Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:10911


This item is only available as the following downloads:


Full Text

m mi HUMERO 55
Ptr irlel ** das it I. aez
dem depis 4s 1." i# diis &ctfteco e dentro de quartel
Perte atcenrei pertrwmews
ENCARREGADOS DA SUBSCRIPCAO DfcNORTE
Parahyba, o Sr. Antonio Alexodrino de Lima;
Natal, o Sr. Antonio Marques da Silva ; Aracaty, o
Sr. A. de Leraos Braga; Cear, o Sr. J. Jos de
Oliveira ; Maranhao, o Sr. Joaquim Marques Ro-
drigues ;- Para, os Srs. Geraldo Antonio Alves &
Filhos; Amazonas, o Sr. Jeronymo da Costa.
ENCARREGADOS DA SUBSCRIPgAO DO SUL.
Aiagoas, o Sr. Clandino Falcao Oas; Babia, o
Sr. Jos Martins Ahes; Rio de Janeiro, e Sr. Jos
Ribeiro Gsparinho.
Serinhem, Rio Formoso,Tamandar, una, Bar-
reros, Agua Preta Pimenteiras, as quimas
feiras.
AUDIENCIAS DOS TRIBUNAES DA CAPITAL.
PARTIDA DOS ESTAFETAS.
Olinda, Cabo, Escada e estacSes da via frrea at
Agoa Preta, todos es dias.
Iguarass e Goyanoa as segundas e sextas feiras.
Santo Anto, Gravat, Bezerros, Bonito, Caruar,
Altinho, Garannnns, Buique, S. Bento, Bom
Conseibo- Aguas Bellas e Tcaratii, as tergaslTribunal do conUbercio: segundas e quintas.
eiras- \ JRelaco: tercas e sbados s 10 horas.
Pod'Alho.Naxareth Limoeiro, Brejo, Pesqueira Fa nd a 10 _
Ingazeira, Flores, Villa Bella, Cabrob, Boa Vis- I"ena 2"f' ,u ,*
ta, Onricury, Salgneiro eEx, as qnartas Ja,zo d0 commercio: segundas as i i horas,
feiras. 1 I Dito de orphos: tercas e sextas s 10 horas.
Tara do civel: tercas sextas ao meio
do civel: quartas
sabbades a 1
Primeira
dia.
Segunda Tara
hora da tarde.
EPHEMERIDES DO MEZ DE MARCO.
1 La cheia as 9 h., 33 m. e 16 s. da m.
9 Quarto ming. 1 h., 33 m. 83 s. da t.
16 Loa nova as 7 h.} 17 m. e 33 s. da t.
23 Quarto cresc. as 10 h., 44 m e 27 da ro.
31 Loa cheia as 2 h., 12 m. e 22 s. da m.
DAS DA SEMANA.
5. Segunda. S?. Focas e PalatiDo mm.
6. Terca. Ss. Vctor e Victoriano mm.
7. Qnarta. S. Thomaz de Aquino dout. ao*.
8. Quinta. S. Quiotilo b.; S. Pondo diac.
9. Sexta. S. Francisca Romana viuv.
10. Sahbado. S. Mililo m.; S, Drothoveo ab.
H. Domingo. Ss. Candido, Heraclio e Jovlno
PREAMAR DE HOJE.
Primeira as 10 horas e 6 m. da manhla.
Segnnda as 10 horas e 30 minutos da tarde.
PARTIDA DOS VAPORES COSTKIRO*.
Para o sol at Aiagoas a 14 e 30; pira o norte
at a Granja a 7 e 22 de cada maz; para Fernan-
do nos dias 14 .'os mezes de janetro> merco, mato
julho, setembro e novembro.
mm' ASSIGNA-SE
noRecife, na iivrarfa da praca da Independencia
ns. 8, dos proprietarios Manoel Figaeiroa de Paria
& Filho.
PARTE OFFICIAL
m.MSTERie DA JUSTINA
COHSfT/.
Senbor. Por-avi9#8tf fl de seierabro ultimo
mandou V. M. Imperial prem consalta da secgo
de justica do conselbe .de estado o conflicto de ja-
risdlcclo aire o juizo dos feilos e o jais de or
phos de Pernambuco sobre Inventarios.
Ha duas quesles a resolver : a 1" o proprio
conflicto : a 3* se, tendo a relaco do districto
decidido, pode o governo imperial ntervir. |
Em quanto ao i", cumpre |reconhecer que fei
sempre principio da nossa praxe forense a compe-
tencia ao juizo por dependencia do inventario e
partilha.
O jurisconsulto Pereira e Souza, as suas pn-
meiras lionas sebre o proeesso civil, diz na nota i
1,011: f O juiz, porm, que conheceu da partilha
feita por morte de um dos conjuges deve couhecer i
por dependencia da partilha que se (at por morte j
do ootro conjuge qoe sobrevivra e cita a provi-
so de 13 de malo de 1634 Pe*, ao 4 da Ord.
liv. iit. 87. O assento de 17 de julho de 1891 de-
clare, referiado-se ao Inventario de um Dr. Este-
vo de Foios que tal aventario pertencia fazer-
se no juizo do jais qoe havia (eito os dous inven-
tarios das duas mulheres que tere, e qu ficava o
sea inventario e partllhas
ditos inventarios.
Sob o commando do tenente-corontl
Joo Paulo Ferreira, em 21 de no-
vembro ultimo................. 371 pracas.
Sob o commando do coronel Francis-
co Joaqnim Pereira Lobo, em 9 de
deierobro, nao eomprependendo
ama companbia addida de guardas
nacionaes designados........... 368 >
Sob o commando do tenente-coronei
Felippe Rodrigues Coelbo, em 27 de
Janeiro passado...............%. 339
Sob o commando do tenente-coronei
Francisco de Albuquerqoe Mara-
nhao Cavalcanti, em 4 de fevereiro
ultimo;........................ 163
Sob o commando do tenente coronel
Pedro Pessoa de Siqueira Campos,
deven) embarcar era 6 do cor-
rente......................... 146
Aotodo.........1,387
GUARDA NACIONAL DESTACADA PARA 0 SBRVIQO DA
GUERRA.
Anda nao est completo o contingente que pelo
decreto n. 3,383, de 21 de Janeiro do anuo prximo
passado, coube a esta provincia dar para o servico
da guerra ; apenas marchou para a campanba no
da 22 de outubro ultimo um batalhao com 497 pra-
Cas sob o commando do tenente-coronei Alexandre
Augusto de Fras Villar, e roais urna companbia
com 58 pracas addida ao 3 corpo de voluntarios
sendo dependencia dos a patria, sob o commando do coronel Lobo, que
eleva aquello numero a 555.
O celebre jariseonsulto e lente da universldade Existem aqnartellados 62 guardas nacionaes
"e Colmara, Mello Freir, ensina: Judicem com- designados; com estes e com os contingentes que
petenlem ex incompetente facit conlinenlia causee forem chegando, nos termos do aviso do ministerio
quam dtvtdi vetai coustantibns in L. 10 Cod. hoc aa goerra de 21 de outubro prximo Ando, trato
fifc de organisar o Io eorpo provisorio, decujocom-
0 desembargador Alberto Carlos de Menezes, na,mando acba-se encarregado o tenente-coronei Ma-
sna obra intitulada Pratica dos inventarios, part rianno Xavier Carnelro da Cunha, tendo de sen
has e cantas dos juizes divisorios expressa-se as- bataiao marchado para o thealro da guerra mais
sim-.: c O inventario ha de ser feito no juizo do j de 100 guardas, e que alistara mediante a coadju-
domicilio do Inventariado, em que elle tivesse a, vacio de oulros dignos coramandantes e officaes
os cofres por onde percebe os seus sentimentos,
segundo a natureza do servico que presta.
A guarda nacional tem-se prestado de boa von-
tade a este servico; fazendo-se digno de especial
mencio o 9 batalbo do municipio de Olinda, que
tendo-se offereeido para prestar seos servicos, em
qualquer parte da provincia, onde o governo os
quizesse aproveitar, prestoa um destacamento para
a liba de Fernando, e ouiro para a villa de Flores.
CORPO DE POLICA.
Para substituir o corpo de polica desta provin
tender a ouiras necessidades; mas ser meos sen-
sivel o sacrificio, se forem aquellas obras executa-
das por meios de consignares parciaes e que vo-
tardes annualmeale, em vista do plano do ediQei?, (
como lembra o p*vedor, reduzndo se a um so an-
dar as alas lateraes e o terreo o terceiro raio.
Na iosuffleiencia de' recursos, provecientes da
renda dos*predios de seu patrimonio, que, arrui-
nados pela roaior parte, ou se aeham fechados, oa
outem um alaguel rauito inferior ao que poderiam
alcanzar se eslivessem em bom estado, a Saata
Alugueis das casas do recolhiraento
Somma
9o000 le8j qQe |6Dd0 nesU dala m\\t$Q 0 reverendo *Htr
!.iT*(v no de Fapari dessa Provincia Jos Alexandre Go-
^o.^zu^uuu mes de Mello, na fregaezla de Nossa Senhora Ha
desoecupadas, nao tZ2?t%KZlg. ^&t\^ZS^ "
ff'aE?40 ri" faMnd" d8gad0' QUe Pdem I D;' ^- conetAMir. TXazVoiivei,a.
Taes sao os recursos nronnn* a* ,sn n,.i nw.' TEm re?MU *> oflltlo de.V. S. de 23 de Janeiro
proprios de to til quo
ca, em campanba, creon a lei o. 611 de 2 de malo! Casa da Mlsericoria solicita a continuaco da sub
ultimo um corpo provisorio de 300 pracas. vencad", edaeoncesso de loteras, que haveis sem
Parecendo rae que a organisaco deste corpo pre concedido -aos esubecimemos de caridade,
embaracaria a dos de voluntarios da patria, que' isto aos boepitaes de Pedro II, e dos Lazaros, hos-
estava era andamento, julgaei conveniente ad- picio de alienados e casa dos -xpostos, e bem as-
dia-la para occasiao mais opportuna, tanto mais sim igual protcgo para os dous collegios de or-
quanto alalia daquella forca era sopprida pela phos, como j ti vera m. os q uses sao sustentados
guarda nacional paga pelos cofres provlnciaes. por patrimonio especial, cujas rendas sao tambero
Entretanto existe organizada nma companhia difficentes.
cora a forca etTectln de 92 pracas, e as 40 qoe | No caso de nao ser posslvel este ultimo auxilio,
sob o commando do capito Francisco Leal segdi-1 pede a mesma Santa Casa de Misericordia que seja
ram em diligencia para para Garanhuos, e devem : extrahida de preferencia a qualquer outra a lotera
compor a 2' companhia do corpo provisorio. | que foi concedida aos preditos collegios pela lei
Fallam, portanto, 168 pracas para completar a provincial o. 330 de 19 de abril de 1854.
benfico estabelecimenio, ao qaal eston convencido
nao delxarels de continuar a prestar vossa valiosa
proteccSo.
(Con/ttiiiar--fcaJ
GOVERNO UO HISPIDO.
Expediente do dia 26 de (etereiro.
Offlcios aos Rvms. provedor e mesarios da ir-
mandade de S. Pedro do Clrigos desta cidade.
Conven que VV. Rvmas. nos informen) se, em con-
formidade cora os arts. 97 e 98, cap. 17 do cora-
promisso dessa Irmandade, }a' mandram fazer os
suffragtos pela alma do fallecido bispo o Exm. Sr.
do corrente anno, temos a dizer Ihe que ratificamos
com satlsfacao a nomeacio de administrador do pa-
trimonio da cathedrai dessa cidade, para que fura
, V. S. nomeado em novembro de 4857, por nosso
antecessor. Quanto porm viee directora dos es-
l todos deixamos de ratiflea-la por termos sopprimi-
| do esse Ingar nos artigos substitutivos aosesiatutos
; do seminalio e que ltimamente formulamos.
Dito ao Exm. commandante das armas.Aoofli-
co de V. Exc. de 28 de fevereiro, no qual ss dig-
nou comraoolcar-me que no dia 10 do corrente se-
guir' para a iiha de Fernando um dos vapores da
companbia pernambucana, em que deve segoir o
, reverendo eapello, pedida por S. Exc., lenha de
responder qoe o Rvd. Francisco Aniano de Souza
maior parte dos seus bens, porm havendo depen-
dencia do primeiro j feito por morte de algum
dos conjuges, ou qualquer dependencia, deve-se fa-
zer o segundo inventario onde se fez o primeiro do
pal ou da mi, marido ou muiher, sendo no raes-
mo territorio, ord. liv. Io, tit. 88 4o e 24.
Quaodo houver inventario feito em diverso terri-
torio dependente do primeiro, nao te o lugar e-ta
dependencia para se fazer o inventario fra do ter-
ritorio em que viva ou falleceu o inventariado.
A regra geral, pois, reconhecida pelo menciona
do e Ilustrado praxisla, que o inventario deve i
fazer-se onde o defancto e inventariado tem a maior
parte dos bens e no territorio do seu domicilio per-
manente, com a excepcio pira a dependencia do
primeiro inventario, quaado este foi feito ao me-
mo local e territorio em que vivia o inventariado
com domicilio e familia.
Assim assevera o mesrao praxista ter sido julga
do na casa da sopplicacao.
A circunstancia de lar sido feito no jaixodos
feilos conforme as Ies em vigor o primeiro inven-
tario nao embarga a applfcacao do principio de
continencia ou dependencia de causa.
c Unde infertur, quod si divisio seu inventatium ]
facieudutn sit tuter jiscum et altos quoscumqne ha-!
redes, conjuges, vel consocios, nec in foro hoendum,
nec m loro, re sita divisio Jocunda est, sed coram
judias privativo ipsius fisc, tpsa divisio est facien-
do ; quia fiscus, sive convematur, stve agat, nec
potest conveniri, nec agere, nisi coram suo judice,
ut probatur ex texl. m L I, Cjd. ubi fiscales et
GuerreiroDe muner. jud. orphan. tract. 2 de di-
visien. cap. 4 n. 26. ,
Assim que, entenle a seceso que bem julgado
foi pela relacao do districlo o conflicto de que se
trata.
Em quanto a 2' questao, duvida a seceso qoe
seja til e curial a intervenco do governo de Ves
sa Magestade Imperial; por isso que nao o poder
cxeeulive e sim o legislativo, que deve inlervir, re-
formando inteirameote a legislac.o antiga sobre
inventarios, de modo como o tem feito a Franca,
Portagal o otras.
qu o auxiliaram de boa vontade no sea Iouvavel
empenho.
O municipio da capital nao s completen o seu
contingente de guardas nacionaes designados para
o servico da guerra, sen?o at exceden o, dando
assim um exemplo digno de ser imitado, e que
mnito recommenda a guarda nacional desta cidade,
sempre prompla ao servil que della se exige. Os
loavaveis esforcos do digno commaodante superior
interino, coronel Domingos Alfonso Nery Ferreira,
muito contribuirn para semelhante resultado.
Os demais municipios anda nao completaran) os
contingentes que Ibes cot.be dar.
Entre os que cootribuiram com maior numero
de guardas nacionaes fula de poder mencionar os
de linda, Cabq, Bonito, Santo Aotlo, Brejo, Rio-
Formoso e Gojwnna, sosrelJo os quatro ltimos
que multo concorreram para aorganisaQo dos cor-
pos de voluntarios.
Nao consta da secretaria do governo que os ba-
talbSes 32 e 33 da comarca de Flores, 34 da de
Tacarat e 49* da villa de uricury, d'onde alias
veio crescido numero de voluntarios, lenham forne-
cido os seus contingentes.
Alm das cansas que apontei, tratando doalis-
(ameoto de voluntarios, as quaes actuaram do mes-
mo modo, senao com maior vigor, para a taita dos
contingentes da guarda nacional, concorreram as
seguintes : Ia, o estado de desorganisacao da mor
parte dos corpos da referida guarda ; 2'. a irregu-
laridade e deficiencia das qualificacoes, feitas arbi-
trariamente e sem methodo ; 3a, injusta e quasi
sempre ma' designaclo dos guardas feita pelos con-
selbos de qnaliScaco antes das salotares providen-
cias do decrete n. 3,5 J de 4 de agosto do anno
passado ; 4", a indifferenca, senao ma' vontade, de
alguns ofliciaes superiores ou subalternos que, sob
diversos pretextos, oada deram dos cootiogentes,
que delles (oram exigidos por vezes reiteradas; 5a,
a preferencia que levara muitos gnardas nacionaes
a alistarem-se nos corpos de voluntarios.
CORPO DE POLICA.
De conformidade com o disposto na lei provin-
! cial n. 611 de 2 de maio do anno passado marchen
Vossa Magestade Imperial resolver o que for | para a campanha o corpo de polica desta provin-
servido. ; cia, com a forca effectiva de 46 pracas sob o com-
Sala das conferencias da seceo de jugado mando do tenente-coronei Alexandre de Barros e
conseibo de estado, em 5 de outubro de 1865. Albuquerqoe.
Viseonde de Jeqmtinhonha.Visconde de Uruguay. Seguio primeramente, em agosto do anno lindo,
Jos Antonio Pimenta Bueno. \ a ala esquerda do mesme composta da 2a e 4a com-
Resolucio. Como parece a' secgo s quanto a
nao dever intervir o governo imperial na deciso
deste negocio, que da competencia do poder ju-
sticiarlo, como j declarou o aviso de 14 de outubro
de 1865.
Pago, 3 de fevereiro de 1866. Cora a rubrica
de S. M. o Imperador. Jos Thomaz Nabuco de
Araujo.
RELATORIO
apreseutado. pelo Exm. Sr. con
selheiro loo ustosi da Cu- .
ha Paranagaa, assembla!I4.??fe/.eLei;oJ.roA,m.0.Uad0'el8vase a6-45tft0"
paohlas com 161 pracas, e posteriormente, em 21
de oovembro, a ala direita com 235 pracas.
FORCA Dlf LINHA.
Alm da que goaroece o presidio de Fernando,
s existe a companbia de cavallaria, qoe nao altio-
gio anda o sen estado completo.
A companhia de artfices foi ex linda com a
creaclo da de operarios do arsenal de guerra, de
conformidade com o decreto, n. 3555, de 9 de de-
zembro pretrito, e instr ccoes de 3 de Janeiro do
correle anno. *
A forga com que. esta provincia tem concorrido
para a guerra, a contar de novembro de 1864, a
provincial, por occasiao da
abertura da sesso do corra-
te anno, no dia Io de marco.
FORQA PUBLICA.
Voluntarios da patria.Teodo o governo impe-
rial determinado que se prosegnisse no alistamento
de voluntarios e se flzesse seguir para a corte toda
a forca organisada com destino ao servico da guer-
ra, solicitei para esse Bm a cooperario de todas as
autoridades e cidados mais influentes as diversas
localidades da proviocia, sem aiiender a cores po-
lticas, como era proprio da dignidade do governo
e da grandeza do pleito que anda se debate, e no
devo confessar que, se os Pernambucanos nao cor-
rern) pressurosos a formar mais numerosas cohor-
tes de valentes soldados, como podiara faze-lo, foi
isso devldo em grande parle ao estado anormal das
escandesceocia das paixes polticas e da Intole-
rancia dos partidos, que infelizmente dividera a
provincia em tlW grupos, que nao fcil harmo
nisar naauillo mesmo, em que deviam estar accar-
ds ; pois certo que nao ha om so.Pernambu-
cano que nSo sinta a necessidade argente de casti-
gar a insolencia incrivel do despola que invadi
meos, do modo seguinte:
Ia linha....................... 2,178 pracas.
Guarda nacional..........
Recrutas do exercito.......
Recrulas da armada.......
Voluntarios para a mesma.
Engajados para a mesma.
555
513
101
ia
94
Corpo de policja.............. 446
Voluntarios da patria.......... 2:555 <
Dessa forca marchou para a campanha, durante
a minha administracao, a qua se segu:
Ia linha..................'.' 467 pragas.
Goarda nacional..........*..... 555
Corpo de polica.........-*..... 446
3, 5a, 6o e 7o corpos de volunta-
rios da patela.........T..... 1:2*1 f
Recrulas do exercito........... 236 <
Recrutas para a armada...___~ 56
Voluntarlos para a mesma...... 10
Engajados para a mesma....... 79
Total 2:790 t
Reunindo-se a esse nuaero os 146 voluntarlos
da patria vindos ultimar lente de Flores e qoe de-
vem ja' sefnir para a Ce re, como cima vos disse
e mais 35 artilheiros ebegados a pouco do presidio
?i2EZEE rJtoriToQe assolou do- i* Fernando, qae se acuam proraptos a ter igual
SSfSaj SS! a'fiuTEeIa, | S^^^sbe 2:97,1 Jjomens, obooUn-
nue levoa a orphndade o capvelro e adeshoora ent0 con'De ea provincia lera concorrido par Xilio prestado pelos cofres provinciaes nao foi suf-
ao seio das familias qu&'caram com viJf naqoel- suerra no curto periodo a que aliada. flciente para a conclusio da3 obras da casa dos or-
* phaos*'
las paragens anda lilas de sangue brasilelro." I A Maior braiUe sido se por inc apacidade pbysioa
Assim que, algumas deJicaC5e^ patriticas mos- e nma recofioecida pela junta militar de sande,
traram-se em relevo nesta heroica provincia, par-1e I
lindo de lados oppostos de modo a nao desmentir o
O raovlmento dos estabelecimentos de caridade
do i* de Janeiro a 31 de dezembro do anno prxi-
mo Ando foi o seguinte :
HOSPITAL PfipilO II.
Homens. Mulheres.
forca decretada, a qual nao roe parece suficiente
para as necessidades do servico, se attender-se a
que a guarda nacional deve ser dispensada do des-
tacamento, no qual nao pode permanecer por moi-
to lempo sem prejuizo para a agricultura.
Sem forca sufficiente para a prompta represso
do crime, nao possivel garantir-se a ordem pu-
blica, nem a seguranca e direitos dos cidados.
Assim pois, emendo ser de necessidade qne ele-
veis a 400 pracas a forca effectiva ao corpo provi-
sorio.
DIOCESE DE PERNAMBUCO.
No dia 21 de Janeiro fiado o Exm. e Rvm. bispo
diocesano D. Emmanuel do Reg Medeiros fez a
sua entrada solemne na cidade episcopal de Olin-
da e tomou posse do governo do bispado.
Fazemos votos pela prosperidade da igreja Per-
nambncana sob o governo paternal do novo prelado
me grato recordar a boa dlrecclo que tveram os
negocios da docese durante a (Ilustrada adminis-
tracao do Rvd. vlgario capitular o deo Dr. Joa-
qnim Francisco de Paria.
culto publico.
Tem a provincia 61 parochias das quaes 40 sao
administradas por vlgnos collados, 20 por paro-
cbos encomraendados e 1 por coadjnctor.
Quasi todas as matrizes precisara de concertes
reparos alguns des quaes lao argentes que nao po-
dem ser addiados.
Para taes obras tendes votado consigoacoes quasi
sempre insofflcientes, e parece-me que fra mais
prudente e econmico qoe annualmente se repa-
rassem de toda aquellas rejas para as quaes che-
gassera os recursos dos cofres provinciaes, do qae
repartir com todas ellas pequeas quantias, que
mal applicadas e insuficientes, deixam expostas aos
estragos do lempo os concertos que ellas se tenba
consegaido fazer.
SANTA CASA DA MISERICORDIA.
Os eslabelecimentos pos a cargo da Junta admi-
nistrativa da Santa Casa de Misericordia sao :
Hospital Pedro II, casa dos expostos ou Roda,
hospital dos Lazaros, hospicio dos Alienados, colle-
gios dos orphos e das orphas.
Todos estes eslabelecimentos acham-se em edifi-
cios pertencentes a Santa Casa, menos o collegio
dos orphos, que segundo informa o muito digno
provedor ser brevemente transferido para urna | Eotregues a seus parentes
casa, qne se est preparando na ra da Gloria, per- i Morreram..............
teucente ao patrimonio d'aquelie collegio. Existem no estbeleci-
Para auxiliar os traeos recursos, que a Santa ment :
Casa tem appllcado com a mais vigorosa economa Educandas..............
as obras d'aquelie edificio, prevaleci-me da auto-1 Pensionistas............
risaco concedida no z. do art. 14 da lei n. 611
do anno prximo passado, e raandei entregar-lhe
pela verba do t# do aTK 17 da tei do orsamento
vigenteaquantia de .j':0004000, alim de se dar aquel le
estabeleciment commodVsutfli-entes Para os edu-
candos e menores, Albos e irmos orphos dos vo
luntarfos da patria olBciaes e pracas do corpo de
Sobria e guarda nacional, que em virlude do art.
I da citada le n. 611, se tem mandado all admit-
tfr ero numero de 17 como se v do seguale qua-
dro :
Quadro dos menores admittidos ni collegio dos or-
phos de conformidade com o art. 14 da lei n.
6IidV2rf Francisco de Brito Cavalcanti Jequitib.-Cap
to.de voluntario da patria, Alberto de Brito Caval-
canti.
Juvina.Sargento do corpo de polica, Antonio
Saraiva de Araujo.
Alejandrina. dem.
Mana.Sargento do 1. batalhao de voluntarios
da patria, Joo Manoel Roma Jaoior.
Augusto Pereira do Reg.Soldado do corpo de
polica, Mmeos Pereira do Reg. j
Manoel de Souza MachadoSargento do 5." ba-
p. Joo da Purificaco, que eramembro dessa con-; Araojo ja' se acha provisionado e proropto a seguir
48
340
209
Morreram....... 138 115
Ficaram exlstlndo "60 64
ASYlto DR MENDICIDAD^. *
Horneas. Molberes.
9
9
Sahiram.,........ 17 3
Morrerarn....'... 10 4
Ficaram existindo 13 11
hospital dos lazaros.
Homens. Mulheres.
Existfam........ H 16
3
1

Morreram.'....... 1 3
Ficaram existindo 10 15
HOSPICIO DE ALIENADOS EM OUNDA.
Homens, Mulheres.
29
21
6
Morreram..-...... 6 4
Ficaram existindo 21 40
Cabe aqu ponderar-vos que este estabelecimen-
to precisa.de accoramodacoes para homens, visto
que nao ha mais lugar senao para mu heres.
CASA DOS EXPOSTOS.
S*xo.
\ Mascollno Feminino
Existiam...i............ 170 221
Foram expoetos vivos___ 22 23
morto.s.. 4 1
Entraran) por ordem da
4
Foram recebidos ao estabe-
3
Sahiram :
2
fraria.
No caso afflrmativo devero VV. Rvmas. decla-
rar precisamente quaes foram esses suffragios, re-
metiendo-nos os documentos comprobatorios de se
I terem realisado, e no caso negativo exporo os mo-
tivos porque deiiaram de cumprir esse piedoso
dever, havendo aquelle prelado fallecido
lempo.
27
Officio ao Rvm. Francisco Peixoto Duarte.Ac
na primeira monco logo que seja avisado, como
passo a fazer.
Dito ao Rvd. Francisco Aniano de Sonsa Araojo.
Tendo de segoir no dia 10 do corrente para a
liba de Fernando ora dos vapores- da companbia
Pernambucana, baja V. Rvma.. de enlender-se com
a tanto o Exm. Sr. commandanle das armas, sobra o dia e
hora de sua paitida; procurando aqu asna provi-
so, que se acha passada.
Dito ao Exm. conselbetro presidente da provin-
rt*"?*^ receDer #fflcio de V. Rvma. com data cia.Sendo da maior urgencia proceder aos repa-
ae 14 do crreme, no qual nos declara ter recefii- ros indispensaveis no palacio episcopal d'Onda,
VfloofflcicalmeDte doExm. presidente da provincia (e de torna lo habitavel, evitando-so mais sensivei
Comm?oica?o de ,er siio v- Rvma. apresentado i deteriorago, vou rogar instantneamente a V.
por S. M. I., parocho da igreja de Nossa Senhora Ex que se dignem dar suas ordens, aflm de qoe
la cidade de Macei ; e no mesmo um dos engenheiros ao servico. da provincia exami-
29
2
22
77
- 1
V
1
158
Existem no collegio dos
orphos ..............
dem no hospital Pedro II.
dem fra de estabeleci-
mento entregues, a di-
versas pessoas encarre-
gadas de sua creagab..
COLLEGIO DOS ORPHOS.
Orphos.
*. Existiam........ 76
Kntraram........ 6
Sahiram.......... 37
Mor ea>......... 1
Ficaram existindo 44
COLLEGIO DAS ORPHA'AS
Orphas. Pensionistas.
1
146
Pensionistas.
6
Existiam........ 104 2
Entraran)........ 16 7
Sabio casada..... 1
Eotregues a seus
. prente.'....... 9 2
Ficaram existindo 116 7
Por portara de 12 de setembro e em vista do
que ponderou-me o provedor em officio de 21 de
agosto, demuti a Miguel Joaqnim Barbosa Francis
talho de voluntarios da patria, Raimundo de Souza c de Carvalho do Tugar de pedagogo do collegio
Machado. i dos orphos, e nomeei para o substituir a Francis-
Jos Alexandre Ferreira da Silva.-Tenente da! co Jos Pereira Cavalcante de Albuquerque.
guarda nacional, Gamillo Augusto Ferreira da
Silva.
Florinda.Sargento do 5. batalhao de volunta-
rios da patria, Joaquim Nunes do Valle.
Vicencia.dem, idem.
Felisbella August Ferreira da Silva.Tenente
da guarda nacional, Camillo Angusto Ferreira
Silva.
Laura Augusta Ferreira da Silva.dem, idem.
Manoel Francisco Lima.Soldado do corpo de
polica, Jos Bernardo de Lima.
Joo Baptista Lima.dem, idem.
Ludgero de Souza Ramalbo. Alteres da guarda
nacional Torquato de Souza Ramalho.
Antonio Herraogenes Pereira do Lago.Capito
do 7.* batalhao de voluntarios da patria, Jos Fir-
mino Pereira do Lago.
Jos Ignacio Pereira da Lago.idem, idem.
Francisco. Capito do 7. corpo de voluntarios
da patria, Francisco de Oliveira Cabral.
Alm destes mandei admiuir e ainda nao foram
apresentados para terem este destino Polycarpo,
ThofQaz, Mara, Miguel e Mathilde, filhos o 1." do
alferes do corpo de polica Joaqnim Milito Alves
Lima, o 2. do tenente do mesmo corpo Thomaz
Rodrigues Pereira, o 3." do guarda nacional Joo
Evangelista da Silva, o 4.a e 5. Analmente do vo-
luntario da patria Joaqnim Torres Galtndo.
O provedor da Santa Casa declara-me que o au-
En 3 de outubro e nos termos do art. 84 do
compromiso da Sania Casaapprovei O reglamen-
to interno confeccionado pela respectiva junta ad-
ministrativa para a casa dos expostos.
Em 30 de outubro e 20 de novembro ultimo,
conced as exonerarles que solicitaran Vicente
da ; Ferreira da Silva Braga e r rancisco Jos -Pereira
Cavalcante de Albuquerqoe dos lugares o primeiro
eo passado glorioso.
k resol ucao inspirada no mais acr y solado patrio-
vsalo, e o exemplo heroico que parti de S, M. o
Imperador, quaodo da corte sabio pressurow. com
seos augustos genros em defeza dos nossos irmos
Rio-Graodenses, nao poda deixar de encontrar
echo em todos os coraefies brasileiros, e a isso
principalmente qoe eo devo ter podido anida, no
meto das contrariedades que sabis, em to curio
periodo de administracao enviar para o ibeatro da
guerra cerca de 2,500 homens, entre voluntarios
- da patria, guardas nacionaes designados e pracas
o eorpo de polica, alora algumas pracas do corpo
de guarnico, recrulas e engajados em numero de
381 e 35 artilheiros chegados ha pouco do presidio
de Fernando, qne elevara aqaelle contingente a
perto de 3,000 homens.
Os voluntarios da patria com que lera concorrido
a provincia para a presente guerra dorante a mi-
nha administracao, mareharam destribnidos do roo-
dosegtiote :
por outros, nao
bouvessem sido por mi i dispensadas 563 pracas
pelo modo seguinte :
Voluntarios da patria..........v...... 135
Guardas nacionaes designados......... 296
Recrntas doexerclto.................. 115
Recrutas da armada.................. 17
563
Releva, conclulndo osla parte declarar-vos que
na organisaco e remessi das torgas destinadas ao
servffco da guerra, fni eficazmente coadjuvado pelo
digno raarechal de campo commaodante das armas
Francisco Sergio de Oliveira, caja Adelidade e zelo
cxclarecldo no cumprimento das ordena do gover-
no me grato reconheeer e testerounhar.
GUARDA NaCIOBAL DESTACADA.
Para sobslitor a forca de liaba qae exista nesta
provincia, e o corpo do polKua, qna seguiram para
a guerra, foram chama* a servio de destaca-
mento 1:018 gnardas naeWMas.
Pelas noadras seguiotti rereis a maneira por
qae se acha destribnida essj torca, e bem assim
Habilitado com o recursos que concedestes em
vossa anima reuoio, a Santa Casa pode empre-
bender os raelboramentos e reparos, de qae preci-
sa vam alguns dos sens eslabelecimentos.
de mordomo e o seg'und de pedagogo do collegio
dos orphos.
De conformidade cora o art. 70 do respectivo
compromisso, autorisei a Santa Casa a despender a
quantia de 400J000 com o ordenad* do eapello
contratado para a igreja da Misericordia em Olin-
oa, visto que teodo side essas fuiccOes exercidas
gratuitamente pelo padre Manoel Jos da Trindade,
qae se acnava impedido desde julho, deixou de ser
votada a necessarla verba no orcamento.
Conced tambera nos termos de ja citado compro-
misso a autorisaco que pedio o provedor para ex-
ceder o crdito votado no orcamento para os repa-
ros de predios e edificios do patrimonio dos or-
phos, aflm de nao paralysar a obra que a junta
administrativa eslava mandando oonstruir na casa
da roa da Gloria, para onde tem de ser transferido
o collegio dos mesmos orphos.
REC0LH1MENTO DE N9SSA SENHORA BO BOM CON-
SELHO.
.. Este recolhiraento (andado nos nossos sertoes em
1833, pelo zelo apostlico do Rvd. missiooano ca-
pochinbo padre mestre Fr. Caetano de Messina,
contnr actualmente tres freirs de habito, e sus-
tenta a cincoenta e cinco recomidas qae alli en-
contram abrigo e proteceSo.
Com os tenues recursos de que disptem, a to
O ediflelo do hospital des Lazaros foi fechado pela grande distancia desta cidade, e atiento o resfria-
frente com um porlo de ferro e um maro de mais i ment da earidade publica, aquella piedosa insu-
de mil palmos de extenso ; o consistorio do hospi-! Imco nao pode prestar a edacacao de untas iofe-
tal de Misericordia de Olinda est sendo separado lizes orphas os beneficios que 6ra para dese-
e trabalna-se na pintara de collegio das orphas jar.
A professsra publica da villa quero se encar-
rega do ensino das meninas sem outra restrieco
alm dos sens ordenados a parle moral perience
a irmia saperiora e a nma directora, cajas virtu-
des encarece o director interino Rvd. Pr. Egi-
dlo.
As despesas do estabelecmento dorante o anno
nodo importaran) em 5:298*770.
Para fazer face a ellas concorreram os cofres
provinciaes com. ...... 4:000JOOO
Caita pa........ 600f000
PeasSes de duas educandas 'O0*?00,
Esmola de bemfeitores..... 16S*
yo*taras?trabatls das recolhldas. \%Vfmo
em Santa Tbereza, cuja igreja tambera foi concer-
tada.
Finalmente com o producto das loberas concedi-
das por esl aMrabla, o hospital Pedro II tem ac-
tualmente agua potavel e illumfnaco a gat.
Este importante edificio, qae como sabis, tem
apenas a qnarta parte de suas obras acabadas, exi-
ge pelos grandes beneficios que presta aos enfer-
mos desvalidos de ama eapital to populosa, qae se
trate de sua conclusio para que possa oflracer
eepaco sufficiente a todos aqnelles qne o procurara.
E' verdade que com as obras qae estio por fater
ter-se-na de dispender somrrjM avultadas, qae vera
operar multo os cofre? provinciaes, qu} tem de at-
seu officio consolla-me se pelo simples fado de ter
sido apresentado, pode entrar em exerciclo paro-
chlal dessa mesma fregoezia, e se nesse caso deixa
de ser parocho da freguezia de Anadia at enlo
regida por V. Rvma. Declaramos a V. Rvma. que
de maneira nenbuma pode entrar no exerciclo de
parocho da freguezia de Macei pelo simples fado
da apresentaco imperial, e da declaraco official
ao presidente ; porquanto sem proceder collaco
on proviso de parocho encommenflado, jamis
pode o sacerdote adquirir jus tn re sobre qualquer
beneficio, multo erabor para elle apresentado pelo
imperante civil.
D'aqui fcilmente vera' V. Rvma. que de manei-
ra alguraa pode deixar a freguezia de Anadia se
nao quando com a carta imperial receber era pes-
fde nossas mos a indispensavel collaco, can-{
igualmente a vista do exposto Da perfeita iniel-
ligencia, que qualquer acto de jurisdico exercido
por V. Rvma. na freguezia em que foi apresentado,
porm anda nao coliado, sao rritos e nollos. Era-
qoaoto, porm, a roencao que faz de um padre pa-
ra o substituir na freguezia de Anadia, presente-
mente nao pode ler lugar, visto que V. Rvma. esl
curando aquella freguezr; e della jamis se poder
retirar sem ser por disposigo nossa, avisando-nos
com teropo para escolbermos o sacerdote que deve
tomar cuidado do bem espiritual daquelle povo ;
podendo enlo V. Rvma. dirigirse a esta capital,
afim de ser collado na freguezia de Macei.
28 -
Officio ao Rvm. Manoel da Vera-Cruz eapello
da Una de Fernando Com officio de V. Rvma. de
19 do corrente, recebemos o mappa demonstrativo
das alteraces havidas nesse presidio durante o an-
no prximo passado, e sciente de lado, agradece-
mos o seu zelo, que eremos concorrera' bastante
para o bem dessa parte de nosso rebanho confiada
a sua soficiiude.
Dito ao Exm. presidente da Parahyba.Teho a
honra de levar ao conhecimento de V. Exc, que
por exigir o servio da santa igreja, nomeei vigario
encommendado da freguezia de Nossa Senhora da
Luz da Pedra Lavrada, o Rvd. padre Antonio Fran-
cisco Goncalves Guimares. Dando parte a V. Exc.
desta minba disposi'cao, apraz rae renovar a V.
Exc. os protestos de minba subida estima e consi-
dercao.
itoaoExm. presidente da provincia.Acabo
de receber o offlcio de V. Exc, no qual me decla-
ra que lera' lugar amanha por urna hora da tar-
de a abertura da assembla legislativa provincial,
e que providenciarse sobre a missa do Divino Es-
pirito Santo como de lei.
Tenho a honra de declarar a V. Exc. que ja' dei
as orden^necessarias neste sentido. Apraz-me re-
novar a V. Exc. os sentimentos de minha estima e
consideraco.
Dito ao Rvm. conego vigario da freguezia do
Corpo Santo.Commnnicando nos o Exm. presi-
dente da provincia, qoe amanha tera' -lugar a
abertura da sesso ordinaria da assembla lecisla-
| tiva provincial ; assim o communic,amos a V.
I Rma. para que as horas do costume celebre a mis-
sa votiva ao Divino Espirito Santo na igreja ma-
triz de S. Fre Pedro Gongalves.
Offlcio ao Rvm. Antonio Francisco Goncalves Gui-
mares.Achando-se vaga a freguezia de issa
Senhora da Luz da Pedra Lavrada da provincia da
Parahyba, a conbecendo a necessidade qne temos
de prov-ia de pastor, afim de qae aquella parte
do nosso rebanho tealia quem o cure, encarrega-
mos a V. Rvma. de reger aquella freguezia na qua-
lidade de vigario encommendado. Confiando em
sea zelo, qoe de bom grado prestara' este servico
a' Igreja, Ihe mandamos passar a competente pro-
viso, a qual Inclusa Ihe remellemos. Logo qne V.
Kvma. tomar posse dessa freguezia nos dar' par-
te para nosso goveroo.
2 de marco. .
Offieio ao Rvm. De3o da cathedrai de Olinda.
Sirva-se V. Rvma. de remllennos com a possivel
brevidade ama relaco dos objectos existentes nessa
cathedrai, e dos que ella ainda necessita, oavindo
para esse Am o reverendo cabido.
Dito ao mesmo.Nao tendo V. S. absolutamente
querido continuar na regencia da eadeira de llieo-
jogia dogmtica desse seminario, e attendendo nos
aos motivos que nos ailegou, o dispensamos desse
encargo, agradecendo-lbe ao mesmo lempo os ser-
vicos que prestou ao seminario durante o longo pe-
riodo do seu magisterio. .
Portarla.Attendendo aos motivos allegados pelo
Evm. Deo Dr. Joaqnim Francisco de Fana, encar-
regado da regencia da eadeira de tbeologia dogma-
tica do nasso seminario, o dispensamos dessa com-
misso por assim nos baver pedido.
Dito ao Exm. conselheiro presidente da provin-
cia. Commonico a V. Exc. para os tos convenien-
tes qoe por portarla desta data tenho exonerado ao
Rvm. Deo Dr. Joaquim Francisco de Faria, da re-
gencia da eadeira de iheologia dogmtica do semi-
minarlo de Olinda, por assim o baver pedido.
Dito ao mesmo.Levo ao conhecimento de V,
Exc. para os tos convenientes, que ao Rvd. vigario
da freguezia de Nazareth, Jeronymo Jos Pacheco
d'Albuquerque, concedo licenca para estar tora de
sua freguezia pelo lempo em qne durarem os tra-
balboa legislativos d p.esente sesso da assembla
provincial.
Dia ao Exm. presidente das Aiagoas.Crame
nico a V. Exc. para os Ans convenientes, que pasta
dala confer a collocacao cannica ao Rtd Jas
Alexandre Gemes Oe Mello, apresentado por JL M.
L na fregoezia de Nossa Senhora do Rosario de Pe-
nedo dessa provincia ? e coptadar-Ihe trlnta dias
de licenca para wnsportar-se amar poete de sea
bemaeio.
Dito ao Ixm, presidente do Rio Grande do or-
le.-^oromumcq a V. Exc. para, 03, fias contenten-
ne com brevidade aquelle edificio, e aprsente nao
s a descripcao minuciosa das obras necessarias,
mas tambera o respectivo orcamento circunstancia-
do. Espero, que V. Exc. te'ra ainda a boodade de
remttler-me esses trabalhos depois ae concluidos.
COMBANDO DAS ARIAS.
Quarlel general do eomaande das armas de P*r-
namliuco na cidade do Recite, 7 de marea de
1866.
Ordem do da n. 210.
O marechal de campo commandanle das armas
faz publico para conhecimento da guarnico, qne
a Exm. Sr. Dr. Manoel Clemenlino Caraeiro da
Conha assumio hontem a administracao desta pro-
viocia na qualldade de sea 1.* vicepresidente, por
ter de seguir para a corte a tomar assenlo na ea-
mara vidalicia a que pertence, o Exm. Sr. conse-
lheiro Joo Lusloza da Cnnba Paranagaa'; e que
segundo constou do offieio da presidencia de 5 des-
te mez, o governo imperial nomeou por aviso da
repartico da goerra de 21 do fevereiro ultimo pa-
ra commaodante do forte do Buraco, ao Sr. major
reformado do exercito Sebaslio Antonio do Reg
Barros, que se apresentou vindo da corte no dia 3
do correte.
Faz publico igualmente os segnintes actos da
presidencia para terem o devldo effeito :
1.Qoe por offlcio datado de 5 deste mez foi
mandado considerar e(lectivo no 1.* eorpo proviso-
rio, o Sr. alferes da guarda nacional do municipio
de Goyanna Elias Jos de Mello.
-."Que em data de hontem foi exonerado do
lugar de instructor da companbia de menores do
arsenal de guerra, o Sr. 2.0 lente Honorio Do-
mingues de Menezes Doria.
Determina por tanto o marechal de campo cora-
mandante das armas que o Sr. major reformado
Salvador Colho de Drararoond e Albuquerque,
faca entrega ao Sr. major Barros do commando do
forte do Buraco, com as formalidades que sao de
estillo, agradecendo a aquelle a .maneira satisfacto-
ria com que se houve no referido commando, du-
rante o teropo que exerceu interinamente.
Asslgnado.)Francisco Sergio de Oliveira.
Est conforme.Estevao Jos Ferraz, tenente
ajudante de ordens interino encarregado do deta-
Ihe.
DIARIO DE PEMAMBUCO.
Hontem s 6 112 da tarde chegou o vapor Para-
n, procedente dos portos do norte do imperio,
trazeudo jornaes do Para at 26, do Maranho at
28 do passado, do Cear at 3, do Rio Grande at
4 e da Parahyba at 5 do correaje.
Para.O invern tem sido vigoroso, ponto tal
que em certos dias sa nao pode sabir roa ; snp-
pondo que haver grande cheia do Amazonas, pela
agua que tem j trazido.
No da 17 do passado seguiram para o Ama-
zonas o commandanle das armas e Dr. chefe de
polica.
J eslava de todo concluida a batera entre
o forte de Castello e a enfermara militar.
c O baluarte, diz nosso correspondente, qae
feito de pedra e cal foi armado pela seguinte for-
ma : 4 pocas de calibre 12, 1 de 18, 4 de 80, a
Pacbao, no centro das bateras ba montada
nma peca raiada de Parrotb de calibre 100; po-
pendo fazer fogo este rodizo n'uma circamferencia
enireo logar denominado Pena Cova e o Rio Gua-
jar, abrangendo por conseguinte os differentes
canaes e pontos por onde se sane e entra n'este
porto.
< Algumas d'estas pecas sao vindas da America
com os competentes preparativos de cargas para
poderem faneciooar, quando por ventara necessa-
rio for ; vista d'isto ver qoe estamos por aqu
prevenidos mais oa menos eom esta balera ; por
que como diz o mesmo jornal, na pos que se
prepara para a guerra, mxima esta que nos os
brasileiros temos deixado caktr em esqutemnento.
Ja bavia celebrado sua primeira sesso, a
commisso directora da exposcJo provincial, qae
se compoe dos Srs. : Eduardo Angoste Costa,
Bruno Cabral de Goavea, Jos Antonio Affonso,
Jos Joaquim da Gama e Silva, Jos Coelho da
Gama e Abren, Joaquim Fructuoso Pereira Guima-
res, Jos ferreira Canto, Jos Pelix Soares, Ma-
noel Jos do Mello Freir Barata e Manoel Roque
Jorge Ribeiro.
Aalfandega renden, durante o mez de Ja-
neiro, 170:000|000.
L-se no JomaJ do Amazonas:
t Hontem (21) s 7 horas da roaah teve logar,
na igreja de Nossa Senhora Sant'Anna, o offlcio f-
nebre pelo eterno repouso da alma do toado Sr.
bispo resignatario desta dtoeese D. Jos Aonso de
Moraes Torres, mandado celebrar pelo cabido o
mais clero desta capul. A igreja eslava decente-
mente deeorada, tendo no entro nm catafalco mn-
to ben preparado, sobre o qaal se coava eoUoea-
da a mitra episcopal.
Os seminar islas todos de sobrepeliz rodeavam
o dito catafalco, e a pouca distancia para o lado da
porta se acbavam sentadas as pessoas mais gradas
de nossa sociedade, oottando-se entre ellas os de-
pulados geraesDrs. Raiol e Lelto. a ajamaros
da cmara municipal, os directores dos dous cotte-
gtosSapta Mara de Beim e Paraense com os
ivosaollegiaes, o Sr. inspector da al-
administraor da racebedorla, a ou-
inportaales como levamos dito.
f Isa dirigido pele Exm. Sr. Ulpo elei-








HH^^BI


Mari* ie Pemiihe* Quista feira 8 de Varea de 1866.
3:

to de Goyaz. oeeapandn trtntma sagrada o maito cado e qae deste depende qnasi Sempre -pro-
reverendo Sr. conego Barroso, qa*wm-4jw *.
eloauente oateoteoo as eximias virtudes que orna-, Actualmente a cultura do primeiro tem lomado
vam o DreladA. or coja alma se eelebrou o offleio, algum Incremento, e ba orna eertt anlaacao no
concluiod-w Tacto com a bencio laucada pelo:motimento agrcola-industrial, pela faollldade com
Kim. Sr. btspa diocesano.. QM-e parten* potete*** trusjwtetk es-
< Acha se nesU capitel, recentemente chegado ta capital ; isto devfdo at certo ponteas vanta-
pelo rio Madeira, o negociante boliviano o Sr. Da- gens da nossa "estrada de ferro e das estradas de
vid Cronenbold, qae fol ante bontem apresentado rodagem ja' eoBstroidan.
a S. Kxc o Sr. presidente da provincia com ama ; Nao devemos, accrescente o orador, limitarmo-
carta do Sr. prefeito do departamento do Beri, da- dos a copiar as^bellas institores dos paites mais
quelle paiz. avancados do que o nosso. Sempre qae a par des-
O Sr. Cronenbold deseen com diversas merca-, sas iostituicoes nao se acharem os melboramentos
dorias aqaelie rio, e coate brevemente subi-lo, le- materiaes -, sempre que por medidas, como as vas
vando ootras compradas aqai em nosso mercado, de communlcaco. nao (acilitarmos o augmento da
As canoas de.S. S. sao irpoladas por cerca de | torca productiva do pan, este tera* um progresso
cem pessoas entre Indios bolivianos e cidados da- ficticio e cedo ou tarde se precipitara' no abysmo
qaella repobrlca, e carreg am mais da duas mil desse triste Mxico, que imitando as instltuicSes
arrobas de gneros, exceptos os que sao destinados escripias dos Estados-Uuidos nada soobe colher e
ao sostente da tripotec.50. applicar do espirito pratico e emprehendedor deste
Pelo que informa esse senhor, a descida do povo.
rio fcil, e elle eonta gastar na subida tao s- Parece, diz o Sr. Buarqne, qne a idea fascinado-
mente o prazo de dous mezes e meio, prazo insif ra do lempo, a da emigracao. Nesla cldade, na
nieante attenta a distancia e aos meios de con-, corte do imperio, formam se meetings para procia-
duccio. marem que o Brasil receba de bracos abertos ao
c Neste ultimo anno (1865) o commercio com a estrangeiro qoe vier rotear a sua trra, associar-se
Bolivia por via do Madeira tomou algum ocre- a sorte de seas tilbos e cnsioar-lhes o aperleicoa-
ment, e tende a alargarse. O Sr. Cronenboldt co- ment do trabalho. Mas se bella a idea, se til,
mo uro' dos mais emprebendedores negociantes da- [ e na opmio do orador necessaria ao engrandeci-
quelle paiz, merece ser receido com maita satis-; ment deste paiz, preciso que a tornemos reali-
fa^o no nosso porto, onde representa o elemento, savel. E que meios devemos empregar para isto f
de prosperidade que a esta provincia e a do Ama-, S dous nos bastam : trras e vias de communica-
zonas pode dar o grande rio'qae lhe servio de ca- gao. Todos vos conheceis a Immensa extensao de
minho. ubrrimo terreno de que dispomos : ara poaco de
t O primeiro dos vapores qne o governo provin-; actividade no governo ou boa vootade dos grandes
cial espera para o rio Tocantins foi embarcado em proprietarios, o que basta para alojronos mlltioes
Liverpool era dezembro do atao passado, a bordo de familias.
do brigue-es-cuna inglez Tit-BU que largou aquelle Mas, senhores, de que servirao essas trras, pe
porto a 28 do mesroo raez de dezembro. maior parte ionginquas, se para o transporte
Em eonsequencla de temporaes havidos no ca- dos seus productos nao tivormos as vas de cora-
na! da Mancha o navio viose obrlgado a arribar,' municagaoT
e sabio de novo era demanda do porto do Para a 5. Poderemos contar que osses colonos que, com
de Janeiro passado, pelo qne j devia estar aqai. t tent erapeoho, procuramos altrahir se esubelece-
Ignora-ss a cansa de to grande demora, e pensam rao nos nossos quasi incomrounicaveis sertesf Por
aigumas pessoas conhecedoras da marcha do navio certo que nao. Nao se deixa o paiz das estradas
que posslvel que elle tehha arribado de novo, j E' urna contrariedadeTpara lamentarse visto dona a locomotiva, que na suapassagera faz surgir
que a estscao das chavbanle em que possivel cidades, para se arrastar o pesado fardo no meio
lentar-se a passagera das cacnoeiras, vai-seadian-'dos nossos laroacaes e tortuosas estradas. E preci-
tando, e cada dia do demtora pode Inatilisar a era- \ so, se queremos o progresso, se desejamos ver trans
preza que tem a Gustada trabalhos qae o publico formado este paiz, se serio o empenho que faze-
diffieilmenie poder avallar. 'mos Par "rahir o estrangeiro laborioso, que abra-
MabaSao. A companhia de navegago a va-! mos caminaos, que demos passagem a Industria,
por procedeu, no dia 17 do passado. a' elelgo da para que esta se plante nos nossos centros prodac
directora, qoe flcou aislm composta : Manoel lores. imon
Goncalves Ferreira Nina, Marlious Hayer, Ray- O totaro desta provincia depende prmcipalmen-
mundo Carlos Ri eiroTRaymundo Joaqaim Cata- te do estabelecimento de boas vias de coramnnica-
nhede e Dr. Antonio Reno. C*. observa o orador. Popo eu nada podemos es-
perar dos poderes* geraes, que com a sua costuma
da economa para as provincias danos verdadelras
ennolas, a titulo de aaxilio aos nossos melhoramen-
tos materiaes.
O Sr. Buarqne cita varios tactos que revelam ja
o futuro lisongeiro que deve aguardar a provincia
com o estabe'ecimeoto de urna redi de estradas.co-
mo elle prope.
O orador trata llgeiraraente do crdito territorial
Pessoa, Gerson de Sabaya. J. Felippe. Flix de Sou'-! como um poderoso auxiliar para o desenvolvimenlo
za, Theodureto, Ctunca, Arcadio, Thomaz de An- da agricultura. Diz que laslimavelo estado a que
drade, Cordeiro, Urban i, Barbosa Cordeiro e padre tem chegado esta industria na provincia ; que o
___a_ U.^h,, M
diante, na collocaeSo de tnlhos urbanos as actoae*
estradas de rodagem.
O Sr. Brillo fallou inda ama vez msiiutando o
addiiivo do Sr. Soares Brandio.
Encerrada discussao, e posta a xotos.a mliante to^MMaW*4>ot
toram approvados os arliaos subsliuttwo .daSUS
Buarqne e additivo do Sr. Soares Brandio,
regeitada a emenda do Sr. Britto.
Verificndose nao haver casa, o Sr. presidente
di a seguinte ordem do dia : conlinuagao da an-
tecedente, e mais 1' discussao dos projectos n. 81
de 1865 e 3 e 4 deste anno e' do de n. 10 de
186.
Levanta se a sesso s 3 horas.
1* anno. I Manoel Antonio Freir,
hijo Amara!, filho legitimo de An-1 Joo Marcolino Cesar.
ral e> Silva e Luiza Armioa de
-natural de Peroambuco. (Dispensado
ja' ter prosudo exame no Se-
- A carne verde vehdia-se a 200 rs. a libra.
Ceaii. Os generas alimenticios achavam se
por preco fabuloso. A carne verde vndese a
240 rs. a libra e a sectia a &60 rs.
Achavam-se cooaluidas as eleices provin-
ciaes, sahindo eleitos os Srs. Drs. : Bastos, Cami-
nha, Rufino,e Mocira, padres Pinheiro, Antonino e
Sarment, Menaljpo, Benio Fonceca, Antonio Pe
reir, Gustavo e Barroso, pelo 1 districto ; Paula
Correa pelo 2o.
Dorante o mez passado eotraram, na inspec-
cao do algodao, 1599 sarcas cora 7513 arrobas e
26 libras.
A alfandega renden, nesse mesmo tempo,
38:3803620.
Entraran), nesse mez, no porto da capital, 16
navios, sendo: nacionaes7 vapores e hiates; in-
glezes1 barca e 1 brigae ; portogaezes1 barca
e 1 patacho; h*noveriano 1 escena ; francez1
brigae ; americano 1 vapor (arribado).
Sahiram no mesmo periodo 13 navios, sen-
do : nacionaes7 vapores e 1 hiate; inglezes2
barcas ; haooveriano 1 escuna ; sueco 1 bri-
gae : hollande 1 patacho.
L-se no Ctarense :
Anle-bontem (23 de fevereiro), a's 6 horas da
tarde, dea a praia o cadver do InMiz comman-
dante do Bull-dog,'Caries Muln, cuja desastrosa
valor do onro tal qoe o agricultor que tenia in-
troducir melhoramentos na sua industria,, quando
nao emprega para isto alguma reserva, arruinase,
raras vezes raesrao cnegaao termo do sea trabalho.
E* certo qae a agricultura na provincia sageita-
se enndiedes leoninas, e que em quanlo assim
acontecer irapossivel qae ella prospere.
O Sr. Buarque lembra assembla que em annos
passados urna representado foi dirigida aos pode
res geraes para o estabeleciraeBto do crdito terri-
torial uesta provincia, mas qae nao lhe consta que
essa sopplica tivesse merecido a attengaodaquelles
poderes; presume o orador qae assim aconteceu,
pela deficiencia da lei hypolhecaria, base daquelle
crdito, mas que tendo-se dado a reforma dessa lei,
em condi;5es, acredita, satisfactoria?, nao \ moti-
vos serios qae obstem a ama medida tao Impertan
te. Entende que a assembla deve clamar por este
melhorameote, e solicita-Io novamente dos poderes
morte noticiamos hontem. Procedeu se ao corpo i geraes.
de d-licto: apezar do estado de completa pulre- Tratando do ensmo proflssional, que e o 3 meio
faceSo, pelo exame feito no cadver reconheceu-se indicado geralmente para o melhor-manto da in-
serem infundadas as saspeilas de um crime que daslna, o orador reserva-se para deile se oceupar
aigumas pessoas viam aesse desgracado aconteci- em occasio mais opportuna.
meat0. O Sr. Buarque entra na justificacao dos meios
Domingo, o do corrente, a's 11 horas do da, que propoz para execocao da rede de estradas, de
havera, na cmara municipal, urna reunio com o que faz meocao o seu substitutivo,
lira de tratarle da importante questo da colonisa-' O orador declara que, para a realisacao de tao
grandioso emprego, elle noencontrou meios mais
cao americana no Ceara. >
Rio-Crande. Nada occorrea digno de raengao.
P.arahyba. A alfandega rendeu, no mez de fe-
vereiro, 81:0303185; e o consulado 51:1213921.
A inspeccao do algodao recebeu, nesse perio-
do, 5798 saccas.
Navios entrados no da 7.
Assu'5 dias, palhabote nacional Ganbaldi.i 101
toneladas, ca-itao Castodio Jos Vianna, equipa-
gem 10, carga sal, palha e barricas vasias; a
Tasso Irmo.
ajustados s condigoes da provincia, do que os
(lirados no seu substitutivo.
Figurando a construego dos tramways proposto,
o orador pondera que se trata propiamente de urna
empreza lucrativa, cujo capital ser empregado a
proporgao que forem construidas as respectivas
obras; que se a provincia tem de concorrer com
am quinto desse capital, certo o>e ella auferir
am lucro correspondente.
A construego desses tramways nao despendio-
Penedo e portos Intermedios 3 dias, vapor brasi- sa, e preenchem quasi inteiraraente os etlellos das
leiro Parahyba, de 101 toneladas, corumandante estradas de ferro, que o orador pensa que, s
J. I. Martin, equipagern 20.
Navus sahtdos no mesmo dia.
Portes do norteVapor nacional Perstnunga, com-
mandanle Belmiro B. de Souza, carga differentes
gneros.
LiverpoolBarca ingleza David Harrison, capitao
H. W. Purchase, carga assucar e algodao.
Liverpool Brigue inglez Bertha, capitao Eduard
Whate, carga assucar e algodao.
PERNAJSBUCQ.
ASSEMBLA LE'.I.L.VTIVA PROVINCIAL
SESSA" ORDINARIA EM o DE MARfO
DE 1866.
I'RESIDBHCIA DO SR. VICARIO FRANCISCO PEDRO DA
SILVA.
( Conclusao. )
O Sr. Buarque pede a palavra para justificar o
substitutivo que apresentou.
O orador diz que tendo apresentado ara substi-
tutivo ao projecto qae se discate, corre-lhe o dever
de fundamenta lo. Infelizmente, diz o Sr. Buarque,
as assemblas provinciaes do paiz teem se ocrupa-
do com poacas exceproes, mais de negocios mera-
mente polilicos do que de medidas qae concernen
boa administrado e prosperidade das provin-
cias.
A assembla de Pernambaco de alguma forma
ama das excepgSes a essa regra ; embora por sna
vez se tentia lancado no campo estril d poltica
pessoa!, nao esqnece no todo os grandes meihora-
raeoios da provincia ; talvez ama das assemblas
onde se ba feito melhor deslribnigo das rendas
provinciaes. Se estudarmos as snas medidas e exa-
minarnos os resultado? qae dellas se tem comido,
encontraremos numerosos melhoramentos mate-
riaes, ama rede de estradas comecadas, ama sega-
ra navegago para o liltoral, e outros moitos bene-
ficios na provincia.
Mas, diz o Sr. Buarque, rauito ha por (azer. Os
melboramentos actuaes nao aoxiliam a prosperida-
de da provincia na proporgao dos seas recursos;
a forga productiva aa agricultura nao augmenta na
razao da fertilldade dos nossos terrenos ; os nossos
productos anda nao teem a devida sabida e che-
gam ao mercado onerados por consideraveis des-
peas de transporte.
Con vera que esta assembla decrete medidas, que
removam as causas de semeinantes males, e cor-
ram em auxilio dos productores da provincia.
O orador dit que em geral slo quatro medidas
prmeipaes qae se deve adoptar para o desenvolv
ment de qualqner industria, e com maior razio da
agricultura : 1.* as vias de commoaicagao ; 2. as
institoigfies de crdito ; 3. o easino profissionai, e
qae elle orador accrescenta em 4 logar, para o
nosso paiz a trabalho livre.
E' certo qae a assembla provincial nao pode,
pela eslrailea da rbita das suas atiriboigoes, oc-
copar-se directamente com a decretaeio de todas
aquellas medidas; mas pensa o orador qae .deve
mos fazer o qae nos compre e cabe, reclamando
pela providencias que nos tragam o resto.
A primara daqoelias medidas, as vias de con
municaeiev* de um* neeeesldade vital. O orador
nao se demora em faser comprenender a importan-
cia dar vas de communicago para qnaltfaer paiz,
porqoe < teas illnstres eoliegas sabem aprecia-la
melber te-qoe ells. Cite as eloqoentes paiavras de
Michel Chsvalier, que diz que as vias de com-
monieaeift val unto para a civilisago e pro-
gresso te b pate, como o corpo para o desenvol-
v mento4o sptrlo.
E' prenso ^ne raeilitemos pela constraccao de
estradas e arria o deseovolvimento da noss*agri-
cultura ; qoeanimemos a ndostria dos transpor-
tes, porqoe s por este meto approximaremos o
productor (te enwnidM' e (tenemos iatte a ma-
teria prima para a sua intetrte.
dar no preco da anidada de transporte das _
dorias, A\ sensivel effeKo para sen valor de niar>
bem tragadas e bem administradas, sao de lisera-
gtiro fuluTo para esta provincia.
Acerca da aulorisago do emprestirao, o Sr. Buar-
que observa qae as condigoes de jaros e amortisa-
go nunca podero ser taes que excedam a 100 con-
tos de ris ou mais, sacrificio que pode supportar a
provincia.
Diz que actualmente a provincia tem orna renda
consideravel; que emprega somma superior aquel-
la qaautia as suas obras publicas; finalmente que
se tratando de um emprego da capitaes para des-
envolver a prodocgo da provincia, obvio que as
rendas desta tendem a augmentar. O orador obser-
va aos seus collegas qae se trata de um empresli-
mo para augmentar a torga productiva da provin-
cia ; que nestas condigoes nenhum paiz recua em
adoptar medidas desta ordem.
E preciso, diz o Sr. Buarqae, que emprt henda-
mos alguma cousa de grande e "erdadeiramente
ntil; nao recuentos dame da timidez, confiemos
as suas torgas, e marchemos.
O orador pede desculpa por ter abusado da bon-
dade dos seus collegas (nao apoiados), e reserva-se
para voliar a discussao se a isto tor obrigado (raui-
to bem, multo bem).
Falla em seguida o sr. Costa Ribeiro.
O Ilustre depatado diz que est bem longe dse
oppor s ideas do Sr. Buarque, expostas na casa de
ama maaeira brilhanie ; que acceita as suas con-
sideragdes, e reconhece-as como as verdadeiras na
materia que se discute. Entretanto receia que,
pelo muito qae se deseja fazer, nao se sacrifique
o menos, perdendo se assim nma e outra coasa.
O nobre Sr. Costa Ribeiro abserva que est in-
formado de que a estrada de Trembetas ao Bonito
urna das mais importantes da provincia ; que
por all circula urna grande qoantidade de pro-
ductos destinados esta capital e outros d'aqui en-
viados para o interior ; e em vista desta conside-
rado, est disposto a votar pelo projecto primitivo,
sem todava rejeitar a idea do substitutivo.
Pensa o orador que nao seria difllcil conciliar as
duas medidas.
O nobre deputado faz anda nutras consideragoes
(muito bem).
Ora aioda o Sr. Buarqne.
Em seguida loma, a palavra o Sr. Britto, que de-
clara deseiar ouvtr o nobre signatario do projecto o
Sr. Befo Barros.
O Sr. deputado Reg Barros, entrando na dis-
cussao, diz que nao poda deixar de acqniescer aos
desejqs do nobre depatado o Sr. Britto, e qne para
salisfaze-lo vera tribuna.
O orador declara qae recouhec a conveniencia
de ama medida como propde o Sr. Buarque ; qae
est disposto a votar por ella ; mas que nao pode
deixar de insistir pela adopgao do projecto de que
elle uro dos signatarios, ou ao menos da sua id
no substilutivo.
O illnstre depatado confirma o que disse o Sr.
Costa Ribeiro sobre a importancia da estrada do
Bonito, abunda em snas consideraedes, aprsenla
ootras moitas e insiste pela adepgio do projecto.
O Sr. Floriano de Britto ora novamente.
OiJInstre deputado dit que tem um-espirito no-
tavelmente conciliador ; por isso pensa que pos
sivel satisfazer-se a todos qoe tem tomado parte na
discussao.
Para isto, dix o nobre orador, basta qae conce-
damos no projecto substitutivo ama preferencia
para a estrada do Bonito.
0 Sr. Britto pensa qae essa preferencia ai
de vida, porque foi a idea da estrada do Bonito que
suggerio o grandioso pensamento do substitutivo.
Neste sentido manda o Sr. Brillo ama emenda
mesa.
Falte anda sobre a materia o Sr. Silva Ramos,
oppondo-se emenda d Sr. Brlto, por lhe parecer
iajoatifleavel a preferencia que se quer dar.
O Sr. Baarque toma novamente a palavra para
oppor-se fgaaloeMe a emenda do ir. Brillo.
fcT lido, apoiado e posto em discosso am addi-
SESSO ORDINARIA EM 6 DE MARCO DE 1866.
presiden-ca do sr. Mario francisco pedro da
SILVA.
As 11 horas e 3/1 da manhaa faz se a chamada
e verfioa-se estarem presentes os Srs. deputados
Francisco Pedro, Ramos, Aves, Mergulhao, Tibor-
lino, Hisbello, Andr, Sergio, Correa, Je ron y mo,
Amorim, Tavares, Buarque, Arminio, Amyntas,
Britto, A. Souza Leao, Joo Teixeira, Machado
e Soares Brandio.
' Abre-se a sesso.
Presta juramento o Sr. vigario Burgos.
L-se e approva-se a acta da sesso anterior.
EXPEQIEiNTE.
Urna petigo de Vicente Torres Bandeira solici-
tando o pagamento de sua gratificacao, do tempo
que servio como escrivo da fazenda provincial.
A' commisso de ordenados.
Herwfno-Marques da Silva, fllho legitimo de
Tfielesforo Marques da Silva e Joaquina Candida
Marques Figaelredo, natural dePrnambuco. (Pen-
sionista. Dispensado de geograpbla, por ja' ter
prestado exame da roesma no Seminarlo.)
Emygdio Fernandes de Oliveira, filbo legitimo
de Antonio Fernandes de Oliveira e Anna Ferreira
da Cosa, natural da Parabyba. (Pensionista. Obri
gado a apresentar dentro de dous meieea certldo
de baptismo.)
Manoel Tertuliano de Figueiredo, ttlho legitimol
de Amonio Biptisia de Figueiredo e Lniza Vene-'
randa de Jess, natural da Parahvba. (Pensio-
nista.)
. Joao Ignacio de Aibuquer }ue, fllho legitima de
Manoel Gomes de Albuquerqtm Angelim e Anna
Josepha de Jess, natural da Parahvba. (Pensio-
nista.)
Jos Vicente de Gouveia Accioli, filho legitimo
de Francisco Vctor de Gouveia Moura e Esmerin-
da Joanna Accioli -Los, natural de Pernambuco.
(Pensionista.)
Jos Quirino de Araujo, fllho legitimo de Fran-
cisco Antonio de Araujo e Francisca Mara de
Madena, natural da Parabyba. (Pensionista. Tem
tres mezes para apresentar certldo de baptisrao.)
Luiz Cavalcante de Albuqaerque Barity, filho le-
gitimo de Laiz Cavalcante de Albuquerque e An-
Foi lido e approvado um parecer da eommisso ,
de orgaraento, pedindo para ser ouvido o enaenbei- ,,on,a p8^"' de Vasconcellos. natural da Parahyba
ro em chele da provincia sobre a pretengao daPens'0D,sla- Ten> prasodedous mezes para
viuva Mamede.
O Sr. presidente noraeou aos Srs. Buarque, Bur-
gos e Andr Cavalcante para receberm ao vice-
presidente da provincia.
ORuEM DO DIA.
1.* discosso do projecto n. 4 deste anno sobre
as loteras das familias dos voluntarios da patria.
O orador pondera^oae a varteojo qoe se p4e Uto d>8r. Soar*. Braidjo, tuloriiaudo o presl
dente da provincia a tornar esta aedoniste de um
guinto do capital qae tor apregao, le ora em
Fol approvado sem debate.
O Sr. Ramos pedio e obteve dispensa do inters-
ticio.
1.a discussao do projecto n. 19 de 1863, appro
vaudo o contrato celebrado com os Drs. Pauta Sal-
le* e Joaquim Portella para a pablicago das leis
provinciaes e respectivo ndice.Approvado sem
discussao.
1.a discussao do projecto n. 3 deste anno sobre
o abasiecimento de agua potavel para Olnda e
sabstituigo da actual illuminago.Approvado
sem debate.
Aonuncia-se a chegada de S. Exc. o Sr. vice-
presidente Manoel Cleraentino Garneiro da Cunha,
qae receido cora as formalidades do estylo,
presta Juramento e retira-se.
2.a discussao do projecto n. 10 de 1863,reanindo
os actuaes cartorios da villa do Salgueiro.Appro-
vado sem debate.
2.a discussao do de n. 70 do anno passado, auto-
risando o presidente da provincia a expedir um
regulamento para a cobranga de castas jadiciaes
pela Indevida detengo da renda provincial.
Fallou o Sr. Gaspar, requerendo qae fossem ou-
vidas as commissSes de legislarlo e conslituigo e
poderes. .
Uraram era seguida os Srs. Machado e Amyn-
tas, apresentando este um substitutivo dando me-
Ihor intelligencia s paiavras do projecto.
Vericando se nao haver casa, o Sr. presidente
d a seguinte ordem do dia :
1.a discussao dos projectos ns. 1 e 2 deste anno,
55 de 1858, 69 e 15 de 1863, 2.a discussao dos de
ns. 3 e 4 deste anno e 83 de 1864.
Levantou se a sesso a 1 1/2 hora da tarde.
REVISTA DIARIA
Nao ha anda muito tempo que na provincia de
Cear veio publicldade um volme de poesas
devidas insprago do Sr. Juveoal Galeno : era a
estra do poeta popular que se revelava, annan
ciando se cora sufflciencia para prodacgdes de
maior Mego.
E essa promessa acha-se realisada as Lendas e
Cangoes Populares,qae elle acaba de dar estam
pa na mesma provincia, d'onde filho.
No intervallo que vai da priraeira pnblicagao a
esta, qae indicamos, e cajo estado fazeraos rpida-
mente nestas breves paiavras, robasteceu-se a in-
telligencia do poeta, firmou-se o su engenho, e a
insprago tomou toda a torga expansiva de qae so-
monte sao sasceptiveis aquellos paraquem a poe
sia ama vocaco. /
As Lendas e Cangoes Populares, contcb poesas
pela forma e pela substancia ; e o sea caracter dis-
tlnclivo a originalidade, qae a especialisa, prin-
cipalmente nessa como evocagao do tmulo do
abandono de typos populares, que devem ser con-
servados em suas feiges proprias, como ahi o sao.
O Sr. Javenal Galeno reproduzrado as lendas e
as cangSes do povo brasileiro.representa-o tal qual
elie na vida intima e poltica, servinde-se da
toada de suas cantigas, de sua lingoagem, imagens
e rauitas vezes de seus proprios versos.
Effectivamente, como elle mesmo o diz, acoropa-
nhou-o passo a passo no seu viver. Seguio-o ao
trabalho ; entrn no larje contemplou-o em fami-
lia ; vio-o era sua vida poltica : e passando por
todas essas gradac/ies de aprecagSes, chegou a
escrever-lbe a historia nal Lendas e Cangoes Popu-
lares, que ora enriquecen] a litteratora propria-
mente nacional.
Alm de poesas que sao caractersticas do fim
immediato do poeta, ootras multas adornam as pa-
ginas do seu hvro, as quaes a insprago lyrica
retratar se, e alma transpira da vida d) senilmen-
te, de qne sao ellas impregnadas.
O livro do Sr. Juvenal Galeno merece, pois, as
nossas saadagdes. Damo-las sinceras e como tribu-
to do seu mrito.
Duas bandeiras marciaes, dous primores de
verdadeiro gosto e perfeigao, acabara de sabir das
raaos delicadas e amestradas de aigumas jovens
Pernambucanas.
Como fra annunciado, ha lempos, a Illm. e
Exma. Sra. viscondessa de Boa-Vista, mediante a
generosa cooperago de quatro seohoras de igual
distidego, suas particulares amigas, offereceu ao
corpo de voluntarios, de que commandante sea
irmo, o Sr. tenente coronel Francisco de Albuquer-
que Maranho Cavalcanti, urna bandeira, cuja mo
d'obra foi commetlida s dignas fllhas do Sr. Pere-
grino, empregado da alfandega, que por tal modo
assigoalou a vontade de que suas fllhas coacorres
sem gratuitamente pira a exeeago da patritica
ollera acgo por certo digoa de louvor.
O ultimo paquete para o sol condnzio esta ban-
deira, qae, dentro em poucos dias, fluctuara na
vanguarda do sea batalhio.
Gragas a' Ilustre viscondessa e as snas leaes
amigas.
O outro pavrlho, rival do primeiro em todos os
pontos de conchego e longanla, foi, como se sabe,
ofierecido pelo dlstincto Sr. Dr. Francisco Elias do
Reg Dantas ao batalho, que se propozera orgaoi-
sar em Flores o Sr. tenente coronel Pedro de Cam-
pos. A costosa urdiduraedesempenhodeste mimoso
trabalho corren por conta das illnstres fllhas do Sr.
Dr. Dantas, que assim qui: associa-las nesta nobre
manifestaclo de elevado amor da patria 1 Fez bem
o Sr. Dr. Dantas, a patria, qae eoetama ser rtais
reconheclda aos seos benenferitos, do que os mo-
vernos qne lhe presiden os destinos, nao pode
deixar de aceeitar agradecida este penhor da sua
dedicaco.
Assumio o Sr. Aiblio Jos Tavares da Silva o
exercicio da vara do jaizo dos feitos da fazenda
deste capital.
Domingo prximo tem lugar na capella do
pago episcopal a ceremonia religiosa da bengio de
ama nova bandeira do 2* batelbo de infantera
da,guarda nacional deste municipio.
S. Exc. Rvma. digna-se de offlciar nesse acto,
dando-lbe assim duplicada solemsidade.
Chegou hontem o vapor Parahyba, de Ala-
goas, nao sendo portador de noticia de impor-
tancia.
S. Exc. Rvm. acaba de comear para o Semi-
nario Episcopal de Ohada : padre Dr. Gregorio
Leipparoni, reiior; padre Scbembri, director es-
piritual ; padre Vital!, director de estados f padre
Arctoni, director de disciplina ; padre Vaz, eco-
nomo.
Tendo todos os empregados subalternos do se-
minario, a' excepgo do porteiro, declarado-que
nao Ibes con vi nha continuar, 8. Exc, Rvm. deter-
mioou convenientemente t sua substituigao.
O* jovens qne S. Exc. Rvm. mandn para o
Collegio Americano em Roma, no vapor Guienne,
toram os Srs. Francisco Asierio de Aranjo, Emi-
liano Marques de Araujo, Manoel Motil Tavares,
FMderico Augusto da Cmara, Graciano Villar
Barrero Coutlnho, Antonio Cyrillo.Dutra e Manes-
cal Leorne.
Cemitsro pdbugo, oBrruAio Dff'BiA 6 dk
MARgo DE I86C.
Maria Ferreira Gomes, Pernambuco, 26 annos, sol-
telra, S. Jow&;.varilas..
Isabel, liberte, Pernambaco, 40 anuos, solteira,
Boa Vista ; enterile.
Francisco. Pernambuco, 4 annos, S. Jos; sa-
rampo.
Idelfonso, Pernambaco, 2 anuos, Recito; escr-
fulas.
Jos Joaqulra de Novaos, Portugal, 42 annos, viuvo,
Pogo da 'anella ; congesto cerebral.
Tem o prasode dous
apresentar certidio de baptismo.)
Joao Olympio de Soasa Lyra, filho legitimo de
Joo Paulo de Souza e Anna Maria do Carmo, na-
tural de Pernambuco. (Pensionista.)
Sebastio Constantino de Medelros, filho legtimo
de Francisco Antonio de Madeiros e Anna Vieira
Mimosa, natural do Rio-Grande do Norte. (Pen-
sionista. Tem o praso de dous mezes para apre-
sentar cerlido de baptismo.)
Joo Avelioo de Albnqanrqae e Sirva, fllho le-
gitimo de Caetaoo de Soasa e Silva e Josepha Ma-
ria de Jess, natural da Parahyba. (Pensionista.
Tem tres mezes para apresentar cerlido de bap-
tismo.)
Ladislao Adolpbo de Salles e Silva, fllho legitimo
de Alexndre Francisco de Salles e Silva e Can-
dida Lucia de SaHes, natural do Rio-Grande do
Norte. (Pensionista.)
Joo Antonio Rodrigues, filho legtimo de Cy
priano Antonio Rodrigues e Igoacia Euphrosioa
de Jess, natural da Parahyba. (Pensionista)
Florentino Barbosa de Souza, filho legitimo de
Jos Gomes de Souza Ferraz e Mara Emilia de
Souza, natural de Peroambuco. (Pensionista-)
2 auno.
Jovino da Costa Machado, fllho legitimo de Ig-
nacio Machado da.Costa e Josepha Joaquina do Sa-
cramento, nataral da Parabyba. (Peusionista,)
Manoel Jos Martios Al ves de Carvalho, fllho le-
gitimo de Manoel Jos Alves e Euphrasia Constan-
cia da Concelgo, nataral de Pernambuco. (Nu-
merario.)
Dario Nunes da Silva, fllho legitimo de Joo
Nones da Silva e Marte'Helena da Silva, natural
de Pernambuco. (Pensionista.)
Pedro Pacifico de Barros, fllho legitimo de Theo-
doro Bezerra de Mello e Americana Augusta de
Barros Correia, nataral de Pernambuco. (Pen-
sionista.)
Joo Evangelista dos Santos Lima, fllho legitimo
de Jos Antonio dos Sanios e Maria Jos da An
uuociago, nataral de Pernambaco. (Pensionista.
Dispeosado de geographia, por ja' ter prestado
exame no Seminario.)
Chrlstovo Francisco do Reg Barros e Rosa Viterbo Paes de
Mello, natoral de Pernambuco. (Pensionista )
Jos Ermno da Sllveira Borges, filho legitimo
de Jos Francisco Stano e Theresa Joaquina de
Jess, natural do Rio-Grande do Norte. (Pensio-
nista.)
3 anno.
Antooio Ayres de Mello Jnior, filho legitimo de
Antonio Ayres de Mello e Lucinda -Ermilia da Pie-
dade, natural da Parabyba. (Pensionista.)
Jos Joaqmra de Franga, filho legitimo de Joa-
quina Ferreira Nobre e Francolina Duarte Coiti-
oho, nataral da Parahyba. (Pensionista.)
Joaquim Alves Machado, filho legitimo de Joo
Machado da Coste e Maria Jos de Medeiros, natu-
ral da Parahyba. (Pensionista.)
Manoel Francisco Luslosa Lima, fllho legitimo
de Manoel Francisco de Lima e Isabel Maria da
Resurreigo, natural da Parahyba. (Pensionista.)
Vicente Ferreira Lustosa Lima, fllho legitimo de
Manoel Francisco de Lima e Isabel Maria da Re-
sorreigo, natural da Parahyba. (Pensionista.)
Jos Alves da Costa Gadelha, fllho legitimo de
Narciso da Costa Gadelha e Theresa de Jesas Ma-
ra, natural da Parahyba. (Numerario.)
Salviaoo Pinto Brando, filho legitimo de Ale-
xndre Pinto Brando e Jesuina Lopes Freir, na-
tural do Cear. (Numerarlo.)
4. anoo.
Joel Esdras Lins Fialho, filho legitimo de Fran-
cisco Lins Fialho e Antonia Rosa de Medelros, na-
toral da Parahyba. (Peosiooista.)
Manoel Vieira da Coste e Silva, fllho legitimo de
Jos Vieira da Costa e Umbellna Rosamunda Rosa
da Costa, Datura! da Parahyba.
Miguel Amrica Pereira de Souza, fllho legitimo
de Jos Maria Pereira de Souza e Rosa Mara do
Sacramento Lisboa, natural da Parahyba. (Pensio-
nista.)
Jos Joaquim da Rocha, fllho legitimo de Joo
Jos da Rocha e Francisca Vieira da Concegao,
natoral das Alagoas (Pensionista. Fica obrigado a
apresentar dentro de 2 mezes o alteslado de exame
do 3." anno, certldo de baptismo e mais docu-
mentos )
O vapor Paran, segu hoje, para os portos
do sul do imperio.
Hoje effectua o agente Pinto o seu leilo de
movis e mais objectos conforme se acha annun-
ciado, no sobrado da ra do Imperador n. 29.
Depois d'amanhaa se extrabir 3.a parte
da 2.a lotera (51.a), a' beneficios da Santa Casa de
Misericordia para canalisago d'agua e gaz no Hos-
pital Peda> II, sendo o maior premio de 6:000000.
Passageiros do vapor brasileiro Parahyba,
vindo dos portes do norte :
Antonio Jos de Carvalho, Jos Lopes de Aguiar,
Manoel Antonio Fonseca Mello, Dr. Manoel Fer-
nandes Araujo Jorge, Anrelianno de Pontes Vis-
gueiro, Elizario da Chagas Barbosa, Jos Francis-
co Trindade Jnior, Jos Januario Pereira de Car-
valho e 1 criado, Joo Antunes Soares, Theodilo
Theodorico da Costa, Ignacio Moreira da Silva e
Manoel JoseBaplista.
Passageiros do vapor nacional Persinunga, i
sabido para os portos do norte :
Dr. Francisco de Assis Correa Lima, Manoel do'
Reg Soares, Ricardo Tavares Ferreira Bispo, Ben-!
jamim Jos de Aodrade, Laurino Jos Ferreira '
Duarte, Josu da Costa Cardoso, Silvano Pinto
Brando, Conrado Joaquim de Lima Flores, Anto-
nio Pereira Castro, Joaquim Amnelo Reg da Cos-
ta, Goncalo Delflno de P. Cavalcante, Vigairo Jos,
Alexndre Gomes Mello, Jos Lucas Franco. Jos
Francisco P. Soares da Cmara, Joaquim Rodri-
gues Pessoa.
" RaPAHTigXo da polica.
Extracto das partes dos dias 6 e 7 de Marco de
1866.
Foram recolhidos i casa de detengo no dia 5
do corrente :
A' ordem do subdelegado do Recito, Alexndre,
escravo de Luiz Antonio de Siqueira, requer-!
mente d'este ; Joaquim Soares de Barros, e Dluito
Jos Netto, para correego.

A' ordem do Dr. delegado da capital, Sebastio'
de Mendouga Araujo, para recrute; e Olympto Sin-
frenlo de Aranjo, por crime de estellionato.
A'ordem do subdelegado do Recito, Carlor^e
Melllam, inglez, por brlga.
A'ordem do da Boa-Vista, Jos Francisco dos
Reis, para correego; Joao Felippe dos Santos,
para recrute; e Antonio Jos de Maltes Braga, por'.
crime de offensas physicas.
O chete da 2a secgo,
/. 6. i* Mesquita.
Casa de detencao.
Movimento da casa de deiencjio no dia 6 de mar-
ge de 1866.
Existlam 389, entraram 7, sahlram 9, exislem
387. .
A saber:
Nacionaes 270, mulheres 13, estraogeiros 28
raulheres 3, escravos 70, escravas 3, total 387.
Alimentados a coste dos cofres pnblieos 199.
Movimento da enfermara no di 7 de marco de
1866.
Tiveram baixa:
Bente Pereira da Silva ; colite.
Manoel Paulo do Monte ; febre.
En vivo aqai tristonho como o cysne
Que antes de morrer .-oluga e cania -,
Nao tenho no scffr|r que trago casto
Um momento sequer que a vida encanta.
Procuro a suTidao que tanto amei
Na meiga solido nfenluta a dor,
E os labios qu'em leus labios deliraran)
Nao mais sabem fallar do pobre, amor 1
Se a brisa que passa
as tolhas perpa-a
Morrendo perdida ;
Se o sol sobre o monto,
Na lose horisonte
S'extingue sem vida I
Se a la vagueia
E os bosques arreia
De candida luz;
S em llocos de nev
Se vestem de leve
As vagas azues I...
Qnal rola qae marisca
Se a terna esposa alias; i,
N'um cntico de dores,
A branda voz engasta.
Eu choro em ti pensanoo
as jaras que fizesle,
Nos olhos teus iravessos
No riso ten celeste.

Oh I fllame de amor, de luz e vida
Quero ainda urna vez ouvir-te a voz,
A meiga vo/, sonora, harmoniosa
Que tanta vez oavi comigo a ssl
Recito.
L. S. Monteiro de Barros.
CURA
Espanto/a e Admirare!
DE UMA CHAGA
CANCROSA E ROEDORA
t
ou
POLYPO NO NARIZ.
Publicares a pedido
______^_^
Lembranca.
Guand te voix reurt dans morarele,
Mou tne rsonne et s'veille.
Come un temple d la voix des dieux.
Lamartine (Meditations.)
Obi falla-me de amor, de luz e vida
Quero ainda urna vez ouvir-te a voz,
A meiga voz sonora harmoniosa
Que tanta vez ouvi comtigo a sos I
Quero ainda te ouvir cantar am poaco,
E tea peito d'enleio desmatar,
Como brisa que morre nos cocaes
Como vaga queixosa a'alto mar I
Quero ainda te ver sorrir, brincar,
Embalad* no eo das illusSes,
E depois fatigada, no cansago,
Amorosa escutar-me as cangoes.
Mas ah I quo louco sou I qu'importam vozes
Que te pedem cango de Inz e vida
Se talvez na lembranga, no tea peito
Jaz a flor desse amor emmurchecida ?...
Joaquim Estoves de Souza Pires.
Franctoco Joaquina Moreira.
Manoel Ignacio Cardoso.
Antonio los* Ferreira Jonior:
Antonio de Oliveira Laite Bastos.
Bllarmlno Jos Pinto Osorlo.
Manoel Joaqlnm Gongalves Carneiro.
Jos Pereira. dos Santos.
AntoBio de Soaza Pereira.
Antonio Ferreira Mala.
Manoel Goqcalves Torres.
Roberto Luiz Gongalves.
J Florentino de Almeida Pinto.
Jos Flix da Cunha Santos.
Antete 'Rodrigues Vjeira
Faaaiteo Jo Gomen Vieira.
Joaquim Lopes de Azevedo.
Jos Antonio Machado.
Domingos Pinto de Fretas.
Manoel Ferreira Pontes.
Manoel Augusto Candido Pereira.
Secretaria do Monte Pi Portugnez em Pernam-
buco, 6 de margo ds 1866.
Jos da Silva Loyo,
Presidente.
Joaquim Gerardo de Bastos;
2a secretario.
COMMERCIO
PRAfA DO RECIFt.
Cotafe ofleiaes.
7 de margo.
As 3 1|2 horas da tarde.
Algodao Ia sorte165500 por arroba.
Algodao de Macei poste a bordo 17JO0O por
arroba.
Assucar raascavado purgado1^980 e 25000 por
arroba.
Assucar masca vado americano 15880 por ar-
roba.
Cambio sobre Londres 27 78 28 e 8. 1|8 d.
por 1^000 90 d/vista
uesconios12 0|0 ao auno.
Frete de assucar para Liverpool3216 e 5 0/0 de
riroagem.
uuboarcq Janior,
Presidente.
Silveira,
Secretario.
Noto banco de Pernam-
buco.
O Novo Ban< descoma letras a 12 por cent
ao anno, toma dinheiro a praso fixo ou em conta
corrente pelo premio e condigoes que se e dven
clonar, e saca sobre a praca da Baha
Calxa filial do banco do Brasil
em Pernambaco.
De ordem da directora se faz pnlico que o
Ibesoreiro desta caixa se acha auorisado a pagar
o dividendo do semeste.fiodo em 31 de dezembro
prximo passado, na razo de 125000 pon acgo.
Caixa filial do banco do Brasil 15 de Janeiro
de 1866.
O guarda-Hvros,
Ignacio Nunes Correia.
ALFANDEGA.
Rendimento do dia 1 a 6..... 137:1995888
dem do dU 7............... 25:6205812
Urna creada de servir residente em Pernam-
buco e pertencente Ei.a Ser.". ViscoHDKsai.
DE Goian'.a, fol attacada d'uma tenivel cha
ga cancrosa e roedoraou Polypo no Nariz.
A mesma in volva e tomava todo a parte in-
ferior do nariz, amea;ando ja distrnir tanto a
parte cartilaginosa como o mesmo oso ; Conie-
cou primeiro por appareoer sob o beijo supe-
rior e parte da face, extendendo-se por tal
forma e com tal rapidez, qne em ponco amea-
<;ava transformar todo o rosto n'uma enorme
charga viva e asquerosa. Durante todo este
tenivel estado, todos oe recursos medicnaes
que em taes cazos so uzSo forSo abundante-
mente empregados, sem que de leve flzesse
parar a marcha lenta e distrnidora de tao hor-
rivel enfermidade, e todos os meios e esforcos
forSo baldados, e no em tanto o mal cresca eis
qne por milagrosa fortuna da infeliz estando
as couzas neste ponto, se experimenten pela
vez primeira a
SALSAPARRILHA
DE BRISTOL.
O efteito prodnzido, quasi que instantneo
por este inestimavel remedio foi verdadeira-
mente maravilhoso e sem igual; este grande
purificador do sangne e dos humores do sys
tema, inmediatamente pz um termo mar-
cha disastroza e fatal da molestia, derramndo-
se e infiltrando-Be atravs dos tecidos os mate
delicados do corpo, expelllndo ate1 k ultima
propriedade ou vestigio vi rulan to d molestia,
e dentro d'um curto espaco de tempo prodnzio
nma
CURA
Completa e Radical.
Este falte quio" admlravel resultado fol obtl
do apenas eran o simples nao
Duina so iniiea Garrafa!
d'eete incompararel e inapreciarel depuratorio,
recommendamos portante todos os JDoentos
qne procurem obter com o maior cuidado a
nniea e verddeira Saliaparrilha da Brtetol,
tartamente preparada por
LANMAN & KEMP,
De NOVA YORK,
na certeza de que, todas aa mate preparacoas
Imitativas nao valem para couza alguma
Veide-se as boticas de Caors & BarDosa
e G. Bravo & C.
162:8205700
MOVIMENTO DA ALFANDEUA.
Volames entrados com fazendas.... 173
t c com gneros..... 265
------438
Volnmes sahidos ce m fazendas..... 84
f f com gneros..... 413
------496-
Descarregam boje 8 de marco.
Vapor inglezAraozonmercadorias.
Barca ingieza Meteor farinba de trigo.
Patacho inglez Indine farinba de trigo e mais
gneros.
Sumaca argentinafaca Carlotacharque.
Brigue nacionalFluminenseidem.
Barca nacional Guarahmidem.
Polaca argentinaMontevideoIdem.
importaco.
Barca nacional Jovem Palmira, entrada do Rio
de Janeiro, consignada a Joo da Silva Neves, ma-
nifestoa o seguate :
10 barricas poiassa, 126 volumes barricas abati-
das, 280 ditas vazias e 120 barriqoiubas vazias ; a
ordem.
Genero nacional.
1,676 saceos caf, 400 ditos lar in ha de mandio-
ca, 10 rolos fumo, 15 oaixas rap a ordem.
Patacho inglez Indine, entrado de New-Yoik,
consignado a Heory Forster & C, manifeston o
seguinte :
1,649 barricas de farinha de trigo, 150 barris ba-
nha de porco, 2 barricas vidros, 42 volumes ma-
chinas, 400 volumes e 39 barricas prefazendo 4,000
cascos abatidos ; aos mesmo?.
Vapor nacional Parahyba, entrado des portos do
sul, manifeston o jegointe;
Penedo.
60 sacras cora 242 arrobas e 7 libras de algodao;
a Jos Gonjalves Torres.
35 saccas rom 155 arrobas e 7 libras de dito ;
a Joaquim Jos Gongalves Bailar.
De Macei.
26 fardos peca de algodao, 1 sacco fio de dito e
40 barris vinho ; a ordem.
RECEBEDOR1A DE RENDAS INTERNAS GE-
' RAES DE PERNAMBUCO.
Rendimento do dia 1 a 6...... 17:7885967
(demdodia7................ 2:26657o9-
20:0555726
CONSULADO PROVINCIAL.
Rendimento do dia i a 6
dem do dia 7.........
40.1515637
7:9885881
48:0405568"
EDITAES
Acbam-se matriculados, no Seminarlo Ente' Sevetao Dantas de Araujo ; constipado.
seguintes .Jos Jentinim de Sanl'Anna ; bnbo.
nopal de Olinda, no curso theologico, os
alumnos:
Ti?eram al?

Mtate Po Portnguez.
Ignorando-se a residencia dos Srs. abaixo men-
cionados, que se inscreveram como socio do Monte-
po, sao os mesmos Srs. convidados a deixarem
urna nota da sna ro.or.adia, no praso de cinco dis
a contar da data do presente annnncio, na Praga
da .Boa-Vista n. 4, no Gabinete Portaguex de Leltu-
ra, ou na ra do Crespo u. 2, llvrarla do Sr. No-
gueira de Soaza, ata de poderera ser procurados :
nao o lazendo, comiderar-se-ba terem renunciado
aosdireitos qoe Ibes dar as sais asslgnatnras.
Seguem os|nomes.
Os Senhores :
Jos Soares Leite da Coste.
0 Dr. T/istao de Aleocar Araiipe, cfficial da
imperial ordem da Ror, juiz de direiio especial
do commercio desta cidade do Recite dePrnam-
buco seu termo por Sua Magestade Imperial e
Constitucional o Sr. D. Pedro II a quem Deua
euarde ate.
Faco saber pelo presente que por este joizo e
canorio do esenvao que este subsrreven corre
urna execucao de sentenca per mandado exeeotivo,
ordenado entre partes a saber: de um como exe-
quente Izidoro iNetto 4 C. e do outro como execn-
lado Joo Ferreira de Carvalho e correado dita
execucao seus devidos termos procedeu-se a pe-
nbora em dinneiro pnenteme ao execoiado na
quantia 2625890, existente no deposito pelo que
era audiencia publica pelo procurador dos exe-
quemes me fera feito o requerimente do theor
seguinte.
Aos cinco dias do mez de mareo de 1868, nesta
cidade do Recife em audiencia publica do Dr. juiz
de direito especial do commercio Trlstao de Alen-
car Araripe, celia pelo solicitador Joo Caetano de
Abreu, procarador dos exeqnentes, fora acensada
a penbora feita em diobelro pertencente ao exeen-
tado Joo Ferreira de Carvalho, e existente no de-
posito publico requeren que nao s fleassem assig-
nados os seis dias a penhora, como os^d, z dias aos
credores incertos, para o que quera que se lbe
dsse os editaos do estylo sob pena de revelia.
O qne ouvido pelo Juiz assim o deferio eitraoi o
prsenla do ajotocolo de audiencias e jomo a car-
ta precatoria com o respectivo termo de penhora.
Eu Manoel Silvino de Barros Falco escrivo in-
terino o escrevi.
Depois do qne o mesmo escrivo em observan-
cia do men deferimente fez passar o presente pelo
qnal e sen theor cbamo, cito e bel por citados a
todos os credores incertos do mencionado lecata-
do, para que dentro do praso de dez dias compa-
reci ante este joizo allegando e provando qot
for a bem de sea direito e justlca sob pena de se
preceder as suas reveiias.
E para qne chegue ao conbeclnento de lodos
mandel faier o presente editel que ser affixado
nos logares do costme e publicadas pete im-
prewa.
Dado e passado nesta cidade do Recite I Per-
nambuco aos 5 de marco de 1866.
Eo, Manoel Silvino de Barros Falcio, esemo
interino o subserevi.
^ Tri8,0 e Alannar Araripe.
O Dr. Tristiode Alencar Araripe, offlclal da im-
perial ordem da Rosa, juiz especial do antaaner
co neste cidade do Recite por Son Mafostede
Imperial etc.
Faco saber aos qne o presente editel teosa e el-
le noticia tiverem qae por parte te Thoa I
V
i %
1

*

'





I
11

MaBaHBHataMllBaaMMMiaaBaBna"'



o Jarlo de Fernanaieo
.
I

cisco da Salle- Rom me foi dirigida a petizo do
theor segwuf.
filio. Sr. Dr. juie da direito espacial do commer-
cio Thoruaz Francisco de Salles Rosa, qaer faier
ciur a Maximiaoo Minios da Silva Borges para
4a primeira deste juizo IUe pagar a quaolia de
iiflOO proveniente de aaa leira juuu e ver ae
assigoar o in das da le, e uetles alienar a de-
feza que liver sendo alias coademnado qp pedido
juros a cusas e porque se tenoa o aupplicado au-
reolado para lugar o i o sabido requar. a V. S. se
*gne o admlllir a justificar a ausencia e sendo
quanto baste ejulgado por seoteoga lhe mande
fjassar carta de ditos por 30 das para ser falta a
itaeio, sendo nomeado curador o ausente : pelo
deferir e rece-
Capitana do parlo de PernauAuea, 20 de
fevereiro de 18*1.
U film. Sr. capitae do porto, manda publicar em
virtude de orden de S. Btc. o Sr. conselheiro pre-
sidente da provincia, o aviso circular de 10 de
Janeiro ultimo, em que o Eira. Sr, ministro da
agricultura, commercio e obras publicas, comrau-
nicando a existencia de urna estadio telegrfica
o Cabo-frio, declara ao mesmo lempo o modo
porque devem os navios procedontes do norte,
communlcar-se com a mesraa estagao, e no caso
de cerracao ou noute com a Ponta-Negra on a
Sania- Cruz.
Circular.Directora da obra? publicas.2* sec-
eso.Rio de Janeiro.-Ministerio dos negocios da
agricultura, commercio e obras publicas, em 10 de
z==-
(juluta fIra 8 ele Mareo ele
1866.
Rio Ae Jameiro.
pretende sahlr com brevidade a barca Jovtm
Patmira, por ter a raaior parte do carregameof
prorapto para o resto que lhe falta e eseravosa
frele trafa-se com o consignatario Jo5o Francisco
da S'lva Novaes travs da Madre de Dos n. 3-
. Para a Bahiu
Pretende seguir com muit brevidade o paiha-
bote nacional Dous Amigos, tem parte do seu car-
regamealo prompto para o resto qu* lhe falla ira-
ta-se com es seas consignatarios Antonio Luir de
Oliveira Azevedo & C, no seu escriptorio ruada
Crnx d. 1.______
Para o Rio de~Jairo
Pretende segair com rauita brevidade o palna-
j signatarios dos navios que no Cabo-frio existe ama I J llt E^LlT ,V ih- u!
'estagio telegraphica para aqu, aquelles que f"eaa>eoio tratado, para o resto que lhe falla
tratase com os seas consignatarios Antonio Luix
de Oliveira Atevedo di C, no seu escriptorio ra
ca Cruz n. 1.
que pede a V. S. se digne ssira o
bt.^HoedSchoa 5o tbeer segainte. I$"* ^-^ S'-Commanico a
JuAoe a ausencia n, da 2 do mez prximo, i EErq f" publlc,arH T" Prov,BCia-
-Recife, 28 de fevereiro de 1866- Alencar Ara- *?m de chear <> conhecimeoto dos dono ou con
ri&f.
Em virtude de meu despacho (ora a mesma pe- ,
tigio distribuida ao eserivo deste juizo Manoel demaDd"en? f barra do Rio de Janeiro, devem
Mara Hodriguee do Nasciraeuto. | forDef[As Infcrraa5es segmnies :
E lendo o supplieanle produudo saas tastemu
ahas sellados e preparados os autos subiram a
miaba couclusao e nelles dei a sentenga do theor
egalute.
Ufo procedente a justifleacio e mando, que o
reo ausente seja citado p ir editos-de 30 dias para
ofloa requerido a folhas duas.Recife, 3 de mar-
*a ue 1866.Triso de Alencar Arahpe.
Por forca do qual o referido escrivao fez passar
o presente edital pelo qual chamo; cito e hel por
citado o dito suplicado para que comprela neste
juno dentro do dito praso afim de allegar o que
A saber
1.* O nome do navio;
2.a A sua procedencia;
3.* Os das de viagera;
4. A carga que traxj
S.' O nome do consignatario ;
6. As noticias martimas ou commerciaes.
Com a declaracao de que oesta informacoes ser
transmittidas por mel de signaos Maryatb a
referida estacao, e quando os navios nao possam
com ella por causa da noote ou de cerraco no
mar o devem faier para a Ponta-Negra, on para
Santa-Cruz, em quanto estiverera
LEILA
S.ejta feira.9 as 11 horas na ra da Cadeia
o. 55, primeiro andar.
Pelo geme Ensebio.
Oe.uina/uftbilia i-i japarandi ova a moderna
coenlaiiipos^ejpedra mar more.
~ LFUO
e move<, joias, pejogios e caodieiros.
Amanlij as 11 horas.
A-RA da cadeia n. 8.
Maitins fara'leilao por conta e ordera do Sr.
Anierico F.S., de diverso* movis, ccy.staes, can-
i dieiros, relogios e outros muilps artigos de gosto
que se tira enfadouhyineottHinar.
Na, mesma occasio vgadera^a/o aderegodebri-
Ihante, umaqel, 2 argola*. de brilhaote e outros
mullos artigo* de gosto de ouro de lei.
Para Lisboa
Sabira' uestes poneos dias a barca portugueza Safcfcado 10 df margo as, 10 horas
Constante III, por (er prompto quasi udo o sea
carregameoto, para o restante e passageiros ira-
ta-se com Manoel Ignacio de Oliveira & Filho, lar-
go do Corpo Santo escriptorio n. 19, on com o
capillo na praca.
Leito
De 200 pares de botinas para hornera
ditos ditos (tara s.enhoras.
en panto
e 75
stu
A. SchafTier, sua senhora e ama criada, vo
a Europa. ^^^^
O padre Flix Brrelo de Vaacoocelios exln-
guio a aula particular de latim que tinha em sua
casa, e d'ora em dame crismara rnente no col-
leglo do Sr. professor Jeronymo Villar, na roa lar-
ga do Rosario, e no do tom-Conaeho, na ra da
Aurora. O alumnos que qnizerem aprender cora
o annunciante, eniendam-ru con o direetor de
qualquer um dos referidos collegios.
^m
Q)
Precisase de una ama para ea*a de rapaz sol-
teiro : na ra do Cabuga n. 2 B, se dir.
f Dr.
1
raiiciso Pires
Portilla
Machado]
jS! sr^-s'SSSSifflSSSsft
impreiisa e aullados nos lugares do costme. Re-
cife 7 de marco de 1860.
Eo, Manoel Mana Rodrigues do Nascimenlo
escrivao o subserevi.
Tnstao de Alencar Araripe.
DECLARACOES
Sania (lasa da Misericordia
do Kecife.
A lllm* junta administrativa da Santa Casa de
Misericordia do Recife manda fazer publico que
precisa contratar um capellao para o hospicio de
aliviados era Olinda; os rev, endos sacerdotes que
preienderem-fixercer as fuuccdes deste cargo po-
d-ai dirigir as saas peliedes a' mesma junta, a
lonia, logo que se poesara corresponder com taes
esiacoes.
Deas guarde a V. ExcDr. Antonio Francisco
de Panla Souza.Sr. presidente da provincia de
Pernambaco. *
Curapra-se.Palacio do governo do Pernambu-
! co, era 19 de fevereiro de 1866.Lunha Parana-
igua.
O secretarlo,
_______________Decio de AgutnoFonuca
Arsenal de gaerra.
O conselho de compras do arsenal de guerra
precisa comprar para o presidio de femando de
.Norooha o seguinte :
1500 alqueires de farinba de mandioca em saccas
de dous alqueires.
Para a iba de S.
| pretende seguir oestes dez dias o patacho portu-
fra da barra, < 8aet Ftrnandes, tem dous tercos de seu carrega-
meoto prompt); para o resto qu lhe falta e pas-
sageiros, para os quaes tem excelleotes nominodos.
traia-se com os seus consignatarios Antonio Luiz
de Oliveira Azevedo & C, no sen escriptorio ra
da Crnzn. 1.
frente a alfanderja.
O agente Puto fara' iwlo a requerimento de
Joaquim Pereira Aranie, cora autorlsacao do Sr.
confu de Frang e por coma e risco de quera per-
teocar de urna caixa maua J |P. A. n. 57. con)
calcados a variados a bordo do vapor ioglez Douro,
as II horas,49 dia cima oito em fronte a altan-'
dega.

De 2o. aucofetas. iiilie do Porto
Sabbado 10 de nan;o jno- arpiazera do Sr.
Antes.
O agente Pinto legalm'ejite, a/Hpnsado fara' lei
mais lotes, de "20 aacorelaf com vinho de Porlo
as 11 e l|i hoia< do da cima o.lo no .atMAzem
Pata o Porto.
Sahir irapreterivelmente at o dia 16 do cr-
reme mez a barca portugueza Seguranza, por ter
todo o seu carregamejoto prompto; para passagei-
ros aos quaes offerece excedentes commodos, tra- do Sr. Aune* em frente,a^jalfandega.
ta-se cora os consignatarios Cunta Irmos de C, a -i ^^i, M_5------
ra da Madre de Dos escriptorio n. 3 ou como tarailUe lOllaO e lOVeiS
eapiao na praga. Segunda-feira 12 de marco.
A. Schaflter, tendo de retirar-se par* uropa fa-
ra leilao poyjtervencSojJo agento Pinto, de todos
os movis, luiu.'H e ci \>taes existentes em.. casa de
sua residencia na fassagem da Magdalena, para
onde seguir' um mnibus devendo partir as 10
1|2 horas da prao.i do Commercio.
MEDICO E OPERA'OR
PELA M
Faculdade de Pars.
continua ao exercicio da sua proflsso,
especialmente as molestias de olhcs, de g|
vas urinarias e de pelle, para cujo ira- |
tamento julga-se nabiKiado ltenla a pra- H
tica adquirida nos hotpilaes da ue.la ca-
pital, e os instrumentos mais moderaos 1
que possue.
Accode promptamente a qualquer cha- 9
raado para fora da cidadi.
E encarrega se de collocar olhos arti- |
ficlaes.
No pateo do Carmo n. 2, esquina da fl
ra de-Jlortas, das C as 10 horas da ma- H
I nha, e das 3 as 5 da Urde.
mmMmmm&mmmmam
Qnem precisar de nm cozinheiro fraocez, di-
tija-se a roa do Trapiche n. 12.
-r Manoel P Manoel Joaquim da Silva subdito porluguez
retira-se para Europa.
Casa
vasia.
Aluga-se a casa da roa 'do Niscente o. 14 :
tratar na ra do Queimado, lo] de Azevedo &
Irmo.
Irocuratioria
Adriano Augusto deAlmeldaJordo. retira se
para Europa, levando em sua compaohia sua se-
lo por conta e nscTde quei pettencer em um ou ohora e..seu fllho de menor idade.
Para Lisboa
de suas sessoes.
Secretaria da Santa Casa de Misericordia do Re-
cife 28 de overeiro de 1866.
O offlcial-maior,
M anoel Antonio Viegas.
Santa Casa da Misericordia
Hecife.
A Urna, junta administrativa da
apresentera saas propostas na sala do conselho, as
II horas da maoba do dia o do crreme.
Sala do couselhode compras do arsenal de guer-
ra 1 de margo de 1866.
O encarnando da escriotura^ao
Manoel Jos de Azevedo Santos.
Sabira depois de pequea de-
mora neste porto por ter a maior
parle da carga engajada o brigue
portugoez Laia I, o qual se espe-
ra a lodo o momento de Lisboa,
para o resto da carga e passagei-
ros trata se com E. R. Rabello, ra do Trapiche
o. 44.
&&.
BS&P
Cmara inunicipal.
Pelo conladoria da cmara municipal desta ci-
Santa Casa de ] dade se faz pnblico que nos mezes de fevereiro e
Misericordia do Recife, manda convidar as pesssoas marco se recebe a bocea do cofre o imposto rou-
|ue q uzereni alagar as casas abano declaradas, mclpal sobre casas de negocio, e aijueiles que nao
tazeudo a sua cusa os concertos de que eilas pre-, pagarem neste lempo esto sujeitos a multa na
cisam,a comparecerem na sala de suas sesoes as formado art. 32 do regularaenlo n. 360 de 15 de
juiot.i.--feiras as 4 horas da tarde afim de apresen- juobo de 1814.
arem suas proposlas, podendo o arrendamento ser Conladoria 1* de fevereiro de* 1866.
Jeito al nove airaos cora autorisago do Exm. Sr. O contador,
{iresidmte da provincia. Caetano Silverfo da .'ilva.
Patrimonio dos Eatabelecimentos de Car idade.
Rna Direila.
Casa de um andar n. 33 publico e quatro parli- fechar-se-hao'as malas que o vapor Paran tem de
enlar- ; condnzir para os pqrtos do tul. As cartas sero
Ra do Azeite de reixe. ; admillidas a seguro at as duas horas da tarde, e
Casa de dois andares o. 1 publico e 35 part- os jornaes sero recebidos at o meio dia.
cular. I______________________________________
Secretaria da Santa Casa de Misericordia do Re-
UIL0E3.
De mwe-.sy loitcm ewrys-
taes, a sabw:
cie 3 de margo de
1866
O offleial,
Manoel Antonio Viegas.
do
Sania tasa de Misericordia
HaimCa vai sanir cora Poue08 dias brigao Aielatd*: por ter
netlie. '^ raaor parle 0 .carregamento tratado, o para e
A llhna. junta administrativa da Santa Casa de resto que lhe falta e escravos a frete, trata se com
Misericordia do Recife, manda lazer publico que o consignatario Joaquim Jos Goqcalves Beltrao,
contina era praca a renda do sitio do Forte as na ra do Vigarlo n. 17, primeiro andar.
ladelas pelo lempo de 1 a 3 annos pelo preco &. t i.kT~^...._j. .J k-.,;^^
annual de 1005000, o qual sitio foi adjudicado a n,~ hPa" L'l, ,3fc LC0? J?rS *
oesma Sama Casa na execuco movida entra os ** **" J,0SE p,hr W*. ** "8*
berdeiros de D. Anua Benedicta Boaventura do gg**&*******&***
Carmo : tem 600 palmos de frente e 800 de uado ^^l^?ianL^^ftl? Mln0> M
Os pretendentes compareco oa sala das sessSes! f ompanllia PcmaibuCana
da. mencionada unta as quintas-feiras as 4 horas r DE
etou.de com os seus Oadores ou caria dos mcs-| Wavega^5o c08telra por vaior.
Secretaria da Santa Casa de Misericordia do Re-1 Parahiba, Natal, Maco, Aracaty, Geara'
e Acarac.
O vapor Persinunga, coraraan-
dante Belrairo, segu para os re-
feridos portos no dia 7 d) cer-
rente as 5 horas da larde. Re-
cebe carga someote at o dia
6, encoramendasedinheiro a frete at as 2 horas
da Santa Casa de 1 da tarde do dia da sahida : escriptorio no Forte
Importante leilo
t- movis, louc, vi iros e erystaes.
Como sejam :
Urna mobilia de Jacaranda a Luiz XV. 1 piano
forte e lustre de crystal com 12 mangas, 8 casii-
caes e mangas, frascos o jarros para flores, 2 ricos
candieins a gaz, 6 escarradairas tapetes e almo-
Pela administrado .tocorreio deca c.dade se i SflJ?*&-5 5 5 ade/aS de ba.l,n,?; '
faz publico que boje (8) a ir- s horas da tarde m?.b'l,a,de palh,a' secre'ar.ia de mB"0' ft
labro, I cama franceza, 2 ricos guarda roupas de
raogoo, 1 grande espelho com pos, 1 toilete de ja-
caranda', 1 dito de inogno, 3 lavatorios, 2 cabides,
1 costureira de charlo, 1 cama de ferro, 4 bancas
de abrir, 2 mesas elsticas, 2 apparadores, 18 ca-
delras americanas, I quartinheira, 1 apparelho de
louca para jamar, 1 tito para alraoco, copos, cli-
ces, facas, garios, colheres, marquezas largas, di-
tas estreitas, mesas, oadeiras, guarda roupas, e
muitos outros artigos que eslaro a vista dos con-
correnles.
AVISOS MARTIMOS
Para o Rio de Janeiro
Primeira sala de visita.
1 raobiiia.de Jacaranda com 1 sof, 1. mesa de
meio de sala, i consolos com lampos e pedra, 2
cadeiras de bragos o 12 de guarnicao, 1 mesa de
Jacaranda para sof, 2 cadeiras de baianjo, 5 lan-
gas para cortinados, fazrnda para coctiaados, 1 can-
delabro e 2 serpentinas de ,'crystal, 4 vasos b*ra
flores, 6 quaros, 2 escarradeiras, I tapete de sa-
la, e 1 lustre com 4 bicos.
Segunda sala de visita
1 piano f.nti do acamado (jt|>>icaote *rl. Scbee^
incassel, 1 r-adeira ii^ra o iu.sra, 1 mobilia de ja-
caranda ciin lampos despedr, 2 cadeiras de ba-
lanco, 1 mesa declmao, 2,.bancas de Jacaranda
para jogo, 3 tapetes, t panno "de mesa, 1 campa, 2
porlacinza, 6 quadros, 4Jrascos, 2 caixas porta-
uvas, 4 castices e mangas, 4 laucas com cortina-
dos e 1 lustre de 3 lucos.
Sala de-..espera.
1 mobilia de c3dro, 2 cadeiras de ferro com ba-
lando, 2 ditas de palha com baiango, 8 quadros, 1
banca de abrir, 2 jarros dooradoi., I jogo de cha-
drez, 1 dito domino, 3 peles e 1 lustre de 3 bicos.
Sala depiar.
1 mesa elstica, 1 aparador. l;dto com pedra,
Padre Francisco Besse subdito ffacz reti-
ra-se para a Europa.________
Manoel Das Borges subdito "portuguez vai a
Portugal.
Jos FeroanJjs daJSilva, subdito portuguez
vai a Maceio.
^Precls;-se de-tifflcjes fe cbapelelro : na fa-
brica de chapeos' da praca pa Iudependeocia ns.
,3ie 30.
-^'Maria "FranMsca da Hucha Feo, part-sira
avisa ao respeltaveLpublico qae mudoa se do pa-
teodo Paraizo para a ra das Cruzes o. 19.
, Joo Nepomuene de Oliveira Figueiredo sub-
dito portuguez prelndejahir para Lisboa^_____
A pessoa que liverpeniido Tquantia de tf
dinja-se a ra da SenzalJa Velba n. 90.
Precisa-se de umaania para cosinhar : na
ra do Imperador o. i animem.
Precisa-se alugar um moleque de l
a 14 annos de idade que tenha boa conducta
para o servico interao de casa de familia :
na ra do Sol n. 21.
Jrocau-se duas imagens de Nossa
Senhora da Conjceico e Santo Antonio, obra
perfftita viada de Portugal: a ra da Ca-
deia n. 47.
Soeiedade Bella-Harwoiiia
De ordera do lllm. Sr.. vice-direclor, convido aos
senhores socios areuoirem-se era assembla geral
extraordinaria sexta-feira 9 do crreme, pelas 7
horas da noute.
Secretaria da soeiedade Bella-Harmonia 7 de
marco de 1866.
J. Ribeiro da Fonseca
1- secretario.
glo, 2 mesas. 12 cadeiras americanas l appare-
SAQUES.
urna viagera a Europa, com sua familia fara' lei-
lo por intervi-nco do ageote Pinto, dos objectos
cima mencionados-exJsentes em casa de sua re-
sidencia ra do Imperador n, 29, onde se efTectua-
ra' o leilo as 10 horas do dia cima dito.
cife 5 de mar^o de 1866.
O offleial,
Manoel Antonio Viegsa.
Santa Gasa de Misericordia do
. ecife
LElLAft
-
A filma junta administrativa .
ifisericordia do Recife manda convidar as pessoas ; do Matos n. 1.
que quixerem reedicar a casa sita na ra do Bur-, *
os n 2 publico e 57 particular, perteocenle ao I
Patrimonio dos Estabelecimentos de Caridade, e j
bem assira as que quizerem edificar no terreno da i
ra do Vigano prximo a casa era que funco.onoa j
o eonMil.;do geral, e oade fui outr'era a casan.!
70 perieucento ao Patrimonio dos Orphos a com- ]
parecerem na sala das suas sesoes as quintas
feras as i horas da tarde alim de proporem
quer uegocio
CMPAiNHIA
Secretaria da Santa Casa de Misericordia do Re-
cife, 5 de marco de 1866.
O offleial,
Mauoel Antonio Viegas.
PERNAMBUCANA
DE
Kavegaco costeira por vapor.
Ilha d Fernando de Noronha.
Seguir logo que regresse dos portos do sal c
vapor Parahyba, commandante Mariins, para o
presidio de Fernando, para on le recebera' a car-
qoal-! ga que houver assim cora > eocommendas, passa-
| geiros e dinheiro a f r, le.
Iho de porcelana para jantar, t dito para almoco,
garios, facas, colheres 1 apparelho de dissert, i
appar.lbo de electro-piales, 2 (ruleiras de raarmo-
re, garrafas,campo te iras, cuyos, clices, de uo
Crylta! e cerca de 600 garrafas vazias.
Sala da frente do solio.
1 mobilia de Jacaranda com tarapus de pedra, 3
De urna toja de fuoileiro com armacSo. ferraraenta, tapetes, 1 candelabro, 2 jarros, 2 caixas de costu-
candieiro de gaz e muius obras da folha de ra, 2 estantes, caslicaes e mangas, escarradeiras e
Flandres. 1 candieiro de gaz.
1IOJK. Sala de dttraz.
Quinta-feira 8 do correte as 11 horas. I. Koarda vestido de mogno cora espelho, l guar-
1 da roupa, 1 toilete com espelho, I coramoda, t ta-
1 vatorio, 2 camas francezas, 2 bids, 2 poria-toa-
LEILES Ibas, 1 sof e 2 tapetes.
Quartos.
2 guarda roup, 1 gu?rda vestido, 2 commodas,
\ 1 cama de ferro e coi tinados, 2 cabides, tapetes,
jespelhos, 1 cadeira privada o lbanhe.ro de flan-
dres.
Diversos livros, I caixa cora 1 revolver de 5 II-
3 /eq0eK ros e seus P'leoces, 1 piftla, 3 excallenles es-
3! pitgardas sendo una de tri cauo, outr'a de 2 ca-
|{na Direita n. 77
NO GRANDE ARMA2EM DE
DO AGENTE
OLYMPIO,
Cunha Irraaos t C, sacara sobre o Porto, era seu
escriptorio a roa,da Madre de Ueus n. 3.
Prepara-se comida para fra, com todo o
aceio e commodo preco; a tratar na travessa da
Concordia n. 61.
Na ra do Brura n. 72 primeiro andar, exisle
anda do Rio de Janeiro, urna carta de impor-
tancia para o Sr. Dr. Paulino Rodrigues Fernandes
Chaves.
Precisa-se de urna pessoa que saiba cosinhar
bem; na ra do Hospicio n. 44 : pagase bem.
de ura fetor para sitio na ra
Precisa-se
O sollicilador Pedro Aiexandrino da Cesia Ma-
chado romina nos misteres de sua profissio dos
auditorios desta cidade, e encarrega-se de cobran-
gas para os termos do Calm, Ipojuca e outros pr-
ximos a esta cidade : pode er procurado a' roa
Estrena do Rosario n.34
Precisa-se de urna ama q^ compre, cosite,
engomme e faca os mais servicos de una casa de
pouca familia, paga-se bem; na ruaVelha a, 52.
F^o doar
no armazem da bola amarel'a no oitao da iecreta-
ria da polica, recebem-se eocommendas de fogo
do ar para dentro e fra da proviuoia.
Professora.
Em um engenhoperlo dg Passi de Camaragibe
(AtagOasJ precisa se de urna senhora que queir.i
ensinar primeiras lettras e mesmo francez e msi-
ca, ca>o saiba : pre fe re se solt-ira ou riuva com
pjuca familia; a tratar u*irat.es>i d.,iui Bella
n. 6.
Precisa-se de urna preta sscrava para o ser-
vico de casa, e qae saiba eogommar : na ra da
Cadeia o. 27, 1 andar.
\o salo do eabelleireiro
me
na ra do Queimado n. 6, 1 andar, precisase de
ura bum offleial de barueiro.
Jos Jacome de Aranjo, advogado dos audito-
rios das comarcas do llitf-Ponnaso, Palmares, Por-
to-Calvo e Pago de Camaragibe, encarrega se para
esfas comarcas e seus termo?, de qualquer cobran
ca amigavel ou judicial : quem do seu prestlmo
se quizer ulilisar, ple dirigir-se a ra da Deten-
cao n. 13, sobrado, por esles dias, e depois na villa
deSernhem.
. Aluga-se urna escrava para o servico interno
e externo : quem precisar dirija-se em Saolo A-
maro, sobrado junto ao ceipiterio inglez.
Prec|sa-sn de urna ara
e comprar
andar.
forra para cozinhar
na ra do Livraraento h. 2>, segando
De ordera do lllm. Sr. inspector da ihesoura-
ria (I; fazenda desta provincia se faz publico para
onheciraento dos interessados, que o tribunal do
ibesouro nacional aoforisou o pagamento de divi-
das d exerclcios Godos, cojos credores sao os se-
fuintes :
Jos Viceute Ferreira.
Jos lionguinho da Costa Leite.
Julio IJarhosa de Vasconcelios.
Antonio de Moura Rolim, arrematante da massa
fallida de Joo Jos de Gouveia.
Alezandre Kereira dos Santos.
Amonio Cabral de Mello Leoncio.
AntOHioTa vares.
Caelano Marques (J*s Maximano Soares de Avel-
lar ces-iooario de)
Joaquim Jos de Sam'Anna (Jos Maximiauo Soa
res de Avellar cessionario de)
Francisco Nicolao Carneiro da Rocha Menezes.
Alejandre de Macedo Pass s.
Seba-i.io Baptisia Texeira (Jos Maximano Soa-
res Rey na Ido Jos dos Santos.
Vicenta Luiz do Nascimenlo Calangro.
Secretaria da thesouraria de fazenda de Per-
Compaohia de paquetes a vapor entre
os Estados-Uiii !es e o Brasil.
At o dia 9 do
correte espera-
se dos porto i do
sul o vapor Nortk
America, com-
mandante Tim-
mermann, o qual
depois da demo-
ra do costume
seguir para. New-York tocando no Para e S.
Thomaz.
Para passageiros, fretes ele, trata-se com os
i ageotes Heory Forster 4 C, roa do Trapiche o. 8.
fara' leilo da loja cima mencionada
ment de Francisco Texeira Barbosa
do lllm. Sr. Dr. juiz municipal da segunda vara,
cojos objectos pertencia ao finado Leocadio Henri-
que da Conceigix_____________________^^
LEILO
Da taberna a ra d Cotovello n. 1,
oa (loa-Vista.
Cordelro Sioies
por mandado do film. Sr. Dr. juiz de direito es-
pecial do commercio levara' de novo a leilo os
gneros, armaco e utencios da labarna cima
dita, a qudl fra arreciada a Maximino Martins da
Silva Bjrges a requenmeoto de Thomaz Francisco
de Salles Rosa, cujo leilo tera' lugar oa mesma
taberna e oo dia
HO*E.
as 11 horas em ponto.
COHIMXIIIl BRASILEIRA
DE
PAQUETES A VAPOR.
E' esperado dos portes do sal
at o da 14 do crreme o vapor
Santa Cruz, o qual depois da de-
mora do costume seguir' para
os portos do norte.
Desde j recebem-se passageiros e engaja-se a
carga que o vapor poder conduzir a qual dever
nos e outra ^macavibin-J, 2 sejlios iu.gtezes, 1 si-
lilao, bacaulia, diferentes caixas. cora charutos
Havana e mullos outios artigos que estarao ao
came dos con^orxeutes.
Wrgiiaila-feira 12 de luorvo.
Nt ^a&igem sda, Ma^aa.le.na ^WittWira, sittp,
a esquerda depois do c afariz.
A. Schaffier leudo de retirarse para Europa fa-
r4.leiloporioterve8so do ageut Pinto de todos
oiObjectos cima mencionados exisiemes em casa
de sua residencia, as li horas do dia cima dito^
As 10 e 10 l| hora* do referido dia partiro os,
mnibus para transporte (tfralis) dos concurrentes
ao leilo sendo o pomo de partida a praga do Cra-
me: rio de vend voltar os mesmos mnibus o pn-
! meiro as 3 horas em ponto e o segando as 4 horas
i da. larde. j
LEILO
De trastes avulsos. mobilias, relogios de cima de
mesa, ditos de algibeira, objectos de louca, erys-
taes e outros muitos artigos.
ser embarcada no dia de sua chegada, encommen-
nambuco 5 de margo de 1866. Serv.ndo de offl- das e dinheiro a frete a| da d^ aamda as ho.
cial-nwior, Manoel Jos Pinto.
Pela mesa do consulado provincial se faz pu-
blico que os (rima dias atis para pagamento a'
bocea do cofre dos impostos aonuociados oo edital
d" 30 de Janeiro prximo lindo, Qodam se oo dia
8 de marco corrente, incorrendo na respectiva mal-
ta aquelles que pagarem depois deste dia.
gyMesa do consulado provincial de Pernambaco 6
de marco de 1866.
Antonio Carneiro Machado Rios
Administrador.
ras : agencia roa da Cruz n. 1, escriptorio de An-
ulo Luiz de Oliveira Azevedo & C
Quinta-feira 8 do corrente ai H horas.
NO GRANDE ARMAZEM DO AGENTE
OLYMPIO
48-PRACa DO COMMERCIO-48
De
L LILAO
50 saceos com milho
UOJE
uspeeco do arsenal de mantilla
Faz-se publico que a commisso de peritos,
laminando, oa forma determinada ne regulamen-
to annexo ao decreto n. 1,314 de 5 de fevereiro de
1834. o casco, machina, caldeiras, apparelho, mas-
(reacio, veame, amarras e ancoras do vapor Per-
sinung, da compaohia Pernambueaua de navega-
do costeira, ach >u todos esses objectos em estado
de poder o vapor navegar.
Inspecco do arsenal de mariuha de Peruamboco
6 de marco de 1866.
O inspector,
H. A. Barbosa de Almeida.
A cmara municipal da cidade de Olinda e sea ter-
mu, em virtude da lei.etc.
Faz publico a seus municipes, que ten'lo o Exm.
Sr. pre-idente da provincia por ouTclo circular de
S do corrente eommoaicado a mesma cmara ha-
reregoveroo imperial resolvido que > todas as
eapita.s das provincias se faca no dia de jutho
prximo vindouro ama eiposico dos productos
agriemos e iodustriaes e de obras de arte : lendo
aexpsKo por Ora nao > mostrar o estado de
ossa-dvjjiucao, mas principalmente promover o
decaajaed- jywato da nossa industria, espera que os
ftiK ni i em omtvftr. mero que for possi-
1 ca ifWf'dlta xpqsico com os objec-
pna**nfe.-IiiilB>W-asde Aranjo,aecrtario.
COMPANHIA BUSILEIBA
DE
PAQUETES A VAPOR.
Dos portos do norte esperado
at o dia 20 de marga o vapor To-
canlins, commandante o primeiro
teoeoie Araujo, o qual depois. da
'demora do cosame seguir para
os portos do sul.
Desdej recebem se passageiros e ejyraja-se a
carga qoe o vapor poder cooduzir, a qoal dever
ser embarcada no dia de sua chegada, encona-
mendas e dinheiro a frete at o dia da sahida as
2 horas : agencia roa da Cruz o. 1, escrip0r!o de
Antonio Luiz de Oliveira Azevede & C.________
COMPANHIA PERNAMBUCANA
DE
Nayegacao costeira ptr vapr.
Ilha de Fernaado.
O vapor Para-
hyba, comman-
dante M artins,
sabira' para o
. porto cima oo
dia 10 pelaavll
oras da manta.
Recebe carga
dmeme al o
frete
; oo
O agente Pestaa vender' em leilo por com
de quem pertencer 5J saceos com milho em um
ou mais lotes : hoje ao meio dia em pooto no tra
piche do Sr. Cunha oo Forte do Matos.
LEILO
De 40canastrascorn;ilhose 20 caixas
ceblas.
HOJE
O ageote Pestaa vender' por conta de
pdrtencer 20 caixas com ceblas e 40 canastras-n
com alhos em um oa mais lotes a vootade : hoje
as 10 horas da maDh* oo armazem do Sr. Aooes
defronte da alfaodega. .______
IjE.IL AO
Hoje 8 do eorrente.
Keller & C, coocluirio hoje per intervencao do
I IIC.A3
x9o armazem de militados
. matan Mfcjjtln A9.
Mmto4t1'$<4oliy;wltM 11 horas.
Elias de Uaeida Lima
ci.m coiensa de eus credores e por mlervenco
do agente Cordairo Simoes, fara' leilo de magni-
lico sortimento de en aros, do primeira qualidade
; comprados a bem.ppoco Wilipp. arraacao quasi no-
i va, lustre da vidro a gaz e finalmente lodos os
mais uteocilios daj^tapvb>cjiUjeuto cima dito, o
qual loraa-se recpmraepdavftl por ser muilo afre-
puezado e de excellente local cujo leilo ser ef-
fecluado era.um ou raais.lotes a vootade dos lici-
ta oles, e o balaogo est em poder do referido agen-
e a exame.
Em pontinuagdo
Ca escrava
Elias de Almeida Lima
___V (ara' leao pQr.iplervepgo do ageote Qordeiro Si-
i nades de. urna uralaiinha de idade 10 annos pooco
, mais ou anos, com principio de habilidades para
com Q que pJ>ievAn$ens_o de. lo lera lugar oo astabelecimento de molhados a
rajkdo.Paugel n^49.
ODIA
quera Seguoda^eira A% do cptfente as li horas.
JMSOS flrVERSflS
i i

agente Oliveira, o sea leilo de fazenlas francezas
e (nglezas, em sea armazem, da ra da Craz do
Recife.
JLos.ftUiaOsOO.
LElLAO
Quem precisar de ama escrava para lodo o
servico de casa de familia, dirjase a ra do Cor-
redor do Rispo, casa nova sera numero que tica
defronte da casa o. 12.
Precisase de um criado para CDsrahar e
e comprar: na ra do Crespo n. 9.
Precisa-se de um rapaz portuguez dos ltimos
chegados, para taberna: na ra Velha n 33.
AVI#
Furt.rara do engenbo Pagua, freguezia de Santo
Apiao. na madcu*aja do^dja^.27 do prximo passa-
do, dos cavalfos com ossignas segrales: um,
ruzilho foveiro, frento ahert,_castrado, bom anJa-
dor de.baixo a meio, e com as seguimes marcas de
ferro, O A R, em ura dos lados.' O ootr, casla-
nho amacello, tera ama estrelbinha na testa, o p
esquerdo calcado, castrado, sem.aodares neohuns,
tem urna peliadura na queixada, e outra no.mesmo
pe calcado, e com a marca de ferro M C A no lado
equerdo, mais muilo pouco visivel, alm de outra
que pessa ter, mais que se nao sabe qual seja. Es-
tes cavados suppSe-ae lerera seguido paraos lados
de Limoeiro. Rogase a quera os apprehenJer, ou
delles liver noticia certa, de dirigir-se ao referido
engenho ao seu proprielano o Sr. Manoel Caval-
cante de Albuquerque Jnior, ou nesta *raca, a
Joo Baptist de Oliveira, largo do Corpo Sanio
n. 21 segundo andar, que recebar gratiticaco
deiOO*.
-D.Prtrdrri.da esa. regeijtora desla irmaodade,
sao coifridados para domingo 11 do crreme as 10 horas do
dia, em mesa geral, elege|eui ura raembro para
secretario que tem de fduc$onar no corrente
anno.
Convento do Carmo do JAegife, 7 de marco de
1866.
Uinbeltmfqssidomo de Barros,
Secretario interino.
Hotel de Jfcalia.
M". Ferro, proprlelara.de*le estabelecimenlo,
avisa aos seas fregaezes qoe ontina a receber
passageiros e pensionistas, em,quanto nao effectuar
a venda do dito hotel; pela" qoe, as pessoas inte-
ressadas nessa compra podan d^rigir-se ao mesmo
para os necessarios esclaijecjmentos. No mesmo
hotel precisa se de urna ayria que saiba lavar e
eogommar; pagase bem.
AMA
Precisa se de urna aim para cozinhar e com-
prar : na ra da Pra.a n. 3.
, Aiitoni i Luiz de Oliveira Azevedo & C. tem
para vender no seu escriptorio, tua da Cruz o. I,
vinho do Porto em caixa de doza. lio Imnburguez,
cola da Babia superior.
Godofredo HenriqnM de Miranda, empregado
na alfaodega d Cinco Pomas n. IOS, faz publico a quem | por ven-
tura po sa utens.-ar, que a escrava Gerlrudes,
crioula e suas tres cras, Mara, J .s e Ppilomena
lhe pertencem por compra que fuera a seu legitimo
senhor J.<<: Viceate Xavier de Oliveira, a quera
perleocia a dita es'-rava, por heranga de sua rou-
liier D. Mara da Rocha Gue'ts,tomo Constado
respectivo formal d parlilhas, que se acha era sea
poder; (cuja escripiura .I- compra foi lavrad em
o cartono do tabelbo Sa era dala de 28 de feve-
reiro do corrente anno.
Recite, 3 de marco de 1866.
Francisco Solano da Cruz Ribeiro, commerj
ciante cstablecido nesta cidade com loja de calca-
do, faz publico a quera por ventura interessar pos-
sa, que a escrava Gerlrudes, crioula, e suas tres
crias Mara, Jos e r'hilomena, lhe pertencera por
compra feita por escripiura publica as notas do
tabelliao Almeida, celebrada a 29 de novembro de
18U4, a Anselmo Ferreira Cmara, cuneado do Sr.
Godofredo Henriques de Miranda, que oo Diario
de hoje pubbcou pertencer-lhe dita escrava, por
compra (eita a Jos Vicente Xavier de Oliveira,
feita no mez prximo passado ; e respondo ao mes-
mo Sr. Godofredo, que no tribunal competeute sa-
ber elle como Jos Vicente, tt-iolo vendido essa
escrava ao seu dito cuohado em 24 de setembro
de 1863, e este ao abaixo assignado a 29 de no-
vembro de 1864, poda no mez prximo passado
vender-lhe a mesma escrava, estaudo o abaixo as-
signado na nosse delta : assim como vera elle
quaes sero as consequenclas de sua compra, ape-
zar da proteccao cora que cota.
Recife, 6 de margo de 1866.
Francisco Solano da Cruz Ribeiro.
Precisase de um bom copeiro para ama casa
estraogeira : tratase a i ua do Vigario o. 2, es-
criptorio.___________________________
Na ra d) Imperalor o. 43, saguqdo andar
se'dir quem venda doce de caj sece, de boa
qualidade^____________ _____
Aluga-se
o segundo andar do sobrado da rui de Aguas-ver-
des n. 48, muito fresco e grandes coinmidos, as-
sim como o pavimento terreo cora 5 portas, sendo
urna para o becco, proprlo para morada ou qual-
quer oegocio, e outra lojioha de morada, dentro do
becco, ludo por prego commodo : nunn' preteuder
pode-se entender no 3* aodar do mesmo sobrado,
ou oa ra do Imperador n 44, 3 andar; e urna
casa na travessa do Mondejo para a Trempe, mui-
lo fresca, cora muitos commodos para qualquer fa-
milia, quintal murado, cacimba com boa agua : na
mesma ra do Imperador, 3 andar n. 44._______
COSIRKIhAS
Precis-se de aigamas costureiras para costuras
grossas : na esquina da Madre de Dos, loja do
bailo,
= Joo de Sena Barbosa, offleial de eoialhador,
offerece se para trabathar fra da cidade em ser-
vico de sua arte, a saber, trabamol de templos,
oratorios privados, concertos de capellas ou alta-
res : pode ser procurado atraz d.i matriz dv Santo
Anionio n. 16.
.4 Henead,
9 ; passageiros, eocommeudas e dinheiro a.
al as 10 horas da rnanuaa do dia da sabida
esctjptorlp do Forte do-Mato* b. 1._________
Para "Liverpool ora escala por llsboa se-
gu hoje quinta-feim % do orrente o vapor in-
glez Newton, oomraaadante Johnston, para frele e
passageieos para o qae tem excelleotes commodos
traa se com os.coosigoatarios Saunders Brothers
& C, na praga do Corpo Saote n. II.
Corre depois d'amaoha.
Acham-se a venda na respetiva thesou-
raria a ra do-Crespo n. 15, os mneles,
meios e quintos da 3* parte da 2* lotera
(51), a beneficio da Santa Casa da Miseri-
cordia para canalisacSo d'agua e gaz no nos-1
! pital Fedro II, coja extraccSo ser no lugar: a anacahuita mexicana que d o nome es-
e hora do costume. i pecial este incomparavel/remedio, urna
Os premios de 6:0004000 at IO0OOO i arvore, cuja maUcira por muito tempo se
commercio, de urna mobilia serlo pagos urna hora depois da extracfSo ha usado no iaoipico para a curabas n-
PEITORAL de KEMP.
O agente Martins fara' leil.lo a reqoerimento
a das administradores da massa faltida.de Joo Bap-
Lava-see engoraraa-se cora a raaior perfeigao e
por prego mnlto commodo : na ra Velha n. 41.__
Precisa se de urna rma para cozinhar e com-
prar ; na roa do Queimado h. 22.
Precisa-se de urna ama que saiba cezonhar e
comprar : na roa .\ Cruz n. 36. primeiro andar.
I'recisa-se de urna ama, boa cozuiheira e en-
gommadeira, para casa estraogeira : a tratar oa
ra do Trapiche n. 8, 2 andar, das 9 s 3 horas.
^Fug) oo dia 2 do correte mez o esclavo
Firmlno, idade 18 anaos, crioulo, altura regular,
seeco, olhos vivos, tem todos os denles, esperto,
emflra bonita figura ; levou camisa e caiga de algo-
dio Usurado e chapeo de palha : rogase a sua
priso e leva lo a ra da Cadeia n. 23, que se gra
tiflear.
O juiz dos feilos da fazenda pode ser procu-
rado, para os negocios da vara, todos os dias uteis
na casa u. 16 da ra do Imperador, 1* andar.
lista Gongalves Bastos e por mandado do lllm. Sr.
Dr. juiz especial do commercio, de urna mobilia
de Jacaranda' con^taodo de um^sofa', 2 consolos at as 3 horas da tarde, 6 os outros depois
mesa de meio de s e da distriboiIodasHstas.
16 cadeiras de guarnirlo, talo perteocenle a mes-
ra-< massa.
Bino.
horas.
Se\t i-feira 9 do corrate.
armazem da ra da Cadeia n. 8,
as II
As eocommendas serao guardadas so-
mente at a noite da vespera da extracto.
O thesoureiro,
Antonio Jos Rodrigues de Soma.
fermidades cima menciooadas.
bem ensaiada e approvada peta academia
medica de Berlim. O peitoral de Kemp
um jcaxope delicioso inteiramente livrede
do hydrocyaaico e oulros iagre-
dtentes nocivos.
O secretario da irmandand'de do Senhor Dora
Jesns dos Martyrios da freguezia de S. Jos em
nome da mesa regedora faz scieote ao publico as
roas por onde tem de. passar a proclssio do seu
fadroeiro, as quaes sao as seguidles : ao sabir
pela ra Augusta ao voltar o caajaaiz, soguir em
frente pela rda Direita a voltar nara o largo de
Pedro U, ra do Imperador seguir*' para o Recife,
ra da Cadeia, Tavessa do (^rp) Sauto, ra do
Trapiche, ra da Linauela, ..do arsenal
de raarinha e lorrep do obsery^iorio,. roa de Apol-
lo e. raes do mesmo, Santo Antonio ra 'espo.
ra do Rosario.Larga, eEstreita, Pateo do Carmo,
ra de Horlas a recolher.
osme Manoel duXascimemo.
abaiios al4rados participio ao respeit^ve
corpo do comoWfie, que dlssolveram de eommum
accordo socieffi i que tinham na taberna ra
da Imperalriz 80, debaix) da firma- social de
Gttcalves & Lima, desde o dia 12 do correle ;
Ocanuo sement, responsavel o.aocio Joao Jos dos
Santos Liona pt liquidago do activo e pasivo da
mesma Brma, continuando o mismo *x sacio Lima
com o ditoestabeleclraento drhaixo de'su.a ftr-oa
e sob saz responsabilidade.
Recife, 26 de fevereiro de 1866
Francisco J Googaive* da Silva.
Jo3o Jos dos Sanios Lima.
I

-
- -



* -


Diario de Vematoneo -- unala lelra 8 de Marc de 1866.
79T-
GASA DA E01T0II1
Aos 6:000,5000.
itHhetes garantidos.
A' RA DO CRESPO N. 13 B CASAS DO COSTOME
O abaixoassignado vendeu aos seas moito feli-
zes bilhetes garantidos da lotera que se acaboo
de eitrahir, a beneficio do recolhimeuto de gua-
rass. os seguintes premios:
N. 2986 am raeio cora a sorte de 6:000,5.
N. 3968 doDs quintos com a sorte de 500$.
N. 3466 dous quintos cora a sorte de 00
E outras raaitas portes de 100, 40#, t 20J.
Ospossuidores podem virreceber seus respec-
tivos premios sernos descontos das leis na Casa
da Fortuna i raa de Crespo n. 13.
Acham-se a venda os da 3* parte da 2* lotera
(31*} beneficie da Santa Casa da Misericordia
para canalisagio d'agua e gaz no hospital Pedro
I que se extrabir sabbado 10 do rorrele.
PRECO.
Bilhetes.....6*000
Meios......3*000
Quintos.....1*200
Para ai pessoas que compraren de 100(5000
para cima.
Bilhetes.....5*300
Heios......2*750
Quintos. 1*100
Manoel Martin? Ficza.
MARTIMOS
CONTRA FOGO.
A companhia Indemnisadora, eslabeleci-
da nesta praca, toma seguros marilimos so-
bre navios e seus carregamentos, e contra
fogo em edificios, mercaduras e mobilias :
Da ra do Vigario n. 4, pavimento lerreo.
JYVIMAT 99Ra do Imperador99.
Deposito de joias francezas por atacado.
Casa em Pars e Itie de Janeiro.
Recebera directamente por todos os paquetes.
Aluga-se a grande casa da ra da Florentina
n. 20 com muitos a excellenies commodos para
urna grande familia morar muio Colgadamente :
quem a pretender entendase com o proprielario
na ra do Hospicio n. 50, das 6 as 9 horas da ma-
Lhaa, e das 3 as 6 da tarde.
Na pra?~dT Independencia n. 33, loja de
ourives, compra-: e ouro, prata, e podras preciosas,
e lambem se fax qualquer obra de encommenda, e
todo e qualquer concert.___________________
~ Precisa se alugar urna ama para comprar e
corinhar: a tratar na ra do Apollo n, 9.__
Precisa-se de orna escrava para o servido in-
terno e externo de urna casa de pouca familia : na
ra da Soledade n. 38._________________
Antonio Jos Rodrigues de Sooza na ra do
Crespo n. lo, toma dinheiro para mandar entregar
na B3hia, Para e Maranhao._____
Carvalho 4 Nogueira na ra do Apollo n.
20sacam sob Lisboa, Porto, liba deS.Miguel i
Rio de Janeiro, a vista ou a prazo.
Na ra doJVigario n. 24 precisa-se de duas I
amas cozinheiras para homem solteiro. .
GARRAUX DE LAILHACAR & C.
FRANQAISE I
Rna do Crespo u. 9.
LIVROS NACIONAES E ESTRANGEIROS
ReligiaoPhilosopUia Jurisprudencia Liltera-
taraSetarias e arles.
Papelaria, objectos para escriptorio.
O abaixo assigoado faz publico, especialicen
te ao corpo do commercio, que os Srs. Manoel Al-
bino de Amorim e Aurelio dos Santos Coimbra,;
que faziam parte da firma social que gyrava nesta;
[iraca sob a razao de Albino Amorim & C, ja nao {
pertemeem aquella firma desde o 1 de Janeiro
deste anno, licaodo a cargo do mesmo abaixo as-!
signado todo o activo e passivo da extincta firma.
Recife, 3 de margo de 1866.
Albino da Silva Leal.
Precisa-se de urna ama para cosinhar em
casa de pouca "familia e que seja de idade : a tra-1
tar na ra Direita n. 47, luja. ______________
Joao Evangelista de Sa' vai a Europa e dei-
xa por seus procuradores, em Io lugar o Sr. Joao
Femandes Lopes, em 2o o Sr. Albino da Silva Leal
ero 3o o Sr. Manoel Jos Moreira, e ero 4* seu so-
cio Jos Fernandes Gomes. _
LBRAME
A "VISO
O cirurgiao Joaquim Jos Aires de Albuquerque
mudou o seu consuliorio para a freguezia de San-
to Antonio, roa Direita casa n. 13, onde pode ser
procurado das 8 horas da manilla at as 4 da tar-
de. Pede encarecidamente a seus amigos e mais
pessoas que o procurcra na freguezia do Recife
que deixera os seu chamados por escriplo na bo-
tica do fallecido Lniz Pedro das Nevos, ra da
Cruz n. 24, onde ser encontrado al ama hora da
tarde.
Declara mais aue tendo sido por espaeo de 33
anuos e nico professor da enfermara de marinho
desta provincia, teve sempre a seo cargo um nao
pequeo numero de doentes atacados de diversos
soffrimeotos, alm das operacSes por elle pratica-
das antes e depois da revoloco de 1849, que em
185'2 fura encarregado do lazareto da ilba do Pina,
por occasilo da febre amarella, assim como em
1856 do hospital de cbolerlcos na freguezia do Re-
cife, quo os seas conhecimentos professionaes, theo-
ricos e praticos adqueridos no decurso de tantos
annos em taes eslabelecimentos, o tero habilitado a
tratar de qualquer enfermidade : por isso espera
que continuar merecer a estima e confianza de
todos aquelles que qaizerem tilisar de sua pro-
Basao.
Na mesma casa cima existe para vender-se
um barro novo, manso, mui grande e bonito, afeito
aos servicos de sella e ^anga ha, que acaba de fa-
zer ama viagem longa, e por nao ser mais preciso,
vende-se rouito barato.______________________t
Precisa-se de um criado para servigo do
orna casa de pequea familia, prefere-se escravo :
na ra da Imperatrlz n. 43, segundo andar.
lili m*mm mmmmmm
g A viuva de Sebastiao Jos da Sil- ^
** va rogi eoeareci(lamente aos Srs. jas
; credores do seu casal, de terem a
* bondade de comparecer na quinta- ^
Si feira 8 do corrente ao meio dia, no 9
3 primeiro andar da ra da Gadeia M.
St do Recife n. 4, afim de llie ser pre- mt
|y sent o estado do mesmo casal e S
| deliberarem o que julgarem mais *
9R conveniente dos interesses com- Wt
l muns. 9k
********* ******
Aluga-se
um grande sitia na Cruz d'Almas ou Parnamei-
rim coohecido pelo sitio da Estreita tendo grande
baixa com capim para sustentar 4 a 6 cavados,
solas para 3 ou 4 vaccas, com arvores de fruclo,
jardim na frente e aos lados, boa casa e banneiro,
com casa iodependenle para feitor, coebeira e es-
tribarla e outros commodos mais: a tratar com
Manoel Pedro de Mello na roa do Livramento n.
38 ou no largo da alfaadega a. 4 oa no mesmo
sino das 5 boras da tarde as 7 da manha.
Pernambuco, ra Nova n. 18 pharmacia franceza de
P, MJIURER & C.
PERFUMERA da casa oger
Boulevart Sebastopol, 56, *arlz.
Dez medalhas, a condecorarlo da Legin
d'honneur e a grande reputa cao que tem lhe
dado o publico, taes sao as recompensas que os
servicos prestados a industria merecerao a
esta importante casa desde sua fundacao em
1804.
N'um sortimento de mais de 500 artigos,
as pessoas elegantes escolherao os seguintes:
ROSEE DU PARADIS, extracto superfino
para lenco.
POMMADA CEPHALIQUE contrita cal-
vicia.
AGUA VERBENA para o toucador.
OXIMEL MULTIFLOR.
VINAGRE DE PLANTAS HYGIENICAS.
TINTURA VIRGINALE de beijoim.
ROSEE DE LYS, verdadeira agua de
Jouvencio.
CREME LABIALE de sueco de Rosas.
POMMADA VELOURS para amaciar a
pele.
ELIXIR ODONTOPHILE.
SABAO dedicada as damas americanas.
SABAO de bouquet de Franca.
d* de flores de alcea rosea.
d* de flores printanires.
d* de bouquet do outono.
d* de perfumes exticos.
d> aurora, dedicado aos dedos cor de
rosa.
d de flores das montanhas.
d de cheiro de foins nouveaux.
d* de bluets cheirosos.
d* de althea balsmica.
d diapr, caixa rica, fantesia pari-
sieace.
>
g
"O
CB
3
D
os
3
o"
-i
B
00
"O
a-
B9
-
ct>
5
5
a
5
5
Si
S
|5
5
5
5"
rJrJrJrJrJrJnlrJrJrJrJrJrJrJr.
!7?j H 5>s
8 c -
.'S'.. f
lo H
Ifl
So--
o?
2 3
os g . flvl0
wc-3 C 3 -7
2. S 2 o o. 2. _
Kann
s !?
VMlKM
f. c 6 ^.3 SJ r'
oS"2S3|I-
- -o o = 5 ^ n iK
JO S C -
* X' 2.
8 -i n n
. I
rjfixsf
f|i III
fi
% *
"9
re
2 "-5
- 2.
o re n r- -,
7 s q 2 3
ItlHll
fifi-:! I
gl?ll I
Sa
s -5 S.is-
:3!2 3i

Sel Pls?* 8
8 S.3 a c
sr3SSa. 8

A NACIONAL
Companhia. geral hespanhola de seguros mutuos
sobre a vida
AUTORISA.A PELO REAL DECRETO DE 21 DE DEZEMBRO DE 1859
Orna fiaoca em dinheiro, depositado nos cofres do estado, garante a boa ad-
ministra cao da companhia.
BANQEIROS DA COMPANHIA* DIRECCO GERAL
O Banco de Hespaeha | Madrid: Rnad Pradon.IO
Esta companhia liga pelo systema mutuo todas as combinaefies de supervivencia dos sega
os sobre a vida.
Neila pode se tazer a subseripcio de maneira qne em nenbnm caso mesmo por morte do
segurado se perca o capital nem os juros correspondentes a estes. r.m
Sao tao suprehendentes os resultados que produiem as sociedades da ndole deA NACIO-
NAL,que anda mesmo dimlnuindo ama terca parte do interesse produrdo em recentes Iiquida-
cesecombinando-ocomaraortalidade da tabella de Depareieux que adoptada pela companhia
para seus calclos e liquidacSes, em segurados de idade de 3 al9 annos, umaimposicaoannua.
de lOOf produz em etfectivo metlico:
No Am de 5 anuos.......1:119*300
de 10 .......3:942*600
de 15........11:208*200
de 20........30:25*000
1 de 25 .......80:331*000
as idades menores de 3 annos e raaiores de 30, os productos sao mais considerareis.
ProspecDs e mais inormaeoes serao prestadas pelo sub-director nesta provincia,
m Fiuza de Oliveira, ra daCadeia n. 52, ou a Boa-Vista ra da Imperatriz n. 12, estabeleci-
mento dos Srs. Raymundo, Carlos,Leite & Irmao.
oaquim
TINTUR
A LEGITIMA
SALSAPA1ILHA
AO GRANDE S. MAURICIO
PHOCESSOS APERFEIOAOO&
PARA
Tinglr, limpar e lustrar a vapor.
F.A,
29 Kua 7 de setembro 29
Defroole da roa nova do Onvidor (Rio de Janeiro)
Os proprietarios deste estabelecimento, o primeiro no seu genero do Brasil, por
trabalbar com as machinas mais aperfeicoadas para tingir e lustrar, de que se faz uso na
Europa, eajudados por alguDs dos melliores officiaes de Paris e Lyo, podem assegu-
rar seus freguezes urna perfeigo no trabalbo, a qual seno pode chegar pelos proces-
sos ordinarios.
Tingem, lavam, limpam e demofam com a mai r perfeicSo e brevidade qualquer
qaadade de fazendas, tiram nodoas e limpam secco sem molbar as sedas e as vestimen-
tas de senhoras e de homens.
Companhia iidelidade de seguros
martimos e terrestres
estabelecida no Rio de Jaueiro.
AGENTES EM PERNAMBUCO
Antonio Luix de Oliveira izevedo & C,
competentemente autorisados peladirec- %i
toria da companhia de seguros Fidelida- ig
de, tomam seguros de navios, mercado- 9
ras e predios no sen escriptorio ra da 53
5 Cruz n. 1. m
mmmmmmmmmm wmm
Precisa-se alugar urna escrava que
seja de boa conducta e saiba cosinbar e en-
gommar para o ser vico interno de "casa de
familia a ra do Sol n. 21,
Eogomma-se
com asseio, promptido e preces razoaveis : na ra
Augusta n.5, loja.
m
AVISO AS VENDAS
Na fabrica de vinagre a' ra Imperial
n. 1, prximo a estacao do camnino de
ferro vende-se vinagre tinto superior em
qualidade a ootro qualquer e por preco
mdico, assim como branco e incolor.
Ama.
Precisa-se de nma ama para casa de rapaz sol
tetro : na rna do Queimado n. 32, loja de fazen
das.
I O Dr. Carollno Francisco de Lima San-
tos contina a morar na rna do Impera-
dor n. 17, segundo andar, tendo alias seu
I gabinete de consultas medicas, logo ao
s entrar, no primeiro.
O mesmo doutor, que se tem dado ao
f- estudo tanto das operaedes como das mo-
lestias internas, prestase a qualquer cha-
mado, quer para dentro quer para fra
S da cidade.
Cosinheiro.
Preeisa-se de um cosinheiro que seja esc
na ra Nova n. 60, armazem da Liga.
BOMBAS DE PATEME i
Ra Nova n. 30-
Chegram as nelhores bomhas americanas do
melhor systema que ha, assim como as pessoas
que pretender encanamentos para agua pode se
dirigir a mesma lojaque tem sempre canos, chum-
bo, torneiras, choques, vlvulas etc.
Quem tiver para alugar nma escrava que
cosinbe e engorme, apparega a' roa do Trapiche
d. ii, segundo andar, ou aonuncle para ser pro-
curado.__________________________
Predio para alugar.
Alagase o 1, 2 e 3 andares do predio a roa
da Cadela do Recife n. 29; todos com commodos
para familia, sendo que o 3* andar tem sotao, sobre
soto e um mirante d'onde se goza orna bella vis-
ta : a tratar com o agente Cordeiro SiraSes, roa da
Cruz o- 57 ou no pavimento terreo do mesmo
predio D. 29.
Os abiixo assignados participara ao respeita-
vel corpo do commercio desta ptaca, e a quera
mais interessar possa, que se actia dissolvida a so-
ciedade qaegyrava soba raza de Antonio de Sou-
za Oliveira & O, Qcando o activo e passivo somen-
te a cargo do socio Antonio de Souza Oliveira, a
contar de 28 de fevereiro prximo passado.
Recife 3 de margo de 1866.
Antonio de sonza Oliveira.
Antonio de Souza Oliveira e Helio.
= Aluga-se a casa terrea na entrada da estrada
de Jlo de Barros n. H, com 2 salas, 2 quartos,
cosinba fora, cacimba e quintal murado : a tratar
na roa Direita n. 2i
Os senhores acadmicos do 3o anno podem,
qnerendo, dirigir-at a raa da Saudade o. 9 a' com-
prar o compendio de direito civil patrio, approvai
do pefo governo imperial.
Movilias de aluguel
Aluga-se mobilia de toda a qualidade e por pre-
co commodo na roa Nova armazem de mobilias
do Pinto.
Off-rere-se orna ama para comprar e cosi-
nhar para casa de homem solteiro: a tratar na
ra do Fogo n. 5. _______________________
Quera quizer morar em um sitio de graca,
daodo-se-lue um pequeo quarto, na Capnnga no-
va, dinja-se ao mesmo sitio, que faz estrema com
o sitio da Igreja nova._____. ______
I No da 4 do correte, tomoo po$"e da fregu*
zia de S. Jos desta cidade, na respectiva nutria,
pelas $ boras e meia da mtnhaa, como vigario
enrommendado, o padre Aueusle Ado'pho Soaret
ae Kuscwettr, o qual adip-se resjdiudo a ra Di
reta o. 1?9 prpneiro andar.
Os abaixo assignados conlinuaro com K2
seu escriptorio de advocada rna do ?
Imperador n. 41, primeiro andar, onde Ja!
podem ser procurados das 10 boras da jas
manba as 3 da tarde. *Z*
Alvaro Caminha lavares da Silva ||
Dr. Joao Thome da Silva.
O Sr. Francisco Jos de Freitas Gui-
mares, queira ter a bendade de appare-
cer na livrarla n. 8 da praca da Indepen-
dencia^________________,.. ._________
-I"m casa de Theod Christiansen, roa do Tra-
piche-novo n. 16, nnico agente uo Borte do Brasil,
de Brandenburg frres, Bordeaux, encontrase ef-
fectivamente deposito dos artigos segointes :
St. Julieo.
St. Pierre.
Larose.
Chateau Loville.
Chateao Hargaux.
Grand vin Chateau LaGite 1858.
Chateao Lafute.
Haut Sauterues.
Chatean Sauternes.
Chateau Lataur Blancbe.
Chateao Yqoem.
Cognac em tres qualidades. *
Azeile doce. Precos de Bordeaux.
~ Furto
Hontem pelas 6 horas da manhaa, furtaram do
convento do Carmo, um relogio de algibeira, e sop-
pe-se qoe fra logo vendido. E' de praia galvaoi-
sada, mas foi ltimamente liropo o exterior da
caixa, ficando a partf interior com o doorado
nsado; a capa que cobre a machina de metal
branco e tem botao, por onde passa o aro, urna
figura em da guerreotypo, j um poucagasta e
defeituosa; levava urna Ota preta cosida ao aro, ao
qual eslava pi*?sa a chave por um trancelim pre-
to. A pessoa que o possuir boje, querendo resti-
tuir pode lvalo ao convento do Carmo segundo
andar o. 10, que lhe ser dado o mesmo dinheiro
porqae o tivef comprado.__________________
Precisa-se de ama
jjommar
ama para cozlnhar $ jen
na rna dasCruzes n. 21, i andar.
Joo da Silva Ramos, medico
pela universidade de Coimbra, d
consultas em sua casa das 9 as
11 horas da manha, e das 4 as 6
da tarde. Visita os doentes em suas
casas regularmente as horas para
isso designadas, salvo os casos ur-
gentes, que serao soccorridos em
qualquer occasio. D consultas aos
pobres que o procurarem no hos-
pital Pedro II, aonde encontrado
diariamente das 6 as 8 horas da
manba,
Tem sua casa de sade regular-
mente montada para receber qual-
quer doente, anda mesmo os alie-
nados, para o que tem commodos
apropriados e nella pratica qualquer
opperaco cirurgica.
Para a casa de sade.
Primeira classe. .3)5000 diarios.
Segunda dita___35300 >
Terceira dita. ..2(5000
Este estabelecimento j bem
acreditado pelos bons servicos que
tem prestado.
O proprielario espera que elle
continu a merecer a confianza de
que sempre tem gozado.
N. 0. Bieber 4 C, sucessores, sa-
cam sobre o Rio de Janeiro a vista ou a pra-
zo confoime se convencionar.
CASA DE BANDOS
26 Pateo do Carmo 26.
Neste estabelecimento tao impor-
tante para a saude e asseio do cor-
po, acham-se montados 20 banhei-
ros, que sao .servidos com a ordem
e asseio qae para desejar-se. Qua-
tro destes banheiros sao especial-
mente reservados para senhoras e
por isto acham-se collocados em lu-
gar reservado, aonde s tem entra-
da as pessoas de urna mesma fami-
lia.
PREQOS DE BANH0S AVULSOS.
i banho fri, momo oa de
chovisoo...... 500
i dito de choque .... I (000
1 dito de farello...... 40C0
1 dito aromalisado i 000
PREQOS POR ASSIGNATURA.
30 banbos por mez fro,
momo ou dechovisco. lOiJfOOO
25 banlios com cartees pa-
ra os mesmos .... iO?J00O
12 ditos ditos ditos 30000
i 2 ditos ditos de fthoque. OtfGO
12 ditos ditos de ftrello.. liOOO
O estabelecimento estar aberto
nos dias uteis das 6 horas da ma-
nhaa 4$ 10 da noite, nos dias san-
tificados das 5 as 5 horas, da tarde.
m
m
Precisa-se .de um bom copeiro para casa es-
trangeira : tratase a' ra do Vicario n. 2, escrip-
torio. ____^^_
Uns fulanos, joalheiros, desses que andam
pelo malo vendendo joias, e qoe disseram chamar-
se Pedro e Luz, venderam em Cachoeira de Ri-
beiro, no dia 23 de fevereiro prximo Dudo um
pequeo adereco e um relogio pelo preco de......
2434000, de que aceite! orna letra a vencer era 23
de dezembro prximo futuro, e como chegaodo
equl agora com as obras e fosse mostrar a pessoas
competentes, que me disseram valeren) taes objec-
tos menos de metade, trate! de os procurar na casa
por elles indicada, e nao os ene ntrando para fa-
zer-lhes. entrega de laes objeetos, como tratamos,
faco a presante declaraco afim de prevenir que
nloguem negocie semeloaote letra, a eujo paga-
mento tenciooo o:>pr-me para disputar o mea di-
reito, visto achir-me tesado.
Joio Pereira Chaves.
Precisa-se de urna ama para o servico inter-
no de urna casa de pouca familia : no largo do
Corpo Saalo o. 17, J andar.
DE BRISTOL
PREPARADA UHCAMEHTE POR
LAMAN & KEMP,
NOVA YORK
Composta de substancias, gozando da;
propriedades eminentemente depurativas s-
approvada pelas juntase academias de me-
dicina ; usadajnos principaes hospitaes, ci-
vis militares e da marinha as Antilhas e
no continente americano ; receitada pelos
facultativosos mais distinctos do imperio do
Brasil e da America hespanhol
CUBA RADICALMENTE
escrophulas, rheumatismo, escorbuto, en-
ermidades venreas emercuriaes, ebagas-
antigs, morphea e todas as molestias pro-
venientesd'um estado vicioso do sangue.
Emquanto existem varias imitac5es e
alsificacoos,"prcciso a maior cautela para-
evitar os engaos,
A legitima salsa de Bristol vende-se por
CAORS A BARBOZA
JOO DA C. BRAVO 4 C.
Joo da C. Bravo & C.
Deposito geral em Pernambuco rna da
Cruz n.22 em casa de Caros & Barbn
Samuel Power Johnston & Companhia
Ra da SenzalaNova n. 4.
AGENCIA OA
Fundido detow tfoor.
Machinas a vapor de 4 e 6 cavallos.
Moendas e meias moendas para engenho.
Taixas de ferro coado e batido para enge-
nho,
Arreios d carro para nm e dous cavallos
Relogios de ouro patente inglez.
Arados americanos.
Machinas para descaroear algodo.
Motores para ditos.
Machinas de costura.___________ _
Antonio de Azevedo Ramos, Portuguez, vai a
Europa e leva ern sua companhia o menor Fran-
cisco Pereira de Faria, Portaguez. _
~^ Precisa-se alugar urna casa na villa do Cabo,,
prefere-se perto do rio, e pagase bem : quem ll-
yer annuncie por este jornal, oa dirija-se a ra Di-
reita n. 31, que achara' com quem tratar.
D. Rosa Ignez dos Santos Lima, viuva do fal-
lecido Joao Joaquim de Sooza Abren Lima, pede a
todas as pessoas que se julgarem credoras de seu
casal, tenham a bondade de apresentarem suas
contas para serem verificadas, no praso de tres
dias, para tratar-se de seu pagamento em tetnpo
conveniente._____________________________
Precisase alugar urna escrava qne sirva pa
ra andar vendendo na ra fazendas : na ra da
Imperatriz n. 10._ _______. _______
A Salsaparilha
DE AYER.
Para a cura radical de
Escrfulas, ulceras, chagas, fer-
'/// idas velhas, molestias syphil-
U/(//, iticas, e mercuriaes, Enfermi-
;''/'//M'^ dades as mnUier*s> o"10 re-
tenco, menstro doloroso, ulcer-
acao do tero, e flores brancas.
A Nevralgia, ConvtsSes, Ery-
sipelas, Enfermidades Cutneas,
borbcilias, naseidas, etc.
O extracto composto de SALSAPARILHA, confeccion-
ado pelo Dr. AYER, i urna combinaco dos melliores depura-
tivos e alterantes conhecldos medicina; composto segundo
s leis da sdencia, approvado e reeeitado pelos primeiros
mdicos dos Kstudos Unidos, da Aui.n.;i do Sul, do Mxico,
das Indios e dos principaes Estados du Europa.
i A SALSAPARILHA de AYEIt especialmente efficaz na
cura das molestias que tem sua origem na escrfula, na
inlecco venrea, uo'uso excesivo do mercurio ou em qualquer
Impureza do Sangue.
Entre todas as molestias que afligen o genero humano, no
ha urna mais universal e terrivcl do que a escrfula; por si
no tao destructiva, porcm a causa principal de muitas en-
fermidades que nao lhe sao gerolmente nttribuldas.
nma causa directa da tnica pulmonar do mal do
fffailOfC estomayo, affeertes do ccrcl/ro, Jtheumatlsmo
e affecele dos Mus: entre seos symptonias lia os seguintes;
Falta de apetito, Fraqueza c molcza cm todo corpo; Mo
cheiro da boca, semblante plido c luchado, s vezes d'uma
al v iira transparente, outras vezes corado e amarcllo ao redor
da boca; Digesto fraca e apetito irregular; Ventre bichado
e evacuacao irregular; Quando ataca os pulmoes urna cor
azulada mostra-sc a roda dos olhos, quando i no estomago
sao avermelha dos, as pessoas de disposlco escrofulosa
apparccem frequentemente erupcttl na telle da cabeca e outras
partes do corpo ; sao predispOstas s a'en-tes dos piUmies, do
flgado, dos ras e dos orgaos digestivos e uterinos. Portanto,
nao sao somente aquelles que padecem 'las formas ulcerosas
e tuberculosas da escrfula que necessitam de protecc.o-
contra os sens estragos ; todos aquelles em cujo sangue existe
o virus latente deste terrivel flngeilo (e s vezes hereditario),
esto expostos tambem a soflrer das enfirniidadas que eUc
causa.
Offerecemos a estas pessoas um abrigo segnro o um anti-
doto tlliciiz contra esta molestia c suas consequencias, na
Salsaimrilha de Ayer
que opera directamente sobre o sangue, purlflcando-o e ex-
pulsando delle n corrupio c o veneno da molestia: penetra
todas as partes e todos os orgos do corpo humano, livmndo-
; oa da sua occao viciada c iuspirando-lhcs novo vigor. E' um
alterante poderosissimo pura a renovaco do sangue, e d ao
corpo j enfraquecldo pela doenga forc c energa renovadas
como as da javentude.
J TAMBEM O MELHOR 4NTI-SSTXIZITICO'
COSHECIVO ;
cara permanenmentc as poicu-es formas de SYPHILIS e as
suas consequenclas. Pouca uecessidude ha de iutonuir itub-
Uco do incstimarel valor de am remedio qae, con este, ivra
o sangue dessa corrupclo e arrebata a victima das garras de-
ama morte lenta e ignominiosa, porm inevitavcl se o mal
nao logo combatido com energa.
Nao pretendemos promolgar, nem queremos que se InHra
que este remedio 6 ufallvel para a cura de todos os padeci-
mientos humanos, o que dizemos quo a
SalsapariHia de Ayer
a melhor preparac-ao ate hoje descoberta para estas e outras
molestias anlogas, que urna combinaco dos alterantes
mais cffloazcs eonliecldos, e que temos consclencia de oBereeir
ao publico o melhor resultado que possivel produzir, da
Intelligencia e pericia medica dos nossoe lempos.
REMEDIO DE AYER PARA SEZOES
Infalivel as fferes intermitientes, remitientes,
Fsbrea Biliosas e tercas, mal do flgado, i%-
cremento do baco, cegueira. Dr nos
ouvidos e palpitaces, quando
sao causados pelas
FEBEES INTERMirTENTES, OU RE1ITTENTES.
As preparacoea de Ds. Ayer to vendidas em todas as
Boticas e Drogaras do Imperio.
Vende-se em Pemamkmco:
na
f
t
)


D!;rl de r ersambaco quinta felra 8 de Mar? de 1806.
-*
>
FABRICA 4 VAPOR
99 RA DO MONDEGO 99
Deposito na rea Nova a. 50 loja de relojoelro.
Dekrache dortos deste estabelecimento partecipa ao reispeitavel publico que sua fa-
brica est montada com as melhores machinas que existom na Europa, e que pode
fabricarcom melbor perfeico possivel. Todo o chocolate desta fabrica est garantido, e
poro, o que nao se pode encontrar r.aquelle que vem de fra, e que se vende por prego
baixo, visto os productos serem doipakc. Na etiqueta ten sempre urna aguia
PREQO.
Meia libra. ,-..... 400
Urna libra. -.,....... 800
Urna arroba......, 19)5000
tamesma fabrica acaba'de se montar un-officina com serram vapor para
obras ae marcineiria propra para edificio, para o dellas, assoalhos (parqu francos como se usa na Europa,) e armacoes, tuo com brevi-
tiade perfeico. Toma-se qualquer encommeoda para fra da cidade, otregando-se
prompta -a (jollar-se no lugar.
S DEPOSITO DE CALCADO g
FABRICADO NA CASA DE DETENCO M
Ra >ova n. I.
hi se encontrarSo obras de di- m
versas qualidades, e por prego mui !
diminutos, a retalho e em porcoes. I
S se yende a diuheiro.
COMPRAS
Comprase ouro, prata e pedras preciosas
em obras velhas : na ra da Cadeia do Recife
cja de oorives no arco da Conceigao.
Comprase carosso (sement) de algodao: do
armazem de algodo de Saunders Brothers & C
no caes de Apollo. ______________
Compra-se um escravo que seja moco, sadio
e sera vicio: na rna larga do Rosario n. 34, bo-
tica.______________....._______________
Compra-se ama casa de sobrado no aterro
da Boa-Vista on roa da Aurora : a fallar na roa
do Crespo n. 17.___________________ f
airo e prata.
Em obras velhas : compra-se na praga da ln
dependeocio n. i, loja de bilhetes.
Compra-se urna barra de ferro, logleza oo
mesrao das antigs ; na ra Nova n. 31.
Libras sterliuas. ~T
Compra-se libras slerliaas : a roa do Vigario c
2, escrlpHorto de Phipps Brothers & C )
Vendelhoes
Ufflmeco que se qaer estabeleccr compra urna
taberna no centro desta cidade e que seja em bpm
lugar, preferindo-se com poneos fundes; qnaro
qoizer Tazer negocio dirija se a ra Direta ni 72
com carta fechada marcando as principare cdbdi
cees-com a inicial K. _______
~1T9T20G.
'Compram-se libras sterllnas: naflreca dalnde-
'pendencia n. f2. ______'
Compra-se orna vacca~"dTlefte, a tratar na
I" roa da Cruz n. 20 em casa de felix Sauvage
&C.

V
\
COEAHO Rna da niz n. 16.
Continua a haver-diariamente um sermento de pastis, podras, bolos ingieres,
empadas etc., etc. Os donos deste estabelecimento, acbam-se aas melhores condicoes
de poder satisfazer ncemmendas conceroentes sua arte, em eonsequencia do socio
Freitas ter sido administrador chefe dealgdias das principes fabricas na corte, -sendo
urna a do Sr. Jo5o Goncalves Guimartes (afeitara de Leso) an*igacas de CarceHer.
Todos os.trabrnoslo differentes dos que se fazem em casas particulares.
Os proprietarios deste estabelecimento nao se tem poupado a despezas, new se
pouparo, se houver concorrencia comoesperam ; tendo continuadamente bom sarti-
mento de doces para cb^ presuntos -e ditos em fiambre, tambem se recebem para se-
rem preparados ; assim como doce de-caja novo superior, seece ecrystalisado, rte em
calda em latas hermticamente fechadas, podendo durar asnas emperfeito estado.
Para jantares e partidas recebem-se encommendas dos aegeintes objectos; ban-
deijas ricamente enfeitadas sem armacao pecas de amendoas (nogales), ditas de tmaras
de ovos, paes d lo efeitados com distieos anlogos a qualquer 6m; ditos montados,
kechs simples e OBfeitados com fructas ingleza; gatheaux de la reine, ditos de le d-
chese, tortas de fructa, raassa folhada; ditas de peixe e carne;--cromes e doces de ovos
de differentes especies.
Tambera ternura completo sortimento de violtos engarrafados, como sejam: nho
do Porlo superior, Figueiva, Madeira, Lisboa, Cherez, Bordcaux, -Champagne fino, ser-
veja, licores, cbaropes e conservas. Para festas: bonitas uxinhas com ameodoas^ton-
fetos e mais enfeites. Muitos destes objectos mencionados podem-se perfeitamente ac-
condicionar tanto para g provincia, como para fra.
u FIGURAS
Acabam de receoer bonitas figuras para bandejas do doces, sendo grupos,{ara
baptisado, casamento, bobos, ditta a pbantasia, bonitos enfeit<.para; bollos e circular pra-
tos de doces finos, tudo por precos razoaveis.
'"Vende-se cores em duzia muito em conta.
VENDAS
EOLHIMHAS
CHICADO.
45 tina Direila 45
A primeira condicSo indispensavel con-
serva cao da sade trazer os ps bem de-
fendidos contra os ataques da humidade;
caljjdo bom e seguro o unico preserva-
tiyofdessas mil enfermidades a que est su-
jeitf o dossoeu. Um chnelo velho cal-
cado por um dandy patuscante, ou urna
botina acalcanhada em pequenino p de en-
cantadora deidade alm de aecusar que*
bradeira horripilante, prova contra as facui-
dades intellectuaes dos calcantes, e na"o ha
quem, tendo bom senso, queira passar por
maluco, ou pobre de surre : ergo, cor-
rama:
4*-RUADIREITA-d.
e atlendam a' barateza.
Homens. |
Borzegoins barcellonezes de lus-
tre e de porco 6000
Ditos de Bordeaux : 71000
Ditos parisienses de bezerro o
cordavJo....... 8)5000,
Sapances de Nantes de duas ba-
teras rasas ...... 5)5000,
Sapatos de lona, sola de borra-
cha..... ; 2000
Ditos aveludados..... i(&600
Ditos de tranca bons .... 10600
Senhoras
Borzeguins efeitados. 5(5000
Ditos de laco...... 4)5800
Ditos lisos .,...., 40500
Sapatos de borracha-. 1,5600
Selleiros, corrieiros e segeiros l
Sola de lustro,' meios grandes 20,5000
E orn competo sortimento de calcado fa-
bricado noipaiz.___________________
No armazem de tazeadas
baratas de Santos CoeLb.o
Ra do anelnsado u. 99.
Vende-se o segainte : '
Cobertis de chita da India a UiOO.
Lencoss de panno de Habo a 22200.
Ditos de bramante de fioho de um s panno a
3*200.
Lencos de cassa brancas proprlos (ara algibeira
a 29CO a dnzi.
Algodo enfestado r.tm 7 ti2 palmos de largara
a*l#.00 a vara.
Aiboalhado de Ikho a 2*800 a vara,
Dito de algodSo a 2* a vara.
Guardanapos de lioho a 3*800 a duzia.
Pecas de cambraia de salpicos a 4*500.
Laazioha abena de cores a 320 o covado.
Cambraia branca de forro a 3* a peca.
Fil de lioho'liso flnoa800 rs. a vara.
Dito de dito zom salpicos a 1* a vara.
Panno de li-c'.io fino com 9 1(1 palmes de largo-
Attencao"!
Atten^o!
Atten^ao!
Grande soilitnentodc fazendaspro-
prias para a (uaresma.
Acaba de chegar a este aovo estabelecimento
um grande e variado sortimento de fazendas pro-
prias para a quaresma, a sabf r :
Gr.sdemipl's prelo a 1G0e covado. demas-doorad eiifeitados colD fares e dras
m \ r^Um.SLa,Dll.0r.rr;nA0 de rosdef- proprias para meninas e senhoras.
pie a U600, )*800, 2* e 2*500 o covado ; dito K K Ronltos fhan^oxinlKXi
superior a 2*800 e 3 rna A ImrPra.
Boa Famana do Quei-
mldo.'
Receben pelo ultimo vapor chfgado de
Paris chapeos para menina do" ultimo gosto.
Diademas dwados,
efeitados com aljofares, pedras,
c(c, para.meninas e senhora?.
A gula-l.ranea rpnde bonitos e modernos da-
a U600, I|i800, 2* e 2*500 o covado ; dito
muito superior a 2*800e 3j> : na ra da lmrera-
triz n. 72, loja de Guimares.& Irmao.
Moriantique preto a 2&800.
de palba iua e aveocaes para uienias.
Sao obras estas de que os bons pais de familia
Vende-se um pno.ie sortimento de moriantique f,e 5 Pd?m escn.sar dt ^mpr, por fazerero el-
las parte do asseio e bom gosto cum que trajam
suas bellas Dihinhas. A aguia-branca lem o pra-
zer de ver que lao bellas e precisas obras foram
devidamente apreciadas e compradas em seu m-
nbo. Os cbapeozinhos, alm de serem d'uma pa-
lba moi fina, sao de moi bonita forma e ultimo
cora toda a perfeico: os aven
a 2J800, 3* e 35C0 6 covado.
Chales de renda pelos a S000.
Vende-se tambem um variado sorlimnto de cha-
les de renda a 8*, 9*500 e 10* ; ditos muito finos
ditos de seda fazenda muito lina a
a 11* e 12*
20*000.
Retondas p re tas a f#.
Vendem-se retondas pretas pelo barato preco de
10* e H5: na ra da Imperatriz n. 72, loja de
Guimares & Irmao.
Grande pechincha panno preto a
covado.
gosto, efeitados
taes, porm, sao de fina cambraia, guarnecidos de
babadinhos bordtdos; o que Ibes da moita graca.
Os presos destes, 5*000, e daqnelles, 10*; e de
I qoanto sao ell.-s baratos couhecera o preteodente,
2000 0.| que se dirigir a' loja d'aguiabranca, na ra do
Queimado n. 8.


k QUABISMA
Acabam de receber G. Paes do Amard & C.
i RA DO CRESPO 5
Antiga asa de .ulliiernao da Silva CuImarSes
Ricos cortes de vestidos de gros-dernaples preto, com lindas barras bordada*.
Moire-antiquepFeto em cortes e ena,pefcas, liso, ondeados com palmas.
Gros'de-naples preto, de diversos precos e larguras.
Gorgurao preto, fazenda superior a todas pela qualidade, e booito tecido.
Este estabelecimento
acha-se sorlido com namerosa quantidade de filos prelos, de algodS^tle linho e dee-
^3;.manufacturados em
alales
retondas
aSgerienes fbota'nus)
anamites
afrieaines
pompadour
" DE FANTHASIA
fieceberara tambem bonitos cortes de popeline de listras de corea, muito modernas, de gostos inteiramenteaovos; e outras muitas fazendas -de^goto, viu-
das peto ultimo vapor.
G. I. DO \1K ililli z C.
5 RA DO CRESPO
PARA 1866.
Acabam de sabir luz as folhinhas do
algibeira e-do porta para o anno de 18
mais correctas possivel tanto no calculo das
las e eclipses, cobio as diversas festas
que a igrejacelebra; -vendem-se nicamen-
te na livrar 'da-prapi da Independencia, i ^A^^^^aS0,^"^,. .->
IfiO v-k Hp nnrta-* ln iXc ZCtL Madapoloes Unos a 8*, 9*, 10*. 11* e 12*.
ou rets -as ae portt' W r as dof !gi- Cambraia lisa de 4*500, o*, 6*. 7* e 8* a peca.
ra- Pecas de 'bretanha de algodao com 10 varas,
propra para saia, pelo baratissimo preco de
3*500.
Laarinba lisa de cores a^OO rs. o covado.
vende-se um mulato de 22 annos de -Mad> Cambraias finas decores miudinbas a 360 rs. o
com bastantes habilidades, como bom cozinheiro e > covado,
copetfo :.>oa rna da Iaparatnz o. 14, 1-endar. ^Estelra da India propra.para forro de sala de
Lantijolas. 4,5 e 6 palmos de largara, per menos preco do
A loja^da Aurora, na ra larga do Ro?af io- b. 38, *"<3Utra I^Wn parte,
receben sortimento de tenlijolas multo delieedas e, es*6 STm"em lambea se encontra um grande
V-ende-os sal groses: a tratar na roa da Ha
dre de Beo. 2. (.
Vende-se panno preto proprlo para calcas e pa-
litots a 2* e 2*200 o covado ; casimiras rretas
a 1*800, 'J*, 250 e 2*500 o covado.
E' nuito barato cortes de casimira a 3?>:i00.
Vendem-se cortes de casimira preta a 3$500
4* e 4*500 ; dita muito fina a 6*.
Admita corles de brim de cures a
1,280
Vendem-se cSrtes de brim de cOres para calca a
1*280,1*600, 1*800 e 2* : na ra da Imperatriz
n. 72, loja de Guimares & Irmao.
E' baratissiim a 120 res o covado.
Vendem-se riscadinhos muito proprios para ron- \
pa de escravos, a 120 res o covado; ditos escoce-
zes muito floes a 240, 280 e 300 ris o covado.
? Laazinhs a 3oo rs.
LSazinhasde quadrinhos a 300, 320, 360 e 400
rs. o covado ditas muito finas a 500 e 560: na
ra da Imperatriz n. 72, loja de Guimares & Ir-
mao:.
Cortes de la a 50OCO.
Acaba de chegar a este importante estabeleci-
mento um sortimento de cortes de la que se ven-
de por 5* e 52500-, ditos a Hara Pia, fazenda
muito moderna a 129, 14*, 18* e 20* ; ditos com
camisinha, cinta e grvala a 25* e 28*.
Chitas francezas largas a 260 ris.
Vende-se um grande sortimento de chitas a 260,
S80, 300, 320 e 360 rs. o covado : ditas preciares
a 400, 440 e 500 rs.
Cambraias de cores a 280 rs o
covado
Vendem-se camLraias francezas a 280,300, 320,
360 e 400 rs. o covado.
Cambraias lisas a 3,000 rs. a peca.
lisas pelo barato prego de 3*, 3*500, 4*, 4*500 e
5* ; ditas muito finas a 5*500 e 6*; ditas victoria
a 6*500 e 7*; ditas de urna vara de largura a 8*
e 9* ; ditas psra forro a 15600, 2*e 2*200 : na
rna da Imperatriz n. 62.
ROUPA FEITA.
Vende-se um completo sortimento de roupa fei-
propnas para qualquer enfeite, assim orne tam-
bem recebes luvas de-Jcuvin brancas- e-de cores
paranomene senhora, muito frescas, ohogadas
pelo ultimo vapor, lude isto na loja 4a arora,
ra langa- fi RosarfO|p.:38.
ecbiitcha
Veada-sea taberna-d* ra da- Galan;$6 pro-
prlo pacaiprincipiante, eo motivo se iriiM com-
prador.
ierveia gelada
Ha di*rl*s>ente i. venda por ,orecfl emmodo ;
no armaeera da Liga, ra Nova n. 60.
sortimento de roupa feita a por medida.
n
Cal de tiLisboa.
Vende-ea roa-do Bwsm n. 6ti. a6* -o barril.
Veedem-e 400 pedrs para JadrHhq5--vadas
da Ilha : a tratar na roa g Vigario n. i.
EVD4S BARATAS
!\ 27 Ra dofQueimado N. 27
GRANDE NIHhCI
Cambraia branca para forro a 240 e 400
Fs.a vera.
Lencos bancos ;para algibeira duzia a
2$000 rs.
Retondas pretas a !.-j000
Cambraia moFsalinade cores.prepria para
vestidos o covado a-^00 rs,
Moreantique prelo superior a 20800 e
3lO0O o covado.
Grande sorlimeuto de grosdenaplespre'o I cerPs de os acnar constantemente na'roa do Quei
ra- tndns ns nr gGrande armazem de tin-l
tas medicamentos etc.
T\
tas a utllidade e proveif desses prodigiosos cola-
res anodinos ou Royer, mandou vir o novo sorti-
mento que agora receben, e continuar a recbe-
los para que em tempo algum a falta delles possa
ser funesta aos pais de familia, os quaes ficaro
5
DE
DE
J. VIGNES.
X. 55. RA DO IHPCRiDOR ti.
Grande pechinclia
Em cli.as.
A meia pataca.
Amela pataea.
A tueia pateca.
Vende-se na loja do pavo orn grande sortomeiSo
de chitas ingleaas, sendo roas e cor de rota, -cota
padrc- mais minaos e mais grados, affiaocanda-
se ser de coras Usas, e vendeja pelo bart preco de 6* a peca, tendo 38 cavados, e retajoa-se
a 160 rs., sendo 'azoada que sempre se veneu a
9* a pe^a oo se reUlhou a J8G rs.; esta grande
pechincha Itquida-se por este prec/j na loja e arma-
zem do pavo, ra da Imperatriz 60, de Gama,!&
Silva.
para: todos os precos.
Rotondas de seda riquUimas. algerinas para
senhoras.
GtMr-danapos.para'meza a 3500 rs, a du-
zia.
Superiores ba!oe&de arcos.a 3oOO rs.
Para ^encrespar.
'Vendem-se tesouras para encrespar
babados : na r-ua do K}ueimado laja de
Azevedo & Irmao.
Vende-se
fume da Babia e da tenra, de soperar qualidade,
em grosso e a retalho, esiopa da trra fara calafa-
te, chcelas do Porto encoraeados e fortes : na rna
daiSenzala-nova n. 1.____________
Attengo.
Vndese a taberna sita narua do Pharcl
-- Em casa de Kabe Scbmettau C.
roa da Cadeia n. 18, vende-se:
Cbampanba.
Cognac de superior qualidade.
Vidros para espelbos de todos os tama-
nbos tudo aprecos muito commodoe
Aspas fortes para foloes.
Na roa do Queimado loja de miodezas n. 16, ven-
de-se aspas de ago fortes, e de diferentes larguras-
' para baldes.
Bonitos qmdros para retratos.
KllMaMWiB Vendem-se na roa do Queimrdo lija de miode-
Veade-se urna loja de charutos com poucos "s n. 16, bonitos quadros con mordora preta e
/undos o *freguezada, proaiie para um. principian-, donrada, todos por precos rasoaveis.
le : quera ^aizer dinja-se a ra larga do Rosarlo Garrafas brancas
n^>4.-A,sadira' quem vende. i e de cores com superior agua da colonia.
8raS i^chiach madapolo com ffJT" M rua d Queimad',oja de miude'
m
avacw
Paredes Pc-r.o vende nma grande porcao de ma-
^apolao avahado, fazenda de 49* el?* a peea, a
Novo gosto
Pentes, flvellas, e brincos de feligrana.
A amiga e bem condecida loja n. 16 na rua do
O-').
Os pseos desta antiga fabrica sao boje asss eoohecidos para que seja eeessario insistir obra a
u snperiorsdade, vantugens e garantas qneoffereeem aos compradores, qualidades estas incontesu-
'Wt que ellet tem dednitivameote conquistado sobre todos os que tem appareeklo nesla praca I nos-
f-nind um tectado e machinismo que obedecem todas as vontdes e caprichas das planistas sem
ocnca falbar, por serem fabricados de proposito, e ter-so feito ltimamente melhcramentos lmportan-
t*simo6 para o elima deste paiz ; qanto s vozes, sao mciodiosas e flautadas, e por so muito agrada-
vc aos ouvidos dos apreciadores.
Faeem-se confirme as encommendas, tanto nesta fabrka como na do Sr. Blonda!, de Paris socio
correspondente de Vignes, em cuja capital foram 9eropre premiados enTtodas as expo*ic5es. '
So aesmo esubeiecimento se achara sempre um esplendido e variada sortimento de msicas dos
inelbores aniores da Etwopa, assim come- harmnicos e pianos harmnicos, sendo tudo Pendido or
preeos commod e razoavels. if
ratfiz q. $2, arauzem da porta 4arga junto ajt>1 Jectos de D0V0 e hom gosto, sendo pentes brancos e
daaa franceza. i donrados de moldes enteiramente novos e mui a-
---------jrz7~----------------------s i gradaveis, tendo entre elles algnns de flligrana obra
Itifllfff, fl/fpti/'lfi de malt0 8osto e deficil execocao, e bem assim fl-
ir^ J *y*^* vellas e br,ncs mesmas circumstancias.
veaae-se a armaao da taberna da rua dasCro-! Tambem recebeu alguns cintos o que de mais
zes o. Al, pertencaote a Manoel Joaguim dos Reis., moderno e bonito, se pode encontrar ero tal genero.
muito,frguezada propra para nm princjf unte : com consenso dos seus credores, porm se alguem .Alm disso encontrarao os pretendemos um cora-
a lratar.su rua da Cruz o. 34._____________^ se julgar contra este .annuncio, aprsente seus ti-isleto sortimento de flvellas de madreperola, chris-
tulos aopraso de-tres dias, seado esia venda para i.-tel, tartaruga, e donrados, brincos de corista!, 6
pagar 11 fazenda e o alujuel da casa, fiecife 6 de Jaspe, rollas e cruzes de dito e muitos outros objec-
marco de Wib.__________________________|-tos de gosto, os quaes conlinoa-se a vender commo-
Vende-se e faz-se todo negocio coa o dep-1 lamente,
sito da rua do Vigario n. *9, muito proprio pera Fefntes de madreperola, e enfeites filets
um principiante que queira principiar sua viJa A loja da roiudezas na rua do Queimado n. 16,
ao coaprador se dir o mo-1 recebeu bonitos pentes com chapa de madreperola,
[e novos enfeites fllets ornados de laotejoilas don-
rada, rooedinhas, aljofares, vidrilhos etc., lendo
grandes para toda cabeca e pequeos para ccqae,
regulando os precos de 2* a 4*000 rs.
- B mitas caixinhas
eom arranjos donrados para) costura, tendo com
msicas e sem ellas. Vendem-se na rua do Quei-
mado loja de mrudezas n. 16.
a padaria com todos os ntencilios j Trancas pretas
", com vidrilhos e bicos com ditos e sem elles para
i enfeites ou vestidos..
Na rua do Queimado n.
-*AMA
Precisase de urna ama para comprar e czmhar,
na rua Nova n. 38.
se
Precisa se de nma ama recolbida, mnito capaz,
e eom as habilidades precisas para tomar conta da
asa deum estrangeiro Bolteiro, azeodo todo oser-
vico da casa em um sito fra : a quite convler
rija-sa arua Nova n. IjL1 andar. >
- Jo* Bevinv BnUirWeirrJtlf'Gordo e
Alexandre Flemmiof, iobditos icglw, retiram-
: se para Europa.
o sobrado da roa Nova n. 56, alnga
on compra-se nma ascrava que seja
erfeita engommadeira.
m*mmum*mm
Francisco Botelho de Menonca, sua mnlher A Sra. Jane Spencer e sua filha menor, a Sra-
e nm* 2i menor> relir se para Portogal no j Elisabetb Chance san albo Mor, e a Sra. Mary
vapor lipet de ti do crreme, deixando por seas | Donnelly, sabdilM fcrittnnieiv, retirara se para
bastan procuradores: em pnmeiro. lugar o Sr. i Earopa.
a quem inte-
n. 8,
Vttfldem-se 2 meias aguas de pedra e cal
bem edificadas sita na travessa da Fundico on-
tr'ora becco da Muleta ns. 18 e ib, rende cada
urna 8i*auaual: a tratar na praca da Boa-Vista
n. 11. _________________2____________
~yoene^ oupermutta-se^jwralguma ,
caza terrea deca cidade um sitio de trras livo da venda.
no logar do Ijoreto, com arvores fractiferas!
quasi todas nc*-.ss, e grande poecSo de co-
queiros.quem .pretender dirja-seao pateo
de S. Pedro n. %i, que .achara com juem
tratar._____________
Chapos cliipes a 1^000
de casimira pospontados proprios
casa e para meninos de escola :
Eatrelia, largo do ParaJzo a. J4.
Vende-se um carneiro muito manso, proprio
para montarla de menino, com sellim e arreios,
tu Luo" : a lralar rna da Ia>leratriz, taberna
Vende-se um excel lente"piano de jTcrad
quasi novo e em perfeito estado, no armazem de
leildes doir. Amrica roa da Cadeia do Recife
tratar coa o mesrao senhor.
loao Pedro das Revs
rente) lem a venda
seguate:
Producios chimicos c pharma- })
ceuticos os mis empregmu s em M.
medicina.
TiDtas para todo o genero de pin- is[
tura e para tinturara.
Productos induslriaes e tintas Wk
para fl< res, como botes de flores V
e modelos em gesso para imitar S
fructas e passaros com o compe-
lente desenho.
Pro luctos chimicos e industriaes H
para pbotographia, tin'uraria, pin- m
tura, pyrotecnia etc. M
Montado em grande escala e sup- S
prido directamente de Paris, Lon- i
dres, Hamburgo, Anvers e Lisboa S
pode offerecer productos de plena W
confanca e satisfazer qualquer en- ^
commenda a grosso trato e a reta- ^
Iho e por prego commodo. S
para andar em
no armazem da
mHpiiaHH
:jg Brides e picadoras de Ipejaca m
mm Vendem-se a roa do Queimado loja de ^,
S Azevedo & Irmao. jK
MsttiiHK mmmmmm
Vende-se a padaria com i
na rna por del raz da matriz da
lar na rua larga do Rosario n. 46
iiiis-Miris
Vestidos
Pecblocha sem igual.
Chegou a loja de Paredes Porlo nm bonite sor-
timento de vestidos de tartalata de cores e brancas
qne serve para partidas por ser urna pbantasia ln-
teiramente de gosto pelo barato preco de 4* e
brancos a 4*300, esto acabando-se : no armazein
d porta larga rua da Imperatriz n. 52, junto a pa
dara franceza.
Cortinados.
Chegou a loja de Paredes Porto um completo
sortimento de cortinados ricamente bordados a
preco de 2o*, 3o* e 4a* : na rua da Imperatri:
n. o2, porta larga junto a padaria franceza.
Eicas romeiras.
Paredes Perto recebeu pe ultimo paquete nm
sortimento de romeira de guipnre prefas e de fil
a preco commodo : na rua da Imperatriz d 31
porta larga junto a padaria franceza.
C'a vallo. Na rua do Queimado n. 16 loja de mludezas a-
Venderse nm bom cavallo para sella e catoriolet i en"0 os pretenderles um bello sortimento dos
de todas duas eoosas, d-se para esperimenlar : ODJectos cima dito?, cascarriilia?, franjas etc. etc
e ludo est sendo vendido por precos commodos
Botes pretos
de vidro efeitados d'aco.
A loja de roiudezas n. 16 i ra do Queimado
vende mui bonitos bol des pretos de vidro com en-
feites de ac, os quaes muito se uzam oara enfeiiar
I ?nrtio!d08* a r"/" f* r Ama*fi *tr".da vesl,d0f- l'um ^ w-eien^er pode dirigir w 11JS
na rtu etretta do Rosario n. 3, ao p da igreja,
l M! SENTEIO
Contina haver pao de Senteio nos das quartas
em muito bom estado com murca, propria
da irmmdade das Cbagas: na rua da Roda
n. 4.
Pedro Jos da Cosa Castello Braoeo, ero secundo i o Sr. Joao Igoaclo Soares de Atar o em tercelro! .JT..-a'" "&'" scienle
Maooei I eJoiro* da goiiil
deM6C.___________
N,i roa Bella n. 22, preclsa-s* augar urna
ama forra no escrava (prefere-ie a ultrti.-), para
rasa de poac* familia, paga-se bem.
aTnrM r.M8ar ?0S8a qae n,Dae oe marco o na fregaezia 'dos Alagados denominado
o si-
dos Porto, qoefoid aAn'
drade, por se lachar legaimente bypotheeado ao
abaiio signado.
Manoel Dita da Silva Santos. 1
Vende-se o engeuho Carneiro, situado na
regnetia de SeriobSero, comarca do Rio-Formoso,
raoente e corrente, com todas as obras no melhor
estado, multo bom d'agua, e trras da boa produc-
gao; para timar conu delle no tiro de malo : os
pretendeotas dlriiam-se ao paleo do Carmo n. 13, a
tratar cora Gabriel Antonio.
armazem da Liga,
Sr. Lemos n. 34. *
raa da Imperalrir, taberba do:
AITGiMO
a relio
Vende-se a loja de looca S roa larga Rosario
n. 38 junto a botica, quem a pretender dirija-se a ..
mesma loja das 9 horas do dia as 5 da larde qne adredeDeos, ar
achar com qnem tratar. No roesmo estabeleci-
to vende-se aparelhos e meios aparelbos de porce-
lana e de lonca, e outros muitos e variados objectos,
por prego commodo.
Vende-se potassi, cimento e tenas de vidro.
na roa de lionas armazem n. 17.
A' 4#OO
Rua da Madre de Deus n, 5
____Saceos grandes farello novo.
Qaeijs do serto
Vende-se superi%queijo'do sertao : na roa da
m junto a igreja.
a rua do Queimado n. 16.
Bonitos ieques de sndalo e ootras qualidades.
i Bonilos cintos com flvellas de diversas qualida-
des e moldes.
I Brincos e cruzes de crvstal.
i Aboioaduras de dito para coletes".
Bonitos port-relogios.
Delicadas caixas com msica e sem ella, para
COftOf. v
Agnlnas e linhas para chrochel.
Retroz superior em carriteis.
Rendas pretas e bicos com vidrilhos.
Fitas de velludo com listras de cores para en-
feiles de gorros e vestidos.
Ditas de grosdenapoles, lisas o lavradas, brancas
e matisadas.
Cortes de laa esccesaTpara vestido tu?*
te: na rua oa Imperatriz n 2 0|a wrta Z
ga, junto a padaria franceza, estao se acaKo*
rara luto.
,^is pr!las com 5a|Ple^ brancas a 400 son
1^00
Chapeos de col.
Vendem se chapeos de sol de panno a 15400 e
A 1|600.
Chales de renda pretos.
Vende se chales de renda preto a 4*000, am>a
loja que pode vender na rua da Imperatriz n. 53-
armazem da porla larga, de Paredes Porto.
CARNllM
s miadas, "aljofares imitando
acevidrilhos decores
sra de carnauba mais barata do que para enfeites de vestidos; vndese todo
em oulra qualquer parte
PeosB.oY
na roa da Madre de
pregos. razoaveU na rua do

55
mi
isso por
Queimado n.l oja 16,
GiZ.
No armazem da rna do Imperador n. .3
Caes de Pedro II n. %, tem para vender-se
or .caz existen te no mercado.
oo no
o me-
Vendem-se garra
ras na rna riftBtOtH
"jis vasias e lava .
Tldiilhos de cores e aljofares,
imitando aro, para enfeites de vestidos.
A aguia-branca na rua do Queimado n. 8 rece-
ben um bello sortimento dos objectos cima pro-
prios para eufeites de vestidos, etc., etc., e est
vendendo commodamente.
Novidades.
Na Agula branca rna do Queimado n. 8 reee-
beu diversos objectos de muito gjsto e inteframeo-
te novos, sendo : '
Bonitos e delicados pentes donrados e prateados,
tendo entre elles alguns de filigrana obra moi per-
feita e de elevado gosto.
Ditos com chapa de madreperola. *
Brincos de filigrana e outras qualidades.
Fiveilas de dita e outras tambem de diversas
qualidafle?.
Cintos mui bonitos, efeitados em toda a er.ieo-
gao com caracteres dourados e praleado=.
Filets efeitados com moedinhas dourads.e lan
tejoilas, aljofares & &, sendo para coque, e toda a
cabega, e outros com plomas &,
Bonitas voltas de jaspt com cruzes, tendo tam
bem aigumas de duas cores.
Luvas e meias
de laa vegetal, para quem soffre de frialdade, pa-
ralela etc. Vendrm-se na rua do Queimado leja
d'Aguia branca n. 8.
Bandoline de roza
para segnrar oo conservar perfeitamente alado os
cabellos das senhoras. Vende-se na rua do Quei-
mado loja d'Aguia branca, 1*000 o frasco.
- ^Enfeites pretos.para vestidqs
A Aguia branca recebeu' novos -enfeites pretos
para vestidos, seDdo bicos com vidrilhos e sem
elles, trangas com pendentes de vidrilhos e sem
elles, cordao grosso tambem com vidrilhos e sem
elles; assim como gal6es e franjas de diversas lar-
Vende-se um grande sortimento de ^cambraias guras, fitas de velludo etc. como semore os bons
freguezes encontrarao comraodldade de precos nos
objectos que se vendem na loja d'Aguia branca rua
do Queimado n. 8.
Botoes de vidro
com enfeites d'ago no centro.
Esses botoes que tanto servem para melhor se
poder enfeltar um bom vestido preto cu de cor.
cars 3fSc^s' a T#tfgffiXk?&\ ****
2* e de linho a 23O0, 3* e 3*500 ; seroolas de' *
1*200,1*400 e 1*600, de linho a 2* e -2*500 : na
rua da Imperatriz n. 72, loja de Guimares & Ir-
mo^___________________________________
COlares Royer ou colares ano-
dinos
para facilitar a dentigo das criangas e preserva-
las das convulsOes.
O feliz resultado obtido immensas vezas pela
prodigiosa torga magntica dos colares Royer, nos I
casos de convulsSes. e dentigo das criangas, tem
altamente elevado o seu bem merecido prestigio,!
ehojej se pode dizer que estao geralmeute con- ^ JiUdJIO^luiperauor n\ LL.
ceituados, e estimados de innuroeraveis pais de
familias : de uns porque do uso desses slutares
colares virara salvos do perigo seus charos filbi-
nhos, e de outros porque colheram daqnelles lao
proficuo exemplo para igualroenie preservar os
seus. Assim, pols, a aguia branca, tendo em vis-

I



;






--;/


Diaria 4t remjabnt -. Qnata felr de Mares* de
______________________________________-----------------------------------------------------------------------------------:---------------------------.
1866.

mm m
Otes
PARA 10UABESMA
Chegaram a loja de Augusto Porto & C.
11 Ra do Queimado\.
Superiores corles de sed prett.
Molreanliqoe preto de flores e de listas bellos padroes.
Grosdenaple preto de diversas larguras e qualidades.
Retoadas, bouroBs e chales de gaipii e de renda;.
Pannos preos, casemi'M pretas, bombasioa.
Lias, cautao, merino e seleslrinas pretas.
Lindas mantas de seda para percho.
Ricos cortos de seda de cores para bailes ou calamentos.
Ricos cortinados brdalas dos mais bellos desenbos.
Moir braoco, seda branca, capellas e mantas para noivas.
Bellas colchas de seda e de lia e seda para cama de nuivas.
Salas de Boisslma canbraia ricamente bordadas.
Faiendas de .pregas para saia que se faiem com urna so costura e tambem tem coa
rdo tecido.
Hadapolo franeez a 400 e 480 rs. a vara.
Alcatifa de llobo para salas e gabinetes a 480 rs. o covado.
Fazenda especial de qoadros para azer redes a 34500 a vara.
Superiores esteiras da ludia para salas.
11Ra do tjueiinado i i
CORTES DE SEDA
Ghegaram pelo paquete ingles riqaissimos cortes de moreantiqae de cores, e seda lavrada pa-
inteiramente novos. ... ,
Seda de quadros por 1$000 o covado
5RA DO CRESPO-5 m
Gregorio Pae do Amaral k Compannla.
O 00
SEOS
ILEIAMTODQS!
NOVOS GERENTES
DOS
TRES &RAJVDES .
AMAZENS DE MOLAMOS
DENOMINADOS
PR0GRESSIV0 pateo do Carmo d. 9
UNIO E COMMERCIO ra do Queimado n- 7.
VERDADEIRO PRINCIPAL ra do Imperador d. 40
88fS
DE
fefr%
DUAHTE CARVALHO PERIRA C.
m MITO
FAZENDAS P
Gros de aples preto a 1500,1600, U, U. JgJO eUow ado.
Gorgur3o preto de superior qualidade a 24500, 2.J800,, 34 e,A4 co-
Vad" Superiores moreantiques a 20500, 20600, 30, 30500,.40 e.50000o
covado.
Bons cortes de moreantiqae.
dem de gorguro adamascados.
Bons pannos e casemiras.
Sup riores alpacas, princetas, merinos e bombazioas.
Bons villudes pretos.
Grande variedade de chales de fil preto e de guipure a 50, 60, 30,
105, 120, de 160 a 201, e de 230 a 800 cadai um.
Superiores retondas de fil preto e de guipure a 80, 100, 120 e 2?0,
e de 300 a 600 cada urna.
Superiores algerienes de filo preto e de guipure de 120 a 250, e de
300 a 600 cada urna.
Bons cbailes de seda preta.
Ditos de Merino preto bordados e outras muitas fazeadas pretas que
seria enfadonho enumero r, na
IOJA DAS COLUMNAS
DE ANTONIO CORREU OE VASCONCELLOS & C.
RA DO CRESPO **. 13
Fazem sciente ao respeitavi publico, e com especialidad* aos senhores de en-
fenhos, lavradores e mais pessoas do centro, que para mais facilitar suas compras deli-
beraran! os proprietarios dos tres grandes armazens, reunir todos os seus estabeleci-
mentos em um s annuncio, pelo qual o preco de um ser de todos, promette-
mos que nao infringiremos a tabella que abaixo vai publicado, annunciar os gneros dous grandes vo^umes com dicSrio' ". ~7T 7 wuo -"-""v*""'30 u "l}J^t
nnr mitra mua oatoHa MMMtantA-l u.j:.:.. j.___!.. i. r._ ........ ....... ZU0UUO
CONSULTORIO M|DIC0-CIRJjR6IC0
DR. PEDRO DE ATTAHYDE LOBO M0SCOSO,
MEDICO, PARTE IKO E OPERADOR.
3 Ra da Glora, casa do Fund&o 3
0 Dr. Lobo Moscoso d consultas gratuitas aos pobres todos os das das 7 s H
doras da manhSo, edas 6 e meia s 8 horas da loite, excepto dos das santificado!.
Pharmacia especial homeopathica
No mesmo consultorio ha sempre o mais appropriado sortimento de carteiru
tubos avulsos, assim como tinturas de jrarias djmnamisaces e pelos precos seguintea;
Carteiras de 12 tubos grandes. 120000
> de 24 tubos grandes. 180000
> de 36 tubos grandes. 240000 .
de 48 tudos grandes. 300000
> de 60 tubos grandes. 350000
Prepara-se qualquer carteira conforme o pedido que se fizer, e com os remedio*
jae se pedir.
Um tubo avnlso ou frasco de tintara de meia onca 10000.
Sendo para cima de 12 custar5o os precos estabelecidos para as carteiras.
Ha tobos mais pequeos cada um a 500 ris.
LITROS.
A melhor obra da homeopathia, o Manual de Medicina Homeopathico do Dr. Jarh
por um preco, e na occasiao da compra quererem por outro, como socede constante
mente em outras muitas casas, porm nos nossos estabelecimentos nSo se dar isto
ainda mesmo com prejuizo nosso, qualquer pessoa poder mandar seus fmulos que
sero tambem servidos como viessetn.pqssoalmente fazendo-nos o favor de mandar seus
pedidos em cartas feixadas; para evitar qualquer engaos, remetiendo nos urna conta
pela qual se ver os precos tal qual annunciarmos, o que seoSo arrepender pessoa
alguma que fizer.,sua despenca .em .nossos estabelecimentos; pois poupar mais de
5 por ceqto u sua despeza diaria.
Manteiga iagleza perfeitamente flor che-
gada ltimamente a l.ooo rs. a libra, e
em barril ter abatimento.
Manteiga franceza da safra nova a 8oo rs.
a libra e em barril ter abatimento.
BANHA
Vinagre
Superior vinagr de Lisboa a 2,ooo rs. a
caada e 280 rs. a garrafa. Tambem ha
mais baixo para 2oo rs. a garrafa e l,4oors.
a caada.
Azeite doce
\ Superior azeite doce de Lisboa a 64o rs. a
Banha refinada superior a 64o rs. e eml^airafa e a 5,ooo rs. a caada.
ta***l !/\c nV>^(mnntri PITifA f i r\/"\n r
barril ter abatimento.
CHA
Cha uxim de primeira e superior qualida-
de a 2,8oo rs.
-dem hysson o melhor neste genero a
2,6oo rs., e sendo em porreo ter abatimen-
to, tambem ha proprio para negocio de 2 a
2,4oo rs. a libra.
dem preto superior de l,8oo a 2,5oo rs.
a libra.
Riscoatos
FUVIO CAPORAL.
/Latas com superior fumo caporal a l,8oo
rs. a lata.
Passas
Superiores passas a 2,5oo o quarto e
fr.Soo rs.' a ca:xa de arroba hespanhola e a
56o rs. libra.
GEVEBHi
Genebra de laranja verdadeira a lo,5oo a
fiuzia e l,ooo rs. ao frasco.
Genebra de Hollanda verdadeira a 6,ooo
Latas com superior biscouto inglez de di- Jh. a fiasqueira e a 56o rs. o frasco,
versas marcas a l,2oo rs. a lata. j< jdom de Hollanda em botijas a 4oo rs. ca-
Belaehlahas j
Latas com bolachinhas da acreditada fa-
RA DO BHUM M. 38.
O proprielario deste estabelecimento deseja chamar a attencSo dos senhores pro-
prietarios aos acre it idus mechanismos que continua a fornecer; os quaes garante ser,
oi j sempre, da melur qualidade possivel:
Machinas de vapor
forca de 2 l* cavalius para cima. As menores sao mui proprias para motore sde
descarofagUBfcw da ag dio^ as maiores para moer canoa; ha tambem que podem junta
. u se.-tjradamente moer cr.nna e descarocar segundo soas proporges. Estee vapores
sao uplissimo na Cjastrucvo, e se regem por qualquer pessoa intelligente, a facilida-
de da conducc5o sendo especialmente considerada, tinto que nao ha \u%\v em que nSo
se p >s3mconluzir, qur por trra, qur embarcado. Ha com moeadas juntas ou sem
ilas e podem-se applicar a qualquer moenda j existente sem outra mudanca do que
a s i'osituigo das rodss da almanjarra. Ellas tem depsitos d'agua e boeiros de ferro,
ras -precisam pai-a o seu ajsentamento de obra alguma, qur de carapina, qur de al-
ia. 0 tempo para assenta-las nao excede de doze dias ao mais, e em casos de
s le animaes ou arrombamentos de acudes, etc., garante-se o assentamento em
Shas. Lembra-se aos senhores de engenho que a venda dos animaes e o servico da
ocupada no seu tratamento os ho de recuperar da maior parte da despeza do
v*,wr deixando-lhes a vantagem de urna moagem certa e accelerada; e acabando com a
tfapeza da compra continuada de novos animaes. com os desgostos do trabalhoque
se tem com elles.
Rodas d'agua de ferro, mui maneiras e moendo com qualquer altura
d'agua.
sarlihos eom cruzetas de ferro para as mesmas, quando se desege fazer
e resto da roda de madeira, toi nando-se assim a roda ligeira no trabalho.
Moenda de cao na de todos os tamanhos, desde as mais pequeas chama-
das do sertao. Obra perfeila em feitio e acunhamento.
Rodas de espora e angulares de todos os tamanhos e proporces.
Paroes ou coches para receber o caldo.
C'rivos de fornalha para assentamentos, frescos para o foguista, fazendo
grande calr com poucocombustivel, e duradouro.
Portas de fornalha de todos os tamanhos e de diversos systemas.
Fornos e molnhos para a fabrica de farinha e tambem chapa i redondas
pira fornos pequeos.
Honabns simples e de repucho.
Tatias de ferro balido e fundido e de cobre.
Formas de ferro batido galvanisado para purgar assucar, leves para carregar
e isemptos de quebwir-se.
Alambiques de ferro de todos os tamanhos, custando s a terca parte do
progo dos de cobre, mais regulares na distillaco e igualmente duraveis.
Eixos e rodas de carro com maag-s de patente, obra mui segura para
eanegaco de peso.
Arados, grades, enehados a cava!lo e outros instrumentos de agri-
cuitura. E finalmente lodo o objecto de que possa precisar um engenho.
Machinas de descarocar algodao.
Na fabrica se fazem obras novas encommenda e coacertos, com a maior preste-
z;i o solidez. 0 grande deposito de pecas e objectos habilitam-na muito para este flm.
O proprietario ser sempre mui feliz de poder ter occasi3o de dar nformacoes ou
ss i.r. ecimentos aos senhores que seservirem de seu presumo.
D. W. Bowman, engenheiro.
Kl % O CADBIA W* 5 A,
Coo'.iDaa a ter grjo^e e completo sortimento de
MucIhm'americana* para desearo$ar algod&o
jihore fbrcaotej de 10, It, 14, 16,48. K, 30 e 3fi serTatM qoe atjepde POtjrty) resa-
l iote as wr recebide de coot propria dos Esttflos-Ui
brica do beato Antonio, proprias para dar a
doentes de 2,ooo a 3,ooo rs. a lata.
dem com quatro libras de bolachinha de
soda a 2,eoo rs. a lata.
, Queijos
Queijos flamengos ebegados pelo, ultimo
vapor de 2,3oo a 2,5oo rs.
CHOCOLATE
Chocolate hespanhol a i,ooo e i,2oo rs.
libra, franeez e suisso a 1 ,ooo rs. a libra
e portuguez a 800 rs. a libra, em porcSo
ter abatimento.
VINHOS
Superior vinho do Porto das mais acredi-
tadas marcas, como sejam: Madeira Secca,
Duque do Porto, Velho Secco, Lagrimas do
Douro, Maria Pia, D. Luiz, Pedro V, Lagri-
mas Doces e outras marcas a l,ooo a garra-
fa e 9,ooo a 12 ooo rs. a duzia.
Vinho Figueira e Lisboa das melhores
marcas a 4oo e 5oo rs. a garrafa, e a 3,ooo,
3,5oo e 4,ooo rs. a caada.
Superior vinho chamisso em barril a 64o
rs. a garrafa e a 4,5oo rs. a caada.
Superior vinho de Lisboa e Figueira em
anceretas de 8 e 9 aadas a 2i,ooo rs. a an-
coreta.
Superior vkiho branco proprio para mis-
sa a 640 rs. a garrafa, tambem ha mais bai-
xo para 4oo, 5oo rs. a garrafa e 3,2oo a
3,5oo a caada,
Caixas com urna duzia de garrafas de su-
perior vinho Bordeaux a 7,ooo rs. a caixa e
7oo rs. a garrafa.
CAFE
Caf do Rio de l.1 e 2/ qualidade de
6,8oo a 8,2oo rs. a arroba, e de 24o a 28o
rs. a libra.
SARAO
da ums.
Garrafes com 24 garrafas de genebra de
Hollanda a 8,ooo rs. o garrafao. Tambem
ha garrafes com 5 e 14 garrafas de 3,2oo a
6,ooo rs. cada um.
VELAS
Velas de spermacete a 64o rs. a libra.
dem de carnauba de lo a 12,ooo rs a
arroba e de 36o a 44o rs. a libra.
Medicina domestica do Dr. Hering..........
Repertorio do Dr. Mello Moraes..........1 jJoOO
Diccionario de termos de medicina..........' 34900
Os remedios deste estabelecimento s5o por demais conhecidos e dispensan por
tanto de serem novamente recommendados as pessoas que quizerem usar de remedios
verdadeiros, enrgicos e duradores: ha todo do melhor que se pode deseiar, globos de
rerdadeiro assucar de leite, notaveis pela 8a boa conservac5o, tintura dos mais acredi-
tados estabelecimentos europeos, a mais exacta e acurada preparado, e portaoto a maior
energa e certeza em seus effeitos.
Casa de saude para escravos.
Recebe-se escravos para tratar de qualquer enfermidade ou fazer-se-lhe qualquer
operac5o, p ra o que o annunciante julga-se sufficientemente habilitado.
O Iratamento o melhor possivel, tanto na parte alimentar, como na medica
funecionando a casa ha mais de quatro annos, ha muitas pessoas de cujo conceito se nao
pode duvidar, qae podem ser consultados por aquelles que desejarem mandar seus
doentes.
Paga-se 2 por dia durante 60 dias e d'ahi em diante 1500.
As operacoes sero previamente ajustadas, se nao se quizerem sujeitar aos preces
razoaveis que costuma pedir o annunciante.
1RMAZEM BE FAZENDAS
PE1XE
j preparado
de 1,000 a
Peixe em latas
l,2oo rs. a lata
ALPISTA.E PAINQ0
Alpista e painco muito novo de 3,8oo a
4,ooo rs. a arroba e de 14o e 160 rs. a li-
bra, -v .
CHARUTOS.
Superiores chardtos do fabricantes Simas,
Imperiaes, DeHeias, Parisienses e outros de
2,2,5oo e 3,ooo rs. a mjia caixa: tambam
temos Suspiros, Havaneiros, Ligueiros e
outros murtos que vendemos por mdico
preco.
Licores
Licores francezes e portuguezes a l,ooo e
l,4oo rs. a garrafa ou frasco.
Doces
Do;e da casca da goiaba em caixes e la-
tas a l,2ooo caixo e ,8oo rs. a lata.
Frats
Frutas em calda e era latas fechadas her-
mticamente, muito bem enfeitadas, conten-
do pera, pecego, ameixa rainha Claudia, al
perche e outras frutas a o> rs. a lata.
Tambem ha latas grandes para l,2oo rs. a
lata.
AZEITE DE REFINADO
Superior azeite franeez refinado a 8,ooo
rs. a garra'a e a 9,ooo rs. a duzia.
DE
CUSTODIO CARV1LHO <* C,
27 RA DO QUEIMADO N. 27
MadapolSo franeez muito fino, tendo pouco mofo, cada
100000.
La de cores a 300 rs. o covado.
Cambraia franceza a 260 rs. o covado.
Finos organdis a preco de 800 rs a vara.
Lencas brancos para algibeira a 2$f 00 a duzia.
Fin is perclaras a preco de 400, 440 a 560 rs. o covado.
Ricos cortes de la de barra de 100 a 30$000.
Chales de fil preto e outras muitas fazendas.
peca com 27 varas por


MOLHO INGiEZ SAUCE
Molho inglez Sauce em frascos grandes
com rolha de vidro a l,8oo rs. o frasco em
Sabo maca de primeira qualidade de 18o duzia ter abatimento.
a22ors. a libra
em caixlo.
e de 16o a 21o rs. sendo
Serveja
BATATAS.
Gigos com 3o libras de batatas a l.ooo rs.
o gigo.
SARDINHAS.
Superior serveja Bass dos melhores fa- Latas com sardinhas de Nanles e Lisboa
bricantes, como sejam: Shlers & Bell. T. F. g 4oo a 460 rs. a lata.
Ashe a 7,5oo e 7,ooo rs. a duzia e a 7oo rs.
i garrafa. Tanroem ha de outras marcas
como seja: Victoria e Alcope a 5,ooo rs. a du-
zia e a 5oo rs. a garrafa.
B'JIOES VASIOS.
Boies vasios, louca ingleza muito pro-
pria para manteiga e deposito de doce de 4
a 12 libras a l,2oo e2,5oo.
FARINHA DO MARANHO.
Farinha do Maranhlo a 240 rs. a libra.
SAG'.
Sag muito novo a 4oo rs. a libra.
ARARUTA.
FUMO AMERICANO.
Superior fumo em chapa a 640 rs. a libra
ERVILHAS
Latas com ervilhas e feijao verde j pre-
parado 64o rs. a lata.
MASSA DE TOMATE
Latas com 1 libra de massa de tomate a
64o a lata.
VERMUTH
Esta bebida muito fresca e estomac d e
muito propria para a presente estacao. a
qoal vendemos a 2,ooo rs. a garrafa c 18;>
a duzia.
Ara ruta verdadeira a 4oo rs. a libra.
Pimenta, cominho, cravo, oanella. ervadoce, alfazema, tijollo para limpar facas pa-
litos paradentes,,palitos de fogo, e outros muitos gneros que se tornara enfadonho
mencionar, afianzando oinceridade nos precos e o bom acondicionamento de qualq"uer
gen ro.
midj. em c<
ROMANCES BAR4T0S
Vendem-se, aa livraria da praca da Inde-
pendencia n. 8, a 400 rs. o volume, os ro-
mances portuguezesseguinles, em brochura:
A vos do sangue, 2 volumes.
Connemara, 2 ditos.
A noite de S. Silvestre, 1 dito.
O fllho de Titiano, 1 dito.
Adonis ou o bom negro, 1 dito.
As du's amidas, 1 dito.
O pacha de Buda, 1 dito.
Trilhy, 1 dito.
Igaez de la Sierra, 1 dito.
Joven Siberiana, 1 dito.
~^~Veode-se oa alega se um terreno com duas
frentes para a roa do Bram n. 21 e para a ra dos
Guararapes n. 10, malta proprio para deposito de
carvSo, roadelras, oa carrosas e boU, por ser rao-
de, ter cacimba a tres teibairos, e um caixo de
casa em respaldo : a tratar na ra da Cruz do
Recife n. 59. _
- Na fabrica de "vinagre, ra Imperial n. 1,
prximo a estacSo do camioho de trro, vende se
vinagre tinto superior en qualidade a outre qual-
quer, e por preco mdico, assim como branco e
lecolor.
Farello
em saceos grandes a 4)5500: nos armazens
de Tasso Irmos._____________________
Gomma de milho branco
americana
Esta preciosa fcula, cujas propriedades med-
cinaes a imprensa europea tanto tem exaltado para
a cura das molestias do peilo, reconimeada-se tam-
bem como alimento sadio e nutritivo para as cri-
anzas, prestndose a variados preparas cnlinarios.
A gerai aceitacao que ella tem obtldo por toda a
parte o sea maior elogio : vende se uuicamenie
na roa do Imperador n. 87, armarem Alliaoca.
Para os baile mascarados.
A agola branca est vendeodo por baratisslmos
presos, para acabar, os objectos sealte?, que ser-
vem mal bem aos que tomam parte nos bailes mas-
carados, sendo :
Melas de sda a i o par.
Enfeites de llores a 1 i, 25 e 3,5 cada um.
Fitas lavradas de 320 a if a vara.
Cintos largos coro ponfas cahtdas. __
" Vende se urna masselra de amarello em per-
feito eftado, e mais pertences para nma padaria,
na estrada nova, segunda taberna a direita, depois;
4o sobrado grande : a tratar na mesma, das 4
horas da tarde em diante. I
Novidades do Vigilante
BA DO CBESPO N. 7.
Este estabelecimento apezar de sempre
se achar bem sortido como todos sabem,
hoje mais que nunca, n5o s pelo que rece-
be de sua propria conta, mas tambem pelo
que recebe de consignaces; parece sem
duvida que deve offerecer grandes vanta-
gens para o respeitavi publico tanto em
precos como na escolha dos objectos, e co-
mo acaba de chegar grande remessa pelo
vapor Douro e o navio Solferino de
diversos objectos de gosto e proprios do
tempo dos quaes se mencionado alguns,
por n5o ser possivel mencionar todos. O
dono deste estabelecimento espera a pro-
teceo de todos.
Riquissimas caixinhas ornadas e com
msica propria para um delicado mimo.
Caixinhas de msica tanto de veio como
de corda.
Ricos porta joias e necessarios.
Riquissimos est jos a feitio de um bausi-
nho ou chapeuzinho.
Ditos em casca de noz e de outros gostos.
Leques de madeperola de sndalo e de
faia e madeira.
Chaposinhos e touquinhas de muito
gosto para criancas.
Meias e sapatinhos de seda para as mes-
mas.
Meias de seda para senhoras.
Capellas e grinaldas de flores proprias
para casamento.
Enfeites e capellas de muito gosto para
senhora.
Riquissimos porta boquets.
Boquet de flores com urna borracbinha
com cheiro.
Luvas verdadeiras de Jovin.
Ditas de seda e de Escocia.
Riquissimas plumas e guarnieses para
enfeitr chapeos.
Coutas e tubos de ac branco, que ha
muito se desejava para enfeites.
Brincos, fivellas e cruzes de crystal.
Fivellas e cruzes de tartaruga, madripe-
rula e dourados.
Alfinetes para gravatas.
Botoes com croas para punhos.
MACHINAS DE PATENTE
DE TRABALHAR MO PARA DESCA-
RGAR ALGODAO
FABRICADO POR
PLANT BROTHERS & G.
OLDAM.
Estas machi-
nas podem des-
carocar qual-
quer especie de
algodao sem
estragar o fio,
sendo bastante
duas pessoas
para o traba-
lho; pode des-
carocar urna
arroba de al-
godo em ca-
roco em 40
minutos, ou
18 arrobas por dia ou cinco arrobas de al
godao limpo.
Assim como machinas para serem movi-
das por animaes, que descaracam 18 arro-
bas de algodao limpo por dia; e motores
para mover urna, duas ou tres dessas ma-
chinas.
Os mesmos teurpara vender um bellissi-
mo vapor que pode fazer mover seis destas
machinas.mencionadas; para o que convi-
da-se aos senhores agricultores a virem ver
e examina-lo, no a mazem de algodSo, ao
largo da ponte nova n. 47.
Samadera Brothers Recife praca do Corpo Santo n. 11.
Os nicos agentes neste paiz.
O castello de Gfrasville.
Tradnido do francex par A. J. G. 4a Crni.
Vende-se este bello romance em quatr
tomos pelo baratissimo preco de 300G
aa praca da Independencia, livraria na.
6e8.
Frameisco Jos Germano
RA NOVA N. 22,
acaba de receber um lindo e magnifico sor-
timento de oculos, lunetos, binculos, do ul-
timo e mais apurado gosto da Europa e ocu-
los de alcance para observacoes e para -os
martimos.
Manual do Cidado
Vende-se o Manual do Cidado em um
Governo Representativo ou principios de
Direito Publico Constitucional Administra-
tivo e das Gentes, por Silvestre Pinheiro
Ferreira, em 3 volumes broxurados por 34
cada obra : na livraria n. 8 da praca da
Independencia._________,
Vende-se om preta proprio para todo servi-
co e urna preta, boa quitandeira : a tratar na ira-
vessa da Madre de Dos n. 18.
Gravatinhas e mantinhas de muito gosto,
tanto para homem como para senhora.
Riquissimos aderecos pretos, assim como
caixinhas com alfinetes pretos.
Bengallas de canna com cabo de marfim.
Ditas de baleia, borracha e de outras -
muitas qualidades assimeomo chicotinhos. Y^a^&^UJS?^ e
Riquissimos penles de tartaruga do ulti- pardo a H, ditas de brim branco de linbo a 3J800
mo gosto; assim como de arregace para e 4, calcas de caseraira preta a 5*. 64 eU, di-
menina, poiS heste artigo ha um completo & cores, meia **emlra, a 3* e 3*5", tas
npiimantft Aa tniac *s niilir1ar1i ** caseroira a 6, 7* e 8*. paletots de brlm a
sortimento de todas as qu Uiuades. ^ ^ 345DO a 34, ditos de brim braseo a
a 44800, ditos de alpaca preta a 34 e 44, diios de
casemira de cores a 54, 6, 7, 8 e 104, dito de
anno prete a 64, 7, 8 e 104, colletes de cores a
4600, de casemira a 34 e 44,
Pulseiras" tanto para senhora como para JJJfJeJSYj*a^
Diademas para cabeca do ultimo gosto.
Riquissimas fitas lavradas e lizas.
Trancas pretas com vidrilho e de cores.
rna da Imperatrfe, tofa da
meninas.
Ligas de seda e de algodio.
Suspensorie de seda e de algodSo e mui- Lb?.> ii
tos outros is que se nlo pdem an-
nunciar por nSon torBar enfadonho. cheauraiti
S ao Gallo Vigilante ra do Crespo n. 7. Queimado n. ifl.
-ia y



*

i


Diarto e
QuimU f elra 8 4c
e im.

-
i
.
NOVA LOJA
ENdCLOPEDIOA
9 RU 4a laperatrlz *rm*ztm
m porta larga *.
Junto a padarla f radeeza de
Paredes Porto.
Neste estabeteeimento encontrar o respeiuvel
publico nm variado serlimento de fazendas france-
zas, iiglezas, soissas e allemies, que se venderao
por prego commodo.
Paredes Porte
Vende chales de renda de cores que se vende-
ram a 18 est vendendo por 6*, ditos prelos, fa-
zenda nova, 5}, 6*, 8* a 20*, om sortimento com-
pelo de manteletes, capas e soulambarques 14* a
25*. Ra da Imperatnin. 41, junto a padarla fran
ceta, armazem da per larga.
Paredes Perto
Recebeu om completo sortimento de lasinhas a
240, e 80 rs. covados, para acabar, cambraias de
cor a 540 rs. o covado, riscado escossez para rou-
Ki de menino, fustao de flnbo a 420, 400 e 500 rs.
ua da Imperatriz n. 52 junto a padana (ranceza,
armazem da porta larga.
Paredes Porto
Receben pare cortinados para cama franceza a
11* a peca cambraia lisa ana a 35 4* at 10* a
peca, cortes de tarlatana de bonitos gostos a 3*500
4*, cambraia com flor de seda, gostos inteira-
mente novos a 400 e 500 rs. o covado, no armazem
da porta larga n. 52, ra da Imperatriz junto a pa-
daria franceza.
Paredes Porto
Receben pelo ultimo paquete nm sortimento de
crozes com podras para o pescoco, bonitos caxinels
de lia para pescoco de senbora. Roa da Imperatriz
n. 52, armazem da porta larga.
Paredes Porto
Vende cortes de gorgoro preto para vestido com
21 eovados cada um 35*000, grsdenaple preto a
1*600, 1*800 e 2* o covado, ISas lizas finas a 400
rs. o covado, laas de quadrinto para vestido, entes-
ada, a 320 rs. o covado. Ra da Imperatriz n. 52,
armazem da porta larga.
Ronpa (cita
Ra da Imperatriz n. 52 armazem da porta lar-
ga junto a padarla franceza, eBeontra-se neste es-
lablecimento um completo sortimento de paletos-
saceos e sobrecasacos, de todas as qualidades, cal-
cas, colletes, ceroulas, camisas, grvalas, meias,
chapeos de sol, ditos francezes para cabega, por
precos commodos, roapa para menino e ontras
muitas fazendas por precos commodos, armazem
da porta larga.
o mesmo estabelecimento encontrar o respei-
tavel publico, sempre um completo sortimento de
roupas fetas de todas as qualidades, como sejam
paletos de alpaca preta e de cor, ditos sobrecasa-
cos a 4* e 5*. ditos de brim pardo a 2*800,3* e
3*500, ditos linos a 4*, ditos meias eaiemira a
3*500, 4* e 5*. ditos cazemira saceos a 6*, 7#, 8*
e 10*, ditos sobrecasacos a 10 e 12*, ditos de pan-
no saceos a 6*, 8* e 10*, ditos sobrecasacos a 12*
e 25*, ditos de merino preto a 6*, 7* e 10*, cal-
cas de orim de diversas qualidades a 1*800 a 4*,
ditos trancos a 2*500 e 6*00, ditos cazemira 5*,
6* e 7*, ditos pretos a 5*, 6*, 8* e 10*, ditos
meias cazemiras a 3* e 4*, coletes de diversas
qualidades, seroulas francezas de algodo, ditas de
linbo, ditas de bramante a 2* e 2*500, carnizas de
algodo de linbo francezas de 2*500 e 3*. Gran-
de pecnincha neste genero, gravatas de todas as
qualidades e brancas para casamento, grande sor-
timento de meias para senhoras, ditas para homens
a 3*, superiores a 3*500 e 4*.
Um completo sortimento de chapeos de sol de
alpaca a 3*, ditos de seda a 5*, 7*, ie* e 14*,
ditos francezes para cabea, grande sortimento
a 6*.
Pechineha admirare!.
Grande sortimento de chambres a 4*600 e 5s,
lencos de cambraia para homem a 2* a duzia, di-
tos de linbo a 4* 5*.
Grande sortimento de roupa para meninos e nu-
tras muitas qualidades que seria enfaocno men-
ciona-las.
Paredes Porto
Recebeu pelo ultimo paquete francee ricas laas
granadinas com flores de seda a 408 o 500 rs. o
covado. estao acabando-se, cambraia preta para
luto. Porta larga junto a padaria franceza, a ra
da Imperatriz n. 52.
Paredes Porto
Receben pelo ultimo paquete espartilbos a pre-
guicoso por 39, sao bons, lencos de seda para se-
nbora e homem a 1?, ricos cortes de cambraia
bordados de 18$ a 79, por ter um toque de mofo,
estao se acabando, na ra da Imperatriz n.52, jun
to a padarla .franceza.
Paredes Porto
Vende um completo sortimento de fazendas
brancas, como sejam madapolao a 4*500, 5*, 6* e
109, pecas de algodo por barato preco, chita fran-
ceza a 240, 280. 320, 360 rs. o covado, precalias
muito finas a 360, 400 rs. o covado, chita ingleza
:200 e 240 rs. o covado. Ra da Imperatriz n.
52, junto a padaria franceza.
Fazendas.
Vende-se superior merino preto proprio para ca-
pas do senhora e vestidos a 2*, lustritn da China
a 1*800 o covado. Ra da Imperatriz, porta larga.
Paredes Porto.
Vende em sen estabelecimento tirase ntremeios
bordados, grande sortimento- do corplnbos rica-
mente bordados a 3*, 4* e 5*. S o Paredes Por-
to, ra da Imperatriz no 52; porta larga junto a
padaria franceza.
re ^ O fi. B
os
Ba p.3
a til 8*^11
ls-sg.i:3g
a ce
CA T3
Q a i
co
S|fll
rfg-liiSi
qM!
03 1
"1 03
03
O

ti1*
2 r
sil
H
T
tt

Tasso Irm&os
Venden na sea armaiem roa do
Amorim n. 35,
Licor fino Curaeo em botijas e meias botijas.
Licores finos sortidos em garra/as com rolhas do
vidro a em lindos fraseos.
VnoosUheres.
Santernes.
Cbambertin.
Hermitoge.
Borgonbe.
Champagne.
Moscatel.
Reino.
Bordeaux.
Od Ton.
PAezei lagniol.
Brea mi barricas" ,
Cor em velas de todos os
boa.
Na roa do vnr*noa. 1P, prieaoiro andar.
VaoMOi un mu eacravo para eogeoho, erktalo
de boa figura e mstre carreiro :-a tratar na roa
doQaeHn.ido.B.44.
^Hb do rido.
Verte- tfH ** ***** P
prec coBinodo : na roa do Qoeinudo loja n. 14.
A SALSA PARRILHA DE AYR
PARA A CURA RAMCAL
de escrfulas e wolestias escrofulosas, tumores, ulceras,, chagas, feridas ve-
lhas, bronchocel, papo ou papeirt, a syphilis, enfrmdades Teneras oo mer-
curiaes.
AS MOLESTIAS DAS MULHERES
reteufao, menstro doloroso, ulceracSes do tero, flores>rancas, etc., ulcera-
c3o, debilidade, expoliacSo dos oss'os, a nevralgia e convulses epitepticas
quando caneadas pela escrfula.
ERYSIPELAS ERPES; ETC.
Enfrmdades cutneas, erupcSo, borbulhtts, pudalas,
nascldas, etc.
O extracto composto de salsa pariilha, con'eccionado pelo Dr. Ayer, urna
combinacao dos melhores depurativos e alterantes conhecidos medicina; confeccio-
nado segundo as regras da sciencia, approvado ereceitado pelos princeiros mdicos dos
Estados-Unidos da America do Sul e Central, das Antilhas, do Mxico e das Indias, e
muitas outras partes do mundo: o resultado de estudos apurados e minuciosos, e de
experiencias feilas pessoalmente pelo Dr. Ayer, por muitos annos, nos priucipaes bos-
pitaes e enfermaras da America ; tcm sido approvado pelas academias de medicina e
juntas de hygienne das priucipaes capitaes da America do Norte; para prova disto vede
os attestados authenticos no Almanak e Manual de Saude do Dr. Ayer, os quaes sedis-
tribuem gratuitamente nos lugares onde se vende o remedio.
A SALSA PARILHA DE AYER
Especialmente eflleaz na cura das molestias que tena sua orlgem
na escrfula, na InfeccSo venrea, no uso
excesslvo do mereu> lo ou qnalquer Impureza do sangue.
A molestia ou infeccao peculiar, conhecida pelo nome de escrfula, um dos ma-
les mais'prevalecentes e universaes que ha emtoda a extensa lista das enfermidades que
atacam a nossa rafa; disse um celebre escriptor da medicina que < mais de urna terca
parte de todos aquelles que morrem antes da velhice s3o victimas, ou directa ou indirec-
tamente de escrfula; por isso s nao 15o destructiva, porm a principal causa de
muitas outras enfermidades que nao Ihe sao geralmente altribuidas.
urna causa directa da tsica pulmonar, das molestias do figado, do estomago
e affec{es do cerebro; entre seus numerosos symptomas acham-se os seguintes: falta
de appetite, o semblante plido e enchado; as vezes de urna alvura transparente e outras
vezes corado e amarellento irregular, fraqueza e molleza nos msculos ao redor da boc-
ea; digestao iraca e appettite, falta de energa; ventre enclado e evacuac5o irregular;
quando o mal tem seu assnto sobre os pulmoes urna cor azulada mostra-se em roda dos
olbos ; quando ataca os org"os digestivos, os olhos tornam-se avermelhados; o bali-
to ftido, a lingua carregada; dores decabeca, tonteiras, etc. Naspcssoas dedispos-
c3o escrofulosa apparecem frequentemente erupces na pelle da cabeca e outras partes
do corpo ; so predispostas s affecces dos pulmoes, do figado, des rins, dos orgos
digestivos e uterinos. Portanto, n2o s5o smente aquelles que padecem das formas ul-
cerosas e tuberculosas da escrfula que necessitam de protecejio contra os seus estragos;
todos aquelles em cujo sangoe existe o virus latente deste terrivel flagello (e s vezes
hereditario), estao expostos tambem a soffrer das enfermidades que elle causa, que sao:
A tsica, ulceraces de figado, do estomago e dos rins; erupces e enfermidades
eruptivas da cutis, rosa ou erysipela, borbulbas, pstulas, nascidas, tumores, rheuma,
carbnculos, ulceras e cbagas, rheumatismo, dores nos ossos, as costas e na cabeca,.
debilidades femininas, flores brancas causadas pela ulcerado interior, e enfermidades
uterinas, bydropesia, indigestao, enfraquecimento e debilidade geral.
Acrecemos a estas pessoas um abrigo seguro e um antidoto efficaz contra esta
molestia e suas consequencias na
SALSA PARRILHA DE AYER
que opera directamente sobre o sangue, purificando-o e expulsando delle a corrupto e o
veneno da molestia; penetra todas as partes e todos os orgos do corpo humano, livran-
do-os da sua accao viciada e inspirando-Ibes novo vigor. um alterante poderosissimo
para a renovaco do sangue, e d ao corpo j enfraquecido pela doenca, forjas e ener-
gas renovadas como as da joventude.
E tambem o mehor airty-syphilitico conhecido
cura permanentemente as peiores formas de syphilis e as suas consecuencias. Pouca
necessidade ha de informar o publico do inestimavel valor de um remedio que, como
este, livra o sangue desta < orrupeo e arrebata a victima das garras de urna morte lenta
e ignominiosa, porm inevitavel, se o mal nao logo combatido com energa.
um poderosissimo alterante para a renovaco do sangue e para dar nova for-
Ca ao corpo j enfraquecido pela doenca.
Sendo composto de productos vegetaes, este medicamento innocente eao mes-
mo tempo efficaz, um fado de immensa importancia para aquelles que o tomam ; por-
que muitos dos remedios alterantes offerecidos ao publico tem por base o mercurio ou o
arsnico; e sendo assim, bem que s vezes podem effectuar curas, comtudo deixam suas
victimas carregadas de urna longa serie de males, muitas vezes peior do que o mal ori-
ginal. A nica cousa necessaria para bter urna cura radical seguir com juizo e cons-
atncia as dii ecces que acompanham cada frasco.
Nao pretendemos promulgar, nem queremos que se inDra que esta composicao a
um remedio infatlrvel para a cura de todos os padecimentos humanos ; infelizmente
escrfula e a syphttis sao enfermidades tao sutis as suas nalurezas, e arreigamse t3o
firmemente no systema, que murtas vezes evadem e resistem aos remedios mais pode-
rosos que a sciencia humana pode inventar para combate-las: o que dizemos que o
Extracto composto de salsa parrilha de Ayer
a melhor preparacao at hoje descoberta para estas e outras molestias anlogas, toe
urna combinado dos alterantes mais efficazes conhecidos, e que esta combinacio tem sido
regulada por longas e laboriosas experiencias, e finalmente que temos consciencia de of-
ferecer ao publico o melhor resultado que possivel produzir, da intelligencia e pericia
medica dos nossos tempos.
Este remedio deve ser tomado com ystema e regularidad*, e n5o com abandono,
pois um remedio e nao bebida.
Quando as molestias do figado nao tem sua origem na escrfula, o remedio
mais proprio as pilulas catharticas de Ayer, que sao efficazes na cura da molestia, que
m por causa u desarranjo dos orgos digestivos. Pedi a salsa parrilha de Ayer e
nao aceitai outra preparacao.
Pernambuco, ra Nova n. 18, pharmacia francezade P. Maurer de C.
GRANDE KTAMUrCIifiNTO
DO
VENDE-SE
Xo armazem tic II. I. Ramos e Silva & euro, ra do vgarlo
n. i t, constantemente, os seguintes artigas, que
trecebem per encommeuda proprla de
Legitima salsa parrilha deBrlstol, preparada por Lanman k Kemp.
Verdadeiraagua Florida, preparada pelos mesmos.
Gaz em latas de cinco galoes, o mais purificado que se pode desejar da acredi-
tada marca F. W. D. & C.
Relcgios perfei'os reguladores, com corda de quatro a oito das, dos afamados fa-
bricantes E. N. Wekh.
Graixa em latas grandes da bem conhecida marca las. S. Masn (de Pbiladel-
phia).
Superior oleo para machinas de costura.
Agulhas para a& mesmas.
Breu em bar ka* grandes e pequeas.
Vndense tambem:
BORDEAUX
1.a qiulidade.
St. Estephe.
St. Julien.
G. Margaux.
G. Lafitte.
Medoc.
! Principe Real.
Pedro V.
Maria Pia.
Princeza D. Isabel.
Victor Emmanuel.
Duque.
Malvazia.
Vinbo fino do Porto em Larris de 5/, 10/ e 20/.
Superior vinho do Rheno.
Cera de Lisboa em velas e em grume.
Boa oceasiao para un prin-
cipiante.
Vndese ama loja de miudezas com poneos fon-
dos, muito em coma, em bom logar e bem acredi-
tada : qaem pretender dirija-se a roa Angosta,
taberna n. i, qoe se dir qnem tem para vender.
Na mesma taberna se dir quem tem para vender
ama mobilia completa de marello epuno iba.
PectMcaa a LaaiiDbas de qMONawf qo P*e< seda a St
rs. e eorao, ama graade pecnincha, sU se aca-
bando ; na loja n. pi, arajuem 4a porta larga de
Paredes Porto. ^mn^__^,m^_^^.
Vendem-se
machinas americanas de serrote para descarocM
algodio : na roa da tennWon n. 48.
BRILITO j
anseis com brloantes, de primeira
1mioa
agoe, aamlidng em
preco da 1# cada om
cife n. 5, loja de
% em oom de leLnelo dii
l8VflltfS?
avariado.
Francez barrica 5*000 .
Portland dem 8J500
Em perfeito estado:
Francet barrica 104000
Portland idem 12*000
No armaiem de Tasso Irmos caes doApollo.
Fazendas para a quaresma.
No armaiem da porta.larga, roa da Iraperatiu,
grsdenaple preto a 1*400, 1*000, 1*800, 21
2*500, moreantique preto de diversas qualidades,
o* mais rios chales de renda pretos, e retondass
com mulla roda, hienda da ultima moda ao mer.
cado : do armaiem da porto larga a. 52, na ra
da Imperatriz.
Gomma de milho branco
americana,
Vende-se empacona d Ij libra : no armazem
deJosFemandwLim riNovaa.3.
Ba da laiperaerU, M. 60
M
GAMA 4 SILVA.
LOJA E AB1IA2R DB FAZKHDAS.
Teodo os proprietorlos deste grande esiabeleci-
mento feilo om grande abatifflento em muitas de
suas fazendas, pela oceasiao do balnco que deram
no ultimo de dezeiobro de 1865, resolveram veider
muito mais barato do qoe costumam am o> cada
vez mais agradarem aos" seos nomerosos fregu
zes -, por tanto Ihes offerecem om avolado sorti-
mento de fazendas francezas, ioglezas, as quaes
vendero mais barato do qoe em outra qoalquer
parte, comprometiendo se a mandar levar qoalqoer
fazenda em casa dos fregoezes qoe nao poderem
vir a loja, oo a darem as amostras, deizando ficar
o penhor, assim como convidan as pessoas, qoe
negoclam em menor escala qne neste grande esta-
belecimento encootraro om grande sortimento
tanto a retalbo como por atacado, vendendo-se-lhe
apenas pelos precos qoe compram as casas ingle-
tas, sendo com o dinheiro a' vista.
Peehlncha a 3#eeo e S50O
AS MELPOMENES DO PAVAO.
Vendemse bonitos cortes de melpomene para
vestidos de senhoras, sendo dos padroes mais mo-
dernos pelo baratissimo pre?o d 3*000 cada nm.
Ditos de indiana, teodo oito e meia varas, pelo
baratissimo prejo de 2*500 rs.
Isto para acabar na loja do Pavao, roa da Im-
peratriz n. 60, de Gama & Silva.
As toathas de 11 ho do Pavao.
Vendem-s superiores loalhas de linhos para
rosto pelo baratissimo prego de 7*300 a dozia ou
a 640 cada urna.
Guardanapos de linbo adamascado para meza a
2*800 a dozia ou a 240 rs. cada om.
Superior atoalhado de llnho com oito palmos de
largura sendo branco e pardo, e vende-se mais ba-
rato do que em ootro parte, na loja do Pavao na roa
da Imperairiz n. 60 de Gama & Silva.
Os corpinbos ae seda pretos do Pavao.
Vendem-se os mais ricos cerpinhos de seda pre-
tos, ricamente enfeitados, pelo barato preco de 12*
cada om : na loja do Pavio na roa da Imperatriz
o. 60, de Gama & Silva.
Os cortes de cambraia branco bordados na
loja do Pavao.
Vendem-se os mais ricos cortes de cambraia ri-
camente bordados com barras e babados a 20* ca-
da um : na loja e armazem do Pavo na ra da
Imperatriz n. 60, de Gama & Silva.
Rice* vestidos a 80000 rs.
pechincba adniravel.
S o Pavo receben pelo ultimo vapor francez
om grande sortimento dos mais ricos cortes de
vestidos transparentes com lindas barras e eefeites
de seda, sendo estes vestidos muito proprios para
baile e passeios, e vendem-se pelo baratissimo
preco de 8*000 rs. cada om, na loja do Pavo na
ra da Imperatriz n. 60 de Gama Silva.
Os chales prelos de renda do Pavo a 800v) rs.
Vendem-se os mais ricos chales pretc s de renda
com qoatro ponas, senda mnito grandes pelo ba-
ratissimo preco de 8*.
Ditos de guepnre a 15*, 18*, 20*, 25*.
Retondas de dito a 10*.
Manteletes de renda, tazenda muito superior a
15*000.
Capas e sautharr barqoes de grosdenaples bor-
dados, fazenda inteiramente nova, por presos mais
baratos qoe em outra qualquer parle.
Isto na loja armazem do Pavio na roa da Im-
peratriz n. 60 de Gama & Silva.
Oscbales de pavo a 2eoe e 2ooo rs.
Vendem-se chales de merino estampados a 2*
e 2*500 cada om.
Ditos de merm liso a 3*500.
Ditos estampados de crepoo a 6*, 7*. e 8*000.
Ditos prelos bordados com fraDja de seda a 14*.
Na loja e armaiem do Pavo na roa da Impera-
triz o. 60 de Gama & Silva.
Para luto vtnde o Pavo.
Selim da China com 6 palmos de largara, fazen-
da preta para loto, propria para vestidos e rcopas
para homens, sendo esta nova fazenda sem lastro e
de moito boa qualidade, garantindo-se nao car
rossa com o tempo e vende-se pelo barato prego de
2* e 2*500 o covado, assim como neste estabeleci-
mento tem om grande sortimento de todas as fa-
zendas pretas como sejam cassas e chitas pretas,
laas lapadas e transparentes, princeza?, alpacas,
sarjas, etc. : na loja e armazem do Pavao na roa
da Imperatriz n. 60, de Gama A Silva.
Os baioes do Pav3o.
Vendem-se soperiores baldes de muculina com
moita roda a 5*., ditos crinolines com 35 arcos a
3*500, ditos com 20 e 25 a 3*, ditos para meni-
nas, sendo brancos e encarnados a 2* e 2*500 :
na loja do Pavo na ra da Imperatriz n. 60, de
Gama & Silva.
Cambraias de forro a i($600 e 2 na loja
do Pavao.
Vendem-se pecas de cambraia de forro com no-
ve varas cada pega, pelos baratsimos precos de
1*600 e 2* : na loja e armazem do Pavo na roa
da Imperatriz n. 60, de Gama & Silva.
Os cortinados do Pavao.
Vendem-se soperiores cortinados adamascados
para camas pelo baratissimo prego de 1* cada par,
ditos moito Unos ricamente bordados para camas
ou janellas a 15*, 20 e 25* o par : na loja e ar-
mazem do Pavo na roa da Imperatriz n. 60, de
Gama & Sflra.
Panno preto a 2$ na loja do Pavo.
Vende-se panno preto. fazenda moito boa, pelo
barato preco de 2* o covado, dito muito Uno a
3*500, i*, i* e 6*, assim como casimira pieta de
cordo a 2* o covado : na loja do Pavo na roa da
Imperatriz n. 0, de Gtma & Silva.
Os espartilhos do PavSo.
Vendem-se orna graode e variado sortimento de
espartilhos dos mais bem feitos qoe tem 'vindo ao
mercado, sendo de todos os tamanhos, vendendo-se
por um prego moito razoavel : isto na loja do Pa-
vo na ra da Imperatriz n. 60, de Gama & Silva.
As salas bordadas do pavSo.
Vendem-se saias bordadas sendo fazenda moito
boa, sendo ricamente bordadas e com muita roda
vendendo-se pelos baratos pregos de 6* 89 e 10*
res cada orna na toja do Pavao na roa da Impera-
triz n. 60 de Gama & Silva.
Bretanha* de rolo a 3-sOOOfi
Vendem-se pegas de bretanba de rolo com 10
varas cada pega, pelo baratissimo prego de 3* :
na oja e armaiem do Pavo, roa da Imperatriz o.
60, de Gama & Silva.
Gama k Silva
Pechineha grande.
Os madapoies de Pavio.
Vende-se soperiores pegas madapolao, sendo
muito largo, e moito encorpado tendo 24 jardas
eada peca, pelo baratissimo prego de 8* e 9*000,
ditos a 6*00 e 7*, boa pechineha, e vende-se
na loja e armazem do Pavo, roa da Imperatriz n.
60 de Gama & Silva.
Cailmlras da eseoela.
Na loja da Pav2o
Chegoo esta nova fasenda com o come de ca-
zemira? da escocia sendo moito eocorpada pro-
prla para cateas, e coletes. e vende-se pelo baratis-
simo prego de 2*800 rs. o corto ou U600 rs. o co-
vado, pechincba por qoe tem doas larguras, isto
s na loja e armazem do Pavo, rna da Imperatriz
n. 60 de Gama & Silva.
Roapa felta.
Na loja do Pavio
Vende-se neste estabelecimento nm grande sor-
timento de roopas, tanto de panno como cazemiras,
e brins e pelos baraiissimos precos como sejam
caigas de caxeraira preta a6* 7* e 8*000re;s, pa-
letols de panno preto saceos a 6* 8* e 12*000 rs.
ditos sobrecasacos de panno inlssimo a 12* 18* e
25*000 reis, e ontros muitos artigos qoe seria en-
fadonhos aqu relato-Ios; s na loto e armazem do
Pavo roa da Imperatriz n. 60 de Gama di Silva.
Loja do pavo
brandes pechlncbas. .
Sediihas a 500 rs. catado
Sedabas a 300 ra.
Sedinhas a 500 n.
Vende-se na loja do PavSo, om grande sortimen-
to de sedinhas listradas com as mais bonitas cores,
sendo os padrs mais novos qoe tem rindo a mer-
cado, t vende-se palo paratisslmo praco de ctoco
lostoas o covado, sendo fasenda qne valem mnito
mala dinheiro, e grande pecblnctia porra ter
comprado orna grande ponida desta faeakn, na
loto e armaiem dt fasenda do Pavi, ruadatov
patrii n- 60 de
Cortes de cambraia com pal
Veadem-se cortes de ca
mas, sendo fazenda moito-boa, pi
preco de 2*500 para acb : na *
do Pavao na roa da Imperatriz n.
Silva.
Lenco brame* a *# res a
dIa. -
Vendem se lengos brancos fazenda mnito b
pelo baratissimo prego de 2* a dozia, Ditos com
barra de cor a 2*000 isto para acabar na loto do
Pavio na roa da Imperatriz n. 60 de Gama A 811-
"GRANDE PECHINCHA!
Lsiulias a 120 rs. na loja de Pavo
Vende-se lsinhas pretas proprias para lato sen-
do boa fazenda a 120 rs. o covado. Ditas moito
Anas de qoadrinhos a 480 e 320 rs., ditas entesta-
das a 400 rs., ditas mathizadas a 320 rs., ditas
transparentes com palma de sedas 400 rs., ditas li-
zas e com salpicos a 500 rs., para acabar na lija e
armazem do Pavo na roa da Imperatriz B. 60. de
Gama & Silva.
Poupelinas modernissimas a 400 e 500 rs.
o covado na loja do Pav5o.
Vendem-se poopelinas multo finas sendo fazenda
muito moderna de qoadrinhos e tiza vendendo-se
pelos baratos precos de 400 e 500 rs. o covado na
loja do Pavo na ra da Imperatriz n. 60 de Gama
& Silva.
Grosdenaples pretos do PavSo.
Vendem-se soperiores grosdenaples pretos pelos
baratissimos pregos de 1*500, 1*600, 1*800 e 2*
o covado, sendo fazenda moiio boa, s para aca-
bar : na loja e aruazem do Pavo, roa da Impe-
ratriz n. 60, de Gama & Silva.
Bramante de llnho do PavSo.
Vende-se superior bramante de linbo com 10
palmos de largura, proprios para lenges, pelos
baratissimos pregos de 2* e 2*600 a vara, assim
como panno de lioho mono fino pelos baratissimos
precos de 640,700 e 800 rs. a vara : na loja e ar-
mazem do Pavo, ra da Imperatriz d. 60, de Ga-
ma & Silva.
Cambraias lisas do Pavo.
Vendem-se pegas ae cambraia lisa muito supe-
rior, pelo barato prego de 3*200 e 3*500 a pega,
ditas moito finas a 5*, 6*. 7* e 8* : na loja e
armazem do Pavo, ra da Imperatriz n. 60, de
Gama & Silva.
PECHINCHA !
a 2*000, para calcas, s o Pave.
Vendem se soperiores cortes de meia casemira
com msela de seda a 2*, ditas Garibaldinas a
, 2*800, ditas escuras a 2*800, oo a 1*600 o cova-
do : na loja e armazem do Pavo, roa da Impera-
triz n. 60, de Gama & Silva.
PENTEADORES
ou roupes de cambraia bordados proprios
para as senhoras vestirem de manba.
Caegoo esta novidade paia a loja do Pave,
multo lindos e de melhor gosto al hoje, por pre-
', eos moito razoaveis : na loja do Pavo, roa da
Imperatriz n. 60, de Gama & Silva.
Mantas a I0OOO.
De pura seda
Vende-se na loja do Pavo, mantas de seda pre-
tas e de cores, lindos gosto pelo baratissimo prego
da 1*000 reis, sao das mas largas, assim como tem
om grande sortimento de gravatas de seda de cor
bordadas e de setiro preto e ditas de selim branco,
e vende por pregos muito resumidoss, o Pavo na
rna da Imperatriz n. 60 loja e armazem de Gama
& Silva.
Chitas roxas
a 6*000 reis a peca
S na loja so Pavo
Se vendem pegas de chitas rxas ingleza?, sendo
cores fizas tendo 38 covados cada urna pega pelo
baratissimo prego de 6*000 reis, a relalho a 160
rs. o covado, ditas escoras e claras a 200 rs. o co-
vado, lija do Pavo roa da Imperatriz n. 60 de Ga-
ma & Silva, Gama & Silva.
Novidades do PavSo
OU PECHINCHA ADMIRAVEL.
Escossezas a 3*200
Cegaram os mais lindos coi tes de escossezas,
proprios para vestidos, sendo fazenda inteiramente
nova no mercado; e vende se a 3*200 o corte ou
260 rs. o covado na loja e armazem do Pavo, ra
da Imperatriz, n. 60, de Gama & SilvaJ
Cassas francezas a 21.; rs. e covado.
Vendem-se bonitas cassas francezas de eores fi
xas pelo baratissimo prego de 240 o covado.
Ditas a 280, 320 e 360.
S na loja do Pavo, ra da Imperatriz n. 60, de
Gama & Silva.
Chitas avariadas.
Vendem-se finissiroas chitas francezas, com pe-
queo toque de avaria, pelo baratissimo prego de
280 o covado.
grande pechincba.
Assim como dius inglezas roxas e claras, sem
mofo nem avaria, pelo baratissimo prego de 160 o
covado ; assim como, ditas muito boas a 200 e 240
o covado, isto na loja e armazem do Pavo, ra da
Imperatriz n. 60, de Gama & Silva.
Grsdenaple preto a i#600.
E' grande pechineha 11
Vende-se grsdenaple preto, sendo mnito encor-
pado e de boa largura, pelo baratissimo' prego de
1*600 o covado : na roa da Imperatriz n. 60.
Rlseados a ISOrs.
Vende se riscadinho escoro proprio para vesti-
dos oo roopas para homem, pelo baratissimo pre-
go de 120 rs. o covado : s na roa da Imperatriz
n.60.
Os cachinez do Pavo.
Vendem-se bonitos cachinez de 13a ou agazalhos
para cabega pelo baratissimo prego de 3*000, s
na loja do Pavo, na ra da Imperatriz n. 60.
Algodozinho avariado.
Vendem-se pegas de algodozinho sendo moito
encorpado, e com 20 jardas, pelo baratissimo prego
de 5*000, por ter om pequeoo toqne de avaria.
O bramante do Pavo.
Vende-se superior bramante de linho cr tendo
qoatro palmos de largura, pelu baratissimo prego
de 800 rs. a vara, dito eom 10 palmos a ^*400 e
2*800 a vara, atoalhado de linho adamascado, alvo
e pardo, pelo baratissimo prego de- 2*800 rs. a
vara, na loja armazem do Pavo. na roa da Impe
ratriz n. 60.
PAR4 h 0UARESMA
PECHINCHA aDMIRAVEL.
Grsdenaple preto a 1 G00
Vende-se superior grsdenaple preto, fazenda
moito encorpada, pelo baratissimo prego de 1*600
o covado, sendo fazenda qoe val moito mais di-
nheiro : na loja e armazem do Pavo na roa da
Imperatriz n. 60, de Gama & Silva.
MANTAS PARA O PESCOCO
a 1*, s o Pavo.
Veadem-se bonitas mantas para o pescogo, pele
barato prego de 1* : na loja do Pavo na rna da
Imperatriz n. 6C, de Gama Se Silva.
Madapoies a 3,>00 rs. a pessa.
S na loja do Pavo.
Vende-se pegas de madapolao fino com 12 jar-
das, pelo barato prego de 3*500 e 4*000.
Grande pechinena.
LSasinhas a 240 o covado
Vende-se benitas liasmnai eom os mais lindos
gostos escoceses a 240 rs. o ovado; na loja do Pa-
vo na roa da Imperatriz n. 60 de Gama & Silva,
Chales de renda.
Na loja do Pavo.
Receberam-se os mais lindos chales pretos de
renda, assim como as mais modernas e compridas
retondes. e manteletes da mesma fazenda, e vende-
se mais barato qoe em outra qualquer parte: oa
loja e ajmazem do Pavo na roa da Imperatriz n.
66 de Gama & Silva.
CaMor a 3(0 rs. a covado, *
Para calcas.'
Vendem-se superiores castores moli encornados
pjwtroes osearos pelo barato prego de 330 rs. o co-
vado, servlndo esto fazenda tambem para escravos
por ser de moita duragao; na loja e armaiem do
Pavao roa da Imperatriz n. 60 de Gama ASlIva.
Chapeos para meninas a 6}M.
S na loja do PavSo.
Se vendem os mais bonitos e mais bd^^^H
dos ehapeoslnnos de palba da llalli, premios psrai
mmtoaa, pelo Baratissimo pwco de 6*000; aM
e armazem do Pavao na, ra da Unieratriz a- 00!
de Gama & Silva. W^
Para a quareaoia.
Vende o Pavo.
Superior grsdenaple preto a 1*600:1*800 e 2*,
ootro mnito largo a 2*800, 3* e 32fiO, e o sope-
r moire-antiqae a 2*800 e 3*, seda preta lavra-
da a 2* e 1*809, e selim preto a 3*500; na loja
do Pavio roa da Imperatm o. 60.
Corles de vestidos.
Prelos a 30*000.
Vendem-se cortes de vestidos pretos bordado a
velad polo barato prego de 30*. para aeabar na
toja do Pavo n. 60 de Gama & Silva.
Ldasmhas malisadas a 320 r*.
Veadem-se as mais lindas lasinhas multadas
com os mais bonitos desenbos, pelo barato prego de
320 rs. o covado; na loji do Pavo a ra. da im-
peratriz n. 00 de Gama & Silva. w
Novidades da Arara.
PECHINCHA.
Fazeodas prelas para a quaresna.
Arara vende grsdenaple preto a 1*600
Vende-se grsdenaple preto bom a 1*600,1*800
e 2* o covado, dito moito largo a 2*500 e 2*800
o covado : na roo da Imperatriz loja da Arara
n.56.
Moreantique da Arara a 2800,
Vende-se moreantique preto para vestidos mni-
to bom a 2*800 e 3* o covado, alpaca preta para
palelots e vestido., a 500, 600 e 800 rs, o covado,
merino preto raojto bom a 3* o covado : na roa
da Imperatnz loja da Arara o. 56.
Arara vende as saias a 3^500,
Vende se saias bordadas para senhoras a 3*500
e 4*, gollinbas bordadas a 240 e 320 rs. cada
orna : na rna da Imperatriz loja da Arara n. 56.
Chapeos de sol da Arara a 10400.
Vende-se chaposinhos de sol para meninos a
1*400 eada um. camisinhas para senhoras a 1*.
3* o 49 : s Arara ra da Imperatriz n. 56.
Arara vende os vestidos bordados a 4*,
Vende-se cortes de vestidos brancos bordados a
4*500, ditos de cores a 3, ditos bordados a la e
seda a 7* e 9* : na roa da Imperatriz o. 56. -
Os baloes da Arara a 20.
Vende-se baldes de arcos de todes os tamanhos
a 2*, 3*, 3J500 e 43, saias bordadas a 3*500 e
4* : na roa da Imperatriz n 56, loja da Arara.
Arara vende corles de la a 5*.
Vende-se cortes de la novos viudos pelo ultimo
vapor com 15 eovados pelo barato prego de 5*, di-
tos com barras a6* : na roa da Imperatriz loja d
Araran. 56.
Arara vende chales de 2>.
Vende-se chales de merino estampados 2*.
ditosde la a 1*600 e 1*, ditos de inclino moito
finos a 4* e 7* : roa da Imperatriz loja da Arara
n.56.
Madapolao entestado da Arora a 4*.
Vende-se pegas de madapalo entestado com 12
jardas a 4* e 4*500 dito de 24 jardas a 5*, 6*,
7* e 8*, dito mnito fino a 9* e 10*, pegas de al-
godo a 4*, 5*, 6* e 7*, dito muito encorpado a
7*500, 8* e 85500 : na roa da Imperatriz loja e
armazem da Arara n. 56.
Panno prdo da "loja da Arara a 2*.
Vende-se panno preto para caiga e paletot a 2*.
2*500, 3*, 4* e 5* o covado : na roa da Impera-
triz loja da Arara n. 56.
Arara vende cortes de cotim para calca a
1 1280 rs.
Vende-se corles de cotim para caiga a 1*280,
ditos de brim de cores a 1*400, cortes de ganga
para caiga a 1*600 : na' ra da Imperatriz loja da
Arara n. 56.
Cortes de casemira preta da Arara a 3*500.
Vende-se cortes de casemira preta para caiga a
3*500, 4*, 5* e 6*. ditos de cores de meia case-
mira a 2*500, 3* e 3*500 : na roa da Imperatriz
loja da Arara n. 56.
Arara vende os chales de renda a 8*.
Vende-se chales de fil de Iinin a 8* e tO*. di-
tos de seda a 16* e 20*, retondas de pello de li-
nbo a 10 p, 12* : na roa da Imperatriz loja da
Arara n. 56.
Vestidos a Maria Pia da Arara a 10*.
Vende-se cortes de la a Maria Pia a i0*, 12*,
16* e 20*, ditos muito finos com camisinha, sinto
e fivela a 25* e 28* : s a Arara vende por este
prego na ru da Imperatriz n. 56.
Araaa vende as lazinhas a 240 rs.
Vende-se lazinhas para vestidos de senbora a
240, 280, 400, 320 e 500 rs. o covado, chitas para
cobertas a 280, 320 e 470 rs. o covado : na ra da
Imperatriz loja da Arara o. 56.
Cortes de chita'da Arara a 2*.
Vende-se cortes de chita de cores fizas a 2*, di-
tas francezas a 2*800, cortes de cambraia france-
za a 2*800 : na roa da Imperatriz loja da Arara
n.56.
Arara vende organdys a 280 rs.
Vende-se organdys para vestido de senhora a
280, 320 e 400 o covado, fil de llnho de cores
para vestidos a 160 o covado : na ra da Impera-
triz loja da Arara n. 56.
As chitas da Arara a 200 rs. ? >
Vende-se chitas de cores fizas a 200 e 240 o ca-
vado, ditas francezas largas a 280, 320, 360 e 400
o covado, riscados francezes para vestidos a 240 o
covado, bretanba de rolo a 3* a pega : na ra da
Imperatriz loja da Arara n. 56.
Arara vende roupa feita.
Vende-se roopas feilas de todas as qualidades a
saber : caigas de brim de cores e de gangt a 2*
e 2*500, palelots de brim para andar por casa a
2* e 3*, camisas francezas a 2*, ditas de llnho de
pregas largas a 3* e outras muitas qualidades qoe
se vende mais barato bae em outra qoalqoer par-
te : s aa Arara ra da Imperatriz n. 56.
ii cha
Ka rna do Qaeimado n. 40
Cortes de laazinha de cor, bonitos gostos, com
15 covados a 3*600.
Cassas organdys de cores, covade a 240, pegas
de algodozinho largo com 17 varas a 4*.
Ditas de dito com 17 varas, moito encorpado,
com pequeo Jeito, a 4*500.
Grsdenaple preto moito superior, covado 2*.
Dito dito a 1*600.
Retondas de renda preta a 10*.
Chales de renda preta a 8*.
Cevadinha de Franca
a 160 rs. a libra, e de 8 libras para cima a 120
rs.: no armazem da Liga, ra Nova n. 60.
Escravos fgidos
Attenco
No dia 15 de fevereiro, fugio do Mangoinbo, o
preto Baldoiono, erioolo, idade 19 a 20 annos,
bonita figura, aitn regalar, chelo do corpo, mios
e ps grandes, e os ps moito cavados, denles saos,
e tem orna swatriz de om lado do rosto mais para
jnntd do oiho, tem a jonto da mo direita mais
groga do qoe a da outra por dores que tere; osle
escravo, tem pai e mal em casa de sua senbora D.
Tbereza Florentina. Lelte : qaem prender dito es-
cravo, dirjale a easa da mesma seooora qoe sera
recompensado.
150$ de gratifcalo.
Fugio no dia 21 de marco do anno prozimo
passado, da easa de sen senhor, o escravo cabra
escuro, de nome Benedicto, eom idade de 25 a 26
annos, levou vestido caiga de algodio de listra,
camisa de algodo da trra, chapeo de cooro de
abas largas; tinha cortado cabello a escovinha,
altara regalar, ebeio do corpo,olbos pretos emano
vivos, nariz e boca regalares, moito pooca barba
no qoeixo e om pequeo bosso, todos os denles,
ps regalares, etc., etc. Foi comprado naque He
mesmo da 9 oa 10, ao Sr. Jos Antonio Bortes,
eerr.o procorador do Sr. ArJdlflBn;4e Parva,
morador na cldade de Soeza,3HJMt faKi0
referido escravo, segando avto iHBPtoi do refe-
rido Sr. Pai va, e all anda qj B> algnmas
Vetes, para a seTra oei ^W- "oga-
mosportonto a todas as aM^Hpftfclaes e aos
senbores capitaes de cam.; oaptara do dito
escravo, e reme!te-1 de nossa residencia
a rna ^^^^1
cojo" traba
no/.ifp ja de r
^^BTsu-


-tT



'
I i
I \
I f
i!
*
DUrt 4e Perianbic* Qnlrnta felra 8 ale Marco de 1866.
III i a principio gostava do vo Non solara angeli, sed dii eliam, quod De im-
III A loptnosos beijos d wrtnlKf, sentase agora aba- raortatis vira et numen apud dos teraeant, appellan-
41 m tito or tur. (Cono. Trld.)
Mas...Talada tinha bstanle orgulho Resta- A dignidad do sacerdocio excede a dos an-
va-lbe anda algama belleza ; e esperava pela vofta los. (S. Ligoori, referindo-se a S. Tbnmaz.)
do beija flor I L Saeerddlu Ipsl quoque angel veneraotur. (S.
E o roaxinoi, que observara todo,So cessira de Greg. Mas.)
cantar; mas com ama ro -.lo triste, e tio sentida' > Toas les anges da del ne peavent absoadre
DI P00C0 DE TODO.
'E'do Sr. W.eF. esta
,, ain- qaa dir-s-hia ser os gomldca de ama dor aguia,
ir lido iQtoBt'* intimamente I
obresinho tioh sido d presado I A sua ti-
FJJ1\ S0I.TA.
Caneado de revdver-me no leito, o de iutar c<
a raais terrivel losomnla, resolv levantar-me
da que para tornar a deitarr-me depois de ter
awuui uuj .a, nod se prestara a ouvir os strasqueixomesl
mea qaarto. ^ ^or inraig0 dos araaill08 por certo'a tlmi
Eram 4 e meia da madrugada I dei I. .
Nao taavia duvida ; Morpheo naoi tinha qoerioo g ^ w se valdoMraenle
ingratamente fazer-me a bonra de saa mext.mavel ^^ ^ ^ ^ J^
v,5i,a ',.,. tn E elle ohegou ; mas acompaohado de um bando
Jentei, resignado, defronte da -^.tm de seQ9 eomt-iilw.
Vinba indicar-Ibes sua aotiga amante, e entre-
ga-la para elles a sea tamo gazarem-na I. -....
d'un pech. Les anges gardiens veillent sur les
ames qui lear sont eonQes; et si elles sont en
etat da pech, lis ne eesseot de les exciter a recou-
parcial do pbilosopho e do moralista descobrir
mais piedade e mais virtnde.
No preciso para (sto procurar ama causa so-
brenatural.
Era (alta d'ootra a cansa est na proprla
cao.
De mais (nao para todos mas para o maior
mero) as natnrezas, qne se destinara a esta vi
spera, e ingrata, contemplativa, da renuncia
trra, e anticipada habitagio no co sao natnrezas
graves, melanclicas, castas de corago, despidas
raurmiajgn impledade e o menor
protesto blaspheafl
qoal o i
prote
eis a tripera do propl i, a cadeira do orador sa-
Pare Uanokncio das
rldaf
\ ir
lbeei todos os li.vros, que ahi estavam desordena-
dos ; mas todos me pareceram to montonos, qne
prefer escrever,
Deu um beijo em despedida e para mostrar,
Peguei na penna e papel, e puz-me em postean | ^ ^^ ^ ^^ ^ Q^ e ^^ dexando-a
de trasladar para elle todo o que a inspiragao me. eotregue aos nov03 conqQSt ldores> qu8 por mt
ditasse. I vez a beijararo, arrancando ima por ama todas as
Mas qual I... Nem um pensamento, nem urna p(ju|as da pQbre flof ,
idea !
Estava alumente incapaz de produzr l
Ergul-me zangado, accendi ura charuto, e abri
as janellas do mea quarto, que deilavarn para um
lindo jardim.
Esta bem, disse eu em soliloquio, voa apre-
ciar o meu espectculo favorito o nascer da au-
rora e tomando urna poslco commoda dispuz-me
a esperar que a natareza, incansavel em aos libe-
ralisar as mais sublimes e snrprehendentes scenas
mimoseasse-me com urna de suas obras primas
o nascer do da.
O o eslava recamado de mynadas de estrellas,
que porfa scmtillavam com luz mais viva e bri-
Ibante.
A la, laucando em despedida trra seus lti-
mos reflexos, ia j se embebendo no borisonte, pra-
toando algumas navens brancas, que pareciam
eis acompanba-la em sua retirada.
Tudo jazia em profundo silencio: a natureza
reuna todas as suas torcas para apa.vonar-se sober-
bamente dahi i pouco coberta da suas mais ricas
tongadas.
Apenas ouvla-se o ronco sota dos vagalboes,
quebrando-se nos roelfes, qae formam a barra des-
ta nossa potica cidade do Recite, mas que todas
dotada das mais bellas maravilbas, dos mais subli-
mes encantos,, que o Creador se prodigalisar s
sns obras.
E partiram, zurabindo alegremente, a basca de
novas victimas I-----
A flor sentio-se de todo perdida i s com os es-
pinos, e sem ter mais onde raluzisse urna gotta de
orvalbo 1
Olbou para as suas companlieiras, que desabro-
chavam formosas, e puras, leve inveja e vergonha,
e pendendo o calix despido sobre a gramma cho-
rou amargamente e morrea !......
O ronxinol prelndion entao um lamento tio tris-
te, to solacado, qne en flguei profundamente
commovidol
Em seguida saltn do arbusto, beixou dolorosa-
mente o calix da flor, apanbon urna por ama todas
as ptalas, e parti I......
Foi cboiar at morrer vista dos fragmentos de
seu amor ?
Foi guardar o cadver de quem ingratamente o
tinha despresado I
aot prtres, jus qo'a ce qa'elles en aient recu das paixes enrgicas, qd> perturban) a vida ; in-
l'absolatloo. (Le prte devant le sicle.) \ diadas obediencia, a concentrado, adorago,
Licet asslstant sacerdotls imperium expectau- ao rogo, abnegacao das cousas celestes,
tes, nullus lamen eoram Jigandl atque solvendi ha- Esta vocaco nao vlrtude ; mas o sea cami-
ne! potestatem. (S. Pedro Damiio.) nho.
< Se eu visse ura anjo do paraizo, e um padre. Ha mais probabilidade de qne o bomem, que es-
eu dobraria primeiro o joelho dianta do padre, de- la neste caminho chega mais santidade do qne
pois anteo anjo. (S. Franc. d'As.) depravado.
E' igual i Virgem Mara. t Alm disso a proOssao um exercicio habitual,
O" veneranda aacerdotum dignius, in quorum o constante de certas faculdades moraes do ho-
manibus Del Filias, vdall tn ulero virginis, incar-;mem em delrimento de ootras.
natar. (S. Ag.) ^ste erciclo imposto desde a Infancia at a
E', em certo sentido, wperor Virgem ; por- tomba Pela PwBaslo fortifica as boas Incllnac5es,
que elle concebe a Jess Chrislo qnanias vezes e *'en** as m*s-
qQer. ., | A virtnde urna for?a : centuplicase esta for-
Excedlt sacerdotalis potestas Virginis potesta- <, como todas as outras pelo exercicio.
tem. > (S. Bem.) ', Quem ousaria pretender qne a Inta nao forma o
t Beata Virgo solum semel apernit Ccolura; sa-' atbleta ? A batalha o gnerreiro ? A tribuna o ora-
cerdos qulibet Missa. ( S. Vic. Ferr.) dor T A reflexo o philosopho 1
E' o vigario de Jesus.Christo. Porque o estudo, a oradlo, o isolamento, o com
Sacerdotes vicarii Christi. (S. Joo Ghris- bate corpo corpo contra a natureza nao form-
is. Cypr.)
c
tomo.)
c Sacerdos Christi vice fungitur. >
E' a imagem de Jess Cbristo.
Debent formam visibilem Christi
ostendere. > (S. Boav.)
E' igoal a Jess Cbristo no confessionario.
O primeiro concert ter lagar em Saint Easia-
che, por occasio da solemnidade annoal das esco-
las populares.
Fallase, alm do orgao que sera'tooado pelo
abbade Lislz, de orna instramentacSo poderosa e
imprevista.
Os solos serio interpretados pelas primeiras to-
zes das scenas lyrlcas de Pars, acorapanbadas por
cem coristas escolbldos.
Depois de ser executada em Saint Eustache, em
As mulherea ria a berravam e guin beneficio da assoehco de soccorros para os alam-
chavam os ocrom i de bocea abena, e os oos indigentes q'ne freqnentam as escolas prima
Ha dias' em Pars, o boulevard des Italiens, a
ra parisiense Pdfll tf* *"" ma's ru'^oso &
q o* o costa
Deram 5 horas.
A porgo de laz fraca, que prlncipiei a divisar
no oriente, e a cor prateada, de que eomecaram a
revistir algumas nuvens, dispostas isoladamente a o
nascente, rae fizeram conbecer o principio do es
pectaculo, que eu pretenda mais urna vez admi-
rar.
Com effeito; o dia vinba despontando.
A claridade foi pouco e pouco se diffundindo
palo espaco ; e as nuvesinhas, que eu tinha visto
candidas, se tingirara d'uma cor pnrpurina, Unto
raais viva, quaoto raais dellas se approximava o
astrore.
Erara os primeiros ajreboes da mantisa.
Um rumor, que gradualmente a crescendo, me
annunciou, que a cidade despertava, e que cada
um, convidado pela lote calor vivificador do sol,
se entregava aos laboras da vespera, ioterrompidos
pela nterposicao da noitee, providencialmente des-
tinada ao repouso.
Os passaros, os primeiros a festejarem o nasci-
mealo do da, trinavam maviosamente sacudindo
Jgtk e saltando de arvore em arvore procura-
vam o alimento guolidianno. .
Eu rae entretmha em ve-fos esvoagar doida-
mente, enchendo o ar de soos alegres.
Um canto mavioso e teno attrahlndo-oie a at-
'engao, fez procurar com interesse o cantor, que
sabia executar to bellas harmonas.
Era um lindissimo rouxinol, que poasado n'um
arbusto cantava enamorado os encantos d'araa rosa,
cujas ptelas, carmneas estavam a Gofaradas pelas
lagrimas da noite.
O cantor nao cessava de admirar a flor, que de
vez em quando baloucava-se garbosa, lisongeada
de cuvir to melliQuos bymnos.
E o passaro pareca aatisfeito de lao pouco I
E' que o objecto amado tem tanto para nos dar,
qae basta nos conceda o mais insignificante e cora-
mura de suas gracas para crer-mo-nos felizes I...
A caifa balouco da fbr ama gotta de orvalho
rolava das ptelas, e ia cahir sobre a gramma,
qae tapetava o cbo. E o ronxinol, saltando ligei.
ro, sagava-a, e voltava ao arbusto para recome-
car mais contente o seo temo cantar.
Era o quaoto elle se atreva a fazer 1
Nao oasava approxiraar-se da rosa, e toca-laj
temendo mancba-la com nm beijo, sahido de sen
biquinho mimoso I
Como era simples e inexperiente I...
Este esteclacnlo, deleitaodo-me summamente,
convidava meu espirito a pensar nelle, e a procu-
rar fazer algama applicaco ao que se passa todos
os dias no mundo praltco ; quando fui obrigado a
a tender a approximaco de um beija-flor, qae es-
voacando algam lempo ao redor da rosa, zumbi
desbarmonfosamente, e introduzindo o biquinho
lascivo Das ptelas da flor, sugoa-lne at a ultima
gotta o orvalho qae as refrescava I
Nao salisfeito beijou ainda.
O beijo foi to prolongado, que urna ptala, des-
prendendo se do calix, rolou sobre a gramma I
O passarinbo esvoacou um pouco, e beijou se-
gunda vez : nova ptela cabio i
Deu terceiro beijo ; e outra ptala tombou 1
Ja sattsfeito, parti voando alegremente.
Tinha-se enfastiado I... Era nataral I
A flor nada mais tinha para dar I
FOLHETIM
a SEPULTURA" DE FERRO
POR
Henriqae Consciencc
(Continuajo.)
Rosa doan-se da mlnha perturbaco e valeu-me.
Pox a saa cadeira bem chegada a minha, dispoz
mais commodamente o gaardanapo de redor do
mea pescoco e melteu-me a coltir na mi. Ao
principio obedec macblnalmeote ao qae ella me
dizia, mais depois as suas palavras animadoras
alentaram-me um pouco. Ella era ama boa mi
velando sobre o seo desasado protegido. Disse ao
criado que me cortasse a carne em bocados, deu-
me o nome das iguarias presentes, duaadome qae
gosto tinbam, ensiBon-me como devta pagar no
garfo e por osjossos das aves na beira do prato, e
como devia iimpar a bocea e as raios com o gaar-
danapo. Em una palavia, ensinou-me i comer
convenientemente, com delicada attencio e lerna
solhcitode, qae encherai 10 de reco-
nhecimento.
Hara tortas e do a docura a ex-
quisito porfome, oa^H nana o gosto do que
eMila.
A riqueza da sala, os doarados das paredes, os
SOBRE A EXCOMMUNHO.
(Artigo 2o.)
O percussor de um clrigo deve ser excommun-
gadol
O bom senso, e a razio esclarecida; as ieis ec-
clesiasticas, e a santidade do ministerio sacerdotal
respondem que sim.
Nenbuma socledade pode subsistir e permane-
cer consentinds em sea seio membros qne desres-
peitem e maltraten] os membros mais qaalificados
que a constllaem.
Que re nao castigarla com todo o peso de sna
justa cholera o vassallo insolente que ousasse por
mos violentas em seus ministros ?
E se Deus manda nomeadamente respeTtar os
velbos (Lev. 19, 32, Job 32, 4,6, 7, Prov. 16, 31;
20, 29, E-das. 4, 7; 7, 13; 8, 7 a 12 ; 32, 13; 42,
8; Isai 47, 6;) se manda respeitar os principios e
magistrados, cbamando-os at deoses (Ex. 22, 8, 9,
28 ; tteis 1.I., t, 35; 10,1; 16,13 ; 24, 7, 11;
26,9 ; 1. 2., 1,14; 14, 21; Par. 1. 2, cap. 36,13;
Job 34, 19 ; Ps. 19, 7; 81, 1, 6; Pro. 11, 14; 16,
10; 24, 21,! 22 11 Eccls 8,2,3 ; 10, 20 ; Bar. 1,
11,12; S. Matb. 17, 24; 22, 21; se manda respei-
tar os templos, cousa material, por que sao elles a
sua residencia, o seu sanclaarlo, Lev. 19,30; Josu
5, 16; Rji's 1. 3., cap. 6, 7 ; 9, 3 ; P.ir. l. !. c
13, 9, e seguintes; 1. 2, 6 v. 19, 20 e 21; 7, 16;
23,14 e 19; Esdras l. 2, c. 13, v. 7, 8 e 9; Ps. 67
6 68,10; 92, 6; 150, 1; Eccl. 4, 77, Jerem. 17^
12 j Hab 2, 20; Aggeo 1, 9,10 e 11; Mace. 2, 3,38,
39 ; 1, 5, 15; como nao cercara de todos os pre-
vilegios, respeitos e prestigios os seas ministros, os
seas ser vos immedatos, os operarios da saa vinba,
os seus Christos ?
Nolite tangere Christos meos disse o Salva-
dor por bocea do Evangelista.
Aqnelle que vos escuta, me escuta, e o qae vos
despreza, me despreza > accrescentou S. Lucas.
Queris saber o que um padre, paterphobos do se-
clo actual? Oavie, nao os padres hodiernos, per-
seguidos, Injuriados, ludibriados, atirados a um
canto da sociedade, e dos quaes se foge como de le-
prosos ncjeotos, de monturos ambulantes; mas sim
esses horaens notaveis pela santidade da sua vida,
iozeiros da anMguidade, pecas de sabedoria, de clo-
queada e de virtudes.
Coraecemos por esses Apostlos e Evangelistas,
primeiros echos do Verbo Divino, cojas vozes, das
margeos do Genesaretb e do Liberiades, se foram
quebrar as extremidades do globo.
Passaremos depois a esses grandes santos que
sao outras tantas pedras preciosas, engastadas na
immensa aureola que circunda a cadeira do pri-
meiro pescador.
Concluiremos ento com as ctaces d'esses gran-
des vultos da lllnslrco e da sciencia contempo-
rnea europea.
E, pois, j que a verdade urna, que importa
que ella seja ouvida da bocea de Paulo, ou de La-
martine, de Agostinho, ou de Alexandre Hercnlano,
de S. Joio Cbrisostomo, ou d'AIraeida Garret, com
tanto que ella se pronuncie pnra e santa Y
Vejamos o que ura padre.
t O padre o bomem de Deus. > (S. Paulo 1.
ad Thim. 6.)
c E' o jniz dos Aojos Angelos jndicabimas. >
(1 ad cor. 6.)
c Per Evaogelium ego vos genui. (S. Pau-
lo.)
E' mais do qae S. Joo Baptista.
f Qui miuor est in regoo coelorum, major est
lllo. i (Ev.)
c Um anjo e tois qne um anjo > ( Olier, de la
supreme dignlt du sacerdoce.)
rao tambem a piedade e a virtnde 1
O habito s de medito-la, de prega-la, de pratl-
ca-la em seus actos externos bastara para inspi-
ra se ipsis rar-lbes o gosto, e formar-ibes o simulacro, senio
a realidade n'alma.
O sacerdocio em geral pois urna- legitima pre-
i Se o Redemptor, diz S. Llgaori, se sentosse sumpcao de virtude.
em am confessiona/io para administrar u Sacra- Qaando queris ouro, vos o procuraos no ouri-
mento da penitencia, e defronte se coliocasse nm ves, quando queris incens no thuribulo, quando
padre, e Jess Chrislo dissesse Ego te absolvo, quizerdes a santidade ide procora-la n'aquelles,
e o padre nronuncasse as mesmas palavras, de que se santificara por excellencia.
ambos oslados os peccados estariam igualmente Ha urna razio alm disso para que a virtude se-
perdoados. Ja ma,s toquente e mais pura na profisso sacer-
O ego do padre converte-se em Jess Chrislo, IlW do qae as outras : este supplmento a
que o faz dizer no altar.-Esi i o meu corpo (S.. honestidade que se cha
Prosp.)
E' o prente de Jess Chrsto.
c Sacerdotes prenles sont Christi > (S. Bern.)
c E' creador como Elle, e transformador das
substancias. (S. Cbrysol.)
Os olbares do mundo esli sobre o padre para
ver se elle conforma a sua vida com a sna profis-
Sea corpo urna Igreja em que Deus reside.
c Speciallssima Dei tabemacnia. > (S. Leo.)
a Habitante in nobis Cbristo, erit omnino nobis-
cum genitor. (S. Cyrlllo.)
E' a pupilla dosolhos, e a parte mais lnminosa
de Deus.
< Hi sunt pupilla psius Dei oculorum. (S.
Carlos Borrom.)
t Sol Deo et Creatorl loo inferior es. (S. Cas-
sianno.)
c Post Deum terrenus Deus. (S. Clem.)
< Obediente Deo vocl bominis. > (S. Leao.)
f Oh I veneravel santidade de raios t exclama
S. Agostinho, aquello qae me creou, deu-me tam-
bem o poder de o crear 1 >
E ser todo isto o sacerdote, ainda quando elle
O vicio que apenas vicio no mundo um es
cndalo no santuario, e este pudor urna sentinel
la profana; mas emfim urna sentinella Vigilante
da vida do ministro dos altores.
Aqnelle, qne traja ama tnica branca, receia-se
mais das nodoas, do que o que traz vestimenta
vulgar. 'sS" A venerago inslinctiva, que envolve
o padre de um preconceito de virtude superior ao
resto dos homens nio pois puramente urna cbi-
mera.
Os respeitos ao sacerdocio sao um signal de res-
peito intimo, que toda creatnra piedosa tem dl-
vindade.
Estes homens passam por viverem em commu-
nica(o mais intima com o infinito, que nos pro-
curamos todos. '
Tem nomes mysteriosos escriptos em seus pei-
seja indifferente, infiel, falso, bypocrita, ou crimi- tos, trajam a libr do rei dos reis : elle, que se
noso. i sada nelles.
f Et si pravi sint sacerdotes, Deus omnia per j E ^ elles leem pa|am na tribuna das al-
os perficiel. (S. J. Chrys.) mas. sao os oradores da moral; o pulpito o seu
O Divino Mestre nao mandou o povo chasquea^' (hrono 43)
nem achmcalhar os qae se sentavara na cadeira de I Este'tnrono para 0 padre de genio mais eleva*
Moyss; anles Ihes recommendou que ouvissem d qQ( Q dos reis de e,|e reina no mnn.
com attenco a doutrina; mas que nao tmitassem' do das consciencas#
as obras. .,
De todos os lagares a qae o mortal pode sabir
velbos meneavam a cabeca.
E lado isto por causa de um ente extravagante
em indo, no andar, as maneiras, no trajar e na
figura.
Calcava botas feitas de urna pelle enrugada a
qual larga um vago perfume de almiscar, de coa-
ro de rbiooceronte; o calcio era de urna fazenda
sem nome, que poderia quasi passar por ganga e
pelle de gamo.
O colete tinha botoes de esmeraldas, trazia em
redor da cintura um cachemira, o paleto tinha um
capuz, e era feito de um tecido imposslvel de defi-
nir, e forrado de pelle de colimbo branco.
Finalmente, cobria-lbe a caneca nm chapeo da
largura de um metro, tendo apenas um p de alto;
sob este immenso chapeo vlam-se compridos cabel-
los grisalhos; urna barba veneravel, e um bamb
na mao.
Quem era este bomem, atraz do qual ulalava a
populacio?
E ama mascara, dizam os gaiatos; um douao,
diziam as comadres;
Pipe-en-Bois, diziam alguns; um original, diziam
os artistas; s estes que se aproxima vam da ver-
dade.
Era um sabio, nm naturalista, um explorador;
era Smarck, o grande Smarck, que parti ha dez
annos de Philadelpbia para explorar todas as re-
gies mystenosas da frica, por conta de urna
grande sociedade geograpbica.
Desde da sua partida, ninguem sabia o destino
que levara.
Smarck vio Tomboacton, o Nilo branco, o Niio
azul, Nilos de todas as cores, as montadlas da la,
e talvez mesmo a iua.
Atravessou a capital da Franga, e parti para o
Havre, onde deve embarcar para regressar a Ame-
rica, e saccudio a poeira das suas botas, ao chegar
a porta da estacio de S. Lzaro, araaldicoando o
centro das lozes qne elle considera como urna ci-
dade barbaresca... pelo terem apupado uns pou-
os de gaiatos.
E dizia com desdem :
Em Tombouclon, era a mesraa cousa; toda-
va i eram um.pouco mais selvagens, apedreja-
vam-me.
O' civilisaco I
Entre a grande cidade dos brancos e a grande
cidade da pretarla, nota-se tio smente a differen-
Qa da injuria as pedradas.
E ainda assira, nao ha pedras nem cascalho as
ras de Pars.
ras, a partitura de Frantz Listz ser ouvida na c-
thedral de Notre Dame em beneficio de L'CBuvre
dos orphos.
c Omnia ergo qacecumque dixerint vobis serva
te et facite; secondra vero
acere. (S. Math. 23, 3.)
O confessionario e o palpito o de Jess Cbristo:
- ,_.;___ i ,, ai. c <,<> em sua pessoa a conviccao que assegura a attlluae,
mas as obras sao do homens; pelo que d.z S. Agos-, & ^J^ ^.^ ^ q ^. ^ -^
tinAadiuntur ullliter qui etim non ntiliter'a *; a autorldade que impe; a fama que
agunt. (S. Agost. I. 4." de doctrina chris- Pred.sP5e; o pontificado que consagra; a velh.ee,
* 1 que a santidade do rosto; o genio, que a divin-
los dade da palavra, a idea reflectida, que a conquis-
1 to da intelligencia, a exploso atrevida, que o as-
I salto do espirito, a poesa, que o resplendor da
! verdade, a gravidade da voz, qoe o timbre dos
Quem falla Lamartine; nao a lingnagem A
opera eorn 1 nolite 80bre a terra'' mals aIl P*ral noBaem de 8enl
incontestaveimente a tribuna sagrada.
Se esle bomem Bossuet; isto se elle rene
(Jugamos agora a voz de nm dos maiores
da litteratura e da illustraco franceza contempo-
rnea.
Lamartine; nio a liognagem do
padre carola, mas a do philosopho e do historiador
imparcial. .
c Nos nao. queremos nem lisoogear, nem obs-
curecer aqui o sacerdocio. Nao queremos fallar
do padre, seno como philosopho, e como histo-
riador.
c A theologia como a consciencia do dominio
privado de cada comraunhio. Nio entramos ahi.
Mas deixando do lado a theologia do padre, e nio
considerando aqui mais qae a profisso sacerdotal
em suas relacoes com o mundo, nos devemos re-
conhecer as superioridades moraes, e os privile-
gios inherentes a esto profisso para o homem de
genio, e de virlodes, qae se consagra a ella. E
logo qae am preconceito de piedade, de torga e de
virtudes se espalba no mesmo instante sobre o pa-
dre, a santidade de sanctuano o segu d'alguma
sorte alm do logar sagrado.
t Este preconceito nao puramente imaginario.
Nos conhecemos as fraquezas, os vicios, as ambi-
cies, os orgulbos, as bypocriaias do estado enfa-
enados em bnrel, ou em linbo : o Evaogelho mes-
mo levanta a pedra dos sepulchros alvejantes para
desacreditar as sanias apparencias. Sim a opa nao
transforma as desformidades do corpo. Ha vicios
nos sacerdotes, e estes vicios sio mesmo mais vi-
cios, qne as ootras condedes, porque elles juram
mais pela santidade de Deus e pela pureza da
moral. Mas nao concedo neste ponto algum privi-
legio ao sacerdocio.
E'-nos mpossivel nao reconbecer, que a voca.
gao tem influencia sobre a vida, e que a profisso
sacerdotal aquella onde cortamente o olbar m-
espelbos qoe multiplicavam Indo e em qne se per-
da a vista em longes infinitos, ludo isso era para
mim um grande peso pela sua magnificencia e es-
plendor. Urna cousa especialmente me exeitova a
admiragio eme attrabia irresistivelmente a vista
Durante o jamar, tlnbam-me deitado vinho em
nm copo e fizeram-me beber. Parecen-me azedo
e amargo.- A' sobremesa disse-me Rcsa que havia
de vir vinho doce qoe me agradasse. Ainda ella
estova a dlze-lo e j o criado se apreseotava com
pensamentos, os cabellos brancos, a pallidez como
vida, o olhar longo, a bocea cordeal, os gestos
emfim, qne sio altitudes visiveis d'alma, se este
homem sahe lentamente do seu retiro, como de ura
santuario interior, se elle se deixa levar pouco
pouco pela inspiragio, como a aguia em sua pri
meira pisada, e cujos primeiros batidos das azas
sio para apaoharbastante ar para elevar o seu vo,
se toma emfim sua respirarlo e seu ve, se elle
nio sent mais o pulpito debaixo dos seus ps, se
elle respira a longos tragos o espirito divino, e se
elle derrama em torrentes dessa altura desmedida
inspirago ou o que se chama a palavra de Deus
ao seu auditorio, este homem nao mais um bo-
mem, ama voz.
E que voz? Urna voz que jamis ficou ronca, en-
riquecida, spera, irritada, profanada em nossas
rizas mundanas e apalxonadas de interesses ou do
seclo, urna voz que como a do raio as nuvens,
ou como a do orgao as baslicas, nio foi mais do
qoe um orgao de poder ou de persuaso divina s
nossas almas: urna voz que nio falla senio ou-
vlntes de joelbos, urna voz que se escuta em silen-
cio, qual ninguem responde senio por urna indi-
nagio de cabega, ou por lagrimas nos olbos, mudos
applausos da alma, urna voz que se nao refota, e
que se nio contradiz nunca mesmo quando ella es-
pacia ou fere, urna voz emfim, que nio falla, nem
em nome da opiniio, cousa fugitiva, nem da pbilo-
sophia, cousa questionavel, nem em nome da pa-
tria, cousa local, nem em nome da soberana do
principe, cousa temporal, nem em nome do proprio
orador, mas sm nome de Deas, aatoridade de lin-
guagem, que nada tem sobre a trra, e contra a
Era ama grande estatua branca qae rae fieaVa a! ama garraa qae pareca de prato. Allende! com
esqaerda, sobre ura grande pedestal, encostado a cnrlosidade no que elle ia fazer com ama especie
parede. Nao poda entender o que ella represen
tova. Era um bomem meio n, pensado apenas na
ponto do p e parecendo querer arremessar-se aos
de pinga qoe tinba na mi.
De repente soou am estalo como o de orna arma
de fogo; e como Rosa esconda o rosto as mios,
ares. Tinba duas azas pequeas porddrax da ca- dando am grande grito, pensel qoe iba tinha suc-
beca e duas em cada p, e na mao direita duas ser-' cedido algum mal.
peotes entogadas.
J Rosa, vendo a minba admlragio, me tinha di-
to que essa estatua representava o deas Mercarlo ;
mas como minba mi, fazendo-rae 1er no mea ca-
tbecismo, nanea me tinba faltado em aemelnante
deas, nao Aquel saneado nada. Domis o qoe meas
olbos proeanvam n'aqnella obra de arto nao era a
slgnificagio da estatua. Espantava-me que se po.
desse Imitar tio bem, em madeira ou em pedra, o
corpo figura do Itomem qoe parecessem terem
vida; porque por mais da ama vez tinba abaixado
a cabega estremecendo, com recelo do qae saltaste
por cima de mim aqaelle deas desconheddo. Tam-
bem examine! eorn enrise attengao como a esta-
tua era feita o esforcei-me por gravar as formas na
miaba memoria, como se viesse nm lia em qae
me fosse posslvel cortar em satgueiro, com mi-
aba navalba, algama coasa qae com aqaillo se pa-
recova.
Tremendo como am rime, puz-me de om salto
em p; de meo peito rompen am grito de terror e
clamei distinctamente:
Rosal Rom I
Ai, 0 pobre Leo que falln outra vez t dis-
te a menina com alegra. O pap ouvio, lio ou-
to ? Disse o meo nome too claro como quem sabe
tallar.
' Deu-me a entender, rindo, qae o estelo nio ti-
nha sido senio o som produzido pela rolba qne sa-
ture com torga do gargalo da garrafa e qae por
gracejo tinba fingido assustar-me. Para tranquil-
lsar-me, metten-me na mao am calix de vinho es-
pumoso e obrigou-me a despeja-lo qoasl todo.
Entretanto, os pais de Rosa fallavam de mim e
do estranbo pbenomeno que acabavam depreaen-
ciar. O Sr. Pavelyn fet-me tentar de nev a w-
petigio do nome de saa filha, mas foi obrigado a
reconbecer, depois de mnitos esforcos qae fiz em
vio, qae outra vez me viera a ser completamente
impossivel articular um som determinado pela tor-
ga nica da minba vontode.
E', disse elle a Sra. Pavelyn, debaixo da im-
pressio de am sasto oa de ama commogio violen
Ainda ba viuvas na India que se queimam por
Ibes morrerem os maridos.
O exemplo mais recente de que fallara as folbas
estrangeiras foi dado pela viuva de um bar-
beiro.
Depois da morte de seu marido, declaran que
nao quera viver sera elle e qne se conformara com
as prescnpges da le de Brabma.
Resisti todas as observagoes dos seus amigos
e paredes, e mandou levantar ama pyra na qnal
se assentou com o corpo do marido deitado sobre
es joelbos.
Antes disso tinha impregnado os vestidos e os
cabellos com urna substancia inflammavel chamada
ghea.
Pelas costas e pelos lados foram erguidos feixes
de lenba at a' altura da cinto.
A viuva conservou a maior serenidade durante
os preparativos.
Foi ella mesma qae dea ordeno para se por fogo
pyra.
J as labaredas a cercavam e ella ainda conver-
siva com os numerosos espectadores; nao soltou
um grito nem um gemido quando o fumo fez des-
apparecer aos olbos de todos a victima, qae de certo
oi a-phy liada em poneos segundos.
A repblica do Per conta actualmente com as
seguintes torgas navaes, no momento de firmar a
sua allianga offensiva e defensiva com o Chili cen-
tra a Hespanba :
Navios novos.
Duas corvetas eoaragadas a um navio trmado
de esporio, e nm monitor de construegio lngleza,
cujos nomes sio ainda ignorados.
A corveta Umon, construegio ingleza, de 14
pegas.
A corveta America, idem, de 18 pegas.
Navios antigos.
A fragata Amazonas, de 30 pegas; idem Apcvr,
mac, de 20 pegas; o vapor Lerzundi, de 12 pegas,
idem Chalaco, de 12 pegas; os vapores Duque de
Guissa e o queque.
Dous monitores de construegio peruana, o Loa
e a Victoria.
Esquadnlka chilena,
A corveta Esmeralda, de 18 pegas.
Vapor Maip, 3 ditas.
Corsario Antonio Vargas, 3 ditos.
Goleta Cavadonga, 2 ditas.
Fallara as folhas francezas de mais um perigo
corrido pelo domador Bally de toras que esto em
Pars.
Em um dos ltimos espectculos, mal tinba Bat.
ty entrado na jaula dos seos animaos quando se
noiou agitaco e cholera na lea.
Os dous leoes e a outra lea tambem nao esta-
vam com mdto boas disposigoes.3
O domador nao exercia sobre elles o seu presti-
gio ordinario.
A lea move-se ; di saltos aterradores; de re-
pente para e fica imraovel, com os olbos fitos no
domador.
Os.outros tres animaos eslo proraptos para ca-
hirem sobre elle.
Batty sai recnaodo.
O espectculo interrompido.
O publico comprenendeu logo as causas daquella
scena.
Alguns minutos antes de ser levada a gaiola de
ferro para o meio do circo, a lea tinha tido am
leiosinbo, que fura i inmediatamente separado da
mi.
No momento em que entrava Batty na jaula, a
lera tinha ontro filho.
Ja os lees se prepara vam para devoraren) o re-
cem-nascido, por que o que fazem as toras ven-
do-se presas.
A mii qaeria defender o leiosinbo dos ontros
lees e de Batty.
Eslava furiosa e la travar-se ama terrivel ba-
talha.
Separou-se a lea e tirou-se-lhe o filho, qne nm
empregado de Batty mostrou ao publico aferran-
do-o pela pelle do cachago.
Nao era maior do qne um gato ordinario e pa-
reca mnito socegado, assistindo com profunda tn-
dilferenga a scena violenta de que elle era causa.
Muitos espectadores sabiram lego no principio.
As senhoras sallavam por cima da grade.
Quasi todas estavam lividas de sasto.
Havia rostos em qae se espraira a pallidez da
morte.
Duas senhoras desroaiaram nos corredores.
Outra cahie na escada exterior, tomada de um
violento ataque de ervos.
Batty mostrou urna coragem heroica.
Se nio fosse a ncrvel tranquilidade de animo
de que deu provas, estara agora infallivelmente
feito em pedagos.
ilia
Menciona om jornal francez um episodio que
teve lagar no baile dado em Pars pelo embaixador
da Prussia, ao qual assistiram o imperador e a im
peratriz dos Francezos.
A' meia noite em ponto, o Sr. De Goltz recebeu
um telegramma do seu augusto soberano, em que
pedia que entregasse em seu nome um ramalhete
i imperatriz.
O ramalhete foi entregne e o telegrapho trans-
mimo sem detenga os agradecimentos de SS. MM.
iraperiaes.
Que excesso de attenges I...
Isto leva, por torga, agua no bco.
No dia 1 de fevereiro foi permittid em Franga
a destribuigio da Independencia Belga aos seus
assignantes, depois de ama exclusio de nanitas se-
manas.
O famoso pianista Listz, hoje transformado em
abbade pela curia romana, acaba de chegar a Pars
para all fazer executar a sna msica religiosa.
Diz o Evenement qoe este insigne artista est
hospedado na roa do Bac, na casa das misses es-
trangeiras.
Lislz, de baje em diente seqaestrado do mondo,
foi a Pars para fazer execotar varias sympbonias
religiosas por elle compostas.
A nm jogador acrrimo aconselbava um seu ami*
go, com toda a instancia, para qne se deixasse do
jogo ; e aura de o persuadir mais fcilmente, ibe
disse, que era este um vicio, alera de ruinoso, too
perverso, que muitas vezes por elle se poderiam
commeiter todos os peccados mortoes.
O jogador promptamente responden :
Nao assim, e eu passo a provar :
Que soberba ter quem acaba de jogar com um
(dalgo, e se humilha logo a jogar com o sea nfimo
criado t
Que avareza pode ter, quem nao sabe guardar
ura s real que nao o jogue ?
Como se lembrar da lascivic quera s em jogar
oceupa todos os seus pensamentos ?
r Que ira levantar a quem pelo jogo soffre mil vi-
tuperios e aflrootas ?
Como po de ceder gula, quem para comer
nio reserva um s real, por qae nio Ihe falte para
o jogo ?
Que inveja ter do albeio quem tio prodiga e
largamente despende o qae seu ?
Finalmente, como ter preguica quem oceupa
nio s os dias, mas tambera as notes inteiras, no
exercicio do jogo ?
que flzeste para mim. Oiba, esta prlmeira tolba
grande e forte para poderes quasi cortar urna ar-
vore pequea; esto de caivete; aqui est ama
mais pequea. Tambem tem ama lima, ama sor-
ra, ama verrume e um cinzel, tudo feito de Qao
ac inglez, fino e bem temperado, como'diz o pap.
taque este pequeo pronuncia ama palavra por Agora qoe tahas-de fazer figurinhas nio assim?
acaso. Tenho lido mnitos vezes qne alguns mudos' Fui en mesma qae a escoibi.Leio, acrescenton ella,
desde a infancia recobraram a falla com o abalo emqnanto ea examinava tudo com ama admiragio
de algum acontecimento assustodor. O mesmo p- que chogava a ser assombro. Minba mii quena
de vir a acontecer ao filho do caseiro. Mas quem dar-te nm bolo doce moito grande, mas ea sabia
sabe se havera' alguma cousa qne um da o assus- que flearias mais contente com Isto. Nao me enga-
te oa Ihe faga tal impresso qne Ibe d completa e nel, nio?
definitivamente a palavra ? Dnas tagnmas me escorregaram pelas faces e
En nio entenda bem o qoe elle quera dizer, pnz-me a beijar ambas as mios, dando gritos sor-
mas as soas palavras engoifaram-me em profondas! do qne n* I* *r. ^ Mrt0 mw' olbos
reflexes, de qoe s foi distrahdo quando o Sr. Mtovam n'esse momento orna lingnagem bem ex-
Pavelyn disse a Rata qoe fosse bascat o seo pro- pressiva, por qae todos os K tinham os olhot em
tente e qae m'o dsse. n*". mwm c,,Uk<,0' tonram extremo sensi-
Ella sabio da sala por ama porto lateral e logo [bilisados com a gratidio qne n'elies Uam.
tornou a entrar, mostrando-me am embralho em
papel. Desembrulhou o qae era e entregon-m'o.
Era ama especie de navalha, mas brllbava como
prato, e o cabo era feito de ama coasa como concha
em qoe a luz estampara reflexos azues, amarelios
e prateados.
Rosa tomou-me outra vez das mios aqaelle ob-
jecto, e abriodo seguidamente ai differentes folhas
qne elle tinba, dlsse-roo :
Lato, isto o que te don por todas as figuras oolbidos e dados por ella I
Ea conservara na mi o precioso presente de
Rosa; fechara a abra ora ama ora outra das fo-
lhas, e a lima e a serra, e j em imagioaco fazia
aso de tudo aquillo. Qae riqueza I Utensilios de
todas as qnalldades! urna offleina completo I Gomo
en poderia d'ahi em diante entolhar figuras desde
pela roanha at a' Mita, para dta, para a minha
earlnhosa protectora 1 E como ea trabalharla me-
Ihor e mals fcilmente com esses instrumentos at*
Funccionando o conselho de qualificagio de cer-
ta villa para designar os guardas que deviam ir
destacados a provincia de Matio-Grosso, um delles
requereu dispensa por muitas razes, sendo ama
dellas a cegueira de am olbo.
O coDselbo indeferio o reqaerimento, finalisando
o seu despacho com estas palavras:
Quanto ao ser o sopplieante ceg de um olho,
melbor para o caso vertente, visto qae vai desde
j com pontana feita.
*.
H I


N
<

'
Eslava tio agitado pela alegra e pela admiragio'
que nem ouvi o que o Sr. Pavelyn me dizia.
Vamos, pequeo, disse elle, levantando a voz,
entrega isso a Rosa para que o guarde at ao mo-
mento de 1 res para casa, por que se nio nem te
lembra ir brincar. Vio ambos agora para o jar-
dim, corrara e saltem quanto podrem. U terapo
esto' agradavele sereno; tomaremos o caf la' (ora
ao ar livre e veremos de longe se se di venera como
precioso.
Sab da sala com Rosa De caminho pajoa em
dous lagos de seda verde que estavam dependan-
dos ao lado da estrada; deu-me am e explicoa-me
qae tamos a' caga is borbotlas.
Logo qae me vi debaixo do cea azul, em plena
Uberdade e sosinbo com Rota, a timidez qui pesa-
ra sobre o mea coragio como chumbo desappare-
ceu e respire! a folego largo.
Dlsse-me Rosa qae demanbi tinba andada a cor-
rer perto de dais horas atraz das borbotlas sm
poder agarrar ao menos ama, mas qae ea, qae era
forte e gil, agarrarla algumas para ella.
Logo que diste estas palavras, vimos duas bor-
boteas brancas sabir du montos da sylindras e
revdntear sobre o taboUiro de re va. Del um gri-
to a arremettemos ambos sobre esto primeira presa
dos nossos desejos,
ntfftM.)
s
: 'i
i

PKRNWMbT'
prtTZrvt


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EUR5MKY2F_MG58PH INGEST_TIME 2013-09-05T00:19:56Z PACKAGE AA00011611_10911
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES