Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:10910


This item is only available as the following downloads:


Full Text

HHtl
>..
amo mi. somero 54
9b f?-tftir **> v*ll ni
o^mMMaif ?** sb ot-rcHI
-
Porte at corrcfoM1 tres mezs. ,....., Tftt
el 7; ;'< i
te rl'it
ajB-"iJVljQ'lft
; .v/c
QUARTA FEIBA
tllUI
filial
DE 1866
----------------.. ... -
foraiiiiria_feitw*elrdisdQl.0w5z........
i Oi'l 9
MBPS 3UM-K1 >
.
,i < .
j.. .i .1
Fl
r6*te< a# etrretf whh..... SIm

ENGARRKGADOS DA SUBSCRIPCAO DO NORTE
Parahyba, o 3r. Antonio Alaxaodrino de Lima!
Natal, o Sr. Antonia Marques da Silva; Aracaty, o}_
Sr. A. de Leraos Braga; Cear, o Sr. J.Jos de
Oliveira; Maranhao, o Sr. Joaqolm Marques Ro-
drgaos ; Para, os Srs. Geraido Antonio Al ves &
Futios; Amazonas, o Sr. Jeronymo da Costa.
ENCARREGADOS DA SUBSCRIPCAO DO SUL.
Alagoas, o Sr. Claudino Falcao Uias; Bahia, o
8r. Jos Martina Alves; Rio de Janeiro, e Sr. Jos
Ribeiro Gasparinho.
PARTIDA DOS ESTAFETAS.
PE
a
Oiinda, Cabo, Eseada e astacSes da Ta frrea at
Agoa Preta, todos os das.
Iguarass e Goyanna as segundas e sextas/airas.
Santo Antao, Grvala, Bez9rros, Bonito, Caruar,
Altinho, Garanhnns, Baiqae, S. Bento, Bom
Conseiho. Aguas Bellas e Tacaratd,' as torgas
fe iras.
Pao d'Alho, Nazaretb, Limoeiro, Brejo, Pesquein
Ingazeira, Flores, Vilia Bella, Cabrob, Boa Vis-
ta, Ouricury, Salgueiro e Ex, as qaartas
eiras.
Serinhaem, Rio Formoso,Tamandar, Una, Bar-
reiros, Agua Preta Hmenteiras, as quintas
feiras. ..... "'.,
. ... i. ,
AUDIENCIAS DOS TRIBUNAES DA CAWTL.
Tribunal do comraercio : segundas e quintas,
ielagao : tercas e sbados- s 10 horas.
Fazenda : quintas s 10 horas.
Joizo do commercio: segundas as 11 horas.
Dito de orphaos : tercas e-sextas s 10 horas. .
Primeira rara do civel-: tercas t sextas ao meio
dia.
Segunda vara do civel quarta? sabbades a 1
hora da urde.
( EPHEMERIDS DO MEZ DE MABCQ.
dn Ln efeia as 9 h., 33 no. e 16 s. da m.
9 Qoarto ming. a 1 h., 3a m, e 53 s. da t.'
16 Lu nova as 7 h., 17 a. e 33 s. da t.
23 Qoarto cresc. as 10 h., 44 at.ijs. da m.
31 La cheia as 2 h., 11 m. e 2i s. da m.
DAS DA SEMANA.
3. Segunda. Ss. Focas e Palatino mm.
6. Terca. Ss. Victor e Victoriano mro.
r: Osarla. S. Thomaz de Aqnlno dont. ang
8. Quinta. S. Quintilo b.; S. Ponrio diac.
9. Sexta., S. Francisca Romana vluv.
10. Sahbado. S. MilMo rn.; S. Drothoveo ab.
11. Domingo. Ss. Candido, Heraclio e Jovlno
PREAMAR DE HOJE.
Primeira as 9horas e 18 m. da manha.
Segunda as 9 horas e 43 minutos da Urde.
PARTIDA DOS VAPORES COSTEIROS.
Pata o suL at Alagoas a 14 e 30; para o non
at-a Granja, a 7 e 32 de cada nsez; para Pnate
do nos dias 14 Mi nsezes da Janeiro, margo, mak>
jnlbo, setembro e norenibro.
ASSIGNA-SE ,
no Recre, na hvraria da praga da Independencia
ns. 8*, dos proprietarfos Manoel Figueiroa de Faria
& Filho.
' i-----------
PARTE OFFIGIAL
.UIXINTKKIO DA HEBRA.
Senbor.-Por aviso expedido com a data de II
deixaram de visitar esta nova machina de guerra,
que faz honra ao no-so arsenal de marinha do Rio
de Janeiro.
Dense um facto mui tocante, que foi presencia-
do por vanas pessoas.
O filho do chefe Barroso, que um dos mais ha-
bis empregados do banco Mau, ao pisar na tolda
de novembro do auno prximo passado determinou daqnenenav|0j _ne fo baptlsado com o nome de
V. M. Imperial que as seccoes de guerra e marl- sea pai em |ea,bratl5a da grande victoria que este
nha e de fazenda de conseiho de estado consulten) a|CaDC0I1) nao pode C0Dler as lagrimas de prazer
com ojea parecer acerca do requerimento de Joa- { gue |ne borbulhavanj dos olnos, e disse que ia to
. Nao param ah as incoherencias. do.insigoe historiador (A. Herculano) ao celebra
U padre capello Antonio da Immaculada Con- jurisconsulto viscoad* de Seabra.
ceicao, que foi do Jequitinhonha, e qae passou para j Pela extensao cora, qoe era preciso desenvolver
o Amazonas, onde sempre lem estado, e servindo os- ponto- aprsenla Jos a ostentados pelo sea illas-
com a maior dedicago, nada tere ; entretanto que tre antagonista, deixou. o Sr. H'ardulaoo a forma de
foi condecorado o padre Diniz, queso assistio ao artigosde peridico, para, replicar a broxura com
quim Flix Conrado, l. offlcial do conseiho supre
mu militar, no qual pede o augmento de 10 "/s0'
bre os seas actuaes vencitnentos, nos termos do
art. 22 do regulamento de 28 de abril de 1863.
Obedecendo a esta determinaco compre s sc-
eles observar, antes de ludo, que o supplicaole
como consta do sea requenmento, lendo antenor-
mente jaslifleado 30 annos de servigo, j esta no
gozo de urna gratifleago equivalente a quarta par-
te dos vencimentos que tinba, na conformidade do
| 4.* do art. 1. do decreto n. 977 de 11 de setem-
bro de 1838 e resolugao de 14 de malo de 1838.
O secretario do conseiho supremo militar em da-
ta de 29 de agosto de 1864 informou a favor desta
pretencao, e no mesmo sentido consaltoa em data
de o de setembro, o conseiho supremo militar.
combate de 11 de janho, e ouir padre do exer-
cito qae so passoa Coevas.
Ai oda isto nSo nada.
O capito do 9* batalho de infamara Borges de
Lima, qne desembarcou no da 23 de maio em
mar a benco a quem o represetava na esquadra. Corrientes, e batea-se ; qae tomoa parle ao com-
outra broxura.
E' orna luta de gigantes esta
a que estamos as-
veroo ser convidado a dar explicabas sobre os
seguinles pontos :
1. E' verdade ter o santo padre constituido o
reino do Congo em prefeitura apostlica, separado
da jurisdlco do bspo de Angola e Congo ?
2." No caso afBrmativo. obteve assenso do gover-
no e do bispo, ou pelo menos ouvi-os ?
3. Ainda no caso afBrmativo tero o governo co
a cmara municipal podido
Finalmente o governo parece qae aceitn a indi
cacao que fiz sobre a conveniencia de separar as
funecoes lo delicadas que exerciam os ous ir-
mos Nery.
Consta-me qae o brigadeiro Albino veio incum-
bido de pagar as despezas da reparticSo da guer-
ra. Antes tarde do qne nunca.
Consta, pelas ultimas noticias viadas do exercito
adiado, e dadas por um offlcial paraguayo que sa [
bate de 11 da janho a bordo do Amazonas, e que
passou Mercedes e Coevas, Dio foi julgado digno
de ama condecorado ; entretanto ara seu cadete,
Albuquerque Maranhao qae nada fez, teve o ha-
bito da Rosa. Uo tenante de 12 batalho (polica
de Nitherohy) chamado Joo Correa de Andrade-,
qae tem sido um grande coxista, sabio cavaueiro
do Cruzeiro I
Foram condecorados todos os offlciaes do. Mago,
ststindo, em que- deve Ucar bem esclarecido o as- nheclmeoto da bulla ou breve relativo aquella pre-
surapto i ku do direuo civil e cannico. fejmra ou viganado apostlico ?
O parlamento por Ora, Ulvez depois de longos 4.. E" verdade ter o santo padre rallado as mis-
debates.^ resolver aquestao legislativamente e a soes do congo aos religiosos francezes do Espirito
cmhsacao do paiz ter avancado um passo, como Santo e ooraeado um d'elles preteito apostlico ?
5 E' verdade terera viodo esses religiosos de
avagaram neste ramo a Ualia, e a Franca.
D. Antonio da Costa (da casa da Mesijuitlla,) j
pablicou 3a folheto. em rasposu aos artigos de A.
Herculano.
* Comqnanto o irmo do conde de Mesquitella seja
conhecido coma es'eriplor prmorado, pelo facto de
executada por nao ter
dar sea parecer.
As rendas da provincia tiveram grande augmen-
to, e S. Exe. deixa nos cofres da ihesouraria pro-
vincial o saldo de 244:648^480, como se v do ul-
timo balancete que Ihe foi apresentado pela repar-
tido, sera ter todava deixado de satisfazer com
promptido s aecessidades da provincia, as raas
do orcamento respectivo.
.Y.uma quadra era que as paixdes e ambicots
polticas se desancadeiam nesla provincia, & Bsc.
veie- e- destriboio por tal forma a justica qae os
horneas sensatos de todos os lados esfercaram-se
passou, que Lpez esta acampado com toda sua fa : que so passaram Cuevas, eatretaoto o capllo-te-
milla do outro lado do Passo da Patria, em um re- nente DelHm, immediato do AmazonSs, & que se
cinto fortificado; qae sea exercilo se acha reduzl- portou muit> bem, nao teve nem ao menos um ha-! Tolheto sobre a questao foi o do marechal, que pro,- ,$0 pode ser extranho a este neeocio ?
do a 20 batalhoes de nfantaria fortes de 608 a 700
homens; de 9 regimantos de cavailaria com 400
homens cada um; e de 2,500 a3,000 pragas de ar-
A M secgo da 4.' directora enteude qae o sap- tilharia.
plicante, se contar mais de 35 annos de servico,' Este offlcial confirma a noticia do fatlamento do
tea dlreito a qae, sobre o ordenado o gratificago j general Robles, de seo ajudanle de ordeos Gamza,
que tiver percebendo actualmente, ou qae para o e futuro venba definitivamente a perceber, se lhe e|jes se noham opposto ao saque de Corrientes, e
coate 20 % como graiiticacao na forma do art. 22 qDe nnnam querido vender o exercito do Paraguay.
do regulamento n. 3,084, de 28 de abril de 1863, o tyraono v por toda a parte inimlgos, e vai
deixando de se lhe abocar a da quarta parte, de coroando a sua carreira de crimes commettendo as
que est no gozo, em virtnde do 4." .dVart. 1. | maiores atrocidades. Brevemente elle ter receio
at de sua propria sombra. E' o castigo de Deas,
qae precede ao castigo dos homens.
Aquella excecucao teve lugar no mel de um
quadrado formado por lodo o exercito, e parece
que a mora de Robles, que era detestado pelos sol-
dados, nao deixoa o menor pesar.
Continuara em Baenos-Ayres os jornaes com a
do decreto n. 977 de 11 de setembro de 1838.
O director geral da 4." directora concorda com
o parecer da secgo.
O conselheiro procurador da corda,'em data de
5 de novembro, informa nos seguales termos :
t Concordo, e nada tenho a accrescenlar, om
a os pareceres que anfecedera qae me parecen)
jurdicos e incontestaveis. O governo imperial
entretanto decidir como entender mais ju
Do que flea exposto v-se que ha um requer-
ment a deferir, e ama questao a resolver.
O requerimento o do supplicante pedindo 10
% sobre os seus vencimentos, allegando para isto
a disposigao do art. 22 do regulamento de 28 de
abril de 1863, e a circumstancia de ter mais de
35 annos de servigos.
A questao a que sascllou a 1.a secgo da 4.*
directora, entendendo qae deve cessar a i.' parte
dos amigos vencimentos que o supplicante tem
continuado a perceber depois da reforma ou nova I ruidosa. O jornal francez,
organisago porque passoa a secretaria do conse-
ibo supremo militar, era virtude do regulamento
n. 3,084 de 28 de abril de 1863.
Pelo que pertence ao requerimento do sappli-
cante, como o art. 22 do citado regulamento ia-
teiraroente facultativo, perraittindo ao governo
conceder ou negar o augmento de 10 %, como
jalgar mais conveniente, vista dos servigos e ap-
tido do eropregado, enteodera as secgSes qne s
o governo pode apreciar e decidir se o supplicante
est as circunstancias de merecer a graga qae'
implora.
Pelo que pertence questao suscitada pela 4."
secgo da 4.* directora, como os vencimentos que
os empregados da secretaria d i conseiho supremo
militar percebiam em virtude do decreto n. 977 de
11 de setembro de 1838, cessaram desde que fo-
ram substituido- e augmentados pelo regulamento
de 28 de abril de 1863, as seccoes sao de parecer
que o supplicante (era, desde a execugo deste re-
gulamento, percebido indevidamente a 4." parte
dos seus aniigos vencimentos, concedida como
gralificagao por um decreto que deixou de ter vi-
gor, devendo a dita grailficagao ser substituida
bito.
Ainda ha eousa mais cariosa do qae isso, e qae
; revolta. O commaodante e offlciaes do transporte
I Apa, qae passaram Coevas nada tiveram ; o tensn-
'te-ooronel Pinto, commaodante do batalho 14
qae la de passagera no mesmo vapor, lavo o habi-
to do Cruzeiro I Estas injastigas relativas dosgos-
tam profundamente.
Cora esta lista de condecorares chegaram tam-
ben) cartas da corte, annunciando qae a promogo
eslava fetla, e que seriara preteridos o capito de
fragata Lomba e os 1 tenantes Cpimbra, Balduino,
Antones, Teixelra de Freitas e Barros I Ser pos-
sivei qoe isto se realise ? E* para desanimar com-
pletamente a esqaadra, porque aquelles offlciaes
tem prestado os mais importantes servigos. A
Lomba se deve a passagem de todo o exercito bra-
sileiro, desde Montevideo at a Concordia, sem se'
perder um s hornem, auxiliado pelo 1* tenenle
Franga no paquete sahido de Bordeus era 25 de Ja-
neiro e terem partido para Angola no nosso paque-
te da carreira d'Africa de 5 do corrente ?
6. Que pn videncias lomou o governo com rea- j por coadjava-Io, deixando de parte velbos odios, a
ser sobrlnholo dquV de^daaha-qnWra rauita, jM* fig S&ttg&ZBm \ TT' ^ 2 ^ S" E"- glT"'
pessoas ver nesta polmica o vulto e a lntelligencia ao nos,0 padroado e s leis do reino commetlido' P0*8 *aG ulver ou,ro qaalqaer nao o tivesse con-
do nobre mareclial era duello com o d Alexan corn re|agao ao territorio da nossa soberana ?' seguido.
7.' Que fez em relago ao governo francez que- Ventos bonangosos conduzam S. Exc. corte, e
ahi do alio da sua cadeira curul, seja mais- urna
voz aulorisada que se levante em prol desta pro-
vincia e seus filhos na promogo dos respectivos
mteresses, que nao repugna com os da comtna-
nbo em geral.
vocou cora urna resposta indirecta do sabio histo-
riador as columnas do Jornal do Commercio.
Prosegue tambera, e prometa prolongar-se a
deploravel questao suscitada pelos itnpressos con-
tra o banco de Portugal, afflxadd as esquinas
por agentes do redactor principal da Cdrrespomfen-
cia de Portugal, o Sr. Felippe de Carvalho. Como
Ibes cootei na minha ultima, a afflxago dos im-
pressos em qae se transcrevia urna diatriba de ara
8.a Que ordeastransmitlio as suas autoridades;
cohraiaes d'Aogola, sobre ludo s do Congo ?
O ministro dos negocios estrangelros ( conde de
Castro ) responden qae estivesse a cmara certa de
qae o governo ha de tomar este negocio na consi-
derado que merece e empregar os meios ao sen al-
Cauce para que termine de urna maneira honrosa
para o paiz. Que o governo se aprestar a mandar
cmara os esclarecimientos que sao exigidosjpelo



supplemento daqaelle peridico, causara indigna-, rererldo deputado ;-que o governo presa a drgni-
polemlca suscitada por causa da fraude as uln- Wandenkolk, que nem ao menos teve ama conde-
mas eleiQoes, e o governo provincial por ora per- coraco.
manece impassivel diante do crime praticado por Coimbra oro dos hroes de Riachuelo; s des-
differentes juizes de paz. cea do banco de commaado de sea navio qaando
Consta que o governo argentino obteve do go-1 nm pedago de metralha lhe esmigalboa um p.
verno brasileiro um emprestimo de um milbo de Alm disso o segando oa terceiro da escala,
patacoas. E' mais urna prova da lealdada de nossa | Balduino a giona da defesa do forte de Coim-
alliaoga. Homens, dinhelros, navios de guerra, tu-: bra no coramaudo da Anhambahy. Em outro qual
do, ludo quanto preciso para fazer a guerra, nos quer paiz teria sido inmediatamente promovido,
proporcionamos a nossos adiados. Em nosso paiz recebe como remaneraeflo ama
A questao do Comer del Plata e da Nactn Ar- pretencao. i
gentina com o banco da provincia ameaga lornar-se; Amanes o hornera da conflanga do viscoade de
principalmente, desafia, Tamandar, e isto diz ludo. Era Pavsandii com
go.tamo na praga como no publico, e at na cmara
dos deputados onde o acontacimeato dea margera
a serios reparos, e a declaagoes formando go-
verno, de que nao havia motivo algura para se or-
denar um inquerito ao banco, por sar legal a sua
administrago e em ludo confirma a sua caria or-
gnica.
No dia 3 publicou a Correspondencia de Portugal
que os seus leitores devera cpntecer, pois se Im-
prime para os paquetes da Affrica e traasatlantcos
um outro supploraeuto era que a reduego ractifica
as suas anteriores asserss, e apezar de nao terem
surtido o effeito de produzfrem urna corrida deno-
tas que pozesse o banco era crise, ou o nao ser re-
eleita a antiga direcgo, pois o foi nessa mesma
noite em reunio dos accionistas, estando presentes
98 votantes.
O Sr. Feliope de Carvalho no jornal, ou antes no I T3|h0 7o'ndT d^Thomar. codde d'Avila
supplemento, diz que nesta '.erra j nao ha meio d* 1 |embrou ao governo a necessidade de fazer com-
chaniar a aitengo publica senao o pasquino e o es-, prir pe)a cne de Roma a concoraaU ae J857 com
cndalo Que acha o expediente de que usou mao, a mesma (ealdade cora que o tem sido por parte de
Tamandar, e isto diz ludo. Era Paysand com- pessimo se qulzerem ; mas qoe de toda a opposi- portazal.
a directora de om modo to formal que impossl- mandou a couhoneira Pamahyba qaando se bom-' cao que se fez ao gabinete de que fazia parte o Sr. Reoovam-se pois estas quest5es em que sargem
vel que ella fuja obrgagao de por patente aos bardeoa aquella cidade, e depois, sempre ao lado Lobo d'Avilla, s o folheto da Crz de Soutulho des -1 embaragos serios para o governo'. Tanto um como
olbos do publico lodos os seus actos. | de almirante, astev no acampamento en Ierra penara da sua indlfltrenga habitual o publico e de- oulro facto- tem que oceupar o gabinete e altengao
dade do paiz, e tanto que q aeren do sua saatidade
confirmar o bispo de Maco com restriegues, o go-
verno declarou que nao as acceitava ; que nao po-
da esplicar a razo por que o santo paore fez essa
confj/mago com restriegues ; mas o qae pode dizer
que o governo ordenou ao sea ministro em Roma
que nao acceitasse as bailas.
Na cmara dos pares foi interpellado o minis-
tro dos negocios. O interpellante foi o conde de
, Homar, declarando que fra confirmado no ultimo !
1 consistorio eco Roma o bispo eleito de Macu, sen-: raja-
do a cooflrmagao feita com restricgSes, e que o! A sitoaglo do thesonro italiano submellida a
nosso enclrregado de negocios era Roma fez logo | cmara pelo novo ministro esta* de accordo com a
i saber ao cardeal Antonelli qae o goveroo de sua j exposigo que oatr'ora a presen tou o sea antecessor
1 magestade fldelissima nao acceitava taes restrlc- o Sr. Sella.
g5es. Por esta occaso flzeram-se na cmara gran-1 O Sr. Scialoja declara que considera prejudi-
des elogios ao zelo do nosso encarregado em Roma, 1 clal recorrer-se a um emprestimo^ ou a qualquer
outro expediente extraordinario, que o orgamenlo
Chegon hontem o vapor ingles Amaron, da li-
nba de Liverpool, cora datas de Lisboa at 9 do
corrente, anteriores s que recebemos pelo vapor
Inglez Itkne, chegado no dia 28 do passado. Da-
mos entretanto as seguintes noticias que nos enva
nosso correspondente de Lisboa acerca de algans
estados da Europa :
a O parlamento italiano recomeeon os seos Ira-
balbos, sendo empregada a primeira sessio na ex-
posigo flnanceira ja annunciada, sendo a leitura
feita pelo novo ministro da (aseada o Sr. Scia-
terrainar a queda do ministro e do ministerio.
Paren* qoe a direcgo do banco Intentou querel-
le ao jorpilista. A luta deve ser ioteressanle e o
pabiico.tem razo para lhe ligar todo o interesse,
porque da prosperldada daqaelle estabelecimeoto
de crdito depende em parle a dos outros, a son
de multas familias, e o futuro de muitos orphaos.
O presidente do banco j charaou a jaizo os doas; constantemente, uestes dias em' que um pnuhado
jornaes, que parece eslo decididos a acabar com de valeotes teva o arrojo de naquella praga urna
o monopolio qne elle exerce em virtude do privl- gaaraiglo superior em numero,
legio de emissao qne possue. Depois.tero oxercido os mais delicados cargos da
Segu oeste paquete o consol Pereira Pinto com < esquadra, como incumbido da correspondencia di-
sua familia. Consta que vai com licenca procurar; pioaatica, administrago e fiscalisago de fundos,
restabelecer-se dos incommodos de sade qae sof- j ele. Finalmente, estando em Montevideo, salvou
fria, e que se aggravarara quando esteve em com-
misso no exercito junto do general Osorio.
As noticias do Pacifico resumera se as segain
tes: Teixeira de Frenas e Barros foram dous hroes sahido em supplementos e contado o motivo que ao
O conflicto sobreviodo entre o Sr. Lastarria e o nos dias de gloria de Paysand. Um deixou sea Sr. F. de Carvalho parecen justo para induzir aquel-
governo desta repblica produzio no Chile urna vi- lagar ao lado do almirante para ir commandar a le escndalo,
va impressao, e a maior parte dos jornaes estio artiibaria volante, o eutro largon o commando de
cheios de recriminages contra as repblicas do 1 seu navio para commandar urna batera em Ierra,
Prata e de lisonjas ao Paraguay. que sao deixoa ara momento de descango ao ini-
Constava all que o governo hespanbol havia migo,
mandado saspender o bloqaeio. Entretanto elle' Na oecasao do assalto distinguiram-se notavel-
contina a ser mantido nos portos de Valparaso e mate, e foram at elogiados por nossos alltados
Caldera. | de eoio.
O ministro Chileno Santa Mara foi recelado com
deve ser equilibrado por meio de iaipostos e de
ecoaomias, e protesta contra todos os boatos espa-
Ihados no publico sobre projectos de redogo dos
juros de divida publica.
< As economas annunciadas pelo Sr. Sella su-
biam a Innta milhes ; o novo ministro prope
economas no valor de cincoenla e cinco milliSes sen-
pablica anda por algum lempo. ao cincoenta e um nos orgamenlos da guerra e da
Foi approvado na casa electiva o projecto de raarinha, e vinte e cinco nos outros ministerios,
resposta ao disrnrso da cora, jeDlre as reformas projectadas, figura a suppressao
Pelo ministra da razenda foi promettido ain-jdas sub-prefeitura*.
da para esta sesso urna proposta da reforma da l O defflcit apesar dess redug5es eleva-se ain-
pauta das alfandegas, a reforma de instruego prl-1 da duzentos e onz milhoes, maso ministro diz
Proraelteu
-------------------------------- Barros foi o portador da noticia do nosso pri-
pela de 10 % sobre os vencimentos marcados no; todo o apparato pelo dictador do Per, que era res-. meiro triumpho, a esse bom povo do Rio de Janei-
novo regulamento, cujas vaniagens o sopplicante posta a seu discurso, lodo de oecasio, disse as pa-! ro, sempre magnnimo, se deve reeordar ainda
aceitou e tem fruido. i lavras seguintes, que parece annunciarem a allia-1 da ovago qoe lhe lhe fez, carregando-o em cha-
V. M. Imperial, porro, resolver o qae for mais, ga offensiva e defensiva entre as daas repblicas : | rola.
jurto. < Por gora posso assegurar ao Sr. ministro que \ Parece que ludo isso j passou ; que o governo
Paco, em 16 de agosto de 1866.Visconde de o Per quer contemple a causa chiiena era sua ja se esqueceu da promessa que fez de qoe havia
Abaet.Miguel de Souza Mello e Alvino.Manoel origem qaer em suas tendencias, nao podo deixar ae promover aqaelles offleiaes quando houvesse
Felizardo de Souza e Mello. I de considrala como essencialmeote peruana. > 1 vaga, e qae acha preferlvel castiga los cora urna
Resologo.Como parece. Pago, 22 de novem Em Bolivia rebenlou urna nova revolugj. I prelirico I
- 6 j Ainguem acredla que o governo, procedendo
Surge agora urna questao internacional entre a a^sjoj, stga a proposta que pedio ao almirante re-
esquadra italiana e o governo da Confederagao Ar- teradas vezes, e qae consta pue este reraetteu em
gentina, que nao eslava prevista. Segando uns con-1 novembro. Entretanto o Ilustra visconde ser o
tara, o governo argentino mandou rebocar um na- eator respensavel destas Injustigas, que o vo col-
vio mercante italiano que eslava embargado pelo jocar em ama bem triste posigo frente da es-
tnbunal do commercio, e traz-lo para bausas in- q0adra qaando elle chegar.
bro de 1863.-Com a rubrica de Sua Magestade o
Imperador. Angelo Moniz da Silva Ferraz.
EXTERIOR.
E' de esperar tambera que a agencia do banco
faca ani publicar o desmentido as veninas do Sr.
Felippe de Carvalho, e os*seus relatnos, parecer
da commlsso fiscal, etc., etc.
No soppleraento a qu m? refiro, vera publicada
tambem urna aoalyse aos actos do banco pelo Sr.
C. C. de Andrade.
9, pedio ao governo que se fizesse urna convengo
litterara com o imperio do Brasil.
Por cartas recebidas da ilba de P. Miguel,
consta que no dia 21 d Janeiro ultimo se incendia-
ra, a distancia de G milhas da ilha de Santa Mara.
a galera franceza Solferino, captao Scharrite Fran-
gofs, procedente de Macei, cora destino ao Havre
da Grace. Salvou-se toda a tripuladlo composta de
17 pessoas. 0 navio vi nha carregado de algodo,
no qual se desenvolveu o rogo por corabusto es-
DIARIO DE PERNAMBUCO.

MONTEVIDEO.
o de fevtreiro de 1866.
Desla vez aotecipa o paquete francez Carmel soa
partida deste porto, porque vai entrar em repara-
goes no dique do Rip de Janeiro, e por isso come-
to desde ja a escrever-lhe, notijando p pouco que
na de raais interesse.
No dia 29 do mez fiado, era que daqui sabio o
paquete Merteg, foi a popolago de Buenos-Ayres
sorprendida com a chegada do general Flores, no
vapor Alliado, acorapanhado do coronel Lafuente,
secretario particular do general Mitre. No dia 31
aqui desembarcava tambem inesperadamente o di-
to general, perto de sna casa, sem que nema.ca-
pitana do porto se percebesse de sua chegada.
A vnia Uestes dous personagens tem dado lugar
a varios commentarios.
Espalharam que ella tinha por fim incitar o al-
teriores, sem prevenir ao cnsul nem a n inhuma
autoridade italiana. Inmediatamente o almirante
Ricordi mandou a caohoneira Ardua busca la o re-
boque a esse ancoradouro interior, e traz-lo para
I o lugar em q'ie antes eslava.
Appareceu um novo jornal, a America, que um
, pamphlelo contra o Brasil e os alliados, um or-
I gao dos blancos, federaos e Paraguayos.
Quando crear o governo brasileiro aqui, ou era
Bueoos-Ayres, nra jornal seu, escripto era portu-
guez, org'o de sua poltica franca e sempro digna,
para rebater as calumnias com que todos os dias
nos brindara?
Nao baverla despeza mais prodnetiva do que esta.
Quasi lodos os comraandantes que aqai esto,
I realisar-se esta promogo, fkara preteridos, e as-
sim bnmilhados vo entrar em operaga graves.,
Que desanimo profundo I Ellos sabero cumprir.
o seu dever, ningaem tenha receio do contrario ;
mas, concluida a guerra, a marinha vai perder es | e generosos
seus offlciaes mais distioctos, aquelles a quera o
paiz. mais deve, e dos quaes poda no futuro esperar
maiores feitos.
Os primeiros lenles Feroandes Pinheiro e Jos
Candido dos Reis, ambos distiactos e com seryigos
importantes, aquella em Paysand a este em Ra
A questao tomar proporgSes mais vastas, se de- p0QtaBM seI)d(J mpossivelextingui-lo.
vemos acreditar em que os antagonistas do banco, Vprosef.ua na itha de sanU Maria a printacao do
temmei de se justificaren) das aecusages qae la|jaco cora bom xito,
iba oirigiram, ou por oatra parte,-se o banco, le- _
vando o redactor d correspondencia aos Iribuoaes : .-
lhe fizer acallar as cooseqaenclas do acto que tra-
lo sorprendea esta capital.
Os emigrados bespanhes continuam a ser
nai provincias o alvo de todas as attencfcs : jan-
tares, laoches, recitas, diplomas honorarios, bailes,
emrn todas as demoostragoas de affeclo e confra-
ternisago, dirigida espontneamente pelo instlneto
hospitaleiro dos portuguezes nao s saavisar o exi-" Cunha Paranagu, aps seta
lio a esses mljogrados proclamadores de um reei-' que sempre mereceu o appeio
mea de'toleraarcia na sua patria, mas tambem de
protestar de ura modo indirecto, mas energieo e
positivo, contra as sevicias anachronica< com que
o gabinete hespanhol est lavando em saogue s
nodoas polticas de um systema irritante.
Effectivameote as noticias do visinho reino, tra-
zem-nos quasi lodos o? dias as lagabres descrip-
gd9s de fuzlamentos em mogos Inexpertos, bravos
que o triumpho e a fortona podiam
Deixou hontem as rdeas da administrago pro-
vincial o Exm. Sr. conselheiro Joo Lustoza da
mezes de governo,
dos homens sensa-
tos da provincia.
Affeito a viver em ura circulo maior e mais ele-
vado da sociedade brasileira, onde rayrram-se a in-
triga e esses nadas, que pam em discordancia os
horneas, fazendo abortar as melhores e mais sas
ideas, S. Exc. soube alliar entre nos a justica com
as conveniencias locaes, de maneira a conseguir a
Corrientes, 23 de Janeiro de 1866.
Finalmente principiara a cbover as meas, ha
tanto tempo esperadas, em remunejago dos rel-
mirante brasileiro a que fosse encelar as peragSes. 'antes servigos prestados pela esqaadra brasileira
O almirante, porm, 4exa-os intrigar a seu gos- as doas oarnpaobas do Prata.
to, e cora a raesm caira* contina a dispor de tu- x Aqui chegon hontem a lista dos condecorados,
do para ir dar o golpe de graga ao dictador Lpez,,,
que subremaneira os irrita. .'. .' 1--
Consta que na presente semana elle sobe com mente, para gastar a selva de vida'que existe era
oraa esquadrilha, composta do encooragado Barro- ffoss moidade patritica. Suas aspiragdes as mal*
so, e vapores Pamahyba, Recife, MaracanS, Onze legitimas & quebrara de encontr aos actos rre-
de Janho e Lyndoia, levando tres chatas a reboque, flectldos do governo.
carregadas com petrechos bellicos e ora mllho de
objectos.
Os que aqu esto milhor informados dizem qoe
no general Flores velo estabelecer prta harmona
governo do paiz, e que nao sabir sera effectuar
urna mudanca ministerial, visto que nao podem.'
servir juntos Castro e Ran
sempre como cao com gato,
embarca o general para Cu,,
ultima hora ainda lhe possa noticiaf algum ton-' nciaimente. Ea achava prefenvel qus se .1 dsse
danga de ministros, se se realisar. t ama penslo vitalicia de V.tOOf, qae servirla para
Celebroa se no dia 5 com grande apparato fu-' pagaWhe o grande servigo qae nos prestoo, e para
neral preparado para commemoragSo das victimas' estiealar os outros.piatioos a a* dedicaren) sempre
de Quinteros. Ia nossa causa> porque trabara carkza de que sa-
A cathedraf foi pequea pata comer toda a raul^' riam bem gaUrdoalos. nUuaii
tido. O generarteve o bom sensw de nao assistir Pot(|ae nao se coodeCorou tambem o gnafniq
a esta ceremonia, qne veio arltar odios e'Bttentar Carla* Pedro Tape, que sempre estere ao teme do
cada ret mais os partidos. \ Amazonat em todos os combates que a qnaiira
A parida foi peqiena, e formaran):. apenas al-' temowatenUdQ e que coarnaadoaa eipadcafl.das
gaos guardas nacionaes, e os 130 prtsioaalroj pa- taes travos que o enere Barroso mandou para Uv
raguayos que rHram servir de plaRfef tara nm'cendiro Jeduitinaonha ? ^.-..--..
corno de linha, e que s distinguir*ra pel sea por- i J est eseclo o snedo e a afeneg
sam reparar, e que o digno Sr. ministro da mari-
nha melhor inspirado, proraova, d'eotre os mais
distiactos, os mais eptigos, e gradu os ouiros. E'
a nica esperanga que ha na esqaadra, e com esta
medida toda ella exultara.
Mas assim nie ba de sacceder.
Quanas'decepgSesT QnanlV iocaherewV l Pa- .- K0Ve/D0 comraettea um grande erro quando
rece qoe urna faiatidade nos persettua Inxoravel- !B? *> aatonsaoao da cmara para promwar
- i independentementede vagas.
Pedera ainda ter emendado a malo sa depurasse.
o quadro. Mas nada disto s fez. e quem aqu sta
na pancadaria nao v nenbura horizonte dlante de
si, e sent passar pn vages, observaade ao mesmo
tempo darse licenga a primeiros lenles para
irem passeiar a Europa em servigos de companhias
e darse ama vaga a outro qae ha qninze annos
nao embarca I
Nao quero, nem devo fazer censuras. Pepito o
e a
ter elevado as'ovagSes. d herosmo e que terral- pr03peridade ,a piwicl ceheorreodo TedTs'para
oam no martvno, apesar das supplicas de suas es-: r r >.,'> .... .
posas e rais, dos representantes do povo edas sn- Ha. mdependente de cor poltica e de pensamento
midades ao funccionalismo, como criminosos que mais oa menos exaltado,
sto tora do abrigo da clemencia e da piedade.
Emqnanto estas sceoas de canibalimo s5o all A par do cuidado e empenho incessante de en-
ehueo7nomiTdo7s7uVcom7^^^ pela entidade coastitocional que tem viar torcas qae fossem engroisar o noeso exerello
dos nao acharam o raais insigoiflcante lugar as suas maos a invejavel prerogativa moderadora, nos camp0s do sol, S. Exc. euldou de alguns me-
Deus permita que todas estas Injustigas se pos- reunida sgragas do sexo eao sagrado titulo^da lhoraiDeDtos de que precisava a provincia, reali-
sando uns, e pondo outros em vja de serem exe-
cutidos de prompto. 1
Elevou-se a 2971 o numero de pragas qde, sob
sua presidencia, seguiram para a corle, divididos
1397 nos 3a, 4a, 5*, 6* e 1" corpas de volastwios,
Condecorarao-se pratlcos e marioheiros, Para
qoe T Para perde-los. Estes homens aprecio
raais om premio pecuniario do qne ama lita, que
os colloca em ama posigo para a q,uai nao esto
educados. Entretanto na esquadra nao se sabe
ainda*anal a remuaerago qae tere o pratlco Ber-
* ZQ .'.ir
II LISBOA.
maternidade, procara o parlamento portugaez tor
ar a trater a follada discusso o projecto de le
apresentado na legislatura passada pelo Sr. Ayres
de Gouva (ento ministro da jnsliga) para a aboli-
go da pena de morte.
Aquelle cldadio, como deputadOj acaba de reno
var a iniciativa do projecto ; o representante Levy
MariaArdo, por oeeasao da tfisenssao da respos- 555 no 1 eOrpo de guardas nacionaes destacatfts,
U ao na da eoro, so*rraao a proposito 4W-j,0 e pe o em que se prometteu reformas qa legis-' ..,-," j '__,,. ,.,..: ,
lago imtaaf; iron'hrTlhaiiteniettrenassamp- c,t0' d,,os Pr* a a^maa* w voluntarios e 7
to, qr diga-se a verdada;ja amadurecea aqu na engajados para a mesma 202 pragas de tinha ;
oplmao publica. Ha mais da 20 annos que se nao sera qa9 deixasse S. Exc. de attender as iseng5es
executa urna sentenga de Bepa ultima ; todo o re- ^ evidenciado 115 retratas doexef
nado do Sr. D. Pedro \ 1W teudosa memoria pas-
seu sem qae a sua mao flrotaste ama nica sen
tanga capasig mu
14;r( '>b
cito. e 17 da armada, 13S voluntarios e 176 guar-
das nacionaes designados, que anadn pdr em li-
O reinado actual, comquanto breva.' anda, na fen,ae dtefe0Mr- ^J"^!* T? i
-.-. -in, W-Iftfeereir.
Lisboa est, em plano, carnaval;. o
mascaras, sao numerosos; os briaquedps pesadas-
agrosseiros } nao fazem frtatta' 'jr pi"
le incommoda oestes das.
De. noticias, poueo fcfc qot aooraseeolar 4 miaba
do da 9 que remet! para a mala.do Amaeon de
foi maculado al agota por uraa s execugo. Abo-
lido de facto o patbulo, ha lautos annos, as esta-
tisticas da crriiulidade hao denuncian) reorudes-
cencia.d.lenlaflds.; A pena de.morte por cri-
mes plitlcs, ssa eslava ja.abojua.
ET de presnmr pois, qu se nao fr nesta, ser
para a prxima sasso parlamentar, a approvago
de ara projecto de le que nos levar adiante da
sensata e exemplarraente liberal Blgica, onde por,
., J I oito votos,,/qJ a, aJwIigo da pena de morte regei-
licia
Fot omiado o Sf. Casal Ribeiro (par do rei-
no ministro de estado provisorio) ministro pleol-
' fdeu protas este tattU mMrtqlrawilMiift| Liverpool que dayia partir no da 10 em dirattora.
Diwm que algarnas senhoras bt4nqafll|>s tire-! recebar o premio peconiano qne lhe quizdar
ramomagosw de sahir fiaste da vestidas de, to cjiefe, qaando elle regressoorno ora de ib
brantso e com adornos azues para passejarera em' dia de su arrojada enaprea 7
anudas pracas mais pabltqas deafe clda;de. fao Oetplotefro e dcaftUi do Amazonas, qne
rvl.e por isso ap.nas^reBro o Se asSira flzerara procederam de Orna maeira glos para por aado a eonhoneirs^BrimmU^depnw
dieoa e. revoltante. do combate de Riachuelo, e ojie repasaran) igual-
OnMOoraadoSarroso aqu cheg*a no dia J9 menta recebar a granBeacao^nao sao dignos
con ata poqoeao desarraoio na machina, e no mas- de orna condecorado, q ootroa ctm meaos ser-
mo dia ooite, gagas i actividade de seu cm-! vicos receberam 7
SJodota e a cooneV*S o noisos depositarios Porque razao tom ndecorados deas escre-
de carvo, os Sr^ncegao & O, pode seguir pa-! ventas ^ oatros oav^eOao o^ o*) Amaro-
S Bacns'-A^, cade chegon ao pOi do sol no *, ^JJ j^-o-i-J g J^
Poneos foram os Brasileiros aqui resideqUs qoe'poje da secretario? r im
para Pernambueo. Entretanto no chegon no da
annunelao ? e prvavel que os meo* amtgos re-
cebara ambas as cartas ao masrao tempo. ,'
Vai proseguiodo a qneetao 4 oasamento civil;
como Ibes disse, o vizconde de Serbia (coaselheiro
Antonio Lait d Seabraj autor dd projecto de cdi-
go Civil escreveu ama Mootiura en que se nppBe1
ao additaraent da eommissao de revisad do nedigo,
sobre o casaraento.
sabido que dessa eommissao flzerao) parta os
Srs. Frraz e Alejandre HercaUno, lendo este ani-
mo defendido em longos e raoito eruditos artigos i
prppoctt do casamento civil cuja iniciativa, na com-
tnissio da revwo do cdigo (o sna.
legal, quer por serem julgados incapazes do ser-
vigo. osa*) o n i','
S. Exc, sollicito peOS meihoramentos da capital,
seas sebarbios e mesmo dos mais prximos' centros
populosos de nossa va frrea, realisou, cora a em*'
preta da limpeza da oidade, as nddiflcag9it-do
contrato respectivo, de maneira a que dentro em
pouco cornaca ella a funecionar,. e mandou proce-
der ate estados necassarios para a abortara das
estradas do Recife a Benerlba e de Trombetas
ge ministro de estaao provisorio; mimstro pioai- fi ft ordeBando ^ fosse anaella posta
pbtejiEairapara,.* cetebrago do tratadopire Por- i *; .,,>,,>, -.i D. iiu-
togal n FranV 0 Sr. Antonio de Serpa (deputado. em basta .DabUca, Aim &$9, nesta sua sqIUci-
e'ministro de estado honorrie): foi encarregado de tade, ped a relatorio / apreseotadOL ha poneos
jazer 0 tratado de transito com a Hesaanba, o Sr.
Antonio Augusto Teixelra de Vaaconcelios (depu-
tado e redactor da Gazela de Portugal) o de extra-
dlgao cornos Estados-Unidos.
VeriBooa-te no dia 9 a interpaHago na ca
mar popular, de que Ibes daya noticia na minb!
ultima, sobre 0 faci de ter o ant padre estbele-
cido om vieariat, com missioaarlos franoexes no mw.v,M ., li
reino de Congo, que soffraganeo do bispado del Alm a83S*s ob"s e me*1. S. Exc. dea in-
Angols, e eojo diocesano esta residiodo naquella cremento aos trabamos uo novo dJcio do gymna
cidade. Foi o Sr. l>vy (depotado por Thonur) qae
depois de varias censideracaea no sentido *) artigo
que transrevi-do Jornal io Bommercio lhes
das tK assembla provincial, a autorizo Drope,,
tente para contratar com a empreta de tnlhos ur-
banos ama ramiQcagao para Oiinda e Bobaribe,
bem ama o crdito necessario para a saatlisagao
id-agna potavei-n de illuanae.o y pt pa
raesma eidade.
metti, sobre a desraampraeSo do Congo djrfrtspa- j"'
siq e a' canallsagiq provisoria de agua potavel
pafa Oiinda, a qn'al aw.^a de ser entregue ao pu-
A esta? wras deve estar po prelo umairesposta do de angola, re/joai^-j coffl Ofgeocta, pwf c go
t>, 0^0 olvidando peste entretanto a arborsaje
WeS e. lies dacidada, que dfiwa da ser
qne ha de ser solvido em parte com o augmento
dos imposlos existentes e creago de novos im-
postas.
c O Sr. Scialoja propoe um imposto sobre a fa-
bricago do vinbo, e o augmento dos direitos as
larinhas e azeites exislente?, porm a modiflcago
nos impostos do sello e do registro ja' apresentados
pelo seu antecessor.
Segundo calcula o novo ministro eslas medidas
redazirao o defcita oitenla mllhes.
< O governo pontificio parece comegar a resig-
narse com todas as consequencias que prodaz a
convengo de 15 de setembro ; trata de organisar
as Qnaogas e o exercito.
a ma carta do ihesoureiro pontificio ao cardeal
Antonelli, provoca a convocago do conseiho de fa-
zenda para tratar do emprestimo de alguns mi-
nios de francos, mas este negocio nao parece es-
tar alada completamente resolvido.
Os povos alistados na Suissa, Blgica, Austria.
{etc., nao conservarlo disiinclivo algum da nacio-
! nalidade, e faro em tudo parte do exercito roma-
] no ; os respectivos goveroos nao podem at mesmo
' antorisar Ingerencia alguma das saas autoridades
nos negocios d Roma, que podem fazer julgar
uma cooperagSo estrangelra, contraria a conven-
go de setembro.
As diligencias empregadas pelo governo fran-
cez junto do gabinete austraco, para conseguir
um accordo entre esta potencia e o reino da Ita-
lia parece comegarem a produzir os seas resalla-
dos. Um jornal austraco, considerado como semi-
offlcial, assegara que a Austria ha de dentro em
pouco entaboiar de accordo com a Franga, nego-
ciagrJes para a solugo da questao italiana.
< Uma parte da esquadra italiana do Adritico
as ordens do vice almirante Vacc teve de arribar
ao porto militar austraco de Pala; o almirante
italiano Vacca pedio autonsago para sandar a
bandeira austraca, e teodo sido recebidas as com-
petentes instruegoes, italianos e austracos sauda-
rara reciprocamente os estandartes, e os italianos
tiveram hospitaleiro acolhimento das autoridades
martimas.
O gabinete austraco cottseotio qae o cnsul
geral de Suecia em Trieste representasse all os
subditos e interesses do reino d Italia. Alm
disso a corte de Vienna por decreto imperial to-
mn o competente luto pelo fallecimenlo do princi-
pe thod.
A poltica, italiana tem sido sempre bem co-
nhecida; atas as ideas qae a Austria mantea* de
conservar Vneza, oppoem-se ao cumprlmcnto des-
sa potinca, e qaando os goveroM pensara de modo
to opposios, parece difficil chegar a om accordo.
A Italia quer a liberdade de Veoeza, quer a.sua
completa uniflcago, e tem em vista o cumpr i men-
t de seu prograrama qae libertar os povos' ita-
lianos do jugo estrangeiro.
A Attstria pensa d'ootro modo ; nao quer en-
flaquecer o sen territorio, e conservar, Yenet,e
sempre tem parecido disposta a batalhar pela soa
conaervagao. Veremos quaes podero ser esses
compromisos, qae fagam chegar a om accordo
amiga vel nesla qoestao a ausUi. a Italia.
1 o re da Prussia conferio a, ordera da Aguia
Negra ae cardeal Antonelli eaorei Victor Earaa-
nuel. Esu alu disUcgo eonerida ao cardeal
Aotoaelli Mtribaa-se i inOaencia qne ee exticeu
na nomeagao do arcebispn de Goloaia, nomeafio
3ua segundo se diz, te verainon sem a intervengao
o capnuki metroaoliaoo, contqoenoia de m
accaado entre a Sama 8 a govemo pmssiano.
O mbaixtdoa pnHMaw anando Mcngan m
rei da Italia as insignias da mus elevada ordene.,
prussiana, diftgio aqneile soberano expresados
muite sympathicaa pan a Italia. O rei Viclor Em-
maaael tespomfeu o segulnte : Kiste maiot
conlaraiidade as syaiptlWas tradieionaes, a pas
tendencias entre as dnas casas reaes, de maneira
quapermiOa i AtlemaelM e i Italia om fotaro
digno de ambas as grandes oagoes.
A cmara dos deputados praastaats *at pr*-
mnoar-se contra a annexagio de LnMmbW|aji
oorda da Prnssla, verificada sera o concento da-
qoeHa assembla e por consnqnenela de uma ma-
neira rneoBstitocwBal, ssgundo iasta tao grande
nomero dedepotadee.
1 O cooStcie da amara con o governo agrava-
te cada vez mais; o governo tencin oepor-se a
qae a cmara discuta a anoexagie do Luxembargo
A cora prnsiitna, por isso qne essa pretenglo
inconstitucional e aiteaiatotU dos direitos, da
Wa.
t Acaba de chogar a Pars o Sr. dama, ddido
militar da empatiada bespnhela, qoe havia sido


'




i
maj!
-,-^~


.-
1
mn
^
t\f >
lA!:*
ai igliflWHL
o que contribua, para que nao
-pao. saltar para dentro os Paraguayo?
Francisco de Paula Queirez Fonceca, Peroamouco, cho a dizer; e debaixo da nimba
2 aaaos, fflosa. do do vipor Parnahyba, 6 de ag
Amonio Francisca OMHirWt Nannrijooo, 41 an- tomroissario, Pedro Simoes da Fon
no?, vluvo, Boa-Vista, tnbefcolo pulmonar.
Manoel Moreira da Silva, Portugal,
teiro, Bja-Vista, pulnaonite.
Jos Antonio de Carvalbo, Portugal, 48 anoos, sol-
te ira, tubrculo pulmonar.
aria Pernambuco, 14 mezes. Recito, marasmo.
Fraocisco, Pernambuco, 2 unos, Boa-Vista, es-
pasmo.
Maria, Pernambuco, 8 da?, S. Jos, ttano.
ncarregado dMfrftteutaiMtWilmi
Chli o meraorandam proposto pala Franca.e ppla
Inglaterra a resuello dos negocios do Chili, me-
morndum que/Pigoverno bespanbol acceitou. O,
Sr. Osma <**o sabido ms Aotilhas do suicidio do
almirantejAenfi^hol, e ajiprehensjto do Goijadv'Hja,
resolver nao dar andamento a sua misso.
No projecto de resposta ao discurso da cora
no senado hespanbol le-se uoj r* sa lamenta a declaracao da guerra no Cbili,
diz que depois da recasa daqtjelle estado a dar as
satisfaces pedidas, espera qae o governo ha de
fazer respeltar a honra e diguidade da Hespaoha.
c Rebentoa inesperadamente em S. Domingos
urna revolugao no da 16 de novembro. Neate dia
entrou na cidade de A:na um grupo de insurgen-
tes e proclamou o presidente Baez. Agregou se-' nengite.
Ihe um certo numera de habitantes da provincia FranoUoo, Pernambuco, 13
do Seibo, e lodos marcharam depois na direcclo da culo pulmonar.
capital, dando vivas a Baei enwrras a Cabra!. Francisco, Pernambaco, 15 mezes, Santo
Ne-ta occasiao passava-se no seio do congresso diarrha.
urna scena extraordinaria : quando aquella assem- Joanna, Pernambuco, 8 annos, S. Jos, desinteria.
bla se occupava em discutir tranquillamente a uihilia, Pernambuco, 2 mezes, Santo Antonio, con
qoeslit da emisso do papel-moeda, entrn na sala vulsoes,
um desconhecido, armado de um punhal, e clamou Manoel. frica, SO annos, escravo, Recie, pneu
parante o presidente : General Cabral, queris a monia.
pax? Este respondeu afirmativamente, e o des- 4
conheeido declarando que era nm enviado do chefe Emiliana, Pernambuco, 9 annos, S. Jos, tosse con-
revolucionario, disse que elles estariam na capital valsa,
dentro em poucas horas. Antonio, Pernambuco, 4 mezes, S. Jos, sarampo
< D'entre a assembla levantou-se ama voz qoe Mana, Pernambuco, 2 annos, Santo Antonio, sa
disse : Viva o general Baez, presidente da repu- rampa
blwa dominicana Seguio-se a maior eonfuso en
de Marco de 1866.
fazer desta declarado o uso, que V. STjnrgtf,
19 annos, sol- veniente.Era ut upra.O commissano, Pedro
Siroow da Fonseca.
Oabaixo assignado cadete do batnlhio n. 11 de
voluntarios de Pernambuco actualmente na guerra,
grato a tantas provas de benevolencia e amitnde
dte luuar dirigimos os nossos natureza acida,
e chamamos em seu favor as
>ara o qual dirigimos as uossas
o repouso eterno daqaelle pres
ir i.MI ,11,11 (tfflllt
urna nota da sua
era
limoso cWado.
8. Jos, J8 de fevereiro de 1866.
> Moradores de S. Jos.
, _, n l^m Abra. D. Joaquina de S Barreto, tendo
Ma(e Po riir'iMMi_. uma sua escrava fallecida desumolestia, sub-
igawaodo-e a residencia dos SrsT abano osen- mlt,da a tratamento de sea medico, resol-
cioudbs, qM.se mscreveram como sacie da Monte- v*u procurar-me paratratar de um outro
Sesmos srs. convi**^ datdnrem escravo, que soffiria da mesma enfermidade,
moradia, no prnto de cismo dis
^s, uvas, -fcp|^
algosas, que fbrdflM o l^njfo e ? ^^J^^^uf^
vea ao mesmo lempo para destruir e mitl- tSSSP V!r:r1S1!SSr
W asede.
parrilla-, poisqoe.se tem condecida ser o
veame mais enrgico para prompl cora
nheiro de fadigas no acampamento de guerra, oadn da Boa-Viattii. 4, no Gabinete Por
mezes, 3. Jos, tober
Antonio,
Manotl, Pernambuco, 8 auno, Santo Antonio, me- jo**, M ,CDitn B0 e^,, Oriental, 0 benemrito Va, ou na rna de Crespo
Sr- nenie Freitas do 4* bautuo de artlrnariaaSgueira de 8c*a, aQm de podeKjrt
p, ve* por meio deste fazer patente ao paWico^nio o fazendo, considerar-se-haterem renunciada,
z de Leiiu
doSr. No*
ocutados:
tre os membros do congresso, abandonando os mi
nistro< logo os seas lugares, e correado a procu-
rar a proteecSo dos cnsules de Franca, Italia e
Inglaterra
O general Cabral appareceu pouco depois na
pra^a publica declarando que se a voz do povo e o
bem da repblica exigissem que Baez subisse ao
poder, elle estava prorapto a abandona lo. O povo.
anda se proannciou por Cabral e este anda se
-
CI1R0MCA JIDICI.4BIA.
TRIBUXAL DA REfcACAO.
SESSAO DE 6 DE MARfO DE 1866.
PRESIDENCIA DO EXM. SR. C0NSB .I1EIR0
S0UZA.
As 10 horas da manha, presente; os senbores
cooservou algumas semanas no poder; mas o des- desembargadores Saaliago, Gilirana, Guerra, pro-
conheeido torno.u a apparecer declarando que era curador da cora, Lourenco Santiago, Almeida Al-
o general Pedro Guilherme ; o pronunciamento buquerque, Assis, Doria, Domingues da Silva,
fez-se, fleande este general como dictador at a'
chegada de Baez.
< A assembla conslituinte nomeou unnime-
mente no di.t 14 de dezembro, presidente da rep-
blica dominicana o general Boavenlur Baez.
Dizem uns que o general Cabral acceitaria um
eropregu ao novo governo, dizem outros que elle se
ausentara do paiz porm fado que a revolu-
to predominou, e qae hoje se encontra frente
Vleira, Acpioli, e o juiz de direilo Freitas Henri-
qus, faltando o Sr. deserabargador i'.otta, abrise
a sesso.
Passados os feitos, deram-se os seguales
JULGAME.NT.S.
Recurso commercial.
Recrreme, o juizo ; recorrido, Manoel do Am-
paro Caj.
Relator o Sr. desembargador Vieira.Sorteados
sua gratido para com lio dlstncto offlcial, e raga
a seus patricios e amigos a pnblicacao da mesma
para satisfacao dos meamos.
Acampamento em Coeocas, 8 de Janeiro de 1866.
Antonio Dioclecio Gonzaga.

Jaquelia repblica o general Baez, embora tenha os Srs. desembargadores Assis, Domingues da Sil-
scnVido grande oppesicao no paiz, peis que depois j va, e Gilirana.
daqaelle general ter turnado a presidencia da re- Deram provimento.
publica, ja tem havdo aigumas sobleva^oes que o Denuncia do bacbarel Joaqolm Goaes da Cunta
g.verno"tem pidido suffocar.
PERNAMBUCO.
REVISTA DIARIA
Healisou-se honte, ao mie8*a,a-poseoExm.
Sr. Dr. Mauoel Clcmenlino Carneiro da Cuoha, 1
vicepresidente, prestando S. Exc. antes juramento
ante a asssembla provincial.
Do Rio de Janeiro e Babia chegou hornera o
vapor inglez Newton, da linba de Liverpool, nada
adiantando em noticias.
S. Exc. o Sr. conselheiro presidente da pro-
vincia, por portara de o do crreme, approvou a
planta e projecto do mercado publico, feito pelo
Sr. director das obras publicas, Dr. Gervasio Com-
peli.
O local designado o espaco vasio entre a casa
de detencao e o gazometro, Quito aproprlado para
tal constroeco por Qcar em meio dos tres bairros
desta cidade, alem de ser lugar devoluto, que nada
deve custar provincia.
Beltro contra o bacharel Emiliano Castor de Arau-
jo, juiz de direito da comarca de S. Joo.
Foi absolvido o reo.
Revista civel.
Recrreme, Josapbat Lourengo de Souza; recor-
rido, Donato Jos Martins e outros; sendo.sortea-
'dos os Srs. desembargadores. LoureiiQO santiago e
i Vieira.
Juigou-se a favor do recrreme. .
Assignou-se dia para julgamem das appellae.oes
seguimos :
As appella(5es crlmes.
Appellante, o juizo ; appellado, Joaquim Gomes
de Moura.
Appellante, o juizo; appellado, Joaquim da Silva
Ferm-
As appellagoes civeis.
Appellante, Jos Soares do Regp; appellado, Jos
Joaqun de Oliveira.
Appellante, Jos de Barres Pimental -, appellado,
Joaquim Marinho Falcao.
PASSAGENS.
Do Sr. desemBargador Gilirana ao Sr. desem-
bargador Guerra :
A aupellago civel.
Appellante, Joaquim Rodrigues Campos; appel-
lado, Vicente Lopes da Costa.
Ao Sr. desembargador Almeida Albuqutrqae
Aappellago civel.
Appellame, Dr. Beato Jos da Costa Jnior; ap-
Por loJos estes dias deve seguir para o cen-
tro da provincia em direceo colonia militar de
Pimenteiras o Sr. conde Jasienski, atirn de por si
ir observar os terrenos nacionaes daqaella locali- Sant'Ar
dade mais apropriados para a cclon.saco polaca, j ^%?S^Jtto&to*i\V> *<> Sr.
cuja promocao desenvolve ^fSJ aWmDargatADa Albuqderque
por si raesmo, ja por commissao do governo impe 6 anDellacoes civeis
rial em concurso com a sociedade para este lira es- Appe|,anle> Maoo'ef p^andes Pimenta ; appelli-
labeiecida. __ __ ,.:.! do, Manoel Ferreira de Araujo Barreto Janlor.
O Exm. Sr. conselhe.ro Paraaagua fac.lltou | Appellante, Loureuco Puegi; appellado, Ignacio,
todos osmios para que nada falte a completa !LuW Bnl0'Tabord
ELEIC, ilj
des empregidos que tem de festejar o glorioso
martjr S. Sebastiit u Cidade du Victoria M
anno futura de 1867.
Juites por eleicao.
Os lllms. Srs. :
O negociante matriculado Joo Jos Ferreira.
O negociante major Claodino Jos de Almeida Lis-
boa.
Julzas por eleicao.
As Exmes. Sras.:
Consorte do Sr. tenente Jos Pedro de Ollveira.
D. Joaquina de Queiroz Monteiro.
Juizes por deyocao.
Os Rimas. Srs. :
Negociante Joao Jos Mendes Basto.
Negociante Antonio Jos Rodrigues da Costa-
Julias por deyocao.
As Exmas. Sras. :
Coosorte do Sr. Manoel Cavalcante de Albuquer-
qne S.
Consorte do Sr. Felippe Antonio Rodrigues da
Costa. ,
Escrives por eleicSo.
Os lllms. Srs. :
Tenente Jnlio Goncalves Lima.
Tenente Gailhermino Paes Barreto.
Escrivas por eleijo.
AS Exmas. Sras. :
Consorte do Sr. capitSo Miguel dos Anjos Alvares
dos Prazeres.
Consorte do Sr. tenente Antonio Gongalves da Silva.
Kscrlves por de roclo.
Os lllms. Srs. :
Manoel Rodrigues dos Passos.
Alferes Pedro Secandlno Barbosa da Silva.
Ecrivaas por devoco.
As Exmas. Sras.:
Consorte do Sr. tenente Jos Patricio de Moura
Cas.
TJ. Maria, filha doSr. Joo de Freitas Pinto e Souza
Mordomos.
Os lllms. Srs.:
Negociantes Jos Jacintho de Medeiros.
.Jos Vicente Pimentel.
Antonio Fernandes Peixoto Rosal.
Severmo Ferreira de Mello.
Pergentiao de Hollanda Cavalcanti.
Jos Bento dos Santos.
Joo Ignacio de Meira Ferro.
Mordomas.
As Exmas. Sras.:
D. Maria Sima do Reg e Agular.
Consorte do Sr. Manoel Francisco de Salles.
Consorte do Sr. Martinho Gomes da Costa.
Consorte do Sr. Rotilio Tolenlino de Figueiredo
Lima.
Consorte do Sr. Francisco de Amorim Lima.
Consorte do Sr. Francisco de Paula Bezerra Caval-
canti.
Procuradores.
Os lllms. Srs. :
Lulz Jos da Silva Cavalcanti.
Jos Francisco da Cunha Pedrosa.
Joaquim de Souza Galvo.
Tnesoureiro.
O Illm. Sr. alferes Jos Marcelino de Mello.
O vigario,
Francisco Xavier dos Santos.
ostufoiios qoe- ihes da-vmn as snas assiguaturas.
Seguem osjnomes.
0Snborer^ '.-"
Jos Soares Leite da Costa.
Joaquim Estoves de Souza Pires.
Francisco Joaquim Moreira.
Manoel Ignacio Cardoso.
Antonio Jos Ferreira Jnior.
Antonio de Oliveira Leite Bastos.
Bellarmlno Jos Pinto Osoro.
Manoel Joaqlom Goncalves Carneiro.
Jos Pereira dos Santos.
Antonio de Souza Pereira.
Antonio Ferreira Mala.
Manoel Gongalves Torres.
Roberto Luiz Gooealvw.-------
Joo Ignacio da Costa.
Florentino de Almeida Pinto.



observado do Sr. conde nessa digresso, que vai
fazer qnelle lado da provincia ; e assim expedio
ordens as differeutes autoridades da comarcas de
Palmares e do Bonito no sentido de proporcionar-
lhe ludo quanto Ihe seja preciso para o xito satis-
factorio de sua commissao, como "se dosegulnte
offlcio.
4* secgo.Pa'acio do governo de Pernambu-
co, em 1 de margo de 1866.
Tendo o conde de Jasienski Ido visitar os ter-
renos da colonia militar de Pimenteiras e ontros
adjacentes com relarSo a colonisago, recommendo
a Vmc, que nao s facilite todos os melos que o-
rem necessarios, para que elle possa examnalos,
Do Sr. desembargador Almeida e Albuquerque
ao Sr desembargador Multa :
As appellacoes civeis.
Appellante, Francisco Luiz de Vascouoellos -, ap-
pellado, Tfiomaz Loureiro da Silva Castro.
Appellante, Amonio Marcelino do Prado; appel-
lada, D. Maria Barbosa de Mondonga.
A 1 > horas da tarde encerrouse a sesso.
Loudon ifc Braalllan Kank ( M-
mlted).
Capital do banco 15,000 accoes
a 100...... 13,333:333^330
mas tambera prestar-lhe todas as informales de Acc5es emiltidas 13,000 a 100 11,555:555,5550
que carecer, e os meios de transporte, apreseotan- Capital pa-o a ^ 40 por accao. 4,622:222220
do-me a conta da despeza que ftzer para ser indem- baLANC0"da CAIXA FILIAL EM PERNAMBUCO,
"** 1 EM 28 DE FEVEBEIRO DE 1866.
Deus guarde a Vmc.-J. L. da Cunha Paran- ACT1V0
1,738:230^400
1,115:8975290'
227:688^330
gua,
Hoje o agente Simoes far leilo de um es-
cravo, um cabriole! e cavallo, movis e muitos ob-
jectos de gosto ; na ra da Cruz n. 57 s 11 ho-
ras em ponto.
Pessoas da freguezla do Poco da Panella cha-
uiam a aitenco do respectivo fiscal, e mesmo da
polica local, para nm toureamento, que alli e as
adjacencias se instiluio ltimamente, de modo que
anda no domingo prximo passado, quasi que sao
atropelladas no Monteiro algumas pessoas, que es-
tovara era suas calcadas, quando o louro voltava de
Apipucos.
Fot nomeado offlcial maor da assembla pro-
vincial o Sr. Dr. Jos Cardozo de Queiroz Fonceca.
No dia 4 pela noile foram feridos era casa de
Antonia Maria da Conceigao, na ra da Gnia, Pe-
dro Francisco Carneiro de Almeida, e EstevSo, es-
cravo, por Miguel de Almeida, que poz-s era inga
era seguida.
A aotoridade competente procedeu a necessaria
vestoria nos offendidos.
Por ter aberto agua, arriboo a este norte no
domiORO ultimo, a barca sueca Ignes, qne proceda
da Babia com destino a Inglaterra, tendo }a 38 dias
de viagen.
ban-
Letras descostadas .
Crditos diversos, outros
eos e caixas liaes .
Caixa :
Emmoedaeorrente .
3,061:8164020
Foi retirado do rio o cadver do preto Ma-, raes.-Em
passivo.
Capital fornecido pela caixa ma-
triz ........ 888:8885890
Depsitos.......l,08o:5305390
Crditos diversos, outros ban-
cos e caixas filiaes .... 1,107:3765740

3,061:8165020
Recife, 6 de margo de 1866.
W. J. Baynes,
Accountant.
3
. -.
Publicacoes a pedido
Jos Flix da Cuoha Santos.
Anlenio Rodrigues Vleira
Faustino Jos Gomes Vieira.
Joaquim Lopes de Azevedo.
Jos Antonio Machado.
Domingos Pinto de Freitas.
Manoel Ferreira Pontes.
Manoel Augusto Candido Pereira.
Secretaria do Monte Pi Portugoez
buco, 6 de margo ds 1866.
Jos da Silva Loyo,
Presidente.
Joaquim Gerardo de Bastos,
2o secretario.

l
D o
era Pernam-
Combate naval de Riachuelo Caiib ., Parnabja.
Illm. Sr. lente coronel Jos da Silva Guima-
resposta aos qoesitos que V. S. me di-
rige, tenho a honra, de responder : 1." Que por
noel, escravo do. ?r. Jos da Cuaha, o qual pava rige, tenho a
desapparecldo da casa do mesmo senbor, de ves- varias vezs, no dia1 11 de Jonbo deste ano, vi a,
pera. IV, St na tolda desta oatthenera, qner antes, quer! les sao superiores
Hontempela manha apresentou-se w>.m.^PoI.s de forgado o pa*so do Riaenelo. 2.^<)ae^cas.
Fiuza, cautelista das loteras provinclaes, um Wj | [t-P"in?,.ra e Slta coropanoiasjo-^.0 batalhao de | to procui a evitar a vista oo bemtertor
Ao publico.(,) ^
Fui encarregado da deteza de Manoel Car los Lei
to de Albuquerque, pronoaciado no art. 17 do
cdigo penal pelo faci de baver assignado nma
procurago em branco era que seu pai Carlos Lei-
lio te Albuquerque flgurava como aulhorgaote a
fraudulenta de diversos escravos do mesmo finado
Leilo a Jos Heoriques da Silva, e neste empenho
procure! prestar Danga ante o juiz muoipal de
Sermhaem.
Apenas, porm, requer a Ganga o bacharel Gui-
lherme Cordeiro Coelho Cinlra procurou prender
ao men constitoiote, ordenando varejos e bascas
em casas e engenhos onde hosoedei-me durante a
poucas horas que me demorei era Sermhaem.
E' de pasmar semelhante proceder do Indicado
bacbarel mxime sabendo-se que Manoel Carlos de
continuo appareceu em Gamieira, e em lagares
pblicos tem-se achado com aquelle magistrado,
sem que este manifeslasse a menor demonstrago
de querer prende-lo.
Este facto revela o carcter mesquioho do bacha-
rel Cintra, o qual querendo mostrar-se nimiamen-
te severo ante o publico, procura dsi'arte ferir
aos Srs. coronel Jos Pedro Velloso da Silveira e o
tenente-corooel Coriolaoo Velloso da Silveira, que
at hoje tem sido os seus mais extremosos protec-
tores.
Costa a crer que lo baixo sentimento se aninbe
no oorago desse magistrado, roais o facto verda-
deiro, e ja se nao pode por em duvida.
Saiba, porm, o publico que o magistrado 'que
assim procede aquelle mesmo que fui o primeiro
criminosodessa traficaocia, por quanto foi elle
quera venden a Jos Heoriques a procurago em
branco, assignada por Carlos Leilo, para com ella
lavrar-se a escrutara fraudulenta da renda de di-
versos e.-.cravos, e sso mediante a sesso gratuita
de dous dos aesmos escravos Marcos e Antonio ;
sendo que essa procurago Ibe bavia sido dado por
Carlos Leilo, para (mandand-a eneber) accionar
pela cobranga de urna letra a Antonio Lins de Pon-
Uble.
Manoel Carlos foi finalmente preso pelo proprio
juiz Guilherme Cintra !! por elle-mesmo, sem (lan-
ga, ful sollo mntenlo depois III
Este procedimeoto, flque certo o bacharel Gui-
lherme Cintra, nao ferir os seus protectores le-
nente-foronel Coriolaoo e coronel Jos Pedro : el-
a essas mesquinhas vingan-
raera para recebar o maior premie da qae carrea
anie-hentrm ; apresentando, porta, emendado o
numero de bllhete, foi condnzido presenca do
Dr. delegado, que o mandn rtcolher casa de de-
tengio.
o dia SQo correte, na faculdade de direito,
teve logar o acto do 5." anno do &r. Antp'nio de
Drammond Pilho, recebendo bonlem o grb d ba-
charel, depois de cojo acto recitou um da
agradecendo ao/c^rpo mgjslr^-d^qjtd ,
dade. -, ,
- O Sr. conde Jasien*! nee pede a p*lkago:
do seguinte ? eoj .- n
Tendo sido approvados os estatuas da socie-
dade promotora da eolonfeaeao polaca o Brasil, e
autorisada a saa existencia por decreto 1atperla),"a
commisse pfovttoriir eocarregeda da reapeciiva -
direegio, -compoiU dos lims. eonseihete-Z.! Mos, de *8bo.
charla* de Ue Vaconci|ea'* Sergio Texelra
de Maeedo, Dr. Caetano Atfcerto 8oares, roonseahor
vigario caprtolar itanmiaMe Tetis Mana > fin-
Atbufaerfoo e oottmeadader -JaSo 'Btpttm -tfr><
1a Dratacoond, inmtkiHM comaivkneen- dlk '
tas
Viaana rnaamond, rnrmaMnan coma
unte da mesma csmmimao' e tmtn^na ictBtm.ta
na empreu *e promover a M|gaoa*oc*ah.i-.
infntara, que formavam as divlsoes de aborda- Para oao recordarse do beneficio recebido; nao
gera da tolda e eonvs deste navio, s aebavami!Pls nos sena respectivos lugares, derde qne se: crismo | ass"B proceda, mas fique oe nma ver convencido
o iniraigo. 3.* Que na occasiao, e qne o Ta-, Qu" o criminoso que se assenta na cadeira dejuiz
o risco devela trocada pelo escaf do
uary conseguiu langar um gojpu de gente na tol-1 c9rre
a da Parnahyba, a aivisao de abrdagem, j, r^o.
desfalcada, So pode rtetetl?, por fa ta de ame-! Recifc. o de novembro de 1864. 0 bao
ro, aofnaodeimpulso da eqeiiagera inimiga ; o, Viom Fernandes Madttra de Castrt.
9ue 0ilio\t aigman. raja*,! ia,.ecapa/ama a, i -.....^f'ihli m\ "
r*9Ur'8e na Pra5a d armas, sendo que nessa oc-: -u i-'l^
aslitlr observe!, qae V. S. defendeu a escolilqa da{ v?tI.HWP'
praca d'arrmis fom um revolver em'pdnho,' ot)3Jfiri -o- i Ciras > IlsMitl
tandea que os Paraguayos se iancassem sobre1 Esta povoagao acal de passar um gta* do Io-
nes,- o que teriam realizado* se Ihes nao oepuaes- rosissimo a perda de um cldado que, se nao ti
s tao serla resistencia V- S. poderazer, nha arira 'de posico -
lhorado considerafklmente.
. A sehora do 8r. Antonio Francico Ho-
ucrato foi desenfilada por habis mdicos
desta cidgde,^leye._prostradai e nos lti-
mos paroxtsmlfc da morte, foi cora o xaro-
pe de veame salva, eomo se v* da carta
impressa do Jornal da Recife de 9 de feve-
reiro de 1863.
O escravo Emilio, do Sr. tenente-coronel
i Rodolpho Jo3o Barata de Almeida. foi lam-
beta desengaado por habis mdicos, e
com o xarope de veame acha-se completa-
mente restablecido, como se v tambem
! da carta impressa do mesmo Sr. tenente-
coronel no mesmo Jornal do Recife.
O Sr. Antonio Ghristiano Fogt, fllho do
Sr. Christiano Fogt, propietario e estabe
lecido na cidade de Macei, o primeiro bem
j conheeido nesta cidade, pois qoe foi empre-
I gado na casa do Sr. Len Chapcllin, retra-
tista eslabelecido na ra da Imperatriz, ac-
commettido desta molestia, foi daqoi desen-
ganado poriabeis mdicos: retirou-se para
a Bahia, e alli cootinuoa em tralament > ato
3ue foi segunda vez desengaado pelos me-
icos dalli, ebegando en em Macei, um
. amigo pedio-me, que o acompanhasse at a
casa do Sr. Christiano, para ver um doente
: e prescrever-me algara remedio, encontrei
i-si.oo.--------" o fllho em urna cama desanimado e em es-
Agua de Florida de Mnrray dfc tado de prostracSo, pois que escarrava sna-
Lanmaa. < gne, e tinha completa inapetencia e fraque-
Com quasi toda a certeza pdese por em za a ponto de n3o se poder por em p, no
duvida seas mil e tima variaveis flores Am de urna garrafa do xarope ethereo de
que adornavam e derramavam lo delicioso veame j se achava elle no estado de pas-
perfume sob o verdescent jardim do Pa- *eiar emeasa, desapparecidaa inapetencia e
raizoespalhavam urna fragrancia mais pu- os escarros de sangue ; e a tosse mitigados,
ra e delicada na atmosphera, do que aqnella No flm da segunda j achei em estado de
que se diffunde e enche p gabinete de vestir, faze-lo passear pelo sitio todas as manhJas.
ou Boudoir, no qual se baja aberto um fras- Acabada esta o aconselbei, que continuaste
co desta odorfera e deleitavel agua de chei- no oso do mesmo xarope etherio alternado
ro. Comparada com o passageiro e voltil com o xarope alcoolico de vellarae, e que
ebeiro dessas Essencias ordinarias, o seu usasse dos baohos salgados na pancada do
mimoso e deudoso aroma p Je-se chamar i mar. Sentio elle nos primeiros banhos al-
inextinguivel, inapagavel, emquanto que por | guns cho(|aes, mas en o aconseihe' qne con-
outro lado a verdadeiraquinta ssencia tinttasse, com o que se tem dado muitobem
em seu genero, que de urna maneira a, pois que tenho recebido cartas de Macei,
mais viva, nos faz agradavelmente recordar,! em que se me communica o sen bom estado,
trazendo-nos a mente o deleitavel e genuino! Nesta molestia os expositores de medici-
perfume dasaromat:casefli,rescentes llores;C ^a D*0 aconselham banhos salgados, apenas
n'uma p-.lavra nella existe e floresce a belje- (quando delles tralam, dizem ser applicados
za eo encantamento. jas escropbulas, hypocondria, estherismo,
O volumedo delicado aroma espargido de amenorrhea, raetbismo, etc.'; entretanto'vi
algumas gotas derramadas sob o lenco, este bom resultado no filho do Sr. Crisliano,
verdadeiramente maravilhoso e deleitavel ; e e outros fados iguaes tenho visto as om-
como um agradavel meio de restabelecer kstias siphyliticas, e ontras muitas que com
desmaios, verligens e dores de ctbeca, assim o uso do xarope alcoolico de vellame tem-se
como servindo de odorfero adorno pessoa obdo cara radical,
e ao paladar, quando osada em diluicoco-l O Sr. Dr. Silva, medico hbil de Macei,
mo um enxagoamento de bocea ou cosmeti- depois de ter applicado a um seu doente de
co, ella por certo n5o tem seu igoal entre rheumatismo o xarope alcoolico de vellame,
t das as mais agnas cheirosas importadas. \ logo que elle se poz em estado de largar as
(Tenha-se, pois, todo o cuidado d exami-, moletas, em que andava arrimado, o aconse-
nar e ver qne os nomes de Murro// e han- lhou que continuasse com e nso do mesmo
man, se achem inscriptos e gravados sob xarope conjuntamente com os banhos sal-
cada envoltorio, letreiro e garrafa e na falta gados, com que se tem dado muito bem, e
dos mesmos, fcil suspeitar da sua falsi- um dos mdicos que alli em Macei tem coni-
dade.) ] pleta confianca as preparaces de vellame
Vende-senas pharmacias de Caors Apormim feitas, pelos b'ons resultados que
Barbosa e J. da C. Bravo & C. : tem obtdoem sua clnica.
'!- i Quando alguem se v com tosse vai ao me-
i*Ii(hyslca. ^ico, este o examina e declarao serfhor es-
0 xarope etherio de veame por mim pre-! afectado dos palm5.es,o doente desani-
parado muito tem eproveitado aos qaesof- ma com esla sentenga, emende estar sem
frem desta molestia, e de lameotar-se, que mais cura, quando os factos e a experiencia
no obtuario desta cidade a maioria dos que tee4oa demonstrado que muitos tendo procu-
suecumbem de tubrculos pulmonares, "do o lugar apropriado, se teem salvado ;
sem procurarem o recurso do pratico e-do a?sim expncam muitos expositores de me-
experiente, que lhes pdem encaminharo dic'na- ...
meio de sua salvaco. j. 0ra' nessa Provincia temos facilidade ho-
0 Sr. Braga com oja de ferragens na ra Je e recurso do ar ; por que a -va frrea
Direita, foi desengaado por doqs habis nos proporciona, pois que em pouco tempo
mdicos, acha-se bom com o tratamento por anu Pessoa mim prescripto. : IBenle ** t ansporta para as ultimas estacos
A Sra. Jeronyma Maria da Conceic3o, mo-1 de Gameleira e Una, lugares perto do Boni-
radoraqa travessa do Monteiro n. o,achan- l0 e de oulros Pontos que s5l> considerados
do-se desengaada, tambem mim recor-. ?erta0' fl"3010 ma8 os mesmos lugares
reu e acha-se restablecida, Ia na0 sa0 maos> segando pens, principal-
Umsobrinbo do Sr. professor ae Nata-; me^e ? verao-
reth do Cabot acha-se bom, como se v de Mas dir-se-hama pessoa pobre nao tem
sua carta abaixo transcripta, alrn de outros,meios de se ""ansportar e all estar-a isso
factos, que poderia aqui mencionar. M responde, que naquelles lugares existem
A phthysica a destrnifo e a magreza ^asas vas,as e a'ugam-se por preco commo-
de todo corpo, em consequencia de ehagas,; d0> e mefmo muitos gneros de primeira
tubrculos e concrecao dos bofes e de em-. necessidade al se vende pelos mesmos
pyema, atrophia nervosa e outras molestias Pr^?os 9a aqui.
queviciam os humores, como escorbuto,' Muelles, pois, que estiverero nestas cir-
alporcas, gallico, aslhma, bexigas, sarampo, cumstancias, eu lhes aciiito explicar os meios
etc. Pel08 luaes se devem reger, elhes fornece-
Na phthysica, ebegando ao estado de gra- i os medicamentos gratuitamente,
vidade, o que muito pode concorrer para i' N5D deixare de advertir ao publico, que
8alvacq do doente e ajudar os medicamen- as m"^as preparaces de veame soreu-
tos bar decampo, exercicio conveniente Blda*eBi oulros ingredientes, e coaelles
e dieta, a qual Bao deve ser de nenhumt tenho obtido ptimos resultados: naoeen-
cousa qqente, ou de defBcil digestSo; e a *a?e raesmo PP com outros q^e-por
bebida cumpre que seja de natureza, branda .ah se annunctam, cojas preparacOes ignoro,
e fresea assim como o aproveitamento aos enfermos^
das molestias, cuja base ;es^eci3i "depende
da purificacao do sangue? atsim pois se
tem verificado pw muitas psoes qoe se
acha*am desengaadM, as qtjees acbam-se
hoje Mttabelecidas coa o referido xarope
alchoollco de veame; entretanto qoe al-
guns, tae usado do xarope de Curinier,
de Larrey, de salsa parrilhi, de saponaria,
oleo de flgado debacalho, e outros agentes
desta ordem nada eonsegurram. B" ette de
fcil digestao, agradavel ao paladar a o el-
phato. Algiins mdicos desia cidade e da
de Macei o teem recommendado para a cu-
ta das
Impigens, tinha, escropholas,
Tumores, ulceras, escorbuto.
Cancros, sarna degenerada, fluxoafrev
Todas estas affectoes provm de ama can-
sa interna; nao ha pois razo algama esa
crr que ellas se podem curar com remedios
externos. Tambem se prescreve o xarope
alchoolico de veame para o tratamento das
afleccoes do systema nervoso e fibroso, taes
como:
Gotta, rheumatismo, paralysa,-
Dores, impotencia, esterilidade,
Marasmo, hypocondria, emmagrecimanto.
O xarope alchoolico de veame sobre
ludo, da maior utilidade para corar radi-
calmente, e em pouco tempo o rheuma-
tismo.
Adverte-se que o verdadeiro xarope so se
vende nesta cidade na botica aoima indica-
da, do abaixo assignado; e em outra qtwl-
quer parte que se tem annuaciado nao da
mesma composiejo, e nem o abaixo assigna-
do se responsabilisa.
Jos da Rocha Paranhot.
COWMERCIO
Xoto banco de Pernam-
buco.
O Novo Baoco descont letras a 12 per eenio
ao anno, toma dioheiro a praso xo on em coola
crreme pelo premio e condicoes qne se en htm
ciooar. e saca sobre a (iraca da Babia
Caixa filial do banco do Brasil
em Pernambuco.
De ordem da directora se faz pnlreo qoe o
thesorein desta caixa se acba aoorisado a pagar
0 dividendo do semeste;findo em 31 de dezembro
prximo passado, na razao de f2060 por aecao.
Caixa til jal do banco do Brasil 13 de Janeiro
de 1866.
O gnarda-livros,
Ignacio Nones Crrela.
___
ALPANDEGA.
Rendimento do dia 1 a 5.....
fdem do dia, 6...............

103:8123354
31:387X334
137:199^888
MOVIMENTO DA ALFANDETA.
?olnmes entrados cora fazendas....
t c com gneros.....
Volumes sabidos cem fazendas..... 79
c com gneros..... 85)
-------S3f>
Descarregam boje 7 de marco.
Barca ingleza Metcor farinba de trigo.
Paacho raglezUndine farinba de trigo e mais
gneros.
Brigue inglez -BaWnfAa-bacalbo.
Sumaca argentinaNaca Carlotaenarque.
Brlgae nacionalf/umiNneidem.
Barca nacional -taaraAmidem.
Polaca argentinaMontevideodem.
IECEBEDORIA DE RENDAS INTERNAS GE-
RAES DE PERNAMBUCO.
Recdlmento do dia 1 a 5...... 15:31^1068
dem do dia 6................ 2:274*89
.

17:788*967
Rendimento do da
Fdem do dia 6 ...
CONSULADO PROVINCIAL.
1 ao

.
32:6271392
40:131*637
MOVINTENTO DO PORTO
Tdo oea alimento se ha de" dirigir a a ^ta florvenira tnham sido appUcados;
moderar a acrimoaia dos bumores a xax-''*wm responde por si, e eu affirmocom
Navios entrados no da 6.
Rio de Janeiro, Babia e Macei 8 dias e do Ulti-
mo porto 20 horas, vapor inglez Newte de 748
toledas, coramandanle Johnson, equipagem 33r
carga assucaralgodoeoutros gneros; a Saun-
ders Brothers & C.
Liverpool por Lisboa 30 dits do por, 17 do
segundo, vapor inglez Amazon, de 528 tonela-
das, commandante J. Reynolds, eqaipageni 23,
carga fazendas e oulros gneros; a Sannders
Brothers & C
Navios saludos no mesmo dia.
Rio de JaneiroBrtgne nacional Mensaatv, tapi-
lo Firmino Maria Tourelly, carga assnear, 2
escravos a entregar.
LiverpoolBngne inglez Rosalie, capiao Rowtand,
carga assucar e algodo.

E 01TAES
mam
n m i i*
Faculdade de Direito,
do
., e de taabilitt^oes soclaes,
qne delxo dito, o nso qae chelhor Ihe covier. pessnia virwdes em grao elevado, sobresiblndo
r- primeiro tenente, Felippe Firmino Rodrigues' entr as demals a carfdade e q w(riotinn,
GQWs.~Bf*d#-toPorakitba po rk Raran, d1 Era o Sr. CamifW'da SiiVe'ira Bortej tavofa In-
, i digoa. Qulnro das depeis de na r^itocta'
j_, neste lugar, em }8B3, estudantfo asr dfspWM io-,
. illm-^Sr. tenente-coronel Jos da Silva Go.ma- enes da povoasao,' j^stltot bma feira, wiaU-'
taestr-BB respoeta a pergnata.a ciraa, ienbo a 4b- os.'qd.renttndo r^pHnWra occasijb 6 peone-
,-.J*iaonnmerode de
nimigo
-4ada a,Par
.fetaidn escetilha dar p*ac ffermai," hzenao Me *ara Porto-Calvo (Ala*
Jasm, poi, regressanda ct'tailaito a mm .u o^9,trm>iw^tapakMt asan oaene Pata-i de dro' anno e mezes, v
provincia, onde oascea a idea gesroaadensa a *.ae lancAssem sebM, ^^^e^iarnjo,,; esteTugar.
preu, que aUa a btwtem**lXMi* do pata, grado, ge nao fosse a resiltencia tao decidida, qne o povo estinrava-o
tenko a honra de i-lav-if -atit 'Rr'lrm- 'uteiraa W<****tam nireferida WotrWa de wwlWpara' tector. Conhecemos algamas
tes d'eia, Krtliciguiojo.a sua eoaeefreiipia fornw
da tomada de acodos, que 4*ne* fciHifa *ao.
capital da sociedad* i f ; u -r i..,- i /.
< Dando, peis. scieMia do mmi* ,
coala ira* pessoa oiUciiv essa -con cavateimws habitantve d'esu cidade, w> por, cor
oaty(|boje coatorflda
trir e suster o doente, i ara o que preciso !erdade que aou' tenho relatado, cujos me-
reduai-lo ao uso de vegetaes e leite. dicamentos nesta provincia s6 vendo em mi-
Toda comida e bebida, que se tomar ha oha D0tica na rna Direita n-88-
de ser em .poucas porpes, para evitar que, _. v. ^ ^t ocAa p?rm^i>'nan
o excess dp chylo frasco oeprima as bofes, "9a*vf!tii do Cabo, 7 de setembrode 1863.
e accelere mail* cirooiaclb do sangoe. ^^^ Jos-da Rocha Parafthoa.-MJ-m
- Muitofl doeates deMa molesiSa sieeBe^]% VM^ Pr^fr aro ac conbeetmento, de V, 9. na segundaria;
tregae- ao uso do oleo de flgado de bcaloo;.''^;-P.****- **v-^ ***?<* dmi- 4S /*> wctn h
e ootrs preparaoSesde reaioas e pateamos, i ^A'h?B7Jbe re1**8' *? no lodo res.
em que dellas tenham tirado proAeito; e; tabeleeido, PJlNanto, ndaseme, tendo des-
appaTecido^j tpdo a tosse, tem muita dipoT
sico .comida e acba-se nutrido. Deixott
tomaros ultimoremdeos que V. S. recti;
te com me"d7cameniQs Jeas^eTalsamlcos;' >o ^M do assario;r ata agora V Y?
porm^.estes em vez de tirar a causs augr.,^" /rWPflar-me afzar.gqai. a ae^a r mentarn-r^, e*jiwatando o angue. ao mes-' ?te. W:v*. Pf fl*^. *q .; ^.52^!^l?/2ftP*l>$?_ Lm B?
notempo^ue^rata^ffieTire, raulmos
solidos, e sao de toda sort perniciosos.
aigans esposllores de medicina combatem >PParectdp^
con muita raz3o esse tratamento.
costucae carregar o estomago do doen-
De ordem do Exm. Sr. director se faz panuro
por est secretaria, que em congeegajao de 2 ilo
correte foram distribuidos e regulados os traba-
llios do anno lectivo pela maneira segulnte :
Prtieiro anno.1* cdlra, r. Silveira de Sou-
za das 12 a 1 hora, oa sala grande; 2* cadeira Dr.
Jos Bento, das II s 12, na sala grande.
Segundo anno.1' cadeira, Dr. Ar rigi das 8 s
9 horas, na sala grande 2* cadeira Dr. Yitella
das 9 s 10 horas, na sala grande.
Terceiro anno.1* cadeira.Dr. Braz das 9as7O,
oa terceira sala ; 2a cadeira, Dr. Aguiar das 8 s
9, na terceira sala.
Quarto aano.1* cadeira Ur. Loureiro das 18 as
IJ, na primara sala; 2* cadeira, Dr. Portelia das
as 10 na primeira sala.
Quinto anno.t* cadeira, Dr. Baptista das 8 i
i; cadefra, DT. Autran das It
sala; 3" cadeira, Or.fceg as *
4? 10, na segunda sala.
Para ptograqna do ensfn? foram adc*ta* d
mesmos compendios do anno paisado.
Secretaria da Faculdade de Direilo
de margo de 8(J6.
Qofflci! na isencia do secriiarlp,
- Manoel Antonio dos Passos. e Silva Jnhsr.
Dr. Virgilio de GusmSo CaeJho,,.juiz (Daatewal
supplente em exercicio da segunda vara destav
_ 41 cidaqe do aecifej,#* <"*.,-,*
dever Pur sua magestade
como verdadejr
casas i
ion *r>!r*mtB*w*m*wik'!pOi*zeraso, *a comarca, qoe, a nio ser a rer, teria des^*5 V00? mm
** ln?T,&i,^*>&& '-0** f i m 63. _^ Nb t^wto gn&V-S % Smbem a reftwear
Illm. Sr. tenente-coreDel Jos da Silva Gal nu-
lo s nio fururi* a preeur o ijq otmSt'mr a "es.Em resposta ao no V. $. pede neu sua
elevago de ama obra to meritoria e canoarnaal- e,":a' mho a dizer"lne' 1Qanl ao ,- qaesilo, qoe
tados fecundos patA o Braeil nio Bodeealer uvi- <,arante a passagem da esqoadra paraguayano
doses, e por japio indjflxOiraflfiioj da trra ^ia-ll de oa> wnpre V. 8. em cima da tol
com ehea oanvivem.-CoiuU A.L. JouenilL <
tirflho POBuett, OBrroAno o bu 3 ni
marco nn 18$.
Bernardina de Sooza do Limmepto, Pernambuco,
90 annos, soltlra, 8. Jos, bydrojwzla. '
da, frente do contiogeute do 9," bataliio, qne
'rtarneea e?a canhoneira, dando todas as provl-
leaatan, qa a oceeiie exlgia. Quanto 3o t. qne-
. um grande nnmero _.
dentro oeste" navio, ea vi V. S. marchando (i
wmwtem
ras da urde, socenmbio, om mofo'&'<&&& ^'^liEEL?,! LSS^ i^iL
noto,; um tarrivol auque de apomwiii.fatmi,. Sfr^r11*1 fuaMoo
anta, setfw^fb de1 grayidade tal qu afebre
Aenaa-ae enoarregado, por ama portara de 8, ethiea 04 accommette prescrevo-lbs o su-
Exc;de promover oal^umento de voianfioe d ^ a dtailoTsanRido m ama chicara
Deiion roolaor e Albos, dos quaes o primogeoiio .f'?aa,.com bastante asquear en um grande
oDr. Joo ffaoklio Tavera, moco conheeido Copqpara misturar com nm papclinho ds
pelo eos olemos o advogado no Recife. pxfg refrigerantes para tomar, com que ali-
pos, aaenconando k comidas ooe -deaerf t-'gr- na majestada Mftiwal .acQns^afiloiaaJ o
usar dWli fnVrliMvlp>!'i''1111 ^' 't -,r- Pedro 1em Deus guarde ele. ..
|*. calmante....... ''&T^W^^^tS^^^^^!^
^ eta boas erMtps nessa enfeflBthhle, ^(^^mm^J^i^-^Map- ^"f.i^rS&rSfdT
^rwf^'""i""* "'iM ***** MP0M' ^"m^SK^SoII uSCTi
lovembro
Pernambuco de tercafeira 8 de ma^a "ropa etherio de veame." Tenho
aconsemido, que fccanf uso de vegetaea de"
ml&'iVW. te
de y, S. muita. ro^pulMM*-, % ibrjL
criado.Francisco Beringutr Cesar
hezet. & iisnodaoi
mna
- l |lh
-19 K
Mr-lir..'
oofttm,5
CL_
seObiM
para todos
ATTENCaO
Xarope alchoolico de veame, preparado contebdo nesia.-Peroira n So
pelo pharmaceutico Jos da Rocha Paranhos,
estabelecido com botica n roa Direita a.
88 em Pernambuco. '
.eawat na|
Eaorqne a sunpijcapte ignore qnaes sean e>-
ses feerdeiros, por isso femier t V. Si wdln
mandar passar carjw' do edites, cnai < b
dias'fiara seren os sopprtcaaos ntados i
203.
Poruoto pede ao Illm. Sr. Dr. jtttx anatcqwf *
segunda vara assim Ibe deflra.E. R.M. Jk-C*-
mo pwcorader lee* Thoodaro Ooots.
^



-

i


H__^_MI
t***
dfcajWn'ai :ftiwi Bi vnln^* aw aW.
i

ibulgo ao escrivao deste
jamaGuilberme Augusto de Aihayde. este em obser-j
da a este, mea despicho, re passar o presente
HHjHli) qual e seu theor, chamo, cito e hei por
Batas a lew os herdeiros do adicionado suppli-
cade.MtfQel Ferreira de Mello, para qoe dentro do
praie de 69 das eomparegam por si on por seos 1
prettraftrea ante este jane, altanando e provando
j ate m proceder as soae revelta* "*
ctaato toda e qualqoer pessoa, parete, amigo
oaobReeidos doe referidos herdeiros, poder-lhes-
fan faaer seiente do todo o expendido.
8 para que cingue fo eonhecimeno de todos,
maadci fater o presente que sera' affixado nos la-
Bares detstame e aabltea da pela linpr*B6a.
Dedo a pamado neeta ciJade do Recite de Per-
baco, aos 8 de margo de IM6.
EaGuilherme Augusto de Aihayde, escrivao o
sBttfcravi Virgilio de Gusmo Coelho.
-*:*'rs- 40. Pagoo 40* rs. Recite, 3 de marco
da I8M.>Chaves.-8eoa.
Vai pagar 50 rs. de direitos de chancellara.
ecife,3 de marco de 1866.-0 escrivao Aihayde.
H. 1*22. Pagoa 250 rs. de direitos de chancel-
lara. Recite, 3 de marco de 186fl.-Chaves.Li-
moee.
Transitan,peJa chaocelurm. Recite, 3 di margo
C*pet1o Jaulor.
Lascado a Bs. 100 do complente itrro o. 13.
ateeTe, :| de marg de 1866 -Campello Jontor.
Ftrmino Antonio de Souza, presidenie.
Estaram as arraa3 imperaes.
. K nada mais se contiaha em dito edita! aqu co-
piado do preprib original.
Dado e passado nesta cidade do Recite, tos 5 de
marco de 186*.
Bu Guilnerme Augusto de Aihayde, escrivao o
s&bseMvl.
WJi-Uj
Virgilio de Gosmo Coelho.
QECURACOES
_
i .-
Savia lasa da Misericordia
r\a do Hecife.
A [llmf juula administrativa da Santa Casa de
Mterjcordla do Hecife manda lazer publico que
pr-visa contratar um capello para o hospicio de
atieaados em Olioda; os reverendos sacerdotes que
peteudepeiaVexereer as fuecg5es deste cargo po-
demdlnfir as suas-pinicos a' mesma justa, a
qual se rene as quintas-feiras na respectiva sala
de sua aessees.
SecretaHa da Santa Casa de Misericordia do Re-
ci te 28 de aterBiro de 1866.
a >. O olcial-maior,
--. ^ M anoel Antonio Viegas.
""*tita' Casa da Misericordia' do
Recife.
4 tilma, junta administrativa da Santa Casa de
Misericordia do Recite, manda convidar as pesssoas
que quizerem alagar as- casas abaixo declaradas,
fazeud" a sua casta os concerios de que ellas pre-
cisan!, a compareoerem na sala de .-na* sesdes as
qwatz.'-feiras as 4 horas da tarde afim de apresen-
carem suas propostas, podendo o arrendamento ser
ett at nove aunos com autorisagao do Exm. Sr.
presidente da provincia.
Pilriunjaio dos Eslabelecimenlos de Caridae.
Rna ireita.
Casa de um andar n. 33 publico e quatro parti-
cular-
Ra do Azeite de feixe.
C*sa de dois andares n. I publico e 35 parti-
cular.
Secretaria da Santa Casa de Misericordia do Re-
fe 5 de margo de 1866
O offlcial,
Manoel Antonio Viegas.
Sania Gasa de Misericordia do
Recife.
A (lima, junta administrativa da Santa Casa de
Misericordia do Recite, manda lazer pnblico que
contina em praga a renda do sitio do Forte as
Caadeas pelo lempo de i a 3 annos pelo prego
aana.il de 1005000, o qual sitio foi adjudicado a
mesan Santa Casa na exeeugo movida contra os
berdeiros de D. Auna Benedicta Bjaventnra do
Cariiiu : lem 65o palmos de frente e 800 de fundo
c.-rji-St ps de coqoeiro.
Os >retendentes comparegao na sala das sessSes
da mencionada junta as quintas-feiras as 4 horas
da tarde com os seus fiadores oo carta dos raos-
DMS.
Secretaria da Santa Casa de Misericordia do Re-
cite 3 de margo de 1866.
O offlcial,
Manoel Antonio Viegsa.
Santa Casa de Misericordia do
Recife
A ilota junta administrativa da Santa Casa de
Siseri.-.irdia do Recite manda convidar as pessoas
que quizerem reedificar a casa sita na ra do Bur-
gos ir 2 publico e 57 particular, pertencenle ao
Patrimonio dos Eslabelecimenios de Garidade, e
bem assim as que qoizerem edificar no terreno da
ra do Vigario prximo a casa em que funccionoa
consulado geral, e onde foi outr'era a casa n.
70 pertencente ao Patrimonio dos Orphos a com-
parecerem na sala das suas sesSes as quintas-
eiras as 4 horas da tarde atlra de proporem qual-
qner negocio.
Secretaria da Santa Casa de Misericordia do Re-
cife, 5 demarco de
1866.
O offlcial,
Manoel Antonio Viegas.

96 platinas.
Para a gatrda naaional de Olindae Igtaran
198 metra* de panno azul,
i dito. Ce brim branoo.
litoftae ajKdTzinfeb. L
156'nstefras de palha de carnauba.
7* bonets redundo. ...lOJi
600 botSes grandes de metal amarello.
675 ditos qequenos. fj
Para o 4 bafilh.
1,344 botdes grandts de metal amarello.
671 ditos pequeos
Para blosasoom destinos'cffrle.
12,000 metros de panno azul.
13,200 ditos de algodozinho para forro.
3,300 ditos aniagem.
1800fas grawlea de metal amarell.
54,000 ditos pequeuos.
Para o prerfdio de Fernando.
1 batanea pequea de rame com marco de
libra. ,
i dita romana que pese dous quintaos ou mais.
24 martelos deear*i)tna sonidos.
50 ditos da pedreiro dem..
24 railhos de ferro de 16 a 24 libras.
3 dolas de Limas nietas caoas de 7, 9 e 11 po-
legadas.
2 livros de 300 foibus oom capas de conro.
6 ditos de 200 fbtaae com capas de panno on
encerado.
6 ditos de 50 folha*om capa cima.
Para enfermara.
12 barricas a tartana de trigo.
16 arrobas de assucar refinada
ti ditas de caf' em earoep.
4 ditas de velas de carnauba.
6 libras chocolate.
Para o 4 corpo ce voluntarios da patria
39,634 metroa.de panno.azul.
264 ditos de algoditcinlM de forro.
66 dilM aniaam. i i
715 ditos de brim Iraoee.
385 tos de a%oda|iiiilw.
360 bolSe's grandes de melal amarell
1,080 ditos pequeo. > %r
120 bonets a' Cavanhaque.
120 chapas de metal.
20 bandas de la para inferiores.
Para o 4 batamo de iftiihaa.
1.294 metros de picap azul.
39,834 ditos de brim branco.
31.175 ditos de algodozinho.
546 botdes grandes Je metal amarello.
273 ditos pequeos.
As pessoas que qoizerem vender ditos artigos
apresentem snaspropostas na sala do conseibo, as
11 horas do dia 7 do curreite.
CoBaelho le compraa do arsenal de guerra, i
de margo de it%.
Manoel Jost de Azevedo Santos._____
Capitana do porlo 4e Pernambuco, 20 de
fevereir de 866.
Illm. Sr. capito do porto, manda publicar em
virtude de ordem de S. Exd oSr. conselheiro pre-
sidente da provincia, o aviso circular de 10 de
janeiro ultimo, em q*> o Exm. Sr. ministro da
agricultura, commertio e obras publicas, commu-
nicando a existencia dn urna eslagao telegraphica
no Cabo-fro, declara no mesrao lempo o modo
porque devera os navio procedeat.es do norte,
communlcar-se com a mesma estago, e
de cerragao ou noote com
Santa-Cruz.
Orcalar.Directora d:vs obra= publicas.2* sec-
cao.Rio de Janeiro.-Ministerio dos negocios da
agricultura, commercio e iliras publicas, em 10 de ;
Janeiro de 1868.film e xio. Sr. Communico a
V. Exc. para gue faca publicar nessa provincia,
afim decbegar ao conbecitaento dos donos oa con-
signatarios dos navios que no Cabo-frio exisle orna
estagao telegraphica para a qual, aquelles que
demandarem a barra do Rio de Janeiro, devem
fornecer as informagoes segniotes :
A saber
1. O nomedo navio;
2. A sua procedencia;
3.a Os das de viagem;
4. A carga que traz;
5.a G nome do consignatario ;
6." As noticias raaritimasoucommerciaes_.
Com a declaragao de que oesta informagoes seri
transmittidas por mel de signaes Maryalh-a
referida estagao, e quando os navios nao possam
com ella por causa da noute ou de cerragao no
mar o devem fazer para a Ponta-Negra, ou para
Santa-Cruz, em quanto, estlverem fra da barra,
cumprindo admittir que os navbs procedentes dos
portos do sol, devem transmittir as communica-
ges exigidas para o lelegrapho ta barra, ou Baby-
loma, logo que se possam corresponder cora taes
estaques.
Deus guarde a V. ExcDr. Aatonio Francisco
de Paula Souza.Sr. presidente da provincia de
Pernambuco.
Cumpra-se.Pafacio do govern) de Pernambu-
eo, em 19 de revereiro de 1866.-Unha Parana-
o.
O secretarlo,
Decio de Aqvnm Fonseca
bucana

rvapor
icaty, Cear;
e Atarac_
O vapor Pertituitfft^tommi
daote Belmiro, segu para os r
terfdos portos no dia 7 do ce
rente as 5 horas da larde. R
__________cebe carga scotetCP.at o di
6, encomaendasediDliro a freteat as 2-hora
da tarde do da da sanlda : escrlptwro titf rori
do Malos b. 1.
pgftlAlrW^ANA
GGMPAAHlA
DE
Paveco costeira por Vaptr.
liba de Fbroandb de Nortmlia. *
Seguir logo que regresse dos portes do sol
vapor Pnrahyba, commandante Martios, para
presidio de Fernando, para onde recebera a car*
ga que hoaver assim como eocommeudas, passa-
gelros e dinheiro a frele.
Couphia de paquetes a vapar eitret
os EsUdos-Uoi !ts e o Brasil.
At o da 9 do-
corrente espera^
se dos portos d
Do^uii cakioiet de 2 ts euiea-
--VallirJpiB todta es^rteicet
J? ^Cordeiw-Siiis "2 S
por^Mota 'vsco de rjuadr* pdktWer Tara' leitto
I do eefc iolet.a<*avallo aciBa menaionaitp \fV) *
'Hojeado correBe AM borasc r
Wj!atuaz^ a i na da Bftizynio7. g <^ *|*
LeiRq"
Kefler A C.continuariavhatepflr intei-vengod
-*agen>aOlivefri, o seulel(ead fatendae jptleafa
I e ffancezas bootem princiaiade em sef armazem,
roa-fla Cruz do Recife. ^ J ^ -_^ J
J! D mo\e% loeca, Sidres e xry'aUei.
") iator'
ramla**lzX 11
caro Itpinangaai 8
oJarro/p%a 0asv3
lnpeiraianape^ :
Como ^jaipaf
Uma raobj^a^de jacaraflfl aVhtdz XC ICpiano
torta lustrare crystal cn l^mangaa; S^casti-
gaes* manglar frascos ojarro/pf'a nWasrJ ricos
candffiircs aaz, 6 escaaJOeiPlianapeps acalmo-
teda, 1 mebllra de faia, 6-cadaacaa de- balaogo. 1
motJQia de pJBfia, 1 secreflCria fle ipogon, 1 Cande-
labro, I camaJrancaza, tJicaa^nardaT'oupas de
mogno, 1 grande eselhowim pes, 1 tfileteide ja-
anda', L (Uto de mogoa, 3 Iffratarios, 2 cabides.
car
sal o vapor Nortk C0stuiera ^.^^ imiv, ferrar4
" de aUir, i mesas dsticas, i a
seguir para
Tbomaz.
New-York tocandj no
,#Ble
tari pa|iageiros0imCv., '-" -.-
agiotes aferj' Fonjer i C roa Trapiche c
America,
mandante Tim-
mermano, "-feouga *ra jt^r, 1 l
dep' da l^^facas, artos, C(
ra do costme !tafilrej,' me'sas ca;
rara e o. m(rftos oulrog arliga. r,u,
CA cora os,corw-es"
" e
deliaarawrQhas, 1 qu
louga para jtn*ir, 1 lita
'ees, facas, garios, co her
bancas
adonis, 18 c*-
1 afmarelho
o, pos, ca
zas bargas,
rda roupas, e
tacaaa vista dos ma-

"os prtos fio nflrfe.
Desde j recebem-se passageiros e engaja-se a
carga que o vapor poder conduzir a qual dever
sar embarcada no dia-de sua chegada, encommen-
das e dinheiro Trele al o dia da anida as 2 ho-
ras : agencia ra da Cruz n. 1, escriptorio de An-
nio Luiz da fli i velra-Azevedo & C._______^__^
COMPAMIA BUSILEDIA
PAQTJETES^A VAPOR.
J)os portos do norle esperado
at o dia 20 de margo o vapor To-
cantins, ooaimandante o primeiro
lente Araujo. o qnal depois da
mora de costme seguir para
os portos do sol.
Desdoj recebem se passageiros e eugajs-se a
carga que o vapor poder conduzir, a qual dever
ser embarcad no dia d. sua chegada, encom-
, mendas e dinheiro a frete at o dia da sahida as
a Ponta-Ntgra ou a 2 horas : agencia ra da Cruz n. I, escriptorlo de
Antonio Luiz de Oliveira Azevede & C.
Qirlnta-fkira^ cMaree.
Francisco Mamed de SmajdrlSado d
. nma ^JagearjgPuropa, cofl) sMllmilia f;
i lao por intJfVengo do agapteia|>, dos
cima nieuL'ioiBidos existentes em casa de?
. sideuara rua-djfltlmperadoCn. 29,one sp^Bttua-
do sui ra- i>: teila.t as. O horas dtf-dia cima ditp.
at o da 14 do correte o vapor ^ -
Sanio Cruz, o qual depois da de-!
mar lo cooaie egnira' para ^
de Miranda, empreado
naalfandega des-ta provincia, e morador naauadas
Cinco-Ponas n. 108, Caz publico a qnem por ven
tora passa interesser, que a escrava Gertrudes,.
rriouia e suas treaem, Mari, Jos e Philomena
hje peTteQcem por compra qoe fizeraa sea legitimo
seohor Jes Vicente Xavier de Olive ira, a quera
partencia a Ala estrave, por beranca de spe mu-
Oler D. Mara da Racha Gue es, como consta do
resppclivo formal de partilhas, que se acha tm seo
pder; cuja escnpfura de compra foi lavrada em
f^rartono do labelli9 Sa em dala de 28 de feve-
Mro do correte iaoo.
Recite, 9 de marco de 1866.
Frateiaco Solano-da_CroT"Ribelro, commen
ciante estabeiaaido nssta cidade com loja de calca-
do, faz publico a quera por ventura interesapr pos-
sa, ijua a escrava Gertrodes, crioula, e sois tres,
crias Maria ios e Fhiiomena, Ibe perfeocam por
c.mpra teita por escriptura publica Gas ornas do
labelNao Akaeida, calibrad a 29 de novenJkro de'
1864, a Anselmo rrara Cmara, cuufiadoaio Sr.
Godofredo Heoriques de Miranda, que no Diario
de boje publicou perteaeer-llie d^ja escrava, por
copmra teita a^^H^^Bente Xatter jxp Oftveira,
feka -ma prximo passado ; e resj.oiWo a mes-
a Sr. Godofredo, que do tribunal competente sa-'
ara effa coma Joa Vicente, tendo vendido essa
pkrava ao s dito.ounlial*-*a) 24 d selambro
a W63, e Cntfi ao abaixu aaslgnado a 29 de no-
vembro- de laol, pedia no m*?. prximo passado
vaader-lhe Bvaaeaa ascrava, estando o abarlo as
signado na>(josse delia : assn cerne- veri elle
(uaes aero as eoawquencias de sua compra, ape-
zar da proiecgo oom qu* cauta.
Reate, I dK mango de 1866.
' Frapciecu Stano* Ca Cnuftrbeirp.
_Adrfaa.4m'gusio de-Almeida Jordao. relira-se
lar ; i
)Ce:
OdrMPAMWIl W\llI,i:iRA
P*P1TESD.A VAPOR.
frJr\T S'aperado dos porte
LEtAO
De'ujna loja de funileiro cam armag
candisiro dejaz e mnffas obra
Plaodres- ,
Quinta-flSa 8 d j comente as {i
ffsa Direita n. 77
NO GRArlD ARMAZEM
DO AGENTE
i.menta,
DS LEiLES
O abalxo assignado morador na roa Imperial,
ftegMzia de S. Jos desta cidade, ji cansado de
esperar pela josUca doSv. daagaaV sapplente de
Agua-Preta, FeHppe detal, morador em PeWiri-
nha, o qual em su poder cotiserva dmis cavallo.-
do annunciante, deade 30 de Janeiro do correte
aano, como se v do aaauocio .na pela- soa delega-
d*feera publicar em o Diario di Ptrnmbuco
daquella data : previne ao mesmo sepbar subdele-
gado, qae protesta desde ja haver perdas e ibmnos
e servigos dos ditos seos aoimats, cuja proprieda-
da e domioio rio justlflear peraaas a autoridade
competente. .-' ,
Recife, 6 de marco de 1866.
Arrogo t Hanoi! Franci$to de Souza Massagana.
Em casa do"Theod Christiansen, ra do Tra-
piche-novo n. 10, nico agente no norte do Brasil,
de lirandenburg frres, 'Bordeaux, epcontraseef-
(ectivamenre deposito dos- artlgos seguintes :
St. Jalim.
St. Pierre
LaruS. "
f.haieau Lovrila. i|
Chataaa Margaux.
(irand vin Chaleau Li.aite 1858.
Cliateau Latte. .
Haut Snuterues/ ,H / y
(hateio SauH^aes.
Chateaa i.ataur UUncbe.
Chatean Yquem
Cognac em tres qnslaqj
Aitn dace. Pretds ie Bar
FllflO
9
11 teai peles C li jra* da.maoh.ia, lurtaram do
convTiW poe-se qe Wra logo veodid-v E' de prata galvaoi-
x-mxa, ticaadu a parle interior cua> o dearado
osad.)-, a capa que cobre a machina de metal
branco e tem boto, por oale passa o aro, nma
tiara em da guerreo!yp'>, j um pon gasta e
tfefeTtnosa; tevav urna fita prrta cosTfa ao aro, ao
qual eslava presa.a chave per ota trancelira pre-
t... Apessoa que o possair hnje, qm;read.jresti-
tuir pode leva-io ao Convento do Carmo .-egundo
*recisa-aa de trm hom c^-iro para urna casa ***" *0,108 lhe se; dad" m,sm0 d'oht!ro
estrangelra : erata-e a ma do Vigario n. 2, es- PortQt "vtr comprado,
pafa Europa, levando eplsoa companhia soa se
ahora e seu Clho de metgr idade.
neto Jifcocisco Beese srdile france reti-
ra^jara arropa. r r c
^^Tnjj^njy^nr fc r .
ManMlDias Borges subd^o portuguei vai a
fortogal. m
Jos Fernandls da Wlva, Subdito "portpgnez
va* a toado. r
brica de <
24e40.
is-se deafciars
hapeos drprasa
de chapeletfo : na fa-1
pa> ludependencia. ns.
ra francisca ' avisa ao respWaBvel pnblito quimudou se do pa-
H do Paraizo-jiara-a roa das Gruzes d. 19.
Rk> de Jaaeiro.
pretende sahir com brevidade a barci Jovem
Palmira, por ter a raaior parte do carregamenlo
prompto paraoreslaqa lhe bita e escrawsa
frete trafa-se com o consignatario Joio Francisco
da Silva Novaes travessa da Madre da Dos n. 5.
r i 'l '
Para Liverpool com escala' por Lisboa na
quinta ou sexta-feira 8 ou 9 do- corrente segu o
vapor inglez Newton, comraaadante Johnston, para
frete e passageieosparao qu- temexcellentes com-
modos trata so com os cmsignanrios Saunders
Brothers & C, ni praga do Corpo Santo o. 11.
Para a Baha
Pretende seguir com milita brevidade o palha-
bote nacional Dows Amigos, tora parte do seu car-
regamenlo prompto para o resto que lhe falta tra-
ta-se com es seus consignatarios Antonio Luiz de
Oliveira Azevedo & C oo seu escrtptorio ra da
Croz n. i._____________ ____ _____
Para o Rio de Janeiro
Pretende seguir com muita brevidade o faina-,
bote nacioual PreaADBj tva dous tflrgoa do seu
carregamenlo tratado, pan o esto que lhe falta
trata se com os sens consignatarios Amonio Luiz
de Ohvelra Azevedo & C, no seu escriptorio ra
ca Cruz n. t.
fara' Wm dfcieJH cima mencionada a
mentle FraMisc.o Teixeira Barbosa e despacho
do Illm. Sr. Ilr. imz municipal da ,-egtoA vara,
cujos objectos pertencii ao floado Leocadio nair
que daConceigao.
LEI&,A<*'~
Da tatema a ru;i< d > Cotovello
na Uto-Viste.
Cor de Ir li-
j'por"mandado do IilmphaJ^r^jutT' 4e diMo
pecial dij commercio levara'
eneroa, armagao e
*.1,
ni
de- novo a" Wilio os
rwilios da taberna cima
ita, i-qunl tora arr^-ia la a Maximino Martios da
Silva RiMies a r-.|uenmnto de Thomaz Francisco
de Salles Rjsa, cujo leilo lera' lugar na mesma
laberan eno dia
Quinti-feira 8 do corrate
as 11 hor s em ponle.
O"
t e*
OJchffBI JoJn Faaok da SilvelraTa-
vora,.8ua m5i U. Maria de Sant'Anna da Sil-
veirave mais tVmoae membror da familia,
agradecenveordlalmeale pesseas, que cara
k-p: sedMconcorso >6 digaaram honrar os actos
dt eOftrraaaento a visita da cova de seu pr--
Kldopai esposey Camlllo (Ta Silveira Rorges
avara Indgena, na povnagao > S.Jos, co-
marca de Palmares.
;* na-ra d) lunerajor
Urdir quem venda dede
gaalldade.
o. 43, ssguadi) andar
dfr cajo secco, de boa
LUtM A
De trastes avnlsai..mol>Wi*a, relagioi de cima de
mesa, ditos da arjrrbeira, objecto de louf,drys
taes e ouiws muitos arilgo*.
Ouinta-feira 8 Str corrente tis il^fcwras
NO GRAHOS-ARMAZEM DO AGENTE
OLYMPIO
48-PR.ACa UO COMMEKCIO-4
IJL:
D^
Muga-se
o seguoda aitdar do sobrado da rui de Aguas-ver
oes o. 48> maito fraaccre-grands commodo, as-
sim como o palmelo terreo com 3 portas, feudo
nma para-o aCco, propri para morada oa qual-
quer ne^ocio.-aoutra lojinha de monda denlrod
becco, todo pq* prego comm ido : quera preteoder
pnde-se cteofler nff 3o andar do mesmo sobrado,
ou na roa do Imperador n 44, 3o andar ; e ama
easa na travesea do Mondego para a Trerape, mili-
to fresca* com moitos enmmodos para qaalquer fa-
milia, quintal murado, cacimba cora boa agua : na
mesma roa do Imperador, 3 aadar o. 44.______
__Precisa-Si de urna ama para cozinhar e en-
gommar : na ra das Crazes n. 21, Io andar.
Para Lisboa
Arsenal de guerra.
O conselho de compras do arsenal de gnerra
precisa comprar para o presidio de Fernando de
Noronha o seguale :
1500alqueires de farinha de mandioca em saccas
de dous alqueires.
As pessoas que qoizerem vender ditos artigos
apresentem suas propostas na sala d? conselho, s
II horas da raaoh do dia 5 do corrente.
Sala do conselho de compras do arsenal de guer-
ra 1 de marco de 1866.
O encarregado da escripturaco
Manoel Jos de Azevedo Santos.
Sahira' nestes poneos das a barca porlugueza
Constante III, por ter prompto quasi tdo o seu
carregamento, para o rastante < passageiros tra-
!tase com Manoel Ignacio de Oliveira & Filho, lar-
go do Corpo Santo escriptorio n. 1*1 oa com o
capito na praca^______.' __
"Para riba 4e S. HUrgu*1
pretende seguir nestes dez das, o patacho portu-
guez Fcmandes, tem dous tergo de seu carrega-
menlo proropt); para o-resto que lhe falta e pas-
sageiros, para os qcres tem excellentes com modos,
trata-s* com o seos consignatarios Antonio Luiz
Adiase nesta delegacia um corte de chita
qae fui apprehendido a um preto qoe o andava
oterwmdo por baixo prego, o qoe fez soppr era
dito corte tunado : qaem se julgar com direHO ao
mesen.i coraparega, que provando qoanto baste, Ibe
sera* entregue.
Del. gicia de polica do 1 distrelo do termo da
-cidade do Recife 3 de margo de 186o\
L. A. Martios Pereira.
Cmara uiuuicipai.
Pelo contadoria da cmara municipal desta ci-
dade se faz pnblico que nos mezes de fevereiro e
margo se recebe a bocea do cofre o imposto mu
niclpal sobre casas de negocio, e aquelles que nao
pagarem ueste lempo esli sujeitos a malta na
forma do art. 32 do reglamento n. 360 de lf> de
jnnho de 1844.
Cotrtidorte 1 defeverairode t86i. -
O contador.
Caetano Silverlo da Silva.
He ordem do Itlm. Sr. inspector da tbesoora-
ria d+. fa.enda desta provincia se faz publico para
onheciment doe interessados, qae o tribunal do
tttesexifo naeional anforisou o pagamento de divi-
das > exercicios ttSos, cojos credores sao os se-
oinws :
Jos Vicente Ferreira.
Joes L'joguioho da Costa Leite.
Juiiu arbosa de Vasconcellos.
Autonio de MouraRolim,. arrematante da nvassa
Utiida de Joao Jos deGonveia.
Alexandre fereira dos Santos.
AotoQiirOabral dVMeltd tarado.'' '
Aatoaio Tarares.
ae>aai Marques (Jas Maximiaoo Soares de Aval-
lar ceSMonario de)
Joaqatiti Jos de Sant'Anna (Jos Maximiaoo Soa
reate A vedar cassionarlo de)
Francisco Nicolao Carneiro da Rocha Menezes.
Alexaadre de Matsedo Paw'
Setestia Baptista Teixeira fJos Maximiano Soa
ras de Avellar cessioaario de)
ReyaaMe Jos dos Santos.
Vicente Luiz do Nascimento Calangro.
Seemtana da thesouraria de fazenda de Per
mamtuc<* S de marco de 1866. Servindo de offl
tal-raaior, Manoel Jos Pinto.
de Oliveira Azevedo & C,
da Cruz n. 1.
no sen escriptorio raa
Pam o Parla.
Sabir imprelerivalmenle at o dia 16 do cor
rente raez a barca porlugueza Seauroitco, por ter
lado o seo carregamento prompto, para passagei-
8 ras aos quaes oftefeca excallantes comraodos,
O agente Martins tara' leilSo a reqoermento
dos adminir-tradores da massa fallida de Joao Bap-
tista Googalves Bastos e por maudado do Illm. Sr.
Dr. juiz especial do commercio, de urna mobilia
de Jacaranda' con-tando de nm sof', 2 conselos
com pedra, 1 mesa de raeio de sala sem tampo, e
16cadeiras de guarnigo, taJo partencente a mes-
ma massa.
SexU-feira 9 do corrente.
Em o armaaem da roa da Cadeia 9, as 11
hor5- -,____- -t^^-fl-4-------
(xratde ldlao (fe ivejb?
Segundarf^u- 42 4* t&r3k) qo;
A. Schaffier, tndo de rtirar-separ Europa far
ra *ilaotfei"TBten'Tje) 6M .-rgerito Prbtb; de tidos
os oX-i*,'lttg* iysffs'eTntenfs-'em casa de
soiesidenci na Pasagem da .Magdalena, para
ond| seuira' um omrrwrs d^Vtr parUt as 10
. l|2^oras;^priH;ad''Cbmmerco. '
.'j'"1 gugiijajli..,awgeBiB?g^Bgg
Consalado de Portugal em
Pernambuco
Sa chamados os credores do finado subdito por-
toguez Antonio Ferreira da Silva, a vrem- recebar
nesie consulado o qoe ihes tocan em rateio na ft-
qaidaeJo de sea espolfb.
IMi mesado coosolado provincial se faz po-
Miea qe es trinta das uleie para pagamento a'
iMcca de cofre dos impostos annunciados no edita I
4r- 34 de Janeiro prximo fiado, flndam sa no dia
ad w*reo corrente, incorrendo na respectiva mul-
ta atibuna qoe pagarem depois-deste dia.
Mm do consolado provincial de Pernambuco 6
atamarse de 1866. M
Antonio CiroelM Mienfdo Ros
Administrador.
Arsenal de prrra
O enselbe de compras do arsenal de guerra
precisa comprar o segrate :
Para os sentenciados de Fernando.
76*,'* metra* de aria braawo.
lUSli dUpe de akaeziabo.
937 atteraa da paiaa da casaaoha.
dearamarla. *
3ttMMfM*v>*iii.
A cmara ttrftfclpal da cWade dt Oiroda e seu lar-!
" mo, em viado Faz publico a seos mqnicipes, que tendo o Exm.
Sr. presidente da provincia por offlcio circalar de
do correte commonicado a mesma cmara ha-
ver o governo Imperial resolvido que em todas as
capiutes das provincias se faga ao dia. 1 de julho
prximo vindouro urna exposigo dos productos
agrcolas e Indastriaes e de obras de arte: tendo
exposlcao por fim nao s mostrar o estado de
nos civilisago, mis principalmente promover o
deseuvolvimeuto da nossa industria, espera que os
mus municipes em o maior numero que fr possi-
tel concorrerao para dita exposigo com os objec-
i de suas arles.
Paca da cmara municipal de Oiinda, em 19 de
fevereiro de 1866.Jos Geraldo d Lima, pro-
presidente.Maroelino Pas de Araujo, secretarlo.
rrmatco.
Finda a audiencia do da 7 de mareo dp. pro-
vedoria dos residuos, escrivao Vasconcellos, ser
arrematado por venda, a quem mais der, orna
easa larrea com soto n. 22 na Cvponga, fregne-
zia da Roa-Vista, lazando frente e esquina para a
roa da Ventera e oilao para ? roa das Pernam-
bacaoas, com 3 janellas na frente, 32 palmos de
largura e 70 de fuodo, con porta no otilo, 1 sa-
las, gabinete ao lado, 4 qoarlca, eosinha fora,
quintal murado, com 130-palmos de comprraento
42 de largara, cora cacimba propria, casa para
banhos com algons arvoredos e com nma -entrada
pelo oatro olto de 10 palmos de largara, estando
sotao travejado, sendo o terreno proprio, avalla-
da por 2:0003. A qual casa perience a testamen-
taria dos ftaados Francisco Xavier de Lima e soa
amlher Marte dos Santos Gama, e vai a praga a
dita caaa a requerimento do respectivo teitamen-
tw-_____r_____. ,.
Pela admioisiracao'do correia desta cidade
se faz publico qnp hoj 7) as 3 bocas ^a tarde fe-
char-se-blo as malas qpe o rapr sjeiroi Pcrsi-
minga, tem de conduzir paralos poftds O norle
at o Acarac...

la-se com os consignatarios Coahi temaos A
raa da Madre de Daos escriptorio n. 3 ou com o
ctpitao pa praga. ._______________^_
Para Lisboa
Sahira depois d pequea de-
mora oeste porto por ter a maior
parte da carga-engajada o brigue
portogWez. fmiaj, o qual se*spe-
ra a todo o momento de Lisboa,
para o resto da carga e passagei-
ros trata se com E. R. Rabello, ra do Trapiche
n. 44. '.
DIVERSOS
COSTURE! AS
Precls-se de algumas coslureiras para costuras
grossas : na esqnioa da Madre de Dos, loja do
bato.
No dia 13 de feverpiro, fugio do Manguinho, o
preio Balduinuo, crioulo, idade l^ a 20 annos,
bonita lii'ur, altura r -guiar, chele do corpo, mos
e p- grindes, e o* p. muilo cavados, dentes saos,
; e lem urna sicatriz de um UiW do ro.-to mais para
junto do ollio, tem juula da mi direita mais
groga do qoe a da outra p r dor>-s que teve ; este
escravo. tem pai e mSi em casa de sua senUora 0.
Tnereza Florentina Lnite : jiuem prender dito es-
cravo, dirrja-se a casa U mesma seunora que ser
recompensado.
" Francisco B delh de Mendooca, sin raullier
e nma lima menor, relira se para Poilgat no
vapor inglez de 11 do correle, deixando por seus
bastante procuradores : em primeiro lugar o Sr.
Prdro Jos da Costa Gastellj Branco, em segundo
o Sr. Joio Ignacio Soares de Avelar c em terceiro
Manoel Medeiros de*Souza. Recite 7 de margo
de 1866.__________________________
No da i do corrate, tomn posse da fregu-
zia de S. Jos desta cidade, na respectiva matriz,
pelas 8 horas e mei da maeha, como vigario
encommendado, o padre Augusto Ado'pho Saares
de Kus^wetter, o qual ai-hp se residindo a ra Di-
reita i. 129 primeiro andar.
Uns fulanos, joaweiros, desses que andam
pelo mato vendando |oias,.e que disseram chamar-
se Pedro e Luis, venderam em Cachoeira de Rt-
beiro, no dia 23 de fevereiro prximo Hado um
pequeo aderego e um relogio pe > preg > de......
X3J00O, de que aceitei ii.-na letra a vencer em 23
de dezembro prximo futuro, e como chegando
aqu agora cora as obras e fosse mostrar a pessoas
competentes, que me disseram valerem taes objec-
tos meaos de metade, iralei de os procurar na casa
por elles indicada, e nao os ene nirmlo para fa-
zer-lbes entrega de laes objeet-w, como tratamos,
fago a presente delarago afim de prevenir que
nlnguem negocie seminante tetra, a enjo paga-
mento tenciono o.>pdr-ma para disputar o meu di-
reito, visto achar-me lesado.
Jjao Perejra Chave?.
= Joo de Sena Barbosa, offlcial de entalhador,
offerece se para trabalhar Tora da cidade em ser-
Vico de sua arte, a saber, trabalhos de templos,
oratorios privados, coocertos de capellas ou alta-
res : pode sef procurado atraz da matriz de Santo
Anionio n. 16.
Jola Pereira Pedrozo de Lima & hntlaos, com-
|.prafam.a'taberaaida r* Jet Paalino da SU, se algoen se jo*|a# com
dkeito-aeila, dirija-so a mesma no praso de 3
mas, Shdos etqoaas nie se attemter a reajama-
cao. Pernambuco o de margo de 1866.
- O Daixb assignaUd tai sciente a qoe
ressat*'pe-asa qoe nngorfl fac negado' edr
HonltregTyezra Jdo's *fdgdos denominad
dos Portos, qoe foi de Manoel Jos Freir
drade; por se!har legameote" hypothee
abaixo assignado.
Manoel Das da Silva Santo-
^
-
Aos 6:W)O00O.
Uitc sabbado 1Q do corrente m-'z.
Achar-se a venda na rospaiva tbesoa*
_Jtf
(JT>, *
oorvS|sa c
IiILOIa,


IiEILAll
iioji:.
Qaarta-frira, na rna A Madre de Dees
t' 2airaazcm.
Pelo agente Eoaebio.
Por autorlsagao do Illm. Sr. Dr. Juiz especil'do
eommeval ae proeatfer* a veada em MNhr da a-
brica de cigarros, cMfoto*, bleao, rmala. V--
gio de fumo e pertences qae Se achira naqelle
aitabelectmeolo, logo em segolda se ventera ama
mobilia de Jacaranda na raa da Cadeia n. 35, pri-
meiro andar..
i.i;ii u
De novis e Mires artifes.
Gornclr Ni ni o es
fara' leHo de 1 gutrdilronpa, 1 prado, mobilias
de amarello e Jacaranda, cadeiras de amarello e
faia, duas camas fraocezsa de amarello, 1 dita de
ferro, quadros, toucadores, louga, cadeiras avul-
sas, mesas, marquezas, banquinhas, i iavatorio
com peora e earros marros* oojeetes e ^vsw.
ate 11 horas, no a
Xa roa BeUa a. ii, preoisa-sa aiugaf urna
ama forra ou escrava (prefere-se a ultima), para
casa de pouca familia, paga-se bem.
Na mesma casa cima existe para verfaer-se
nnymrrojus^minsjtjujirande e bonito, afeito
]aee servio da eHa-e-oBuaSV, que acaba de fa-
o orn *iim lepj ^aVipiiser mais preciso,
Precisase de urna ama para ca-a de rapaz sA-
teiro : na ra do Cabuga n. 2 B, se dir.-_______
Casa vasia.
Aluga-se a casa da roa do Nascente'n.
tratar na ra
Irmo.
do Qoeimado, loja
14: a
d* Azevedo
Proouradoria
" .venderse muito baralo.
toa
i do, cos1
Orame f
JO-rjnja/
atoras datarte, e oso
tribuido das listas.
rjtfpeiife ser3o foMVMK so-
Afljtat 3 BoHt-*f.paya di rtraccao.
ireiro,
de Soa a.
ra e amainada, vo
0 pidfeBvjl xBar ode Vaacoacells"exiin-
ton a *nla partfcaler etlm que tiPba em. sua
:as, ed'ora emviale eminar smente no col-
egio do Sr. prefaisor Jeroaymo Villar, oa raa lar-
|8 dadtaaarW, e na
Anroel Osa*!
do-
Oonselbo,- ra da
qoizerem apaeader com
nuda Cruz n.57.

mm Mmjwas
ParaoRiodeJuieiro
val sahir corfi poneos das o brljltre Adekude por ter
h afor parte do carregamento tratado, o para e
resto qoe lhe falta e escravos a frete, trata ae com
o consJgaatario Joiquim Jos Gongalves Bsllrio,
na roa do Vigario n. 17, primeiro andar.
Pira Lisboa pretende- sabir oom brevidade o
patache partngoea J09r por ter parte da carga
tratada e para o resto qae Ibes faiu trataie-om o
consignatario Joaoalm Jos Gongalves Beltrao, na
ma do Vigario o. 17, primeiro andar.
De trastes avulos,
j tigos do uso do
oro e muitos
iioji;
Quarta-feira 7 do corrente as i i hora,
NO GRANOB ARMAZEM DO AGENTE
OLYWPIO
Pfecisa-se de ura cr
urna casa de pequea familia
.na ra da Imperatriz n. 45,

A vkivadeSdbastii
va roga eacarecklamj
credores do sea casal
bondade de comparej
: feira 8 do corrente i
primeiro andar da r|
do Hecife a. 4, afim
sent o estado do
[.-deliberaren o qae }\
conveniente dos
rauns.
para servigo do
fere-se escravo :
do andar.
s da Sil- |
aos SR. |g
terem 8 J
a quinta-
io dia, no
i fiatftf
ser pfe
o casalT
em mms
sses co-
Lava-se e engomma-sajom
por prega multe commodo :
s
Pihf d
i"' ""'
LLILiAO
Db nm escravetfe ftOffle Francisco, de idade. 24
annos, crioulo, proprio para a'rmatera de assa-
car on padarta.
HOJE
No armazem a roa da Crat a. 57.
ia- 1
SI
Manoel Pedro de Mello na ra
38 on no largo da alfaodega n
aillo das 5 horas da larde a* 1 da mantas
aior perfeicao e
Veiba o.4l.
18 ou Paroamei-
a tendo grande
a 6 cavallos,
ores de frncto,
asa e banheiro,
cocheira e es-
a tratar com
do Livramenio n.
4 ou no mesmo

Xtmaxm
INhNiII".
especialmente naa molestias de olhos, de
vas urinarias e de pelle, para cujo tra-
tamepto jalga-se Habilitado alienta a pra-
ca adqoiridi nos hospitaes daquella ca-
pital, e os instrumentos mais moderos
que possue.
Accode promptamente a qnalquer cha-
mado para lora da cidade.
E eacarrega-se de collocar olhos artl-
M Ociaes.
8 No pateo do Carmo o. 2, esquina da
ra de' Horlaa, das 6 as 10 huras da ma
Ma, e das 3 as 5 da larde. '
iinHmiiaii
l^tfEjl S",T *"%" P-fm.ia; sendo que c
i tu u ir.pivuo u. .> y ^.^ ^ m^jji, anle -onde M goM ama-baila vis
Manoel Pedro de Mello vai a Europa. u a tratar-eom o agente Gordeiro Slmoes, roa da
< Maooal Joaanlm da Silva subdito per logue Cruz n. 5f on no pavimento terreo do mesmo
'retira-se para Europa. prrfw n. 29.
A pessoi que aooonclou precisar de urna se-
nbora de meia idade para fater companhia, pode
dirigirse a roa de Santa Rita h. 2, que achara
com quem tratar.______________
__ Quem tiver para alagar urna escrava qoe
cosiohe e engorame, apparega a' ra do Trapiche
a. 44, segundo andur, on anaonste para ser pro
corado. t* ^__'
"Predio para alg
Aloga-se o i; 1 e 3o andares do predio a roa
da Cadeia do Recife n. 29; todos com enmmodos
'~-
rruuuiiuuiiti
O sollicitador Pedro Aiexandrioo da Cosa Ma-
chado contina nos misteres de sua prossao nos
auditorios desta cidade, e eocarr<>gi:?e/de cobran-
gas para os termos do Cabo, fpojuca e ootros pr-
ximos a esta cidade : pode ser procurado a' ra
Estrena do Rosario n.34
Precisa-se de urna ama que comer, cosale,
engomrae e faoa os mais servigos deumi casa de
pouca familia, paga-se be n; na na Velna n-. Sil
Professora.
Era um engenho perto do Passo de Camaragibe
(Alagdas) precisa-se de urea senhora que i'i- ira
ensinar prmelras letlras e mesmo francez e msi-
ca, caso saiba : prefere-se soliwra ou viuva com
pouca familia; a tratar na travessa d. rui IMIa
n. 6. ,. ._____________
Preeisa-sede'uma preta eseravi para o -er-
Vico de casa, e doe saiba engommar : na roa da
Cadeia n. 27, t* andar.
\o salo do eabellclreiro
iavmc
na raa do Qn^iraadJ n. 6, 1 'aud'r, precisase de
um bom ocial de barbeiro.
i '-
' Preeua-tade urna ama para o servigo inter-
no de urna cas de pouca familia : no largo do
Corpo Santo n. 17,2 andar._________________
Precisa-se alujar um i casi oa villa do Cabo,
prefere-se perto do rio, e paga-se. bem : quetu ti
yer annuncie por este jornal, bu dirija-se a ra Di-
reita.a. 31, que achara' com qo*m tratar.
Jos Jacome de Araujo, aJvogado dos audito-
rios das comarcas do Ro-Formoso, Palmares, Por-
to-Calvo e Pago de Camaragibe, eacarrega se para
estas comarcas e seus termos, de qaalqaer cofcraa
I ei amigavel oo jodicial : quem de seu presitmu
se quizer utilisar, pode dirigir-se a ra da UjIcii-
gao n. 13, sobrado, por estes dhs, e (ppos na villa
de Serioliem. ___________^
Aloga-se urna escrava para o servigo loterno
e externo : qOePi precisar dlrqa-se em Santo A
rtiT, sobrado junto ao temiterio inglez. t
Precisa-se de urna am larra par coainhar
eeomprar : na raa do Livramentj n. 2, segundo
andar.
1T1MF
Precisase de urna ama para cozinhar e com-
Pfr : na rna a Praia n. 3.
Antonio Luiz de Oliveira Azevedo & C. tem
para vender no aea escriptorio, roa da Cruz o. 1,
vinho do Porto eni oaia* de dazia, fio bambur cela da Babia superior.
attmca: '
Henry Forster C, ra do Trapiche n. 8
teto .para vender:
Prenw para enfardar al_odo.
Machinas d descarocar algodSo, de "30 a
60 serrotes, com motores, assim como moto-
rs qoe servirlo para qualqaer servigo, e urna
machina de 420 serrotes comjuma machina a
'vapor, propria para a mesma.____________
INECCAO BROW.
Remedio infallivel as agnrrrheas antigs
e retentas, anteo deposito na pliarruacia
(raiceza, ra da Cru n, ti e ao preco de
3000.
;.


Cu
i ,. i


-
1
DUri* 4e feraaaMco
ra felraVflie arfo de 1866.
V
GASA Di FORTUNA
Aos 6:0000000.
ni I he te garantidos.
A' RA DO CRESPO N. 23 CASAS DO COSTME
Q^fatito assignado venden nos seas muitofeli-
M8 oiibeies garantidos da lotera que se acaboo
de eitrahir, a beneficio do recolhimento deiigua-
ras&,osseguintes premios:
N. 2986 nm raeio com a son de 6:0005.
N. 3968 dous quintos eom a sorte de 500.
N. 3466 dous quintos com a sorte 4e SOOJi
B outras raaitas sortes de 400, 40*, e 20.
Ospossnidores podem vir recebe* seos respec-
tivos premios sem os descontos das leis na Casa
da Fortuna roa de Crespo n. 23.
Acbam-se a venda os da 3* parte da a* lotera
(ai*) i beneficio da Santa Casa da Misericordia
para canalisacao d'agoa e gaz no hospital Pedro
I que se extrabir sabbado 10 do torrente.
PREfO.
Bilbetes.....6*O00 .
Meios......3*000
Quintos. .... 1*200
Para ai pessoas qne eanprarem de 100000
para cia.
Bilhetes.....5*300
Meios. ..... 2*756
Quintes. 1*100
______________Manokl Mabtins Fiua.____
SEGUROS
MARTIMOS
CONTRA FOGO.
A companbia Indemnisadora, estabeleei-
da nesta praca, toma seguros marilimos so-
bre navios e seas carregamenlos, e contra
fogo em edificios, mercaderas e mobilias :
na ra do Vigario n. 4, pavimento terreo.
A. UVVERNAT .V C-
99Ra do Imperador99.
Deposito de joias francezas por atacado.
Casa m Pars e Ri de Janeiro.
Recebera directamente por todos os paquetes.
Aluga-sea grande casa dama da Florentina
n. 20 com muitos e excellentes commodos para
urna grande familia morar muito Colgadamente :
qoem a pretender entenda-se com o proprietario
na ra do Hospicio n. 30, das 6 as 9 horas da ma-
nhaa, e das 3 as 6 da tarde.
Precisase de urna para
Cadeia loja do balo.
Ama.
cosinhar
na ra da
Precisa se de
do Chora Menino.
un amassador: ni padaria
Anda precisa-se de urna amagara comprar
e cosinhar : na roa do Hospicio d. 86.
>'a praca da Independencia n. 33, toja de
ourives, compra-;e ouro, prata, e pedras preciosas,
e tambem se faz qualquer obra de encommenda, e
todoe Qoalqner concert.______ ________
Precisa-se alugar urna ama para comprar e
coziohar: a tratar na ra do Apollo n, 9.
Precisa-se de urna escrava para o servigo in-
terno e externo de urna casa de pouca familia : na
ra da Soledade n. 38.
Antonio Jos Rodrigues de Souza na ra do
Crespo n. 15, toma dinheiro para mandar entregar
na Babia, Para e Maranhao.
Carvalho & Nogueira na ra do~Apollon.
20 sacam sob Lisboa, Porto, Ilfaa de S. Migue
Rio de Janeiro, a vi.-ta ou a prazo.
Na ra do|Vigario n. 24 precisa-se de dnas
amas cozioheiras para hornera solteiro.
Os senhores acadmicos do 3o anno podem,
querendo, dingir-se a rna da Saudade n. 9 a' com-j
prar o compendio de direito civil patrio, approvai
do pelo poverno imperial. ,
GARRAUX DE LAILHACAR & C.
LIBRAiRiE FRANCAISE
Ra do Crespo n. 9.
L1VROS NACIONAES E ESTRANGEIROS
RegioPhilosophia Jurisprudencia Liltera-
tura Sciencias e artes.
Papelaria, objectos para escriptorio.
Precisase de urna ?ma para coziohar e com-
prar g na ra do Queimado n. 22. _________
Atten$o.
Na ra Nova n. 31 deseja se fallar com o Sr. D-
maso Miranda de Souza Couto, a negocio de seu
interesse.
Offerece se urna ama de leite : a pessoa que
precisar dirija se ao pateo do Paralzo n. lo. i
Paulo Jos;Alves va i a Portugal.
Os abaixo assignados scientifleam ao respei-
tavel publico e cora espeelalidade ao corpo docom-
mercio que de commura accordj lera disselvldo a
sociedade que tinham na loja de fazendas da ra
do Cabug n. 6, que gyrava sob a Arma de Anto
nio Francisco dos Santos & C, fleando a liquida-
cao da mesma a cargo do socio Antonio Francisco
dos Santos, e a socia D. Delflna Maria de Sonza j
Reis e Silva, desonerada de lodo o activo e passi-1
vo da extincta firma. Recife 6 de fevereiro de 1866. i
Antonio Francisco dos Santos.
__________Delfina Mara Souza Reis Silva.
O abaixo assignado faz publico, especiaImen
te ao corpo do commercio, que os Srs. Manoel Al-;
bino de Amorira e Aurelio do Santos Coimbra,
que faziam parte da firma social que gyrava nesta
praca sob a razo de Albino Amorim & C, ja nao'
pertemeem aquella firma desde o 1 de Janeiro
deste anno, licando a cargo do mesmo abaixo as-
ignado todo o activo e passivo da extincta firma.
Recife, 3 de marco de 1866.
_______________Albino da Silva Leal.
AYfEEtQAO
A pessoa que perden ora rnlatinho de idade
ponco mais ou menos 10 annos apparega na ra
da Iraperatrlz n. 34, primeiro andar, aonde se
acha dito rnlatinho.
Precisa-se de urna ama para o servico a<
terno : na ra das Cruzes n. 35.
Precisa-se de urna ama para cosinhar em
casa de pouca familia e que seja de idade : a tra-
tar na roa Direita n. 47, loja.
Precisase de ama ama que queira cosinhar
em casa de horaem solteiro com pouca familia :
na ra do Crespo n. 12.
Joao Evangelista de Sa' vai a Europa e dei
xa por seos procuradores, em 1* lugar o Sr. Joao
Fernandes Lopes, em 2 o Sr. Albino da Silva Leal
era 3o o Sr. Manoel Jos Moreira, e em 4o seu se-
do Jos Fernandes Gomes.
A TI SO
Pernambuco, ra Nova n. 18 pharmacia franceza de
P. IWAURER i C.

PERFUMERA da casa oger
Boulevart Sebastopol, 56, jParlz.
^ Dez medalbas, a condecorado da Legin
d'honneur e a grande reputacao que tem lhe
dado o publico, taes sao as recompensas que os
servicos prestados a industria merecerao a
esta importante casa desde sua fundacao em
1804. ^^
N'um sortimento de mais de 500 artigo*,
as pessoas elegantes escolherao os seguintes:
ROSEE DU PARADIS, extracto superfino
para lenco.
pommada CEPHALIQUE contra a cal-
vicia.
AGUA VERBENA para o toucador.
OXIMEL MULTIFLOR.
VINAGRE DE PLANTAS HYGIENICAS.
TINTURA VIRGINALE de beijoim.
ROSEE DE LYS, verdadeira agua de
Jouvencio.
CREME LABIALE de sueco de Rosas.
POMMADA VELOURS para amaoiar
pelle.
ELIXIR ODONTOPHILE.
SABAO dedicado as damas americanas.
' SABAO de bouquet de Franca.
d
d
d*
d
d
d
d
d*
d
d
de flores de alcea rosea.
de llores prntanires.
de bouquet do outono.
de perfumes exticos.
aurora, dedicado aos dedos cor de
rosa,
de flores das montanhas.
de cheiro de foins nouveaux. .
de bluets cheirosos.
de althea balsmica,
diapr, caixa rica, fantesia pari-
nenee.
'
JlrJrlrJrJrJrJt-JFJnirJrJnlrJjaH3
ao
LllfF*s2lJIl -
Be
H| ** !
ao?3 S

a o
o <-
fl

8-P-l-OB
5S .5.3 g
Comp^ihia, geral hespanhola d seguros mutuos
sobre a vida
ATOWSADA PELO REAL DECRETO DE 21 DE DEZEMBRO DE 1859
Urna flanea em dinheiro, depositado nos cofres do estado, garante a boa ad-
rainistracao da companhia.
BANgElROS DA COMPANHIA* DIBECCO GERAL
O Baaco de Hespanha Madrid: Rna do Prado n. 19
I Esta companbia liga pelo svstema mutuo todas as combinaedes de supervivencia dos seg
Nella pode se tazer a subscripto de naaneira que em nenhnm caso mesmo por morte do
segurado se_perca o capital nem os juros correspondentes a estes.
Sao lio suprebendentes os resultados -que produzem as sociedades da ndole doA NACIO-
NAL,que anda mesmo dimfnuindo urna terca parte do interesse produzido em recentesliquida-
coes e combioaado-o com a raortalidade da tabella de Depareieux que adoptada pela companbia
para, seuscalculos e liquidacoes, em segurados de idade de 3 ai9 anuos, urna imposicoannua.
de lOOj produz em effectivo metlico:
No fim de 5 annos.......i:119*300
de.!0........3:941*600
de 15........11:208*200
de 10 .......30:2156*000
_ de 1S .......80:331*000
IVas idades menores de 3 annos e maioros de 30, os productos sao mais considera veis.
Prospecta e mais informacSes sero prestadas pelo sub-director nesta provincia,
oaquim Finia de Oliveira, ra da Cadeia n. 2, ou a Boa-Vista ra da Itnperatrix n. n, estabelci
ment dos Srs. Raymundo, Carlos,Leite & Irmao.
AGUA FLORIDA
MURRAY&LANMAM
TINTURARA
AO GRANDE S. MAURICIO

.
PROCESSOS APERFEI^;OAEOS
PARA
Tlngir. Ilmpar e lustrar a vapor.
-
F. A. SALN GRE & C.

29 Rna 7 de setembro 29
Defreate da rna aova do Onvidor (Rio de Janeiro)
A agua florida de Murray & Lanman
olhada como um artigo do perfume, nao
tem podido ser igualada pelas preparacoes-
as mais custosas: conserva sen aroma, co-
mo se formasse parte da prenda a que ella
se applica.
Sua efpcacia t3o delicada, como elegan-
tes sao seos multiplicados osos, qur seja
empregada como artigo de toucador, qur
no uso do ban lio, oh como suavisador da
pelle, depois que se tenba feito a barba;
j para limpar as gengtvas ou aromatisar o
balito.
D suavidade, brilho e elasticidade as
compleicoes, depois de se haver lavado; al-
livia a irritaco de erupcoes ordinarias; faz
desapparecer o desagradavel aspecto dos-
pannos, das sardas, do rosto, rugas e toda a-
casta de ebulicoes, e d vigor e frescura a
parte onde quer que se applique. Sua efi-
ciencia e elegancia sio igualmente infalli-
veis nos casos em que seja preciso applica
la como estimulante e antisptico, nos con-
cursos e assemblas numerosas, as loca-
lidades infeccionadas, na a Ico va de um en-
fermo, assira como um antidoto excellen-
te para os desmaios causados por cansaco
ou suffocacao. Preparada nicamente por
Lanman & Kemp, Nova-York* e a venda por
Caors & Barbosa. .
Joo da C. Bravo & C.
Deposito geral em Pernamouco ra da
Crnz n.22 em casa de Caros & Barbn
Samuel Power Johnstori & Companhia
Ra da Senzala Nova n. 4.
AGENCIA DA
Fnndlcio deLow Hoor.
Os proprietarios deste estabeleciment, o primeiro no seu genero no Brasil, por
trabalnar com as. machinas mais aperfeicoadas para Ungir e lustrar, de que sefaz uso na
Europa, e ajgdados por alguns dos melhores officiaes de Paris e Lyo, podem assegu-
rar seos freguezes urna perfeicao no trabalbo, a qnal sen5o pode chegar pelos proces- MacQinas a vaPOr de 4 e 6 cavallos.
sos ordmarios. Moendas e meias moendas para engeaho.
Tingem, lavam, limpam e demofam com a mai r perfeicao e brevidade qualquer' Taixas de ferro coado e batido para eage-
qualidade de fazendas, tiram nodoas e limpam secco sem moiar as sedas e as vestimen- n"'
tas de senhoras e de bomens. ------
_________________________________________________________________i Arreios d' carro para um e dous cavallos.
Relogios de ouro patente inglez.
Engomma-se Arados americanos,
i c,0_aA!eL0,pi:oraP,illo e Pre5S roaveis: na ra Machinas para descarocar algodo..
Motores para ditos.
Companbia fidelidade de seguros
martimos e terrestres
estabelcida no Rio de Janeiro;
AGENTES KM PERNAMBUCO
B Antonio Lnii de Oliveira Azevedo & C,
m competentemente autorisados peladirec-
J loriada companhia de seguros Fidelida-
I de.tomam segaros de navios, mercado-
B ras e predios no seu escriptorio ra da
WK Cmx n. 1.
Augusta no, loja.
Machinas de costura.
Precisa-se alugar urna escrava que
seja de boa conducta e saiba cosinhar e en-
gommar para o servico interno de casa de
familia a ra do Sol n. 21,
mmmmm
AVISO AS VENDAS i
Na fabrica de vinagre a' ra Imperial
n. 1, prozimo a estacao do camnibo de
ferro vende-se vinagre tinto superior em
qualidade a ouiro qualquer e por prego
mdico, as?im como branco e incolor.
Ama.
Precisa-se de urna ama para casa de rapaz sol-
tetro : na ra do Queimado n. 3, loja de fazen-
das. _______
Precisa-se de urna ama para cozinhar e com
prar : na ra do Pires n. 24.
Ama
Precisa-se de nma mulber j idoza, para andar
com meninos e fazer algnm servigo de casa : na
ra do Rangel n. 3.

Jo5o da Silva Ramos! mdico
pela universidade de Coimbra, d |
consultas em sua casa das 9 as I
11 horas da manba, e das 4 as 6 I
da tarde. Visita os doentes em suas
casas regularmente as horas para I
isso designadas, salvo os casos ur- fl
gentes, que ser3o soccorridos em
qualquer occasio. D consultas aos
pobres que o procurarem no hos-
pital Pedro II, aonde encontrado
diariamente das 6 s 8 horas da
manba,
Tem sua casa de sade regular- j
mente montada para receber qual-
quer doente, ainda mesmo os alie- I
nados, para o que tem commodos i
apropriados e nella pr'atica qualquer
opperacSo cirurgica.
Para a casa de sade.
Prjmeira classe..3i5000diarios.
Segunda dita____3o00 >
Tercetra dita .. 20000
Este estabelecimento j bem j
acreditado pelos bons servicos que
tem prestado.
O proprietario espera que elle j
continu a merecer a conaDca de !
[que sempre tem gozado. '
Antooio de Azevedo Ramos, Portuguez, vai a
Europa e leva em sua companbia o menor Fran-
cisco Pereira de Faria, Portuguez.
D. Rosa Ignezdos Santos Lima, viuva do"fl-
lecido Joo Joaquim de Souza Abreu Lima, pede a
tedas as pessoas que se julgarem credoras de seu
casal, tenham a bondade de apresentarem suas
cootas para serem verificadas, no praso de tres
dias, para tralar-se de seu pagamento em lempo
conveniente.
Precisa-se alugar urna escrava qne sirva pa
ra andar vendendo na ra fazendas : na ra da
Imperatriz n. 10.___________
A Salsaparilha
1>E AYER.
Para a cura radical de

s
m
i
O Dr. Carollno Francisco de Lima San-
tos contina a morar na ra do Impera-
dor n. 17, segundo andar, tendo alias seo
gabinete de consultas medicas, logo ao
entrar, no primeiro.
O mesmo dontor, qne se tem dado ao
estudo tanto das operacOes como das mo-
lestias internas, presta-se a qualquer cha-
mado, quer para dentro quer para fura
da cidade.
N. 0. Bieber 4 C, sucessores, sa-
cam sobre o Rio de Janeiro a vista ou a pra-
zo conforme se convencionar.
Aloga-se urna sala com tres quartos e cosi-
nha no 1 andar do sobrado n. 46, da ra do Quei-
mado.
5
8=S
t*s*
>fti
sr* o
S"8 i 3 a o-5"* 1 ""!
fpili-Us-ii: !
.st.;
S?8B
liiftt
g-sg"?a I o
- _
0--e.3d:
- S

_ a #
W 1H llil

pjrjpipjpjpf^
O cirurgio Joaquim Jos Alves de Albuquerque
mudou o sen consultorio para a fregnezla de San-
io Antonio, ra Direita casa n. 13, onde pode ser
procurado das 8 horas da manhaa at as 4 da tar-
de. Pede encarecidamente a seos amigos e mais
pessoas que o procurcm na freguezia do Recife
que deizem os seus chamados por escripto na bo-
tica do fallecido Lniz Pedro das Neves, rna da
Cruz d. 24, onde ser encontrado al ama bora da
urde.
Declara mais aue tendo sido por espace d 33
annos e uoico profesor da enfermara de marinho
desta provincia, teve sempre a sen cargo nm nao
pequeo numero de doentes atacados de diversos
soffrimentos, alm das operaedes por elle pratica-
aria mSSass& da sum.; v
PC. occasio da febre amarella, assim como em
** 3 S m a.
Cosinheira
Precisa-se de nm cosinbeiro que seja escrav i
na ra Nova n. 60, armazem da Liga.
BOMBAS DE PATENTE
Ba Nova n, 30.
Chegaram as nelbores borohas americanas do !
melhor systemaque ha, assim como as pessoas!
qne pretender encanamentos para agua pode se!
dirigir a mesma lojaqne tem sempre canos, cbnm-J
bo, torneiras, choques, vlvulas etc. i ]
Rio de Janeir\
Prente Vianna & C. saccam sobre o Rio de Janei-1
ro,-a vista ou a prazo, qualquer qnantia.
mw (H abaixo assignados continuara com
sen escriptorio de advocada i. ra do
Imperador n. 41, primeiro andar, onde
'M podem ser procurados das 10 horas da
2 nianhaa as 3 da tarde.
Alvaro Caminha Tavares da Silva
Dr. Joao Thome da Silva.
asancBHB kk>:S;
O Sr. Francisco Jos de Freilas Gui-
maraes, queira ter a bondade de appare-
cer na livraria n. 8 da praca da Indepen-
dencia.
^rajs-rEjrLn-asEsaTfT-
Aluga-se nma ama forra |ou captiva que sai-
ba coziohar e engomma
pessoas, podendo
cas 8 boras da manhaa as 4 da tarde.
a ama forra |ou captiva que sai- J/..^;/' J i t
jmmar alguma coosa pira duas MOOlllCLS U IUQU6
2K?. VMt Crl 3l' Aluga-se mobilia de toda a qathd.de e oor ore-
Os abaixo assignados participara ao reipeita-
i vel corpo do commercio desta praca, e a quem
mais interessar possa, que se acha dissolvida a so-
ciedade que gyrava sob a razo de Antonio de Son-
co commodo
do Pinto.
qu.hd.de e por pre-
a ra Nova armazem de mobilias
Offerece-se urna ama para comprar e coai-
Dbar para casa de homem solteiro: a tratar na
rna do Fogo n. Si.
Os abano
1856 do hospital de cholencos a IregueziaT Re WS?Jle-?.d^ei?JM P I iDa adm,Uido Heorl ^^ com *<><*<>
cife, quoossensconhecimentosprofesiionaeg ihpo- Hecle o de margo de 1806. de sda oasa commerci.l.
rieoe praticosadqoerido.no decurso de untos Antonio de Souza Oivelra. Recife 3 de marco de 1866. ,
annos em toes estabelecimentos, o tem habilitado a __________Antonio de Souza Oliveira e Mello. A. Schfter A C.
tratar de qualquer enfermidade ; por isso espera! = Aloga-se a casa terrea na entrada da estrada QueVqizer morar em um sitio
rie poniionara mercer a -^ Aluga-se a casa terrea na entrada da estrada Quem qnizer morar em um sitie, de sraca,
liV^ni?f/innn?T/rL?.,inf.. ^oa&a1^ de, d **> Barros o. 11, com 2 sala?, quartos, dando-se-lhe um pequeo quarto, tu Caimoi 0
tod?s aqueiles qne qu.zerem utilisar de saa pro- Icownha fora, cacimba e quintal murado : a tratar va, dir.ja-se ao mesmo sitio, que fa SfMffl
na ra Direito n. 2i o sitio da lgr*ja nova.
fsiko.
Lino Francisco das Chagas, Jos Antonio
Pinto, Jos Pereira da Silva, Antonio Fran-
cisco das Chagas, Landelino Teixeira Lima,
renco Iisiioi.no, Valentim do Sacramen-
, rogara aos amigos e parantes do finado
'fino Lu* do. Sanios de comparecern no
IB 7 do correte as 7 horas da manba em
aigiejade;. Miguel dos Afog.dos, a fim
de assistirem a raissa que por alma d'iqaelle
tinado mand.m celebr.r.
Precisa-se saber da morada da Exm.* Sr."
D. Maria da Gloria da Sllvelra, vlova do Sr. An-
tonio Fernandes da Silveira Carvalho, a negocio
de interesse e com urgencia : na ra do Impera-
dor casa n. 12 morada -do solicitador Joaquim de
Albuquerqae Mello.
CASA DE BANDOS
26 Pateo 4o (armo 26.
Neste estabelecimento to impor-
tante para a saude e asseio do cor-
f po, acbam-se montados 20 banhei-
! ros, que sao servidos com a ordem
e asseio que para desejar-se. Qua-
tro destes banheiros sao especial-
mente reservados para senhoras e
por isto acham-se collocados em lu-
gar reservado, aonde s tem entra-
da as pessoas de urna mesma fami-
lia.
PRESOS DE BANHOS AVULSOS.
i banbo fri, momo ou de
chovisoo...... 500
i dito de choque .... 10000
1 dito de farello...... l.)OCO
1 dito aromalisado IfiOOO
PRECOS POR ASSIGNATURA.
30 banhos por mez fri,
monto ou de cliovisco. 10000
25 bandos com cartes pa-
ra os mesmos .... I0.-J000
12 ditos ditos ditos. o#000
12 ditos ditos de choque. 100000
12 ditos ditos de farello.. 100000
O estabelecimento estar aberto
nos dias uteis das 6 horas da ma-
nhaa as 10 da noite, nos dias san-
tificados das 5 as 5 horas da tarde.
Escrfulas, ulceras, chaga, fer-
idas velhas, molestias syphil-
iticas, e mercuriaes, Enfenni-
dades das mulheres, como re-
tencio, menstro doloroso, ulcer-
f acio do tero, e flores brancas.
A Nevralgia, Convulsdes, Ery-
sipelas, Enferuiidades Cutneas,
borbulhas, nascidas, etc.
O extracto eompoito de SALSAPAKII.HA, confeccion-
ado pelo Dr. AYKE, i urna combinncio dos melhores depura-
tlTOs e nlteraiites conhecldos medicina; composto sagaado
lcis da sciencia, approvado e receitado pelos primeiros
mdicos dos Estados Unidos, da Anterica do Sol, do Mxico,
das Indias e dos princip.ies Estados da Euro).
A SALSAl'AUILHA de AYElt 0 especialmente eflicaz na
cura das molestis que tem sua origem na vnrrofuta, na
infcccrio venrea, no uso excessivo do mercurio ou em qualquer
impureza do Sangne.
Entre todas as molestius que nffligem o genero humano, nio
ha urna mala universal e terrirel do que a amni/kln ; por si
nio tio destructiva, porem a causa principal de muitas en-
fermidades que nao lhe siio feralmente attribuidas.
urna causa directa du tUUa pulmonar do mal do
i finado, c estomago, i>i[, r -0. s do cerebro, JtheitmatUuio
I e affecifie* do Mu* : entre seos symptouius ha os seguintes;
, Falta de apetito, Fraqucza c moleza em todo corpo; Mo
cheiro da boca, semblunte plido c inchado, s vezea d'uma
alvura transparente, outras vezes corad,o c amarello ao redor
da boca; Digest o fraca e apetito Irregular; Ventre inchudo-
I e eracnacio Irregular; Quando ataca os pulmoes urna cor
i azulada mostra-sc a roda dos ollios, quando no estomago
. sao avermelha dos, as pessoas de disposifao escrofulosa
j apparecem frequentementc empelles na pelle da cubeta c outras
partes do corpo ; sao predispstas s afente dos pulmta, do
/gado, dos ruta e dos orgos digestivos e uterinos. Fortaato,
nao sao somente aquellos que padeeem das formas ulcerosa*
I e tuberculoiat da escrfula que neces6ilm de protec$o
l contra os sens estragos; todos aquellos em cujo -angue existe
) o virus latente deste tcrrivel flagello (e s vezes hereditario),
estio expostos tambem a soSrer das emirmidadas que elle
causa.
OAerecemos a estas pessoas um abrigo seguro e um anti-
doto effleaz contra esta molestia e suas consequencias, rna
Salsaparilha de Ayer
que opera directamente sobre o -minie, pnrlfleando-o e ex-
pulsando He a corrupeo e^o veneno da molestia i penetra
todas as partes e todos os orgos do corpo humano, livrando-
os da sua aocao yiciadu o Inspirando-lhes novo vigor. E*um
alterante podurosissimo para u renoraco do sangue, c d ao
corpo j enfraquecido pela docn$a forja e energa renovadas
como as da juveutude.
TAMBEM O MMLMOR ANTI-8TPJBZI.ITICO
CU MILI IDO.
cura permanenmentc aa peiores fdrmas de SYPHn.TS e as
suas consequencias. l'.niea neoesaidadu ha de informar opub-
lico do lnestimavel valor de um remedio que, como este, fvra
o sangue dessa eorrnpeo e arrebata a victima das garras de
urna morte lenta c Ignominiosa, porem Inevitavel se o mal
nao logo combatido com energa.
Nao pretendemos promulgar, nem queremos que se Inflra
que este remedio infaUTcl para a cura de todos os padeci-
menlos humanos, o que dizemos que a
Salsaparilha de Ayer
a melhor preparado at boje descuberta para estas e mitra<
molestias anlogas, que nma combinafo dos alterantes
mais efflcazes couliecidoe, e que temos couscicuciu du onereeer
ao publico o melhor resultado que possivel produzlr. Ua
inteiligenda e pericia medica dos notmos lempos.
ENCANAMENTOS
PARA AGUA
Na roa Nora n. 30 fazem-se e concertam-se en-
canamentos, assim com born, para agaa.
Precisa-se alugar ama escrava par. o servi-
o externo e algara interno : (juera iiver e qaizer
alugar dirija-se a travessa da Concordia n. 7, con-
fronte o cbafarii qoe acbar com quem tratar.
O abaixo assignado faz sciente ao commer-
cio desta praca qoe o Sr. Antonio Jos Pire, del-
xoa de ser seu caixeiro desde o da Si do cor-
rente. Pernambuco 98 de fevereiro de 1866.
_________Antonio Alberto de Sonu Aguiar.
Preelsa-se de nm bom copsiro para casa es-
trangelra: trata-se a' rna do Vigirio n. 1. tserrp-
torlo.
REMEDIO DE AYER PARA SEZOES
Infalirel as febres intermittentei, remittentes,
Pebres Biliosas e tercas, mal do ligado, in-
cremento do baso, oegueira. Dor nos
ouTidos e palpitacoes, quando
ao causados pelas
FEBBES INTffiMIITENTlS, OTJ RBMIITENTES.
As preparasoes de Dr. Ayer sao vendidas em todas as
Boticas e Drogaras do Imperio.
Vende-se em Pernambuco:
sa
PHARMACIF. FRANCA!?
kP.MAURERc
RA NOVA N"ia


mt



w
i
mmml
nmH
n
mmmm**-jmm*
i\
1
==*
Alzi**i.**BfcamiJia -? 4MM^A* ieira t de liarla de iStiai.
- 4
I

lillll
'O DE CALCADO *
IN1CAS1DIDETENQO ft
Una >v,i ei. )K
' Ah se encontrarlo obras Je di- gt
fersas qualidades, e por pfetotntfl ?
diminutos, a retalho e em porc5es,
| S se vende a dioheiro.
*:
mmm&mmimm*
Precha-se de nm rapaz portugez dos ltimos
cbegado?, par laberoa; na-rua Veina n. 33.
e=g iii ni ii-
COMPRAS

tica.
FABRICA A VAPOR
99 RA DO MONDEGO 99
iw. ePMo ** ** & loja de relajoeiro,
uerouche donos deste estabelecimento partecipa ao respeiUvel publico que sua fa-
brica esta montada com as meihores machinas que existem na Europa> e que pode
tabncaroom melhor perfeicao possivel.' Todo o chocolate tiesta fabrica esl garantido, e i Compra-se~oma
e paro, o que nao se pode encontrar naquelle qoe vem de ftra, e que se vende por preoo Isomme aigoma com
nano, visto os productos serena do paiz. Na etiqueta tea sempre urna guia. w *_ Cabaga. loja
IWECO.
Meia libra...... 408
Pa libra......... 800
Urna arroba *.....19,5000
Na mesma fabrica acaba de se montar urna officina com serrara a vapor nara
obras de maraara propria para edificio, para o que encarrega-se de fazer portas, ia-
dellas, assoalhos (parque francez como se usa na Europa,) earmacoes, ludo can trevi-
nade e perfincio. Toma-se qualqoer ehcornme* prompta a oettar^se no iugar. ^
Compra-se ouro, prata e podras preciosas
em obras velhas : na roa da Cadea do Recife
cja de ourives no arco da Conceicao.
Comprase carosso (sement) de algodio : no
armazem de algodo de Saunders Brothers & C.
no caes de Apollo.
Compra-se um escravo que seja moco, sadio
e sem victo : na roa larga do Rosario a. 34, bo-
Jl jI
"
-- Gompra-se urna casa de sobrado no aterro
da Boa-Vista ou ra da Aurora : a fallar na ra
do Crespo n. 17.
escrava que cozinhe e en-
>usa : quem a tiver dirija-se a
da agola de ouro n. 1 B. '
Cornpram-se duas carrocas para bois e qae
tenlia douco aso :"na roa da Lrnz n. 8*. ..
prac*
da ln
nro e prata.
Em obras velbes : compra-se na
dependejicjpjLJ2. loja de bilhetes.
Compra-se nroa barra de (erro, ingiera on
mesmo das amigas ; na roa Nova n. 31.
GompT*-se orna pequea casa terrea que te*
nha cacimba e que esteja em bom stado, no bair-
ro do Recite ou Santo Antonio e qoe o casto nao
exceda de 1:000* at 1:200 poaco mais on me-
nos : quem liver annunoie para ser procarado.
Libras sterllnas.
Compra-se libras stertinas : a roa do Vlgarie n.
2, escrtptorlo de Phipps Brothers & C.
iK CALCADO.
' A primeira condifao i&d&pensavel con-
servacao da sade trazer os pee bem de-
fendidos contra os ataques da^homidade;
calcado bom e segare o nico preserva-
tivo dessas mil enfermidades a que est su-
yeito o nossoeu- Um chnelo vtlho cal-
cado por um dandy patuscante>.oo urna
botina acalcanbadaem pequenine p de en-
cantadora deidade alm de acensar que-,
bradeira horripilante, prova contra as fjcol-
dades intellectuaes dos calcantes, e nao ba
qoem, tendo bom senso, queira passar por
malnco, ou pobre de surr5o : ergo, cor-
rama-: ^
4*-RUA DIREITA*.
e attendam a' barateza.
Homens. |
Borzeguins barcellonezes de lus-
tre, e.de porco .
Ditos de Bordeanx : .
Ditos parisienses de bezerro e
cordavSo .......
Sapatoes de Nantes de duas ba-
teria,s rasas......
Sapatoi de lona, sola de'borra-
cha. ....;.
Ditos aveludados ,
Ditos de tranca bons ..
Senhoras
Borzegoins enfeitados. .
Ditos de laco ....
Ditos lisos ...*..
Sapalos de borracha



Alteado!
A#en*$o!
-7 AttencSLo!
Grande sorlimenttde azenis ptfl-
prias para a tjuaresma. .
.Acaba de chegaf a este ovo sal-elecimento
um prande e variado sorlimento de fazendas pro-
prias para a quaresma, a saber :
(r sdenapl- s prelo a 1 G06 o cwtdo.
Vende-fe um grande fortimento de grosdena-
ple a 1J600, 1800, U e #5C0 o corado ; fl.tu
multo superior a 2800e 3 : na roa da Impera-
triz n. 72. loja de Guimares i Irinao.
Moriantique preto a 2^800.
Vende-se um grande sortimento de moriantique
a 2J800, e 3.JS00 o covado.
Chales de renda pretos a 8^000.
Vende-se tambera nm variado sortimnto de cha-
les de renda a 85, 950O e l ; ditos muilo lios
a liji e 121; ditos de seda azenda muito Una a
20J000.
Retondas pretas a 1O0.
Vendem-se retondas pretas pelo barato preco de
10JS e 115 : na ra da Imperatriz n. 72, loja de
Guimares & Irmo.
Grande pechincha panno preto a 2>000 o
covado.
Vende-se panno prelo proprio para calcas e pa-
litots a i& e 25200 o covado ; casimiras pretas
a 1*800, -I, 2i00 e 25500 o covado.
I' muito barato cortes de casimira a 3&>00.
Vendem-se corles de casimira preta a 35500
45 e 4550O ; dita muito Dna a 65.
Admira corles de brim de cores a
1,280
Vendero-te cSnes de brim de cores para calca a
115280, 15600, 15800 e 25 : na ra da Imperatriz
' *;"i*n a 120 ris o covado.
600
7.J000
800O,
5,50001
20OO
{600
iiijOOO'
4^800
Boa Fama ra do Quei-
mado.
Receben pelo ultimo vapor chfgad de
Pars chapeos para menina do ultimo gosto.
Diademas dorados,
enfeftaia* con aljofares, pedras,
- ele para meninas e senhoras.
A agufc liranca vende bonitos e modernos dia-
demas donrados, enfeitados com aljofares e pedras
proprias pira meninas senhoras.
llonifos ebapoziuhos
de palha tina e aveucaes para meninas.
Sao obras estas de que os bons pais de familia
se nao podem escusar de comprar, por fazerem el-
las pane do asseio e bom gosto com que trajaiii
nas bellas Olhinhas. A agoiabranca tem o pra-
zer de ver qoe to bellas e precisas obras oram
devidamente apreciadas e compradas em sen ni-
! nho. Os cbapeozlnhos, alm de serem d'uma pa-
lha mu fina, sao de moi bonita forma 0 nltimo
gosto, enfeitados com toda a perfeco : os aven-
tae, porm, sao de fina cambraia, guarnecidos de
babadinhes bordados; o qne Ibes da muita grana,
pn-gos desies, 55000, e daqoelles, 105; e de
sao elics baratos conhecera o prelendente.
riirinir n' I..a JfnnlM k-.nnK .____.1.
E' baratissimo
Selletros, corneiros e seceiros 1
<;nla o, tncro ;,, -jn onunAn1 Vendem-se riscadiobos muito proprios para ron
>0ia ,Oe lustre, meiOS grandes 20,5000 pa de escravos, a 120ris o covado; ditos escoce-
h um completo sortimento de calcado fa- zes muito finos a iW, 280 e 300 res o covado.
bricado no paiz.
loja d'aguia-branca, ca ra ii(
Vcodelbes
COE2JLHO c FliEITAS
Roa 4a Cruz {%.
-n0aIm!:i,ia/?er/',Fia?ente aBl*rtimento jipasteis, podios,'tolos ingieres,
opadas etc., etc. Os donos deste estabelecimento, acbam-se as meihores condicoea
tS^L^^I ^""d'scoooeFDentes sua arte, em consequencia do socio
Llflcs,dad'nistraorcbefedeolgumas daspriDci(aes fabricas na6rte, sendo
orna a do Sr. Jo5o Goncalves Guimares (confeiUria de^Leao) antiga casa de Carceller.
Todos es trabrnoslo differentcs dos que se fazem em casas particulares.
Os propnetarios deste estabelecimento nao se tem poupado adespezas, nemse
225?T'a er cncorreDCa >mo esperam; (pndo coBtinuadamente bom sorti-
mento de doces para ct^ presuntos -e ditos m fiambre, tambe se reeebem para-se-
rem preparados; assim como doce de caj novo superior, secco e rystatsado, dito-em
Ida em latas hermticamente fechadas, podeode durar annos em perfetto-estado.
Mb. 3a.nlareLe Pulidas recebe-se encomaiendas dos segmntes-obieclos: ban-
dejas ricamente enfeitadss sem armado pecas de ameadoas (nogaces), dkis de Umaras
de ovos, paes de lo enfeitados com disticos anlogos a qualquerfim; ditos moudos,
JH8 S~SI feBfet,tad0S comt fructss ngteza; gaheaux de la reine, ditos de le du-
df dffieSs es ed maSSa dtS peixe e carne; cremes e doces de ovos
^ Pnr Jacmbem ^V ^P'f1 sortimento de vinoos-engarrafados, como sejam: viiiho
tr^iiSf !!LS!He,ra' Madeir,a' Lisboa' Cberez' Bordeaux, Champagne Sao, ser-
f2S'.22W t0?86^8- Para festas: booitas caiaona com amendoas, on-
Sin,; t^S T' Mu't0- ^^ objectos "e^kmados podem-seperfeitamente ac-
condicionar tanto para-a provincia, como para fra. ^^
at*t. a k FIGURA
b-a^PSlJlL r AmUs 1guras P3" bandejas de doces, seurde grupos para
baptolBo, casamento, aeaos, ditta a fantasa, bonitos ofeites para bellos e circular Jra-
tos de doees finos, tode por preces razoaveis.
l'm rao?o qaa se qtier estsbelcer compra ama
taberna no centro fiesta cidade e que seja em bom
logar, preferiodose com poucos fnBdSs quem
quizer fazer negocio dirija se a ra DlreHa n. 72
com carta fechada marcando a? principaes condi-
eoas com a inictrf 11.
Compra-se utmvrabeo j osada-: 1 Corre-
dor do Bispo o. 98.
Libras
Comprara sena praca ^a Indepenaeoca
ame-
V6NDAS
No armazem de azendas
baratas de Santos Coelho
Ra d Qarinaado a. I.
Vende-se o segainte :
Cobertas de chita da India a 35400.
Lencoes de panno de Mnbo a 25200.
Ditos de bramante de linho de ara s panno a
35200.
Lencos de oassa brancas proprlos para algibeira
azJWOO a*anzia.
Algodo enfestadoeom 7 1|2 palmos de largara
a 15*00 a vara.
. Atboathado de linho a 25800 vara,
Dito de algodo a 25 a vara.
Gardanapos de linbo a 35800 a dozia.
Peoas de cambraia de salpicos a 45500.
tazioha abena de cores a 320 o covado.
Cambraia branca de forro a 35 a peca. "
'Fil de linho liso fino a 800 rs. a vara.
'Dita de dito com salpicos a 15 a vara.
Panno de Irnbo fino com 9 t|2 palmes de largu-
ra pelo barate prego de 25400 a vara.
Madapuloes Unos a 85, 95,105, 115 e 125.
Cambraia lisa de 45500, 55. 65, 75 e5 a pega.
Pegas de bretanha de algodo com 10 varas,
_pn)pria para saia, peto baratissimo preee de
Laazinha lisa de cores a 500 rs. o covado.
Cambraias unas de cores miudinhas a 360 rs. o
covado.
de sala de
Vende-se licores em duzia oiuito em coota.
PAR k QUARESMA
Vende-se sal grosso : a tratar ua ra da Ma-
dre de Deas n. '2.



Acabam de receber G. Paes , 5 RA DO CRESPO 5
Antiga easa deCiailhernae da Silva CiniMarieo
Reos cortes de-vestidos de ros-de-naples preto, com lindas barras bordadas.
Ioire-antique preto em cortes e em pecas, liso, ondeado e com -almas.
Gros-de-naples preto, de diversos precos e larguras.
Gorgurao preto, azenda superior a todas pela flualidade, e bonito tecido.
Este estabelecimento
acba-ee sonido com numerosa quantidade de filos pretoe, de algoda>: deilinlio e de-ale-
da, ffianufaoturalos em
PARA 1866.
Acabam de>sbir lux *s folhinhas de
algtbeirae de,porta para o rao de 1866, o I isteira da india nn^ri* n. tm
mais correctas possivel Unto -no calculo das 4, f Spatost Wr\,Paerf las e eclipses, como as-diversas estas I*em oulra qoaiqaer parte,
que a tgreja celebra: vendem-se unicamen- Neste 8r,nazem ta*em se encontra um grande
te na livraria da praCa da fedependeocia, sortimeBto de f0P* fe|ta W "ed.da.
lepis ,s deporta e mto as de a^| f PENDAS BAKATAS
A 27 Ra do Queimado N, 27
. MAM PECHIMlll t
Canjbraia branca para torro a 240 e 400
rs:a*ara.
Lencos,bancos para algibeira duzia
; 20000 rs.
* Retondas pretas a 941000
Garabraia morsalina de-odres propria para
vestidos o covado a 300 rs,
Moreantique preto superior a 2080 e
\mmo covado.
Grande sortimento de grosdenaples prelo
! parallos os precos.
Rotondas de seda riqoiimas algerinas para
senhoras.
Laazinlns a 3oo rs.
Laazmhas de quadrinbos a 300, 320, 360 e 400
rs. o covado ; duas muito finas a 500 e 560: na
roa da Imperatriz n. 72, loja de Guimares & Ir-
mo;.
Cortes de la a 50000.
Acaba de chegar a este importante estabeleci-
mento nm sortimento de cortes de la qne se ven-
de por 55 e 55500; ditos a Mara Pia, azenda
mnito moderna a 123, 145, 185 e 205 ; Sitos com
camisinha, cinta e grvala a 255 e 285.
Chitas francezas largas a 260 ris.
Vende-se nm grande sorlimento de chitas a 260,
J80, 300, 320 e 360 rs. o covado ; ditas
a 400, 440 e 00 rs.
Cambraias de cores a 280 rs o
covado
Vendem-se cambraias rancezas a 280,300, 320,:
360 e 400 rs. o covado.
Cambraias lisas a 3.000 rs. a peca.
Vende-se um grande sorlimeoto de cambraias
Os
qoanio
qne se dirigir a'
Qoeimado n. 8.
Vfdrllhos de cores e aljofares.
imitando aeo, para enfeile de vestidos.
A agoia-branca na rna do Queimado n. 8 rece-
beu um bello sortimento dos objeetos cima pro-
prlos para eneites de vestidos, etc., etc., e est
vendendo com moda mente.
Novidades.
Na Agula branca ra do Queimado n. 8 rece-
beu diversos objectos de muito g uto e inteiramen-
le novo?, sendo :
Bonitos e delicados pentes dourado's e prateados,
tendo entre el!e> algons de filigrana obra mol per-
feita e de elevado gosto.
Dilos com chapa de madreperola.
Brincos do filigrana < outras qualidades.
Fiveilas de dita e outras tainbem de d.versar
qualidades.
Cintos mu i bonitos, enfeitados em toda a eeo-
5ao coro caracteres dorados e prateado;.
Filis enlejiados com moedinhas donrad?,e lan
tejollas, aljofares & ,sendo para coque, e teda a
cabera, e outros com plomas &.
Booitas vollas de jaspt com ernzes, tdDdo tam
bem algunias de duas cores.
Luvas e meias
de laa vegetal, para quem sollre de frialdad?, pa-
ralesya etc. Vendem-se na ra do Queimado loja
d'Agma branca n. 8.
Bamloline de roza
para segurar on conservar perfeitamente alado os
preciares j caDe||os"das senhoras. Vende-se na ra do Quei
mado loja d'Aguia branca, a 15000 o frasco.
Enfeites pretos para vestidos
A A guia branca receben novos enfeites pretos
para vestidos, sendo bicos com vidnlbos e sein
ellas, trancas com pendentes de vidrilhos e sem
elles, cordo grosso tambem com vidrilhos e sem
elles; assim como galoes e franjas de diversas lar-
Blas de velludo etc.
--r;:^; ", .,-;,sks 8nrs fitas de velludo etc. como sempre os bons
lisas" pelo barato preco de 35, 35o00, 45, 45500 e fregaezes encootrarao commodldade de precos nos
^ 'iSSr* mltc finas 55300 e 65; ditas victoria: objectos que se vendem na loja d'Aguia branca ra.
a 65508 e 75; ditas de urna vara de largura a 85 do Queimado n. 8.
Botes de vidro
com enfeites d'aco no centro.
Esses botoes que tanto servem para meior se
poder enfeitar um bom vestido preto ca de cor,
cfcales
retondas







algserienes fbourims}
anamites

-

africaines





'
powipadour
DE FANTHASIA
Vende-se umaiulato de 22inos de dae?
cora bastantes habilidades, come- bom coziabeire e
copeiro : na roa da Imperatriz o. j4, andar.
' Lcntijlas.
A toja da Aurora, oa ra larga do Rosario .-88,
receben-sortimento proprias para quakjuer enfeit, assim como tam-
bem recebeu luvas-e Joovin brancas e de ceres
para horoem e sedhora, mnito 'frescas, chegatas
pelo uHimo vapor, tido isto oa leja da Aarora,
rna larga do Itosaris n. 38.
echiiicha
Vende-se a taberna da ra da Caa n. 36 pro-
prio para principiante, e o motivo -ss dir ao com-
prador.
iILHWIKS i
Vendem-se anneis cwn brilbantes, de primeira
agoa, eogaeudos em uro de let, .peto diminua
preco d- tO cada nm : na rna da'Cadeia do Re-
cife n. 5, loja de Silvestre Pereira da Gnnhi.
Ceneja gelada
Ha diariamente a venda por preeo .commodo i
no armazem a Liga, roa Nova n. 0.
e 95 j ditas para forro a 15600, 25 e 25200 : na
ra da Imperatriz n. 62.
ROUPA FEITA.
Veade-se nm completo sortimento de roupa fei-
ta feKa. assim como sejam palitots, calca?, coletes,
camisas francezas a 15600 e i;800; altas finas a
25 -e de linho a 2800, 35 e 35300 ; seroulas de
15200,15400 e 15600, de linho a 25 e 25500 : na
rna da Imperatriz n. 72, loja de Guimares Ir-
mio.
achao se a venda na ra do Queimado
bracea n.
pja d'Agnia
COIares Rover on colares ano-
dinos
para facilitar a dentijao das enancas e preserva-
las das convalsdes.
O feliz resaltado obtido immensas vezes pela
prodigiosa forca magntica dos colares Royer, nos
casos de convulsoes, e denticao das crianzas, tem
altamente elevado o sea bem merecido prestigio,
e hoje j se pode dizer qae estao geralmente con-
ceituados, e estimados de nnumeraveis pais de
familias : de ons porque do uso desses salutares
' colares viram salvos ao perigo seus charos 6lbi-
nhos, e de outros porque colberam daquelles to j
proficuo exemplo para ignalmenie preservar os I K
seus. Assim, pols, a agaia branca, tendo em vis- H ceuticos OS
tas a utilidade e proveito desses prodigiosos cola-
res anodinos ou Royer, mandn vir o novo sorti-
mento qne agora receben, e continuar a recbe-
los para que era lempo algura a falta dees possa
ser funesta aos pas de familia, os qaaes ficaro
certos de os achar constantemente na ra do Quei
mado, loja d'aguia branca n. 8.
Grande armazem de ta-I
tas medicamentos etc.
Ruado Imperadorn. 22.
o
& C>
Em casa de Kabe Schmettau
roa da Cadeia n. 18, vende-se:
Champanha.
Cognac de superior qualidade.
"Vidros para espelhos de todos os taa-
nnos tudoa precos muito commodoe
a 120
Oevadinha *ie Frat$a
\a 160 rs. a libra, e de 8 libras para cima
k^ nj armazem da Liga, cua Nova n.iCe.
Cal de Lisboa.
Vndese na rea do.Brom a. 66, a 65 6 barril, dapolo avariado, }azeVnda"deBi5"e JSJf7> pecar'
ReceberaM tambem bonitos cortes dg popeline de lislras de cores, .masadas,
muito modernas,e gostos inteiramentenovos; e outras nanitas fazendas denosta, vn-
uas pelo ultimo vapor.. *
. P. DO 4JHR1L t c
5 RA DO CRESPO 5
DE
Vendem-w UO pedras para ladrilla lindas'6*300 e 7* com
dalba: a tratar Gtwdanapos para meza a 3500 rs, a du-
zia.
Superiores balees de arcos a 3^200 rs.
SR Para .encrespar, M Aspas fortes para boloes.
Mf Vendem-se tesouras ara'encrespar a l'a roa doQQelma(,o 'ojade mindezas n. 16,ven-
S'babadas : na ra do Queimado loia de Si oe-se aspas de ac fortes, e de dilTerentes larguras
m Azevfdo 4 Irmaa M| Para bale;;- .
HKlftlB wulos qiMdros para retrato-?.
^TZrTTT^^^"^^ Vendem-se na ra do Queimdo loja de rr.iude-
ft.^- r umaloja de ebaraios com poocos as n. 16, bonitos quadros con mordara preta e
jduos oaireguezada, prapne jara um principian-, dourada, todos por precos rasoavek
= I"9" qa'*er dirija-se a roa larga do Rosario: Garrafas brancas
24 A, ed.ra-quera vende.________________! "res com sapeS agua dacoloaia.
Grande pechincha le madapolo com! JTiT'se na rua d0 Qeimado' loia de m""ie-
a varia j Novo gosto
Paredes Porto vende urna graode porcao de ma-, Pentes, Bvellas, e brincos de fellgrana.
* antiga e bem conhecida loja n. 16 na rua do
. coo Pedro das Xeves
I rente) em a venda
5 segainte:
Productos chimicos e nbarma
mais empregad! < em
medicina.
Tintas para todo o genero de p -
tura e para tinturara.
Productos induslriaes e tintas
para flores, como botoes de llores
e modelos em gesso para imitar
fructas e passaros com o compe-
tente desenlio.
Pro iuctos chimicos e industriaes
para photographia, tinluraria, pin-
tura, pyrotecnia etc.
Montado em grande escala e sup-
pndo directamente de Paris, Lon-
dres, Hamburgo, Anvers e Lisboa
pode offerecer productos de plena
connanca e satisfazer qnalquer en-
commenda a grosso trato e a reta-
lho e por preco commodo.
Grande pechincha
Emchias.
A niela pataca.
A mela nataea.
A meta pataca.
Veode-se na loja do pavao um graade sortimento
i; mglezas, sendo tdias e cor de rosa, con
: miados e mais grado?, afflan?ando-
e ende-se pela baratissimo
pequeo toque : na roa da Impe- Qeimado, recbeu nm sortimento de diversos ob-
ratriz n. 52, armaiem da porU larga junto a pa. I "*108 de 0V(> e boro gosto, sendo pentes brancos e
dara franceza. doorados de moldes enteiramente novos e mni a-
Srada veis, tendo entre elles alguns de filigrana obra
b mnito gosto e deflcil execujao, e bem assim fl-
nnvas veas e Drincos "as mesmas circumstancias..
s a Tamban recebeu algnns
moderno e bonito
Tainhas.
Vende-se taiohas de Alagdas muito
240 rs. cada ama e em cento se far abalimento
sor-
Vestidos
Pechincha sena igual.
Uegou a loja de Paredes Porto nm bonito
tmenlo de vestidos de lamala de cores e branca;;
8?.!55 para par,idas Dor ** uma Pbaotasia in-
teiramente de gosto pelo barato preco de 45 e
d?r,SA4,50' "o cabandwa : no araafen:
darfaTaes '" ^"^ n' 52'Jdmo a
e lingaas do Rio^rande em calda a 240 no ateo a ia -?
do Carao esquina da rua de Horias armS A,m d,SS0 ei
n. 2.
padrQee mai
se serile<5res flxas
Mulla attengao,
Vende-se a armaeo da taberna da roa "das Cra- emente.
cintos o qae de mais
se pode encontrar em tal genero.
_.raro os pretendentes um com-
pleto sortimento de flvellas de madreperola, ebris-
tal, tartaruga, e dorados, brincos de christal, e
jaspe, vollas e ernzes de dito e muitos outros objee-
tos de gosto, os qnaes continua-se a vender commo-
DE
J. VIGNES.
M. 55. UA DO IMPERADOR M. 55.
O zanosiesta antiga fabrica sao hoje asss eonaecidos para qae seja necossar insistir sobre a
E?.^X^Vn,.'-gense ?arMttI8- q"f offereeem aos compradores, qualidades etas iocontesta-
Teis qoe iles lera definitivamente conquistado sobre todos os qoe tem appareeido nerta nraca dos-
imndo uai teclado macbinimo aoe obedecem i todas as vontades e caprichos das plaalas sem
nunca falhar, por serem fabricados de proposito, e ler-se feito ultiazamente melboramentofi ImporUn-
fssimos para o clima deste paiz ; qoauio s vozes, sao melodiosas e flautadas, e por isto muito agrada-
veis aos oavidos dos apreciadores. "
-m52&v!. *S eDeommeait, lauto nesu fabriea como nado Sr. Blondel, de Paris, socio
v^^? *t y,g^s' m CJ c*P^' fowm sempre premiados em iodas as exposicSes,
w7.??!ff? subelecimento se achara empre nm eipleodldo e variado sortimento dTrntas dos
nelhores amores da Europa, assim como barmonicos e pianos harmnico, stndo tudo VendSe por
precos commodose razoaveis. ww ~i
preco de<6tf a peca, tendo 38 ovados, e reulha-se s perleneente a Manoel Joaqoim dos Res,: Penentes de madreperola. e enfeites fllets
a mu rs., sendo fazenda qoe sempre
91 a pea oa se retalhoa.
zera do pavio. roa daImperatru a 60, detama & Par i> fazendao ata^ml da casa. Hecife (fte j radas, raoedinhas, aljofares, vidrilhos e.r
------------------------,_,__ mareo de .186. grandes para toda cabeca e peqoenos para
CARIWUBi
sito da.
Vende-se cera de carnauba
na
eraoutra qualquer parte
Deo n. o.
=* Vende-se urna escrava que cozioha. engonv
ma e lava perfeitameote : na travessa do Pocinbo
numero 20.
Vende-se
se venden a fom consenso dos seas redores, porm se alguera A loja de roiudezas a rua do Qneimado Te,
0 r.j esta grande Jn'8ar contra este aanuqcio, aprsente seus li- recebeu bonitos pentes com chapa de madreoerola
as dou-
tendo
_ le-se e ftz- ibdb negocio com o dep- !"l*o|andb os precos de *2i 45000 rs/"
jadoVigario n. 29, muito proprio pera! B mitas caixinbas
'|)Ian 9ae auera Principiar sua vid* ooH.arranjos dorados paraj costura, tendo com
cm P?*0 1lnbtt'0 i eomp/wtor se dir o mo-' moeicas e sem ellas. Vendem-se na ra do Quei-
I mado loja de miudezas n. 16.
Trancas pretas
3,l'PJiirilUo'' .ebicos com ditos e sem elles para
uetpojHCa Afeites ou vestidos.
roa do Qneimado toja de I Na rua de Queimado n. 16 loja de miudezas a-
S^"d Alrmao charao os pretendentes um bello sortimento dos
UWM'M iSK*? objectos cima ditos, cascarrinas, franjas etc. etc
na-jrFf?" ttstt& e ,udo esia seados srcmmodos-
i na roa por detraz da matriz da Boa-Viste : a tra- 'de vidro -nfriiadoVS P
,tornan larga do Besarlo |^1$ tTSnJ'n. 16 re
Chegou
Cortinado
a loja de
s.
Paredes Porto nm completo
SSKutJSiff.ricameDIe,b0TdSs"
n L,i *- e kl : ua roa da 'mperatru
n. 52, porta larga junto a nadara franceza.
Kicas romeiras.
Paredes Perlo recebeu pele ultimo paquete um
sortimento de romeira de guipnre pretas e de filo
a preco commodo : na rua da Imperatriz r
porta larga junto a padaria franceza.
mais barata do qae
rua da Madre de
livo da renda.
Brides e
Vendem-se a
Cortes de laa escocesa p"ara vestido T*?cor-
te: na rna ua Imperatriz n. 82. loja 'da orla te
ga, junio a padar.a franceza, estao se acatando
rara luto.
Laas pretas com salplces brancos
rs. o covado : na rua da Imperatriz ...
padaria franceza armazem da porte larga
1$400
Chapeos de sal.
Vendem se chapeos de sol de panno a 1A400 *
- 400 e aoo
a Imperatriz d. 32 junto a
I
Praea-se de ama ama para comprar e cozmbar,
na rna Nova n. 38. ____ '
sobradodaruTova n. 36, a'lnga^S
se on eompra-se urna escrava qae seja
rfeita engommadeira. mm
!
Joio Marques da Costa Rios retirase para
Portugal ejolga nada dever a esta praea nem to-
ra del la e qoem se Jalear seu credor aprsente
sua eoota no prazo de 4 das.


No
Precisase de ama ama recolhida, mnito capaz,
e com as habilidades precisas para tomar coala da
casa de um estrangeiro soltelro, fazendo todo o ser-
vico da casa em um sito fra : a qoem convler
dirija-se a rna Nova n. 19, 1" andar.
., *y Bevins, R()lJm_Weir7olrGordone
Alexandre Fiemming, subditos Inglezes, retirara-
se para Europa.
,.."* uA ^ : Jane sPencer e so Q'ha menor, a Sra-
Elisabeth Chance e seu Albo menor, e a Sra. Mary
Donnelly, subditas britennicar, reliram-se para
Europa. ^^^^
Mr.VoglerdeBrnxellas remetteu para um
Sr. estrangeiro negociante neste praca nm caixao
eopteodo iivros A escravatura no Brasil pelo Dr
Precisase de pmnotneffl que entenda Ub gri- P. A. Brandan : roga-se a esse senhor a bondade
cultura para irabanarem nm sitio peno da praja, de entrega-lo ao Sr. Torqaato Mondes Viaana, na
prefere-se portugnoi: a tratar no artorjo dp-es- roafdo Argo n, I, segnoffjndar, cojasflespe-
crlTio Silva Rego triTessado Oovldor. 'jas serio paga?.
fumo da Babia e da trra, de superior qualidade,-------------^,, -i----------------------- 20L-,Lm as*n- 16 a ro do Qoeimado ImpeFalrlz n! 52 armazem da nona i. I u,a*
em grosso e a retalho, estopa da terra-para "alafa-' v a Caballa. j Me moi bonitos boies pretos de vidro com en- des Porto. P rla larea de Parp-
te, chinelas do Porto encoraeados e fortes na rna a .5 1e am bom cita" P*ra ,ella e eabriolet fei,fs,d ac, os quaes muilo se uzam para enfeitar
da Senzala-nova n. i. ide todas doa6 cos, da-ee para espermentar : vf dos, quem os pretender pode dirigir-se a dita
--------- na ru estrella do Rosario n. 3. ao p da igrea i 'J* D-,6 a rDa do Qoeimado.
Vendeni-se
Atten$io.
Vende se a taberna site na rna do Pbarol n. 8,
muito afreguezada propria para um principiante :
a tratar na rna da Croz n. 34.
!*apta*a
Na loja do arco da Coneeico n. ..
Vndese azendas baratas para a qua
resma sendo paletots pretos de panno fl- |K
no a l6i, calcas a 4p, colleles a .X man- S
tas a 800 rs., chapeos a 3, vestidos pre- I
tos para senbora de moreantique a 231 M
meias prelas de 1S para padres a 400 rs.
I e vende-se mais barato tomando grande
B porco.
filflnVflRBtt
Vendem-se 2 meias aguas de
bem edificadas sita na travessa da Fnndlcao ou-
tr'ora becco da Mulefa ns. 12 e | tde cada
ama 84j annual : a tratar n* prac da Boa-Vista
A 10500.
PAO DE SENTEIO
Contina baver pao de Senteio nos das quartes
e sabbado?, na padaria de Santo Amaro, alraz da des e molde?.
na loja de miudezas
a rna do Queimado n. .
Bonitos leqnes de sndalo e outras qualidade?.
Bonitos cintos com flvellas de diversas qoada-
fundisSo, e no Recife, rna da Cra n. 46, roa lar-
, ga do Rosario, taberna da esquina n. 50, rua Nova,
armazem da Liga, rua da Imperatrft, taberna do
Sr, Lemos n. 34. i
lo grande *
mi
A' 4M500
Rua da Madre de Deus n. $
Sacgos grandes farello novo.
Qaeijos do serijo
w.h n S3per,0r qaeJ d0 Mra B
Madrt de Dos, armazem jnnto a tgreja.
Brincos e cruzes de crystal.
Abotoadoras de dito para coletes.
Bonitos port-relogios.
Delicadas caixas com msica e sem ella, rara
co.tura.
Agoraas e linbas para cbrocbel.
Retroi superior em carrilels.
Rendas prelas e bices com vidrilhos.
KitadWe velludo com listras di cores para en-
feites de gorros e vestidos.
Ditas dagrosdenapoles, lisas e lavradas, brancas
e matis
Vendem-se peCas de tranca preta pira entone*
de vestido?, soutembarques, canas da tnhn,
SPf T ,0 ,VaraS' Qma rand Pech ncha na
roa da Imperatmn. 52 junto a padaria franceza!
UO fcUI I
'Jte
Missangis miadas, aljofares imitando
i(oevidrilhos decores
para enfeites de vestidos ; vende se tndo sso por
precos razoaveis na roa do Qaelmado n.l oja 16,
Chales de renda pretos.
Vende se cnales de renda prelo a 45000 un-ea
loja qae pode vender na rua da Imperatriz n 2,
armazem da porte larga, de Baredes Porto.
m.
r.^i'Tem,rda raa d0 aperador n. 3 on no
Caes de Pedro II n. 2, tem para vender-se o me-
nor gaz existente no mercado.


X
PARA A QUARESMA
Chegaram a loja de Augusto Porto & C.
11 Ra do Queimadoli
Superior corles de sed preta.
Molreaotique preto de flores e de listas bellos uadroes
Grosdauaple preto de diversas larguras e qualidades.
Retondas, bournus e chales de guipu e de rends.
Pannos pretos, caserairas pretas, bombasinas.
Laas, caotao, merino e selestrmas pretas.
Lindas mantas de seda para petcogo.
Ricos cortes de seda da cores para bailes ou casamentas.
Ricos cortinados bordados dos mais bellos desenos. .
Muir braoeo, seda branca,, capailas e mantas para noivas.
Bellas colchas de seda e de la e seda para cama de noivas
Saias de floissima cambraia ricamente bordadas. .
Faieodas de pregas para saia que se fazemcom urna so costara e tambera ten con
., cordio tecido.
Madapolo francez a 400 e 480 rs. a vara.
Alcatifa de liaho para salas e gabinetes a 480 rs. o covado.
Fajeada especial de quadros para fuer redes a 3*500 a vara.
Superiores esteiras da India para
II Raa do Queimado-H
salas.


NOVOS GEBENTfcS
DOS
TRES QRAJVDE
ARNAZENS DE H0L4HD0S
DENOMINADOS
PROGRESSIVO paleo 4o Carmo n. 9
UNIO E COMMERCIO ruadoQueimado n- 7.
EIRO PRINCIPAL mi do Imperador n. 40
DE
.>
DUATITE CARVALHO PERIRA # C.
s#
*v*

O Dr. Lobo Moscoso da consultas gratuita aes pobres todos os dias das 7 as 11
doras da manhao, edas 6 e meia s 6 hora 4 noite, a excepto dos dias santificados.
Pkarmacia especial homeopathica
No mesmo consultorio ha sempre aris appropriad sorti ment de carteiras
tubos avulsos, assim como tinturas de varias dymnamisagoes c palos pregos seguintes
Carteiras de 12 tubos grandes. 12,5000
> de 24 tubo grandes. 18)9000
de 36 tobos grandes. 244000
> de 48 todos grandes. 30,5000
de 60 tobos granes. 350000
Prepara-se qualquer carteira conforme o pedido que se fizer, e com os remedioi
cpe se pedir. Um tubo* avolso ou frasco de tintura de meia on# lJooo.
Sendo para cima de 12 cnstarao os precos estabelecidos para as aarteiras.
ni 800 res. vv. ,, ,
Mittobv rttiis peqoeaotPcadfimi
IIV] S.

CORTES BE SEI i
Chegaram pelo paqaete ingle riqaiMimos cortes de moreantique de core, e seda lama pa*
roes inteirameBte novos. rtr/\ x
Seda de quadros por l&OOO o covado
5-
Gregorio
RA DO CRESPO -5 .
Pac da Amaral CMipaahla.
nosso, quafejuer pessoa podermandar seus fmulos que
ferio tambem servidos omo viessem peseoalmente fazendo-oos o favor1 de mandar seus
pedidos em cartas feixadas; para evitar qualquer engao, reinettendo nos orna conta
peta qual se ver, os pregos tal qual atwi uncannos, o que imao arrependera pessoa
ajguma que fizer sua despeaca em posaos esUbelecrawrtos; pois poupar mais de
por cento oa sit despeza diaria.
IISl l


RTIMEWfi DE
fzenda
vado.
Gros de aples preto a 1(5500,1600, 2, 35, 3*300 e 4* o coi.
Gorguro preto de superior qualidade a 2f5G0, 2*800, ^jj|K
Superiores moreantiques a 2500, 2*600, 3*, 3*1500, i e 000 o
covado.
Roas cortes de moreantique. KllIftJ
dem de gorguro adamascados.
Hons pannos e casemiras. .
Sup riores alpacas, princetas, merinos e bembazuws.
Rons villudos pretos. -.'Va a
Grande variedade de chales de filo preto e da guipure a 50, W, 80,
10*, 12*, de 16* a 203, e de 25* a 80* cada um.
Superiores retondas de fil preto e de guipure a 8$, *0#, 12* e 25*,
e de 30* a 60* cada urna. a
Superiores algerienes de fil preto e de gutpure de m a 25*, e ae
30* a 60* cada urna.
Roas chailes de seda preta.
D*tos de Merino preto bordados e outras muitas fazeadas pretas que
seria enfadonhe enumerar, na
MJ1 DAS COIjUMWAS
DE 4NT0NI0 CORREIa DE VASCONCELLOS & C.
RlJA no CRESPO lff. 13
nvviKHa
Mantftiga Jinglara pflrfflitamflfttft flftr che-
lea, oHipiameote q 4>eoe rs. a libra, e
em barril ter abatment.
Manteiga fraddza (ftMfra ova a 8oo rs;
a lmra **mbariliteBpibatiiaa*>.
BANA
Banha refinada superior a 64o rs. e em
Barril ter abatimento.
(A
^a-t&rmaV primen* ef superior qualida-
4ea2,8oor^ ,
dem bysson o melhor oeste genero a j

i
' Fzem sciente ao rspeltavel public, e com especialidade aos senhores de ep>
genhos, lavxadorese mai$ pessoas do. ctHtro^ que" para mais facilitar saas compras deli-
i beraram~w 'ptoprietarios' dos tres grandes armazeos, reunir todos os seos estabeleci-
mentos em um so annuncio, pelo qual o preco de um ser de todos, promette- A elbor obra da bomeopathia, o Manual de Medicina Homeoptico do Dr. Ja h
naos que n9o infringiremos a tabella que abano vai publicado, auounciar os generas ,ious grandes volumes com diccionario ............. 20*000
um pre^o, e na occ^sio da compea q^reran *or ootra, como socede oonstante-1 Medicina domestica do Dr. Hering........... 10*000
tote em outras rabilas casas, poroanos nossos esiaboieeimeotos nio se dar'isto Repertorio do Dr. Mello Moraea ............ 6*000
anda mesmo.pom prejuizo nosso, quatquer pessoa poderA aaadar aeus fmulos que Diccionario de termos de medicina ............ 3*000
Os remedios deste estabelecimento sao por demais conhecidos e dispensam por
tanto de serem novamente recommendados as pessoas que qukerem usar de remedios
veroadeiro, enrgicos e doradores: ha ludo do melhor que 9$ pd*-dosefar, globos de
rerdadeiro assucar de leite, octavis pela sua boa consarvacSo, tintura des mais acredi-
tados estabelecimeotos europeos, a mais exacta t acurada preparado, portanto a ffiaior
energa e certeza em seus effeitos.
Casa de saude para escravos
Recebe-se escraroe para tratar de qualquer enfermidade ou fazer-se-lhe qualquer
peraco, p ra o que o anunciante jutga-se sufBcieotemeote habilitado.
O iratameoto o melhor ossivet* tanto na parte atimeotar, con na ia%m,
ftmccioDando- a casa ha mais de quatro aanos, ha moii aossoas (e ojo coocfif s nao
pode dovidar, qae pode ser consullados por aqoelles qoe descare*
doetrtes. r
Paga-se 2* por dia dorante 60 dias e d'ahi em diante 1*500.
As operases sero previamente ajustadas, se ido se qoizerem sujeitar aos precos
raffifeis qe*costu*rt podir o aBiunciairte.
AIOI1ZEM DE F IK^IIA^i
CUSTOniO C.1RTALHO C.
27 RA DO QEIMADO !. 27
MadapolSo francez muito flno, tendo pouco mofo, cada pega com 27 varas por
Superior vinagre-4*^ biabo a 2,ooo ra. a
caada 20 rs. garrafa. Tambem ba
mat&baixo para Seors. a garrafa e l,4oore.
|_a_caaada. 1
Azette doce
Superior azeite doo de Lisboa a 6*o rs, a>
garrafa e a 5,ooo rs, a caada.
FU VIO CAPORAL.
Latas com superior fumo caporal a l,8oc-
rs. a lata.
____ PaWM
Superiores passas s 2,5oo o qoarto c
2,6oors.,eseiwk>-emrwrij5o.tera.abatimen- 9,5oors.-acaixa de arroba hespanhola &a
to, tambem ba proprlo para negoeio de 2 a KRri r*. a
;'."


B01I1
2,4oo rs. a libra.
dem preto superior de l,8oo a 2,5oa rs.
a libr.' V ^
Blscoulos
Lata com superior biscouto inglez de di-
versas marcas a l,2oo rs. a lata.
Il.luchloh^
Latas com- ijolacbinhas da acreditada fa-
brica do beato Antonio, proprias para dar a
doentes de 2,ooo a 3,ooo rs-. a lata.
dem com quatro libra de bolaebieba de
soda a2,ooo rs. a lata.
Queijoa
Queijos flameogos chegados pelo ultimo
vapor de 2,3oo a 2.5oo rsv
CHOCOLATE
Chocolate hespantiol a l,ooo e l,2oo rs.
a libra* francez e soisso > J-,o%o rs. a libra
e portaguez a 800 rs. a libra, em porclo
ter abatimento.
VINHOS i \
Superior vinho do Porto das majs acredi-
tadas marcas, como sejam: Madeira Secca,
86o rs-. a libra.
GEVKBRA
Genebra de laranja verdadeira a lo,5oo a-
duzia e 1 ,ooo rs. aofrateo.
Genebra de Hollanda verdadeira a 6,ooo
rs. a^asqueira e a 56o rs. o fraeco.
Moro-de Hollanda. em botijas 4oo rs. ca-
da, ums.
GarrafiJes com 24 garrafas de genebra de
Hollanda a 8/)oo rs. a garrafov Tambem
ha garpajas com 5 e 4- garrafa de 3,2oo a
6,ooo r. cadaum.
VELAS
Vetes de spermaoele a 64o rs. a libra.
dem de carnauba de lo a #r,ooo rs
arroba e de 36o a 44o rs. a libra.
.

L3a de c^r-es a 300 rs. o covado,.
Cambraia franceza a 260 rs. o covado.
Finos orgaudis a preco de 800 re a vara.
Lencos brancos para algibeira a 2*000 a duzia.
Fin;is perdaras a preco de 400, 440 a 560 rs. o covado.
Ricos cortes de 15a de barra de 10* a 30*000.
Chales de fil preto e outras muitas fezendas.


PEfiE
Peiae em latas j proparado de l.ooo a
l,2oers. a lata
ALPISTA E PAINCO
Alpista e painco muito novo de 3,8oo a
4,ooo rs. a arroba e de 14o e #60 rs. a li-
bra.
CHARUTOS.
Superiores charatos do fabricantes Simas,
Duque do Porto, Velho Secco, Lagrimas do | Imperiaes, Delicias, Parisienses e outros de
Douro,Mara Pia, D.Loia, Pedro V, Lagri- %2,5oo e3,ooorsv a nnia caixa: timban
* RA DO BBUM M 8.
i
O uronrietario deste estabelecimento deseja chamar a atiendo dos seohore pro-
prieurios aos acre litados mechanismos que continua afornecer ; os quaes garante ser,
como sempre, da melhor qualidade possivel:
Machinas de vapor
ftii-rj de 2 "a cavallos para cima. As menores sao mui proprias para motore sde
!arocameptpsaeag.do; as maiores para moer canoa; ta tamben que podempj^a
u padmente moer cuna e descaro^ segundo suas proporcoes Estee vapor
sao mpfissS na Cv*ustruc# e se regem por qualquer pessoa_ miel .gente a facilidj-
de da conducgo sendo especialmente considerada tanto que nao balug.r em qm nio
:t ssamconiur, qur por trra, qur embarcado. Ha com moldas juntas ou sem
'-.lia- epodem-se applicar a qoalquer rnoenda j esistente sem outra mudaoca do que
. sostfS das rodas da almanjarra. Ellas tem depos.tosd'agua e boe.ros de ferro,
o:) precisan! para o seu asseotamento de obra alguna, quer de carapina, quer de l-
veo ira. O tempo para a5senta-las nao excede de doze das ao mais. e em casos de
raorie e animaes ou arrombamentos de acudes, etc., W^m^m^mmm
o.to dias. Lembra-se aos senhores de engenho que a venda dos an.maes e o wrvijo da
ente occupada no seu tratamento osh5o de recuperar da maior parte da despeza do
Lor deixkdo-les a vaotagam de urna moagem certa e acoderada; e icataado commi
desbeza da compra continuada de novos an.maes. com os desgostos do trabalbo que
Se L'3ia RodM d'agaa de ferro, mui maneiras e moendo cora qualquer altura
dagUa'sarllho com crucetas de*ferro para as mesmas, quando se desege ftzer
e resto da roda de madeira, tomando-se assim a roda ligeira no trabalho.
Moendas de cana de todos os lmannos, desde as ma pequeas chama-
das do sertao. Obra perfeita em feitio e acunhamento.
aao ao serwo^ u^ i^ jangliiaPeg de todos osUmanhos e proporcoes.
a'aroes u coches para receber o caldo. J* .-
Crlros de fornalba para assentamentos, frescos para o foguista, fazeodo
erande cal r com pouco combustivel, e duradouro.
Portas de fornalba de todos os tamanhos e de diversos systemas.
Pomos e moiahos para a fabrica de farinha e tambem chapas redonda*
p;ra fornos pequeos.
ionwas simpies e de repucho.
Taixas de ferro balido e fundidp e de cobre.
Foranas de ferro batido galvanteado para purgar assucar, leves para carregar
e isetnptos de quebrar-se. ... .. ,.
\laoabiques de ferro de todos os lmannos, custondo so a terca par* da
proco dolde" brS mal regulares na dlatillaclo e igualmente duraveis.
EUos e rodas de carro com mang. s de patente, obra mu segura para
':a;regaAradosS,grades, cachados a carasio e outros instrumentos de agr^
temos Suspiros, Havaneiros, Ligueiros e
outros muitos que vendemos por mdico
preco.
Licores
Licores francezes e portoguezes a l.ooo e
l,4oo rs. a garrafa ou frasco.
Doces
Do:e da casca da goiaba em caixes e la-
tas a l,2ooocai)io e ,8oors. a lata.
Frotas
Frotas em calda e era latas fechadas her-
mticamente, moito bem enfeitadas, conten-
ameia rainha Claudia, al
mas Doces e outras mancas a l,ooo a garra-
fa e 9,ooo a 12 ooo rs. a duzia.
Vinho Figueira e Lisboa das melhores
marcas a 4oo e 5oo rs, a garrafa, e a 3>,ooo,
3,5oo e 4.000 rs. a caada.
Superior vinho cbamisso em barril a 64o
rs. a garrafa e a 4,5oo rs. a caada.
Superior vinho de Lisboa e Figueira em
anceretas de 8 e 9 caadas a 2i,ooo rs. a as>
coreta.
Superior vinho branco proprio para rais-
sa a 640 rs. a garrafa, tambem ha maisbai-
xo para 4oo, 5oo rs. a garrafa e 3,2oo a
3,5oo a caada.
Caixas com urna duzia de garrafas de su-
perior vinho Bordeaux a 7,ooo rs. a caixa e
7oo rs. a garrafa. .
CAFE
Caf do Rio de l.1 e 2.a qualidade de
6.800 a 8,2oo rs. a arroba, e de 24o a 28o
rs. a libra.
SAB&O
Sabio maca de primeina qoalidade de 18o -dozia ter abatimento. -
a 22ors. a libra e de 16o a 2lo rs. sendo BATATAS,
em caixSo. Gigos-com 3o libras de-batatas a 1 ,ooo rs.
Sarveja **>- samwhas...
Superior servia _B^Sudos fflelhores a- Latas eom sardiahasi de Nantes e Lisboa
de 4oo a 46o rs. aiate.
Novidades do Vigilante
RA DO CRESPO N. 7.
Este estabelecimento apezar de sempre
se achar bem sortido como todos sabem
boje mais que nunca, nao so pelo que rece-
be de soa propria conta, mas tambem pelo
que recebe de consignaces; parece sem
duvida que deve offerecer grandes vana-
gens para o respeitavel publico tanto em
precos como na escolha dos ob}eclo6, e co-
do pera.pecego, amena ranina uiauuia, ai m0 acaba de cnegar graQC|e r^oessa pelo
perche e outras frota? a o> rs^-a lata. r Douro e o navio Solferino de
Tambem ha latas grandes para l,2oo rs
lata.
AZElTEDEREFINAOa
Superior azite francez refinado a 8,ooo
rs. a garran e a9,ooo rs. a duzia.
MOLIIO ING1EZ SAUCE
Moho inglez Siuce em frascos grandes
com rolha de vidro a l,8oo rs. o frasco em
circua.
E finalmente todo o objecto de que possa precisar um engenho.
Machinas de descarocar algod&o.
Na fabrica se fazem obras novas encommenda e concertos, com a maior preste-
, solidez O grande deposito de pecas e objectos habilitam-na muito para esteflm.
O proprietario ser sempre mui feliz de poder ter occasiao de dar informa** oo
e>.;:arecimentos aos-senhores qoe seservirem de seu presumo.
D. W. Bowman, engenheiro.
bricantes, como sejam; Shlers & Bell. T. F.
Ashe a 7,5oo e 7,ooo rs. a duzia e a 7oors.
a garrafa. Tambem ba de outras marcas
como seja: Victoria e Alcope a 5,ooo rs. a du-
zia e a 5oo rs. agarrafa.
------B'JfOES VASIOS..
Boioes valios\; louca ikgteaa muito pro- parado a 61o, rs. a^ ata.
pria para manteiga e deposito de doce-de 4.
a 12 libras -a l,2oo e2,5oo.
FAWNHA DO MARANHO.
Farinha do Maraoho a 240 rs. a libra.
SAG'.
Sag muito novo a 4oo rs. a libia
ARARUA.
Araruta verdadeira a 4oo rs
ervadoce, alfazema, tijollo para limpar facas pa-
litos para denles, palitos de fogo, e ootros muitos gneros que se tornara enfadonho
mencionar, alfitacando cineeridade aos precos e o bom acondicinamelo de. qualquer
enro- _______ ____:
..---------------------------------1>*.------------------------------------------------------------------------------------- "-*"----------------------------------------------------------------------------------
Farello
em saceos grandes a 4#500: nos armazens
de Taw Irmos.
. Abra.
i, caoella.



Rl 1 111 CADEIA I 5 A,
i i
CiuiDaa a ter grande e completo tortimento de
31achinas americanas para desearomr alwtao
dos raelhors fabricantes de 10, ii, 14, 16, 18,', 8. 30 e 35 serroi qfte aa vende por freco resu-
mido, em eoosequenoia do al'.marasflte u ter ree*iao de coala pnprt dos Eatados-oM?.
FUMO AMERICANO;
Superior fumo em chapa a 040 rs. a libra
ERVlH.%8
Latas com ervilhas e feijo verde j pre-
Latas com l libra de massa de tomate a
6lo a lata.
VERMUTH
Esta bebida 6 muito fresca e estomac il e
muito propria para a presente estaejio. a
qaal vendemos, a 2,oon rs. a garrafa e 180
a duzia.
ROMANCES BAR4T0S
Veodem-se, na livraria da praca da Inde-
pendencia n. 8, a 400 rs. o volume, os ro-
mances pbrtuguflMseguintes, embrochura:
A voz do sangoe, 2 volumes.
Connemara, 2 ditos.
A noite de S. Silvestre, 1 dito.
O fflho de Titiino, 1 dito.
Adonil oo o bom negre, 1 dita.
As dais amadas, 1 dito.
O pacha de Buda, 1 dito.
TrilbT, i dito.
Ignez da la Sierra, 1 dito.
Joven Siberiana, 1 dito.
Vende-e ou alega se um terreno com duas
(rentes para a roa do Bro n. 21 e para a ra dos
Guararapea o. M, mallo proprto para deposito de
carvao, adIraottArrilafelois, por ser grao-
de, ter cacimba e tres telhairo?, e um caixo de
casa em respalda: *irttr m roa da Cruz do
Recife n. 59. }____________
- Na fbrica *> vioadre, roa Imperial n. 1,
prozimo a eslao do camiuho de ferro, vende se
vinagre tinto sOperter em qualidade a ottro qual-
quer, e por preco mdico, assim como braoeo
incolor.
Gomma de milh) forneo
americana
, Fsla prnrifa ffr-nlf, "4 yraiiriadades medi-
cinaes a imprensa-ewapea taato lera exaltado para
a cora das molestias bem orno alimento ado e itriKvo para as crl-
acas, prestando se a variados preparos enlinarios.
A geral aceitacao qtiIJa lem obtldo por toda a
parte o seu maiorelogio : vende se nicamente
na ra do Imperadpr n. OT.armarem Atlianca.
- i li .'llf nW "
Para os bailes nascarados.
A aguia branca est vendendo por baratisstaos
presos, para acabar, o objeoto sejrnloles, qne ser-
Sn mu bem aos que toroam parte nos bailes mas-
raaos, sendo:
Mitas de seda a 16 o par.
Entones de dores a i*, 25 e 3# oada ora.
.sde 3Mata a vara,
com ponas cahldas.
l BapiMi
apor
diversos objectos de gosto e proprios do
tempo dos quaes se mencionado alguns,
por n5o ser possivel mencionar todos. O
dono deste estabelecimento espera a pro-
teccao de todos.
Riquissimas caixinhas ornadas e com
msica propria para um delicado mimo.
Caixinhas de msica tanto de veio como
de corda.
Ricos porta joias e necessarios.
Riijuissimos est jos a feitio de um bausi-
nho ou cbapeuzinho.
Ditos em casca de noz e de outros gestos.
Leques de madeperola de sndalo e de
faia e madeira. f
Ghaposinhos e touquinhas de mqito
gosto para enancas.
Meias e gapattiihos de seda para as mes-
mas.
Meias de seda para senioras.
Capellas e grinalds de flftres^roprias
para casamento.
Enfeites e capellas de muito gosto para
seuhora.
Riquissimos porta boquets.
Boquet de flores com urna borrachinha
com cheiro.
Luvas verdadeiras de Jovin. ,
Ditas de seda e de Escocia.
Riquissimas plumas e guanricSee par
enfeitar chapeos.
Gontas e tubos de ac branco, qoe ba
moilo se desejava para enfeites.
Brincos, flvellas e cruzes de crystal.
Fivellas e cruzes de tartaruga, madripe-
rula e dourados.
Alfinetes para gravatas:
Botos com croas para punhos.
Gravatinhas e mantinbas de muito gosto,
tanto para hornero como para senbora.
Riquissimos aderecos pretos, assim como
caixinhas com a'finetes pretos.
Bengallas de canna com cabo de marfim.
Ditas de bjela, borracha e de outras
muitas quadides, aasimeomo chicotiohos.
MACHN4S DE PATENTE
DE TRABALHAR MO PARA DESCA-
RGAR ALGODAO
FABRICADO POR
PLANT BROTHERS & G.
OLDAM.
Estas machi-
nas pedemdes-
caroear qual-
quer especie de
algodao sem
estragar o fio,
sendo bastante
duas pessoas
para o traba-
lho; pde'des-
carocar urna
arroba de al-
godao em ca-
rneo em 40
minutos, ou
18 arrobas por dia ou cinco arrobas de al
godo limpo.
Assim como machinas para serem movi-
das por animaes, que descardeam 18 arro-
bas de algodo limpo por dia; e motores
para mover urna, duas ou tres dessas ma-
chinas.
Os mesmos tem para vender um bellissi-
mo vapor que pode fazer mover seis destas^
machinas mencionadas; para o que convi-
dare aos senhores agricultores a virem ver
e examina-lo, no a mazem de algodio, ao
largo da ponte nova n. 47.
Hauaders Brothers ** c.
Recife prafa do Corpo Santo n. i i.
Os nicos agentes neste paiz.
O castalio de Grasville.
Tradniio do francei por A. J. C. la Crax.
' Vende-se este bello romance em quatr
tomos pelo baratissimo preco de 3500C
oa praca da Independencia, livraria ns.
6 e 8. ...
Frameisco Jos Germano
RIJA NWA N. 22,
acaba de receber um lindo e magnifico sor-
timento de oculos, lunetos, binculos, do ul-
Jlmo e mais apurado gosto da Europa e ocu-
os de alcance para obse/vac5es e para os
maritlmos.
Manual do Cidadao
Vende-se o Manual do Cidadao em um
Governo Representativo ou principios de
Direito Publico Constitucional Administra-
tivo e das Gentes, por Silvestre Pinheiro
Ferreira, em 3 voluines broxurados por 34
cada obra : na livraria o. 8 da praca da
Independencia.
Vende-se um preto proprio para todo servl-
(o e orna preta boa qnitandeira : a trabar na ira-
vessa da Madre a^e Daaa pt8.
Roopas feRis
as qoalidades
.Vende-se roopa feto," sentfo ealcas de cores e
Riqossimos pentes de tartaruga do olti- pjrto a jjt dlllis dB brim branco de ifnbo a 3,1600
mo gOStO; assim con de arregaCO para e calcas de caseraira prela a6#; 84 e 8*. d-
menina pois neste artigo ha um completo '*e core, m*ia cuemira, a tu
rLlLZ j. !*,. n.iwd^ > casemira a 6, 7 e >alelots de brim
cores a U, 34800 e 34, di los da brim braoeo a
sortimento. de todas as qualidades.
Diademas par* caneca do ultima gosto.
Riquissimas filas lavradas e lizas.
a 4J500, ditos de alpaca preta a 34 e 44, ditos de
casemira de cores a 44, 6, 7, 8 e 104, dMas de
panno prelo a 64. 7, 8 e tu*. ceetM da orea a
Trancas pretas com vidrilho e de cores. **>. d^m,rt3*-e<**> oerojaia rrwoeza a
DnhXaa tanin riara pnhnn romo ara i*M0 e 8**>0, hweaaa.flM tanacas e
Pulsen as tanto para sennoTa como para ^^ de coni, j^e 1,1500 lltlt iMhsaaJn M
meninas. nho de pregas largas a S|SO,. 34 e 3m : na
Ligas de seda- e de algodao. 1 >aa da imperaiat lufa da-Arw r.-4Hg-______
> masseira d.ram7ri!o en per-! Suspensorios de geda e de algodio e mui- Lux s dbJailii tretas t eitras
perlence3 par lima padaria, ^ rjjjtrOS ObjeCtOS que 8 nO podem-aa- Cflres
TtrSar^VStt I G^g.r.m paradoja de-miudaus : oa raa
t SttO Gallo Vigilante ra do Crespo n. 7. Qoeimado n. 15
f r
V

-



JHMI


V
X
'..
^if^MWSWWlPwWhti *"f***J^4 J***1*e .*W(8i*t
y
4 SALSA FABMLHA Bfi AV8
PARA A CURA RADICAL
de escrfulas e molestias escrotatoaas, turnare*, ufan, ehigu, toidM: ve-
lhw, broicbocel9pporea'parir, a sypbilis, enfermidades venewaBoaaner-
cariaei.
WQgMWWk
* t lta 4a naperatrt* araaazeai
d pw< larga 1.
ttwMt9r^Tf^Mtnftt n'acccaa
Paredes Porto. ., ,
Neste estabelecimento encontrar o respettavel
publico om variado sortirhsnio de fazendas franee-
ras, raginws, sobaas e ailemies, que se veodero
por prego commodo.
Paredes Parto
Vende chales de renda de cores que se vnde-
nla a 189 est vendendo por Sil, ditos prelos, fa-
xenda nova, 3$,6$, 8$ a 205, um soriimento com-
pleto de manteletes, capas e sootambarrjues 14$ t
26*. Itua da Impera mi n 42, jauto a padaria fran-
ceza, armazem da parla larga.
Paredea Poeta
Receben om completo soriimento de laasinhas a
240, e t80 rs. covados, para acabar, cambralas de
cor a 240 rs. o covado, riscado escossez para ron-
Ki de menino, fuslo de linbo a 420, 400 e 600 rs.
na da Imperatriz n. 52 jauto a padaria franceza.
arnazem da perla larga.
Preles Parto
Receben para cortinados para cama franceza a
11$ a pep cambraia lisa fina a 3$ *$ al 10$ a
peca, cortes de tarlatana de bonitos goslos a 3$5O0
44, cambraia com flor de seda, gostos inteira-
meato oros a 00 e 500 rs. o covado, no armazem
da porta larga n. 32, rna da Imperatrix junto a pa-
daria franceza.
Paredes Porto
Bocecen pefo ultimo paqnele orn soriimento de
crines coa pedos para o pescoco, bonitos caiinels ,
de lia para pescoco de senhora. Ra da imperairi es mais prevalecentes e umversaes que ha em toda a extensa lista das enfermidades qoe
GUADE ESTABfiUl' 1MEK10
100
60
o. 52, armazem da porta larga.
Paredes Porto
Vende cortes-de gorgurao preto para vestido com
21 covados cada um 354000, grsdenaple preto a
14600,14800 e 24 o covado, lias lizas Anas a 400
rs. o covade, las de quadrinbo para vestido, entes-
tada,, a 220 rs.-o covado. Ra da I me eratriz n. 52,
armazem da porta larga.
Ronpa feita
Rna da Imperatriz n. 52 armazem da. porta lar-
ga jnnto a padaria franceza, encontra-se neste es-
ubelecimenlo um completo soriimento de paletos-
-accos e sobrecasacos, de todas as qualidades, cal-
cas, colletes, ceroulas, camisas, grvalas, meias,
chapeos de sol, ditos francezes para cabeca, por
precos commodos, ronpa para menino e ontras
omitas fazendas por precos commodos, armazem
da porta larga.
o mesmo estabelelmento encontrar o respei-
tavel publico, sempre um completo sortimento de
ronpas fetas de todas as qnalidades, cerno sejam
paletos de alpaca preta ede cor, ditos sobrecasa-
cos a 44 e 54, ditos de brim pardo a 24800, 34 e
34500, ditos finos a 44, ditos meias eazemira a
34500, 44 e 54, ditos eazemira saceos a 64, 74,84
e 104, ditos sobrecasacos a 10 e 124, ditos de pan-
no saceos a 64, 84 e 104, ditos sobrecasacos a 124
e 254, ditos de merino preto a 64, 74 o 104, cal-
cas de brim de diversas qualidades a 14800 a 44,
ditos brancos a 24500 e 6400, ditos eazemira 54,
64 e 74, ditos prelos a 54,64, 85 e 104, ditos
meias cazemiras a 34 e 44, coietes de diversas
qualidades, seronlas francezas de algodao, ditas de
uno, ditas de bramante a 24 e 24500, carnizas de
algodao de lioho francezas de 24500 e 34- Gran-
de pecbincha neste genero, grvalas de todas as
qualidades e brancas para casamento, grande sor-
iimento de meias para senboras, ditas para bemens
a 34, superiores a 34500 e 44.
Um completo soriimento de chapeos de sol de
alpaca a 34, ditos de seda a 54, 74, 104 e 144,
ditos francezes para cabeca, grande soriimento
a 64.
Pichincha adaiiravel.
Grande sorttoeuto de chambres a 45600 e 58,
lenees de cambraia para bomem a 25 a duzla, di-
tos de Irnho a 45 0 55.
Grande sortimento de roupa para meninos e on-
tras muitas qualidades que serta enfadonho men-
ciona-las.
Paredes Porto
Recebeu pelo ultimo paquete francez ricas lias
granadinas com flores de sed* 400 e 500 rs. o
covado, esiao acabaodo-se, cambraia prela para
loto. Porta larga junto a padaria franceza, a rea
da Imperatriz n. 52.
Paredes Porto
Receben pete ultimo paquete espartilhos a pce-
guicoso por 3, si bons, lencos de seda parase-
nbora e bomem a l, ricos cortes de cambraia
bordados de 18g a 7*, por ler um toque de mofo,
eslise acabando, na rna da Imperatriz n. 52, jun-
to a padaria franceza.
Paredes Porto
Vende um completo sortimento de fazendas
brancas, como sejam madapolao a 45500, 55, 65 e
100, pecas de algodao por barato prego, chita fran-
-ceza a 240, 280. 320, 360 rs. o covado, precalias
muito finas a 360, 400 rs. o covado, chita ingteza
;200 e 240 rs. o covado. Rea da Imperatriz n.
52, junto a padaria franceza.
Fazendas.
Vende-se -superior merino preto proprio para oa-
oa de sendera e vestidos a 24, lustrina da China
a 14800 o covado. Rna da Imperatriz, porta larga.
Paredes Porto.
Vende eme-ea estabeleciraento tiras e ntremelos
oordados, grande sortimento de corplnhos rica-
mente bordados a 34, 45 e 55. S6 o Paredes Por-
to, rna da Imperatriz no 52; porta larga junto a
padaria franceza.
AS MOLESTIAS DAS MULHERES
retnef, menstro doloroso, ulcerarles do tero, flores braneas, etc., Icera-
o3o, debilidade,- expoliarlo dos ossos, a nevralgia e convulsoes epitepticas
qoando caosSdas pela escrfula. -
.;' pySIPEUS ERPES; ETC.
Kneruildades cutneas, erupeSo, borbnlbas, pstulas,
ascldas, ete.
O eitracto composto de salsa parrlha, coleccionado pel Dr. Ayer, uma
combinacSo dos jnelhores depurativos e alterantes conhecidos medicina; confeccio-
nado segundo as regras da sciencia, approvado e receitado pelos prineiros mdicos dos
Estados-Unidos, da America do Sul e Central, das Antilhas, do Mxico e das Indias, e
nanitas outras partes do mundo : o resultado de estudos apurados e minuciosos, e de
experiencias feitas pessoalmente pelo Dr. Ayer, por muitos annos, nos principaes hos-
pitaes e enfermaras da America ; tem sido approvado pelas academias de medicina e
juntas de hygienne das principaes capites da America do Norte; paraprova disto vede
os attestados authenticos ao Almanak e Manual de Saude do Dr. Ayer, os quaes sedis-
tribuem gratuitamente nos lugares onde se vende o remedio.
A SALSA PARILHA DE AYER
Especialmente efflcaz na enra das molestias qne tem sua orlgem
na escrfula, na Infeecio Teneres, no uso
excesslvo do mercUi lo ou qnalquer Impureza do sangne.
A molestia ou infeccao peculiar, conhecida pelo nome de estrofula, um dos ma-
la* da imperatriz, %
GAMA & SH,VA.
LOJA E AittlAZllM DB FAZBNDAS.
Tndo os propietarios deste grande esiabeleci-
mento feito um grande abatimenlo em muitas de
snas fazendas, pela occasJSo do balaogo que deram
no ultimo de dezembro de 1865, resolvern) vender
muilo mais barato do que costuinam abm de oada
vez mals agradarem aos seus numerosos fregu
zes ; por tanto Ibes offerecem nm arulado sorti-
mento de fazendas francezas, ingieras, as qnies
veederao mais barato do que em ouira qualquer
})!,.rie^0TTeUeild0se a miaiit lev?r9M"'er anas de quad7iOhos"a"480 SVT, dTs'enfea
vA.Lm ^ los freguezes qne nao Perem daS ,400., ditas malhizadas a 320 rs, ditas
HLlE' a darem as ,mJ0/tras' de'Ddefh:ar transparentes com palma de fedas 400 rs, ditas li-
o penhor, assim como convidara as pessoas, que Mg e com salplcos a 500 r., para acabar na lija e
negocian) em menor escala, qne nesle grande esta- armazem do Pavo na ra da Imperatriz b. 60. de
belecimento encontrarte trm gtande sortimento Gama & Silva
si; sst^qffsa sssKRpoupeiina8 **m* ^ e 500.
Cortes de cambraia-. qb palmas na k.ja do
Pav3o.
Veadem-se cortas de cambraia branca cem pal-
mas, sendo fazenda muito boa, pelo baralisslmo
preco de 25500 para acabar; na toja e armazem
4o fa*aom rna da Imperatiiz n. 60, de Gama &
Silva. 4
Lencos brancos a S^OOO veis a
duzla.
Vendem se lencos brancos fazenda muito boa
pelo baratissimo preco de 25 a duzia, Ditos com
reama.
^jj r
Superior grsdenaple prlo a 14600.15800 e 25,
e ouiro multo largo a 24800, 34 e 3&200, e o supe-
rior molre-amlqae a 24800 e 35, seda preta larra-
da a 14 e tat09,<* setiaa preto a 34500; na toja
do Pavao roa da Imperj tnz n. 60.
Corles de vestidos^
Pretos a 304000.
Vendem-se corles de vestidos pretos bordado a
forra de cor a 24000 isto pira acabar na loja do! '* ^tonV^t % fara Matar' M
Pavao na ra dalmperatriz n. 60 de Gama I Sil- de Graa & Silva.
va.
GR.NDE PECHINCHA!
Lasinbas a 120 rs. na leja do Pavo
Vende-se lsinhas pretas proprias para lulo sen- i Peratnz n. 60de uama & Silva.
o boa fazenda a 120 rs. o covado. Ditas moitOi NOViIiP^ h ArHrfl
Laasinhas matisadas a 320 rs.
Vendom-se as mals lindas laasinhas matisao'as
com os mais bonitos desfnbos, pelo barato prco do
320 rs. o covado ; na loja do Pavo a ra da bu-
zas, sendo com o dinheiro a' vina.
Pecbincha a 8*000 e 805OO
AS MELPOMENES'DO PAVAO.
Vendett-se bonitos cotes de melpemeoe para
vestidos de senhoras, sendo dos padr5es mais mo-
dernos pelo baratissimo Drcco.^e 35000 cada um..
Ditos de indiana, tenno bfcr e mera varas, pelo
baratissimo preco de 24500 rs.
Isto para acabar u loja do Pavo, ra da Im-
peratriz n. 60, de Gama 4 Silva.
As toaihas de ho do Pavo.
Vendem-S3 superiores toalbas de linos para
rosto pelo baratissimo preco de 74500 a duzla ou
a 640 cada urna.
o covado na loja do Pavao.
Vendem-se poupelinas muito finas sendo fazenda
uito moderna de quadrinhos e liza vendendo-se
pelos baratos precos de 400 e 500 rs. o covado na
Oja do Pavo na ra da Imperatriz n. 60 de Gama
& Silva.
Grosdenaples pretos do Pavao.
Vendem-se superiores grosdenaples pretos pelos
baratissimos precos de 15500, 15600, 15800 e 25
o covado, sendo fazenda muio boa, s para aca-
bar : na loja e arnazem do Pavo, ra da Impe-
ratriz n. 60, de Gama & Silva.
Bramante de linbo do Pavo.
Vndese superior bramante de linho com 10
atacam a nossa ra?a;, disse um celebre esefiptor da medicina que mais de orna terca
parte de todos aqueles que morrem antes da velhice sao victimas, ou directa ou indireo -
t
lamente de escrfula; por isso s" nqo 15o destructiva, porm a principal causa de
rauitas qutras enfermidades que n5o ibe s3 geralmente attrituidas.
E urna causa directa da tsica pulmonar, das molestias do flgado. do estomago
e- affecfSes do cerebro; entre seus numerosos symptoma's aebm-se os segamtes: falta
de appetite, o semblaste plido e enchado; as vezes de urna alvura transparente e outras
vezes corado e amarellento irregular, fraqueza emoeza uos msculos ao-redor da boc-
ea; digestao fraca e appettite, falta de energa; ventre encbado e evacuago irregular;
quando o mal tem seu assento sobre os plmes urna cor azulada mostra-se em roda dos
olhos ; quando ataca os orga"os digestivos, os olhos tornam-se avermelbados; o bali-
t ftido, a linsua carregada; dores de cabeca, tonteiras, etc. as pessoas de disposi-
escrofulosa apparecem freqrienteente erupces na pelle da cabega e outras partes
o corpo ; sld predisposta's s affecfes dos pulmes, do figadr, di s ritas, dos orgfios
digestivos e uterinos. Portante, nao sao rnente aqueles que padecer das formas ul-
derosas e tuberculosas da escrfula que ne'cessitam de protecc5o contra os seus estragos;
todos aqueles em cujo sangue existe t virus latente deste terrivel flgello (e s vezes
Hereditario), estSo expostos lambem a soffrer das enfermidades que elle causa, que slo:
A tisica, ufceragoeS de figado, do estomago e dos Mfts; eropes e enfermidades
eruptivas da cutis, rosa ou erysipel, borbulhas, pstulas, nascidas, tumores, rheuma,
carbnculos, ulceras e ciagas, rneumatismo, dores nos ossos, as costas e na cabeca,
debilidades' femininas, flores brancas causadas pela uteeragio interior, enfermidades
uterinas, hydropesia, iodigesto, enfraquecimento e debilidade gerai.
Offerecemos a estas pessoas um abrigo seguro e om antidoto efficaz contra esta
molestia e suas consequencias na
SALSA PARRLHA DE AVER
que opera directamente sobre o sangue, purificando-o e expulsando delle a corrupgao e o
veneno da molestia; penetra todas as partes e todos os orgts do corpo humano, livran-
do-os da sua accao viciada e inspirando-Ibes novo vigor. um alterante poderossimo
para a renovaclo do saof e, e d ao corpo j enfraquecido pela doenga, forgas e ener-
gas renovadas como as da joventude.
E tambem o melhor anty-syphilitico conhecido
cura permanentemente as ptiores formas de syphilis e as suas consequencias. Pouca
iecessidade ha de informar o publico do inestimavel valor de r remedio que, como
este, livra o sangue desta corVpc3o e arrebata a victima das garras de urna morte lenta
ignominiosa, portri' inetitavel, se o mal n3o logo combatido com energa.
um poderosissjmo alterante para a trenovagao do sangue e para dar nova for-
ga ao corpo j enfraquecido pela doenga.
Sendo composto de productos \egctaes, esie medicamento innocente e ao mes-
mo tempo eficaz, um fado de immensa importancia para aqueles que o tomam ; por-
que muitos dos remedios alterantes offerecidds ao publico tem por base o mercurio ou o
arsnico; e sendo assim. bem qne s vezes podem effeciuar curas, com ludo deitam snas
victimas carfegadas de urna lotiga serie de males, muitas vezes peior do que o mal ori-
ginal. A nica coua necessaria para ooler una cura radical sg'uir com juizo e cons-
atncia as direcgSes que acompahnam cada frasco.
N5o pretendemos promulgar,' nem queremos que se infira qne esta composigSo a
um remedio infallivel paia a cura re todos os padecimentos humanos; infelizmente
escrfula ea syphilis sao enfermidades tao satis as suas nalurezas, e arreigam-se tSo
firmemente no systema,'qu muitas vezes evadem resisten aos medios mais pode-
rosos que a sciencia bumana pode inventar para combate-las: o que dizemos que o
Extracto composto de salsa pamlha de Ayer
a melhor preparacao al hoje desooherta para estas e outras molestias anlogas, que
urna combina';-o dos alterantes mais-etiicazes conbecidos, e que esta com bina cao lem sido
regulada por longas e laboriosas experiencias, e finalmente que temos consciencia de of-
ferecer ao publico o melhor resultado que possivel produzir, da intelligenci^ e pericia
medica dos ossos lempos.
Este remedio dve 'ser tomado com systema e regularidade, e n5o com abandono,
pois um Femedio e nao bebida.
Quando as molestias do figado nao tem sua origem n escrfula, o remedio
mais proprio as pilulas catba ticas de Ayer, que sao efficazes na cura da molestia, que
m por causa um desarranjo dos orgos digestivos. Pedi a salsa parrlha de Ayer e
nao aceitai onlra preparacao.
Gnardanapos de **. adamascado parames, a tt%*Sffi&7S%.SZ
como panno de lioho muito fino pelos baratissimos
Superior atoalhado de linbo com oito palmos de ,
largura sendo branco pardo, e vende-te mais ba- L^i6.6^.00.!.8^ lJ'iS.L'iMJ!'
PECHINCHA.
Fazendas prelas para a quaresma.
Arara vende grsdenaple preto a 1#600
Vende-se grsdenaple preto bom a 1,8600, IW00
e 2$ o covado, dito muito largo a 2500 e 800
o covado : na rna da Imperatriz loja da Arara
n. 36.
Moreantique da Arara a 2(5800,
Vende-se moreantique preto para vestidos mui-
to bom a 280O e 3# o covado, alpaca preta para
paletots e vestido., a 500, 60 e 800 rs. o covado,
merino preto muito bom a 3> o covado : oa ra
da Imperatriz loja da Arara n. 56.
Arara vende as saias a 3^500,
Vende se saias bordadas para senhoras a 35300
e 15, gollinhas bordadas a 240 e 320 rs. raa
urna : na rna da Imperatriz loja da Arara n. 56.
Chapeos d sol da Arara a i #400.
Vende-se chaposlnh s de sol para meninos a
i400 cada nm. camisinhas para seniora- a i>.
3p e 4Jt : s Arara ra da Imperatriz r. 56.
Arara vende os vestidos bordados a k&.
Vende-se cortes de vestidos brancos bordados a
niS tfo"que"em'Siropart;*?loja*rPav^'na rna | ;T<;?,0v!,PaV0, rUa "a Imp6ratrZ D- 6'"de Ga" 2R l5If n'?t,*& b0^Oi ';
da Imperatriz n. 60 de Gama & Silva. Im *%% : seda a 7* 9f d? Imperalm d. 36.
Os corninhos np spda nrptos do Pavao Caibraias lisas do Pavao. Os baloes da Arara a 2tf.
Vendm d Lk r,i rninhof *Vpafnre Vendem se pecas oe cambraia lisa muito supe- Vende-se baiSes de arcos de todos os tamantus
torrS^^ e 33500 a pega, J f* 3*. 9mle 4, saias bordadas a 3500 ,
cadaui -n Iota^i^^^^S^SSMiti*mai*a-aa,M>8*' 7* e 8* : Da ,0Ja e : rna da ImpeMriz n 56, loja da Arara,
o CO.Te Ga^a sva. imperatrix arroaMm do Pavo> rua da iffiperalriz n. 60, de Arara vende cortes de laa a U.
fie r-VirUs a atriKroia hmnon hnrA-Aae no >mi & Silva. Vende-se corles de laa noves viudos pelo ultimo
us cortos de camhraia branco- bordados na; PECHINCHA t vapor cora 15 covados pelo barato preco de 9, di-
loja o PavO. a 2,9000, para calcas, s o Pavao. los com barras a 65 : na roa da Imperatriz laja ua
Vendem se superiores crtfs de meia castmira!Arm D-3.- ,
com msela de seda a 2, ditas Garibaldlnas a Arara vende chales de j.
28Q0, ditas escuras a 2^800, on a I#600 o cova- F Vende-se chales de merino estampados i.
do : na loja e armazem do Pavo, rua da Impera- ditos de la a l600 e 1$, ditos de meiin muo
Vendem-se os mais ricos cortes de cambraia ri-
camente bordados com barras e babados a 203 ca-
da nm : na loja e armtem ilo Pavao na rua da
Imperatriz o. 60, de Gama & Silva.
Hice vestido a 8*000 rs.
peehiucua aaniravel.
S o Pavo receben pelo ultimo vapor francez
om grande sortimento. dos mais ricos cortes de
vestidos transparente? i*om nmas barras e enfeites
de seda, sendo estes vestidos muito proprios para
baile* e passeios, e veodem-se plo baratissimo
prego de 83000 rs. cada um, na loja do Pavao na
f?tK?fafflrnf
7-0
V.

^rfttfftrt.'-

ca-ST
Cl CC en
'
X3
:ii3


5
o
09
'o* a
< Z a O-^S M C.


l.o
-o

*9
' w
o
&
B
OQ
3
c 2: ->
lili
"1?
3 S-
I'|
a
a
te
4b
'"i
i
3"2-


i

. Betrf
i
Pernambuco, rua Nova n. 18, pharmacia francezade P. Maurer 4C.
^-----------.-----------------1__L_____ -........UU.'i.lS:------------------ ------'---------
VENDE-SE
So ar2nasm.de U. 4. Uaui*> e llra & Oenro. rua lo vig:irlo
m. U, couitaatenicBte, ossegiilnlra rticos, que
recebem por eucowaieada propria de
x^ MU W M. % W M* Jim. 9
*-
Legitima salsa parrHha deBristol, preparada por Lanmas & Kemp.
Verdadeiraagoa Plorida, prep;*ada petos mesmos.
Gaz em latas de cinco galdes, o mais purificado que se fde desejar da acredi-
tada marca F.W. D. & C.
Retogloe perreros reguladores, oom corda de quatro a oito das, dos afamados fe-
tricantes E. N. Welch.
Grafxa em latas grandes da bem conhecida marca IaSl 8. Masn (dePtiiladrf-
pitia).
Superior oleo para machinas de costura.
Agulhas para as mesnas.
Ureu em harneas grandes e peqienas.
Yend-se tambem:
S4. Eetephe.
; St. Julien.
fL Stargaux.
Medoc.
4.a foaliiiade.
.
i ;
-
1 V.tl
Prinepe Real.
Pedro V.
PORTO Mara Pia. vUj-

Tasso Irmog **
Veodem mi arnazeja toa %
Aserim n. 8ST
Ucor fino Curaco em botijas e eias botijas.
Licores finos sortidss em garrafas cora rolnas de
vMiro e ea liados francos. ,
Viahos Ueras.
Sn6* i o.'-ni ol
uagjberi|n. ,.. ..,, ,tfB A
erttfUfft st
OrgOW., W;qi|
a dM|WMBnf'-; i l"0:!c mq
,*wnd. iiitoi
BoHeanx. ,.,8 tJ ):f(
GJW fcet'irue:;
p 't tS^ "' 6i^
-awmW^T^J
O em Mm ditos oa
Princeza D. Isabel:
Ia oulidajc,. .yitor.SmpaQel,..
I DJMrtiet i idioJ
I^Miiyazu-
Vinho fino do Porto t brti de ^ ity &f. -.;: i o nini wa t.fa Bfool mt-n
'^eripr, vipbo do Rhen. mam*,o
'. Z uti .oto '.! on tj-it^l .: '
a d Lisboa em velas e em grume.
rua da Imperatriz n. 60 de Gama & Silva.
Os chales pretos de renda do Pavo a 8000 rs.
Vendem-se os mals ricos etrale pretcs'de renda
com MM pomas, senda moito grandes pelo ba-
ratsimo preco de %f.
Ditos de guepore a iot, 18l, 20$, 25$.
Retondas de dito a 10$.
Manteletes de renda, lazenda muito superior a
13$000.
Capas e sautbarr brques de grosdenaples bor-
dados, fazenda ioteirameote nwa, por precos mais
baratos qoeem ouira qualqner pane.
Isto na loja armazem do Pavao na rna da Im-
peratriz u. 60 de Gama & Silva.
Oschafes de pavo a 2ooe e 2ooo rs.
Vendem-se chales de merino estampados a 2$
e 2$500 cada um.
' Uitos de merm liso a 3$500.
Ditos estampados de crepon a 6$, 7$, e 8$000.
Ditos pretos bordados com franja de seda a 14$.
Na loja e armazem o Pavo na rna da Impera-
triz n. 00 de Gama & Silva.
Para luto vtude o Pavo.
Sciim da Gbioa com 6 palmo de largura, fazen-
da prela para luto, propria para vestidos e rcupas
para hottens, sendo esta nova fazenda sem lustro e
de muitd boa qualldade, garantlodo-se uao ficar
russa rom o tempo e veude-sepelo barato preco de
2$ e 3$300 o covado, assim como neste e4abeleci-
mento tem um grande soriimento de tedas as fa-
zendas prelas como sejam cassas e chitas prelas,
laas lapadas e transparentes, princesas, alpa-as,.
sarj, etc. : na loja e armazem de Pavo na rua
da Imperatriz n. 60, de Gama & Silva.
Os baioes do Pavao.
Vendem-se superiores baloes de mugulina com
muita roda a 5$., ditos crioolines com 35 arcos a
3$900, ditos com 20 e 23 a 3$, ditos para meni-
nas, sendo brancos e encarnados a 2$ e 2$o00 :
nalojado Pavo na rua da Imperatriz n. 60, de
Gama & Silva.
Cmbraias de forro a I5600 e 2# na loja
do Pavao.
Vendem-se ppcas de cambraia de forro com no-
ve varas cada peca, pelos baratissimos precos de
i$600 e 2$: na loja e armazem do Pavao na roa
da Imperatriz n. 60, de Gama & Silva.
Os cortinados do Pavo.
Vendem-se superiores cortinados adamascados
para camas pelo baratissimo preco de 1$ cada par,
ditos multo linos ricamente bordados para camas
;ou janellas a 15$,. 2 e.25$ o par : na loja e ar-
mazem do i'avu na rua da Imperatriz n. 60, de
Gama &. Silva. '
Panno preto a 2$ na loja do Pav5o.
Vende-se panno reto.-fazenda moito boa, pelo
barato preco de 2$ o covado, dito muito lino a
3$3O0, 4$, 5$e 6$, assim como casimira pieta de
-cordeo a 2$ o covado *. na loja do Pavio na rna da
Imperatriz n. 60, de Guma & Silva.
Os espartilbob do Pavo.
Vendem-se urna grande e variado sorli melo de
espartilhos dos mais bem feitos que tem 'viudo ao
mercado, sendo de todos os lmannos, yeudendo-se
por om preco moito razoavel : isto na loja do Pa-
vo na rua da Imperatriz n. 60, de Gama & Silva.
s saias bordada do pavo.
Vendem-se saias bordadas sendo azenda muito
boa, sendo ricamente bordadas e com muita roda
vendendo-se pelos baratosjjregos de 6$ 89 e 10$
res cada urna na leja do Pavao na rna da lmpera-
trir. n. 60 de Gama ; Silva.
BretaHba de ralo a 3^009
Vendem.se pegas de 1/retan ba de rolo com 40
varas cada peca,, pelo baratissimo prego de 3$ :
na 'oja e armazem do Pavo, roa da Imperatriz o.
60, de Gama & Silva;"
Gama h Silva
Prchincha grande.
OsmadapoSes (fe Pavo.
'VeBd*-se SBpercres pecas wWapolao-, sek
muir largo, mono e*corpado tea do 24 jartM
cada ipeca, pelo baratissimo preoo dt 8$ e 9$000,
ditos a 6$j00 e 7$, boa pechincba, e, vende-=e
na loja e armazem do Pavao, rua da Imperatriz 0.
60de Gama 4 Silva. *
Caxiniraa da eacoeia.
Na loja da Pa-vb io(b4
<*o*ste nova fsenda come-trie *e^- ci-
wialras da escocia sanio mallo eorcwlwna w<
prja-saraflateas^ceiwes, e,y^io^l6ftilp'br*Us
h.op oifm ".'ueiuicl l>i
U ,(.;
'"
JlUi t
tuteJ'
Bdttae; 04 wiol
Mniario.
Na rna do vifanon. 1$K primelro andar.
vjfjraraeitenho, crenlo
para umn^>f
cipiaat.
Veae-se um*loja n8d*as:6H pouoos
dos, muito em conia,.em bem luga* e bem ac
Kda : quem pretender' dirija-s a rua Aag&>,
Na mesma uberna stott! IJdSnYIehi para"vender
nma mabllia. epmpjej dp marejl9;en4n.Q^ iba.
Fran
Port
Bm perfeto e
i ooii eop
jl .8 sib
a& -
ij^ifcuieii-j'i
frmcmtmrU*
qism o vtJMfl:
No armazem
i$ooa
aso Irmos caes *"
8 o
SMd>00039
! -cii t \. '
sm'
T
n'fltl
: Eslmporta^lott'toaeha^eaveBjiia po; 1$
ha livraria fraocasa a'jm-4o Crezpa n. 9,ufu,m-
**-uHh.....

de ia figura e raestre carfiro : a tratar na fu* i fe
iTlr.....Ti ........ni nniwe;
Ovawdo 8trto.
Fazento pk* Ji mP
No arowzeaVda pAita jugt, m> A
os mals ricos chales ds WWiMo, -tfrels*
, con aula roda, aiead taaltim* moda (>ier
" SI l
Vandt-M waadasanao moito frescaas e por
preco commodo : na roa do Queimdo loja n. 14.
Peckiicaa irduiravel
U'SWft.---.* *.. Gomma de nu^oJanco
I ameri
Por.
nas americana* de serrte para ^
ilgbdlo: oa roa da' Sensala Nova u. W.
- ti
s americanas de serrte para^j^caroax Vende-se emaaeotea
armazem
triz n. 60, de Gama & Silva.
PENTEADORES
ou roapes de cambraia bordados proprios
para as senboras vestirem de manbaa.
Ghegoo esta novidade pata a loja do Pavo,
muito lindos e do melhor goslo al boje, pur pre-
cos muito razoaveis : na loja do Pavo, rua da
Imperalriz n. 60, de Gama & Silva.
mantas a igO0.
De pura seda
Vende-se na loja do Pavao, mantas de seda pre-
tas e de cores, lindos gosto pelo baratissimo preco
da 1$000 reis, sao das mas largas, assim como tem
nm grande sortimento de grvalas de seda de cor
bordadas e de setim preto e ditas de setim branco,
e vende per precos muito resnmidoss, o Pavao na
rua da Imperatriz d. 60 loja e armazem de Gama
& Silva.
Chitas roxas
a 6000 reis a pera
S na loja so Pavo
Se vendem pegas de chitas rosas inglezas, sendo
cores Oas tendo 38 covados cada urna pega pelo
baratissimo prego de 6$000 reis, a relalho a 160
rs. o covado, ditas escuras e claras a 200 rs. o co-
vado, lija do Pavao rua da Imperatriz n. 60 de Ga-
ma & Silva, Gama & Silva.
Novidades do Favo
OU PECHINCHA ADMIRAVEL.
Escossezas a 3200
Cegaram os mais lindos cortes de escossezas,
proprios para vestidos, sendo fazenda internamente
nova no mercado; e vende se a 3$20O o corle ou
260 rs. o covado na loja e armazem do Pavao, rua
da Imperatriz, p. 60, de Gama & Silva|
Cassas francezas a 24(> rs. e cavado.
Vendem-se bonitas cassas francezas de eores 8
xas pelo baratissimo preco de 240 o covado.
Ditas a 280, 320 e 360.
S na loja do Pavao, rua da Imperatriz n. 60, de
Gama& Silva.
Chitas a va riada s.
Vendem-se finissimas chitas francezas, com pe-
queo loque de avaria, pelo baratissimo prego de
80 o covado.
grande pechincba.
Assim como ditas inglezas roxas e claras, sem
mofo nem avaria, pelo baratissimo prego de 160 o
covado ; assim como, ditas moito boas a 200 e 240
o ovado, isto na loja e armazem do Pavo, rua da
Imperatriz n. 60, de Gama & Silva.
Grsdenaple preto a 1$600.
E' grande pechincba!!
Vende-se grsdenaple preto, sendo muito encer-
pad e de boa largura, pelo baratissimo prego de
l$f300 o covado : na rua da Imperatriz n. 60.
Riscado* a 190 rs.
Vende-se riscadioho escuro proprio para vesti-
dos ou rcupas para hornero, pero baratissimo pre-
go de 120 rs. o covado : s na roa da Imperatriz
n. 60.
Os cachinez do Pavo.
Vendem-se bonitos cachinez de la ou agazalhos
para cabeca pelo baratissimo prego de 3$000, s
na loja do Pavo, na rua da Imperatriz n. 60.
AJgodozinlio avariado.
Veodem-se pegas de algodozinho sendo muilo
encorpdo, e com 20 jardas, pelo baratissimo prego
de 5$000, por ter um pequeo toque de avaria.
O bramante do Pavo.
Vndese superior bramante de linho cr leddo
3ualro palmos de largura, pelo baratissimo prego
e 800 rs. a vara, dito eom 10 palmos a 2$400 e
2$800 a vara, atoalhado de linho adamascado, alvo
e pardo, pelo baratissimo prego de 2$800 rs. a
vara, na loja armazem do Pavo, na roa da Impe-
ratriz n. 60.
?m iQiiARtn
v^ff AlncbaJoA'ne te doas'lataofas, Isto
'.'
siia 1bjk e artnaz?m do-KtiWrM a Etope'rMrii
o. oOde Gasta A STm. w Vi'iY.
Hovpa feita.
Na. loja 4o. Pa$o
Vende-se peste astabelecimento um grandi
tmenlo de ropas, lnt de panno comctfm_..
e WitMf pel^i^Hme*rcWlii l#W
c4as de caxerarrpa aft$ 7$ ei^NOre*, >!
Ie4t4de p*cno preto- saceos; *A$# ***pjs.
dityfibre^coa,de,papacLfln^inpa^ 18$ e
2!$rJ0O ten, e otrds^ftoViTOoVliufsrta en-
fadonhos aqu reltalos; s naloja'e armase do
Pavao roa da ImperatrU a 604fierta A Sil*.
Ciraatdes e<*hreha>*.
Sediihas ait#ts. s cavado
Sedinhas a 3Wrs.
Setiirhas a i>0 rs. '
?rtde-ietirIbjdfttb ftVIo, d rarte sortlmea-
to de sedinhai llstrada coso as mais beaiUs cores,
sendo os padrn mais ovos <**> leu Modo a* mar-
cado, e vende-se pelo paraiisslmo prego de cinco
tostos o covado, sendo fasenda'nn valem tattlt -----------------
mals dinheiro, e grande pwbfaeha por e tw dos cbaposlonos de p
comprado urna rande portada dast /senda, a
loja e armazem de /aseoda do Pavao, roa da Im-
peralriz n. 60 de
PECHINCHA aDMIRAVEL.
firosdenaple preta a 1 ->G0O
Vende-se superior grsdenaple preto, fazenda
muito encornada, pelo baratissimo prego de l$60O
o covado, sendo fazenda qne val muilo mais di-
nheiro : na loja e armazem do Pavao na roa ira
Imperalriz n. 60, de Gama di Silva.
MANTAS PARA Q PESCOCO
a 1$, s o Pavo.
Vetdem-se bonitas mantas para o pescogo, pelo
barato prego de 1$ : na loja flo Pavao na roa da
Impersliz n. <, do fiama 4 Silva.
ladapoles a 3,500 rs. a peaaav
8 na tojadcl.PavSo.;
iYimdo.se pe*s de madapolio oo com-l jar-
das, pelo baro prego de.3$500 e i$000.
Oiranie pechindia.
' Lasiohas a2t o.-cjwdo
Vende-se bonitas laasinhas com os mals lindos
gestos seoeezes a 2W rs. o covado; na loja do Pa-
vo sa roa da Imperatrh 'B.-MO da Gama & Silva
no d ^Chales demnn.
Rectbpraw-se os mals liMos chales pretos de
renda, assic ootno mais modernas e compridas
retondes, e manteletes da meama Jaz&ada, e vende-
se mais barato que em o'tWra qalfluer parte: na
loia^*fmttettl%Pavao ruada fmperatrlr^
66*siailci*nva.
Casltr a 3(10 rs. a covado.
finos a 4$ e 7$ : rua da Imperatriz loja da Arara
n. 56.
Madapolao enfestado da Arara a b.
Vende-se pecas de madapalo enfestado com 13-
jardas a 4$ e 4$300 dito de 24 jardas a S$, C$,
7$ e 8$, dito muilo fino a 9$ e 10$, pegas de al-
godao a 4$, 5$, 6$ e 7$, dito multo encor; ado a
7$5O0, 8$ e 8$500 : na rua da Imperatriz loja e
armazem da Arara n. 56.
PaDno pr, lo da loja da Arara a 2.
Vende-se panno preto para caiga e paleto: a 2$,
2$50O, 3$, 4$ e o$ o covado : na roa da Impera-
triz loja da Arara o. 36.
Arara vende cortes de cotim para caiga a
imo rs.
Vende-se cortes ae cotim para caiga a l$280,
ditos de brim de eores a 1$400, cortes de ganga
para caiga a i$600 : na rua. da Imperatriz loja da
Arara n. 56.
Cortes de casemira preta da Arara a 3#5O0.
Vende-se cortes de casemira preta para ralea h
3$o00, 4$, 5$ e 6$, ditos de cores de meia ase-
mira a 2$50O, 3$ e 3$500 : na rua da imperatru
loja da Arara n. 56.
Arara vende os chales de renda a 8#.
Vende-se chales de fi' de linlu a 8$ e 10$, di-
tos de seda a 16$ e 20$, retondas de pello de li-
nbo a 109 e 12$ : na rua da Imperatriz roja da
Arara n. 56.
Vestidos a Mara Pia da Arara a 10#.
Vende-se cortes de la a Mara Pia a 10$, 12$,
16$ e 20$, ditos muito nos com camisinha, slnlo
e flvela a 23$ e 28$ : s a Arara vende por etr
prego na i u> da Imperatriz n. 56.
Araaa vende as laazinbas a 2i0*rs.
Vende-se laziuhas para vestidos de senhora a
240, 280, 400, 320 e 300 rs. o covado, chitas para
cobertas a 280. 320 e 470 rs. o covado : na rua da
Imperalriz loja da Arara n. 56.
Cortes de chita da Arara a 2#.
Vende-se cortes de chita de cores ras a 2$, di-
tas francezas a 2$800, cortes de cambraia france-
za a 2$8C0 : ua rua da Imperalriz loja da A:ar
n. 56.
Arara vende organdys a 280 rs.
Vende-se organdys para vestido de senhora a
280, 320 e 400 o covado, fil de lioho de cores
para vestidos a 160 o covado : na rua da Impera-
triz loja da Arara n. 36.
As chitas da Arara a 200 rs.
Vende-se chitas de cores fixas a 200 e 240 o co-
vado, ditas francezas largas a 280, 320, 360 e 400
o covado, riscados francezes para vestidos a 240 o
covado, bretanha de rolo a 3$ a pega : na raa da
Imperatriz loja da Arara n. 56.
Arara vende roupa feita.
Vende-se roupas feitas de todas as qualidades a
saber : caigas de brim de cores e de ganga a 2$
e 2$500, paletots de brim para andar por casa a
2$ e 3$, camisas francezas a 2$, ditas de linho de
pregas largas a 3$ e outras muitas anualidades que
se vende mais barato bue em entra qualqner par-
te : so na Arara rua da Imperatriz n. 56.
Pee
i II
Si
4* Na rua do Qoeiniada u. 40
Cortes de laazinha de cor, bonitos gostos, com
15 covados a 3$6C0.
Cassas organdys de cores, covade a 240, pega?
de algodaozlnbo largo com 17 varas a 4$.
Ditas de dito com 17 varas, moito encornado,
com pequeo deleito, a 4$o00.
. Grsdenaple preto muito superior, covado 2a.
Dito dito a l$600.
Retondas de renda preta a 10$.
Chales de renda preta a 8$.______________
Vende-se ou permutta-se por alguma
caza terrea desta cidade um sitio de trras
no logar do Loreto, com arvores fructferas
quasi todas novas, e grande percjSo de eo-
3ueiroSiquem pretender dirige ao pateo
e S. Pedro n. 24, que achara com quem
fratar.
Escravos fgidos

Gratifica-se generosamente.
Acba-se fgido desde odia 18 de jaodro do ccr-
ren aune, om mola ti nho, por nome Thoma?, o
Jaai se mirlla por lorro. de 14 a MS annos do ida-
e, levou caiga e camisa de algoda branco e cba-
leo de palha velho ; julga-se que o dito mulato te-
aba seguido para osertao. Per lano oabaixoa-
aliando fon as autoridades mate pessoas qne*
ncontrarem o favor de o levaren) a casa de so*
residencia, so lagar dos Remedios.
Rerpardo Damlo CavaU;anti Pesgoa, ,.

!'" 150#degTatific^o.
i Foglo Ho da 21 de margo do ando proiimo
passado, da casa de seu senhor, o escravo cabf
escoro, de nome Benedicto, eom idatde de 23 a 16
anuos, levou vestido caiga. dealgpdo de iislra.
Camisa de algodao da trra, chapeo de couro de
abas largas; tinba cortado cabello a escotinha,
aHora regular, cheio do corpo, e-lbos pretos e alio
vtaaVMM o boca recolares, nwiteconca barba
no qneise e um pequeo busso, tonos os dente*,
ct* pfooorido de Sr. Andr- Altes de Parva,
Bradr na cidade de Sonta, para onda fogio t
aierava, segando aviso que,temos do rete-
Para calcas. 3
VumludJlM superkrres oaslores njUp eocorpados <
idraes escaros pelo barato praco de 320 rs. o co-
tdo; fervinib esta fazerJrJa lamiiett para escrtfts i-
rserdetaduraco; na loja e armae do ^SJ^'J^SS^SS'ittS^.
^o.toiada.Im)eratrii 60de Gama4ia. wtts W a im*KtmfaMj*Uh. Haxa-
f a1 lili r.0 ft Afll' H08 Port a toas as aaloridadw tiioiaea e aaa
o& para bcbjus 6,01Q. ^^ e8pWet,M MBlJOi a mn i0 4m
So jaa loja do Pavao. escravo, e remette-lo a casa de nossa residencia
Se vendem os mais bonitos e mais bem enfeita- a rna do Imperador n. 83 segundo andar, e por
s cbaposlonos de palha da Italia, proprios para euio trabalho gratificaremos com a quantia sd-
Detaat, V&VtotoMo pre?dWWW; na M]*) prT a ^
armaztni do Pavao na*ron da Im*rttr!i o. -601 Recite, t de Te vereiro de 1966.
de Gama & Silva. i Jbrm rtra*.

y
M


'*

8
Difiri t**4n**>^th)n4VMr>f 141

.i
ipeaUaeatos sebre a wlleecie das plaulas eow- ffleiroW f* caparrosa a mjraesifo,
nikas do Brasil par... ei^iO;ilOTacial do *' J*> de lepra, oa J0.0 radie do
genero jussieua, mai anda da familia delle, pofs Esta ntoeomli UJSU 1 j*' tea raei'rcido
uma nyctagiaea e partenee ao genero Pisoola aae 'nstavelraente o bnxo, e se eeatinuar no aadar era
commum no Brasil, onde se distingue em p i- |qoe vai tera' de,pedir sem malta demora,novo ma-
MM Bjjpr%, visto que
mlBUror
era seguo-
casapa. 4io-
, torlal as
i ac e
' n pob
anrprejo exdfbii
arias. Ora, nirrgoe
JoWb? 08 o Brasil eapat de fornecer eita materia to
de 1867 eommunicaM ao di ecter eral de -*Bnec|. ^ais, qae era oraa especie era*
ministerio dos negtnios la ttfrlttliara, parar o qi,, pre )rin qa ma cd
mercio e obras wblieas NrtadisUn flelto caso em que raailo inflaie^en-ome valgar al- importante qaanto rentosa, se hoover de nossa
director da seepio de botmiei e agricultura ote erapregado para a desigoagio da JVa parte a boa voatade e ora bocado de' esforc
do musa imperto do Rio de Janeiro. '"1\ZZ^? '* ***"''% T*"'
r *. *. ,. ,- r vaado loe o nome popular como especifico. Bsoe-
'"* J\W-' v ro da-la publicidada dentro em pouco lempo cora
(Conclusao.)
Q ca brasiieiro foi considerado
aba, eoDtrtf Msjor de'Jfcncgo Hataje] ag M vos cfnjoraf man irruios, escrevia eIJe
freguezia feUSor hAUeste eiiilfl peWo o*. ou& M**>**# de Themlenja,
braro ao sea cara. E deopis de ter copiado ( Bel-leo ?o conjoro em oome de Jess Cbrlsto #8 to*
mente ? ) a formula la/.d>ir*efeiv, quafxlo (oJsef arajdes diqeeile 4|ntre vos, qoe^ tlver n
lida a'eitaco da mlssa conventual, nfeita o'cita-
do jornal de Lisboa o tea grtmit *chak> com a se-
guinte admirativa :
Queespirito evanglico Ij
Que ministro do Crucificado !
desordem, afastando-se das licj5es que de mlm re-
SOCO. '-lv
Se algnm tafrilfir este mea preeelto afastai-
vos delle, para que seja confundido. (2. Thes. 3.)
A Tito ordena elle fuglr do hertico, depois de
* ^JW WIHawvaw -W UW1UWVUW .. w ------- ----B------------------------------y----r^----------
E como a patfrthob*,' ata doe dogma/do Yol- 0 lar advertido ptr difalvezae; porque, aceres-
as mas especies novas que colbi, e s ento farei
1\ meci.ao dos caracteres que a distinguen!, o ai
peculiar do cha chioez, qae, segundo sgaos, .
ixposicao de 1862; mas faltavaine esse perfume
o qne
devide meramente aos roeios de preparagao que se
empregam, segundo outros as plantas odorferas
que Ihe ajumara os Cbinezes.
Nao aspiramos por certo a competir actualmente
neste artigo com as fabricas das colonias inglesas
na india.
Apenas guia-nos este amor nacional que cada
qaal se apraz em salisfazer, mostrando a aptido de
seo paiz para a cultura ou fabrico d tal ou ta pro-
ducto encarecido pelas oecessdades e usos do ho-
mem : e neste caso o chi nma planta que rece-
beu ha multo tempe snacarta de natunlisaeao no
Brasil, e que alm disto nos oulorga esponteamen-
le, em razo do clima que Ihe parece muilo propi-
cio, certos predicados que nao sei se com os pro-
longados esforjos e pelo decorrer de seclos tem
concedido aos pachorrentos fllhos do celeste im-
peli.
Em Minas, era S. Paulo, no Rio de Janeiro, etc.,
temo lo visto prosperar a vista de olbos e nao pedir
mais que um bocado de trato na cuitara; e pois,
como j mostramos cabalmente quabto Ihe favo-
ravel o paiz, bara seria envidar todos os esforcos
ailm da melborar o raelhodo que seguimos na sua
prep&racao, de modo qne a industria nacional nao
ficasse atrz da cultura, oa antes das qualidades
excellentes que naturalmente possue o cb bra-
siieiro.
Espero que as exposicSes reiteradas, afora ou-
;ros incentivos, darao incremento a este ramo in-
dustrial, como a multas outras cousas nteis mal
amparadas e deleixadas no paiz.
mate igualmeote am producto que deve ser
mais aperfeicoado, mais estadado, industrlalmente
fallando, para ser melhor conhecido.
Todo o sal do Brasil possue oumerosas especies
ou variedades (essa classificaclo est anda um
pouco litigiosa), algomas das quaes em nada se
mostram inferiores ao verdadeiro mate, salvo n'al-
guma pequenlssima differenca devida talvez coica-
mente ao meio da prparacao, que, segundo dizem,
mais perfeito as repblicas do Prala.
Ou seja pela insignificancia da diversidade dos
elementos proprios destas entre si, ou porque a
preparaco dellas nao se ataste tanto quanto no-lo
dizem, o que sei que o mate que se toma em
Minas sob o oome de Congonha to bom e to
aromtico como o que nos provra do Prata.
Demais, farei observar que na opinio dos auto-
re;;, que veem era cada sorte destas plantas urna
especie distincta, o verdadeiro Ilex paraguayensis
nao s raro no sul do Brasil, mas at parece ir
desapparecendo na repblica do Paraguay, onde a
sombra da cobica guiada pela ignorancia nutrem-se
o vandalismo e a misantbropia.
Qualquer que seja porm a identidade destes
vegetaes que conhecemos e apreciamos debaixo do
nome de mate, farei observar que nenhura conhe-
cioaento se tem na Europa acerca deste producto,
c avantajado entretanto pelos povos do sul da
America.
A amostra reraetlida pelo Brasil a exposicio de
1SG2 excitou viva curiosidade entre os visitantes,
e al no coramercio; entretanto deste priraeiro
pjsso at que o valor do novo producto seja sanc-
ionado pelo consumo geral dos mercados europeos
na um hiato enorme que transpr.
Esla honra s urna pequenissima parte dos can-
didatos chega a obter, e isso raesmo com tantas
difculdades e atropellos que por um triz nao sao
recitados as vezes.
Quantos anuos nao foram precisos as plantas
econmicas de am grande consumo actualmente
para serem habilitadas na posico em qne as
conhecemos!
O caf, por exemplo, foi to ma! recebido na sna
asireia na Europa, que s a gente mais excntrica
se arriscava a ir provar dessa beberagem dos ras-
licos musulmanos; e quando a moda pareca tomar
p na sociedade houvo quera (1) dissesse malicio-
snente que nao tardara muito verem-a desappa-
recer como outras multas coasas de mu gosto,
en^re as quaes .eram contadas as proJucges do
autor do Athalla.
A batata ingleza, essa emigrada americana, nao
foi menos infeliz quando velo a seu turno pedir
un. bocado de hospitalidade a Europa, pois foi
recebida com motejos e de-prezo por todos, sem
excluso dos proprios Inglezes, recebendo at do
ra improprio no presente traballfo:
Devoporin dizerqueo sitio da Pisonia capar-
rosa o mesmo do Piqoy. que por lsso deseo-
nhecida totalmente na cordilheira da Mootiqueira,
do Uuro-Branco e do Espinhago, ao contrario
muito ooramum nos sertoes do rio de S. Francisco.
Na rainha vagera ao longo deste rio, desde a villa
Guaycuhy at a cidade de pitanguy, note! sempre
a su presenca tanto mais freqnenle quanto mais
se desee o rio at es sertSes da Babia, senSo tam-
ben de Alagoas e de Sergipe, onde creio qae se
acba em abundancia.
Foi oa regtao comprebendida entre a oz do rio
das Velhas e a cidade de Pitanguy qae tive occa-
siao de observar a grande serventa que per alli se
faz desta planta para tlogir toda a qaalidade de
roupa feita do al^odao e tecido no lugar mesmo.
Esta utilidade, d'oode Ibe vem o nome adequaiio
de caparrosa, nao meaos notavel para os lados
de Paracat e Formigas, segundo informacoas qae
me deram pessoas dessas paragens. Has o aso da
caparrosa como saccedanea do mate nio parece
ser conhecido de nennuma sorte all.
O Dr. Lund, que tive o prazer de visitar na ac
pittoresca habitacao belra da Lagia-Santa, foi a
nica pessoa que me fallou em tal proprledade El-
le cultivava a caparrosa, e disse-rae que a tomava
por vezes em infaso maneira do cha ou no ma-
te ao qual pode substituir, sendo bem preparada.
Pens, porm, que de alguem do paiz leve elle as
primeiras informacSes relativas s propriedades
deste arbusto, e que por tanto deve baver em Mi-
nas quera conhega o emprego delle como infusio
nutritiva.
as raesmas regioes em que a caparrosa abua-
da encontrei algumas plantas que o povo tambem
colbia para o mesmo uso; entre outras, vem-me
lembranga ara arbusto do geoero Gomphia, descrip-
to na flora de Saiot-Hiiaire, e ao qual do impro-
priamente o nome de gongonha, que, como vimos
o qae perteace ao mate. O Dora Bernardo oa gri-
tareira do campo tambera tomado em iafaso, e
attribuem-lhe certas propriedades medlcioae qae
alera disto o fazem estimado no paiz. Eatretanto,
como vim, a tocar nesta sorte da productos qaasi
por. extensSo e porqae a isso me conduzio o qae
tinha de dizer acerca da Pitonio caparrosa, come-
carei a fallar das madeiras de le, e bem assim das
plantas teciveis.
Sojestes os productos que jure de verlam ser men-
cionados em pnmelro lagar, se eu tivesse seguido
urna certa ordem na redaego destas notas, a oi-
portancia a o valor desta materia, se bem qae p i-
regam descoubecidos nos lugares em qae o costa-
rae injualiiicavel das derrubadas das mattas sope-
ra anda a voz do progresso, vo sendo todava
apreciados dos homens intelligentes e amigos dos
melhoramentos da civittsago, de sorte qae, com
prazer o digo, vemos j muitos fazeudeiros to ze-
losos pela conservagao de suas matas como pelo
valor mais positivo de suas propriedsdes.
O paiz mesmo coraega a penelrar-se geralmenie
de to louvaveis disposIgSes, o que prova de algu-
ma sorte o interesse que se tomou pela collecgao
de madeiras apresentada na exposlgo de 1862 Foi
j urna sorTrivei amostra do que possue a trra pro-
mettida dos naturalistas, e com especialidade dos
botnicos; mas alm de que o numero das amos-
tras era bastante inferior ao qae possuiraos oeste
artigo, honve na collecgao dellas grande laeaoas
qne vieram tirar o valor a esse pouco mesmo qae
se havia exposto. Eotre outras faltas dizem alguns
professionaes frncezes que visitaram a collecgao
brasileifa que a pequenez das amostras, a falta ge-
ral dos nomes technicos e rouitas vezes do propno
nome vulgar, e mais anda das ioformages indis-
pensaveis aos interessados na acquisigao destes pro-
ductos, tudo isso saltava por demais aos olhos. Nao
Insistirei em lembrar a necessidade qae ha de re
parar estes defeitos, tanto mais salientes qunnto
maior o interesse que se liga collecgao destes
productos raros que s o Brasil e seas mais prxi-
mos vizinhos do norte sao capazes de fornecer. S-
mente farei observar que se para melhores apre-
ciages sobre to importante materia exigem se
aamiras maiores e informagoes circunstanciadas
de ijue possam servir se a industria e as arles, me
parece que nao menos razo milita em favor dos
esclarecimentos teebnicos acerca de cada madeira
em particular, e que portanto seria para desojar
O qae porm amito importa ao bom xito de to-
da a eellecgo de madeiras qae cada amostra
coirteaha ama parte do cerne at a' niedulla, do
alburno oa lenho recentemeate formado, e tam-
bera da casca. Estas amostras sero tanto mais
apreciadas quanto melhor representaren! a estruc-
tura do Mo em todos os sentidos, aftm de delxar
Ter convenientemente as diversas cores e sinuosi-
dades das Obras lenbesas."
Coavm tambem qne cata face destinada a ser
examinada tentia sido aplatoada com a maior pe-
ricia ; eondlgio sem a qaal a madeira alo s nao
deixara' de mostrar esse lastre assetinado qae tem
lana belleza em algomas especies, mas tambem
a propria estructura do lenho nao ser bem vi-
sivel.
No muscu e oo palacio da exposigo de Pars ba
amostras de madeira que forara enveroizadas de
proposito para este fim, mas nao jolgo isso neces-
sario, sobretudo quando o tempo ja' demasiada-
mente restricto para oulros cuidados de maior Im-
portancia, t por isso todo qaanto se approtimar
do laxo e tiver laivos de osteotago va e onerosa
deve ser banido como cousa superflua e prejudi-
cial. Torno extensivas estas mesmas recommenda-
goes a collecgao dos productos teciveis vegetaes,
nao meaos interessante qae ai madeiras de cqds-
truego, apezar do poaeo aprego em qae tida ge-
ramente.
Na verdade, excepgo do algodo, pouco, mui-
to pouco se coobece nos mercados estrangeiros do
que possue o Brasil oeste artigo, de qae nos falla
entretanto com admlrago o Ilustre Dr. Martfos.
Gaudichaud, percorrendo ha mais de triota annos
a costa meridional do imperio em misso do gover-
no francez, e irapressionado tambem pela varieda-
pe das Abras teciveis qae la encontrando, teve a
lembraoga de formar urna collecco das que Iba
parecessem melberes oa mais notaveis pelas snas
formas, e comegoa de faci a faze-la com aquella
tenacidade de que sabia dar provas s vezes. Mas
pouco trdou que se nao apercebesse da exteoso
da empresa qae havia tomado a peito e da impos-
sibilidade em qae se achava de leva-la ao cabo ;
abaodooou-a pois, e fez bem, porque o bom xito
deste projecto exiga, alm de tempo sufBcente,
moitas coadicoes incoherentes com as crcumsiao-
cias que cercavam este botnico quando visitn o
Brasil.
PelasJ mesmas razoes qaalqoer ontro viajante
solado, sendo incumbido de formar collecgao deste
genero de productos, nio podera' chegar a dar, por
mais laborioso qae seja, |ama idea approximada do
que possaimos, e a nio ser algama companhla io-
tairansmo, seja e signal mais saliente, pelo qual-centa elle, esse tal ja est condeamado por sea pre-
se recoaaeee a feigado scalo actual, e por isso- prio juizo. r
mais de um espirito foi te baja batido palmas, e ap-
plaudido urna to importante descoberta, propuz-
me a tragar estas lionas, que uao tra por im des,
engaar os dtsabusados letores do Cominerao;
porqae,
I nao clyga mea estro desprovidu: mas para os
letores de, Mercantil, ao qual oeohuma intengo
teobo de fazer a mais leve carga : pois contieno
perfeitamente os seotimentos religiosos do sea dig-
no propietario.
Dir-se-ba qae as ideas aqoi consignadas forara
dictadas pelo espirito de ciaste. Pois seja.
O sacerdocio, longe de fazer-me perder o direito
a dever qae tem todo o Bel christio de defender os
principios da religio que professa, faz-me crescer
de ponto esse direito e dever porque, alm dessas
dous ttulos to honrosos, .tenqo mais os demes-
tre e fregador.
Ah vo, pois, essa parases, quica bem desali-
nhadas e desconoexas, para o Commercio de Lis-
boa, que, cortamente, com ellas nao ha de soflrer
moitas cocegas.
Na referida publicago o Commercio de Lisboa
mirn someule dous tos :
i. Negar a 'igreja romana direito de excom-
moogar os seas Blhos dyscolos:
2. Tornar odioso o carcter e ndole sacerdotal.
Precisemos a questo, que flear redonda a es-
tes dous pontos cardiaes.
A igreja pode excommungar os seus ilhoe cri-
minosos T
U percursor de am clrigo deve estar sujcilo
excommaoUo ?
Todas as mas sao incidentes oa accessorias.
1
i. A igreja pode excommungar os seus Albos
criminosos ?
Sem duvida.
A excommannio (define com os mais abalisados
tbeologos o dootor anglico) urna separaco da
communliao da igreja quanto aos frustos e aos su/-
fragioa geraes que ella prodigalisa.
Sao tractos da igreja os sacramentos, pelos
quaes os fiis participara da mesms vida e do mes-
mo pasto espiritual e suffragios : as oragoes e boas
obras de que participara os christios, como mem
bros do mesmo corpo.
A igreja (diz am Ilustre collaborador da Ency-
clopedie catholique) tem o poder de pronunciar es-
sa separago : e nada mais Justo e mais bem fun-
dado qae o exercicio desse poder.
< Urna sociedade qualquer ( dalxemos fallar o
celebre conego da igreja de Paris, abbade Bergier;
n|o pode subsistir sem leis; a as leis nennuma
dostriai que disponha de certos recursos, s as ex-1 torga teriam, se os que as violam nao incorressem
S. Jlo nao permute mesmo saodar essas qua-
idades de seductores. Escutai suas terrlveis pa-
avras:
O qae saudar um desses participa dos seos
crimes! > (2 Joan. 10 e II)
E no 3o capitulo do Gnesis (v. i to consignadas aquellas lerriveis, ptvras, profe:
os nossos prl-
un,
na|
de
posigdes reiteradas no proprio paiz consegairo al-
cancar tal fim.
As plantas teciveis dos campos interiores nao se
eocootram as mattas do littoral, e vice-versa. Ea-
tretanto cada ama destas estagoes possue suas
em pena algama. A pena mais simples, que ama
sociedade pode infligir aos seas membros refracta-
rios, priva-los dos bens qae ella procura para os
seus Blhos doceis. >
Essas nocoes, dictadas peh bom senso, basta-
produeges proprias, quer as Monocotyledoneas, rlm P Para ,aier Presamr 1ue Je,us Christ0' es"
tabelecendo a sua igreja, deu-lhe o poder de ex-
quer as Dicotyledoneas: as primeiras notam-se
as Palmelras, as Bromeliaceas, as Musaceas, te.;
as segundas o numero cresce, avulta e toroa-se
admiravel. Desde as elegantes e altas Pyodahibas
(A'ioju'i) at as humildes Guaximas (Urena) nao
se sabe o que mais se deva admirar, se a exube-
rancia de taes prodceos, oa se a qaalidade in-
trnseca de cada orna em particular. E assim ,
pois qae omitas familias dicotyledoneas sao rpre-
sentadas em abundancia nesa classe de materias '
primas, sobre cuja applicago, digo-o de passagera,
o indio brasiieiro, apezar de selvagem, nos tem at
agora superado. Verdade qae de ludo quanto
produz esse solo que tanto Ibes perience, as Abras
teciveis sao os objectos que mais prezam, por isso
que Ihes fornecem por assim dizer aquillo qae sa-
tisfaz suas primeiras necessidades. As maqueiras,
as esteiras de palha, os mantos mullicres, o typi-
cluir de sea seio os membros qae se subtrsbissein
ao camprimenlo de suas leis.
Pelo Evaogelho este ponto fncontroverso.
Era S. Matheus esta escripto :
i Kt vos sedebitis super daodecim sedes, ad ju-
dicaodum duodecim tribus Israel.
E' a pleoitade da autoridade legislativa, e do po-
der de impr penas.
No estylo ordinario dos livros santosjuiz e le-
gislador sao synooimos. A autoridade desta seria
nulla, fra do poder de punir.
Prescrevendo a maneira de corrigir os pecca-
dores, Jess Chnsto manda empregar priraeiro a
correegao fraterna (secreta), depois a publica, e
no ultimo caso a excommunliao. (S. Matb. id,
17.)
S. Paulo, informado do escndalo que dava na
ly para espremer a mandioca, a tapecoaba, os fio igreja de Cohniho um incestuoso publico, entre-
de toda a qualidade, este servindo para entesar o go em nome a poder de Jess Christo a carne do
arco, aquello para atar as peonas flecha ; uns' culpado a Sataoaz, para que sua alma se salvasse.
subslituindo os pregos, outros destinados a enflar (* ad Cor. c. 54:)
e a aderegar os atavos caractersticos de cada a- Esse poder (o, de tempo immemorial, reconbeci-
divdualidade, e mrmente os mais notaveis destes do e autorisado pelo poder civil, e confirmado pelo
productos, isto aquellos de que fabricara os ateo- i* concilio de Arles.
silios das pescas; tudo lsto Ihes dado pelas plan-
tas teciveis.
Quando visltei a costa de Pernambuco, de am
a outro extremo da provincia, notei a variedade
Synesio, bispo da Ptolomaida no Egypto usou
delle coutra Andronlco, ento governador da pro-
vincia.
A jurisdcgo ecclesiastica nao poda impr urna
de Abras empregadas alli oo fabrico de varios ap- \ peoa mais justa do que a excommunltao, sob todas
era sempre espirituoso Voltaire o epitheto d .qae as anlostrM das qae fMSem desMnhec!das ou
coUfichet do reino vegetal, e considerada por elle
ba nicamente para os menos asseiados de nossos
animaes domsticos.
Entretanto, cerca de meio scalo depois, e isso
de nossos das, vio-se a Europa era peso empallide-
cer ao saber que um mal particular havia atacado
o mais til e o man econmico de seus gneros
alimenticios.
O fumo tambem tem urna historia cheia de con-
flictos e pendencias nesta lista de invasores quand
meme.
Hoje, entretanto, companbeiro do mal oa do bem,
elle marcha, marcha como o flagello qae Eugenio
Sae procuroa para a guia do Abasvero, e se algara
Affonso Karr surge proteslaudo coqtra sua accSe
veneca sobre e organismo do bom era, o famoso
conquistador deixa fallar a esse recalcitrante sola-
do e vai per (fiante as suas innmeras victo-
rias.
Mas o numero destes casos sendo quasi o mesmo
que o das plantas econmicas modernas, nao leva-
re! mais longe esta digresso, que fia nicamente
para deixar ver o quanto devenios esperar de
todos aqoelles productos cajo valor, independente-
mente ae algomas depreciagoes no principio, seja
real.
Como planta saeeedaoea do mate,oa qae pelo rae-
nos pode ser indigltada como tendo de algum modo
propriedades anlogas as delle, tenbo por vezes e
em diversos trabalhos fallado da caparrosa do
campo.
Cabe-me declarar que este arbusto nao a Ju s-
nena caparrosa (3) de Saint Hilalre,
aprsente!.
Teodo aaalysado as flores delle na occasio em
qne as colbi, succedeu qne n'ura exame minucioso
qae fiz ltimamente de qaasi todo o hervarlo
colleccionado por mm em Vinas, comparando
cada ama das notas que ento tomei com a planta
correspondente, vim a conbecer que nao baria a
menor denudado entre o vegetal de Saint-Haire
aquello a qne lenho sempre referido o nome de
Jussieua caparrosa.
Este arbustoaffastase ao contrario nio s do
pelo menosduvdosa nasciencia seachassem acom-
panhadas de urna porgo de seus ramos com flores
ou frutas convenientemente secca e apta a ser ana-
lysada.
Nao nos esquegamos de que se muitas plantas
indgenas sao anda desconhecidas nos aonaes
scientlficos, em compensarlo algomas dellas, tendo
sido colhidas sera atlender-se aos seus nome vul-
gares, acham se representadas ha muito* annos nos
hervarios de Berlim, de Pars, de Kew, etc., e des-
criptas em todas as obras conceroeotas i flora bra-
silera. Demais, todos sabem qae muitos vegetaes
bem differentes entre si sob muitos aspectos exis-
ten) no paiz debaixo da designado de am s nome
vulgar.
Ora, esta toafusao, de qae vimos um exemplo
ha pouco as duas caparrosas, desapparecera to-
talmente se as collecgSes dos productos vegetaes
forera acompanhadas de ora avante de ara herva-
riozinbo no qaal cada especie davidosa se achere-
presentada. -M' :',ff
Bem sei qae alm dos milhares de atropellos
parelhos de pescara, laes como as redes de diver-
sas formas, a tarrafa, o jerer para as aguas es-
tagnadas e para os ros, o pug e nao sei mais que
sorte de armadilha engenhosa, cuja origem tpica
denuncia-se nos proprios nomes indgenas qae an-
da conserva.
Em copsequencla pois do qae Sea exposto nao
dtret se tal on tal regio deve ser explorada com
preferencia s outras. As mattas certamente pos-
suem um numero avallado de palmeiras, de mal-
vaceas, de tiliceas, de annonaceas, que os tabolei-
ros e serte nao tm, porm, como ja' dlsse, acha-
se *m compensago uestes sitios urna vegetarao
como eu o
. -if
as suas relagoes.
E' urna pena proporcionada ao criroe.
Filhos ingratos para com sua mai, descuidosos
de sna salvago, inflis sua doOtrina, devem ser
excluidos da parlilha dos bens que ella Ihes ou-
torga.
E' urna pena demorada, porque ao castigo pre-
ceden) sempre os avisos e admoestagoes.
E' nma pena salutar, porque os transgressores,
s Ihes resta urna centeiha de f, envergonbara-se
dessa excluso, e tornara resipiscenela.
K' urna penaj temperada de docwa, porque
o brago armado do gladio vlngador est pmrop-
quelbes pteoliar.-e que mrmente em prove |fc para ab 0 CQl d contric,0 e arrepen-
das Abras teciveis tem muito que dar s industrias djd0_
de lecidos. Mas como de snppor que nao possa-! E- uma pena exemp|ar os bens, advertidos de
mos dar ex abrupto, no que diz respeito riqueza ,0 severo cas[g0 e de to grande perda qae sof-
de cada classe de productos vegetaes, ama idea do frera os culpados, trabalh&m por nao desmerecer
que possue realmente o paiz, e isso por causada de to boa mal:
sua exteoso t* superabundancia mesma da ve- g' uma peDa aecessara, par* qae o membro gao-
getago, seria talvez preferivel concentrar desta' |renado oo ioflcione os sas,;**'rebnlttuja do
vez o maior tribalho pa parte tecbnica 6a descrlp-' [oDo. .. , Uva das diversas colecges aBm de.aae tuo aquil- E. flnjjowtfto^rba pena em 1e se irem con-
lo que pudermos isr suba ao niipos por este 0^^ 0 tigor da jastf^, fe os sentlmentos do
todo um certo realce, qae fere e ^^. ^ maW e da Vlda<
Neste caso a industria, e sobretudo a agncuUa- 7"" oo. ;.. 0,.., m p_n..
Bem longe de ser contra o espirito do Evange-
rldas pela bocea do Eterno contra
mogenitores ?
Maldito seja Chanaan ; elle ser eScravo dos
escravos de seas irmios f apostropboa o Santo
Barquetro diluviano em sua justa iodignago con-
tra o Albo mofador de soa embriaguez. (Gen. 9>
23.)
t Roben, mea primognito... derramaste-te,
como a agua ; oo cresgas, porque subiste ao lefio
de uu pal, e manchaste a soa eama ; propbeti-
sava, agonisando, o neto de Abraho (Gen. 49,
3ei).
Clamaran), e nao ha vera' ninguem que os soc-
corra ; clamaram ao Senbor, e Elle nao os ouvir,
exclamava o propheta-rei no sea cntico de aegao
de gragas. (Res 22, 42).
> Caa a tua mo sobre todos os leus inimgos;
caa a tua daxtra sobre todos os que te aborrecem ;
o Senhor na sua Ira os conturbara, o fogo os de-
vorara', disse David ao psalmo 20, vv. 9 e 10.
Todas essas e outras mais terriveis ameagas, es-
to a cada passo reproduzidas as sagradas pagi-
nas, sem que alguem se lembrasse anda de alcu-
nhar de descaridoso 0 Deus do Sinai e do Oreb ;
o Daos das Oliveiras e do Golgolha.
t Eu vos pego, meus irmos, disse anda alga>
res o apostlo das gentes, de vos guardar daquelies
que excitam disputas e escndalos contra a duuiri-
oa que tendes aprendido, e da vos separar dalles >
(Rom. c. 16 r. 17).
E' fundados nessas ligues dos apostlos, que os
antigos concilios fulminaran! de excommunhao os
que ealrelivessem curamerclo com os excommoa-
gados. (Bingbam 1.16, cap. 2, n. 11).
Nos desbragados lempos das desordeos, da anar-
cbla e da pilbagem era a excommunhao o nico
freio com que os suceessores de S. Pedro a seas
collegas do episcopado podiam conter os excessos
dos principes licenciosos e desregrados.
Foi desta arte que o santo bispo de Milo fez
chorar a Theodosio o massacre de Tbessalonica,
refere Guillois.
Qoem, a nao ser o santo padre Gregorio VII com
o raio da excommunhSo, poderla conter o libidi-
noso, o cruel, o perjura Henriqae IV e* sea Albo,
o relapso Henriqae V 1 pergaoto Ghaotrel, na soa
historia popular dos papas.
Alm do incestuoso de Cormibo, S. Paulo entrega
a Satanaz Hymenen e Alexandre, que tinham nau-
fragado na f.
O concilio de Nlca excommungou os qoartode-
cimaoos, por iofraeijo da disciplina esubele-
cida.
A excommunhSo de lempos immemeriaes. Os
Gregos traasmilliram este costme aos Romanos.
Os druidas eicluiam dos seus mijslerios aquelles,
qae nio Ibes eram perfeitamente submlssos.
Segpndo Guilherme ae Paris, philosopho de um
memo eminente, a exannmmhOo tem quatro Bus
todos mu justos a saotos : 1 vingar a gloria de
Deus offendida por crimes escandalosos; 2* previ-
nir, ou separar a profanarlo das coasas santas; 3
velar oa salvago do corpo da igreja, cortando
della o membro gangrenado ; 4* corrigir o culpa-
do, e impedir a queda de outros.
A excommunhao, diz Reiffeostael, que nao sus-
pello, (f. 5 pag. 390) uma pena espiritual e medi-
cinal, que priva am christo ao todo, oa em parte,
dos bens espirituaes, de que gosava ou a que antes
linha direito.
Teem o poder ordinario de excommungar, diz o
j citado Guillois, 1 o soberano pontfice era toda
a igreja, e, como este nao tem superior algum nao
pode ser excommunja'do por alguem ; 2o os conci-
lios geraes, tambera em toda a igreja ; 3 os arce
bispos e bispos em suas dioceses ; 4 os cardeaes
as igrejasdo seu titulo ; 5 os delegados da santa
s na provincia de soa delegago ; 6 os viganos
geraes des arceblspose bispos, e o vigario capitu-
lar sede vacaote ; 7o os coocilios nacionae e
provinciaes em todo o reino ou provincia ; 8o em-
flm, os abbades, os priores e os oulros superiores
regulares dentro dos seas mosteiros.
t Potestate ordinaria ferr censuras possunt...
abbates, priores, et smiles propositi, ac superiores
regularim, ex privilegio pontificis of'iai, et mn#ri
eorum perpetuo annexo. (Schmalzgraeber f. 5,
pan. 2, pag. 389.)
Se os censores da disciplina ecclesiastica p*>
dessem, despojaran! absolutamente os pastores da
igreja do poder que Jess Cbristo Ibes conferio, de
separar da sociedade dos Beis os peccadores pbli-
cos, pertinazes, obstinados, escandalosos ; lirariam
aos malfeltoTes toda a especie de freio que a reli-
gio quer oppor Soa perversidade. Conclae o
abbade Bergier no artigo excommunicaitn.
Novos Chauraettes, elles Irabalbariam afincada-
mente para abolir todo o culto religioso ; entbro-
nisariam de novo a deusa da razo, para o que nao
ibes faltarhm Maillards.
Exuberantemente pro vado, como parece-me t lo
eilo, que a igreja nao s pode, como deve, excom-
mungar os seas fllhos dyscoles, vejamos se o per-
cussor de um clrigo deve ser excommungado.
Padre Afanos! Amando das Dores Chaves.
01
de|
--------------------TU.
TrltaT-sWR pTrT eslWm dff,
toad ao Holstfin t Mtombdrg iot)a\^WAadac'
Acaba de p.ublicar-se em Paris um litro, de que
autor o Sr.-Julio Cla'relie, acerca de Petrus Borel,
grande excntrico de orna poca muito original na
historia franceza.
Peirus Borel foi pintor denpis. de archilecto, e
poeta depois de pintor.
As suas rimas foram o terror dos oavidos.
O horror as conveniencias e as conveacoes leva*
va o poeta a violencias de tora nconcebiveis.
asRapsodiasobra em prttsa, forraulou da
seguate maneira as suas opioioes republicanas'.
. Sou republicano porqae nio posso ser carai-
ba. Preciso de uma quantidade enorme de liber-
dade. A repblica poder dar-ra'a. Nao tenbo a
experiencia por mim. Mas qoaodo essa esperanga
for tambem uma llusao restar-me-ha o Missari.
O sea livro mais phaolasioso intilala-te :
Champvert^-contos immoraes.
Encontrase nelle a. seguate conversaco ullra-
buraoristica entre am carablneiro e o carrasco:
Venho pedr-lhe oa favor. Rogo-lhe bamii-
demente (e muito grato seria a esta condescenden-
cia) qae me faga o favor e a honra de pnilholi-
oar-me.
Qae diz ?
esejo do luaJo da alma, qae o senhor me
gailholiae. ..
Vive s* 1 sem prente* t
Tenbo prenles de mais.
O carrasco reflete por am pouco e depois flir:
__E' impossivel 1 matar um innocente f
Mas entao nao esse o cosame ?

E' do Sr. rfmeiro Vilella,
0 BEIJX-FLOB E 0 SQL..
O sol.
Beija-flor das azas verdes '
Hue da flor libas o inei,
ue volitando te perdes
Eotre as sombras do vergel,
Que le pendes
Dos abysmos no cairel. -.
Beija flor, tu nio me intendes 1
S, por Deas, menos cruel I
O beija flor
Qae te importa qae ea volite
D'esses campos oo verdor T
Qae te importa qae ea me agite
Nos abraces de ama flor?
Tens os campos per menagem,
Tens os cos a tea contento,
Loaco I delxa esta liogaagem ;
S, por Deas, menos ciumento I
0~sol.
Tu nio sabes, malfadado,
Que o cume aeeende as brasas T
E que eu posso, a' isto levado,
Te crestar as verdes azas 1...
.


.
O beija-flor.
Tu nio sabes, florecida,
Que ea s reaba o mel das flores?
Tu me tiras s a vida...
Mas eu... tiro-te os amores I
?rr??.r.^^.~^.'^ -* *
contar com os inconvenientes de transporte para i1 a este trbalho. Compre expor em relevo todo-o
erelada por Jess Cbristo contra os fllhos refracta-
Europa de vita com as rail difflculdadea da co-; que f^f/^*^^ J^^g^ i Hot da sua Igreja no 19 cap. de S. Matheus; e pela
ordenagio desses objectos demandando um tempo, da iviUsagip e do progresso, sobre a quaTto Ci-, ^ ^ Jn Ktnmmmi^ &u tQca ^ ^
1 ." *

ilsnr.
., .M-l___. ,' ',..; bocea do mesmo Evangelista. Elle disse no cap.
dequenose dispoa nanea em taes occ^^es cero diz..:. N^^ajr^a mlm, nihil, ^ f ^ ^^ eQ .^e^p,,,
mas tambem todo quanto lenho dito acerca desses dtileius, fM hommmnn d&mii ^ ^ Kfa^ ,
accessorips, qae considerare: lecundarlos, reatrin- E^mando a' particular attengio da lastrada., E. qae n5o ex"iste rd^ira, a solida/a mica
ge-se onicamentt s exposigots nacionaes, confia- eonj^ssio da exposljo nacional para o methodo pai> diI s. ^ cttrVsstinio, seno qaando cor-
das geraimente a pessoas idneas, do paiz, e que uUm aproover saguir ea to afanosa quanto pro- lado e angada fora o qae a corrupgo jnflcionoo;
tea tarclayddnzn* cftm a, presante mala este tr*- qaindo contdo e inteirameotedestado- o par-
balbo, ihfelzownte maito imperfeto e ma ordem, ,do rebelde e sedieioso do amaso nodo o medico
por lsso, qtr> nid ?uppua'levado tip ivrtte^rian-,'
do me arrsqoal a etwta-lo-
Pans, 7 di wnlrb de 1866. ,-. t,b -di tva'
(1) Madame de Svign.
(2) Ttiobo escripto esta palavra con um s r
o fez A. de Saint Hilaire; mas agora achoque
reportar-me de preferencia a ortegraptna qae
a dupcacio desu consoaoie.
se eucarregaro de bom grado de tudo o u* r
eoadaceote realcar nossas colleccOes aos othos
dos professionaes enropeus.
Entretanto dmonos presea em mostrar na pr-
xima exposlgo o qaanto rica* Dataren de Bra-
sil neste artigo. O!*.')
E preciso sobretodo qae se volvam lajstas pa-
ra certas madeiras cojas qualidades praOTltam al-
gama serventa rendosa, qaer as artos, qaer na
iodasuia.
Bastara que livessemos em mente achar por
emqnanto ama especia tal qne pela estractora do
ienbo toase capaz de sooslltair don vanugem o
afamado bnxo, cato emprefo boje itnponderavel
na gravara sobre madeira. Esto tio txn moda ago-
ra as publicagoes lastrada, qae qaasi nada se pde
ao prele sem estampas.
V..k'liM'Mislii
fcilmente cri o resto do corpo, extrahido o mem-
bro anjrenado maoJSt^Pwue
~MrVtirf)S plejgaQ. escolhldo porrloccop,.
DI POOr^ Di TODO.
Sob o ponto de vista da agglomeragao dos habi-
tantes, os diversos estados do globo apresenlam
differencas mai notaveis.
Do qae fica dito pt de-se ajulzar pela segainte re-
lacio : -^
Blgica, 161 habitantes por kilmetro qnadrado;
Sazoma, 149; Hollanda, 101 ; GraBretanha e
Iidafl|l;'5Trie*r>arg| Wlltaiia, M; 9m:
ga, 69 : Baviera, 621 Suissa, 61; Austria, 57; Di-
namarca, 45; Portaba!, 44 ; larfaover, 40; Hes-
patrna, 31; Grecia, 3; Russia, 11 i Esta** es-
candinavos, 7 ; fftradoj'-Ualdos, 5.
Publica o Nouvelliste, de Roo, o seguate :
Teve lugar ba da, n'om departamento vsinho,
era Soyecourt, ara drama lgubre cercado de elr-
cumstaacias roybterusos.
Eis os pormenores qae nos fornece o momo cor-
respondente sobre este t-isto faci, alada por ex-
plicar, i|ue prodozio em todo o canlo de Cbaulnes
ama nolorosa impressao:
f Sesta-feira pela manbaa o Sr. juiz de paz do
canlo de Chaalaes recebeu do Sr. M..^ rico pro-
pnetano de Soyecurt, uma carta em que Ihe roga-
va que fosse verificar a morta de sua sogra e de
F..., criado d'esia, que tlnbam sido assasstnados na
note antecedente.
O juiz de paz, acompanhado de um gendarme,
dirigase logo a Soyecourt, e, tendo entrado na ca-
sa oflereceu-se-lbe diante dos olhos am horrivel
espectculo.
ama eosinha a' direita jazia o corpo do criado,
e a' esqoerda, quasi em (rente d'aquelle, o cada-
ver da Sra. ti... sogra do Sr. M...
A posigo dos cornos banhades n'um mar de
sangue indicava que nao tinha bavido Iota entre as
victimas e o as-assino.
O exame das victimas fez igualmente recoahecer
que estes dous desgragadps Unbam sido monos
por meio de arma de fogo. Emquaoto o joto de
paz fazia o auto de corpo de delicio, o Sr. M... que
tinha sido guardado a vista desde a chegada da
justiga, aproximou se do juiz de paz, e fez-Ihe a
dectarago seguate :
Vivo, ha peno de dous anuos que estou casa-
do, em corapanbia dos paes de minba oaulher; mas
nesles ltimos roezes anda que eslivessemos de-
baixo do mesmo tecto, tnbamos eosinha separada
por causa do criado F... qae manda va na casa co-
mo se fosse amo, e maltrata va mea sogro, octoge-
nario e idiota.
Hontem s 8 horas da noite, foi ter cora minh?.
sogra, falleilhe sobre culturas, e observei-Ihe qu
era preciso pagar os jornaes que se deviam a al-
guns trabajadores. Depois retirel-me. Apenas,
tinha aeabado de sabir, oavi o criado P... dizer em
voz bem alta a minha sogra, que devia vender as
coltietas, e qua-uao se imporlasse comnoto; fl-
lava da minha mulber e de mim.
lodigoado com estas palavras, tornei a entsar na
eosinha, ande esta conversa tinha tido lugar, e
ameaei este homem de o expulsar da caza, e ella
correu ao sen oaarto e voltou logo com orna cara-
bina, ameaganojo fazer-me fogo.
A attitude oggressiva d'este homem irritou-ma a
tal ponto qos, sem refleetir, corr tambem para a
meo quario, peguei n'uma arma de dous caaos,, e>
voltei para sitio onde eslava o meu antagomsla.
Vendo-me entrar na eosinha, F... disse-para rainha
sgra,: e-o ah I e mettendo a soa arma a" eara
apoatou oa minha direcgo ; en fto outro tanto; e>
por nma fatalidade a rainha arma fer fogo; P....
cabio ao mesmo lempo que uma segunda detona-
re nbjfjogra ferida pela descarga qae son nennuma
duvida me era destinada. Depois fngi para o mea
quarto. Eis aqui, Sr. Juiz de paz todos os porme-
nores d'este tristo drama.
O narrador foi em seguida coodazido a' prisio,
e a justiga procurara' destrincar esta meada.
Uma comm.ssao composta de membros 'do con,
salto- d* estado l^ncXta^^a^to^no.
..occopa-se actualmente, diz nma folba* econmica
pregar '-ios gento*, ees Apestlo da I de parSj da questo ra**a'a*>dircoIagio das ma-
caridedYe da dogura, dio reprehemleu os Corfn- chinas a vapor as estradas ordinarias dos re-
thlt(t Cot 4) por1 nao tetera eipeUldo da socie-' gQlamentos espedas para'este servido.
O regulamento que esta commissSo esli encar-
dade im criminoso atorainavel ?
< Qoaoao a raim (accresoanta lilis) ea jojul
S0BIE1 k ZXCqidlUNHAO. (*) .
(ArUto 1.)
Um dos illustrdos jornaes desta provincia, o
Meroantil, publicou emseu n. 118, de 30 do pasta-
do, sob o litlo Miscellanea, e epigraphe atceavf*1'^ *" w"1** J- & y
munhao a noticia extrarrida do Commercio de la- Satanfn'^ \ V a,m* ache toWeF,cordlt
boa acerca de ama excommunhao, fulminada peto.D0.*f"*B Hf: '
^D,rpcbo,4?ila-Mtor, no remo dflHespa-! TJ^XT*^?***^ Z
L\ \LS' 'tL.^.T'.SL^ 1 ;;" a a~ so irm<0 se "d-liaro, idolatre, maldito, etc.
BrttoM ySSl- 30 dev9^'n &ir toes pessoas, vossa
dio. i>-' mr,-~
regada de elanofar, lera pW'da|e*J*xar regras
relativamente i inspeegie das machinas, sM aro
vas, snas formas e as medidas d pretangao a em-
pregar para conjurar qaalqoer accidenta.
O rigsraad dioamarqaez, qae reabri as suas
sesses no^gto ^ dg correte, discuta, actualmente
No mez de maio de 1861, o exercito nacional da
Unio Americana centava 1,000:818 bomens.
Acabada a guerra den-se baixa, sem que occor-
r es sem esoMaas, e corso se les s* a eoosa mais
pimples do mondo, as80O;0 raLwtarios; e trata-
se agora, como ja ti vemos oceaslio de dizel-o, de
reduzr todo o exercito a 50:000 borneas.
As despesis qne d'antes erfatiam stam de.....
516,240:121 doltars, algarsmo enorme, que era
pago pelo paiz sera marmurarje hoje ae*a-se redu-
ndo instantneamente a 38,81*#4j'tfoUars.
A marinba de guerra, nos primelros das do au-
no de 1865, contava 530 eobmcBes d todas as
dimensoes, artilbadas com 3:000 pecas, e tripula-
das por 51:000 marinheiros; a prfeir^ manaba
do mando nao receia de reduzr depoto a 117 o Da-
mero dos seas navios, a 830 as suas pajas, a a.
111:118 os seas marinheiros. -'
Grande quantidade de embarcadMe-abandona-
das pela marinba mihur sao resutrii4as ao com-
mercio, a qaaiiobami sido reqalsHMaa.. "-
i O debito pnhlifnatoair^dosl^wJDBJMipTrji,
os de 2:717 mhde* de daitors, vaiaM* cada
ollar 1*000 rs. da nossa moeda. Porm o fftar*
ao amkrlcaoo declara qae dentro de ciocoeMt ao.
nos a divida asura' paga.
Dlarflfl de iva iuiiaikB,Tnt *.
psmame aterram-se'^as qne I
inimlsade com a America ; mu os
pareass r-ageaijaa aa, sa-wwi a a torca e o vigor 0 nmpoettUiW*
Pfi^N^lIfpCO^TtT. DE M-'.F-IW*, %WH9

-*i
f
<

\

i
* aWI WM


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EM4ED7A0V_UAPBCG INGEST_TIME 2013-09-04T22:53:14Z PACKAGE AA00011611_10910
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES