Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:10932


This item is only available as the following downloads:


Full Text

IB
M-JSm*
ABUO IIJl HOMERO 76
Pw fiartel paga dentro dos 10 das do 1/ mti......,
Idea denoisdasl. 1 das dt caneco c dentro do quartel .
Porte aa carrea fr ** ..............
tyatt
6oa
75a
^-^
TERCA FEIRA 3 SE ABRIL DE 1866
Par ana pago dentro de 4odiasd**.0iiez. .,,,... !9fooo
Parte aa correio por om anno........, ; 3#m
DIARIO DE PERNA
ENCARREGADOS DA SUBSCRIPTO DO NORTE
Parahyba, o Sr. Antonio A!ax?ndrino de Lima!
Natal, o Sr. Antonio Marques da Silva; Aracaty, o
Sr. A. de Lemos Braga; Cear, o Sr. J. Jos da
Oliveira ; Maranhao, o Sr. Joaquim Marques Ro-
drigues ; Para, os Srs. Geraldo Antonio Aires 4
Filhos; Amazonas, o Sr. Jerony mo da Costa.
ENCARREGADOS DA SUBSCRIPCAO DO SUL.
Alagoas, o Sr.. Claudino Falcao ias; Babia, o
Sr. Jos Marlins Al ves; Rio de Janeiro, o Sr. Jos
Ribeiro Gasparinho.
PARTIDA DOS ESTAFETAS.
Olfnda, Cabo, Eseada e estafes da Tia frrea at
Agoa Preta, todos os dias.
Iguarass e Goyanna as segundas e sextas eiras.
Santo Antao, Grvala, Bezerros, Bonito, Caruard,
Altinho, Garanbnns, Buique, S. Bento, Boro
Conselho- Aguas Bellas e Tacart, as tercas
feiras.
Pao d'Albo, Nazareth, Limoeiro, Brejo, Pesqueira
Ingaxeira, Flores, Villa Bella, Cabrob, Boa Vis-
la, Ouricury, Salgueiio e Ex, as qnartas
feiras.
Serinhem, Rio Formoso,Tamandar, Una, Bar-
reiros, Agua Preta Pimentefras, na- quintas
feiras.
AUDIENCIAS DOS TRIBUNAES DA Cfi PlTl.
Tribunal do commercio: segundas e quintas, i
Relago : tercas e sbados s 10. horas.
Fazenda: quintas s 10 horas.
JoJzo do commercio: segnndas as 11 horas.
Dito de orphos: tercas e Mitas s 10 horas.
Primeira vara do civel: tercas sextas ao meio|
di*.
Segunda vara de civel: qnartas e sabbade a 11
hora da tarde.
EPHEMERIDES DO MEZ DE ABRIL.
8 Qaarto ming. as 6 b.,22 m. e 52 s. da m.
15 La nova as 4 b., 44 m. e 10 s. da m.
21 Quarlo cresa as 8 h., 12 m. e 4 s. da t.
29 Loa eheia as 7 h., 4 m. e 14 s. da t.
DAS DA SEMANA.
2. Segunda. S. Nicolao b.; S. Tbeodora.
3. Terca. S. Pancraclo b.; S. Vulpiano m.
4. Quarta. S. Isidoro are. dont. da egr.
5. Quinta. S. Ira v. ro.; S. Zenon.
6. Sexta. Ss. Diogeues u Platonices mm.
7. Sabbado. S. Eptphanio b.; S. Rufino m.
8. Domingo. S. Amancio b.; S. Elizio m.
PREAMAR DE HOJE.
Primeira as 6 horas e 51 m. da manha.
Segunda as 7 horas e 18 minutos da tarde.
PARTIDA DOS VAPORES COSTEROS.
Para o sul at Alagoas a 14 e 30; para o nortov.
at a Granja a 7 e 22 de cada mez; para Peraaa-
do nos dias 14 ios mezes de Janeiro, marco, na; >
julho, setemhro e novembro.
ASSIGNA-SE
no Reeife, na livraria da praga da independencia
ns. 8, dos propietarios Manoel Figueiroa de Paria
& Filno.


*
'.

t

.
\f
PARTE OFFIGIAL
GOVEH.VO 1A PROVI\CIl.
Expediente de da 16 de maree de 1866.
Oficio ao Eira, commendador. Dr. Domingos de
Souz Dno, presidente da Associago Protectora
das Familias dos Voluntarios da Patria.Tendo re-
gressado da corte por incapazes do servico os vo-
luntarios da patria desta provincia, Manoel Gomes
4a Silva, Antonio Barbosa de Souza, Joo Alves da
Silveira, Joao Martins de Oliveira e Clemente de
Souza Ferraz; assim o communico a V. Exc. para
que possa essa Associaco tomar acerca delles a
deliberago que entender conveniente.
Dito ao Eira, general commandante das armas.
Sirva-ss V. Exc. de informar-me sobre o que
pedem Vicente Ferreira da Silva Barbosa e Fran-
cisco Paes Brrelo Lins, nos inclusos requerimien-
tos que aqui a junto.
Dito ao raesrno.Era observancia do aviso cir-
de 5 de fevereiro ultimo, sob n. 158 a que veio ; vi os objeclos, que pertencendo ao material do certificado mande pagar ao arrematante d'aquella
aunexo copia de outro em que o delegado do termo i exercito a cargo da forlatefcfto Brtim Infle do obra a quantia de 1:3728620 rs. correspondente a
! do Pao d'Alho pede providencias acerca do forne- Buraco, fo'ram dados em Consumo, e constara das 3' preslngo a que elle tem diretro.
igreja dos extinctos frades franciscanos, e ahi re-1 com destino ao Porto com cargamento dn
eolheo ja de noule, sendo o sermo de cinza pre- pelFobo e ouirosgneros carregamen, do
trigo,
Dito ao director do arsenal de guerra.Quelra
V. S. mandar tornecer ao commandante superior
da goarda nacional deste municipio, 7 cornetas de
loques, 7 espadas a o competente corrame para
cimento dos presos pobres da respectiva cadea,' relages e termos juntos, correndo a despeza da
tenho adizer-lhe queesse fornecimentodeve ser felto j conduco por conta desse arsenal,
de conformidade com o regolamento dado para o Dito ao provincial e mais religiosos do convenio
regimem das cadetes, da provincia e a despeza dalle do Carme desta cidade.Constando do aviso da re-
proveniente, paga pela collectoria daquella comar- particao do imperio de % do correte, que para so igual numero de cornetas,
ca e na falta oo iosofflciencia dessa estacao, sero! resolver sobre o requerimenlo em que vossas Dito aa inspector do arsenal de raarinha.Man-
as contas presentadas a thesouraria provincial reverendissiraas. pediram ao governo imperial de V. S. fornecer ao administrador do correio como
para ahi effectuar-se o sea pagamento. I approvago do arrendrnoslo que fizeram do enge- souertou em seu ofilcio de hoje datado, os objectos
RtnrrliMiti rln rrpt*rin tn nraii Ja j, j 7 nho L'baca, ao negociaste Ignacio Lniz de Hrlto constantes do pedido Incluso.
mtlX 18? TaDorda mis,er W H "eeitea as diesel. Dito aodireclor das obras pnblicas.-Havendo
Qoes do decreto n. 655 de 23 de novembro de apparecido pela segunda vez o cupim em diversos
1849; assim Ib'es communico para seu conheci- compartimentos do edificio em que se acha estabe-
menlo. lecido o qoartel-general, e convindo extingni-lo
Dito ao capitao da eng enbeiros Domingos Jos
de mareo de 1866.
N. 47.4Offlcio ao Dr. Ia secretario da assembla
legislativa provincial.De ordem de S. Exc. o Sr.
vice-pres/dente da provincia, transmuto a V. S.
i para serm prsenles a essa assembla, 40 exem- Rodrigues.-Para peder resolver acerca do con
piares di relalorio apresenlado pelo inspector da i feudo do seu offlcio de 17 do crreme sob n. 116,
thesouraria provincial e ootros tantos da relago tax-se preciso que Vrac. me declare quaes as obras
das cautas executlvas da fazenda provincial. que esto em andamento devendo quanto as que se
N.481 -Dito ao mesmo.S. Exc. o Sr. vice-pre-1 achara findas apresentar "as respectivas contas
sidenle/da provincia, a quem foi presente o omcio! para serem devidaroente pagas.
que V.S. me dirigi nesta dala manda declarar-lhe Portara.O vicepresidente da provincia, alten
j gado pelo Revd. padre Rademaker.
As roas que a procisso percorreu achavam-se
apinhadas de povo, e as janellas cheias de senho-
ras. Das povoaces suburbanas aflluio muita gen-
te a cidade.
Os subscriptores de urna associago que, haver
ura anno, se projectoa organisar nesla cidade com
o titulo de companhia de crdito social, resolv
rvn era reunio a que ltimamente foram convo-
r .Jos o restilnir-se a importancia das ratiflcigSes
das aegoes qne por aquella occasiao se havam exi-
guo. J comecou a entrega das guarnas entra-
das, deduzndo-se das mesmas 7 ris por aeco,
destinados com o juro vencido a solver todas as
despezas feilas.
Na sessao de 20 do correnle, julgou o supremo
tribunal de justga os embargos oppostos pelos ad-
ministradores da cala filial do banco Unio do
Porto ao accordam, deste tribunal, que anaullou
como solicita o mareehal commandante das armas,
em offlcio de 16 do correnle, sob n. 527, naja V.
S. de dar shas ordens para que seja felto este ser
vico com promplid jo.
Dito ao engeobeiro fiscal interino da estrada de
ferro. Tendo-me declarado o Exm. Sr. ministro1 a sentenca declaratoria da quebra do commercian-
da repartlco da agricultura, commercio e obras le Thomaz Maria Bessone.
publicas, era aviso de 7 do crreme, sob n. 6, para O supremo tribunal regeitou os embargos; vigo-
cular do ministerio da guerra de 27 de fevereiro afim de o fazer constar a assembla legislativa pro- dendo ao que requeren o conego Francisco ftochael o fazer constar a Vmc. em resposta ao seu offlcio; ra por tanto a deciso do accordam embargado,
allimo, inclaso por copia, cumpre que V. Exc. re- viudal, que no dia 20 do correnle, ao meio da,
omraende s juntas de sade que nos termos de recebar no palacio do governo a deputacao que
inspecgSes que sao remetdos aquella secretaria,, tem d apresentar alguns actos legislativos a sane-
de estado se observe restrictamente, as formlas ; cao da S. Exc.
proscriptas para Ues termos, eviiando-se que pela uno ao inspector da thesouraria de fazenda.-u
omisso das necessarias declarares ou alteracSes, Exro.j Sr. vice-presidente da provincia, i
no que esta' determinado quanlo ao modo de enun-
ciar o jnizo relativo ao estado dos inspeccionados
sejam devolvidos, como frequentemenle acontece
para serem organisados de conformidade com as
ordeos em vigor.
Dito ao inspector da thesouraria de fazenda.
Jt es pon do ao offlcio de V. S. datado de 6 do cr-
renle, sob n. 121, remellendo-lhe por copia o de 14
deste mez, n. 341, em que o delegado eocarregado
do expediente da reparticao da polica declara ha-
ver combinado com o administrador da recebedo-
ria de rendas acerca do modo como de ve: o ser
reprimidos os autores dos molfns que constante-
mente se dio na porta daquella repartlco.
Dito ao mesmo.Ao delegado do termo da Boa-
Vista, Manoel Jacome Bezerra de Camino, ou ao
seu procurador, mande V. S. pagar, se nao houver
inconveniente e era vista da conta junta era dopll-
cata que me remellen o delegado encarregado do e considerado.
Pereira de Brito Medeiros, director da Escola Nor-
mal resolve conceder-Ihe 3 mezes de licenca cora
vencimenlos para tratar de sua sade onde lhe
convier.
Dita.O.Sr. gerente da companhia Peroarabuca-
., ,. .,,,io.Uou < p>nm ---= na mande dar urna passagera de estado a r al
i transiniilir a V. S. as 12 inclusas ordens sendo 7 Macan, no vapor do da 22 do corrente, a Jos
do tribunal do tbesouro nacional sob ns.43, 44,47,: Ferreira da Silva.
49, 5/1, 52, 53 e 5 do ministerio da guerra datados; Dila.-Os senbores agentes da companhia Brasl-
de 2$ e 27 de fevereiro ullimo, I el do corrente; | leira mandem dar transporte para a cdrle, por
bemlcomo 2 offlcios da secretaria do ministerio da
lazepda.
- 19-
Offlcio ao Exm. e Rvra. bispo diocesano.Pelos
offlcios de V. Exc. de 17 do cerrente, fiquei inteira-
do de baver V. ttxc. exonerado o Rv. Joo Gomes,
de jcoadjucior da fregoezia de S. Jos desta cidade
e onomeou coadjuctor pro-parocho da de Muribe-1
ca.jpor se acbar doente e impossibllitado de rege-la
ispeclivo vigario Joaquio deArago Ebla, bera
conta do ministerio da guerra no vapor Tocantins, de Janeiro ultimo ; assim Ih'o c>>mmnnico para
que se espera do norle ao soldado da companhia de' seu conheciraeoto e direccio.
cavailaria desta provincia Joao Francisco Reno-; Dito ao commandante da companhia provisoria
vato. j de polica. Mande Vmc. alistar na companhia
Eipediente do secretario do gorerne de dia 19 de provisoria de polica, ao paisano Domingos de Li-
mare de 866 ma e S''Ta> 1Qe em inspeccao de ande foi consi-
N50.-0fflcio ao l-secretarlo da assombl. | der J") *g*2Si
legislativa provincialDe ordem de S. Exc. o Sr.! *=-!
vice-presideoie da provincia, passo por copia as I
de 23 de fevereiro prximo lindo, a que acorapa- qne annullou o proeesso desde a acta da abertura
nhou a representado que lhe dirigi o superinten- da fallencia e mandn baixar os autos ao juiz com-
dente G. 0. Mann, fazendo ver a nrgente necessida- mercial da 1* instancia desta cidade para que
de do augmento do trem rodante da estrada de guardada a devida separacao de fado e de direito
ferro atienta a grande af&uencia de gneros e mer- desse curoprimenlo lei.
cadonas, qoe importando essa reclamaco o pedido Os tres dias do carnaval estiveram chuvosos.
de augmento de capital garantido ou de urna sob- Honve bailes de mascaras nos Iheairos de S. Joao,
venco pecuniaria, nao esta' o governo imperial Baquet, Camoes e Circo. Muita concorrencia, bas-
autorisa Jo a satisfaze-la, como ja loi decidido em tantes mascaras, mas nenbuma exhibico que me-
resolucao de consulta do conselho de estado de 22 reca parlieularisarmos
Dito ab jiz de paz mala votado da freguezia
de N. S. da luz-Iuteirado pelo seu offlcio de 10
A barca Monteiro II, da carreira do Brasil, e
que pertencera ao fallecido commerciante desta
praca o Sr. Jos de Souza Monteiro e Silva, foi l-
timamente arrematada por nove cootos e tantos
mil ris pelo Sr. Jos Correa de Si, que a chris
moa com o nomo de Ertnelinda.
O Sr. Jos Correa de Si proprietario da galera
Joven Ertnelinda, qoe se soppSe se perder em
viagem do Rio de Janeiro para esta cidade com
o respectivo vigario Joaquim da Aragao Ebla, bera *Jgagyg" wpwwawt,.JtmjrKmimm^^g^^f^ toriesttloio a junta revi- escala por Lisboa. Corren ha dias na praca qoe
corfonomeado o Rv. fre Antonio de Sania Rila,, "^-.P "Fl^l'^ZZ^l **&W*fr dsa "<*<1ia era s 2-' te navio arribara s Ilhas Bermiaas, paree, po
pa|a coadjuctor da primeira das mencioaadai mtnJggaff. gg Petoqual M Mgnwaao Sessao pete* olivos declarados em seu cilado of- rom, que lio agradavel noticia se nao^ confirmar,
frefeuezlas. \ provisoriamente o compromisso da irmaBdade_ das ,- tr,iimn Ai. m a .hr -rn,mn ,idouro ooraue se aora a tn nriom
;uezlas.
tenovo a V. Exc. os protestos

expediente da reparlicao da polica com offlcio de
44 do corrente, sob n. 340, a quantia de 13,5000,
despendida com o desertor do Corpo de guarmeio,
Cypriano Pereira dos Santos, que veio daqnelle
termo e foi remedido ao mareehal commandante
-das armas, segundo consta do citado offlcio.
Dito ao mesmo.Com a informacao junta por
copia ministrada em 10 do corrente pelo capito
Francisco Lniz Viraes, ex-commandante da torca
de guardas naclonaes da comarca de Olinda que
destacou para a de Flores, respondo ao offlcio de
2 deste mez, sob n. 109, em que V. S. de accordo
com o parecer da contadena dessa thesouraria faz
reflexoes acerca do pagamento que se mandou fa-
zer em 13 de fevereiro ultimo a Joaquina Cosario
da Rosa da quanlia de 489700, proveniente do for-
necimento de luz para o quarlel daquelle destaca-
mento.
Dito ao inspector da thesouraria provincial.
Constando de offlcio do chele da reparticao das
obras publicas, datado de hontem, e sob n. 86, qoe
o contratante da reconstruc^io do arco n. 6 no 5
laoco da ramificacao do Cabo, ja execotou metade
daquella obra, e acha-se por isso com direito ao
recebiment da primeira prestaco do seu contra-
to ; aim o communico a V. S. para seu conheci-
ment e afim de que em vista do competente certi-
ficado mande etlectuar o pagamento dessa pres-
taco.
Dito ao mesmo.A Morbo V. S., de conformida-
de com a sua informacao de hontem, sob n. 87, a
mandar entregar mediante flanea idnea ao thesou-
reiro da Irmandade do Sanlissimo Sacramento da
-cidade da Victoria, Bellarmino dos Santos Bulcio,
a importancia que se acba recolhida a essa thesou-
raria, proveniente do beneficio da 3" parle da l4 e
i da 2* loteras extrahidas a favor das obras da
igreja matriz daquella freguezia.
Dito ao mesmo.Accuso recebido o offlcio de
hontem, sob n. 86, em que V. S. participou baver
Jos Roberto de Paula, dando por fiador o Dr. Cos-
me de S Pereira, arrematado com 2 por cento de
abate no valor do respectivo orcamento, a obra da
ponte sobre o rio Araripe, na estrada do Pasmado,
e em resposta tenho a dizer que approvo essa ar-
rematado.
Dito ao cnsul de Portugal.Pela informacao
constante da copia junta, ministrada pela repart-
;ao da polica, com referencia a queixa do subdito
Eortnguez Antonio Gomes da Costa Leite, que o Sr.
r. Clandino de Araajo Guimaries, cnsul de S.
M. Fidellssima, trouxe ao meo conneciraento com
o seu offleio de 8 do corrente, vera' o mesmo Sr.
cnsul que nenbum fundamento tem semeI liante
queixa, por quanto foi regular o procedimento do
fiscal da freguezia de S. Jos impondo ao caixeiro
do supplicante a multa em que iucorrra, atrave-
sando urna porcao de farinha no mercado publico
daquella freguezia para revende-la pormaior preco
a' popula cao, infringindo assim o art. 4a tit. 11 das
posturas mumcipaes de 30 dejunbo de 1849. *
Dito ao commandante superior da goarda nacio-
nal do Recite.Providencie V. S. para qoe um dos
oatalndes da guarda nacional sob seo commando
snperlor acompanhe a imagem do Senbor Bom Je-
ss das Chagas, que pelas qoalro horas da tarde do
dia 25 do correte, tem de sahir em procisso da
igreja do Panizo.
Dito ao mesmo.Remeti incluso o proeesso do
alteres Joo Cesar Cavalcanli de Albuquerque da
5* companhia do 2 batalho da guarda nacional
deste municipio, para V. S. mandar cumprir a'
sentenca nelle proferida pela junta desta ca-
pital.
Dito ao commandante superior da guarda naci
nal da Boa-Vista.Expeca V. S. suas ordens para
que o destacamento da villa do Ouricury seja ele-
vado a' 20 pracas commandadas por um al
feres.
Dilo ao Dr. Manoel Jos da Silva Neiva.Achan
do-se impedido por estar presidindo o jury o Dr.
joiz de direito da primeira vara, para fazer parte
da junta que nos termos do art. 111 da le n. 602
de 19 de setembro de 1850, lem de julgar a appel
lao interposta da sentenca proferida pel coose
Ih de disciplina a que foi subraettido o alferes da
guarda nacional Jos Cesar Cavaleanti de Albo
qnerque, designo a V. S. para compor a referida
junta que tem de reonir-se neste palacio, segunda
feira vindonra, s 11 horas do da; e nesta data
providencio para que lhe seja remettido com ur
gencia o respectivo proeesso.Expedlo-se a ordem
que se trata.
Dito ao inspector da alfandega.Recommendo a
V. S., de conformidade com o que soliciton o viga-
rio geral, em offlcio de hontem, que consinta que o
1* escripturario dessa reparticao, Firmino Jos de
Oliveira, compareca no palacio da Soledade no dia
20 do corrente, s 12 horas da manha, afim de
depor como testemnnha na aeco de divorcio de
D. Francisca Senhornba de Mendonca Pinto.
Comtnucicou-se ao vigario geral.
Dto ao director do arsenal de guerra.-Decon-
formidacle com o qae soliciton o general comman-
dante das armas em offlcio de hontem datado, sob
a. 524, i em vista do que dispoe o art. 8* | 3* das
rnstrneeifes de 3 de Janeiro ultimo, mande V. S.
transferir para a companhia de operarios otoan-
cebos da de menores desse arsenal que tiverem
bom eomportamenw.
Dito ao delegado encarregado do expediente da
reparticSi) de policia.-Responden*) ao seo oficio
Dito ao Exm. general commandante das ar-
mas. Sirva-se V. Exc, de informarme acerca do
que pede Bernardino Jos Monteiro Filho, no re-
quenmento que junto.
'Dito ao mesmo.Sirva-se V. Exc. de Intor-
ar-me sobre o cootedo do incluso offlcio do
Eitm. presidente do Rio Grande do Norte.
Dito ao Exm conselheiro presid-nte da rea-
ci o.Passo as raaos de V. Exc. o offlcio do juiz de
d reito da comarca de Goyanna, de 4 do corrente,
p ira que emula o seu parecer a respelto das duvi
d is apresentadas por elle acerca do julgamente de
u s actos, que nao esto sellados.
Dito ao mesmo. Passando as mos de V. Exc. o
i closo offlcio do juiz municipal interino da comar-
ca de Santo Antao, de 13 de fevereiro prximo I
pssado, e a intormaeae qoe minislrou o juiz mu-
nicipal da Ia vara deste termo em 15 do corrente,
V. Exc. qoeira devolve-los a esta presidencia com
o seu parecer acerca da materia J; que elles se
oceupam.
Dito ao inspector da thesouraria de fazen-
da. Submettendo a consideraco do governo impe-
rial, coja deliberaco aguardo, as duvidas que
suggerern as disposicSas dos arts. 38 e 39 do de-
creto n. 3,408 de 11 de fevereiro de 1865, e do
decreto n. 2,548 de 10 de marco de 1860, relativa- assembla legislativa .
mente a Inspeccio e tomada de cintas a que se seu offlcio de 12 do crrante sob n. 16, passo por
15ZfSS?1!.* 3/0' '"Jlu8^ Ocio designo o ia 29 de abril prximo vindouro porque se ignora a sua orlgem.
de minba estima j fi""6"* '"'* ma,riz da freoeiia de S" para a junta ren.r-se e proceder aos trabalhos de O Archivo Rural, folha de Lisboa, consagrada
rsT-Dtao mesmo.-De ordem de S. Exc. f."*1 ar,i da' 7 de 9 de a0$,e ?^a-,or-'.d~ .timo numero que se pro
t^pSPJfgSfi,fiSSSlk ffife iT Poriari.--OvKe-presdente da provincia tendo
w K9' nn ^ ~_, i? in.x ,. i midade com a informacao do chefe da repartidlo
onto d7?6do^ do corrente, sob nar e vulgarsar os processos aperfelcoados da fia-
e,- ,,e' passo *-' ? v- s" o. 87 conceder-lhe 2 mezes de prorogacao para a cao de seda.
coaclusao das obras do seu contracto, a contar do m Os jornaes de Braga dizem que
dia em que se lindar o praso marcado
jecta em Traz-os-Monles a fnndacio de um estabe-
lecimento de seheullura. A empresa propde se,
medanle nm pequeo subsidio, dado pelo gover-
no, durante cinco annos a promover e premiar a
plaotaco das boas casias de amoreiras ; ragas de
sirgo; a instruir os criadores nos raals convenien-
tes methodos da sericultura ; e finalmente a ensl-
de ordem de S. Exc. o Sr. vice-presidente da pro
vincia, para serem presentes a assembla legislati-
va proviocial, as copias do despacho dado pela pre-
sidencia indeferindo a supptica do ex-fiscal da
freguezia dos A (Togados e da informacao ministra-
da pela cmara municipal do Recite em 3 de
novembro do anno prximo passado.
N. 53.Dito ao mesmo.Para ser presente a
assembla legislativa provincial, e era solocao ao
seu offlcio de 13 do correnle sob n. 18, passo por
copia as mos de V. S. de ordem de S. Exc. o Sr.
vice-presidente da provincia, o parecer do Exm.
prelado diocesano relativamente ao projee lo o. 6
do corrente anno, transferindo a sede da frncoezia
de Taqnariiinga para a povoaco de Vertentes da
mesma freguezia.
-V 54.uno ao mesmo.Para ser presente a
que se lindar o praso marcado para esse
Mm. Fizersra-se as necessarias commnnicaces.
Dita O via-j-presidenie da provincia atienden-
do ao t]0 reqnWeo o Ot. Praoeisco Pinto Pessoa,
professor do Curso"Commerelal Pernambucano,
resolve eroeeder-lhe 3 mezes de licenca com os
vencimentos da lei, para tratar de sna ande fra
da provincia,
Dita. 0 vice-presidente da provincia, atten-
dendo ao que requereu o juiz municipal de orphos
do termo do Tacart, bacturel Vicente Ferreira
Lima, resolve conceder-lhe 3 mezes de licenca sem
vencioentos, para tratar de sua saude onde lhe
convier.
o Sr. visconde
de Pindella, governador civil d'aqnelle 'dislricto,
: na viagem que ltimamente diera a Lisboa, para
tratar de melhoramentos locaes, oblivera autorlsa-
cao do govarao para or anisar nm eorpo an poti-
; cia na capital do districlo, e um outro menos nu-
meroso em Guimares.
Com as ultimas chovas cresceram mnito as
aguas no rio Lima, e ioundaram nma boa pane
i do bairro baixo da villa de Ponte do Lima. As
aguas chegaram a urna altura de que nao havia
exemplo. Os prejoisos nao foram de importancia.
A cmara municipal do coocelho de Coimbra,
que findou a sua gerencia ero 3 de dezembro nlti-
teve no biennio
deve proceder' annualmente no presidio de Fer-
nando, assim o communico a V. S. para sen co
oheciroento e direceo.Neste sentido comraunl-
cou-se ao commandante do presidio de Fernan-
do.
Dito ao mesmo.Transmuto a V. S. para seu
conhecimento e Om conveniente o incluso pret em
duplcala que me remetteu o mareehal comman-
dante das armas com offlcio de 17 do corrente, sob
n. 530, tirando vencraentos, relativos a primeira I mado^^Qaintiliano Heorique ^aOujMiMma,
desle mez, para as pracas do Io corpo
quinzena desle mez, para as pracas
promisorio.
Dito ao mesmo.Recommendo a V. S. qoe estan-
do em termos os 2 prets juntos em duplcala e nao
havendo inconveniente, mande pagar os vencraen-
tos relativos a primeira quinzena deste mez, das
pragas do 6 batalho de infamara da guarda na-
cional deste municipio destacadas as fortalezas
mo, leve no biennio de 18641865 a receita de
Dita.-O vice-presidente da provincia, atienden- 67:488*359, e a despeza de 60:6809122, passando
. do ao que requereu Augusto Rufino de Almeida, para a conia da nova administraco municipal um
EE^S 6.m SSr-2: escrivo do civel e labello de notas do Rio-For- saldo de 6:808*237.
moso, resolve conceder lhe 30 dias de lloenga O movimento da roda dos expostos, no dito bien-
para tratar de sua sande. nio foi o seguale :
i incllMii,. hxpedleute do secretario < ,0S( eofraram no decurso do biennio 1,123-iodos
?eroo, do da de marco ae %fa Abatendo 547 que falleceram, e os que sa-
1866. hiram por ter completado sete annos ou haver si-
H. 53. Offlcio ao Dr. 1. secretario da assera-! do reclamados, ficaram a criar em 31 de dezem-
Mea legislativa provincial. Pssso por copia as bro passalo 1:378.
mi03 de V. S., de ordem de sua Exc. o Sr. vice- A junta geral do dilo dislricto, na consulta do
presidente da provincia, para ser presenta a as- anno passado ao governo, tratando da estrada or-
serabla legislativa provincial, a Inforraago que diara que deve communicar a eslago do cam-
minislrou o chefe da reparligo das obras publicas nho de Ierro do Loure com a foz do Mondejo lem-
em 9 do corrente, acerca do requerimenlo da vlu- bra o ligar por ura ramal de caminho de ferro o
va e testamenteira de Jos Mamede Alves Per- porto martimo da Figoeira da Foz com a eslago
reiaa, que acompaohou o offlcio de V. S. de 6 do de Soure. As obras de arle reduzem-se apenas a
copia as mos de V. S. de ordem de S. Exc. o Sr.
vice-presidenle da provincia, o ptrecer do Exm.
prelado diocesano relativamente ao project > n. 43
do anno prximo passado, removendo a sede da
freguezia de Itamarac para povoaco do Pilar da
mesma freguezia.
- 20 -
Offlcio ao Exm. general commandante das ar-
mas. Resolvendo nesta data que o alferes refor-
reassuma o exercicio das funcgdes de instructor
dos menores do arsenal de guerra, que deixra
por ter segoido para a campanba como lenle em
commisso no 1 corpo de voluntarios da patria
desta provincia, assim o communico a V. Etc. pa-
ra seu conhecimento.Communicou-se ao director <
do arsenal de suerra.
Dito
corrente sob o. 6, a qual tica assim respondido.
X. 56. Dito ao mesmo. De ordem de sua Exc.
I o Sr. vicepresidente' da provincia, passo as roaos
no. Uueira V. Exc. Informar-me de y s para serera puentes a assembla legisla-
do Brum e Buraco, visto assim o haver solicitado o acerca do que pede Mara Joaquina da Conceigao, [iva provincial as inclusas copias exigidas tus 1."
respectivo commandante superior em offlcio de 17 nos inclusos requerimentos. 2o e 4* 8 do offlcio de V. S. de 17 do correnle,
do corrente sob n. 80 Dito ao inspector da thesouraria de fazenda. I sob 0 23 relaiivamente a indemnlsacao pela
Dito ao mesmo.Transmiti a V. S. para os nns | Cora a inclusa copia do art. 13 do contrato celebra- > aber[Ura de um canal feto no engenho Trapi-
convenientes as inclusas contas por duplcate, da j do em 30 de dezambro de 1863, com o Dr. Jos ene- de proprledade do tinado brigadeiro Gaspar
urna ponte no sitio de Lares, de muito f>cil cons-
truego ero consequencia da eslreiteza do leite do
rio, e da extensa penedia que a natureza ahi for-
mn na margem direita do Mondego. A esta obra
e a um aterro nao muito elevado se limita o prin-
cipal trabalho desta utilissima va de coramunica-
cao. O terreno est no resto do tragado quasl ni-
velado naturalmente.
E se por um lado ha facilidade tecbmea na
cial.Providencie V. S. para que estando em ter- siglo de V. S. contida em offlcio de hontem sob n.
mos o pret junio em duplcala a que se refere o \ 146, a que velo annexo o requerimenlo que inclu-
offico do commandante superior da comarca
*5!
do sodevolvo.
Pao d'Alho datado de 15 do correnle, e nao haven-
do inconveniente, sejam pagos os vencimenlos
correspondentes ao mez de fevereiro ultimo, do
destacamento de suardas naclonaes existente
naquella villa.
Dito ao mesmo.Mande V. S. pagar a typogra-
phia do Diario de Pernambueo. em vista da inclusa
conta, a quanlia de 185 proveniente de iropressdes
feitas para a secretaria do governo como se v da
mencionada conta.
Dito ao mesmo.Annuindo ao que soliciton o
commandante superior da comarca do Pao d'Alho
em offlelo de 16 do corrente, recommendo a V. S.
que se nao bouver inconveniente, mande pagar em
vista da folha junta em duplcala os vencimenlos
a contar de 3 de dezembro do anno prximo passa-
do at o ultimo de fevereiro lindo, do alferes Al-
xandre Barbosa da Silva Jnior, commandante do
destacamento de guardas nacionaes existente
naquella villa.
Dito ao mesmo.Estando era termos o pret junto
em duplcala e nao havendo inconveniente, mande
V. S. pagar ao cabo Flix Daco de Barros, con-
forme soliciton o commandante superior da co-
marca do Cabo, em offlcio de n. 217 de 16 do
corrente, a importancia dos vencmentos relativos
a primeira quinzena desle mez, do destacamento
de guardas nacionaes existente na villa de
Ipojuca.
Dito ao commandante superior da guarda nacio-
nal do Reeife. Expega V. S. suas ordeos afim de
que nm dos baialbSes da guarda nacional sob sen
commando snperlor, acompanhe as imagens do
Senhor Bom Jess dos Passos e de Sua Sanlissima
Mi, que em procisso tem de sahir da igreja da
Santa Cruz da freguezia da Boa-Vista, no dia 23 do
oorrente, as 2^ horas da tarde.
Dito ao commandante superior da guarda nacio-
nal de Olinda e Iguarass.Expega V. S. suas
ordens aflm de que urna guarda de honra do bata-
lho n. 9 de Infantera da guarda nacional sob seu
commando superior, acompanhe a procisso do
Senhor Bom Jess dos Passos de encontr qne tem
de sabir da calhedral da cidade de Olinda no dia
23 do corrente as 5 oras da tarde.
Dito ao commandante superior da guarda nacio-
nal de Pao d'Alho.Para salisfazer o aviso de 19
de Janeiro prximo pastado, do ministerio dos ne-
gocios da justiga, cumpre que V. S. informe se o
batalho n. 51 da guarda nacional sob seu com-
mando snperlor. se acba as condigdes da circular
d 18 de novembro de 1859.
Dilo ao director do arsenal do guerra-Mande
V. S. recebar e recolber nos armazens desse ars?
Dito ao mesmo. Senao houver Inconveniente
mande V. S. pagar a Joaauim Marques dos Santos
Souza Mello, como pede no incluso requerimento
a quanlia de S03000, porque alugou um ca ro que
mporlancia
Porto, nio tem coramnnicago com a linha frrea
do norle ; est completamente solada sem estra-
da a macadam construida, que a ligue com a ca-
pital do dislricto; sem navegagao que as enchen
les
Secretaria do bispado de Per-
nambneo.
conduzlo o Dr. Ignaio Firroo Xa'vier, .nspe.tor'da 2ttttSSTStttt STS&l^^i 2&ST
sade publica a cidade da Victoria, onde foi por, no dia 15, de S. Fre Pedro Gongalves do Recite no; ^\e ?r"uJ^ ^
ordem desta presidencia tomar conhecimento de da 2i, e de S. Jos no dia 29 pelas 9 horas da ma-! g Sffiet^reliifc^aSSfi S
urna molestia que all apparecera, podendo esse nha irapreterivelmente. Recommenda ainda qae: duascapuaesdo reino, pela grande arteria que
pagamento ser ffectuado" "sob minba responsabill- todos os chrismandos devem comparecer prepara
dade nos termos do decreto n. 2884 do i" de fve- dos com o Sacramento da confisso, como j foi ao
reiro de 1862, se para isso nao bouver crdito. nunciado.
Dito ao mesmo.Restituiodo a V. S. o requer- > Palacio da Soledade, 2 de abril de 1866.O co
ment documentado que veio annexo ao seu offlcio neg secretario, Marcelino Antanio Dornellas.
de hontem sob n. 148, e no qual o tenente-coronel
as poe em contacte.
Pedro Pessda de Siqeira Campos, commandan-
te do 4* corpo de voluntarios desta provincia, pede
pagamento da quantia por elle despendida com a
condugio de 4 caixoes desta capital para a villa de
Flores, contendo fardamento para o predito corpo
e com o aluguel de 3 mezes da casa que all ser-
vio de quartel, recoromendo-lhe que de conformi-
dade com o seu citado offlcio mande effectuir esse
pagamento na importancia de 805000 como se v
dos mencionados documentos.
Dito ao inspector da thesouraria provincial.
Constando do offlcio junto por copia, que me diri-
gi o chefe da reparligo das obras publicas, em
16 do corrente sob n. 84, baver o emprelteiro do
calgamento desta eldade feito no mez de fevereiro
ullimo, obra na importancia de 20:36660O, re-
A caixa econmica de Aveiro, insiltuigo mu
proveitosa s classes laboriosas, caminha prspe-
ramente. Pelo relatorio e contas respetantes ao
anno Ando, v se qoe a somma dos depsitos rece-
bidos dnrante aqnelle anno foi de 7:869*850 rs.
Foram 198 os depositantes, inclnindo 189 novos ou
concurrentes caixa pela primeira vez. D'estes,
47 sao operarios ou criados de servir, 19 sao me-
' ores, comprehendendo n'elles 11 filhos de opera-
rios lamoero depositantes, e apenas 22 perlencem a
C H.5?r !*? B,A i bonaso telal dos depositantes ero 31 de dezem-
RIO 1B PKMinHUUI 5,0 0|t,mo era de 348 de8teS) 153 pertenciam
porto. j classe operarla.
A. ordem terceira de S. Francisco fez este anno! ,D'a(>ai concloe ,*a? ? ,nume/, dos, **2
chamada de cinza na imporuote com relacao a totalidade dos deposi-
a sua ma gestos a procisso ------
Juarta feira em qne a igreja celebra a imposigo tantes.
as clnzas. Depois do cerco do Porto saino pela ] o tribunal do commercio do Porto, julgou em
primeira vez em 1850 e desde entao mais quatro estado de quebra, desde 16 de janeiro ultimo, o
ou cinco vetes em annos alterados. j Sr. Jos pereira Pinheiro, negociante de fazendas
O cortejo ia numeroso e nflle encorporados al- de seda, lia e algodo, n'esta cidade.
coramendo a V. S. que em vista do competente guns irmaos da ordem terceira dos franciscanos da ; o mesmo tribunal declarou fallidos, por apre-
certifleado mande pagar aquella quanlia.Com- cidade de Guimares, que vieram exprejsaraente sentagao, desde o dia 22 do corrente, o Sr. Luiz
munlcou-se ao chefe da reparticao das obras pn-! para tomar parte neste acto religioso. No numero Bernardino Lopes, coramerciantes de vinhos e os
blieas. 14e*ses irmaos coniava-se o Sr. visconde de Santa 1 grs. Joo Baptista de Castro & C. coramerciantes
Dito ao mesmo. -Annuindo ao que solicitan no! Ltta. ministro da dita ordem. de vinhos e consignatarios de navios, lodo d'esta
A procisso levava dote andores com magnin-' praca.
cenca. O conduzia a magero de Nossa Senho-:
ra da Conceigao, o a de S. Francisco dando a i Faneceram1: no Porto, no dia14,^o Sr Joao An-
res dos bem casados, o 3 a de Sania Angela de tomo Vielra da Silva, que te, comercianie no Rio
Fnlgino, o 4 a de S. Roqoe, confesser, o 5* a de Grande do Sul no da 17, o Sr. Lolz Cardo da
coras ponucas, em .mcio ue 1/ uo crreme soo n., Sania Rosa de V.lerbo. o> a de Santo Ivo o 7- a Si Pinto commerciante 5 er,21, o S Bruno d^
88. recommendo a V. S-que mande pagar ao sup- de Santa Margridal^ Cortea 08" a de & Lu| ?^E^*
p cante a quanlia de 1:650*000, a que tem dire- rei de Franga, o 9 a de santa Isabel, rainna oa
Hungra, o 10* a de 8. Carlos Bonomeu, o II a
de Santa Isabel, rainha de Portugal, o 12 a do
Senbor Jess.
Os anjinhos ara vestidos com elegancia e ri-
queza.
Debaixo do palito levava a relinoin o Revd. pa-
dre comraissario dos tercelros M S. Francisco de
Gnlmaries. y^
Fechava o cortejo religioso o regiment de in-
fanlaria n. 18.
A procisj|o abjt pelas 4 horas da larde da
incluso requerimento documentado o contratante:
dos reparos e alteragdes mandadas, fazer na casa,
que serve de cadeia na villa do Salgneiro, major i
Alexandre Gomes de S, e tendo em vista o que .
esse respeito ioformou o chefe da reparligo das
obras publicas, ero offlcio de 17 do corrente sob n.
lo, proveniente da segunda prestagio do seu con-
trato.
Dito ao mesmo.Constando de offlcio do chele
da reparticao das obras publicas, datado de honjem
e sob n. 94, haver sido receblda provisoriamente a
obra dos reparos de 2095 bragas da estrada do sul
a partir do marco 8000 bracas at o porto da bar-
reira da ponte dos Carvalhos, a qual j se acha
concluida de conformidade coro o respectivo orga-
menlo, assim o communico a V. S. para seu conhe-
cimento, e afim j que em vista do competente
o Sr.
Mauricio Lopes commerciante e director do Banco
Allianga; e na eidade de Braga a seohora condessa
de Villa Pouoa D. Maria Antonia Leite Pereira de
Mello de Sonta Teixeira Alcoforado. Conlava 80
annos de idade e era mal de actual conde de Villa
Pouca.
Na missiva passada noticiamos o naufragio da
barca Goethe pertencente ao Mr. Joo Henrique
Andresen, commerciante deste praga, e boje temos
a dar a perda do patacho Jouffaa proprledade de
dito corameroianle, cojo patacho te iMhBilk'
titnde 3{j N, e longltude 68 O. vlijdo Esta noticia foi dada pela barca ingieza Labora-
mus, entrada na Bermnda em 16 do corrente mez,
referlndo que de toda a inpolago se salvara ape-
nas o contra-raeslre, que tora recebido a bordo da
mencionada barca.
No dia 9 naufragou ao sul da barra da Figueira
o cahiqoe portuguez Senhora do Rosario. Vinha
de Setubal para a juelle porto com carga de sardi-
nha. A causa do slnistro foi a perda do leme
quando o eabique demandava a barra. Coro a
violencia do mar desfez-se o casco, perdendo-se
toda a carga. O dono do cahique era o propno
mestre d'elle, o Sr. Antonio Vlegas Fuzeta.
Ao entrar a barra de Vlenna do Castello perdeu-
se no dia 12 o hiale Dous Irmaos I, procedente de
selubal com carregamenio de sal, etc. Vinha com
agua abena, tendo sido obrigado a alejar carga ao
mar na noote anterior ao da do naufragio. O cas-
co do navio foi levado pelo mar, tendo-se antes sal-
vado a iripolago.
Aioda outro hiate denominado Senhora da Guia
se a fundn no dia 22 prximo do Cabo Mondego.
Perlencia praga do Porto. A Iripolago que
consiava de nove pessoas inclnindo o mestre, sal-
v- u-se com a roopa e alguns outros objectos pe-
queos na laacha, a qual sendo vi-u no dia 23, a
dobrar o Cabo, foi pelas 3 horas da larde abordada
e seguidamente rebocada at a' praia de Buarcos.
por um barco de pesca, que para esse fim izera
sahir d'alli o Sr. capilo do porto.
Por parlicipago do director da alfandega de
Ponte Delgada, publicada na folha offlcial, consta
que no dia 21 de Janeiro se incendiara em frente
da ilba de Santa Mara a galera franceza Solferino,
procedente de Pernambueo, com escala por Ma-
cen), e destino para o Havre de Grace, levando car-
ga de algodo era raraa e caf, salvndose toda a
Iripolago e dous passageiros na lancha do mesmo
na >-io.
O deposito de vinhos as docas de Londres era
no 1. do corrente mez, o seguinle: m .
Vinhos do Porte 21,576 pipas, 6,384 meias e
4,573 quartos, fazendo um total de 25,911 pipas ou
mais 2,271 do que em igual dia do anno pas-
sado.
Vinhos de Franga 4,318 pipas, e do Gerez 36,900
cascos.
Os vinhos de ontras procedencias sommavam
11,133 pipas.
Eotraram : em 19-de fevereiro a barca S. Ma-
noel II do Rio de Janeiro; em 20 a galera Nova
Fama I do mesmo porto, por Lisboa.
Sahlrara : era 19 o hiale Gratidao para a Ba-
ha, e a barca Sympathia, para Pernambueo.
Addlcionamos a esta carta a relago dos exposi-
tores portogoezes a quem foram conferidas meda-
Ihas de honra pelos productos que mandaram
exposigo internacional porlugueza, e cuja relago
foi lida no acto solemne do encerramento da mes-
ma exposigo :
I.* Grupo.
James Masn, pela importanlissima explorago
da mina de cobre de S. Domingos.
2. Grnpo.
ConselhO Ultramarino, pe importancia ricacol-
lecgo dos productos das colonias portuguezas.
3." Grupo.
Administrado gerai das maltas do reino de Por-
tugal, pela boa collecgo de madeiras e perfeigo
dos productos exlrabidos d'ellas.
4." Grupo.
D. Antonia Adelaide Ferreira, pelos seus ptimos
vinhos da quinta do Vesuvio, e cora especialidade
pelos de 1815 e 1851.
Comroisse exposilora de Moncorvo, pela im-
portante collecgo de productos e especialmente
sedaj.
Conde de villa Pouca, pelos seos bons vinhos da
quinta da Ponte de Celleiros, entre os quaes se dis-
tingua o alvaralbo de 1840.
Fabrica de Xabregas, pela superior qualidade de
seus variadsimos tabacos.
Jacinlho Pereira Valverde Miranda e Vasconcel-
os, pela seda, e pelos seus importantes trbateos
om lavor desta interessante e Mil industria.
Jos de Almeida Campos Jnior, por urna col-
lecgo de excellentes vinhos velhos, sendo entre
elles muito notaveis o bastardo de 1834 e o mosca-
tel de 1840.
Jos Mara Rabello Valente, pelos seus magnfi-
cos vinhos da quima do Noval.
Jos Cardoso Garcez MaldonadoPortopela se-
da e pelos seos iraportantissimos trabalhos em fa-
vor d'esta interesante e Mil industria.
Jos Maria Rabello Valente e T. Archer, pelos
seus vinhos do Porte, e com especialidade pelos de
1863 e 1864, baslardo de 1864 e branco de 1812 e
1820.
Manoel Antonio de Araujo Veiga, pela sua pti-
ma amexa doce de Elvas, preparada a vapor, de
que faz grande exporiagao para a Inglaterra, Ros-
sia, Suecia e Brasil.
6. Grupo.
Arsenal da marrana, pela collecgo de seus ins-
trumentos e progressive adiamntenlo de seus tra-
balhos.
Fundigo de Massarellos (companhia Aliianga)
pelo grande desenvolv ment da fabricarlo, pelo
bem acabado dos artefactos expostas e pelos esfor-
gos empenbados constantemente e coro xito pela
direcgo deste estabeleciroento para competir em
prego e perfeigo com os productos elrangelros.
8. Grupo.
Imprensa nacional de Lisboa, pela superioridada
e nitidez das publicarles feitas n'este nptavel esta-
belecimento.
Instllnlo geograpblco, pela perfeigo dos mappas
geographicos do pan.
.Manoel Alfonso Espregueira, pelos planos com-
pletos de um porto artificial em Leixdes.
9. Grupo.
Anjos Cunba Miranda & C, pela perfeigo das
estamparlas de chitas, lengos e chales, pelo aug-
mento de produego e compelencia cem idnticos
productos esiraogeiros.
Bernardo Daupias, pela varedade e distinego
dos teeldos de tea, importancia do estabelecimento
e progressos reallsados.
Cmara mcniclpal de Guimares, pela importan-
te industria de flacao e teeldos de lioho.
Companhia de naco Lisbonense, pela perfeigo
do fio e da linba; importancia da fabricagao e pro-
gresso realisado.
Companhia de fiaco Portoense, pela perfeigo
do fio de algodo, e importancia da fabricagao.
Companhia da fabrica de Oaco de Crastone, pe-
la perleice do fio de algodo, e importancia da fa-
bricagao.
Companhia de Lanificios de Lordello, pela vare-
dade e perfeigo dos pannos, progresso felto e im-
portancia da fabricagao. .
Cordeiro & Irmo, pela boa qualidade e perfei-
go dos tecidos de seda fabricados em lear mecha-
nico. ._
Fabrica de fiaco da Balsa, pela perfeigo do a
de algodo e importancia da fabricagao.
Sociedade da fabrica de fiacSo do Rio de Vizella.
pela perfeigo do fio de algodo e importancia da
fabricagao.
10.* Grupo.
Agostinho Roxo, pela superioridade, e importen,
oa da sna fabricagao de chapeos de hornea.
Guilherme Pfaff, pela perfeigo, importancia e
elegancia da sna fabricagao de movis.
Henrique Shalck, pela perteico e importancia
dn sna fabricagao de botoes, preces, oo|herw t 0*
tros objectos e metal.






Ola rio f*MMMfcac* ?er$& felra i t Abril de 1866.
-i-

, aa-r r ,f i
ai-yaga


^jBWHMW leiiberara' e o presidente exe-
i pfsl-mnfM Aft"*j ter'sl&acto^o oradordi^ que ^lle proprio ***** r/*MJf^WJJencias que a raaioria vour.
Joao Manoel Miruhs, pela perfeigae-das obra defde
-ciareea.iru, bilhar, mesa, etc.
Ji '.aeaao d almeida Navarro, pola impor-
tancia, Tariddamtd perfoigavda sm faorieaco de
carrnagans.. _^~<' '.',,' .*
Jos Francisco da Piedade, pela perfelcao dos
seas guardas charas, e importancia da fabrica-
cao. <-
- Oficina acceleragio, pela boa qaalidade, utiliaa-
de e importancia dos productos de madehra, e af-
plicagao das machinas para esta fabrieago.
11. Grupo.
Joan Tnoraai Cardoso, pela encllenle coostruc-
cao e ptimo acabameato do foglo, cofrt e maf s
obras de farro.
Mouro & Irmo, pela aellea, delicado gosto, e
perfelcio de suas obras de ourivesana, e desenvot-
vimenlo que tem dado a esta arte.
Viav Moreira & Filtro, pera gostu, bellea e per-
feigo das obras de prata gravada e de filagrana, e
desenvolTlmento qae lem dado a esta arle.
11," Grup".
Sua roaeestade el-rel o Sr. D. Fernando, pela aj-
ta protergao que se tem dignado dar as bellas-ar-
tes era Portugal.
Socledade promotora das bellas arte?, pelo nota-
vcl.e tnui proficuo impulso que tem dado as bellas-
artes.
Thomai Jos da Anuunciacao, pela excellencia
de seus qoadros, e por ser o creador de urna esco-
la de paizagem em Portugal.
canr-ar cotrswjnwrcias do seu acto,
documentos, sem lanzar cenaras neii dfTMeWea-
mandando, como devia, respirasabillsar o presiden- Sr. Castello Branco. .
u> c-o infringid' a-l#i. Asum a* amador*-eUe Bizque todo os elogios feito ao fk
ofador. Na sessio pasgada foi o illusffedepdllaV Wtaco oo servem de argumento paral*
dito em nm parecer que um presidente Bao tinha
attendido devldamente as conveniencias da proviu
ola, e nao haver o incluido pela sua responselnli*
dade.
Agora o honrado Sr. Ribeiro pedsa, qae aWHtf
rateo deve haver para dever-se increpar a codhnis-
sao de orgamento dessa incoherencia.
O orador entra em outras cofisideraeSae (*uio
bem).
Vem mesa ama emenda ao parecef, asslgnada
pelo Sr. Costa Ribeiro, dizendo que em vista das
vantagens qoe resultara para a provifccia d acto
do Sr. Castello Branco deve ser approvado.
Falta em seguida o Sr. Or. Gaspar D maimona.
O nobre depuiado comeca diieodo que nunca se
achou em condiges to desfavoravls em urna dis-
siao de defender aqueile administrador
doria com que deixou de sanecionar os abates con
cedidos por esta assembla ; mas que do caso en)
disco** o acto de S. Eto. pode ser releTao,
justiBcado talvea al eerto poj mal Banca se
mostrara qoe rol pratieado conforme a le. (Apoia-
dos.)
O Sf. Buarque dif, que b honrada S. Gaspf
coatpitaMlM aid<* ais a cauea do Sr. Castello
Braaoo qatado tratoa do crdito. O Ilustre de-
puud* tfrewntoo o 9r. Ostello Branco como m
hoflNm caprichos, por qoanto tendo autora**
um pagamento irregular contra o qual reclamou o
ST.'liSpeeier S th'esoararia, insisti n'esee paga-
mento nao obstante as Justas ponderales d'aquelle
fuatclonlo, que se Qrnlava na lei.
etwflJffc-
eral, onde sera' eleito o membro
IV
PERNMBUCG,
____.:___________...... r- n -i 1 ........"
ASSEMBLA LEGISLATIVA PROVINCIAL.
SES" ORDINARIA EM i7 DEMARCO
DE 1866.
PRKSIDEWCtA DO 9H. VICARIO FRANCISCO Pfit>l0 DA
SILVA.
As onze bors e tres quarto* feitt a chamada,
verlflca-se estte *res os BW. deputados
Francisco Pedfo, RaSos, A'jrre, Sergio, Buarqap,
Lopes Machado, Arminf, Paes de Andrade, Amo-
rim, Mergulhao, HIsbeHo, JoVJlrh Tavafs, Ati-
gusto de Sottza Leo, Sergio, J. Reg Barros, Ti-
burtino, Eparamondas, Joo Telxeira, Amynta?,
Jeronyrao, Aodr, BoareS BraAdao, Cicero, Candi-
do Martins, Corfa da Silva e RlBerro.
Abre-se a sessao.
L- O S. f SRCRSTAnro l rtgRrte
EXPEDIEftni.
Um officfo do secretario dd govetno, refneltenflo
a inforroaco do regedor do Gyranasl acerca do
requenmento d(? pbriefrb da'qtrlle estabelecimento.
A' quem fez i requisigSo.
Oatro, remetteiido entras infofma$5es do rasnro
regedof.A' qem fez rftquislOd-
Outro, remetiendo diversos autogfaphds das" lefs
sanecionadas este anno.A afflivar'se.
lima fJeticao da vlnva Miraede Altes Prrlra,
em qne solicita o pagamento de serranas que Ihe
sao devrdas. A' commisso de orcmento.
Outra da irmandade do Espirito Santo, slliCi-
tando pffefbefa para as stas loteras.A' com-
misso d or{ameoto.
L se e Mr* efli disetissio um parecer da com-
missSo d ordenados, pedindo InfrmagSes a' junta
da Sania Casa1 dos exposlos.-^Apprdvado.
Ontfo da commisso d negocios ecclesistftos,
declarando que tfqn sem effeito a appfovacSo pro-
visoria da presidencia da pfvtttafa dada ao com-
promisso da irmandade das almas de S. Loured-
^o.Aptfftrvado.
Outro da mesma coiirtniSso, apflrovaUdd o com-
prorhi'so di irmahdad do SBhor tom Jsd*da
igrej de S. Goncalo.-A' imprimir.
L-se e entra m drscussio, e atrprvada a re-
daccao do projecto n. 48 de 1863.
L-se jfa:se objecW de ffeflberacao um pro-
jecto aotorisando a canalisacao d'agua potavel pa-
ra a Victoria.A imprimir.
ORDEM 00 DA-
1* dlscsiSo db prolectd *. 18" de... elevando o
termo de Crur a corrirca.
Ficou empatado na sessao pssda, pelo que foi
submettido nova dlscussSo.
Ora cootr o projecto o Sf. Barjti*.
O orador diz que nao acredita que seja um acto
de bora patribiisirid a cfelircfo d urna nova co-
marca na provldcia ns tristes dfcomstrieis em
que se cha o thesotro publico. Qnndo todos os
boos cidadffs s unrn para promover acodse-
ihar a economa dos dinhiros pblico?, ttSd deve
a provincia de Pernambuco pelo orgo da as
serabla dar a triste copia d onrar o thesouro
com ama dspeza que nao fl pSlpilabt riecessl
dade.
cusso: que cm o raaior acaohamroto qore entr! S. Exc. s para nao reformar urna simples poT-
no debate, por que se traa de ama peseoa par* el- tarta, moslron-se tetaoso na opinio do Sr. Gas-
le muo cara e de si proprio. i Pa
O Ilustre Sr. Gaspar relata na casa os pormeno- O br. Boarque diz, que segundo todas as
res da aeco intentada pelo sea finado pai conKa a magoes do insoeclor o crdito devia ser autoriaado
fazenda provincial. Diz o orador qae nm presiden-; pela assembla; e qoand essas informagoes o nao
te autorisou a posse do Urreuo onde iei coostrui- dissessem, S. Exc. era basuote alustrado para des-
do o canal dos juncos, nao obstante os protestos do' coihecer os seos aoven. _
sen finado pai; que tendo a companhta Pernambu-! Iosiste para mostrar que nio honve cofitradiccab
cana apossado-se, em vista da ordera-da presidencia da^parteido iospeeMn
do dito terreno e mandado construir contra a too- O oradora de parecer qae e acto do Sr. Castello
tade do seu propnetario o canal em questao, oen-, Branco pode ser relevado pelas raiSes. ^que o Sr.
hum recurso restava mais ae pai do orador seao. Gaspar apreseotoo, mas nueca
a aeco que intentou, nna lhn dea BaDbo da
Cahsa.
e qae ihe deu ganbo de | meios a que
; ( Apoiados.)
Procedaddo-se a liqaidaco e depois desta termi-
nada, o Sr. procurador fiscal poz embaracos ao
respectivo pagamento por julgar nulla aquella, em
vlrtud de falta de formalidades. Em presenta des-
ta circunstancia o Sr. Dr. Castello Branco indefe-
rio a pendi do pal do orador, que reclamava o
pagamento que Ihe era devido. Mais tarde o Sr. pro-
curador fiscal ebegou a um acoordo com pal do
orador, tendo coacorrido muito para Isto o Sr. Dr.
Castello Branco, que insisti para que aquelie fizes-
ge cncessoes em favor da provincia e das despe-
zasdo guerra.
Em consequencia desse accordo o sr. procura-1
ddr fiscal reclamou da presidencia o pagamento da
quaolia ajustada.
A vista disso, diz o Ilustre depuiado, o Sr. Cas-
tello Branco autorisou o pagamento, ao qual repi-
coo o thesoureiro, allegando falla de crdito, por
o termo aecanrarnsBacnr'Em cmrorcOs d eil;
gir a medida qu se pr/WS ; ^tie a c'irirca do
Bonito a jnslica mal destnbuia pela distancia
dos seus termos, tiara qu se possa joigar da con-
veniencia do piojecio.
O orador declara que as mais instabtes recom-
menda^oes se leem feito para que os presidentes
empregaem a sua influencia am das assemblas
provinciaes se mostraren) muito escrupulosas nes-
sas creacoes de comarcas ; que rhais de ma Iei
votada pela aisembla de Pernambuco tem delxa-
do de ser saocciooada, e qae nao digno d lou-
vor que estejamos a revelar pouco zelo pelos di-
nhiros geraes com actos deta orflm.
Faz outras considerag5es, e conclue pela regei-
ca > do urojeclo.
Falla a favor do projecto o Sr. Dr. Efjafpinondas.
O illustre deputado pondera que a despera com
que se vai onerar os cofres apenas a dos orde-
nados de nm juiz de direito e um promotor. En-
tretanto as vantagens que resultam da creacao da
comarca s mmensas. No Bonito muitas vezes
ba grandes difflculdades d tnspohe, e sto da'
lugar a que nem sempre se possa dar boa distfi-
bu;o najustica. ... ltt.
O oraior mostra a xtnsap da corriafca, qu
orna das raaiores e mais populosas. Acredita que
nestas condicSes a medida til e urgente
Entra m outras observares coclue votando
pelo projecto. .
Encerrada a discussp o projecto approvado.
1* discusso do projecto n. 27, creando escolas
nocturnas.AppfoTado sem dbate.
2* discassao do projecto n. 10 de 1860, sobre os
professores e substitutos do Gvmnso Provincial.
Nao tendo anda a commisso de ordenados da-
do o sea parecer sobre ste projecto, Sea ele
adiado.
2a discussp do projecto n. t deste anno, ele-
vando o ordenado dos professores da Escola Nor-
mal.Approvado sem dlscdsso.
nica dlscussSo da soluto n. 29 deste anno, ap
provando um compromisso.Approvado sem ais-
i* discdssao d prjcttn. 6 d. 8S, aniorisn-
do os reparos de ma ponte sobr 6 rio Goynna.
E' regeitinp. ,,
1* dlscussao db projecto 9. 30 oeste iiio, h-
as
pr'ojc
mno. apnrovando diversos crditos suppleraenta-
res alertos pelo presidente d pfovnici:
provii
ue contrario por oCcasiao da leitura
B, quandd ema' pedia
Nao quer fatigar mais os seus collegas ( oo
apoiados H e nao conclue insistinde pelo reparo fei-
to no seu parecer com relacao ao Medite, decla-
rando qoe, sob a sua palavra de hoioem de bem
qoe se presa de ser, esse reparo (oi o resaltado da
directora resolver iivremente, segundo
acooselharem as circustancias, o qae melhor coa-
Teoha ao pleno desempenho do m da sociedade.
< A ella pwtence regalar e votar as despeui
sociaes, e uoiSer para as commissoes de que tra-
ta o ai^|b2*aesquer pessoasidnea.
t Ao prMOMte compete decidir por si as qWft-
toes de el#MHMe e os negocios dr detaroe.
f Cada dirtwwr, alternadamente, aaMMir os
trabalhos do ewripiorio, mencionado ao artigo 9.
* A directora sera convocada eeftnW par* *
nr conhecioNifo de assumptos IUi|NJr1Hns.
< A directora e o presidente servirlo gratuita-
V
A assembla geral dos socios reunir-sa-ha ama
vez cada anno, para approvar as contis da gestao
e proceder a eleicoes.
t Nessas rennioes ser lido o relatorio da direc-
infor-1 toria, pelo sen presidente.
A assembla geral poder fuoccionar e deli-
berar desde que sejam presentes Tinte socios, pelo
menos.
< Pode ser convocada extraordioariameote para
negocio argente, a jnizd da directora, ou quando
o requeiram cinco dos socios.
VI
Socios podem ser nacionaes e estrangeiros, re-
defendida coa oe j sidentes dentro oo fora do imperio,
os seus collegas.! < Cada socio contribuir com urna aanuidade,
nanea meodr de 4*.
VI*
Servir junto directoria, e ao presidente, um
secretario incumbido dae actas, da corresponde*-
ca eda e*cripiura?ao.
< O escriptorlo oreado no artigo 3* ser dirigido
mais profunda conviccio que tem o orador da irre- pele secretarlo como orgo da directoria, e tara om
gularidade com que se abri esse crdito. (Muito agente auiiliado por u ou mais interpretes, qu
bem, muito bem.) | fallem o portuguee, o inglez e o aHemao, pelo me-
Vem a mesa, apoiada e entra em discassao o dos.
seguinte rqnerimento
llequeiro qoe se peaa ao governoa seguinte in-
formaco :
1." Copia do acto pelo qual se autorisou a cons-
trueco de canal dos juncos no engenho Trapiche;
2.a Se consta que o Uado brigadejro Drnmmond
protestasse Iramediatamente contra a conslruccao
do dito canal etc.
Copia de qaalqaer documento
3. Copia de qaalqaer documento qae autorisas-
estar esgotada a^eVba-EVeniuaes-por^od d- se ou preeedesse a posse do dito canal, etc.8. R.
va oecorrer esse pagamento. Buarque. __u.,.
Ooserva o orador que a inrormaoao da contado-! Nao oavendo numero lega o Sr. presdanlo lo-
ria a qae se referi o sea collega o 8r. Boarque,, Tanta asessdo, e da a seuid* ordem do da :
d.zendo que o crdito devia ser pedido assembla /ftSKtf d"""0 dos 2* sSWm>
tlnha outra explicacao, qual a da circumslanea de 16t 18 e 43 de 1860 ; segunda discussao dos de
achar-se enti fanceinndo a mesma assembla.
Foi em consequencia dessa informacao do the-
soureiro que o Sr. Castello Branco abri o crdito
e autorisou o pagamento. Entretanto o Sr. inspec-
tor da thesourana provincial, reconsiderando o seu
acto, fez novas ponderacoes ao presidente, decla-
randj-lhe qoe em todo o caso s a assembla podia
abrir o crdito. S.
attendendo que eslava lavrado o accordo, e mandou
que o inspector pagassse, nao obstante ae suas oh
setvagSes.
Foi iso o qu se deu.
O honrado Sr. Gaspar fax sentir qae o accordo
celebrado foi muito conveniente aos interesses da
provincia; que o sen fiando pai abaten um couto
de ris no valor daindemnisaco, cedeu outro pa-
ra as despexas da guerra e no restante Aeatam
cmprehendidas as custs, formando ludo um capi-
tal de 2:600), quasi 56 */ da quanlia pedida.
O honrado deputado discorre anda sobre es di-
versos pomos da discusso. Declara que o Sr. Gas-
ten Branco foi um dos mais iilustrados, mais jus-
ticelros e honestos paesidenes desia ^reTincia e
rfne mesmo heste negocio altendeu elle da raekior
forma aos interesses cuja guarda ihe estiva con-
fiada.
Concld duendo, que preciso que se saiba que
nbhuma aecusaejio on censara se levanta na as-
sembla cootr o Sr. Castello Branco sem que a
defza se faca ouvir immediatamente.
Falla o Sr. Buarque em resposu ais rfous ora-
dores, que Ihe precedern).
O orador cometa respondeudo aos argumentos
6 considerares do seu collega o Sr. Costa Ribeiro.
104 de 1864, 6i e 65 de 1865.
REVISTA DIARIA
A Socwiade Internacional de Bmigrac&o fonda-
da na corte, e cojos tins resultam da respectiva de
Ao agente o icterpres inewBbe serem assiduOS
no escriptono, atteaderem aos emigrantes, escla-
rece-las acompanha-loB' e auiha-tos oooao for
conveoiente
Um desses empregados ser o guarda livroe
da sociedade, e o secretario o seo cana.
t O esoriptorio sera zelado por nm porliro.
< Os empregados de que tfata este artigo, sero
nomeados e demittidos pela directoria, qoe Ihe
marcara os vencimentos.
vm
c Actos especiaos votados pela direetoria regu-
la rao a marcha da sociedade, de accordo cem as
presentes bases fieano taes deliberagoes sujeitas
a approTaooo do assembla geral, a quera sero
regularmente eommonieadas.
Tendo sido* encdutrda aftet porl d fa-
do Raogel n. 2, pela ra'a
BeltrSo e i escravos, Manoel R. Martins-Jos Pe-
MV fticinibo, Jos da. Silva Coelhoj Whlo-Joav
qaim oe Miranda, Henjfcatto- Biaio' BoMliWr dos
rreB'Go'mes, Franisco F. Bo'rges Gabrto^ irma
do eiridade, e 1 escravea ontpegar.
Passagelros do Tapor nacional Parakyba, sa-
hido para os nortes do Sul:
, Constanza Barros Reg, Jos Alexandre Pereira,
Mi Ferrelra de Andrade, Theodoro Jos Sepul-
bti Jos Moreira da Costa, Df. Antonio Boarque
de Lima, Jos Pereira de Xeoolhaee e seo fiih
Amonto Jos Ferreira de Magalttaes e Dr. Joaqun
Alvares Pereira de Lyr*.
^- Passageiro do Tofor nMionoV Petmmng *.,'
o para os portos do Norte : n(1
riano Belmiro da GMtt e Silva,
-f Passageiro do hialB" aicTpnalii^COTo / slbidO
para o Ro-Grande00-Norte:
Domingos Henriques de O'.iveira.
Repartida o da -poCicia.
Extractes das partes dos das 29,30 o 31 de mar-
go, 1 e i db aCril de 1866.
Foram recolbidos casa de detencao no dia 28 do
marco :
A' ordem do Dr. delegado da capital, Manoel do
Nascimento Bzerca, como iniciado em crime de
estelionato.
A' ordem do subdelegado da Boa-Vista, Leandro
Pereira de Lima, para correcoio.
A' ordem do subdelegado do Reclfe, Antonio
Cousounick, austraco, a requisigio do respectivo
consol.
A* ordem do da Boa Vista, Antonio, escravo de
Antonio Henriques, por fgido.
-^ 30
A'ordem do de Santo An'.onio, Manoel Jns-
lhro Floriaoo de Araujo, por sospeito em erkde de
rouboi
A' ordem de da Boa-Vista, Pauto) eseraTo de An-
tonio Scoantiao de Mello Reg, a rqwrimeo
deste.
>* 31 *
A' ordem do Dr. delegado da capital, Jos Olas
Lelto, por injuriad Teroaes.
A' ordem da subdelegado do Recito, Jos Domia-
gdfes do Espirito Santo, a requisico do capito d
porto.
A' ordem d d Magdalena, Manoel Pacifico de
Olivelr, parir recrlrta.
f de aflffl. ^
A' ordem do Dr. delegado da capital, Manoel
Per lorio do Natimento, por lfracgao do regola-
ment d estrada de ferrd; e Luiz Mnfeiro, es-
OfBTo de AntoW d Sil# dstno, por fdgido.
A' ordem do subdelegado do Recite, Antonio
Germano, para otreecao.
A' ordem d da Boa-Vista, Ambrosio, esemej d
Jos Joaqun! da Fon sica GlvO, por fgido.
A" ordem db d Morlbeca, Thoto Paz do Reg,
por crme de mofle.
O chefe da 2' secld,
/. G. de Maquittt.
LEMITBniO PUBLICO, OBITOABtO DO WA 28 BB
* Ho^a^K" do^^^l^'WlJ^^
to-
SSdlSe%arldor
gadorAart ,
As appeflag*5es cive.
Appellante, Vicente Jos de BriJOf appeHflc>
Jeaquim Antonio pereira.
Appellante, Segismundo Swr#jjW Santos ;op-
pellado, Vicente Fefreira Paolibailfcmb?
Do S. tosembargtor ASWe aoWoeseBoorfa-
dbrDorto-
ApMkg%>flve)>-
AppeBtofc, Jos Hfloso ib AMif> appelatfp,
lo C(W%a.^_______^
kar|!0er VfMIWfc-desembar ja-
dbrSiWlago
___ A appellagle civel.
AppflTTaaie,Tgnaele Jalo Dlven, aiipelUd, B
ton i Pereira Lobo de Brille.
A 1 hora eocerrdu s a sesso e deram-so-as fc-
rMs oo paseboo:
lttiiXM
IMCiOV
pjaoajaj
a#
Boa-Vista : ra-
008*-
brea de charutos, ra
nhaa de hoje (30), d qBf pfprietanO Bymotf;; tlUtcn^"2T|?f"
db Pereira Sejfcrt, fi ajMhj por J^SSifliio, Pero.mbuco,
um visibho e dingindo-s i Seu estabelecimento | g^jggg ,j0 afl^s '
,, nao qorrecuar oomlDaco/faramjippello a imprensa nacional. SgBbSffUimW*J.\^S& Prafnbci,, 8 eres, Boa^Visf;
rmaVrooio'! s isendo W preoiAi as protfsas aterTgoi-
j^STBSif "ocontro IttUiH Wj* SBffl
ba importancia de pefto de qlnnentos din res e
tres letr j figas e pelas1 qdisror Slqelra fS-
ponsavel a Antonio Ferreira Pinto.
Quancf os iteresaos e cortesos se occpS var
com o estabelecimento de S^jutra, eis que tam-
bera se annuncia o roabo do dtlo Pinto, (jde tem
deposito de totte* jofeto aquella fabrica, encentran
do-se nm arrorobaraeirto uo wiliado da casa d
Pilo, pelo qual dizia-se fizera os routadores
entrada, sendo qae ex istia jflnto as easts re imada
assim ao joroaiismo das provincias
nesse appello o concurso delle, para a
dos tins patriticos que a mesma sociedade
em vista.
Sao estes porcerto to' maaifeslos, que forros-
nos a' ama apresontacao da sua importancia, e da
conveniencia anda de serem secundados em inte-
resse do paiz ; e como ja' demos a circular dirigi-
da a imprensa das provincias, o Merecemos agora
a leitura publ/ca o seguinte, que resume toda essa
sociedade em seus caracteres syntbetroos de valor
e interesse patritico para o imperio.
salisfeito aos cavalhei
I alguma.
Pinto disse qae o tiaham roubado na rjatitia de
; setenta e untos mil ro dlooeiro aparado* na se-
mana.
Procedidas as necessarias averiguares, segundo
E" preciso, diz o Sr. Barq, queje rpostr qu* iuga-eonYonremo voirar a essa na roeporta; WWS
Assim, parece-nos baTer wimw > tramr, -' arigaa* nao orastara irtlidade
ros que firmara a referida eircolar ; porqnanto tu-1 *^0' qa*M rerm,t(m Bao P omiaaoo
do quanto sobre a materia honvessemos de expen-
der, aeha-se prevenido em seus considerandos.
f SOCIEDADE INTERNACIONAL D2 EMIGHAQiO.
Considerando qae a pfosperidaie do Brasil de-
pende do deseovolvimento do trabalho" livre eda
concurrencia do brago e do capital estrangeiros, e S^f"J^Z*2S2Sfi^^
fMip a srthsiiuiicao do irahalho Pscravu exiee abun- haoiento do telhado fora reateaoo de dentro para
. fofa ; seod que oo foi encontrado vestigio alghm
as portas do deposito de lonca, dentro do qoal
nao dorma pessoa alguma.
f.irms '*- Foi ""eolbido a casa de deteneio o porluguex
ftStm "le Sute ncSda^/d^ampT I Maaoe.Juslino Floriaoo te Ara%#,.eOOV^|Mb
Dfr e l'm de reesoadeToVae expox a, casa ra-lo e pro.ege-lo nocoraeco do seu estabelecimeo- i &*^wg%Jfg fS
Jn nm.Am nn,nPH r..^,, ,n 5n mc- lo, ou durante a sua residencia ; {O fmmupm pOBWO we]B_ m. w airo
Considerando que, alera desses auxUios part- i portuguez caiteiro de Antonio Ferreira Pinto,
colares, ha anda que satlsaier aos Intefesses mo- Deixou hooiem o'setTlgo da goafrJicao dsta
raes da emigrago em geral, a brindo ao emigrante pra^a o 4" Bata/Rio de Infantarla da guarda naci-
os horisonles do futaro, assegurando-lbe a familia,
garantiodo Ihe a liberdade de crenga e a liberda-
de pessoal;
t Considerando qne, de certe modo, a isto se
daocia de trabalho livre, ou urna correle d emi-
grago espontanea ;
Considerando qae seosirel para o emigran-
na sesso passada quando respoodeu ao seo celie
ga o Sr. liego Barros, para combater as conside-
ragSes do honrado Sr. Costa Ribeiro, por quanto
esle illustre deputado nao fez mais do que abun-
dar oela maior parte no que j foi invocado em
dfeza do acto do Sr. Castello Branco. Entretanto
que resumidamente, ppis que o illustre deputado a
quem se refere nao e>tava na casa. Pensa, porm
m desto municipio, que para tal flm estiva ajua-
telado, etrando ft sODSfitoTgSo 1* d mesii i
arma.
Durante dqos mezes de srVgo prestado, hodve- (
vulsdeS.
Maooel, PrflataboC, 1 nfMs, S. Jos; desloTWis.
Floresta Alexandrina -Marinho Caneca, Peroa urba-
no, 35 annos, casada, Afogados; tumor.
Carlota Mara Joaquina, Ptfrnambuo, 51 annos,
viuva, S. Jos ; asthma.
Jul, frica, 48 annos, solteiro, Santo Airtonfo
dyrri.
Augusto, Ptrambuo. 4 anos, S. JoS ; desin-
' terl.
Mara, Perhattibaco, 1 hora, escrva, Boa-V191a ;
no ds'eYfettro.
Argemiro, Perambco. 15 mezes, Boa-Trela ; co-
lte.
ArHod, Pefnmrjiico, 3 annos,- BotcVist ; fflaf-
dade.
Mari, Pertmbtio, 7 tWes, esefata, Boa-Vista ;
denfico.
m 2S -*
Mara, Pernambuco, 3 aunes, Boa-Vtsta \ coque-
mk lucli.
Maria da Cnceiga, PeftiambUco, 30 nos, soltl-
ra, Boa-Visu; tdbedfros pulmonares.
Loiza, Permbaco, 3 aitoos, Reclfe ; inflammi^ao
de entesllnos.
Antonio, frica, 42 annos, seravo, Bo-Visla ; es-
pasnio.
CiaadHna Uria da Coneeleao, Prnanibuco, 34 an-
nos, solteira, S. Jos ; prnris.
Mara, Pefnafabndo, 7 dls, 8. Jos ; espasmo.
Manoel. Perfimbco> annos-, Reeife ; molestia
ntlof.
Relele das pessoas da cimarra e Patatar*, pe
mandaram suas oferta* e respeetT j oV
direito Joao Francisco di Silva Braga para *f-
rem entregues a commisso desta praviaoa au-
ra consruecio de nm Asyio de InTa lides oVPav
Iria na corle.
OsSrs. :
Proprietario major Francisco da Ron-
cha Barros Waoderley ^
Dito Amero Apriglo Ferreira Cosra .
Dito capito Jos Frasorwo- Bello. .
Dito Francisco Ferre GasteWo Branco
Dito capitao JoSe Caflds Vasconcellos...... ,
Dito Francisco Aieioodre Bairt .
Do teaente-coronel Thomaz Alves
Maciel ..........
Dtto capitao Antonio da Rocha Hol-
rida CavleHnte.......
Dito Ignacio Ferreira fueteado .
Negociante CaVTos BoBerte Tofle*. .
Padre JoSO DoTitt Madciri: .
Propflelaflo tenebie'cororiel Pfedrb
FraOctted deAlbuqorqdd .
Dito Antonio Evaristo-da RocHa .
Dito coronel Padlo de Amuritn Sal-
Dtlo Dr! Sebastin' Antotfto Atfio^
Lins..........
Dito Jos Feltppe Santiago RtridS .
Dito Antonio Fft' Cisfelld BrantiO'
JurfloF..........
Dito Francisco Claudino de Albu-
. quttjfue. ..."......
Dito Cfpilio Joqdin de Almiqderqu
Cavalcto..........
Dito Jo Los de Baf'fs.....
Dtlo Jos Aves da Silta. .....
Dito Sbasffo Alvsd Silva ,
Dito Bhtd SWltf da Pdse
Pitia...........
Dito capTfao Piar Mrllado da Silvet-
raLs*..........
negociante commerdadot Jos Lacio
Monteiro d Frutea......
Pprietano capito Manoel Honorato
de Barros.........
Dito Ausfrelino de Caslrd S liar-
reto ........, .
Dito Capillo Manoel Fellppe P*t de
Lima...........
que deve
hovos.
E' verdade, diz o Sr Buarque, que a commis-
so nao concluio pela responsabilldade do Sr. Cas-
Sello Uranco, nem o devia fazer porque a falta de
i. Exc. nao foi grave e est no caso de ser releva-
da pelas crenmstancias que a acoropanharam.
S. Exc. nao maudou pagar urna somma iodevi-
da ; oo esbanjoa os diaheiros pblicos ; apressou
apenas um pagamento que necessariamente devia
realisar-se, e para o que esta assembla nao podia
deixar de marcar qnota.
O orador assim se exprime porqje os do que
pensara que as seotengas do poder jndlciario devem
dbrigar o poder legislativo a fornecer os meios
para a sua execugo, como no caso de que se trata,
p r quanlo o contrario burlara os actos d'aquelle
poder, e desappareceria a harmona e independen-
cia dos poderes.
Se, pois, a assembla nnba necesariamente de
mandar effectuar esse pagamento, o Sr. Castello
Branco apenas apressou o, iafringindo to smente
a forma porque devia effecluar-se.
Nestas coudiges nao era justificada a respou-
sbllidde, e sera antes pueril; seria augmentar
os casos quasi ridiculos em qae ella tem sido in-
vocada. Urna medida extrema como a responsabi-
dade nao deve ser aconselnada seno em circuns-
tancias multo excepcionaes (apoiados, muito bem.)
A commisso de orgamento emenden, diz o Sr.
Buarque, qne referi o que encontrn nos docu-
mentos era sufflciente para que se conbecesse que
oppoe, entre outras lis, as que estabeleceram o se esse baulhSo cm Idvavl disciplina, dando
responder primeiro aos argumentos rgimen das trras publicas, as coodigoes para a i um bello eiemplo d subordiflacao e ordrn, coja!
naturaiisaoo, e a distoceo poltica entre o brasi- continuago para desejar naquelles que o substi
leiro nato e o naturalisado ; a que nao reconhece tuirem oo aquartelamento, ama vez que neste Ibes 1
a perfeita validado do casamento civil sem oler-, e incumbida a missSo de garantirem e manterem
vengo ecclesiastica ; as que limitara a plena li-1 a ordem publica, e nao a de nerturbarem-oa pr{
berdade o 'gualdade dos cultos, nio obstante se-: influencias de msicas e outros motivos to fri
rera todos permitlidos, e as que por sua severidade, volos.
tornaram quasi impratieavel o contrato de locago
d serviros.
c Considerando que taes leis, por mais adianta-
das e por multo Irbefaes qoe sejam, e sao, as ins-
titnigSs polticas eclvis do Brasil, carecent ser re-
vistas por bem do presente e para desembaraco do
futuro ;
* Considerando qne tima reforraago de tama-
nho alcance exige que se agite a sna discusso e
se convenga ao paiz da sua necessidade, devendo
preceder as novas leis urna opinio preparada para
bem recebe-las;
t Considerando que to larga e dilllcil tarefa
excede das torgas de cada individuo isolado, e re-
clama o aaxilio poderoso da cooperario social;
< Considerando, outrosiro, qae a iniciativa par-
ticular, do espirito de associagao. e da discusso
popular ha de o Brasil colner grandes resoltados,
assim como Disse depde as mais charas esperan-
gas ;
c Considerando, finalmente, qoe prestariam um
servigo real estudando, discutindo e promoveodo
ihteresses praticos, da natureza daquelles qoe ficam
enunciados ;
Muitos brasileiros e estrangeiros residentes
o aeto da presidencia merecea reparo (apoiados.) nesta cidade, accudindo ao appello patritico e hu-
lnintA 4 AhcnnuniA nWA tnm 4 nAmmiccT man. _.^t>..i. j^-----m -^ s^ __. Jn a-^~ahia
Qaanto a observacao que fez a commisso, raen
clonando s paUVras do Sr, procarador fiscal,
quando impugnou a reg'ularidade da liquidago,
o Sr. Buarque declara qde nos documentos que
Ihe vieram as moS n6 s fez mengao dess ac-
cordo ; entretanto, diz o draaor, 4 falta est reme-
manitario da commisso da praea do commercio,
resolveram, depois de reanides solemnes, constituir
a Sociedade Internacional de Emiarago.
i
Esta sociedade propoese :
Facicitar aos emigrantes o seu estabelecime-
res abortos pelo prsi
Ora.o Sr. Costa Ribeiro.
O illustre d)
compromisso qde
do parecer oa commisso
aos crditos que se disent
a pal vra. ,
Em sua opinio o parecer Tnvolye a Aik severa
censara ao Sr. Castello Branco, p' 3s fctos. i-
devidamente apreciados pela Crmis-ao de orga-
mento.
O primeiro diz respeito a regutardd da Ijqui-
dago a que prcedfeu oi prwjiqeio Gaspar Dfum-
mond, para recebr a ijdemais
vida pela faznda provincial; apfe rTctivi'meote
foi pago por otdm do Sr. Castello Brinc. Essa
li l'jiiiaco parece irregular commisso, m vista
da informacao do procurador flscil; mas b orador
observa que nofol ssa a oWea inforrbarifo da-
queiie proeofatfor, e qe posteriormente cftefoo el-
le a um accordo com o dito bridadeiroi pafaj o qn*
eslava aotorisado em virtode de lei. Isto constados
documentos qae j foram lldos p"eio dobre dllpata-
do peto 4* districto, e por isso se dispensa tteTds-
tir mais sobre este ponto.
O segundo objecto do censara foi a forma e wf-
tureza do crdito.
O illustre Sr. Costa Ribeiro abunda oesie popto
as consMeTicWs fits ermT*fH|S do 'm
tricto. Observa M'em vtst ddS ^oprhl dbfrin-
tos fJinetadas i casa o Sh Castitc- Bfatico eitaTa
autorftao'-^rft abrir acetre tWfliw, tatt'niars
se aitendermos que a llquidaco. foj feita ne-W%ir-
cic o em qde e mandn pg-ia, o qne torna a
a despez correle uaono|la exercieia., ... .
Emretanto no no proceder da ceteiao;4*|p.
ma cousa deineoherewei-Aooqanssjo,,diz o iltas-
ir deputado, ponto &M-iEmlo. rajnco,o
eslava aotoriaado para maadar pagar a ioderamea-
cao-ern questaos que evi. utfQr w* eSFSa)
um iSredito desta assembla; raa,s nao obstaale'es-
ta grave irregularidade, approTa o crdito. Preee,
diz o orador, qne a commisso nao tere a coragem
diada com a emenda du a efirarbissao mandou to no territorio do Brasil, dcardinhlos, protege
mesa e onde fi riietigi d todo o occorrjdo. |0s e remover os embaracos com que lutarem.
Sobr0_crdito, diz o Sf. Buarque, ho resta, ai Coiidvar os ni'Suis tas suas relag509 edin
menor ddvfda oje t Sr. Casillo BrncO 30 pedia as autoridades e sistir-lhes peranie os trlbnnaes.
otoris-lb. ,_.! Acbdtpaiffiar a marcha dos ncleos, existentes
O orador, diz qu o p'rje responder ao sfeu col- no Imbrlo, iilUaiar das soas necessiddes, estudar
lega Sr. Ritiro edi ds ai-gumbtos qae pr- os vielbs do sea rgimen, e diligenciar a adpeo
seotou na casa, pois sao de tal torga qae nao do de medidas adeqadas.
lugar a replHa. ..... Discutir as dusas qne contrriam a enigra-
O Sr. Buarque nao pode aceitar a clssticacao gao para o Brasil, e empenbar-se na remogo des-
d despeza occoftente que querfem dar ao paga- tes obstculos.
memo felto ao finido Drummood, sob o pretexto ij
d que a llqQidagao sendo feita no exercicio em < a sociedade empregara' para isso os meios se-
que se Dgo a divida est poda ser satisfeita por guiates :
um crdito supplementf aberto pel presidente. A creagao de om esefiptrio dnde aos emi-
Se est principio tosse veaadeir, o 'governojdtyla granles obtenbaa iaforiiaoes e do qoal rtoeham
.a^aruWi.KiaKaSid!ls de e.fjPcioS findos, os auxilios de qae precUarem e a sociedade
qn TS&U ifqdfnaa's, O era dispensa ve! o prestar.
-Idito desta assembla (apoiados.) < o esttterecrmento tla cercanas deste porto,
Pela mSm razi dvta raaodr jugar todas,as logo qoe o plrnMtiatt W Ttso socles, de ama
liqulaagoes fetas em virlude das decisoes dos tri- estago destinada a recebr o$ otr antes que del-
bunaes do paiz, todas as restituig5es d qualquer la carecerem, em quanto nao escolhem deflniliva-
exrcicio, t'c. Entretanto se os precedentes de lo- mente o lagar da sua residencia, e pagando el les
dos os das nesta c--a, se 4 lgislaco ordena o as respectivas despezas por urna tarifa mdica.
Contrario, como se quer abrir urna excepgo para A ptitjsb e'representaco aos poderes do es'ta-
iq caso perfeHamente Idntico aos qne o eratof do e a qnasquer autoridades.
figrba?(bolado; | i A dlstnslo, pelos jrnafes, dds interesses da
Parece, diz o Sr. Bairqoe, qoe isto lgico. emlgrngao e a distribuigao de iJpressos avulsos.
O Sr. Buarque pasea a responder ao sea collega i A celebrlo oesia cidade ffl dtros potitos
o Sr. Oaspar. do imperio, de r'udioes populares, admlttindo-se
Diz qie o nobre depdtado vio revelar 4 casa e provocando-se a presnca de pessoas estranhas
um dos matores atrfeowdos d> qoe teto elle nott- 4 sociedades 'e sedo esta ftfeseptada por um
ca ; Ott aia Honve n presldeere) 4it o 6>. Boanju, qto-, Commissoes que codjuvein i araiblslracao
segundo o que referi o Sr. Gaspar, mandou inva- da socie*dSBe cm sclircimttos e'studos sobre
dir a propriedade alheia, contra a vontade do seu cada assumpto especial, qne nbs lagares das oC-
nonb.^*ttt o pft)tetbs''e8le, i nerT ma%:' currenefe frbceda'm a ItaSleHto *cera dos fac-
era Wlr na 'canal. tos cfitririos a e&igradfo tnJppTfMft os meios
. O ofador t, que nao obstante o conceito que niais fflcares para s rlmoVerer os abusos.
ibe rperece o seo cpfiega, snpp5e, tr elle se eopi- m
Tocado. 0 presidente a quem'se altribae.Bp fac- ,t ,. ..,. k -
to desta ordem o.Sr. conslneiro Jos Rento da A Sociedade Internacional de Emigracao sera'
CrmnaFlgeiredo de quem o orador f*z o mais a- dirigida :_...... -_
trido conceito, era cojas luzes muito confia ; que < Por urna directoria d set mmbros, sendo
nao ppde recber.uma to grave imputagao contra nacionaes tres, pelo menos, Borneados cada bien-
a sua administrago, sem que ella venha acompa- nio pela assembla geral dos socios,
nhada de provas. A vista daso o orador vai pedir < Por nm presidente escolhldo d'entre o direc-
tor fioai acto da pjeslaencia qae tbnson a tores, ejjor este* miMado. ,.
copstfuccao do canal aos-junebs. presidenta sera no sen impedimento substl-
Pa'saanSo a a nalgar bs argumentos do seo col fe- tuldo por om vi ce-presidente, elelio do mesnio
"Sr^ Buafqo dl 5^ loso toi em duvidaal- modo.
Hdade do paganto feito, uem Ibe era Mo Na falta de um dos directores, por falTeclmen-
i em prsenca de urna sentenga qoe o reco- to oa escasa, os restantes, designarao um dos so-
nhecla; qne apenas referi o qne encontrn nos cios para prebeoebimento da vaga at 4 reunio
lleune-se na quinta-feir o Instituto Archeo-
logico e Geographico Pernamboeano, e* sessio or-
dinaria.
Informam-nos qne na cenformidade do decre-
to de 3 de agosto de 1755, deVe ser a feslividad
religiosa da Anuunciacao da Senhora no dia 9 d
eorrente, visto ter sido o da 2o de margo domingo
de Radios.
Foi nomeado interinamente pelo Sr, Dr; juiz
de direito da 1* Tara, na conforraldade d decrete
0. 3,618, para o lugar Ae porteiro dos auditorios
desta cidade, qoe acharase vago, o oficial de ins-
tiga Francisco Manoel db Afmeida. Este ja ter-
cia o mesmo lagar temporariamente ba mais de
cinco annos, tendo o felto sempre com salisfco.
Um nosso assignante dos pede que publique-
mos o artigo infra do regulamoto da praticagem
da nossa barra, perguntand se pode ser maltrata-
de um subalterao por Ir pedir 4 sen superior o
exacto comprimento da le, e qdal o valor moral
qne Oca elle tendo:
Art. 23. Os empregados da praticagem, quan-
do Impedidos por molestias comprovadas, mas cu-
ra veis, on por licenga at 8 das, perceberao so-
mente os veocimentos fixos ; per ausencia, porm,
on por licenga maior de 8 das, nao perceberao
cousa- alguma. >
Dando cabimento isso, deixam'os que o publico
forme o seu juizo.
Na noite de 9 de fevereiro ultimo, na fazenda
Sabloc4-do rio S. Francisco, districto d Villa
da Floresta, comarca de Tacarat, tntaram 6 In-
dividuos raptar urna moga, ujos prenles sendo
avisados, reunrram entre tantos Romeos e foram
a encontr dos raptores; e do cdnfllcto que ento
travon-se, rsoHon caWr merlo Francisco Xavier
d Moura e gravemente ferido o prime deste Ma-
noel L6it de S.
O Sr. Dr. chefe de polica tendo communlcagao
deste tacto criminoso, expdio as mais terminantes
ordens no sentido de serem capturados os seus au-
tores.
Amanha se extrohir 4 ultima parte da i* e
Ia da 6* lotera, (55') a beneficio da igrea de Nosj
sa Senbora de Guadalupe de Olinda, sendo o maior
premio 6:000*.
Em ratifleago ao ektracto feRo na parte do
dia 28 do prximo passado met, deelara-so qne
nao foi Manoel Pereira Caldas o recomido 4 easa
de deteneio, to dia 17 de dito mez, mas sim o sea
seravo de nome Jorge.
Casa db dteiX. .
Movimento da casa de detengas do da 1 de abrii
dejwfe. '
Eistiam 382, entraram 5, exlstera 387.
A saber:
Nacionaes 268, mulheres 13, estVigeiros
mdlberes lscravos 70, esdravas 3, total 38?.
Alimentados a cdsta dos cofres pblicos i i.
JRovlmfo da enfermarla dd da i de abril d
1 TeV bal :
tena, rrira de Sarros
" l Maximane dos m
(escv d Jojo Jse 1
x (escravo d Joaqulm
nio.
.'ivram alta .
ira Maria do Carao- .
ionio Vicente Ferrela os Vasconcellos.
ifat (escraVo, shlnclado).
5'ago Aires Ribeiro.
oaqaln Lino Pereira-
a de Abren de S.
lav).
Iros do vapor nacional Cruzeiro o
oaa s portos So Norte :
Rioelrb de Crvalho, sua senhor, 2
i scrvos, Francisco Cleto Toscano d
31
enrifdee). darrha.
Francisco GavSo), de-
barTd
I Manoel
ffito, lbtamv7/MltamorSa7.Xenar^^ !" "s"~ ^S*P?<&cIveL r
Pires da Fonseca U i criado, alteres LndgeroV:1 Appeilante, Atexatdrt fttas d Oliveir*;4p
Bastos, Joaquira da Conba Mesquita, T. de Araojo pellado, Jos Estrella Cabral.
CHROIUCA JtICIAKIA.
TRIBUNAL DA BEIACAO.
SESSA DE 7 DE MARQO DE! 1866.
PBESIDK.NU1A DO EX.M. SR. CO.NSELHEinO
SOUZA.
As l bolas da manlia, presentes s senbores
desembargadorea Santiago, Gitirna, Guerra, pro-
curador da coro, Lourengo Santiago, Almeida Al-
buquerque Molla, Assis, Domingus da Silva e Viei-
ra Costa, faltando os Srs. deserabargadores Doria,
abri se a sesso.
Passados os feitos, deram-se os seguintes
JLG AMENTOS.
AGGRAVOS DE PTIQaO.
Aggravabte, Manoel d Lemos Vasconcellos; ag
grvaado, o juizo.
Relator o Sr. desembargador Almeida e Albo-
qnerque.Sorteados os Srs. deserabargadores Assis
e Motta.
Deram provimento.
Aggrvant, Jacintbo Jos de Mello; aggravad,
juizo.
Relator o Sr. desembarador Santiago.Sortea-
dos os Srs. deserabargadores Gitirna e Guerra.
Deram provimento.
Aggravanie, Pedro Celtido de Sedza Ptoehtel;
aggravad o joizo.
Relator S. desembargador MoWa.Sorteados
os Srs. desembargadores Domiugoes da Silva, e
Gtte-'a.
Nao lomrara cdnhecimento.
Aggravate, Jos Gonealves d Porciuncula ; ag-
gravad, o juizo. .
Relator o Sr. desembargador Assis.Sorteados
os Srs. deserabargadores Domiogoes d Silva e
Mqtta.
Deram provimebto.
Aggravate, Dr. Carlos Eugenio Mavignlr ; ag-
graTaflo, ojaifo.
Relator o Sr. desembargador Domogue da Sil-
V.Sorteados os Srs. desemoargdores Assis e
Santiago.
Negaram provimento.
Agfcravatrfe, babartel Luft RSoRgaes Vmfes
aggravad o juizo.
Relator o 8r. desembargador Vieiri.-Sttados
s Srs. deseiDDarsradferes Almeida Albaqaerqae e
Assis.
Nio tomarihl conhermento.
AgaraTo de instrumento.
Aggravate, Dr. Sebastio Antonio Aloii Lins
agjmVado, Patricio Jos da Cdsta Lima.
Relator' t Sr. desembargador Assls.-1-SOTle4dS
os Srs. de&embirgadores Motta e Domfngues da
Silva.
Deram provimento.
Appllagoes criraes.
Appellante. Manoel Jos Telxeira Bastos; appel-
lado.ajastli.
Absolreram o appellante.
DILIGKCIA CRIkB.
Com vista ao St. desembargador promotor da
Fnfitafljk
Appellante, Vicente Jos Martins; apellada, a jus-
Asslgnon-se dia para jorgamnlo dos segbfnts
A apttelraco lvoL'
Apbelraiite, Frhcisi Ribeiro Poots; appella-
do,SilTLeoi4C.' .
PASSAGRUS.
Do Sr. desembargador Santiago ao Sr. desembar-
gador Gitirna
ApVJelligWs civft.
' Appellante, Maria Jos das Trva ; ppellelb,
Ah^niijosVJaiiTa.
Appetfant, Patrie ftse o oM Uai \ 4'rt ldoi Dr. Sebas\io AbftMIo Accin' Ltas,
Do Sr. (reittbrkador Oifiraoa o Sr. desem-
Mrgator Gnefr:
Aatpellagoclvel. :
Appellante, Joqnlm Jos do Afmeida; p'ptta-
d, D.Francisca Caetba a6'Alo.;
Do Sr. desembargadorLofettb Sbtigo a Sr
desetbargdr Alrneida Albubrlrqe:
AbpelractlTe.
Amellante. Abostacro Jos Jk Sttva; a^pelrndo,
AlBa4ri5o;Blaftrns Cdrr6a BfWs.
Do W. ^blllioor AWieraa e Arbaqflerque,
l'or. desembargador Motta :
Wk
mm
NOVO BANCO 1E PERNAMBl (>*..
lalancete de Net Banco de Pfnremrnie.
de iiaff* de 18W.
ACIVO.
Apolicesda divida publica........
estrada de ferro da Bahia.......>
Jias depositadas......
Ttulos depositados......
Letras caucionadas.....
Lelras" decantadas.....
Letras retfebr......
Lelras protestadas.....
Banco d Baha N/C ....
Francisco d Figered A C, d
Rio d Janeiro................
Aluguel d casa......
Fornecimenlo......
Juros.............................
Qespezi geraes .....i.........
Caixa .i...............i.,...i..
imU
2n
i '*4U
32:1ti
Res.... 2,g9o*:5!rS5te
PASS1V.
Capital.......... Vm.
Emiss ..-...................... 10S:90;
Lelras por dinheiro recebdo a
joros.......................... 166.78&K>
Coritas correntes com juros
Conus correntes simples..........
Fundo de reserva......
Tituiosem eauco.....
Banco d Bahia S/C .
itnowles Foster, (de Lon Massas fallidas cargo do Banco.
Dividendos........
DesContos.........i..............
276:77p5
4:4&3>7J*
12i72l55*
66:7^,521
mi
Bis. imMlfrZZ
Estado da caita.
Em ouro amoedado..... 44:437*)
Em ootasdO thesouro d.' 10*000 2St)#W>
Era ditas meinfes de 103. vH#(K)9
Em ditas d caixa filial do Ban-
co do Brasil....... 7:2tfaWoV
Em arata e cobre, 2&I#W*
Ris. o2:74*gt*S
'tu.-
Demoastrare da fmisso.
272 notas do valor de 200*000 5i:4*njWG
334 > 100*000 35-jmiom
> > 3O00O 16:1*600
S. E. e O. Ris IQS.aBIjBU
32
O guarda Itto*
Francisco Joaqun Pereira Pnttt>-
Communicados
-1 11 11 i '
ORDEM TERCErA DE S. FRANG O.
Goao deaejamos que o publico teBbavi'
leirt eonhc1iBnt de diversos factaa *r
se tem dado na ordem terceira de S. Fas-
cisco, afitn de que julgue com impaicjafe-
de, nao podemos deixar de mencionar e pjn-
tedimento de igons irmos da mesaasj tr-
dem.
1 la vendo a mesa regedora do ano pmMte
approvado O orgamento da receila e despat,
em o qual determinava que houvesse pap-
cissao d cinza. marcando para ella a #95-
pettiva ceta, volata afetor d'este idbaV
irmo secretario o Sr.-Froocieeo Jos m
Passos Guimares, sem duvida na supwfsi
de qde a cera teria de ser comprada ea se*
loia, e corno o irmao syhdtco o Sr. f f>ar*V
Valeriano BaptisU, no principio do Mitf
do etnpregD, apeear dos pedido que lt*#
n5o dera preferencia i S. St, teve/o-H**i**-:.
apresentar em mesa um requerimentov pra
que o fornecimento da cera fosse feto pr
ari-emataoao, e eomo n8o se pode cowefir
o Om do reqaerlmento, por circumataocS^
que ale nos compete averiguar, hoore^. S>.
de votar para que nao se fizesse a im
sflb em cotir^tiehtMi'dlpWpsta aptram,^
daem mesa pelo irmao ministro o St-. A ato-
nt Jos Silva do Brasil.
AcconteceH porem. que para aaMoai sbb^-
sa rraietette-O'; Jos d Mello Gestt CB-
veira para 0 logar d syndico, e \b&ty&
fr publicada a eleicao destinguio-se m&-
Incoes de 'Sr. Pasaos Guimaries nm tfiiwi
qu, e intoluntariameflte lambeu osfctMs
d couienHiuto, porque tinha d srr-
uecedor da cera, e com effeito Foroeceo- fe
tntfa maneira tal, que nao podemoc daicaHte
cttamar a attenco a mesa, Yftb'qWVft^
mao syndico nao assiste o respectivo |MaV e
est pela conla A preseoU o Sr. fes**
Guimares, segundo Dos consta, tal ogt>





I
M r* T*ttMn 4c Wll ** 1866.
4

%

m
I

ii
4a eonfianoa que deposita em S. S., nao se
lenabrando de que olo por est forma que
ae fiscalisa as nterejies da ordena, por isso
4i| o Higar fae ocaopa deaj o exereer por
ti mamo, assisiindo as compras que flzer
arador dem.
Nao sonaos os que dizem, que nessas
ixapras de cera a ordem prejudicada, e
sti ap :08entaiQS ao publico este tacto por-
fe a $r. Co&ta Oliveira melrcwnpre oo
m seos, de-reres.
Tena;)s a^ora de pedir A S. S. para que
ALFANDE6A.
Rsndimenlo do da 2 .........
I costados .......ain
48:374*959 dem de louro
- MOWWElTO D4-ALFAXDEGA
Volumes enfados coiq axendas... 294
c eom gneros... 873
folumes sabidos ccm fazendas... 308
t c eom gneros.... 408
1,169
Deseanegam boje 3 de abril.
Barca francezaSpheremercadorias.
Bataa franceza-JImn afone-idem.
Barca taateza-flidaJoo-mercadorlas.
Prtgue ig\nHetu Marymercadorias.
------6W
wsinforme a razao porque n5o se tem def- 5figne. ioS^-Wisu>ater-iien.
e.ddo at o preste, oVn oobliconno ^ ^n^rSr^ho,
fimo de Pernomlwco sobre o .saque dos Bafea poriafuu-Sptta-*ersos gneros.
3:000-5000, ser porque aquella publicado Bngne noraeguensePresto-dem.
mi ha merep resposta ? Pawce-B08que S460 haaoveriaaa Jomoi-Mem.
aw obra regularmente, por isso qote S. S. **Jb00 h*>waaa- **<**> *P* *
COMO ydico tem O dever de apresentar-se Barca ingleeafaronAao-carvae de pedra.
a publico Uvre de SUSPBitas que O podem Galera nacioual-MmdW/o-carvio.
ftefdicar, e ate como amigos que somas *"*MN A'!***". '*"%
fonos iQformados de haver o irm5o o Sr. Jo- Bngne ingjez Har Belldem.
s Pialo de iVagailiaes apresentado em mesa Brign nacionalFluminense-charque.
ata requerimeRto peando urna certdao, e d^EE^"'-*"""*0 /7idem-
aur dennis rl* An R .< riAra miaara n tacl>o argentina Montevideodem,
apteaepois a Mo-b.'b. dissera que para o p^y^ heapanhoAW ano um tinha um outro requenmento, Sumaca hespaahoiaiiMadaiupe-dem.
ue oao apreseatou, sefldo acuelle despa- Bngue ausltiaco Bermja Caboga Uariaha de
Abado por uoanimidade de votos, do que se *-
oaciue que toda a mesa deseja que S. S. se
denda. do contrario os irmos da ordem
Rap
Sahao .
Sal.....
Salsa parrilla.
Sebo em rama
dem em velas

"*v
m
Importa^So.
Galera brasllelra Mindello, entrada de Cardiff,
consignadj a Joaaaim Jos Gaacalves Baltrio, rna-
bui olaxSo comofiscalisador, as aun que nifesion o seguale :
releve em ai os 3.0000, dando-Uae appli-
aajto que bem-quiz. entregndolos smente
bo lia em que ge ven ce u a letra.
E a dar-se > sta circumstancia como ver-
da (tura, poler 8. S. apeseatar-se cq *
iwte erguida, e livre de que se Ihe faca
ceRiri a tal respeito ?
mprazams S. S. para ao fim da amo
Je, aua syadicancia lermos a conta da receita
e dtpeza, e entao analysaremos, se for dig-
ne disio, a verbg relativa a cera gasta em to-
do o auno, assim como se a ordem percebeu
ajum Iwnt dos 3:U0Q<$ que j menciona-
mm. ii* ao caso de Su S. nao se defender
upo ibe compre.
coavejuente tmbem que tratemos do
proa: mento que teve o irmo o Sr. Joa-
qirm Mauricio Goocalves Hogag no fia da
atiflastraco do irmo o Sr. Antonio Jos
Silvi do Bos, fuaado oceupou o tagar de
JBlliitfO.
Toda a ordem sabe que desojando o Sr.
Si ha do Brasil fazer afesta das Gbagas sump-
ti'jsa,o gr. Rtas seoppw, e que n5oobs-
tt-i essa opposteSo foi a festa .celebrada de
atw e-a tal que agradou a todos, em virtu-
q*M ao cotapsreeeu a ella, assim como seu
uabado o irmao o Sr. Antonio Pereira de
Farias, que a todo o transe quer estabele-
mta, ponm o Sr. Rosas que quera tirar
oas wngaofa do Sr. Silva do Brasil, apr-
stala u-se eom teda coragem em mesa, im-
jpuTiando o parecer da commissio que ha-'
a approvado as despezas da festa, chegan-
do at a requerer ao irmo ministro actuaj
erdo da verba daquellas despezas; po-
rvm tudo ficou-sem elfoito, e deram-se mo-
e migos, s eom o fim de fazerem oppos
^ifao acintosa ao irmSo ministro actual.
>5 nos admira esta unio, por isso que o
Sr. Eosas seguio o exempJo. de.se cunoado
o Sr. Antonio Perei'a de Farias, que depu-
tuuio o lugar de ministro eom o Sr. Bernar-
da Jos da Costa Valeote sabio eleito a es-
h$m de diversos irmaos, entre elLes um a
qoeui S. S. em toda parte o deprime, nao
bs.ite a fraternidad* que existe entre
amboi, e que depois dessa luta eleitoral de-
ram mSos de amigos em cerlo collegio, para
uerrearem um candidato o lugar de mi-
Hfsro, de accordo eom o cunbado de S. S.
a Sr. Rosas, que oceupava o lugar de mi-
yitra, o qual fizera preencher os lugares
di esa na falta dos irmos que nao com-
gareceram cora individuos pertencentes a
sua familia, e que s por este meio repug-
atete eonseguio vencer a elei^o, e nao sa-
'Jsiio cota isto destribuio-se sedulas ca-
rimbadas, como se fosse urna eleico pol-
tica feita pela polica, o que se fez patente
i aiesmo collegio.
Fi jae por urna vez convencido-0 Sr. An-
tonio Pereira de Farias, que nao conseguir
.establecer nt ordem terceira de S. Francis-
mos como urna vaidadeira patuscada.
Um irmo lerceiro.
Publicares a pedido
AO PUBLICO
CnKprsrjdo eu um sitio de coqaeiros a Antonio
^Tidanaa de Soaza, morador na Sibaama do Hi
<3w1 dd Norte e mais ao terreno devolato on
n&a. uni-to a essa sitio, sacesdsu que dito ierre-
oose da praprieurio Antonio Jos da Costa. Por
saito ai ajuera negocie um i letra da qaantia de
iPOf, frmada pelo abilxo assignado (aao esta'
aidiadaM*' vencida, restante de dita compra, pois;
taefinpiK'acdes crimes e civeis acerca de tal ven
4a, (ira etc. Em 20 de fererelro de 1866.
I Manoel Alvares Pereira.
yasllhas vermfugas de Kempj.
Oiaccas atormentadas por vermes pode
ser aJIiviadas eom urna s dse de pastilb
eruifugas de Kemp, que sao incitantes e
apparei.'cia, e deliciosas demais no seu goi-
1o para serem regeitadas. Estas pastillus
si nuito procuradas por quatro motivos:
siia eootm mineraes; nao precisam depois
de porgante; effectuam- o que se deseja sem
aasar dr; as crian?as est3o promptas a
tostar maior dse do que a marcada na re-
cet. Nenhoma rai que j as tenhas expe-
fisMKtado urna vez quer outro vermfugo
na aua casa.
A* ienda por todo os primeiros droguis-
tas no imperio, e em Pernambuco por Caors
Barbosa e J. da C. Bravo & C.
415 toneladas de camo do pedra; aog mes-
mos.
Braae ingle Havre Bell, entrado de CardifT,
consignado a Wilson & Hette, manifestou o se-
gu oje :
418 (Meladas d carvao de pedra -, aoi mes-
mos.
Brlgne francez Luize, entrado de Cette, ceasig-
nado a K. O. Bieber 4 C, manifestou o se-
guate :
120 pipas, 100 decimos, 150 barris de qninto, a
40 meias pipas rinbo tinto, 30 pipas, 300 barris de
quinto e 100 decimos vinbo branco, 40,000 ko-
grammae de sal; aos mesmos.
Lancha nacional Flor do Rio Grande, entrada de
Cunha, manifestou o seguate:
900 saceos assucar masca-vado ; a J. P- H.
tai ditos dito dito a W ditos atgodo; a P.
H fi
tl'aoi dito dito ; a F. U. L.
4 ditos dito dito ; a J. C B. O.
8 ditos dito do, 3 coaros salgados; a J. F. B.
40 ditos dito dito ; a ordem.
Brigne portugnez S Jorge, entrado de Rio Gran-
de do Sui, consignado a Antonio Lniz de Oliveira
Azevedo & C, manifestou o ^egainle :
14,214 arrobas de charque, 80 coaros seceos, 16
ba/rig eom 3,500 tambas; aee mesmos.
Patacho portugnez fovo Luna, entrado do Rio
Grande do Sal, consignado a Antonio Loiz de Oli-
raira Azevedo ttf C, manifestou o seguinte :
8,707 arrobas de charque e 99 coaros taceuos;
aos mesmos.
2,498 arrobas de coarque e 12 couros de refago;
a Baltar & Oliveira.
Patacho aaatoml Paraense, entrado do Para, con-
signado a Joaqaim Jas GonQalves Beltro, mani-
festou o seguate :
12o pipis vasia?, > oaiaas papel almajo, 8 ditas
relogies para tesa, f ditas agua Florida, 33 ditas
cadeiras, 64 volumas barricas vasia e la ditos
arcos pant as mesmw ; a ordem.
830 aiqueires de sal; ao consignatario.
Vapor nacional Persinunga, entrada d portes
do norte, manifeston o segninte'.
Do Aracaty.
95 caias cora 131 arrobas e 36 Micas de vejas
de carnauba; aJooJeaquim Alvos.
I caixa 30 pegas de casslneta; a J. Ketler & C.
Do Acarac.
2358 metes de sola ; a E. D. da Albuqnerque.
1201 ditos de dita, e 1 embrmtp penas de enia;
a Jos de Si LeUae Jamor.
931 meios de sola; a oadom. i
De Macao.
10 frasqneiras cora 60 garrafas de vinho de ca-
j ; a Manoel da Silva Carneira Pimpao.
32 caitas eom 52 arrobas e 25 libras da velas
de carnauba; a Antonio da Suva GuimaxSes.
93 meios de sola; a G. P. do Araarai & C.
II volumes cora 90 barricas vaslas; a Necome-
de M. Freir.
3 eaixas coa 11 arrobas de carnauba; a or-
dem.
18 meios de sola, 4 molhos coorinhos, 2 saceos
penas da ema; ignora se.
44T meios de sola, 133 molhos connteos, 20
saceos cora 99 arrobas e 10 libras de aigodao, 10
Trasqueiras eom 60 garrafas do vinbo de caj, 2
caixertes velas de carnauba, 16 barricas e 36 sac-
eos cbm 194 arrobas e 7 libras de carnauba; a
Lino/de Faria.
ALFANDEGA DEPERNAMBCO.
|rA DOS PREQOS DOS GNEROS SJEITOS A DIREITOS
; BXPOHTAfiAO. SEMANA DE 2 A 7 DO HEZ DE
iiiiii. de 1866.
Mercadorias. Unidades. Valores.
20S000
lQOOO
libra
alqne.re
arroha 29JWW
51000
7*000
Sola empaqueta. urna 2*000
Tabeas de^imarello. .... 4nzia 140*000
diversas...... 87*00
Tapiocas..... arroba
TalJoba........quiatai
Jw......... tw
Unbas de boi ...... eento
Vassooras de de piassava >
Ditas de timb...... *
Ditas de carnauba.....
Vinagre......... ranada
Aifandega de Pernamueo, 31 de marco arioso.
EADITAMME.NTO.
Cera de carnauba arroba
Cassueiras de Jacaranda, dazia
Enchameis......
Esteiras de carnauba. .
Ossos. .......
Paha de carnauba .
Penna de ema .
Sapa tos de conro branco.
Era ut supra.
ApprovoAifandega de Pernambnco, 31 de mar
oo a MM.-------A. Enlalio.
(Assignados):
O !. conferenle, Mamel Peregrino da Silva.
AVISOS MARTIMOS

60
Al'Cll c "
graphleo Peraambucaao
WaA^niA iUlAHll,i:ism\ Sio envidados todos ps socios do losii-
DE j Jato qpe de pregante se acham no Hecife a
PlATTF A 1/iPAD < esistioBin proxfma gessfo de qoiota feira,
L*ll5 */Ft, 5 do urente abril, plas llioras da
at" ."rt t do:Pr anhaaTna qual toi&v a posae da nova
Santa Qruz, comraandante Carlos Iflea administrat^, e a disoascaO do orca-
Goraes, o qnal depois da demora ment para o anoo de 1866-4867, em CO-
do costnme seguir1 para os por- lormidwle do artigo 27 dos estatutos.
adaaaeeekem-sepassaReiroj e engaja-ae a 4 aaaatiqae Jupor poder conduzir, a qual de^pra' >o.
er maotoada nodta de sua chegada, encomsjen-
das e dtahaJM a frota at o dia da saluda as 2 ho-
ras : agencia roa da Cruz n. 1, escriptorio de An
onlo Lniz de Oliveira Azevedo & C
um
urna
arroba
molho
ra
Para o Rio de Janeiro
fiiOO pretende seguir at o flm da presente semana a
98j|.Q96 bin nacional Guarain, apenas recebe carga miu-
ttiSffo ** acasos, para os quaes tem excellentes oom-
IfiO mo*9s : irata-se eom os seas consignatarios Anto-
nio Lniz de Oliveira Azevedo &C, no sen eserip-
toftoqra da Can n. i. _______
1
?
200
800
20JOO
800
Par o Aracaty
O biale Bous Irmaos, para carga trala-se eom
Tasto Irmaos on como Sr. Quintal no trapicho do
algodlo.
Para o Para' pretende sabir em poneos dias
o patacho PARAENSE, por ter o sen carregamen-
to qnasi prompto, e para o ponco qne Ibe falla ira-
u i. cooiereaie, Mamel Psreertiw W mua. ta-se eom consignatario Joaqaim Jos Goocalves
0 2/conferente, Jos Baptuta de Castro Silva. BejtrSo, na roa do Vigario n. 17, 1- andar.
Conforme. O 4. escriptnrario, Atecandrino ; --------------2---------*-L------
R8(^BEDORIAn<)aBRBra)A5 INTERNAS GE- f\ WW! l^fln l\ it\
RAES DE PERNAMBUCO | Zl\ U J. l^X U ^iKi^J
Rend ment do dia 2 .......... 748*432 Vende-se a bareaca TamandarT que se acha
=:=,sr nesta porto do Recite alaiuna cousa arruinada,
RENDIMBNT9 A RBCEflRWWIA DE RENOAS >m todos os seus ^toacosom bom estado, por
JjWRRMA* .G_||UaV E PBh,\MBOCO DO pfoco conimodo : a tratar em frente da estago da
15*000
3:262*274
wos......... cento
. caada
COMMERCIO
PRACA DO RECIPE.
Cotaeoes ofOciaes.
2 de abril.
As 3 1|2 horas da Urde.
Ai^iiu 1' sorie17*650 por arroba.
jjjru i de Macei 17*500 por arroba posto a
larde.
CSOCoaios 12 i(0 ao anno .
unbourcq Janior,
Presidente.
*tvalra,
Seeretario.
dente de cana .
m reslada ou do reino
dem caxaca........
dem geuebra.......
dem alcool ou espirito de agua-
ardente.......
Aigodao em caroco .... arroba
dem em rama ou em Ha
Arroz eom casca.....
dem descascado ou ptdo
Assucar masca vado ....
dem branco....... <
dem refinado...... <
Azeite de amendoim ou mendo-
bim ........ casada
dem de edeo......
dem de mamona ....
Batatas alimenticias .... arroba
Bolacha ordinaria, propria para
embarque.......
(dem fina........ >
Caf bom........
dem escolha ou restolho.
dem torrado ..... libra
Cibros........ nm
Cal.......... arroba
dem branca ....
Carne secca (xarque) ...
Carneiros ....... um
Carvao vegetal ..... arroba
Cavernas de sienpira urna
Cera de carnauba em bruto. libra
dem idem em velas ...
Cha .........
Charutos ....... cento
Cevados (porcos) ...... .um
Coces (seceos)..... cento
Colla........ libra
Couros de boi, salgados. <
dem idem seceos espichados >
dem idem verdes .....
Idem idem cabra cortidos um
dem idem de onca ....
Doces seceos...... libra
dem em gela oo massa >
dem em calda ..... >
Esaaaadores grandes um
dem pequeos......
Esleirs para forro de estiras
de navio......... cento
Estopa nacional ..... arroba
575*910
HEZ DE MASCO, A SABER :
Renda da twognpnia nacional..
fMta des proprios naciones......
Foros de terrenos e de marinna..
Laudemios......................
Siza dos bens de raiz..........
Decima addiciaoal das eorpora#v
coes de nrao mora. ........
Direitos nevos e oelhes e- de
thanoieUaria ...... vw......
Olios de patentes dosolciaes da
guarda nacional................
Dizima de chancellara...........
Matriculas das facnldades de di-
mito .......................-
Multa por infraesoes do regula-
mento.........................
Sello do papel flxo................
Dito do proporcional..*....,..... 9:79It5m i
via-fe*re eom Praoealioo aporto de Albqaer
* <|ne Mello; nos Afosados eom Francisco Gongalves
>?fina Serrino ; ern Sant'Auna eom Pedro Ramos Leu-
s tier r na Ponte dos Carbalhos eom Joo Chrysos-
tomo de Oliveira Felagio, e e Jaboatao eom F-
lix Ramos Leotier.
Para a Bahia
i:
O hiato CALLADO segae para a Bahia eom a
carga que ti ver no da 7 do crreme : a tratar eom
558*000 Tasso irmos ou eom o capitio Manoel Martina da
396*666 Costa._____________________________________
_.,_ Segae para Liverpool tocando era Lisboa o
17:IOJ*BOU;por inglez TrtALES, no dia 5 deste mez, pora
,... passageiroi e encomm-ddas trata se
840*oDU
6:117*100
Premios dos depsitos pblicos..
Emolumentos.................
Imposto de correctores e agentes de
kdas.......................
Dito sobre (ojas e casas de des-
conlos......,......
Dito sobre caaes de movis, rou-
pao, ote. fabricado em paiz es-
tnofAo..............
Taxa de escravos. ........
Cobranc da divida activa .
lndemni8a;oes...........
Deposito do diversas origeas.....
231*293!
2:186*980,
*
8:247*046
cora os con-
signatarios Saund-rs Brothers & C, largo do Cor-
po Santo n. 11.
-n"ii-
LEILOIS.
390*000
1:2.68*000
3:946*370
109*000
35*829
LEILAO
De fazendas limpas t ava-
riadas
HO J JE.
Tbeodoro Christiansen fara' leilo por intervon-
jo do agente Pint.i, de un competo sorlimealo
^~^7rriTr de fosalas tnglazas, francezas e atlemaes exisloo-
Oo:ea>*sio ^ eBa fQa arB,aw4 ^ rua 0 Trapjcne D. J6, as
Reeebedoria de Pernambuco, 31 de mar$o oe ti boras em ponlo Jo au ,era (era3 j0 corren.
186 te ; o'aquella mesma oceasio vender tambem al-
O ooerivao, gumas aieudas avariadas.
Manat Antonio Simoi 7> Aoro4. i Prc|piara' as 10 horas.
CONSULADO PROVINCIAL Mi.nl ---------------_ > f,------------------
Rendimento do dia .,....... 4:863*4941 MJKME A.O
I Das dividas da massa fallida de Amorioa,
Fragos Santos & C, na importancia de
I t01:6903 rs. '
A'nn'os salados no da 1. (>r>lcil SlHaes *]
Canal Paucho inglez Adelaide, capilo Ban.jor mandado do film. Sr. Dr. julz de direito espe-
carga assucar. "] ci*l do eommercio levarji de novo a leilo os titu-
Bscona mgtau Ha, eapmo W. Walke/, |w de dividas da massa fallida de Amorim, Frago-
so, Santos <& G, na importancia de 104:6909283,
cpja relaco e ltalos esta' em poder do referido
agiote a same, e te/a' lugar o leilo no dia
Quaru feirt 4 de abril
as 11 horas no armazein a rua da Cadeia do Reci-
Jos Sacras dfzmedo.
Secrtario perpetuo.
LOTERIA
Aos fcOW^OO.
Corra annanhan.
Achaaa-se venda na respaciita thesou.
raria, aua do Cwnpo n. 15^ oabilhetes,
meios a quintos da ultima parte da 5a e i*
da 6* lotera $5), albenflficio da igreja e
Nossa Senhon do Guadalupe da Olinda,
anja eatraccao; ser no ligar e bom do eos-
tome.
Os premios de 0:0000000 at 104000
serao pagos uma Uora depois da extraccSo
at as 3 horas da larde, e os outros depois
da distpibuiejodaa-lisias.
As eocomnaendas ter%) guardadas so-
mente at a npite da aosaera da extracclo.
O tjiesoureiro,
Aatonio Jo3 RaAnjgues daSouza.
Antonio Joaquia Ferreira Pqrto, r*oa-se
para a Europa.
nmm%\\ m piano
Jos Cvelho da 5lva e Araujo confua a
laccionar piano: aja rua do,iavramento n
21, -tercearo andar.
. i*** mwmmwm
Francisco Pires MacFstWl
Portel]*
MEDICO E OPERACOR
PELA
Faculdade &* Pars.
contiaaa no ezercicio da sua poaatsao.
espeeialmeote as molestias de olhoc, ao
vas orinaras e de palle, para cujo tra-
tamento julga-se Habilitado attiala a pra-
tica adquirida nos hospitaes djnwMl ca-
pital, e os instrumentos mais ankrnot
que pos.-ue.
Accode prompUmente a analooer cha-
mado para fora da cidade.
E enearrega.se de collocar olhos arti-
ficlaes.
No pateo doCarmo a. 2. esquin i da
rua de Horta*. da* 6 aa 0 Hocas a ma-
nha, e das t aa da tarda.
mmmmmmmmm
t- Precisa-se de nnw ama para cozinhar-aqi
orna casa de faaaitU : na rua da Cruz n. 8, ter-
ooH-o andar.
MOVIMENTO DO PORTO;
Maaaw
em lastro.
2
Rio-Grande do Norte Hiate brasileiro IVico/do 1,
capitap T. Theodomiro de Moura, carga farinha
de mandioca e ootros gneros.
Observado.
Nao boflveram entradas.
: fe d. 29.
SHHBsasaBaHSfs^fmptP
DECLARACOES
1 De trastes, crysiaes, ohjectos de
ouro e prata e outros muitos
ExpOSIC&O d08 pFOduCtOS a-i artiqos
gricolas e idustriaes da QuaiU-eira 4 provincia.
A commissio incumbida de dirigir os ne-
gocios da exposipo desta provincia, previ-
ne aos artistas que desejarem concorrer eom; 48 i'raea do commercio --4a|
seus productos mesma exposic5o. e
FLORES DA NOITE 1
POK/IA
DE
LYCRGO 1. H. DE PAIVA.
Um volme formato em 4 em broehu-
ra, eom 200 a mais paginas, acompanha-
de do retrato' do autor. Assignaao na li-
vraria fraaceza dos Srs. Garraux de Lai-
Uae* & C, a roa do Crespo n. 9. Preco
54000.
Livros de medicina
CHERIOVIZFormulario ou guia medi-
ca, 7. ecao in fi.? -
CHERNOViZDiccionario de medicina
popular, 3.3edieie, 3 ini.;
LNAGGAKDArte obstretica, in 8.
Diccionario de mdicina
domestica e popular, 3 ia 8. 1885.
BONJEANNovo manual do fazendero.
2inC
BEIRO -Compendio de mitera medica
e de tberapenti a, 3 in 8. -
G08HS--Elementos de pharmacologia
garaJ, jn 8."
La\TaT5lPreservado pessoal.'42.aedic3o
in 42
MACEDO-WlIO-Guia do alveitar 2.*
edic3o in 12.
MELLO JtfOftAES-Plijiiologia das pai-
xfiesa. edc3o31n8.
MESMER Magnetismo tnal, 1 in 8.
MURE -Medico do novo, 1 in 12.
NA UTRARiA FRANCEZA
N. 9 |ba do Crespo N. 9.
Papis pintados.
Sortiraaatas de papis piulidos e lindas
guaroices para forrar casas.
NA MVRAJUA FRANCEZA.
K. 9 Rua do Crespo N. 9.
VARELLA
Cauto phaataslaa.
U velume in 12,* impresso e encader-
naaa em Pars em sasa dos edictores
UWAfiJA FRANCEZA
N. 9 -^ua^lo Crespo N. 9.
Paula Baptista.
Cempend'ro de 4heoria e pratica do pro-
cesso civil.
Compendiado iiermeneulica jurdica pelo
Dr. Francisco dePauraRiplista.
As dujas obras encadernadas em um vo>
Ihume in 8."
NA LfVRARIA FRANCEZA
N. 9. t*ua. do Crear*) N. 9.
Livros de preparatorios
IJNGA INGLEZA.
HILLARD'S-First ClaaReader. in 12.
MOFTA firammalica pratica da lngua
in^za, in 8."
SAI)LER Conrs complet de languean-
glaac.
&ADUERiDiclionaire francais-anglais -
anjdais-francai, ia 8.
SPIERS Dictionaire francais-anglais
angrais francais, 2-rn i.
tLEIDORF.Maftoda Panglais, iu8.
KUSSIL Curso da lingua ingleza, se-
gunilo o methodo Uobutson 3 in H."
VIKII Dictionary of Um english and
portugnoae laagaages. 2 in 4.
WALKER -Prono ncig di' tionnary, in 8o
NA LfVRARIA FRANCEZA "
N. 9 Sua do Crespo N. 9.

OLYMPIO
os
*
Farinha de de mandioca
dem de aramia ....
Feijao de qualqoer qudlidade :
Frechaes .......
Fumo em tolha, bom ...
dem ordinario ou restolho
dem em rolo bom.....
dem ordinario ou restolho. .
Gallinhas ........
Gomma........ .arjfoba
Ipecacaanha (raiz).....^#
.
am
caad
800
800
340
800
900
4512o
165500
15300
25600
15830
35000
35900
25000
.15600
15000
15300
35000
75000
65500
65000
440
360
320
580
35500
45000
I5OOO
35000
300
500
25OOO
35OOO
I55OOO
45000
600
150
240
93
360
IO5OOO
15000
320
520
45000
25OOO
155000
15800
LEILO
que nao o possam fazer por falta de recur- >
sos, que deven dirigiese ao secretario a'
commisso para obterem os auxilios neces- J)q movis, fouoa, vidros, obra$
sarios acquisifo das materias primas des- A mMdlht
tinadas aos ditos productos. IA ne u.ro L Pmm<
Sala da commisso 15 de margo de 1866. Quarta-feira 4 4o carrete no arma*
0 secretario,
Manoel Buarque de Maoedo.
Tribunal do commercio
Pela secretaria do tribunal do commercio de
Pernambuco so faz publico nue em sessio do mes-
rao tribunal de 42 da correte foi considerado va-
go o ofikio de corretor desta praes, que exercia
Frederico Lopes Guim-iras, o qaal o ahaodooon,
e quo a anga prestada em favor do mesrno cor-
zem rua da Ca ho as.
Por intervengo do agente
Cordelro lines.
LEILAO
De 35 barricas eom ceneja.
Quarta-feira .4 do corrente.
O agente Pestaa fra' leilo por conta e risco
rotor persiste por seis metes, contados desta data;'da qaem aarlepetre 35 barricas eom cerveja
B Na casa de madame Miilocheau, rua da Im-
peratriz o, 1, precisa se de costureiras, pagase
bera.
wmmwMmmmm
DEPOSITO DE CALCADO g
FABRICADO KA CASA DE a'TEXT ifl JB
Rua Xva n. Gl.
Ah se encoitrarao obras de di-
versas qualidades, e por proco mui
diminuto, a retejo a era porjes.
M Sseveadea diabairo.
KJoVaFlIK
AMA
Precisa-se de uma cozinbelra, prefenndo se cap
Uva. pagaa baaa: ao tfosakia o. 36.
Caixeiro
Olrrece-se um rapaz de 18 a 20 anuos eom
bastante pratiea de fazendas preferindo ee para
lora da provincia: qam deste precisar dirija se a
aravessa das Crazes n. 2, em carta fechada.
Medico e operador
O Or. Joo Rawi*4o (fteraira da Silva,
tendo frequentado os aai noiaveis fcospi-
taes de Pars, pode ser procurado para os
{amieres 4o sea profissno na roa da Ouz
n. 40, segondu afldaj- P ponnjta.s todQS
l os viadas t as 4jnftrM.^a auab*. &
pecaUdad**, r- nwleslUs d- oluu, put.os e.
vias urinarias.
Irmnntlailr do Sv Sacramento do
Recife
Da ordem da raes? regedera convido a lodos os
Irmaos a rounlrem se no consisluno desta irman-
dade damiajzo 8 do corrente, pelas 6 horas da ma-
nhaa, allmde acompanharmos oSantissimo Viatico
ao enfermos
O escrivo,
l oa c. Magattiaes Jnior.
Ama
Precisa-se de uma ama para o servicode
urna spaiftOA-. na rua da Cruz n. 16, se-
gando aa4ar, paga se beta.
~Z Precisa*) ae aaTnv ava'oVrviQrinter-
o o txtora ia mmaeasa do awdia,j..,:, se bem :
a roa do Livrameaui n. 33, segundo andar.

Casas
Alugam-e as casas terrtos das iaas de Santa
Rita n. 21 e largo do Forte das Cioco Ponas n.
45 : a tratar na rua do Queimado eom zeved i &
IfOtao. _
Precisase de uma ana qoe oainha para rasa
de homem sotteiro
aaco.
u roa Direfta a. 78, reti-
>a roa IMre.ia
orna ama.
48, 4" andar, piacisa-se de
s
Precisa-se de uma ama para sa de /apaz sol-
tetro ; ama do Queimado n.I9, loj de fazendas.
fV* 4* 5*13'3 *ut ^scriptorio^ deseja-
e qne fica marcado p praso de 60 dias, para dentro
delles se habrlitarem os coneorrentes ao referlo
offleto.
marca AU Sopp, sem rtserva de preoo em nm on
mais lotes a vontade dos compradores; qaarta
feira 4 do correle pelas 10 horas da inanhaa no
se faliar ao S*. Manoel K. de Bylt Corte Real.
Precisa-se de uma ama p
aahar nara uma. pessoa : na r
mero 72.
Secretaria da tribunal do cormnorcio d# Per- armazom do Sr. Azevedo defronte da aseadinha da
nambnco lSdoroaroe-dellM.
O offlcial-raaior
.Jaam Goimaro*.
aifandega.
LE1L40
De nma mobilia de jaearada' constando
alqnefre 25500
arroba 45000
f 25800
am 55000
arroba ,155000
>
>
ama

. .
Cemha em achas
Toros .
t maneo d* V e rata na- t^ e ef ^
^T* ^~ Mel ou melac
. Milbo.........
GUm Sanco escoma lamo a 12 por corto faBaeijos ^ ,
io w^. loa. 4inlir a praso ixo o* em cnU pjo Brasil.......
45oiTae pelo nromio e condicSes onesaeonwn wem de jangada......
Amar. wca cobre a praga da Babia f^ns 0e amolar
_ v^ T~*tv 1 Mem de Wtrar .....
idoro Banco tePwwmbuco. ;,*"^ .:::::
0 ava banco paga 16 dividendo na pontas, on cbifres a vaneas ou
aaafa d;d#i50por aerajo. novilhos......
"ftaaeWes de amarello do dous
um
na
c
cento 350OO
COMPANHIA PERNAMBCNA- am3 n,omi,a, ?e '""" conswnuo de 12
Tendo os iegitwos proprletarios das aecdes des- f auaxalcao, taUao de bracos, 2 ditas de
ta companhirabaiso mencionados, declarado que! balan5o. 1 sof 2 consolos cora pedra e mesa de
haviam se doseneamlnhado de seu poder as de ns. 1 ei f rico piano francez, 2 espelhos, 1
886 a 89o e 2786 a 2790, pela geresia da &>mpa- candebbrode erystal, 1 par de lanlernas cora p
ohia Pernambocana e por ordem declara que da data deste a 30 dias, a vista da amarello, 1 marqueza para casal 1 guarda looca
Ministran dos maaoiaa AhM van w rnlre*urs no- ""S de aarMo para jaatar, 2 banquinhas, i
vasaS-ff ". adelras americanas
Pernambuco 14 de marco de 1866. Jjf de garraf.a. 1 apparalho de porcelana
0 gerentaF. F. Bornes. I o0"110 Para a'rao?<. loaga de jantar, copos para
,------:----------------------* T. agoa, lapfetes e outros objectos do uso domestico
= Pela admimstraco do correio desta de nm familia.
i-i 11 de se faz publico a quem interessar pos- Qainta-feira o do corrate.
*i, que se acham retidas na mesma admi- O agento Martiasfari leilo do* movis cima
1 por falUde MW.U. *^.RtrC"*"JSflTS
differentes cartas e conhecimentos destma- g^ d0 Recifo 53( 10 i,j horas do dia ci-
dos a diversas estacos-do caminho da va ma dito. ____________
frrea.
^ior
PrKisa-se para um sitio grande um fetor, que
entena dejardra i df- Awdsib F. do
Olivefera, ou no sea-sio da Ponte de Cehoa, oo 00
sen escriptorio, praga do Corpo Santo n. 17.
Diverlamentos de cavalii-
nhos artifiqiaee.
Xa rua da Florentina.
Haverao todos os dias estes diveMiaiMlos para
quem se quizer divertir sendo pelo dirmnaie pre-
r.odecadaootradal$0 rs. e eado ara co*er
nos cavalhinhos pagara' mais 160 rs.__________
Perdeurse no,dia 1 de abril rua da Imperatriz n 23 at a matriz da B^-.Vis-
ta urna pulseira de ouro : quem a acbou e queira
restiini-la sera' gratiocado.
Aoionio Martins Lisboa faz pb^lco qoe de
sna casa dosappareeon nm livro de recibos qoe
exista em cima de uma mesa, e eemo em sna casa
entra muitas pessoas, previoe-se a quem o iiver>, Je aos orgOfi da respiraco

ara comprar e co-
a do Hospicio nu
(Jaem livor achado orna pnlseira de eoach
sem esmalte, na matriz de Santo Antonio, qu-ren'
do eatregar, dirjase a roa do Rosario da Boa-Vis-
ta n. 46, que sera' generosamente recompensado.
IShScSS dospulmer. angi-
nas, tosse, escairos de
saage, criipo ou garro-
tlbo, catarro, rouquidao
e todas as innumeravei molestias que affec-
que o mande entregar no becco do Caropello n. 4-
com quaato este tivro pareca de fiwita haportae
ca, a nao tem. por quanto j se acha laocado estes
pagamentos nos livros competentes, o qual pode
ser confrontado eom os livros das pessoas qte ce
elle tem conta, qne di em resaltado a wnacaaftD
dos pagamentos, e nao produz o mal que a pessoa
DKaAPPARIX'KH
odiante a accao da balsmica e irrev
ANAGAHUITA
site oa entcaga por soafr" da. glande vantagem
decreto n. 185 de 15 de maio de 1851, se proce-
der o consumo das cartas existentes na adninis-
tracao do crrelo, pertencentes ao mez de marco
de 1865, no dia 3 da abril prximo, as 11
horas da manhaa, na porta dome;mo correio ; o
lista se i
interessados.
LE1JLA4
De 1 mesa elstica, 1 plano de arrmrio, 1 cama
c de Jacaranda', 1 santuario, 1 lavatorio eom pedra,
1 appareib para almoco, i dito
letras de Da
se torna en la-
GORREIO GERAL
Pala adminlsiracio do crrelo desta cidade se YZ^\\\JZ*Z''1 VM'"hro
faz publico para flns convenientes, qoe era vlrtude'J l0""^' *'JS!; < Sftn nan
do disposto no art. 138 do regulamento geral dos ^A^lrTiT^rtiL balanco l liar
crrelos de 21 de dezembro de 1841. e art. 9 do i costurel !,re' an.!0'l m!
1 armario,
para jantar, i
>mein
a respectiva lista se acha lesa j i exposta aos
Aeministracao do crrelo de Pernambuco 27 de
mareo a> 1805.
O administrador
____________Domingos dos Pasaos Miranda.
&&*RgfO ggftM i
Relaeio das cartas seguras existentes a* adminU-
quezo e outroj, muitos objectos que
ho mencionar.
Qainta-feia 5 do corre -teas ti horas
O agento-Mirtina fara' leilo dos objectos cima
endoaades por cea a de diversos cojos objectos
serao vendidos pelo maior preco ae correr do
martillo.
RUA DA CADEIA S. 53.
Roga-se a pessi
>o de sol quasi _
rorelfdeTerei
Sr. Cazomb^aa^aaJ
levon nm eha-
o,,- ri-
lar io
|m embrolho lo,dtt apai*, jand
D. Mara Amada de lesos Facreir
PEITMAUeIW
AVISOS DIVERSOS
....."
Deelaraeio.
- ^i ODr.J.iJto Jos Piolo Jnnior pode ser proco-
iraca M cfwew,wafMaa^ar*is*naaKm,Mdo^r,^.mte,wgde^m M ^ ^
aaaw edaraoa : Imperador, sobrado de nm andar, n. 29, para onde
Adolpho Carlos Sanche. ja iransferlop s*u escriptorio, e va transferir
Atoxandrino Cavalcaoli Ostiz Gamargo. tambom a sna residencia.
1*000 a-mJCeiliaao.lVmiraJofWy.
120 Padre igaiMs reaachwo dooSaaiM
Jos ^oovnwalonfeiro.
los Cajweua Rodfigttes Campell j.
Joo Lourenc.0 dos.SaaW.
ido a$n nma pa-
. Dirilo 5anto, 4$
VaTir amada de sns "Farelra em 1833, e
ima snbscrofo, '[njM(,ajipaa>Bar.aBaira ter a^^e de h^ p^,;,-, quj> Jl o*ome es-
1^V?2S& 0 lm 9M]VSfS'S^rAnmj4 e urna
moraaa para sor pfflgaraao. ----------------T" rvoi. cuj* madeira paPBmrto lempo se
JAl0.a 'de leite. Iha usado no Tampico para a eora das n-
Na Capnnga, porto do Ucer, sitio eom nma [ fermidades cima mencionadas. Foi tam-
graads angaira -do lado direito, ha nma boa i rjeca ensaiada e approvada pela academia
ama eom maHo tom e abaadaate leim par* s ajadica de Berlim 0 peiloral de Kemp
*" ---------- ni mi um xarope deeioso irrteiramente livre da
opio, acido hydrocyaaico e ostros ingre-
. para eaixeieo de dientes nocivos.
duales hoaados ha | a.' venda as drogaras
Preeisa-.se
daam raooino de 10 a 12
nma taberna, preasrmde-oe
Alfltnat mwi lila wm 2 y^^^^i "'* u,u, ,.,., piwWw-----
dar do idm Crazes n. 41 : a tratar, pouco, com_pratJca on sem J^|JfB PJJ^JJJ boca, fiavoT staboleci-
oa tahoraa aaatiflaa ao mesmo sobrado,
da Manguean n. 6.
su' na rea' dirija-se a Boa-Vista, boceo i
. i
de Caors 4 Bar-
dos os es
filos phamaceuticos do imperio.
'


i
INJECTION BROU

INJECCAO.E CAPSULAS
VEGETAES aoMATICO:
GRIMAULT&CLEPHARMACEUTICOSEPARIS
H.NrInntr?htment0 PreP!r,d, /W *, rvore do Per, par a cura rpida e infallWel
f.n. r .' .ter_rno'><:iado, dude sua appan?io, ao emprgo de qualauer outro tra-
gggy-^^g^"* w?*o de fluxo; BflS em todos 01ESS tart
~~~--^^_________________
l:zae:it3
Tinta Inalteravel
Para escrever
de P. MIRER i C\
PBRNAMBUCO
*
Esta tinta recommenda-se pela sua com-
posica e fluidez como a melhor e a mais
segura de todas as tintas at hoje conheci-
das. Nao ataca as pennas de ac, d at
tres excellentes copias, mesmo muitos dias
depois de escrever, e prefer vel a qual-
quer outras tintas particularmente para
livros de commercio, documentos etc de
que se careca longa conservaca.
Pernambuco, ra Nova n. 18 pharmacia franceza de
P. MAURER i C.
PERFUMERA da casa oger
Boulevart Sebastopol, 56. Parlz.
Des medalhaj, a condecoraclo da Legin'
d'honneur e a grande reputado que tem lhe
dado o publico, taes sao as recompensas que os
trrico! prestado a industria merecerao a
esta importante casa desde sua fundacao em
ioU4.
N'um sortimento de mais de 500 artigos
u pessoas elegantes escolherao os segrales
ROSEE DU PARAD IS, extracto superfino
para lenco.
POMMADA CEPHalique contra a cal-
vicia.
AGUA VERBENA para o toucador.
OXIMEL MULTIFLOR.
VINAGRE DE PLANTAS HYGIENICAS.
TINTUP* ""RG'NAiE fi. brijoim.
ROSEE b LYS, va dueira agua de
Jouvencio.
CREME LABIALE de sueco do Rotas.
POMMADA VELOURS para amaoiar
ELIXIR ODONTOPHILE.
SABAO dedicad* as damas americanas.
sabao do bouquet do Franca.
A'
d*
d
>
d*
d*
d*
d
i*
d
de flores de akea rosea,
de flores printanires.
de bouquet do outono.
de perfumes exticos,
aurora, dedicado aos dedos cor do
rosa.
de flores das montanhas.
de cheiro de foins nouveaux.
' l>lnoi -lieiroos.
ui .lilic, H.dsamica.
diuyr, caixa rica, aatetia "pari-
nefice.
Ama
i Precisa-fe de urna sentara portuguesa que
lrftfiRa. ,in..' __ Ma morigerada para servlco domestico de ama
yJS^TS'f^^Yj,^ Cm *|gSfa"'to' a o Sperador n. 46 "
lenta 2$*r^
sua Jucu :Pua ra doToori! .* **" fSnr^iX W "" '*"" "****">?
FABIftIC A A VAPOR
99 IIA DO MOtDEGO 99
Deposito na ra Nova n. .o loja de relojoeiro.
Deioucbe donos deste estabeleoimento partecipa ao respeitavel publico que sua fa-
i briea est montada com as melhores mchicas que existena na Europa, e que pode
1 fabricarcoi melhor perfeicSo possiv puro, o que nao se pode encootrar naquelle que vem de ra, e que se vende por preco
baiio, visto os productos sereiu do paiz. Na etiqueta tem sempre urna aguia.
PRECO.
Meia libra. '........ 400
Urna libra. .,_...... 800
Urna arroba ........19)5000
Na mesma fabrica acaba de se montar urna oficina com serrara a vapor para
obras de marcineiria propria para edificio, para o que encarreg :-se de fazer portas, ja-
dellas, assoalhos (parqu francez como se asa na Europa,) earmac5es, ludo com brevi-
nade e'perfeicio. Toma-se qualquer encommenda para fra da cidade, entregando-se
prompta a collar-se no lugar.
DE
COEJLHO c FREIT1
Rua ola Cruz a. 16.
Esta companhia liga pelo systema mutuo todas as combinacoes de supervivencia dos sean
os sobre a vida. *
Nella pode se iazer a subscripto de maneira que em nenbum caso mesmo por morte do-
segurado *e perca o capital era os juros correspondentes a estes.
Sao tao su preen den tes os resultados que produzem as sociedades da ndole deA NACIO-
NAL,que anda mesmo dimlauindo ama terca parte do interesse produzido em recentesliquida-
ces ecombinando-o com a mortalidade da tabella de Depareieux que adoptada pela companhia
para seus clculos e liquidares, em segurados de idade de 3 a!9 anuos, nma imposicae annna.
de 100J produr era effectivo metlico:
No fira de 5 annos.......1:1)95300
de 10 ........ 3:94241600
> de 15 .......11:208*200
de 20 t.......30:256*000
de 25........80:3314.000
as idades menores de 3 annos e maiores de 30, os productos sao mais consideraveis.
Prospectas e mais informales serio prestadas pelo sub-director nesta provincia,
oaquim Fiuz de Oliveira, rua da Cadeia n. 52, ou a Boa-Vista rua da Imperatriz n. 11 estabelcl-
mento dos Srs. Raymundo, Carlos.Leite & Irmo.
TINTUR

AO GRANDE S MAURICIO
PKOiE^NON APERFEI^OAOOI
PARA
Tingir, llmpar e lustrar a vapor.
-
F. A. SAL
29 Rua 7 de setembro 29
Defronte da roa nova da Onvidor (Rio de Janeiro)
Os proprietarios deste estabelecimento, o primeiro no seu genero no Brasil, por

A QUARESMA
Acabam de receber G. Paes do Amaral & C.
5 RA DO CRESPO 5
Antlga casa de otlherme da Silva ulmares
Ricos cortes de vestidos de gros-de-naples preto, com lindas barras bordadas.
Moire-antiqoe preto em cortes e em pecas, liso, ondeado e com palmas.
Gros-de-naples preto, de diversos precos e larguras.
GorgorSo preto, fazeoda superior a todas pela qualidade, e bonito tecido.
Este estabelecimento
acha-se sonido com numerosa quantidade de filos pretos, de algod5o, de linho e de se-
da, manufactralos em
ckales
retondas
algerienes (bournus)
anamjtes
africaines
pompadour
DE FANTHASIA
Receberam mbem bonitos cortes de popeline de listras de cores, e matisadas,
muito modernas, de gostos inteiramentenovos; e outras muitas fazendas de goslo, viu-
das pelo ultimo vapor.
G. P. DO AUUtAI, fc c.
5 RA DO CRESPO 5
--------- ___----------------------r...v_------r_._ ....B va!, U IJU1, JO W USU lid
Europa, e ajudados por alguns dos melhores officiaes de Pars e Ly3o, podem assegu-
rar seqs ffeguezes urna perfeico no trabalho, a qual seno pode cbegar pelos proces-
sos ordinarios.
Tingem, lavam, limpam e demofam com a mai r perfeifio e brevidade qualquer
qualidade de fazendas, tiram nodoas e limpam secco sem molhar as sedas e as vestimen-
tas de senhoras e de homens.
Continua a baver diariamente um sortimento de pastis, podins, bolos inglezes,
empadas etc., etc. Os donos deste estabelecimento, acliam-se as melhores condices I
de poder satisfazer encommendas concernentes sua arle, em consequencia do socio .. "--r-------~j ^uvimui^w, |iIUicuu u cu gcueru nu nrasii, poi
Freitas ter sido administrador chefe de algumas das princii aes fabricas na corte, sendo lnar com as machinas mais aperfeicoadas para tingir e lustrar, de que se faz uso na
urna a do Sr. Jo5o Goncalves GuimarSes (confeilaria do Leo) antiga casa de Carceller.
Todos os trabalhos sao diflerentes dos que se fazem em casas particulares.
Os proprietarios deste estabelecimento n5o se tem poupdo a despezas, nem se
pouparo, se houver concorrencia como esperam ; tendo continuadamente bom -sorti-
mento de doces para cha; presuntos e ditos em fiambre, tambero se recebem para se-
rem preparados ; assim como doce de caj novo superior, secce e crystalisado, dito em
calda em latas hermticamente fechadas, podendo durar annos em perfeito estado.
Para jantares e partidas recebem-se encommendas dos seguintes objeclos; ban-
deijas ricamente enfeitadas sem armaco pecas de amendoas (nogaces), ditas de tmaras
de ovos, paes de l enfeitados com disticos anlogos a qualquer fim; ditos montados,
kechs simples e enfeitados com fructas ingle; gatheaux de la reine, ditos de le d-
chese, tortas de fructa, massa folhada; ditas de peixe e carne; cremes e doces de ovos
de differentes especies.
Tambem temum completo sortimento de vinhos engarrafados, como sejam: vinho
do Porto superior, Figueira, Madeira, Lisboa, Cherez, Bordeaux, Champagne fino, ser-
veja, licores, charopes e conservas. Para festas: bonitas caixinhas com amendoas, con-
feitos e mais enfteites. Muitos destes objectos mencionados podem-se perfeitamente ac-
condicionar tanto para a provincia, como para fra.
. k FIGURAS
Acabam de receber bonitas figuras para bandejas de doces, sendo grupos para
baptisado, casamento, annos, dilta a phantasia, bonitos enfeites para bollos e circular pra-
tos de doces finos, tudo por precos razoave9.
Vende-se licores em duzia muito em conta.
DE
FAZENDA E ROUPA FEITA
RUA MOVA N. t.
Reg & Moura, proprietario da loja de fazendas e roupa feita, sita rua Nova
n. 24, verdadeiramente penhorados e reconhecidos para com teas amigos e freguezes,
pela aceilacao e confianca que delles tem merecido do curto espaco de lempo em qo
se acham estabelecidos e perfeitamente escodados na sinceridade dos seus tratos, decla-
ram para sciencia daquelles que o quizerem honrar com seus officios, que, em vista da
grande concurrencia que tem merecido o seu estabelecimento, especialmente no que
relativo a roupa feita; acabam de admittir para a sua officina de alfaiate maior numero
de artistas, indusive o seu contramestre, dirigido pelo hbil mestre Lauriauo Jos de
Barros, o qual n5o se poupa a exforcos para satisfazer com a presteza possivel qualquer
obra de encommenda.
Os mesmos annunciam aos seus freguezes que acabam de comprar um novo e
muito variado sortimento de fazendas finas e de bom gosto, proprias para o tempo da
quaresma, as quaes e&tao dispostos a vender por precos muito coinmolos e mais barato
que em outra qualquer parte.
Como sempre escusamos essa enfadonha prolixidade dos annuncios bombsti-
cos; preferimos mostrar na singeleza desle nosso convite os bons desejos que nutrimos
para bem servimos quelles que vierem ao nosso reclamo.
____mMmmmm
Companhia fidelidade de seguros
martimos e terrestres
estabelecida no Rio de Jaueiro.
AGENTES EM PERNAMBUCO
Antonio Luii de Oliveira Aievedo & C,
competentemente autorlsados pea direc-
tora da companhia de seguros Fidelida-
de, toma m segaros de navios, mercadu-
ras e predios no seu escriptorio rua da
Crui d. i.

DE
mmmmmmmmmm mmm
O Dr. Carollno Francisco de Lima San-
tos contina a morar na rua do Impera-
dor n. 17, segundo andar, tendo alias seu
gabinete de consultas medicas, logo ao
entrar, no primeiro.
O mesmo doutor, que se tem dado ao
estado tanto das operacfos como das mo-
lestias internas, prestase a qualquer cha-
mado, quer para dentro quer para ra
da cidade.
2
j. Mgnes.
N. 55. RIJA DO IMPERADOR
M. 55.
a Sltefff^g*^*** a8S conhecidos para que se a necessario insistir sobre a
ISa m^SlM^'S!S2e ?arant,as. qaeofcreeeni ^aos compradores, qualidades esus incontesU-
2hL? Sm i ? deflnltiy,arae,"e conqn.stado sobre todos os que tem .apparecido nesta praea : pos-
SStV?*Z?5!X!!2 T 6bedecem ,odas as vontades e "V'chos das pianistas; m
Ssatao!'riJ^Hm,eZabr,fad0B de PiJPOso, e ler-se feito ulmamente melhoramentos inporun-
!SS Sata V^o^qB1,to fi youSt me,odi0Sls efl,QUdas'e pr S8maito arada-
enrrlfJ.n^.-T'?' v* enconf",s. ** nesta fabrica como na do Sr. Blondel, de Pars, socio
KfZ^ fe, J T'^68' .*" PIW foram sempre premiados era todas as eipsicSes.
relh^f.nSrafH,^61110 ? "^ "J0 nm esplendido e variado sortimento de msicas dos
neinores antoresda Europa, assim^como harmnicos e pianos harmnicos, sendo tudo vendido por
precos conimodos e ratearais.
PECHINGHA SEN IGUAL
nn 'So .^iS?!,0'?0 f" Sed* p/eU?,*"* P 'do com 13 metros
too 18 a 20 covados cada eorte, largura de chita francesa, |*in t**urtm preco de 501
STc. "* ^ da?rolunma8 ta m d0 ^P ade-.^t^w LurreiaP S Vasco
Precisa-so de ama ama para comprar e cosi-
. nhar, para nma s pessoa ; na rua da Cruz n. 13
1. andar.
Na [iraca da Independencia llvraria n 8
exif te urna carta para o Sr. Dr. Candido Casado
Lima.
- Na. rua dosCoelhos n. 10, dlr-se-ha qnem da
algumas quantias a premio de 1 por cento sobre
boas garantas. .
Cslabeir. r~
Precisase de um cosmheiro para comprar e co-
siobir : na loja da rua Nova n. ti
Antonio Luis de Oliveira Asevedo & C tem
para vender no sea escriptorio, rua da Crorn. 1,
vinho do Porto em caixa de dozia, fio hiraburgaei,
oola da Babia superior.
Precisa-se de urna ama pan casa de pooca
familia, pagase bem : na roa do Hospicio n. 61
Quora precisar de o~m molecote para criado
de qualquer casa, dirjja-se a praca da Boa-vista, f
Em casa de Theod Chrisliansen, rua do Tra-
piche-novo n. 16, nico agente no norte do Brasil,
de Brandenburg frres, Bordeaux, encontr se et-
feciivamente deposito dos artigos seguintes :
Si. Jolieo.
St. Pierre.
Larose. /
Chatau Lovdle. .
Cbateau Margaux.
Grand vin Chateau Lafitte 1858.
Chatean Lafnte.
Haut Sauterues.
Chatean Saoternes.
Cbatean Laiaur Blancbe.
Cbateau Yquem. -
Cognac em tres qualldades.
Aieitedoce. Presos de Bordeaux.
com asselo, promptidao e preces razoaveis: na rua
Augusta n.5, loja._______. -
Ao commercio.
Como guarda-li vros offerece os seus pres-
timos um allemo, que tem muila pratica
nos trabalhos mais complicadas do escrip-
torio e que escreve e falla as linguasmoder-
nas mais em uso; no hotel do Universo.
CONTRA FOGO.
A companhia Indemnisadora, estabeleci-
da nesta praca, toma seguros martimos so-
bre navios e" seus carregamentos, e contra
fogo em edificios, mercadorias e mobilias :
na rua do Vigario n. 4, pavimento terreo.
Na praca da Independencia n. 33,"loJa~de
ourives, compra-se ouro, prata, e pedras preciosas
o tambem se faz qualquer obra de encommenda e*
todo e onaiquer concert.
Offerece-se dous engenbos moeotes e cor-
rentes com agua a quem quizer arrendar ou com-
prar, sendo um na freguezia de Santo Antio dis-
tante da cidade da Victoria 4 leguas e 3 para a es-
gao de Frexeiras, boa cata de vivenda, senzala
cercado em valade e muila mata, e montado d
necessario como seja casa para bagasso e estufa
Outro na freguezia delpoioca distante duas legua
e meia para a estacio da Escada: qaem pretender
dirija-se ao eogenho Slbir da Serra ou da Atha-
laia que achara' com quem tratar.
Antonio Jos Bodrigues de Souza na ruTdc-
Crespo n. 15, loma dinheiro para mandar eoirecar
na Babia, Pari e Maranhao.
%im^
, reeeo
hontem 30 do correte o mulato claro de come
Manoel, magro, cambeta das peroas, em um das
quaes tem orna lerlda quasi sia, com idade de 30
* K aonos, principiando a bucar : quem o pegar
e levar ao seu senhor na roa do Imperador n. 71,
1* andar, o gratificar*.________________
Na rua do Vieario n. 2i, escriptorio, preci-
sa-se fallar com a Sr' D. Claudica de Lemos Ca-
valcanti, vlnva do portoguez Jos Bibelro Tav.res
e mana do Sr. Caetaoo, coaretor de escraves, ou
com a pessoa a quem a mesma senbora autorise
para este nm, a negocio de sen interesse.
T"i8
1
I
I
loja de cera de Joio Pedro Baptisla.
Preena-se alagar um moloque def 16
annos : na roa das Larangeiras n. 10.
. Precisa-se de um caxeiro que techa prollca
I de taberna; na roa da Matriz da Boa-Vista n. 17.
Joiod Silva Ramos, medic
pela universidade de Coimbra, d
consultas em sua casa das 9 as
11 horas da raanhaa, e das 4 as
da tarde. Visita os doenies em suas
casas regularmente as horas para
isso designadas, salvo os casos ur-
[ gentes, que serio soccorridos em
qualquer occasiSo. Di consultas aos
pobres que o.procurarem no hos-
pital Pedro II, aonde encontrado
diariamente das 6 s 8 horas da
manba,
Tem sua casa de sade regular-
mente montada para receber qual-
quer doente, ainda mesmo os alie-
nados, para o que tem commodos
apropriados e nella pratica qualquer
opperacSo cirurgica.
Para a casa de sade.
. Primeira classe..3i5000diarios.
Segunda di'a.. ..3^500
Terceira dita'. ..2u0o
Este estabelecimento ja bem
acrediudo pelos bons servicos que
tem prestado.
O proprietario espera que elle
continu a merecer i confianca de!
'que sempre tem gozado.
I
I
- Aluga-se urna eaaa na llha de Betiro enfron-
te a ponte da Passagem da Magdalena, com eum-
modos para grande familia, tendo a casa um gran-
de solio e silio coa arvoredo*. por preco costmo-
do : a traur na rua nova de Santa Rita n. I,
melro andar.
>J
*




V,

V*
f-
n


Diario de ern&inbaco rcr?a felra 3 de Abril de
PASTILHAS
VERMFUGAS
-'
NOVA YORK.
DE COR CHEmO E SABOR AGRADAVEI8
Inlinitamente mais efficazes do que todos
os mais remedios perigosos enauseabundos
que existem para a expulsao daslombrigas-
Nao causara, dores e produzem seu effeito
sena precisar logo depois de purgante ne-
nia u e taoincilantes em apparencia e deli-
ciosas em gosto, que ascriancas esto
promptasa lomar mais do que marca a re-
cesta.
Uteis como um exceUente meio.de fazer
remover as obstruccoes do ventre, mesmo
GASA DA FORTOiii
Aos 6:000^000.
Btihetea garantidos.
K' RA DO CRESPO N. E CASAS DO COSTUMB
O abaixoassignado vendeu nos seos muito (li-
tes blbetes garantidos da lotera qoe se acaboo
de extrabir, a beneficio da igreja de N S. do Li-
vramenio do Recite, os segninies premios :
N. 3321 um meio com a sorie de 6:0005.
N. 2378 tres qointos com a sorte de 1:2000.
N. 1919 tres quintos com a sortc de oOOjOOO.
N. 3979 dous qoiolos com a sorte de 2000.
E outras muias sortes de 1000, 400, e 200.
I Ospossaidores podem virreceber seas respec-
tivos premios sem os descernios das leis na casa
| da Fortuna ra da Crespo n. 23.
Acham-se a venda os da ultima parte da S*
e 1 da 6a lotera (So*) beneficio da igreja de
N. S do Guadelupe de Oiinda, que se extribira'
quarta-feira 4 de abril.
PRECO.
fiilbetes .... 60000
Meios......30000
Quintos.....10200
Para as pessoas que compraren de 100(5000
para cia.
Bilbetes.....$0500
Meios......20750
Quintos.....10100
Makoel Martins Fioza.
GARRAUX DE LAILHACAR & C.
LIBRAIRIE FRANQAISE
Una do Crespo n. .
LIVROS NACIONAES E ESTRANGEIROS
Rf MfioPhilesepMa Jurisprudencia Liliera-
tura Seiencias e artes.
i
Papelaria, objectos "para escriptorio.
no caso de nao existirem verme algum, as Samad Power Johustoii k Companhia
PASTiLHAsvERMiFGAS ar kenps sao promp- Rm da Senzala Nova n. 4.
tas etnfalliveis na su* operacao e por todos I agencia da
os respeitos dignas deconfianca e approva- Fuedir^o de I^ow noor.
cao de todos os paos de familias. Prepa- i Machinas a vapor de 4 e 6 cavado*,
Moendtrs-e meias moendas para engenho.
Taixas fie ferro coado e batido para enge-
nbo.
radas nicamente por Lanman & d.
Nova York. .
Deposito geral em Pernamouco roa da
CrtiT n.tt em casa de Caros
rERDABEIRO LE BOY
de 8IGNORET, Docteur-lfdecin
| Ru de Seine, 51, A PARS.
Arreos de carro para um e dous cavallos.
Refugios de o uro patente isglez.
Arados americanos.
I Machinas para descarocar algodo.
Metores para ditos,
fachinas de costura.
Precisa-se de avia a-m de leile, quesej bem
l'Biongerada : a tratar m roa do Apollo 9.
Quem tiver para alagar urna negra qoe sai-
; ta engomroar dirija-se* roa do Trapiche n. 44,
segunde andar, oa aancncle para ser procurado.
;av>.
PlIOTOGRAPHIi
artstica americana
RA 00 IMPERADOR N. 38.
Artista americano
Artista americano.
Artista americano.
Artista americano.
RetratosRetratosRetratos.
Em porcelanaNiepcotypie.
Em lencosArchrotypie.
Em vidroAmbrolypie.
Em metal=Daguerreotypie.
Em papelTalbotypie.
No grande sallo da ra do Imperador n. 38
No grande salao da ra do Imperador n. 38
Neste estabeleciraento tiram-se retratos
em todos os systemas, com asseio e promp-
tid5o, desde as 'nove horas da manhSa
at as cinco da tarde; assim como tem
sempre a venda grande sortimento- de cai-
xas finas de diversas formas. Quadros
ovaes Passepartouts e todos os mais ob-
jectos e productos chimicos, relativos a ar-J
te e reabidos ltimamente dos melhores
fornecedores de PARS e Nova York, tendo
de tudo, para todos os gostos e para todos
os precos.
Salao da roa do Imperador n. 38.
Salao da roa do imperador n. 38.
Novissima edi$o
B0
Hez Mariano
O proprietario da typographia da ra do
Imperador o., 15, defronte do convento de S.
6#OO0
70000
Em cada garrafa, ni, entre a alha e o papel-azul
que leva o aneu tioele, um rolulo improsso em ama-
relio rom* Sillo Ihpriai. do CtTIIH fiakcez.
N. B. Remeltendo-se urna lettra-de 500 franco
sobre l'arit, aceiUvel a 60 dias de vista, ao mximo,
oza-e do alia 11 ment e do malor deteonto.
Deposito principal
do legitime Le Roy
em Caza do nosso
nico afete pelo
fciwil a fin Auto- w
no Fiinc : de La-
ceda na Babia e
prioeipas phar-
itco.
iu c uo maior aetco
mu ri
CIRDA
nos prli
laiaceub
FERRO QUEVENNE
Approvado pela Academia de Medicina,
Aucterisado >or circular especial do Ministro.
O FF.itno qlf.ve.vxe se usa em lodos os ca-
sos para es ques os ferreos sio proscriptos; ato
fai os denles ficarem pretos; he a jreparaao a
mais activa, a mais agradavel e a mais econ-
mica; muias vezes um frasco li sufficiente para
curar una (-Morosis.
A experiencia me provou que nenhuma pre-
parado frrea lie supportada mais fcilmente
que o PEitRO quevenne, em observando as
limites de doses muilo reguladas. >
Bouchabuat, .nnuario da therapevtica, 1863.
O Feruo OuEVENxevende-ee en frascos de
iedidmla deie. 00|imtiu. 5
Deposito peral -sm casa de Eaulle .rnc.oli,
14. ru des Beaax-Arts, em Par, t em todas as
boticas. Exigir-o Sinelc Quteme e .a marca \
de Fabrica cima.
I CASA DE BAAOS!
sH
26 rateo do Carao 26.
I Nestcestabelecimentotoimpor- j
S tanto para a-saude e asseio do cor- i
*t po, acbam-se montados 0 banhei- !
Wc ros, g$< e asseio que para desejar-se. Qua-.]
^ tro oestes ttanlieiros sao especial-
jt; mente reservados para-senhorase
S por isto abam-se collocados em lu-
5 gar reservado, aonde s-tem entra-1
P: da as peesoas de uma-mesma fami- H
M *t i
6 PREi?06a>E BANHOS AVLSOS. ^
^ i banhofrio. momo ou de ^|
^ chovisoo ....... 509 'm
n < d*to-de hoque....... 1^000 l
35; i Ato^ertarello....... 1,5006.;
m i dito aromatisado ... I^OOO'*^
W PR1Q0S POR ASSIGNATURA. p
R 30 baaos por mez fri, M
K morao ou decbovigco. lO^OdO-fl
^ 23 banlies com cartees .pa-
^ raosesmos ....
i 42 ditos ditos ditos .. .
12 " dito^ ditos de farollo..
ii
atfOOOi
io^uoo l
lOOOO
O estabelecimento eetar aberto s
| nos dias. uteis das 6, horas da ma-1
i nha as JO da noite,.nos dias sao- 2
s tificadosfdas 5 as 5, oras da tarde.
m
FREOBftiC LEMCKE, irefefsrdepir
nocoohecrdi} nesU cidadfv-iendo recente-
niPDte ohetado da Europa, tSerece-se pa-
ra dar lu;>fts de piano e raato : pode ser
procarado, no hotel de fiuroe ra do
Trapiche" .st2.
LK CALCADO-
A primeira condic5o indispensavel con-
servarlo da Sdde traser os ps bem de-
fendidos contra os ataques dahumidide;
calcado bom e seguro o nico preserva-
tivo dessas mil enfermedades a que est su-
jeito o nossoeu. Um chnelo velbo cal-
cado por um dandy patuscante, ou urna
botina acalcanhada em pequenino p de en-
cantadora eidade alm de aecusar que-
bradera horripilante, prova contra as f (Cui-
dados intellectuaes dos calcantes, e nao ba
qoem, tendo bom senso, queira passar por
maluco, ou pobre de surr3o : erio, cor-
ram a:
4*-RUA DIREITAO.
e attendam a' baraiea.
Homens.
Borzegoios barcellonezes de lus-
tre e de porco .
Ditos de Bordeaux ....
Ditos parisienses de bezerro e
corda?Io....... 80000
Sapatoes de Nantes de duas ba-
terias rasas...... 5,5000
Sapato de lona, sola de borra-
cha..... ; 20000
Ditos aveludados..... 10600
Dito; de tranca bons. 10600
Seofaoraa
Borzeguios enfeitados. 50OO
Ditos de laco...... 40800
Ditos Usos......, 40500
Sapalos de borracha .... 10600
Selleiros, corrieiros e segeiros I
Sola de lustre, meios grandes 200000
E um completo sortimento de calcado fa-
bricado nopaiz.
Diademas dourados,
enfeitados com aljofares, pedras,
ele, para meninas e seonoras.
A agula-Lrarjca vende bonitos e modernos dia-
demas dourados, enfeitados com aljofares e pedras
propnas para meninas e sennoras.
Bonitos ehapezinhos
_ de palba fina t avencaes para meninas.
Sao obras estas de que os bons pas de familia
se nao podem esensar de comprar, por fazerem el-
las parte do asseio e bom gosto com qoe trajam
snas bellas fillunhas. A aguia-branca tem o pra-
Franoisco nrpvinp an rp^npilavol nnMtna ?r "[r^*?* prBTme ao respwayei pPOItCO, e, deTMamente apreciadas e compradas ero seo nl-
prinopanente aos seus freguezes, que est; nbo. Os chapeozinbos, alm de serem d'oroa pa-
a sabir do seu prelo, at o dia 3 ou 4 do i,ha mQi fina. s<> de mni bonita forma e altimo
prximo vindouro abril, a 2.a edicao do mez \t?' eD.fe,ud?s com toda a perfeicao: os aven-
de Mara cooia fipl da TnnL *J L i j primeira eaicao, babadinhos bordidos: o que Ihes da muita graca.
l-qoe ten geralmente seguida) mais correcta, Os precos destes, 5*ooo, e daqneiies, io*ede
o conoideralveniente aagmen'ada, com um flaan, s*o ellts baratos conhecera o preiendenle,
egundo exemplo extrado da 2.a edico de Joeimido'8? *' ,0* d'a,!uia"branca' na raa d0
iLisboa, ornada com 32 gravuras annalogas, vidrllhs de cores e alioiarea
e propnas para cada om dia do mesmo mez, KSZhW Zg?,2$ eHSa '
Lr?^anV;anheta^'C0R,,nd0 '8^ h A altane?' nlZtZ^^Trece.
para se cantarera lodosos das, a inslitaiao, beu om bello sortimento dos objectos cima pro-
eundulgencias do SS. osario, os misterios prios P3" enfeites de vestidos, etc., etc., e est
gozosos, dolorosos, e gloriosos de Mara veodeB i, e um apendece com a missa, sen- n. ^, Novidades.
doe.le ornado coiw.estampas propnas, e JMgStt*Stt&&
arangenao o precisorpara qualquer-Gliritao teoows, sendo:
desdeo amanhecerat O anoitecer. Bonitos e delicados pestes dourados e prateados,
-Antonio Joaquiof.Ferreira Porto, .teEdo de- fltlSS de fil|8rana obra mD Pe>-
retirat.se para Europa, delia na sua ausencia por Dl.os com chana di roadrenerol
seas bastantes procuradores, encarregados do iodos io0oT de filigran e outras Sidades
os seos negocio. em.prieiro lugar ao seu Irmae p leSe^TSlmteiveTSto
o Sr.-Domingos JoaquimiFerreira, em eguedo lu- oali^-- "ffioem oe inversa*
da Srtva g Fe,,ppe Mao0<,, ^^'^ \ caracteres dourados e prateado.
'----------------------------------------------i- TiieisnfeUdos eomDoedinrias dourads,e lap
Antonio Joaquitn -Ferreira Porto, estabelen- lejotlas, aljofares & &,sendo para -coque, e toda a
do cora casa de motndos'na roa d Matrit a Boa- tabeca, ouiros com .plomas .
Vista-o.-5i, tendo de.ftrar-se para a Europa, roja "BonMas vahas de jaspt com cruzes, tendo lam
todas.ss pessoas q*e se.algarera seus rdor em algemas de doas-coips.
hajam apre.sentar ttie -euls contas no praio de Luvas O meias*
cinco *as para serem +agas, assim como roya de laa-vegelal, para qoem soffre de frieldade, na-
lamDeei aos seus devedwes para que no rraesrao ralesya-t. Vendem-se na ra do Oueimado loia
prazo veoiiam pagar seis-debitos, para qoe depois d'Agu*ranca n. 8.
nao sepxn encouimoda4os pelos procurador-es que I BanrlnHnp rlp rnra
deixa encarregados de fe3 neeocio< .-. .-^- Ddlmv"uv ue ruia
-------- uebuiiu..___ para segBjar on conservar perfeitamente atado os
Precisa-se de an ateiro para depete : na cabellos das senboras. Vende-se na ra do Quei-
rua daCtei n 35. mado loja d'Aguia branca, a 1|00 o frasco.
-_...~-... ------.. -, i | Eaeites pretos para vestidos
PfiMtTnUC AAgoia branca receben novos enfekes pretos
wUffrilAo paratvesttdos, sendo bicos com vidrilhos e sem
elles, irans com pendentes de -vidriHios e sem
elles,cofdo grosso tambeo com vidrilbos e sem
Aspas fortes para boles.
Na ra doQuelmado lojade mindezas n. 16, ven-
de-se aspas de ac fortes, e de differenies larguras
para baldes.
Bonitos qmdros para retratos.
Vendem-se na ra do Queimado leja de miude-
ms n. 16, bonitos quadros con mordura preta e
dourad, todos por|'recosra?oaveis.
Garrafas brancas
e de cores com superior agua da colonia.
vVndem-se na ra do Quelmado, loia de roinde
zas d. 16.
Novo gosto
Penles, Ofelia*, e brincos de felierana.
A anliga e bem c nnecida leja n. 16 na ra do
Queimado, recbeu um sortimento de diversos ob-
jectos de novo e boro gosto, sendo penles brancos e
dourados de moldes enieiramente dovos e mni a-
gradaveis, lendo eolre elles algnns de niigraDa obra
de multu gosio e drbcil eae/oca, t bem assim -
vellas e brincos as mesms circunstancias.
Tambero recebeu Iguns cintos o qoe de mais
moderno e bonito, se pode f ncontrar em tal genero.-
Alm disso encontraro os pretendentes nm com-
pleto sortimento de fivelias de madreperola, chris-
tal, tartaruga, e dourados, brincos e chnstal, e
jaspe, voltas e crozes de dito e muitos ontros objec-
tos de gosto, os quaes ccninua-se a vender commo-
damente.
Penentes de madreperola, e enfeites filets,
A loja de mindezas na roa do Queimado n. 16,
recebeu bonitos peotes com chapa de madreperola,
e novos enfeites lilels ornados de lanlejoiias dou-
radas, moedlnhas, aljofares, vidrilhos etc., tendo
grandes para toda cabeca e peqoenos para coque,
regulando os precos de 2$ a 4^000 rs.
B mitas caixinbas
com arranjos dourados para costura, tendo com
msicas e sem ellas. Vendem-se na ra do Quei-
mado loja de mindezas n. 16.
Trangas prelas
com -vidrilhos, e ticos com ditos e sem elles para
enfeites ou vestidos.
Ka ra di Queimado n. 16 loja de miudeza a-
charo os pretendentes um bello sortimento dos
objectos cima ditos, cascarrilhas, franjas etc. etc
e tudo esta sendo vendido por precos commodos
BotOes pretos
de vidro enfeitados d'aco.
A loja de mindezas n. 16 ro.. do Queimado
vende mui bonitos boioes pretos de vidro com en-
feites de ac, os quaes muito se uzam para enfeiiar
vestidos, quem os pretender pode dirigirse a dita
loja o. 16 roa do Queimado.
Vendem-se na loja de mindezas
a raa do Queimado n. 16.
Bonitos leques de sndalo e outras qualidades.
Bonitos cintos com fivelias de diversas qualida-
des e moldes.
Brincos e cruzes de crystal.
Abotoadoras de dito para cohetes.
Bonitos port-relogios.
Delicadas caixas com msica e sem ella, para
costura.
Agulnas e llnhas para chrocheu
Retroz superior em carreis.
Bendas pretas e ticos coro vidrilhos.
Fitas de velludo com listras de cores para en-
feites de gorros e*vestldos.
Ditas de grosdenapeles, lisas e lavradas, brancas
e matisadas.
Para liogir cabellos.
Holld Walter.
Vende-se na ra do Qneimado, loja miodezas
n. 16.
Chromaco-me
Para liogir cabellos.
Vende-se na loja de miudezas, a ra do Quei-
mado n. 16.
Tintara de L. Marques
Qara fazer os cabellos preos.
Vende-se na ra do Queimado, a loja de miu-
dezas n. 16.
Missangas miudas, a'jofares imilandu
ac e vii ilhos de cores
para enfeites de vestidos; vende se ludo sso por
precos razoaveis na ra do Quelmado n.l oja 16,
de mindezas._________
Peeiiioeha
Atiendo!
Atten$o!
Atten$o!
oraiae soiliptentode fazendas pio-
frfa fita a luaresma.
Acaba de chegar a este nevo estabelecimento
um grande e variado sorlimento de fazendas pro-
pnas para a quaresma, a saber :
(ir Mienapirs prt a 1^600 o covado.
.Vfnf-;,^nn?.cran,,e fortimento de grosdena-
ple a 1600, 1800, SI e 2*600 o covado ; d"
mullo SDoerlnr a ?800e 3 : na ra da lmpera-
triz n. 7, loja de uimaraes Irmo.
- Moriantique preto a 2^800.
Vende-se um grande sorlimento de moriantiane
a 2f800, 3 e 3*800 o covado. H
Chales de renda pretos a 8(5000.
Vende-se lambem nm variado sorlimento de cha-
les de renda a 8*, 9*500 e 16* ; ditos muito finos
a U* e 12*; ditos de seda fazenda muito fina a
20*000.
Reondas pretas a 0$.
Vendein-se retonoas prelas pelo barato preco de
10* e II* : na ra da Imperatriz n. 72, loia de
Gmroaraes & Irmo.
Grande pechincha panno preto 1 24000 o
covado.
Vinde-se panno preto proprio para calcas e pa-
litMs a 2* n 2*200 o covado ; casimiras pretas
a 1*800, a*, 2*100 e 2*500 o covado.
F.' muito baralo corles de casimira a 3&>00.
Vendem-se cortes de casimira preta a 3*300
4* e 4*500 ; dila rr.uilo fina a 6*.
Admira corles de brim de cores a
1,280
Vcndem-se cSites de brim de eflres para calca a
1*280,1*600, 1*809 e 2* : na ra da Imperatriz
u. 72, loja de Guimaraes & Irmao.
E' baratissimo a 120 res o covado:
Vendem-se rlscadinhos muito pioprios para ron-
pa e escravei, a 120 ris o covado; ditos escoce-
zes iruito Anos a 240, 280 e300 lis o covado.
Laazinhas a 3oo rs.
Laazinhas de quadrinhos a 300, 320, 360 e 400
rs. o euvado ; ditas muito linas a 500 e 560 : na
ra da Imperatriz n. 72, loa de Guimaraes Ir-
lo.
Corles de la a 5CC0.
Acaba de chegar a este importante estabeleci-
menio um sonimenio de cortes de la que se veo-
de por 5* e 8*500; ditos a Maria Pia, fazenda
mullo moderna a 12*, 14*, 18* e 20* ditos com
cafliisinha, cinta e grvala a 25* e 28*.
Chitas francezas largas a 260 ris.
Vende-se um grande sortimento de chitas a 260,
280, 300, 320 e 360 rs. o covado ; ditas preciares
a 400, 440 e 500 rs.
Carsbraias de cores a 280 rs o
covado
Venden se camlratas francezas a 280,300, 320,
360 e 400 rs. o covado.
Cantbraias lisas a 3.000 fg, a pera.
Vende-se um grande sorlimeDlo de cambraias
lisas pele barato preco de 3*, 3*500, 4*, 4*500 e
5* ditas muilo finas a" 5*500 e 6*; ditas victoria
a 6*500 e 7*; dilss de urna vara de largura a 8*
e 9* ; dilas para forro a 1*600, 2*e 2*200 : na
ra da Imperatriz n. 62.
ROUPA FEITA.
Vende-se um completo sortimento de roupa fei-
ta falta, assim como sejam palilols, caigas, culeles,
camisas francezas a 1*600 e 1J800 dilas rica? a
2* e de linho a 2t500, 3* e 3*500 ; aerelas de
1*:00,1*400 e 1*600, de linho a 2* c- 2*500 : na.
ra da Imperatriz n. 72, loja de Guimaraes & Ir-
m5o.
m,mmmmm
atormentes


Voa maiQ ug (,f mi m 'ojijuo/ p oijt
oa nqsjwldE som i? ojisodsp an waaKjeita e
M-oipcnp Mine o 'fcoand tejinm ap mffmUf c
coaujac sopucjS.Bjcisojd anb mtmmtmwm
luinsiod eiiicaej tpa aiaaq anb soitw OBMisg
*a%* nalw,A*ti <|WS lf piuvp '|M)|af
iomiojfp 'fCMpujoi top unfcvjcj
**** *roXr*j'Knu^iiiBmi-wuuna^
M lenga 9 Toumm-num tj
a anb oeaeicain 'opntuaviiadia inai 1
ooipam to -oBieaipafB uno emnqao nat jtajaM
ceiapod a* catoaop o fmb o m 'tiojo raiu
P itMDiOJ C qOS 'OH|MJt|| OJ|33|X 0^]iaddb<
tan ap eupipam c noiop au| na gj anaSna*
-aauty ap jjcD|noq aviapicu waimiig ap<
on^4JugoMboa|qnja4e^natit'Bafjd<
Muai mi ie -oauaaia qpjeddc an Jiinp.
-*A a*af anb fkw\tvMam 4pcnni KMJdu.
^lWMeoi! "ib t aoa opuoiopoa ntn\ o<
itaijja as 'siuaineiniaiicii! a V>O| odioo op ai sed
mVm m J9P wnni wt as openo<
ei)3|i> te tc cetejpa oeacia
9 Qticinajia as opuaaatqerog -vaej.
-1* Piabn Miino sop no snues y ocdcuSam
11 a cei)to
auaep opd enaapeiSiac aapod ap a fortqa jen*
en ap bupmc*e a 'paciuiiiodui apepuoiiadntt
iwtt 13 oeisW ^ad epinipojd apcpt^aaL ya
saoacafpaa*
iiiinoteMaicitMaAb e ejedoanan 'jsa|om
tei'nu ap emaiaejej o Jedtopeaejicaafpaaia
o 1 to WmmVm afoq 9 aprapuianva
i concessioearios do previtegio ^0 camintu de
e.rra de Apipuose .contratan dorronles de ma-
deirae de qualidados, quem preteodar compareea
a mu:.do Imperador o. 55, segundo.andar.
Amm de lente
I'reok-.i-se de urna ama de leile : a ra do
ProfW3o c. .7 fSoledade.)
Ajma
Prteiee-ee de urna aaaa para o ervocioterno de
urna eass.depouca familia : a tratar aafpraca do
I Cerpo &u&an. 1.7, 3 andar.
Alug-*e urna casa de laipa com commodos
! para pequesa familia, acabada e pintada de novo,
I muilo Ikm 3$' de beber, agumas frucleiras, mal-
lo fresca e rom terrenos que convier para ,piauiar
00 cilio da tamariaeira, fura ver e Iraetar na
' venda do mesmo cilio.
oesmo das aacigas ; na roa Nova n. 31.
Conjpra-se ouro, erata e pedras preaiasas
na nu .la. fadeia dA Bahu. e,les- iSStlB "Do^aloes e franjas- de dtversas lar-
9 guras..fias de velludo etc. como empre os bons
trecoeaec neontrario coutaiodldade de precos nos
objectos que e vendem na oja d'Auia-branca ra
do Queimade u. 8.
Boles de vidro
com enfeites -d'aco no centro.
Esses botSes que lano servem para melnor se
poder eofeitar am bom vestdo preto oa de cor,
acho se a -venda na ra do Queimado loja d'Aguia
em obras weltias
cja de ouKves no arco da- Gonce i rao.
Compra-se urna casa .e sobrado noaterro
da Boa-Vista ou ra. da Ancora : a fallar ea.raa
ido Crespo o. 17.
Ouro e peata.
Em obrafi ' - Corapca-se nma burra 4e ferro, ingleza'oc branca "nJ 8.
r
Sdim e siiBik). j
fGompra-se um selim e am eimo asados : lu
f& do CaldeiroiC. 74, das 6 as 4Q da manha.e i
dac.3 as 5 da tarde.
Acaba de etigat aloja a a^aia Juanea
a roa do Queimado n. 48-.
Chromaco-me,para tingir cabellos.
Hoild walter 4>ara dMo.
Tintura de L. Marques para dita.
to copoi
epeSMdau afoq a apeppLijaapya
auiiMA
LAROCHE
HJHR Febrifigi e Ftrtficuie
Kram ms tkm i uum 11 m.
Eiperiaenlada com pleno tueccMo no
bwpiue, a quii Liroche (oa ratraeto
completo ale quina:) urna preparCJO
excepcional, por ter privada do amargo
da quina. Aprada por conse|iiinte aspcisoai
s nait inloieraniet e aos paladares os mal
dehead po nem nnilo doce era muilo
Macota, aendo de nma limpidez eonitanie.
Eprpga-ie oui uiuHo prveito nos casos
fcjMatMlgia, mfmwfda, Romlgi^ ^.
E""'"^*' "*#**, cresa,
K Z^r *loroM ^r*Uf
K o etpedfieo dx Bolettiu fcbrh.
, UMCK FFJNHK1WIU
*pnnmmui Urna mum-
El TAUZ,
HrmDmot.
P.
A viuva do MMe Joao Joaquun do Souza
Abren e Lima e deas rilfios, agradeeem cor-
dlalmente a lodos oa amigos do sea fiaado
esposo e pae qoe se dignaran assistir as di-
versas mlssas qoe ce mandaram celebrar
pe 111 repouso eterno io mesmo fiaado, e es-
pecialmente confessam-se eternamente gra-
tos a officialidade do 4* batalnio da guarda
naeioual e a sociedade Uniao Commercial.
Eecife 31 de margo de 1606.
Compram-se duas rodas paca carroca oa
ocia.earroca qae.esteja ero bom estado : bo arma-
zem.da bolla amatwa no oilo da -secretaria da
polleia.
iUnpraiii-ee lras esterlioas.: a praca da
Independencia n. 22, janto ao rejojoeko.
.CoBira-se na prensa de algodo de Saunders
Brothers A C. sementes de algoda'o a 00 rs. por
rroLa.
MAURER ft
roa No-a n. 18.
C.
Preeisa-se de
ilo Imperador ll-
ama ama para
46 armazem,
CMiObarna,
Fugo do ar
Valdivia) da plvora se ada com fabrica de
fogns artificiaos oa ilha do Haroim, com grande
porcao de fogos de 1* sorte, j preparados a espera
de festejar o graDde i\ que tiver noticia de qnal-
quer triaropbo de Bosaas armas dentro de Para-
guay : iodos aqaelles que tlverem a mesma satis-
facao dirija-se ao armazem do sal na roa Imperial
n.Hi,
Dacha7e"rPncicb~;
bo Iransferio a soa residencia para a roa
estrena do Besarlo o. 41, 1.* andar, e ah
lera o sea escriptorio de advogado, poden-
do ser procurado ero lodos os das uteis
das 9 horas da manba as 3 da larde.
Comprase am eseeavo qoe seja obusto e
que sirva ,paca todo servica, e ama esecava que
seja eoziobeic, eogommadeira, que seja ada e
em vicios^: ,0* jroa da Senzgla Velba n. 84.
Comotamde tres egcr.aas que sejam toas
quiandeiras.- a travessa de Carraos, 1.
Compra-ieduna carroca.de duas rodas para
bol e que esteja esa nom estado; ijuem User para
vender dirlja-ee* la do Apo4le>i. 28, primeirs t
andar.
^ y ma oranea
a r-ua .do acaba dereceber;
Leotij'onlss d'aco para nfeilee.
Peonas brancas e de cores, para gorjos e chifpeet.
gafetes lilels. mal bonitos e luoderoes.
Sapaohos de setim par fctptisados.
lelas de seda para o snesmo.
Bonitos hapeosinhos de seaa para dita.
Rosk cAmelias e oalrae ^aaltdades,
Novosittriacos, fivelias, pontee e pulsHra* de flli-
grana.
Pilas de -seda de cores para debraniiar vestido.
Dita de sanja com differeotee coros e lorgora&
Ditt de gorgorio, desenlio* nowes e bonitos para
ciatos.
Carieiras eo jgulhag.
?------
I
VENDAS
Precisa-se alagar ama ama Zorra oa captiva
para casa de pouca familia: a tratar na roa Nova
no segando andar por cima da loja de Hdame
Theard.____________________ ____________
Casa decduissid le escravas a raa da Inpe-
raior n. 4o, lerceire andar.
Recebem-se escravos tanto do malo como da
praca para serem vendidos por comroissao, afilan-
ea-se o bom trataraenlo e aeguranoa para os mes-
moi. O aballo assignado nao poupa esforcos afim
de os vendar eom promptldo, nesta mesma casa
ba tiupre pira vender escravos de ambos os sexos.
Antonio Jos V, de gonzi.
I0LIIMAS
PARA 1806.
Acabam de sahir luz as folhinbas do
algibeira e de porta para o anuo de 1866, o
mais correcta possivel tanto no clcalo das
loas e eclipses, como as divertas festas
que a igreja celebra; vendem-se nicamen-
te na vraria da praca da Independencia,
160 ris as de per e 320 ris as de algi-
beira.
Vende-se jal grosso: a tratar ua ra da Ma-
dre de Deds n. 1
Vendem-se garrafas e botijas vasias e lava
dasj na roa da Soledade n. 38.
Vende-se ama
GtZ.
No armazem da roa do Imperador n. 3
Caes de Pedro II n, i, tem para ;vender-se
bar az existente no mercado.
00 no
o me-
Qom duvidar venfia ver.
Moreantlque superior a 2800, grosdenaple su-
or a 2#, dito mnito largo a 1 280, chales ren-
o muito graodes a 7J, raleadas novos desenlio*
a 8#, cortes de cambraias riqusimos gostos a im-
peratriz Eugenia a 5500, ditos de la a Maria
Pa por 6*. eobertasde chita da Peral a 2*400,
chitas inglezas a 04 a peca ou 160 rs. o .-ovado,
para acabar : s na roa do Queimado n. 17, Innlo
do a botica. ,_.
Vendo-so um escravo
anoos de id
de campo e
i* andar.
preto, crionlo, de 20
neo mais ou menos, do servico
eitos : na roa de Apollo n. 7,
CARNAUBA
parte da propriedade com-
ronm Apipqcos: quem qalzer anoaacie.
TRAVS M LMlT
Vendem-se travs de looro com 40 palmos de
imprmenlo e 8 a 9 pollegadas de grossnra : na
Xua Nova de Sanu Rm n. 21 serrarla.________
Osa it b.ftar.
Veode-so a casa ds Limar a caf com os mina-
res, mesas de pedras, sotas, cadeiras, espetbos, re-
logios e todos os perteocosdo referido esubeleci-
mento, podando os pretendentes obter qnalquer
informaeo 0) prlmeiro indar do sobrado da roa
da Cruz n 38.
Vende-s cera de carnauba mais barata.' do qoe
em outra qnalqoer parts; :HT roa da Madre de
feos n. o.
, vendem-se 400 pedras para ladrilbo. viudas
da lina : a tratar na roa do Vigario n. 14.
so na loja e aromen! da Aroro, ru
da Imperatriz n. 56, de Lourenco Pereira
Mendes Guimaraes.
Arara vende essas a 2 lo rs.
Vendem-se cassas francezas muito finas para
venidos a 240 rs. o covado, chitas escuras e claras
a 160 e 200 rs. o covado : s na loja da Arara,
ra da Imperatriz n. 06.
Corles de casemira preta a 3$S00
Vendem se res de casemira preta para caiga
a 3o00, 4 e 5$, corles de cotim para calca a
15280, ditos de brim de quadriohos a i$, cortes
de ganga e brim de cores a 1^400 : na ra da
Imperatriz n. 56.
Arara vende cortes de eassa franezi o 2500.
Vendem-se corles de cassa fina a 2,5300, ditos
de cbita a 3, dilos de cassa de barra a i& : na
roa da Imperairiz, loja e armazem da Arara nu-
mero 56.
Unces brancos a 20(10 a duda.
Vendem-se lengos brancos fios a 2, 2,5500 e
35, guardanapos para mesa a 2*800 a duza : na
rna da Iroperairiz, loja da Arara u. 56.
Arara vende chitas a 160 rs. o cavado
Vendem-se chitas escaras a 160 e 200 rs. o co-
vado, chitas francezas finas a 280, 320, 360 e 400
rs. o covado : na ra da Imperatriz n. 56.
fliscado francez a 240 o corado.
Vende-se riscado francez para vestidos a 240 o
covado, eassas francezas finas a 240 e 280 o cova-
do : ra da Imperatriz n. 56.
Arara vende madapolie a -46,
Vendem-se pecas de roadapolo de 12 jardas a
4#300 e 4 dito de 24 jardas a 4 55, 60, 7$,
8 e 10* a peca, pecas de algodo a. 35,4, 05 e
85, dita de bretanha de rolo a 35 : s na loja da
Arara, roa da Imperatriz n. 56.
Riscado a 120 rs. o covado.
Vende-se riscado escuro para vestidos de escra-
vos a 120 rs., dito de linho para rcupa de meninos
a iiO o covado, gangas de cores a 400 e 440 rs. o
cesado, colarionos a 500 rs. a dozia ; ra da Im-
peratrit n. 56.
Arara vende Janinhas a 209 rs,
Voadern-so laazinhas para vestidos a 200, 320,
400 e $00 rs. o covado, dilas lisas e matizadas a
500 e 0 o covado : ra da Imperatriz, loja e ar-
mazem da Anta n 56.
Brama ote a 2<5G00 a vara.
Vende-s* iramante de 10 palmos de largara a
2#500 e 25*00 a vara, panno de linho para len-
$oes e.toaHiK a 640 a 700 rs. a vara, hambnrgo
para lencoet e toalhas a 560 : raa da Imperatriz
loja da Arara n. 66. '
Uhjm feila e camisas para senhora a 1 500
Venoem-se tirolsas para senbora a 15500, cal-
gas de torta a 25, ditas de casemira a 55, 6 e 8
paletn de panno prelo a 65, 85 e 105, ditos de
brim de cores a 25 e 35, camisas francezas a fy
e 255OO, ditas iogiezas de pregas largas ae linho.
a 25300, 35 e 35500, ceroula? a 15600 e 25, co-
larinhos econmicos a 500 rs. a duzia : roa da
Imperatriz n. 56*.
S
gGrande armazem de tin-l
tas medicamentos etc. S
w Roa do Imperador i, 22. >,
SaJoSo Pedro das Neves (ge-S
rn W< segnlnte: S
%& Productos chimicos p nharm,-- ^
f ceulicos os mis empre^ ;, ? em si
%% medicina. y;
Tintas para todo o genero de j la- S
g tura e para tinturara. g
H Productos induslriaes e tintas p[
para flores, como botes de flores mt
<2 e modelos em gesso para imitar ''qfi
jp fructas e passaros com o compe- us
* tente desenho.
Pro Judos chimicos e industriaes H
SR para pbotograpbia, tin.uraria, pin-
^ tura, pyrotecnia el;. ^
j|| Montado em grande escala e sup- |;
I prido directamente de Paris, Loo- m
5 dres, Hamburgo, Anvers e Lisboa !
I pode offerecer productos de plena
P conanca e satisfazer qualquer en- fit
^ commenda a grosso trato e a reta- gg
m lho e por prego commodo. ss
*-
Fejao.
Vendem-se saccas com feijio umareiic- branco
rajado e preto, roals barato que era qaalqar par-
le : na ra da Madre de Oeos n. 8.
Milito
No trapiche bario do Uvramdnto, vende-se sac-
eos com milho de Lisboa a 75500 o sacco conten-
do 6 Hqoelres cada nm da melle mercado.
h0^n^wn*,e dnas preUs mo^s e -
Modo lavar e coser e proprias lambem para la-
1?%%. *od*enda terse de retirar o sen
senoor para lora do imperio : para tratar bo ar-
aaiem a roa da Croz n. 33. __________
,Ta ,,!n^elfl,?'Itt**e Iodo ocio com o depo-
??d._rot.,io Vierto n.29, mallo proprio pera
am principiante
com ponco dinh
Uve da venda.
queira principiar soa viJa
10 comprador t dir o mo-
Na raa do Vigario
cliegadas ultimamenle.
15
Vendem-se e alugam-se"bichas d7 Hambnrcd
nanita
Chapeos manilha a 10,?.
Na raa estrella oo Rosarlo travessa do Queima-
do n. 18, loja de miudezas de Maia & Laodelioo.
Vndese urna a rroaco bem envernisada e
envidracada: a traur na roa Dire>u o. 32, loja
de barbeiro.
Vende se urna escrava de cor perfeila raa-
camba, darle 22 aooos, com as melhores habilida-
des, 1 bonita rooleca, 1 lindo moleqae idade 13 a
Hannos, 1 escrava moca proprli do campo por
6005 : na travessa de Carmo n. 1.____________
Na roa do Imperador n. 28, ha soperior bi'
xas hambargaeus para se vender em porcSes e a
retalho e umbem M alogam.
FAZENDAS BAK4T4S
N 27 fua do Queimado N. 27.
(HAM)E PEOMCIH
Gambraia branca para forro a 240 e 400
rs. a vara.
Lencos bancos para algibeira duzia a
2,51000 rs.
Retondas pretas a 9$000
Gambraia morsulina de cores propria para
vestidos o covado a 300 rs,
Moreantique prrto superior a 2(8C0 e
3AO0O o covado.
Grande sortimento de grosdenaplespre'o
para todos os precos.
i Retondas de seda riqusimas a'gerinas psra
senhoras.
Guardanapos para meza a 3#500 rs-, a du-
zia.
Superiores baloes de arcos a 3200 rs.
ceiires Royer oa eola^eTiae-
daos
para facilitar a dentlcao das criancas e preserva-
las das cpnvulsCes.
O feliz resaltado obtfdo immensas vezes pela
prodigiosa forca magntica dos colares Rover no*
casos de coovulsoes, e denticao das crianc>s,'tero
altamente elevado o sen bem merecido prestigio.
1*M.M m$ d,!?r q?* esli0 feralmeite wn-
2t0!- estimados de inouroeraveis pais de-
2SS?M i P0rqne d0 nso d'ses Mam--
S2 V .8a,vos d0 P*'1?0 se"s charos fllbi-
SlL* oalrf Pr(ne colheram daquelles tic
E?t JS V01'1 a Va'* branc. tD"o em vis-
~\2lIdade eproven- desses prodigiosos cola-'
res anodinos ou Royer, mandn vir o boto sorli-
mento que agora receben, e continuar a recbe-
los para que em lempo algum a falla delles possa
ser funesu aos pais de familia, os quaes Icaric
cenias de os achar constantemente na ra do Quei- '
a4o, ij d'agoU branca a>. 8.__________
arua ^a Imperatriz n. 28.
Vendero-.e cortes u* "brala braacos om -
5 e 6 baados a 205 e 25*.
Fil de seda preto com flores vara 15.
Cambraias brancas de urna vara J4 largura f>-
a\ a 15 e 800 rs.
Ricas lampadas e candieiros a
e a retalbo.
gaz por grosso
Grande pechiBcba de nadapolo on
avaria
Paredes Porto vende nma grande porcao de ma-
ct?0 V?'1**1 Uumi* de ,0* ,s* P*?>
05-i e 75 com peqaeno toque : na ra da Impe-
ralrix n. 5J, armazem da porta larga junio a pa-
(

l -


^

Diarlo de PevaiMftne* erea letra S de Abril de 66.
i mu
PARA A QUATOSMA
Chegaram a loja de Augusto Porto & 0.
11 Ra do Quemado 11
Grosdeoaole rato de diversas largaras e qualidades.
KndS, nraw e chales de guip e de rendas.
pSpraK semitas pretas, bombasua.
OarcaDOoTiDeriD e selestnnas pretas.
Lindas mantas de seda para pesero.
Ricos cortes de seda de cores para ba. es ofl casamsqtQS.
r eos cortinados bordados dos mais bellos desenbos.
K bran,, seda branca, capellas e mantas para noivas.
Mus colchas de seda e de la e seda pan cama de ooivas.
Saias de flnisslma cambraia ricamente bordadas. ^ i,hm ten cora
Faiendas de pregas para sala que se aiem com ama s costar e tambem tem eom
o cordo tecido.
Madapol&o (ranee* a 400 e 480 rs. a Tara.
Alcattla de linho para salas e gabinetes atO rs^eOTae.
Faieda especial de qoadros para fuer redes a 300 a vara,
/-i __i.*.z*r.n Aa Irtrlio nar1!
aienaa especial uo quuiv i- -------- -*,
Superiores esteiras da India para
ilua do usis****
salas.
90V0S GERE*TS
DQS
TRES GRAJVM5S
mum DE WLAVB0S
DENOMINADOS
PR0GRES9IV0 pateo do Carmo n. 9
UNIO E #OMMERC10 ra do Queimado o- 7.
VERDADERO PRINCIPAL ra do Imperador n. 40
de -4
JXa Mlf ALHO PERIRA *
M

h
5
CONSULTORIO MEDICO-CIRliBKe
DO
PEDRO PE ATTA1IWS L01JO MOSqOSO,
MEDICO, PARTEIR B OPERADOR.
3-* Ra da filorfa, casa do.JFundaog
O Dr. Lobo Moscoso da consultas graltiiUs aos pobres tod-os os das das 7 as II
doras da manhio, edas-6 e raeia as Choras da noite, excepeo dosdias santificado*.
Pharmacia especial tiomeopahica
No mesmo consultorio ha sempre o jaatt apjtfpprjado sortimeuto de carteiraa
Chegaram pelo paqete ioglez riquisslmos cortes de ujorUqae de cores, e seda ,|e*nii **
*-gjf to quadros por JJ000 o covado
5RA DO CRESPO 5
regorlo Paet do Amara. compantala.
fazem sciente ao respeavel .publico, e com especialidade aos seahores de en-
lenhos, Uvradocese mais pessoas do centro, que para mais aciliM.r pas compras deli-
beraram os proprietarios-tfes 4*es grandes armados, jep.nir JodOS os seus estabeleci-
meatos em um s annuncio pelo qual o prego de ura ser de-lodos, promette-
mos que nao infringiremos a tabella que ahaixo vai publicado, annunciar os genero:
por um proco, e na oecasiao emente em outras murtas casas, porm nos npssos estabelecimentos nao se dar istoj
inda mesmo com prejuizo nosso, qualquer pessoa poder mandar seus fmulos que
serio tambem servidos como viessem pesspalmente fa,ze.nfl>ttOs o faw>r Je mandar seus
pedidos em cartas feixadas,; para awar qualquer .engaos, rematando nos urna cont
pela qual se ver -os -preces 4al qual .aonuOciarmqs, o que seojo arrepender j>essoa'
llguma que. fizerimdespenca am npssos esjabeleeimentes; pois ppupar mais de
5 por ceoto na sua despeza diana.
tubos avulsos, assim como tinturas de varia
Carteiras de 12 tubos gr|_
> do 21 tobos grane
I de 36 tubos grano"
> de 48 tudos
> de 60 tubos .
Prepara-se qualquer car'teira conforme pedido que se fizer, e com os remedio*
que se pedir.
Um tubo avulso ou frasco de tintura de meia onca 10000.
Sendo para cima de 12 custarJfo es precos eetabelecidos para -as carteiras.
Ha tobos mais pequeos cada um a 500 ris.
180000
244000
^00000
#10000
MRO.
fty*
Gros de aples preto a UM JJNMfc** WBMjy^jgfc
Gorgueo preto de superior qualidade a 20500, 20800, 0 e ***
Vad" Superiores moreantiques a 20500, 20600, 30, 31500, -*e:8gfflo
covado. 4
Bons cortes de moreantique.
dem de gorgurSo adamascados. ,,
Bons pannos e casemiras. K.k,,;n,c
Sup riores alpacas, princetas, merinos e bombazioas.
Bons villudos pretos. KK A
Grande variedade de chales de fil preto e de guipure a 50, 60,-80,
105, 120, de 160 a 203. e de 250 a 800 cadaum.
Superiores retondas de fil preto e de guipure.a 80, 100, 120 e 250,
e de 300 a 600 cada urna. A 9k flfl
Superiores algerienes de .fil preto e de guipure de 120 a 255, e de
300 a 600 cada urna.
Bons chailes de seda prela. ^^. .
Ditos de Merino preto bordados eoutrasmuitas fazeadas pretas.que
seria enfadonhe enumerar, na
IiOJL DAS COIiUMUTAS
DE ANTONrO CORRElA DE VASCONCELLOS & C.
A BO CRESPO S jlS
lit) i BOfffl
O ;
RA DO BSiUM H. 3.
0 proorietario deste eslabelecimento deseja chamar a attenc5o dos senhores pro-
wietarios aos acre atados mechanismos que continua a fornecer ; os quaes garante ser,
am i sempre, da nielnor qualidade possivel:
Machinas de vapor
forca de 2 Va cavallos para cima. As menores s5o mui proprias para motore sde
iei"-Jir.icameutos de a'g-.'dilo; as raaiores para moer canna; h tambem que podem junta
u sepradaoiente moer canna e descarocar segundo soas proporcoes. Estee vapores
san stmplissimos na woitruccSo, e seregem por qualquer pessoa intel gente, a facilida-
de Ja cuoduccao sealo especialmente considerada, tanto qae nao ha lagar em que nao
* o wm con luzir, mtr por trra, qur embarcado. Ha com moudas juntas ou sem
ellas e podem-se applicar a qualquer moenda j eiistente sem outra mudaaca do que
a substituido das rodas da almanjarra. Ellas tem depos^os dagua e boeiros de ferro,
i> nj precisam para o seu aiseotamento de obra alguma, quer de carapma, quar des-
venarla. O lempo para assenta-las nao excede de doze dias ao mais, e em casos de
morios le animaes ou arrombameatos de agades, etc., garante-se o assntamento em
>it> dias Lembra-se aos senhores de engenho que a venda dos ammaes e o servio da
ente oceupada no seu t-atamento osho de recuperar da maior parte da despeza do
vapor deixando-lues a vantagem de urna moagam cert e acceterada; e acabando com a
darceza da compra eotitindafe de novos nimass. com os desgostos do trabalboque
ID Hodas'd'agna de ferro, mui maneiras e tnoendo com qualquer altura
agDa'sarlIho8 eom crazetas de ferro para asmesmas, quandosedesagefazer
r^^to da roda de madeira, tOrnando-se aasim a roda ligeira no trabalho.
Hoendas de canna de todos os tamanhos, desde as mais pequeas chma-
las do serto. Obra perfeit em feitio e acunhamento.
Rodas de espora e angnlares de todos os tamanhos e proporcoes.
Paroes o coches para receber o caldo.
crlvos de fornalha para asseotamentos, frescos para o foguista, azeBdo
rande calor com pouco combustivel, e duradouro.
portas de fornalha de todos os tamanhos e de diversos systemas.
Fornos e molnhos para a fabrica de farinha e tambem chapas redondas
pira fornos pequeos.
Bombas simples e de repucho.
valias de ferro batido e fondido e de cobre.
Formas de ferro batido galvanisado para purgar assucar, leves para carregar
t- isemptos de quebrar-se. MB
Alambiques de ferro de todos os tamanhos, custando s a terca parle 00
prego dos de cobre, mais regulares na distillaco e igualmente durareis.
Gtxos e rodas de carro com Daang'S de patente, obra mm *egura pata
carregacSo de peso. ., .
Arados, grades, eaehados a cavallo e outros instrumentos de agw-
cultura. E finalmente todo o objecto desque possa precisar um eugenho.
MAJU .lvl!M*3P. Superior vinagre dP>sboa ,a 2,oop rs. a
Manteiga ingleza j3erfet.mane flor phe-~ caada e 280-es. a garrafa. Tambem ha
gada ltimamente a l,ooo rs. a-libra, e maisbaixo,para2iOfs.,a garsafa el,Aoors.
em barril tora abatimento. a caada.
Man^gAffanjiadasaaa. a.Jibra e em Wl,tor abatimwto. .&*fi%W JW
hBAKHA Supenora?e4te,dpce deLisbr(a,a 7oo rs.a
Banha refinada superior a.64o*rs. e em garrafa e a 5,oo'rs. a panada,
barrilera abatimento. FU#)CAWL.
QVg\ Latas com superior fumo caporal a 4,oo
,Ch owaideSnBm soporior,qoalida- rs. a lata. ***#*
^nmSSm-t m#or neste genera Superiores.m^sas a %,** o qoarto e
to,.tombem ha,prprio .para.negocw de;2 a ,5bo rs. a.Wra.
.2,400 rs. a libra. GEiEBM
Mem pre^o superior de l,8ooa t^oo-rs. Geoebra de laranja verdadetra a lo,5oo a
a jibra. duaia e 1 ,ooo es- aoraaco.
Blscoatos .Genebca:de Ifollanda. verdadera a 6,000
Latascom superior bisooutoingle.2e4i-. afiasqueirafi.a..56o>rs. ocasco.
versas marcas a-1,2oo rs. rlata. Idom de Hollanda em botijas a 4eo rs. ca-
Bolaehluhas da ums.
La^cm bolachuihjs da .acreditadava- fGarraf5es eoma4garrafas de genebrade
brica do beato Aatoaio, proprias para dar a Hollanda a 8,ooo rs. o garrafio. Tambem
doentes de.2,ooo a 3,oors. a lata. |ha,garrafes com 5 e 14 garrafas de 3,2oo a
dem com quatro libras de bolachinha do ,ooo>rs. cadaum.
soda a 2,000 rs. a lata. VELAS
n.,/vU/u3 Velas de spermacete a 64o rs. a libra.
UUeijlte em de carnauba de lo a 12,ooo rs a
Queijos flamengos chegados pelo -ultimo arroba e de 36o a 44o rs. a libra,
vapor d6'2k3oo a 2,5oo rs.
CHOCOLATE .
Chocolate bespanhol a l.coo e'l',2oo rs. |ne'xem,Jf
a Jibrvfrancez^.suiaso a 4,ooors. a libra .zoors. p.,Nr0
e portug-sz ...O*... Hbna em poreo ^tj^Smde 3,8oo a
ter abatimento. 4,oo re a afrobfe de 14o e 160 rs. a li-
YINHOS ^ mamas
Superior vinho do-Porto dasjmais acredi- orm chai!lltos do fabricantes Simas,
tdas marcas, como sejam: Madeira Secca,, j Delicias parisienses e outros de
i ue ura sera ue -iouos, pruiucue a melbor obra da homeopathia, o Manual de Medicina -Homeopathko do Dr. Jara
vai pnblicado, annunciar os gneros dons.gr^apdes volumes cpm diccionario ..... ...... 20)9000
nnr nnt Repertorio do Dr. Mello Moraes .. ............ # 600O
Diccionario de termos de medicina .......... 3^00
Os remedios deste estabelecimento sao por denwis coaheQdi*6 e dispensam por
unto de serem novameute recommendados as pessoas que q^iz^rem *&ar de remedios
verdadeiros, enrgicos e doradores: ha todo do melbor que ,se ppde.desejar, globos de
erdadeiro assucar de leite, nota veis pela sua boa cooservacap, tintiMa dos mais acredi-
tados estabelecimentos europeos, a mais ewcta e acurada prepara?5o, e por tanto a maior
energa e certeza, em seus effeitos.
Casa de saude para escravos.-
Recebe-se escravos para tratar de qualquer enfermidade ou fazer-se-lhe qualquer
operago, para o que o aoounciaote julga-se sulEcientemente habilitado.
O Iratamento o meihof possivel, tanto na parte alimentar, como na medica,
funecionando a casa ha mais de quatro pMflfc J?>mjiiiaainflalfly fl" HUf *nn"^ se nao
pode duvidar, qae podem ser coDsulgqos ppr ^qqenV^ae.dssfjw ifmp*
doentes.
Paga-se U por dia durante 60 dias e d'ahi em (liante 1 5,5.00.
AsoperacOes serio previamente ajjustadas, aeal^-seijmzerBm sjeilr a. precoi
razoaveis que costuma pedir o inaunaiaete.
1UM1ZEM 1M3 FiDKE]VDJl9
BE
c.

CUSTODIO CARTAliWO
27 RA DO QUEMADO. 27
MadapolSo francez muito fino, tendo poqco mofe, cada tpeca com |29 .ras por
10,9000.
Lia de eres a 300 rs. o covado.
Cambraia franceza a 260 rs. o covado.
Finos organdis a preco de 800 rs. a vara.
Lencos br a neos para algibeira a 2^000 a dazia.
Finas parolaras a pre?o de 400, 440 a 560 r*. f. cavado.
Ricos-cortes de la de barra de 103 a 300000.
Chales de fil preto e outras muttas fazendas.
PEtXE
j preparado de l.ooo a
Machinas de descaroear aigodao.
Na fabriea se fazem obras novas encommenda e co'ncertos, com a maior PH***
m e solidez. O grande deposito depecas e objectos habilitam-na muito para este fim.
O proprietario ser sempre mui feliz de poder ter occasio de dar inrormacoes oa
^Jarecimentos aos senhores qoe seservirem de seu presumo.
D. W. Bowman, engenbeiro,
LiJMsde pellica pretas e ou-
tras cores.
''.!:?param para a loja de miudezas a rta do
(juelmado n. <6.
laiiahade mandioca a 4$$s

VENDE-SE
r. i> o sieco, mmla'noVa, e nltiihanicnle che|adj
t ie-.-e mu roa da Croa o. 33.
"uvas de pellica
prpi:i-, t*rsncs e ootras di(IereD'4S cores chega-
ais 1 ovo; a roa Nova d. 7, loja do vapor-
'..i.tiir'i. v'
o grande arnmera da ru *o Apello n. 38 e 40,
proprio pira no armaiem d assacar oo prensa
do aigodao em ponto grande, por ter 6 portas de
frente com mais de 67 palmos de largara e 300 e
tantos palmos de coipp'rimeno, todo coberto e so-1
bre arcadas e para comodldade dos 'compradores
se vende cero o prazo de i annos oa o qoe te con-
veocloaar urea vez qae seja com seguranca e pa-
gando-se pela demora un mdico joro : as
soas t qnern convier esja cqjtipt* f
4e? e *n Antonio Arves Barbosa
rarapes n. 78.
Sal 4
\*o**-ie*-ttoi6 4o ptrfaebo rtmense e l>a;r
ir ii' cr.m Joa(jDim,J(|e/eon5alvesBeltrio narpe
Ce Viaiiqn. t7,pniaeiroaojlar.
Vndese a taberna i. 8 i* va do tiorieate.! = Vaade-sa utoa rolla ei
a tratar na Mema. itw na loa de Ho?piei 0. 28
Ltfigmis~
Ka rna da esdeia o Reelfe n.93."^
di pvtmeira trnalMade do-Hin'OflUdn,
TetftMitarNria
ti
mas Doces e outras marcas a i,ooo a garra-
fa e 9,ooo a 12 ooo rs. a duzia.
Yinho Figueira e Lisboa das melhores
marcas a 4oo e tSoo rs. a garrafa, e a 3,ooo,
3,5oo e 4,ooo rs. a caada.
Superior vinho chamisso em barrita 64o
rs. agarrafa ea4,5oo rs. a caada.
Superior vinho de Lisboa e Figueira em
anceretas de 8 e 9 caadas a 2i,ooo rs. a an-
coreta.
Superior vinho branco proprio para mis-
sa a 640 rs. a garrafa, tambem ha mais bai-
xo para 4oo, 5oo rs. a garrafa e 3,2oo a
3,500 a caada.
Caixas com urna duzia de garrafas de su-
perior vinho Bordeaux a 7,ooo rs. a caixa c
7oo rs. agfarrafa. A
CAFE
Gafe do. lio de i .Ve 3/ qualidade de
6,8oo a8,2oors. a arroba, e de 24o a 28o!
rs. a libra.
temos Suspiros, Havaneiros, Ligueiros e
outros muitos que vendemos .por mdico
preco.
Licores
Licores francezes eportugueses a l,ooo e
l,4oo rs. a garrafa ou frasco.
Doces
Do:e da casca da goiaba em caixes e la-
tas a l,2ooo caixo e 2,8oo rs. a lata.
Frotas
Frutas em calda e em latas fechadas her-
mticamente, muito bem enfeitadas, conten-
do pera, pecego, ameixa rainha Claudia, al
perche e outras frutas a oo rs. a lata.
Tambem ha latas grandes para l,2oo rs. a
lata.
AZEITE DE REFINADO
Saperior azeite francez refinado a 8,ooo
rs. a garra'a e a0,ooo rs. a duzia.
MOLHO INGIEZ SAUCE
Molho inglez Sauce em frascos grandes
com rolha de vidro a l,8oo rs. o frasco em
1 duzia ter abatimento.
SABO
Sabo maca de primeira qualidade de 24o
rs. a libra.
Semja
Superior serveja Bass dos melhores fa-
bricantas. como sejam: Shlers & BeU. T. F., de 4oo a 46o rs a Jg-
Ashe a 7,5oo e 7,ooo rs. a duna e a 7oo rs. FUMO AMERICANO,
a garrafa. Tambera ba de outras marcasj Superior fumo em chapa a 1,400 rs.
como seja: Victoria e Alcope a 5,ooo rs. a du-. libra.
BATATAS.
Gigos com 3o libras de batatas a 1 ,ooo rs.
ogigo. -
SARWNHAS.
Latas com sardinhas de Nantes e Lisboa
aia ca ftao.rs^ a gnala.
BOIES VASIOS.
Bornes 'tasos, on?a' iffgleza miriw pro-
priapara manteiga.e deposito de doce de 4
a 12 libras a l,2ooe2,Soo. >
FARINHA DO MARANHO.
Farinha do Maranho a 240 rs. a libra.
SJk*U\
Sag muito novo a 4oo rs. a libra.
ABARUTA. i
Araruta verdadeira a 4oo rs. a Kljra".
ERV1LHAS
I Latas com ervilhas e feijao verde j pre-
parado *64o rs. a lata.
MASSA DE TOMATE
Latas com 1 libra de massa de tomate a
64o a lata.
VERMUTH
Esta bebida muito fresca e estomac .1 e
muito propria par a presente estaejo. a
qual vendemos a2,ooo rs. a garrafa e 18$
a duzia.
MACHINAS DE PATENTE
DE TRABALHAR A MAO PARA DESCA-
6gAR ALGOOAO
FABRICAJBO POR
PL1NT BROTHEBS & C.
OL0AM.
Estas machi-
naspodem des-
fccarocar qual-
ier especie de
igodlo sen
estragar o fio,
tanto bastante
daas pessoas
para o trba-
me; pede des-
carocar urna
arroba de ai-
godao em ca-
roco em 40
minuto*, ou
18 arrobas por dia ou cinco arrobas de al
godo limpo.
Assim como machinas para serem movi-
das por animaos, que descarecam 18 arro-
bas de aigodao limpo por dia; e motores
para mover urna, duas ou tres dessas ma-
chinas.
Os mesmos tem para vender um bellissi-
mo vapor que pode fazer mover seis destas
machinas mencionadas; para o que convi-
da-se aos senhores agricultores a virem ver
e examina-lo, so a mazem de algodSo, no
largo da ponte aovan. 47.
Manndcrs BroChers 4fc C.
Uaote ^nfi 4 Corpa Santo n. 11.
Os ttuicos agqgar neste paiz.________
O casteo de Graswlle.
Tralurido do francei por A. J. C. da Cmx.
Venda w asta bella romance em quatr
iones pelo baratissimo pre?o de ZfiOOC
oa praca da Iadapandaocia. livrarians.
**. ......
Pimeota, oomioho, cravo, canella. ervadoce, alfazema, tijollo para limpar facas pa-
litos para denles, palitos de fogo, e outros muitos gneros que se tornara enfadonao
mencimar, afiancando mceridage aos precos e obom acondicionamento de qoatquer
Mr.
-i-e-
ROMANCES BARATOS
Vendem-se, na livraria da praca da Inda
pendencia n. 8, a 400 rs. o rame, os ro-
mances portuguezesseguinles, embrebura:
A voz do sangue, 2 volumes.
Conoemara, 2 ditos.
A noite de S. Silvestre, 1 dito.
O filho de Titiano, 1 dito.
Adonis su Aom negra, 1 d o.
As dais amada, 1 dito.
O pacha de Buda, 1 dito.
Trjtbj, 1 dito.
Igaez de la Sierra, 1 dito.
Joven Siberiana, 1 dito.
"Cevadita d^ fwm
A loja da Aororn, aa rw iafffaSeomiI a. 38,
, reeebM torliweoto a l*.>tu ^atoialaiaati e
l proprias para qualcyoer enlrt, .ii mw um-
lff',1 iulu))lm iMMfc^l^T^ tajH^ra~gB.TOw
, ,. Mriponjm p .aenhaaa, multo fre*c*, presadas
o: a ifa' pel aman vapor. ladQ lto na leja 4a AflWW
ra larga do Rosario P- 38-
Vende-se nma masseira de amarello em per-
feit ettaa, e mais pertenece para tama padaria,
na estrato nova, segunda tabern a dtreila, depets
do sobrado grande : a tratar oa mesma, das 4
peras da tarde em diaote.
*t
Pechiiicb
a

Na roa do Qucimaiio n. 40
Cortes de laazmha de cor, bonitos gpstos, eom
10 covadoe a 3X600.
Caigas organdys de cores, eovad a t, peca
de algodaoilnho largo com 17 varas a 4A.
Ditas de dito com 17 varas, milito eneorpado,
com pequeo defeilo, a 42300.
Grosdeoaple preto maito superior, covado 2.
D|fc)dj|pa'f*flOe,
x\xtu\
Vendse nao sallares de saperior qua
lidade, tomo amda io-veina este merca-
do, em barris de quioto: ra da Cadeia,
ejcriptorio de-Ual Res.
Novidades do Vigilante
BA DO CRESPO N. 7.
Este estabelecimento apezar de sempre
se achar bem sortido como todos sabem,
hoje mais que nunca, nSo s pelo que reca-
be de sua propria conta, mas tambem peio
que recebe de consignaces; parece sem
duvida que deve offerecer grandes vanta-
gens para o respeilavel publico tanto em
precos como na escolha dos objectos, e co-
> mo acaba de ebegar grande remessa pelo
vapor Douro e o navio Solferino de
diversos objectos de gosto e proprios do
lempo dos quaes se mencionarlo alguna,
por nao ser possivel mencionar tedos. O
dono deste estabelecimento espera a pr#-
tecc5o de todos.
Riqoissjmas caixinhas ornadas e com
msica propria para um delicado mimo.
Caixinhas de msica tanto de veio como
de corda.
Ricos porta joias e necessarios.
Riqnissimos est jos a feitio de um bausi-
nho ou chapeuzinho.
Ditos em casca de noz e de outros gostos.
Leques de madeperola de sndalo e de
faia e madeira. *
Chaposinhos e touquinhas de muito
gosto para criancas.
Meias e sapatinhos de seda para as mes-
mas.
Meias de seda para senhoras.
Capellas e grinaldas de flores propriasj
para casamento.
Enfeites e capellas de muito goslo para
satinara.
Riqnissimos porta boquets.
Boquet de llores com urna borracfcinha
com cheiro.
Luvas verdadeiras de Jovin.
Ditas de seda e de Escocia.
Riqoissimas plumas e guarnieres para
enfeitar chapeos.
GaaUe e tabas de ac araMe, que ha '
muito se desejava para enfeites.
trincos, fvtlas e crozas de crystal.
Fivellas e erazes de taiUruga, madripe-
rola e dourados.
AJfioetes para grvalas.
BotSes com croas para punbos.
.. .. w j aanmraa 9$, T e ai, paleto* Je Srim
Gravatmhase mantinaas de muito gosto, cores a 21, 3*500 e 3*, Vitos de hrtm ira
tauto para homem como para senhora.
Riquissiraos aderegos pretos, assim como
caixinhas com alfnetes pretos.
Bengailas de canoa com cabo de marlm.
Ditas de baleia, borracha e de outras
multas quadades, assim como chicotiahos.
Riquisslmos peales de tartaruga do ulti-
mo gosto; assim como de arregaco para
menina, pois neste artigo ha ura completo
sorlimento de tedas as quadades.
Diademas para cabeca do ultimo gosto.
Rrcfufestmas Btaslvraias e lizas.
Trancas pretas com vidrilho e de cores.
Pulseiras tanlo para.senhora como para
meninas.
Ligas de seda e de algodo.
Suspensorias de seda-ede afgaifo amui-
los obtos objectos que se nlo podem a-
nunciar por nlo se tornar enfadeoho.
S ao Gatto Vigilaste roa do Crespo o. 7.
cmeiseo Jos Germano
RA NOVA N. 82,
acaba de receber trm ndo e magnifico sor-
tmenle de oculos, luoetos, binculos, do ul-
timo e mais aorado gaste da Europa e oco-
tes de alcance paraobserTacoes apara os
marisaae.
ta d narrlgod,1 o QD de mefhor
ha para
_m(S Madre
de Peo?, no arroazemljanlo a* 'S^eja.
Boup feitas de todas as quadades
Teade-sa rvopa feka, sendk salgas de cores e
parda a 5*. ditas di hrfcn ranee de aha a 3*500
;^c^d4S9SSC ? % SUJr^di;
aseeore?, mera esenrOT,a'# e 3W, aua^
-----4a
na^^iiTd"5pa^ap"aa"^7^aiio da
amimlia a>ewee #, f .7, 8 iP, dito de
Moeepreu a U, 7,8 b O*, ooIMm da coree a
1*600, decaseeara a 4U eroaia raucen a
MtOOs SOOcanua* towssmanaslases*
eitasdacofeaU2*S00, dita miles ie li-
*o te sntaa iarsts a tiBoa, H
raa da Imperarrii, toja la Arara a, a*.
Eco casa da"Raba Schaettaa C
rea da Cadeia n. <8, vende-se:
ttarapanJta,
Cognac de superjo tqoalidsde.
' VieVojs para espelbes e todas PWtam
I -
I
.


aoxwai* i
Vendem-se
resanas atats* a iiutaataspaf
------------ma r-
~
martinas amarlfana5 S arrota para dsaearacar
atgoao: as roa da Seasalaftovs a. al

f mam i
r





-
!
i>- -
Dlarle de
ce -e- Terea felra a de ihrH de 1866.
-*-^^ yrtt
----------.-----------------
EN0IGL0PHW5A
49 aa da Ianperatrlz armazem
da porta tarca M.
junto a padarla Gradee* de
Paredes Prto.
Neste estabelecimento encontrara o rspeltatel
publico um variado sortinWnto de razendafr fraile*
tas, iiciexas, salssas e allemes, que se vender
por preeo commWo:
Paredes Perte
Vende chales de renda de cores qne se vende-
rain a U} estS Vefldendo por 6*. ditos pretos, fa-
lcada nova, *,*, 8*%)*, nm sortlmento coto
peto A) manteletes, caj>*s e sotambarqs44# a
So*. Rua da Imperan* n. 41, junto a padarla ran
ceta, armazem da per larga.
Paredes Parto
Recebeu nm completo sortlmento de iaasinhas a
M0, 280 rs. covados, paTa acabar, cambraias de
cor a 140 rs. o eovado, riscado escossez para roo-
Bi de menino, fuste de linho a 420, 400 e 500 rs.
na da Iroperatri* n. St'jonto a padarla franceza;
armazem da porta- larga.
Paredes Porto
Receben para cortinados para cama franceza a
11* a peca cambraia lisa lina a 3* 4* at 10* a
peca, cortes de tarlatana'de bonitos gestos a 3,8500
4*, csimbrala com flor de seda, gostos intefra-
mente rovos-a 406 e 660 rs. o eovado,no atmarem
da porta larga n. 58, ra da Impera tr ir junto a pa-
dara franceza.
Paredes Porto
Receben pelo ultimo paqnete nm sortimento de
erases cora pedras par frescoco, benitos caxirrel?
de lia para peseooo de seora. Roa da Imperatrlr
n. 82, armazem da porta larga.
Paredes Porto
Vende cortes de gorgorito preto para vestido com
21 covados cada um 3o000, grsdenaple preto at
1*600, 1*800 e 2* o eovado, I3as lizas finas a 400
rs. o evirdo, lias de quadrlnho para vestido, entes-
tada, a 320 rs. o eovado. Ra da Imperatriz n. 52,
armazem da porta larga.
Rota feto
Rna da Imperatriz n. 52 armazem da porta lar-
ga junio a padarla francesa,. eo contra-se sestee
tabeleemnto um completo sortimento de paletos-
saceos e sobrecasacos, d todas as qaalid'ades, cal-
cas, colletes, cern, atels, gravitas, meias,
chapeos de sol, ditos fratecerets para afee;, per
pregos commodos, roupa para menino e ootras
murtas faiendas por breos commodos, armazem
da porM lafgit
Nowesmoestabelecftheiioereonifart o rtspei-
tavel publico, sempre nm completo sortimento de
roupas fetas de todas as q'Ualidades, como sejam
paletos de alpaca preta ede cor, ditos sobrecasa-
cos a 4* e 53, ditos de briin pardo a 2*800, 3* e
3*500, ditos Bnos a 4*, ditos mTas eazmira a
3*500, 4* e 5*. ditos cazemira saceos-a'6*, 7*, 8*
e 10*, ditos sobrecasacos a 10'e 19*,-dit08 de pia-
no saceos a 6*, 8* e 10*, ditos sobrecasacos a 12*
e 25*, ditos de merino preto a 6*, 7* e 10*, cal-
Sis de brim de diversas rmalldades a 1*800 a 4*V
itos brancos a 2*500 e 6*00, 'drlos eazemir-a 5*,
6* e 7*, ditos pretos a *, 6*, 8* e 10*, ditos
metas cazemiras a 3* e 4*, coletos de diversas
qoalidades, serouls francesas de algodao, ditas de
nho, ditas de bramante a 2* e 2*500, carnizas de
algodao de linho francesas de 2*500 e 9*. Gran-
de pecbiacha neste genero,- gnmtts de todos as
qualidad 3s o brancas para casamento, grande sor-
timento de meias para senhoras, ditas para horaens
a 3*. superiores a 3*500 e 4*.
Um completo sortimento de chapeos de sol de
alpaca a 3*. ditos de seda a'5*, 7*, 19* e 14*,
ditos francezes para cac-ca, grande sortimento
a 6*.
Vestidos
Pechlueha sen Igual.
Chegou a loja de Paredes Porto a benito sor-
timento de vestidos de tartalata de Cores e brancas
que serve para partidas por ser ama phaotasia Id-
teirameote de gosto pelo barat prego de 4* f
brancos a 4*500, esto acabando-^tf: no armazett
da porta larga rna da Imperatri* 52, jodio apa-
daria fraaceza.
Cortina ctos.
Cegdti a li. *e' Fiides "Porto um compete
sortfHHBlb '(fe1 ceffftrds fiflrHftnte Borda-dos i
prego de 28*, 33* e 4$ : rife r*a- da MpeYaW:
n. 52, porta larga junto a paarie. fraeweza.
Ri-cas romeiras.
Paredes Porte recebes pele ulirao paquete
sortimento de remira de pwpare pretis e de
a prego eommodo : na ra da Imperatriz n.
porta larga junto a padaria franceza.
A SALSA PAMILHA M
PARA A CURA RADICAL
de esorefulsse molestias escrofulosas, tumores, ulceras, caigr*; Jert* ve-
Inas, broneeeeele, papo on papeira, a syphilis, rfflr^dade&?wrttf ot mer-
cunaesi
AS MOLESTIAS DAS MLHERES
reteocSo; menstro doloroso, ulcerttfBes do tero, flores brancas, etc., ulcera-
do, debHidade, expoliado dos ossos, a nevralgia e convulses eprtepticas
quando causadas pela escrfula.
I m m HSPELAS ERPES; ETC.
Enfermidades cutneas erupeao, borbalhas, pusdut'as,
nascldas, etc.
0 extracto composto de salsa prrllha, con'eccihado pel ftr. Ayer, urna
combiDacSo dos melhtjres depurativos e alterantes conhecidos medicina; confeccio-
nado segundo as regras da scierjcia, approvado e receitado pelos piitiros medicrJs dos
Estados-Unidos da America do Sul e Central, da* Antilhas, do Mxico e da* Indias, e
militas outras partes do mundo : o resultado de estudos apurados e minuciosos; e de
experiencias felfas pessoalmente pelo Dr. Ayer, por muitos nnos, nos principis hos-
pitaes e enfermaras da America; tcm sido approvado pelas academias de medicioa e
juntas de hygienne das principies capitaes s America do Norte; para pfva disto vede
os attestados aulhenticos no Almanak e Manual de Saude de-B* A-yw os quaes sedis-
tribuem gratuitamente nos lugares onde se vfcnde o remedio.
A SALSA PAR1LHA DE AYER
Especialmente efficaa na eura da molestias qne tem sna rigen
na escrfula, na lajfeeeao renerea, no nao
excesslvo do meren lo oh qnalqner Impureza do sangue.
A molestia ou rofecoo peculiar, conbeeirJ peto not' d es~c)t>fta, rnn dos ma
les mais prevalecentes e universaes que ha en toda a extensa lista das erffmidades qVjre
atacam a nossa raca; disse um- celebre escriptor da medicina que niais de uma4terca
parte de todos aquelles que morrem antes vlhice s3o victimas, OH directa Cu indirec-
tamente de'escrfula.; por isse so nao lO'destrucliVa, porem a principal' cansa de
muitas outras enfermidades que nSolh saogerrmnte atfruids.
urna causa directa da tiska palmonar, das molestias do ffgad, do estomago
e affecc5es do cerebro; entre seusnomeresos symptomas acbam-se os segints: falta
de appetite, o semblante plido e enchado; as iz'e's d% ifi aTVutHransprente e outras
vezes corado e amarellento irwgohr, fraqaeza e mozi nos mnsculbs ao leedor da boc-
ea; digesto fraca e appetlitei falta de oWi|Htl; ventre ebcliado e evaca^ irregular;
quando o mal tem seu assento sobre ospakBes urna cor azulada nlo's'lra-se emrodados'
olbos; qoando ataca os orgos d>gestivea> osoffios forn'am-'s^aveTlftlhados'; o bali-
to ftido, a linpua carregada.; dores decabe?a, tonteras, etc. as pssbas ce dlSpusi-
q3o escrofulosa apparecem frequentemente eropc's na p'ellb" da eiBea e oifras partes
ro corpo ; $3o predispostas s affeces dos pulmes, do figat^, dos' rins, dos drgSos

60
dir k apettxttlz. s:
flt:
LOJA B ARMAZEM DE FAZE.SDAS.
**5* .'* propMMMiw d*te tmOi-tmmtl-
meoia faite m.grmide abatiraente em ratitas- de
suas raz9ndas,pela cc8i3o do balnfo quederam
no '{g'^dezerobro de 1865, resolveram vender.
mulKrmriiafatbab-rjtiBc-osrtimam aSm a"e tMi
vez msfl-agridrem -ato' seos numerosos fregae-
zes; por tanto Ihes offerecem nm avolado sortl*
51Di?.ile az.endas francesas,, iogtezas, as quaes
mais barato do que em outra qualquer
vendero
Cortea de cambraia con palmas na tojad ATT ajjt*
Veadem-se cortes de cambraia branca, cea!pal- Crande novldade a !# rs.
mas, sendo fazenda muito boa, pelo baratiinjo, t Allanta a 200 rs
preeo de 2#500 para acaBar: na loja e afmazem iii.ni u .=
do Pavo na ra da Imperatriz n. 60, d' Gama 5 "." 3W "*
Silvas ^ Atlanu a 200 rs.
Leos braceo a 10OOO reis a! tioen&tVnvll* do^Pavo mai ,,B(Jo m'
ll 117i nrnnrl M .^liMlA3' COm 1lul d- *nU
Vendemse leecJHc'os fazen*. muito boa; Z SSJSS^OS dT.aTomoVm^
to baratissimo prego de 2$ a duzla, Ditos com lindos gostos de qoadrinbos e lutra iT?IlZ
rra tittOr a 2*000 Isto para acabar na loja do ellas de cOr roa .. b"u com f.r.1 .^,.M
ao nrna da Imper.tri2Pn. 60 de Gama Sil- brancos proprias par^ mto, e "ed m se SC
r a ratissimo prejo de 200 rs. o eovado unicarr.-ue n".
iPonpebaag modernissimas a 400 e SOO rs.' toja da Pavio ra da Imperatriz n. 60 dVtai&
o eovado na.loja do Pavo. v^ui
Vendem-se poupeiinas muito Onas sendo fazenda AS CDlias doravo a 200 0 c<*V4a
mD,tl:,^?derna de qoadrinhos e liza vendendo-se Vndese o mais bonito serlimeoio de
peles fca*atos precos de 400 e 500 f. o eovado
(bitas -
nart i-nnm.".r; L 7" '*"" "."".".""" """m' ;'"ius pi'cfus ue *uu a ow rs. o covaao na curas e roas sendo Incleza? i
tf^^'te*f a roaDllaf tevarqaaiqOf M* do Pavo.oa ra da Imperatriz n. 60 de Gamaj tae encorpados como S8daT frawas",ue T.
fazenda em
vir a leja, ou a darem aseamos tras, deixado flea*
assim como convidam as pessoas, qne
ucKuwam em melior eala ne Atete eranflwta-' .2CZZ?v su,oriores grosoenapies preos i.eos o imbu oo uwioos oawi peca esereai decoros
apenasjelos precos que compram as casas ingle- i ?fif de ma & t" **'
za?, sendo com o dinheiro a' vista.
As toalhas de li< lio do Pauto.
Vdem-ss serperibres toalhas de linhos para
rosto pelo baratissfmo pW d Yj^oO a'dhzl 6*
a 640 cada urna.
Go'"danaposdelrtoadama8oado para mesa a
2*860. a dutiaou a 240 rs. cada um.
Superior atoalhado'd linho com olio palmos de
largura sendo branco e rJWlb, e Vende-i* mais ba-
rato do que em ootro parte, na loja do Pava o na ra
da Imperatriz n. 60 de Gama & Silva.
08 corpnbbs t Seda pretos do Pv5o.
Vendem-se os mais ricos corpinhos de seda ore- i armarera do Pavio
tos, rkameDte'fnftflMos' pWftlwrew pr^o 46'12j|! cada om : na loia do Pavao na ra da Imperatriz
0; 60, de Gama Silva.
Os cortes de cambraia tranco bordados na
toja-do Pavo.
! Vendem-"se os niais ricos cortes de cambraia -
carente bordados com barras e babades '20^'ca-
Si ntn-. mu feja"r Hfotm WnfU ira HtfV
Imperatriz n. 60, de Gamal&'Mvas
Meo vestidos a- 80000 rs
pecnincha admiravel.
tiaile e passeio, e veUdew-se pelo baratissimo
preco de 8*000 rs. cada om, na loja do Pavao na
Bramante de linho do Pavo.
Vende-se superior bramante de linho com 10
palmos de largura, proorlos para lentes, pelos
Bratissimos fn^is de 2* e 2*600 a vara, assim
tomo panno de linho muito fino pelos baratissimos
Itrecos de 640, 700 e 800 rs. a vara : na loja e ar-
mazem do Pavio, ra da Imperatriz n. 60, de Ga-
ma.'& Silva.
Canbraias lisas do Pavio.
Vendem se pecas oe cambraia lisa mnito supe-
rior, pelo barato preco de 3*200 e 3*500 a peca,
ditas muito fioas a 5*, 6*. 7* e 8* : na loja e
ra da Imperatriz n. 60, de
PBCHINCHA !
2)>a8, para calcas, s o Pavio.
Vendem eesoperiores cortes de weia HWttfra
com msela de seda a 2*, ditas Gtribaldinas a
2*800, ditas escuras a 2*8oO, ou a 1*600 o eova-
do1 : na loja e armazem do Pavao, rna da Impera-
tnz-n. 60, de Gama & Silva.
PENTEADORES
| ou roHpes de cambraia bordados proprios
para as senhoras vettirem de masba-.
a
Imperatriz n. 60 de Gama A Silva.
Sedas Largas
Na loja do Pavo,
Chegou para a loja do Pavio um modernissimo
sortimento das mais lindas sedas para ven;dcs,
sendo urnas de tistrinbas e ootras de OortffltN
com as mais lindas cores, e algumai prcpna para
as senhoras que estiverem de luto e vendem-se
pelo barato prego de 2*000 o eevado, tendo esu
fazenda quatro palmos de largura, que facilita fs-
zer-se um vestido com peucos covades, isla na
loja e armaztm do Pavo na ra da Imperad u
60 de Gama & Silva.
Novidade
Para vestidos.
Cbegaram as desejadas cambraias ou lar'atac*-
brancas com ll.-lrinbas Jseodo transparentes e vt-u-
dem-se pelo baratissiow prego de 5*000 o corl
Da loja e armazem doiPavao ua ra da Impentru
n. 60 de Gama dr Silva.
P^j; imperatriz n. 60, de Gama & Silva.
Cassas francesas a 210 rs. o eevado.
Vendem-se benitas cassas francesas de eores fl-
sias as aueccoes aos puimoes, uo ugaar, aos nns, aos orgaos yj 0lf~^r~"' ^ ",r5*B jpffirS
digestivos e uterinos. PertaBto, nao sao smene a'qulles' que' padecett das1 fotms d--!,. mhh^-fr*^lMNW4auM<* 'pelo baratissimo preco de 240 o eovado.
cerosas e tuberculosas da escrfula que neceasitam de proteceo contra osseus estrago*; -
MatrtMetefffl rtntt; !MrrtWa,'rlltiltoSirt)eTfot
lo*0fl0.
Capas e santhanbarqnes de grosdenaples bor--,
dados, fazenda inteiramente nova, por pregos mais.
baratos que em outra qualquer parre.
Itotfc loja armazenTdoPvffo'fl rtia oVIn>
petfitriz n. 60 de Gama & Silv*.
0Soh#1e8' do pa*8 Nm c I8**> n. ina loia d0 pavap>Da rua da llW*\l D-60-
Vendem-se chales de merino estampados a 2* P > R ^ k V! 4 |||"\H *
eruptivas da cutis, rosa ou erypipela, borbulbas, pstulas, nascidas, tumores, rheuffla,
carbnculos, ulceras eebages, rbewnaliemo drs nos ossos, as cttstas e"ta cbela,
debilidades femisinas, flores brancas causadasi pela ulceraco interior, e enfermidades
uterinas, bydropesie, indigesto, enfraquecimento e debilidade gerai.
Offerecemos a estas pessoas um abrigo! seguro om aiitidtltb etflca cdriffa esfa'
molestia e suas conseqoencias na
SALSA PARRILHA D AYER
que opera directamente sobre o sangue, puriQcando-o eespulsando'delte'a-corrupao-eo
veneno da molestia ; penefr todas asparles e'todos osorgles doceiq humano, livran-
do-ds da sua acc2o viciada e in'spirndo-lbs nOvo^igor. om alterante poderoaissinao
para arendvaco do sangue, e d ao corpo ja enfraqueeido pela doHfa; foreas e ener-
gas renovadas como as da joventde.
tambem o melto anty-syphilitico conhecio
cura permanentemente as pfwne formas de necessidade ha de inftmnr wfaWuo do mesmavel valor de oHr-rfmeio que, como
este, livra o sangue deste < orpopcS e arrebat a victima das garras de.uma monte lenta
e ignominiosa, porm'ineviarrcl,.-se omal nae' logo combatido com energa.
um poderostesmo'afcfcrawtepara a- tTnovaco do sang*ie e para dar nova for-
ca ao corpo j eofraqueoido pete1 doenga.
Sendo coropost* dep^daeos vegWiesj es'e medicamento innocente eaomes-
mo tmpo effioaH,jHn_faeto de irrrmensa impornanciajara aquellt-s^e o torxam ; por- fQJ[ a0TdVGSa*?'s?ivW!
Os
E" grande pechincha !!
YeBde-s&grosdenaple preto^ sendo muito encor-
adp. e de boa largura, pelo baratissimo prego de
9 o eovado : na rua da Imperatriz n. 60.
Os cachinez do Pavo.
Vendem-se bonitos cachinez-de lia ou sgazalhos
para caega pelo baratissimo prego de 3*000, so
e 2*500 cada um.
Ditos de merm liso a 3*300.
Ditos estampados de crepon a 6*. 7*, e ^
Ditos pretos bordados eMHffMp e>'d9'a 14*.
>'a loja e armaiem do Pavo na rua da Impera-
triz n. 60 de Gama & Silva.
Para luto vtnd o Pavo.
Setim da China comflTstWos^-rsrgura, fazen-
da preta para luto, prcpna para vestidos e roupas
para Uoteens, setidb rifnrtronl ratenda sem lustro e
de muito boa qualiddj garantfndo-se nao floar
russa.com o lempo e vende-se pe lo'barato prego de
: 2* 2*500 o eovado, assim como neste estabeleci-
mento' tem om granue sortimento de todas as fa-
zendas pretas como sejam cassas e chitas preta?,
lias lapadas trrospemKc*, prinrens, a^a-rss,'
nm
fil
f.
- *Q
Cortes de laa escocesa para vestido a 3* o cor
te: na-roa aa Imperatriz n. 52, loja da porta lar-
ga, junto a padaria franceza, estio se acabando.
Para luto.
Laas pretas con salpicas orticos a 400 e 00
rs. o eovado : na roa da Imperatriz n. 52 junto a
padaria franceza armazem da porta larga.
Chapeos de sol.
Vendem se etapos de-sol-de panno a 1*400 e
urna grande pe-chincha s para acabar : na rua da
Imperatriz n. 57 armazem da porta larga de Pare-
des Porto.
A
Ba oes do Pavo.
Vendem-se sipriores balOes de mugunta com
rWMHTAdt-'aSB.. ditUsrrinollnes com .'15 arcos a
3*300, ditos com 20 e 25 a :)*, diros para meni-
nas, sendo brancas e encarnados a 2* e 2*500 :
nja toja do Pavo na rna da Imperatriz n. 60. de
1*500.
Vendem-se pecas de transa preta para eefeites
de vestidos, sootembarques, capas de senhora a
1*600 com 10 varas, urna grande pecbincba : n
rua da fropetatriz n. gf j(nSt0 a padaria franceza.
&m de oda pretos.
Vende se cuajes de renda preto a 4*000, unicc
loja q*e pade-vender na roa da Imperatriz n. 52,
armazem da not'ta larga, de Paredes PoYto.
"gSig.ssag'&.g.ii
p- aa
03 U
n
f8
g.
P*'a>
, co en
ce
o. o
3* S"
agM
1 S s?B
a. tL
ce

O

O
O
I *
O) o
90 3-
'
en
3
IS
O
SB5
Si
i- 3
B
o
o
B> '*
M S o.
3-"?

a.
M A?


{

- f*u em tfrieM p^qomk-
Cera em vetee de todos m
Bogias.
Mercurio. ,
M toa . iiitnw* ^iiif. .rtm. tu
\ ede-se om escravo
deMaBguTa'e'raestirBtarl
do QueimaJo n. 44.
ara e
ft- : a
que muitos dos remedios alterantes ofierecide ao publico tem por base o mercurio u o
arsnico; e sendo assim, beaupie-a veaes podem effectar curas, cootudo deixam suas
victimas carre#ada8 de malanga serie de males, muitas veees.peirr d que o-aalow-
ginal. A uniea cousa Deeessari para obter urna cura radical seguir aaM juiao a cena'
alncia as dwecces que acompanbam cada fraseo.
Nao pretendemos .proaaolgar, aam querremos que se infira que esta composico a \ GamT& Silva
um remedio infallivel pata a oava.de todos fe padecimentds htrttiat;Os; ihfefettteWe atobraia f fbro a ijJBOO e 2t? na loja
escrfula e a syphilis sao enfer-midedts tao srJiis as suas natureas, evarreig3m'se -tto do^Pav.
irmemente no systeraa, qu muitas vezes evadem e resistem aos rettffirfldS Wais pode*' Vendem-se pegas de-wmwaia e torro com no>
rosos que ascieocia humanapdtteinventarpafa combate las: o que dizemos.que o Z*??!*9****pegaipeos baraestmos pregosde
Extracto composto de salsa parnlha 4e Ayer
a melhor preparac3o al boje descoberta para estas e outras molestias anlogas, qe
urna combinac^o dos alterantes mais efficazes cOnhecidos, e que estfr-eaatfnaco tem sido
regulada por longs e laboriosas experiencias, e finalmente que temos conscienda de of-
ferecer ao publico o raellforresultado que posivl prodzir, daitfttigencla e pericia
medica dosnossos tempos.
Este remedio deve ser tomado com sytema e regula;idadfe, e nao com abandono,
poia um remedio e nao bebida.
Quando as molestias do figado nao tem sua origem na escrfula, o remedio
mais proprio as pilulas catharticas de Ayer, que sao efficazes na cura da molestia, qtie
m por causa um desarranjo dos orgos digestivos. Pedi a salsa" parrilla fle Ayer e
nao aceita! outra prepara<;ao.
Pernambueo, roa Nova n. !8, pharmaciafuanceade P. Maurer & C.
VENDE-SE
Xo armazem de M. *f. Ramos e Suva Cienro. a rna do Vigario
n. ti, constantemente, osseguintea artigo, ue
reeebem per encoinRienda propria de
insw-
Legitima salsa parrilha deBrlstol, preparada por Lawnan & Ktfmp.
Verdadeira agua florida, preparada' pelos flRMMs.
Gaz em latas de cinco galCes, o mais purificado qe se pede desejar da acredi-
tada marca F. W. D. & C.
Relogios perff'os regtldores, cffi corda de qtratro a oito-daS, dos'afettados-fa-
bricantes E. N. Welcb.
Graixa eln latas grandes da 'bem conhecida marca as. S. Masn (dPbilde!
pnta).
Superior oleo para machinas'de costura.
Aguhas para as Ttfesttas.
Bren em barricas grandes e pequeas.
Venae-se tambem:
BORDEAUX
1.a gaalidadc.
[SU Bslephe.
St. Julien.
G. Margaua.
|C. LafiUe.
I Medoc.
.
PORTO
3 Vioho fino do Porto em barrisde^B/, w/ e W/.
Soperif vimio dotRheho.
Cera de Lisboa em-wa* e ea grwne.
v



Principe Real.
Pedro V.
Mara Pia.
Princeza D. Isabel.
Vctor Emmanuel.
Duque.
Ufalva-ila.

. J,-..JU_U- J UU
I ..t.H.lll.l^f
Pechiacha adeairavel
biaibabas de quadrinbos qoe parece sea a SM
H. o ovado, urna grande pecbincha, est se aca-
bando : na loja n. 81, armazem da porta lfga de
Paredes Porto. _..... .......
Pee biit cha
Vende-se a taberna da roa d* Gttt B.'38'brlM
ptlo para principiante, e o motive se dir ao com-
prador.
'
enh. criomo
QaciJAs da serlio
Vendi-sa soperior '|0*ij9 4o eetiao : m roa da
Ja4re de Deo>, armvem jauto a igreja.
file calde'reiro c fundico de ferro, si-
ng e hreiie; cora s escravos,
jne-se a grande fabrica de calderlrb effc-
ni rna ova a 35, oo na rna da cit\f9**l\
'*- Vendeffl-se toners partt 4tilpio de'eoihho
e deposito de mel, e pipas vastas :
UeiAJOllU UD mor, s y.v-~ _-.--. -- -
travessa do Carioca n. 2, caes do Ramos.
Fazendas para a cuaresma.
No armasem da porta larga, roa da Imperatriz,
grosdenaple preto a 1400, 1*600, 14800, 2J
3*500, moreantique preto de diversas qualidades,
os ais rices chales 4 rsnda pretos, e retondass
com maita reda, faseoda da ultima moda no mer
cado : do armazem da porta larga n. SI, ila rua
da Ittpeftrtt.
. Vende-se urna porco de (erro broto, serve
[Jara Obras dS fereros, e Mr ptec ttilta WtB-
mot a trtuf 4 ro IWifttrtat .'i, t* Br.
" mt+tmttit Miri mli a mw !
Suneriar do Garaihuas
Pudo o melhor noseivel: .aa roa do Queimado,
secunda lja ti. Id.
Caf i erial
O superior caf do Biode Jeleiro. ven*
ds-se a 41* a arroba ; a roa do Vigario
fintrlo.
Vende-se nm cavallo castrado,
andador, bom para vlsgens. de c5r I
na cocn'feira do cito ff AflTf ti. 7.
i**600 e 2*: na-loja e armazem do Pavo na roa
da Imperatriz n. 60, de Gama & Silva.
Os corneados do Pavo.
Vendem-se superiores cortinados aaama scados
pata camas pelo baratissimo preco de l*cada par,
ditOs muito ti oes ricamente, bordados para camas
ou janellas a 15*, 30 e 2o* o par : na loja e ar-
mazem do Pavo na rua da Imperatriz o. 60, d
.faraa & Silva.
Panno preto a 2J na loja do Pavo.
Veride>se panno preto. ftienda muito boa,-peto
barato prego de f* o 999*99; 'dtlo muito lino a
3*fi00. 4*, 5*e 6*,assiffl como casimira preta de
cordo a 2* o eotstJo : na loja'do'Pitva'o na rua da
Imperatriz n. 60, de- G*.ia & Silva.
Os espattilbos do Pavo.
Vendem-se urna grasde e variado sortimeato de
eipartilhos dos mais bem-feitos que tem ^wdo ao
mercado, seffdo de todos.Bs tam'anhos, vendendo-se
por um prego muito razoavel : islo- na leja do Pa-
vio na rua da Imperatriz p. 60, de Gama-& Silva.
As salas bordadas de pavo.
Vendem-se saias bordados sendo fatenaa muito
boa, sendo ricamente bordadas e com muita roda
vebdendo-se pelos baratos pregos de 6* 8J e 10*
fMs cada urna na lojroVwva na'na da Impera-
trir n. 60 de Gama *;8Hva.
Bretatthaaderolaa 3.s000fl
Vendem-se pegas de bretanha de rol eom 10
varas cada pega, pele baratissimo prego de 3* :
sai ioja e armazem do Pavio, rua da Imperatriz n.
60, de Gama & Silva.
Roupa feita.
Na loja do Pavo
Vende-se neste estabelecimento ora grande sor-
timento de roupas, tanto de panno como cazemiras,
e"*brins e pelos 'baraifssrrnos pregos como sejam
ealgas de caxemira piM a6* 7* e 8*000 rers, pa-
leiots de panno preto saceos a 6 8* e ti*000 rs.
ditos sobrecasacos de panno nnissimo a 12* 18* e
zbV^OO reis, e oulrOs muitos artigos que serla en-
fadonbos aqu relata-to; 0a loja e armazem do
Pavo rua da ImpeMtrM n. 60 de Gama A Silva.
Leja fava
Grandes peblHekas.
Sediihas a SOS rs. tova*
Sedinhas -a 506 rs.
Sedinhas a 800 re.
Vende-se na loja *3'Pavio, ttm grande sortimen-
to 'de sedinhas listradaa eom as mais benitas cores,
sehWeYlWlMfrWfsnovT ffMWto vffidoe mr-
cado, e veade-s pela- peatisslnw preco 4e cinco
leStoes o eovado, sendo iasenda que valem muito
rhais diOhlre, e grante phincha pfse ter
comprso eme graate partida des faswada, na
loja ariaacem de .fasenaa do Pavo, rua da-hav
peratriz n. 60 de
Para a awresAa,
Vende o Pavo.
Superior grosdenaple prtba 1*600.1*800 e 2*,
e ootro muttoTetgoa 2*800, 3* e 39200, eo supe-
rior moire-intique a 2*890 e 3*, seda reta lavra-
da a 2* a 1*809, e setim preto a 3*500; na loja
do Pavao roa da Imperatriz n. 60.
Corles de vestidos.
Pretos a 30*000.
Vendem-se cortes de vestidos pretos bordado a
velo-ft pete oft-sto prego de 20$, para acabar; ai
ioja da wvlo *. so de Gna Silva.
Ldasinhas malhudat a 32t) t.
Vendem-se as mais lindas laasinhas matlsadas
edm o mais' bonitos dsenbo, pelo carato prego de
320 rs. o cavado ; na loja-86 PavW a fu d Im-
pe'eariB.'*)iTBi(ssrrT.
Vendem-se os mais ricos chales de Guipare e de
rejada de Unfcoe sede, petos baraiissimos pregos de
t fi.lo^! 'rande pechincha em relacSb a boa
llIflafe e tirllnbo defles : s na loja Ib PaV,
lana Impetirit n. 60, de Gama A Silva.
PECH1NCHA \DMIRAVEL.
Grosdenaple preto a 1 'KOO
Vende-se superior grosdenaple preto, fazenda
multo eheorpada, pelo baratissimo prego de 1*600
0 cvado, sendo fazenda que val muito (Dais di-
nheiro : na loja e armazem do Pavao na rna da
Imperatriz n. 60, de Gama & Silva.
MANTAS PARA O PESCOCO
a 1*, s o Pavio.
1 Vendem-se bonitas mantas para o pescogo, pelo
barato prego de 1* : na loja do Pavo na rua da
fmiierstrlz m 6C; de Gama & Silva.
Hadapoles a 3,500 rs. a pessa.
S na loja do Pavo.
Vende das, pelo barato prego de 3*500 e 4*000.
Chales de renda.
Na loja do Pavo.
Receberam-se os mais lindos chales pretos de
renda, assim como as mais modernas e compridas
relmeles, e manteletes da mtma Iazenda,e vnce-
se mais barato que em outra ifualquer parte: ha
loja e ajmazem do Pavao ca roa da Imperatriz n.
66 de Gama & Silw.
GaMor a 3(0 rs. eovado.
Para ca.'(;as.
Vendem-se superiores castores muito encorpados
padroes escuros pelo barato prego de 320 rs. o eo-
vado, se rvlndo esta fazenda tambem para escravos-
por ser de muila durago; na Ioja e armazem do
Pavao roa da Imperatriz n. 60 de Gama f Silva.
Chapeos para meninas a 6,000.
S na loja do Pavo.
Se vendem os mais bonitos e mais bem enlejia-
dos chaposionos de alna da Italia, proprios para
menina?, pelo baratissfmo pnco de 6*000; na Ioja
e armazem do Pavao na rua "da Imperatriz n. 60
de Gama & Silva.
Attenco.
ULTIMA NO VIDA DE
Para safcbado de Alleluia
PENTJES, ENFEITES, CINTOS.
Gama & Silva, acabam de receoer pelo ultimo
vapor frascez',:tffli grande sertimento dos mais ri-
cos eneites pretos ede cores proprios para cabeeaT
sendo guarnecidos com as mais lindas flores, e com
voltas das mais bonitas perolas; assim como osraais
modernos e engragados pentes da verdadeira lar
taruga, marchetados sendo a ultima novidade
que tem vindb de Pars, e os mais ricos cintos com
Otas mathisadas e (velas largas, conforme tritima-
mente se usa as primeiras capitaes da Europa, e
vende-se por prego em coala por ter chegado em
direitur para a lja do Pavao, rua da Imperatriz
n. 60 de Gama & Silva..
Grande pechiueha
Em cbi as.
A amela pataca.
A niela pataca.
A meta pataca.
Vende-se na loja do pavo um grande sortimento
de chitas inglezas, sendo rozas e cor de rosa, com
padrSes mala rotodos e mais grfidos, fflancamlo-
se ser de cores fizas, e vende-se >elofcarattsWjo
prego de 6* a pega, tendo 38 covados, e retalha-se
a iffff., sendo fazenda que sempre se venden: a"
9* *pega en se retalhou a 280 n.; esta grande
peeWneha Hqnd*-se per esle preco na ioja-e arma*
zem do pavio, roa da Imperatriz o. 60, de Gama
Silva.
tttML
Pwm a qtmresnt,
Os cbalcs do Pavo a 6 74 e 85.
. Vendem-se ricos chales pretos de renda multo
grandes com quatro pontas, sendo os mais nfodr-
hbs rwr ttetn'crregad pelo Ultimo vajJdr'franco^
vendem-se pele baratiss.mo prego o> 6#, 7* e
8* : a loja do Pavo, rua da Imperatriz d. 80, de
Gama di Silva.
s rstantias do Pava a 8 e 1%
Vendem-se as mais ricas rotondas oa'reindi'pYe*
ta, sendo muito grandes, que sao as que mais se
e*an>, pelo baratissimo preco de 8* e 10* : n
loja e armazem do Pavo, roa da Imqeratriz n
de Gama & Silva.
Chitas pretas alwrs:
Vendem-se chitas pretas ingtezas, sendo fazenda
mult boa, pefo baratissimo preg de 160 r. o co-
vad/Oi |I09 a pee* cwb' 38 covados: 6 na
Mja Ravo, roa da imperatriz o. 60, de Gama di
Iva.
Lazinhus a 200 rs., s a
Pavo.
tendth-sB mUros Mtthis coW'ItMlMimj
ost't)-l>ratts'sloJO jmjo de I00TS.; gWi-
a pechiueha : s na toja-de Paveo* nw-dsiaaa*
ratria a. 60, de Gama & Silva.
No armazem" "de tazendas
baratas de Santos Coelko
Rna de Queimado a. itr.
Vende-se o seguinte :
Cocerlas de chita da India a 2*400.
Lencoes de>panno de llnbo a 2*2.
Ditos de bramante de linho de ura s panno a
3*200;
Lencos de cassa brancos proprios para ataibefea
a 2J0OO a duza.
Algodao enfestado com 7 1|2 palmos de laropra
a 1*200 a vara.
Athoalhado de linhb a *800 a vara,
Dito de algodao a H a vara.
Goardanapos de linho a 3*800 a dozia.
Pegas de cambraia de salpieos a ';500.
Lazinha abena de cores a 320 o eovado.
Cambraia branca de forro a 3* a pega.
Pil de linho liso Onoa MiO-rs. a vara.
Dito de dito com salpieos a 1* a vara.
Panno de linho fino com 9 1[2 palmes de largo
ra pelo barato prego de 9*400 a vara.
Madapoloes finos a 8*, 9*, 10*, 11* e 12*.
Cambraia lisa de 4*500, 5*. 6*, 7* e 8* a pega.
Pegas de bretanha de algodao com 10 varas,
propria para sai*, pelo baratissimo prego d.
3*500.
Liazinba lisa de cores a 500 rs o eovado.
Cambraias finas de cores miudinbas a 360 rs. c
eovado.
Esleir da India propria para forro de sala a*
4,5 e 6 palmos de largura, per. menos prego de
que em.outra qualquer parte.
Neste armazem tambem se encentra nm grande
sortimento de roupa feita e por medida.
Tasso Irmaos
Vendem no seo armazem roa da
4morm n. 3of
Licor flno Curago em botijas e meias botijas.
Licores finos sortidos em KarrafB*com rolba(< d
vidro e em lindos frascos.
VinhosChere.-.
Santernes.
Chambertin.
Hermftage.
Borponhe.
Champagne.
Muscatel.
Rfctti'o.
Bordeaux.
Cognac.
Gld Ton.
PAezei lagniol.
tenc
Si
k
Na antiga e bem conhecida refinagao a' rua i:.-:
Larangeiras n, 12, encontrara' o respeitavel pa-
blico um completo'sorlimeolo de assucar de rar-
go, refinado e candi, bem como caf em grao e
moido, sevada moMa, cha' verde e preto de muito
bda qualidade, velas de composigio ; e todo por
pregos muito commodos.
Vendem-se dous motores para 2 e 4 cavallos.
proprics para mover machinas de descarogar al-
godao e cylindros de padaria, etc., e urna prensa
hydraulica de grande torca, propria para enfardar
algodao : na fabrica da travessa do Carioca c. 2,
caes do Ramos.______'
Attengo.
Vende-se no deposito da Liogneta n 43, lerte
puro a 320 reis a garrafa examinado pelo fiscal.
Escravos fgidos
No dia 7 do corrente fuglo o preto Manoei,
baiio, grosso do corpo, tem as pernas um pooco ar-
queadas, e muito conhecide por Manoei cangalba,
quem o levar a rua de Apello n. 30 armazem de as-
sucar de A. H. Rodrigues, sera bem gratificado.
' Aasteu-se si casa de Feliciano Jos Ge-
mes o seu escravo crloolo de nome Felippe, esta-
tura regular e picado no resto de signaes de be-
xigas, tendo sabido do logar da Boa-Vlagem sab-
bado a tarde 10 do corrente mez e (oi visto em V-
no engenho Camassan, cTonde se ausentea do
mesroo dia : quem o pegar e levar a sen dono sa.
rua do Apollo o. 36, ser generosamente recom-
peBsadiy
Pogle de Un sitio da estrada do Arraiil e
cabra Manoei, natural da Paranyba, tendo os sig-
naes seguintes: altura e corpo regulares, rosto
multo bexigoso, e diz se cotlnheiro e pedreiro, tem
o dedo immediato ao mnimo da mi esquerda
aleijado de um panarleto, levon caiga de casemira
cor de sinza j velaa,- camisa de 'fazenda quasi se-
melbante ao da caiga e 'chape He felTro tambem
relho : a pessoa que o appreneuder leve-o a pren-
sa de>atg(5'o*o caes de Apollo a. 59, que sera
recompeoside.
Funem
Vendem-se caix5es de folha de Flaadres
t tOO-i* cada om oarua da Graz n. 6,*r-
mazerfli
Aviso a polica.
Desapareced no dta 28 do mez passado da roa
estreile me 1 oiz, de idade 14 annos, cujos signaes sao
os seguintes: camisa branca com pintas encarna-
das, caiga de panno azul, sem chapeo; pede se a
qOem o encontrar que o traga mencionada loja,
que ser* generosamente recompensado.
Fugio do engenho Para' no dia 21 do cor-
rente mez, o mulatioho Urabellno, de estatura re-
gular, cabellos.corridos, oihos grandes, nariz afila,
do, com om dente1 cfaebrato na frente, car elara-
com algomas marcas de bixo nos calcanbares. re-
presenta ter 15 a 16 annos d idade, o qual ja foi-
visto om destes dias nesta prga.
Recompensar-se-h a quem o aprehender elevas-
te em dito ebgetmo, ou uesu praca em casa de
SevemnbdeSiquelraGavakantePena; narua da
Santa Ritan 7.
FniroatlrWa crWbhi'Oe abffl BetlHcta, de
estfur* Mu, eorp rarattr^ pea apalbetadot,
testa pequea, tem urna grande marca de ferida
ourro e Aa Vota rftatftm de crts, e oft piona
preto fino banuaao de onrHe ; esa preta costo
lizjer-se forra,, suppoe se esjUt;
. a Seu slloY Jos Jwb-
VeWD^ds^'cdm'-ii^




s


i
8
Diarlo ele Perniabnr* rerea felra S e Abril de 1866.
LTITERATRA.
mi/ro\.
(Lamartine.*
cararra, eram cobertos por om velho tapete, par
qae o raraor dos passos dos que subiaru e desciam
Dio IhSMrturbasse os rfros somno.
O amigo acbou Mil ton vestido cotn um corto
manto de cor escara, assentado junto a' janella.
com os cotovellos Armados oo brago de nma cadei-
ra de pao. Poneos ses tinha de contar assim so
Tradcete de T. A. A. Jnior.)
XXV
O pooco xito do Paraso perdido, depois de pa- bre a trra. Horren sera soffriraentos e sem ago
blicado, nao desaoimoa o poeta i e sempre qo fal- ma na noite de 16 de novembro de 1674.
lavi o pilo na casa, a tristeza tradazla s M^mise- Foi sepultado, pelos cuidados de sua mnlher e
ra. Sai mulber e as Alnas pediara-lhe instante- jas alba?, ao lado do (amulo de sea pai, na pe-
menia que cantasse ou escrevesse para tirar de quena igreja de S. Gil.
suas paginas diminuto salario, necessario para-a o temor de dizer amito, ou demasiadamente
mauuteo.gio da pobre familia, Foi assim qua Mil- pOUco oo epitaflo de ura inimigo dos Staarts rei-
ton, tomando o ceg Homero por modelo, compoz nanteSi impedlo inserever-se cousa alguma sobre a
os ultimas versos e os mais bellos das suas obra?. ousa, at o proprio nome. Essa pedra anonyma
A velhice pareca dar a' sua voz mais palhelica n0 somenie por tradigao da parochia, cooservou
entoago. Sua alma era como os instrumentos de noioriedade; porqu malher e Alhas maltas vetes
corda, que tm ponco som ao sabir das mios do an vinbam ojoelhar-se. A de Tasso, em Santo
obreiro, porem qae a vetustade da madeira torna ouofre, leve ao menos o nome; mas o cantor de
mais sonoros, e caja o/mw-gemo raais meledlosa- ciorinda apenas deixava aps si lagrimas do amor
mete na madeira quasi carunchosa do iosiru- e nj0 ae oaios polticos. Tasso tinha sido somenie
meato. minie e poeta. Mlltoo, porm, havia sido, alm
Dzera at, qae as lilhas de Milton, quando ne- disso, bomem de estado. Soffria as penas do sen
eesitavam de algum vestido, ou de modesto atavio,' duplo genio.
conveniente a' sua mediocridade, tiravam occulla- j (Contmuar-u-ka.)
mete dos papis do velho, e, sem elle o saber, (
aiguns mannscriptos, pelos quaes famlicos livrel-'
ros Ibes davam nm ou dous guineos para adorna-
rem-se ou alimentarem o pal. Vendlam assim um II POICO DE UDL.
por um todos os livros da bibliotheca de Milln, Sobre 0 si|enc0 esCreVe o Sr. A. F. Grito
d'ora em dianle inuteis, para suavisarem os seos eJte anjg0 qafl transcremos.
derradelros aonos. pOZ esla paaVra silencio I qaasi sempre vem al-
Sua oulher, Eva sem crime deste edn domes- gUma coosa terrivel, phantastica e sorprendente
tico, cujas grabas, amor e Adeudada havia celebra- urna palavra que nos faz esperar algnma coa-
do sob o nome da primeira esposa do homem, foi sa quando quem a diz abre muito os olhos, enco-
um modelo de dedicago o velho, e de paciencia lhe os hombros e leva bocea o dedo indicador.
as adversidades. Gloriava se em soffrer por elle O qae se diz de novo na cldade ?
e com elle. Nao sabemos que presentimento dizia-; Silencio !
lbe no coragio, que este ceg, semi-proscripto e, Este silencio faz-nos advinhar ama cousa inte-
qaasi esquecido dos seos contemporneos, trazia ressante e todos, todos se grupam em torno deqnem
em si carta virtud divina, que espalhar-se-hia so pronunclou essa palavra, que o prologo da hislo-
bre sua memoria, e que viria sanctiflear para o ria do qae se disse.
fataro qnanto houvesse trazido sea nome e partici-1 Meditemos om ponco a* cerca ao silencio,
pado das suas miserias. A mesma enfermldade | o anico silencio que se irapde em alta voz e sem
-
do marido era-lhe cara. Ella regosijava-se de ser
os olhos, as maos e os pee do homem, qae tanto
amara na mocidade.e que s commnoicava cora o
mundo por intermedio dalla.
Os derradeiros amigos e os visioho* de Milton
admiravam esta malher, anda moga e tormosa,
que empregava as suas caricias so n'aquelle velho,
e ligava-se a elle tanto raais qnanto mais a velhice,
a proscripcao e e indigencia o exilavam do com-
marclo e at da piedade do mnndo.
A Providencia tem deste modo as mulheres os
seas roysterios de misericordia, que compensara,
por santas consolacoes e segredos o apparente
abandono do secuio.
Milln encontrava na cegueira e na miseria al-
guos dos mais palheticos colloquios por elle ima-
ginados em seu edn, entre o homem proscripto e ,
a mulber fiel, as portas do paraizo vedado. Com-
anata, em prosa e verso, preces qae sua malher e
filhas recitavam, cantando, nos dias de testas, em
sua cmara ou jardim. A imaginario e a piedade,
as duas eternas mocidades do hornero, nao lhe dei-
xavam coosa alguma da morosldade do velho.
semelhante a Bernardin
fazer gestos o do mestre escola.
Os discpulos calam-se ; porm nada onvem de-
pois da voz do mestre, por que atraz dessa voz nao
ha outra historia que nao seja a da palmatoria ou
de se pdr o perturbador da ordem em p sobre um
banco.
Nao sabemos qae ciasse de silencio seja o qae se
os impde a todos ueste scalo e em ttoda a parte.
B
Dizem que o silencio urna cousa invisivel qae
escreve o seu nome debaixo das abobadas dos
claustros, sobre as areas do deserto, e em a mo-
rada dos que ja' nao existem.
All a solido eterna, e a solido quasi sem-
pre companheira inseparavel do silencio.
Hoje o silencio qae impomos aas aos outros de
diferentes classes.
Nada impde maior silencio em qaalqaer casa
como a chegada de ara credor.
Quem f perganta o dono da casa ao ouvir f
a campainha.
Silencio I responde a criada o da visita
do fim do mez.
A esta exclamacao o dono da casa esconde-se a-
Era grave e nao triste, semelhante a uernarain *
... .. r____......, mn traz das cortinas do seu gabinete, e a casa parece
de Saint P erre, o Theocnto francer, autor, mogo ____
para impinglr & dlseripcio da sua oseada dd corda
e terminando o discorso com algum veneno, duello
sangue etc., e o ciassico o prfida mmfira I
Falla-se per Am do lempo, do calor oa do fri.
Silencio I replicara' com ar meditativo u
pbllosopho profundo o lempo ar, o calor am
phosphoro, o fro orna gota de agua convertida em1
nev.
O silencio prologo da importancia de todas as
questdes, e quando se impde antes de ama conver-
saco, sempre nos arrasta ao descoohecido, aa novo.
Ha um silencio verdaderamente raaravilhoso que
no-lo impde muitas vezes a voz secreta da nossa
alma.
Nanea estivestes namorado ?
Nanea vertestes ama lagrima sobre a froite de
vossa man enferma ?
Nio tendes visitado a mansa o de am raoribund-
Nao vos tendes arrebatado ante o magnifico es-
pectculo do mar, e commovido ante a relulgente
imagem da virtude 1
Pois bem.
O amor nio qner raido.
Procara a solido, e at o ar que gira em torno
dos que se ama m parece murmurar :
Silencio I
Este silencio nasce de nos mesmos.
Sor risos, olbares perdidos, suspiros de fogo,'la-
grimas, promessas, esperanzas.
Eis a linguagem dos namorados.
Esta linguagem nio se ouve; v-se, troen-se, ad
vinba-se.
Est ama mii dormindo prostrada no leito de
dr.
Cbamai sea Alho, e ve lo-neis emmndecer para
nao pertubar o somno della.
Aquelle silencio brota do intimo do cometo ios
pirado pelo carlnho.
Que formoso o silencio da mi que dorme a o
do Alho que vela a sea lado I
Aproximal-vos do leito de ara moribundo e dizei
se a meditacio e o respeito vos nao fazem calor.
O estertor da agona, que o ultimo echo da ua
existencia, impde-nos silencio.
Ningoem se atreve a fallar quando amorte falla.
A' linguagem da morte s pode responder o sa-
cerdote inspirado por Deas..
E' este o mais solemne e mysterioso de todas os
sunaos.
As virtudes extasironos, e causam-nos admira-
ci, e o xtasis e a adoiraco sao modos.
Dizem que o sy mbolo do silencio um amulo.
O silencio sem embargo tem tambera o seu ruido-
Quando se falla em um cemiterio, responde am
echo.
E' o echo do silencio.
Ante am sepalchro todos se calara, por qae ante
o sepalchro todos meditara.
As nicas que vivem e amara em silencio sao a
flores.
Por isso vivem tio ditosas.
Silencio I
Eis a linguagem da alma !
Silencio I
Eis a imagem da meditacio.
Ha la
., ludo berra.
[eternidade,
fa Divindade,
UtiBeados,
sio adorados;
idosanjiobos
muitos bodinnoe.
O amante de Syringa
Tinta pello e m catinga ;
O daos Midas, pelas contas,
Xa cabeea tinha pontas ;
Jo, quando foi menino,
Ghnpetou leite cabrino;
E, sejtiodo o antlgo mytho,
Taolero Faunp foi cabrito; .
No averno de Platio
Guarda am bode o Alcorio ;
Nos landos e as modinhas
Sio cantadas as bodiobas.
Pois, se todos tem rabiebo,
Para qae tanto capricho ?
Baja paz, haja alegra,
Folgue e brinque a bodaria,
Cesse, pois, a raatinatJa,
Porque tndo bodarrada.

terdiego civil, inhabilitigio perpetua absoluta e
sugelgio a vigilancia da aathoridade durante a
sua vida no caso de obter indolto da pena prin-
cipal.
Foram coodemnados i reveaa soffrer a pena
da quatro aonos a oito meses oa deporugao com
as penas accessorias de suspimio de todo o cargo
e direitos polticos dorante o lempo da eendemna-
! {o os paisanos Jeronyrao Forero, Antonio Escoda
e Francisco Delgado, sem prejuizo de serem ouvi-
dos se se apresentarem ou forem capturados.
O paisano D. Fermim Arias y Lpez foi tambera
condemnado a pena de quatro aonos de deportacio
com a suspenso de qualquer cargo e de direitos
polticos dorante o tempo da condemnacio.
Vea bom amigo, ub gentium sumos f
Qae selvajaria inquaiiflcavel I qoe desnaturada
creatnra, fosse quera fosse o brbaro, nio tem
qnalIBcacao possivel.
Que vasto campo abre ao phiiosopho, ao Idelo-
go nm facto semelhante i
Onde esta' a culpa desse'martyr ?
Onde estavara as facnldades d'esse monstro
quando concebeu o plano selvagem qae executou
em ara innocente ? 11
Dme a sua opinio mesmo em hypotbese.
--'Si
aos 80 annos, de Paufo e Virginia. Milton, sob os
cabellos brancos, conservava essa belleza do rosto,
que constitue a segunda flor da vida, mais dnra-
doura que a da moeldade. Sua fronte nio tinha
rugas, saa tez era corada, sua bocea grave e riso-
nha, seus olhos, embora sem vista, eram azulados
e brilbantes, como se luz, que os penetrava at
a superQcie, os esclarecer at a alma; sua voz
era cadenciada e melodiosa como o canto.
Ella comprazia-se de andar na estacio do sol e
das flores quando conuava-se ao bra?o de sua ma-
lher ou de urna das suas Alhas, caminhava dreto
e firme pelas veredas das collinas visinhas de Lon-
dres, escutando com delicia os ruidos do campo e
sobreludo o canto das aves. Somenie, quando seus
amigos velhos do tempo de Cromwell conversavam
sobre as suas antigs paixdes polticas e vinha o
nome de Garlos I para o meio da conversago, julz
gavam ver passar urna nuvera por saa bella pby-
sionemia. Sempre republicano, deplorava o desva-
necimento de seu sonho, que a inconsistencia do
povo inglez da entao e a trahigo do exercito ha-
viam tornado tio curto; mas sobreludo penalisa-
va-se de haver concedido o sangue de um rei des-
grasado e innocente a este bello sonho. Este re-
morso, o nico da sna vida, envenenava-lhe tndo
no pastado, at a sua nobre^aspiragao pela rep-
blica.
Felizes as theorias, que se dtsvanecem, adiara-
se sem deixar na mo vestigios de sangue I Milln
nao leve esta felicidade : entre lodos os sonhos da
sua bella velhice, bava urna cabaga cortada, qoe
sangrava de cima de um cadaflso, sobre as cabe-
cas de do.us filhos.
O rude e soldadesco Gromwel ao morrer confes-
sra este remorso a' saa familia; como o niocon-
fessaria a seus Alhos o piedoso e palhelico poeta
da repblica?
Em suas ultimas ludo indica essa tristeza e ar-
rependimento. Se entao o nao confessou publica-
mente, foi porqae Carlos II reinava, e este arre-
pendimento hoproso, confessado perante Deus, pa-
recera a Milton covarde retractagao e vii supplica
perante os borneas.
XXVI
Existem poucas individuagdes sobre os ltimos
dias de Milton. abemos somente, que elle fene-
ceu lentamente e nos lazezes, que sio o crepsculo
Insensvel das vidas prolongada?, derradeiro bene-
ficio do co para os seus dilectos, e qae Ibes pre"
param docemente a transigi entre a vida e a
morte.
O ultimo amigo, que o visitou antes de morrer
conta qne elle habitava pequea casa retirada e si-
lenciosa, na extremidade de um arrabalde de Lon-
dres, perto dos prados, que se coofandem com a
cidade. Os degros da escada, qae i& ter a' sna


-
iVuma curiosa resenta sobre a organisacao do
exercita chinez, desde que os enropos consegui-
rn! transpor a barrelra tradicional qoe Ibes em-
bargava o accesso ao interior do celeste imperio,
encontramos os seguintes pormenores :
O exercito chinez esti organisado era regimentos,
batalbSes e compaohias.
'Cada ama destas tem 45 homens, e 40 corapa
otilas formara ura regiment.
O armamento variado; ura corto numero de
soldados levara espingardas e os outros langas e
arcos ; cada regiment tem agregado a si um pe-
queo corno de cavailaria.
Alm dos meios de promoco,. proporcionados a
todos pelos concursos ananaes, ha tambera outros
outros para os que se distinguem as acgdes,
acompaohaado as vezes as promoedes de campa-
nha, recompensas pecuniarias, que em caso de
morte passam as suas familias ; os nomes dos que
perecem na guerra s Insariptos no Uvro dos raar-
lyres da patria, sem dnvida para Ibes assegnrar,
segundo as snas crencas, a protnogio no oalro
mondo.
Na idade de 60 annos, os soldados tem jos a sua
baixa com urna pensio igual a metade do sea sol-
do : este nio igual para os soldados de ambas
as ragas.
O trtaro recebe dous rels e seis decimos (i&'* 16)
sem rago.
A tropa nio paga regularmente, e acontece,
quando os fazem esperar muito tempo, qae os sol-
dados se apresentam em desordem em casa do ge-
neral, reclamando o sea sold com gritara e fa-
zendo motim.
O exercito esti dividido em 8 grandes corpos qoe
se distinguen! pela cor das suas bandeiras.
A imperial oa amarella a das tropas escolhidas
seguem-se depois em gerarchia as bandeiras bran-
cas, vermelbas e azaes; os quatro ltimos corpos
levam bandeiras da mesma cor com um leve sigua!
de distinecao.
um tmulo.
Nada ha tio eloquente como o silencio para rece-
ber o que vem buscar dlnheiro.
u discurso mais noiavel do orador mais eloquen-
te e a todos os respeitos mais considerado, nanea
seria bem recebido, se ao soltar as primers pala-
vras, todos que compoem o auditorio nao exclamas-
sera ao mesmo tempo.
Silencio 1
Infeliz o artista que se aoresenta ao publico sem
qae entre os espectadores resoe um
Silen io I
A ausencia desta palavra querena dizer :
Falla, publico, falla ; o qae vaes oavlr nio te in
leressa.
O silencio tem importancia maior do que parece..
Ha quera assegure que o silencio inimigo das
mulberes.
Dir-se-la melhor que as mulheres sao inioigas
do silencio.
As mulheres calam-se qoando se Ihes pergunta
pela idade, sa tem chegado aos triota, ou quando
se lhes diz que sio bonitas, se completaram os
qninze.
O silencio das primeiras produsido por ama
quesio de compromisso e o das segundas por urna
questao pura e simplesmente de candara e agrade-
cimento.
Tres mulheres reunidas nunca podem estar ca-
ladas ; duas fallara muito, urna s preeisa cantar
ou 1er em voz alta.
X poca actual sao muitas as questdes qae se
ventilam e qae se discatem em diferentes circuios
sociaes.
A gravidade ou a transcendencia destas questdes
mais ou menos importante, segundo a emphase
com que se haja imposto o silencio ao discutil-as-
Hoje falla-se muito, anda quando a maior parle
das vezes se nio diz nada.
Todos fallara, e o caso que todos impoera si-
lencio.
Trata-se de amores.
Silencio I exclamar ura pobre diabo para
qae todos oagam mais absortos a origem de ama
paixSo e o desenlace de um desmalo onde se repe-
ta a palavra punhal.
Falla-se de feras.
Silencio! dir am amigo para contar com
bstanle propriedada a historia de sua mulber.
Falla-se de guerras.
Silencio I exclamara' umantigo veterano,
para que se preste alteogo ao numero das sua-
cicatrizes e para mentir ao reterir os episodios de
nma noite no campo da batalha.
Trata-se de mulheres.
Silencio! dir om dos caveiras de Fgaro
1
ro Roraulo que ba ptisou o mea de marco com o
nome da deas da guerra,do qaal elle se d.za Alho.
Este mez era naqueila poca o primeiro do anuo
e foi Nuraa qae lhe dea o lugar qne hojo oecopa
no noso calendario gregoriano.
Os chioezes dizem que margo o mez 4a lrgala,
por ser esta a poca era que as lagartas apparecem
Os indios cbamam-lhe o mez da Ina oa o mez do
vento; de falto, nesse mez qne a Ina coraega a
readqoinr todo* seu brilbo, e em qae o vento as-
sopra com grande torga.
Numerosas testas avstiwriftvam o regresso da
primavera nos lempos antigos ; durante o equino-
xio, renova-se o fogo sobre o altar de Ves ta.
Os povos do norte celebram igualmente o regres-
so da primavera no mez de margo.
Na China, os primeiros dias deste mez sao con-
sagrados aos festejas da agricultura ; nossa oc-
casiio que o imperador do celeste imperio, aflm de
honrar os iavradores, dirige ella mesmo o arado e
traea o primeiro sulco.
Por causa da sna temperatura variavel, o mez de
margo mu pengoso para a saade.
E' do Sr. Frederico H., este soneto
FOLHETIM
A SEPULTURA DE FERRO
POR
Henrique Conscience
(Continnagio.)
XXI
No dia seguinte eslava j muito quebrada a mi-
nha exalucio. Ao principio tinha me deixado pos-
sair da idea de poder ser amado de Rosa, mas in-
sensvelmente se operara em mira contra a rainha
propria commoco ama reaccio violenta. O mea
espirito, posto qae com malla ancla esperasse a re-
novaco daaffeigao de Rosa, poz-se a invocar amas
apox outras todas as raides qae podiam provar-me
qae minha mii podia ter-se engaada ; e por Am
catii em afflictiva dnvida, qoe me dota mais do
qae mesmo a certeza da averso de Rosa.
Salteado e perseguido por meas pensamenlos in-
quietos, sahi de casa logo que o sol assomoa no
horlsonle, e vagaeel da redor da cidade, por cam-
po! solitarios, scismando, fallando e gescalando,
O Correio Mercantil da corte, publica o segunte:
BODARB.VDA.
(A proposito de branquidades.)
Se sou negro, ou se son bode,
Pooco importa. O qae isto podo ?
Bodes ba de toda casta,
Pois que a especie muito vasta...
Ha cinzentos, ha rajados, *>
Baios, pampas e malbados ;f-
Bodes negros, bodes brancos,
E, sejamo todos francos,
ns plebeus e outros nobrefr'.
Bodes ricos, bodes pobres,
Bodes sabios, importante!,
E tambera alguns tratantes...
. Aqu nesta boa trra fu
Marram todos, tudo berra;
Nobres, condes e duquezas,
Rieas damas e marquezas--.*,
Depatados, senadores,
Gentis homens, batedores.
Bellas donas emproadas,
De nobreza empantanadas;
Repinpados principlas,
rgulhosos Adalgotes...
Bodes ha de toda a asta, '
Pois qae a especie muito vasta...
Entre a brava miltonga,
Fulge e brilha;alta.ibodanja ;
Cabos, guardas, forrleis/i
Bngaderos, coronis,
Destemidos maraehaes,
Rutilantes generaos, /
Gapites d mar e guarra,
Vi-a hontem, mea Deas! Essa donzella,
Qae tanto me prenden o pensamento,
Depois de um lio duro esquecimento,
Sorrio-mecomo oatr'orameiga e bella.
Sou feliz. Qoe temara encontrei nella I
Xa tallaqae expansio de amor sedento i
Nos olhosquasi qae ara arrependimento 1
Qae esperanzas de amornos risos della I
Ab I essa malher qne eu amo tanto,
E qne tndono mnndo para mira,
Exerce sobre mira nm poder santo I
Oh I qae amor l Este amor nio ter Am I
E mais feliz serei eu qoando, a am quebranto
Dos seos olhos, poder-lhe ouvir nmsim.
Pelo ministerio da guarra hespanhol foi publi-
cada na Qazeta de Madrid a sentenga proferida
pelo conseibo de guerra no processo instaurado
contra o marquez da Castillejos a outras pessoas
compromettidas nos ltimos acontec me otos do rei-
no vsinbo.
O conselho de guerra, que foi celebrado nos dias
20 e ti de fevereiro, condemnou porananlmidade
a serem fazitados-fo lente general D. Joao Prim
y Prats; o- brtgadeiro D. Loarengo Milans del
Boscb ; o commandante de arlilheria D. Manoel
Pavia Rodrguez de Albuquerque; o commandante
de cavailaria D. Antonio Bastos y Nogus; o ca-
pilio da cavailaria D. Luis de la Mar Toscano; o
ajudaote de cavailaria D. Manoel Snchez Lafaente;
os lenles de cavailaria D. Manuel de la Cruz del
Hierro, D. Manuel Abenza Molina, D. Manuel Mar-
cos Gmez 6 D. Jess Oaoro Ruiz; os alteres D.
Jos Selles y Lled, D. Alberto Racas y Milagro,
D. Joan Rodrguez Belmonte, D. Prancracio Ca-
sero y Gmez, D. Francisco Jimnez Lzaro, D.
Braulio Campos Hidalgo, D. .Nicols Alderete y
Cha, e D. Joaqaim Gironza Figeras, e da mesma
arma o brigadas D. Henrique Ortega Martnez ; os
primeiros sargentos. Loureazo Cacasa Tey e Joa-
quira Lpez Vetilla, e o segundo sargento Jos
Fernando Casanova; o armeiro Manael Villanaeva
Rojas, e o trombta Florean... T mero Raz ; e o
segundo sargento de engeniier > Juan Infantes
Solrsano, e o de cavailaria de Albaera Joan Na-
varro Hernandez.So nada menos de 26 condemna-
goes morte I Foram todos coodemnados reve-
rla sem prejuizo de serem oavidos se se apresen-
tarem, o qoe por certo nenham d'eiles fara', oa fo-
rem capturados.
O conselno de guerra tambem condemnou o au-
ditor D. Francisco Monteverde a soffrer a pena de
prisao perpetua com as penas accessorias de io-
como se qnizesse mostrar ama dolorosa verdade a
am companheiro invizivel.
Assim passei tres oa quatro dias, nio pensando
senio na resolagao que tinha a tomar, e ceja la-
boriosa deliberagao absorvia todas as torcas da mi-
nha alma.
A febre tinna-me deixado.
Segurado o conseibo de miaba mii, quera, mes-
mo com o risco de descontentar o Sr. Pavelyo.evitar
o mais possivel as occasides de ver-rae na presen-
ca de Rosa. Todava, sentia-me toreado irresisti-
velmente a faltar a essa promessa. O qae qae
podia tancar um ralo de luz sobre a miaba horr-
vel incerteza ? Como poderia conbecer qaal era o
mea dever, se nio me certificasse, por meio de
nma visita ao mea bemfeltor, de haver oa nao ha-
ver realmente mudanga as disposigdes de Roa
para comigo ? ,
Resolv ceder anda ama vtz ao deseje do mea
coragio; depois, nanea mais rae acercara de Rosa
sem ser absolutamente constrangldo a faze-lo.
Ainda resist nns das ao desejo qae para mi
nio estava completamente jnstlBcado; depois apre-
senlel me, tremendo de reeeio e Intimo abalo, em
casa do Sr. Pavelyn.
Rosa mostroa me ainda maior frieza do qoe at
entio; mal se dignoa comprimentar-me e pencos
minutos bavia que en estava na sna presenga quan-
do forjoa pretexjos par sabe da sala. Nio pre-
ciso acrescentar qoe nao tonpn anabaraa parte na
conversago com seas pas. fm<*4k eaiatanteraen-
te de mira a saa attengio, exactamente como se ig
norasse qae ea estava presjnte.
Senti-me profundaraent ferido, poique j nao
era possivel a duvida, o san odio tornara-se muito
mais evidente do que at ehtte. Azedume aspe-
reza podiam ser passagevas consequencias de nma
indsposigao nervosa, mas a completa odiflerenga
qne me testerauhava agora nio era sigaal certo de
despreso e averso T
Quando sahi de casa do Sr. Pavelyn, a minha
tristeza nao podia ser mala entranhada. Entretan-
to, nio senta o coragio agitado por movimento vio-
lento ; pelo contrario, curvava a cabegs, com restg-
nagio ao peso do desentrao e acceitava sem mur-
murar a mlnba triste serte.
As vezes, qoando estava s no mea qawto, ainda
dos olhos me rebeoiavam lagrimas, mas comprima
immediatamente esse despertar da rainha dor
como sigaal de ama tristeza sem espeiranga e seo
nm Om.
Havia ajamado bastantes torgas para segair a
risca o conselhe de, mlnba mil; lio s, durante
qninze das; nio appareci em casa do :Jr. Pavelyn,
Da Lage do Canboto escreve ao Diario das Ala-
gos, o seguate: tendo pessoa cuja probidade
garantida pela respectiva redaegio:
Rvra. amigo.E' mesmo aqai em casa do sub-
delegado de polica, e sobre a pressio de um facto
summamente horroroso, que ihe fago estas duas
linhas, e pego qae lhe d a pablicidade devida, co-
mo am acoolecimento anda virgem na historia da
especie humana 1
Chegava do nosso sitio a esta povoagao, quando
vi qae na porta do subdelegado se agrapava ama
multido de povo (por ser hoje dia de feira) e por
espirito de coriosidade aproxime! me timbera, e
entrando na casa vi sobre a meza urna crianga
morta, tendo a mi dreita decepada pela junta e
arrancadas a' poma de facca todas as onbas dos
peal
Junto a essa infeliz crealnra, se acbam o pae e
mi, que tranzidos de dor e afogados em pranto,
contavara entre solugos e gemidos do coragio o se-
guinte facto:
Dizia a deadtosa mi :
Ha quatro ou cinco dias notava eu, que no sitio
Riacho Secco, onde moramos apparecia alta noite
um vulto, que rondava a pequea casnha em que
habitamos sem porta alguma por nossa demasiada
pobreza : disso z saber a meu marido, dizendo-
lhe mais que no sitio se fallava de um Lobis-ho-
mem que pegava as changas: elle raedissnadio
dessa lllusio, ou bruxaria, mais eu, ainda domina-
da desse preconceito, tinha a caatella de dormir no
meio de quatro Alhiohos que tenho de menor ida-
de, armando por cima da cama a redima era que
dorma essa malfadada crianga ainda pagaa, e com
dez mezes de nascida. Na noite de qaiota-feira pa-
ra sexta, que toibontem dormamos a todo somno,
enfadados do tranalho do dia, Meando mea marido
em nm banco no copla e eu na cama entre minbas
Albas como era de coslnme, quando depois de meia
noite senli qae dentro do ranchinbo baviam pisa-
das, e um grande alarido de cies aonunciava no-
vid.ide no sitio: levaotei-me espavorida, e no meio
da contusio e do terror ea oavi o vagido de urna
crianga, que se perda no espago e como que com-
primida lhe atogavam o choro II aceudio-ma a pa-
vorosa idea do Lobis-homem e apalpando inyuncti-
vamente a cama nella acbei todas as miobas Albas
qne dormiam o somns da innocencia I Dirlgi-ma
imoediatamente a redinba e nao achando alli meu
querido Alhinho, dei um grito de espanto, e loaea
corri ao banco era que dorma mea marido, e ac-
cordando-o, corremos ao acaso, ea e elle na esca-
ndio da noite sem direegio certa: nio poupamos
diligencia alguma: aqu e alli por entre os primei-
ros raios da loa que eomegava a despontar rae pa-
reca ver a furia eondaziado a victima, e em meus
onvidos resoava a' cada canto o choro agonizante
do innocente 11 assim machinalmente vagamos
resto da ooute em pranto acerbo cruzando veredas
e penetrando bosques sem nada enconlrarraos,
alm do medonho estampido do trovao, e fuzilar
do relmpago por entre ama nuvera preta que r-
pidamente cobrio todo o Arraamanto, al qae araa-
nhecendo o dia, auxiliados por alguns moradores
de mais perta vlsinhanga, tomamos a direegio de
nmas pisadas, qae se dlrlgiam a' urna gruta ponco
distante, e all no fundo d'ella acharaos hontem
sexta-feira a malfadada crianga morta, e nesse es-
tado, sem a mi direita, que a cortaram, sem to-
nal as unbas dos ps e com urna contuso na nu-
ca, que pareca baver-lhe quebrado o crneo! Nes-
se estado a' enterramos hontem raesrao peno de
nossa casa; porm hoja mais bem aconselhados
desenterremo-la e trouxemos para ser presente a'
justiga e a cogitaran humana.
Depois de minuciosa ndagago que lhe Az para
ver se descobria o enigma e o mysterio em que
eslava envolto semelnante aconlecimento tio br-
baro e deshumano, disse ainda essa pobre malher:
Teaho algamas suspeitas de am sugeito de no-
me Antonio Jos, morador na visinhanga do sitio,
que tres vezes foi a minha asa indagar quando
pretenda eu baptisar aquella crianga, ebegando
al a pergantar-se ja estava baptisada de palavras!
e Analmente indo na quiota-feira e me veudo cozer
urna camisinba do menino me perguntou se eu o
ia paptisar no domingo segrate e respondendo-lhe
en qoe sim, retiron-se elle tendo na noute desse
dia logar o aconiecimenio qae acabo de referir.
Toda essa historia "foi ocnArmada pelo proprio
marido que estava presente, a quera o subdelega-
do fez o auto de perguntas e proceden ao corpo de
delicio dilecto.
Tratava* subdelegado de dar providencias no
empenho de mandar prender ao iniciado, quando
aqui ebega o monstro disfargado, como que esprei-
tando a impresso qae causara to inaudito factol
foi immediatamente preso, esta' nu tronco.
Urna eoospirago geral se desenvolveu contra
elle qne carrancudo e melanclico nio da va ama
palavra om defeza : meoea a cabeea de vez era
quando, e a' longos espagos deixa escapar um sus-
piro, mergulhado sm urna meditaco profunda, pa-
rece qae a conscleacia lbe esta' dilacerando as en
tranbas, e comprioindo-lbe o coragio de fera; se
que o tem l
Convm dizer-fne que o sugeito vive nicamente
do jogo, de qae faz saa prqflsso de vida; e por
aqai se diz que quem ama mi de menino pagio,
nio parte cartas para perder 11
EufTiova-York objeclo da preoecupago geral
o augmento das locagdes que os senhorios aonan-
ciarao aos seas ioquilinos e qae ba de ter comego
no da primeiro de maio prximo. Os jornaes
americanos censurara altamente o procedimeoto
dos senhorios.
O Courrier des Etats-Unis Informa os seus lei-
tores de alguns augmentos desde ja exigidos- e ac-

ceites.
A compaohia do American Telegraph pagava
annualmenle 10:000 dollars pela casa qae oceupa
a' esquina de Broadway e de Liberty street: d'ora
avante pagara' 40:000 dollars.
Urna toja de Broadway junto ao parque de City
Hall, alagada era 186S por 4:000 dolan, pagara,
7:000 dollars. A propriedade foi recentemente ven-
dida por 70:000 dollars, indurado o terreno e o
resto da oa a.
Urn armazem de fazendas silo era Broad street,
alagado por 1:100dollars, pagara' d'hojeem diante,
mediante algaus leves cooeertos, 11:000 dollars.
Um armazem de fazendas da moda, em Broa-
dway, sera' arrendado por 40:000 dollars em lu-
gar de 13:000 dollars.
Urna loja de esquina no alto da cidade, alagada
por 12:000 dollars, foi arrendada por 42:000
dollars.
Outra loja, a' :squina de Broadway e de Canal,
alogada por 23:000 dollars, foi arrendada por
50:000 dollars.
Muitos escriptorios, alagados por 3:000 dollars,
serio elevados a 5:000 dollars.
Isto pelo que toca ao commercio.
As residencias particulares nio tiveram na ap-
parencia nm augmento tao exorbitante, mas nio
menos desastroso, por isso qae attinge em jaral
sltaagdes mais modestas : de 25 a 50 por Cento!

As ooze coasas mais fortes qae existem na crea,
gio, sao as segointes :
As montanhas.
O ferro qae as aplaina.
O fogo qne funde o ferro.
A agua qae estiogae o fogo.
As navens qae absorvem a agua.
O vento que dissipa as nuvens.
O hornera qae .arrosta com o vento.
A embriaguez qae atordoa o homem.
O somno qae dissipa a embriaguez.
O pazar que afugenta o somno.
A esperanga em Dos que afugenta o pezar.

mas al evltei passar pelas mas onde corra risco
de encontrar alguem da saa familia e inveotei
anta desculpa para nio ir l jamar no domingo se-
guirte.
Felizmente o men espirito foi am poaco distrahi-
do daquelle importuno scismar que me tortorava
por ama cousa qne en tinba muito a paito, posto
qne houveese j alguns dias que a esquecera qaasi
completamente.
Fra ver-rae am dos meas condiscpulos da Aca-
demia e passara comigo ama pane da tarde. Disse
qae os examinadores se renniam todas as manbias
e ji tinham juigado as composicdes de onitoe con-
cursos inferiores. Brevemente dariam a sna deci-
sie sobre o concurso de oodelagio do vivo; isso
dependa da rapidez dos seos trabalhos. Em todo
caso no flm da semana ea recetara a noticia do
men triumpho, qae era coosa infallivel para o mea
condiscpulo qae ea seria proclamado vencedor.
Elle perlenela, como en, a classes dos qne mode-
lavam da natnrexa e frequeatava o curso de dse-
nho como preparativo para a pintara histrica. Era
nm rapaz jovial.apaixooado pelaarte e com profun-
da f na vida. Pintoo-me com alegra a honra in-
signe qoe ia ser-me conferida ; coroar-me-niam de
kmro entre applansos de mimares de espectadores;
o commandante em ebefe da goarolgao me laucara.
a pescogo a medalha de ouro; o prefeito (assim
se cbamava nesse tempo o governador) levara no
sen carro para saa casa os premiados das classes
superiores e os reunira a sna mesa com as pessoas
mais notaveis da cidade.
a
Levado do fogo da sna Imaginagio enthasiasta,
predisse-me a carreira mais brilbante e fez entre-
brilbar aos meas olhos nio s o esplende da fa-
ma, mas tambem os thesonros de urna riqueza que
devia ser infalhvelmente o frocto do mea alto en-
genbo. Disse qne os soberanos me haviam de li-
beralisar os seas favores, qae ea bavia de habitar
nm palacio, adorado e respailado por toda a nagio
como ama das glorias da patria.
' Deiiei-me oover d'essas pifdicgdes, nio Unto
qne esperasse qne urna sorte tio brilhante fosse
um dia a minha, mas a saa linguagem animada e
o sen nobre enihuslasmo esforcaram-me e animo,
e Azeram-me encarar o futuro com conanga e
mes rao com orgulho.
Depois qae se retirou, a reflexao s servio para
augmentar as boas disposigdes que essa nova or-
nea de ideas desabrochara em mim e exclame!
com nm gesto enrgico:
Bao I Ja qne aquella por quem bate o meo
coragao desde a infancia s tero Odio para mim,
Um novo sinistro occorreu na baha d Pa-
caya. .
O clipper Queen of Beauty, em viageal de Lon-
dres para Melburne e o navio Ganara; m 1,437 to-
neladas, navegando de Liverpool para a Australia,
abalroaram violentamente.
O Wanata tinba a bordo 83 passagejros, inclnin-
do 60 raparigas solteiras, para cumulo de desgra-
ga, a tripolagio se havia araootoado: os" raarinhei-
ros queriarn absolutamente penetrar nos camanns
da< senhoras, muitos destes insensatos foram met-
tidos a ferros.
As avarias recebidas pelo Wanata foram tio
graves, e a rebelliio da tripolagio tao tenaz qae fot
preciso abandonar o navio.
Todos os passageiros foram recolhidos a bordo do
Queen of Beauty.
consentrareL todas as toreas do amor n'este outro
dolo da minha alma : oa arle .
Desde entio senti-me forte e consolado ; e posto
qae, de lempos a tempes, o fri aspecto de Rosa
fosse coocacee diente de mim e curvar-se a mi-
nha fronte debaixo de ama nu vem de tristeza, jul-
gava poder lisongear-me de haver aenado no amor
da seiencla o meio de abafar pooco a poaco outro
sentiraeoto que me ria o coragio como brbaro
corrosivo.
Essa nova disposigo serenou-me de tal modo o
animo, que, na manbaa do dia seguinte, peguei,
pela primeira vez desde a abertura do concurso,
era nm poaco de barro, qae amassei e ateicoei
de vanas maneiras segando a inspiragio da miaba
phaotaiia.
Por Om a miaba idea linha-se flxado mais part-
cnlarmeote na ezecugio de am peqaeno^rnpa,
caja composigio me convidava ao trbalo*, porque
ora a expressio da minha situagio presen. E'ra
am mamcebo entre o amor e a arte, e qne, attra-
hido e seduzido pela arta e pelo amor, repelle a
final corda de rotas do amor acceita a da lonro
da arte.
( ConttnMar>t+ha).
PBRNAMBUGO.-YVP, Dfc^DE F. & FILHO
-

.
I-
O jornal Mexican Times, qae sae a' luz no M-
xico, publica a seguinte eslatistica da populacao
das seis cidades mais importantes do novo im-
perio.
Mxico, conta 200:000 almas.
Puebla, 75:000.
Goadalaxara, 70:000.
Gnanaxalo, 60:000.
Queretaro, 48:000.
Matamoros, 41.000.
t.
Segando diz a Gazea de Francfort ojttso Ples-
ten, do jardim zoolgico de Wemer, lat Idado no
dia 3 do crreme as 10 horas da manbaa por va-
ros crimes eommeltdos.
Era principalmente acensado de ter perturbado
a ordem no jardim e de ter-se portado mal com a
sua familia : fot, ponanto condemnado a/ pena e
fus lamento.
A execugio attrahia muita gente.
Os seus coiopanheiros de jardim zoolgico mos-
tram-se indifferentes a sna orle.
O condemnado nio den sigoaes de arrependi-
mento, morreo cora a Oeugma e indolencia de
urso.
Depois de comer com .apetite o ultimo almoge
qae lhe foi offerecido, e que se companha de mel
e vinho. trepou, como se de nada se tratasse a' ar-
vore que se acba dentro da sua prisio.
Foi alli que o guarda cagadorda cidade de
Stottgard lhe menea ama bala as ilhargas.
O urso fez ouvir om sardo granbido, e desceu
lentamente da arvore ; ao chegar a trra, receben
urna segunda baila e alguns golpes de langa, de-
pois estendea os membros e morreas
O pablieo den vivas, e a femea do une, qae es-
lava na gaiola contigua, lambea es seus filhinbos,
parecendo rosnar :
Vede, meus Albos, assim qae morrera os
tyrannos I
O suppliciado Plestea pertenela a ama amiga
familia de criminosos endurecidos.
Seu pai, por alcuba chamado Motz, qae viven
alguns aonos no fosso dos ursos em Berna, foi
alli o assassiuo d) cap tao inglez Cork.





. I
I
L-
i*
*mm


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EEB1LTT2X_FJ7T4H INGEST_TIME 2013-09-05T04:01:19Z PACKAGE AA00011611_10932
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES