Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:10913


This item is only available as the following downloads:


Full Text
y
AMO XLfl. UIERO 57
*f !fi;f[

Pr cuartel M# dettr dos 10 lias fe i.* mez ..,.*..
dem depes dts 8 de cemeeo dentro do qaartel ,
Porte te cvreic mezes............
-
SABBADO 10 D MARCO DE B86
Por ,in no pago dentro de i odiando \. mez......... \%
Porte a correio por am anno ,....'......,?,. Z$m
, EiNGARREGADOS DA SBSCRIPQAO DO NORTE
Parahyba, o Sr. Antonio Alex?udrino de Lima;
Natal, o Sr. Antonie Marques da Silva Aracaty, o
Sr. A. de Lentos Braga; Cear, o Sr. J. Jos de
Oliveira ; Maranho, o Sr. Joaqbim Marques Ro-
drigues ; Para, os Srs. Geraldo Antonio Alves &
Filhos ; Amatorias, o Sr. Jeronymo da Costa.
ENCARREGADOS DA SUBSCRIPCAO DO SUL.
Alagoas, o Sr. Claddioo Falco Oas; Babia, o
Sr. Jos Martins Alves; Rio de Janeiro, e Sr. Jos
Ribeiro Gasparinho.
PARTIDA DOS ESTAPETAS. ,
Oiinda, Cabo, Escada e estages da via frrea
Agoa Preta, todos os das.
Iguarass e Goyanna as segundas e sextas feiras.
Santo Anto, Gravat, Bezerros, Bonito, Caruar,
Altinho, Garanhnns, Buique, S. Bento, Bora
Conselho. Aguas" Bellas e Tacarati, as tergas
feiras.
Pao d'Alho, Nazarelh, Lirooeiro, Brejo, Pesqueira
Ingazera, Flores, Villa Bella, Cabrob, Boa Vis-
ta, Ouricury, Salgneiro eEx, as quartas
feiras.
|Serinhem, Rio Formoso.Tamandar, Una, Bar-
relros, Agua Preta Pimentefras.nas qnintas
feiras.
AUDIENCIAS DOS TRIBUNAES DA CAPITAL.
Tribunal do commercio : segundas e quintas.
Relago: tersas e sbados s W horas.
Pazenda: quintas s 10 horas.
Juizo do commercio: segundas as 11 horas.
Dito de orphios: tercas e sextas as 10 horas.
M,
Primeira vara do civel: torgas i sextas ao meio
dia.
Segunda vara do civel: quartas e sabbades a 1
hora da tarde-.
EPHEMER1DES DO MEZ DE MARCO.
1 La cheia a 9 h., 33 m. e 16 s. da m.
9 Quarto ming. a 1 h., 33 m. e 53 s. da t.
16 La nova as 7 h., 17 m. e 33 s. da t.
23 Quarto cresc. as 10 h., 44 m e 27 s. da m.
31*Lua cbeia as 2 h., 12 m. e 22 s. da m.
DAS DA SEMANA.
3. Segunda. S.. Focas e Palatino mm..
6. Jerga. Ss. Victcr e Victoriano mm.
7. Quarta. S. Thoroai de Aqulno deut. aog
I*-. Quinta. S. Qaiotilo b.; S. Pondo diac.
9. Sexta. S. Francisca Romana vluv.
10. Sabbado. S. Militan ro.; S. Drothoveo ab.
11. Domingo. Ss. Candido, Heraclio e Jovlno
PREAMAR DE HOJE.
Primeira as 11 horas e 42 m. da manha.
Segunda as 12 horas e 6 minutos da tarde.
mm.
PARTIDA DOS VAPORES COSTEIROS.
Para o sul at Alagoas a He 30; para o norta
at a Granja a 7 e 22 de cada mez; para Fernan-
do nos dias 14 -Jos mezes de Janeiro, masco, maio
julho, setembro e novembro.
ASSIGNA-SE
no Recite, na livraria da praga da Independencia
ns. 8, dos proprietarios Manoel Figueiroa de Paria
& Filho.
PARTE OFFICIAL
MINISTERIO DA GUERRA.
Senbor.Por aviso de 9 do correte, expedido
pela primeira directora do ministerio da guerra,
dignoa-se V. M. Imperial ordenar que a secgo de
guerra e marioha do cooselho de estado consulte
com sea parecer se, avista da segunda parte do
art. 23 do regolamenio de 31 de margo de 1831,
poder o governo transferir para as armas de ca-
vallaria infamarla, e para o corpo de estado
maior da 2* ciasse, os s^undostenentes da arma
de ariilharia qa, nao Jieodo o curso scientitico
da mesma arma, se achara impossibilitados de o
concluir.
A segunda parte citada se exprime da maneira
seguate : e bem assim passarao para aquellas ar-
mas (cavallaria e infintaria) os alteres e segundos
tenentes que, pertenceudo as scientiflcas, nao con-
clnirem os respectivos esludos.
Esta disposigo, uin regulamento do governo, tem forga de lei, pois
que a de 613 de 23 de agosto de 1851 em seu art. 8,
expresamente a approvou.
Se a lei, pois, ordena que os offlciaes das armas
scieutiflcas, a cuja ciasse pertence a ariilharia, que
pao tiverera e nao puderem concluir a respectivo
curso sejam transferidos para a cavallaria ou in-
famara, evidente parece que o governo nao so
pode mas deve fazer tal transferencia, salva cora
tudo a hypothese do art. 37 do regulamento cima
cKado; e como os 53 segundos tenentes de arii-
lharia a que se refere o aviso de 9 do correte, se
achara, pela legislago vigente, impossibilitados de
-adquirir o curso da arma, e se tiverem sido pro-
movidos depnls de 31 de margo de 1851, nenhuma
duvida pensa a secgo que pode ler o governo de
os distribuir, conforme suas aptidoes, pelas armas
nao scientificas.
V. M. Imperial resolver, porm, como fr raais
acenade.
O conselheiro de estado visconde de Abaele
apresentuu o seguinte voto em separado.
Concordo com o Ilustrado relator da secgo em
que, segundo a legislago em vigor, pode o gover-
no transferir para as armas de cavallaria e iofao-
taria os alferes e segn Jos tenentes que, pertencen-
do as armas scientiflcas, nao concluirem osrespec
tivos estados, parecendome que.a transferencia
nao permeltila para o estado maior de 2* ciasse
que, nos termos da lei n. 1,246 de 28 de junho de
1863, deve ser reduzido e eliminado.
Como, porm, enteodo que as transferencias
teem sido urna causa de periurbago na lei dos
accessus e na disciplina do exercito, e como esta
cousa em lempo de guerra pode lornar-se mais
nociva, pego licenga para dizer respetosamente
.. que nao me parece prudente etlectuar desde j taes
transferencias convndo estudar os meios de dar
aos aiferes e segundos lenles, de que se trata,
ora destino que nao prejodique direitos adqui-
ridos.
Paco, em 11 de dezembro de 1865.Manoel
Fezardo de Souza e Mello.Visconde de Abae-
t.Miguel de Souza Mello e Al vira.
Kesulugo. Como parece.Pago, 23 de dezembro
de 1865.Com a rubrica de S- M. o Impera-
dor.Angelo Muniz da Silva Ferraz.
N. 100.2.* secgo.Palacio do governo de
Goyaz, 21 de dezembro de 1865.Illm. e Exm.
Sr. Passo por copia as mos de V. Exc. o offlcio
que diriglo-me, com dala de 27 do mez passado, o
coronel Jos Antonio da Fonseca Galvo, para que,
a vista delle, conhega o governo imperial que tenho
empregado todos os esforgos atim de serem soccor-
ridas com vveres, em seu trajelo por esta provin-
cia, as forgas expedicionarias de S. Paulo e Minas
com destino a Mallo Grcsso.
Deus guarde a V. Exc. Illm. e Exm. Sr. conse-
lheiro ministro e secretario de estado dos negocios
da guerra. O presidente, Augusto Ferrelra
Franga.
N. 30.Illm. e Exm. Sr.Tenho a honra de
acensar o recebimento das primeiras e segundas
vias do oflicio de V. Exc. de 5 do corrento mez,
enviando era ura as segundas vas de duas porta-
ras ordenando a Joaquim da Cunta Moreira que
ponha a minha disposigo os vveres que conduz
era sua tropa, e ordenando a Jos Loureogo Peixo-
to a entrega da boiada que foi posia sob sua guar-
da, assim larabem um outro da mesma data, en-
viando-me urna caixinha conlendo laminas e tubos
com puz vaccinieo, e finalmente um outro de 6,
parlicipando-me que, segundo informagoes recebi;
das do deposito desie lugar, deveria encontrar aqui
para mais de 1,000 cabega de gado, bem com que
contina V. Exc. a fazer seguir para c tropas de
animaes coHdazindo viveres, afim de que as forgas
sob o meo commando nao soffram faltas.
Agradecendo a V. Exc. os soccorros que o zelo,
actividade e interesse de V. Exc. pela causa do
Brasil soubepor a disposigo desta forga, cumpro
um dever reodendo a V. Exc. toda a homenagem
pelas bem acertadas medidas que a lodos os respei
tos lera tomado para o proseguimeoto dessa expe-
dico; e felicitando ao governo imperial e ao paiz
pelo digno delegado que tem na pessoa de V. Exc,
consinta que aprsente os protestos de subida con-
siderago e disiincta estima que tributo a V. Exc,
a quem Deus guarde.
Qaartel do commando das forgas em Matto
Grosso, unto a fateoda dos Bah*, 27 de novem
bro de 1865.Illm. eExra. Sr. Dr. Augusto Ferrei-
ra Franga, digno presidente da provincia de
Goyaz.Jos Aut.-uio da Fonseca' Galvo, coronel
comraandaote das forgas.Conferida.Pereira
Jnior.Conforme. Francisco Ferrelra dos Santos
Azevedo.
2." secgo.Palacio do governo de Goyaz, 21 de
dezembro de 1865.N. 99.Illm. e Exm. Sr.-Jnl-
go conveniente remetter por copia a V. Exc. o offl-
cio o que em 3 do mez rindo dirigime o presiden-
te da cmara municipal do Rio-Verde, nesta pro-
vincia, pariicipaodo-me que prestar todos os
auxilios ao seu alcance s forgas expedicionarias
de S. Paulo e Minas, e bem assim a resposta desta
presidencia.
Deus guarde a V ExcIllm. e Exm. Sr. conse-
lheiro ministro e secretario de estado dos negocios
da guerra. O presidente, Augusto Ferreira
Franga.
2 secgo.Palacio do governo de Goyaz, 28 de
novembro de 1808.Tenho presente o sen offlcio
de 5 do correte, em que me participa haver em-
pregado pela sua parte iodos os esforgos, aura de
prestar as forjas expedicionarias sob o comman-
do do coronel Jos Antonio da Fonceca Galvo, os
auxilios necessarios.
Vendo pelo aitesiado que passoo-lbe o referido
coronel, que na verdade V. esforcouse sincera-
mente para supprlr de viveres as forgas menciona-
das, dirijo-lhe os louvores de que digno e agrade-
go-lhe este importante servigo en nome do gover-
no imperial, ao qual voa remetter copias do attes-
tado e do seu offlcio.
Deas guarde a V.Augusto Ferreira Franga.
Francisco Xavier de Campos Pires.Conforme.
Fraocsco Ferreira dos Santos Azevedo.Conferi-
da. -J. Piolo.
Illm. e Exm. Sr. Inesperadamente tendo aqu
hegado as forjas expedicionarias bara Matto Gros-
so, e acbandose este lugar algunf tanto desfalca-
do, nao so por se ter d aqu remettldo porgan de
vveres ao deposito dos Bahiis, lo recommendado
por V. Exc, mas tambera mesmo por jer o presen-
te auno critico em coibeitas, receei ao principio
<;ue as forgas se resenterlam por falla de viveres,
e eropregaudo os meta ao mea alcance, aOm de
mais oq menos relativamente ao estado actual 4g
i lugar prevenir aquello resentiraento, pode coratu-
do ter o prazer de nao ter lomado o carcter que
receiava, e nao s neste sentido como em maw al-
gumas outras necessidades empenhei-me senipre
em prestar meus limitadlssiroos prestimos como
vera V. Exc pelo attestalo que nesta mesma oc-
casio remello ao Sr. msjor Antonio Pereira de
Abreu, aflm de dar pobllcidade ; e tenho a honra
de asseverar V. Exc que eonlioaarei a prestar-
me em prol ao servigo publico relativamente as
minhas forcas.
Deus guarde a V. ExcDores do Rio Verde, 5
de novembro de 1865.Illm. e Exm. Sr. Dr. Au-
gusto Ferreira Franga.Francisco Xavier de Cam-
pos Pires. Conforme. Francisco Ferrelra dos
Santos Azevedo.Conferida.Martins Jardim.
Jos Antonio da Fonceca Galvo, commendador
da ordem da Rosa e de Aviz, cavalleiro das de
Christo e Cruzeiro, condecorado com a medalha do
exercilo da boa ordem, coronel coramaoJai.te do
corpo de guarnigo de Minas, actual commandante
das forgas expedicionarias para a provincia de Ma-
: to-Grosso:
Altesio que o Sr. Francisco Xavier de Campos
Pires, presidente d cmara municipal da villa de
Dores do Rio Verde, na provincia de Goyaz, em
pregn grandes esforgos na acqusigo de gneros
para o sustento da forga que conduzo a capital da
provincia de Mato Grosso, e no arranjo de um pra
tico para o caminho do Coxim, e na direcgo das
malas do eorreio, pelo que torna-se merecedor de
elogios.
E para constar mandei passar o presente, que
vai por mira assigoado.
Acampamento das referidas forgas junto a villa
de Dores do Rio-Verde, 3 de novembro de 1865
Jos Antonio da Fonceca Galvo. Conforme.
Francisco Ferreira dos Sant03 Azevedo. Conferi-
da.Jos Pinto.
CONSULTA DA SECgiO DE til'EBBA E MARINHA DO COK-
SELHO DE ESTADO SOBRE A TRASLADAgO DA C9-
1 LOMA MILITAB DO JATAHY PARA A MAIlGEU ES-
QUERDA DO PARANAPANEMA, SOB A NOVA DENO-
MINAQAO DE COLONIA MILITAR DO RIACHUELO.
Senhor.Por aviso do ministerio da guerra de
4 de Janeiro corrente, dignou-se V. M. Imperial or-
denar que a secgo de guerra e marinha do conse-
Iho de estado, consulte com sea parecer, e
com urgencia sobre o offlcio era que o pre-
sidente da provincia do Paran prop5e a mu
donga da colonia militar do Jatahy, a margera do
Tibagy, para a margem esquerda do Paranapane
raa, entre a corredeira da Serra do Diabo e a Iba
da Corda de Frade, sob a nova denomioago de Co-
lonia militar do Riachuelo.
Na opioio do presidente da provincia nao deve
continuar no Jatahy a colonia militar, porque de-
pois de dez annos de existencia nao tem tido pro-
gresso e dirainue o numero de seus chamados co-
lonos que vivera de salarios pagos pelos cofres p-
blicos.
A grande distancia da capital da provincia e a
looga e difficil aavegaco al o Paran parecem
1 anda a primeira autondade da provincia graves
tropecos para auxiliar cora promptido a provincia
de Mato Grosso,e a elevada despeza de 71:7I6773,
feila na colonia sem resultado correspondente, o
principal argumento.produiido para juslicar a re-
mogo da colonia em quesio.
A margem esquerda do Paranapanema, as vi-
i zlnhangas de sua embocadura no Parao apresen-
| ta-se como a localidade mais propria para o asien-
to de urna colonia, e para all propde-se alrslada-
co da actualmente existente no Jatahy.
As colonias militares do Brasil tem sido creadas
cora o lira de firmar nossas fronteiras, limpar de
salteadores cerios territorios, ou de auxiliar o tran-
sito por agua ou por caminhos dsenos de urnas
para ouiras provincias, ou eutre diversas localida-
des de urna mesma provincia.
A colonia do Jatahy parece que foi estabelecida
com o louvavel intento de facilitar as comraunica-
goes as provincias martimas ao norte de Santa
Catharina cora a de Maio-Grosso, perraittindo o uso
das aguas do Jatahy, Tibagy, Piranapanema, Iv'i-
nhema, Anhuac, Paraguay e seus allluentes, e pon-
pando o longo trajelo por trilhas desertas e corta-
das da caudalosos rio?.
Emquanto pois se nao demonstrar que o Jatahy,
Tibagy e Paranapanema da Serra do Diabo ou Co-
rda de Frade para cima ate soa juoccao com o
mesmo Tibagy nao se presta navegago, de que
o transito por ah rauito mais dispendioso e diffi-
cil que por trra desde Santos al Itapura, e a pro-
jectada Riachuelo; on anda emquanto se nao des-
colirir urna navegago interna mais comraoda do
que a daquelles tres rios, nao parece prudente a-
bandonar esla, e privar-nos desde ja dos elemen-
tos que no futuro podem torna lo de grande vanta-
gem.
Ora, a colonia militar do Jatahy, sendo bem
administrada, deve prestar considera veis auxilios
navegago interna boje conhecida, e j utilisada
algumas vezes, para a provincia de Matlo-Grosso ;
e se actualmente a colonia se acha em decadencia,
nao pela defflcencia de uberdade das trras, ou
defeito do clima, mas pela ma adminiktragao e
reunio de individuos Improprios ao flm a qne se
desunan), o remedio nao seguramente trasladar
esla gente para as vizinhangas do Paran, roas
sim corrigir os erros praticados, e providenciar
convenientemente para que o estabeleciraento
se desenvolva, e preste os servlgos a que des-
tinado.
A localidade escolbida para a premeditada colo-
nia do Riachuelo, poder reunir as raelhores con-
duces de fertilidade e salubridade ; mas apezar
destas vantageos nao lera' sensivel desenvolvimen-
to pela difllculdade de transporte e grandes dis-
tancias de lugares, onde os productos do (aturo es-
tabelecimento possam ser trocados; ir vegetando
' como as margens do Jatahy, e os amigos habi-
i tos coniinuaru a produzr os resultados funestos,
I de que faz menguo o presidente da provincia. Po-
bre e poueo populosa nenbum auxilio poder pres-
, tar a' provincia de Matlo-Grosso; e collocada na
embocadura do Paranapanema, cojo curso comi-
I nuara' a permanecer deserto, tornando-se anda
mais deserto o do seu atlluente Tibagy, pela ro
' raogo da colonia do Jatahy, poucas e Iracas rea-
gdes tendo com os povoados da provincia do Para-
n, de S. Paulo, e poriaolo cora o Rio de Janeiro,
( etc., aiuda raais intil se tornar. Demais, exis-
lindo oas proximidades da confluencia do Parana-
panema com o Paran a colonia militar do Itapura,
' desnecessaria se torna alli a fundago de urna
i oulra.
As despezas que se teriam de fazer com o
estabeleciraento desta, omito mais productivas se-
rio se forera applicadas ao desenvolv ment da
i oulra.
Para que, pois, remover, e nao com pequeas
despexas, a colonia do Jatahy para o Paranapane
ma T A secgo pensa que nenhuma vantagem se
: colber desta operacao, e de opioio qne o go
' verno a mantenba emquanto se nao convencer da
| innavegabilidade dos nos qne a coramunicaco com
| o no Parao, removendo porm desdo ja' os obsta-
! culos que tolhem o progresso desto ncleo de po-
[ pulago, proporctonando-ihe os meios para desen-
volverse.
Tal senhor, o parecer que a secgo tero a non
ra de snbmetter a sabedorla de V. M. Imperial.
Pago, em 8 de Janeiro de 1866. Manoel Feli
zardo de Souza e Mello. Vlsconle de Abaet.
| Miguel de Souza Mello e Alvim.
Resoloco.Como parece. Paco, 7 de fevereiro
de 1866.Com a rnbrlca de S. M. o Imperador.
Angelo Mooii da Silva Ferrax.
CONSULTA DA SBCCAO DE GUERRA B MARINHA DO 6W-
SELBO DE ESTADO SOBRE O OFFIGIO DO INSPECTOR
DA THESOURARIA DA KAZKNDA DE MINAS QERAES,
Qt"E PEDE SE LHE DECLARE SE O VALOR DA FARI-
NHA PARA AS PRAQAS DE PRET REFORMABAS, QUE
A ELLA TEM DIRE1T0, DEVE SER FIXO E SIMPRE O
MESMO QUE REGULAR NO SEMESTRE EM QUE
CONCEDIDA A REFORMA, OD SL'GEITO S ALTERACOES
SEMESTRABS.
Senhor.Por aviso da secretaria de estado dos
negocios da guerra, expedido pela 4.a directora
geral em 14 de novembro ultimo, d.gnou-se V. M.
Imperial ordenar que a seceo de guerra e mari-
nha do cooselho de estado seja-,ouvida sobre a
consulta do conseibo supremo militar de 9 de ou-
Inbro prximo passado, a respeito do valor da fa-
ri nha das pragas de pret reformadas, tendo em
vista a representago de 10 do mez Ando da mesma
4." directora.
A consulta do conselho supremo militar a se-
guinte :
Senhor. Mandn V. M. Imperial, por porta-
ra expedida pela 4.* directora geral da secretarla
de estado dos negocios da gnerra, em data de 31
de maio do corrente anno, remetter ao conselho
supremo militar o offlcio do inspector da thesoura-
ria de fazenda de Minas-Geraes, datado de 17 de
fevereiro prximo passado, no qual pede que se
Ihe declare se o valor da farioha para as pragas de
pret reformadas, que a ella tm direilo, deve ser
xo e seropre o mesmo que regular no semestre
em que e concedida a reforma, ou i sujeito as alte-
ragoes seraestraes; aBra de qne o mesmo con-
selho consulte com o seu parecer a seraelhanteres-
peito.
O inspector da tbesouraria de' fazenda de Mi-
nas-Geraes em seu supracitad offlcio diz qne en-
tra era duvida se e valor da farinha para as pra-
gas de pret reformadas que a ella tm dlrello deve
ser flxo, e sempre o mesmo qae regular no semes-
tre em que concedida a reforma, on se, como elle
tem entendido, deve ser abonada tendo-seera alten
gao as alteragoes semeslraes.
< O conselheiro director da citada directora
geral informa que nao tem conhecimento de dis-
posigo aiguma que flxe regra a respeito, e que,
posto seja de oplnio qae o valor da farioha deve
ser flxo, julga conveniente qne seja onvido o con-
selho sapremo militar para que sobre parecer seu
possa o governo resolver o que fr mis acertado
Parece ao conselho que o valor da farlnba e do
fardameolo que percebem as pragas de pret re-
formadas do exerclto dever ser considerado flxo,
salvo o caso de pertencerem ao asylo de invlidos,
segundo o disposio no aviso de 28 de margo de
1840, em referencia ao decreto n. 43 de 11 do
dito mez e anno, porqnanto o 3.* do plano qne
baixou com o decreto de 11 de dezembro de 1815
expressamenle declara que as pragas de pret pos-
sam ser reformadas conforme os annos de servigo
que tiverem, com o. sold por inteiro e valor da
farinha e fardamento que venclam ao tempo de se-
rem reformadas.
c Rio de Janeiro, 9 de ootubro de 1865. Ba-
rio de Saruhy. Bittancourt. Aguiar. Fo-
ram votos o conselheiro de guerra Joaquim Jos
Ignacio e o vogal Manoel Antonio da Fonseca
Costa. >
E a representago reduz se ao que se passa a
transcrever:
Illm. e Exm. Sr. conselheiro.Tendo de expe-
dir circular nos (erraos da consulta joma do con-
selho supremo militar, julgo dever ponderar que
anda falta regular o meio pelo qual deva constar
a todo lempo o prego da farinha no aclo da refor-
ma. Para esse flm ser myster fazer-se no decre-
to de reforma que tiver farinha, elape ou tarda-
mente, declarago do prego em que xado cada
ura desses veocimentos. Julgo que poder resol-
ver-se a consulla cora esse preceilo, roas V. Exc. se
servir mandar o que fr servido.Calazans.
Na c .(sulla o tribunal militar bem claro e po-
sitivo ; emitie elle o parecer de que o valor da fa-
rinha deve ser constante, e o mesmo que flxado ti-
ver sido no nltimo semestre da vida activa da pra-
ga do pret reformada. A' secgo parece acertada
esta opioio, tanto pelos fundamentos em que se flr-
mou o conselho supremo militar, como por que sen-
do a farinha urna parle da penso concedida pelos
duros servigos do soldado, nao pode deixar de ser
constantes e invariavel essa parte quando as ou
iras, sold e fardamento, o sao.
Se as reformas dos offlciaes, as aposentadoras e
jubilago dos empregados e lentes nao soffrem al-
teragoes quando os sidos e ordenados efectivos
sai memorados, nenhuma razo ha para que os
vencimientos das pragas de pret reformados sejam
regidos por diversa lei.
Tarabem a qnarta directora geral nao se affasta
da opioio do cooselho supremo militar, mas jul-
gando conveniente que Oque consignado em docu-
mento autbenlico o valor da farioha no semestre
em que tiver lugar a reforma da praga de pret io-
siu i que no decreto pelo qual se reformar qual-
quer destes servidores do estado se declare aquella
valor, bem eomo o do fardamento.
A secgo, com quanto nao Julgue necessaria se
raelbante declarago, por que as avaliages de cada
um dos artigos de que se compe a elape da praga
de pret sao registradas em diversos livros e repar-
tieres publicas, donde em todo o tempo se podem
extrahir os dados precisos para a expedigo das or-
dens de pagamento s pragas reformadas, com tu-
do pensa que a insmuago da primeira reparligao
fiscal do exercilo poder ser adoptada, estendendo-
se, porm, a declarago a todas as partes da penso
da reforma, e nao smente a urna ou duas; nen-
hum motivo existe para no decreto de reforma se
nao mencionar o quantum do sold que de um an-
uo para outro pode ser alterado pelo poder legisla-
tivo, ao passo qae se acredita qae a omisso do
valor da farlnba e do fardamento pode causar pre-
juizos. Emittindo o parecer que deixa escriplo, a
secgo tem a honra de submett lo sabedoria de
V. M Imperial, que resolver o que for mais acer-
tado.
Pago, era 10 de dezembro de 1865.Manoel Fe-
zardo de Souza e Mello.Visconde de Abaet.
Miguel de Souza Mello e Alvim.
Resolugao.Como parece. Pago, 23 de dezembro
de 1865.Com a rubrica de S. M. o Imperador.
Angelo Monlz da Silva Ferrar.
Confidencial.Palacio do governo de Goyaz, 26
de dezembro de 1865.Illm. e Exm. Sr.Acen-
sando a recepgo do aviso confidencial de 7 do mex
pretrito, que V. Exc. remata mandando qne eu te-
nba o maior cuidado em fazer seguir do ponto li-
mitrophe desta {provincia, para o Coxim, gneros
de primeira oecessidade ; cumpre me declarar a
V. Exc. que o forneclmento de vveres s forgas
goyannas acampadas naquelle lugar e s esped-
donaras de S. Paulo e Minas tem merecido de mi-
nha parte os mais assiduos e desvelados cuidados
sendo ceno qne tem-rae sido necessario- desenvol-
ver a maior actividade e energa, e empenhar os
sentlmentos patriticos de loda a popolago desta
provincia para conseguir os grandes resultados que
tenho podido obter a este respeito, apezar das im-
mensas difflcnldades qne tem sido preciso debellar.
As forgas goyannas tem sido at o prosete susten-
tadas nicamente com os viveres que tenho man-
dado por & sua disposigo, e agora o mesmo se est
dando com as forgas expedicionarias de S. Paulo e
Minas. Nao cesso de empregar todos os esforgos
para que continu a fazer-se regularmente o [orne-
cimento de viveres; mas releve V. Esc. que aqm
pondere que no ponto liraitrophe desta provincia
nenbum, ouquasi nenbnm recurso mais se eocon-
tra, por ter-se esgotado o pouco qne bavia, e qne
i para efectuar o supprimento para o Coxim fago
I transportar os Yiverw de lagares distantes (Ulij
cero, dtenlas e at mais leguas. S a conscien-
cia domen dever e a coadjovagao patritica flae te-
nho mereejda.me lera dado forgas para sobrepujar
tao formidaveis dilHculdades. Rogo.emretaoto a
V. Exc. que-Oque tranquillo a respeito das medi-
das que de> por em pralica para forneeerem-se
roaoliments s forgas libertadora* de Mato Grosso;
por qnanio esta presidencia s nao far o que esti-
ver de todo fra do seu alcance. Considero este
objecio nra ponto de honra para mira. O quemui-
governo applicar para execugo daquellas obras as
sobras das consignagoes da lei doorgamenlo vigen-
te e as qaotas que nao se flzeram eflectlvas, toma
a palavra para impugna lo o Sr. Soulo Lima.
O nobre deputado nao opina pela urgencia das
obras propostas, e por isso enteode nao dever vo-
tar por urna medida que elle considera prejudicial
as demais ebras publicas votadas pela assembla.
Observa qae mesmo no 2o circulo de que elle re-
] presentme ha outras obras em fclmoeiro e em Na-
to convm ^quj as presidencias de S. Paulo o M-. zareth, como sejam os agudes, que sendo autor.V
nas fagarai tambera o que puderem a bem da sub- das pela assembla anda nao tiveram execuco
sislencia "forgas. entretanto que sao Incontestavefmente obras mais
Deus gOardeaV.Exc-Illm.e Exm. Sr. conselhei- urgentes que essas projectadas para Oiinda
ro ministro e secretarlo de estado dos negocios da O honrado deputado er que aquellas localida-
des raerecera raais que anda, simples cidade de
passa lempo?, Das medidas propostas, a illumi-
nagaono de primeira necessidade : Goianna,
GOVERKO DA PROVINCIA. raais importante que Oiinda,, vive qaasi as trevas
guerra.O presidente Augusto Ferreira Franca.
>
secgo.-Secretaria do governo de Pernam- ^"^'^ra^7 =e ^'^ poyoads do interior
, 7 de marco de 1806. i EL^E 'llura,aacao entretanto ja queremos o
quem interessar possa, ^fiFJK? de?.adente 0IQda'
j itiustre Sr. Souto Lima 'insiste
; 3-'
-buco
Para coohecimenlo de
fa*se publico, que segundo consta de aviso do mi- i, ,.,:. ,
% i ao artigo e neste sentido manda
asuppressiva, que apoiada
discusso.
Ora anda o Sr. Bruto
projecto.
pela rejeigao
mesa urna
e posta em
em sustentagao do seu
nistfcio da fazenda do Io de fevereiro ultimo, o go-1 emenQj
verno imperial resolveu arrendar a fazendaS.
Bernardona provincia do Maranho, sob as con-
diges constantes do aviso abaixo transcripto, fi-
cando marcado o praso de trez mezes para os cou-1
crrenles presenlarem suas propostas no thesou- a%TE?Jl palavra- Sr- Amorra,
ro nacional. r 8 orador dl 1ae Dao presuma vir tao
O secretario C i a IriDUDa Para sustentar os interesses do cir-
Dr. Francisco de Paula Salles, i f^'0 2 ff a b,0Dra de presentar; que delxava
AVISO DE QUE CIMA SE TRATA. I nnpm / K ^ ."" d'gD0S ?."egaS' "
N. 207.-Ministerlo da fazenda, 29 de julho de i* ?,??fa/eceb?r a luz dos seus bellos lalenf?S
1862.-Illai.e Exm. Sr.-Em resposta ao offlcio | a'f;'endf levantado a voz de um delles
que V. Exc dirigio-me em 25 de fevereiro ultimo, I ITJT\ 1S IDteresses> e forcado a Pedir
a beoe"o!encia da casa para o pouco que tema
teriormente acerca da fazenda'nacionalS. Ber-i 'nua-..-. ,,. ,, .
u musir deputado raostra a necessidade que
tem a cidade de OHnda dos melhoramentos pro-
n. 13, com referencia s informagoes enviadas an- i i
teriorroenW acerca da fazenda nacionalS. Ber-'
nardde do rejuerimeoto que acompaohono mes-
mo offlcio de Antonio Joaquim Lopes da Silva,
concessionariodella, pedindo dispensa da fianga a fiS?W. 1,1?, 2-2 mus habitantes soffrem pnva-
que a Ihesouraria dessa provincia pretende sojei- |rte' ?fI'faJad af"..n aauella localidade, e que
do dever da assembla correr em seu soccorro
fazendo cessar to grande mal. Nao duvida qne
as outras localidades do 2o districto tenham iguaes
necessidades, mas estando disposio a volar igual-
mente para que sejam estas salisfeitas, nao razo
' mVEnamadid'3 ie S8 prop5e Piter8adas>
idnticos, era que ha obngaco de devolver bens, C0T*ZJ*a C"ega'
essa coodicio essenclal eomo correctivo a' abu- JESfifSm*?" 2 Sentldo de Jas,.^car
a conveBiencia da illummagao agaz para a cidade
de Oliuda, e concine declarando que a sua voz ser
que a Ihesouraria dessa provincia pretende sojei
ta-lo pelo valor dos escravos da nagao, existentes
na dita fazenda, qne Ihe, forem cora a mesma en-
tregues em virtude do arrendaraenio : cumpre-me
declarar a V. Exc. para seu conhecimenlo e flns
convenientes, que semelhanle pret-.ngo nao pode
ser deferida, oo s porque em outros contratos
sos, mas tambem porque os escravos sao urna pro-
priedade de nalureza especial que exige para sua
conservago restrictas medidas de seguranga nos
conlratos de locago de que elles forem objecto : e
oniro slm, quanto ao. praso do arrendamento de
que se trata, que deve limitar-se a nove anoos na
forma do art. 3o da le n. 66 de 12 de onlubro de
1833, embora se possa proroga lo depoU, se o ar-
rendilario desempenhar satisfactoriamente as obri-
gages que conlrahir e ra7oes de conveniencia
actuarem para essa prorogago.
Ao mesmo lempo remello a V. Exc. a minuta
juma doontrato para tal arrendamento, cojas con-i ^rcta'*Cna:
Ainn^c ^ii..*.- v ?. hib..___a i.-j. Ura o Sr. depoiado I
sempre ouvida em favor de interesses como os qne
se descotem.
Orara anda os Srs. Souto Lima, Correa de Bril-
lo e Buarque.
Encerrada a dlscassao o artigo approvado, e
! rejeitadas as emendasdos Srs.Souto Lima e Soares
I Brando.
Dlspensa-se e Intersticio a pedido do Sr. Britto.
1" discusso do projecto n. 55 de 1858, autorisando
1 a publicaco das obras do finado vigario Brrelo
digoes poilera' V. Exc. -modificar c-md entender
depolado Lopes Machado.
O ilustre depntado fara' o elogio do benemrito
conveniente aos Interesses do estado, autonando-o i '."u" ueP""uo ra o eiogio ao Denemeruo
desde ja' para, se porventura o sopramenciohado '8"!0^"!"6!0* aprfciaJas suas produeges litte-
concessionarjo nao convier em taes condiges com "S"*?J 5? Pela. ad0Pca0 do projeclo,
rar o contrato cora ou- n"rrada_ a discusso o projecto approvado.
as modificages fetas, celebra
tra qualquer pessoa sob as mesmas bases : cerlo
de qae na hypothese de modicages 8ca a sua ap-
provago dependente do governo imperial.
Deus guarde a V. Eic-Viscnde de Albuquer-
que, Sr. presidente da provincia de Maranho.
ConformeJos Sevenano da Rocha.
PEBNafflBJCO,_____
ASSEMLEA LEGISLATIVA PRttVWCI.iL.
SESSO ORDIXARIA EM 8 DE MARgo
ORDINARIA EM
DE 1866.
PRESIDENCIA DO Slt. VICARIO FRANCISCO PEDRO DA
SILVA.
As 11 horas e quarema minutos da manliaa faz-
se a chamada e verifica-se estarem presentes os
Srs. deputados Francisco Pedro, Ramos, Ayres, Mer-
gulhao, 1. Reg Barros, Hsbello, Andr Cavalcanl, j
Cicero, BSrgos, Buarque, Candido Maitins, A. de '
I Souza Leo, Paes de Andrade, Epaminondas. Soa- |
t res Brando, Brillo, Jeronymo, Amorira, Arrainio, .
Arayntas, Soulo Lima, Jjaquira Tavares.
Abre-se a sesso.
L-se e approva-se a acta da sesso anterior.
EXPEDIENTE.
Ura requerimenio de Hermenegildo de Miranda,
bedel do Gymnasio, pedindo augmento de ordena-
i nado.A' commisso de ordenado.
L-se e devolvido commisso um parecer da
commisso de ordenados mandando pagar a gratlfl-
1 cago devida a Vicente Torres Bmdeira, por servi-
gos prestados como escrivo da fazenda provincial.
Falla pela ordem o Sr. Gaspar Drummond.
L-se, entra em discusso e approvado ura re-
quenmenlo do Sr. Buarque pedindo informagoes
sobre as providencias tomadas para a arborlsago
da ciJade.
Outro do raesrao Sr., e que Igualmente appro-
vado, pedindo copia do relatorio da commisso no-
meada para examinar os livros e coniabilidada da
cmara municipal desta capital; e informagoes so-
bre as providencias tomadas pela mesma cmara
com relago as materias do dito relatorio.
ORDEM DO DIA.
2' discusso do projeclo n. 3 deste anuo sobre a
canalisago u'agua pitavel para a cidade de Oiinda
e sabstiiuigo da actual illuminago.
Fall sobre a materia o Sr. Buarque, pedindo es-
clareclraenlos ao autor do* projecto, e ponderando
que jafteodo a assembla votado urna somraa de
cerca le dez conlos de res para igual tira seria
conveniente que se dsse coma do seu emprego.
Responde o Sr. Floriaoo de Brillo..
O honrado deputado faz sentir a necessidade que
tem a cidade de Oiinda de ser abastecida de agua
potavel.
Recorda que um melboramento projectado ha
annos, mas que s agora se procura realisa-lo, gra-
gas -intelligante e benfica admioistrago do Exm.
, Sr. conselheiro Paraoagu. O orador descreve a
obra que actualmente esta construida para aquello
abasteciroeoto, e a qne foi applicada a consignado
votada pela assembla o anno passado; diz qce em
. sua opimo o trabalbo nao (preenc^e o fim desoja-
do, e que de absoluta necessidade que se propor
2* discusso do project) n. 83 de 1864, autori-
sando urna estrada a partir do Chan do Caxlto a
entroncarse cora a eslrada publica.
O Sr. Buarque requer adiameoto do projecto, al
que se resolva em 3' discusso sobre o projeclo
substitutivo do de n. 7 de 1864, autorisando a rede
de estradas.
Encerrada a discusso foi approvado o requer-
memo de adiamento.
2" discusso do projeclo n. 33 do anno passado
mandando reformar a folha de jubilago do padre
Joo Jos de Araujo.
Falla o Sr. Gaspar, e conclue por ura requer-
ment pedindo informagoes ao governo sobre a
justiga da pretengo.
Encerrada a discusso approvado o requeri-
mento, e adiado o projecto.
1" discusso do projecto n. 45 creando um con-
selho de salubridade nesta cidade.
Oram os Srs. Gaspar e Ramos, sendo o projecto
approvado.
1" discusso do de n. 23 de 1863, autorisando a
conslrucgo de um edificio para as exposiges pro-
vinciaes e outro para a mendicidade.
Ora o Sr. Andr Cavalcante, opinando pela cons-
j truego do segundo do dos edificios e rejeitando a
idea do primeiro.
Encerrada adiscussao o projecto regeitado.
3' discusso do projecto n. 4 deste anno, autori-
sando a conlinuago da extraego das loteras das
familias dos voluntarios da patria.
Reconbecendose nao haver caza o Sr. presiden-
te levanta a sesso, dando a seguinte ordem do de
a 2* discusso dos projectos ns. 62 de 1865 e 55
de 1858; 3' discusso dos de ns. 7 de 1864 e 3
deste anno; cjntinuagao do antecedente.
REVISTA DIARIA
Embarcou bo'ntem, a' bordo do Paran, o Exm.
Sr. conselheiro Paranagu, a' tomar assento no se-
nado.
Um numero superior de quarenta senhoras e do
duplo de cavalbeiros accompanhou o e a' sua
Exma. familia at bordo, dando-lbe assim urna
prova sincera das gratas recordagdes que deixa
nesta cidade, e do quanto sera' sempre lembrado
sen nome.
Reiteramos nossos emboras por urna prospera e
folie viagem.
Percorreu hornera a tarde, diversas ras
desta cidaae, a procissao do Senhor Bora Jess dos
Martyrios, que sae da igreja dessa invocago. Es-
tava decente e concorrida.
Seguiu a' bordo do Paran' o 4* corpo de
voluntarios da patria, ao mando do tenente-coronel
Pedro de Campos, com cerca de 150 pragas.
Em coosequeocta do pequeo espago entre a
resolugo de seguir para a corte e a ebegada d)
Paran, nao foi possivel o Exm. Sr. conselheiro
Paranagu despedir-se pessoalmente de todas as
pessoas, com quem cnltivou aqui relagoes de arai-
zade.
Nesta irapossibiiidade em que achoo-se mo gra-
do seu, S. Exc. dignou-se de pedirnos que a taes
cione meios parr ser melborado; qae se assim nao pessoas Qzessemos sentir de sua parte este motivo
' acontecer teremos de ver completamente perdido o' poderoso, que o toreara a "
! que est feto, come j aconteceu com obra seme-
ntante, construida na admlnistrago do Sr. conse-
j Iheiro Jos Bento para o mesmo fim.
', Quanto a 2* parte do projecto, o Ilustrado ora-
; donliz que aquella cidade, pela numerosa popla-, .
' gao qne aloja em sen seo, tem direito a que as i de attengo e bom acolhimento,
suas ras sejam illnminadas ; qne Oiinda deve ser
qnasi considerada um arrabalde desta capital, nm
recurso paca os sous babitantes que all vo procu-
rar mnitas vezes lmitivos aos soSrtmentos. O hon-
rado depotado declara qne est informado que a
empreza (L) illnminaco far o servigo daquella ci-
dade por prego inferior ao que actualmente se pa-
ga all per ama luz que pouco melhor qae as tre-
vas ; qae a nica dilflcul ade est no trabalho da
canalisagao, qne em soa opinio deve ser distribui-
do com a provincia, por isso qae aquella looga a
dispendiosa.
, O Sr. Brito emenda portanto qae o sea projecto
I est no caso de ser adoptado.
Eacerra se a discusso sobre o art. 1 do projoe-
to, o qnal approvado.
Entrabo em discusso o art. I. qae psrmjlte go
tal omisso ; e ora sa-
tisfazendo nestas plavaas o sea desejo, cumpre-
nos addiclonar anda de sua parte que s mesmas
pessoas faz S. Exc. os seus cumprimeoios, e delles
aguarda oa corte as respectivas o/dens, aflm de
que Ihes demonstre seu reconhecimenlo s provas
que mereceu, e de
que sempre se recordar peohorado.
Ne regulamento do seminario, qae hontem
publicamos, bouve um erro na numeraco dos l-
timos artigos, a comegar do 60, pois que se Ihe se-
gaem 57, 58 e 59, qoando devia ser 61, 81 e 63.
Teve hontem logar o concorso para gradean-
tes da reparligao das obras publicas no palacio
do governo sob a presidencii do Exm. Sr. vioe pre-
sidente, e com assistencla do Sr. director daquella
repartigio. ,
Dons toram os concurrentes, que se aptesenta-
ram as provas de safBciencia as materias, de que
se corapoe o exame; e exa.mjoaram em aritbmeti-
ca e geometra o Sr. Dr. Carneiro da Rocha, e em
lingua nacional o |r. Dr. Witrov|p Pinto Ban-
aeira.
Amanba por obra das 12 horas do da tem
lugar a bengo da nova bandeira do-2 batlho da
guarda nacional deste municipio.
O acto ser no pago episcopal da Soledade, o
?elle se digna de offlciar o Exm. c Rvm. Sr. blspo
diocesano.
Pessoa qne nos merece toda a considerago
informa nos, que oovira dizer a outra de igual
criterio, que-existe nesta cidade ama carta de um
medico importante do Para, na qual assevera ser
um famoso especifico para as mordiduras de cobra
o sueco do meladinho, tomado internamente, e mes-
mo applicado sobre o lugar offendido.
De nos nada garantimos, seno a probidade da
I pessoa a quem nos referimos; mas apresentaraos
; a noticia, cuja veracidade poder ser observada
com a applicago do meio curativo, que ella Indica,
tanto mais quanto o meladinho rauito vulgar e
. asss conhecido entre nos.
De Pao d'Alho temos noticias datadas de 8 do
corrente :
As nossas eleigoes andaram plcidamente,
' vencendo era toda a comarca o partido conserva-
l dor, que segundo ouvi dizer, fez um conchavo com
| os liberaes, os quaes deram para a cmara tres
i vereadores, inclusive o presideute, Meando o outro
lado cora quatro.
< De domingo para c temos andado da sala
para a cosinha; espalhando se aqui nolicia, de
que feriamos urna invaso de barbaros, e eis todo a
correr amedrontado para a villa, qne ficava a non-
te em alarma e que de valentes nao appareee-
| rain 1 era um gosto v los armados de bacamarte
I abaixo e cima, prometiendo minio fago e aconte
I qo, se os pretmhos viessem.Mas os receios de tal
invasao paraguaya se tem desvanecido, e creio qae
i vira tudo a dar em nada, assim espero acontece-
r.Nao Ihe digo o que deu causa a tanto medo
do que tambera parlicipei porque temo qne o tal
va'or as vessa, que urna molesta contagiosa
ebegue tambem por l
c Entretanto afflrmo Ihe que estamos em paz, o
! que a polica, que anda a traz da tal encogmta,
anda nao pode dizer Eureka.
Offereceraos a scienoia do publico a relago
dos presos que trabalharara na offlena de sapataria
da casa de detengo nos mezes de Janeiro e feve-
reiro, e das qaamias que receDeram.
Antonio Joaquim Alves Pereira........ 42560
Antonio Manoel da Silva.............. 354000
Antonio Nunes da Silva.............. 305000
Antonio Gomes da Silva.............. 26220
Amonio da Silveira S Barreto......:. 574560
Antonio los Pacheco................ 194060
Alexaodre Jos Bernardina........... 544000
Auresto Nunes da Silva............;. 264220
Angelo Jos Francisco............... 524000
Bernardo Jos Machado.............. 374120
; Daraio Colho de Mello ............: 314720
! Diodoro Fraocsco dos Santos......... 494340
Domingos Gomes de Aguiar.......... 364640
i Domingos Alves Hespanhol........... 114000
Felippe Vieira Santiago............... 244880
Flix Jos de Lima.................. 324520
Firmino Jos dos Sanios...............'. 494700
Guilberme Francisco de Assls........... 2064220
Herroino Carneiro Bezerra de Souza... 444680
Ignacio Jos dos Santos............... 334280
Joo Pereira Dotra de Oliveira........ 464080
Joo Gomes Couiinho................ 254000
Joo Canella de Nambii................ 474200
Joo Vicente de Araujo................. 314320
Joo Pedro de Magalhes............. 1044420
Joo Pereira Machado................ U4160
Jos Francisco Xavier................ 154320
Jos Gomes de Oliveira Jnior.......... 194280
Jos ftufinodos Santos.................. 184800
Jos Joaquim da Silva................ 794320
Jos Gomes das Neves................. 34800
Jos Amonio Correa de Mello......... 384880
Jos Verissirao da Silva.............. 74800
Joaquim Lino Pereira.........'....... 84240
Jesuino Celestino da Cruz............ 514000
Jos Dionisio........................ 34200
Jucundiano Thomaz Borges da Fonseca. 3454900
Lino Jos de Moura..................... 124320
Liberalino Jos Pereira............... 254700
Luiz de Franga Ventania............... 394910
Manoel Gomes Coatinbo.............. 214960
Manoel Flor Dornellas.................. 414500
Manoel Fernandas dos Santos.......... 394000
Maaoel Muniz Falco................ 414100
Manoel Pinbeiro Dantas.............. 484700
Manoel da Silva Guarabira............ 24880
Manoel Muniz de Oliveira............. 24880
Manoel Sobral...................... 204740
Manoel Jooquim da Silva............. 254020
Raymundo Jos de Sani'Anna........... 594320
Robeno de Souza Barros.............. 534800
Tobas Manoel do Nascimento......... 644320
Hoje se exirahlra' a' 3." parte da 2.* lotera
(51.*), a' beneficio da Santa Casa da Misericordia,
para canalisagao d'agua e gaz no hospital Pedro II.
sendo o maior premio 6:0004000.
Rbpartiqao aa polica.
Extracto da parte do dia 9 de margo de 1866.
Foro recolbidos a' casa de detengo no dia 8 do
corrente.
A' ordem do Dr. delegado da capital; Joo Thi-
raoteo, Joo Dias d'Albuquerque Montenegro,e Fe-
lippe, escravo de Antonio Gonsalves da Silva, viu-
do da provincia da Parabba, o 1* como pronuncia-
do em crime de feriraentos graves e espancamenlo
no termo de Oiinda, o 2 como criminoso de morte
e conderanado naquella provincia, e o ultimo para
ser entregue a' seu senhor, e Francisco Miguel de
Siqueira Bastos, para recruia.
A' ordem do subdelegado do Recite, Leonardo
Silvestre da Silva para correego.
A' ordem do de Sanio Antonio, Eozeblo, escravo ..
de Manoel Gamillo Pires Falco, para correego.
A' ordem do de S. Jos Vicente, escravo de Ha-
noel Corroa de Qoeiros, por disturbios.
O ebefe da 2' secgo,
/. G. de Msquita.
Passageiros do liiate brasilelro Exkalagao,
sahido para o Aracaty :
Gonsalo Delphim de Paiva e nm escravo.
L.KHITERIO PUBLICO, OBITUARIO B0 MA 5 DE
MARgO DI 186G.
Alexandrina Mara da Conceigo, Pernambnco, 18
annos, casado, S. Jos ; tubrculos pulmonares.
Hermenegilda Mara da Conceigo, Pernimbaco,
38 annos, solteira, Santo Amonio ; tnbercnloa
pulmonares.
Mara, Pernambnco, 8 dias, Santo Antonio ; con-
vulses.
Joo, *ernambnco, 7 mezes, S. Jos ;eonvalsees.
Antonio, Pernamboco, 25 annos, soltefW, Santo An-
tonio ; graogreaa.
Jos, Pernambuco, 7 mezes, Santo Antonio ; con-
vulses.
Jos Thomaz da Silva, Pernambnco, 57 annos.'ca-
sadb, Roa-Vista ; berysipella.
Sebastianna Mana do Espirito Santo, Pernambnco,
30 annos, solteira, Boa-Vista ; tubrculos palmo-
nares.
Lucio Jos Custodio do Nasciraento, Pernamboco,
12 annos, S. Jos ; desmteria.
Duarte, Pernamboco, 18 mezes, Boa-Vista -, coque-
luche.
Tranquelino de Souza Pelxe, Pernambuco, 31 an-
nos, casado, S. Jos ; meniqgite.
Jos, Pernambnco, 7 mezes, Recite; molestia.
Antonio Saturnino de Moura, Pernambuco 40 an*
aos, solteiro, S. Jos ; congesto cerebral.
Felippa, Pernambuco, 46 annos, e-crava, Santo An-
tonio ; frialdada.
Manqel, frica, 60 annos, escravo, Recite; Ar-
gado.
Antonio, Pernambuco, 30 auoos, S. ^. aathma.

-
"9* sn-91


u
&".
"i ^.MOMoao
~=2
M%IN
ftl
Mirto ie lerrki)a HihhnAo 10 d Marco de 1866.
__
8
Jos Joaqnitn dn,tovaes,loriugaW an**^ vta-
w, Poco da Panella : ooogesto cerebral.
Isabel, Pernamlnieo, 40 annos, solteira, Boa-VisU ;,
interite. i '
Mara Ferro* 6omes, Pernaiabaco, 26 anuos, sol-
teira, SJJS; vanlas.
Francisco, ernambnco, 4 annos, S.Jos; sarampo
fldefooso, Pernambuco, 2 annas, Recife ; eeero-
pbolas.
7 -
Harta, Peroarabuco, 3 metes, Boa-Vista ; dftftros.
Jos Tbomaz de Soaza, Amazonas, 30 nnos, Boa-
Vtsta; ulceras.
Maria, Pernambuco, 6 annos, Ba-VMa; bepatite.
Joaquim, Pernambuco, 1 anno, Boa-Vista ; bexlgas,
Jos Pedro de Paula, Peraafftbuco, 13 anua, S.
Jos ; febre lyphoide.
C4I4R i lJILTALDO RECIPE,
SESSAO EXTRAORDINARIA DE 17 DE JAERO
DE 1866.
Presidencia do Sr. Gustavo do Reg.
Presentes osSrs. Santos, Silva do Brasil, r. Vil-
las Boas, e Pinto, abre-se a sessao, e lida e appro-
vada a acta da antecedente.
L se o segninte
GXPRDIBNTE.
Um oficio do Eiro. presidente da provincia,
de 13 do corrente, declarando que cooviodo dar
execugo a disposicao do art. 46 da lei do orna-
mento municipal vigente, recommenda a cmara,
que mande examinar, e escoltier a localidade mais
conveniente a construccao dos mercados de que
trata o citado artigo, Bevendo se preferir terrenos
as bemff itorias no caso de haverem, e que naquella
data oOcfara tambera ao ngetifieiro chefe da re-
partteo das obras pnblieas, paa que sabendo da
cmara o lugar escolbldo, faga com urgencia, e
ihd aprsente a planta e ornamento dos referidos
mercados.
Resolveo-?B que fosse nomeadi Bm Crtirnisslo
especial para esse tro, e o Sr. presidente efrr segui-
da a nomoo, recahindo nos Srs. Silva do Brasil, e
Pinto, devendo r*unir-se a dita coramissab o enge-
nhei o cor deador.
A commissao assim noraeada, assentou logo que
devia renoir-sn no dia 1? da corradle, e que oeste
sentido se fhesse a communfcaco ao enge-
nbeiro.
Oatro do memo, de 15 do corrente, recommen-
dando que a cmara mformasse se a seu servico
ou docemit-rio publico existe algara africano livre
nao emancipado, ou que nao tenba recebido ainda
a respectiva carta, em caso aflmaflvb rruaes e
quantos, se com ou sem fllhos, remetiendo se-Ibe
urna relaco circomsfanciada de todos.
Que se ex'pediss ordem ao atfmidistrador do
cemiterio publico dsta citfade para satlsfazer.
Outro do mesmo, de igual data, remettendo por
copia a cmara, o do engetihelro chefe da reparti-
cao das obras publicas de 4 do corrente sob n. 3,
acompanhado de um quadro das ras desta cidade,
onde convm plantar arvores, quaes as suas quali-
dades, e dl-tancia que devera ter.Que fosse
remetlido a commrssao respectiva.
Outro do advogadf, flando o seu parecer acerca
do que Ine fot consultado relativamente ao tapa-
meoto da esirada do Encataamento n Treguezi do
Poco da Panell.Adiado.
Outro do engenbelro cordiador, informando o
reqaerimenlo em que Joo Lulz F<'rreira Ribeiro
pede para que Ule seja permlitrdo rediricar afrente
da casa n. 6, sita na praca da Santa Cruz, pondo-a
em semetria com a de o. 4 que Ihe Sea visinha,
(azendb tambem sota sobre ambas; declara que
nao leudo a casa o. 4 as dlaiexcoea marcadas pelas
postaras em vigor, nao regular que s permuta
a reedrftcagao da casa visinha com as dimencSes
que ella tem.-A vista da Itrformaco, nao tan
lugar.
Outf do mesmo, informando o requerimento no
quai Jos Rayraundo da Nativldaie Saldante, pede
para qw Ihe seja permettido acabar a edlicacao
que aonrecara em a travessa da ra do Lima, ou
da Poadifo era Santo Amaro, e para a qual tivera
cordiaco e liceoea, diz ser verdade o que diz o
peticionario, assim como que a edificarlo comega-
da se acra de conformidade com a cordlaco dada,
e com as posturas.-^Conredeu se.
Outro de mesmo, informando o requerimento no
qual Theodoro Rampck pede para que a cmara
mande v*jloriar o oito da casa visinha a que o
peticionario est edificando por conta do conseibei-
"roJof Beoto da Cunha e Figuelredo, na ruada
Conceicie, freguezia da Boa-Vist?, declara que o
oilio da casa em questo nao se a-cha com efleito
em bom estado, mais que nao a cmara que in-
cumbe' providenciar a respeito, por quanto nao se
trata de kiteresse publico, e sim de inleresse parti-
cular.-Nao tem logar.
Oulre do mesmo, informando sobre o requeri-
mento no ijual o bacharel Jos Vicente Duarte
Braodo, pede entra vez para que Ihe seja permet-
tido substituir a actual trap-ira existente na casa
de sobrado de dous andares de sua proprledade
sita a roa da Aurora, freguezia da Boa-Vista; diz
que a easa do peticionario construida com oildes
siogellos, posto qne seja verdade 'o que elle allega
acerca das dimeneoes dos tijollos impregados na
coDstrucgoo dos ditos oiloes, que se achara em bom
estado sem nenhura indicio de ruina.
Diz anda o eogenheiro que est cerlo, que sen-
do a seta construida com o cuidado necessarlo
nenhum perigo haver para o edificio1, antes Acara
em melbores coodigdes ao que actualmente se acha
com a trapeira que tem, mas a cmara que in-
cumbe resolver se, em vista das allegagSes do
peticionario, deve ou nao conceder o que elle pre-
tende.Conceden-se.
Outro do fiscal da freguezia de Santo Antonio,
informando o requerimento no qual Jos Joaquim
da silva Alves, pede licenga para assentar urna
pequea forja na easa n. 3 d ra da Paz; decla-
ra que teido examinado a localidad^, reconheceu
que se poda conceder a licenga prfida, o que nao
obstante a cmara resolverla como melhor enten-
desse.Concedeu-se volando contra o Sr. Iva do
Brasil.
A commi-sii-o de polica apresentoa um parecer
que fui approvado, do sentido de ser attendido
Claudio Dubeux, do sentido que reqoer, nao s
por intender ser de justiga o pedido, como tambem
por assim rx ter Ja deliberado a cmara em 4 de
junbo de 1864 e 4 de Janeiro de 1865.
Entra em discusso o requerimento de Jos Soa-
res Pinto Correa, adiado em ssso de 9 de derem-
bro ultimo, pedindo o paganreniff'no acrescimo da
obra qne fez na estrada do cemiterio pablico 'desta
cidade.
Maodoa-se informar a presidencia cora o que
occorreu a respeito de sementante obra.
Tendb Basilio Alvares de Miranda VaTejao, obtl-
do do juizo (nnnicipal de 1* vara mandado para a
cmara me pagar a quantia de 3463110, prove-
niente de costas da primeira avallarn ro terreno
daribeira da fregnezia da Boa-Vista, ordnense
ao procurador que intendendo-se com o hgado,
e conforme o parecer deste, pagasse as mesmas
costas.
Presin juramento o fiscal supplente' para a fre-
guezia do Recife, Antonio Theodoro dos Santos
ma.
Despacbarara-se as petigSes, de Antonio Correa
de FarUs, a Junta administrativa da Sania Casa da
Misericordia, Antonio Domingos Pinto, Gandi
Dubeui, to Dras des fladtos, Jlo Luiz Ferreira
Ribeiro, bebarel Jos Vicente Duarle Brandao,
Jos RayflnAdo da Nalividade SaiJanha, John
Gatis, Laurentino Pinto de AIMida, Tbereza Si-
queira Abren, Tnedoro Rampck, e lBvantou-se a
sestlo.
Eu Francisco Canuto da Boaviagem secretario a
snoscrevl.Pereira Slmt5es pro-presidente, Reg,
Fotfse, Sfntos, Dr. T. Villas-Boas, Pinto.
UMMCAJUDKkUUA
VKIBVBJLli WO COJIMBRCIO
ACTA DASESSO ADMINISTRATIVA DE 8 DE
MABCO DE 1866.
PRESIDENCIA DO EXM. SR. DESEMBARGADOR
ANSELMO FRANCISCO PEBJETTI.
As 10 horas da manhaa, estando reunidos os Srs.
deputados Rosa. C. Alcoforado Basto, faltando o
Sr. Miranda LeaL por incommodido como parte-
cipoo, o Exm. Sr. presidente declaroa abena a
sessao.
Lida, foi approvada a acta da sessao antece-
dente.
EXPEDIENTE.
ufflcio do Dr. jolz dos feitos da azenda Abilio
Jos TaVares da Silva, datado de 6 do corrente
parteelpando haver nessa data entrado no exercl-
clo do seu cargo. Aecose-se.
Offlcio do secretarlo do meritlsslmo tribunal do
commerco do Maradhfo de V de fevereiro ulti-
mo, acensando a recpgo do qne se Ihe dirhjlra
era 5 do mesmo mez. Archive-se.
Aos Srs. deputados foram atribuidos os se-
gointes llvros:
Diario de Bailar & Oliveira.
ftopiadof (por mehinlTj t' ^Sfc'lfMaBs.
ftariooeepiader n-ftnttmo de Sonsa Oliveira.
dem dem de Manoel Feniandes da Costa & C
Mesa-idem de Mofciro,Crra k C
, Reqaerknetfo le"ts*ip"tlWi Brafl, Antonio
Joaquim Morera de Sampayo e Jos Joaquim Al-
ves, em que pedem o registro do dlstrato social
que justara.Como pedem.
Dito, de Antonio Francisco Carneiro Monteiro,
declarando, em saiisfagao ao despacho deste tribu-
nal que achou procedente a quvida do offlcial
maior sobre o registro do sno contrato social, qne
o art. 16 do citado contrato nao se refero peiigo
argoma anteriormente apresentada, e sim ao que
o tribunal exige geralmente em todos ds contratos.
Satfcfeca o parecer flscul exarado na petico
Jauta.
Dito, de Jos Joaquim da Silva Gomes, Porto-
goez, de M. antros" deTrlae, Jeronymo Joaqnlm
Fiuza de Oliveira, tambem Portoguez, da 45 an-
nos de idade, e Jos Ferreia da Silva, Brasileiro,
da 30 annos, estabelecidos com ioja de tatendas
roa da Cadeia do Recife n. 52 pedlodo matricula
individual, juntando um attestado firmado por
Francisco Joao de Barros, Lmz Antonio Sequeira
e Soutball Mellors & C em que se declara qae go-
zam de crdito publico.Vista ao Sr. derambar-
gador fiscal.
Dito, de Francisco Botelbo de Mondonga e Ma-
noel Medeiros de Sonza, pedindo o registro do seu
contrato de sociedade, que juntara.Vista ao Sr.
dezembargador fiscal.
Dito, de Souza Soares & Irmio, estabelecidos
na roa Nova o. 28, podindo o registro do contrato
social que juntara.Vista ao Sr. dezembargador
fiscal.
Dito, de Jos Mendes Agr, cidado Portuguez,
domreiliado nesta cidade, pedindo o registro da
escriptura de contrato ante nupcial, que por copia
junta.Registre-se e pnblique-se.
Dito, de Alfredo Cardozo Pereira, pedrada que
se admltta i registro a sua noinecao de guarda ll-
vros da casa comraercial de Joaquim Rodrigues
Tavres de Mello.Registre-se.
Dito, de Joaquim Jos de Medeiros, Brasileiro,
de 43 anuos de Idade, estabetecido ha mais d 20
annos com armazem de fazendas seccas por grosso
e a retalbo na cidade do Natal capital do Rio Gran-
de do Norte, pedindo ser matriculado, aposentan-
do um attestado assignado por Jos Matheus Fer-
reira, Ferreira & Araujo e Joaquim MoBteiro da
Cruz em que se declara gosar elle de crdito pu-
blico.Vista ao Sr. dezembargador fiscal.
Dito, de Mello Irmo & C. mostrando ter se sa-
tUfeilo a exigencia fiscal, como se v do addta-
mento 4." condico do seu contrato social, cujo
registro pedem. Vista ao Sr. dezembargador fis-
cal.
Dito, de Bernardlno Jos Monteiro Fllho, pedin-
do a transferencia para a firma deMonteiro, Fi
Iho & Peixoiodo livro di;.no, que Ihe pertencera
e ora de propridade da dita firma.Como re
quer.
E por nao haver mais que tratar-se, foT encer-
rada a sessao s 11 horas B raeia do dia.
SESSAO JUDICIARIA EM 8 DE MARgO DE
1866.
PRKSIDENCIA DO EXM. SB. DESEMBARGADOR
A. F. PERETTI.
Secretario, Julio Gutmaraes.
As onze horas e meia d manhaa o Exm. Sr. pre
sidente declarou abena a sessao, estando munidos
os Srs. desembargadores Silva Goimares, Guerra,
Res e Silva e Accioli, e os Srs. deputados Rosa,
Candido Alcoforado, e Basto.
Lida, foi approvada a acta da sessao antece-
dente.
O Sr. deputado Miranda Leal partecipou que por
doente nao pode comparecer presente sessao.
Assignaram-se os acordaos proferidos na ultima
sessao nos feitos entre partes.
Appetlante, a directora da Caixa Filial do Ban-
co do Brasil nesta cidade; appellados, Joao Luiz
Ferreira Ribeiro e outros.
Appellahtes, os administradores da massa falli-
da de Amorim, Fragoso, Santos & U.; appellado,
Jos Cordeiro do Reg Poiiies.
JULGAMENTOS.
Appellantes, os administradores da massa ralfida
de Arxoriro, Fragoso, Santos & C.; apptrado, Joao
Ferreira da Silva.
Desprezaram-se os erabr,rgos.
Appellantes, os mesmos administradores; ap-
pellado, Henrque Jos" Alves Ferreira.
Foi confirmada a sentnga appeltada por outro
fundamento.
Appellantes, D. Maria Theodora da Cesta Alves
Ferreira por si e como ruiora de seus fllhos meno-
res ; appellado, Jo5o Frederico Jorge Kladt.
Addiado na ultima sessao.
Foi confirmada a senlenca appellada.
Appellantes, os administradores da massa fall
da de Amorim, Fragoso, Santos & C.; appellado,
Jos Ribeiro Gulmaraes Scbriobo.
Desprezaram-se os embargos.
Nao estando na casa o Sr. deputado Miranda
Leal nao puderam ser propostos os seguintes feitos
entre parles.
Appellante, o Dr. Estevo Cavalcante de Albu-
querque; appellados, os administradores da massa
fallida de Rostron, Rooker & C.
Appellante, Joao Antonio Gong alves ; appellado
Rozendo Alves da Silva.
Appellantes, os administradores da massa falli-
da de Amorim, Fragoso, Santos & Companhia ;
appellado, Luiz Jos da Silva Guimares.
Appellantes, os mesmos adminitradores; ap-
pellado, Antonio Jos Candido de .-'onza. I
Appellante, Manoel Ignacio de Siqueira Caval-
cante ; appellado, Joaquim Salvador Pessoa de Si-
anoira Cavalcante. .
Appellantes, os administradores da massa falli-
da de Amorim, Fragoso, Santos & C.; appellado,
Francisco Jos da Silva Goimares, cessionarlo de
Luiz Jos da Silva Guimares.
Teodo jurado sospeigo os Srs. Rosa e Candido
Alcoforado, nao se proceden o sortelo por nao es-
tar na casa o Sr. deputado Miranda Leal.
PASSACBNS.
Appellante, Francisco Antonio de Oliveira; ap-
pellado, Silvioo Guilherme de Barros.
Tendo jurado suspelco o Exm. Sr. presidente
e o Sr. dezembargador SHvi GuiraaTes, o Sr. de-
zembargador Reis e Silva proferiu o seguinte des-
pacho :
Siga a revisSo ao Sr dezembargador Guerra
que fra designado pelo Exra. Sr. conselheiro pre-
sidente da relagso.
Po Sr. dezemOafgador Reis e Silva ao Sr. de-
zembargador Accioli. i
Appellante, D. Maria Theodora- da Costa Alves
Ferreira ; appellado, Joao Frederico Jorge Kladt.
Do Sr. detembargadsr Accioli ao Sr. dezembar-
gador Silva Gaimares.
Appellante, Manoel Antonio Nogueira ; appella-
do, Joao Pereira Caslello Brinco.
DI9TRIBUIQES.
Ao Sr. dezembargador Silva Guimares.
Appellantes, Francisco Gomes Prenles e oo-
tros; appellados, a viva de Manoel Googalves da
Silva e outro.
Ao 8r. dezembargador Reis e Silva.
Appellante, Vicente Moreira da Silva; appella-
da, D. Rita Pereira com assistencia de seu % ma-
rido.
Ao Sr. dezembargador Accioli.
Appellante, os administradores da massaiam-
da de Amorim, Fragoso, Santos & C.; appWrada,
a junta administrativa do Hospital Portugus esta
cidade.
AGGRAVOS IttTBRPOSTOS DO IIZO ESPECIAL
DO COMMERCO.
Aggravante, Manoel Alves Ferreira; aggravado,
Francisco das Chagas Cavalcante de Albuqoerque.
Aggravante, Manoel de Souza Leo Jnior; ag-
Sravado, Jos de Mello Costa Oliveira, como liqui-
atario da firma Oliveira & Pontes.
O Exm. Sr. presidente negoo pro vi ment.
Nada mais havendo a tratar, encerroo-se a
sessao a urna hora da tarde.
ttmjtito, (si isso preciso, pois real
" Motel oem de leve oOendea problda-
o) at que o Sr. Dr. Lima volte
e certo o Sr. Moraeae seos ami
de levara' ultima evidencia
Jjslial pan eom o governo na orga-
. o voluntarios, assim como no des- '
canearemos em quanto nio virmos ponida a mor te
barbara de meu disgracado ira3o, sjam quaes fo-
rem os seus autores. Nojvon morar ao sol.
RasU que o Sr. Tiburtino, aprervaltando-ie de
minba ausencia, me flra pelas costas.
Recife demarco de 1866.
Samuel de Sd Montenegro.
Srs. Reditiltres. Bem qae viveU ignorado,
cuidando nos meios de passaf MMiiHliieute con
minba farattts, Uve alguraas v9zes de fallar com o
Exm.Sr.conselheiroPraBagoa' em negoeiosdoque
me occopo de ordinario, e ful sempre acolhido com '
attengao e lhansa, conieguiodo justiga recta de
sua parte, quer se tratasse de inleresse meu parti-
cular, quer do de pessoas minbas affelgoadas ; e
nao podendo calar dentro em mea peito o nnico
meio de patentear a' S. Exc. meus eternos reco-
nhecimenio e gralido venho agora desejar-lhe
prospera e feliz viagem, assegurandolheque en-
contrara* sempre nrompto a cumprir snas ordens
o seu mais devorado criado
Manoel Thomaz dos Santos.
multados nds anteriores das de satto i
um dos senhores seguinte :
Dr. Angelo Heoriqoes da Silva,
fhoodoro Machado Freir PeffflMBN.
[atonto Goncalves Torres,
os Nnnes de Oliveira.
Conselheiro Jos~Bento da Cunha FigufifreffCi.
Dr. Antonio Vasconcellos Menezes de Drornraond.
Jos de Vasconcellos.
Dr. Antonio Rangel de Torres Bandeira.
Antonio Jos Cordeiro Srmes.
Conselheiro Franeisco de Paula Baptlsta.
Antonio Ignacio de Oliveira.
Aborta a sessao compareceu o Dr. Virgilio ie
Gosmo Coelho, jorz municipal sopplente da segun-
da vara preparador ios procesaos e apresenta para
sotan jaliados na presente sessis 11 completamen-
te preparados o qaaes sarros soguintes :
Romo do Reg Barros, preso por erime de no-
mtrttJTo.
Matheus Jcs Rodrigues, por tentativa de homi-
cidio, preso.
A lei zo Januarlo de Se rra-Grande, por crime de
homicidio.
Manoel dos Passos Netto Neves, por crime feri-
tnentos leves.
Severino Jos Ferreira, por crime de roubo,
preso.
Manoel Mariano dos Santos, por crime da. tenta-
tiva de roubo.
Jos Gomes Pereira, por crime de tentativa de
roubo.
Firmino Francisco Borges, por crime de ferimen-
tos leves.
Venerando Antonio de Olivetra, por erime de
homicidio.
Aureliano Francisco de Oliveira, por crime de
roubo.
Frederico, escravo do coronel Jos Gomes dos
Santos Pereira Bastos, por crime de que trata a lei
de 10 de julbo de 1835.
Dos quaes processos fez-so a chamada das teste-
munhas e acbando-se a hora adiamada o Sr. Dr.
juiz de dreito ordena Ihe fosse feilo todos conclu-
sos e levanion a sessao addiando-a para o dia se-
guinte pelas 10 horas da maoba.
6 DE MARGO DE 1866.
Presidencia do Sr. Dr. Hermogenes Scrates Tav-
res de Vasconcellos, prmetro substituto ia pri-
meira vara de direito.
Promotor publico Dr. Joo Thom da Silva.
Escrivo Joaqaim Francisco de Paula Esteves
Clemente.
Advogado o Dr. Antonio Jos da Costa Ribeiro.
Reo Rumio do Reg Barros.
Feita a chamada as 10 horas da manhaa, acha-
vamse presentes 48 senhores jurados.
Foram dispensados a bem do servigo publico os
senhores :
Dr. Luiz de Albuquerque Martios Pereira.
Dr. Joo Francisco Teixeira. *
Decio de Aquino Fonceca.
Foram multados em 209000 cada um dos jura-
dos j multados nos anteriores dias de sessao e os
que faltaram hoje.
AberU a sessao procedeu-se ao sorteio do conse-
Iho de sentenca, ao que foi deferido o juramento
dos santos Evangetbos ; foi o reo interrogado e fei-
ta a le i tura do processo da forma gao da culpa, des-
envolvida a aecusago e defeza e depois da repliea I a,TD"irio"do qoeoTor^HTOaT: co^effeltoTnem
etrepliej., feito o resumo e entregue o processo hora adiantada da noito, neas o rigor das esta-
com as questoes de facto ao presidente luterino do c5eS| nem 0 temor do mortrero conugio as occa-
juiy de sentenga, que se retirando com os de mais | gl6es em q(le eWade ge acbaw ettrBgue aos hjmr
membros delle para a sala secreu das eonterencias | rores do cMm reiiveram os passos de V. Rvma.
para a casa do moribundo, a quem eram necessa-
rias as coosolacSes e os soccorros da religiao do
Crucificado.
Com taes litlos de glora, nao posslvel qae a
memoria de to i losa administragao parochial
deixe de nos ser sempre cara saudosa.
Se bem qoe V. Rvma. desejasse por vezes a
exonerago d'esse cargo qoe to proveitosameote
exercea por cerca de seis anuos, tanto o Exm.
Bispo fallecido ; como o Exm. Vigario Capitular,
apreciadores de suas qualidades religiosas e mo
Ao Rm- Pri Antonio de Santa tita.
Os abaixo assignados, paroebianos de S. Jos do
Recife, teado coohecimeolo da exonerago qoe
V. Rvma. acaba de ter do logar do vigario interino
d'esta freguezia, faltaran a um dever de gralido
e justiga, se pelo presente deixassem de significar
bem profundamente a V. Rvma. os protestos da
mais distmeta considerago e respeito, pelos inau-
meros beneficios derramados sobre esta freguezia
no arduo desempeobo das nobres funegoas do sen
ministerio.
Os paroebianos de S. Jos do Recife, teem cons-
ci enca de qoe neo huma nodea, por mais leve qoe
seja, embtea o bello concert de que V. Rvma.
credor, pelos relevantes sorvicos prestados mo-
ral e religio, em todas as pocas, ainda as mais
calamitosas porque haremos passado ; e, pois, nao
receiam que a injustiga cu a ingratldo possam
attingir o ministre de Senhor, coja fronte brilha
com a aureola da placidez candida urna alma, qoe
bem compreheodeu e melhor cumprio o sen de ver
sagrado.
Donando a administrado parochial desta fregne-
zia, vai V. Rvma. reposear tranquillo na pax de ana
conseiencia, e embora arredado das funreoes qoe
to nobTementoexercera, mereceodo sempre lou-
vores do Exra. Vigario Capitular, eomo se v no
expediente do bispado. publicado nos jornaes des-
ta cidade; a V. Kvma. fiear a gloria de ter sido
ora parocbo em qoem nunca fallecen a caridade
evanglica, que se manifestav em todos os seus
acios.
Ningo*ib pod> sor mais humano para com os
pobres, mais assiduo e laborioso nos actos do seu
pelas 2 3[4 de horas, donde voltou depois de 1|2
hora cora suas resposlas, que foram I idos em alia
voz pelo presidente do jury de sentenga, em vista
de coja decisao o juiz absolveu o reo coradenando
a raunicipaldade oas custas e levanta a sessao ad-
diando a para o dia seguinte pelas 10 horas da ma-
nhaa.
Os Senhores :
Jos Siares Leite da Costa.
im Esteves de Souza.Pires.,
gfcisco Joaqnm Mofoira.
pl Ignacio Cardos,
lo Jos Ferreira Jnior, .
nio de Oflvefra Leite Bastos.
Bellarmlno Jos Pinto Osorio.
Maooel Joaqlum GoogalvesJCarneiro.
Jos Pereira dos Santos.
Antonio de Souza Pereira.
Antonio Ferreira Mala.
Minoel Gongalves Torres.
Roberto Luiz GoorOilvos.
J"io Ignacio da Costa.
Pterentino de AlmeW Pinto.
las Flix da Cunta SnaWe.
Antenio Rodrigues Vietra
Faustino Jos Gomes Vieira.
Joaqotm Lopes de Arevedo.
Jos. Antonio Maenoda.
Domingos Pinto de Freitas.
Manoel Ferreira Pontes.
Manoel Augusto Candido Pereira.
Secretaria do Monte Po Portuguez em Pernam
bnco, 6 de margo ds 1866.
Jos da Sijva Loyo,
Presidente.
Joqoim Gerardo de Bastos,
2o secretario.
ATyrjgtJggTWcere posto a bordo 17JOO0 por
LoMres m-4/ftM el|8
Duaoorcq Janior,
Siliafra,
Seonotaxio.
XoTo basco ele sBeiuai
0 *wa Banco iMcoit k letm a l por eenlo
ao ato, toma diafceiro raso feo ou eso eott
e* nusi
CURA
Espantoza e Adniiravel
DE UMA CHAOA
CANGROSA E ROEDORA
O
POLYPO NO IVARIZ.
iNOVO BANCO DE PERNAHBUCO.
Balancete do Novo Banco de Pernanibueo, em 28 raes> DUnCi 0 ,,,,.3^. Agora> p0rm> qQe COm
de ferereiro de 1866. a morte do Rvn. parocbo ia V. Rvma. nsufrnir o
activo. mdico estipendio que peroebem os vigarios en-
Apoiice* da divida publica........ 870:8095000 commendaoe, cortrem qat nao V. Rvma. vem re-
Esirads de ferro ds Bahia........ 131:0744706 ger os deis d'esta parochia. Altos sao os juizos de
Joins depositadas...... o:73o5280 Dcus : se os servigos de V. Rvma. nao sao galar-
Titulos depositados...... 60:988930 doados devrdameote, resta-lhe o testemoobo de soa
Letras caucionadas
Letras descontados
Letras receber .
Letras protestadas
Banco da Bahia N/C
4:5303000 consciencia, resta Ihe o amor e gralido dos paro
1:259:5553027 ehianos de S. Jos que se confessaro sempre de
16:3063555 V. Rvma. subditos submissos.
223:34135941 4 de margo de 1866.
172:7833878 Maooel Antonio Ribeiro.
Francisco de Figueiredo & C, do ,t_ i ifo Jos de Albuqiwrqne.
Rio de
Aluguet' de casa
Pornecimento .
Juros...........,
Despezis geraes
Caiza........
61S3500
3:0003000
12:0583574
5:9703418
61:6483344

1 de.Hgueiredo &u,00 ,, / ^.i_.
Janeiro................ 287:7|33t39 Tibarcio VaienanoBaptista.
>mn Juveocio AoreHano d*a Cunta Cesar.
Igoaekj Pessoa Estevos da Suva.
Jos Francisco de Souza Lima.
Joo Pacheco Alvos.
Jo' da Costa Carvalho Gaimares.
Bacharel Joao da Cesta Ribeiro Machado.
3,118:3153948 Manoel Osmundo da Cmara Pimentel.
Manoel Joaqom Ferreira Esteves.
Jos Crisp aro da Silva.
Dionizio Hilario Lopes.
Jos Hygino de Souza Peixe.
Marlioho Jos dos Santos Braga.
Joo Francisco Bastos de Oliveira.
Reis....
PASS1VO.
Capital..........2,000:0003000
Em circula-
cao..... 124:6503
Em caixa.. 4:5003
________ 129:1503000 Bernardo Falcao de Souza.
Letras por dmbeiro recebido a ._.
juros.......................... 177:8563310
Contas correntes com juros 293:02oj342
Cuntas correnlessimples.......... 23:148;97i
Fundo de reserva...... 122:8263835
Ttulos em caugo..... 66:7243210
Banco da Bahia S/C
Knowles & Foster, (de Lvoaru.l
Massas fallidas cargo do Banco.
Dividendos........
Juros Un garanta da emisso.
Premios e commissdes..........
Premios de saques e remessas. .
Descontos........................
147:6543133
153270
3:3913*61
2:0803000
31.-8463 i 40
4883758
3423677
119:7653835
Ris. 3,118:3153945
Estado da caixa.
Em ouro amoedado.....
Em notas do thesouro de 103000
Era ditas menores de 103-
Em ditas da caixa filial do Ban-
co do Brasil. ......
Em ditas do novo
Banco, seudo:
14 de 2003 2:8003
13 d- 1003 1:3003
8 de 503 4003 .
Em trata e cobre.
Ris.
Belrairo Pessoa Esteves da Silva.
Marcelino Ausberle Lopes.
Jos Gongalves de Sa.
Bernardo Jos da Roeba.
Joaquim Jos de Carvalho.
Marcolino Ferreira da Loz.
Maooei Francisco Parede.
Jos Antonio Pereira.
Manoel Antonio da Silva Moreira.
Jos de Mello Trindade.
Jos de Mello Trindade Jnior.
Joao Martms da Silva Villela.
Candido Jos ds Silva.
Pedro Jos da Rocha.
Antonio Alexandrine Alves.
Luiz Francisco dos Santos.
Manoel Cosme de Moraes.
Jos Franeisco Braodo.
Sebastio Valeriano Alves de Souza.
Antonio Jooquim de Carvalho Menexes.
Joaquim Antuoes da Silva.
Francisco dos Santos Moreira.
i-aonKnnn Ludgero Antonio de Albuquerqcre MeHo.
1 20*uw I Luiz Antonio Veroes.
Heoriqoes Jos dos Santos.
Manoel Novaes da Costa.
Adolphe Bernard Beranger.
Custodio Manoel Theodoro.
Joo do Aniaral Raposo.
Antonio da Silva Rocha.
Joo da Losta Campos.
c 1 Af a', Tbomaz Amonio Coimbra de Sampaio.
M.6403344 L(Jjl Mjf,jns pjmo -
I Joo Gomes Ferraz.
Antenio Miguel Sitverio da Silva.

53:1373200
1103000
233000
4:5003000
1:8473344
Demonstrace da emisso.
340 notas do valor de 2003000 Mt**T^!'*'*fliTf lilTiillll flitlitirnrttJMjlT"n
103000 42:0003000 Joaquim Jos Leto
503000 19: O3OOO; Vicente Ferreira Pinto.
Benjamn Constan! da Caoba Salles.
420
383


S. E. e O.
Ris 129:1
O guarda livros
Francisco Joaquim Pereira Pi
Correspondencias
{'
Srs. Redactores. Comeen por notar orna coinci-
dencia, para mim de grande stgniflcago; e a se-
Suinte : mnitos dias antes de en partir de Villa
ella tive repetidos avisos do qoe se pretenda as-
sassinar mea irmo, o infeliz Dr. Estevd Benodlc-
te FTanea.a cajocanbecimento leve oque mecons-' Joo Valentim Ferreira Bastos.
' tava. Em qr/anto, porm, estive em Villa Bella, Francisto Antonio de Mello.
' ningoem oozou tentar contra sua vida; apenas re- Jo8o de Aze^redO Pereira.
Clandino Jos de Siqueira.
1 Antonio Jos Gongalves Plexe.
Hennques da Silva Moreira.
' Anaonio Jos Pereira da Cnnha.
Antonio do Espirito Santo Sena.
; Aprigio Jos da silva.
! Maximlanc de Souza Pimentel.
O tbesonreiro da rmandade do Santissimo Sacra-
mento Jos Pinto do ttigolMee.
Bernstdho de Sena Ribeiro.
Jos Mauricio Borges.
' Maximino da Silva Gtismao.
Jos Francisco de Menezes Amorim.
Francisco Jos Ferreira Bastos.
JURY DO RECIPE.
8 DE VARCO DO 1866.
Presidencia do Sr. Dr. Joao Antonio de Araujo Frei-
tas Hennques, juiz de direito da prhneira vara
criminal.
Promotor publico Dr. Joao Thom da Silva.
Eserivio Joaquim Francisco de Paula Esteves
Clemente.
Feita a chamada as 10 da manbia, achara se pre-
sentes 43 senhores jurados.
Fdram dispensados por doentes os senhores:
Justino Pereira da Paria.
Eduardo Frederico Banck.
Dr. Venceslao Garcia Chaves. I
A bem do servico publico os senhores ;
Antonio Eotalio Monteiro.
Coronel Domlogos Affonso Nery Ferreira.
Mmervlno 00 >ouza Leo.
Relevados da malta os senhores:
Dr. Joo Vicente da Silva Costa.
Dr. Julio Angosto da Cnnha Gnimarias.
Foram Bailados em mais 303000 os jurados ja
tirei-me, o assassinaram.
Ha muitos dras qae sel qat) se acha nesta cidade
o Sr. bacharel Tfbnrtno Barbosa Nogueira brava-
teando, que seo cunnado Antonio Xavier de Moraes
bavia de responder fortemente a meu respitavel
lio o Sr. Dr. Joaqnlm Gonsalves Lima. Qulz desde
logo provoca-lo a apresentar-se elle ou sea cunba-
do a discutir coraigo os negocios de Villa Bella,
foi porm obstado por conselhos de amigos, qoe
disto me desvlaram. Mas o que acontece f
O Sr. Tiburtino sabendo qae boje embarco para
o Rio de Janeiro, e qoe por consegoiote, me acho
inhabilitado de pulverisar a elle, e aseacnobado
em orna larga discusso, eis que maoda boje mes-
mo publicar o sea estudsdo tecido de fasidades
grosselras, e de Insultos arrlelraes contra o mesmo
meo uo Dr. Lima, cujo carcter honesto, e por de-
ntis conheejdo por te dos os seas patrelos desta
provincia, asta' todava, to cima do *r. Xavier
de Moraes, qae por ceno Ihe nao chegario os pa-
trios vapores de soa colera 1 Qae maldade de
proceder 1
E por que nao ru posslvel esmagar orna por
orna dessas fasidades repugnantes e asquerosas do
Sr. Xavier de Moraes, contra qoem, no particular' nao o fazehdo, cdnslderTio-ha terem renunciado
de qoo se tralca, temos o testeTounho de tollos os aos fllrertos que lhes divam as saas assignaturas.
bomens do bem de Villa Bella, rogo ao poblieo qne | Segnem osnomes.
Lotfgero de Paula MWra Lima.
Joo Jos Barroso da Silva.
Jos Paulino da Silva.
Petismino Tbomaz de Aquino.
Francisco de Medeiros Raposo.
Joaqiim do Medofros Raposo.
Manuel da Ponte Gomes.
Joo BjrpNsta de AlWrqnerqbe.
Manoet Rodrigues de Oliveira.
Alfreda Tbenrrtocles m Gabral VascoMUIos.
Romarico Ltilx de Frtttas.
(Seguera-se multas ootras assigWitaras, que so
omrttem por cama do espago.)
-------- -^-- ---------
Monte Po Portngnez.
Ignorando-se a residencia dos Srs. abaixo men-
cionados, que se inscroTeram como socio do Monte-
po, sao os mesmos Srs. convidados a deixarem
ama nota da soa moradia, no praso de cinco drs
a contar da data do.presente Ununcio, n Praga
da Boa-Vista n. 4, no GaWbrePortagOez de Leliu-
ra, ou na ra do Cespo n. rrvftrla do Sr. No-
gueira de Sonza, aflm de pfdorettt set procurados:
Urna oreada de Bervir residente em Pernam-
bnco e pertencente k TxT Sefir?. VrscoiTDKsaA
de Goianna, foi attacada d'uma terrivel cha
ga caacroea e roedoraou Poljpo no Naris.
A mesma involvia e tomava todo a parte in-
ferior do nariz, amelando j diatruir tanto a
porte cartilaginosa como o mesmo oso ; Come-
foa primeiro por apparecer sob o beico supe,
rior e parte da face, extendendo-ae por tal
forma e com tal rapidez, qne em pouco amea-
cava transformar todo o rosto n'nma enorme
barga viva e asquerosa. Durante todo este
terrivel estado, todos os recursos medicnaes
que em taes cazos se uzao forSo abundante-
mente empregados, sem que de leve uzease
parar a mafeba lenta e distrnidora de to hor-
rivel enfermidade, e todos os mefoB e eeforcos
forSo baldados, e no em tanto o mal cresca eis
qus por milagrosa fortuna da infeliz estando
as couzas neste ponto, se experimenton pela
vez primeira a
SALSAPARRILHA
DE BRISTOL.
O efleito produzido, quasi que instantneo
por este inestimavel remedio foi verdodeira-
mente mar v-ilb oso e sem igual; este grande
purifleador do sangue e dos humores do bvb-
tema, immediatamente pz um termo mar-
cha disastMoa e fatal da molestia, derramndo-
se e infiltrando-se atrav^sdos tecidoa os maif
delicados do corpo, expellindo at ultima
propriedade ou vestigio virulento da molestia,
e dentro d'ura curto espaco de tempo produzio
ama
CURA
Completa e Radical.
Bate feliz quao admiravel resultado foi obtl
do apenas com o simples uso
Duina so nica Garrafa!
d'este incomparavel e napreciavel depuratorio,
recommendamos portante todos os Doentes
que procorem obter com o maior cuidado a
nica e verdadeira Saisaparrilha de Briitol,
nicamente preparada por
LANMAN & KEMP,
De VOVV YORK,
no certeza de que, todas as mais prepara? des
imitativas nao valem para couza alguma
Vende-se as boticas de Caors & Barbosa
e C. Bravo 4 C.
Xarope alcbooHco de veame, preparado
pelo pharrnaceutic Jos da Rocha Paranhos,
estabetecido cora botica na roa Direita n.
88 em Pernambuco.
Este xarope ineontestavelflienle superior
a todos os xaropes depurativos, de cuja
cotnposicjio o seo maior ele 1 ento a salsa
parrilba, pois que se tem conhecido *ser o
veame mais enrgico para a prompta cura
das molestias, cuja base 'essencial depende
da purificac5o do sangue ; assim pois se
tem verificado por muitas pessoas que se
achavam desengaadas, as quaes acham-se
hoje restabeleeidas com o referido xarope
alchoolico de veame; entretanto que al-
guns, teado usado do xarope de Curmier,
de Larrey, de salsa parrilha, de saponaria,
oleo de ligado de bacalho, e outros agentes
desta ordem nada conseguiram: E' elle de
fcil digestao, agradavel ao paladar e ao ol-
phato Algons mdicos desta cidade e da
de Macei o teem recommeodado para a cor-
ra das
Iiopigens, liaba, escrophulas,
Tumores, ulceras, escorbuto.
Cancros, sarna degenerada, flaxo ako.
Todas estas affeccOes provm de urna can-
sa lerna; nao ha pois razao alguma em
crr que ellas se podem curar com remedios
externos. Tamtrem se presereve o xarope
alchoolico de veame para o tratamento das
afleccOes do systema nervoso e fibroso, taes
como:
Gotta, rheumatismo, paralysia,
Dores, impotencia, esterilidade,
Marasmo, bypocendria, emmagrecimento.
O xarope alchoolico de veame solrre
todo, da maior Otilidade para curar radi-
calmente, e em pouco tempo o rheuma-
tismo.
Advertese que o verdadeiro xarope s se
vende nesta cidade na botica cima indica-
da, do abaixo assignad; e em outra qual-
quer parte que se tem annunciado nao da
mesma romposicao, e nem o abaixo assigna-
do se fesponssttlsa.
Jos da Rocha Paranho$.
COMMERCO
PFUgA DO REFK.
ajotaioes tilHciaies.
9 de taarej.
As 3 1|2 horas da tarde.
Algodd 1" sorte16*700 por arroba.
clonar, a taca sofera a
ala
Caixa filial do baneo A Brasl
De ordem da directora se faa pnlieo ajn*
ihesoreir) desta cala se actia anortado a pajar
o dividendo do semeste;lodo em 31 de deztotbro
prximo passado, na razio de 12*000 por aenio.
Caixa filial do banco do Brasil 15 da Janeiro
de 1866.
O guarda-hvron,
Ignacio Nnnes Correte-
aLFANDBGa.
Rendimento do dia l a 8..... i19i9nfg.il
dem do dli 9............... 53:081*^62
20?:30RJ333
MDVIMENTO DA ALFASDEia"""
Volnmes entrados cora fazendas... 936
t c com gneros... 105
Volnmes sabidos cem fazendas----- 71
s i eom ^eneros----- S41
MO
511
Descarregam hoje 10 do mareo
Vapor inglezAmazonmercadorias.
I'aiacho.inglez Indine reMo de farinba.
Sumaca argentina Noca Carlotacbaifloe.
Brtgne nacionalFlurntHensedem.
Barca nacional Uuaraltinidum.
Polaca argentinaMontevideoidem.
Importfa^So.
0 vapor nacional Paran'_ entrado feo ant*w feo
Norte; manifestou o seguinte :
Uo Para.
1 bahn' obras de ouro e prata, 4 caias urba-
nas de descarocar algodao, 8 ditas e 142 oarrut
banba de porco ; a ordem.
Mercadorias importadas do Per.
3 pacotes, i fardos e 4 caitas em 3:451 cha-
peos deCbili; o ordem.
Mercadera Nacional.
148 rollos com 76 arrobas de salsa ; a naden.
Do Maranhao.
400 saccas farinba de mandioca, 200-ditos si-
lbo ; a ordem.
Hiate nacional Garibalde, entrado d Oara' con-
signado a Tasso Irmos; manifest* o segninte :
312 barricas vazias, a ordem.
De Macio.
111 saccas com 382 arrobas e li libras de cera
de carnauba, 34 tareas com 180 arrobas e 14 li-
bras de algodao ; a Gama & Silva.
2 saccas com 10 arrobas e 8 libras de algodo;
a ordem.
2S0 aiqueirM de sal, 200 molhos de paiha de
carnauba; ao Capillo.
Uvate nacional Sobralence, entrado do Araraiy,
oonsignado a C. C. da Costa Moreira; manJutoo
o seguinte:
De Macan.
190 alqueires de sal, o molboa de anta; a An-
tonio Gomes Pereira.
94 saccas com 400 arrobas, a 27 libras de algo-
dio, a Quinliliar.o Gomes Pedrozo.
4 ditas com 18 ditas e 6 libras, de dito Jos For-
guato de S Cavalcante.
Do Aracaly.
47 saccas com 268 arrobas e 29 libras de aigo-
do, a J. Pater & C.
6 saccas com 22 arrobas e 5 libra fea aJgadso a
Gomes de Mallos.
4 saccas com 14 arrobas e 22 libra de ilgeiio,
13 dites 52 arrobas de cera de carnauba, 50 rai-
zas 50 arrobas de velas de dita dita, e 64 retios
de sola; a ordem.
8 couros salgadoo, 64 saccas com 251 arrobas a
5 libras de algudo; a Jos de Sa' L. Jnior.
Hyate nacional iVoto Invenctvel, entrad do Ara-
ty, consignado a Silva & Alves; manifestou o se-
guinte :
61 saccas com 35 a.'queires de gomma de man-
dioca, 23 ditas 92 arrobas de carnauba, 367 caas
349 arrobas e 26 libras de velas de carnauba, 28
mi'lhos 280 esleirs de palba de dita, 3 volnmes
13 arrobas e 19 3/i libras cera de abelha, 3 coa-
ros salgados, 160 meios de sola; a ordem.
Hyaie nacional Sergipano, entrad de Maru,
consignado a A. 11. Jos Vieira ; manife^tun o se-
guinte :
440 alqueires de sal, e 300 molbos de palba da
carnauba; a ordem.
RECEBEDORIA DE RENDAS INTERNAS GE-
RAES DE PERNAMBUCO
Rendimento do dia 1 a 8...... 22:419*184
Idem dodia 9................ 1:747*289
23:866*473
CONSULADO PROVINCIAL
Rendimento do' da 1 a 8...... 55:489*744
dem do dia 9............. 4:842*231

60;331*?75
MOVIMIENTO DO PORTO
Navios sonidos no dia 9.
AracatyHiate brasileiro Exhalacao, capiaoTra-
jano Aotunes da Cosa, carga ifferenles gene-
ro?.
Havre = Bripue fraocez Hni, capito Descbamp-v
carga algodo,
Portos do Norte Vapor brasileiro Paran, eom-
mandante o capitao de fragata Santa Barbara.
Nao houveram tntradas.
editTeT
O Dr. TrisUTo de .Menear Araripe, official
da imperial ordeno da Rosa e juiz especial
do commercio nesta cidade do Recife de
Pernambuco por S. M. I., etc.
Faco saber aos que o presente edital v\-
rem e delie noticia tiverem que no dia 26
de marco do cor rente anno se na de arre-
matar por venda a quem mais der em praca
publica deste juizo o seguinte:
Duas canoas de carregar tijollos, sendo
urna em perfeito estado e a ostra can bas-
tante uso, ambas por 180^1000.
Urna dita de car rer a em mo estado por
300000.
Seis cadeiras de n adeira de Jacaranda,
sendo daas em mi estado, por bQQO.
Dous codsIos da mesma madeira Com
tampos de pedra, ambos por 32-5000.
Um sota'da mesma.madeira por 281000.
Qatro cadeiras de bracea da mesma ma-
deira a 205000 cada urna.
Dous espetaos da mesma madeira,. gran-
des, a 4<"*i0 cae* um.
Duas cadeins de bataneo, de Jacaranda,
sendo usadas, por io0C0 cada urna.
Urna cmoda de amareUo nm bom estado
por 20^000.
Urna marqueza usada por 40000.
Um aparador de amarello por 120000.
Tres camas de ferro em o estad a
50000 cada urna.
Uma mesa de jantar de madeira re aoa-
tello por 150000.
Os quaes foram penljorados por exeeu-
c3o de Francisco Alve3 de Moraes Pires
contra Francisco Botelbo da Andrade.
E nio bavendo lancador que cubra o>
preco da avabac3o a arrematacao ser'feita
pelo preco da adjudicacao na frmala Jei.
B paTa que ebegue ao conhedmento de
todos mandei passar o pOHMP qoe ser
publicado pela imprensa^e iffixado aos la-
gares do cestwne.
Recife, 7rJe marco de IW6.
fia Maooel Maria Rodrigues do Nascimeo-
to, eserivio, o subsei^H
Tristo (kAtmcar Ararip*.

1,
'i I


\
k:l
I

\


1



Dlarto fe Wer*****t9 Wakbsde t o te 1866.



i?

14

O Dr. Tirfilw deGosraiOj
astate en efei
>*i. Vlfccifc
Sf. O. Prdru II, a
laca saber pelo presea i* administra-
tiva 4a Sasta a*a |g Reefe, por
s*o procarador rae eod tigo (de theor
itivi da Santa Gasa de M-
Bento Ala da Silva
clelo.
Jos Anseteles 16s Santas
Jeso.
Manoel dos Santos Peilota e
Santos.
Flix Vielra de Brito e Mara
ceigo.
Manoel Jos Bezerra e Mara Francisca de Jesas.
Candido Antunes Bezerra e Antonia Francisca.
Jimios Marta da Cos-
i ArftoQi Marta de
Anna Joaqoiaa eos
Pastora da Coo-
Btrteordfa s que querlazer citar aos her- ; Pedro Francisco Gnedes e Mara Viodemial de San
eMroe de M tarreira de Mello, para a pritnel-1. a Croa.
9m aos termos 'de un libello lEmygdio Jacome de Aranjo e Mara Rita da Con-
adir o sitio de n. 18 particular, I ceigo.
i Salinas, do qoal se acham de Antonio Crispina dos Santos e Mana Antonia da
josas-por titulo de aforamento folio ao dito Miguel Cooceico.
Ferreira do Mello, visto terem os suplicados ca- Virginio Xavier de Olivelra e Lucinda Maria do
n4o em commisffl cotno-melhormente se exprs- Espirito Santo.
asa* a sea libello, pena de reveWa, loando logo Jos Manoel da Lyra e Maria Jos da Conceicao.
tatitos para tedas os termos aa causa al final exe- Francisco Xavier Teixetra e Josepha Maria do Ro-
barte, sario.
& porque a sopplicante ignore quaes sejam es- Jos Francisco do Nascimento e Anglica Maria de
e* terdeiro<, pJr isso requer a V. S. se digne i M jura.
masflar passar cartas de editos.com o prazo de 60 Manoel Joaquim de Maria e Maria Francisca da
4ias para serem os supplicados citados por lodo o Conceioao.
onteudo nesta.Pereira e Soma.Proc civ. n. Luir Mara de Abren e Josepha Maria da Con-
99S. ceigo.
Portante pede o Illm. Sr. Dr. jnli municipal da Joaquim Gomes da Rosa e Rosaltoa Gomes de Aze-
exonda vara assim Ihe dsflra.E. R. M. M.Lo-1 vedo.
i procurador Jos T/ieodoro Gomes. Manoel Francisco Bezerra e
AVISO! MMITlllJflS
o Rio de Janeiro
vai sahir com poucos dias o brigue Adelatde por ter
1 maior parte do car regiment tratado, o para e
B nesta petico que me (oi apresentada dei o
cespacno do theor segoiote:
Destrtbtfda como requer. Reclfe, 28 de feve-
reiwde 1866.Codlho.
sendo feita a distriboigao ao escrivo deste
Antonia Maria da So-
Florencia Maria da Cen-
ledade.
Jos Barbosa de Lima e
ceico.
Manoel Doarte de Albuquerque e Mara da Gloria
de Albuquerqae.
juizuGuilherm'Augu-t > deAthayde.esle em obser-. Antonio Bescina Dias dos Santos e Thereza Mara
vasda a este nreii .espaelio, fez passar o presente de Jejos.
dita! pelo qual e sea theor, chamo, elfo etiei por vibras mais as seguintes PETigoES de dispensas,
citados-a todos oshvrdeiros do mencionado sup'ph- que devem ser procuradas na ra da cruz do
cado Miguel Ferreira de Mello, para que dentro do recipe n 56.
praco de 60 dias comparecam por si on por sens Gervazio da Costa Lyra e D. Anna Mara de Jess.
procuradores adte este juizo, allegando e provando Francisco Jacinlho Lopes e Anna Petrontlla da Sil
tapetes, panno 4e mesa, i campa, 2
" qaadros, 4 fraaeos, 2 aiae parla'
Jara e rongas,%*ea8*Joui torrina-
de 3 bicos.
Sala 4e espsw.
i mobilia de cedro, 2 cadeiras de ferro tom la-
ja*c,2 ditafde palha oom bataneo, asad ros, 1
resto que Ihe falta e escravos a freie, trata se coa banca de abrir, 2 jarroa'oucado!,, 1 Jogo de cha-
o consignatario Joaquim Jos Goncalves Beltrao, drez, I dilo aamio,-3 tapetes e i lastra de 3 bicos.
na ra do Vigarlo n. 17, primeiro andar. Sala derjaottf.
Para Lisboa pretende sabir com brevidade : 4 Bie/a elstica, i aparado*, i dito "*eom pe(ka,-(
patacha portuguex JOS' por ter parte da carga i ^rd* ,0*a> 2 mesas -do abrir, 1 tjuaritaheira,
tratada e para o resto que Ihes falta trala-se com o .J"n''' *to*hina para fazer f eo, calxa par*
consignatario Joaquim Jos Goncalves Beltro, na 80 'esa%, 12 cadeiras americana*, 1 appare-
rua do Vigarlo n. 17, primeiro andar. In'de porcelana para jamar,1! tOHP4MIi?RIS.Lml ^^^\M^rMSS
A VAPOR.
3ZT
DE
FAZENDA E ROPA FEITA
m: i sova iv. a.
PAOLETES
E' esperado dos portes do sul
at o da li do correte o vapor
Santa Cruz, o qual depois da de-
mora do costme seguir' para
____os portos do norte.
Desde ja recebem-se passageiros e
engaja-se a
carga qoeo vapor poder cooduzir a qual devarda rropa, l Wletecora"VeD7* cownod*, 1 la
vatorlo, 2 cas francea, 2 bws, 1 peTla-lea
Ihas, 1 sofBl tapetes.
ser embarcada no da de soa chegada, encommen-
das e dinbeiro a frete at o dia da sahida as 2 ho-
ras : agencia roa da Cruz n. 1, escriptorio de An-
nio Luiz de Ollveira Azevedo & C
COMPANHU BUSILEIBA
DE
a qoe Mr a bem Un eti direito e jastica, sob peoa
ttn se proceder as sues remellas.
Portanto toda e qualquer pessoa, parate, amigo
oa coobecidos dos referidos herdeiros, poder-lhes-
*5o Cazer sciet do'todo o expendido.
E para que chegue ao cenhedmeno de todos,
tnamiei facer o presente que sera' alBxado nos lu-
gares do costume e publicado pela tmprensa.
l)4o e passado nesta cidade do Recite de Per-
nambuco, aos 3 Se marro de 1866.
E Guilheriie Augasto de Athnyde, escrivo o
suli va Yellarm.
Joaquim Venancio da Cunha e Martinha Guilher-
mina dos Santos.
Castor Jos Maria e Joanna Maria da Conceicio.
Manoel Claudio Bezerra de Menezes e Claudina Ge-
sar Bezerra deAndrade
Bellarmino Pereira da Fonseca e Beliarmina Ma-
ra da Fonseca.
Francisco Guedes da Fonseca e Maria Augusta de
Paiva.
Miguel dos Aojos de Oitveira e Candida Maria do
Nascimento.
PAQUETES A VAPOR.
Dos portos do norte esperado
at o d
canlms
lente Araujo. o qual depois da
'demora do costume seguir para
os portos do sul.
Reg & Moura, proprietario daloja de fazeodas e re upa feita, sita ra Nova
n. 24, verrJadeirMBente penhorados e reconhecidr.s para com seus amigos efreguezes,
re, garrafa, compoteiraa, 'copo*,- clices TTe ftao Pla iceitac3o e con8an?a que delles tem merecido no curto espaco de lempo em que
crysiai e cerca de 600 garrafas vazia*. se actiam esbelecidos e perfeitameute escudados na siDceridade dos seos tratos, decla-
i mobiiip d?j.caDa1lK; tapates, i candelabro, 2)wrdk,2'caixc coto- K1"6 concuTMncia que tem jnerecido o seu estabelecimeoto, especialmente no que
ra, 2 estantes, casiicaes *4nags, escarratfeiras e reJativoa roupa feita; acabam de admittir para a saa oflicina de alfaiate maior numero
i candie.ro de gaz deariistas,. ia lusive o seu centramestre, dirigido pelo hbil me3lre Uoria>sO Jos de
ijuarda udol? JtS esp^ho,, guar- JJ^fe %,~a? poupa exfor?os para sal,sazer com a P^steza possivel qualquer"
Oj mesmos annunciam aos seus freguezes que acabam de comprar um novo e
, mutto variado sortimento de fezendas finas e de bom gosto, proprias para o tempo da
2 suardarpa, i guXe>do. t commodas, quarema' f quas esto dispostos a vender por precos muito commoiios e mais barato
1 cama de tarto e tortinMos, 2 cabiftes, tapeta/ esperaos, i cadeira privada e i nanbwro de flan- Como smpre escusamos essa enfadonha prolixidade dos anooncios bombasti-
Diversos 'Hffr.. i p,!*^ 4 wr a. k h c08' Prefermos mostrar na singeleza deste nosso convite os bons deseios qos ootrimos
mwwS&l'iSZ iTSSSnt M P^faemservirmos quelles que vierem ao nosso reclamo.
ptDgardas sendo anta dem Cauq, outra de 2 ca-
ia 20 de m^Vfo o"vapor' To- Pf^ pul*'ha cajabiot,^2lWBs iiiglezes^l*- Pagase w> escriptorio da companbia peroam
i, coramanflante o primeiro [f*0- bacafctla, dferefltes mms com crtaruto^ bocana s
Havana e raoilos- dutros arflgo que estario
exame dos coocorrdntes.
Segunda-fe! ra Gb marco
somente aos sabbades, e em presenta das
respectivas acedes, o 1 dividwido a raio de 10,5
por aeco : po es/riptorlo, large da asse*mbla nu-
raeTB i. /
Desdeja recebera se passageiros e engaja-se afaPassagem da MafljflalHa' Drimeiro SUo
carga que o vapor poder conduzir, a qnal dever
N. 59 rs. 400. Pagou 400 rs. Recite, 3 de marco Antonio Soares-da Silva e Anna Leocadia de Mello.
de 1866.Chaves. Sena.
Vai -pagar 250 rs. de direitos de chancellara.1
B-v.rte, 3 de marco Oe 1866.-0 escrivSo Athayde.;
S. 1222. Pagou 250 rs. de direitos de clwncel-
lana. Recife, 3 de margo de 1866.Chaves.Li-
mwiro.
TrausKoa pela chancellaria. Recife, 3 de marco'
de 1866. O escrivo Francisco dos Res Nunes
Cai|ielo Jnior.
Lineado a fls. 100 do competente livro n. 13.
Becie, 3 de marco de 1866 Campello Jnior.
finiiuio Antonio de Sooza, presidente.
Estavam as armas imperiaes.
E nada mais se continha em dito edital aqui co- ]
piado do proprio original.
D io e p.iv-iiio nesta cidade do Recife, aos -i de'
mareo de 1866.
Eu Gtiilherme Augusto de Atttayde, escrivo o
sobscrevi.
Virgilio de Gusmao Coelho.
Antonio Francisco dos Santos e Anna Mara da
Conceicao.
Francisco Gore1 de Olivelra e Maria dos Aojos de
OlHreira.
Raymundo fiurg-il de Oitveira e Simda Gaadeoza
de ulivelra.
DECLARACOES
Sania Casa da Misericordia
do Kecife.
A Illm* junta administrativa da Santa Casa de
Sftsericordia do Recife manda fazer publico que
prrctsa contratar um capello para o hospicio de
litnios em Olioda ; os rev endos sacerdotes qoe
|3rKenderem exercer as funreoes deste cargo po-
qual se rene as quintas-feiras oa respectiva sala
de suas sessoes.
Secretaria da Santa Casa de Misericordia do Re-
cite 28 de fevereiro de 1866.
O offlcial-mafor,
M anoel Antonio Viegas.
;nu Casa da Misericordia do
Recife. I
A filma, junta administrativa da Saata Casa dej
SlUerirorlia do'RifcIfe, manda convidar as pesssoas.
que quiterem alugar as casas abaixo declaradas,' cite, 5 de margo de 1866.
fazea io a sua cusa os concertos de qoe ellas pre- i
cisau!,a comparecerem "na sala de suas ses5es as t
quiaus-eiras as 4 horas da tarde afim de apresen-'
arem soas propostas, podendo o arrendamento ser'
te&t at nove aunos com aotorisagao do Exm. Sr.:
p*mint| da provincia.
Pairimenio dos Estabelccimentos de Caridaae.
Roa Direita.
Saata asa de Misericordia do
Recife.
A Illma. junta administrativa da Santa Casa de
Misericordia do Recife, manda lazer publico qoe
cootioa em praga a renda do sitio do Forte as
Caodeias pelo tempo de I a 3 aonos pelo prego
annuaI de 100<*000, o qu3l-sitio foi adjudicado aj
mesma Santa Casa na execugSo movida centra os
herdeiros de I). Anna Benedicta Boavenlora do
Carmo : tem 635 palmos de frente e 800 de fondo
com 81 ps de coqueiro.
Os pretendeote^omparegao oa sala das sessoes
da mencionada junta as quintas-feiras as 4 horas!
da taide com os seus fiadores ou carta dos mos-
mos.
Secretaria da Santa Ca de Misericordia do Re-
cife S de mareo de 1866.
O offlerat,
Manoel Antonio Viegsa.
ser embarcada no dia de sua chegada, encom-
raendas e dinheiro a frete at o dia da sahida as
2 horas : agencia roa da Cruz o. i, escriptorio de
Antonio Lata aejOliveira Azevedo 4 C.
COMPANHA PER^ABBUCANA
DE
Navegaco costeira por vapor.
OfrJojja'Felix Brrelo~de~VaSconcellos extin-
gui a uU'pariicirtr de laiim que tioha em soa
Schaffte tendo doNtirar-se para****- ^ L^r*n?S-5l1inSD'rw?,nrtlB f0'
ilo pbr nterveogo 3o agente Pialo deudos l^/^Jnr0le^rli1^mri Vl"ar' na rDa 'T
ga de Rosario, e no do Bom-'iOnsekio, na ra da
a 1s(uerda depis do caafariE.
ra Wlo por intervengo do ageote
os objectos cima mencionados existentes em ff i
de m msiima-ia, as 11 loras do dia cima dilo. Si.. ?e q,,,erem W^t com
ASI effj 1,2 horas Preferido dia pauirao os LZ?-m c ^-s hB u80"' d,reClor de
mnibus para trausporteiftratis) do wLuui muU* PailqaeT m dos roena<* col,e8'OS:
ao leilo sende o ponto departida a praffit do Com-
me: co dejado voltar os*esmos omfrNls o pti*

,Dd0'0 vapor pa,a.!d7^3n^sempontaeosegoodoas4boy,
hyba, cemman- '----- -----__
l,IIIiV9>
armazem de mol
cemman-
daute Bartins,
snhira' para o
porto cima no
dia 10 pelas 11
horas da manh.
Recebe carga
somente al o ft; passageiros, encommendas e dinheiro a frete
al as 10 horas da maoha do dia da sahida : oo
escriptorio do Forte do Matos n. 1.
0 r.
Prauefsco Pires Hachad o j
Portella
Companhladas Mensageries Itu-
perlalc.
At o dia 14 do correte raez,
espera se da Europa ovaporfran
cez Estratnadure, o qual depois
da demora do costme spgoira'
._.._ para Baha e Rio de Jaeiro.
Para coodiegoes, fretes e passageits trats-se na
i agencia roa do Trapiche n. 9.
Santa Gasa de Misericordia do
Recife
A Rima junta administrativa da Santa Casa de
Misericordia do Recife manda convidar as pessoas
qoe qoizerem reedificara casa sita oa roa do Bur-
gos o. 2 publico e 57 particular, perteoceote ao
Patrimonio dos Estabelecimentos de Caridade, e
bem assim as que quizerem edificar no terreno da
ra do Vigario prximo a casa em qae fooccionon
o consolado geral, e oode foi <>utr'era a casa n.
70 pertencente ao Patrimonio dos Orphos-a eom-
parecerem na sala das suas sesoes as quintas-
feiras as 4 horas da larde afim de proporeth qual-
quer negocio.
Secretaria da Saata Casa de Misericordia do Re-
Rio de Janeiro.
pretende sah ir com brevidade abarca Jovem
Palmira, por ter a maior parte do carregameoto
prompto para e resto que Ihe falta e escravos a
frete trafir-se com o consignatarib Joo Francisco
da Silva Novaes-travessa da Madre de Dos n. 5.
Para a Baha
Pretende segoir com multa brevidade o palha-
bote nacional Doits Amigos, tem parte do seu car-
regameoto prorttpto para o resto qu Ihe falta tra-
ta-se com es seos coosignatarios Antonio Luiz de
Oliveira Azevedo & C, no seu escriptorio ra da
Cruz o. i.
Do armazem ae moirmms
rwid'i ngel n 4^,
Segtiniia-feka 12 do correte as 11 how.
Eflas de Almeida Lima
com cusenspUe seos credores e por nterveogao ~g
do agente Cordeiro Simoes, fara' leila Ir iwhji- Wt
fleo sortttiiento de gneros de primeir - comprados a bem pooco lempo, rmacao quaf *o- ^
va, lustre de vjdro a ^'az e linalirfite (odos os E&
mais encilios do < stabelecimento cima dilo. o j3
qual torna-se recommacdavel por ser muiTb" '8Tre- S
guezado e de excellentt lowtl cujo leilo sera ef- Ws.
fecluado em um uo mais lotes n vonude dos lici- 1
tanles/e o balango s empoiep do reterido agen-
te a eltaine.
Em /cnti n tcctgo
Unta i sci a va
Klia^r de Almeida Lima
MEDICO E OPERA' OR
PELA
FacittliMde de Pars.
cotlnoa-Oo effircic?o d* sui proflsso,
espftcialnwntjTI.is uWlestias de olhos, de
vas orfaWiaa de pille, para cujo tra-
tamiento jaiga^ee LWitado attota a pra-
tica ad.juiri.la nos hospitaes Jaque.la ca-
pital, e os insiromeBlos Ibais modernos
que 'poss*e.
Aecode promptamSbte a qualquer cha-
mado para fortt da etdad?.
E encarrega se de collocar olhos arti-
ficiares.
No parto do-Carmo n. 2, esquina da
na de Hortas.das % as 10 horas da ma-
ulla, e das 3 as 5 da tarde.
Dividendo
Mara Francisca fla Bocha "Feio, parteira
| avisa ao respellaveliiublido qu-i mudou* do pa-
1 Wo do Paraizo para 6 ra das Cruzes n. 19.
-J __________^____________________
JoSoNepOmuceuo deOliVeira Figueiredo ob-
rara felao por/interven?t> aie Cordeiro Si- ditoportoguez prtenJe sahir para
^noes oe uiiia/mViiiiba de Idatte f anbos iwuco nfc~o -l'> *.\^
Lisboa.
OSr. Ph. Sc'heibeder retirase para
O offlcial.
Manoel Antonio Viegas.
Arrematado.
Flnda a audiencia do dia 10 do correte da
I provedoria dos residoos, escrivo Vascoocellos, se-
| ra' arrematada por venda a qoem mais der, urna
Cfca de om aodar n. 33 publico e qoatro part-: cas* 'errea comsoto o. 22 na, Capunga fregoeiia
ealar- da Boa Vista, fazendo frente e esquina para a ra
Ra do Azeite de Peixe. da Ventura e oilao para a roa das Pernaraboea-
C*-a de dois andares o. I poblico e 35 part- nas com 3 janellas na freote, 32 palmos de lar-
ealar. gora e 70 de fundo, com porto oo oitao, 2 salas,
Secretaria da Santa Casa de Misericordia do Re- gabinete ao lado, 4 qoartos, cosioba fora, quinta!
ciiu 5 de margo de 1866 murado, com 130 palmos de compnraeoto e 42 de
O offlcial, largara, com cacimba propria, casa para banhos,
Manoel Antonio Viegas. cora algoos arvoredos e com urna entrada pelo ou-
----------------------------------------------------______ | tro oitao de 10 palmos de largora, estaodo sotao
Arsenal de glierra> travejado, sendo o terreoo proprio, avallada por
metilo do compras do arseoai de guerra 2:000,?. A qual casa pertence a testamentaria dos
prerita comprar para o presidio de femando de
floroafta o seguinte :
'. "''' alqueires de farioha de mandioca em saccas
As pessoas que quizerem vender ditos artigos;
apreviniera suas propostas na sala do conseibo, s
II ti.iras da maulla do dia 5 do corrate.
Sala do cooselhode compras do arsenal de guer-
ra 1 de margo de 1866.
O encarregado da eseripturafa
Manoel Jos de Azevedo Santos.
terga-feira 13,do correte mez, depois da ao-
Aeaci dn Illm. Sr. Dr. joiz municipal da 1* vara,
senao Cuoha, serao arrematadas por venda, visto
ser a ultima praga, as 3 seguintes casas terreas :
Urna na ra do Moodego n. 22, freguezia da
Boa Vista, eom 50 palmos de comprimeoto 20 de
largura, leudo duai salas, dous quaftos, cozinba
fra, p-queoo quintal morado cora cacimba, chao
proi'iM, avadado em 900J
aa A*\ na mesma ra n. 2t, com SU 1/ pal-
otos de cumprmenlo e vate de largara m v*o,
ala a .unte e atrs, um pequeo qnarta e soto
ota quwwi murado, com cacimba, chao proprio, ava-
titi'ia t:000.
r.n i dita na ra da Ventora, no logar da Ca-
pan? a Ja mesma fregoezia, com 58 1/2 palmos de
co_j.-i i ment e 23 1/2 de largara no vao, sala adian-
to e airas, dous qoartos e cozmha tora, pequeo
sitio, cajo lado direito lea urna meia agua qae 84c-
a par* eexeira, sendo dito stlio smeni* manto
as /los e estando dito muro a desmoronar-se ;
paseos arvoredos de fructo, doas c .cimbas, ivi-
tai i peto lado direito com o sitio de Aotooto Jos
de Casirsi e pele esqoerdo com orna estrada es-
freita, avallada par 1:200*, o- qnaes predios vao a
prac.i
finados Francisco Xavier de Lima e sua mulher
Maria dos Santos Gama, e vai a praga a dila casa
a requerimento do respectivo lestamenteiro.
Cmara municipal.
Pelo couladoria da cmara municipal desla ci-
dade se faz publico qoe nos mezes de fevereiro e
marco se recebe a bocea do cofre o imposto mu-
nicipal sobre casas de negocio, e aquellos que nao
pagarm oeste tempo esto sujeilos a multa na
forma do art. 32 do reglamelo n. 369 de 15 de
joobo de 1844.
Cntadoria de fevereiro de 1866.
O contador.
Caetano Silverio da Silva.
Capitana do parlo de Pwnamunco, 20 de
fevereiro de 4866.
O Illm. Sr. capitaa do porto, manda publicar em
virtude de ordera de S. Exc. o Sr. cooselneiro pre-
sidente da provincia, o aviso circular de 10 de
Janeiro ultimo, em qoe o Etm. Sr. ministro da
agricultura, commercio e obras publicas, commo-
oicaodo a existencia de ama estaco telegraphica
no Cabo-fio, declara ao mesmo tempo o modo
porque devem os cavos procedentes do norte,
commooicar-se com a mesma estacao, e no caso
de cerraoao oo noote com a Ponta-Negra oa a
Sana-Cruz.
Circular.Directora das obras pblicas.2* sc-
elo.Rio de Janeiro.-Ministerio dos negocios da
agr-lcoUara, commercio e obras publica, era 10 de
Janeiro de 1866.Illm. e Exm. Sr. Commuoico a
V. Exc. para qae faga publicar oessa provincia,
aflra decbegar ao conhecimento dos dooos ou con-
por execago qaVeo-UBiaha Manoel Jorge I fiSfi*!*" iv,0s 'ue no Cabo'r.o exvste urna
*.. __ _, Afilaran loloornhipo niri nl Qiinallao ma
IbsT <*
\ f Gera
de S^i'i. contra Francisco de Assis Pereira Freir
aua lauiner.
dispensas matrimon aw.
Pae* publico qoe chegaram do Rio de Janeiro as
illinas p'.-tigoes de dispensa do 1 grao, goal da
lioha !^t*ra4, e 2* grao attiogewe ao i* de consan-
Cuiqi la le, sollicitadas da Nunciatura Apostlica
anda n i tempo da vigararia craprtnlar. As petigoes
coa procura .Us so palacio da Solodade : as petigSes
a qae so refere a segunda lista acharase na casa
4o Rv 4a Gain. na roa da Cruz do Becife o. 56, oode se
atrear<>a seos donos, para que procures bter
o eomp-tente despacho do Exm. Sr. bispo dioce-
saao.
Oiit*, de marco de 1866.
Conego Joaqaim Ferreira dos Santo*.
USTA J> VS PETigOS oe* DEVEM seb procuradas no
PALACIO DA SOLEDADE.
Jas Iiraqtin Barbosa e Antoaio Mirla da Con-
eelcio.
CofteoigJo.
Gerajaiw Antonio do Nascimento e Generosa Ma-
ra 4ieeteao.
Lisa An:Bk> da Silva e Antonia Maria da Con-
eeW,-.i'L
Pcr* *wtCosta e Joaquina Marta do Espi-
FraaswrsMlMill Marte Mam da Cmara.
Jmt ma msTasMasmi t sWlTk*rM da Con-1 cidade, morado por todos Os lados, tendo oa freste
eeaja ____ ama porta targ, foirtro ao cooveoto do Carmo do
FuliWaW* IWWWgJI Plttt Aafem^BMpMto. Recite e avallada era 200, por execugo que mo-
GaMjIjjMfct SfVjstra_biUlrBa Coo-, ve Antonio Jos Vicira contra Maooel Joaqaim da
eeqfkwm silva Bibelro, escrivo Saoto.
estago telegraphica para a qoal, aijoelles qoe
deraaodarem a barr do Rio de Janeiro, devem
foroecer as iofermagdes seguintes:
A saber
1.* O nome do navio;
2. A soa procedeocia;
3.* Os dras de vlagem;
4.* A carga qae traz; <,
5. O nome do consignatario ;
6. As noticias martimas oacommerciaes.
Com a declaracao de qae oesta ioforroagoes sera
traosmittidas por malo de signaesMar ya (ba
referida estago, e qoando os navios nao possam
com ella por causa da noule oo de corrago no
mar o devem fazer para a Ponta Negra, aa para
Santa-Cruz, em qoaoto estiverem fra da barra,
compriodo admittir que os navios procodeotes dos
portos do sol, devem traasmittir as commooica-
ges exigidas para o telefWpho da barra, oa Baby-
looia, logo que se po'ssam corresponder com taes
estagoes.
Deas guarde a V. ExcDr. Aotonio Francisco
de Patita Sooza.Sr. presidente da provincia de
Peroambaco.
Comprase.Palacio do goveroo de Peroamba-
co, em 19 de fevereiro de 1866.Luana Paran
go*.
O secretarlo,
Deeio de Aqufno Fonteta
Terga-feiral.) do corrate, fiada a audiencia
da Sr. Dr. jo municipal da prtmeira vara, ira a
prasa om tarraao esi frnsta a roa da Palma desla
Para o Ufo de Janeiro
Pretende seguir cum milita brevtade o palha-
bote nacional PIEDADE, rrtti dous tergos do seu
carregameoto tratado, para o resto qoe Ihe falla
trata se eom os seus coosignatarios Aatnoio Luiz
de Oliveir Azevede 4 >., no seo escriptorio roa
ca Cruz o. 1.
----------W$ ___ i- mr ii.
Para Lisboa
Sahira' OeSIes poocos dias a barca portugueza.
Constante UN, por ler prompto quasi tdo o sea
carregamenlo, para restante e passageiros tra-
la-se com Maooel Ignacio de Ollveira & Filho, lar-
go do Corpo Santo escriptorio u. 19, oa com o
capltio na pracas
~PaTaTtae*. ligeT
pretende segoir oestes dez dias o patacho porfo-
gaez Fernandes, lem dous tergos de seo carrega
manto prnmpt para o re-4o so* Ihf
aageiros, para os qoaes tem excedente
rrata-sfl com os seos coosignatarios Antonio Loiz
de Olivelra Azevedo & C, oo seu escriptorio ra
da Crozn. 1.__________________________
Y.va o Porto.
Sahira impreterivelmeote at o dia 16 do cr-
reme mez a barca portugueza Seguranga, por ter
todo o seo carregaoieoto prompto, para passagei-
ros aos quaes offcrece exceHeole''commodos, tra-
ta-se com os co&signatarios Cuo,ha Irmos & C, i
ra da Madre de Dos escriptopio n. 3 ou com o
capitSo na praga.
Para Lisboa
Sahira depois de pequea de-
mora oeste porto por ter a maior
parle da carga engajada o brigue
portugot'4 Lata I, o qoal se espe-
ra a todo o momento de Lisboa,
para o resto da carga e passagei-
ros trata se com E. R. Babello, roa do Trapiche
n. 44.
mais ou melos, 6om principio de habilidades para ,
o que obtevfe coiisentw de set credores, cujo lei-1 Ulric Keller cidado suisso vai
lo tera lujar oo estabelecimeoto de molhados a ropa.
roa do Rapgel 49- i------T*-------~--------
mo da ia ^r^ris5 j^s
Segunda feira 12 o-eofronto as 11 horas. //|\ ^ 1 sKaivi
para ,a
Europa
Eu
LSili
Sil)
Joao Pereira PedMJzo de Liita & IrraSos, com-
praram I laberoa da ra 9o Cotpvoffb n. 49, ao Sr.
.. Jos Palio i da Silva, se algtfem se jolgar com
L/e V 'taJMt etia. JaZ'naaS, r- direito a ella, dirjase a -mesma oo praso de 3
dias, (indos os qoaes nao se alteoier a reclama-
fnagao e pertences da loja de
'alfaiate do pat"o do Liva-^
(ment n 34.
P agente Martlns fara PJitio a requerimento do
inientariante dos beos deixados pelo fallecido Jo-1
EJoaquim de Novaes e por despacho do Illm. Sr.
. juiz de orphaos, da armngo, fazendas, roopa I
ta, mesas e p-rtences da loja de alfaiate do pa- f
teb'do Livramento pertencente ao mesmo fallecido. |
Segunda feira 12 do correte
As 11 horas do dia oa dita loja.
Grande leilfo de moyeis
Segunda-feira 12 de marco.
A. Schaffter, tendo de retirar-se para Eoropa fa-
rj leilao por intervengo do agento Pinto, de todos
para
as 10
gao. Pernamboco 5 de marco de 1866.
Os abaixo assigoados couvidam a ludas
as pessoas amigas do finado J.fto Joaquim
de Sooza Abreu e I. na, para assistirem a
missa que conjuntamente com mais alguns
amigos do mesmo finado mandara celebrar
oa igreja de S. Francisco pelas 4 i|2 horas
da raanha do dia 10 d) rorrente, pelo re-
pouso eterno do mesmo tinado.
Joaquim ufos Mareira.
Jos Soares Pioto Correia.
Gabriel Aotooio Castro Quiotaes
, fana e p;is. I os movis, looca e crystaes existentes em ci
s noritinodos sna re!5'9encia na Fassagem da Migifaleoa,
' onde seguir' um omaibus deveado partir
1|2 horas dn praea do CommereTo.
LElUQ
De 9Q sacos om Wji* vo #e di-
versas cores.
oa-delio wImch
por <>onia r*aw *e isni ^pp**w*r far%' Wilaa
Para o Porto
Sahe imprelerlvelmente no dia II do correte
margo, so recebe passageiros e traltse "com os
consignatarios Thomaz de Aquino Fonseca & C,
rua do Vigario n. 19. (
LIH.9Xt.
De urna casa ierre* a rwesSa do Caree
retro n 2, em cftSos proprios e
i 6$ meosaes.
Urna dita 12 na rua da Mangueira fo-
reira, tera 2 portas e jauella corredor ao
UaVsa
Cwtfeifo Stmu
par ajts % Man 0t^ws*a]a#|gej*at tari letlo | Na roa Brlla n. 22, prSfea-se alugar orna
ft*-aja**i8 s.,aH)** W^flW*>ajisara des- ama forra s esrtva (preferWe a ultima), para
de J*iw etaWWjdos e quataaer \tttmnlo o casa de pooca familia, paga-#oem.
m*a agesta l*l sertffectuado Na mesma casa cima tete para vender-se
tro iraerf Wra_f3_'*o c**WWie, as 11 horas, no um brrro rtovo, masso,nroi |asde e bonito, afeito
Leilao
e 75
sni
de
Sr.
De 200 pares de botinas para homem
ditos ditos para senhoras.
HOH
Sabbsdo 10 de margo as 10 horas em pasta
frente a alfaudega.
O agente Piolo tara' l^jlo a requerimento
Joaquim Pereira Arantes,com aoiorisago do
cnsul de Franga e por coota e risco de qaem per-
teocer de ama calxa marca J |P. A. n. 57. eom
calgados avariados a bordo do vapor inglez Dotiro,
as 11 horas do dia cima Hita era frente a alfan-
dega. _____
~ LEILAO
De 2o a neo retas vi n lio do Porto
ihmi:.
Sabbado 10 de marco no armazem do Sr.
Annes.
0 agente Pinto legalmente autonsado tara' lei-
lo por costa e nsaa de qoem pertencer em um oa
mais lotes, de 20 ancoretas com vinho de Porto :
as 11 e 1)2 horas da da cima dito no armazem
do Sr. Ansas em frente alfandega.
v LEILAO
De iflbvei$ lou$u e crys-
taesy a saber:
PrRMetra *la Oa visita.
1 mobilia de Jacaranda com 1 sof, 1 mesa de
i roeio de sata, 2 consol* com lampos de pedra, 2
cadefras de bragos e lt da guarntge, 1 mesa da
Jacaranda para sof, 2 cadeiras de balango, o (ao
Attencao.
Maria Joaquina Wauderley Llns tendo por no-
ticia que o Sr. Jos Antonio Pereira Jnior trata
de vender alguns baos perleoeeotes a mesma em
virtude de urna procratelo que tem, faz ftieote
| que pessoa algmaaea negocio com ditos beos
pols que dita procuragao se acha inoli'sada % sem
effeito
-------------------- ii
Precisa-se ae om fenwiiro qoe saffea desem-
' peonar pereuamewe seu lujar, pafando-seltie
bom ordenado, tndem adir.ittf doos trabajado-
res e aa padaria dk rua larga So osarlon. 16.
Paga-se no escripiorib di Coapanhia Pernam-
bocaoa, somante aos sabbado* e em prevenga das
respectivas aegoes o primeiro dividendo a razo
de 10* por argao : uo ear#iptB*j lafgo da Assem-
bla o. 1. ^^
Precisa-se de orna ama para o servico inter-
no o externo de urna casa de pouca1 familia : oa
toa larga do Hosario u. 21, loja de catgado.
Precisa se alugar uma prt de meia PJade e
goe sirva para todo serVig): a tratar oa rua Im-
peTial n. 39. taber o a.
Alug-se um mulato de'13 abnos-de~idade :
quem precisar dirjase a na do CahUga o. 3 A,
loja de oorives.
a roa Beila n. 22 paga se 20S o mais se
agradar, por uma ama escrava, par? casa de poo-
ca familia.
TEOGRAMMA
Um devoto do Senhor Bom Jesns das Boigas da
igreja de N. S dos Prazeres dos GnaraTapes faz
scieDte ao respeilavel publico, que leodn mandado
vir dila imagem afim de ser novamente eocaroada
oesta cidade, a qual acbaada-se prorupta, determi-
n"u faz la benzer na igreja de S. Jo.- de Riba-mar
amanba II do crreme as 2 par 3 horas da- de com a solemnidad.- po-siv^i, cuja beigjo sera
feita pelo Rvmu. Sr. Fr. Aulcino Oe Santa Bita, as-
sislinoo nessa occisi.io as tres irmaodades da casa,
a ultimado esse religioso e to taup-itavcl acto,
sera coodozida oa char-la proressionalmenie para
sua igreja dos Prazeres com o brithantismo e res-
peno que a nossa religiao pi-de, sendo ento acora-
pauhada pelas masmaa irmaimades para cujo llm
o mesmo devoto t^m o befieplacifo d8.'Exc.
Bvma. o qual ja' f-> apr-sentado ao Kvmo. Sr. vi-
gario de S. Jo-. A inngem ao sahir da igreja lo-
mar* a seguinte direegio : Iravessa de S. Jos, rua
das Calgadas, rua da Assompcao, rtfi Ja Penba,
pateo do Livramentis rua Uimm, pateo-do Tergo,
Sinco-Pootas, roa Imperial, segoinlo tm frente at
os Afogados, MotocoloniMi, e-strada da Imblribeira,
estrada de Jordn, Prazt*. O rnesmo devi.to con-
vida a todos os Deis que re giosamente qoizerem
assistir a beogao do K-td'nftnaR a cotlrpaobarem
no com o rtsperto devido at ond- Ihes convier a
concorrerem a sobredita igreja, as oras suppra
rBenciooHSa?.
Joseph Lnham, sucio gerente da ca
co.i.merciat sob a razSo Mills Latham e
C.R -, tendo de retirar-se para a Europa,
faz scienle que a mesima casa continua seu
gyro commercial sem alteraco aluma sob
a direcgo de seus bastantes procuradores
os Srs Henry C. Wiils e Jolm Robertsque
ficam munidos dos precisos poderes para
gerencia da mesma casa.
Recife, 9 de margo de 18G8
Predisa-se de omi-araa para comprar
zDhar : na roa larga do Hos.rion. 21.
e co-
*VeWsa-,s% as (im ea-rxTrti ta
de SO saceos com teifcJW tm-b <*e-WeT1sa*t'eeW de- Direita o. 129, prefero-se um chegado de
seistiarcado a tras da*'do vapor Xmtison, hio
Tcrca-foira 13 do'enfrente as 10 horas em ponta
no armazem do Sr. Atraes d.-frorjie da alfandega.
AMA
pa'dirla da ru
poseo.
Precisa-se de tima ama par comprar e cosi-
nhar : oa roa Nova n. 38.
^-Beboro do vapdf 'tTicaoti'oS, chegado a
rende este Prl no dia 2 crtente se desencamiohou
ntti peqtietib'baht d Cour j preto, pede-se a aigum
dos Srs. passageiros do mesmo vaflo'r que per en-
gao o leona Invado entre a Soa pagagem de o
mandar entregar oa rua Imperial n. 12, oode se
pagaraas dospoaas qae por ventura se nouver
MML
arrsawa a ra A Cada***,. W.
aos servieos 4e ^ella e ^angvsav que-acaba de fa
zer uma viagem longa, e pora ser ais preciso,
vende-se moito batato.
e eal> cacimba
baiza pita ca-
Atuga-se o primeiro a
? l5c-3;
Ada casa ti7l2 da
roa da Imperatrz tora magoBca accommodagSes,
i boailo jardim, agua em tolos- a aposentos e illa-
1 minada a gaz, os pretendenlel'oNrijam-se a mesma
casa.
LEILAO
De am sitio eom casa der pedra
coa atontaste agua de. ftpb-r,
pti, i oe arvotedos malos, denomjo ado
llortas, sito Sor 4enaa tasaaVaa^tisaa
^iaft-feft-a l!t da eorrente as 11 hars.
<3 snoazeffl a ta da Cadeia*d>) Recife o. 2d
t;optlelro Slnes
aaipHeiflemeofe autorisado fara' leilao do siti
aciraa nafra a ear>luer tsiornlaaaa o mfada agente sa- com anta crianga, di-se de v*sflf e paga-se algu
tiffaa*^ ca)a lWl*rV edeatoado no dia, hora e ma cousa, preferiodo-se pessf* recolhlda : quem
Ama
Dase dinheiro a jur.ig ao Coelaas rua dos
Prazeres n. 18, se dir quem d.
Quem precisar alagar uma escrava moga
para servigo interno de casa de familia, a qoal co-
se, cosiaha e eogomma, dirjanse em Santo Amaro-
ao sobrado jooto do cemiterio inglez.
Precisase de uma araide leite, paga se bera :
oa roa da Palma jooto o o. 21.
Precisase de um caiselro para taberna : a
tratar na roa dos Agouguiahos n. 90. .
~0 hospital portaguez d^ beiiefl:encla precisa
de om eofermeiro : qoem se jolgar habilitado e
quizer coutralar-se dirija-se ao Sr. provedor An-
tonio I ops Pereira de Mello oo ao serrpiario Joao
Pereira Rabello Braga.
Na cocheira da rua da RDda o. 6'">, ha para
vender om excellente burro novo, grande, de sella
e caogalha e moito barato
Na padaria fraoceza precsa-ae de om cosi-
nheiro forro oo escravo.
Jos Aotooio dos Saofos Peres, tendo sido
acusado lodevidamente como introductor de notas
falsas na circulagao, e recolhido a detengo, hoje
em libetdade, depois de haver provado sua inno-
cencia, publicamente agradece a todos os seus
amigos que o coadjovaram em 5->u pro^esso e sua-
visaram as necessidades do ra tamiiia, agrade-
cendo cora especialidade aos Srs. Jo- A'.ves Bar-
bosa, Jos da Silva Loyo, Antonio Jos da Silva do
'Brasil, Barbosa & Primo Antonio de Suiza Braz.
O abaixo assignado scieniilica ao re publico qoe oesta data vendeil ao Sf. Franciscj
Jos Lniz Ribe+ro a^armaco !d tabwot da roa
das Crozas o, 41, qoe foi do Sr. Manoel Joaquioi
des Reis livre e desembaragla de qualquer de-
bito qne posea apparecer tendente a dita labrroa,
tirando de neohom effeito os aononclos publicados
no Jornal do Recife dos das 8 e 0 do eorrente pu-
blicados pelos Srs. Ferreira & Almeida, e por me
a'rnar pago e stisfeito da imp^rtaiicia d referida
armarlo sslgno o presrnte.
Custodio Jos de Oiiveira.
P. eclsa se de ara rapaz para caiieiro desles
ltimos chegados do Porto, anda qae sao sai ha ler:
na rua Imperial n. 4o.
Precisa-se de ema ama pala e servigo interno',
no e externo de uma casa d {Moca familia : oa
roa do Torres o. 14,2 andm.
Idgatac+nA dito.
M
IIIJLW Jll L
AVISOS DIVERSOS
estiver nestas codigdes dirijas* a roa da Man-
gueira o. 1.
Ama
Precisa-se da nma ama p|i coziahar e cora-
DesitegajNaWBl aui*t obdfW portugoe,' prar para casa d pooca famtf, aga se bera : oa
rua da Concordia n. 31, sobrald ou armazem do
sol b. 26.
r>er*a* m fra de.^t* piaaaaau.
LOTRTJ
Tm
O Sr. Jos Camello do KS"*, Barros queira
lar a busdiie a>aysaaaaap a rta da Imperatrz
,64, erneaisa *>a*t1taaIBado.
CasTraB lanoettjonglves.
SUCIEDAOE
DOS ARTISTAS ALFAIATES
Aos
Sexta-reira 16 do eorrente mez se ex-
trabir al* parte da Ia lotera (5), a be-
neficio da matriz de Salgueiro (se antes
desse dia tiverern seguido para o sul e norte
os vapores americano e Drasileiro que se 03 Artistas Alfaiates nesta provioeia, convido io
esperan) i cuja extracto ser no lugar e ho- dos os membros da mesma soeldade, e ao poblico
ra do costume I** ge',*lPar* ssistireni no domingo 11 6o-TOr-
Oi hilhAtA mpin a nnintna arham-s rente sessao Ina|oa do anniVersark) da mesma
zIa? 1. _!l.f." a.u-.ii- --. I! soejesade,qae:lera' lugar oo palacete do largo- ae j
AWiBilC
Piotam-se nboletas e fazem se letras, tudo com
perfeigao, bem como coaia^se mbaica com areio e
bonita*copia : a tratar na roa da' Imperatrz nu-
mero 76._________________'
Aloga-sema sala e nm osarte proprio para
escriptorio. na rua do Imperador a. 11 : a tratar
tnftftnn._____
Prerisa-se de um criado pata1 Osiohar e
e comprar: na rua do Crespo n. ft
F
tro do a i
no armazem da bola amarada no oitio da secreta-
ria da polica, recebem-se eocommendas de fogo
do"y para etitro e fra da pYdrtaci.
Precisarse de uma ama para cosinhar : oa
roa do Imajerador n. 46 armazem^_______
^MTNCA&
Henry Porster d C, rua do Trapiche n. 8
tem para vender:
Preryas para enfardar algodSo.
Machinas de descarocar al^odSo, de 30 a
, 60 serrotes, com motores, assim como moto-
a venda na respetiva |thesourana a rua do,s. Pedro, as 10horas do mencionado di.
Crespo n. 15. I -Previno alada de qoe a soKe estar' "'i rP;'rtft nar, iainnr cprvira o".ma
OsDremiosde-6-OOOOOO at 405000 concorrencia publica osalo do oksio edtflelo,. ^ qne serwrao paraquaiqnersm
O.UWPUUU mo \vQuuy tiisra a nifft a i.^^^ imtn nMApobleo desta machina de <0 serrote corhJBm't machina a
w prmoipios vapor, proprfti para me?nta.
acorrer
gas para eortioados. Uzeada para cortioados, 1 cao- ftr5fi natfw nma hnra ilonni- rli Axlrarir-lha Para 1oe secieMe* espera que o pul
delabro e 2 serpsnrtWe feWat, 4 vasos para 'ff80 B?fS Um,a P / P d? er^"* provincia, amante corno de todos se
flores 6 qoadree* 2 esaaraaaeirat, 1 tapate de sa- 'le as ^horas da tarde, e OS Outros depois. noOTM e dedicadas nai deixara" da
la, e I lastre eom 4 bicos.
Seguadasala da visita.
1 piano forte do afamado fabricaste Garl Sebee!
iscassel, i cadeira para o mesmo, 1 mobilia de Ja-
caranda com lampos de pedra, 2 cadeiras d ba-
lango, 1 mesa de charo, 2 bancas de Jacaranda
essa festa soda', em que apenas se
SO-1 dedicago pela arle.
Secretaria da associaclo Bai
sata o amor
ios Arlis-
da distribuirlo das listas.
As encommendas sero guardadas
mente at a noite da vespera da extracclo. I ^^.g 8de mtTpto l866.
O thesoureiro, Manoel Joaqaim Machado Gaimaraes
Aotonio Jos Rodrigues de Souza. \ socretario.
INJEGGAO BROW.
Rem'ffdio infafllvel as agnorrheas antigs
e recentes, nico deposito na pliannaei*
! franceza, rua da Cruz a, 22 e ao preco de








HH|^K
mm^m
Dfarlo de fc*eramtaueo Sabfea* 4e JIarc de i866.
GASA DA F01T0HL
Aos tf:000$000.
Bilhetes garantidos.
A'RA DO CRESPN. J3 E CASAS DO COSTUMI
Qabaixoassignadovendeu dos seas mnitofeli-
xes bilbetes garantidos da olera que se acaboc
de extrabir, a beneficio do recolhimento de Igua-
rass.os seguintes premios :
N. 986 non meio com a sorte de 6:000,5.
. N. 3968 dons quintos com a sorte de 500,5.
N. 34ti6 dous quintos com a sorte de 2005
E outras maitas sorles de 1004, 40J, e 20V
Ospossaidores podem virreceber seas respec-
tivos premios sem os descootos das leis na Casa
da Fortuna roa de Crespo n. 23.
Acbam-se a venda os da 3a parte da 2a lotera
(31*) beneQcio da Santa Casa da Misericordia
para cioalisaco d'agua e gaz no hospital 'edur
I, que se extratiir-safcbado 10 do correle.
PRECO.
Bilhetes .... 64000
Heios......34000
Quintos.....14200
Psra as pessoas que compraren; de 100)5000
n*ra cima.
Bilhetes.....54300
Heios. ..... 24750
Quintos.....14100
_______________Manoel MartinsFiuza.
SEGUIOS
MARTIMOS
CONTRA FOGO.
A companhia Indemnisadora, estableci-
da nesta praca, toma seguros martimos so-
bre navios e seus carregamentos, e contra |
fogo em ediQcios, mercadorias e mobilias :
na ra do Vigario n. 4, pavimento terreo.
A.HVVEKNATsvG
?--Rua do Imperador39.
Deposito de joias francezas por alacado.
Casa em Pars e Re de Janeiro.
Recebem directamente por todos os paquetes.
Aloga-sea grande casa da rua da Florentina
n. 20 com maitos o excellenles commodo* para
urna grande familia morar multo Colgadamente :
qoem a pretender entenda se com o proprietario
na rua do Hospicio n. 30, das 6 as 9 boras da ma-
Dba, e das 3 as 6 da tarde.
Na praca da Independencia n. 33, loja de
onrives, comprare ouro, prata, e pudras preciosas,
e tambero se faz qualquer obra de encommenda, e
todo e oualquer concert.___________________
Precisase alagar ama ama para comprar e
cozinhar: a tratar na rua do Apollo n, 9.
Precisa-se de una escrava para o servido in-
terno e exlerno de urna casa de pouca familia : na
rua da Soledade n. 38.
Antonio Jos Rodrigues de Sooza na rua do
Crespo n. 15, loma dinheiro para mandar entregar
na Rhia, Para e Maranhao.
Carvalho & Nogueira na rua do Apollo n.
20 sacara sob Lisboa, Porto, liba de S.Miguel I
Rio de Janeiro, a vi>ta ou a prazo._______j
Na rua do|Vigario n. 24 precisa-se de duas !
amas cozinheiras para liomem solteiro.
GARRAUX DE LAILHACAR & C.
LIBRAIRIE FRANQAISE
Rua do Crespo a. 9.
LIVROS NACIONAES E ESTRANGEIROS
ReligioPuosopbia Jurisprudencia Littera-
tura Sciencias e artes.
Papelaria, objeclos para escriptorio.
O abaixo assignado faz publico, e.-pecialmen
te ao corpo do comraercio, que os Srs. Manoel Al-
bino de Amorim e Aurelio dos Santos Coimbra,
que faz&rii parte da firma social que gyrava nesta
praca sob a razao de Albino Ame rim & C, ja nao
perlemcem aquella firma desde o 1 de Janeiro
deste anno, ficando a cargo do mesmo abaixo as-
signado tudo o activo e passivo da extincta firma.
Recife, 3 de marco de 1866.
Albino da Silva Leal.
VISO
O cirurgio Joaquim Jos Aires deAlbnquerque
madou o sea consultorio para a freguezia de an-
ta Antonio, rua Direita casa n. 13, onde pode ser I
procurado das 8 horas da manhaa at as 4 da tar-
de. Pede encarecidamente a seus amigos e mais
pessoas que o procurem na freguezia do Recife
que deixem os seus chamados por escripto na bo-
tica do fallecido Luiz Pedro das Neves, rua da
Cruz n. 24, onde ser encontrado al urna hora da |
tarde.
Declara mais aue tendo sido por espago d 33
anuos e nico profe.-sor da enfermara de marinho
desta provincia, teve sempre a seu cargo un nao
peqoeno numero de doentes atacados de diversos
soffrimentos, alm das operacoes por elle pratica-
das antes e depois da revoluco de 1849, que em
1852 fura encarregado do lazareto da ilha do Pina,
por occasio da febre amarella, assim como em
1856 do hospital de cholcrlcos na freguezia do Re-
cife, que os seus conhecimentos professionaes, tbeo i
ricos e praticos adqueridos no decurso de tantos
annos em taes eslabelecimentos, o tem habilitado a
tratar de qaalqaer enfermidade ; por isso espera
que continuar merecer a estima e confianca de
todosaquelles que quizerem utilisar de sua pro-
flssSo.____________________________
Os senhores acadmicos do 3o anno podem,
querendo, dingir-se a rua da Saudade n. 9 a' com-
prar o compendio de direito civil patrio, approval
do pelo governo imperial____________________
Precisa-se de urna pessoa que saiba cosiubar
bem; na rua do Hospicio o. 44 : paga-se bem.
Precisa-se
da Concordia n
de um
35.
feitor para sitio na roa
Aluga se
um grande sitia na Cruz 'Almas ou Parnamei-
rim conhecido pelo sitio da Estrena "tendo grande
baixa com capim para sustentar 4 a 6 cvallos,
solas para 3 ou 4 vaccas.com arvores de tracto,
jardim na frente e aos lados, boa casa e banbeiro,
cora casa independente para feitor, cochura e es-
tribara e outros commodos mais : a tratar coro
Manoel Pedro de Helio na rua do Livramento n.
38 ou no largo da alfandega n. 4 ou no mesmo
sitio das 5 boras da tarde as 7 da manhaa.
Quem tiver para alagar urna escrava que
cosinhe e engomme, appareca a' rua do Trapiche
o. 44, segando andar, ou annuncle para ser pro-
curado.
WMmmmwmmmwM mvm
m DEPOSITO DE CALCADO g
FJBR1CAD0NA CASA DE DETENGO M
gg Roa Nova n. 411. $
mk Abi se encontrarlo obras de di- m
* versas qaalidades, e por preco mni !
S* diminutos, a retalbo e em porces. Wk
Sf S se vende a dinheiro.
mmmmmmm mmmm $*
Mobilias de aluguel
Aluga-se mobilia de toda a qnaliiade e por pre-
go commodo : na rua Nova armazem de mobilias
do Pinto._______________________________
Offereee-se urna ama para comprar e cosi-
nhar para casa de homem solteiro: a tratar na
rua do Fogo n. 5i. _______________________
Quem qoizer morar em um sitio de graca,
dando-se-lhe um pequeo quarto, na Capunga no-
va, dinja-se ao mesmo sitio, que faz estrema com
o sitio da igreja nova.
Predio para alugar.
Alagase o 1, 2 e 3* andares do predio a rna
da Cadela do Recife n. 29; todos con commodos
Pernambuco, rua Nova n. 18 pharmacia franceza de
P. MAURER & C.

PERFUMERA
Boulevart Sebastopol,
Dez medalhas, a condecorado da Legin
d'honneur e a grande reputacao que tem lhe
dado o publico, taes sio as recompensas que os
serricos prestados a industria merecerao a
esta importante casa desde sua fundacao em
1804.
N'um sortimento de mais de 500 artigoi,
as pessoas elegantes escolherao os seguintes:
ROSEE DU PARADIS, extracto superfino
para lenco.
POMMADA CEPHALIQUE contra a cal-
vicia.
AGUA VERBENA para o toucador.
OXIMEL MULTIFLOR.
VINAGRE DE PLANTAS HYGIENICAS.
TINTURA VIRGINALE de beijoim.
ROSEE DE LYS, verdadeira agua de
Jouvencio.
da CASA OGER
56 Piarlas.
CREME LABIALE de sueco de Rosas.
POMMADA VELOURS para amaoiar
pelle.
ELIXIR OOONTOPHILE.
SABAO dedicado as damas americanas.
SABAO de bouquet de Frasca.
d
d
d
d*
d
d
d
d
d
d
de flores de alcea rosea.
de flores printanires.
de bouquet do outono.
de perfumes exticos.
aurora, dedicado aos dedos cor de
rosa,
de flores das montanhas.
de cheiro de foins nouveaux.
de bluets cheirosos.
de althea balsmica,
diapr, caixa rica, fantesia pari-
sience.
A NACIONAL
Companhia. geral hespauMa de seguros mutuos
sobre a vida
AUTORISADA PELO REAL DECRETO DE 21 DE DEZEMBRO DE 1859
lima flanea em dinheiro, depositado nos cofres do estado, garante a boa ad-
ministradlo da companhia.
BANQUEIROS DA COMPANHIA* DIRECgO GERAL
O Baaeo de Hespanka | Hadrld: Rua do Prado n, IO
Esta companhia liga pelo systema mutuo todas as combinacSes de supervivencia dos seg
os sobre a vida.
Nella pode se tazer a subscrrpcao de maneira qne em nenbnm caso mesmo por morte do
segurado e perca o capital nem os juros correspondentes a estes.
Sao taosuprehendentes os resultados que produzem as sociedades da ndole deA NACIO-
NAL,que anda mesmo dimlnuindo urna terca parte do interesse produzido em recentes liquida-
edes ecombiaaado-o com a mortalidade da tabella de Depareienx que adoptada pela companhia
ra seo* clculos e liquidacSes, em segurados de idade de 3 al9 annos, ama imposico annua
100J prouz em effectivo metlico:
No fim de 5 sobos.......1:1194300
> de 10 *.......3:9424600
de 15 .......11:2084200
de 20 ....... 30:2564000
> de 25 .......80:3314000
as idades menores de 3 annos maiores de 30, os productos sao mais consideraveis.
Prospeetis e mais informacSes serio prestadas pelo sub-director nesta provincia,
oaquim Fiuza de Oliveira, rua da Cadeia n. 52, ou a Boa-Vista rua da Imperatriz n. 12, estabeleci-
mento dos Srs. Raymundo, Carlos,Leite & Irmo.
Tinturara
AO GRANDE S- MAURICIO
AGUA FLORIDA
PKOCESSOS APERFEI^OABOJS
PARA
Tinglr, linipar e lustrar a vapor.
F.A,
29 Rua 7
DefrODte da rna nova
MURRAY & LANMAN
. A agua florida de Murray A Lanman
olhada como um artigo de perfume, n5o
tem podido ser igualada pelas prepararles
as mais costosas: conserva seu aroma, co-
mo se formasse parte da prenda a que ella
se applica.
Sua eficacia to delicada, como elegan-
tes sa"o seus multiplicados osos, qur seja
empregada como artigo de toucador, qur
ao uso do banho, ou como suavisador da
pelle, depois que se tenba ferto a barba;,
para limpar as gengivas ou aromatisar o
hlito.
D suavidade, brilho e elasticidade as-
compleicoes, depois de se haver lavacro; al-
livia a irritaco de erupces ordinarias; faz
desapparecer o desagradavel aspecto dos-
pannos, das sardas, do rosto, rugas e toda a
casta de ebulices, e d vigor e frescura a
parte onde quer que se applique. Sua effi-
cieocia e elegancia sao igualmente infalli-
veis nos casos em que seja preciso applica
la como estimulante e antisptico, nos con-
cursos e assemblas numerosas, as loca-
lidades infeccionadas, na alcova de um en-
fermo, assim como um antidoto excellen-
te para os desmaios causados por cansado
ou suffocacSo. Preparada nicamente por
Lanman & Kemp, Nova-York, e a venda por
Caors & Barbosa.
Joo da C. Bravo & C.
Deposito geral em Pernamonco rua da
Cruz n.22 em casa de Caros dV Barboza
Professora.
de setembro 29
do Ouvidor (Rio de Janeiro)
Os proprietarios deste estabelecimento, o primeiro no seu genero no Brasil, por
trabalhar com as machinas mais aperfeicoadas para tingir e lustrar, de que se faz uso na
Europa, eajudados por alguns dos melhores officiaes de Paris e Lyao, podem assegu-' a,"cso'sai'ba: prefere-se soiteira ou viuva com
rar seus freguezes urna perfeigao no trabalho, a.qual seno*pde chegar pelos proces- pouca familia; a tratar na travessa di rua Bella
sos ordinarios.
Tingem, lavam, limpam e demofam com a mai r perfeifo e brevidade qualquer
qualidade de fazendas, tiram nodoas e limpam secco sem molbar as sedas e as vestimen-
tas de senhoras e de homens.
Em um engenho perto do Passo de Camaragibe
(Alagas) precisase de urna senhora que qneira
ensinar primeiras lettras e mesmo francez e musi-
n. 6.
Precisa-se de urna ama que saiba cozonhar e
comprar : na roa da Cruz n. 56. primeiro andar.
Precisa-se de urna ama, boa cozinheira e en-
gommadeira, para casa eslrangeira : a tratar na
rua do Trapiche n. 8, 2o andar, das 9 s 3 horas.
Companhia fidelidade de seguros
martimos e terrestres
estabelecida no Rio de Janeiro.
AGENTES EM PERNAMBUCO
Antonio Lniz de Oliveira Atevede k C,
competentemente autorisados pela direc-
tora da companhia de seguros Fidelida-
de, tomara seguros de navios, mercado-
rias e predios no seu escriptorio rua da
Cruz n. 1.
ata
>
533
P3
-

cr
c
a
o
00
8
o.
a
JlrJrJrJrJrJnltJrJnlrJrJrJrJrJn33
5
a
3
5
5
5
5
S
5
5
"
-c--
ff ?4 S. =:Bg'3
2-3-MSsSo'9'
Sise;
o q -, a s I
- o a
i-8ti:fI5l
?*" O 2 S C S'S n
lmi&!ii9i:
Precisa-se alugar urna escrava que
seja de boa conducta e saiba cosinhar e en-
gommar para o servido interno de casa de
familia a rua do Sol n. 21,
AVISO AS VENDAS |
Na fabrica de vinagre a' rua Imperial <(
n. 1, prximo a eslacao do camnibo de C?
ferro vende-se vinagre tinto superior em SRl
qualidade a oulro qualquer e por preco ^
mdico, assim como branco e incolor.
O Dr. Carollno Francisco de Lima San-
tos contina a morar na rua do Impera-
: dor n. 17, segundo andar, tendo alias seu
i gabinete de consultas medicas, logo ao
1 erkrar, no primeiro.
; mesmo doulor, que se tem dado ao
i estudb tanto das operaedes como das mo-
| lestias internas, presta-se a qualquer cba-
: mado, quer para dentro quer para fra
i da cidade.
esc
Cosinheiro.
Engomiua-se
I com asseio, promplidoe preijis rszoaveis : na rua
Augusta n.o, loja.
Joo da Silva Ramos, medico
pela universidade de Coimbra, d
consultas em sua casa das 9 as I
11 horas da manhaa, e das 4 as 6 I
da tarde. Visita os doentes em suasl
casas regularmente as horas para i
isso designadas, salvo os casos ur- fl
gentes, que serao soccorridos em
qualquer occasio. D consultas aos
pobres que o procurarem no hos-
pital Pedro II, aonde encontrado
diariamente das 6 s 8 horas da
manhaa,
Tem sua casa de sade regular- i
mente montada para receber qual-
quer doente, ainda mesmo 08 alie- j
nados, para o que tem commodos I
apropriados e nella pratica qualquer j
opperaclio cirurgica,
Para a casa de sade.
Primeira classe. .3(51000 diarios.
Segunda dita___3^500
Terceira dita. ..2000 *
Este estabelecimento j bem
acreditado pelos bons servicos que
tem prestado.
O proprietario espera que elle .
continu a merecer a confianca de i
que sempre tem gozado.
Samuel Power Johnston Companhia
Ruada -erzala Nova n. 4.
AGENCIA DA
Fnndl^o de Low Hoor.
Machinas a vapor de 4 e 6 cvallos.
Moendas e meias moendas para engenho.
Taixas de ferro coado e batido para enge-
nho,
Arreios d carro para nm e dous cvallos.
Relogios de o uro patente inglez.
Arados americanos.
Machinas para descansar algodo.
Motores para ditos.
Machinas de costura.
A Salsaparilha
E A.YER.
Precisa-se de um cosinheiro que seja
na rua Nova n. 60, armazem da Liga.
N. 0. Bieber & C, sucessores, sa-
cam sobre o Rio de Janeiro a vista ou a pra-
zo confoime se convencionar.
BOMBAS DE PATENTE
Eua Nova n, 30-
Chepa ram as ir el ores bomhas americanas do i
melhor systema que ha, assim como as pessoas j
que pretender encaramemos para agua pode se '
dirigir a mesma lojaque tem sempre canos, chum-
bo, torneiras, choques, vlvulas etc. jj
O Sr. Francisco Jos de Freitas Gui- j
maraes, queira ttr a bondade deappare-;:
cer na livraria n. 8 da praca da Indepen-
dencia._________________________
Em casa de Theod Christiansen, rua do Tra-.
piche-novo n. 16, nico agente no norte do Brasil, j
de Brandenburg frres, Bordeaos, encontra-se ef-,
fectivamente deposito dos artigos seguintes :
St. Julien.
St. Pierre.
Larose.
Chateau Loville. i
Chateau Margaux.
Grand vin Chateau Latte 1858. ; j
Chateau Lafile.
Haut Santerues.
Chatean Sauternes.
Chateau Lataur Blancbe.
Chateau Yquem.
Cognac em tres qualidades.
Azeite doce. Precos de Bordeani. ______
CAS4 DE BANDOS I
"AVISO
m*j*j**r*
arSTcLTETErS-TE
Mo salo do eafoellelrelro
layme
na rua do Qneimado n. 6, 1 andar, precisa-se de
um bom ofQcial de barbeiro.
A pessoa que tiver perdido a guarna de 4
dirija-se a roa da Senzalla Velha n. 90.
O juiz dos feitos da faienda pode ser procu-
rado, para os negocios da vara, todos os dias ulois
na casa n. 16 da roa do Imperador, i* andar.
Hotel de Italia.
MBc. Ferro, proprletana deste estabelecidienlo,
avisa- aos seus Ireguezes que contina a receber
passageiros e pensionistas, em quanto nao effecluar
a venda do dito hotel; pelo que, as pessoas inte-
ressadas uessa compra podem dirigir-se ao mesmo
para os necessarios esclarecimenios. No mesmo
botel precisa se de urna ama que saiba lavar e
eugommar; paga se bem.
FurUrar do engenho Pago, freguezia de Santo
Anio. na madrugada do dia 27 do proiimo passa-
do, dous cvallos com os slgnaes seguintes : um,
ruzilho foveiro, frente abena, eastrado, bom anda-
dor de baixo a meio, e com as seguintes mareas de
ferro, O A B, em um dos lados. U oulro, casta-1
nbo amarello, tem urna estrelbnba na testa, o-p
esquerdo calcado, castrado, sem andares nenhuns,
tem urna pelladnra na quelxada, e outra no mesmo |
pe calcado, e com a marea de ferro M C A no lado
esquerdo, mais muito pouoo visivel, alm de outra
que possa ter, mais que se nao sabe qual seja. Es-. irangeira : trata-se a
les cvallos suppoe-se terera seguido para os lados torio,
de Llmoeiro. Roga-se a qoem os apprebender, ou
delles tiver noticia certa, de dirigir-se ao referido
engenho ao sen proprietario o Sr. Maaoel Caval-
26 Pateo do Carmo 26.
Neste estabelecimento to impor-
tante para a saude e asseio do cor-
po, acham-se montados 20 banhei-
ros, que sao servidos com a ordem
e asseio que para desejar-se. Qua-
tro destes banbeiros sao especial-
mente reservados para senhoras e
por isto acham-se collocados em lu-
gar reservado, aonde s tem entra-
da as pessoas de urna mesma fami-
lia.
PREQOS DE BANHOS AVULSOS.
1 banho fri, momo ou de
chovisoo...... 500
1 dito de choque .... 10000
1 dito de farello...... 1^000
1 dito aromatisado 1000
PREQOS POR ASSIGNATURA.
30 banbos por mez fri,
morno ou de chovisco. 100000
25 banbos com carioes pa-
ra os rresmos .... IOjJOOO
12 ditos i.ios ditos ."(5000
12 ditos ditos de choque. 100000
12 ditos ditos de farello.. 100000
O' estabelecimento estar aberto
nos dias uteis das 6 horas da ma-
nhaa as lOdanoite, nos dias san-
tificados das 5 as 5 horas da tarde.
Precisa-se de um bom copeiro para casa es-
* rua do Vigario n. 2, escap-
eante de Albuquerque Jnior, ou neiu praca, a
Jo3o Baptista de Oliveira, largo do Corpo Santo
n. 21 segundo andar, que receber a gratiflcacao
SAQUES.
Prcsa-se alugar um moleque de 13' Trocam-se duas" imagens de Nossa
a 14 annos de idade que tenha boa conducta Senhora da Conceifo e Santo Antonio, obra
- para o servico interno de ci sa de familia : perfcita vinda de Portugal: a rua da Ca-
para familia, sendo qne o 3 andar tem sotao, sobre .... Af o, n a, (jeja D. 47.
soio eum mirante d'Onde se oza nm halla vu- pa raa qo S01 n- z' _.". L_______________M___________
ta : a tratar com o agente Cordeiro Sm&es, roa da Preciare de urna preta escrava para o ser" Pre#sa-se de urna am forra para cuzinhar
Cruz n. 57 oa no pavimento terreo do mesmo; vico de casa, e que saiba engommar : na .rua da c comprar: na rua do Jviento n. 25, segundo
predio n. 29. Cadeia n. 17, andar. .andar.
(isa
vasia.
Aluga-se a casa da rua do Nascente n. 14: a
tratar na roa do Qneimado, loja de Azevedo &
Irmo.
Procuradoria
O solicitador Pedro Alexandrino da Costa Ma-
chado contina nos misteres de sua proflssao nos
auditorios desta cidade, e eocarrega-se de cobran-
gas para os termos do Cabo, Ipojuca e outros pro-
linos a esta cidade : pode ser procurado a' rna
Estrella do Rosario n. 34.
Caoba Irraaos &.C., sacam sobre o Porto, em rea
escriptorio a roa da Madre de ueus o. 3.
= Jos Ignacio Pereira declara ao publico que
sabio do seminario episropal de Olinda por sna li-
vre voniade, e nao preterido como se tem propala-
do por esta cidade.______
Na roa do Imperador n. 43, segundo andar
se dir quem venda doce de caj secco, de boa
qualidade.
Na roa do Brum o. 72 primeiro andar, existe
anda do Bio de Janeiro, ama carta de impor-
tancia para o Sr. Dr. Paulioo Bodrigues Fernandos
Chaves. ___________________
Precisa-se de um bom copeiro para urna casa
estrangeira : tratase a tua do Vigario n. 2, es-
criptorio.
Para a cura radical de
Escrfulas, cceras, chagas, fer-
ie as velha*, molestias sypbil-
iticas, e mercuriaes, Enfermi-
dades da* mulheres, como re-
tencao, menstro doloroso, ulcer-
acao do tero, e flores brancas.
A Nevralgia, Convnlsdes, Ery-
sipelas, Enfermidades Cutneas,
borbulhas, nascidas, etc.
O extracto composto de SALSAPARILHA, confeccion-
ado pelo Dr. AYER, 6 nma combinaco dos melhores depura-
tivos e alterantes couhecldos medicina; composto segundo
as leis da sciencia, approvado e reccitado pelos primeiros
mdicos dos Estados Unidos, da America do Sul, do Mxico,
das Indias e dos principaes Estados da Europa.
A SALSAPARILHA de AYER especialmente eficaz na
cura das molestins que tem sua origem na escrfula, na
lnfccco venrea, no uso excessivo do mercurio ou em qualquer
impureza do Sanguc.
Entre todas as molestias que amigem o genero humano, nao
ha urna mais universal e terrivcl do que a escrfula'; por si
nao to destructiva, porem a causa principal de umitas en-
fermidades que nao lhe sao feralmente attribuldus.
nma causa directa da tlstea /niliuonar do nal do
flgado, e estomago, affec<;Bes do cerebro, Rheumatismo
e affecetes dos Bilis : entre seos symptonus ha os seguintes;
Falta de apetito, Froqueza e molcza em todo corpo; Mo
cheiro da boca, semblante plido e incluido, s rezos d'uma
alrura transparente, ontras vezes corado c amarello ao redor
da boca; Digo st no fraca e apetito irregular; Ventre inchado
e evacnaco Irregular; Quando ataca os pulmoes urna cor
azulada mostra-se a roda dos olhos, quando no estomago
sao avermelha dos, as pessoas de dlsposico escrofulosa
apparecem frequentementn erupetes na pelle da cabeca e outras
partes do corpo ; sao predlspOstas s affeo;Be dos pulmlles, do-
flgado, dos riu e dos orgaos digestivos e uterinos. Portanto,
nao sao somente aqueUes qne padeeem das formas ulcerosas
e tuberculosas da escrfula qae necessilam de proteocao
contra os sens estragos ; todos aquellos em cujo sanguc existe
o virus latente deste terrivcl flagello (e s vezes i- hereditario),
estao expostos tambem a soQrcr das enfinnidadas que elle
causa.
Offerecemos a estas pessoas um abrigo seguro e ura anti-
doto efficaz contra esta molestia c suns consequencias, na
Salsaparilha de Ayer
que opera directamente sobre o sangne, purirando-o e ex-
pulsando dflle a corruncio e o veneno da molestia: penetra
todas a partes e todos os orgaos do corpo humano, llvrnndo-
, os da sua accao viciada c inspirando-lhes novo vigor. K'um
' alterante poderosissimo para u i inovacuo do sangue, c d ao
1 corpo j enfrsquecido pela doen^i forc e energa renovadas
como as da juventude.
Jh TAJKBEM O Ml.l.lion -tXTI-SYPBII.XTICO
CONBBC1DO l
cara permanenmente as peiores formas de SYPHII.IS e os
suas consequencias. Pouca necessidadu ha de informar o pub-
lico do incstimarel valor de um remedio que, como este, fivra
o sangue dessi corrupeo e arrebata a victima das garras de
nma morte lenta e iguominioea, porem inevitavel o mal
nao logo combatido com eucrgin.
Nao pretendemos promulgar, ncm quetemos que se inflra
que este remedio nfalivel para a cura de todos os ptjdcci-
mentos humanos, o que dizemOs c que a
Salsaparilha de Ayer
a melhor preparaeao at hje descoberta para estas e outras
; molestias anlogas, que urna combiiiofo dos alterantes
mais cfflcazes condecidos, e que temos oonscienciu de olTereeer
: ao publico o melhor resaludo que e potslvel produzir, da
IntelUgenda e pericia medica dos nossos tempos.
REMEDIO DE AYER PARA SEZOES
nfalivel naa febres intermitientes, remittenta,
Febres Biliosas tercas, mal do fijado, in-
cremento do ba<;o, cegueira. Dar nos
oavidoa e palpitares, quando
sao causados pelas
FEBRES INTEBMITTENTES, 6U REMIT[ENTES.
As preparacoes de Dr. Ayer to vendidas esa tods as
Boticas e Drogaras do Imperio.
Vende-se em Pernambuco:
na
IPHARMACIE FRANQAISE
I deR MAURER sC'
?56
J^
/
f



C
-
.
\
\

(I
if
S
1 RUA NOVA N?ia

;


\
"

Diario de x ernambaco Sabbado 10 de Marco de

'
Preclsa-se de nma im pira asa depone!
famrli
a : na raa da Agm--verdes n
Francisco Jos Luiz Bibeiro fax publico que nes-
ta dala comproa a armacao da taberna da roa das
Cruzes n. 41, que fot do Sr. Manoel Joaqnim dos
Reis ao Sr. Custodio Jos de Oliveira livre e de-
sembarcada de todo e qualquer debito. Recite 9
de marco de 1866.
t Na ra Bella d. 22,.precisa-se de um criado
de boa conducta, e que saiba cosinnar, para andar
rom ama pessoa em viagein pelo mato, e garan-
te-se born tratamento.
COMPRAS
FABRICA A VAPOR
99 RA DO MONDEGO 99
Deposito na na Nova n. O loja de relojoelro.
Delouche donos deste estabelecimento partecipa ao respeilavel publico que sua fa-
brica est montada com as memores machi Das que existcm na Europa, e que pode
fabricarcom melhor perfeicSo possivel. Todo o chocolate desla fabrica est
puro, o que nao se pode encontrar naquelle que vem de fra, e que se vende por preco
baiio, visto os productos serem do paiz. Na etiqueta tem scmpre urna aguia. m
Gompra-se ouro, prata e pedras preciosas
em obras velhas : na roa da Cadeia do Recife
cja de ourives no arco da Conceicao._________
Comprase carosso (sement) de algodo: no
armazem de algodo de Sannders Brotbers & C
no caes de Apollo._______________________
Compra-se um escravo que seja moco, sadio
e sem vicio : na ra larga do Rosario n. 34, bo-
tica.
Compra-se ama casa de sobrado no aterro
da Boa-Vista ou ra. da Aurora : a fallar na roa
Todo o chocolate desla fabrica esta garantido, e do Crespo n. 17.__________________-.
uro e prata.
Em obras velhas: compra-se na praca da ln
dependencio n. 22, loja de bilhetes.
PRECO.
Meia libra. ........ 400
Urna libra. ........ 800
Urna arroba......% 190000
Na mesma fabrica acaba de se montar urna officina com serrara a vapor para
obras de marcineiria propria para edificio, para o que encarreg i-se de fazer portas, ja-
dellas, assoalhos (parqu fraDcez como se usa na Europa,) e armages, tudo com brevi-
nade eperfeicSo. Toma-se qualquer encommenda para fra da cidade, entregando-se
prompta a collar-se no lugar.
Compra-se urna barra de ferro, ingleza ou
mesmo das antigs ; na ra Nova n. 31.
Compra-se urna vacca de leile, a tratar na
ra da Cruz n. 20 em casa de Flix Sauvage
& C.__________________________________
Libras
a
Compram-se boje
numero 22.
9|300
: na praca da Independencia
Precisa-se comprar dous pretos para traba-
Ihar em vnculos e urna preta que entenda de co-
zieha e de ra, de 30 a 35 annos de idade : na
ruada Craz n.37,2 andar. _________
Compra-se a obra de Carvalho Menezes inti-
tulada Direito Cambial: na ra dos Coelhos
paga-se pelo duplo de sea valor.
Compram-se libras
travessa das Cruzes n. 9.
esterlinas a 9fl500 : na
Attencao!
Attencao!
Attencao I
Grande sorlimentode fazeodas pro-
priiis para a qaresma.
Acaba de ehegar a este novo esiabelf cimento
nm grande e variado sorlimento de fazendas pro-
prias para 2 quaresma, a saber :
Gr sdenapi s prelo n I06GO o covado.
Vcnde-se um grande scrmenio de grosdena-
ple a U600, 1,581)0, 25 e 2500 o covado ; dito
mullo superior a 25800 e 35 : na ra da Impera-
triz n. 72. loja de Guimart-s & Irmao.
Moriantique prelo a 2(5800.
Vende-se or grande sorlimento de moriantique
a 258OO, 3 e 33500 < covado.
Chales de renda pretos a SAMO.
Vende-se tambem um variado .-orlim nlo de cha-
les de renda a 85, 93500 9 10J1; ditos muito fines
a 113 e 123 ; ditos de seda fazenda muito fina a
203000.
Retondas pretas a iO#.
CALCADO
45 fua Direita 45
A primeira condico indispensavel con-
servaco da sade trazer os ps bem de-
fendidos contra os ataques da humidade;
calcado bom e seguro o nico preserva-
tivo dessas mil enfermidades a que est su-
jeito o nossoeu. Um chielo velho cal-
cado por um dandy patuscante, ou urna
botina acalcanhada em pequenino p de en-
cantadora deidade alm de accusar que-
bradera horripilante, prova centra as f dades intellectuaes dos calcantes, e nao ha
qoem, tendo bom senso, queira passar por
maluco, ou pobre de surrao : ergo, cor-
ram a:
4*RA DIRE1TA4*.
e attendam a' barateza.
Homens. [
Borzeguins barcellonezes de lus-
tre e de porco 6000
Ditos de Bordeaux : .
Ditos parisienses de bezerro e
cordavao .......
Sapatoes de Nantes de uas ba-
teras rasas ......
Sapatoa de lona, sola de borra-
cha.....; .
Ditos aveludados.....
Ditoi de tranca bons. ,
Seos
Borzeguins enfeitados. .
Ditos de laco .
Ditos lisos......,
Sapalos de borracha....
Selleiros, corrieiros e segeiros I
Sola de lustre, meios grandes
E um completo sortimento de calcado fa- es muito fios a 240,280 e 300 ris o covado.
bricado no paiz.____________________
No armazem de azendas
baratas de Santos Coelfro
Rua do Quciniado n. 19.
Boa Fama rua' do Quei-
mado.
Receben pelo ultimo vapor chegado de
Paris chapeos para menina do ultimo gosto.
Diademas dourados,
enfeitados com aljofares, pedras,
etc para meninas e senhoiv.
A agula-branca vende bonitos e moderno? dia-
demas doorados, enfeitados com aljofares e pedras
proprias para meninas e senhoras.
Bonitos eha?ozlnhos
de tjallia fina c avencaes para meninas.
Sao obras estas de que os bons pai- de familia
se nao podem escudar de comprar, por fazerem el-
las parle do asseio e bom goslo ruin que traja.n
suas bellas filhmhas. A aguia branca tem o pra-
zer de ver que to bellas e precisas obras forarn
devidamente apreciadas e compradas em seu ni-
nbo. Os cbapeozinbos, alm de serem d'uma pa-
Iha mui fina, sao de mui bonita forma e ultimo
gosto, enfeitados com toda a perfeico : os aven-
taes, porro,
70000
8,5000
50000
, sao de fina cambraia, guarnecidos de
Vendem-se retonoas pretas pelo barate.preco de babadinhos bordidos; o qne Ibes da rauilagraca.
#eij*:na rua da Imperatr.z n. 72, loja de Os precos desles, 55000/ e daqaelles, 103; e de
nraaraes & Irmao. auanto sn eii huratns onnho.w, n !.^..!,,
103
Guiroarae
Gftnde
20000 o
pecbincha panno preto
covado.
Vende-se panno prelo proprio para calcas e pa-
litots a 23 e 232OO o covado ; casimiras pretas
a 13800, 23, 234OO e 23500 o covado.
E' muito baralo corles de casimira a 30500.
Vendem-se corles de casimira preta- a 33500
43 e 43500 ; dita milita fina a 63.
Admira cortes de brim de cores a
1,280
Vendem-se cenes de brim de cores para caifa a
132S0,13600, 13800 e 23 : na_ rua da Imperatnz
n. 72, loja de Guimares & Irmao.
' baratissimo a 120 res o covado.
Vendem-se riscadinbos muito proprios para rou
zOpUOO pa de escravos, a 120 ris o covado; ditos escoce
20000
10600
10600
50000
40800
40500
10tiOO
VENDAS
MUAS
DE
COELIIO Rua da Cruz n. 16.
Continua a haver diariamente um sortimento de pastis, podas, bolos inglezes,
empadas etc., etc. Os donos deste estabelecimento, acham-se as melhores condices
de poder satisfazer encommendas concernentes sua arle, em consequencia do socio
Freitas ter sido administrador chefe de algumas das princif aes fabricas Da corte, sendo
urna a do Sr. Joao Goncalves Guimares (confeitaria do Leo) antiga casa de Carceller.
Todos os trabamos sao differentes dos que se fazem em casas particulares.
Os proprietarios deste estabelecimento d3o se tem poupado a despezas, Dem se
pouparao, se houver concorrencia como esperam ; tendo continuadamente bom sorli-
mento de doces para cha; presuntos e ditos em fiambre, tambem se recebem para se-
rem preparados ; assim como doce de caj novo superior, secce e crystalisado, dito em
calda em latas hermticamente fechadas, podendo durar annos em perfeito estado.
Para jantares e partidas recebem-se encommendas dos seguintes objeclos; han- -
deijas ricamente enfeitadas sem armacao pecas de amendoas (nogaces), ditas de tmaras mais correctas possivel tanto no calculo das 33500. '
de ovos, paes de l enfeitados com disticos anlogos a qualquer flm; ditos montados, las e eclipses, como as diversas festas Laazinha lisa de cores a 500 rs. o covado.
kechs simples e eBfeitados com fructas ingleza; galheaux de la reine, ditos de le du- que a igreja celebra; vendem-se unicamerr- Cambraias finas de cores miudiohas a 360 rs. o
160 res as de porta e 320 res as de alg- 4,3 e 6 palmos de largura, per menos preco do
beira. que em ootra qualquer parte.
Neste armazem tambem se encontra ura grande
Veode-se o seguinte
Cobertas de cbita da Iadia a 23400.
Lencoes de panno de linho a 2320O.
n. 10, Ditos de bramante de linbo de nm s panno a
33OO.
Lencos de cass brancos proprlos para algibeira
a 25COO a dotia.
ATgodo enfestado com 7 1>2 palmos de largara
a 13200 a vara.
Atboalbado de linho a 23800 a vara,
Dito de algodo a!|a vara.
Gnardanapos de linho a 3800 a dnzia.
Pecas de cambraia de salpicos a 43500.
Laazinha aberta de cores a 320 o covado.
Cambraia branca de forro a 33 a peja.
Fil de linbo liso fino a 800 rs. a vara.
Dito de dito com salpicos a 13 a vara.
i Panno de linbo fino com 9 1|2 palmes de largn-
wm m n a m ^ 4 gm ra pelo baralo prego de 2400 a vara.
AII1 19III9* Madapoloes linos a 83, 93,10J, 1!3 e 123.
Acabam de sahir luz es folhinhas de Cambraia lisa de 43500,53,63,7^6 8,3 a pega,
algibeira e de port para o anno de 1866, o Pe*as de bretaDha de algodio com 10 varas-
Laazinhas a 3oo rs.
LSazinhas de quadrinbos a 300, 320, 360 e 400
rs. o covado ; dras muito finas a 500 e 560: na
rua da Imperalriz n. 72, toja de Guimares & Ir-
mao.'.
Corles de laa a 50000.
Acaba de chegar a este importante estabeleci-
mento um sorlimento de corles de laa que se ven-
de por 5'5 e 535OO; ditos a Mara Pia, fazenda
muito moderna a 12o, 143, 183 e 203 ditos com
camisinha, cinta e grvala a 253 e 283-
Chitas francezas largas a 260 ris.
Vende-se um grande sorlimento de chitas a.260,
280, 300, 320 e 360 rs. o covado
a 400, 440 e 500 rs.
Cambraias de cores a
covado
Vendem-se camlraias francezas a 280,300, 320,
360 e 400 rs. o cov;.. 0.
Cambraias lisas a 3.000 i s. a peca.
Vende-se nm grande sortimento de cambraias
lisas pelo barato preco de 35, 33500, 43, 43500 e
53500 e 63; dilas victoria
quanto sao tilles baralos conhecera o prelendente,
que se dirigir a' luja d'aguiabranca, na rua do
Queimado n. 8.
vidi'iihos de cores e aljofares.
imitando ac, para enfeiles de vestidos.
A aguia branca na rua do Queimado n. 8 rece-
beu ura bello sorlimento dos objeelos cima pro-
prios para enfeiles de vestidos, ele, ele, e est
vendendo commodamenle.
Novidades.
Na Agula branca rua do Queimado n. 8 rece-
beu diversos objeclos de muito gjsto e imeiramen-
te novos, sendo :
Bonitos e delicados penles dourados e praieados,
tendo enlre alies algons de filigrana obra mni per-
feita e de elevado goslo.
Ditos com chapa de midreperola.
Brincos de filigrana e. oatraa qualidades.
Fivellas de d'ia e uutras tambem de diversas
qualidades.
Cintos mui bonitos, enfeitados em toda a eiien-
c5o com caracteres douradose pralcado-.
Filis enfeitados com mot Jinhas douradif.e ian
tejoilas, aljofares & &, sendo para coque, e lod i a
cabega, e ouiros com plomas &.
Bonitas volias de jaspt com ernzes, lendo tam
bem algumas de duas cores.
Luvas e meias
de laa vegetal, para quem soffre de frialdad*, pa-
ralesya etc. Vendem-se na rua do Qaeimado loja
d'Aguia branca n. 8.
Bandoline de roza
.. para segurar ou conservar perfeitamente atado os
anas preciares j,^^ ts Mnhoras. Vende-se na rua do Qoei-
mado loja d'Aguia branca, a I3OOO n frasco.
Enfeiles pretos para vestidos
A Aguia branca receben novos enftiles pretos
para vestidos, sendo bicos com vidrilhos e ?em
elles, trancas com pendentes de vidrilhos e sem
elle?, cordao grosso lambbOi com vidrilhos e sen,
elles ; assim como galoes e franjas de diversas l.-r-
guras, Olas de velludo ele. como semore os bons
freguezes encontraro commodidade de pregos nos
objeclos que se vendern na loja d'Aguia branca roa
280 rs o
ditas de peixe e carne; cremes e doces de ovos
chese, tortas de fructa, massa foihada;
de differentes especies.
Tambem tem um complete sorlimento de vinhos engarrafados, comosejam: vinho
do Porlo superior, Figueira, Madeira, Lisboa, Cherez, Bordeaux, Champagne fino, ser-
veja, licores, charapes e conservas. Para festas: bonitas caixinhas com amendoas, con-
feitos e mais enfeites. Muitos destes objectos mencionados podem-se perfeitamente ac-
ondicionar tanto para a provincia, como para fra.
FIGURAS
Acabam de receber bonitas Aburas paca bandejas de doces, sendo grupos para
baptisado, casamento, annos, ditta a phantasia, bonitos enfeites para bollos e circular pra-
tos de doces finos, tudo por precos razoaveis.
Vende-se licores em uzia muito em cont.
Vende-se sal grosso : a tratar ua raa da Ma-
dre de Deus n. 2.
ccbiiicha
Vnde-se a taberna da rua da Guia n. 36 pro-
pria para principiante, e o motivo se ir ao com-
predor. ^^
Cerveja gelada
Ha diariamente a venda por prego
no armazem da Liga, rua Nova d. r,o.
Cal de Lisboa.
Vende-se na rua do Brum n. 66, a 63 o barr!.
Acabam de receber G. Paes do Amaral &
5 RUA DO CRESPO 5
Antiga casa de Calinerme da Silva Guimares
Ricos cortes de vestidos de gros-de-naples preto, com lindas barras bordadas.
Moire-antique preto em corles e em pecas, liso, ondeado* com palmas.
Gros-de-naples preto, de diversos pre?os e larguras.
Gorgurao preto, fazenda superior a todas pela qualidade, bonito lecido.
Este estabelecimento
acha-se sonido com numerosa quanlidade de filos pretos, de algoda, de linho e dese-
da, manufactura ios em
ckales
retondas
algerienes (bournus)
anamites
afreaines
pom
DE FANTHASIA
Receberam tambem bonitos cortes do popeline de listras de cores, e mateadas,
muito modernas, de gostos inteiramente novos; e outras muitas fazendas de gosto, cia-
das pelo ultimo vapor.
G. P. DO .491A RAL A C,
5 RA DO CRESPO 5
Vendem-se 400 pedras para ladrilho,
da lllia : a tratar na rua do Vis-ario n. 1 i.

our
DE
DE
J. VIGNE&
X. 55. RUA i> IMPERADOR X. 55.
Q* pianos esta antiga fabrica sao hoje aees conhecidos para que seja necessario ineietir sobre a
io* enperioridade, vantugenae garantas que eflorecer aos compradores, qualidades e&tae incontesU-
veis qs elles test definitivamente conquistado obre todos os qne tem apparocido nesta praca ; pos-
mindo em teclado e machinismo que obedecem todas as vontades e caprichos das pianistas, sem
nanea falhar, por serem fabricados de proposito, e ter-se feito ltimamente melhoramentos Importan-
tsimos para o clima deste paiz ; quanto s vozee, sao melodiosas e flautadas, e por isso amito agrada-
reis aos ouvidos dos apreciadores.
Fazem-fe conforme as encommendas, tanto nesta fabrica como na do Sr. Blondel, de Paris, socio
torrespondente de J. V^gnes, em cuja apital foram sempre premiados em toda; as ezposiedes.
No mesmo estabelecimento se achara sempre um esplendido e variade sortimento de msicas dos
meliores autoras da Europa, assim como barmonieos e pianos harmnicos, sendo tudo vendido por
precof eommodote razoaveis.
4EA4
PECIII.\CIIA SEN IGIAL
Rieos cortes de gorgorSo de seda preto* adamascados para vestido com 13 metros
oa 18 a 20 eovados cada corte, largura de chita frsnceza, pelo baratisslmo preeo de 80$
cada corte ; oa loja das columnas da rua do Crespo n. 13 de Antonio Correia de Vascon-
celos dt C.
Grande pechmcha
Em chitas.
A meia pataca.
A iKeia pataca.
A meia pataca.
Vende-se na loja do pavo um grande sortimento
de chitas inglezas, sendo rosas e cor de rosa, com
padroes mar.; miudos e mais grados, af&ancando-
se ser de edres nxas, e vende-se pelo baratlssimo
preco de 6 a pega, lendo 3 eovados, e reuilha-se
a 160 rs., sendo fazenda que-sempre se venden a
9$ a peca ou se retaihou a 280 rs.; esta grande
pecbincha liquidase por esteprec na loja e arma-
zem do paviio, rua da Imperalriz n. 60, de Gama &
Silva.___________________________________
Veade-se ou permmta-se por aiguma
caza terrea desta cidade nm sitio de (erras
sorlimentode roupa feita'e por medida.
FAZEND4S BAHATAS
N. 27 Rua do Queimado N. 27
GRANDE PECIinCIU
'Mnbraia bracea para forro a 240 e 400
--------- -,. rf vara.
lencos bancos para algibeira duda a
commodo ; jpOO rs.
-----1-----; Retondas pretas a 9,)00O
Cambraia morsulina de cores propria para
vestidos o covado a 300 rs,
viDas Moreantique preto superior a 2(?80O e
130000 o covado.
Grande sortimento ^e grosdenaples prelo
para todos os precos.
Rotondas de seda riqusimas algerinas para
senhoras.
Guardanapos para meza a S-wOOrs, ade-
zia.
Superiores baloes de arcos a 3*>200 rs.
Si ; ditas mnito finas a 5500 e
a 65500 e 7$; ditas de urna vara a? largura a 8; <]0 Queimado n. 8.
e 9^ ; dilas psra forro a 1*600, 25 e 25200 : na Bo,5es de vdr0
rua da Imperalriz n. 62. | cora enfei[es d.a?0 no cemro>
i nUut'A rfciiA. j Esses liotoes que lano erven t)ara malvr .-
Vende-se ura completo sortimento de rcopa e.-; der eufellar ^ Lom veBUl|opr^0r 0B cfo r5r
ta fe.a. assim como sejampal.lnts raleas, coleles ; acn.-Q.se a ven(laa rua do Quei)va0 1(lj? .y,,,,,.:
camisas francezas a 15600 e l8O0; ollas finas a >.... o v J
25 e de linho a 2:5H0, 3-3 e 353U0 ; seroulas de,
15200, 15400 e 15600, de linho a 25 e 25500 : na |
rua da Imperalriz n. 72, toja de Guimares ; Ir-
ado.
COIares Koj-cr ou conres ano-
dinos
para facilitar a ienlteSo das crianzas e preserva-'
las das convulsdes.
O feliz resultado obtido Immensa9 vezes pela
prodigiosa for^a magntica dos colares Rover, nos l
casos de ccravulsoes, e denticio das crianzas, tem
altamente elevado o sea bem merecido prestigio, 1
e hoje j se pode dizer que estao geralmente con- \ H
ceitnades, e estimados de nnuraeraveis pais de ?^
familias : de uns porque do uso dsses salutares' y?4<
colares viram salvos de perigo sens charos filbi- BK
nhos, e de oalros porque colheram daqueiles tao t
proficuo exemplo para igaalmenie preservar os 11
seas. Assim, pols, a aguia branca, tendo embis-
tas a utilidade e proveito desses prodigiosos cola-
res anodinos oa Royer, mandoa vir o aovo sorti-
mento que agora recebeu, e continuar a recbe-
los para que em tempo algum a falta delles possa
ser funesta aost)ais de familia, os quaes ficaro
certos de os achar constantemente na rua do Quei-
mado, loja d'aguia branca n. 8.
.
Para ncresaar.
'Vendem-se esouras para encrespar
*ab Azevedo 4 Iraax
ttBiiMHIII
Gra varia.
Paredes Porto vende urna.grande porcao de ma-
no logar do LOretO, com arvores fructferas jdapolo*variado, fazenda de 15 e 5 a peca, a
quasi todas novas, e grande porcao-de co-i 65500 e 75 com peojneno toque; na rna daimpe-
queiros.qoem o pretender dirija-se ao pateo
de S. Pedro n. 24, que achara com quem
tratar.____________________________
Chapeos chiques a 1#Q00
de casimira pnssontados proprios para andar em
casa e para meamos de escela.: no armazem da
Estrella, largo do Paraizo n. 4.
Vende-se o engenbo Carneiro, situado na
fregaezia de Senahem, corncea do Rio-Formoso,
moenle e eorrente; com todas as obras no melhor
estado, muito bom d'agaa, e trras de boa produc-
rio; para tomar oonta delle nofim de.maior. os
pretendemos dirijam-se ao paleo o Carmon.iS, a
tratar com Gabriel Antonio.
ratriz n.32, armazem da-porta
dara fraoceza.
larga junto a pa-
-Veode-se-e^taz-ee todo-negocio cem o.depo-
sito da rua du Vigario n. 29, muito proprio era
um principiante que -queira principiar sua vi Ja
com pooeo dioheiro.; ao comprador se dir o no-
li ve da -venda.
VE^E-SE
o grande armazem da rua do Apollo n. 38 e 40,
proprio para um armazem de Ussuear oa prensa
de algodo em ponto grande, por ter 6 portas de
(rente com mais de 67 palmos de largara e 300 e
tantos palmos de eomprimeato, tudo caberlo e so-
beo arcadas e para comodidade dos compradores
se vende com o praze de 2 annos ou o que se con-
veneionar urna vez qne seja com seguranca e pa-
gando-se rea demora um mdico juro : as pes-
soasaqnem convier esta compra poderlo enten-
der e com Antonio Ai ves Barbosa na rua dos Gua-
rarapes n. 78. ____' "________
Vendem-se 3 escravos, 1 bonita moleca, i
lindo moleque, e 1 bom escravo, de Idades de 14
a-22 annos : na travessa do Carmo n.!.'
Vende-se nm excellente piano de Jacaranda
qnasi novo e era perfeito estado, no armazem de
leiloes do Sr. Americo rua da Cadeia do Recife
tratar com o mesmo senhor.
Brides e pieaderas to Ipajaca
Vendem-se a irna do Queimado loja de ^g
Azovedo & Irrae.
C a val I o.
Vende-se um bom eavallo para sella e cabriolet
de todas duas coasas, d-se para esperimeniar:
na rua estreita do Rosario n. 3, ao pe da igreja.
"poTe senteio
Conlina fcaver pao de Seoteio nos dias quarias
e sabbados, na padarla de Saoio Amaro, airaz da
iundicap, e no Recite, rna da Cruz n. 4o, roe lar-
gad? osarlo, taberna da esquina n. SO, ron Nova,
arfiazem da Liga, raa da Imperalriz, taberna do
Sr, Levaos n. 34. _
-Fa relio.
Vende-se
Rangel 11. 9.
ama escrava moga : na rua do
Farello
A' 4^500
Rua da Madre de Deus n. 5
i _^_ Saceos grandes farello novo.
QueiJAS de serlio
Vende-se superior queijo do serlo : na
Madre de Daos, armazem junio a igreja.
em saceos grandes a 4J30O: nos armazens
de Tasso (rmos._______
= Vende-se ceblas a 5)b rs. o cente : no pa-
teo do Terco n. 21.
C4IIMB4
Vende-se cera de carnauba
na
Em casa de Kabe Schmeltau C*
rua da Cadeia n. 18, vende-se:
Cbampanba.
Cognac de superior qualidade.
Vidros para espelhos de todos os taa-
nnos tudo a precos muito commodoe
Aspas fortes para boloes.
Na rua do Queimado loja de miudezas n. 16. ven-
de-se aspas de ac fortes, e de dillerentes larguras
para baloes.
Bonitos qmdros para retratos.
Vendem-se na roa do Queimado leja de miude-
zas n. 16, bonitos quadros co~n mordura prela e
dourada, todos por precos rasoaveis.
Garrafas brancas
e de cores com superior agua da colonia.
Vendem-se na rua do Queimado, loja de miude-
zas n. 16.
Novo gosto
Pentes, fivellas, e brincos de feligrana.
A antiga e bem conbecida loja n. 16 na rua do
Queimado, recbeu um sorlimento de diversos ob-
jeclos de novo e bom goslo, sendo pentes brancos e
donrados de moldes enteiramente novos e mu a-
gradaveis, lendo entre elles alguns de filigrana obra
de muito gesto edeficil execueao, e bem assim fi-
vellas e brincos as mesmas circumstancias.
Tambem recebeu algnns cintos o qne d-? mais
moderno e bonito, se pode encontrar ero tal genero.
Alm disso encontraro os pretendentes ura com-
pleto sortimento de fivellas de madreperola, chris-
tal, tartaruga, e dourados, brincos de chrisial,
jaspe, vollas e cruzes de dilo e mullos outros objec-
los de gosto, m quaes continua-se a vender commo-
damente.
Penentes de madreperola, e enfeites filets
A loja de miudezas na rua do Queimado n. 16,
reeebeu bonitos pente6 com chapa de madreperola,
e- novos enfeites filets ornados de laptejoiias doa
radas, moedlnhas, aljofares, vidrilhos etc., tendo
grandes para loda cabeea e peqotnos para coque,
regulando os precos de 25 a 45000 rs.
Benitas caisinbas
com jrranjoi dourados paraj costura, lendo com
: msicas e sem ellas. Vendem-se na raa do Qaei-
. mado loja de miudezas n. 16.
Trangas pretas
! com vidrilhos, e bicos com ditos e sera elles para
i enfeites on vestidos.
! Na rna do Qaeimado n. 16 loja de miudezas a-
i charao os prelendentes um bello sorlimento dos
objectos cima ditos, cascarrilhas, franjas etc. etc
I e ludo est sendo vendido por precos commodos
Boloes pretos"
, de vidro enfeitados d'aco.
A loja. do miudezas n. 16 r i vende mui bonitos boloes pretos do vidro com en-
rna da ifeiles de a'os 1"aes muil se uzam Para eofeilar
vestidos, quem os pretender pode dirigirse a dila
i------ I loji, n. 16 a rua do Queimado.
Vendein-se na loja de miudezas
a rna tfo Qneiinado'n. 16.
Bonitos leques de sndalo e ootras qualidades.
SW
r
Grande armazem de tin-|
tas medicamentos etc. M
Roa do Imperador o. 22.
#oo Pedro das Xevc<* (ge
rente) teiss. a venda o
segalnte:
Productos chimicos e pharma-
cea ticos os mais empregados em
medicina.
Tinlaspara todo O gene* o depi.
tura e paru tinturara.
Productos induslriaes e lir?:u
para flores, como botes de fli.
e modelos em gesso para imitar
frucias e passaros com o compe-
tente desenho.
Productos cbimicos e industriaes
para pholograpbia, tin uraria, pin-
tura, pyrotecnia et-\
Montado em grande escala e sup-
prido directamente de Paris, Lon-
dres, Ilamburgo, Anvers e Lisboa
pode offerecer productos de plena
conSanca e satisfazer qualquer en-
commenda a grosso trato e a reta-r
lho e por preco commodo.
m
&

m

w
mt
Vestidos
Pecbincha sem Igual.
Chegoa a loja de Paredes Porto um bonito- sor
timento de vestidos de larialata de cores e branca
qne serve para partidas por ser ama phantas3 d-
teiramenle de gosto pelo barato preqo de 45
brancos a 45500, estao acabando-se : no armazet-
d porta larga rua da Imperatriz a. 52, junto a pa
dara franceza.
Cortinados.
Chegou a loja de Paredes Porto nm compieu
sortimento de cortinados ricamente bordado.- ;.
preco de 255, 355 e 455 : na roa da Imperairr
n. 52, porta larga jauto a padaria franceza.
Ricas
romeiras.
Paredes Parto recebeu pele ultimo paquete um >
sortimento de romeira de guipare preas e ce tilo
a preco commodo : na rna da Imperatriz c. 52,
porta larga junto a padaria franceza.
5S000
Precisase de nma ama forra ou escrava para
casa de poaca familia : a tratar na rna Direita n.
68, Ioandar, --
Qoem preefsar de ama escrava para iodo o
servlco de casa.de familia, dirija se a roa do Cor-
redor do Bispo, casa nova sem noouro qne fica
defronle da casa D. 12.
I
mmm
__ No sobrado da rna Nova n. 86, alega-
se oa compra-ge ama escrava que seja
perfeila engommadeira.
Antonio Luiz de Oliveira Azevedo & C. tem
para vender no seo escrlptorlo, rua da Craz n. 1,
vinho do Porto em eaita d? duzi, fio bamborgoez,
cola da Babia superior.
Remedio^ efficaz para ery-
sipella.
Oleo de Jandlroba.
Vende-se esta incomparavel remedio no grande
armazem de drogas e tintas na praca da Boa-Vista
n. 24, esquina da raa do Tambi.
Oh qne bella pinga;' '
Chegou alioal a travessa do Qaeimado n. 1, o
verdadeiro vinho verde de Bastos e vende-se por
5500 a caiza com 12 garrafas ou 640 rs. a gar-
rafa, a elle que muito fresco, e proprio para a
eslacSo.
Vende-se na roa da Imperatriz n 237aT'sa-
je de me|al nove por meaos de sea valor.
em outra qnalqaer parte
Dos n. 5.
?, WL& q2! i Bonilos cin,os com flvel,as de diverVasqid'a-
rua da Madre de des e moIdeS ium,a*
_____- .:____ Briocos e cruzes de crystal.
Lantljlas. Abotoaduras de dilo para coletes.
A loja da Aurora, na rua larga do Borario n. 38, P.0?1 05 Porl-rc,g|o!l-
recebeu sortimento de lantijolas mallo delicadas e delicadas caiaas com msica e sem ella, para
proprias para qualquer enfeite, assim como lam- calora.
bem receben luvas de Jouvin brancas e de cores
para bomem e sennora, muilo frescas, ebegadas
pelo ultimo vapor, tudo Islo na loja da Aurora,
raa larga do Bosario o. 38.
Vende-se um carueiro muito manso, proprio
para montara de menino, com sellim e arrelos,
,u <2vnovo : a tra,ar a r* da Imperatriz. taberna
n. 80._ ^^^
Vende-se urna capa de gorgurao roxa
em muito bom.estado com.murca,*h)pr2t.
dairmapdadedasChagas: na raaMaRoda
Agulnas e linhas para chrocbel.
BelraTsuperior em carriteis.
Renda pretas e bicos com vidrilhos.
Fitas de velludo com listras de cores para en-
feiles de gorros e vestidos.
Ditas de grosdenapoles, lisas e lavradas, brancas
e matisadas.
Bissaugas miadas, aljofares imitando
acoe vidrilhos decores
|jra enfeiles de vestidos ; vende se tudo isso por
pf ecos razoaveis na roa do Qaeimado n.l oja 16,
de miudezas.
Cortes de laa escocesa para vestido a 35 o cor-
te : na rua aa Imperalriz n. 82. loja da porla lar-
ga, ionio a padaria franceza, estao se acabando.
f ara luto.
Laas-prftas com .pices brancos a 400 e 500
rs. o covado : na rna da 'mpemriz n. S junto
padaria franceza armazem da norU k*8*^
1,0400
Chapeos de sol.
Vendem-se chapeos de sol de panno' a 15400 e
urna grande pecbincha s para acabar : na rua di
Imperatriz n. 52 armazem da porla larga de Pare-
des Porlo.
A 1^500.
Vendem-se pecas de tranca preta para enfeites
de vestidos, sootembarques, capas de seohora a
15600 com 10 varas, urna grande pecbincha : na
raa da Imperalriz n. 52 junto a padaria francezr.
j
Chales de renda pretos.
Vende se cuales de renda prelo a 45OOO, unir*
loja qoe pode vender na ruada Imperatriz n
armazem da porta larga, de Paredes Porto.
m.
ou 00
o me-
No armazem da rna do Imperador n. 3
Caes de Pedro II n. 1, tem para vender-se
or caz existente no mercaao.
Vendem-se garrafas e botijas vasias e fava
das: na roa da Soledade n. 35.

I
1 1 1


Diario de PeraaMboco Sabbado 16 de Mareo de 4866.

3=
PARA A QUABESM.A
Ohegaram a loja de Augusto Porto & C,
lf Ra do Queimado 11
Superiores cortes de seda prea.
Molreantiqae preto de flores e de listas bellos.padroos *
Grosdenaple preto de diversas larguras e qualidade.
Retondas, bourons e chales de guipii. e de rendas.
Pannos pretos, casemi- as pretas, bombasina*.
Lias, canto, merino e seloslrioas preta*.
Lindas mantas de seda para pescoco.
Ricos cortes de seda de cores para bailes ou ea&amanto;.
Ricos cortinados bordados dos ooais bellos desenos. -
Moir braoco, seda branca, capellas e mantas para noivas.
Bellas colchas de seda e de la e seda para cama de noivas.
Saias de floissima cambraia ricamente bordadas.
Fazendas de pregas para saia que se faiem com urna s costora e tambm tem con j
o cordo tecido.
Madapoln francez a 400 e 480 rs. a vara.
Alcatifa de linho para salas e gabinetes a 480 rs. o covado.
Fatenda especia* de quadros par* fazer redes a 3*800 a vara.
Superiores esteiras da ludia para salas.
11 Ra do Quelinado 11
CORTES DE SEDA
Ghegaram pelo paquete inglez riquissimos cortes de moreantique de cores, e seda lavrad pa^-
M iuteiramente novos.
Seda de quadros por 1$000 o covado
5-RUA DO CRESPO-5
Gregorio Pae do Amaral *fc Companhla.
CONSULTORIO HffiWtKMGICO
NOTOS GERENTES
DOS
TRES OIt t VIH *
mmm de wolahoos
DENOMINADOS
PROGIvfiSSiYO'pateo do Carmo o. 9
UNlAO E COMMERCIO ra do Queimado n- 7.
VERDADElRO PRINCIPAL ra do Imperador d. 40
DR.
pedr* ranTTAHYrar usfii
MEDICO, PARTEIRO B OPERADOR.
3 Ra da Gloria, ca dtt Fundflo 3
osceso.
fe
DUABTE CARVALHO PERIRA C.
Fazem sciente ao respeitavel publico, e com especialidade aos senhores de en-
fenhos, lavradotes e mais pesada 'lo-' entro, que para mais facilitar suas compras deli-
beraram os proprietarios dos'U1 grandes armazens, reuDir todoi os seus estabeleci-
mntos ea um s snatwclo petv qftal o preco de um ser de todos, prometa
tnos que nao infringiremos a tabella que abaixo vai publicado, auQunfcir os gneros
por um preco, e ea occaaiiVda ctomttrtl quererem por outro, como socede constante-
mente em oulras maltas.fifis, porettt os nossos estabelecimntos nSo se dar isto.
ainda mesmo cora prejuizo nosso, qualquer pessoa poder mandar seus fmulos que
erao tamloem servidos coa viessWB ttrssoalmenle fteudo-nos o favor d mandar seus
pedidos em cartas imadas;' par* evitar qualquef engaos, remetiendo nos urna conta
pela qual se ver os preces tal qoat
alguma que fizer sor despene* em
5 por ceoto na sua despeza diaria.
Gros de aples preto a 10500, 10600, 20, 35, 30SOO e 40 o corado.
Gorguro preto de superior qualidade a 20500, 20800, 30r-e>40o^o-
Superiores moreantiques a 20500, 206OO, 30, 30500, 4>e- *&*&#
covado.
Bons cortes de moreantique.
dem de gorguro adamascados,
Bons pannos e casemiras.
Sup riores alpacas, princetas, merino* e bemoazinas.
Bons villudos pretos.
Grande variedade de chales de fil preto e de guipure a 50, 60, 80,
100, 120, de 160 a 200, e de 250 a SQf cada um.
Superiores relondas d^ fil preto e de guipure a 80, 100, 120 e 254,
e de 300 a 600 cada urna. '
Superiores algerienes de fil preto e de guipure de 120 a 250 e d1
300 a 600 cada urna.
Boas chailes de seda preta.
Ditos de Merino preto bordados e outras muitas fajeadas pretas 0/13
seria enfadonho enumerar, na
liOJ 1 DAS COliIJiTCfAS
DE A.NTONIO CORREU DE VASCONCELLOS & C.
BA DO CRESPO W. 1S
.;.-,
liliA DO BiUJH X. 38.
O propretario deste estabelecimento deseja chamar a attengo dos sealiores pro-
pietarios aos acre litidos mechanismos que continua a fornecer ; os quaes garante ser,
enro sempre, da melhor qualidade possivel:
Machinas de vapor
Torca de 2 '/ cavallos para cima. As menores sao mui proprias para motore sde
i es':a racamentos de a godo; as maiores para moer canna; ha tambera que podera junta
u separadamente moer canna e descansar segundo suas proporces. Estee vapores
o sraipssiraos iu c.mstruccao, e se regem por qualquer pessoa intelligente, a facilida-
ie da conduego sen 1 especialmente considerada, tanto que nn ha lugar em que nao
se ;iss^mconluzir, q tr [) oilas e [)odem-se applicar a qualquer moeoda j existente sem outra mudauca do que
a substituido das rodss da almanjarra. Ellas tem depsitos d'a^ua e boeiros de ferrp,
o ni j precisara para o seu assentamento de obra alguma, qur de carapina, qur de al-
venaria. O tempo para a;senta-las no excede de doze dias ao mais, e em casos de
mories ie animaes ou arrombamentos de acudes, etc., garanle-se o assentamento em
oit'j dias. Lembru-se aoswnhares de engenho que a venda dos animaes e o servico da
h'tule oceupada no seu tratamento os ho de recuperar da maior parte da despeza do
vapor deixando-llies a vantagem de urna moagem certa e accelerada; e acabando com a
ildspeza da compra continuada de novos anlmass. com os desgostos do trablhoque
se'tem cooi elles.
Rodas Tagua de ferro, mui maneiras e moendo com qualquer altura
ti'agua.
sarilhos eom crazetas de ferro para as mesmas, quando se desege fazer
e resto da roda de madeira, toi nando-se assim a roda ligeira no trabalho.
Mocadas de eaona de todos os tamanhos, desde as mais pequeas chama-
das do serto. Obra perfeita em fflitio e acunhamento.
Rodas de espora e angulares de todos os tamanhos e proporcoes.
Paroea en coehes para receber o caldo.
crivos de fornalha para assentameutos, frescos para o foguista, fazendo
grande calor com pouco combustivel, e duradouro.
Portas de foraalha de todos os tamanhos e de diverso systemas.
Fornos e mofnos para a fabrica de farinha e tambem chapas redondas
fiara fornos pequeos.
Bombas simples e de repucho.
Taixas de ferro batido e fundido e de cobre.
Formas de ferro batido galvanisado para purgar assaear, leves para carregar
( semptos de quebrar-se.
Alambiques de ferro de todos.os tamanhos, custando s a terca parte do
preco dos de cobre, mais regulares oa distillaclo e igualment^ duraveis.
Clxos e rodas de earro cora naang-s de patete, obra mui segura para
rarregagao de peso.
Aradlos, grades, enehados a cavallo e outros instrumentos de agri-
cjittma. E talmente todo o objecto de que possa precisar um engenho.
. Manteiga iirgleza perfeitamente flf che-
gada ltimamente a 1,000 rs. a librtr, e
em barril tora abatimuato.
Manteiga fraiiceza da safra nova a 800 rs.
a libra e em barril tara abat ment.
BAWA
BanbaTefinad* saperior a 6*0 rs. e em
barril ter abatimento.
II
Cha uxim de primeira e saperior qualida-
de a 2,800 rs.
dem byssaa o melhor neste genero a
0 Dr. Lobo Moece'sfr'd consSHw' grafulte* |(fcfc*es todos os dias das 7 s 11
aoras da manhlo, eds 6 e meia s ^beYite dbls, t ftepcao dos dias santificados
Phartnmi* e*p&ei*lf. 1mmmp*thica
No mesmo consultorio ha sempre o mais approprid sortimento de carteirai
tobos avulsos, assim como tinturas de varas dymnamisacoes e pelos precos seimiBM-
Carteiras de f UflWs'frandes. 120000
de 24 tobos grandes. 180000
1 de 36 tobo gVaBOwk 240000
de 48 tn?R graades. 300000
> de 60 tobos granes. 350000
Prepara-se qualquer carteira conforme o pedido que se fizer, e com os remedios
que se pedir.
Um tubo avulso ou frast* de tintura de meia ott^a 10000.
Sendo- pwa eima de "csMIrto OS preoes" estftfcl&idof pUrMaj carteiras.
Ha tobos mais pequeos cada um a 500 res.
IIVRON.
A melhor obra da homeopathia, o Manual de Medicina Howopathieo do Dr. Jaih
s doos grandes volumes com diccionario ............ 200000
Medicina domestica do Dr. Hering........... 1O0OOA
Repertorio do Dr. Mello Moraes............ 60000
Diccionario de termos de medicina..........] 34000
Os remedios deste estabelecimento s5o por demais conhecidos e dispensam por
tantoe serem novamente recommendados as pessoas que quiere aar de remedios
SS^SSJJSi!Tm. ?*******!* pessS 'erdadeiros, enrgicos e duradores: ha todo o melhor que se pd* deSr?oho7S
nossos estabelecraentos; pois poupar raa.s d* Tefda)eiro assucar de leite, notaveis pela sua boa conserje, tinturSmaS^redi
udos estabelecimntos europeos, a mais exacta e acurada preparaco^oporUotoa maior
energa e certeza em seus effeitos.
Casa de saude para escravos
Recebe-se-escravos-para tratar de qualquer enfermidade ou facer-se-lho qoalqoer
operado, para o que o tonunciante julga-se sufficientemente habilitado.
0 iraWmento o^meihor possivel, Unto na-parte alimentar, cotao na medica
tnecionande a casa ha mais de quatFo aonos, ha muias pessoas de atijo conceit se nao
pode dovidar, quo-poden ser consultados por aqueles que desjarem mandar seos
doentes.
Paga-se 20 por dia durante 60 dias e d'ahi em dianta 10500.
As operacOes se rao previamente ajustadas, se nao se quizerem sujeitar aos preces
razoaveis que costuma pedir o annunciante.
Vinagre
Superior vinagre de Lisboa a 2,000 rs. a
caada e 260 rs. a garrafa. Tambem ba
mais baixo para 2oo rs. a garrafa e l,4oors.
a caada.
ire dace
11 Superior azeite doce de Lisboa a 64o rs. a
garrafa e a 5.000 rs. a caada.
FUp CAPORAL.
Latas com superior fumo caporal a 1,800
rs. a lata.
Passas
Superiores passas a 2,5oo o quarto e
2,6oo rs., e sendo era poreio ter abatimen- 9,000 rs., a ca'xa do arroba hespanhola e a
56o rs. a libra.
CEYEBUA
Gnebra de laranja erdadeira a lo,5oo a
duzia e l.ooo rs. ao frasco.
Genebra de Holfan la verdadeira a 6,000
to, tambem ha preprio para negocio de 2 a
2,4oo rs. a libra.
dem proto superior de 1,80o. a i,5oo rs.
a libra.
Biseoutos
Latas com superior biscouto inglez de di-' rs. afiasqueira e a 56o rs. o frasco,
versas marcaaa 4,2oo rs. a lata* Idom.drfollanda em botijas a 4oo rs. ca-
Botaehinhas da ums.
Lata com bolacbinhis da acreditada fa-
brica do beato Antonio, proprias para dar a
doentes de 2,000. a 3,000 rs. a lata.
dem con qoatco libras da bolachioaa da
soda a 2,ooo rs. a lata.
Queijos
Queijos flamengos. chegados pelo oltimo
vapor de 2,3oo. a 2.000. rs.
CHOGOLAXE
(Jhocolaio bpaul*oi; a l,ooftel,2oo rs.
a libra,, francez e suisso a 1,000 rs. a libra
e portugus a 800 a libra, era porco
ter aiatimeato*
YINHOS
Superior vinho do Porto das mais\ acredi:
tadas marcas, comoisejei! Madetra) Secca,
Garrafbes com 24 garrafas de genebra de
Hollanda a 8,000 rs. o garrafo. Tambem
ha garratoes com 5 e 14 garrafas de 3,2oo a
6,000 rs. cada um.
VELAS
Vebs dospermacete a 64o rs. a libra.
dem de carnauba de lo a 12,ooo rs a
arroba e de 36o a 44o rs. a libra.
PEIXE .
Peixe em latas j preparado de 1,000 a
l,2oo ijs. lata
ALPISTA E PAINC0
Alpista e painco milito novo de 3,800 a
4,t>oo rs. a arroba e de 14o e 160 rs. a li-
bra.
CHARUTOS.
Superiores cbardtos do fabricantes Simas
Duque do Porto, Velho Seccoj Lagrines do Imperiaes, Delicias, Parisienses e outros de
Douro, Mara Pa; D htm, Pedro V, Lagri-2,2,5oo e 3,ooors. a rajia caixa: tambem
mas DoGes e outras maroas a l,ooo a garra-
fa e 9,000 a 12 000 rs. a duzia.
Vinho Figueira e Lisboa das raelhores
marcas a 4oo e 5oo rs. a garrafa, e a 3,ooo,
3,8oo e 4,ooo rs. a caada.
Superior vipbo ehamisso em barr a 64o
rs. a garrafa e a 4,5oo rs. a caada.
Superior vinho de Lisboa e Figueira em
anceretas de 8 e 9 caadas a 24,ooo rs. a an-
coreta.
Superior vinho branco proprio para mis-
sa a 640 rs. a garrafa, tambem ha mais bai-
xo para 4oe, 5oo fs. a garrafa e 3,2oo a
3,5oo a caada.
Caixas com ama duzia de garrafas de su-
perior vinho Bordeaux a 7,ooo rs, a caixa e
7oo rs. a Harrafa.
CtFB
Caf do Rio de e 2,* qualidade da
6,800 a 8,2oo rs. a arroba, e de 24o a 28o
rs. a libra.
MAUAO
temos Suspiros, Ilavanjiros, Ligueiros e
outros moitos que vendemos por mdico
pre?o.
Licores
Licores francezes e portaguezes a l,ooo e
l,4oo rs. a garrafa ou frasco.
Doces
Doce da casca da goiaba era caixes e la-
tas a I.Sooo caixao e i,8oo rs. a lata.
Frotas
Frutas em calda e era latas fechadas her-
.VR9IAZEM: DE FAZENBJlS
DE
CISTOBIO CARTAIiHO 1
27 RA DO QUEIMADO N. 27
Madapolo francez muito fino, tendo pouco mofo, cada peca com 27 varas oor
100000. w
La de cores a 300 rs. o covado.
Cambraia franceza a 260 rs. o covado.
Finos organdis a preco de 800 rs a vara.
Lencos hrancos para algibeira a 20000 a duzia.
Fin is perclaras preco de 400, 440 a 560 rs. o covado.
Ricos cortes de la de barra de 100 a 300000.
Chales da fii.) preto e outras muitas fazendas.
Novidades do Vigilante
RA DO CRESPO N. 7.
Este estabelecimento apezar de sempre.
se achar bem sortido como todos sabem*
hoje mais que nunca, nao s pelo que rece-
be de sua propria conta, mas tambem pelo
que recebe de consignacoes; parece sem
duvida que deve offerecer grandes vanta-
meticamente, muito bem eafeitadas, conten- i KLf" l^\aKlel2ul)!C0 .taDt0em
do pera, pecego, ameixa rainha Claudia, al
perche e outras frutas a o rs. a lata.
Tambem ha latas grandes para l,2oo rs. a
lata.
AZEITE DE REFINADO
Superior azeite. fraQcez refinado a 8,ooo
rs. a garran e a 9,ooo rs. a duzia.
MOLIO IXG1EZ SAUCE
' Molho io.lez-. Sauce em frascos grandes
comrolba.de vidro a l,8oars. o frasco em
Machipas de dpsearocar algodlo.

Na fabrica se fazem obras novas encommenda e cotcenos, com a maior preste-
za o solidez. 0 grande deposito de pecas e objectos habilitam-na muito para-, este fim.
O proprietario ser sempre mui feliz de poder ter occasio de dar informaoSes ou
-os '.larecimentos aos senhores que se servirem de seu presumo.
D. W. Bowman, engenhe.iro.
Sabo maca de primeira qualidade de 1/ft. duzia tetra abalimento.
a 22o rs. a libra e de 16o a 21o rs. sendo BATATAS,
em caixSo. Gigos com 3o libras de batatas a l.ooo rs.
Serjeja SiRDlNHAS.
Superior serveja Bass dos melbores fa- Latas com sardinhas deNantes e Lisboa
bricantes, como sejara: Sblers & Bell. T. F. e 400 a 4(j0 rs> a |ata
Ashe a 7,5oo e 7,ooo rs. a dozia e a 7oo rs.,
a garrafa. Tambem ba de outras marcas. FUMO AMERICANO,
como seja: Victoria e Alcope a 5,ooQ.rs. a du- Superior fumo em chapa a 640 rs. a libra
zia e a 5oo rs. a garrafa. | ERVILHaS
B JlOES VASIOS. Latas com ervilhas e feijo verde j pre-
Boi5es vasios, louca ingieza muito pro-; parado 6io rs, late
pria para manteiga e deposito de doce de 4
a 12 libras a 1,2o j e 2,5oo.
FARINHA DO MARANHAO.
Farinha do Maranho a 240 rs. a
SAG'.
Sig muito novo a 4oo rs. a libra.
ARARUTA. .;
aUbm
MAS^A DE TOMATE
Lates com 1 libra de massa de tomate a
| O lo a lata,
ibra. VERMUTH
Esta bebida muito fresca e estomac >1 e
muito propria par.i a presente estaco. a
qual vendemos a2,ooo rs. a garrafa e 180
a duzia.
Araruta verdadeira a loo rs.
Pimenta, cominho, cravo, canella. ervadoce, alfazema, tijollo parajimpar facas pa-
litos para-dsntes, palitos de fogo, e outros muitos gneros que se tornara enfadonho
mencionar, afianzando cinceridade nos presos e o bom acondicionamento de qualquer
gen ro.
r

n\\ MJk CAIIEIA Nt 56 A,
i.oaijoua a ter
3!ae/tina4j
dos m'Ihftres fabritanles
mid i. Ti 'oij?e(]'a9Bcla (te
HOMARES BAK4T08
Vendem-se, na livraria da praca da Inde-
pendencia n. 8, a 400 rs. o volume, os ro-
mances pOrtugoezessegorttes, em brochura:
A voz do sangue, 2 volumes.
Connemara, 2 ditos.
A noite daS. Silvestre, 1 dito.
O fimo de Titiano, 1 dito.
Adonis ou o bom negro, 1 dito.
As duis amadas, 1 dito.
O pacha de Buda, 1 dito.
Trilby, 1 dito.
Igaez de la Sierra, 1 dito.
Joileo Siberiana, 1 dito.
If fabrica du Yoasre, roa Imperial n. 1,
prximo a eslagio do camiDho de ferro, vende se
vinagre timo superior em qualidade a outro qual-
quer, e por preco mdico, assim como branco e
incolor ^^
UevaaiHlia de Franca
iH rs. a libra, e de 8 libras para cima a 120
Para es bailes mascarados.
A aguia branca est vendendo por baralissimos
presos, para acabar, os objectos sepililes, que ser-
vera mal bem aos que tomam parte nos bailes mas-
carados, sendo :
Meias de seda a i o par.
Enfeites de flores a 15, i e 35 cada um.
Fitas Uvradas de 320 a 10 a vara.
Cintos largos com'poolas cabidas.
Veude-se urna masseira de amarello em per-
! feiio eftado, e mais pertences para ama padaria,
i na estrada nova, segunda taberna a direita, depois
do sobrado grande : a trata na mesan, das 4
horas da tarde em diante.
l precos como na escolha dos objectos, e co-
mo acaba de chegar grande remessa pelo
vapor t Douro e o navio Solferino de
diversos objectos de gosto e proprios do
tempo dos-quaes se mencionaro alguns,
por nao ser possivel mencionar todos. O
dono deste estabelecimento espera a pro-
teceo de todos.
Riquissimas caixiohas ornadas e com
msica propria para um delicado mimo.
Caixinhas de msica tanto de veio como
de corda.
Ricos portetjoias e necessarios. .
Riquissimos est jos a feitio de um bausi-
nho ou chapeuzinho.
Ditos em casca de noz e de outros gostos.
Leques de madeperota de sndalo e de
faia e madeira.
Chaposinhos e touquinhas de muito
gosto para crian gas.
Meias e sapatinhos de seda para as mes-
mas.
Meias de seda para- senhoras.
Capellas e grioaldas de flores proprias
para casamento.
Enfeites e capellas de muito gosto para
seuhora.
Riquissimos porta boquets.
Boquet de flores com orna borrachinha
com ebeiro.
Luvas verdadeiras de Jovin.
Ditas de seda e de Escocia.
Riquissimas plumas e guarnieses para
enfeitar chapeos.
Contas e tubos de ac branco, que ha
moito se desejava para enfeites.
Brincos, fivellas e cruzes de crystal.
Fivellas e cruzes de tartaruga, madripe-
rola e dourados.
Alfinetes para grvalas.
BotSes com croas para punhos.
MACHINAS DE PATENTE
DE TRABALHAR. A MO PARA DESGA-
RRAR ALGODO
FABRICADO POR
PLANT BBOTHERS & G.
OLDAM.
Estas machi-
naspodemdes-
carocar quaj-
?quer especie de
'algodo sem
estragar o fio,
sendo bastante
duas pessoas
para o traba-
lho; pdedes-
carocar urna
arroba de al-
godo em ca-
rocq em 40
minutos, ou
18 arrobas por dia ou cincef arrobas de al
godo limpo.
Assim como machinas para serem"movi-
das por animaes, que desearecam 18 arro-
bas de algodSo limpo por dia; e motores
para mover urna, duas ou tres dessas ma-
chinas.
Os mesmos tem para vender um bellissi-
mo vapor que ple fazer mover seis destas
machinas mencionadas; para o que convi-
da-se aos senhores agricultores a virem ver
e examinadlo, no a mazem de algodao, no
largo da ponte nova.n. 47.
Sauuders Brothers tfc C.
Recife praca do Corpo Santo n. II.
Os nicos agentes neste paiz.
O castello Tr adalid o do francez por 1.1. C da Crni.
Vende-se este bello romanea em quatr
tomos pelo baratsimo preco de 300C
ua praca da Independencia, livraria ns.
6e8.
Frameisco Jos Germano
RA-NOVA N. 22,
acaba de receber um lindo e magnifico sor-
timento de oculos, lnnetos, binculos, do ul-
timo e mais apurado gosto da Europa e ocu-
lo*-de alcance para- dwervacSes epara os
martimos.
Ie
a
b. : pa arrollen) da Liga, ra Nova n.>0.
pmm (wstarocar alaoauo --^^^i^wi^iimrssi^^o
1 dourt-llieHro* nid'flieedg de I60> : qne quier
^(Hrij *^a ra do Cabuga d. IB
18, SO, So, 30 e 35 serrotes qae as vende por pr i ter recefeldo de cent propria dos Estados-Unid
resu-
Na roa do Qoeimado n. 40
Cortes de lazinha de cor, bonitos gostos, eom
15 covados a 3*600.
Casas orjtandjs de core, covada a 240, pecas
de 3J Ditas de dito com 17 varas, multo encorpado,
coro pequeoo defelto-, a 4*500.
Grosdenapl* preto moite superior, covado 2.
Dit> dito a QOO.
Retondas de renda preta a 10*.
Chales de renda pret a 8*.
Gravatinhase mantinbas de muito gosto,
tanto para homem como para senhora.
Riquissimos aderegos pretos, assim como
caixinhas com a'.finetes pretos.
Bengallas de canna com cabo de marfm.
Ditas de baleia, borraoha e de outras
muitas qualidades, assim como chicotiuhos.
Riquissimos peales de tartaruga do ulti-
mo gosto; asim coma de arregaco para
menina, pois neste artigo ba um completo
sortimento de todas as qualidades,
Diademas para cabeca do ultimo gosto.
Riquissimas fitas lavradas e lizas.
Trancas pretas com vidrilho e de odres.
Pulseiras tanto para senhora como para
meninas.
Ligas de seda e de algodo.
Suspensorio? de sed e-de algodSo emui-
tos outros objectos que se nio podem an-
nunciar por n5o se tornar enfadonho.
S o Gallo Vigilante roa do Crespo o'. 7. Qoeimado n. 16.
Manual do Cidado
Vende-se o Manual do Cidado em um
Governo Representativo ou principios da
Direito Publico Constitucional Administra-
tivo e das Gentes, por Silvestre Pinheiro
Ferreira, em 3 volumes broxurados por 34
cada obra : na livraria n. 8 da praca da
Independencia.
Vene-se nra mulato de ti anos-de idae
com bastantes habilidades, como bom cotiaheiro e
copeiro : na roa da Imperatnz n. 14, 1 andar.
Roopas feitaa di todas as qualidades
Vende-se reupa feilk, sendo calcas de eons e
pardo a 2*, ditas de brim branco de linho a ;t*500
e 4*. ealcM de caseraira pret a 5*, 6* e 8* al-
tas de cores, meta casemir, a 3* e 3*306, ditas
de oasemira a 6*, 7* e 8*, paktots de brim de
cores a 2*, 3*500 e 3*, ditos d *rim branco a
a 4*500, ditos de alpaca preta a 3* e 4*, ditos da
casemira de cores a 5*, 6, 7, 8 e 10X ttot de
panno preto a 6*, 7, 8 e 10*, eoHetesde core a
1*600, de casemira a 3* e 4*, ceroola francen a
1*600 e 2*200, camisas francaaas finas brancas e
peitos de cores a 2* e 2*500, ditas ingleas de li-
nho de pregas largas a 2*800, 3 e 3*500 : na
ra da Imperatria,toja da Arara a. 88.
Lut s de Jb*b pretas e tras
Wrts
Cbegaram para a loja de tniudezas : na roa
/
-
\


i
41
f



afeitado 4c Marco de 1666.
1 **
%*
*
k
LOJA
I3K5JKaiOfDIOA
a. p jnn(a padarla Cradeema da
Paredes Parto.
Nesto aotalwlecrmento encontrar o respeittvel
publico um feriado sortimento de fazendas france-
zas, iaglexas, snissas a alteles,jjue se venderao
por preso commodo. "
Paredes Perte
Vende enales de renda do cores que se vende-
rain a- i8*.8* veafevdo por 6*, ditos-pretos, fa-
zenda nova, o, 6*, 8* a 20*, um sortimento com-
pleto de manteletes, capas e soutambarques 14* a
28*. Roa da Imperatrin. 42, junto a padarla fran-
cesa, armazem da porta larga.
Pareaos Porto
Recebea ura completo sortimento de laasinhas a
240, e 280 rs. covados, para acabar, cambralas de
cdr 240-rs. o covado, riscado escosses para ron-
Ki de menino, fusto de linho a 420, 400 e 500 rs.
na da Imperatriz n. 52 junto a padaria francesa;
armazem da porta larga.
Paredes Perto
Recebea para cortinados para cama francesa a
11* a peca cambraia lisa fina a 3* 4* at 10* a
peca, cortes de larlatanade bonitos gastos a 3*500
4*, cambraia cora B5r de seda, gestos inteira-
mente notos a 100 e 500 rs. o covado, no armazem
da porta larga n. 52, roa da Imperatrlz junto a pa-
daria francesa.
Paredes Porto
Receben pelo ultimo paquete um sortimento de
cruies com pedras para o pesclo, b Ditos cazinels
de laa para pesclo de seuhura. Ra da Imperatris
n. 52, armazent da porta larga.
Paredes Porto
Vende cortes de gorgoreo preto para vestido com
-21 covados cada um 35*000, grosdenaple preto a
1*600,1*800 e 2* o covado, lias lizas finas a 400
rs. o covado, l*s-de quadrinbo para vestido, enfes-
tada, a 320 rs. o covado. Ra da Imperatris n. 52,
armasen da porta larga.
Roupa feita
Rva da Imperatris o. 52 armazem da- porta lar-
ga junto a padaria francesa, eBcontra-se neste es-
ubelecimento um completo sortimento de paletos-
saceos e sobrecasacos, de todas as qualidades, fal-
cas, colletes, ceroulas, camisas, grvalas, meias,
chapeos de sol, ditos francezes para cabeca, por
presos commodos, roepa para menino o outra*
muitas fazeodas por presos commodos, armazem
da porta larga.
No mesmo e-taeleement encontrar o respei-
lavel publico, seropre um completo sortimento de
roopas fetas de tedas as qualidades, como sejam
paletos de alpaca preta e de cor, ditos sobrecasa-
cos a 4* e 5*, ditos de brim pardo a 2*800, 3* e
3*500, ditos fines a 4*, ditos meias eazemira a
3*500, 4* e 5*, ditos eazemira saceos a 6*, 7*, 8*
e 10*v ditos sobrecasacos a 10 e 12*, ditos de pan-
no saceos a 6*, 8* e 10*, ditos sebrecasacos a 12*
e 25*, ditos do merino preto a 6*, 7* e 10*, cal-
cas de brim de diversas qualidades a 1*900'a 4*,
ditos braacos a 2*300 e 6*00, ditos eazemira 5*,
, 6* e 7*, ditos pretos a 5*, 6*, 8* e 10*, ditos
meias cazerairas a 3* e-4*, coietes de diversas
qualidades, seroulas franCezas'Be algodao, ditas de
llnbo, ditas-de bramante a 2*-e 2R3O0, carnizas de
algodao de idIio francesas de"5*00 e 3*. Gran-
de pectiincia oeste genero, grvalas de todas as
qualidades e brancas para casamento, grande sor-
timento de meias para senttoras, ditas para horneas
a 3*, superiores a 3*500 e 4*.
Um completo sorrimeato de chapeos de sol de
alpaca a 3*, ditos de seda e 3*, 7*, 16* e 14*,
ditos "francezes para cabreo, grande sortimento
a 6*.
Pechineha dmii-avel.
Grande sortimento de chambres a 4*600 e 8J,
i enees-de cambraia para itomem a 2* a duzla, di-
tos de Hnho a 4* e 5*.
Grande soitimento de roupa para-meninos e oo-
tras militas qualidades que seria enfadonho men-
ciona-las.
Paredes 'Porto
Reeebeu pelo ultimo paquete trences ricas leas
granadinas com flores de seda a 400 e 500ts. o
covado, estiio acabndoos, cambraia preta pera
luto. Porta larga juato-a padaria fraTtceta, a rus
da Imperatriz n. 52.
Paredes Porto
Receben pelo ultimo paquete espartiihos a pre-
guicoso por 3$, sao boos, lencos de seda para se-
nbora e bomem a 1?, ricos cortes de cambraia
bordados de 183 a 7a, por ter um toque de mofo,
eslise acabando, na roa da Imperatris n.S2, jun-
to-a padarla francesa.
Paredes Porto
Vende ura completo sortimento de faiendas
brancas, como sejam rosscolo a 4*500, 5*, 5* e
10$, pecas de algodao por fcarato prego, chita-fran-
ceza a 240, 280, 320, 360 ts. o covado, precalias
muito finas a 360, 400 rs. o covado, chita ingleza
i2O0e240rs. o covado. Roa da Imperatris n.
52, junto a padaria francesa.
Fazeodas.
Vende-se superior merino preto propri para ca-
pa* do senhora e vestidas a 2*. lustrina da 'China
a 1*800 o covado. Ra da Imperatriz, porta-larga.
Paredes Porto.
Vende em seu estabeleeimento tiras e ntremelos
tordados, grande sortimento de corplnhos rica-
mente bordados a 3*, 4* e 5*. So o Paredes Por-
to, roa da Imperatriz no 52 ; porta larga jonto a
padaria franceza.
B-McOO-J T1^ S o o o O
S bS-SS-^ I B o. 5
a.-a 0 o
P*RA A
fi. AVER
GAHD fi&XUliUlUKTO
DO
W.80
do scratalM e nuriettia^ewrofaleflas, tumores, ulcera JStJg&mtas ve-
Ibas,* b*oaobcelei papo eu papwra, a syphilis, enferuJdadeeveBeria&oanier-
curiae. -**
AS MOLESTIAS DAS MULHERES
retando, menstro doloroso,-ulcerac5es do tero, iteres brancas, etc., alcera-
cBo, deaflidade, espelieeSo dos ossos, a nevralgia e coansSes epilpticas
quando causadas pela escrfula.
ERISIPELAS ERPES; ETC.
Enfermldades tu tancas, erup^io, borbuHiRs, ptistnlas,
nascldas, elo.
0 extracto composto de salsa parrllha, con'eccionado pelo Dr. Ayw, urna
combinacao dos melhores depurativos e alterantes conhecidos- medicina; -confeccio-
nado segundo as regras da sciencia, approvado e receitado pelos prirreiros mdicos dos
Estados-Unidos da America do Sul e Central, das Antnas, do Mxico e das Indias, e
maltas outras partes do mundo ; o resultado de estudos apurados e minuciosos, e de
experiencias feitas pessoalmente pelo Dr. Ayer, por muitos annos, nos principaes nos-
pitees e enfermaras da America ; tcm sido approvado pelas academias de medicina e
juntas de hygienne das principaes capitaes da America do Norte; -paraprova disto vede
os attestados aulhenticos no Almanak e Manual de Saude do Dr. Ayer, es cjuaes sedis-
trbuem gratuitamente nos lugares onde se vende o remedio.
A SALSA PARILHA DE AYER
Especialmente efflcaz na eura das molestias que teni sua orlgem
na escrfula, na lnfeccfio venrea, no uso
excessivo do mercu>lo ou qnalqncr Impureza do sangue.
A molestia ou infecto peculiar, conheoida pelo nome de escrofufaf um dos ma-
les mais prevalecentes e universaes que na emda a extensa lista das enfermidades que
atacam a nossa raca; disse um celebre escriptor da medicina que mais de urna terca
parte de todos aquelles que morrem antes da velhice s3o victimas, ou directa ou indirec-
tamente de escrfula; por isso s nao 13o destructiva, porm a principal causa de
muitas outras enfermidades que n5o Ihe s5o geralmente altrituidas.
urna causa directa da tsica pulmonar, das molestias do flgado. do estomago
e affecces do cerebro; entre seus numerosos symptomas acham-se os seguintes: falta
de appetite, o semblante plido e'enchado; as vezes de urna alvura transparente e outras
vezes corado e amarellento irregular, fraqueza e mol'.eza nos msculos ao redor da boc-
ea; digestao fracae appettite, falta de energa; ventre encbado e evacuacao irregular;
quando o mal tem seu assento sobre os pulmOes urna cor azulada mostra-se em roda dos
olbos; quando ataca os orgaos digestivos, os olnos tornam-se avfmfelhados; obali-
to ftido, a lintua carregada; dores de cabeca, tontefras, etc. Naspessoas dedisposi-
cSo escrofulosa apparecem frequentemente erupges na pelle da cabega e outras partes
do corpo ; sao predispostas s aflfecces dos pulmoes, do flgadr, des rins, dos orgaos
digestivos e uterinos. Portanto, nao s5o sfflente aquelles que padecem das formas ul-
cerosas e tut)etuleas'da*e9erfola que necessitam de pTotecgao centraos seus estragos;
todos aquelles em cujo sangue existo o virus latente deste terrivel flage'lto (e s vezes
hereditario), estiio expostos tambem a soffrer das enfermidades que elle cwsa, que S5o: nm grande sortimenio 'dos.maismm onrtesde
i /:.:.. _i_A_jrTi j-ci. j___.___.___j___!.. .-___t.___i n r-rnm u vestidos transparentes com lindas barras e enfeites
T.
. Ra da imperatriz,
be
GAMA & SILVA.
LOJ* E ARMA1M DB'PAZBRD18.
'Pwdo e pr meolofeno um grande abatiDMio em minias de
sus fasendas, pela occastaodo bataneo que deram
no ultimo de dezembro de 1865, resolvern) vender
moilo mais barato do one costumam aim de cada
ves mais agradarem aos seus numerosos fregu
zes; por tanto Ibes offerecem nm avotadn sorti-
mento de fazendas.franeetae, lefteus, .as.quaes Vende-se lasinhas pretaspropras para luto-sen
venderao mais barate- do parte, comprometindose a mandar levarqualquer finas de quadrinhos a 480 e 320 rs., ditas enesta-
razenda em casa dos fregu*es que nao pederem.-des a 400 rs., ditas mathizadas a 320 rs., ditas
rir a loja, ou a darem as amostras, deixando fkar, transparentes com palma de sedas 400 rs., ditas II-
o penhor, assira como convtiam as pessoas, que s e com salpicos a 500 rs., para acabar na leja e
Cortes de cambraia com palmas na lj4o
Pav3o.
Veidem-se cortes de cambraia branca, com pal-
mas, sendo fazeoda multo boa, pelo baratissimo
preco de 2*500 para aeltar; na-ttjt e armttn
do Pavo na ra da Imperatiiz
Silva.
Lencos brancas a ^OOO res a
duzla.
Vendem se lenfos braeeos farenda muito Boa
pelo baratissimo preco de 8* a dusia, Ditos com i ]dn(T- "'X'^nV^'"" """k"""^
torra de er a 2*000 isto para acabar na loja do "fg K^^JfS?*6,3.0* fara acab" i w
ftvlo na ra da Imperatriz n. 60 de Gama & Sil- '^Vo m Md Gma &S'lva.
Laasmhas matisadas a 520 rs.
Vendom-se as mais lindas laasinhas matisdas
com os mats bonitos desenbos, pelo barato preco de
320 rs. o covado ; na loja do Pevo a ra da Im-
peratriz n. 60 de Gama & Silva.
Para a qHaretaia.
Vedte o Pav3o.
Superior grosdenapie prto a l*6G0.1*800 e 2*,
e outro muilo largo a 2*800, 3* e 3^200, e o supe-
-. n'or moire-ahliqae *!$W0 e 3**, seda Vela lavra-
a. e,-feaway da a 2* 8 1*805), e selim preto a 3*500; na loja
do Pavao roa da Imperatriz n. 60.
Car (ts do vestidos.
Pretos a 3000O.
GR-NDE PECHINiHA!
Lsiithas a 120 rs. na leja do Pavo
Novidades da Arara.
PECH1NCHA.
Fazendas pretas para a quaresma.
negoclam era menor escala que nesie"grande' esta- araazen7do"pavo naTua"daTrpera"!'!" DTcoTde Arara vende grosdenapie preto a 1^600
beleermeto encouwarfio um grande sorthoeMo-' Gama & Silva. I Vende-se grodenaple preto bom a 1*600,1*800
ado, dito muito largo a 2*500 e 2*800
na ra da Imperatriz loja da Arara
tanto a realho como por Macado, vendendo-se-tte perjpeunas moderrrssimas a 400 e 500 rs. 'e* covad'o, dito muito largo a 2*500 e 2*800
apenas peles preees-qM coopram as casas ingle. pnv -n na ,n Pav3n l o covado
zas, sendo com o dinheiro a' vista.
Pechineha a 3#**0 e 2$50
AS MELPOMENS'D PAVAO.
Vendem-se bonijos coites de melpomene para
vestidos de senhoras, sendo dos psdfoesrnals nro-
demos pelo baratissimo-precede 3*000 cada nm.
Ditos de mdiana, tendo ouo e meia varas, pelo
baratissimo pre;o de 2*500 rs.
Isto para acabar na loja do Pavao, roa da Im1
#eratriz n. 60, de Gama k Silva.
AMoaihas de li lie do Pavo.
Yendm-sa. superiores loalhas de linhos para
rosto pelo baratissimo preco de 7*500 a dozia ou
a 640 cada urna.
Guardanapes'dgitPhO'aiscan fara- meza-i a-
1800 a dozia oo a 240 rs. cada um.
Superior atoalbad de linbo com oilo palmos de
jo covado na loja do PavSo.
Vendem-se poupelinas muito finas sendo fazenda i '
muito moderna de quadrmhos e liza vendendo-se
pelos-baratos [.Tecos de 400 e 500 rs. o covado na
loja do Pavo na ra da Imperatriz n. 60 de Gama
& Silva.
Cirosdenaples pretos do Pavo.
Vendem-se superiores grosdenaples pretos pelos
baratissimos precos de1*500, 1*600, 1*800 e 2*
covado, sendo fazenda muio boa, s para aca-
bar : na loja e ara azm do Pavo, ra da Impe-
ratriz-a. 60, de Gama & Silva.
Bramante de llnho do Pavo. i
Vndese superior bramante de Hnho com 10 .
palmos de largura, preprios para lenges, pelos 1*400 cada um. camis.nhas para senhoras al*.
Uraliana ptcWWe*a e 2*500 a^ara, assiro 3* : o-Arara ra da Imperatriz n. 56.
Mno^annode liobomoiio fino pelos*aratisimos Arara vende os vestidos bordados a H,
-* iprecos de 640,700 e 800 rs. a vara: na loja e ar- Vende-se cortes de vestidos braocos bordados a
Sm?d0 br P 6 ttiV'ttlS mazem d0 paiao-' Imperatriz n. 60, de Ga- 4*500, ditos de cores a 3, ditos bordados a laa e
rtlo doqueem ontro parte, na loja do Pa>*e mraa, m> &Sj|va sedl a T#.e g# na Toa^, Irapef,lrh ^ w.
S^w\n;^%ftA?nlV*ai,3n ^""S SaS d0 P"5' S bafeS da Ara S-
Y* ravdu. Vendem se pecas ce camfcreia lisa mnito snpe- Vende-se bal5es de reos de todes os lmannos
Mereantique da Arara a t$8O0,
Vende-se moreantique preto para restidosMBUi-
to bom a 2*800 e 3* o covado, alpaca preta para
paletots e vestido* a 600, 60 e 800 rs. o cowido,
merino preio multo bom a 3* o covado : na *rua
da Imperan-i loja da Arara n. 56.
Arara vende as saias a 30500,
Vende se-saias bordadas para senhoras a-04500
e 4*, gollinhas bordadas a 240 e 320 rs. cada
urna : na ra da Imperatriz loja da Arara n. 56.
Chapeos di' sol da Arara a 4400.
Vende-se chaposintus de sol para meninos a

3' 2* 3 B ^g
o r- 5
o
^, o Q

|SS.g|a>|.2:|
3
^
"8 I *>-g
3
O de O
| B I. *S-
So
til"
otp !
a 5?
a?. 2.
o,
5
A tsica, ulceracoes de figado, do estomago e dos ros; erop?es e enferaiidades
eruptivas da cutis, rosa ou erysipela, borbulhas, pstulas, nascMas, tomores, r-beumaJ
carbnculos, ulceras e cbagas, rheumatismo, dores Hos'osses, iras costas e na cabera,
debilidades femininas, flores brancas causadas pela-ulceraelo intetjor, e enfermidades
uterinas, bydropesia, indigestSo, efraquecimento e debilidade geral.
Offejcemos aesias pessoas um abrigo seguro e um antidotoeffieaz contra esta
molestia e suas consecuencias na
SALM PARRILHA DE AYER
que opera directamente sobre o sangue, purifleando-o e eipulsando elle a corrupgo e o
veneno da molestia; penetra todas s partes 'e todos os orgaos do corpo humano, livran-
do-os da sua acc5o viciada e inspirando-Ibes novo vigor. um alterante poderosissimo
para a renovado do sangue, edao corpo j enfraquecido pela doena, forjas e ener-
gas renovadas como as da joventude.
E ta-tabem o mdto anty-sypJiliti(io cohecido
cura permanentemente as ptiores formas de syphilis e asuas-conseotiencias. Pouca
necessidade ha de informar o publico este, livra o sangue desta i orrupeo e arrebata a victima das garras de urna morte lenta
e ignominiosa, porm inevitavel, se o mal n5o logo combatido com energa.
um poderosissimo alteraTite para a renovaco do sangue epara daruova for-
ca ao corpo j enfraqueeido pela doenca.
Sendo composto de productos vegetaes, esie medicamento innocente e ao mes-
mo tempo efficaz, um facto de immensa impartancia para aquelles que o tocoam ; por-
que muitos dosTemedios alterastes offerecidos ao publico tem por base o mercurio ou o
arsnico; e sendo assim, bem que s vezes podem effrctuar curas, comtudo deixam suas
victimas carregadas de umalonga serie de males, muitas vezes peior do que o mal ori-
ginal. A nica cousa iiecessara para ohter ma cur-a radical segwr com jaizo e cons-
atncia as diieecoes que acompanbam cada frasco.
Nao pretendemos promulgar, nem queremos que se inflra qee esta composico a
um remedio irtfallivel pata a eura de todos os padecimentos humanos; infelizmente j sarjas, etc.: na loja armaiem do Pavo na ra
escrfula easyj^bilis sio enwmidades tiosu.lis as sas naiurezas, e arreigam-se to da imperatris n. 60,'deGama& SHva.
firmemente no systema, que muitas venes-eradem e resistem aos remedios mais pode-
rosos que a sciencia humana pode inventar para combate-las: oque diztmos que o
Extracto composto de isalsa parrilha de Ayer
a melhor pFeparacao at hoje desctiberta para estas e outras molestias anlogas, que-
urna combinado dos altonantes mais efficaBw conhecidos, e que esta combinacao tem sido
regulada por tongas e laboriosas experiencias, e finalmente que -tomos censetencia de.of^
ferecer ao-publico o melhor-resuUado que possivel produzir, da intelligencia e pericia
medicadosnossos lempos.
Este remedio deve ser tomado com systema e regularidade, e nao com abandono^
pois um-remedio e nao bebida.
Quando as molestias do figado nao tem sua-erigem na -escrfula, o remedia
mais proprio as pillas catbarticas de Ayer, que sao efficaras'na flora'da'iaetesiia. que
m por causa em desarranjo dos orgaos digestivos. Pedi a salsa-parrilba de A'yer-e
nao aceitai outra preparado.
Perncmbuco, rualova n. 18, pharmacia frsncezade P. Marer & C.
n. 60 de Gama & SHVa. I Gama & Silva.
Os cortes de cambraia branco bordados na' PECfWNCHA I
loja do Pavao. a 2,500^ para caifas, s e Pavae.
Vendem-se os mais rtcos cortes decaTtonTaia ri- Veadem-se superiores crus de meia casrmira
camente bordados com ^rrase'balaOcs a 20* ca-comBlscjadegeda a 2. dUas Gartbaldtoas a
da um : na loja e armajem do Pavao Da ra da 2800) Q|las e5C|ft.as 280 ou ,600 0 cova.
Imperatriz n. 60, de 6ma & Silva. | do : na loja e armazem do Pavo, ra da* Impera-
Rica vestidos sr 8^000 f. ,rz .o, de Gama & Silva.
pechineha adniravel. PENTEADORES
s o Pavo receben pelo tiimo- v-mor francs i on poupes-de cambraia bordados proprios
para as senhoras vestirem de nwnbaa.
de seda, sende-emwvestidos mnltoproprios paral Cb*gon-esta novidade pata a loja do Pavao,
taile* e passeios, e'wmltflvse pelo-taratissimo,10"''^'^ domelhor gosto at hoje, por pre-
rec.o de 8*000 rs. cada um, na loja do Pavao na Sos mnifAazoteeis : na loja do Pavao, ra da
ua da \mw*^.***i***t*m. Imperairiz D;60, de Gama & Iva.
chales pretos de rea ee Pava a\SiB0O rs. Mantas a I<
Vendem-se os mais ricos chales pretcs de renda
com quatro [cotas, senda muilo grandes pelo ba-
ratsimo preco de 8*.
Ditos de guepure a 15*, 18*, 20*, 2tf*.
Retondas de dito 10*.
Manteletes de renda, lazenda muito superior a
16*000.
Capas e sauthansbTqtes de grostlentfples bor-
htados, fazeoda inteirametrte nota, per prwyos mais
baratos que em outra qualquer parte.
Isto na loja armaiem do Paiao-na rua-da Im-
peratriz n. 60 de Gama Y Silva.
Ustibles do pavo a 2oo e 2i>oo rs.
Vendem-se chales de merino estampados a 2*
e 2*500 cada um.
Ditos de merm liso a 3*500.
Dftos estampados de crepen a 6*, 7*, e 80C0.
Drtos pretos"B0Tdados Com franja do seda a 14*.
Na loja e armaiem do Paveo na ra da fmpera-
trie n. 60 de Gama & Silva.
Para luto vende o Pavo.
Selim da China com O palmos de largura, fazen-
da preta para luto, propera para vestidos e rcupas
<>ara homens, sendo esta nova fazenda sem lustro e
de muito boa qualidade, garamindo-se nao liear
cossa com o tempo-e veode-se pelo barato preco de
3* tt8*B0P.o covado, assim como.oeSte estabeleci-
meo|o tem um grnde sortimento'de todas as fa-
zendas pn-tas como sfjam cassas e citas pretas,
laas tapadas e VEMBE-SE
Xo armazem de M. <;.-Rantos e MUva cV tienro. aroa do Tigavia
n. 11, ocMantemeaite, ossegnhrtrs artl*. que
receben por eaconmenda propala de
IEW-
Legitima salsa parnllia de Bristol, preparada por Lanman & Kemp.
Verdadeira agua } Krida, preparada pelos mestircrs.
Gaz em latas de cinco galoes, o mais purificado que se pode desejar da acredi-
tada marca F. W. D. & C.
Rekgios perfei'os reguladores, com corda de quatro a oilo das, dos afamados fa-
bricantes E. N. Welcu..
Graixa em latas grandes da bem cohhecida marca las. S. Masn (de PbSadel-
pbia).
1
lasso rmeos
Vendem no sea armazen na o
Antrfli b. 85,
Licor fino Carabeo em botijas e meias botijas.
Licores unes sortidos em farraas ce rolbas de
vidro e em lindos fraseos.
VinhosCheres.
San ternes.
Ctiambertin.
Meraitage.
Borgonbe. ,1
Champagne,
Mmcaiel.
Reino.
Bordeaui.
Cognac.
Ota Ton.
Pftewei Hfgiol.
Brtreffl'Bartlcas pentwnne.
Cera em velas de todos os tamanbos.
Bofias-
Hercsrio.
ita rna do vigano n. 19, primelro andar.
Vende-se um escravo para engenho, erionlo
de boa agora a mestre carrelro
de^oeido n
a tratar di
Ovas do serto.
Vende-se ovia do sertao moito frescaes e por
prejo eottftodo: na roa do Qtntmtdo loja n, 14.
Superior oleo para machinas de costura.
Agulbas para ae mesnas.
Breu em banicae grandes e pequeas.
Vende-se tambem:
BOHIktvll %
i.1 qaalMade.
]St. Juaen.
C. Margaux.
Je. l.atte.
l'Wedec.
Prineipe Real.
Pedro V.
Mara Pa.
Princeza D. Isabel.
Ia qualidade, Vctor Emmanuel.
Duque.
Malvazi.
Virmo fino doTMO eflJban1? de 5/, 40/ e 20/.
Sfjprtof vitfio do'Rtictio.
Cera de Lisboa em velas e ai gnume.

Boa oecasiao pra umj>rm-
cipia&te.
Vende-se urna loja ue miuitezas com poucos fon-
dos, muito em eotita, em bom logar e bem acredi-
tada : qaem pretender dirija-se a ra Augusta,
taberna n. 1, que se fllt qtem rem para Vender.
Na mesflM tteen se tiir-qsem tem par vender
urna mobilia coptela de emarello eosna ha,
ctvttfiado.
Frncez barrica
Portland idem 8*500
E!m perfeito estado:
Francs barrica 10*000
Portland idem 1i*000
No armazem de Tasso Irmaos caes. doJApoflo.
FeckflKba adisiravel
i^^tS^V^S Fazendas pafa a quaresma.
rbando : na loja n. 81, armazem da porta larga de. jj0 arn,aiem da porta larga, rna da Jtoperatriz,
Paredes Porto
Vendem-se
machinas americanas de serrote para de;car$a
algodao: na roa da Senzala iWVa tr. 2.
niLHtfiUS
primeira
limiuuto
Vendem-se aunis cera brilacies, de
uoa. engssudos em onro de lei, pelo
nree de 10* cada nm : na ra da Cade do Be-
cife f. 8, lojfa e Silvestre Pereira da Cotri.
grosdenaple preto a 1*400, 1*600, 1*800, 2*
1*600, moreantique preto de diversas qualidades,
os mais ricos chales Be renda pretos, e retondess
com'amia roda, fazenda da ultima moda no mer
cado : do armazem da porta larga b. 52, na rna
da Imperatriz.
Gomma de milho branco"
americana,
Vende-se empacotes de t|l libra : 00 armuem
de Jos Fernwdek Lima coa Nova n. 3.
Os-baies do Pavao.
Vendem-se superiores baloes de muculina com
muiia roda a 5*., ditos crinolines com 35'arcos a
3*300, ditos com 20-e Sa 3*. ditos para meni-
nas, sendo brancos e encarnados a 2* e 2*300 :
na loja do Pave-na a'da Imperatriz a. SO, de
Gama Silva.
Cambraias de forro a WO e 24 -na loja
do'Pavo.
Vendem-e pegas de cambraia de ferro com no-
ve varas cada pega,-pelos bMH9Bk>3 precos de
1*600 e 2*: na loja o srmaxem do Pavo na ra
da Imperatriz n. 60, de Gama & Silva.
Os cortinados do Pavao.
Vendem-se superiores cortinados adamascados
para camas pelo baratissimo preco de ditos muito linos ricamente bordados para camas
ou jane lias a lo*, 20#-e"23* o par : na leja e ar-
mazem do Pavo araaste Imperatriz n. 60, de
Gama & Silva.
Panno preto a 2(5 na loja do Pavao.
Vende-se panos preto. fazeoda- muito boa, pelo
barato prego de 2* o covado, dito murtn lino a
3*300, 4*, o*e 6*,a*3im como casimira preta de
cordo ai* o covado.: ra toja do"Pvao na ra da
Imperatris n. 60, de'6& & Silva.
Os espartilos do PavSo.
Vendem-se urna grande e variado sortimento de
espartiihos dos mais bem feitos que tem Hindo ao
mercado, sendo de todos os famanbos, vendendo-se
4>or nm preco muito rasoavel : isto na loja do Pa-
van na ra da Imperatriz n. 60, de Gama & Silva.
s salas bordadas do pavo.
Vendem-se saias bordadas sendo faieooa muito
Ma, sendo ricamente bordadas e com muila roda
veodendo-se pelos baratos pregos de 6* 0# e 10*
res cada urna na loja do'Wvao nstmaraVmpera-
trir. n. 60 de Gama & Silva.
Bretanlia* de rolo a 3$006|
Vendem-se pegas de bretanha" de rolo com 10
varas cada pega, pelo' bfr9 na ioja e armazem do Pwo, roa da Imperatriz n.
60, de Gama & Silva.
%ma ASifca
PeeWocha grvele.
Os modapoes do Pa*5o.
Vendse svperiere's pe^as ondeoelo,
muilfl largo, e muito encorpado tendo 24
cada peca, pelo baratissimo prego de 8* e
dkos a 6*500 e 7*, boa pechineha, e vende-se
na loja e aiwazem do Pavo, ra da Imperatriz n.
60 de Gama & Silva,
Caxlmlras da eseoela.
Na loja da Pav3o
Olegoa esta nova fsenda com o"nt0Wtte
zemiras da escocia sendo muiteKemetpadayror
pii para ealeae, e coletee, e'wne-ee pelo-ba*as-
suno{ireco de 2*800 rs. o corte ou 1-600 rs. o co-
vado, pecbiocba por que lera duas largura?, isto
s m foja e armazem doTaVo, ra da impertirte
n. 60 de Gama & Silva. .
RtmpafeMa.
Na loja do Pavao
V(re-'a9sw eetatoetednsenee-nai grande-eor-
timeaio de roopas, tanto de panno como cazemiras,
e bros e pelos baraiissiraos pregos como sejam
Caigas de eazemira preta a 6* 7* e gjOOOreis, pa-
letots de panno pelo saceos a 6* 8* e 12*0*t<9.
ditos sobreeasacos de paDno finissimo a 12* 18* e
26*000 reis, antros monos arligos qne serla en-
fadonhos aqu relata-los; s na laa e armazem do
PavSo ra da Imperatriz n. 60 ne'Gama 4 Silva:
Loja do pavo
Grandes pechluchas.
Sediohas a 500 rs. e covado
Sedinlias a 500 rs.
Sedinhas a 500 rs.
Vende-se na loja do Pavao, um grande sorttmen-
tb de eolnhes HsrredaS fot tnnis'bonias cene,
sendo os padros mais aovosque tem indo ae mer-
cado, e vende-se pelo paratisskno prego de cinco
tostes o eovado, sendo fasenda que valem multo
mais dtnhelro, e grande pecWncha per* 1r
comprado nma grande portida destt feenaja
loja e armazem de asejj* d Pavo, roa da im-
peratriz n. 60 de
De pura seda
Vende-se na loja do Pavo, mantas de seda pre-
| las e de-cores, lindos gosto pelo baratissimo pre$o
da 1*000 re, sao das mas largas, assim como tem
um grande seMimtDio de grvalas de seda de cor
bordadas e de selim preto e ditas de selim branco,
e vende por pregos muito resnmidoss, o Pavao na
ra da imperatriz n. 60 loja e armazem de Gama
& Silva.
Chitas rosas
a 6/5000 reis a peca
S na lojaso Pav5o
Se vendem pegas de chitas rxas ingleza?, sendo
cores fixas tendo 38 covados cada urna pega pelo
baratissimo prego de 6*000 reis, a retalho a 160
rs. o eovado, ditas escoras e claras a 200 rs. o co-
vado, lija do Pavo ra da Imperatriz n. 60 de Ga-
ma & Silva, Gama & Silva.
Novidades do Pavao
OU PECHINCHA ADMIRAVEL.
Eseftssezas a 3*200
Cegarkm os mais lindos cortes de escossezas,
proprios para vestidos, sendo fazenda inleiramenle
nova no mercado; e vende se a 3*200 o corle ou
260 rs. o covado na loja e armazem do Pavo, ra
da Imperatriz, n. 60, de Gama & Silva)
Cassas francesas a 2li rs. o covado.
Vendem-se bonitas cassas francezas de cores
sas pele baratissimo prego de 240 o covado.
Ditas a 280, 320 e 360.
S na loja do Pavo, ra d Imperatriz n. 60, de
Gama & Silva.
Cirilas avariailas.
Vendem-se finissimas chitas franceras, com pe-
queo toque de avaria, pelo baratissimo prego de
280 o covado.
grande pechineha.
Assim como ditas inglezas roas e claras, sem
mofo nem avaria, pelo baratissimo prego de 160 o
covado ; assim como, ditas muilo boas a 200 e 240
o covado, isto na loja e armazem do Pavo, ra da
Imperatriz n. 60, de Gama & Silva.
Grosdenaple preto a 1$600.
E' gi-amle pechineha !!
Vende-se grosdenaple preto, sendo muito encor-
pado e de boa largura, pelo baratissimo prego de
1*C00 o covado : na-ra da Imperatriz n. 60.
lttseados a 1*0 rs.
Vende-se riscadinho escuro proprio para vesti-
dos ou rcupas para homem, pelo baratissimo pre-
go de 120 rs. o covado : s na ra da Imperatriz
n.60.
Os cachinez do Pavo.
Vendem-se bonitos cachinez de la ou agazalhos
para, cabega pelo baratissimo prego de 3*000, s
oa foja do Pavao, ama da Imperatriz n. 60.
Algodaozinho avariado.
Vendem-se pegas de algodaozinho sendo muilo
encorpado, e com 20 jardas, pelo baratissimo prego
de 3*000, por ter um pequeo toque de avaria.
O bramante do PavSo.
Vende-se superior bramante de linho cr tendo
quatro palmos de largura, pelo baratissimo prego
de 800 rs. a vara, dito eom 10 palmos a 2*460 e
2*800 a vara, amainado de tioho admaselo, alvo
e pardo, pelo baraiievimo preco de 2*800 rs. a
vara, na loja armazem do Pavo, na ra da Impe-
ratriz n. 60.
sendo,
ardas
Vende-se cortes de la novos vindos* pelo ultimo
vapor com 13 covados pelo barato prego de 3*,'di-
tos com barras a 6* : na ra da Imperatriz ioja a
Arara n. 56.
Arara vende chales de 20-
Vende-se chiles de merino estampados a 2*.
ditos de la a 1*600 e i*, ditos de merino muiip
finos a 4* e 7* : ra da Imperatriz loja da Arara
n. 56.
Madapoiao enfestado daArra a 4*.
Vende-se pegas de madaparo enftstado com 12
jardas- a 4* e 4*500 dito de 24 jardas a 5*, G*,
7* e 8*, dito muito lino a 9*e 10*, pegas deral-
godao a 4*, 5*, 6* e 7*, dito moilo eucorpado a
7*300, 8* e 8*500 : na ruada Imperatriz ioja e
armazem da Arara n. 56.
Panno pMj da loja da Arara a 2#.
Vende-se panno preto para caiga e paletol a 2*,
2*500, 3*, 4* e 5* o covado : na ra da Impera-
triz loja da Arara n. 56.
Arara vende cortes de cotim para caiga a
i 280 rs.
Vende-se corles de cotim para caiga a 1*280,
ditos de brim de ccres a 1*400, cortes de ganga
para caiga a 1*600 : na rna da Imperatriz loja da
Arara n. 56.
Cortes de casamira preU da Arara a 305OQ.
Vende-se cortes de casimira prela para raiga a
3*500, 4*, 5* e 6*. ditos de cores de meia case-
mira a 2*900, 3* e 3*500 : na ra da Imperatriz
loja da Arara n. 56.
Arara vende os chales de renda a 8.
Vende-se chales de fil de linlu a 8* e 10*. di-
tos de seda a 16* e 20*, retondas de pello de li-
nho a 10J e 12* : na ra da Imperatriz loja da
Arara n. 56.
Vestidos a Mara Pia da Arara a 10$.
Vende-se corles de la a Mana Pia a 10*, 12*,
16* e 20*, ditos muito tinos com camisinba, sinto
e ivi-la a 25* o 28*: s a Arara vende por esle
prego na rm da Imperatriz d. 56.
Araaa vende as lazinhas a 240 rs.
Vende-se laasinhas para vestidos de seohora a
240, 280, 400,'320 e 500 rs. o covado, chitas para
cobertas a 280, 320 e 470 rs. o covado : oa ra da
Imperatriz loja da Arara n. 56.
Cortes de chita da Arara a 2$.
Vende-se cortes de chita de cores flxas a 2fl, di-
tas francizas a 2*800, corles de cambraia france-
za a 2*800 : na ra da Imperatriz loja da Atara
n. 56.
Arara vende organdys a 280 rs.
Vende-se organdys para vestido de senhora a
280, 320 e 400 o covado, l de llnho de cores
para vestidos a 160 o covado: na ra da Impera-
triz loja da Arara o. 56.
As chitas da Arara a 200 rs.
Vende-se chitas de cores lizas 200 e 240 o co-
vado, ditas francezas largas a 2fc0, 320, 360 e 460
o covado, riscados francezes para vestidos a 240 o
covado, bretanha de rolo a 3* a peca : na ra da
Imperatriz loja da Arara -n. 56.
Arara vende roupa feita.
Vende-so roopas feitas de todas as qualidades a
saber : caigas de brim de cores e de ganga a 2*
e 2*500, paletots de brim para andar por casa a
2* e 3*, camisas francezas a 2*. ditas de linho de
pregas largas a 3* e ouiras muitas qualidades que
se vende mais barato bue em outra qualquer par-
te : s na Arara ra da Imperatriz n. 56. ____

PECHINCHA aDMIRAVEL.
Grosdenaple prelo a i600
Vende-se sopenor grosdenaple preto, fazeoda
muito encorpada, pelo baratissimo preco de 1*600
o covado, sendo fazenda qne val muilo mais di-
nheiro : na Ioja e armazem do Pavo na ra da
Impetatriz n. 60, de Gama & Silva.
MANTAS PARA O PESCOCO
a !*, s o Pavo.
Vendem-se bonitas mantas para o pescoco, pelo
barato prego de 1* : na loja do Pavo na roa da
Itrprttris n.o.de Gama & Silva.
Mailapoles a 3,8fl0 rs. a pessa.
S na loja do Pav3o.
Vende-se pegas de madapolo Uno eom 12 jar-
das, pelo bario prego de 3*500 e 4*000.
Grande peetomefea.
L5asinhas a 240 o covado
Vende-se bonitas lasinhaa cm os mais lindos
g9te9'eeeoeees a 240 r. o covado; na loja do Pa-
vMnaruadalmpeqpjt n. 60 de Gama & Silva
Chales de renda.
Na loja do Pavao.
Receberam-se os mais Hados chales pretos de
penda, .aseim como as mais modernas e compndas
retondes, e manteletes da mesma lazenda, e vende-
se mais barato que em outra qualquer parte:" na
loja e ajmazem do Pavo na roa da Imperatriz n.
66 de Gama & Silva.
.Castor a JM.O rs, cavadlo.
Para calcas.
Vendem-se superiores steres suito encorados
padrees escaros pelo barato pieco de 320 rs. o co-
vado, servlndo esta fazenda tambem para escravos
Sor ser de multa durag&o; na loja e armazem do
avo rt da Imperatriz n. 60 de GamaJrSitva,
Chapw para merinas a $0w.
S na loja do PavSo.
'Se vendem os mais bomtee e mnl be
4oe ekapefilMoc de palta da alia,, pr ~
l||Mm iff'" h'"lielmfl preco de 6*0
e armaiem do Pavo na ra da Impentrli T>.
de fiioM Silva. ^
AlTE^iO
Veode-se a loja de louga da ra larga Rosarlo
n. 32 junto a botica, quem a pretender dirjase a
mesma loja das 9 horas do dia as 5 da tarde que
achara com quera tratar. No mesmo estabeleci-
to vende-se aparelbos e meios aparelhos de porce-
lana e de louga, e oulros muitos e variados objectos,
por prego commodo.
Vende-se potassa, cimento e telhas de vidro,
na roa de Bertas armazem a. 17.
Escravos fgidos
150$ de gratificado.
Fogio no dia 21 de marco do anoo prximo
passado, da cas de seu senhor, o escravo cabra
escuro, de nome Benedicto, com idade de 23 a 26
a naos, leron vestido calca de algodao de Metra,
tamisa de algodao da texra, chaceo de conro de
abas largas; twtia cerudxabello a escovinna,
altura regular, cheio do corpo, olbos pretos erauto
Vivos, nariz e boca regulares, moito ponca barba
no queixo e um pequeo busso, todos os denles,
ps guiares, etc., ele. Foi comprado naqudle
mesmo dia 9 -oo* 10, ao'Sr. Joe Antonio Bopges,
como procurador do Sr. Andr Alves de Paiva,
morador Da cldade de Sonza, para onde fogio o
referido escravo, segundo aviso que temos do refe-
rido Sr. Paiva, e all anda refegiando-se algumas
Vezes para a serra deoominaaa Jo' Luir. Roga-
mos portanto a todas as autoridades policiaes e aos
senbores capitaes de carado, a captura do dito
escravo, e remllelo a casa de nossa residencia
a rna do Imperador n. 83 segundo andar, e per
cujo trabalbo gratificaremos com a quantia su-
tpra.
Recite, 28 de fevereiro de 1866
Abreu A Vera.
-Fogio no dia 2 do correte mes o escravo
Firmlno, idade 18 annos, crioulo, altara-regola,
secco, olbos vivos, tem totes os denles, esperto,
emfim bonita figura; levon camisa e calca de algo-
dao Ustrado e chapeo de palha : roga-se a sua
prislo e leva lo a' ra da Cadeia n. 23, qne se gra-
ncara.
Fogio no dii 7 cheio do corpo e persas una tanto arqueadas, co-
nbecido por Manoei Cangalla: quem o levar a roa
de Apoll a. 30, ser gratificado.___________
**># de grcUifiwgo
Aiada se aeha asente deede onlobro passae a
escNvaUia*v ai 5la, doidade22 annos, Batata-
do or IrVcapito Lobato
muidas, sendo
inho novo, e outroe
____ jtilulando-se forra:
Apollo n. 30, armaiem, re-
acima de ICfl*.
-\v
kflfltoitfB^
r-*
MI



atoado




LITTERATRA
Bem depressa fleou tildo era socego.
O ultimo dos druidas liaba soecumbido.
seguio-se a degolaco, seodo a (orle
dos chrlslios a mesma que a dos draidas.
A noile comecoa a estender sobre aquella sceoa
de horror o sea fnebre manto.
Os Romanos embriagados com o sea daplo
triompho, acamparam naquelle sitio entregaudo-se
A BOCHA DAS DUA IRMA Ai.
I
( Conctusao. )
Alguns annos depols do que deixancos dito, am
pequeo grupo de cbristios, fugiodo da persegu-
cao romana que havia penetrado al /retirado do imperto, forara reugiar-se no bosque
de Fuotaioebleau.
O' fugitivos eram guiados por Valeria, que Ihes
havia prometlido am asylo onde nunca tinha pene
'irado soldado algum romano.
O perigo era eminente.
O governador Publius camlnhava sobre os cbris-
taos e perseguia-os sera descanso a' frente de ora
numeroso destacamento.
Guiados por Valeria chegaram por Ora gruta
':ie Ji conhecemos e entraran) nella dando gragas
a Deas.
No da seguinte, qaando Pabilos fez recoluer os
. cadveres, foram encontrados esireitamsnte abra-
; cados os cadveres de Doraicla e Valeria eslendidos
no chao.
A langa de um soldado transpassou-as ao mesmo
tempo qoando sem dovida estavam abracadas,
reunindose namoriepa-aexhalarem o ultimo sus-
piro.
Assim morreram aquellas doas vlrgeus martyres
do patriotismo eda f : urna personiflcava a aniiga
Mas apenas tobam dado algans passos, ans ho-
rneas vestidos de branco, de aspecto altivo e amea-
ijador, impediram-lbes o passo.
Eram os druidas que tempo antes baviam arran-
cado Dooicia do seio de soa familia.
Qaem sois? pergantarara aos recem-che-
gados.
Somos christios, e vimos fugindo perse-
guicao que nos faz o governo de Roma.
A estas palavras levantoa-se um murmurio con-
fuso que poda Interpretarse em sentidos di-
versos.
Perseguidos pelo governo romano aquellos es-
traogeiros eram amigos dos draidas; porm cbris-
tios eram inimigos.
Por ouira parle, nao altraiara eiles a persegui-
do do ioimigo coraraam, e descobriam o sea reti-
ro, al ento inviolavel, compromeiteodo e man-
cbando aqaelie ultimo sanctuario do culto gallo-1
usa consideracao impressionou-os rauito e lam
a dar demonstrares mais hostis, quando um drui-
da gritou com voz forte :
Prendei-os ; cbega a sacerdotisa, ella decidi-
r' da sua sorte.
.Seta anos aadei na gaerra
E flr do filho bario,
Nioguem me conhecea nanea
Seno o mea capillo ;
Conheceu-me pelos olbos,
Que por outra consa.no.
Mr. Nlgra encontrn tambem na Servia vestigios
deste romance. Posto que nao anda dos roman-
ceaos bespanhes, Jorge Ferreira, na sua comedia
da Autographia, (taz ans fragmentos do primitivo
romance em castelbanos :
Pregonadas son las guerras
De Francia contra Aragone....
Como las baria triste
Viejo, cano e peccadorT...
o que prora de mais a sua existencia, atteadendo
a grande Importancia que o castelhano tinha em
nossa cflrie."
Tommaseo recolheu no sea Canitgreci, Uerici,
Gallia nacional; a oatra era o symbolo da Franca ele, um canto slavo, caja semelbanca com o canto
cbrisila. plemontez e porioguez faz soppor ama orlgem com-
A tradieio, conservando esta lembrnea, dea
rocha, lestemunha e theafro daqnelle daplo mariy-
rio, o nome da Rocha das duai irmas.
mnm.
Tommaseo pubircou tambem am canto grego mo-.
derno.
Qualser esta orifem commam ?
Diz Mr, Nigra que; os cantos romanescos com-
muns a poesa romanesca das ragas latinas, de-
vora, sem hesitar, ser considerados como vindos e
umitas vezes originarios da Provenga, etc.
Mr. Nigra julgou este rompee de tempo das
H POUCO |0I TODO.
E do Sr. Theophilo Braga este foinelim acerca
do elemento anonymo as lineraturas do Meio Da cruzadas, passando da Proveaca para os paizes si"'
Apenas pronuncian estas palavras urna joven de
20 annos, vestida com urna lunlca branca e com
urna corda de folhas de carvalho na cabeca, entrn
magestosamente na gruta.
Valeria ao vd-la leve ama sensaco terrivel.
Olbou para ella com atlenco; e de repente dis-
se em voz baixa e tmida:
Domicia I minha iraaa querida i
Apezar de serem ditas devagar estas palavras, a
sacerdotisa ouvio-as, e vollandose para Valeria
Uocou-lhe um olbar lerno pondo ao mesmo tempo
o dedo sobre os labios, para Ibe recommendar si-
lencio.
Entre es druidas urna sacerdotisa era sempre
considerada ; mas perdia todo o seu ascendente no
momento de reconhecer qaalquer pessoa de familia
on de I lie dirigir a palavra.
Virgem sagrada 1 disse um druida de vene-
randa barba branca, diriglndo-se com respeito a
Domicia, eis aqui uns estrangeiros que se appelli-
dam de cbristaos e reclamam a bospitalidade de
Tentates depois de terem invadido o seu sanctua
rio. Como ho de ser recebidos?
Domicia medltou um instante.
Ja* os chnslos se preparavam para o raartyrio,
Valeria, vendse reconhecida por sua rma;
concebeu urna lisoogeira esperanga. _
A joven sacerdotisa levantou a cabeca e com voz
grave exclaman :
Estes christos sao irmos; Tentates ordena
que vivam, sejam bem recebdos.
Todos os druidas inclinaran) a cabeca ao ouvir
esle decreto de urna bocea inspirada.
Os christos, que momentos antes elles se dispn-
nham a sacrificar, foram tratados como Irmos,
considerados hospedes mandados pela divin-
dade.
Foi todava de pequea darago e^ta felici-
dade.
Um raido de ps de bomens e de eavallos, mis-
turado com a bulha das armas que iraziam, foi ou-
vido as immediages da caverna.
Pablius tinba ido em segumento dos christos e
avaucava para o retiro onde encontraram asylo,
animando as tropas cora a esperanga de urna pr-
xima degolaco.
O acaso favoreca o comura a pressa dupla.dando-
lhe reunidos os draidas e os christos que elle per-
segua igualmente.
Ja' os soldados occopavara a entrada da gruta.
De repente o clarim fez ouvir o sea som bel-
licoso.
Entio deu-se urna scena dramtica em qae se
manifestava o contraste sorprendente dos dous
cultos.
Os draidas, sacerdotes e guerreiros, appareciam
com as armas qae liaham occulias no fondo da ca-
verna, sahindo em massa e precipitando com m-
petu irreslstivel sobre os invasores, cantando em
coro o bymno nacional dos gallos.
Os cbristaos, grapados em torno de Valeria, es-
peravam com resignaco o xito ineerto daquella
luta em que os druidas corabatiam na proporcao
de vinte contra am, e entoavam tambem humilde
mente os seas cnticos sagrados.
Domicia, em p a' entrada da gruta, alimentava
com a sua presenca com as suas exhortares o
heroico valor dos guerreiros.
Dorante algum tempo nao se ouvio mais qne o
ruido do combate, os gritos de rava dos qae ac-
commettiam e os gemidos dos feridos.
FOLHETIM
A SEPULTURA DE FERRO
da Europa.
I
OIUGEM DO ROMANCE tBONZBLLA QUXfVAl A GVB1WA.
Quasi todos, para nao dizer todos, os romanees
portuguezes de orgem castelbaoa se encontrara
nos romanceiros he=panhes. A Donzella que ven
a guerra nao se^ncontra nessas colleecdes ; ape-
lar d'sso Garren nao o julga originalmente portu-
guez.
Falla del le Jorge Kerreira de Vasconrallos (sce-
na 1* cio 3' foi. 84 da Aolographia) conaeddo no
seculo XVI pelo titulo de O rapaz do condk Daros-
Verses deste romance s encontram no Atemtejo,
Estremadura, Minho, Tpaz-os-Mootes, BeiraAlta,
Bera Baixa, Acores e Lisboa : a doDzeiia qae vai
a guerra, secundo cada provincia, ora se chama
D. Leonor, ora D. Carlos, ora D. Joo, D. Bro.
Foi pela primeira vez publieada por Jos Maria da
Costa e silva, as notas ao sen poema Isabel, ou a^
herona de Aragao, em 183*.
Mr. Nigra nos sens inleressantissimos esludos
sabr a poezia popular do Piernn! (Revista Con-
tempornea de Turin, novembro de 1888) pnblicou]
um romance pieraontez, intitulado a Guerreira, qae
como ama variante da Donztta que vai a
guerra.
t Porque choris, mea pai, porqoe choris voz ?
Se teades de ir a gaerra, eo re por vos; apromp-
lai-me am cavado, que possa levar-me bem, e am
pagem em quem me possa fiar. Toqui meas ves-
tidos cmzentos, dai-me amas- caigas e am genel, e
com a minha pequea fila fazei-me um lago sobre
o mea chapeo.
Logo que chegou a A i ce, e que subi aos bas-
tilles : Ol vede-a I que linda pequea vestida de
rapaz.
i O filho do rei eslava a janetla a mira-la :
Oh que pequea lo linda I se ella qoizesse ser
minha !
< Oh minha rai, ella urna rapariga! Oh
que pequea to linda, se- elia quizesse ser mi-
nha I >
c Se queres saber quem leva-a a casa de um
negociante-, se for urna donzella; ella s ha de
comprar luvas.
Olhal, meus soldados I olhai para estes guan-
tes.
c Soldados qae vo a gaerra nao tem trio as
vos epara a Grecia.
E'o nico modo como es pode explicar o-appa
recimenlo na poesa popular das duas penn-
sulas.
Kis una variante nova, que recolhemos em urnas
poesas rao Minbo:
Romance de Bom BarSo.
J comegara as guerras
No campo de D. Bario,
i triste de mim que sou velho,
As guerras me acabaro.
D-me armas e cavallo,
Serei seu filho varo.
i Tendes cabello louro,
c Fllba, conhecer-vos-ho 1
Dai-me c urna thesoura,
Qae eu j o deilo ao chao.
Dom BarSo como discreto
De nada a recelou;
Cbamou pelo seo criado,
Urna carta Ibe entregou :
Qoando me vires despido
Na praia para nadar,
Corre logo, vera depressa
Esla carta me entregar.
Os siuos da minha trra
Outo repicar;
Ou meo pai que j morto,
Ou est para enterrar.
Montai vos, oh Dom Baro,
Que eu vos vou acompanhar.
L ebegaodo i soa trra
Vio sen pai a passear.
Qoe foi Isso Dom Bario ?
Quem vos vem acompanhar ?
Um genro de vomec
Se o qnizer aceitar.
se ama celebridade do mondo dramtico, William nerte frrt, e vaatjo a massa atentada
Tendes as mos peqoeninas,
Filba, conhecer-vos-ho.
mos.
t Oh minha me, minha mai I cortamente
ama donzella. Oh que pequea lo linda, se ella
qoizesse ser minha t
t Se queres saber quem leva a casa de um
ourives; se for urna rapariga, ella ha de comprar
um annel.
c Olba meus soldados, vede que aunis to bel-
los 1
i Soldados que vo a guerra s precisara de es-
padas e punbaes.
c Oh minha mi, miaba mal; cortamente urna
donzella! Oh que rapariga
zesse ser minha I
to linda, se ella qui-
t Se queres saber quem ella leva-a para dor-
mir comtigo.
c Ella apagou o sea caudll e mandn para l o
sea criado.
c Oh mioba mi, minha mi; certamente ama
donzella I Qae rapariga linda I se ella quizesse ser
minha I
Se queres saber qaem fa-la passar na agaa;
se for urna donzella, nao se ha de querer desca*
car.
1 Ellajdespia urna perna......quando che-
gou urna carta ; a carta diz qoe Ibe deem a sua
baixa.
c A pequea, a meio caminbo, poz-se a oan
tar : Virgem eslive na gaerra, e virgem vollei
de la.i
No romance porluguez tambem se encontra esla
prova do banho, e da carta que o pagem Ihe traz ;
mas nao se nter rom pe a aeco aqu, porque o ca-
pitio acompanba-a na volta a sua patria e vem a
ca ren (Romanceiro, t. 3* p. 65) termina com o mes-
mo conceito engrapado :
Metle-las-bei n'amas luvas,
Nanea del las san i rao.
< Tendes o p peqaenino,
Filha, conhecer-vos-ho.
Mette-los-bei n'amas botas,
Nanea dellas sabirao.
Dai-me armas e ca vallo,
Serei sea filho varo.
O capilo dos soldados
Um grande amor Ihe (omou.
c Oh mi padre, oh mi madre >
Os olhos de Baro,
Sao de mulher, d'bomem nao.
Convida-o tu. oh mea filho,
Qae comllgo va cear ;
Que se elle mulher fr,
Enlo se ha de recelar
Dom Baro como discreto
De nada se receioa.
c Bota-lhe cadeiras altas,
E bota-lbe cadeiras baixas,
Porque se elle mulher for
as baixas se ha de assentar.
Dom Bario como discreto
as mais altas se assenlou ;
Pegou na faca de poma
Pao e qaeijo estrasinhoa.
c Minha mi, minha misinha,
Eu morro do coracao ;
Os olbos de Dom Bario
Sao de mulher, d'homem nao.
t Convida-o, la mea filho,
Qoe comtigo v dormir,
Qae se elle malher fr,
Entio ha de descobrir.
Dom Baro como discreto
De nada se receioa,
Vestio camisa e ceroolas
E com elle se deitou.
< Oh mi padre, oh mi madre,
Eu morro do coraeao.
Os olbos de Dom Barao
Sao de malher d'bomem nao.
1 Convdalo, vos mea filho,
Qae comvosco va feirar,
Qae se elle malher fr,
As fitas se ha de pegar.
Dom Bario como discreto
A's espadas se apegou.
t Oh que bellas fitas estas
Para damas se adornar.
< Convida-o, tu oh mea filho,
Qae comtigo v nadar ;
Que se elle mulher fr,
Ento ha de recelar.
Noticiamos ba das o naufragio do vapor logfez
hondn e a morle de 180 passagelros.
Foi admiravel, a conducta do capilo do vapor
naqaelle sopremo momento," nanea perdendo o
sangue trio e a serenidade d'alma ; depois, qaando
j nao havia mais esperanzas de salvamento, di.
zendo tranquillamente aos seas marlnneiros : R-
pales, encomraendai a Deas as vossas almas; re-
sislindo as Instancias daquelles que querrara lva-
lo a torca para ama lancha, e respondendo : Nio ;
bei de ir a pique com o mea navio e com os pas-
sageiros ; entregando urna agulba de marear ao
macbimsta, que ia tomar o commarido da urna Ira-
gil embarcacio, e indicando-lhe a derrota que de-
via, seguir.
Urna correspondencia de Londres cita a este res-
peito rasgos heroicos.
Jotras Wilson, natural de Montrose, quiz que om
dos sens amigos tomasse o seu lugar a bordo da
lancha, que ia tentar a sorte merc das ondas :
Prometti, disse esle, a minha esposa a meus
tllhos de ficar com elles; cumprirei a minha pa-
lavra.
Deram um derradeiro aperto de mi e separa-
ran) se.
No momento em qae a lancha la a afastar-se do
vapor, um marinheiro griloa.
Temos anda lugar para ama senhora.
M. Wilson percorrea a coberta do navio, 'para
ver se encontrava ama pessoa do sea conbecimen-
to. Como nao a encontrasse, e conhecendo o pre-
go de cada segando qae perdia, disse a ama rapa-
riga :
Queris acompanbar-nos ?
Ella nao rejeitoa a proposta e deixou-se arrestar-
porm, quando vio a distancia qae campria trans-
por para entrar na lancha:
Nnnca poderei ebegar at l, disse ella.
M. Wilson, depois de algamas exhortares,
leve de abandona-la a' sua sorte, e saltar elle mes-
mo para dentro da laccha.
O caplto Martira passeava com a raalor sereni-
dade na popa, e indicou aos tripulantes da frgil
embarcacio a derrota que deviam seguir :
Estamos, Ihes disse elle, a oeste-sudoeite
de Bresl.
E isto era exacto.
O navio, a' medida que ia mergalhand, occasio-
nava am redomoioho n'agaa qae ia sendo fatal
lancha.
Urna mulher de 23 annos debrucoo-se ento
popa do vapor, e, no maior aoge de desesperaco,
offereceu 1:000 libras se qaizessem admilti-la na
lancha.
Anda que offerecesse milbdes, nao boovera sido
attendda, porque cariam todos exposlos a urna
morte quasi certa.
Um dos marioheiros conta qae lego qae o capi-
lo os entregou a' merc de Deus, eiles resolvern)
nao adraittir mais ninguem na lancha, e algans ar-
marara-se de navalbas, no intento de corlaren) as
mios daquelles que tentassem agarrar-se a' embar-
caco.
Pouco tempo antes do sopremo instante, am pas-
sageiro arrastra a soa mala para cima da co-
berta.
O capilo sorrio com tristeza desta preoecupacao
da propnedade, em tal conjunclura 1
M. Munro ouvio esle dialogo :
Jock I bem certo agora qae vamos a pique I
Eu assim o creio, Eastwood.
S lamento urna cousa, e que meu pobre
pai ignore qoe lenho urna letra de 500 libras sobre
o banco de Victoria. Elle irla receber e dinheiro
em meu lugar.
Por um feliz acaso, este voto foi ouvido por.um
dos tres passageiros, que escaparam do naufragio,
o qoal conhecelM. Eastwood pai.
Dous velhos, marido e mulher, tentavam pela
terceira vez Ir a' Australia. As duas primeiras ve-
zes tlnbam naufragado, a segunda vez a bordo do
Duncan Dumbar.
Outros dous passageiros de idade avaocada, ao
serem informados da sorte que Ibes estava reser-
vada, beberam algama agurdente e foram encer-
rar-so nos seos carnarios para abi morrerem.
Vrara-se rewolvers as mos de maitos passa-
geiros qae, diziam elles, preferiam morrer de ara
Uro. Todava, nao foi onvida urna s detonado.
Tendo um passageiro pedido a um dos seus ami-
gos que ibe fizesse saltar os milos, recasoa-se este
horrorisado.
Entre as victimas do naufragio do hondn cita-
Broocke, qae tinha a alcunha de < Principe dos
bflfts caraaradas Brooke tinha sido o dolo.do
publico, porm havia desapparecido desde mallos
annos da. scena. Cedendo todava a's solicitaces
dos seas admiradores da Australia, e tendo oeces-
sidade de reparar as brechas da soa fortuna, ar-
riscada pelas exigencias de ama vida luxuoss, o
< Principe dos bons eamaradas > havia-se resolvi-
do a regressar a Melboorne.
Brooke era de ama estatura atbletica.
Nao o desampararam um s instante o vigor e
a energa moral.
No momento em qoe o Lonlon ia a pique, foi
visto este colosso, vestindo ama camisola de flanel-
la encarnada, trabalhar sem descanco, animando a
todos com a voz e com o exemplo; depois, qaando
ja nao havia esperanca de salvamento, assentou-se
tranquillamente sobre um caixao de ferro, cruzou
os bracos, e, contempiande o espectculo desolador,
no meio do qnal se acbava, disse com nm ar sau-
doso :
Sempre mallo desagradavel nio cumprir
com aquillo que se prometle Os meus amigos da
Australia que dirio a isto ? Era todo o caso bem
bao de ver qoe a culpa nao foi minha I Qaem me
substituir no meu papel de Hamlet I
E occorriam-lhe estas ideas no momento em qoe
o hondn se afaodava no meio do-ocano I
O vapor hondn continba nos seus vastos Sancos
347 toneladas de ferro e 1000 toneladas de mercan-
cias diversas.
A auantidade de earvio de p?dra a bordo orca-
va por 508 toneladas,
O numero dos passageiros era de* 125 quando o
navio sabio de Londres, e sabio a 180 por ter ad
mittido mais 55 em Plyraoath.
A tripolaco compunha-se de 83 pessoas, com
prehendendo offlciaes, fogueiros e engenheiros.
No registro Lloyd's List esta consignado qoe o
London era um vapor de hlice, construidp em
Blackwall em jalbo de 1864.
A sua capaeidade, gross lonnage, era de 1.752 e
29, das quaes deduzndo 323,60 toneladas para a
machina propulsora, Ibe resultava a tonelagera de
1,428 e 69 (register tonnage). A machina tinba a
torga de 200 eavallos.
O carregamento era valido na quantia de......
124,785 soberanos.
Abri a mas na sombra e fez surgir o Ni 1
Teas eabellM de fogo aa nveos a-fagjtdo
Como docel inflado em trancas mil rolando
Chovem sobre os vergels e vm cobrir a (Br :
A los que das ao berco entrega* ao sudario
A prumo Iluminaste, o sartgue do Utttarld1
Allivo illumioaste os ps do Redemplor f *
Pode o tempo esmagar o brooze e as arcarlas 1
Lanear por trra o monte, as tongas penedlas I
Mas se q mando estender-se incali, extenso e nft
Hade serap-e passar atravessando os montes
Urna sombra, um phaolasma abrindo os horlsontes:
E essa sombra nao raorre, esse phantasma s tu.
Ergne-te azinha, oh sol, s portas do oriente
Rola tea carro d'oaro e o leu corcel poteote
Das crinas sola era febre o matinal clareo- f
Eis a hora em que Deas desperta-te no bereo
E erguendo-te, pharol, cima do universo
Descobre a fronte immensa e espreita a creagio f
Rio 1866.
re-
E' sabido quaoto notavel o brilbo da loz
dazida pala combosto do magnesiam.
Os americano, que sao sempre os primeiros- a
por em pratlca as novas descobertas, acabam de ap-
plica-la illuminaco do thealro de Boston, e ese*
lluminaco nao tardar qae subsiitaa a do gaz nos-
ostros theairos da amerlca.
o fio de raagoesiom arde era ama grande lam-
pada, e a combosto susienta-se goal por meio de
am mov ment de relojoaria. Pode dorar urna ou
doas boras, durante a quaes consomm meia onca
a seis oitavas de fio de magnesium.
~Ura fumvoro apropriado livra da accio do fumo
o reflector e o vidro.
Apezar de costar o apparelbo 90J000 rls, o io.
ventor nao pode aviar as encemmendas todas que
Ibe sao feitas.
Formou-se j em Boston urna companbia ameri-
cana para a explorarlo d'esse novo ramo de indus-
tria qae prometle importantes resaltados.
POR
ilenriqne Conscience
(Contnaacao.)
VI
Qaando abri os olhos no dia seguate, ia ja'
muito adiantada a manba ; vi com espanto o mel-
go rosto de Rosa, que estava assentada a' cabecei-
ra com a minha mo na sna.
Fra, portanto, a soa voz que me despertara do
meo longo somnj, murmurando aos meus onvi-
dos : Pobre Leo 1 > Em um re lancear de olbos
vi tambem meus pais, minbas duas Irmias, a cria-
da de Rosa e ama vizinba.
Ao principio nao me lembrou nada do qae se
tinha passado e olhei para a minha protectora com
assombro, como perguntaodo-ibe porque estava
assentada ao p da minba cama.
Socega, Leo, breve Acaras bom de todo ;
mas nunca mais brincaremos ao p do ribeiro.
Ento veio-me a lembranca de tudo o que tioha
acontecido um grito triampbante eniumeceu-me
o paito e clame!, com o rir de ama alegra desafi-
lada :
Rosa! a menina esta' viva /... Aquello se-
xmo.. .
Elle falla, elle falln agora I gritarais
pais, correado para a miaba
erguidos.
Eu, anda mais pasmado do que
aa miabas proprias palavras, estremec e Bquei com
a bocea fechada, receiaudo qae segando esforco
viesse de novo provar a minba importancia e me
esmagasse debaixo do peso do mais cruel desen-
gao.
Meu pai abracon-me eommovido.
I Leo, meu pobre filho, oh i falla, falla oatra
vez, para qae ea possa agradecer a Deus, com to-
da a connanca, este beneficio inesperado.
Sem apartar de Rosa os olbos, .mnrmurel anda
muito estonteado :
E' de Sr. L. C. P. Gaimares Jnior este hymn
antigo.
AO SOL.
A' Adolpho hamenka.
Quando rasgas, oh sol, as nuvens do oriente,
Quando ten sceptro, oh rei altivo omnipotente
Nos espacos divide os raios do esplendor,
O universo desperla e surge sobranceiro
Calcando a gleba ardeoteeterno, audaz guerreiro,
Que fita a' multidao depois de vencedor I
Tea coche flammejanie esmaga orna per urna
As irevas e a borrasca ; assim osmaga a espuma
A cortadora nao as plaoiceis do mar :
Quando desees do co a prumo sobre o monte
A treva espavorida esconde a negra fronte
E a aurora exange e bella expira ao tea olhar.
Ascbaraecaia veiga, as campias molbadas
Pelo rvaiho da noile acordam deslumbradas
Rasgando os veos de nev, os cristallinos veos;
O calador affasia o ramo e presta o ouvido
O lavrador ensaia o braco entorpecido
Beija a esposa, o Qlhinho e lembra-se de Deus I
E tu gigante oosado, amparas desde o berco
O problema da vida, a historia do Universo I
E mais sublime sempro e cora mais resplendor,
Cimentas o edificio e das vigor ao galho
A's aves o gorgeio, aos honiens e trabalbo
A's florestas o rio, aos merabros o saor I
Ao lea aspecto, oh rei, oh grande soberano,
Todo resurge e loz 1 O pensador humaao
Fustiga a immensdade e qaer le acompanhar I
Nos antros da miseria apagas o supplicio,
E aquel le que se entrega pallidez do vicio
Quando desponias v qae tempo de corar 1
Nada sasta o claro da toa immensidade 1
E ten p flammejanie escala a ter ni dad e -
E nio esmaga o insecto, o homem sobre o p :
Abracas o oriente e o occidente abragas
Por onde a noite surge ousado, hnmeuso passas
E vais correr o espago e como am rei vais s.
A creagao fecunda mais bella cada anno :
E o rio ensioa ao mar e ao rio ensina o ocano
A voz qae os guia e manda, a palavra fatal i
Como tranquillo o mar, como tranquilla a praial
A vaga azul se enrola, a vaga azul desmala
Como am beijo de amor em boca materoal.
Oh I segando universo 1 oh astro arremedado
De cos em cos e sempre a novo co vollado
Gravando no infinito as leis do Creador I
Qaaoto tea corpo rdeme a nalureza abraca
Oh t sol I aliagas rindo a fronte da desgraga
E das mo myrrada a esmola do calor.
Salve I mil vezes salve I A trra aos cos enva
A mais pura e saudosa e casta meloda
Qae a natareza mi offerta ao rei dos cos :
Qaando rasgas, oh sol, as nuvens do oriente
E's como am livro immenso em eajo dorso ardente
A mao da eternidade escreve um nome :Deas I
Salve no campo e co 1 as ondas e no espago,
f aisca de luz eterna Iluminando o passo
D'Aquel le que se assenta em thronos de arrebol I
D'Aquelle que apalpando a trra desolado
FallarT Ab, sita! Rosa... a gaa... Nio
morreo I... que felieidade I...
Rosa batea palmas com alegra ; meas pais cbo-
ravam e agradecan) ao co. Entretanto, ea pro-
nancava, com febril Volubilidade, ama multidao
de palavras sem significacio+sem nexo, s para
ouvir o som da minba voz e certificarme de que
dessa vez'alcancara definitivamente o dom da pa-
lavra. Os que me ladeavam nio pareciam menos
admirados do qae ea da confusa tagarellce que me
rompa dos labios, e todos me coutemplavam com
assombro e recolhimenlo, como se estivessem pre-
senciando um milagre. *
Emflm poz-se Rosa a contar como tiohamos
brincado ambos no jardim do castello, como eu ti-
nba saltado agua e como tiohamos sido tirados
do ribeiro por am criado. -
Meus pais, depois da primeira expansio de ale-
gra, accrescentaram algamas expcacJM ao qae
conloa Rosa e assim flquei sabendo tudo o que se
paseara na vespera.
Tioha arriscado a miaba vida para fcalvar a de
Rosa ( Dlxia elia qae me tinha amor por isso, e
eos (tais eram-me gratos pelo mea reotnihectoen-
to e pela minha coragem. Fixera-me digno 4a pro-
tocolo ido Sr. Pavelyn; aqaelie aconteetmento
linha-me ligado mais a Rosa, e, alm disso, Deas
sem davida para recempensar-me, dera-me a pala-
vra e me levantara do meu aba ti meato moral. Es-
tava to contente e altivo, que meas olbos scial
lavam de orgolbo.
Anda me castava um pouco a fallar e muil
vezes a minba llngaagem era contusa. Saba dizer
os substantivos, os nomes das coasas e das pessoas,
mas embaracava-me o eucadeamento e a construc-
cio das palavras.
A minha doenca tinba tido to leves consecuen-
cias que, logo que voltou'o socego ao mea animo,
mostrei grande vontade de comer e ped pi com
manteiga.
Minba mi deu-me um pouco de milo de pao
em leite e ti ve de con tentar-me com isso, apesar
de ter fome bastante, segando me pareca, para de-
vorar ama smea ioteira. Com grande desespera-
gao minba, tambem nao me deixaram levantar,
porque o medico assim o ordenara.
Rosa conversn de vagar coraigo e esforgon-se,
por meio de mil demonstracOes amigaveis, por tes-
temunhar-me a na gratido. Logo-que eu estives-
se bom, iramos oulra vez brincar no bonito jar-
dim do castello ; mas eu escusava de ter medo da
agua, porque o jardinelro Ja' andava a cercar o ri-
beiro com urna palissada de grades e a construir
na ponte nm parapelio novo bem seguro.
A amavel menina deiioume passada nma boa
meia hora para ir anonadar a seas pais a feliz no-
ticia da minha cara. Voltou de tarde, com algons
copos de gela de frambuesa e de grozelha, to re-
frigerante e to doce, qae nio me lembrava ter
nanea provado cousa lio boa.
Depois que ella se retiroo, ebegou o medico, e
disse qae poda levantarme e comecar a comer
pouco a pouco. Na sna oplniao, eu estava comple-
tamente om.
Passei toda a tarde desse dia assentado ora no
regaco de minha mai, ora nos joelbos de meu pai,
e Uve de fallar, fallar sempre, para os alegrar com
o som da minha voz.
Quando minba mi me deltou na minha cama,
dndome um beijo, adormec brandamente, e era-
balaram-me o somno os mais deliciosos e felizes
loobos.
Na manha do dia seguinte, levantei-me como se
nada me tivess acootecido e almocei com todos os
meas irmos. Durante toda a noute tinha sonbado
com a bella navalba que Rosa me dera. Lem'.rou-
me que o Sr. Pavelyn m'a tinha mandado pousar
em quauto iamos brincar. A navalba nao me sabia
da idea e de bom grado tera corrido ao castello
para Ir buscada, se podesse aventurarme a tal ou-
sadla.
Como Rosa nio chegasse, depols de multo espe-
rar sabi de casa e paz-rae a passear sozlnho no ca-
minho que la dar ao castello.
Ni) tardn que a visse sabir com a criada da
porta de ferro do jardim, fatendo-me de longe sig-
naos com extraordinaria alegra. Qaando chegou
ao p de mlm, pegou-me na mi e disse em extre-
mos de jubilo:
Leo, Leo, qae boa noticia I... I Ab, qae se
soubesses o qae sallarlas doado de alegra I En
mesmo es toa to contente por ten respeito, qne
sinio o ooraco aos saltos I Sabes onde vamos T A
toa casa. Tea pai ha de vlr ao castello para se fal-
lar de ti.
De mim I mea pai vai ao castello I marmu-
rel espantado.
afilia responded com grande seriedad? e abanan-
do a voz, como se a criada nio devesse ouvir o qae
me dizia :
Leo, tu s s um Slho de aldeiao, nao ver-
dade? Pelo menos o qus diz mea pal. Se Acares
seodo sempre como s agora, tambem am dia sers
am aldeiao, um pobre hornera qae toda a vida tem
de fazer tamaucos ou trabalhar nos campos. Men
pai disse one merecas melbor sorte, porque foste
tu qae Impediste que ea me afogasse. Elle tem ten-
gao de te mandar dar instruego e ama boa educa-
gao. .' o qoe elle quer dizer a teus pais.
Profundamente agltaao, apezar de nio compre-
hender bem (oda a importancia daquella noticia,
fiquei pensativo ealado.
Nio ticas contente T pergunton Rosa com cer-
to tom de censura. Pols oiba qae devias alegrar-
te I A instruego tambem riqueza ; pela ins-
truego qae maitos tllhos da aldeia teem chegado a
ser borneas notaveis no mondo. E olba, Leo,
aerescentou depois de urna pansaea gosto multo
de brincar comtigo, mas sinto qae nao sejas mais
do qae am aldeiao. Meu pai ha-de fazer-te estudar;
enlo ji nao sers o que s e andaras acetado, e
entio, tanto na cldade como aqui, poderei passear
e brincar comtigo. Seremos como Irmio e irmaa I
Nio bonito?
Ser seu irmio I Esta idaarrancou-me lagrimas;
s ento o futuro promettido se me patauteou com
todo o sea esplendor e ventaras. E exclamel:
Oh, muito bonito I Rosa minba rma I E'
muito I muito 1
Demos algans passos em silencio. Depols disse-
me Rosa com serenidade, fallaodo-me como solici
ta protectora oa como terna mil:
E' preciso ter sempre multo julzo, Leio, e es-
tudar ojdHo, eateades T Ea bei-de ajuiJaM, he(-de
Esta poesa do Sr. C A. Machado.
Vivo no mundo hoje era dia
Sera ter mais por companhelra
Aquella virgem fagueira
1 A minha amiga alegra >
D:sseme a sorteporfla,
Para cencer-te, aqui eston
E ella, a triste, coitadinba
1 Bateu as azas vdou. >
No mundo alegre viva
No comeco da existencia,
Vi-a brincar com a innocencia
t A minha antiga alegra >
Porm hoje a sorte impia
A roen lado repeuson ;
Ella com medo, assustada
Batea as azas vdou. >
Nio me apraz.a luz do dia,
Mo lenho contentamente;
Deixou-me no e.-qnecimento
c A minha antiga alegra >
Que da vida qne en viva
Por quem chorando boje estou ?
Foi-se a ernel, sem piedade
< Bateu as azas vdou. >
Pemiltido o co Imla
Que eu bo mundo nio gozasse ;
Que at me me desamparasse
c a minha antiga alegra >
Entregue a melancola
Meu pobre pello icou ;
Fugio-me o prazer, da vida
< Baleu as azas vou.
Soa mogo anda e devia
Gosar a minba existencia *,
Froindo a suprema essencia
c A minba amiga alegra
Outr'ora alegre sorna
Mas boje chorando esiou ;
Que a virgem com quem sonbava
c Bateu as azas vou.
Urna malher em quem via
Um anjo de adoraco
Roubou-me ao coraco
t A minba antiga alegra
Com a vista anda segai-a,
Porm ella nio voltou ;
Ento eu disse : a lyranna
1 Bateu as azas vou. >
Hoje nio me apraz o dia
Nao tenho coutentamento ;
Deixou-me no esqueciraento
c A minba antiga alegra
E a mulher por qaem viva
Por quem chorando boje estou
Dando um sornso de escarneo
Bateu as azas vou.
Sao aterradores os seguales algarismos dados
por correspondencias de Londres sobre as propor-
edes que tem adquirido a peste do gado vacom.
Durante o mez de Janeiro a enfermldade apre-
seutou um desenvolvimenlo verdaderamente es-
pantoso.
Na semana que acahon em 30 de dezembro./o-
ram atacado! 7:693 animaes ; na de 6 de Janeiro
9:120 ; 9:243 na de 13; 10:041 na de 20; 11.-74S
na de 27. Total 120:740.
uestes foram queimados 16:742 ; morreram
73:750 ; enraram-se 11:16a, e exlsliam anda
doentes 16:086.
Tudo isto representa nnu perda de 6:600)conloo
de res.
ensfnar-te as liges, porque eu sei ler bem ea fla-
mengo e em francos. Tenho muitos liveos coa bo-
nitas figuras, se nao aprenderos bem dou te cas-
tigos ; mas se (ores appllcado e ajuisado, dou te re-
bocados e doces. Dessa maneira aprenders de-
pressa a ler, nao verdade ? e miaba mil ha-de
comprar-me livros novos com bonitas historias. En-
tio que nos bavemos de divervir l
Em resposta balbnciei s> algamas palavras da
gratido. A vida que ella me pintan, e ea que eu
va mais largos horlsontes do qoe ella parecia-m
a felieidade suprema. Por isso mesmo duvidava
que estlvesse desuada para mim.
Minha mil quera mandar-te para nm escrip-
torio quando fosses grande,.tornou Rosa; mas moa
pai, que muito tea amigo, Leso, disse qoe isso
nio valia nada. Qaer fazer de ti um esculptor um
homem que fax estatuas como aqaelie deas Mercu-
rio qae viste na nossa sala de jantar; 4 om artista;
e am artista diz mea pal qae lio estimado ao
mando como o homem mais rico.
An, ser escoiptor e ser sen irmiol... ca-
mei, ergaendo os bracos para o co.
Estavamos perto da nossa casa e entramos. Rosa
den eumprimento a sua mensagem. -Meas pais ves-
liram-se a toda a pressa, e em pouco espaoo se
apresentaram preparados para acompanharem Ro-
sa e a criada.
Desde que Rosa me daba dilo qne seo pai qaeria
fazer de mlm am esculptor, senta ardente deaejo
de possuir a bonita navalba e de experimentar la-
mediatamente a minha habilidade. Fallei ateo a
Rosa e ella promettea-m emtrega-la a minba m
para m'a dar.
________(Contmutr-tt-ha.)
PBlAI|BUCOTYP. DE M-.F-NJ ffSIU


*



<
*
q
t.


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EW5EZNU6O_YFWMA4 INGEST_TIME 2013-09-04T23:56:07Z PACKAGE AA00011611_10913
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES