 20 do frrenle pelas
9 boras d'amanhaa, o qual fanecisnara na sala
das sesses da cmara municipal desta cidade.
E para qoe chegue ao conhecimento de todos
mandei lavrar o presente qoe sera' publicado pela
imprensa.
Dado e passado nesta sobredio cidade do Reci-
fe, aos 23 de abril de 1866.
Eu Joao Saraiva d'Arsujo Galvo, escrivao o es-
ere vi.
Hermogenes Scrates Tavares de Vasconcellos.
0 Dr. Virgilio de Gusmo Coelho, jniz mu-
nicipal supplente da 2-.a vara em ejerci-
cio nesla cidade do Recife de Pernarabu-
co etc. etc.
Faco saber aos que a presente carta da
editos virem em como a unta administrativa
da Santa Casa de Mi ericordia do Recife, me
fez a petigo do tlieor seguinte: Diz a
junta administrativa da Santa Casa da Mise-
ricordia do Recife, que quer fazer citar a
viuva de Manoel Antonio Carneiro, para
primeira d'este juizo fallarem aos termos de
um libello em que Ihe auer pedir o sitio n.
20 particular no lugar Carreira dos Mazom-
bos, as salinas, do qual se acha de posse a
supplicada por titulo de aforamenio feito ao
dito Manoel Antonio Carneiro, visto ter a
supplicada cabido em commisso, como me-
Ihorn ente expressar em sea libello, pena
de revelia, ficando logo citada para todos os
termos da causa at Anal execuco. E por
que a supplicante ignore quem seja essa
viuva, por isso requer aV.S. qnese digne de
mandar passar carta de edilos com o praso
de 60 dias para ser citada a supplicada por
todo o contendo n'esta Pereira e Souza_
Proc. civ. notta 203 por tanto pede ao lllm.
Sr. Dr. juiz municipal da 2.a vara Ihe deli-
ra. E R. M. Como procurador Jos Tco-
dore Gomes,
Cuja petiQo sendo-me apresentada n'ell
dei o dispacho do iheor seguinte:
Destribuida, como requer. Recife 22"
de fevereiro de 1866. V. Coelho.
Em viriude de dito meu dispacho foi a
ac?ao distribuida ao escrivao Cunha, e este
passou a presente por bem da qual e sen
theor citada a viuva de Manoel Antonio
Carneiro, para fallar aos termo de um li-
bello civil que Ihe vai propor a junta admi-
nistrativa da Sarda Casa da Misericordia do
Recife, pedindo-lhe a entrega do sitio n. 20
no lugar* arreirados Mazombos as salinas,
visto ter eahido em commisso; como todo
declara a peticlio aqui transcripta, afim do
que no praso de 60 dias contados da data
do presente, compareca em juizo por si 00
por seu procarador a allegar o^eu direito,
e deftsa, sob pena de revelia; para o que
mando a todas as pessoas, prenles, amigos
ou conhecidos da viuva de Manoel Antonio
Carneiro, Ihe facam aviso de que por este;
citada para o que cima fica dito.
E para que chegue ao conhecimento de
todos, mandei passar o presente que ser
publicado e anisado no lugar publico do
dustume.
Dado e passado com o praso de 60 dias
n'esta cidade do Recife aos 3 de margo de
1866. Eu Pedro Tertuliano daCuRha. es-
crivao o eserevii Virgilio de Gusmao o-
?bo. Vai pagar a quantia de 250 rs, de di-
reitosde chancellada. O escrivaoCunna.
N. 12232 rs. Pagou 2o rs. de direi-
to ie chancellara. Rectfe 3 demarco de
4866. Chaves,Limoeiro,
Vai pagar o sello d'este edital que impor-
ta em a quantia. de 400 rs. O escrivao
Cunha. Eslava o sello o. 56400 rs. Pa
gou 400 rs. Recife 3demarpo de 1866.=
Ch*rw.-*Seffl
Eslava o sinete das armas Imperiaet-aTo
Tribunal da Relacle* Firmino Antome e
Seuza, presidente. Traasiiou pela chancel-
lara -5. Recife 6 de marco de 1866. O
escrivlb Fraicisco dos ReisNunes
Jnior. Langado, a fl. 106 competente n. 13. Reoifefi de martode
4866. Campello. E na mais se enliia
em dita carta de editos aqu copiada que en
r




#>

a.
Portan
segunda
scnvSo bem fielmente COiei do proprio', ggmado nesta.-Pereira e gooza.Proe. tlr.
originar a que me r**artt>, e este fi sem': ** i IU _
do na fon-do estato. Cidade do Recife
aes 6 das de arpo de 1886. Escrevi e
aeifot enAdererJidi.-. O escriv5o Pe-
dro Tertuliano da Caoba.
O Dr. TrnUtf-d AHaue JHji. offlclal da im
e JalTa.'
4 t> Aa+ii* 1866.
,rt!ii. !
Ihe sTnVu.I. R.K.
Thsodoro Ganes. |
swnal Ordem da Rosa e talT fcdireito especial
Mttamirm seta cidad? d6*ltecife de Per-
naarsoeo porSon Magestade imperial e GomM-'
tueieaal o Sensor D. Pedf ij II a- qaem Deas
caads-etc.
Illm. Sr. Dr. tpiz municipal da
'. -'Jo-
ae me fot apresentada del
dvjfaebodo tbeer seguinte:
DdftMMda como requer. Recife, de fete-
reiro de 1866.Coeiho.
, ,K "* Mt* dlstiibnlcSo ao escrlvo desie
G^torMAW# Athayde. este em obser-
f a.e,t "m despicho, fez passar o presento
edital pelo qoal sea theor, chamo, el e bel por
citados a todos os herdeiros do raeaeionado suppli-
Fa*o saber a*- qoe o Pr,se.te edita) virem e ^"iffi'S'^*1,"!0' p,ra *">deB,ro do
delle *t*ia tlverlm qnS Td trinl* de abril frSiidJm,"si^esJIZ^H^^L^n^S
do crreme aano se ha de arrematar por venda, a o'mSt^^A^lJA^'&J PZ ?
^o aaiJder em praca publica deste juizo o se- iXSii^lSSS^^1 *
^s'pequeas casas terrea Ufas na Capunga JSSSJS&SSSSJSS^ITSS^
a-tSS52S5sS sSSSSSSSSir6
saias e ubi quine,costn, na salaba detras opin- Dido n nanadn Mua a-, n*nfa Ha or
Oi em aborto, avallad, por quatro esdtMs mllTeis, MmToco%T?deSSollJof
ao oonbecimento de todos" mandei passar o presen- n lili Pairos IK iA* diSa d* SS
te oee ser publicado neta imtirensa. e afflxado dos u-u .i?^.1!?.!!:.-*. *!?>* X.****}1.
tasares do costme
panucado peta imprensa, e afflxado nos Uru. *r+\lUm*W*to~m'fZ~]
Recife 12 de marco do 1866.- Ea Manoel Mana
Rodrgaos do Nascimenlo, escrivao, o sobscreve.
Taisto de Alencar Ararme.
O Dr. Tristio de Alencar Araripe, offlclal da im-
perial ordem da Rota joii d direito especial
do commercio desta cidade do Reelfe de Peroam-
buco por Sua Magesiade Imperial e Constitucio-
nal o Sr. Dr Pedro II, a qaum Deas guarde etc.
Papo saber pelo presente que no da 14 do mez
de malo do correlo amo se ha de arrematar por
venda a quem mag dr em praca publica deste
jui'.i, depois da audiencia respectiva, a casa terrea
de i.-'.ira e cal, n. 31, cita a povoacao do Montelro,
a chao proprio, com 3 janellas oa frente, porio
de madeira, coa 3t palmos de largara, e 65 e l|2
de fundo, 4 guarios, 2 salas, copiar com lelheiro
oceupado por padaria cczinba fra e um pequeo
strki murado, que linda al a estrada do Arraial,
avaiiada por 1:700*000, a qual val a praca por
execuco de Vicente Nunes da Serra, contra Rosa
Mara de Lima como herdeira do finado Antonio
Francisco Peretra e Joaquim Javencio da Silva
orno testamntelo do mesmo tinado.
E na falla de lancador que cobra o prego da
avaliaeie ser a arrematsraofeita pola adjudicaras
dora o abatlmento respectivo da le.
E para que chegue ao conheclmento do todos
mandei fazer o presente edital que sera afflxa-
do nos lugares do costume o publicado pela im-
prensa.
Dado e pausado nesta cidade do Recife de Per-
namhuco, 16 de abril de 1866.
Eu Manoel Silviaj de Barros Falco, escrivao in-
terfno-o subscrevi.
Tristao de Alencar Araripe,
O Dr. Virgilio de Gusrulo Coeltie, juiz mu-
nicipal suppleote em exercicio da segunda
vara desta cidade do Recife de Pernam-
buco e seu termo, por S. M. I. e C. o Se-
nlior D. Pedro II, a quem Deus guareta,
etc., etc.
Face saber pelo presente que a junta ad-
ministrativa da Santa Casa da Misericordia
do Kecife, por seu procurador, me indire-
?ou a peticao do theor segointe:
Diz a junta administrativa da Santa Cata
da Misericordia do Recife, que quer fazer
citar aos herdeiros do fallecido Manoel Pin-
to, para a primeira deste juizo fallarem as
termos de um libello, em que lhes quer pe-
dir o sitio n. 21 particular as salinas, no
lugar dddeminado Carreira dos Mazombos,
do qual sitio se achsm de posse os soppli-
cados por titulo de aforamento feito quelte
fallecido, visto terem os supplicados cabido
emcomaiisso, com melbormente se expres-
sar erasen libel!o,opteposdarevelia ; flean
do logo citados parasoae termos da cau-
sa alij final execuco.
E porque a suplicante ignora quaes se-
jam os herdeiros, por isso requer a V. S..
se digne mandar passar carta de edital com
o prazo de 60 dias, para serem citados os
supplicados por todo o conteudo nesta. Pe-
reira e Souza, Proc. civ. n. 203 : portanto
pede ao Illm. Sr. Dr. juiz muoicipal da se-
gunda vara assim Ihe delira. Espera receber
mare. Gomo procurador, Jos Theodoro
Gomes.
E nesta peticao que me foi apresentada
dei o despacho do theor seguinte : Dis-
tribuidas como requer. Recife, 28 de feve-
reiro de 186(5.Coelho.
E sendo feita a distribuicao ao escriva"o
d'esle juizo Guilherme Augusto de Athayde,
este em observancia a este meu despacho,
fez passar o presente, pelo qual e seu theor,
chamo, sito e hei por sitados aos menciona-
dos herdeiros do fallecido Manoel Pinto,
para que dentro do prazo de 60 dias compa-
recam ante este juizo, por si ou por seus
procuradores, allegando e provando o que
or a bem de seus direitos e justica, sb pe-
Da de se proceder suas revelias.
Portanto toda e qualquer pessoa, prente,
amigo ou conhecidos dos referidos herdei-
ros, po ler-lhes-ho fazer sciente de todo o
expendido. E para que chegue ao conheci
memo de todos mandei fazer o presente que
ser affixadia nos lugares do costume, e pu-
blica ios pela imprensa.
Dado e passado nesta cidade do Recife de
Pernambuco, aos 3 demarco de 1866.
Eu Guilherme Augusto de Athayde, escri-
vao o subscrevi. Virgilio de Gusmao Coe-
lho.
N. 00.Rs. 400rs.pagou 400 rs. Reci-
fe 3 de marco de 1866. Chaves.Sena.
Vai Dagar 250 rs. de direitos de chancel-
laria. Recifu era supra.O escrivSo, Athay-
de.N. 1221. Pagou 250 rs. de direitos
de chancellara. Recife 3 de marco de 1868.
Chaves.Limoetro.
moeiro.
Translton pela chancellarla. Recife, 3 de marco
de 1866. 0 escrivao Francisco dos Reis Nunes
Campello Jnior.
.Lancado fs. KX) do competente livw n. 13.
Recil, 3 d mareo de 1866 -Campillo Jmilor.
Firmno Anlfcio de Soiza, presidente.
muram as armas imperlaes.
E nada mais se continha em dito edital aqoi co-
piado do proprio original.
Dado e passado nesta cidade do Rocife, aos 8 de
marco de 1866.
En Guilbermo Augusto de Atoayde, escrivao o
subaerevi. .
Virgilio de Gusmao Coelho.
DAIA DAS CAMELIAS.
Parsonagem.
argjrlda Gamtiier, Dama das
umeiias....... Br#. Adelaide A.
X*1**......... Bmilia.
^Mjoe-......... Leopoldina.
Prudencia. ...... Jeaana.
Orynpi-........ eielia.
Anaii. ....... a Joaquina.
Armando Daval..... Si. Paira,
Jorfo Dnval, aan pao. ... P. Jaquim-
Gm*'o- m....... Gil.
SainiGandea...... Graca.
O dotor........ polo.
Gutf* Bimi...... .Teixeira.
Barao de Varvlllo.....> Lisboa.
Atibar......... Souza i G.
Conde de Giray. ^ r Maobonco.
Criad.....: Silva.
Moco de roados.......Sata Rosa.
Terminara -o espectculo com o bem aceito
Trialogoqoasi cmico em i acto
Tchang-tching-bung!!!
Jogado entre a Sr.'Clalia, Paiva e Baymundo.
Principiara' as 8 horas.
LEIIilO
IGARRATJX, DE LAILHACAB & C.
itr
AVISOS MARTIMOS
DE
P40BETES A VAPOR.
DECLARACOES
Tribunal do commercio
A ^A
m\ yl
Pela aeeretaria do tribunal do commercio de
Pernambuco se faz publico que em sesso do mes-
mo tribunal de 12 da oorrente foi considerado va-
go o offlcio de corretor desta praca, qoe exercia
Frederico Lopes GuimarSas, o qaal o abaodoooa
e quo a tiaoca prosuda em favor do mesmo cor-
retor persisto por seis roezes, contados desta data;
e qoe Oca marcado o praso de 60 dias, para dentro
deiles se habilitarem os concorrentes ao referio
offlcio.
Secretaria de tribunal do commercio de Per-
nambuco 13 de margo de 1866.
O offlcial-maior
Julio Gulmaraes.
Santa Gasa de Misericordia do
Recife.
A Ilkn. junta administrativa da Sania Casa de
Misericordia do Recife manda fazer publico que
precisa coofralar par o servirlo nterdo do colle-"
Co dos orpfos, qaatro omitieres com obrigacao
de entnrer as 6 1|2 hora* da manha sabirem
as 5 l|2 da lardo. As peseoas desse sexo qne qui-
aerem coniratar-.se para dito flm devem dirigir-se
naquinla-feira prxima pelas 4 horas da tarde a'
sala das sessoes da mesma junta.
Secretaria da Santa Caca de Misericordia 120 de
abril de 1866.
O escrivao interino,
___________Francheo Gome Castellao.
^auta Casa da Misericordia do
Kecife.
A Illm.' junta administrativa da Santa Casa de
Misericordia do Recife manda fazer publico qne
no da 26 do correte pelas 4 horas da tarde, na
sala de snas sessSes, Ira' a praca o fornecimento
de carne verde qoe heuver de consumir os esta-
beleciraentos de cardade e os dons collegios de
orphaos, nos mezes de maio e junbo prximo fu-
turo. Os pretendentes podem dirigir-se ao indi-
cado lagar aflrn de se lhes dar as informacSes de
que precisarem, e na occasio
apresentar suas proposias em
trazerem seus fiadores.
Santa Casa de Misericordia
abril de 1866.
O escrivao interino,
Francisco Gomes Castellao.
Dos portos do norte esperado
al o da 3 da maio o vapor
Paran, comljndanle o capilo
da fragata Santa Barbara, o qual
___depois da demora do costume
seguir"'paratjs portas de sal.
Desde ja recebem-se passageiros i engaja-se a
carga que o vapor poder conduzir, a qual devera'
ser moarcada nodia de sua chegada, encommen-
das o diobeiro a frete at o dia da sabida as i ho-
ras : agencia roa da Cruz 1. escriptorio de An-
tonie Lait.de OUvemiAaBeeno A C ________
COMPANfllA BUSILEIBi
DE
PAQUETES A VAJOR.
Dos portos do sal esperado
o vapor Tocantins, commaadanle
a primeiro lente Aranjo. o qual
depois da demora do costume se-
uira para os portos do norte,
passageiros e engaja-se a carga qne
o vapor poder conduzir a qual dever ser embar-
cada no dia de sua chegada ; encommendas e di-
nbeiro a frete at o dia da sabida as 2 oras:
agencia roa da Cruz o. 1, escriptorio de Antonio
Lolz de Olivelra Azevedo 4 C.
Para o Para' pretende sabir em poneos diaa
o patache PARABNSE, por tero sea earregameu-
to qaasl prompto, e para o ponen qoe Ihe falta Ira-
ta-se com o consignatario Joaquim Jos Goncalves
Beltrao, na ra do Vigario n. 17, 1 andar.
Tambera se recebem genero estrangeiros.
Companiia de patinetes
HJ**C de abril.
fJ1^.".*^ dfl Ab ea concluir?; o sen leilao de
agento Pinto, hij, 24 uit MeMJ s niaB^ em
esirmazem ra da Cadeia.
A H -I IU^? '
Bas dividas s*. r/iAUa de !-
mu, Fagost, SaitM 4 C a ia-
portancia de 104:6^883 rs. ,
5*riiro simM Versos
rili nS??mM '?' Sr- .Dr' 1* de ,pert(> "*** Pra0 m marianno : vendem-se na rna do* Im-
l'n ^'T^la M,tt e B^,a P^*>r n. 15, offleina de encadernaco.
vez a leilao os tituloi de divida perlawvow* Is-1 .-rar?----------3-------.----.-^-^---------
ferida massa, todos oa importancia de lOi-mOfttK buo assignada no intuito de evitar que al-
rs.,servindodebaseaoffertaobtldanoluina. !SJLpr!Sr9H,",a(,,r' aProveitna-se de sua
sado, isto ^^^ "^ avangda idade, declara pelo presente, que de ora
rete neohurn papel por ella assignado ter
Livros nacionae 0 estrangeiros.
Religio, cffmte. Hilar atura, etc.
Papeiaria, objectos para escriptorio.
Papis pintados para forrar casas.
Assigaaturag para os jorpaes da Europa.
Ama
Precisa-se de man ama para cozlnbar : na rna
da Cadeira n. 52, tereeiro andar.
Ama dt Inte.
Preciase de uxa ama. de lette : a tratar na
ra daPraan*. i 3 e lf.'armaz^m. ______
.\^%fc
i
Precisarse ara mm*ar
na roa de 8. Frauci.*o n. 5.
nh^r
o cozf-
Precisa se de um menino ara caixelro com
prain-a oa sem ella, pura laberua : na rna do
AlM*rim n. 2
Qnarta-fjlra 25 do correte
as 11 horas ei
deia do Recifi
arou 1 ra da fa ; va,id,de' sem eu 2l ** sen_gemoeejnmen4n tJBIlTAA-"
De 1 mobUJa de Jacaranda' com tampo de po-
dra marmore (incompleta), 1 piano de armario
(Coiiard 4 Coiiard), espelnos con molduras dpn-
radas, 1 guarda vestido, relogros de algibefra de
ouro o praia, jarros para Bores, qoadro com finas
gravuras, objecloade ouro e prata, relogios da pa-
redeecima de mesa, 2sllboesnara mootaria de
senhora, urna granle porgao de cachimbos de va-
nos gostos e uma porcao de fumo de differenies
fabricantes, eamu -ancezas.de Jacaranda e ama-
relio, marqueza* largas e estrenas, candieiros a
gaz e ouiros mu tos artigos.
Aaanhai qnarU-feira 25 d torrente as 11 horas
NO ARMAZBM DO AGENTE
OLYMPiO.
48 PRA^A D COMMERCIO-48
cumbldo da gerencia de lodos os seus negocios, de-
vendo ter-se, no caso contrario, a assignatura da
mesraa abano assignada por falsa, ou obtida por
meios fraudulentos. Re:lfe, 19 de abril de 1866.
Joaona Mara de Deas.
CASA DA FORTil
Aos 6:0000000.

1,1:11,\o
De ana porcia do tiateiros, craoifixos,
qoadros du santal em lotes.
(SB UMITE.)
Cordeir ilmoes
porconta e risco de quem pertencer fara' leilao
de tintelros e mais objectos vindos a pouco de Pa-
rs, com alguos imperfeilo?.
AmanhSa 25 do crrante as 11 horas.
No armazem a roa da Cadeia do Recife n. 29.
Bllhetef garantidos.
A'RA DO CRESPO N. 23 E CASAS DO COSTUME
O abaixo assignado vendeu nos seus mnitofeli-
zes bilhetes garantidos da loteria qne se acabou
de extrahir, a benencio da matriz de Villa Bella,
os seguimos premios:
Um meio n. 3806 com a sorte de 6:000*.
Bilbete intetro n. 309 com a sorte de 1:200J.
Um mel n. 1273 o m a sorte de 500*000.
Um meio n. 991 com a sorte de 200JI.
E outras muitas sortes de 100*, 40*. e 20*.
Ospossuidores podem vlr receber seus respec-
tivos premios sem os desceios das leisnacasa
da Fortuna rna de Crespo n. 23.
Aeham-se a venda os da 2* parte da 1' lo:
tena^ (59-J benefeio da igreja de S. Gongalo da
Boa-Visla, qoe se extrabira' quiot^-felra 26 do
crrante.
PREQO.
Bilhetes.....6*000
Meios......3*000
Quiatos. .... 1*200
Para at pessoas qne eomprarem de OO^OOo
para cima.
Bilhetes.....5*500
Meios......2*750 -
Quintos.....l*ii)p
Mahobl Martins Fiuza.
Um rapa c.m 18 aiM>as d^ idade, querendo
arramai-ie e tendo bom tamo de letra, sdofferece
nara-ranelro : quem quizar annuocie.
Aluga-se moa rxoJIeot.* casa moderna com
comraodos pera lamili. em om pus melhorea la-
gares da Caouoga, e preco commnde : a tratar no
mesmo lagar, rna das Crioulas n. 3 B, cora B. Jos
Leitio.
nnbnu im rot
de SIGXOBET, Docteur-Mdeciii
Ru de Seine, 51, a PARS.
Na rna da Florentioa n. 36 prepara-se com-
B% movis* louqa e vidros
CordViro Simos por contal de diversos far lei-
lao da mobilias, cadairas,. marquezas, mesas, ea- i,,.
bids, commodas. santuarios, roarqueses da ama- / .RronjP,i,lao. 8 P"r Prec razoavel :
relio, consolo*, cadmras de balango ditas de abrir, qBa".qwt6r dml'sa-________________
mesas redondas. 1 rewolver, 1 pistola, l lazarlna Preca-se de uma ama para eosinhar, na rna
a VaDOP entre canos, quartmheiras, aoparelbos de jantar, Larga 00 Roaarto n. 46 se dlr. qaem precisa.
os EsUdo^KaiJos e o BrisU. tn^*tfS?%tSZ efi 'horas -aSS uine*'fro"^ ?5 b,sUD,e
-#-> Noarmazemarua da Cadeia do ^^029 B^5&TlSrS^TK
i pii f # tambem se convenciona, isto na meibor casa da
K I Hil roa do Amorim n. 36.
do corrente es-
perarse de New-
York e escalas
por S. Tbomaz e
Pata um dos va-
pores america-
nos, o qual de-
pois da demora
do costme seguir para os porto* do sal ; para
passageiNM fretes etc tratase eyn os agentes
Henry Pnnter & C. ra do Trapican n. 8.______
Para Lisboa.
Sgue eom brevfdade a vell'eira barca portugne-
za Bettm, capilo J. Joaquim de Frenas. Recebe
um resto de carga a frete, para o que (rata-se no
escriptorio de Amorim Irmos, roa da Cruz n. 3.
Para o Porto
Pretende seguir com muita brevidade a velleira
barca portogueza Iris, capilo Mathias de Souza
Maciel, tem dons tergos de sea carregamento
da prardeverlo Proa,Pto. Para rest0 Q"9 Ibe falta tratase com os
seos consignatarios Antonio Luiz de Olivelra Aze-
vedo 4 C, no seu escriptorio, roa da Cruz n. 1.
cartas feehdas e
do Recife 20 de
Adoainistracao do correio desta cida-
de precisa de seis uomens para o servigo
de catnioheiro, quem estiver nestas condi-
ces e quizer engajar-se dirija-se a mesma
administrac5o. ......
Terca-feira, 24 do corrente mez, por ser a ul-
tima praca depois da audiencia do Dr. juiz muni-
cipal da l' vara, tem de ser arrematada por quem
soasas; .* usst csss ^i^Tr""4 *e" ***
palmos de vio na largara, 23 de fundo, 1 sala, 11 ^"'V'________________________
quarto e sotio, avallada por 800*, por execajao de
Manoel de Souza Azevedo Pires, cessionario de
Thereza Caiharna da Conceigo Caoba, contra
Momea Jgoez da Silva, seu marido Ueaciario Jos
de Sam'Anna e o menor Jos.
Para o Aracaty.
O velleiro a bem conheci lo palhabote nacional
Dous Amigos, pretende seguir com muita brevida-
de, tem parte de sen carregamento engajado, para
o resto que Ihe falta tratase com os seas consigna-
tarios Antonio Lniz de Oliveira Azevedo & C, no
sen escriptorio, ra da Cruz n. 1.
Para a~fiahia.
Pretende seguir com muita brevidade a velleira
sumaca nacional Uortencia, a qnl tem parte de
seu carregamento prompto, para o re.- o que Ihe
falta trata-se com os s-us consignatarios Antonio
Oe 300 iiicias cafo de charutos da
Baha e 126 dilas de dito.
CORDEIRO SIMES
far ieilo por conta e rijea de quem pertencer
de 426 melas caixas de charutos da Bahia, isto
amanha 25 do corrente, a* 11 horas, no arma-
zem arua da Cadeia do Rocife n. 29.
Leilao
De uma casa terrea sita na travessa do
Mosteiro ao lado da casa (Udetenc3a.
Massa fallida de Irinu Januario de OHrerra.
O agente Martins fara' Ieilo a' reqoerlmento
dos administradores da massa fallida de trineo
Janaario de Oliveira e por despacho do Illm. Sr.
Dr. jaiz especial do commercio de uma casa ter-
rearla na travessa do Monteiro ao lado da casa
de deteoco pertencenle a mesma massa.
* "** Suta-aira 27 do correle.
No armazem da roa da Cadeia do Recife n. 53,
as 11 horas.
AVISOS DIVERSOS
A Sra. D. Joaquina Mara da Conceicao Que-
des, mal do Sr. majar Gabriel de Souza Guedes,
qae se acba no sol, digne-se mandar, receber no
escriptorio do baro do Llvratnenlo, o que o Sr.
sea Bino Ibe mandn.
Faz se este annnncio, porque ha perto de dons
mezes, qae se indaga de sua morada, e se nao tem
acbado. _______ ~m_____
t Preeisa-se de uma ama que compre e cosi-
' nhe, para ama casa de pouca familia, na ra Nova
de Santa Rila n. 33,____________
Ama secca
Offerece-se uma ama para casa de homem soliei-
ro ou de pouca familia : qaem precisar derija-se
a ra da Senzalla Velha n. 40.
Fugio no da 20 do corrente pela manhaa
com orna trouxa de roupa em companhia dd nm
preto mogo de cabellos cacheados, a escrava Gui-
llermina, com vestido escoro de recortes brancos,
idade de 20 annos pouco mais ou menos, fallante,
corpo regular e denles alvos timados, tendo sido
encontrada na Boa-Viagem : qaem pega-la levo a
a roa da Imperatriz n. 17, segnndo andar, que
ser gratificado.
F.m rada jarrafa, lai, rnlrr a rollia r o pa'i-l un
V>t Ira .i :nrii m-!i-, uiu r.-tuln lltitfiliill rm .sj-
rr'.]n cilll o StM.O ti : .:l vi. BO 1.01 Fvn l \ -. .-
A'. II. mirtlMiilo-!-n:>a, Icttratfr S0 Irai <>
.i4h*c l'ari, aoriMvrl .1 ill da* dt v,*!.it au ii.axiiiiu,
.'^3-..- do alialimriitn r do mai.ir dncuiito.
Prposlt.1 ].r(nri:ial ^
i.o Mllliq^ \x |iur /X-^^-
.'ii. I a.-..i to iio.s.io *-4^/ cv^
nutro *t,m\t pelo
lilMNt >MI ANTO-
Btl| r'Rxc : \e |.a-
CF.rii na Raliia e
nii |.rinri(.ak pilar-
mao-iitr.
4fm
IU,
PRACA.
No dia 24 do andante perante o Illm. Sr. Dr. juiz
municipal da 1* vara, na sala das audiencias, se
Mew York
Manoel IgnacioPerrelra cpiiao da barca nacional
bao de arrematar o bens segulntes: i casa terrea i A>' Pedro, precisa de nm navio de lote de Irtota e
n. 48 na ra do Motocolomo na fregaezia dos C'DC<> mil arrobas para conduzir a sna carga, cer-
Affogados cbos proprios-avallada por 640*, uma I ootra n. 54 na mesma roa e freguezla no chao I oos o surr5es com cabello e la e outras mludezas,
foreiro por 160*, ama outra n. 73 na mesma roa com que entrou ueste porto, com agua aberta, oa
chio foreiro por 560*; as quaes vo a praca por i sa rescente viagem do Rio Grande do Sul, para o
execuco de Joaquim Jos Gomes de Sonc, contra Porto de New York, nos Estados-Unidos; e para
AOS oroOOOOO
Curre depois d'amanha
Acham-se venda na respectiva thesou-
Trausitou pela chancellara. Recife, 3 de
marco de 1866.O escrivSo, Francisco dos
Reis Nunes Campello Jnior.
Lancado a fls. 100 do competente livro
n. 13. Kecife 3 de marco de 1860.Cara-
pello Jnior. Firmino Antonio de Souza,
presidente. Estavam as armas imperiaes.
E nada mais se continua em, dito edital
aqui copiado do proprio original.
Dado e iwssado nesta cidade, aoa 5 de
Francisco Jos de Oliveira: a ultima praja.
Correio geral
Pela administracao do correio desta cidade se
faz publico que boje s 4 horas da tarde fechar-se-
ba a mala que o vapor brasileiro Baroneza do Li-
trmenlo, tem de conduzir para o Rio ds Janeiro.
Correio de Pernambuco 23 de abril de 1866.
O administrador.
Domingos dos Passos Miranda.
MliHEie GE1ML
Pela tmsoisiracao do crrelo desta cidade, se
faz publico que em virtude di convenci postal
celebrada pelos goveraos brasileiro e franeez, se-
rio expedidas malas para Europa no din 30 do
corrente palo vapor franeez.
As cartas sero recebidas at 2 lloras antes da
qae fr maleada para a sabida du vapor; e os jor-
naes al 3 lloras antfes.
Admimstraeio do correio de Percambncofll de
abril de 1866.
O administrador
Domingos dos Passos Miranda.
qualquer informaco mais, os pretendentes podem
dirigir-se ao escriptorio dos consignatarios Mar-
ques, Barros & C As propostas, em caria fecha-
da, tanto podem ser entregaos no escriptorio dos
referidos consignatarios, como no consalado dos
Estados-Unidos, onde sero abenas pelo respecti-
vo consol na presenca dos concorrentes, sexta tet-
an 27 do corrente mez de abril a uma hora da
tarde.
Desapparecen do collegio de Mossa Senhora do
Bom Conselho, desde o dia 9 do correte, o sera-
vo Galdino, de 9 para 10 annos, acaboclado, era
marcas de feridas na cabeca, cabellos estirados e
apparados, tendo um hombro derriado por habito ;
levon calca de riscadinho azule camisa branca
1 (qae devem estar em pessimo estado, por ser elle
demasiadamente estragado; e bonet. Deconfia-se
qne esteja acoitado p r forro, o protesta-se contra
quem otiver feito de m f. Roga-se s autoridades
policiaes e capitaes de campo qoe o aprehendan) e
1 levem ao diio collegio, ra da Aarora n. 50, que
rana, a ra do Crespo n. 15, os bilhe- se gratificara" generosamente. Recite, 23 de abril
tes, meios e quintos da 2a parte da Ia io- j de 1866._____________________________.
teria (59), a beneficio da greja de S. Gon-1 O D. abbade de S. Benio de Olinda, Fr. An-
{falo da Boa-Vista, sendo a extracto no lu- lonio do Patrocinio e Araojo, tendo de pjrtir para
gar e hora do costume 'a Bahia aflm de lomar Parte no traoaiho capitular,
I Os nrflmin! (1a (ifliWtnn at Innnn en5 Pdendo despedirse pessoalmente de todas
us premios ae O.UUU0UUO ate l^OOO as pessoas, que o honraram com a sua considra-
selo pagos uma hora depois da extracclo gao e amisade, em consequencia de baver sido re-
: at as 3 horas da tarde, e OS OUtros depois solvida de momento a sua viagem, vem por meio
da distribuicao das listas '^a imPrensa significar-Ibes os sentimentos de pro-
Ao nnJmnj,. .iL ____j.j fundo reconhecimento, veneraco e respeito, offed'
As encommendas serSo guardadas so- rcendo-ihes os seus fracos servigos naqueiia pro-
mente ate a noite da vespera da extracto, viuda, ou em qualquer parte onde se achar. Nao
O Ihesoureiro, loe sem*> possivel expressar por palavras a grali-
Antonio Jos Rodrigues de Souza. qae de'e aos *?*" da bleroica provincia
---------___ "VJ de Pernambuco, quer como simples religioso, quer
Gregorio Jos de Mendonca Jnior, poftuguez, como representante da ordern Benedictina, so pede
FERRO QUEVENNE
Approvado pela Academia de Medicina,
Auctoruado por circular especial do TtiiMro.
0 FSHRO QUEVEKNE se usa em todos e* ca-
aos para s quSes os ferreos fSo prescriptos; ato
ai os dunles tic are m pretos; lie a preparacio a
mais activa, a mais agradave] e a mais ecoao-
mica; muilas veies um frasco h sufftciente para
corar uma cfalorosis.
A experiencia me provou que nenhuma pre-
parai.-o frrea h6 supportaaa mais fcilmente
que ferro QUEVENNE, em observando aa
limites de doses muito reguiadas.
Bodchadai, anuario da therapeutiea, tttt.
O Ferro Qoevekre rende-u em frascos do
^ ^ZIO. CEMTIfi. ---^'f J^ 11
Hedida it dc. IOS mull, s
Deposito geral em casa de nanlle Geneoix,
14, rae des Beaux-Aru, em Ptrit, t em tedas aa
boticas. Exigir-o Sinete Quevenne e a marca
de Fabrica ocala.


Le se do Moniteur de la Pharinatie.
A eleetrcidade boje empregada per todos os
mdicos afamados, para o tratamento de rouitas
> molestias, mesmo para as que resistcaa as outras
mpiliru ees.
> A clcctridade produiida pela fricino tem m
su pc-rioridade incontesla vel, e a Tantagem de nao
1 dar abales, e de poder ser graduada pelo doente.
A causa a mais frequente das molestias
estagnaca do sangue ou dos outros lquidos r4>
>taes. Restablecendo se a ckculaca no orga-
nismo, curaeao-se as molestias.
Quando se sent alguna dr en qnelqner
parte do corpo logo, einstirictivamente, seerfrega
o Jo:.-ar endolorido com a ma, e isto alliria. Isto
explica o resultado ineontestarel que dte pra>
duair um apparelho elctrico. Per isso temes
> prazerem annunciarao Publico queoSnr Buisson
sde Bivilliers residente, bouievart du Prnce-
Eugeoe, 1S, em Paria, dotou medicina de um
apparelho Slectro-Magoetioo, sob a forma de
suma escova, com o qual os doentes se podera
aturar sem neb uma outra medicacad. Os mdicos
que a tem experimentado, attestara que
Escova Electro Maghetica e efllcaz para
curar: os Hhtonullinoi, a Paralya, Ootta,
r raqveza dos memkroi, e da Columna m~
tebral. debilidade geral, BTevralgias, etc.
Estamos certos qne breve cada familia possDJra
esta caeera que presura grandes serricos
t A pedido de muitas pessoas, o auter decidio-se
a establecer uta deposite de seos apparethes na
Ato de Janeiro, em cata da Sn Daa Rotrri,
nanoya do Ouvidor, nm 88.>
vai a Enropa.
.Rio de Janeiro
mmm mu
Pela administracao do correio insta cidaie, se
LAk MbUco para flas cooveoieotes, qoe ea virtude
Vo imposto no art. 138 do regalamento (eral dos
- correios de l de dezembro de 1841, e art. 9 do
inarc i de 1866. Eu Guilherme Augusto de dacneion.785 deis da avalo de issi, sa aancede-
Athayde, escri?5o osubsorevi.
O Dr. Virgilio de Gosraao Coelho, jaiz manicipal
suprileiite em exercicio da segunda vara desta
cidade de Recife de Pernambuco sea termo,
por sua magesude imperial e coasiitncioaal o
Sr. D. Pedro II, a quem Deas guarde etc.
t Paeo saber pelo presente que a junta administra-
tiva da Saeta Gasa de Misericordia do Recita, por
neo procurador me endereeou a pelillo do theor
seguinte:
Dii a junta administrativa da Santa Casa de Mi-
sericordia de Reelfe, qae qaer fsier oitar aaWter-
kiros de Migeei Ferreira de Mello, para a haol-
ra deste juiro fallarem aos termos de tmjftello
em qae lhes qaer pedir o sitio de nv 18 oarMolar,
ae lagar daaomoade Salin.s, do aal se Khan de
pjdss por tralo de aforamento eito ao dito Miguel
Perrelra de Mello, vaso lerem os supplicados ca-
bido em eommissa oMnt melbormente se expres-
nara' em sea libelo, pena de revella, ficanoo logo
Hados rra ttdo os termos na cansa at Osa! exe-
Kporqtie a sopplieante ignore quaes seian es-i
tes herdeiros, sor Isso requer a V. S. se digne !
aaaadar eassar carias de edltos. con a prazo ds 60
O brigue Imperial Mannheiro prestes a seguir
para o Rio de Janeiro, ainda recebe argoma carga :
os pretendentes polem dirigir-se aos consignata-
rios Marques, Barros t C, ao. largo do Corpo
Santo n. 6.
Joaquim Ignacio Ribeiro Janior manda para
a Europa a tratar de sua sad.de sed fiibo menor
Joaqoim Elesbgp Ribeiro.
CLUB rilMtlll|li:\Ml
A partida do do corrente mez ter lugar
na noite do dia 26.
a Deas que Ihe permuta patentear por fados os
sentimentos de que se asna possnido.
Mosteiro de S. Bento de Olinda, 24 de abril de
1866.
Fr. Anfonto do Patrocinio e Araujo.
D. abbade.
Precisase alugar um
Imperatriz n. 26, loja.
raoleque : na ra da
Precisa-se alogar uma casa terrea no bairro
da Boa-Vista, sendo as roas do Rosario, Pires,
------------------------------------- '_______________________________________un UILfilX.
raf consusto das cartas existentes na adrasaislra-
eao, pertencentes ao mez de a**t1 do anno passado,
no dia 3 de malo prximo, as ll horas da manha,
na porta do mesmo correio, a a resstfctivt lista $t
acba desde ja exposta aoa interesados.
Admartvacao do crrelo de Pernambuco 17 de
abril de 1866.
Domingos dos Passos Miranda.
Administrador.
m
THE4TRO
DE
LEILAO
De armazem de mnlhado a roa dt
laigel i> 73. ialitnladt Pina ral.
(Em peqaenos lotesj
CORDEIRO SIMOES
por despacho do Illm. Sr. Dr. juiz de direito espe-
cial do commercio levara' novameate a lefllo o
esubelecimento de molbados cima dito, o qoal
lora arrestado a Jaso Jesojda Silva Villar 4 C, a
reqasiibietito de Antoaio Jos Silva lo Brasil, sen-
do o leilao feito em pequeos lotea a ven'
concorrentas, priocipiando-se pela arm
amarello envidracada e seus perteneea a q
ve para qualquer esubelecimento, isto
Jos Ignacio Pereira, natural desta provincia, Ponte Velbs, Cotovello, principio do Coelhos e Con-
vai a Europa. i ceisl por 12* a 16* : a pessoa qaerendo alagar
Bernah Guiseppe de Paolo, subdito portu- dirija-se na Praga de independencia ns. U e 16.
guez, vai a Enrosa, T Precisa-se de ama ama para casada pouca
Antonio Pereira da Ce Gama, subdito por- familia : na roa do Hospicio n. 62.___________
tugaez vai a Europa tratar da sua saude. Precisa se fallar com o Sr. Manoel Antonio
Manoel da Rocha Hollanda Cavalcan, vai a Beltrao,; no largo do Terco n. 12, primeiro andar.
Europa no prximo vapor, alio) de estudar agri- Um moco intelligente, e que tem no?59s ge-
cnltora.__________(_______^____________raes de portgaez, latina e franeez, que provara' se
Luiz Alberto Aotunes da Molla, subdito por' \ 'or precis com'documentos, deseja ensioar estas
materias fra dea* cidade : quem neeessitar del-
| xe carta fechada nesta (ypographia com as ini-
ciaos A.
tuguex satira-se para a Europa.
em f)ti
10 horas

Irma dade Acadmica it flessa Se-
llara d Bou Ceiselh.
De ordem da mesa administrativa convido
a todos os irmos para assistirem a raissa
qoe a irmandade manda rezar por alma do
nosso irraio Pedro Eugenio de Cerquelra Li-
ma, no dia 26 do correle as 9 horas da
anilla, em o convento dos religiosos fran-
ciscanos.
Consistorio da irmandade 23 de abril de
O secretarlo,
A. dos Passos. Miranda
II I II
ao Sr. Joid da
-j--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------_
Ama
Precisase de uma para cozinbar e comprar
' roa de S. Francisco o. {84.
Hotel Venefca do Norte.
Rata i Crazes m.
IEALIA 01 6RI, PREMIO DE it.ueF:
auiNA
ELIXIR FebriDj, e Fortificante
ninM im ram i mtm m mu.
Experimentada eom pleno snecesao nos
nospitaes, a (juma Laroche (oa extracto
ompleto de quina) rima preparaao
eicepcional, por ser prrada do amargo
daqniHo. Agrada per conwfttinte as pessoas
as mais intoleraates e aos paladares oa mais
oelicad, pois oem e mulle doce nemmmio
nteoM, tendo de ama (impides constante.
MP*

mdsv arena, aatanaiea, taagteaa,
K Jearadas, oaJaroae eseropaalas.
eaeedflee dtamtluUai jeftt.'r^
fMM LAHOCm FlMIMaOM
!* ufrtfm6aai.Urr.il
WFAM,
W, ru Drenot.

F. MAK.EK dk
rm i\ova n. 18.
O.
N.-i nrl r/ f,t->-
..l .'a llt.:.. ai *
na
*- >':i rn* r!>,.-r^ri7 ta l a Vl.-la, li.ja n. 17
de Carl(* pi"v i ,* Vi h r:ha*vii, tef d jwsita-
de i'frflf > ti4mr nmkin^iH* rrlet oV coier
caK'ados,^aiT.->. ioc'^i gri>s>a': i|uet>i pr-iinder
dinja-.-p. J'ta i.ji. que ir>'odi quem tratar
ATTENCA.
Pornece-se comedorias para tora com todo as-1__Henry Fui ster d C, ra do Tranich* n. 8
in a fifi moemn ochKalanimanfi^ aithMn nm aam ."
agente Pes
ferragens,
peos de bael
la anaii|rai
AMANflAi
Qnarta-feira 25 o> abril de im
Reproiitar-seBa o eicellaaia drama dTrTdMa
fias para ?erem os Mppllcados citados por todo o em 5 actas, de Domas Fitho.
MW^Wmw m!l
Mello^Lobo & C. toro leiHre por intervangao do
Ipleto sor ti rn oto de
5, perfamana i e cba-
4, evendo principiar o
leilao pelos artigos chapeos e eochadas o iwal ta-
ra lagar as I! horas efa ponto do da marcado
para o qne pedem aos seas amigos e freguezes se
dignem comparecer a hora cima mencionada.
Em cbnstqoeacia da prxima partida sofo
Mello para a Earepa asroveftara' esta para despedir-se pessoalmate de todo3 oe bmu>
zes de sea armazem.
O abaixo assignado roga a* Sr, Joid da Cd-
Dha Lobo, caixeiro do Sr. Palmeira, da praca do
-- Corpo Soto, o fcvor NM pagar a qaaml* de oe'
se aposseu em fcverelro #e-18l4, viste qoe nlo es-
ta' ?oaofvido a esvarar msts.
Recife, 21 de abril de 1866.
Jos da Silva Rodrigues.
seio e no mesmo estabelec'tmento acharo nm com-
Sleto sortimento de diversos petiscos a qoaiqaer
ora, nos domiogos e das santos haver mi de
' vacea o chocolate eom lelte de madrugada. Tara-
sem srnattbe qaaiauer eneommenda pan fora
sejaelaWtor.
aixeiro. att-..'.-!!
^^-S'^n.ciatjirppasa..tomar coalta de
uma taberna pof balanto, dando-se-lbe bom orde-
nado, e mesmo se dar sociedade entrando com
algora capital, dando garante a soa condueu para
uma e ootra omisa : a tratar ao seseo das B*rri
- ira boMlarmtt,-ta\Bh^ d?."?" 7 t, d a tarde de 5
plcicore no dia 21 do corrente, trocaram nmeba-

tem para vender:
Prensas para enfardar algodao.
IMBBinas Je litcafrofar aljiorlSo^ de 30 a
60 serrotes, com motores, assim como mto-
rs que servirSo para qualquer servico, e uma
machina HO sVrriva's nijtrffii machina a
vapor, prop'ri pura a mefua1.
INJECCAO KHOW.
Keme'dio inralfivel as aghofrheas antigs
rceti, frs, ubico deposito ua pliarmacia
e fraoceza rpa da Gru n. 22 e ao preco de
3. _
I
les de renda sor uma capa tambem de renda, e por I Predst-ee de orna-ama pira comprar, coil-
isso peda-se a essa pessoa qae fex semelbaote tro- ntnrr e enfommst : na ra'da CrUz n. 9, segun-
a, najaJe mandar lavar a capa ao Sr. Ferreira, do aduar.____________t-" ________ _
\^l!t&amJS^:Si^l 5if*2fld0 Precisa-se de um caixeiro dos oltimos ch*-
o-T^ 1? -u|,r 8CraT* oa sUbalo-1 "^lod*va Silgado s sua; ehora mau- no armarem da bola amarela so tiro da aoreta-
tL.*A.f*r^)r,r : rq* *pilrn. 6, sobrado dam sea Aho Josdasase Jos* da Costs Salgado ra da polica, recebem-se encommendas de fogo
eBMrD*ao- I para Rom* ao vapor de do twndaw. do ar para dentro e frs da provincia.

dar

ILEGVEl
11 im.a.-a.
I



gjEi.



PASTILHAS
VERMFUGAS
NOTA YORK.
DE COR GHEIRO E SABOR AGRADAVEIS
Infinitamente mais efficazes do que todos
Companiia. geral hespankola de seguros mutuos
sobre a vida
18S9
a fea ti-
FABRICA A VAPOR
99 RA DO MONDEGO 99 *
I>ep osito na roa Mota n. 56 lJ de relejo tiro.
Detouche denos deste estabelecimento partecipa ao respeitavel publico qoe sua ia-
os mais remedios perigosos enausabundos! brica est montada com as memores machinas que existem na Europa, e qoe_ pode
fabricarcom raelhor perfeico possivel. Todo o chocolate desta fabrica esta garanliao, e
puro, o que nao se pode encontrar naquelle que vem de fra, e que se vende por preco
baixo, visto os productos serem do paiz. Na etiqueta tem sempre urna aguia, t_.
que existem para a expulsao daslombrigas
Nao causam dores e produzem seu effeito
sem precisar logo depois de purgante ne-
nhum e tSoincitantes em apparencia e deli-
ciosas em gosto, que as criancas estSo
promptas a tomar mais do que marca a re-
ceita.
Uteis como um excellente meio de fazer
remover as obstruyes do ventre, mesmo
no caso de nao existirem verme algum, as
PASTILHASVERMIFtGAS DE KEHPS SlO promp-
tas einfalveis na sua operaco e por todos
os respeitos dignas deconfian?a e approva-
clo de todos os paes de familias. Prepa-
radas nicamente por Lanman & d,
Nova York.
Deposito geral em Pernambuco ra da
Cruz n.22 em casa de Caros____________
Samuel Power Johnston & Companhia
Ruada SenzalaNova n. 4.
AGENCIA DA
Fuadicu de iow Moor.
Machinas, a vapor de 4 e 6 cavallos.
Moendas e meias moendas para engenho.
Taixas de ferro coado e batido para enge-
nho,
Arreios d- carro para um e dons cavallos.
Relogios de ouro patente inglei.
Arados americanos.
Machinas para descarocar algodo.
Motores para ditos.
Machinas de costura.
*WMM*u*:*s>;* mmm
i DEPOSITO DE CALCADO g
fm FABRICADO XA CASA DE DETEXCAO M
> Roa Nots n. 61. J|
tm Ahi se encontrarlo obras de di- gg
[ versas qualidades, e por prego mui ^
$ diminutos, a retalho e em porces. 1
$ S se vende a dinheiro. JR
mmmmmmm^mmmmmm
Na ra estreila do Rosario n. 43, segundo
andar, precisa-se de urna ama forra ou escrava
pera casa de familia, e paga-se bem.
AUTORISADAPELO REAL DECRETO DE 21 DE 0EZEMBRO DE
Cma lauca em diaoeira, depositada nos cofre da estada, garaale
ministraco da campaihia.
BANQUE1ROS DA COMPANHIA DIHECCAO GERAL i
O Banco de Hespanba | Madrid: Ra do Prado n. 19
Esta companhia liga pelo systema mutuo todas as combinacees de supervivencia dos segn
NeuVpde se taier a subseripeao de maneira que em nenbum caso mesmo por morte do
segurado se perca o capital nem os juro correspondentes tales. KArift-
Sao tao suprehendentes os resultados que produiem as sociedades da ndole de-A isauo-
NAL,-que ainda mesmo diminumdo urna terca parte do interesan Pr^n"J? ?.r!^;g^
ces ecombioaudo-ocom a rnortaiidade da tabella de Depareieux que *2'0S^SmSSSS2
ara seu. calclos e tiquidacoes, em segurados de idade de 3 a!9 annos, urna imposto annua.
100# produiem effectivo metlico: .,.
No fim de 5 annos...... *s****222
. de 10 .......3:941J>600
15 ,...... 11:908*200
*-
Sfw
de
PRECO.
Meia libra......... *
Urna libra. '. 800
Urna arroba ......... 1<500
Na mesma fabrica acaba de se montar urna oficina com serrara a vapor para
obras e marcineiria propria para edificio, para o que encarrega-se de fazer portas, ja-
dellas, assoalhos (parqu francez como se usa na Europa,) e armacSes, ludo, com brevi-
nade eperfeicao. Toma-se qualquer encommeuda para fra da Cidade, entregando-se
prompta a collar-se do lugar.
Joaqoim
de 20........30:S5lO00
.deS5 ..... 86:331*000
as idades menores, de 3 anuos e maiores de 30, os productos sao mais eonsideravets.
ProspectJS e mais informacSes serao prestadas pelo sub-director nesta provincia.
m Fiuza de Oliveira, ra da Cadeia n. 52, on a Boa-Vltt ruar da Imperatri n. 12, esUbeleci-
ment dos Srs. Raymundo, Carlos.Leite & Irmao.___________________
DE

Attencao
o
Antonio Fernandes Velloso tendo entregado em
12 do correte mez ao seu procurador Francisco
Ferreira de Paula Jnior, diversas letras, reci-
bos e cartas de ordens, contas de livros para co-
brar de seus devedores, moradores no centro,
acontece o mesmo senbor. segando me participa
tf perdido os referidas documentos hontem na
ra do Queimado, em vista do que vm o annun-
ciante avisar aos mesmos devedores abaixo men-
cionados, que nao paguem os seus debito?, e nao
d e execugao as suas carias de ordens para aquel-
ies que eram dirigidas, seno ao abaixo asignado
ou pessoa pelo memo autorisado, posteriormente
a esta dala, protestanos desde ja' contra quem in-
devidamente em legal procurar rebeber as mesmas
dbitos. Rogando a pessoa que os tiver arfado,
os entregar a' ra da Madre Deus 16, visto nada
servirem, ou mesmo por se ter expedido um porta-
dor avisar aos mesmos devedores do oecerrido :
1 letra de Jos Oliveira Pontes Mleaco, 1 dita de
Joao Baptisla Pereira, 1 dita de Jo Pedro Fontes
Jnior, 1 dita d" Antonio Manoel Figoeiredo, 1
dita de Jos Antonio Brito Gnimaraes, l dita de
Manoel Pereira Barreta, 1 dita de Francisco Joa-
qoim da Silvrf, 1 dita de Francisco Jos dos Santos
Carpina, 1 dita de Benedicto B. Fragoso, 1 dita de
Silvestae Ferreira da Silva, 1 dita de Manoel Ray
mundo do Nascimencnto, 1 recibo de Looreneo
Gomes Procoplo de 1 letra, 1 dito de Jos Manoel
Lima, e 1 carta de ordens para Domingo.-. Alves de
Oliveira e Jlo Flix Ramos para entregarein 2
letras : gratiuca-se a qnem entregar estes docu-
mentos.
Recife, 20 de abril Je 1866.
Antonio Fernandes Volloso.
Alaga-se atcasa defnmte de S. Jes doWn-
puinho n. 94, tera urca boa sala na frente, aicova,
e ootra sala, com quintal, boa cacimba com agua
para beber: a ira ar na roa da Madre de Dos
o. 14.
COEIiHO Ra da Cruz a. 16.
Continua a haver diariamente um sortimento de pastis, podas, bolos inglezes,
empadas etc., etc. Os donos deste estabelecimento, acham-se as melhores condicoes
de poder satisfazer encommendas concernenles sua arte, em eoosequeocia do socio
Freitas ter sido administrador chefe de algumas das principaes fabricas na corte, sendo
urna a do Sr. Jo5o Goncalves GuimarSes (confeitaria do Le3o) aotiga casa de Carceller.
Todos os trabamos sao diflerentes dos que se fazem em casas particularos.
Os propietarios deste estabelecimento n5o *e tem poopado a desperas, nem se
poupar5o, se houver concorrenoia como esperam ; tendo continuadamente bom sorti-
mento de doces para cha; presuntos e ditos em fiambre, tambem se receben para se-
rem preparados ; assim como doce de caj noTO superior, secco e crystalisado, dito em
calda em latas hermticamente fechadas, podendo durar annos em perfeito estado.
Para jantares e partidas recebem-se encommendas dos seguictes objeclos; ban-
deijas ricamente enfeitadas sem armac5o pecas 3f amendoas (nogaces), ditas de tmaras
de ovos, p5es de 16 enfeitados com disticos anlogos a qualquer fim; ditos montados,
kechs simples e eBfeitados com fructas ingleza; gatheaux de la reine, ditos de le d-
chese, tortas de fructa, massa folhada; ditas de peixe e carne; cremes e doces de ovos
de diflerentes especies.
Tambem tem um completo sortimento de vinhos engarrafados, como sejam: vinno
do Porlo superior, Figueira, Madeira, Lisboa, Cherez, Bordeaux, Champagne fino, ser-
veja, licores, charopes e conservas. Para festas: bonitas caixinhas com amendoas, con-
feitos e mais enfeites. Muitos destes objectos mencionados podem-se perfeitamente ac-
condicionar tanto para a provincia, como para fra.
F1GJURAS
Acabam de receber bonrtas figuras para bandejas de doces, sendo grupos para
baptisado, casamento,annos ditta a phantasia, bonitos enfeites para bollos e circular pra-
tos de doces finos, tudo por precos razoaveis
TINTURARA
AO GRANDE S MAURICIO
PKOCESSOS APERFEICOA1IOS
PARA _.______________
Tlnglr, llmpar e lustrar a rapor.
F. A. SAUNGRE & C
2 Ra 7 de setembro 29
DcfroDte da roa nva do Ouvidor (Rio de Jaiciro)
Os proprietarios deste estabelecimento, o primeiro no seu genero no Brasil, por
trabalhar com as machinas mais aperfeicoadas para tingir e lustrar, de que se faz uso na
Europa, e ajudados por algms dos melhores officiaes de Pars e Ly5o, podem assegu-
rar seus freguezes urna perfeicSo no trabalho, a qual seno pode chegar pelos proces-
sos ordinarios. m .
Tiogem, lavam, limpam e demofam com a maior perfeicao e brevidade qualquer
qualidade de fazendas, tiram nodoas e limpam secco sem molbar as sedas e as vestimen-
tas de senhoras e de horneas.
PHOTOGHAPIILV
artstica americana
. RA DO IMPERADOR N. 38.
Artista americano
Artista americano.
Artista americano.
Artista americano.
RetratosRetratosRetratos.
Em porcelanaNiepcotypie.
Em leocosArchrotypie.
Em vidroAmbrotypie.
Em metalssDaguerreotypie.
Em papelTalbotypie.
No grande salao da na do Imperador n. 38
No grande salao da roa do Imperador n. 38
Neste estabelecimento tiram-se retratos
em todos os systemas, com asseio e promp-
lidao, desde as nove horas da manha
at as cinco da tarde ; assim como tem
sempre a venda grande sortimento de cai-
ras finas de diversas formas. Quadros
ovaes Pacsepartouts e todos os mais ob-
jectos e productos chimicos, relativos a ar-
te e recibidos ltimamente dos melhores
fornecedores de PARS e Nova York, tendo
de tudo, para todos es gostos e para todos
os precos.
Salao da ra do Imperador n. 38.
Salao da roa do Imperador n. 38.
m
0 Di*. Francisco Pires Hachado]
m Portella
:
Vende-se licores em duzia amito em conta.
D. Francisca de Paola Figoeiredo, cordeal-
mente agradece aos amigos e a lodos as pessoas
qne se dignaran) acompanhar os restos morues de
seu presado Jos AntooioFerro de Figoeiredo ao
cemiterio publico desta cidade; e de novo convida
os mesmos senhores para assislirema missa no s-
timo dia lerca-feira 24 do corrente na ordem ter
ceira de S. Francisco._______________________
AMA
Preeisa-se de ama ama : na ra do Livramento,
leja d. 14.
%TM8lmo Hez de liarla.
Sahio afina! 1 jz o Novissimo Mez de
Maria, 2.* edieSo correcta e augmentada
com um segundo exemplo, tirado da edicaj
de Lisboa, iltustraila com estampas proprias
e anlogas a cada um dia do mesmo mez
maano tonteado a instituido e indulgen-
cia.' e o modo de meditar o Santissiao Rosa-
ro, os mysterios gososos, dolorosos e glo-
riosos, versos proprios para se cautarern no
mez de maio, em que se finido do dogma da Conceico por Pi IX,
e um appendice com o ordinario da missa
illastrado com \inhetas pr<*prias, e as ora-
Ces necesarias ao ehristlo em cada dia:;
acha-se a venda na oflicina de encadernaco
n. 15 da roa do Imperador,
Mudanza do estabelecimen-
to~Fabrica de earros e
Jelozias.
F. Poirir, mudou-se da roa da Impe-
ratriz para roa do Imperador, junto ao
Gabinete Portngoez. Contina com os seos
constantes trabadlos de fabricar e con-
certar carros, e tudo o mais concernente
sua arte. Os seus freguezes e amigos po-
dem ali procnra-lo sendo qoe o sea esta-
belecimento offerece acommodaces para
guardar carros e cavados tratar; as pes-
soas que ali os quizerem deixar tem a
vantagem de fazei-se com promptid'o qual-
quer concert que os carros precisaren
de modo i darem-lhe o servico constante e
sem intenupeo o qne nao pode, fazer qual-
quer coiera,
A QUARESMA
Acabam de receber G. Paes do Amaral & C.
5 RA DO CRESPO 5
A litiga casa de Ciaiiherme da Silva alanaraes
Ricos cortes de vestidos de gros-de-naples preto, com lindas barras bordadas.
Moire-antiqne preto em cortes e em pecas, liso, ondeado e com palmas.
Gros-de-naples preto, de diversos precos e larguras.
Gorguro preto, fazenda superior a todas pela qualidade, e bonito tecido.
Este estabelecimento
acha-se sonido com numerosa quantidade de filos pretos, de algodSo, de linho e de se-
da, manufactura ios em
ckales
retondas
algerienes (bournus)
anamites
afrcaines
pompad(riir
DE FANTHASIA
Receberam tambem bonitos cortes de popeline de listras de cores, e matisadas,
BMiito modernas, de gostos inteiramente novos; e outras muitas fazendas de gosto, vin-
das pelo ultimo vapor
G. r. DO AMA Ali 5 RA DO CRESPO 5
.



.DE
FAZENDA E ROPA FEITA
KVA MOYA M. 4.
Rege & Moura, proprietario da loja de fazendas e roupa feita, sita ra Nova
n. 24, verdaderamente penhorados e reconhecidos para com seus amigos e freguezes,
pela aceitado e confianza que delles tem merecido no curto espaco de tempo em que
se acham estabelecidos e perfeitamente escodados na sinceridade dos seus tratos, decla-
ram para sciencia daquelles que o quizerem honrar com seus officios, que, em vista da
grande concurrencia qoe tem merecido o seu estabelecimento, especialmente no que
relativo a roupa feita; acabam de admittir para a sua officina de alfaiate maior numero
de artistas, inclusive o seu contramestre, dirigido pelo hbil mestre Lauriauo Jos de
Barros, o qual t)5o se poupa a exforcos para satisfazer com a presteza possivel qualquer
obra de encommenda. ,
Os mesmos annunciam aos seus freguezes que acabam de comprar um novo e
muito variado sortimento de fazendas finas e de bom gosto, proprias para o tempo da
quaresma, as quaes esto dispostos a vender por precos muito coinmodos e mais barato
que em outra qualquer parte. .
Como sempre escusamos essa enfadonha prolixidade dos annuncios bombsti-
cos ; preferimos mostrar na singeleza deste nosso convite os bons desejos que nutrimos
para bem servirmos quelles que vierem ao nosso reclamo.
MEDICO E OPERAfOR
PELA
Facnldade de Pars.
continua no exercicio da sua proflsso,
especialmente as molestias de plhos, de
vas urinarias e de pelle, para cujo tra-
tamento julga-se Habilitado ltenla a pra-
tica adquirida oos hospilaes daqoella ca-
pital, e os instrumentos mais modernos
que possoe.
Accode promptamente a qualquer cha-
mado para fora da cidade.
E encarrega-se de collocar olhos arti-
ficlaes.
No pateo do Carino n. 2, esquita da <
ra de lionas, das as 10 horas da coa- ?
nha, e da? 3 as 5 da tarde. 91
iHliKMaMMIMfnl MWMM flK-eEBflHi
Precisa-se
alogar um preto para servico de padaria, paga-se
bem : na ra Dlreita n. 24, padaria.
.Antonio Luii de Oliveira Azevedo & C. tem
para vender no seu escriptorio, ra da Cruz n. 1,
vinho do Porto em caixa de duzia, fio bamburguez,
oola da Babia superior.
jEagomma-se
com asseio, promptido e preces razoaveis: na ra
Augusta n.5, loja.
PAPIS PISTADOS
Sortimento de papis piolados e
lindas guarnicoes para forrar casas.
NA L1VRARIA FRANCEZA.
N. 9 Ra do Crespo N. 9.
}M Companhia fidelidde de seguros
martimos e terrestres
estabelecida no Rio de Jaueiro.
AGENTES EJ1 PEINAMBCO
I Antonio Lniz de Oliveira Azevedo k C,
S competentemente autorizados pela direc-
tora da companbia de seguros Fidelid-
de, tomam seguros de navios, mercado-|
is ras e predios no sen escriptorio ra da 3
Mmmmmmmmm mmmm
DE
DE
r. VIGNES.
N. 55. RA DO IMPERADOR M, 55.
Os piano* eta amiga fabrica sao boje asss conhecidos para que seja necessano insistir sobre a
na snoerioridade, vantogens e garantas qne offerecem aos compradores, qualidades estas iaeootesu-
veis que elles tem definitivamente conquistado sobre todos os qne tem apparecido nesta praca ; pes-
loindo um teclado e machinismo que obedecen i todas as vontades e caprichos das pianistas, sem
nunca falbar, por serem fabricados de proposito, e ter-se feito ltimamente melboramentos impertan-
tissimos para o clima deste paiz ; quanto s voze, sao melodiosas e flautadas, por isso muilo agrada-
reis aos oovido dos apreciadores.
Fazem-se conforme as encommendas, Unto nesta fabrica como na do Sr. Blondel, de Paris, socio
eorresoondente de J. Vigaes, em cuja capital foram sempre premiados em todas as exposic5es.
No mesmo estabelecimento se achara sempre um explendido e variado sortimento de mosteas dos
nelhores autores da Europa, assim como harmnicos e pianos harmnicos, sendo todo vendido por
precos commodose razoaveis.
PECHINGH4 SEM IGUAL
Ricos cortes de gorgorao de seda pretos adamascados para vestido com 13- metros
on 18 a 10 covados cada corte, largura de chita franceza, pelo baratissl mo preco de 0f
cada corte : na loja das columnas da ra do Crespo n. 13 de Antonio Correia de Vaseon-
cellos & C.
Preeisa-s de urna ama escrava para o ser-
vico de comprar, lavar e eagommar para urna casa
de pouca familia ;' na roa das Lruzes n. 9, segun-
do andar.
Canos de ferro.
Na padaria da roa Dlreita n. 84, se dir' quem
compra 300 pe? de eaao de ferro de doas poiegadas
de dimetro.
lrrecisa-se
Alogar nm moleqne, ou negro moco en de meia
idade.para todo servico de orna casa em Olioda de
pequea familia; a tratar oa roa da Imperatri
n. 38, loja.
Aloga-ae a casa nova n. 81, eom taz, a roa
da Concordia; a tratar a' roa do Hondega, oiaria
n.13. ^^
O Dr. Carollno Francisco de Lima San-
tos contina a morar na ra do Impera-
dor n. 17, segundo andar, tendo alias sen
gabinete de consultas medicas, logo ao
entrar, no primeiro.
O mesmo doutor, qoe r-e tem dado ao
stodo tanto das operaedes como das mo-
lestias internas, prestase a qualquer cha-
mado, quer para dentro qaer para fra
da cidade.
s
s
i
Eoj casa de Tbeod Cbristiansen, roa do Tra-
piche-novo n. 16, nico agente do norte do Brasil,
de Brandenburg frres, Bordeaoi, encontrase ef-
fectivameete deposito dos artigo? seguintes :
St. Jabeo.
St. Pierre.
Larose.
Cnatean Loville.
Chatean Marganx.
Grand vin Chateau Lafltte 1858.
Chatean Lafltte.
Hant Saoteraes.
Chatean Santernes.
Chatean Lataur Blanche.
Chatean Yquem.
Cognac em tres qualidades.
Azeite doce. Pregos de Bordeau.
fina dr rnmmants de tirrairn rn rnr iir '-p
. radar n. 4, terceiro andar.
Recebem-se escravos Unto do mato como da
praca para serem vendidos por eommissao, afflao-
ca-se o bom traiamento e seguraoca para os mes-
mos. O abaixo as6goado nao poopa estorcos afim
de os vender com promptido, nesta mesma casa
ha sempre para vender escravos de ambos os sexos.
_________Antonio' Jos V. de Sonzi.
Antonio Jos Rodrigues de Souza na ra do
Crespo n. IS, toma diobeiro para mandar entregar
oa Baha, Para e Maranbo.
MBOICU m
dih ni lunroiTUl V LR
s
tapad
MEDICO
RUA DA IMPKBATB1Z N."48.
Trata especialmente das molestias
phiHtieae e de criancas.
sy-
s
Coalnhelro.
Precisa-se de omcosinheiro forro ou cap-
tivo que d fiador a sua conducta: na ra
da Cruz n. 48, primeiro andar.
Ama
Precisa-se de urna ama, para coslnhar e mais
gertleo de urna casa de pouca familia; a tratar na
roa da Guia o. 33 segando andar.
Na roa do Imperador, casa n. M, segando
andar, ha para alagar ama essrava moca, engom-
ma e cose ; quem a pretender dirija-se a roa do
Qaeimado, loja p. 1 para tratar.
Joao da Silva Ramos, medico
pela universidade de Coimbra, d i
consultas em sua casa das 9 as I
1 i horas da ma nha, e das 4 as 6 9
da tarde. Visita os doehtes em suasll
casas regularmente as horas para !
isso designadas, salvo os casos ur- a
gentes, que serio soccorridos em i
qualquer occasiSo. D consultas aos I
pobres que o procurarem no hos- |
pital Pedro II, aonde encontrado j
diariamente das 6 s 8 horas da ]
manba,
Tem sua casa de sade regular- I
mente montada para receber qual- !
quer doente, ainda mesmo os alie- I
nados, para' o que tem commodos 1
apropriados e nella pratica qualquer j
opperacSo cirurgica.
Para a casa de sade.
Primeira classe. .35000 diarios.
Segunda dita___34500
Tercetra dita. ..2*000
Este estabelecimento j bem ]
acreditado pelos bons servics que i
tem prestado.
O proprietario espera que elle
continu a merecer a conQanca de J
que sempre tem gozado.
i VAKELL1
acantee e phamtaslaa.
Um volume in 12.a impresso e en-
cadernado em Paris: em casa dos
edictores
LIBRARA FRANCEZA
NjO Rua do Crespo N..9.,
MI1IIH MHHMM
Fog*o do ar
Valdivino da plvora se acba com fabrica de
fogos arlificiaes na ilba do Marurai, com grande
porcao de fogos de I* sorte, ji preparados a espera
de festejar o grande dia qoe tiver noticia de qnal-
qoer triumpbo de nossas armas dentro de Para*
goay : todos aqoelles que tiverem a mesma satis-
facao dirija-se ao armazera do sal na roa Imperial
- J4* taryaiatomo di Amtqmrque, scientifle
ao eorpo do coramercio que comprou a taberna,
sita a roa do Nogoeira n. 49, so Sr. Francisco Jos
de frefiae GaimarSes. livre e desernbaracada :
quem se Jnlgar eom direito mesma, queira en-
tender-seeom t comprador nestea tres diaa.
Ahiganse
por se retirar para fra o actoal morador, a easa
da roa Formosa n. 13, em boa estado de asseio,
e toda tetrada : trata se na mesma casa, das 5
horas da urde em diiote, a resptito do alu-goel e
lee bemfrttorias do predio. ___________
Precisa-se de nm caixelro qoe tenha pratica
de taberna ; na roa da Matriz n. *7, (Boa-vista).'
CASA DE RAMIOS 1
26 Pateo do Carino 26.
Neste estabelecimento tao impor-
tante para a saude e asseio do eor-
po, acham-se montados 20 banhei-
ros, que sao servidos com a ordem
e asseio que para desejar-se. Qua-
tro destes banlieiros sao especial-
mente reservados para senhoras e
por isto acham-se collocados em lu-
gar reservado, aonde s tem entra-
da as pessoas de urna mesma fami-
lia.
PREgOS DE RANHOS AVULSOS.
i banbo fri, momo ou de
chovisoo ...... 500
1 dito de choque .... i 000
1 ditodefarello...... 1^000
i dito aromatisado I 000
PREQOS POR ASSIGNATURA.
30 banbos por mez fri,
morno ou dechovisco.
25 banhes com cartes pa-
ra os mesmos ....
12 ditos ditos ditos .
42 ditos ditos de choque.
i2 ditos ditos de farello..
O estabelecimento estar aberto
nos dias uteis das 6 horas da ma-
nha as 10 da noite, nos dias san-
tificados das 5 as 5 horas da tarde.
10,5000
m
m
I
io;)0oo m-
0OOO a
100000
10AOOO
Muihtr.
Precisa-se de nma molher forra ou escrava para
comprar e cozinhar em casa de bomem solteiro :
oa roa do Queimado n. 17.
Precisa-se de urna ama de bons coslumes,
para andar com nm menino em casa, e mesmo en-
gommar : quem esliver n'esfas circometaDcias di-
rija-se a' ra do Qoeimapo, loja n. 46, de Goes &
Bastos.
i
Aviso aos Srs. commer-
ciantes.
O administrador da lythographia de Al-
bert Rldoux, sita a roa da Cruz do Reci-
fe n. 46, avisa ao respeitavel corpo do
commercio qoe este estabelecimento a-
Cha-se competentemente prvido de todos
os materiaes suficientes e de boos offi-
ciaes, tanto gravadores como lmpressores
para a execucao fiel de todo e qualquer
trabalbo, garaotindo ao mesmo tempo as
siduidade, promptido e asseio naquelle
trabalbo de qoe se encarregar. Outro
sim declara que alm do qne ex posto Oca,
trabalha-se em qualquerj obra por mais
mdico preco do qoe em ootra qualquer
parte; portento rogase a benevolencia
pro teccao dos Srs. eommercJantes para fi
ridade do esubeleciaento.

AMA
Precisase de ama ama para comprar eeoziabar
para ama moca ; jaa roa de Hortas n. 16, segando
Na roa do Codornto n. 11A existe nma car-
ta vinda da Parabyba para o Sr. Eneas de Arro-
xellas Galvlo.


.
1 \
1
INJECTION BROU

INJECCAOe CAPSULAS
.VEGETAES AoMAma
GRMAULT&CLEPriARMACEJTICOSMPARIS
Noto trataaiento prepiriio com m folktu de Mtico, rtoredo Per, para i cor rauda a InfalUval
Vende-se na.rua Nova n. 18, pliarmacia franceza de
P. MAURER & C,
ugio no da 19 di
partidario, de idade pouco ruis on menos 16
nos, traja caiga branca, camisa de ajgoda'ozihho
e jaqaeta de riscfdoazal, 6 pertiinc a Sra. 1). Toa-
ris, de Jess de Sooza Leao : os apreendedores
cadptuarn a na da Imperalnz n. 86
COMPRAS
ibC ab
on*pra-se onto, prata e pedral preciosas
m obras velhas : na roa da Cadea 'do Recife
cja de earives no arco da Conceicio.
Onro c prata. "
i Em obras vertas; compra-so ri praca da ln
. depecdettclo n. 32, Toja de birhttes.
Compra-** na borra de ferro, ingiera"*
i sesmo das antigs ^ a roa Ncra n. 31.________
Comprara'* doas rodas para carroga oa
j wma carroca qoe esteja etn boa estado : no arma-
cem da bolla marella no oiao da secretaria d*
'polica.__________________ _____
Compra-se na prensa-de algodao de Saanlers
Brotlwrs C cementes o algoto i 800 rs. por
erroba.
na
enfeitados com aljdH-igt pe
opras*para meninas e seoboras. Jt^jl
atnitos ehapezlnjpsf
de palki fina e ateneaes ira .IMStax..
Hf , *na pana cansar de comprar, par baeretri
las parte do asseio e bom gosio ckrjte tr
- us *Hf*Bll|iM*] i aguia braMli-t) i
ztr de wr uettoSelas e precisan **us foi
devidamente1-IpftclM' e compraflaaef seo!
Dbo. Os chapeozinbos, alm de seiedr (fuma
Iha mu Boa, sao de mu bonita Mtaa-e ni
gosto, entenados com toda a perfeKaoTj)s a
ues, porm, sao de fina cambraia,
qabadinhes bordados; o que Ibes da Rela or
Os precos destes, 8*000, e daqaeT
quaoto
que
Queimado n.".
VMrlIhos ale edres r aljofare,
imitando ac, iva eofeitos de vestidos.
A fufa-branca aa ra dofeueimado n. 8 rece-
beu uto bello sortimento dos objectos cima pro
prros para frites vestidos, etc., etc., e eaU
vendendo commodamente.
Novelada.
Ha AgWa branca i rea do Queimado n. reo.
beu diversos objectos #e multo costo e Inteiranen-
te notos, sendo:
Bonitos e delicados pentes dourados e prateados,
tendo -entre elles aiguos de filigrana obra m per-
feu-e de elevado agosto.
DHos eom Chapa de madreperola.
Brincos de filigrana e outras quatidades.
Fiveilas de dita e outras tamben de diversa
naudadd*.
Cintos mu txmitos, enfeitados em toda a aten-
go com capacieres douradose prtoado?.
Filis enfeitados, com meedinhas'ftouradas.e lan
tejoilas, aljofares & 4, sendo para coque, e toda a
cabeca, e outros com plumas &.
Bonitos-voltas de jaste com orates, tendo >tom
bem algasias de doas cores.
Lavas -e metas
de laa vegetal, para qnem soffre de ir lardada, pa-
a tratarla ralesya^tc. Veodem-se -ama do Queimado toja
d'Agua branca o. 8.
anan | Bandolioe de roza
para segurar oa conservar per fe la mente atado os
I cabellos das senbor as. Vende-se na ra dofQuei-
_____ I nado toja d'Agaia branca,-4 -14000 o frasco.
Enfeites pretos 'para vestidos
A &guia branca -feceboa novos enfeites i cretas
*ra-vestidos, sendo bicos com vidriUioe-e se
VpndAwa eoaninfAc nimio vifl Ain,n H3! Iranjae -com pendeoies de vMrMbes-e sen
i S?!^ segaurtes obras dejhreilO Net, cordo rosso tambem com vrtlbos sem
?om. pouco aeo : Manuel-dtt Drott -Hemain e*les; assim como^alSas e franjas. por Mackeldej, 1 volume por ty;.Wocio-{?]**>filas de 'Hado etc. come senpr es boas
56.
Na roa do-floeimado loja de nndezas' n. 1, ven- j Uja^ftC, Jpji
rPU de-se aspas de ac fortt ,les larguras AMliazCW da Arara rila
* iara baloes. pff atrlz u.
Vendem-se na ri^|^^H^ Eb{
.s n. 16, booltos qdtw^nmmfimV** *e fWL
dourada, lodos por precos rasoaveisr'
r\ jf Gawafa* brancas i
oores en superior cua da otcia.
da Im-
f
I>E
de eores eem superior agua da 6oiow-
Vendem-se oa ra do Queimado, loja de miude-
as o. 16. ff. ,_,
Novo gosto
Peales, (Wellas, e brincos de fetlaraaa.
A antiga e bem coubecida loja o. 16 oa roa do
ueimado, recbau um sortimento de diversos ob-
jectos de novo e bom gosto, sendo pentes brancos e
lourados de moldes eMeirameDle novos e mol a-
gradaveis, leudo entre elles algnus de filigrana obra
de multo gosto e dficit execucae, e bem assim li-
vellas e brincos as mesmas circumstancias.
Tambem recebeu algnns cintos o que-de mais
to sao tu* baratos coohecera** pr#endent,- ruedernot bonite, se pode encootrar em tal genero.
a2 8 J* aa8a,abr,B,*> rua *; Alm disso encontrado os pretendentes um com-
Conpnam-se
Guia a. 9.
laus aziw (le gaz': >zTna da
Cobre latto e drniobo
No ermazem da 'bola ama -ella tjo oftao da
secretaria de polica, cempra se cobre, lalo e
chambo,
'Compra-s.nBa carroca qiie estn em bom
estado c na-rua da'Croz n. 85, 5tandar. Na oes-
ma casa se dir qneo vende dotis scravos cabras,
deiade'40 annos, Bonscarrelrsa.
iCempran-8e"doas casas -terreas :
roa do Qneimaeo n. 13, prinetro andar.
VEHDAS
AOS SRS. ACADMICOS
inaire du Contentieux Oommereial. or Mas- *egnezes encontrarao-eommodid3,de a ppe.;osnos
s, volume, por 5,5 ; SUmen* drit\SSSo"Td,"*k,,Id A^^rM
i romam, por Maynz, 4 volme por 4fc Es- J Botes 4e vidi-o
\pni dla jnrisprudeme des sttceessions, ioom enfeites d'aco no entro,
por Conflans, i'volome, por t$ l Traite de 'Essesboloes que tantoservem para Taelhor se
drott penal, mt P. 'Rossi, 2 vlumes Dor lp^-r enfeUar'mD *n ^io velo- en de cor,
eVEco- tok .1p phnflf.afioja da agurferanea
Queimado n. 48.
U.UTO -yi^nqnc es jumiies, por ueo- branca n. 8.
1 wlume, por 30; Elemente te'Eco- aba de Caar aioia
e Pobttque, por Gamier, 1 votme, por j a rua do aieima
\nomie
25 ; e OPffmisatmHK-tracait,.^orLois
Blanc, I vdlurae, por ij&QO: na rua do
Crespo -a. 4, fabrica d&ebapos do sol.
pleio soriimento de fivellas de madreperola, cliris-
lal, tariarega, e dourados, bnocos de chrtsul, e
Jaspe, vollas e cruzes de dito e muitos outros objec-
tos de gosto, os ffuees continua-se a vender commo-
da mente.
Penenteg de madreperola, e enfeites filets
A loja de miudezas oa rua do Queimado n. 16,
recebeu bonitos pentes com cbapa de madreperola,
e novos enfeites lets ornados da lanlejoilas acu-
radas, moedinbas, aljofares, vidrllbos etc., tendo
grandes para toda cabeca e pequeos para coque,
regalando os precos de it a 4#00 ti.
B mitas caisinbas
com arraojos dourados para costura, teodo com
msicas e sem ellas. Vendem-se na rua do Quei-
mado loja de miudezas o. 16.
Trancas pretas
com vidrilhos, e btcos com ditos e sem elles para
enfeites ou vestidos.
Na roa di Queimado o. 16 loja de miudezas a-
cbaro os preteodeates um bello sortimenio dos
objectos cima ditos, cascarrttbas, franjas etc. etc
eludo est sendo vendido por presos coremodos.
Boles pretos
de vidro enfeitados d'aco.
A loja de miudezas o. 16 a u do Queimado
vende mui bonitos botes pretos de vidro com en-
feites dear.o, os quaes muito se uzam paraenfei'.ar
vestidos, quem os pretender pode dirigirse a dita
loja n. 16 roa do Quemado.
venden se na lojt de niindczas
a rua d {Heiiuao n. 16.
Bonitos leqoes de sndalo e outras qnalidades.
Bonitos cintos com fivellas de diversas qnalida-
des e moldes.
Brincos e cruzes de crystal.
Abotoaduras de dilo para coletes.
Bonitos pori-relogios.
Delicaaas caixas com msica e sem ella, para
costura.
Agolnas e linbas para chrocbet.
Retroz superior em carriteis.
Rendas pretos e bicos com vidrilhos.
Filas de velludo com lis tras de cores para en-
ur fttVudv* GuiUitd.
cprfttaTOalsleestabelvcimento recjMi pe-
lo ultimo vapor de Europa diversas qaalidwes de
fazeniVas paw wsti4ds dejullora*.
"*Sdas de cfe3 zlwm ocova o.
i Vepde-se seda de cores para vestidos de sennv
r a (800 o coialo.lasiohas de lindas gol tos a
2'0, 320 e 400 rs. o cpvado. Roa da Imperatrtz lo
ja e armaren) to Arara o. 86.
Melodiques de )3a para vestidos a 4C0
ocovau
. Vende-S Pa aova fazenda tor nome melodi-
ques toda de laa paia ves-idos a 400 rs. o covado,
cbitas oas a 320 e 400 rs'. o cevado. Raa da Itu-
peratriz loja do Arara n. 56.'
Arara vende susim para vestido a 240.
Vndese nova-feaida sus^ra para vestido, de
senbora e roupa de meninos a 240 rs. o covado,
ditas a 160, 200 e 2401, o covado. Rua da lm
peratrlz loja do Arara n. 36.
Tarlaiana de la para vestidos a 240.
Vende-se tarlalana de lia para vestidos de se-
nhor,a a 240 rs. o covado, fil de llobo a 160 o co-
vado, cortes de chita a 2#000. S oo Arara, roa
da Imperatriz o. 56.
La a traviata a 320 rs. o covado.
Vende-se nova la a traviata para vestidos de
senbora a 320 r?. o covado, s no Arara ioda es-
tas fazendas novas vindas pelo ultimo vapor da
Europa. S oa loja oarmaaen da Arara, rua d3
Imperalrit o. 56.
Arara vende cobertores a 4500.
Vende-se co'ertores de pellos a 12500, ditos sem
pelo IfiOOO.cobertas de lista 2*000, coberias do
damasco 4*000, cobertas de asto a BOOO. Roa
da Imperatriz n. 56.
Laasinlias do Arara a 200 rs.. o covado.
Vende se laasinbas para vestido a 200,240,320,
400 e 500 rs. o covado, cotarinhos para homem a
5(0 rs. a duiia. Rua da Imperatriz loja do tara
d. 56.'
Arara vende as cassas a 240 rs. o covado.
Vende-se cassas francezas finas a 240, 280, 320
e 400 rs. o covado. pesias de cambraia de forro a
2*000, ditas finas a 3*000, 4*000 5*000 e 6*000.
Rua da Imperatriz loja do Arara o. 56.
Chitas a 460 e 200 rs. o covado..
Vende-se chitas escuras e claras a 160, 200 e
240 o covado, ditas francezas Boas a 280, 320, 400
e 500 rs. o covado, percales maleadas escoras a
500 rs. o covado, s se vende assim barato o Ar-
ra. S oa loja e armazem do.Atara, rua. da im-
peratriz n. 56.
Novidade no Arara.
Algodao a 34*
Vende se peca de algodao encorpado a 3-r, i-;
e 6* a dita e 8* e 7*. Rua da Impsratriz loja do
Arara n. 56.
Arara vende madapolo enestado a3500.
Vende-se pegas de madapolo enfestado a3i-5l:0,

4* e 4*500 ditas de 24 jardas a 4*,
rua da imperatriz loja do-Arara u.
Chromaco-me para Ungir cab Hoild walter para dito.
Tintura deL- 'Marqoes para dito.
A guia ranca
feites de gorros vestidos.
SadearSdenaP0'eS' '1SaS 6 'aVradaS' br^flt. Wi*
Para tingir cabellos.
Hoild Waller.
Vende-se na rua do Queimado, loja miudezas
n. 16.
Chromaco-me
Para tingir cabellos.
Vende se na loja de miudezas, a rua do Quei-
mado n. 16.
Tintura de L. Marques
Qara fazer os cabellos pretos.
Vende-se na rua do Queimado, a loja de
56.
fe

uuu-;
PARA 1860a
, Acabam -de sahir ihz as folbinas de Bonitos chapeosinbos de^etim pa ra dito.
, a^ibeiraede^porta para o anno de 4866, o' I**sas camelias e outras qnaiidadf is.
limis correctas possivel tinto no calaiJo das Novos Drincos fivellas,.pestes e p nlsfiras ^de fili-
tS it^Sk^S. dlVerSaS fes,as P*aD,'-eda de cores par. debru abar vestida.
qm a igreja celebra,- vendem-se OTDcamen- Dr- :. sarja com diferentes cores e larguras.
te oa livraria da praca 4a Independencia, a" ,v- Je gorgoreo, deaenbos ovos e- bonitos nara
460 ris as de .porta e 320 risas-de atei- n28&
'beira. fc carteiras com agulbas.
a rua do .Quimado n. 8
acaba de-receber:
Laotijonlas d'aco para enfeites.
Peonas branca; e de cores, para gorjos e chapeos- dezas n. Id.
tSSST-""'^M'tso modernos. lissaogas uiudas, aljofares imitando
Sapatinbos de setim parifbaptisa. ios. ^ ... .',. J.____A
Meias de seda para o^tnesrao. vldrilhOS de COreS
**ara enfeites de vestidos ; vende se ludo lisso por
$>recos razoaveis na
de miudezas.
>ua do Qaeimado n.l oja 16,
Cal de LlsJtoa
jdesewibarcada do vapor inglez Cassine, veade-se
por-eomroado preco, no escriplorio de Manoel Ig-
joaalade Oliveira & Filho, do Corpo-fianto
.numero 17.
Pecrtifictra adiuiravei
iiaaziohas de quadrnhos que parece seda -a 240
?N%* armazem de 1 uzeadas
i baratas de Santos (r>)ei
Rua do laciniado n. 19.
Vende-se o segoinle :
Cobertas de chita da India a 2*400.
i rj. o catado, urna grande pecbiHeha,est soaea- ^s.no'
ando.: na loja n. 32, armazem da porta larga de *
Lencoes de panno de llnbo a 2*200.
Ditos de bramante de Hoto de um s
panno, a
PERFUMERA da casa oger
Paredes Porto.
Luva>sde pellica pwtas e o'u
tras eares..
Chegaram para a loja de micidezas a rua do
______Queimado n. 16.
Veodem-se garrafas botijas vaaias e lava
das : na roa da^oledade n. 2G.
Pavas da Iha.
Veode-se na roa da Cacimba a, t, taberna em
frenlearua do-Vigawo. pelo commodo pr-ece de
ISO rs. cada libra.
Veode-se orna taberna bem afrgueiada a
tratar no pateo do Terco n. 12, loja de loaja.
VeDdem-pe 400 .pedras para" adrilbo." vindas
da liba
Boulevart Sebastopol,
Dea medalhas, a coniecoraco da Legin
d'boBMur e a grande repuUcao que ten Iba
dada o pubUco,taes sao aa recompensa* qaeoa
tervicM prestado* a ndnr marecerae a
ana imfrtante casa dande ama foadacao etn
1804.
N'um urtnento de laaie da 600 artiga*,
as pesaoa* decantes escolherao o* seguinte*:
ROSEE DU PARADIS, tracto perlina
para lenco.
POMMADA CEPHALIQUE contra a cal-
vicia.
AGUA VERBENA jwra a toucador.
OXIMEL MULTIFiOR.
VINAGRE DE PLANTAS HYGIENICAS.
TINTURA VIRGINALE de beijoim.
ROSEE DE LYS, verdadeira agua de
Jouvenci*.
56, rarlz.
CREME LMALE de sueca de Rosas.
POMMADA VELOURS para amaciai
pelle.
ELIXIR ODONTOPHILE.
SABAO dedicada a* dama* amnririaaa
SABAO de bouquet de Franca,
>
d
d
d*
i'
*
d
d-
d*
d
de flore* de aleea rotea.
de flores prntinieres.
de bouquet dd Patena.
de perfume- e zotico*.
aurora, dedicado aoi dedo* car da
rota,
de florea daa niontanha*.
de cheiro de foini nouveanz.
de blueta ebeirosoa.
de althea balsmica,
diapr, caiza ra, fantesia pari-
a tratar na roa do Vigario n. 14.
Aos amantes dos bailes.
Vende-te lavas de pelica de todas as cures para
faamem e seoboras, (pelo admiravel preco de 600,
800 eJJ o par : a roa do.Queimaco n. 67.
" Carallo.
Vende-se ora bonito cavallo, baia gordo e anda- nj(, ru
dor, para ver e Iratar na eoieira.deroote da esta-
(ao da estrada de ferro.
Lencos.de cassa brancos proprlos para a teibeira
a 2^000 a duza.
Algodoonfestado com 7 L;2 palmos de .'affiura
a 1*200 a vara.
Alboalbado de linbo a 2*800 a vara,
Dito de algodao a 2* a vara.
Goardaoapos de linbo a 3*800 a duzia.
Pecas de cambraia de sal picos a 4*qOG.
Liaziuha abewa de cores a 320 o covado.
Cambraia branca de forrd a 3* a peca. i
.fil de buho Is fino a 800 rs. a vara,
Do de dito com -lpicos a 1* a vara.
Paono de linbq fino com 9 1)2 palmes de largu-
ra pelo barato preco de 2*400 a vara.
Madapoloes finos %$, 9*, 10*. 11* e 12*.
Cambraia lisa de 4*500, 5*. 6*, 7* e8* a peca.
Pe^as de bretanba de algodao com 10 varas,
_ JKgPO* para saia, neto baratissimo prece de
3*500.
Lazinba lisa de cores a .500 rs. o covado.
Cambraias Unas de coree miudinhas a 360 re. o
covado.
Esleir da india propria para forro de sala a>
; 4, s e 6 palmos de largara, per menos preco do
que era outra qealquer parte.
Neete armazem tambem se encontra um grande
sorlimenio de roupa feila e por medida.
Atten#o I
Atten^o!
Attencao!
tirnsdeaap(c treta a 1,sG0O o covado.
Veode-se un grande soriimento de grosdena-
ple a 11600, 1*800, 2* e 2*500 o covado : dito
muito superior a 2*800 e 3 : na roa da Impera-
triz n. 72, loja de Gaimares & Irmao.
Moriantique preto a 2(5800.
Vende-se trm grande soriimento de rcoriantique
a 2J800, 3* e 3*500 o covado.
Chales de renda pretos a 8000.
Vende-se tambera um variado sonimeoto de cha-!
les de renda
a 11* e 12*
JBJ0O&
Retondas pretas a i o^f.
J*ndem-se relonaas preus pelo barato preco del
10*o II* : na rua da imperatriz n. 72, oa de,
Guisiaraes & Irmao.
Grande pechncha panno
covado.
amben um variado soriimento de cha-! ^ Pode offerecer productos de ]
a 8*, 9*500 eio*; ditos muito finos '*- confianca e satisfazer qualquer
; ditos de seda fozenda muito lina a'fl| commenda a grosso trato e a
raude armszem de tin-i^
tas medicamentos etc. g
Rua do lurperaor n. 22. J
tioo Pedro das MeTes (ote*
Pedro das IVeTes (ge-
rente) tcm a renda o
segninte: M
Productos chimicos e' pharma- ^
ceuticos os mm empreados em ^
medicina.
Tintas para todo o genero de pin- J"
tura e para trntoraria. *^
Productos industriaes- e tintas S^
para fie res, como botoes de flores ^
e modelos em gesso para imitar
fructas e passaros com o compe-
tente desenho.
Proiuctos chimicos e industriaes
para photograpbia, tin'i rnria, pin-
tura, pyrotecnia*etc.
Montado em grande escala : sup-
prido directamente de Paris, L>:^
dres, flamburgo, Aovers e Lisbua
pode offerecer productos de plena *jg
en- Ti
.. reta- H
ino e por prego commodo.

m
m
'0
m
n-

JUots
preto a cooo Vendeni
Tasso
Vinde-se panno preto proprio para calcas e pa-
tt (5
Vende-se ama taberna dos Quatro Cantos em
Olinda n. 4, propria para familia; z tratar na
mesma, e no Recife om Joao Sim2es Pneota, na
roa do Amorim n. 30.


Pracisa-se de urna ama para casa de ponca fa-
milia, que saibatengommar e cozuhar : a tratar
na praca do Corpo Sanio n. 1'.'.
MARTIMOS
CONTRA FOGO.
A companhia tadeaanistdora, estafacU
da natta pmja, tonta segaros maritiaoo <
bre navios o seo carregameiHoa, e contra
fogo-eai edrftcio, inercadoriaa^ mottlH:
na roa do Vigario n. 4, ijaviaento terroo.
LIVROS
SE
PREPARATORIOS
UCUA1N6LZA.
HILURD'S-First ClassReader. in 12.
MOTTA Gurnjmtica pralica da lingua
ingleza, in 8.
SADLER Cours complet de laague an>
'glaise.
SADLERDictionatro franaia-anglais *
anglais-francais, in 8."
SPIERS Dictiona ir francais-aoglai
anglais fraogais, Sini.0
OLLENDORF.-^Methode d'anglais, in8.
RUSSEL Carao de lingua ingleza, se-
gundoo.mtodo Roertton 3 10 8.
VIEIRA Dicowry o ihe engiiab and
pprtuguese languages, 2 in 4.
Relogios americanos
O-Hua J*ova5e
E. Aaaasio Delooche aeaba de receber asa grao,
de soriimento de relogios americanos para parede
e cima de mesa, com despertador o sem desperta-
dor, corda de oito das, afSaoea a qoalidade, ven-
derse por preco em conta.
-- Vende-se um eseravoT na roa da Troperarlz
D. 46.
da Imperatriz n. 28.
Veodem-se cortes de cambraia braceos com 4.
8 e 6 balados a 20* e 25*.
Fil de seda preto com flores a vara 1*.
Cambraias brancas de urna vara de largara fi-
fia a 1* e 800 rs.
Rica* lampada* e candieles
e't retalho.
a gaz por grosso
Armazem das machinas
36--Rua da fttdeia da Recife~ oC
140Rua da Sen zal VelhalkO
Silva 4 Atoes
Avisara aos senbores agricultores e aos seos fre-
goezes em geral. que acabam de rel^er de New-
xork um completo e vanado aortimenir dai.vw
dadeiras machinasNorte Americanaspara des-
?nr.^ a,di0 5 iu* o serrote. Os senbores pretenilanies'io*
dam se dirigir o tea eMabeleelawnnt i*Tda C^
l*ld0^,e ./? B'n ^ "a da
Seozala Velha o. 140.
Pechiacha
Vende-se a taberna da roa da Guia n. 36 pro-
prio para principaste, 6 o motivo se d ir ao com
prador. / ,.
iftiisi nmwmL
Os chale do Patrio a 6 7* e 8*.
Vendem-se ricos chales pretos de renda moli
grandes com omito pomas, sendo os mais moder-
nos por terera ebegado pelo ultimo vapor francs,
e vendem-se pelo baratissimo preco de 6*, 7* e
8* : na loja do Pavo, roa da Imperatriz n. 60, de
Gama & Uva,
-r Vende-se na rua dT Cruz n. 337 U-us, vo-
Jantes e galoes, esplgoflha e renda, cera branca
em velas, escoras para ealcado, duas pipas vaaias
com torneiras para deposito de aseite, cera de
carnauba, tudo por precos comroodos.
q^,-2*-6-2*900 covado ; casimiras pretas I
{a 1*800,-2*, 2*400 e 2*500 o coffado. |
' muiie barato cortes de casimira a 3do00.
* alSS* crtes de casimira Pr*ta a 34300!
4,v 4**00.; dita muito fina a 6*.
Admira crtes de brim de cores a
1,280
Mwteiwnlffl deCdreS,pa/a caifaa
*52r'.^!r' 1*8 e "* na rua da Imperatriz
o. 72, loja de Guimares & Irmao. '
W \>vmiM a 120 ris o cavado.
ITendein^e riscadiohos muito proprios para rou-
pa de escravo*,-a 20 ris o covado; ditos escoce-
zes ouiito finos a 2,40, 280 e 300 ris o covado.
LUziuhis a 3oo rs.
Liz*nhas de quadrinbos a 300, 320, 360 e 400.
rs. o osado ; ditas muito fluas a 300 e 560 na'
roa da tmoeratriz o. 72, loja de Goimaraes & Ir-
mao.
Craos de laa a 54000.
Acaba de ebegir a este importaote esubeleci-
meoto um soriimento de .corles de laa que se veo-
de por 5* e 3*300; ditos a Mara Pia, fazenda
rauilo moderna a i, 14*, 10* e 20* ; ditos com
eamisinba, cinta e grvala a 25* e 28*.
Chitas francezas largas a 260 ris.
Vende-se om grande soriimento de chita a 260,
280. 300, 320 e 360 rs. o covado : ditas preciares
a 400, 440 e 300 rs.
Caatraias de eares a 280
covado
limaos
o seo armazem
Amorim d. f.*>
Licor fino Cnraeao em botija? meias botiias'
rti^/"fl? vidro e em lindos irascos. M
Vihos-Cbers.
Santeroes.
Chambertin.
Hermitagt.
Bqrgonb.
Champagne.
Huscatr.'
Reino.
Bordean;
Cognac. -
Od Too.
PAezei lagnfol.
n FABRICA
Be cal de reiro e tondico de ferro, si-
ns e branze; cenos escravos,
I
rs, a
Vendem-se camLraias francezas a 280,300.320,
300 e 400 rs. o covado.
Vende se a graode fabrica de calderelroo fun-
diQao de mataes d rua Imperial'ns. 154 a 158 ;
, e tratar com a tiara de Sebastio Jos da Silva
_ na roa Wova n. 35 oa na roa da cadeia a. 57.
Vendem-sa 4 casas terreas nova?, lim- k
- pas, bem alugadas epor mdico preco "'
B os pretendentes entendam'Se coTn o e- '
m crivao Athayde que se acha autorisado m
pelo respectivo proprieUrio a reaiisar as
jn{) referidas vendas. *
liiiiiiniiiii
COIares Rover oa colares ano
daos
para facilitar a dentico das criaocas e oreserva-
las das onvulsSes.
0' feliz resaltado obtido Immeosas vezes nela
prodigiosa forca magntica dos colares Royr, nos
casos de eonvolsffes, e dentico das criancas tam -
enancas, lem
____jMfiraento
- Na praca da InlignninOa a. 33, iota de
onrlwa, eonpra-e onro, prau, e pedras preciosas,
e tamben se fu qnaVjuer obra de encommenda, e
todoe_dU^^^g -
- O Sr. da roa do Vfdjnfllluc; que goer tillar
com a Clandiaad*)Laa*fCtalfDil, iuva de
fallecido Josd ftaotaoTdvare, dirjase a
Aragio b. SO qoe ahi achara a metoa viuva.
NA, LIVRARIA FRANCEZA
N. 9 Roa do Crespo N. 9.
-- Qaem precisar dTiB Areiropara eterpts-
cao simnlet, aoauncle iw este Diario, ood* d#.
mam* -3,
... ^
ciU;
ajadarn lao dSiE^H""
imr
roa Lirfa|de|Roario n. 10 (padan
Planta das el da des de Lisboa e
aorto, liradas nlilaitiniente,
Acabam de chegar estas plantas de Lisboa, e se
acban a venda aa trraria ecooooica, roi-o Oni-
arioh, e *mlMT1*lnk
farinha
Mm* da Madre lo tteos a. a>
A4S3D0.
Vende-se farinha de mandioca deseaba/cada
boje do palbabote Beben!*, pelo barato preci ci-
ma, a melbor que existe no mercado, Saccas
grandes. '
: Veode-se ama armacao para diviwTde t
criptorlo, de amarpflo, com poria > iiaUaUos,
obra mallo boa: al*ia/ na la do nndego,x.U-
13.
' f V
eco. rria n.
CrnTn. aTeoder'fe """" ** M7FJI |Mtr^:iurnaraa^ain-
WALiLER-Pronoflcingdictionnarj, in8# Vende-se um cavalf bom andador e muito
:tr-
novo: na rea-
- V^de-teaioUnt
vais para pagamedios do* ifidafaj, aa roa
ata Pobltao a- 8, d'onde encontrara' o i
1357-
do Pas-
teo pro-
^1
dre sSiPsns.n. 2.
Vtnde-$e
Um carro auuricaoo aovo de 4 rodas a arnotas
com competentes arrota* < na roa da Pcaae Vetna
n. 8-
loartos, quinlai, o
-vfsia : a Iratar na roa di Concor-
(- negou a loja da ruu de
>o n. 7 A
as mais ricas toalbas de labyrioibo, aaalin nono
cas fronnas e leocoi de dito, malta flaoii.
Cambraias lisas a 3.000 rs. a peca,
Veode-se um grande soriimento de cambraia*
Usas pelo barato pre?o de 3*, 3*500, 4*, 4*500 e
3 ; ditas mallo finas a 5*500 e 6*; ditas victoria
a 6*500 e 7*; ditas de ama vara de largara a 8*
e 9*; ditas para forro a 1*600, 2* e 2*200 : na
rua da Imperalrit n. 62.
RQfTPA PPITA
yende-Mum completo soriimento de roopa fei- iSt^ALT^ mereci<1 Psigi,
i eKa. arta como najan palliols, calcas, coleles, LSi. /JfT ^ estSo *9r*,ln cisas francezas a 1*600 e 14800 ; ditas finas a gSSnfr 1.^** d5 ,0Donie*s Pa* de
e de linbo a 2560, 3* e 3*500; seroulas de J!"ir,un, porque d U8 dMses anlDUre-
200,1*400 e I*60o7de nohoV2* e 2*500: na Sh'aref VIV?,1 ao ""? eo cba'os Blbl-
d.lnper.riz n. 72, loja de Gumares& Ir- ^ScL^So ^Tialf'rm diqae,,e5 ^
7L\ : proncuo exemplo para gualmeoie preservar <
ttsaotlldadeeproveitr detses prodtaiosos cola-
res anodinos a Royer, mandn vig o Vro sertl-
ment que agora receben, e contlnoar a recebe-
SSE3S-,
,rco*Pte na roa do Qn
ia bAcac. 8.
TS
O superior caf do Riode Janeiro, ven-
de-se a 12* a arroba; na roa. do Vicario
n 24, escriplorio.
mado, loja d'i
renda-te o hotel
i com
.
i na
Vmtmse-
do nrapl- machioas americanas de serrote para
algodao: aa roa da Sosala rvova o. "
tamo orna na no
da louro : a
-Hi
preto, crioBlv'- d SO
I oa menos, do ser
oa roa de Apollo n. 7,
Vende-te ama preta
bilidadas: aa roa la


,1
aai iSastoftlal'Maaaaaai
A' lojt de fazeadas de Augusto Porto & &
11 Ra do Queimado11
Chegaram pelo ultimo piquete superiores encbovaes complet com vesudaaos bor-
dados para baptisados.
Moir braoco, luvas de pellica, mantas e capellas braocas para noivas.
Liadas colchas de seda de Cor e de e seda para camas de noivas.
Grande sortitnento de conloados bordados para camas e jauellas.
Chapos, booele o gorros de palha de Italia para senhoras,
PercaNes, cassas e chitas Boas dos gotlos mais moderaos.
Algeriennes, remudes e chales de renda pretos.
Camisas finas soto pellos, pnaos e colariubes de linho pira torneos.
Liadas casemii-ae de coree, liasinbas, pannos e easemiras pr atas, merino e boa-
b" ^Bramante multo largo a 1*300, J*700 e 3200'a vara.
Tapetes e alcatifas para forrar salas e tapetes grandes e pequeos para sota.
Camisas de flanella, coiarinhos de lioho, seroulas de linho.
Camisas de mei* finas, baldes de arcos, de musselioa e de madapolao, eaparuiaos
e finos maojjnilos bordados.
Epeiras da India para for ar salas
as melhores e por mus mdico prego.
H-RU do Qnelmado-H
CORTES DE SEDA
Chegaram pelo paquete inglez rlquissimos cortes de moreantiqae de cores, e seda lavraaa pa-
"Seda"de quadros por 1#000 o covado
5RUft DO CRESPO 5 t
Gregorio Paes do Amaral ft C ompanhia.



45 e 5*000o
i
-.10
I
BOM SORTMEWO DE
FAZENDAS PRETAS
Gros de aples preto a 1,5500,4,5600, 20, U, 35500 e 40 o corado.
Gorgur5o preto de superior quadade a 20500, 20800, 30 e 40 o co-
vado.
Superiores moreantiques a 2o00, 20600, 30, 30500,
covado.
Bons cortes de moreantique.
dem de gorguro adamascados.
Bons pannos e casemiras.
Sup riores alpacas, princetas, merinos e bombazinas.
Bons villados pretos.
Grande variedade de chales de fil preto e de guipure a 50, 60, 80,
100, 120, de 160 i 205, e de 250 a 800 cada um.
Superiores retondas de fil preto e de guipure a 80, 100, 120 e 250,
e de 300 a 600 cada urna.
Superiores algerienes de fil preto e de guipure de 120 a 250, e de
300 a 600 cada ama.
Bods chailes de seda preta.
Ditos de Merino preto bordados e outras muitas fazeadas pretas que
seria enfadonhe enumerar, na
IOJA DAS COLUMBAS '
ANTONIO CORREIA DE VASCONCELLOS & C.
RI1 DO CRESPO ]ff. 19
jiiini
nos
*
TIMES avm*
AMAZENS DE MOLAMOS
DENOMINADOS
PROCRESSIVO pateo do Carmo n. 9
TJNIO E COUfMEftClO ra doQueiaao o- 7. Jj
YERDADEIRO PRINCIPAL roa* do Imperador n. 40
DARTE CARVALHO PERIRA *t.
m. DR MT|jfflE
3~Efe34 oa; asad
. **!* *cieBte w rospeitavel publico,* com especialidadeos tenhores de en-J
fenhos, lavradoreale maispessoas do centro, que para mais facilitar anas compradeli'
beraram os proprietarios dos tres grandes armazens, reunir toctos os seos estabeleci
entos em am s aonuotio, peto qal o preco de um ser* de todos, promet
mos que n2o infringiremos a tabella que abaixo vai publicado, annunciar os genero
por n prego, e na oceaslao da compra quererem. por outre, como socede constante
mente em outras muitas casas, porm nos nossos ..estabaleciaieotos nao w dar istaj
anda mesmo cora pseyizo nosso, qualquer pessoa poder mandar seus famolos qui
erao tambem servidos como viesaea pessoalmente fazeo4o-aos o favor de mandar sena
pedido em certas feixadas; para evitar qualquer engaos, remettendo nos urna conta
pela qual se ver os preces tal qual annunciarmoa, o que eae arrepender pessoa
goma que fizer soa despenca em nossos estabelecimeoios; pas poupar mais de
5 por cento na sua despeza diaria.
O D/. Lobo Mfco*L4> cwrHii gratulas .
J oorjs da mnhao, ed VJteia as huras da noi
Pkarnpfiipcial h
No Msmo co^tqpiMha^ripn-e i mais
tubos avulew, assim ^naaWnturas fe valias d
Cnteiras de rbos^rand
r*- as \ e tnbos grandes.
.-,. de m laidos grandes.
* Ve m #os gra
Prepara-se'quaiper earteira coaforme \
quftje pedt-
" Um bo ayulsqjfu frafco 9k tffitura dpjpeia
)prMM|tofDto de cafeirai
"os Procos jkgfota;
I
Sentf^ para cima; df"f| cusftraa> os p
Ha>
r
ais (aqanaa c* am
4
MI
DE
RIJA DO BRUil TUS. 38.
O proprietario deste estabelecimento deseja chamar a attencSo dos senhores pro-
tarioa aos acre litados mechanismos que contioua a fomecer; os quaes garante ser,
): i sempre, da nielhor qualidade possivel:
Machinas de vapor
' ;a de 2 */* cavalos para cima. As menores sao mu i proprias para motore sde-
-"n.gamentos de a'godSo; as maiores para moer canna; 1m tambera que pedem junta
- .liradamente moer canna e descarocar segundo suas proporcoes. Este vaporas
sn si.nplissimos na cmtruccie, e se regem por qualquer pessoa intelligente-, a facilidV
i da condcelo sea lo especialmente considerada, tanto que nao ha lugar em que no
s ;j issamconluzir, qur por trra, qur embarcado. Ha com moendas juntas ou sem
e'-is e podem-se applicar a qualquer moenda j existente sem outra mudanca do que
6 substituida) das rodas'da almanjarra. Ellas tem depsitos d'agun boetros de ferro,
e nao precisam para o -seu assentamento de obra alguma, qur de earapina*. qur de al-
i-enaria. 0 tempo para assenta-las nao excede de doze dias ao mais, e em casos de
tu. es Je animaes ou arrombamentos de acudes, etc., garante-se o assentamento am
oito das. Lembra-se aos senhoras de engenho que a venda dos animaes e o servico- da
??nto oceupada no seu tratamento os ho de recuperar da maior parte da despeza do
vapor deixando-lhes a vaotagem de urna moagem certa e accelerada; e acabando coa a
despeza da compra continuada de novos animaes. com os desgostos do trabalhoque
s tem com elles.
Rodas d'agua.
Karllhos eona eruzetas de ferro para as mesmas, quandose desege fizar
e resto da roda de madeira, tornando-se assim a roda ligeira no trabalho.
aioeuda de canna de todos os tamanhos, desde as mais pequeas chama-
das do sertao. Obra perfeita em feitio e acunhamento.
Rodas de espora e angulares de todos os tamanhos e proporcoes.
laroes oa coches para receber o caldo.
Crlres de tomaina para assenlamentos, frescos para o foguista, fazendo
grande calor com pouco combustivel, e duradouro.
Portas de Iornalha de todos os tamanhos e de diversos systemas.
Fornos e melnos para a fabrica de farinha e tambem chapas redondas
pira fornos pequeos.
Ronfeas simples e de repucho.
Tafias de ferro balido e fundido e de cobre.
Formas de /erro batido galvanisado para purgar assucar, leves para carregar
e isemptos de quebrar-se.
Alambiques de ferro de todos os tamanhos, distando so a terga
preco dos de cobre, mais regulares na distiuaco e igualmente duraveis.
Fisos e rodas de earro com mangas de patente, obra mui segura para
carregaclo de peso. .
irados, grades, eaehades a carallo e outros instrumentos de agn-
vi%\t^i<;%
Manteiga ingleza perfeitamente flor che-
gada ltimamente a 1,12o rs. a libra, e
em barril ter abatimento.
Manteiga franceza da safra nova a 8oo rs.
a libra e em barril ter abatimento.
BANHA
Banha refinada superior a 64o rs. % em
barril ter abatimento.
en i
Cha uxim de prawra e superior qualida-
de a 2,8oo rs.
dem hysson o melhor neste genero a
2,6oo rs., e sendo em por gao ter abatimen-
to, tambem ha proprio para negocio de 2 a
2,4oo rs. a libra.
dem preto superior de l,8oo a 2,5oors.
a libra.
BlSCOHOS
Latas com superior biscouto inglez de di-
versas marcas a l,2oo rs. a lata.
Molachinha
Latas com bolachinhas da acreditada fa-
brica do beato Antonio, proprias para dar a
doentes de 2,oo a 3,ooo rs. a lata. >
dem com quatro libras de bolaehiuha de
soda a 2,000 rs. a lata.
Queijos
Queijos flamengos chegados pelo ultimo
vapor de 2,3oo a 2,5oo rs.
CHOCOLATE
Chocolate hespanhol a f^oo el^oo rs.
a libra, francez e suisso a l,ooo rs. a libra
e portuguez a 800 rs. a hora, em porfo
ter abatimento.
VINHOS
Superior vinho do Porto das mais acredi-
tadas marcas, como sejam: Mdeira Seeea,
Vinagre
Superior vinagre de Lisboa a 2,ooo rs. a
caada e 280 rs. a garrafa. Tambem ha
mais baixo papa 2oo rs. a garrafa o l,4oors.
a caada.
Azeite doce
Superior azeite doce de Lisboa a 7oo rs. a
garrafa e a 5,Soo rs. a caada.
FUMO CAPORAL.
Latas com superior fumo caporal a i,8oo
rs. a lata.
Passas
Superiores passas a 2,5oo o quarto e
9,5oo rs.j oaixa de arroba hespannola e a
56o rs. a libra.
GEVEBR1
Genebra de laranja verdadeira a io,5oo a
duzia e l,ooo rs. ao frasco.
Genebra de Hoilanda verdadeira a G/too
rs. afiasqueirae a 56o rs. o frasco.
Idom de Hoilanda em botijas a 4oo rs. ca-
da ums.
Garrafes com 24 garrafas de genebra tte
Hoilanda a 8,ooo rs. o garrafo. Tambera
ha garrafes com 5 e 14 garrafas de 3,2oo a
6,ooo rs. eada um.
TELAS
Velas do spermaeete a 64o rs. a kbra.
dem de carnauba de lo a 12,coo rs. a
arroba e do 36o a 44o ra. a libra.
PEIXE
Peixe em latas j preparado de #,eoo a
,2oo rs. a lata
ALPISTA E PAINCO
Alpista e painco muito novo de 3,8oo a
*^3oo rs. a arroba o de 14o o 160 rs~ a li-
bra.
CHARUTOS.
Superiores charutos-do fabricantes Simas,
outros de
A methor abra Aa hsimopabia, o
dQMPgrandes vohsnesonidfccionario .
?* Medjtina domesi |mf)r. Herint
Repartorio (do fe. Hg Moraes...
Diccionario* de tormoaj de medarim
Os remedios defle omfeelecimato mt
a
e eoi*.M.reaediM
, TTT
ara acarteiraa.
opllhico do Dr. Jarh

s > wooo
* B B" S 9)1000
unto de awftn novamimttSAmmefcr la/SlSS saf feXEf
verdadeiCoarnergicosA duradoresc ha tuovdo melhoqueu Btfed>seisr tlomada
rerditleiro asucar deleite, nota vai pala tu boa conservaca* fnSurados-m aaredi
tadafcfistabfteciraentoa-europeos, a nai lilaoamrada preparaOo, tportaoto a aiaior
energa e '"'<<' am *< ^ corteza em seus effeitos.
Casm de saude part escuremos
A.
alquer
Becebe,-se escravos para amar 6 qualcprcranfermidacte oazer-se-me au
operado, -jpra o que ^annunciairta4algao.sufficienteiBfnte habilitade.
O ir-atamento o methor possirel, taotoaa parte alimentar, camo oa medica
funccionando.a casa ha mais de quatro auno; atnuias pessffls oa cujo coaceito se nao
pode duvtdar. qae podem mr insultados p* aquellas qoe dssejatem rnaadaraem
doenjs. ^
Paga-sa 25 por dia dacantoi dias e ^Ci em diane t#500i
As operacoes serlo pumaui'aw mistadap, sepilo se qoizerem sojeitar ios precoi
veis que costuma pedir svaonuncante. ^^
.
Duque do Porto, Velbo Seceo, Lagriaaad InPerios, Delicias, Parisienses- e outros de
ia, D. Luiz, Pedro V, Lagri- 2'3o9, e 3 rs- a m3.ia ca,^.: tambem
do
cultura. E finalmefl*(j) o objecto de que possa precisar um epgeoho.
Machinas de descaooar
Douro, Maria Pia
mas Doces e outras marcas a l,ooo a garra-
fa e 9,ooo a 12 ooo-rs. a duzia.
' Vinho Figueira e Lisboa das melhores
marcas a 4oo e 5o rs. a garrafa, e a 3,ooo,
3,ooo o 4,ooo rs. a caada.
Superior vinho chamisso em barril a 64o
rs. agarrafa e a 4,5oo rs. acanada.
Superior vinho de Lisboa e Figueira em
anceretas de 8 e 9 caadas a 24,ooo rs. a an-
coreta.
Superior vinho brauco proprio para mis-
sa a 640 rs. a garrafa, tambem ha mais bai-
xo para 4oo, 5o rs, a garrafa e 3,2oo a
3,5oo a caada.
Caixas com urna duzia de garris de su-
perior vinho Bordeaux a ?,ooo rs. a caixa o
7oo rs, a garrafav
CAFE
Caa do Rio de 1.a 2,a qualidade de
6,8oo a 8,2oo rs. a arroba, e do 24o a 28o
rs. a libra.
SABIO
Sabao maca do priraoira qualkiade de dio
rs. alibra.
Serveja
Superior aerveja Bass dos melhores fa-
bricantes, como sejam: Shleis & Bell. T. F.
Ashe a 7,5oo e 7,ooo rs. a duzia e a 7oors.
a garrafa. Tambem ha de outras marcas
como seja: Victoria e Aleopo a 5,ooors. a du-
zia e a 5o rs. a garrafa.
BlOES VASOS.
Boioes vasios, louca ingleza muito pro-
pria para manteiga e deposito de doce de 4
a 12 libras a l,2oo e 2^,5oo.
FRIPfe DO MARANXO.
Farinha do Maranb5o a 240 rs. a libra.
SAG'.
Sag muito novo a 4oo rs, a libra.
ARARUTA.
temos Suspiros, Havaneiros, Ligueiros e
outros muios que vendemos por mdico
preco.
Licores
Licores francezes portugueses a l,ooo e
1,4oo rs. a garrafa ou frasco.
Doees
Doce da casca da goiaba em caixes e la-
tas a l,2ooo caixSo 2,8oo rs. a lata.
Frotas
Frutas em calda e em latas fechadas her-
mticamente, muito- bem enfeitadas, conten-
do pera, pecego, araeixa rainha Claudia, al-
perche e outras frutas a oo rs. a lata.
Tambera ha latas grandes para l,2oo rs. a
lata.
AZEITE DE REFINADO
Superior azeite francez retinado a 8,eoo
rs. a garrafa e a9,ooo rs. a duzia.
MOLHO INGlEZ SAUCE
Molho inglez Sauce em frascos grandes
com rolha de vidro a l,8oo rs. o frasco em
duzia ter abatimento.
BATATAS.
Gigos com 3o libras do batatas a 1 ,ooo rs.
ogigo.
SARDINHAS.
Latas com sardinhas deNantes e Lisboa
de 4oo a 46o rs. a lata.
FUMO AMERICANO.
Superior fumo em chapa a 1,400 rs. a
libra.
ERVILHAS
Latas com ervilhas e,feij5o verde j pre-
parado 6io rs. a lata.
MASSA DE TOMATE
Latas com" 1 libra de massa de tomate a
64o a lata.
VERMUTII
Esta bebida muito fresca e estomac il e
muito propria para a presente estagao. a
qual vendemos a 2,ooo rs. garrafa e 18$
a duzia.
AI1MAZJEM

HE
CCSTOUIO C1RV1LHO
27 RlA DO OUEtMADO N. 27
ID1
s c



.-
MadapolSo francez muito fino, imo pouco mofo, cada peca com 27
10)5000.
La de c res a 300 rs. o covado.
Cambraia fmnceza a 200 rs, o covado.
Finos organdis a prego de 800 rs avara.
Lencos brancosparaalgibeira a 2(50OQii duzia.
Finas perclaras a prego de 400, 440a 560 rs. o covacto.
Ricos cortes de lia de barra de 103 aSOiOOO.
Chales de fil preto e outras muitas fazeadas.'
1
varal per



*

Acanta verdadeht a feo n* 4i4ra.
Pimenta, comiuho, cravo, canella. ervadoce, alfozema, fijollo paca limpar,lacas pa-
litos para dsotes palitos de fogo, a outros muitos gneros que se tornara enfadonho.
mencionar, afiancando cinceriiiade nos pregse o bom acondioionaaiento de iftiekruer
genero.
Na fabrica se fazem obras aovas i eocommenda e concert?, coa a naior preste-
i- e solidez. O grande oposito de pegas e objectos habilitam-na muito para este flm.
O proprietario ser sempre mui feliz de poder ter occasiao de dar informaooea oo
e- .arecimeotos aos senhoree que se serrirem de seu prestimo.
D. W. Bowman, engeoheiro.
i
.ill.l -
Cevadinha de Franca
t Veude-w ana masser,de imarello em per-
. feilo efUdo, e mais pertences para urna padaria,
a 160 rs. a libra, o de 8 libras para cima a 190 oa estrada nova, segunda taberna a dir ita, depols
rs.: na rmaiem da Liga, ra Wtm p. 66,
Novidades do Vigilante
RA DO CRESPO N. 7.
Este estabelecimento apeaar de seaipie
se achar bem sonido con tolos sabe,
hojo mais que nunca, nao so pelo que rece-
be de sua propria emle, mas tambem peto
que recebe de consiguagoes; parece sem
duvida que deve offereeer exandes vanta-
gens para o respeitaver publico tanto em
ppegos como na escolha dos objectos, e co-
mo acaba do ehegar grande remessapelo
vafor Douro e o navio Solferino de
diversos objectos de gasto e proprios do
tepo dos quaes se maaeaaaaio algans,
pon nao ser possivel mencionar todos. O
doo deste estabelechaento espera a pro-
tomfo todos, *
jpquissiraas caixiolias ornadas e com
mAca propria para um delicado mimo.
Caixinhas de.musica tanto de veio como
de corda.
Ricos porta joiasio necessarios.
Riquissimos estajos a feitio de um bausi-
nho ou cbapeuzinho.
Ditos em caica de noz e de oulros gostos.
Loques de madeperola de sndalo e de
faia 9 maflf ira.
Ca>p#3in]jDt. a touqtma ii% muilfe
[para criangas. .
e sapatinbos de seda para as mea-
as Je seda para senhoras.
Bllase grinalae doflftfesproprias
lites e capejlas de muito gosto para
issimos porta boquete.
iet de flores com urna borrachinba
s verdadairas da Jo,
de soda o de Escocia.
ssimas plumas e guarnieres paca
chapeos. ^ ,pf wj, a
se tubos de ac bracean que ba
MICHIBSS DE PATENTE
DE TRABALHAR MO PARA DESCA-
RfaR AbGODiO
FABRICADO POR
PLANT BROTHERS & C.
OLDAM.
Estas machi-
nas podem des-
carocar qual-
quer especie de
algodao sem
eslagar o fio,
sendo bastante
duas pessoas
para o traba-
lho; pode des-
carocar urna
aaroba de al-
godJo em ca-
mo em 40
eu
*8 arr-obas por dta oa cinco, arrobas de al
godo limpo.
Assim como machinas paca serem movi-
das por animaes, que desearacam 18 arro-
bas de aigodao limpo por dia; e motores
para mover orna, duas ou tres deesas ma-
chinas.
Os mesmos tem para vender um bellissi-
me vapor que podo fazer mover seis destas
nuchiaas naeocioeadas; para o que convi-
da-se aos senhores agricultores a virem ver
e examiaa-lo, no a mazem de algodlo, ao
largo da ponte nova u. 47.
Saanders Brotbers $: C.
Recife pra^a do Corpo Santo n. 11.
Os nicos agentes neste paiz.
O castello de Grasville.
Trauzido d francfi per A. J. G. da Cruz.
Vende-se este helio roskance su quatT
tomos pelo baratissiniQ precede 3|$00C
iaas.
Laatljlaa.
A loja da Aurora, n roa larga-do Rojajjo JuXA
recebel stfrtrmento de latijolas multo delicadas e
roprias para qualquer enfeite, assim epmo Um-
em r^efi iu-m de Joevi taaoMs mvm.
ara homem e senbora, malla ffescs, ebegadas
"o ultimo vapor, todo Isto na loja da Aurora,
larg* 4 Rosar n. 36.
Yafle-aa. aga.poq|aa.-..
ra obris de ferreiros, e por preco muito com-
RIJA IIA AIIKIV m.
de ferro bruto, serve
3t preco muiti
a tratar aa roa Imperial d. i, 1* andar.
VENDfi-SE
i da raa-do fosto
poprio para am armazem de 'assoe,
algodio em peni "
(rente com mais de C
iaofos palmos de coi
na mesma, das 4
16
as
Receben grande sortment; de machinas Mc4aderas amerl
!S, 20, fe 30 e 35 sertpliM api^aado, .aa/quaesSo'dai
vendaPOTpreco da 4' que cootiouara' a uuXtt, w>wapi
em direltur.
e so-
Mam
ufe secon-
do sobrado grande : a tratar
boras da urde em dlante.
-.___________________
------:----S----~"---------j."1 '
eeinDcha-
Sa i ^dMiMia i. 40
CrtadlaMaard*-M, taaHM#>sflaf dos
18cova4o8 atMpwT.
Casgas oapdis da oree, cora* a Ufe; pecas
de argodaozloho largo com 17 varas a 4.
JHatassa'**11- IMW*V
Grosdenaple preto maKo saporMr, covado 2.
D^djUal#6O0.
Retondas de renda preta a 10#.
Chales de renda preta- a 8*.
firaitc pwlimklB UUpelaa etn meninas.
Vdamaf
Jaato apa.
muito se desejava para enfeites.
Brincos, flvellas e eruzes de crystal.
Fivellas e eruzes do tartaruga, madripe-
rola e doarados. m ___' .-^
Alfiapteparagmalas. Vi
Botes com croas para punhes.
Gravatinhas e mantinhas de muito gosto,
tanto para homem como para senbora.
Riquissimos aderecos pretos, assim como
caixinhas oomalflnetes pretos.
Bengallas de canna com cabo de marm.
Ditas do baleia, borrach e de outras
muitas qualidades, assim como chicotinhos.
Riquissimos pentes de tartaruga do ulti-
mo gosto; assim como Je arregaco para
menina, pei neste artigo na um completo
sortimento d toda as qnalKHrdBS,
Diademas par cafeee do ultimo gosto.,
RiquiaavB ftta lavradas e lteas.
apara
da Madre
trancas pretas com vidrHho e doedres.
I Pulseiras ttatO'paiasaniera Comopara
*'mto*to e doalodab.
Sojpeoaorios do soda odo^algwfto:ej|Oi?
RA NOVAN. 22,
aeaba de receber um lindo e magnifico
timen to de ocales, lmeles-, binculos, do
timo ejnais apuradbgosttrd^^opa e
lop de alcance para bsemces apara
magjtiaKja..._______. -
i- La de barriguda, o que de melIRfr
encher travesseiros : vende-se na roa
de Beog, no armaiem|janto a' igreja.___________
Roupas feitas d toHi aiqualidades
Vende-se roopa feL Meo aucas de coras e
pardo a 2 ditas de mk He#|llnbo a S>(500
e aalcas de casemifa ptl a ft,W e8#, di-
tas da cores, mela caseaira, a U e 3JS0O, ditas
de casemira a & 7# e afcjalistoU Aa aria da
cores a W, 3W0 e 3J, ditos da brta
a 4*500, Mee do alpaca prett a 3*
casemil
pano(
1*600,
i*oo
peHos i
nbede
roa da Imperatriz
ra da Cadeia n. 18,vende-sai tl-\
Champaniav i Fi )j
' Cognac do auperto quatdaie.
DC

i H e a cuia
afora, raja
ai
____.*-
ILEGlVEL 1


!.

\4
vi


- -'
m
fcr*il
Diarlo d FernaaalMien -t **** lelra 14 de Abril de 1866.
**


-

ENetdOPEBIOA
t Ru Ianncrairlx oumm
da pnrta lar(a S.
jhu( a fadarla tradeeza da
Paredes Parto.
Nesle estabeleeimnto encontrar o respaurel
paWico oni variado serlitf ento d fazendas trnce-
las, iaglezas, suissas e attem es, que se Tenderlo
por preco caaomodo.
Par edn Parta
Vende chul de renda da cores qoe se vende-
rn a 18S est rendendo por 65, ditos pretos, fa-
xenda nova, 5*. 65, 85 a 20J, nm sortimento com-
pleto de manteletes, capas e.sontambrques i i* a
255. Roa da Imperatriz n. 4, junto a padarla tran-
cen, armaiem da porta larga.
Paredes Parte
Receben nm completo sortimento de llasiabas a
540, e 280 rs. covados, para acabar, cambralas de
cor a 8*0 rs. o covado, riscado escosset para roa-
na de menino, fusto de linho a 420, 400 e 500 rs.
Roa da Imperatrt n. 52 jauto a padaria francesa,
armasen da perla larga.
Paredes Parte
Receben para cortinados para cama francesa a
i* a peca cambraia lisa Una a 35 45 at 10* a
peca, cortes de tarlatanade bonitos gestos a 3*800
i*, cambraia com (Mr d seda, gostos inteira-
mente doto* a 400 e 500 rs. o covado, no armaiem
da porta larga n. 52, roa da Imperatriz junto a pa*
daria francesa.
Paredes Parte
Receben pelo ultimo paquete om sortimento de
erases com' pedras ara e pescooe, bonitos caxinels
de laa para pescoco de seo hora. Ra da Imperatriz
n. 52, armazem d* porta larga.
Paredes Parta
Vende cortes de gorgnrao preto para vestido com
21 covados cada om 35*090, grsdenaple preto a
1*600, l*80 e 2* o covado, las lizas finas a 400
rs. o covado, lias d qoadrinho para vestido, entes-
tada, a 390 rs. o covado. Roa da Imperatriz o. 32,
armazem da porta larga.
Itaaaa frita
Roa da Imperatris a. 52 armaiem da porta lar-
ga jante a padarla fraoceza, encontra-se oeste es-
iabelecimento nm completo sortimento de paletos-
saceos e sobrecasacos, de todas as vialidades, cal-
cas, Golletes, ceroulas, camisas, grvalas, meias,
chapeos de sol, ditos fraacezes para caneca, por
precos commodos, ronpa para menrao e ontras
omitas fazendas por preoos commodos, armazem
da porta larga.
No mesmo estabeleeimnto encontrar o respei-
ravel publico, sompre nm completo sortimento de
roupas fetta de todas as qualidades, como sejam
paletos de alpaca preta e de cor, ditos sobrecasa-
cos a 4* e 5*, ditos de brim pardo a 2*800, 35-e
3*500, ditos Seos a 4*, ditos 'metas eaiemira a
3*500, 4* e b'J, ditos cazemira saceos a 6*, 7*, S5
e 10*, ditos sobrecasacos a 40 e 43*, ditos d pan-
no saceos a *, 8* e 10*, ditos sobrecasacos a 12*
e 25*, ditos de merino preto a 6*, 7* e 10*, al-
cas de brim de diversas cualidades a 1*800 a 4*,
ditos brancos a 2*500 e 6*09. ditos cazemira 5*,
t* e 7*, altes pretos a 55, 5, 8* e 10*, ditos
meias caeemiras a 3* e 4*, coletes de diversas
qualidades, seroulas francesas de algodao, ditas de
linbo, ditas de bramante -a 2* e 2*500, camisas de
algodao de linho francesas de 2*500 e 3*. Gran-
de pectirceha neste genero, gravatas de tedas as
qualidades e brancas para-easamento, grande sor-
timento de meias para senhoras, ditas para emens
a 3*, superiores a 3*590e *.
Um completo sortimento de chapeos de -sol de
alpaca a 3*, ditos de seda a 5*, 7*, 105 e 14*,
di ios fraacezes para eabeca, grande sortimento
Vestidos
I*eca!neba sem Igna!.
Cbegou a loja de Paredes Porto om benito sor-
timento de vestidos destartlala de cores-ebrancas
que serve para partidas por ser ama pbaatasia n-
teiraraente de gosto pelo barato preco de 4* e
brancos a 4*500, estie acabando-se : no armazem
d per larga ruada-Imperatriz n.82, janto a na-
dara francesa.
Ominados.
Cbegoa a loja de Paredes Porto om completo
sortimento de cortinados ricamente bordados a
preco de 25*, 35* e 45* : na roa da Imperatrii
d. 52, porta larga jacto a padaria fraoeeza.
Ricas romeiras.
Paredes Porto receben pele ultimo paquete om
sortimento de romeira de gnipnre pretas e de fil
a preco commodo ca roa da Imperatriz n. 52,
porta larga junto a padaria franceza.
4 SALSA PARWLHA \\ AVE6
PARA A CURA RADICAL
de escrfulas molestias escrofWosas, tumores, ulceras, chagas, ftidas ve
lhas, bronchocele, papo ou papeira, a 9jphilis, enfrmidadesteneras en mer-
curiaes.
AS MOLESTIAS DAS MULHERS,
retengo, menstro doloroso, ulcerares do tero, flores brancas, etc., ulcera-
gao, debilidade, expoliacUo dos oasos, a nevralgia e convulsbes epitepticas
qoaado causadas pela escrfula.
ERYSIFELAS ERPES; ETC.
Enfrmdades cutneas, empela, borbnlhas, pstulas,
nascldas, efe
0 extracto composto de salsa parrllha, confeccionado pelo Dr. Ayer, uma
combinagao dos mlbores depurativos e alterantes conhecidos medicina; confeccio-
nado segundo as regras da sciencia, approyado ereceitado pelos primeos mdicos dos
Estados-Unidos da America do Sul e Central, das Antilhas, do Mxico e ds Indias, e
muitas ootras partes do mundo : o resultado de estados apurados e minuciosos, e de
experiencias fetas pessoaSnente pelo Dr. Ayer, por muitos annos, nos principaes nos-
pitaes e enfermaras da America ; tcm sido approvado pelas academias de medicina e
juntas de hygienne das principaes capitaes da America do Norte; para prova disto vede
os attestados authenticos no Almanak e Manual de Saude do Dr. Ayer, os quaes e dis-
tribum gratuitamente nos lugares onde se vende o remedio.
* SALSA PARILHA DE AYER
Especialmente effieaz na cura das molestias que tem sua orlgem
a escrfula, na Infcccio venrea, no nao
excesslvo do moren. lo ou qnalqner Impureza do sangue.
A molestia ou infeccSo peculiar, conbecida pelo nome de escrfula, um dos ma-
tes mais prevalecentes e universaes que ha em toda a exlensa lista das enfrmidades que
atacam a nossa raga; disse um celebre escriptor da medicina que t mais de urna terca
parte de todos aquelles que morrem antes da velhice sao victimas, ou directa ou indirec-
tamente de escrfula; por isso s nao tao destructiva, porm a principal causa de
muitas outras enfrmidades que nao ihe sao geralmente attrituidas.
urna causa directa da tsica pulmonar, das molestias do figado, do estomago
e affeccSes do cerebro; entre seos numerosos symptomas acham-se os seguintes: falta
de appetite, o semblante plido e enerado; as ver.es de urna alvura transparente e ootras
vezes corado e amareltento irregular, fraqueza e moeza nos msculos ao redor da boc-
ea; digestao fraca e appettite, falta de energa; ventre encbado e evacoacSo irregular;
quaodo o mal tem seu assento sobre os pulmoes orna or azulada mostra-se em roda dos
olbos ; quando ataca os orgaos digestivos, os olhos tornam-seavermelbados; obali-
to ftido, a lingua carregada; doYes decabega, tonteiras, etc. Naspessoas dedispost*-
gSo escrofulosa apparecem frequentemente erpees na pelle da cabega e outras partes
do corpo ; s3o predispostas s afecces dos pulmoes, do figade, dos rins, dos rgSos'
digestivos e uterinos. PortaDto, n5o sSo mente aquelles que padecem d formas *x-
" *^ w w
- una da imperatrlz, m
DE
GAMA & SILVA.
LOJA AJUUXKH DE FAZENDAS.
Teado os proprlatarios deste grande estabeleci-
meoto feito om grande abatimento em moitas de,
saas fazendas, pela occasiao do bataneo que deram
no ultimo de dezembrode 1868, resolveram veoder
mnKo maU' barato do que oostumam aflu de eada
toi mais agradaiem aos seas namerosos fregae-
zes ; por tanto Ibes offerecem um avalado sorti-
mento de fazendas francezas, inglesas, as quaes
vendro mais barato do que em ontra- qaalqoer
iarte, comprometteodo-se a mandar levar qualquer
azeoda em casa dos freguezes que nao poderem
vir a loja, ou a darem as amostras, deixand flear
o penhor, assim como convioum as pes.-oas, que
negocian) em menor escala qoe neste grande esta-
beieeimento encontraro nm grande sortimento
tanto a retalbo como por atacado, vendendo-se-lbe
Cortes de cambraia com palmas na leja do
Pav5o.
VeBdem-se cortes de cambraia branca com pal-
mu, sendo fazenda muito boa, pelo baraiissimo
preco de 2*S00 para acabar : na loja e armazem
do Pavao na roa da Imperatriz n. 60, de Gama &
Silva.
Lencos brancos a # res a
duzla.
Vendem se lencos brancos farenda muito boa
pelo baratissimo preco de 2* a duzla, Ditos com
barra de cor a 2*000 isto para acabar na loja d-
Pay na roa da imperatriz n. 60 de Gama & Sio
va.
Poupelinas moderaissimas a 400 e 500 rs.
o covado na loja do Pavio.
Vendem-se poupelinas muito finas seado fazenda i r
muito moderna de quadriuhos e liza vendendo-se lories de tarlalana DS Ija 80 Pava*.
pelos baratos precos de 400 e 300 rs. o covado na Vendem-se os mais modernos cortes de tarlai;.oa
loja do Pavo na rna da Imperatriz n. 60 de Gama com as mais lindas barras de cor, pelo baratissimo
4 Silva. I preco de 5*cada um, sendo neste artigo o melbor
CHroadenaplea pretos do Pavo. que tem viudo ao mercado : isto na loja e arma-
Vandem-se superiores grosdenaples pretos pelos m do Pavo na rna da Imperatriz n. 60, de Ga-
Chitas a 180 rs., s o Pavas.
Vende se o mais bonito sertmeoto de chitas m-
glezas, padroes miudraftes, claros e escures, e tn-
do lambem roas para luto, aflancando-se serem
ceret-Szas, e vendem-se pelo baratissimo preco de
nove vintens o covado, ou a peca era 38 covados
por 6*800 : isto na loja e armazem do Pavo, na
roa da Imperatriz n. Oyde Gama & Silva.
Vestidos brancos.
Cbegaram para a loja do Pavo os mais bonitos
corles de vestidos de cambraia branca com boni-
tas barras todas brancas, assim como com barras
de cores, sendo fazenda transparente e muito fina,
tendo cada um crtejjastante fazenda e muita ro-
da, e vendem-se pelo baratissimo prego de 8* e
iO|i : na loja do Pavao na ra da Imperatriz a.
60, de Gama & Silva.
baratsimos precos de 1*500, 1*600, "1*800 e 2*
o covado, sendo fazenda muito boa, s para ac
bar :. na loja e armazem do Pavo, roa da Impe
apenas pelos pregos qae coropram as casas ingle- ratriz n. 60, de Gama & Silva.
*4a confn f/\m n )tiHkH(>A ;* m i____. ^
zas, sendo com o dinheiro a' vista.
As tsalhas de lh he d Pavo.
Vendem-ss superiores toalhas de lanos
para
rosto pelo baratissimo preco de 7*500 a dozia- ou baratissimos pregos de 2* e 2*600 a vara, assim tender qaelra dirigirse a ra da Praia d. 76, para
a SM cada nma.
Guardanapos de linho adamascado para meza a
2*800 a dozta otra 240 rs. cada um.
Superior amainado de linbo com oito palmos de
largura sendo branco e-pardo,e vndese mais ba-
rato do que em ontro parte, na loja do Pavio na roa
da Imperatriz n. 60 de Gama & Silva.
Os corpinhos ae seda pretos do Pavao.
Vendem-se os mais ricos corpinhos de seda pre-
to?, ricamente eoJeitados, pelo barato prego de 12*
cada um : na loja do Pavio na ra da Imperatriz
a. 60, de Gama i Silva.
Meo vestidos a 80000 rs.
ccfcincha admrate!.
S o Pavo receben pelo ultimo vapor franeez
inte de linho do Pavio.
Vndese superior bramante de linbo eom 10
palmes de largura, prc prios para lences, pelos
rna de Silva.
Vende-se um engenbo
d'agoa denominado Triompho na comarca de San-
to Antao junto ao engeoho Coqoeiro, com trras
para safrejar de 300 a 800 pes, com boas obras e
casa de vivenda por preco commodo : quem o pre-
como panno de linho muito fino pelos baratissimos
precos de 640,700 e 800 rs. a vara : na loja e ar*
maeem do Pavo, ra da Imperatriz n. 60, de Ga-
ma l Silva.
Canbraias lisas do Paiao.
Vendem-se pecas ae cambraia lisa muito supe-
rior, pelo barato preco de 3*200 e 3*500 a peca,
ditas muito finas a 5*, 6*, 7* e 8* : na loja e
armazem do Pavo, ra da Imperatriz n. 60, de
Gama & Silva.
PECH1NCHA 1
a 25000, para calcas, s Pave.
Vendem se superiores cortes de meia casemira
eom msela de seda a 2*, ditas Ganbaldinas a
2*800, ditas escuras a 2*800, ou a 1*600 o cova-
tratar at o flm do crreme mez de abril.
Vende-se e az-se todo negocio com o depo-
sito da rna do Vigario n. 29, muito proprio pera
nm principiante que qaelra principiar na vida
com pooco dioneiro ; ao comprador se dir o mo-
tive da venda.
filZ.
um grande sortimento des mais ricos corles de do : aa loja e armazem do Pavo, ra da Impera-
vestidos transparentes com lidas barras e enfeites triz n. 60, de Gama & Silva.
Ne armazem da ra do Imperador n. 3
Caes de Pedro II n. 2, tem para veoder-se
or saz existente no mercado.
CU DA
o me-
de seda, sendo estes vestidos multo proprios para
baile e passelo, tendrn-se peto baratissimo
preco de 8*000 rs. cada nm, na leja do Pav na
ra da rmperatriz n. O, de Gama & Silva.
Os bales pretos de renda a Pavo a 8j000 rs.
Vendem-se os mais ricos chales, pretcs de renda
eonrqoatro ponas,, seuda muito grandes pelo ba-
ratissimo preco de 8*.
Ditos de gnepnre a 15*, 18*, 20*, 26*.
Retondas de dito a 10*.
Manteletes de renda, lazenda muito superior a
4000
cerosas e tuberculosas da escrfula > que necessitaa de proteoclo contra os sens estragos? jaooo
todos aquelles ern cujo sangos existe o virus !ateate deste terrivel lagello (e as veros ^t^tJeJXXSM^XXm^
bereditario), esdo expostos tambem a soffrer das enfrmidades que e causa, que sio: tarat08 ^ em ^^ ^oaiquer pane.
A tsica, ulceracoes de figado, do estomago e dos rins; erupces e enferaridades
eruptivas da cutis, rosa ouerysipela, bormmas, pstulas, nascidas, tumores, rbeotna,
carbnculos, ulceras e cbagas, rhemnatismo, dres nos -ossos, as costas e oa eabeca,
debilidades femininas, flores brancas causadas pela ulcerado interior, e enfrmidades
uterinas, trydropesia, iodigesto, enfraqoecaaento e dettlidade geral.___
Offerecemos a estas pessoas om abrrgo seguro e um antidoto effieaz contra esta
molestia e suas conseqoeneias na
SALSA PARRILHA MI AYER
que opera directamente sdbre o sangue, purificando-e e expulsando delle* eorrupcSo e o
veneno da molestia; penetra todas as.partes e todos*os orges do corpo trumano, Irvran-
do-os da sua aeco vicieda e inspirando-Ibes novo vigor. om alteradle poderosissimo
para a reoovaco do sangue, e d ao eorpo j enflaquecido pela doenca, forcas e ener-
gas rendVadas como as>a joventode.
tambem o meiber anty-syphittico ceohecido
cora permanentemente-as pe ores formas de csyphilis e es suas coBsequeocias. Pouca
necessidade ha de informar o publico do inestiraavel valor de um remedio qee, como
Isto na loja armazem do Pavo na rea da Im-
peratriz n. 66 de Gama de Silva.
Oschales do pavao a 2ooo e 2ooo rs.
Yandem-^e chales de merino estampidos a 2*
e 2*500 cada um.
Ditos de merm so a 3*500.
Ditos estmpanos de crepon a 6*, 7*, e 8*009-
Ditos (yretos bordados com. franja de seda a 14*.
Na loja e armazem do Pavio na ra da Impera-
triz n.<60 de Gatea & Silva.
Para lato vende o Pavo.
Setim da China com 6 palmos de largura, fazen-
da preta para loto, propn para vestidos e roopas
para bomens, -sendo esta nova Tarenda setr- lastro e
demuito boa qoalidade, farutindo-se io Bear
russa com o teopo e vende-se pelo barato prego de
2*-e 2*500 o covado, assim como neste e:-iabeleci-
mcuto tem nm grande sortimento de todas as fa-
zendas pretas como sejam cassas e chitas pretas,
Isas tapadas e transparentes, princezas, alpacas,
sarjas, etc. : -na loja e armazem do Pavo na roa
este, iivra o sangue desta < orrupeoe arrebata victima das garras de urna raerte lenta ^ m,eratrte n. 60, de Gama 4 Silva.
e ignominiosa, porm ioevitavel, se-o mal nao logo combatido com energia.
um poderosissimo alterante para a renovacSo do sangue *e para dar aova for-
ca ao corpo j eofraquecido pela doenca.
Sendo compoeto de productos vegetaes, estemedicamentoinnoeente eae mes-
mo tampo effieaz, om fado de immensa importancia para aquella que o tomam ; por-
que muitos dos remedios alterantes offerecidos ao publico tem por base o mercurio ou c
cor
1*500.
m
Cortes ae laa escocesa para vestido a S* o
te: na roa aa Imperatriz n. 52, loja da. porta lar-
ga, junto a padaria franceza, esto se acabando.
JPara luto.
Las pretas com salpicas brancos a 400 e 500
rs. o cavado : na rna da Imperatriz n. 52 junto a
; .Jara franceza armazem da porta larga.
10400
Chapeos de sol.
Vendem-se chapeos de sol de panno a 4*400 e
urna grande ptchincha s para acabar : na rna da
Imperatriz n. 52 armazem da porta larga de Pare-
des Porto.
A
Vendem-se pecas de tranca preta para eefeites
de vestidos, soutembarqnes, eapas de seobora a
1*600 com 10 varas, urna grande pecbincba : na
roa da Imperatriz n. 52 junto a padaria fraoeeza.
48000
Chales de renda pretos.
Vende se cuales de renda preto a 4*000,,un i ce
oja qoe pode veader na roa da Imperatriz..oi,
armazem aparta larga,de Paredes Porto. *
a 'n < osa w >& s s? 3- s? se

o
o
** e- 2 i ?
g S ENs 8*5 5
a-r 3 2SS6
ifiIfFa*r
s 9?a>9
O *
O
S-fiaS
a.
B
frt

?
hn
o.
s
M
s
9
Brea em barrk pequeoat.
Cera em velas d todo* a
Bojas.
Jlefeurio.
lia rna do viganov. !f, orfiuelro andar.
ai
-i. Vende-se nm escravo-para enenho,
de boa figura e mestre cirrelro : a tratar
do Queimado n. 44.
crioulo
na ra
.U..
Qaeijos dt Berta
Ventea staiHoFqatltt do vara* : 1
Jbdre de Bees, armazem Junto a igrefa.
arsnico; e sendo assim, bem que-s vezes pedem effectoar coras, comtudo deixam suas
victimas carregadas de urna tonga serie de males, muitas vezes peior do qoe o mal ori-
ginal. A nnica ooosa oecessaria para obter un:a ebra radical seguir com joizo e eoos-
atocia as direooes que acompanbam cada frasco.
Nao pretendemos promulgar, nem queremos qoe se infira-que esta eomposice-a
om remedio iuallive; pata a cra de todos os padecimentos btmanos: ieelizmeole
escrofola easypbilis s3o enfrmidades t3o-sulis nas-suas natorezas, e arreigam-se tao
firmemente no systanta, que muitas vezes evadem eresistem aos remedios mais poda-
rosos que a sciencia humana pode inventar para cmbat-las: o qoe dizentos que o
Extracto composto de salsa parnlha de Ayer
a melhor preparajoo at hoje descoberta para estas e outras molestias anlogas, que
urna oorabina$o dos alterates mais efficaze* eonbecidos, e qoe esta combioaclo tem sido
regulada por tongas ferecer ao publtco o melhor resttado que possivel vproduzir, da intelligoncia e pericia
medica dos nossos lempos.
Este remedio-deve ser tomado com systema e regularidade, e nao eom abandooo,
pote um remedie e Quando as molestias do figado nao tem suasrigem na escrfula, o remedio
mais proprio as piiulas cathartiecs de Ayer, que sao efficazes-na cura dat-molestia, qae
m por causa um dosarranjo dos orgaos digestivos. Pedi a-salsa parrha de Ayer e
nao iccitai outra preparacao.
Peruambueo, ra Nova -n. 18, pharmaciafrancezade P. Maurer AC.
VENDE-SE
Na atranazem le ae. I. Raawi e UVa cV tenro. rna d* vigar^to
n. 11, eouslantenaeate, os-segnlndes artfos, que
reeelaem por eneeniaaenda propria de
\EH-OUft.

Legitima salsa pasrilba de Bristel, preparada por Lanman Kemp.
Verdadeira agoa florida, preparada pelos raesmos.
Gaz em latas de cinco gal&es, o mais purificado que 6e pode desejar da acredi-
tada marca F. W. D. & C. .
Relogios perfeitos regaladores, oom corda de quatro a oito das, dos alionados
bricantes E, N. Welch. ,
Graxa em latas grandes da bem conhecida marca las. 8. Masn de Bodadel-
pbia).
Superior oleo para machinas de cotara.
AguJbae para as mesmag.
Breo em bar icaa grandes e pequeas.
Vende-se tambem:
Konnitn
1/ taalMade.
St. Estepbe.
St. Jolien.
G. Margaux.
C. Lafitte.
Medoc.
PORTO
Ia aatlidade,
Prineipe Real.
Pedro V.
Mam Pa.
Princeza l>. Isabel.
Vctor Emmanuel.
Duque.
Malvazia.
Vinho fino do Porto em barr6 de 5/, 10/ e 20/.
Superior vinho doRheno.
Cera de Lisboa em velas e em gramo.
I '
99 RIJA QUEIMADO B. 99
Maetpohio.
Finas pecas de madapelSo corneo varas 9$.
LENCOS,
Lencos de cambraia branca, duzla 14.
dem de cores flxas para meninos, duzia 2j>*0O.
Cambra!**.

rao moa

nada
Canlbraias detres a preco d 60 a 300*s Gnardanapas.
Guardanapcs de Tinho, drfa 3^860.
Algodo
AlgodSo trancado de dofs largan, proprio panrtoaba de mesa, a preco de>
H^ODa-vara.
Bramante.
Superior bramante de linho ingtez e'ftiaMMk Wm f-
Cambraia de linho prepria para renfos.
ATABftAfia '13 a.
Atoalhado branco para mesa rtjWD a tata>
EbtrtiBeios de cambraia motto fiaos, preco f<. *v a
IjdcW d-seda para'argibelra1'fflm,
Os baldes do PaV3o.
Vendem-se superiores tialoes de mugo lina com
'moita rodam S., dttes erinollnes eom 35 arco a
35300, ditos eom 20 e0*8 a 3, ditos para meni-
nas, sendo brancas e encarnados a > e 2J500 :
na loja do Pavao na roa da Imperatriz n. 60, de
Gama &~9ilta
Cambroies de forro a IjJdOO -e S| na loja
do Pavao.
Vendea-se pegas de cambraia de Torro com ao-
ve varas cada pee; peles baratissimos pregos de
tJ600 e-i: na loja e armazem do Pavo na rna
da Asperetriz n. 00, de Gama & Silva.
Oc corlinailns \q Pa\30.
Veadem-se superiores cortinados adamascados
para camas pelo baratissimo prego de 15 cada par,
ditos motto Anos ricamente bordados para camas
on jaoelks a U 20)J e 2o o per : na loja e. ar-
mazem do Pavo amada Imperatriz n. 60, de
Gama :&-Silva.
Panno preto a -2*5 na lo}a do Pavao.
Veode-se panno preto. fazenda muito boa, pelo
barato -prego de 2 o covado, dito multo tino a
35900, 45, 55 e 65, asam como casimira preta de
corde a.2 o covado : na loja do Pavo na rna da
Imperatriz n. 60, de Gama & Sirva.
Os espartiloos do Pavo.
Veadeta-se urna grande e variado sortimento de
espartilhos dos mais- lietn feites qoe tem Iviado ao
mercado, endo de todos os lamaobos, vendeodo-se
por um prego muito rateavel : isto na loja dp Pa-
vo na roa da Imperofe d. 60, de Gama & Silva.
s oalaa bordadas m pavio.
Vendem-se saias bordadas sendo fazenda muito
boa, sendo ricamente bordadas e eom mditaroda
vendeado-se pelos baratos pregos de 05-8# 105
reis cada, urna na leja do Pavao aa ra da Impera-
triz n. 00 de Gama & Silva.
Bre4anha& de rolo a 3^060^
Vendem-se pegas de bretanha de rolo com 10
varas eada peca, pelo baratissimo prego de 9$ i
na oja e artaazem do Pavao, roa damperatrtz o.
60, de Gaan Silva.
Ronpa ieita.
Na loja do Pavo
Vende-se ueste estabeleeimnto um grande sor-
timento de roupas, tanto de panno como-caxemiras,
e brins peles baraiissimoe pregos como sejam
caigas de caxeraira preta a b$ 75 e -85090 reis, pa-
leto ts de panno preto saceos a 65 ^5 e 125000 rs.
ditos sobrecasacos de panno Onissimo a 125 185 e
#85000 reis,^ ontrds moitos artigos quererla en-
fadonbos aqu relata-los; s na loja e armazem do
Pavo roa da -Imperatriz a. 60 de Gama 4 Silva
Loja do pavo
Qranvnea peehiakehao.
Sediatas aaOO rs. wade
Sedinhas a 500 rs.
Sedinhac a 500 rs.
Vende-se na loja do .Pavao, nm grande sOrtimen-
to de -seemhas Metradae eom as mais booteas cores,
sendo es padres mais noves o,ue tem viado ae mer-
cmOj e vende-se pelo pacatisslmo preco de cinco
losiffes o eovado, sendo fasenda qne Vatem multo
mate irtaiOM d aada pecbaoba por ae ter
comprado orna grande ponida desta faseada, na
loja armaiem de ftseata do Pavo, ra da Iav
peratriz ni 09 de
Lasinhas> maUsadas a $20 rs.
Vendenaaa as mais lindas lasiataas raatisaar
PENTEADORES
o roupSes do cambraia bordados proprios
iara as senhoras veslirem de manba.
hegon esta novidade paia a loja do Pavao,
nrorto lindos e do melbor gosto at boje, por pre-
cos muito razoaveis: na loja do Pavo, roa da
Imperatriz n. 60, de Gama & Silva.
Cassas francezas a 240 rs. covado.
Vendem-se bonitas cassas franceza de eores fl-
us pelo baratissimo prego de 240 o covado.
Ditas a 280, 320 e 360.
S na loja do Pave, ra da Imperatriz n. 60, de
Gama & Silva.
Grsdenaple preto a 1^600.
E' grande pubiocba!!
Vende-se grsdenaple preto, sendo muito encor-
pado e de boa largura, pelo baratissimo prego de
15600 o covado : na roa da Imperatriz n. 6Q.
Os caehinez do Pavao.
Vendem-se bonitos caehinez de 13a en aaazalhos
para cabrea pelo baratissimo prego de 35000, s
M toja do Pvao, na ra da Imperatriz n. 60.
MANTAS PARA O PESCOCO
a 15. s o Pavo.
Vendem-se bonitas mantas para o pescoco, pelo
barato prego de 15 : na loja do Pavo na ra da
Imperatriz n. 60, de Gama & Silva.
Madapeloes a 3,561) rs. a pessa.
S na loja do Pavo.
Vende-se pegas de madapolo fino eom 12 jar-
das, pelo barato prego de 35500 e 45000.
Chales de renda.
Na loja do Pavo.
Receberam-se os mais lindos chales pretos de
rebda, asshn como as mais modernas e compridas
retondes, e manteletes da mesma lazenda, e vende-
se mais barato qne em ontra qnalqner parte: na
loja e ajmaiem do Pavo na ra da Imperatriz n.
06 de Gama & Silva.
Castor a 3(0 rs. o covado.
Para calcas.
Vendem-se superiores castores muito encorpados
padroes escaros pelo barato preco de 320 rs. o co-
vado, servlndo esta fazenda tambem para escravos
por ser de mnita durago ; na loja e armazem do
Pavo rna da Imperatriz n. 60 de Gama & Silva.
Chapeos para meninas a 6,000,
O na tojo de Po>6
Se vendem os mais bonitos e mais bem enlata-
dos cbaposionos de palba da Italia, proprios para
meninas, pelo baratisshno prego de 65000; na loja
e armazem do Pavo na ra da Imperatriz n. 60
de Gama & Silva.
Attenco.
' ULTIMA'NOVIDADE
PENTES, ENFEITES, CINTOS.
Gama & Silva, acabam de receoer pelo ultimo
vapor francs, nm grande sortimento dos mais ri-
cos enfeites pretos e de cores proprios para eabeca,
sendo guarnecidos com as mais lindas flores, e com
voilas das mais bonitas perolas; assim como os mais
modernos e engragados pentes da verdadeira tar-
taruga, marebeados sendo a ultima novidade
qne tem viudo de Pars, e os mais ricos cintos com
Otas malhisadas e fivelas largas, conforme ltima-
mente se usa as primeiras capitaes da Europa, e
vende-se por prego em conta por ter ehegado em
direitura para a loja do Pavo, ra da Imperatriz
n. 68 de Gama A Silva.
As rotundas do pavo a 8 e 1Q.<.
Ven jem-se as mais ricas rotandas de renda pre
ta, sendo muito grandes, que sio as que mais se
usam, pelo baratissimo prego de 85 e 105 : Ba
loja earmaaemdo Pavo, roa da Imqeratriz n. 60,
de Gaaca & Silva.
Chitas pretas a 160 rs:
Vendem-se chitas pretas inglezas, sendo fazenda
muito boa, pelo baratissimo prego de 160 rs. o co-
vado, ou.55300 a pega com 38 covados : sd na
loja de Bavo, rna da Imperatriz n. 60, de Gama &
.-Silva.
ATLANTA

Fej:
1
o.
Vendem-se saccas com feijao amarello, branca
rajado e preto, mais barato que em qualquer par-
te : na roa da Madre de Dos n.S.
SB(MTKS
medlrlnaes de aleatrao
Remedio'fflkaz contra as doeticas cutneas, as
caspas, Impigens, borbnlhas, comiches, postulas
sarnas; na pbarmacia do Pinto, roa larga do Ro-
sario n. 10.
Sacadas e portas.
Vende-se na rna do Queimado n. 7, duas saca-
das de ferro com 22 palmos cada urna, tambem se
vende 8 pares de caixbos e algumas portas, toda
por prego esmmodo.
Vende-se
na officina de encadernador da roa do Im-
perador n. 15, Redoeces moi facis para
trabalhar com o compendio do systema m-
trico decimal do Sr. Jos Antonio Gomes
Jnior, por Francisco de Frettas Gamboa.
Sabonetes
Medicinaeo de alcafro.
Remedio effieaz contra as doengas cutneas; ar.
Impigens, burbulhas, comichSes, postulase sarnas;
na pharecacia do Pinto roa do Rosarlo larga o. 10.
Algodo avari.do
A preco de 9$ cada peca.
N 11 Ra do Queimado N ti
Vende-se a casa terrea sito na Boa-Vista, roa
do Jasmim n. 4 : quem. pretender dirija-se a'
Dimita, casa terrea n. 52, que achara' al.
qnem tratar.___________
Vendem-se malas e bahus usados mo
conta : na roa estreita do Rosario o. 24, lo,
trastes._____________
coa.
m

Fazendas avadadas.
Algodaozlnbo superior largo com um pe.j.,-: nc
defeito, com 20 jardas, a pega por 3$5(X> e a. d.ia
muito largo da marca T com 2*jrdas a p*6< j>or
75500, este pela qnaHdade superior parece r :n,
maaapeao muiio nao e iar*o taive u uieni<: uu
mercado por ser de n. 6 verdadeiro por 95, ico
isto com um pequeo defeito, por este prego esQu
se acabando : na loja da ra da Madre de Oeus o.
16, defronte da guarda da alfandega.
LLJUI
brande novidade a tOO ra.
Jllaib a 200 rs.
Atlanta a 200 rs.
Atlanta a 200 rs.
Cbegoa para a loja do Pavo o mais lindo sor-
timento desta no-va fazenda, com o titulo de allanta
propria para vestido e roupas para meninos, sen-
do esta modernissima fazenda de lia com os mais
lindos jostos de qpadrinhos e listras tendo entre
ellas de edr roa e preta, com listras e qnadros
brancos proprfas para tuto, e aendem-se pelo ba'
ratissimo prego de 200 rs. o covado ooicamente aa
loja do Pavo ra da Imperatriz 60 de Gama &
As caitadofavo a 200 o covado.
I Veade-se o ais bonito sortimento de chitas es-
cupas e rozas sendo Inglezas, mas-com os pannos
to Encornados como os da francezas qne se ven-
dem a 400 rls, e liautdSo se peto barato preco de
wn ^7-^^ W Peca, aiSatifda-
320 Te. o covado ; na loja do Pavao a ra da im- iMam i
peratria a Ode OaaM frfiilva.
Os chales de guiptie a W e
10^000,
Vendem-setW tdatS rlens chales de Gnipnre ele'
renda e liana e seda, peleebarattssmos preeos de
12*e 165; grande pechiacba em reiaco a boa
qnalidade e lamanbo delles : na loja de Pave,
roa da Imperatriz o. 60, de Gama & Silva.
lazinhas a 21$ rs ,so
Pwo.
:
Vendem- modernas'Ifazintias com HndWshaa
OoMi pfeW'baaissIaM' paec' -do JO*; f onaa-
de pMbiacba : aa leja do Pavo, raadaJnp-
ntriz n. 60, de Gama & Silva.
Sodas Largas
Na leja do Pav2o,
aeOflo urnas de Ifiirftftas oorras-ae Uwm
eoaante aadaeorea,a aigoTaa prap
as senhoras que estiverem de luto,a
'sea vestido con potos c*vodt, isto
earmawmdoPrfppJatrna da Jatfurairl- 0
? <5M & SUva,
Escravos fgidos
Comina fgido o escravo pardo Sebastiac
de 18 annos, alto, cabellos carapinhes e ruivos;
olhos castanhos e graades, sem barba, nariz cbato,
cora todos os dentes, orelbas pequeas tero a mar-
ca de om talho sobre o labio superior, marcas de
bichos nos calcanhares, sabe ler e e;crever, traja
caiga de brim e camisa de algodao branco : quem
o pegar leve o as Cinco Ponas n. 152, que sera
recompensado generosamente. _______
zQQf de gratificado,
tm 31 de outobro do anno passado, fugio a es-
crava Claudina, cabra alta e seca do corpo, que
pertenceu ltimamente aos Illms.Srs. Jos Joaquina
da Silva, Manoel Mauricio de Sena e D. Manan
Ignacia de Castro e Silva que a vendeu a Jos M-
meos Ferreira que pagar 2005000 a quem loe
entregar dita escrava na roa da Cadeia n. 62.
Desappareceu desde o dia 2 do correte mez a
preta Vietorlna crioula de 26 annos de idade poueo
mais ou menos, tendo os segnintes slgnaes: altura
e corpo regulares, rosto redondo, tem andar maita
apressado levou om vestido de chita escora j osa-
do e chales encarnado: esta preta foi escrava da
Exroa. Sra. D. Mara Candida Salazar da V. Pessoa,
moradora na ra do Hospicio consta que anda pelas
ras da Boa-Vista, onde foi sua amiga residencia;
quem a pegar leve-a roa do Crespo o. 18 2 andar,
que sera' recompensado.
se lerem 36 covados cada peca asaren de cores
fizas isto na loja e armazem do Pavo na rna da
Imperatriz nl'eO de Gaa &'Silva.
Armazem do Pavo.
Vtnde-sa cera de carnauba da melbor qualidade
empaceos, mais baMto que em ontra qualqaer
parte no armaiem do Pavao na ra da Itoperatrtz
n. 60, de Gama 4 Silva.
As eatas do Pavao -a 2^(000
o covado.
Cbegaram para a loja do Pavo as mais lindas
Fngio no dia.18 do correte ao meio dia a
escrava de nome Antonia, idade 40 e tantos anaos,
eorpo regalar e o rosto eom marca de bexigas
bem visiveis, mal encarada, levou vestido de chita
velho e desbolado, e tittt chales de lia roxo tam-
ben velho e dos Dolado, j foi apanliada no Poco
lavando ronpa e de suppor qoe continu no mes-
mo offieio: qnem a pegar leve a roa da Cadeia
do Recife o. 10, que sera' gratificado.
Fugio no dia 10 de abril correle, o escra-
vrrAtKOnva/dfr'nOlB.'Wr preta porm om punce
fulo, estatura um pooco meos que regular, de
rosto-miudo, oam On aliado, qoaodo anda abra
os ps para os lados, em pou-o cambado ou coma
derriado das cadeiras, enleade algnma coosa da
sa do ol-
escravo
Qoeimaa
e por isso bem conbecida pelas diversas fngidas
qoe fez en poder daanelje sensor, os logares por
onde cosionraabOT Oilnda, Catanga e Varzea :
quem o pegar e levar a roa da Concordia o. 8, re-
finagao, sera' generaaatnente gratificado._________
Fugio no dia 24 de fevereiro prximo passa-
do, dDeogaaho'BMUaa, do termo de liarreiros,
mulato de nome Faapcisco, idade 34 annos, estafa-
ra alta, seco do corpo cor om tanto plida, com
pannos pelo rosto, om pooco beigodo.pnca barba,
alguirs (kntes peores;^cabelles earaplebos, tenda
em ama de pernas ama sicatnz de orna fen*vn
coasU ler dito qne ia sentar nraca de voluata-
rio. Roga-se por tanto Sr. commandantes de eor-
cabaias de seda para vestidos, sendo com os mus pos, as autoridades polciaes, capitaes decampo,
lindosgoeto d flotes eHstas, wodo entre ellasfl- aeto gomas roas-e pretas para quem etiver de lato, 11atote-e- a sea .ieginaoo sanbor Prancisco Paaa
tendo esto oova azeoda 4 palmos de largor que oarreto, lavrad*; wzerido sagenao, en a raa da
is cdvaoos, e Imperador n. terceiro andar, qoe se graui-
facllita fazer-se om vellido com pdeos
venae-se pettMaomlaslmo prteoo d', ota-icaft. ^_
nenie na jojana arnanmjdyraaor* roa da Jane- ^, aQ^qt ft caa de seo 's^hr^oaria
nratriz a. 60, de
*gr TeottoH*.
de mt\o prttfaWr passado, o escravo por l
Joan, aagae ZoOgO, de meta nado, fWoi alen
\ branca, de couro, tem cara grande, venus regacadas, naris
seto barattosimo-areea deafOOOo corto, ge*, pateoiCarnee (SimpoGmad:' .
t loja a mdhjnb dof avao pa m* Imperatriz, qaen o petar lando a casa a ra da Jmpefaa
?o Can Silva. 9- % qne ser recompenndo.
<
ILEBVEl
-A.-----



i
_
<
Diario ie t*ermnmhmf Tera feh* t AfcrtTeft re6fc

LTITERATRA.
obecido da Europa, 0*capam alad* boje o occupa-
rio verosmilmente' sempre os mais vastos espagos
da /trica e da Asta, al:1- Mongoliae os de
serlos da frica interior. -
E* este o incommeasuravel territorio, qoe per-
correm desde o comeen-dos secuten.
Algamas raras cidades se teem levantado, e se
levaniam de lempos em lempos Das extremidades
AHUR.
(I de LamartineTrad. deT. A. A. wh.)
( Continuago)
I
A civilisacao tem formas to diversas qantos dos desertos percorrldos por estos poros, ou oo
.unosdiPerentes encerr o pensamenio de Deus meio das suas solides como o Cairo on Egypto,
lercTd. hamanldade. <""ana Meeopotamia. Balbek *a Syria, Samar-
V Providencia assignou a cada raga humana, con- *. o as grande, cidades da T tarta, plaidos
feos Uosonde'arez rascer.e conforme os proi.a. ao Tibe,. Porem estas e.ted como,pos-
usnctos, que Ihe deu, ara papel, que aa usencia os avancados de orna civil.sagao qu>>"
S suprior nem inferior, mas apenas drente estas ragas repelle, naopassarade magreo em-
na vida do mundo Porlos da commercio, pousos de caravanas, reirs
Entre essas raga, humanas, urnas sao sedenU- longiqaas perpetuamente construidas as fronteiras
ras por inclinago: construem cidades, e eottl-1 das ragas pastoris com o flm da comprar as loas
vara campos em roda dolas. A ierra, dstrlbuida. dos seos rebanaos, e Ihes vender os poucos objec-
om nninhnp ionaes or entre as ramillas, cercada tos de manufactura necessarios para os seos hab-. -
que a deliberado livre desperta at entre os no-
mades, fallara alternadamente, uns com senten-
ciosa e montona gravidade ; outros com estri.
dolos gotoraes era attitudes e gestos, que respiran
tanta paixo no decidir sobre o caminbo de ama
tribu na ara, como no disputar o governo de um
imperio.
(ament saciado a sede as tinas continuamente
cheias, por meio de baldes de cooro, qne escravos
negrossemi-ns enchem e derramara sem casar.
As tandas erguera-se. As tnalbe/es e as flaneas
despersam-se nos arredofes do acampamento para
respigar os talos resequidos dos arbbstos, oa o
estreo secco dos ca mellosjotricos combuativeis
que alimentara o fogo da noow. Oatros oeccipim-
se em moer entre duas pedras os gritos de urah
on:trigo para araassar o p5o. Os escravos desa-
lara o sacco de cooro, que durante o dia cobre a
mama das camellas para impedir qne as earaelli-
nhas as esgotem, conduzem para a lenda vasos
cheios de leite, eacciam os cavallos de leite, qne
sobra das necessidades da familia, e entregara de*
pois as raais aos Qlbos.
Durante estas paradas, os bomens occlosos, e que
despresaro qoalquer oatra oceupacao alera da
guerra e a caga, grupam-se em circulo na tenda
do xeque. Fumam idolentemente o cachimbo,
tas festae noctaroa (aje os acampamentos-dis
les enjo horlsontei)erde-se om Dos;-quem nio
persos no mesinu deserto eoncorrem de loagu^ eontearplou ao raeio^ a sombra aaoeorada aos
capitaes maltas vezes cooquistadas e de prompto
aooiqailladas pelas excursoes dos nmades, nao
de pais a filhos. ,
Estas povoages vivera da colbeita, que o traba-
lho lira do patrimonio. .,,-
ulras vivem do comraercio, isto o, ao oeneacio, deixam no s0|0 sen0 explendidos destroeos como
qae recolhem, nao callivando com as suas raaos, xbebas, Heliopoles, Palmira, Babilonia Persepoles, e
mas transportando e trocando com os producios de jjca- Ra|Das enigmticas I O viajante, qae as
urna regio os producios de outra, comprando contempla, admira, que tanta grandeza tenba podi-
esie o que ihe falla, e fazendo assim o trafico em do sanir o deserto, e submergir-se na ara. As
maior ou menor escala de tudo qoanlo tem prego populares sedenUrias destes formigaeiros de tri-
. no globo terraqaie. Algamas destas ragas sao, por buS) exbauriram-se, e a populagao pastoril planta
natureza e situago geographica, manufactureras, ajnda as saas tendas, em cima do lugar, aondeexis-
obreras, e fabricantes de toda a especie de (ostra- tram esles imperios. O camello, que no reino
mantos oa de todos os objeclos de necessidade a anlmaj 0 q0e 0 cypreste no vegetal, signal de d
distancias- cbamam-se as lendas o mazamen oa
cont ios psalmot. j 1
A propria' tenda, easa do Arabo errante, urna-
sorte de instirulgao religiosa, civil, e uniforme na
construego.
A tradico flxoo, medio, denominou, consagro
todas as saas partes;; penhom capricho arbtrario-
tem podido modificar a sculos o minimo reparti-
mento : lar de lela e de madeira, cujas diraeusSes
a forja do camello, que o transporta, determina.
Este palacio do rico, e do pobre eleva-se, e aba-
te-se em todo o deserto, conforme- o meseno plano.
Cada pega do madeiranento ou eada panno da cu-
pula tem nome proprio, logar, aso, e mistar inwa-
riavelcaente designadas na construego. Existo
nma architectora para este pedago de panno como
para o Partbeuon. Os arenes a denominara casa.
As perxas aue as susteotam cbamam-se columnas.
Ha nove colamnas: tres no eentro, e tres de cada
lado. Estas nove columnas forraam tres naves,
separadas por gnarnlgSes de feltro e destinadas a
differentes usos. O negro tecWo de la de cabra,
de que estao cobertas estas oelamnas, e que re-
pousa sobre nma perxa transversal a*s colamnas
do meio cbama-se tecto. E' guarnecida de um te-
cido raais forte e impermeiavel a' ebnva. A nave
a sala commum, destinada para a re-
camelfos desenhar-se no fondo do co, Immovel
oomo o-perfll da espbiogo Jeipedra sobre a fame-
gante'arela do Egypto, esse bao poder fazer idea
do carcter do rabe pastor e do encasto, qne o
prende ao sen destino.
IX
as sensagge?, os tremores dos
ore?, o
As Impressdes,
senlitfos, os-mmort^l silencio, e- c*peosamentos
do deserto veem de to looge que parecer vlr do
- Eas# fea lia J VWaea os feaJaas-l
lato aooaM sc#elMo ios saJodo, dia d
pgame^ pentodos ee Irlanda a^dao re-
gularme!* eaferlagadM.
A polica. pSe logo-.renos estes Siepbsns em
miniatura, o na segunda-fe pela raanMa defei-
tas as faaHc*a4a agatrteN>, eada crfarBOso diz
ao magisuado, com *coate:
r- Foi. -a^MtlA1 aagoarGMe; aqneH Jpaldita
agurdenle...
Nos sabbados as pri5es- d Londres-floam ala-
do meio ------;--------
Qualqaer que seja o valor de um guerreiro, cepao dos hospedes; a nave da esqoerda eoga
nunca pode exercer influencia dominadora era sea !
acampamento, se nao dotado pela natareza do
dom da eloqnencia. O rabe pastor estima a co
. Depoia da mullas qusiueas quebradas e alga-
mas caberas partida,, todos juram-etrna amisade
qae ha de ser depois baptisada em. tocreajiea da-
cerveja, e de aguardeale.,.
luxo, que servem para as precisSes e prazeres
da humanidade. Cavam minas, extrahem o fer-
ro, o cobre e todos os metaes; depois os amol-
dara ao uso dos mysteros. Tecem lans, canhamo e
seda, e fabricana estotos para vesr o pobro e o
e de eternidade, rumina a sarga e o cardo entre as
columnatas cabidas de Balbek e Palmira.
To somonte queremos fallar aqui dos povos pas-
tores, qae de mais perto nos tocam por parte d'Asia
,m menor; esses viram passar em roda de si os Me
rico. Soessas ragas manufacturas, que asstm os Romanos e os Crn-
fabricara as alfatas do genero humano.
Outras vivem do mar. Habitara, por assim dizer, destas civilisac5es diversas> Dem nodesmoronamen-
o ocano, transportam-se as vagas, servem-se dos. f successT0 desles iolperios. Esus tribus deram
entos, pescara navegara de costa em costa, cons- a ^ a Mahomet) reslaorador da nnidade de Deas
truera palacios fluctuantes, equipam frotas, e di-} ^ ^ dQ ^^ otm ^ primeiraS| que
putam s outras nagoes mantimas as ondas do mar | ^ SbmeUeram saa ,e, morali 0 ^g^^ contra
como os povos agrcolas disputara as pMelovoos i jdoiatrJa suas crnMd dep0i8 ^ eoVlS^
valles da trra. Formara estabelec.mentos tong n | do 0f. e dM ,ndlas
quosem plagas desconheedas, e por toda a trra "
ragem tanto quanto a derige a intelligencia ; s
se confia n'aqaelles que reconhece como superiores
pelo espirito assim como pelo braco, e resiste a
forga, porem nunca persuasao.
VI
A poesa qnencia. Povo ao mesmo tempo gnerreiro, par-
lador e imaginativo, o rabe s exalta a cima de
todos os seas graades horneas, vivos oa flaados,
angam as saas colonias como enxames. Nascidos
oas bordas do mar ou as ilhas, o seu instincto
as Doraas uu mr ou u *,, ** ---------- does
andejo e aventuroso impelle-as invencivelmente a
a religiao do propbela, recobraram pacificamente a
vida pastoril e o acampamento eterno em snas so-
Sao estes os pastores
reros das tres Arabias.
e algamas vezes os guer
III
A Arabia, dividida amigamente em tres regiSes,
Arabia feliz, Arabia peina, Arabia deserta, occapa
no globo o immenso espago, qae se estende no
Egypto e da Syria por entre as montanhas do Liba-
no e da Palestina, o mar vermelho e o Ocano In-
binete dos bomens; o da dlretta reservada para
as malberes.
Numerosos cordoes de la de camello estao ata-
dos em diBerenies cortinas da parte superior da
lenda, e estivados d'aili, como cabos de um mastro
ligam-se por nieio de argolas de ferro, as estacas
eoterrada no chao da parte de tara para assegu-
rat a sondea do edificio contra os ventos. Segan-
do a estago e a hora, abacha-se on ergue-se a
cortina de panno chamada rou/io*. qae feixa oo
cobre o fundo da tenda. A cortina de la branca
fabricada em Damasco, que separa o quarto das
Uespanba e saas possessoes d Ultramar.
IUUU9 Va 0OUO ftiauwv Mww., -. ------------------------, Hlioauo ***** ij fii i > ------l *.
aquelles de sens irmaos, que foram igaalmente I mn|heres ou o harem do centro da habilaglo,
oradores no conselho, beres na briga, cantores e \ bordadas de flores coloridas. O pavimento cobre-se
discarsadores no remanso da paz. Os proprios 'de esteiras sobre, as quaes estendem-se ricos tape-
jogos lestimauham esta paixo do rabe errante tes de Bagdad. Um acervo de sacos, sellas de c-
pela poesa associada msica : ura iostrnmento j va|[0S, cangalhas de camello, provls5es ou armas-
de corda semelbaote a nistica guitarra, resda mui-
tas vezes de noate, debaixo de seas dedos, acom-
panha seas versos, anima seas contos, e mede o
passe de jovenis espozu e Albas as dangs noc-
elevase como pyramides em noda da columna
central. O eseravo e o cao teem logar designado
ao p da columna do vestbulo. Urna ligeira cor-
tina de panno, suspensa ao tecto da tenda, e fluc-
0 consnl geral de Hespanba em Odessa. particK
pou no sea governo, em data de 21 dofeverelro
ultimo, qae em.coasequeneU.dos fros, que sobren
vleram os dous portse easeada d'aqaella. cidae*
ficaram fechados raomenl3jamenie para a naye-
gagao.
arrojar-se sempre pelo espago alm. Sao essas ra
gas, que descobrem os novos contineotes, e os po"
voam. Os lavradores semeam o trigo e os oavegau-
tes sao semeadores de homens.
EmOm existem ragas primitivas a quera insupe-
ravel amar de movimento, de variedade e liberda-
de impedir de se domiciliar j mais na ierra. Para
ellas, a casa nma pr.sao ; julgariara abdicar al-, q ^ ndes
Suraa cousa da sna Independencia fixand -se era, adian,ara neste dominio lili-
^^^i^^Jl'S^ Pes eque esto era raais
movel. 01 ham com despreso, piedade, e horror .. i 4
Tra as cidades cloacas impuras, oode o hornera \ contacto com estas ragas Meca essa metropole do
para as ciuaoes, cloacas pi"', M dj do propnela e Dgada
disputa o espago e depois o *MM ho- .1 J mostram iea||iag
mm; fogera d;e.las.corao de arraadMha que a se -1 p pj JW
vidao extende a saa hberda e ; tea^0. rebanho ^ a( mm
como nica riqueza ; por ^^^idottomo,^ abaadoaadiS ao rabe errante. A
erramos corao ellas, ^^'^"^ excepCao das cercanas deslas cidade, e de alguns
ellas ao menino caprichoso ; J*ff*+2 oasis do callara no leraen, parte cultivada da Ara-
santemeato atravez da tramensidade do deserto se- ^^ 0 de9erl0 sobre lado o raais.
gnndo as estagoes, os climas, as U P a" I Km arenla dias de marcna entre Damasco e Bag-
Sens,os simples tbesouros, e babitagoes JJJ D0S sessenta dias de v.agem entre Bag-
dAWor chamamos povos pastores, e civllisago' dad e Medina, as caravanas nao encontrara outra
torl i babitago seno tendas, e outra vegetagao senao a
Esta civilisacao tem por signal urna tenda em \ herva esp.nhosa erara, que ensagaentt os beigos
lagar de urna casa. idocameUo.
D'esta differenga nos doas modos de babitago, jy
dos povos, a casa ou a tenda nascera inumeraveis .5te daseTt0) que eu percorri as planicies, de
que Damasco parece ser a orla e nos valles areno-
sas una pstimdem ni n I.ihano i-abauv
apresenta comoros, que ondnlam, eomo vagas, de
e a al-
ma o mesmo senlimento do Infinito, que ocano.
E' um ocano immovel com eeito, mas qae parece
da mesma maneira, sem oulro limite alm d.o ho-
pele. A medida que nelle nos entranbamos, os
comes das montanhas do Tauro e do Lbano dimi-
tornas e misteriosas, com que se deleitam estas tnando ao vento, os preserva apenas das inlempe
_ ...____________^_. *-- *____ L_. *r.^-,1-n & n Inotn
inumeraveis
differengas orgnicas em seus costaraes. Com a
isa o hornero radica-se, por assim dizer, como a
planta no solo. Uanha em segaranga poltica, nu- apresenia comoros, que oaauam, comu y
mero, patria, luz, e governo, e perde em liberdade. Jerusa|m a0 Egypto; inspira aos sentidos
Todo o pove domiciliados abdica pelo proprio, _.______1.^, An ,fl,.
facto de domicilios Qxo, esta faculdade de locomo
cao, iodefinida, que toma os povos uomades e pas
tores res do espago, e possuidores dos sitios, dos
climas, das montanhas, das planicies, dos rios, do-
minio Ilimitado de saa peregrinaco. A tyraania as vjs(ag ^m^ ^^^ Dteramen.
Ilimitada se estabeece fcilmente entre os po%o, e arecera debaixo do nevoeiro. jemos
domiciliados as edades ; a conquista tambera os. ^ ^^ ^^ ^
avassala mais fcilmente cora a patria'U^S^I^m or MI slo n e pedregoso, que
I*, seus palacios saas casas seu bono movis, ^ & mi_
seus terrenos fert.lisados de pa a filhosipe Mjta- ^ dfl onde
ra, as artes, e o luxo sao ,ttos taou PJ^., ^^ t os de hem apodreci(ta e grossos tuba-
que dao a parle do globo, que hab tara Mopo-; eo^nB|idlf ih (requentemene sobre
dem leva-ios coms.go nos das aziogos; o quando 1 ^ eternamenle pelo veDl0>
tyranno ou o conquistador Ihes diz cora o punhal ^ JJJ movejs e va|les profundoSj
ou facbo na mo : Servi, oa perderis as vossas i dos g ^^ dQ ^ busca
habitagoes, carapos e riquezas I perdera a mde-,
pendencia para conservar os lares de seus pas e de tauj
peus filhos. Q^ando o camuho esta interceptado por um des-
Eolre os povos, que habitam a tenda, pelo coa- tes bancos de ara, a caravana forgada a galga-
trario.nematyrannianem a conquista podem estao- lo, e v-se de repente o primeiro camello do sequi-
lecer-re. A patria vasta como o espago; o homem to eme^jrdo deserto ao cimo de urna destas colli-
tribus. Estas daogas poticas o mnsicaes, cha-
madas tsame*, denunciara o genio conjuntamente
potico, moderado e apaixanado d'estes povos. Co-
bre m -se com o pudor do veo e a sombra da noute.
A presenga de toda tribu e a distancia sempre
severamente mantida entre os doas sexos do a
estas testas um carcter de reserva e gravidade
qae parece sancliflcar o amor provocando e refre-
ando ao mesmo tempo o delirio da mocidade.
Em hora adiantada da noute, hora de antemo
convencionada entro as familias da mesma tribu,
as mulheres e as raparigas collocam-se por detrs
das tendas, e cantara em coro um desafio aos bo*
mens, que assim convidam para as suas dangas.
Os mancebos saliera, ouvindo-as, collocam-se em
fieira como espectadores, em face da linba das
dangarinas. Conservara entre si o ellas certo es-
pago vasio, reservado para as evologoes da danga.
Quando os doas coros esto assim collocados face
a face, nao longe das tendas, debateo de um do-
cel meio-esclarecido pelas estrellas do sea bri-
Ibante cu algam mancebo improvisa om canto
guerreiro, lyrico oa apalxoado em tom pauzado,
e raelaocolieo, e repete maitas vezes o verso; os
seas compaaheiros repetem por saa vez a derra-
deira palavra como estribilao. Depois o cantor
prosegae'em sea canto, repete rytbmi, em que
termina o verso e acompanha a saa poezia de posi-
gdes e gestos expressivos, qae associam o corpo
ao peuMiucutv uu n> sean ment das saas es tro-
phes. Estes gestos e posigoes sao imitados pelos
homens da tribu, qae o escotara.
A estas voses e attudes cadenciadas dos homens,
duas ou trez raparigas sahem do grapo das mu-
lheres, serat-occullas por um veo azul, cojas pon-
tas suspensas por sens bracos cahem al os ps
descaigo;, adlantarr.-se indolentemente at o espago
desempedldo, seguiodo o rhylhmo, at dos oa
ries das estagdes como um anteparo : o logar
servil, o refugio do mendigo. Este edificio se
arma e desarma em pouco tempo seguodo a rique-
za do dono ou proprietario, e o numero dos mem-
bros da familia, oa dos escravos, qaaudo a tribu se
transmuda. Urna fila de camellos, mais on menos
extensa, val carregada de columuas, paouos, sacos,
alfaias, provitSes da casa desmanchada,; os bo-
meos montara a cavallo, as molheres, e as meni-
nas sao conduzidas nos camellos.
Urna especie de throno largo e achatado esten-
de-se como plata-forma em cima das cangalhas
destes animaos, e serve de sde'de honra para os
esposos e Albas dos xegaes.
Esta sede, coberta de marroqnim e Intentes ta-
petes, constitue o orgulho das molheres. Ornara o
camello preto, por ellas preferido, de qualdrapas e
tiras de estofos de diversas cores, cojas franjas ar-
rastam pelo cbo, e ondulo ao vento. O cabresto,
qne servo de bride ao animal, costoma ser orna-
do de missangas e pennas de avestruz. Cam-
painhas pendem do pescoco das camellas pandas
para chamar o caoaeltlnho para jnnto dellas. Os
bomens- galopara adiMte oa oos flancos da carava-
na, explorara o deserto, vigiara o rebanho em mar-
cha, e sondam com oihar penetrante o horlsonte,
i A familia, e as vezes toda a tribo, geralmente
' composta de qninze oa vinte tendas, encaminha se
assim para novos pocos, on novas pastageus. En-
contrara sua patria uuiforme por toda parte, aonde
o xeqae, e os anciios da tribu dam sigoal de des-
carregar o camellos, e levantar as tendas.
VIII
Estes eternos navegantes do mar de areia teem
contrahdo, pelo habito dos mesmos costaraes, pela
contemplagao das mesmas scenas, pela habilitago
dos mesmos espagos e pela perpetua mobilidade
infinito. Esta loz, que~cai como chava de fogo; das eem estes revotadooerios.
sobre asplaocies despidas, nao-rebentou sobre'- Qo* Jgonie da prt ic.a eacaer. 0B., o
tecto algum das cidades, e nem se manchn eora prlmelro-omoado do pns6rVr-fo;ra ara dos
o fcmo8d* .aros domse tranle o dia, nada ^^^^mm^^^ qnem
selnrerpoe enire alma o- seu autor. Sente-se a ,0rl^'*U?'
mo do Creador. InvisiveVmas palpavel, sobre a j JCU,U
creago. Espera-se a.cada-nstame vMoappare- Se o uuoresponda nagajlvamentoj jraoebema
cer no meio d'este mar de clarldade, que oenvlve, boa dse de pontaps e de. morros,
oa tos lmites deste vago, horlsonte, qae parece j A batalba torna-s gorai, fenians da. nmjadi) 9
terminar no igooto. Durante a noute, o olbar va- fiis d&antro,
gneia atravs das estrella*, segoe as os-as anteci-
pa era suas uvolugoes, e- asiste por assim dizer a
este- mecbanismo descoberto dos mondos, que
constitue o acto de f dos-cbs.
h rel'giao, e o acto de f- da trra, nascea da
astrenomla nos desertes da Cald. As lettras,
qne compoem o nome divino, lem-se em caracte- ^^^ Q taauw^ Us tTmme%n ^ .^ ?
reomaarosplandescetMos e-proltadwnessas pa- ^ ^que na dia& wlMMBf ^^ k egmaboa
ginas do firmamento. Aimaginagao all nutre-se (ferUga nnm Qf UiltrimUf ^ mesmo-
dovisoes- e prestigios, o-as apparlgoes sobre-nalu-1 de ^^ lIitum m ^^ JDgM8..
raes, encarnag5es da. verdad^ nos sonbee succe-, ^^^^ bespaahoes Gaspar e Roig adquirid,,
dem se desdeo o comego domando. O hornera ^ ^ ^^ ncmyi ^ pobllcaf ^^^
opprimido por myster.os de piedade e de f, dei- ^^ dg /j ^^ n ^ e em ff em
xa-se dominar pela uo.ca palxao digna de s., a do ^^^ a ^ ooaauaM da lltramir
infinito e da eternidade.
Todes os grandes cultos emanaram destas- sol--
does, desde o Deas Astro, foco dos mundos de lo-
roastro, at o Atlak de Mahomet ^desde o Dees le-
gislador Jeovah de Moyss, at o Deus Ferio, pro-
curado aira vs danoito pelos pastores de Bethlem.
O rabe mysterloso como o silencio, meditativo co
rao a noite, concentrado como a solido, faaalico
pelas maravilhas eomo eterna vocagao do segredo
dos ceas, tem raais sentidos do que nos pal a apre-
ciar Deus no deserto. Sua vida urna perpetua
adorago, que nada distrae do Creador. A ira raen-
sidade antes que ludo um templo. Nao ba albeis-
mo em face desta natureza. Toma ara alhea do
occidente, e langal-o por alguns annos no oriente 5
sabira" curado dessa Infermidade d'alroa. O atheis-
mo s pode nascer na sombra, na irreexio, e na
verligem das cidades do occidente. O sol mata o
atheismo, como esses veaenos fros, qua s de noi-
te germinara.
O espago, que sem limites pertenoe ao olbar, di
tambera ao rabe sentimento mais altivo e livre de
sna dignidade. A multido esmaga os bomens, a,
solido exalta-os. Quera qaer qae esteja s, sen-
ge graode, porque nicamente mede-se com a saa
grandeza natural, e nao com o imperceplivel valor
numrico, qoe a sua entidade representa na Incal-
culavel multido de urna cidade populosa on de urna
nago.
Este sentimento da grandeza pessoal torna o ho-
mem incapaz de aviltai-se, rebelde tyrannia
inapto para a escravido. Obedece a sna religiao,
divina soberana de sua familia, aos nzos, aos eos-
tnmes, leis estas do habito, e jimais a forea do di-
reito. Possne ura corsel para evita-la, urna arma
para combater, o espago para nelte- sepultar a sua
liberdade; e os seus defeitos sao o* dos reis, e nao
os de escravos. E" generoso e eompassivo, respeita
o vencido, protege o menino, drwnisa a mnlber, d
asylo a todo quanto o implora, at mesmo ao sea
inimigo. Trata os seus escravos eomo irmos adop-
tivos, que a Providencia Ihe te, como orna segun-
da familia Inferior, d qoe iator, e ounca tyratv
no. Taes sao os prlnelpaes oaracterisrieos do Ara-
be errante das tres Arabias, desde Abrabio at os
nossos dias. Convinha descreve los antes d contar
a historia de Aotar, David moderno do deserto,
historia e conjuntamente poema, era qa o poeta, o
amante e o hroe nao passam do mesmo homem, e
se confundem paramaravilhar os rabes nos tres
prestigios, que mais imperio exercem sobro a sua
imaginaoao: o herosmo, o amor e a poesa.
(Ctntmua'-se-ha.)
1*
As folbas da Virginia cidade dos Estadss.Iu-
dos, simada no Pacifico, annuncsam, a aorta de
200 exploradores da ouro.
Estes desbragados, que se dirigiam para. as. mi-
nas aurferas do territorio qoasi deshabitado de
Moltana, foram surpreheodidos por ama. d'essas
tempestades de nev mais terriveis.as. moatanbas
Rocbosas que nos Alpes snissos.
O Diario, de Lisboa de li do corrent publica,
alm do aaauncio offlcial do naufragio do pata-
cho, banoveriano HendriJca, acooleoido no dia 7
do corrente na ponta do Cahedelb),. aa sal da bar-.
ra do Donro, de que aos temos occupado sobeja-.
mente, mais o segointe acerca, te naufragio do-
vapor inglez ranadian. saecedite no dia !S4o
fevereiro ultime, na.altara da villa das Lagos (ba.
do Pico) :
Por participara do director da alfandega, da,
Horta consta qae no dia 48 de fevereiro ultioufK
fura abandonado na altara de 5 a 6 oiilb.as.ao. sai
da villa das Lages,.na Uha do Pico, em aoQaeqoNB-
cia de ter as machinas, arruinadas, estar, mola de
agua, e nao dar pelo governo, o vapor ingles Gra-
naiian, cipitao Henry G. Sevainso* procedente de
Liverpool paca S. Thomaz, Santa Mjjsitha e Colon,
com quarenta e seta pessoas de tripolacao e cinco
passag.eiros, levando carga importante en 100,000
libras,, sendo oomposia na maior parte de fazedas
de alg.odao,i e ao obstante o na.vjo.ter ido a pique
pode comtudo salvar-se ama, pequea parte du
carga, no valor approximado de ris t:000#000-;
continuando-se na diligencia de salvar mais a!$i*
mas mercadorias.


trez passos dislautes da linha dos mancebos. Es- dosmesraos passos, dos mesraos sitio cort oa-
tes, exaltados pela rausiea, pela poesa, pela adrai- ter aaalogo, ao carcter do deserto re^g.osos
rago e pelo raysterio, aplaudera cora enthusiasrao "rao o infinito, qae os cerca, livre corao os espa-
os passos das daagarinas, e as animara com excla- SC que Ihes es.4 aborto, vagabundos eomo o c
a leva por toda a parte onde planta o sen pavilho.
Conquistada aqai e all, a torna achar; e quanto a
tyrannia interior nao se deve temer jamis em nm
modo de civlsagao, que permitte a todo o homem
offendido na propria liberdade ou dignidade pes-
soa!, levantar sua tenda, saa familia, saa riqueza,
e ir a outra tribu buscar mais saave dominio, e
chefe menos absoluto.
Assim embora a autoridade do pai de familia se
nasjnovedigas, cofflo um navio, oceulto a vista pela
profondeza das vagas, que se mostra no cimo de
ama eollina de espoma e que desapparece tornando
a descer em mar cavado.
De lempos em tempos a distancia de um sol a
oulro, e algunas vezes de quatro dias de marcha,
enconlra-se nm poco oa una cisterna, assigoaladas
ao longe a visla por juncos, qae formara nma man-
Assim embora a autor.aae a pa. """*; cha ve(]fl n0 tano amarellado do terreno, ou por
ja a soberana natural de cada lenda, o despotismo, escamadas e em-
e a dictadura absoluta sao desconhecldas entre os
povos pastores.
Estes povos teem ebefes e nao senhores.
Ah todo se pratica por cousentimento commum.
o conforme deliberagSes poblicas.
As cidades sao quasi sempre monarchicas; o de-
serlo sempre republicano.
Viveado estes povos sob a tenda, qnasi deseo.
nm vasto sycomoro, cujas raizes escamadas e em-
pretecidas mostram vestigio do fogo dos pastores e
das caravanas.
V
Ordinariamente acampara os viandantes na visi-
nbanga destes pogos.
Esperam com paciencia qae os cavallos, os ca-
mellos, as cabras e as ovelhas, fatigadas pela via-
gem, oa recolbidos a tard* dos pastos, taajam len-
mages carinhosas tiradas de vocabulario pastoril,
com que costomam acariciar os camelliohos.
Alguns inflamados pelo delirio da adrairagao oa
roconbecemlosob o veo a noiva, qae cu oigam desde
a iofancla, arrancara o turbante bronco da pro-
pria cabega o desdobram, e estendeb a alguns
passos de si, sobre a ara, como tapete para os
ps da daogarina. Se a rapariga pizando o tapete,,
ebega a levanta-lo do chao com o dedo do p, a
laoga-lo para traz de si do lado das molheres, le-
vantara-se gritos de applauso, e o torbante, o
chale, os collares e as jolas, qae os bomens ento
langaram assim em desafio diante de si penen-
cem dancarina. Cnmpre resgata-las no da
seguote por algara presente a familia da gil
donzella.
Depois que ama das figurantes retira-se oatra to-
ma o lugar; a msica, a poesa, os transportes dos
espectadores cootiouam a provocar a danga das.
mulheres at as ultimas horas di noote. Concebe-
se o qae a trplice embriaguez do som, dos versos,.
e da danga, ao fraco claro deslas tioites embal-
samadas, que apenas deixam entrever esees phao-
tasmas cobertos de veas, oas quaes cada qaal jal-
ea advinbar a futura esposa de seas sonhos, deve
dar prestigio a estas feslas da solido. A mais reli-
giosa decencia confunde se com a mais enebriante
M POUCO DE TUDO.
da cidade Girondina
um jornallsta em Pa-
F0LHET1M
vallo, o camello, o rebanho, que os leva, ou que os
segu, bospitaleiros camo a tenda aberta ao viajor
transviado nestas solides, intrpidos, como o ho-
mem, que s deve a sua segaranga ao proprio
brago, e que tem incessantemente de defender a
mulber, os filhos, a guarda, a pastagem contra a?
incursoes sbitas de outros nmades ; silenciosos
habita I meo te como a solido, algamas vezes con-
versadores como o hornera, que encontra oatro, e
qae apressa-se em dizer-lhe e saber todo em rpi-
da conversago; contemplativos, e poticos como
as noutes, os dias, os astros, os horisontes, qae
teem aate os olhos; narradores em Bm, como as
tongas horas ociosas, que cumpre preencher com
tabulas e maravilhas sob a tenda on em roda dos
pogos, para abreviar a daraoo do tempo.
Quera anda nao vio o sol se por era nevoeiro de
rnbida fornalba, reOeotido pela areia nos limites
de ura borispnie. da Mesopotamia ou Caldea; quem
ao vio as constellaees ergaer-se e inclinar-se
lentamente, durante noutes de esto neste ocano
d'ether azul mais profundo d que o pensamento,
qpe nelle se mergalba, e mais transpareote do qae
o mar a sombra de om cabo, que o impede de se
taar e eucrespar; quem nao ouvio os hlitos
intermitientes do vento mal adormecido do deserto
znnir, infiltrado no ouvido atravs dos comoros de
Ha dias ora dos filhos
apreseulou-se em casa de
ris.
Mea oaro, tenho a minha fortuna feita Ora
ouga qoal a roioha idea e ver. Vou orear um
jorual a qoe darei o nome de Judeu Errante. Ora,
segundo a leuda, d'oade sabio o judeu erraote ?
Foi de Braxellas. You a Bruxeilas e imprimo la
o primeiro numero ; depois vou-a.Li.lle, onde sabi-
ra o segundo ; de l passo a Pars, onde imprimo
o tercelro.
Em Bm, o numero aoze na de ser publicado em
S. Petersburgo. Que diz da minha idea ? Pego-
Ihe que seja franco.
Parece-me que o seu jornal ha de ficar muito
caro.
E' claro qae j pensamos n'isso. Eu digo
peiwamo porque nos somos dous. Por esse lado
nao falbar o projeclo. E, demais, trataremos ao
mesmo tempo de alguns negocios miudos.
illaso. Os louvores de Deas sao contados pelos areia, e das vergonleas das hervas; qnem ao des
poetes, e a oraco consagrase al ao prazer. BV penar uo embeben as vistas no espaco sem liml
TRISTEZAS A BEIRA-MAR
POR
M. PINHEIRO CIHAGAS
(Contmnago.)
u
Jorge de Mello Figaeiredo era bo do om rico
negociante, qae fra primeiro armador dos navios
qae Banholomen Soares andar capitaneando, de-
pois socio delle, quando Bartholomea gangera
haveres qae o hab iuram a facer girar capiaes.
Resida Mello Figaeiredo em Lisboa por necessida-
des do sea trato, mas a Ericeira era a sna patria,
e o bom do velbo nao almejava seno pelo momen-
to em que podesse rollar para a sna trra natal.
O filho andava-se formando era Coimbra.
Reunir o opulento negociante quantia safflcien-
te para poder largar o comrrercio, qaando o filho
conclnia os seas estudos. O negociante, apesar
de arder em desejos de sabir do Lisboa, nao ma-
nifostou tal desojo, por nao desgostar o Albo, qoe
snppnnna amador dos prazeres d capital, e am-
bicioso sobretodo da gloria qne o poda Ilustrar
nos combates do foro. Mas Jorge, tmido, poete,
scismador o entbnsiasta, astnsteva-se s com a
idea de se arriscar a essas polejai do eloqaeocia o
de gastar a vida ealre os autos pulverulentos. O
turbilho da capital repuf nava tambem a essa al-
ma delicada e impressionavel eomo a sensitiva.
Apenas o pai e o filho descobriram o accor'do qne
bava entre os seos secretos pensamentos, exnlta-
ram de jobito, e, sacodindo s portas de Campoll-
de a poeira dos botms, partiram no mnibus para
Mafra e de Mafra transportaram-se para a Eri-
ceira.
A saa chegada dea am alegro a Bartholomea
Soares, amigo sincero de Meno Figaeiredo, e de-
sejoso de ter jnnto de si pessoa com quem podesse
relembrar memorias do passado. Leonor, j en-
to menina dos seas vinte annos, mas enanca an-
da pela Ingennidade com qoe exprima os seas
pensamentos, mal estes Ihe desabrochavam na
mente, encarou fita em Jorge, qne loo aprsente-
vm, e dlsse, voltando-se para Mello Figueiredo :
Oh I meo Dos I seo filho to bonito I
Os doas velhos rirara-se francamente da excla-
maco inesperada. Jorge crou primeiro e a final
tomn o partido de se rir tambem.
E' qne, na realidade, Jorge era o typo ds belle-
za varonil, nio como n)s a concebemos, mas co-
mo a concebeu a Grecia ao pnantasiar o mytho de
Apollo. Elegante e robusto, apesar da fineza das
formas, alvo do atoe, eom % fronte ooroada de c-
benos loaros, ojm ftizavam utaralmente, nos olhos
araos expressivos ao mixto do melancola o de vl-
vacldade, nio tinha nem a rudeza dos Hrcules
nem a effeminada brandara dos Bacehoc Era o
qae se pode chamar om lindo rapas, cheio de vi-
da, de mocidade o de poesa, predicados esses que
tinhara Ido despertar no espirito de Leonor os ele-
mentos qne Ibe erara sympotMeos.
Desde ento nanea mais Leonor pode contetn-
' piar to isenta como at ahi o horlsonte mar i ti rao
o a crista das vagas. Entre ella e os panoramas,
qoe mirara, sargia sempre a gentil imagem de
Jorge; qaando se meitia nos botes cora os pesca-
! dores, como basWWes vesos costuimava, para ir
dar om paselo al bem longe da costa, j os nio
persegnla tanto para gae Ihe eantassem cantigas
1 on para qne promeltosoem leva-la algnma vea a
! ama pescarla, proraessa que el I es nao oasavam fa-
zer, porque sabiam qae por essa forma desagrada-
riam a Bartholomea Soares, o qoal, folgando mu
to eom a ndole fagoeira o cora o animo varonil
de Leonor, nao gestarla, comtudo, de a ver arrls-
car-se a algam perigo serio.
Deesas persegnifdes ficaram livres os pescado.
res desde qae ebegoa Ericeira Jorge de Mello
Figueiredo. Leonor nio deixira do dar Iigos
passeios ao mar alto, mas esteva por tongas horas,
moda, en p oa proa do bote, com os olhos era-
vados vagamente na amplldo, on Je parela ver
Hacinar algnma forma indefinida e vaporosa.
io era Leonor senhora qoe podesse reprimir
por moito tempo a expauio deste sentimento, no-
in ella, mas qae a impacientan o a irritava.
O Internacional de Londres, de il do corrente,
relata o seguale;
Na noate do da 9 correo em Londres um vent-
violentsimo, qae s abonancen das oito para as.
nove horas da manilla.
Durante o tufo airavessava ama senhora a pon-
te de Weslminster, guando o vento, tnteodnain-
do se-lhe violento na crinolin, a desprenden do
chao como se fosse nma peona e a atirou ao rio
por cima da guarda da pone.
Justamente n'essa occasio passava am dos bar-
cos a vapor, chamados Ciizn qoo iaiem corridas
entre Londoobridge e Chelsea.
A infeliz foi cabir no tobo da obamio, com a
cabega para baixo1 e desappareoeo logo aos olbos
dos espectadores assombrados.
S ama bora depois do accidente qae pode ser
tirada da chamio.
Eslava completamente carbonisada.
Fatal capricho da ventana I
Se a infeliz, em vez de cabir de cabega para bai-
xo pelo tubo do vapor, eqBa os ps por ee, esla-
va salva. .
Ficava-lhe a bocea livre para respirar e clamar
por soecorro, e nao teria a tristissima sorte de
moirer assada.
Contavam-se desastres de todo o genero origina-
dos por cansa do uso da criooJioe.
Nao constava ainda, porm, qoe ella tivesse
reduzido urna pobre senhora ao estado de tor-
resmo I.. ,
Decididamente o fenianismo passa a ser moda
em Londres.
A noote, pelas oito oo nove horas, qnem se
aventurar a correr a ra de tavemas, chamada
Drury-Lane, oa oatra qualqaer iocalidade tortuosa
da capital, nao estar muito tempo sem ver ap-
parecer ama turba de irlaodezes qae vo fa-
zendo sses phntasUeos, e borrando com entu-
siasmo ;
nspirando-lhe pela primeira vez assomos de triste-
ap, annaviando-lne a fronte, apagando-lbe o sorri-
so nos labios e dando ao sea olbar am vago tom
do melancola. As chamadas conveniencias, que
as salas obrlgam orna senhora a esperar qne o
acaso inspire ao homem da sna predileec&o a lem-
branga de a requestar, essas taes conveniencias
ignora va-as Leonor. O sea mar o os snas rochas
imbam-tbe ensinado apenas a franqueza o a au-
dacia. '
Jorge (requemara a sna casa, mas o devanead
e estudioso moco nanea mostrara ama sympalhia
muito pronunciada pela conversago de Leonor. A
pobre menina, como sabem, nao conhecia nem os
recursos da garridlce nem tinha tambem leitora,
qne a habilitasse a suatentar urna pratica inters-
sante com nm rapaz como Jorge, que mais convi-
va com os livros e com elles mais se qneria do
qae com jos homens. O filho do antigo socio de
Banholomen goslava de contemplar a forto a bel-
lota original e Leonor, presenta vagamente a
agreste poesa d'aqnelle genio inculto, mas nio
passava disso e nao se senta com animo nem de
ser pedagogo de lo gentil discipnla nem de sacri-
ficar as snas predileeeots iliterarias ao Indefinivel
encanto d'aquella /tor tentre tu fragas.
Umdia fra Jorge sentar-se nos fragaedos te
boira-mar, levando comsigo nm poema, eomo bas-
tantes vosos costumava faior, por qae saboreava
melbor a pooste eommentada por ossos raagnineos
S
PVoz, jornal qae se publica em S. Petersbur-
go, annuncia qne se descobriram riquissimas mi-
nas de oaro na ilba Sitkha, na occasio em qne se
faziam as oavas para enterrar os postes do lelegra-
pho americano.
Esta noticia, se fr officialmenie confirmada,
sera' de grande importancia, por qne o terre-
no da ilba da mesma lormago qne o da Cali-
fornia.
espectculos, e a harmona das vagas era-lbe deli-
cioso acompanhamento oara o rythmo dos versos.
Desmaiava j o sol no horisonte distante, Ilumi-
nando com os ltimos ralos o rido come das ro-
chas, incendiando os vidros do ama capel la isolada,
aureolando o vallo melanclico da cruz e espraian-
do ama tonga facha de ouro pela lela esverdeada
das ondas. No ponte extremo em quro 1B*r se
confunde com o co, a rea branca de om barco de
pesca sargia como qne immersa a nm ocano de
OBpUnter. Aqgplla Mora, i fcei-tpar, tora menos
suavidad*, porem mais grandeza, do qoe nos cam-
pos. Nio se 00vera ali era murmurios indefini-
veis, nem canto longiqao dos' lavradores, nem sino
de Ave-Maras, nem mugido dos bois que voltam
para o canal, nem balidos de ovelhas qne o pego
reiro jante para as condutr ao aprisco. Ali otf-
ve-se apenas o eterno bramido do ocano I A tor-
ra, sitara a nua, nao tem nm canto, nm hyrano,
ora mnrmariocora que se vi embalando antes de
adormecer no regago da noite. O crepsculo nos
campos como qae o despedir saudoso do mori-
bundo das delicias da existencia, qne at n'essa ul-
tima hora Ibe estao soavisando o calleo amargo do
transit. O crepsculo a beira-mar o momento
solemne em qne o hornera, baloacado entre a dnvi-
da t O esperance, encara, tremente o parido, o as*
sombroso mysterio da eternidade I
Jorge, ooabovooidon'osta melancola austera, con-
templan ora o dosmair da lar, ao solo to ondas,
ora murmurava alguns versos, qaando via de s-
bito, salteado de fraga em fraga com ama agilida-
de de gamo o diriglndo-se para o sitio onde elle es*
tava, um rapas airoso, vesllodo um oasaco de vellu-
do preto justo na cinta e trazando na cabega nm
elegante chapeo. Jorge fltou n/elle por am pouco
am olbar meio carioso, meia distrahida, mas como
ainda vinha to distante qoe nao se Ihe podiam dis-
tinguir as feiges, Jorge voltoa do novo os olbos
para o livro qae esteva leudo.
Que tero esses livros, tanto Ihe absorvem a
atteocoo 2-disse junto d'elle, passados alguna ins-
tantes, ama voz, cojo timbre feminino o fez estre-
mecer.
Jorge levanten os olhos e vio Leonor. O chapeo,
coja forma lembrava os chapeos do htjntons, a
costo Ibe prenda as trancas negras, qae ameaca-
vara rebellar-se contra o captiveiro. A sna esta-
tura fina e elegante desenbava-lh'a admiravelmen-
te u casaco justo; a cor negra do facto dava-lhe nm
grande realce i al vara oa antes i pallldos do rosto
onde falgoravara eom um brilho selngem os doas
diamantes negros dos seos olbos. O trajar masco-
lino fazia mais picante a beiiea, j de. si original,
da neta do Banholomen. Jorge ojhojha 00a tapar
te e involuntaria admlraco.
f
------(Con/mner-M-Aa.)
p^Ay|RJcj),-m;wl^Wr,iWM
.
%
1


i
iitarn


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EKFAGTI8S_U9H9VH INGEST_TIME 2013-09-05T02:03:38Z PACKAGE AA00011611_10950
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES