Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:10906


This item is only available as the following downloads:


Full Text
I
t.
I
1
;'

Y*
\0
II
ATOO ILIl MUERO 50
ft furtol paga eitre dos 10 das 4 4.* nez ,
dem epois dw 1.' das d cameeo e dentro U qoartel
Forte to cwreia por tres mezes ...........
b>to
6oo
75t
DE
BNCARREGADOS DA SBSCRIPCAO DO NORTE
Parahyba, o Sr. Antonio Atex?ndrioo de Lima!
Natal, o Sr Antonia Marques da Silva; Aracaty, o
Sr. A. de Lemos Braga; Cear, o Sr. J. Jos de
Oliveira; Maranhao, o Sr. Joaqoim Marques Ro-
drigues ; l'ar, os Srs. Geraldo Antonio Al ves &
Filhos; Amatooas, o Sr. Jeronymo da Costa.
ENCABRlGADOS DA SBSCRIPCAO DO SUL.
Alagoas, o Sr. Clandino Falcao Uias; Baha, o
Sr. Jos Martins Alves; Rio de Janeiro, e Sr. Jos
Ribeiro Gasparinho.
PARTIDA DOS ESTAFETAS.
Ojiada,- Cabo, Escada e estafes da via frrea at
Agoa Preta, todos os das.
Iguarass e Gojanna cas segundas e sextas Tetras.
Santo Anto, Grvala, Bezerros, Bonito, Caraar,
Altinho, Garanhans, Bufque, S. Bento, Bom
Conselho. Agaas Bellas e Tacarat, as tergas
feiras.
Pi d'Alho, Naz ireth, Linoeiro, Brejo, Pesqoeira
Ingaieira, Flores, Villa Bella, Cabrob, Boa Vis-
ta, Ouricury, Salgneiio e Ex, as quartas
feiras.
SEXTA FEIRA 2 DE IARC0 K 1866
Par ama pago ieitra t la das da 1. mci.
Parte aa earreio aar om aiao ,..,,.
198
RNAMBUCO.
Serinhem, Rio Formoso.Tamandar, Una, Bar-
reiros. Agua Preta a Pimenteiras.naaqnintas
feiras.
i
AUDIENCIAS DOS TRIBUNAES DA CAPIIL.
Tribunal do eonunercio: segundas e quintas.
Relagao: tergas e sbados as 10 poras. ,
Fazenda : quintas s 10 horas.
Julzo do commercio: segundas as 11 horas.
Dito de orphaos: tergas e sextas s 10 horas.
?ara do civel: tergas sextas ao meio
Seguida vara do clvel: quartas sabbades a 1
be 4a tarde.
EPflEMBRIDES DO MEZ DE MARCO,
t L*t fbeia as 9 h., 33 m. e 16 s. da m.
9 Wrt mine- a 1 h., 33 m. e 53 s. da t.
16 U aova as 7 h., ITm. e 33 s. da t.
23 QunD cresc. as 10 h., 44 m e 27 f. da m.
31 Li epeia as 2 b 12 ai. e 22 s. da m.
DAS DA SEMANA.
PARTIDA DOS VAPORES C0STEIR03.
26. Segunda. S; Pedr Damio b. e. e dour.
27". Trga. Ss. Antigono. Corso eBessasold. mm.
28. Quarta, S-. Romo-ab.; S. Cerealro.
1. Quinta. Ss. Suilberto rEodocio mm.
2. Sexta. Ss'. Jovlno, Basilio e SeeuBdilla mm
3. Sabbado. Ss. Hemetejle-e Asterio mro.
4. Domingo. S. Caseniflwi; S. l-oefo p.
PREAMAR DE HOJE.
Primeira as S horas e 18 m. da manhia.
Segunda as 3 horas e 42 minutos da Urde.
Para o sul at Alagoas- a 14 e 30; para, o non
at a Granja a 7 e 22 de cada mes; para Parata-
do nos das 14 .'os mezes de Janeiro, margo,mau
julho, seterobro e novernbro.
ASSIGNA-SE
no Recife, na livraria da praga da Independencia
ns. 8, dos propietarios Manoel Figueiroa de Paria
& Filho.
*
PARTE OFFICIAL
HELATORIO
a presentado, pelo Exm. Sr. eon-
aelhHro Joo Lustosa 4a Cu-
aba Paranagn. asseanl
provincial, por oceasISo
abertnra da sesso do corra-
te anuo, no da Io de mareo.
Sis. memlros da assemblc legUlaliva provincial.
Momeado por carta imperial de 7 de julho pre-
sidente desta provincia, tomei posee da sua admi-
nistrado a 2 de agosto do anno prximo passado.
Sendo tao curto o periodo de tempo decorrido,
visto que nao posso anda estar habilitado a miois-
trar-vos todos os esclarecimentos a a indicar-vos, \ fernecido
Expedi as or
a novas eleigoes
municipio de Pa
treguezia de lia
pelo governo, as
mente, e de ve
de Bezerros, ere
JNo
como desejava, as providencias que reclamara os
diversos ramos do ser vico publico, nesta talla, cuja j
deficiencia vos, eleitos do povo, em que sobram lu-1
zes e patriotismo, conhecenJj a provincia que dig-
namente represeataes, supprireis cabalmente.
Votes porra de encelar este trabalho, (oigo po-
der congratolar-rae cora vosco peto feliz regresso de
S. M. o imperador, e de seus augustos genros
capital do imperio, depois de urna tonda to rpi-
da qoanto fecunda em resallado* 15 presente e no
futuro, que a historia um dia ha de registrar eom
caracteres indeleveis pa mais bella pagina do aMual
reinado.
ELEICdES.
Tiveram lugar no' dia 4 de agosto passado na
frguezia de Lite eleico de eleitores especiaes
para senadores, Mo ler sido anonllada pelo poder
competente a queAaavia anteriormente feto na-
quella .arocha. '
Procedeu-se tambem sem oceurreocia nolavel a
eleu;lo de um depotado assembla .eral legisla-
tiva pelo 2 districto desta provincia no dia 5 de
Janeiro ultimo, e no dia 7 a dos membros desta as-
sembla.
precisas para qirse procedm I
jjaizes ds paz eVtereadores do
Albo, da jniz de paz somente na I
ac, por terem sido anoullaios j
i se tinham feito altl uUinA-j^ t,u
bres somente em o novo terewN|eios
__i pela le provincial n. 619 ddltj*
de maio do anno passado, e por conseguinte depois I
da ultima eleigo eral.
Ordenei lamben) que* se lizessem novas eleiees
de juizes de paz na fregoezia de Uu#, e de varea-
dores em todo o municipio do Rio Fermoso ; mas i
em vista de urna representado do digno presidente
daquella muuicipalidade, mandei sebr'estar aa exe-.
cugao daquella ordem, at que o governo imperial
retolva a seraelhante respeito.
TRANQUILIDADE PUBLICA.
A tranqnilidade da provincia, grecas a Divina I
Providencia e a boa ndole do povo, nao tem sofri-1
do altere^. Juan como ul podam-se considerar
os attentados twHmw que, tendo relagao mais im-
mediata com a ordem publica, pela sua gravidade
e alcance attrahiram a attencao da presidencia, e
tornaram iodispensavel a presenga do muito digno
ebefe de polica, cujo xelo e actividade infatigavel
no desempenho de seus deveres sao dignas de
loovor.
No temo de Ipojuca o tenenle-coronel Gaspar
Cavalcaoti de Albuquerque Uchoa apreseoiou-se
com urna torga armada de 60 bomens para tomar .
posse do engenho Aralaogy, sobre cujo direito de
prosperidade trazia um pleito com o tenente-coro-'
nei Joo de S e Albuquerque, que com sua fami-
lia morava naquelle etigenho..
Promovendo a execugo de um accordo da re-
lacao que julgou nulla a escriptura de bypotheca e
convengao, pela qual o teoente-coronel JoSo de S
eslava de posse do engenho Aralangy, e mandou
liquidar as per Jas e dainos, obteve tenente-cp-
ronel Gaspar do juiz muuicipal supplente que es-,
lava em exercicio um mandado de despejo, a que
o lente coronel S se oppoz sob fundamento de i
exceder semelhante pretengao os limites do julgado
do tribunal superior.
Assim que, neohuma apprebengo seria poderla
baver acerca do socego da localidade, se nSo fos-
sera as disposlgiJss manifestadas de levar-se a etTei-
to o despejo por melos violentos.
Em vista disso, afim de evitar qualquer contiicto,
fiz seguir para aquelle logar o Dr. ebefe de polica,
que alias recebera da aumridade policial respecti-
va um lelegramma, reclamando a sua presenga,
attenta a eminencia do pexigo que corra a tran- i
quili Jade do municipio, v
Com tanto tioo e acert se houve aquelle honra-
do magistrado que as coasas tomaram logo um as-
pecto mais sereno, sem que Ihe fose preciso em-
pregaroutros meiossano os conselhos de pru-
dencia e rngderagao.
| disposigao urna forga de 41 pragas, do batalhio n-
9 da guarda nacional do municipio de Olinda.
Sao valiosos os servicos que all tem prestado
aquelle digno furccionario.
Ao saber do brbaro assassinato do Dr. Eslevo,
ofliciei ao Dr. chele de polica para que de Papa-
caga, onde se acbava, seguisse para Villa Bella,
atim de tomar conhecimento do tacto, e proceder
na fon! da le contra seus autores, sugeitandoai
trlbonaes, que se nao se compenetra-
dev;r no julgameoto de crmes tao
ie des crimes horrorosos, barbarisando
rten. nao encontrar um paradelro.
receher esta minha ordem o Dr. chefe
de polica havia ildo noticia do assassinato, a que
alludo, e eommonicavame que seguir para o lo-
gar do delicto, anteclpando deste modo as recom-
mendagdes, que eo Ihe dirigir.
Seguranca individual ee proprtedade.
No decurso do anno passado, segundo o mappa
pela reparligo da polica, comraetteram-
,................ 108
homicidio....... 7
i
I
7T
T
1
a
12
i
a,
reos.
"
MK
os segointes
16
9
7
10
1
1
4
se os crimes segointes :
Resistencia................
Tomada de presos......... 16
Tentativa do mes rao........
Desobediencia............. 8
Falla de ei.-.cgfio no cumpri-
ment de deveres........ 1
Falsidade..................
Perjurio...................
Peculato................... 2
Moeda falsa............... 1
Contra a liberdade individual 1
Homicidio................. 57
Tentativa de nomicidio..... 20
iRfaotecidio............... 3
Ferimeotos e offensas pbysi-
sicas graves............. 35
Ditas e ditas levas.......... 34
Injuria.................... i
Furto.................... 13
Estellloiuto..............- ^
Ronbo..................,- 14
. Tentativa de roubo......... 9
Contra a reiigia, moral a
bons costumes............
Uso d'armas defecas........ 3
Uso de instrumentos para
roubar..................
mesmo periodo tiveram lugar
otaveis:
Mortes casuaes............
Suicidios.................
Tentativas de suicidios......
Arraabaraentos de cadea*..
Fuga de preso.............
Tentativa de fuga de presos.
Incendios..................
Inundagao das aguas do Ca-
pibaribe................. 1
Foram capturadas no anno prximo fiado 99 de
sertores e 215 reos dos crimes segointes:
Desertores.
Do exercito................. 81
Da armada............... 15
Da etepo da polica.......~ i
Reos.
De resistencia............... 7
De tomada de presos...... 7
De tentativa de tomada de
presos................... 1
De desobediencia...........
De perjurios,.............. 2
De peculato............... 2
De moeda falsa............. 1
De contra a liberdade indivi-
dual.................... 1
De homicidio.............. 56
De tentativa de homicidio... 15
De infantecidio.......... 2
De ferimentos" e ofTensas phy-
sicas e graves...'......... 27
. De dilos e ditas leves....... 30
De injuria................. 2
De ameagas..........-..... 1
Defuno.................. 19
rapio................... 1
esteliooato............. 4
De roubo.................. 13
De tentativa de roubo...... 3
De falleaeia fraudulenta..... 1
De uso d'armas defezas..... 4
De uso de instrumentos para
roubar................. 2
A dfffereoga que se nota entre o total dos crimes
e dos criminosos, procede de seren algons indivi-
duos co-ros do mesmo crime.
A ausencia prolongada do muito digno chefe de
polica Dr. Eduardo Pindahyba de Maltos, que par-1
ti para o interior da provincia incumbido de dli-'
genclas importantes, inhibe me de ministrar-vos
esclarecimentos mais minuciosos e completos sobre
este importante assumpto.
Anda pouco lisongeiro como vedes o estado de
concorrendo
Homicidio..
Tentativa de
Infanticidio .
Aborto.:..................
Feriraemos e offensas physicas
Ameagas............-.......
Estupro....................
fS:;^::::::::::::::::
EitelIMttto................
i Damno....................
Roubo..................... ,
As penas impostas pelos julgamentos conaemna-
torios foram as seguintes :
Morte.............a 2.
Gales perpetuas.....a 8
Gales temporarias... a 37
PrlsSocom trabamo. a 26
Dita simples........a 52
Desterro...........a I- l
Mulla.............a 77
Agootes...........a 11
, Por esses crimes responderam peraote o jury 292
reos, sendo ;
Naclonalidade.
. Brasilelros... 281
Estrangeiros .11
SfW. .,
Homens......285
Morberos 7
Estado.
SoKeiros
Casados ..
Vluvos...... 42.
Iao>.
De 14 a 17 annos. 1
De 17 a 21 > 24
De 21 40 > 186
De mais de 40 70
Km prega dos pblicos
Milicia. 2.
Juslica.. 2
Occupagdes e pros.-oes.
Agricultura...... 158
Commercio ...... 16
Artes... .\..... 48
Lettras.......... 3 ^ .ii
Nutica......... 6
Servigo domestico 14
Sem offlelo...... 2
Escravos........ U
Iaftrucgo.
Analphabeto.....207
Sabendo ler...... 71
Palos jaitas de direito foram julgados 21 pro-
cessos, comprehendo 24 reos, sendo 18 condemna-
g5es e 8 absilvigoes, as comarcas indicadas no
segointe quadro : _

:4
:S3g;>|f
srs-. dd.
: : B-
f Foga presos. I -"-i 2
1 j Prevaricagio.
1 Abuso de autoidade.
*- | Viort-ncianotxercicio j do f mpregoi
1 ial ' Peculato. te 1
1 -1 Concussao.
1 ! Tomada de presos. 1
1 M 1 Resistencia. MI 1
1 .1 j Moeda falsa.
1 -1 | Fe rmenles e orlen-_ sas pbysicas.
1 a-. 1 it ! Furto de animaes. tai >
1 -1 Offensas pbysicas.
1 i* i c-. i - 1 Total. J. ^1 -- ^ i |
de educago moral
o uso d'ar-;
Na comarca de Garanhos urna palmilla que seguranga individual ja provincia
conduzia recruias, toi aggredida perto de Pao Fer- ?"* *o a insuficiencia dos meios preventivos, a
ro na fregoezia de Agoas-Bellas, resultando do con- frque da repre^ao, a falta de edu
flicioalm dealgon* ferimentos a morte de om e religiosa,* ocioydade^ embriaguez,
dos aggredidos e de dous aggressores, que todava mas de'e* vulgartsada nos nossos serles,
lograrara .ornar os recruta^Sais dias antes j se q- P,red'sP5-p,s 'ndividuo^ue a pralica de en-
havia verificado oulra tomada de recrutas no lugar me? "e que monas vezes nao ccgltaro, e sobretodo
denominado Canella, daquella mesraa freguezia, e a "npuoidades caudalosas que tem encontrado
pouco depois alguns individuos accorametteram a scelerados de crftes os mais horrorosos,
casa qaa serve de prisao na povoaco de Pedra, e i a,voltam na n,"sa eslatislica criminal os cn-
della lirarara ouiro recruta. mes ^Dtra a propnedade. E se bera que nos pai-
Tambera no d'strict de Palmaira da mesma co-: "8 novos em que a civilisagao nao se ostenta com
marca de Garanhos, um grupo de individuos ar- corlHJ0 do 'P*0*0 da W'senar seja isso multo-a-
mados aggredio de noite a guarda da casa, que all 'a'a'. stou lenge de suppor que sejam aompletos
serve de prisao, e fazendo fogo sobre os soldados. da* I8 P00e tor a reparljco ^a [
que encontrou dormindo, e dos qoaes sahiram cln-
co feridos, soltou os recrutas que estavam naquella
prisao.
ca.
mos
O crime de furto, como sabis particular ; nao
I caben Jo o procedmento ex-officio passa qtnsi sem-
Dr. chefe de polica tomn conhecimento desse Pre ,teMp?S2 ?TRAr M ToTira *
grave attentado, e jase achara presos alguns dos 0 ABMIiMSrKAgA DE JUSTINA.
s'us autores I Segundo o mappa torneado pela reparlicao da
'" F exSKtoSoSS SSSZ^uSShS fl^J^^CS^nfit
locaes.e fazendo mafcoar urna torga de polica do houveram 37 sessSes do jury nos seguintes ter-
aflm de deligeneiar a captura dos criminosos, man-
ler a ordem publica e o respeito devido as autori-;
dades, levaram-me a lomar a deliberago de man-
dar para all o Dr. chafe de polica, para que como
aoloridade superior examinasse por si o estado
moral daquella comarca e dos termos visinhos, In-
formando-so do procedimeoto das soas autoridades
e propondo me logo as medidas qos enteodesse
convenientes, quando nao couhessem ellas as soas,
artrlbuigSes.
Antes que se dessem estes acontecimeotos na co-
marca de Garanhuns, aatros nao menos graves!
liaviam chamado a attengo do governo para a ca-!
mar de Flores.
O bacharel Manoel Henrique Cardim soffreo om
tiro, iodo de Baixa Verde para a Villa de Fores.
O subdelegado desta villa, Izidoro da Silva Mas-
carenhas, tambem foi ferldo por um tiro, que Ihe 1
deram de emboscada.
E por ultimo brbaramente assasslnado eom;
om tiro o hachare! Eslevo Benedicto Franca, jufz
municipal e delegado de polica de Villa Bella, in-
terinamente na vara da direito.
Logo que Uve conhecimento de taes altentados, e
do estado melindroso daquella comarca, tralei de
mandar para all ama autoridade policial inleira-,
mente esiranha aos odios e paixCes partidarias, e
Recife...... 1" 2* 3* 4* e 5
Olioda...... 1*
Igoarass... Ia
Goianna..... 1* e2*
Nazareih.... 1* e J"
Pao d'Alho. .*! f
Limoeiro 1* e 2a
Santo Anuo. Ia e 2*
Escada....... 1* e 2a
Cabo........ I*e2*
ipojuca...... Ia
Rio Formoso 2a
Serfnniem.. 1*
Barreiros ... 1* e 2a
AgoaPreta.. l'el'
Brejo....... i ai*
Cimbres..... 2a
Garanhuns.. i'
Floras..... 1
Villa-Bella Ia
Ingazeira .. I*
Tacaralu' .. 1* ,,.,
Ouricury .. 1* *
Em Villa-Bella alm da sessao ordinaria houve
ama extraordinaria.
fiestas tetades liveram lugar 370 jolgamentos.
______
ma'lw'so'artcte'r honestle impa'reial podess' senikj ll ci lemnatorios a 1M absolutorios pelos
fazer respeitar *nlr o criminosos, qualquer qoe, aegiUotes crimei
Tomada de presos.......... 4
Adelino! BfWiMela................. 2
fos?e o lado a que pertencessem.
Eocumbi desta commissao o bacharel
Antonio da Luna Freir, o anal dirlgio-se ao termo
de Flores, para ondj ja' ea havia (eito seguir a toa
tflfn-................... 3
Contra Utorfet indivldoai. 4
Pelo juiz municipal do trra i de Onuda foram
julgados pelo crime de offensa a' religio, moral e
bons costumes, dois processos comprehendendo
dois reos dos quaes um condenuado e outro ab-
solvido.
RELACO.
Por decretos de 3 e 13 ue dezerabro foram re-
movidos da relagao desta provincia para a do Ma-
raoho o desembargador Antonio de Barros Vas-
concellos, e da do Maraoho para o desta provin-
cia o desembargador Francisco Vieira da Costa.
JUIZES DE DIREITO.
Para a comarea de Flores foi por decreto de 18
de novembro noraeado o bacharel Esmerino Go-
mes Prente em logar do bacharel Joo Rodrigues
Chaves, que foi noraeado chefe de polica da co-
marca da Parahyba : e para a comarca de Cabro-
b foi nomeado o bacbarel Hlsbello Florentino Cor-
rea de Mello, por decreto de 30 de junho.
JUIZES MUNICIPAES.
' Por decreto de 17 de novembK foi declarado
sem effeito a noraeacao do nacbarel Virgtno Gar-
neiro da Conha e Albuquerque para o termo de
Santo Anto por nao haver tirado em lempo a res-
pectiva carta, e era seo logar foi nomeado e ba-
charel Paulino Rodrigues Fernandes Chaves por
decreto de i8 do mesmo mez.
Por decretos da mesma data foi o bacharel Pau-
lino Ferreira da Silva, nomeado para o termo de
Caraar ; d'onde foi removido o bacbarel Miguel
Bernardo Vieira de Amorim para o de Seriobero,
e deste termo para o de S. Itomao em Minas Ge
raes o bacharel Gullherme Cordeiro Coelho Cintra.
Para o de Ingazeira foi por decreto de 14 de de
zembro nomeado o bacbarel Jos Ricardo Gomes da
Carvalho por ter o bacbarel Joaqoim Ferreira Cha
ves terminado o quadriennio : para o do Ooricu
ry, foi por decreto de 6 de julho nomeado o baeba
re Vicente Jansen de Castro e Albuquerque, e pa-
ra o do Granito o bacbarel Angelo Caetano de Son
za Consseiro, por decreto da mesma data : e por
decreto de 15 de Janeiro do correte ano* foram
removidos a pedido : o bacharel Francisco Anto-
nio Cesarlo de Asevedo, do termo de Garanhuns
para o do Orejo, e desta para aquelle o bacharel
Jos Antonio Coelho Ramalho. ,,L,
PROMOTORES.
Conced ao bacharel Jacintho Pereira do Reg a
exoneraglo que pedio do cargo de promotor pobli-
eo interino do termo desta capital, e era seo logar
foi nomeado o bacbarel Francisco de Carvalho Soa-
res Brando pelo juiz de direito da segunda vara.
Coocedi igual exonerago ao promotor publico da
comarca da Tacarat, bacbarel Daniel Germano de
Aguiar Moniairoyos, e para o substiioir noroeei o
bacharel Tiburiino Barbosa Noguera : para a da
Boa-Vista, em lugar do bacharel Aogelo Caetano
de Sonza Cousselro, juiz municipal nomeado para
o termo do granito, nomeei o bacharel Joo Fraok*
lia de Alancar Lima; para a de Cabrofc nomeei o
bacbarel Joo Al ved Ferreira de Lyra, por estar o
bacharel Antonio Lopes da Silva Barros
juiz muofcipal e de or pitaos do termo do Jardim na
[locar do bacbarel- Antonio Florentino Min- crear na provincia d*Mato-Grosso, e a eompanbia
le falleceu. de artfices o Sr. 2a lente Honorio Domingaes
dre seguinte demonstra quaes os juizes de Menezes Doria classincado no 3 batalho de arti-
nunicipaes e promotores pblicos da pro- Iharia a p.
Determina outro sim, que a aola do gaz consu-
mido mentalmente dos quarteis e enfermara mili
tr, seja feios segundo o modelo abaixo transcripto.
(Assigoado.JFrancisco Sergw de Olivara.
Est conforme. Estevao Jos Ferraz .tenente
ajudante de ordens interino encarregado do de-
lalhe.
i juizes de direito, municipaes e promo-
fablicos da provincia de Pernambuco.
JUIZBS DE DIREITO.
Comarca do Recite.
Dr. JoSo ABtonio de Araujo Freitas Hen-
E' admiravel que todos os-dias se trabaH all, o
as damnificagSes nao cessem l
Foi encontrado no dia 26 do PKBo passa-
do na lat. s. 10-e long. O 35* o brlgue brasileiro
Norma que sahira a 24 do mesmo mee deste porto
para o do Rio Grande do Sol.

Dr. Manoel Jos da Silva Neiva.
Icio, Dr. Tristo de Alencar Araripe.
I, Dr. Jos Nicolao Rigueira Costa.
Comarca de Olioda.
Drvflbilio Jos Tavres da Silva.
Comarca do Cabo.
Sanoel Clementino Carnelro da Cunta.
Comarca de Pao d'AIno.
Dr. SelBno Augusto Gavalcanti de Albuquerque.
Comarea de Santo Anto,
Dr. #s Felippe de Sonta Leo.
Comarca de Nazareth.
Dr.,|to Paulo Monteiro de Aodrade.
Comarca de Goianna.
Dr. francisco Gongalves da Rocha.
Comarca do Rio-Formoso.
Dr. Ludgero Gongalves da Silva.
Comarca de Palmares.
Dr. Joo Francisco da Silva Braga.
Comarca de Limoeiro.
Dr. Jet Quintioo de Castra Leo.
Comarca de Bonito.
Dr. nll Barbosa de Vasconcellos.
Comarca do Brejo.
Dr. Loarengo Francisco de Alraeida Catanbo.
Comarea de Garanhuns.
ut. Carlos Cerqueira Pinto.
" Corrrarca de Flores.
Dr. tsmerino Gomes Prente.
Comarca de Tacaralu.
Dr. narcos Correia da Cmara Tamarindo.
Com; rea da Boa-Vista.
Dr. Antonio Boarque de Lima.
Comarca de Cabrob...
Dr. Hlsbello Florentino Crrela de Mello.
.*' juim-J*uxiciP-\Es.
_ Termo doBecile.
Vira, Dr. Hermogeaes Scrates Tavares de
Yasoaieelios.
a, Dr. Francisco de Araujo Barros,
los, Ernesto de Aqoino Fooseca.
-Termo de Olinda. .
Dr. Eduardo Augusto Piulo de Oltveira.
Termo de %oarass.
Dr. Jaao Carlos Augusto Cavalcaoti Vellez.
Termo do Cabo.
Dr. Jaao Gonzaga Barcellar.
Termo de Ipojuca.
Dr. Francisco Brando Cavalcaoti de Albu-
querque.
Termo de Pao d'Alho.
Dr. laVcimiano Francisco Duane.
Termo de S. Anlo.
Dr. Piralino Rodrigues Fernandes Chaves.
Termo da Escada.
Dr. Luiz Antonio Pires.
Termo de Nazareth.
Dr. Joaqoim Jos de Oliveira Andrade.
Termo de Goianna.
Dr. Henrique Pereira de Lacena.
Termo do Rio-Formoso.
Dr. Julino Coelho da Silva.
Termo de Serinhaem.
Dr. Miguel Bernardo Vieira de Amorim.
Termo de Barreiros.
Dr. Felisbinode M-nlongi Vasconcellos.
Teimo de Agua-Preta.
Dr. Joao Garlos de Mendonga Vasconcellos.
Termo do Limoeiro,
Dr. Emgdio Marques Santiago.
Termo do Bonito.
Dr. Antonio Golumbano Seraphkso de Assls Car-
valho.
Termo de Caruar.
Dr. Paulino Ferreira da Silva.
Termo do Brejo.
Dr. Francisco Antonio Cosario de Azevedo.
Termo de Cimbres.
Dr, Joaqoim Theotonlo Soares de AvelJar.
Termo de Garaobuns
Dr. Jos Antonio Coelho Ramalho.
Termo de Buque.
Dr. Antonio Fernandes Trigo de Loureiro.
Termo de Flores.
Dr. Joo Baptlsta do Amaral e Mello.
Termo de Villa-Bella.
Vago.
Termo de Ingaseira.
Dr. Jos Ricardo Gomes de Carvalho.
Termo de Tacarat.
Dr. Vicente Ferreira Lima.
Termo da Boa-Vista.
Dr. Jos do Patrocinio Pereira da Silva.
Dr. Vicente Jansen de Castro Albuqoerqoe.
Termo de Cabrob.
Dr. Agnelo Jos Gonzaga.
Termo do Granito.
Dr. Angelo Caetano de Souza Cousseiro.
PROMOTORES PBLICOS.
Comarca do Recite.
Dr. Jos Paulino da Cmara, (na guerra). Dr.
Francisco de Carvalho Soares Brando, (inlerinoA
Comarca de Olinda.
Dr. Manoel Isidro de Miranda.
Comarea do Cana.
Dr. Paulo Martins de Almeida.
t comarca do Pao d'Alho
Aires Mergolbo.
Comarca de Santo Anlo.
inio Coriolano Tavares dos Santos.
Comarca de Nazaretb.
Dr. Joaqoim Eduardo Pina.
Comarca de Goianna.
Dr. Jos Antonio Correia da Silva.
Comarca do Rio-Formoso.
Antonio Rogerlo Freir de Carvalho.
Comarca de Palmares.
Dr. Meodo de S' Barreta
>. Comarca de Limoeiro. v
Dr. Jos Joaqoim de Sonto Lima.
. Comarca do Bonito.
Dr. Candido Martins de Almelda.
Comarca do Brete.
Dr. Manoel Galdioo da Cruz.
Comarca de Garanhuns.
Dr. Antonio Salustiano d'Abreu Reg.
Comarca de^Bwres
Dr. Antonio Borges da Foaseca Jauor.
Comarca de Tacarat.
Dr. libertino Barbota Nogoera
Comarca da Boa-Vista.
Dr. Joao Fraoklm de Alencar Lima.
Comarca de Cabrob.
Dr. Joao Alves Pereira de'Lyra.
(Confi'auar-se-Aa)
I BATALHAO N.....O ENFERMARA SllLITAR.
I ola do gaz eonsumido no mez de.... de 186 .

i
2
3
4
o
6
7
8
9
10
11
12
13
14
lo
16
17
18
19
20
21
22
23
24
2o
26
27
28
29
30
a
o
n >
> o
i. -
Bg
2 s
3"
C
O
a
o
9
s
"O
2
l
ra
e
o
ii
s..
B
3 9
o
a ss
a .r
a a
3
o
12:000
12:150
12:300
12:450
12:600
12:750
12:900
13:050
13:200
13:350
13:500
14:660
14:8x0
14:980 5
15:140
15:300
15:460
15:620
15 780
15:940
16:100
16:260
16:420
16:580
16:640
16:800
16:960
17:120
17:180
17:340
a
ce
o
9
SS"
a.
s
n
i* a
5-
a
12:150
12 500
12:450
12:600
12:750
12:900
13:050
13:200
13:350
13:500
14:660
14:820
14:980
15:14)
15:300
15:450
15:620
15:780
15:940
16:100
16:260
16:420
16:580
16:640
16:800
16:960
17:120
17:180
17:340
7:500
150
150
150
150
150
150
150
150
150
150
160
160
160
160
160
160
160
160
160
160
.160
160
160
160
160
160
160
160
16<>
160
Somma.
4:700
9
9
9
0
9
9
9
9
9
9
9
9
9
9
9
9
9
9
9
9
i
9
9
9
9
9
9
9
Costo
de cada
p a
9 rs.
impor
tancia do*
psconsu'
midos.
42:300 rs.
Qoartel de......ou enfermara militar.... de
.... de 186..
PERNAMBUCO.
ASSEMBLA LEGISLATIVA PROVINCIAL.
^SESSO DK INSTALLigO EM Io DE MABCO
DE 1866.
PRESIDENCIA DO SR. VICARIO FRANCISCO PEDRO DA
SILVA.
As 11 horas reunidos no saino diversos Sr9- de-
pu lados o Sr. presidente coovldou-os para assis-.
tirem a missa do Espirito Santo.
Ao meio dia e vinte mnalos procedeu-se a cha- i nham sofTrido
raada e venQcou-se estarem presentes os Srs.
Francisco Pedro, Ramos, Ayres, Gaspar, Ribeiro,
J. Reg Barros, Sonto Lima, Sergio, Cicero, Andr
Gavalcanti, Hisbello, Joaqoim Tavares, Crrela da
Silva, Arminio, Emydrn, vigario Albuquerque Ma-
raoho, Sabino, Soares Brando, Machado, Boar-
que, Amorim, Brito, Candido Martins, Mergulhao,
Augusto de Sonza Leo, Amyntas e Tibnrtino.
Poi lida e approvada a acta da sesso anterior.
O Sr. Presidente deferio juramento aos Srs. Sa-
bino e Costa Ribeiro, que nao se acharam na mis-
sa do Espirito Santo.
Suspenden se a sesso at a chegada de S. Etc.
o Sr. presidente da pro.vioeia.
A 1 hora da tarde aonanciou-se a ehegada de
S. Exc, e os Srs. depntados tomaram os seus res-
pectivos lugares.
Poi admiiudo o Exm. Sr. presidente da provin-
cia com as formalidades do estvlo, e loo o seo re-
latono, que publicaremos posteriormente.
Retirando-se S. Esc com as mesmas formali-
dades, o Sr. presidente declaroo qoe se ia proce-
der a eleico da mesa delioitiva da assembla.
O Persinunga entrado antehontem dos portes do
norte, traz dalas do Cear al 22 e da Parahyba at
27 do prximo passado mes.
Na primeira provincia tinha sido gaoha a eleico
provincial do 2. e 3. dislrictos pela parclaldade
do Sr. senador Pompeo.
O Cearense conta o seguinte :
< Antehontem pelas 8 horas da noute cabio ao
mar o commandante do vapor nglez Bull dog, que
se acba tandeado em nosso porto e al bontem s
6 horas da tarde aluda nao bavla apparecldo o ca-
dver.
< Hontem s 2 horas da tarde dirigio-se o Sr. Dr.
chefe de polica eom o cnsul inglez i nordo
d'aquelle vapor afim de averiguar o facto, visto
como se suspeitava um crime no desaparecimento
do commandante, e sendo interrogados o piloto e o
cozlnheiro, nicas pessoas que virara o infeliz cabir
ao mar, reconhecen-se que o commandante fdra
| victima da embriaguez em que se acbava.
0 Sr. Dr. chefe de polica entendea-se com o
capitn do porto, para que este mandasse postar
sua gente na prai, ao norte e ao sul, aflm de es-
preiiar o apparecimento do cadver, o qoe imme-
diatamente foi providenciado.
Anda espera-se pelo corpo de delicto que
vira esclarecer todo. >
O Publicador, da Parahyba, noticia:
Na noute do dia 19 do correte a maroja de
alguns navios britnicos, a' carga em nosso porto,
atacaram varias pessoas, que passavam pela ma
d'Ara, e pretendern) penetrar viva terca em
al, urnas casas, cojas portas sffreram das violen-
cias, mas resistirn) as tentativas.
No da seguinte, 20 a' Urde, a trpolaco de
um dos navios sublevou-se, e maltraten, ou quiz
maltratar, ao respectivo capilo, que leve de pedir
o auxilio da terca publica, a' qual tambem resisti
aquella maroja.
< Aessa noule sabindo dos outros navios parte
da respectiva maroja, agrupou se no largo em fren-
te a' capliania, e principiou a gritar, e fazer dis-
turbios, depois de baver tomado bebidas as ven-
das all existentes.
< Um soldado da guarda do Varadonro indo ver
o que causava aquella gritara, ou despersa-
los, foi perseguido a pedradas at o corpo da
guarda, que, sendo muito pequea, nada poude
fazer.
O subdelegado do Varadouro, temendo repe-
tigo das sceoas da noute antecedente, pedio aos
quarteis de guarda nacional, e polica, ama terca,
a sendo-lbe dados seis pragas, dingio-se eom ellas
ao logar, onde eslavam os marojos, mas estes o
receberam a pedradas, ferindo gravemente om sol-
dado na rabeca.
< Ento o sosto derramou-se pela popolacSo,
acudirn) mais soldados, e paisanos, consegulndo
fazer recolner parte dos desordeiros aos respeelt-
vos navios, para onde fugram pelas prancbas, e
prender outros, qoe j tinham seguido para a ra
d'Areia.
A's 10 horas da noute eslava a cidade em
alarma.
Ficaram feridos, mais ou menos gravemente,
tres soldados.
< Apreientaram-se no lagar do conflicto os Srs.
Dr. chefe de polica e delegado, e varias pessoas de
distinego, ras elle j tinha lindado.
Eis como proceden) em trra hospitaleira esses
cidados, cojo governo to prompto e fcil em lo-
mar sasfages pelos meios empregados pelos g-
\ gredidos para conte-los, e repeii-los.
< EJIes teem andado a horas moras nesta ci-
| dade, e as vezes bera imprudentes, sem que te-
o menor encommodo ; agora pro-
ceden) por tal forma, indispondo contra si a popu-
lago.
E' conveniente, que qaem competente fdr
procure evitar, que saltem noute para-.trra,
aquelle?, que por sua conduela nao derem garan-
tas suflkentes de portarem-se bem, e eom pru-
dencia.
< Se ellos procedem pela maneira, que dissemos
com os respectivos commandantes, de da, e sem
estarem excitados pelas bebidas, o que podemos
esperar noute, e quando j teem toda a carga a
bordo, e superior sua lotaco T
t Talvez que a conservacao das prancbas a' noo-
te nao seja prudente, pois facilita a comtnoBicacao
del les com a ierra, e assim que fosse mais conve-
niente desarma-las, 'ao cessar a .tarde o trafego do
carregamento.
c Tambem talvez cunviesse elevar a vinte bo-
mens a guarda da alfandega, ao menos emqoanto,
como agora, houvessem no porto jantes navios
I carga, quando nao diariamente a' noute.
i Urna guarda forte, e confiada a om offlcia! po-
de prevenir desordens, e complicagoes, qoe nos
Proceden se a eleigo para presidente, vice-pre-1 cansera maiores desgostos. e trabalbos.
sidenle e secretario, a qual deu o seguinte resal- j Qaem pagar indemnisacoes aos soldados ten-
tado. dos ? E' pena, qoe tenha morrido Lord Palmers-
PresidenteVigario Francisco Pedro,21 votos. ton, ou qoe nao esteja ca' Mr. Cbrlslie f*
Vice-presidenteAugusto de Soma Leo 20
COMANDO DAS ARIAS.
Qiartel general da temando das armas de Per-
aabiee na cidade do Recife, 1 de maree de
18M.
Ordem do da n. 207.
O marechal de campo commandante das armas
determina que, a contar de boje, fiqoem conside-
uomeado tados addidos a eompanbia de cavaHaria deala
goarnlcfo, os Srs. tenente Manuel Joaqoim Macha
pwioela do Ceara', e para a comarca de Mor* do e alteres loaoolm Velloso da Silveira classlflca
nomeei 9 bacbarel Antonio Borges da Fooseca Jo.
d> caladores a cavallo
votos.
! secretarioJoao da Silva Ramos19 votos.
2o secretarloAyres Gama15 votos.
Supplentes destes, os Srs. Mergulhao com 4 vo-
tos e Manoel de Carvalho com 3.
Em segnida o Sr. presidente levantou a sessao
dando para a ordem do dia a eleigo de comrais-
sdes.
II I l> '
REVISTA DIARIA
Teve hontem lagar a sesso de abertura da as-
sembla provincial, pronunciando o Exm. Sr. pre-
sidente da provincia um extenso e minucioso rela-
torio, de que damos ama parte, sob a rubrica com-
petente.
Hontem delxou o cargo de reitor do semina-
rio episcopal o Sr.^onego Jos Joaqun) Camello
de Andrade, muilo digno chantre da S de Olinda.
Este respeitavel sacerdote, que se pode chamar
a probidade personificada, deixa ama profon-
da e indelevel saudade no cracao dos seminaristas,
a maltos dos qoaes servia de protector, e a todos
de segando pai. 0 tenue ordenado que all ga-
nhava, all Bcava, J com Actos de beneficencia, e
j com o explendor do cuit'. A noticia da sua re-
tirada tem sido recebida com pronunciado pesar;
porque o Sr. conego Andrade um destes caracte-
res, qoe por sua gravidade concillara o respeito, e
por sua bondade, attrahem os coragSes.
Ao cabo, pois, de seis annos de bons e dedicados
servicos, volta o Sr. conego Andrade para o retiro
da vida privada. Desojarnos-le todas as ventaras
de qoe credor por saas reconhecldas virtudes,
tanto eclesisticas, como pessoaes.
A qaem passa competir a reparacio dos es-
tragos da ponte da Boa Vista, instamos pete con-
cert da grande excavieio que abrio-se em seo
lelto.
Nao om buraco qoe affecte somente o res-
pectivo calgamenlo, val at ao estivado qoe abi
est todo podre, deixando assim orna verdadelra
armadilha aos transentes, cenw j hontem aconte
ceu ao Sr. eom mandador Pedro Alexandnno de
Barros Cavalcaoti, qoe passando descuidado a seta
reparar do pracipio, que tinha a seos ps, o alte
cahlo aponte de qaasi qtrebrar ama perna, sahja-
do no entretanto aseas Tn^modado.
Pedem-nos esta publlcago :
c Tendo nos pela sua revista de 9 de dezembro
de 1865, chamado a attencao das autoridades, para
a maneira pouco conveniente por qaa procede o
morador do sobrado de dous andares da roa do
Imperador, constou-nos qoe o mesmo dir teoslas
providencias, mas certo tambem que malogra-
ram-se ellas, por qoe continua o oso indistlncto
qaefaxem da janella, para laucar lixo, sacudir ca-
pachos, etc., ele.; a ponto de cahir at om bale de
agoa tervendo, qoe tendo-se redolido a diversos
fragmentos, qoebroo algamas tenas nessa sua que-
da ; o qoe foi accadido pelo propietario do estabe-
lecimento, que mandou deilar outras tenas e lomar
as gotefras. *
c Alm disto, admiramos, quando chamado pelo
dooo do estabelecimento no dia 26, o como acha-
va-se allagado todo o lado aa casa qoe Oca conti-
guo ao oitao ; e ento nos fez ver o dono do esta-
belecimento, que isso era devido ao entulho, que
posto sobre as goteira?, nao da va lagar ao esgoto
das aguas.
i A vista pois disto de novo chamamos a atteo-
gao das autoridades a quem dessa periencer dar je
providencias, por qoe, em verdade lastima qoe
om estabelecimento alias grande, esteja sujeito ao
bel prazer de meninos, criado, etc., etc.
Por obra das 9 boras da noite de 27 do p. p-
ia sendo victima da sua actividade policial o Sr.
Decio de Aquino Fonseca, subdelegado da fregu -
sia da Boa-Vista;
Ocaso foi este : Achando-se elle por aquella bo-
ra jonto da ponte, e ouvindo orna forte aliercaeio
no eomece- da roa da Imperatriz, para ali dirigi-
se, a to a tempo ebegou. qoe pode deir o braco
de om individuo, que atlrara ama acetada sobre
ootro com qaem altercava; e qe Irritando-se com
a inesperada intervenco, tira da om poobal e
corre ama estocada, no Sr. Deeio, que fellsmente,
pode evita-la tendo ao entretanto de largar o cri-
minoso, qaa aprovettou o ensejo, para deitar a cor-
rer pelo caes do Capibaribe em fgida.
Mas acendindo por este tempo om policial e om
soldado do 4* batalho de infantaria de guarda na-
cional, segoiram com o subdelegado aps do fugiti-
vo, qoe vendo-se perseguido, traloo oceoltar-sa na
quintal era abetto da oasa do fallecido Manoel Bo^
drifnesdos Akjos. Ejo segnida parea a alie en-
traran) tambera as pessoas, qoe e perseguan), a
quaodo ahi o proeonwra, alte weeWta'jfse (
ti




HMI
m
*
Otarte ie rernambaeo Sexta felra t de Mareo de" 1866.

3*
- *
tere-i} ~com
uf**H-j
^
JLJM
mproviso sobre o curda nacional,
ana puntillada, e abra de oovo c**a+afto
tando-se uo rio na esperncele evadir se.
O clamor puUto que o persegua, entao ouW-
do do outro lado,'pelo Sr. id ministrador da dltn-
5J0, que qptMdiatameale embarcndole em uraa
eana cora alguns soldados da guarda, corre sobra
elle, e eonsegue prende lo.
Interrogado pelo Sr. subdelegado, disse chataaf--.
sePanlo,e ser escrave daSnD. raereza demw
Paes Brrelo.
O guarda nacional, que foi farido, charoa-se F-
lippe Santiago da Rocha, e foi recol* a entero
ria militar.
Do corno de delicio a que no meeao procoderai
os Srs. Drs. Pitanga e Mocqo, recoobeceu-se que
o ferimento fura na regiao hypocondriaca esaueree
penetrante da cavidade abdominal, cora unu.pol*
gada de extenso, e que grave por sua mesma
naturea.
Ho]e o agiente Oiypk> no-seo dmo armazem
da praca do commercio n, 18, faz leilo de diver-
sos trastes e objectos de oaro e prata, ery.etaes e
outros mallos anigos.Principia as 11 horas.
Passageiros do vapor Persinunga, vindos dos
portos do Norte:
Ernesto Oeoclaciano de Albuquerqae, 1 criada o
3 escravos, Euclldes D. de Alboquerque, Miguel
Francisco do Monte e 1 creado, Jos Rodrigues F.
Jnior, Domingos Oi y rapio Braga Cavalcante, A o-
tonio Francisco Leal, Francisco Rodrigues dos Saa ,
tos, Joaquim Rodrigues Pessda, Joaquim Rodrigue*
Pimeotel e 1 escravo, Manoel Pinto llrandao. Do-
mingos Tneoto Alves Rraeiro e 1 escruto, FraaJ
cisco Borges Gurjo, Augusto Gurgel e 1 eseravo,
Joao Paulo Gomes de Matto?, Jiaquira Guades Al
cuforado, Goncalio Cardoso da Costa Maura, Joao
lardoso de Moura Brazil, Anteoio Sabeia de S
Leilao, Antonio- Gurgel Valeuto-e 1 eseravo, Aure
liano Pinta de SouwMdone* e 1 eseravo, Bem-
vindo Gurgel do Amaral e 1 criado, Fabi Cabrai
de Oliveira, Nicolao Xifooe,. Francisco Guadw do
Nascimento, Anunio. Gurgel da Costa Noguaira,
Gusuvo Tneofrro Alvas Rib-iro, Manoal Jacram
Cavalcante de Albuquarque e 1 criado, Joo Bap-
tista Xavier e I escravo, Dimaio da Mirauda e 1
escravo, Florencio-da Cuta Oliveira, sua sennoraJ,
e 1 criada, coronel E-tevo Jos Barbosa de Moura
e 1 escravo, Pedro Bartolomeu, Jos Jaaquira de
Sant'Anna,. Joio de Mattos Djurado, Jos dos San-
tos Castro.
Movimento do hospicio de alienadas na. Mise-
ricordia de Olinda, do 1 ao ultimo de fevereiro de
1866:
Existiam 22 horneas e 39 mulhereaj entraran) 2
homem e 1 mulher, saturara .0 mulberes, eUem
i homens. e 40 mulheres ; total 61.
Existem 8 empregados ueste estabelecimenta, a
saber : 6 tiomens e 2 mulheres, sendo.medico, ca-
pel Uto, porteiro, saehristo, enJeriueira, baiiieiro,
enfermeira e cozinbeira.
Foi visitado o mesmo estabelecmeni* pelo res-
pectivo medico nos das 3, 15, 20, 23, as 9 oras,
as 9 1/2 e as 10 horas da maoa.
O mordomo do rae?, m
A. J. Gomes do Gorreio.
O regente,
Luiz do Rgo Barros.
Resumo do movimento do hospital de S. Lzaro
de 1 a 28 de fevereiro dr 1866.
Existiam 10 iomens, lo mulberes.
Entrn 1 homem.
Morreo i mulher.
Existem 11 horaens, 11 mulheres.
Total 2o.
Advertencia.
Jqaona Mana dos Passos, branca, solteira, Idade
4a annos, foi recolhiJ* a este hospital, a 7 de no-
vembro de-1863 e falleceo a 4 de rever airo de
1866.
Foi visitado o estabelecimento pelo medico o Sr.
Or. Ignacio Firmo Xavier nos dias seguales : 3,
15, 20, e 23.
Existem empregadados do estabeleciment, 8 a
saber : 1 capello 1 medico, i regente, 1 dte, 1
barbeiro, 1 cozinbeiro, 2 serventes.
O mordomo de mez.
A J Gomes de Corrtia,
O regente,
Dinxz Ignacio P. dos Sanios.
Repartiqao da POLICtA.
Extracto das partes do dia 1 de Marco de
1866.
Foram recolhidos casa de delenco no dia 28
de fevereiro p. (indo :
A' ordem do Dr. Delegado da capital, Pedro Ris-
po Profssor, como sentenciado a 4 annos e 8 me-
zes de priso simples e multa de viute por eento
sobre o valor furtado.
A' ordem do subdelegado de S. Jos, Maria Tne-
reza Juliana da Conceico, por tentativa de morte;
e Carolina Francisca do Espirito Santo, por olfen
sa* a moral publica.
A' ordem do da Boa-Vista, Antonia Mana de Je-
ss, Manoel, escravo de Francisco Antonio Vieira;
Manoel, eseravo da viuva de Mathias-de tal; Fran-
cisco, escravo de Manoel Joaquim da Cosa ; Be-
nedicto, escravo de Manoel Bautista d'AiSayde: e
Caetano, escravo de uro Fulano Guimaraes, por
disturbios.
A' ordem do da Capunga, Antonia Joaquina F.
Soares, por insultos.
A' ordem do delegado de Jaboalo, Francisca
Maria da Conceico, por offensas physicas.
O chefe da 2* seccio,
J. G. de" Mesquita.
Casa de detencao.
Movimento da casa de detenco do dia 28 de fe-
vereiro de 1866.
Existiam 396, entraran) 11, sahiram 7 ; existem
100.
A saber :
Nacionaes 272, mulheres 15, estraogeiros 29
mulberes 3, escravos 77, escravas 4, total 400.
Alimentados a cusa dos cofres pobiicos 198.
Movimento d enfermara no da 1 de margo de
1866.
Tiveram hhixa:
Severino Urbano, constipado.
Jeronino Ferreira de Albuqoerque, Colite.
Fallecen :
Cypruno Francisco do Espirito Santo.
satlsfazendo o despache do tribunal fle'JMUe feve-
fie-oltlmo sabr dovtr se declarar no contrato,
cujo registro pedera, q jal a
de cheiro as quaes sao prepaararaoiforaa-i raadaa a.aarimonia dos humores e a nu- verdade o que aqu tenho relatado, cujorme-
postas com leos baratos e.fi>Mimiai iIi >hwh le o doenie, ; ara o que preciso dicameotos nesta provincia s vendo en mi-
*.w^cS-R^-l esseucias. ii^ilft-acroso de vegetaes e leite. nha botica na ra Direita n. 88.
gistre-se. (Tenha-se, pois, todo o cuidad*itoMWW'j. "'-flamida e bebida, que se tomar ha Jos da Rocha Parantes.
Dito, de nwsisco. Jos-4os-PJnoe Gmare, nar e ver que os nomes de Mtm MPftN"j" WWEwpoucas porcoes, para evitar que Nazreth do Cabo, 7 desetembrode-i863.
(ji informado pelo Sr. dezembargador fiscal) em WMflj se achem iDscriptos e gpavaoW sofir^^^esso-do chylo fresco opprima os bofes Illm. Sr, Jos da Rocha Paranhos.Ccm
que pede o registro de sea distrato social. -R y- cadjLfiQVoUori0j |etreiro e wr*b &* bit* e accatowwnuito a circulaco do-angue. o maior prazer Icto ac conhecimento de V.
Hlo, de Jos Joaquwr da Cuoha e G.Hkarme dos mesmos, fcil suspfjiBT d STM ftlil-
Jos-de Souaa (tambera ja viste pelo Se. d*uat>ar- dad)
gadar Bscal) padindo paraje admlttir i-.r-eiMiH) as; ^de-se 08 paarmacs de. Caof8 4
altewcdes qoe.flzeranxt sen petaiorito-fcotQlrato i^,^ p j d*r. Bcavn A C.
de soedad*--\o tea. lagar, vista d o pnecer B
fiscal.
O
Biscuvao.
ibaati. resejveo-jmear'interpaall *eom-4
Shatosydoentes desta moleatia se teernen- S., que "o doente que V. S: acha-se admi-
tregoe aooso do oleo de figado de baoho, oistrando-lhe remedios, acha-sno todo res-
e oolQMwparacSes de resina.* patatnos, tabelecido, portauto, nada sent, tendo des-
semqwdillas tenham tirado'Dfoveito-; e apparecido no todo a tosse, tenmuiudkpo-
algnns expositores de medicMcombttenmatc3o comida e acha-se nutadov Deixw
poMu.com muitoraza'o esse tratamento. tomar os ultimas remedios que Y. S. rec*i-
saaceia,. .m da se. expedir o competen ie ltalo vincia, aigutm, ceodoide da- mt postee cm-qoe powm es*e-em-ves de tirar a causa aug- doente deve conservar e por qxrantos tenF
e vir prestar o davidajiiraaeruo. nei^aeg^cjo^se v4xaiiocadoo dito sesrtor, proowr -aientaabnay esqueataado o sangue, ao mes- pos, mencionando as comidas que dever
E nio hs
destribuido
Prente
meia- de neatraJisat o ellWto, que
a queixa, que a joaU admieisst
nao havendo mais qae tratar-se, tendo sido vea entre os Portugaezes residentes nesta cidade e m tempo que tiram o apetite, relaxam OS! usar daqui em diaote
nbuido a* Sr. deportada Besta o livro diario de sen sobnrbios um aoaixo awi^nado; e apezarda,sojdos e s5o dp tnda tnrtP nPrnirinsfK. RuZm* aonra airrarlPCAr a V 5 nri.
me Viaoaa &., S. Kxa o Sr.ptasidente en- grande repugnancia que encontrn, pode todava SUI'UUS> e acj ue waa sorte perniciosos. esta-me agora agradecer a V. &. O COl-
Tudo que se flzer para extinguir a tosse, dado que tomou no tratamento do meu so
cerrn a sessao as 11 he ras e meia do da.
recrutar em lodas as classes da sociedade at ao
momentoam que nos foi apresentado o numero qae
se l na segrate
Deaurastracao
Po
SESSAO JUDICIAJUA EM 1 DEnUAQO DE
SK
PRESIDENCIA DO ESM SR. DEJEJIBAnGADOH
A. F. I'BRBTTI.
Secretario, Julio Gumares. Negociantes da grosso trato..
As onze horas, e meia da mannaa.0 Exm. Sr. pre Arroeretwrios' de-asacar....
sidente declarou aberta a sessao, estando rsunidas Coramerciaoles- de^stiva ...
os Srs. deserobargadores Silva Guimaraes, Res e LoniBtae de faieodao, de w-
Sttva e Acclnii, e os-Srs. depatades-Roea, C^mMo
'ortujueies
Sfignattrios.
|
5
.?
Atcoforado, .Basto e Mir.ada;Leal.
Lida, foi approvada a anta da sessao antece-
dente.
Assignaram-se os acordaos proferidos na ultima
sessao nos fe los. entre parles.
Appellantes, Joaquim CJosoalves. Cascao i C.;
appellada, a directora Ja.
tiles.
Appellaote, D. Franoitp.de Salles Candida da
Rocha; appcllado, Joaqun Luiz Viraes.
JULGAMENTOS.
Appelkte.-n dtreetori1 da-CawaM4* 9*oi>o
do Brasil rresia cidade; ampollados, os adflrrnistra-
dores da-massa fall-ida d JoaqaiOkJas Silveira.
Aediadu imt uMIuia see^ :15a appeltada.
stradores da massa falli-
Santos & C.:; appeBado,
Rocha Jnior.
c;a apppllada
o Bastos; appeHaflo.iJoa-
CIIROMCA_Jl'inAI(li
TftIBUVAL MCOJIJIBRCI
ACTA DA SESSAO ADMIWISTRATIVA DE 1 DE
MAtBCO DE 1866.
PRESIDENCIA DO EXM. SR. DESMBARGADOR
ANSELMO FRANCISCO PERTTI.
s 10 horas da manhaa, eatandereunldos as Srs.
deputados Resa^ C. AlcoTorado, Basto e Miranda
Leal, o Exm. Sr. presidente declarou abena a ses-
sao.
Lida, foi aflprovlidj a acta," dt sfess^o antece-
dente.
BrEreNTS. ^
Um offlelo do presidente e'secretario da dfr'ec-
cao da ASsocico Commffcil Beheftcente dtado
de do proximdp'ssado, dtd6 o str padecer
sobre as sociedades de respousabidade limitada'.
O trrminarcoiitr'dou com d mesrap, e qe ns-
se sentido se reSBottlesse ao govrno.
Um outro oflifo do Dr. JoSo Thom da Silv,
datado de 2T doV mestKb rriez, prlecipaado qt!
por pet&r 'MW. jola WM dfl. viRll
me fora nfteifld ioterirta'rhete promotor ptftcd
do termo do Reeife.Acense se a recepcao.
DfACHOS.
Requerrtenld U1!YanclSc de Oliveira T^avis-
so pedirdd pol'crtidae sed* ctfratj, sob a r-
raa de Joaqaim Vleira Co^fho & C, registrado
neste tribunal consta'que o socio Jos Antonio de
Araujo e Soza e%t~va afWdrtsa'tlb a reeeber di-
nbeiro dos devedores a sociedade e passar recibos.
Como reqtfer.
Dito, de'Jlo'Bvahglisia'dt SS, qTJ' tendo' feto
Foi confirmada a se
Appellantes, os ad
da de Amorira, Fragoso
Joaquim Jos Ferrtir
Foi refarmda a.se
Appellaote, Jos l(ib|
quim Luiz Vielra.
Addiado na ultima
Desprezaram-se os
Appellantes, os ad
da deMmonm, Frago
Jos Joaquim ltbeire
Foi-coofirmada a se
Anpeanto,
co do Brasil nesla:
Ferreira Rlbeiro e oa
Addiado a pedido
dezas, d ferragens, de cha
pos, de calejo^ do-ioa^a
etc...................... 39
TsherneHws, padeiros.-reiia-
done,>- cooferteirosi- botequi-
neiros..................
Csmneeaciaotes datcnane...
orapanbia.UUIidade Po-. Negoaieataente cm.v.. ...
Correctores de escravos.....
Guarda-livros..............
Caixeiroa.de todas as classes.
Marcineiros, ferreiros, fanl-
leiros, Umamiiieires,alaia-
tes e mais .iffioios........ 23
Feltores, jeeaaleiMu, calcetei-
ros, carroceiros^serventese
criados................. 28
Potingue*
scjunilt) a
c- ii 11- tic.
41
22
49'
186
81 3W
Vt 43
i" 1
1 1'
2. 36
26 483
105
28 -564<
243 1,906
Um. que nao assianou.
IS.I0.
ibargos.
nifiradores da maasa fall
y Santoi >C. ; aBeellida
ampos,
tenca appettada.
a dr1^' Filial do Ban.--
ade appeHados, Joo Luiz
os.
out-o Sr; depuUdo.
SSA6WS-
.r Sia'Gdilmai*a-a*eabou
pasHi*aSr. dembargader
Df.HA
Jas Leite; eppeHad, o
Gaimares ao-Sr.
O Sr. denmbarga
impedimenta legal
Res e Silva.
Appdlante, Mao
cnsul portoguez.
Do Sr. dezembargador Silva
dezembargador Reil e 4sWa.
Appellantes, os anmioistnuloTes dai-masta falli-
da de Amortm, Fpgoso, Santos &C0B|Bllia ;
appellado, Luiz Jos dadiva Guimaraes.
Appellantes, os ^ministradores da-mesma aas-
sa fallida ; appellkdo, Antocio Jos Candido de
Soaza. I
AppellanWs, Flix Sauvage & C ; appelladds,
os administradores da massn fallida-deAmonm,
Fragoso, Santos 4 C
Do Sr. deembrgador Reie e Si1vaaoSr.de-
embargador Accloli.
Appellantes, os admlnlsfracloaes da mesma mas-
sa fallida; appellados, Monhard 1 C
Appellanie, t Maria Theoilbra da Costa'Alves
Fe reir eseoi faos maadlts; avi'eMa(l0> Joao!
Frederico Jorge Kladt,
Do Sr. dezembargaHor AaclUl ao h:de gador Res cSiljya.
Appellanto, Manoel Ignacio de Siqueira Caval-
cabt; appflam JdiqaiB SUVallof WUIW BP \
qaeira Cavalcante.
Do Sr. dezembargadsr Accoli. ao Sr. dezembar-
gador Silva Guimaraes.
Molestia Ulcerosa
Curada.
Appellantes,
da de Amor i m.
os adminiUradores da massa falll-
Fragoso, Santos & u ; appellado,
Jos erdeif 4 o-Rege Pontos.
DISTRIBUICOBS.
Ao Sr. dezembargador Res e Silva.
Appellantes.
Ferreira e's ns
Frederico Jor
Appellantes
D. Maria Theodora da Costa Alves
filhos menores; appelltffdt JoSo
Kradl.
D.
Mafia Theddtra da Cesta Alves
Ferreira e sefis filhos menores 5 appellado, Adna-,
no Anaisto d^i AlmeWa Jordao.
DELIGENCIA.
Aptrfante, D. Maria Theodora da Costa Alves
Ferreira e sei s filhos menereS^ appellada, a direc-
tora da Caita Filial do Loodon and Brasilian
Banck.
Haja vista ) Dr. curador Gerai.
. AGCRAVO IHTERPOSTO DO JU120 MMCU>AL E DO
COI I.MKIU: 10 DA1 VILLA DO CABO
Aggravnh 1, Antonio Jos Pereira da Cenha ;
aggravtdo, J e Marqnes Alves.
O Exn. Sr presidente negoa previ ment.
Nao mai- havendo a tratar, eneerrto-se a
sessao a mei 1 ora dpots do meto dia.
11 1 1 -
Cu mar municipal do Reeife.
MATADOCRO PUBLICO DBSTA CIDABB.
Matara ra si para o consumo desta cidade no mez
de fevereiro do corrate anne 1,840 rezes, a sa-,
bar; yJ
Libanio Cand do Ribeiro & C............ 486
Virginio llera ci de Frenas...:......... 250
Jos Lucio Li os.............. ......
Joo Chrysostpmo de Albuqaerque....... 208
Manoel Joaquim de Soaza lavares.......
Manoel Franc seo de Souza Lima........ 107
Manoel Paalo de Alhnquerque...........
Francesco Canudo da Paz............... -,. 86
Wenceslao Machado Freir Pereira da
Geminiano Jos de Alboquerque.........
Bellarmino Alves Aroeha...............
Manoel de Sonsa Tavares...............
Jacobe da Silva.......................
78'
o,
51
17 i
Todos aquellee'que se acta oieitoe sof-
frer molestias scWfulosae, ulcerosas, Ou syplii-
'11 ticas, anda mesmo as repatadas de peior
natnreza, apenas uecesSitSo de 1er 0 seguiste
easo maravillioao, para qe-e rintao inteira-
mente convencidos que a sua propria cura,
nao e meramente poseivel mas sim aberio-
tameirte eeHa.
Joao Josfc Ferkkiea Babboza, residente
na Cidade de MaranhSo, tinha' todo o sen
corpo ooberto de chagas ulcerosas, e duraate -
algunos annos se achava debaixodo tratamento
de mdicos oe mais afamadds, tendo osada
im-ante todo este tempo quasl toda a especia
de medecinas que em taes casos empreeada
pela faculdade medica, porm debalde/em1
obter o menor beneficio ou alivio': achando-se
pois em taes apuros elle' finalmente resolveo-
se, depois de repetidos e baldados esforcos h
fazer uso da]
Salsaparrilha
DE BRISTOL
No todo elle apenas ebegou a tomar Ome
Garratas de Balsaparrlla e qvtttro irascos das
Punas Vegetaes Assacaradat, e o resultado
foi elle Obter una completa e perfe.ita cura.
Os Sers. FEuiEmA & Cia., Droguistas de'
Maranliao, forio quem Buppririo os medita-
mentoe, e acnSo-se perfeitamente ao facto
d'este caso, e os meemos Senhores, nao s se
achSo promptoe & confirmar o mesmo, como
tambera em fbrnecer o actual adresSo do' SeRr.
Barboza, toda e qaalquer pessa que por
ventura se deseje Informar da verdade.
Recommenda-se mu particularmente nos
Doentes que tenblo o maior cuidado na escorha
deste excellente rem'eUo, no usando outro a
nao ser a Genuina SalsaparriUia de Briitol,
a qual exclusivamente preparada por
o aso do xarope alcoolko de vellame tem-se
obtido cura radical.
O Sr. Dr. Sitw, medico hbil de Mafei,
depois de ter applicado a am seu doente de
rheumatismo o xa-opeacoolico de vellame,
loga' qu elle se poz em estado de largar as
moletas, em qtle amia va arrimado, o acorrse-
lhdtt que corrtifiuass com o'uso do mesmo
xarope conjutlCUmente com os banhos sal-
gados, com que se tetn dado muko bem, e
*8*! ~>......^______u^,.,____a____ am dos mecHcoratfalri em Miceitem-com-
pte*" confiaapi nas preparacaes de veRSme
pfmtm1 feitas, pelos bons resuttados que
tem obtido era sua dioica.
Quaodo alguem s v com tosse vai ao me-'
, dico, este o exaMffil' r>decl8h4io'tsenhor es-
a*hthylca. t'afltetadodbs'prJlmUeso doente desaai-
0 xarope etherio de veame por mim pre- ma- com esta sentrrca,- enlende estar sera
De Sergipa pedem-nos a seguinte pablcacao : parado muito tem eprveitado aO qb sof- mais cura, quaodo os factos e a experiencia'
Foi recetrtda rj*e$w-previneT; cBtrr rgosrjo ge- frem desta molestia; de iaffleTrtar-se, que teera denMfllH%do qtle"mrJitoS'tendo proco-
Contadona
TlTT I III'
Municipal, 1 de marco de
O contador,
Cazuo Sverio da Silva-
m
PuWiea^Se a pedido
LANIAN&KMP,
De NOTA VORI,
pois que todas as mais sao inefflcazes e de nen
lom preetimo
VendeiSe nfftotftarS' -de-CMH Barbosa
e'C.tWft'C
--------- !%' 1l II
alera do exercicio e regmeu apropriado de-
vem ser remedios de natureza acida, deter-
gente e calmante.
Os cidos possuem a virtude de prodazi-
rem bons effeitos nessa enfermidade, por
que, nao s contribuem a apagar a sede
quando accommettem a febre tnica, mas
tambera a refresear- o sa*#oe.
Aos daentes desta nfeemidade, quando o
seo estado degravMae tal-qae a febre
tnica os acconmrette, prescrevo-lhes o su-
co de um limo- dtssoivido em una abicara
d'agua com bastan te .assucar em ara grande
copo para misturar com um papelinho dos
pos refrigerantes pwra tomar, com qpe ali-
viam no acc nmettimento da febre, e pela
manhaa o xarope etherio da-veUme. Tenho
aconsellrtido, que faeam aso de vegetaes de
natureza acida, como laranjBs, limQes, pi-
tangas, uws, etc^ e applicaces desplantas composic3o o sea maior eiei ento a salsa
amargosas, que fortficaiO ettanrafae ser-
vem ao mesmateinpo'.para-'destrtrtr e miti-
gar a sede.
ASra. D. Joaquina de S Brrelo, tendo
urna sua esorata fallecida desta-molestia, sub-
mettida ao tratamento desea medie, resol-
veu procarar-me para tratar de um outrj
escravo, que soffria.- da uwsraa enfermidade,
prescrevi-lhe o xarope'da'velame, tem me-
lhorado consideravemusote.
A senhora do Sr. Antonio Francisco Ho-
norato foi desengaada por. habis mdicos
desta cidade, esleve prostrada, e nos lti-
mos paroxismos^da-morte, toi com o xaro-
pe de veame ^saTva-, como" se v da carta
impressa no Jornal oJlectfe de 9 de feve-
reiro de 1868.
O escravo fimilio,'do Sr. tenente-coronel
Rodolpho Jo3& Barata- de AltfleMa, foi tam-
bem desengaado par- habis- mdicos, e
com o xarope de vellarae-acha-se completa-
mente restabelecido, como se v tambem
da carta impressa do rnaamo Sr. tenente-
coronel no mesmo Jornal d&Retife.
0 Sr. Antonio Gbristiano Fogt, flbo do
Sr. Christiano Fogt, preprietarto e estabe
lecido na cidade de Macei, o primeiro bem
conhecido nesta ctdade, peis qua foi empre-
ado na casa do Sr. Len Chapcllin, retra-
tista estabelecidonrraa'rlmperatriz, ac-
commettido desta molestia, foi daqui desen-
gaad par habis- medios-: retirou-se para
a Babia, e!a coetisHOu^mtFataraent^attftismo.
qaefoiseganffav desengaado-petos-n*
dk^s daiii, chegaodo cu am Macei, um
amigo pedio-me, que o aeompaebasse at a
casa do Sr. Christiano, par ver um doente
e prescrever-lhe algum remedio, encontrei
o Gibo em urna cama desanimado e em es-
tado de prostracao, pois que escarrava sua-
gue, e tinba completa inapetencia e fraque-
za a pento de nao se poder por em p, no
fim de urna garrafa do xarope ethereo de
veame j se achava elle no estado de pa:
seiar em casa, desapparecida a inapetencia e
ac fiflrtfiiwafii fin firaia Uo DWJUI1UJ u TSOllllt C a PJD3u iimiRau'JO.
No fim da segunda ja acbei em estado de
faze-lt-passear pelo sitia todas as marroSasr
Acallada esta o aconselhei, que continuasse
no uso to mesmo xarope etherio alternado
com o xarope aicoobco de vellame, e que
Osasse dos banhos"salgados na pancada do
mar. Sentio elle nos primeaos banhos al-
guna choques, mas eu o aconselhei que con-
tinuasse, com o que s tem dado muito bem
pois qu tno recebido cartas de Macei,
em que se me cpmmunica o sea bom estador
NesUf-molestia os expositores de medici-
quando delles tratam, dizem ser applicados
as escrophulas, hypocondria, estherismo,
amenorrhea, raelbismo, etc. ; entretanto'vi
este bom resultado no tilho do Sr. Cristiano;
e outros fados iguaes tenho visto nas om-
feiitmeate livreir-o
goveroo^i-ral a sta lolelii provincia deste raneo-
roao matulo, mediHa esta ja de ha mnKo reclamada
pela utilldade publica.
Charlatn.
Agua de FLorldi 4e Marrar A
Llaman.
Em consequc: da stta grande e vasta
suecumbem de tubrculos pulmoirareej assim explieam muibos epoai4ores de me-
sem procurarm o recorso do pratico e do diana.
experiente, que1 lbes'pWeur eneauHnfcatf'e 6w ness-'previncia temos faclitade ho-
meio de sua salvacb. je e rerjufso' do af; pof qu a via frrea
O Sr. Braga com leja de ferragens na ra' nos proporciona, pois que em pouco tempo
Direita, foi desengaad por doos habis urna puo que exista nesta cidade facil-
medicos, acha-se bour cew o tratamento por rJWBte sen* ausporta pira as ultimas sfacCer^
mim prescripto. d Gameleira e Una, lugares perto do Boni- [ Car, coniouando nas tres dias nesse trata-
A Sra. Jeronyma Maria da Ceociico, mo-. to e de olros pontos que sSo considerados tamenlo, no fim dot quaes asara' do xaro-
brinho, abaixo de Deus, devido o seo resta-
belecimejito a pericia de V. S., e por isso
pode V. S., sempre contar com os mens ai-
minutos prestimos, e desejarei em todo o
tempo dar urna prova do mea reconhec-
mento.
Desejo a V. S. todas as venturas, por ser
de V. S. muito respeitador e (ibrigadissimo
criada.Francisco Bmnguer Cesar de Me-
nezes.
UTTBICttL
Xarope alchoolico de veame, preparado
pelo pharmaceutico Jos da Rocha Paranhos,
estabelaeido cora botica na roa Direita n.
89 em'Pernambaco.
Este xarope rncontestavelmente superior
a todos os xaropes depurativos, de caja
parrilbap pois qae se tem conbeoldo ser o
veame mais enrgico para a prompta cura
das molestias, cuja base iessencial depende
da purificaco do sangoe ; assim pois -se
leHF verifieado per muita pessoas- qoe se
achavam desengaadas, as quaes acham-se
hoje reatabelecidas com o referido xarope
alchoolico de velaras; entretanto qae al-
guns, tendo usado do xarope de ortnier,
de Larrey, de salsa parrttha, de saponaria,
oleo de-figado de bacalho, e outros agentes
desta ordem nada conseguiram. E' elle de
fcil digestSo, agradavel ao paladar e ao ol-
phato Alguns mdicos desta cidade e da
de Macei o teem recommendado paca a cu-
ra das
Impigens, tinha,- escropholas,
Tumores, ulceras-, escorbuto.
Cancros, sarna degenerada, lluxo alvo.
Todas estas affecces pro vero de urna cau-
sa interna; nao ha pois razao alguma em
crr que ellas se podetn' curar com remedios
externos. Tambem se prescreve o xarope
alchoolico de veame para o tratamento das
affecces do sysiema nervoso e fibroso, taes
como:
Gotta, rheumaiism, paralysia,
Doresv-impoteucia, esterilidde,
Marasmo, hypocondria, emmagreciment.
O xarope alchoolico de veame sobre
tudo, da maior utilidade para curar radi-
calmente, e em pouco terapo-o rheuma-
Adverte-se que o verdadeiro xarope s se
vende nesta cidade na botica cima indica-
da, do abaixo assignado; e em outra qual
quer parte'qoe selera-annuneiaero nao da
mesma composlcao, e nem o abaixo assigna-
do se responsabilisa.
Jos da Rocha Paranhos:
'
Erisipela.
O medicamento qua com mais- influencia
e energa tem combatido essa terrivel en
fermidade, tem sido o xarope alcohlico de
veame.
Urna escrava da mai do Sr. Francisco Fir-
mino Monteiro, pessoabem conhecidauesta
cidade, athando-se d cama,' e com as per-
nas bastante indiadas, e cheia de tumores,
tomando o xarope de veame, acha-se hoje
boa, prestando servicos.
A mana do Sr'. Jos Francisco Pinto, mo-
rador na ra Direita n. 51, tendo sido
accommeida do mesmo mal, acha-se tam-
bem boa.
A Sa. D. Snhorinha Umbelina dos
ua naoLaconselbaui' banhos salgados, apenas-jSantos,'moradra na ruadas Calcadas n.
38, achando-se atacada de erysiplla nas c-
xas, eom quatro tumores bastante volumo-
sos, no estado indoleirte. que a privava de
pr-se de p ha muito tempo, com o uso
do xarope alcobolieodeveame epilulaspur-
lestiassipbyiiaa,-e-otras-rauta6 que com- gativas do mesmo', acha-se restabelecida, e
Na erysiplla^n3o deve o enfermo nos pr
meiflM tras-dA*** aas* ^ da conifas $ bebi-
daaqaa peaaaraiesqveaair a Mannar o
sangue.
Acomida dorante* esse tMp dv ser do
reino vegetal, como sag, farnha do Mara-
oso, pao torrado, botktlMMc.
Anda nao vi expositor d#edicina que
aconaalbaise que nos -p*ime*ws tres dias de
accoiamettimentw do nl, no se usasse de
meBaameBtos; o qaetlesf*flellem sao os
unguaotos, untows qoa otMruem mais e
repelrrjm do quepromawsra'aaevacuaco da
parte ; o -que crjfTvm WfSST o lugar ata-
cado e-bea-irgasstrhado-para"ajndar a trans-
piraco e defender do sr.
0 verdadeiro xarope de veame vende-se
na botica da ra Direita n. 88, de Jos da
Rocha Paranhos.
Tenho reGebklo cartas de algumas pes-
soas de ouiras provincias que ote commu-
nicam ter desta cidade sido remeftdo o meu
xarope falsificado, que tem dado resultado
ao descrdito de minha preparaco, cujo co-
nhecimento se tem verificado depois dos ef-
leilos que taes remedios apresantava ; as-
sim, pois, tenho a declarar ao publico que
no letreiro que vai | regado na garrafa do
xarope, setopW foi asignada por meu pu-
nho, e daqui em diante, al desta asig-
natura o farei tambem no papel que cobre
a garrafa. Rogo ao mesmU -publico que
quando forera assim engaados, tamem tes-
temunhasi m remettam o rotlos -falsifica-
dos e me participam para facer e&ctive' o
artigo 5?*do cdigo criminal d Brasil.
Jos da Rocha Paranhos.
sn> iiw
Xarope tnico refrigerante de veame e de
ferro preparado pelo pharmaceutico Jos
da-Rocha Paranbosyestabelecido-naiiiade
de-Reeife -provincia' de fereamluee, roa
Direita o. 88:
Este xarope, que d tora- ao raovtroeflto
muscular por sua qualidade frrea, ao
mesmo tempo1 purgativo pela parte do ve-
ame que enterra, e refrigerante' pela par-
te acida, alera da precisa pariPperfeita so-
lueao e corafcmaco -ferr; esttea*aeado
pelo aeido Bca-'em extrema dirtflo-, e' as-
sim o mais sotavel que possfrel; d sorte
que j-nao to dependente de ser digerido
pelos cidos fracos, que se achara no-sueco
gstrico durante a dlgestSo. Os expositores
de medicina sao de opinio que o ferro e
todas as suas preparaabes goza das virtu-
des eminentemente tnicas, que- aproveia
em todas as molestias -que s3o caractwlsa-
das por fraqueza; e com efftito acho exac-
ta essa opiniao; nao mas dado o ferro era
substancia-pelo mo resultado que lenbo ob-
servado, (e queja 62 publicar) em certas e
determinadas mote tas; por exemplo: ane-
mia, e febres intermitentes, terminam mili-
tas veaes por anazarea, qoe aetumalacao
deseresidadeflo tesciro cellulaiftagua quan-
do est entre a pelie) e depois ascit oa hy-
dropesia do ventee, que accumulaoo de
serocidade no peritoneo.
E' sabfdo qoe o ferro am dos agentes
mais importante para que o sangue se pre-
pare e aperfeice devidamente, e por con-
segrante o mais-proprio para impedir o des-
eo vervlment destas-1 molestias*; mas sendo
elle um efficaz excitante, aorbente" e secer-
nente, claro que s associado como se
acha oeste xarope, pode dar o resultado
que se espera, e a experiencia ra. tara de-
monstrado sem risco de offtleras-entra-
nhas.
Os effeitos dos Incitantes, s2: promover
as secreces, e absorees, aagraeutar o ca-
lor natural, e remover aquellas dores que
nasceM-da fafta dos-movimentosirritativos.
Os sorbentes sao tambem aquelles agentes,
os quaes augmentara os movimentos irrita-
tivos, que formam absorcSo, e os s cernen-
tes1 aquelles que augmentara os monmentos
irritatives que constituem as secresoes.
Assim, pois, v-se que sem a precisa combi-
nado e modificado nao pode ser elle appli-
cado indistinctamente. Militas vezes o pra-
tico deixa de fazer applica$3o do ferro por
coohecer suspeitar- que o figado, o bofe ou
pulmo, e or^o essencial da respiraco, oa
outra entranba est offendida; entretanto
que, se se tivesse applicado em tempo se
poderia ter evitado o desenvolvimento da
molestia. Assim, pois, o xarope prepara-
do como flea exposto se pode usar sem ris-
co por nao o Hender as entra nhas. As mo-
lestias contra as quaes o xarope tnico re-
frigerante pode ser applicado com proveito,
sao: as amenorrheas, ou suspencao do flu-
xo menstrual das mulheres, anemia, ou di-
ininuico da massa do sangue e sua consis-
tencia alterada, dores de estomago, debili-
Rita n. 13, primeiro andar, soffrendo do
mesmo mal ha mui tos annos, pois que a ery-
siplla a tacava amiudadamente, depois que
tem tomado esse remedia nunca mais Ihe
du.
Outros muitos factor desta ordem deixo
de mencionar aqu para nao m'tomar pro-
lixo e enftdtfnho.
Sfendr> a'erysiplla ama mol stia qu sem
duvid effeito d' materia ge rada no corpo
como expSewalguns escrplores da^medici-
ua, e era cofiseqhencia da febre' lattjtcra
M'pelle, onde prodiK infJammaco, e qoe
multas pessoas, pof n5o se trem conve-
nientemente tratado, suecumbem ca1 o
pernicioso uso de que, nos tres dias nao de-
veth usafdTemedfo algara, oque fr-se
eetender o mal por nao se ter a principio
combatido ; por isse;-pois, conveniente
que, \W** argoem4- se sentir atacado de
tarnKir, defe pYovOCaf transpirafo toman-
do ao principio uma-collierinha de cha do
xarope alcohlico de veame dissolvido em
ama chicara de infttsX) de flor de sabu-
gueiro quente, adocaddo-a com'mais assu-
no uso dos medicamentos os tumores ter-
minaran! pela suppuracao.
A-'Sta. D.Rita, moradora na ra de Sania id7 doT o7g'os"drgesiivos, faTtio; Tx'os
populandade ajusta-celebndade era todosradorana travessa a Monteiron. lo,acban- sertio, quaotomais qoe os mesmos-lugares pede veame na formaprescripta'no recei-
comiiei'car os mercados da' AflferlWdo Sul e das4*!*- do-se desenganada> tambem k- mh^eco--
1. Tk. ._- IK n>i4 n*K A> nt'n n.lM aII fnC _,.. ..U. ..- ...iJU'..! 1 .
an proiirao pasado, p tef; Ihas, para o trso de cojos paiz,
EHp'lora8 em|*e1Vo'dod6Wn-!clusTvarilnfe DM&ciu'da, ha
vinte annos; a raesma
ella fot i^eu e acha-se' fttttMJtldi,
mais de Um sobrinho do' Sr. profossor oe-Naza-
tedi'sido'-excltfsifa- reth do Cabo, acha-se bom, cono a v de
j uSo sao nao, segando pens, principal- ttiano, tendo todo o cuidado de se abafar,
mente no-v%r5o. fim de soar conver.ientemente, alem de
Mas dtr-se-b*urna pessoa pobre ti&o tem conservar o ventre crrante, que conseguir
motos de se transportar o aHi estara isso tomando urna ou duas pilulas-purgativas do
cia para a-firma' raente imrlbd e coumftota nsT r/alz. Pb*; aua carta abaixo tranacripta, aim de outros' s respaode, qua JWBerfes lagwes existem mesmo veame.
de-SS, Gomes sellar no livr diafib pr' sa
em dewfil-o do '
principio a ser esc
ie-anno. e tendo, er las desee' uliitao mei, dado
sociedade a seus earaeiros, pede que se mande an
notar envdito livro sua transferencia para a firm
Si, Gomes & c.-Como requer. rh pT&fftittriti' o artigoortglilal'frjl'ih- fectos, que podria'aqoi mencionar. casas vasias e lugara^se'por prece commo- Todos quantos suecumbem desla moles-
Dito, de B. a. BurkA C. pedmdo que se admtt-: troduzido, e i virlude do mesa apresen- A phthysica a destroicSo e a magreza do, e mesmo muitos gneros d primeira ta se diz :falleced de erysiplla recolhi-
iro'SSiimra Rro^SK-Com^Sae^ u' adistioctiva m{<* comaWcial dos pro-' de todo corpo, era consequencia de chagas,! neoessidada ati se-veodem pelos meamos da ; aocontrario alguns expositores pre-
rem. prietarios, pie facrrtneote ser dstifiguMa luberculos e conefecolo dos1 bofes'edeW-'procos qua aqai. sumem ser o desenrolvtarento da putrefac-
Dito, de Aniaaia Frarfeiseo daa Ne'vwr motraa- pefil'arj appaYerrcrr.exterior i& nlfts pierna, atWpbiriiWWsJi'e oatras molestias! Aflaelles, pois, q estiverem nestas cir- cao nosangne, tanto que o lugar iralamma-
dobaveraaMna(oofrQi}aB8edertaaatnripta'|8imiladas e fraudulentas composices. Os que viciam ui BffflBlUA, como escorbuto,! cumstaucias, eu lhes facilito explicar os maios do que, eoto a sua cor era eacacnada, se
P"2!r eaefir'LnaTi ------ etc. rei os nredicamentog gratuitamente, grea, e por essa razUo que conveniente
Na phthysfca, chegand o astado de gra- NSo deixarei de advertir ao publico, que o xarope akoholico de veame na iafusao de
vidade, o que mto pode concorrer para a as"mnb*s preparaces de vteme sao rea- lr de sabugo, par* se conseguir resolver a
salvacao do doaate e ajodar os medicamen- nidaacom outro* ingredientes, e com-eUes inflaniice, oa pelo menos terminar pata
ra
coa
ti^mK^tSi^XsSt^J^^Bi^ menos fcil d; eiig.no, por auaoto'
qnando o en car regado 4a adminfitraeae* solida- Agita de Florida de Marray e Lanman tem
riamente reipoaetvl.-Vala ao Sr. dauaHMrgav j e deSetlvOlVf 0 afrjfl VtOpTO daS'lrecaS e
dor fiacaL
Dito, dp Jet Baptktm
flrescdhtes flores
dfl'flfopieo dar
* jiSiiAi?t'22 I0368 eIla d*rM l,la e eaquisiu ser admettwT^rajeus, oj^pe penic'dr"^ aaicaov e-tip<*i$o a* ar, em logar de
SJ^tST^ 4 ^"^ i**"4*]****, uffigar *p^uzir dm emalfl^
Dito, de Loii Gomes ionrado, Maaoei Marum cSoacre ou ama certa efflavia desagradavel
Bibeiro e Jfobvibo Salgado d/ Castro Gaiawes, coma acontece, com esse* perfumes e aguas
toa om a>eanao, exercicio coovemente tenho obtido ptimos resultadas-: nao se en* supporafle; lpedraAMrawi a- geagr* [tbesoreiro desta caixa se acha aoorisado a Sa
e dieta; anal alo dave ser de neobum gane meso pubco com'otrtror qae por i Os effeitos do xarope alcohlico devlame videndo do semeste indi em si de deeembro
--------- ou dedflftll dtgelClo; ea abi sejauaociam, cujas pr^i^o^i^oro^appliMddnafl^ de silrago audoeaia, nao pf^top 2H9* **^
qu seja de natureza branda assim ccrao o aproveitameuto nos eaferaae,' s de rantagera por saa qualidade* diafo-
frasea. a ooeraporverjtuTaterftawsid^'awlicadoi.etica^
ledo o seu alimeuto se ha de dirigir a cada um responde por si, e eu affirmo com a putrefacto nas molestias.
mucosos, flores brancas, chlorose, molestias
do sexo femenino, caracterisada- por lan-
guor eral, acdorisacao paluda da cor oa
esverdfnhada, empobrecimento do sangue,
eofartes-ehronicos das visceras abdominaes,
alporcas ou escrophulas, escorbutos', opila-
cao, pallidez, e' os estragos produzidos pe-
las molestias sypbliticas: asthenia oa falta
de forcas; fraqueza geral: e ha hidrope-
sa aBazarca- e ascites; tendo-se o cuidado
de observar nestas duas ultimas molestias
principalmente, e em todas s mitras, qoe
um dos effeitos salutares de*te xaropa te-
ro-ventre correte, e as urinas desembara-
zadas.
0 modo de usar-se e regular-se vai des-
crlpto no letreiro pregado no frasco.
Vende-se uaioamante na botica^ da ra
Direita- n. 88^6
Jos da Rocha Paranhos.
WtM
COWWeRClO
PRACA DO REGIPIfi.
Cota^aes ofeliies.
1* de mar^d!
As 3 1|2 horas da tarde.
Algodo i* sorte16(600 e 164800 por arroba.
AlgodSo da Parahvba, i* sorte posto a-bordo
I8J500 por arroba.
Cambie sobre Londres 90 d/vista 28, 28 lig e 28
X d. por 1*000.
Cambio sobre Pars338. e 340 rs. cor franco.
Camblosobre H.mburgo 655 rs. por m. b.
estfontosH 0|0 ao anno.
Svelra,
Seeretariu.
Soto banco de Peurraaun-
buco.
O Novo. Bmw descama letra* a llporeento
aamo, lema d*bpifeia.pri80 ftx oamm con
cofrera pete- premio oatffee- fMt onj.
clonar, e saca sobre a dmcjl da ikbia
Cal xa flllaJ do bna de
II







A.
I
filial do banco doBraail if de Janeiro
O guarda-linos,
ifaada Ifasea Garraia.


Banal
Sexto feftf* Te arf 4t 1866.
ALFAiWGA.
Readiurento do di lvareo....
mmnEtno da ALKNoft.
Volumen entrado* eem azendas----- 98
i c com geaeros..... 274
:-.-....-.....1.
VIucqs sabidas ccBt-faiendas.....
coa genero.....
B*8carre Galera frannezaJefmercadorias.
yaroa porlupaeta Constante ll diversos ga-
iteros.
Polaca heinliola-iftiia~charqD9.
Brigne espanbolMara Rosaiiem.
Brigae argentino Volantedem.
Brlgoe nacionalFtimixense ~\dea.
Barca naciooal^thMwcAtdent-
Polaca argeatiaaMontevideodem.
fcuiaaca argentinaiVooa Cariotadem.
ImportacSo.
Hiate naowoal Graciosa, entrado do Ass, coni
signado a Banholomeo Leorenco, manifesloa o se
guun :
437 alqueires de sal, 200 courlnuos curtidos, a*
mestre do mesmo Cosme Rodrigues da Costa.
80 couros salgados, 9 aaceea com 36 arrobas dt
cera de carnauba, a Uitaaa Irmios & C.
40 meto o sola, 440 counahos curtidos, 12
saceos cora 4 arrobas e 2 libra de cera de car-
nauba, 1 pacota com 27 libras de cera de abelna,
a Lino de Parias.
$$66172] I Imposto de correctoras e agentes de
.-fies .**...............
Bi|vsbrl$ijs e casas da. aa-
CMtos ." v4 -
Diaaraobref asas de raOfeis^rou-
eteirtmeados ejjTpare "
geiri*>.....Zf +*
'ata de esetvos.........
rnfl'rjr:' di divida acut <*'
lndcjunisa$5es.....T %s"
Debito de diversas oriflns.....

48B8 j
------1,87
uwsu
lecebedoria de l'ernhmbeco,
de 1866
O tjenvio,
V, JTaimi ito*BSI|iy-' *f-AMBraL
^tWSULADGtKOVWaA^.
, jRemtuieato. o da 1'di narco..... 7.954*wi
Re4imenMa medtnsaiad^pro-
vincisl em todrn iofiz -le fevweiro
le.gffi
Direito de 9frfs. por arrUJa 4
car exportado. .
Ideraje 20 rjg por pan
d#nte ..". .. ,.. .
dem Je 30 n por anatSmde toocl
dem de 3 nea-eenla sobrar* algoiao.
dem de 7 por cento sobre o mel ..
nm HAN U4 MISUIll/VI U*J|
dtHecife. I .
A film* junte, rtnttiaicaHv da Santa Casa du
: 8iU3^S16 "Misericordia do Recite mantr*~4i*wr publlpo q
precisa contratar om eapellao para' o hoMJcio
alienados em Olinda ;-os ree.endc*sacerdfles q
fretajidereaiOMrcer as forree8s-aeie cMgo p"o-
4*m dirigir as suas petted* a' (sesma fonta, a
anal se rene bu uotai-feiraj a respecijf a sala
de suas sessdes.
Secretaria da Santa Casa de Mliericerdia do Re-
rife 28 de fevereiro de 1866.
O fflcial-roalor,
M anoel Antonio Vie^ ._
31
Tlf f:\THO
DE
40:317,1136
de everwro
27 saceos com-98 arrobas e i-libra de caroauoa, jdeajj(je g^,. ceQ[l) so, os ouros
ar-
45:94i5'.03
1:418*500
1004620
W: 19*519
393*881
Capilffhi 4o aerto de Peraambuc, 3# de
ferereiro de 1S6G.
IHm. S. capitao do porto, manda publfcar em
virtude de ordem de S. Exc. o Sr. couselherro pre-
sideate da provincia, o aviso Acular da 10 de
Janeiro ultimo, ea one oExra. Sr. oiinitir da
agricultura, coramerefo jobras publicas, commu-
nicando a existencia de-Ama estadio telegpaphica
no Cabo-fro, '-njrr* *o mesmo lempo modo
porana devrn os nattos procedftiie> dikinorte,
ommonicar-t com a mesma estajeo, e no caso
lie carracho ou noute com a Pwta Santa-Cruz.
Circular.Director das oVa* pablicas.-2" sec-
gao.Bio de Janeiro.-Ministerio dns negocios da
agricultura, onmanio e obras publica, em
Vanati$$imp espeda-
culo
Dos ai'tistas.ptFMBtWCitos
EE
Ssbbado 3.
Ao chsgar S.tExc. o-Exm.Sr.presidente da pro-
vincia. orchestra eieentai ama de suas lindas
ouverturas e dqpols paiocipiar o espectculo na
ordeat seguate :
Constar todo tiabalho da poMc9e drfficeis, des-
treza a aceio.
Trapetio, qaadro brasilalro, a vara cbinea, des-
locagSes, saltos terriveis, cambalhotas, equilibrios,
a barrica diablica, vcdiaios olympicos.
Seado este nnico espectculo a beneficio destes
artistas para mais fcilmente eonlinuarem em seus
IKILUI.
De traites, avulsos, mobilias, objectos de ouro e
prata, candieiros a gax, relogios de cima de mesa,
ditos de algibeira, paliteiros de porcelana, piano
de mesa e de armario, lanteroas, casticies e on-
tros muitos anigos.
B0aVB
Sexta feira 2 de marco as i I horas.
NO GRANDE ARMAZEM DO AGENTE
9 eaiioas com 19 arrobas e 8 libras de velas da
dita, a Antonio da Silva Poples Guimaraes.
33 mios.de sola e 12 saocas cara 62 arrobas a
11 libra de algodao, a Gregorio Rodrigues do
Amaral.
Hiate nacional BxMacao, entrado do Aracaty,
consignado a Jos de S Leitao Jnior manifestou
o seguinte : *
21 caixa cora 32 arrobas e 11 libras velas de
carnauba, 1 barcica com 3 arrobas e 4 libras de.
cera de abelna, a Lino de Farus.
3 barricas cauaHOJiuUuu de sapatos, 440 eslei-
rs de earoaub, 192 melos de sola, 1 caixo car-
ne, 36 eaixas cora 48 arrobs e;16 libras de velas
de carnauba, 63 saccas cora 232 arrobas e 19 li-
bras de algodo, a orden.
Vapor nacional Mtmanguape, enlaado dos portos
do oort, manifestou o seguinte :
Do Penedo. _.
10 saccas de algodo, a JoSo Evangelista de S.
40 latas oleo de Ricino, a Joao da Silva Faria.
15 dita dito dito, a Joaquina Jos de Lima Bai-
ro.
90 saccas algoiao, a Joaquim Jos Gonc.alves
Beltro.
60 saccas milho e 62 ditas algodo, a ordem.
4 saceos asucar branco, 21 ditos dito mascava-
do, II dit-s milho a Caetano C. da Co 3i) saccas de algodo, a Jos GoncaJves Tor*es.
67 ditas dito, a Andr & Reg.
l)o Aracaj.
30 saceos a-s>ucar branco, a ordem.
De Villa Nova.
100 saceos milho, a ordem.
Hiate nacional Lindo Paquete, entrado do ilara-
nho consignado a Antonio A. Gomes, raanitesiou
o sciruioit :
1 j'.8 barrica'! abatidas, ao consignatario '
50 c.ixas e 26 barris vinho, 20 ditos breu, a
ordem.
Genero nacional.
30 .Naceos milho, 600 ditos fariuba de mandila,
ao consignatario.
Hiate nacional Piedade, entrado do Rio de Ja-
neiro, consignado a Antonio Lnix de Olivetra Aze-
vedo & C. manifestou o seguinte :
10 calas e 40 encapados cha, 100 barris de
quiit, viuho, 1 caixo chapeos, 2 ditos daas>ma-
chmas para descansar algodo, 11 ditos trastes e
ol>j"rios de jiso j usados, a ordem.
Gi-neros nacionaes.
1376 saccas caf, 1200 ditos farinha de mandio-
ca, 2 caixSes cb, 2 jacazes matte, 24 fardos fumo
em folia, 1 caixo charutos, 100 latas e 60 rolos
fumo, l cama de ferro, 4 volumes diversos objec-
tos, a ordem.
Patacho nacional Sanio Antonio, entrado da Ha-
hia con-ignado a Joaqun Jo> Goncalves Baltrao
uiamfestou o seguinte :
60 barricas genebra, a Jos Vicente de Lima.
10 fardos lio de vela, 1 dito C pegas de fazenda;
a Jo* Mara Palmeira.
Gneros nacionaes.
30 fardos paouo de algodo, 6 talhas tooca
vldrada, 50 raoringues, 15 caixoes cora 103:JoO
charutos, a ordem.
1400 alqueires farinha de mandioca. 12 saceos
cinfoO arrobas de tapioca, 1 volume de fumo li-
gado para ray com 20 arrobas, 748 saceos fari-
nha de mandioca, 90 esleirs de laboa, 7 caixoes
e 1226 caixinhas com 160:830 charutos, 25 fardos |
149 arroba* e 25 libras de fumo, a Joaquina Jos
Gmfalves Beliro.
30 fardos 160 arrobas de tabaco, a Candido A.
Boflrd di Motta.
6 volumes com 60 pecas de algodao, a Bocha
Lima & Guimaraes. '
Brigue nacional Mafia, entrado do Ro Grande
do Sal, consignado a Araorim & Irmos manifes-
tou o seguinle :
9451 arrobas de cbarqoe, aos mesmos.
Uiaio uacional Mara Amelia, entrado de Macao,
consignado a Prente Vunna &C, manifestou o
segoinie :
403 alqueires sal, 200 molhos de palha de car
naba ; ao mestre do mesmo Francisco Thomazde
Assis.
Vap ir nacional Persinunga, entrado dos portos
do Borle, manifestou o seguinte :
Do Acarac.
93.1 radios de sola; a Prente Vianna & C.
432 ditos de dita ; a viuva de M. Goncalves da
S|lva- .- t
2,006 ditos de dita e 23 saceos algodao ; a Jos
de 8a Ledo Jnior.
4 saceos algodo; a F. Rodrigues dos Santos.
683 meios de sola; a Jos Rodrigues Ferreira.
85 saceos algodo, 474 meios de sola, 20 ouros
salgad -s; a E D. de'Albuquerque.
2 iaixoes ovas, 1 barrica carnauba ; a Joaqnim
Rodrigues Pessoa.
510 meios de sola e 500 cooros salgados : a Mi-
guel Francisco do Monte.
209 meaos de sola ; a Antonio Alves de Mo-
rae3. .
130 meios de sola, 2 magos couros miudos, i
sacco pennas de emma; a ordem.
150 meios de sote; a JoSt Jos tle C. Morae*
* Jnior.
De Maco.
201 meios de sola, 31 barricas e 44 saceos
carnauba com 318 arrobas e 7 libras
faria & C.
7 ra toes com
2 Hfceos
Jos de S Lelto.
6 saceos com 26 arrobas e 14 libras de algodo;
.a Munoel da Silva Pontos.
4 diHH eom 15 arrobas e 3 libras de dito -, a L.
Gongalves da SWa.
46 aixas com 62 arrobas e 14 libra de velas de
carnauba, 1 caixo com 16 libras dapennas de
pagaio e de emma, 60 couros de c
Dio AiTotiso Moreira.
siccos algodo, 96 .arrobas e 6 libras ; a NI
colo Xi/une. t /,
28 saceos eom 422 arrobas e 4 libras de algo*
dad ; a Fiaocispo Guedes do Nascimento.
22 narcos algodo eom 99 arrobas a 4 libra; |
Jos T. Si 8ava4canti.
40 saceos com 535 arrobas e 8 libras de algodaoi
a Antjiiio 16 cafxas com 17 arrobas e 13 libras de velas d
carnauba, 7 baldeas e 47 saceos com 70 arrobas
23 libras da M*de carnauba, t garajo pelftt, 4
couaos salfaJas^Oconatnlafs de cabra; a *e^
*Wr acdMciaN.
1 caixa panno fino e 1 sacco cal ; a ordem.
iVSlIEUEUaiA DE -RENDAS INTERNAS G
RAES DE PERNAMBUCO.
Bendlmento *> da V aMNfaV.... 1:996*15*
END1MENTO DA RECEBEDORIA DE RENDAS*^
IrlfrM ORAS, D8 BEM^AMBUCO DO
HI9 OB FEfteEWO, A SABIR
Keo.ta da lypagraBhia nac'onal...
Oiu 4<* proprio Bjaeiooaes......
Frus d terrenos a de marinha..
Laudemios...;..............y-
Siza dos ln de raz.........'->>
Decima addicional das coipora-
cops de mi mora.............
Oifciios *>%) e" chaiicefllria....................
Oitos de patentes dos.offloiat da
guardn nacional............,,..
Diurna de cbancellarU...........
Jatrirulai ** raenldMas de di-
Telto............... ....
Malta por inraecoea do regula-
tat'iito. ........................
SaUo do papel fixo................
Di *e proporcional.............
Prm ios depsitos pblicos...
salgados.....J..... 1:660*2
dem de 5 por ceuio sobre as -mais
geaeros......I......
Imposto da dwoima iirbint-.
dem de 20* por valida da eacravos
Idaaa de navos e velhesdiaattos.
Ide de 50* por eferava exportado.
dem de 20 por cento sobjpe dilfilBOS
estabelecimantos.........
I Jera de 8-por cento sobte cflnstillo-
riee, e aeeriplorios........
dem de i par cento sobre diversos
estabelecinwntos........
dem de 20 por cento do consumo. .
dem de 10fj* sobre corrector com-
mercial............
dem de 50 rs. por alquttgs de sal .
dem de. matricula da escola normal.
dem de 1 por cento sobrfct) producto ;. .. .
de cada lello......... lT*?**i*
SSlaraV^^
218400
0*000
14*400
604*560
dem de 100* sobre roupa feita.-
dem de 6* por carros e carrogas. .
dem de 10* ppr cada escravo gaafta-
der. ,........, -
dem de 1:000* sobre casas tonca- ^^,
ris............... *:0*???xx
Mem de emolumentos de policfa-. .
dem de 10 par cento sobre os sellos
de Iterauca-i legados......
Idem-de 400* por companhias ano- Manon
nymas. ............ 2.000fO Idemde 30* ppr escravos do servido
de al arengas..........
dem de 3 por cento sobre a venda
do capira..........-
Idemde 50*sobre bilhar......
dem de 15 por tonelada de al varen-
gas, candas, etc. .........
Restiuc*> e reposiejw......
Mulla*...............
aflm deahegar ao conhecimento do doeos ou con-
signatarios dos nayios qoe no Cab^frio- existe urna
estaejlo laiegrapbica para a qual, aquellas que
demaottaam a carra do Rio. de Janeiro, deven
fcunecer as Inbrraagoes gegutntes :
A saber
i. O nome do navios
2.* A sua procedencia;
2.' Os di< de viag;nn
4.* A carga que traz;
5." O nona d) aansignatari;
6. As noticias OHriilSas au-comsneraiaea.
Cojn a declaraco de que laes iaorma?oes sero
traasaniuidas por ."mel de Biguaes Maryath -a
referida estago,. com efa por causa daajoula, on-de cerrajao no
.roarodevem fazer-pafl aPenla-Negr. oh para
429*oeo Saau-Cruz, em rpaanto -estirerem frad* barra,
cumprtndo adnitiir ^jue.^s myios procedentes dos
ciprios do su^ decm transmUtir as communica-
Qoesxigidas4)arao telegraphe da barra, on Baby-
lont, logo q&e seipossam corresponder com taes
estatoes.
Deus guarda a V. Exc.Dr. Antonio Francisco
da Paula Soma.Sr. presidente da provincia de
Pernambuco.
Curaprase.Paflicio 4o goarern de Pernambu-
co, em-19 de*fevertiro de 1866.Lunha Parana-
8u- n
O secretarlo,
Becio ie Aqptno Fonseca
n n
858*8W
3:I38*H00
310*257
400*00
16:433*320
730*St
913*160
3:774*100
1
3005000
1565830
808*000
1:7415000
450*080
807*930
100*000
1:730JOOO
72392
4595022
zereei o publico levando nt.>|a pe ita Boha boas e
bam oaecuiados trabalhos espertado lodf paoleccao
e caaoorrancia nesta aoite.
Fogio do engenba Aragagy freguea do Ca-
bo, no dia 12 de Janeiro prximo passado, o es-
cravo Alexandre, molato, altara regalar, pooca
barba, olhos gand, roaos compridas e eos,ps
pequeos, espadaudo, andaqnasi sempre ebrio, e
offloial de sapateiro, presume-se que estej* para
as parles de Maricota ou Iguarassil: roga-se as
autoridades policiaes ou aos capltes de campo a
apprebencodo dito escravo e a entrega delle na
ra da Praia casa do Sr. Vedro Jos da Costa Cas- puhlicaaos.
(ello Branco ou do Sr. Joo Firmino Correa ae
Araojo, n. 59, que gratificar.
OLYMP10
48 Pracn o 4 ommerolo 48
LClliO
De urna taberna.
Na Boa-Vista roa do Cotovello nomero i.
Cordeiro Blindes
a reqaerimento de Thamaz Francisco de Salles Ro-
sa e despacho do Illm. Sr. Dr. joiz de direito es-
pecial do commereio fara' leilao dos gneros, ar-
mac-ao e mais niencilios da taberna cima dita, a
qual ra arrestada a Maximino Marlins da Silva
Borges, cujo leilao ser effectuado
Sabbade 3 do corrate
as 11 horas na mesma taberna.
Grande leilo de mobilia
Tergirfein 6 de margo.
S. P. Johostou-tendevdrt aetirar-se para a Earo-
PH0TOGR4PHI4
artstica americana
RA DO IMPERADOR f. 33.
Artista americano
Artista americano.
Anist i americano.
Artista americano.
RetratosRetratosRetrates.
Elm porceiajia Is'iejycotypie.
En leoosArchrutypie.
Em vidroAmbntypie.
Em mel^l^kgi^riicdlj-p'e.
Em paaelTllbotjfe.
No^rande salaria ra do Imferador o. 38
de toda sna momila ass;m como um cabriolet e
cavallo : terca feira 6 de mareo pelas 11 horas da
manha em a casa da sua residencia nos Afilelos
casa junto da igreja, es objeetjs serao em temq
AVISOS MARTIMOS
pa far leilao por intervengo do agente Pesua Nl>j,ra:(ie SalO da ra Jo Imperador D. 38
Ho trxia cni m.ir.ihj aa>m pnmn um Cllloilpl P. 7> ... t___
INeste estabelectmanto tiram-se retratos
I em todos os systemas, com asseio e promp-
Itidao, desde as nove horas da manha
i ate as cinco da tarde ; assim como tem
; sempre a venda grande stirtimeoto de ca-
'xas finas de diversas formas. Cuadros
ovaes Passepartouts e todos os mais ob-
jectos e productos chimicos, relativos a ar-
W -
ff'
AVISOS DIVERSOS
LOTER1
ArperaatM?ao.
COMPiXHI V IIR.MILB1RA
DE
PAQUETES A VAPOR.
E' esperado dos portos do norte
al o dia 6 de marco o vapoi Pa- f brasiIero qe se e-;pera dj sui) i
rana, coraraaqdante o capitao de i *: ... ,K;U
Trgala Antonio Joaquim de Santa traer a 3a parte da Ia lotera (50),
Barbara, o qual depois da demora
do cosluuie seguir' para os portos do sul.
Desde j recehera-se passageiros e epgaja-se a
carga que o vapor poder conduzir a qual de ver
ser embarcada no dia de sua chegada, encommen-
das e dinheiro a (rete at o dia da sabida as -2 ho-
ras : agencia ra da Cruz n. 1, escriptorio de An-
nio Luiz de Oliveira Azevedo & U.
Mesa do
de 1866.
173:105^113
consulado, prorincial, 28 de fevereir
0- escripturario,
Ulysses- Cocbles Cavalsanti de Mello*
Finda a ad*enaia do dia -^ de arco da pro
vedoriardos -residaos, eearivo Vasconcello, ser
arrematado por venda, a quera mais der, ama
casa terrea eem sotao 0.-22 na Capunga, fregu-
V^^S'SSST' MSTJSZZ: i
bucana*, cora. 3 janellas na -(renta, 32 palmos de
largura e 70 Je fuodo.aem portao-uo oito, 2 sa- --.
las, gaUinete ao Jado,-4 qiwrtcs ---- ''" o cooslenatario Joaquim Jos
farVnha de mandioca e outros gneros; a Anto
nio de Alnteida Gomes.
Navios sahidos no mesmo dia.
Porto Barca portugueza Setenan, capitao Fran-
cisco Mattins de Cirvalho, carga assucar e ou-
tros gneros. -
Canal-Brigue ing'ez James Stwart, capitao B. U.
Kneght.
EDITAES
O Dr. Tristao de Alencar Araripe oQlcial da im-
perial ordem da Bosa e juiz de direito especial
do commercio desta cidade do Becife de Per-
nambuco, por Sua Mageslade Imperial e Consti-
tucional o Sr. D. Pedro II, a quem Deus guar-
de, etc.
Fago saber aos que o presente edital virem e
delle noticia tiverem que por parte de Tdomaz
Teixeira Bastos me fei dirigida, a pelica do theor
seguinte:
lllm. Sr. Dr. juiz de direito do commercio. Too-
maz Teizeira Bastos negociante desta praca quer
faser citar a Cruz & Irmos ettafceteaidos que fo-
ram na cidade da Prahyja para ver*m inte/wrn-
per a prascnp?o da letra junta da quapiia-de
398^080, vencida em.-20 de Janeiro de 1861 e n*p
Para o Rio de Janeiro
i maior partn do carregamento tratado, o para e
i si- rest0 1ae 1ne fa,,a e escravos a freie, trata se com
, f,ra o consignatario Joaquim Jos OonQ*lves Baltro,
&aa^&&js&SS&na ra d S55 d- ,7' "riraeiriandir-___
a 42 de larg^a, com cacim^propria, casa par. QQMPANHIA BIASILEIRA
A
ios 6:00Os00O.
Segondarfeira 5 de marco (se antes de>
se da tive-seguido para o n rlc o paque-
se ex-
a be-
neficio do recolhimento de Iguarass, noj
lugar e hora do cos tune.
Os bilhetes, meios e quintos acham-se .1 >
venda na respectiva thesooraria ra do
Gmbd n 13,
Os premios de 6:000/1000 at 10*000
serio pagos urna hora depois da extraccSo
at as 3 horas da tarde, e os outros depois
da distribu cao das listas.
As encommendas sero guardadas so-
mente at a noite da vespera da extracto.
O thesoureiro,
Aotonio Jos Rodrigues de Soua.
te e recibidos ntidamente dos melhores
: remecedores de PARS eN va YoiMendo
de tudo, para todos os gostos e para todos
os precos.
Sallo da ra do Imperador n. 38.
SalSoda ruado (mperadorn. 38.
baflboseom-ajgunsarroredoij com urna entrada
pela oulro oito de 10 palmos .ie largara, estando
o sato Ir a vejado,aeudoio tetpeno proprio, avaha-
da por-S:Ofli. A4ual-ea taria dos finados FraocUao Xi-vier de Lima e sua
mulher Maria-dos Sanio Gama, e vai a pra^a a
dita casa a raquerimento do sespectivo testomen-
telro.______________________
tarda do dia 3
Moviwimo m potto
Navio entrado no dta l..
Maranho- 19 dias, palbabole naoional Lindo Pa-
quete de 205 toneladas, capillo Franelseo'Felix
Nogueira, quipagem 10, carga 650 saecM conrt|j0 terrao P, Jguars i ari;analc5o de um bora
escravo pardo, com idade viole e tres aanos, para
o e/vico do campo, e mesmo para pagera : a
ultima praca.
-A
s tres-horas da
prximo vindouro .lera pagar
de marco
no jpizo de orphaos
adtaioisracao do.correto desta ci-
dade precisa engajar quatro homens para
oservifo de caminheiroa: quera estiyer
nestas condicoes e quizer engajar-se diri-
ja-se a mesma.________________
DE
PAQUETES A VAPOR.
Dos portos do sal esperado
at o dia 2 de marco o vapor To-
cantins, com mandante o primeiro
lente Araujo. o qual depois da
'demora do costume seguir para
os portos" d norle.
Desde j recebem ae passageiros e engaja-se a
carga que o vapor poder conduzir, a qual dever
ser embarcada no dia de sua chegada, encom-
mendas e dinheiro a frete at o dia da sabida as
2 horas : agencia ra da Cruz n. 1, escriptorio de
Antonio Luiz de Oliveira Azevedo A C.
suecas
U3fi3 i
E por-qoe os-sopp*c^'8B*4alHayeusai^ ^ tomalkmm
taram, e se ignora o lugar eerto ende strj un,
seodo este o juizo competente, por ser este o lor
do contrato, como se venfiea da raen Mra queT
o supphoacte justificar a ausencia ei lagar oo.
sabido dos supplieados fara se venftear ataco
por editos, sea4o atioal por V,S,;julg*a nter-*,
rpida a Prg5f^^3i^
loL. K.'M.-Jjaauraiiorge oe u...i w j. i V. S. deferiniafrto
Mallo, procurador.
Ka qual del o seguate despacho : ;
Citera-se como pede.
Marco a priawfra audiencia parva justitlcaQo,
e tomado o- protesto por twmo. *
Recito, 15 de Janeiro de 1886.-^Alencar Ara
rife.
Em virrade do raen despacho (ora a mesma pe-
licao destribuida ao escrivo deste jnizo Manuel
Mara Rodri.
rjiriEU m\i
Pela admiQtstra$ao do corrfio desia cidade se
az publico para fias convenientes, que era virtu
de da couvengo postal celebrada pelos goveroos
brasileiroe fraocez, sero expedidas malas pira
Europa no dia 2 de marco pelo vapor francez
Guyeme. ,
As cartas serao recebidas ate duas horas antes boa
Francisco Pires
Portea
Machado f
Ci>in|Kinhi:i da Measageries Ioa-
i periales.
No dia 2 de
marco espera-se
dos portos do sul
o vapor francez
Guitnne, com-
mandante A. de
la Nu, o qua
depui- da demo-
ra do costume se-
para Brdeos tocando em S. Vicente
MEDICO E OPERA' OR
PELA
Facnltlade de Pars.
continua no exercicio da sua profisso, ]
especialmente as molestias de olbcs, de j
vas urinarias e de pelle, para cujo (ra-
tamente julga-se fiabilitado atienta a pra- |
tica adquirida nos hospitaes daqueila ca-'
pital, e os instrumentos mais moderos
que possue.
Accode promptamente a qualquer cha-
mado para fora da cidade.
E encarrega se de collocar olhos arti-
flciaes.
No pateo d Carmo n. 2, esquina da
ra de Hortas, das 6 as 10 horas da ma-
nba, e das 3 as 5 da tarde.
gira
da que for marcada para a sahida do vapor, e os
jornaes at tres horas antes.
Administracao do crrelo de Pernambuco 22 de
fevereiro de 1866.
O administrador,
ppnjinyj dps^Payos jiranda
fmv te IWraV
O conselho de compras do, arsenal da]guerra
precisa comprar para o presidio" de rern#ndo de
En S. Vicente ha om vapor em corresponden-
cia com Gore.
Para eondic5es, (retes e passagens trata-se na
agencia ra do Trapiche n. 9.
Antonio Mara da Silva vai a Portugal tra-
tar de sua saude. _______
Precisa-se de um homem para trabalhar em
sitio com planta de capim, e que saiba cortar ca-
a Lis- P'm com faco : na ra Direita n. 69._________
~ Precisase de urna ama para casa de poaca
familia : na ra da Florentina n. 14.
l&R)*lquir8!
de don ap*eiref.
Al JIM M .flB,quizfatt*fdr.'WtoSvartigos
aprenlem4aajiwopi06ts.najia^a:do..c*naelho, s
II horas da maoh do dia 5 do crrante.
Sala 4o aanaehod oom*io awanal ie guer-
do
PC
o-dotaorsegoiHo:
o. Utier
Aosl*danirdel86 tu odade 4o RflcKe Sr
de-PamaaBM n un oartowo *poroea o iap-
, plicaate por sea tentante procurador a salicaiar
iotqmi Jorgu 4a Mio, e dto>>raa mm e a* Pela mesaa
lino (i*''9aMnhs tafra niCT4*s.'**W***- oe a Uanbea
"'tasto o.ooateid"* nt p*cimto, a fal aW trato d*
com 14 arrobas de velas de ^^^^^^.^Z^X^ SZ*
comprobase 2 libras de algodao a XTi^^JoTattS
Miaval Haria Hadrifaes do NascflMWo, a-
oaaarevL-JoHulaa ionge Aeilo,
"i anas les.
MI
XtscimBntq, o pu4 lavrou. o_ q,^ Ii'Jtf.-f iT T" V'T indemnisado do ,< urda do dida sabida : scnplorto no Forie
Manoel Josde Azwdo Sa^o
Tribunal (fo comiado
Peta secretaria do trtbjin'al 4eemmarcio de
Pernambuco se Jaz pabHco qu nesta datafnea re-
gistrado o destracto ta socieaaie: que neia pray^
tinham-Francisco Jos onca'ves. da Silva -e Joao
Jos dos Santos Lima, son a-flrma Gon#Wes &
Lima de cuja liqoida$o flea responsavel i
COMPAiNHIA PERNAMBCANA
DE
Ka"egaco costeira por vapor.
liba d. Fernaod de oronha.
Seguir logo que regresse dos portos do sul o
vapor Ptwahybs, com mandante Martins, para o
presidio de Feroaa4o, para onde recebera' a car-
ga que houver assim como encommendas, passa-
geiros e dinheiro a rele.
^WWli Pemairiiataa
DE
Navegar*} 4jtela|>or vapor.
Parahiba, Natal, Maco, Aracaty, Ceara'
e Acarac.
O vapor Persinunga, comraan-
daote Belmiro, segu para os re-
feridos portos no dia 7:4a car-
rente as 5 boras da tarde. Re-
^eebe carga sement at o dia
6, eocofMMDdaseHhsheiro afrete d a 2 horas
Quem precisar de urna ama para o servico
inleruo de urna casa dirija se a ra larga do Ro-
sario n. 37, segundo andar.

do o
*FBir
maMi
Jorga procedente a jartiacafiJo, e maao que os
itlficados Cruz & Irmos sejam citados por edi-
do de toda e qual-
do Matos-n. 1.
Har a Baha
Pretende seguir com muit brevidade o palha-
bote nacional Dous Amigos, tom parte do seu car-
reMoalwec
al
Pela mesma seefwfna
leo .que nesu dala fteay
ro, qe girava nesu pra?
1866.
l-maior
io Guimaraes.
igualmenie pnblico
igual data o des- j fmmr- rr-TT" 'resto'que Ihe falla Ira
dro.4e Mello e An-, ue com w ^ consignatarios Antonio Lniz de
- Oliveira Azevedo &C, o seu escriptorio rna da
Gru n. 1. ____ i i
Para b 'Rio de Janeiro
Pretanduusajjjolrcum rauiu brevidade o patea-
bote nacioaal W8DADE, tara dous tercos do sau
oariegameaio tratado, para o resto que tea- falta
ata so coo os sens consignatarios Antonio Luiz
4tf*-.0N*eir* Aaevedo & C., no en eaerlprlo roa
ea Grnz v 1. _j_____________.
Antonio Das da Silva Cardeal, Joo Fer-
reira da Annunclaco, Francisco Candido
da Paz, agradecem.oordlalroente a todas s
pesaoas qne se dignaram assistir as
qulas feitas ao sen flnado sogro
quim de Novaes, e de novo roga
pessoaso caridoso obsdqoio di
.missa do stimo da que ter lagar-no 41a 3-,
do corrente pelas % horas na igreja de Santa
Rita de Gassia.
exe-
Jos Joa-*
as mesroas
de assistir a
lio & C- de coja
imo, o primeiro
jidade e com di-
o a importancia do
>e o wlanco a qua
letras.
18ft.
ial-maior
io Guimaraes.
as caitas ex-causa.
5Recife, 13 de lenaMiro de l86tt.^-Tristao 4e
Menear Araripe.
' Por tarca da qual o referido senvio fez passar
n,presente edital, pelo qaat'enamo, cito e'hei por
imados os supplieados para qne coaHWre$ara
te juiz) dentro do indicado praso aflm de alie-
rem o qae tor de lusiiga. J
E para que ehegue ao conhetiment de.tuiws
.ndei pasaar o presanla que ser publicado pala,
preasa a afflxa lo nos lagares 4o .cnstataei H
16 de fevereiro de 1866.
Manoel Mana Rodrigues do Nascimento, es
Baatoa 4., ooja iiqi
soci itelro.'floe Hiwbem
com os seas ea^eoctorfla
producto 4o capital e
no bataneo e de que thes
ecreiaria t7..de (ev.effli
PaU'neaflM secretaria a
me nesu data flea registri
Jaz igualmente pa-
rado o destrato da
e Assis Goes, Jos
lio 4 Costa Ribei-
a flrmav*- Goes,
ica a cargo do ex-
responsMHl para
la de 59:000*000,
rteoceates a stas
letras.
866.
ial-maior
o Guimaraes.
280250
40*772
DECURACOES

O capUto commatdanla da oorapa-
33405 nhia provisoria de polica abaixo-assignado
3:737*3, cotmda aos cidados^ae se queiramnga-|
jarwjMrTi?o da mesma optohia, a qur
235*2601 coaparof am o reapeettto qwtrtel em to-
dos os dias nieis,:dat 9 horas da-manhSa
por diante. Quastl da coapanhia prov- ^**<***
soria de prti>10def verero de 1866.
4 Me|o Jnior.
ola doSr. Dr. juiz 4a orphos"
gualmjnte publico
destrato da socie-
al de Portugal, aos
o passado, entre
a e Jos Caetano
de Carvalho, era vlrtude do qoal dissolveram a so-
cidade que tinbam nesta praca, sob a Brma -* Bar-
qnidaeincop fesponsare! o ai-aocw BarqiPlo
meurejando o^soet ^'fW_i,0 SM ca
ilu7-aSwroa^a4Sotra4o dVqw*jlef.respi>nsa
bllldade. ..
Secretaria 1 da marcqde 186.
783*965
fiada aaaaumi uor. w. ju n.
do dia fe -tnarfi *o corrente anno, iri a prac
porrrl4aiMM*s aloguere da asa terrea n. 5,
no rogar denotaiondo-Chor Meaioa-y a raaio de:
200* aonoaw, de caja casa oswbor o oTph
fllho do Bnio Vicenta Perelra da r*a.
Para Lisboa
Sabira' oestes poucos dias a barca portugueza
cConstante J1I, por ler promptoqaasi todo o seo
carregamento, para o restante e passageiros tra-
J*e tora. Manoel Ignacio da Oilveira & Filho, lar-
o 4 torpo-Saato aaeriptorio n. 10, oo com o
janpitaoaapraoa._________________ ..
f ara a ilha de 8. iigael
pretende.aal-aestea4ei4a o patacho porta-
gne,^Wrf4..ttw4ousrcos 4e wu carga-
mento prompt); para o resto qa lhe falta e pas-
sageiros, para os qoaea-tem excellentes ommodoa,
trata-se com os seas consignatarios Antonio Lnix
Seguir naslawdias por ja ter parte do sea car-
jegameito Mamjtto o*r(gae porlognet l/i^aa-
ra 9 isj paaanUp.j)ara o* ooM^iem #xcel-
leote commsdos : trU-sa coro os coosifiMtrios
Thomaz i* AqaQX>.Faa8fra & C. ou com o capitao
na praga.
i*.
; k *
O secretario da sociedade Uoiao Benefi-
cencia, convida a todos os socios, parentes e
amigos do fallecido Joo Joaquim de Souza
Abren e Lima, a assistir a ama missa qne
no stimo dia se manda celebrar na igreja
de Santa Rita, sabbado (3) as 6 boras da
manha, pelo repens eterno do chorado
rateo.
I v* i
Sob esta epigraphe s se publicara fados eom
referencia ao < paiol dos seceos a molhados > e se
alguem quizer servir-se da mesma epigraphe para
qualquer mister, pedir liceaga ao
Carnauba socio do caveira.
kl ral ddae.
Eolio mea sobrinbo do to, foram-te a fregoeiia
dos queixos ? inspaectonaram-te assa oara de nar-
ro com sopapos e pwtap*?-.-- ora, .paserdade,
nao hHMa nio tenba limpado snas maos nesse
corpa qne a parMaca-a Sataaaz 11
En, e bem ssio oitos ontws acharaos pouco
o que te zecam, por tsso,-qae, aleo; dq> tp* /com-
portamentointame, tem roalso-nome de asas<
sino I slm, assasslp porqae o fos-tg 4e np gal-
la 11.... e ana-aaai ocid d-Inlnira, tbre
animal, tare qne floitar^uaoxistaocia somante pa-
ra saciar to torpe quap(o. desgrasado vkMO. Ga-
to raivo do qas usa disso cuida.
Cerne abe, e*t*-4eb*i*o da-ptel proteeo,
a sa.targao bo, qoale>i|nfoiirar.
4l#lpacv v a raa-dt AcaiMlancr.:iaa
fetos para dar publioAtfada.
0 cajaABbaJ2fiifi JlS-fiaSfiJla.
tens
uimaraes.
Pela mesma secretaria -se fat tambern publico
eWkMa**riatae^%aVrf da ain-
cola dos commarefante* os srs. Aotanlo Francisco
Carnelro Monteiro PWto, j>rasileiro de 45 annos de:
. (dade. e Jdlins, Scbnlx, allemao, de 23 anops de
Made, ambos esttbejecldoj na provincia do Otara.
Bora casal drnommercio de latejda, jepBP0S flf
paiz e commlssnaa.
Secretaria 1 de-marco de 1866.
O otBcial-raaior
Julio Gmmariej.
un liail Lisboa pretende janir com brevidade o
patacha portuguez JOSE'.por ter parte da carga
tratada a para o resto que Ihes falla trata-se com o
consignatario Joanafc Jos Genealves Beltro, na
rna do Vigario n. t7,;Brimeiro andar.
A coraraissao aamtstrativa da irmandade
de Noss Senbora do RoaMO..d Bj-VU tem da
dar principio a's obra* da respectiva igreja, e para
esse Um qner previamente proceder aedevideor-
carnelo; por Isao convida pelo presente aos Srs.
offlciaes de caroca, Dedfeiro wn>lnfdor que
qulzerera eocarregar-se 4es3as_ofcras, a compare-
ceram a's 4'hars atarde dos dia da preaente
setnau, para daram seos oreataattos^r wnpta,
aQm de que, sabmeHida a" me^rna adini*trasao,
possa esta deliberar eoajafampDte.
Recite, 28 de feereiro de lo.
O aaenetario,
Jtonoeldo Naacjmento Ro*-
- Antonio Jos Rodrigues de Souza 'na' ru'a do
Graspo a.. tw dhibair pera mtatar entref ar
na Bihia, Para e Mtranbao.
YERDADEIRO LE ROT
de SIGNORET, Docteur-Mdecin
Ru de Seine, 51, PARS.



Em cada garrafa, ti, entre a rolha o papel axul
que leva o uieu tele, um rotulo impresso em ama-
relio com o Sello Imperial do otbkho fbncfz.
N. B. remettenJo-se urna lettra de 600 franca*
sobre Parii, aceilaveI a 60 dia de vista, o mximo,
goza-se do abalimento e do malor descont.
Deposito principal
lio legiUmo Le Roy
em Caza do noaso
nico agente pela
Brazil a Sk Anto-
nio Fmwc : de La-
cho* na Babia e
noa principie* pfcar-
nuceutco*.
Com
as UKAS
CHIMICAS DS
P. MOUHTH, fornr
cedor da Caza Imperial do Exercilo
francei, ffarante- que qualquer
pessoa podera sem dor nem perigo
livrar-sede seos callos. Esta inven-
fno: privilegiada em varios paizes.
reconhecida officialmente efficnz
por 15 nacofts, premiada com me-
dnlhas de i" c 2* classe e appnn no*a
Lpor diversas academias e pelo Ex"'
Presidente da Junta de Hygiene d.i
corbe. Por ordem do Ministro da
Guerra fez -se em Parlz experiencias
sobre mais de 2000 soldados que
ficar&o livres de eos callos -, igual
resaltado foi obtido na guarnirao
do Rio de Janeiro. Mate de 3(100
pessoas ja se ten curado eom estas
Limas. As proras do qne se dit aci -
ma e os attestados achata -se r.o
prospecta, que se da no deposito.
Casa principal em Parix, fl* Pn'nce
trama, 18, Agente poro o Brazil,
t S* M. O. AhRANCHES, ra
da Alfandega, N 10, na Corte.
Le e no tUomtaur t a Pharmaeie.
.Ael*cilicidade. hoje empiegata pf todos o*
mdicos afamados, pora o traiamento de muilas
molcstio, mesmo pare as que resisten asoutras
licacoea.
A elcclridadc prodiuida pela fricco tem urna
superioriilade fnconleslavel, e a rtntagem de nao
dar abalos, e de poder ser graduada pelo doeate.
A cansa a mata Inqnenle da* Molestias a
estagoaca do sangne ou dos ouiros lquidos vi-
taes. Resiableoendo se a drcttaca ae orga-
nismo, caraeatHse a* mokstia.
Quando se tente alguata dor eai aoelqaer
parle do corno lojco, e inslinctivamcnte, se erfrera
o lujar endotorido com mao, etstallrvi. bto
rxpiica o resultado inconvestavei a.ue deve.pra-
duiir um apparellio electna. Pa; isso linios
praierem anuunciarao Publico qocoSnr Buisson
de Biwler iwiucale, boaicTart 4e-Mace-
Eugen^ 18, em Parix, don a IBMlcMedenai
aturar sem nebuma oulra med|caca. O anedico
ue a tem wperrmeaada, ai!****** >e
.Ksoova auinumuaiaairaaa inStajawra
,axa. >.., *m+pm.m*f.
tltMnin Waatanni. a*a*MM '-
tei. iiiiii ii a*..arei {ai" f-
Estamos certos qne breve cada familia patuira
>e^aMw*acnMpre*lanftiaaia^ajgNar^
>-A peaM* de urfMMa*e
a esiabtocer um dan mil* de ica^tyrailjmioo
,Ri,4*J a^mi nota 4o Ouridor, 58.


I

Pernmbuco, pharmacia raoccaa
orer.- C, na N'oV* n.18.
deP.

Monhard & C. fazea 6cieate a
esta praca que mudaram o ser ar-
maMm de fazendas da ra ,do ffk-
piche n. 48, esquina da praca do
Corpo Santo para a ra da Cadeia
n. 36.




Diario de YmmtmMuf Sexta feira S de Marc i 1866.
A NACIONAL
Companhia* geral hespaahola de seguros mutuos
sobre *% vida
.........
r-
AUTORIS&DA PELO REAL DECRETO
I na flanea em iohiro, uejrOsitado nos
linistraco da
BANQUEIROS DA COMPANHIA"
O Banco de Hegpanha
E 21 DE DEZEMBRO DE 1859
cofre s do estado, garante a boa d-
com
I'IRECCO GERAL
liad r Id: Ra do Prado n. 19
es
/

Esta companhia liga pelo systema mutuo todas as combinacSes de supervivencia dos sega
sobre a vida.
Nella pode se tazer a subscripoao de maneira que >m neohum caso mesmo por morte do
tegurado ie perca o capital nem os joros correspondentes a estes.
Sao to suprehendentes os resaltados que produzem as sociedades da ndole deA NACIO-
NAL,que ainda mesmo dimfnuindo ama terca parte.do interesse produzido em recentes liquida-
cees ecombinando-o com a mortalidade da tabella de Depareieux que adoptada pela companhia
para, seus clculos e Iiquidac5es, em segurados de idade de 3 ai9 annos, amaimposicaoanona-
de IQOf produz em effectivo metlico:
No fim de 5 annos.......1:119*300
de 10........3:942*600
de 18 ... 11:208*200
de M........30:256*000
de 25 i......80:331*000
as idades menores de 3 annos e maiores de 3(, os productos sao mais considerareis.
Prospecta e mais ioformacoes serao prestadas pelo sub-director nesta provincia.
caquim Fiuza de Oliveira, ra daCadeia n. 52, oa a Boa-Vista ra da Imperatriz n. 12, establci-
ment dos Srs. Raymundo, Carlos.L aite & Irmo.
ltTittagodospuki6er. angi-
nas, tosse, esearros de
sangue, crupo ou garro-
tilho, catarro, rouquid&o
o todas as innumeravei moloclias qoe affec-
j5o aos orgSos da respirado
DESAPPARECEM
ediante a accao da balsmica e ir r v
ANACAHUITA
TINTURARA
AO GRANDE S. MAURICIO
PROCESSOS APERFEIOAHO$
PARA
Tinglr, limitar e lustrar a vapor.
F. A. SAL

29 Kua 7 de sete^ribro 29
Defronte da rna nova do Omidor (Rio de Janeiro)
Os proprietarios deste estabeleciraento, o prikneiro no sea genero no Brasil, por
trabalbar com as machinas mais aperfeicoadas para tingir e lustrar, de que se faz uso n
Europa, e ajodados por alguns dos melhores officiae de Paris e Lyao, podem assegu-
rar seus freguezes urna perfei;o no trabalho, a qual seno pode chegar pelos proces-
sos ordinarios.
Tingem, lavam, limpam e demofam com a mal r perfeico e brevidade qualquer
qualidade de fazendas, tiram nodoas e limpam secco s^m molhar as sedas e as vestimen-
tas de senhoras e de homens.
Precisa-se alagar qaatro escravos que sejam
possenles para servico detiaixo de coberla, pagn-
do-se bem : a tratar ne largo da A-sembla n. 20.
Eogomma-se
com asseio, promplido e preces r^zoaveis: na ra
Augusta no, loja,
Joo da Silva Ramos, medico
pela universidade de Coimbra, d
consultas em sua casa das 9 as
11 horas da manha, e das 4 as 6
da tarde. Visita os doentes em suas
casas regularmente as horas para
isso designadas, salvo os casos ur-
gentes, que sero soccorridos em
qualquer occasio. D consultas aos
pobres que o procurarem no hos-
pital Pedro II, aonde encontrado
diariamente das 6 s 8 horas da
manha,
Tem sua casa de sade regular-
mente montada para receber qual-
quer doente, ainda mesmo os alie-
nados, para o que tem commodos
apropriados e nella pratica qualquer
opperaco cirurgica.
Para a casa de sade.
Primeira classe. .3^000 diarios.
SeguDda dita____3*00
Terceira dita .. 20000
Este estabelecimento j bem j
acreditado pelos bons servicos que
I tem prestado.
O proprietario espera que elle
continu a merecer a confianca de
[que sempre tem gozado. \
BOMBAS DE PATEWE
Ra Nova n. 30.
Chegram as nelbores bomhas americanas do
melbor systema que ha, assim como as pessoas
que pretender encanamentos para agua pode se
dirigir a mesma iojaque tem sempre canos, chum-
bo, torneiras, choques, vlvulas etc.
Na padaria da Torre precisa-se de um ho-
mera para caixeiro, Brasileiro ou Portuguez, tendo
alguma pratica mehor, e que d conhecimento de
sua conduca.
Precisa-se de orna ama para cozinbar e cem
prar: na rna do Pires n. 24.______________
Samuel Power Johnston &. Companhia
Ruada Senzala Nova n. 4.
AGENCIA DA
Fundido de Low Moor.
Machinas a vapor de 4 e 6 cavallos,
Moendas e meias moendas para engenho.,
Taixas de ferro coado e batido para enge-'
nho.
CONTRA FOGO.
A corapanja Indemnisadora, estabeleci-
[ da nesta pradal toma seguros martimos so-
bre navios e seus carregamentos, e centra
fogo em edificios, mercadorias e mobilias:
na ra do Vigario n. 4, pavirrento terreo.
PEITORAL de KEMP.
a anacahuita mexicana que d o nome es-
pecial este incomparavel remedio, urna
arvore, cuja madeira por muito tempo se
ha usado no Tampico para a cura d* O-
fermidades cima mencionadas. Foi tam-
bem ensatada e approvada pela academia
medica deBerlim 0 peiloral deKmp
um xarope delicioso inteiramente' liyre de
opio, acido hydrocyanico e outros ingre-
dientes nocivos.
A' venda as drogaras de Caors A Bar-
boza, Bravo & C. e em todos os estabeleci-
mentos pharmaceuticos do imperio.
Deposito geral em Pernamnuco ra di
Cruz n.22 em casa de Caros & Barbota
A o commercio
Os abalxo assignados t-ndo feito publico que
haviam veDdido o seu armazem de molhados de-
nominado Propheta aos Srs. Victorino Lopes da
Costa e Joaquim Corris de Rezeode, acharo se na
obrlgacao de declarar qoe Bcou sem efTeito esse
negocio em conseqnencia de se terem rrependido
os mesmos senhores compradores, e isto depois de
estarem na posse e gerencia do mencionado esta-
belecimento !
Estes Srs. Victorino e Rezende, tiveram tenco
de negociar associados; mas, temendo depois cada
um que o outro fosse menos verdadeiro, deram
por liquidado esse negocio, obrigando-nos assim,
para evitar questoes judiciaes, a receber o nosso
estabelecimento.
Recite 27 de levereiro de 1866.
Lima lrmo & C.
Ismael Amavel Gomes da Silva, convida a
Exm familia, prenles e amigos do falleci-
do Joo Joaquim de Souza Abreu e Lima, a
assislirem urna musa que se tem de cele-
brar no dia 5 de marco, na matriz da Boa-
Vi sta pelas 7 horas da manha.
cisco Jos de Freitas Gui-
tr a bendade deappare-
da praca da Indepen-
O Sr. rra
maraes, queira
cer nalivrarian.\8
dencia.
MSMl
B| Os abaixo assignados connnuam com
B sen oscriptorio dt> advocada ra do
Jjgj Imperador n. 41, primeiro anclar, onde
ffi podem ser procurados das 10 horas da
ffl manha as 3 da tarde.
Alvaro Caminha Tavares da Silva
ag Jr. Joso Thome da Silva.
m.mmmmmm:*
Am;i de leite.
Precisa-se de urna ama de leite: na ra
do Qeimado por cima da loja de cera.
GARRAUX DE LAILHACAR & C.
LBRAIRIE FRANQAISE
Rna do Crespo n 9.
LIVROS NACIONAES E ESTRANGEIROS
ReligioPhilosophia Jurisprudencia Littera-
tura Sciencias e artes.
^Papelaria^ objectos para ^scriptorio.
Precisase de um caixeire de 12 a 14 annos
portuguez, que lenha alguma pratica de tabqrna e
que d conhecimento de sua conducta : no largo
do Terco n. 23.
0 Dr. Sarment Filho
previne aos seus doentes e pessoas de seu
conhecimento qne se inudou para a ra
do imperador n. 19, segundo andar.
DEPOSITO DE CILIADO *
FABRICADO NA CASA DE DETKNCAO
Rna ZVova o. I.
Ahi se encontrado obras de di- ag"
versas qualidades, e por preco mu H
| diminutos, a retalho e em porces. %*
tk S se vende a dinheiro.
mmmmmm s
Em casa de Theod Christiansen, ra do Tra-
piche-novo n. 16, nico agente no norte do Brasil,
de Brandenburg frres, Uordeanz, encontra se ef-
fectivamente deposito dos artigos seyuiotes :
St. Julie n.
St. Pierre.
Larose.
Cha tea t. Loville.
Chatean Hargani.
Grand vin Chateau Lafltte 185'8.
Chateau Lafitte.
Haot Sauterues.
Chatean Sauternes.
Chateau Laiaur Blancbe.
Chateau Yquem.
Cognac em tres qualidades.
Azeite doce. Precos de Bordeauz.
Na praca da Independencia n. 33, loja de
ourives, compra-;e ouro, prata, e pedras preciosas,
e lambem se faz qualquer obra de encommenda, e
todo e aualquer concert.
a reflnaco da ra da Senzaia Nova n. 4, se
dir quem precisa de um bom refinador de as-
sucar.
ENCANAMENTOS
PIBA AGUA
Na ra Nova n. 30 fazem-se e concertam-seJen-
cnamentos, assim come bombas para agua.
As Pilulas Catharticas

r>E A.VER.
O purgatUe maU efeeaz at ht*Je conheeUU.
Estas pilulas ro paramente veg-
itaei, nio tendo na sua compo-
sifo nem mercurio nem outro
ingrediente mineral; sao inno-
centes para as erianeas e pessoas
mais delicaduc, ao mesmo tempo
que, compostas como sao de Tegi-
tacs mu iort-', sao bastante acti-
vas c eflcaze8 par as pessoas mais
robuetnt.
i purltico todo systema
Arreios de carro para um e dous cavallos.
Relogios de ouro patente inglez.
Arados americanos.
Machinas para descarocar algodo. '.
Motores para ditos.- M
Machinas de costura.
ffJM**
| AD1 OCACIA. |
mm O bacharel Joaquim Pires Machado Por- |B.
S teila continua como advogado com escrip- 2
yfi torio no primeiro andar da casa n. 63 da flR
'(j ra do imperador, onde pode ser procu- &fi
^ rado das 10 horas da manha as 3 da 3
m larde. H
O Dr. Carolloo Francisco de Lima San-
tos contina a morar na roa do Impera-
dor a. 17, segundo andar, teodo alias sea
gabinete de consullas medicas, logo ao
entrar, no primeiro.
O mesmo doutor, qne se tem dado ao
estodo tanto das operaedes como das mo-
lestias internas, presta se a qualquer cha-
mado, quer para dentro quer para (ora
- O Br. Antonio Jos de Souza Carvalho ou t
Companhia fidelidade de seguros
martimos e terrestres
eslabelecida no Rio de Jaueiro.
AGBMTBS KM PERNAMBCCO **
Antonio Liit de Oliveira iztvedo & C, {
competentemente autorisados peladirec- *j
toris da companhia de seguros Fidelida- g
de,tomam seguros de navios, mercado- jR
ras e predios no seo escripterio ra da &S
Crut o. i. m
N. 0. Bieber C, sucessores, sa
cam sobre o Rio de Janeiro a vista ou a pra-
zo conforme se convencionar.
-
Saques para a Babia, Para c
Maranho.
Antonio Jos Rodrigues de Souza na ra
do Crespo n. Ib, saca avista ou a prazo
contra a Babia, Para e Maranho,________
Aloga-se nma sala com tres guarios e cosi-
nha no 1* andar do sobrado n. 46, da ra do Quei-
mado.
Carvalbo d Nogueira na ra do Apollo n.
20 sacam sob Lisboa, Porto, liba deS. Miguel
Rio de Janeiro, a vista ou a prazo.
Ama
Prec3a-se de orna mulher j i-lora, para andar
com msoines e fazer alguna servico de casa : na
i: roa do Rangel o. 3.
Precisa se de urna ama que saiba cosiubar :
na ra do Rangel n. 8, deposito)
I fracisa-se de 1.J00A a premio, d-ndo-se po
garants don ejeravos: na roa da Gloria o. 81
Precisa-se de doos trabalhadores de massei'
ra : na rna do Rangel o 9, padaria.
reclsa-se de urna ama para engommar, co
___-______^_______^ izinhar e comprar para amaspeKoa : na ra das
copeiro para casa particular ^nres *r-__________ ;
raa da Con-i Precisa-Malogaroma escrar* cosinheira de
r -.. Imea icade: a tratar na ra do Imperador n. 27.
Estas pilulas catliurticas purgto
, liumiir.o sem mercurio.
Nao ae tem poupado trabalho cm despeza para lerar esWs
, pilulas a um grao de perieccao tal, quo nada delxa a desejar;
i sao o resultado de amms du estudos laboriosos c constantes!
Pura alcancar todas as Tantagens que resultao de uso de eathar-
Ucos, tcm-se combinado somonte as Hvtudet en rutinas das
plantas que sao empregadas na confeccao das pilulas. ua
i compos9ao i tal que as enfermidades que cstao ao alcance
| de sua accao, raras vezes podem resisti-las on evadi las.
aas propriedades penetrantes explorio penetro, puriflcio e
, dio rigor i todas as partes de organismo humano; pols corrigem
; a sua accao viciada e faz recuperar a sua vitalidade. Um das
I coBsequencios dstas propriedades que o doente, auatidO.de
I dor e debilidude pliysica, admira-se de encontrar, tao depnf>,
eua saude e energa recuperadas por meio d' um reaie41o o
imples e agradavel.
As molestias qae ettao ao seo leaice fio.
Prixto de centre Itheumattim, Ddr da cabera, A Xevralgia,
Enxagueea, Itutlgtttio e mal do etomago, nemorrkoidat,
PiDEOIKENTOS DO nflADO,
Ttbrt gatlro-lupatica, GaUrUe, affecetu Hotos Lombrigas,
Erytipela, Hydropsia, furrier, ctguira parcial, s PtrtUyiia.
No almanak e Manual de Saude do Dr. Ayer, qne se publica
todos us annos para diatribuicao gratuita, eucontra-se fim tra-
tado sobre as diversas doeufs que es tao o alcance de
BEMEDIOS POBO ANTES.
Atha-se ejn todas as Boticos e Drogaras do Imperio.
O Peitoral de Cereja
DE A.YJB,
Jos de Soaia Csrvalho ou seu
boidade de apparecer na ra da
fllho tenha a
Cruz n. i6.
Precisa-se de un e*crava pira o serv|to in-
terno e externo de um* casa de ponca familia mi
maja Soledade n. 38.
ITerece-se um
ou hotel : quem precisar diriji-se a
!cordia n.', padari.
tara a i'i:ompta cora da
Angina, de Oonatipacoew, Tosses, Bouquido Infla-
ena, Bronehite, Tlrtoa primaria, Tuberoulo*
- pulmonares, e toda as molestias do
Falto, aaaina como para aliviar
os etbioos declarados.
Ai preparaodes do Dr. Abr sao Tendidas as principa*
rotarlas e boticas do Imperio.
Vende-se em Pernambuco:
na
r|PHARI!iC!!: FRANCAISE
.MADRER&t
1 KUANOVA WE3
Pernambuco, ra Nova n. 18 pharmacia franceza de
P. MAURER & C,
PERFUMERA da casa oger
Boulevart Sebastopol,
t Dea medalhas, a condecoraco da Legin
d'honneur e a grande reputacao que tem lhe
dado o publico, taes sao as recompensas que os
servicos prestados a industria merecerao a
esta importante casa desde sua fundacao em
1804.
N'um sortimento de mais de 500 artigos,
as pessoas elegantes escolherao os seguintes:
ROSEE OU paradis, extracto superfino
para lenco.
POMMADA CEPHALIQUE contra a cal-
vicia, l.
AGUA VERBENA para o toucador.
OXIMEL MULTIFLOR.
VINAGRE DE PLANTAS HYGIENICAS.
TINTURA VIRGINALE de beijoim.
ROSEE DE LYS, verdadeira agua de
Jouvencio.
56, Pariz.
CREME LABIALE de sueco de Rosas.
POMMADA VELOURS para amaeiar
pelle.
ELIXIR ODONTOPHILE.
SABAO dedicado as damas americanas.
SABAO de bouquet de Franca.
d*
d
d*
d
d
d"
d
d
d*
d
de flores de alce a rosea.
de flores printanieres.
de bouquet do outono.
de perfumes exticos.
aurora, dedicado aes dedos cor de
rosa.
de flores das montanbas.
>de cheiro de foins nouveaux.
de bluets cheirosos.
de althea balsmica,
diapr, caixa rica, fautesia pari-
sience.
ce
* 01 B
-o-
c
er>
> C
a B
O
H ta
p
^
ce
o
o O
^ Apptord por.divern .*dcrnla e recommcnd.d.s aeras celrbrtd.drt'rjfrdlca M
deFranc edoeiiringelro. i I
A medicina ten reeooheclno que elcctricidsde produi icmprp bom rriultado Sf
em todas as molestia, porque ella restibelece a cirrulaco no organismo e fai s- I
| sim desappsrecer a causa dos soffrimentos ; hoje i.,dus os mdicos a apulicsm em W

Magntica
^quaii todos os cosos. O 8r. Buisson de Bivilliers lem cousguido eompor una
oa e/ectro magntica que produz i vonladc de quero a empregj seus mais utris e
feliies rctuilidos. Oilrabalbos do tutor foram cocpadoi por um resultado com-
| oleto, ccmo.o allcstou o Dr. Vial de Bajit no seu reUtorio.
|l Ella etcova tem bom eiilo as molestias seguintes: rheumattsmos, golla, pa
ralysia, fragueza dvt memtros e da columna vertebral, molestias da medula S
I eipinhal, embaracos gstricos, neuralgias, incohaedo das pernal, dore* articu
1 laret, debilidad* geral, eagurgitamettto do* pulmiet, etc., ele.
Seu uso rcil e no etige nenaaau prepaneSo. Una guia aeomvanha cada ese r.
\m Deposito central: llouleort do Priace Eagi'ne, 18, Paria, a* Afate no Rio de J miro, di -
'lier Boia, raa aora de Oaridor 33=I>epoiito no Parto, na pharmcia de Miguel J.isO de Soasa Jl
?| Fsrreir, Biinharia a. 79.
TL515T515
GASA DA FORTOW
Aos 6:000^000.
Bilhetes garauiidos.
n ? CRESpO N. E CASAS DO COSTUME
0 "Jxoassignado venden nos seas mnilo feli-
ies mneles garantidos da lotera que se acabou
deeitrahir, a beneficio do iheatro dt Santa Isa-
nel. os seguintes premios :
v ?re8 1QOt08 eoro > sorie de 6:000,1.
n. dota um meio com a sorte de 1-2004
N. 1335 dous quintos com a sorte de 5005.
zus nm meio com a sorte de 200*
B outras muitas sones de 100, 40*. e 20i.
spossuidores podem vir receber seus respec-
tivos premios sernos desceios das leis na Casa
aa fortuna a raa da Crespo n. 28.
fKn,r5"T,e venda os da 3 parte da lotera
J oeneflcio de recoihknento de Jguarass,.
Que se extrabir no dia 5 de maico.
PRECO.
f.llbees.....64000
Meios.
4
a
Para
'laWI
Quintos. '.'.'.'. iim
*s pessoas que compraren) de. 100,5000
ara cima.
|*,1!,ete.....um
M610S......2A7KO
Quintos. .... SSo
Manqel Martiws Fiuza.
Precisa-se de orna ama para casa de u ~f>
pessoa : a ra da Imperad 82, segundear
. 7 P/e,s* se de Dma ama de ''te : na ra es-"
treiu do Rosario n. 31, segondo atfdar.
-,~7XreC'Sa's>e a,URar Qma escrava para o s'ervi-
^nn^D0-ea,,rain tmno : "aea> wr e quizer
SSSSSX a ,ravessa da Concordia n. 7, con-
fronte o chafarte que achara com ouem tratar.
-ialj abaixo ass'ndo lu scienleTo~commer-
co desta praCa qQe o Sr. Antonio Jos Pires, del-
lde sDer se" "Miro desde o dia U do cor-
rente. Pernambuco 28 de fevereiro de 1866
_______ Antonio Alberto de Sooza Aguiar.
Ama.
.i?Iecis*"se de. Dma ama Para C'sa de rapaz sol-
ero na ra do Qoeimado n. 32, loja de fazen-
a Zu,r, d a -5 de fevere,r fuR'o do Mangoinho
?,.W>nB"ldniD.0' cnoul0'idade de 19 "nnosr
bonita figura, altura regular, cheio do corpo, ps e
maos um pouco grandes, os ps muito cavados
falla um nouquioho gago, dentes s5os, nm pouc
ruto, tem principio de pedreiro: quem o appre-
hender dinja-se a' sna senbora D. Theceza F L
que ser recompensado.
Ama.
Precisa-se de urna ama para o servico de urna
casa de pooca familia (forra ou escrava).
Precisase de um criado : na ra do Hospicio
n. 48.
Precisa-se de om bom copeiro para casa es-
E^1 : traUSe a' f0a d V'gano n- 2' escrip-
-- Precisa-se alogar uma ama para comprar e
cozmhar: a tratar na ra do Apollo n, 9.
Quem precisar d'um bom cozinheiro Dort-
guet atrija-se a' ra Nova, loja p. S6.
Na padaria da ra das Cruzes n. 30"preclsa-
se de urn bom trabalhador de masseira. assim como
"im prelo escravo para o mesmo trabalho da pa-
daria. K
Aluga-se o segundo e terciro andares da r=a
da ra do Quelmado n. 1, com bons commodos :
quera pretender entenda-se na loja do mesmo so-
brado.
Jos Guedes da Silva, faz scienie ao publico e
com especialidade ao corpo do commercio, que
deixou de ser caixeiro dos Srs. Rabello desde boje em dlanle, e tambem agradece aos'
mesmos seDhores o bom tratamento que deMes-
receben.
Recife, Io de marco de 1866.
nnrTTr'iriiiiiiiiMiiiiiiwmi .jjmjiihilj-.
. ,r D- Roa ,gnez dos Santos Lima, viuva do
fallecido lente Joo Joaquim de Souza ALreu
Lima, seus filhos e lbas, fgradecem a todas as
pessoas que se dignaram assistir ao enterro de seu
marido e pai; e de novo convidam aos seus ami-
gos, para a missa do stimo dia, sabbado 3 de
marco as 6 horas da manha, na igreja de Sania
Rita de Cassia, por cojo obzequlo se confessam
teroamente gratos.
Var-
na ra
tmami
A pessoa qne annunciou pelo Jornal do Recife,
precisar comprar um casal de parrudos bem crea-
dos, dirjase a ra do Imperador n. 611 segundo
anda, que achara com quera tratar.
Precisa-se de uma engommadeira
do Imperadar n. 17, segundo andar.
mmmmmmmmmi
i CASA DE BACHOS 1
26 Paleo do Carato 26. 5
Neste estabelecimento tao irapor- S
T tante para a saude e asseio do cor- 5
B po, acbam-se montados 20 banhei- BS
W ros, qoe sao servidos com a ordem ^
^ e asseio que para desejar-se. Qua- ^
** tro destes banlieiros sao especial- m
& mente reservados para senhoras e ^
[ por isto acham-se collo:ados em lu- S
I gar reservado, aonde s tem entra- IR
da as pessoas de ama mesma fami- SI
llia- *
S| PREgOS DE BANHOS AVLSOS.
|^ 1 banlio fri, morno oa de W,
m cbovisoo...... ^ m
l dito de choque .... {000 gg
g 1 dito defare'lo...... f^OOO ^
5 ^ dito aromalisado ... l0 W
PREQOS POR ASSIGNATURA. W
30 banhos por mez fri, W
P morno ou dechovisco. 10^000 ^
P 25 banhos com cartes pa- tf
m ra os mesmos .... 10r>000 ^
A 12 ditos ditos ditos ... 30000 W?
12 ditos ditos de choque. (O0OCO ff
i2 ditos ditos de farello.. luOO m
O estabelecimento estar aberto ^
nos dias uteis das 6 horas da ma- Bfc
nlia as 10 da do i te, nos dias san- ,*'
S tieados das 5 as 5 horas da tarde. 2j
^nk^ SrSI SSSK SUlllsl^
godo a
i*
AVISO AS VENDAS
Na fabrica de vinagre a' ra Imperla
n. 1, prximo a estacSo do camniho de
ferro vende-se vinagre tinto superior em
qaalidade a oolro qualquer e por preco
mdico, assim como branco e incolor.
Ama.
Precisa-se de uma ama
saiba cozinbar e engommar
oarnero 4.
forra oa escrava que
: aa ra da Imperatriz
Rio de h ir .
Prente Vianoa d C saccam sobre o Rio de Janei-
ro, a vista ou a prazo, q.'alquer quanlia.
.-Precisa-se alugar ama escrava que
i seja de boa conducta e saiba cosinbar e en-
gommar para o servigo interno da casa de
familia a ra do Sol b. 21,
-1 ... .
, Na roa da Cruz 0.48, sgnudo andar, no Reci
fe, coniinua-se a vistir aojes para proctosdes, com
aoei-j e medieo preco. Na mesma casa receben
Precisa-se fallar coro o Sr. Lino Ferreira da, novea trajos bardados para o que quem quier
Sil, a negocio do seo particular inters? na raa mindar vestir alguma figura rica sen muito bem asacnina ae zu serrotes COm,tima trracmria a
do Litramepio a 32,3 andar. I servido e sau>fu<\ vapor, propria para a mesma.
no armazem da bola amarella no oitao da secreta-
ria da polica, reeebenr-se encomniendas de fogo
do ar para dentro e lora da provincia.
INJECCAO BROW.
Remedio infallivel as agnorrheas antigs
e recentes, nico deposito na pharmaeja
franceza, ra da Cruz n. 22 e ao preco de
30OQ.
ATTENCA.
Henry Forster C, rna do Trapiche b. 8
tem para vender :
Prensas para enfardar aj#odao.
Machinas de descansar algodao, de 30 a
60 serrotes, com motores, assim cuajo moto-
ra que servirlo para qualquer servico, e-ama
f
i.
V-


naam
-



Dbrit 4eleriuilNKf e*U ** de M**c de 1860.
Compn-se ama casa de sobrado do aterro
da Boa-Visu on roa da Aarora : a fallar na ra
do Crespo
o Crespo a. iJfc
Comfia-se i
ama negrinha *de Idade de 8 a
10 annos u o sejasadia : na roa do Palacio do
Bispo o. 36 bu annoocle por esta folha para ser
procorado.
VENDAS
FABRICA A VAPOR
99 RA DO IIONDEGO 99
Deposito na Nova n. loja de rclojotlro
Delouche donos destc estabelecimeoto parlecipa ao respeilave! publico que sua fa-
trica est montada cora as melhores machinas -que existem na Europa, e que pode
fabricarcom melbor perrero possivel. Todo o chocolate desta fabrica est garantido, e
puro, o que nao se .pode encontrar naquelle que vem de fra, e que se vende por preoo
baixo, visto os productos serem do paiz. Na etiqueta tem sempre urna aguia.
PREQO.
Meia libra. ........ 406
Urna libra......... 800
Urna arroba .........9#000
Na mesma fabrica acaba de se moatar urna officioa cora serrara a vapor para
obras e marcineiria propria para edificio, para o que encarreg se de fazer portas, ja-
dellas, assoalhos (parqu francs coraoe usa na Europa,) e eroiaces, tudo cem'brevi-
nade e^perfeico. Toma-se quaiquer enoommenda para fra da cidade, entregando-se
prompta a collar-se no lagar.
DE
COEMIO fc FREITAS
Una da Cruz m. 16.
Continua a baver diariamente-m sortipaerrto de-pastis, podas, bolos inglezes,
rapadas etc., etc. Os donos deste-estabeleciroest, aebam-se as melhores ondices
de poder satisfazer encoromendas' eoocernents a sua arte, em osDsequencia do socio
Freitas ter sido administrador chefe-de algumas das prncii aes fabricas na corte, sendo
urna a do Sr. Jo3o Goncah^s <3uimar*es (confeitaria do;Le3o) antigacasa de'Carceller.
Todos os trabalhos sao differentes dos quese'aaem em casas particulares.
Os propietarios des4eestabelecimento cSo se tem poopado a despezas, nemse
pouparao, 6e bouver concorrencia como esperara ; lendo continuadamente bom sorti-
mento de doces para cha:; presuntos e ditos n fiambre, tambera se recebem para se-
rem preparados ; assim oomo doce de cfcj novo superior, secco-ecrystalisado, ditoeoi
calda em latas hermticamente fechadas, podendo durar annos era perfeito estado.
Para jantares e partidas recobem-se enoommendas dos seguintes objectos; bao-
deijas ricamente enfeitadas sem araaco pecas de amesdoas (nogaces), ditas de tmaras
de ovos, pies 4e l enfeitados com disticos anlogos a quaiquer fim; ditos montados,
keehs simples -e enfeitados com fructas ingteza; gatheaox de la reine, ditos de le d-
chese, tortas de fructa, ntassa'fblhaa; ditas -e ponte o carne;- remes e doces de ovos
de differentes -especies.
Tambero temumcompleto-sertmente de vinhosengarrafac-os, comosejam: viabo
do Porlo superior, Figueira, Madeira, Lisboa, Oierez, Bordcaui, Champagne fino, ser-
veja, licores^ charopes e OBservas. Para festac bonitas caixiobas com ameodoas, coa-
feites e mais eifei tes. MoRos destes objectos mencionados podan-se perfeitaraente ae-
c
pndicionar tanto para a provincia,- como para fra.
DE
X. YIGNE&.
'%. 55. Kt A tl> lUPEHDOR K. 55.
O&fctnos destaaotiga fabrica sao boje asss conbeoidos para que seji. necessariom&ifir sobre a
a-- superioridad^ vaotugense garantas qaeoffiirecera aos corapradoresj siidades estas contesta-
reis (fue-etles tem deSnltivameoe conquistado-sc-bre todos o.que tem apparecido nesta p:?ga ; pos-
iido wc teclado e macbinismo que obedeeem tontas as vonrades e caprichos das pianistas, sera
asaca ftsr, poreerem fabricados tisamos. paca o clima deste paiz ; quanto s- voces, sao aaetaliosas-e flautadas, e por isso emito agrada-
veis aos oavidos dos apreciadores.
-Fazem-se conforme as encommoadas, mbc oesta faiira esmo na do Sr-fllnndel, de -Parts, socio
conospondote de L V:gnes, em aja apitalforam sempr-e iprenuados em todas as exposi(*es.
.lio.raesoo estatoeiecimento se achara sempre am eipleididoe variado -vniment de mosteas do;
meltores autores da Europa, assim como fcatmonicos e psaaos harmonices, eaodo tudo remudo por
presos CQPuaaos e razoareie.
PARA 1806.
Acabara de sahir luz as folhinhas de
algibeira e de porta para o anno de 1866, o
mais correctas possivel tanto no calculo das
las e eclipses, como as diversas festas
que -a igreja celebra; vendem-se nicamen-
te na livraria da praca da Independencia,
160 res as de porta e 320 rea as de algi-
beira.__________________________
Vende-se sal grosso: a tratar na roa da Ma-
dre de Dens n. 2.
Cal de Lisboa.
Vende-se na roa do Bram n. 66, a6J o barril.
CALCADO
45Hua uireila--4&
A primeira coridico indispensavel con-
servarlo da sade trazer os ps bem de-
fendidos contra os ataques da homidade;
calcado bom e seguro o nico preserva-
tivo dessas mil enfermidades a que est su-
jeito o nossoeu Um chnelo velho cal-
cado por um dandy. patuscante, ou urna
bolina acalcanbada em pequenino p de en-
cantadora deidade alm de aecusar que-
bradera horripilante, prova contra as f .cui-
dados intellectuaes dos calcantes, e nao ha
qoem, tendo bom ssnso, queira passar por
maluco, ou pobre de surr5o : ergo, cor-
ram a:
4*-RUADlREITA-4i.
e attendam a' baratea.
Homens. |
Borzeguius barcellonezes de lus-
tre e de porco 6*000
Ditos de Bordeaw : 7,5000
Pechiicha admiravel
Laazinbas de qoadrrntios que parece seda a 340
rs. o covado, ama grande pecbincha, est se aca-
bando ; na loja b. 55, arnazem da porta larga -de
Paredes Porto.
Attencifio 1
Attec&o!
Atten^o!
Grande soili menta de fazendas pro-
prias para a quaresma.
Acaba de chegar a este novo atbelecimento
am grande e variado soriimento de fazendas pro-
prias para a qoaresma, a saber :
(r sdenapbspreto a 1 t>00 o covado.
Vende-se um grande soriimento de grosdena-
ple a 11600, 1,5*00, t e 2500 o covado ; dito
mullo superior a 2,5800 e 3 : na ra da Impera-
triz n. 7, loja de Guimaraes & Irmo.
Moriantique pre'to a 2800.
Vende-se um grande sortimento de morianlrque
a 2$8O0, 3,1 e 35500 b covado.
Cbalf s de renda pi elos a 8000.
Vende-se tambero um variado sortimento de cha-
les de renda a~8, 95500 e 10fi ; ditos muito finos
a 114 e 115 t ditos de seda fazenda muito lina a
901000.
Retondas pretas a i o*.
Vendem-se retondas pretas pelo barato preoo de
104 e 111 : a ra da Imperatriz n. 72, loja de
Guimaraes & Irmo.
lU8 parisienses ue oeserr e G nde pechincna pana0 preto a 20O0 0
cordavao....... 8^000, .r,,.,.
Ditos parisienses de bezerro e
Vende-se oo permutta-se por alguma
caza terrea desta cidade um silto de trras
no logar do -Lorelo, com arvores fructferas ^ffiSJS 122
quasi todas novas, e grande porcSo de co-
queiros.q-uem o pretender dirija-seao pateo
de S. Pedro %* 24, que achara com quem
tratar.
Sapatoes de Naotes de duas ba-
teras rasas ...... 5(J000
Sapatoa de lona, sola de borra-
cha..... ; 20000
Ditos aveludados ..... i 600
Dito* de tranca bons. 10600
Senhoras
Borzeguins enfeitados. 5)5000
Ditos de laco...... 40800
Ditos lisos......, 40500
covado.
Vende-se panno preto proprio para calcas e pa-
litots a 25 e 25200 o covado ; casimiras pretas
a 15800, '5, 25400 e 25300 o covado.
8' muito barate corles de casimira a 30oOO.
Vendem-se cortes de casimira prta a 35-500
45 e 45500 5 dila muito fina a 65.
Admira cortes de brim de cores a
1,280
Vendem-se c5ites de brim de cores para calca a
15280,15600, 15800 e 25 : na ra da Imperatriz
D. 72, loja de Guimaraes & Irmo.
Peetilacha sem igual.
Caegou a loja de aredes Porto um bonito sor-
timento de vestidos de lamlata de cores e branca-
qae serve para partidas por ser urna phaoUsia lo-
leiramente e oslo pelo barato prego de 45 e
braceos a 45S00, estao acabando-se : no armazem
da porta larga ruatda Imperatriz n. S2, junto a na-
dara fraaceza.
Cortinados.
Ctlcgou a loja de i'aredes Porto um completo
sortimenlorde cortinsdos ricamente bordado? a
precu de 255, 355 e <55 : oa roa da Imperai:
n. 52, porta larga jnnto a padaria franceza.
Kicas romeiras.
Paredes Perto recebeu pele ultimo paquete am
sortimento de romeira de goipnre preas e de-tir
a preoo commodo : na ra da Imperatriz n. 52.
porla larga junto a padaria fraoeeza.
Grartde pechincha.
Cortes de la escoceza entestada para vestido
lazenda de 500 rs., est se vendendo a 280 e 300
rs. o covado': na rna da Imperatriz n. 52, loja da
porla larga.
3$000
PAO DE SENTEIO
Contir.ia'haver pao de Senteio nos dias qaartas
e sabtados,-Ba padaria de Santo Amaro, atraz da
faodi^ao.e'no Recite, roa da Cruz n. '46, rna lar-
ga 4o Rosario, taberna da-esquina n. 39, roa Nova,
arfliazem-da Liga, ra 4e Imperatriz, taberna do
Sf, Lemos. 34.
Vendem-se 400 pedras para Mrilbo, vindas
4a flha-: tratar na rea do Vigarw n. 14.
'-Veadera-se garrfas e ootifas vasias e lava
Has: na ra da Soledade n. 38.
trraude peciitefea de lapolo can
varia.
10ftOO v baratissimo a 120 ris o covado.
Selleiros, COrneirOS e SegeirOS I | yendem-se riscadinhos mnito proprios para rou
Sola de lustre, .meOS grandes 200000 pa de escravos, a laprejs o covado; ditos escoce
E ana completo sortimento de calcado fa-
bricado no paiz.________^_^_^_
Aspas fortes para boloes.
Na roa doQnelmado loja de mindezas n. 16, ven-
de-se "aspas de ac fortes, e de differentes largaras
para batoes.
Bonitos quadros para retratos.
Vendem-se na rna do Qaeimado loja de miude-
sas n. K, bonitos quadros con mordura preta e
dourada, todos por precos rasoaveis.
Garrafas brancas
de-cores com superior agua da colonia.
Veadem-se na roa do Queimado, loja de atilde-
zas n. K.
Novo gosto
Pentes, fivellas, e brincos de felierana.
A amiga e bem contienda loja n. 16 na ma do
'Queimado, receben um soriimento de diversos ob-
jectos-de novo e bom gosto, sendo pentes braecos e
donrados de moldes enteiramente novos mai a-
gradaveis, tendo eotre elles alguns de filigrana obra
PreCes Porto veode orna grande porgao de ma-
S'r7Tco^el%oe^
raimv.sf.amataii da porta .larga junto TSL T^,,eLbr'B^gIB* "f f Tt 1 ^ t.M wi***w r-r
doria franceza. ^JS^S^ffiL^.'?J^8 55 i ditas muito finas a 55500 e 6f; ditas v.ctor.a
zes muito fiaos a 240, 280 e 300 ris o covado.
Lazinh'.s a lioo rs.
Laazinbas de qoadrinbos a 300, 320, 360 e 400
rs. o covado ; ditas muito finas a 500 e 560: na
roa da Imperatriz n. 72, loja de Guimaraes & Ir-
mo.'.
Cortes de 15a a 50000.
Acaba de chegar a este importante estabeleci-
mento nm sortimento de cortes de laa qne se veo-
de por 55 e 55500; ditos a Maria Pia, fazenda
muito moderna a 12a, 145, 185 e 205 ; ditos com
camisinha, cinta e gravata a 255 e 285-
Chitas francezas largas a 260 ris.
Vende-se nm grande sortimento de chitas a 260,
S80,300, 320 e 360 rs. o covado ; ditas preciares
a 400,440 e 500 rs.
Cambraias de cores a 280 rs o
covado
Vendem-se camlraias francezas a 280,300, 320,
360 e 400 rs. o covado.
Cambraias lisas a 3.000 rs. a poca.
Vende-se um grande sortimenlo de cambraias
lisas pelo barato prego de 35, 35300, 45, 45500 e
AUencoio
'Vonde-sedoee-Ogoiabattmiioflno a 15300 e al> Wlaruga, e donrados brincos de ohrtstal e
15236 o caiiio : m. armacem'Progresso lacgo da 'JasDf! u.as e.crnes *!_*?__mn,los[^AbLeS"
'Peona n. 10.
moderao e bonito, sepode encontrar em tal Alm disso encontrarao os prelendentes um -coa. gV dllas p'ra forro a 15600, 25 e 25200 : na
pleto sortimento de fivellas de madreperola, chris- jBjda imperatriz n.62.
Vende-se-om carneiro moito
para montarla de menino, eom selim e arreios tu
do nevo : a tratar roa i& 'imperatriz taiwrna
fi'W.
Vende-se utaa cama
dc-Cotovelo o. 43.
ROUPA FEITA.
Vende-se nm completo sortimento de roupa fei-
tos denosto, os quaes continaa-se a vender commo- |a gj assm como Hsejam.paIjtots, caigas, coleles,
nroario n, -f.' a t ei. i camisas francezas a 15600 e 1J800; ditas lioas a
1 Peaentes de madreperola, e enfeites filets i u e de |Dh0 a 2}5oo; 35 e 35000 5 serouias de
I A loja de mindetasna roa do Qneiroadon. 16, ij?00, 15400 e 15600, de linho a 25 e 25i00 : na
recebeu bonitos peotesoem chapa de madreperola,: rua Qa imperatriz n. 72, loja de Guimaraes & Ir-
---------------------------1 e nevos enfeites fllets ornados de lantejoilas don-1 m0
ejacaranda: aa rna | radas, moedinhas, aljofares, vidrilhos etc., iendo1
CHOCOLATE
aa raa.-
^^^ grandes para toda cabeca e pequeos para coque:
i regalando os. precos de 25 a 45000 rs.
Bonitas caisinhas
com ? -njos donrados paraJ costura, tendo com
oc -armazem da Liga, mn e sem ellas. Vendem-se na roa do'Quei-
!-i...;, .,iija de miadezasn. 16.
vCVUuIllltl dC Jl I'lllOtl com wdnlhos, e icos com ditos e sem elles para
a-180 rs. a libra, e de 8 libras para cima .<. 420 fmleiies ou vestidos.
fs. : no arraa:.'ir, da Liga, ru Nova n. 60.
franoez a 480 rs. a libra
rae .Nova d/M.
f
COIares Royer on colares ano-
dinos
para facilitar a denliclo das criaoeaa e preserva-
las das convuls5es.
O feliz resultado obtido immensas vezes pela
prodigiosa for?a magntica dos colares Royer, nos
casos de convulsoes, e denti^ao das criancas, tem
altamente elevado o sen bem merecido prestigio,
e hoje j se pode dizer que esto geralmente con-
- pais de
O
Cortes de laa escocesa para vestido a 35 o cor-
te : na roa aa Imperatriz n. 52. loja da por ".a lar-
ga, junto a padaria franceza, esto se acabando.
Chales de renda
Paredes Porto, na rua da Imperatriz n. 52. pona
larga, vende chales de renda de cores com peque-
o toque de mofo, a 35500 e 45, fazenda de 1U>
e 1250OO.
120.
Para ronpas de escravos.
Paredes Porto tem para vender chita azul e ri?-
cado proprio para o fim cima a 120 rs. o covado,
urna grande pechincha'e esta' se acabando : na
roa da Imperatriz n. 52 porta larga junto a pada-
ria franceza.
Grande pechincha.
Paredes Porlo esta' vendendo riscado francez <>
200 rs. o covado : na rua da Imperatriz n. 52 a-
mazera da porta larga jacto a padaria franceza
Para luto.
Las pretas com salpicas trancos a 400 e 300
rs. o ."ovado : na rua da Imperatriz n. 52 judio a
padaria franceza armazem da porta larga.
1$400
Chapeo!! de sol.
Vendem-se chapeo? de sol de panuo a 15400 e
urna grande pecbincha so para acabar : na rua da
Imperatriz n. 52 armazem da porta larga de Pare-
des Furto.
i A 1^500.
Vendem-se pecas de tranca preta para endites
de vestidos, soutembarques, capas de senbv; a a
15600 com 10 varas, urna grande pichincha : na
rua da Imperatriz n. 58 junto a padaria fia::ceza.
Aguia Branca rua do Quei-
mado n. 8.
Fe o ultimo vapor cfaegou de Paris na-
peas para menina do ma:s apurado gosto.
Boa Fama rua do Quei-
mado.
Receben pelo ultimo vapor chegado de
Paris chapeos para menina do ultimo g( &l
Novidades.'
Na Aguia branca rua do Queimado n. 8 rece-
.
A VI SO
Gosinheiro.
Precisa-te de ni. cosinheiro qoe seja setavo :
na rua Nova .n.- 68, armazem da Liga.
O c'ir:wstOiIoaq.uim..J(e AUes deA&Baerflae
madou o mu consultorio para a freguezla de ca:i-
lo Antonio, ruafkreila casa n. 13, onde podo str
procurado das-8 oras daaaanba at a* 4 da ur-
. de. Pede &acaFeodameat seus amigas e mais
$essoas que-a procarem ,na freguezia d Recile
tica do faliooido Late Pedro .as Neves, raa da
4raz n. 24, ok4 ^er-encoaieado at nma hora da
ttrde.
:Declara raakue.tendo sido,por espade de 33
4esta provincia,twe mpre a.seu cargo nm st.o
p4ceno camero ie doeeles atacados de diversc>s
son.-imentos, al das aperares,por elle pratiea-
daates e depoda,revolur;So de 1849, que e
185;i)ra encarrecado do lazareto da ilha do Piai,
por octasio da feare amarella, assim como, em
18-56 d hospital de bolericos na fr%uezia do Re-
cite, ce os seas confaecimentos professionaea, Iheo-
ricos ejticos adquertdos o decurso de tantos
annos em ues estabetcuaeatos, o tem .habilitado a
tratar de.ouaiquer enferaaidade : por qne coD4iaaara merecer aesUma e conflanca ce
todos aqneUes que quizerem Qtilisar de sua pr j
JiasSo.

A dirdoria da sooiedade nio Cominer.
cial, havendo determinado mandar celebrar
ama missa resada selo reponso eterno de
.Joo Joaquina de Sonta Abren e Lima, seu
rr.ui chorado socio honorario, ceavida a to-
dos os Srs. socios tacto effectivos, como ho-
norarios ou addiUnas para comparecerera
.eo .ia 7 de mare/i as .4 oras da madrugada
na iareja de Santa RUa de Cassia, prestando
desta forma orna ultima homeoagem a me-
moria daqneile que espre merecen o titulo
de-boa esposo, bom pai e bom amieo.
Por orteta da direccio.
Ernesto Adol^ho R. Sadaoha.
l'ecretana.
Em-casa de Kabe -Schmettau ^ C,
rua da Caileia .::. 18, veod-3-se :
Champantia.
Cognac de soperior qualidade.
vVidrospara-espelhos de todos os larea-
nhe tudo a presos muito cemmodoe.
BilLHWTKS
-'Vendem-se aneis cem briibatrtes, de primeira
agoa, eflgaslados--em ooro de le, pelo dkniumo
preco de 105 cada um : na raa .da Cadeia di4e-
cife..o.$, loja de Silvestre Pereira.a Cunh.
'Vende-se oa arrendase Q.-ecgenbo fraeif-o,
to na fregnezta da Fscada, perto da estadio de
AripitRi, meia legea.: a tratar oo -escriptorio At
rita do imperador o. Breu em barricas pequeas.
Oa -em velas de todos os tamaaboe.
libias.
Mereuno.
la rua do vigario a. 19, primeiro aadar.
Na raa-do-Imperador n. 86 tem superiores
bichas bamborgnezas para vender em -por^o e a
ret-(lko,.e-taflibein aiugam-se ; rap Baul-o Cordei-
ro viajado,'igual ao de Lisboa, e para gesto de al-
gucs, elbor, por nao ferir, eic.
f Na. rea do Queimado b. 16 loja de miudezas a- jeiluados, e estimados de innumeraveis
chariio -os prelendentes am bello sortiroenia dos familias : de uns porque do uso desses MloUres
objectos cima ditos, cascarriihas, franjas etc. etc. Ures-viram salvos do penco seus charos filbi-
e todo :a sendo vendido por preooscommeies rabos, e de outros porque colheram daquelles to ,
Botoas oretos >proficao exemplo para igualraenie preservar os:
, 1A. ^.,j sens. Assim, pols, a aguia branca, tendo em vis-
de v.dw afeitados d ac....... I tasa atllidadee proveito desses prodigiosos cola-;
res-aoodioos on Royer, mandou vir o novo sorti-
Stt^fSSffRSlS \ E^^%i Wk l
-;q(i I ser faoesu aos pais de familia, os quas ficaro
A loja -de mindezas a. 16 ra do Queimado
vende tnai bonitos botos pretos de vidrocem en-
n. L roa do Qaeimado.
m
BSSHJt
A abaKo asslgnada seieotfica apjespeilavel
publico ]ue sendo casada com o Sr. Januario An-
tonio de Lima, e como hoje nao eeteja em sua com-
pania por mopos particulares awia que o mes-
mo seabor nao poder vender urna casa .terrea si-
ta no beec do -Lobato n. 7, seb pena de moallar-se
. a mesma venda.
_ .Candida Maria da Coneeiee.
1 Furtaram hoje i5 do correte do engento
Barbalho freguezia de. Cabo, am cavado alazo,
amaizo ssigaad az scien.e pnbjico com 5^^^^^^^.^^^
^V^^^\l^J^ll^^l^^^ pello tem Z marca doerida. Assim como urna
oeatelec.mentodemoados' o na raa 4a Con- ^m preta, peaaenajisa, eanda comprifla, cabe-
cord.a .77, qae yrav^sob a lrma de Maaoel de ca<)iIlUn(,o;com mtz de cangalha e tendo por
AieveaoJ|aiadiC., .liwe e desembaraza de gab0 murchar agoreU,as ao approxlmar-se de
quaes^^ause quemaejulgar credor a mesma qcmosJeTar Monde.0 s),i0
aprsente wamseonu^noprazo_de 4 dias^^Hrtar_davJUMdoMmmeQdaor tgte Gomes F^rrejra
Catall.
Compra-se Jim cavado de sella que seja grande,
>ii9Vo, e de bonita ligara t eot Poale de L'cbja, si-
tio do conseiiieiro Jos Beato, das % as ,6 botas da
Wde._________________________
desta data. Secife 27 de favereiro de 186(5.
Agoslinno favares Pires.
-i
ou no eB#eaho cima ao tea doao Jos de Moraes
Gomes Ferreira ser generesaojente recompen-
sado.

_

COMPRAS

|MDAt.
Madame R. Adour oootina a rceber por lodci
os vapores chapeo para senh'jran e meninas, da I
animo goste de Pari ; vende-se na raa do impe-'
tajar n. 48, I* andar.______________________j
A%eneia d$ passaporte. j
Ctaudino do Reg Lima despachante de passa
porte, tira-os par* dentro e fora do imperio por
commodo prego e presleza : aa raa da Praia o. c^mpn-te carosso iM-raente) de afodo: no
47, pnmairo andar. --------------1_, miUa e algodao de Haoaders Brotners & C.
Compra-se onro, prata e pedras preciosas,
em obras velhas : na roa da Cadeia do Reeife,
cja de ourives no ?rco da Coneeica
Cosmheiro.
no caes de Apollo.
na roa
Alaga-se um preto cosinheiro
Rosario o. 34, botica.
A.nVVERNAT'C
99Raa 4o Imperador 7.
Deposito de jolas francezas por atacado.
Casa em Pars e Re de Janeiro.
Receben! directamente por todos os paquetes.
Atof-*e a grande casa da roa^da Florealini.
D. 20 com mallos o excedentes commodos pan,
nma grande familia morar muito fugadamente
quem a pretender emendase eom o proprletarlii
na roa do Hospicio a. 90, das 6 ai 9 horas da ma
Bba, e das 3 as 6 (Ja larde.
larga do Compra-se urna casa terrea em qual-
______, quer urna tas roas desta cidade, e qoe nao
seja em travessa: a tratar na rua de Hortas
, casa do fallecido Looreiro.


Compra-se um esciavd qtre seja moco, sadio
| e sem vieio : na roa larda do Rosario n. 34, bo-
iliea. _______-'_________________
, Compram-se vaceat novas eom cria e bas
.ante leileiras : na Capjnga porlo d) Lasserre
noto dp sitio do fallecido Joao Lelte de Azevedo.
Ouro o prata.
Em obras velhas: cempra-se na praca (?a lo
dependeoclo o, %i, loja Je bilbetes.
trastes baratos
l"ma oefsoi ue se retica para fra da.cidade
vende por todo o preco os seguintes trastes : 2
bancas de aogioe, I mesa .de costara, 1 carleira,
meia duza de-cadelras, .1 mesa com espeleo, 4 to-
cador, 1 canap 4e amarello, 1 mesa de amareUo:
na rua dos Pires e. 2.1.
Charutos
das melhores marcas de C F. Joi^e da Costa por
precos baratisnos.; na casa de banhos na raa
ja Cruz n. 17.
Vendenise na toja de JB-Indczaa
a rna do lucotado *. 16.
B.miios leones de sndalo e ontras qaalidades.
Bonitos cintos cora flveWas de diveraw qaalida-
des \ moldes.
i-;..aeos e crozes de eryetai.
Abotoaduras de dito para eoletes.
Boailos port-relpgios.
Delicadas caizas com msica e sem ella, para
costara.
Agul&as ,e linhas para ebrochei.
,SGra_ade wmaem. de tin-|
tas medicamentos etc. '
^ Rua do Impei'.'JftiM?. 22.
-^foiio fcdro das Nieves (ge-
M reate} (em a venda o
JES regulte:
Prodootos chimicos e pharma- i
M| ceuticos os mais empregados em i
)m medicine. i
Tintas para tdo o genere de pin-
* 4ura e para tinturara.
m Productos industriaes e tintas
91 para flores, como botes de flores
^ e modelos em geco para imitar
ggi frudas e pasearos >eom g compe-
* lente desenbo.
Productos chimicos e industriaes
9H para pootographia, -t'iD^uraria? pin-
l tura, pirotecnia etc.
^ Montado em grande escala e sup-
| prido directamente de Parte, Lod-
S dres, HamUurgo, Anvers e Lisboa
gw pode offerecer productos de plena
* confianfa e saisfazer quaiquer en-
^ commenda a grosso trato e a rela-
ttg lbo por pre^o commodo.
Retroz superior
Rendas pretas
feites de gorros
Ditas de gres
e matisadas.
em carriteis.
lucos eom vidrilhos.
Filas de vellud i com listras de coree para en-
vestidos,
peles, lisas e lavradas, brancas
Vendesp tima negra perteita cozinheira e
engommadeii.., I mtalo escoro bom cozinheiro
e copero; 1 muamtta com principios de cozioba
eogommado, de fdade de 15 annos; 1 negro pro-
prio para o servico de campo on de armazem, es-
tes escravos sio mocos e de bonitas figura : a ira-
yW as roa do Imperador o. 45,. tereeiro andar.
Vndese pm bom eseravo de Idade de 36
annos, de conduma afianzada j a tratar na travessa
do Carmo p 1. I
Veadem-se tres escravas com boas habilida-
des, de idade de 13 a 21 annos : a tratar na tra-
vessa do Carmo n. 1.
Hnp princeza
Vende-se no armazem de I. I. Lima Bairao, raa
da Cruz n. 18, das seguintes qualidades :
Princeza gasse grosso.
Dito meio.
Dito Gnu.
Paulo Cordeiro.
Dito dito viajado.
Ha sempre quanlidade em deposito dos artigos
mencionados.
Vende-se um lindo moleqoe de idaee de 13
annos : a tratar na travessa do Carmo o. 1.
Vende-se a padaria com lodos os otencilios,
sita na Boa-Vista a rna por traz da Matriz; a tratar
na roa Larga do Rosario n. 46 padaria.
--------
Fa
O
A' 45U
Rua da Madre de Deus n.
Saceos grandes farello novo.
Tambas,...
Vende-se tainhas de Alagoas muito novas, a
240 rs. cada nma o em ceoto se far abatimento
e linguas do Ri-Grande em calda a 240, ao palco
do Carmo efqo'ua a rua de Hortas armazem
0,2,
FiZE,\UAS HiATAS
N 27 Rua do Queimado N 27
(1IAMIE l'F.CIIIMilli
Gambraia branca para forro a 240 e 400
rs. a vara. '
Lencos bancos para algibeira duzia a
2AO00 rs.
Retondas pretas a 0000
Gambraia morsalina de cores propria para
vestidos b covado a 300 rs,
Morantiquc prdo superior a 2#8C0 e
3AO0Oo covado.
Grande sortimento de grosdenaplesprc'o
para todos os preeos.
Rotondas de seda r'qui>imas algerinas para
senhoras.
Guardanapos para meza a 3^500 rs, a du-
Supefiores Lales de arcos a 3^200,rs.
certos de os acoar constantemente na raa do Qaei
mado, loja d*aguia branca n. 8.
Novidades do Pavao
O PECHIXCHA AD.MIRAVEL.
Escossezas a 3^200
Cegaran os mais lindos corles de escossezas,
proprios para vestidos, sendo fazenda inteiramente
nova do mercado; e vende se a 3#200 o corte oo
260 rs. o covado na loja e armazem do Pavo, rua
da Imperatriz, n. 60, de Gama & Silvaj
Cassas francezas a 2-iO rs. e covado.
Vendem-se bonitas cassas francezas de cores fi-
aas pelo baraiissimo preco de 240 o covado.
Ditas a 280, 320 e 360.
So na loja do Pavo, rua da Imperatriz n. 60, de
Gama & Silva.
Chitas avadadas.
Vendem-se finissimas chitas francezas, com pe-
queo toque de avaria, pelo baratissimo prego de
280 o aovado.
grande pechincha.
Assim como dius inglezas roas e claras, sem
mofo nem avaria, pelo baratissimo prego de 160 o
covado f, assim como, ditas moflo boas a 200 e 240
o covado, l*lo na loja e armazem do Pavao, rua da
ImperAtr.it o. 60, de Gama & Silva.
Cbapos para meninas.
NA LOJA DO PAVAO.
Veadem-se os mais delicados e bem enfeitados
chpeos de palha de Italia, para meninas : pe-
chinch?, na loja e armazem do Pavo, rua da Im-
peratriz n. 60.
Grosdenaple preto a 1$600.
E' grande pecbincha !!
Vende se grosdenaple preto, sendo muito encor-
pado e de boa largura, pelo baratissimo prego de
1,5600 o aovado : na roa da Imperatriz o. 60.
RIscados a 120 rs.
Vende-se riscadinho escuro proprio para vesti-
dos ou roupas para homem, pelo baratissimo pre-
co de 120 rs. o covado : s na roa da Imperatriz
n. 60.
Os cachinez do PavSo.
Vendem-se bonitos cachinez de la ou agazalhos
para caneca pelo baratissimo prego de 3000, s
na loja do Pavo, na rua da Imperatriz n. 60.
Algodaozinho avariado.
Vendem-se pegas de algodaozinho sendo mnito
encorpado, e com 20 jardas, pelo baratissimo prego
de oJiOOO, por ter am pequeo toqae d avara.
O bramante do Pavao.
Vende-se superior bramante de linho cr lendo
qualro palmos de largura, nelu baratissimo prego
de 800 rs. a vara, dito com 10 palmos a 2A400 e
28O0 a vara, atoalhado de lioho adamascado, alvo
e pardo, pelo baratsimo prego de 21800 rs. a
vara, na loja armazem do Pavo, na raa da Impe-
ratriz n. 60.
teu diversos objecto; de muito gisto e inletrarneo
te novos, sendo :
Bonitos e delicados pentes dourtdos e prai
tendo enlre elles alguns de filigrana obra mu. per-
feila e de elevado gosto.
Ditos cem chapa de madreperola.
Br;ncos de filigrana e outras qualidades.
Fivellas de dila e cairas tambem de diversa;
qualidades.
Cintos mu bonitos, eneitados "oda a ti n-
eo com caracteres douradose prati -'>-'.
Filets eneitados cotr. moedinhas dou ii'.e lao
tejoilas, aljofares & &,sendo para coque, -- a
cabega. e oulros cem plomas &-
Bonitas volus de jaypt, fwa croies, tende
bem algumas de duas core?.
Luvas e meias
de la vfjielal, para quern soffre de fiialdade, pa-
rale?ya ele. Vendem-se na rua do Queimado loi
d Aguia branca n..8.
Bandoiine de roza
para segurar oo coacervar perfeitamente alado o;
cabellos das senhoras. Vende-se na rua do Quei-
(.mado loja d'Aguia branca, 1000 o frasco."
Enfeites pretos para vestidos
A AgQia branca recebeu novas enfeites preto:
para vestidos, sendo bicos com vidrilhos e sem
elles, irangas com pendentes de vidrilhos e sem
elles, cordo grosso tambem com vidrilhos e sem
elles; assim como galoes e franjas de diversas iar-
goras, fitas de velludo etc. como sempre os bons
fregoezes encoDlrarao commodidade de preco? nrs
objectos que se vendem na loja d'Aguia branca rua
do Queimado n. 8.
Btes de vidro
com enfeites d'ago no centro.
Esses botoes que tanto servem para melhor se
poder enfeltar um bom vestido preto oo de tur,
achao se a venda" na rua do Queimado loja d'Acuia
branca n. 8.
Diademas dourados
os com aljofares, pedras,
para meninas e senhoras.
PtiU
0U4RESH4
PECHINCHA aDMHUVEL.
Grosdenaple preto a lf>G0O
Vende-se superior grosdenaple preto, fazenda
mnito encorpada.pelo baratissimo prego de 15600
o covado, sendo fazenda que val muito mais di-
nheiro : na loja e armazem do Pavo n rua da
Imperatriz n. 60, de Gama & Silva;
MANTAS PARA O PESCOCO
a 15, s o Pavo.
Vendem-se bonitas mantas para o psseogo, pelo
barato prego d 1* : na loja -do Pavio na roa da
Imperatriz o. 60, de Gama & Silva.
zia.
Ceneja gelada
Ha diariamente a venda por preeo commodo ;
noarmaiett da Ltgat rua Nova p. 60.
No armazem de Lima- Bairao, roa da
Crnz n. 18, tem para vender malte em folha, mnito
OQvo, em sacazes, e prego o mais mdico pospel.
tm
Para encrespar.
Vendem-se tesouras para encrespar
babados : na raa do Queimado loja
Azevedo 4 Irmo,
"i
ij* de 2
Queijos d serlao
Vende-se superior qoeljo do sertio : na
Madre de Dos, armazem jauto a igreja.
en i
ele
A agal-branca vende bonitos e moderno? dia-
demas donrados, enfeitados com aljofares e ped:.
proprias para meninas 9 senhoras.
Bonitos ckapozinlios
_ de palha fina e avencaes para meninas.
Sao obras estas de que os bons pais de famn;.
se nao podem esensar de comprar, por fazerert ti-
las parte do asseio e bom gosto com que trajam
suas bellas filhinhas. A aguiabranca lem o pra-
zer de ver que to bellas e precisas obras f..r devidamente apreciadas o compradas em seu m-
oho. Os chapeoiinhos, alm du seren d'uma pa-
lha rnui fina, sao de mai bonita forma e nilimo
gosto, enfeitados com toda a perfelcao: os aven-
taes, porm, sao de Ei;a cambraia, gaarnecidos de
baladiohos bordados; o que Ihes d muita grara.
Os pregos desies, 55000, e daqnelles, 105; e de
quanto sao elUs baratos conbecera o pretndeme,
que se dirigir a1 l..ja o'aguia branca, na rua de
Queimado n. 8.
vidrilhos de cores e aljofares.
imitando ago, para eofeiles de vestidos.
A aguiabranca na rua do Queimado n. 8 rece-
ben oro bello sortimento dos objectos cima pro-
prios para enfeites de vestidos, etc., etc., e est
vendendo com moda mente.
Pee bincha
Xa roa do Queimado o. 40
Cortes de lazinha de cor. bonitos goslos, com
15 covados a 35600.
Cassas organdys de core?, covado a 240, pceas
de algodaozinho largo com 17 varas a 45-
Ditas de dito com 17 varas, muilo encorpado,
com pequeo defelto, a 45300.
Grosdenaple preio moito superior, covado #.
Dito dito a 15600.
1 Itetondas de renda preta a ln-
chales de renda preta a 85-
Potassa da Russia
- Veode se no armazem de assucar de Jos
da Silva Loyo C, largo da Assembla.
Vendem-se "
machinas americanas de serrote para descarogar
algodao : na roa da Senzala Nova n. 42..
-
-.
i


uta Wr Ae W*r# 1*4866.
Mira
PAVA, A QUABESM i
Chegaram a loja de Augusto Porto.& C.
11 Rua do Quemado11
Superiores cortes de seda prea.
Molreantiqae preto de flores e de listas bellos padr5es.
Grosdenaple preto de diversas largaras e qualidades.
Retondas, bournus e chales de guip e de rendas.
Pannos prelos, easemas pretas, bombasinas.
Lias, canlo, merino e selestrinas pretas.
Lindas mantas.de seda para pwcoco.
Ricos cortes de seda de cores para bailes 011 casamentes.
Ricos cortinados bardados dos mais bellos desenbos.
Moir branco, seda branca, capellas e mantas para noivas.
Bellas colchas de seda e de lia e seda para cama de noivas.
Saias de Bnissima cambraia ricamente bordadas.
Faiendas de pregas para saia que se fazem com urna s costura e lambem ten
o cordo tecldo.
Madapolao francez a 400 e 480 rs. a vara.
Alcatifa de linho para salas e gabinetes a 480 rs. o covado.
Fazenda especial de qnadros para fazer redes a 3*300 a vara.
Superiores esteiras da India para salas.
11 Rua do lucimadoII
.03S
NOVOS GERENTES
DOS
'CJRES GRANDES
AIUIAZPS DE m4HI0JS
DENOMINADOS
PROGRESSIVO pateo do Carmo n. 9
UNlAO E COMMERCIO rua do Queimado n* 7.
VERPADEIRO PRINCIPAL rua do Imperador, n. 40

NI
i

'3
*
DE
&$
DUAKTE CiR VALHO PERIRA C.

Fazem scieate ao respeitavel publico, e com especialidade aos senhores de en-
genhos, lavradores,e mais .pessoas, do .centro, que para mais aeilitar suas compras.deU-
^eraram os proprietaris dos tr'es grandes armazens, reanif todos os seus estabeleci-
mentos em um s. annuricio, pe|d qual o preco de um,ser- de todos, promette-
CORTES HE SEDA
Chegaram pelo paquete inglez riqaissimos corles de moreantique de cores, e seda lamda p*r
tfes mteiramente novos. .
Seda de quadros por 1#000 o covado
5RUA DO CRESPO5 m
Gregorio Pacs do Amara! & Compaahla.
"t
I
i; j

.:
<
i
Gros de aples preto a 1500, 1*600, 20, 3,5, 3#50O e Uta ctmfo
Gorgurao preto de superior qualidade a 20500, WMXH&mtQmWG
' Superiores moreantiques a 20500, 20600, 30, 30500, 4,
covado.
Bons cortes de moreantique.
dem de gorgurao adamascados.
Bons pannos e casemiras.
Sup riores alpacas, princetas, merinos e bembazinas.
Bons villudos pretos.
Grande variedade de chales de fil preto e de guipure a 50,
100, 120, de 160 a 200, de 230 a 800 cada um.
Superiores retondas de fil preto e de guipure a 80, 100, 1
e de 300 a 600 cada urna. I
Superiores atgerienes de fil preto e de guipure de 120 a 850, e Q
300 a 600 cada urna.
Bods chailes de seda preta.
D tos de Merino preto bordados e outras muitas fazeadas pretas que ;
seria enfadnos enumere r, na
60, 80,
0 e 250,

loja das cvmsaau
DE ANTONIO CORRE! A. DE VASCONCELLOS t C.
RIJA DO CRESPO US. 13
RUA DO Bl&lff IV. 3S
O proprietario deste estabelecimento deseja chamar a attencSo dos sefcbores pro-
taos aos acreiit-idos mechanismos que continua a'fornecer; os quaes garante ser,
jomo sempre, da melhor qualidade possivel:
Machinas de vapor
..!. i de 2 '/> cavalloj para cima.- As menores sa"o mui proprias para motore sde
!o irocameritos de agodo; as maiores para moer canoa; ha tambera que podem junta
i,a ^paradamente moer canna e descansar segundo soas proporces. Estee vapores
sao siraplissimos na construego, e se regem por qualquer pessoa inteHigente, a facllida-
de da conducho sendo especialmente considerada, tanto que nao ha lagar em que nao
se p issam eonduzir, qur por trra, qur embarcado. Ha com moendas juntas ou sem
sitas, e podem-se applicar a qualquer moenda j existente sem outra! mudanza do qoe
.'.s.ibstituico ds rodas da almanjarra. Ellas tem depsitos d'agua e boeiros de ferro,
e no precisara para o seu assentamento de obra algumar qur de carapina, qur de al-
venaria. O tempo para assenta-las nao excede de doze dias ao mais, e em caaos de
anortes le animaes ou arrorabaraentos de acudes, etc., garaote-se oj assentameoto em
otto dias. Leaibra-se aos senhores de engenho que a venda dos animaes e o servico da
gente oceupada no seu tratamento os nao de recaperar da maior paite da^despezando
vapor deixando-lhes a vantagem de urna raoagem certa e accelerada;
daspeza da compra continuada de novos animaes. com os desgostos
se ;em com elles.
Rodas d'agua de ferro, mui maneiras e moendo cora qaaiquer altura
d'agua.
sarilhos eona eruxelaa de ferro para as mesmas, quar do se desege fazer
e rasto da roda de madeira, tornando-se assim a roda ligeira no trabalho.
Mocadas de canoa de todos os tamanhos, desde- as mais
Jas do sertSo. Obra perfeita em feitio e acunhamenlo.
Rodas de espora e angulares de todos os lamanhos e
Paroes ou coches para receber o caldo.
4;rlvos de fornalha para assenlamentos, frescos para
prande cal.r com pouco combustivel, e duradouro.
Portas de fornalha de todos os tamanhos e de diversos
e acabando com a
do trabalho que
pequeas chama-
proporoes.
foguista, fazendo
systemas.
es para carregar
Fornos e moinhos para a fabrica de farinha e tamben, chapas redondas
pira fornos pequeos.
Bombas simples e de repucho.
Taixas de ferro batido e fundido e de cobre.
Formas de ferro batido galvanisado para porgar assucar
e ijemptos de quebrar-se.
Alaoablqaes de ferro de todos os..tamanlios, custando o a terca parte1 do
jiroo dos de cobre, mais regulares nadis^llaco e igualmente durave
EUos e rodas de carro com taang s de .patente, obr; mui segura'para
rarregacao de peso.
Ara tos, grades, cuchados a avallo e outros instrumentos tle agrt- gen ro.
c .'.itura. E finalmente todo o objecto de que possa precisar um enge ibo.
Machinas de descargar algodao
Na fabrica se fazem obrasovas encommeada e concertos, (om a maior preate-
zn e solidez. O grande deposito de pecas e objectos habilitam-na mt Uo para este flm.
O proprietario ser sempre mui feliz de poder ter occasiSo de dar informacOeB'ou
e^iarecimentos aos senhores qae se servirn de seu prestimo.
D. W. Bochan, engenjheiro.
^
Rii DJl CADEIA
Oonunaa a ter grande e completo sortimento de
Mmohnas americanas para
dos melhores fabricantes de 10, t, 14, 16, 18, 30, 23,30 e 35 serrotes qae as
mido, em eoo3eqaencia de ltimamente as ter reeebido de conta pf >pria dos
descaroar algado
'ende por preco
! Jtaos-nidos.

M&

resa-
G0i\SliLT0B10 jy^HCQdlVLBfim
DR. PEJDRO mATSABn&$^
MEDICO, PABTEIRO E OPERAIMftK.
3 Rua da Gloria, c^sa Idte Fundao 3
0 Dr. Lobo Moscoso d consultas gratuitas aos pobres todos os dias das 7 s l i
toras da manh5o, e-das 6 e meia &.8 horas-dausi^i^tcepcao dos dias sanficadoa
Pharmacia espeembmeopa-thica
No mesino consultorio ha sempre o. rais appropriado sortimento de carteiras
tubos avulsos, assim como tinturas de varias dymnamisacbes e pelos pr'ecos seiraintei
Carteiras de 12 tubo* andes. 120000
de 24 tunes, f i andes. 18)1000
de 36 tubos-g*ndes. 240000
de 48 t*dos gfandes. 300000
> de O tubos grandes. ., 350000
Prepara-se qualquer carteira conforme o pedido que se flzer, e com os remadioi
que se pedir. *
Um tubo roteo ou frasco de tintura de meta onca 10000.
Sendo para cima de 12 custarao os precos estabelecidos para as carteiras.
Ha tnhns mis nnnnAnns rad m a tflfl p
Ha lobos mais pequeos cada um a 500 ris.
IjIVROS.
mps que 030 infringiremos a tabella que aba.o vai pubcado, annueciar os gneros i0ns^^^S^ ?*?*" ^opathico do Dr^h
f-?!fe,f?!l5_^_'??^"I??^-??W -l^'ifrffi^Pf.:?^.' Repertorio do Dr. Mello Moraes
mente em outras muitas casas, por&n nos np50s, fistabfileciiaentos ao se dar isto
ainda mesmo com.prejuizo nosso, qualquer pessoa pader mandar seus fmulos que
serio tambem servidos pomo vies^em pe^soaltnente fazendo-aos o favor de mandar seus
pedidos em cartas ferxadas;. para evif^r qualquer engaos, remetiendo nos orna conta
pela qual se ver os precos tal, quaj. anounciarmos, o que sen5o arrepender pessoa
alguma que fizer saa despenca em.nossos estabelecimentos; pois poupar mais de
5 por cento na sua despeza diaria.
Manteiga iiigieza perfeitamente flor che-
gada ltimamente a l,ooo rs. a libra, e
em barril (era abatimento.
Manteiga franceza da safra nova a 8oo rs.
a libra e em barril ter abatimento.
BANHA
Banha refinada superior a 64o rs. e em
barril ter abatimento.
iUA
Cha pxim.de primeira e superior qualida-
de a 2,8oo rs.
dem -hysson o melhor neste genero a
2,6oo rs., e sendo em por?3o ter.abatimen-
to, tambem ha proprio para negocio de 2 a
2,4oo rs. a libra.
dem preto superior de l,8oo a 2,5oo rs.
a libra.
Biseoutos
Latas com> superior biscouto ingles de di-
versas marcas a l,2oo rs. a lata.
Bolaehlnhas
Latas com bolachinhis da acreditada fa-
brica do beato Antonio, proprias para dar a
doentes de 2,ooo a 3,ooo rs. a lata.
dem com quatro libras de bolacbinha de
soda a 2,ooo rs. a lata.
Qjieijos
Queijos flamengos. chegados pelo ultimo
vapor d6 2,3oo-a 2,5oo rs.
CHOCOLATE
Chocolate bespanhol a l.ooo e l,2oo rs.
a libra, francez e suisso a l,ooo rs. a libra
e portuguez a 800 rs. a libra, em porc3o
ter abatimento.
VINHOS |
Superiorvinho do-Porto das mais acredi-
tadas marcas, como sejam: Madeira Secca,
Duque do Porto, Velho Secco, Lagrimas do
Virare
Superior vinagre de-Lisboa a 2,ooo rs. a
caada e 280 rs. a garrafa. Tambem ha
mais baixo para 2oo rs. a garrafa e l,4oors.
a caada.
Azeite doce
Superior aseite doce de Lisboa a 64o rs. a
garrafa e a 5,ooo rs. a caada.
FU VIO CAPORAL.
Latas com superior fumo caporal a l,8oo
rs. a lata.
Passas
Superiores passas a 2,5oo o quarto e
9,ooo rs.' a caxa Je arroba hespanhola e a
56o rs. a libra.
CUBtffiBRA
Genebra de laranja verdadeira a lo,5oo a
duzia e l,ooo rs. ao frasco.
Genebra de Hollanda verdadeira a 6,ooo
rs. afiasqueira e a 56o rs. o frasco.
Idom de Hollanda em botijas a 4oo rs. ca-
da ums.
GarrafSes com 24 garrafas de genebra de
Hollanda a 8,ooo rs. o garrafo. Tambem
ha garrafoes com 5 e 14 garrafas de 3,2oo a
6,ooo rs. cada um.
VELAS
Velas de spermacete a 64o rs. a libra.
dem de carnauba de lo a 12,ooo rs a
arroba e de 36o a 44o rs. a libra.
60000
Diccionario de termos de medicina .......... 30000
Os remedios,deste estabelecimento sao por demais conbecidos e dispensam por
tanto de serem novamente recommendados as pessoas que.ejuteerem usar de remedios
verdadekos, enrgicos e doradores: ha.todo de melhor que se pode desejar, globos de
wdadeiro assucar de leite, notaveis pela sua boa oonsemcSo, tintara dos mais acredi-
tados estabelecimentos europeos, a mais exacta e aourada preparaco, e portanto a maior
energia e certeza em seus effeitos.
Casa de saude para escravos.
Recebe-se escravos para tratar de qualquer enfermidade ou fazer-se-lhe qoaTquer
operaco, p ira o que o annunciante julga-se saffioientemente-nabilitado.
O Iratamento o melhor possi*el, tanto na-parte alimentar, como najned3|a,
funecionando a casa ha meis de qoatro apnos, ha muitas pessoas de cuja conceito se nao
pode duvidar, que podem ser consultados por aquees que-desfjaem mandar seus
doentes.
Paga-se 20 por da durante 60 dias e d'ahi em diante 10500.
As operacoes sero previamente ajustadas, ,se nao se quizerem sujeitar aos preces
razoaveis que costuma pedir o annunciante.
PELXE
j preparado
de l.ooo a
Peixeiem latas
l,2oo rs. a lata
ALPISTA E PAINCO
Alpista e painco rauito novo de 3,8oo a
4,ooo rs. a arroba e de 14o e 160 rs. a li-
bra.
CHARUTOS.
Superiores charutos do fabricantes Simas,
Imperiaes, Delicias, Parisienses e outros de
Douro, Maria Pia, D. Luiz, Pedro V, Lagri-12,2,5oo e 3,ooo rs. a maia caixa^ tambem
mas Doces e outras marcas a l,ooo a garra- temos Suspiros, Iavansiros, Ligueiros e
outros muitos que vendemos por mdico
fa e 9,ooo a 12 ooo rs. a duzia.
Vinbo -Figueira e Lisboa das melhores preco.
marcas a 4oo e 5oo rs. a garrafa, e a 3,ooo,
3,5oo e 4,ooo rs. a caada.
Superior vinho chamisso em barril a 64o
rs. a garrafa e a 4,5oo rs. a caada.
Superior vinho de Lisboa e Figueira em
anceretas de 8 e 9 caoadas a 24,ooo rs. a an-
coreta.
Superior vinho branco proprio para mis-
sa a 640 rs. a garrafa, tambem ha mais bai-
xo para 4oo, 5oo rs, a garrafa e 3,2oo a
3,5oo a caada.
Caixas com urna duzia de garrafas de su-
perior vinho Bordeaux a 7,ooo rs. a calxa e
7oe rs. rgan-afa.
"CAFE
Caf do Rio de 1.a e 2,Vqualidade de
6,8oo a 8,2oo rs. a arroba, e de 24o a 28o
rs. a libra.
SJLUJLO
Sabo maca de primeira qualidade de 18o
a22ors. a libra e de 16o a 21o rs. sendo
em caixao.
Sfffyq'a
Superior serveja Bass dos melhores fa-
bricantes, como sejam: Shlers & Bell. T. F.
Ashe aTfioo 7,ooo rs.adazia e a7oors.
a garrafa. Tambem ha de ootras marcas
como seja: Victoria e Alcope a 5,ooo rs. a du-
zia e a 5oo rs. a garrafa.
BOI0ES VASfOS.
BoiSes vaSlos, looca ingleza muito pro-
pria para manteiga e deposito de doce de 4
a 12 libras a l,2oo 6 2,5oo.
FARWHA DO'MARANHO.
Farinha do Mlraafcao a 240 rs. a libra.
SAG'.
Sag muito novo a 4oo rs. a libra.
ARARUTA.
Araruta verdadeira a 4oo rs. a libra. /
Licores
Licores francezes e portuguezes a l.ooo e
l,4oo rs. a garrafa oo frasco.
Doces
Dom da casca da goiaba em caixes e la-
tas a l,2ooo caixo e ,8oo rs. a lata.
Frutas
Frutas era calda e em latas fechadas her-
mticamente, muito bem enfeitadas, conten-
ARMAZEM E FAKKIVIIA^
DE
CUSTODIO CVItWIYHO C.
27 RUA DO QUEtMADO N. 27
MadapolSo francez muito fino, tendo pouco mofo, cada peca com 27 varas por
100000.
L2a de cores a 300 rs. o covado.
Cambraia franceza a 260 rs. o covado.
Finos organdis a preco de 800 rs a vara.
Lencos brancos para algibeira a 20COO a duzia.
Fin-is perclaras a preco de 400, 440 a 560 rs. o covado.
Ricos cortes de 15a de barra de 100 a 300000.
Chales de fil preto e outras muitas fazendas.
-.
'
Novidades do Vigilante
RUA DO CRESPO N. 7.
Este estabelecimento apezar de sempre
se achar bem sortido como todos sabem,
hoje mais que nunca, nao s pelo que rece-
be de sua propria conta, mas tambem pelo
que recebe de consignaces; parece sem
duvida que deve offerecer grandes vanta-
gens para o respeitavel publico tanto em
precos como na escolha dos objectos, e co-
do pera, pecego, amena rainha Claudia al mo ^^ ^ ^ dfl g^ pelo
perche e outras frutas a o) '* vapor Douro e o navio Solferino de
Tambera ha latas grandes para l,2oo rs. a jL-m* mumm a mtm u n n
grandes para
lata.
AZEITE DE REFINADO
Superior azeite francez refinado a 8,ooo
rs. a garrafa e a 9,ooo rs. a duzia.
MOLHO INGIEZ SAUCE
Molho inglez Sauce em frascos grandes
com rolha d vidro a l,8oo rs. o frasco em
duzia ter abatimento.
BATATAS.
Gigos com 3o libras de batatas a l.ooo rs.
ogigo.
SARDIMAS.
Latas com sardinhas de Nntes e Lisboa
de 4oo a 46o rs. a lata.
FUMO AMERICANO.
Superior fumo em chapa a 40 rs. a libra
ERVILHaS
Latas com ervilhas e feijo verde j pre-
parado 64o rs. a lata.
MAS3A DE TOMATE
Latas com 1 libra de massa de tomate a
64o a lata.
x VERMUTH
Esta bebida muito fresca e estomac il e
muito propria para a presente estaco. a
qual vendemos a 2,000 rs. a garrafa e 180
a duzia.
Pimenta, cominho, eravo, camella, ervadoce, alfazema, tijollo para liaipar facas pa-
litos para dentes, palitos de fogo, e outros muitos gneros que se tornara eufadonho
mencionar, afianzando cinceridade nos precos e o bom acond icio amen to de qualquer
--------------------u.

ROMANCES BARATAS
Vendem-se, na livraria da praca da Inde-
pendencia n. 8, a 400 rs. o volume, os ro-
mances portuguezessegnlnte, embrochora:
A voz do sangue, 2 volumes.
Connemara, 2 ditos.
A noite de S. Silvestre, 1 dito.
O filho de Titiano, 1 dito.
Adonis ou o bom negro, 1 dito.
As doos amadas, 1 dito. 3
O pacha de Boda, 1 dito.
Trilby, 1 dito.
Ignez de la Sierra, 1 dito.
Jotob Sibettana, 1 dito.
Ved-se oa alega se om terreno com'ddu
frsufet para a mi do Bram n. 21 e para a roa dos
Guararapes n. SO, multo proprio para deposito de
carvSo, naieirss, oo carrosas e bois, por ser rao-
de, ter cacimba e tres telhairos, e om caix$a de
cas*-em respaldo : a tratar na roa da Cruz do
Mlfo'ni-M. _____________,
-. Na fabririrde vtaare, rua Imperiat n. 1,
proxiaoa MUtfo do camioho de ferro, vndese feito eftatfo, emaispertences
vinagre tinto soperior em qualidade aoatrojpal-
qm^esf sfiy medleo, assim hbo ffaaee e1
incolor.
Farello
em saceos grandes a 40500: nos armazens
de Tasso Irmaos.
i .. m ,U f+;. HIiiiihi ......
Gomma ..de milho Iwpaneo
americana
Esta preciosa fcula, cojas propriedades med-
cinaes a imprensa europea tanto tera-exal La Jo para
a cura das molestias do pette, recommeoda-se tam-
bem como alimento sadio e nutritivo para as cri-
ancas, prestando se a variados preparos culinarios.
A geral aceitagao que ella tem obtido por toda a
parte o seu maior elogio : vende se nicamente
na rua do Impaeador n. 57, armazem Alhanca.
&m fiscftrtdos.
A a#l#b*aoS* esf# vdldAii por baratissimos
presos, para acabar, os objectos seguiote?, que ser-
vem mol bem aya^na toaam parte nos bailes mas-
carados, sen"
Melas de seoa a i} o par.
Jtnfeite de lores a 1 i& e 3 eada ara.
Fitas lavrada da tili a vara.
japipila^Miwmjoi|t^e>ptdai,
Veude-se urna aaseira de amarell em per-
para ama padaria,
m ealftda nova, segunda taberna a drreita, depols
do sobrido f rande : a tratar na mesma, das 4
horas da tarde em diante.
diversos objectos de gosto e proprios do
lempo dos quaes se mencionado alguns,
por nao ser possivel mencionar todos. O
dono deste estabelecimento espera a"pro-
teceao de todos.
Hiquissimas caixinhas ornadas e com
msica propria para um delicado mimo.
Caixinhas de msica tanto deveio como
de corda.
Ricos porta joias e necessarios.
Riquissimos est jos a feitio de um bausi-
nho ou chapeuzinfao.
Ditos em casca de noz e de outros gostos.
Loques de madeperola de sndalo e de
faia e madeira.
Chaposinhos e touquinhas de muito
gosto para criancas.
Meias e sapatinhos de seda para as Mes-
mas.
Meias de soda para senhoras.
Capellas e grraaldas de flores proprias
para casamento.
Enfeites e capellas de muito gosto para
seuhora.
Riquissimos porta boquets.
Boquet de flores com urna borrachinha
cOm cheiro.
Lovas verdadeiras de Jovin.
Ditas de seda e de Escocia.
Riqoissimas plomas e guarnieses para
enfeitar chapeos.
Contas e tubos de ac branco, que ha
muito se desejava para enfeites.
Brincos, fivellas e cruzes de crystal.
Fi?ellas e cruzes de tartaruga, madripe-
rula e dourados.
Alfinetes para grava tas.
Botbes com croas para punnos.
Gravatinhas e mantinhas de muito gosto,
tanto para homem como para senhora.
fciqtrfssrmos aderecos pretos, assim como
caixinhas com alfinetes pretos.
Bengallas de canna com cabo de marfim.
Ditas de baleia, borracha e de outras
muitas qualidades, assim como chicotiahos.
Riquissimos pentes de tartaruga do ulti-
mo gosto; assim como de arregaco para
menina, pois ueste artigo ha um completo
sortimento de todas as qualidades.
Diadesaas para.cabeca do ultimo gosto.
Riquissoias fita tarradas e lisas.
Trancas pretas com vidrilho e de cores.
Pulseiras tanto para senhora como para
meninas.
Ligas de seda e de algodSo.
Suspensorios de seda e de aigedao-e mui-
tos outros objectos que se nao podem an-
nunciar por nao se tornar eufadonho.
S no Galto'Vigflantd'rtra do Crespo n. 7.
MACHNiS DE PATENTE
DE TilABALHAR A MAO PARA DESCA-
ru;ar algodao
' FAIimCAOC- POR
PLANT BROTHERS & C.
OLDAM.
Estas machi-
nas podem des-
carocar qual-
quer especie de
algodlo sem
estragar o fio,
sendo bastante
duas pessoas
para o traba-
lho; pdedes-
carocar urna
arroba de al-
godao em en-
roco em 40
minutos, ou
18 arrobas por da ou cinco arrobas de al
godio limpo.
Assim como machinas para serem movi-
das por animaes, que desearacam 18 arro-
bas de algodSo limpo por dia; e motores
para mover urna, duas ou tres dessas ma-
chinas.
Os mesmos tem para vender um bellsi-
mo vapor que pode fazer mover seis destas
machinas mencionadas; para o que convi-
dare aos senhores agricultores a virem ver
e examina-lo, no a mazem de algodao, no
largo da ponte nova n. 47.
Naiindcrs ilrohers A V.
Recife praca do Corpo Santo n. 11.
Os nicos agentes neste paiz.
O castello de Grasvle.
Tradiiido de fraieei por 4. J. C. da Crai.
Vende-se este bello romance em quatr
tomos pelo baratissimo preco de 3#00C
oa pra?a da Independencia, livraria ns.
6 e8.

Frameisco Jos Germano
RUA NOVA N. 22,
acaba de receber om lindo e magnifico sor-
timento de. ocuios, lunetos, binculos, do ul-
timo e mais apurado gosto da Europa e ocu-
ios de alcance pira bservaeoes e para os
mapitrmoe.
Manual do Cidado
Vende-se o Manual do Cictadlo em um
Governo Representativo 9a principios de
Direito Publico Constitucional Administra-
tivo e das Gentes, por Silvestre Pinheiro
Ferreira, em 3 volumes broiurados por 3
cada obra : na livraria o. "? da" pracj da
Independencia.
Veadem-se anteriores prescntanle Westpba-
lia, chegados no ultimo vapor: ia roa do Trapi-
che n. 9,
Roopas feitas de todas as qualidades
"Vende-se roopa eita, sendo calcas de cotes e
pardo a 5*, ditas de brim branco de linbo a 3*500
e 4*. caigas de casemira preta a O, 6* e O, di-
tas de cores, oU.enomlra, a U 3JB0O, ditas
de casemira a U, 7 e M, ealetots de brim de
cores a U, 3*500 e 3*. ditos de brim braoco a
a 41500, ditos de alpaca preta M MeVWW de
casemira de cores a 5*. 6, 7, 8 e 10#, ditos de
panno prele-a 9, 7, Se KAUtlef "de cores a
1*600, de casemira I M^lroob traaeeu a
nho de pregas largas a JJSSOO, 3* e ; *500 : na
roa da Itnperairto, W ^MJr^^K.;
Lqy.s dcJenvia a>rUs eMlns
ftres
Chegaram para a loja de miadezas: na roa
Qaeimado n. 16.
i

*

I


^
i
.,___

"&*&**>..
_. .'- 3:'i- -


/

\

!

MCGLOPEDIOA
anot a nadarla fradceza de
Paredes Porto.
Neste estabelecimento encontrar o respeitavel
pnblico nm variado sortimento de faiendas fraoce-
xas, inglesas, suissas e allemaes, que se venderao
por pre^o eommodo.
Paredes Porte
Vende chales d renda de cores qne se vnde-
nos a l&S est v8e*do por 65, ditos pretos, fa-
lenda opa, 55, 65, 85 a 205, um sortimenlo com-
pleto de manteletes, capas e soulambarques 14J> a
255. Ra da Imperatriz n. 42, junto a padaria fran-
ceza, armazem da porra larga.
Paredes Porto
Receben um completo sortimento de laslnhas a
5*0, e 280 rs. covados, para acabar, cambraias de
cor a 240 rs. o covado, riscado escossez para rou-
Ki de menino, fusilo de linbo a 420, 400 e 500 rs.
na da Imperatris n. 52 junto a padaria franceza.
armazem da porta larga.
Preles Perto
Receben para cortinados para cama franceza a
HA a pe^a cambraia lisa fina a 35 45 al 105 a
peca, cortes de tarltan de bonitos gostos a 35500
44, cambraia com flor de seda, postos inteira-
mente novos a 400 e 500 rs. o covado, no armazem
da porta larga n. 52, ra da Imperatriz junto a pa-
daria franceza.
Paredes Porto
Receben pelo ultimo paquete nm sortimento de
crazes com pedras para opescoco, benitos caxtoeis
de lia para peseoco de senhora. Roa da Imperatriz
n. 52, armazem da porta larga.
Paredes Porto
Vende cortes de gorgnrao prelo para vestido com
21 covados cada um 355000, grsdenaple preto a
IJOOO, 15*00 e 2JI o covado, 13 lizas (toas a 460
rs. o covado, lias de quadrinto para vestido, entes-
tada, a 320 rs. o covado. Ra da Imperatriz n. 52,
armazem da porta larga.
Repa feita
Una da Imperatriz n. 52 armazem da porta lar-
ga junto a padaria franceza, encoatra-se neste es-
tabelecimento om completo sortimento de paletos-
saceos e sobrecasacos, de todas as qualidades, cal-
cas, col leles, ceroulas, camisas, grvalas, meias,
chapeos de'sol, ditos frsncezes para cabe^, por
presos eommcdos, roupa para menino e outras
muitas faeeodas por pregas com modos, armatem
da porta larga.
No otesmo estabeleelmento encontrar o respei-
tavel ptttofeo? sdfnpre no eoeftfleero sortimertto de
roupas ferias de lodas as qualidades, como sejam
paletos de alpaca preta e de cor, ditos sobrecasa-
cos a 45 e o, ditos de briro pardo a 2*800, 35*
35500, ditos finos a 45, ditos meias cazeroira a
353OO, 4|re 55; ditos cazemira saceos a 65, 75,85
e 105, ditos sobreeasaeos a lOe 125! ditos de pao-
no saceos a 65, 85 e 105, ditas soferecaiacos vl25
e 255, ditos de merino preto a 65, 75 e 105, cal'
cas de brim de diversas cualidades a 1,5800 a 45,
ditos brancos a 25500 e $500, ditos cazemira 55,
t>5 75, ditos prrtos a 55, 65, 85 e 105, diros
mems catemiras a 35 45, cotete *e diversas
queiidades, sereulas francezasde atgodio, ditas de
linbo, ditas de bramante a 25 e 25500, carnizas de
algodao de linho francezas de 25500 e 3*. Gran-
de pecbincha neste genero, gravaras'de todas as
cualidades e brancas para casamento, grande sor-
timento de meias para senhoras, ditas para bomens
a 35, superiores a 35500 e 45-
Um completo sorlimeRto de chapeos de sol de
Alpaca a 35, ditos de seda a 55, 75, 105 e 145,
ditos francezes pare cabrea, grande sortimento
a 65.
Pecbincha adruiravcl.
Grande sortimento de chambres a 45600 e 59,
'enees de cambraia para homem a 25 a duzla, di-
tos de lindo a 45eS5-
Grande sortimeme de ro>ipa para meninos e ou-
tras muitas qualidades qne seria enfadosho men-
ciona-las.
Paredes Porto
Receben pelo ultimo paquete francez ricas lias
granadinas com flores de seda a 400 e 500 rs. o
covado, esto acabando-se, cambraia preta para
luto. Porta larga junto a padaria franceza, a ra
da Imperairit a. 12.
Paredes Porto
Recebeu pelo akiu*o paquete esparlhos a pre-
guicoso por 39, sao bous, lencos de seda para se-
nhora e homem a 5?, ricos cortes de cambraia
bordados de 18g a"7f; por ter om toqne -de mofo,
esto se acabando, na ra da Imperatriz o. 52, jun-
to a padaria franceza.
Paredes Porto
Vende um completo sortimento de fazendas
brancas, eomo sejam madapolSo a 45569, 55, 65 e
iO, pecas de algodao por barato preco, cbita fran-
ceza a 240, 280. 320, 360 rs. o covado, precalias
muito finas a 360, 400 rs. o covado, chita ingleza
;200e 240 rs. o covado. Ra da Imperatriz n.
52, junto a padaria franceza.
Fazendas.
Vende-se superior merino preto proprw para Ba-
ilas de senhora e vestidos a> 25, lostrim da China
a 15800 o covado. Ra da Imperatriz, perla larga.
Paredes Porto.
Vende em seu estabelecimento tiras e^utremeios
bordados, grande sortimento de corplntios rica-
mente bordados a 35, 45 e 35- S o Paredes Por-
'.0, roa da Imperatriz no 52; poeta larga junto a
padaria franceza.
A
SALSA PARRILHA DE AYER
KHLtt A CURA RADICAL
GftUrWs E*TABUENTO
Roa da imperatriz, N. 60
DE
GAMA & SILVA.
UNA E ARMAS DE FAZENDAS.
Tonto o propietarios deste grande estabeleci-
mento feito um grande-ahatimento em.muitas de
saas fazendas, pela occasiao do bataneo que deram
np ultimo de dezemorode 1805, rerolteram vender
muiloiBais brato do que costaroam adra de cada
vez rnals agradarem aos seos numerosos fregu-
zes ; por tanto Ihes oflerecem um avulado sorti-
mento de fazendas franceas, inglezas, as quaes
vendern mais baralo de que era outra qualquer
parte, comprometiendo-se a mandar levar qualquer
fazeoda em casa dos fregu zes que nao poderem
vir a leja, ou a darero as amostras, deixando flear
o penhor, assim como convidam as pessoas, que
zas, sendo com o dioheiro a' vista.
Pechlncha a 300OO c *#5J
AS MfiLPOMCNBS BO -PAVAO.
derhbs' pelo baratissimo preco de 35000 cada um.
Ditos de radia., tendo oito e roela varas, peie
baratissimo-preco de.25500 rs.
Isto para acabar na luja do Pavo, ra da Im-
peratriz n. 60, de Gama & Silva.
As toa 1 has de li lio do Pa>ao.
Ve'ndm-ss superiores loalhas de linhos para
rosto pelo baratissimo preco de 75500 a duzia ou
a 640 cada urna.
Gaardinapos de linho adamascado para meza a
25800 a duzia ou J40 rs. cada um.
Superior aloalhado d linho com oito palmos de
ratoddque em ootro parte, na loja do Pav*onaua
da Iraperatriz n. 60 de Gama & Silva.
preco de 5120 rs. o corte de calou a"320Ys. o
09
2?=oo3^sooj|
1
a? ~ va o p*
0= ?- K B. _
o _

B
Si.!-8
3 5*2 -
O. ce Q,,fi
__, as -j X S
S-fg^. O ceOQ
e
~ 8
t*2
I d serb ulas e tnolsstias escrofulosas, tumores,-' alceas, cbifa?, fridas ve-
Ibas, bre achcele, papo ou papeira, a syphilis, enfermidads tenetas du mer
curiaes.
0 MOLESTIAS DAS MLHERES
retenc5oj menstro doloroso, ulcerafBes do tero, flores brancas, etc., ulcera-
cao, debflidade, expoliado dos ossos, a nevralgia e convulsoes epilpticas
quando causadas pela escrfula.
ERYSIPELSS ERPES; ETC.
Eofermidades cutneas, crirpco, borbulhas, postulas,
ooseldas^ etc.
O extracto composto de salsa pai-HIha, con'eccionado pelo Dr. Ayer, uma
combiDcao dos melhores depurativos e alterantes conhecidos medicina; confeccio-
nado segundo as regras da sciencia, approvado e receitado pelos primeiros mdicos dos
Estados-Unidos da America do Sul e Central, das Anuiras, do Mxico e das Indias, e
muitas ou iras partes do mundo : o resultado de estudos apurados e minuciosos, e de
experiencias feilas pessoalmente pelo Dr. Ayer, por muitos annos, nos principaes nos-
pitaes e enfermaras da America 5 tcm sido approvado pelas academias de medicina e
juntas de hygienne das priacipaes capitaes da America do Norte; para prova disto vede
os attestados authentkos no Almanak e Manual de Saude do Dr. Ayer, os quaes se dis-
tribuem gratuitamente nos lugares onde se vende o remedio.
A SALSA PARILHA DE AYER
Especialmente effleaz na cura das molestias que tcm siia origen
na escrfula, na Infeccao venrea, no uso
excesslvo do nicreu lo ou qnalQiicr impureza do sangue.
A molestia ou infeerjo peculiar, conhecida pelo nome de escrfula, um dos ma-
les mais prevalecentes e universaes que ha em toda a extensa.lista das enfermidads que
atacam a nossa raga; disse um celebre escriptor da medicina qne < mais de urna terca
parte de todos aquelles que mor.rem antes da velhice sSo victimas, o directa ou indirec-
tamente de escrfula; por isso s n5o tao destructiva, porm a principal causa de
muitas outras enfermidads que nao lbe sao geralmente a (tribuidas.
urna causa directa da tsica pulmonar, das molestias do ffgado. do estomago
e afeccoes do cerebro; entre seus numerosos symptomas acham-se os segintes: falta
de appetite, o semblante plido e enchado; as vezes de tima alvura transparente e outras
vezes corado e amarellento irregular, fraqueza e moeza nos msculos ao redor da buc-
ea ; dgeslo fraca e appettite, falta de energa; ventre enchado e evacbac5o irregular;
quando o mal tem seu assento sobre os pulmSes orna cor azulada mostra-se em-roda dos
Olbos ; quando ataca os orgSos digestivos, os olbos tornam-se avermelbads; o hab-
ito ftido, a lingua carregada; dores de cabera, tonteiras, etc. as pessoas dedisposi-
c3u escrofulosa apparecem frequentemente erup?5es ta p'lle da cbeca e outras partes
du corpo ; s5o predispostas s affecces dos- pulmes, d flgade, d( s rins, dos org5os
digestivos e uterinos. Portanto, nao sao sement aquelles que padecern das formas o- covado, sendo esta Hienda grsnfl'vecbtotfa peto
eerosas e tuberculosas da escrfula que necessitam de pr0tecc5o contra os seus estragos; preco.
todos aquelles em cuio sangue existe o virus latente deste terrivel fligellO (e s Vzes J***"*1 jotrancatio a 700 a 800 rs. a vara,
hereditario), stSo expostos Uimbem a soffrer das enfermidads que" elle causa, que sao: j g! tSSfSSS^^tmnP- Wft
A tsica, urceracoes de figado, do estomago e dos ros; erupc&es e enfermidads chioeh*. na loja e armaeem dscOavis' na ro* d
eruptivas da cutis, rosa ou erysipela, borbulhas, pstulas, nascidas, tumores, rheuma,! Imperatriz n. 60 de Gama & Silva,
carbnculos, ulceras e cbagas, rheumatismo, dores nos ossos, as costas e na cabe'ca, o^cr*-de cambraia brlooo bordados na
debilidades femininas, flores brancas causadas pela ulceracSo interior, enferttidides
uterinas, bydropesia, indigestSo, enfraquecimento e dblidade getal.
Offerecemos a estas pessoas um abrigo seguro e om antidoto 'eficaz contra esta
molestia e suas consequencias na
SALSA PARRILHA DE ATER
que opera directamente sobre o sangue, pafificando-o e expulsando>delte a corrupoo e o
Veneno da onolestia; penetra todas as partes e todos os org3os do corpo humano, livcan-
do-os da sua accao viciada e inspirando-Ibes novo Tigor. um alterante poderosissimo
para a renovacSo do sangue, e di ao corpo j enflaquecido pela doenca, forcas e ener-
gas renovadas como as da ^oventude.
E tambem o meihor anty-syphilitico coubecido
cura permanentemente as peiores formas de syphilis e as suas consequencias
necessidade ha de informar o publico do inestimavel valor de um remedio que, como
este, liwa o sangue desta carrupcao e arrebata a victima das garras de tima morte lenta
e ignominiosa, porm inevitavel. se o mal mo logo combatido com energa.
um poderosissimo alterante para a renovado do sangue e para dar nova for-
ca ao corpo ja enfraquecido pela doenca.
SeDdo composto de productos vegetaes, este medicamento innocente e ao mes- g irmiim mo tempo efficaz, um Tacto de tmmensa importancia para aquelles qoe o tomam ; por- na rna ^ imperatri n. 69 da Cama 4 Silva,
que muitos dos remedios alterantes offerecidos ao publico tem por base o mercurio ou o
arsnico; e sendo assim, bem que s vezes podem effectuar curas, comludo deixam suas Os eboles pretos de rendado Pavle a 800'rs.
victimas carregadas de urna longa serie de males, muitas vezes peior flb que o mal ori- ,nJ*^m:se .8.,1?.!?SgsJ?.'rsp.^'.! TiS
ginal. A nica cousa necessaria para obter urna cura radical seguir com juizo e cons- 53KMpay"I'sjl
atncia as direcc5es que acompanham cada frasco. Ditos de gnepure a isj, 185,205,255-
Nao pretendemos promulgar, nemqueremos que se infira que esta composic5o a Retondas de dito a 105.
um remedio infallivel para a cura de todos os padecimentos humanos; infelsmente tJgje,e,es de ^enlla, ,"enda ninrt0 snPenor a
escrfula e syphilis sao enfermidads lio sulis as suas nalurezas, e arreigam-se tao carpa* e sa*thambarqties de grosdenapies bor-
firmemente no systema, que muitas vezes evadem e resfstem aos remedios mais pode* dados, fazeoda inteiramente nova, por precos mais
rosos que a sciencia humana pode inventar para combal-las: 0 que dizemos que o baratos qne em outra qoaiqoer parte.
Extracto eomposto de salsa parrilla de Ayer I.T..iSSr""""'
a mslhor preparado at boje descoborta para estas e outras molestias anlogas, qoe Oofbflles do pava* a 200* 2)00 rs.
urna oombinacte dos alterantes maiaeffieaaeo conhecidos, e queeata> regulada por iongas e laboriosas experiencias, e finalmente que temos conscieocia da-ef-|e S2?^^5i ris0 a 3S300 J
ferecer ao publico o meihor resultado qoe possivel produzir, da inteUigencia e pericia DMos esWTDpa10s fle crepon 'a 55,75, e 85000.
medica dos nossos tempos.
Este remedio deve ser tomado com systema 8 regulandade, -e nao com -abandono,
pois um remedio e nao bebida.
Quando as molestias do figado nao tem sua origem na escrfula, o remedio
mais p.-oprio as pilulas catbarticas de Ayer, que sao eficazes na cura da molestia, que
e m por causa um desarranjo dos orgaos digestivos. Ped
nao aceita i outra prepacacao.
Pernambuco, ra Nova n. 18, pharmacinfranoezade P. Maurer A-C.
..VENDE-SE
No armazem de M P. Ramos e Uva aaauupo. k ras do vigarlo
n. 11, eoswttaateniente, os seguloteo rticos, que
receben por encommnda proprfa de
Cortes de cambraia cem palmas na lejado
Pav3o-.
Veodem-se cortes de cambraia branca com pal-
mas, sendo fazenda muito oca, pelo baratissimo
preco de 25500 para acabar : na loja e armazem
do Pavo na roa da Imperatriz o. 60, de Gama k
nm
Leos brancas a * res a
duzla.
Vendem se lencos brancos fazenda rr.oilo boa I
pelo baratissimo preco de 25 a datta, Ditos com
barra de cor a 25000 isto para acabar na loja do
Pavao na rna da Imperatriz n. 60 de Gama A Sil-
"'GRillDE PECHINCHa!
Lsiohas a 120 rs. na leja do Pavo
Vndesesinhas pretas proprlas para loto sen-
do boa-fazeada a 120 rs. o covado. Ditas moito
nas de qnadrinhos a 480 e 320 rs., ditas entesta-
das a 400 rs., ditas mathizadas a 320 rs., ditas
transparentes com palma de sedas 400 rs., ditas li-
zas e cem salpicos a 500 rs., para acabar oa lija e
neRoclam em menor escata, qoe este grande esta- arnsaaem d Pavo na na do Imperatriz b. CO. de
beieeirnenlo eoconirarao um graBde soKkdmMo 6ama tanto a retalho como por atacado, vendendo-se-lhe
apenas pelos precos qoe comprm as casas ingle-
Poupelinas modernissimas a 400 e 500 rs.
o covado na loja do Pavao.
Vndense poopelinas moito finas sendo fazeoda
moito modero de quadriDhos e liza vendendo-se
jarear iEic!|~K----: K'd"
Gama
djrosdenaples pretos do Pavo.
Vendem-se soperiores grosdenaples pretos pelos
baratsimos precos de I5>'00, 15600, 15800 e 25
o covado, sendo fazeoda muioboa, s para aca-
bar : na loja e amazem do Pavo, ra da Impe-
ratriz n. 60, de Gama & Silva.
Bramante de linho do Pavao.
Yentfe-se-sut*rior branrante de linho com 10
palmos de largura, prontos para lenees, pelos
baratsimos, procos de 25 e 25600 a vara, assim
como panno de linbo moito fino pelos baratissimos
uupci iui diuamanu ao iiuiiu uum uiiu uaiuiuo uo _._.- j ain rnn oaa__. ...__.__i:. ._
mszem do Pavo, ra da Imperatriz n. 60,"de Ga-
ma & Silva.
As cassfrs do pavaa.
Os corpinhos ae seda pretos do Pavo. bomom cassas muito soperiores eom lindos
Vendfn-seos m reos eorptnhos de seda pre- padroes, pelos baratos precos de 300 e 320 rs. o
tos-, ricamente' enfeilado?; pet barato preco te. 125 covado, ditas muito finas a 360 rs. para acabar :
eada-moi : na loja do Pavo na ra da Imperatriz. na Idja do Pavao, ra da Imperatriz n. 60, de Ga-
n. 60, de Gama & Silva. j ma A Sffva-.
Corles ie eoilra para calcas Cawbraias lisas do Pavo.
a 15120 56 o Pavo. Vendem-se pecas ae cambraia lisa moito sope-
Venldem-se superiores' curted^ebtim, fateoda rior, pelo barato preco de 35200 e 35500 a peca,
morte eocorpKta'para ositos o patrtots, tendo pa- ditas muito finas a 55, 05. 75 e 85 : oa loja e
droes esepros e alegres, e vende-se pelp^barato arnMzern .do Pavo, ra da Imperatriz n. 60, de
calQa a
loja" do Pavao.
Vendem-se os mais neos rtrtes-dexaoabraia ri-
camente bordados com barras e hatadas a 205 ca-
da um : -na loja e armazem do Pavao na rOa da
Imperatriz o. 60, de Gama'4 SUva.
Mieos vestidos 8^000 rs.
pechincha admiravel.
S o Pavo recebeu pelo ultimo vapor francez
um grande sortimento dos mais ricos cortes de
vestidos transparentes coa lioda's'toarras e enfeites
de seda, sendo estes-vestidos moito proprios pata
.baile e passeios, e vendem-se pelo baratissimo
pn-co de 85000 rs. cada, nm, na loja do Paveo na
Poiica '-ro* da Imperatriz n. 60 de Gama <$ Silva.
Cortes deebMva 2^00
S 0"P0V*0.
Vendem-se cortes-datbllas ingJezas coro det co-
vados a 25.
Ditos com onze covados a 25200.
Ditos com doze covados a 23400.
Ditos de chita franceza com de?, covados a

B
S.oS
a>
Hfli

lifko
T3
3
o*t
o.
.w
Vff
"O
K
a
B
5
I
m
o
O
a* o.
x) 8
i!
i
fe
o
b
%
lasso Irmaos
Veaden sea araaxesi na o
AaorH a. 95,
Iieor fino Corago em botijas e metas boija.
Licores finos sortidos em garrafas con rolhas d*
vidao e em lines intem.
Vtoh06heres.
Snternes.
Ctiamberrhi.
Hermttat.
Borgouo*.
Champapie.
KSscatel.
Reino.
Bordeaox.
Cognac.
Od Ton.
PAezei lagaiol.____________________
Phosphoros do gaz a tfOOO a
groza.
Cbegaram os bem conhecidos patitos do gaz e
veode-se por preco eommodo : narsa da Cadna
doftectfe n.tOA, loja wmohlaam___________
Patitsle fogo a IpOO a
groza
Cbpgaraa os excollentes palitos de fogo e ven-
de-M pete bsono preflo *H a troca : na ras
da Cadeia do Recite 0. 56 A, loja das machinas.
Ditos pretos bordados coro franja de seda a 145.
Na loja e armazem do Pavao na rna da Impera-
triz 60 de Gama i Silva.
lEW-IOBK
Legitima salsa parrtha deBrmol, proparada por Lanaian & Kemp.
Verdadeira agua Forida, preparada pelos mesmos.
Gas en latas de citco gaioc, o mais purificado que se pode desejar da acredi-
tada marca F. W. D. & C.
Hetogios perfertos regniadores, com corda de quatro a oito das, dos afamados fa-
bricante* E. N. Welch. :.'.'*..
Graia em latas grandes da bem conhecida marca las. S. Masn (do Plniadel-
phia).
Superior oleo para machinas de costara.
Aguisas para as mesmas.
Breu em barricas grandes e pequeas.
Yend-se tambem:
Para luto rende o PavSo.
Setim da Gliioa com palmos da largura, fazen-
a salsa parrilha e Ayer e da preta para loto, propna para vestidos e roupas
oara homens, sendo esta nova fazenda sem lustro e
de Miilo-boa. quahdada, paran ti ndo-se nao ear
rusta com o tempo o vende-se pelo barato prego de
25 mento tem om grande sortimento de todas as fa-
zendas pretas como sejam cseas e ettHae pretas,
l&as tapadas e transparentes, princesas, alpa-^s,
sarjas, etc. : na loja e armazem do Pavao na ra
da Imperatriz o. 60, de Gama & Silva.
Os balos do PavSo.
VosMteiB.se soperiores hatoee da mocolina com
moita roda a 55-, ditos criDolines com 33 arcos a
35500, dKos com 26 e 29 a 35, ditos para meni-
nas, sendo brancos e encarnados a 25 e 25600 :
{na loja do Pavo na ra da Imperatriz a. 30, de
Gama& Silva.
Cambraias de forro a 15600 o 2 na laja
do Pavo.
Venden-so pocas de cambraia de farro cosa no-
ve varas cada, peca, pelos baraiissituos precos de
15600 e 25: na loja e armazem do Pavo na roa
da Imperatriz n. 60, de Gama & Silva-.
- 8s cortinados do PavSo.
Vendem-ee superiores coMtaaos uaaninssftoa
para camas pelo baratissimo preco de 15 cada pac,
ditos muito finos ricamente bordados, para camas
00 janellas a 155, 20 e 255 o par : na Idja e ar-
mazem do Pavo na ra da Imperatriz n. 60, de
Gama & Silva.

BORDKALX
1.a quahdade.
St. Estephe.
Si. Julien.
G. Margan.
C. Lafltte.
Medoc.
PORTO
iJ qnaHdade,
Principe Real.
Pedro V.
Mara Fia.
Princeza D. Isabel.
Vctor EmmanueL
Duque.
(Maivazia.
Vinho lino do Porto embarris defJ/, 10/ e 20/.
Superior vinho do-Rtreno.
Cera de Lisboa em velas e em gromo.
Venda-se
o grande arniazemaa rea do Apolla. Pf. 3&0.40,,
proprio para um armaaem de assocar 00 prensa
de argtidioem ponto grande por tersis portas de
frente-con a-ais de t palmos da largura o 300 e
tantos de coaiprimento, tsdo-cobeito e sebre arca-
das, e para commodidade dos compradores se ven-
de com o praso de dou& annos ou o qoe se con ven-
eiooar, orna vez qoe seja com seguranza, e pagan-
do-se pela demora nm mdico Jttr&; as pessoas a
conhAatoaw Alwo pee n. 78. No armazem da porta larga, rna da Imperatriz,
grsdenaple preto a 1540O, 15609, 1*M9. 25
avariado.
Praseet barrica
Portland dem
fia-parMlt estadb:
Pranee barrio W|(J00
Portland idem 125000
So armazem de lissa Irmaos caes doApollo.
Gama & Silva.
PECHINCHA !
a 2000, para calcas, so o Pavao.
Vendem se superiores cortes de meia. casemira
com msela de seda a 25, ditas Garibaidinas a
25800,'dltas escoras a 250, ou a 15600 o cova-
do : na toja e armazem do Pavo, rna da Impera-
triz d. 60, de Gama & Silva.
PATEADORES
ou roupoes de cambraia bordados proprios
para as senhoras vestirem de manliaa.
Chegou esta novidade paia a toja do Pavo,
I multo lindos e do meihor gasto al hoje, pur pre-
cos nrao rwoaveis : na loja do Pavo, roa da
faiperatriz n.60, de Gama & Silva.
Loja do Pavo
efirandes pechtnctkas.
Sedinhas a 300 rs. o covado
Sediultas a 300 rs.
Sedinhas a 300 rs.
Vende-se na loja do Pavo, um grande sortimen-
to de sedinhas lislradas com as mais bonitas cores,
sendo os padrOs mais novos qne tem vindo ao mer-
cado, e vende-se pelo paratisslmo {rreco de cinco
I tostdes o covado, sendo fasenda que valem mnito
mais dinheiro, e grande pecbincha por se ter
comprado urna grande ponida desta fasenda, na
loja e armazem de fasenda do Pavo, roa da Im-
peratriz n. 60 de
Gana SUva
Pechlncba grande.
Osmadapoies d-j Pa\So.
Vaade-so soperiores pecas madapolao, sendo
muito largo, e moito eocorpado tendo 24 jardas
cada pega, pelo baratissimo pre$o de 85 e 95000,
ditos a 65500 e 75, boa pechincha, e vende-se
na toja e armazem do Pavo, rna da Imperatriz n.
60 de Gama & Silva.
Casimiras da eseoefta.
Na loja da Pavo
Chegou esta nova fcseoda com o norae de ca-
aemiras da escocia sendo muito encorpada pro-
prfa para calsas, e coleles, e vende-se pelo baratis
simo preco de 25800 rs. o corte 00 1*600 rs. o co-
vado, pecMacha por qoe tem duas largaras, isto
s na loja e armazem do Pavo, ra da Imperatriz
o. 60 de Gama & Silva.
II o upa le Ha.
Na loja do Pav5o
Vende-se neste estabelecimeoto um grande sor-
timento de roopas, tanto de panno como cazemiras,
e brins e pelos barassimos procos como sejam
calcas de casemira preta a 65 75 e 85000res, pa-
letots de panno preto saceos a 65 85 e 125000 rs.
ditos sobrecasacos de panno Bnissimo a 125 185 e
235OOO reis, e outros moitos artigos qoe serla en-
fadonbos aqu telata-los; s na loja e armazem do
Pavo ra da Imperatriz n. 60 de Gama & Silva.
Cirande pechlncba.
a i $000 reis.
Na loja dol'avao
Vende cortes de castor para calcas, padroes es-
coros e claros, e fasenda muito encorpada pelo ba-
ratissimo preco de 15000 is. o corte, no armazem
do Pavo ra da Imperatriz n. 60 de Gama & Silva.
Manta a 1*000.
De pura seda
Vende-se na loja do Pavo, mantas de seda pre-
tas e de cores, lindos gosto peto baratissimo preco
da 15000 reis, sao das mas largas, assim como tem
om grande sortimento de grvalas de seda de cor
bordadase de setim preto e ditas de setim braoco,
e vende por precos moito resumidoss. o Pavao na
rna da Imperatriz n. 60 loja e armazem de Gama
& Silva.
Chitas rosas
a 60000 reis a peta
S na loja so PavSo
Se vendem pecas de chitas rozas inglezas, sendo
cores Asas tendo 38 covados cada nm peca pele
baratissimo'preco de 65000 res, a retalho a 16*0
rs, a covado, ditas escoras & claras a 200 rs. o co-
vado, lija do Pavao ra da- Imperatriz n. 60 de Ga-
ma & Silva, Gama & Silva.
- Vdwows^kn.*ift toorarretos, com ^^ moreaDtique p-ret0 je h6riS -qnai . mais ricos chales d renda pretos, e retondass
pouco ooo e pot poagejaioaial
zes n. U A.
os
........-acom muita roda, fazenda da ultima moda do mer-
Bos oeasiaotpara. nmprin- ^j^*** m n*
cipiante.
Vndese orna loja de mideas com poneos fon
dos, mnlto em ctm. em twriatar boto aen*
toda : que pretender dirtjavta a roa Aogos**,
tiborna o. 1, ntnsediri.qnom tssn para voader.
Na mesma uberna se dirafuem-tem para vender qual eoimba, eogomma o As todo 1wt1eo.de orna
ama oobilia completa de tmirelloenano iba. :casa de nartlia : o* roa t HospieloD.
Tabaco simonte
de ie 8 libras : voado so a. roa da Craz^
ero de I I. Lima Bairio n. 18. ......
'volsderTj Vende-so urna eserava do idado 317 asmos, a
. Panno, preto a 2 Vende-se panno preto. fazenn fflafto boa, pelo
barato preco de 25' o covado, dito multo tino a
35000, 45s *#e 5, assim eomo casimira preta de
cordo a 25 o covado : oa loja do Pavo na roa da
Imperatriz n. 60, de Gama & Silva.
Cortes de la a Mara Pa na loja do Pavo.
Vendem-se os mais ricos cortes d la a Harta
Pa, palos kvatissisDos precos de 75 e 83, ditos
mui. anos a 105, 125, 165 e 205 : na loja do
Pavo na roa da Imperatriz n. 60, de Gama di
Silva.
Os espartilbos do PavSo.
Vemfem-se tima.grande e variado sortimento de
espaMIbosides sms bem. feitos que ton.fiado.ao
mercado, sendo de todos os tamanbos, wndendo-se
por um preco muito razoavel : isto na loja do Pa-
vao na ra da Imperatriz ti. 60, de Gama & Silva.
Silezra pwa satas a 44* rs. a tata aavlojw
do Pav5o.
Vendem-se1 silezi*-ondeada sendo fazenda1 moito
boa o propna para sai as, pelo barato preco do 440
rs. a var : na loja do Pavo na roa da Impera-
iris n. 60, de Gama & Silva.
s salas bordadas do pari.
Vendem-se saias bordadas sendo fazenda milito
boa, sendo ricamente bordadas e com mulla roda
! vendeado-se petes baratos preeos' de 6 8 o 105
reis cada nm* aa loja do Pavao na ra da Impora-
tri n. 60 de Gama & Silva.
Peca* de madapolao enfesUdo.
Vende-se pechlnchas de- madapollo entestado
com 15 jardas cada peca sendo fazedd moito su-
perior pelos baratissimos preeos de 45 e 55 rs. na
loja do Pavo na ra da Imperatriz. cu 00 de Gama
oY Silva.
Bretaibas4erloa3000
Voadsmso^sas de brotanba do rolo com 10
varas cada peca, pelo baratissimo proco de 35:
mioja-a armazem do PatJo, roa iimperatriz b.
W.deGaroa^SHfi.
No armazem de azendas
baratas de Santos Coelfeo
Rna do (furimado n. 19.
Veade-so o segointe:
Cobertas de cbita da India a 25400.
Lencoes de panno de linbo a 25200.
Ditos de bramante de linbo de um s panno a
35200.
Lencos de cwsa brancas nropriot para a Igi lie ira
a 29OOO a dnzia.
Algodao entestado enm 7 I[2 palmos de largura
a 15200 a vara.
Aiboateado do lioho a 25800 a vara,
Uitcde algodao a 25 a vara.
Goardaaapos de linbo a 35800 a duzia.
Pecas d cambraia de salpicos a 45500.
Lzlnha atierra de cores i 320 o covado.
GsMbrata-bronca de forre a 35 a peca.
Pil da liado liso fino a 800 rs. a vara.
Dito de dito com salpicos a 15 'ara-
Panno de linho fino com 9 1)2 palmos de largu-
ra ptto-barato preg-de 5400 a vart
MadapolSes fraos a 85, 95,105. '* U-
Cambraia lisa de 45800, 35, 65, 75 e 85"a pees.
Pecas de breanha de algodao com 10 varas,
propria para saia, pelo baratissimo preco de
Liasiafta Hsa de corea a SOfrr. o cavado.
Cambraias Boas decores miudiaaw a 300 rs. o
covado.
Estotra da India propria para forro de sala de
4, pasmos d* isrgora, por ntenos preeo- do
que em outra qualquer parte.
Jesloarmawaitmbomsoeaconlr um grande
sortimento de-roopa feita e por medida.
Gomma d~^ilaFbi^lico
fmffriff&uti
VenoY-sem'pacatttr'tfdIr'IHW-: no arma'iett'
de Jos Panmdes urna nt>WWK-9.
Novidades da Arara.
PBGHINCHA.
Fazendas prelas paca a quaresma.
Arara vedfl grodenaple preto a 1(JI600
Voado-so grsdenaple preto bom a 15600,15800
e 25 o covado, dito muito largo a 25500 e 25800
o covado : na roa da Imperatriz loja da Arara
n. 56.
Moreantque da Acara-a 208OO,
Vende-se moreaotique prelo para vestidos moi-
to bom a 25800 e 35 o covado, alpaca preta para
palelots e vestido* a 600, 60 e 800 rs. o covado,
merino prelo muito bom a 35 o covado : na ra
da Imperatriz loja da Arara n. 56.
Arara vende as saias a 3,5300,
Vende-se saias bordadas para senhoras a 3530O
e 45, golllnbas bordadas a 240 e 320 rs. rada
urna : na ra da Imperatriz loja da Arara n. 56.
Chapeos do sol da Arara a 1^400.
Vende-se chaposlnhos de sol para meninos a,
15400 cada nm. ramisinbas para senhoras a 15,
35 e 45 : Arara roa da Imperatriz n. 56.
Arara vende os vestidos bordados a 40,
Vende-so cortes de vestidos brancos bordados a
453OO, ditos de cores a.39, ditos bordados a la u
seda a 75 e 95 : na roa da Imperatriz n. 56.
Os baloes da Arara a 2#.
Vende-se baldes de arcos de todos os tamanbos
a 25, 35, 3*500 e 49, saias bordadas a 35500 k
45 : na ra da Imper^riz n 56, loja da Arara.
Arara vende cortes de la a 50.
Vende-se cortes de la novos vindes pelo ultimo
vapor com 15 covados pelo barato preco de 55, di-
tos rom-barras Arara n. .56.
Arara vende chales de 20.
Vende-se cbtles de merino estampados a ?5.
ditos de l a 15600 e 15, ditos de meiio muito
Anos a 45 e 75 : roa da Imperatriz loja da Arara
n. 56.
Madapolao entestado da Arara a.40.
Vende-se pecas de madapalo en/estado com 12
jardas a 45 e 45500 dito de 24 jardas a 55, 65,
75 e 85, dito muito fino a 95 e 105, pecas de al-
godao a 45, 55, 65 e 75, dito muito tncorpado a
7500, 85 o 85500 : na ra da Imperatriz loja e.
armazem. da Arara n. 56.
Pannoprdo da loja da Arara.a 20.
Vende-se panno preto para calca e palelot a 25,
25500, 35, 45 e> 55 o covado : oa ra da Impera-
triz Joja da Arara n. 56.
Arara vendo cortes de cotim para
10280 rs.
Vende-se cortes de cotim para calca a 15280,
ditos de brim decores a 15400, cortes de panga
para caiga a 15600 : na roa da Imperatriz loia aa
Arara n. 56.
Cortes de casemira preto da Arara a 30500.
Vende-se cortes (fe. casemira preta para ralea a
355OO, 45, 55 e 65, ditos de cores de meia rase-
mira a 2550O, 35 355OO : na. ra da Imperatriz
loja da Arara n. 56.
Arara vende os ctales de renda a 80.
Vende-se chales de fil de linho a 85 e 105. di-
tos de seda a 165 e 205, retondas de pello de li-
nbo a 109 e 125 : na ra da Imperatriz loja da
Arara n. 56.
Vestidos a Maria Pa da Arara a 100.
Vende-se cortes de Lia a Maria Pia a 105, 125,
165 e 205, ditos moito finos cem camisinha, smto
e fivela a 255 e 285 I s a Arara vende por estt
preco na ru> da Imperatriz n. 56.
Araaa vende as laazinhas a 240 rs.
Vende-se laazinhas para vesiidos de senhora a
240, 280, 400, 320 e 500 rs. o covado, chitas par;,
cobertas- a 280, 320 e 4J0 rs. o covado : na rna da
Imperatriz loja da Arara n. 56.
Cortes de cbita da Arara a 20.
Vende-se cortes de chita de cores flxas a 25. di
tas francezas a 25800, corles de cambraia trance
za a 258OO : na ra da Imperatriz loja da A'ara
n. 56.
Arara vende organdys a 280 rs.
Vende-se organdys para vestido de senhora r
280, 320 e 400 o cofado, ril de Moho de cores
para vestidos a 160 o covado : na ra da Impera-
triz loja da Arara n. 56.
As chitas da Arara a 200 rs.
Vende-se chitas de cores Gxas a 200 e 240 o co-
vado, ditas francezas largas a 280, 320, 360 e 400
o covado, riscados francezes para vestidos a 240 o
covado, bretanha de rolo a 35 a peca : na ra a
Imperatriz loja da Arara n. 56.
Arara vende roupa feita.
Vende-so roopas feilas de todas as qualidades a
saber : caigas de brlm de cores e de ganga a i,r
e 25500, Daletots de brim para andar por o.i
25 e 35, camisas francezas a 25, ditas de linho de
pregas largas a 35 e outras muias qualidade- qoe
se vende mats barato Le em outra qualquer par
te : s na Arara ra da Imperatriz n. 56.______
Lantijtas.
A loja da Aurora, na ra larga do Rosario n. 38,
receben sortimento de lantijolas multo delicadas e
proprias para qualquer enfeite, assim eomo tam-
bem recebeu luvas de Jouvin brancas e de cores
para homem e senhora, muito frescas, ebegadas
pelo ultimo vapor, ludo isto na loja da Aurora,
roa larga do Rosario n. 38.
m.
No armazem da ma do Imperador n. 3 ou ce
Caes de Pedro II n. i, tem para vender-se o me-
bor gas existente no mercado.
Pecbincha
Vende-se a taberna da roa da Guia n. 36 pro-
prio para principiante, e o motivo se dir ao com-
prador.
___Escrevos fgidos___
Escravo fgido.
No dia 15 db drjrrenie, pelas 7 botas da noite,
pouco mais ou menos, desparecen da roa do Li-
vramento n. 4, om cscravo por nome Nicolao, ida-
de 21 a 22 annos, pouco mais ou menos, estatura
regalar, cor parda e om pooro acaboclado, pouca
barba e toda crescida, cabellos cacbiados, levou
vestido calca de riscadinho de quadros, camisa de
chita encarnada e chapeo de palha na cabera. 11-
nha vindo de sertao, povoacao de' Balxa-verde,
d'onde natural, para aqni ser vendido : roga-se
pois a todas as autoridades, capitaes de campo ou
a qoaiqoer pessoa que o possa apprehender, levar
1 i roa cima Indicada, qoe ser generosamente
gratilcado.
Ii50 de gratificado.
Fugio no dia 21 de marco do aono prximo
passado, da casa de seu senhor, o escravo cabra
escuro, de nome Benedicto, com idade de 25 a 26
anuos, levou vestido calca de algodao de iistra,
camisa de algodao da torra, chapeo de cauro de
abas largas; tinha cortado cabello a escovinha,
altura regular, ebeio do corno, olbos pretos e muito
vivos, nariz e boca regulares, multo pouca barba
ao queixo e um pequeo bosso, todos os dentes,
ps regulares, etc., etc. Foi comprado oaquelle
mesmo dia 9 oa 10, ao Sr. Jos Antonio Borgos,
eomo procurador do Sr. Andr Alves de Paiva,
morador na ctdade de Souza, para onde fugio o
referido escrve, segundo aviso que temos do refe-
rido Sr. Paiva, e all anda refugindose algumas
vezes para a serra deoorainaoa Jos Luiz. Roga-
mos portanto a todas as autoridades policiaes e aos
tenhores capitaes de campo, a captura do alto
escravo, e-remelte-lo a casa de nossa residencia
a m de Imperador n. 89 segundo andar, o por
cujo trabalho gratificaremos ce a auantia so-
pra.-
Reeife, 28 de fevereiro de 1866
AbrH A Vtrm.
"r r ri-r-i-i--iii na.......no **-!mium*< **nk)..m> m*
Attea$te.
DeUfott-oee no dia 17 do corrate, o moleque
crioalo, de-Soma Luiz, gago, de idade de 18 annos.
pouco mais ou menos, sem barba, com urna si-
catnz sobre a sobratisema esquerda, umbigo es-
tofado, cortado ae-fresco pelas costa?; ps grandes,
vestido de calca azal e camisa branca ja' velha,
com chap de couro : suppoa se que aade vagan-
do aqu nefa cidade, 00 que loaba ido para as
bandas do lc d'onde natural. Qoem o proador
Oio^ef%selr*eTroof a*WapjyotaV de Santo Ato-
talo*iisvM>-ffci estrada da Torre, ser generosamente resompe-


*
ar?
LITTERATRA
EMlgra?o polaca.
E' sempre sublime, e aerada aos coraedes rectos
a causa dos infelizes, dos traeos; principalmente
dofque esto opprimidos s porque sao fiis ver-
a .rauca religiosa que professam. E eresce
por sem duvida o ioteresse e a voutade de ser-Ibes
mu. quando cultivamos a roesma ti, communi-
aaj-ais ^ios mesraos prracipios. Pop issi ao ca-
o pode ser eilranha a sorte dos catlo;-
s, victimas da roais atroz perseguido,
da raaior ferocidad.
Nioguem hoje ignora o estado da Polonia ; sera
reiigia?, sem ministros, sem culto offereccra os Po-
lacos o tnals triste espectculo aos olhos do mundo;
toflos oragidos coibera o pao da indigencia aqui e
aln ; sam esperanza de voltar i patria querida, pro-
c-jram asylo no estrangeiro? sugeilanJo-se as pri
vagues e toda sorte de incommodos, com tanto
que Ibes consiattm ter altar em que orem com ios-
laucia e procurem realcancar a protecgo divina.
'ji- .sso offerecem o traballio honesto e intelgente.
.. ama nunca desmentida raoralidade. Para o Bra-
sil uiuam elles como para ierra de salvadlo: o Ura
si:. apezar do enfraqueciineuto da sua orraca reli-
jij.-j, abre-lhe os bracos, cbama-os como a roaos
beni amados, e procura por meio de assoeiagoes
promover a emigrago desses iufelizes, que gemem
qoasi esmagados pela mo de ferro da Russia. Oa-
la se levante todoo Brasil com um s peosamento
- apreste vinda dessesnossos irmos.
Tres provincias marebam ja fevorosas, e estn-
den: mo generosa em soccorro dos infelizes Pola-
nos. Venbam elles animados por estes primeiros
passos, e encontrarn um solo fertir para compen-
sar ihes as faoigas, os sacrificios: a mals sincera
lospi alidada os espera e como recompensa s Ihes
pedimos o fervor religioso, a dedicagojeatholica,
jue tanto os anima e nos vai faltando.
Ao -r. conde A. L. Jasieoski devem os Polacos
muito ; tem elle multiplicado esforgos para chamar
saus patricios ao Brasil. Elle bem conhece os sen-
timentos dos Brasileiros, e melhor que qualquer
outro pode tranimitti-los quelles, que, como elle,
sao victimas da malvada: dos borneas.
O catholico Pernarabuco deu o pnmeiro passo a
bem dos Polacos : Pernambuco, que chamamos ca"
tiolico porque l que o catbolicsrao se deseuvol-
ve e executa, porque est l o zelo, a dedicaeao, a
ereooa catholica, emUm, foi, repelimos com prazer,
a primeira que levantou o grito em favor dos Po-
lacos.
Nao offondemos as outras provincias do Brasil,
destacando entre ellas a de Pernambuco; nao as of-
rendemos, nem levantamos ciumes; todo Brasil
catholico, mas Pernambuco doutrina o povo, e ou-
ve cora orgulho da bocea dos Ilustres professores
da academia de Olinda a saa doutrina catholica e
observa nelles a pralica e satifaco do manda-
mento.
Permita Deus que os esforgos par a emigracao
poiaca sejam urna reahdade; lucrar com isto o
progresso moral do Brasil, viudo eficazmente par
delle o progresso material. Terminaremos recom-
mendando nossos Irmos sacerdotes e todos os
bons cathollcos da generosa diocese do Ro d? Ja-
neiro o Rvra. Jeronymo Kaisiewicz, que promow
neste imperio urna subs^-ipco.jiara crearse era
Roma um siminario, onde se eduque e forme o cle-
ro polaco. Em ura discurso do Rvm. Jeronymo Kai-
siewicz, superior dos padres da Resurreigo, que
em seguida publicamos nese jornal, expoe-se coa
precisao e clareza a sorte dos Polacos, sendo pro-
nunciado este discurso no dia 3 de selembro pr-
ximo passado, na igreja da parochia de M.mtreal.
Miseremin, miseremini, saltara
vos araici quia raanus Domiui te-
tigit rae. (Compadecei-vos de mim,
compadecei-vos de mira, ao menos
vos que ;s:s meas amigos, porqae
a mo de Deus fez-se crregada so
bre mim). Job, c. 19.
Maus cnarissimos irmos em Je.ns Christo.Era
uestes termos que o santo borneo) Job, esse hornera
doloroso, pedia scus amigos indiscretos e implaca-
veis que queriam persuad loque era o mais culpa-
do dos horneas, pols que era de tal modo experi-
mentado por seu Deus, oestes termos que o povo
polaco, esse Job das nacoes dirige-sa a vos neste
memento, meus rmaos, pela bocea de seus Blbos,
evos diz: Compadecei-vos s mim, coaipade-
cei-vos de mim, porqae a raao de Deus fez-se
i earregar sobre mim.
A Polonia raais ditosa em suas afflicgoes que o
santo patriareba, enconlra raramente e.-ses falsos
zeladores que imputam-lhe por crfme a continua-
co de seus soffrimentos. Em geral nossa causa
sympathica todos os corages bem formados, nao
obstante a differenga de opinio. Ora cara como
causa da justiga e do direito opprimidos, ora como
a causa da verdadeira clviltsago e da liberade
peraote a forga bratal e da tyrannla. A causa da
Polonia representa tudo isso e mals anda, porm
como fallo diante ds urna reuniao de fiis no tem-
plo do Seabor, nao tocar senao no lado religioso,
e recltar-vos-hel, meas irmos, urna pagina menos
condecida do martjrotogio geral, o nwtyrologio da
iregreja da Potonliba cem annos.
Xos pnmeiroj'seeatos da i?reja, aconteca alga-
mas vezes qae um catholico do Oriente, fnglnilo da
prtseguigao em sea palz, refuglava-se em alpuma
regiao do imperio romano, e alli acolbido coai ca-
idade por seas correligionarios, ntrodazido em
saa assembla, cootava cora ama voz agitada, com
um accento estraolio, os soffrimentos de seus, jora-
patriotas, povo de Cidade-Maria, eis o qae vera f-
zer no meio de vos om fllho de Maria a rainha da
Polonia, espero quj mea discurso edificar vossa
)iedade bem como qaalquer oatra instruccio re- i
ose ; animado por esta esperan?*, encelo o mea;
pensamento. .
Regina Polonia, ora pro nobis.
A Polonia, mens irmos, a nacao mais adiantada
por sua posicao geograpbica para o Norte e Oriente
da Europa catholica, serVia-lhe de baluarte, de bar-!
reir, e por isso que era chamada jela santa s :
Antemurale Christtanitatis, o forte adiantatlo da!
chrislandade. Semelhante a essas construoges i
que protegera as puntes contra o cumulo dos Reos,!
no momento das revolares, a Polonia recebla o '
pnmeiro choque dessas hordas que ameacavara a-
unidade poltica e religiosa da Europa. Esta esto-
dava, trabalhava, edificara; a Polonia semr re a'
cavallo velava por ella.
Em nossas grandes planicies, v se longas linhas I
de outeiros, sao os tmulos dos amigos combaten-'
tes repousando d'ora em diante em paz. Nossos |
chrooistas contam al mil batalhas e combates da-
dos contra os infieis nicamente.
Tambera nao admiravel oque referem, que
quando urna erobaixada polaca pedia reliquias
santa s, o papa Paulo IV Ihes respondeu : para
i que ? tomai um punhado da trra de vosso palz,
< espremeio-o, delle sabira' saogue, e o saagae
derramado para defeza da christandade, bao
< urna reliquia ? >
Emfira foi a Polonia que deu no fim do XVII se-
cuto o golpe mortal na potencia musulmana seb os
muros de Vienna. Cito este nico facto, como o
mais interessante para vos, porque foi com a graga
desta victoria, was irmos, que a fesra padroal de
vossa cldade, qae ides celebrar no domingo prxi-
mo, a festa do santo nome de Maria estendea-se na
igreja universal. Sim, posso dizer qae foi com
poara da espada de nosso grande re, Joa~o Sobieski,
que esta bella festa foi impressa no kalendaric da
igreja universal com sangne polaco.
Em memoria deste grande acontecimento, a con-
traria do Santo nome de* Mara em Roma, salte
processiooalraente lodos os annos, neste di com
seu estandarte que aviva meraoravel batalha e vai
pedir a bengo do santo padre em seo palacio de
Quirioal.
Porm a Polonia na 0 ajudava nicamente a chris-
tandade defendendo-a contra as invases dos inflis,
ella protega anda saa admiravel e divina unidade
contra o sclsma oriental. Deixo de parte a loaga
lua de Coastaoiinopla cratra Roma termnala \
pela victoria do turbante e do cresoenie : a Polo-
nia, cuja metade pertencia ao eolio gregolavo soffria
tambem a influencia da lula entre os doas grandes
ceutros do mundo chhsto ; toma esta luta na se-
guuda metade do XV seculo, qaando os grandes
daques de Moscou depois de terera recasado accei-
lar o concilio de Florenga, acharam-se, aepols da
queda de Constanlinopla, na nica potencia seis-
raatica.
Ent5o suppozeram-se como herdeiros legtimos
dos imperadores de ByZancio, mas como para se
poram em relago cora os scismaticos gregos, con-
vioha-lhes passar para o corpo da Polonia ; d'ahi
no XVI seculo e dorante todo o XVII scalo das
guerras sanguinolentas, as quae3 dazentos mil
combatentes e mais (coosa inaudita enlio) apresen-
tavam-se de cada lado. Fica-nos ramio lempo, diz
um chronista polaco, Acaraos multo lempo ames de
travarmos o combate, sorprezos dos doas flancos de
nosso nomero.
Depois de laes latas contra os Turcos, contra os
Russos e depois contra os Suecos ao XVII seculo,
nao convm admirar se que a Polonia fosse exhau-
rida e enfraqueciJa no meio do XVIII scalo pela
perda de um tSo grande numero de seus fillios;
eslava, pois, n'unu prostragao extrema como um
corpo sangrado; porm logo seus inimgos apro-
veitam se da conjnnctnra ; a Russia seismaiica en-
tende se e reune-se com a Prussia hertica, attra-
hem seu designio a mesma Austria ; a qaem o
receio de urna opposigao faz olvidar os deveres
mais sagrados da honra e da religiao, e, emfira,
resol vera e comegam a' execatar por todos os meies
a de-truigao e a divisao do antigo reino da Po-
lonia.
-
K' aqoi que comee este martyrio doloroso da este nada podia saber directamente do que se pas-
Polonia que tem ji durado cem annos, e qae justi-
fica tao bem a applicaoio destas palavras do unto
hornera Job : Compadecei-vos de mim, ao raeoc
< vos que sois meus amigw, porque a mo de Deus,
fez se carregada sobre mim. >
Os Polacos vendo o perlgo, reuniram-se todos
n'uraa grande liga nacional e religiosa, para salva-
re sua nacionalidade e saa fe, qae erara igual-
mente ameagaias; esta liga foi formada na cldade
de Bar, tomou o nome da contederago de Bar. Els
qoal era a sua divisa toexpressiva :
< Nos qae preferimos a liberdede
f vida e a religiao liberdade mesma. >
Mas nessa occasio a soberana da Russia, Cama-
rina II, da' secretamente ordem s populagoes eos-
sacas de entrarem as provincias nao defendidas e
Ibes ordena ainda exterminarem todos os catholl-
cos sem excepgao.
Estes barbaros nao cooheeiam outra le seno a
das sevicias e do saqoe. As cidades sao invadidas
e incendiadas, os castellos desaojados, as igrejas
profanadas; dazentas mil pessoas foram seviciadas
na primeira expedicio, e um pogo mui fondo na
cidade de Hurain foi cheio at a garganta com
coros de tenros meninos.
Os padres russosacompanhados desoldados obri-
sava, e ao ceirao terapo nlo podia saspeitar tan
lo engao e tanta barbarldade de ura soberano
qae se apreseotava como defensor dos prioeipios
conservadores em toda a Europa. ltimamente
porm ludo se descobre ; Gregorio XVI consegae
conhecer toda a verdade e toma legalraeote so
desforra, publicando sua Ilocugao de 1912 e
apoiaudo-a n'ura volume de documentos que a Rus-
lia, nao poda negar, e que descobrio a Europa
admirada urna tal congerie de crimes... A final
este desgragado perseguidor leve a audacia de ir
a Roma em 1813 para engaar de viva vuz o papa:
porm Attila enconirou Leo, e o perseguidor vol-
ta seno convertido, pelo menos ooliado e confuso
attenuou seno aboli totalmente suas medidas de
perseguigo. Meus irmos foi na poca da allocu-
go de Gregorio XVI, que alguns desterrados Po-
lacos, unidos j em sociedade era Pars, tendo aca-
bado seus estudos ecclesiastieos em Roma reuni-
ram-se para trabalhar em conservar a f no co-
rago dos desgragadoscompratriotas. Eram seme-
Ibantes e talvez inferiores a aquello pequeo pastor
que la com sua funda adiante do terrivel gigante
Golias. Nos nao pensavamos (pois eu era deste
numero), nao pensavamos, digo senao no perigo
de nossa igreja e em nosso dever deixando o resto
gavam aquellas que encontravam a' apostar; abriam Ia qaelle qae 6 Omnipotente. Tratavamos de achar
*forcaaboccadestesinfellzeg,lotroduziramalliatoaos nossos compatriotas, tanto desterrados,
hostia consagrada, e depois inscreviara-nos como como aiuelles <>ue 'aj"atn para j>au estrangeiro.
convertidos... Os padres e fldalgos foram presos E onde nossa voz &o poda chegar, l penetravam
oudegredadosparaaSiberia uo numero de de inossos J^rs e nossas P"bcaCi3es ordinariamente
m[ com vo aoonymo. Desta sorte foi que depois
Depois que a religiao nestas provincias parten- de vinte annos da um trabalho opiniatico, nossa
cendo ao rito grego flcou quasi ioteiramente des- "S30 wraegou a fazer senlir-se. Eraflm, a sania
truida; nao era seno o comeo'la perseguigo, s a,aroa nosso M[ <* acgo, eucarregando-
que conlinuou al a morte de Calnarlna II aconte-.DOi de traalbar na conversao dos Blgaros, povo
cida no anno de 1796. Durante estas carnificinas, I taT0 como n03 de 1ua,r0 miln5'S d a"n. a ^
FOLJETIM
SEPULTURA DE FERRO
POR
Henriqae Conscience
~(Continuaco.)
IV
As geadas tinham cessado, e as neves, liquidan-
do-se, tinham desapparecido dos nossos campos.
A primavera eslava prxima e com ella viria a an-
glica creatura que, ba sete mezes, viva em todos
os meus pensamentos.
Movido de impaciencia, passeava tedas as ma-
mas pelas boucas e caminos da aldeia para ver
se comegavam a rebentar as plantas da primavera.
Espreitava os gomos das aveleiras e amieiros qae
deviam germinar ao3 primeiros raios do sol remo-
gado ; esporava inquieto a primeira folba da ani-
mla dos bosques que apparece antes de quaesqoer
outras ao p dos caminos novos; segoia com os
olhcs as aves para ver se Ihes enchergava no bico
a palhinhi, penhor da saa confianga na volta do
bom tempo.
Depois de muitas nones frias, o ar comegou a
ser menos spero, e com grande alegria minba,
observe! os signaes cada vez mais senslveis do des
penar da natureza. Nao lardou que as violetas per-
fumassem o declive dos regos do lado do sul; os
botoes de ouro estrellaran] o prado e miihares de
boninas do campo levantaram estrellas de prata sobre
o velludo da herva nova. Depois Qoreceram moran-
gueiros e outras plantas. As arvores e os arbustos
desdobravam poaco a pouco a sua folhagem.e a sy-
lindra ja' moslrava os boloes dos nvelos de flores
brancas, qae haviam de eneber de deleitoso perfu-
me a fresca atmosphera do mez de maio.
Portanto, nao estava longe o momento Unto tem-
po esperado ; em qualquer dia poda Rosa partir
da cidade para o castello, porqae estava um tem-
po ameno e um sol claro que convidavam irresis-
tivelmente a passeos pelos campos.
Pobre insensato que eu era I em logar de sen-
tir dujx'icar-se a minba alegria, senta me. pelo
contrario, desanimar e descer secreta inqaietacao
minba alma ao passo qae se aprouauv a ao
ciada bera.
Ella havia de pergonur-me : Ainda nio sabe
fallar t e en, ardendo em vergonha, com o co-
deu-se um facto extraordinario relatado na corres-
pondencia offlcial de Mgr. Darini, o ultimo nuncio
apostlico da Polonia independente : vio-se no co,
pela nojte, como a- figura de ara infeliz ferido co-
berto de chagas; trazia a veste nacional dos Po-
lacos, tinha amitos dardos penetrados no corpo, e
um alfange penetrado na bocea ; prostrado, ia de
rojo e parecia dirigir-se de Oriente para o Occi-
dente. O que fez pensar entlo que a Polonia nao
linha mais qae esperar soccorro do laao do Orien-
te, e que sea soccorro nao podia ser d'ora em
diante seno da parte do Occidente. Ora, nio
tal, meus irmos, o que tem se precisamente rea-
lisado at o presente.
Coraegando de 1796, a igreja da Polonia teve um
pouco de repouso no tempo dos dous imperadores
Paulo I e Alexaodre I, e comegava a reparar-se
de suas ruinas, quando em 1825, assumio o poder
Nicolao i, rom o plano fixo de destruir o catholi-
cisrao nos seus estados. Comegou por exhumar
todas as leis de perseguigo promulgadas por Ca-
marina II, e augmentou-as durante todo o curso de
seu reinado. Ligoa-se, principio, aos restos da
igreja grega unida as provincias arruinadas por
Camarina II, e nao quiz fazer caso algum da cons-
titalgo concedida por Alexandre I ao pequeo rei-
no da Polonia, creado pelo coogresso de Vienna
em 1315.
Os Polacos soffrerajn, a principio, com paciencia,
por espago de 15 aaaos, os raaos trataraentos do
imperador, que, por fim, provocaram a insorrel-
go de 1830, a qual, a seu turno, servio de pre-
texto Nicolao para perseguir a igreja a todo o
trance. Uestrnio os restos da igreja grega-unida.
Os padres fiis morreram as pnsdes e na Siberia.
Submettiam-se ou antes destruiam-se aldeias in-
teiras a ferro e at a fogo. Prendiam se popula-
g5es intairas, eacerravam-nas em cortes e cerca-
vam as de palha, na qual laocavara fogo. .Vui
dia, a puyulaco de urna aldeia teudo-se retirado
para um taoqae gelado, cortarara o gelo todo em
redor, e essas briosas almas foram enguadas, em
quanto griiavatu todos unnimemente : morremot
catholicos. Passava-se isto era 1833 a 1839, em
quanto Nicolao enviava sea proprio fllho, o impe-
rador actual, para cemprimentar o papa Gregorio
XVI, em Roma. Ust desditoso tyranno fez al men-
tir o bronze mandando cunbar urna medalba : em
memoria da volta livre e espontanea, dizia elle,
dos Gregos-Unidos a igreja Russa.
Os Polacos do rito"latino soffrerara suas calami-
dades : 200 conventos latinos na Litbuania foram
abolidos u'uma peonada. Todos os patrimonios do
clero foram confiscados. Bispos foram desterra-
dos. Foi diminuido o numero dos curas. A edu-
cago da mocidade loi exclusivamente dada aos
schsmaticos, e administrago dos seminarios posta
sob a direcgo do governo.
Emfim a perseguigo ora hypocrita, ora cruel.
era lo hbilmente combinada que podia-se contar
com a penna em punbo, em quantos annos a igreja
catholica deixaria de existir na Russia. Nao se
permitle a santa s ter um nuncio em s. Pelers-
burgo, ao passo que a Russia servia-se de sea mi-
nistro em Roma para illudir o papa de modo qae
tabelecido na Turqua, o qual, a alguns annos, pro-
clamoa por si mesmo sua volta a un Jade catholi-
ca. Coraprehende-se a Importancia da om tal
acontecimento; urna vez que os Blgaros esto
estabelecidos entre o imperio Russo e o mu,ndo
oriental. Impedir a reonio destas dous schismas,
parar e paralysar os planos seculares da Russia,
de dominago e de reuniao de toda a igreja grega
do Oriente. Foi nesse tempo quo -urna ultima in-
surreigo rebentou na Polonia sob o novo impera-
dor Alexandre II. Eu nao digo, meus irmos, que
este soberano nao podesse ser bom e humano em
qaalquer outro palz. Porm na Russia o soberano
todo poderoso para o mal, e quasi impotente
para o bem ; todas as leis foram feitas para o tri-
umpho do mal e sao mals fortes que o carcter do
principe.
Assim pois, quando Alexandre II veio pela pri"
meira vez a Varsovia em 1856, os Polacos foram
com atan o sinceridade ter com elle, nao lhe im-
pondo nem urna exigencia, porm esperando ao
menos algum favor. Ora, Alexandre II como Rob-
bam, nao escutando senao detestaveis conselbeiros
interessados na continuago da perseguigo e da
espollacao, Alexandre lt nao soube fazer ouvir se
nao semelbantes palavras : Os polacos nao de
vemsonhar pbantasias, porque eu saberei castga-
los ; e ajuntou mais. A feicldade da Polonia
depende de sua completa fuso com o povo do meu
mperio... O que meu pai fez est bem feito; e eu
raante-lo hei... Meu reinado ser a continuago
do.seu.Quanto a religiao, elle nao supprimio lei
alguma de porsegoigo por Catbarlaa He Nicolao;
verdade que sua execuco era eoto menos ri-
gorosa. Porm desde que os antigos gregos uni-
dos quizeram readquirir a pralica publica de sua
religiao, as persegaigdes recomegaram lo crueis
como nos primeiros das de Catharina II. Foi en-
lo que os Polacos desesperanzados por nada po-
derem obter com a raais intira submisso a pa-
ciencia, comegaram essas reclmagdes e essas de-
monstrares pacificas, que alcangaram a adraira-
go do mundo inteiro.
Prouvera a Daus que podessem persistir nesta
opposigao puramente passiva I porm tem bavido
demasiada excitago da parte do estrangeiro, vindo
de cima para baixo, em quanto o proprio governo,
por alternativas de fraqueza e de violencia, impel-
lio semintente a desdltosa mocidade a um passo
desesperado.
Sem duvida, deve-se lamentar ludo quanto tet-
se seguido, mas mister declarar que jamis os
Polacos tinham mostrado urna tal torga de cohe-
rencia, um tl espirito de organisago, de dedica-
gao e de sacrificio. De maneira que cora meios
quasi nullos, raelteram respeito, por espago de dous
annos consecutivos, a todo o exercito russo, aj
obrigarem ao imperador a enviar suas guardas, de
S. Petersburgo.
aaoe-se quaes toram as tristes consequencias
para a religiao, desta empreza sem effeito ? Bispos,
ceios de padres, 200 mil fiis foram transporta-
dos para a Siberia, 30,000 joveos pereceram com-
batendo, emquanlo mais de 10 mil deveram buxar
sua salvago no estrangeiro. Todos os conventos,
sem excepgo, foram supprimidos. O-clero, des-
despojado da metade de seu rdito e ameagado de
perder o resto.
Emflm, o governo rasso applfcoa na Polonia, os
principios destruidora do socialismo. D as po-
pulagoes ruraes os bens dos senhores e os besa do
elero; emBm, omprega todos as meios e intimi-
dago e de corrapgao, para ganhar e perverter as
almas e as consclencias.
Seria mui prolixo enumerar todas as particula-
ridades desta obra de perfidia, porm nao podemos
deixar em silencio ura phenoraeno notavel e todo
novo, que a Russia pela primeira Tez, desde que
existe, nao se d ao trabalho de encobrir seas pla-
nos; diz francamente aos Polacos por seus orgos
oulciaes a oFficiosos: nossa misso histrica e pro-
videncial nos chama a Constantinopia e a Jerusa-
lero.
Estaes alli para nos embaragardes constantemen-
te ; tambem mister quj vos exterminemos; dai-
xai pois vosso catholicismo caduco bu antes morrei.
E como Diocleciano, qae mandara cunhar ama me-
dalha para celebrar a destruigo do culto christo :
Chrisliano nomine deleto, os Russos calculan} \i
em quantos aonos oo haver mals vestigios da
catholicismo na Russia. Humanamente, poderse-
hia crer e dizer que estamos perdidos t mas 6 jus-
tamente por causa deste orgulho de nossos perse-
guidores : Superbia mrun a$cen>hl semper ; jus-
tamente por causa desta cegueira, que o precur-
sor dos castigos do co qae eu espero, meus ir-
mos. Mas pego' vossas orag"es, assim como as
pego a' tolos e era toda a parte, pois que a orago
e a ultima porera a raais podarosa arma dos venci-
dos e dos desherdados deste mundo. Sabis, metra
irmos, que o santo padre maudoa orar publica-
mente em Roma, aflm'de que a Polonia guarde sua
f e continu sua misso de defender a Igreja, ora
este voto do grande e santo pontfice faz-me crer
que Deus, depois de ter-nos protegido at agora,
oo dos desamparar ; empregam meios de sub-
metter os Pharas deste mando. Espero que satu-
remos desta tentativa terrivel, assim como oui'ora
a igreja Universal sahio triamphante das torturas
de Diocleciauo, toda pura e radiante da vigo e de
belleza.
ragoes, por esse povo que soffre ha cem aonos ;
assim, meas irmos, agradeceris dignamente ao
Soberaoo Senhor pela paz qae tos dea neite tem-
po ; mereceris ao mesmo tempo, qae tos sej
conservada e cordada por orna paz ainda mais per-
felta as habitagds felizes da eternidade, o que da-
sejo-vos de todo o meu corago. Amen.
(Do Apostlo.)
DI PODGO DE TUDO.
O Standard publica urna carta de um dos sens
correspondentes que attrlbue a causa dos numero-
sos incendios que desolara a metropole, nao m
construego dos ar mazeos as docas, mas as com-
maoicagSes Internas entre os diversos armazens.
Se supprlmissem estas communicaedes, e se ca-
da armazem esiivesse isoiado entre quatro paredes
grossas, poder-se-hia dar um ou outro caso de in-
cendio parcial, mas nao os haveria to desastrosos
como o que acaba de ter lugar as docas de San-
ta Catharina.
A proposito d'este, o nleraaUonal de ,6, diz qae
havia tres dias que o fogo cootioaava a consumir
todas as mercaduras ; as charamas tinham desap-
parecido mas o fumo que saha das ruinas provava
que o incendio ainda nao estava extracto.


O apresamento da Covadonga e a trgica morte
do almirante Pareja, causaram em Hespanha ama
profunda sensago; os jomaos excitara o governo
a tirar vinganga dos chilenos, e a Correspondencia
chega a pedir o bombardearaento immediato de
Valparaso.
A Espaa considera urgente que se enviera re-
forgo3 i esquadra do Pacifico, porqae corre como
certo qae o Chili e o"Perd compraram varias cor-
vetas couragadas na Inglaterra e nos Estados-Uni-
dos.
rago cbeio de despeito e magna, teria de respon'
der-lhe por signaes que continuava a ser mudo.
Desde o ponto em que surgi em mim essa idea,
cresceu rpido o meu receio e em proporgdes in-
sensatas, porque nao bavia nada que o debellasse.
A's vezes empalideca de repente quando a men-
te agitada ergua ante meus olbos a iraagem de
Rosa e trema ouvindo romper de seus labios a fa-
tal pergunta: c Ainda nao sabe fallar ?>
Veio a tristeza, a melancola, o amor solido.
At ento tinba-me applicado com ardor a enta-
lla figurinhas em madeira. Como tinha chela ha
muito tempo a mlnha gaveta, dei a minbas irmas
as mais mal acabadas e fiz outras qae, no mea en-
tender, eram melbores.
A minba dosanimago subir, porm, a tal pon-
to, qae jV nio senta forga nem desejo de prose-
guir no meu trabalho, e por mais de doas sema-
nas, sem abrir a minba gaveta, trouxe esquecfa a
chave no bolso.
Ainda foi muito peior quando mea pai, voltaodo
um dia da feira, nos annuncion que no sabbado
prximo o Sr. Pavelyn, com sua rauther e sua fi-
Iha, haviam de chegar ao castello. Desde ento po-
der-se-hia dizer que um mal secreto me lavrava
oos ervos. Aeootecla-me desmaiar e estremecer
vlnte vezes em ama hora sem causa apprente. Mi-
nha mil jn'gava-me doeote e dava-me cozimeotos
de hervas recommendadas contra a febre. Eu be-
ba os sem dizer a causa da mioha siogular agita-
gao ; mas, logo que poda, fogia para longe de ca-
sa e esconiia-rae as maltas, como se essa solido
podesse livrar-me desta terrivel pergonta : Ala-
da .nao sabe fallar ? > qae me soava de continuo
aos ouvidos e me perseguia com urna aecusago.
Nao s i como explicar isto; receiava muito
mais do que desejava a chegada de Rosa e aco-
Ihia-me s boacas para nao estar presente quando
ella fosse a nossa casa, mas ao mesmo tempo era
movido, apesar meo, para os arredores do castel-
lo e para o camiaho por onde ella havia de passar.
E verdade que logia paseados alguns instantes,
mas, qoasi sem consclencta do qae faz!, voltava
logo para os mesmos logares.
Um diafoi em 20 de malo de 1806tendo va-
gado por boucas desde a alvorada. cheguei emfim
i avenida do castello. Depois de ter olhado por
multo tempe para o edificio, por detraz de montas
de sylindra?, voltara-lhe as costas, e encostando a
cabeca a om tronco de arvore, pui-rae a olbar pa-
ra o chao, embebido em dolorosas reflexow.
Nao sei quanto tempo estivo assim. De repente
fui sobresaltado pelo som argentino de urna voz,
qae grltava de longe em tom alegre :
Leo I Leo.
Era a voz de Rosa, a mesma voz que me fallava
sempre nos meus sonbos. Nao dei nenbum movi-
menlo caneca, porque julguei ser mais urna iHa-
sio dos sentidos. Entrei em violento tremor. Vi Ro-
sa, Rosa em pessoa, que acompanhada por um su
geito bem parecido e por urna senhora bonita, e
seguida por urna criada, sabia do jardim do cas-
tello e entrava na avenida.
Puxava o tal sogeilo pela mo para correr direi-
ta a mim, mas elle, que era seu pai, nao a deixou
seno a quatro ou cinco passos de distancia de mim,
por j nao poder sofirear- a impaciencia de sua -
Iha. Em dois saltos foi ella agarrarse minba
mo trmula ; eu eslava paludo e ja' via com io-
quietago moverem-se os seus libios" formulndola
terrivel pergunta. Com effeito, as suas primeiras
palavras foram estas :
Ento, Leo, sabe fallar ?
Deixei desceir a cabega sobre o peito e as mi-
nbas lagrimas disseram-lhe que eu continuava a
ser modo.
Pobre Leo 1 disse a bondosa menina. Nao
chore por isso. Teoha animo ; lembre-se de que
no anno passado soube dizer o mea nome. Poaco
a poaco ha de aprender a fallar.
Entretanto, seas pas trabara chegado ao p de
nos. O pai poz a mo sobre a mlnha cabega, for-
1 gou-me, por brando movimento, a erguer para elle
os olbos e disse com muita benevolencia :
Ento este o tilho do tamanqoeiro que te
dea am abbade e om guarda campestre ? Qae bo-
nitos olbos e que soberbos cabellos t E' urna lia-
da crianza.
Depois perguntou-me :
1 E tu oo sabes fallar ? Eoto- um rapaz Bao
e habilidoso como tu ha de ser mudo e sempre
mudo ? Da certo serla urna grande desgraca. Mas
porque choras, pequeo ? Quem ta fez mal ?
Nioguem, pap, disse a menina, suspirando ;
elle chora por nio poder fallar.
Ora pols, como elle ouve bem e j pode di-
zer o tea nome, nio lhe hade ser impossivel apren-
der a fallar. Qaem quizesee ter coa elle algum
trabalho... Mas estas Albos de aldedes delxam-
nos andar i merc da natureza' e claro que por
si s nio apreciara o valor da palavr.
Mas desde ento, meus irmos, os Polacos des-
terrados chegara a America, atravez do Occeaoo,
bem como os restos de ura navio naufrago. Os
Polacos da Prussia raesraa, debaixo da presso da
ama administrago parcial e odiosa, nao acham
mals meio de viver era seu slo natal, e coraega-
rara seu egresso, aps o egresso irlandez. Esto
dispersos em todo o oeste dos Estados-Unidos. Vera
procurar os bispos, poara se de joelhos, repetem
estas palavras : Poltsh pnest e chorara ; e o bispo
nio podendo coraprehende-los, nem responder-Ins
era satisfaze-los, acabou por chorar tambem. Re-
cebemos cartas urgente a este respeito do senhor
bispo da Detroit, e, depois, enviei um padra polaco
de nossa misso do Alto-Canad, para visita los
duas vezas por anno, at que fundassem urna
igreja.
Alm desta durante a retirada era que ti ve a
honra de pregar aos senhores curas da diocese, o
senhor bispo de Alton pedio-rae misionarlos para
os Polacos espalhados em Illinois.
Sena pois oscessari formar novos raissionarios,
seria mister eovia-los ao travez do occeano; porm
onde acharse ho meios para isso?
A Polonia, qae era at o presente nosso nico
recurso, a Poloaia que aju lou-aos at a preparar
oameaosos AllemSes e Balgis, qae quizeram unir-
se comise), e qua trabalhtm na diocese de Ha
ralton e tambera na Italia; a Polonia espoliada nao
pode, pelo momento, ajudar-nos a tornecer raissio-
narios para seus proprios tilhos dispersos palo vas
to continente americano.
Eato, meas irraaos, chorei a mu lamo ; ore
e levautei-rae resolato a dirigirme a vos. Tintra-
me alm disto animado a faze-lo, pois que corages
generosos desta paz, derara-ma sera zelo e de vo3
sicaridade por todas as calamidades da igreja.
Sei que. vosso santo bispo abraga em seu coragao
toda a igreja.
Achel esta disposigo em vossos sacerdotes. Nao
duvtd qua exista tambem era vosso corago.
De mais, onde encontrara eu oa America urna
oitra grande cidade catholica, cujos cid alaos des-
cendera corao vos, desses Francezes que nos cha-
mam seus irmos do norte e nos tratam como taes
desses Francezes que observara os inieres-es de
toda a Igreja como seus proprios interesses? A
quem poderia eu Jiriir como a vos estas pa avras:
compadecei-vos de mira, compadecei-vos da mim,
ao meaos vos, qaa sois meus amigos, perqu a raao
de Deus faz-se earregada sobre mim.
Por amor de Jasus Christo, ajadai-mo a salvar a
f destes horneas. Ajudai-me, afim da que estes
pobres desterrados, ouvindo a palavra da Deus era
sua propria lingua, cantando os cnticos pos que
aprendern) desde sua-infancia, tenhara a consola-
cao de pensar que nao perderam totalmente sua
patria.
Ajudai-me, segundo a boa voutade de vossos co-
. Os jornaes de Trieste npiiciaram am iacideote
siogular.
Em 12 de Janeiro, duas fragatas e urna corveta
italianas entraram inexperadamente no porto aus-
traco de Pola, para.se abrigarem do raau tempo e
penetraram aln da linha das fortlcagoes, sem
qae a isso se oppozessem as autoridades locaes.
No dia seguate, o almirante italiaoo expedio a
estas urna mensagem para informa-las que estava
prompto a salvar bandelra austraca, com tanto
qae tivesse a certeza qae corresponderan) as suas
salvas de anilheria ; afim de salvar a saa respon-
sabilidade, o coramaodante de Cola expedio um
tslegramraa a Vienna, d'onde recebea ordem para
corresponder s salvas. Portanto, no domingo 14,
os navios italianos, ao fazerem-se de vela para o
porto de Ancona, salvarara com vinte e um tlns
de paga, aos quaes responden tiro por tiro a forta-
I eza Fraoz.
isto parece um srnbo t
Por outro lado, aonuncla-se a organisago de
ura comboi de recreio de Veueza para Milio, nos
ltimos dias de entrado, com aatorsago das auto-
ridades de Veoeza.
Estes iacideates e alguns outros mostram, sem
duvida, qae se operou urna mudanca favorecida
pelos des armamentos de parte a parte as relagoes
indirectas da Austria cora a Italia; todavia eremos
que sao completamente infundados os boatos espa-
lhados da negociagoes territoriaes entre os dois
paizes.
Quando isto ouvi, nao pude ter mo em mim ;
maguava-me profundamente aquella aecusagao. Por
muitos e variados gestos e gritos inarticulados, for-
cejei por demonstrar ao pai de Rosa, que nao me
tinha faltado boa voatade e que durante mezes ti-
nha feito em verdade todos os esforgos possives
para tornar a repetir o nome de sua filna.
Olhou para mim espantado, mas cora evidente
benevolencia; os meus olhos faiscavam ; os meus
movimentos eram cheios de energa, e expliquei,
por signaes intelligveis, que de bom grado daria o
braco esquerdo pelo dom da palavra. Pegou-me
as raaos, refreou os mens gestos e obrigon-me a
aquietarme ; depois ouvi-o dizer a sua esposa :
Infeliz creanga, nao verdade ? E' um bello
menino e bem interessante I E a mal a dizer que
nao tem o joizo no sea lagar I Est muito enga-
ada. Este pequeo nio idiota ; pelo.contrario,
tem muita finura e illucidez.
Do olhar qae dirig ao pai de Rosa radiava por
certu bem sincero recoohecirnento, fBr qae notei
qae o commovi profundamente.
Sentia-me cabalmente consolado e cheio de novo
animo, e ia exprimir por mais signaas a minha
gratidao ; mas Rosa pegra-me outra vez na mi,
perguntando-me se lhe tinha feito mais figuras.
Contei rpidamente pelos dedos, abr os bragos
quanto pude e mostrei-lhe a chave para dar-lhe a
entender que tinha talhado muitas, um monte d'el-
las, e que estavam em casa fechadas.
Rosa, tomada de viva curiosidade, pedio com ins-
tancia aos pais que nio se demorassem mais, para
poder ver mals depressa os meus trabalhos. Elles
cederam ao sen desejo e passados alguns instantes
entrava o Sr. Pavelyn com a saa familia na nossa
humilde morada.
Sem dar aitengio aos comprimentos e ceremo-
nias de meas pas, corr commoda ; abr a gave-
ta qae continha o mea trabalho de seis mezes e
expaz todas as minbas figuras sobre a nossa mesa
grande.
Pai dispondo amas trac outras, em procisso,
como urna Caravana de horneas e animaes. Havia
Untas qae cobrirara toda a mesa, e nio me tica va
logar para ai minhas casinhas e igrejas.
Espanto crescente se lia no aspecto da menina,
e quando pode abranger com .om s volTOLda
olhos toda aquella riqueza e eu Iba fiz signa! de
qae todo aquilto lhe pertenela, comegou a dar pal-
mas e a saltar de contente. Es.te contentamento
deu-me felicidade extrema e fez-me crer que eu ti
aba feito coasas realmente admiraveis, pois que
alcangra tao completamente o Qra dos meus es-
forcos.
Expliquei largamente a Rosa, por mil signaos e
gestos, o qae represeatava cada urna das figuras.
Paxava as vaccas por cima da mesa, fazia galopar
os cavados, desempenhava o myster de pastor reu
niodo as ovelhas e guiaado-as ao redil, pnnfia as
aves nos telha< jas como se ellas mesmas tivessem para l voado.
Rosa, a brindo os seus grandes olbos azues, at.
tentava em silencio as scenas que eu desenvolva,
mas pareca completamente possaida de infantil
alegria. O mea coragao abysmava-se em am seo-
tiraento de felicidade infinita. Mens pas estavam
a conversar com os de Rosa, e meus irraaos e ir-
mes escutavam o que se dizia. Rosa e eu s de
nos nos oceupavamos; ella dava s attengo s
minbas figuras e ao qne eu fazla com ellas.
O saor borbalhava-me na fronte por cansa dos
esforgos que fazfa para dar-lhe a entender clara-
mente por signaes o que quera exprimir. Acaba-
va de moslrar-lhe um catador que matava urna
lebre e o cao que ia buscar a caga mona. Depois
flgurei um combate de dous soldados fazendo-os
arremeter espada am contra o outro. Peoso que
represente! essa sceoa de am modo muito vivo e
compreheasivel, por que Rosa, pareca agitada e
assustada ; mas quando um dos soldados foi derri-
bado pelo Inlmigo, e ao cahir deitou por trra urna
flleira de vaccas, cavallos, arvores e casas, solta-
mos ambos urna longa risada e Rosa dansoa de
coateate; para anda augmentar a sua alegria, puz-
me a correr e a saltar de redor da mesa, soltando
speros gritos. ^
O bar al lio qae faz araos cortn a coa versa dos
pais de Rosa com mea pai. Olharam para os com
satisfago, parecerra satisfeitissimos por verem
qae saa fllha se diverta sem nenhum acanharaen-
to e que estava corada de alegria.
O Sr. Pavelya ebegoa se i mesa, pegou em algu-
nas ds mals exquisitas oa talvez das melhores fi-
guras, examlnou-as com ar de bondade e menean-
do a cabega corao satisfeito. Depois bateu-rae no
hombro, dizendo :
Foste s tu qae Ooste isto ? Brava, men ra-
paz I Nao sao coasas perfeitas, mas ha aqoi alguma
coas, b certo espirito n'estes doas soldados d
poHcia qae dio grandes passadas com as suas per-
las compridis. E para qae toda esta legio de
horneas e d animaes T
Ura hornera chamado lliil, de South Graoville,
estado de Nova-York, aodava n'um dos dias da
semana passada caga dos esquilos.
O seu cao entrou n'uraa caverna e sahio ponco
depois cora o tocinho ensanguentado e dando de-
sesperados uivos.
Hill quiz ver o qua bavia na caverna.
Foi buscar um machado e entrou.
Teve de andar corcovado por espago de quinze
pos.
A esta distancia ule erguer todo o corpo.
Quiaze pes raais longa vio brilhar dons olhos na
sombra.
Dirigi a pona do cano d sua arma para aquel-
la ponto ; o cano ticou preso entre duas maxilas.
Uill fez fogo ; sallou urna raassa enorme ; com
urna machadada abateu-a logo.
Faltava tirar a peca de caga para (ora da caver-
na ; chamou, vieram era seu soccorro, tiraram o
animal para fora, e|reconbeceram, nao sem grande
susto, que era urna panthera de seis ps de com-
prido.
Hill triumpbou de to perigoso i ai raigo, mas ja-
ron que nunca mais tornara a entrar em caver-
nas.
rndiquei sua filba com o dedo.
Tudo isso para mim, meu pai, exelamou
Rosa. Ai, como eu hu de brincar cora tantas cou-
sas 1 Leo ha de ensinar-rae como devem ir urnas
atraz das outras, cada urna no seu lugar como es-
to agora.
Mas, Rosa, objectou o pai, para qne has de
deixar essa pobre crianca sem os seus brinquedos ?
Corr a' parede para pegar em om cestion da
vira, deitei n'elle as figuras e apresentei-o a* Rosa.
Ella besitava em acceilar o mea presente e olhava
para san pai como pergontando-lbe o que havia
de fazer. Eu previa ama recasa e trema de me*
do, mas ergu as naos com am ar tao supniioante
para os pais de Rosa, que chamaram criada, que
tinha ficado fra, e entregaram-lbe o cestinho qne
continha os meus trabalhos. Ergu os bragos ao
co em sigoal de alegria e dei nm grito de trium-
pho. t
O nosso seohorio ainda se demorn um ppuco a
fallar com meas pais acerca de Rosa e de mi.
Tudo o qae pude colher das suas palavras ditas
em voz baixa foi que sua fllha era de ama saude
delicada e que o ar dos campos lhe havia de fazer
bem.
Tambem exprimiam a satisfago qae sentiam
vendo Rosa, qne de ordinario se raostrava to poa-
co disposta para brincar, divertir sa com tanta von-
tade e animacao.
Depois o Sr. Pavelya pegou me na mo e date-
me com muita amabilidade:
Agora vamos embora, Leo; mas amanha,
por 1 hora da tarde, vai ao castello; Rosa tambera
tem qae te dar em troca das toas figuras. E' orna
coosa qae trouxemos da cidade para ti. Jactars
comnosco, e peders brincar e correr oom Rosa no
jardim. Adeas, peqaeno.
Leio, gritoa-afe Rosa, sahiodo, al amanbia I
Oh 1 como nos ha vemos de divertir I
Cabt em tremaras sobre ama eadeira. Cono t
eu havia de jantar no castello, na mesma mesa que
Rosal Sens pais testemunhavam-me unta amizade
e compaiio como ella I Eo, o mudo, ra preteri-
do a meas irmios minhas traas I Ama-
nhTt amanha t

\
V
1*1


:-


(Coittuftiar-M-ta.)
PSRSAHBUCO.-TYP. Dt M-.F-DE P. tjlWO
I
i


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID ETEU1SKQZ_YXVU6Y INGEST_TIME 2013-09-05T01:25:31Z PACKAGE AA00011611_10906
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES