Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:10943


This item is only available as the following downloads:


Full Text
J*
f


'
J\
\
V
.1
/

\

i
\
I

AimO XUI. HUERO 87
tr qtartel pagt dcitr* dt* 10 dias do 1/ *ez ,
tem ieptfe 1.* lt das #t enseco e deitc* do cartel
Pwte a carrei* |or tres mezes.......
75o
a^mw** 4 iii
SE68LU FEM16 DE ASE DE 1866
fe
Por m pago eitre de ie4ns.ltl.aez.
Portea* eorreio por im asi; ,
i
o
-#

DIARIO DE
ENCARREGADOS DA SUBSCRIPQAO DO NORTE
Parahyba, o Sr. Antonio Alaxndrino de Lima;
Natal, o Sr. Antonie Marques da Silva; Aracaty, o
Sr. A. de Lemos Braga.; Gear, o Sr. J. Jos de
Oliveira; Maranhao, o Sr. Joaquim Marques Ro-
drigues ; Bar, os Srs. Geraldo Antonio Alves &
Filhos; Amazonas, o Sr. Jeronymo da Costa.
ENCARREGADOS DA SUBSCRIPGAO DO SUL.
Alagoas, o Sr. Claodino'Faloo ias; Babia, o
Sr. Jos Martina Alves; Rio de Janeiro, e Sr. Jos
Ribeiro Gasparinho.
PARTIDA DOS ESTAFETAS.
Vs
Serinhiem, Ro Formoso, Tamandar, Uta, Bir4|Prlmeto Tara do dvel: torgas sextas ao mel
reros,
(eiras.
Agua Preta Pim*ntelru, ai quinta* da.
Olinda, Cabo, Escada e estafes da va frrea at
Agoa Preta, todas os das.
Iguarass e Goyaaoa as segundas e sextas fei ras. I
Santo Antao, Gravat, Bezerros, Bonito, CaruarJ
Altinho, Garanbnns, Buioue, S. Bento, Bomj
Conselho. Aguas Bellas e Tacaratd, as tergas Tribunal do commereio-:: segundas e quintas.
feiras. IRelago: torgas e sbados as 10 horas.
AUDIENCIAS DOS TRH3UNAES IA CAPITA7A
Pao d'Alho, Nazarerh, Limoeiro, Brejo, Pesqneira
Ingazeira, Flores, Villa BeHa, Cabrob, Boa Vis-
ta, Ouncury, Salgueiio e Exd, as quartas
eiras.
Fazenda: quintas s !Q horas.
Jolzo do commereio: segundas as 11 boras.
Dito de orphaos: tercas e sextas s 10 boras.
t
Seguad* vara do clvel: qnartas- a sabbades
hora, da urde.
EPHEMER1DES DO MEZ DE ABRIL.
8 Qnarto ming. as 6 h., i* m. 5 % da m.
15 Loa nova as 4 h., 44 m. e 10 3. da m.
21 Quartb cresc. as 8 h., 12 m. e 4 s. da t.
Loa cheia as 7 h., 4 m. e lis. da t.
DAS DA SEMANA.
. 12- Sesada-, S. Engracia v.; S. Calixto m.
17. Tferga. S. Aniceto p.; S. Herraogenes m.
18. Qnarta. S. GaWlno b. card.; S. Antbia m.
19. Quinta, S. Evpedito e Arlstonico ram.
20. Sexta. Ss. Setenario e Acyndino mm.
21. Sabbado. S. Anselmo are; S. Sirvi ro.
22. Domingo. Ss. Lenides e Elplde3~mm.
PREAMAR DE HOJB.
Primeira as & horas e 6 m. da tarde-.
ISegunda as & horas e 30 minutos da manba.
PARTIDA DOS VAPORES COSTEffiOi,
Para o sil at Alagoas 14 e 30; para o nort
at a Grao;" a -7 e 32 de cada' mez; paraPersai
do nos dias -i V ios- mez es de Janeiro, margo, nulo
julho, setewbro'e novembro.
ASSMJNA-SE
no Recife, ce ;ivr3ria da praga da lnependeacia
ns. 8, dos propietarios Manoel Figueiroade Paria
& Fiiho.


PARTE OFFICIAL
MINISTERIO A MARINHA
Commando em chele da forra naval do Brasil
no Rio da Prata, bordo do vapor Apa, em feote ao
forte paraguay de Itapir, 22 de margo de 1866.
lllra. e Exm. Sr. Teoho a honra de communicar
a V. Ex. que me acbo desde o da 20 do correte,
com a esqnadra do meu commando em chele as
embocaduras dos Ros Paraguay e Alto Paran,
na formatura seguale: a 1* e a 3* diviaoes forma-
das em liaha desde as Trez Boceas al a altura do
orle de Itapir, ficando este vapor na testa da li-
aba, e a 2* dlvisao na embocadura do Paraguay,
tambera em linba, caja testa o encouragado Bar-
roso. Deste modo estao interceptada., todas as
communicagSes do i ni migo entre estes dous lios,
e que dimioue cousideravelmeate os recursos de
que elle dispunna anteriormente para hostlisar-
nos.
No dia 21 partiram daqui os vapores Tamandar,
Araguary e Henriyue Martins, commaadados pelo
capito de mar e guerra Alvlro, com intruccoes
para reconhecer os passos do Alto Paran compre-
hendidos desde este ponto at o Itaty, aOm de es-
colber-se o lugar mais favoravel de effecluar-se a
passagem do exercito.
A bordo da caahoneira Araguary foi a commis-
sio encarregada de apresentar-me o plano hydro-
grapbico do reconbeclmenlo, composla do 1 te-
nenie Arthur Silveira da Motta, meu secretario e
ajudante d'ordens; do 1 lenle Hoonholtz, com-
maadaate d'esta caaboaeira ; e do 1 teaeate Ma-
noel Ricardo da Caoba Gouto, commaudanle do
patacho Iguassa.
Seguiram os referidos navios al ponta do To-
ledo ; duas e ineia leguas cima do Passo da Pa-
tria, sondando lodos os caaaes e determinando as
posicoes do grande numero de barcos e pedras que
o lornam tanto mais difflcil navegago do rio
pela falta quasi absoluta de praticos dess para-
gens.
Estes navios encontraram grande numero de
chalanas paraguayas cheias de soldados que se re-
fugiavam aos arroyos apenas os avisiavam. Um
vapor paraguayo conserva-se no canal entro a
ilha grande do Passo da Patria, o acampamento
do exercito inimigo e o forte de Itapir, junio ao
qual lambein estao collocadas duas chatas com pe-
cas de grande calibre.
No dia 21 mesmo, s 5 horas da tarde, quando
regressava aqaelia divisao, encalbou a caahoneira
Araguary sobre urna pedra que se acba entre a
ilha do Curaja' e a margem esquerda. A couse-
quencia deste sioisiro foi Qcarem os Irez navios
durante todo o dia naquelle ponto, onde era de
esperar que fossem atacados dorante a noute, o
que, porm, nao realizoo-se.
A's duas horas da madrugada do dia 22 urna
batera volante collocada as Trez-Boccas fez 14
tiros de baila contra o Barroso, no qual, porm,
nenhum locou.
A's 6 horas da manba fiz subir a conhoneira
Slearim, e o pequeo vapor Voluntario da Patria
do exercito aflra de empregarem todes os esforgos
para desecalhar a Araguary. O (orle Itapir que
j no dia 21 havia atirado aalgumas balas contra
os trez primeiros navios que subiram, sem conse-
guir toca-Ios, fez 18 tiros juntamente com as cha-
tas contra a tearim sem tambem tirar resaltado
algum.
Quando esta caoboneira chegou a ilha de Tole-
do, ja enconlrou a Araguary desencalhada, lazen-
do porm duas e meia poilegadas d'agua por
hora.
O Tamandar, que tambem na manha do dia
22 tocou em outra pedra, nenbuma avaria soffreu.
Tendo parado a cresceatedo Paran, resolv nao
expor esta divisoa flear inactiva eexposla, cima
de passos de agua escassa, e mandei-a tomar a
formalura em que se acbava aateriormente na es-
qnadra, ficando prompla para apoiar qualquer
ponto da linba que for por ventura atacado du-
rante a noute.
Creio que na formatura em que est a esquadra
os navios se apoiam mutuamente de modo que ne-
nhum poder cabir oas mos do loimigo, se tentar
algum golpe de abordagem singular durante a
noute. Mais se islo acontecer, apezar de todas as
providencias que leobo dado para evitar sorpresas
do inimigo, o navio que for tomado de abordagem
ser retomado immediatamente, custe o que cos-
tar, para que a esquadra nao .-ultra ullrage de ver
um dos seus navios levado pelo inimigo.
Hoje se reuniram aqu a bordo os generaes Mi-
tre, Flores e Oiorio, por ser o da marcado para
azermos o reconbecimento, do qual deve resultar
a escolha do passo em que se elfeciur a passagem
do exercito.
O encalbamento do Tamandar e da Araguary,
porm, obstou a que islo se realizasse boje, cando
adiado para amaoha.
Muitas condigdes deve satisfazer o ponto que se
escolher para a passagem do exercito, das quaes
porm a principal a de peder-se deste ponto
ponto marchar de modo que se possa contornar o
qrosso das torgas Immigas acampadas a duas e
meia leguas do Pas-o da Patria.
No dia 24 cont que estar feto por mim e pelo
general Mure o recoohecimenlo de iodos os passos
at o Itaty. Da possibiiidade ou nao de lazer-se a
passagem do exercito nesie ultimo pontos depende
o ino.nento em que deve comegar a arrasar as
orliflcag5es da margem direita do Paran e da es-
querda do Paraguay, e a hostilisar o inimigo por
todos os meios de que dispouho.
Dos guarde a V. Ex.Illm. e Exm. Sr. conse-
lbeiro Francisco de Paul da Silveira Lobo, minis-
tro e secretario de estado dos Negocios da roari-
ahi.Visconde de Tamandar.
tre rindo no predito mez de imrgo, da casa que ser-
ve de secretaria daqueNe commando superior.
Dito ao inspector da ibesooraria provincial.Es-
tando em termos os dous inelusos prets e nao ba-
vendo iocoaveoient*, mande V. S. pagar os venci-
mentos correspondentes ao mez de margo prximo
Bndo, dos guardas nacionaes destacados na fre-
guezia de S. Lourengo da Matta, visto assim o ha-
ver solicitado o commaodante superior interino
deste municipio, em officio de 6 da correte, sob
n; 99.
Dito ao mesmo. Restiluindo a V. S. o certifica
tran8miltir a V. S. a inclusa ordem do thesouco
nacional sob n. 59.
Dito ao inspector da tnesouraria provincial.
Recebi e moito agradco a V. S-. o relatorio goa
me remenea com o sea oflieio de 20 de margo- ul-
timo a que respondo,
10.
Oflieio ao Exm. presidente da provincia da R&-
rahiba. Cora as informales inclnzas por copia
ministradas pelos inspectores da tnesouraria de fa-
zenda e da alfaodega desta provincia respondo.ao
officio que S. Exc. me dirigi em 26 de marco- p
do que velo annexo ao sen offlcio de 7 do corrente,! Ando sob n. 1453 solicitando as necessarlas ordens
c Art. e>. Na primeira dominga de dezembro
seguinte se reuniro as juotas de reclamagoes as
cabegas das comarcas, para lomarem coobecimen-
to das que Ibes forem apresentadafi contra as in-
clusoes ou exclusoes indevidas do alistamente; e
dos cidados que forem atteodidas. remettero logo
as mesmas juntas ama lista aos presidentes das de
alislamenlo dos respectivos municipios, e outra ao
presidente da provincia, ou ao ministro da guerra
no municipio da corte.
Art. 6." O dito ministro a presidente de pro-
vincia, por aquellas listas receidas das juntas de
alislamenlo e de reclamagoes, faro laugar em um
ceda, por qaarenta dias, a captara de lauto indi- anda guamos farm ncprin nr irm da% c\.
viduosquantos nara aoneilA flm farom. nn^u \,*q,fQl0S wn necesarios para irem dasca-
qaantos para aquelle flm forem precisos,
prefendose procurados com diligencia os chama-
dos qqa-nio comparecern), depols oestes eotre os
nao alistados ; e finalmente eotre os alistados. Das
iseogoes dos primeiros s pedero cooaecer aquel-
les presideotes e ministro, das dos mais-coohece-
rao tambem os juizes de direito as soas comarcas.
Art; tft. Quando, era razo de eircumstaDCias
extraordinarias, fr preciso compleur-se ou aug-
mentar-se a torca do exercito antes 4a poca em
que -deve ter lugar a seguate chamada, o mioistro
da guerra (ara logo a dlstribaigao da que devem
sob n. 118 relativo a primeira prestagiu a que tema flm de que a 2* daqoellas reparligaes apresen- -nyro as suas secretarias, uraaJistageral.por mu-^aro municipto da cortee as provtaoias ; e os pre-
direito o arrematante da conclaso da obra da casa tasse no consalado da cidade do Mamaoguape nessa nicipios, de iodos os alistados,..eom a numeragao sldentes dess, a vista da mesma, farao a designa-
de detengo, oauloriso a mandar pagar aomencio-' provincia s notas das gneros nella despachados de ordem particular de cada um daqueUes e com ; gSoda que caiba a cada um dos respectivos muni-
nado arrematme smente a qaantia de 14.-923887 com destine a mesma cidade e igualmente os- res-: as mesmas declaragoes exigidas na primeira par-- ripio,, ludo de eonormidade cora o art ti.
pectivos manifestos. ,e d0 a- **. a farao lego. publicar pela im-n o Art. 20. Em seguida, reunida a- sessao, a qoe
Dito ao Exm e Arm. blspo diocesano. Para prensa. | se refera o arl. 12 '
res, correspondente ao saldo qce segundo const
do parecer da contadoria dessa tnesouraria -esta
da consigo agio volada para esse flm no artigo 15
6." da lei do orgamento vigente, deveodo o restante
ser satisfeito qoando a assembla legislativa pro-
vincial marcar a quota necessaria.
O que declaro a V. S. para sea conhecimento e
em respost ao citado offlcio.
Dito ao mesmo.Reconamendn a V. S. qoe em
vista dos dous prets juntos em duplcala e nao ha-
veodo inconveniente mande pagar ao sargento Ma-
noel F*rnandes Campos, os venciraentos corres-
pondentes ao mez de marco ultimo, do destacamen-
to de guardas nacionaes existente na villa do Cabo,
pols, que assim o socilitau o tenente-coroe) com-
mandante do batalho n. 39 de infantaria daquelle
municipio, em offlcio de 7 do corrente, sob n. 8.
Dito ao mesmo.-Transmiti a V. S. os 4 inclu-
sos prets qoe me remellen o commandante supe-
rior interino deste municipio com offlcio de 5 do
corrente, sob n. 96, e recoramendo-lbe que estando
satisfazer a deliberagSo da assembla legislativa
: provincial constante do offlcio do seo rejpeettvo 1
secretario de 4- do corrente sob n. 40y rogo a V.
i Exc. se digne de emiltir sea juizo a cerca do in-
cluso projeclo n. 3 do anno passado.
Dito ao inspector da thesouraria provincial. de reclamagoes, os nomes dos cidados que
Respondendo ao officio qne V. S. dirigio-me em 6
do corrente sob n. 114 teoho a dizer-lhe que, nos
termos do final do seu citado officio, e no disposto
na le provincial n. 648 de 20 de marco ultimo, de
| que Ibe remeti a inclusa copia, manda entregar
ao agente pagador da repartigo das obras publi-
cas a qaantia de 2-MKH)000 a que alinde o meu
offlcio de 2 do corrente.
Dito ao Dr. jaiz de direilo da Boa-Vista. Res-
pondendo ao seo offlcio de 5 de marco p. fiado a
qoe acompanbaram a portara desse jolzo de 15
1 de fevereiro do corrente anno reeommendando ao
respectivo escrivio encarregado do registro geral
pitaes das, provincias onde sentaran) praca, aos
seus municipios,, calculados segundo o arl. 21,< e,
Analmente, mais 2001000 de remunerado.
< Art. -36. Os-castigos de chbala, de pranchi e
outros semelhaoies sao desde ja inlairamenie abo-
lidos no exercito, e serio substituidos pelos ojia, se
dever quaota antas determinar em regulameato
ou cdigo, Fksa tambem desde j supprimido no
mesmo exercito a classe dos cadetes, pondendo
comtudo. os que j actualmente o sao continuar a
usar de suas estrellas, sem privilegio algum mais
do que:qoaesquer outras pragas.
Arl. 31". 0> ministro da guerra organisar
quanto ames urna aova tabella dos sidos para as
pragas e offiaiaes do exercito, na qual poder ser
elevado, como mais convenanlo fr, o das pragas
de Ia e 2- elasses- at ao dobro do que tm. actual -

rar-se-na o aprieto- e chamada mete os voluntarios do mesmo exercito, odas da
-cando os ditos, prestaenles e i :i> ria-p m mak ma.-iH* o das" iu^ts7dePast7en3toSseCus SuSts MHKM25222 S, d"^- '"eM*te.e i 3' classe atmais metade.e o dos offlciaes atesis
u*. juiius ue ausiameuto bos seus municipios, aos ministro para o comparec ment os prasos que mais Qm teroo dns.aotiia ni ano so mwuuun nnr
presidentes de prov.nctas nestas, e do ministro.da eenvenwDtes forero, segundo a urgencia da occa- Do,a 7f 1 nililLffiS
guerra na corle, poderao ser inscriptos no alist- sio, e altendendo-se as provincias- as distancias gado [2 jemS ^^\zXSL\lSS
ment, quando nao es.ejam foneconando as jootas dos diversos -municipios as capitoas; e, se tno ^ZSsfSiS^^ Sr%JmaU^soWo
quererem e e t.verem nocasp de s-io, segnindo-! se-ha eomo Jt^gS^JS^J^Si i 'KVaS ^ZTtems-to.BObti-
se os seus nomes nos respectivos livros ao do ulli- para a captura prorogado poKmais vinte dias. cajto des leiTcdadio ieno?dc 40a&?aae
mo al.s ado de seus municipios. Qoanlo ao mais se observar o qoe est determi-' nao^proveier servido no eTefelto peto tSST-
Art. 8. Os cidados cajos.nomes nao.estive-l nado para os sorteios e chamadas ordinarias. .--_"-0ie JrJZ**
s no alistamento, e que contra Isso Dos voluntarios nao chamados.
Arl. 21. Todo o individuo apto para o servigo
militar, seja ou nao alistado, sent oa nio isento,
nao tiverem reclamado, ou requerido soa inscrip-
go, na forma do artigo precedente, nao poderao
della
em termos e niohavendo inconveniente, mande pa-' das bypolbecas passadas nessa comarca o recoibi-
gar os vencimentos relativos a tegunda qainzena
do mez de margo ultimo, dos guardas nacionaes
destacados as freguezias da Varzea e Afogados,
bem como as povoagSes do Peres e Passagem da
Magdalena.
Dito ao mesmo.Attendendo ao que solicitoo o
ebefe da repartigao das obras publicas, em offlcio
de boje, sob n. 118, recoramendo a V. S que man-
de entregar ao agente fiel pagador daqoella repar-
tigao a qaantia de 400:000 para occorrer se as des-
pejas com qne os estudos graphfcos a que se tem
de proceder para a continuado da estrada da Vic-
toria.
Dito ao mesmo.Ao negociante Joao Jos de Car-
valho, mande V. S. pagar os veoelmentos corres-
pondentes ao mez de margo ultimo, do destacamen-
to de guardas nacionaes existente na villa do Boni-
to nma vez qne nao naja Inconveniente e esteja em
termos o prel junto em duplicata qae para esse
tira me remenea o commaodanle superior daquella
comarca, cora offlcio de 2 do corrente.
Dito ao mesmo.Mande V S. pagar ao nego-
ciante Jos Mara Ferrera da Canha, conforme so-
licltou o commaodante superior da comarca do Li-
moeiro, em offlcio do 1. corrente, e estando
termos o pret junto em duplcala os vencimentos
correspondentes ao mez de margo ultimo, dos
guardas nacionaes destacados naquelle villa.
Dito ao cnsul inglez.Respondendo ao officio
que em data de 24 de margo ultim >. dirigime o
Sr. Bentinck W. Doyle, consol de soa magesude
britnica, remello copias das informales qoe a
cerca da materia do seu citado officio me foram
ministradas pelos agentes da companhia Brasileira
de paquetes a vapor e pelo administrad >r do cor-
reto, em vista, das quaes ver o mesmo Sr. cnsul
que nenhoma providencia legal se pode tomar para
lugar, e
meato, a' repartigao competente da importancia
dos livros fornecidos para o mesmo registro, e as
observagoes feitas pelo mesmo escrivo Domingos
da Silva saldanba, lenh a diser-lhe em resposta
qoe a importancia o'aquelies livros deve recolher-
se a competente rapartigio qnando forem elles
fornecidos ao prediclo offlcial do registro.
Dito a cmara municipal do Recife. Basilio
Alvares de Miranda Varejao, segundo me declaroa
sea advogado conselheiro Jos Bento da Cunta Fi-
gueiredo esta' disposto a terminar por um accordo
amigavel a questSo qne move contra a cmara mu-
nicipal do Recife e deseja entender-se com assis-
tencia do seu mencionado advogado com a mesma
cmara a Om de se proceder de conformidade com
o disposto no artigo 47 da le 645 de 3 de jonho
do anno passado; o qne declaro a cmara munici-
pal do Recife, para tomar a resolucao conveniente
em ordem a ser cumprida a mencionada lei.
Dito a cmara municipal do Rio Forraoso. Do
offlcio que me dirigi em data de 20 de marco ul-
timo o presidente da eair% municipal do Rio
Formoso e dos que tambem dirigi a esto presi-
dencia em 21 de Janeiro, 5 de fevereiro a 10 de
em margo o capillo Joo Antonio Alves da Silva e a
junt de qualifleago da fregoesia de Una verffl-
ca-se : que o referido capito presidir os tra-
balbos da jont de qnaliflrago d'aquella freguesia
no carcter do 4* jniz de paz do quadriennio Godo,
e nao no de 1 juiz de paz da eleigio ltimamente
annullada pelo escrivo imperial, como represen-
tara o coronel Manoel Xavier Paes Brrelo; 2* que
o referido coronel nao querendo acceitar a presi-
dencia da junta, que Ihe fura offerecida, como
consta de seus offlcios de 10 de fevereiro ultimo
por ser elle o 1 juiz de paz do quadriennio Bndo,
senao seis mezes depois de alistados, ser nomeadoa: nacional ou estrangeiro, que para o mesmo quizer
i offlciaes de guarda nacional, nem dos.cornos- del voluntariamente oflerecer-.-e,. poder faze-lo em
polica, nem para qpaesquer empregos pblicos -
i retribuidos de nomeago dogoverno geral oa pro-
vincial, cojos ordenados ou lolagdes.sejam inferio-
res a i:200 anouats no municipio da corte, e a
8O0JO00 as provincias, se nao provarem. qne
teem isengao legal, do servigo militar. Exceptuaos
se os empregos a. que se refere a segunda paila do
art. 38.
t Art. 9.* as- reuoioes de outubro dos mais an-
bos, posteriores no primero da execogo. desta le,
o trabalho das juntas de alistamento consistir na
reviso do anterior, para eliminaren) do mesmo ao
incluiris nelle os cidados que o devara ser.
Das diverjas classts de pra$us.
< Art. 10. As pragas do exercito ser das tres
elasses seguintes:
< l.* Sero de primeira classe: i os qoe sen-
do chamados- comparecerem nos prazos dos arts.
14 e 20 j 2", os alistados ou nao. Ueolos ou nao
iseotes do servigo, qoe para elle se onerecerem
espontneamente, ao menos por cinco annos.
c | 2.' Sero de 2* classe : 1* os chamados que
em qualqer tempo se apresentarem depois dos
ditos prazos, ou que sendo capturados no caso do
art. i, provarem o que abi sa exige; 2, os alista-
dos nao chamados que forem oapturados para o
servigo nos casos dos arts 18 e 20; 3a, os qoe pa-
ra o servigo se offerecerem por menos da cinco an-
nos.
11.3. Sero de > classe: Ia, os Dio alistados
qne nos mesraos casos dos arts. Ib 6 40 ferem cap-
turados para o servigo i 2*, os chamados que, nao
comparecendo?V\;ualmente forem capturados em
qualquer lempo, exceptuados os do n. 1 do para-
grapbo precedente.
Das chanadas dos alistados.
< Art. 11. Feita e publicada pelo mioistro da
terminado oa mesma ou as anteriormente-em vi-
gor, ou que nelle j servio oa est sarvindo sea
pai, ou uro.seu albo ou irrao por cada tres qqe ti-
ver, varoes, maiores de annos, nao poder ser
nomeado para quaesquer postos subalternos de
guarda nacional ou de polica, nem para qna&g-
qualquer empo, apresenlando-se a qualqner aoto- qaer empregos retribuidos de oomeacio do gover-
ndade militar oo civil. Esto-lbe dar urna gala >o geral ou proviocial, cojos ordenados ou tott-
com que possa seguir para a oapilal, se fr de fra ?ges nao se)am superiores a 800*na corte e s
e nena, logo qoe elle ehegoe, se Ihe abonar 50AJ. as provincias. Exceptuam-se : j,-os em-
pregos para os quaes se exijam titulas.cientficos

sold e mais vantgens de praca por tantos das
quanto elle gastara na viagem do seo municipio,
calculados a razo de um por cada quatro leguas
de caroioho ; e o mesmb vencerlo desde o dia de
sua chegada em diante.
< Arl. 22. Os sobreditos wlonlarios declararlo
os municipios de soas residencias, e quando a nao
tenham na provincia coasiderar-se-ha como tal
aquelle em que se oTareceram, devendo os que
sentaram prag no ultimo- semestre de cada exer-
u literarios, ou de proflssao especial; 2*, aquel -
les ; e devano ser preenchidos por aooesso ou con-
corso ;. 3.0-, os que tiverem o carcter de simpies
commissdes temporarias, contratos- ou engajamen-
tos.
c. Art 39. Aos cidados que tiverem servido no
exercito pelo lempo cima dec!arado,.como offl-
ciaes ou pragas, se contar como aotiguidade em
quaesquer empregos que venbara^ ier al,-10. an-

cicio ser levados em coma, no contingenteido exer- i D0S diquel le servigo, t, quaes Ibes aproveilarSo
cicio seguinte de seus municipios. E?ta disposigao I para, ^ accessos, aposentnos e mais..vantgens a
e tambem apphcavel aos capturados para a praga. i qae a mesraa aotiguidade d direito, segundo as
uo tempe, de servtQo.
Art. 23. Os oaciooes que tiverem isengao e os
estrangeiros poderao engajar-se para o servigo do
disposig5es qoe a respeito vigoraren).
Uisposiroes diversas.
Art. 40. a prosete lei. s.tera execugao,
exercito pelo tempo que Ibe convier, urna vez que qpjoto aos sorteios e chamadas de que a mesma
nao seja por menos de-tres annos em tempos ordi-- traUi depois da reviso, ao anno seguinte, do pri-
oarios e de dous annos nos de guerra ou oos reen--; ^^0 alistamento que em virtude delle so-flzer.
gajamentos. t Arl> 4( rjas pra5as que compuzerem o exer-
Art. 24. as pracas de 1* classe servtrao por Cjt0 na occasio em que esta lei fr publicada na
cinco aonos ; as de 2*por seis, excepgao das do C4Ma e as capilaes das pravincias, as.Mcrutadas
n. d do art. 10, ; a as de 3- por oito. Nao se sero consideradas de 3* claise, e todas.os mais de
cootara, porm, como tempo de servigo militar. o-| j.f e como taes servlro o resto de seu tempo, sal-
dos menores de 18 annos qae tiverem praga paral vas para estas as condgSesxpressas.em contratos
estudar ou para quaesquer outros misteres no eier- de engajamentos qoe ihes-fqrem mais-lavoraveis,
cuo, salvo os que servirem em campanha. Os qpe as quaes ser50 observadas,
estudarem tero entretanto as vantagens de pragas Art. 42> Desde qae ^ exi;caco do art. 12 ou
?e.,V.c'?ss,e' e maisde ** nns e oatros a,&-a "".do art. 20 dessa lei se flzer o prireiro sorteiode
i contingentes, flea para .--erap.re e iutei-ament pro-


ferida idade.
Art. 25. A,qpak|aer praga que Ando o seu tem-
po de servigo,.nio quizer continuar nelle dar-se-ha
a competente escusa dentro de ara mez impreter-
velmente, depois delle concluido, e se al mls vin-
te dias depois nao Ihe ti ver sido dada a mesma,
poder ella retirar-e sem incorrer em peca-alguma
e o culpado de qualquer demora ser suspenso e
prevlnir a reproducgSo do facte qoe teve
obrigar a agencia dos vapore a continuar a receber a sobslitui-lo na falla dos outros substitutos que
a oarrespondencia desse consulado e dar-lhe o con- nao haviara comparecido \M a junta foneelonara
veniente destino. consistorio da matriz/jrelo mo estado em que
Renov ao Sr. cnsul os raeus protestos de esti-' se aeha o corpo. da igrjfk,
ma e considerago. Era vista do que laa expendido nao havendo
Dito ao commandante superior da guarda naci- ; motivo para serem nuiles os trabalhos a que pro-
nal de Nazareth.Restituo a V. S. o pret que em j cedeu a junta de quallflcago da fregoesia de Uoa
duplcala e na importancia de 15820 res, veio an-' ficam elles subsislindo para prodnzirem os devidos
nexo ao seu offlcio de 10 de fevereiro ultimo, sob < effeitos e reformada a acta de 28 de fevereiro ul-
n. 253, e se refere aos vencimentos de urna escolta limo que os aonullou : o que declaro a cmara
de guardas nacionaes que conduzio tres recrotas municipal do Rio Formoso para seu conhecimento
desse termo para esta capital, pois, que segundo e drecgo.
consta da informago ministrada a esse respeito I Portara. O vice-presidente da provincia atten-
peh thesouraria de fazenda, era 2 do corrente, e deudo ao qoe requeren o professor puWico da villa
guerra a distribuigo da torga qoe o municipio da
corte e cada provincia devem dar para o exercito
no exercicio seguinte, calculado na proporgo do
numero dos eleitores respectivos, os presidentes
e competir-lhe a forma da lei ^presidir os traba-1 das provincias designaro quanlas pragas deve dar I metlido'em oonselbo! ssta disposlgo, porrm, nio
Ihos da reviso continuara o capito Jo Antonio cada om dos seus municipios, tambem na propor- appiicvel as pragas qoe esti verem era .campanha
gao do numero dos seos eleiores e o publicaro.
c Art. 12. Na primeira deminga de fevereiro
seguinte o ministro da guerra na corte, ou quera
por elle fr designado, e as provincias os presi-
sob n. 189, nao a fazenda publica obrigada de
conformidade com o disposto no regnlaraento n.
2171 do 1. de maio de 1858 e na decisao n. 64 de
6 de fevereiro de 1860 a pagar semelhante despeza,
visto terem sido taes recrotas poslos em liberdade
por incapacidade do servigo militar.
Dito ao commaodante do presidio de Fernando.
Faga V. S. regressar a esta capital com segu-
ranga na primeira opportunidade como solicitoo O
delegado encarregado do expedieote da repartigao
da polica, em offlcio de 7 do correte, os senten-
ciados Jos Joaquim dos Santos, Cosme Damio
Teixeira, Manoel Joaquim da Paixio Pedro Jos de
Arroda, Vceote Ferreira da Rocha e Antonio Go-
mes Mariano, que tera de depor em ara processo
instaurado contra os sentenciados Jos Gomes Fel-
toza e soldado Antonio da Rocha os quaes devera
vir na mesma occasi*, aflra de assistirem a for-
mago da culpa.
Dito a cmara municipal de Goianna.Tendo-
se ordenado a cmara municipal de Goianna, em
16 de dezembro de 1865, em vista de sua infor-
go de 4 do mesmo mez, que fossem arrecadados
por sua cont os impostos, que deixaram de ser
arrematados pelas altas avaliagSes, em que esta-
vara, como consta de seu offlcio de 23 de selembro
daquelle anno, pagndose urna porcentagem a
quera fosse incumbido desse servigo, compre qoe
a mesraa cmara informe, por qoe enlregoo, se-
do Ouncury MariiohO* Jos de Jess e teodo em
vista a informago ministrada pelo director gera|
intirino da instruego publica de 3 do crreme sob
n. 77 resolve prorogar por 30 dias consecutivos a
liceoca coro vencimentos que Ihe foi concedida por
portara de 5 de margo p. Bndo.
Dita. O vire-presidente da provincia em vista
da informago do commandante superior da guar-
da nacional dos municipios de Sanio Anto e Es-
cada datada de 22 de dezembro do anno p. passa-
do resolve conceder passagem para a 4' compa-
nhia do batalho n. 24 de Infamara da mesma
guarda nacional ao capito aggregado ao mesmo
batalho Caetano Corroa de Qoelroz Montelro qoe
assim o pedio.
INTERIOR.
RIO IE JANBIBO
5 de abril.
Na sessao de bootem da cmara dos depotados,
foi lido o seguinte projecto :
< A assembla geral resolve:
parte i.
Das juntas e do processo do alistamento.
Art. 1.* llavera em cada municipio do imperio
urna junta de alislamenlo militar, que ser presidi-
gondo consta de sea offlcio de 12 de margo ultimo, da |0 presiden,e da camara reSpeclia; e em ea
por um prego determinado essa arrecadagao a An-| A, ,,, m. i Ar. ,~.i.mL.ju&nn .<>
GOVi:il\0 DA PROVI\CIA
Expediente do dia 9 de abril de 1866.
Offlcio ao Exm. general commandante das
paran iiray aeiwniinaao ea wtrmmmw ""-'da comarca urna junta de reclaraagoesT cojo presi-
toninAndr Cavatoaii 4e Alno^o^Oine,jKOcedeiF | deme Mn 0 Jalt de direUo da ^^ '(o 'an
tigo onde houver mais de ora.)
Nos municipios da corte e das capltaes da Da-
do assim como se flzesse orna ar rema tac. 5o, deven
do a informago qoe exijo ser a mais completa pos-
sivel, e de modo que habilite esla presidencia a re-
solver esse negocio coma for mais conveniente aos
interesses do municipio.
Dito ao director da companhia de Beberibe.Re-
mas. Sirva se V. Exc.
pede Jo-e Francisco de
rmenlo. da repartigao da agricultura, commereio e obras
Dito ao inspector da thesouraria de fazenda.be' pUD|ca8 da^do de 13 de margo ultimo, do qaal
stiverem era termos as folhas e prels juntos, em com^ a resologo tomada em vista do parecer da
duplicata, mande V. S. pagar visto assim o baver seccao dos negocios do imperio exarado em eon-
solicitado o commandante superior interino da \ sulta de 12 de fevereiro deste anno, acerca dos es-
guarda nacional desta capital, em offlcio de 5 de! muios de qoe pedio approvacio a mesma cumpa-
correte, sob n. 97, os vencimentos dos offlciaes e nna_
nracas destacadas as fortalezas do Brum e Bura- \ v
co. seado as destas relaaiivas a segunda qainzena1 Portarla.-O vice-presidente da provincia de
do mez de margo ultimo, e as d'aquelles a todo esse l conformidade com os avisos da repartigao da guer-
" v I ra de 13 e 15 de margo ultimo, resolve nomear o
Dito ao mssmo. -Providencie V. S. para qoe nao lente reformado o exercito Joaquim Manoel da
naveado ioconveoiente, e eslaodo era termos os in- Silva e Sa para commandar Interinamente a com-
dnsos docomentos, seja paga ao sargento Antonio panhi de operarios do arsenal de goerra.
Jaaqoim dos Santos Maogabeira ou ao seu proco- _, Dita O vice-presidenle da provincia atienden-
Yador, cooforrae socilitou o coraraandante superior do ao que requereu Jos Feliciano Machado resol,
da comarca da Boa-V.sla, em offlcio de 7 de margo; ^^^^-^^^^Li:6?*^?"!^^!;
prximo fiado, a qaaolia de 26la330 res, em que
bia e Pernambuco poderao ser creados outras jun-
tas de alistamento pelo ministro da guerra e pre-
sidentes das duas provincias, os quaes marcaro
eral coraraandante das ar- Dito ao director da companhia de Beberibe.-Re- ,rs CircamsinrV
\ fc*!!Lvry.i3Kf 22 WW. ftoj Vmc. para^ contrnenlo da M/BA*rtf K jonu^e .lomela por rt
I Moraes, no incluso reque- companhia de Beberibe e devidos effeilos o aviso cada um de seaJ meiBbroji empregaraTtod;
pragas que estiverem em .campanha
ou a menoa.de 80 leguas de lugares oceupados por
ininvgos, as quaes requerero suas excusas ao mi-
nistro da goerra com antecedencia pelo menos, de
tres mezes, e esperaro a sua decisao.
dente;, se reuniro na sesso publica, era lugar e
hora antecedentemente anuunciada, com o com-
maodante das armas oo com o superior da guarda
nacional, onde aquelle nao haja, com o juiz de di-
reito da comarca da capital )o mais amigo onde
bouver mais de um), com o presidente da Camara.
da mesma e com o respectivo promotor publico, e
ah precedero ao sorteio, por municipios, de tan-
tos nmeros de alistados e mais um tergo quaojos
forem os que cada um tenha de dar, feitas as-de-
vidas deduegoes (arl 82.) Em lugar dos que bqu-
verern fallecido, ou ja sentado praga, ou adquiri-
do isengao sobre que tenha pleno conhecimento
a maioria da reunio, serao extrahidos outros n-
meros.
Art. 13 Para melhor execugo dodisposlo no
artigo antecedente, as juntas de alistamento ou
seus presidentes, com
remettero aquellos presidentes de provincia, ou I aquelle pagamento Acarno sujeito ao alistamento e forga "nvaT que. aoobr a cada ama deatas"; e os
ministro na corle, urna list das alteragoes ate en- servlgo militar, recebendo quando tenham praga o dllos residentes.ecebendo-a,e o.ainlstro da goer
nos aclamemos de seus '
Uat (xclutes, isengoes, remissocs e substiiuoes do
servigo.
Art 26>. O ministro da guerra, revendo a actual
legislagao, regulamenlos e decisSes sobre exclusoes
e isenges do servigo militar, e raelborando-as, as
coordenar de novo em termos claroi e resumidos,
e as ajumara' em anaexo, que acompanhara' essa
lei.
f. Arl. 27. Os cidados das dUeras elasses isen-
las que nao sendo empreados publicas retribuidos,
pagaren quaesquer impostos geraes, pnvinciaes,
bibido o recrutameoto de quaesquer, cidados para
o servigo militar, salva, a captura,, em qualquer
tempo, dos cbamados qqe nao comparecerem, e a
dos mais a que se referen), o a;t. s e citado art.
20 somonte nos prazos ahj. determinados.
f Art. 43. O ministro da guerra dar qoanto
antes as Jostrocgas.onregaiaaKnto para a boa
execugo desta le, e a|ii alm do mais qae nesse
sentido fr conveoieota, determioara quaes dovam
ser os mcrabros e-seus substitutos das jautas de
que trata o art. !=; olugar e duragao de suas ses-
soes; ordem e forma de sens irabalhos e delbera-
gdes ; forma e prazos das reclaaaagoes ; mullas ou
penas em que iocorramaqueilesraembros por suas
fallas ou abusos, e os Juncetouar^os ou repartieres
publicas que Ibesrecusaremou demorarem quaes-
quer esclarec memos podidn; e dar os modelos
das guias, listas e livros ne&^a lei mencionado?, oa
que forem necessarios.
PART& a.
Das pracas para a armada.
i Art. 44..Esta'lei, exceptuados os arts. 31, ulti-
ma parle, 32,-33, 34, 36, segunda partee 37, ser
da mesma forma execul&da em relagao aos que ti-


oo muoicipaes, pagarao sobre elles, as respectivas veren) de Mrvir na arma4a) 0bservando-se, porm,
repartigoes arrecadadoras, eomo_ renda destas, e I a la| respailo as seguintos disposig5es :;

sob o titulo de-imposto de isengao militar, mais 5
%. at completaren) a quantia de 6005 ; e os que
forera empreados pblicos 3^/0.de seus ordenados
I.1 as mesmas- occasioes dos. arts. 11 ou
19, salvos-, os casos em qoe s se trate de preen-
cher ou. augmentan- a torga respectara, o ministro
em descontos mensaes. Os que perdendo as isen- da marinha, de accordo com o da guerra, remette-
a necessaria antecedencia, 5oes nao tiverem completada e nao completarem ra- aos. presidente, de provincias adisiribuigo da
to occorridas
pios.
Art. 14. Dos nomes dos sorteados, e formar
urna lista geral por municipios, qoa-ser inmedia-
tamente publicada : e lisias parciaas do cada
le- qae ja' bouverem pago, sendo melade no principio
e melade oo fim desta,;.e bem assim o recebero
os que teodo-o oa nao completado, sentarem praga
voluntariamente.
Art 28. A's pragas da. Ir classe sera' perrait-
ra a do municipio-ta corte, designarlo e faro ti-
rar no sorteio todtslioctamente o-auraero de alista-
i dos igual ao-tetae e mais om tengo do qae fr pre-
ciso para os ewMiogenles de- eada municipi), de
ambas as torgas.
um sero remetiidas as respectivas cmaras acom-1 tido remirem-se do.servlgo, em qualquer tempo, ou \ ,.2. Do> que comparecnam, o ministro da
panhadas de portara dos presidentes as provn-: seja mediante o pagamento da quantia proporcio- ^^ri 0a. oie e os presidentes as provincias
cas e na do ministro da guerra na corte, em que I na| a 6005 pelo lempo.am.que Ibes faltar, oa dan-! designar*quaes devam ser-w no exercito-e quaes
do nutro por si, com tanto que este ou tenho isen-1 na armada preferidos par* esta na orden seguin-
go, ou se obngue.a servir seguidamente nao s ta.: l0< g^^t a preferirn; t, os captarados na
aquelle tempo, mas tarabea mais cinco annos por.
si proprio.
raesmos sorteados a comparecerem
as capitaes perante a autoridade para esse fim
designada, dentro do praxo d quatro mezes de sua
data. As cmaras as publtoarao na porta das ca-
sas de suas sessoes, por dous mezes ao menos e
pela imprensa, onde a bou-ver,
t Art 1S. Os chamados qae nao comparecerem
dentro daquelle praso, ou de quaesquer outros que
em virtude desta lei Ibes forem marcados para esse I nos, pela mencionada subsutoigo,
flm, perdero o direito, as vantagens do art 21, e ment da. sobmdit. quantia
mais meio sold por tantos dias de sua praga quan-; melade..
los forem os da demora, at seis mezes, devendo j-t, 30. 0 substitutos serao considerados as
ser capturados. Serao, alm disso, punidos como elasses e nos contingentes dos municipios dos subs-.
desertores aquellas cuja demora fr de mais lempo, umidps durante o lempo que por estes servirem
conformidade dest le;, 3f*. os chamados qae com-
parecorem depois dos pr-az-os; 4, d'eoira os cora-
* Art 29.. As.pragas-da 2* classe s poderao-re-^ pareedos. nes prazos, aqualies que ltimos se live-
mir-se do servjgp medanle aquelle mesmo paga-. rem apiiaseolado; 54 analmente, os, mais mogos,
meato ou subslitpigo, depois de om aono de ellec
Uva pragavi.e as.de 3.' sement depois de dous an-
oa pelo paga-
! sidio de Fernando de Noronba no hjate nacional
^mt6Sm VSSSo MiZ rea^oIet de^wrdas na- nes Peixoto os generas cnstntes da relago junta
onae 'exiSS^ffTi la como8 dos! signada pelo secretarlo do governo nao podendo
mencionados documentos.
Dito ao mesmo.Annuindo ao que solicitou o
commandante superior interino desje municipio,
em offlcio de 6 do correte, sob n. 98, recoramen-
do a V. S. qae em vista das folhas e pret jautos e
nao havendo i nen veniente, mande pagar nio s
os vencimentos relativos ao mea de marco ultimo,
do offlcial de primeira liana, tamborea, cmelas e
clarins empregados oos corpos da guarda nacional
dest eapitoi, mas tambem o alagael de am trtmes-
porm effeetnar o desembarque dos ditos gneros
sem qae por parte do commandante do mesmo
presidio se proceda a exame a fim de se verificar
se ha agurdenle ou outra qualquer bebida espiri-
tuosa.
Expediente do-secretario da gaterie do lia 9 de
abril de I8C8.
Oficio ao inspector da thesouraria da fasenda.
I, Stc- 0 Sr- vtee-preejdente ja provincia manda
eper
toda a di-
ligencia para obterem com a necessaria anteceden-
cia lodos os dados, ioiormaroas onietagdes que
possam servir para a confecgo da lista a qoe se
refere o artigo segoiote, e qoe poderlo solicitar of-
ficialmente de outro modo a qualquer fuoccienarlo
oa repartigao publica.
< Arl. 3.* Na primeira dominga do mez de ou-
tubro de cada anno, alm das mais occasioes em
qoe isso seja conveniente, se reuniro as fuas de
alistamento, e pelo conhecimento que tiverem de
seos munlclpes, ou pelos dados, ioformagoes oa re-
lages qne antes booverem obtido, ou ento Ibes
forem ministradas, organisario urna lista de todos
os oldados de-seus municipios maiores de 18 an-
uos e menores de '15, qne na forem legalraeule
excluidos ou iseotos do servigo militar.
Art 4.* Nessa lisia os lomes daqueUes cida-
dos sero precedidos de seus nmeros de ordem
e seguidos de sua flliagao, Idade sabida oa presu-
mida, freguezla de sua residencia, oceupaco e
mais declarabas que convenientes forem. Regis-
trada a mesma em am livro especial, qoe ftcari
na camara a cargo de sea presidente, ser orna co
pia aotbenilca remedida logo ao presidente da Jun-
ta de reclamagoes da comarca, aira ao presidente
da provincia, oa no municipio da cort ao minis-
tro da guerra, sendo o origina afflxndo per um
mex ao menos na porta ^4 Msa de suas sessSes.
Alm dlsso ser a dft ^u pnbiioada neta impren-
Comtudo os que a qualquer lempo se apresenta-
rem voluntariamente, perdendo em todo caso as
vantagens referidas e o meio sold por talo lem-
po quanto fr a da demora, serao llvres da pena
de desergao..
Art. l(k Sao exceptuados da perda do meio
sold e da. pana do artigo precdeme os chamados,
qoe nao eompareceodov bos prasos ou seodo-eap-.
turados, provarem : i* que eslavam aoseates do
impertoan da provincia a mais de 100 leguas.da
capital, e simultneamente outras tantas no muoi-
e quanto ao proprio como pracas de i? classe, e-
nc-s.conljpgeaies de seos proprios municipios..
', Art 31. As remisses e subsliiajgCies do set
vjgo.militaa poderao ser, em lempo de guerra, gro-
bibidas pelo governo, salvo se o substituto, taver
isengao, on se a praga que as pretenda fue d 1*
classe e Uver de sabir de sua provincia.
Ou/ra* voninofns o garanttas concedidas, no exer-
cito.
t Art 32. llavera' em cada provincia do impe-
ou os. que pa recerera, mais proprios para o servigo
navaJc
S 3. As pracas, da armada, alnas dos seus. ven-
proporclona le mais cjaientos, recebara^ seja qual Mr a classe a que
i pailengo das tras, astbelecidas nesta le, 100# de
i laaaunerago no. na do primairo anno de praga,
i mais 100$ no. tm do terdeiro, e mais 20JJ con-
cluido o sea lampo.
t 4. Sem* substituida por outra a denomina-
gao deelasses actualmente empregada na ar-
mada para, a quallflcago de suas pragas.
t 5.a As disposigoes do arl, 24 relativas aos
menures. de 18 aonos, do exercito, se entender
qoanto a" armada a respeito dos menores de 14
c | tk" Por iostrnec3es ou regulamento que de-
vera dar quanto antas o ministro da marinha, se
ar mais detalbada e especial applicagio da pre-
sen* lei ao servlon da referida armada, e a.ohien-




-
rio menor um corpo flxo da- arma, e com o numero | g^g. de soas pracas
cipindasua iascripgo, desde douj mnzes antes, da companhias e pragas que ao ministerio da guer-
ra paracerem mais convenientes segando as cir-
cunstancias e a importanpia das mesmas provin-
cias.
i Art. 33. Nesses torpos serviro as pragas d
1- classe ; as d 2-, depois de nreenebidos os raes-
mos, serviro nos carpos movets qoe as suas pro-
vingias noaver \ e somanto estando esses comple-
tos oa nao os ajayendo aln, torio oatros dislinos ;
e as de 3* poderao servir uestes, sem prejuiao da-
Ibe caiba dar, levados em j qaellas, oa ser logrf reawtudas para quaesquer oa
22, ominUH-o da guerra
pelo menos, da afBxago ou publlcacao da list dos
sorteados naquelle dos dous referidas lugares oade
ella primeiramente se houver feto, al menos de
vinte dias antas do marcado para aoomparecimeato;
2*. oa qae tm isengao legal do.service mjjjtar.
Mas no primeiro caso tero uiaoa.
< Arl. 17. Se em conseqoencia da chamada de
mais am tergo (art 12) acontecer que comparega
na capital, por algum municipio, numero de indi-
viduos superior ao que
coala os qae trat o art,
oa corte e os presidentes as provincias dispensa-
rio at ao numero dos excedentes, a at dentro de
om mea depois do praso, os qae primeiro se tive-
rem aumentado, mesmo qnando j tenham pra-
ga, se elles nio qaizerem voluntariamente servir.
Os dispensados tero para a volt a s jus manici-.
K>s as mesmas vantgens do art 21, M quaes tam-
al Ihes competirlo para a vinda, e am mais qne
comparecerem dentro dos prasos.
A- i8. Se, porm, at um mez dopols de fln>
do o praso para o comparecimento nio se tiver
apresentdo por algum municipio o numero necee-
sario para completar o sea contingente, os presi-
dentes as provineisa e m|i*ttro da guerra na
I corte expediraq ord>at par pe no mesmo se pro-
tras provincias,
t Art 34. Nio. s os ditos corpos fixos nao pode-
rao ser tirados de suas provincias, sanio em caso
de guerra externa ou interna, ou de bem fundado
receio deltas, mas anda nenhoma praga de Ia clas-
se poder ser transferida para qualquer outro cor-
po de outra provincia, seuio nos mesmos casos,
oa a seu pedido, oo qoando ja estejam preenchidos
com pracas da dita classe todos os corpos das suas,
on qoando, floalmenle, isso Ibes fr imposto como
castigo oa pena por sentenca em eonselbo,
Art 35. Pind o seo tempo de seryjgo, quaes-
quer pracas tero passagem por ^oota do governo
para voltrem a's soas proV'^y^ on aqaallas que
preferirera; e as de Ia fui torio, alm disao,
mais todw os 8en5 vencimentos por tantos das
Art. 45. Ficam revogadas todas as.leis.e mais
disposigoes em contrario,
c Abril de 1866. -Stlveira de Saina. >,
PERNftMBUeO,
1 -------1-r
1SSE1BLE\ LEGISLATIVA PROVINCIAL,
SESSAO ORDINARIA EM 11 DE ABRIL DE
1866.
nutsiDKNCiA na sr. vigariq francisco pedro da
SILVA.
Ao meio dia laz-se a chamada, e estaos presentes
os Srs. depurados Francisco Pedro, Ayrea, Ramos,
Joo TeUeira. Corrda da Silva, Mergolhao, aeero,
Sergto, Soares Brandio, Boarone, Machado, Bmyg-
dto, Paes de Aodrade, Aaiustn, de Soun Leo,
RBSS6tfflW5?2
mimo, Sonto
Sf^JS^ a acm m* tortor.
O Sr. l* Swarraaio l o sfiainte

|











EXPEOIKNIW.
Urna petizo da irmaodade da Madre de Deas,
solicitando preferencia para as suas loterias.A
coa*aid"**'to>ercaiMio.-
Outra do fctharei Ezagnlel Francisco de Sa, re-
clamando costra o pagamento de seos vencimen-
los.A commisso de ordei
Ootra da irmandade do Rosario da Boa-Viett,
pedindo tres contos de
ma Igreja.A commisso di fr*D-
Leem-se e approvam-saj^HHc^es dos projee-
ios as. 33, 5 e 31 deste anuo.
L-se um parecer da enranissie de instroccio
publica, conclulod,o por harpdpjeetole legaja*!**
urna cadeira de instrueeo primar* do ro-feot*,
nio para a fregus!* da Versea.A ioiprir.
Ld*se e entra em 4teosJaom reaoerlawiite da
commisso de orcamento, pdW8o informaflws a
thesouraria provinoial aobrea*iaierH da pe
da vlava Maraede.Approvado sera debate.
Bta-aaxto -a. -espadis iadnjtrlal da provin-
cia. Approvado.
Tercelra^disei|l6l AsinflecU) u. 27, creando
racfdwAtirnas _.
, Falta* iMbr ideare*** *" **AH
Sr. Soaree Brtndfto da a me3a nma eraen-
da para qu I tlWOQi dajjwtte nao
i contados os que fre neniaren*, igoeteeate is
eseblas durante o da.
Encerrada a
ose a emenda.
& dlscnselo _,_____
dando constrolr flH Me oo Tle gerinhiem e
outr*:no Ipojoca.IpMMo sem discusso.
Coatinaa a 1.' dlscoio do projecto o. 35, que
regola os limites de alguns districtos de paz de
Moribeca e Escada.Approvado e dispensado do
intersticio a pedido do Sr. Brandao.
Ultima discusso da emenda ao projecto n. 11,
ordenado dos profesores .da Escola
o erofeio approvado
18 deste anno, mr>
L*H Mira erafl "fia*-um parecer da eom-. que eleva o
misso de ordenados,, pedindo para ser ouvido o JSormal.
director da escola normal sobre a peilcao do por-, Sendo approvada a emenda, e^assando a votar
teiro **qnelle estaefccimente.Approvado sem o projecto emendado foi este rejeltado.
discnssao. '* discusso do projecto n. 51 deste anno, man-
L-se um parecer da commisso de legislagao dando arrecadar o subsidio do gado pelas collecto-
sobre a petico de Jos Pedro da Silva, inspector rias.Approvado.
da thesouraria provincial e acerca do projecjo
d. 107 de 1861, que conclue por nm projecto de
le, difenado aquella, petico.A Imprimir.
E* lido um parecer da commisso de ornamento,
que conclae por um projecto reformando a thesou-
raria provincial.A imprimir. !
E' ttdo, apoiado-e jalgado obje~cto de deliberado
Parabyba......,......a-.
Peroambaco.........
Alagoas.................
Serglpe..............".**.'
Baha..................f
Rio de Janeiro........../
Espirito Santo...........
S. Patato....................
Minas Geraes..............
Rio;Grande do Sul........
Goyax............,,..~M
Des 52 eslodaito*, que te deve baci
ese anno, sao : 18 de Pernambuco, T da Baha,
do Maranhao, 4 da Parahyba, S'doQeara, 3 **>'
Piauby, 4 de-fcergipe, 3 de Alagoas,! do Rio de
Janeiro, 2 do Rio Grande do Norte e 1 de 8. Paulo.
Nomeraco dos bHhetes da lotera 58* offere-
cidos pelo thesonrairo das loteras para auxilio das
desperas da guerra.
Bilhele B. -218.
Meios ns. 641, 643, 961, 1282, 157!, 157i,
1573, 1833, 2117, 2616, 2928, 2929, 3327, 3597,
3852,3854.
Quintos ns. 1317, 1688, 2397, 3*08, 3981.
Os bilhetes da loteria 57* produzirara 164O0. To-
tal 1:9864000.
Chetos de praier transcrevemos do Jornal do
sua|ooraea$'o de ca ixeiro da
Sempson & CRegtotfe-
s de Oliveira, pedlndc o regs
qae junta, afira
.Reglslre-se.
ta-to. Eu tlve mais de urna vez que eierever so- afljn de.a diligenciar.... azora auandonln-
^ffl^D^J occsgwt nope orte**.<^emnomlm*V,Him*A*'S
V^Tlo Barbos me^chioj Mas jjasntei* nSr.finrges^a hm impoiiaaale, ao-
. passn qne deprime o concito de qne os oatra'go-
aemt eeMfteo^faRMIa Cnwpos pata psdettai da
de prodozir m jar l pes que elle laucn n'am pumrandum, em aae
4 I u nf-i Un -ti. 'r.,..l;AAm lia
V wniv. Lirgi^HC'jD. wvo i|nu vilo nu^uri u um Kwi'fMiwHiFi, vw.1uy
redro Martyr Maury, negociante desta S. se ufada da sua alfa qualidade de ministro
dade de 2f anuos, natural de S. Telen
ser admeittdo a rico a apre-
booo de sna capaciade legabrMMte
pelos Srs. coramerclantes matncu-
rase
1.* discusso do projecto n. 47 deste, anno, re- Commercio 0 elogio qm 0 im. Sr. mnj8iro da
guiando o valor sobre que devem ser percebidos
os direitos de eaportaeo.Approvado, depois de
orar o Sr. Ramos.
3.* discusso do projecto n. 5 de 1860, creando
diversas cadeiras de instruccao primaria.
Vera a mesa ontras emendas creando cadeiras
um projecto de lei creando orna cadeira de Ins- do sexo femioino em Ingazeira, Flores e outros
truccao primarla do sexo mascolino para o Catan- lugares.
g.A imprimir. Encerrada a discnssao, sao approvadas as eraen-
Ootro creando por urea dlsposicao taiativa a das, flcando o projecto preso at a segunda dis-
a inspecco do alabado.A tmprlmir. cussao d'aquellas.
K' IMo om .parecer da oommisslo de polica 2.* discusso do projecto n.37 de.1859, conce-
mandando abrir noweoneorrencla para a publica- dendo um premio para a pescarla.Regeitado
gao dos debates da as sembles.
Entrando em- drscussio, o Sr. Boarque propSe
qne a paisar o parecer-a nova concorrencia com-
prebenda irualmeote o servido tachygraphico.
Encerrada a dtsenssSo o parfeer approvado
cora a emenda. .
ORMtfDODIA.
Segunda dlscnseao do projecto n. 57, abrimlo
di verses crditos sopplememares.
Vem a mes um additivo da commisso de orja
ment accresoeotando entres crditos pedidos pela
presidencia.
Encerrada adlicassio o projecto approvado
com o addltfvo.
Seguoda-dlseusso do projecto n. 31deste anno,
autorisaod** ro estanereeimento de urna llnha tele-
sem dlscussSo.
I.' discusso do projecto n. 46 deste-anno, que
revoga a lei n. 469.
Oram os Srs. Paes de Anflrde e Bego Barros,
que manda om requerimento para qne se ooca a
S. ExCRevma. sobre a materia do,"projecto..
O Sr. Paes de Andrade declara que tem de
apresentar em 2." discusso urna-emenda para que
arertituico de ujue.se traja.teoha lagar apenas
na parte civil, pelo que eidispensavel a audiencia
de S. Exc. Revma.
Encerrada a discnssao o projecto approvado,
sendo rejeltado o requerimento.
3.* discusso do projecto n. 57 deste -asno,
abrindo diversos crditos supplamentares.Ap-
provado sem discusso.
ira o Interior da provincia:Approvado I Continua a discusso do. projecto a. 69 de 1865,
sem JLHWulu. que revoga os estatutos da ordero 3.* do Carmo, e
Terceira discnssao doprojettcn. 19 deste anno,1 bem como a do respectivo paraaer.da commisso
concedindonma Hcenca-deumannoao-flecretarto'de poderes e negocios eceleslasUcos, que rcenhe-
da thedouraria provlnchl.Approvado sem de-cera o direito de iniciativa da assembla nesU3
bate. materias.
Segunda dtscussao do projecto n. 50 de 1864,! Fallam os Srs. Amorm,-a favor dcprojecto e
probHrtddo as sobvencfles a campanbias lyrlca e parecer, e contra o Sr. Andr Gavaleante.
dramtica e supprimindo o lugar de administrador Encerrada a discusso sao approvados o parecer
do theatro Rejeltado sem debate. e o. projecto.
,:Seg(roda"d1seus"so do projecto n. 40, autorisando' Os Srs. Buarque e Joaqulm Tavares pedem pa-
a CM^is^io'd'agua potavel para a cidade da Vie-' ra qne se declare saacta-qoe votaram eontrao
flhjL-^Apdrovado semdebate. | parecer e o Sr. Corra-de Britoa favor-
"Primeira discusso do projecto n. 49 deste anno, 3.* discnssao do projecto o. 33 de 186o, man-
concedwwdfrtvilegios para a construcco, com | dando reformar a folha de jbilaco do padre Joao
estabftleeimento de pedagios, de certas Obras-no Jos de Araojo e autros professores. Apprevado.
rio Capibaribe.Approvado, depois de fallarem os| Veriflcando-se nao taaver casa, o-Sr. presidente
Srs. Cosa Ribeiro e Boarque. I nomeia o Srs. Emygdio Marques, Augusto Soma
Primeira discusso do projecto n. 59 deste anno,Leo e Correa da Silva pava levarem leis sanc-
conedndo nma subvengo ao conservatorio dra- cao, e levanta a sesso dando a seguinte ordem
matieo. Approvado, depois de orar o'Sr. Candido do-dia : 1.* discusso dos .prefectos ne. 5i,-5e
6adesteanno; 2." dos de ns. 35, 51 e 37-dette
anno ;-3.* do de n. 36- deste anno; continoaeao-da
anterior.
REVISTA DIARIA
Martins.
Segunda discusso do projecto n. 5 de 1860,
creando diversas cadeiras de tnstrucco pri-
marla.
Entra em discusso cora o respectivo parecer na
commisso de raStruccJo publica.
Vem a'meSa diversas emendas creando outras
cadeiras de primeiras lettras. Ja1,esU clll?d! trve8sando "^ 1,na^a .bera
O Sr. Buirque reqner qne depois de approvado aifflcll para todas as classes com relacao sua
o projecto em -3* discusso seja remettldo a com- alimeoiacao.
misso de orcamento para marcar qoota para as I Nao ba quetn se nao queixe do talo de cares-
cadeiras mals urgentes e de accofo com as forjas ta, em que esto os gneros de pnrreira-necessl-
dos cofres provlnciaes dade e se disto se resenlem as classes abastadas,
Fallam sobre o projecto e emendas os Srs. Jero-; a menos favorecida, que igualmente leen de prover
nyrao, Lopes Machado, Joo Teixelra, Buarqde, a sua subsistencia, soOre^uasi omaftyrto de Tan-
Ramos, e Soares Brandao.
Encerrada a discusso o projecto approvado
com todas as emendas.
Comprehendo-se no parecer da commisso o
projecto que crea urna colonia orphanokgica com
o estabeleclmento do enslno professional, foi o dito
projecto reje lado.
Cotinuaco da discusso do projecto n. 3o destff
aono, sobre a diviso de alguns dlstrlctos.
Veriflcando-se nao baver casa, o Sr. presidente
levanta a sesso, dando a seguinte ordem do
dia: terceira discusso des projectos ns. 33 e 34
de 1865, 27 e 30 desle anno; segunda discusso
dos de ns. 18 de 1855, 32 deste anno, 29 de 1860 e
107 de 1861; e continuaco da anterior.
SES&AO ORDINARIA EM 12 DE ABRIL
DE 1866.
rREsnntnCiA do sr. vigario francisco pedro de
SILVA.
Ao meio dia, feita a Cbatnada, veriflea-se acha-
rem-se presentes os Srs. deputados Francisco
Pedro, Ayres, Mergnlho, Correa da Silva, Tribu-
uno/Soares Brandao, Maooel de Carvalbo, Armi-
dio, Joaqoim Tavares, Cicero, Sergio, Buarque,
Epamlnondas, Gitirana. Jansen, Arayntas, e Bur-
gos.
Por falta de numero legal deixa de baver
sesso.
guerra maodou tecer ao no.sso amigo tenante-coro-
nel Pedro Pessoa de Slqoelra Campos e aos seos
compaobeiros, pelos relevantsimos servaos pres-
tados na orgaoisacao do 4* corpo de voluntarios da
patria dosta proviaea:-aseim como chamamos-a
attenco~dos nossos leitores para o corrTtnunicado
do dito nosso amigo ettrabido do mesmo Jornal
do Gommercto.
c Sendo nesta corte dispensado de marchar pa-
ra a campanea do Paraguay o Sr. tenente-coronel
Pedro Peseoa de Siqueira Campos, que de provin-
cia de Pernambuco velo commaudaodo o-4* corpo
de voluntarios da patria, alll-orgaoisado petos es-
forcos do mesmo Sr. tenente-coronel, -auxHiado
pelos mais eidados que na-qualidade de oflleiaes
do referido c^rpo o acompanharitu para eSsa corte
e que com elloTegressam, tambem dispensados do
servleo de guerra a que se destinavanueta conse-
qnencia das ultimas disposicoes relativas aos cor-
pos de voluntarios da patria que tornam sens ser-
vicos dispensavevs, S. Exc. oSr. conselhelTo minis-
tro* e secretario da estado dos negocios da guerra
manda louvaro dito Sr. tenente-coronel por essa
prova de seu patriotismo, e agradecer-lhe era nome
do governo Imperial o importante servico que aca-
ba de prestar-
O ecrivao Alves de Brlto, esta de emana
no protesto de letras; a ra do Imperador n. 46,
lumbar.
Acba-se a venda na offleina de encdernago,
da roa .do Imperador n. 15, urna nova edigo do
Mez dt-Mana, enriquecida com diversas vmhetas
representando actos da vida' de Cbrlsio e de soa Mai
Santiasima, e accrescentada com mais novos ex-
emplos e com o melhodo de ouvir missaatc.
- e Garanhuns nos escrevem em data de 4 do
crvente:
Ssfiue boje para esta capital, com destino a
provincia do Espirito Santo, para a qu*l lora ult-
meme nomeado chefe de polica, o ex-juiz de direiio
desta eomarca, Dr. Carlos de Cerqueira Pinto.
Magistrado de reeonhecido mrito, por ana illus-
traco, intelreza e Independencia de carseter, elle
jamis- sera esquecldo do amigos dedicados e mes-
mo daquelies -que, podo de parte o mesqoinho
espirito ;de partido, tempre injosto em lasapre-
cia^des, viram-n'o, s allendendo ao riguroso cum-
pr i memo dos sens deveres, administrar imparcial-
mente justiga todos. Portaoto, damos os parabens
aquella provincia, que por si mesma ter de reco-
Dtfeceras exceltentes qualidades do Dr. Cerqueira
Pinto, a quera e a soa Exma. familia desejamos
prospera viagem e mi I-venturas.
Ha muitos annos, que WM estacoraarea'com
os seus juizes de direito : um Bandelra de Mello,
de saudosa memoHa, e qae desceu ao tmulo po-
bfissim*, mas cercado da aureola de juiz'muiio
probo, um Theodoro Machado Freir Pereira da
SHva que a superior intelligeocia de que dotado,
JTeune outros mallos predicados que,senrpre*o re-
corameodaram estima publica e ao governo do seu
paiz, e por ultimo o Dr. Cerqrjwra Pinto,so os
nome* que presentamos em prova da nova asser-
co. Anda ba pouco, foi chamado para a ehefa-
tura de polica de Alagoas o nosso comprovinciano,
Dr. Jof o Francisco Durte, que tambera occnpou
por moit lempo nesta comarca o carg de juiz de
direito interino, cerno juiz municipal do termo de
Garanhnns, e qne na mencionada provincia-tena
demonstrado i toda a evidencia qual a sua impor-
tancia, quer como cidadaa emarios de patriotis-
mo, qner como magistrado muitonntelligente e
justteeiro. -E',1 pols, mals urna prova do que-aca-
bamos de dizer.
Passageiro da barca portogneza Belm entrada
de Lisboa: Henrique Jos Pereira.
'Passageiros da lancha nacional Fiordo Rio
talo, pois vendo o de que tem carencia, faliam-lhe
os meios de pode-lo-' baver pela exorbitancia do
prisco.
.No entretanto notavel urna tal situacao, visto
como nao ba para ella urna razio sufficienie, na-
tural e decorreote de causas conbecidas,
A causa que gera tal situaco toda artificial,
e vai prender-se directamente urna especulaifo
reprovada, que nao tolerada em nenhum paiz ;
pois era toda a paite ingere-se o governo mu pr-
ximamente em ludo quanio diz resueno a aiimen-
taco publica, por meio da soa tutela salutar de
vedar que o povo seja explorado -de modo43o ini-
* ', ----- I P.*M|bllV. el ioih.it unu.vww. VW* ww A.*w
qoo pela avidez censuravel de uus poucos, quedes- Grande, sabida para o Rio-Grande: Emygdio Her-
s culano Barbosa, Flix Barbosa de Lima Jnior,
conhecem ler o negocio sua rbita moral para os
lucros, que d'elle devem ser auferidos.
for essa simulada Ignorancia de urna parte, e
poresse indescolpavel indifferentismo de outra,
ahi vemos ostentarse os efleitos mais asquerosos
da esprculacao, jogando-se com Interesses. que se
libara at a' ordem publica, cuja alteracao de or-
dinario a consequeneia do desespero de um povo
Jos Gomes de Mello, Joao Fernandes Bezerra,
Francisco Lins Belm e Manoel Alves Pereira.
Passageiros do vapor nacional Parahyba,
sabido para o sul: Joaquim Francisco Teixeira,
Dr.' E-peridiao Zamiro de Sonza Lopes sna senho
ra e 1 escrava, Candido Marques Taveira, Candido
Jos de Oliveira sua senhora e 1 escrava, D.-Doro-
esfaimado pela caresta de ora genero, de que nio ,na g,,^ praDCJSC0 de oliveira Barbosa, Jote
ba falta real no mercado.
E, com etfeito, o que antorisa o precn actual da
carne verde ?
O que justifica o preco por que ba poucos das
veodeu-se o bacalbo nesta praga ?
Autorisa-o a indifferenca,.justiQsa-o esta mesma
causa, e nada mais.
Mas intoleravel, que taes phenoraenos nao se-
jam estudaoos, e sobre elies se omilta a providen-
cia altamente reolamada por todos os principios.
Nao podando e nem deveDdo, oois, deixar-se,
merc da cupidez de poucos, interesses da com-
monho, importa que aquellas, aquem incumbe a
tutelada mesma, velemeora solicitude sobre esses
interesses, tazando desapparecer o osudo cojas
Andr, Boarque, Candido Mir,inS,: feicoes esbocamos-a traeos rpidos, urna vez que
i ellas esuo impressas na consciencla de todos, que
Ibes experimentara mo grado os effeilos depres-
sivos.
SESSO ORDINARIA EM 13 DE ABRIL
DE 1866.
PRESIDENCIA DO SR. VIGARIO FRANCISCO PEDRO-DA
SILVA.
As 11 horas e 40 minutos da manhaa, faz-so a
chamada, e veriflea-se a presenca dos Srs. deputa-
dos Francisco Vedro, Ayres, Ramos, Paes de An-
drade, Sergio,
Gitirana, Amyntas, Jasen, Correa de Brillo, Au
gusto Leao, Epamlnondas, Arminio, Correa da
Silva, Joaqulm Tavares, Amorim, Jeronymo, Bur-
gos, Tiburtino, Cicero, e Sonto Lima.
Abre-sea sesso.
Lea e approva so-a acta da sesso anterior.
O S. 1. secretakk) le o seguinte
EXPEDIENTE.
' Um offlcio do secretario do governo, remmetten-
do wn ofQcio da cmara da Victoria em que peda
aotoWsaco pira comprar ora terreno.A eom-
missio-do or?amemo municipal.
Owro relativo a eonstmcc9o de um -agude na
villa de Flora.A commisso de obras publi-
cas.
OUtro, reraettendo o rotatorio eom qne o Exm.
Sr. Mranaguentrego a assembla provincial.A
distribuir.
Gutra, reraettendo o relatorlo e balanco da receita
e despea da cmara-municipal do Recife.A dis-
tribuir.
Ouiro remeneado o regolamento do cemiterio da
villa do cabo.A commisso de posturas.
Urna petico de Coime Daraiao solicitando o
pagamento de que se lbe est a dever.A ooa-
idM do orcamento. *>
i abuHxo assignado dos professores a escola
normal, pedindo quota para o pagamento dos seos
venciraentos.A commisso xle orcamento.
Um abano assignado em que se pede urna qoota
parra ousiroceo de nma capaila em Santo Ama-
ro das Salinas.A commisso de orcamento.
Urna petico da irmandade da Conceico dos
Militares, solicitando preferencia para a sua lote-
ra.A commisso de orcamenlo.
E' approvada depois de entrar emdlscusso,
redaceo do projecto^ n^ 19 deste anno.
L-se um parecer da commisso de ordenados,
que conolue por nm projeeto delei defenndo a
pelicao do servente das obras publicas.A impri-
mir.
Ootro qne manda paftrnsveBciantos diminui-
dos em virtude do regohmeoto'a-thesouraria, ao
mpregado daqnetia reparlito, Americo Caldas
"Entrando eto disccfsso ^'adtrto*'pr*#r
pedidorpalatra d Sr. Ranos.
Um parecer da commisso de conslitoico e
poder, declarando que o prejeoto que entortta o
presidente a aposenur-aoaolleclor da Victoria est
no caso de ser disentido.
FMa adiado por ter pedido a palavra o Sr. Buar-
que.
L^se, apoia-se a jolga-se objecto de deliberacao,
nm projeeto que manda coneiruir ama panto em
Ipjuea.A imdrimir.
L-se um partear da commiiso da pe|ic6ei,qoe
cenme por nffllHMo- de lei, deferindo o pedido
do laitato archioiogica a orna subvaneo.A im-
primir, j
mandando a petico le Francisco Mara
commisso d losUucco publica. -Ap-
ORDEkfDO DIA.
a diseoiiie dojfojecto n.42, concedendo
Infelizmente temos a registrar os seguintes
actos, qne vem augmentar a ebronica dos crimes
e snecessos deploravels.
O assassinato do pardo Calisto Jos de Sotrza em
Pedras brancas;freguezia do Moribeca, porTbo-
Correla Leal, vigario Francisco Antonio da Costa
Palmelra el criado, Maooel Francisco Vilrasaro,
Manoel Pereira Baraoho rEugene Brizac.
Passageiros' do h i ate nacional -Serjipano,- N
hido para a liba ne-Pernando: Henrique JosViei-
ra da Suva, Josepba Mariada Concei{o e Ma-
noel Baptista Barros.
Repartiqao datolicia.
Extracto da parte 'do dia 14 de abril de*1866.
Foram recolbidos a casa dedeteuco no dia 13 do
correttte :
A' ordem do Dr. delegado da^capttal, Francisco
Gomes Barbosa e Amaro Jos do Nascimento, para
recrutas; Pedro Celestino Bezerra_ e Manoel Fran-
cisco do Nascimento, para correccao.
O chefe da 2* seceao,
/. G. de Mesquita.
Cabade detencao.
Movhnentodacasa dedetenca do dia 13 de abril
de 1866.
Existiam 363, entraram 4, sahiram 8, existem
359.
A saber:
lacionaes 251, 'mulheres 10, estraogeiros t9
m Paes do'-lleg'o, que sobre elle desfethou um mnlberes"2, escravos65, escravas 2, total 359.
tiro de'baeamarte, pelas 10 horas da noite de 30
de margo ultimo; e'o criminoso foi capturado' fe-
lizmente.
O assassinato de Joaquim de Mendonga, cu]o
cadver foi encontrado erivado de bala e ebumbo,
ao amanbecer de 24 daqoelle mez, em urna das es-
tradas da villa do Limoelro para esta cidade, qua-
si nos limites da coms.rca'de Pao d'Alho, onde era
elle "morador, como se reeonheee por occaslao do
orpo*de delicio, Ignorndose no enlamo quem
seja o autor d'sle en me.
A tentativa de' mrte pflfttcada por Jos 'Soares
da Fenceca, no logar Pindoba freguezia de Bom
Jardrm, por meto de om rro 'dado em Jos Alves
dos Aojos, qae pdenlo escapar do seu alcance,
oSe fivrou-se de ver um seu filho de 7 anuos'ferido
gravemente por algnns chumbos, e de ser tambem
ferido a facea, aindaifo levemente,'por Fonceca ;
o qnaf'foi preso.
A mor te de asphyxla pOr sobra ersao no rio de
JaboaWo'do preto SeveTo e 'da 'prfeta francisca,
ambos escrvos, cojos cadveres foram all encon-
trados, supponde-se como cansa o vicio da em-
briaguez, a qne se dvatn etles.
O Oneiiawn-sea transito para a Europa le-
vou 397 passageiros, dos quaes 16 f ram tomados
neste porto ; e do sul trono para esta praea com:
destino a deferentes casas commerciaes........ '
-158:624^500.
Na quioU-feira passada pela manhaa, qoando
anda todos iJhavam-se agazalbads, dsabou na
Casa Forte, ama casa em qne resida a familia do
Sr. arferes'do 5* corpo de VdmritirlOs' Francisco
Jos de Mello re1 deste SftiHtro 'rsultou armorte
instantnea de um menino, e sfiifam contusas
gravemenieseis pessoas, sccnrabladem sgfnida
ama destas, senhora sexagenaria e sogra a'aquei-
le alteres.
Sendo forgada por urna ala vanea e berta a
pharmacia a roa Dlreita,, de que propietario o
'Sr.'Ff'BtsCo Antonlo'das Clagas, roobarra d'abi
algom drnbrro-e alguns bilhetes de lotera.
O Sr. subdelegado, lendo conbeclmento do factp,
oren as providencias ento cablvis, entrando Ba
averlgnaco qne (he cumpria.
Alimentados a costa dos cofres puBllcos189.
Movimento da enfermara do da 14 de abril de
1866.
Tiveram baxa:
Manoel Jos de Lessa, constipagae.
Jdo Jos Barbosa, drarThea.
Joaquim da Silva Gomes & C, pa-
por certido o seguiste :
1.* Se te Helos de que se compoe ua llrma sao
ou nao matrfculados.
2.* Qual o capital de seu contrato commercial.
3." Se Joao Doosley-Juoior se Jacri* ou nao ins-
cripto caite i ro de dita Arma.Como requerem.
Dito de Andrade & Maia, commerciantes esiabe-
lecidos ""na ra do Livramento desta cidade o. 2,
pedindo que Ihe seja registrada neste tribunal a
escriptura de bypoibeca que Ihes flzera Antonio
Monteiro de Mello de tres escraves de sua posse e
dominio.Est encerrado o livro de registro de
hypotheca, neste tribunal, em virtode de ordem
superior.
Dito de Adolpho Bormestcr, para qne se mande
registrar as duas proenracoes qne junta Regls-
trem-se.
Dito de Jos de Aqulno Foaseo, cidado brasi-
lero, de 38 annos de idade, pedindo ser prvido
no logar vago de corretor geral deta praca. Vis-
ta ao Sr. desembargados fiscal.
Dito de Albino Jos da Silva. Antonio Valentn)
da Silva Barroca e lose Marques dos Santos
Aguiar, pedindo ser admeltido registro o contra-
to de dissoluco e partilha da sociedade commer-
cial que
fiscal.
Com ioformaeao fiscal.
De Antonio Juaqolm Ferreira Porto e Felippe
Manoel Jorge da Silva, para ser registrado o seu
contrato de sociedade commercial.Registre-se. *
De Domingos Alves Matheus, para o registro-do
contrato social d Carnelro, Oliveira & CRegis-
tre-se.
De Jos de Castro Redondo e Jos Ribeiro da
Conba Guimares, para o registro do seu disirato
social.Regisire-se.
De Joaquim Monteiro da Cruz e outros, tambem
para ser
tre-se.
De Amonio de Sonza e Silva e Honorato*Castao
de Abreu, para str registrado o seu contrato so-
cial.Registre-se.
Nada mais havendo..a tratarse, foi por S. Exc. o
Sr. presidente encerrada a sesso as 11 horas e
meia do dia.
Outro
DuprM
provado.
do Senhor, masno hesita em torcer a verdade as
las allegafSes.
Diz S. S. que dispnz de todo o auxilio ofleial.
Qual esse fosse, ja' francamante o decarei Todos
spirito-Saoto, Jos da Silva Loyo, outros depositarto* de etorldfd, Mes coma o
Manoel Teixelra Basto.Sella- proletario do Sr. Wdoro MaaeaifPIs, sitdelefhdo
de FlOres, e protegido do r. vfilMo ; o Ir. Lau-
rentino, delegado 4 Ingataira ; wSr. Branctooo
de Souza Magalhas,delegado de "Villa Relia /to-
dos esses e qnaesquer outros-agentei, longo de con-
tribuirem para a organisafo do corpo, o hoslili-
sararn por lodas as formas.
Pavonea-se o Sr. -ptdre-Sorge?, repeliodo-qna
tro vezes noten tnemorandw*, que grande impor-
tancia e Influencia na localidade Ihe reconbecem
os qne lbe altribuem a grande deseredo que se
deu no meu corpo; assim como repele ouirai ve-
zes, que com grande sacrificios pregou aos povos
que se alistassem quanios o podessem fazer.
Pelo que toca a esta afflrmaliva, bem pode ser
que este apostlo empregasse a voz do que clama
no deserto, pois protest qae me nao consta de
umuutco voluntario que se alistasse no 4 corpo
promovido pelo Sr. vigario.
Pelo que toca, porm, ao deleite com que S
Bvma. se narciza na sua importancia, ao allrlbuir-
se-lhe a desergao de muitos voluntarios, raelhor
lora o silencio, pois ignaro e-as saduccoes foram
capitaneadas ou nao pelo Sr. padre ; mas assevero
que, com o cynismo que a ellas presidio, um preto
de beigo, sendo escotado, alcangaria o mesmo. Aos
ouvidos daquelles bons sertanejos, segredava-se
que eu eslava incumbido de arregimunia-los, para
tiveram.Vista ao Sr. desembargador I os levar para o acougue; que os voluntarios des-
de a sua partida, cortiriam fome, sollreriam todas
as privaces, andariam us, seriam transportados
paia climas oppostos, e soccumbirlam todos a es-
copeta paraguaya, dos poucos que escapassero as
molestias, a miseria o ao abandono. Ora, quem
ande costomado a pregar, pregue neste sentido,
poodo-lhe todos os bordados da eloquencia sagra-
da, e djga-me V, S. se nao maravilhoso que da-
quella gente crdula e singela ficasse um nico
comigo I
Eu nada possa jurar, qaanto a trabalhos desor-
ganisadores do Sr. Burgos. Innmeros lacios sei
registrado o seu disirato social.Rsgis- ou me foram contados,por pessoas fidedignas; mas
admiti que as Ugacoes entre elks e a pessoa do
Sr. vigario, fossem, puras coincidencias casuaes e
innocentes.
Seria acaso ter na villa de Flore?, nm humilde
do vigario, buscado seduzir a Manoel Pereira de
Souza, pregando Ihe que a guerra era intermtna-
vel, e que o Brasil m breve estara reduzido a
seus proprios recujos ?
Seria acaso baver ido preso pelo delegado de
polica, um instrumento do vigario, um lal Deme-
trio, como seductor de voluntarios 1
Serta acato, dizer una tice toda a gente de FIO-
res, que assim como Demetrio, Isidoro Mascare-
nhas (cuja cbrooica -temennvelmente publica)
pralieon iguaes seduegoes, fiado na impunidade
que lao graves casos Ihe lem assegurado a decidi-
da proteccao do Sr. Burgos T
Sena>acasoj'Q nao fruto de esforcos dos humil-
des do Sr. vigario < para desorganieaco do 4 cor-
po de voluntarios, o darem-se sempre e de prefe-
rencia as desergoes nos voluntarios que residiam
prximo casa de S. S. 7
Seria SESSAO JUDICIARIA EM 12 DE ABRIL DE
4866.
PRESIDENCIA DO EXM. SB. DESEMBARGADOR
A. F. PERETTI.
Secretario, Julio Qumaraes.
As onz horas e meia da raanaa o Exm. Sr. pre-
sdeme deolarou abena a sesso, estando reunidos
os Srs. desambargadoras Silva Guimares, Reis o
Silva Accioli, e os Srs. depntados Rosa, Candido
Alcoforado, Basto-a- Miranda Leal.
Lida, foi approvada -a -acia da sesso de 26 do
raer passado.
Assigaaram-se es acordaos proferidos na sesso
de 22 do mez paseada anise partas.
Appeantes, os administradores da>massa fallida
de Amorim, Fragoso, Santos & C. ; appellado, Jo-
s Uomingues. -Mala. *
A p pe lames, os mesmos administradores; ap-
pellado, Pedro Cardoso Vteira.
Appellantes, as administradores da-massa falli-
da de Joo Baptista Goooalres Bastos; appellades,
Henrique de Azevedo.
JLLGAMENTO.
Appellantes, es administradores da massa falli-
da de Joao Bapsta Goocaivos Bastos; appellados,
Keller^cC.
Adiado a pedido de um dos Srs. deputados
sua estatua de glorias. Nao regatearemos essas mi-
serias; mas calando mil ouUos pormenores qoe a
dignidade manda supprimir, s direi qne de bero
fresca dala essa hombrtdade, essa magestade
com qne arrasta por sobre as eakegas da familia
Campas o manto desua MipotMcia.
Quaodo, em 1853, o Sr. padre ebegou i fregue-
zia de Flores, soiiono, semmome,aem amigos, sem
bagagem.-a, sendo-mal -acallo pela historia qne sa
contara de seu pasudo, foi eom os meas prenles
qne S. S. s* proeoron apadrinar, prodigalisando-
Ihes toda a casta de cariuho?, e Chamando mi
saau sohora, que o minba, o que apreieniav
esse hornera para ser acomide pelos meus.
Da-se |elle agora por moito llgoeiro, mi nio ser
que. Bem pode ser: da natureza dos cameleoa
modarem de cor a cada instante. Amigamente era
mais dedicado dos meus correligionarios; duran-
te o lempo era que os nossos amigos dlriglam os
negocios no termo, obteve ser nosso elellor; como
eleitor, o Sr. vigario Burgos nonca votou no noseo
candidato, e eom a mtnha chapa. (O carne leao os-
teniava ento a cor vermelba.) Em 1860, este de-
dicado amigo pedio para que o nao fizessem mais
eleiior, pelu recet de ttcal mal visto pelo Sr. Dr.
Brandao, cora quem encelara relaedes, e qne poda
pedir-lli o voto. (Aqu o cameliao ia mudando de
cor, roas n'uma gradago vaga.) Ntese, porm,
qoe estrs- escrpulos erara novidade, pos que o Sr.
vigario, amigo do 6r. Brandao, ja deilira de que-
rer ser eleitor, para nao votar no- seu correligiona-
rio, no lempo em qae pensava que isso prejudicas-
se ao meu candidato.
O Sr. vigorio, que votra comigo as meas arai-
gjs, e se retirara para nao votar nos meus adver-
sarios,chegado o anno de 1863, fez nova evolu-
cao. Arvorou-se em exaltado liguero, a pomo de
tu Jo merecer da eamarilha, que em nome da liga
vai formando em Pernambuco urna oligarrhia de
chnelos. (Ahise apresentou o cameliao, de fnrla-
cres). O reverendo flnge-se liberal amigo. L
translorma a rr ein amarello, (de ora); roas, da
eonfianca des ligueiros, de origem conservadora,
que iodos os das vo alijando os correligionarios
liberaes, e arregimentando os humildes, qoe voiam
obediencia o novo Mauricio, que enreda a familia
(ipernambueana, para destral-la em proverW sea...
(Aqu agora o eameleo nao tem cor, r&r de la-
ma.)'E eis atiho-que--e vale'a polineado Sr. vi-
garioPedro Manoel-da-SilvaBorgos 1
Todos os restantes factos allegados pelo memo-
rndum sao falsidades patentes:
Wz que os voluntaries do*Hiea corpo vmham
acorrentados"e,algeraados.%TBm'om'om umeose
deu tal c; osa ; foram todos voluntarios, volunta-
rios.
Biz qne-eheguei a"'PeTnambueoeomcerca de
160. Cheguei com HO, namero a que fieou redo-
lido nm corpo que passou muit'de 300 hornrns,
gracasas patriotieas"sednccoes... de nao sei qnem.
Dii qoe -se Ioipufaran nao seiqne coosas ao
Rtd. Fr. Seraflm. Nunea tal disse : estrategia
[.do Sr. Burgos para jonglr ao-seu um nome vene-
rando. -
Dizque om-tenente-coronel foi enviado- para-
fisealtsaros'dnkme-rpublieos -na orgaoisacao do
corpo. Esta falsidade, com a proterva ioteuco re-
velada pet luxo & itlico-, 'desmentida pela res-
posta que acabo dereeeber, e^don em seguida, do
proprkr-Sr. tenente-eoronel Raposo da Cmara, a
quem o Sr. BurgosaHude, e que^deeteraano ter si-
revoraa companhia mteira, que4inha relagSes com 4o ^enmomo.,,,, ,, flscaiJsa(.o.
nossn-ie da casa iln Sr vorarii '<10gp.rP.an (1U6 13 -U- *v:.___._, ,_:.______*.._
pessoas da casado Sr. vigario, deserto que ja'-an-
tes fra annunciada pelos famosos Demetrio eJai-
doro.
Sera acaso...
berta acaso... ekr.interior a caca de horaens, eomotettendo toda
lrafim tudo-senara acasos; _nem ma importa a t9peeii,ie Yjoienc^g. Begponde o-Sr. lenente-ce-
averiguar quem fra o .autor da -satnica
Bassarei a. outres pontos.
obra.
... da guarda nacional, nao me consaddoexeso.
Reproduz o Sr. padre Burgos muitas texes a as- 0) Q gf. f^gfg^fftf prwferente retirara
serco de qoe a cor potinca do 4 corpo era con- 4e|pgaj8es-de poderes feltas pelo tenente-coronel,
servadora. Exciosivamente de cert-que nap, po*>
eu poderia citar.nomes de pessoas mu respeita-
Appellantes, os, predites administradores; ap- veis que.a elle se incorporaran),e que sympaini- ie jnvB0 ^
li. ^_ n____'__ Au.:.. i.-u.,i,..n >- M __ ..*nt:J.Jn i~n,.nr>.l., filnnmo clan FVtr .. *
pellado, Fraucisco 'Gonces de Oliveira, testamen- sacam com a actuaiidade, baveodo alguma sido por
teiro de Henrique Gibsoo. I mim proposts para olTlciaes -, ma* a grande maio-
Foi reformada a senteoca appellada como voto! ha era sera duvida conservadora, representando
Appellantes, os administradores da massa falli-
da de Alves & Cruz^.ppllado, Manoel Joaquim
da Silva Leao &.C.
Nao se toraou ecnhecimento.
Appellantes, os administradores da massa falli-
da de Amorim, Fragoso, Santos & C.; appellado,
Ueurlqae Jos Ai ves Ferreira.
Foi conrirniada a senteoca appellada.
Appellantes, es ditos-administradores ; appella-
do, Joo Vleme da Cruz.
Despresaram se os embargos.
assim a disposlcao dos nimos no dislrcto, o qual
nos nove decimos conservador, fie consente em
perder eleigoes, (guando ellas seo mandadas fazer
pela espingarda e pela violencia, porque os con-
servadores de Paje so.cidados respeitadores da
ordem, e preferem desamparar as uwas.polluidas
i o un Ja-las em sangue.
Mas *o nanos procurei- eu dar ao corpo, cujo
commaudo se rae coafiava. tima cor poltica ? Nao;
porque cima;do meu partido esta' a miob na$o,
e eu a nennum volnntaiio pedi certificada de ori-
gem. To pouco ti: disto queslo poltica, qae urna
Appellantes, os preditos "administraiiores; ap- das primeiras pessoas, cuja coadjuvacao sollicitei,
pellado, Custodio Jos Viaaua. j foi um nobre eavalheiro, que cerlaraenU nunca
Despresaram-se os embargos. miiitou as lileiras dos meus amigos, o juiz de di-
Appellante, Vicente Moreira da Silva; appella- reito interino, Sr. Dr. Amara! e Mello, depois meu
da, D. Rita Pereira com asistencia de seu ma- caraarada de corpo. Apenas nomeado. procurei en-
rido, por seu bastante procurador nesta cidade. < tender-me com o Sr. vigario Manoel fcopes Rodri-
Adiado a pedido de um dos Srs. depolados. gues de Barros, e outros progressistas. Tendo o
passaoens. Sr. Dr Amaral lido o.auxilio de poucos amigos,
Oo Sr. dezembargador Reis e Silva ao Sr. de-, a esses prapuz logo para ofilciaes; sendo assim
zembargador Accoli. "que prdptu o Sr. Jos Antonio-de Souza Paz para
Appellantes, o presdeme e directores da Caixa, alferes da l" compaobia,do Sr. Dr.Amaral; para a
Filial do Banco do Brasil nesta cidade; appellado, qual tinba tambera o Sr. Manoel Pereira de Souza
o Dr. Joaqulm Pires Machado Porlella.
Appellantes, os administradores da massa falli-
da de Amorim, Fragoso, Santos & C. ; appellado
Jos Joaqmm Ribeiro Campos, cessionario de
Francisco Fernandes Duarte.
Appellantes, os roeem-s administradores; ap-
pellado, Manoel Francisco Marques.
Do Sr. dezembargador Accoli ao Sr. dezembar-
gador Silva Guimares.
Recrrante, Carlos Colieman; recorrido, o- Dr.
Garlos Frederico Taylor.
Appellaote, Rento Jos da Costa ; appellada, D.
Marianoa Dorothea Joaquina.
AGGRAVO LNTERP0ST0 DO JUIZO ESPECIAL DO
COMMERCIO.
Aggravante arrestado, Francisco das Ghagas Ga-
valeante de Alouquecqud ; aggravado arrestante,
Manoel Alves Ferreira.
O Exm. Sr. presidente deu provimemo.
Nada mais baveodo a tratar-se, o Exm. 'Sr. pre-
sidente encerrou a sesso a meia hora da tarde.
a certeza de ser.propost tenante, ele.
JS' certo que os-progressistas .a quem rae dirig
exprimiraro,pela maior parle a con'viccao de que
eu nada obteria, que j se havia irabalhado sem
xito v que. por exempo, todo havia posto era obra,
com mexcedivel, mas baldado zelo, a proprio cora-
marxJante superior de Villa-Bella, Sr. Antonio Xa- orgirBjsar o 4" corpo.
Communicados
M> PBL10D.
CBMMGAJJLDIGURU.
KlBl \AL 1#0 CttinERCIO
ACTA DA SESSO ADMimsTRATIVA DE 1DE
ABRIL DE 1866.
' PRESIDENCIA DO EXM. SR. DESEMBARGADOR
AirsEtMonrRAireasco peretti.
AsflOnnrae damantiia, fjstando reunidos-os:srs.
depntados Rosa, G. Alcoforado, "Basto o Miranda
Leal, o'Jxm.'Sr.'presidetrte 'dederon' aberta-a-ses-
sao.
Lida, foi approvada a acta da sesso antece-
dente. *
EXPEDIENTE.
rjfflcio 'da jarjta-tos-ewrtieres neompanhado do
boletim commercial da semana prxima passada.
Oatro'de' JoR'AMwnio Gomes ontor, offererjen-
do um exemptar Sa-bbra que fez publicarNor6>s
do sysiema mtrico deelmal..'! edtccao.-Que se
respoodesse agradecen do a offerla.
T)lstfibolram-se aos Srs. depntados os seguintes
livros commerciaes :
Dirlo deHatttado, GotmariesflrC
dem de' Mendanha & costa.
dem de Joo Martins de Barros.
Copiador (por machina) de Rab Sebametten &
C.
. Protocollo do corretor geral Grmalo Jos Af-
Idnaa.
Diario de Gomes de Matios Diario e copiador de Vello, Guimares & C
Copiador (por machina) de Lpfp
.despachos.
Requerimento de Luiz de Selxas'C
brasileiro, com vinte e nove annos de l
me rean te a grosso e a retalho em fazendas, na
capital do Cear, onde domiciliarlo, gozando de
crdito publico como coroprova com c
xier de -Moraes. Mas nadadesanimou.
Pretende o Sr. vigario que a familia .Campos nao
tem valla no 5 disiricto. A familia Campos nan-
ea aspiran a dominar os sau.coocidados; nunca
ewrceu presso sobre seas visinhos; nunca pro-
curan inllueccia, da que nao precisa- E nao as pre-
cisa, quem limita as amUicoes a conservar-se na
esphera de sua merecida obscuridade, coohecdo e
estimado apenas dos bomeos do seu campanario ;
prompto todava para servir o paiz, sempre que es-
te Hi'o exija.
JS' verdade que -a familia Campos se compoe de
mais de 300 parantes prximos, eaAra os..quaes ura
prelado, quairo teneutef-coroneSrinuitoscapUes,
muito maior numero deofficiaes subalternos; qoe
membros desia familia teem preenchido todos os
cargos eminentes de eleica popular; que muitos
Aotts saopequenos fazendoiros; que vai longo o
numero de aggregados a pessoas delta familia etc.
oueordo.emque outras familias de amigos nossos,
os Srs. Pereiras, Limas,Magalbes, Nogueiras etc.,
reunam conoicoes mals vaotajosas; mas parece-me
que urna familia que tem. por si aquellas circums-
lanclas, nao pode ser totalmente desprezada pelos
seus viziobos, eom qnem alias sempre boseou vi ver
paaitkaraente.
Denotrela o-Sr. padre que-de venga'data teoho
Acbam-se matriculados, na nptsa Paculdade qne aprsenla sbscripto\pbr Francisco Cie|o da
de DlreHo_*l2 estada otes, sendo 100 no 1, 98 oo Fonseca e "
"W, 0bMMV ,W UV 1,WHI
2, 85 no 3a, 77 no 4 e 52 no 5* anno. Por pro
vinclas, sao:
W.,if;..,,.......... 48
Maranbo................ 30
Prtttby.................. is
-Cear................... 29
RioGrando do Norte..... 9
ser admeltido
gador fiscal.
,OTto de fqs'Vic
reir de Carvalbo,
dade i
)'Rbelo da Cuaba, tWBde
laVEn* ao Sr. d-^rbar-
de Pal va e Thontaz her-
ido o registro flo sen con-
reiat qne Juirtanj.-Vista
Assaz tenho supportado rnjnstigas, contrarieda-
des, ingratiddas. Aaheu-se antmaficuio meu silen-
cio ; rompa-se I
Traz o Jornal do Commercto de hornero duas
correspondencias de Pernambuco, em ambas as
quaes se falla de um memorndum que o Sr. Pedro
Manoel da Silva Burgos, gario de Paje, contra' ea na~comarcaide Paje indlsposieies -e odios. Pe
mim arremessou a imprensa. .N'uma dessas cor-, |a nrrrBeira vez son assim ealoroniado. O homem
respondencias dii-se que tal papel. nao merece qa8 wm receDiao dos sens eoecidados quintas
apreco algum ; na ouira, qne prodnzio echo na pravas de generoso afecto podem ser prodigalisa-
opinio, foi-um tnumpbo completo. | da3 omreprobo.-Son-ha vintee ttntes^annos of-
Perrailta'S. S., pois^que eu Ihe demonstre o que flcia| da jarija nacional; ha quatorze .delegado e
tal memorndum significa, eliminadas as repeti- subdelegado lie policia.-joiz de paz, vereador da
55es, declamarles e o acervo de inexaclidoes in- camarainonlcpal, -com esplendidas vottedes, etc.
tencionaes, que a outros qu& nao a mim' compele; Qaa) 0 meu Crlme, que assim me alienasse a con-
dejapascarar. sderaco publica ?'qual o faeto reprehenslvel de
traurei de /actos. | toai a-mlhna -vida publica ? qual o aeto deperse-
Considerei meu dever, na situaio creada ao: KOjco aos meus co-municipes, para assim Ibes
meo paiz pelo aodazestraugeiro, por a disposi?o p^ngear iadisposic5es e odios? O mea crlme...
de S. M. o Imperador, o meu braso, a minha es- .Q |er offerecido os bracos a patria ; ter dado oc-
pada, e qualquer influencia que acaso os meas' caslfio a reconhecer'se qne para certa gente todos
conterrneos me podessem conceder. j ^ n,eos reprovddes sao' bens, ainda tratando-se
A presidencia da provincia de Pernambuco acei- ^ 0t,iectos'rnais sagrados, qual a defea da digni-
tou o meu offerecimecto ; e reconbe^o qae da par- dj(je rjrasllelra ; que para esses homens todo o pa-
to do Sr. conselbelroParanagua' pessoalmente bou- trioii^mo se subordina ao egosmo do seu predomi-
ve sempre nobre cedJovagSo, e sincero desejo de mo qae o tem razo de ser, e s se5 estriba na
qne, sera consMera/JJes partidarias, se alcancasse aatorj,iaQ,e, na Violencia e na calumnia,
um xito vantajoso. Tambem do Sr. Dr. Adelino -
de Lona Freir, delegado em Flores, recebi pa-1 Segundo o Sr. vigario, eu nao tenho importancia
trlotico ooncureo. ajguma na miha comarca, e'S. S. Unta, qae todos
Com, 4* aoxiljo'de meus prestantes amigos, ap- !"lhe escrevem e recomroendam cousas, crda e des-
pliqnej todos os cuidados a creago do'4 corpo de mancha batalhSes, coma Pompen, qae, batendo
voluntarios, tencionado acompanhar ao Paraguay com op, fazla rebentar da trra legloes ai
Diz que foi feito o recrulamento (incumbido
ao dito Sr. tenente-coronel) por membros da fami-
lia Campos, qoe em forma de*bandos se ten^avara
coromeiiendo toda
rooel qae s incumbi do reeratamento-a officiaes
e o reprehender por ter abusado da soa eonllan-
ea. Vfcse pela 'dita resposta sertodo -nm tecido
Biz-qne a maioria dos recrutados se compoe
:de velhos, torios, casados, meninos e eidados le-
galmente Isentos. Reconheceu-semais pela mesma
resposla que foram attendidasqnanias reclamagoes
parecern)-justas, corrohorande-se at a snavidade
com que a.tal recrutamento se procedeu, com o
lacio de que apenas se apuraram doze recrota,
n'ura distrfeto que comprehende cinco comarcas
de grande extensao.
Invoca o tesiemuoho de varias'pessoas in-
suspeltas. Todos essas cavatheiros'esto -na pro-
vincia onde nataralmente tero desroascarado a
impostora. Oonico qoe se acha nesta corle o
respeitavel Sr. Dr. Amaral e Mello, juiz de direito
interino da comarea.-e-qae em'politica pensa diver-
samente dos meus amigos. Em seguida publico
igoalmente a carta com que elle se dignou respon-
derme, e della se collige o contrario daquillo para
que o Sr. Burgos invoca o seu testemunho.
'S. S. afirma que Ihe nao consta haver o Sr. vi-
garlo recebi do recommeodaco de anloridade al-
gama para auxiliar o alistamento de voluntarios
para o 4 corpo ; que tendo o Sr. vigario sido in-
cumbido pelo Sr. Dr. CasteHo-Branco de anloga
organisaco, nem seqoer sereumocom os seus col-
legas de commisso ; qae Ihe nao eonsia haver no
4* corpo um i voluntario alistado por trabalho do
Rvm. vigariode Plores ;que, emkora elle tno ti-
vesse tido oceasiao de ouvWo'manifsstar-se contra
o alistamento, era todava indtgtado em Flores
como opposto a orgaoisacao do mesmo eorpo ; que
muitos dos individuos dedicados ao Sr. Burgos
eram apernados como empentados na obra de des-
aquelles meus cantaradas.
Apenas, porm, os meus desairelos, e os Ilguei
ros xalUdos reconheceram que era emtlm possi-
tW
ciado, eemL..
claras, Urna cuzda conlra pobre 4o corpo
Aqaelles qne, pelas distancias a pelo desconheci-
o serad IstoTDIrSfens'ao amor proprio?
Se S.s. temonnao'forfapart'deimtnebarexer-
cltos, Isto qoesto com a soa chscieocla. Agora
rien que elles1 haViam debatde dlligen- que a nao tem para levantar nem seqaer roa pa-
ecu ibrdninente, e desenvolveu-se as rtrrjlha'de cubo e dons soldados, faeto averiguado,
na cnzda conlra Cobre 4o corpo. O'Sr. Dr. Castllo-Branco 'durahte a sna admints-
PdTBarthucp, puderam crear urna opinio artificial
acerca de urna sua fantstica forga, viam natural-
mente com mos olhos nma creacao, que revelava
Dio ser nlles que o 5" districto deposita va as snas
syropattila?.
Tinta en, pols, a saUsfaco dedonur nai roi-
ptM Ataras Ocidados, qnaodo a guerra ao cpr-
po se deeftron, to'despleu"ada, to feroz, lo indif-
traco nomeoa'comTnissies para promover o alls-
ment dos hmens e das cusas do *> districto de lamento 'de vblnntarlos erzH6da_a Pri2f'De;aodie
i
Dito de Eloy de ljveifa Lacerda, pal qoe se
Pernambuco, e noraeon o Sr. padre Baogos presl-
denteda commisso de Flores. E qoanwmil ho-
minsangarlou'Tem ara, nem ara I E, oqne
mals, nao s se'nao qalt entender c*A w seos col-
legas de commisso, mas nem ^envveMe em tra-
balho atgom, nao obsunte urgentes e dei*e*das
instancias de meu Irmaos o teneote-ooronel Anto-
nio Jos de Gampos Barbosa, para que elle'dtjsrg-
Acaba o digno magistrado-generosamente t la-
mentando a maneira porque se tem querido fattr
desmerecer o valor dos meus eiforcos em favor da
causa que de iodos.
Es aqu de qne modorespondem ao Sr. Burgos
aquelles cujo testemunho elle lem a leviaodade de
invocar, e que se aebam na corte -, os depoinwmos
qqe lera colhldo na provincia ser-lhe-bo nao me-
nos (avtraveis.
Basta.
Besejel servir o meu paiz mais-affieazmente do
queme foi dado faze-lo, -nao cevtameote pela ca-
rencia de esforcos meus. Como nunca me mover
ambico de especie alguma, ou filo em recompen-
sas/regrassoao meu-viver ebsour, sm-plena paz
com a mmtia consciencia. Sei qne eommum
remunerara calumnia aos bons servicos, o su nao
ienho-litlos para me exceptuar da naturaia bu-
mana.
Qaanto a meus inkaigos, gratatos e pencos, per-
doo-lftes de boa mente : a nos, porque nao sabem
o qoe fazem ; a outros, porqae o sabem lo bem
como eu o sei tambem.
hM PESSOA DE-'StOWMRA CAMPOS.
Qnarteldo- campo 'da-Acelamacao no Rio de Ja
neiro, aos o de abril de 18S6.
Illm. Sr. tenente-coiooel Jos Lucas Soaies Ra-
poio da Cmara.-Para justos fias quizera dever a
V. S. o obsequio do solver (os-segoinies .quesilos,
permiitindo-me fazer uso da sna resposta :
1* Foi V. S. o oficial superior mandada .pet
conselheiro presidente de Pernambuco, em 1865,
para a comarca de Flores, como nm da auxiliar .a
orgauisaco do 4 corpo de voluntarios e reerntar
para o exerciio ?
S*.Poka V. S.drMoaaWdaaanjiode ftscalnar
o eraprego dosdinbeiros, qaanto ao dito corpo de
voluntarlos?
B* Conferio V. S. oeneargo do recrutamento a
individuos-que nao fossem officiaes da guarda na-
cional ?
4* Conston a V. S. que no curaprimeoto desta
sua ordem fossem praticadas desnecessanas vio-
lencias t e em aso aflBrmativo, por quem o forera?
8* -Receben V. S. communicacao de que o Sr.
conselheiro presidente retirara as denominadas
delegacdss de podares, por V. S. feitas, e repre-
hender a V. 5. por ter abalado da conaoc* da
S. Bac t
o* Consta a V. S qne a-maioria dos reerntadoa
se eempniesse de veldos, toctos, casados e-eidadaos
legalmenie Isentos ?
Desde ji agradece a resposu qnem aejS.
raspeitador e criado reverente. Rio deJaneira,^
de abril de 1866.- Pedra Pmoa4e- Stg*tw Cm-
llm.-amigo e Sr. Pedro Pessoa de Siqueira Cam-
pos. Resijoudeodo ,presenteP em respeito a ver-
dade, alErrao ao Iobesito : quanto ao.J*.nao fui
incumbido da fiscaliiacao do&jinoeiros pblicos:
quanto ao 3o 4, s Incumb do recrutamento ci- ,
nadaos offlciws da guarda-naeioaal, nao rae cons-
tando excesso : qaanto ao 6* quesito, nao -, quanto
ao' 6* nao. Sendo qne sempre. procurei atlender
as reclamacdes que me pareoecam justas, e laso
est provado com a apurscio qusfii e que dea em
resaltado dote recrutas n um-districto qne com-
preneade cinco comarcas degrande extenao.
Pooe V. S. usar da presento rasposU orno me
apeonver.
De V. S. collega e amigo, Jku Leas Soares Ra-
peso da Gomara.
Illm. Sr. Dr. Joio Bapllspta do Amaral e Mello.
Y



v


^>
/
HM


i



?

ajlpiwlwiioi pe imprensa, sopotieo a V. S.
mare de reaponder.tM V. S. nao ra-Jnli de
Tato interino ta comarca d< Paje d* Bores,
qaando. no annvpassado-, all se paoceJea tofKi-
nisaeSo do corpa de voluntarios, ao qtHt V. S'
fez a honra de incorporar-se sendo nomeao ca-
pillo ? Se a V. 5. conta aue o Rvd vigb Pe
aro Manoel da Ha rtorgOT recebesse drtatorl-,
indo alfana reeomojendaeao para euadjffmr na
Utanensao do referido corpo ; e se sabe de um'
mo voluntarlo, a erto prtenceme, cuj* %lista-'
moto (ese devido 1 diligencias daoaelle Sr. vi-'
*** \
Pede liceoca para fazer uso da saa rneposta
quem de V. S. camarada e atiento resaelta ior,
#Wr Pttmrtk Sqmetra Campos.Rio de-Atneiro
6 qaartel do Campo, aos 4 de abnl de 1866.
lilm. 3r. teoeote-eoronel Pedro Pessoa da Siquei-
ra lampos.Respondendo a presente tfevo aiier
ne no tempo em que me allstei voluntario esareta
eargo de juir de direlto interino da comarca de
Flores, assini como que n5o consta que o Rvm.
vigario de Plores, Pedro Manoei da Silm Bargos,
recebesse recmmendagao. de antoridade algoma
para auxiliar o atistaraenta de voluntarios para o
i* corpo ; conslando-me todava qne o Exm. Sr.
coaselheiro Paraoagu no empenho de alistar vo-
luutarios dirigia-se a muilos cidadaoi notaveis
pelas posices que eccupavam.
Sei tamben) que no tempo do Exm. Dr. Castello
Branco o itvra. garlo de Plores fot nomeado para
ama commisso, que. de va alistar voluntario?, e
que nao s nao procurou alistar como nao se quiz
reunir coia os outros membros ; nao obstante ser
convidado pelo Sr. teoente-eoronel Antonio Jos de
Campos Barbosa, qneniostrava-se animado de bons
deseos.
Nao me consta que no 4* corpo houvesse um s
voluntario alistado por trabalho do Rvm. vigario
de Plores, indignado at come opposto a organisa-
eao do mesmo corpo, sendo qne-nb ti ve occasio
de oavir o mesmo Rvm. vigario manlfestar-ee
contra o alistamento de voluntarios:
Sei que muilos dos individuo* dedicados ao Rvm.
vigario de Plore eram apealados como erapenha-
do na obra de desorgaaisar o 4* corpo. Eu uve a
boa vootide d* roeu amigo prolessor Lvrii Ignacio
de Oveira Jardira.
Cnclu lamentando a raaneira porque se tem
querida fazer desmerecer o valer dos esforcos de
V. S.em favor da causa,.que de todos.
Pode V. S. osar da presente resposla como Ihe
oovier. Qaartel no campo de Saot'Anna, 4 de
abril de 1866.7-De V. S. camarada e atiento res-
peitador, Joo. Bapiista do Amar al e Mello.
(Do Jornal do Comnurcio.)
Axetrednce
Baca! ..,, a .
. rl
frtftrlf de 1866.

=
Publicares a pedido
psito 6,000
Venderan^^S ^^Hfe
Vendeu-se 3*00 a
arroba.
Cha............dem de 1*600 a S|i hbra.
Carreja......... Vendeu.se de 8*000 a 6*300 a
duzla de garrafas.
Pannlia 00 trigtr, A- de Pbiladelphia retathou-se de
81*000 a J5*porbatrica, a de
New-York de 22* a 23*, a de
Richmond de 22*000 a 23*000,
a franceza a 24*000, a de Tries-
te a 23*000 ; Qcando em depo-
sito 2,000 barricas da primelra,
3,800 da segunda, 3,600 da ter-
ceira, 1,000 da qnarta, 8,080 da
quinta, ao todo 18,400 barricas,
inclusive dons carregaraentos
_, chegados da Amerlce.
Peijao.......... Venden-se de 10*000 a 12*000 o
sacoo.
Lenca..........a ingleza ordinaria vendeu-se
com 310 por cento de premio so-
bre a faetura.
Mauteiga.......Vendeu-se a ingleza de 900 a*
950 rs. a libra, e a frandeza de
580 a 60 rs. dita.
Massas.........Venderam-sa a 7*500 a caixa.
Passas......... dem a 6*500 a caixa.
Presuntos....... Venderam-se a 46*000 porar-
roba.
Queijos........ Os flamencos venderam-se de
1*700 a 2*000 cada um.
Sabo.......... o ingles vendeu-se a. 150 rs. a
libra, e o do Mediterrneo a 240
Tt a dita.
Toucinoo.......Veoden.se o de Lisboa a-9*500
por arroba.
Vinagre........ o de Portugal venden-se de 90*
a 110*. a pipa.
'tobos.........Vendram-se os de Lisboa de
180$ a 200*000 a pipa, do tinto,
e de 220 a 240*. do branco.
Vela..........As de coraposieio vendram--s*j.
a 600 rs. por. pacote de seis
velas.
Descontos.......O rebate de" letras regatn a
12 por cento ao anno.
Frete*......... Para Canal 0/ por tonelada S carregaodo aqu para Liverpool
30/ 32/ 5 /? pelff lastro, carre-
teo! dem segando ;t tero
aires. .
Ra
N. 3* raer el B
dem ideo 1 C
dem idem e ID
332JOOO
6039000
. gando em Macei 3/ d- por libra
5 % e carregando na Parahy-
ba % a"^d. por libra 5 '/..
'N. 44 dem e 3 Idem,
andares......
Hua Nova
N. 42 idem e 27 idem, cata terrea. 660*000
N. 46 idem e 48 idem, sobrada de 1
andar.........1:000*000
Rna do-Caiabouce.
N. 40 idem e 18 idem, casa terrea.
Becco do Qnabo.
N. 49 idem e 8 idem, easa terrea. .
Ra da Gloria.
N. 51 idem e 85 idem,' casa terrea.
Roa do Encantamento.
N. 52 idem e 3 idem, sobrado.
Roa da Cadeia do Recite.
. 63 idem e 23 dem, sobrado de 1
andar..........681*000
Ra do Padre Ploriano.
N. 67 Idem e 65 idem, casa terrea. 80*000
Roa do Apollo.
N. 91 idea e 24 idem, sobrado de 2
andares..........1:400*000
Ra de S. Bom Jesos das Crioulas.
N. 61 idem e 8 dem,' casa terrea. 131*000
. Patrimonio de orphw:
Ruado Rangel.
Casa terrea n. 6 particular e 56 pu-
blico-. ..,.....265*000
Prakda Bna-VMU.
Sobradde 2 andares a 7 particular
e*3pofeo. ,...... .
Sr Goncalo.
Casa terrea n. 10 particulare 22 po-
H100. .....
dem n. 11 idem e 24 idem. .
Rosario da Boa-Vista.
dem n. 14 particular e a8 publico.
Beatn din>BIa.
Sobrado de 2 andares n. 37particu-
tare 14, publico.......
ldanib 3M#hTeM8 idem. .
Azeite do Petxe.
Sobrado de 1 andar n. 63-particuIar
e 15-pnbllco. .........
V Ra da Canimba.
Casa terrea n. 65 partUolar e 5
DENOMISACA0 DOS ACTOS.
i*G-almoco sobre arelva.
2. Os bohemios.
3. TraasereDCia^or aujada drvoreie !
4.Amof? orgnlho e dinheiro t
^tfpnomedia'da morte -
BptSaetnal.
eto passa-se nos arredores de Parit.
* outros na sobredita cidae.
PBUSOKAGIIK.
Wpho, poeta (Bohamin,. .
1:602*000 Mireello, pintor (idem). .
Scbaanard, msico (dem). .
Lolmi, philosopho (idem).. .
Baptuta, c iadO (idem). .
Durandio, capiusiaj .. .
Benoii, proprietarr. .
185*000 Um catiro. .
Um convidado.. ,
141*000 Um medico......
Mrannn S^8*"' de Ronv'"es, viova..!
144*000. Himi, florista. .. .. .
I Violeta (Bohemia) .
400*000 Eupbrasia (idem). .
I Urna senhora. ......
Um mogo de recados, convidados e criados.
O resto dos bilbete aebfem-se a' venda 3*o es-
erlptorlo do thealre.
Sr. Paiva.
> Lisboa.
, P. Joaqaim.
Graea.
Hay mando.'
>* Piulo.
1 Pontes.
Mantones.
H Srlm
> Santiago.
sr/ Oiyana.
Adelalde.
>' Ulelia.
Leopetdon.
Joaquina.
Na ra
114, lo-
yes
Ihos
ie todas
jw sioomooo
te mez,
teria (58),
(se ant06 a tratar com Antontod* SMa Raows
PrntauanT o nr*Cft cogwwdn.
5HACAE&C.
AV4S0S MARTIMOS
&mm mmim
DE
800*000
Aa PUBLICA
aos Srs.
algibeira
O aballo, asstgpado ten do comprad*
Braz A Meger, joalbeiros, um relogio de
com crreme pehi'anantla de 210*A00, sob a. ga-
ranta do mesmos-Srs, qoe qae Ihe afiancaram
ser dito relogio chronometro, e bom. regalador, ae-
ceitoulhes- por isso urna letra da qmantta de 190*,
qae se vencen em 18 de decembro ultimo.
E perqu poucos. das depois veriBeasse, que o
dito relogio nao regula va,, e- qae ai era chroo)-
metro, b qae Ihes asseguraram algon relojoeiros
e quem mostroa e vem pelo presente mel, visto
ignurar a residencia do mesmos Srs convida-es a
que venham receber o seu relogio e entregar ao
abano assignado, a quem itludiram, a sua letra, a
qualomesmo abrixo assignado protesta nao pagar,
o que faz publico, para que nnguem faca negocie
cora ella: e cumprindo declarar aioda, qae 15 das
depois da mesma transaccao encontrando-se o
abaixoassignadonabarreira.de Jaboalo com os
referidos Srs., que vollavam de serto, e fazend-
lbes ver qne o relogio nao regulava,' e que por.
isso quera desaier o negocio, elles Ibes disseram,
que u'aquelles 4 ou 5 dias segoinles tomaran) a
casa do mesma abaixo assignado, e entao desfa-
riam o negocie; entretanto at o presente 'anda
nao Ihe appareeeram para enmprir o qne trata-
ra OJ
Recife, 14 de abril de 1866.
Joo Francisco Pereira da Silva Juoior.
COIYIMERCIO
5|8
rRACA DO RECIFE.
toiacoes offlciaes.
14 de abril.
As 3 1|2. horas da tarde.
Algodo sorle 18fi200 por arroba.
Cambio sobre Londres90 d|V. 27 1|2 e 27
d. por 1*000.
uuboureq Jnior,
Presidente.
Silveira,
Secretario.
, *;to banco de Pernam-
bnco.
O Himq Banco descoma letras a 12 por cento
ao auno, toma dinheiro a praso flxo ou em conta
corrente pelo premio e condigSes qae se c onven
cioaar. e saca sobre a praca da Babia
Novo Banco de Pernambuco.
o novo banco paga 16 dividendo ne
razo de 6#150 por acfSb.
417:704*977
23:768*690
441:473*667
IHOVIWENTO DO PORTO
blico.
dem
P.u-
n.
67
Casa tarrea
19
Navios entrada no dw 14.* -
Bahia20 das, patacho nacional BrastHense, e
193 tonelada?, capito Jos Francisco Praco,
1 equipagem 10, carga 10,000 (a) de carne sec-
ca; a Amorim Irmos.
Lisboa32 das, barca portugueza Belm, de 274
toneladas, capito J. Joaquim de Freitas, equipa*
gem 14, carga vrnho, sai e outros gneros; a-
Amorim Irmos.
Nano.; tahios no mesmo da.
lha de FernandoHiate nacional Seraipano, capi-
1, tib Pedro Jee Franctsoo, carga-differentes ge-
. eros.
Rio-Grande de Norta-Lamha nacional Flor do]publico.
I Rk-trande,. capitn Antonio Viceotn da Costa,
carga diOerentns gneros.
BabiaBrigue ioglez Neva, capito J. Jenkins,
1 carga parte da que trouie da Terra Nova.
LisboaBrigue portuguez lidador, capito Joo
. Gomes de Avallar, carga assuear.
Porros do sul Vapor, nacional Parahyba, com-
mandante Belrairo B. de Souza, carga difleren-
les,generos.
CanalEscuna austraca Helena, capito A. N
Arpsteo, carga assuear.
Obsrvaco.
Suspenden do lamaro para o Havre a barca
f ranceza Bvgenie, capito Si carel com a mesma
carga que trooxe de Montevideo.
iVurio entrado no da 18.
Bahia11 dras, patacho dfnamarquez Pollux, de
364 toneladas, capito F. W. Leechesen, equipa-
gem 8, carga 2,200 barricas com (anona de
trigo; a Saunders Brothers & C.
Navios saludos no mesmo dia.
HavreBarca franceza Jeune Marte, capito Le-
teintnrier, carga algodo,
Lisboa brigoe portuguez Lata, capito Joo
Rodrigues dos Santos, carga assuear e algo-
do.
1803000
1S0A000
idem e 10 idem. .
Ra dos Burgos,
n. 68 particular e
pa-Hco............ 101*000
Ba do Vigario.
Sobrado de 2 andares n. 72 particu-
lar e 27 poWktf-(i andar),
dem idem (2o andar). ... 0
Ru do Encantamento.
Sobrad da 2 andares n. 76 particu-
lar e 11 publico.........807*000
Semat-VelMa.
Sobrado de 2 andaresw 78 particu-
lar e 136 publico........
dem n 79 dem e 134 idem. .
Casa terrea n. 81 particular e 18 pu-
blico.............
Ra da Guia.
Casa trra* n.. 83 particular e
PAQUETES JT MP0&.
E esperado dos portes do norte
at o da 17 de abril o vapor
Cruzeiro do Sni.comraandante Al-
coforado, oqual depois da demora
. da'coatnoe seguir' para os por-
os, do. sut-
noSXa Becebem-f e passagelros e engaja-se a carga que
193#DW o vapor poder conduzir a qual daver ser embar-
l irv' c"d*'no dfa *>sn' ebegada ; eneommendas e t-
MQfflW nfcetr/rete at o dia da Sabida, as 2-horas :
j agencia rqa da Cruz n. 1, escriptorio de Antonio
ulz de Oliveira Azevedo & C
' COMPAHIA-PERNMBCNA
Kavegaeo^costeipt por Tipp.
Parahyba, NatalMaao,, Aracaly e Ceax.
O vapor Mamanguape,' com-
maodante BeUniro, segnira* para
os portos cima no dia 21 do cor-
renta as8 horas da tarde. Beee-
be carga somonte al o dia 20 :
eneommendas, passageiros e dinheiro a frete at
as 2 horas do di da saluda : escriptorio no Forte
do Matos n. 1.
361JOO0
501*000
803*000
97*DOO
83S0OO
533*000
27
EDITA ES
dem n. 84 idem e 2J idem. .
Roa da'Gfuz.
Sobrado de 2 andares n. 89 parlicr*
lar e 14 publico.......701*000
Pm o racaty
O hiato Bous Irmos, para carga trata-se com
Tasso Irmos ou com o Sr. Quintal no trapiche do
algodo.
Para o .Para' pretende sabir era poucos dias
o patacho PARABNSE-, por terjo seu carregameo-
lo quasi prooipto, e para o piuco qne Ihe falla ira-
5*0O I ,*"se com Kigoaiario Joaijaim Jos Goncaives
I Bullro, na ra do Vigario n. 17, andar.
193*000 Para o Rio de Janeiro pretende sahir~em
poucos dias a veleira galera MINDELLO, por ter
quast todo o carregamento tratado e para o resto
132*000 que Ihe falla eescravosa fete para a qne tem
1'25$O0O bousommodos-: ttata-e como consignatario Joa-
qnim Jos Gjncil ves Uellro, na ra do Vigario n.
i", piiineiro andar.
alpandega.
l\endi:nei)to do dia 1 a 13.....
dem MOVIMENTO DA ALFANDEGA
Volumcs entrados com fazendas.,
1 com gneros...
Votan es sahidos cem fazendas...
< < coa gneros....
187
345
------532
156
502
------658
Descarreffam hoje 16 do abrjl.
Brigue ioglezTi'faniabacalho.
Barca inglezaTraeWrfarinha de trigo.
Barca ingleza Union farinha de triga
Barca inglezaAune Kay mercadorias.
Vapor ingle Casne^dem.
Berra francezaGuillaiime Teti-resto. '
Barca mrihit-^Alexcmdte -carvo.
Barca :usl(aMaraahtoidem:
Barca inglesaEdUh Manondem.
Brigue ioglezCantos dem..
Bngue ioglez Har Belldem.
Brigue ioglez John & Blisabethdem.
Galera nacionalMintW/oIaem.
Brigue nacionalMartnho IIenarque.
Brigue, portuguezS. Jos idem.
Patacho hespanholAdelatieidem.
Soma RECF.IIDURIA DR FE!AS INTERNAS GE-
RAES DE PERNAMBUCO
Ben;i..ento do dia 1 a 13....... 10:592*321
dem do dia 14............... 824*044
.-----=
11:416*365
0 Dr. Tristo de Alencar Araripe, olBcial da
imperial ordem da Rosa e juiz especial
do commercio, nesta cidade do Recife de
Pernambuco por S. M. Imperial, etc.
Faco saber aos qne o presente edital vi-
ran e delle noticia tiverem, que no dia 16
de abril do crrante anno, se ha de arrema-
tar por venda a quem maig' der em praca
publica deste joizo o seguate:
As quatro stimas partes da casa terrea
sita naraa Imperial com o n. 164, a qual
tem portSo e mnro na frente, sendo a casa
collocada no centro, com janellas e porta na
frente nos oites, com grao.de terreno at
a mar, e os fundos at o rio Capibaribe,
avaliada ditas partes por 2:2850712.
Um terreno na ra Imperial com 30 pal-
mos de frente com os fundos para a mar
peqnena, forerro marinba, avaliado por
300(5, a qual casa e terreno foram penho-
rados por execuc3o de Francisco Alves de
Moraes-Pires contra Francisco Bote I no de
Andrade. E nao havendo lancador que cu-
bra o preceda avaliacao, arrematag3o se-
r feita pelo preco da adjudicado na forma
da lei.
E para que chegue ao conhecimento de
todos mandei passar o presente que ser pu-
blicado pela imprensa e affixados nos luga-
res do costume. Rec fe, 7 de-rmrco de 1866.
Eu Manoei Maria Rodrigues do Nascimeoto,
escrivao o subscrevi.
Tristio de Alencar Araripe.
-~.il_ ^^^ ni 1 11 1 ii
dem o. 90 dem e 12 idem. 751*01)0
Ra do Pilar.
Casa'terrean-. 91* particular 105
publico...........168*000
Idea n. M^idem e 103 idem. ... 162000
dem n. 93 idem e 101 idem. 174*000
dem n. 94 dem e 99 idem. 255*000
Idera.n. 97 dem e 110 dem. .. 163O00
dem d. 105"idem e 94 idem. 174SOOO
Sitio a 1 no Parnameinm. 240*000
Idemn.tr no Forao da-0*1. 150*003
Secretaria da Sarna Casa de Misericordia- do
Recife 14 dr abril de 1 St>.
O amanuense,
______Fhincisco Gomes Castellao.
Tribunal do commercio
Pela secretaria do tribunal d> commercio de
Pernambuco se faz publicoo do mes-
mo tribunal de 12 da corren.te foi considerado va-
go o offlcio de corretor desta praca,' que exercia
Frederreo Lopes Guimaraas, o qaal O abandonou,
e qoo a fiaoca prestada em .favor do mesmo cor-
retor persiste por seis mazes, cotlados desta data ;
e qne Mea marcado o praso de 60 das, para dentro
delles se babilitarem os concurrentes ao referio
offlcio.
Secretaria do tribunal do commercio de Per-
nambuco 13 de marco de 1866.
O offlcial-maior
Julio Gulmaraes.
QukftMMra
tpririra
Miwoda matriW?nu Bella
dense dia tiver segoido para o sul o vapor
bratileiro que se espera do norte), send; a
eftracc3?> no lugar e hora do costume.
Os bi I he tes, meios-e quintos acham-se
venda na respectiva tuesouraria, ra do
Crespo n. 15.
Ospremios de 6:0000000 at 100000
ertOpagos urna hora depois da extraccSo
a*,a.3hra da tarde, e os outros depois
da distribuicaodas listas.
As eneommendas ero guardadas so-
mente at a noite da vespera da extracto.
O thesoureiro,
Antonio Jos'Rodrigues de Souza.
Deseja-se compw ou aforar. 50 pal-
mos de terreno na lacgu/a com fundo pro- ,e a'coeneira prexima
porcional na Soledad Caminho Novo : a !'
tratar com o solicitador^Barr.^s na ra da
Concordia sobrado n. 13..
-Joo da Silva Ferrelra vai para"fo7rda~pro-
vincia.
Felisberto Monteiro
tugnez vai a Portugal.
HHBbu-
N 4 s rrf-^.rtulnhn
* qoartes ora. 1 bhelfn
o, acabad* de aovo;
na roa da
BISE
RA'DO CRESPO NT9.
Ilvraf nacionier e estrangeiros.
mHgim dtreit),JUteratura, ele. *
Papelaria, objectos para escriptorio.
Papis pintados para forrar casas.
As8igon;t ipara- os jornaes^dB^Europa.
irindfi,
Precsa-se d nma criada qne saiba cozinhar e
fazer as comp#Mr ne mere**-pera casa de urna
moga soltenWPar tratar na raa da Roda, em fren-
a rna de Santo Amaro, 2
da Cunha subdito por-
Albums para, photograpliia, albums em
branco para desenho, collecco de pboto-
grapJiias: frmalo grotld-pai"a.quai]rs, for-
mato para albums.
NA L'IVRARIA'. FRANCEZA. -- '
N..9j~ Ka do Crespo N..9.
Ama' e- leit.
Precia-se de-orna ama- dlH :aTtarda Ca-
deia n. 1:
Declaro pelo presante que comprei aos Srs.
David Olorh & Irmao fjoalbeiros) urnas argolas de
brrlhames pe* qoanffa de 1:200*;' e lendo vindo a
praca ti ve ooeasin de'mandar-avaba? dHas argo-
las qoe no mxime faraa avahadas por 300*, fa-
go publico a presente deeiarafo afim de prevenir
os incautos e fier sciente aos Srs. Blocb <&*- Irr
mo que a venda que me flzeram fol conforme a
lei a domina de lesao inerme. Declaro em tempo
que dando o objecto comprado roais 4005 nao
qukeram estes seohores Recife 12 de abril de 186.
- Joaa Paea de Almelda Lina.
* Preeisa-se de uroa amT" de' le te, que se ja de
bons costumes; na ra da Cruz n. 8.
Precsa-se de nm coperro para o servico n'nm
casa-esirangelra; a tratar na roa do Trapiche
n. 3 primelro andar.
Henriqne Jos dos Santos eslabelecido com A' livraria Econmica,.defronte dofcod-Sin-
ftadarla na ra ireita n. 128, tendo de retirar se to Antonio, acaba de receber as sd$erts>brafS e
para tratar de sua sande dis[i6e do mesmo esta- vende por precos coramodost;
belecmanlo com todos os pertences, tendo dous Bibiiotbquedu MJecio pratician ouresnm^-
fornos, quem qoizer dirija-se ao mesmo que se fa-! nral de idus les omrages de clfniqne medcale e
r todo o negoci oa com. Ja Ferreira da Silva Ichlrurgicale, par une societ-da nwdiemiv pnMis
na mesma ra n. 100; assim como rrga a todos os sour la direlion do docteur Fabre, 15 vulumes;
sens devedares de-virem-no praio de- lo das sa-|
tisfazerem sens dbitos do contrario sero cobra-
dos judicialmente visto o mesmo ter tambem com-
promissos a satisfazer.
ISILM*.
lEJMjajnjfc
Bend!i-."uto do da 1 a
4*u do dia 14 ....
C0?SLA0Cf PROVINCIA
13...
.
48:433*4'14
2:644*396
51:077*810
PRACA DO RECIFE
11 E ABRIL HE IS4B.
A'S TRES HORAS DA TARDE.
ilevlsla semanal.
'Ctmmos........Saccou-se sobre Londres de 27 a
28 d. por 1*000; sobre Pars de
347 a 350 r?._por fr.; elevndo-
se os saques effectuados pelo
Oneida a se 130,000.
Alfodo......... Vendeu-se o de Pernambuco de
18*000 a 18*500 por arroba, o
de Macei, posto a bordo, de
17*300 i 17*700, e o da Para-
hyba, tambem posto a bordo, de
19*700 a 20*.
Assuear......".. Vendeu-se branco de 3*000 a
3*700, o somenos de 2*500 a
700 o mascavado porgado de
1*P*9 a 2*300 por arroba, e
o broto de 1*680 a 1*830.
(Mrtttt..... Venderse de 60*000 a 65*000
a pipe.
Coutos........Os seceos sainados venderam-
se de 143 a 130 rs. a libra.
Arrot-.........O pilado da India vendeu-se a
3*0C0 a arroba.
Santa Casa d& Misericordia
do Reeie,
A Illm.' junta, adn.ioislrauva da Santa Casa de
Misericordia do fteelfe maudS- fazer publico que
no dia 19 do crreme pelas 4.boras ida tarde na
saia de sua sessSes tem de-ir i pnrc a renda das
casas abaixo declaradas por tempo de um a tres
anuos.
Os pretendentes devem comparecer acompasa-
dos de seus fiadores ou munidos de cartas estes.
Eslabelecimentoj de caridade.
Ra do Imperador.
N. i particular e 24 publico, sobra-
do de 1 andar.......679*000
Ra Di re la.
N. 3 Idem e 8 idem, sobrado de 2
andares..........1:067*000
Roa do Padre Ploriano.
N. 5 idem e 411 idem, casa terrea. 1811100
N. 6 Idem 47 idem. casa terrea. 186*000
Hua do Razonde?.
N. 11 idem e 32 idem, casa terrea 155*000
Travesea de S. Jos.
N. 13 dem ell idimt cisa urna. 153JBOO
N. 14 idem e 5 Idem, casa terrea. 169.
"If. 15 Idem e 7'ldenr; casa terrea 15
Roa.-dos Ptseadorw.
N. 16 dem ell idem, casa terrea .
Roa das Calcadas.
iN. 18 iderae 32 idixi), casa terrea.
N. 19 Idem e 34 id&m, casa, terrea,
N. 20 dem e 30 idem, casa terrea.
N. 21 Idem a38 idem,.easa terrea.
Roa das Cinco Pontas.
N. 23 deme9*idem, casa larrea.
N. 2* idem e 110 idem casa terrea.
Hua da VintcSo.
N. 26 idem e 7 idem, casa terrea. .
N. 27 iem e 19 idem, casa, terrea.
Fiiaa de Santa Thereza.
N. 31 dem e 7 idem, casa terrea. ..'
216*000
128*000
>49*0
176*060
157*000
240*000
204*000
COMPANHIA PERNAMBUCANA
Tendo os legtimos propietarios das accSes des-
ta companhia abaixo mencionados, declarado que
bavlam se desencamnhado de seu poder as de ns.
886 a 895 e 2786 -a 271jO, pela gerencia da Compa-
nhia Pernambucana o por ordem da directora se
declara que da data deste a 30 dias, avista da
requisicao dos mesmos Ihes vo ser entregues no-
vas acedes de igual numeraoao em sabstilnicao
aquellas que iieam assim sem valor algum,
Pernambuco 14 de marco de 1866.
______________O gerenteF. F. Borges._______
Conselho de compras oavaes
O conselho promove no dia 17 do correte mez
a compra dos seguintes objeetos do material da
armada : 20 arrobas de estnflo em verga, 100
bandeijas forradas, 100 travetas de qualidaee com
52 palmos de comprimerrto e 6 a 7 polegadas de
grossnra, 60 chapas de-ferro Lq.wmoor com 35
ps de comprlmento, 4 polegadas de largo e-0(16
de grossnra, 1 martinete d ferro de 2 a 4 tonela-
da, 100 pares de chinelas, 10 lantemas de pten-
te, 10 duzias de limas chatas, 10' ditas de limas
meia-cana de 12 a 20 polegadas, 4 arrobas de pre-
gos ripares de cobr?, 4 arrobas de pregn de bate!
de cobre, 60 travs de qnalidade de 32 a 34 palmes
de comprimento e 8 a 9 polegadas de grossnra, 80
travs de qualidade* de 40 a 43 palmos de compra-
ment e 8 a 9 polegadis de grossnra, 16 duzias de
tabois de assoalbo de louro. 12 ditas de taboas de
assoalhp de amarelb, e 10 ditas de taboas de forro
de amarelio.
Promove o conselho a compra sob as cond-
eses do estylo e vista de propostas qne coa-
vida aos pretendentes apresentarem no referido
dia 17 do crreme maz at as 11 horas da manhaa.
Sala do conselho de compras navaes de Pernam-
buco 13 de abril de 1865.
Alexandre Rodrigues, dos Aojos
Secretario.
Relacio-da cartee seguras etistents na admiuis-
cao docorreio desta cidade, para os senbores abaixo
declarados:
Francisco Antonio de Abren Pereira.
Padre Ignacio Francisco dos Santos.
Joo de Fre las Barbosa.
Joo Lourenco dos Santos.
Jos Carneiro Rodrigues Campeilo.
Luiz Jos da Silva Guimaraes.
Miinoel Angosto Cndido Pereira.
Manoei Joaquim Lobato. 'A
Pedro Raphael do Amor Ornnb.
Do armazn dv> molhaiios a roa do
Rairfe!' ir. 73; intitulado pbarol.
Cordeiro Slmoes
por despacho do Illm. Sr. Or. miz de drreito espe-
cial do cooimerct, levaras paja-segttnda vez a-lel-
lia.os gneros, armacao e mate pertences do esta
belecimento cima dito, Scrvindo de base a offerl*
obtida no leilao passado, Isto
Terca-feira 17 do corrente
as 11 horas em ponto no mesmo estabelecimento.
Precisa-se de urna criada para, o ser-
vico de pouca familia; na ra Augusta n.
5, primeiro andar.
scrava.
Precisa-se alagar orna essrava cara o servico
de ama casa de mutto ponca familia : na ra da
Concordia o, 34 sobrado do ar mazan do sol, paga
bem sendo boa a escrava.
Be urna taberna.
Qsrta-feira 18 d% corrente.
O agente Restaa faca' leilao por tala, e risco
de quem perteneer- da- armaeo, gaz, gneros e
utencilios existentes na taberna sita na ra ao-
Codorolz n. 5, em um ou mais lotes a vontade dos
compradores : quarta-feira 18 do: corrente pelas
10 horas da manhaa na mesma taberna.
Da mobilias, muilos trastes avuisos, relogios de
algibeira de diversos .oslo., objeetos de bnlban-
te?, ouro, piano de armario, espalos com moldu-
ras dou radas, grande quaotidade de cachimbo e
fumiodedlvorsas qualidade* e outros muitos ar-
tlgos que sa torna enfadonho mencionar.
Qaarta-feiral8do correnieas 11 horas
NO ARMAZEM DO AGENTE
OLYMPIO,
48 -PRAg\ D COMMERCl-48
Manoei Arlhur C. Azevedo e seus filhos
atradecem sinceramente as pessoas que
! Ibes .flzeram o favor de ac.orapaotiar o cada-
tver de sua mailo presada sogra e av ae
cemiierib, e por este acto de candada con-
fessam-se eternameote gratos.
lunia Telxelra Gniraares, lendo de
indar celebrar- urna missa por alma de
seu finada pai Pedro Antonio Teiteira Gui-
l maraes, 9 anniversarie de seu failecimento,
I.convida aos seus amigos a prenles e os do
I tinado, para assistirem na reja de Santa Ri-
ta [nas 6 horas da manhaa do dia 17 do
correte, pelo qoe muito agradece a aquel-
es que se pre-tarem a este acto de religiao
Para
IiEILAO
De 330 coaros averiados, 3 fardos com
cabello e (rtt^ewila (fe carneiro
O agente Martins competentemente aumrisado .
pelo Illm. Sr. Dr. juiz especial Jo commeroio fara'
leilao a requermento do capito da barca brasi- pu,l0"h7nTem' 13 de abril o eauravo j"oTo
CASA DA FORTS
Aos 6:000^000.
Oilhetes garantidos.
A' RUA4>0 CRESPO N. 23 E.CASAS DO COSTUME
O abaixo assignado venden nos seus muito feli-
zes bilhetes garantidos da lotera qne se acabon
de extrahir, a, beneficio do theatro de Santa Isa-
bel, os seguintes premios :
N. 1129 bilheteioteiro com-a sorle de 6:000*.
N. 1784 biihete inteiro com a sorle de 0OO3OOO.
N. 3407 daus quintos com a sorte de 200*.
E outras rauitas sortes de 100*, 40*, e 20*.
Ospossuidores podem vir receber seus respec-
tivos premios sem os descontos das leisnacasa
da Fortuna ra da Crespo n. 23.
Acham-se a venda os da 1* parte da 1" lo-
tera (38') beneficio da matriz e Villa Baila,
que se extrahira' quinta-feira 19 do crrante.
PREgO.
Bilhetes.....65000
Meios......3*000
Quintos.....1*200
as pessoas qne compraren! de 100000
para cima.
Bilhetes.....5*500
Meios......2*750
Opiatos.....1*100
Manoel Martins Fiza. .
um com la de carneiro e tres cem cabello bo-
vino tambem avartadoi; todo Ircr Tunta e risco de
quem perteneer, cojo leilao,teraUuaar quaria-ei-
ra 18 do c urente no trapiche <{>f7aro 'dio Livra-
mentono caes do Apollo as 11 oras da manhaa.
- Grande i-iiao
De Hvi-os moros de dlffereaies
autores proprios pura quem
tem loja
Quinta-feir
No
as*A0 lloras.
emttt
Guida ila Mdecio-praticien ou remm general
de paihologte interna et de tbrapeutique appliqus
par Vallis, < vol mes.
Traite de Pathalogie externe et de medcloe ope-
ratoire avec des resumes d'anatoatie des tissos et
des regions, par A. Vidal (de Cassi.-) 5.vulumes.
Uistoire de la generalion de l'homma, par Gri-
naud de Canx, et Mariin Sant'ange, 1 volunte.
Diccionario da Medicina Domestica e Fopnlar,
por Lagaard, 3 volomes.
Uto de Medicina Domestica e Popular, por Cber-
noviz, 3 volumes.
Gua Medita, pelo nvsme, 1 volme.
Pede-se encarecidamente as pessoas que de-
ram roupas para Ungir na casa a rna da Impera-
triz n. 67, que as v.-uham buscar no praso de 15
das contados desta data, do c ntrario serao vendi-
das para pagamento do trabalho do abaixo assig-
nado. Recife, 12 de abril de 1866
Aoto Ferreira Saldaoha.
Mauricio Francisco de-Lima, tende da reti-
rar-se.d*ia cidaae para a villa de Pao d'-Aio, uu-
de pretende fazer-soa residencia, declara nada de-
ver a pessoa alguioa, tanto nesla praca como fora
dalla ; porem, sa alguem por qualquer titulo se
t"ulgar seu credor, aprsente sua conta n rna do
Irom casa n. 56, que sendo verdadeira a divida
sera' immediatameote paga, e isto no prazo de tres
dias.
Dao se bolos de vendagem al onze horas da
manda, e aviam-se bandejas e enconimeadas.de ho-
los, etc. : na roa Imperial n 32. "______
Precisa-sede urna ama para cosinhar e en-
gomar para casa estrangeira de pouca familia : a
tratar na roa do Trapiche n. 8, segundo andar.
LIVROS
DE
PREPARATOIrlBS
LINGUA INGLEZA.
HILLARD'S-First ClassReader. in 12.a
MOTTA Grammatica pratica da lingua
ingleza, in 8.
SADLER Coma complot de laDgue an-
glaise.
SADLERDictionaire fiancaiS-anglais "
anglais-francais, in 8.
SP1ERS Dictioaaire franesis-anglais
anglais fraocais, 2'm 4'.
OLLENDORF.Methode d'anglais, in8.
RUSSEL Curso de ltngoa ingleza, se-
gundo o methodo Robertson 3 i a 8.
VIEIRA Dictionary of the englifih and
portuguese ianguages, 2 in 4.
WALKER -Pronuncing dirtionnary. in 8
NA LIVRARIA FRANCLZA
N. 9 Ra do Crespo N. 9.
\





s


U
.
.
Em
OLYMPIO
lotes a vontade dos compradores*
De visa
leilao
casa terrea
sita
S
THIATHO
DE
EMPREZA-Ct)lfffiR\.
EJiBA na-saa. B.
CLELIA DE CABTALHO
E reeiitmiaido actor
RAYMNDO JOS* DE ARAJO.
9.* recita da. asslgnaitiu.
Terca feira \Tde abril de 1856
Prmeira representagao do excedente drama di-
vidido em 5 aoios.-tradnsldtrdos afamados escrip*
mena rriDeaae* Mm. Tbeodero Banriae e Heori-
^Bflbgarrornado de canto :
7, sua na
roa da Es pea ni; a.
O agauoMartins fara' leilao, por ordem do Illm.
Sr. Dr. Gaudino de Aranjo Guimaraes cnsul por-
toguezida urna casa terrea n. 7 sita na ra da Es-
peraBQi|,e.terreno prapra, perlanceau ao espo-
lio de Jo.- Pedro Marques da Silva.
.Ju Quinta-feira.19 do correte.
No armazem da ra da Cadeia do Recifa n. 53,
as 11 horas do dia.
ayisos DtyEBsas
Madama Labsriau segu para a Europa com 3
cri ancas. fcJS-
de baeta parda e camisa de madapolao, regrlsla
e intuase ser forro.
Este escra>o foi comprado ao Sr. Manoel Ri-
beiro de Carvaibo com loja oa ra do Qjeimado,
o qual fiscravn foi remettdo de Garngun< pelo -r.
Antonio Corroa da Rocha Muoi para- ser- vendido
no Recifa, presume-sa que o dilo escaavo tenha
seguido parai^raohuos, onde tem prenles; pede-
sn-aos S*a capftes de campos e mais autoridades
^e o peujm e levem a seu Sr. Jos Pereira de
Miranda Cunha na ra da Imper&lriz o. 14, ou ao
Sr. Manoel RiMrad Garvalho com oija na ra
do Qneioiado, ciunnero generosamente recompen-
cano.
Aloga-se ou vende-se nm bom sitio oa Ca-
punga, na ra das Pernambucanas, junto ao sitio
des berdeiros do fre Capristano. Tem bella casa
eom aomnides para familia numerosa, jardim na
frente. Para tratar e para melhores esclarecimen-
tos a roa da Cruz n. 33.
........'"- -y lili
Versos
para o mez marianno : venera se na roa. do Im-
perador n. 15, offleina da encadernaco.
Aviso ao& Srs. 5ammer-
eiarites.
O administrador da'tytographla de Albert Rl-
doux, sita a roa drCroz doilectfe n. 46, avisa ao
respe i la val corpo do commercio que este esiabele-
cimemo acha-se compaleotemente prvido de lo-
dos -os materiae's sufflcientes e de bons offlciaes,
tanto granadero* comoimpressores para a execu-
co fiel d todoe qualqaer trabalho, garantindo ao
mesmo tempo assiduidade, promptldo e asseio
n'aquelle trabalho 'de que se encarregar. Outre
sim declara que alm b quee^posle ca, Uaba-
lba se em qualquer obra per-mais mdico prego -"Um rapaz com bastan e prailca d armazem
do que era outra qualquer parta ; portaato roga se de ferragens e latuenas niwliinn para qualquer
MARITimOS
CONTRAteGO.
A companhia Indemmsaana-, eslabeleci-
da nesta pra^a, toma seguros martimos so-
bre navios e seus carregamentos, e contra
foga em' edificios, mercadorias e-mobilias:
na na do_yigrio rf. 4, p'avimento terreo.
Precisa-se de urna ama-: na ra ds'Cfazes
n. 24. ___________
AnKinio Joaqaim de MSia, subdito portuguez,
retira-senara fra de imperio.________>
O abarlo assignado, thesoureiro Interino 4
rrmandade.de N. S. da Sukedade oa fisguen da
Roa-Vista declara que a festa anoonciada na Re-
vista Diaria de hontem, deve entender se na ca-
pella propnamente dita, cOm o nome de Nossa Se-
nhora-da Seledadn, e na na matfia da 8oaiVft<>.
a esta noilonrtogiriS do corrente, cem rdainha
na vespera, festa e Te Fteum, como se acha annun:
ciada na Revista Diaria de hontem.
____ ^ Manoel r'erreira Ramos. _s_
Arrendare -u,efl'ie-se o engenlio. Ramee na
fregaeziade PQ,d'AJ,bo, rooente e corrente, com
boas trras, aguas, malas e ptima casa de viven-
da, tambem troca-se par urna propriedade na co-
marca ou fregmasaffefiofantia : quemo pretender
dinja-se ao mesmo engenho a entender se com o
proprletario. ______ ____________________
Calxeiro.
Precisa-se de um menino de 12 ou 14'anuos,
que saiba ler e escrtver, para caixeiro fra desta
cidade, qoe seja Portuguez ou Brasiteirdira tratar
na ru* Novan. 2% que encontrara- pe*-compe-
tente.

^
i

Puglo da roadlo Imperador n. 23, primeiro an-
dar, um escravo den; por Dome Joaquim com
03segninies sigoaes ;'J ,jjke\o do corpo, cara
larga t*ne alambazado no fal-
lar di%ota muita est iem o agarrar le-
ve- o a ra Mova o. 33, le|a de ferragens que sera'
independencia n. 33, Io]a de
onrivea, compra** ooro. prata, e pudras preciosas,
a ttmbm se faz qoalquer obra d encommenda. e
todo e onalqoer eoncorto.
a benevolencia proieeco dos Srsv cororaeralan-
tes para prosperidaje do estabelecimento.
*- Ptaitsa-se-de-oma- {treta para Vender na r*a
a tratar na rna de Santa Thereza n. 2.
Proelsaise d urna1 perha cosfnelra; naTaa
da Cadeia do Recife'n: 2; segundo aviar.
EWECGAO BR#W.
Remedio infallivel as agnorrtmas anrigas
recen, tes, nico deposito- na pb arma ca
e franceza ra da Cruz n. 22 e ao preco de
3^000.
desles estabelecimantos ou. mesmo para caixeiro
de roa de qualquer armazem dando o supplicante
boa- inforraaeso-de sua conducta : quem precisar
annuncle por este jornal. .
IjTbaizo assignado tendo de relirar-se muito


t*~JHB
*i
i
w

i1
-:


* *lrril e 4866
A LEGITIMA
uiuiumu
DE BRISTOL
PEEPARADA NICAMENTE POR
LUX1AN & KEKE,
NOVA TOSE.
Composta de substancias, gozando das
propriedades eminentemente depurativas
approvada pelas juntase academias de me-
dicina; usadajnos principaes tiospitaes, ci-
vis militares e da marinba as An tilhas.-e
no continente americano ; receitada pelos
facultativosos mais distinctos do imperio do
Brasil e da America hespanhol
CURA RADICALMENTE
escrophulas, rbeumatismo, escorbuto, en-
ermidades venreas e mercuraes, chagajs
antigs, morpbea e todas as molestias pro-
venientesd'um estado vicioso do sangue.
Emquanto existem varias imitaces e
(alsificacoos, preciso a maior cautela para
evitar os engaos,
A legitima salsa defiristl vende-se por
CAGRS,A BAfcBOZA
. JOO DA C. BRAVO A C.
JoSo da C. Bravo & C.
Deposito geral em Pernambuco ra da
Gnu n.22 em casa de Caros
PROfeSSOR DE PUNO
Jos Coelho da Silva Araujo contiua a
lecciouar piano: na ra do Livramento n
24, terceiro andar.
Samuel Nwer Jobnston k Companhia
Ra da Senzala Nova n. 4.
AGENCIA DA
Fundi^o de Low Moer.
Machinas a vapor de 4 e 6 cavallos.
Moeudas e meias moendas para engenbo.
Taixas de ferro coado e batido para enge-
nbo.
Arre ios di- carro para um e dous cavallos.
Relogios de onro patente inglez.
Arados americanos.
Machinas para descarocar algodo.
Motores para ditos.
Machinas de costura.
wmmmmmmmm mmm
m DEPOSITO DE CALCADO g
m FABRICADO NA CASA DE DETENCO W.
HI Ra Xova n. 1. gjg
*m Ah se encontrarlo obras Je di- m
| versas qualidades, e por preco mu 2!
J diminutos, a retalho e em porces. 81
So se vende a dinheiro.
mmmmmm mmm mmm
O Pcitoral de Cereja,
DO DB. AYBB,
Para a cura radica i. e cer-
ta de todas as raolc6titu4 do peita
e da garganta, !.>>-,-, conetlpagoes,
Bronclifte, asma, defluxos, roqui-
do, Coqueluche, angina, Dipthcria.
Esto xarope peitorrl d o resul-
tado de longos anuos de estudo
por mu dos primelro8 mdicos da
America do Xoite, e de experi-
encias minuciosas nos principaes
borpitae 8 do mando; reeeitado pelos'mdicos mais distinctos
(teste secuto na sua clnica 'pan leular, portauto c digno de toda
confian?*, i*, por ser eflicaz, alcaacando com Ulna certeza infal-
irel o assento da molestia e arraneando lhc as raizes, assim
dando aos orgos aneciados urna acfo natural e s: 2, por
ttr innocente e applicaral a qualquer petsa de qualquer idade
cu texo, ao homem robusto oo i crlanca da mais tenra idade,
cada frasco sendo accorapanhado de dirrecces minuciosas:
3, e ultimo, por nao ser um remedio ttereto, pois qnalqaer med-
ico ou pharmaceutieo pode obter a formula da sua compoiicao,
(tirigindo-sc pessoalmente ou por carta ao agente geral, H. 31.
LAXE, a ra liir.il:', No. 15. Eio de Janeiro.
Maitos casos qnc tinho zombado de todos o recurso
da scicncia tem sido curados radicalmente com o uso do
Peitoral de Cereja.
-As pessoas atacadas de tost, defloxoe, Dr da garganta,
Bronchite, asma, etc., c ontros eymptomas da tsica prima-
ria gernlmentc fazem pouco caso do seu padecimento at
que seja tarde para cnra-lo. Nao descuidis d' urna tosse
porque agora parece de pottea importancia ; urna tosse
descuidada chega a ser chronica e induz a fonnacao de
Tubrculos nos pulmoes.
Nenhuma casa de familia deve estar sem nm Irasco
leste xarope mao; pois nos ataqaes repentinos de
A nrfina, de Croup, e nos paroxismos do Coqueluche; ou
tosse coinprida a que estilo sujeitas as enancas, nao ha
teropo de chamar um medico, ncm de fiuer remedios, e
este xarope alivia inmediatamente e pe o Aiho querido
sao e salvo, fra de pergo.
As molestias que esto ao alcance das virtudes curativas
do PEITOHAJL DB CEREJA lio
Defluxos, Toases, Asma, Esquinencia, BronchiU,
Coqueluche, Toase ferina ou convulsiva,
Boquido, Todas aa molestias do peito
garganta, Consuropcio dos Pul.
moei en Tiaica pulmonar.
Acha-se esa todas as Botica e Drogaras do Imperio.
Punas Catharticas do Dr. Ayer
CUBAO
Prizao de remire. Indigestas, ConsUpaeae, Itheu-
mntisnu), Ilemmorrhoidas, Dor de eabeea, A. Xerral-
gia, vial do estomago, Enxaqueea, mal do Flgado,
Gastrfse, Febre gantro-hepatica, Lombrlga*. Erytp-
ell, ydroptia, Incremente do baco.
, Todas as moles' las que provm do uso exeeislro de
Qulntoo.
0 mlhor purgante at hoje conhecido.
Estas pihuas anacaradas sao puramente vegitaes.
FUB6A0 X PUaUICAO SZX KEICTTEIO.
A venas em todas.as Boticas e Drogaras do Imperio.
fffgyg"
i
seg
do
FABRICA A VAPOR
99 RA .DO MONDEGO 99
JtrfposUo na roa Nova n. 5 laja de.rclojoelro.
Deloucbe donos deste esUbelecimento partecipa ao respeitavel publico que sua fa-
brica est montada com as melhores machinas que existem na Europa, e qu pode
fabricarcom melbor perfeicSo possivel. Todo o chocolate desta.fabrica est garantido,*
paro, o que nio se pode encontrar naguelle que vem de fra, e que se vende por preco
baixo, visto os productos serem do paiz. Na etiqueta tem sempreuma aguia.
PRE^O. J
Meia libra.......... iOO
Urna libra. ....... 800 f
Urna arroba........i9000
Na mesma fabrica acaba de se montar urna officina com serrara a vapor para
obras ae marcioeiria propria para edificio, para o que encarregi-se de fazer portas, ja-
aellas, assoalbos (parqu francez como se usa na Europa,) e armacoes, tudo com brevi-
nade e perfeicao. Toma-se qualquer encomiaenda para fra da cidade, entregando-se
rompa a collar-sed lugar.
EsU compaofcia bga^ulo systema matuo todas as comhjtu oes de supervivencia dos
os sobre a vida.
Helia pde-e* tazer a aaLseripeo de maneira que em ae*hum caso mesmo por morte
segurado se perca capital Bonos juros correspondentes attee.
Sao tao epre*end.cntes o* resultados que prodozem as sociedades da ndole deA NACIO-
NAL,que anda mesmo dimictundo urna terca parte do inlereste produzido em .recentes liquida-
coes ecombioaado-o cora a morulidade da tabella de Depapeieux para senscaicttloe e liqaidacefi, em segurados de idade de a49 annos, urna imposico annua.
de 100,1 produz eaa -efiectivo meulico:
Mofim-de 5 annos.......1:119*300
.de 10 t...... .* 3^948*600
de 18 1 .*..... 11:208*200
de 20 ........ 80:256*000
, deJS........8fc331*000
as idades menores de 3 anuos e maiores de 30, os producas sao mais considerareis.
ProspectM e maM nfermajes ser So prestadas pelo sub-director nesta provincia,
^eaquim Fiuza de Oliveira, oa daCadeia n. 52, ou a Boa-Vista ra da Imperatrlz n. 12,*stabelci-
maato dos Srs. Raymundo, Carlos.Leite & Irmo.
IwTraria
DE
OEIiHO & FREITAM
Rna da Cruz n. 16.
Continua a haver diariamente um sortimento de pastis, podins, bolo inglezes,
empadas etc., etc. Os donos deste estabeleciment, aebam-se as melhores eondigoes
de poder satisfazer encommendae concernentes sua arle, em consequencia do socio
Freitas ter sido administrador ebee de algumas das princii aes fabricas na corle, sendo
urna a do Sr. Jo2o Goncalves Guimares (confeitaria de LeSo) antiga casa de Carceer.
Todos os trabalbos sao dillerentes dos que se fazem em casas particulares.
Os proprietarios deste estabelecimento nao se tem poupado a despezas, nem se
pouparo, se houver concorrencia como esperam ; tendo continuadamente bom sorti-
mento de doces para cb; presuntos e ditos em fiambre, tamhem se recebem para se-
rem preparados; assim como doce de caj novo superior, secco e crystalisado, dito em
calda em latas hermticamente fechadas, podendo durar annos em perfeito estado.
Para jantares e partidas recebem-se encommendas dos seguintes objectos; ban-
deijas ricamente enfeitadas sem armaco pecas de amendoas (nogaces), ditas de tmaras
de ovos, paes de l enfeitados com disticos anlogos a qualquer fim; ditos montados,
kecbs simples e eBfeitados com fructas ingleza; gatheaux de la reine, ditos de le d-
chese, tortas de fructa, massa folhada; ditas de peixe e carne; cremes e doces de ovos
de differentes especies.
Tambem tem um completo sortimento de vinhos engarrafados, como sejam: vinho
do Porto superior, Figueira, Madeira, Lisboa, Cherez, Bordeaux, Champagne fino, ser-
veja, licores, charopes e conservas. Para festas: bonitas caixinhas com amendoas, con-
feitos e mais enfeites. Muitos destes objectos mencionados podem-se perfeitamente ac-
condicionar tanto para a provincia, como para fra.
FIGIRAS
Acabam de receber bonitas figuras para bandejas de doces, sendo grupos para
baptisado, casamento, annos, ditta a phantasia, bonitos enfeites para bollos e circular pra-
tos de doces finos,-tudo por precos razoaveis.
Vende-se licores em duzia mnito emeonta. _________________. ______
A QUARESMA
Acabam de receber G. Paes do Amaral & C.
5 RA DO CRESPO 5
Anliga casa de (uilheruie da Uva GnlmarSes
Ricos cortes de vestidos de gros-de-aples preto, com lindas barras bordadas.
Moire-antique prelo em cortes e em pecas, liso, ondeado e com palmas.
Gros-de-naples preto, de diversos precos e larguras.
Gorgurao preto, fazenda superior a todas pela qualidade, e bonito tecido.
Este estabelecimento
acha-se sortido com numerosa qnantidade de filos pretos, de algod5o, de linho e de se-
da, manufactura .'os em
ckales
retondas
algerienes fbournus)
anamites
africaines
A NACIONAL
Companhia. geral hespan&ok de seguros mutuos
sobre a vila
AUTOMS4DA- PEL REAL DECRETO DE 21 OE DEZEMBRO DE 1859
lea fiaeam^inheiro, depositad nos cofres 4o estado,.garaite a boa ad-
cinistraco na eaf aaaia.
BAN O Baaaoo Ac Baspanha HadrM: Ra d* lirado n. IS
AO GfiANDE S. MAURICIO
PROCESSOS APERFEIOAIIO
PARA w
Tiugir. i Un par c lastrar a vapor.
F. A SALINGRE & C.
29 Eira 7 de setembro 29


Defronte da roa nova do Onvidor (Rio de Janeiro)
Os proprietarios deste estabelecimento, o primeiro no seu genero no Brasil, por
trabalbar com as machina mais aperfeieoadas para tingir e lustrar, de que se faz uso na
Europa, eajudados por alguns dos melhores officiaes de Paris e LySo, podem assegu-
rar ser freguezes urna perfeito no trahalho, a qual sen5o pode chegar pelos proces-
sos ordinarios.
Tingam, lavam, limpam e demofam com a mai r perfeicSo e brevidade qualquer
qualidade de ftzendas, tiram nodoas e limpam secco sem molbar as sedas e as vestimen-
tas de senboras e de homens.
DE
FAZENDA E ROPA FEITA
11UA MOYA X. 94.

ifi

raacwea Pires
Portella
laelradol
MEDICO E OPERAfOR
PELA
Faculdade de Parla.
continua no ezercicio da sua profissio,
especial mente as molestias de olhos, de
vjas urinarias e de pella, para cujo tra-
Umeoto julga-se habilitado ltenla a pra-
tiea adqairida nos hospitaes daqoella ca-
pal, e os instrumentos mais modernos
que possue.
Accede promptarnente a qualquer cha-
mado para fora da cidade.
E encarregase de collocar olbos arti-
ficlaes.
No pateo do Carmo d. 2, esquina da
roa de Hurtas, das 6 as 10 horas da aa-
"~I nha'a, e das 3 as 5 da tarde. __
mmmmmmmmmmm-mmm
Cobraneaa.
A pessoa que tlver pratica do foro e iiHelligtncia
precita para cobrar quer amigavel, quer Judicial-
mente, que qneira se encarregar de cobranzas
para fora da cidade, epor provnolas limitrophes
dando para isso idneo fiador : quera dingir-se a
ra do Amorim n. 3o segundo andar.
Precisa-se
alogar nm preto para servico de padaria, paga-se
bem : na ra Dlreita n. 24, padaria.
Precisase de orna ama forra ou captiva para
coslnhar para casa de rapaz solteiro : na ra do
Imperador n. 40._______
.Antonio Luii de Oliveira Azevedo & C tem
para veader do seu escriplorio, ra da Crui n. I,
vinbo do Porte em calza da dutia, fio hamburguez,
oola da Baha superior.
N6s abaixo asslgoados declaramos haver re-
cebido em 12 de Janeiro do anuo prximo Dado de
1865, do Sr. Bento Severiano da Fbnseca Pitia a
quantia de 1:418*510 rs, importe de urna letra
aceita pelo mesmo senhor a ossa ordem, sacada
em 18 de maio de 1864, e vencida em 18 de no-
vembro do mesmo aneo; ecomo se lenha desen-
caminhado dita letra com o respectivo recebido na
mesraa fazemos a presente publicado pela qnal
desabrigamos a responsabllidade do d ito Sr. Ben-
to, ficando nos obrigados a responder por qual-
quer exigencia que illicitamente ihe seja felapor
terceiro. Outro slm declaramos, que ficamos de
cootas justas com o mesmo senbor e quites al es-
ta data, quer pelo titulo cima declarado quer por
outro qoalquer. Recite 9 de abril de 1F66.
Antonio Crrela de Vasconcellos & C.
Lava-se e engomma-s? por preco commodo :
na roa do Galdeireiro n. 11.
Precisa-se de
ama casa
um escravo para servigo
na ra da Cruz n. 24, botica.
de
Reg & Moora, proprietario daloja de fazendas e roupa feita, sita ra Nova
n. 24, verdadeiramente penhorados e reconhecidos para com seus amigos e freguezes,
pela aceilacao e confianca que delles tem merecido no curto espago de lempo em que
se acbam estabelecidos e perfeitamente escudados na sinceridade dos seus tratos, decla-
ran para sciencia daquelles que o quizerem honrar com seus officios, que, em vista da
grande concurrencia que tem merecido o seu estabelecimento, especialmente no que
relativo a roupa feita; acabam de admittir para a sua officina de alfaiate maior numero
de artistas, iclusive o seu contramestre, dirigido pelo hbil meslre Ludano Jos de
Barros, o qual nao se poupa a exforgos para satisfazer com a presteza possivel qualquer
obra de encommenda.
Os mesm'os annunciam aos seus freguezes que acabam de comprar um novo e
muito variado sortimento de fazendas finas e de bom gosto, proprias para o tempo da
quaresma, as quaes esto dispostos a vender por precos muito commodos e mais barato
que em outra qualquer parle.
Gomo sempre escusamos essa enfadonba prolixidade dos annancios bombsti-
cos ; preferimos mostrar na singeleza deste nosso convite os bons desejos que nutrimos
para bem servimos quelles que vierem ao nosso reclamo.
Carvalha & Nogueira sacam sobre o
Porto, Lisboa e Rio de Janeiro, a' vista ou a
prazo: na ra d > Apollo n. 20.
Cosinheiro.
Precisa-se de um cosinheiro forro ou cap-
tivo que d fiador a sua con luda: na ra
da Cruz n. 48, primeiro andar._______
Preci?a-se de urna ama para cosinhar: na
rna do Imperadorn. 46, armazem.
A premio.
D-se dinheiro em pequeas quantias: na ra.
larga da Rosario n. 24, 2 andar.
Precisa-se
alugar orna escrava de bons costumes para fazer
o servico de urna casa de pouca familia : na ra
do Vlgrio n. 26.
Fogo do ar
Valdlvino da plvora se acha com fabrica de
fogos arlificlaes na ilha do Haroim, com grande
porcao de fogos de 1* sorte, j preparados a espera
de festejar o grande da que nver noticia de qual-
quer triumpho de Bossas armas dentro de Para-
guay : todos aqnelles que tiverem a mesma salis-
fago dirija-se ao armazem do sal na ra Imperial
n. 221.

pompadour
DE FANTHASIA

H. M. IiAJrZ, Boa Direito Ho. 18,
Sio d# Jaoeira.
Vende-se em Pernambuco:
na
PHARMACIE. MANCARE
'deRMARE
RA NOVA H.
Receberam tambem bonitos cortes de popeline de listras de cores, e matisadas,
muito modernas, de gostos inteiramentenovos; e outras muitas fazendas de gosto, viu-
das pelo ultimo vapor.
G. I. DO AMARAX A C.
5 RA DO CRESPO 5
- DE
r. V1GNES.
X. 55. RA 1BO IMPERADOR
M. 55.
P|nos desu antiga fabrica lio bote aasis conhecidos para que seja oecessario Insistir sobre a
ina soperiondade, vantugens e garantas que ofTerecem aos compradoretj qualidades estes incontestt-
veis que elles tem definitiva mente conquistado sobre todos os que tem apparecido nesta praca pos-
injndo um teclado e machinismo que ebedecem todas as vontades e caprichos das pianistas sem
annea ralbar, por serem fabricados de proposite, e ter-se feito ltimamente melhoramentos Impo'rtan-
tissimo8 para o clima deste paiz; quanto s vozes, sao melodiosas e flautadas, e por isso mnito agrada-
eis aos onvidos dos apreciadores.
Fazem-se conforme as encommendas, tanto nesta fabrica como na do Sr. Blondel, de Paris socio
correspondente de J. Vigoes, em cuja capital foram sempre premiados em todas as exposicSea. '
No mesmo esUbelecimento se achara sempre um explendido e variado sortimento de mancas dos
Belhores autores da Europa, assim como harmnicos e pianos harmnicos, sendo todo vendide por
precos commodos e razoaveis.
Companhia fidelidade de seguros
martimos e terrestres
estabelecida no Rio de Jaueiro.
AGENTES EM PERNAMBUCO
Antonio Luiz de Oliveira izevedo k C,
competentemente autorisados pela direc-
tora da companhia de seguros Fidelida-
de, tomam seguros de navios, mercadu-
ras e predios no sea escriptorio ras da
Cruz n. 1.
I i i horas da manhaa, e das 4
m da tarde. Visita os doentes en
mmm mmmmm mmmmmm
| O Dr. Carollno Francisco de Lima San- H
k- tos continua a morar na ra do Impera- m
dor n. 17, segundo andar, tendo alias sea
gabinete de consultas medicas, logo ao ]
entrar, no primeiro.
0 mesmo dontor, que se tem dado ao I
estudo tanto das operacSes como das mo- 1
lesas internas, presta-se a qnalqaer cha-
mado, quer para dentro quer para fra g
da cidade. m
Em casa de Tbeod Christiansen, ra do Tra-
piche-novo n. 16, nico agente no norte do Brasil,
de Brandenburg frres, Bordeaux, encontra-se ef-
feciivamente deposito dos artigos seguintes:
St. Julien.
St Pierre.
Larose.
Chateau Loville.
Cbateaa Margaax.
Grand vin Cbateau Lafltte 1858.
Chateau Lafitte.
Haut Sauterues.
Chatean Santernes.
Chateau Lataur Blanche.
Chateau Yquem.
Cognac em tres qualidades.
Azeite doce. Precos de Bordeaux._________
Casa
do Impe-
PECHUA SEN IGUAL
Ricos cortes de gorgurao de seda pretos adamascados para vestido com 13 metros
ou 18 a 20 eovados cada corte, largura de chita franceza, pelo baratisslmo proco de BOJ
cada eorte : na loja das columnas da roa do Crespo n. 13 de Antonio Correia de 'Vascon-
cellos & C.
Aloga-se a casa da rna Imperial denominada
v'veiro do Muniz, com um sobrado de nm andar
que accommoda grande familia, dous grandes vi-
velros para peixe, grande terreno ara plantacdes
e duas otarias ; qnem pretender dirija-se a rna do
Raogel C. 34.
Va rna do Vigario a. 18, primeiro andar,
lavarse e engorom-se con seio e promptidio e
proco ramrel.
Coslahelro
Precisa-se de nm eoauntlro para casa de fa-
milia : a tratar na roa da Croz n. 6, escriptorio.
Precisa-se de nm caixeiro que lenha pratica
de pbarmacia : na roa Larga de Rosarlo n. 3i
botica. ____________________________
Precisa se de orna ama'que compre e cozinbe
para urna casa de poaca familia : na roa nova de
Santa Rila n. 33.
de comaissit de estraves na rna
rader i. 45, terceiro andar.
Recebem-se eseravos tente do mato como da
praca pira serem vendidos por commissio, afflan-
ca-se o bom tratamento e seguranca para os mes-
mos. O abaixo assignado nio poupa esforcos afim
de os vender com promptido, nesta mesma casa
ha sempre para vender eseravos de ambos os sexos.
Antonio Jos V. de Sooz.
Aloga-se o sobrado de dous andares na Pas-
sagem da Magdalena n. 7, prximo a nonte, com
commodos para nnmerosa familia. Trata-se na
ra do Trapiche n. i.
-^Antonio Jos Rodrigues de Sonza na roa do
Crespo n. 15. toma dinheiro para mandar entregar
na Bihia, Para e Maranbao.
Dr. Ignacio Alcibiadcs Velloro,
MEOICU
HUA DA IMPKBATRIZ N. 48.T
Trata especialmente das molestias sy-
pbiliticas e de criancas.
Joao da Silva Ramos, medico
pela universidade de Coimbra, da ^
consultas em sua casa das 9 as I
as 6
em suasU
casas regularmente as horas para 1
isso designadas, salvo os casos ur- |]
gentes, que serlo soccorridos em
qualquer occasiao. D consultas aos
pobres que o procurarem no hos-
pital Pedro II, aonde encontrado
diariamente das 6 s 8 horas da
manha,
Tem sua casa de sade regular-
mente montada para receber qoal-
quer doente, ainda mesmo os alie-
nados, para o que tem commodos
apropriados e nella pratica qoalquer
opperacSo cirurgica.
Para a casa de sade.
Primeira casse. .3*5000 diarios.
Segunda dita___30500 >
Terceira dita .20000 '
Este estabelecimento j bem
acreditado pelos bons servicos que
tem prestado.
0 proprietario espera que elle ,
continu a merecer a confianca de i
que sempre tem gozado.
GUIA DO VhJANTE
Guia Lu
.JUaV
LISO BIUSILEIRO
DO
viajante ata Europa
POR
Ignacio Manuel de Lemos
Obra importante para as pessoas que vio viajar
a Europa, assim como para aquellas que desejam
saber o que ha de mais curioso e importante no
velho mundo, um volume de 330 paginas : Ven-
de-se na iavraria Econmica, defronte do arco de
Santo Antonio.
Engomma-se
com asseio, promptido e presos razoaveis : na ra
Augusta no, loja.
Jal ~
PAPIS PISTADOS
Sortimento de papis pintados e
lindas guarnices para forrar casas.
NA LIVRARIA FRANCEZA.
N. 9 Ra do Crespo N. 9.
Aluga-se
L'm magnifico sitio na Capuoga (Baixa Verde)
com frente para o rio Capibanbe, ficando defronte
da Passagem da Magdalena, todo murado, com ex-
celente casa de vivenda, tendo a mesma i salas
forradas, li quartes todos com janelias para fra,.
1 soto cora 8 janelias, tendo vista para tudos os
quatro lados, e urna grande cozinha. O sitio tem
boa baixa de capim, excelleutes fructeiras como :
sapotizeiros, Iaraogeiras de umbigo, limeiras, etc.;
ornam-lbe dous jardins de pedra e cal, sendo um
na entrada e outro na frente da casa, ambos enfei-
tados com estatuas de porcelona, cocheira, estriba-
ra para 4 cavados, i guarios para creados, i casa
de banbo com tanque de pedra e cal, 1 gallinheiro
de pedra e cal gradeado de ferro, 2 cacimbas com
excedente agua de beber com repuebos, tendo orna
: dellas nm tanque para lavagem de roupa, 2 latri-
nas de pedra e cal, um grande parreral sustentado
por 44 columnas de pedra e cal, etc., tic.; o sitio
distante da cidade um quarto de legua, collocado
entre os sitios do Dr. Ferreira e Paulo Jos Gomes:,
a tratar com o agente Olympio, no armazem da,
Praga do Commercio n. 48.
AOS SRS. ACADMICOS
Yeodem-se as seguintes obras de direito
com pouco uso: Manuel du Droit Bomain
por Mackeldey, 1 volume por 50; Diccio-
naire du Contentieu Commercial, por Mas-
s, 1 volume, por 60 ; Elements du droit
ronwmpor Maynr, I Volume por 55; Es-
prit de la jurisprudence des successions,
por Confiaos, 1 volume, por 60 ; Traite de
droit penal, por P. Rossi, i volumes, por
80; Code pratique des faillites, por Geof-
froy, 1 volume, por 50 ; Elemenis de l'Eco-
nomie Politique, por Garnier, 1 volume, por
20500 ; e Organisation du travait, por
Louis Blanc, 1 volume, por 10500: na ra
do Crespo n. 4.
8
AMl
Precisa-se de urna ama para engoinmar;
na roa do Bruto n. 72, primeiro andar, pa-
ga-s bem.
Pedlela.
P4de-se aos illas. Srs. administradores da massa
de Mesqoua & Dutra, por parte do Banco de Per-
nambaco que liqoJdom su mass, pois ja tem lem-
po de (Obra,
Um credor pobre.
V4RELLI
cautos e phantaslM.
Um volume in 12.* impresso e en-
caderoado em Paris: em casa do
edictores
LIVRARIA FRANCEZA
I. 9 Ra do Crespo N. 9.
Testtmeitt
Acboo-ee o de D. Joaquina Rosa de Carvalbo,
que pode ser procurado na travessa da Madre de
Dos o. 11._________________________
Precisan de nm homem para trabathar em
nm sitio e que alenda de cortar capim,. na ra
Direita n. 69.
0 Sr. Francisco Jos Lopes filbo de Josepna
Ciara, do lugar e fregneza de S. Purello de ahon-
do, comarca de Pennaflel em Portugai, qneira ler
a boodade dirigirse a roa da Madre de Ueus, loja
do Sr. Ponte?, para pessoalmente receber urna car-
ta da familia, ou annunciar sua moradia para ser
procurado, a negocio de seu interesse.
Precisa-se de nm caixeiro portnguez de 18 a
20 annos, com bastante pratica de taberna, dando
llanca a sua conducta : no paleo da Peoha n. 13.
COMPRAS
Comprarse onre, prata e pedras preciosas
em obras velbas : na ra da Cadeia do Recito
cja de ourives no arco da Conceicao.
Ouro e prata. "
Em obras velbas : compra-se na praca da lo
dependencio n. 22, loja de bilhetes.
Coropra-se orna borra 'de ferro, ingtea en
mesmojasjntigas; na roa Nova n. 31.
Compra-se
urna escrava preta on parda, sadia e sem vicios1,
moca, e que saiba coser, engommar e cozinbar:
aa rea da Imperatrlz n. 7, J an




1
Compra-se orna escrava moca qne seja reco-
mida, on mesa para a roa; a tratar na ru Dt-
ralla b. 48.
-. i





a.
\


Ututo d* *erMJco S
:-------
Selim e silhfto,
Compra-se un selim e um silhio asados: na
roa do Caldeiro n. 74, das 6 as 10 da manbia e
das 3 as 8 da tarde.
Gomprm4e duas rodas para carrosa oa
urna carroga que esleja tm bom estado : oo arma-
tem da bolla amarella no oitao da secretarla da
polica.________________ .
Compram-se libras esterlinas : na praca da
Independencia n. 22, junto ao relojoelro.________
Comprase na prensa de algodio de Saunders
Brothers & C. semeotes de algodo a 00 rs. por
frroba. '
Compram-se Utas nzias de gat : Da roa da
Pulan..
Cobre lalio e chambo
No armazem da bola amarella no eito da
secretaria de polica, comprase cobre, lati e
chambo.
Ouro amoedd.
Naciaoal e eslrangeiro : compra-se na roa de
Trapiche Novo n. 22.
Compra-se urna mobilia em secunda mo ;
quem a liver dirija se a rna das Cinco Pontas nu-
mera 14._________
Comprase **a carroga que esteja em bom
estado : na na da Cruz n. 55, 3* andar. Na raes-
ma -casa se dir aera vende dous escravos abras,
de tdade 40 aunes, bons carretros.
-s
VENDAS
FOLBliVHAS
PARA 1866.
Acaban de sabir luz as folhinhas de
algibeira e de ,porta para o amo de 4866, o
mais correctas possivel tanto no calclo das
loas -e eclipses, como as diversas festas
que a igreja celebra; vendem-se nicamen-
te na lwraria da praca da Independencia,
160 ris as de porta e 320 ris as de algi-
beira.
eiiiui fmmmL
Oa hales 4a Pavio a 6* 75 e 85.
Vendem-se ricos chales pretos de renda multo
grandea com quatro pontas, sendo os mais moder-
nos por terem enejado pelo ultimo vapor francez,
e vendem-se pelo baratissimo preco de<65, 75 e
85 : na loja do Pavo, ra da Imperatrii n. 60, de
Gama & Sil va. _____
Yende-se ama popcSo de tlha jaler-
vida :aa roa de Crespo*. 7, loja do gallo
vigilante.
Vende se a armago da fabrica de charutos
da ra da Imperatriz n. lo, e junctamente lodos os
mais ohjectos existentes na mesma; quem preten-
der dirga-se a ra da casa de Detteneo n. 7. ta-
berna._______________
Vende-se um engenho
d'agua_deoominado Triumpbo na comarca de San-
to Aotao junto ao engenho Coqoeiro, com trras
para safrejar de OSO a 800 pes, com boas obras e
casa de vivenda.por prego commodo : quem o pre-
tender -qneira dingir-se a ra da Praia n. "36, para
tratar at o tica do corrente mea de abril.
HOTEL
Vender o hotel de Italia, sito na ra do Trapi-
che, com grandes accoramodagoes acceladas e mo-
buhadas com todo aecessario e algum trem do seu
trafego, por quererem seus proprietarios retirarse
para [ora do imperio. A localidade e o estado do
estabelecimeoto garantera bom resultado ao com-
prador e Irte asseguram prosperidade.
Sacadas ,e .portas.
Vende-se na roa do Queimado a. 7, duas saca-
tas de ferro com 22 palmos cada urna, tambem se
vende 8 pares de caniihos e algumas portas, lado
por.prego cemmodo.
t- Vende-se urna armago para di vi sao de s-
criptorio, de amarello, om porta e balaustros,
obra.mallo boa: a tratar na ra do Mondego, ola-
ria n- 3.______________________________
Vende-se um escravo preto, crioolo, de 20
anuos de idade, pouco mais ou menos, do servico
,<3e campe e sem defeitos : na ra de Apollo n. 7,
andar.___________
Vendem-se garrafas e botijas vasias e lava
ts : na tna da Soledade n. 38.
Fariaha de mandioca
a 45QO
Mttio boa e ebegada ha pouco tempo, vende-se
na ra da fina a. 33. _______
Luvas de pellica pretas e ou
tras cores.
fbegaran? para a loja de miudezas a roa do
______________ 0. 16._________
Vende-se e faz-se todo negocio com o depo-
sito di ra do Vigario n. 29, rauito proprio pera
am prtoapiante que com peueo diuneiro ; ao comprador se dir o mo-
tive da ruada.
NOVA LOJA
ENCICLOPDICA
fc Rna 4a Iaaperariz armazem
da porta larga ftt.
Junto a padaria fradeeza de
Paredes Porto.
Neste estabelecimento encontrara o respeitavel
publico um variado wrtimento de lateadas france-
tas, inglezas, suissas e allemaes, que se venderao
por preco commodo.
Paredes Parta
Vende chales de renda de cores que se vende-
rain a 18js esta vendendo por 64, ditos prelos, fa-
zenda nova, 55, 65, 84 a 205, am sortiroento com-
pleto de manteletes, capas e soutambarques 145 a
15*. Ra da Imperatrii n. 42, junto a padarla fran-
cesa, armazem da porta larga.
Paredes Parta
Receben um completo sortimento de lasinhas a
940, e 280 rs. covados, para acabar, cambraias de
cor a 240 rs. o covado, riscado escossez para rori-
M de menino, fusilo de tintoo a 410, 400 e 500 rs.
Roa da Imperatriz n. 52 junto a nadara francesa,
armazem da porta larga.
Paredes Porte
Receben para cortinados para cama francesa a
111 peca cambraia lisa Ba a 3* 45 al 10* a
peca, cortes de tartatona debonitosgostos a *500
45, cambraia com Mr de seda, gostos inteira-
meute novos a (00 e 500 rs. o covado, no armazem
da pona larga n. 52, roa da Imperatrlz junto a pa-
aria francesa.
Paredes Parta
Receben pelo nhimo paquete um sortimento de
erases com podras para pescoco, bonitos cazinels
de la para pescoco desenhora. Rua da Imperatriz
o. 52, armazem da porta larga.
Paradas Parta
Vende cortea de gorgorlo preto para vestido com
J* ov**8 cada usa 35*000, grsdeoaple preto a
1*600, 4*800 e* o covado, lias liacs finas a 400
rs. o covado, laas de quadrinbo para vestido, enfes-
tada, a 320 rs. o cavado. Ra da htperatriz n. 52,
armazem da porta larga.
Ronpa feita
Ra da fmperatriz n. 52 armazem da porta lar-
ga justo a padaria franceza, encontra-se neste es-
tabeleeimento um completo sortimento de paletos-
saceos e sobrcasacos, de todas -as qaalidaes, cai-
fas, colletes, ceroulas, camisas, grvalas, meias,
chapeos* de sol, ditos franceses para cabeca, por
precos commodos, ronpa para menino e outras
mutus fazendas por precos commodos, armazem
da porta larga.
No mesmo-estabelecimento encontrara o respei-
tavel publico, sempre um completo sortimento de
roupas festas-de (odas as realidades, corno sejam
paletos de alpaca preta e da or, cos a 4* e 5*, ditos de brim pardo a 2*800, 3*
3*500, ditos finos a 4*, ditos meias eazemira a
J*500, 4* e S*. ditos caaemira saceos a 6*, 7*, 8*
e 10*, ditos sobrecacacos a 10 e *, ditos de pan-
no saceos a 6*, 8* e 10*, ditos sobrcasacos a 12*
s 25*, ditos de merino preto a 6*, -7* e 10*. cal-
cas de brim de diversas qualidades a 1*800 a 4*.
ditos brancos a 2*500 e 6*00, ditos eazemira 5*.
6* e 7*. ditos pretos a 5*, 6*, 8* e 10*, ditos
metas cazemiras a 3* e 4*, coletes de diversas
qualidades, seroulas francezasde algodo, ditas de
llnho, ditas de bramante a 2* e 2*500, carnizas de
algodo de lioho francezas de 2*800 e 3*. Gran-
de pechincba neste genero, grvalas de todas as
qualidades e brancas para casamento, grande sor-
timento de meias para senhoras, dMas para homens
a 3*, superiores a 3*500 e 4*.
Um completo sortimento de chapeos de sol de
alpacas 3*, lilosraneeses para cabeja, grande sortimento
a 6*.
Vestidos
Peefcloeha sem Igual.
Cbegou a loja de Paredes Porto um bonito sor-
timento de vestidos de tartalata.de cores e brancas
que serve para partidas por ser ama pbantasia ln-
teiramente de fosto pelo barato prego de 4* *
brancos a 4*500, eato acabando-se : no armazem
da poru larga ra da Imperatriz o. 52, junto a pa-
daria franceza.
Cortinados.
Cbegou a loja de Paredes Porto um completo
sortimento de cortinados ricamente bordados a
prego de 25*, 35* e 45* : na rna da Imperatri:
a. 52, port larga junto a padaria franceza.
Ricas romeiras.
Paredes Porto receben pele ultimo paquete um
sortimento de romeira de guipare pretas de fil
a prego commodo : na ra da Imperatrlz n. 62,
port larga junto a padaria franceza.
* ** AkUtfc im
GIUNDE ESTABELEUnEXTO
DO
ment de fazendas francesas, inglezas, as quaes
venderao mais barato do que. em outra qualquer pelos baratos pregos- de 400 e 500 rs. o covado na
parte, comprometindose a maudar levar qual-uer loja do Pavo na ra da Imperairiz n. 60 de Gama
^ fazenda em casa dos fregu<-zes i|ue nao poderem & Silva.
n'nAn',''ou ? darem as a"l0Jlras' oeixando ficar aSrosdenapIes pretos do Pavo.
K .'K!1 ""'Jr ,BJf peS80i8' qae i Vendem-se superiores grosdenaples pretos pelos
2!,?.!!,' eS-Cala que nes,S grande esu- baratlssimos precos-de 1*500, 1*600, 1*800 e 2*
unto'rffaihTcro's sjstjgxs: taPfl* Lenda t Ss 5 "
apenas nelos oreos am nmnram TZS .! Ll "i^a.e "a Raa da Imoeratrlz, *. 60
PB
GAMA & SIL7A.
, LOJA E ARMAZEM DE FAZENDAS.
Tendb os proprietarios de.-te grande eslabeleci-
mento feilo um grande ahatimento era muitss de
suas fazendas, pela nccasiao do baiango que derara
no ultimo de dezembro de 1865. resolvern) vender
muilo mais barato do que toMumam afim de cada
vez mais agradaren) aos seu< numerosos fregu
zes ; por tanto Ibes olIere<-em um avulado scrii-
4 SALSA PARR1LHA DE AVER
PARA A CURA RADICAL
de escrfulas e molestias escrofulosas, tumores, ulceras, chagas; feridas va*
mas, broncliocele, papo oo pperS, a syphilis, enfermidades venari ou me-
curiaos,
AS MOLESTIAS DAS MULHEftES T
retenc5o, menstro doloroso, ulcerarles do tero, Agres trancas' %., ulcera-
r;3o, debilidade, expoliaf;5o dos ossos, a nevr-aigiaef convulses epilpticas
quando rasadas pela escrfula. I'.
. .- {WSIPEUS ERPES; ETC.
Enleraildades cutnea, empelo, borbatlhas, puslulaa,
iMMeldaa, ete.
O extracto composto de falsa parrllha, con'eccionado pelo Dr('Jl^er, uaM-
coabinac3o dos melhores depurativos e alterantes conhecidos medicina; ccnfeccio-1
nado segundo as regras da sciencia, apprnvado e receitado pelos primeiros mdicos des
Estados-Unidos da America do Sul e Central, das Antilhas, do Mxico e das indias, e
militas outras partes do mundo : o resultado de estudos apurados e minuciosos, e de
experiencias feitas pessoalmente pelo Dr. Ayer, par amitos annos, nea principaes hoav
pitaes e enfermaras da America ; tcm sido approvado pelas academias de medicina e
juntas de hygienne das principaes capitaes da America do Norte; para prova disto vede
os attestados authenticos no Almanak e Manual de Saode do Dr. Ayer, os quaes sedis-
tribuem gratuitamente nos lugares onde se vende o remedio.
R ,, A SLSA PARILHA DE AYER
EapeclalMaeaUe effleaz na cara das molestias ajne teaa sua origem
a escrfula, ata Infceeio Testerea, uso
exeesslTo do aoreuto ou qnalquer Impureza do sangue.
A molestia ou infeccSo peculiar, conbecida pelo nome de eserofula, um dc ma-
les mais prevalecentes e universaes que ha em toda a extensa lista das enfermidades que
atacam a nossa raca; disse um celebre escripia* da medicina que mais de urna terca
parte de todos aquelles que morrem antes da velbice s3o victimas, ou directa ou indirec-
tamente de escrfula; por isso s nao tao destructiva, porm a principal causa de
muitas outras enfermidades que n5o Ibe s5o geralmente attribuidas.
E urna cansa directa da tsica pulmonar, das molestias do ligado, do estomago
e affecc5ea do cerebro; entre seus numerosos symptomas acham-se os seguintes: falta
de appetite, o semblaste plido e enchado; as tezes de urna alvura transparent e outras
veaes corado e amarellento irregular, fraqueza e moeza nos msculos a redor da boc-
ea ; digestSo fraca e appettite, falla de energa; ventre enchado e evacuado irregular;
quando o mal tem seu assento sobre os pulmoas urna cor azulada mostra-sgFem roda dos
olbos; qoando ataca os orgaos digestivos, os olhos tornam-seavermelhados; obali-
to ftido, a lingna carregada; dores decabeca, tonteiras, etc. Naspessoas dedisposi-
Cao escrofulosa apparecem frequentemente erupcoes na pelle da cabeca e outras parte
do cofpo ; sao predispostas s affeccSes dos pulmoes, do figado, dos rins, dos orgSos
digestivos e uterinos. Portanto, nao sao somonte aquelles que padecem das formas ul-
cerosas e tuberculosas da escrfula que necessjtam de proteccJo contra os seus estragos;
todos aquellas em cojo sangue existe o virus latente deste terrivel flagello (e s vezes ,
hereditario), estao expostos tambem a soffrer das enfermidades que elle causa, que sao: ?*** fenda inteiramente nova, por precos mais Gama & Silva.
Cortes de cambraia com palmas na leja do
Pava.
Vendem-se cortes de cambraia branca com pal-
mas, sendo tozenda mnito bea, pelo baralissimo
prego de l#30O para acabar : na loja e armazem
Silva Ta "* rn* da ,mpera,r,z n- 60> de Gama &
enees brancos a ti|000 rea a
"" / ^ WuU.
venfltm ?e lencos brancas farenda mnito boa
pelo baratissimoi ftreco de a duza, Ditos com
barra da cor a 2#000 isto para acabar na loja d-
Pavao na rua da Imperatriz n. 60 de Gama 4 Sio
va. __|
Poupelinas modernissimas' a 400 e 500 rs.
o covado na loja do Pavao.
Vendem-se poopelinas muito fina seado fazenda
muito moderna de i|aadrm!'.os e lita vendendo-se
apenas pelos pregos que compram as casas ingle-'
zas, sendo com o dinheiro a' vizta.
As toalhas de lioho d Pavo.
Vendem-sa superiores toalhas de linos para
rosto pelo baratissimo prego de 7300 a duzia ou
a 640 cada urna.
Guardanapos de lioho adamascado para meza a
2*800 a duzia ou a 240 rs. cada un.
Superior aloalbado de linho com oito.palmos de
largura sendo branco e pardo, e vende-se mais ba-
rato do que em oolro parte, na loja do Pavo na rua
da Imperairiz n. 60 de Gama & Silva.
Os corpinhos ao seda pretos do Pavao.
Vendem-se es mais ricos corpinhos de seda pre-
tos, ricamente tnfeitados, pelo barato preco de 12
cada om : na loja do Pavao na rua da Imperairiz
n. 60, de Gama & Silva.
Kloos vestidos a 80000 rs.
pecbineba admrate!.
S o Pavo receben pelo ultimo vapor francez
om grande sortimento dos roals ricos cortes de
vestidos transparentes com lindas barras e enfeiles
de-seda, sendo estes vestidos muito propries para
aile* e passeio?, e vendem-se pelo baralissireo
rairiz n. 60, de Gama & Silva.
Bramarte de llnho do Pavo.
Vende-se superior bramante de linho com 10
palmos de largura, prrpros para lences, pelos
baratsimos precos de & e 2*000 a vara, assiro
como panno de linho muito fino pelos baratlssimos
pregos de 6i0,700 e 800 rs. a vara : na \oj e ar-
nizem do Pavo, rua da Imperatriz n. 60. de Ga-
ma & Silva.
Caaibraias lisas da Pavo.
Vendem se pegas oe cambraia lisa muilo supe-
rior, pelo barato preco de 3*200 e 3*500 a peca,
ditas muito unas a 3*, 6*. 7* e 8* : na loja e
armazem do PavSo, rua da Imperatriz n. 60, de
Gama & Silva.
PECHINCHA 1
- a 2IO0O, para calcas, s o Pavie.
Vendem se superiores crus de meia casemira
Sr.me^" de eda a **' dllas Garibaldinas a
2*800, ditas escuras a 2*8oO, ou a i*600 o cova-
do : na loja e armazem do Pavao, rua da Impera-
triz n. 60, de Gama & Silva.
PEINTEA DORES
p7ede rw<*V roa da Imperatriz n. 60'de Gama Silva. Para as senbo.as veliiem de manlia.

5S0OO
Cortes ae laa escocesa para vestido a 3* o Cor-
te : na rua da Imperatrlz n. 52. loja da porta lar-
ga, junto a padaria franceza, eslSo se acabando.
Para luto.
A tsica, ulceracoes de figado, do estomago e dos rins; erupcoes e enfermidades
eruptivas da cutis, rosa ou erysipela, borbulhas, pstulas, nascidas, tumores, rheuma,
carbnculos, ulceras e cbagas, rbeumatismo, dores nos ossos, as costas e na cabeca,
debilidades femininas, flores brancas causadas pela ulceraclo interior, e enfermidada
uterinas, bydropesia, indigestSo, enfraquecimento e debilidade geral.
Offerecemos a estas pessoas um abrigo seguro e um antidoto eflBcaz conlra esta
molestia e suas consecuencias na '
, SALSA PARRILHA DE AYER
que opera directamente sobre o sangue, purificando-o e expulsando delle a corrupeo e o
veneno da molestia; penetra todas as partes e todos os orgjjes do corpo humano, livran-
do-os da soa accSo viciada e inspirando-lhes novo vigor. E um alterante poderosissimo
para a renovacao do sangue, e d ao corpo j enflaquecido pela doenca, forcas e ener-
gas renovadas como as da joventude.
E tambem o melhor anty-syphilitico conhecido
cura permanentemente as peiores formas de sypbilis e as suas consequencias. Pouca
necessidade ha de, informar o publico do inestimavel valor de um remedio que, como
este, hvra o sangue desta eorrupc3o e arrebata a victima das garras de urna morte lenta
e ignominiosa, porm inevitavel. se o mal n9 logo combatido com energa.
E um poderosissimo alterante para a renovacSo do sangue e para dar nova for-
ca ao corpo j enfraquecido pela doenca.
Sendo composto de productos vegetaes, esle medicamento innocente e ae mes-
mo tempo efficaz, um fado de immensa importarla para aquelles que o tomam ; por-
que muitos dos remedios alterantes offerecidos ? publico tem por base o mercurio ou o
arsnico; e sendo assim, bem que s vezes p- victimas carregadas de umalonga serie de males, muitas veze6 peior do que o mal ori-
ginal. A nica cousa necessaria para obtar uau cura radical seguir com iuiso e cons-
atocia asdirecgoes que acompanham cada frafdfc*!-
Nao pretendemos promulgar, nem queremos que se infira que esta composicao a
um remedio infallivel para a cura de todos os padecimentos humanos; infelizmente
escrfula e a syphilis sao enfermidades t5o sutis as suas naturezas, e arreigam-se t3o
firmemente no systema, que muitas vezes evadem eresistem aos remedios mais pode-
rosos que a sciencia humana pode inventar para combate las: o que dizemos que o
Extracto composto de salsa parrha de Ayer
e a melbor preparaco at boje descoberta para estas e outras molestias anlogas, que
urna combinarlo dos alterantes mais efficazes cpnhecidos, e que esta combinaclo tem sido
regulada por longas e laboriosas experiencias, e finalmente que temos consciencia de of-
lerecer ao publico o melhor resultado que possivel produzir, da intelligencia e pericia
medica dos nossos tempos.
Este remedio deve ser tomado com systema e regularidade, e nao com abandono,
pois e um remedio e nao bebida.
Quando as molestias do figado n5o tem sua origem na escrfula, o remedio
Os chales prelos de renda do Pavo a 8)51000 rs.
Vendem-se os mais ricos chales pretts de renda
com quatro ponas, senda muito grandes pelo ba-
ratissimo prego de 8*.
Ditos de guepure a 15*, 18*, 20*, 25*.
Retondas de dito a 10*.
Manteletes de renda, lazenda muito superior a 'Xs pelo baraiissimo preco de 240 o covado.
15*000. F Ditas a 280,320 e 360V
Capas e sautbambarqoes de grosdenaples bor-1 S na loja do Pavao, rua da Imperatriz n. 60, de
dos, fazenda inteiramente nova, por precos mais "ama & Silva.
^BjadV^asi^ pret a 1*600..
Chegou esto novidade paia a loja do Pavo,
muito lindos e de melbor gosto at boje, pur pre-
ces muito razoaveis : na loja do Pavao, rua da
Imperatriz n. 60, de Gama & Silva.
Cassas fraaeezas a 340 rs. o ociado.
Vendem-se bonitas'cassas francezas de core.5 fi-
G4Z.
So armazem da rna do Imperador n. 3 ou no
Oats de Pedro II n. 2, tem para vender-se o me-
nor gu existente no mercado.
Vendem-se
inactivas americanas de serrote para descarocar
algodo; na rua da Seaiaia Nova n. 41______
Veadem-se 400 podras para ladrillo, viudas
da liba : a tratar na rua do Vigario n. 14,
Vende-se urna rotla nova
tar na rna do Hospicio n. 28
de tooro : a tra-
Farinha
tna da Madre ale Dees n. 5
k 48500.
Vende-se farinba de mandioca desembarcada
boje do palbabole Bebertbe, pelo barato preco ci-
ma, a melhor que existe no mercado, saccas
graades. _______________
Feijao.
Vendem-se saccas com feijao amarello, branco
rajado e preto, mais barato que em qnalquer par-
te : na rna da Madre de Dos n. 5.___________
Felji.
Vende se feijao mulatinho novo a 23* o alquei-
re e a cuia a 7t0 rs.; na rna Direita n. t.
Sabonetes
Nedicioaes de aleatrie.
Remedio efflcat contra as doeocu cutneas; as
impigeos, burbulhas, coraichoes, pstulase sarnas;
na pharmacia do Pinto roa do Rosarlo larga n. 10.
Vendem-se dous terreno* de propriedade na
roa do Destino fregaezia da Boa-vista : a tratar
na rua do Mondego n. 87.
Laas pretas com salpica brancos a 400 e 500 mais ProPrio e as Paulas calharticas de Ayer, que sao eBcazes na cura da molestia, que
rs. o covado : na rua da imperatriz n. 52 junto a Por. ^QSi m desarranjo dos orgSos digestivos. Pedi a salsa parrilha de Ayer e
padaria franceza armazem da porto larga.
1*400
Chapeos de sol.
Vendem-se chapeos de sol de panno a 1*400 e
urna grande pechincba s para acabar : na rua da
Imperatriz n. 52 armazem da porto larga de Pare-
des Porto.
A l#50a
Vendem-se pecas de tranca preta para enfeites
de vestidos, sootembarques, capas de senhora a
1*600 com 10 varas, oma grande pecbineba : na
rua da Imperatriz o. 52 junto a padaria francesa.
48000
Chales de renda pretos.
Vndese cnales de renda prstoa 4*000, unicc
loja qne pode vender na rua da Imperatrix n. 52,
armazem da porta larga, de Paredes Porto.
9 m m a. B S arB. 9 a B
2
fli
1
oj at k vg



ffBf.|
*8
ea 5 r
-!
SS.S.
Q fi>,
|| n
o
*lft--
BVai m
a
B o. erg
|oS-p.
12
g.-^g-i
nao ceitai outra preparac. "" r"'' ""* "" y r
_____ Pernamboco, rna Nova n. 18, pharmacia franceade P. Maurer & C.
VDE-SE
Kq ariuazem de M, *. Ramos e Silva A enro. rna do vigario
n. 11, constantemente, ossegalaiCea artlgos, qne
recebes! por encommenda proprla de
fEW-lOUK.
Legitima salsa parrilha deBrlstol, preparada por Lanman & Kemp.
Verdadeira agua Florida, preparada pelos mesmos.
Gax em latas de cinco gates, o mais purificado que se pode desejar da acredi-
tada marca F. W. D. & C.
ftelogios perfeitos reguladores, com corda de quatro a oito das, dos afamados fa-
bricantes E. N. Welch.
Graixa em latas grandes da bem conbecida marca las. S. Masn (de Phladel-
phia).
Superior oleo para machinas de costura.
Agu has para as mesmas.
Breu em barricas grandes e pequeas.
Vende-se tambem:
srB
S'g
ce
C
u
o
35 a-S 2
2 5
o e
S'S'gS
2 P o
sr cr s 1__j
3's? W
II'
Algodo avariido
A preco de 9$ cada peca.
iV_j7_ Rua do Queimado /Y. 27
Vende-se na roa da Cruz n. 33, trinas, vo-
lantes e gales, espiguilha e renda, cera branca
em velas, escovas para calcado, duas pipas vazias
com torneiras para deposito de azeite, cera de
carnaob, ludo por pregos commodos.
Atenco.
Vende-ie a i4,barna da rua de S. Jos o. 2, mui -
lo afreguezada taOto para aterra como para e
mato, o moUvo da venda se dir' ao comprador, ou
tambem se da' sofcedade a quera e ntrar com al-
gn fundos: a tlralar na mesma.
ril i
m I
> |BB>
O.
s
2.
&
s
f
Breu era barricas pequeas.
Cera em velas de todos os tamanhos.
Bogias.
Mercurio.
Na roa do vigario n. 19, primeiro andar.
Veode-se um escravo para engenho, crioulo
de boa figura e mestre carreiro : a tratar na roa
do Queimado n. 44.
BORDEIS
1.* validada.
St. Estephe.
St. Julien.
C. Margaux.
G. Lafitte.
Medoc.
PORTO
4a qaalidade,
Vinho fino do Porto embarris de 5/, 10/ e 20/.
Superior vinho doRheno.
Cera de Lisboa em velas e em gromo.
Principe Real. -
Pedro V.
Mara Pia.
Princeza D. Isabel.
Vctor Emmanuel.
Duque.
IMalvazia.
Qaeijos d serto
Vende-se superior queijo do sertio : na
Madre de Dos, armazem junto a igreja.
ruada
IFfillGieilS MM1A
9 RUA DO OUCIMADO IV. tV.
Madpoldo.
Finas pecas de madapelo com 20 varas a 9.
LENCOS,
Lencos de cambraia branca, duzia 2.
dem de cores Asas para meninos, dmia 2,H0O.
Cana bra laa.
Cambraias de cores a preco de-WO a 300 rs. o covado.
ftiiardauapos.
Guardanapos de linho, duzia 3300.
Algodo.
Algodo trancado de duas larguras, proprio para toalhas de mesa, a preco de
10300 a vara. r
Bramante.
Superior bramante de linho inglez e francez.
, Cambraia de linho propria para lencos.
ATOALHADO.
Atoalhado branco para mesa a i600 a vra,
Enlremeios de cambraia muito finos, preco l.
Lencos de seda para algibeira a 1^600,
peralrlz n. 60 de Gama & Silva.
Oschales do pavo a 2ooo e 25oo rs.
Vendem-se chales de merino esiamcados a 2S>
e 2*500 cada um.
Ditos de merino liso a 3o00.
Ditos estampados de crepon a 6, 7, e 8000.
Ditos pretos bordados com franja de seda a 14J.
Na loja e armazem do Pavao na rua da Impera-
triz d. 60 de Gama & Silva.
Para luto vende o Pavo.
Setim da China com 6 palmos de largura, fazen-
da prea para luto, propria para vestidos e roupas
para homens, sendo esta nova fazenda sem lustro e
de muito boa qualidade, paraulindo-se nao ficar
russa com o tempo e vende-se pelo barato preco de
2i5 e 25300 o covado, assim como neste eslabeleci-
mento tem um grande sortimento de todas as fa-
zendas pretas como sejam cassas e chitos pretas,
laas lapadas e Iransparentes, princezas, alpacas,
sarjas, ele. : na loja e armazem do Pavao na rua
da Imperatriz n. 60, de Gama Os baioes do Pavo.
Vendem-se superiores baioes de mucolina com
muia roda a 5&., ditos crinolines com 35 arcos a
J*50O, ditos com 20 e 25 a 3, ditos para meni-
nas, sendo brancos e encarnados a 2p e 2,8500 :
na loja do Pavo na roa da-Imperatriz n. 60. de
Gama & Silva
Cambraias de forro a 1^600 e 2# na loja
do Pav5o.
Vendem-se pegas de cambraia de forro com no-
y* 'Was cada pe^a, pelos baiattssimos precos de
l^dOO eljt: na loja e armazem do Pavo na rua
da Imperatriz n. 60, de Gama & Silva.
Os cortinados do Pavo.
Vendem-se superiores cortinados adamascados
para camas pelo baratissimo prego de 13 cada par,
ditos muito finos ricamente bordados para camas
ou janellas a 153, 20 e 25,5 o par : na loja e ar-
mazem do Pavo na rua da Imperatriz n. 60. de
Gama & Silva.
Panno preto a 2 na loja do Pavo.
Vende-se panno preto. fazenda mnito boa, pelo
S2 PIel de -& covado> d't muilo fino a
J#oOO, 4,5, 55 e 65, assim como casimira preta de
cordo a 25 o novado : na loja do Pavo na rua da
Imperatriz n. 60, de Gsma Silva.
Os espartilhos do Pavo.
Vendem-se urna grande e variado sortimento de
espartilhos dos mais bem feitos que tem 'vindo ao
mercado, sendo de todos os tamanhos, vendendo-se
por um preco muito razoavel : isto na toja'da Pa-
vo na rua da Imperatriz n. 60, de Gama & Silva.
a ala* bordadas do pavo.
Vendem se saias bordadas sendo fazenda muito
boa, sendo ricamente bordadas e com malta roda
vendendo-se pelos baratos precos de 65 88 e 105
reis cada urna na loja do Pavao na rua da Impera-
triz n. 60 de Gama & Silva.
Bretanha de role a S.s-OOOJ
Vendem se pecas de brelanba de rolo com 10
varas cada peca, pelo baratissimo preco de 35 :
na loja e armazem do Pavo, rua da Imperatrlz d.
O, de Gama & Silva.
i o upa feita.
Na loja do Pavo
Vende-se neste estabelecimeoto um grande sor-
timento de roupas, tanto de panno como cazemiras,
e bros e pelos baraiissimos precos como sejam
calcas de caxemira preta a 65 75 e 85000 reis, pa-
ietots de panno prelo saceos a 65 85 e 125000 rs.
ditos sobrcasacos de panno finissimo a 125 185 e
255000 reis, e outros muitos arligos que serla en-
fadonhos aqu relato-Ios; s na loja e armazem do
Pavao rua da Imperatriz n. 60 de Gama a Silva.
Leja do pavo
Grandes pechlnchas.
Sediakas a 00 rs. covado
Setiakas a 500 rs.
Sedinhas a 500 rs.
Vende-se na loja do Pavao. um grande sortimen-
to de sedinhas lis'radas com as mais bonitos cores,
sendo os padrSs | ais novos qne tem vindo ae mer-
cado, e vende-se1 pelo paratisslmo preco de cinco
tesloes o covado, sendo fasenda que valem muito
mais dinheiro, e grande pecbincha por se ter
comprado orna grande ponida desta fasenda, na
loja e armazem de fasenda do PavSo, rna da Im-
peratriz n. 60 de
Lasinhas matisadas a 320 rs.
Vendem-se as mais lindas lasinhas matisadas
com os mais bonitos desenbos, pelo barato preco de
320 rs. o covado : na luja do Pavo a rna da Im-
peratrlz n. 60 de Gama & Silva.
Os chales de guipure a 12$ e
16$000,
VeoaVin-se os mais ricos chales de Guipure e de
renda de. linho e seda, pelos baratsimos pregos de
125 e 165 ; grande pichincha em reiacao a boa
qualldade e lamaaho delles : s n* loja do Pavae,
roa da Imperatriz n. 60, de Gama &- Silva.
lazinhas a 2oU rs s o
Pavo.
E' grande pecbincha!!
Vende se grosdenaple preto, sendo muito enco-
pado e de boa largura, pelo baratissimo prego de
15600 o covado : na rua da Imperatriz n. 60.
Os cachinez do Pavo.
Vendem-se bonitos cachinez de la ou agazalhos
para cabeca pelo baratissimo prego de 35000, ?
na loja do Pavo, na rua da Imperatriz n. 60.
MANTAS PARA O PESCOQO
a 15, s o Pavo.
Vendem-se bonitas mantas para o pesrogo, f ele
barato prego de 15 : na loja do Pavo na rua da
Imperatriz n. 6C, de Gama & Silva.
Madapolees a 3,560 rs. a pessa.
S na loja do Pavo.
Vende-se pegas de madapoln fino com 12 jar-
| das, pelo barato prego de 350 e 45000.
Chales de renda.
Na loja do Pavo.
Fieceberam-se os mai< lindos chales pretos de
! renda, assim como as mais modernas e compridas
! reonoes, e manteletes da mesma lazenda,e vnde-
se mais barato que em outra qualquer parte: na
loja e ajmazem do Pvo na roa da Imperatriz n.
66 de Gama & Silva.
Caslor a 3(,0 rs. o covado.
Para caJcas.
Vendem-se superiores castores muito encori ;..'.
padroes escures pelo barato prego de 320 rs. i, ;o-
vado, ervlndo esta fazenda tambem par esnsvi.s
por ser de minia duraco; na loja e armazem ''o "
Pavo roa da Imperatriz a. 60 de Gama & Sii-.a.
Chapeos para menina* a 6,000.
S na loja do Pa.'.n
Se vendem os mais bonitos e ma:.- i m en I- a-
dos chaposinhos de palba da Italia, _i r: ..a
meninas, pelo baratissimo prego de 65000. i a
e armazem do P0vo na rua da Imperatriz u. a
de Gama A Silva.
Attencao.
DLTJM NO VID,. DE
PENTS, ENFEITES, CINTOS.
Gama & Silva, acabam de receoer pelo ultimo
vapor francez, nm grande sonimeoto dos mais ri-
cos enfeites pretos e de cores proprios Dar cabfea,
sendo guarnecidos com as mais lindas flores, e com
voltas das mais bonitas perolas; assim como os mais
modernos e engragados pentes da verdadeira tar-
taruga, marebetados sendo a ultima novidade
que (em vindo de Paris, e os mais neos cintos com
fitas malhisadas e flvelas largas, conforme ltima-
mente se usa as primeiras capitaes da Europa, e
vende-se por prego em conta por ter chegado em
direitura para a loja do Pavo, rua da Impera"iz
n. 60 de Gama & Silva.
As rotondas do pavo a 8 e 1Q#.
Venem-se as mais ricas rotandas de*renda [re-
ta, sendo moito grandes, que sao as que mais se
usam, pelo baratissimo prego de 85 e 105 : na
loja e armazem do Pavo, rua da_Imqeratrz n. 60,
de Gama & Silva.
Chitas pretas aiilrs:
Vendem-se chitos pretas ioRlezas, sendo fazenda
muito boa, pelo baratissimo prego de 160 rs. o co-
vado, ou 55500 a pega com 38 covados : s na
loja de Ravo, rua da Imperatriz n. 60, de Gama A
Silva.
ATLANTA
rs.
Vendem-se modernas lazinhas com lindluimot
gostos, pelo baratissimo prego de 200 rs. ; agran-
de pecbincha : s na loja d Pavo, rua da Impe-
ratriz a. 60, de Gama & Silva.
Sedas U(gas
Na loja do Pao,
Cbegou para a loja da Pavo aro modernsimo
sortimento das mais lindas sedas para vestidos,
sendo nmas de litiriohas e outras de florzmhas
rom as mais linfas cores, e algomas propnas para
as senhoras qoe estiverem de luto e vendem-se
pelo- barato prego de 25000 o covado, tendo esto
fazenda quatro palmos de largura, que facilito fa-
zer-se nm vestido com poocos covad'S, isto na
loja e armazem do Pavo na ro (Ja Impertrli n ] Da loja e armazem do~Pavoa rua da Imperatriz
60 de Gama & Silva. n. 6u de Gama & Silva.
Grande novidade a OO
Allanta a 200 rs.
Atlanta a 200 n.
Allanta a 200 rs.
Chegou para a leja do Pavo < loais'lind' sor-
timento desta nova fazenda, com o titulo di allanta
proprla para vestido e roopas para meninos, sen-
do esta modernissim fazenda de lia com os mais
lindos gostos de qoadrinhos e listras tendo entre
ellas de cor roza e preta, com listras e quadros
brancos proprias para luto, e vendem-se pelo ba-
ratissimo prego de 200 rs. o covado nicamente na
loja do Pavo rua da Imperatriz n. 60 de Gama 4
Silva.
As chitas da Pavo a 200 o covado.
Vende-se o mais bonito sortimento de chitas t>-
caras e roas sendo Inglezas, man com os pannos
to encorpados como os das francezas que se ven-
dem a 400 ris, e liquidan se pelo barato preco de
200 ris o covado ou a 75200 a pega, garantindo-
se terem 38 covados cada pega e serem de cores
fizas isto na loja e armazem do PavSo na rua da
Imperatriz n.60de Gama & Silva.
Armazem do Pavo,
Vende-se cera de carnauba da melhor qualidade
emjsaccos, mais barato que em oulra qnalqoer
parte no armazem do Pavao na rua da Imperatriz
n. 60, de Gama a Silva.
As cabaias do Pavao a 2$000
o covado.
Chegaram para a lo|a do Ptvao as mais lindas
cabaias de seda para vestidos, sendo com os mais
lindos gostos de flores e listas, lend,o entre ellas al-
pumas rozas e prelas para quem estiver de loto,
tendo esta nova fazer.da 4 palmos de largura que
facilita fazer-se um ve.-tido com pouc>is covado*. e
vende-se pelo baratissimo prego de 2$008, nica-
mente na loja e armazem do ravo rua da Impe-
ratriz n. 60, de Gama S Silva.
Novidade
Para vestido*.
Chegaraai at desejadas cambraias oo lariaiaca-
braneas com II triabas {sendo ti tes e v*o-
dem-se pelo baratiattiKi preg de'-$1000 o cene,




r-
aaaaa
aaa
i
*.
Mari e rrraaaaacco ... Hrtu0* fltra la > Abril Je 1866.
\
$
PARA A IJARESMA
Chegaram a loja de Augusto Porto & C;
11 Ra do Queimadoli
Saperiore* cortes de sed preta.
Moireanliqoe preto de flores e de listas bellos padroes.
Grosdenaple preto de diversas largaras e qualidades.
Rotondas, bournas e finales de goip e de rendas.
Pannos pretos, c&serair as pretas, bombasina?.
Las, cantao, merino e selestnnas pretas.
Lineas manta de seda para peseogo.
Ricos cortes de seda de cores para bailes ou casamento?.
Ricos ce/tinados bordados dos mais bellos desenos.
Hoir braneo, seda branca, capailas e mantas para noivas.
Bellas colchas de seda e de ISa e seda para cama d noivas.
Saias de flnissima cartffaraia ricamente bordadas.
Fazendas de pregas para saia que se fzem com urna s costara e lambem tem
o cordao teeto-.
Madapolo francez a 400 e 480 rs. a vara.
Alcatifa de llnho par salas e gabinetes a 480 rs. o covado.
Fazenda especial de qaadros para faser rdese 33500 a vara.
Superiores esteiras da India para salas.
11 Rna do Quciiaudo11
com
n
TODOS!
a
IffOVS GrEBElfTES
DOS
TRE ARNAZENS DE M0LAH00S
MNOMINABOS
PROGRESSIVO putei) do Carmo n. 9 ni
UNIO E COMMERCIO roa do Queimado n- 7. ,
VERDADEIRO PRINCIPAX roa do Imperador o. 40
E
DARTE ARVALHO PERIRA .
1 i \ CONSULTORIO MEDICO-CIRURfilCO
DR. PEDRO DEATTAHYDE LOBO MOSCOSO,
EN, PARTEIRO E OPERADOR.

i
fSS
CORTES DE SEIIA t
Chegaram pelo paquete ingles riflnissunos cortes de moreantiqoe de core, seda lama* pa-
drea integramente ovos.
Seda do quadros por 1^000 o corado
5Btlft DO CRESPO-5 .
Gregorio Pac do A mar al t tompanlila.
BftM SOHTIHEWO DE
P
Fawffi scieuie ao respaitarel publico, e com especialidad} aos senhores de en-
genho*, lavradores e mais pauots do centro, que para mais- /acuitar suas compras deii-
beraram os prdprietaros des 4re* grandes armazens, raueir todos os seas estabeleci-
mentos em na annuaea, pelo (al o proco de xm ser de todos, promette-
mate em airas ai ufes caaes, parea me nossoj atabeleetmeatos nao se dar isto Repertorio do Dr. Mello Moraes
ainaa meame cea w>*m nono, animar pessoa poder mandar seos molos que
arao tambem servidos corno rieeiea peesealmente fazendo-nos e ver de mandar seos
pedidos em certas feraadas; pe evitar qualquer engaos, resettende nos urna canta
pele qoal ee vera -oa proco tai qoal aaauacianoos, o qae smSo rrepener* pessoa
ifuma que fizer tw despenca em nteos esubetecrnetitos; pois poupar mais de
5 por cento na sua deepeza diaria.
Lobo Hoscoso d consultas gratuitas aos pebies todos os das das f as f i
hora dar manhao, eas 6 e meia s i horas da aoite, a excepcSo So& diai laaficadoe.
Pharmacia especial homeopathica
No mesmo consultorio ha sempre o mais appropriado sortimento de carteiras
tobos avulsos, assim como tinturas de varias dyniuamisac/oey ^"pdoyirfecoi BegnintM-
Carteiras dei2 tubos grandes. itftoff """
de Si tubos grandes. 183000
* de 36 tubos grandes. 244000 '
de 48 tudos grandes. 300800
de 60 tubos grandes. 35,500$
Prepara-se qualquer carteira conforme o pedid** que se twr, e com os rea!i/u
que se pedir. MWUW
Um tubo avulso ou frasco de tmtura de meia onca 1)1000.
Sendo para cima de custarao os precos estabelecidOs para as carteira*
Ha tubos mais pequeos cada um a 500 reta.
HVVTKKVi
i
Gros de aples preto a 1)5(500,1,600, U, H, 3^500 e 13 o co?ado-.
GorgurSo preto de soperio* qualidade a 2^800, 2?M>, H e 4^oee-
' Superiores moreantiques a 2,5500, 2^600, 35, 35500-, 4,5 e 5^1000 o
covado.
Bons cortes de moreantiqoe.
IrJem de gorguro adamascados.
Bons pannos e casemiras.
Supriores alpacas, princetas, merinos e bombazinas.
Bons villudos pretos.
Grande variedade de chales de fil preto e de guipure 30, H, !>,
10& 120, de 165 a 205, e de 25,5 a 805 cada um.
Superiores retondas de fil preto e de guipuro 80, lO0r **5 e 250,
e de 305 a 605 cada urna.
Superiores algerienes de fil preto e de guipure de 125 255, e de
305 a 605 cada urna.
Bods chailes de seda preta.
Ditos de Merino preto bordados e outras muitas- fazendas pretas que
seria enfadonho enumerar, na
^tt to.
Matrteiga inglea perfwtaraeote flor che-
gada uRnaamente a M2o r. a'libra, e
en barrB ter abatimento.
Manteiga franceza da safra nova a 8oo rs.
a libra e ea barril tera aba timen! d.
AMbA
Banaa reftoade superior m 64o rs. e em
barril tsr abatimento.
CU i
Cha uxim deprhueira e superior qeatda-
dea.Soor.
dem hyseon o inelhor neste genere a
Ifibors., e sendo e porcSotera abamen-
tambem ba propriO' para negocio de* a'
2,4oo rs. a libra.
' fdem preto superior de i,9oo a 2^5oo>w.
a libra.
M nt, un ios
Lasas com superior biscouto inglez de di-
versas marcas al,2oe rs. alata.
DE
ANTONIO CORREU DE VSGONCELLOS & C.
RIJA BO CRESPO M. 1
RA DO
O proprietario deste estabelecimento deseja chamar a attenc5o dos senhores pro-
:r tirios aos acre litados mechanjsmos que continua a fornecer ; os quaes garante ser,
::.: i sempre, da meliior qualidade possivel :
Machinas de vapor
Torca de 2 / cavallos para cima. As menores sao mui proprias para motore sde-
- irocamentoa de a'godio; as maiores para moer canna; ba tambem que podem junta
, 'taradamente moer canna e descarocar segundo suas pcoporces. Estee vapores
^rrpssimos na on^lrucc, e seregera por qualquer pessoa intelligente, a facihda-
, ,1a conducgo sent especialmente considerada, tanto que nao ha lugar em que nao
- i Ksamconluzir, qor por trra, qur embarcado. Ha com mocadas-juntas ou sea^
i+e pudem-se applicar a qualquer moenda ja existente sem outra mudaaca do que
a MiustituicSo das rodas da almanjarra. Ellas tem depsitos d'as;ua e boeiros de ferro,
e i "io precisara para o sen assentaraento de obra alguma, qur de carapina, qur de al~
ver iria. 0 tempo para assenta-las nao excele de doze dias ao mais, e em casos de
piones leaaimaes ou arrombamentos de acudes, etc., garante-se o assentameoto em
oito dias. Lembra-se aos sensores de engenho que a venda dos ammaes e o servtco da
gente occupada no seu tratasaento os ho de recuperar da maior parte da despeza do
viior deixando-lhes a vautagem de urna moagem certa e accelerada; e acabando com a
despeza da compra continuada de novos animaes. com os desgostos do trabalho que
sj tora com elles. u
Rodas I'agua de ferro, mui maneiras e moendo com qualquer attura
d'agua. ,
Hnrilaos eom erazetas de ferro para as mesmas, quando se desege fazer
e resto da roda de madeira, tomando-se assim a roda ligeira no trabalho.
Uoeudas de canna de todos os tamanhos, desde as mais pequeas chama-
das do serto. Obra perfeita em fekio e acunhamento.
Rodas de espora e angulares de todos os tamanhos e proporcoes.
Paroes on combes para receber o caldo.
ilvos de fornalha para assentamentos, fre?cos para o foguista, fazendo
grande calor com pouco oommstwel, e duradouro.
Portas de fornala de todos os tamanhos e de diversos systemas.
lomos e motamos para a fabrica de farinha e tambem chapas redondas
pira tornos pequeos".
Bombas simplese de repucho.
Talias de ferro batido e fundido e de cobre.
Formas de ferro batido galvanisado para purgar assucar, leves para carregar
e isemptos de quebrar-se.
.Vlaanblqnes de ferro de todos os tamanhos, custando so a terCA parte.to
prego dos de cobre, mais regulares na distillaeSo e igualmente duraveis.
Kixos e rodas de earro cora sangos de patente, obra mui segundara
carregagao de peso.
Arados, grades, enehados a cavallo e outros instrumentos de agn-
caltura. E Snalmeote todo o objecto de que possa precisar um engenho.
Machinas de descarocar algodao.
Na fabrica se fazem obras novas enee-mmenda e coicertos, com a maior pneite-
ia e solidez. 0 grande deposito de pecas e objectos habilitam-na moito para esteta.
O proprietario ser sempre mui feliz de poder ter occasiao de dar infornaa$oe8*ou
s '.arecimentos aos senhores que e servirem d seu prestlmo.
D. W. Bowman, engeoheiro.
Lata cosa belaehinhas da acreditada im-
brica, do beato Antonio, proprias para dar
doentea-de 2,ooo a 3joee r*. a lata.
Ideo com quatro libra de bolachioha de-
soda a2vooo rs. a lata.
Ttaagre
Superior vinagre de L'fsboa 12,ooo rs. a
caneda e2Wts. a garrafa. Tambem ba
mais baixo para 2oo rs. a garrafa e I,'toors.
acarrada.
Azeite doce
Superior aaeite doce te Lisboa a Too rs. a
garrafae a 5,5oo rs. t cuitada.
FHO CAJ'OBAL.
Latas-con superior foao caporal a l,8oo
rs: a lata. '
Passas-
Superior es passas 2, Soo o quarto e
9,5eo 56o rs. a Kbr.
CSEXEBRA
Genebra de faranja verdaderra a }>5ooa
droia e l.ooe r. ao frasco.
Genebra de HbHanda verdadeira a ft^oo
rs. afiasqueira-fr a 56o rs. o frasco.
Idom-de Holhnia-em botijas a 4oo rs. ca-
da um.
Garratees comr24>famfH de genebra de
Hollanda a 8,00 rs. o garrafiov Tambem
ha garrafes coa 5o 14 garrafas de 3,2oo a
6,000 rs. cada um.
VSLAS
Vehwde spermacete a 64o rs. libra.
Idenv de carnauba de lo a 12^ooo rs.
Queno flamengoe ebegadse pelo ultimo arroba -de 9o a 44o ts. a Irbra.
vapor de 2;3oo a 2,5eo rs-.
aafafaaasl
Chocolate hespanhol a 1 ,oco e i ,2oo rs..
a libra,francez e suisso a l,oeo rs. a libra
e porturoez a 800 r. a librav era porc5o
ter abatimento.
VINHOS
Superior vktho do Porto dasmait acredi-
Duque do Porto, VelbJ Secco, Lagrimas to&V> gS-* Pansmise3 e mlt
Douro.Maria Pia, D.luiz, Pedro V, Und*aam|^aitaiiaaisilaJBy tMjJwa
mas Doces e outras marcas a l,c^agar1ra-te,los *W"0S> """** SSirJ
fa e .ooo a 12 ooors.' a duzia. NS q *
Vinbo Figueira e Lisboa As melhores 9re^-
marcas a 4oo e 5oe rs> a garrafa, e a 3,ooo,
PEIXE
Peixo em lata j- preparado de-1 ,ooo a
i,2oo rsv a lata
ALPISXA m PAIPftJO
Alpista e painco moito aovo de- -i,8oo a
,4,600 i, a arroba ne 44o 160 rs. a li-
mm
CHXSkVIS.
3,5oo e 4,ooo rs. a caada.
Superior vinho cbamisso em barrila 64o
rs. a garrafa e a 4,5oo rs. a caada.
Superior vinho de Lisboa e Figueira em
anee re tas de 8 e 9 caadas a 24,aoo rs. a an-
coreta. .
Superior vkiho braneo proprio para mis-
sa a 640 rs. a garrafa, tambem ha mais bai-
xo para 4oo, 5oo rs. a garra e 3,2oo a
3,5 oo a caada.
Caixas com urna duzia de garrafas de su-
perior viaho Bordeaax a 7,ooo rs. a cixa e
7oo rs. a garrafa.
CAF
Caf do Rio de *.* e 2,* qualidade de
6,8oo a 8,2oo rs. a arroba, e- de 24o a 38o
rs. a libra.
SU 4 a
Sabo maca de pwfi*ra wnlidade de M
rs. a libra.
Servia
Superior serveja Bass dos melhor.es fa-
bricantes, como sejam: Shlers.&.BeL T. F
Ashe a 7^oo,e 7,ooo rs. a.dnzia e a Joori.,
a garrafa. Tambem ha de outras marcas
como seja: Victoria e Alcopea S.ooo rva.dur
zia e a 5oo rs. a garrafa.
BUtES. VASIOS,
Boi5es vasios, loopa ingleza muito pro-
pria para manteiga e deposito de doce de 4-
a!2 libras a l,2ooe2,5oo.
FARINHA DO MARANHAO.
Farinha do MaranhSo a ?40.rs. a libra.
SAG'.
Sag muito nove a 4oo rs. a libra.
AHAHUTA.
Araruta verdadera a iso-rs. a libra.
IIVROS.
A melhor obra da bomeopathia, o ManuaJ de Medicina HnmAqria^i^ ^ >r jK^
.... .>f # *f 20,0000
. .CJiUii 10)9000
........ .... 6400O
Diccionario de termos de medicina ........ OOO
Os remedios deste estabelecimento lo por damais coabeddss e dspensam por
tanto de seren novamente recommendades as-pesias qae qlizaran asar le remedio
verdadeiros, enrgicos e doradores: ha tudo do meaor que m pifc dasejar, glifos de
Terdadeiro assucar de leite, notavei pela SHa boa conservac3o', tiqtura doajnais acredi-
tado estabelecimento ea*opeos, a mais exacta tanta f)repara#a> "poranto a maior
orgia corteza em seus effeos.
Casa de saude para escramt
Recebe-se escravos para tratar de qualquer eafermidade ou fazer-se-lhe qualquer
operacao, para o- que o aonunciante julga-se sufficientamente habilitada.
O Irataraeuto o aethsr possivel, tanto na parte alimentar, coa aa medica,
(unecionando a casa ba mais de quatro annos, ha mUkas pessoa de coja cooeette se nao
pode duvidar, qae podem ser consultados por aquelles qne dsejarem maadar sen
doentes.
Paga-se U por da durante 60 dias e d"ahi ea danta l(9B00.
As opera^oes serSo previamente ajustadas, se n3o se quizar em sujaUar o* arecoi
razoaveis que eos turna pedir o annuciante.
IKIflAZEM
FAZEIDA



CUSTOOIO CARVAIiHO C.
27 RA DO QUEIMAPQ N. 27
Madapoln francez uito fino, tendo pouco"ttbfo, cada peca com 27 was por
IQSOOO.
Ua de cores a 300 rs. o eevado.
Cambraia franeeza a 260 rs, o covado.
Finos organdisa preco de 800 rs a rara.
Lencos brancas para algibeira a 2:5^00 a duzia.
Fins perelaras a preco de 400, 410 a 360 rs. o covado.
Rieos cortes de Ma de barra de 10-5 a 303000.
Chales de fil preto e oatrsauitas fazendas.
.
Licores
Licores francezes e-portuguezes a l.ooo e
l,4oors.agarrafa ou frasco.
De) ees
Doee da-casca da goiaba em eaixaes e la-
tas-a l,2aoeaix5oe2-,8oors. a late.
Frats
Frotas em calda e em latas fechadas her-
mticamente, moito bera enfeitadas,. conten-
do perapecego, ameixa rainha Ctendia, al-
perche e outras frutas a oo rs. a lata.
Tambe ba latas grandes para l,2oo rs. a
lata.
AZETTE DffREFlNADO
Superior azeite francez refinado a 8,ooo
rs. a garra'a e a )rooo rs. a duzia.
MOLIIO LNG1EZ SAUCE
Momo inglez Sauce em frascos grandes
oomreteadevidw a l^oers. o frasco era
duzia ter abalrmonto.
bMRWAS.
Gigos com 3o Mbras de batatas a 1 ,ooo rs.
oggo.
SARDINHAS.
Latas com sar.dinha de Nantes e Lisboa
de 4oo 46o rs. a lata.
FUMO AMERICANO.
Superior fumo era chapa a 1,400 rs. a
libca- %M
ERVILHAg
Latas com ervilhas e feijao-verde j pre-
parado 64o rs. a lata.
JAASSA DE TOMA^fe
Latas com 1 libra deraassa de tomata a
Gioalata.
VER1UTH
Esta bebida muito fresca e estomacal e
muito propria para a presente estacSo. a
qual andemos a 2,ooo rs. a garrafa e 18^i
a duzia. /n.niiloii
Pimienta, cominho, cravo, canella. ervadoce, alfazema, lyollo paraJim^ar facas pa*>,
iom a uve
BASTOS
UA DA CAIIEI4 M. A.
Receben (trande aorHaseato te achinas verdadeitas aaewoanas de descarocar slgodio, de 14,
16 13, 20, 25, 30 e 3S seles 4e qo renado. as quaes sao das-awis soperiores do mercaoo e que
a- vende peio preco de 10# o serwte, e que continuara' a venaer, vUtoeesperar grandes sortimentos
em direliara da Amrica.
litos1 para dentes, paltos de mgo, e outros muitos gneros que se tornara enfadonho- :D?,** i^!L a *x
mencionar, aflancando cinceridade nos precos e o bom acondcionamento de qualquer ^^^^^f ^*oi>^^ n^J^. a^iK^^r**0i
genpro.
Noviadas do Vigiknte
RDA DO CRESPO N. 7.
Este estabelecimeato apezar de sempre
ss-achar bem .sortido como todos sabem,
boje mais que nunca, nao so pelo que rece-
be de sua propria conta, mas tambem pelo
[que recebe de consignacoes; parece sem
duvida que deve offerecer grandes vanta-
gens para o respeitavjji publico tanto em
precos como na escolha dos objectos, e co-
mo acaba da chegar grande remessa pelo
vapor Douro e o navio Solferino de
diversos objectos de gesto e proprios do
tempo dos quaes se mencionaro algans,
por nao ser possivel mencionar todos. O
dono deste estabelecimento espera a pro-
tecejo Riqoissimas caixinhas ornadas e com
msica propria para um delicado mimo.
Caixinhas de msica tanto de veio como
de corda.
Ricos porta joias e necessarios.
Riquissimos estojes- a feitio de um bausi-
nho ou ehapeuinho.
Ditos-em casca de-noz 9 de outros gostos.
Leqoes de madepetiaa d* sndalo e de
faia e madeira.
Chaposihos e tosjmiaaia de muito
gosto para crianzas.
Metas e sapatinhos de sea para as mes-
raaa.
Menas ue "Seda para senhoras.
Capellas,0,fj grinaldas de flores proprias
para casamenlo.
Enfeites e capellas de muito gosto para
seohora.
.Riquissimos porta boquets.
Boqoet de flores cera urna borraehinha
com ebeiro.
Luvas verdadras de Jovin.
Pitas de aeda o de Escocia.
Riqoissirnas plumas e guaroices para
MACHINaS DE PATENTE
DE TRABIS** A AO PARA DESCA-
RuAR algodo
i Ait 111 (a ua fUR
PLAJIT BBOTBHK & G.
OLaiafJ'
Estas machi-
nas podem des-
^j\a4%M B^fc.carocar qual-
er especie de
al goda o sem
estragar o o,
sendo bastante
duas pessoas
para o traba-
lho; pode des-
carocar urna
arroba de al-
godo em ca-
roca em 40
minutos, ou
18 arrobas por da oh cinco arrobas de al
godas Smpo.
Assim como machinas para serem movi-
das por animaos, que descarecam 18 arro-
bas de algodao limpo por da; e motores
para mover urna, duas ou tres dessas ma-
chinas.
Os mesmos tem para vender um bellissi-
mo vapor que pode fazer mover seis destas
machinas mencionadas; para o que convi-
da-se aos senhores agricultores a virem ver
e examina-lo, no & mazem de algodao, no
largo da ponte novan. 47.
Asraatlers Brothers t c.
Recile praca do Corpo Santo n. 14.
Os nicos agentes tseste paiz.________
~0 castdfo e raswile.
Tradudo do Irancex ar A. J. C 4& Cras.
Vende-se este bello romance em quatr
tomos pelo baratissimo preco de 3^006
oa praca da Independencia, livraria n>.
6 e8.
Cevadinha de Franca
a 100 rs. a libra, e e 8 libras para cima a ISO
rs.: no armatem da Liga, ra Nova n. 60.
Lautljalas. i
A laja da Aurora, na ra larga do Reparto n. 38,
recatn sortimento de l?nti]elas malto delicadas e
proprias para anaiquer spfeite, jusiai eomo tam-
bem recebecHeva mUuvi tmaaoas ed csreaSl
para bomem e senhora, mnito frescas, ebegadas
pelo ultimo vapor, tudo isto na loja da Aurora,
ra larga do Rosario n. 38.
Vndese urna porcao de ferro bruto, userve
para obras de ferreiros, e por preco moito con-
modo : a tratar na roa Imperial n. 1,1* andar.
Veude-se urna masselra de amacollo em per- roia e aonrados
feito eftado, e mais pertenr.es para urna padara,
na estrada nova, segunda taberna a direita, depois
do sobrado grande : a tratar na raesma, das 4
horas da tarde SI diante. t
que ha
mnito se deseja va para enfeites.
Brincos, fivellas e cruzes de crystal.
Fivellas e cruzes de tartaruga, madripe-
*

*1
fia roa o Qaeijld a. 46
Cortes de laazinha de cor, bonitos gostos, com
15 cavados, a 3*600.
Cassas oritandjrs de cores, covade a 240, pecas
de algoflSoflnho largo com 17 varsfs a 45.
--'-'' Bifes de dito com 17 varas, muito encorpado,
MfaifteawiBidersIt, a 4s ,,.., ; firpsenaple preto mnito superior, covado 2$.
ITifo dito a 1A6Q0.
o grande armarem da ra do Apollo n. 38 e 40; Reiotrifas de renda preta a tOJ.
proprio para am armazem de 'assucar oa ftmu- Chales de renda preta a 83.
deJaodo em pontogrande.por ter 6 portas de ... _________
frente com mais de 67 palmos de largura e 300 e
tantos palmos de comprimento, todo caberlo e so- Grajlde pechDCba de matfaDOlO COm
bre arcadas e para comodidade dos comsasJores ______
se vende com o prazo de i annos on o que se con-
Alfinetes para grvalas.
i
YE^DE-SE
vencionar urna vez que seja com seguranga e na
gando-se pela demora am mdico juro : as pes
soas aqoem convier esta compra podero atea-'
der se com Antonio Alves Barbosa sa ra ts Gna-ttrit'a.'s, armuem a.?rta larga Junto apa
rarapes n. 78.
ana.
Paredes Porto, vende urna grande poncio de ma-
daolao a variado, fazenHa de rOA e 1*3 a pega, a
ftlIOO e 1$ com pequeo toque : daria franeeza.
Botoes com croas para punhos.
Gravatinhas e mantinhas de muito gosto,
tanto para homem como para senhora.
Riquissimos aderemos pretos, assim como
caixinhas com al fine tes pretos.
Bengallas de canoa com cabo de marQm.
Ditas de baleia, borracha e de outrai
muitas qualidades, assim como chicotinhos.
Riqoissimos pentes de tartaruga do ulti-
mo gosto;
Frameisco Jos Germano
RTTA NOVA N. 22,
acaba de receber um lindo e magnifico sor-
timento de twntos.runetos, binculos, do ul-
timo e mais apurado jfos^to da.uropa e ocu-
los de a I te ac paa) bsawatfsss e para os
maritirjJos.'
- La de barricada, o que de raelUor ha para
encher iravei6eiws : ven de Deus, no awDa,zamfiaao a' reja.
Ronpas feitas de todas as qualidades
Vende-se ronpa feila, seado calcas de ceres e
pardo a 2J, ditas de briu braaa de linho a 3*300
- -fr4.-ea4cas4e eafietair preta st|, 6j a 8\ di-
tas de cores, nula casen ira, i^t 33500, ditas
de casemira a 68, 73 e 83, paletots de brim de
cores t 23, 33*0 03, tos de ferial' braneo a
a 43600, ditos de alpaca BMUa-a^e 43, ditw da
casemira de cores 33, 6, 7, 8 e OJ, datas de
panno preto a 63, 7,8 103, cotee e cores a
I3C0O, de casemira a 33 e 43, coronta trancen a
13600 e 23200, camisas franceus finas brancas e
peitos de cores a 23 e 23300, ditas ioglezas A Ii-
Em casa de liaba Scomettau, & c.
assim como de arregazo para
menina, pois neste artigo ha am completo wa da"C^eia n. 18, vende-se;.
sortimento de todas as qualidades.
Diademas para cabeca do ultimo gosto.
Riquissimas fitas lavadas e lizas.
Trancas pretas com vidrilho e de ceres.
Pulseiras, tanto para seohora como para
meninas.
Ligas de seda e de algodao.
Suspensorios de seda e de algodao e mui-
tos outros objectos que se nlo postan ao-
ntrnciar por nao se tornar eaC^donho.
Champanha.
Gognac de superior qnalidade.
Vdros pera-esperaos de toados os tama-
nhos tudo a preco* -mnito commadoe.
Vende-se'ae ba q
bordo da escuna ei
a bordo do mesmo n
rim Irmos, ra da Cruz n. 3.
HacMaa para
Vende-se ama machina grai
S no Gao Vigilante roa do Crespo n. 7. 'pim : no pateo do Carmo caa
iirctoL

t


.' i


Mi
n l_lii
It.-a.n^l
__&__*_____-_
/
/
M^Bmm
r
r
i
-
P
M* 4*9trmmm*Mf*
M letra i 4e
de iS.

fciaa*-------------
^__..i*J-- j__a _li_4eaM ii ii
ctc, |ttineiits e ibtf.
A"amrta branti vende botarlos emodernos diti-
demsi aoorsBds; enfelWos oem aljofares e podrs
prc#risi para ossoiaw b abona.
Hoalie chafeziuko
de palia fia e temes para meninas.
S o obra ata* de qae os boos pas de familia
se nao podem escosar de comprar, por fazerem el-
las parte do asseto e bom gosto eom qne tnrjato
suas bella fllhinhas. A agnia-brauca tem o pr.-
ter de ver qne W bellas e precisas obras rc-ratn
de v idamente apreciadas e compradas ero sea ni-
Dbo. Os cbapeerinbos, alm d seren d'uma pa-
lha mol Boa, sao de mu benita forma e ultimo
gosto, enlejiados com toda a perfelcao: os aven-
taos, porm, sao de floa cambrau, guarnecidos de
qabadinbes bordados; o qne Ibes d muia graga.
Os precos desies, 5*000, e daqrjelles, 10$; e de
qnanto sao eilts baratos wnhecm o pretenden^,
qne se dirigir' luja d'aguia-braoca, tama do
Qoeimado n. 8.
i Idrllka de crea e aljofare,
inftaaie api, para afeite de vestid.
A aguiabranca na roa do Queimado n. 8 reca-
ben um bello sorlimento dos objectos cima prc-
prios para enfeites de vestidos, etc., ele, e estl
veedeado eomaiodamente.
Novidades.
Na Afola- branca k roa, do Qoeimado n. 8 rece*
leu diversos objectos de muito gasto e inteiramen-
te novos, sendo:
Benitos e delicados pentes donrados e prateados,
(endo entre eiles aiguo* de filigrana obra mni per-
leiu e de elevMa gosto.
Dito com chapa de madreperola.
Brincos de filigrana e ouras cualidades.
Fivertas de dita e cmrras tambem de diversa^
qualidaOes.
Ciatos mui bonitos, eoteilodee em toda aexten-
oao coa caracteres dooradose prateados.
Filets ofeitados com moedfnhas domadle taa
tejoHas, aljofares &, sendo paw ooqae,e toda a
cabaea, o outros eoao plomas _.
BonKas voltas de jaspt com cruies, teatdo lam
bem algnmas de daos cores.
Levas 6 meias
de laa vegetat.par* q_em soflre de trislade, pa-*
ralesya etc. Veodera-se na roa do Qaeiawdo leja
d'Agtua branca n. 8.
_a_doline de roza
para segnrar on conservar perfettamente atado os
cabellos das se_horas. Vende-se na ras do Quei-
arado fofa- d'Agola branca, a I jWOo o fraseo.
Enfaisea freies para vestidos
A A gasa triaca reeobeu ovos eafeites pretos
para vestidos, sendo bicos com "vidrilhos e sem
elle?, trancas cora pendentes de vidrilhos e sen
ellos, corda grosso tambem com vidrilhos e seos
eNee >*** come gkloos e franjas de diversas lar-
gara, iMs cae vetado at. oome emare os boas
reguezes encontrar eom_io_ida_e de predas nos
nkiAutnii ia*_ i> i HAn4 ai* m >. Ia'i" 1 k rr t-. n V < n n n f> hu
Atten$o-l
Attea$o!
t8r< sdenailf s prc> 4$*0# t cMade.
Vende-se um grande sortimento fio gresdena-
alea 1*600, 1,1800, 2* e 2*600 o covado ; dito
amito superior a 5*800 e 3* : na roa da lopera-
trb n. 72, loja de Goimares 6 Irmo.
MoriaDtique preio a _,J800.
'Vende-se um grande sorlimento de moriantiqae
a 2g800, 3* e 3*300 e coyado.
Chales de renda pretos a 8,5000.
Vende-se tambem em -ariadosortimento do cha-
les de renda a 8*, 9*800 e 10*; ditos milito Anos
a 11* e 12* ; ditos da seda (azeoda maito fina a
20*000.
Retoada* pretas a fl.O.
Vendem-se retondas pretas pelo barato, preco de
10* e II* : na roa da Imperatiiz n. 72, toja de
6I&E
na
Gnimaraes & Irmiio.
Grande pe^hincha parrao preto a
ovada.
Vende-se panno preto proprlo para calcas e pa-
ritots a 2* e 2*200 o covabo ; eitsrmira-1 pretas
a 1*800, a*, 2*MK) e 2*506 o aovado.
E' muito barata caries de casimira a 3&>00.
S-na ioja.e.araaaiem da Arara, ra
da laiperatrjz.n. 56, do Loureago Pereira
:. Meodes Guaw5e.
Arara Tetade eiaaaa a 4 wm..
TandeiB'M cataasi franoeraa maito finas .para
vestidos a 240 rs. o covado, chitas escaras e otaras
a 160 e 200 rs. ra da impratrtt B; 6.
Cortes lecasemira preta a 3$500
Vendem se cortes d eaeemira preta para atoa
a 3*500,4* e 6*. corles de cotioi |iara oalea a
1*280, ditos da brim doquadxiotws ai*, cortes
de m a bripj de cores, a iJfljDO : na roa da
Arara* corts de etssa franlea o 2^1*00.
Aipaaibrtes para bcoes.
s*4i doQaaiDMto tejada miadeiju. n. 16, vea-'
Wf^f a5 forles, e de-difloroaies larguras
Bonitos qtiadros para retratos.'
Vendem-se na roa do Queimado loja de miude-
tas n. bqnlUe qoadroi coa aiwoara preu 1
doorada. todHlpor..reeos raseaMi.
Garrafa brancas
e de cores com superior agua da colonia.
Vendem-s na roa do Queimado, loja de miude
tos o. lo.
Novo gosto *
Peates, fiveflaa, e brincos de feliirrana.
A anliga e bem, cenneckla loja n. 10 na ruando
Queimado, receben nra sortiment do diversos ob-
jectos de novo e bom gbsio, sendo pentes brancos e
donrados de moldes entecamente novos e mol a*
Si-adoras, lendcatreelles aignns deniigraaaoBra
e multo gosio 4eicil exetngao, e bem assim -
vellas e brincos as mesmas circomsUncias.
Tambem receben aignns cimos o qne de ms1
moderno e bonito, se pode encontrar en> tal gdasVo.
Jfino n I Vendem-se cortes de cassa floa a 2*500, dttds*^B,^*,e,lntriraa osaaTotendeoe&am.oeti
*"vu u ita nkin 1t Aitn a .,.... a k,n... ... nlpia atimenln ri fivcllic iU mailnoruirnta rhric
de chita a 3*,-ditos de-cassa de- barra-a-2* :-na
ros) 4* tatperatrio, leja o armaiem da Arara nu-
mero 5.
Lencos bnates 24060 a duiia.
yendem-se lencos brancos fios a. 2*, 2*500 e
35, guardanapos para mesa a 2*800 a dozia : na
Vendem-se cortes 4* casimira preta a 3*500 ri Am'im.Zllin^'i"]* ^Iyr^"v""K" *
4* e 4*500 ; dita muito fina i 6* Arat ^ ehi(as 1C0 rs # m|do
Admira corles de lu-iia de' cores a teaaaasast enraaaam a ieo e iioo.rs.oeo-
4,280 i
Vendem-se cortes de brioi do cores pata,calca a
1*280,1*600, 1*600 e 2*; n roa da Imjratrii
" loja de Guimarles & Irmao.
pleto sortimeoto de flvellas de madrenerola, chrls-
lal, tartaruga, e donrados,'brincos de christal, e
jaspe, voltaf e ernzes de dito etcnits nitros objt-
tos de gosbJv os qoaes ceatinna.se a vender eemme-
damente.
Peaentas de taadrepereia, e eofeites filis,.
A Joja do ntodezas na roa do QpeiiBado d. 16,
receben bonitos pentes com chapa de madreperola,
novos eifeitesflteu ornados de'Isrn'tjdiras'OOTj-
^ radas, tiimlt ha., aljofarWi vidrUvaJeelfr., termo
granaos par* todaoabena e pjuenos para ooqae,.
wgulaadoo precos de 2*..4*000 re.
Bjnitas caizinbas
donrados para costura, teodo com
vado, chitas franoeaa finas a-280, 320, 360 e 400
rs. o covado : na ra da Imperatriz n. 56.
Rlscado francci a 210 o covado.
tendp-so riscado francet para vestaos a 250 o
covado; casfcrs fraoceis loas a 240 e WOo cVa-^"L\rf^L ,
do i roa da Impera.m n. 56. Efe SLh'IL.!6"^"86 M "' Qm-
" > Atora oeaaa aaaiinlin a 'Dla"0 K,l" "* ">detas te To.
Veodem^e pecas de Badapolio de 12 jardas a _W.H '^S^^S^
4*pW*4*Tdtci de 24 lardas a 4* 5*. 64. 7. COm 'Wrilhos.o-'bWas oom ditos esem elles para
8 elSafteca netas^e alofla aaTTe: eBfe,tos "idos-
8 Su i.'SS eeroog?3* : ?f &f^ 8 1**^*^****"
n. 72
IT baratissimo a 120 res o covado.
Vendem-se riscadinbos aaoite propsios para ron
pa de escravos, a 120 rU o covado,) ditos-escoce-
res maito fios a 240, 280 e 300 res o covado.
Uafoaas "Joo ig.
Laannhas de qototteho* a 300^ 320, 300 e 400
rs. o covado ditas awHo'flnas"a' 8O0-g60: na, ArarltoMrarJa'i^v.,56"w "" w'* ""i charlo'os-'BreSSOdoOteaiiDai^eilo-sarttnwoto dea
rpa da Imrjeratrii n. 72,, tojshto flainraraes & Ir- SaVi 20 r nada objeetMiooiroa dito*, casoarrithas,>fraoia1etc. oto,
nal. ; ^^^^T *. <^!. _' eludosUsendo vendido por precos commodos.
rArtoc a Ha KXfiti Vend-se rlscado escoro para vestidos de escra-- HtTiae nrotne
a.k. ^LoKrtesde WQ00-.l/s vofal20rs.,ditodelinho pararenpa daawhoa' Mm, r*5i. P 6 S
Acaba de chegar a este importante esttbeleci- a $40^ oovado oincas d* oofes-a 406 e 446ts n de vldE0 en'e|taqos d ago.
memo um sortimento de cn de I5a que se ven- cotad, eolrinh a^OOi a doi rna da Im-' A leja dt nMetas ir. 16a rflidO'Qfleimado
% por 8* e 5*500; tos aria Pia, blenda peratS 56 ^ j vende'mui bottitos^bou5es pretos vMrocoi en-
Arara vende liaiinhax a Sitara Wtei de a5'os -aaes muUo M QMm P8" enfel.t*f'
L^ZrfaZLStrtL !,* a, /un vestidos, quem os pretender jiode dirigirse a dita
JWg?*'?*Pltd'*T* ^i*0'' loja'a.'Wa rnaooQneimar
iOO-e-oOO rs. o oovado, ditas lisas e matiaaoasa -
506 e 560 covodo: ra da Iioperatrix, lojao ar-
macem da Arara n 56.
Bramante a ^600 a tara.
Vende-se bramomemeiO* folmos- de largura a-
25KO0 e 2*600 a vara, panno de Uaao asm leav
Suito moderna 12;, 14*, 18* e 20* ; ditos com
mrsmha, cinta e grvala a 25* e 98*.
Chitas fraacetas largas a 260 rtfs
Vende-se nm graade aortimeoto de chitas a 260,
986,300, 320 e 360 rs. o covado ; ditas preciares
* 400, 440 e 500 rs.
Canbraias de cores 289 rs o
covado
Vendem-se camiraias raooetas a 280,300, 320,
<960 e 400 rs. o oovado.
Cambraias lisas a &000 ts. a pefa.
Vende-se nm grande sortimento de cambraias
lisas pelo barate preeo de 3*, 3*500, 4*. 4*500 e
So?Sfflb,.t!^-n*loia d,Aguia braDca"* iS?-"
Botos de vidro
con eoMtes l'aeo ae centro.
Eseesbotoes qne tanto Mt'em para meibor-se
peder aisitar um bem vestida^ireto ou de cor,
acbao se a venda na Toa do Queimad loja d'Aguia
branca >n. 8.
4cat4e cMgw atoja'dji a?oia bwoea
a roa de ^eimadeHa-. 48.
CbrasMco-me pata tbkgtt saastios.
HoiW waiter t*ra dita.
Tintura de L. Marques para dito.

branca
jffmm
a roa do Quimado n. 8
asaba dereceaes:
Lantijonlas d'apo para eafoiuss.
Penoae brancas e de cores, para gor|os e chapeos.
Eofeites filets. mol bonitos e modernos.
Sapatiobos de seeim par baptizados.
Metas-de seda .oom o raes mu.
Bonitos cbapeosiabos de solios-para dito.
Rosa camelias contras qoalidades.
Novos brincos, Qveilas, pentes -c pulsfras de fili-
graoa.
Fitas d seda de cores para debrunhar vestido.
Dita de sarja comdifTerentes cores e lurgorac.
Dita de gorgoro,'dwaBbas aooos o bonitos para
cintos.
Carteicas com agulbas.
Na ra a Impemtz n. 28
Vendem-se cortee de cambrata brancos oosa 4.
o e 6 tobados a *tf o 25*.
Pil de seda orate oom flores a vara 1*.
Cambraias brancas de urna -vara de largura fi-
ota lie 800 rs.
Ricas lampadas -e candieiroe a gaz por grosso
eja retamo.
Pecbittcha
a 6*500 e 7*-; ditas de orna vara de largura a 8*
e 9* ; ditas ara forro a 1*600, 2*e 2*200 : na
ra da Imperatrian, 61
ROTJPA FITA.
Vende-se um completo sortimente de roopa ei-
ta felu. assim como setaarparrtr^, cacirs, eoleies,
camisas francer IfWO e tfO-; ditas finas a
2* e de Irobo 2*800, 3* e^3*080 f sanias de
1*200,1*400 e 1*600, de Unto a 2* eftOO : na
ra da lejperatrt n. 72, loja de mao.
COIaro Hoycr ai SB55 ano-
dies
para faotiitar a deocoo das- enanca (presrva-
las das convnleSes.
. O fetiz resultado obtid Imaiensas veees pela
prodigiosa forca nrarjtierica db* colates oyer, nos
casos de convotsOesv o derrtfijlo das-- t4aacas, tem
altrnoste elevado o son bem tasreodo prestigio,
e hojej se pode dizer qae eeto ge raimen te con-
oeituados, e estiouidos de tnomeravis pais de
families : de uns portroe ^Mtto Oesses-alutares
colares viram salvos'se fttrjgo< ens charos filbi-
hos,-e de oatros porque eoMieram daqaelles tao
profieao exempto para ieuarmenre preservar os
seus. Assim, pote, a agota 'branca,, -toado em vis-
las a atilidade oproveito desees prodigiosos cola-
res anodinos on Royer, mandn Vir o novo sorti-
mento que agoeaweeefcea', intinirar* a recbe-
los para qae em tapo abjastt asi* aekos possa
ser fea esta ao pa*s da 'Ifl- -g nm- ficaro
certos de os aehsr conatanteoiente na ruando Quei
maao, loja d*agWa branca a. 8.
vendem-ae na laja de mlndezas
a ra d|n ef m a do i 6.
Bonitos leqoes de sndalos ontras qnalidades.
. Booitos cintos com fivellas de diversas qaalida
des e moldes..
coes e toalbas a640.a 500-rs. a vara, tomburgo
pan lengoes e toalbas a 560 : rna da Imperatrii
loja da Arar n. '56.
Rohm fciu t camrs?ora senswa'a 16300
VeriOem-se camisas-pwa -sedhora-a K*B00, cal-
as de-bnm *, diiw de-cawraira^**, 6 e*,
paletota.de{nono preto/*6*i 8*- e 10*, ditos
brim de cores a 2* e 3*, camisas francezas a
e 2*500, ditas ipslezas de pregas t
aomftSk e*lJW,'Wi
larmHs'ceonomles0Oy*> a^dasta: >wd
Imperaaiin. 36.
lio iuinazem efe tazendas
baratas de 8agte1!)fjeftf0
Rna wV^KIItflW'O. 19
Vende-se o segnrote :
Cotertas de cb4ta da lodta a 2*400.
Leneoes de panno do nabo a-2*2aa
Ditos de bramante de lioho da usa
atoe.
Brincos e crues- de-eryotl.
Abotoaduras-de dito para^ coletos.
Benitos peitowiogio*.
-Delicadas caixas com msica o sem ella, para
eos tur*.
Agaraas e IWbes para ebroebet.
RetrateasatKremcaraasr .
Beodas, pretas e bicos cwa vidrilhos.
- j fitas de velludo com lstras da cores para en-
ino feifesdeorros'e vestidos.
i bitas de grosdesapoles, Usas tasrada, brancas
eaaatisodat.
Para tingir caballa*.
HeiklWaJter.
l Vende-se na ruado Qoeimado, loja miudezas
|ra. 16.
Chiemaco-roc
Para-tirjfftr caboUoi.
Vende ae aa toja de iwudeaas, a ra do
na do o. 16.
'Untura de L. Marques
Qsra'farer os cabellos pretos.
rande armazem dtftfam
tas medicamentos etc.
RBa do Imperador n, 22.
[loe Pedro das Merea (ge-J
rente) tem a venda o
segninfe:
Frrjdtrctos chhnicos e' pharma-
ceuticos os mais empregados em
medicina.
Tintaspara todo o genero de pin-
tura e para tinturara.
Productos indusltiaes e tintas
[' para flores, como botoes de flores
e modelos em gesso paca imitar
fructas e passaros com o compe-
tente desenho.
Tf ottactos chimicos ;e indnstriaes
I1 tiara Tjhotographlaj tinturara, pin-
tura, pyrotecnia etc.
Montado em grande escala e sup-
i! rflo directamente de Pars, Lon-
| 'ores, rfarriburgo, Anvers e Lisboa
| pode offerecer productos de plena
c8ntl9nr;a e satisfazer qualquer en
commenda a grosso trato e a reta-
mo e por pre?o commodo.
I iS|Siw' i
Pechincha admiravel
Laazinbas de quadrinhos que parece seda a 240
rs. o covado, orna grande pechincha, est se aca-
bando : na loja n. 92; armazem da pona larga de
Paredes Peno. _________
Cabrlolet americano.
Vende-se nmcabrlqler americano com' 4* wdss
para**ta.ca*aHo (e coerto): a tratar' na- raaes-
roitado Bosarlo n. 3._____________________
Domingo 15 do correte est a venda no
aougaotravess* do Marisco n. 20, carne- verde
gorda a 280 rs. a libra, e continuara'' ter sempre
da boa qualidade. __________________
"af
Vendem-se 4 casas terreas novas, lim-
pas, bem alagadas epor mdico preeo:
os pretendentes eoteiidara-se com o aja,
crlvao Athayde qne se ha aulorlCaWf
pelo respectivo proprietario a realisir S _
5R referidas vendas. |P
asannaiffHsjsjnna
OLHEH
E' rarissiiojo!
Lnvas de pelica de todas as cores para homens
e senboras pelo raro, admiravel e nunca visto pre-
eo de 600 rs. o par, garaate-se a excelltuie qua-
lidade da fazenda, ao menos por curiosidade ve-
nbam a loja da ra do Qoeimado n. 67, que, em
presenca da pechincha nao deixaro de comprar.
Escmyos fgidos
m
iielogio.
Vender um relopio muito proprio para enge-
nho onquaiquer. estabeteoimoate, por ter dous
-mostradores, corda para 1S alas' campa coio som
iso ov muito longe : no'pateo do Carme casa d
banbor^____________________________
Yehde-s sal grosso : a tratar na rna da Ma-
Ire de Deas n. 2.
Gaf imperial
0 superior caf do Rio de Janeiro, ven-
de-se a 12* a arroba ; na ra do Vigario
n. 24, escriptorlo.
m
panaoo
Vender a taberna da ra da 'Guia n. 36 pro-
prlo para pri_cipiaoie, e o motive -se dir ao cem-
irador.
AUjoalhado do lioho a 2*090 a vara,
Dito de algodao a/21 a vari.
Goardanapos-de Hnrro a 3*800 a drrria.
Pecas d-sasnbraia'Usaadpteosa '4*000.
iLaaiiaba _berl*'d^oras-a 320 o covado.
Carobrai branca de forro a 3* a peca.
Fil de libbo liso fftro aaoo rs. a vara.
-ftode dito com salpices a i* a v-ara.
Panno de lioho nao com 9 l|2 palmos d*"targa-
M.polo barato preeo do 4*400 avara.
Madapoldes Uosa 8, Gambraia lisa de 4*300,5*. 0*, 7* c* peca.
Pecas de Lrefllia deal*odao com 10 varas,
propria para sala, peo bataVisstoo preco de
1 \ K K l| 4 Lazinha (isa de cores a 500 rs. o oovado.
IT _.if MI\_fl Cambraias b_as de coree miodiohas a Seo ts. o
De calde'reiro t londko de forro, si- SJ _.'___ -- #-_. ^ i a'
__ i_____k Esteira da India proprpara forro de sala de
l)rOB_e.:; COm OS escr^VOS, ( 4,ii e 6 palmos de largor*, por menos -preco do :
graode fabrica de calderefro e fon- que em outra qnalqner pane.
Reste-arma.etn tamftbi-'s^oneontr* fraado
sortimeoto de roopa fertaa^ por ssodida. :
bpos Margos"
' Para as pessoas qne eofTrem do estom-go,
veode-se na pharmacia d Piolo, na raa tarS'
do Rosario n. 10.
Lengs de oassa.brancos ptoprlos para aigiberra i Vende-se oa rna do Qoeimado, a loja de-
a-9000 a dnzia. Oeas _.*.
aurnl4hm*b**?i**"'6**"*"ifSmjjmmlHim ^Josaros-imUand.
ac e \idiHlios-t- cares
para esfeites de-vestidos; vende se lado iisso por
Chitas a 180 rs., soPavo.
Veade-*e a mais bonito scrmento de chitas n-
Klezas, padroes miudinhos, claros e escuro?, e ten-
de tambem roas para luto, aBancando-se serem
sores fixas, e vendem-se pelo baratissimo preco de
novo viatens o covado, ou a pega com. 38 aovados
per 6*800 : isto na loja e armazem do Pavao, na
roa da Imperatriz n. 60, de Gama Silva.
Vestidos brateos.
Ctegaram para a loja do PavSo os mais bonitos
icortes de vestidos de cambraia branca com boni-
tas barras todas brancas, assim como com barras
do-cores, toado fazenda transparente e muito fina,
tendo cada nm corte bastante fazenda e muita ro
. '
A' cinco mezes, ponco mais on menos, ausep-
lon-se da casa do abaixo asslgnado o seu esoravo
Romo, crioulo, idade 44 anuos, cor fula, ba(xo,
alpunia coosa grosso, pouca barba, com algma
falta de denles na frente, com o urabigo crescido,
pos apalhetades : roga-se perianto as autoridades
poiiciaesou a quemo pegar levar na casa do abat-
i assignado, Mufunbo, districto da Gloria de Goi-
t, que ser gratificado com SO*.
_______Marcelino Crrela de Farias.
Fogio no da 14 do coreante.auno, do enge-
nho Pago, freguesa de Sanjo Aotao. o escravo
Vicente, com os signaes seguales : cor bem pre-
ta, representa ter 23 anuos de idade, sem barba,
alto, grosso s muito corpulento, rosto grande e re-
dondo, nariz chato, denles pereitos, alvos e meio
abortos, canellas grossas, ps grandes e chatos,
andar banseiro, tem a uutia do dedo mnimo do
pdireitu arrancada, eno mesmo p urna.marca
deferida, olhos grandes, brancos e Da flor do ros-
to, e lovou roupas de brim d algodao. Ha certe-
za de que este escravo fui pela, va frrea al
-Trombeas, e dalli seguio r^ara. Macej, onde este-
va trabalhando como forro' em pm trapiche em
Jaragu, e provavel qu tenhaprbCnr_do as ban-
das de Moricy. onde tem parantes, e ande foi com-
prad ao Sr. Jos Joaquina de Mello. Rogase, por-
tanto, aos senhores capitaes decampo a appreben-
sao do referido escravo, podend ser ettregue ao
Sr. Jlo Baptista' de OHveira,' _o largo do Corpo
Santo n. 24, en a seu' dea no .referido engenbo
Pago, que sero generosamenle gratificados.
-~~ FOgiftooudw1 %fevtfgiro proximp passa-
do, doeogephollaicun, Jft^WfL de,Barr^irOs,^o-
molato de noroe Francisfco, ioade*4 arJps,'estala-
ra alta, seco do corpo cor nm tanto palMa, eom
pannos pelo rosto, ompooco bebtudo, peaea barba,
alguns denlos, podres-,.cabellos carapiqUos, loado
em urna da> ternas urna sicatriz de urda ferida, e
iconsta ter dito qne ia sentar praca de volunta-
rio. Roga-se por tanto Srs. oommendantes de eor-
pos, as aotoridade poticiae?^ capilaes de campo,
bem como a qualquer pessoa, de o pegarem, e de
remelte-lo a seo J^gltimo. senbor Francisco Paes
Barreto, iavrador do referido engebo, on a ra do
Imperador rr. 41 lerceiro andar, que se gratifi-
car.
prepos raeoaveis na as do Qoeimado n.l ojal*, if e vendem-se pelo baratissimo prego de 8* e
de mlpdotas. 10$ : na loja do Pavo na ra da Imperatriz n.
00, de Gama de Silva.
Tasgo
Ve_aem :_o sfa
Irmos
na 00
Vende-se a
digo de metaes da ra Imperial ns. 1M a 158
e tratar com a vltwa de _ebastiio Jos da Silva,'
na roa JVova n 38, oa-na roa da cadeia n>o7.
Taxos |?ara _fi5ae
Vendem-se na ra Nova a. 35, loja da .uva de
Sebasto Jos da -gilva. 1

arma-ern
Amotim n."li>.
Licor ano Cura gao -em botija-meias botijas.
- dbfcssaai firmal sor-lidos em garrafas com rolbasa*
vidro -e -eco lindos fraocos.
VinhosUheres.
-ftaataroe*.
Chamberlia.
Hermitage.
Borgonbe.
Ghaiapaaae.
M-IMMi.
Reino.
Bordean..
Cognac.
Od: Ton.
PAecei Isgaioi. -
Veadem-se malae o bahns asados maito em
coala : _a roa estrella do Rosario ... 24, loja de
trastes.
-


Cortes de tarlalana na loja do.pave.
Vendem-se os u>ais modernos corles de t arla tana
cea as mais linda* barras de cor, pelo baratissimo
prego de 5*cada um, sendo oeste artigo o melhor
qpa tem viudo ao mercado : isto na loja e arma-
zem do Pavo ea roa da Imperatriz n. 00, de Ga-
ma & Silva.
GAVALLO
Vende-se um bom cavallo de sella mnito nevo,
grande, de boaita fisura e bastante gordo, o qoai
-presta-se para nm exoolleote cavallo de carro;
na rna do Imperador n. 13, das 9 horas da ma-
chia as 3 da larde.________________________
A* zahoras acadmicos.
Vende-se por2* cada ezemplar eocademado
Macarel; diretto politice : na loja de livros da ra-
ga de Pedro n 0. 6, onde tambem se vende por di-
! minuto prego para acabar algnmas ooiras obras de
direfto.
2005? de .gratificado.
Em 31 de outubro do auno passado, fugio a 68-
crava Clandma, cabra alta e seca do corpo, que
periencen ltimamente aosIllms.Srs. Jos Joaquim
da Silva, Manoel Mauricio de Sena e D. Mariana
Ignacia de Castro e Silva que a vendeu-a Jos Ma-
theos*Ferreira que pagar 200*000 a quem lhe
entregar dita escrava na ra da Cadeia n. 62.
Continua fgido o escravo pardo Sebasliao
de 18 anuos, alto, cabellos carapinhos e rnivos,
olhes castaohos e grandes, sem barba, nariz chato,
com todos os dente, orcinas pequeas, tem a mar-
ca de um talbo sobre o labio superior, marca-, de
bichos nos calcinita res, sabe ler eescrever, truja
caiga de brira e camls*0d ahjodo branco : quer.-i
0 pegar le-ve-o asCioe >Poats n. 1S2, que sera
recompensado generosamente________________
1 Est aaswite da casa de seus'Dhor desdu 31
de margo prosimo passado, o escravo por neme
Joao, nago .oqgpj'dp meia idade, levuu caiga
branca, camisa de algodao fuchlcada, chapeo veibo
de ctmro, tem cur *nde, ventas regaladas, nariz
chalo ; foi-escravo de Sr. capilao Joaquim Francis-
co Lavra, e lem arde encontrado as roas do Ran-
gel, pateo do Carmo e Campo Grande : roga -e a
quem o pegar leva-lo a casa a ra da lmperatri:
n. 80, qne ser recompensado._____________
^T AuseBlwa-so da>-casa de sua seohora, desde o
da i do correte o esclavo Trajano, ranhto, de
20 annos de idade pouco mais on menos, com os
signaes seguales: estatura regalar, rosto redondo,
sem barba, cabellos grandes e bem estirados, le-
vos calca e jsoota de paooo asul fino; tem sido
encontrado as ras desta cidade : quem o pegar
e leva-lo a' casa de soa senhora, a vfuva do te-
nenie-coronel Florencio, na' roa da Imperatriz n.
03, ser reeomaeosado.
_______.________I____________.________-..un 1
m-n,
2.'
6
57'
DOS PREMIOS DA L. PARTE DA O. LOTERA CONCEDIDA POR LE PROVINCIAL N 74, A BENE6*2_G: O THEATRO DE SANTA ISABEL, EXTRAHIDA EM 14 DE ARRIL DE 1866.
NS. PREMS.
NS. PREMS.|XS. PREMS:
PREMS. NS. fREMS.INS. PREMS.

6*

.
'.
a-

_ .
_






-


<
_n_i

t* 1 -i" -TTii
m



mM
HflHHIHHHHHHI


Blari# di B"c
gamela fclra ft e Afcrll ele 1866.
t*>;.'-
LTITERAIDRA.
DI POCO DI Tl'DO.
Este esbcelo de om lypofamiliar do Sr. T. de
A. A. Juntar:
EFFEITOS IRRISORIOS DO CIL'ME.
I
Dois consortes casados ha pouco lempo, que mo-
ra v ai na ra de *, leriam vivido na raais per-
fela harmona, se um deiies uo levasse o amor
saas pbantasticas desoonQangas, vieram-lhe entre- esperava porta, e emquanto este rodara para I
gar una carta, que om de seas maiores lhe enva- saa babitago, nao trocaram seqaer ama palavri
va; o qual exiga a sua preseseoga assim como a entre si; o primeiro suffocado pela ira e a segun-
de sua mulber era una festividade, qne devla ter da aniquilada pelo procedimento brusco do ma-
lugar em sua casa esta mesma noite. rido.
Hoje fago os meos 30 anuos,dizia a caria, Estou deshonrado... fui trabldo por orna
e espero que o mea malor amigo nao falle om muiher, que tanto adoran 1 que me paga o amor
til convite!' com a mas vilinfldeHdade, exclamoa Joaoatirando-
Joo Do podeaJo negar-se, resolveu, muito coa- se um sof' logo que entrn em ana casa,
da seus clculos, comparecer na casa do sea ami- O que sigoiGcam estas palavras, que acabas
go. Recommendoa Clarinda toda a dlscrigo, e. de pronunciar 7 perguntoa Clarinda, recobrando
r -parando, que ella se adornara demasiadamente,
to alm dos limites rasoavels, que devem manter nj0 pade conter-se de atlrar-lhe nma Invectiva.
Fazes-te nao formosa I Pens que desejas
mais agradar, os oaos de extranhos do qne os
na sua rbita o syslema conjugal.
Entre parentheses:Nao se zangue o leilor por
querer encallar aqu um termo proprlameote as-
tronmico. Que relago tera', perguntar me-ho,
os lagos conjgaos com um syslema astronmico ?
Tem maila relago, responderei en. O casamento
nao mais do quesera systema, o qual comqnanto
no tenha sido inventado por nm Copernico oa
um Ticho-Brabe, coma Jo nao deixa de ter um
centro para onde convergem todos os planetas do-
msticos. O padre tragalbe a rbita, que nnguem
po jera' invadir nem to ponco ultrapassar.
O chefe do easal o sol em roda do qual gyram
a mulberprincipal planeta, qne fica raais perto
fheusl
Nao foi a nica resposta de Clarinda.
Sio ll retorquio Joo.
E sabiram.
V
Quando o nosso par entrou na sala do baile, nao
foi sem despert de Joao, que correa nm murmurio
pela bocea de todos os que estavam presentes.
Nao fallaram oficiosos que offerecessem o braco
para condazir a recera ehegada ao toilette; porm
foi em balde, porque o seu impertinente cavalieiro
nao consentio.
Nao so incomraodem, meos senhores, en mes
da influencia de seus raios, o fiibos -planetas mo deSempenharei estas funeges, disse-lbe Joo
secundarios, qne sentem-se attrahidos pela torga meactn(loK)S com U(D 0)har nudo.
dos deveres, obrigagoes e necessidades. Qq^ hornera ridiculo I exclamoa am do? ie-
No momento em que ha o desequilibrio na sua cepcionados virando as costas,
marcha, da-seo choque ontre as massas, que per- Que enfatuado! aerescentou ontro.
dem o centro de graveo e apparece por flm o; D,ahj |guns momen|os TOuava. clarinda radiao-
call0S- le de belleza, e o marido ao deixa-la en uma ca-
Agora, diga-me o leilor, se nao uve rasan quan. de)ra n-Q esqaeeea.se de reeominendar-rheque s
do empregnei a expresso astronmica I.
cho o parentheses.
Fei-
Voitemos ao assumpto,
II
Joo (occnltamos o sobrenome por descripgao)
amava e idolatrava (tanto mal fazia) a sua esposa,
e enlouqnecia enlevado na saa peregrina belleza.
Joo tinha vinte e dois annos de idade e sua jo-
ven chara metade dezoilo. Esta tinha todos os at-
ractivos para seduzlr e aquello imaginado arden-
te capaz de faze-lo poeta, isto pateta, signfleago
transala da palavra qne esta' hoje muito em
moda.
Cora quanto fosse poeta o nosso bere nao fazia
versos. A vea desenvolvia-se n'ontro sentido mui-
to dtfferente. Creio, que acostamado s leituras de
h:liman e RadclilT, ficara impressionavel e com
ama imaginago completamente escaldada. Era
este ramo de poesa phantasiica o que o perda. A
cada passo imaginava ver sombras mysteriosas
roubarem o seu anjo, e parecia-lbe que todos se
conspiravam contra elle por possnir ama to gran-
de preclosidade. Assim Jao guardava a esposa
das vistas profanas como se fosse uma pedra do
immenso valor; e tema mostra-la com receio de
que, fascinado por sea brilbo nao fosse alguem ten-
tado de snbtrhi-la. Levava-a muito raras vezas aos
teatros, aos bailes quasl nunca, e as runi5es fa-
miliares algnmas vezes; e por isso mesmo que
poucas vezes apparecia em publico, raais uma ra-
zio iiavia para que o enthnsiasmo de todos* ao
contemplar nma tal belleza, fosse notavel.
Joao via tudo isto, e voltava sempre para casa
dancasse com as pessoas determinadas por elle.
A orchestra annunciou a entrada da primera
quadrilha, tiraram-se os pares, formn se-o quadro
e comeeoa a daoga.
A formosa dama bonroa o dono da casa toman-
do-lbe o braco, e Joo que fdra ^e recostar um
portal, d'ahi nao tirava os olhos ella, nao perden-
do o sea mais pequeo movimento.
Segairam-se as outras contradanzas e Clarinda
s dansava com os pares que Joo vinba-lhe apre-
sentar.
Ja viram exqositice maior I dkia o mesmo ra-
paz, qne fora ao encontr de Joao para offcrecer
o braco Clarinda. Aquello tolo julga que lodos
podem sujar-lhe a muiher... s dansa com quera
elle quer. Olhel qaem vai dansar agora cometa?..
o maior paspalho que eu conheco... pena qne
seja com urna senbora to bonita.
E' insupportavel 1 disse um dos qae o eer-
o animo I Chamas-me (niel, trabidora... nao
percebe a cansa deste exaHamenlo, que te domina.
Sahiste da casa de F. como nm dando... nada
com prebendo de lado isto.
Donde t anda ouzas pergnntar-me porque
sahi repentinamente da casa e F. ? Esqueces
o lea indigno procedhnento I...
Mea l
Ten... sim,... mnlher cruel, gritoa Joto'
ergaendo-se do sof.- E la, nao satisfeita, anda
hrens zombar da mlnha dr... ta* cjue tentaste-
contra a minb honra, que me enxovaihaste era
Mico.
Clarinda ouviado estas da palavras sabidas da
bocea de sea mando, atordoad* nao eomprenendla
o seo sentido, e eato comeeoa a chorar.
Nao me liadas, occaltaado-te debaixo da
capa da> hypocresia,... bem vejo, qne estas- lagri-
mas si fingidas t connuou Joao soltando ama
rizada sardnica.
O pobre Joao tendo visto a esposa de braco1 com
om rpasela desconhecido, escaldado como eslava
o sea cerebro, nSo pede conceber oatra cousa se-
que ella deixava-se levar por alsjoma seduego.
So lbe pareca que tai personagem nao pedia
deicnardeser o sea amante. SeVum amante- a
poderla ter arredado dos deveres, s" nm amaate
pedera lar eonsequido, qae ella o tfesobedecesse,
deixando de dang.ar cora o seu amigo I Estes e
outros pensamentus ataesalhavam lio tyranna-
eeber as palavras oeahor demoroa-se mullo o
esiranbo eahlo de ret-eale de joelhos aos ps de
Clarinda... g-\
Elle a*re immedia lamen le a porta, apparece com
as dual pistolas eugatifbadae, grita ae- deseenhe-
cido.
Mleetavelf '-que-onzas facer... dlspSe-le,
que vals morrer eom a loa cumpiiee I...
Oh I senhor, retorquio o desconhecido, per-
di... Eu tirava has callos a' senbora. /.
Ah Ah 1 0 senhor o callista, a' qaem en
mesmo fallei outro da para vir aqu?
Clarinda rise da aventura,e Jooretirou-se oc-
cuitando o rosto ontre as- raaos para que nao1 vis-'
sem a saa vergooha exclamando:
Son nm disfroclanrei I
Depois expljcon a saa raolhar qne occaswnara
aquella scena-eomfea, mostrando a carta que en--
centrara, e qne sao era sono um aviso do sethor
callista.
' P. S.Consta-me qae Joao esta' completamente
emendado. Nunca mais teve cinme e boje viva
na mais perfeita harmona eom so esposa.
Acaboa-se a historia.
espirito de Joo, que ello qnaai. enlo- mais extenso o profcndo que so tem elaborado so-
mento o
qoecia.
Elarinda toda chorosa recilheu-so *'son qparto,
e abi foi eecnilar os- seas pezares deuaado o es-
poso entregue ao maior desasocego.
VBJ
Morrea en?28 de fevereiro ultimo o- eminente
litterato austraco Fernando Wolf, que er conser-
vador da bibltotbeca imperial e secretario da aca-
demia de Vienna.
A saa litteratura de mais predileepte fra-hes-
panbola.
Em difierentes-epoebas eorapoz cariosos- trata-
dos acerca de Juan de la Bacina, da i Celestina ,
da poesia-romanea dos hespanhes, da tiistorla
do drama hespanbol.
Mais tarde reunio-os todos sob o titertede Esta-
dos sobre a historia-da litieratnra hespaofaola na
idade mddia.
O tratado da poesa romana em Hespanfaa o
CARICIA.
E' doce oovir os segredos
Dessa brisa namorada,
Qae solaba entre brinquedos,
Co'a florinha delicada;
Mas mais doce escotar-te
Esse mni tenue respiro,
Que sem affeeto, sem arte.
Escalas como um suspiro
E vai ter aosanjos l...
Na Sinhi T...
No verde mar da canpina,
Sob a sombra da violeta, #
Sentir a essencia divina
fi'am concio de poeta
E' doce; mas mais doce
Sorver-te o aroma do lelto,
Sentindo a idea velece
Naufragar na ancia do peito
Qae s pulsa por Altah;
N'o.Sinh?...

amigo do clnmento to-
cavam. .
E' malta audacia !
O que querem 1. .
leiro. .
Ah I ciumento 1 nao sabia.
- Ora 1 Quuem nao o conbecera como tal... seo
comportameato o est provando.
Pois bem. Ja que ciumento o senhor fula-
no, vou dar-lhe um ensino. Aquelle palerma del-
xar-se-ba enforquiihar, e, mysliflcando a dama,
persoadir-lhe-bei ser e'n o par apresentado pelo ma-
rido. Querem ver... l vou.
Pois nao... assim me vingarei da despeza
feila que me foi allrada oa porta.
Apenas a orchestra tocou a entrada da qnadrllba
irritado contra o procedimenio daquelles, que tan- que se segaiai 0 nesso parlador foi collocar-se per-
to olhavam para sua muiher, progoostico de urna
futura tempestrde-o mime I
Ora exclaraava elle, porque razo nao hei
de viver tranquillo ?... Casei-me porventura pa-
ra soffrer constantemente esle sopplicio ?... Nao.
Isto deve tomar um termo... devo cohibir esta
affronta que me attiram sempre que minha mu-
lber apparece em alguma reunio. Qae figura faz
um marido, quando nao impoe respeito horneas
que desaltenciosamente olham para sua coneor-
to de Clarinda. Nao sei porque fatalidade tinha
Joo se ausentado da sala.
Comeeoa formar-se o quadro, e o aadacioso
mancebo, aproximando-se della, offereceu-lhe o
braco dizendo.
Estou s saas ordens, miaba senbora.
O senhor !... Salvo o engao, nao foi o se-
nhor o par apresentado por men mando....
Engana-se V. Etc.. Recordase se nao tal
! eu... tal vez tenba me contundido com as umitas
:??... O que querem dizer estes olhoras incanga-1 physionomias qae enchem esta sala. Alm disto
veis?... Nao, isto um escndalo cora que devo persuada-se, que eu nlo lefia a aadacia de enga
acabar, e nnguem mais o usara' olbar para minha
eposa.
E asslm levava o pobre Joo horas e horas e
rasmoer no cerebro desconfianzas de si, de saa
muiher e dos outros.
III
Minha querida Clarinda, dizia elle um dia
cbara metad, explica-me a significaco desies sus-
urros e olbares lanzados sobre ti quan lo entras
em uma sala. Parece-me, que mesmo s a proprla,
a iucita-los 1
Clarinda rio-se da leviandade do marido e res-
ponden a inierpellacjio que lhe fazia com um ter-
ne olbar.
Oh 1 cus, exclamou Joao quando achou-se
s, horrivel... responder-me com um risada I
Aquelle modo de proceder indica claramente, que
Clarinda nao me estima como me devera estimar.
Decididamente nao levarei mais parte alguma,
porque as seduccoes desias sociedades, que at ho-
je tenho frequenlado, podem perde-la.
IV
Corra o tempo, e Joo ao lado de Clarinda nao
se cangava de admirar os seus encantos ; e quan-
to mais attractvos descobria no seu rosto, mais
aagmentavam as apprebenses do espirito do joven
esposo.
Cumprio a sua promessa, porque nunca mais le-
vou a bella Clarinda espectculos oaa bailes.
Apenas sania com ella para dar alguno passeio a'
noite, e se porventura via alguem segni-los de
perto ficava furioso e cheio de indlgnacio voltava
ho primeiro becco qne encontrava.
Clarinda de um genio dcil e brando nada lbe
dlzia, sujeitando-se com a maior sabmisso todas
as saas inpertinentes exigencias. Por ser de mui-
to boa f nao percebia os sustos qae o dominavam,
e Joao longe de dar o devido apreco to bellas
qaalidades, as aitrlbuia aofiogimento.
Um dia em que o nosso bere scsmava sobre as
na-la.
Nem eu, de duvidar da sua palavra. Se me
afflrma nao haver engao, creio no senhor.
Pode ficar certa, minba senbora.
Pois entao, vamos.
Dizendo estas palavras, segaron no braco do ca-
valieiro, que.com ella foi tomar lugar na quadrilha.
O amigo de Joao nao achando o sen par quan-
do o procarou, e vendo-o de braco com outra pes-
soa, desapentou; e nao tendo mesmo animo de ir
pedir explicacoes de semelhante procedimento,
entrn para a sala ende estava seu amigo.
Sua muiher acaba de fazer-me uma desfeita,
disse elle encontrando-o.
Como I exclamara este cheio de espanto, mi-
nba mulber I...
Estou dizendo-lhe a verdade... foi danzar
com umrapazo-la,deixando-me em p no meio da
sala.
O que diz o senhor 1...
E' exacto. Procedimento igual s ee encon-
ira em pessoas de baixa extraccao, e nunca jal-
guei que a muiher de meu amigo tivesse to pes-
sima educaco.
Estou trahido !... Qoem ser o infame, que
ouza seduzir minha esposa ? 1 exclamou Joo pre-
cipitando-se como um possesso na sala de danca.
Muiher t! gritoa elle ioterrompeodo a cou-
versa que se entretinba entre Clarinda e seu ca-
vaieire, mulber 1 reliremo-nos desta casa l
Senhor moco accrescentou olhando enraive-
cldo para o rapaz, queira sentar-se... grandes en-
commodos me impedem de demorar-me aqu por
mais tempo. .
Mas, senbor... resmoneon aquelle, que nao po-
de acabar a phrase, porque Joo ja havia precipi-
tadamente desapparecido levando Clarinda.
Este bomem enloquecen 1 exclamaram to-
dos estupefactos.
IV
Joo e Clarinda entraram para o carro, qae os
No dia segotnte, quando Clarinda pela manha
eneontrou-se com Joo, foi atirando-se a' seus ps,
e no meio de solucos-e copiosas lagrimas, pedio-lbe-
o perdi da falta que tal vez involuntariamente ti
vesse commettido. Esle a-" principio repel lo-a de
si dizendo com um semblante carrancudo, qae &
saa paga ja' estava reservada. Porm- (ilannda re-
petlndo sua lamentacoes e abracando-lbe as- percas,
rogou-lhe que explicasse o enigma, qaoella Inno-
cente nao poda dactfrar, e Joao nao podendo re-
sistir a' commo/;ao, contoa-lhe a causa- de sua justa
colera. Ella pretestoo, jurou, qoo aqaiito de qne
era acensada de maneira alguma havia-se dado,
sendo apenas victima de om engao, dn qual eca
ao menos havia sida advertida.
Joo ebegoo a' convencerse da vendade, e abra-
cando Clarinda podio-lbe- perdi por sua vez de
have-la maltratado dsconfiando de saa. fldelldade.
Tinba-se de alguma forma restabelecido a tran"
quildade na sua alma, quando am dia veloer-
gaer-se urna nova tempestade de desconfianzas,
dictadas pela saa mente, que so deixava fascinar
pelas primeiras irapressoes.
Uma occasio volteado para sna casa, deparen
por acaso com nm bilhete atirado aberto no soalho
da sala de visitas; e qual nao foi o sea espalo ao
reconbecer qae era dirigido a' Clarinda l
t Sen hora.Rece bi o seu recado e ttyuo certa,
que as 4 horas da tarde estou a son dlsposieio.
Son Oe V. Exc, etc., etc.
Um ralo nao iria produzldo em Joao o macano
abalo, que produzio este bilhete.
Prfida !... e anda fui to imbcil, que rae
deixasse engaar pelos labios de ova muiher sem
pudor... Oh! meu Deas 1 matai-me, porque nao
tenbo torcas para supportar semelhante pnnhala-
da... a certeza 4a minha deshonra!... excla-
mou elle delxando cahir a carta e atirando-se ao
sof'.
Porm a minha vinganca esta' premeditada....
sera'terrivel... Mostrarei este documento,e duas
pistolas sero os juizes...
Dizendo' isto Joo precipitou-se para a porta da
sala e desappareceu.
VIH
bre o assompto.
Tambera deu noticia de uro Auto da-marte ,
de om Caoefoneiro do tempo de Carlos V, da co-
media da rainha Maria por Lope de Vega, etc.
Alm deludo isso, publicoueom extensos- pr-
logos e notas em Hopa bespanhola a tres se--
guintes coileccdes :
c Floresta de rima moderoas-castelbanas.
c Rosa do romances (escothtda das at- eoto
descoobecidas rosas de Timoneda).
c primavera e flor de romanees >,. composta do
colaboracw com Homan, eque a oolleeoo mais
completa e-mais conforme com os- amigos textos
dos romanos primitivos.
Emfim, entre os seus trabathos mais rcenlos
deve sea ornado om. artigo, esc ripio com. muito-
esmero e senlimeoto potico, acerca do romancista
Fernn Caballero, e dois cirenmstanciados juixoo
crticos des primeiro qoatro volnmes Cb-llistoa
critica de i. A de los-Ros.
O proprotario, de um restaurante de- Paria, esta'
seriamente afilelo por causa, da assiduidade de
um dos- seas fregueses.
E' aav bello mancebo, direito como- am I e de
ama estatura de perto do tres metros.
Ostaobores-mres da goarda Imperial sao uus
anos comparados eom elle.
Parece que este gigante dolado de om estoma-
go proporcionado a sna estatura desmesurada, pois
s ao almoco devora nm pao do orto arralis..
Ora, como se sabe, os restaurantes franceses o
pi esta' a discrlcao, e pagando-se no de que fal-
lamos 32 sidos por caneca, este preco nao eaega
para pagar s o pao qne o tai gigante come
Este grande ietorador natural da Dinamarca,
parece hornera de fina educaco.
'i

m
F0LHET1M
A's 4 horas da larde Joo entra va em casa e es-
condia-se era um quarte contiguo d'one padesse
espreitar ajado e consummar a sna vinganga.
Nao me escaparo, o infame e adltera 1 dis-
se elle comsigo, dando uma risada de louco e em
puahando as pistolas. Julgava a prfida t\ae eu
nao voltasse seno a' noite como lhe dlssera, e
mandn avisar o amante... porm chegnei a tem-
po de levar a minha honra com o sangue dos dous
desgrasados... Nao me enganava, quando. des-
confiei:..
la dizendo estas palavras, quando passos na es-
cada vieram interrompe-lo.
k' elle... exdamon Joo sustendoa respl-
raco.
E de fado entreva na sala nm bomem vestido
de preto, que sentou-se em uma cadeira com as
costas viradas para o lado do quarto onde Joo se
eseondla. It ."
Oh 1 tenho vontade de saltar-lhe ao pescoco
e suffoca-lo antes de ver a perjura 1 pensou este.
Porm tenhamos paciencia e esperemos pelo desen-
lace desta scena.
Neste instante apparece Clarinda. ddesconhe-
cido foi a' seu encontr, beijou-lbe a mi e disse-
lhe palavras qae nao foram ouvidas. Aps alguna
minutos de ama convec*a de que Joo s pode per-
O correspondente do Conexo Mercantil era Mi-
nas-Geraes escreveu o seguinte :
Na villa do Prata deu-se am factoqae nao jolgo
fra de proposito pobea-lo.
Quando em principio do auno prximo passado
Manoel Damiano assassinou o subdelegado Libera-
to, era ooile e o reo oa saa evasao, paseaodo por
am quintal contiguo ao lagar do sinistro, foi visto
por algamas peseoas, que todava, o nao conhece-
ram.
No dia seguinte o vigario Jos Gmese outros
se dirigirn ao dito quintal a ver se peik rastos
podiam adquirir alguma luz sobre qaem fosse o de-
liaquente. -._
Notaram entadqae os rastos do p diroito contl-.
nham um fundo que indoava algom deWlo physi-
co nesse p.
Depos de varias conjoncturas sem etil, loca-'
brou-se o mesmo vigario de emborcar nma bacia
grande de rame sobre nm desses rastos, afim de
nao se apagar pelas chuvas qae porveutara sobre-
viessem.
Com intervallo de 4 dias (o preso o rp, e entao
procurando as mesmas pessoas confrontar o rasto
com o p, e levantando para isso a baca vjram
com adrairago a sombra do rasto visivelmente
impressa no fondo da mesma baca e s de tres
dias por diante qae comeeoa a apagar at des-
apparecer.
Contentando-me de afflrmar a veracidado deste
(acto que narro simplesmente, deixo as pessoas
competentes que o tomem na considerado qae qai-
zerem. !".'
Dwo, porm, notar qae no centro do serto, on-
de a civilisagao deve estar bem atrazada, nao hou-
vesse nma s pessoa qae enebergasse nelte am mi
lagre, uma acgo sobrenatoral, o que depbe o fa-
vor do bom senso daquelle povo.
E' doce nutrir esperanzas
De conquistarmos grinaldas,
Que nos offertem infancias
Era copos mil de esmeraldas;
Mas mais doce sonhando
Sorver o ebeiro das flores,
Pensar que estou te abracando
Libando amor nos amores
Da tua alma de tala;
No, Sinb?...

E' doce as brandas aguas,
Ao desusar das candas,
Esqnecer todas as magoas
Que sao da vida as coras,
P'ra casarmos na viola
Do modesto sertanejo
Essa modinha bespanhola
Que abre os peitos ao desejo
Co'o cautar do sabia;
No, Sinh?..v
Mas mais doce aos pallares,
Da noiva dos cos da Italia,
fallar eomtlgo de amores,
Da fronte beijar-te a adalia,
Descancar-te sobre os seios
O sacrario da ntepia,
Morrer comtgo aos anceios
Da mais suave harmona
Qae o sentimento nos di;
Nao Sinh 7...
Escuta: sonhemos ambos
Sonbos doces e mimosos
Eurespirando-te os jambos,
T-fallando-me de gozos
Entre as eambralas mais finas
Do nosso lelto de flores;
E assim, por nortes diviuas,
Que imperta morrer de amores
Esquecendo-nos de ca' 7...
Pois bem, Sinh I...
Pois bem, durmamos sem medo;
O vento qae esta' soprando,
Val nosso aromaem segredo
as praias d'alm deixando I
Fileiras de lindas virgen*,
Bandos sublimes d'arcbanjos
Inaejam nossas vertmens,
Vertigens le Jas dos anjos
Como na trra nao ha ;
-No, Sin ha?...
E t, men bem, se acquiesces
Do coracao as vontades,
Porqne minh'alma entristeces
Com leu chorar de saudades?...
Sera' que as flores de tu'aima
Precisen) de nm outro trato 7...
Talvez.... quem sabe ?... essa calma
Seja-te s no retrato 1...
Dize, donxella.sera'?...
Pois bem, Slnb t
O mnndo nao nos entende
Qae o mundo frid'arglla!
Se s uma rosa rescende I...
Se s uma eslrelia scintilla I...
Que importa o mando?... egosta
S quer nublar nossa aurora I...
Vamos nos da sua vista
Fugir, sem susto, nest'hora,
Em que amor todo nos d 7...
Pois sim, Sinh ?
Abril de 1866.






ASEPULTUMDEFERRO
PQR
Henriqne Conscietce
(Continnago.)
XXVIII
Havia dous mezes que eu trabalhiva com os
meus camaradas no acabamento do almr-mr.
Um dia, o esculptor mandou-me chamar saa
officina particular. Mostroa-me am modelo de ges-
so, que pela sua ancora symboliea dava a conhecer
que era uma personalisaco da esperanca, e dlsse-
me qae a examinasse com attengo, porque desc-
lava ouvir a minha opiuio. Passados alguns Ins-
tantes, perguntou-me :
Eoto, qne lhe parece essa estatua 7
Da maneira como esta' comprebendida, acho-
a em extremo bella, respond com timidez.
Da maneira como esta' comprebendida 7 En-
tao ba ama restricgo. Vamos,falle francamente;
nio o mandel chamar para qae me elogiasse. Falto
nao sei o qu a este esbogo. Se poder acbar o qae
, faz-rae om grande servigo, porque Uto comeca a
enfastiar-me devras.
O mea talento muito limitado, murmurei
oo, para atrever-me a fazer a critica de to bella
obra; comtudo, eonheco qae, se Uvesse de execa-
ta-la, a minha Imaginago m'a teria feito conceber,
nio to bem, mas de ouira maneira.
Mas como a teria concebido 7 E' isso exac-
tamente o qne en quen saber, tornou o meu mos-
tr com impaciencia.
Expliquei-lbe que, no meu entender, a belleza
corporal qae os Gregos procaravam corresponda
JeiU.
E' do Sr. Belmko Salgado:

E' do Sr. A. F. Grilo esle escripto.
O ESPELHO.
Desde que a primera mulber na feliz manha
do Paraso lancen o seu olbar deslumbrador pelo
arvoredo virgem do roaravilhoso jardim e se vio
reproduca na superficie de uma fonte arena, at
que a muiher dos nossos dias publicou a sua effi-
gie as combinagdes artsticas do azougue e do
crystol, o espelho tem sido sempre o mais insepa-
ravel amigo de todas as omitieres bonitas.
E' fcil advinhar ou pelo menos assim se deve
suppor, qae o primeiro bymno da creaco, na ma-
nha da vida, foi nm canto de admiracio e de jnbi
lo lascado pela natareza uascenie a formosara da
primeira muiher. r
Eva no Paraizo, talvez nao puesse apreciar o
valor da saa formosara no meio de tanto formo-
sara ; tolvex uo comprebendesse a dooara da saa
voz no meio de tanta mostea; talvez nio padesse
nolar o refulgente brilrit de seas olhos no meio de
lana luz.
A ave qne passava junto de Eva deixando-lbe
nos oavidos um resto de harmona ; a flor que lhe
dava oo seu calix entreaberto o primeiro suco, a
primeira sei va de ama vida, de cor de roza; as
fractas que se teemnf como grtnaMas de cores para
satisfazer at o (tosejo mais frivolo do sen pato-
dar; o cu que, especie do gase da ouro e azuli
lhe servia de magnifico docel, as estrellas, ares, as
mariposas, e todo quanto grava em torno lelto,
talvez lhe revelasse alguma cousa da sna belleza
daquella belleza lnguida, mysteriesa, crepm-
eutar.
Essa belleza* admlravel est bem deserlpta nos
seguales versos do poeta bespanhol:
c Eva la hermosa, de gentil talante;
Acabada de pechos y cintura;
De enhiesto cello y'langoido semblante
Rebosando de amor y de ternurh.
|S >l <.
Clara la frente, altiva'y despejada ;
Negras las cejas, blanca la mejilla;
Rasgadas de ojos, blanda la mirada,
Do turbio el sol en competencia brilla.
Eis o retrato da primeira muiher; essa imagem
belssima que bretn quando os labios do Eterno
pronuncia rara o Fiat da obra perfeita.
Eva nao coroprehenden que era verdadeiramen*
te e formooa at que um dia as cryslalioas aguas
de uma fonte no Paraso reprodnziram toda a ma-
gia, todo o idealismo edoctoa daquelle semblante
celestial embellecida pela aureola da innocen-
cia.
O espelho nma segunda edigio de quantos
objectos se lhe poem defronte ; o plus ultra das
paredes, em cujo fundo gira sempre a imagem de
quem o contempla; a illusio da perspectiva; a
extengo desenvolvida no meio do espago; o nao
ser de tudo aquillo qne reproduz.
A' porta de um armario, que costuma ser quasi
sempre um gabinete de bom tom, nm espelho de
vestir est constantemente guardado por nma sen-
tinella distincta.
Se vos aproximares della, sal-vos ao encontr a
vossa proprla figura, como para dizer-vos:
Para traz t
O espelho o primeiro censor dos adornos da
muiher, o que tndo sabe, o qae nada lbe occulla,
o qae responde sempre o que e perguntado.
O espelho na arle a pbotograpnia, na natare-
za, a cor do iris ao reprodazlr se nos crystaes do
mar; do amor o olbar dos qae te adorara ; no
semblante, a alma que ehega as janellas da
cara.
O cu v se no espelho do mar; as flores vem-se
no espelho dos regatos; a naiureza toda tem sem-
pre um espelho em qne se veja.
Queris saber, leltoras, em que espelho vos
deveis ver.
O cammbo da yfrtude o espelho da felicidade.
Vede.vos nesse espelho.
Como o anjo domestico; como a estrella de paz
da familia; como nma escada que ha no mnndo
para subir at o ceu, descobre-se a interessanle o
formosa figura da m cercada dos filhos.
Com o sorriso suave da Iranqaillidade da alma,
condu-los eternamente peto senda de trebalba ao
templo da honra; beija-os, ama-os, abeoefla-O, e
conta seos suspiros, e bebe saas lagrimas e dirige
suas orag5es.
Uma boa mal o espelho onde se reprodozem
constantemente todas as grandes virtudes.
Vde-vos esse espelho, leltoras.
No espelho da parede s se reproduz e corno.
Onde se reprodazir a alma como mais bellas
cores, seno no espelho da vlrtnde 7
O camlnho da virtude o espetho da felicidade.
Vede-vos a esse espelho, leltrres de ambos os
sexos.
m ato
A plvora de madeira invenco do Sr, Ed.
Sdhnllze, capito de artiiheria do exorcitp prnssia-
no, e tem por materia prima a serradora de ma-
deira prima a serradora de madeira.
Esta' sendo fabricada em grande qaantidade na
fabrica de plvora de Postdam, perto de BerlLm,
sobre a dlrecgo do inventor.
O processo para fabricar assim :
Introdnz-se a serradora em ama dissolucao da
soda, lava-se com agua; submette-se a acgo do
vapor de agua e lava-se em agua correte por tem-
po de 24 horas meio do chloro, torna se a lavar e
seccasse.
Feito isto deita-se pouco e ponco o em uma mis-
tura de 40 partes de acido nilrico e 100 de acido
sulphurico; deve haver o cuidado de raecber con-
tinuamente a mistura Separa-se o excesso do li-
quido acido, e sabmette-se a serradora a ebuilico
em ama dissolucao de soda. Lava-se por ultima
vez, secca-se, e obtera-se um producto lnnoffenslvo
fcil de conservar e nao detonante.
Para obter plvora faz-se dirigir o producto-ci-
ma obtido, durante qoinze minutos, em ama dis-
solucao de 12 partes de potassa em 100 de agua.
Secca-se a uma temperatura nao superior a 4i
graos, e fica prompta a plvora de Scbultza.
As suas vantagens sao:
Nao detona seno quando encerrada em espago
fechado; ao ar livre s arde cora ehamma bri-
Ihante.
os seas suffrimemos 7
Fez viva impresso em meu mestre a minba lia-
goagam entbasiasta e disse-rae que eu me deixava
talvez exaltar at exagerago, mas apertou-me as
miot com sincera satistaco.
Explicou-me porqae ja o enfadava aquelle esbo*
sem davida aos seus costnmes e a' saa religo ; 50> como me havia dito. Um banqueiro opulento,
qae o christtonismo, considerando o corno como possnidor de um magnifico gabinete de objectos de
p, tinha mato em vista, na arte, traduzir os mov- irte, tinba-lhe encommeodado a estatua de marmo-
men;os da alma immortal. O esbogo da estoica re da Esperanga para ser collocada ao meio de
Esperanca, se fosse obra minba, nio se asaemeUu-1 mallas obras primas de escalplo. Esto banqaei-
rla tanto a ama dlviodade grega ; havia de fate-la ro, oriundo da Alleroaoha, era homem muiio reli-
mis humana, talvez humana de mais.
Mea mestre pareca escotar ai minbas palavras
supremo lhe levara' em coota os seus trabamos e | offepdeu o eacnlptor, qae raeneou a cabeca com ar
pensativo e disse-me : _
Os horneas o norte comprehendem a arto de
nm modo como nos nio a comprehendemos boje
em Frange. Quem tem razio? Qnem est era
erro 7 Deixaremos a questo pendent-. Em todo
o caso, eu vou para velho, e nio nesto idade qae
um bomem modifica a sea espirito e os seus olhos.
Nio me possivel satisfazer o banqueiro; e, com-
tnao, magoar-me-hia profandaroente se tiveseo_de
perder nm ponto.-.da sna eatima e da soa pro-
teeco. k*
Houve om momento de silencio.
.- Mas, mea amigo, perianto* de repente meu
mestre, se ea lhe pedisse qae flzesse am esboge
segando as snas (deas, porta selle o cunti dos teas
gloso. Acerca da arte liaba ideas muito diversas
das qae vogavam em Franga. Ja por muitas ve-
com prazer. Alada me pedio mais algunas obwr- xes Haba ido ver o modelo etbogado e sempre se
Saja menos as armas do qae a amiga plvora.
Produz pouco fumo, que brevemente se dissipa'
Nio contera eoxofre, nem arder gera nenbum
gaz deleterio.
Os productos da- combustio sis azote acido car-
bonico e oxido de carbnico.
E' 50 0/0 raais barata que a plvora ordinaria.
E' pois, mmto superior portiato ao plgodo-pol-
vora, e a plvora ordinaria.
Segundos algnns clculos, se em toda a Europa
se adoptasse a plvora de Schultze haveria por au-
no ama economa de 2,700:0004000-
Na Prassia ja a empregam as minas e as es-
pingardas escadeiras. -
vagoes sobre a expressio do rosto da sua estatua, mostrara pouco salisfeito, apezar das numerosas j senljment03 S0Dre a arle ebrista ?
Primeiro trate! de lhe fazer comprehender, com a' modiOcagoes qae mea mestre lhe tinha feilo. O
maior clrcnmspeccio, que a expresso rae pareca banqueiro tioha qcasi as mesmas ideas qae ea so-
maito placida, majtp fra, muito destituida de ele-. bre as exigencias do qae chamamos a arte chrislia
vagao para Aquella qoe fonte de toda a esperan-
ca. Insensivelmente deixe-me arrebatar pelo mea
sentimeato, porqae me tinbam tocado em orna das
cerdas do mea coragau qae nio careca de tonto
para vibrar com violencia. Repretentei a esperan-
ga como a fonte oniea de toja a de toda a reli-
go, de toda a alegra; porqae, se o Creador nio
tivease laucado no corago do.bomem a centrina
lamlaosa da peringa, onda irla este batear a ra-
zio e a forja para sorrer os sacrificios, as dores e
o trabalho da vida, se nao soabesse qae om
e isto caonva a meu mestre grande admirago.
Fosse coma" fosse, mea mestre quera mu lo satis-
fazer o rico amador, e pedio-me encarecidamente
qae lbe dtseese com mais clareza e mindeza como
Cado qae sim, pelo menos quanto i Idea.
Quanto s formas e s proporedes das differemes
partes, a saa mao de mestre teria de corrigl-las,
porqae, nesse ponto, anda toa novico e inexpe-
rlete.
Ah, exclamou o esculptor, naturalmente
me pareca qae deviam. ser a postara, a expressio' s" J06 n,eo,lo Amanhia parto para Bor-
e as formas da sua estatua para corresponder aos' ** eon> todaa as pecu do altor acabado. Para o
desejos do banqueiro. ~ asseotar na igreja demorar-me-hei pelo menos,olio
Fallei, portanto, e aconselhei laatas alteragoe, dias. Ha aqui.no terceiro andar, um quarto pe-
que afinal nenhuma das partes da sai coroposigo. queno onde trabalho algunas vezes. Mandare! le-
tinha escapado i mlnha critica; todavlt, como ea ] var para l barro e tera* li qae tora' o esbogo.
(aliara com muito respeito, a minha franqueza nio \ Tem la' ama campuoba eslara' sempre prompto
nm aprendiz para receber as saas ordens. Nio
confiara' de nnguem a chave desse quarto e en
prohibir que o vio la' incommodar. Aproveite
todo o tempo e adente o esboco o mais que poder.
Estos ja' ancioso por ver o qne capaz de fazer.
Porlanto, esto' dito, nio assim 7 Amanla maos
a' obra e faz-me nma esperanga cbristaa.
Prometti fazer o mait qne podesse para merecer
a saa approvagao.
No dia seguinte amassava en o barro com atogo,
porque estova lio exaltado, e via o mea ideal tio,
distinctamonte e lio vivo ante os meus olhos, qae
jolguei intil modelar um esbogo em ponto peque-
o para guiar-me no men trabalho.
Qual seria a minba estarna 7 Onde iria beber, a
minha Inspirago 7 Mas qaem, como eu, tinha vis-
to na Ierra a esperanga acamada em creatura hu-
mana 7 Rosa 1 Rosa com o seu dedo erguido para
o co, eom toda a toa alma nos olhos, com o sea
gesto radiante e lllarainado pela f em vida me-
lhor, levantado para Deas, lete de toda a esperan-
ga 1 Ob, en aluda era artista I Tinha recobrado
todaa vlvacidade do mea espirito; ja nio pensara
seno na minba criago, e senti-me. tio feliz e lio
alto, qne, sem aitentar nisso, aguei com lagrimas
de alegra barro que amassava eom os meas de-
dos febrlci untes. E oemo nao bavla de ser assim 7
O qae ea fazia era a incaroagio do mea amor, da
miaba crenga, da minha esperanca 1 Rosa estova
peranta mlm como p anjo inspirador do artista t E
eu, tnba.hando, sentla-me mili perla della e en
tois intima eommunioagocom a saa alma do qne
aos meas sonhos .mais engaadores. Por isso, a
argila amoldava-se como por encanto entre as mi-
nhas maos. Se ea tivesse vinte bragos, nio teria
podido trabalhar mais depressa !
Comtudo, depols de ter completamente modelado
a minba estatua com o sea carcter preprio, mas
anda grosselramente esbogado, assustoo-me ama
difficuldade, a que debalde havia tentado fugir.
Nio s a minba esiaiua tinha a postura solemne e
a enthusiasta expresso de Rosa no momento em
que me dissera adeus at ao co, mas era tio exac-
tamente o seu vulto, que a minha mi imprimir
as suas feigdes e em sea corpo emmagrecido o
cunno da languidez. A minha estatua era, por
consegainte, muito frgil de formas e mallo magra.
Lutei muito tempo para emendar esse deleito i
por um consegu-o em parte a o mea esbogo ad-
quiri certo torneado de formas, pelo menos suffl-
cenie para trar-lhe a sua appareocia de sofla-
memos. ^_-
Entao puz-me a trabalhar com mais confianga e
mais ardor, e tonto abreviei a execuco, qae pas-
tel quasi todo o oitavo da a contemplar a miaba
obra com arroobamento, nio vendo mas ntnbuma
correogio a fazor.
^^
'


>
"-
I


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EU821N9AX_Z4HMDB INGEST_TIME 2013-09-05T01:15:03Z PACKAGE AA00011611_10943
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES