Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:10946


This item is only available as the following downloads:


Full Text
MM.
Jfc
"

i

AMO XUI, HOMERO 90
Por % artel pag* dentro das 10 Mas do t.* mez ,
dem depois dos 1." lo dias do caneco e dentro do quartel
Porte ao correio por tres nezes...........
>* n\* j;

8|eeo
6ooo
75o

-%9b

OOIHTA FEIRA 19 M ABRE DE 1966
Por aaio- pago dettro de lo dias d4. mez:
Porte a correio por im anno ...
,

1^000
Mi
DE PERNAMBUCO.
BNCARREGADOS DA SUBSCRIPCAO DO NORTE
Parahyba, o Sr. Anloiio Alex^nrlrrio de Lima;
Natal,o Sr. Antonle- Marques da Silva; Aracaty,o
Sr. A. de Lemos Braga; qear, o Sr. J. Jos de
Oliveira; Maranhao, o Sr. Joaquim Marques Ro-
drigues ; Pare, os Sts. Geraldo Antonio Alves &
fr'ilhos; Amazonas, o Sr. Jeronymo da Costa.
BNCARREGADOS DA SUBSCRIPgAO DO SUL.
Alagoas, o Sr. Clandino Falco Dias; Baha, o
Sr. Jos Martins Alves: Rio de Janeiro, o Sr. Jos
Ribeiro Gasparinho.
PARTIDA DOS ESTAFETAS.
Olinda, Cabo, Escada e estagiJes da va frrea at
Agoa Preta, todos os dias.
Iguarass e Goyanna as segundas e sextas feiras.
Santo Anuo, Grvala, Bezsrros, Bonito, Carnar,
Altinho, Garanliuus, Buque, S. Bento, Bom
Conseibo. Aguas Bellas e Tacarat, as tercas
feiras.
Pao d'Alho, Nazareth, Limoeiro, Brejo, Pesqneira
Ingazeira, Flores, Villa Bella, Cabrob, Boa Vis-
ta, Ouricury, Salguen o e Exi, as quartas
feiras.
Serinhem, Rio Formeso.Tamandar, Dna, Bar-
reiros, Agua Prau Plmenteiras. ni quintas
feiras.
AUDIENCIAS DOS-
AES DA CAPITAL.
Tribunal do comraerc.e:. segundas e quintas.
ielacao: tercas atados s 10 horas.
Fazenda : quintas s- i*) horas.
Julzo do commercio: segundas as 11 horas.
Dito, de orphos: tercas e sextas is 10 horas.
?ara do trele tercas sextas ao meio
Primeira
dia.
Segunda.vara do elveic. quartas sabbades
hora da urde.
a I
EPHEMER1DES DO MEI i>B ABRIL.
&.Qnirto ming. as d=n,, Mr, e 5? *. da ro.
lS:Lna nova as 4 h, 4*m. e IDs.da sW
21. Qarlo cresc as 8h.,..l*ro. e 4 s.da t.
29' Loa ebeia a 7 h., 4 m. e 14 s. da L
DIAS DA SEMANA.
!5" S6"11-?,*3- gfae* S. Calixto m.
7. Jerga. .- Aniceto p.;S. Herraogenes m.
18. Quarta. & Galdiao b.eard.; S. Anthia m.
19. Quinta. S. Evpedtio e Arlstonico mm.
20. Sexta. Ss. Severiaaoe Acyndinn mm.
21. Sabbado.&. Anselmo are; S. Silvio ra.
22. Domingo. Ss. Jkonides e Elpldes rom.
PREAMAR DE.HOJE.
Primeira ae 8 horas e 3t> m. da Urde.
Segunda as 8-horas e 5i minutos da man ha a.
PARTIDA DOS VAPORES G08TEIR08.
Para o snl at Alagoas a 14 e 30 v para o norte
al a Granja a 7 e ti de cada mez; para Fernan-
do nos dias 14 4os mezes de Janeiro, .-aar-go, mis
jolho, setembro e novembro.
ASSIGNA-SE
no Recife, na Iwraria da praca da Independencia
ns. 8, dos propietarios Manoel Figueiroa de Faria
& Filho.
PARTE OFFICIAL
COVEBXO DA I*KO VIXi IV.
Expediente de da 16 de abril de 1866.
(Meio ao inspector da tbesouraria de fazenda.
Su nao houver inconveniente e estando en> termos
o pret jamo em duplcala que me remetteu o com-
maDdaote das armas coui offlcio de boje, sob n.
641, mande V. S. pagar os vencimientos relativos
primeira quinzeua deste mez, das proras do do-
psito.
Dito ao mesmo.CoUmunco a V. S. para seu rogando por 35 das o
Amelia de Sania Rosa.Informe o Sr. director
da iastruccao publica.
Antonio Malaquias de Macedo Lima.RemetiWo
ao Sr. eogenbeiro chefe da repartgo das obras
publicas para attender ao supplicante se nao bou-
ver inconveniente.
Arsenio Allonso Pereira Borges.Informe o Sr.
commandante da companhia provisoria de polica.
Emigdio Soares de Moura.Informe o Sr. de-
sembargador provedor da Santa Casa de Miseri-
cordia.
Florencio da Costa Oliveira.Requeira ao gover-
no imperial.
Feliciano do Reg Barro?.Passe portara pro-
prazo para a execucao da
conhecimento, que o goveroo imperial approvou,
segundo cooslou me de aviso da reparticao da
guerra, de 5 do corrate, a deliberadlo que tomou
a presidencia da mandar pagar sob sna respoosa-
l.ilidade, ao Dr. juiz de direito da comarcada Boa-
obra.
Francisco Antonio de Uliveira.Informe o Sr.
desembargador provedor da Santa Casa de Miseri-
cordia.
G'jilhermlna Bassilira de Oliveira e Silva.Pas-
deote ; Eduardo Moser, primeiro secretirio; Jos
Joaquim Rodrigues de Freitaa Jnior, segundo di-
to ; Domingos Finto de Faria, thesourei.ro e mais
15 directores.
Segundo determina o estatuto, a dlreegSo no-
meoa de entre si as- eommissCes em que deve divi-
dirse.
Para a commissao de obras na Bolsa foram es-
O producto total da arremataos do casco e
aprestes prodnzio fc 3839400 rs.
O-lempo melhoroa..Desde anle-bODtem que os
dias sao de urna liada primavera. A continuaren)
os temporaes, que ha mais de nn mez se socce-
diam com pouco iotervallo de dia?, de cerlo nao
termlnariam as desgranas no mar.
AInda-nesta car vamos registrar algpns sinis-
Urselinas de Braga 8005, ao das Capucbinha de
buimaraes,as freirs do Lourical, as do convenio
SL5SB*0 ?m Lisb08'as "rmelius em Car-
mde 2004. a cada um.
Ao eoliegio de Barro, prximo de Lamego 800*
e igual quantia-----
res, Boa ventura Jos de Castro Aievedv Joao An-
tonio da Silva, alferes Joaquim Jos de Olinda la-
vares, lente Francisco Jos do Sacramento o
Silva, Dr. Paulo Jos de Oliveira, sua senbora e 1
escrava, alferes Assencio Minervioo Meira, capto
e iguai quanua para as Obras do temnln do Rom oZi. i Y *- a,,uo,,,uu m**i capuao
Jess de Barrosas. P Pedf?. Alexandrino Rodrigues Lins, capito Traja-
Aos pobres deS. Thia. a. i....... *oa. ... no A'pio de Gawalho, Francisco Manoel Pereira
Pedro de Miragaia desia cidade 4* g Satti eScriV0' JoaP Tambem. fallecern- nesia cidade m 80 o.Sr n'. O'^P'O.Moreira Lima. Jaciotbo Nunes da
Antonio Fernanes S^jSB^JKaSr S0"* "gOMo*^"* de carvalbo, Dr.
abastado proprielario di frTguezia dTparanhM* -5?* M?ce.dj-Co-to Aatonio ^clio Tana-
em a
Vista, Antonio Buarque de Luna, a quantia de..... se portara coucedendo a prorogacaa pedida
1:568*032, proveniente di despeza que est fez
com voluntarios da patria, desde a ntta do Ouri-
cury at esta capital.
Dito ao inspector da tbesouraria provincial.
Dvolvendo a V. S. as duas Inclusas contas em
duplcala, que vieram annexas a 1 sen offlcio de 12
de marco prximo fiado, sob n. 82, as qnaes sao
relativas ao sustento dos presos pobres da cadeia
da cidade da Victoria, durante os mezes de dezem
bro e Janeiro ltimos, recommeodo-lhe que em
vista do exposto no offlcio junto por copia, que a
ese respeito me dirigi o juiz de direito daquella
comarca em 27 do predilo mez de marco, n. 12,
mande pagar integralmente a importancia de taes
contas a Jos Antonio de Freitas, para esse iim in-
dicado em offlcio da presidencia de 3 de man;o
cima referido.
Dito ao mesmo.-Transmiti a V. S. a folba e
pret jontos em duplcala, aflu de que, nao havendo
inconveniente, mande pagar ao 2 tenente Lino
Carneiro Rodrigues Plato, conforme solcitou o
commandante superior da comarca du Rio-Formoso
em offlcio de 2 do correte, os vencimentws cor-
respondentes ao mez de margo ultimo do destaca-
mento de guardas nacionaes existente naquelia
cidade.
Dito ao mesmo.Recommendo a V. S. que nao
havendo inconveniente e estando em termos os
dnus prets jontos em duplcala, mande pagar a
'Claudino do Reg Lima Jnior, conforme solcitou
* commandaote superior da comarca de Santo An-
, o, em offlcios de 7 de marco ultimo e 6 do cor-
rente, os vencimentos relativo* aos mezes de eve-
reiro e margo de?te anno, do destacamento de
guardas nacionaes existente na cidade da Vic-
toria.
Dito ao mesmo.Tomando em consideracao o
que soliciton o delegado Iliterario da comarca do
Brejo da Madre de Deus em offlcio de 9 de margo
ultimo, e leodo em vista e que a esse respeito in-
formou o director geral da instrueco publica em
offlcio n. 68 de 20 do citado mez de marco, e essa
tbesouraria em 11 do corrale, sob o. 127, recom-
mendo a V. S. que mande pagar a quantia de
227*, em que segando o parecer da contadona im-
portaran) os objectos fornecidos para nso da cadei-
ra de instrueco elementar do sexo feminioo na-
quelia villa, como se v dos documentos que de-
volvo, devendo esse pagamento ser efTectuado em
primeiro lugar a Jeronymo Pereira Marios, e em
segundo a Simplicio Jos de Mello, conforme sol-
citou o mencionado delegado.
Dito ao cnsul da Prussia. Accusando recebi-
do o offlcio de 14 do correte em que o Sr. Ad
Scbafheilbur nao s me communicou ter reassumi-
do o cargo de consol da Prussia nesta provincia,
mas tambem que fui nomeado vicecnsul interino
daquelle reino o Sr. Constantino Nappel, tenho a
declarar-lhe em resposla que dei comprimento ao
exeqnator imperial concedido a essa nomeacao, o
qual incluso devolvo.
Aproveito esta occasio para apresentar ao mes-
mo Sr. cnsul os meas protestos de estima e consi-
derado.
Dito ao director do arsenal de guerra.Mande
V. S. fornecer a casa da guarda da Ribeira do Io
districto da freguezia da Boa-vista um cobo, urna
jarra de madeira e nm candeeiro, que os existen-
tes all, segundo consta de offlcio do delegado en-
carregado do expedienta da reparticao da polica,
ja se acham mutisados.
Dito ao chefe da reparticao das obras publicas.
Recommendo a V. S. que mande examinar e fa-
zer os coocerlos necesarios na porta de um quar-
to que na casa da guarda da Ribeira do 1 distric-
to da freguezia da Boa-vista, serve de recolhimen-
to aos individuos embriagados durante a noite.
Dito a cmara municipal do Recife.Recom-
mendo a cmara municipal do Recife que mande
extrahir do respectivo livro e remetta-me com toda
a urgencia urna copia da acta da organisaco da
junta rovisora de qualiflcagao da Ireguezia da Var-
za no correte anno.
Portaria.O viee-presidente da provincia, atten-
denda ao que requeren o professor publico de ius-
trueco primaria da villa do Granito Jos Peixoto
Silva, e tendo em vista a ioformacao do director
geral da Instruccio publica de 14 do correte sob
n. 80, resol ve conceder-lhe 3 mezes de licenca com
vencimeoios para tratar de saa sade.
DiuO vice-presidente da provincia atienden-
do ao que requereu a socedade Reoeflcente dos
Artistas Alfaiates insumida nesta cidade, e em vis-
ta do que dispoe o 5o do art. 29 do decreto n. 2711
de 19 de dezembro de 1860 resolve noraear para
o lugar de director da raesma sociedade a Flix
Venancio de GanUlice. A j k,
Expediente do secretario do aterne do dia
16 de abril de 1866.
N. 103 Offieio ao Dr. 1* secretario da asserabla
legislativa provincial.Transmuto a V. S., de or-
den) de S. Exc. oSr. vice-presideote da provincia
Isabel Mara de Queiroz.Informe o Sr. desem
bargador provedor da Santa Casa de Misericordia. Nieport, Ignacio Jos Marques Braga, Manoel Gual
berto Soares e Ricardo Hatt Noble.
Foi publicada ha poneos dias a lista offlclal das
recosapensas conferidas pelo jory mixto da expo-
sicao internacional portogueza de 1865. Se bem
nos recordamos j em carta anterior incluimos a
relagao dos expositores a quem o conseibo de pre-
Miseri- sidentes havia galardoado com medalhas de bonra,
que o primeiro grao de recompensas, restava
Jos Augusto de Araujo.-luorme o Sr. eoge-
nbeiro chefe da reparticao das obras publicas.
Jos Conspim da Assnmpcao.Informe o Sr.
commandante superior da guarda nacional de Olin-
da e Iguarass.
Joaquim Vital de Moura Graca.Informe o Sr.
desembargador provedor da SaoU Casa de
dia.
colbidos os Srs. visnode de Pereira Machado, vis- iros martimos.
conde de Figueiredo, Joaquim Jos Ferreira de Oli- No da H naoragou prximo da barra de Avei-
veira Pedro Mam da Fonceca e Antelo de Almei-1 ro a barca Ingina. Attlanlw. vioba de Gibraltar 1 iaan>eai. mieeeran
da Lampos e Silva. | com carga de esparto e destinava-se a um dos por- Antonio Fernaodes Leiu niteo com:
Para a commissao de contas os Srs. bario o tos de Inglaterea. Morreram o capitp e cioco tri- abastado proprktario da Sifd5 PariZ,* franc,s> ^
Seixo, Joao Antonio de Miranda Guimares e Fran- pnIantes;.os redantes, que erara seis, salvaram-se. I em 24, o Sr. Joaauim Nocueira fianSrj S l""' padre ^'"'ho Francisco de OHveira, padre
cisco Ignacio Xavier. Den costa no dw 17, ao sol da barra da Fi- \ capjulista. Entre varios legados; deiiou aMkariU ",aim Lae3s Cavalcanti, Jos Lmz de Moraes,
Para commissao do telegrapho os Srs. Antonio gueira o brgue francez Frtderic Eugene miX,\9o3SlSaU^aSauTu.^^M^t%
Riheire Morelra, Jos Nogoeira Pinto e Antonio gem de Nova,York para Marselha.com carrega- Silva CampoT Mello, respeiuvel ioduslrial e so*
L p fnSlL?. Unir' w n Kd.e 8,dcUe,,la- cera e laa" Mrrea caPi,io- ci0 da flrma ^raPos MelloTlrmao com urna im-
E, finalmente, para a commissao do gabinete de Ohiate|&. LourenQO, perlencente a pra?a do portante fabrica de lanificios naquell villa
1- vfii P^rdr '? no dia 15 demandando a barra I Era nm cavalheiro muito considerado e d grande
4 a h. 8V inflneneia poltica na Covilh, onde havia sido ni-
. cm *> o biate Conceiqao FeUz? pertencente ; tunamente chefe do partido progressista em Vian-
pracad Aveiro, naofragou na cosa de S. Mar- na do Castello o Rvd. Antonio Cerqoeira Urna, ar-
llT:M,,..... .. preste daquelle jolgado e abbade da freguezia de
A qoadra corre mal para as pessoas dinbeiroras. I Anna;. em Braga o Sr. Dr. Feliciano Joaquim da
A morte parece procara-las com
menos abastados de fortuna.
leilura os dons secretarios cima mencionados.
Os directores a que nao eoabe commissSes fo-
ram os Srs. Antonio uias Ferreira, F. M. Vander
Na carta passada demos
51 exepraca.do exercito e 1 dita da armada, 12
carpinteiros para o arsenal de marinha, D. Jacn-
tha Victorina,. Antonio Joaquim da Ganha, Luiz
Jos Gongalves franco, Mutbi Domen ico, Gulsep-
pe Muthi,, Udss Giovann, Aromini. Lazzaro, Berna-
bo Guiseppe.Guseppe Paganetlo^AIphonse Warms
Fraoclsca Pedro Joaquim Ferreira. da Costa, Ma-
noel da Costa, Francisco Sacavem,. Jos da Costa,
Delana, Ignez da Cosa.
Segnem. para o norte :
preferencia aos I Silva Anaojo e Mello, delegado"do"'prca"Sdo7feg"io I ^fStiiS^J^.^^!!^^.^
. na comarca de Mareo de Canavezes. I uZSPSr br? 408 ,de Albuquerque, major
_ o fallecimento do Sr.l OSr. Justino Ferreira Piolo Basto oarasoffra-' MaDOel fer,rera Nobre Junion, enle Vicente
Lobo, enosta vamos registrar o do Sr. conde de gr ithn d^featio dVSb^l^dmMm! Sfit*? Umi> 030 MaximUiw^roso, cadet
Ferreira e ontros como o leitor vera'. I cou berdeiro" mandu distrSr mola* de 50 %&* Au,Bust0 S?1"10' teDente Manoel Candido
No dia 24 fallecen cora oitenta e tres anuos de res a lodos o pobre amaS^JS^nod o6 0imu\ Um> Dr GafltiL a,0,eai Almeid*
Tenenie Joao Eduardo Pereira Borges.-Informe agora^ar-raos a lisia dos expositores que alcanca- idade, o Sr. conde de Ferreira (Joaquim Ferreira para esse Hm determinada11 ooruda1 casa nua ha to,g** cadele Adoqo Escolstico de Carvalbo,
dos Sanios) rlquissimo capitalista desta cidade que tritra o Sr. Lobo,
residir por algum teropo na frica
o Sr. inspector da thesouraria de (azenda.
Manoel Bezerra Neves.Informe o Sr- comman-
daote superior da guarda nacional dos municipios
da Boa-Vista e Ouricury.
Merenciana Paschoa da Silva.D se.
Mana Francisca Rodrigues Ramos.Informe
Sr. director da instrueco dublica.
Umbelina Joaquina da Costa Mello.Como re
quer pagos os direitos nacionaes.
iiii-
COMANDO DAS ARIAS.
Quartel general do coamando das armas de Per-
nambueo na cidade do ReeiTe, 18 de abril de
1866.
Ordem do da n. 224.
O marecbai de campo commandante das armas,
em execu^o ao offlcio da vice-presideocia datado de
17 do correte, com referencia ao aviso do minis-
terio da guerra de 22 de fevereiro ultimo, declara
nesU data dispensados da reparticao das obras mi-
litares, que fica extinoU, os Srs, offlciaes do corpo
de engenheiros nella empregados, capitao Domin-
gos Jos Rodrigues, lenle chrisoluo Ferreira de
Castro Chaves, e Jos Tiburcto Pereira de Maga-
Ihes.
O mesmo marechal de campo taz cerlo, para os
(ios convenientes, que boje se apreseotou no quar-
tel general viudo da corte, o Sr. capitao da extinc- buco, que mereceu menso honrosa.
ram medalhas de primeira e segunda classes e
menco hjarosa, mas contendo essa lisia algnmas
cernen^ de nomes, limtame-nos a incluir aqui os
nemes dos expositores do Brasil laureadas com
aquellas dlstinCcoes e a indicar ao leitor, que dse-
o jar saber os expositores porloguezes que foram
; premiados, os ns. 65, 66 e 67 do joroal o Commer-
rio do Porto. No primeiro dos ditos nmeros en-
contrara os nomes de 153 expositores portuguezes
com medalhas de primeira classe, no segundo 211
. com medalhas de segunda classe, e no terceiro 325
I com mensoes honrosas.
A relaeo nominal dos expositores do Brasil e
productos exhibidos pode ver-se na nossa corres-
pondencia de 27 de setembro, inserida no n. 247
do Dtario de Pernambuco, do anno passado. Ah
I se encontraro 42 nomes. Recorrendo-se, porm,
ao cathalogo offlclal da exposicio, na parte que re-
laciona os expositores do imperio do Brasil, parece
I qoe elles foram 61 A differeoca entre um e ou-
tro algSrismoprovm da classe 41 pinturas a oleo
a aguarella, etc., na qual os nmeros nSo indieam'
como oas ontras classes, simplesmenU, os exposi-
tores, mas sira os objectos exposlos. Ainda se d
ontra clrcumstancia, e vem a ser que na lisia dos
expositores premiados lem-se (res ou qoatro no-
mes que se nao encontram na alludida relacSo pu-
blicada 00 Diario, porque nao foram incluidos no
cathalogo official da exposico, e entre elles o co-
me do r. Joaquim de Almeida Pinto, de Pornam-
portogueza, e
por muitos annos na America, e com
de no Rio de Janeiro.
Possuidcr de immensa fortuna, lalvez superior
a mil e quatrocentos cootos, de rol.-, o Sr.conde de
Ferreira dividio-a de maneira que aproveilara' a
muitos.
Urdenou que satisfeitas
tenente Cicero Luslosa da Cunta, cadete Jos Ber-
nardo Serra, Olegario Teixeira Mascarenhas, ale-
la companhia de artfices, desta provincia Trajano
Alipio de Carvalbo Mendonca, que por decreto de
17 de fevereiro ultimo, foi reformado e nomeado
em portaria do ministerio da guerra de 3 duste nes
para exercer o empreno de director da colonia mi-
litar de Pimenteiras, licando por ronseqoencia exo-
nerado desse emprego o Sr. capito reformado Jos
Eis a lisu das recompensas conferidas pelos ju-
rys aos expositores do Brasil e verificados pelo
conseibo dos presidentes.. __... .
MEDALHAS DE i" CLASSK.
4* grupo, productos agrcolas e seus derivados
alimenticios :
Antonio Jos Gomes Pereira Bastos, Rio de Ja-
Ignacio de Medeiro Reg Monteiro : o que constou neiro, pela excellenie cerveja.
de offlcio da referida vice-presidencia de 16 do cor- Candido Ferreira Jorga da CosU pelos excellen-
renie." JS' justo que se faga tambem certo, que o tes^cbarutos de varias qualidades.
Sr. Reg Monteiro bem dsempenhou as func^des
do sobredito emprego, bavendo-se nelle com hon-
radez, zelo e intelligencla.
(Assignado.)Francisco &ergy> de Oliveira.
Est conforme. Estevao Jos Ferraz, tenente-
judante de ordens interino encarregado do deta-
Ihe.
EXTERIOR.
CORRESPONDENCIAS DOBIA
RIO DE PERNAjURCCO
PORTO.
27 de margo.
Traia-se de organisar urna associagao com o no-
rae de companhia commercial dos lavradores do
Douro. O sea fim auxiliar a lavonra d'aqaelle j
paiz vinbateiro, comprando annuairaente, para ex-
portar, at trinta mil pipas de vinho das difierentes
qualidades all produzidas, garantir por meio de
urna marca saa, a pureza e genuidade dos mesraos
vinhos, e procurar-lhes novos mercados sem dei-
xar de explorar os j conhecidos.
O capital da companhia flxado em deas mil
contos de ris, formado de duzeotas mil acgSes de
10000 cada urna, mas poder elevar-se at cinco
mil quando as operares demonstrem essa neees-
sidade.
Considerar-se-ha constituida quando tiver passa-
do a metade d'estas icg;s, e poder (uncoionar
logo que possua em caixa a quarta parte do capital
subscripto.
As acedes emittidas serlo pagas em quatro pres-
tares de vinle e cinco por ceoto cada urna, poden-
do as duas ultimas ser em vinhos, pelo prego cou-
venci"uado entre os accionistas e a gerencia da
companhia.
Haver nm fondo de reserva, formado pelos lo
cros excedentes a 6 por cento e do premio, se o
houver. das acgSes que se emittirem depois da ins-
lallago.
Este fundo destioado a tazer face a qoalquer
eveniuulidade, assegurando aos accionistas um di-
videado de 5 por cento, quando os lucros nao che-!
goem a somraa necessaria para forma-lo, e para (
fazer adiantamentos aos lavradores accionistas so-
Francisco da Silva Castro, Rio de Janeiro, pelos
excellentes charutos de varias quaidades.
Jos Fuado de Simas, pelos excellentes charu-
tos de varias qualidades.
5a g.upo, industrias cbimicas, cermicas e vitri-
fica, cirurgia e hygiene:
Domingos da Cunba Taborda, Cara, pela gran -
de colteegao de productos natoraes e industriaos.
1 Joao Augusto Ferreira de Almeida, Rio de Ja-
neiro, pela exceilente qualidade das velas de let-
rina e importancia da sua fabrcago.
11 grupo, industria de metaes e pedras finas :
I Jos Mara dos Reis, Rio de Janeiro, pela ele-
gancia e bom acabameuto de suas lunetas.
12 grupo, belias-aries :
Joaquim Jnsley Pacheco, Rio de Janeiro, pelas
suas photographtas.
Van Nivel Guimares & C, Ro de Janeiro, pe-
' las suas pbotograpbias.
MEDALHAS DK 2* CLASSE.
4 grupo:
Araujo & C, pela collecco de bons cigarros.
Eduardo Leopoldino da Silva Ribeiro, Rio de Ja-
neiro, pelo bom vinagre.
Francisco Pereira de Vasconcellos, pelas suas
boas conservas. -
G. Schnorbusch. Babia, pelos bons charutos.
5* grupo :
Ernesto Frederico dos Santos, pela boa prepara-
gao dos productos chimicos.
Flix Farant,' Ro de Jaueiro, pela boa qualidade
dos productos chimicos.
7o gropo, instrumentos de precislo :
Jos Mara dos Res, Rio de Janeiro, por urna al-
ga-mira, ama machina de dividir circuios e varios
artefactos de optiea.
irtngneza. e o tribunal do commercio do Porto dudaran em1 o aerra,uiegarto eixeira Mascarennas, aire-
uraenou que satisleitas as numerosas disposi- gente que tlnha ido a festa de Pasaos na fFecaezia ? .tarvli,',, Pernandes Vieira, capitao Joa-
g5es testamentarias, qneem seguida damos contas, i de Villar, conselho de Barcenos, vi'rou-se raorren- T'Sf2 a\ Ne*her L<^' Mara Nelber'
os remanescentes da heranga sejam applicados pa- ido afogadas ornas 10 a 14 pessoas. Ignrame os *
ra a edincagao de am hospital para alienados, o. nomes das victimas.
depois de conclojdn, 6 raobilado, sero os fundos O M> nte-Pio de S. Jos da cidade de Braga dis-
que sobejarera nlpregados em papis de crditos penden no anno prximo passado, 5734300 em
aTn.WiA%n^h0spi,"L U. !soccorrosa s^ios doentes e ontras delpezas da
Legou 1M:OOOOOO para se construir a roobilar i assoclagao.
cento e vate escola* primarias para ambos os
sexos em trras qoe forem cabegas de coneelho,
felas todas por urna planta e com accommodagoes
para os professores.
Delxon a casa da misericordia do Porto 3O:0U
com o encargo aoooal de vestir viole e quatro po-
bres de ambos os sexos no dia anaiversarlo do seu
fallecimento,e outros 20:0005 obrigando-se a mes-
ma santa casa a manter orna enfermarla que nao I o brigne Mentor, qoe na mlssva paswda Infriamos
tenba menos de vinte enfermos permanentes trata- dado arribado ao porto de Boarcos, prximo da Fi-
aos homeopatbicamente. gueira.
A misericordia do Rio de Janeiro, com o encar- Cambio sobre Londres 90 d. d. 53 1/4 90 d. v.
I de vestir doze pobres no da do anni- 53 X ; sobre Paris 542 por 3 francos a 90 d.; so-
Umba.co qoe conduzla alguraa Vieira> capito
. ^eon, Mara Ne.>
Antonio Pereira da C- e sua seahora, tenente-coro-
nel Jos Loiz da Gama e Silva, capitao Jos Bap-
tista Ribeiro de Sonza, Dr. Amelio Ferseira Espi-
nheira e sua familia, 67 ex-pragas do exercilo.
Passageiros vmdes dos portos do norte no
vapor Cruziro do S :
I Francisco Das Pinto, Luiz Antonio Pereira da
Silva, Joaquim Maximiaoo Pestaa, Josepba Mara
| da Conceigao, Antonio Carlos d'Almeida Albuquer-
| que, Jos Bento Grobi, vigario Frederico de Al-
A receita no mesmo periodo, elevon-se 736S380,
resaltando por conseguinte um saldo de 163,5080,
que reunido ao fundo preexistente prefaz a somma
de 1'0095080
A barca Bdmar, pertencente a praca do Porto, ar.! SI5*IAJ^2?l2e,?af' .VicD8 Aofnl < *W;
io/ na Galliza. Ven?do Rio Gran- \ 2 ftS" ^TLFT.? 2J?
versarlo do sea fallecimeato 10:000* em moeda
fracs.
Aos lazaros e lazaras, entrevados e entrevados,
o velbas do asylo 1* a cada nm.
Aos bospitaes das ordens terceiras do Carrao, S.
i75f5f3ot}acaa0!5amSenh,,ra do Ter' '**
A Irmandade dos Clrigos 5005, a da Lapa, idem,
e igual quantia a cada nm dos asylos dos mentos
Desamparados, das meninas Desamparadas, das ra-
parigas Abandonadas, a creche de S. Vicente de
Paula ae cotieglo dos Orphaos a casa de correccao
as Carvalbeiras, e a casa de detengo no Atjabe.
Ao Asylo de Menufeidade e ao Asylo Humanita-
rio do bara de Nova-Cintra 1:0005 a cada nm ;
ao Asylo de Infancia Desvalida 2505 e ao recolhi
bre Hamburgo 47 nominal.
Com relagio aos portos do Brasil nao entrou
nem sahio a barra do Douro embarcagao alguma.
PFRttflWBUCO.
REVISTA DIARIA
Hoje reane-se o Instituto Archeolcgico e Geogra-
phico Pernambucano em sssilo ordinaria.
O conservatorio dramtico de Pernambnco
faz boje pela tarde urna reuniao econmica.
EsU instituigao que aqui m.-talloo--e ha annos,
ment" das Velbas do CamarSo 5005 em InserlpgSes. i e qot fento para oa' adormeced para a vida, pa-
A parochia de CampanhS para a fabrica 5005, 8 rece lie tenia, esforgos d'alguns homens de let-
igual qnantia a do Bomtlm.. tras nnssos, acordar pira esto.
Ao consultorio nomeopathico, cdtn eertos encr-' Dbns queira fadar bem a taes tentativas.
gos^5:0005 em inscripc5e?. Por occasio da grpde enebente que bouve
Oitenta dotes de 5005 para casar 80 raparigas m d|as de ma ^0 ad ^ Man de
honestas e virtuosas, qae tenham dado prori de; p- w e Ccbfl, Yrol vista e wtJrsda da corrente do
boas hias.
Jbouavin de Noy*, .-.. ,, w n.o w.u-, qQeta JoaqQna) AmaDC(o m Mait>-,gacio da
No dia 5 entrn a barra de V.anna do Ctello | ** ggtP 'S^%1^SJ&
Eduardo. Resalles Fidelles, Gniseppes Brago, Es-
tanislao Ar, Bartholom Pietro, Manoel da Silva
Maia Jnior.
Seguem para o snl :
Professor Luiz Agassiz e sua senbora, Dr. J. M.
da Silva Coutinho, D. Abbade Fr. Jos da Exalta-
gao Marques, Jos Antonio de Oliveira Rodrigues,
Joao Luiz de Albuquerque e sua familia, Kxequiel
Archanjo Halvao, Luiz Mara do Rosario, Joaquim
Haldino de Almeida, Cosme de Sonza Correa, Ma-
noel Pacheco Lima e Silva, Jos da Silva Pacheco,
rito Sanio, 1 prego de justlgafeT mulher, 3trrtcFu-
Us e 2 soldados.
Repartiqao da polica.
Extracte das partes dos dias 17 de abril de
1866.
Foram recolhidos casadedetengao no dia 16 do
corrente :
A' ordem do subdelegado do Recife: Charles
Myors, hollandez, a reqaisigao do cnsul inglez.
A' ordem do subdelegado de Santo Antonio :
Vicente, escravo de Jacintho Jos de Mello, a re-
querlmento deste.
A' ordem do subdelegado de S. Jos: Jos escra-
vo de Antonio de Sonza Leo, por briga.
- 17 -
A' ordem do Dr. jorz dos feitos da faienda
Clncoenta esmolas de 505 para 50 familias a .* .'.yenn _. im,nom nr i!niln. L: res de fiel depositarlo. .... ...
505 para
quem tenba fallado o ebefe on pessoas
leotavam.
Ao Dr. Jos Lastra, de Buenos-Ayres, ludo quan-
to d'alli tlnha b'erdado.
A D. Batbina Rosa, residente no Rio de Janeiro
4:0005 (moeda iraca.) -
Uispoz de 318:3965 a favor de sobrinhos, afilha-
dos e amigos, nomeados no seu testamento, e entre
os quaes se encontram os nomes do Sr. conde de
Thomar com 30:0005, D. Luita, futa do dito Sr.
conde e sua aOibada, cora 60:0005 e o Sr. Joaqoim
Coimbra residente em Pernambuco, com 4005-
Alm dos afilhados, cujos nomes vem designa-
dos no tesUraenlo, contemplou todos os ontros que
tiver no reino com 2005 a eada um, e bem assim
ae aisns-'f?,rraa hi su5p?sla uma imagea\ por muit08 e-P' i A' ordem do subdelegado de Santo Antonio
(us os 35 .... aue se deam arrastar ne as nrimeiras ira .. ... ^ ...?.. >._!.:. ,...-.., a
ltD. Demetrio, eservo de Felippe Benicio CavaJcante de
pressSes; e esta crenga derramou-se pela nossa; "r. i".zVTXl.Z ,
ritos que se derxam arrastar pelas phmairas
menos pensante que at chegoa V^\FSSZ do Bfflo'dSj : Fellppe,
tima das que servlram na allegoria,
A'"o'rdem do subdelegado da Boa-VisU : Anto-
catafalco eregido na igreja do Espirito Santo, por
occasio das exequias celebradas pelo repouso
eterno de S. M. F. o Sr. D. Pedro V.
Divididos os espiritos assim, e de envolta indo
nisto d'alguma sorte virtualraente implcito um
certo detrimento da repntagao do possuidor dessa'
estatua, a conta de quem se faziam commentarios
malignos e de tnao gosto perante a moralidade e a
candade evanglica, reqaeren o Sr. tenente-coro-
nel Justino Pereira de Faria a S. Exc. Rvma. nma
nio Ferreira Alves da Silva, por disturbios.
O chefe da 2* secgao,
J. 6. de Mezquita.
os qoe residirem no Brasil com igual quantia em
md*1!raca-. -*-. i. vrlflcago de ideotldade da estatua por meio de
T^?Via? ^,Jaece" os **as. crea,d0!- \A' uma justifleago ; o que sendo deferido pelo Exm-
na Em lia Adelaida, sna dispensara, Wxoo*a- io<. foi pelo jaizo ecelesiastlco procedido a
goes do Banco .Commercial do Porto, uma pensio ^ QS ^tA verifleagio, da qnal resoltou
rconnecer se ser effectivaraente aquella estatua
urna das qae
vitalicia de iS, o usofructo de sua casa e quintal
naroadaPrata earoupa, longa vidros e todos ama das gannm Das ntwiiS exequias
8 grupo, msica, eiucago, typographia e con- "*Z^*25S~g2 r.eslan,9S creados coai symbolisando um" velbo guerreiro Inzitano, e nio
nio Ferreira dos Santos, nao devendo odr a : di&an(,ira.se por e8ta cldlde.
cem nonios o qoe elle bordar. __ Tiremos occasrio de wr os antos d'esla qaestao,
Nomeon aras testameoteiros ortos..Antonio Fer-1 vlgararfa geral, cuja senten-
retra dos Santos, Jos Gasear da Graga Manoel ^ flrmandorse nos difTerentes depoimentos, inclu-
Gualberto Soares, com obngagacifci aproveiurem v ^^0 escalptor, julgou, que a estatua
os servicos do Sr. Dr. Antonio CoWd* Neves, leudo Am rn^*'na vfni h!Mt.%nhri. xl aras d
este 400y por anno, peto seo trabalho, e aquelles
H
bre as suas novidades pendentes, e segurar-ibes
para ser presente aassembia legislativa provincial oslas contra as viclssitudes atmospnericas.
a ioformaeao junta por copia ministrada pelo capi-
to commandante da companhia de polica provi-
soria sobre o soldada Jos Paulo da Cooversago
de que traU o offlcio de V. S. de 6 do corrente sob
n. 42, a qoe respondo.
A essa lofarmagao cmpreme acresceotar, de
ordem do mesmo Exm. Sr., que por determiaago
4* presidencia foi recolbidooquariel]depolica at
segunda ordem o soldado Conversagio, a qoem por
offlcio do 1 de margo do corrente se mandn dar
baixa do servigo.
Nio se tendo porm verificado essa escasa em
conseqneDCfa da duvida que o commandante da
companhia provisoria snbmettou ao conhecimento
da presidencia, S. Exc: o Sr. vicepresidente sol-
vendo a duvida mandoa per offlcio de 13 do cor-
rente qne se tlzesse effectlva a ordem do de mar-
(0 mandando dar baixa ao toldado supramencio-
nado.
Dito ao inspector da tbesouraria de fazenda.O
Exm-Sr. vicepresidente da provincia manda trans-
aittirir a V. S. as inclusas ordens, sendo daas do
tbesooro nacional sob ns. 64 e 65 e 3 do ministe-
rio da guerra datadas de 2 e 5 do corrente, bem
como um offlcio da directora geral das rendas pu-
blicas de 6 deste mez.
Dito ao mesmo.O Exm. Sr. vicepresidente da
provincia manda transralttlr a V. S. as 3 inclnsas
ordena sando 2 do ministerio da (azenda sob n. 63
e 70 e ama do ministerio da guerra datada de 6 do
correte bem como 1 offlcio da secretaria de es-
tado dos negocios da fazenda. tambem da mesma
data.
Despachas da dia 12 e 13.
Requerhnentos.
Alferiis Antonio Henriqo*de Mirandas-Informe
o Sr. inspector da WBoarari 4 fazendi,
EsU encarregada da (orraago da projecuda;
companhia ama commissao composta dos Srs. con-
de de Saraodes, presidente; ABonso Botelbo de
Sampaio e Souza, vicepresidente; Antonio Carnei-
ro de Azevedo e Luiz Pereira da Fonceca, secreta-
rios, e Joao Pacheco Pereira, tbesoureiro.
O banco commerciai vai emiltir as 2:500 aegoes,
que tinha em reserva, para elevar o fondo a 2:000
sontos de ris. Sendo o capital, ja reaiisado. de
1:300 contos em 7:500 acgSes de 1005000 cada
uma, vem por conseguate a faltar 900 contos para
preenchimeoio daquella quantia.
As novas acedes serio divididas peios accionis-,
Us em relagio ao numero das que possuem e me-.
dlante o premio de 435000 por aego. Os que de-
sejarem lomar as qne ihe tocam em raleio, que
nexos
Manoel Joaquim de Oliveira Jnior, Rio de Ja-
neiro, pela boa tinta cor de vilela.
10 gropo, artefactos para uso pessoal, modas e
mobilia :
Costa Braga A C, Rio de Janeiro, pMa boa qua-
lidade de chapos'de nomerh.
Jos de Araujo Motta, Rio de Janeiro, pela boa
qualidade de chapeos de homem.
menqSes hosbosas.
3 grupo, agronoma e silvicultura :
Guimares a C. Rio de Janeiro, por uma col-
lecc3o de arvores e arbustos do Ceara.
4* &r0D0 :
Antonio F. Torres Jnior, Campos, pelo sen cate
e assocar.
Gnimarles & C, Rio de Janeiro, pela satisfacto-
ria qualidade de charutos.
Isae Esoatv, pelo bom rap.
I. A. Rodrigdes, Rio de Janeiro, pela saa cer
veja.
Joao Constantino Pereira Guimares, Minas Ge
raes, pela satisfactoria qualidade do tabaco.
Lizaur, Novaes A Barboza, pelo tabaco picado e,
cigarra..
Joaquim de Almeida Pinto, Pernambuco, pela
satisfactoria qualidade da eolia.
Antonio Mafia Mascarenhas, Rio los instrumentos .fc| (iiyjpl, -wfcsjderados como
de ama para tres, por isso que a quanua a emiltir; prova dos e3[orcosi empregados para introdnzir es-
corresponde a um Urgo do capital realisado do, t ^08^ no sm ptu.
banco, lera de satisfazer 815000 por cada titulo re- g. Rrupo jadastrlalexili bilstnrarla :
preseotativo de um tergo de aego. '.^m5B1*573 .
As acgfjes que nao forem tomadas pelos aoeioais- Petronllba (D.) e D. Eogracia Augusta t-orra
tas sero vendidas pelo prego do mercado, com Un-. Teixeira, Rio de Janeiro, por nm quadro bordado
to qne nao seja inferior a -2505000. com difTerentes lo e;onra. )
O prazo marcado pela directora do banco para 10* grano : |
a acqaisigo de aegoes para os aeeiooisUs real- Domingos Jos da Silva Faria, Rio
dentes no reino, desde o da 18 tulD* aoril (tro- Sal_, pela eollecco dos objectos expoiUfc
2 /. em logar de vinteaa, e alm diivo, em signal
Grande do
ximo, e para os no Baasil at 31 de maio se-
guinte ;
Com a nova emissao das 2:500 aegoes aoferira
o banco commercial nm lucro muito superior
cem contos de ris.
- No ala 14 entrou em exercicio a nova direcgo
da atsociagab commercial da Porto, eleita em as-
serabla geral do dia 6 para gerir os negocios da
mesma associagab no corrente anno.
E1 composta dos Srs. Justino Ferreira Pinto Ras.
to, presdeme; viseoode de Figaeiredo, Tjoeipresi
Cooseguk) selvar-se toda a carga de paucho ha-
no veriano Henderika, de cojo naufragio demos con-
ta na missiva pissadn.
A carga constara de uns treza mil paos de adoei-
la e qnalro caix5es oora licftr de Riga. O c"cod
raas'afinal foi jpMloMrO mar. Admira-sel
da su* oonsirneebq. O caaoo, viato e
Ti am sido m|J aloi Ingar do
2505. Era nma Mi noehlneha pare <3
se consegubse lalvar o casc.
.
de amizade ao Sr. Jos Gaspar delta o sea relogio
de algibeira com a sua corrente, e ao Sr. Manoel
Gualterio Soares o relagio di sobre a mesa.
Na falta de qoalquer tesumenteiro chamado o
Sr. Antonio Jos Codillo Lanzada, e na falta de
qualquer dos quatro nomeados, a Santa Casa da
Misericordia no mear quera o rabstitoa, para rae a
testamentarla seja sempre exercida por tres.
Recommeadoa no nso rae baja grande baixa no
mercada de toados naeeeaelao da liqaidago sejam
redozUea os legados de maior importancia.
No mes rao dia do fallecimento do Sr. conde de
Ferreira, os seos teelamenteiros depositaran) ao
Banco Commercial en dinheiro, letras, aogdes e
papis de crdito pablicO cerca de mil cont* de
ris. i.- ,
Os offlcios fnebres por alma do Sr. conde de
Ferreira nsMBreraftr-w hunwnroa lfre)a da ortem
terceira df.Tfindade,,
O temple estava adornado de creps, e junto da
Hf-rae mil otowra'se orna rica ese, onde perma-
neca o cadver.
AsfsUraja a este aelo mullos clrigos; algans
professores de instruegao primaria, depulagoes das
mesas das ordena terceiras Irmandades e de mui-
tos eeubeleehnenlos pios, pobres do asylo, meni-
nos orphos, desamparados e mollas pessoas de
todas as gerarchias sooiaes.
. Receben a chave do eetxM o Sr. conde de Tho-
mar, qoe para esse fim veio a esta cidade.
Fallecen no dia 14, vietima de uma apoplexia o
Sr. Antonio Jos Monteiro Guimares, cemmer-
clante, soeio da antlga casa commercial de Mootji
ro t Lelo.
Legra a Misericordia 2:00ft* e ignal quantia a
orden terceira do Carmo. A irraandade das Almas
de S. Jos das Taipat, aos reeoVmoiantos dos meni-
nos Dasaraparado, ao das meninas Desamparadas,
ao das meninas do fof do Sol e ao das Conver-
MasMa*adA!^
Ao AsylH* V9MK\dAw 1005, o convento d.as
de roca, que foi aehadt sobre as Sgnas do Capiba-
ribe, nao seoao orna das estatuas allegoricas,
que servindo no funeral, qoe leve lugar nesta ci-
dade pelo repouso eterno da alma de D. Pedro V
re de Portugal, segundo as textuaes palavras do
lievm. Sr. conego vigario geral Joao Chrvsostomo
de Paiva Torres.
. E' visto que nisto aeba-se aparada toda a verda-
de dos factos ; e que o Sr. tenente-coronel Justino
Pereira de Faria com a mesma verdade arredou de
si essa impulago menos pensada, sem razio plau-
sivel de ser, que a precipitagao de nos e a nimia
credulidade de outros Ihe assacara, apesajr de se-
rem conhecidos os seas sentimentos religiosos.
No Cruzeiro segote pan o Rio de Janeiro o
Ilustrado naturalista americano Agassh, iodo em
sua companhia o Sr. Dr. Coulinho, qne o acompa-
nhon em todas as suas excursdes seientifleas na
regiao do Amazonas. \
no Ceari onde esliveram ambbs nns 15 dias,
vistaram os terrenos de Baturt. a
O Capibbribe Um crescido em aguas, e pelos
est alagado todo.
A poouxinha da estrada dos Remedios, egaodo
no-lo dizem, desappareceu ; e para aquel a lado a
, innundago vasta, havendo pontos di Estrada
Nova onde os misaros moradores tem cor ido at
risco de vida, pois nao Ibes tem sido p -estados
meios de salvacao seno aquelles qae por all mes-
mo podem. ser obtiics n'aquelle traose amargu--
i x
a
Masculino.
i
I SI 3
Ffflitntno.
Masculino.
Feminino.
Masculino.
Feminino.
d i h>
Masculino.
.!
a
Feminino.
Masculino.
.1,
s
s
Fmitttaa.
TOTAL.
rado.
/
se
exirahra' a' 1. parte da *. lo-
ADVERTENCIA.
Na toUlidade dos doentes existen) 163, sendo,87
homens e 76 mulheres.
Foram visitadas as enfermaras estes das :
As 6 1|2, 6 1(2, 6 l|t, 6 3|4, 6 UI 5 1(2 pelo
Br Rawoo
A's 9 1|4, 8 1|2, 9, 9 1|4, 9 1|4, MH-1* Dr-
Sarment.
Fallecern) : ;0..
Maria dos Praxeres, tnberento NiJMMr.
Ignacio Jos Ferretea da CosU, ulcera intestinal.
UrU m ay tanStaToV matK'de W%Ab, Ga'hermina Pn*""or. toheroalo pulmonar,
sendo o maor premio 6:0005000. Ale*eBrina Alves de W.,^"-.
- WSrn viadosZsalno eapor Par**S Joaquina Rosa Gosmio,nter teoteontco.
tiaU Qarteiro, Jos Nonas Gojmarioo, Jlo Bap- 18. ;
tis Orommrad, Late Pereire ^ Cosu, Joaqoim | nsUam W, Klinni 8- hiram 5,existem
4 AxeKedoMt1dfe,-**W'Ato*ncil, fl&5 Do" --
r nii

1 ILEEJWEL
' **
..

-
y


8
w
J"tl
- ''- '" '

Marte c reraaebma QuiaU fetra i le Abril 4c 1866.
33
A saber: .,
Nacionaes 248, roulberes-11, estraogeiros
mulberes 2, e*cravos 68, escravas 2, lolal 30*.
Alimentados a custa dos eofres pblicos too.
Moviiaeata da enfermaria-do da 19 de abril de
1866.
Ti veram baixa:
Jos Mauricio Gomes, febre.
Hercuiaoo Das Correa, MaSlaatao.
Thiago Alves Ribeiro, M*.
Ignacio sentenciado, idea.
Tiverara alta :
Jos Francisco de Souia.
Hanoel Antonio dos Sanie*.
L.EMITBHIO PUBLICO, OMTUARkO 00 DA D*
ABRIL DE I86G.
Emilia, Peroambuce, 8 metes, Rea*; convoJnSes.
Jos, Pernambuco, 9 meies, Sauto Antouio : pthy-
Ao Sr. desembargador Almeida Albuquerque
A appellacao elvel.
Anpeuaaia, Maurt ***** Tetares; appellado,
Leandro Pereira Raxbpsa.
Ao Sr. desembartador Bomiogoes 4a Silva:
A appellacao crime.
Appellante, Manoel Gregorio Barroso de Mello ;
appellado, a josilga.
Do Sr. desembarfador Dom inanes da Silva, ao
Sr. ese isaargador Viera.
A appellacao crime.
Appellaale.o julto e Pedro Alexaodrino dos San-
tos ; appellado o juiz e Manoel Felii taofosa ou-
tros.
Appellaate, ojiiixo; amellado, Maaoel Mar-
ques de Soeza.
Appellaate, o prometer ; appellado, lf naci Mo-
re! ra.
Do Sr. deiembargadur Vieira ao Sr. desembarfca-
sca.
Francisca, ertumbuco, 33 annos, escrava, Recite ; syphyles. A appellacao civel.
Francolino Das Ferreira de Olivelra, 31 annos, Appellaate, Joaqoim Mauricio Wanderley ; ip
viuvo, Boa-Vista; anaiarca. ... pellado, Lun Ferreira 4a Silva.
JbSo Guafberto, Pernambuco, 7 annos, Boa-Vista ;
inflammaco.
Manoel, Peroambuco, I i metes. Santo Antonio ?
desioleria.
Alexaadrioa Alves de Lyra, Pernambuco, soltelra,
Boa-Visu cholera. M
Francisca Mara das Chagas, Peroambuco, 80 an-
sas, viava, &. Jos ; apoplexla.
Jaquim Marinbo dos Santos, Pernambuco, 8 an-
nos, casado, S. Jos ; dyarruea.
A i X hora enceroou se a sesso.
Correspondencias
de visto de cor azul.com os pes e ssae feita*,
cora ais cu-romos perfeico, coe abas, o cmp
e si parle superior bem eito. Jtaolareaaais qo*
ftecomprehendido no proco de 80AQQ*) r, asea *-
tata de roca, Agora de mulher, e ae vaado M
ditas estiiuas as conhecerla bem : edbe seado a-
presentadas ditas estatuas as reconbeceo pelas pro-
prlas: e depois de rae ser lido tea depoimento o
aohou conforme, e assignou.
! Francia Xavier da. Cesta, oBkial interisW
4a cmara eseimiasilca o esersvi. Jlo Damaa-
cmo Pinbelro.
*. Testemuotu.
Joio Vital Gao**, pardo, vwavo lateral e resi-
esat* Mita provincia, coro 51 aun de idaeV,
com anmflssaoM piator : e pesguotade rasasadea,
ame nao fez a estatua D. Pedro V rei de Portugal, mas ciue a vio zer
por Joo escul(rtor,no corredor da igreja da Madre-
Daus, a pedido da emmistao encarroada; que rs-
cebeu pelo seu trabalbo de pintura 30 e tantos mil
res, e qne a dita estatua representava um velho,
cojos cabellos da cabeca nao se recorda bem se
erara longos ou curtos, mas que Ihe parece nao
ter cabello levantado na madeira-, qoanto a barba,
porm, diz que boba toda a barba feita em madei-
ra, e correspondente a idade ; com os olbos abertos
e que Iba partee ser de vidro: em quautoas maos
e ps quejoram feitos com mais ou menos realida-
Permitta-me o Sr. Dr. Armioio Tavares que, de, pintado com cor de carne; disse mais que ti-
por motivo de lealtade, conteste este trecho de saa \ nha reoerdacao suflciente desta estatoa, que se a
correspondencia de hoje : Um eocajamealo lor-; visse a conaecia, e que en vira diser que fora feita
pe e immoral someote poderla str eUo jor cerlo por arlem 4a lommieiie para erw faftwal
Joaquina fAos de Gusiiio-_Pjilitambiico, 80 aflH0s,]tochArel,4je, e dizendo liberal, aeeeitoo um 4os to St. D. Pedro V.; disse mais que esta estatoa ol
solieira Boa-Vista interne. priQqaes iuliados muuicipaes desta provueia feita de raadeira de sedro novo: e sendo-llie per-
Hicarda Mara da Concefo, Pernamkoco, San- con a clausula de pr-se ao *& de eria lo- gnoudo se coohecia dita estatua esdo-a, respon-
nos S Jos disinteria. fluencia oppotla de seu termo. deu ab/mativaroente, e teodo Ihe sido presefitada
Paulo Peroambuco H ufa*, serano, Boa-VisU ; Don testemunho em contrario a eett caviluaa io- eoire airas Ue deelarooconfteeer.iodigitoucomo
hejlatjie "m i siauaco do carcter de um amigo que preso. j tal a estatua encontrada a margem do Cpibaribe,
O Sr. Dr. eorique l'ereira de Luceaa, a aem e assignou o seu depoimento.
se refere o Sr. Dr. Armioio, nao solicitou o jaiado Bu Francisco Xavier da Costa oficial ieterino
rauoiemal de Goyaaoa; eu o posso.asseverar. | da cmarav escrivi. Joao Vital Correa.
So sta afflrmaUva nao bastMte para annullar
a iosinuaco, devo sedo a honestldade recwbocido
na Sr. r. ttr. Lacena, que ofe a abrigo 4a sus-
peila de um Angajaneolo immaral; e tanbem a
Helena, Pernambuco, 45 abnos, escrava, Boa-Vis-
ta ; laborelos pulmonares:
Manoel. Pernambuco, 10 annos, Santo Antonio;
disinteria. ^ _
Candido, Pernamboco; t annos, floa-Vista ; afta-
zarca, j.
Tito, Pernambuco, 10 mezes, S. Jos ; Wsftrteria.
Joao de Sonza Lamego, Portugal, 60 annos, Boa-
Vista ; congestao pulmonar.
Mara, Pernambuco, 7 annos, Afogados; tosse con-
votea- ^
Joanna Mana da Coocei^ao, Pernamboco, 56 an-
nos, viuva, S. Jos; anemia.
Victorino Jos Goocatves, Pernambuco, 40 annos,
solteiro, Boa-Vista -, interite.
Pedro, frica, 40 annos, ecravo, Boa-Vista ; pbty-
sica polmunar.
Tbemoteo Balbino Correa de Mendonja, Pernam-
buco, ?6.annos, viuvo, S. Jos ;tobercolos pol-
niooare*.
Joio Tnomaa5 da Silva, Pernamboco 35 annos, San
lo Antonio ; bepatlte.
Recem-oasctdo, encontrado morto na igreja de S.
Jos asphi xiado.
Fraucisca Rodrigoes de Lima Dias, Pernambuco,
40 annos, casado, S. Jos ; cardite.
.
CIUtrfUCA JtDICUMl.4.
3.a Testemunba.
Joio fliiario do- Assumpcio,bf*oeo, soheiro natu-
ral do Rccie. com 42 annos de idade, com a pro-
tisso de atalbador, e sendo-lhe perguniado sobre
djgnklade das pessoas aue iutervieram para a eoa j orna esialaa: respondeu que estando encarre-
nomeac>o. > gado peta eommieslo portogueza Ihe foi dado a ia-
Nos.fallados 14 annos nanea se etigio do pre- cnmbooc.a de mandar fazer duas estatuas alegori-
tendeute e do candidato hypotbeca sobro soa coos- cas, um velho 4e nome o velbo Pu tugal e outra
ciencia e opinioes pnliticas. Se a nova era trooxe' urna mulher coa proporcOes nataraes, disse qoe a
este oso. e moda nota. estatoa de homem representava um velbo com bar-
Recite, 18 de abril de 1666. bas brancas, e sentado, com barbas su postas, e
J. Pedro Brrelo de Mello Reg. regalar, coa cabellos da (beca supostos, com os
brajos de engonsos, cabeca pegada ao corpo, e
' falta de sedro, fl|m roupas atoes, com os eraos a-
Srs. Redactores. E' ja 4o dominio publico ter bertas o de vidres ; pintada dita estatua por Joao
sido, por oecasiao da ebeia occurrlda de 14 para Vital Correa, e disse mais que vendo esta estatoa
15 de maree ultimo, retirada do Cajwbaribe urna a-conheceru e juntamente responden que a dita
tigura, que, .por ser coUocada eolio no corredor da estatua feita de sedro novo. Ihe leudo sido a-
capella da Ponte de cha, foi lego propalado sem presentadas diversas esHalnas elle indigttoa a esta-
fundamento plaafwl or ama imagen) profaoada, wa eflcootrada a margem do Capibaribe, e assegu-
cjuaudu alias ra por mullos sabido toe Jura a roa ser a mesma feita para o f aneral do Sr D. Pe-
jjs iaaaoJm da Costa.
Luit Goazaga d. Nasciraento.
Joaqwea Manoel da Silva Mendos.
Lacio Casimiro de Santa Rosa.
Tjtorai Joaquim Mascarenhas Ramos.
Antonio Bernardo de Lona Mondes.
Hemelerio Vital de Negfoiro*.
Jos Viul de Negreirolv
Amaneio de A. Lino dos GoiaMres Paixoto.
Hoangoe Castro Guimares.
Avnlao Jos Alves Pimenjai.
Paolioo Onofre Nooes.
JoioLuii de Carv'lho.
Broao Gomes da Silva.
Jok Antonio Martins Xaaai.
Claodino do Reg Lima.
Januano Soares Raposo da Cmara.
Im*.>I>. Aa AlnfMiiia lima
Antonio da Costa Reg Mooteiro.
Jos Bento Ribeiro de Vasconeelk.
Manoel Domiaff0* 4e Santa Aaoa.
Ursoliano Clinlo Torres Gallindo.
Antonio Alves do Quintal.
Joo BapUsta Alves Ferreira.
HUMA VIDA SALVA!
Nao temos conheclmento tlgum de nenhum
fwrfoitMannte mostr d'am* no
a bmlc clam e persuasira o poder da
Scnci* Medita sobre a molestia; qoal 8eja o
de Antonio Joaquim Pebkiba, da Babia.
Este bouiom infeliz bavia imais 'vm annoqaa
oSria as do rea ai maia atrozes e pungen tea
proveniente de
neira
TItKBIJX AL DA HEL.lC.O.
SESSAO DE 17 DE AJ3R1L DE 1866.
PHESJDKNC1A BO BXM. SR. CONSKL11EIKU
. SOtZA.
As l horas da raanta, presentes os senhores
desembargadores Saatiaap, Gittraua, Guerra, pro
curador da cora, Loarenco Santiago,
Albuquerque, Molla, Atsis, Doria, Domingoes da
Silva e Viera Costa, abrise a sesso.
Paseados os eitos, deram-se os seguintes
JULGAMGNTOe.
* Appeilacoes crime?.
Appeliante, Jos Fefippe Baadeira de Moara,
appellado, Jjs de Souza Pereira.
Perempla a aceao.
Appeilacoes civeis.
Appellante, Mantel Rodrigues da Foaseca ; ap-
pellado, Felippe de KUM Moaleaegro.
Coniirinada a seoianca.
Appellante, Antonio Marcolino do Prado; appel-
Uda, D. Mara Barbosa de Meodonca.
CooQrmada a sentesca.
Appellante, Joo Correa de Araujo; appellado,
o Dr. Possidonio de Carvalbo Moreira.
a CooSrmada a senlepca.
Appellante, Francisco Luiz de Vasconcellos ; ap-
pellado, Tbomaz Loureiro da Silva Castro.
Confirmada a senienca.
Appellaate, Jos Lopes Barreiros; appellado, Ber-
nardina Gomes de Oliveira Franco.
Confirmada a sentenca.
Appellante,Loureneo Bewrr^MonteiroCavalcajt
que Lavafcaoti.
Confirmada a sentenca.
Appellante, a fazeoda; appellado, Alexandre Jo-
s Malheiros.
Gantirmada a sentenca.
Appellante, Mara, escrava -, appellado, Igoacio
de Mi raes Sarment.
Reformoda a sentenca.
Appellante, Manoel Patrio do Nascimento-, ap-
pellado Margarlda Mara da Paisao.
Nullo o processo.
AppeIJanles, Felii Souvage & C.; appellado;
Leandro Lopes Dias.
Aullo 0 processo.
Appellaute, Daraio Goncalves Rodrigues Fran-
ca ; appellado, Francisco Jos Vianna.
Desprezados os embargos.
Appellante, Dr. Bento Jos da Costa Jooior; ap-
pellado, a irmaodade de Saot'Aona.
Recebidos os embargos.
DILIUE.NCIA CRIME.
Com vista ao Sr. desembargador promotor da
justica
Appellante, Pedro Amerlco de Alraeida; appel-
lada, a justica.
Appellante, o joizo; appellado, Jaa juim Xavier
Borba. '
DILIGENCIA CIVEL.
Com vista ao Dr. ctaBot geral
Appellante, Luiz de Albquerqos Maraphao; ap-
pellado, Joo Francisco de Olivaira.
ao Sr. desembargador procurador da coroa :
Apaellaoie, u. Tisuliua Joaquina de Mello; ap-
peliadps, o procurador fiscal o oulros.
Tooar-se a desistencia:
Appellante, Antonio Goocalves da silva ; ampol-
lados, Dr. Galdino Ferreira Gomes e ootrps.
HABBAS CORPUS
Coopedeu-se ordem a Manoel Joaquim do -\asci-
meniapara a sesso de 21 do corrate.
Asslgnou-se da para julgameoto dos segoiotes
feas;
Appeilacoes ertmes.
Appellante, Jos Kelippe Bandeara de Mello ; ap-
ppellado; o promotor.
Appellante, Manuel Ribeiro da Silva; appeilada,
a jasuca.
Appellaate, Manoel Joaqoim Fernaodes; pella-
do, jJao Ferreira Je ouza.
PASSAGEN6.
Do $r. desembargador Santiago ao Sr. desembar
gador G i tira na
As appeilacoes civeis.
Appellanie, los loaouwa sorio; appellado, Luiz
Pauiinf,aMmli.Bii it tkat^tMf'' *
Appellnntes.ats berdeiros (le Qaudiano Bezerra
Cavalaaali appellado, FionpesAugusto Rosas,co-
rno tutor.
AppelUnte, a fazenda; appellado, Afosliano
Eduardo l'iua.
Do Sr. desembargador Guiraua ao 3r. desam-
bargador Guerra :
As appeilacoes veis.
Appellante, Jo de Barros PuuenUl appellado,
D. Frpncsra Eugenia de Mello.
Appellante, D. Mara Anna fessoa de Albuquer-
que Maraoftao; apaeilado Jos Fraacisco Aili
Lias.
Do Sr. desembargador Lourenco Santiago ao Sf
desembargador Almeida Albuquerque :
A appellacao crime.
Appellante, o julio ; anpcllado, Vicente, escravo.
A appellafio iv4.
Appellaotes, os herdeires de Barnardo Antonio
de Miranda; appellado, os da eernoei Fraaakwo
Jacinino Perara.
Do Sr. desembargador Motia ao Sr. desembar-
gador Assis
Appellacao civel.
Appellante, D. Mara Cavaicanti Mein Lona i ap-
pellado, FeHeiaa Aodrigaas4a Silva.
Ao Sr. desembar gador Domingoes da Silva:
ApeeltaeJocivei.
Appellante, Anasucw Jos da Silva; appellado,
Alexandrno Martins Corana Barros.
DoSr. desembargador Aasisaogr. aesembarfa-
dor Doria
Aappellacioelvel.
AppelUaia, etianMntao Sergn) o* Santos ; ap-
pellado, Vtcente Ferreira Padilba Calombr. t
Do.Sr. desembargador Derla ao Sr*. desembar-
gador Guerra;
Appellante, /oaaolm Antonio reir; appella-
do, Vicale iosi de frito.
mesma urna das estatuas allegorica*, que agora-
ran) as exequias do finado re de Portugal D. Pe-
dro V., e da qual ra eu poeauidor ha alnum lem-
po por cesso feita pelo Sr. Francisoo d'Albuquer-
que Mallo. Ora, esta estatua, que n'aoaellas exe-
quias symboiisava um autigo Laso, cooservava-a
eu em meo aillo da travessa da Poete de Uchoa
em logar que foi assooerbado pelas aguas da Me-
rlda ebeia ; e assira foi ella arrebatada, d'ani e ar-
rasada rio abuso pela alluviao, como foram ou-
tras cousas mais.
A crednlidade, que de ordinario se iapressiona
de todo, fez avuitar aquella voz ; e com petar con-
"k2u centrado seoti-lhe os effeitos, qoe tanto mais me
mortificavam, quanto n'aqaella creoca absurda
e al irracional punha-se em duvida a religiatida-
de de miaba conducta, e o respeito qae ligo e sem-
pre liguei a todo quanto tam relacao com a santa
religiao qoe proes-o. A'esta coojuncinra, pois,
cumpria^me recorrer a um meio legUimo e ostan-
dro V, por ordem da commisso respectiva, e ai-
signou a seo depoimento.
fio Francisco Xavier da Costa, offlcial interino
da cmara eeclesiasllca, o tscrevi. Joaquim Hi-
lariod'Assompcio.
4.a Testemunba.
Joaquim Monleiro da Cruz, branco casado, natu-
ral 4e Portugal, com 43 annos, vive de negocio,
morador nesia praca e o Sr. Antonio de Souza Pa-
voiide, branco solteiro, naioral de Portugal, com
61 anuos de idade, vive de negocio, e moradores
nesta cidade, o primeiro ex thesonreiro da commis-
so central do funeral, que se fez nesta cidade ao
Sr. O. Pedro V, e o segando membro da dita com-
misso, disse que mandn fazer duas estatuas de
madeira de sedro, de graodesa natural, urna re
presentando nm velbo, e outra representando mn-
Iber.que ajustara a mao d'obra e pintora ao esculp-
tor por 805000 rs, qoe o velho tlnba cablleira ar-
tificial, e a barba tambera de eabelleira, com oraos
sivo para desabasar de lal creaca aquolles qae a ^ ,dr0( em posigao Qe homem senlad0 nci qQe
nulrUm, retirando de mim asaun ssa prevala?, f0| ,stida de salte azol esplguilha, que servio no
que se creara presuntivamente em alerta tao monumento pelo qoal folfeilo: diz qoe as vesti-
melindro#a. ] meous feram feiUs por Miguel Esteves Alves: disse
Portaufo, assmd o uz. .... I mais qne vendo essas estatuas as reconbecer sen-
Recolhida a esUlua ao paco episcopal _da Solada- do.me apresenlada. eclaio que a proprla, e
de, d.gJ a S. Eac Rvoia. a peiioao uncial, que se- ass|gnou 0 sea depoimento.
Ru, impetraouo-Uie a fraga de mandar proceder. Eu ^,,.^0 Xavier da Costs, offlcial interino
a msonuerlto sobre ella aHadaavr; erafleada a d, camm ecclesistica, o escrevL Joaquim
toda evidencia a sua qualidade ; e o Exm. diocesa- Montejro aa Cr, Ama0 de Soura Pavolide.
no deeriodo a isla, procedeu-se nodiaUdocor- .___ .. .
rente, em *ua residencia episcopal, perante a res- A POmel testemunba Joaquim Monleiro da
pectiva vigararia peral, e com assisieucia de va-
rias pessoas coosideradas, ao depoimento qoe vai
em seguida de pessoas matares de toda a excep-
qo, inclusive a do proprlo esculptor; e desse de-
poimento, era qoe se maoteve a sentenca do Rvm.
conego vigario-garal, fui recouaacida a identidade
?!^;titl^?l^s^iisaLfc^i^Mrdortas
respeitavet sentenca a que roe refer, e qoe doa
abano para melbor selareeimeoto do pnblico.
Sob o sello da autpridade competente acha-se,
ponanto, restabelecida a v^rdade em nm negocio
de tamanha pooderaco pelas snas conseqaencias;
e assim teuho sati-feiio a am derer de conseiea-
cia, dando coma delle ao publico, eajo sentimento
de opiBio devia pelo poder compleme ser trazid ->
a urna uaiformtdade, como ora nao pode deixar de
dar-se.
primeira testemunba Joaquim
Cruz, como ihesooreiro da commisso central,
levou em coota a quantia de 8OJ0O0 res, despezas
fellas com o feitio de duas estatuas alegricas man-
dadas fazer pela commisso de decorafio para o
lunera I do Sr. D. Pedro V, que ignora por qaem fo-
ram feas, porem que ouvira dixer terera sido
feias pel aru ""*- "---------, V^ *'-
iuv.-.- -v monu.neuto, que nao se recorda preci
smente do typo dessas estatuas para dar infor-
males circunstanciadas, nao obstante ter estado
por alguns meses (urna dessas estatuas a de ho-
mem) em seo poder donde seguio para a do Sr.
Justino Pereira de Faris a pedido de Francisco de
Albuquerque Mello: Disse mais que vendo ditas
estatuas as conbece, e ihe teodo sido anresantadas
declarou que eia propria estatoa denominada
luzo, que servio no funeral do Sr. D. Pedro V, e
assignou o seu depoimento. Eu Francisco Xavier
da Costa offlcial interino da cmara eclesistica
Jnstiuo Pereira de Parias.
lllm. e Exm. t Revm. Sr. bispo diocesano.-Diz escrevL-.Joaquim Mooteiro da Cruz.
o tenente-corouel Justino Pereira de Farias, pro-' Teslemunha.
Francisco de Albuquerque Mello, com 36 annos
de idade. casado, natural e morador nesta cidade
do Recife; e sendo-lbe pergundo se sabia de urna
estatoa que foi feita para servir e servio do uera I
doSr. D.Pedro V; que destino foi dado responden que
Farias, pro-
pnetano, brasileiro, casado, catbolico e apostlico
romano, e morador desta cidade, qoe sendo, se-
nhor e possmdor, desde o nm do aono de i$63,
por doago de Francisco de Albuquerque Mello
de urna ligara de madeira. qoe servio para ador-
nar a eca bita para as exequias a D. Pedro V, em 18"3, indo emcompaohta do Sr. Jusliao Pereira
re de Portugal, sjmbolisando-om Luzosucce- de Farias ver orna casa na roa da Cade/a do Reelfe
deu, qne toiuaado o rio Capibaribe ultimameole pertencente a Santa Casa da Misericordia, nella
urna das maiores cheias, que lem,lido i ponto de. encontrara essa estatua : e tenda o dito Sr. Justino
sobirem as agoas a logares multo elevados, e as- pedido que a oblivesse, elle teslemunha se dirigir
sim carregasse com aquella figura, que o suppli-, Sr. Joaquim Mooteiro da Cruz, pedio- pra o
cante liona junto a nm tanque e cacimba de seu Sr- Justino, a qoal Ibe teodo sido dada a passoo as
sitio oo lugar da travessa da estrada da Ponte de! mao* do Sr. Justino, o qual a possuia em um sea
Uchda que vai a San'Anua; e como quer que
fosse a mesma figura apanbada rio abaixo, em
virtnde de sua perfeico e bem apurado trabalbo,
foi logo considerada como imagen sagrada, e nes-
ta supposla qualidade expo.-ta a veueraco e ado-
raco publica na capella que existe na referida
estrada, e lendo V. Exc. Revma. sido communica-
sitio denominado Saot'Aona e consta Ibe qae lti-
mamente com a endiente do rio, esta estatoa fra
carrejada pelas aguas e aportara no cees da ponte
de Ucbda.
Disse ais que vendo dita estatoa a conheeeria
e Ibe teodo sido apresentada a mesma estatua de-
clarou que reconoecia s r a mesma qae elle entre-
do em 16 do prximo passado mez puta manba Kara ao Sr. Justino Pereira de Farias e assignou o
de que existia o'aquella capella dita figura copsi. seu depoimento.
Terriveis Q|8 Abertas
eepalhadae por sobre diflereatee partee de eu
corpo, sendo urna das qnaes sobre o peito do p
uma funda e magna ckaga, a 4jual o privara
de andar, eauxaado-lhe aa done aa mala agonl-
gantes quer de.dia quer de noute ; coutinuada-
intnte atormentado por taca affliccoea a dores,
e quaei que aborrecido daooatinua^io de sim-
ilbante vida, teade posta de parte toda afee
ennfanra emmedecinas, e na realidade pareca
qu para elle nao Ihe rosta va mais esperan 5a
alpuma; aaehv pais resignado esperara cena-
paciencia o termo final de aeus mutiplicadoa
foffrimentoe, ele que milagrosamente por for-
tuita sua he ntceitaoLo o grande purincadar
do sangue
A Salsaparrilha
DE BRI8TOL
e mediante a sua grande efficacia eexcellenda
elle se ackou dentro de pouco tempo, livre da
eu irninediarel estado de desespero, e a doce
e risonaa esperanza tornou da novo revirer
em sen corac;io; sob a poderoza e benvola in-
fluencia deeta amiravci medicamento, as auaa
bagas na bneve principioroo aesonr um ca-
rcter favoravol diminuindo o aspecto de sua
malignidade A maesa do sesgue e mala
humores do systema tornou adquirir unan
appareneia clara e saudavel, a dores ator-
mentadoras dentro ora o deixarao, e urna doce
s suave tranqulUidade principiou .'. precorrer
todo o aeu ayatama, rstauiando-lbe a deaejada
paz e aocego d'eapitito; as cbagas ama urna
se ferio fechando at que finalmente se cica-
triaario d'um todo, e boje acha-se perfeita-
mente nao, gosando d'um perfeito estado de
aude, depois de se ter viato privado d'eeta
grande gozo durante mais d'um anuo. Elle
durante esta sua cura, apenas fez uso da
Desamt garrafas da Glenuina Salsaparrilha
da Erisiol, preparada exclusivamente por
L ANM AN & KEMP,
De NOVA YORK.
Recommendaee mui particularmente aoa
Doentee d'ambos os sexos, qne empreguem
toda a cautella na escolha d'este admimvel
remedio, afim que nSo obtenhlo outra com-
posicao qnalquer, que nao seja a SalsaparrU-
ha Genuina de Bristol, pois que todas aa
mais preparacoea e imita^oes d'esta natureon
ato falsas nao posan indo virtud* alguma.
Vende-se as boicas de Caors & Barbosa
e C. Bravo & C.
derada como orna imagem apanbada no rio Capi-
baribe, ordenou na mesma oecasiao se recolhesse
Immedialamente a sen palacio da Seledade, e sem
duvida ja hoje estara V. Exc. Ilevma bem .con-
vencido da irapruleucia, com qne se abnsoa da
simp lie idade de publico, expondo-se sem autor ida-
de pma figura profana a adoracao no supposto de
ser alguma sagrada imagera, ista at o da 10 am
qae Foi recolhrla.
O supplicanle em prova e testemunho de aa
rfiputago como christo, e mesrao para desvane-
cer toda .e qualquer idea desvantajosa, qoe a seu
respeito pretendem fazer incutir ne publico,espri-
tus meaos bem atejos, raqoar a V. Exc Revma.
a merc de admitidlo a provar perante V. Exc.
Revma. a idttiidade d'aquella figura, comparando-
a com outra, que oxisle feita pelo mesmo motivo
das exequias de D. i'edro V, ou viudo o proprio es-
cultor e pintor, e maja pessoas informantes, e .qne
lenham inteiro codbecimente, de todo o expasto,
mandando rednzlr tndo a anto circamstanclado
pelo secretario on oatro qnalquer empregado d-
te bispado ; e permiHindo a puWicacao, do/esal-
tado, servhido se' ?. Exc Revma. mir'r da e
Dora para a deiignocia requerida tsm do snp-
plicame e das almas Ineaatas que e deixaram
aperceber de fanatismo. w
Pede a V. Exc. Revma.' Iha defira na forma re-
qoerida.IU ontbU *d Oauuum.
Recife, 3 de abril ae 1866..
,/ Jusitno P, de Farm.
Por ser da majM- con veoieacia variucar. aa a
estatua de madeira'apanbada no rio CaanVaribe.
e recoMada a ga capella da Ponte de ctia,
simplesrnente. orna ogura aliegurica, fea para
servir em um funeral regio, pu alguma imagem
profanada, orno maltas pessoas jiropalam ; nos
de toda boa yootade aolorisamos qoe se fsfa a'
syndicancia, qoe as propde o BQpplieaMe : e mar-
camos o dia 9 do correte das 9 as II da mannSa
para o supplicante e apreseotar eooa a pessons
habilitadas a dar depoimentos esclarecedores desse
acto. 1
Residencia episcopal drfioletnde, em 3 ie abril
+ Emmanuel, bispe diocesano.
I a Tr^VtrinMltl
Joio Damasceno Pinbeiro, Mttirat la Baau, re-
sidente em Peraanaeo, desde 18W; soliiiro
esnntptot; dnwe tnr feito umaeetatoa de andr-, de
7 palaaos; repreaemiaodo nm homem de 60 annos
de idade, sentada, feita devota, eom a aabe ras-
pada, para aserie de cabataira, fel feita par.......
MsJOttttrf** pada do artista Aaavmncdo,
vlr romo figura atacoriea aa oaeral de O.
V. tinado ni de Porfagai, que (oi mtmtda lutr
pato dito r. A*uw&?, a pedido da coqimlsao
para isso enearregada; declaro mais qne ai dita es
tata foi feita sem biirba e o rosto Jiso, cDm olbos
Eu Francisco Xavier da Costa offlcial interino
da cmara ecclesiastica a escrevl.
Francisco de Albuquerque Mello.
E nao havendo mais teatamunhas para jurar
declarou o ju.-tilcaote Justino Pereira de Parias,
qoe nao prodalia mais lestemuanas na presente
justiBcacao de que para constar lavre o presente
termo
Eu Francisco Xavier da fioata offlcial interino
da cmara ecclesiastica; assiguei com as pessoas
qae testemnobaram a presente jusiiflcago qoe
abaixo se seauem com o proprio joatineanle qoe
presente estove a todos os depoimentos.
Pajea Torna.
Jusitno P. d Farias. *
Francisco Leas de Souxa Ranga!.
Antonio Mara de F. Nevos.
Vicente de Paula Oliveira Villas-boas.
Salvador Henrique de Albuquerque.
Seja onvido o revern*ussirno promotor. Palacio
da Soiedade, 12 da abril 4e 18(36.
Conago Pal va Torces.
kada tenho qoeopoor.
Pudra Maciel.
A vista dos netas peago por santones use a
estatua de roca, que foi aohada sobre as anas do
rio Capibaribe nao saneo ama da* rutitans Mi
gticas, qoe serviram no funeral, na te* lugar
nesta cidade pelo rapouso eterno da atau de D
Pedro V, rei em Portugal.
Palacio da Soiedade, 16 de abril de 1866.
Conego Joio Cbrisostomo de Paira Torrea.
mmrnmmmBmmmmmmmmmmmem
PuhlicacOes pedido
Os abaixo assignados, inspectores de quartelrao
da freguria de Santo Aa toado do Recito, amen
pnWleo Wietir msteeto de asjredaeiaMale ae
Sr. Severtaao Jos de Monra, petas mnastras dss-
tiBvtat e joetaes coan ene aempre trntoa aoc seas
eobordinados dnate o tongo portada'qne enarena
o logar de subdelegado danta reganta de Sanie
Antonio, amo primeiro aaapUato qae ; flr.
Moara am distineto cavaNeiro, amias sincero
cumprdor de seas deberes,-seospre eom esto e nc-
tlvieade, por Kso 6 digno dos sesos votos de agra-
deunsan; Icaado corto qae nos coofemetot
sommamente gratos porque prezaroos ser seassn-
nordinados qae nes ebario sempre premptos a m-
aaaaeeermos enmata parta as san dialsactac
qaalidadas, pelo qoase tana digno dos nessos loa-
vorss e de iodos qoe trverum ocemiio de eommo-
meado.
Receba por tanto o Sr. Monra aa votos sinceros
deiles que se coofessam ser com estima seos ami-
gos e affeicoado.
Recife, 8 de abril de 1866.
Em honra do Sr. Dr. i." clrur-
glo da armada Painphf lo .lf a-
sioel Freir de Carvalbo.
Sr. redactor.Gimo estimulo aos homens de me-
recimento peco-lbe a poblicago da seguate ordem
do da dada no exercito brasileiro em Urugaayana
por S. Exc o Sr. Birorgiad-nh r do exercito, coro-
nel Cbristovo Jos Viera, qne muito bonra ao
distineto bahiano o Sr. Or. Pampbilo Manoel Freir
de Carvalbo.
Um Bahtano.
SECRETARIA BA REPAHTIQA0 DI SAUOE NO EXERCITO
DE OPEBAgOES. S. BUHJA 6 DE FEVEBEIRO DE
1866.
Jim. Sr. Nao .podenao passar em silencio as
servlcos por V. S. prestados na 8/ enfermara do
hospital militar da villa de Urugaayana, boje en-
tendo dar-lhe urna prova de qne nao me bavia es-
quecido delles, e por isso passo as maos de V. S. a
ordem do dia n. 4 da reparticao, que me afano de
dirigir.
Deus guarde a V. S. Illm. Sr. Dr. Pampbilo
Manoel Freir de Carvalbo.CluistovaoJos Vitira
coronel clrargiao-mor do exercito, e chele da re-
partila de saade do exercito de operacoes.
SBfRETAiUA DA BBPATiC>0 DE SAUE DO EXERCITO
Da OPERACOES. 8. BORJA 6 DE FEVEBEIRO DE
W1 a-_, .. .
Ordem de da n. i.
Poblico para conbelcimeoto dos offlelaes do corpo
de saade do exercllo sab mea commando, qoe ten-
do e primeiro cirurgiao do corpo desande d'ar-
mada Dr. Pampbilo Manoel Freir de Carvalbo
eosdjuvado o servico do hospital militar da Uru-
gaayana, como enoarragadoda i.* afermaria, on-
de mostreo o zelo, intelligencia e caridade,que dis-
tinguen) o verdadeiro medico, em todo o lempo que
foram necessarios seos valiosos servlcos, dorante
a crise porque passoo a mesma villa de Uru-
guay aoa soa obrigado a agradecer-I be tao i repor-
tantes servicos, prestados causa publica e a bu-
manidade, qae tomis tero esquecidos por esta
reparticao, que em tempo os levara' ao coobeci-
mento do governo geral, a nuera compre a remu-
neracio de servicos tio vriioses e louvaveis.
Chrutovao Jos Vieira coronel cirargio-mr do
exercito, e ebefe da reparticao de sande do exerci-
to de operacoes.
M
COrHERCtO
p
rRACA DO RECIFE.
Colacoco oflelaeo.
aa abril.
As 3lfl boras da tarde.
Algodo 1* sorte 18f9 por arroba.
Algodao de Macelo 17*300 e 17ld0
tordo.
Cambio sobre Londres57 Irl d. a90drv.
Donoareq Ibaier,
471 v^nrs"ar^raTaC
Ueelra,
Secretario. "-
poste a
M0V1MENT0 DA ALFANDEA
f olomes entrados eom faseodas... #J>
c eom gneros... tK
folumes sabidos cen
t com
faiendas..
gneros...
147
845
-------998
NOVO BanCO. d6 PernamblieO. r w a^maaHo, .nat oevt^a; can-
o novo Imnco maga o 1*3 ivideodo nt io loajo aflfjg para; todos osiermog dacan-
razao dWTttOpor *C*or Mt5 fi1 execro.
E porejoe a suplicante ignon qnaes se-
aLFandega. jana os herdeiros, por isso reqoor a V. S.
endlmento do dia 1 a 17..... 3'^:?f?*^ se t*M mandar Passar 1a (le edital com
dem do da 18.............. 28^OWB 0 prazo de 60 dias, para *aaera citados os
o36W7#804 supplicados por todo o coatowio nesta. Pe-
reira Souza, Proc. eiv. d. 403 : portanto
pede aolllm. Sr. Dr. juiz BMioicipal da se-
goada vara asska Iba aefirt- Espera receber
343 raatc.-- Como arocmaar, Jos Theodoro
Gomes.
&esta peticao qae me foi apresenlada
dei o despacho do theor seguinte : Di-
tribnidas como requer. Recite, S8 de feve-
reiro de 186.Coelho.
E sendo feita a distribuido ao eserivo
d'este juizo Guilherme Augusto de Atliajde,
este em observancia a este meu despacho,
fez passar o presente, pelo qual e ata tbeor,
chamo, sito e hei por sitados aos menciona-
dos herdeiros do fallecido Manoel Pintor
para que dentro do prazo de 60 dias cornpa-
recam ante este juizo, por si ou por seus
procuradores, allegando e provando o que
for a bem de seus direitos e Justina, sb pe-
na de se proceder a suas revelias.
Por tanto toda e quatquer pessoa, prente,
amigo ou conhecidos dos referidos herdei-
ros, po ier-Ibes-hSo fazer bfasf le todo o
expendido. E para que cheque a conlieci-
Dascarregam hoje 19 de abril.
Barca inglezaAnne Haymercadorias.
Vapor logleCassinedem.
Brigoe ingles-Ella Brucedem.
Brigue ioglezTitaniabacalhe.
Barca iogletaTravetier rarioha de trigo.
Barca portogoeaBtUem diversos geoeros de
estiva.
Barca ingleza -Edith Manoncarv3o.
Bngue inglez Har Belldem.
Brlgue inglez=JoAn& EUsabethdem.
Galera nacional MtndeUolaeat.
Brigne nacionalMannho II charque.
Brigoe portugaexS. Jos idem.
Barca nacional Amizadedem.
Sumaca hespaoliolaGuadaiupe-iieta.
lmporiat?io.
Barca portuguesa Belem, entrada de Lisboa, ma-
nifestoo o seguinte :
1 fardo de flores medioioaes a Angosto Caor 2
barris de presuntos a Souza A. & C.'; 25 caixas de
cora em velas a T. Fernaodes da Caoba; 33 molo iandii bnr nrPAntP a
de sal a Amorim & Irmao : 28 saceos de emees a i memo ae toaos manei lazer o presente que
L. T. Alves da Silva ; 4 voiames de drogase ervas {sera affixade nos lugares do COStume, e pu-
medicinaes a Bartholomeu & C*; SO caixas de ce"- blicados pela imprensa.
bolas a Autooio da Silva Aievedo 200 saceos de rjado e passado nesta cidade do Recife de
milhoa Ferreira & Loureiro; 1 volume de drogas pprnamKnrn ani5 o j,, marl.n a* sana ___
a Reg & Irmo; 3 caixas de vinho e i barrrl de i jWnamDuco, 808 de marfiO fl 1W.
azeitonas a Jos Alves da Silva GoimarSes, 20 bar-. fcU Guilnerme Augusto de Athayde, escn-
ris de vinho e 30 caixas de ceblas ao caplto ; 50 vo o subscrevi. Virgilio de Gusmo Coe-
caixas, 100 meios e 200 auartos passas a Tasso Ir- |Q0
mo; 90 pipas, 303 barris de vinho, 43 barris e 20
ancoretas de vinagre, 57 barris de axeite, 25 ditos
de toocinbo, 10 barris e 20 barricas de bren, 6 cai-
xas de cae I la, 12 surroes de cominos, 33 caixas,
67 meios e qoatro qnartos passas, 10 saceos de pi-
menta, 20 garrames de agoa ras a Thomat de Aqni-
no Fonseca A C*; 2 volme diversos a A. da Silva
Leite; 3 caixas de calcado a Antonio Rodrigues
Pinto; 4 ancoretas de vinho a Jos Joaqoim Morei-
ra ; 100 saceos de farellos a Manoel Pedro de Mel-
lo ; 2 caixas de mercurio a Prente Vianna & C*;
14 caixas, 2o pipas, 2 meias ditas e 19 barris de
vinho, 200 saceos de farellos, 2 volumts diversos e
140 barris de toucinho a E. R. Rebello ; 7 volnmes
de obra.de verga a francisco Martins Gomes ; 5
pipas e 25 banU de vinho a ordem -, 25 caixas de
vinho, 30 barris de azeite, 20 caixas de cera em
velas a M. J. de Oliveira A Filbo ; 1 barril de vi-
nho a E A. Pereira Lefarte; 25 ancoretas de vi-
nho a Silva & Cardoso; 1 eaixa com ehineltos a S.
Serahm da Silva; 6 pipas e 2o barris de vinbo a
Manoel Jos da Silva; 12 volomts de drogas a Joo
da Silva Faria & Irmo; 2 garrafdes de acido sal-
pharico a Martinho Lopes dos Res ; 660 X varas
de lagedo ao bardo do Livramento ; 1 eaixa de cha
a Manoel Jos Ataos \ 6 ancoretas de azeilonas a
Manoel Ribeiro de Carvalbo ; 30 barris de azeiie a
Silva & Cardoso; 2 barricas de aleaiade a T. Fer-
naodes da Cuaba; 2 barris de vioho a C Gnilher-
me Breckenfeld ; 200 saceos de farellos a Selxas
Azevedo & C.; 5 volnmes de drogas e ervas a P.
Maarer & C."; 2 volomes de drogas a J. C Bravo
dr. C."; 3 barris de azarco e 2 volomes diversos a
J. M. da Cruz Correa ; 40 caixas de vioho, i X pi-
pas e 15 barris de vinagre, 2U0 ancoretas de azei-
lonas, 600 caixas de ggos e 12 barrts de louciuho a
Jos Mara Palmeira ; 2 barris de vinbo a Jos Ri-
beiro Sores; 1 velume diverso a Cosme de Si Pe-
reira ; 1 dito Domingos de Andrade; 80 saceos de
semeas a T. Plnho Borges.
Vapor nacional Cruzeiro do Sul, entrado do Para,
consignado a compaohia, manifestoa o segainte :
Do Maranbo.
73 barris manleiga de vacca, 2 caixas salsa par-
rilba e 54 saceos sementes de carrapato ; a ordem.
Do Paran'.
li barris mantelga, 8 volomes com 3,660 cha-
peos do Cbile e 70 rollos de salsa ; a ordem.
Patacho nacional Brasiltense, entrado da Baha,
consignado a Amorim IrmSos, maaifa&lou o se-
gainte :
9,956 arrobas de carne de charque, 244 ditas de
gracba em bex|gas, 30 coaros vaceuns, 120 saceos
feijio, 1,000 bagres seceos ; a ordem.
Vapor nacional Paran, entrado dos portos do
sul, manifestou o seguinte :
1 caixo fumo picado ; a Joaqoim Beroardo dos
Reis.
I caixote rap ; a Saturnino de Ornellas C-
mara. s
1 caixote Impresses ; a Jos Nogueira de Souza.
2 volomes livros impressos; a Garraux Lailba-
car & C.
50 barris maoteiga ; a M. R. Hijo & C.
1 caiao chapeos ; a D. F. Bastos.
1 eaixa fructas ; a Aotonio de Almeida Gomes.
20 rollos lamo, 3 caixas dito picado, 2 ditas ra-
p, 2 ditas xarope, 6 barricas caf, 1 caixote tinta,
1 dito chapeos, 5 caixas relogios; a ordem.
Patacho dinamarqus Pollux, entrado da Baha,
consignado a Saunders Brothers & C, manifestou
o seguinte:
2,165 barricas farlBoa de trigo, 500 ditas banha
de porco, 198 ditas bolacha a 25 caixas machinas
aos mesmos.
KECEBEDORIA DE RENDAS INTERNAS GE-
RAES DE PERNAMBUCO
Rendlmeoto do dia 1 a 17....... 14:923*277
dem do dia 18............... 439A478
15:362*755
CONSULADO PROVINCIAL
Rendimento do da 1 a
dem do dia 18 ......
17.
67:126*093
1:770*132

68:896*232
MOVIMIENTO 00 PORTO
Navios entrados no da 48.
Rio Grande do Sel. -11 das brigue portaguez Ade
Itno, 496 tonelada, espitad Manoel Joaqoim
da Silva, eejoipagem 41, carga 10314 arrobas
de carne: a DavidPerreira Bailar.
JVetos soJiidos no mesmo dm.
Portes de norte.Vapor eaeionsl Pr mandaote o capito de fragata Santa Barbara.
Portos do sol.Vapor nacional Cruzeiro do Bul,
eommsfldaote Alcofbrado.
Canal.Brigae aastriaea B. Caboga, capito Claik,
earga assocar.
ObssrvacSes.
Suspenden no lamerlo para S* Thomaz a barca
americana Carolme Lemomi, capio R. H. Bowe-
ker com o mesmo lastro qne troaxe do Rio de
Janeiro.
luem barca ingleza Tweed, eapitlo Manoel au-
gsl, eom o mesmo lastro qoe troaxe de Santos.
dem barca americano Saxon vetle, capito J.
B. lerdn eem o mesmo lastro qoe troaxe do Rio
de Janeiro.
Apparecem ao sol duas embarcacSes.
N. 60.Rs. 400 rs. pagou 400 rs. Reci-
fe 3 de narco de 1866.;Chaves.Sena.
Vai pagar 250 rs. de direitos de chancel-
lara. Recife era supra.O esetivao, Ataay-
de.N. i 221. Pagou 250 r. de direitos
de chancellara. Recife 3 de marco de 1866.
Chaves. Limoeiro.
Transitou pela chancellara. Recife, 3 de
marco de 1866.0 escrwo, Francisco dos
Reis Nunes Campello Juoior.
Laucado a fls. 100 do competente livtO
n. 13. Recife 3 de marco de 1866.Cam-
pello Jnior. Firmino Antonio de Souza,
presidente. Estavam as armas imperiaes.
E nada mais ee oontioha em dito edital
aqu copiado do proprio original.
Dado e passado nesta cidade, aos 5 de
marc/) de 4866. Em Guilherme Augusto de
Athayde, eserivo o subsorevi.
O Dr. Virgilio de Gasmo Coelho, jais municipal
soppleote em exercicio da segunda vara desta
cidade do Recite de Pernambuco e seo termo,
por soa magestade imperial e constitucional o
Sr. D. Pedro II, a quera Deas guarde etc.
Paco saber pelo presente que a junta administra-
tiva da Santa Casa de Misericordia do Recife, por
sen procarador me enderecoo a peticao .de tbeor
seguinte:
Diz a junta administrativa da Santa Casa do Mi-
sericordia do Recife, qae quer fazer eitar aos her-
deiros de Miguel Ferreira de Mello, para a primei-
ra deste juizo faliarem aos termos de am libello-
em que Ihes qoer pedir o sitio de n. 48 particular,
no lugar denominado Salina!1, do qoal seaeham de
posse por titulo de aforamento feito ao dito Miguel
Ferreira de Mello, visto terem os sopplicados ca-
bido em commisso como melbormenle se expres-
sara' em seo libello, pena de revelia, ocando logo
citados para todos os termos aa causa at finaJ ele-
cu cao.
E porque a supplicante ignore quaes sejam es-
ses herdeiros, por isso requer a V. S. se digne
mandar passar cartas de editos, com o prazo de >
dias para strem os suplicados citados por todo o
canteado nesta.Pereira e Souza.Proc. eiv. a-
203.
Porlanto pede ao Illm. Sr. Dr. juiz municipal da
segunda vara asstm ihe delira.E. R. M. M.Co-
moi procarador Jos Theodoro Gomes.
E nesta peticao qne me (oi apresenlada dei o
despacho do tbeor seguinte :
Destribuida como requer. Reoife, 28 de feve-
reiro de 1866.Coelho.
E sendo feita a disiribuiciio ao eserivo deste
juisoGuilbermeAofasto deAtnayde.esteem obser-
vancia a este meu despacho, lex passar o presente
edital pelo qual e sen tbeor, chamo, cito e nei por
citados a todos os herdeiros do mencionado suppli-
cado Migoel Ferreira de Mello, para que dentro do
prazo de 60 dias compareeam por si on por seos
procuradores ante este juizo, allegando e provando
o que fdr a bem de seo direito e justica, sob pena
de se proceder as suas revelias.
Portaoto toda e qnalquer pessoa, prente, amigo
ou conhecidos dos referidos hereires, poder-ibes-
ho faier soiente do todo o expendido.
E para que chegue ao conhecimeao de lodos
maodei fazer o presenta que sera' afiliado nos la-
gares do costume e publicado pela Imprensa.
Dado e passado nesta cidade do Recite de Per-
nambuco, aos 3 de marco de 1866.
Eu Guilherme Augusto de Athayde, eserivo o
subscrevi.Virgilio de Gosmo Coelho.
N. 69 rs. 400. Pagan 400 rs. Recife, 3 de narco
de 1866.-Chaves.-Sena.
Vai pagar 2o0 rs. de direitos de cbancellaria|
Recife, 3 de margo de 1866.O eserivo Aanavde.
N. 1221 Pagou 290 rs. de direitos de abaaeel-
laria. Recife, 3 de margo de 1866.Chavas.Li-
moeiro.
Transitan pela chancellara. Reeife, 3 de maree-
de 1866. O eserivo Francisco dos Reis Nones
Campello Jnior.
Lancado a fls. 100 do competente hvro a. 13,
Reeife, 3 de mareo de 1866 -Caropelio Jnior.
Firmino Antonio de Souza, presidente.
Estavam as armas imperiaes.
E oada mais se coetioba em dita edital aavi co-
piado do proprio original.
Dado e passado esta cieade do Reeife, am 5 a
marco de 1866.
fin Guilherme Aagnsto de Athayde, eserivo o
snbscrevi.
Virgilio de Gusmao i
DECUR
ACOES
"II 'H11
Sauta Gasa da Misericordia
do ftecife.
T
SITIES
wawm maawta* ala raptai
0 Dr. Virgilio de Gusmlo Cocine, juiz mu-
nicipal euppaaate em ejercicio da segunda
vara deata eiaade do Recife de Pernam-
boco e seu termo, per S. M. I. eC. 6e-
nhor D. Pedro II, a (piNn Deus gwit,
etc., etc.
Faco saber pelo presente que a junta ad-
ministrativa da Saota Gasa da Misericerdia
do Recife^ pof sea ptocurador, me mdire-
cou a peticio do tbeor seguinte:
Diz a jofla adminutrativa da.Santa Casa
da Misericordia do Recife, qae qoer fuer
citar aos herdeiros do fallecido Manoel Pin-
to, para a primeira deste juizo Tllarem aos
termos de um libello, ea que loes quer pe-
dir o sitio n. 21 ptrteatar nts salinas, o
lugar dedeminado Carreira dos Vazoobos,
O Noto Banco deacoata letras a 12 por cento do qual sitio M acham de posse os suppli-
ao anno, jama diobemoa pi flxo on em epau qbxjtjs; |r tilsato do nAarniarnaa eit aqualle
fallecido, vilo terem os topplicados cabido
em commisso, como melhormente se expres-
corrent pelo premio t Condlcies qne se c onven
clonar, e saca sobre i praca da Baha
. A Illm." jema administraUra da Sents Gasa de
Misericordia do Heeife manda tasar- pmnneo que
no dia 19 do correte netas 4 oras da arda na,
sata de suas seisdes tem de ar a praca a randa da*
easas anaiso declaradas por tenspo de am 'a taes
annos.
Os pretendentes deven eonasmnmsr acomnanaa-
dos de seas fiadores on manidos de cartas dastes.
EsUibelecineitas Roa do Imperador.
N. 1 particular e 24 public, sobra-
do de 1 andar.......679#00r>
Roa Dirella.
N. 3 idem e 8 idem, sobrado de 2
andares. 1:067OOO
Ra do Padre Flor lao.
SL S idem e 49 idem, eaaa tarrea. .
N. 6 idem e 47 idem. casa tarrea. -
Roa do Pagdndes.
N. 11 idem e 32 idem, casa terrea .
Travesa de S. Jos.
N. 13 dem e 11 idem, casa terrea.
N. I i idem e 5 idem, casa terrea. .
X. 15 idem e 7 idem, casa tarrea .
Ra dos Pescadoras.
N. 16 idem e ti idem, casa terrea .
Roa das Calcadas.
N. 18dem e 32idem. Casa terrea.
N. 19Idem e34 idem, casa'terrea.
X. 20 Idem e36 Idem, casa terrea.
*. 21 Idem e 38 dem, casa terrea.
Roa das Cinco Pomas. "
T. 23 dem e90 idem, casa terrea.'
X. 25 idem e 110 dem, casa tarrea.
Kuda-VInofA.
N. 26 idem e 7 idem,easa tarrea. .
TI. 37 idem e 19 idem, tam terrea.
Roa le saata Tksrsaa,
N. 31 idem e 7 dem, casa tanta.
155#06t>
153*900
169*000
156*000
PHNACAO WCORBETfl L
,-*'ii i l-------------- i na,*
llEGiVEL
:


Id
UM 4e rmaMhiet Qnlnta Mn IB 4e AM|t 1866
ftrSS-ttem e 5 dem, cas Ierres. .
H. 31dem eSldwn, prflKiWiV'
4-........ .
dem dem seguido e terceiro and;-
daros- '.........603y)00
Raa do Gabug.
N. 3* iderael B idem, tola. flMOOO
dem dem e 1 C id**, toja. 408*0.0
Id en. lien elD idem, toja. ingOOO
t (1 idem e 3 idem, sobrado de 3
andares..........i:WM0OO
Ra Nova.
N. dem e J7 idem, casa terrea.
N. 46 idem e 48 idem, sobrado de 1
andar. .
16JJJ0o" 1W>...... 32*000
dem, Ido, idem: 8ditas
de dita jara v.t cn
331*900 ditas a'
, dem, idem ieflFt 1 CoqBT-
uno par aswfcar con
diUs a tOrs.
1*200 46*400
596*000
1:080*000
bbTooo
1*4*000
460*000
. Roa do Calabooce.
N. 19 Idem e 18 idem, casa terrea.
Becco do Qniabo.
N. 49 idem e 8 idem, easa terrea. .
Roa da Gloria.
N. 51 idem e 55 dem, casa terrea.
Roa do Encantamento.
H. St ideo e 3 idem, sobrade.
Roa da Cadeia de Reelf.
N. 63 idem e 23 ideo, sobrado de 1
andar..........681*000
Roa do Padre Florlano.
N. 97 idem 65 idem, asa terrea. 50*000
Roa do Apollo.
N. 91 idem e 24 idem, sobrado de 2
dates..........1:400*000
Ra de S. Bom Jess das Crioulas.
. 64 dem b 8 idem, easa terrea. 131*000
PtrtH9M9 de erties.
Roa do Rangel.
Casa terrea n. a particular e 56 pu-
blica. ..........
Praca da B a-Vista.
Sobrado de t andares n. 7 pnica!ar
a U euaBco.........
S. Goncalo.
Ca terrea n. 10 particulare 21 pu-
blico. .. .....
dem o. 11 idea e 24 idem. .
Rosario da Boa-Vista,
dem n. 14 particular e 58 publico.
Beeee das Boia*.
Sebrado de I andares n. 3f parUcu-
iar e 14 publico.......361)000
lun a. 39 idem e 18 Meo. 501*000
Atefte do Pelxe.
S Varad o de 1 andar o. 63 particular
Dezembro, 19 de 1860.
dem de Igaarass, idem
da crioula Florencia de
Carlos Branda d : 1 erncl-
filo de ouro cora 6 oila-*
s a 2* i...... i6*000
dem, dem, idem : 1 ecrdo
de dito em podacoseom
t oilavasat* ..... 6*000
185*000 dem, idem, Ideo: 1 tran-
celim de dito em dotas pe-
dacos com ura pequeo S.
Braa com 2 oMavas a
3*200........ 6*300
dem, idem, iden : 2 erares
do dito com 3 ollera a
3* .......... 10*000
Ideo, idem, idem: 1 coliar
de dito cora 5 oilavas a
1*80......... 6*400
dem] idem, idem: 1 cam-
bio de dito cora ora Espi-
rito Santo e 9 coraedes
com 4 oitavas a 1*600 6*400
Ideo, ideo, idem : 2 anneis
de dito eoo 2 li2 oitavas
a 1*600........ 4*000
dem, idem, idem : 1 par
de rosetas de conchinas .
dem, idem, idem: 1 dito
de ditas de cry slitas
Z65*00(L
dem; idem, iden : 9 peda-
800*006
189*000
193*000
146*000
503*000


pu-
19
UpoMtoo. .
Roa da Cacimba.
Casa terrea n. 65 particular e 5
Wico.........
dem a. 67 idem e 10 idem. ,
Boa dos Bcrgos.
Caa tarrea n. 68 particular e
pu lico*<..........
Roa do Vigario.
S ilwado de 2 andares n. 72 particu-
lar 17 iMMMe fl andar). .%
dem idem (i nadar). .... 0
Kua do Encantamento.
Sobrado de 2 andares o. 79 particu-
lar Senzala Velba.
Sobrado de-2 andares n. 78 particu-
lar ri 136 publico.......
0 dem o 79 idem e 134 idem. .
Casa terrea a. 81 particular e 18 pu-
blico............193*000
Ra da Guia.
Casa terrea d. 83 particular e 27
publico..........
dem n. 84 idem e 29 idem. 1:25*000
Ra da Cruz.
Sobrado de 2 andares n. 89 particu-
lar e 14 publico.......701,3000
dem n. 90 dem e 12 idem. 751*000
Ra do Pilar.
Casa terrea n. 91 particular e 105
publico..........168*009
97*000
83000
104*000
180*000
130*000
807*000
5534000
501*000
50 de eordao de ooro cobi
1 oifava. fc-
Idem,4nem, ida : come-
res de prata, sondo 4 pa-
ra sopa e 1 para cha cao
52 oitavas a 100 rs,-. .
.* 99.
2:15*165
Contadura de tazenda de Pemambuco, 24 de
marco de 1866.
O contador interino,
Ytcente de Mello Wanderle Maael Pinheiro.
Admtoistrac5o do eorreio desta eida-
de precisa- de seis borneas para o servico
de caminheiro, quem estiver tiestas condi-
fcSes e qufterengajar-se dirija-se a mesma
admipistraejio.______________
iraca
No dia 20 do corrate, perante o Illffl. Sr. Dr.
jais municipal da 1* vara-, na sala das audiencias,
se ho de arrematar os beqs segaintes : urna casa
terrea n. 48 na ra do Molocalomb, na freguezia
das Aligados, chaos proprios, avahada por 640J,
urna outra n. 54 na mesma ra e freguezia, em
chao foreiro, por 160*, urna outra n. 73 na mes-
ma raa, cha a loreiro, por 560* ; as quaes vo
praca porexecncaj de Joaqnim Jos Gomes de
Souza contra Francisco Jos de Oliveira; a ul-
tima praca.______________
Companhia de paquetes a >apr entre
usEstado>lnHos o* Brasil,
f At o da 25
J do corrente es-
nara-se de New-
York e escalas
por S. Tliomaz e
Para ura dos va-
pores america-
nos, o qual de-
pofs da demora
do costuras seguir' para os portes do sol; para
paasagros (retes etc., trata-se cora os agentes
Heory Porster & C. ra do Trapiche n. 8.
Para o Rio de Janeiro pretende sahir era
poneoe das a veWra galera IHlfBELLO, por ter
quasi todo o carregamento tratado e para o rtsto
qae Ibe falta e escraro a frete para a que tem
boas commodos: trata-se com o consignatario Joa-
uim Jos Goncalves Beltrao, na ra do Vigario n.
7, primeiro andar.
Tambem se recebera gneros estrangeiros.
Haet e Mtsaor
A bareassa S. Benedicto, pretende sabir ata 22
do corrate, recebe carga a frete para os raesmos
portes : a tratar na eseadinha da alfandega com o
mestre ou na na da Cacimba n. 2. _^_____
Para 9 Asso' .
segu uestes dias a barcaca Uous Amigos, anda
recebe alguraa carga : a tratar no caes do Ramos
n. 34, ou na eseadioha com o mestre Jeao Antonio
de Brito.
De uiM
1EIL0S
sita na
III m.
roa da fcspeauea.
O agente Martins Tara' leilo, por ordem do
Sr. Dr. Caudino de Araojo Guimares cnsul por
toguez.de urna casi terrea n 7 sita na roa da Es-
perance* enterre* propre, s-rteoceDle ao espo-
D ATTEMCAO
Peigunta se ai PBmljajlli aV-smiedade R. ],*:
ja deu ordem aotBlftCMro (fera eniregar o dV
nheiro das quoUs om sdates qu*a*RnarafB para
raudanga da soeitdad, mrffrajiilajt i nio nn
lisou ame* d sa'as despedidas da sociedade. hto
deseja saber
__________________m iatetesa?do.
VKTMtliNd PAtHA-
BIS
Acha-se nos prole* da typogrbphia comtnercmL
sendo ntidamente impresso o volme de poestmr
de Victorian PalMras, sobo tato tfeMoeidado e
Tristeza. E om Nvr#9e 300 pagina. Asttjmvpt
na mesma typopfaphla a raro de 4* o vomao.
Sexta feira, 20 do correte met,
ultima praca depois da audiencia do Dr.
nicipal da 1* vara, tem de ser arreo
quem mais dr a casa terrea n. 8,**
Carcereiro, em chao loreiro, com 2 portas de (ren-
te, 19 palmos de vo na largara, 23 de fondo, 1
sala, 1 quarto MMi$p#6U)*#0 por
execugao de Mftol~fe Saz Azevedo Pire, ces-
slonario de Thereza Catharina da Conceicao Ca-
nha, comraf umaHraw da nlva, se* marido Be-
aciario Jos fe Santa Aana e meaor Jos.
-* O Sr. Antonio Jos de Sorna Carvalho ou seo
Albo, teoha a bondade de appareeer na raa da Crns
n. 49, a negocio qae nlo ignora._____________
Precisa se de uoa ama para coiinhar; na
ra da tfoeda o. 17.______________________
A pessoa que annuncion dar sociedade em
urna taberna, dirija-se a ra da Concordia n. 6, das
6 as 9 da manhaa.
Ho de To!*rwo
irqoes da'Wlfa.
SOJE.
da Cadeia do Recife
as 11 horas do diav
n. 53,
LEIlAo
Id^m o. 92 idem e 103 idem. 164*000
Id^m n. 93 idem e 101 idem. 174*000
Id.-m n.9* idem e 99 idem. 253*000^
U- ni u. 97 idem e HO Idem 1633000
I!, ni a. 105 idem e 94 ideo. 171*000
Sitio n 1 no l'arnameinrn. 240*000
ll-iii n. 5 no Pomo da Cal. 150*000
Secretaria da Santa Casa de Misericordia- do
Recite 14 de abril de 1866.
O amanuense,
Francisco Gomes Castellao.
Tribunal do commercio
Pola secretaria do tribunal do commercio de
!'!'!; ui.iitii-i) se Taz publico que em sessao do mes-
mo tribunal de 12 da correte foi considerado vi-
ro o oflkio de corretor desta praca, que exercia
Fredenco Lopes Guimar3as, o qual o abandonon,
e quo a flacQa prestada era favor do raesmo cor-
retor persiste por seis roezes, contados desta data ;
e qu<: Sea marcado o praso d 60 dias, para dentro
delles se habilitaren! os concurrentes ao referio
ofllcio.
Sr-.'-retaria do tribunal do commercio de Per-
oamboeo 13 de margo de 1866.
O offlcial-raaior
Julio Gulraaraes.
COMPANHIA PERXAMBCANA
Tendo os legitimes propietarios das acgSes des-
ta companhia abaixo mencionados, declarado que
haviam se desencamiiihado de seu poder as de ns.
S86 a 895 e 2786 a 27uO, pela gerencia da Corapa-
nbi Pernambucaaa e por ordem da directora se
declara que da data deste a 30 dias, a vista da
requisigao dos raesraos Ihes van ser entregues no-
vas acgdes de igual numeragio em snbstituigao
aquellas que lienra assltnsera valor algum,
Pemambuco 14 de margo de 1866.
O gerenteF. F. Borges.
Drt ordem do Illm. Sr. inspector da tbesoura-
ria do fazedda desta provincia se annuncia a's
pesi ii> interessadas dos espolios constantes da re*
laca', abaixo transcripta qae, tendo de sar rednri-
dos a dinbero, de conlbrmidade coa as instrnc-
50es de 14 de Janeiro de 1854, ossbjectos de ooro e
prata importantes em 23o*165, comprehensivos da
mesura relacilo, que se achara depositados, bamais
de cinco annos, nos cofres desta repartigao, devem
a ella eotaparecer, reclamando seos dirotlos por si
a por seus procuradores, tutores ou curadores,
dentro do prazo improrogavel de trlnta dias conta-
dos da data deta publiccio, Qnd o qual, ne-
huma reclamagao a tai respeito ser attendivel.
Secretaria da thesouraria de azeoda de Pernam-
feuco, 13 de abril de 1866.
^. Servindo de official-maiot,
M*odlot Pinta.
Belaiie das objeetos da oaro e prala qae eans-
tam da reeeila da lim de drrersoa valores, e
- d>s que indevidamente foram recolhidos i eai-
i* de deposito e cance*, e estfa na no dcaer
rriurid* a diuheiro, na coaforaidae do art.
II, 16 da lfi n. 628 de 11 de setenar* de
1S31, e iiraegei de 14 de Janeiro de fRl.
mgosto.ffd* 1883.Depost^
jado felo jmrode orphaos
a ausentes da-eapital, do
espolio do Justino Meros :
3 pvres de brincos de ouro 24*000
6 botoes de dito ... 12*000
36flOOO
Outubro, 19 de 183o.-Ideo,
do espolio do preto Joa-
quina: 1 cordo, 1 cruci-
fixo, 1 cruz, 4- anneloes,
seud um de podras, 1 an-
nal de ous nos tranca-
do-, 1 par de argolinhas,
1 tranceln com passdor,
4 pares de botes gran-
des para punhos, 2 ditos
menores, 3 ditos de aber-
tura, 1 dito de esmalte e
2 illindes, sendo ameom
dcimaoUB, tudo de ooro
con 31 oitavas.....
i iiiineta de armago coa
4 oiuva e 3f4.....
I 2 livelas, 10 colheres, 1
par drt flvela com cor-
reate: pesando 100 oiU-
^46..........
inlbo, 26 de 1856 Ideo,
idem, de Juaqulua *
da Conceigio: 0 ana
ouro .
Jfaio, de 1858-
idem de-KeHenearl Chrls-
tfani Holet.. 1 fteBade
piaeraa Tdnafu i no
ra- > ......
Dezembro, 17. dem do
Cabo, idem do padre Paa-
eboal Corbl : 1 coco de
Sata com 26 oitavas a
0 rs. .
O corteros de dita para
opa com 169 oitavas a
- **

.

71*409*
5*229
10*890 97*419
1*290
Pela inspecgo da alfandega desta cidade se faz
publico que no da 20 do corrente a urna hora da
tarde a' porta do trapiche do-bario do livramenio;
1323000 no caes do Apollo se bao-de arematar livre de di-
reitos urna porcAo de caitas vasias, qae foram de
elia, avahadas em 100*0000 abandonadas ats res-
pectivos direHos porHenry Foster & C.
4* secgo da alfandega de Pemambuco, 18 de
abril de 1866.
O 4 escriptrio
Alejandrino Thomaz de Aquino Colho.
De movis, ehnriiUs, caiJieiros e re-
logios.
IIOJE.
O agente Martins (ara' leilo por conta de di-
verso de todos os moris, clarles, candieiros e
mais objeetos existentes no armazem a ra da
Cadeia do Recie n. 53. ____ _
IKILJlO
De fazendas avariadas
IIOJE
O agente Pinto (ara' leilo por conta e risco de
quem perteocer de deferentes (azendas inglezas
avariadas a bordo da barca ingleza OlliOX e va-
por inglez GLADIATOR, e existente no armazem
da ra do Trapiche a. 40, -pode se effeetuara' o
leilo as 10 PAra en ponte.'
No consulado1 portugus precisa-se saber de
Guilher-me Augusto de Barros, iodo em 1861 con-
tratado como operario da fabriea de tecidos do
Exm. baro de Jaragna. ________
Constihie de PwtiigaL
Pret'>nd>-s9 rnformagOos acerca da existencia e
lagar de residencia dos subditos portugaezes Joa-
qun) Felippe de Souza e de ana ranlher Procopia
Rosa, vindos para este imperio em 1856 ou 1857,
pana lransmittir-se-4hes poderes para receberem
unta quantia praveentafd fteranga que se aoba
depositada no cofre dos orphaos da cidade de Rio
de Janeiro.
>rchf
-v- Allaza-se a nadarla cita ra- da Matriz da
Boa-vista n. 26 ; a tratar ra da Imperatriz n. 75.
Tribunal do eommerclo
Pela secretaria do tribunal do commercio de
Pernambuco se faz publico que nesta data foram
inscriptos no registro publico os seguintes docu-
mentos :
O contrato de sociedade de Candido Francisco
Carneiro Montelra, Antonio Oliveira e Joaqnira da
Cuoha Freir, estabelecidos na cidade do Ico, sob
a firma de Carneiro, Oliveira de C, da qual s po-
derao usar os socios Candido e Antonio, com o ca-1
pital de 15:000*, para o qual entra o socio Candido
com 4:500*, o socio Cuoha cora 9:000* era com-1
mandila, e o socio Oliveira con. 1:500* em raoeda
corrente, devendo a mesma sociedade durar por j
espago de quatro annos, cornados do 1* de laneiro
do correte.
O distrato da sociedade que nesta cidade linhara
Jos da Castro Redondo e Jo.- Ribeiro da Cunhai n m
Guimares, sob a rma de Casiro & Guimares,
coja liquidago Oca a cargo doex-socio Guimares,
o qual tambem se responsabilisa pelo que houver
de caber na liquidago ao socio Redondo.
O distralo da sociedade que nesta cidade tinham
Jjaquim Mouteiro da Cruz, Francisco Jos Lopes e j
Manoel Antonio Monteiro dos Santos, sob a firma |
de Monteiro Lopes & C, que (oi dissolvida em 31
da dezembro do anno prximo fjodo, ficando todo |
o activo e passivo a cargo dos ex-socios Cruz e
Santos, e Lopes desonerado de toda a responsabi-
lidad-; e pago do seu capital e lucros
Secretaria do tribunal do commercio ne Per-
nambuco 13 de abril de 1866.
Ooffleial-maior,
Julio Gaimaraes.
LEILO
De 1 machina para calorar e bordar.
BOJE.
Martins vender em leilo 1 machina de costu-
ra e bordar, de nova invengo vind ueste ultimo
vapor por coata e risco dtfquera perteocer.
Ra da Cadeia do Recife n. 53.
LEIIiA<*
De niidapoloes, Bigotes, chitas, algo-
(loes riscailos, baelas, tu 'lo coro ala-
ria d'agua salg-tda
lloje 19 de abril afl f0 Horas em
podio.
O agente Pinto fara' leilo por conta e risco de
quem perteocer das fazendas cima mencionadas,
avariadas a bordo dos vepores Arago, Amazon e
Gladiator, e da barca iogleza Orion, as 10 luras
era ponto, no armazem da ra do Trapicae n. 40.
jbfiJLAdn
burra de ferro (cofres.)
Sexta-feira 20 de abril.
O agente Pinto (ara leilo por conta e risco de
quera pertencer de 2 burras de ferro (prova de
(ogo) as 11 horas do dia 20 do correte era frente
da alfandega.
Pede-se ao Sr. fiscal da (regnezia de S. Jos
qne tenha a bondade de tancar snas vistas de cari-
dad? para a roa daPNha o principalmente para
aqnelle entnlho, (oco de immnndicie, ja que a lei
isentou o dono daqoelle terreno de (azer o muro
competente. ____
Jos Rodrigues de Oliveira Lima por si e por
seus filhos, genros e netos, mallo agradece qne
las pessow qne acompanharam os restof mortaes
dr sua muito chorada tJlha Francisca Rodrigue de
Lima Dias at o cemiterio publico no dia 11, de
novo convida a todos seus prenles e amigos para
urna raissa do stimo da, sexta-feira 20 do corren-
te as 6 horas da manhaa no convento oo Carmo.
Custodio Collaco Perdra Jtinior, subdito por-
togufiz vat a Europa durante sna aozencla deiro
como sen primeiro procurador ao Sr. Felicio Jos
Yaz de Oliveira, em segundo ao Sr. Manoel Jos
de Souza e em lenviro o Sr. Antonio Luiz Dias.
O secretario da confraria de S. Jos d'Agonia
fax sciente ao respeitavel publico, que por motivos
justos, for transferida a resta do nosso palriarcha,
que de ser no dia 22 do corrente para o dia 13 de
ruaio prximo.
Joaquira Goncalves Salgado,
secretarlo Interino.
ferdeu-se um qointo de bilhete n 2633 da
lotera qne corre hoje"; pede-se ao-Sj. thesoureiro
que s pague, sabindo premiado, ao abaixo assig-
nado.
Jos Francisco Pereira da Costa.
Pela mesma secretaria se faz igualmente publico
que nesta data flea registrado o contrato de socie-
dade, que por tempo de cinco annos, contados de
14 de maio do anno prximo passado, celebraram
Antonio de Souza e Silva e Honorato Caetano de
Abreu, estabelecidos nesta cidade cora casa de
pharmacla e drogas, sob a firma de Abren 4 Sil-
va, e com o capital de 7:818*829, para o qual en-
tra o socio Silva com 4:818*829, e o socio Abren
com 3:000*.
Secretaria do tribunal do commercio de Pernam-
buco 14 de abril de 1866.
O offlcial-maior
Julio Guimares.
EMPBm-COMBRA.
3.a recita da asalgmatura.
Sabbado 21 de abril de 18.66.
- Sepnada repre;entaeao do excellente drama di-
vidido em 5 acto
LEILO
De 40 saecos com assucar,
O ageale Mitins fara' leilo a' requerimento de
Antonio Baptista Nogneir e por mandado do Illm.
Sr. Dr. juiz especial do commercio de 40 saceos
cora assucar, os quaes foram embargados a Pedro
Cbrisoiogo Cavalcanii Wanderiey.
Sexta-feira 20 do ce'rrente.
As 10 horas da manhaa era ponto no armazem
de Bernardioo Gomes de Carvalho, a ra do Apol-
lo n. 20.

LKli
De iim esc avo pardo perfeito alfaiate,
boleetro e copeiro
O agente Martins far leilo do escravo cima.
Sexta-feira as 11 do dia.
No armazem da ra da Cadeia. ___________
De ama escrava esm tres crias de ida-
de de 5, 8a 9 anuos ealgaos movis
O agente Martins far leilo a requerimento dos
herdeTros de Custodio Jos da Silva e por manda-
do do Hm. Sr. Dr. ota de orphaos, os escravo? e
motis cima para pagamento dos credores do
referido casal.
Sexta-feira 20 do corrente as 11 horas da
manhaa.
No armazem da roa da Cadeia o. 53.
V1M
minar'* e;
BOHEMA.
a#o-TrBlo-
ung!.'!
k
Terminar* esi
goqnasl cmico
Tchabg-
nado de canto.
PEItSOKACECS.
Tcbang-tching-bong, nbim pomas-
cimento, menor de 30 annos. Sr Paiva.'
"rudencio Soares, cigano por vo-
cagio, maior de 30 anoat. > Rraydo.
Florentina, viuva por (orea maior, t
filide Soares ( indiscripQo
tmte a id* a ama sanbora. Sr- Clelia de G.
Esta comedia atava destinada para s|t coBre-
sentada no espectculo passado de 18 do comit
ComegarrH 8 horas.
AVISOS MARTIMOS
COMPAAHIA PERNAM8UCANA
5*200
N*eg9Cit9 C9tetra por vaier.
Parahyba. Natal, Maco. Aricaty e Ceari.
O vapor Mmang*9p, com-
maaiaaPJ Beimiro, aegaira' para
os portes cima no dia 21 do cor-
rema as 9 horas da tarde. Rece-
ba cara someoteat odia 20;
encommendas, passageiros e dinbeir a (reta at
as 2 horas do dia da oda : escrpterio no Forte*
WOdvatttwa.1. ________
' Para o Para'mateada sabir em poucos das
o patacho PARABNSK, por ter o sea carregamen-
te fiaal panmpat) a para o pweoqne Ihe falta tra-
ta-se com o consignatario Joaqnim Jos GoocTves
l BtSrJ^ ^rlr^^vrra-^
Ttmbem se- rweDWf generos e'rr*nfarn:i'.
AVISOS DIVERSOS
Instituto Archeologico e Geogrfico
PernuflioicaHO.
Haver sessao ordinaria quioia-feira 19
do correle abril, as 11 hars da manhaa,
- ORDKM TH) OTA..
Discosso do orcament para o anno so-
cial de lflr>W67;
n Relatorios e pareceres de commissoes.
Secretaria do Instituto. 16 d.' abril de
1866.
. Soares de Azevedo,
Secretario perpetuo.
AOS
Corre qoiata-feiro 26.
Acam-se venda na respectiva tliesou-
raria, fu- do Cripa- n. os bm&-
tes, nwiose quistos d 2" parte da Ia* lo-
tera (5), a B909li9d9-lgM de-S. Gon.
calo da Boa-fisto* sendo a extra?5o no li-
gar fl fiOT do. CC*tJlBM.. .
Os premies de 6:0000'00 at 10^000
ser3o pagos urna hora depois da extrac?5o
at as 3 horas da tarde, e os^utros depeip
da distribnicSo das listas.
Aa encommeadas serio guardadas so-
mente at a noite "da vespera da extraecto.
O- rnosonreiro,
Antonio Jos Rodrigues da Soaza.
CLUB PRV4MBCA^0
Domingo 2 i do corrente
familiar.
ha ver reunido
Fogio no dia 18 do corrente ao meio dia a
esprava de norae Antonia, dado 40 e tantos annos,
anena regalar o o rosto com marca de bexigas
bei wsrVeis, uui cm..,^., i..^.. u,u. j. .ui..
vlho o desbotado, e om chales de 13a roxo tam-
il jm velho e dos wiado, j (oi apandada no Poco
lavando roopa e de tuppor qae conlieue no mes-
mo oflcio : quem a pegar leve a roa da Cadeia
do Recilrt n. 10, que sera' gratificado.
Niabiixo sipnados seimtifleamos ao cor-
po commprcial, que de mutuo accordo dissolve-
raos era 17 do c rente a sociedade qae tinhamos
no estabelecimMito de taberna sito na travessa
das Crnzes n. 16, qae por es paco de 3 annos in-
completos gyrou sob a Arma- de Martins & Lebre,
ficlndo a liquidacao da mesma a cargo do socio
Antonio Alves Lebre, e o socio Pialo Martins de-
sonerado do activo e passivo da extincta Qrma.
Recife 19 de abril de 1869.
Jos Joaquira Pinto Martins.
____________Antonio Alves Lebre.___________
dono de ama cabra (bicho) que ama car-
roca a pisou, venha procnra-la na roa Direita n.
53, isto boje.
= Na roa do Imperador, casa n. 22, seguodo
andar, ha para a lugar urna escrava moga, engom-
ma e cose ; quem a pretender dirija-se a ra do
Qneimado, loja n. i para tratar. ^___
Precisa-se de um caixeiro cora pratica de rao-
Ibados para casa de melhor negocio na povoacao
de Jaboatao: a tratar na ra de S. Francisco n.
70.
Ama
Precisa-se de orna ama para coilnbar
da Cadeira n. 52, terceiro andar;
na rna
INJECTION BROU
relale* loralltvel e PreMrvactva, absolulanwnlo a nica que cura sem nenhum addiliro. Vcude-e
na principies bolicu do mundo. (Eligir t initruccaa do oto). (M bdoj de exiltancia.) ratii. em cata
dalBTCDtorBBOtl,b*iilMardM*feola, 113. -,.

_ INJECCAO e CAPSULAS -a-a
L-^ .M LTEGETAES AoMATICOl
GR:MAtLT&CLephapmaceuticosemFARI5
Novo Iralamento prcpirado com as folhas de Matico, rvore do Per, para a cura rpida e Infillirs 1 da Gonorrbea sem receto algum da contracrao do canal ou da infiammacio dos intestinos. 0 celebre douto'r Ricord, de Pars, ter renonciado, desde sua apparicio, ao cmprfgo de qualquer outro tra-tamento. Emprega-se a lnjec^ao no cometo de fluxo; a capsulas em todos os casos enrmeos inveterados, que resistirlo as preparares do copahu, cubeba e s injeccOes com base metallies. Deposito em Pars, 45. ru Richelieu.

n m
Precisa-se de ura caixeiro para taberna
pateo do Paraizo n. 10.
no
AH
. .
3f
Manoel soares
ral a Portugal.
Plnelro, strBfto portoaflr
Precisa se de nma ama para comprar e cozinhar
para urna moca : na ra de Horm n. 16, segundo
andar.
CALCADO. ,
o Kua Direta--4.
A primeira condicSo indTspensavel con-'
servarlo duaiid^ i|BJmM P^bMilr
tendidos amtm s atatvit* 4a MHade;
calcado bom segnro e o nico preserva-
tivo dessas mil enfermedades a que est so-
jeito o nossoeu. Um chnelo veiho cal-
gado por um dandy pati^n)^y'0 botina acalcanhada em pequemhb p de en-
cantadora deidade alm de aecusar qne-
bradeira horripilante, prora contra as/acui-
dades intellectuaes dos calcantes, e nio ha
quera, tendo bom sen so, queira passarpor
maluco, ou pobre de surrSo : ergo, cor-
ram a:
44-RUA DIREITAdi*,
e attendam a' barateza.
Homens.
Borzeguins barcellonezes de lus-
tre e de porco ... .
Ditos Boedwux ....
Ditos parisienses de bezerro e
LcordavSo 1/ jai|-
Sapatoes de Nantes tire doarba-
teras rasas -. .
Sapatoa de lona, sola de borra-
cha. ... ./...
Ditos aveludados.....
Ditos de tranca bons j .
Seoiorim"
Borzeguins enfeitados. 5^000
Ditos de laca .' ..... 44800
Ditos lisos ...... 4I6G0
Sapatos da borracha .... iflioOO
Selleiro, comeirM t segeiros I
Sola de- rustre, meios grandes 20*000
E un eompteto fBrtfneato de cateado fa-
bricado do pita.

Jt. OI

i.l:z/.?.:ts
Tinta Inalteravel
Para escrever
,. de P. MAIRER i Ca.
PERNAMBUCO

''Wi
sta tinta recommenda-se pela sua com-
posica e fluidez como a melhor e a mais
segura de todas as tintas at hoje conheei-
das. Na6 ataca s pennas de ac, d at
tres excellentes copias, mesrrio muiros dias
depois de escrever, e preferivel a qual-
qae ostras tintas particularmente para
livros cm> commercio, documentos etc de
que se carera longa conservaca.

Vende-se na livraria franceza
P. MAURER
64000
7^000
mo}.\
6*000
*
IOOO
moo
1#600
ra do respo- e ra Nova n. 18 de
& c,
------------

J
PERFUMERA da casa oger
Boulovart Sebastopol, 56, Paria.
Dm madalaaa, ooidecoracl da Lefioa
d'haaar aa |rita reputaba p tam Ihe
dm paBBea,afta n raeompaaau raeaa
servicoa fr- a a industria merecerao a
esta importante casa desde sua fundajao em
(1804.
ITmn sartimea de mais de 500 artigos,
insv^tAs^s:
DA CEPHALIQUE centra a cal-
AQUA VERBNA para etawadar.
OXIMEL MULTIFLOR.
VINAGRE DE PLANTA* NVQIENICAS.
TINTURA VIRGINALE de beijoim.
ROSC 0 LY3. vardadaira. agua de
^bWIiwi
CREMC LABlAi.1 ae sueca de-Basas.
POMMADA velours para amaoiar a
pena.
ELIXIR ODONTOPHILE.
. SABAO dedicada M Aamas americaa.
SABAO de bouquet de Fraaca.
d* de florea de alcea rosea.
i* de flares priamerea.
d* de bouquet do outeno.
> de perfames exticos.
> awwa, dadiaas- aMdadaa d-,
rosa.
4* da smm das saaasanmu
d de cheiro de foios Bonvaana.
d* de bktMetMefro
d* de althea balaamka.
d* dianr, caita rica, taateau pari
No dia O'de* torrente raet eppareceu da,
igrala do Rosario da Boa-vi, am uk* de prata,
o prevki-se a todoa os-ua/J v oo aqalquer pas-
soa a quem elle U offietaaide qae .aassTemda, e
dirija-se a" casa do thesouralra m raa da matriz
n. 38, do qne flcarel uassmsaniala otai
Q secretario da commiasao
"do NasclmentoRo-as.
>-

3J3.i
OAa
mili
na pr
sr: .
x-.Z^



mm+t t*e+.mmm,. nata
-mmueam
i
A LfilTIMA
DE BStaJOL
* !L ?*%
PREP11AM HCiMEITE POR
Li\M 4\ 4 KEJIP,
NOVA CORK.
Composta de substancias, gozando d*s
propriedades eminentemente depurativas
approvada pelas juntase academias de me-
dicina; usadajnos principaes hospitaes, ci-
vis militares e da martnha toas Antilbas c
no continente americano; rece i ta da aeioc
facultativosos mais disttnctos do imperio d*
Brasil e da America hespanhol
CURA RADICALMENTE
escropholas, rheumatiemo, escorbuto, en-
ermidades venreas e mercuriaes, chagaa
antigs, morphea e todas as molestiaspro-
venientesd'um estado vicioso do sangue.
Emquanto existen varias imitaces e
(alsificacoos. preciso a maior cautela para
evitar os engaos,
A legitima salsa de firisto) vende-se por
CAOIIS & BARBZA
JOAO DA C. BRAVO A C.
Joao da C. Bravo & C.
Deposito geral em Peraamooo roa da
Cxxam.fi em casa de Caros
Samuel Power John si mu k Cumpa nhia
Ruada SenzalaNova n. 4-
AGENCIA DA
Fundido de Lo Moar.
Machinas a vapor de 4 e 6 cavaltoi.
Moendas e meias moendas para engeno.
Taixas de ferro coado e batido para eage-
nho,
Arreios d" carro para nm e dons cavallos.
Relogios de ouro patente inglez.
Arados americanos.
Machinas para descarocar algodo.
Motores para ditos.
Machinas de costura.
mmmmmmwmmm mmm
m DEPOSITO DE CALCADO g
m FABRICADO NA CASA DE DETENQAO W
RS Roa Nora n. wi. 0
Ah se encontrarlo obras de di- m
! versas qualidades, e por preco mui 5
**fc diminutos, a retalho e em porc5es. tm
IS? S se vende a dinheiro. m
mmmmmmm 1111 mmm
Caixeiro.
Prec^a-se de urn caixeiro de 16 a 18 annos,
brasileiro berna : no beeo do Caropello (oo Recife) n. I, ar-
mazem dn Amor da Pairia. ___ _
O Pi*4i>nl le Ccrcja,
*FABJM*JA A VAPOR
9 W/i 'W) MONDEGO 99
Deposito pa na Moya ai. & laja ato ralajaalap.
Doiojche donos deste eaUbelecimento partecipa ao respeitavel publico que
buce esi montada com as aaeihores fabricarcom melhor perfeieao possivel. Todo o chocolate desta fabrica est garantido, e
puro,, o que nao m pode encentrar naquee que vem de fra, e que -se vende, por .preco
iaixo, vala os productos serem 4o paiz. Ha etiqueta tem sempre urna aguia.
fa-
Meia libra.
Urna libra.
Urna arroba
Na asesina fabrica acaba de

RRBCO.

400
800
4900O
com 6erraa
se montar urna ofticina com serrana a vapor para
obras de marcineiria propria para edificio, paca o que encarreg i-se de fazer portas, ja-
dellas, assoalhos (parqu francez como se usaoa Europa,) e armares, ludo com brevi-
oaae ejterfeieo. Toma-se qualquer encommenda para fra da cidade,, entregndole
rompta a collar-s oo lugar.

COEIiHO <* FltEITAS
Rata 4a Cruz a. i.

Continua a ha-ver diariamente nm sortimento de pastis, podins, bolos inglezes,
empadas etc., ete. Os donos deste estabelecimento, acham-se as melhores condices
de poder satisfazer eocommendas concern en tes sua arle, em consequencia do socio
Freitas ter sido administrador chefe de algumas das principaes fabricas na corte, sendo
urna a do Sr. Joao Goncalves GuimarSes (confeitaria do Leao) antiga casa de Carceller.
Todos os trabaliiOB sao differentes dos" que se fazem em casas particulares. '
Os proprietarios deste estabelecimento nao se tem poopado a despezas, nem se
pouparo, se houver concorrencia como esperam ; tendo continuadamente bom sorti-
mento de doces para cha; presuntos e ditos em fiambre, tambem se recebem para se-
rem preparados ; assim como doce de caj novo superior, secco e crystalisado, dito em
calda em latas hermticamente fechadas, podendo durar anoos em perfeito estado.
Para jantares e partidas recebem-se eocommendas dos seguintes objectos; ban-
deijas ricamente enfeitadas sem armaco pecas de amendoas (nogaces), ditas de tmaras
de ovos, pies de I enfeitados com disticos anlogos a qualquer fim; ditos montados,
kechs simples e enfeitados com fructas ipgteza; gatheaux de la reine, ditos de le d-
chese, tortas de fructa, massa folhada; ditas de peixe e carne; cremes e doces de ovos
de differentes especies.
Tambem temum completo sortimento de vinhos engarrafados, como sejam: vinllo
do Porto superior, Figueira, Madeira, Lisboa, Cherez, Bordcaux, Champagne fino, ser-
veja, licores, charopes e conservas. Para festas: bonitas caixinbas com amendoas, con-
feitos e mais enfeites. Muitos destes objectos mencionados podem-se perfeitamente ac-
condicionar tanto para a provincia, como para fra.
. : u FIGURAS
Acabam de receber bonitas figuras para bandejas de doces, sendo grupos para
baptisado, casamento, annos, ditta a phantasia, bonitos enfeites para bollos e circular pra-
I tos de doces finos, tudo por precos razoaveis.
Vende-se licores em duzia milito em conta.
A NACIONAL
(>)iti]Mia. geral hespanhola de seguros mutuos
--'sobre a vida
AUTOfttSftBAffeLO REAL DECRETO DE 21 DE DEZEMBRO DE 1859
Orna fiaaca m diahtire, depositado dos cofres do estada, garaa-te a ata ad-
ministra ca da companhia.
BANQUE1ROS' DA COMPANHIA' DIRECCO GERAL
Baaw 4e alespanha Hadrld : Raa da Prado n. 19
Esucompanhiagx pelo systema mutuo todas as combinares de supervivencia dos sega
e s sobre & vida.
Nella pode ee .tasar a subscripeo de maneira que ea uenhum caso mesfflO por morte do
segurado se perca o capttaf nem os juros correspondentes a arles.
Sao tao supreheoentes os resaltados que prodozem as sociedades da ndole deA NACIO-
NAL,que a oda mesrao diafnuindo urna terca parte do interesse prodozido en recentes liquida-
c6es ecombiaawlo-o aoia.a mortalidade da tabella de Depareieux qne adoptada peta compauhia
para seascaleatose lqutdacdes, em segurados de idade de 3 al9 annos, ana imposicio ancua
de 100J produc em flectivo metlico:
No im de 5 annos.......1:119*300
de 10 .....: 3:942*600
de 15 i.......11:208*200
> de 20........30:256*000
. de 25 i.......80:331*000
as idades menores de 3 annos e maiores de 30, os productos sao mais eonsideraveis.
Prospect >s e mais>io6irmac5es serao prestadas pelo sub-director nesta provincia.
Joaqoim Fiuz de Olive.ira, ra daCadeia n. 52, on a Boa-Vista raa da Imperatriz b. 12, estabeleci-
mento dos Srs. Raymundo, Carlos,Leite & Irmao.
Tinturara
AO GRANDE & MAURICIO
PROEOS APERFEICOAlaOS
PARA v
Tlngir, lluapar e lustrar a vapor.
F. A. SALMRE & C.
29 Kua 7 de setembro 29
DefroBte da roa aova do Oovidor (Rio de Janeiro)
Os proprietarios deste estabelecimento, o primeiro no sen genero no Brasil, por
irabalhar com as machinas mais aperfeicoadas para tingir e lustrar, de qae se faz uso na
Europa, eajodados por alguns dos melhores officiaes de Pars e Ly5o, podem assegu-
rar seus freguezes urna perfei.o no trabalho, a qual senSo pode chegar pelos proces-
sos ordinarios.
Tingem, lavam, limpam e demofam com a mai r perfeito e breWdade qualquer
qualidade de fazendas, tiram nodoas e limpam secco sem molliar as sedas e as vestimen-
tas de senhoras e de homens.
Dr,
mmmm ras
M-auciscu Pires Hacuad|
Pertella
MEDICO E
OPERA'OR
Faculdade de
continaa oo exercieio da
rarls.
.'ua
s
especialmente Ds molestias de oft d at
vas orinaras e de pelle, para cui ira! *
lamento jugase L.b.htadd, attenu a i-
tica adquirida nos.hospitaes daqoella ea
piUI, e os instrumentos mais modernos
qae possue.
Accode promptamente a qualquar cha-
mado para fora da cidatfe.
E encarrega-se de coHocar olbos- arti-
nclaes.
No pateo do Carme- n_ i, esquina da 5
ra de Horias, das g as 10 horas da ma-
nhaa, e das 3 as 5 da tarde.
****** vmhZ
Precisa-se
alagar am prelo para grvico de padara naca m
bem : n ra Direito n. 24, pad.,ra. Pm$e
Precisa se de ama amalara oa captiva nara
coslnhar para casa de rapaz sohe.ro7V 0
Imperador o. 40.
.Antonio Luii de Oliveira Arevedo & C iTSi
para vender no sen escritorio, ra da Cro n I
vmho do Porto em caixa de doria, fio hamborneV
aola da Babia soperior. -pwiu,
Jul*f'jo.ass'gnados declaramos haver re-
1863, do Sr. Benlo Sevenano da Fonseca Pitu a
qaanm de 1:415*510 rs., m00rte dTama rl
aceita pelo mesmo senbor a oossa ordem sacada
?-?.* mai0 d 1864, e vencida era 18'de "o!
vembro do mesmo anno; e como se tenba desen-
meTafd0d,a letri Con; **' weeblTna
mesma fazemos a presente pnolicacao pela mal
desobr gamos a responsabihdade do d ito Sr. Ben-
to, Arando nos obrigados a responder por anal-
SSL.""^'.* q0e "Saaaatl Ibe seja fe.ta por
Wrceiro Ootro slm declaramos, qne Acarnos de
comas jostas com o mesmo senhor e qoiies al es-
ta data, quer pelo titulo aciraa declarado qner por
outro qoalqner. Recife 9 de abri4 de 1866.
----------------Antonio Crrela de Vasconcellos & C.
nm petados
Sortimento de papis pintados e
luidas guarmeoes para forrar casas.
NA LIVRARIA FRANCEZA.
N. 9 Ra do Crespo N. 9.
DO DR. AYER,
PABA A CUBA RADICAL E CER-
TA de I'h',;i.- oa molestias do peito
t da garganta, tossex, conellpasocs,
Bronclte, asma, defluxos, roqul-
dao, Coqueluche, angina, Dipthcria.
Este xarope peltoral o resul-
tado de longos annos de estudo
por uin dos primelros mdicos da
America do Jorte, e de experi-
encias minuciosas nos principis
hospilses do mundo; receltado pelos mdicos mais distinetos
ticfte hcuIo na sua clinica particular, portanto digno de toda
confianza, 1*, por ser ejftcaz, alcaccando com urna certeza infal-
ivel o i.ssento da molestia e arraneando lhe as raizes, assim
ando .ios orgios affectados urna aceo natural e e:2, por
rer innocente e applicaval a qualquer pesea de qualquer idade
cu S( 10, ao homcm robusto ou i crlanca da mala tenra Idade,
c.idafra'co sendo accompanhado de dlrrecces minuciosas:
.'(", e ultimo, por nao ser urn remedio secreto, pos qualquer med-
ico ou pliarmaceutico pude obter a formula da sua composico,
crigind>so pessoalmonte ou por carta ao agente geral, II. 31.
LAVE, a na Dircita Xo. 15. Rio de Janeiro.
Muitos casos que tinlnlo zombado de todos os recurso
Pe toral de Cereja.
A pessoas atacadas de toss?, d. flti-xos. Dr da garganta,
BrmtddU, asma, etc., c ontros emptomas da tiska prima-
ria geralmentc fazem pouco caso do seu padecimento at
o iie soja tarde parn cura-lo. Jo descuidis d' urna tosse
A OARESMA
Acabam de receber G. Paes do Amaral & C.
5 RA DO CRESPO 5
.antiga casa de Ctailherme da Silva Gulniaraes
Ricos cortes de vestidos de gros-de-naples preto, com lindas barras bordadas.
Moire-antique preto em cortes e em pecas, liso, ondeado e com palmas.
Gros-de-naples preto, de diversos precos e larguras.
Gorgorao preto, fazenda superior a todas pela qualidade, e bonito tecido.
Este estabelecimento
acha-se sonido com numerosa qaantidade de filos pretos, de algodSo, de linho e de se-
da, manufactura !os em
DE
A luga-se
Cm magnifleo sitio na Caponga (Baixa Verde).
d0ampaa?emPada LS f P"b flindi7SS
aa rassagem da Madaipm irutn .......a.____. _
celleote casa
FAZENDA E ROUPA FEITA
11UA \ OVA Y. 4.
Reg & Moura, proprietario da loja de fazendas e roupa feita, sita ra Nova
n. 24, verdaderamente penhorados e reconhecidos para com seus amigos e freguezes,
pela aceitarlo e confianca que delles tem merecido no curto espaco de lempo em qae
se acham estabelecidos e perfeitamente escudados na sinceridade dos seus tratos, decla-
ran! para sciencia daquelles que o quiierem honrar com seus officios, que, em vista da
grande concurrencia que tem merecido o seu estabelecimento, especialmente no que
relativo a roupa feita; acabam de admittir para a sua officina de alfaiate maior numero
de artistas, inclusive o seu contramestre, dirigido pelo hbil mestre Lauriauo Jo* de
Barre s, o qual nao se poupa a exforcos para satisfazer com a presteza possivel qualquer
obra dft Ancomnaondo.
Os mesmos annunciam aos seus freguezes que acabam de comprar um novo e
muito variado sortimento de fazendas finas e de bom gosto, proprias para o tempo da
quaresma, as quaes est3o dispostos a vender por precos muito commodos e mais barato
que em outra qualquer parte.
Como sempre escusamos essa enfadonha prolixidade dos annuncios bombsti-
cos ; preferimos mostrar na slngeleza deste nosso convite os bons desejos que nutrimos
para bem servirmos quelles que vierem ao nosso reclamo.

ckales
retondas
algerienes fbournus)
anamites
africaines
pompadour
DE FANTHASIA



O. I. DO AMARAL & .
5 RA DO CRESPO 5



DE
Receberam tambem bonitos cortes de popeline de listras de cores, e matisadas,
porque agora parece de pouca importancia; uma tosse mu'l modernas, de gostos inteiramente novos; e outras muitas fazendas de gosto, vin-
desenidada clicga a ser chronica c induz a formaeo de 038 pelo Ullimo vapor.
T'il/trcuUs nos pulmocs.
Ncnliiiina casa de familia deve estar sem nm frasco
esto xaropc mo ; pois nos ataques repentinos de
Andina, de Croup, c nos paroxismos do Coqueluche; ou
tottt romprida a que cfto sujeitas as enancas, nao ha
tempo de chamar um medico, nem de fazer remedio?, o
cite xaropc alivia immediatamente e pde o fllho querido
sfio c salvo, fra de perigo.
As mo!stias que csto ao alcance das virtudes curativas
do r i: ii-ttit.II. DE CEJIEJ.l sio
Drfluxoi, Tosses, Asma, Esquinencia, Bronohite,
Coqueluche, Toase ferina ou convulsira.
B.oquid.io, Toda aa moleatiaa do peito
e garganta. Oonaumpfo doa Pul-
moes cm Tnica pulmonar.
Acba-se em todas u Boticas e Drogara do Imperio.
Pilulas Catrticas do Dr. Ayer
CRAO
Pristi de entre, 1tuligesto, Cotmtipacao, Hheu-
tnatistno, 11iitmorrhoUti*, Dr de emtecm, A Svrml-
gia, mal do eateiMgw, Etuemqueem, mal d Eiamdo,
fastrite, Febre fsutro-hepmtiem, iAmbrigai. Eryip-
ella, lliidrojmi. Incremento do buco.
Todas :is
Quinino.
molestias que proven do aso excessivo ds


0 mlhor purgante at hoje conhecido.
Estm piluhu oasucaradat sao puramente vegitacs.
PITEGAO E PUXIFICO SEM MEKCTOI0.
A venda em todas as Boticas e Dragarla* do Imperio.
ACJESTXE 6E1AL,
H. M. LAE, Boa Direito No. 10,
BiO da Janeir.
Venda-s em Pernambuco:
na
PHARMACIE FRANCAISE
qEP.MAURLRk'.E
RA NOVA H.Um
DE
r. VIGNES.
N. 55. RA 1 IMPERADOR N. 55.
O pianos dests. antiga fabrica ao hoje asss coabecMos para que seja necessario insistir sobra a
oa snperioridade, vantogen e garantas qoeofferecem aos compradores, qoalidades estas incootesta-
i** He,,e,D deflnltifamefite conqoistado sobre todos os que lem apparecido nesta praca : pos-
uiwloDta teclado e mcbinismo que obedecem i todas as vooUdes e caprichos das pianistas, sem
a a oca talbar, por erera fabricados de propsito, e ter-se feito ltimamente melltoramentos importan-
issimos para o clima teste paz ; qoanto s vozes, sao melodiosas e flautadas, e por isso muito agrada-
veis aos onvidos des apreciadores.
Faiem-se conforme a encoramendas, tacto nesta fabrica como oa do Sr. Blondel, de Paris, socio
orrespondente de J. Vignes, em cuja capital foram sempre premiados em todas as exposfedes.
No mesmo esubelecimoato se achara sempre om explendido e variado sortimento de msicas dos
nelores autores da Europa, assim como Harmnicos e pianos harmnicos, sendo tndo vendide por
precos connodof e raxoaveis.
mmm mmmmmm mmmm
}M Compauhia idelidade de seguros
|g martimos e terrestres
estabelecida no Rio de Janeiro.
AGENTES EM PERNAMBUCO
K Antonia Luii de Oliveira Aievedo t C,
competentemente antorisados pela direc-
tora da companhia de seguros Pidelida-
de,tomam seguros de navios, mercado-
K rias e predios no sea escriptorio raa da
M Crui n. 1.
mmmmmmmmmm mmmm
mmm mmmm mmmmmm \
i
g
O Dr. Carolino Francisco de Lima San-
tos contina a morar na raa do Impera-
dor n. 17, segando andar, tendo alias sea
gabiuete de consaltas medicas, logo ao
entrar, no primeiro.
O mesmo doutor, qae se tem dado ao
estado tanto das operacSes como das mo-
lestias internas, prestase a qualquer cha-
mado, quer para dentro quer para fra
da cidade.
1
m
Em casa de Theod Christiansen, roa do Tra-
piche-novo n. 16, nico agente no norte do Brasil,
de Brandenbarg frres, Bordeaax, encontrase ef-
fectivamente deposito dos artigos seguintes :
St. Julien.
St. Pierre. '.
Laxse.
Chateau Loville.
Chateaa Mrgaos.
Grand vin Chateaa Latine 1658.
Chateaa LaBite.
Haut Saoternes.
Chatean Santeroes.
Chateaa Lataur Blancbe.
Chateaa Yqaem.
Cognac em tres qaalldades.
Atette doce. Precos de Bordean!.____________
Casa decom-issa de escravos na roa do impe-
rador n. 45, tereeko andar.
Recebem-se esclavos tanto do .mato, como da
praca para serem vendidos por commisslo, afflan-
ca-se o bom tratamento e seguranea para os mes-
mos. O abaixo assignado nao poupa esforcos a fim
de os vender com promptido, nesta mesma casa
ha sempre para vender escravos de ambos os sexos.
________ Antonio Jos V. de Sonia.
Antonio Jos Rorigoes de Soma na roa do
Crespo n. 15, tonta dinheiro para mandar entregar
na Baha, Para e Maralo.
Joo da Silva Ramos, medico M
pela universidade de Coimbra, d m
consultas em sua casa das 9 as '
4 i horas da manba, e das 4 as 6
da tarde. Visita os doentes em suas
casas regularmente as horas para
isso designadas, salvo os casos ur-
gentes, que serSo soccorridos em
qualquer occasiSo. D consultas aos
pobres que o procurarem no hos-
pital Pedro II, aonde encontrado
diariamente das 6 s 8 horas da
manba,
Tem sua casa de sade regular-
mente montada para receber qual-
quer* doente, ainda mesmo os alie-
nados, para o que tem commodos
apropriados e nella pratica qualquer
opperacSo cirurgica.
Para a casa de sade.
Primeira classe..35000diarios.
Segunda dita____3J500 >
- Terceira dita .2000 >
Este estabelecimento j bem
acreditado pelos bous servidos qae
tem prestado.
0 proprietario espera que elle
continu merecer a confianca de
que sempre ten gozado.
1
de vivenda, tendo a mesma 2 salas
forradas, 11 guarios todos com janellas para fra
L\Z,T 8 Janella?>,eDd0 vis[a P do? V
bo aii.St' Uma Brande C0zinha m l
Z^lln |Cap'm,exce'ltfnles fructelras como :
sapotizeiro*. laraogeiras de umbigo, limeiras etc
ornan, I be dous jardn., de pedra%' Ueldo nm
UUtrada e outro na frente da casa, ambos enfei-
tados rom estatuas de porcelona, cocheira, estriba-
ra para 4 cavallos, 2 quartos para creados 1 ca de banho com tanque de pedra e cal, 1 gallinheiro
de pedra e cal gradeado de ferro, 2 cacimbas com
expeliente agua de beber com repuchos, tendo urna
dellas um tanque para lavagem de roupa, 2 letri-
nas de pedra e cal, um grande parreral sustentado
por 44 columnas de pedra e cal, etc., tic.; o sitio
distante da c.dade um qaarto de legua, collocado
entre os sitios do Dr. Ferreira e Paalo Jos Gomes:
a tratar com o agente Olympio, no armazem da
Praga do Commercio n. 48.
AOS SRS. ACADMICOS7
Vendem-se as seguintes obras de direito
com pouco uso : Manuel du Droit fomain
por Mackeldey, i volunte por 50; Diccio-
natre du Conentieu Commercial, por Mas-
s, l volme, por 64 ; Elements du droit
romoin por Mayor, 1 volme per .v>$; Es-
pri de la jurisprudence des successions,
porConflans, l volume, j,or 6^ ; Traite de
droit penal, por P. Rossi, 2 voluntes, por
8$; Code praligue des failUtes, por Geof-
froy, i volume, por 5 ; Elements de l'Eco-
nomie Polilique, por Garnier, i volume, por
2^500 ; e Organisation du travail, per
Louis Blanc, i volume, por i^SOO: na ra
do Crespo n. 4.
Ama de leite.
Precisa-se de ama ama de leite : na ra da Ca-
dea n. 1.
Precisa-se
alngar orna escrava de bons costumes para fazer
o ser vico de orna casa de pouca ramilla : na ra
do Vlgrio c. 26.
i
1

PECIIINCHA SEN IGUAL
Ricos cortes de gf>rgurao de sed
oa 18 a 36 ccvaos rada corte, largar]
cada corte: na lojidattoiomnas da
eolios & C.
pretos adamascados para vestido- com 13 metros
de chita franceu, pelo baratsimo preco de W1
do Crespo n. 13 de Antonio Correia de Vascon-
Caatacrratorla dramtico de
Pernanbaco.
Sao convieedos todos os socios do conservatorio
para orna conferencia econmica, qainta-feira 19
do correte, pelas 4 betas da tarde, no sali do
theatro de Santa Isaijel.
Recife 16 de abril de 1866.
O secretario*
Torre? Baodeira.
Coslnhelro
Precisa-se de nm cosinheiro para casa de fa-
milia : a tratar na roa da Crnx n. 6, eseriptorio.
Precisa-sede uma ama para cosinhar e en-
gomar para easa estraogeira de poqea familia : a
tratar na roa do Trapiche n. 8, segando andar.
Do-se bolos de veodagem at orne boras da
manti, e aviam se bandejas e eocommendas de bo-
los, etc.: na ra Imperial n. 32.

Dr.lgia
IcilTdTs Velleza. *
MEDICO
RA DA IMPERATRIZ
n. &:
Trata especialmente das molestias sy-
pbiliticas e de criancas.
Carvalh A Nogueira sacam sobre o
Porto, Lisboa e Rio de Janeiro, a' vista ou a
prazo: na roa d > Apollo n. 20.
Coslnhelro.
Precisa-se de omcosioheiro forro ou cap-
tivo que d fiador a sua con luda : na roa
da Crui n. 48, primeiro andar.
Precisa-se de na escravo para servico
ama casa : na roa da Crnx n. 24, botica.
de
Alagase on vende-se am bom sitio na Ca-
punga nova, raa das Pernamoucauas, junto ao si-
tio dos fierdetroo do Fr. Cepristtno; tem bella
caa com commodos para familia numerosa, jar-
dim a frente ; para tratar, e para melhores es-
clarecisemos na ntaia Croz n. 33.
mu 11 niiBia
VAKELLll
canto e phaataslaa.
Um volume in 12.a impresso e en- 1
cadernado em Paris: em casa dos
W edictores
LIVRARIA FRANGEZA
JU- Ra do Crespo N. 9. ^
Fog*o do ar
Valdivino da plvora se aeha com fabrica- de
fogos artificlaes na ilba do Maruiro, com grande
porcao dw fogos del" sorte, j preparados a espera
de festejar o grande dia que tiver noticia de qual-
quer triumpho de nossas armas dentro de Para
guay : todos aqaelles qae tiverem a mesma satis
faci dirija-so a armaxero do sal na roa Imperial
n. 221.
Aluga-se a casa da roa Imperial denominada
vlveiro do Muir, com um sobrado de am andar
qae accommoda grande familia, dous grandes vi-
veiros para peixe, grande terreno Mea plaaucoes
e duas otarias ; quem pretender dirijo si a rna do
Rangel n. 54.
Precfza-se alngar
Larangeiras n. 10.
ama escrava na roa das
I CASA DE UAMIOS1
26 Pateo do Carno 26.
Neste estabelecimento 15o impor- I
tante para a saude e asseio do cor- ^
po, acham-se montados 20 banhei- w*
ros, que sao servidos com a ordem m
e asseio que para desejar-se. Qua- %f%
tro deetes banbeiros sao especial-
mente reservados para senhoras e
por isto acham-se collo-ados em lu-
gar reservado, aonde s tem entra-
da as pessoas de uma mesma fami-
lia.
PRECOS DE BANHOS AVLSOS.
I banho fri, momo op.de
chovisoo...... 500
I dito de choque .... 1,5000
1 dito de farello...... 1,9000
i dito aromalisado m lOOO
PREQOS POR ASSIGNATRA.
30 baohos por mez fri,
rnorno ou dechovisco. 10.-)(XX
25 banhes com cartoes pa-
ra os mesmos .... 10^000
12 ditos ditos ditos. 5000
12 ditos ditos de choque. 105000 '
'< 12 ditos ditos de farello.. 10^000 W
m O estabelecimento estar aberto jo>l
f> nos das uteis das 6 horas da ma-
m nhaa as 10 da noite, nos das san-
^ tifcados das 5 as 5 horas da tarde.
iillillllllll
Mauricio Francisco de Lime, tendo de ren-
rar-se desta cidade para a villa do Pi d'Alho, nn-
de pretende fazer sua residencia, declara nada de-
ver a pessoa algoma, ttoto nesta praca como fra
delta ; porem, se algofloi por qoalqner titulo se
julgar seu credor, apreseate soa eontt na ra do
Bram casa n. 86, qae sendo verdadelra a divida
sera' immediaueiente paga, e Isto no prazo de tres
diiS.
AMA
Na padaria da Torre precisa-se de um fornei-
TO, nm amacador e de am caixeiro.
No collegia.da Cooceico, na raa dos
ihos n. 12, entinam se meninas, aiem das mate-
rias e disciplinas coudas nos estatutos, a lateua
italiana e a lingua ingleza a ler, tradurr e fallar.
P ecisa-se de uma ama : a tratar a rna do Jas-
mim pairro da Boa-Visa n. i.
Precisa-se de ama ama de bons costones,
para andar com am menino em casa, e mesmo en-
gommar: quem estiver n'esfas clrcotnstancias di*
nja-se a' ra du Queimapo, loja n. 46, de Goes &
B astos.
' ** in ...
Precisa-se de uma ama; na roa do Livramenio
D. Ii.

J



H^HHH
WM^i^miiimnJiP^'ftfeM^.^ Ab**M
866.
V

\
>.

Na ri# Krife n. 114, lo-
ja de ourives.
comprase ouro e prata e reloglos velhos de todas
as qualidades, pagase beno.
GARKAUX, DE LAILHACAR& C.
LIBRARIE FRANQAISE
RUA DO CRESPO N"9.
Livros nacioaaes e estrangeiros.
Religio, direito, litteratura, etc.
Papelada, objectos para escriptorio.
Papis piolados para forrar casas.
Assignaturas para os jornaes da Europa.
LIVROS
DE
PREPARATORIOS
LINGUA INGLEZA.
HILLARD'SFirst Class Reader. in 12.
MOTTA Grammatica pralica da lingua
ingieza, in 8.
SADLER Cours complet de langue an-
glaise.
SADLERDictionaire francais-anglais *
anglais*franca5, q 8.
SP1ERS Diconaire francais-angtais
anglais-francais, 2 in 4.a
OLLENDORF.Methode d'anglais, n8.
RUSSEL Corso de lingaa iogleza, se
gundo o melhodo obertson 3 in 8.
VIEIRA DicHooary of the english and
por tugese anguages, 2 in 4."
WALRER-Pronancing dictionnary. io 8
NA UVRARiA FRANCEZA
___N. 9 Roa do Crespo N. 9.
Precisa-se de ama ama : na roa das CruRs
ti.21.
Passepartotyts.
Para am rer ilo fiuisHRu'ejde lidos gostos,
tambem para 2, 4, S, 6 e 8 retratos de {familia :
vende-se na casa de baohos ra da Cruz d. 17.
-- NoPasseio Publico Irja'ni 12 existe para alu-
gar un escravo moco de todo o servico e urna es-
erava perfclia coslaheira, ambos sem vicios.
Agencia de pastaporte
Tiram-se pasaportes e portaras cora presteza e
por commodos pregos; ni ra Direjta n. 43, e-
gnndo andar._______________, __________
Offerece-se ura mogo portugu^z para eosioar
menioos, prefer odo eogeoho, para isso tem habi-
litacoes bastantes; a tratar na ra Direila n. 32.
O abaizo assigoado, thesoureiro Interieo da
Irmandade de N. S. da Soledade da fregoefla da
Boa-Vista declara que a festa annunciada a Re-
vista Diaria de hornero, deve entenderse va ca-
peila propnamente dita, com o norae de Nessa Se-
nhora da Soledade, e nao na matriz da Boa-Vista,
a Testa no domingo 15 do corrente, cora ladaloba
na vespera, festa e Te-Deam, como se a cha aunun-
-ciada na Revista Diaria de nontem.
_ ____________Manoel Ferreira Remos.
WVROS
DE
MEDICINA
CHERNOVIZFormulario -ou guia medi-
ca, 7.1 edigo >\n t2.
GHERNOViZDiccionario de medicwa
popular, 3* edic5o, 3 in 8.*
LANGGARDArte obstretica, in 8.
Diccionario de medicina
domestica e popular, 3 in-8.01865.
BONJEANNovo manual do fazendciro,
2 in 8._
BEIRO -Compendio de materia medica
o de therapeuti a, 3 in"8.
GOMES--Elementos de pharmacologia
geral, in 8."
LA'MERTPreservacSo pessoal. 42.a-edico
ini2.
MACEDO-PINTO-Gu'w do alveitar 2.1
edicSo in 12:
MELLO MORAESPhysiologia tas pai-
xoes 2.a edieSo 3 in8.
MESMERMagnetismo animal, 1 in 8.
MUREMedico do povo, 1 ini2,
NA UVRARIAFRANGEZA
_N. 9 ^Rua do Crespo N. 9.
Precisa-se de urna -criada para o ser-
vico de potrea familia; na ra Augusta-n;
5, primeiro indar.
Alguns estudaoles do 2 anno col egas e
amigos de Pedro Eugenio de Cerqueira Li-
ma, o qual ledo marchado para o tbeatro da
guerra como lenle do 3* corpo de volun-
tarios da patria falleceu na cidade do Rio
de Janeiro, tendo de mandar celebrar urna
missa na matriz da Boa-Vista, pelo repoaso
eterno de su a alma, quinta-feira 19 dj cor-
rente 30 dia de seu passaroento, convidam
a todos os Sr:-\ acadmicos e aos amigos do
Gnado a comparecerem as 9 horas do dia na
dita matriz, ailm de assistirem a lo ffledoso
acto.
Atteu
Da-se 2O0* a juro sobre penfiores -, qnem qui
zeraauncflpof este jornai. sf
Preci-sfl de urna ama ewrava para b ser-
vigo de comprar, lavare eogomastr para ume casa
de pooca familia ; na tua das Oruzes u. 9, segun-
do arfdar.______V
Edmundo Mauricio subdito fraucez vai para
a Europa.
* Arabrozio Jorge dos Santos faa sciente ao
respeiiavel publico e roa especialidede ao corpo
do eommercio, que tendo-se crismada mudara o
sea nome para Anlouio Jorga dos Santos, e que
desta data em diante so seassigosra' por Antonio
Jorge dos Santos. Reclr 16 de abril de 1866.
Precisa-se de um rapaz que tenha pratica de
taberna : na roa do Vlgario n. 12._
Precisa-se alugar nm preto forro j velb >:
na ra do Qaelmado, loja n. 5.
.-. ^^L. **'.,.
COMPRAS
Corapra-se onro, prata e pedras preciosas
em obras velhas: na ra da Cadeia do Recife
cja de ourives no arco da Conceda o.
Ouro e prata.
Em obras velbas : compra-se na praca da ln
Versos
dependencio n. 23, loja de bilhetes.
para o mee marianno : vendem-se oa ra do Im-
perador n. 15, olllcioa de encadernago.
Atiendo.
Antonio dos Santos e Silva teado justo e contra-
tado com Thumaz de Aquino Rosas a compra de
um pequea casa com parte de ttjollo e cal na es-
trada nova do Gaxang' em terrenos da Sra. D.
Mana do Carmo Garaeiro Campe I lo e como que ir
evitar qualqaer divida que possa apparecer da
parte do vendedor ou trazarlo que baja na dita ca-
sa ou direito per qualquer maneira; faz estean-
nuncio pare constar a todos que o viren, terem
tres das para suas reefamaeoes e Ando os quaes
nao se recetera' em canu reclamago etguroa.
Ama.
Preciza-se de urna ama forra ouaptiva que,
saiba osinhar para urna casa de pequea familia
a trar a ra Nova n. 47 loja de fazenda e roupa
felia junto a Oenceigao dos Militares. '
Compra-se urna bnrra de ferro, ingieza ou
mesmo das antigs; na rna Nova n. 31.
Tasso Irmios
Vendem bo seq armazem rna o
Anwri Licor fino Curario em botijas e meias botijas.
Licres flns ortfdos em garrafas com rollias d*
vtdro e em lindos frascos.
Vinhosliberes.
Santernes.
Cbambertin. ^
Hermiuge.
Borgonbe.
Champagne.
Museatei.,r }
Reino.
Rorteux;
Cognac.
Od Ton.
PAezei lagniol.
FABRICA
De calde reii-o t. lunicao de ferro, si-
nos e bionzc ; com os escravos,
Vende-se a grande fabrica de calderelro e fun-
digao de metaes da ra Imperial ns. I "i a 158;
e tratar com a viuva de Sebastiao Jos da Silva,
na roa Novan. 35, on na roa da cadeia n.57.
Vendem-se malas e bahns usados muito em
conta : na ra estreita do Rosario n. 24, loja de
trastes.
Comprase
nma eserava preta on parda, sadia e sem
moga, e que saiba coser, engommar e cozinbar .
I na roa da Imperatrlz n. 7, 2 andar.___________
Compram-se duas rodas para carruga ou
urna carraca que esteja em bom estado : no arma-
zem da bolla amarella no oilao da secretaria da
polica._______________ _
Compram-se libras esterlinas : na praca da
independencia n. 22, junto ao relojoeiro.
Compra-se na prensa de algodo de Sauoders
Rrothers dt C sementes le algodo a 500 rs. por
erraba. ______
Ooropram-se latas vazias de gaz : ca ra da
Guia n. %______
Cobre latao e chumbo
No armazem da bola amarella no -oilao da
secretaria de polica, compra se cobre, latao e
'Chumbo.
Na ra da Imperatriz n. 28
Vendem-se cortes de cambraia brancos com 4.
5 e 6 babados a 204 e 25*.
vicios,; Fil de seda preto com flores a vara 1*.
Cambraias brancas de urna vara de largura fi-
n a i e 800 rs.
Ricas lampadas e candieiros a gaz por grosso
e'a retalbo.
F** Aluga-se os veode-se nm fcom sitio na Ci-
ponga, na ru das Pernambuaraas. junto ao sitio I Compra-se urna mobilia em segmada mao :
dos herdeiros do fre Capristaao. Tem bella casa I qoem a tiver dirija se a ra das Cinco Pontas nu-
com commodos para familia numerosa, jardim na |'mero 140.
frente. Para tratar e para metwres esclarecimen-1 n ^l------------------------------:----------
tos a ra da 'Cruz n. 33. ~* compra-se urna carraca que esteja em bora
estado : na tua da Cruz a. 58, 3o andar. Na mes-
Pechiticha
Vende-se a taberna da rna da Gnia n. 36 pro-
prlo para principiante, e o motivo se dir ao com-
prador. _______________ ^^
Veode-ee sal grosso : a tratar ua ra da Ma-
dre deDeus n. 2.
wmwmmmmmmmmmmm
Gaf imperial ^|
Wt O superior caf do Rio de Janeiro, ven- a
B de-?e a 12* a arroba; na ra de Vicario
I ta. 24, escriptorio.
Deseja-se comprar tw aforar 50 pal-
mos de terreno na largar-a com fundo pro-1de idade anuos, bons etn-eiros.
porcionai na Soledade ou Caminho Novo "-a'
tratar cem o solicitador Barroso na ra da
Concordia sobrado n. 1-3.
Precisa-se alugar duas escravas para vender
na ra : a tratar na ruado Sebo n. 14.
Cabrlolet anerkau.
Vende-se nm cabriolet americano com 4 rodas
ma casa se dir quem vende dous escravos cabras, para um cavallo (e coberto) : a tralar na rna es
' Teitado Rosario n. 3. -w-<
***** mmmmm^m^m
I Aviso aosSrs. commer-
ciantes.
VENDAS
m
O adminislrader da lythographia de Al-
^jert Ridoux, sita a ra da Cruz do Reci-
I -fe n. 46, avisa eo respeitavel corpo do
eommercio que este estahelecwnento a-
cha-se competentemente prvido de todos
os materiaes sfficientes e de bons offl-
ciaes, tanto gravadores como Impressores
para a execucio flel de todc-e-qual.|uer
\ trabalbo, garaotindo ao mesara tempo as
siduidade, promptldo e asseio n'aquelle
: trabalho de <;ue se encarreger. Outro:;
sim declara que alm doqoeerpostoflea,
trabalba-se em qualquerj obra por mais
mdico preco do que em owra qualquer \
I parle ; portaeto raga se a: benevolencia I
pro teccJo dos Srs. conwnerdanles para'
prosperidade do estaheleeimento.
E
VOLHIN-HAS
VJLttX 1866
Sj Acabam 4e sahir luz as folhinas de
g igibeira e de .porta.pana o anno de-(8GG, o
B|Biais correctas possivel tanto nocatoulo das
lii'uas e eclipses, coko as diversas festas
que a igneja celebra; vendem-se nicamen-
te na livraria da.prasa da Independencia,
160 ris as de porta o 320 ris as de algi-
beira. __________
Vendem-se 400 pedras para ladrilbo, vindas
da llha : a tratar na ra do Vigario n.'li.
GASA DA FORT
Aos 6:000^000.
am..
Prec/sa-se de um moco d6 >*6 a 20 annos pa-
sa caixeiro : na .padaria da ra de Rangel n. .
HEIke-cH garaatldos.
.A' RA DO CRESPO N. 23 E CASAS DO-OOSTME
Oabaixoassi^sadovendeuaosseus muitofeli-
xes bilhetes.garantidosdaloeria ^jue se acabou
d&extrahir, a beaeficio do Uteairo .de Santa Isa-
bel, os seguiutes premios :
N. 1(29 billiete-iateiro cora a son de 6:000j.
i'. 1784 bilhete -inteiro com aorte de SOOsOOO.
.N. .'(107 djus quietos com a erte de.O.
E outras muiUs sortes de 10o, 40*, e 20*.
'spossudores podem virreeoer seus.respec-
rtivos premios sem es descontos das leis-aa casa
^da Fortana -rna de Crespo n. 2S.
Acbam-se a venda os da Ia parte da 1' lo-
tera ('$>") beneficio da matriz tfe Villa Bella,
i--.- se c-:tr.-.liira* quin'a-feira 19 do corrente.
-FRECO.
Bilhetes.....aoos
telos. ...... 3*000
Quintos.....4*200
.s pfssoas que emprares 4t 1004000
para cima.
Bithetes.....5*500
'^leios......2*730
sumios. 1*100
Manok Mabtins Ftezt..
Precisa-se de-uoi caixeiro para um estabekci-
f ca ra da Cruz do ecife n. 35.
Precisa-9e de ama ama pare cozohar e .tn
prar : na travessa-de S. Pedro n i, 2o andar.
t'arinha
nua da Uadre de Dos n. &
A 48500.
Vende-se farinha de mandioca desembarcada
: hoje dopalhabote BAetHbe, pelo barato pre? ac
ma, a 'elhor que existe no mercado, sacc.fs
grandes.
Oaixeira
.-

(encao.
Venie-se a tabaroa-da roa de S. Jos o. 2, mui-
to are#aezada tanto para a trra como para o
Precisa-se-alagar urna imirher forra-ou cap- mal0> -olivo da vida se dir' aoeemprador, ou
o service de
do Hospicio
fm%
SEGUROS
MARTIMOS
CONTOA FOGO.
A companbu lademnisadora, estabeleci-
*lt cesta praca. toma seguros marilimos so-
bce .navios e seus carregamentos, e contra
(igo m >ru* do Vigario a. i, pavimento terreo.
H$ praca da {dependencia n. 38, loja de
owrives, e tuobera ee faz qualquer obra de encommeada, e
lod* e inaiqaer concert.
liva, que saiba bera coziohar, para
daas pessoas, paga se bem : oa ma
c 41.__________
Muthtr.
Precisa-se de ma molber forra u eserava-para
eaiprar e cozisbar em casa de lismem solwiro :
oa ra do Qoeimade n. 17. __________
Arreoda-seo agenho Catuaoa, no termo do
Besito, dista urna Jegoa da estrada de ferro,-eeta-
co de Una, e de muita producao, muitas matas
encestadas ao eogenha, roe de animaes, e da' para
moer de agua, e vide-se parte do mesmo enge-
unc.. da-se no arrewlaaiento 20 aniaiaes de fabri-
ca;; Montes, casa du teoente-coroneFracca.
O abaix assigoadj, estabelecido com bote
quim o ra larga duEosario, teodo'de retirar se
muito breve para Europa, a tratar 4e sua saude,
julga cada dever nesu praga.nem 'sra della, roas
se algoso! se julgar s^u-eredor, tenha a bondade!
de aprasentar-lhe sua cosca no praso de oilo das,
assim como roga a todos os seus d<*redores que
hajam de pagar seus dbitos no praso de 15 das.
Iecife,7 de abril de 1866.
adres .Blanco._______
Pdroeu-se urna certieao de Joao Damasceno
e Silva, que consta de varios docameatos, no dia
gunda-feira, que vinba da via-ferrea; qoem
adiar dirija-se ao pateo do Carmo n. S, segundo
andar, que -sera' recompensaaa.
Na ra estreita do Rosarte n. 48, segundo
andar, precisase de nma ama Ierra oa eserava
pataicasade faaailia, e paga-se boa,
AtteilClO
Aotoaio dos Santos e Silva tendo juste e contra-
tado eo*n Thomaz de Aquino Rosas a comnea de
uma pequea rasa com parte de tijollo e eal ia es-
ti ite. Drs. Raymuodo ioaqoim Bterton
Maia, Rento Minervino da Silva, e os Srs. ngulo
Correia CabraJ, Antonio Jos da Silva Brasil e
Francisco Celo Toscano de Brillo, qaeiram vlr a'
admioistraco 4a crrele alim de reeeberem cartas
/ecommeodadas 'inda* do Norte. ,
tarnbew se da' soctedade a quem c uitar com al-
gn? fundos: a tratarla mesma.
Veode-se nm sitio a raargem do rio iaboato,
distautefla capital duas-tagoas e meia, com duas
casas, (mu excellente cercado e terreno .-para cul-
tura da-raca e canna, e muito prximo a dous en-
-nhos.: quem quizer dirija-se a ra do Hospicio
n. 48._________________^_______
Cal de JLIsboa
desembarcada do vapor mgJez Cauitu, veode-se
por comeado preco, oo esentptorio de Manoel Ig-
nacio de Ol veira & Filtio, largo do Cocpa Santo
numero J7.
Veode-se um escravo ,nreto, crioolqj~de 20
annos de idade, pouco mais ou menos, do^ervico
de campo e sem defeitos : na -raa de ApoKe o. 7,
andar.
Grande armazem de tin-i
tas medteamentos etc.
^ Sua do Imperador n, 22.
5I5 Pedr* das Xeves (ge-2
vente) tem a venda
SI Productos Chimicos e" pharma-
jjj-ceuticos os mais empregados em ^
t medicina. |u
tintas pa todo o genero de pin- !
J tira e para tinturara.
K Productos industaes e tintas S
-.para flores, como botoes de flores ^
te modelos em gesso para imitar ||
fmetas e passaros com o compe- s
t '<;..te desenho.
Productos chimicos e industriaes "^
!" .i: para photographia, 4| tura> pirotecnia etc. ^|
^ Montado em grande escala e sup- W&
i prido dectameote -de Parjs, Lon-
, -dres, Haraburgo, Anvers e Lisboa !
9 pode offarecer productos de plena SR
Sf JP ommena a grosso trato e a reta- ^
'g, llio e por prego commodo. :&.
H01L
Vendem-se
cachinas americanas de serrote(ra aescaeoear
aigodao : na roa da Senzala Mova o. 42.
Sabuetes
UedMnaes de alearo^
iReotedio eiBca contra as doenc.as cutneas.; as
impigeus,.t>orbuina?, comichees, pstulase sarnas;
na pharmacia do Pinto ra do Rosarlo larga n. 10.
Algodo avariado
A privo de 98 cada peta.
N 11 Ra do Queimado N. 27
Vende-se
na oflicina de encadernador da ra do Im-
perador n. 13, Reduoees mui facis para
-Vende-se o hotel de Itaha, sito na ra do Trspi-
be, om graedes accoramedacoes cceiadas e me-
bilbadas com toda necessanio e algum tren do seu
trafego, por qwer-em seus ,troprietarios retirarse
para (ora do imperio. A localidad.' e o estado do
esiabeleciraento arantero bom resultado ao com-
prador e Ihe assaguram prosperidade.
Sacadas e .portasT
\Vaode-se na roado.jQoersBado o. 7, duas ica-110,5 e U$ : n
dasde ferro coa 22 palmos-eada uma, tambem se Gaimaraes & Irmao.
vende 8 pares de ciihos eaigumas portas, tudo Graade pechincha panno preto
por prego cemmodo.
Vende-se nma armagao para diviso-de es-
cripUnio, de amareo, com poru e balaustras,
obra muito boa: a tratar na-raa do Mondego, ola-
ra n. 3.
Diademas dorados,
enfeitados rom aljofares, pedras,
etc4 para racnitias c scihors.
A agufa branca vende benitos e modernos dia-
dema.- dorados., enfeitados com aljofares e pedras
proprias para mernnan e aoboras.
atnitos chai ozlnos
de patita lina e arencaes para nreniflas.
Sao ibras esia> de qor os bons pais de familia
se nao poddm f/co.-ar de compra/, por fazerem el-
las parte' do a.-i-io e lx>in gosto om que trajam
suas bellas (bnubas. A agina branca tem o pra-
zir '!. vtr qu- lio teila> t precisas obras forano
rtevidamenie a|ireciadas lompradas em seu nl-
nho. Os chapeoziulios, alm de serem d'uma pa-
Iha mui fina, sao de mui bonita forma e ultimo
gosto, eofcitados com toda a perfelcao: os aven-
laes, pnim, sao de Gna cambraia, guarnecidos de
qabadiohos hor-Ldos; o que Ihes da muita graca.
Os presos dt--ies, '00(i, e daquelles, 10; e "de
guamo sao ell > baratos conhecera o pretndeme,
que se dirigir a' l.ja a'aguia-branca, na ra do
Queimado n. 8.
vidrillios de cores e aljofares,
imitando ac, para eufeiles de vestidos.
A aguia-branca na ra do Queimado n. 8 rece-
beu nm bello sortimento dos objectos cima pro-
prios para enfeites de vestidos, etc., etc., e est
vendendo com moda mente.
Novidades.
Na Agula branca ra do Queimado n. 8 rece-
beu diversos objectos de muito gjsloe inteiramen
te novos, sendo:
Donitos e delicados penles dorados e prateados,
tendo entre elies alguns de filigrana obra mui per-
feita e de elevado gosto.
Ditos com chapa de madrepetola.
Brincos de filigrana e outras qualidades.
Flvellas de dita e outras tambem de dversa^
qualidades.
Cintos mui bonilos, enfeitados em toda a exun-
5o com caracteres dorados e prateados
Pilets i-n'i iiadcs rom moedinhas dourads.e lan
lejoilas, aljofares & .sendo para coque, e toda a
cabeea, e cutres coro plumas &
Bonitas volias de jasrn. cem cruzes, leudo iam
bem algunas de duas cores.
Luvas e meias
de laa vegetal, para quem soffre de frialdode, pt*
ralesva ele. Vendem-se na ra do Queimado leja
d'Agina branca n. 8.
Bandoline de roza
para segurar ou con.-ervar perfeitamecte atado os
cabellos das senboras. Venderse na ra do Quei-
mado loja d'Aguia branca, 1#000 o frasco.
Enfeites pretos para vestidos
A Aguia branca recebeu novos enfeites pretos
para vestidos, sendo bicos com vidrilbos e sera
elles, trancas com pendentes de vidrilhos e sem
elles, cordo grosso tambem com vidrilbos e sem
elles; assim como galoes e franjas de diversas lar-
guras, fitas de velludo etc. como sempre os bons
freguezes encontrarao commodidade de precos nos
objectos que se vendem a loja d'Aguia branca ra
do Queimado n. 8.
Boies de vidro
com enfeites d'aco no centro.
Esses botoes que lano servem para melhor se
poder enfeitar am bom vestido preto ou de cor,
achlo se a venda na ra do Queimado loja d'Aguia
i branca n. 8.
Acaba.de chgar aloja da aguia braeea
a ra do Queimado n. 48.
ChTomaco-me para Ungir cabellos.
Hoild walter para dito.
Tiutura de L. Marques para dito.
A guia ortica
a ra do Quimado n. 8
acaba dereceber:
Lantijonlas d'aco para enfeites.
Peonas branca^ e de cores, para ior?os e chapeos.
Enfeites filis, mu bonilos e modernos.
Sapatinbos de setim par baplisados.
Meias de seda para o mesmo.
Bonitos chapeosinhos de selim para dito.
Bosas camelias e outras qualidades.
Novos brincos, vellas, pentes e pulsaras de fili-
grana.
Fitas de seda de cores para debrunhar vestido.
Dita de sarja cora differenles cores e lurguras.
Dita de gorgoro, deseuhos novos e bonitos para
cilos.
Carteiras com agulhas. ____________________
ttencHo 1
Attentfo!
Atten#io!
Gr sdcHapIcs preto a 1,s(i()0 o covadr.
Vende-se um grande sortimento de grosde'ua-
ple a l00, 1*800, 2 e 2*600 o covado ; di lo
muito superior a 2800 e 3; : na ra da lmpera-
! triz n. 72, loja de Guimaraes & Irmo.
Moriaotique preto a 2#800.
Vende-se um grande sortimento de moriantique
i a 2$80Q, U e ^oOO o covado.
Chales de renda pretos a 8000.
Vende-se tambem nm variado sortimento de cha-
les de renda a 8$, 9*500 e 10* ; ditos muito finos
a II* e 12*: ditos de seda fazenda muito tina a
; 20*000.
Retondas pretas a iO#.
Vendem-se relonoas pretas pelo barato preco de
ra da Imperatriz n. 72, loja de
Aspas (orles para I oles.
Na roa do Queimado lujade miudezas n. 16. ven-
de-se aspas de a$o fortes, e dfe differenles I turas
para balSes.
Benitos quadros para retrato*.
Venflc-o-se na-.rna Quetinado I. ja dt> rr^ude-
i*> b. 10, bjtiBij/*qiiea.> too mordura prtia e
di urada, todos W pr>cn> ra-oavels.
Garrafas bi aricas
e de cores com'superior agua da colonia.
Vend*m-se oa ra do Qi.-.inado, loja de linde-
zas n. lo.
Novo gosto
Peales, fivellasto brincos de felierana. v~^^-
A anega e Umconnecida loja n. 16 na ra do
Queimado, rt-cbcu um sortimriji.i re diversos ob-
jectos de novo e bom goslq, sendo pentes brancos e
donrados de molde 'r.-feir.mir.te inm.s e mu a-
gradaveis, lemio eniieell-'s alguns de fliigraaa obra
de mnito gosio edttc'n exetujao, t bem a>j>:u. h-
vellas e brincos as mesrpas cirramslancias.
Tambero recebeu Mgnns cintos o quede, mais
moderno e bonito, se pode encontrar em tal gen-, r-.-.
Alm disso enc.ntraro-os preiendenles um com-
pleto sortimento de flvellas de madreperola, ehris-
tal, tartaruga, e dorados, brincos de christal, e
jaspe, rollas e cruzes dedilo e mmlcs oulros objec-
tos de gosto, os quaes contiDua-se a vender comino-
dameote.
Penentes de madreperola, e enfeites filets
A loja de miodezas na rna do Queimado n. 16.
recebeu boDilos pentes com chapa de madreperola,
enr.vos enfutes filis ornados de laniejoitas dou-
radas, moedinhas, aljofares, vidrilhos etc., tendo
grandes para toda cabeea e pequeos para cequ-.
re(;ui B mitas caixintas
cem arranjos dorados para costura, tendo cim
mosicas e sem ellas. Vendem-se na ra do Quei-
mado leja de miudezat n. 16.
Trangas pretas
coro vidiilhos, e bicos com ditos e sem elles para
enfeites ou vestidos.
Na ra de Queimado n. 16 loja de miodezas a-
cbatao os pretendenles um bello sonimenio o
objectes cima diio?, casearnihas, franjas eto. tic.
e tudo "st sendo vendido por precos corouiodos
Botoes preos
de vidro enfeitados d'a{o.
A loja de roiudezas n. 16 r vende mui benitos boloes pretos de vidro com m
feites de ac, os quaes muito se uzam para ei!- i:at
vestidos, quem os pretender pode dirigir-se a ca
loja o. '6 a ra do Queimado.
vendem-se na loja de miudczs
a rna do Queimado n. 1U.
Bonitos leques de sndalo e outras qualidades.
Bonitos cintos com fivellas de diversas qualida-
des e moldes.
Brincos e crozes de crystal.
Aboioaduras de dilo para colete?.
Bonitos port-relogios.
Delicaaas caixas cora msica e sem ella, para,
costura.
Agulhas e linhas para cbrochel.
Reiroz superior em carriteis.
Rendas pretas e bicos com vidrilhos.
Fitas de velludo com listras de cores nara eV
feiles de gorros e vestidos. ^\
Ditas de grosdenapoles. Usas e lavrad' JS hranc-s
e matizadas.
Para
na
fingir cabelle
Hoild Walter.
roa de Qoeiraado
loja raiut:.'i-
Vende-se
n. 16.
Chrfmaco-ro e
Para tingir cab O||00
nadofS Da 'ja de mQd8f 'a"s' a' rna d0 Qei'
Tintura de r,. Marques
flava tn*i\ r a t_ 11
bellos pretos.
ueimado, a loja de mlu-
Qara fazer t.s c
Vend'j-se na roa do <"
dezas n. 16.
|isantjas minda g| aljofares imitando
' $ ^aiilfcfe de ro es
para enfeites de v c[ido?. vooese Iudo SfC por
preco razoaveis da rua do QQeimado A
de miudezas.
cja jo.
Grande novidade
Xa foja e armazem da Arara rna
' ia Imperatriz n. 56,
i DE
l arenco P. lenta Gnim^res.
Arar a vende chitas a 160 rs. o covado
l-nen^Se C""aS escuras e c,ar,s f;ara vestid ,s a
jU e z rs. o covado, ditas nrp7s<
280, 320. 360 e 400 rs. covado h'
triz loja da Arara n.56.
. Csssasda Arara a 240 o co\;..i
lCm7^\lr'Tusna>s para '-'' '
?' l,eJ20 cova(io, nscado francwnara \>
Alela O. 00.

ra-
loja da
Maria do Carato Carneiro Catnpello e como queira
evitar qualqaer divida que possa apparecer da
pane do vendedor ou iraasaco que baja na dita
casa oo direito por qualqaer maneira; faz este
annuneio para enastar a lodos que o virem, terem
tres dias para suas reclamacoea e ndo os quaes
o se recebera' em eonta reclaauco algum a.
Aviso.
Os assignanles 4a Semana IHuslrada, qoe rece
Ijvoi aquella folha direclameate do Rio, devem
aiaodar receber d'ora era diante em casa de J.
Falque na roa do Crespo n. 4. J chegou o a. 7 e
esta' te distribnindo. >a mesma casa recebem-se
asignaturas para a Semana Ilustrada e o Bazar
Vtauu, onde lera anda da Semana os. de I* de
Janeiro avante e do Bazar io l' de julho de 1865
avante, qaadros da baulha aaval do Rlachuello e
Mercedes._____________. _
Precisa-ee alugar uma ana para casa de
pouca familia ; a tratar na raa do
33, loja^___________
para casa
Livramento o.
O abaizo assigaado faz sciente ao respeitavel
publico e aos eas freguezes, qae de novo sanio a
sua fabrica de cbarntos fios, fabricados na pro-
vincia da Babia pelos raelhores fabricante, e um
completo sortimento de cigarros do Rio das segara-
tes qualidades : Garibalde, Bota.fogo, Flor do Bra-
sil, dem de Portugal, S. Jos do Pico, paiba de
milho, papel pardo, ele. Tambera ba fabricados
am sua fabrtea de outras mallas qualidades,
mo perola de Minas, americano,
arra
denles a fumantes, todo por precos qae admirara
250 meias caixas de charutos suspiros eslto a ven-
da pelo prego de I*, o qne n'outra qualqaer parte
cusa 3* ; s na bem eonhecida fabrica de charu-
tos e cigarros fiaos, largo do Terco o, 2, de Ma-
noel Joaquim Pereira da Silva.
Da-se sociedade ero ama taberna bem are-
guezada para a trra : qoem quizer anouocie para
ser procurado.___________: _
Precisa-se de um amassador e ara caixeiro :
na padaria atraz da fuodiclo do Sr. Starr em San-
to Amaro_________________ _____
Francisco Joaquim Gomes da Silva e Domin-
gos Gome! da Silva faxem sciente ao respeiiavel
paWco, com especialidade ao corpo do eoramercie,
qae nesta data dlssolveram amigavelraenie a so-
ciedade qae tinbam i estabelecimenio de taberna
a' raa da Santa Cruz o. 5, qae gyrava soba firma
social de Francisco Joaquim Gomes da Silva 4 Ir-
, mao: fleando o e.x-so;iie Domiogos Gomes na Silva
___________ _________na posee do esubelettimenlo, e otr|iado a' liqol-
Pncisa-se da u a arna forra oa eserava que dago do activo e passivo di eitincta firma s
saiba coambar comprar : a traiar na roa da Cru cfal, orna- nico reepoosavel.
d. 56, armuw. I Recife, (7 de abril de 1806.
^m
Preeisa-se d'uma ama para comprar e cozinbar
na rua de S. Francisca n. 54. _______
Precisase de ama ama forra oa captiva pa-
ra ooir^-arecosiiihar: na rua doAragion^T.
' = Preeisa-se de nm Teitor para am sitio que
emenda de plantas e teja perito na saa proflssio,
perto desta praea; a tratar aa roa Djrertaa.8*.
Preeisa-se de ama ama para cozlabar e en-
gomaar ; na roa larga do Rosario a. 37, segando
aadar_______________. .
Pnelsa-se de oa caiteiro que tenha pratica
de uberiu e que d Saftr-,
taberna la rua lofittftjfeg
saa coaoeta; na
irada aova doCaxanga" em terrenos da Sr* D.! iraDamar com o compendio do systema m-
trico decimal do Sr. Jos Antonio Gomes
Jnior, por Francisco Favas da llha.
Veode-se na rua da Cacimba a, S, taberna em
freoie a rua do Vigario, pelo eommodo preco de
130 rt. cada libra. _____
llha Terceira,
Bom negoc o
Veode-se um encllente terreno de graade pro-
ducc.rj aa liba Terceira reino de Portugal, sito no
lugar denominado Pico (das Favas fregoezia da
Fo- Foote : os prelendenles podem dir'gir-se a raa do
erola de Minas ame icano. ayervieq, caporal y.gario n. 21 escrlpiorio;que farao bom negocio a
mbecq, vergmity e oulros mu.tcs artlgos ten- VisU dos litulosque aotorUam a venda
es a famaotes, todo por precos qae admirara : ,. :-' H *- t -- ,--------
Veode-se uma taberna bem aireguezada : a
tratar no pateo do Terco o. loja de looca.____
colares Royer a colare* ano-
dino
para facilitar a denticad das enancas e presrva-
las das coovulsoes.
O feliz resaludo obtido immensas vezes pela
prodigiosa forca magntica dos colares Royer. nos
casos de convalsoes, denticao das criancas tem
altamente elevado o seu bem merecido prestigio
e hoje j se pode dizer que esto feralmente oon-
ceiiuados, e estimados de onumeraveis pais de
familias : de uos porque do oso desasa saloUres
colares viram salvos do perigo seos charos filhi-
7 1|2 palmoa e largura
No armazem 4 azendas
banatas de Sanios Coelb.o
Raa do Qneanaado n. 19.
Veode-se o segoiote :
Cobertas de chita da Iodu a 26400.
Lencoes de panno de llnho 2*200.
*__ de ifamante de linbw de m s panno a
3*200.
Lencos de cassa brancos proprlo tara aleibeira
a SaOOO a dozia.
Algodo enfestado com
a i*200 a vara.
Atboalbado de Unho a 2*800 a vara,
uno de algodad a 3* a vara.
fiaardanapos de lioho a 3*800 a dnzla.
Peeas de cambraia de salpicos a 4*500.
Laazinha abena de eares a 320 o covado.
Cambraia branca de forro a 3* a peca.
Fil de linbo liso fino a 800 rs. a vara.
Dito de dito com salpieos a 1* a vara.
Panno de Moho lino com 9 1|2 palmes de largu-
ra pelo barato preco de 2*400 a vara.
MadapoJoes tinos a 8*, 9*. 10*, 11* e 12*.
Cambraia Hsa de 4*500, 5*. *, 7* e 8* a peca.
Pecas de bretaoha de algodo com 10 varas,
^proprta para sala, pelo baratsimo preco de
Laazinha lisa de cores a 500 rs. o covado.
Cambraias finas de cores miudiobas a 360 rs. o
covado.
Esleir da India propra para forro de sala de
4,5 e 6 palmos de largura, per meos preco do
que ero outra qualqaer parte.
Neste armazem tambem se encontra am grande
sortimento deroupa feita e por medida.
Luvas de pellica pretas e ou
tras cores.
Cbegaram para a loja de miodezas a roa do
___ _oetmado n. 16.___________________
Vendem-se garrafas e botijas vasias e lava
das na rua da Soledade n. 38. ______
Farinha de mandioca
a MOGO
Multo boa e chegada ha pouco tempo, vende-se
na rua da Croa n. 33.
mmm
Oh chales do
_M01ffL
* chales do pvio a .61,74 e 8*.
Vaiideroja neos chatas presos de renda multo
ntios, e de ontros porque colheram daquelles lio KriDae8 com qaatro ponas, seodo os mais moder-
preflcuo exemplo para igqaimeme preservar os D0S Pr trem chegado pelo ultimo vapor francas,
seos. Assim, poli, a agoia.branca, tendo em vis- e vendem-se pelo baratiss.mo preco de 6*. 7* e
Us a atilldade e provea desees prodigiosos cola- S* : loja do Pavio, roa da Imperatriz o. 60, de
rea anodinos on Royer, roandou vlr o novo sorti- G,raa 4.Silva
ie* para qne em tempo algara a (alta dalle* posea lentes e gaioes, esfefoflha e rwrtr era branca
?J^.***a'miurn*M'ltM*n#n*9m depbsuo de ait)e?7era de
carnauba,- todo por prefos commodos.
mado, loja d"agaia branca o. 8.
a 2^000 o
covado.
Vende-se panno preto proprio para caifas e pa-
I hlols a 2* e 2*200 o covado ; casimiras pretas
a 1*800, 2*, 2*400 e 2*500 o covado.
' moile barato corles de casimira a 3'00.
Vendem-se cortes de casimira preta a 3*300
a* e 4*500 ; dita maito fina a 6*.
Admira cortes de orim de cores a
1,280
Vendem-se cenes de brim de cores para calca a
<*280,1*600, 1*800 e 2* : na rua da Imperatriz
n. 7J, loja de Guimaraes & Irmo.
E' haratissimo a 120 ris o covado.
Veodem-se riscadinbos mnito proprios para roa
pa de escravos, a 120 ris o covado; ditos escoce-
zes muito finos a 240, 280 e 300 ris o covado.
LaazintHs a Joo rs.
Laaziohas de quadrinhos a 300, 320, 360 e 400
rs. o covado ; ditas muito Anas a 500 e 560 : na
rua da Imperatriz n. 72, loja de Gaimaraes & Ir-
roio.
Cortes de laa a 5000.
Acaba de chegar a este importante estabeleci-
mento um sortimento de cortes de laa que se ven-
de por 5* e 5*500; ditos a Maria Pia, fazenda
muito moderna a ji, 14*, 18* 20* ; ditos coro
eamisinha, cinta e gravata a 25* e 28*.
Chitas francezas largas a 260 ris.
Vende-se um grande sortimento de chitas a 260,
280,300, 320 e 360 rs. o covado : ditas preciares
a 400, 440 e 500 rs.
Cambraias de cores a 280 rs. e
covado
Vendem se eamlraias francezas a 280,300, 320,
360 e 400 rs. o covado.
Cambraias lisa a 3.0OO is. a peca.
Vende-se um grande sortimento de cambraias
lisas pelo barato preco de 3*. 3*500, 4*, 4*500 e
o* ; ditas muito linas a 5*500 e 6*; ditas victoria
a 6*600e 7*; ditas de nma vara de largura a 8*
e 9* ; ditas pira forro a l*6uO, 2*e 2*200
rua da imperatriz o. 62.
ROUPA FEITA.
Vende-se um completo sortimento de roopa fei-
ta feita. assim como sejam palitols, calcas, cleles,
camisas fradceas a 1*600 e 1&800 ; dilas tinas a
2* e de linbo a 2r500, 3* e 3*500 ; smolas de
1*200,1*400 e 1*600, de lioho a 2* e 2*500 : na
rua da Imperatriz n. 72, loja de Guimaraes & Ir-
mo.
Arara vende riscado para calcas a 200 rs o
cov.do.
Vende-se riscado proprio para caigas e esmisas
de escravos e sa.as de eserava., por ser mnito fr
le se verd, esta fazenda a 2C0rs. o aovado ,sel
so na loja da Arara roa daJmperalrizn 56
Arara quer vender as saias a 3500
s fiif'l*sa,as .bordj,das P senhora a 3*500,
f'J* e 8*- cam,sas Para seohora e
i#WU : so no barateiro Arara rua da
D. ao.
meninas a
Imperatriz
Os vestidos da Arara a 5,8.
*7SSS2 r ,Ud0? de. cassa a Maria p' a S* e
9, ditos de laa maito finos a 10* 12 e 18-4 ri-o
TSffStte simo a ^e ^ = A
Arara vende as crinolinas de cores a 35O0
amTSVffSniJS!^'' cores e br'a-
eos a j#, jjoOO e 4*. baloes de arcos a 2a e iiO
rua da Iroperairiz luja da Arara n.56.
Chales da Arara a 2.
VandayciitliM de merino estampados a *,.
T?W* e : roa da imperatriz loja da Ara-
id u. OD.
Arara vende laazinhas a 200 rs.
aJfeDfrJe lazi"has Para vestidos a 200, 240,
dzo e 400 o covado, ditas raatisadas a 500 e 5u
raa da Imperatriz loja da Arara n. 56.
Chales de fii de linho a 6^.
Vende se chales de fil de linho a 6, 7* e 8
retondas de Blei de l.nbo a 8* e 10*, chaiefde sf-
dade,? a,'.4*e mJut da ^peratriz roja
armazem da Arara n. 56.
Roopa feita por medida.
Vende-se paletois de panno preto a G* e 8*. cal-
as de "?m,ra ? 6* e 8*. camisas francesas a
HaW' 00.e ** Palel0,f e bifm de cores
a 2* e 3, ca cas de brim e Ranga a -2* : raa da
Imperatriz loja da Arara n. 56.
Arara vende casemira enfestada
Vendr-se aaseroira enfestada para calca e pale-
to! a 1 o covado : rua da Imperatriz iota
m.
a l;>.
alca e
ra 56 Imperatriz loja da r-
Cortes de casemira a 2)5.
Vende-e cortes de casemira de cores a 2* cor-
es de brim e ganga a I*. 1*400 e 1*600, cortes
de casemira preta a 3*500, 4* e 5* : rua da Im-
peratriz n. 56.
aloes para meninas a 3$.
Vende-se baldes para meninas de rausselina a
3* e 3*500, ditos para seohora a 4*500, 5* e
5*500 : rna d Imperatriz foja da Arara n. 56.
Arara veDde as mantas para pescoco a 1.
Vende-se mantas Oara peecoco a t*, j;ravars<
de seda de cores a 500 e 800 rs., rolarioho de na
pe a 500 rs. a duza : rua da Imperatriz loja da
Arara n. 56. '
Laazinha para lulo a 500 rs.
Vndese laazinha para lulo a 500 rs. o covado
alpaca preta a 500, 600 e 800, cassa prela a 320
covado : rua da Imperatriz loja da Atara n. 5-i.
Boa acqii
Vendem-se 4 casas, terreas novas, lim-
pas, bem singada por mqpqp preco :
os prelendenles enlendam-se com o es-
criva^ihafe qasvse a#a Uprisado
pelarespeaiivpreprte
-^.^TfwvuM rasa dSannders Brrthers & C,
no largo do CorpijSattp n. II, vapores patentes
com lodos os pertentes^roprlos para fzer uuver
tres ou qoatro.;ma^hpas para descaaocar algodo.
LPanno de algodo transido
da fabrica dePefrSoA'eho : vende-se ha rua da
Vende-se por 2* cada exemplar encaaaraado-
Macarel, direito poltico : na loja de livros da pra-
cada Pedro H a. 6, onde tambem se vende por di-
minuto preco para acabar aigomas outras obras de
direito.
. Vafees.
Vende-aiem casa d*Saunders
Cadeia
Bi de Silva Barroca.





"


tar na




PARA A QVkWBBKA.
Chegaram a loja de Augusto Porto & C.
11Ra do Queimadoli
Superiores cortes de seda preta.
Moreantique preto de flores e de listas bellos padroes.
Grosdenaple preto de diversas largaras e qualidades.
Retondas, bournus e ctales de gaip e de rendas.
Pannos pretos, casemiras pretas, bombasinas.
Lias, caotao, merino e selestrinas pretas.
Lindas mantas de seda para pescoco.
Ricos cortes de seda de cores para bailes ou casamentos.
Rico3 cortinados bordados dos mals bellos desenbos.
M^'r branco, seda branca, capellas e mantas para noivas,
Bellas colchas d seda e de 15a e seda para cama de noivas.
Saias de flnissima cambraia ricamente bordadas. _*___,om Anm
Fazendas de pregas para sala que se fazem cora tima so costura e tambera tem con
o cordo tecldo. ......... t
Madapoln francei a 400 e 480 rs: a Tara.
Alcatifa de llnho para salas e gabinetes a 480 rs. o covado.
Faienda especial de qoadros para fazer redes a 34500 a vara.
Superiores esteiras da ludia para salas.
11Ra do lueluaado II
TODOS!
VOTOS GERENTES
DOS
TRES GRAJMIEJS
DE MOLMIBOS
DENOMINADOS
PROGRESSIVO pateo do Carmo n. 9
UN$0 COMMERCIO ra do Qaeimado o- 7.
VERDADBIRO PRINCIPAL roa do Imperador n. 40
PORIO MEDHMIRrjR
ARMENS
.

DE
aeras
CORTES DE SEDA
Chegaram pelo paqueteingle riquisslmos cortes de moreantique decores, e seda lavrada na-
^""^Sedl'de quadros por 10000 o covado
RA DO CRESPO-5
5
Sregorlo Pae do Amaral
Compaohla.
BOM SOHTfflEYTO DE
famas PRETAS
DUART CARVALHO PERIRA $ c.
Fazem sciente ao respeitavel publico, e com especialidade aos senhores de en-
fenhos, lavradores e mais pessoas do centro, que para raais facilitar suas compras deli-
beraram os proprie taos dos tres grandes armazens, reunir todos os seus estabeleci-
mentos era am s annudeio, pelo qual o preco de um sera de todos, promane-
mos que nao infringiremos a tabella' que abaixo vai publicado, annunciar os gneros
por um pre?o, e na ocoasiao da oeorpr* quererem por oulf&, cmo socede constante-
mente em oatras muitas asas, porta nos nossos estabelecmentos nSo se dar isto',
aioda mesmo com prejuizo nosso, qualqner pessoa poder mandar seus fmulos que
aerao tambera servidos como viessem pessoalmente fazendo-nos o favor de mandar seos
pedidos em cartas feixadas; para evitar qualquer engaos, remetiendo nos orna conta
pela qual se vera os preces tal qual annunciarmos, o que sen3o arrepender pessoa
alguma que fizer sua despenda em nossos estabelecimentos; pois poupar mais de
5 por ceoto na sua despezav'diarla.

Gros de aples preto a 10500,10600, U, U. 30500 e o corado.
Gorgurao preto de superior qualidade a 2*500, 2*800, 3* e 40 o co-
^ Vad' Superiores moreantiques a 2,5500, 20600, 30, 33500, 40 e 500000-
covado.
Bons cortes de moreantique.
dem de gorgoreo adamascados. x
Bons pannos e casemiras.
Sup riores alpacas, princetas, merinos e bombaziaas.
Bons villados pretos. .
Grande variedade de chales de fil preto e de guipure a 50, 60, 80,
ir* f> W, de 465 a 205, e de 250 a 800 cada um.
Vn oerores atondas de fil preto e de guipure a 80, 100, 120 e 250,
a qaa a 600 cada urna.
6 soe rores alf?erienes de m0 Pret0 e de 8uiPure de ia a a" e de
m 8 cb* ^e seda Preta' a
n tos de Merin Pret0 bordados e outras muitas fazeadas pretas que
seria enfadonhe enumera, na
iam r* WAS cwlvxmas
_ .tmtaivv T0 CORRE!A DE VASCONCELLOS DE ANTONi rija ^ CRESPO US. 1
RIJA DO H3BXJM 38.
O nroorietario deste estabelecimento deseja chamar a attencao dos senhores pro-
,- trios aos'acrelitados mechanismos que continua a fornecer; os quaes garante ser,
_.: i serapre, da meihor qualidade possivel:
Machinas de vapor
brea de 2 / cavallos para cima. As menores sao mui proprias para motte sde
-.",r carnelos de a'godio; as maiores para moer canna; tas tambera que podem junta
, so .aradamenfe moer canna e descarocar segundo suas proporcoes. Estee vapores
s s.'.upssimos na onitruccSo, e se regem por qualquer pessoa inteligente, a facihda-
i !. conduces sen lo especialmente considerada, tanto que nao ha lugar em que nao
. i ^oncmJuzir, qrjr por trra, qur embarcado. Ha com moeudas juntas ou sem
- ..enodem-se applicar a qualquer moenda ja existente seni outra mudanca do que
a ,ii,stituig5o das rodas da almanjarra. Ellas tem depsitos da?ua e boeiros de ferro,
e nao nrecisam para o seu assentamento de obra alguma, quer de carapina, quer de al-
venaria. O lempo para assenta-las nao excede de doze dias ao mais, e em casos de
mories de animaes ou arrombamentos de acudes, etc., garante-se o assentmento era
oito dias. Lembra-se aos senhores de engenho que a venda dos animaes e o serv^ da
gdnte oceupada no seu tratamento oshSo de recuperar da maior parte da despera do
de urna moagem certa e accelerada; e acabando com a
com os desgostos do trabalho que
e moendo com qualquer altura
da maior parte da despera do
vat5or deixndo-lhes a vanfagm
despesa da compra continuada de novos an:maes
S3 tem com elles.
Rodas <1 agua de ferro, mu maneiras
d aSUa'arHhoa om ernzetas de ferro para as mesmas, quando se desege fazer
e resto da roda de madeira, tornando-se ssim a roda ligeira no trabal&.
floeadas tfc canna de todos os tamanhos, desde as mais pequeas ctaama-
di3 do serlao. Obra perfeiu em feitio e acunhamento.
Rodas de espora e angulares de todos os tamanhos e proporcoes.
parees a eoettes para receber o caldo. .
crlvos de fornalha para assentamentos, frescos para o foguista, fazendo
irande calor coa pondo combustivel, e duradouro.
Portas de fornalha de todos os tamanhos e de diversos systemas.
I oros e molnhos para a fabrica de farinha e tambem chapas redondas
pira fornos pequeos.
lloraba* simples e de repucho.
' ralias de ferro batido e fundido e de cobre.
Formas de ferro batido galvanisado para purgar asracar.
e lsemP|s!|mJJlaaerg8eJe ferw> de t0(j05 os umanbos, custando s a terca parte do
preco dos de cobre, mais regulares na disfilacao e igualmente doraveiS.
Elxos e rodas de carro cora mangas de patente, obra mu segura para
C3rregtraddCrade.,ench.dosaeaTalIo e outros instrumentos de agri-
cultura. E finalmente todo o objecto de que possa precisar um ugebho.
Machinas de descaroOar algodfta
Na fabrica se fazem obra3 novas a encommnda e concertos, com a maior prete-
u o solidez. O grande deposito de pecas e objectos habilitara-a muito para' estela.
0 proprietario ser sempre mui fehz de poder ter occasiao de dar nformacoes o
a; larecimentos aos senhores que se senirem de sen prestimo.
e D. W. Bowman, engenheiro.
leves paracarregar
Recebtn frtnde m
16 18, SO, 30 ,35*
as vende peio preco di JU
era raliari d* Mmttn
lioai Ter<4ieim anericaan fc ana^H
aaarfa 1Htor, vwroteftffMM
._tuperlorn<__
vi!to3terar gnodea
MlXTEIGi
Manteiga ingleza perfeitamente flr (bo-
gada nltimamente a i,12o rs. a libra, e
em barril ter abatimento.
Manteiga francezs da safra nova a 8oo rs,
a libra e em barril ter abatimento.
BANHA
Banha refinada superior a 64o rs. em
barril ter abatimento. .
04
Cha uxim de primeira e superior qualida-
de a 2,8oo rs.
dem hysson o meihor neste genero a
2,6oo rs., e sendo em porcSio ter abatimen-
to, tambem ha proprio para negocio de 2 a
2,4oo rs. a libra.
dem preto superior de l,8oo a 2,5oe rs.
a libra.
Hiscoatos
Latas com superior biscout inglez de di-
versas marcas a l,2oo rs. a lata.
Bnlaehianas
Latas com bolacbinbas da acreditada fa-
brica do beato Antonio, proprias para dar a
doeates de 2,ooo a 3,ooo rs. a lata.
dem com quatro libras de bolachinha de
soda a 2,ooo rs. a lata.
Queijos
Queijos flamengos chegados pelo ultimo
vapor de 2,3oo a 2,5oo rs.
CHOCOLATE
Chocolate hespanhol a l.ooo el,2oo rs.
a libra, francez e suisso a l,ooo rs. a libra
e portuguez a 800 rs. a libra, em" perc3o
ter abatimento.
VINHOS
Superior vinho do Porto das mais acredi-
tadas marcas, como sejam: Madeira Secca,
Duque do Porto, Velho Secco, Lagrimas do
Douro, Mara Pia, D. Luiz, Pedro V, Lagri-
mas Doces e outras marcas a l,ooo a garra-
fa e 9,ooo a 12 ooo rs. a duzia.
Vinho Figueira e Lisboa das meihor es
marcas a 4oo e 5oo rs. a garrafa, e a 3,ooo,
3,5oo e 4,ooo rs. a caada.
Superior vinho cbamisso em barril 164o
rs. a garrafa e a 4,5oo rs. a caada.
Superior vinho de Lisboa e Figueira em
anceretas de 8 e 9 caadas a 2i,ooo rs. a an-
coreta.
Superior vinho branca proprio para mis-
sa a 640 rs. a garrafa, tambem ha maisbai-
xo para 4o> 5oo rs. a garrafa e 3,2oo a
3,5oo a caada.
Caixas com urna duzia- de garrafas de su-
perior vinho Bordeaux 7,ooo rs. a caixa e
7oo rs. a garrafa. ~
CAFE
Caf do Rio de 1.* e2, qualidade de
6,8oo a 8,2oo rs. a arroba, e de 24o a 28o
rs. a libra.
ARIO
Sabo maca de primeira qualidade d 24o
rs. a libra.
Superior serveja Bass dos melhores fa-
bricantes, como sejam: Sbters & Bell. T. F.
Ashe a 7,5eo e 7,ooo rs. a duzia e a 7oors.
a garrafa. Tambem ha de outras marcas
como seja: Victoria e Alcope a 5,ooo rs.a du-' abra,
zia e a 5oe rs. a garrafa.
BOIOES VASIOS.
Vinagre
Superior vinagre de Lisboa a 2,ooo rs. a
caada e 280 rs. a garrafa. Tambem ha
mais baixo para 2oo rs. a garrafa e l,4oors.
a caada.
Azeite doee
Superior arete doce de Lisboa a 7oo rs. a
garrafa e a 5,5oo rs. a caada.
FUMO CAPORAL.
Latas com superior fumo caporal a l,8oo
rs. a lata.
Passas
Superiores passas a 2,5oo o quarto e
9,5oo rs.; a caixa de arroba hespanhola e a
56o rs. a libra
CEMEBRA
Genebra de laranja verdadeira a lo,5oo a
duzia e l,ooo rs. ao frasco.
Genebra de Hollanda verdadeira a 6,ooo
rs. a fiasqueira e a 56o rs. o frasco.
Idom de Hollanda em botijas a 4oo rs. ca-
j da ums.
Garrafoes com 24 garrafas de genebra de
Hollanda a 8,ooo rs. o garrafao. Tambem
ba garrafQes com 5 e 14 garrafas de 3,2oo a
6,ooo rs. cada um.
VELAS
Velas de spermacete a 64o rs. a libra,
dem de carnauba de lo a 12,ooo rs. a
arroba e de 36o a 44o rs. a libra.
PEIXE
Peixe em latas j preparado de l,ooo a
l,2oo rs. a lata
ALPISTA E PAINQO
Alpsta e pafneo mnrto noto de 3,8oo a
4,ooo rs. a arroba e de 14o e 160 rs. a li-
bra.
CHARUTOS.
Superiores charutos do fabricantes Simas,
Imperiaes, Delicias, Parisienses e outros de
2,2,5oo e 3,ooo rs. a inia caixa: tambem
temos Suspiros, Havaneiros, Ligueiros e
outros muitos que vendemos por mdico
preco.
Licores
Licores francezes eportoguezes a l,ooo e
l,4oo rs. agarrafa ou frasco.
Roces
Doce da casca da goiaba em caixoes e la-
tas a 4,2ooocaixo e ,8oo rs-. a lata.
Frats
Frutas e calda e em lata fechadas her-
mticamente, muito bem enfeitadas, conten-
DO
DR PEDRO DE ATTAHYDE LOBO MOSCOSO,
MEDICO. PVRTEIRO 17 W^EttAROR.
5 Ina da Gloria, ca t miaos
O Dr. Lobo Moscoso dcorisulias gratuitas aos potres .todos' os das da 7 s II
da manhao, eae 6 eme' s 8 horas da noite, cepcd'dos* dras santificados.
Pkarmacia especial homeopathica
No mesmo consultorio ha sempre o mair apprepriado sorfiarento de cirteiras
tubos avulsos, assm como tinturas dvafiae dymnatts^es e petos prego seguiotet:
Carteiras de 12 tuBcs grandes. f 21000
> de 24 tubos grandes. 18#000
> de 36 tubos grandes. .. 2M0fO>
r de 48 tuds grandes. 30 de 60 tubos grandes. 335O00
Prepara-se qualquer carteira comerme O pedido que se fizer, e com os remedios
que se pedir.
Um tubo a valso ou frasco- de tintura de meia onca 15000.
Sendo para cima de 12 custarao es precOs" estabeleclos para as carteiras.
Ha tubos mals pequeos cada urja 500 res.
I.IVROS.
A meihor obra da homeopathia, o Manual de Medicina Hoaropatiico do Dr. Jarh
dons grandes volumes com diccionario........... 204000
Medicina domestica do Dr. Hering *......* lOOOO
Repertorio- do Dr. Mello Moraes............ qmqqq
Diccionario de terttos de medicina ,......' *. 3,5000
Os remedios deste estabelecimento sao por demais conbecidos e dispensam por
unte de serem aovamente recommendados as pessoa que qtrirefea usar de remedios
verdadeiro, enrgicos e doradores: ba tudo do meHwr que se pod desfijar, globos de
rerdadeiro assucar de leite, notaveis pela saa boa consertaclo, tintora dos mais acredi-
tados estabelecimentos europeos, a mais exacta e acorada preparaeSo, e portante a maior
onergia e certeza em seus effeitos.
Casa de saude para eseravos.
Recebe-se escravos para tratar de qnalqner enfermidade ou fazer-se-lhe quakraer
operaco, para o que o annunciante julga-se suficientemente habilitado.
O tratamento o meihor possivel, tanto na parte alimentar, como na medica
fbnecionando a casa ha mais de quatro annos, ha mnitas pessoas de cujo conceito se nao
pode duvidar, qae podem ser consultados por aquellos que desejarem mandar seus
doente.
Paga-se 23 por dia dorante 60 dias e d'ahi em diante 15500.
AS operages sero previamente ajustadas, se nao se quizerem snjeitar aos precos
razoaveis que costuma pedir o annunciante.
1M imf DE FAZKIIDM
DE
c.
dopera,pecego, ameixarainha Claudia, al mo acaba de chegar grande remessapelo
nnwhn a nnlpl.' frutos 3 nr 18 9 1313. .. .
perche e outras frutas a oo rs. a lata.
Tambera ha tetas grandes para l,2oo rs. a
lata.
AZEITE DE REFINADO
Superior aaeite francez refinado a 8,000
rs. a garrafa e a 9,ooo rs. a duzia.
MOLHO INGffiZ SAUCE
Molho inglez Sauce em frascos grandes
com rolha de vidro a t,8oo rs. o frasco era
duzia ter aba tmente.
BATATAS.
Gigos com 3d libras de batatas a 4,000 rs.
o gigo.
SARDiNHAS.
Latas com sardinbas de Nanes e Lisboa
de 4oo a 46o rs. a lata.
FUMO AMERICANO.
Superior fumo era chapa a 1,400 rs. a
CUSTODIO CiRVAIHO
27 RA DO QUEtMADO N. 27
Madapelo francez muito fino, tendo pouco mofo* cada peca com 27 varas por
10,J0O0.
La de cores a 300 rs. o covado.
Cambraia franceza a 260 rs, o covado.
Finos organdis a prego de 800 rs a ?ara.
Longos brancos para algibeira a 25r00 a duzia.
Fin 13 perclaras a prego de 400, 440 a 560 rs. o covado.
Ricos cortes de 15a de barra de 10(5 a 30#00.
Chales de fil preto e outras muitas fazendas.
MACHINAS DE PATENTE
DE TRABALHAR A M6 PARA DESGA-
BUCAR algodo
FIBHIliUO POR
PLANT BROTHERS & C.
OLDAM.
Estas machi-
nas podem des-
carogar qual-
quer especie de
algodo sem
estragar o fio
sendo bastante
duas pessoas
para o traba-
lho; pdedes-
carogar urna
arroba de al-
godo em ca-
rogo em 40
minutos, ou
18 arrobas por dia ou cinco arrobas de al
godo limpo.
Assim como machinas pera serem movi-
das por animaes, qne descaragam 18 arro-
bas de algodo limpo por dia; e motores
para mover urna, duas ou tres dessas ma-
vapor Douro o navio Solferino de I cn'^as<
diversos objectos de gosto e proprios do! Os mesmos tem para tender um bellissi-
tempo dos quaes se mencionarlo alguns, mo vaPr W* Pole fazflr wr WB destas
por nao ser possivel mencionar todosv O
Novidades do Vigilante
RA DO CRESPO N. 7.
Este estabelecimento apezar de sempre
se achar bem sonido como todos sabem,
hojetnais que nunca, nao s pelo que rece-
be de sua propria conta, mas tambem pelo
que recebe de consignagoes; parece sem
duvida que deve offereeer grandes vanta-
gens para o respeitavel publico tanto em
pregos como na escolha dos objectos, e co-
ERVLHAS
Latas com ervilhas e feijao verde j pre-
parado 64o rs. a lata.
MASSA DE TOMATE
Latas com 1 libra de massa de tomate a
Gio a lata.
VERMUTH
Esta bebida muito fresca e estomacal e
muito propria para a presente estagao. a
qual vendemos a 2,000 rs. a garrafa e 185
a duzia.
RoiSes vasios, louca ingleza muito pro-
pria para manteiga e deposito de doce de 4
al21ibraal,2eoe2,5oo.
FARINHA DO MARANHAO.
Farinha do Maranbao a 2i0 rs. a libra.
SAG'.
Sag muito novo a 4oo rs. a libra.
ARARUTA.
Araruta verdadeira a 4oo rs. a libra.
Pimenta, cominho, cravo, canella. ervadoce, hriema, tijolo para limpar facas pa-
litos para dentes, palitos de fogo, e outros muitos gneros que se ternaria enfadonho
mencionar, afiancando cinceridade moa precos e o bora acondicionamento de qualquer
gento.
Oevadinha de Franca
a 160 rs. a libra, e de 8 libras tara cima 190
rs.: na armazem da Liga, roa Nota a. 6ftr
~ Laatglaa. ;
A loja da Aurora, na ra larga do Rosario n. 38,
recebeu sortimento de laolijlas multo delicadas e
Sroprias para qualquer enfeite, assim eomo tam-
em recebeu lavas de Joqvq braacas, e de cores
par hornera e senhora, muito resca?. ebegdas
pel ultimo vapor, ludo Isto na loja da Aurora,
ra larga do Rosarlo t. 38.
' "11^fe!luW')or^ de ferrj^wTrserve
par otrii d ferrfros, e mr prego multo com
modo : a tratar na ras ttperrl o. 1, 1 andar.
at'-i-' ... 1. ---------1
Veude-se ama masieira de amarello em per-
feilo eftado, e mais perterlces *pra trtna padaria,
na estrada nova, segunda taberna a direita, depois
do sobrado grande : a tratar na roesna, das 4
boras da tarde en dianfc.
---------------------:!----------------
_
;ar o
ter O poi
argdra e 9M Kieuierte
vencionar orea vez qoe leja com si
reU deowra am aHoo. juro
^^^^^^a^a^a^a^a^aH
fa roa do Queimailo n. 40
Cortes de laazinha d cor', bonitos gostos, com
15 cavados a 3*000.
Cassas organ*s de cores, eovade a 2i0, pegas
de afeOMozIno largo com 17 varas a 4*.
Dita* *e to com 17 varas, omito etreorpado,
tm Mam deleito, a 4*800.
OroMempre preto muito superior, covado tf.
Dito dte a 1*000.
RewndH d reada preta a !8#.
OM/tm e reida preta a 8#.
Graae peehtttl d adipolt ta
avarlt.
Paredes Porto vende uaaa grande porfi dt a
B avariado, azeoda de 10 e 1U *: P#ca,
7*con aeqaeoo toque :-w*r***m**\
n. 81, arraazem da porta larga jaato a pa-
daria franceza.
dono deste estabelecimento espera a pro-
tecc3b de todos.
Riquissimas caixinhas ornadas e com
msica propria para um delicado mimo.
Caixinhas de msica tanto de veio eomo
de corda.
Ricos porcia joias e necessarios.
Riquissimos estojos a feitio de um beusi-
nbo ou chapeuzinho.
Ditos em casca de noz ede outros gostos.
Leques de madeperola de sndalo e de
faia e madeira.
Chaposinhos e touquinbas de muito
gosto para criancas.
Meias e sapatinhos de seda para asmes-
mas.
Meias de seda para seahoras.
Capellas e grinaldas de flores proprias
para casamento.
Enfeites e capellas de muito gosto paria
senhora.
Riquissimos porta boquets.
Roquet de flores com urna borrachinha
com ebeiro.
Loras verdadeiras de Jovia.
Ditas de seda e de Escocia.
Riquissimas plumas e guarnices para
enfeitar chapeos.
Coatas tubos de ac branco, que ha
muito se desejava para enfeites.
Brincos, ftvellas e eruzes de crystal.
FiveUas e eruzes de tartaruga, madripe-
rola dourados.
Alflnetes para gravatas.
Rotees com croas para pohos.
Gravatnhas e mantinbas de muito gosto,
machinas mencionadas; para o que convi-
da-se aos senhores agricultores a viren ver
e examina-lo, no armazem de algodlo, no
largo da ponte nova n. 47.
Samadera Brothers fc C.
Recife praca do Corpo Santo n. 1!.
Os nteos agentes neste paiz._________
O cistello de Grasvle.
Trainie da francez por A. I. C. da Cris.
Vende-se este bello romance en quatr
tomos pelo baratissimo preos de 3400C
aa praga da Independeneia. livraria os.
6 e8. s/ v u> t
tanto para homem como para"senhora.
Riquissimos aderecos pretos, assim como remira de cores a 5, 6,7, 8 e 10a, j
ijbas com alfinetes pretos^ \fTt^&WSSZK
Bengallas de canna com cabo de marfim.
Ditas de baieia, borracha e de outras
muitas qualidades, assim como chicotinhos.
Riquissimos penies de tartaruga do ulti-
mo gosto; assim eomo do arregaco para
menina, pois neste artigo ba um completo
sortimento de todas as qualidades.
Diademas para cabeca do ultimo gosto.
Riquissimas fitas tarradas e lizas.
Trancas pretas com vidrilho s de cores.
Pulssiras tanto para senhora como para
merlinas.
Ligas de seda e de algodo.
sed ede algodlo emui-
iue se n5o podem an
abo.
ante ra do Crespo a. 7.
Frameisco Jos wennano
RA NOVA N, 12,
acaba de receber um liado e magnifico sor-
timento de oculos, lnnetos, binculos, do ul-
timo e mais apurado gosto da Europa e cu-
los de alcance para observares e para oe
wi timos.___________,_____
Laa de barrifuda, o qne de meihor ba para
encher travesseiros : venie-se na rna da Madre
de Dens, no armMemjtrbt> a' igreja.
Roupas feitas de todas as qualidades
Vende-se roupa feita, sendo calcas de cores e
pardo a H, ditas de brim branco deTinbo a SfSOO
e 4J. caigas de casemira preta a o, 65 e 8J, di-
tas de cores, meia casemira, a 3$ e 3500, ditas
de casemira a 64, 74 e 84, paletots de brim d#
cores a 14, 34500 e 34, ditos de brim bruteo a
a 44500, ditos de alpaca preta a 34 e 44, ditos de
ditos da
coral a
maceta a
14000'e 54500, camisas raaeetas finas brancas a
peitos de cores a 24 e 54500, ditas inglesas de U-
nho de pregas largas a 24500, 34 e 34500 : na
ra da Imperatrja, Isja daffi*raj'6.________
arfe ihrbe4chi
&c.
Em csate Wrae-hmettau
roa da Cadeia n. 18, vende-se:
Cbampanba.
Cognac de superior qualidade.
Vidros para espelhes dr ^>doi os bbVm tudo a precos muito cojnmodee*
Farinha
Veafc-dd
bordo da escuna
rtfilraaae%r*<
Vendes BG
res acanasmH
manoca.
ailti
-
. I
el-
**


aaal

*
miu i .p9pphh|
i
51
.)
i
V
Dltri ale pcrtiaaa*>atee 4 tahata feira. 4c Atoll *e i86.
.------------------. i i. j;j.-------1--------r-,----------- vr
McrcLOminA
JHnto p.darla fradocz le
Paredes Perto.
Neste estabeleeimento encontrara o respaitavel
publico nm variado sortimenJo de fazendas trnce-
las, liglexas, soissas e allemas, que se vendero
por prego commodo.
Partits Perla
Vende chales de renda de cores qne se vende-
rn) a 18 est vendendo por 2, ditesr pretos, fa-
zenda nova, 55, 62, 82 a 202, um sortimento com-
pleto de manteletes, capas e sontambarqnes 142 a
252. Roa da Imperatrizp. 42, junto a padarla fran-
ceza, armazem da porta larga.
Paredes Parta
Receben nm completo sortimento de liasinhas a
240, e 280 rs. covados, para acabar, cambraias de
cor a 240 rs. o covado, riscado escossez para ron-
Bi de menino, fustao de linho a 420, 400 e 500 rs.
ua da Imperatriz n. 52 junto a padana franceza,
armazem da porta larga.
Preles Porte
Receben pan cortinados para cama franceza a
112 a peca cambraia lisa fina a 3* 42 at 10* a
peca, cortes de tarlatana.de bonitos gestos a 35500
42, cambraia com flor de seda, goslos inteira-
mente noves a 400 e 500 rs. o covado, no armazem
da porta larga n. 5*2, roa da Imperatriz junto a pa-
cana franceza.
Paredes Perto
Receben pelo ultimo paquete uro sortimento de
cruces com pedras para o pescoco, bonitos caxineis
de la para pescoco de senhota. Roa da Imperatriz
8.52, armazem da porta larga.
Paredes Porto
Vende cortes degdrgnrao preto para vestido com
21 eovados cada ora 35500, grsdenaple preto a
1*600,4*800 e 2* o corado, las lizas finas a 400
rs. o covado, lias de quadrraho para vestido, entes-
tada, a 320 rs. o covado.' Ra da Imperatriz'n. 52,
armazem da porta larga.
Roa* fita
Ra da Imperatriz n, 52 armazem da porta lar-
ga juuto a nadarla franceza, encontrarse neste es-
tabelecimeato um completo sortimento de paletos-
saceos e sebrecasacos; de todas as qaalidades, cal
cas, cottotes, -eeroatas, camisas, gravatas, eias,
chapeos de sol, ditos fraocezes para cabeca, por
pregos oromodos, roupa para menino e outras
muitas fajewJis ^or preeo ewBnidos, armazem
da porta larga.
No mesmoostafceleclmento ticfmtrari o respei-
tavel publico, seoipre nm completo sortimento de
ronpas fetas de todas as qoaiidades, como sejam
paletos de alpaca preta e de edr, ditos sobrecasa-
cos a (* e 55, ditos de brto pardo a 2*800, 35 e
3*500, ditos finos a 4*, ditos meias atemira a
3*800, 4* e <*, dttos caaemira saceos 6*, 7*, 8*
e 10*, ditos sobrecseos a 10 e 12*, ditos de pao-
Do saceos a *, 8* e 10*, ditos sobrecajaeos a 12*
e 25*, ditos-de merino preto a 65, 7* e 10*, cal-
cas de brim de diversas qualidades a 15800 a 4*,
ditos brancos a 2*500 "8*O0,ditos cazemira 5*,
ti* e 7*, ditos pretos a 55, 65, S* e 10*, ditos
meias cazemiras a 3* e 4*, coletes de diversas
qualidades, seroulas francezas de algodao, ditas de
.inho, ditas de bramante a 2* e 2*500, carnizas de
algodao de linho fraccezas de 2*500 e 3*. Gran-
de pectiincha neste igenaro, grvalas de todas as
qnalidades e brancas para casamento, grande sor-
tmenlo de meias para senboras, ditas para horneas
a 35, superiores a 3*500 e 45-
Um completo sortimento de chapeos de sol de
alpaca a 3*, ditos de seda a 3, 7*. 10* e !}*,
ditos francezes para cabeea, grande sortimento
a 6*.
Vestidos
Pee Mucha ana igual.
Chegou a loja de Paredes Porto nm bonito -ser
tmenlo de vestidos de tartalsta do cores bravee*
que serve para partidas por ser una pbantasia la
teirameote de {rosto pelo barato preco de-4*f
brancos a 4*500, esli acabando-se : do armazn:
d porta larga ra da Imperatriz n. 52, junto-a pa-
dana franceza.
CortiaadQS.
Chegou a isa de fareAes Porto um complete
sortimento de cortinados -ricamente bordados a
preco de 25*, 35* e 45* : na ra da Imaejwri:
n. 52, porta targa junio a psdarja franceza.
Ricas romeiras.
Paredes Prto receben, pela ultimo paquete ai a
sortimento de romeira de^uipnre pretas e ds file
a preco comuodo : na ra da Imperatriz o. i.
porta larga junto a padaria franceza.
3|M0
Cortes de ka escocesa ora vestido a 3* c -cor-
te : na roa as Imperatriz n. 52, loja da porte lar-
ga, junto a padana franceza, estad se acabando.
Para luto.
Laas pretas com salmeas brancos a 400 e -500
rs. o covado : na ra da Imperatriz n. 52 junio a
padaria francesa armazem da porta larga.
Chapeos de sol.
Vendem-se chapeos de sol de panno a 1*400 e
urna grande pechincha s para acabar : na roa da
Imperatriz n. 52 armazem da porta larga de Pare-
des Porto.
A -1*900.
Vendem-se .pecas de tranca preta para entortes
de vestidos, soutembarques, capas de senhora a
1*600 com 10 varas, orna grande pechincha : oa
ra da imperatriz o. 52 junto .a padaria franeeu.
Chales 4e renda pretos.
Vndese cuales de renda preto .a 4*000, unicc
loja que pode veedor na ra da imperatriz n. 2,
arenazem da porta .torga,, de- Paredes Porto.
6R4NDE EaTAWaWWWT
DO
o
DE
GAMA & SILVA.
LOJA K ARMAZEM DE PAJEKR>A.
Tendo os propietarios de-te grande estabeleci-
menlo feito um grande abaliraento em moiu 4*
m" iem,a8i De,a occasiao do balnco que deram
no ultimo de dezembro de 1865, resolveram vender
muito mais barato do vez roals agradarem ^os seos numerosos fregu-
zes ; por tanto Ihes offererem um avulado sorti-
mento de fazendas frirocezas, inglezas, as'qnaes
vendero mais barato do que em outra qualquer
partj comprometindose a mandar levar qualquer loja do Pavo Da ra da Imperatriz n. 0
ida em casa dos freguezes que nao poderem & Silva.
vir a loja, ou a darem as amostras, delxando"ficar
o penhor, assirn como eonvidam as pessoas, qne
negoclam era menor escala que neste grande esla-
belecimnto encontraro nm grande sortimento
tanto retalho como por atacado,' vnden apenas pelos precos que compram as casas ingle-,
zas, sendo com o dinheiro a' vm.
As toalhas de li ho do Pavo.
Vendem-ss superiores toalhas de linhos para
rosto pelo baratissirao preco de 7*500 a duzla ou
a 640 cada urna.
Guardanapos de linho adamascado para meza
2*800 a duna ou a'240 rs. cada um.
Superior atoalhd de llhho com oito palmos de
largura sendo branco e pardo, e vende-se mais ba-
rato do que em outro parte, na. leja do Pava na ra
da Imperatriz n. 60 de Gama & Silva.
Os corpinhos ae seda pretos do Pavao.
Vendem-se os mals ricos corpinhos de seda pre-
tos, ricamente tnfeilados, pelo ha rato-prego de 12*
cada um : na leja do Pavo na ra da emperatriz
d. 60, de Gama & Silva.
Itleos vestidos a 8^000 rs.
'eehinlHr adniravel.
S o Pavo receten pelo nltimo vapor francs
um grande sortimento dos mais ricos cortes de
vestidos transparentes com lindas barras e enfeites
de seda, sendo estes vestidos muito proprios para
baile* e- passeios, vendem-se pelo baratissimo
prreo de 8*000 rs. cada nm, na loja do PavBb na
ra da Imperatriz a. 60 de Gama & Silva.
Os chales,pretos de renda de Pavo a 84000 rs,
s =
3-B-
thPMitm

o a
Sff#
I
-
5-
2
B 5
V m
BORDE Al X
1.* qoalidade.
i
I

m -! slNMkp4a|Wltaf-
.
ra do v igano n. t%, prknelro andar,
do Qoeiaaio a. 44._
Qteijtft it lerti

Hasrn
IVjo, armaztm hjrrto a rgreja.
4 SALSA PARWLrlA BE Alfil
PAKA A TCURA HADICAL
de'escrfulas e molestias escffhsas, tomores, nlcert, ctoga, feridis ve-
ms.^irnchocele, papo ou papfa, a sypbilis, enfermidades Teneras dowr-
curiaes.
AS MOLESTIAS DAS MLHERES
reteocSo, menstro doloroso, .ulceracies db ntero, Ubres 1)ran6Ss, etc., rjlcera-
550, debilidade, expoliado dos ossos, a nevralgla e convlsSes epiteptcas
quaodo cansadas pela escrfula.
ERYSIPEtaS EBPES; ETC. ,,
Enfermidades cutneas, erupe&o, borbulhas, pstulas,
- nascldas, etc.
O extracto coroposto de salsa parrflha, con'eccionado pelo Dr. Ayer, e urna
combinacSo dos melhores depurativos e alterantes conhecidos a-medicina; confeccio-
nado segundo as regras da scincia, approvado e receitado pelos prhxeiros mdicos dos
Estados-Unidos da America do Suf e Centfal, das Antilbas, do'Mexico e das Indias, e
muitas outras partes do mundo: o resultado de estudos apurados e minuciosos, e de-
experiencias feitas pessoalmente pelo DrrAyer, por multos anuos, nos principaes nos-
pitaes e enfermaras da America ; tcm &ido approtado1 pelas academias de medicina e
juntas de hygienne das priocipaes capltaes da America do Norte f paraprova disto vede
os atfestados" authenticos no Almanak e Manual de Saude do Dr. Ayer, t>s quaes *e ais-
tribuem gratuitamente nos lugares onde se veride remedio.
A SALSA PARILHA DE AYEfi
Especialmente efflcaz na cura das molestias que tem sita origem
na escrfula, na InfcecSo ?enerea,' no uso
excesslTo do mercarlo ou qnalquer Impureza do sangue.
A molestia ou infeccao peculiar, conhecida pelo nome de escrfula, um dos ma-
les mais pre?alecentes e universaes que ha em toda a extensa lista das enfermidades atacam a Bossa raca; disse nm celebre escriptor da medicina que mais de urna terca
parte de todos aquelles que morrem antes da velhice sao victimas, ou directa ou indirec*
tamente de escrfula; por isso s n5o to destrucliva, porm a principal causa de
muitas outras enfermidades que nao Ibe s3o geralmente attribuidas.
urna causa directa da tsica pulmonar, das molestias do figado. do estomago
e affeccBes do cerebro; entre seus numerosos symptomas acbam-se os segnintes: falta
de appetite, o semblante plido e enchado; as vezes deum alNTira transparente centras
veies corado e amarellento irregular, fraqueza e moeza nos msculos ao redor da boc-
ea ; digesto fraca e appettite, falta de enefgia; ventre encbado e evacuarlo irregular;
guando o mal tem seu assento sobre ospulmoes urna cor azulada mostra-seem rodados
olbos; quando ataca os org3os digestivos, os olbos tornam-seavermelbados; obali-
to ftido, alinfua carregada; dores decabeca, tonteiras, etc. Naspessoas dedisposi-
c3o escrofulosa apparecem frequentemente erupooes na peHe da ctbeea e outras partes
do corpo ; s3o predispostas s affecces dos pulmes, dofgauV^dcS'rins, dos orgos
digestivos e uterinos. Portante, nao sao smecte aquelles que"tdecem das formas ul-
cerosas e tuberculosas da escrfula que necessitam de proteccao contra os seus estragos;
todos aquelles em cojo sangue existe o virus latente deste terrivel Qagello (e s veees e
hereditario), est5o expostos tambem a soffrer das enfermidadesqueoHe causa, que sao :
A tsica, ulceraces de figado, do estomago e dos ros; efupces e enfermidades
eruptivas da cutis, rosa 00 erysipela, bortulbas, postlas, oascida, tumores, rbeuma,
carbnculos, ulceras e cbagas, rheumatismo, dores nos ossos, -as costas e na cabera,
debilidades femininas, flores brancas-causadas pela ulcerado inlerior, e enfermidades
uterinas, hydropesia, indigesto, enfraqoecimento e debilidade geral.
fferecemos aestas pessoas um abrigo seguro e ora-entidote efficas contra esta
molestia e suas coDseqoencias na
SAI5A PARRILHA DE AYER
(pe opera directarneute sobre o sangee, purificando-o eexpulsando delle a corfupg5o e o
veneno da motestia; penetra todas as partes e todos os orgSts, do corpo humano, livran-
do^os da sua accao viciada e inspiraudo-lhes. novo vigor., um .alterante poderosissiak
para a renovacao do sangue, e d aoicorpo j enfraquecido pela doenca, forcas e ener-
fgias renovadas como s da joventude.
E tambem o melhor anty-syphilitico coohecido
cura permanentemente as prores formas de fsyphiHs e as suas coneqen necessidade ha de informar o publico do inestimavel valor de-am-remedio- que, oomo
este, livra o sangue desta (-orrupcp e arrebata a victima das garras de-urna morte lenta
e ignominiosa, poFm ineyjtavel.-se o mal no logo combatido com ooergia.
um poderosissimo alterante para a renevaco do sangue -epara dar nova tor-
ca ao corpo j enfraquecido pela 'doenga.
Scnd composto de productos vegetaes, esie medicamento innocente eaomes-
mo tempe efficaz, wn fado de immensa importancia para aqoelles que o tomam; por- "o}rdo iona" ra "da imperatn n. 60. de
que muites dos remedios alterantes offerecidos ao publico tem por base o mercurio ou o Gama.& Silva.
arsnico; e sendo-assim, bem que s vezes podom effectuar curas, comtudo deixaut suas Cambraias de forro a Ii5600 e 2$ na loja
victimas -carregadas deqmalonga serie de males, muitas vaEes,,peior doquejomal ori-
ginal. A nica eousa necessaria para obter urna-cura radical seguir com juizo e cons-
atncia a direecoes qua.acomparrbam cada fraseo.
Tipo pretendemos promulgar, nem queremos que se Ora que esta. cqmpos|c5o a
um reraiedo infallivel para cura, de todos os padecimentos. humanos; infelizmente1
escrfula e a syphlHs sao enfermidades tSo sutis as suas aiurazas, earreigam-se,to
firmemeate no systema, que murtas vezes evadem e resisten aos remedios mais pode-
rosos que a scieacia humana pode inventar para combtelas; o que .-dizemos que o
Extracto composto de salsa parnlha de Ayer
a melhor preparado at hoje descoberta para ests e oulras molestias anlogas,.que
urna combinado dos alterantes mais efficazes conocidos, eque esta combinacotem sido
regulada por longes e laboriosas-experienejas, -e finalmente -que temos conscieneia de of-
ferecer.ao publico-o melbor resultado que possivel produzir, da iotelligencia e pericia
medicadosnossos lempos. '
Este remedio deve ser tomado com sytema e reguiaridade, eia2o.com abandono,
pois um remedio ^ nao bebida.
Quando as ^molestias do figado nao tem sua origem na esGPofula,. o remedio
mais proprio as pilulas catharticas de Ayer, que sao efficaces na cura da molestia, que
m por causa um dssarranjo dos org5os; digestivos. Pedi a salsa.parrilha de Ayece
nao aeeiUi outra preparacao.
Pernamba^o, ra Nova >n. 18, pharmacia franeexade P. Maurer d C.
Cartas de cambraia tm palmas na lupo
Pavao.
Vendem-se cortes de camijraia bracea compri-
mas, sendo fazeoda muito boa, pelo baratissimo
preeo de SjSOO para acabar; na loja e armazem
do Pavao na roa da Imperatriz n. 60, de Gama X
SiUa.
Chitas a i 80 rs., s o Pavo.
Vndese o mais bonito serflmeptode chitas in-
glezas, padrSfi rmdlnd, tlards esc%ro's, e ten-
do tambem rxas para luto, aQancando-se serem
cores flxas, e vendenuse^elo tftraiisslmo preco de
nove viDtens o covado, on a peca c^m 38 covados
i por 6)|80O! ito na loja e armaiem do Pari, na
Cneos braueos a t$tWO veis -a rna da Imperatriz o. 60, de Gama & Silva.
ansia.
Vendem ae lencos brancos (arenda muito boa
pelo baratissimo preco de 2 a duzla, Ditos com
barra de-eftr a 2#000 isto para acabar na loja d-
Pavio oa rna da Imperatriz n. 60 de Gama & Sio
va.
Poupelinas modernissimas a 400 e 500 rs.
o covado na loja doPavSo.
Vestidos braicos.
Gbegaram para a loja do Pavo os mais bonitos
cortes de vestidos de cambraia branca com boni-
tas barras todas brancas, assim como com barras
de cores, sendo fazenda transparente e muito fina,
tendo cada nm corte bastante fazenda e ronita ro-
da, e vendem- iOtf : na loja do Pavo na ra da Imperatriz n.
Vendem-se poupelinas muito finas seado fazenda, J? de Gaa &. Sl'Ta:
mnlto moderna de qoadrinhos e liza vendendo-se CorteS de la ra la Da Da loja UO J'avaft.
petos baratos precos de 400 e 800 rs. o covado na Vendem-se os mais modernos cortes de trlataoa
com as mais lindas barras de cor, pel baratsimo
prego de Sacada nm, sendo neste artigo o melnor
qne tem vindo ao mercado : isto na loja e arma-
zem do Pavo na roa da Imperatriz n. 60, de Ga-
ma & Silva.
de Gama
Cirosdenaples pretaa do Pavo.
Vendem-se superiores grosdenaples pretos pelos
baratisslmos precos de 15500, 12600, i800 e 2
o covado, sendo fazenda muito boa, s para aca-
bar : na loja e armazem do Pavo, rna da Impe-
ratriz n. 60, de Gama & Silva.
Bramante de linho do Pavo.
Vndese superior bramante de linho com 10
palmos de largura, prrprios para lences, pelos
baratsimos precos de 2 e 2,5600 a vara,
Vende-se um engenho
como panno de linho muito fino pelos baratissimos
precos de 640,700 e 800 rs. a vara : na loja- e ar-
mazem do Pavo, ra da Imperatriz n. 60, de Ga-
ma & Silva.
Cambraias lisas da Pavo.
' Vendem se pegas ae cambraia lisa mnito supe-
rior, pelo barato preco de 32200 e 32300 a pega,
ditas muito finas a h&, 62. 72 e 82 : na loja e
armazem do Pavo, ra d Imperatriz n. 60, de
Gama & Silva.
PECHINCHA !
a 2.00O, para caifa, s Pavi.
Vendem se superiores crtts de meia casemira
com msela de seda a "-2, ditas Garibaldinas a
22800, ditas escoras a 22800, ou a 12600 o cova-
do.: na loja e armazem do Pavo, ra da Impera-
triz n. 60, de Gama & Silva.
PENTEADORES
ou roupoes de cambraia bordados proprios
iara as senboras vestirem de manliaa.
hegou esta novidade pata a loja do Pavo,
muito lindos e do melhor gosto at boje, pur pre
d'agaa denominado Trinmpho na comarca de San-
to Actao junto ao engenho Coqneiro, com trras
para safrejar de 300 a 800 pes, com boas obras e
casa de vivenda por preco commodo : quem o pre-
assim tender queira dirujir-se a ra da Praia n. 76, para
tratar at o fim do corrente mez de abril.
Vende-se e faz^e todo negocio com o depo-
sito da roa do Vigario n. 29, muito prnprio pera
um principiante qne queira principiar sua vioa
com pouco diobeiro ; ao comprador se dir o mo-
tive da venda.
Vendem-se osmais ricos chales pretcs de renda ; ^ ronit0 roaveis ^^ do pav, rna da
m finalrn rnntic conni.mmin rrr*innac no n na- r ,- *".... '
a
todos aquelles em cojo sangoe existe o virus latente dest^terrivel flagello (e *^^%^^^^^nV^SSl^i \ fe3 st.0 F
com quatro [cotas, senda-mnito grandes pelo ba-
ratissimo preco de 82-
. Ditps de guepure a 152,182,202,252.
Retondas de dito a 10.
Manteletes de renda, fazenda mnito superior a
432000.
Capas e santhambarqnes de grosdenaples bor
Imperairiz n. 60, de Gama & Silva.
Cassas francezas a 240 rs. covado.
Vendem-se bonitas cassas francezas de cores fi-
las pelo baratissimo preco de 240 o covado.
Ditas a 280, 320 e 360.
baratos qne em otra qualquer parte.
Isto na loja armazem do Pavo na rna da Im
peralriz n. (0 da-Gama & Silva.
Gschales do pavo a 2ooo e 2ooo rs.
jGrsdenaple preto a-10600.
E' grande pechincha 1!
Vende-se grsdenaple preto, sendo muito encer
'VT,W "7 >r\"w .'"."" "Yww."4 pado e de boa largura, pelo baralissimo preco de
SatS! fi* meri esllm,a Os cachinez do Pavo.
e 22500 cada um.
Ditos de merm liso a 32500.
Ditos estampados de crepon a 62, 72. e 82000.
- Ditos pretos bordados com franja de seda a 142-
Na loja e armazem do Pavo na ra da Impera-
triz n. 60 de Gama & Silva.
Para luto vende o Pavita.
Setim da China com 6 palmos de largura, fazen-
da preta para loto, propna para vestidos e roupas
para horneas, sepdo esta .nova fazenda sem lustro e
de muito boa qoalidade, garantindo-se nao (icar
russa com o lempo e vende-se pelo barato prego de
22 e 22509 o covado, assim como neste estabeleci-
mento tem ora grande sortimento de todas as fa-
zendas pretas como sejam cassas e chitas preta,
laas tapadas e transparentes, princezas, alpacas,
sarja?, te. : na Joja e armazem do Pavo na roa I
da Imperatriz n. 60, de Gama & Silva.
Os baioes. do Pavao.
Vendem-se superiores baioes de muculina com
moita roda aS2., ditos crinollnes com 35 arcos a
3250, ditos ora 20 e 25 a 32, ditos par meni-
nas, sendo brancos e encarnados a 22 e 22500
VENDE-SE
- -
So armazem de II. *. llantos e Silva & Gonro. rita do vigario
ai. 11, e^nstanemeote, osseguintf artlgoa, ^ue
rcoefcem por -r neo mineada propria de
Legitima salsa parrilba de Brutal, preDaraapor Lanmai -& Kemp-
Verdadeira agna Florida, preparada pelos mesmo's.
Gz.em latas de tadamrca.W.D. AC. !":j',r ." ...._. ^
Relogios perfeilos reguladores, oom corda de quatro aoito bricantes E. N. Welch.
Graixa em latas grandes da bem conhecida marca las. S. Masn *ae 1 DMa>
phia).

Superior oleo para achinas :de.-oafiura-
A gulhas para as mesmas.
Breu em hanicas grandes e pequeas.
Vende-se .tambem:



St. Estephe.
St. Julien.
C, Margaux.
C. Lafite.
Medoc.
i
i
.FOT?
1
Vinho.fino do Porto4B-bavrte.d*>5/, Q/e 20/.
Superior vinlio do-Rheno.
.Cera de Lisboa em velas je em^rume.
Principe Real.
Pedro V: "
Maria Pa.
^rinceza D. Isabel.
Vctor Emmanuel.
que.
'vzia.
m&
-..f ~^T'
do Pavo.
Vendem-se pe$as de cambraia de forro com no-
ve varas cada pea, pelos baratissimos precos de
iaoOO a32: na loja e armaiem do Pavo na rna
da. Imperatriz n. 60, de Gama &.Silva.
Os cornados do Pavo-
Vendem-se superiores cortinados adamascados
para camas pelo baratissimo preco de 12 cada par,
ditos muito finos ricamente bordados para camas
oa janellas a 152, 20? e 2S$ o par : na loja a ar-
mazem do Pavo na ra-da Imperatriz n. 60, de
Gama & Slhra.
Panno preto a 2$ sa loja do Pavao.
Vende-se panno preto. fazenda mn'rto boa, pelo
barato preco de 23 o covado, dito muito fino a
32500, 42, ^e 62, assim como casimira preta de
oordo a .25 o covado : na loja do Pavo na ra da
emperatriz n. 60, de Gama & Silva.
Os espartilhos do PavSo.
Vendem-se nma grande e variado sortimento de
espartilhos dos mais bem leilos que lem vindo ao
mercado, sendo de todos os tamanhos, vendendo-se
por um preo muito ra^owel : isto na toja do Pa-
'vao na ra da Imperatriz n. 60, de Gama & Silva.
s salas bordadas do pavo.
Vendem-se saias bordadas sendo fazenda muito
bCa, sendo/ricamente bordadas e com multa roda
vendendo-se pelos baratos precos de t>2 ^ e 102
res cada nma na loja do Pavao na ra da Impera-
trie n. 60 de-Gama & Silva.
BpetsDhas de reo a 3.s(H^
Vendem-se pecas de bretaoha de rolo om 10
varas cada pega, pelo baratissimo preco de 32 :
na .;oja e armazem do Pavo, ra da Imperatriz n.
60,-de Gama & Silva.
noiipa fefta.
la loja do Pavo
Vende-se neste estabelecimento um grande cor-
tlmecto de ronpas, tanto de panno como caxemiras,
e brins e pelos baratissimos precos como sejam
calcas de caxemira preta a 62 '& e 82000 res, pa-
letots de panno preto saceos a 62 82 e 122000 rs.
ditos sobrecasacos de panno flnissimo a 122 182 e
252000 reis, e oulros mu tos artigos que seria en-
fadonhoe aqu relata-los; s na loja, e armazem do
PavSo roa da Imperatriz n. 60 de' Gama & Silva.
Loja da pavia
4.,rande peebinebas.
Seriabas a SAO rs. a aovate
Sfdiuhas i 800 rs.
SediaM> aO-js.
Vende-se na joja do Pavao, om grande sortimen-
to sedinbas listrads ooco s mais bonitas cores/
sendo os padrfc mais no vos qne lem viado ae mer-
cado, e vende-se pelo pataslmo^preeo de-cinco
tostoes o cavado, sendo fasenda que valera mnito
mais dinheiro, e grande pechincha por se ter
comprado orna grande ponida desta Taseoda, na
l toja.a-anaazem.de fasenda do Pavo, rua4*Im-
, m*W- O.L0uto
Lclasmha matizadas a&M s.
Venclom-se a6 mais lindas. UasinUas maaadas
omvo mais bonitos dasenbos, jjelo;barato prefio de
r". im- P *a^o >JP loj>.dc-Pajio ,a rna da Jm-
i 'peratizr 60 de Gama %^Silva.
tr RA 90 JU
Madapeio.
/^SjUecas demadajelSp c^m jvtiu*94.
laya de caoibraja br/pca^ du>la U.
Mfjm d,e cores ftas para mepioos^ duna W460.
Caanferaias.
Cambraias de cores a preco deleO a-980 rs. o covado.
4Maardauapos.
Mrdaoepos d> -liaho, doa KWO.
4goao Ifeaeado de om iarfiMag, proprio-paRi toalhas de bwm, m M
9G3 asara.
r.
Saperier bramante de 4*s stez a fraooaz.
i Caaabfin de lmoo propria para i
Atoelaado branco
atreaMoi e cambraia
Lencos de seda para
G*Z.
No armazem da rna do Imperador n. 3
Caes de Pedro II n. 2, tem para .venderse
bor car. existente no mercado.
on no
o me-

reiji
o.
Vendem-se saccas com feijo
rajado e preto, mais barato que
le : na ra da Madre de Dos n. 5.
amarello,. branco
em qualquer par-
SAIHMTRS
medicinar* de alentro
Remedio't-fflcaz contra as doencAs cutneas, as
caspas, impigens, boriiulhas, comichees, pstula^ e
sarnas; na pharmacia do Pinto, ra larga do Ro-
sario n. 10.
Vende-se 1 escravo moQO excellente cozinbei-
ro e de boaconduta, e urna bonita negrinha de li
annos de idade : na iravessa do Caimon. i.
Escravos fgidos
Vendem-se bonitos cachinez de la on agazalhos
para cabrea pelo baratissimo preco de 32000, s
na loja do Pavo, na ra da Imperatriz n. 60.
MANTAS PARA O PESCOCO
a 12, s o Pavo.
Vendem-se bonitas mantas para o pescoco, pelo
barato preco de 12 : na loja do Pavio na ra da
Imperatriz n. W, de Gama A Silva.
Madapoles a 3,560 rs. a pessa.
S na loja do Pavao.
Vende-se pecas de madapoio fino com 2 jar-
das, pelo baralo prefo de 32500 e 42000.
Chales de renda.
Na loja do Pavo.
Receberam-se os mais lindos chales pretos de
renda, assim como as mais modernas e compridas
mondes, e manteletes da mesma lazenda,e vende-
se mais barato qne em outra qualquer parte: na
loja e ajmaaem do Pavo na ra da Imperatriz n.
66 de Gama & Silva.
Caslor a 310 rs. covado.
Para caJcas.
Vendem-se soperiores castores ranilo encorpados
padres escuros pelo barato prego de 320 rs. o co-
vado, servlodoesta fazenda tambem para escravos
por ser de mnita duracao ; na loja e armazem do
Pavo rna da Imperatriz n. 60 de Gama & Silva.
Chapeos para meninas a 6,000.
S na loja do Pavo.
Se vendem os mais bonitos e mais bem enfoca-
dos cbaposinhos de palha da Italia, proprios para
meninas, pelo baratissimo preco de 62000; na loja
e armazem do Pavao na ra da Imperatriz n. 60
de Gama & Silva.
Attencio.
ULTIMA NOVIDADE
PENTES, ENFEITES, CINTOS.
Gama & Silva, acabam de receDer pelo nltimo
vapor francez, nm grande sortimento dos mais ri-
cos enteiles pretos e de cores proprios para cabeca,
sendo guarnecidos com as mais lindas flores, e com
vollas das mais bonitas perolas; assim como osmais
modernos e engranados pentes da verdadeira lar-
taruga, marebetados sendo a ultima novidade
que tem vindo de Pars, e os mais ricos cintos com
fitas mathisadas e.fivelas largas, conforme ltima-
mente se nsa as primeiras capilaes da Europa, e
vende-se por preco em conta por ter chegado em
direitnra para a" loja do Pavao, rna da Imperatriz
o. fiO de, Gama 4 Silva.
As rolandas do Pavo a 8 e 1 Q.s,
Vendem-se as mais ricas rotandas de renda pre-
ta, sendo muito grandes, que sao as que mais se
osam, pelo baratissimo preco de 82 e 102 : na
loja e armazem do Pavo, ra da Imqeratriz n. 60,
de Gama & Silva.
Chitas pretas a 160 rs:
Vendem-se chitas pretas inglezas, sendo fazenda
muito boa, pelo baralissimo preco de 160 rs. o co-
vado, oa 2800 a peca, com 38 covados : s. na
loja d Ravo, roa da Imperatriz o. 60,, de Gama &
Silva.
ATLANTA
Fugio do engenho Bello Piado da freguesa
de Agnas Pretas no da 1 de abril do corrente
anno o escravo cabra de nome Romualdo, de ida-
de de 23 annos, estatura regular, fornido do cor-
po, cara larga, nariz chato, bocea grande, com fal-
ta de denles na frente, sem barba, ps largos, lem
as costas com varias sicatrizes, sope-se andar
como forro, por ter levado urna preta forra com
sigo de nome Alexandrina : roea se as autorida-
des policlaes e capilaes de campo que delle tiver
noticia o mande capturar e levar a sen seohor
Antonio Pedro Cavalcanti de Albnquerqne no dito
engenho ou nesta praca a Loiz Antonio Annet Ja-
come, que gneros;mente recompensa.
Mlfl
0& ciales de&ijpjtt a 124 -ft
Vepdem-se os mals ricos chales de Gulpnre e de
renda "^l Heno e seda; petoe btratisiitnos precos de
11*4) t*2; 4 .flMnde*acbcha e ralaf boa ^ m/de Ontna -A Silva
paHdade e.mapbo dalles : .fi na laja do p*vae,
roa da Imperatriz n. 60, de Gama & Suva.
fmmas4 2U0 rs., s,9
Paom.
Vendem-se modernas Uaxinhas com rindlsstmos-
i gortos.^eto btrMisin preco de JO rs. ; gran- Mes gestes de iores-e listas, lendo entre ellas W
,.-,
*^BWi
; rdaiaiaMoaaa : #6 jm*Mwo, rm
. uWA.m4a&m4#iin.
5e4w Lar#s
M i^adal^aa.
m?r__u
_ m ka #
ipwtelW) a apv*#,.
Desappareceu desde o dia i do correte me?
prela Vclorina crionla de 26 annos de idade pwico
mais ou menos, tendo os sejiuiuu-s 6igoaes: a.:
e corpo regulares, rosto redondo, tem andar re
apressado levon um vestido de chita escura ja
da e chales encamado: esta preta tbi norava
Exma. Sra. D. Maria Candida Salazar da V. Pe?
moradora na ra do Hospicio consta que auda p
ras da Boa Vista, i nde foi sua anliga residen ;i;
quem a pegar leve a ra do Crespo o. 18 2 andr,
que sera' recompensado.
tu-'-rt-
j)
a
no
'ir'
las
Os pretos Joo e Francisco achrese
tes ha muito da casa do testamenteiro da loa!
Anglica Joaquina de Jess, coslumam andar
os Afogados, onde teem sido presos por veze*
ga-se as autoridades policiae.s os recolham a'
tencao, visto que sao incorregiveis.
oe-
Fuglo no dia 10 de abril correte, o escra-
vo Antonio, de nagao, cor preta porm um pouco
fulo, estatura um pouco menos qne regalar, de
rosto miudo, nariz bem alado, quando anda abre
os ps para os lados, um pou o eambado oa como
derriado das cadeiras, entende alguma cousa de
sapateiro porm ja' a muito teinpo nao usa do ot-
ficio, muito regnsta e mnito bebado. foi escravo
do Sr. Jos Rodrigues Ferreira a ra do Qneimado
e por isso Dem coohecido pelas diversas fgidas
que fez em poder daque le seohor, os lugares por
onde costuma andar OHnda, Caxang e Varzea :
quemo pegar e levar a rna da Concordia n. 8, re-
finaco, sera' generosamente gratificado.________
Fugio no da 24 de evereiro prximo passa-
do, do engenho Baticun, do termo de Barreiros, o
mulato de nome Francisco, idade 34 annos, estatu-
ra alia, seco do corpo edr nm unto plida, com
pannos pelo rosto, nm pouco boleado, pouca barba,
alguns denles podres, cabellos caraplnhos, tendo
em urna das pernas nma sicalriz de orna ferida, e
consta ter dito qne ia sentar praga de volunta-
rio. Boga-se por lano Srs. commandantes de cor-
pos, as autoridades policiaes, capilaes de campo,
bem como a qualquer pessoa.de o pegarem, e de
remllelo a sen legitimo senbor Francisco Paes
Brrelo, lavrador do referido engenho, ou a roa.do
Imperador n. lerceiro apdar, qne se gratifi-
car.____________
agrande novidade a 200 rs.
' Atlanta a 200 rs.
Atlanta a 200 rs.
Allanta a 200 rs.
Chegou para a loja do pavao o mais lindo sor-
timento desta nova fazenda, com o titulo de allanta
acpptta pa/a veaiido e- roupas pa*a gionimjuapn-i
do 68U modernissima fazenda de lia com os mais
lindos gostos de qoadrinhos.e lislras tendo -entre
ellas jfocor roxa afreta, com listras.e qnaros
brancos proprias para luto, e vendem-se .pelo ba-
ratissimo preco de 200 rs. o covado nicamente va
loja do Pavo-rua da Imperatriz n. 60 de Gama &
Wn. |
As -ehilas-da Pavo a 200 o covaoS).
Venda-*e.'mais honilo sarlimenlo de chitas es-
curas e roas .sendo, inglezas, mas com os pannos
to encorpados corno os das (rancezas qne se ven-
dem a 400 ris, e HqoMio se peo barato preco-de
im !W>ovado ou a 72*apoca, gwatthwlo-
se l*r#m 38 covads -oada peca awem ,de toces
flus isto na loja e.armazem do Pavio na.ra da
Imperatriz n. 60 de Gama & Silva.
Armazem do Pavo,
parte ne armazem do Pavo pa rna da Imperatriz
i anM pvaM yara finan m
(lajtniartaaova binaai Aaaiawndn
facilita fazer-se nm vestido com poneos
vende-se pelo baratissimo preco de $000, ni
W&m'mmrimlnrrAo'i-TTi* fla'mpe-
a Pjra rmim
i com listrlrtiastsea
a^Mfaa-. akaaaaaaiABakM aaaa^M J
aaaawoaaai
[ASIIvi.
200^ de gratifica#o,
tm 31 de ontobro do anno passado, fngio a es-
crava Clandioa, cabra alta e seca do corpo, que
perteneeu ltimamente aos Illms.Srs. Jos Joaquim
da Silva, Maooel tauricio de Sena e D. Mariana
Ignacia de Castro e Silva qne a venden a Jos Ma-
ibeos Ferreira qne pagar 2002000 a quem Ibe
entregar dka-eserava aa rna da Gadeia 62._
Contina fgido o escravo pardo Sebastiao
de 18 tinos, Ito,cabellos araptnhos erolvos,
olhos castannos-e grandes, sem baria, nariz ebaio,
com todos os dente*, orelhas peqnenas, tem a mar-
paca meaiaaa^vn-, miga lalbn intri. B.iabt<*Jfwior,awa8 de
bichos nos calcanhares, sabe ler e escrever, traja
calca de brin e mande algodSo branco : quem
pegar \eve- Ciato "Portas in. 152, que ser
recom pensado gBueiWlHlwilte.________________
-Fugio nontem 43.de abril o escravo Joo
caaai a aaana de- idade, baixe.-grosso -do cor-
po, com falta be dentes, ps emaos nm pouco
grossos, barba pouca, cabellos carapinhos, nm
ponco rnivo, levon caifa' de brim parda, chapea
de baeta parda* e caaiisa de madacoio, regrista
e intnla-se ser forro.
Este escravo foi comprado ao Sr. Hanoel Ri-
belro de l^arvalho com loja na rna do Qneimado,
o qual escravo foi rameltido de Garnguns.pelo Sr.
Antonio Correa dattoeha Muniz para ser vendido
TwWroite, prsnBW*se gnHto aaci#aralB, aade-taro 'arenteej'pede-
, se-as Srs. apitaaa de campee-a Mis autoridades
Vtir^Ma.4eraiai*bi*xa**aranHdde ooe o i^uem e levem a sen Sr. Jos PereTra ;de
em'sjccos. mais barato aue em culta auaJojier Miranda Ctmna Da ra da Imperalrlz n. lo, oq ao
9r. Umm mummmiOm>mtio com olja a roa
do Qneimado, qne sero generosamente recomaan
fiado.
B^ auaeat^aromie e itortor-desde"31
Je mtijo ^Hwximo ifanado, oeaeravo per sene
Joo, nagao Zongo, de meia idade, levon calca
branca, camisa de algodao 'fucnlcada, ctapo Vefto
s cateado Pavfto n #000
ocoyado.
Chegaram paraa loja do Ravo asnais Hndas
cabaias de seda para vestidos, sendo com os mais W-wWo.WiWa* ^aWe,'n*s;t^B>c6w,'aarii
c ha < ri asaaHwoO. apalB faajaau*maajis -
w rtiver fle Wto, o Lawra *ei4i*e aaoortraoo tm roas do Ran-
4jel, 4>aleo doCarmo e Caaapo Grande : rogase a
qnelft vj^gt^Wa-16 aJcagiaTaa 6lil(BWraU
l^^^j^P I^Ww ^"^"^W^^aa^anrv.______
h li Saa, tjTm^ TWJBbo, WhVb, Bj
I



i
1
\
mi



^5?
/
Dlar* m J*er dula* I eir ato AbrH attxttm
/
JURISPRUDENCIA
rorum.
DEFZA PRODUZIDA PEDANTE O TRIBUNAL DA
RELAQAO.
O meu constituiole, bacharel Paulino Ferreira
.ijj&lva, sendo juiz municipal a de orpbos dos
reunidos do Principe e Aoary, na provincia
rande do Norte, exerceu as respectivas
por um anno, sem haver provocado con-
menor reclamaeo. De igual modo pro-
i elle anteriormente como promotor durante.
. tumba estada na referida provincia. J
Adstrlcio ao comprmanlo de seos deven-i, e cora-
ilaamente estranho as intrigas polticas, nao re-
usa hoje invocar em conormagao desta verdade o
lestetaunho dos homens bons do logar, os documen-
tos existentes na secretaria do governo, e o? julga-
dos proferidos por elle, e que teem sido apreciados
pela instancia superior.
Este fado j por si um grande argumento para
os qae sabem devidamente aquilatar a critica posi-
go.de um jalz em termo remoto, onde os caprichos
de influencias pretenciosas costumam quasi sempre
colloca-lo na dura coiliso de se tornar sordo
voi da consciencia, ou de sustentar urna Iota ex-
tremamente fatigante e perigosa.
E si um governo parcial, tendo em vista ageitar
inieressos eleitoraes, deixa so e desprolegido o po-
bre funccfonario, em vei de cerca-lo de forca e de
prestigio, eoto tca.vencida a propna autoridade
local, e ser bem raro que se nao acobarde, si Ihe
taita toda reslguago e fortaleza d'animo para man-
ier-se no seu posto de honra, expondo-se a ultra-
ges, e o que peior : sacrlflcando heroicamente
a vida.
O processo que ora est em julgamento consti-
iue mais urna prova convincente da jasteza destas
assergoes, e recorda urna verdade dolorosao des-
prestigio da magistratura, por colpa, principal-
mente, do governo.
Contra meu constituiote dera duas denuncias
simultneamente, perante este egregio tribunal,
iiii Bernardo de Medeiros, presidente da cmara
municipal, chefe de partido, e membro de urna
familia numerosissima que domina a comarca do
Serid, e que occupa em grande parte as pusicoes
. diciaes; estando habituada a indispor-se com ma-
gistrados que nao subscrevem aos seus caprichos,
como aconteceu com os Drs. Antonio Jos d'Alco-
vi, Jos Qulnno de Castro Leo, e Miguel Gon-
c uves Lima.
Urna das denuncias alludidas, revelando ate a
falta de senso coromum, foi jolgada improcedente.
Fuudra-se ella n'nm equivoco que o denuncia-
do sanara opportuna e regularmente ( cerlido a
fl. 45.)
Resta portante o fado da outra denuncia.
Tendo comecado no dia 11 de setembro de 1863
os trabalhos do jury no termo do Principe, conti-
nuaran! com toda regularidade at ao dia 13, em
que occorreu um desagralavel incidente, talvez
premeditado como pretexto para urna exploso
maior de despeito.
O denunciante, bomem de genio recalcitrante e
rixoso, achando-'e como simples expectador no tri-
bunal, conversava de modo a perturbar o silencio
e distrahir a alinelo dos jurados.
Por um excesso de prudencia e delicadeza, que-
rendo, alm disto, prse a coberio de qualquer
suspeita de parciaidade, eotendeu o denunciado
que nao devia charaa-lo orden de um mo Jo publico
o directo. Contenten se em pedir ao juiz municipal
que em tom amigavel adverlisse o denunciante.
isste porm, apezar do raeio brando empregado
pela segunda vez, e sem aitender depois a recla-
mado de silencio feta de um modo geni, Insis-
ti' em seu desabrimento, e fol por lsso obrigado a
sahif da sala por ordem do denunciado, que elle
por acinte pretenda desmoralisar, faltando com
o respeilo devido ao tribunal.
Ferido em seu amor proprio excesslvo, convocou
prenles e amigos, protestando tomar urna des-
forra.
Eotretanto a sessao do jury correu com a oeces-
saria regularidade, sendo jutgados dous reos.
Findos os trabalhos ni i-tille dia, conseguio o
denunciante retirar as cadeiras que como presi-
dente da cmara zera coliocar na sala do jury ;
vendo se o juiz toreado a mandar vir outras de
sua casa atim de que o tribunal nao deixasse ae
funecionar por falta de asseotos.
Este procedimento irregular e mesqoinho da
parte do denunciante, e o empeoho com que elle
procurava exacerbar os nimos, augmentou os re-
cejos do denunciado, que va em todo isso um pre-
ludio de desordem, que podia tomar proporcoes
gravissimas.
No dia lo,o ultimo da sessao do jury,teve o
denunciado um avisode que o denunciante com
grande soque I la de parentes e adeptos acommetteria
a sala das sesses, no consistorio da matriz, para
execntar seu plano de vin ganga.
Ainda assim animava se o denunciado com a ri-
gorosa obrigaco de nao recuar, e tambem com a
esperanza de que daas noites de reftexo fariam
talvez entrar em si e denunciante.
Mas este invade inopinadamente o recinto do tri-
bunal, com squito numeroso, infringiodo assim a
ordem estabelecida pelo denunciado, que alm de
nao querer nem poder consentir que os expedido-
res se misturassem com os jurados, receben a no-
ticia de terem viodo os invasores manidos de pu-
nbaes, e sem davida com dlsposigSes hoslis, segun-
do manifestaram francamente, entrando logo em
contestado com o denunciado, e collocando-se en-
tre este e os jurados, em cadeiras que fizeram vir
naquella occasio. Um deiles, Antonio Garca de
Medeiros, major d gurda nacional, e parete
mu eonjuncto do dirauoeiante, declarou em voz al-
ta que como cidadoo brasileiro eslava no seu dt-
reito tomando aquella poslgao, evidentemente
acintosa.
Bem reconbeceram os dscolos que o denuncia-
do se achava peseuldo de recelos- que mal poda
desfarcar. o tendo **, orm, algum pretexto
para' um romplmecto mais pronunciado, retira-
ram-se para a casa do denunciante quando come-,
cava o julgamento dos reos de que adianto fl-;
larei.
All proferiratn vozerias e insultos com to gran-;
de alarido que impeda o conselho de Tuncciooar
na ala secreta, pouco distante da tal casa, onde
Cv'Utinuou at noite um inovuuenio desosado,
sahiodo uns e entrando outros com garrafas de
espirites. Esta ultima circomstancia era das mais
aterradoras. O que nSo fariam homens dirigidos
pela paixo, e alm disto estimulados petas bebi-
das alcoolicas t
Acbavam-se as cousas oeste pe quando foi o de-
nunciado prevenido por um amigode qoe pre-
teodiam desacate-lo ao sahlr do tribunal.
Nessa mesma occasio vinlia o conselho da sala
secreta com a deeiso condemnatorla dos doos
reos.
Sem um s prenle no lugar, sera recursos, sem
influencia poltica, sem forca publica que offere-
cesse garanta ; ebegado recentemenle em um ter-
mo distante da capital setenta e quatro leguas; at-
ribulado cora a noticia (recebida dons das antes)
do fallectmento de urna pessa conjuncta, como
declara em sua defeza a fl. 23 ; e reconhecendo,
analmente, que nem raesmo podia eontar com o
auxilio dos jurados, quasi todos parentes, amigo* e
sectarios do sen inimlgo rancoroso,o denunciado
nem soube o que fez qoando lavrou a seotenga de
bsolvico. Ja" extremamente perturbado, s espe-
rava soffrego a terminacao dos trabalhos para abri-
gar-so em sua propria casa, a ver se podia assim
evitar os bomens que pareciam permanecer na
firme intencao de o molestarem.
Felizmente nao foi mais longe o desrespeito ao
principio da autoridade. Melhor aconselhados sem
uvida, entendern) o denunciante e seas compar-
sas que nao valia a pena aggravar o seu procedi-
mento criminoso, quando j existia contra o denun-
ciado urna prova material quejlhes dava eosejo para
descarlarera-se de funecionario tao incommodo.
E nao se enganaram. O presidente da proviocia
s foi solicito em apadrinhar as denuncias, enca-
minhando-as offlcialraente. Ficou, porm, impune
desacato ao juiz, e aborto mais um precedente
perigose.
Eotret; nto um bomem como o denunciante, ca-
recedor de correcgo.conslitue-se advogado offleio-
so da justica offendda, e leva a palma da victoria,
conseguindo affastar para bem longe de si o fazer
passar por dissabores o proprio funecionario que
pretenden cohibi-lo, em vez de lisongea-io com io-
debitas complacencias I
Estas e outras anomalas deplorareis sSo estim-
los bem poderosos para a rraeza e redidio dos
membros do poder judiciario, e servem de resposta
eloqoente a essas vozes descoropassadas que exi-
gem da magistratura exemplos edificantes de abne-
gado, de sacrificio e at de manyrio, quando se
ve que os altos poderes do estado, a quera toca o
dever imperioso de escuda-ia, sao os primeiros que
concorrem para enfraquece-la, ou com actos da
mais uqualificavtil prepotencia, ou pelo meos
com esse desprezo e abandono que expe um dos
mais importantes sacerdocios aos frequentes assal-
los da vindicta particular.
O denunciado nao uega o facto que deu lugar
pronuncia. Mas cumpre examinar : 1 a gravida-
de do delicio imputado aos dous rus absolvidos :
2o si ha elemento moral de criminalidade contra o
juiz processado.
Joo Pereira Gilirana e Antonio Bezerra da Cu-
nlia foram aecusados por crme de rapto, entrada
em casa alheia, e fenmentos. Mis as respostas aos
quesitos a fl. i declarara : que nao liouve offansas
physieas, e que os reos nao praticarara o acto por
motivo reprovado ou frivolo, nem para flm libidino-
so ; havendo em favor deiles as circumstancias at-
enuantes dos 1, 9e 10 doart. 18do Cod. Crim.;
isto ,meneridade, estado da embriaguez, e falta
de pleno conhecimento do mal e directa intencao
de o praiicar.
A vista de taes respostas, que notavelmente mo-
diticaram a classiicaco do delicto e a penalidade
indicadas na pronuncia, nao deve parecer raui ex-
traordinario que um juiz com tao pouca pratiea de
julgar,e alm distoattribulado, cosgido e apres-
surado como se achava o denunciado ; illadindo-
se talvez com as declaracoes favoraveis comidas na
deeiso do jury, e propendendo para o lado mais
benigno, como tao natural no caso de vacillacio,
deixasse impune um delicto caja 'penalidade, as
circumstancias expostas, nao excede de doos me-
zes id priso, segundo o art. 209 do Cod. Penal.
A denuncia diz vagaraenfe que o denunciado
proceder por affeigo ou qualquer outro fimoiivo
reprovado.
Esta assereio, porm, nao tem por si o menor
vislumbre de prova. E antes certo que nem-uraa
intervencao houvera em favor dos reos, com quem
o denunciado nao tinba conhecimento algum, neu
com suas familias. Moradores no termo do Princi-
pe, e capturados no do Ass, elies foram remet
dos da capital para o julgameoio no jury (certido
fl. 46.)
A josliflcago a fl. 29 e os documentos appensos
aos autos conflrmam a narraco qae acabo de
fazer.
Cenvm eotretanto consignar aqui algnns pon-
tos mais importantes dos depoimentos.
A 1.' testemunha, Dr. Antonia Malln do Aran-
jo, sobre cuja probidade e criterio Jaram aspo-
tras testemunha, onvira Targin Gomes Pereira
afflrmar que sabia com certeza estarce preparan-
do ot desacato a to as escalas da tasa do jory :' e por isso
invocara a intervencao benfica do mesmo
Dr. Aladioq, que por seo torno se dirigir
ao capillo Joaquim Airares de Faria; u este asse-
verando ser verdadeira a premeditacao, dissera ao
mesmo lempo que j havia moderado os nimos.
Antes disto a testemunha prevenira o denunciado,
qoe dea mostras de perturbarlo.
A 2.a leutemaoha a nica qoe declara nao
coostar-lbe o terror do denunciado, e qu tem a
boa f de aitribuir a urna brincadeira, talvez inno-
cente, os insultos e vozerias qoe se ouviram em
casa do denunciante.
Confirma porm a noticia do plano de desacato
ao juiz, conforme a certeza que Jacintho Francis-
co de Sales affirmon haver oblido, accrescentando
qoe o professor Joaqoim Apolinario Pereira de
Britto, sogro do denunciante, dissera qoe, si tl-
vesse por quem, quera mandar insultar o denun-
ciado ao sahlr do tribunal.
A 3.' testemonba, capillo Manoel Baplista dos
Sanios, depoe positivamente que as pessoas que
nvadirain o mesmo tribunal com cadeiras, preten-
dan!
E entretanto apezar do referir-se o denunwado pronunciado por um tribunal, que por sua brutal
a soccessol mu serlos, pedido at qae Btbrt ellos | severidade, merece ser eltado.
Unta criada tinfia* querellado de seu amo, por
este lbe ter lado algomas chicotadas no rosto ; po-
rm^> tribual saxonio reconhecen que o castigo
applicado pobre moga nao exceda o limite das
penas corporaes qoe os amos teem o direito de ip-
plicar aos seus criados I
FOLHETIM
ASEPULTUMDEFERRO
POR
Henriqae Constieace
(Continuacao.)
XXX *
No dia segninte, depois de ama noite agitada
por sonhos ebeios de esperaocas o de inqaieUcdes,
levantei me aos primeiros alvores da maobia; isas,
apezar de mallo vivo ser o mea desojo de ver-me
ao lado de Rosa, tive de demorar-me com meas
pas a rallar-lhe da minba faga o da mlnba posi-
cio.
Senta, o miaba m ai tinha-m'o feito bem enten-
der, que Rosa ficara muito fatigada e que nao po-
dia priva-la de nm descanso to necessario por
ama risita tao matinal.
Davam nove boras no campanario da aldeia
quando me atrev a dirigir-me para o castello.
Quando entrei do jardim, t de longe Rosa as-
sentada com soa mii a sombra de copada tilia.
Essa prova de qae nao loe tinbaa sido ataes as
commoces da respera entrtnhoo-me em tanto con-
tenumento, qoe del um grito de triwopbo. Rosa
fez-me signal para ir asaeoter-me ao tes lado.
A Sra. Pavelyn, depeto le tos dlier algomas pa-
lam, levanten se e retir*u-se a pretexto de ir a
casa procurar nao sel o qoe.
Logo qoe deixon de a ver, ds^ma Rosa :
- Leiio, en peal a miaba mil qae ae deixasse
sosioba comslgo. Hontem nao pode conversar i
i-
onvlsse o presidente e cabne os soldados, nao' se
deu providencia algajna, aera os orBcios merece -
rara ama respostob-toenos!
Mas logo depois era o juiz trazldo barra do
tribunal I
E nestas circumostancias ser temeridad ava,
liar o arrojo que teriam os agitadores, contando
nao s com vahtagem das posic/Ses a com a forc
de ama familia raui extensa, mas tambem com o
apoio da regio governaliva, como demonstra o
facto de nao ter o denunciado recebido era urna
palavra de animaco, que alias nao se nega as
circumstancias expostas, at por amor do principio
da autoridade, seja qual fdr o conceilo que mereca
o agente do poder publico?
E tambem nao ser fcil coojecturar o desanimo
do juiz, conbecedor da falsa posicao em que se
acbava l
Nem todos teem o dom de dominar-se e de sa-
ber domar as circumstancias. A consciencia do
perigo cria ama especie de pbantasmagoria, que
o exaggera, transformando em espectros medonbos
as cousas mais simples. Nesse momento supremo
todas as ideas se concentrara em um nico e
extremo pensamento a salvaco propria. O terror
exclue a reflexao : procede-so machiaalmente.
E' isto o que aconteceu cora o denunciado, que
arrastar para fra o juiz, si este Ihes nao | entrettnl0 8e ^ pryado do exercleio do seu car-
permiltiise eolloca-las indevidamenle no recinto
vedado aos expectadores.
. A i.' testemunha tambem jura, referindo-se aos
ditos de doos individuo-,que o tenente-coronel
Manoel Vieira de Medeiros bavia declarado que os
assentos seriam collocados por bem ou por mal
Como membro do conseibo ouviu as vozerias
com vivas ao presidente da provincia, e presen-
ciou nao s a remessa de bebidas espirituosas pa-
ra a casa do denunciante, mas tambem o facto de
haver o presidente do conseibo, Vieira de Medei-
ros, mandado per duas vezes, e at ido em pessoa
go, ba dous aonos e sete mezes, por um tacto es-
tranho a' sua deliberaco on vootade.
accordam da pronuncia, jnsiderando-o inenr-
so no art. 160 do cod. crim., nicamente em reta-
(2o aos reos Gilirana e Cuoba, altendea so ele-
mento material do delicto.
Mas pelas provas dos aatos o pelo que Bca ex-
posto se conhece evidentemente que o motivo qae
levoa o denunciado a praticar o facto da absolvi-
co indevida foram os acintes e ameacas sinistras,
que, atientas as circumstancias verificadas, pode-
riam talvez coagir e aterrar um homem dotado
janella pedir, mas debalde, qoe se moderassem de flrmeM ordinara. 0 denundado, como not-
os gritadores, tendo estes constantemente pertor-|r procedeu consciencia da inraccao que
bado com suas vociferarles a conferencia do mes- -,.,,_,
mo conseino. N-o bouye portanlo ma. f oa inleD5s0 crimino-
Nesse depoimento nota-se ainda a circomstancia \ sa, elemento essencial para a existencia de um
de ter o jurado Jos de /.zevedo Mello (ora dos delicto, segundo o terminante preceito do arl. 3
convidados para a reumo tomulloaria) tomado do cod. crim.
parecer com a testemonba, para ver se devia ou | Nem somente a legislaco patria qae estabele-
nao ir ao jury, e acudir ao convite; pois qae re- a presompeo da liberdade do agente como condi-
ceiava barulbo. cao para ser punida a offensa da iei.
Joao da Cruz Lacena avisara ao Dr. Aladim qoe' Diversos cdigos de naedes civilisadas consagrara
Jacintho Francisco de Sales e Joao Menino, primo o justo principio de nao soffrer imputaco cri-
do denunciante, e conhecido por faccinoroso, esta-; miosa quem resqiye e pratiea um acto durante
vam embriagados, e preparados para desacatarem ama perturbacao- qualquer da inleliigencia dos
Os phenomenos volcnicos da ilha de Santorino,
as aguas da Grecia, nao sao Isoiados, ao que pa-
rece. *
Em 20 de Janeiro sentiram-s*} repelidos abafos de
trra na base da montanba do Etna, e as visi-
nhaocas do volcio produzram-se varias erup{5es
lamacentas.
TO-Y.
3 nf|#or bouqaet
Do molerjoes da cidade,
Despreaden-se do seu cacho,
CatSlo, mnrcnoa,' verdade I
Desta sucia per:,
Qnrde da, qa
Ja eras mais feliz,
**"
*.
AfTonso (V ltalo de ama nova opera em italia-
no, que o Sr. Reparaz escreveo para o theatro real
de Madrid, onde ser representada na poca pr-
xima.
O-maestro Reparaz muto conhecido dos dihe-
tanti portuenses, por ter exercido cora distineco
as importantes funecoes de maestro eosaiador no
nosso theatro lyrlco na poca de 18561887, po-
ca em que tambem nos patenteou dos seus dotes
de excedente compositor, fazendo representar as
suas obras tGoooalo de Cordova e D. Pedro o
cruel.
o juiz por ordem de Apollinano.
A 5.a testemunha, tratando da entrada das ca"
deiras no tribunal por ordem do denunciante, da-
da em voz alta, apezar da probibicao, em que o
juiz nao-insistlra por achar-se coacto, afflrma que
baria plano de ser este arrastado ; para o que se
achavam os invasores armados de pnnhses.
Taigino Gomes Pereira, advogado, e testemunha
referida, declara que sua senhora Ihe pedir para
nao ir ao jury, recejando desaguisado, segando
annunciava Joo da Cruz pelo que ouvira a Jacin- .
,_ i torga oa por medo irresistivel e os que perpetra-los
[ casualmente no exercicio ou pratiea de qualquer
' acto licito feito com intencao ordinaria.
E' de esperar portante que o denunciado seja
sentidos, quando o agente nao tiver consciencia
desse acto ou de sua criminalidade.
Essa isempco abraoge toda especie de aJiena-
co do espirito, accidental, temporaria oo perma-
nente, completa on parcial, comtanto que exista
em relacao ao crime no momento de ser pratica-
do; o excla intelramente o arbitrio livre e reflec-
tido.
Tal a doutrina deduzida. lo citado art. 3 d
cod. penal o do art. 10 3 e 4, que nao conside-
ra delincuentes os que commetterem enmes por
A Iberia, folha de Madrid, rompe no dia 14 com
as seguales lionas :
Tudo corre para a Iberia as mil maravlbas : o
seu editor, o Sr. D. lonocente Ortz y Casado, foi
condemnado ltimamente as peonas seguintes:
Onze annos de priso, 500 duros de multa e cas-
tas, por um processo.
Onze aonos de prisio, 500 duros de mulla e cus-
las, por outro processo.
Vinte e sete mezes de priso, 300 duros de multa
o custas, por outro processo.
Total: vinte e quatro annos e tres mezes de
priso.
Ora vejam de que vale a um homem charaar-se
innocente
tbo Francisco de Sales, um dos aggressores, inimi
go do denuuCiado, e amigo e prente do denun-
ciante, qae o protege o a sua familia, segundo a voz
publica.
O promotor, bacharel Mauoel Jos Fernandes, que | absolvido, o condemnado o denaociaote as castas,
interveio na jusiiflcajo, to da mullier do denun- Assim procedodo este egregio tribunal dar' mais
clante, e cuohado deste. I uma prova de soa r3dido, e mais um escarmeoto
Posto que fraquissima, a sua cootestacao a al-' c"a esses manejos indecorosos e iniqoos que se
guns depoimentos resentera-se de suspeicao, pelo acobertam com a capa da jusllga.
ioteresse que elle tioha na causa, .e que sem duvl- Jos Bento da Cunha Figutiredo Jnior.
da se torna aiais-patente do que o zelo desenvolv- ; Accordam em Relacao, ote. Qoe relatados estes
do por parta desse uaceionario a bem da Instiga antes absolvem o denunciado, porque quando la-
publica no julgamento dos reos Gilirana e Caoba, vroa elle a seotenga de absolvigao dos reos Joo
de cuja sentenga deixou de appellr, como consta Ferreira Gilirana e Antonio Bezerra da Cunha* es-
da certido a fl. 47. Uva, segundo os autos, em estado de eoacco pelas
Nao menos roparavel a parciaidade do presi- ameagas e provocagoes pratlcadas pelo denoncian-
denie da provincia,segando se depreheode dos aatos te e seus seqoazes, e em consequencia eslava em
o de uma certido que ultirai mente se fez juntar. \ estado anormal para ter imputaco em seus actos.
A 14 de setembro de 1862 dirigi o denunciado j Alm de que dos mesmos autos nao consta qne o
dous olllcios ao mesmo presidente, queixando-se a\t denunciado commettesse a falta, de que ac-
do procedimeuto do denunciante, e reclamando j cns,a0j por affeigao aos reos, ou por qualquer oo-
Bae,',la- tro motivo. Em cooseqoencia, assim jalgaodo,
Alm de outras circumstancias, que j ficam COodemoam o Denunciante as cnstas. Recife, 24
Sao explendidos os projectos de engrandecimen*
to que o imperador de Marrocos est resolvido a
mandar levar ao cabo no porto de Saffl.
A inaugurarlo dos trabalhos venficar-se-ha com
grande pompa em 20 de abril prximo, sob a pre-
sidencia de Sidi Abbas, irmao do imperador.
E' a Franga que fornece o pessoal de engenhei-
ros e mestres que van dirigir aquella obra de im-
portancia, nao s para Marrocos, mas para todos os
paizes martimos.
O novo porto, que est sitcado no Ocano Atln-
tico, a 130 leguas do Mogador, ter espago para mi'
loares de navios, e bastante altura para poder re
ceber os raaiores vasos de guerra..
Sera ao mesmo tompo porto de guerra e porto
commercial.
Comprehender estaleiros e bacias de concertos
accommodadas as exigencias.
Sal ou Assafli era, ha um seculo, em 1768, um
porto de commercio.
Teve de ser abandonado era consequencia de as-
sim o querer o sulto Sidi-Mohamraed, que orde-
Doo a todos os europeos a passagera para o Mo-
gador.
Por flm accumnUram-se as reas em grande
parle delle, e nunca mais foi {requemado pelo com-
mercio europeu.

*Por teas chifres, te ajge^ E "
Os pagaos, caraminholas
Cabelludos, palac5es,
Todos soffrem dos moleques,
Berros, gritos, cacbages.
.n- outros, pobres collados I
Quando vamos a passeio,
Cbove logo a moleqneira,
Com pedras, e pao d'esieio.
E tu, oh 1 boda ditoso 1
Eras do povo querido,
Porque grandes e pequeos,
Todos ta presta vam onvido.
Nao ha nada como um bode,
Bem chtfrudo o galhofeiro;
Come, bebe, pola o salla,
Todo taz sem ter dnheiro.
---------------- ......i ii
O Caramloholas anda se nao esqueceu do sea
amigo, cuja morte prania de novo nesta parodia :
Meu yy gentil, que ti partiste,
To cedo desta trra descontente,
Repousa oa mar eternamente, (*)
E vivara aqui os moleques sempre tristes.
Se l no Capibaribe aoode caista
Memoria desta vida se cooseote,
Nao te esquegas d'aqaelle amor ardeote, *
Qoe nos olhos dos moleques tanto viste.
E se vires do que podem merecer-te,
Alg'uma cousa do qne aqui ficoo,
De magoa sem remedio por perderte:
Roga o diabo que teu annos encarten
Que to cedo nao venha outro no norte
J qoe to cedo desta vida te lirou.
Os joroaes americanos da Virgia City, ama des-
tas cidades ltimamente construida, como por en
caoto, n*s territorios do Pacifico, annuociaram a
morte de duzeotos mineiros.
Esta pobre gente estava de viagem em basca de
minas aurferas do territorio quasi desorto da Mon-
tana.
Foram aarpreheodidos por ama d'estas tempes-
tades de nev, mais temiveis as mootanbas Rocho.
sas do que nos Alpas soissos.
Anda sao ignorados os pormenores exactos d'es.
ta catastrophe, por qoe os rigores do invern inter-
ceptaran! todas as commonicages com o territorio
de Montana, onde os poneos babitaotes qae ali vi.
vem bao de ter soffrido grandes privages.
referidas, se revelavam as seguintes, invocando-se
testemunhos:
Que o delegado de polica Manoel Vieira de Me-
deiros o o professor Raphaal Archanjo da Fonseca,
de pareeria com o presidente da cmara (eram por-
tante tres luncciouirios I) insutlaram o povo e con-
correram para promover desordem no recinto de
um trtbunal de justiga; nao realizando todo seu
intento por conseibo do advogado Targino, alm de
outra ioterveogio benfica, que se conhece dos
autos. -
Qae a nao ser a prudencia e boas maneiras de
Joaquim Alvares de Faria, o denunciado receberia
de margo de 1866.Soaza presidente.Molla, re-
lator, sem voto. Saotiago. Almeida Albuquer-
que. Domlngoes Silva.Vieira, vencido em par-
to. Accioli. Neiva, vote! pela advertencia s
mente.
LTITERATURA.
UM PODCO DE TUDO.

E' extraordinaria a propagaco que vai tendo
um novo systema da relogios inventado oltimamen-
s"ats"do"mjor Antonio GarcU (prenle lo i> Ite em Londres' cuia 8imP|lci',4de de mechanismo
ouociante e do promotor) e de Jacniho Francisco | snrprehende a todos os qaejCtegam a coabe-
de Sales, a mandado de Apollinario,;'z mumcipaf, ce"'a- ,------- .
juppkn<,-oote-se bem 1 Desla siraplicidade resalta serem os relogios
Qae o proprio delegado de polica e o deooo-mais for,es e seguros, e naturalmente mais ba-
ciante foram as 9 horas da noute ao quartet, inti-1 ralos' .
mando-se nessa occasio ao cabo para nao con se o-1 O machinismo consta apenas de 31 pegas, em lu-
tlr que tizessem guarda ao tribunal as quatro pra- gar das 63 de qae se compoem os relogios at aqui
gas que linham ido escoltando presos disposigao
do denunciado.
Que alm de embriafar-se, os agitadores teota-
ram embriagar os soldados, propalando, alm disto,
possoirem carta branca em qoanto o presidente
se achasse na provincia.
conhecidos.
A applicaco deste novo systema aos ebronome-
tros d um resallado vaotajoso relativamente qaet-
le que era d'anles posto em aso.
Teve ha ponco Ingar em Dresde om julaameoto
vootade; fallemos um dooco com o eoragao as
maos. Dgame, dorante esta triste ausencia, tem
pensado mnito em mim ?
Rosa, diste oo, suspirando, em qae pode con-
sistir a minha vida se nao em pensar em si, s em
i, de dia e de noite ? Afflige-me a ao* duvid*...
-^ Nao, nio, Loio, esteja descansado, tomn
ella, sorrlndo. Plz mal em fazer-lhe esta porgonta;
por qae eel o qne tem soffrido e qae pensamentos
lbe teem absorvido o espirito. A minba alma aeom-
panhoo-o sempre; vi eorrer as suas lagrimas na
solido; onvl os seos labios murmurar o mea no-
me; vf-o sorrir i minha imagem qae se. levanlava
ante os sens olbos. Nao se admire d'isto, Leo.
Para contar as palpitagoes do sen coracio, por mul-
to longe qae estivosse, baslava-me por a mao sobre
mea, e esfoa certa de qae as suas mais iracas pul'
sacoes tinbam nm echo ao seo. As possas daas
existencias nao conslitaem se nio non. -
Em extremo conmovido, jantei as mos o balba-
cioi palavras de fervoroso reconbeclmento.
A voz de Rosa era tio doce, o contentamente
illumlnava-lhe o pallido semblante con to esplen-
dido fulgor, que as suas palavras cabiam sobro o
neo eoracao palpitante como gotas de benfico r-
ralho.
Derla baver no espirito de Rosa ideas qne alia
nio enonciava ; por qjae, b logar la responder
ao que en Ihe dixla. pargootoo-me de repente :
- E ae a aoenea me Uveaae levado d'esta moo'-
do antea da stta *a, Leid; ntrU de pensar sem.
pre na roa pobre amiga da infancia, nio varia-
do T a baria da esperar com impaciencia qu* Dona
o chamaste para ai, pan podar daseaasar ao tado
d'ella no cemilerlo ?
Ob, clamei eu, nao diga coasas to borriveis'
| Hoje esta j meltior e ba de curar se, acredite, mas
deve fazer algara estorgo para laucar do seo ani-
mo esse infundado temor. Faga o ao menos por
ter d de mim.
. Tive ha dias um sonbo bem estranho, tornou
; ella; om soobo qae nao durou mais do que raeta-
de da noite, o que, cora tudo, me fez vivar vinte
annos e mais no futuro. Eu estava mortt... Nao,
' nio ae inquiete, Lelo ; era apenas ama viso em
1 sonho. Tambem en Unha chorado, tioba tremido
pensando na morte, por qne peosava qoe ella la
| separar-me para sempre de todo o que me caro
na trra. Como me Unha engaado 1 Do seto de
Dos, os olhos de minha alma alongavam-se at
aos extremos limites do Universo, a minba exis-
tencia Uoba-ae tornado lio poderosa, lia aperfei-
eoala e tio mltipla, qne minba alma, sen leixar
: o ce, podia vi ver no meto de meas pas e de meo
amigos amargurados. Era aqol. u'este poqueoo
canto do mundo onde Oca a minha querida aldeia
'de Bodegbem, que minba alma tinba filado os
olbos. & miaa sepultara era atraa da igreja. Via
algaem qae en tioha talvez amado eea extremo na
torra, semear as flores da'recordaeao sobre os'meas
restos moraos, a vla-o assim lodos os dlaa dorante
mallos anaos. Maitas rotea en eslava ao lado
d'aaoa pessoa; nao oovia s o qae olla dhia, mis
percbia as mais leves emogoos do sen coracio lab
dtslbaetamente como ae m as bouresao aiatado ao
vivo. Ella tamben linha a consciencia la mlaha
preaeoga, por que os seos olhos settuaa-ne ao
rneaoo lempo qoe ellasorra i minba sombra lo-
vlstvel, e quando eu stntia desejo de comota-ta, lo
lar-Iba coaflaoga na etrea reoaiio das toaau
daas almas, responda i minba secreta iospirago
como so labios materiae Bonv^ssem fallado ao seo
entendimeato. A morte nio tinha separado a alma
j bem aventurada da alma anda soffredora 1
Eu trema oqviodo as palavras de Rosa. Senta
as lagrimas qae do coracio oppresso me sobiam
aos olbos : mas a soa voz era de ama serenidade
to solemne e tio paihetlca, qae me fiz superior i
miaba ddr, e cravel dos seos olhos scintillantes
um olbar ebeio de respeito e ao mesmo tempo de
temor. Era evidente qoe ella nio me dizia sem
intengo coasas lio tristes o tan espantosas, e en
previa em anclas uma Iremend* revelagao.
Leo, tornoa ella, vl-o hontem estremecer de
snslofo priraeiro aspecto do mea tost enmagre-
cido. Vio ao roen- ladd a I magn I morte. nio
verdade ? Mas porque teme a norte ? Nio ero em
ama vida melbor ? Quando os cornos deacam ao
seio da trra, as almas qae ternera a Deas nio i
ternario a va na patria eterna T
Calou-se o parecen esperar uraa resposta afflr
mativa, mas eu nao me senta com torga, para. tal.
E' dos Srs. C. A. e S. P. o segninte soneto a duas
lyras :
0 ACASHAMENTO.
Com o passo lento, olhar meio espantado.
Recelos de ser visio^oem pejo ardendo,
Perdendo logo a cor e estremecendo,
Se vio que por alguem fra notado -,
Posto a um canto da sala, acocorado,
Em clicas mortaes se retorcendo,
Com medo de fallar e conheeendo
A triste poslgo de ser calado ;

Sentiodo aocias custar-lhe o pensamento,
E a cada olhar que all Ihe esli laogaodo
Ver augmeotar-st-.iic o reirabimento;
Ob I destino cruel, atroz, nefando I
E' isto o qoe se chama- acanhamenio,
Qae o talento amesquioba e o vai matando.
o:.
continua a ter imitado
re das montanhas
res na Grecia.
Acabam de ser presos, porto de Alhenas, depois
de terem sido bloqueiados n'uma caverna, tres la-
droes da qoadrilba de Histos.
. Para os poder apanhar a gendarmera teve de
fazer um cerco em regra, durante 2i horas a ca-
verna.
O mais interessapte que um dos ladroes, ferido
durante a acgo, tioha pedido logo um dos melho-
res mdicos de Alhenas.
Esle correo logo, preMoa-lhe os soccorros da
scieocia, mas fol forgado pelo sea cliente a acceitar
sea honorario.
O ladrio tioha mcilo a peito nao passar por tra-
tante i
Com a assignatura do Sr. Pavio mandara-nos
esta poesa:
para si, fechar os olbos sem vacillar na minha f'
alegre e triumphaoie na impotencia da morte 1
Chora de tristeza pela sorte qde me esta' anea-
gando, Leo 1 Ai, diga-me que, se o seu recelo ti-
vesse de realisar-ae, 0 meu soobo viria a ser orna
verdade ; prometta-me velar sobre a minha sepul-
tara e conservar viva a lembraoga de Rosa at ao
Conta-se de om estodante, mais ladino que
devoto, qoe raettendo-se-lhe em cabega, de por em
calcas pardas um respeitavel cora, de carcter mu
bondoso, porm de talento moi escasso, apreseo-
tou-se-lbe para fazer uma coofisso geni, motivada
por graves assomptos, e deiteo-se-lhe aos ps
affeclaodo tremendas revelagoes.
Acctso-me, padre, disse elle, de peosar em
fazer me sacerdote.
Meu tilhu, exclamoo o cora pouco meos qae
assombrado; nao sei porque a soa consciencia te
aecusa dlsso; antes, pelo cootrario, orna resola-
cio qae te accnselbo de seguir.
Mas atienda, padre, replicn o estudaote, qae
comprometa a miaba palavra para casar com uma
rapariga de olbos pretos, capaz de fazer perder a
cabega a um anachoreta.
Nesse caso, meo filho, se a toa vocagio nao
ba de ser sincera, doote de conseibo qoe abando-
nes a earreira ecclesiastica o qoe te cases.
Mas atienda, padre, que soa o aoico amparo
de minha mi e meus ir maos; o qae se nao ebego
a ser cura, perderemos uma capellana, que ser
o nosso nico patrimonio.
Ah sendo assim nao ha que hesitar, meu
liiho; nao penses mais na rapariga dos olhos pre-
tos, e toma as ordens.
Mas atienda, mea padre, qae a rapariga est
meia phtysica, e todos me dizera que, se a abando-
no, morre com certeza.
Nesse caso, mea filho, nao queiras cometter
um assassiDio; easa-te.
Mas atienda, padre, qoe se minha pobre mai
morrer de tome, terei as cosas o crime de assas-
sinio.

Uma revista de Pars ; fallando dos bailes e
concertos que se esto verificando agora n'aqnella
capital anda com mais raido do qae no carnaval,
refere o seguinte:
l'ui sujeito foi apreseolado pela primeira vez
sociedade aristocrtica reunida em casa de um
marquez do bairro de S. Germano.
Nio cenbecia o dono da casa, porque so bavia
fallado com a marqueta, e ebegado om momento
om qoe comegoa a enfastia-io todo o qae o cer-
cava, disse a ootro sogeto em |quem julgou per-
ceber mostras de aborrecimeoto.
Muito se enfastia a gente aqui I
Infelizmente era ao proprio dono da casa qne o
apresentado se diriga tao inconvenientemente.
O marquez respondeu-lhe suspirando.
A quem vem o seobor dizer isso I a mim
qne nao posso lr-me embora, por que estou em
mlnba casa, seno ja aqu nio eslava I
Pois, men amigo, respoodeu-lae o apresen-
tado sera a mais leve lorvagao, sintd.que se veja
collocado em tal siiuagao.
E dando meia volta i dlreita, tono as de Villa
Diogo.
i i ii i i _^
(*) O galhofeiro Yoy o teve um enterro de almi-
rante batato ; pois foi encontrado a' boira do caes
la Aurora, dias depois, envolto em ama esler,
tendo jonto a si diferentes desses objectos qae fa-
ziam as suas delicias, quando eUe os subtrahia a
vigilancia das quitandeiras.
Pegou-me na mo e disse-ne com extrema
ategria-r^ .-:
Agota julguemos que anda posso ter sade.
Estarei descansada e terei forca para o esperar.
Seja o qae foT o qae Deas decida do mim, ja posso
mogrer : a morte nio nos separar.
Desde esse momento Rosa pros ,on envides, com
esperanga deqooocrul esqoecinonto nao qae- 5arn*D{3^>l^0,,lae,!l)Wf.or
brara' nanea o lago qne a preodia sua. Dga-
me qae a minha morte, se en tiver de snecumbir,
nio o aJfligir; que a f, a lobala val f em ama
eternidade da ventura, Ihe dar' torgas para diter-
me adeus, no momento solemne, com um sorriso
aos labios, como', quera se despeda, de jjm amigo
oda val adianto apn daltatosa viagem I
anima-la e para (anear de seo animo a idea do
seu flm prximo. Conversamos muito lempo acer-
ca da nosea feliz infancia o de indo o qae nos ba-
va sorrido no decurso de nossa vida.
Quando a Sra. Pavelyn voltou para fazar-nos no-
tar que o sol ja ia muito alto e que o calor pode-
rla fazer mal a Rosa, tinbam desapparocido las
En estava acofvadoaoposo* d mioba dr e H> Wnbas faces M si8Mes lrimas o eo estava
tava com desesperago contra a idea qoe Ro^ ^nte animado para tranqnll.sar a mii de Rosa
quera tazer-me aamittir ; o, oontndo, senta qo,
a meu pozar, a idea da mora, entreva victorioaai-
medie em minha alma e se apVssava de meo espi-
rito, u temor qae me inspira va aquella medonna
lar e com a cabega inclinada sobre o peito pux-me wnVlocio (a|ia-me tremer : e naooqsava fallar.
a chorar em silencio. a Roaamplorou com voz meiga e queixosa uma
Perde-me, Loio. Se eocho o son eoragao I patarra daasseotaaneato, a disse.no qa nio exiga
de tristeza, para poopar-lhe materos soffriawNoa
qoando o meo eovottorio mortal ja nio estivar na
torra para o consolar; pbrqne, Lelo, quando me
aturo galardio para oa seas longos soffrimentos,
paran ana Iota mortal contra o seo attor, para o
sealeflnbar, seoio a promessa de qoe ma feria
diz qae en be de ainda ter sade, eipripart* eqn- amdepois da soa morte
esperanga a nio a sua convlego, nio rarladl f
Jnlga-me cruel e deaaptedada f Se nio fosae por
Bata matataatfa fai-ne proontier-lhe o qae olla
eeeejavt, o, movido peta minha axalugao cresceote
lar eompaixao de ai, sera por egosmo' qae eu amVnei que nio podara vi ver de outro molo sendo
tallarla leste modo. Acceito afraeaesperaneada
Paltai, com tanta fogo.qoe
cura que tolos se esforgam por Inspirar i pobre Usa perauali que neo .derrilatro snapiro serta
lente, mas quero, seaprouvar a Dous chamar-me atada una elevagao para eHa.
palavras que rospiravam orna confianga pro-
idamente sentida.
ntramos no castello. Pastel la' todo o dia a
conversar com Rosa e com seos pais sobre todas as
coasas qoe podiam ser para elfos de algum Inte-
resse, e dimlouir oa ditsipar os sena temores.
O acaso anda daas vetes me fot tacar s com
Rosa. De ambas as vezes se esforgoa por Armar
em meo eoragao a sua le Uiimitada na toaotancia
la norte, evtaexercer sobre in cenaMeravel
ofluencia, porque, quando veioanoile e Rosa, que
se senta muito (augada, fol doscaaaar, sabido
aerrleo: mo tantee, .sao eerriso
feo tan i sorte.
JHBIBBl"
V
i/1
r*j
h

-.sr
^mpttp


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EYAB801TY_GVR84L INGEST_TIME 2013-09-04T23:42:46Z PACKAGE AA00011611_10946
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES