Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:10940


This item is only available as the following downloads:


Full Text
nananarMalrnl



--
I'
AHRO LII, RDBERO 84
Per qwrtel pag deitr* efe Mias,o i.' mez ,
dem depois ds 1.' lo dias daeco c dentrfe partel
Btrle at wrrei r imams ........ ,
DIARIO DE
: -mim
FEIfii
_____
tn pag dentro de i* das do i. mez.
Porte ae correio por an ana ,
<*$#
$
ENCARREGADQS DA SUBSCRIPCAO DO NORTE
Parahyba, o Sr. Antonio Alex?ndrno de Lima;
Natal, o Sr. Antonia Marques da Silva; Aracaty, o
Sr. A. de Leaos Braga; Geara, o Sr. J. Jos da
Oliveira ; Maranbo, o Sr. Joaquim Marques Ro-
drigues ; Para, os Srs. Geraido Antonio Alves &
Filaos ; Amazonas, o Sr. Jeronymo da Costa.
ENCARREGADOS DA SBSCRIPGAO DO SL.
Alagoas, o Sr. Clandino Falcao Das; Babia, o
Sr. Jos Martina Alves; Rio de Janeiro, e Sr. Jos
Ribeiro Gasparinbo.
' PARTIDA DOS ESTAFETAS.
Olinda, Cabo, Escada e estafes da via frrea at
Agoa Preta, ledos es dfas.
Iguarass e Goyanoa as segundas e sextas feiras.
Santo Antao, Grvala, Beierros, Bonito, Carnar,
Altintao, Garanhnns, Buiqne, S. Bento, Bom
Conselho. Agnas Bellas e Taeartt, nastergas
feiras.
Pao d'Alho, Nazaretb, Limoeiro, Brejo, Pesqueira
Ingaieira, Flores, Villa Bella, Cabrob, Boa Vis-
ta, Ouricury, Salgueiro e Ex, as quartas
feiras.
jSerinhem, Rio Formoso.Tamandar, Una, Bar-
reros Agua Preta e Pimentelras.nas quintas
feiras.
AUDIENCIAS DOS TRIBUNAES DA CAPITAL.

Tribunal do commercio: segundas e quintas.,
Relacao : tercas e sbado as 10 horas.
Fazenda: quintas s 10 horas.
Julzo do commercio: segundas as 11 horas.
Dito de orphos: tergas e sextas is 10 horas.
Prmelra tari n> etTel: torcas sextas ao meio
dia.
Segunda vara flo civel: quartas e sabbadts a 1
hora da tarde.
EPHEMERIDES- DO MEZ DE ABRHL.
8 Qaarto ming, ae 6 b., 22 ai. a 52 s. da m.
IS Loa nova as 4 h., 41 m. e 10 s. da m.
21 Qoarto erase, as 8 h., 12 m. e 4 s. da.t.
29 La cheia as 7 h., 4 m. e 14 s. da t.
DAS DA SEMANA.
9. Segunda. S. Demetrio a..; S. Hogo b.
JO. Terca. S. Ezequiel prof.;:& Terencio m.
11. Quarta. S. Leo Magno p. doot. da egr.
12. Quinta. Ss. Victor.e Vessia mm.
13. Sexta. S. Hermenegildo prineipe m.
14. Sabbado. S. Domnlna v.; S. Tiburcio m.
15. Domingo. S. Pancracio; S-. Bothiquio mm.
PREAMAR DE HOJE.
Primeira as 2 horas e 6 m. da tarde.
Segunda as 2 boras e 30 minutos da manhaa

PARTIDA DOS VAPORES COSTEIROS. '
Para o sul at Alagoas a 14 e 30; para o non*
at a Granja a 7 e 22 de cada mez; para Fernn
do nos dias 14 os mezes de Janeiro, margo, man
julbo, setembro e novembro.
-
ASSIGNA-SE
noRecife, nalivraria da praga da independencia
ns. 8, dos proprietafios Manoel Pigneiroa de Faria
& Filtro.
.
PARTE OFFICIAL
MI.YISTERIO DO IMPERIO.
Programma que se deve seguir no acto solemne do
baptismo de sua alteza o vrtnctpe, fitho di suas
altezas o Sr. duque de Saxe e a serenissma prin-
ceza aSra. D. Lepoldina.
O baptismo de sna altera far-se-ha no dia 8 do
prximo mez de abril as 11 boras da manhaa, na
capella Imperial; e havera nesse dia as salvas, re-
piques e luminarias do costume.
No a indleado collocarse-ho dentro da igreja
no logar conveniente sobre orna mesa coberta de
velludo verde: dentro de oras bandeja dourada a
veste candida; era um prato doorado a corda de
massapo guarnecida de pastilbas; e em outro pra-
to maior, tambera dourado, um cyrio lavrado e or-
nado ele ouro, ent torno do qual estarlo cravadas
em forma de cruz qualro pecas de lfi; bavendo,
alm disto, sobre a mesma mesa tres toalhas, de
que se bio de servir as pessoas que tiverem de con-
duzir aquellas insignias.
Em outra mesa dentro da igreja estarlo o sal e
a toalba rica coa que houver de eoxugar-se a ca-
neca de sua alteza na occasio de baptlsar se, bem
como o auto do baptismo, que, concluida a cere-
monia religiosa, sera lido pelo Exm. ministro do
imperio.
uneao e as mais ceremonias; Andas as qoaes, vol-
tara' sua alteza o principe para o segundo leito,
onde Acara' at que termino a ceremonia reli-
giosa. ^
Antes de se cantar o Te Deum, sera' lido pelo
Exm. ministro do imperio o auto do baptismo, que
Ibe sera' apresentado pela pessoa para isso Bornea-
da, a qual o tirara' da respectiva mesa para Ib'o
entregar, e assim que comecar o TeDeum, os re-
piques dos sinos e as girndolas de logeles ser-
virio de aviso as fortalezas h embarcacoes de
guerra, para que tenbam logar as devidas sal-
vas.
Findo o Te-Deum, e dlrigioio-se suas magosta-
dos imperiaes e altezas a fazer oracao ao Santissi-
mo Sacramento, ajoelaar-e-ha ao lado esquerdo
dos mesmos augustos senhores a dama com sua
alteza o principe nos bragos.
Ao sabir da capella do Sacramento, estara'
prompto o pallio, sustentado pelas mesmas pessoas
que o bouveram condnzido; e entrando debalxo
delle a dama com sua alteza o principe, ira' at a
capella do Senhor dos Passes, donde largando o
pallio, seguir' o prestito na mesma ordem em que
tiver ido para a igreja, at o paco, ende tera' lugar
o cortejo.
Secretarla de estado dos negocios do imperio,
em 20 de maree de 1866. Fausto Augusto de
Agniar.
Senhor.O Dr. Felippe Lopes Nelto, iendo sido
Dentro da igreja, no vio opposto do baptisterio, encarregado pelo governo imperial de estudar em
- diversos paites da Europa o rgimen das pristas
9* batalbio de infantera. I do tenente do corpo policial da provincia do Rio
Maooel Joaquim do Nascimento, 2" desercao sim- de Janeiro, Antonio Pacheco de Carvalbo, morto
_._ am enmhlla am 7 fia nnlohu J- lOCBf f\ X-
10 batalbio de infantaria. .
Antonio Gomes Wanderley, 1' desergao sim-
ples.
Extincto corpo de guarnigao de Pernarabueo.
Joo Paulo do Nascimento, 1' desergao sim-
ples.
Recrutado, sem corpo.
Epiphanio Flix da Silva, 1* desergao sim-
Palacio do Rio de Janeiro, 30 de margo de 1866.
Angelo Moniz da Silva Ferraz.
INTERIOR.
RIO lE *ANEIBO
26 de marco.
Por decretos de 23 do correte foi deroiltuto do
lugar de thesonreiro da alfandega de Pernarabu-
co Joaquim Jos de Miranda e aposentado no de
era combate ; em 7 de outubro de 1865, D. Ma-
na Benta de Athayde, viuva do tenente da guarda
nacional do Rio Grande do Sul, Israel da Silva
Moraes, morto em combate, de 5045 anouaes ; em
11 de novembre de 1865, ao soldado do 3 bata-
lhao de infantaria Amaro Jos, ferido em cura-
bate, de 400 rfs diarios.
f Arl. 2* Estas pensoes serio pagas desde a
data das respectivas eonces$d"es.
c Art. 3 Ficam revogadas as dispos>gues em
contrario.
Adopton en! seguida, igualmente sem debate, o
seguate projecTo :
c A assembla geral decreta :
* Arf. 1 Ficam creados os seguales collegios
eleitoraes :'- '
c l* Na villa, de Serpa, composto das freguezias
de Serpa e Sirvin, na provincia do Amazonas.
2 iNa villa de Borba, na mesma provincia,
pXlrl6,'tor9sdas freguezias de wrouam, | para que a voz de quem implora se'nao perca no
uorba e tarara., deserto,
t A nova treguezia
Eu, filho daqnelle povo, que approuve a Deus
conservar, ebego ao meio de vos, americanos, e de-
pois de ter mostrado a triste sorte da minha pa-
tria, pego-vos que ajudeis, conforme poderdes, as
victimas expatriadas. Ha 20,000polacos que esca-
pa ram ao inimigo e erram em torras estranhas.
Ha entre el les moitos feridos, criancas, molheres
respeitaveis, velbos. Desejamos dar p3o quelles
que nao podem trabalbar, dar educaco as crian- I
cas e aos jovens para que el les sejam cidados dig-
nos de servir a patria, O vosso bolo sera' escru-
puiosamente conservadero proveito dos desgraca-
dos riibos da Polonia. A vossa offerta sera' aara-
davel a Deus. "
Nao cessaremos de pedir ao Senbor que espa-
Ihe as suas gragas sobre os caridosos amigos da
Polonia, e nao duvidaroos gue o sangue Innocente,
as lagrimas, os padeciroeotos e as oragoes dos in-
felizes faro muito ante Deus para que elle atienda
a voz da sna ereatura.
Trata-se de soccorrer desgragados, e tanto basta '
dar seis eieitores, conti-
nuando as outras duas a dar o mesmo numero que
thesoureiro da recebedoria da mesma provincia "a Jta*lme'e-
Jnannim Mara Aa r.aruaihn ,c 3* Na villa do Codo, provincia do Maranhao,
no qual se reupirao os eieitores da respectiva fre-
ao la J j direito da entrada, se collocar o primeiro
leito para sua alteza, e junto delle estarlo duas ai-
mofadas de velludo sem guarnigao, que servirio
para a ama. Ao lado direito havera urna mesa e
sobre ella um sacco de velludo com os preparas
necessarios para a pensadura de sna alteza.
No logar do costume se preparar outro leito
em ludo idntico ao primeiro, e com os mesmos
objectos que se mandara eollocar junio daqnelle.
Nos lugares proprios, dentro da capella-mr e no
corpo da igreja, se levautaro os thronos de S. M.
o Imperador com docel e espaldar.
Na manhaa do dia do baplisade, dous respostei-
ros, acoropanhados de dous archeiros, condnziro
em jarros de prata a agua que bouver de beozer-
se, e a lancaro na pia da capella, Qcando de guar-
da a mesma pia dous arebeiros at ao lira do bap-
tisado.
Joaquim Mara de Carvalbo.
-------- i -* au :m
O Sr. ministro da fazenda determinou ao thesou.
reiro das loteras da corte :
1" que formasse a lista de 16* lotera em benefi-
cio dos servidores do Estado, e que a publicaste,
annunciando o pagamento para o da seguinte ao
e os seas resultados, prestou no desempenho desta da pn&licagao, iendo em visu que na orgMisacao
commissao servigos pelos quaes digno de remu-
neragao. E acbando-se comprebendidos estes ser-
vigos nos de que trata a segunda parte do 3 do
art. 9 do decreto n. 2853 de 7 de dezembro de
1851, ten no a honra de propor a V. M. imperial
que se digne nome"a-lo cornmendador da ordem da
Rosa.
Son, senbor, com o mais profundo respeito de
V. M. imperial subdito reverente. Mrquez de
Olinda.
Altendendo aos servlcos que prestou ao estado
o Dr. Felippe Lopes Netio no desempenho da com-
missao de que foi encarregado pelo governo impe-
rial de estudar em diversos paizes da Europa o
rgimen das prisSes e os seus resultados; e de
Um reposteiro ter prompto na sacrista a agua 9 do decreto o. 2856 de 7 de dezembro de 1861:
bei por bem nomea-lo cornmendador da ordem da
quente ne :essaria para ser temperada pelo medico
da imperial cmara que tiver a honra de ser no-
meado, e que houver de servir no baptisado.
As muiberes dos ministros de estado, dos conse-
lbeiros de estado, dos grandes, dos camaristas, dos
veadores, e dos offlciaes-inres, assim como as ti-
tulares viuva.-, oceuparo as tribunas das damas,
as dos guarda-roupas e mdicos da imperial cma-
ra, a denominada de S. Sebastiao, para as quaes
sero cooduzidas do paga, onde devem reunir-se,
pela pessoa que disso tur encarregada,
As muiberes dos senadores e deputados que nao
pertencerem a alguma das classes mencionadas no
paragrapbo antecedente, oceuparo, bem como el-
le.-, as tribunas que Ibes forera designadas.
corpo diplomtico ir para a respectiva tribu-
na, podando esperar o prestito no salao denomina-
do do principe.
Quando Sua Mogestade e Imperador ordenar,
ir a dama de sna alteza a serenssima princeza a
Sra. D. Leopoldina a respectiva cmara, onde, re-
cebeudo principe, o conduzira' nos bragos para a
sala do docel entre os augustos padrinhos.,
D'abi sahira' o prestito por dentro do pago na
seguinte ordem:
As pessoas que fermam a corte :
A dama de S A. a serenssima princeza a Sra.'
D. Leopoldina com o principe recero-nascido nos I
braco- entre S. 11. o Imperador, padrinbo e S. M.
/mperatriz, representante da augusta madrinha,'
Rosa.
Palacio do Rio de Janeiro, em 23 de margo de
1866, 45 da independencia e do imperio.Com
a rubrica de S. M. o Imperador. Mrquez de
Ofenda.
delta devem ser contemplados os 2,000 premios, e
por consegrante devem apparecer com premies re-
petidos os nmeros que os tiverara :
2* que iendo se dado a oceurrencia de appa-
recer urna centena de nmeros sem premio algam
qae aquella que nio entrn para a roda, deve o
mesmo thesoureiro declarar por ama nota no flrn
da lista que cada numero da referida centena ter
o premio de 120, se nao fr altendido o recorso
que elle interpoz da deciso do presidente das lo-
teras, qae o multou ;
3" que a respeifo da centona repetida nenhuta vin
inconveniente ha qae sejam pagos, os premios maio
res que tiverem sabido aquellos nmeros qne ob
tiveram dous premios, devendo elle outro stm en-
conformidade com a segunda parte do j 3o do art. ,rar P"* tbesouro com os premios menores da
repetico.
27
O senado approvou bontem um requermeoto do
MIMSTERIO DA JUSTINA
Desojando manifestar por actos de miaba impe-
rial clemencia o respeito e veneragao qae consa-
gro ao da de boje, em que a reja celebra a Sa-
grada Paixo e Morte de Nosso Senbor Jess Chris-
lo, bei por bem, usando da altribaicao qae me coo-
fere o art 101, 8 da constitaico, perdoar as pe-
nas a que esli condemnados os reos, cojos nomes
n.onstam da reiaqao qae coa este baixa, assigoada
pelo senador Jos Tbomaz ."Sabor i de Aranjo, do
mea conselho, ministro e secretario de estade dos
negocios de justiga, assim o tonba attendido e faga
executar.
Palacio do Rio de Janeiro, em 30 de margo de
1866,45 da Independencia e do imperio.Com a
rubrica de S. M. o Imperador.Jos Tltomaz Nabu-
co de Araujo.
llELAgiO A ijl'E SE BEFERE 0 DECRETO SUPRA.
Lucio d'Avilla Cabral, a pena de gales perpe-
tuas.
Joaqaim Aadr de Azevedo, a pena de gales per-
petuas. .
Joo Manoel de Araujo, a pena de gales perpe-
S. A. imperial e suas altezas.
Ao chegar a dama com S. A. o principe a porta I *"'
queda'entrada para .a capella do Senhor dos Pas- '--.i ,!. Rarrarhn n tnmnn anana
sos, os mogos.da cmara, ou os que flzerem suas \Jfg* JfiKjiW K S
yetes, que ate enlao estavam ah sustentando o pal- ( de prsj0 B*",,FM vu* uo *" *UUU3 """
Alexandre Jos Martin?, o tempo qae Ibe falta
lio, e eotregao as pessoas nomeadas para o con
duzir; e estas recebero debaixo delle a mesma
dama com sua alteza o principe nos bragos entre
os augustos padrinhos.
Ao chegar o pallio ao primeiro leito, as pessoas
que o conduzirem o entregarlo aos mesmos de
quem o recebero, os quaes iru postar-se com elle
junto da referida mesa e a dama deitara' sua alie*
za o principe recem-nascido no primeiro leito, de-
vendo lauibera all acnar-se a ama.
A este tempo o moosenbor vigario capitular da,
diocese, na qualidade de vice capeUo mor, tera'
eite a aspersao a suas magestades imperiaes e al-
tezas.
E concluido isto, iro as mesmas augustas pes-
soas fazer orago na capella do Saolissimo Sacra-
mento acompanbadas da sua comitiva.
Depois que o monsenhor vigario capitular, na
qualidade de vice capallo mor, tiver purificado as
mos, a dama ira' buscar ao primeiro leito dentro
da capella sua alteza o principe, que sera' condu-
zido debaixo do pallio sustentado pelas pessoas, pa-
ra isto designadas, indo adianto o rei d'armas,
para curoprir a pena de 20 annos de prisa".
Chanta Lisboa, o lempo que Ibe falla para cum-
prir a pena de 20 annos de priso.
Felippe Simue? de Oliveira, o tempo que Ihe fal-
ta para cumpnr a pena de 12 annos de priso.
Joaquim Candido Carneiro Monteiro, o tempo que
ihe falta para cumprir a pena de 7 annos de priso
simples.
Belisario Gongalves, o tempo que Ibe falta para
cumprir a pena de 6 annos de priso.
Joao Paulo Teixeira, o tempo que Ihe falta para
cumprir a pena de 2 annos, 2 mezes e 25 dias de
prisa i e multa.
Jos Gr y, a pena de 6 mezes de priso e malta
correspondente a metade do tempo.
Julia Augusta de Lima, a pena de um mez de
priso e malta correspondente a metade do tempo.
Sebastiao Jos dos Santos, a pena de um mez
de priso e malta correspondente a metade do
tempo.
Jos Angosto de Carvalbo Costa, a pena de 15
de estado acerca da companhia Fenry.
O Sr. Ultoni motivoo ara reqaerlmento per yan-
tando se o general Mi.re commandou era chufe o
exercilo alliado em frente de Uruguayans : na af-
nrmativa, se o commaodo em ebefe dos eXeroitos
alliados operando dentro do territorio brasileiro
esta garantido ao mesmo general pelo tratado da
guezia.
8 4 Na fiUA de Cuit, provincia da Parahiba
do Norte, comptehendendo os eleilores da mesma
villa e os de Pedra Lavrada.
t | 5." Na TIla de Sam'Anna de Acarac, pro-
vincia do Geir, composto dos eieitores dessa fre-
gnezia. *
a S 6.* Na villa de Santa Quitea, na mesma
provincia, eotposto dos eieitores dessa freguezia e
dos da freguezia de Tamboril.
| 7. Na Tilia d'Agua-Preta, proTincia de Per-
nambuco, composto dos eieitores da'respectiva
frgoezia.
8 Nf-fwgoezia de Qaebrangul>, provincia
de Alagoas, composto dos eieitores da mesma fre-
guezia.
8 9. Na Wlla de Santo Antonio da Barra, pro-
incia da Babia, composto dos eieitores das fregue-
zias do respectivo municipio.'
< S 10. .Na villa do Bom-Conselho, na mesma
provincia, composto dos eieitores da respectiva
freguezia.
< S 14. Na Hila do Conde, na mesma provincia,
composto dos eieitores da mesma villa.
12. Na etrtade de silveiras, provincia de S.
Sr. Danta?, pedindo copia do parecer do conserbo Paulo, composto das parochias de Sllveiras e Sap
e elevados ao numero de 16 os eieitores da paro
cbia de Silveiras.
< 13. Na villa de Xiririca, na mesma provin-
cia, na qual se reuniro os eieitores della com os
de Iporanga Juquia e Jacapiranga.
< S ''*- Na eldade de Santos, na mesma provin-
cia, na qual se reuniro os eieitores dessa cidade e
trplice aHIanga, ou por explicagSes trocadas pos- os das villas de Nossa Seohora da Conceigo de
teriormente ; se o referido commando. em chefe Ilaobiem e S. Vicente.
dos exercitos alijados operando dentro do territorio; 15. Em S. Francisco das Chagas de Campo-
brasileiro um direito pessoal coocedido a S. Ex Grande, provincia de Minas-Geraes, composto dos
exclusivamente, ou se tambera extensivo ao ge- eleilores da freguezia do mesmo neme.
neral Flores. Pediodo a palavra o Sr. Si e Alba- > 16. No" municipio de Alienas, na mesma
qaerque, dcou esto reqaerimeoto adiado para ser provincia, eowposio dos eieitores das freguezias do
discutido sabbado prximo. mesmo motietpii.
Poi em seguida motivado pelo Sr. visconde de < 17. Na villa de S. Joo Baptista de Arassna
Jequilinhonha, e sem debate approvado, um re-
querimenio pedindo informaedes ao governo sobre
o qae occorrea em Lisboa relativamente ao cida-
do brasileiro, nascido no Para, chamado Rocha
Oliveira, e processo que se intentou para nao Ihe
ser reconheoida a onalidade de eidadio brasileiro,
e xito que teve esse processo.
Passando-se a ordem do dia foi approvado em
segunda discusso o projecto determinando que as
hy, na mesma provincia, composto dos eleilores das
freguezias do termo.
18. Na villa de Gua-ycnhi, na mesma pro-
vincia, composto dos eieitores dessa villa.
19. a villa da Ponto-Nova, comarca de Pi-
racicaba, na mesma provincia, composto dos eieito-
res das freguezias que constituem o termo da mes-
ma villa.
20. Na villa de S. Paulo de Muriah, 00-
companhias ou emprezas, as quaes for ou estiver marca do mesmo nome, na mesma provincia, com
' posto dos eieitores das freguezias que constituem o
termo da mesma villa.
< 21. Na villa do Principe, provincia do Para-
ca, composto dos eieitores dessa villa e dos das fre-
guezias de Palmeiras e Rio-Negro.
< 22. Na villa de Nossa Senhora do Alto- Pa-
raguay Diamantino, provincia de Mato Grosso, com-
concedida a isengo de direitos de importarlo,
apresentem ao governo os orgamentos das obras e
quanttdade dos objectos qae tiverem de importar
em cada anno floanceiro.
Entroa depois em primeira discassao a indica-
gao do Sr. Prannos sobre atterago dos arts. 16 e
17 do regiment interno do senado, com o parecer
da mesa n. 43. Oraram os Srs. Penna e Jobim, e: posto dos eieitores da mesma villa e dos da Tilla de
nao bavendo numero legal para votar-se flcou a | Nossa Senbora do Rosario do Rto-acima.
discusso encerrada. 23. Na villa de S. Gabriel, Rio-Geaode do
I Sol, comprehendendo as respectivas pareotuas.
A cmara dos deputados approvou bontem em a 24. xa villa do Passo Fondo, ni raesma
primeiro lugar, sem debato, a segninle emenda do ; provincia, comprehendendo os respectivos eieitores,
senado : : os da Soledade e os da Lagda Vermelha.
Art. Io Os menores de 18 anaos, filhos dos on> | Art. 2. Os eieitores de Parapanam, provincia
ciaes das diversas classes conlribulntes do monte-. de S. Paulo, votaro de ora em diaote no collegio
pi de marinba tera direito ao mesmo monte pi, e lupiioinga, pertencente ao terceiro-distrieto.
... --?-? ia' > dias de priso e mulla correspondente a metade do
arauto e passavante, logo depois as pessoas que le- K
varem as insignias por sua ordem e em ultimo lo- ( p|;|a-cjo ^ R0 de Janeif em ^ de ma de
gar a dama com sua alteza o principe. 1 i866.-Jos Thomaz Nabuco de Araujo.
Logo que o rei d armas, arauto MM Por decreto da mesma data, foi coromutoda em
chenarem a quadratura, pararao, e, entrando as ^^ {o f Saa(a Jbmvu de
pessoas que conduzirem as Insignias, fetas u; de- ^J^J de prI/o sjmp|9S e raQ|,a correspon-
das reverencias a SS. MM. imperiaes e Itetav^ melad9^o tempo, a que foi condemoado
mssnr^s^ asb vs&s, ^ #*-*?!* aa,cipa. da f
poroumbem u toalhas, e iro incorporar-se a < ^'JXT^StS^^^^Z
'%*'m4 era' ~jmJUB*3SWZ JSSJfrtJBt
sentado ao moosenbor vigario capitular, na quau- j. *
dade de vice capello mor, no corpo da igreja,,w "
acompanbado pelos augustos padtinbos.
Permaneceodo todos em p, a excepcao do mon-1 __-_,- ris-uHA .
senhor vigario capitular, na qualidade de vice | MIlfI8MO A CIERRA.
capello mor, este fara" as interrogacoes, e exprs- < Desejando manifestar por acto de mlnha impe-
sar todos os nomes de sua alteza o principe re- rial clemencia o profondo respeito e veneragao que
cem nescido. os quaes estaro escriptos em um tributo ao da de boje, em que a igreja cammemo-
carla0 ra a Sagrada Paixo e Morte de Nosso Senbor Je-
O augusto padrnho responder' as pergunto, e sus Christo, e asando da attrlbaiclo que me con-
descobrra' o peito de sua alteza o principe, quan- lere o arl. 101 8* da conslituicao, hei por bem in-
do se flzerem as cruzes. [ dalur aos soldados do exercito, mencionados na
Concluidas estas ceremonias sera' sua altexa o relago que com este baixa assigoada por Angelo
principo levado para o segando leito, tomando os Moniz da Silva Ferraz, do meu conselho, ministro
angostos padrinhos o throoo do corpo da igreja. e secretario de estado dos negocios da guerra, o
Peito isto, se dirigir' o moosenuor vigario cap-, enme de desercao qne commetleram. O mesmo
talar, na qualidade de vice capello mor, ao meio ministro e secretario de estado dos negocios da
da igreja, onde se achara' sua alteza o principe
o tonba ontendido e faca execu-
onde se achara' sua alteza
acompohado dos augustos padrinhos, pronuncia-
ra' as palavras lngredere m templum, e entio en-
trarlo todos at aos consetbos da eapetia-mor pera
terem logar as ceremonias do eetylo.
Concluidas as ditas cerenmias, sera' sua alteza
o principe levado para o segundo leito, onde ftoara' 1 rklaqao dos soloados do bxbrcito qub por decri-
guerra, assim
tar.
Palacio do Rio de Janeiro, em 30 de margo de
1866, 45* da independencia e do imperio.Com a
rubrica de S. M. o Imperador.AnoW Moniz da
Silva Ferraz.
na falta de lilhas solteiras ou viuvas, e smenle
at aquella idade sem sobrevivencia de uas oara
oairos.
Approvou depois, em urna s discassao, tambera
sem debate, os seguintes projectos :
< Art 1 Pica approvado o decreto de 48. de
agosto de 1863, pelo qual foi concedida ao raajor
reformado do exercilo Joaquim Correa de Pana a
penso annual de 5044, em aitougo.aos relevantes
servigos por elle prestados. 1
< Art. 2 Esta penso ser paga desde a data da
concesso.
< Arl. 3 Ficam revogadas as disposicoes em
contrario. > 1 :,
< ArL 1 Ficam approvados. os decretos pelos
quaes forara concedidas pensos, em dala do 24 de
setembro de 1865 a D. Virgilia Toonuaia da Asa-
vedo, viuva do tenente do 7 batalbo do iianuria
Collatmo Teixeira de' Azevedo, morto em eouse-
quencia de ferimenlos recebidos em combate, da 1
metate do sido que percebia o dito tenente. sem
prejuizo do qae por iei Ihe competo; em 7 de ou-
tubro do mesmo anno, a D. Mara Ferreira de Oli-
veira, viuva do capito da guarda nacional da pro-
vincia de S. Pedro do Rio Grande do Sul Joo
Antonio Presten de Oliveira, morto em conseqoen-
cia de ferimenlos recebidos em combate, da quan-.
lia de 7204 ananaes; em 17 de fevereiro do cr-
reme auno, a O. Delmira do Amor Divino Pinto,
viuva do alteres do 5* bata Iho de infantaria An-
tonio Gregorio Pinto, fallecido era campanha, de
36 mensaes : a D. Cordolina Alves terreira, Tin?.
va do cirurgio-mr Dr. Jos Sergio Ferreira, tal-
lecido em campanha, de 844 mensaes em 10, de
fevereiro ultimo, a D. Mara do Carmo Ferreira,
com sobrevivencia da metade desta quantia para
sua Qlha D. Escolstica Maria da Conceioao, mi
e irm do capito-tenente Bonifacio Joaquim de
Saot'Anna, morto em consaqnencia de leriraentos
recebidos em combate, de 84 aensans; a a Ma-
ria Deoiinda de Carvalbo Monuury, vinva do 1*
tenente Joio Baptista de Oliveira Montaury, mor-
to em conseqaencia de molestia adquirida na cam-
panha, de 720a annoaes; a D. Antonia Maria dos
do It* batalhao
< Art. 3.* A freguezia de Santa (jai tena, do ter-
i rao da cidade de Sabara, na provincia de Minas-
I Geraes, dar' de ora em diante 10 eieitores.
Art. 4." Ficam revogadas as disposicoes em
I contrario.
l Continuou em ultimo lagar a segunda discusso
da proposta do governo para a lei do orgament no
exercicio de 1866 a 1867, na parte relativa ao mi-
nisterio do imperio. Oraram os Sis. Jos Bonifa-
cio e ministro da guerra, finando a discusso adiada
; pela hora.
i Foi otferecido o seguinte projecto:
c A 5* commissao de ongamento, examinando a
proposta do governo qn fixa a despezado ministe-
rio da guerra para o exercicio de 1866 a 1867,
tem a honra da presentar o seguinte projecto:
< Art t.0 O ministro e secretario de estado dos
negocios da guerra antorisado a despender a
quana de 14,533:7^24137. ,
A saber :
c S 1. Secretaria da estado..... 212:1034000
t i i. Conselho supremo militar 3,7:7604000
t 3. Pagadura das iropas da
c6rte......,.;............, 33:0604000
I 4. Archivo militar e orBcina
ythogravtaica............... 27:6954000
t 8 Iwtruooio militar...... 284:7744000
c I t\ Arseuaes de guerra e r-
meseos de artigos bellicos... 2,617:6304391
a 7. Carpo de sade e hospi- i.- -
taes...............,....... 719:9794600
.!&.. Elercito....-,..... 7,652:47.64550
9. Coramissoes militares... 101:1764000
40. Classes inactivas....... 592:6714829
II. Gratifleacoes diversas e
judas de cuito.............. 316:0004000
8 12. Fabricas.............. 20;OOO4OOO
1 13. Presidios e colonias mi-
litares...................... 356:6114650
8 14. Obras militares...:.... 600:0004000
t 1 15. Diversas despezas e
eventuaes..................' 800:0004WO-
Emendas ao % 1*.
c -Nao sero preenebidas as vagas que se de-
rem da um chefe de secgo, de na 1* offlcial e na
O Sr. bario de S. Lourenco, obtendo a palavra
hornera no senado, conecoa a motivar um reqaeri-
mento que declarou versar amplamente sobre as- i
sumptos cooceroeotes a' magistralura.
Ealendendo o Sr. presidente qae o orador nao
se restringia aos termos era qae o regiment per- '
raitte a jasiiOcago previa dos reqoenmentos, fez i
sentir isto a S. Ex.; continuando o orador, insisti
o Sr. presidente na sua advertencia, declarando
que torta de consultar a easa.
t Deste incidente resuitou com effeito tal consol-
tt, e o senado decidi que o Sr. baro de S. Loo- '
rengo poda continuar o se 1 discurso.
t Deixou entSo o Sr. visconde de Abaet a ca- '
deira da presidencia, indo tomar assento eotre os '
Srs. secadores. O Sr. bario de S. Loarengo, de-
sstindo da palavra, senton-se.
O Sr. visconde de Abaet, fallando pela ordem,
solicitou sua exoneTagao da presidencia, por acre-
ditar qae, degois da deciso qae o senado acabava
de dar, rallara a S. Ex. a forga moral para conti-1
nuar a dirigir, os trabamos da casa.
Consultada esta pelo Sr. i.' secretario, qae es- '
lava na presidencia, resol vea por todos os votos I
presentes (menos o do Sr. baro de Pirapama)
nao aceitar a renuncia feita.
O Sr. visconde de Abaet, obedecendo a' deci- ,
sao do senado; reassumio imraediatameote a presi- !
dencia, e dea a palavra ao Sr. Ottoni, que justiQcou i
o seguinte reqaerimeoto.
Reqaeiro qae se solicite do goverao, pelo !
ministerio da fazenda, a correspondencia offlcial
eotre a mesma repartigo e o negociador do em-
prestimo feito em Londres o aono passado. T.'
Ottom.
Foi esto reqaerimento apoiado e pesto em dis-
cusso, ficaodo adiado para o sabbado seguinte em
consequeocia de ter pedido a palavra o Sr. Dias de |
Garvalho.
O Sf. visconde de Jequitinhonha justiflcou tam- '
bem o seguinte reqaerimento, que foi apilado, pos-
to em discusso e sem debate aprovado :
* Reqneiro que se pega ao governo copia im-!
presea da correspondencia diplomtica entre o go-
Urna Imperial e o de M. tidcliMma, o aUC o
de S. M. ftdelissima e o de 8. M. a ratona de logia-
trra, relativamente renovaeao das relagoes di-'
plomaticas entre o governo imperial e o da Gr-1
Bretanha, sendo completada a mencionada puolica-
co com a de todos os documentos relativos a esta
questo internacional, alada nao impressos. Vis-
conde de Jequilinhonha.
O Sr. Souza Franco josliflcou por flra, o seguin-
te addltamento ao reqaerimento do Sr. Oltoni:
i Peca-se igualmente copia do contrato do
mesmo era prestimo.
1 Pedindo a palavra o Sr. Dias de Carvalho.coa
este additamento adiado na mesma forma que o
reqaenmenta
< Entrndose na ordem do dia, foi posta a votos I
e approvada para pasear a 2.a discusso a indica. I
gao do sr. Paranhos sobre additamentos aos arts.
16 e 17 do regiment do senado.
< Seguio-se a 2.a discusso do projecto conteodo
a tabella das verbas do ornamento para as quaes o I
governo tera a facoldade de abrir crditos supple-1
mentares. Depois de algumas obser vagues dos Srs.
Dias de Carvalbo e Paranbos, e a requerimento do
primeiro destes senuores, Qcou a discusscdeste
projecto addiada para quando se tratar da lei do
orgamento.
Poudo-se em 2.' discassao o projecto .qe au-
torisa a dispensa de comparecimeoto, as oficinas
dos arseoaes de guerra e marinba, dos raestres e
contra-mestres qae contarem mais de 30iannos de
servigo e no'puderem mais trabalbar, conservan-
do suas diarias, foi adiado e remettldo a" commis-
sao de marinba e guerra, a reqoerionento do Sr.
Penoa, que o justificou, e depois de algumas obser-
vagoes do Sr. Jobim.
Entrn em 1.* discusso o projecto declarando
que o simples legado ou doago de servigo, por de-
terminado tempo, sem clausula expressa de voltar
ao captiveiro, consiitue livre o venlfe. Oraram os
Srs. Dantas e viscoude de Jequitinhonha, e flcou a
discusso encerrada, nao se votando por nio baver
presente numero de senhores senadores suficiente
para haver casa.
t Honlem nao houve sesso na cmara dos depu-
tados por falta de numero legal.
durante a lavanda e mudanza de paramentos bran
eos.
Logo qne o moosenbor vigario capitular, na qua-
lidade de vice capello mor, es'iver paramentado
de brinco e de mitra, e ebegar sna alteza o prin-
cipe subiro os augustos padrinhos ao presbyte-
rio.
A este tempo se dirigir' o medico ja' designa-
do, acompanbado de um reposteiro, que levara'
agua qoeoie Dr a credencia, onde temperara' a
agua bent, metiendo nella a mo com venia do
noaieibor vigario capitular na qualidade de vice
capello mor.
Seguir re-ha o exame di f, a que responder
o angujio padrinbo; e logo depois o baptismo, a
T0 DISTA DATA SAO PKRD0AD0S DO CRMU DE DR-
SRCA5 QUE COlimtTTRRAM.
4" batalhao de artilharia a p.
Gemlniano Roberto, 1* desergao simples ; Seve-
rio Jos Francisco, 2* desergio simples.
2* batalhao do infantera.
Domingos Gomes do Rosario, 2 deseco sim-
ples ; Justino Regis da SlWa, i" desercao sim-
P 6S' 6* batalbio de infantera.
Manool Lolz de OliTeira, 1 desercao simples..
7* batalbo de infantaria.
Manoel Martlns de OliTeira, Joo Baptista da Sil-
va e Francisco Isidoro do Nasclfnento, i dese^io
simples.
Santos Garrocbo, mal do tenente
de infantaria Fernando Mariins Garrocbo, fallecido na 1' directora, de tres 2** escripturarios o um
em campanha, 5044 annuaes, seo prejuizo do 3 na 4'.
< Nao podem ser empregados offlciaes do ser-
vico activo do exercilo as qnalro reparligoes per-
teneentes i secretarla de estado, salvo nos lagares
de chefe de seceso e de director,
Ao i 9. Reduza-se a verba de 101:1704000 a
80:0004. M ,
Ao J II. Supnrima-saa palavra gratlficacoes
o que percebe; em 29 de novembro de
1865, a D. Aurora Jaciniba de Lima, viuva do m-
sico da 2* eiasse do 3* batalbo de infantera Ma-
noel Tiburcio Valeriano, morto em combato, de
400 ris diarios; em 13 de Janeiro ultimo, a D.
Marcelnda Clara de Mello Carvalbo, vinva do Ia
tenente da armada Alvaro Augusto de Carvalho,
morto em consequencia de flrimentos receblio*
em combate, de 720# annuaes.
< ArL 2a Essas penseos serie pagas desde a
dato das respectivas coocessdes.
t Art. 3* Ficam revogadas as disposigoes em
contrario.
* Art 1* Ficam approvados os decretos pelos
quaes foram concedidas peiuoes, em 17 de leve,
reiro do correte anno, elevando a 424 a peosio
de 354 concedida por decreto de 13 do dito mez a
D. Anua Jos de Lamare L,essa de Onf yalbo, viava
e reduu-se a va.ba de 316:0004 a 200:0004.
c Ao S 15. Snanrimam-se as palavrasdiversas
reduu-se a varia de 8**QfJ0* a 600:0004.
Sala das aoanxissds, 2dde marco de 1866.
Caslmiru Mannreira. Barbosa da OliTeira.F.
Carien Brandan.
c Entre tambern bontem de Montevideo e poitos
do sul do imperio o vapor- Brasil.
t As dates do Rio da Prata sao anteriores um
diaa's qne nos troaxe o.Kepler.
t As da provincia de-S. Pedro do Sal sao: Porto-
A legre 17 e Rio Grande 20 do corrente.
< Nada occorrera de maior importancia na refe-
rida provincia.
t O Jornal do Commercio, tolda da capital, an-
nuncia qne-o Sr. visconde da Boa-Viste passari o
governo ne 1.* vice presidente e partir' at ao
dia 20 para Buenos- A y res e Montevideo e depois
para esta corte.
c Estavam nomoados membres da commlssio
que tem de dirigir a exposigio provincial os Srs.
Dr. Israel Rodrigues Barcenos, Br. Francisco No-
nes de Miranda, Dr. Manoel'Pereira da Silva Uba-
mba, Joao Guilberme Ferreira e Francisco Xavier
daCnnna.
t Na nolte de 10 para 11 houve em Porto-Ale-
gre un Incendio, que o Aorrcanii noticia nos ter-
moi seguintes : at .-
. < A nossa cidade acordou-se sobresaltado na noiie
de sabbado para domingo, as 3. horas, palos recla-
mos e rebates qne rompiam de todos os ngulos,
Qas igrejas e nos clarins, conoitendo soooorro para
um Incendio que se fnanieutava ja' adianiado e
muito intonso. _.
. Com effeito, o armaz,eaj dos Srs. Moyses, fina
& C*, deposito de secca e molbados, i roa dos An-
dradas, contiguo ao hotel do commercio, arda, to-
mado por um intenso fago qae adquiri origen no
meio do edificio,
a Os eswrcos da forga publica e de alguns par-
ticulare foram promptos e decllTos, derendo so a
essa energa quasi desesperada o conseguirse do-
minar o (ogo dentro de algumas bragas do pri.mli-
tivo fooo. _. ., ,
t O Exm. Sr. presidente da provnola foi dos
primeiros a comparecer.
Achavam-se presentes quati todas as autorida-
des administraUvas e militares de maior hierarchia,
t O Sr. tenento-coronel Lima e Sitoa, com sen
aldante, maw siguas empregados e o pessoal do
ser^p uo artenat, entre o quaes os menores o o
,^H -."> nruw tnrmaram urna
O Rrd. conego Carlos Minosiewski, presidente
da comnrlselo polaca de soccorros fraternaes, lri- fi,,mrai
jaste cidade, conelnindo nisn :
va com admiravel desembarago- e enthusiasmo s
ordens do seu digno chefe. Assim foi-qne i bomba
confiada a ella e nutrida com indomavel energa
se deve cm mxima parte a sujeigo do inceodio.
< A guarda nacional e sua briosa offieialidade
prestaram tambera servigos valiosos.
< A bomba que pertenceu a urna companhia de
seguros do Rio Grande, de que gerente aqu o
estimavel commerciante Sr. Jos Hebert, e que se
acha a contento no arsenal, demonstrou anda urna
vez a sua superiondade e forga.
Durante lodo o lempo do conflicto esteve pre-
sente o Exm. Sr. presidente, que nao delxava de
dar ordens no interesse da melhor direceo e pres-
teza do servigo.
Alguns particulares com louvavel coraeemex-
puzeram-se, contribuindo po- seus esforcos, nao
pouco, para que o fogo se circumscrevesse a um
espago relativamente pouco extenso.
u fugo se originoa na cozinbado hotel do Gom-
mercio, que eslava situada por cima do arroazem,
justamente no meio da casa.
A parte do armaz- m correspondente oeziaga
assim come esta arderam inteiramente..
< O prejuizo em caixas de assucar e oulros g-
neros um tanto consideravel; tocando aos Srs.
Francisco de Lemos Pinto e Jos Antonio Coelho
Jnior urna boa parle pela destruigao e deteriora-
cao dos gneros qae all tinnam em deposito.
< Consecutivamente tera se trabalhadoem remo-
ver os entulnos do incendio e em extinguir total-
mente o fogo, que anda respira sob as ruinas.
As folhas do Rio Grande, referindo-se a cartas
de S. Borja, noticiara que urna, forga paraguaya,
passando o Paran no passo de Itapua, se postara
em batalba, no dia 23 de fevereiro, anta a vanguar-
da do exercito do general bario de Porto-Alegre,
coramaodada pelo brigadefro Pcrtinho.
E que nao ha muito que os nossos correspondentes e
as folhas do Rio da trata davam aqpelle exercito
em S. Carlos, cnegando as avangadas a Uapua em 4
do corrente.
O noticiario a que nos referimos esto :
Diz o Diario de 14 :
De urna carta que recebemos do exercilo ao
mando do Exm. Sr. bario de Porto-Alegre, datada
de 24 de fevereiro, de Corriente-, lomamos o se-
guinte :
Agora (il boras da manhaa ) chegou a noti-
cia, transmitida pelo brigadeiro Portiobo, que faz a
vanguarda do nosso exercito, que urna forga para-
guaya acha-se distanto de nos 14 leguas, iendo pas-
sado o Paran por Itapua.
Incontinente o baro de Porto-Alegre den or-
dem para seguir urna brigada em auxilio do T-
lente general rio-grao den se, e como nao se sabe o
numero da forga, estamos todos promptos primei-
ra voz para marchar para a frente. A infantaria
que temos nao muita, porm o valor dos soldados
brasileiros suppriri o numero. *
L se no Commercio de Pelotas :
< Ante-bODtem chegou do tterval um proprio
conduzindo cartas que nos transmitiera ama noticia
pouco agradavel.
< Fomos obsequiados com urna deltas dirigida
por pessoa de todo o conceito a oulra respeitavel, e
que nos merece toda a onfianca. qne aeaalmante
se acba nesta cidade, e de cuja carta extrahimos
os seguintes dados :
t Os Paraguayos esli em Corrientes. O coro-
nel Portinho, a frente del les no passo do Carrucho
no Uruguay, apresentou-lhes liara de batalba para
poder descobrlr a forga. inimiga, qae logo aceitou,
apreseotande 6,000 bmns.
< O coronel Portinho retirou-se incontinente,
mandando parte do occorrido ao general, que
remetteu ligo em auxilio um batalhao da in-
fantera e urna peca de artilharia, isto a 23 do pas-
sado.
c o general tambera seguio ao encontr dessa
forga inimiga e acbava-se j passando o resto da
gente.
t Os Portenhos tem soffrido muito na costa do
Paran, e afina! botara o nosso exercito na frente.
< Estas noticias sao verdicas.
c O baro de-Berro-Alegre maodou uro capito
a toda a pressa para S. Berja, para Ihe mandar a
miudo detalhadas noticias do que all bouver. >
t A esta hora prevavel que essa torga para-
guaya esteja dando contas a Deus do seu lonco
atrevimeoto. Assim seja. -
Ao Echo escrevem de Bag :
f Escrevemnos de Montevideo que all corra a
noticia de que urna divisao de 5,080 Paraguayos
se destacara do acampamento do Passo da Patria,
e se dirigir a Itapua. lato aqu se cooflrma por
cartas do exercito do baro de Porto-Alegre, do te-
nente-coronel Astrogildo o outro?, e por um offlcial
que de la velo.
c Indo o general Portinho fazendo a vanguarda,
encontrn os Paraguayos a quem do Paran ;
esta viste estendeu linba de batana, porm leve de
retirar-se viste ter desooberto numero consideravel
de torgas wmigas. Mandou entio rpidamente
parte ao baro de Porto Alegre, que fez logo mar-
char tres balalhoes de infantera e alguma cavalla-
aia ao mando do coronel Fuetes para reforga-lo.
t. Segundo dizem, e pela audacia don Paraguayos
em passarero para esto todo do Paran, suppoe-se,
e com razio, qae el les vera no proposito de atacar
o Parte-Alegra.
c Daqni de Bag segnio ora offlcial e alguns sol-
dados para S Borja, e breve recebaremos partid^
pagos exactas.
c Ji v o raen amigo qoe as noticias sao impor-
tantes.
A' mesma folba dlsem de Pelotas em 16 :
t A questo do dia a reinvaiio de Corrientes
pelas torcas paraguayas.
. Fazem-se mil coramentarios, cada qual, mais
judieloso, en cada qual mais absurdo.
i As noticias sobre o acooteeimento tambera di-
verge m ; amas dio como tendo passado em, Itepua
14,000 Paraguayos; outras ( e sio as mais exac-
tas ) dizem que s passaram 3 a 4,000 homens, que
fleavam a 12 ou 14 leguas do exercito dp Sr, bario,
de Porto-Alegre ; ba cartas qae dizem, ter sido ba-
tida a vanguarda do nosso exercito, que fazia par-
te da divisao Portinho ; e ba outras, qae asseve-
ram nio ter bavido al a ultima data eocontro al-,
gum, e qae quando este se desee, ja Portinho te-,
ra recebdo o soccorro das infanteras, e dara
urna solemne corrida ao insolen^ invasor.
O nosso correspondente de Porto-Alegre tambera
nos escreve na ultima data :
t As noticias do exercito 4o Sr. bario do Porto-
Alegre alcangam a 25 de fevereiro.
i Sabendo o Sr. bario que das torcas paraguayas
que guarneciam Itepua se bavia desmembrado 2 a
3,000 homens aflm de oceupar Candelaria, mandou
S. Exc. urna forte divisao de 4,000 horneas ao man-
do do bravo brigadeiro Jos Gomes Portinho encon-
trar o ni migo a bate-lo. >
O Jornal do. Cominero da referida cidade di
igualmente noticias da frontelra, porm divergen-
tes das qoe publicara as folhas do Rio Grande.
Bit elle :
. Alcancam a 27 as noticias que nos foram en-
viadas do exercito de S. Borj*.
t u Sr. general bario de Porto-Alegre mandou
nfir a disposlcio da aotoridade civil, o Sr. rnajor
Isaas, para ser convenientemente processado peto
rime de sem ordem legal passar com urna partida
ao territorio eorrentlno, onde arrebanbpu, gados e
cavalhadas para tirar os recursos ge Jmmtoo, se-.
gando diz o mesmo major.
< Tambera foram entregaos, i respectiva anton-
dade policial de S. Borja, um fulano Barcellos, cri-
minoso de morte. e o ss;s$?|p.o do infeliz Jos,





Mrl renuiBtoM* -- QnlmU lelra tt e Abril de i86.

m~-

3=
3S
Aoello, a quero denunciamos, os qoaes
como cfflciaes de urna das divisoes ligeiras.
Cbesaraat ao exercito no d.ia 24 ps corpos da
suarda naeiooal da Aldea e de Sant'Anna do Rio
dosSinos. ....-.
< O proprio que velo do exercito encontrn o
corno de S. Leopoldo a 40 leguas de 8. Borja e
junto a Santa Mara o esquadrao de'Santo Amaro e
o corpo de Camaqoam.
. A 21 reuoio-'se a divisao Portiuho a brigada de
infaotana do coronel Ferguesteia, com ara parque
dearllharia.
< Esta (orto diviso comroandada por to bravo
befe fara a vanguarda do exerdto, e consta nos
qne a 24 de fevereiro seguir caminho da Cande-
servlaml video com destino para Havana as polacas hespa- anuo Ando os seguintes vapore,, m nk**$\t\**&f9i* lailara de nm bil propondo a sop-
nholas Paccl Zo"a Navpgawm estes dona L204:765*>70, a saber .Cruzeiro **** gHfi ^1-*!WWLa
navios as mesmas aguas seo ter %44o navidad a. Falco, Galgo, Paran, loemUt, QtrnU, | **o a es questao
alguma, al que no da 30, pe falte o meloda, frdaif. Proteccao. Perseveraba, krfno
avistaram um vapof fia altor a da Moa de 8. Tno- Guare. ^
me. Hals urde o referido vapor arrlou o panno,; O consumo de carvio no anno torda JS.3M
fofgou a machina, e, tendo Igado o pavllho norte, toneladas e 33 arrobas, isto raai*jyi37 tonUda*
americano, dirigise a' polaca DontUa, por achar- e 35 arrobas do que do anno anterior.
te menos distante, e chegaram a'faUa. Ddpols Segando o estrado da coaU de gaab
qoetrocaram as perguntas o estelo, oriMB o das. a receita droompaobla, na anuo de
qae trocaram as perguntas
eommandante do vapor qae o capltto da Dorotkea
vlesse a seu bordo e trouxesse os papis pertencen-
tes ao navio, o qaal tioha no mastro grande a han-
deira da sua nacao.
O eapitao execulou a ordem, e, logo qae trans-
os e per-
_ 1866, f*i
det,813:z"66*7l8,que com um saldo d 80:211*377
do mu 1864 se eleva a 8,833:478*100.
c A despeza Coi a siguite: com o costeio geral
1,0*: 8*897; arvao 775:08W0j gastos ge-
raes 5:876*380; segaros 163:461*839; deterio-
iadarpVra'biierT^^ragifrali entrchel- poz o prtalo, o eommandante 'do vapor .zarrUr raB^ntoeja5:44t*l97 cambio,;; igWtflJ
1 a banderra norte-americana e Icar a peraana, e de
res 61:08T*578;~ prejolzos as desapropnacao,
commani-lclaron-oprlsioneirodagaerra. \ ndas de oasiSs, ele. 840:670*841.
1 O cabito prisiooeiro estranhoa ao commsn-1 Os dividendos dos dous semestres, na raiao e
nutro de ver este dante o nao ter icado logo o sea verdallero pavi- 12% ao anno, sommaram 300:000*.
lbo, ao qae respondeu o commandopte do vapor, As doas bombardeiras, que cabiram oiuma-
etras^osidVracoes" elie essencial- ser tctica de guerra. nenie ao mar, foram denominadas Pedro Affonso
** Em seguida maodou o eommandante do vapor e Forte de Coimbra ; sendo nomeado para coro-
baldear a tripolacao do navio apresado pelo vapor, mandar esta o 1* tenente Joaqun Candido dos
a' excepcao do colnheiro e moco da cmara, Reis, e aquella o Io tenente Joao Gomes de rana
que segoiram no navio, tripolado pela gente pe- Jnior,
mana I Le-se no Correto Mercantil :
A polaca Dorotha levava para Havana 4,000 Pele ministerio da. agrieultura, ordenon-M a
quintaos de carne secca. Parte do navio e do car- legaco imperial em Washington, que onareca
reitamento pertence a1 casa commercial hespanhola passagem gratuita para esta cdrle a quarenU e
Cslb & C, desia praca. ; cinco emigrantes que vinham para o Brasil e
O eapitao e as oito praeas de navio apresado, acham Impossibilitados de rearlsar os seas di
que estovara a bordo do vapor peruano Huscar, peMerem naufragado, segando coasta, as coa
seu aoresionador, foram postos hontem em trra, dos TSsUdos-Uoidos oq de Cuba.
declarando terem sido tratados cem toda a corte-' Pelo ministerio da guerra, foi expedida a se*
ziaebondade pelo cemmandante e offlotaes pe- guinie circular is presidencias das provincias :
ruanos. Ulnj- e Exm- 'Sr.Nao obstante as repelidas
< A polaca hespanhola Paca, como se acfaava recorameodagSes do governo imperial a respeito
i Pa's< i Patria aue vai custar mui- muito mais distante do vapor e bavia vento fresco de transporte de familias por cont do estado, e o
Kdw Axereuo alSdo e alguma cerracao, pode fogir. eviuodo assim ser terminante prce^Pj da circular de 28 de agosto do
De" sr "Sida em principios de marco, e tambero apresion.da. nao prximo Pass*do, a.nda continuase a prali-
caloUse a nos" perda pelo menos em 3,000 no-, Hontem de urde entrn no nosso porto a presa car abusos. Previno, pon, a V. Exc qoe nenbuma
' hespanhola uoroth, como transporte de guerra despeza com passagem de pesspas de familia sera
levada em conta, se nao esliver autorizada as
insiruccSes de 2i de julho de 1857, qne,. por era-
Joo Gomes de Carvalhe, fazendeiro do quanto re'gem a materia ; advertindo qoe o dispos
rada.
A este respeito accrescenta o nosso
canto:
Nao sabe V. o dese]o que
pequeo exercito empenhado em alguma peleja.
A fra entras consideraedes, elle essenci
mente brasilelro.e por tanto qualquer vantagem que
obtenha nos sera de moita gloria.
c E* pena qae seja tio diminuta a soa infanta-
c Nao nos mandara soldados, mas em compensa,-
,-ao vem-nos feneraes.
c J aqal sUva o Arroda, que foi nomeado che-
le do estado nater e j entrn em exercicio, e ha
poneos das ebegoa. o Alexandre Mnoel Albino de
Carvaiho, ex-presidente de Matto-Grosso. Valha-
oos isso.
i Tem entre tanto ebegado muito fardareente e
armamento, de maneira qae finalmente a nossa tro-
pa esta' agora bem vestida e bern armada. O que
dos falta anda dinbeiro.
Prepare-se para em breve saber da terr
jato, e pergooiam
moni depovo-con
Qaanto a victoria, nao duvidosa, mas fica-nos | peruano, com procedeneiajle 8. Vicente,
mnita cara I I
De S. Borja teos noticias qae alraneaina 28 ^-^ ^"'oaoporodo por S.. Fidelissima iTn mmas" rosVruccOes.s aprove> s fami-
; lias dos offlcUes qae marebam em serco.
c Deas guarde a V. Exc- Angelo Honlz da Sil-
va Ferrar.Sr. presidente da provinciade...
O cambio sobre Londres regulava 2o l|2 d.
tSSffS%S^ de PortSlerre omacmmenda da Concedo e Villa-Vicos,.
cava quasi toio do ootro lado do Uruguay, deven- Na Q0te de 14 do correote haver no Club Flq^
do o resto nassar em poneos dias. Constava all, minense m Dai|e e concert a favor dos desterra
que o Lopet retirava a sua forg urna legua para o | ^ po|acoSi A parle de ^^ consur exciiislva-
intertor, abandonando assim o Passo de Itapua. > meute de pecas e bymnos da Polonia.
O chefe de polica da provincia tioha regressado | a applica$3o que deve ter o producto desta fes-
a capital de volu de 8. Leopoldo, onde fura proyi- u recommenda-a altamente aos corajes piulan-
denciar sobre desaveucas entre Brasileiros e Alie-; trpicos,
mies, provocadas por artigo que tinham appareci-
Por cartas imperiaes de 23 deste mez:
Fei naturalisado cidadao brasilelro o subdito
portoguez Jos Damio de Souza Mello \ .
Foi nomeado cavalleiro da ordem da Rosa o
engenheiro machiqlsta dp e^tbelecimento naval de
lupnra ea.q Gabriel Bozot, pelos importantes
servidos qoe ali tem prestado.
Por decreto do raesmo dia 23 :
Foi feitan^rce do titulo docooselho aoDr. Joao
da Silva Uarraoj .
Fci conedtdo o loro de cavalleiro fidalgo da
imperial casa ao lente coronel Miguel de Teive
e Argolo;
Foram concedidas as honras de conego da ca-
thedral de Marianna ao padre Domingos Borges de
Araoio;
Foi apresentado o dicono Jos Emilio Fernan-
des Valle em nm canonicato vago da diocese de
Marianna;
Foram concedidas as honras de conego da impe-
rial capella ao padre Joao Mariano de Cerqueira
Leite ,
DIARIO BE PERNAMBCO.
Do Rio de Janeiro' e Baha chegou hontem o
vapor americano South Amencas, sendo portador
de joroaes daquelle at 3 e desta al 8 do oor-
rente. -
Na Parte Oficial e Interior encontrarao os ieilo-
res por extenso o que occorrea; alm do qoe ape-
nas encontramos nos jornaes mais o que segu.
Mi.naj Geiues.Prestara juramento e tomara
posse da presidencia da provincia, o 2 vicepresi-
dente o Rvro. vigario Joaqoim Jos de Sant'Anna,
por ter de tomar assento na cmara temporaria o
Exm. Sr. Saldanha Marloho.
As torcas expedicionarias, qoe estavam no
Cochim, contiouavam em boas conaiedes.
s cidade de Oiiveira fallecer o major Joa-
quim Dias Biealho.
S. PAULaDescobrira-se, as maltas prximas
ao rio Tamanduateby, ama ossad* humana que
pareca ser de praga do exercito,. pelo capole ou
junto a ella, e nao jaaer ali a mais
por I*.
Sahiram para Peroambuco : a' %1 a barca
franceza Amelle, e 29 o brigoe Simia Cruz.
Chegaram desse perto, a' 28, o brigue Mensa-
geiro com 20 dias e o brigue Adelante com 17.
Bahu.A Sociedade dos Yeteranos da indepei- nao se expr a Iota.
acham o principio muito
a razao por que ba de ama
_ ptfl^contribuir para a sustentado de
oa igreja, cojas dootrlBa nao partilba. A appro-
Ecao desta bil seri um passo gigantesco para a
paraco da Igreja do estado ; pois desde o (Me-
mento em qoe a igreja aoglicana deixar de sor as-
salariada pelo estado, nao seri mais o que um
dos mil ritos que existem.
A cmara dos commnns dou auurlsacao para a
apresentacio de om bil que permute execoco
das sentenov de morte no interior da cadetes,
em presenea da autoridade sdogstrativa, dos
fuocc ooarios muoicipaes, e de om BO%JMpo nume-
ro de teslemunbas. Um dos membros da cmara
4i*ae qae rsto era U.SglllOcaDto coocessio ao
sentlmento publico, que se pronancia nao so con-
tra as proprias execac5s.
O ministerio presidido por lord John Rossell nao
tem o apoto da cmara ; o Times annuncioa ba
lempos a retirada do gabinete ; verdade que este
boato repetido por algons dias na imprensa, foi ca-
tegricamente desmentido, pelos orgios semi-ofS-
eiae, declarando-se qne o conde Rassell s deixa-
ria o gabinete dianle de urna votacio hostil ao ge-
temo, por isso qoe considera orna desercio do
ampo poltico na actualidade como a soa falta de
>rca, e como pma prova de desaccordo que se ti
iba dito qoe existia entre os ministros.
Quaodo o governo apresnto ao parlamento o
bil di reforma elettoral. o parttdoloTy tendo de-
liberado sobre o modo de receber a medida, resol-
vea apezar de murtas opinioes qoe pretendan) que
a cmara se mtnifestasse a primelra leitora contra
o bil, acceltar o bil, pois nao quiz com ama vo
tago negativa, dar a entender qae se pronuncia va
contri 0 principio da reforma.
Aquella votacio, secundo o regiment da cma-
ra dos cbmmuns, corresponde nicamente a decla-
rar froe bo aesumpto ha qoe tratar, mas nio se
contrahem compromlssos algons. A grande lula
deveportanto esperar-se depois da segonda leitqra,
e entio qae a discussao decidir da sorte do ga-
binete.
As elasses operaras preparara se tambero para
a Inta, e s cederao qosndo raes fftr concidfdo o
direito do suffragio, de qae esto privados -, diz se
que os operarios pretendiam constituir um parla-
mento seu indepandente do governo. E" um facto
nove mas que nio deixara de crear difBcnldtdes, e
dizia se qu* o nico meto de obviar estes inconve-
nientes a concessd do sullragio.
Afflrmam alguns entretanto que o governo reti-
rara o bil para Ihe fazer aigumas moditicajis, e
exercito 9nt4tfilMU).'.< MMOJbMa.*:*. O caf de tri-
B. IBlrqqatlq.ad>''ei ^ de segBda de. 60
a- ti.
dos para manutencio do novo
defender o poder temporal.
louve ltimamente'ra Ftoreoea vm f mee-j, m s*eft fmo e 4? a:9 s. per \f*rr; o cao
tiag, onde se decidlo mandar agradecer a clda- BrM,| ^ M de Se Messina harer eleito"para seu rep resentanre co de Pernamboco e Parahiba de 24 a 26 S.: o
que
To-
cia mandaran! celebrar, no dia 6 do crreme, qma
missa pelo aonlversario do fllecimento de seu con-
socio o conselbeiro Jos Bonifacio de Andrade e
Silva. i .
Do Monte Alto escrevera do Jornal:
c Os misslonarios seguram no dia 1* para Um-
huraas, tendo lindado a mlssio no Boqueiro do
Parrelra no dia 27 de fevereiro. ,
t Houve muila concurrencia; mas de 2,500 pe-
soas ; multas coofiss5es e casamentos, 963 ebria*
ruados, e grande numero de baptlsados. >
O cambio regulava : sobre Londres 2? d.,
sobre Pars 335 rs., sobre Hamborgo 676 rs.e so-
bre Portugal 100 103 por cento.
Para Peroambuco sanio, a' 4, o patacho dina-
marquez PolMtx.
.-. ..ui Wg#0" WNM '
O estado da Irlanda cada vez mais grave; con-
tiaua com orna actlvidade estraordioara a perse-
gaicSo aos fenianos, tendo-se feito s em Dablin
dspois da publicacao da hflha-corpus 172 prlsoes;
a polica tem descoberto algons barris de plvora
e algbmas armas, mais anda nao pude descubrir
08 grandes depsitos de material de guerra, coja
existencia, demonstrada. Diz se de Mr. Stephens
Tagira, par FAnca, mas ijuvida-se da veracidade
d'esta noticia. O governo lera receto de uro ataque
a prisao de Corck para dar a.UJjerdade Aos fenia-
nos, e lem mandado reforgar aguarda que all
existe.
. A polica eraprega todos os seos esforgos para
descobrir o chele dos fenianos Mr. Stephens para
descubrir o cento do feulanismo, e para descobrir
o fio da conspiracao, mas at agora apezar das
violencias qua tem feito, poucq on nada tem conse-
guido.
A proteccito evidente qoe os fenianos encontrara
Chegou hontem a tarde da Europa o vapor fran- nos Estados-Unidos, e o myslerio em que ainda se
cez Navarre, com datas de Hamburgo 20, de Pars envolve a conspiracao, inquieiam muito o governo
e L jndres 23 e de PortOgal 29 do passado. inglez que tem mandado marchar para all tropas
De Portugal sabemos qoe as cmaras legUla- [ em numei o coosideravel, e muitos cruzeiros para
vas iam ser prorogadas at 20 de abril para o que vigiaren as cortes d'aqnella ilha, prncipalmtnte
j se tioha rennido o conseiho de estado. Discu-. depois qoe se apresentou n'um dos portos da Irlan-
tia-se o orgamento na cmara dos deputados, e a da nm navio de guerra americano, contra o qaal
pares. ,0 projecto se levaotaram suspeitas^. de querer favorecer o

. ponche acbado
ifoi nomeado commendador da ordem de aviz o | ^e g ^^
bngadeiro Alexandre Manoel Albino de Carva-1. A ep!deraa comecav a declinar em Cana
Foram nomeados cayalleiro da mesma ordem: v^l Acoava.ge marCdo o da 20 de mato prximo K"] ^"'^'"l"^
tenentecoronel Jos Joaqoim de Lima e;pra $ um dep(lfa4o ^^ ger;1? ^S^^S^i^^JSSSS,
nrUreiu do divisao do corno de sade da!e? suJbslitu|So ao conelheiro Garreo, QM lo'I sabsUluCOes e additmeotos, jazia de novo no seta,
J,rrR.nlX r,!ZPP Snnu o CBamdo Par* Wfc&l r^' flas commissoes respectivas d'onde se nao esperava
armada Dr. Bento de Cjrvalbo e bouza, e o Do S. Jos do Perahyba escrevem ao Correo \ hl Jl
primeiro tenente da armad. Fe.lppe Orlando Mercaut: "* TOSS^T555-' HK? MHM
o da U do correte (roarco), das J Para;d0 nunca mais se procea-era anw emissodei
as 8 da noote, foi assassinado Juliao i sdroso a \ Ai^i fundada interna ou externa, base qae no' lomlas, uniros llmitam-se por agora a proteger a
Moraes por Cesarino Jos da Costa, genro au. megm0 projecto ie, se mencione a receita nova, Irlanda; esta iodecisao tanto mais grave quanto
ShorL
Foram concedidas as segrales pensoes:
A D. Candida Alves Valonea, fllha do fioado
coronel da guarda nacional do Rio-Grande do Sol,
Jos Alves Valenca, a de 120* mensaes:
A D. Vitalma Fernandes Fortes, vluva do tenen-
te do corpo provisorio n. 22 da guarda nacional,
Leandro Rodrigues Fortes, morto no ataque do
Butoby, a de 42* mensaes;
Aos imperiaes marinheiros de 2* classe Manoel
Joaquim da Silveira e Vicente Pereira de Souza,
que lendo sido feridos no combale de Riachuelo
carara impessibilitados de procurar o meios do
subsistencia, a de 36 a cada um.
Ficando, porm, as ditas pensoes dependentes da
approvagao da assembla geral legislativa.
Por decreto de 17 do crreme foi nomeado :
O alteres Jos Fefippe Ribeiro, tenente coronel
eommandante do batalhao de infaataria n. 39, da
guarda nacional da provincia do Para.
Foi dispensado do exercicio por tempo indeter-
minado, na cooformidade do art. 61 da le de 19
de setembro de 1850, o coronel eommandante su-
perior da guarda nacional da comarca do rio Pa-
ranahyba, da provincia de Goyaz, Antonio da Sil-
va Prannos
Foi demittido Felizardo Jos Pinto do posto de
alferes do i* baiaJhao de infamara da guarda na-
cional da corte, na conformidade do art. 66 da le
n. 602 de 19 de setembro de 1850.
Foi reformado Antonio Alves de Oiiveira no pos-
to de teneote-coronel da guarda nacional da pro-
vincia do Paran.
Fez-se merc a Elias Francisco Bastos da ser-
venta vitalicia dos offleips de tabellio e escrivao
do elvel, crre, execuges, e do jary do termo do
Brejo da Madre de Dos, na provincia de Peroam-
buco.
1* de abrU.
Fallecen a 29 do passado, .
de de Vassouras, o bario de Itamb, com 86 an-
uos de idade. Tiene nascido em 1,780 na faieoda
de sea pai. na comarca do Rio das Mories.
2
Le-se no Precurteur de Antuerpia de 28 de fe-
vereiro
desembarque de alguns revoltores, e a fuga
ontro*.
Nos Estados-Unidos repetem-se os rueetiogs, e
n'elles tomam-se resologoes todos tendentes ao
progresso da causa teniaoa.
Une porm querem o auque e invaso das co-
mesroo. i
t As barbaridades qae, anda depois do corpo
de Jullio se adiar j sera vida e esteodido no chao,
foram por esto mostr praticadas sao ornveis; .nio
satisfeilo cem a tacada qoe descarregou sobre a
cabeca de Julio, rasgando se o crneo de lado a
lado, arremecon-se sobre o cadver e principiou,
camo por divertimeBto a corUr-Ihe a lngoa, as
mios.aSl orelhaa, n narii aj>s p-
t Este horrendo cr-ime deve s*r ponido aom todo
o rigor, pois para om semelhaote monstro toda a
punico seri insigoincante.
i Felizmente, devido a a
veu o Sr. Joaqoim Leite Machado suppleoto em
exercicio do subdelegado de polica, o criminoso
acha-se preso.
Bio de Janeiro.-SS. AA. o Sr. daqae e duque-
za de Saxe devera seguir para a Europa no vapor
inglez de 15 de raaio prximo, com a augusto re-
cem-nascido, como medico de SS. AA. ir o Dr.
Candido Borges Mooteiro.
Pelo ministerio da agricultura, ordenou se ao
agente da linha United States and Brasil mail
steam que faca aos immigranies, qoe vierem no
iVon'A AfMenco, o abatimento de 30% a qoe tem
dlreito em soas passagem.
Pelo mesrao, resppndeu-se ao ministro brasi-
leiro em Washington, sobre a proposta, da United
States Telegrapk Company, de construir as liohas
telegraphlcas qoe devem ligar as provincias do
imperio entre si e com a capital, que quanto as
liohas telegrapbicas transatlnticas submarinas, o
governo imperial por em quanto linuta-se ao con-
trato Ballestrine, e qne qaanto a linha interior, qoe
ligue entre si as provincias, pretende faz-la a soa
rusta e por si, nao duvindaodo todava contratar
i com qualquer companhia s esta ultima liona, ee as
ra, n< ida-1 propojuu qne ella ter concordaren com os dados
e elementos qoe ja possoe desta ordem de trabalbos
no imperio.
Entrara no porto o transporte de goerra pe-
roano Dorotkea, com mantimontos para a esqoa-
dra,
A c?sa da moeda ronboa no mez passado,
equivalen le" ao encargo e dotago dos meamos t-
tulos.
Pelo mesmo projecto, qoe dentro era pooco seria
lei do paiz, sao consideradas de nenbum elTeito as
auiorisacpes concedidas ao governo para mandar
preceder a creagao de novos ttulos, seja qaal for o
fis a qoe se destioam. v
A recomposigo ministerial seria eu*ciuaua depois
de encerrado o parlamento. Eperavf-e/%ne roa
a fusao dos histricos e regeneradores predomi-
nasse exclusivamente este segundo elemento na
*' \x a _. a__-' Mora reorganisagao do gabinete.
a actividade que desenvor- uAggravaram.se os padecimenlos
guerra.
Fallecer no porto o conde de Ferreira deixando
1,400 contos fortes. Urna boa, parte desta somma
fui para esmolas. ,
Acha se finalmente levantado o estodo de si-
tio m Hespaoha.
A ordem assiguada pelo general O'Donnell a 16
de mareo concebida uestes termos :
c Tendo felizmente cessado as cansas qoe obri-
garam o governo de sua magestade a dictar, por
certo que de todos os pontos da Amei ica do Nor-
te offerecem as tubserip$8es a favor do Jema-
MI a .
am Jones Wasd reunio-se um meetiogs de re-
ojanos.
O presidente Maoney sollicitou ofTertas para urna
expedlgio qae, deve partir para a Irlanda no pra-
zo de seis semanas. ^
Um eoviado de Stephens Mac-CarTerly, annun-
cioa qae na Irlanda bavia 300 mil tenanos bem
disciplinados a quem falla nicamente armas. O
meetiogs resolveu pedir ao governo federal o re-
do ministro da1 conhecimento da Irlanda; dase qae, assisUrem a
este meeiiog urnas cem mil pessoas. ,
No dia 7 inscreveram-se obrag5es fenianas no
valor de 25 mil dolais. ,
A cmara dos lords tem se oceupado do exame
da actual situagao da Irlanda, e das medidas enr-
gicas tomadas pele governo.
A emigracao irlandeza loma todos os dias mais
vastas proporcSes. Uns joigam que a emigragao
devida. aos excessos do governo inglez, outros
sahida dos iriandeies tem por fim
no parlamento italiano o amigo dictador Maizlnl.
Aeleigo deste celebre revolncionario foi porea
annuliada no parlamento iiaMaoo por 190 votos
contra 107.
As cmaras foram adiadas al 10 de abril.
Jeta tomado na Italia consideraveis proporges
au sociedade sacrett ialitolada Falange Sacra,
qne tem por fim tazar triurnphar completamente *
cansa da unidade italiana, j da revolugo na Eu-
ropa. Attriboe-se a esta sociedade a eleigo da
Mizini; reas parece qoe a parte sensata do palt
legeita enrgicamente ludo quanto possa ameagar
a causa da soa liberdade e independencia.
A Prussia contina a exercer nos ducados um
poder absoluto; foram all prohibidas as manifes-
tares polticas, com severos castigos, o general
prussiano qne coramaoda no Scbleswiz, impoe no
ducado a soberana da Austria, e nao permute
os habitantes era pensem n'outro soberano,
davia a iitaaco emquaoto a relagoes entre as duas
petencias anda precaria.
A linguagem da imprensa faz temer graves con-
sequencias da rivalidade que existe entre os gabi-
netes de Beriim e de Vienna. Neste estado de coo-
sas a opiniao publica na Austria m os ira-se pooco
satisfeita da attitode da reserva qae algamas po-
tencias secundarias da Allemanba pretendem
guardar a respeito da quest j dos ducados.
0 partido liberal prussiano continua a fazer as
suas manifestagSes a favor dos deputados quena
cmara sustentaran) as suas opinioes ; mas o par-
tido conservador nao Oca atraz. Todos os das o
presidente do conselho recebe deputagoes louvan-
do a poltica do gov*rno, principalmente no qoe
diz respeito aos ducado*.
Na Austria fazem se grandes preparativos mi-
litares, pnncipalmrnte na artllharia. Muitas bri-
gadas de infamara e cavallarla marchavam para
o norte ; entretanto a Prussia vai, segando se diz,
proceder a desarmamento?.
Diz-se qoe o governo austraco dirigi as poten-
cias allemaes urna circular em que declina toda
a responsabilidade das eventualidades que se pos-
ea seguir da poltica annexionisia da Prussia.
Alm do movlmento que se operou nos estados
danubianos, a attltude do paiz do lado da Syria
produzio no imperio alguma sensag3o -, parliram
ja' tropas de Cosntaotioopla para Beijrouth com
mandadas por Dervisb-Pacha.
O apparecimeoto desias tropas produzio boro ef-
feto, mas ainda quando os insurgentes batlam em
retirada, abandonando as suas posisSes nao del-
xava a revotta de cansar naqaelle ponto grandes
estragos. Dervish-Pacha' preparavase para tomar
offensva e para operar cora energa, entreunto as
torgas de Karaos e dos seus resisJam, em quanto
podiam. Dervish-Pacha' procurava um combate
geral para qae a sua aeco fosse mais uniforme e
mais productiva ; entretanto os oliimos telegram-
nas afflrmam qae Karau fora vencida e que se
submettera is tropas do imperador, depois de ter
apresentado propostas ao corpo consular estrangei
ro que Ih'as nio aceitou. Sendo verdadeiras estas
noticias, os negocios do Lbano tomara aro aspecto
mais animador.
A dieta sueca discute actualmente o orga-
roento do ministerio da guerra, segundo o projecto
de reorganisagao apnresentade pelo governo. Este
projecto qoe estabelece importantes economas, e
qoe da' ao exercito sueco om carcter mais nacio-
nal, enconlroo orna forte opposigao na opiniao par
blica e as cmaras; entre entras coasas pede o
governo para dar armas do syslhema moderoo aos
carabineiros, qoe silo considerados como nm ele-
mento de estado, e como ama especie de volunta-
rios ; roas quer ao mesmo tempo que as sociedades
de carabineiros sejaro organizadas militarmente, e
que os offlciaes sjam nomeados peto re. A ma-
naba sueca que se compunha da esquadra regalar
e da esquadra dos pequeos navios para guarne-
de cerem o littoral, Acara de futuro dividida era duas
partes distinctas completamente ; a marinea para
a defeza das costas, sera' orgamsada de maneira
que permuta a reduego nos seas qaadros e esta
dos maiores.
Este projecto segundo parece nao encontra
grande opposigao na cmara dos nobres; esta c-
mara apenas julga qne nao esta' a occasiao oppor-
tana pata encetar reformas taes.
O imperador da Turqua fez ltimamente
mma excursao aos Dardanellos para visitar os ira-
balhos das novas fortalezas do estrello ; nao foi
acompanbado por oeohom dos seus ministros, mas
nicamente per alguns offlciaes do palacio.
O eooros
sae-
mascavado de 19 a 23 s. per cwt.
eos do Rio de 6 a 8 1|2 d.
O vapor ingles Otinda, da linha de Liverpool,
derla sabir de Lisboa para o aossa porto no da 8
do corrate.
A barca portogoeza GraMo, tai soa nltima
viagem do nosso porto para o de uboa perdeo, na
lat. S. 1 58' e long. 84 22', o pueageiro Frede-
rico Lorz Gooealves, per morts natoral.
Chegaram a Lisboa : a 18 o Brigue Lata II
de Peroambuco : a Wos brignes FeHz Ventura o
Tamega do Para'; a-19 o btiga Soberano Per-
namboco ; e a 24 a barca GraltdOo VSem.
Sahiram : a 1* a burea Ntt* PnUmra para
o Para"; a 27 o brlgae Viajante ftn Marankio
e a barca Flor de S. Sttnao para o Ceara"; e a 28>
a barca Adelaide para o Fara*.
Aehavaro-se a carga : a barca Gratidao. logre
Julio, brigue Soberano patachos Flor de Mara e
Mana da Gloria para Peroambuco; brrgM Peht
Ventura para o Para' e patacho Estrella para o
Ceara'.
Depois d'amanha se exirahira i 2.' parta
da 6.* lotera (57.'), a beneficio do theatro de Santa
Isabel, sendo o raalor premio 6:000*000 res.
O agente de leiloes Cordeiro Simoes efftaa
boje le i lio de predios, dividas, movis, kw?, vi-
dros, ouro epraia e ojuaoMauitos ebjeete de fos-
era sea armazem a rnaila Cadelp djo Beaite n.
as 11 hora da manhia ponto.
RBPtRTICAO da polica.
Extractos das parte do dia 11 de-abril de 1866.
Foram recolhldos casa d deteBflo no dia 10 do
corrate :
A' ordem do Dr. delegado da capital, Custodio
Jos da Silva e Sebastiao Nuoes, para cocrecoao.
A' ordem do Subdelegado do Recite, Fe-ttx, es-
aravo de Ignacio de Albuquerque Maranho, re-
quenmeata d'este.
A' ordem do de S. Jos,los do Bon>ti, por as-
dar dando tiros pelas mas.
A' ordem do do Pogo, Jos de Lima, para cor-
reccao.
0 chefe da 2* seree,
J. G. de Mes****.
Passageiros do vapor americano SeertA Ante-
rica, entrado do Rio de Janeiro e Baha ;
Macedo Ledre, Curt 0>nald Scumalo, Carlos Gas-
sier, Dr. Cnaex J. Honoro Domenaqo*.
Passageiros do vapor francez Navarre, eaara-
da de Bordeaux e portos intermedios :
A. Cretton e sua senhora, NV. LejdtD, Fredeneo
Woelliall, Silva Arauj., Charles Qoinpe, aragg e
sua seahora, Joaijuim da Silva Costa, Jos Dttbcax.
Passageiros do vapor americano Sowtk Ame-
rica, sabido para New Yor e portos iatonaedios :
Dr. Wilham H. Megrath, capllao Jobo P. AsBbey,
Baltbazar Gollesd.

PERNAMBCO.
eotendem que a _.
inttrmedto"de V. ExcM a real ordem de 3 de janei- engrossar as columnas do fenianismo na America,
ro do crreme anno, qoe autonsa o capitio-gene- com o proposito de se tomarem em urna empreza
ral de Castella-Nova a declarar em esudo de sillo importante,
o districto do sea commaodo; e, ioleirada S. M.
das commonicagoes da mesma autoridade, as
quaes declara qae nao julga necessarla a conti-
nuagao daquelle acto excepcional, foi servida man-
dar, de accordo com o conselho de ministros, que
desde logo se proceda a' expedigio das ordens e
bando convenientes, afim de que as autoridades
civis desse dislricto entrem de novo na livre exer-
cicio das soas faocgoes administrativas e polticas
Afflrma-se que o governo americano responder
ao mioislro inglez em Washington que pedir ex-
plicagoes sobre o fenianismo e os seus planos qua-
si pblicos, que esta va resolvido a oppr-se a toda
a violagao das leis da neotralidad'e.
Esta resposta produzio em Inglaterra desagrada-
vel impressao pois foi considerada com um reco-
nbecimento indirecto do fenianismo.
Os jornaes americanos apreciam a tmp resso
de ordem real, assim o communico a V. Exc para. produzida em New York palas palavras profen-
seu conhecimenio, e afim de que pelo ministerio a
seu digno cargo se deem as ordens que forera ne-
cessarias; advertindo ao mesmo lempo, qae n'esta
data se di igualmente conheclmento desta disposi
cao ao ministro da governagho, pan qne por elle
se transmillam as communicagdes opportoaas.
E>la orden qae dirigida ao ministro da guer-
prensa governaraenUl louva muito a generosida-
de, tolerancia poltica e principios liberaes do go-
verno hespanbol I
Tendo o ministro dos negocios estrangetros o Sr.
Bermndez de Castro sld intsrpellado ao senado
cidade fizeram propostas ao governo para o estabe
lecimento de um servigo regalar de barcos de va-
por entre Antuerpia e Buenos-Ayres, com escalas
facultativas por Soulhamplon, Lisboa, Cabo-Verde,
Babia, Pernambvco, Rio de Janeiro e Montevideo.
O Sr. eaaMlro de estraageiros acolbeo com
extrema benevolencia os nossos concidadios; o Sr.
ministro das obras publicas, pela sua parte, apon-
e H0:000* para o governo em ouro; 1:530*764
para aqnelles e 900:000* para o segundo em
prata. '
Foi nomeado eommandante do eaeooracado
Bellona, o eapitao de mar e guerra Eizario Anto-
nio dos Santos.
A alfaodega a corle rendeo, no mes do
marco, 1,735:740*226.
das pelo presidente Johnson e que j citamos aos
nossos leitores.
Esperava-se no oongresso qae os seas membros
tomassem ama attitode agressiva, depois da aecu-
sagao quasi formal qoe o presidente fizera de aa-
trirem projectos de assassinato, mas pelo contrario
os membros do coagreeso raanuveram-se na mator
reserva, sem alludirera a urna nica palavra do
presidente.
O coagresso ti I odio, odas as sopposges aio s
pela senedade e conveniencia, I coa que irataram
dos assumptos submettidos ao seo exame, mas pela
maneira cora que soube pelo sea silencio comba-
ter as invectivas do presidente ; houve allosdesao
me ratr*
toa Ibes algamas objeegoes, reconhecendo, todava, j _yEm vassouras fallecer repentinamente o ba-
o alcance dos servleos qoe ama liona entre An- i rio de jUraD <--"<" grande descendencia e
tuerpia e Bueaes-Ayres deve prestar ao commercio i avutlacta fortuna
e industria da Blgica.
< E', pois, licito esperar que nao tardar a ebe-
gar-se a om accordo entre o estado e os peticiona-
rios da concesso, mrmente apresentando estes
ao governo urna combinacao inteiramente nova, e,
segundo nos asseveram, mais vantajosa de qae ne-
nharaa das do mesmo genero que Ihe lm sido snb
raellidas at agora. *
t, doos navios eocooMcados peruanos, que eo-
trartm hontem procedentes de Breat com escala
pela Madeira e Cabo-Verde, sao os seguintes :
Monitor Huscar, de 1765 toneladas, eomman-
dante o Sr. eapitao de mar e goerra Jos Marta
No dia 31 do passado reunio-se a assembla
geral dos accionistas da companbia bsasilelra de
paquetes a vapor.
A nova directora ficou composta dos Srs.: con-
selheiro J. P. de Fana, Drs. Haddock Lobo, e Jos
Thomaz da Silva Quinlanilba.
Do relatorio extrabimos o segointe:
Foram desapropriados pelo goperno os. vapo-
res Oumpock, Aga e.Prmeua, seodj a avaiagao
do* peritos par O primatoo de 310:000*, para o
srgwdo. de a{0:000*00 e par* o terceiro de
250:000*.
Era ooosequenci destas vendas leva a compa-
, nhia de comprar O vaporas Golfo Falco por
Salcedo, monta doas pecas Armstrong para bailas 18,100 cada om, e mais larda outros dous Arino
de 300 libras n'uma torre gyratoria, tendo mais (Ulia Bell) a Santa, Crut (Ages ArkltsJ. pagando
doas canhoes para bailas de 40, e de 12 libras- por este 180:000* e por aquel le 170:000*.
raiadas do mesmo amor; tem 200 pe e 3 pollega- < Todos esses vapores receberam varias obra e
das de comprimen, 35 ps e 4 pollegadas de boc- 'reparos de modo a ofletecerem commodo irasspor-
ca e 20 de pontal; sua torea nominal 309 caval-' te aos passageiros.
los, a soa mareba de 13 a 14 milbas com 28 li- A|m desses mandon a con,panh, coaatroi*)
bras de vapor; tem sobreaeoberta om camarote em l9glataTrn, por intermedio dos Srs. John-MaytoP
encooragado para o eommandante; o navio drv- & c "^ Mpqr%ue deve ebegar brevemetosob
dldo em cjnco compartlmeatos, e cala prorrrp.a 0 eoraat04o o\. umuate *-edro Hyppolyio Duar-
navegar e armado 15 ps a pr*,e W a pav te e -M teri 0 ooine de aa^wT SaoTanaia.
mandante o Sr. eapitao de fragata Aurelio Garca I Durable o anoo de 1865, fez a compaola q
y Garca, di torea de 680 eawaflee, atavia 14 ca- ervigo de 24 viagens para o norte (sendo urna s
oboes raiados para bailas de 158 libres Armstrong; at Peroambuco) e 21 para o sol. As faltas qoe se
peloSr. Sloreote, amigo ministre, sobra as qoe-. W todo presidente, indicando alguns
loes que sustentaran, a declaracio de goerri- da > da cmara as rai5ea porque o deaprovavf, masa
parte da repblica do Cbile e do Perd,onira a' bn"gem toi.aemprerooderada
Hespanha : o Sr. Bermudez de Castro, apoiao-
tem de eompriroeato 215 ps, 44 e 9 pollegadas de
bocea, e 32 ps di pontal; sua marcha da 13 a
14 milhas com 20 libras de prsalo, e cara 23 ps
a' pipa e 21 a' proa; foi construido em Londres
por Sanaudars Brothers. ,
O primeiro destes dous qavios capinrop, a,doos
dias de viagem do oosao porto, um pequeo navio
hespanbol, que, seaundo nos cousia, faziat vela do
R.odaPr,ak|^mna.
Ioformam-nos Urqbem qae, atfm. destes eqcoa-
ragados, Ji, sabio am,ooiroi igqalmente peruano de
om porto dos Estadps-.tjaidos, destinado a perse-
guir os navios de commercio fiespanhes, o qul
em poucos dias cbegvi aqu.
deram liveram por origem ordens do governo im
ferial, segundo diz o relatorio:
t No auno fiado a liaba do norte transporton
21,114 passageiros (15,798 do governo, 4,898 parti-
culares e 408 do Estado), 7,632:742*552 em
dinbeiro, 41,167 volnmes de carga e 4,848 de en-
commeodas.
Na lioba. do sal foram transportados 18,103
dotse nos documentos ji publicados, tratoo de de-
monstrar qae a poltica seguida pelo galioete de
Madrid, desdeas primeiras coroplicagoes,at agora
tioha serapre sido sensata, leal e moderada, deca-
roo que as grandes poteucias europeas, assim como
4 grande repblica dos Estados-Unidos, tinham
prestado boraeoagem ao proeedimeoto do governo
hespanbol, e reconheoeado que esto levara at ao
extremo o espirito de oonoiliacao, sem adro todo
atacar a booM e dlgoidade- da Hespanha. Aoaly-
sando primeiro o ultimo BaBilaslo era qpe o go-
verno de LhMtAtiOca declara?** da guerra
Hespanba, mojtroo que o governo do Per se bavia,
obligado a aaalliar oChili,-e-que a-ministro do
dictador Prado lo ventar-a offeosa que nao exis-
tlam. i .
Diese mais o^Sr. Berraudez de Castro qae o mi-
nistro dos negocios estraogeiros do Paro' entended
qoe a eonvengo conoloida nao tem valor algom,
por isso que Hespanha, em virtude da soa caos-
lituicao se nio poda obrigar a cousa alguma sem
a autorisago das cortes, que devia preceder a rae-
tifieecio do tratados. Segunda mostroa o ministro
bsspanbol no senado esta tbeorla nao veHadeba
por qo o convenio a que se alludia,'nao era um
tratado de allianca a de commercio, mas era um
convenio qae puaha termo- a orna goerra, safan-
do a onMitulgotieaaaobola, o re e os seus minis-
tros respoosaw! tem a faeotdade para declarar a
guerra, e para concluir a paz, ficando esses minis-
tros a dar cunta do sea proeodlmento is cortes qae
tem a direito de approvar oa desaprovar, mas aio
precisa para este fim pedir a menor aalorisaca*
aq parlamento.
O Sr. Bermndez de Castro, procurou deanonsirar.
qae na maneira porque se regulara a divid o go-
verno de Madrid linha ido al onda era possirel,
na camioho da conciaeeo, por iseotaae apenas pe-
dir o comprtmaoto do qae ootr'ora.bavia regyda.
passageiros (do goveroo 18,634 particulares 2,196 do esponomeameate o gabinete da Lima.
e do estado 273), 2,968-666*032 ero dinhelro, 6,870 O ministro dos negocias eifrnafwita da Uespa-
volarnos de carga l,J7 de encommendas. nha deotareo oamara. qoa -a gavera* aespaobol Ta$lo do sanio padre
c Durante o anno pagoa a companhia ao dfqne em todos os seas actos polticos a respeito da Ame-
imperial 134:27555iOaejoiase estadas pelos seus rica nao tem a meaet da de eograndecimento
?apores qoe ali soffrermti reparoi. i territorial.
< A mortona, empreneadlda pata coropaahii, As declarsg>s tio explcitas do Sr. Bra*adM
Sobre a captara do navio hespanbol, feita pelo anda nio se acii terminada; aoaeo falla, porm. e Castro prodazirar agradavel impressio ao w
vapor encouragado peruano, como hontem annun-' para conelasio desea obra, qne tem custado eaor- nado, declarando o sv Storaata iMiifeMa oom a
ciimos, dio-nos os segalnies pormenores: mes sacrificios. explicacQes do governo.
4 No dia 13 do mez pastado sahiram de Monte- \ Tioha a companbia em 31 de dezembro do I A cmara dos commous de Londres permii
O senado tratoo
depois da reconsiruegao da Unio, explicando se a
manobra porque o> delegados do sai deviam ser
adaiittidos n'aquella assembla, jalgando-se qoe s
as doas amaras tinham dlreito de se pronunciar
sobre a admissao dos seos membros. A qaestaa
pode soppor-se pois terminada.
Um jornal de Nova-York que tomos i vista, diz
qoe o presidente Johnson abaudonou a traaquili-
dade que Ihe impunba a sua posigio, e pergunta
se o sao esudo de colara poa em perigo a repbli-
ca ? Responde qae tal aeceeto de colera nio po-
da alterar o systeroa poltico do paiz em cousa
alguma.
c-QaaadoNapoie&, conliaa o eludo jornal,
arr astado .ala col era levava a g narra i Rsala, era
fcil de prever o termo do sea reinada. Quando
Carlos X, irritado pela resisteacia dos deputados
promulga va rdeas coaira a carta poda predizer-
se a sua queda immediata. Felizmente um presi-
den dos Estados-Unidos nada eaxitar-se sea com-
prcmetter mais que a sua dgnidade e a sua no
pularidade. A repblica americana o governo
do poro e pelo pove. Quando a maesa da wicao
se oaaserva tranquilla, mando concentra em si o
seo imperio o goveroo nio corra risco.
Se o presidente sa esqaece dos seas deve res,
se um senador on um representante recorre aa
invectivas, nao se v um mandatario da nacao,
mas um particular. Era qaanto est demloado da
aaisae e desu modo olnscada a ana rateo, cetaa
apezar do aaa carcter officiaL da tomar parto no
goveroo. Eis aqu a tbeoria nos Bsudos-Unldos a
por isso mesmo qao a oalv a o* erres-de um ho-
mem teem assim manos iasaortancia, por isso mes-
roo nio deve aro presidente atoar, rus suas pala-
vra. o respeito devido as cmaras.
Algons meetings, e alguma legislaturas sem.
sanecluneiam o acto do congresso, reprovaram a
linguagem do presidente.
O emprestimo ponlicio de oincoenta milbes
de francos foi contratado com a casa Lafflta de Pa-
REVISTA DIARIA
O vapor nacional Paran devia sahir do Rio
de Janeiro, para os portos do norte do imperio, no
dia 7; e o inglez Onetda no da 8.
Nio podemos omittir ura reparo acerca do
desabrigo, com que temos vistos serera transpor-
tados os assucares n'este tempo de overeo para
os armazens ou pontos, em que tem de ser vendi-
dos ooentregoeS. -"
E' doloroso, por certo, que remella o agricultor
o sea producto, e pagae I & respectivo transporte,
na conQanga de que este seja feito em devida for-
ma, quando alias nenhnma camella ha, sendo os
saceos expostos as ebvms, e por coosegornie pre-
judicado os assucares, que molham moita vez a
ponto de ficar grande parle convertida em ga-
repa.
Quem se imcombe oa dedica-se a ama empreza
qualquer, colloca-se previamente ras condrgoes
de arraojos oa apprestos necessarios no cumpri-
ment de soas obrigages ; e neste caso, em
duvida alguma um d'elles um encerado que bem
cobertura garaota de ser molhado o assucar con
duzido pelos carros e carrogas, porquanto pre-
ciso qae taes conductores ou conlratadores de
transpone de gneros fiquem certos de que sflo
responsaveis.por tal deleixo para com os agricul-
tores, cujos assucares transportao, quando assim
se damnificara.
Esta censura, todava, nio afiecta a todos que se
oceupam da conduego de gneros, porquanto en-
tre estes ha excepgao,'visto termos notado que al
guns carros passam ci herios coro o referido ence-
rado, afim de resguardar os gneros da aegio das
chavas; e assim v ella aquera competir, sendo
para desejar que em lempo apparega a providen-
cia que notamos, a que lem direilo os agricul-
toree.
A Semana alustrada escreve o segointe:
A nltima novidade ama novidade triste.
Nio diluvio, nio triunjpho de opposlco,
nio peste, nao be secca, peior qae todo isto
junto, ...
' t Graga vai-se embora I
t Partir o Grac, isto o riso, a galhofa, o al
cmico, o velho Graga, o Gracinha, o charlatio*es-
limado, nio applaudido I
Confesso que nio posso reter as lagrimas nos
olbos.
c Sabei onde elle vai T
i Vai ver se acha na provincia alguma facltida-
de de vida que a corte nio ofierece ; o Rio de Ja-
neiro esU cima pondo para fora os asustas mais
notavels ; Bahia, PerSrnbco, e as oolras provin-
cias irmta* v*>igaanib caU dieaeaslor I w
At onda ira parar isto.
i Ningnem contesta esta grande perda a
morrea.
< I-to que anda vemos nm extorco supremo,
urna larefa nobree alguas destrogos ; mas a arte
esto roorU e enterrada 1
E la vai o Graga, mas eu fra em busca do
pono do Recite, onde a. arta ac* agora protec-
gao.
c Simples capricho I
t 0 Rio de Janeiro bem qne o Recife, da arte.
o Recito be o perto de salvamento]
a Vai e adeus, Graga.
f Hoslra aos Pernambucanos o teu riso, o ten
talento; ve se ganhas algamas moedas, e volu ob
grande charlato, cedo e robusto.
> Melheologia, teve trez grabas.
c Nos s tiobamos urna, e essa mesma acaba de
nos sar roubada. >
Se taes ptlavras de contemporneos sao lisoa-
geiras para o actor festejar, nio.Sio menos para
as pernambucanos e para o digno empresario
que assim se cerca de actores, de ola e de accei.
ugao geral.
O vapor francez Navarra tipa, boje as 8 ho-
ras da machia a mala, para o portos do Bio da
Eipasicie dos proa*ocles agrcolas, iadaslriaea a d
obras d'artfs de Peroamenc.
A commissie directora da exaotjcao rasafvea
em sessa, de ido crreme maz, que par meto de
repelidos annuncios se pubcasse o segoiala:
1.* Qoe segundo as ordena do aeverno Jasaarial
se deve abrir a ex posigio desta paavioctoao da
1.a de julbo prximo
' 2. Que a recepgao dos predacto desbaaos
exposlgao principiar no dia 1. da jnsho -,
3. Qae a demora que heover na remasaa dos
productos seri neciva a' sua mais coaveaiaote col-
locago, conforme a respecliva importancia ;
4.* Que viudo todos atrope I admenle osa-ves-
peras do dia da abertura da expoeleo, ac* sa
pode calcular o espago que elles requeren e sa
deveri apromptar, nem fazer apbresahw a pra-
doclos, espacando-os, e collocande-os eaaveaiente-
naente.
5. Qoe ao agente designado pelo eoaatatsaario-
dassificador, o Sr. Dr. Gervasio Rodrigo Cam-
pal lo, se aeverao entregar os productos ao palacio
do goveroo do referido dia i. de janho em din-
le, e desde as 9 horas da manbia at a 3 oa
tarde;
6. Qoe a toda os expositores se paisara recibo
de seus productos, declarando, conforme lie do-
ler minarem, se o destino do objecto expotto dei-
xado ao arbitrio da commissio, se deve seguir para
a exposigo da corte, ou ser restituido ao expositor,
logo depois da exposigo;
7." Que podendo ter succedido qoe bo teaaaaa
chegado a sea destino algumas das circulares e
inslruccdes por ella dirigida a todos os edadaos
que julgou poderem contribuir para a exposteo,
Ihes roga qoe presciodindo de convites especia,
contrltmam para esta testa industrial; em cuto boro
ou mi xito vio de algum modo os bros da pro-
vincia.
Sala das sessoes da commissio directora da ex-
posigo em Pernamboco, 5 de abril de 1868.
.1?. Buorque de Macedo,
Secretarlo.
Communieados
Constt-me que o Sr. Dr. Joo Sevariaoo Careei-
ro da Cuoha tem andado a promoirer entre os seos
amigos e correligionarios da freguesia da Lo, om
abaixo assigaado para provar, qae eo, mea irmao
e sobrinhos oomparecemos a' eleigao, a aja lti-
mamente se procedeo naquella freguesl, armado
e coagimos S. S., e os mais membree daaaaaaaa-
rochial aabaodooarera os seus lagares ntt~
fimo das funegoes eleiloraes.
Al aqui esuva oa firme creoca da qoe a palxo
poltica, que tanto estraga os costnaasa a a i-
teagoVs, quando levada ao extremo da lotoleraocia
ai' abdicagao do3 senlimenios mais caro, nao un-
dia commnoicar os seos mos eBeitos a eertoa ca
racteres, qoe devem a' sua boa conceiloaga os-
mais delicados escrpulos.
O Sr. Dr. Joio Severiaoo com que sempre-
maotive as melhores relagoes, e que parecen ser
um mogo sensato, enrona desses bome qoe e
conslderava incapazes de antorisareui eom teoso-
me urna falsidade^em prejoiio da repotaeio da oa>
trera.
Has hoje sei, com toda a certeza, que elle pro-
roove e tal abaixo assignado, em que son terrivel-
roente. calumniado, attribuindo-se-me nm proerdi-
menlo, que at repugna com a minba ndole, e que
nunca vi prailcado por pessoa alguma de miaba
familia,, como o Sr r. Joao Severiano nio ignora.
Nao houve motivo: algnm extraordiBano pelo
qaal 8. S. fosse Abrigado a abandonar a eleigio, o
nem #u,era c.paz de,ameaga-lo, Bem a algum dos
mesario; unto ma'u'quanla; tendo S. S; amigos a
a polica, a soa dsposiga nao eslava no caso de
correr assim aradrontadd por quaesquer caretas,
e tioha na lei os meios de se fazer respeilar.
S eu e os roeus prenles fossemos armados a*
eleigio e com iatengoes bostas, o Sr. Dr. Joao Seve-
riano nao conversara comigo na igreja cora toda
a calma e segoranga ; e competlndo-lbe manler a
polica da assembla parocbial, nao deixaria por
certo de tomar as providencias que o caso reque-
ra, podendo al mandar antoar-me para eu ser
processado pelo crime de uso de armas defezas :
sendo S. S. formado era dlreito demais a* mais.
Seria melhor qae o Sr. Dr. Joao Severiano con-
fessasse a verdade Isto/,. que vendo a eleieio per-
arte i dida, pirene opposigao contava com orna rataBeo-
H maioxia de voUntes, que estavam dispos tos *
exercer soberanamente o seu direito, nio qars pre-
sidir a sua derroto. ^-,
E para annullar a contlnuagao dos trabalbos e-
leiioraes sob a mlnha presideocia, na qnalidade
de 2* jult de paz, recorra a ootro expediente; ana
nao me attrlba aqaillo qae nio pratlqaei, e de ajee
son incapaz, como posso provar com o lesteuraobe
de qaasi toda a freguesia, e at- de alguns pareare
de S. S. mesmo, qae farem inteira justlea a roe
carcter.
Recite ti de abril de 1808.
JoSo de Azevedo Araujo Ptnktum*-
Publicacte a pedido
rls ao prego de 6 por cento ; depende s da appro- Janairp e Babia, na adminUtracao do crrelo.
ala do santo padre. Da caita de nosso correspondente de Lon-
Ogoverno de Roma da' como garanta um reo. dres, que nao publtoaruos boje pela hora adiaotada
dlroeoto consolidade correspondente as soramas em qoe hontem recebemos as cartas, comamos o
qae entrassem nos cofres do ministerio da la- segointe : ,.,. R.m ,
iada. < Segado dlzm a* correpoadoeias, o govaroo 86 a 97, o dito:de 1865 a 73 1|2 a 74 i|4* oa.41
riiiBcio pode deste modo fazee ton as desoasjs toa da 4 1|2 0|fj a 7 e 69. .
administrago publica por espago de dois an- O algodio de Peroambuco flea colado em u
oes, lem comiado comprebender os garios exig- ?erpool de 19 1|2 d. 21 d. por ,dtto do Marannab
Xarope tnico refrigerante (erro preparado pelo pnarnaaceutiso Jos
da Rocha Prannos, estabelecido nacidade-
do Recife provincia de Pernaabueo, roa
DireHan. 8.
Qsl& xarope, que di tem ao movisnenta
muscalar por sua qualidade fenar ar>
mesmo tempo purgativo pela par>a & re-
lame qoe encerr refrigeraol papar-
te acida, alm da precisa para partate atv
lucao e combioaco do ferro; este aucarj
pete acido fice, em extrema dis$o, as-
sim o mais soluvel qoe possteJ de sorte)
>

i

i

L
;
V
I
f.


V
/
=*=^
f -i .--
/
raoipsaegieasara ^]&re* i*'***ok^-Bseamio.
dosfracos* ttfl.trS-irApedras.
gaatr.* durante a dJ#2oc Os espoaiteres ,hrc*RiM-*<*"dr' -crnio.
<1 meficina ^SSO ddJopiniSf qWO*rro e fcre|fcleza-oranAao-Mera.
odas as suapreparabas g^iaiirdarwha-lo^oBiogiea-^Janii-idem.
et eminentemente tpnifias, que aeroieita 5r*gae 2?i'?-^ -*"'
em Bodas as molestias que sao earacterisa-
das por fraqueza; e com fleito acfao tuo
U essa opiniio; ro uus dado a ferro em
V


Bague agiez flar**ih-dem.
Brigue inglez /o* df Blmbethdem.
6aler nacional Umdello dem.
Brfgne nacionalfluminense-enarque.
Brigoe nacionalMarmAo //-idea.
Brigo* portugoez8. Joi-idem.
Patacho bespanholAdelmde-\iem.
Sumaca bespanhola Guadalupe dem.
CONSULADO PROVINCIAL
ftendimento do da i a 10......
dem do di II .....
34:916*I5
3:838*547
38:754*699
obstancia pelo mao resoltado que tenbo ob-
erv*dd/fe qoe j flz publicar) em cortas e
determinadas mel tias; por exeapto: ane-
. ma, e febres intermitentes, terminara moi- Loa' i kiBoothamercadelas.
tas vmak Mr inutpmi n*a A ar*nmiilar.ri Palacno hamcorgoeiMana ,uiia-*raercadorias.
^.M ""P^ <* ^!Z" S EGEBEDORIA DE RENDAS INTERNAS GE-
de serosidade no tesado ceUular (agoa quan- BAES DE pernambCO
do est entre-apelle) e depois sate oa hy- Rendmento do da i a 10....... w.7:W0*8l5
drapesia do aire, qoe accumulacao de Uemdodun............... 774*990
serocidade no peritoneo. | 8-75o8U
E* sabido qoe o ferro om dos agentes -'- *--
ais importante para qoe o sangue se pre-
pare e aperfeice devidamente, e por coo-
segainte o mais proprie para impedir o des-
eorolvimente destas molestias; mas sendo
elle om efficaaexitanle, sorben te e secer-
nente, cla|Q fw so associado como se
acha oeste xa#ope, pode dar o resultado
4pn se espera, e a experiencia me tem de-
monstrado sem risco de ofender as entra-
nbas.
Os effeitos dos incitantes, s5o: promover
as secreces, e bsorces, augmentar o ca-
lor aataralf e itoewer aquellas dores ene
nasca da vita' dotmovientos irrimtifos.
Os serbentes s|o tambera aquettes agentes,
os quaes aagmentaos os movimeatos irrila-
tivos, qoe formam absorbo, e ps s' cernen-
tes aquaHes file aegraentara os mavimenloB
irriUlives que censlituem as secresoes.
Assim, pois, v-se aue sem a precisa combi
ataale nafiafcaxa? fco f o* ser elle appfi-
cado indistictamnte. Muitas vezes o pra-
tico deixa de fazer applicacao do Trro por
conhecer sospeiiar que o gado, o bofe ou
pulmo, e ora"o essencial da respiracao, oa
otra eatanlia est offeadida; entretanto
que, se aetivesse applicado em tempo se
poderia tufe-evitado o desenvolvimento da
molestia. Assim, pois, oxarope prepara-
da corairlfc* exprjsro se pode asar sem ris-
co por alo offender as entranhas. As mo-
lestias contra as qoaes o xarope tnico re-
frigerante pode ser applicado com proveito,
sao: as arleriOrrneas, ou suspeco do flu-
xo menstrual das muiheres, anemia, oa di-
minuico da ma-sa do sangae e saa consis-
tencia alterada, dores de estomago, debili-
dad-i dos -ergios digestivos, fastio, flaxos
mucosos, flores brancas, chlorose, molestias
do sexo femenino, caracterisada per lan-
guor gerai, acclorisacao paluda da cor oa
esverdinhada, empobrecimento do sangue,
enfartes-chronicos das visceras abdominaes,
alporcas ou escrophulas, escorbutos, opila-
cao, pallidez, e os estragos prodozidos pe-
las molestias syphiliticas: asthenia oa falta
de forcas; fraqaeza geral: e ha hydrope-
sia anazarcs e ascites; tendo-se o cuidado
de observar nestas duas ultimas molestias
principalmente, e em todas s outras, que
om dos effeitos salutares de*te xaropa te-
ro-ventre correte, e as urinas desembara-
zadas.
6 modo de usar-se e regular-se vai des-
cripto no letreiro pregado no frasco.
Vendo-se nicamente na botica da ra
Direita n. 86 de
Jos da Rocha Paranhos.
300& a quii casa e terrenoT5ram penh-
rados por execucao de Francisco Ares de
Moraes Pires co* *:ranlB5^'
Andrade. E aaoimentfoUncal
mMhlfiAtfaikMAKtoi* im
^T3D5^8r4dfiai,
bra o preco da avallo, l^neinlcaasasT
r feita pelo preco da adjudiccao na forma
da Iei.
E para que chegue so coaeocimento de
todos mande! passar presente que ser pu- *''
blicado pela imprenss e afiliados nos laga-
res do costume. Rec.fe, 7 de merco de i 86.
Eu Manoel Maris Rodrigues do rTaseimento,
escriv3o o sabscrevi.
TristJo de Alencar Araripe.
O Dr. Tnsto de Alencar Araripe, offlcial da im-
perial Ordem*iRo*a ejoiz de direito wfwial
do comoierefo desta cidade do Reeih de Per-
nambuco por Soa liagestade Imperial e 6omU-
tacional o Senhor D. Pedro II a qiem Mas
guarde etc.
ac saber aos que o presente ediial virem e
nolicia lirerem qoe o da trtota de abr!
v' f. .^ Ra* do Calabeosi
n. mi dem e 18 dem, casa terrea.
Becco do Qaiabo.
casa terrea. .
N. 9* idW liTi^^r^ea.
' R2a d0 racawsmtwo.
N. 58 "dem e 3 rSem, sobrado. .
m Ra da Moeda.
. SMem e 41 dem, sobrad; de 1
. Roa da Cad'ei' 8o Tteeife.
N. #3 dem e S3 dem, sobrado de 1
ieaatf .......
-. ^... *a da Moeda.
N. mm e 37 dem, sobrado de 2
andar..........
Roa do padre Fleriano.
N. 67 dem a 65 dem, casa terrea.
Roa do Apollo.
N. 91 dem e 34 idera, sobrado de 2
andares
183^000
141*000
144*000
400*000
128*000
681*000
276*000
50*000
1:400*000
CQMPANHIA PERNAMBCANA
os legtimos proprieanoi das acjSes des-
por mandado do Illa. Sr. Hiato ? direb espe-
cial do eommerclo levara'l*la Wefra 've* a lei-
hvismM deseoc.mi.hadode ten poder as de nV.i L^iSt^^4W^*> -^ huida de. Asae-
H86 898 e 2786 a 276, pela gerencia da Compa-!
[]*>?*Mm W*Ws 41., *mportaca
WOVIWENTQ DO PORTO
^~*~-m............ I
ftovios entrados no Ha 11.
Rio de Janeiro e.Bahia7 das, vapor america-
no South Amenes, de 2075 tooeladas, comman-
dante Tenklepaogb. eqalpagem 74, carga tartos
groaros; a Hearr Foratar Si C.
iordeasn e portea intermedio 16 das, vapor
fraueaz Navarre, de #271 (aleladas, coaman-
daote A. Maseme, eiagipagetl 114, carga va-
9 ros eneros': a Tisset Frerea & C.
Trra Nova27 dis, brieoe inglez Titania, de
219 toneladas, oapitio W. Tbomas, eqaipagem
13, carga 24S8 bacricas com bacalbio; a Jobos-
too Pater & C.
Savws saludos no mesmo da.
PortoBarca porrogueai Urna I, espillo Jos
Franchfco da Caoba, carga assacar e ootros g-
neros.
Hanpton Roades -Hiate americano Joftn Rose, ca-
pito J. Uowell, carga assacar.
New-York e portes intermediosVapor america-
no South America, eommandante Tiaklepaogh.
Obstroofo.
Sospendeu do la mar ai pora West Iodies, a ga-
lera ingleza Quan TravilU>; capilo Me. Calmont.
eoa o rneMBatesoro qae Bravie do Rio e Janeiro,
mi........
EOITAES
0 Dr. Virgilio de Gaso Coelho, juiz raa-
nicipal supplente da 2.a vara em exerci-
cio nesta cidade do Recife de Pernambu-
co etc. etc.
Faco saber aos que a presente carta da
editos virem em como a unta administrativa
da Santa Casa de Mi ericordia do Recit, me
fez a petic5o do theor seguinte: Da a
junta administrativa da Santa Casa da Mise-
ricordia do Recfe, que quer fazef citar a
viuva de Manoel Antonio Carneiro, para
primeira d'este juizo fallarem aos termos de
um libello em que lhe quer pedir/ o sitio n.
20 particular no lagar Carreira dos Mazora-
delle
do correte aano se ba de arrematar por venda, a
qnem mais dea ab ptaa publica* 4este jaiio o se-
guate : J1V I *
Duas pequeas casas ternas sitas na Cap naga
no lagar Baixa Yarda, as ua** nao ten numero,
(eado cada orna denove palmos de largura e tria-
la 9eis mero palmos de largara, digo de fundo,
com ama porta e jaoella a frente, duas pequeaa*
atea e um guari, cosinha, na sala de detras quin-
tal em aberto, avallada por quatro centros mil reis,
cada urna; as ques foram penboradas por execu-
Cio de Llbanio GMdldo Ribeiro & C\ contra Anto-
nio Luiz Nunes.
E nao bavendo lanzador que cubra o pceeo da
avaliaco, a arrematecao sera feita pelo prego da ;
adjadicago na forma da le. E para qoe chegue i
ao conbecimento de todos maodei pasear o presen-
te que ser publicado peta imprensa, e affixada nos '
lugares do cuslume.
Recife 12 de margo de 1866.- Eu Manoel Mara
Rodrigues do Nasclmeote, escrevo, o sabscrevi.
Tistio de Alencar Ararloe]
O Dr. Virgilio s Gasnwo Coeteo, jad anicipal
sQpplente em exercicio da segunda vara desta
cidade do Recife de Pernambuco e seo termo,
por soa magestade imperial e constitucional o
Sr. D. Pedro II, a quera Deus guarde etc.
Fa$9 saber pelo.presobteque a junta adminlstra-
kv da Santa Casa de Misericordia de Recife, por
eu procarador me eaneralou a perlclo ,de theor
ertnte:
Dfc a junta administrativa da Sania Casa, de Mi-
sericordia do Recife, que qaer faier citar aos her-
deiros de Miguel Ferreira de Mello, para a primei-
ra deste juizo fallarem aos termos de um libello
em que Ibes ser pedir o sillo da n. 18 particular,
no luga
posse por
Rjtede S. Bom Jess das Cnoulas.
N. 61 leme 8 dem, casa terrea. 131*000
Patrimoio de orphos.
265*000
800*006
189*000"
193*000
146*000
Ra do Rangel.
Ca. learoa i. s particular e 66 pu-
bllco...........
Praca da Boa-Vista.
Sobrada | a*fftf;?{anicular
e 13puWteo. ... ]
S. Goncalo.
Casa teitea n, 10 particular e 22^u-
blico. ........
Idea n. 11 idea 24 idem. .
Rosario a Boa-Viste,
dem n. 14 particular e 58 pnblico.
Cadete do Recife.
Sobrado de 2 andares n, 17 particu-
lar e 59 publico.......I*rj00s000
dem n. 18 idea o 87 idem. 9569000
Madre de Dos.
Sobrado de 1 andar 22 particular
9 poblico. .... 301000
dem de 2 andares n. 24 idea e 26
,idem. ,.........720*008
dem de I andar n. 28 idem e 24
dem..........1:0019000
Madre de Dos.
Casa terrea n. 26 particular e 20 pu-
blico.......... 601*000
dem n. 28 idem a r8 idem. 440*600
dem b,29id^rae 16 Idera. 496*860
dem n. 31Ideare M idem. 7fl**v0f)'
dem n. 33 idem e % idetn. 301*000
Becas das Boiaa.
I Sobrado' i lar e 14 publico.......
dem n. 39 idem e 18 idem. .
Roa da Lapa.
Casa terrea n. 41 particular e
3619000
501*000
r denominardo Saia^dTqoa MUhlnTd hl?8a ,errea n- 4I Prilcalar e 2 pu- .
or titulo de aforamentofeltoao dte. Ml|uel | uco- 50*000
Ferrelrade Mello, visto terem os snpplicados ca
bido em commisso como melhormente se exprs-
sara' em seu libello, pena de revelia, Bcando logo
citados para todos os termos aa cansa at final exe-
cucao.
B porque a sopplieante igoore" quaes setea es*
ses berdeiros, por isso requer iV. S. se digne
mandar passar cartas de editos, com o prazo de 60
das para seren os snppfcados citados por todo o
comeado nesta.Pereira e Soura.Proc. civ. d.
203.
Porianto pedo ao Illm. Sr. Dr. jote municipal da
segunda vara assim lhe delira.E. R. M. M.-Co-
molprocurador Jos Theodro Gomes.
B nesta peiico que me fot apresentada del o
despacho do tbeor segal ote:
Destrboida como requer. Recife, 28 de feve-
reiro de 1866.Coelho.
47
Roa da Moeda.
Casa terrea- n. 4fc particular e
publico.........
dem n 47 idem e 49 idem. .
Ra do Amor i m.
dem b. 55 particular e 24 publico.
Aieite do Pelxe.
Sobrado de 1 andar n. 62 particular
e 18 pnblico........1:0039000
302*000
202*000
73*000
dem
pu-
;i
19
bos; as salinas, (toqual se acha de posse ^ A,^^'JXfiL&^IZ-^
n..nni:. i___:i i. j-- f ..#--. JuitouuHBermeAagasto deAtnayde.este em obser-
supphcada por htBlo fe aforamenlO feto ao yaneia a este meu despacho, fez passar o presente
dito Manoel Antonio Carneiro, neto ter a editai pelo qaal e seo tbeor, chamo, cito e bei por
supplicada cabido em commisso, como me- citados a todos os herdeiros do mencionado suppli-
Ihorii'Pnte Mnrpssar pm spn lihAlln nftna caa M,guel FerreIrs de Mello, para que dentro do
luur.i.enie expressara em seo "oetio, pena prno de ^ d(as m 0n por sem
de revelia, bcando logo Citada, para todos OS procoradows Mte este juno, allegando e provando
termos da causa at final execucao. E por o que fdr s> bera de sea direito e jutiea, sob pena
que a- -supplicante ignore quem seja essa de se proceder as suas revenas.
viuva, por isso requer aV.S'. qnese digne de
mandar passar carta de editos com o praso
de 60 dias para ser citada a supplicada por
Portento toda e qualquer pessoa, prente, amigo
ou conbecidos dos referidos herdeiros, podte-lhea.
nao faier sciente do todo o expendido.
E para que chegue ao conhecimeno de todos,
todo o contndo n'esta.- Pereira e Souza. oandel fazer o presente ATTEMCO.
Xarope alchoolico de veame, preparado
pelo pharmaceutico Jos da Rocha Paranhos,
estabelecido com botica na ra Direita n.
88 era Pernambuco.
Este xarope incontestavelmente superior
a todos os xaropes depurativos, de caja
composico o seu maior eleiento a salsa
parrilha, pois que se tem conhecido ser o
veame mais enrgico para a prompta cura
das molestias, cuja-base 'essencial depende
da purificado do sangue ; assim pois se
tem verificado por muitas pessoas que se
achavam desengaadas, as quaes acham-se
hoje restablecidas com o referido xarope
alchoolico de veame; entretanto que al-
guns, tendo usado* do xarope de Carinier,
de Larrcy, de salsa parrilha, de saponaria,
oleo de Bgado de bacalho, e oatros agentes
desta ordemnada consegoiram. E' elle de
fcil digestio, agradavel ao paladar e ao ol-
phato Alguiis mdicos desta cidade e da
de Macei o teaurecommendado para a ca-
ra das
Impigens, tinha, escrophulas,
Tumores, ulceras, escorbuto.
Cancros, sarna degenerada, flux o alvo.
Todas estas affeccoes provm de urna cau-
sa interna; nao ba pois razao alguma em
rr que ellas se podem corar com remedies
externos. Tambem se prescreve o xarope
alchoolico de veame para o trtamento das
affeccoes do systema nervoso e fibroso, taes
como:
Gotta, rheumatfsmo, paralysia.
Dores, impotencia, esterilidade, ,
Marasmo, hypocondria, emmagrecimento.
O xarope alchoolico de veame sobre
todo, da maior utilidade para corar radi-
calmente, e em pouco tempo o rneuma-
tismo.
Adverte-se que o verdadeiro xarope sB
vende nesta cidade na botica cima indica-
da, do abaixo asignado; e em outra qual-
quer parte qoe se tem aonunciado ato da
mesma composico, e nem abaixo assigis-
dose responsabilisa.
Jos da Rocha Paranhos.
i________i i..............mammam

COMMERCIO
Xovo banco de Pernam-
O Noiw Baoo dascoeis letras a 12 pornto
ao aano, toma dinbeiro a pram flMa> cartonta
corrate pelo premio e condicoes qae ge eonven
kaar. e saca sobre a pra^a da Babia.
Novo Banco (lePen*am}i|co.
o novo banco paga o 16" dividendo ne
rarzJo a>#150 por accSo.
318*06*673
^:863*f77
Proc. civ. notta 203 por tanto pede ao Illm
Sr. Dr. juiz municipal da 2.* vara lhe deli-
ra. E R. M. Como procurador Jos Theo-
dore Gomes.
Cuja petico sendo-me apresentada n'ella
dei o dispacho do theor seguinte:
Destribuida, como requer. Recife 22
de fevereiro de 1866. V. Coelho.
Em virtude de dito meu dispacho foi a
accio distribuida ao escrivo Cunha, e este
passou a presente por bem da qual, e sen
theor citada a viuva de Manoel Antonio
Carneiro, para fallar aos termos de um li-
bello civil que lhe vai propor a junta admi-
nistrativa da Santa Casa da Misericordia do
Recife, pedindo-lhe a entrega do sitio n. 20
no lugar Carreira dos azombos aas salinas,
visto ter eahido em commisso; como ludo
declara a peticao aqui transcripta, aflm de
que no praso de 60 dias contados da data
do presente,, compareca em juizo por si ou
por seu procurador a allegar o seu direito,
e defesa, sob pena de revelia; para o que
gares do costume e publicado pela imprensa.
Dado e passado nesta cidade do Recife de Per-
nambuco, aos 3 de marco de 1866.
Eu Guilberme Angosto de Athayde, escrivo o
sabscrevi.Virgilio de Gusmo Coelho.
N. 9 rg. 400. Pagou 400 rs. Recife, 3 de margo
de 1866.-Chaves.-Sena.
Vai pagar 250 O. de direilos d chancellara! I
~n Alti3v 63 idem e 14 idem.
Ra da Cacimba.
Casa terrea d. 65 particular e 5
blico.........
Idea n. 7 idem-e fO itera. .
Ra dos Burgos*
Casa terrea n. 68 particular e
patuco. ..........
Ra do Vigarlo.
Sobrado-de 2 andares n. 72 particu-
lar e 27 publico (1 andar). .
dem idem (2 andar). ... 0
dem idem (foja). .._ .
Kua do Encantamento.
Sobrado du 2 aadares n. 78 particu-
lar e 11 publico........
Seozala Velba.
Sobrado de 2 andares n. 78 particu-
lar e 136 pnblico.......
dem n 79 idem e134 dem. .
Mam o. 80 idem e 132 idem. .
C&a tarrea n. 81 particular e 18 p u-
bWeo............ 193*000
Hua da- Gol.
Casa terrea n. 83 particular e 27
publico.- .-. ... 132*900
dem d. -84 idem e 29 idem.... 1255000
Ra da Craz.
Sobrado Be 2 andares n. 89 particu-
lar e 14 publico.......701*000
dem a. 90 dem e 12 idem. 731*000
Ra do Pilar.
503*000
97*000
831000
101*000
180*000
180*000
300J000
807*000
553*000
501*000
* <
nhia Peroambucana e por ordern da directora se
declara qoe da data deste a 30 dias, a viste da
reijuislcao dos mesaos ibes vio ser entregues no-
tas aecoes de igual nuraeracio em sabsUioicso
aquellas que cam assim sea valor algum,
Pernambuco 14 de marco de 1866.
_0jterenteF.F. BorgeS;_______
iiptcco e arsenal de marinha
Faz-se publico qoe a commissio de perilos,
examinando, na forma determinada na regulamen-
to anneio ao decrete o. 1,324 de 5 de fevereiro do
1851. o casco, machina, caldeiras, apparelbo, mas-,
treaco, vjame, amarras e ancoras do vapor Pa-
rahyba da eompanhia Peroambucana de navega-
cao cosleira, achou todos esses objeetes em estado
de poder o vapor navegar.
Iospeccio do arsenal de marinha de Pernambuco
10 de aorll de 1866.
O inspector,
H. A. Barbosa de Almetdm.
Pela inspectora da alandega se faz publico
qae no da 13 do correte a' 1 hora da tardo se
ha de arrematar a porta da mesma, urna calta
com a marca LF n. 5 vinda de H.mburgo no na-
vio hanoverlano Helena, entrado em 23 do prxi-
mo passado, contndo booeeos de massa a va ra dos,
a qaal foi abandonada aos respectivos direitos por
Ladislao Jos Ferreira e avaliada em 20*.
4.' soccao da alfandega de Pernambuco II de
abril de 1866.
... 04 escripturario,
Joao_de A. Pereira Rocha.
CRREie filUL
Pela adminisiracao do crrelo desla cidade, se
faz publico que em virtude da convenci postal
celebrada pelos governos brasileiro e franoez, se-
rlo expedidas malas para Europa no da 15 do
corrente pelo vapor inglez.
As ama ser recibidas at 2 horas antes da
que fr marcada para a sabida do vapor; e os jor-
naes at 3 horas antes.
Admioistracao do crrelo de Pernambuco, 9 de
faUrtrffe 1866.
O administrador
Domingos dos Passos Miranda.
Admiaisiracio do eorreio desta ci-
dade precisa de seis bometis para o serv-
cq de caminheiros : qaem estiver nestas"
circumstancias e quizer-se engajar dirija-se.
a mesma. ________
mmm @ibm
Relaele das cartas (Ufaras existentes na admir-
traco do correit desta cidade para os senhores
abaixo declarantes:
Dr. Antonio de Castro Alves.
Francisco Joaqoim da Costa Fialbo Jnior.
Dr. Irino Ceciliano Pereira ioffely.
Padre Ignacio Francisco dos Santos.
Joao Loareogo dos Santos.
Jos Carneiro Rodrigues Campello.
---------- de....
i ??? *erv'odo i base a uBerta oblida
no leilio do t de correle raec, islo
HOJfi*
dreln.,M, i0 umum ru* 4* G"*flta *> Re-
De
THE1TRO
DE
rd pu !errea.D'9' parlicul,r ; *f i68O0O
mando a todas as pessoas, prenles, amigos-) q p n j_ M'an 'nn. A commissio incumbida de dirigir os ne-
ou conbecidos da viuva de Manoel Antonio ^aUla UlSa Q3L IU.lSGriCOr(113..gocios da exposicao desta provincia, previ-
ALFANDB6A-
iosento do Ti7W2
doev 11.....
Carneiro, lhe facam aviso de que por este;
citada para o que cima boa dito.
E para que chegue ao conbecimento de
todos, mandei passar o presente qae ser
publicado e atfixado no lugar publico do
custume.
Dado e passado com o preso de 69 dias
n'esta cidade do Recife aos3 demarco de
1866. Eu Pedro Tertuliano da Cunha es-
crivo o escrevi, Virgilio de GosmSo Coe-
lho. Vai pagar a qoantia de 250 rs, de di-
reitos de chancellara. 0 escrivo Caoba.
N. 1223- 250 rs. Pagou 250 rs. de*fei-
tos de chancellara. Recife 3 de marco de
1866. Chaves,Limoeiro,
Vai pagar o sello d'este edital que impor-
ta em a quantla de 400 rs. O escriv5o
Cunha. Estava o sello n. 16400 re. Pa
gou 400 rs. Recife 3 de marpo de 18=
Chaves.Sepa*
Esteva o sinete das armas Imperios do
Tribaoal deRelacSo. Firmino Aatob de
Souza, presidente. Transitou pela ciamcel-
laria Recife 6 de marco de 18GG. O
escrivo Francisco dos Res Nunes Campello
Jnior -** Lmcadrj* lf; 100 db'nitro
competente n. 13. Recife 6 de mato de
46#:<*-Campelto. E m raats se aoalinha
em dita carta de editos aqu copiada qae eu
escrivo bem fielmente copiei do proprie.
original a "qae me reporto, e este.flz en
cousa que duvida faca, conferido e concerta-
do na forma do estylo. Cidade doitecife
aes 6 dias de marco de 1866. Escrevi e
assigno emf de verdade-----0 escrivo Pe-
dro Tertuliano da Conha.
X. 1222. Pagon 250 rs. de direitos de cbancel
laria. Recife, 3'de marco de 1866.Cbave.'.Li-
moeiro.
Transiten pela chanceltoria. Recife, 3 de marr^o
de 1866. O escrivo Francisco dos Reis Nunes
Campello Jnior.
Lancado a fls. 100 do competente livro n. 13.
Recife, 3 de margo de 1866 Campello Jnior.
Firmino Antonio de Souza, presidente.
Estavam as armas imperiaes.
E nada mais se coutinba em dito edital aqui co-
piado do proprio original.
Dado e passado nesta cidade do Recite, aos 5 de
marco de 1866.
Eu Guilherme Angosto de Athayde, escrivo o
subscrevi.
Virgilio de Gusmo Coelho.
DECLARACOES
dem o. 92 idem e 103 idem. .. UilJsOOO
dem n. 93 idem e 101 idem. 174*600
dem b. 94 idem e 99 idem. 255*000
Idemn 95 itftm e 89 dem. 239*000
dem n. 96 dem e 2 idem. 73*000
dem n. 97 idem e lio Idem 1639000
Idean. 108 Ideme94 idem. 174*000
Sitio a, 1 no Rarnameirim. 240*000
dem n. 5 no Forno da Cal. 150*000
Secretaria da Santa Casa de Misericordia do
Recife 6 de abril de 1866.
O amanuense,
Francisco Gomes CasteIJo.
Expsito dos productos a-
gricolas e industriaes da
provincia,
do Recife,
A Illm.* junta administrativa da Santa Casa de
Misericordia do Recife manda fazer publico que
?o dia 12 do corrente pelas 4 oras da tarde na
sala de suas sessSes tem de Ir a praca a renda das
casas abaixo declaradas por tempo de um a tres
anno?.
Os pretendentes devem comparecer acompanha-
dos de seus fiadores ou manidos de cartas destes.
Eslabelecimenlo* de cardade.
Ra do Imperador.
N. 1 particular e 14- publico, sobra.
do de 1 andar. \m.M 7 679J0OO
Ra do Queimado.
N. 2 idem e 15 idem, sobrado a> 3
andares...........
Ra Direita.
N; 3 dem e 8 idem, sobrado de ir-
andares.........1:067*000
Roa do*Padre Florlano.
N. 5 idem e 49 idem, casa terrea.
N. 6 idem e 47 idem. casa* terrea: .
N. 8 idem e 43 idem. casa terrea.
ne aos artistas que desejarem concorrer com
os seus productos mesma exposicao. e
| que nao o possam faer por falta de recur-
sos, que devem dirigir-se ao secretario da
commiss5o para obterem os auxilios neces*
sanos acquisicao das materias primas des-
tinadas aos ditos productos.
Sala da commisso 15 de marco de 1866.
O secretario,
Manoel Bnarqae de Macedo.
Reaa4ianaaio loroossa Senho-
EHPREZ4-C0MBIU.
Sabbadol4deabrdel866.
Representar-se-ha c drama em 5 actos
0 SOLAR DE MONTARGIL
Dar fira o espectculo a comedia em 1 acto,
ornada de canto
0 pai e o noivo.
Os Srs. asslgnantes tem preferencia aos seus
camarotes e cadeiras at o dia 13 do corrente.
Os bilbetes esto a venda no lugar do costme.
Coraecar s 8 horas.
AVISOS MArUTtmOS *"
COHI'AXHI.-t KH.4NILIIKA
DE
PAQUETES A VAPOR.
Dos portos do sol esperado
at o dia 14 do corrente o vapor
Paran, commandante o capito
da fragata Santa Barbara, o qnal
depois da demora do costume,
seguir para os portas do norte.
Desde ja recebem-se passagelros e engaja-se a
carga que o vapor poder conduzir, a qnal devera'
ser embarcada no dia de sua chegada, encmmeo-
das e dinbeiro a frete al o dia da sabida as 2 ho-
ras : agencia ra da Cruz n. 1, escriptorio de An -
onio Luiz de Oliveira Azeveao 4 C.
(MrAMliA BRASILEIKA
DE
PAQUETES A VAPOR.
E' esperado dos porto do noria
at o da 17 de abril o vapor
Cruzeiro do Sul.commandante Al
IdEILAO
faieadas^ miudezas c fema-ei.
UWVIV.
Quinta-feira 12 de abril as 10 ksra.
(POH C0KTA DE DIVERSAS CASAS BSTBA0R1R6 AFIM
DS FECHAR G0NTAS DE VNOA )
NOARVAZBM DO AGENTE jm-
OLYVIPO
-PRAgA DO COMMBI*CIO-4i
0 agente cima espera a cooeorrencia da seos,
amigos, continuandoo mesmo alazor eo4lo ar-
mazem duas Iefl5es de faendas por mea, send)
aos das Ifj e 2 anrianfladdo 3 da aotOA
De mobilias de Jacarando aoarelfo a' Luiz XV, 1
mesa elstica, i aanfnario de |aearanda, 1 ton-
cadorde dito, 2 atetas de amar el o. 1 marque-
lio, 1 par de consolos do aojar ello, 1 carteira
pequea, cadeira (fe aorir,'"! secretaria de
mogoo, 1 sof' d amaredo, cadeira* d fiia e
de Jacaranda, marqaezas, camas de armacao,
eupeinos, rerogiwrJe cinw de mesa e atgioeira,
1 par de laoterras, i silva debata, 1 pajiteiro
de dito, t apparelbo de jatar1, copos, garrafas,
clices para vinho e cnampaehe, afras, bandei-
jas, caodieiros o ouiros muitos objnetw qae se
torna enUduiiho aeoctonar.
Cordlelro *\mbtn
por conta e risco de qnem prtcOcer fara' leilo
de todos os enjertos acim* eocionailo.
msK
Quinta-feira 12 da cartate as 11 aeras.
NO AIIMAZEM A RA DA CADEIA DO RKCIS J. 2>l
O mesmo ageote pede a lodos o seus aomileD-
tes e amigos que hajam de vir pagar e reoeaerco.,
visto querer fechar coalas de vaada.
De, um carro dn rodas eom
arrotos para >ous cavallos
O agente Hartios fara' ieilo por conta e risco
de quem i-ertenc-r de om cirro de 4 rodas e com
arrelos para 2 eavallos.
Noarmazemda ra da Cadeia n. 53, as 11
horas.
LEILAO
De movis, crystaes e ulros objeclos.
ItOJE
Ra da Cadeia n. 53.
O agente Martins fara' leilo por conta de di-
versos de 1 mesa elstica, 2 aparadores, I espelbo
grande com moldara dourad*, 1 lavatorio com po-
dra, 1 commoda, 1 sof', 2 consolos, 12 cadeiras e
me^a, 2 cadeiras de braco, 1 toucador, 1 cadeira
de balogo, 2 cadeiras .para viagera, 2 jarros, t
apparelho para juntar, 1 candieiro a gaz, 1 car-
teira para escripiono e outros muitos artigos do
gofto.
LEILO
DE
EBAVO.
Sendo : um escravo robusto, por oome Viceole,
de 30 annos de idade, trasalho Dracal, um mitro
de 40 annos de idadd, pr.ipm para- stvi; d-i
campo em alirum sitio, as li horas do dia', aa ru
da Cruz n. 38, primeiro andar.
De
JLEIJLAO
urna casa terrea
O agente Pinto legalmeote auto:isado fara' lei-
lo da c wrraa da travessa do Pfixoto n. 2?.
freguezia de S. Jos, a qual rende 14& por me:, as
10 horas do dia cima dito em seu escriptorio a
ra da Cruz n. 38.
LEILAfJ
DE
Da posse do terreoo de mar i oh a. 369 A. com 70
palmos de frente na roa dos Guararapes e de
fundo todo o espaco da mesma ra a ra do
Brum, seodo dito terreno j aterrado.
HOdE.
__ O agente Pinto legalmeote autorizado fara' lai-
lao as 10 horas do da cima dito, do terreno ci-
ma descrlpto, proprio para edirkacao, em seu es-
criptorio a' ra da Cruz n. 38.
LEILO
um
imi t-asa de pedra e cal na ra
da f-Jsperanc n. f.
Urna taberna na ra Jas Xlnpbas
fregaezla da Boa-VI a.
O agente Martins fara' leilo por ur.]-m dj Illm.
Sr. Dr. Claudiuo de Araujo liuimares consal de
colorado, oqoal.depoisda demora Portugal, de urna casa terrea de pedra e caL sita
do costume seguir' para os por- M rna da Esperanca (terreno proprio) ei de urna
armario de louro e gneros exislentfs na tiborna
da ra das Ninphas perteocente ao espolio do sub-
dito portoguez Jos Pedro Marques da Silva.
Seita-ferra 13 do eorrente.
Aa 11 horas do dia na asoa taberna.
M>^^^M*II lll-l i
os do su
Recebem-se passagelros e engaja-se a carga que
o vapor poder conduzir a qual dever ser embar-
cada no dia de sua chegada ; eocommendas e dl-
nheiro a frete at odia da sabida as 2 horas-;
agencia ra da Crus o. 1, escriptorio de Antonio
Lnlz de Olivatra Azevedo A C.
N.ll idem e $z itera, aafa*rre*..
ravssa de S. Jos.
N. 13 idem e 11 Idem, casa terrea.
N. 14 idem e S idem, casa terrea. ,
N. 1S idem e 7 idem, casa terral .
Rna das Pescadjaas^ ..
N. 16 idem e II idem, casa terrea .
Raa da Calcadas.
N. 18 idBn e 32 iaern, casa tarrea.
N. 19 Idea e 34 idea, casa larrea.
N. 20. idem e-36 idem, casa arrea.
14.24 idea e 3 Mea, casi terrea.
Rna das Cinco Poma*. .
N. 23 dem e 90 idem, casa terrea.
N. SS idem a 110 ideo, essa arrea.
aua.da Vira^ao.
N. U idea 7 idemcaea.terrea. .
N. 27 idem o 1 Idem, caaa tarrea-
Rna de Santa Tbereza.
N. 31 idem e 7 idem, casa terrea.
ra da Concelcio de Ollnda.
Neste reeolhimooto foi ltimamente creada por
orBera de S. Exc. Hvma. o Sr. bispo diocesano
urna escola publica para meninas, regida por mes-
iras habilitadas em diversas pieudas necessanas
so sexo, com o flm principal de auxiliar a instrac-1
-= grajarita as fllhas dos habitantes d'aquella ci-
de ajile saos arrabaldes.
cola est aberta at o flm do correte
me, podando os pas da familia entenderse eom
de suas fllhas.
153#0001. aaVsbaaflUilm. SoaaWbeiro em chTfe
I da reparticao das obras publicas, se faz publico,
153J00 para conhecjiaiento de quem interessar possa, que
tf9#jMO|a parir de segunda-feira, 16 do corrente, flear
flSOpDiO interrtarpido o transito de animaes, carros, omoi-
BSM e qnaeaoer .outros-aahiculos de condcelo,
216,v)00 na ra da Iraperairjz, entre a travessa do Ferreiro
e a ra da Aarora.
fJMSJtl
***^ *bril de 1866.
Para o Aracatv
O hiate Dovs IrmBos, para carga trata-se cosa
Tasso Irmos en como.Sr. Quintal no trapiche do
algodSo. r||j J_____________
Gompanhia Pernambucana
\avcg;acio casteira por vapor
Aracrj e escalas.
O vapor Parahyba, commandante Mani?, sahi-
ra' para os- portos cima no da 14 do eorrente as
a horas da tarda, aajaaa JSJBk, %*..
Recabe carga soraanttapo dia 13, paasjfeiros,
eacoomeatlas o djo*Ja ffealaBija TMs da
rdelofi dKsihiSfeaptlrarljErte do
o patacho r^RAKHS, sor ter oseu carregamea-
to quasi prooota, e para o poaco-que lhe falta tra-
ta-se coa o consignatario Joaqoim Jos Goncalve
Beltraj.aa.caardjo Vyarw a. 17, 1 apdar.
176*000
157*000
240*000
*>4djew
2C4*000
a""
?SMWSetfja slbrrat* ab dial! do correft>
tn, a brigua aortofuet Ltdador da primoir* clasm
Manoel Soams lSal|eiro, subdito portugoez,
ap-
iolo Joaquim i) S. Vrejft).
O Dr. Tristo de Alencar Ararip, oficial da n. a idea o S idan/mlarri
imperial ordem. da Rosa e joiz especial m o, Rna laraa do osario.
de commercio, nesta cidade do Recife d<
Pernambuco por S. M. Imperial, etc.
Faco saber aos que o pvesaatrattal
rem 9 dehe noticia tiverem que no dia 1
MOVIMENTQ P> ALPAND
^folumes entrados coa faxeodas...
com geaeros...
jarj#o*ti '&*7Zs*'im9, selTdeaprtm
tar por aaadaa ajskasM riat der em praca
podiica deste juiso o setrainte:
ir N. 33 idem e 24 idem,
7 odares.
N. 34 dem e 26 id
dem idem segundo e terceiro anda-
A
134
563
I
/lames sabido ca (auada*... 8Jt
coa gneros.... 1,011
DeMrrarant tioee ttoft afefaV
Barca ingleza Uan farraba di rigo e nal ge-
Batas.
frfcjaa^ii *aa > 1 aSaaat ^m fdaHaa liaaa *ilaa
BnjBjBjaajBaj**' 9jmrir^ JJllPVI saaaiuissa UV U l^v.
Brigue fraecez Lmze vinhos.
Polaca espanbolaAntonietavinbos.
BareafraaeezaGawftaiww KM-marcaorta?.
Prfae aglez-L'fswo^-BeixaiorUi.
As qualro stimas tarta da casa tarros
' sita na ra Imperial com o A. ttd, aqaal
tem portao e maro na kea\, sendo a cas*
1,093 collocada no centro, com janeltas porta M
frente e nos oitoes, coa grande terreno atft
a Asar, e os fondo at o rio Capioaribe,
avaiiada ditas partes pen- 2:286^7*2.
Um terreno na roa Imperial eom 36 pal-
mos de frente com os fondos par a mar
psqaeoa, foreiro marinha, avaliado por
417*000
midemleja. ,,.,...
Roa do Cabug.
N. 34 idem e 1 A idem, loja. .
IdeaidemelB idem, roja. .
IdeWldemelD tdero', S'. '. '.
44 ida e 3 idtm, sobrada' da 3
sasasii. ^ .- I .>- i-.w%im
*. |||_ Vvara
' & 4J idea o 17 iota, eaaa ierraa. Jjse*000
N. 44 idea e 88 idea, sotrado 9 1
sadar............; mfOSB
N. 45 idem e 57 idem, sobrado de 1
andar........... 1:053*000
N. 46 idem e 48 ideo, sobrado de 4
aaaar..........1:W000
Mbunai 4 commercio
Pela aaereatia do. WfJOBl do eoooercio do
unaabuto sf(kX^oaOCo-^o ta aeiMaOa mea- '
iawaedo rjij^|ioWfniasiiediado va-
aSaata da eorrator dwta ar*?a( aa ewrcia
redericoataaaaCuaoMaa, o qul a abandonou,
restada, em favor do mesmo
~ a^aaaa^Ma_ AMa^a dasla data
i o prasode W^paraSnlr
is ao aiario
nal do commercio da Per-
le marco de 1866.
-ft agria aliior
Jallo OaUaaaraaa.
i in.i, >..
3, 6u coa o capillo Jos Gomes Avellar.
,fmWmmmmimmsm*mmsmm*isM
..na -,tikr
irr-ansi......
r ?
raeira
Leilo (te predios.
COfo jaop |
Urna casa terrea a rna da Maog
Urna ana ffTOa imperTlTiTST.
U sobrado fe um andar na mesma roa nu-
mero W.
-ai
AVISOS DIVERSOS
' ~ '
Bsiftinlo desde outubro de fS64
aberta urna assiguatur-a para. q. Srt. Fran-
cisco Santiago, Ramos, de Barrenos, e
achand i-se em debito de um anno vencido
em 30 de setembro ultimo, fui suspensa por
se ignorar quem a de vi* pagar; tenJ i, po-
rm, ha tras.das si lo roiiitlUa a' reJacrao
deste Diario uma correspop-daucid dassj
senhor, .foi declarado, por uma pessoa dest3
cidade qae pagarla ambas as importancias,
e, sendo ella dada estampa em nosso nu-
mero d hoQtem, declarou essa pessoa> que
n3o cumpria mais isso por circumstaacias
que calou. Em vista de tal procediraeoto,
publicamo-lo, para que o Sr. Raoo's aa/alie
o carcter de um tal bomem.
.. ni M li li.ii iT > i _......
Antonio Joaquim Ferreira Porto, retirase
para 4 Europa.
;Ura-ie ^oTest*
vai a Portugal.
contratar a arborisaco da mesma. aas Irrrta
!i .i iirif.mrii aiui
pal detta,daoBy aNfo de
da mesma. aa Itvarsu
jas imsi2&&mmctf
vwbPsW^bTbtw vnp*Ti
obtida a competente autoriafb; tara' leffllo dos
predi* *a*at*ataa aaa^atis desde ja podeta
rerexaaDiudoa,,40laaet laformatlo o mesmo
agente satisfar,'
478*000 apresentar saa propoMa
dia 11 do corrate ai 1$
"SJBB
ico maoicipat o
da aanhaa.
acnao se aa saere-
UfladareferldfeaaasajoiMie facultar aquM-
les que pretendafaa oaaraMU masoo servico.
mda camai monielBai do Rasiav*. da abra

Luiz Jos Prele SiaSo,
Pro-prftsidtntft .
Fraaeisao Caauta da Baaviagem,
Saefaatjfa
as 11 horrs no
'aHaSfilaV:
o sera' efftctuado.
Cadeia do Ra-
.ola
LfitLO
1 aa..
Das divids da rosa fallid de tai
rim, foaftzcs laalee 1C, aa mper-
tsncia di tfti,690*83 rs.
Cardeire Stoies
Corre depois d'amaalia
Acham-se venda qa respectiva xesou-
raria,; r^.d^Cifsop "n. jJL aejWbetes,
meios e quinjas-d V parte da W* toteria
(87)', a neaeltoo do theatro de Santa ba-
bel, cua sttaccSo ser no lugar e hora
do costume.
Os premios de 6V000*0(ja at W^OOO
serlo pagos uma hora depois da extracc3o
at as 3 horas da.Urde, eos otatros depois
As efteormnendas serifo guardadas so-
mente at a noite da vespera da extraccio.
Crthesoureiro,
Antonio Jos Rodrigues de Soasa.




9

%tM^MAmil^

Abril4.1866,
\
; ;>- 'r>~.,,h-r
aA i

I
Na ruaRreito n, 114, to-
ja de ourives
comprase ooro e prata e relogios velhos de lodas
as qoalidades, paga-ge bem. -_______
CasiTpm lijar na Capunga
Alagase am sobrtdinho na roa das Pernamba-
caaas oa Capunga, ten 4 salas, 5 quartos, cozioha
fra e copia', e mais 2 quarios fra, i b*nhe.iro e
galinhciro, e todo o fltio murado, acabado de novo;
a tratar com Aotoaio da Silva Ramos aa raa da
Prla 0. 78 ; o prego commodo.__________^_
O fiscal ea freguezla de S. Jos faz publico
para coohecimento de qaem iateressar, qae de
hoje em diaote se vender' no mercado publico
desta freguezia, lodos os das das 6 horas da ma-
nhaa as 6 da Urde, farinha de Santa Catbarlna, a
MO rs. a cota.
Wr Jaron yo Jos Perreira
Dr.liaacio Alciliades Yellozo, $
3 MEUIC M
RA DA OUERATRIZ N. 48.. S
CASADA
Aos 6:
S
Trata especialmente das molestias sy-
pbiliticas e de crianzas.

Precisa-se de urna ama para engommar;
na ra do Bruna n. 72, primeiro andar, pa-
ga-se bem.
Bllfcietes garantido.
A' RA DO CRESPO N. *J E CAAS DO COSTME
O abalxoassignado venden nos seos muito feli-
ces bilhetes garantidosdalotera qae seacaboo
de extrahir, a beneficio-da Santa Casa de Mise-
ricordia para c^nalis(c>4'agua e gaz no bospital
Pedro II. qs seguintes premios :
N. 1986 doas quintos com a son de 6:00 0$.
N. 3924 tres quintos com a sor te de 1:2003-
N. 1327 tres quintos com a sorte de 500&0O0.
E outras omitas sortes de 1003, 40$, e 20J.
Ospossuidores podem vir receber seus respec-
tivos premios sem os descontos das leis tu casa
da Fortuna raa de Crespo n. 23.
Acham-se a venda os da 2 parte da 6* lo-
tera <37') do theatro de Santa Isabel, que se ex-
trufaba* sabbado 14 do crrante.
PREGO.
Bilhetes.....6,1000
Meios......34000
Quintos.....1*200
m pesseas qae eanpraress de lOOjjkOOO
para cima.
Bilhetes.....*500
Meios......2*750
Quintos.....1**00
Manoel Martins Fiuza.
O abaixo assignado socio e gerente da casa
commercial nesta cidade, que gyra sob a firma
Antonio Cor eia de Vasconcelos & C,
avisa ao pnblico e especialmente ao corno do com-
mercio, qu; tendo de seguir para a Europa no
prximo piquete ingles, deixa como procuradores
da sociedade 'em primeiro lugar da mesma casa
o Sr. Joaqoim Doarte Campes, o qual fica na ad-
mioistraco de sua .casa e de todos os negocios da
mesma : e em segundo lagar os Srs. Jos Joaqoim
de Faria Machado, Dr. Ignacio Joaqoim de Souza
Leo e Bernardiuo Gomes de Camino.
Aproveita esta occasio para despedir-se de to-
dos os seas amigos vist > nao ter lempo para fa-
ze-io pessoalmente.
Autopio Crrela de Vasconcellos.
Precisa se alogar escravos por mez oo sema-
nas a i* por da : quem pretender contratar di-
rija-se a ra Direita n. 66, segundo andar, das 7
as 9 da maoha e das 3 as 6 da larde.
Para
Joaqun Newton de Carvalho,omprou por or-
* X _i__a.k. i-...*. iDaJ^hkab f ella Ditn_
FABRICA A VAPOR
99 RA DO MONDEGO 99
Deposito na raa Nova n. 50 loja de relojoeiro.
Delouche dono deste estabelecimento partecipa ao respeiUvel publico que sua fa-
brica est montada com as memores machinas que existem na Europa, o qne pode
abricartom melhor perfeicao possivel. Todo o chocolate desta fabrica est garantido, e
dem do Vrigadeiro Jos Rodrigues Lene Pitan- puro, que nao se pode encontrar aaquelieqne vem de tora, eque se vende porpreco
ga, o biihete inteiro n. 820 da lotera que deve baixo, viate os productos serem do paiz. Na eliqoeta tem sempre urna aguia.
A NACIONAL
Cempanhia. geral hespanfeola t& seguros flmtuos
sobre a vida
AUTORISiDA PELO REAL DECRETO DE 21 DE DEZEMBRO DE 1859
Urna fiaica en dinheiro, depositado nos cofres de estado, garante a boa a
rninistraco da companhia.
BANQUE1R0S DA COMPANHIA DIRECCA GERAL
O Banco deflespanha Madrid : Ra do Prado n.ie
Beta companhia liga pelo systema mutuo todas as combinag5es de supervivencia dos segu
os sobre a vida. /
Nella pdese lser a subscripto de maneira qne em nenhnm caso mesmo por morte o
segurado e perca o capital nem os juros correspondentes a estes.
Sao to snprehendentes os resultados que produzem as sociedades da ndole deA NACI
NAL,qae ainda mesmo diminoindo ama terca parte do interesse produzido em recentes liquida-
ces e oombinando-o com a mortalidade da tabella de Depare i eux que adoptada peta companhia
ira seos calculo* e liquidares, eui segurados de idade de 3 ai9 annos, amalnposigaoannua.
100*prodoz em effectivo metlico: _.,___
No fin de 5 annos.......1:119*300
, de 10 ........3:942*600
correr no dia terca-feira 10 do correte.
Precisa-se
alugar urna escrava de bons costumes para fazer
o servico de urna casa de pouca familia : na ra
do Vlgrio o. 26.
Precisase de urna ama para comprar, cosi-
nhar e engommar para casa de pouca familia, pa-
garse bem a vista do seu trabalbo : na ra larga
do Rosario n. 21, primeiro andar.
Ama, ama, ama.
Precisase de urna ama na ra de Santa Thereza
n. 14, e na ra do Vigario n. 6, primeiro andar.
~"^"No caes do Ramos n. 24 vende-seama batanea
decimal, em perfeito estado, quem precisar diri-
a-se a mesma easa.___________________
Precisa se de fallar com o Sr. Antonio Jos
Teixeira de Carvalho na ra do Qaelmado n. 6o,
subdito pertuguez, que ja oi cmico do theatro de
Santo Isabel._______________________
Na praca da Independencia livraria n. 8,
existe orna carta para o Sr. Dr. Candido Casado
Lima.____________________________________
Precisa-se de dous carroceros para trabalba-
rem em carrocas, as pessoas que se qoiterem con-
tratar podem dirigir-se a taberna do Sr. Fiaibo, em
frente do goartel da Soledade.
Precisa-se alugar ama mulher forra ou cati-
va que saiba bem cosinbar, paro o servido de doas
pessoas, paga-se bem; na roa do Hospicio o. 44.
Precisa-se de um copeiro para o servico n'ama
do Trapiche

PREgO.
. Meia libra. .'.... J 400
. Urna libra......... 800
Uma arroba........490000
Na mesma fabrica acaba de se montar uma oficina com serrara a vapor para
obras de marcineiria propria para ediflcio, para o que encarreg i-se de fazer portas, ja-
dellas, assoalhos (parqu francez como se asa na Europa,) armacoes, ludo com brevi-
oade e perfeicao. Toma-se qualquer eneommenda para fra da cidade, entregando-se
prompta a coilar-se no logar.
. de 15 .......!l:208#2to
> de 20 .......30:256*000
i de 25 ........ 80:331*000
as idades menores de 3 annos e maiores de 30, os productos sao mais considera veis.
Prospect e mais tnrormac8es serio prestidas pelo sub-drector nesta provincia.
oaqoim Fiuza de Oliveira, raadaCadeia n. 51, ou a Boa-Vista roa da Imperatriz n. 12, estabelci-
mento dos Srs. Raymondo, Carlos,Leite & Irmo.


casa estrangeira ; a tratar
n. 3 primeiro andar.______
na ra
Precisa-se de dous mocos para criados, om
de 12 a 13 annos, e outro de 15 a 18. Informa-se
na roa estreita do Rosario n. 28. _________
Precisa se de uma ama de leite, qae seja de
bons'costumes: na ra da Cruz n. 8._________
CUTAMA DOS lAIffi
DE
COJBIilfO A FREITAS
Raa da Cruz n. 16.

Precisa-se de uma ama para cosinhar
em casa de homem solleiro : na ra do
Vigario n. li, 1 andar.
AVISO
Caetano Correia de Qoeiroz Monteiro, propie-
tario do engenho Campestre da freguezla da villa
da Escada, previne a qualquer pessoa que tiver
de posse de uma letra da quantia de 330^ aceita
pelo annoociante, vencida em Janeiro do correte
anno, e como at a presente data anda nao ihe foi
apresontada para ser paga, e como nao conve-
niente pagar premio algum, protesta em tempo
para o possuidor nao ter reclamarlo algoma a fa-
zer nessa transacgao.__________________________
Arrendase uma padaria perto da praca, me-
nos de meia legoa, bem afreguezada, e montada
em todos os seus pertences ; na ra de S. Gonca-
lo n. 26 se dir'._____________________________
TestDni'uto
Achou-se o de D. Joaquina Rosa
que pode ser procarado aa travessa
Dos o. 11._______________________
- PaV->ppira',a 4*> eolleeto Go Bom Conselho o
escravo Galdino^de 9 para 10 annos de idade, ac-
boclado. o qual toi vestido de calca azul de qua-
dros miudos, camisa branca e bonet : quem o pe-
gar e levar ao dito collegio, ra da Aurora n. SO,
ser gratificado.
Precisase de um caixeiro que enldnda de
escripta, e que d fiador de sua conducta : a tra-
tar na roa do Amorim, fabrica de licores._______
para andar com
a tratar na ra
Preci-a-se de alugar uma escrava para lodo o
servico de ama casa, embora nao saiba cosinhar
nem eoROinmar quem tiver para alugar dirija-se a
roa do Hospicio n. 38 para tratar.
Precisis-e de uma engomraadeira : na roa
do Imperador n. 17________________
Precisa-se de um fomeiro para padaria e
tambero de trabajadores que tenham as babilita-
coes necessarias, na paderia da ra larga do Rosa-
rio n. 16. -*_________________________
Precisa-se de um trabalbador de masseira, na
ra Direita padaria n. 69._________________
Precisa-e de om homem para trabalhar em
om sitio e que entenda de cortar capim, na roa
Direita n. 69._____
de
da
Carvalho,
Madre de
Precisase de um criado
uma calza de joias todos os das:
do Hospicio o. 33.
Precisa-se de una pequeo de 14 a 15 annos
para caixeiro da taberna da ra do Raogel n. 75
que leona pratica e d fiador a sua conducta.
Na ra do Raogel n. 9 precsale alngar uma
preta escrava que saiba cosinhar e engommar.
Precisa-se de um caixeiro que tenna pratica
de pbarmacia : na roa Larga do Rosario n. 34
botica.
Fgnora-se a morada do Sr. Andr Jos Dias
Pcreira, e por isso venha receber na olarla n. 13
na ra do Mondego, orna carta sobre negocio que
nao ignora.
mmmmmmmmmm mmmm
m CASA DE BANHOS i
M S
S 26 Pateo do Carato 26.
Ne6te estabelecimeoto to impor- g
i tante para a saude e asseio do cor- i
I po, acham-se montados 20 banhei- '
JK ros, qne sao servidos com a ordern I
H e asseio que para desejar-se. Qua- ^
2K tro destes banbeiros sao especial-
| mente reservados para senhoras e
S por isto acnam-se col locad os em lu-
0< gar reservado, aonde s tem entra-
^fe da as pessoas de uma mesma fami- !
M lia- -!
9| PREQOS DE BANHOS AVULSOS.
B 1 banbo fri, momo ou de
2K chovisoo...... 500
j i dito de choque .... 40000
I dito de farello...... 1^000
I 1 dito aromatisado 1000
m PREQOS POR ASSIGNATURA.
~ 30 banhos por mez fri,
momo ou de chovisco. 10(5000
25 banlies com cartes pa-
ra os mesmos .... 10000
12 ditos ditos ditos. .'iiWOO
12 ditos ditos de choque. 4OOt0
12 ditos ditos de farello.. 10,5000
O eslabelecimento estar aberto
nos dias uteis das 6 horas da ma-
nhaa as 10 da noite, nos dias san-
tificados das 5 as 5 horas da tarde.
JosSilva preci Henriques da sa de ara cria-
do que seja boleeiro, pode ser procurado no pateo
(jei Carmg B. 15 oa na Pas.sagem d. 24, para tratar.
Mauricio Fraocieco de Lima, teudo de retl-
rar-se desta cidade para a villa do Pao d'Alho, on-
de pretende fazer sua residencia, declara nada de-
ver a pessoa alguioa, tanto nesta praca como fra
della ; porem, se alguem por qualquer titulo se
julgar seu credor, aprsente sna conta na ra do
Brum casa n. 56, que sendo verdadelra a divida
sera' inmediatamente paga, e isto no prazo de tres
dhs^___________________________________
Sergio Antonio Alves, portuguez. e sua mu-
lher D. Antonia Alves Mara de Jess, vo para
Europa.
Aluga-se a casa da ra Direita n. 80. em ar
mazem, por isso propria para qualquer eslabele-
cimento : a tratar na ra Direita o. 24.
Continua a haver diariamente um sortimento de pastis, podins, bolos inglezes,
empadas etc., etc. Os dohos deste estabelecimento, acbam-se as melhores condices
de poder satisfazer encommendas concernentes sna arle, em consequencia do socio
Freitas ter sido administrador chefe de algumas das principes fabricas na corte, sendo
uma a do Sr. Jo5o Goncalves Guimares (confeitaria de Leo) antiga casa de Carceller.
Todos os trabalhos sao differentes dos que se fazem em casas particulares.
Os proprietarios deste estabelecimento nao se tem poopado a despezas, nem se
pouparo, se houver concorrencia como esperam; tendo continuadamente bom sorti-
mento de doces para cha; presuntos e ditos em fiambre, tambem se recebem para se-
rem preparados ; assim como doce de caj novo superior, secce e crystalisado, dito em
calda em latas hermticamente fechadas, podendo durar annos em perfeito estado.
Para jantares e partidas recebem-se encommendas dos seguintes objeelos; ban-
deijas ricamente enfeitadas sem armacio pecas de amendoas (nogaces), ditas de tmaras
de ovos, pes de lo enfeitados com disticos anlogos a qualquer fim; ditos montados,
kechs simples e enfeitados com fructas ingleza; gatheaux de la reine, ditos de le d-
chese, tortas de fructa, massa folhada; ditas de peixe e carne; cremes e doces de ovos
de differentes especies.
Tambem tem um completo sortimento de vinhos engarrafados, comosejam: vmho
do Porto superior, Figueira, Madeira, Lisboa, Cherez, Bordcaux, Champagne fino, ser-
veja, licores, champes e conservas. Para festas: bonitas caixinhas com amendoas, con-
feitos e mais enfeites. Muitos destes objectos mencionados podem-se perfeitamente ac-
ondicionar tanto para a provincia, como para fra.
FIGURAS
Acabam de receber tonitas figuras para bandejas de doces, sendo grupos para
baptisado, casamento, annos, dilta a phantasia, bonitos enfeites para bollos e circular pra-
tos de doces finos, tudo por--presos razoaveis.
Vende-se licores em duzia muito em conta. _____.______.
I
Precisa-se de orna ama
n. 24.
na roa das Cruzes
D. Josepba Ayres de Almeida Albuquerque,
faz sciente ao publico, que tendo entregado ao Sr.
Joaquim Francisco de Albuquerque Santiago ama
procuraco bastante para ihe cuidar era negocios
judiciaes, qoe boje em diante ficam sacados todos os
poderes qoe em dita procurado foram transferidos
ao mesmo Santiago.
Recife, 7Jeabril de 1866.________________
Quem precisar de ama ama para casa de
homem solteiro ou de pouca familia, dirija se a ra
larga do Rosario n. 37 segaodo andar. ____
Precisa-se de ama ama para servico interno e
externo, na roa Augusta n. 19.
AMA
Precisa-se de ama ama de leite na ra da Cambija
i do armo n. lo.
CRUDO.
LfVROS
DE
PREPARATORIOS
LINGUA NOJEZA.
HILLARD'SFirst Cl$s|Reader. in 12.
MOTTA Graramatica pratica da lingua
ingleza, in 8.8
SADLER Gours complet de langue an-
glaise.
SADLERDictionaire francais-anglais
anglais-francais, in 8.
SP1ERS Dictionaire francais-anglais
anglais-francais, 2 in 4.
OLLENDORF.Methode d'anglais, in8.#
RUSSEL Corso de lingoa ingleza, se-
gundo o methodo Robertson 3 in 8.
VIEIRA Dictionary of the english and
portuguese languages, 2 in 4.
^ALKER-Pronuncing dictionnary, in 8*
NA LIVRARIA FRANCEZA
N. 9 Roa do Crespo N. 9.
Remedio infallivel aa agnorrbeas antigs
recen, tes, nico deposito na pliarmaeia
e franceza ra da Cruz n. 22 e ao preco de
30000.
Precisa-se de om moleqoe para mandados,
roa do Trapiche n. 48 terceiro andar._______
na
Ama de leite
Precisa-se de uma ama de leite : na roa da
Cruz do Recife n. 48 segando andar.
SEGUROS
MARTIMOS
CONTRA FOGG.
A companhia Indemnisadora, estabeleci-
da nesta praca, toma seguros martimos so-
bre navios e seus carregamentos, e contra
fogo em edificios, mercadorias e mobilias:
do roa do Vigario n. 4, pavimentojwreo.
Na praca da Independencia n. 33, loja de
ourives, compra-;e ouro, prata, e pedras preciosas,
e tambem se faz qualquer obra de eneommenda, e
todoe oualqaer concert.
alLMIS.
Albums para photograpbia, albums em
branco para desenho, collecco de pboto-
graphias: formato grande para quadros, for-
mato para albums.
NA LIVRARIA FRANCEZA
N. 9J Roa de Crespo N. 9.
Ama. de leite.
Precisa-se de ama ama de leite : na roa da Ca-
i QUARESMA
Acabam de receber G. Paes do Amaral & C.
5 RA DO CRESPO 5
Antiga casa de Cinilherme da Silva CinlmarSes
Ricos cortes de vestidos de gros-de-naples preto, com lindas barras bordadas.
Moire-aotiqoe preto em cortes e em pecas, liso, ondeado e com palmas.
Gros-de-naples preto, de diversos pre?os e larguras.
Gorgur5o preto, fazenda superior a todas pela qualidade, e bonito tecido.
Este estabelecimento
acha-se sortido com numerosa quantidade de filos pretos., de algodSo, de linho e de se-
da, manufacturados em
ckales
retondas
algerienes (bournus)
anamites
africaines
pompadour
DE FANTHASIA
Receberam tambem bonitos cortes de popeline de listras de cores, e matisadas,
muito modernas, de gostos inteiramente novos; e outras muitas fazendas de gosto, viu-
das pelo ultimo vapor.
G. P- DO AMARAL & C.
5 AR OD CRESPO 5



m
DE
-
DE
f. VIGNE&
X. 55. RA BH IMPERaBOR M. S5.
O pianos desta antiga fabrica sao hoje asss conhecidos para qoe seja neceasario insistir sobra a
mu superioridade, vantugens e garantas qoe offerecem aos compradores, qnalidades esus incontesta-
veis qoe elles tem defloltivamente conquisudo sobre todos os qae tem apparecido nesta praca ; poS-
taindo om teclado e machinismo que obedecen todas as vontadee e caprichos das pianistas, sem
annea f ai bar, por serem fabricados de proposito, e ter-se feito ltimamente melhoramen tos impor taa-
tissimos para o clima deste paiz ; qoanto is votes, sao melodiosas e lanudas, por leso muito agrada-
veis ao* oovidos dos apreciadores.
Fazem-se conforme as encommendas, tanto nesta fabrica cono aa de Sr. Bloodel, de Parts, socio
orrespoBdenle de J. Vignes, em cuja capital foram sempre premiados em lodas as exposiede*.
No mesmo estabelecimento se achara eenpre om esplendido e variado sor tmenlo da osreas dos
Minores autores da Europa, assim coa harmoatflM a pianos harmnicos, sendo lodo vendido por
procos commedoie razoaveis.
deia n. 1.
ama pessoa bem condecida a' Ga-
Nestes dias valisa ,
OMieira, Rio Formoso, Seriobem, Barreiros, Agoa
Preta e Trombeta.e encarrega-se de algomas co-
brancas nestei logaras com interesse razoavel;
quera precisar d parte na loja do 8r. Gaspar An-
tonio Vleira GnimarJes, oa roa do Queimado n. I
para ser procarado.
PECHIMM SEM IGUAL
Ricas cortas de gorgurSo de seda pretos adamascados para vestido com 13 metros
oo 18 a 50 covados cada corte, largora de chita franceza, pelo baratisslmo preco de 50f
cada corte : na loja das columnas da roa de Oepo n. 13 de Antonio Crrela de Vascon-
cellos & C
-,.-
Quer-se orna molher de meia idade para cosi-
nhar o diario de ama casa; na roa do Apolllo. 14
armazen de assocar.
f reciza-se de uro cozmbelro
gel padaria n. 9.
aa roa do Ran-
Na qninu-feira santa perden-se da igreja do
Carato a! roa das Trincheirae, orna pulselra chata
de cabello, com nasa palma de ooro em cima da
chapa : qswm a saltar qoerendo entregar dlrija-se
a loja do Passeio Publico n. II, qae se gratificara'
com o valor do objecto.
.......
Coalnheiro
Precisa-se de nn cosinbelro para casa de
milla : a tratar oa roa da Cruz n. 6, escriptorio.
TINTURARA
AO GRANDE S. MAURICIO
JPItlICES^ON AFERFEI^IIAIIOSp
PARA
Tinglr, limpar e lastrar a Tapor.
F. A. SALINGRB & C
29 Eua 7 de setembro 29
Defronte da na nova do Oavidor (Rio de Janeiro)
Os proprietarios deste estabelecimento, o primeiro no seu genero no Brasil, por
trabalhar com as machinas mais aperfeicoadas para tingir e lustrar, de que se faz uso na
Europa, e ajudados por alguns dos melhores officiaes de Paris e Lyao, podem assegn-
rar seos freguezes uma perfeico no trabalho, a qual senSo pode chegar pelos proces-
sos ordinarios.
Tingem, lavam, limpam e demofam com a maior perfeico e brevidade qualquer
qualidade de fazendas, tiram nodoas e limpam secco sem molbar as sedas e as vestimen-
tas de senhoras e de homens.
\
DE

FAZENDA E ROPA FEITA
HIJA MOTA \. 9JU
Reg St Moura, proprietario da loja de fazendas e roupa feita, sita ra Nova
n. 24, verdaderamente penhorados e reconhecidos para com feus amigos e freguezes,
pela aceitaco e confianca que delles tem merecido no curto espaco de tempo em que
se acham estabelecidos e perfeitamente escudados na sinceridade dos seus tratos, decla-
ram para sciencia daquelles que o quizerem honrar com seus officios, que, em vista da
grande concurrencia que tem merecido o seu estabelecimento, especialmente no que
relativo a roupa feita; acabam de admittir para a sua ollicina de alfaiate maior numero
de artistas, inclusive o seu contramestre, dirigido pelo hbil mestre Lauriaoo Jos de
Barros, o qual nao se poupa a exforcos para satisfazer com a presteza possivel qualquer
obra de eneommenda.
Os mesmos annunciam aos seus freguezes que acabam de comprar um novo e
muito variado sortimento de fazendas finas e de bom gosto, proprias para o tempo da
quaresma, as quaes estao dispostos a vender por precos moito commodos e mais barato
que em outra qualquer parte.
Gomo sempre escusamos essa enfadonba prolixidade dos annuncios bombsti-
cos ; preferimos mostrar na singeleza deste nosso convite os boas desejos que nutrimos
para bem servimos quelles que vierem ao nosso reclamo.
lu
.

BASTOS.
RA DA CADEIA 1\. 56 A.
Serrote 10:000 rs. Serrote.
Receben grande sortimento de machinas verdadeiras americanas, de 14, 16, 18, 20, 25, 30 e
25 serrotes de ac refinado, as quaes sao das mais superiores do mercado e qoe as vende peio preco
de 10,5 o serrote, e que cootiooara' a vender, visto esperar grande sortimentos em direliura da
America.
h
Companhia fidelidade de seguros
martimos e terrestres
estabelecida no Rio de Janeiro.
AGENTES EM PEBNAHBUCO
Alteis Liiz de Oliveira Azeiedo & C,
competentemente autorisados pela direc-
tora da companhia de segaros Fidelida-
de, tomam segaros de navios, mercado-
I rias e predios no seo escriptorio rna da
Cruz n. 1.
Dr. Carolino Francisco de Lima San-
tos contina a morar na roa do Impera-
dor n. 17, segando andar, tendo alias seo
gabinete de consaltas medicas, logo ao
entrar, no primeiro.
O mesmo doutor, qoe se tem dado ao
estado Unto das operacoes. como das mo-
lestias internas, -presta-se a qualquer cha-
mado, quer para dentro quer para fra
da cidade.
_K__K__C_s_;__{_s_( 2____Kj|__r_|
W W W !
Em casa de Tbeod Christiaoeen, raa do Tra-
piche-novo n. 16, ooico agente no norte do Brasil,
de Brandenburg Irres, liordeau-x, enconlra se ef-
fectivamenle deposito dos artigos seguintes:
St. Julieo.
StPierre.
fcarose.
Cba'eau Loville.
Cbateau Margaui. ,
Grand vin Chateao Lafitte 1858.
Chateao Lafitte.
Haut Saoterues.
Chateao Saoternes.
Chateau Lataor Blaoche.
Chateao Yqoem.
Cognac en tres qualldades.
Azette doce. Precos d Bordean.
Casa aatssuil 4e caeravts u ra na hipe-
radar a. 4a, terceiro aidar.
Recebem-se eseravos tanto do mato como da
praca para serem vendidos por commissao, afflan-
ca-se o bom tratameoto e seguranca para os mes-
mos. O abaixo assignado nao poopa esforgos afim
de os vender com proropiidao, nesta mesma asa
ha sempre para vender escravos de ambos os sexos.
M1____________Antonio Jos V. deSoQzi.
Aloga-se o sobrado de dous andares na Pas-
sagem da Magdalena o. 7, prximo a ponte, com
commodos para numerosa lamilla. Trata-ss na
roado Trapicheb. 4.
Antonio Jos Rodrigoes de Sooza aa roa do
fa- Crespo n. 16, loma dinheiro para mandar entregar
na Bahia, Para e Maranho.
Joao da Silva Ramos, medico
pela universidade de Coimbra, d
consaltas em sua casa das 9 as
11 horas da manhaa, e das 4 as 6
da tarde.' Visita os doentes em suas
casas regularmente as horas para
isso designadas, salvo os casos ur-
gentes, que serlo soccorridos em
qualquer occasiSo. D consultas aos
pobres que o procurarem no hos-
pital Pedro II, aonde encontrado
diariamente das 6 s 8 horas da
manhSa,
Tem sua casa de saude regular-
mente montada para receber qual-
quer doeote, anda mesmo os alie-
nados, para o que tem commodos
apropriados e nella praica qualquer
opperaclo cirurgica.
Para a casa de sade.
Primeira classe. .3)0000 diarios.
Segunda dita....34500 >
Terceira dita. ..24000
Esto estabelecimento ja bem
acreditado pelos bous servicos que
tet prestado. |
O proprietario espera que elle
continu a merecer a coofianca de
sempre tem gozado.
1
I
1
i
I
i
I
i
I
1
s
GARRATJX, DE LAILSACA& & C.
LBRAME FRANQAISE
RA DO CRESPO PT9.
Livros nacionaes e estrangeiros.
Religo, direito, litteratura, etc.
Papelaria, objectos para escriptorio.
Papis pintados para forrar casas,
asignatura* para os jomaos da Europa.
Precisa-se de am fetor para nm siUomuito
perto dem cidade : a traUr na fSbrica da traves-
sa do Carioca n. 1, caes 4o Ranos, oo roa Impe-
rial sobrado n. 64.
>

Ama
Precisa-se de ama ama para o servico interno de
nina casa de pooca amijia : a tratar na praca do
Cerpo Santo n. 17, 3* anoar.



,M**HI WWJMte'HHiln imhm*
1866.
-8 1
A o publico
! Acbate sahir do prelo Noees de svslema ne-
trico decimal, por Jos Aotooo Gomes Juaioi* 2'
edicto aagorentada e dividida em deas parles ; a
|rnDeira,|Wlie eoolm i,u boas da eooversao das
medidas mtricas nos valores que Ibes eermpo-
' dem oo aotui stUaaa de pesos e medidas do fra
(sil, substituido pelo systema mtrico francez,>OAJ
i termos 4a le de 26 o&Jtinhp de 1862; a 2a ptrS
' cohtm 8 taboas de nmeros Ros pelos qoaes


PREPARADA IRCaMEIITE POR
LAMAN & KEIP,
NOVA TOBE.
Composta de substancias, gozando <.*
propriedades eminentemente depuraos
approvada pelas juntase academias 4e me-
dicina ; usadajnos principaes bospitaes, ci-
vis militares e da marinha as Antilhas-e
no continente americano ; receitada pelos
facultativosos mais distinctos do imperio do
Brasil e da America hespanbol
CUBA RADICALMENTE
escropnulas, rbeumatismo, escorbuto, en-
ormidades venreas emercuriaes, dhagai
antigs, morpheae todas as mxrtestiaspro-
venientesd'um estado vicioso do sangue.
Emquanto existen, varias imitacoes
(alsicacos, preciso a maior cautela .pan
-evitar os engaos,
A legitima salsa de Bristol vend-ee por
CA0R6 A BARBOZA
JOO DA'C. BRAVO C;.
J5o daC. Bravo t* C.
Deposito geral em Pernambooe ra da
Cruz n.22 em casa de Caros______'
fMFESStR DE PIANO
Jos Coelho -da .-Silva e Araujo oonlina a
leccionar piano: -na na do Livramento n.
81, terceiro andar._____________,____
Samuel Power Johns.on k fompaat*
Ra da Senzala Nova n. 4.
AGENCIA DA
Fundido deLow ttoor.
Machinas a vapor de 4 e 6 cavallos.
Moendas e meias meendas para engeobo.
Taixas de ferro coado e batido para.enge-
nho.
Arreios de carro para um e doo-s cavallos.!
Relogios de ouro patente inglez.
Arados americanos.
.-Machinas para destarrar algodao.
Motores para ditos.
Machinas de costura.
nbecido o preco da orna arroba de qualquer gene-
ro, per orna simples maliipllcacSo se conheee o
producto de qualquer totalidade de arrobas, libra7
e oncas, que u queira saber o seo importe. Nada
diremos respefto a 1* parle, pois que ja bem co-
nbecida do publico j quaoto a 2* fiarte (taboas d*
nmeros flxos) o sea uso far a soa recommenda
Slo. Veode-se na rna to Wtmrado Hvraria Aea-
emtca e Universal, arco de Santo Antonio, livraria
Bcoeoroica, a 2a o exemplar.___________. ',
Dao-se bolos de veodagem at once boras da
meaba, e aviam se bandejas e encommeodas de bc~
los, etc. : na ra Imperial n. 32.
^vfashnM Mee d Marta.
Sabio afloal a luz,
alaria, Dio ? como annunciamos oo Diario de Per-
ndmtorft n. 75 de segunda-'feira 4 de abril, mas
anda com algans enfeites que Sellamos de annun-
ciar, e aeba-se a venda na ryfographia do -seu pro-
prieiarlo, roa do Imperador o. 15, defronte do con-
ento de S. Francisco, das* boras at as dartar-
de, de todos os dias otis.
Precisarse de ama atea par cosrnbar-e ea-
^sraar para-casa estraaaeira de pouca familia : a
tratar na roa do Trapiche o. 8, segunflo andar.
Francisco Pires
Portella
Machad!

MEDICO OPERADOR
PELA
Faculdade de Pars.
ea*jiraa*no enrjelo da -ana proflssao,
cspecialmecle as molestias -de otbos.de
veas urinarias e de pelle, pera cojo tra-
Wnento ]oVga-se habilitado atienta a pra-
tica adquirida nos bospitaes daquella-ca-
pital, os instrumentos mais moderMS
que possu*.
Accode prompUmeote qualquer cha-
mado para tora da cidade.
E enearrega-setie eetteear olbos rti-
flelaes.
No pat^o do Carmo o. esquina da *M
roa de Bertas, das-* as 16 boras da ma- !
nha, e -as 3 as 5 da tarde, fl|
Precisarse de orna ama para conchar em
tM*a casa eeamilia : na ra da Croz .' 8, ter-
eeiroaodar.
f
Cobranzas.
A pessoajjae tlver pratica do foro e inteligencia
precita para-cebrar qer amigavel, quer judicial-
'mente, queqneira se encarregar de brancas
.para fura da-cidade, e por.provincias liaiiropbes
dando para ieso idneo fiador : queira dingir-se a
ra do Aaaorim n. 35 segeado andar.
Er roa
m
DEPOSITO DE CALCADO g
FABRICADO NA CASA*E DKTENCO W
Ra Aova a. I. gg
Ahi se encontrarao obras de di-
versas qualidades, e ,por preco mui ~J
dninutos, a retalho eom por?es. wk
:I5 .-So se vende a dinheiro., J
mmmmmmm mmmm mmm
Dormentes
lOs.concessionarios de pretilegio do camiabo de
ierro de Apipocos contratam dormentes de na-
deiras de qualidades, quem pretender comprela
a roa do Imperador n. 5, segundo andar.
Precisase de um pequeo de 14 a 16 atinar,
de idade com algoma pratica ou sera ella, .para
caixeiro 4e taberna preferindo-se dos ltimos che-
gado? 02 roa do Principe n. 32.______________
Aula de msica.
Lidio Purpurarlo Santiago de .Oliveira, proCessor
e msica, faz poblico que cootleda a leccionar em
ua casa, ra da Gloria n. 46. _______
Aloga-se a casa da roa imperial denominada
-. iveiro do Maoiz, cora ua sobrado de um andar
que accommoda grande familia, dous grandes vi-
velros para peise, grande terreno para plantat-oes
e doas otarias; quem pretender dirija-ee a roa do
Rangel n. 54.____________________________
Precisa-se de
.ra rDireita n. 40.
um arrasstdor : na padaria da
As Pilulas Catharticas

DE AYER.
O purwmte mais tfecaz at hoje etnhecido.
Estai plala* o puramente v*g-
Um**, i.jo tendo aa su eompo-
lifio iiera rrurruri nem outro
ingrediente mineral; sao inno-
cente para aa eriancus e peaaoaa
sosia dclcadaa, ao memo lempo
qae, eompoataa coma sao de regi-
|. Uei mu tortea, lio bailante acti-
vas e encazes para as peasoas mais
robas tai.
?Jstaa pilulas eatliartleas pargao e ranHliat, toa* ejstema
Intuano sen mercaro. ~ '
Ifaa se tesa Boapado trbala* n*m dcsaexa para, lerar ata*
ajlula a um gr* de perfeeeio tal, que nadadeiza a deatjar;
alo e ,r.'?ultado de anuos de estados InharUan e *Bitaates.
Para aVeanear toda* ai ranUgeni que feaalia* de ao de catliar-
tieos, teu-se combinado sowente aa rtrtmd** euraiirm* das
plantas tur sao erapregadas na eenfecco das pilulas. Sua
Ofnposlc* tal qae ai enormidades que est.o oo atoaooe
de na acee, rara* rezes podem reiUtl-laa oa evad la*. .
bas propniedadas penetraates exploro peaetrao, auriacao e
diorigor .todas ai partea de organismo human*; pota Mrrigem
b uu efo riolada c faz recuperar a *ua rltaiiuad*. Urna das
eoBSqucneiaJ deltas propriedades que o doente, abatido de
ddr e debUidade jibriiea, admira lilis encontrar, tea depressa,
aa sande e energa recuperadas par mel d' am recaed ti*
limpies e Bgradavd,
Ai molestia* qoestao ao seo alcance sao.
friUotwatre JtUummttmo, Mr tu eat*jt, A Ntvrtifia,
Mnaaguect, Iuftttio t mal aoutomag, UmorrktUal,
PADcnonrT08 so fiodo,
Kmre ga$tro-hepatiea, gaspJKl, afteftl BBIosas Lombrlgm,
JErgttpeia, Hydrtpiim, tura**, nfmUu parcial, < Pararyaia.
orar
s^itotradas,
ft!
f\m rtiflelaes na ilha do Maraim, com graade j m?s
rcio de fogos de 1* sorte, ji prkmiti*4sptr*
festejar o grande da que tiver noticia de. qual-
quer triurapho de nossas armas dentro de 'Para-
na y : todos aqoelies que tiverem a mesma satis-
Jc5odlrija.se ao agiara*^^^ r^^-l^l^ rj
las parte
"*
1. Mi.
srfoSSl^r'eR'E.avelari
com asselo, arcUfllbioe pr
Angosta n.8; toJiT *^*a^ '
PAPIS I'IMAWIS
SorUmento de papis pintados e
lindas guarnirles para forrar* casas.
NA LIVRARIA FRANCEZA.
N. 9 Ra do Crespo N. 9.
Joaquim de Sonta Maia, subdito portognet,
vai a Portugal, fevaodo em sua corapaobia um
criado portugnez de nome Manotl Francl-.co do
Ntseimeuto: o mesrao scientitica ao respeitavel
oerso do commerclo, que, drente sua ausencia,
de i xa por seas procaradores aos Srs. Manoel Joa-
qoim'-Gomes, Jos Antonio deCarvalho, e Manoel
Moreir de Seoza._____________________.
FJMKCA BRASIL.
O Sr. J. Wrcier afaiate francer precisa de bens
officiaes e toas cosloreiras : largo do Corpo Saute
n. tJ, pr+meiro andar.
res, pe
*s,
len
afeitados com aljfares e
proprias para meninas e senbotaLi .
Boaiitos ehapo^Ipc-os
de palta fina e aveocaes porr Mnii!
S|p _pru estas de qae os bonfpais de fapna
le escusar de comprlrJor fazerej el*
do asseio e bom gosto era que rnam
i uihmbaa. A agu la-branca lera o pra^
Vfr vkaMfeiW aprMsdas e contornas em sea nt-
nbo. Os chapeozinhos, alera de __rm d'amwpa-
Iha mui fina, sao de mui bonita forma e ultimo
gosto, enfeitados com loda a plrWcio: os aven-
taes, porm, sao de fina cambraia, guarnecidos de
babadiobes bordados; o que IhesJa muita graca.
Os presos desles, fHOOO, e daqaoiles, lO; e de
quamo saq ellts baratos conheoera t preteodente,
qae s dirigir a' luja d'aguia-branca, na roa do
Qaeiraado n. 8.
vidrilhos de cores e aljofares,
imitando ac, para enfeiles de vestidos.
A aguia-branca na 'roa do Queimado n. 8 rece-
ben nrn beo ortimeoto dos objectos cima pro-
prios para enfoites de vestidos, ele, etc., o est
vendendo commodamen'te. ,'
Novidades.
Ni Agola branca roa do Queimado n. 8 rece-
ben diversos objectos de muilo gosto e inteiraneo
fcten$oI
Attencao I
ica!
irlas cara a quaresma.
gsAiai
Pecliincia
frtja
Precisa se alugar
Urna ana que tenba bastante leste e que ao
tenha atoo; a tratar a roa larga'do osario
o. 34 segundo andar.____________^^
Fflgio no dia f4lo corente anm, do enge-
nho Pago, fregueiia Je Santo Antao, o escravo
Vicente, com os signaes segnintes 4 or bem pre-
ta, representa ter~2o*annos de idade, sem barba,
alto, -giosso s rauito-corpoleoio, rosto graude e re-
dondo, nariz chato, denles perfeitos, arvos e meio
abertos, canellas grossas, ps grandes e chatos,
andar banseiro, tea a unba do dedo mlniaro fo
p direito arraaeada, e notnesmo p nma marca
de ferida, olbos grandes, brancos -e na flor do ros-
to, e tovou roupas de brlm de elgodo. Ha certe-
za de qae este escravo foi pela via terrea at
Trombetas, e dalli seguio para Macer, onde este-
ve trabalhando-como forro em uro trapiche em
Jaragqa, e provavel qoe tenba procurado as bao-
das de Muricy. onde tem parentes.-e onda foi com-
prado ao Sr. Jos Joaqoim de Mello. Roga-se, por-
tanto, aos-senhorescapitaes de campo a apprehea
te novos, sendo : g' Buiu barate cenes de arimira a WO.
tJS^St e d,lcad,os pentes donrados e prateiooi, vendern-se cortes de casimira preta a 3*300
lT0.er!,!il.e!.*L^?.8 de Bllgrana 0br* mni **' ** ; ** nilo flna a 6.
Admira cortes de br.ni de cores a
e armaem da Arara, ra
Acaba 7'#gf'iVi MAJN***'*^11|Wtr,*#* d.e Lourenco Pereira
nm grande e wrlSaiT^orofeeWTlr rarttdirprc**-4- ** wnl Gmraaraes.
priasTsra,qaarasmaasaber: : Arara veude fassasa 4 is.
(ir Sde&ap!' S pPeta a 1^600 a Cavado. Vendem-se cassis'JrDcezas muitq fipas psra
Vende-te nm grande tortimento de grosdena- vestidos a 240 rs. o evado, chitas escurase claras
pie a U600, i800, -2* e S.W00 o covad ; dito fiO e 200 rs. o cevado : s na loja.a Arara,
muilo superior a 2*800 e 3 : na ra da Impera- roa da fmpf ratnz v. 56._
ti iz n. 72, loja de Goimaraes irmao. Caries de cstmra preta a 3(500
Moriantique prelO a 2^800. Veodem se cortes de casemira prea para caifa
Vende-se om grande sorlimento de moriantiqae a 35-500, 5$ e 5, rnrles de colim para ca a
a $800, 3 e 3o00 e covado. -1*280, ditos *. brim de quadriolios a i*, cortes
Chales de renda pelos a 000. de ganga e brim de cores a 1*400 : aa ra da
Vende-se tambero um vanado soium nto de cha- Imperatrlz n. $9.
les de renda a 8*. 9*500 e l* ; ditos muilo Qnos Arara vende cortes de eassa franega 2^500.
a 11* e 12* ; ditos de seda fazenda muilo flna a Vendem-se corles de cassa flna a 2*300, ditos
20*000. de chita a 3*, ditos de cassa de barra a 2* : na
Retondas predas a lO$. ra da lmperalriz, loja e armazem da Arara na-
Vendem-se retondas pretas pelo barato preco de mero'56.
10* o U* : aa roa da Imperatriz n. 72, loja de Lenco braacos a 2(5000 a duiia.
Guimares & Irmao. I Vendeiii-e lencos brancos inos a 2*, 2*o0 e
Grande peel)meta panno preto a 2O00 o 3*, guardanapos para mesa a 2*800 a duzia : na
covado. IrM>a* Iofcratriz, loja da Arara o. 56.
Vende-se.panno preto proprio para calcas e pa-1 *w* Tde ofeilaa a 180 rs. o covado
litols a.2* e 2*200 o covado.; casimiras pretas
a 1*800, a*, 2*400 e 2*500 o covado.
feita e de elevado gosto.
Ditos com chapa de madreperola.
Brincos de Oligrana outras qualidades
Flvellas de dita
qualidades.
Cmtos oral bonitos, enfeitados em toda a exlen-
cao com caracteres donrados e prateado*.
PHels enfeitados om moediohas dooradas.e lan
lejanas, aljofares & &, sendo para coque, e toda a
cartbca, e ootros com plomas &.
Sooitts volus de jaspt con cruzes, tendo tam
bem aIgaraas de duas cenas. -
Luvas e metas tM
de laa vegetal, para quem sotTre de frialdade, pa-
ralela etc. Vendem-se oa ra do Queimado loja
d'Aguia tranca n. %.
Bandolme 3e roza
para segurar oo conservir perfeiiamente atado os
cabellos das senhoras. Vende-se na ra dotfiaei-
mado loja d'Agoia branca,4 t*O00 o frasear
Enfeites prelos para vestidos
j non
e outras tambera de diversa* Vendem-se cSites de'brim de cores para caiga a
1*280,1*600, 1*800 e 2* : na roa da Imperatriz
n. 72, loja de Guimares & Irmao.
E' baratissim a 120 res o cavada.1
Vendem-se riscadinhos rooito proprios para reo
pa de escravos, !|20ri8 o cavado; ditos escoce
zes muilo finos a 240, 88 e 300 res o covado.
Laazirihs a 3t o rs.
Laaziohas de quadrinhos a 300, 320, 360 e 400
rs. o covado ; ditas mnito flna a 800 e 560 : na
rna da Imperatriz n. 72, loja de Guimares & Ir-
mi*. ** II fT\ i
Cortes de laa a 5*000.
Acaba de ebegar a'este importante estabeleci-
Bento mu -ortiraento de curtes de laa qoe se ven-
de por 5* e 5*500; ditos a Maria Pia, fazenda
muilo moderna a 12, 11*, 18* 20* ; ditos com
A Agaia braoca receben novos enfeites fireies camisinto, cinta e grvala a 25* e 28*.
para vestidos, sendo bicos com vidrilhose en
elles, iranias com pendentes de vidrilhos o en
el les, eordao grosso umbem com vidrilhose
OlIC^a WIU*U 3IU09V 1H*JIJasHjl VUIU 'lUlllUOO V l|IU > aW. a^Wa *a*V O JW
elles; assim como galdes e franjas de diversas lar-' a 400, 440 e 500 rs.
Chitas franqezas largas a 260 ris
Vende-se om graude sorlimento de chitas a 260,
280, 300, 320 e 360 rs. o covado ; ditas preciares
Sr.-Jaio Baptista de Ollveira, oo largo'do Corpa
Santo n. 21, on a sea dono no referido engento
Pago, qoe sero geaerosarnenle gratificados.
Ama
Precisa-se de ama ama toe osiohe pira doas
pessoas : na roa do Queimado n. 12, 1* andar.
OITereee-se om rapaz para caixeiro de leja
de miudezas -ou ferragens. com 18 anoos de idade,
d fiador a sua conducta, qnem qoixer dirjase a
coa do Dique o. 20 qoe achara com quem tratar.
Precisa-se
alugar.um preto para servieo de padaria, f>aga-se
bem.: na ra Dlreita n. 24, padaria.__________
Precisase de urna ama (ira oo captiva .para
osinhar para casa de rapaz olleiro : na roa do
tioperador n. 40.__________________
ALDO COSTRA O PAlJE~
Primeira cauta carrate
Reflex5es polticas
DE
Marc Antonio.
a-venda na livraria franceza, roa do Crespo x.
9, a 300 rls cada exempiar.
sao-ao referido escravo, podendo eer entregoe ao aras, Otas de vellodo ate. como sempre os bous
fregoezes encontrarao commodidade de precos aos
objectos qae se veadem na loja d'Aguia braoca roa
do Qoeimado n. 8.
Botes devidro
com enfeites d'aco oo centro.
Esses botes qoe tanto servem para melbor se
poder enfeiiar om bom vestido preto ou de 6r,
acbao se a venda na roa do Queimado loja d'Agmia
branca n. 8.
Precisa-se de uai feitor
da Concordia n. 35.
pana -sitio ; na roa
COMPRAS
Cambraias de cares a 280 rs- o
covado
Vendem-se camlraias francezas a 280,300, 320,
360 e 400 rs. o covado.
Cambraias lisas a 3.000 rs. a ucea.
Vende-se am grande sorlimento de camb'raias
lisas pelo barato preco de 3*, 3*500, 4*, 4*500 e
5* ; ditas mnito finas a 5*500 e 6*; ditas victoria
; a 6*500 e 71*; ditas de orna vara de largura a 8*
Compra-se ouro, prata e pedtas preciosas
em obras velbas: na roa da Cadeie do Recite
cja de orives no arco da Conceico.
Our e prata.
Em obras velbas : eonipra.se na praca da ln
depeodeacio n. 22. loja de bilbetes.
Acaba de bagar aloja da agoia bra*ea e 95; titas para torro a 1*600,2* e 2*200: na
a roa do Queimado a. 48.
Cbroroaeo-me para Ungir caberlos.
Hoild walter para dito.
Tintura de L. Marques para dito.

-Compra-s orna barra de Ierro, ingleza oo
mesmo das antigs; na ra Nova n. 3.
Selim e silhao,
Comprare om selim e um silhao osados: na
roa do Caldeiro n. 74, das 0 as 10 da asanba e
das 3 as S da tarde.
Compram.se duas rodas para carroca oa
urna carroca.-que esteja em bom estado : no arma-
zem da bolla amarella no oitao da secretaria da
polica.
A gmia oranca
a roa do Quimadon. 8
Antonio Luiz de Ollveira Azevedo cv G. tea
para vender no su -eserlptorio, ra da Cruz n. i,
vinbo do Porto em caica de duzia, So bamburgaez,
sola da ahia superior.
Precisa-se de orna ama de lelte, queseja bem
morigerada : a tratar na roa do Apollo n. 9.
Aluga-se um andar do sobrado do caes do
Ramos n. 32 : a tratar na rna do Crespo n. 8 B.
Nos abaixo assignados declaramos haver re:
cebido em 12 de Janeiro do anno prozimo fiado de
1865, do Sr. Bento Severiano da Fonseca Pitta, a
quantia de 1:419*510 rs, importe de nma letra
aceita pelo mesmo senhor a oossa ordem, sacada
eai 18 de maio de 1864, e vencida -em 18 de oo-
.vembro do me-mo anuo; e como se tenba deseo*
caminbado dita letra com o respectivo recebido na
mesma fazemos a presente publicacdo pela qoal
desabrigamos a RSposabiljaade do d ito Sr. Bem
*o, ticando os obrigados a responder por qual-
quer exigencia que illiciamente ibe seja fela por
terceiro. Outro slra declaramos, que ficamos de
cooas -justas com o mesmo senhor e quites al es-
ta data, quer pelo titulo cima declarado quer por
ooiro jualquer. Recite 9 de abril de 1866.
________Antonio Correia de Vasconcellos & C.
Lava-se e eogomma-s-) por preco comraodo :
na roa do Caldeireiro n. 11.
Qoimado
acaba de receben
: Leotiyonlss d'aco para enfeites.
Peanas brancas e de cores, para gorgos e chapeos.
| Eofeiles filis, mol bonitos e modernos.
Sapatiobos de setim parj baptisados.
Meias de seda para o mesmo.
Bonitos chapeosinhos de setim para dito.
Rosas camelias e outras qualidades.
Novos brincos, flvellas, pentes e polsfiiras de fili- j
grana.
Fi' b seda de cores para debronhar vestido.
P'id ue sarja com dinerentes cores e lurgoras.
Comprara-se libras esterJinas : na praga da deoi^ro, descaaos novos e botutos para,
Independencia b. 22, junto ao r-elojoeiro. 'nt?s.-
Carteiras com agulhas.
rna da Imperatriz n. 61
ROPA FEITA.
5 Vende-se om completo sortimento de ronpa fei-
ta felta. assioi corao sejarn palitots. calcas, coleles,
camisas francezas a 1*600 t;800 ; ditas finas a
2* e de linio a 2500, 3* e 3*500 ; seroolas de
11*200,1*400 e 1*600, de linho a 2* e 2*500 : na
: roa da Imperatriz n. 72, loja de Guimares & Ir-
mao. .
Compra-se na prensa de algodao de Saunders
Brothers & C. gemente? de algodao 500 rs. *or
rr t*. Compram-se tatas vazias de gaz : ca ra da
Guian. .9.______________________
-~ Comprase notas do banco da abia : na roa
da Cadeia ds Recite o. 15, loja do Rowgard.
t
em*,- H
tneao
&
Henrlque Jos dos Santos estabelecido com
padaria na rui Dlreita n. 128, tendo de relirar-se
para tratar de soa saode djspoe do mesmo esta-
belecimeoto com todos os pertences, tendo dous
(oraos, quem qoizer dirija-se ao mesmo que se ta-
ra todo o negecio ou com loao Ferreira da Silva
na oie.-ma ra o. 106; assim como roga a todos os
seos devedores de vlrera no prazo de 15 dias sa-
tisfazerem seos dbitos do contrario sero cobra-
das judicialmente visto o mesmo ter tam bem com
promissos a satisfazar._____________^^
Ama
mmmmatXtmmvulmy9tm\t *> Ur. Ajer, qa* se pabUea
o* sanos para diitribaifao rstalta, eaowttoc* nal tra-
ipprc as diversas dceaea* ya eato ao aloaaoc 4*
4*.
, KHMJB DI OS Pa AJ T*M.
A*U-* m toda* as Boticoi t Drofarlaa do Imperio.
O Peitoral de Cerfeja
E AYER,
paa a numrTA cuba Da
Aneja*, de Oor*tipmf6*m, Toa***, Beuquldio Xara*
m*. Broraab.. TUa primaria, TabaMUloi ,
pulmonare, toda* a* molccUa* o
P*ito, aaiina oomo para ariar
o athioo* sUalarado*.
A* f**paraoe* drogntM e boticas de Isapcrio,
VtndtvfM m Raruabuco:
i-'-- -Ott ***l W^aVU ^ :JtJ>l'i V
Precisa-se de ama ama eaptiva oa forra para
casa de moito pouca familia : na roa da Coocor-
dla o. 34 sobrado do armazem do sel, pagase bem
Precisa-sede or escravo para service de
urna casa : oa ra da Crea n. 314, botica.______
Qoem precisar de 1:390*000, dando por by-
potheca ama casa nesta cidade, livre e desembara-
da : annoncie para ser procurado.
Francisco Alves de Miranda Varejo, rendei-
ro do'engenbo Boorado em Ipojoca, fax sciente a
qoem estiver de possue de ama letra por si aceita
de 1:600*000 proveniente da renda do dilo eoge-
aho, a vencer-se em 27 de maio do crreme anno,
qae no vencimento a pde^nandar receber de Jos
Loorenco Goncalves : a ra da Cadeia do Recite
nesta cidade, e da mesma forma scientifica qae
nao pagara : protesto e joros por falla de apresen-
lar no lempo competente.
. Peroambttco6de,abrttdel8ei3.
A gemela de passaporte e portarla
Ciaudlno do Reg Lima despachante de pasea-
porte e portarla ; tiram-o* para di-ntro e lora de
imperio, por commodo preco c presteza : oa roa da
Praia primeiro andar n. 47.
Libras itrliHas.
Assim orno qualquer outra especie de ouro
amoedado: compra se na ra do Trapicfce Novo
n.22.__________________________________
Cobre lalo e efaomba
No armazem da bola amarella no eitSo da
secretaria de ju'lcia, cempra se cobre, lalao e
chambo.



Compra-se am bol para carrosa no armazem da
bola amarella no olto da secretaria de polica.
Comprase
Urna casa terrea, na roa Nova em casa de Qam-
teiro & Agr se dlri quem compra.
Cavallo
Comprase om cavallo qoe seja manso e grande
para mchica de padaria : ua roa do Raogel n.9.
Comprase'
ama eserava preta oa parda, sadia e sem vicios,
mo?a, e qae saiba coser, engommar e cozinnar :
na roa da Imperatriz n. 7, 2 andar.
VENDAS
F0LHI1VHAS
vende se a loja d livros da praca de Pedro II
i o. 6, moito preprfa para qualquer principiante por
i er poneos fondos, fasendo-se ao comprador os
: abatimeotos qoe totea razoaveis, e dando-se-lhe o
prazo que se conveocionar para o pagameBto. com
tanto que d algura dinbeiro a vista. Em falta de
comprador far-se ba negocio com armaco so-
mente, a qoal serve para qualquer outro negocia
difireme : a tratar na mesma loja, oo na roa No-
va n. 17, 2a andar.
Taxos para refinado
Vendem-se oa ra Nova n. 35, loja da viuva de
Sebastio Jos da Silva.
Fazendas para atjuaresma.
No armazem da porta larga, rna da Imperatriz,
grosdeoaple preto a 1*400, 1*603, 1*800, 2*
2*500, moreantique preto de diversas qualidades,
os mais rios chales de renda pretos, e retondass
com moila roda, fazenda da ultima moda oo mer-
cado : do armazem da porta larga n. 62, na roa
da Imperatriz.______________________- -
Pechincoa admiravl
Laziobas de quadrinhos qne parece seda a 240
rs. o covado, orna graode pechiocha, est se aca-
bando : na loja n. 52, armazem da porta larga de
Paredes Porto.___________
Na ra da ftnperatriz n. 28
Vendem-se corles de eambrala braneos com 4.
5 e 6 babados a 20* e 25*.
Fil de seda preto com flores a vara 1*.
Cambraias brancas de urna vara de largura fi-
na a i* e 800 rs.
Ricas lampadas e candieiros a
e a retalbo.
Pechiocha
Vende-se a taberna da roa da Guia o. 36* pro-
prio para principiante, e o motivo se dir ao com-
prador.
Copos amargos
Para as pessoas qoe soTrem do

r O aballo assignado declara aos inqoilinos
qoe oceupara os teas predios da cidade de Olinda,
qae tem aatorisado ao Sr. Joao Piolo da Cunha,
morador na aieuaa cidade para receber os alogoati
dos ditos predios. |
RaCife, 9 de abril de 1866.
, Manoel Marques de Oliveira.
\ i i
PARA 1866.
Acabam de sahir luz as fothiobas de
loas e eclipses, como oas diversas festas doRosyioViO.
qoe a igreja celebra; vendem-se timeai.- \ Veode-se uaia loja com fazendas todas "vo-
te na hvraria da pilca da Independencia, i i>f^* Pr* pagamento dos seas credores roa do
460 ris as de porta e 320 ris as de at- !!* ?nWice V" fcor" m*Bb* ?
K-;ra r ^s 16 da Urde encontrarao seo proprietarto e qoal fara'
__'______________________________| tod onegocio com desabriga aos seos credores.
Vendem-se malas e bahos asados moito m
coala : na roa estrella do Rosarlo o. 24, loj-vj",,.
trastea. a j
- Vende-ae ai grosso: a tratar aa ra da Ma- loo < yeode^e na roa
are de Deas n. 2.
--------------------------------------'-i ^-
Mfe
Carvalho dr Nogueira laca sobro o
Porto, Lisboa e Rio de Janeiro, a' vista ou a
praaa; aa rna do ApoMo n. JO.
c*rarlielr.
i Precisa-fe de mcosnheiro forro oucap-.
1ivo qae d fiador a sua con 'neta;, na ra
da Croi n. t8, primeiro'andar.
^Irmwm4efiim *fanm nmrconm
i coiole e taiba oatomnoi
-~tha eaVaegeira-:
lafc".-:'----------
esterlinas ; vndese na roa
26, loja de louca.
, jton^do
olliirtjkvrerrioVe-
deia armazem o. 4.
GIL
larga do Rosario n.
No arroaz da ra
Caes de Pedro II tu 2, tem
horgaxMftnfr|iQ
n. 3
vetsderiae
LL
no
CAViUO
Vende-se um bom cavallp de sella maiw aovo,
grande, de bonlu figura e basUoie tarde, o qinl
presu-se para om eicelltnte cavallo de carro;
na roa do Imperador n. 13, das 9 bora* da ma-
nbia as 3 da larde.
dis sa-
parala-
rande armazem de tin-
tas medicamentos etc. ]
Roa do Imperador n. 22.
So Pedro das .\evcs (ge-
rente) tem a venda o
sogn-Iiite:
Productos chimicos e" pharma- \
ceuticos os mais empregados em i
medicina.
Tintas para todo o genero de pin- ]
tura e para tinturara. '
Productos induslriaes e tintas !
para Acres, como botes de flores \
e modelos em gesso para rutar i
inicias e passaros com o eorope- j
tente desecho.
Productos chimicos e industriaes j
para photographia, linluraria, pin- S
.lura, pyrotecDia etc. \
Montado em grande escala e sup- \
prido, directamente de Paris, Lon- \
dres, Hambufgo, Anvers e Lisboa
pode offerecer productos de plena
coofianca e satisfazer qualquer en-
commebda a gros&o trato e a reta-
llio e por pre^o commodo.
ce^ ******>
colares Royer ou colares ano-
daos
para facilitar a dentifo das crianzas e preserva-
' .'Has das eonvnlsoes.
'O feliz resollado obtido immeosas vezes pela1
prodigiosa forca magntica do; colares Royer, nos
casos de convaleces, e dentioio das crianzas, teav
altamente elevado o seo bem merecido prestigio,
e boje j se podtflizer qae estn geralmente con-
ceitoados, e estimados de nnuneraveis pas de
familias : de aos porque do oso desses saluures
colares viram salvos do perigo seus cbaros fllbi-
obos, t de ootros porque colberam daqoelles tao
profleoo exemplo para ignalmenie pesrvar os
seos. Assim, pols, a aguia braoca, tendo em vis-
tas andade e provem desees prodigiosos cola-
res anodinos oo Royer, maodoo vir o oovo sorli-
mento aoe agora recebeo, e continuar a recbe-
los para qoe em lempo algom a falta delles possa
ser funesta aos pais de familia, os qoaes ficaro
certos de os achar constantemente oa rna do Qoei
mado, loja d'agaia branca n. 8.
Feijao.
Vndem-se saccas com feijo amarello, branco
rajado e preto, mais barato que em qualquer par-
te : na roa da Madre de Dos n. 8.
FTICA
De calde rejra < iundico de ferro, si-
sas ebroaxe; camosescravos,
Vende se a grande fabrica de calderelro e fun-
dle*o de metaes da roa Imperial n. 134 a 188;
e tratar com a viova de Sebasiiao Jos da Silva,
oa roa Nova n 3*, oo oa roa da eadeia n. 87.
Vendem-se daas pretas pocas etadi
beodo lavar e coser e proprias tambera ni____
voora.e nativo da venda terse de retlrar'ojwn berM-
senhor para fora d Imperio : para tratar no ar-
mazem a roa da Croz, o. K. .,
- Veode-se um escrai ortto, crrtilo, dcT
a- Vende se a armacao da fabrica de cnaratos
da roa da Imperairiz n. 18, e janctameote todos os
ma|s objcros enstantes 'W me>ma; qoem preten-
der dirija-se > roa da casa de Oeitenco n. 7, u-
Vtnde-se um engenho
Feo ai e
ellos : oa rna
aiaostama oaira
pora orna uuw9
na roa do VI
.1
SaV
ama >au
roo do Imperadora. 4a, armazem
anoos de idade,
de campo e sem
_aolr,
Vende-se de boa
' $MS.
**'
aT
d'igoa denominado Triompho na comirca de Sao-
to AsHio judio a* engenho Coqueiro, com trras
para safrejar de 800 a 800 pies, com boas obras o
caaa Ae viVeoda por preco commodo ; qoem o pre-
efaior qoeira dlngirse a roa da Praia o. 76, para
trawr ofea fimdo eorrele, met de abri'.
-----------------------^^--------------------
Vende-se o botel de ln
barato preco ecl-'
ercado, sartas
torio. "an2fi
obra multo boa:
ran 13.
-Tdiv
a tratar na ra do
$8;
*4i
Veodeuvae
das; oa roa da
alia, sito na ra do Ti
laiininiieeiadee me
-------- bil Oiarlo e algum trem do setL
Farmoa demandioea terraSas
^aj
l empo, vende-ae prrtor e flw ssagoram ryo^erioade.___.____;
-'.....'! Vende se um molato sadio, bora coslnbeiro
Vendem-se cintas escurw a 160 e 260 rs. o co>
vado, chilas francesas finas a 280, 320, 360 e 400
rs. o covado : na ra da Imperatriz n. 56.
Biscado franeei a 210 evado,
Vende-se ripeado francez para vestidos a 240 o
covado, cassas francezas finas a 240 e 280 o cova-
do : ra da Imperatriz n. 66.
Atara vende madapolo a 4#,-
Vendem-se pecas de madapolo de 12 jardas a
h&iM e 5,5, dito de 24 jardas a 4,5, 55, 65 75,
8 e 105 a pega, pecas de algodao a 35, 45, 65 e
85, dita de fcrtanlia de rolo a 35 s oa loja da
Arara, roa da bsperairiz o. 56.
Kiseado a 120 rs. e covado.
Vende-se ripeado escuro para vestidos de esers-
vos a 120 rs., dito de linho para rcupa de meninos
210 o covado,gangas >1e cures a 400 e 4*0 rs. o
covado, colarinbos a SCO rs. a dozia; roa da m-
pen.inz n. 56.
Arara vende lazinhas a 209 is.
Vopdem-so lazinhas para vestidos a 200, 320,
400 e SOlfrs. o covado, ditas lisas e matizada:- a
500 e 500 o covado : roa da imperatriz, loja e ar-
mazem da Arara n 56.
Brasatc a 2*5600 a vara.
Vtnde-se bramante de 10 palmes de largura a
2$500 e 25600 a vara, panno de linho para >u-
eoes e toalbas a 6W a 700 rs. a vara, hambiirgo
para lengoes e toalbas a 560 : rea da Imperatriz,
loja da Arara n. 56.
Houpa feita e camisas para seniora a I b'0O
Vendtmse camisas p?ra senbora a 15500, cat-
eas de brim a 25, ditas de casemira a 55. 6 e 8,
palelots de panno pfetn a 65, 85 e 105, ditos ue
brjm de cores a 25 e 35, camisas francezas a '25
e 25500, ditas iogli-zas de pregas largas0 ae linhc,
a 25500, 35 e 35500, ceroola? a 15600 e ?5, ro-
larinhos econmicos a 500 rs. a duzia : ra z
Imperatriz n. 86. ____________________
Aspas fortes para boloes.
Na ra do Queimado loja de miudezas n. 16, vea-
de-se asas de ago fortes, e-de diHerentes larguras
para baldes.
Bonitos quadros para retratos.
Vendem-se na roa do Queimado loja de miude-
zas n. 16, bonitos qnadros_ com rcordura pteta e
dourada, todos por prt cosala veis.
Garrafas brancs
e de cores com superior agua da colonia*
Vendem-se na ra do Queimado, loja de. miude-
zas n. 16.
fovo gosto
Pentes, fivellas, e brincos de'feigrana.
A amiga e bem conhecidajoia n. 16 na ra do
Queimado, recbeu um sorlimento de diver-os cb-
jectos de novo e bom gosto, seodo peales brancos e
dourados de moldes enteirament bovbs e mni a-
gradaveis, leodo enlre elles algons'--de Sligrana obra -
de mnito gosto e deficil execogSo, e bem assim fi-
veuas e brincos as mesmas circumslaocias. -
Tambera recel.en algms clnto o que de maic
moderno e bonito, se pode encontrar em tal genero
Alera disso encontrarao os preieodeotes um cem-
pleio sortimento de fivellas de madreperola, turis-
ta!, tartaruga, e donrados, brincos de chn-!."l e
jaspe, vollas e cruzes de dito e inultos outros obje'c-
tos de gosto, os quaes conlinoa-"1 a vender c< mmo-
damente.
Pnenles de madreperola, e enfeites filis
A loja de miudezas ua roa do Qucirrarto n. 16"
rectheo honito pentes rom chapa de n^.n enerla
e novos enfritrs u-n ornados de lanteioi.as dou-
radas, moedinhss, aljofares, vidrilhos nc, lenuo
grandes para lod^ caneca e pequeos para ccqae,
regulando os pn-cos de 25 a 45000 rs.
II nitas caixinhas
coro arraejos dourados para cestura, lendo em
musitas e -em ellas. Vendern se na rna do Qoei-
mado leja de miudezas n. 16.
Trangas pretas
com vidrilhos, e Lieos com ditos e sem elles rara
enfeites ou vestidos.
Na roa dt Qoeimado n. 16 loja de miudezas a-
cbarao os pretendentes um bello sortimento do;
objectos cima dito?, cascarrinas, franjas etc. tic
e todo esl sendo vendido por precos commodos
Botes pretos
de vidro enfeitados d'aco.
A loja de miudezas n. 16 ro. do Qneimadc
vende mni bonilos boloes pretos de vidro com eu-
feites deaQo.os qoaes moito se nzam para enfeiiar
vestidos, qoem os pretender pode dirigir-se a di'a
loja n. 16 a roa do Qoeimado.
Vendern-se- na loja de mlndeza
a ruado neimado n. 16.
Boniti Jeques de saodalo e ootras qoalidades.
Bonitos cintos com fivellas de diversas qualida-
des e moldes.
Brincos e cruzes de crystal.
Abotoadnras de dito para colotes.
Bonilos porl-relgios.
Delicaaas caixas com msica e sem ella, para
costura.
Agulhas e linhas para cbrocnel.
Retrot sopenor ero ca rite*.
Rendas pretas e bicos com vidrilhos.
Filas de vallado com listras de cores para en-
feites de gorros e vestidos.
Ditas de grosdenapoles, lisas e lavradas, brancas
e matisadas.
Para fingir cabellos.
HoiW Walter.
Vende-se na rna do Qnenaado, loja miodezas
a. 16.
Gbreuaco-iuc
Para tingir cabellos.
Vende se na loja de miudezas, a roa do Quei-
mado n. 16.
Tintara de L. Marques
Qara fazer os cabellos pretos.
Veode-se na roa do Qoeimado, a loja de miu-
dezas o. 16.
lissangas miadas, a'jefares imitanua
acc vidrilhos iterares
para enfeites de vestidos ; vende $e lodo isso por
preces raieaveis oa roa do Qoeimado n.l (ja K,
ate aa logeos. -
Tasso Irmos
Veflden aa sen armaien rna da
Anarim i. 55,
Ueor (Ino Curaso em botijas e meias botijas.
Licores floee sorlidos em garrafas com rolbas da
idro e esa Indos fraocos.
Vlnhos--Clreres.
Santernes.
Ghambortin.
Harmitage.
Borgonbe. ;
rhowniaii
Slaer-
Bordeara.
Cotaac.
alteo.

rrafas e botijas
lias e lava e copeiro con 11 anuos de idade : na roa dos Pi-
res n. 54.
arroba Ptario

J aiflUH |
* mWmmmWmmWmmWm%mmmmmmWm\ W
Vende-se, oo alagase o sobrado amarello da
Ponte d:Ucba : tratar oa roa do Imperador n. 27,
/


l

il



II
DiaMft tt***6 <>m*km*i* fe **Htc
1868.

I

'.-


'



i

par a UAWBSA
Chegaram a loja de Augusto Potito
41__# do Qucimado---ll
SSSSJSiMfcal lisus baUos padrees.
SSfio de dterses largaras a qualidades.
Rewndas, bormu. e coate de guip e de rendas.
nanos pretos, catiras pretas^ff^
Las, caatao, merino e selestrinas pretas.
Lindas manus de seda para pesclo.
Ricos cortes de seda de cores para bailes oa casamentos.
Ricos cortinados bordados dos mals bellos de sentios.
Molr branco, seda bracea, capellas e mantas para noivas.
Bellas colchas de seda e de 13a e seda par cama de HoiVfe.
Saias de flnissinia cambrata ricamente bordadas.
Fazeodas de predas pira sala que se. fazem com ama so costar
o cordto teewo.
Madspolao francs a 400 e 480 rs. a rara. ...,
AleatHa de lint para salas e gabinetes a 480 rs. o covado.
Fazenda etpeeiorde qual ros para fizar redes a 3*300 a Tara.
Superiores esteiras da India para
11 Ra do QueiaaadoII

CORTES DE SEDA

Chegaram pelo paquete Ingle riqnisslmos cortes de moreantlqne de cores, e seda aVrradS
O^m inteirameote nov'os." '_
Seda de quadros por ljjWOO o covado
5RA DO CRESPOB .
regorlo Pie do Amara I a* Cowpamtala.

Gros de aples preto a 1,5500,10600, 24, U, 3,5500 .o corado.
GorgorSo preto de superior qualidade a S05O0, 20800, Si* Wo co-
V3- ..- Superiores moreantiques a 25500, 20600, 34, 30500. ...44 e 54Q00 o"
covado. i. '
Bons cortes de moreantiqae. :iJ
dem de gorguro adamascados. I
Bous pasaos e casemiras.
Sup riores alpacas, princetas, merinos e bembazinas.
Bons villudos pretos. .
Grande variedade de hiles de fil preto e de guipare a 5*, o, #,
100, 120, de 165 a 20$, I d 250 a 800 cada um.
Superiores retondas de fil preto e de guipure a 80, 10$, f20 e 25,
e de 300 a 600 cada urna. ,
Superiores algerienes de fil preto e de guipare de 120 2*, eae
300 a 600 cada urna.
Boos chailes de seda prOta.
Ditos de Merino preto bordados e outras mottas fazeidas pretas que
seria enfadonbe enumerar, na
IOJI Dl CIIIUMi AS
*DE 4NT0NI0 GORREIa DE VASGONGELLOS A C.
BA DO CRESPO IV. 1
DM0 DO
RA DO RRUM ]ff. 3.
O proprietario deste estabeleeimento deseja chamar a attencao- dos senhores pro-
tarios aos acre litados mechanismos que continua a fornecef ; os quaes gafante ser,
jota > sempre, da meihor qualidade possivel:
Machinas de vapor
raotore sde
so vos Gjauaiw
DOS
TRES ORAIVOErl
NS- BE WOLAHDOS
5*! DIKOIWAD08
PROGRESSltO pateado Carnw*. 9
UNIO E COMMERCIO ra do Queimado n- 7.
VERDADETRO PRIN
CONSaTORIO MEDWHBBB6K0
PAL rn de Imperad o. 49
[avv
DUARTE CABYALHO PERIRA 4 C
. Fazem sci en te o respeitavel pablico, cora especiaidade aos senhores de en-
fenhos, lavradores e mais pessoas do castro, que para mais facilitar suas compras deli-
beraran os proprietario des tres grandes armazens, reonir todos os seas estabeleci-
entos em um s armando, pelo qual o preco de um ser de todas, proraette*
mos que nao infringiremos a tabella que abano vai publicado, aoounciar os genero
por om preco, e na occasiao da compra qoeferen por odtro, coino scese constante-
mente em outras muiUs casas, portn nos nossos estaboteciraeoto n50-se dartr iafo
inda raesmo coa prejuio meso, qualqaer pessoa poder mandar set fmulos qne
serio tamben servidos Como rfessem pessoalmente fazendo-nos o favor de mandar seus
pedidos em cartas feixadas; para evitar qualqner engaos, remetiendo ios orna tonta
pela qual se vara os preces tal qual annunciarmos, o que sena"o arrepender pessoa
alguna que flser su despenda em nossos estabelecimentos; pis poupar mais de
5 por cento na' sua'despeza diaria.
vinagre
im PEDRO BEATTj
MBB1CO, PART
3-Roa da etoria,
O Dr. Lobo Hoscoso d consultas gratuitas aosptim Hila osds das 7 as ti
aoras da nunhao, esas 6 e meia ai 8 horas da aoile, I eacsaeis dos dita santificados
Pharmacia especial homeopattca
No mesmo consultorio ha sempre o mais appropriade sortioeato de carteirai
tubos avulsos, assim como tinturas de varias drmnamisaces o peles preces seguinte-
Carteiras de 12 tubos grands^ 120000
. de 24 tubos gHfc.* .< IflBoo "
de 36 tubos gridfles. 2400
de 8 tudos't^ftiHfts. 3OJ000 "* w
-____ > da 60 tobos grandes. 350000
rVepra*se'(OIIqTOr flfleira conforme o pedido que se fizer, e com'os remedios
que se pedir. ,
Um tubo avnlso oa (rasco de tinturabas** am* HJOOf. ; |i ,
Sendo para cima da 12 costarSo os^fco* #sie!et#dol pira* ts- carteiras.
Ha tobos mais pequeos cada um a 500 ris.
.
A70Z
IIVKOM.
i
'
TI^\TEIG%
Mantelga' inglew perfeitamente flor cbe-
gada altmamente a 1,12o rs. a libra, e
em barril ter abatimnto.
Manteiga franceza da safra nova a 8oo rs.
a liara e era barril' ter abatimnto.
BAWH.V
Banha refinada superior a 61o rs. e em
barril ter batimeitto.
H4
Gh uxira de prlmeira e superior qualida-
de 2,8oo rs.
dem bysson o meihor neste genero a
2,6oo rs., e sendo em porco ter abatinaeo-
to, tambem ha proprio para negocio de 2 a
2,4oo rs. a libra.
dem preto superior de l.,8oo a 2,5oo r.
a Libra.
r
Lalas ora superior Wcoato inglez de di-
versas marcas a 1,200,1. a lata.
Bolaetftott
Labs com bolachinhis da acreditada fa-
brica do beato Antonio, proprias para dar a
doentes de2,ooo a 3,ooors. a lata.
Idea cera quatro libra de boiaebiuha de
soda a 2,ooo rs. a lata.
Queijos
Oogijoaflamengoschegados pelo ultimo arrobTede 3ltoaUo7s.Vlibra*.
vapor de 2,3oo a'2,5oo rs.
CHOCOLATS
Chocolate hespanfaol a l,ooo e lr2oo rs.
a libra, franco? e suisso a 1 ,ooo rs. a fibra
e pertogaez a 800 rs. a liftray era porc3o
ter abatimnto.
Soperior vinagre de Lisboa a 2,ooa<)rs. a
caada e 280'rs. a garrafa. Tamba ha
mais baixe para 2eo rs. a garrafa e l>$K>rs.
a caada.
zei& doce
Soperior aieite doce de Lisboa a 7o rs. a
garrafa e a 5,5oo rs. a caada.
FVIO CAPORAC.
Latas com superior fumo caporal a l,8eo
rs. a lata.
Paisai
Superiore passas a 2,5oo o qoarto e
9,5oo rs.; a caia de arroba hespaohola e a
56o rs. a libra.
GEIEBRA
Genebra de laranja rerddeirra 4o,5oa
dazia e l,ooo rs. ao frasco.
Genebra de Hllanda verdadeira a 6^oo
rs. a fiasqneira e a 56o rs. o frasco.
Idom d Hlktnd em botijas a 4oo rs. ca-
da ums.
Garrafes cera 24 garrafas de genebra de
Holfonda a 8,ooo rs-. o garrafao. Tambera
ha garrafoes com 5- e 14 garrafas de 3,2oo a
S,ooo rs. cada ara.
VELAS
Velas de spermcete 64o rs. a libe.
Mera de carnauba de lo a 12,ooore
fo-ca de 2 *' cavallos para cima. As menores sao mu propnas para
es^r.-camentos de aigodo; as maiores para moer canna; hi tambera que podem junta
r.u ^paradamente moer canna e descarocar segando saas proporces. Esee vapores
: ^'aialissimos na onstruccae, e seregem por qualquer pessoa mtettigent, a facilidad
l- da conducco sen lo especialmente considerada, tanto que nao ha lagar em que nao
se .Msimconldzir, qur por trra, qur embarcado. Ha cora moendas juntas ou sera
ellas e podem-se applicar a qualquer moenda j existente sem outra madanca do que
a substLiic das rods da alraanjarra. Ellas tem depsitos d'agua e boeiros de ferro
p ^ao precisara para o seu assentameoto de obra alguma, qur de carapina, quer oa*
venara. O tempo para aisenta-las nao excele de doze dias ao mais, e em casos de
aertes de animaes ou arrombamentos de acudes, etc., garante-seo assentameoto em
oit) dias. Lembra-se aos senhores de engenho que a venda dos animaos e o sarvico da
Reate occupada no seu tratamento osho de recuperar da raaior parte da despeza do
vapor deixando-lhes a vantagem de urna moagam certa e accelerada i e acabando com a
despeza da compra continuada de novos animaes. com os desgostos do trabalbo que
se tem com elles. ,. ,.
Rodas d'agna de ferro, mui maneiras e moendo com qualquer altura
aga3'arlIhos eom crnzetas de ferro para as mesmas, quapdo se desege fazer
e resto da roda de madeira, tornando-se assim a roda ligeira no trabalho.
Hoendas de canna de todos os tamanhos, desde as mais pequeas chama-
das do sertSo. Obra perfeita em feitio e acunbameato.
Rodas de espora e angelares de todos os tamanhos e proporc5es.
Paroe* om coches para receber o caldo. ,
Crivos de f arnatna para assentamenos, frejcos para o foguista, lazeado
grande calor com pouco combnstivel, eduradouro^ ^ ^ ^ ^ J;waMfte ^^ fh
' Portas de fornalha de todos os tamanhos e de diversos srstemas.
Fornos e molnkos para a fabrica de farinha e lamben, chapas redondas
VINHOS
Superior vicho do Porto da mais acredi-
tadas marcas, como sejam: Madeira Secca,
Duque do Porto, Velho Secc0> Lagrimas'do
Doaro, Mari Pia; D.Luiz, Pedro V, Lagri-
mas Doces centras marcas a l,ooo a garra-
fa e 9,ooo a *2 ooo rs. a duzia.
Vinho Figueira e Lisboa das memores
maceas a te 5oo rs. a garrafav e a 3,ooo,
3>5oo e 4,oeo rs. a caada.
Superior vinho chamisso em^ barril a 64o
rs. a garrala o a 4,5oo rs. a caada.
Superior vinho de Lisboa e Figueira em
anceretas d8e 9-cariadas a 24,ooo rs. a an-
coreta.
Superior vinbo branco preprio pava mis-
sa a 640 rs. a garrafa, tambera ha maisbai-
xo para 4oo, 5oo rs. a garrafii e 3,2oo a
3,5oo a caada.
Caixas com ama duzia de- garrafas de su-
perior vinbo Bordeaux a 7,ooo rs. a caixa a
7oors. agarrafa. '<
\* CAFK
Cafe do Rio de 1.a e 2,* qualidade de
6.800 a 8,2oo rs. a arroba, e de 24o a 28o
rs. a libra. ___
SABAO
Sabio maca de primeira qualidade de 24o
rs. a libra.
Sflrveja
Superior servejs Bass dos melhores fa-
bricantes, como sejam: Shlers d BeB. T. F.
Ashe a 7,5oo e 7,ooo rs. a dazia e a 7oors.
a garrafa. Tambem ha de outras marcas
como seja: Victoria e Alcope a 5,ooo rs. a du-
zia e a 5oo rs. a garrafa.
? B0I5ES vasios.
Boioes vsi0S,
if*-
fcjtajjara manfii
para fornos pequeos.
Bombas simples e de repucho.
Talcas de ferro batido e fundido e de cobre.
Formas de ferro batido galvanisado para, purgar assucar,
e isemptos de quebrar-se.
-
leves para carregar
!%ambiques"de ferro de todos os mwhM,ju$*j s|a terca parte do
r>reco dos de cobre, mais regalares na distillacloae i|vjalrae|e*ac^ei
Eixos e roda de carr com maagis de parante, obra muitsegura gara
C3rregaArados, grades, eaehades a cavallo e outros instrumentos de agrl
coltara. E finalmente todo o objeeto de tme possa precisar am engenho.
Machinas de descarocar al#odao.
Araruta verdadeira a 4o rs.
Pimaata, cominho, cravo, canella. ervadoce, alfazema, tijollo para limpar facas pa-
litos paradentes, palitos de fgo, e oxrtros muits gneros que se tornara enfadoaho
mencionar, afiancando citceridade nos precos e o bom aconaicionamento de qualquer
genro. *
i___i-----------------i---------------------------:___-^____

.:i

Na fabrica se fazem obras novas enconmenda e coucertos, con a maior preje-
23 e solidez. O grande deposito de secas e objectos habilitam-na moito para este fim.
O proprietario ser sempre mui feliz de poder ter oecasjSo de dar mfon)aa<5es oa
srlarecimeatos aos senhores que se servirem de seu prestimo.
D. W. Bovtman, engenheiro
...-------------------------------*------------------------------------------------------------------- '.. r >
Vwas de pellica pretas e ou-
tri com
Chegaram para a loja de miudezas a roa io
Uueimado n. 16. <
Vende se orna porfi fo fcrro brato~8rre
para obras de ferreiro?, e pr pre^o muito com-
mr.do : a tratar na rTO'SwpMlfl n. i, 1 in"
Vende-se e fai-ae toW Mwclo com o
sito da roa do Vipario n. 29, maito proprio i
Bm principiante que queira pnncipir ana U
rom pooco dinheiro ; ao cowptrtor m dir a mo-
tive da venda.
Vende se a borto'do *fc*ho Paraen* par.
irattr eom Joaqoim Jos tOBcaNa Bltri*a roa
o Vigarto b. 17, prtattfre ttk
- mram." ~ _
da Ilha : a tratar na ruado
VENDE-SE
o grande armaren) da roa do Apollo a. 38 e
proprio jara nm amazem da aewear oa prensa
de algodao en ponto grande, pw Mr $
frente coa mala da 67 palmas a largara a
unios palmos de oopapviamito, todo oobart a-'
bre arcadas e para comed Wade dos oaapr
fe vende eon opraxodelaaaoe oa vencionar ama vet oaa M)* cesa tefaraae
faude-se peta demora o* mmeo jure r as
seas a qnem oaivter aa|a compra poderlo
taraps
Ka roa da cdala defteaUn
m^ia^raiBjraaiida delhaajr
raaraasaam..________ --i .
- Ve4WTIlV+JIWo^i1oSrT!l,aWr
. ^uaaaj|gte maito pro-
_ .miIoefosieV de doce d# 4
2~libras a T^2ao e 2,5oo. /
. FARINHA DO MARANHO.
Farinha do Maranho a 240 rs. a libra.
SAG'.
Sag muito novo a 4oo rs. a libra.
ARARITA-
a libra.
PEIXE
Peixe em latas jk- preparado de l,ooe a
l,2oo rs. a lata
ALPISTA E PABrQO
Alpista e painfo muito novo de 3,8o a
4,ooo rs. a arroba e de 14o e 160 rs. a li-
bra.
CHARUTOS.
Saperiores charutos-do fabricantes Siaaas,
Invperiaes, Delicias, Parisienses e outpos de
2,2v5oo e 3,ooo rs. a m-jia caixa: tambem
temos- Suspiros, Havaneirosy Ligueiros e
outros moitos que vendemee por mdico
preeo,
Iileores
LiGores franceses- eportoguezes a i^ooo e
l.ioo rs. a garrafa oa frasco.
Doces
Doce da casca da- goiaba em caix3es> o la-
taa-li,2ooocaixloe2,8oors. a lata.
Frotas
Frotas em calda e em latas fechadas her-
mticamente, muito- bera enfeitadas, conten-
do pera, pecego, ameixa raiuha Claudia, al
perche e outras frutas a oo rs. a lata.
Tambem ha lata grandes para l,2oe rs. a
lata.
AZEITE DE REFINADO
Soperior azeho ftancei reGnado a 8,ooo
rs. a garra'a e a9,ooo j*s. a duzia.
MLHO INGlEZ SAUCE
Molho ingles Saace em frascos grandes
com rolba de vidro a l,8oo rs. o frasco era
duxia ter abatimnto.
BATATAS.
Gigos com 3o libras de batatas a l,ooo rs.
o gigo.
SARDINHAS.
Latas com sardinhas de Nantes e Lisboa
de 4oo a 46o rs. a lata.
_ FUMO AMERICANO.
Soperior fumo m chapa a 1^400 rs. a
libra.
ERV1LHAS
1 Latas com ervilhas e feijSo verde j pre-
paradf 64o ra a}a|a.
MAS?A DE TOMATE
Lata com 1 libra de mass* de tomate a
64o a ata.
- t^.. VERMUTH.
Esta bebida maito fresca e estomac il e
muito propria para a presente estac3o. a
qual vendemos a 2,ooo rs. a garrafa e 18$
a duzia.
A' meihor obra da homeopathia, o Manual de Medicina Homeopatbico d Dr Jarh
^WC?V(0meS^md6ciODa^D............ WOO
ffiSu?fl^m2hD'aenng........... 10*00
tefTerw do Dr. Mello IBraes ......... ^ 6,5000
wcienariO de tetraos'de raedicina....... ,. 4 ... 3^900
Os remedios deste estabeimaento s5o por domis conhecidos e dispeosam por
tanto de serem novameote recomendados a peasaas que quierem asar de remedio
verdadeiro, enrgicos e durad oras: ha todo do meihor que se pode desatar, giobos de
rerdadeiro assucar de ieito^notaveis pela sea boa conservac5o, tintara do mais acredi-
tados estabelecimentos europeos, a mais exacta e acarada preparagao, e portanto a maior
aaergia e certeza era seos effeitos.
Casa de gande pura esermos.
Recebe-se escravos para trajir de qoalqaer enffermidde oo fzer-se-lhe qualquer
operac5o, para o que o aononcianle jalga-se suflBcientemente babilitade.
O fratamento o methor pessire!, tanto na parte alimentar, como na medica,
funecionabdo a casa ha mais de quatro annos, ha muias pessoas da cura conceito se nao
pode duvidar, qae podem ser eonsultedos por aqelles que dsejarem mandar seu
doentes.
Paga-se 24 por da durante 60 dias e d'abi era diante 19500.
As operacoes serao previamente ajustadas, se nao se quizrem sujeitar aos precos
razoaveisijTre coslfima pedir e annunciaete.
'*

_^

ARMAKEM BE FAXEIVDA^
DE
CUSTODIO CARVAMIO C.
27 RA 00 QUEMADO r?/ 27'
MadpolSo fraocez muito fino, tendo pouco mofo, cada peca com 27 varas por
lOpOOO.
Laa de cores a 300 rs. o covado.

Cambraia franceza a 260 rs. o covado.
Fino organdis a preco de 800 rs a vara.
Lencos brancos para algibeira a 24000 a duzia.
Finas perclaras a preco de 400, 440 a 560 rs. o covado.
Ricos cortes de laa d barra de 104 a 304000.
Chales de fil preto e outras muitas fazendas.


Novidades do Vigilante
RA DO CRESPO N. 7.
Este estabeleeimento apezar de sempre
se achar bem sortido corao todos sabe,
boje mais que nunca, nSo s pelo que rece-
be de sua propria conta, mas tambem pelo
que recebe de consignaces; parece sem
duvida que deve offereeer grandes vanta-
gens para o respeitavel publico tanto em
precos como na escolha dos objectos, co-
mo acaba de chegar grande remessa pelo
vapor eDeuro e o navio Solferino de
diversos objectos de gosto e propries do
tempo dos quaes se raencionar5o aiguns,
por nao ser possivel mencionar todos. O
dono deste estabeleeimento espera a pro-
teccao de todos. "1
Riquissimas caiainhas ornadas e cora
msica propria para um delicado mimo.
Caixinhas de msica tanto de veio como
de corda.
Ricos porta joias e necessarios.
Riquissimos estojos a feitio de um bausi-
nho ou chapeuzmho.
Ditos em casca de noz e de outros gostos.
Leques de madeperola de sndalo e de
faia e madeira.
Chaposiouus tonquinhas.de muito
gosto para criangas.
Meias e saptiohos de seda para as mes-
mas.
Meias de seda para senhoras.
.Capellas e rnaldas de flsrs propria
para casamento.
Enfeite a capellas de maito gosto par
seuhora.
Riquissimos porta boqnets. __
Boquet de flores com urna borrachinha
com cheiro.
Levas verdadeiras de Jovin
Dita de seda ede Escocia.
RiqaiBBima prima* e guarmcjJes para I
enfeitar chapeos.
MACHINAS DE PATENTE
DE TRABALHAR A MAO PARA DESCA-
RCAR ALGODAO
FABRICA POR
PLANT BBOTHERS & C.
oldam.
Estas machi-
nas podem des-
carocar qual-
'quer especie de
algodSo sem
estragar o fio,
sendo bastante
duas pessoas
Eara o trba-
lo; pode des-
carocar urna
arroba de al-
godao em ca-
rolo em 40
minutos, ou
18 arrobas por da ou cinco arrobas de al
godao limpo.
Assim como machinas para serem movi-
das por animaes, que desear acara 18 arro-
bas de algodao limpo por dia; e motores
para mover urna, duas ou tres dessas ma-
chinas.
Os mesmos tem para vender um bellsi-
mo vapor que pode fazer mover seis destas
machinas mencionadas; para o que convi-
da-pe aos senhores agricultores a virem ver
aexamina-lo, no a raazem de algod5o, no
largo d ponte nova n. 47.
ISamiders Brothers ft c.
Reafe praca do Oorpo Santo n. 11.
Os nicos agentes neste paiz.________
O castello de Grasville.
Traduiido do frajieei por A. J. C. da Cnx.
Vende-se este bello romance am quatr
tomos pelo baratissimo preco de 3400C
oa praca da Independeaeia. livraria n.
6e8. .f2L

ROMANCES BARATOS
Vendem-se, na livraria da praca da Inde-
pendencia n. % a 400 rs. o volume, os ro-
mances portiagMseMegalates, em brochara:
Ave* do sangae, 2 vohiraas.
Coaaeman, t ditos.
A noite de S. Silvestre, 1 dito.
O filho de Tltiano, 1 dito.
Adonis ou o boa negro, i dito.
Ka daas amadaa, 4 dito.
Onach dojada, 1 dito.
igaeidera Sierra, 1 dito,
leven Siberiana, 1 dito.

Veode-ft ana masaeira de amaraUo em per
felto eflado, e mais perlences para naaa piidaria,
aa ealrada aove, eegeeda taberna a direit, depols
de sfcrado grande: 'tratar na mesma, das 4
horas da urde em dlanta.
a
lar aa roa do Hoapieo a. M
atao
k ta>tfM#a
CaMaewtfaWS de eores. eovado a UO, pecas
da %odlflWrto largo cota 17 vana a A#v
Bttdemto eotb 17 varas, maito encorpado,
eoai penaVo defdto, a 4Wuo,
OroMenapI ateto multo superior, covado *.
Dito dito a 14600.
IWoadag de renda preu a 104.
Oales de trmdm preta 84-
m muito se deseja.va para enfaes.
Brinco, firelias e cruzes de crystal.
\ FivaltaaectaBaaditartarag, madriae-
rola e dourados.
Alfinetes para gravatas.
Botos com croas, para punhos.
Gravatinhas e raantinhas da muito gosto,
tanto para homem como para senhora.
Riquissimos aderecos, pretos, assim como
caixiimas com alfinetes pretos.
Bengallas de canaa com cabo de marfinfc
Rs roa da Oaeirado Aft Ktas de bateia, borracha e de oatras
tX2L. ao. |pWft.ifcjia^
Riojpiiaiaicri pentes: de tartaruga a ulti
Coalas "tubos de ac branco, qnaf ^Ai esoo Jos Wermano
BA NOVA N. 22,
acaba de receber nm lindo e magnifico sor-
timento de ocnlos, lnnetos, binculos, do ul-
timo a mais aimradv gosto da Europa e ocu-
toaaiaaae par aiaenaooe apara os
martimos. ___
daDe^iwaraaaiaa^jaaja-aJiiiej.
rea da Madre
Grajae tIMita de maiaaale ca
a--a-A- tWt'
aTdapo utea, a [
macis.
mo goatt;
menina
sortimano de todas as "qualidades.,
Diademas para cabeca do ultimo gosto.
Riquissimas fitas lavradas e Utas.
pretas cera vidrifte e de cores,
tanto para sehon. como! ara
Roupas feitas de tooas a gMaJiaatas
Veede-ae roop* Mit, seede alcas de cares e
parte >^,dfta> a aaiai aaaaeedelfae fJgQO
e 44. calcas de casemira preu tU, 4 a U di-
tas de cores, mela casemira, a 34 e 34500, ditas
de caeewtre ae, 94 e 8*, paletets de brim de
corea a 24,34800 a 34. *los de aria t*aivo a
a 4*500, ditos de alpaca preU a 34 e 44, ditos de
casemira de core* ,4, 6, 7, 8 e 104, ditos da
mo prete a 64, 7,8 e 104, coUetea da aeras a
pitos de corea a JU e 24500. ditas iotetas da li-
Dho de pregwi largas a UM, 34 e 34500 : aa
roa ds lapBratrtyioia.ea
goaat; asaaa como de arragaeo pa ; --E "^aa$f^mt*> C.
CuCffljMna.
Cognac4*ptrJar ^paiaade.
Vidros para espelhos. de todos os tama-
'nuostuJ-oa r^taaa^ct>iunoii>a
SfVxW ^wflf^lffieu
Teseom a Mnu i
V

r


.Ah
WHi
:*>
^B -t"!T
*Wf
I
.

Diaria4c rmm***m+i+lm*i e 1666.
NOVA
MCICLOPBiWOA
41 lta a laanciatfrfx anaaztai
da parta farga 9.
Juuto a padaria ffradeeza de
Paredea Parta.
Neste estabelecimento encontrar* o respeitavel
publico am variado sorlimento de fazeodas france-
sas, iiglexas, solssas e allemies, qae se venderlo
por preeo commodo. '
Paredes Perl*
Vende chales de renda de cores que se vende-
rn a 18$ est vendendo por 64, ditos proles, fa-
ienda nova, 51,61, 84 a 201, um sorlimento com-
pleto de manteletes, capas e.soutambarques 141 a
Sil. Rn* d* mperatriz n. 42, jnnto a padaria fran-
ceia, armaiem da porta larga.
Paredes Porto
Recebeu am completo sorlimento de liasinhas a
240, e 280 rs. covados, para acabar, cambraias de
cor a 240 rs. o corado, liscado escossex para roa-
na de menino, fustio de linho'a 420, 400 e 500 rs.
Roa da mperatriz n. 52 Junio a padana franceza,
armazem da porta larga.
Paredes Porte
Recebeu para cortinados pan csea francesa a
i 11 a peca cambraia Usa Boa a 31 41 at 101 a
peca, cortes de tarlatana de bonitos gostos a 30500
41, cambraia com fldr de seda, gostos inicua-
mente novos a WO e 990 rs. o corado, no armazem
da porta larga n. -M,< roa da mperatriz junto a pa-
daria francea.
Paredes Perto
Receben pelo ultimo paquete um sorttaento de
cruzes coa podras para epesccco, bonitos caxinels
de lia para pescoce de senhora. Roa da Knperatrii
n. 52, armazem da porta larga.
Paredei Porte
Vende cortes *e gorgurao preto para vestido com
SI covados cafa um 351000, grsdenaple preto a
11660,10800 e 20 o corado, I5as linas finas a 460
rs. o corado, fias de quadriobo para vestido, enfes-
tada, a 320 *s. o cevado. Ra da Laperatriz n. 62,
armazem da porta larga.
Reapa frita
Roa da mperatriz a. 82 armacem da porta tar-
ea junto a padarla frasee, eueontra-se neste-es-
u-ibelecimcnto um completo sortimenlo de palels-
saccos e^obrecasacos, tle tedas as qaalidades, 01-'
chapeos de sol, ditas france-es para cabe/ja, por
precos com modos, roupa para menino o otras
mu tas fazeodas por-oreos oonmodos, nruzem
da pofta larga.
o mesmo estafcelecimeato encontrara -o respel-
tavel publico, sempre um completo sortnnento de
roupas ferias'a todas as qualidades, oaoo sejam
paletos de alpaca preta ede cor, ditos sobrecasa-
:os a 40 a 50, ditos de brim pardo a 30800, 31 e
31300, ditos nos a 40, ditos meias cazemira a
3X500, 41 e (O, ditos cazemira s-ccos-a 1, 71, 81
e 10B), ditos sotorecasaeos a 10 e 121,-*tos de pti-
co saceos a 9,-81 e 109, ditos sobreeesacos a 121
a 281, ditos-de merino preto a 61, %J e 101, cal-
cas de brinde diversas qualidades a 11800 a 41,
ditos branoos a 21300 e 6100, ditos cazemira 51,
61 o 71, dttos pretos a 51, 61, *0 e 101, dites
meias carcmiras a 30 o 41, coletos de dirersas
cualidades., seroulas francezas do algodo, ditas tle
inbo, ditas de bramante a 21 e 20300, carnizas de
algodao e linho1 fraocezas de 20SO e 30. Oran-
de pecbiBcba ueste geoero, grvalas de todas as
qualidades e brancas para casaawato, grande-sor-
timento de meias para senboras, thtas para nooens
a 31, superiores a 31500 e 41.
Um completo sarti meato de hapos do el de
;.!paca a 31, ditos de oda a 2&, 71, 101 o 141,
ditos fraaceies pera cabeca, -grande sortitaento
a 61.
Vestidas
A
SALSA PARMLHA fifi AJEB
PIRA A CURA
^ (MUIDE ESTABELEOIEMO
t escrfulas e molestias escrofulosas, taawrts, uriteraa, otoaga* *rldaa *t>
is, brenchocele, papo 00 papeira, a syphilrs, enermidades vinarias 0*1 naarr
curiaes.
AS MOLESTIAS DAS MLHERES
retencao, menstro doloroso, ulcerares do otero, flores branttw,*!-., alcert-
cao, debilidade, expoliadlo dos ossos, a nevralgja e convulsSes epilpticas
quando causadas pela escrfula.
1. ne
. M ERYSIPELAS ERPES; ETC.
fenferraidades cutneas, erupeo, borbulbaa, pstalas,
nascldaa, etc.
0 extracto composto do salsa parrllha, confeccionado peloDr. Ayer, uma
combinacao dos mefhores depurativos e alterantes conhecidos medicina; conftecis*
nado segundo as regras da sciencia, approvado e receitado pelos pruxeirps mdicos dos
Estados-Unidos da America do Sul e Central, das Antilbas, do Mxico e das. Indias, e
mnitas outras partes do mondo: o resultado de estudos apurados e minuciosos, e de
experiencias feitas pessoalmente pelo Dr. Ayer, por muitos annos, nos principaes hos-
pitaes e enfermaras da America; tem sido approvado pelas academias de medicifl'a e
juntas de hygienne das principies capitaes da America do Norte; para prbva disto vdr>
os attestados aothenticos no Almanak e Manual de Saude do Dr. Ayer, os qnaes e dis-
trtbuem gratuitamente nos logares onde se vende o remedio.
. A SALSA PAR1LHA DE irffift ,
espccialaseate efBeas am aira daa molestias que taaa sata orlgem
a eseretala, ata Infeafia venrea, no uso
excessivo do aaereutio ou inalquer inipuieza do nan<;ue
A molestia ou infecto peculiar, coobecida pelo nome de escrfula, um dos n>
les bmhs pravalecenes e universaes que ha em toda a extensa lista das enfermidades que
atacan a nossa raca; disse um celebre escriptor da medicina que mais de urna terca
parte de todos aquellos qoe morrem ntes da velbice s5o victimas, ou directa ou indirec-
taawnte de escrfula; por isso swo lao destructiva, porm a principal causa de
maitas outras erjeradades que nSo Iba s5o getalmente attrituidas.
urna caos directa da *tica pulmonar, das molestias do figado. do estomago _
e affeccoes do cerebro; entre Beos numerosos symptomas acham-se. os seguintes: atta .da um : na ioja >?razem do Pavona ruada
de appetite, o semblante plido e enchado; as vezes de urna alvura tranaparente e outras
vezes corado e amare I lento inrglsr, fraqueta e molleza nos msculos ao redor da boc-
digestao fraca e appettite, falta de cnergia; ventre encbado evacua3o irregular;
Cortes da cambraia com palmas na leja do
Pavao.
, Veaoem-se cortes de cambraia branca, com pal-
atas, sendo fazeoda muito boa, pelo baratisslmo
ncaao de 21500 para acabar; aa toja s armazem
gp ravo na ra da Imperatri n. 60, do Gama a
aeos braucos a t$OOO res a
dazla.
Yendem se lencos braaeos farenda moito boa
pelo baratissimo preeo dSl a duzla, Ditos com < >la e armazem do ParSo na roa
batra de cor a 21000 islo para acabar na ioja d- 0 de Gama & Silva.
Parlo na roa da Iraperatriz a. 60 de Gama & Sio
aa.
sopelinas modernissimas a 400 e 500 rs.
o covado na loja do PavSo.
Veodem-se poopelinas muito finas sendo fazenda
DE
GAMA & SILVA.
LOJA S AHMAZM DK FAUWDiB.
Teado os propietarios de=te grande eslabelecl-
mento feito um grande abaumento em maltas de
soas fasendasj pela accasiao do balaoco que deno
no ultimo dedezembro de 1865^ resolvern vender
muito mais barato do que eostumam afim de cada
rot mais agradaren) aos seos numerosos fregoe-
zes ; por tanto me offererem um avalado sorli-
mento de fazeDdas rancezas, ioglezas, as auaes ^
vendero mais barato do que em outra qaalquer pelos baratos precos de 400 e 500 rs. o covado ua DS lJY armazem do Pavao na ra da Imperatru
parte, compromettendo-se a mandar levar qoalqor foja do Pavao na ra da mperatriz n. 60 de Gama D: e
fazenda em casa dos fregoezes que nao poderem 4 Silva.
vir a loja, ou a darem as amostras, deisaodo ficav ttrosdenaples pactes do Pavo.
LfiS^LT cpo'idam as possoas, ua,. Vendem-se superiores grosdenaples pretos patos
negocian em menor escala que neste grande esta- baratissimos precos de 11500, 11000, 11800 e 1
a o covado, sendo fazenda mu
bar : na loja e armazem do Paro, roa "da mpe-
ratriz n. 60, de Gama Silva.
Sedas Largas
Na loja do Pa30,
Cbtgou para a loja do Prao um modernissiaia
sorlimento das mais lindas sedas para vestidas,
sendo urnas de listrinhas a outras de flomonas
edm as mais lindas cores, e algumai proprias para
as senboras qbe estiverem de luto o vendem-s
pelo barato prejo de 21000 o covado, teDdo esa
fazenda quatro palmos de largora, qae facilita4a-
d vestido com poucos covade s, isto aa
da loiperatrix a
Novidade
Para vestidos.
Cbegaram as desejadas cambraias ou taratana-
brancas com llttrinbas |sendo transparentes e ren-
ca
quando o mal tem s u assento sobre os pulmoes urna cor azulada mostra-se em roda dos
olbos^ qoando ataca os orgaos digestivos, ostllhos tornam-se avermelhados; bali-^^;s,^B^^^(^0^b^s
to ftido, a lmgoa carregada; dores de cabeca, tonteiras, e*c. Na pessoas de disposi^
c3o escrofulosa apparecem frequentemente erupces na muito moderna de quadnnhos e liza vendeudo-se! ^ ftSSSSSSL tfff?iJ2ft
As cabaias do Pavo a 2^000
o coyado.
belaeimento eecootrrao um grande
tanto a retalbo como por atacado, rendendo-se-lhe
apenas pelos precos ^ue comprara as casas ingle-
za?, sendo com o diobeiro a' vista.
As toallias de li- lio do Pave.
Vendem-ss superiores toalhas de Mataos para-
rosto polo baratissimo preeo de 71500 a duzia ou
a 640 cada urna.
Guardanapos de linho adamascado para meza a
21800 a duzia ou a 240 rs. cada um.
Supatwr atoalbada ae hnbo com oilo palmos de
largura sendo branco* pardo, e vende-se mais ba-
rato do que em ootro parte, na loja do Parao na-tua
da Imperan* n.^ de Ga*a ft Silva.
Os corpiabos aeeda pretos do Pavo.
'rveadaaae os maia ricos corpinboa-e seda or-
los, rieassael* ea/eiiado, pelo barato prego de 121
cada um : na loja do Pavao na roa da mperatriz
n. 60, de Gama Silva.
Os cortes dtatlttraia' Branco bordados na
lollfrtoTavSo.
Tendem-svos mais neos corles de-aambraia ri-
camente bordados com barras e balados a 201 ca-
-Imperatrii n. 6tLie Gama j Silva.
Rlcoa vestidos a 8*000
rs.
Ghegaram para a loja do Pavao as mais liadas
a. s ira ac- cabaias de seda para vestidos, sendo com os mais
lindos gostos de flores e lisias, tendo entre ellas al-
gumas rosas e pretas para quem estiver de leso,
asraiuaute de iinno do Pavao. tendo esta nova fazenda 4 palmos de largura que
. MBde-se superior bramante de linbo com 10 facilita fazer-se um vestido com poucos covados, a
palmos d largura, preprios para lences, pelos vende-se pelo baratissimo prego de 2iOO0, nrilca-
baratissimos preco6 de 21 e 21600 a vara, assim mele na loja e armazem dc-raro roa da Irope-
coao panno de linho muito fino pelos baratissimos ratriz n. 60, de Gama & Silva,
precos de 640,700 e 800 r?. a rara : na loja e ar-
aaetem do Pavao, ra da mperatriz a. 60, de Ga-
na & Silva.
Cambraias lisas do Pavo.
Vendem se pecas oe cambraia Usa muito supe-
rior, pelo barate preeo de 31200 e 31600 a peca,
ditas moito finas a 51, 61, 71 e 81: na loja e
armazem do Pavo, tua da Imperatri: n. 60, de
Gama & Silva.
PEGH1NCHA !
a 2$000, para cateas, s o ParSo.
Vendem se superiores cortes de meia casemira
eeo msala de seda a 21, ditas Garibaldinas a
21800, ditas escuras a 28u0, ou a 11600 o cova-
do ; na loja e armazem do Pavo, ra da Impera-
tru n. 60, de Gama & Silva.
PENTEADORES
ou roupoes de cambraia bordados proprios
para as Senboras vestirem de manb3a.
Cbegoo esta novidade pata a leja do-Pavo,
' multo liados o do melbor goslo al boje,
petliincba admiravei.
S Paveo receben peto nltimo vapor fraoeei
bm grande sortimetJto des mti ricos cartas de- manoliaaos e do melbor goslo al boje, pur.pre
e eneites ^cos muito wcaveis : na loja do Pavo, roa da
de seda, sendo et-tes vestidos muito proprios para emperatriz n. 60, de Gama & Silva,
baile e passejos; e vendem-se pelo tnratissrrao
Cassas francezas a 240 rs. o cevado.
*?jOgyo; &a PJdispostas^ as' affeccjs dOT ^ifmSes," do^figade,. d^rias^dos 58^K?o*tmSiz*.C60 de Gaml suS.**"* "*
digestivos -e terinos." Pornto, nao'sao somonte aqueles -qui padecem dasfnsas *klflg ^^ tog de ^ fc p -^ ^m n
cerosas e tuberculosas da escrfula. ae necessitam de prOteccao.ooDtia os-seus^estragas;, vndem-se os mais ricos chales preu sdeTenua
todos aquHes em cojo sangue existe o virus latente deste terrivel flagelto (e as veaea e comqaatro pontasi'-wrtia vito grandes mMmJa^Siif^
bereditano), est5o expostos tambem asoffrer das enfermidades que eile causa, pre de 8* nm ,___. .. llm.nesAe^nr^n **ma* i tAfrft
_ A sica, ulcopaes de fijgado, do estomago e dos tos; erupgoese enfermidades: ^'tftS?&'******'*** [^TOSaen ipie pretO & l^OUU.
xas pelo baralissimoprego de 240 o covado.'
.Ditasa 280,220 e 360.
S na loja do Pavao, ra da mperatriz c. 60, de
igual.
Chegou a loja e Paredes Porto um boalto sor
lmenlo de rstalos de tartalata de cores e brancas
que serr para partidas por ser urna phaotasia in-
teiramente de agesto pelo barato preeo de 41 e
brancos a 41580, estao ac bacdo-se : no armazem,
d porta larga rica da mperatriz n. 52, junio a pa
dara-franceza.
ato*.
Manteletes de renda, azenda muito superior
151000.
Capas e' saattMarbarqaes de grosdenaples bor-
dado?, faaena* anetramenle nova, por precos mais
tralos que en outra-aualquer pane.
Islo na loja armazem do Pavo aa m*4* ta-
pe ralrlz o; 0 la>mn* 'Silva
Ose hales vio fato a 2oaa e 2ooo rs.
Vaaaomvae-atree de merino estampados .a 21
e 21500 cada um.
Ditos de merm liso a 31500.
Ditos-estmpalos de crepon a '61, 71,181000.'
Ditos-pretos'boMados con irenja de eeda a 141.
Na loja e armatem do Pari na ra da tapera-
trit .O de -Gama & Silva.
^ara loto vende o Pavo.
Corinados.
Cbegou a leja de Paredes Porto um completo
sortmento de cortinados ricamente bordados a
prego de 231, 351 e 451 : na ra da Imperatr
n. o2, porta torga junto a padaria francea.
lucas romeiras.
Paredes Perto-receben pele ultimo paquete una,
sortmento de romeira de guipore pretas ~e de fil
a preeo commodo : na ra da mperatriz n. 52,
porta larga junte a padaria franceza.
5S00()
Cortes ae laa escocesa para vestido' a 31 o cor-
te : na roa aa mperatriz n. 52. loja da porta lar-
ga, junto a padaria franceza, eslo se acabando.
Para lato.
Las pretas com salpicas brancos a 400 a 500
rs. o carado : na ra da mperatriz n. 52 junto a
padaria franceza armazem da porta larga.
Setim'da Cbioa com 6 palmas de largor, fazea- das,pek) taralo preco.de 31500 e 41000.
da preta parallo, propna -para vestidos roupas
par bomens, sendo esta nova fazenda aera lastro o
deciuio boa russa com o lempo e vender pelo barato^ireco de
21 -e'215(W O'cov'ado, assim atento tenruin graDde sortraeote de todas as fa-
zeodas preta* cpo sejam cassas e chitas pretas,
i pr
alpi
Chapeas de sol.
Vendem-se chapeos de sol de panno a 11400 e
urna grande pechincha s para acabar : na raa da
imperatric a. 52 armaiem da porta larga de Pare
des Porte.
eruptivas da cutis, rosa ou erysipela, bortrulbas, postlas, nascidas, tumores, rbeuma
carbnculos, ulceras -e cbagas, rliematisgno, dores os ossos, as costas e na cabeca,^
debilidades femininas, flores brancas causadas pela uloeratao interior, e enfermidades
uterinas, hydropesia, indigesta,-enfraqoecimento e debilidade gem.
Offerecemos a estas pessoas um abrigo seguro e um aatidoto ffic* contra esta
molestia e suas oonseqoeocias na
SALSA PARRILHA DE AR
que opera directamente sobr o sangue, puriGcaodo* e expulsando delto* correpelo^ o
veneno da molestia; penetra todas as-partes e todos s orgSes do corpotiomatei'liwan-
do-os da sua accao viciada e inspirando-ILes novo 'vigor. o alterante poderesi69imo
para a renovaco do sangue, e d ao-^orpo j ifreqoecido ipeta doen?a, torcas gias renoyadastomo as daijoventude. .
E tambem o melbor an^syphilaco, cowhecido
cun permanentsmenie as-peiores ftrmas de sypiiis e as-saas psequencias. Pou neoessjdade hade informar o publico do inestimavel valor de um remedio que, como
este, bvra o sangue desU(orrupcao e arrebata a victima das garras de urna mofte lenta
e ignominiosa, porm iacvitavel,-se o mal naV logo combatidocomonergia.
E umtpoderosismo alteraate para a raovac5o do-sangue epara daraova tor-
ea ao corpo ja enfraquectdo pela doenca.
Sendo -composto de productos vegetaes, esle medicamento 'innocente eao me>i
a tempo e^Baz, om tacto de inmensa imporncia para aqueles que o tomam ; por-
que muitos dos remedios alterantes offerecijos ao publico'tem por base o mercurio ou o
arsnico; e-sendo assim, bem que as vezes pedeni effectaar coras, comtudo defaam suas
victimas carregadas dcumalonga serie (jemales, mitasvvezes newr do que omaori-
ginal. A uniGa cousa aacessaria para obfer urna cura radical seguir com juo e cons-
ncia as difeegoes que acompaftiiam cada fraseo.
-Nao pretndeteos promulgar, nem queremos que se inBra que esta i'otnposicao a GaaTlT&sa
om remedio infallivel pata a cura de todos os padecimentos humanos ; infetzmente "Cambraias de forro a IfloQO-e 2> na laja
escrorala ea syphitis-ao enfermidades lao sutls as suas naturezas, e arreigsm-se to
firmemente no systema, que otuitas vezes eaadem eresistem aos remedios mais pode-
rosos que a-cienciafcamana pode inventar para cembat'las: o que dizeraos- que o
Extracto compoeto de salsa parrillia de Ayer
a melbor p-eparacac at boje escoberta papa estas e outras molestias anlogas, que
urna combicajso dos iterantesaaais ecazes eoubecidos, e-que esta oombieace tem sido
regulada por longas e laboriosas ex ponencias, -e finalmente que temos conscieacia deof-
erecer ao publico o aselbor resultado que passivel produzir, da fcelbgencia e perieia
medica dosnessos lempos.
Este remedio deve sertonsado com systema e reguieridade, e^io com abandono,
pos um remedio enao bebida.
Quando as molestias do .ligado nao tem sua origem na escrfula, mas proprio as pilulas catharticas de Ayer, que sao eficaces na cora da molestia, qu
.m por causa om desarranjo dos org5os digestivos. Pedi a salsa.parrilbade Ayer-e
nc aceitai outra preparacSo.
a | 1' grande pichincha 1!
Vende-se grosdenapie preto, seado muito encor-
pada a ae boa largura, pelo baratissimo preeo de
I#600 o covado : na raa da mperatriz n. 60.
Os cachinez do Pavo.
i Vendem-se bonitos cachines de ISa ou agazalhos
para cabeca pelo baratissimo prego de 35000, s
a teja do Pavao, na ra da mperatriz n. 60.
MAMAS PARA O PESCOtJO
a 15, s o Pavo.
h Vndem-se benitas mantas para o pesclo, pelo
barato preeo de 14 : na loja do Pavo na ra da
Imperatrii n. 60, de* Gama k Silva.
Hadapalses a 3,o00 rs. a pessa.
S na loja do Pavo.
Veode-ee pecas de madapolo fino com 12 jar
-
as.tapadas e,transparentes, princesas,
aatjas.etc: na toja e armaiem do'Pewao na roa
4 Imperatrfc n. 60, de Gama & Silva.
VeadenMo superiores-utes de macolina com
moia roda-a 55-, ditos eriaolines com 35 arcosa
B500, tos com 20 e 26 a U, ditos para meni-
hawis, seado trancos e eneernades a J5 e 2*500::
oa loja do feavo na -raa 4a Imperatru n. 60. de
panas, loja e ajmazem do Pavao na ra da mperatriz a.
PersambucQ, ra Novaba. 18, pharmaciafranceade P. Mauaer 4-C.
VENDE-SE
A 1^500.
Vendem-se pecas de tranca preta para eefeites
de vestidos, sootembarques, capas de senhora a
IA600 com 10 varas, urna grande pecbincba : aa
rna da mperatriz n. 52 junto a padaria franceza.
48000
Chales de renda pretos.
- Vndese ctalas de roada preto a 14000, unicc
ioja que pode vender na roa da mperatriz n, 52,.
armazepi da porta larga, de Paredes Porto.
g
U
o
Bi
3 as -.
aaS-S f 2.
B>0 D.S Sg
*g
O 1'
s

S & S i' SVg !
HfKtMi
73 =
o
- o,
CBJh
ft|D 0"g = g
^ O g O o,
fra-o c a._,2
M2 So.
|afftf

2.
O. a
44841
ce o
o
13

o
o
as a,
10 3ri
2
- =.
*Q m. ~t
O
O*
i
a
3"
|
9

I


t
f
5
S '

I
:.
Ka armazeai de #. Raaaas e Suva & Gemn* ama do vgarlo
u. ii, cossMtfanlenacate. osaegalaes arlgon. uguc
reoefrem por ncomaaemda prepHa de
%JEW-\ni4.

<
Legitima saka parrilba de Bristol, preparada por Lanman & Eemp.
Verdadeira agua Florida, preparada pelos mesmos.
Gaz em latas de cinco gales, o mais parificado que se pode desojar da acredi-
tada marca F. W. D. A -C.
Relogios perfeos regaladores, com corda de quatro a oito dias, dos afamados fa-
bricantes E. N. WelcL
Graixa em latas grandes da bem eonhecida marca las. S. Masn (de Pbiladel-
do-'evao.
Vendeaa-ee pecas de cambraia de ferro com no-
-ve varas cada pega, pelos baratissimos precos de
460O e-25: na loja e armazem do Pavo na roa
4a mperatriz n. 60, de Gama & Silva.
'-s cortiBadoe do Vendeai-se superieres ortinades^adamascados
ssara camas pelo baratissimo preeo de 44 cada pac,
ditos muito tinos ricamente bordados para camas
aa janellas, 15& 20-30 o par: a loja e ar-
mazem do rtivo na roa da mperatriz n. 60, de
Gama &-SfVa.
.Panno .preto a.y-na loja do tPave.
Vende-se. panno preto. fazenda moito boa, pelo
[-barato proco de 2 o covado, dito wuito lino a
0500. 4,5,30 e 60, assim amo castora preta de
twdao a.20 o covado : na toja do Pavae ua ra da
mperatriz ru50, de G; ma ;& Silva.
Os -espartilhos do PafSo.
Vendem-se cma grande -e variado swticnento de
espartilhos do6 mais bem faltos que tea 'viodo ao
aaercado, seado de todos os tamanaos, vcdendo-se
por um preeo .nuilo razoavol : islo na laja do Pa-
vao na ra da mperatriz o. fiO, de Gama .A Silva.
Ah naaa lnordadaa do paao.
Veodem-sesaias bordadas boa, sendo ricamente bordadas e com musa roda
veodeodo-se palos baratos oreos de 60 &9 e 100
reie cada urna na loja do Pavao aa roa datopera-
trir. o. 60 de Gama & Silva.
Bretankas de rU 3^0002
Veodem-^a pecas de bretanha de rolo com 10
varas cada peca, pelo baratissimo preeo de '30 :
na loja-H armazem do Pavo, ra da Imperalaiz o.
60, defama i Silva.
Roaipa felta
Na loja do Pavao
Chaks de renda.
Na loja do Pavo.
Reeebenm-se os mais lindos chales pretos de
renda, assim como as mais modernas e compridas
mondes e manteletes aa mesma fazenda,e vende-
se mais barato -que em outra qualquer parte; na
phia).
Superior oleo para machinas de costura.
Agu has para as mesmas.
Breu em banicas grandes e pequeas.
Veude-se tambem:

IIHDI4I \
1.a qaaiiadf.
.

St. Estephe.
St. Julien.
G. Ilangaux.
C. Lafitte.
Medoc.
.

PORTO
Ia,
Vende-se neste estabeleclmento oaa grande sor-
tlmento.de aoupas, (amo do panno como caxeaiirag,
o brins e .pelos baraiiesimos preces como sejam
alcas de ea>emira nreU a 60 70 e 8#000re;s, pa-
letots de panno preto saceos a 0 80 e i20000 rs.
*sobreeasaeos de pand flnisaimo a 0 180 a
SajWOO reis, o vatros muito artigos qae orla en-
radonbos aqu relata-los; s na loja e anuazem do
fvo ra da mperat|ii 60 de Gama t Silva.
.. MMoliava
Cirandcc peettinchas.
, SeiWaaamr8..mada
Principe Real.
Pedro V.
Maria Pia.
Princeza D. Isabel.
Vctor Eanaaaoei. ,t.,
Duque. >m o !*"
Malvaaia.
..; i

Vinbo fino do Porto eabarris de % 10/ e 20/.
Superior vinbo do Rhenp.
Cera de Lisboa em velas e
I
*
w
Wn

' Ilren era barricas pequea*.
Ceca em velas da todos as tamanboi.
Bogiai.
JU .ra do yigano n.,19, primeiro andar
..... ... 11. 11 "i
/ada-sa aos aaara\|a^MaaaMaaay ^aptaol
xx e oiejtre wo^Tj&nfy a* ra
da
do
uriaudo a. 44.
i. iir"i
Viortto
Jl^SSSiflrSiSa^^
9f Kl 4 IIO 11! I IUAIH) \. t7.
Madapolao. 0
Finas pecas de madape!3o cora 20 varas a 9.
[NCOS,
Leos de cambraia branca, duela 2^.
dem de odres fixas para meninos, duzia 2^400.
>/.
b 'U
Cambraias de cores a preeo de 260 a 300 is, o covado.
arda
Guardanapos de linho, duzia 340QQ.

l

i U1

na loja do Pavao, um grande sortimeo-
Algodao trancado de duas largaras, proprio para toalhas de masa, a preoo de,
1^300 a vara.
sendo oe padres mais novos qoe tem vindo aa mer
cade, a vende-se pala paratsslmo paeco de ataco
testoea, aovado, seado faseada que valeai. ,mpjlo
mais dinbeiro^jp^ ^griade pecbincba por so ter.
comprado urna grande ponida desta fesenda, na
.loja o artoia tt> fasend do Pavo, roa di Im-
paratria d. 04e lavo ; a i
Caries 4aaotao8.
>* *reto*aO0OOO.
Vendem-se cortes da vettidcHi pretos aerdado a
velado peiobajato .preeo de 300, para acabK! m
loja do favao n. 60 de Gama & Silva.
Ldasmhas matizadas a 310 rt.
Vendeavaa as maw NBaat liatrenas laatisadas
com o mata-boBites desenbos, pelo barato preeo de
320 ja. o ovado; na loja do Pavao a ra da Im-
peralrlz n. 80 de1 Gama & Silva.
Os chales de guipure a 12# e
Vnden, ^^i? d r d
Saperior bramante da Hobojogler afraocez.
Cambraia de linbapiapria'paralaaoos.
aWft4HtfK>.
Atoalbado branco para meta *400 amara,
-EalreonMOi de caaaaraaaoiuao-a*. proco H.
lencos deaeda para Jga>e*aa #00.
os.pa8ri_
- e seda, pelos baritlsslnjoa1.
Mi; grande pechiBrtia em retaflao aboa
lidade e Umaabo delles : s na loja do rtta,
totomm a, fio. 4t fe* A***,
laazmhas a OO r.s,s.o
Patfo.
irse modernas laxlBhas coa^HairsainMI
i baraasaioo-paM aOH n ; .gnn-
06-de-Gama.cVSiva.
Castor a 31.0 rs. a covado.
I Para calcas.
Vendem-se superiores castores muito encorpados
Hpadroes escures pelo paralo preeo de 320 rs. o co-
rvado, servlndo esta fazenda tambem para escravos
por ser de mQita duracio; na loja e armazem do
Vavao ra da mperatriz n. 60 de Gama & Silva.
Chapeos ora mcniHas a 6,000.
S na loja do Pavo.
Se vendem os mais bonitos e mais bem eneita-
dos cbaposionos de palba da Italia, proprios para
meninas, pelo baratissimo preeo de 60000; na loja
e armazem do Pavao na ra da mperatriz d. 60
de Gama & Silva.
Attenc&o.
ULTIMA NOVIDADE
PENTES, ENFEITES, CINTOS.
Gama & Silva, acabam de recener pelo ultimo
*apor francez, um grande sorlimento dos mais ri-
tos enfeites pretos e de cores proprios para cabeca,
sendo guarnecidos com as mais lindas flores, e cm
vettas das mais bonitas perolas; assim como os mais
fiederno8 e engranados penies da verdadeira lar-
taruga, marebetados nendo a ultima novidade
B9 tem vindo de Paris, e os mais ricos cintos com
atas malbisadas e ftvelas largas, conforme ultima-
maate se usa as primeiras oapitaes da Europa, e
vende-se por preeo em conta por ter ebegado em
direitora para a loja do Pavao, roa da mperatriz
n.ae de Gama a SiP*a.
Graade pechincha
m>cbi>as.
a aeia pataaa.
Aaaeia paiaea.
A meia pataca.
Vende-se na loja do pavo um grande sortmento
de ohites inglesar, sendo rxas e cor de rosa, com
padrdasAaiu miudos roais grfidos amanendo-
se ser 4e cores bxas, e vende-se pelo baratissimo
preeo de a 160 rs., -sendo fazenda que sempre se venden a
90 a peea ou se retalhou a 200 rs.; esta grande
pecbincba quida-se por esta proco aa loja e arma-
zem do pavao, roa da mperatriz 60, de Gama &
Silva.
mmm
Rara a quareema
Oa chales o Pavo a 6.} 7 t 8&.
Vendem-se ricos chales pretos de renda mofte
grandes eom quatro ponas, sendo os mais moder-
no* por terem ebegado pelo ultimo vapor fraucez,
e vendem-se pelo baratissimo preeo de 60, 70 e
80; na loja do Pavio, rna da mperatriz d. 60,ile
Gama & Iva.
As rttaadas da pavo a 8 e 4Q,y,
Venlem-se as mais ricas rouadas de renda pre-
ta, sendo moito grandes, qae sao as que mais se
asajg. pojo .baratissimo preeo de 80 e 100 : na
IIWf UaatlIW Ji> -Pavio, raa daisBqeeatriz o. 0,
de Gama a Silva.
Chitas prfias a ItS rs:
Veodem-se chitas pretas ingleas, sendo azepda
muito boa. Dlo baratissimo preeo de 60 rs. o co-
vado, oo. 50800 a peca com 38 ovados : sO na
loja<3e Ravo, ra da mperatriz n. 60, de Gama &
ATLANTA
mWML
Armazem do Pavao,
Vende-se cera de carnauba da melbor qoalidade
em saceos, mais barato que em outra qoalqor
parte no armazem do Pavo na ra da Imperatrix
n. 60, de Gama A Silva._________________
o armazem de azendas
baratas de Santos Coelbo
Ruada aatclaaada u. 19.
Vende-se o segninte :
Cobertas de chita da India a 20U)O.
Lencoes d panno de linho a 20-200.
Ditos de bramante de linbo de om s panno a
30200.
Lencos de cassa brancos proprios para algioeira
a 2;0OO a duzia.
Algodo enfestado com 7 i|l palmos de largura
a 10200 a vara.
AtBolhado de linbo a 20860 a vara,
Dito de algodao a 20 a vara.
Goardanapos de linho a 30800 a duzia.
Pecas de cambraia de salpicos a 40500.
Laazinha abena db cores a 320 o covado.
Cambraia branca de forro a 30 a peca-
Pil de linho liso Seo a 800 rs. a vara.
Dito de dito cora salpicos a 10 a vara.
Panno #e linho fmo com O 1|2 palmes de larga-
ra pelo barato preeo de 20400 a vara.
Madapoles oos a 80, 90,100, i 10 e 120.
Cambraia lisa de 40500, 50,60, 70 e 80 a peca.
Pegas de bretanha de algodao com 10 varas,
propria para sala, pelo baratissimo preeo de
30500.
Laazinha lisa de cores a 500 rs o covado.
Cambraias finas de cores miudinbs a 360 r?. c
covado.
Esteira da India propria para forro deaala.de
4,5 e 6 palmea de largura, per menos preeo de
qae em outra qualquer parta.
.Neste armazem tambem se eneontra um graadt
sorlimento de rnnoa feila por medida.
Joo da Suva Faria & Irmo a ra da Croz
o. 66;'te'm pVa" vrrier o seguidle :
Vinbo Bordean* tinto em quartollas, barris e ero
caizas.
Violto bordeanx branco Santernes.
Champagde de boa qoalidade.
Ansila
Kirs.
Vende-se urna por?o de telba ja ser-
vida : na ra do Crespo n. 7, loja do gallo
sigilante.____ _______
\'ende-se oiT'permuta-se por algum psed.
nesta prsca, a parte do eogenno Imnhamaa d
mo de Iguarasni, qoe por parlilha tocou a<>
de Francisco Lopes Machado, na imp-ortam ia --
8 0000, aqoal parl acba se livr e de-en!.., -.
da, quem pretender dlrija-e a roa da Maiu-;a
n. 1. ___ _...-. .-
Chapeos manilha a 10 L
Na ra estrella oo Rosarlo travessa de Qn-iira-
do n. 18, loja de mludezaa de Maia & Lacde-niu.
,t-*^-r*.
Escravos fgidos
Desapareceu da povoacao da Gloria do Goil*
da comarca do Pu d'Albo, um meuino branco d
nome Francisco, com 13 annos de idade, e altara
de 3 a t palmos, cabellos crespos, ecom um signa!
ver me I ho arroozicado em urna das ver Ibas do ta-
maito de um boto, sendo o dito menino morador
no sitio das Pocas da mesma freguezla. Suppe se
ter ido para o serto, e por isso roga-se as autori-
dades e qualquer pessoa, que delle tiver noticia a
apprebensao do dito menino, participando ou en- '
viando-o Antonio Firmino Pereira da^unna, qoe
pagar toda a despera.
Desappareceu desde o dia 2 do correte fnez, a
preta Victorina, cricula, de idade da 26 annos pou-
co mais ou menos, tendo os segointes signaes: al-
tura e corpo regulares, rosto redondo, era o andar
muito apressado, levou am vistido de chita escura
ja usado, e chales de la encarnada; esta preta fot
escrava da Exraa. Sra. D. Hara Candida Salazar
da Veiga Pessoa, moradora na rna do Hospicio,
consta que anda pelas roas da Boa-Vista, onde fot
sua amiga residencia : quem a pegar leve a rna
do Cre-po n-18, segundo andar que sera recompen-
sada
Fugio no dia 2* de feverelro prximo passa
do, do engenbo Katicun, do termo de Barreiros, o
mulato do nome Francisco, idade 34 annos, estatu-
ra alta, seco do corpo cor om tanto plida, com
pannos pelo rosto, um pouco beiQodo, pouca barba,
alguos dentes podres, cabellos carapinbos, tendo
em urna das pernas urna sicatriz de orna ferida, e
consta ter dito qae ia sentar praca de volunta-
rio. Roga-se por tanto Srs. commandantes de cor-
pos, as autoridades policia.es, capitaes de campo,
bem como a qualquer pessoa, de o pegarem, e de
remette-lo a seu legitimo sennor Francisco Paes
Brrelo, lavrador do referido engenbo, ou a roa do
Imperador n. 42 terceiro andar, que se gratifi-
car.
MU
Grande novidade a ti
Atlaaia a 200 rs. -
Atlanta a 200 rs.
Atlanta a J&Ors.
CJiegou para a loiado Pavo o ma.is lindo sor-
lmenlo desta nova fazeoda, com o titulo de allanta
propria para vestido e roupas para meninos, sen-
do asta modernsima fazeoda le lia con 06 ais
Uaaoaaano dotaadriatos e lislras teado eatce
ellas de cor roa e preta, com listras e quadros
brancos preprias paralutq,e vendem-se pelona-
rattisimo preeo de 200 rs. o covado traicamente na
loja 4p #avo roa da mperatriz n. '60 tle Gana
WcbIm4fvo a 200 covao.
aanla iKMto gartaaato,oo chitas e-
s saadA ingle ,* wm ospapnos
Os exaw o^da fraacezas que
200$ de gratificado.
Em 31 de culubro do anno passado, fugio a es-
crava Claudica, cabra alta e seca do corpo, qae
pertenceo ltimamente aos Illms. Srs. Jos ioaqotn
da Silva, Manoel Mauricio de Sena e D. Mariana
Igoacia de,Castro e Silva que a venden a Jos Ma-
ibeos Ferreira qoe pagara 2000000 a quem Iba
entregar dita escrava na ra da Cadeia n. 62.
"toriha fgido' o' escravo pardo Sebastao
de 48 annos, alto, cabellos carapinbos e ruivoj
olbos casunhos e grandes, sem barba, nariz cbato,
com todos os deatea.-aaelbM peqoeaas. tem a mar-
ca de om talho acore o labio superior, marcas da
bichos nos caleaebares, eaae ler eascrever, traja
calca de brim e camisa da algodo branco : quem
" ico faatas a. 52,que aera
Est ausente da c*** de seu senhor desde 3
de marco prximo panada, o escravo por nomo
Joio, naco Zoaao, ^da maiaJdadAjevou calca
branca, camisa de algodao fucblcada, chapeo velbo
de couro, tem cara graaea, valas regacadas, oari*
cbato ; fol escravo de Sr.apilao Joaqoim Francis-
co Laija, e tem sido encontrado as ras do Ran-
gel, pateo do Carmo e Campo Grande : roga-se a
qoem o pegar lvalo a casa a roa da lropennrl;
p. 80, foeaartt metoa+nndo.____________
Auseatou-se da as de soa senhora, desde o
dia Idocorienle, o escavo Trajano, mnlato,4e
20 aanos de -idade pouco mais ou menos, qpmos
s.i0naes seguales ; asttlor ragolar, rosto redondo,
sem barba, cabellos -granese bem estirados, le-
ven calca e jqoeu de panoo asol fino ; ten sida
eaeoBtrado as m> desta oiade :^aea o pagar
eeaa-le a' aa -d* aa aenbfa...viava to *^
nepio-cprqael.Flowpfilev na ra da mperatriz n.
63, ser recompensado.
ya dejoine. Ada, qoe
_ represanta tarlf aanos, baixa, fula, comalgnma
araio praca ai navaas e tailaa raga-se aois as WnrMaaaaaa-
anaatfadoi iWnaaaaarnaanatti la a aaaaga''a^awaa
iravaaaa^ojolo Per-
tAloofcraaa.
iSw^^*c::'



s





"
Rl
8
Diario t rerBaabra > ^IHMr# t+W %Vrtf aV Ttt,
LTITERA
Emilia.
IV
(Conclusao)
Era o mes de jooho do anno da.".. A soeledade nj
.7 EQrara se, amusjeohores, rolaba prjpj Jfatlh, ti
a^.de^p
qae
o a deixou 8car por mais' UoSoajui: era tan-
de ... flava o seu baile aomversar.o. la maldad*, Mjm mais justljalfos os ser tairc
Nesio di, ao eahlr da noite o rodar dos carro d,|0 to(0| djrigio.M pm 0 ^^ ^
atordoava os ouvidos dos Habitantes da cidade de... pouco de fresC0i qQando etMBiroa 0 Df Ghrlst0.
Um Tent fro soprava do sal, e urna facha de Vao encarando-o cora olhos de fogo que raiva e a
nuvens negras obscureca o c6. sw hQ11,, lr;T(,m .- .. fri* 7 */r*.? JJ*
noura trazera aos ollios do nomem de bem, dis-
as estrellas brilbavam cora urna luz paluda, ten- se-ibe:
do perdido o brilho vivo, que ellas sabeo tr no
mez dezerabre, no cu brasileiro ; e de e3pago era
espado cabiam pequeos aguactiros.
Pio obstante a m noiie, o salo da casa da so-
ciedade estava litieralmeote chelo.
Era ao jardiai vivo, canteado essas flores bri-
Ihantes e variados, que o norte do Brasil prodaz :
aqu, era um rosto moreno, all, era um semblante
pallido; aqu, uns olhos negros, vivos, travessos ;
all, uns olhos azas, mrbidos s lnguidos. '
O salo estava perfumado, callido e briibante, e
um sussurrarde ondas de sedas se onvia sem ees-
tur.
Grupos e grupos de parsitas de bailes apiana-
vam-se pelas entradas da sala, ou cercavam alga*
ma menina, e mendiga vara urna contradanza, sa-
inado d'entre elles as vezes algum ledo de cabega
alta e colerinho em p, a puchar os alvos panhos;
Vej, seohor, a scena toda de escndalo, #ae
a sua perversidade acaba de dar logar para coi
minba prima; preciso pois nma reparago, e eu
a exijo em nome della; oa iri amanbia ptdi-la em
casamento, ou renunciar vela, frequenta-la e fal-
lar-lhe : pelo qoe deoMa-se quanto antes.
Voo consaltar a miaba conscieaeia; por qoe,
por ora ella esta mallo tranquilla : responden
Cbristovao, dando o andar.
Consclencia, e" o
balbuciou amargamente, Francisco, estupefacto de
tanto cynismo.
O resto do baile- passoo-se plcidamente, seta
que lodavla deixassem de fazer versoes sobr a re-
tirada de Emilia.
Realmente, para admirar que Emilia sempre- as-
Elle passara jtrstimente pelo grupo no qua '' O almoco eslava Sotopfelamenie (rio,' WtiW\ at
rapazes (allaram da retirada de Emilia, quan do m "ra se quer olbava-o.
vio as palavras: Jueto a ella estavam 4Mg ^^ft BJB
Brigou com o namorad. era* a Rosa de Majyfo,*j8 inte de
Pa.ro, voltando-se para alfas disse Ins : -f-S^ppio Su*. f
unna'felto
mimos. Gostava sempre de lar os arrufo
de Juba e Rosa ; mas agora ella tinta aberto dian-
te dos olhos, o Judea Errante, no capitulo do epl-
sboto de Adriana e DJataa. ..a.'
Ella devorava cora avties etss* palavras de
amor qne foram mortas' pelo veneno, a atando
chegoa amorte de Adriana, eXejou ser a fce-
roina ; e duas trrenles de lagrima -ardentes, se-
melhaoles aos floi de prata sab+aae de un cadi-
obo rdante, lhe correram polka Isdj!, e um at err-
larqoxtado de immensos solutos, lite sanio do peito.
Pedio de Moraea, acabruabado pola vergoa O
lalo retnorao, conbecendo que Fra*e*sco s tina
sfd pai^ l* ora amigo a nao um sebriuho : dV
rava lagrimas de saogue.
. da, qnasi.todo passou-ae essio}. da um toda-
ua doente pelo- desespero, do outro ana aderas
b k*-t < anela vernonba. -I 9h '. ilfcOJ 1tr,."-=22 $r* t=irs **
qom foi ver quera baria, a pouco depoi l
mar de Emilia, levar nma carta, ara.
toadaival da infama: o aojse teria snbmergldoa a Mi de jB9ng) pin por 9ua iotercesaio attWr-
m algaem o nio sogurana MCHedl s ase rd dea .tenofio de I>eoa sobva o voseo casamento, a
a,oWflm o mondo, se 'w*_ osjmos.tiwhWerra de naser dalle.
d^^TWiWr^,.fcol^( **
tan, car%fe aoceitaat a mo da minb prima T
Passetnos om veo sobre o passadt. Toda a fortuna
que 4eo pai legou-me, foi a pobreza, esta mesma
semllonravJf^f|iy^rifrii um Infer*
vivo ; 4prim rido, MMXav
Emilia, orboa moli tettpo para Ffancisc, sens
olfcOT revolreram-se as palpebras, e den nma Ion-
ga e auridante garfalhadn. '1V3
E' esta o meio mala segoro da sanar ojnalqoer
dbreito qne por ventor hooretM fia uMo qao
eoniraWde.
Deste modo o hornera amar soa roolber, e a1
mnlber submetter-se-b seo marido, segundo o
^3ai< porMS,fisi fttholrfbVevltai com t
do-o enidado oa falsos caoMabos-antes do casameD-
lo, e depois delle observa exactamente os deveres
que vos obrigaetes.
Estava louca.
'irriip^iMtn;
As **Ml?m, *+,<*, r.h
^Trgem I acorft'os-leos t********
Qae goirdan rolba? na testa;
Vai durraniar os pfylhos
isos peixinhos da floresta.
XI
tovi.
Todava, na salabavianm vacuo, falta va alguem'
faltava algama cousa: e de minuto minuto, quan-
do a msica marcial saadava a entrada de algama
sislindo aos bailes at qae a msica locasse a ulU-
outras vezes em Adonis desventurado, madizendo ma D01a da W4l8a- que Emilia semr.jre doudfc'como-
asuasrte. o cabrlolet a voar desde a prime'.ra qaadrilhaal
a ultima walsa, livesse se retirado, de um bail
pomposo, sem um motivo, sem v.raa caos,.ah ha-
via algama cousa mysteriosa ea que. os-rapues
familia, lodosos olhos se voltayam para a porta da 'J"' qae as moas prof -araratadoelkar at,
entrada, e depois, o masmo silencio. i ..
As quatro horas o baile flQdou, a dot horneas
A msica contjnuou a locar espalbando pela sa-' retiraram se comsenlime ntos boo. opoostos : um
la ondas de melodas, que se confnndiam cora o | era Francisco, e o ootro er Cbtistovo : esterin-
farfalhar das sedas; sempre a mesma curiosidade, | do-e comslgo da pe?a r JQa pragra a Francisco, a
sempre o mesmo silencio, sempre o raesmo silencio, | Mngado por na ler c 0QSegodo os seus mios in-
tento?, e a que I le com cora^0 ebeio de satisfazlo > do no
por ter consegaido arrancar ama victima moral a
um assassino.
!
VIII
Cnristovo el
. Dois das depois, o Seculo,em a soa columna no-
ticiosa, trazia urna tarja negra, abaizo da qaal, se
i Hontem foi< victima d/ um ataque cerebral, o
honrado negociante desta prag de..., Pedro de
Morae e sua Qlba D. Emilia, esta' tambem com-
ptumwat tooca por cansa da mora de sea pai.
E' ama desgrasa horrive, na qual a imaginar
amana ae perde, quefendo-a sondar. Deas se
amarclt da soite da infetia filaa, d a palma dos.
justos la' no- tea ao finado.
que damos env seguida e o floal de um artigo
"> i .t\MMtrtmg UeraM; de LoQdfes,..ere a nota>.sl-;
e
ge o
i asfl-
s ella
inbo : o passo
;io darava aiada,
sempre o mesmo desengao, e j se onviam coaitas
vozes dizer balzinbo.
Ella nao vem I

Finalmente a mnsica tocn pela ultima ver, eram
nove horas, todos os olhos se voltaram para a por-
ta e houve nm sussarro geral, vozes exclamaram:
E' ella, ella!
Realmente, era Emilia.
Ella ejltrou com esse passo altivo, e porte ma-
gstoso, com que entrara as aullanas nos harens, as
favoritas as cortes e aa actrizes aos palcos; lan-
ou um olbar dasdennoso sobre a sala, e eotrou no
toillet. .
ImmediamaBte, postaram-se a porta essaa vede-
tas dos bailes, esperando qoe ella sahisie, para pe-
dir-lhe urna contradanca; todos queriam ser o pri-
meiro ; mas ella zombou dos passos e flcou no toil-
6t orchestra dea o signal da primeiranontradan-
ca, entSo ella saWndo, troa o braco daCbrUtov
que ja a esperava, e foi collocar-se no qnadro.
francisco taciturno e abatido; seguio de Ion
ditoso par e foi encostar-se na porta da sala.
A contradanca corra, e Emilia execntva.-
garas com urna delicadeza e portero que
tinha.
. Qaando flodou a contradanca. ella e QCOStoa.S9
com todo o coqaeuismoao braco de C nrigtov0t e
comecou a passear arfando caneada.
Todos os grupos se abriam res' ^Jlosos djanle
della, e Chrisiovao (allava-lhe bal-
de Emilia era vacillante, e-o passr
e j a maslca annunciava ama v ya,ga
A walsa principioo, aattea? 0 prend8u-se aos
pares que walsaram, e Chrtr lovSo aprovejUnd0 a
occasiao condatio-Emllia ao Ui\m, ^\t jugndo-
se seguro e desobservado ^eoOB todos osmeios
de seduego.
Emilia, a prmcipio qdf ia$0 oavio as paiayras de
de fogo de Cnrietov 0j coroo. depois cahio
am urna voluptuosa W jifferenga, e com olhares lan-
guidosromas vezes c .ouiemplava a loa que surga
de uraaouvemraeg' ,a> ontras olhava para o rosto
do seu amante.; i nao tlnha poder sobre si, esta-
va dominada, oed' a.
Era a rolinba do valle fascinada pelos olhos da
camnana.
Cbristovao,} .proveilando-se doiodiSerenlismo da
pobre menina a consumar os seus infames inten-
tos, quando 'urna voz forte, gritn: venba senbora,
anda chegriei a tempo de salva-la.
Era Br?^ncisco, que conduzido pelo instinclo velo
al o.jovdim a oavio todo. Elle conduzindo coms-
go Emilia, f-la deixar o baile, e retirar-se em com-
. panhia de sea pal, dizando-lbe:
Cuidado, meu ito, o baile ia dando-lhe um de-
.monio; felizmente eu pode restituir lhe am aojo.
Vil
A sabida repentina de timilia no meio do baile,
den lugar a nao peqneno numero de pergantas,
principalmente entre as mogas, sempre ferteis em
pesquizas dessa ordem.
Diziam urnas, coutendo a custo o riso.
Ira advogar algama cousa a bacharela, que sa-
ino to cedo ? Respoadiam oulras com maligni-
dade :
Nao, ouvlraps dizer que foi para casa, tomar
nm coleta mais aperlado; porque estava com a cin-
tara maito grossa.
Entre os horneas, a expectativa era geral.
Uns diziam:
Nao sabem, a Emilia teve alguma questio no
toillet.
egon a casa, alegre por um lado,
por ter dado Ir q|W (aasse deIIe e de Emi-
lia em am b oatro> por n5o ter j^u, ie.
varaeffeio os seBS ^ tttenlo.
iab o I exclamea elle; aquelle sujeito enten-
deu deve- se(. Q meo desmaacha-praxeres; sempre
a persep m.mo sempre a pregar moral e insnlios
* m!B a maneira de viver. Nada : isto assim ni
va.' jm; preciso lomar urna resolasao digna de
r

Oatros :
Qual historia, ella brigou com o namordo, e
para vingar-se delle, retirou-se.
Francisco, sempre zeloso pela boa rapulaclo de
sua prima, lnha de proposito deixado-se Ocar no
baile; se para elle o baile com a presenta de Emi-
lia era nm suppcio de Tntalo, agora ouvindo to-
das essas conjuncturas e traduegoes ao comporta-
ment de soa prima, era um tormento infernal.
iizendo isto, tirn a casaca, descalcou as lavas
atirou-se no sopb.
Vejamos, diz elle, o que preciso fazer. Por.
. mais hypocrita que me finja, ada mais consegu-
re da menina; nao por ella; por qoe aquella ea-
bega tem tanto juizo como urna machina pneum-
tica pode ter de vento ; mas, por causa do tal pri-
mo, que um demonio vivo. Nao posso mais fre-
quemar a casa do loleirao do pai, depois da scena
do baile : o prime, fer-rae logo urna imposico for-
mal de casamento : e verdade que a menina lin-
da ; mas estou tao pouco disposto para o casanwo-
to religioso, estoa lio moco ora Deas, viva a
Turqua e o sullo I D no que dr, sacceda o qae
sacceder, est dito, nao me caso.
O primo de Emilia dos danos, bem pode fa-
zer urna asneira contra a minba iadlvidaalldade,
e como seja crime previsto pelo cdigo, ea nio
quero ter o trabalbo de o chamar diante de um
tribunal, e nem expor o meu corpo aos botes de I
ara sanando prejudicado. Esla' tomada a minba
ultima resolucao formal ; hoje deve cbogar o Myl I
for laven, do sul, e boje masmo ir i para a Eu-
ropa, passar pelo corto espago de um anno, urna
vida toda de prazeres ; abi nao taitaro conquis-
tas, ah nao faltaro grisettes. Em primeiro lugar,
urna carta de despedida a' Emilia.
Sahindo do sof, foi a urna mesa redonda e es-
creveu, depois do qne cbamon.
Jo I
Ura mulato appareceu.
Toda a minha roupa emmalada para viagem,
e esta carta has de entregar na casa do Sr. Pedro
Moraes, depois que eu sahir, e o vapor partir.
Agora vai fazer o qne te mandei.
Jos sabio.
Bem, agora durmamos; porque quem dor-
me nao pecca, e quem nao pecca vai para o cea.
IX
A scena do baile tinha abalado profundamente
Pedro de Moraes, e ja' um pouco tarde foi qoe elle
enxergou a luz protectora, com a qaal pode ver a
profuodidade do abysmo, do qual soa filba, bavia
bem poucas horas, tiuba escapado.
A ibruohado pela dr e pela vergonha, desde a
sua volta do baile, que tlnha sido atacado de urna
febre aguda, com fortes dores de cabeca ; appro-
ximagao quasi certa de am ataque cerebral.
Emilia, desesperada pela vergonha qae tinha
soffrido, e tomando por urna vinganca de sea pri-
mo, aqaillo que elle s tinha feto para salvar-lbe
a honra, tinba se ailrado como ama louca sobre o
peito.
De lempos em lempos um tremor involuntario
agitava-lbe o corpo, dois fios de diamantinas lagri-
mas lhe sahiam dos cilios e desllsavam se ta aljo-
fares pelas faces paludas, e iam embeber-se na aj-
va cambra a do travesseiro.
Entio, ella como desesperada soltava milbares
de imprecagoes contra Francisco, e com os denles
mais alvos do qne perolas engastadas em ama fita
de coral, morda ralvosa, a sedosa renda do macio
travesseiro
Essa carta tai nm lenitivo para BmWa ( qaanto
castalias que ella nao creou logo na imaginaea -y
com avidez, qnebroa o sinete e lea o segoinie :
i| si^AS^I'-
Qaando deetteMtm amor, jotauei qoe asaav
deveras, agora porm depois da sean* de beatam,
vi que V. Exe. fraca como ama mulbur, por*
unto conbeci que o meu amor. nada mais foi do
qo um voo ardeate da mina imaginago, Quan-
do esta receber, ja' estare muit tpga'. parto pa-
ra a Europa, e pego-lbe o esquecimento complato
dos nossos devnelos. Adeos, seja (alia.
O mala humilde dos seus admiradores.
Cftrtfot-lo.
Emilia, como se ama casavffl a flveese mordi-
corago, levantoa-ae da-eam, amuelando :
Miseravel t al-m do insulto a tageatidao I
E correado para a cmara de sea ai, eattio-ie'
joelnos nodiario-lbe perdi.
Pedro de. Moraes, banhado em lafrimas levan-
toa a filba e beijoa-a na fronte.
Emilia, com os olhos utos no. chao, pedio ao pai,
qie mandasse chamar Francisco.
Pedro de Moraes, maodou fcaqalm, qae fosse
logo e logo chamar o sobrnho.
X
Francisco chegoa a casa de seu o as sete horas
da ooite, e encontrn na cmara de r*eoro de Mo-
raes o quadro mais tocante ; era Emilia, desfajen-
do-se em lagrimas, abragada com sea pai, que pal-
udo e arqoejant por eaoaa da febre, mal ae poda
levantar a moto, ebetjar as longas fita de abaoo
dos seas cabellos.
En o quadro da Magdalena pora, regene-
rada e arrependlda dianta de um pai, que abraca-
va a Ulna prodiga.
Vieste raaUo a-proposito, Prandsco : disse o
velbo.
Oh sim : muilo a proposito, mea primo,
sim : alada me falta o ata perdi l exclamou
Emilia. .
O mea perdi I Nao a comprehendo D. Emi-
lia ; reepeadea Fraacisco.
Nao me chame D. Emilia, chame-me como
d'antes, sua prima ; mas leia esta carta e veri :
Uizendo isto, tirou do seio um papel amarrotado,
todo molhado de lagrimas e entregan a Francisco.
Francisco, langon sobre elle um gotee do visto e
idisse :
. Nio era de esperar outra coas, mea lio, toa
filba desiambrou.se com o luslr repentino de um
meteoro, em urna noite de felicidade : agora, eis
a borrasca da qual elle era o precursor.
Mas a bonanga ba de voltar nio assim ?
pergunton Emilia.
Talvez que mullo larde oa nunca, minha se-
nbora.
Senbora. sempre este nome : oh 1 nio me
trate assim, mea primo, dme o sea perdi, es-
tou arrependlda, ja* nio qnero o seu amor, quero
somente a sua amisade; nao quero ser sua espo-
sa, quero ser *oa escrava ,
Nao sou tao pretencioso, que aspira nem a
urna, nem a outra cousa, minba senbora. O cora-
gao do hornera limitado : nelle nasce ama flor,
a qual o mundo chama felicidade, e qae quasl
sempre mureba pelo tufo do desengao. No
meu, essa flor nasceu mnito cedo, tinha nm bri-
lho... um vigo..., porm mais cedo anda so-
proa a tempeslade : a pobre flor morena, morren,
e debalde o orvaliu de arrependimento a regara',
ella nio tem mais seiva ; nio vivera'; esta'
morta.
Qoantas recordares do passado, que me traz
a sua lingnagem; disse Emilia
Recordagoes que ja' se acabaran: respondeu
Francisco.
Qoantas iembrangas : continuou ella.
Que ja' seperderam : replicn elle.
E entio, nao me perdoa ? pergantoa Emilia
cboraado.
Perdou-lbe, minha prima ; responden Fran-
cisco.
Oh I como serei feliz, sendo sua mnlber
exclamou Emilia.
E' o que nao snecedera' : responden Fran-
cisco.
Recosas a mi de toa prima, Francisco T
pergonton-lbe Pedro de Maraes.
Recuso, meo fie, respondeu Francisco, e con-
tinuou : am rei ja' houve, qae entrando victorio
so em Jcrsaleio, recusou deitar na cabega ama
El pareo DI TDO.
Joao. Cap, 11 diz o
de S.
te
si
Sobre o Evapgetao
Apostte:
d"aU a tres das se celebravam uaas
em Caaai da Galilea ; e aebava*se l a Mf
Jess.
' E foi tambam- convidado Jess com seus disoipu
los para o noivado.
E faltando o vinho a Man de Jess lhe disse :
Elles nio tem vno. e *
E Meas lhe responde "
Malher, qao me vai a mim a ti nisso f an-
da nio chegada a minha hora.
Disse a Mi de Jess aos que serviam :
Fazei indo o qae elle vos disser.
Ora eslavara all postas seis lalhas de podra, pa-
ra servrem as parificagoes, de que nsavam oa l-
daos, qoe cada am lema dous oa tres almudes.
Disse-lhe Jasas :
Enctwi de agua essas tainas.
E encheram-nas at a cima.
Entio Ihes disse Jess : "Jp
' Tirai agora levai ao Arquilrielino.
E do Ih'a levaram.
E o qae governava a mesa, tanto que provoa a
agua, qoe se fizera vraho, como nio sabia d'oode
lhe viera, anda qoe o sabiam os serventes, por-
que eram or qne tlnham tirado a agaa ; chamou
ao noivo o tal Arquilrielino e disse lhe :
Todo o bomempCe prfeneJro o boa vinho,.o
qaando j os convidados tem bebido bem, ento
lhe aprsenla e inferior; la ao contrario tiveste o
bom vinho guardado al agora.
Por essa milagre dea Jess principio aos seas
em Canai de Galilea, e assim fez que se conhe-
cesse sua gloria, e seus discpulos creram nelle.
As nupcias de que nos falla o Evangelho de ho-
je, Meis catholicos se foram felizes e afortunados
o foram porque a primeira0, convidada para ellas
foi a Mi de Jess; e se muitos casamentes sao
acomnanhados de maldicio, o sao porque tem por
base o interesse oa sao promovidos pelo impete da
paixao, para esses nao foram convidados nem Ma-
ra nem Jasas.
O Sacramento do matrimonio chamado pelo
apostelo o maior dos Sacramentes, porque repre-
sento a uniio de Jess Consto cora a soa greja,
boje mais propriameate exprime o sebisma e a di-
visio.
Os esposos em vez de amarem suas esposas co-
mo a soa propria carne, como o Filho de Dens
amou a sna igreja a ponto de morrer por ella, pa-
recer anvergonhar-se de mostrar am publico as
provas da affect que Ibe devem.
As esposas por outro lado bem longe de respei-
larem aos esposteomo a seas chefes, raaitas ve-
zes tem para com ellos modos lio imperiosos que
se tornara temidas Jaquel les a quem se devem sno-
mfter como a Senhor (Eph. 8, &), de sorte qne
fallando de ama parte o amor da outra o respei-
to, nio causa espanto verse a pouca un>aoque
reina entre os casados e d'abi as desordens quasi
infinitas que se lhe seguem.
A causa destes males est em qae nos casamen-
tes em geral faz-se todo ao contrario do que foi
feto as bodas de Canai.
Jess, convidado para estas bodas, tornou-as fe-
lfees com a sua preseoga, o se ha por abi boje
tantos casamentes desgranados porque para es-
ses Jess Cbritto nio foi convidado.
Nao vos illudaes, fiis catholicos, antes de rece-
berdes este grande Sacramente consultai antes a
Deus para saber a este o estado a qne elle vos
chama, e se a pessoa para quem pande vosso co-
ragao e a esposa qae elle nos deslina; porque
acreditai os casamentos santos e justos sio feitos
por Deas; os pas e mis, diz Salomao, dio as ca-
sas e as riquezas; mas dar urna mulaer prudente
s a Deus pertencei (Prov. 19,14).
Vos, Seis catholicos, que anda nao eslaes liga-
dos pelos lagos do matrimonio, imitai o qne fiza-
ran) os esposos de Canai ; convidai a Jesos para
vossas nupcias, rogai-lhe com fervor e com ins-
tancia ; pedi-lbe qoe otervenha na allianga que
ides conirahir, que autorise com soa presenga,
que a santifique pela effasao de sua graga, e a eo-
eha de suas bengios.
E vos qae j vos acbaes ligados pelo matrimonio
sem terdea antes consultado a Deus sobre a esco-
lta qae flzesies, sem o terdes convidado para as
vossas nupcias, a como ensequencia de vossa
macio beligerante.
A verdade qoe se atirou para o Prata novo e
melhor futuro; o Immenso ptogresso feito depois
da queda de Rosas-e a consohdagao da confedera-
gao argentina encontrara unieameote um obstculo
e um perigo.
bisto estes no governo brbaro e na poltica de
topea.
Fie o Paraguay no coragao mesmo da bao! do
Prata, occnpano>> assim una poeigio d'onde um
caodilho brbaro com designios ambiciosos pode
ter sempre os seos-Vlsiohos em estado de inquieta-
fao e sobresalto.
Bmquanto estas.auendem aos seos proprios ne-
gocios e se dedicara a desenvolver os seus recursos,
consolidando as suas insMroig5ss, abrindo estradas
de farro, multiplicando os seus rebanbos, aitrabin-
do a emigraeao, cortando os rios cora innocentes e
Otis liabas de oavegagio e alargando a sua civi-
lisago, o isoiamenlo e a barbaria do Paraguay
ameagavaoa constantemeote {cada passo dado pela
via do progresso.
D'aqui vem a hoslilldade de Lpez para os seus
vi si anos ; a eres cea te prosperidade destes pa ha
em relavo a tyranoia e degradaeio dp Paraguay,
a cujo governo nio reslava outra alternativa seno
adaptar a melbor poltica dos Estados confinantes
ou reduzi-los ao seu proprio nivel.
Linda virgem teterrima,
Vai- daocar na comieira ;
Deixa a critica acrrima
Abocanhar tanta asneira.
.oaatftn

u-l


Lpez optou peta segunda, e neste intuito era-
pregou toda a terca que eslava colligando havia an-
uos, invadi o Rrasil e a Repblica Argentina e
susciten abertamente a qaeslioda redugao destes
Estados a condigno do Paraguay, ou da libertagio
do Prata do perigo constante de possuir no seu
seio nma retrograda repblica de indios.
A poltica de Francia tlnha seqdestrado ama na-
gio pondo-a tora da commaohao da hamanldade.
Ao passo qae a populagao europea do Prata
difflcil de goveroar, a indiana do Paraguay de-
masiado faell.
Aceiten esta boa vootade todas as formas de de-
polismo, e incapaz de dirigir os seus prc prios ne-
gocios, sahmetteu-se prompta voniade de qaal-
quer seuhor que qulzeta governa-la.
Emquant o solamente era a poltica dos seas
governantes, o Paraguay n&o ameagava o resto do
Prata. Mas agora, que esse isolamento deixou de
ser posslvel, e o Paraguay tem de ceder a influen-
cias que o cercam, o carcter snbmiuo da sua po-
pulagao as mios de um dspota ambicioso dege-
neren n'u.m perigo iololeravel.
Para as outras potencias do Prata realmente
impossivel deixar desenvolver-se um grande poder
militar no seu centro disposigo de um indio sel-
vagem e ignorante.
Daqui vem que nunca os outros Estados do Pra-
ta gosaram de seguranca emquant o seu territorio
estiver aberto s tropas paraguayas.
A invaso repellida em 1865 pode repetir-se em
1867, se em 1866 se nio desviar o perigo real da
situago.
E', pois, intil clamar pela paz onde ella nio po-
de existir.
E, depois do qae se tem dado, nio pode haver
paz permanente ao Prata emqaanto o Paraguay (Or
urna poteucia militar as mios de am despota.
A iramjuillidade do Prata depende de lodos os
seus Estados obedecerem s mesmas influencias,
da nentralidade e liberdade das suas aguas inferio-
res, da remogao da lodos os obstculos militares
postes atesta liberdade, do desarmamento do Para-
guay, da sua abertura a iodo o mundo a de adop-
tar elle um systema livre de governo.
m ai acudo tirado do intimo do paito, era sollo cor0a de ouro' n0 m9smo 1a* em T Gor,stoJ fereciptacio, vos achaes separados pela desintelli-
qnando era quando peto pobre menina, que ex- aeilara uma esP,n,ws : y0*rtto. eorej leneto, qnando s deverlei. ter um eoracio como
,r,v malvado 1 matou o mea amor t 'cns0 *>"r-to s *W,W w" tendes orna mesma carne, nio desanimis, a gra-
de quando em quando pela pobre menina, qae
ciamava : malvado i matn o mea amor i
Era a sensibiiiaade reagindo com todo vigor con
tra um organismo dbil.
1 i ';.! i
FOLHETIffl
A SEPULTUM DE FERRO
POR
Henriqne CMstftnce
t Gontinaagao.)
XXVI
No dia seguate, qaando sabi da dirigencia a'
porta da cidade e entrel na roa qoe devia golar-me
iromediatamente a casa do Sr. Pavelyn, fol-me pre-
ciso evocar toda a minha energa par nio tra-
quear no momento de eomprir a miaba missio.
At entio, tinha chegado a combafev a minha he-
si tagao e o meo recelo, mas quando cada passo rae
aproximava do momelo fatal, senta qao me des-
ampara vam aa torgas. O coracio halla com vio-
lencia e de lempos a tempes corria-me pelos raem-
bros om tremor glacial. Nio era porque besitasse
oa minha resoluco nem porque me affligiese o ter
acceitado o doloroao encargo, ma havia em mim
ca farea aeareto qne loetova aoatra a mioha
vontade, e eojo aaforeos loaaoraseoe aagatesMa-
vaa a cada instante o mea sasto e o tas toflri-
OMOldl.
Dapois de haver parado dais oa tro vates aq
cuso abrigar-tna as atas do
brancas, brancas, como sio brancas as ainada
sarga que peneira cerea por cima da superficie
i^;____--------m
' >o- '
por algnm lempo aobr* couoas
que as toado tendes orna mesma carne, nao desanimis, a gra-
ga do cao inda nao est perdida par vos, o vos-
so mal nio sem remedio.
Dous humorsticos compozeram a seguinte :
ASNEIRA BRAVIA.
Ob I virgem Iteus negros labios,
Inda mais negros qu'a nev,
Conservara liados resabios
Da tinta com que s'escreve.
Os teus cabellos sao verdes,
Mais verdes qu'o azul dos caos;
Oh virgem 1 por qua te pardos,
Bailando nos escarceos? I
uaspedern chammas escuras
Teasolbos cor de mamao ;
Oh virgem I por qae segaras
as lelbas do coragio ? !
Nos teas seos vagarosos,
Quizara ama vez Jangar;
Vamos dormir paludosos
as ancas negras do mar.
A loa envolta emfarrapos,
Treme d'algente calor;
O sol arruma supapos
as barbas do seu tutor;
O Qorreio Paulislano, publica cseguinte..
O Sr. Or. Pinte Jnior acaba d*poblicar-i to-
Ihete eontra nma publicado do Sr. Carlos ExpRry
eseriptor francez, felta em Marselbj.
EC escriplo o.folbeto em phrase enrgica pa-
tritica.
Nao de boje que o Sr. Dr. P.into poe ao servi-
gp do paiz os seas talentos ceno de qo esta, acto
deve ser loavado por todos. \
Nao obstan'e, desta vei affadjgou-st intilmente
Sr. Dr. Piolo; porque Carlos ExaiUy nio dp
criptor que valba replica.
Nio a primeira vea qoe esse francez (se fran-
cez ), vem a' campo, lancaz doeslos e injurias
eontra o Brasil.
Mas que attengio maree ess ou ootro avent-.
reiro, lalvez sabida das galr de Tooloo, para que.
se Ibe oalborgue a. honra de om escriplo ?
O Sr. Carlos Expilly, quer ser escriptor, ao as-
crptorpara liade Aretine, um escriptor suisso.co-
mo o da' a entender o Sr. Dr. Pite!
Pois o deixa-Jo cora a soa papelada que servir'
para ludo, menos para ser lida 1
Tal a desgraga da le tiras.
Qaalquer por padecer dos ervos e aiier asnei-
ras, jalga-sa poeta a inspirado; um oufto porque
vaidoso a de mus instioctos, jolga-ae sriiico e so-
aba as glorias de G. Planche: aquella porque tem
dente e teme, jalga qoe o manda carne a ei lo a
morder a lodos como o ci Aretine, como o cao vi-.,
isslmo, o Expilly.
No enlamo esse mesmo homem, hoatm aventa;
reiro pelo Brasil, boje eraalura e oocapra de Lopes
recebeo entre nos a roeJhor das hospitalidades e o
Imperador dispensou-lhe palavras de bondade. e da
interesse, dignas da serem. ouvidas, lalvez por am
Lamartine on por om Castilho.
Nio soa pessiratsta, mas essas e ontras coasas
levam longo o meo pensar e trazem-me a' recor-
dagie bem afilelas historias.
Nio censura a bondade e a Ihaoeza dp Impera-
dor, bastantes vezes mal empregadas, ma noto
cortes fados que me levam a dizer aqu oa logar
commum:
O Brasil nao dos brasiieiros. t, j-
Houve enire nos um talento de primeira plana,
um genio fulgido como o sol ao meio-dia, nma
imaginago de fogo, nma eloquencia a' Cicero, am
estro bocagiano.
Foi esse bomem, alera de ludo isso, om filho co-
mo o melhor da lodos, om corelo amigo, um ci-
dadlo patritico.
Todos o estimavam, applaudiam-no, elevavam-
no ; mas sobre a sua nudez nioguem langoo om
manto; a sua teme niagaem matou I
Qaando a mi Imperial, aquella mesma mi qoe
protegeu aos Biard e deu-se a beifer aos Expilly,
estendeu se sobre aquella fronte, encontron-a ja'
fria, exhausta, morta, e s" ato qne groteger por
um da a nudeza e a fom da misera vlava do
poeta I
Era bem grande a miseria do pobre Laudado
para que nao a visse a munificencia do Impera-
dor I
Onde estava ella pois ?
O que fazia ?
Que somno tao pezado dorma ella qne a nao
accordaram os lamentos daquella agona?
Quasi que nao vale ter talento n'esta trra.
O nosso paiz o das importagoes.
Importa-se ludo, at o talento estrangeiro, mas o
que vem, poucas vezes do bom.
Tanto melhor.
Rasio de mais para qoe seja atipendiado.
Vamos adame.
Como esta ha outras muitas histerias, engrana-
das eom um qoioto acto de tragedla, alegras como
s risadas de Saganarello.
E que interesse ha em tira-las dp esquecimento,
essas boas histerias T
As cousas conlinuarao assim por multe tempo.
Quera tiver nascido com talento melbor guar-
da lo ou esquecer-se d'elle, se nao quizer que pela
morte, fagam uma snbscripgo para levarem-no ao
cern te rio.
Escriptores como Expilly nio merecem replica,
mas nem por isso o Sr. Dr. Pinto Jnnior delxa de
merecer louvores e com sinceridade que aqui
Ih'os damos.
E' am folheto breve e rpido mas acYlpto com
talento e energia. *' df I


As magnolias cachaticas,
Dormem no chao acordadas;
Fogem 'rapozas poticas
Em pyrilampos montadas;
.
caminho para conter a minha agitago, pareceu-me Qeavorsamai por algara
ter cobrado algama serenldad e bat desassombra-1 q**l imflfiereoles; deprts o Sr. Paverya encami-
damntea'portodoSr.Pavelyn. atoa > onvrsago para o^casaaaato.
Como me apresentel hora con venctonada, ja'! ?*" como se ea nio soabesai aafla dj!Bosa,
oSt. Pavera espreitova a minha chegada. Veto eoomerou brevemeae todas as raioeraoo devaa
ter commigo ao vestibolo, apertoame as mios toa' decidir soa filba *a|lpM*|oaM*lHhanie alllan-
alegra e levoa-m logo para a safa onde soa filba \ S ****** per*a*oo-a* ractomentequal era a
estava assentada ao p de orna meza, com oa bor-. '* ?l,if s0*r8 "* *"-t' ,
dado na mao. ~ #** *J*Ma, raspen t#v me-
- Olha, Rosa I disse elle coa alegra, aqui esto nina deve dar o seu consenmehW, porque esse
Leio,qae vem ver-nos. casameoo... Ella ergueo a cabeca de sobre o trabalbo. No Um oihar de osa abaoa-aa asalvras aos la-
sen rosto irradien nma alegra indiscriptrrel, e btos. Ella olhava para minr coa Wnto, rara ar
seas olhos deram-me am blhar chelo de amor e de; de censara e de insto; vagoa-lbe pelos labios .Itfh
reeonhecteento. Bam^a mih -^ ura! roso sorrso, quasl Impereeptlva, mas convulsivp
fase-la feliz.
Bastava a minba preseoga para .- n
Pobre victima de ama mIm* de- **# ajam'A|Wd om/dilpe- mortal e nio
desapercebido, qoe Uve de fazer om .
contar aa lagrimas aa me ablam aas
fexar
Foi to profando o effeito qae fez em aja essa
dcaatnstracio, cojo sentido nao podia deixar pastar
Rosa, a quem surtrebeniera maftai twparada
chegada, immedlataroeaie soffreoa
Ci., Depois de haver albaaado.ua
te amaol cobro lad n saavaatde e
respostu ao que seo ati c% M e tlaee jl nio
bavia aada que poaaNS fazer suspeitar prdJ
agttaeie.
quer queixar-se
O Sr. Pavelyn, odiando a alaba hesitaeso, tratoa
de esforcar-toe, dlzendome algnmas paUvras para
me d>r animo coa qae coulioaasse a minha t-
rela/
Contlnaei eom brandora, ma cosaBraos, a a-
consStbartbe que easaese. ate ata aaalaado a
cabeca e pareca oavir:me coa paciencia, se alo
ra,eomidl0areoa
PrimirfltMor raudo riqasta da Conrado
de Maafgaaa, aa alta cana, e a
das saas qualidades.
O grilo enverga a casaca
lomando saas pitadas;
O bol montado na paca,
Na ormiga di chifradas
g. i) i;iW t.

e fallar a Rosa dos seos padecimentos e do quanto
affligiam a seas paes, quando o Sr. Pavelyn sabio
da sala. A pobre menina segote sea pal com os
olbos, e depois fitoa em mim am olbar qae me fez
estremecer e me aasambrea. Gesn admiravel-
mente oara a lingoagem la alai 1
Rosbate Uaha talado, e, coatodo, o compre-
hender palavra par galavra o que ella me disse-
ra. Accusavaafc-dtr ter conspirado com sea pai
para violentar os seus sentimentes. Exprobfava-
me essa astucia cruel e o golpe com qae volunta-
riamente acabava de rasgar-lhe o coragio. Su
estava em extremo abalado e balbociava algamas
palavras de desculpa, mas ella, com ama seren-
dado qne me dora i nava, disse-me brandaraento :
Maite bem, Leio, contine. Desempeahe
tem hesitar a su missio ; ouvi-lo-hei at a |m.
Eu sentia lagrimas promptas a saltana dos
olbos; tinba o coracio comprimido e a palllde aa
aagostia cobria-m as toces. Sali o recete fez-
rae resistir eom violencia i minha commogio.
Chame! em meu auxilio a consciencla do devm o
toda a energa da mana voatode, e disse com vos
trmula:
Rosa, menina e*l doente. Seus pata ra-
, Communicam-nos o seguate :
- En tao, Sr. donter, j s m'tricaloa 1 pergoa-
tova orna senbora am acadmico, qne se pavo-
neava de espirituoso.
E' -verdade, miaba senbora ; responde o In-
terrogado. Agora j sou acadmico do 1* anuo.
A mesma senbora, tempes depois, achaado-se
com o Sr. douter, pergonta-lbe :
, Qual o primeiro estudaote do seu anno T
: Minba seniora, acode elle, ea occapo o nu-
mera primeiro ; perianto julgo qoe soa o primeiro
estQfiaKe.
Se a coosampgio os privasse de sua fliha nica,
morreriam de desesperagio. Se um sacrificio,
om doloroso sacrificio qae de si exigen), pe50-lhe
qae o acceile, pelo amor do seo bom pal e pela
ternura de soa aUL- C : j"1, W""
Peosava ter folio alguma impressao no animo de
Rasa; mas, vendo qae me bavia engaado, calei-
.osjV'* !
* tnfefs*K.issalla, aoapiranaa; para qae re
volve aaslm o puobal no sen coragio e no men 1
Falla-me em cousumpgao 1 Para acceitar esse ca-
samento, ser-me-ia preciso matar no meo coracio
um seotlmenio que veio a ser a minba vida. An-
tas morrer da eoaeompcio I Ao menos nio profa-
0 aentimento qoe se apossoo de mioba al-
ao meaos leva-lo-he commigo para a sepul-
1 tata tem haver manchado coa um promessa
perjaral
Flcjnei lid altamente abalado por aquella revela-
gao do seatimeato Ao sna coracio; aqneUas borri-
veis palavras-consompcao, morte, sepaltora
teeairttam-me tal terror e to viva compaixao,
que u togrimaa oahiram-m om abondancia pelas
%ain aHar, aas a voz preadeu ie-me na
'snaaaBnaaaananaanaaaaaaaaaa
cahaga com reslgnagao a sem no* quedarme?.
Morrerei talvez, mas porque hei de crer que com
a morte acaba a.esperangz T Pois nio b outra
vida?
Desvalrado, alheado de mim, suecumbindo qua-
si minb. dr, clame! em voz cortada por so-
lugos :
Nio, Rosa, nio pode morrer t Ob, cga-
me! Esse casamento na de lacerar mea coracio,
qrj*m cada pulsagio desatan para i am suspi-
ro; ba de envenenar uma vida que consista si
em ama-la; ha de matar ama alma qne adora-
v como se adora a divindade; mas tambera ba
de salva-la da morte qo a ameaga, Rosa -, ha da
poopar a seas pas, aos aeus bemfeiares, a mais
horrivei desesperagio; ha de desculpar o nosso
[desvario perante Daos 1... Ob, Roas, pelas recor-
dagoes da nossa infancia, por lado o qoe teobo es-
perado e aufJiUu, pato mea^amor liiuuiiiu. aaw
sem limites, por aoaU qoe me la artista, peg-
me qoe se submetta I Conceda-me esse mea de
ser grato aos beaefjctos de seu pai e nio me re a
celara ama calamidade 1 Livre-os da angustia qae Sio choro, Uie, diss^ma Rosa ; a cruel fa
espera
para lhe fechar
^aWastf1^
atoa abreviarla
itdade l Livre-os aa angosua em o vmm*, uw?, w- .-
a vida. Elles deram-Uaa ser taUdada faa.psaa sobre aos nio cea aJagrimas. I
aaluba sapplica f
r-st-ka.)


U invocar a ncao'praWMai asOo concentradas aa ai todas as saas perafi?*^I>* IHIWMBB fehertaato ri tem; armaos a \ PSH
nma


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EE0JSDFWF_XLF0U8 INGEST_TIME 2013-09-05T01:44:01Z PACKAGE AA00011611_10940
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES