Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:10905


This item is only available as the following downloads:


Full Text
1

- I

.



i
|v*%
' ,.--

*
-* ,,.-; ,T ;;.- '>-
ARHO XIII. HOMERO 49
i. 11 i ifc -.________________._________________.
Pr qiartel pg deitre dos 10 das do 1.' me;;......v
dem depois dos l.os lo das do comeco e dentro do qeartel .
forte ao correio oor tres mezes..............
5^fooo
6$ooo
75o
QUINTA FEIRA i DE MARCO DE 1866
Por anoo pago dentro de 1 odiasl.mez. .
Porte ao correio por un aino.........., .
. 19^ooo
3^ooo
DE PERNAMBUCO.
ENCARRBGADOS DA SUBSCRIPCAO DO NORTE
l'arahyba, o Sr. Antonio Alaxandrioo de Lima;
Natal, o Sr. Antonio Marques da Silva; Aracaty, o
Sr. A. de Lemos Braga; Cear, o Sr. J. Jos de
Olivcira ; Maranhao, o Sr. Joaqoim Marques
drigues; Para, os Srs. Geraido Antonio Alves d
Filhos; Amazonas, o Sr. Jeronymo da Costa.
ENCARREGADOS DA SUBSCRIPTO DO SUL
Alagoas, o Sr. Clandino Falco Das; Baha, o
Sr. Jos Martina Alves; Rio de Janeiro, a Sr. Jos
Ribeiro Gasparinlio.
PARTIDA DOS ESTAFETAS.
Olinda, Cabo, Escada e estagSes da via frrea at
Agoa Preta, todos os dias.
Ignarass e Goyanna as segundas e sextas reirs.
Ro- Santo Anto, Grvala, Bezerros, Bonito, Caruari,
Altinho, Garaohuns, Buique, S. Beuto, Boro
Conselbo. Aguas Bellas e Tacarat, as tergas
feiras.
Pao d'Alho, Nazareth, Llmoeiro, Brejo, Pesqneira
logazeira, Flores, Villa Baila, Cabrob, Boa Vis-
ta, Oaricury, salgneiio eEx, as qnartas
feiras.
|Serinhem, Rio Formoso,Tamandar, Una, Bar
reros, Agua Preta Pimenteras, as quintas
feiras.
AUDIENCIAS DOS TRIBUNAES DA CAPITAL,
Tribunal do commercio: segundas e quintas.
Relago : tercas e sbados is 10 horas.
Fazenda: quintas s 10 horas.
Julzo do commercio: segundas as 11 horas.
Dito de orphos: tercas e sextas s 10 horas.
Primeira rara do civel: tercas sextas ao mel
dia.
Segunda vara do civel: quartas sabbades a i
hora da Urde.
EPHEMER1DES DO MEZ DE MARCO.
i La cbla as 9 h., 33 m. e 16 s. da m.
9 Quarto ming. a 1 h., 33 m. 6 53 s. da t.
16 La nova as 7 h., 17 m. e 33 s. da t.
23 Quarto cresc. as 10 b., 44 m e 27 s. da m.
31 La cbeia as 2 ti., 12 m. e 22 s. da m.
DAS DA SEMANA.
|6. Segunda. S. Pedro Damiao b. c. e dout.
27. Terca. Ss.Anligono, Curso eBessasold. mm.
28. Qoa.ru. S. Romo ab.; S. Cereal m.
1. Quinta. Ss. Soitberto e Eudocio mm.
2. Sexta. Ss. Jovino, Basilio e Secundilla mm.
3. Sabbado. Ss. Hemeieno e Asterio rara.
4. Domingo. S. Casemiro rei; S. Lucio p.
PREAMAR DE HOJE.
Primeira as 4 horas e 30 m. da Urde.
Segunda as 4 horas e 54 minutos da manhaa.
PARTIDA DOS VAPORES COSTETROS.
Para o sul at Alagoas a 14 e 30; para O nona
at* a Granja a 7 e 2? de cada mez; para Fernan-
do nos dias 14 ios mezes de Janeiro, marco, nulo
jalho, setembro e noverobro.
ASSIGNA-SE
no Recife, na livraria da praca da Independencia
ns. 8, dos propietarios Manoel Figueiroa de Faria
& Filho.
PARTE OFFIGIAL
Expediente do dia 6 de fevereiro.
Ao Exm. presidente do Rio-Grande do Norte. I
Accuso a recepcao do offlcio que V. Exc. se serviu
dirigirme commuuicando que de conformidade
coni o disposto no aviso do ministerio do imperio
sob n. 234 e data de 11 de juoho de 1S63, concede-
ra trala dias de licenga com a respectiva congrua,
para tratar de negocios ecclesiasticos, ao vigario
da freguezia de Extremos, Targino Paulino de Car-
valtio, nao sendo eu previamente ouvido, ltenla a
distancia e a necessidade que allegara o mesmo
vigario.
- 21 -
Ao provedor da irmandade do Senhor Bom Jess
da Via-Sacra da igreja da Santa Cruz. Tendo
nos observado o esUdo edificante de aceio, em
que se acha a Igreja da Santa Cruz, confiada ao
zelo da confraria do Senhor Bom Jess da Via-
Sacra, de que Vmc. moli digno provedor, e de-
sejando animar cada vez mais o fervor da mesma,
e remunerar seus pledosos exforcos ; determina-
mos enriquecer aquella igreja cora a posse do SS.
Sacramento da Eacbaristia, fonte perenne de gra-
bas, thesouro inexbaurive! de misericordias.
Prevenimos a Vmc. que iremos para esse Qra na
o' feira prozima is 7 horas da manhaa celebrar
alli o santo sacricio da missa.
Esperando que essa Irmandade continuara' a
empregar o maior desvelo para conservar naquel-
ie templo a mesma decencia, que com tanto prazer
testemunbamos, autorizamos a que nos domingos
se exponba s seis boras da (arde a sacrosanta e
inmaculada hostia a' adorarlo dos fiis; e que
eom ella, depois de cantado o Tatttum ergo, se d
a bengo ao pavo.
- 22
Ao Exm. conselbeiro presidente da provincia.
O amigo palacio dos governadores em O inda foi
reconstruido, como V.Exc. sabe, para nelle estabe-
lecer-se a Faeuldade de Direito. AvulUda foi, se-
gundo consta, a despeza leita com o flm de aprevei-
Ur aquelle proprio nacional, cujas obras entretanto
ficaram por concluirse, principalmente as internas.
E nao so por isto, como por achar-se fechado e
quasi abandonado, depois da transferencia da Fa-
uldade para esta capital, o edificio tem sotlrido
consideravel deteriorago, que naturalmente aug-
mentar.
Nesus circunstancias, laclando en com as
maiores difficuldades para encontrar em Olinda
ama casa com as precisas aceommodacdes para
nella insultar um collegio que admita alguraas la-
ternas e externas, lembrome de recorrer aogo-
verno para que se sirva de ajudar-me neste inten-
to, pondo a' miaba disposigao aquelle edificio, que
sera' convenientemente reparado, melhorado e con-
servado, sem dispendio aigum dos cofres pblicos.
Escusado de mioha parte protestar que se o
governo, por qaalqaer motivo, vier mais tarde a
reclama-lo, nao pouparei sacrificios para cumprir
a obrigacao de desoccupa-lo pro rapta rae ote.
Olinda contm ama populagao nao pequea,
grande parle da qual mu destituida de meios
pecuniarios.
Uaia instituicao como a que tenho em vista, em-
bora realisada por emquanto em proporgSes mo-
destas, pode efficazmente auxiliar a igreja e o es-
tado no grande empenho de fornecer urna boa edu-
cago, principalmente a educago moral, a um
Exm. e Rvm. Sr.Tendo eu pedido exonerado
da comoDissao que por portara imperial de 23 de
junho de 1860 me foi confiada, de continuar a re-
ger a cadeira de theologia dogmtica do seminario
episcopal, era que havia sido jubilado por carta
imperial de 17 de fevereiro do raesmo anno, dig-
noa-se V. Exc. responderme era offlcio de 16 do
correte que, ap isar de reconhecer a relevancia
dos motivos por mira expostos, nao podia deixar de
insistir rouito para que eu continuasse a leccionar
a referida cadeira ao menos por alguos mezes,
para dest'arte attennar o pesar que Qca a V. Exc.
de nao poder coatar com a minha permanencia no
magisterio.
O honroso cooceito qae V. Exc. de miau faz, e
as expressdes benvolas que me dirige, ao passo
qae penhoram sobremaneira a miaba gratido, tor-
nam mais nteoso o seutiraent) qae rae resta, de
nao poder annuir aos desejes de V. Exc. Acredi-
te V. Exc. que nao posso : a minha saude armi-
ada por um lidar de 36 aoaos, e ama vida longo
tempo sedentaria, exige imperiosamente um trata-
ment, pel menos hygieoico, incompative! com o
exercicio activo do magisterio. Se isso nao fra,
assevero a V. Exc. qae Dio deixaria um ministe-
rio a qae me dediqaei desde a mocidade, e pelo
qual tenho a maior predilecto.
Confio, pois, em que V. Exc, apreciando devida-
mente o motivo relevante que autorisa o raen pr-
I cediroento, fara justica s minhas inteneoes e se
! dignar aceitar os meus protestos de consideracao
e respeito.
6 do crrante S. M. a rainha abri em pessoa o
stimo parlamento do seu reinado.
No discurso da corda disse essa augusta senhora
que dera o seu consentimento para o casamento da
sua ulna a princeza Helena com S. A. o principe
Cbrisliano d'Auguslemburg, esperaado qae o cu
abengoara esta uniao.
S. M. maoifestoa nessa occasiio o senlimento
que Ibe cansara o fallec meato do sea augusto (lo
el-rei Leopoldo, se bem qae esperasse ver prospe-
rar o povi belga mediante as ligoes que delxara
esse to sabio monarcha e as boas disposigSes do
sea successor.
Em relacSo as demais potencias extrangeiras,
declarou que se achava em paz com todas as na-
edes civilinadas, presenciando com a maior satisfa-
go a cessago da ioterrupeo das reiacoes polti-
cas entre a G raa-firetanha e o Brasil.
Mencionando a terminacho da guerra civil ame
ricana, S. M. britannica manifestou o seu cooleuu- poder do general Prado. A esta hora j o governo
navio de guerra, que demais sobjugara aqu a sua experiencia de 1831. A pena de morte foi pela
iripolaco; e oestas clrcumstancias temse suscita- segunda vez supprimida de tacto na Blgica I.
do a questo de haver a loglalerra faltado aos seus | < De direito oo poude anda ser supprimida.
deveres de neutralidad^ para cora a Hespanba. O Em Lisboa na sesso da cmara dos deputados de
raarquez de Molina, erobaixador da Hespanha nes- 9 fevereiro na discusso de projecto de resposta ao
U corte reclamou contra aquelle incidente que im- discurso da cora um deputado o Sr. Levy extra
porta ara grave mal para um dos belligerantes; nhou que no projecto de resposta, nao se achava
mas lord Clarendon sustenta que em relacao o Pe- um paragrapho que alladisse ao facto importanto-
ru a guerra nao esU' declarada entre essa repu- de significativo do projecto de aboligo da pena de;
blica e a Hespanha, pelo que o governo da rainha, morte apresentado na ultima sesso. O sea autor
nao tem anda deveres de neutralidade a cumprir; o Sr. Ayres de Gouvei renovou a iniciativa da'
neste estado qae fica o incidente alludido, cuja sua proposta de lei, que foi moilo applaudido;.
solugao sera' sempre Iludida, estoa disso coaven- maitos deputados tomaram a palavra no mesmo
cldo, pelo ministerio Britnico. sentido, e o ministro da justicia o Sr. Barjona de
Entretanto Mr. Albister, ministro de sua mages- Freitas, declarou que devendo aquella proposta
Ude calholica em Lima, acaba de ehegar a Baropa seguir os tramites legaes, a acompanharia por I
com toda a legago, por motivo da ioterrupeo das parte do governo, no seio das comraissoes para'
reiagoes polticas entre o Per e a Hespanha, sac- tal aboligo se toraasse um facto reflectldo, e nao
cesso qae teve lugar logo depois da accesso ao urna medida pedida pelas paixoes partidarias.
ment por esse sucesso que permettir a grande
repblica fazer desapparecer em breve os desas-
tres causados por essa immensa luta; pelo que
respeita ao coaflicto entre o governo de Washing-
ton e o de Londres acerca das red amagoes por
motivos das presas feitas pelos corsarios coofede-
rados, o di.curso da corda declara apenas qae o
governo da rainha apreseatar as cortes a corres-
pondencia havida sobre este assumpto.
A guerra entre o Chile e a Hespanha figura tam-
bem oaquelle documento, sendo que S. M. a rainha
declara haver offerecido, de acord com o impera-
Deas guarde a V. Exc. Rvma. Couvento de S. dor dos Francezes, os sous bons oficios nesse con-
Francisco de Olinda, 18 de fevereiro de 1866. -! fl'c'o, esperando conseguir condlcSes honrosas
Exm. eRvro. Sr. D. Maooel de Medeiros, blspo | Pa M*M Jp parles,
diocesano, do conselbo de S. M. ojlmperador Deao
Dr. Joaquira Francisco de Faria,
theologia do seminario.
lente jubilado de
EXTERIOR.
CORRESPONDENCIAS IM 1*1 \
RIO DE PBBSA3I1HJCIJ
LOXUKEW.
8 de fevereiro de *866.
Recebemos aqui a mala do Brasil a 3 do corren-
te, e por ella constou felizmente qne se ncram des-
vanecidas as esperanzas de um accordo qaalqaer
entre e Brasil e seus alliados de ama parte e o
presidente Lopes da outra ; pelo contrario tu Jo in
A revolugo da Jamaica e da Irlanda, a terrlvel
epidemia da eplsotia, e entre varias medidas a
propr a de um projecto de reforma eleitoral, figu-
rara aia ja na falla do thono, que em concluso
pede o concurso de ambas as cmaras no intuito
de bem protegerem os grandes interesses da
patria.
A grande vantagem deste succes.so foi neste paiz
a apparico da rainha, qae durante mais de qaatro
annos se conservara o urna grande reclaso, por
quanto os diversos tpicos da falla real nao eram
descoobecidos, nem vieram apreseotar novidade
alguma, mesmo o relativa a reforma eleitoral que
parece ficar no antigo estado.
O conde Rossell promette apresentar ama medi-
da a esse respeito, mas em qae termos o (ara
consa qae nao diz, pareceado assim nao querer
comprometerse difioilivamente; acrediU-se mes-
mo qae o primeiro ministro propor um projecto
qae nao satisfar a opioio da cmara, afim de que
dica seguodo alfirmara as correspondencias viadas
do Rio da Prata. que os alliados nunca traurao "'-veo.biad,Plar_Qm ?atro 'JBi.fE
com esse ebefe paraguayo, que. de mais parece ja {no .n<
desejoso de evaJir-se depois de haver laado n'um "rjr
abysrao o povo que governoa.
Algumas follas de Londres tem publicado qae
Lpez est trataodo de realisar a sua forte na parti-
cular com o liai de por-se era fuga, logo que tenba
perdido a derrr.deira esperanca de salvar a triste
cansa que defenda. Neste paiz se acredita qae esse
saceesso ter Drevemente lagar, agora qae o ejer-
cito ailiado toca as portas do Paraguay, acbaodo-
ao nao tomar com tudo a responsabilidade; esse
o expediente em virlude do qual o governo
viria a salvarse, pois assim nao faria qaeslo mi-
nisterial da grande medida sobre reforma elei-
toral.
Responden Jo ao discurso da corda, lord Derby
declarou que combater qualquer medida sobre
esse assumpto que nao esteja de acord com as oe-
de Lima devera' ter declarado a guerra a Bespa
nha, bem como celebrado urna alliaaca olensiva e
defensiva com o Chile; a visU do que parece exis-
tir de facto O estado de guerra entre a Hespanha e
as repblicas mencionadas o que deveria ter levado
o gabinete de Londres a ser mais escrupuloso
quanto a permissao que dera o Per de armar
nos portos inglezes um navio de guerra.
O ebefe de divisao Mendes, que succedera ao in-
feliz Pareja seguir de Valparaso para as libas
Chinchas com ama forte diviso no- intuito de dar
combate a esqoadra peauaoa, que todava nio en-
contrn.
A Hespanha tem mandado mutos reforcos para
o Pacifico, onde elevara' o numero dos seas navios
ao algarismo neeessario para combater com vanta-
gem as forcas inimigas.
Nao se coofirmou a captura da Domililia pela
esquadra chilena; parece pelo contrario que a
fragata hespanhola Berenguela dera caga ao vapor
chileno Independencia, qae estove a ponto de cahir
as mos do ioimigo.
O Chile esta entretanto fazeudo nos Estados-Uni-
dos armamentos navaes, e cora os reforcos do Per
e o armamento de corsarios tenciona ollt-recer s-1
ra resistencia a Hespanha.
E* ponira possivel que todos estes preparativos
venham a ser desnecessarios agora qae a Franca e
a Inglaterra offeceram os seus bons offlcios nesse
conflicto: e a Hespanha se mostra demais concilia-
dora, querendo apenas resalvar aerante o Chile o
seu amor proprio otlendido : veremos o resultado
desia negociacio diplomtica, em que os gagine-
tes de Londres e Pars se achara empenhados.
Portugal ser o primeiro paiz da Europa qne |
consagrara no seu cdigo a abohcao da pena de
morte pelos delictos polticos e por toda a especie
te crlmes.
Precisa porm tomar umcuojuoctode providen-
cias que substitaam a pena abolida. >
Depois da abertura do parlamento britannico, I
pelo seguate discurso, a cmara dos communs das
operacoes preliminares da conslituicao dessa as-
sembla:
Mylords e senhores:
E' com a maior satisfagan que recorro ao vos-
so auxilio, e a vossa opinio. Prestei reeeotemen-
te o mea coosentiraeoio ao casamento de minha
81 ha a princeza Helena com o principe Cbnstiano,
de Schleswig-Holestein Sonderbourg-Augustem-
bourg. Tenho a espe rauca de que esU umo pe-
der ser prospera e feliz. A morte de meu moto
amado lio o rei dos belgas magooume profunda-
mente.
< Tenho todava a maior confianca em que a
sabedorla de que elle dea prova durante o sea
reinado, ha de Inspirar o sea successor, e ga-
rantir a independencia e prosperidade da Bl-
gica.
As minhas reiacoes com as potencias estran-
geiras sao amigaveis e satisfatorias, e nao vejo ne-
nhum motivo para receiar a menor pertarbacao
da paz geral. A reuuio das esqaadras de Franca
e de Inglaterra, nos portos d'estes doos paiies
coatribulo para cimentar a amizade das doas na-
coes, e para provar ao mando o accordo araigavel
qae entre ellas existe no fnteresse da paz.
< Tenho visto com satisfaQao qae os Estados-
' unidos, depois do feliz destecho da seria lucia
que recobra m Pars e Londres aquelle respeito.
cessidades do paiz, se bem qae o seu desejo seja ; E' possivel pMs que ao tomar conta do governo
apoiar bona Bde qualquer projecto sensato que o | venba a modutor o estado de coasas que acaba de
se prximo do Passo del Patria onde *t Lope', ov,e7*da, rainha venlia a presentar. ser ereado pelo $eneral Prado, que alias wdeu a
com o sea exercito; o primeiro encontr ser pro-: A '' do tnron< unnimemente approvada influencia da revolucio.
vavelraeate decisivo a favor dos alliados, tanto em ambas as casas> Psto que a opposicao censu-, Era Lima o novo governo decretara a accasa<;ao
mais que a esqoadra encouracada do Brasil, posta- rasse ministerio por haver mandado a Jamaica dos ministros de Pezet, algons dos qaaes se acba-
da era Corrientes, ia apoiar as
cito.
operaedes do exer-
uraa coraraissao de inquerto, bem como por nao' vam j em prisao, esperaado a hora de serem jal
haver adoptado medidas mais adequadas para mi- gados,pelo supremo tribunal de justica da repu-
morar os terriveis effeitos da episoota que untos
. qnazes em Corrientes, Matto-Grosso e Uragaayana
de modo que a opiaio publica, longe de nos ser
contraste que
dos alliado3
seas alliados sobre o Paraguay
glaterra um effeito mui saiotar a bem do prestigio |
grande numero de meninas, que hoje mal podem: militar da alhanca da America do Sul e principal-
receber o eosioo das primeiras letras. mente da Brasil.
Assim cre o interpretar bem os sentiraeotosge- Lpez lera buscado espalhar aqui e eaa Fraoca
cerosos de V. Exc, esperaado que se dignara' de qQe os alliados tratara barbarameote os prisineiros
acolher o mea desejo mandando logo entregarme paraguayos, sabmeltendo-os at escravldol Mas
provisoriamente a casa alludida, e tirndome esta calumnia se acha completamente desfeita, sen-
desde ja' de um grande embaraco, alm de con- do cerlo uue se acredita no contrario, pois, as fo-
correr para ama obra de caridade e de vantagem ihas se tem rncarregado de narrar at evidencia
publica.
Se porm V. Exc. enteodesse que devia aguardar
ama deliberado definitiva do poder geral, eu ro'
garia a V. Exc, que neste caso, como tambera no
primeiro : bouvesse de levar' este objeclo ao co-
nheciraento do governo imperial, (avorecendo-me
com urna iaterveago mu valiosa, que saberei
agradecer profundamente. Prevaleco-me da op-
portunldade para renovar a V. Exc. os protestos de
minha subida estima e dislincta consideradlo.
24
Estando o coro da catheJral de Olioda sem sub-
chantre, e sendo muito neeessario haver quem, oc-
jpando este cargo, dirija a cauloria, nomeamos a
V. Rvma. subebantre da mesma cathedral; e con-
fiando em sea zelo qae camprir bem e fielmente
com as obriga$5es inherentes a este emprego Ihe
recomraendamos, que mande tirar a competente
proviso, pdenlo oo obstante entrar em ejerci-
cio logo que este receber.
A noticia de ura completo triumpho do Brasil e preuzos ,em cauSado na Inglaterra.
i Mas o conde Russell buscou justificar a conducta
do governo era arabos os casos, coasegtiindo fioai-
O Per nao quer todava cumprir as condiedes que porUoto tempo os experimentou, se oceupam
estipuladas pelo tratado Vi vaneo-Pareja e este esta- j sabiamente em reparar os desastres da guerra
do de cousas levar a Hespanha a fazerlbe a guer- civil.
ra, embora baja aplanado a sua difficuldade com o | i A abolico da escravido um acontec ment
Chile. | que aitrahe cordeaes sympathias e as felicitages
O general Castilla que depois da sahida de Pezet i da Inglaterra, que foi sempre a primeira a de-
regressara a Lima, era o principal instigador da' monstrar o horror qae Ihe.iaspirava ama institai-
opposici/aquella cooveogo; mas boje se mostra cao que revolta todo o senlimento de justica e de
um poaeo malerado, a vista dos bons conselhos bamaoidade.
< Tambera tenho o prazer de vos informar qae
os esforcos e a perseveran^ da minha esquadra
tem redazido o trafico dos. negros na costa occiden-
tal da frica proporgoes muito limitadas.
< Entre o meu governo e o dos EsUdos-Unidos
trocou-se ama correspondencia relativamente aos
vexames feitos ao commercio americano pelos
cruzadores que arvoraram a bandelra confede-
rada. Ha de ser-vos presente copia d'essa corres-
pondencia.
< O restabelecimenlo das reiacoes diplomticas
cora o Brasil causou-me a mais viva satisfago, e
mente fazer passar o discurso real na sua antga.
Eotretaoto a opposigo se prepara para atacar
novameote o ministerio na questo da Jamaica,
logo que sir Henry Storks houver apresentado o
relato/ io de que foi encarregado pelo governo da
rainha.
Os successos da Irlanda ho de igualmente mi-
as barbaridades com.nettidas por Lpez e seus st' ?lslrar lnn,a "* debate mas ness particu-
1 lar os partidos nao deixarao de estigraatisar urna
excitacao poltica que tem por fim atacar a autori-
dade real, involvendo com isso a religto e a
propriedade.
Nos circuios polticos desta capital, existe toda-
va a impresso de que o ministerio Kussell-Glads-
tonp, vira' a cahir por motivo da quesUo da refor-
ma perante a opposicSo que Ihe fara' o partido ul-
tra liberal Mr. Bright, mosira-se disposto a susten-
tar o seu programla, e como nao entrou para o |
desfavorayel, aprsenla sempre o
existe entre as praticas humanitarias
com as selyagerias dos Paraguayos.
Os agen es de Lpez procuram agora induzir o
governo m lez a actuar contra nos, denunciando
nos por m< nvo das construcc5es navaes da ac-
qaisigo de armamentos que aqui temos realisado
mas o gabi
de observan
por provad.
ceio que venhamos a soffrer por esse lado.
De mais o Brasil tem quasi completado os seas
armamentos! sendo que praticamente nao viria a
soffrer rauJo de qualquer rigor qae na actaalidade
a Inglaterra buscasse exercer sobre nos.
Apezar porm das boas noticias recebidas do
theatro da guerra, o prego dos nossos fondos se
blica.
Nesse paiz a excitacao contra a Hespanha era
grande, havendo tido lugar Ja' numerosos alista-
meotos de voluntarios que iam juntarse as torgas reconheci com prazer que os bons offlcios do raen
do Chile. I adiado o rei de Portugal coalribnirara esseucial-
As noticias dos Estados-Unidos sao cheias do mente para se ehegar a este feliz resultado.
maior interesse. < Tenho de lamentar o rorapimento da paz en-
Um corpo de aventureiros Americaaos atraves- tre a Hespanha e o Chlll. Os bons offlcios do meu
sara o Rio Grande, tomando posse de Bagdad, villa governo, de accordo com o do imperador dos fran-
Mexicana, qae foi logo evacuada pela pequea for-; cezes, foram acceitos pela Hdspaoha,e o mea maior
(a imperial que alli se achava; entretanto o gover- desejo que as causas de desintelligencia possam
no de Washington acaba de condemnar a conducta desapparecer de urna maneira honrosa para ambos
de Crawford, chefe desses aventureiros bem como os paizes.
a do general Weilzel, quo permiltio a um corpo I < as negoeacoes, de ha muito pendentes no
federal marchar sobre esse mesmo ponto com o Japo, teem sido cooduzidas com a maior habili-
pretexto de ir alli proteger os subditos Americanos | dade pelo meu ministro n'aquelle paiz, e com a
cujas vidas e propiedades se achavam ameagadas.; cooperaga dos representantes de meus alliados (o-
Este expediento do presidente Johnson tem tran-; rara resolvios de modo que mereceu a minha ap-
quillisado um pouco os espirito-, mas nem por isso provaco.
desvanece os recelos de ama futura complicado j < Os tratados que existem foram ratitk. -los pelo
entre a Uniao e o Mxico. mikado; estipulou-.se que as leis do paiz seriam
Mr. Cbandler propozera no con^resso qae o go-1 revistas n'um seotido favoravel ao commercio, e
lul> rtj i ,,irq. co hom nnA dosninsn iar o seu programla, e corao nao enirou para o n. uu.umoi |huvxii w uw >"", t, v
' rJntrT?'n,L nI? Isn lem dado Ministerio Russell, nao querera talvez, fazer novas veroo federal rompesse suas relagSes polticas com que a indemnisagao devida, segundo as disposicoes
.^5^^^rtniM^^!<"ee89i por outro lado, o partido conservador I a loglalerra, por este oo haver accedido as recia- \ do cooveoio de outubro de 1864, fossem pontual-
s essa> uenuncias, ae son que uaore ,,_,,. .. ', ... ,., ,. .:_ marital fnilprasi nrnvaniMni rtas npt>sas feias ne-: mente executadas.
eutende qu b paiz nao est' habilitado para acei- raagoes federan provenientes das presas feitas pe
tar a proposta de Mr. Bright, do qae resalta achar-
se o governo entre doas fgos, sendo demais que
Lord Russel nao podera' sem ignominia deixar de
exprimir mais ou menos, quaes sao as vistas do
Governo acerca de um ponto que desde muito lem-
po interessa vivamente a nago inteira. Nestas cir
mente executadas.
los corsarios confederados; o congresso nao loma-1 < Conclu um tralado de commercio com a Aos-
ra, porm, resolugao alguma a esse respeito. O tria, o qual, segundo espero, ha de inaugurar para
presidente Johnston que estivera indispesto, acha-
va-se reslabelecido a 2o de Janeiro, data destas no-
ticias.
Ao Rvm. vigario da Boa-Vista.-Autorisaraos a mantem dupeciado, provavelmente por que a praga camstancias se o ministerio nao poder contar com
V. Rvma.e Ihe reeoramendamos que, depois de ca-: de Loodres receia que aotes da conclaso da goer- um desses dous lados, vira' a correr o risco de
perderse; embora nada Indique por emquanto
quem vira' a sucesseder-lbe, podendo todava ser
lord Derby (conservador) ou Gladotone (liberal)
DIARIO DE PERNAMBUCO.
lado o Miserere, antes dos sermdes quaresmaes ra tendamos de contrabir aqui ura novo erapres-
que lera lugar nessa matriz nos domingos, d V. timo. i
Rvma. a bengo cora o SS. Sacramento, e recite Os nossos fundos de 4 1|2 Oin de 1858 e 1860 fi-
alternadamente rom os leis os inclusos versculos, cara de 6I a|67, e os de 6 0i0, de 1863 a 74 Ift, Que hoje se apresenu como chefe de um novo par Europa receberaos ca Jo"* '
avisando os que por cada vez que os recitarem lu- [slo cora mais de 1 l|l de descont por estar J l'do "' avaogado do que era o whxg, sob lord at 5, de Parsi al 7, de Londres^ at
craro 400 das de indulgencia. a vencerse o dividendo do primeiro semestre. O ^L"16!51011- ... _.
-26- emprestimo de Buenos-Ayres nao teve cotago,I *g&, anan(=ia a.e s,r Cbarle^>*"& J?.1:
AoExm. conselbeiro presideute da provincia.- como j tive occasio de referir ; foi apenas toma- nist da india, sera proxiraameute substiluido pelo
Levo ao cooheclmento de V. Exc. que no dia 22 do parte em listas particulares, as quaes fluoram conde de Grev. R|P0U- O tnarquez^de Harli
do correte foi collado o Rvd. conego de meia pre
benda Joaqoim Ferreira dos Santos, em urna cadei-
ra de prebenda ioteira. para cujo beneficio tora
apresentado por S. M. Imperial por decreto de 23
4( dezembro do anno passado.
De igual theor sobre a collago do Rvd. Ignacio
Antonio Lobo, em ama cadeira de meia prebenda
da cathedral de Olinda.
Ao Rvm. dlo da cathedral. -Scen ti (leamos a V.
S. qoe no da 22 do correte foi collado o Rvd. co-'
neg de meia prebenda Joaqoim Ferreira dos San-
tos, ero ama cadeira de prebenda ioteira, para qoe
fdra apreseotado por decreto de 23 de dezembro'
do anoo passado.
De igoal theor sobre a collago do Rvd. Ignacio
Antonio Lobo, era ama cadeira de meia prebenda.
Porua.Tendo nos sido informados de qoe o
Divino Sacramento oa Eucbaristia se achava em
estado pouco conveniente na Igreja de S. Pedro dos
Clrigos desta cidade do Recife, tomos por nos mes-
mo verificar este facto, e com a mais profunda dor
em oossa alma observamos qoe naqoelle templo se
cooservava a Sacrosanta Hostia com a maior in-
decencia e abaodooo, sera urna alampada, ou se-
quer lamparina, em ara tabernculo despido de
um veo decente, em urna pixide pouco aceiada,
sobre um corporal immundo, dilacerado pelas tra-
gas e coberto de imraenso p e telas de aranhas
os nomes de Barlng e Hopo que foram os contrata- sub-secretarlo de estado dos negocios da guerra,
os6 0|o de Buenos-Ayres subsi.tu.ra
dores def sa operago
esto de 86 a 88.
Os consolidados inglezes ncam a 86 7|8 e 87.,
Portuga(!zes;3 0(0 45 l|2. Hespanhes 3 0|0 a 40
e 41. Mexicanos 3 Oto 20 3|4. Sardos 5 Oo 71 a i
73. Peruanos o 0|fj 68 e 70. Italianos 5 0|0 61 >
3|4. Chileoos 6 Ojo de 98 e 100. I
Algodad de Peroarabuco fio colado de 19 d. 1|21
a 21 d. por Jibra. Dito do Maranhao a 20 d. 3|4. j
E dito de Macei e da Baha a 19 d. 1|2 por libra.
Pao
lord Grey eomo ministro da guerra.
Mr. SUosfeld sera' comeado sub-secretario de es-
tado, no departamento da lodia; e Mr. Monselr
substituir' como viee-presidente do ministerio do
commercio, a Mr. Goischeu que acaba de tomar
posse do seu aovo logar de ministro do Ducado de
Laacaster. ,
Depois da ceremonia da abertura do Parlamento
S. M. a Raioha retiroa-se novameote de Loodres, e
ora em Wiodsor, ora em Os borne, esse angosta se-
nhora, despachara' com os seos ministros os neg-
Cacar do Brasil de 59 ?. a 63 s. per r.wt. >.-.
Brasil de 60 a 70 s. por tooelada. Assucar brao- sPu.bl,C0S- *.a Magestade Britnica., acaba de
co de Peroarabaco e da Parahiba de 20 s. a 24 s. "ceb0enr'(e? aadienc'a Pr,,oolar? ? ,barao,l P n
li*nerrwt dito da lUhia a 24 cvK Couros do enviado extraordinario e ministro plenipoten-
mLdS Rio 6dle 8 d 1.2 SriSr salgados ciar"> d imperador do Brasil; de sorte que agora
do Km Grande\Vd SVoor lbr M acnitn dil"""vamente resubelecldas as rea-
"oZS^mZ'SSL quiozeoa foi o faImperio e a Gra-Bretaa ha. O baro
seguinle : de Pernamboco Ciara (22) a Liverpool ; i do(.^niedofl'T *J? *}* a Ie8aao> *oma ja re"
do Para Fhrist (22) a Laerpool; do Maranhao Isis dM SL?!i2ff i. ,
.23) a Liverpool; de Pernamboco Eila Bruce (23) Nejla ultima qulnzena de impren
a Liverpool ? da Parahiba eSSM (25) a Livero., ^ ^^rX^T, fB ^S^SS
de Santos Fortutia (26) a Cowes ; da Babia Sei'a
isa se tem oc-
vhine 27; a Blverpool; e de Peroambuco Mes-
matles (2) a Liverpool.
De Inglaterra seguiram para o Brasil os seguio-
tes de Liverpool Anm< Williams (23) para o Mara-
nhao -, de Liverpool Repler (23) para a Babia : de
entre a Inglaterra e a Hespanha e o Chile; pug
naodo pelo governo hespaabol em razo do equ-
pamelo 003 portos inglezes de varios navios de
guerra destloados ao Pera' e to Chile, com qoem
a Hspanha se acba jm guerra.
Essas folhas ex^m qae o governo da rainha
aquelle imperio os beneficios devidos a exteosao do
commercio, e promover grandes vantagens para
ambos os paizes.
< Os deploraveis acontecimentos saccedidos na
Jamaica ebrigam-me a mandar proceder a ura in-
querto imparcial, e para manter a antoridade
{ emquanto continua esse inquerto nomeel governa-
: dor da liba, e commaodante em ebefe do exercito
Pelo vapor ioglez Douro, chegado hootem da da Jamaica, um dos meas officiaes mais distioctos.
de Haraburgo Aggregaei-lhe doas commissarios to habis como
8, do Porto intelligentes, que o bao de auxiliar para eooheeer
at 11 e de Lisboa at 13 do passado. | das causas e dos pormenores da ultima sobleoagao,
O senado belga regeitou por 33 votos contra 25, {assim como para examinar as medidas adoptadas
o projecto de abolico da pena de morte, a maioria' para a reprimir.
foi nicamente de 8 votos; esperamos porm que A legislatura da Jamaica propoz qae se sobs-
noutra sesso seja este projecto novamente apre-! titaisse a anliga coostitoigSo poltica da ilha, por
seotado, a qoe as ideas humanitarias techara all ama nova forma de goveroo; a este respeito ser
feito mais progressos. | submetlido ura bil vossa approvagao. Doas do-
Ura jornal belga publica nm artigo com a epi-1 comentos relativos a este negocio servos-bo tam-
graphe. seguale; Leopoldo lea pena de morte;. bem apreseoudos; o mesmo aoootecera com os
Neste artigo noiavel d qae longa serle de bo- documentos relativos ao estado actaal da Nova Is-
raens ''"'stres qoe se tem pronunciado contra a | landia. Dei ordem para regressarem a Inglaterra
pena > morte se pode accrescenlar o nome do! a maior parte das (oreas regulares, que se empre-
fuodador da dynastia belga, do re venerando caja gavam n'aqaella colonia.
memoria ha de viver eternamente gravado no co-
ra gao de lodosos belgas,de Leopoldo I.
Ligo o maior interesse aos acontecimentos qoe
se passam as possessoes inglezas da America do
. Qaando pela primeira vea, continua o allodi- Norte, e desejo a maior intimidado entre as diver
do jornal, visitn as no.-sas provincias, alguns das! sas provincias d'aquelle paiz, intimidado a qoe dou
depois de ter tomado posse do throoo, Leopoldo de-1 a maior impor lancia.
morou-se por alguos instantes na cidade de Too-1 Vi com a maior dor orna epidemia terrivel
gress. Foi no dia 1.* de agosto de 1831. Urna | dlsimar, durante alguns mezes, os gados na Gra-
desgragada mulher acaba va de ser conderanada ^BreUoba, e fe com o mais profuodo pezar, e coro
morte pelo crime de iofaotecidlo. a-roais sincera sympathia pelos qoe tem soffrdo,
No discurso que o presidente do collegio do qae soabe das perdas causadas por essa epide-
Regente de Tongress, diriga ao re, pedlo-lhe o ma n'um grande numero de condados e de dis-
perdo por aquella infeliz, que collooada entre j trictos.
os de veres de mi e nm senlimento exagerado de \ > Vejo comtndo, comprazer, que at agora, peto
honra, levantava a mo desvairada sobre o eote qae, menos a Irlanda, e ama grande parle da Escossi,
acabava de dar luz d teem sido poupados pelo fisgello; e espero que em
Sinto-' coosejuencia das precaug5es que a experleocia
terrads:
ando prova exuberante de que alli jazla ha longo Londres Roster (24) para a Babia ; de Gravesend satisfaga todos os sea deveres, como potencia neo- der a sua applicagao. A culpada

lempo III___
Determinamos, por amor dos nossos deveres pas-
toraes, e por amor de Jess Sacramentado, que
resolvemos real, verdadeira e substancial mente
presente oas Partcula, qae all esUo sacrilega-
mente desprezadas, prohibir, que se conserve d'ora
em diante na igreja de S. Pedro dos. Clrigos do
Recife o SS. Sacramento da*Eocharistia.
Blatone (26) para Pernamboco ; de Liverpool Lafa
Rooh (24) para Santos : de Liverpool Hermione (25)
para Peroambuco
para Peroambuco ,
(26) para Pernamboco ; de Liverpool ( 26 ) Apphia
para o Rio Gfaode ; e de Qaeenstown Sarah (27)
para o Rio Grande.
O banco de Inglaterra mantem o sen descont a
E mandamos ao Rvd. parocho de Saoto Antonio g 0|(, se bem que haja descontado regularmente
do Recife, que amanbaa v de nossa parte dita armas de primeira qoalidade a 90 dial pela Uxa
igreja, e celebrando o santo sacrificio, da mlssa, de 7 IiSOjo-
consuma as sagradas Fomtito all exisieotes, e em' ) dia 1* do torrente reanlo-se effectivamenle a
Ira, impedindo qoaesqoer armamentos; do mesmo
modo qae os satisfez por occasiio da guerra dos
de Liverpool Constante ( 25') Estados-Unidos, e sem qae seja preciso a requisi-
de Portsmcuth Jean Baptute gao do gabinete de Madrid. Mas, estara' este go-
verno disposto a ouvir semelhaote dootrlna, qaan-
do da execogo a risca desses principios resoltarla
eveotualmeole um gravamem para o commercio e
parla iodustria da Gra-Bretanba ? O gabinete de
Loodres sabe de mais qoe a Hesptnba reclamarla
debalde, porque nao poderia apelar como os Esta-
dos-Uaoidos faria, as suas represenugSes com
forea bastante para intimidar o goveroo da rainha.
no futuro.
elevaes a vossa voz, ha de obter o perdi. As ordens qae deram os lordes do mea conse-
Dorante os qaatro primeiros annos do novo Iho privado, em virtode dos poderes qae ibes estao
.rin nQn h m.n /.na ra ranmvova m confiados or lei. nara prevenir a propagacao da
favor de quem |
t
nosso nome vede ao Rvd. provedor da irmandade cmara dos communs para proceder a venfieaco Essas qaeixas da imprem i ingleza, teem proce-
a_____ .. ..!.-* -- t_.i- a?.. ___ i ... _^_..- a^ -^. .nn ^.A^:jn.e* AiArt il'iimn raAQAIa Mmnia Jn wma nk AMAAnan .
fazer renova-las, visto qoe jamis a dita igreja dos seas poderes, ooroeanjp paia seu presdanle
merecedora de um thesouro to precioso, eroqaaoto Mr. Denisoo, que j o (ora da cmara cajo
estiver sob direcglo to pouco amorosa para com' expiroa em julho do anoo prolimo passad*
o unignito filho de Deas Sacramentado. Constituida a mesa e verificados os poderes, a
im I cateara foi jalgidi legalmenie coostltalda. t no dia
dido d'uia recente compra de nm navio eocoura-
gado, que Pera' acaba de farer aqui a Mr Lairol
cooetrwtor-naval o memo queeonstrtfra para
o governo dos confderadfli o Atahona, o outros.
O fPTffW brtiaBlco o|o jj.oppoi. a.'.jahlda deje
*
reioado a pena de morte, qoe o rei reprorava em
termos to enrgicos; nao foi nma nica vex ap-
pilcada na Blgica. Tornon-se neeessarla orna de-
ploravel presso do parlamento para impedir qae
o governo prosegoisse nesta grande e fecunda ex-
periencia, qae havia erapreheudido de accordo com
o sentimento e votos de Leopoldo I.
i Rei constitocional, primeiro qae todo Leopoldo
ceden, mas bem sabido o cuidado e atteogao com
qae examnava os recursos de perdo dos coodera-
nados mortt; com qoe hesiUcSo e repugoaucia
deixava qoe a justiga segaisse o sea curso.
a Nos ltimos annos da sua gloriosa existencia,
em presenea do immeato progresso qne fazi na
opiniao publica a causa da abolico da pena de mor
confiados por le, para prevenir a propagagao
enfermidade, ser-vos-bo presentes, chamndose a
vossa atteogao para a conveoieocia de ama emen-
da as leis relativas a am assampto qae affecta to
profundamente os interesses do mea povo.
Seahores da cmara dos communs; dei ordem
para que as contas das despezas de anno prximo
vos sejam presentes; porm preparadas com a le-
gitima considerago pela ecooomia, e cora as con-
digSes qoe devem assegorar a conservarn do ser-
vico publico. ...
c A sitoaco commercial mullo satisfactoria.
Mylords e sephores, da cantara tos com-
muns. ,
t'qja poasplrago, igualmente subversiva da
t, Leopoldo I uve a satisfagan de poder renovar a aatorida^, da propriedade e d.a relljlio, desap
provada e coodemnada igualmente por todo aqoel-
les.qoe se ioteressam pela susteutago desses pon-
tos primordiaes sem distinego de classes e de
creoga?, raanifestou-se desgragadamente na Ir-
landa.
Foi sufciente para a reprimir o poder consti-
tucional dos tribunaes e a antoridade da lei man-
teve-se firme e imparciatmeote.
< Sera' sabmettido vossa approvagao am bil
acerca do relalono da commisso real oomeada pa-
ra estad a r a questo da pena capital. Dei ordem
para vos sereno presentes differentes projecto pa-
ra emendar e consolidar a lei relativa a barcaro-
las, e para obter os melhorameotos que essa lei
exiga.
Tambera vos sero submettldas medidas para
extinguir o systema de crdito publico as secgdes
das receitas e despezas, qne at agora nao tem si-
do tocadas, e para emendar as provisdes da lei a
respeito de alguraas cathegorias de pensoes le-
gaes. _
Nao deixara* de se chamar a vossa atteogao
acerca da questo dos juramentos prestados pelos
membros do parlamento afim de evitar declaragoes
inuteis, e impedir distinegoes lamentaveis entre
os membros, que perlencem a religiSes differen-
tes, sobre difiranles pontos de legislago.
< Dei ordem para que vos fossem fornecldas ins-
trueges relativamente ao direito de voto na elei-
go de raembro do parlamento para os condados,
cidades e aldelas.
i Qoando estiverem completas as ioformagdes
sera' chamada a attengao do parlamento, sobre o
resaltado que se obtiver com o proposito de melbo-
rar as leis qae regem o direito de voto na eleigo
dos membros da cmara dos communs de manei-
ra que se fortiflquem as oossas iostituigSes livres,
e se assegure o bem estar publico.
< Nessas deliberagdes, assim como em todas as
outras, fago constantemente votos ao co para que
a bengo de Deas todo poderoso possa iospirar-vos
de maneira que se assegura a feiicidade do meu
povo.
Depois da morte do principe Alberto, foi a pri-
meira vez que a raioha Victoria, assistio abertu-
ra da sesso do parlameoto britannico, fatendo le-
tura deste discurso qae sem se affastar das vulga-
ridades, deixa de p, oa passa ligeramente todas
as questoes ioternas, conservando o carcter de
indiciso da poltica seguida pelo gabinete Rossell.
Na resposta ao discurso da corda a cmara re-
geitou por 346 votos contra 25 a emeoda proposta
por ara memoro daqaella cmara, lastimando os-
acontecimentos da Irlanda, e confirmando o dever
do governo de examinar e sopprlmir as causas da-
quelles acontecimentos.
No cooselho de ministros qae se reuni no dia
3 de fevereiro sob a presidencia da ra nha Victo-
ria, decidlo-se qoe se Ozesse urna proclamagao de-
clarando que a Inglaterra teociooa guardar a mais
completa neutralidade oa guerra qoe acaba de re-
bentar entre a Hespanha e o Chile.
A sitoago da Irlanda nao pode deixar de cha-
mar a attengao do parlamento, pois qne se falla em
estabeleeer o estado de sillo em todo aquelle rei-
no o que deixa ver que o governo ingles recela
seriameote o movlmeoto fenUno. Bii-se qoe o go-
veroo pedir a cmara a saspeosio de habeos cor-
pus, e fallase tambem de nm bil qae teoha por
m modificar oa Irlanda o direito de propriedade
e o estado da igreja.
Apezar dos joroaes francezes dizerem que Mr.
Stepheos, um dos cheles do partido pheoiaoo, r-
landez, passela todos os das era Pars no boule-
vard dos Italianos, a polica irhmdeza mostra-se in-
cangavel na sua apprehenso e todos os dias se
affixam as esquinas das roasede Doblio nevos
baodos, olferceodo mil libras depremio a qoem
entregar aquelle conspirador autoridade.
A imprensa fraoeeza esgmaiisa acremente esla
corrupgo to cyoicameme declarada, e aecrescen-
ta que se a loglaterra nao fosse to exclusivista e
tao tyraooica com os Iciaodezes, a conspiragao dos
feolaoos oo existira,, ou nao tomara proporgoes
to assustadoras.
Assegura-se que o conde lord Joba Russell he-
s 10u em apresentar o bil da reforma eleitoral oa
poz era adiameoto esta questo para depois das fe-
rias da paseboa. Desta queslo depende provavel-
mente a sorte do gabinete Russell.. A opposigo
tory forte e com pacta, receaodo-se qae ella aug-
mente aioda mais com alguos membros eleilos sob
a influencia pessoal do fallecido lord Palmerston, e
que manifestou poocas sympathias a respeito da
oova organisacao ministerial. Tudo aoouncia pois
urna lucta muito encaminada, soppondo-se desde
j qae os conservadores aproveilaro a occasio
para tenjarem ara assalto ao poder, que perdram
ba seis annos, qaando rebeatoa a guerra da Italia.
Eoltetanto o moviraeoto reformador todos os
dias se deseovolve mais activamente, e, por em-
quanto, todas as probabilidades sao a favor de lord
Rossell e do Sr. Gladstoou, e essas probabilidades
ho de augmentar, se por ventura o gabinete apre-
seotar. como tem promettido o presidente do con-
selbo, orna reforma eleitoral qae satisfaga a opinio
publica.
Os negocios da Jamaica ho, de certo, de recla-
mar vivos debales no parlamento, quando se apre-
sentar o relatorio da commisso de inquerto.
Diz-se tambem que o governo pensa em propor
medidas para combater o progresso da epizootia
qae em Inglaterra tem lomado proporges to gra
ves, qae coraeca a affectar as coodicoes essenciaes
da vida e da popalaglo.
Acaba de occorrer no Per om incidente di-
plomtico, bstente ioteressaote. Qaando o gene-
ral Canseco se encarregoo dos negocios da rep-
blica, depois da ultima revolugio, decreten a aecu-
sago de todos os mioistros do general Pezet, que
acabava de ser vencido, e de todos os membros do
anterior governo.
Esta medida odiosa produzio geralmente no paiz
ama impresso muito desfavoravel. Entretanto
quasi todos os ministros perseguidos conseguirn,
fugir embarcando em Callao, a bordo de navios es-
trangelros. Tres delles porm oo poderam sabir
de Lima, e procoraram evitar a morte que Jolga-
vara certa, refugiaodo-se ao coosalado geral de
Franga, cora as tres familias. O general Canseco,
porm, sd foOtres dias presidente, sendo vencido
pelo coronel Prado; mas este* looge de revogar a
ordem de sen antecessor, determinou ao Dr. Pa-
cheo, ministro dos negocios estrangeiros, que re-
clamasse do consul-geral de Franc* a entrega da-
quelles funecionarios. O consul-geral francez recu-
son immediatamente, e at 25 de dezembro oltimo
achava-se o negocio nestes termos, sendo, porm,
de presumir qoe o coronel Prado nao querera com
a sua assislencia|crear um cooftietc oora a Franga.
O actaal imperador da China, aeompanhado
pela sua corte e de moitos fmulos, par-io para as-
sistir a's exequias qae deviara ter lugar por occa-
sio da fnangurago do mausoleo mandado cons-
truir por sua ordem para guardar os restos mor
taes de seu pai o imperador Hieog-FeDg. O impe-
rador do celeste imperio navia chegado a Jenol em
Moogolfa, e era esperado na capital nos, nos de de-
zembro ultimo. Tioba sido aoorapanhado nesta di-
gresso por perte de trluU mil pessoas.
. Noticias de Shoogoe de 26 de dezembro di-
aera qae o Japo oppoe duvidas a' satisfago do
tratado feito pelo Mikado.
Dizem mais que em conseqaeneia das enrgicas
reclamacoes (orpaaladas pela legagao fraacexa con-
tra a China, a corte de Pekio mandara prender os
individuos implicados no assasslaato de um miilio-
nario franeex.
O esubelecimeoto coocedido a' Fraoca oas
de Chefon j esU cooclaido, e contera Importante?

i



"w.
niarl* te PerMambaeo Quiaa letra f ie Mareo de 1866.
=
=
depsitos. Chegara a Kangae ama crvela impe-
rial procedente ds Sangon aanuaouotj a vTSIB <0
contra-almirante Rjce, novo ciiefa da diviso na-
val fraocea a>* snrss da.Gbjoa e do Japao.
Confirmase a noticia da tomada da cidade
mexicana Btgteey as margens'doR d-Graade pe
las tropas dos Estados Unidos da America. Urna
brea de soldados feieraes (de ctV) havia invadido
a fronteira mexicana e tomado Bigdad, cipiunin-
do a guaro-gao iinperla'i-ta ; Q-.aodo prlsioneros
qaatroceotos Mejicanos e Modo appreaeodidas
qoatro pegas da arliltiaria -, dix-se que a' te-tadeste
moviraento se achava o general Crawford, que, se-
?;aodo se affirma, nio eslava a's ordens do goveroo
ederal, desde o primeiro licanceameuto feito pelo
general Grant, logo que leve lagar a sobmissao do
sol.
O ministro francs em Washington pedio imme,
diatamente esclarecimentos ao goveroo mexicano-
e este respoodea que nao liaba noticia do aconte-
cimenlo, mas que expedir immadjatameote or-
dem ao general Sheridan para proceder a um in-
qoerilo e punir os culpados.
Em seguida o general mexicano Mexin fez le-
vantar enlnocbeiramentos entre Matamoros e o
Rio-Grande, com o fim de dominar a cidade de
Brownswille, faiendo prevenir o general america-
no Woitiel de que romperla o logo contra a mar-
gen) americana, a' primeira demonstraQo hostil.
Um telegramma de Pars annuncia que Montho-
lon mandara despachos em continoacSo a' qu -sto
de Bagdad, asseveraodo qne o goveroo federal
americano esta resolvldo a manter essa quostio
mexicana com estricta neutralidade, nao assumin-
do responsabilidade da lomada daqaella praca me-
xicana.
O general americano Weitzel dirigi a 2 da Ja-
neiro a seguinte carta aogeoeral mexicano Mexin:
GeneralConstoame que haveis feito priso-
neiros 17 soldados de exercito federal, e que ten-
des tenco de os fazer executar. Em nome da ci
vllisacao e do mondo loteiro protesto contra este
acto de barbahdade. Creio firmemente que seria
laucar para sempre a nota de infamia ao governo
que representis.
Executae Mexicanos que combatem no seu
propno paiz, e pela sua liberdade, contra urna po-
tencia estransteira, seria ama acgo, que, na nos?
poca, attrabiria a execrago universal.
t ao posso deixar de levar a preseoca do mea
goveroo este acontec ment, com quanto nao faca
em sea nome, es te protesto solemne.
O Rooeral Mexia respondeu uestes termos:
General.Acenso a recepeo da vossa corumu-
nicaeio de hoje. Vejo me na necessidade de repel-
lir enrgicamente a parte que queris tomar nos
negocios do roeu paiz.
c A questao de que trata a vossa nota acba se
actualmente presente aos tribanaes competentes e
ningaem lera o direilo de suspender a sua accao.
Para vosso governo pessoal, acresceotarei qae os
:""
devam ser-lhes appiicadas em virtuda do que dis-
p5e a segunda scelo, capitulo 4 do cdigo penar.
< Art. {O As autoridades polticas podem, a pe-
dido do particular, oo da oftelo, inspeccionar os
livros de qae fallam os dois artigos antecdanles, e
ordenar que se publique nos peridicos cfflciaes
um estado claro das reeeitas e despezas da socie-
dade.
Art. 11 Toda sociedade autorisada e toda a
reunio de mais da cincoenta pessoas ser consi-
derada lagar publico, para todos os effeitos do c-
digo penal.
c Art. 12 As dsposices comidas n'esla le nao
comprebendeo assoeia'ooes on reuniee, qne do-
rante o periodo eleitoral tiverem lugar, com o pro-
posito de encaminhar as eleicOes oo influir no seo
resaltado.
t Madrid, 39 de Janeiro de 1896.Jos de Posa-
da Herrera.^
Bte projeclo coarcla completamente a qualqoer
cidado a li bordado de se associar, anda mesmo
guando essa associaco tenba por lim tratar de as-
sumpios iliterarios, artsticos oo scieotiQcos.
Estas medidas ja eram esperadas e prodoiiram
mallo maa efJito na capital e as provincias. As
promessas do governo hespanhol no discurso da
cora, nao deixavam de eerto esperar projeclos de
lei restrictivos das liberdades publicas.lmpor sllen
ci aos descontentes o ultimp meio de obstar as
causas do descontentamente. O governo hespa-
nhol luta com graves difflculdades. Depois da
entrada do general Prlm pela fronteira portugueza
devera' suppor-se que a insorreico esta' vencida,
embora seja manifest que o descontentamento
geral era toda a Haspanfaa ; roas, alm da quesio
de liberdade que se agita no paiz, o governo tem
dianle de si as consequenoias da sua agresso con-
tra o Cbili.
Este passo leviaoo pode effactivamente produzir
ama eoaliso de todas as repblicas hispaoo-ame-
ricanos contra a ilespanha ; e estas poacas vanta-
gens podara' obter oeste caso.
A repblica do Cbili tem-se preparado enrgi-
camente para a guerra, enviando corsarios que al
appareceram ja' no Mediterrneo.
as cmaras bespanholas os depulados pela Cata-
lunba reoniram-se para combinar os meios de pe-
dir ao governo que expedisse lambem patentes de
corso para deste modo se opporem com igoaldade
aos corsarios chilenos.
Acerca da exococao do capito de caladores
D. Pedro lspioosa e Mora, natural de Cabra, de
29 anuos, casado e com Albos, diz o Len Espa-
ol :
< As 6 i/2 da manbla chegaram ao alto da
Fuente Castellana as compaoliias do regiment da
guarnico a esta capital designadas para formar o
quadrado.
c Os sargentos do batalho indicado, com a ban-
da de cometas, publicaran) em cada ngulo do re-
ferido quadrado, o bando pelo qual a ordenanza
porto, estava em Torby em 29 de janjir; o Dores fcroeymo de Alboqjjerque Maranhao, Hisbello Fio-
tone, de Dunkerque, arribou a Porlfcad em 3 do' retasa Correa de Mello, Joaquim lavares da
pausado com avanas na raastreagoi e o Carrw Silva, Migael Viwra de Amorim, Jos Joaqum de
Dmvis, da Parabiba para o Canal, naufrago em Sonto Lsaa, J. A. Correa da Silva.
Garusore, salvando-se parte da carga o a inpeia* Beto 3eHslristo- Os Srs. Andr Cavalcanti, Ci-
clo, cero Qdo.**eref rio da Silva, Jos Antonio Lopes,
J ,_ Trarcisee Aniynias de Carvalho Moura, Joo da
- O vapor francez Navarre,em viagera de.Bra- Sl,va RatB08t par Meneze9 ^ Qsnmmond, Jos
sil par* a Europa chegoo a Lisboa no da 31 do
passado.
fia as noticias commerciaes da Eoropa, ira*
zidas pelo vapor Douro.
Hamburgo, 8 de feverelro.
O assoear oraaco vende-se de 18 3i4 a 23 sch.
por 100 libras e o ouseavado de 16 i|2 a 18 1|2;,
o caf de primeira qoalidade de 6 7|8 a 7 7|8 por
libra, o regalar de 3 3|8 a 5 7|8 ; o cacao de Para'
procurado do de 7 3|8 a 7 1|2 por libra ; os couros
salgados seceos de 5 f|4 a 6 l|i e os verdes de 3
Joaqum do Rogo Barros e Sergio Dioiz de Meara
Mallos.
Pelo 4 distrkto Os Srs. Candido Martinsde
Almeida, Jos do Reg Barros, Jos Mara de Al-
buquerque Mallo, Jos Leandro do Godov e Vas
concellos, Epamnondas de Barros Correa e Jos
Baptista Gitirana.
Pela 54 dWreto Os Srs. Manoel Boarqae de
Macedo, Tiburoo Barbosa Negu ira, Francisco
Pedro da Silva, Pedro Manoel da Silva Burgos,
Vicente Jansen de Castro e Joo Alves Merguvho.
Posto o parecer em discasso, o Sr. Gaspar re-
3|4.a 4 por.lib a Lo algodio de Pernaaboco^ Ma-1 f iiC Istrictos, o qae foi
ra de 18 IjS a 19_por libra ; a aDi,r0Md .,. ..TJS 7
o fumo da Ba-
individoos de qae fallaes sao accosades de have- prohibe pedir indulte para o roo.
rem roabado a forja e cora as armas na mo, treze
carros, trinia e seis moars e cavallos, e tres ho-
rneas estropeados.
c Seria muito extraordinario, general, que no
seclo XIX, os bandidos e os ladroes encontrassem
o auxilio e o protesto do mundo civlisado. Por es-
ta mesoa occasiao son obrigado a lembrar-vos o
cootedo da carta que ti ve a honra de vos dirigir
em 21 de dezembro ultimo. Becambiarei sem res-
posta qoaesquer commnoicacoes da natoreza da
qne actoalmente tenbo presente, ama vez qae seja
concebida em lera os semelhanles. >
Attendendo a todas estas circunstancias, a que
os prisioneros nio haviam sido entrpgues, jolga-se
que a lomada de Bagdad, haviam sido as represa-
lias do goveano americano.
Esta questo tem excitado mnita sensacao em
Franca e animado os numerosos adversarios da ex-
pedicao mexicana.
Urna corveta a vapor Chaptal, dirigida pelo cora-
mandante da sob-divsao naval franeeza, largou de
Vera-Cruz com 300 homens e artiiharia para reto-
mar Bagdad. Esta corveta ia acompanhada pela ca-
nlioneira a vapor Pyne, que demandando menor
agua, poderia entrar na parte superior do rio.
Deve porm notar-se qne nos Estados-Unidos, se-
gundo a constiluicao da repblica, a antoridade do
povo, e a opiniio publica, est superior autnrida-
de de presidente, e se este deseja obstar s desin-
telligencias com a Franca e facilitar ama soluco
da c.Kit-ila, o elemento popular difflcilraente sup-
porta o ataque feito ao sentimento republicano com
estabelecimento de ama mooarchia ao Mxico.
E' de sappor qae na discusso que deve t>:r lu-
gar para a o omeigo da commisso da meosagem
em re-posta ao discurso do imperador dos france-
zes, orna parte dos membros da cmara dedicados
ao governo, manifest urna certa tendencia sobre a
necessidade da retirada do corpo da occopar 3o do
Mxico, em resposta ao paragrapho a respeilo da
poltica interna.
Os jornaes de Petersburgo publicam o texto
do decreto imperial relativamente a organisac.o do
ensino no reino da Polonia completando esta medi-
da as qae se adoplaram em 1864 acerca da instroc-
cao primaria. Na raaior parte das cidades do reino
serio fondados gymoasios e pro-gymnasios, sendo
o ensino dado no idioma da maioria dos habitantes.
O ensino religioso confiado ao clero secular dos
respectivos coitos.
O estado da liogaa e da historia polaca ser
obrigatorio, assim como o da lingoa e da historia
rossa. Cessa o monopolio da educaco de meninas
pelos conventos ; em quasi todas as localidades do
reino sero creados gymnasios e pro-gymnasios
para o ensino das meninas. Instltaero-se escolas
normaes para formar o pessoal proprio para o en-
sino, estabelecendo-se os ordeoados para os profes-
ares e professoras.
Esta reforma, da maoeira porque se indica ci-
tada como om passa importante no caminbo do
prognato.
O governo hespanhol apresentoo s cmaras
o seguinte projeclo de lei:
Art. 1. E' illicita toda a associagao de pessoas
que tenha por fim a propagacao de dootrinas con-
trarias s bases fdndamentaes da sociedade, oo s
da conslitaco do estado
Os cheles ou directores dessas sociedades, e os
membros del las, e os que fa cu Harem para a sua
reunio as casas que possoam, admioistrem (u ha-
biten), serio castigados com as penas n'um grao in-
ferior s que, a respeito das sociedades secretas,
apona o art. 208 do cdigo penal.
Art. 2. Se constar que urna sociedade, das
comprebendidas no artigo anterior, tem por fim
ualqner dos del dos definidos nos captulos 1* e
', do titulo 3*. livro 2a do cdigo penal, soC'rero
os ebefe e aasociados a pena designada aos autores
de tentativa, e os presidentes e aquelles que exer-
ooreea cargos na mesma sociedade, a pena de de-
licio frustrado.
Art 1 E' tambera illicita toda a associaco
coaposta de mais de viole pessoas, que se reuni-
r para tratar de assamptos religiosos, Iliterarios
on de qualqoer ontra classe, anda que essa asso-
taeio so divida em seccoes de nm numero menor,
e qoaodo mesmo se nao rena lodos os da:, nem
em dias predios. *
Art. 4. Sao igualmente illicitas todas as socie-
dades que possam considerar-se como parte ie ou-
tras assoeiaeoef, seitas ou partidos.
< Exceptuara se as disposcoes comidas n'esle
artigo e no anterior, as sociedades formadas eom
o consenaento da auioridade publica. O gover-
no podefl revocar ou retirar esta autor sacio,
sempre que o juigoe conveniente.
Art. 5* Pica prohibido entre as associacoes ou
sociedades de qualqoer especie, toda a correspon-
dencia, anda mesmo que seja por meio de repre-
sentantes oo delegados, urna vez que essas socie
dades se nao acbem completamente autorisadas
para esse fim.
c Art. 6* As inraccoes dos artigos 3, 4 e 5 an-
teriores, serio castigados administrativamente,
eom a malta de 20 a 100 escudos.
< Se constar que a "sociedade tem por fim al-
gum oolro proposito criminoso, os culpados sero
castigados com as penas de desterro ou priso cor-
reccional.
Art 7* Aqoeiles fue, para a reunio das as-
eociacSes mencionadas nos artigos 3 o 4, presta-
ren as casas qae possuent, administran) ou habi-
tao, incorrero as penas designadas aos membros
das atesmas sociedades ; e se a casa for estabele-
cimento publico, podar a antoridade gove.'oativa
manda ia fechar, no caso de reincidencia.
Art 8* Toda a sociedade lera um livro oo li-
vros em qae constem os nomos dos socios, assim
como os dos presidentes, tbesooxeiros, secretarios
on otfos qae exsroam qaalquer cargo ui s ditas
sociedades, on eetejan era servieo n'ellas.
Art. 9 Os recebedores oo thesourei -os de
qualquer associaiio, seja qual for a sua forma,
classe oo deoomnajo tero om livro de entrada e
sabida de cotlaacoes, pelo qoal constem as pessoas
qae contribuir para o fondo da sociedad, e os
objetos em que forera convertidas as cothcdes.
< Todo o socio oo qtatqaer pessoa qne direcu-
mente contribnir para aguelle fundo, tem direito
As 8 oras eaTponto ebegoo o desgranado Sr.
Espinosa na carroagem dos presos, acompanbado
do capello do batalho de Figoeras e outros eccle-
slasticos, escoltado por orna companhia de enge-
nheiros e ama seceo de cavailana.
< O reo desceu para o quadrado mostrando gran-
de serenidade de animo e oaviodo com religiosa
atlencao as palavras de consolacio que Ihe prodf-
galisavam os sacerdotes.
< Acto continuo e debaixo da bandeira se leo a
sentenca do reo e se vericou o acto de exqnera-
cao das insignias do postoque tinba no exercito.
t Terminado o dilo acto, os sacerdotes e os indi-
viduos da irmandad) de Paz e Caridade acompa-
nharam o reo at ao centro do quadrado, o qoal
depois de dirigir algomas sentidas palavras aos
soldados, pedindo a todos perdao e sopplicando que
Ibe dessem prorapta morte, dasaoertou a farda e
ajoelhou com espirito animoso anda qae sem anec-
iado alarde.
< Neste momento os soldados da companhia a
que pertencia o desgranado Espinosa deram a ter-
rivel descarga que terminoa os dias daquelle in-
feliz.
< As tropas que linham formado o quadrado
destilaran) diaote do cadver.
< Os irmios da Paz e Caridade enllocaran) no
caixo mortaario o corpo inanimado d desgranado
capito, e o condaziram ao ceraiteho geral aeom-
panbado por a companhia a qae elle pertencia e
por parte da guarda civil do terco de Maarid.
i Que Ueus receba no seo seio a alma daquelle
desgranado I
t A espesa do infeliz Espinosa foi lancar-se aos
ps da rain ha, pedindo-lbe o perdi de seu marido.
Mullos senadores e depntados se dirigirn ao ma-
recbal O'Donnell com o mesmo fim. Muitos neg
ciantes de Madrid assfgnaram urna petiefio a' rai-
oba com a mesma supplica. A tudo foi sorda a
ioQexibilidade goveroamental. As folbas europeas
vem indignadas com este procedimento. Parece
qoe o genio sinistro de Felippe II domina os desti-
nos do povo hespanhol, coodemnado a representar
a feroeidade e a selvajana no meio da Europa ci-
vilisada. >
Foi na cmara dos deputados de Portugal
approvado o projeclo de resposta ao discorso da
corda. Foi pedida pelo deputado Teixeira de Vas-
concelos ao governo na cmara electiva urna con-
venci luterana com e Brasil.
Os emigrados hespaohes erara objecto de Inces-
santes obsequios as cidades da provincia e na ca-
pital.
Prosegua pela imprensa a discusso do casamen
to civil. Ao livro do visconde de'Seabra contra o
casamento civil, respondeu o Sr. Alexandre Hercu-
lano com oolro livro, qoe ja' se acbava no
prelo.
Tinbam-se verificado ioterpellacoes ao governo
na cmara dos deputados, sobre a desmembrado
qoe sua saotidade flzra do reino de Congo do bis-
pado de Angola ; e na cmara des pares, sobre as
restriegues com que o santo padre confirmou o his-
po de Maco.
PERNAMBUCO,
REVISTA DIARIA
A assembla provincial approvou os pareceres
das doas comraissdes respectivas, reconhecendo os
deputados constantes da acta, em ontra parte pu-
blicada.
Hoje tem lugar a sesso presidencial de abertura,
com as solemnidades do esiylo.
Acaba S. Exc. Rvraa. de prohibir, que d'ora
em diante seja conservado, na igreja de S. Pedro dos
clrigos, o Santisslmo sacramento da Eocharistia ;
e para esta sua medida assigna o mesmo Exm. Sr.
como causa os desacatos, a indecencia e igualmen-
te o abandono em qae encontrara o referido tem-
plo.
Os nossos leitores melhor se informarlo dos pon
derosos motivos, qne levaram s. Exc ftvma. a esta
providencia, apreci; ndo-os na portarla que baixoa
para tal fim; a qual acba-se no expediente qae boje
publicamos.
Parece-nos qae mal avisado andn o piedoso dio-
cesano decretando tal probibico ; e para extra
nhar que todo islo se dsse n'um templo daquella
superiondade, e qae dispoe de meios sufflcientes
para o seu iratameoio.
A' bordo do vapor inglez Douro, vieram da
Europa 129 passag Mros, dos quaes 11 para esta
provincia e ilSm transito para as do sal.
O vapor inglez Gladiator, da llnha de Liver-
pool, devia sabir da Lisboa para o nosso porto, no
dia 1 ou 2 do crrante.
A seccio do seguro de vidas do Banco Unido,
do Porto, obteve at 31 do mes de Janeiro, segondo
publicara os jornaes portogoezes, 10:699 subscrip-
coes por um capital Je 3,673:513*000 reis.
As sobscripedes obtidas at 31 de dezembro de
1865 eram 10:149 por om capital de 3,483:4K).
Foram por tanto 550 as sobscripgoes alcanzadas
em Janeiro ultimo, representando om capital de
reis 188:105*000.
Em 31 de jaaeiro a importancia das iuscripcoes
compradas era de J,541:100*000 reis, mais......
160:050*000 reis, do qne em 31 de dezembro de
1865, em qae era de 2,382:050000 reis.
Na Correspotdencia de Portugal lemos.
< O Sr. Jos Joaqum Ferreira Valle, natural do
Brasil, membro do corpo legislativo daquelle paiz,
director de urna reparticio no ministerio da Justina
do Brasil, receben a 3 de feverelro de 1866 o di-
ploma de dootor em sclepclas polticas e adminis-
trativas pela uolve -sidade de BrotWlas. >
Participara da ilba de S. Miguel qoe oo dia 21
de Janeiro ultimo, ua distancia de seis mllhas de
Santa Mara, se incendiara a galera franeeza Solfe-
rin, capito ScnoriU Francols, procedente de Ma-
ce i para o Havre.
A tripulacao pode salvar-se.
----- f 'uw, mu aw Foi o incendio originado pelo combustao es-
a examinar es llvros da sociedade, sempre qoe o MnUBea do algodio de qae viona carregada, e on-
julgtio conveniente. j8 di toTe \^nai0 0 {0K% sem ser possi-
< Os recebedores qae faltares) ao qoe fien oras.
cripta n'esle artigo, incorrero r/oma malta de 10
a 50 escudos, sem prafOM das dentis peis, qae
cei, Parahiba e Ceari
borracha do Para fina de 35 a 36
bia varia entre de 5 a 7.
Eslava i carga para Pernambaco o navio Echpta.
Havre, 5 de fevereiro.
O algodo Qca colado de frs. 210 260 ; o assa-
car a frs. 31; o caf de frs. 68 78 ; os coaros
verdes de frs. 45 4 60.
Lisboa, 12 de fevereiro.
O algodio vende-se 420 rs. por libra; o asso-
ap^rovado pela assembla.
Entraran) soccessvamente em discusso as par-
tes do parecer relativas ao 1* e 2 districtos, as
quaes foram approvadas sem debate, sendo decla-
rados deputados os respectivos Srs. cima mencio-
nados.
Foi submettida a' discusso a parte do parecer
relativa ao 3" distrcto.
Orou Impugnando o parecer o Sr. Gaspar, qoe
se prooQociou contra a validada da elelcao do Sr.
car branco da 1*950 2*450, e rnenos de 1(700 Carvalho Moura, por se achar processado ao lempo
4 1*900 e o mascavado de 1*400 a 1*600 por II- j em que foi eleilo. O orador entrn em largas con-
bra ; o caf de 3J400 4J0O0 segaadoo qasli- sideraeoes. spoiando-se na conslitotcaodo Imperio,
dade.
Ficaram i carga : para Pernambaco barca Be-
lm, brigue Constante e patacho Flor de Marta ;
para o Para barca Flor do Vn, Adelaide e Nova
Palmeira e o brigue Ltgetro ; para o Maranhao o
bri.ue Viajante.
Chegaram : 3 o brigue Constante II de Per-
oambaco e a barca Adelaide do Para ; e a 10 o va-
por ioglez Bembow de Pernambaco.
na lei de 3 de dezembro, em ama consulta do con
MU de estado e em om aviso do governo, que na
opinio do orador mostram qoe o Sr. Moura nao
eslava no goso de todos os seas direitos polticos,
qaaado recebeo os votos dos eleltores do 3o dis-
trcto.
Em seguida orou o Sr. Correa de Brillo, pediodo
qae de preferencia se discutisse a eleicio dos mem-
bros da casa, qae nao snscitava dovlda, fleando
Sanio : 4, o brigue Lato I para Pernambuco. | adiada a elelco do Sr. Carvalho Moora.
A barca Flor do Ves devia sahir para o Para, e! Tendo presentado um requer ment ueste sen ti
o brigue Viajante para o Maranhao no dia 15 do do, foi elle approvado.
passado ; 20 devia sahir a barca Belm para Per- Em consequencia foram approvadas as eleicoes
nambuco e a barca Nova Palmeira para o Para, de todos os mais eleitos, com excepcad da do Sr.
_ .. j. !..!. ka. b Carvalho Moora, sendo em segoida declarados
Numeracao dos btlhetes da lotera 50.* oue-1 dentn,,1,
recidos pelo thesooreiro das Iota*iu Aotooio Jos i p ||d discussio e approvado. o pare-
Rodr.gues de Soasa, para auxilio das despezas cer d* cmmissSo de poderes declarando depo-
'"'i?'., qot mi 970* mu tados os Srs. Maximlano Lopes Machado, Flonano
ull?BteiDS \&[Smmi iia fia '' lCorra de Brh* Ayres de Alboqoerqae Gama.
Jml?5u S3, 9 Cootmaoo a d.scassio sobre a ele?o do Sr. Car-
oJoz, Job/. valhn \Innri
&t8i,,iQ9M* ?86,133'1626'l937'23W' I o s"- Lopes Machado occopando-se em res-
n ,\ a i.... ii. hq. Ji^m. ponder aos argameotos do Sr. Gaspar, mostrando
. 555,e8d*" l0len" 11- *W ProdM,ram oue em vlsu da eansiltnicia fi se snsoendem os
i:o39*UU.
Rbparticao da polica.
Extracto das partes dos dias 28 de fevereiro Moora poda este ser eleito.
de iodo. __ Mostra igualmente algomas decises do governo
Foram recoihidos casa de delennao oo dia 27 qu(J m$am J SQa 0^ao. feI 0otras mattas
do correte. B,,.-.n considerac5es e conclnio declarando qoe votava
A' ordem do sobdelegado do Recite, francisco pprSvac3o do parecer da commissao.
de Mello Barreto, para correccaoe John Jollibnilb.,%^,^ \ P r mater.a os Srs. Costa
americano, *&* ''"*\tt.ttvna\Ribeiro, Soato Lima, R*go Barros e Soares Bran
A ordem do de Santo Antonio, Adao, escravo ae > A^
qae em vista da constiluicao s se sospeodem
dlreilos potlcos ao coodemnado a prisao ou degre-
i' do, e que nao estando neste caso o Sr. Carvalho
Antonio Botemo, para correceo.
A' ordem do de San Jos, Elisbo Manoel dos San
Foi lida e posta em discusso ama emenda, as-
A-oraeraaooonaojose,i!.isiw^uu.o-u- d Srs. CosU Ribeiro. Gaspar, Reg
na, e Maria Felicia do Espirito Sanio, por fermen
tos.
A' ordem do da Boa-Vista, Paulo, escravo de
Thereza de Jess Paes Barreto, por crime de fer-
mentos graves.
O ehefe da 2 secno,
/. G. de Mesquila.
r- Passageiros do vapor inglez Douro, vindo de
Sootbampton e portos Intermedios :
John Roberts, Henrincb Gull, Eduardo de Mor-
nay, Jos Alves da Silva Gumares e sua senhora,
Antonio Francisco Pereira Lira, Antonio DomiO-
gues Alves Mala, Manoel Jos Machado, Manoel de
Reg Soares, Jean Hedor Dest beaux.
Passageiros do hiale Dout Amigos, vindo do
Aracaly:
Manoel Satnrnino dos Santos, Raimooda Joaqui-
na da Con ce na o e 1 ilho menor.
Passageiros da escuna portugueza Etnma, sa-
bida para a llha de S. Miguel:
Heoriqoeta Anglica Tavares e 1 filho menor,
Jeanna Emilia Pacheco e 1 filho menor.
Passageiros do vapor inglez Douro, sabido
para o Rio de Janeiro e Bahia : l-
Severina Pessoa, Dr. Jos Leandro Godoy do Vas-
concellos, Manoel de tal, Jobo de tal, Frapciso> da J> ons lir Canha Beltrao Arsujo Pereira, Dr. Gnitermei Cor-
dro C. Cintra, Dr. JooCoimbra, Dr. Pelinto Hen-
rique de Aimeida e i criado e A. Schatoeilieu.
Passageiros do vapor brasilelro pmwnfluape,
sahdo para os portos do norte : r
Jos dos ntos Castro, Adriano des Santos Pe-
reira, Alvaro de Menezes Moreira, Antonio Correa
da Silva, Francisco Gomes Marques da Fonceca,
Joaqum Germano Ramos, Francisco J. G. Silva,
J. Loiz Goncalves, Ignacio Mala da Silva Coelho,
Frederico Cavalcanti A. de Mello, Josquim Antonio
Perereira Vinagre, Jos Angosto de Ollveira, Jos i
Gomes Araujo Quiotella, Manoel Henrique de Sa,
Dr. Jos Ladislao Pereira da Silva, sua senhora e 5
ewnttoaj Joanna Angusla Castro Pageles e 1 filho,
Antonio Marques da Silva, Manoel Januano B.
Mooie-Negro, Dr. Manoel de Barros Barreto, Anto-
nia Theodolina de Mello.
Passageiros do vapor brasilelro Paraflioa, sa-
hdo para os portos do sal : .
Manoel Fanloni, Jos Antonio F. Pinto, Mana
Alexandrina da Conceicao. Antonio de Mello H.
Lourelro, coronel Theolonio Ribeiro da Silva, An-
tonio R. de Oliveira Jnior, Gregorio Jos de Men-
donca, Jos Francisco da Trindade Penna, Antonio
Maria da Matta, Dr. Francisco Rodrigues Pessoa de
Mello e Antonio Francisco Lei le.
Casa db detenc.vo. ..',-. ,
Movmeoto da casa de detencao no da 27 de fe-
vereiro de 1866.
Existlam 400, enlraram 6, sahiram 10 ; exislem
396.
A saber : ,
Nacionaes 273, raulheres 11, estrangeiros 31
mulheres 3, escravos 74, escravas 4, total 396.
Alimentados a custa dos cofres pblicos 194.
Movimento da enfermara no da 28 de fevereiro
de 1866.
Tiveram baixa:
Joo Mauricio Gomes, febre.
Joao Marcelino Cesar, febre.
Manoel Antonio Freir, sarnas.
Paolo, escravo de D. Tbereza S Barreto, feriraen-
tss.
Tiveram alta ;
Josepha, escrava de D. Malhildes.
Roque, escravo de Joao de Nepomoceno de Mello.
lemitei1i0 i'ubuco, obitabjo do dia 27 de
Fevereiro db 1866.
Josepha Sancha de Oliveira, Pernambuco, 20 an-
nos, casada, S. Jos, tubercoio pulmonar.
Antonio Henrique Cavalcanti, Pernambaco, 28 an-
cos, soltero, Boa-Vista, tubrculo pulmonar.
Rufino, Pernambuco, 2 anuos, cidade de Olinda,
sarampo.
Joviao, Pernambuco, 11 mezes, S. Jos, miente.
Jos, Pernambaco, 24 horas, Boa-Vista, espasml
Alfredo, Pernambaco, 2 mezes, Recife, aboessftf
Joo, Pernambuco, 14 mezes, S. Jos, convum:s.
Claudina, Pernambuco, 8 annos, J. Jos*, vrtela.
Alfredo, Pernambuco, 15 mexee. Sonto Antonio, In-
cephalite.
Herraino, Pernambuco, 16 meses, Boa-Vista, asoite.
Francisco, Pernambaco, 20 annos, escravo, Boa-
Vista abeesso.
lasse a eleicao do Sr. Carvalho Moura e que fosse
reconhecido deputado pelo 3* districto o immedia-
to em votos.
Encerrada a discusso Sr. Gaspar requeren
qoe a votanp fosse nominal, o qae foi approvado
Posta em votago a emenda, votaram a favor os
Sis. Gaspar, Joo Teixeira, Sonto Lima, Costa Ri-
beiro e Reg Barros e contra os Srs. Andr
Cavalcante, Ayres, Candido Martlos, Cicto, Epa-
minondas, Brlto, Soares Brndo, Hisbello, Jero-
nymo, Ramos, Correa da Silva, Gitirana, Buar-
qoe, Paes de Andrade, Amorim, Tlburtioo, Ma-
chado.
Posto a votos o parecer foi approvado, e decla-
rado deputado pelo 3o istricto o Sr. Amyntas de
Carvalho Moora.
O Sr. presidente declara que o Sr. cooselbeiro
presidente da provincia vem ler o seu relatorio
amanbia a ama hora da tarde e noroeia aos Srs.
Brito, Hisbello e Costa Ribeiro para receberem o
mesmo Exm. Sr.
Em seguida convida aos Srs. deputados para se
reuoirem amanba s 10 oras, afim de assistirero
a' missa do Espirito Santo, e levanta a sesso s
Publicantes a pedido
SCXJAdC
CASO I0RRIVEL
D'VMA
Molestia Ulcerosa
Curada.

Todos aquelleB qne se acho sujitoe sot
frer molestias scrofolosas, ulcerosas, ou sypbi-
liticas, aind meemo as reputadas de peior
natureza, apenas neceseit&o de lr o seguinte
caso maravilhoeo, para qne se sintao inteira-
mente convencidos que a sua propria cura,
nao b6 eramente poBsivel maa rim absolu-
tamente certa.
Joao Jse Ferkeira Bakboza, residente
na Cidade de Maranhao, tinha todo o sen
corpo coberto de chagaa ulcerlas, e dorante
algunos annos se achava debaixo do tratamente
de mdicos os mais afamados, tendo osado
dorante todo este teinpo quasi toda a especie
de medecinas que em taea caeos empregada
pela faculdade medica, porm debalde sem
obter o menor beneficio on alivio: aehande-ae
poie em tace apuros elle finalmente resolveu-
e, depois de repetidos e baldados esforcos i
faier uso da
Salsaparrilha
DE BRISTOL.
velexilngui-lo, apetar dos eeoreos etopregados.
- O navio Jacobus, de Hamburgo para o nosso
ASSEMBLA LEGISLATIVA PROYIMiAL.
3* SESSO PREPARATORIA EM *8 DE FEVE-
REIRO UE 1866.
PRESIOENaA DO SR. VIO ARIO TRARCISCO PEDRO DA
SILVA.
A's li horas e meta, feil a chamada, veriflcoa-1
se estarem presentes os Srs. Francisco Pedro, I
Gaspar urnmmnd, Ribeiro, Joo Teixeira, Gitira-1
na, Cicero, Andr Cavalcanti, Tibortino, Soares
Brando, Candido Martins, Manoel de Carvalho, Lo-
Kss Machado, Baarqoe, Britto, Epaminoadaa de
arros, Arminio, Rege Barros, Amorim, Ayres
Gama, Hisbello, Ramos, vigario Jeronymo, Sonto
Limo e Correa a Silva.
Aborta a sesso leram-se e approvaram-se aa
actas das doas sessees precedentes.
Foi lido o parecer da primeira commissao de
poderes, em qoe deelara qae, nada encontrando
as actas dos colleglos eleitoraes dos cinco distric-
tos da provincia qoe pouha esa dUvMa a eleico
dos senbores a quero, toram conferidos diplomas,
se rObOnbeda como legtimos depntados os se-
gointes senbores :
Pelo 1* districto O* Srs. Sabino Olegario Lud-
gero Pinho, Jos Paulino da Cmara, Jote Frat>
cisco Teixeira, Francisco de Carvamo Soares Bran-
do, Emlgdte Marques Santiago, Antonio Jos da
Costa Ribeiro, Manoel 4 Carvalho Paos de An-
drade.
Pelo X districto Os Srs. Arminio CorioUno
Tavares da Silva, Francisco de Aranjo Barros, Je-
No todo elle apenas chegoo a tomar Oine*
Garrafas de BaUaparrttha e quatro fraseos daa
Pvlat Vegeta** Astucaradoi, e o resoltado
foi elle obter ana completa e perfeita cora.
Os Sefin. Ferrktra & Cia., Droguistas de
Maranhao, forfio quem sopprirSo os medica-
mentos, e achao-ee perfeitamente ao facto
d'eete caso, e oa meamos Senhores, Dio s se
achao promptos confirmar o mesmo, como
tambem em fomecer o actual adresso do SeSr.
Bakboza, i toda e qualqoer pessoa qoe por
ventora se deeej Informar da verdade.
Secommenda-ee mui partienfarmente aos
Doentes qoe tenhio o msior cuidado na eecolha
deste exeeUente remedio, nao osando ootro
nio ser a Qenulna Salsaparrilha de Brlitol,
a qoal 6 exclusivamente preparada por
LANMAN&KEMP,
De NOTA YORK,
pois que todas aa mais ale ia<
Seahores brasilelro. ieslias ^phyimcas, e outras maiUs que com
Offereco este elogio ao bravo eofersaano qoe o uso dri******* aic/rnlkn rin vlhm tcmJZ
achoa na caoboneira Parnahyba, tratando perto de "?? iWOp^moonw ae veilarae tem-se
40 feridos baliados.com o malor tel a cuidado otrttdo cari radical,
qoe jamis se poderla ser imitado oas principaes O Sr. Dr. Silva, medico hbil de Macei,
casas de caridade. depoisde ter applicado a um seu doenle de
Quera mostroa-se como caritativo em fater este rheiimatismo o xa rorro alr/mm rlp vpllam
servieo sem gratiflcacao algama, foi o digoo sida- ""fAum"?L ra ^ Pf alC0^ T Tellame'
do do 9. bataibo Jacintho Jos de Andrade, que logo que elle se poz em estado de largar as
hoje cabo eoferraeiro da corveta de guerra Maj; moletas, em que anava arrimado, O aconse-
oo Rio da Prata, como prova com o mo digno Dr. jhou que continuasse com o mo do mesmo
da esqoadra brasilelra Domiogos Soares Pinto; de-
venios pois, trazer sempre em viva lembraoca este
Slorioso bravo, que se portouoora denodo no grao-
foso dia 11 de junho no combate naval de Ria
cbuello, e com todo o perigo.
Grande honra merece este bravo pernambocano.
Recife 17 de de fevereirD de 1866.
firmino Rodrigues de Souza*
xarope conjunctamente com os banhos sal-
gados, son que se tem dado mnito bem, e
um dos mdicos qoe all em Macei tem com-
pleta confiacafa na* prepawoei de vellame
pormim feitas, pelos bons resultados que
: tem obtido em sua clnica.
Quando alguem se v com tosse vai ao me-
dico, este o examina e declarao senhor es-
t allectado dos polmeso doente desaai-
ma com esta sentenca, emende estar sem
mais cura, qjiando os fados e a experiencia
Phthyslca.
0 xarope elberio de veame por mim pre-
parado muito tem-tproveitado aos que sof-
frem desta molestia, e de lamentar-se, qoe
no obtuario desta cidade a maioria dos que teem demonstrado que muitos tendo proen-
suecumbem de tubrculos pulmonares, rado. ,u8ar. spropriado, se teem salvado ;
sem procurarem o recurso da pratico e do
experiente, que Ibes pdem encaminhar o
meio de sua salvacao.
0 Sr. Braga com loja de ferragens na ra
Direita, foi desengaado por dous habis
mdicos, aclia-se bom com o tratamenlo por
mim prescripto.
A Sra. Jeronyma Maria da Conceico, mo-
radora na travessa do Monteiro n. Iu,achan-
do-se desengaada, tambem mim recor-
reu e acba-se restabelecid-i,
Um sobrinbo do Sr. professor ae Naza-
retb do Cabo, acba-se bom, como se v de
sua carta abaixo transcripta, alm de outros
factos, que poderia aqui mencionar.
A pbthysica a destruido e a magreza
de todo corpo, em consequencia de cbagas,
tubrculos e concreccio dos bofes e de em-
prenta, atrophia nervosa e outras molestias
que viciam os bumores, como escorbuto,
alporcas, gallico, aslhma, bexigas, sarampo,
etc.
Na phthysica, chegando ao estado de gra-
vidade, o que muito pode concorrer para a
salvacao do doente e ajudar os medicamen-
tos o ar do campo, exercicio conveniente
e dieta, a qual nao deve ser de nenhum i
cousa quente, ou de defficil digestao; e a
bebida cumpre que seja de natureza branda
e fresca.
Todo o seu alimento se ha de dirigir a
moderar a acrimonia dos humores e a nu-
trir e suster o doente, ara o que preciso
reduzi-lo ao uso de vegetaes e leite.
Toda comida e bebida, que se tomar ha
de ser em poucas porcoas, para evitar que
0 excesso do chylo fresco opprima os bofes
e accelere muito a circolacjio do sangue.
Muitos doentes desta molestia se team en-
tregue ao uso do oleo de figado de bacalbo,
e outras preparacoes de resinas e palsamos,
sem que deltas lenham tirado proveito; e
alguns expositores de medicina combatem
com muila razao esse tratamento.
costume carregar o estomago do doen-
te com medicamentos oleosos e balsmicos;
porm estes em vez de tirar a causa aug-
mentam-na, esqoentando o sangue, ao mes-
mo tempo que tiram o apetite, relaxam os
solidos, e sao de toda sorte perniciosos.
Tudo que se fuer para extinguir a tosse,
alm do exercicio e rgimen apropriado de-
vem ser remedios de natureza acida, deter-
gente e calmante.
Os cidos possuem a virtude de produzi-
rem bons effeitos nessa enfermidade, por
que, n5o s contribuem a apagar a sede
quando accommettem a febre ethica, mas
tambem a refrescar o sangue.
Aos doentes desta enfermidade, quando o
seu estado de gravidade tal que a febre
ethica os accommette, prescrevo-lhes o su-
co de um limo dissolvido em urna chicara
d'agua com bastante assucar em um grande
copo para misturar com um papelinho dos
pos refrigerantes para tomar, com que ali-
viana no acc lamettimento da febre, e pela
manbla o xarope etherio de veame. Tenho
aconselhado, que facam uso de vegetaes de
natureza acida, como laranjas, mes, pi-
tongas, uvas, etc., e applicaes de plantas
amargosas, que fortificam o estomago e ser-
vem ao mesmo tempo para destruir e miti-
gar a sede.
A Sra. O. Joaquina de S Barreto, tendo
urna sua escrava fallecida desta molestia, sub-
mettida ao tratamenlo de seu medico, resol-
veu procurar-me para tratar de um outro
; escravo, que soffria da mesma enfermidade,
' prescrevi-lhe o xarope de veame, tem me-
morado consideravelmente.
A senhora do Sr. Antonio Francisco Ho-
norato foi desengaada por habis mdicos
i desta cidade, esteve prostrada, e nos lti-
mos paroxismos da morte, foi com o xaro-
pe de veame salva, como se v da carta
, impressa no Jornal do Recife de 9 de feve-
reiro de 1863.
1 0 escravo Emilio, do Sr. tenente-cofonel
Rodolpho Joo Barata de Aimeida, foi tam-
bem desengaado por habis mdicos, e
com o xarope de vellame acha-se completa-
mente restabelecido, como se v tambem
da carta impressa do meso Sr. tenente-
coronel no mesmo Jornal do Recife.
O Sr. Antonio Christiano Fogt, filho do
i Sr. Christiano Fogt, propietario e estabe
lecido na cidade de Macei, o primeiro bem
conhecido neste cidade, pois que foi empre-
ado na casa do Sr. Len Ghapcllin, retra-
tista estabelecido na ra da Imperatriz, ac-
commettido desta molestia, foi daqui desen-
gaado por habis mdicos: retirou-se para
a Bahia, e all
assim explicam muitos expositores de me-
dicina.
Ora, nessa provincia temos facilidade ho-
je e recurso do ar; por que a via frrea
nos proporciona, pois que em pouco tempo
urna pessoa que existe nesta cidade fcil-
mente se t ansporla para as ultimas eslaces
de Gamelefra e Una, lugares perto do Boni-
to e de outros pontos que sao considerados
sert"o, qaanto mais que os meamos logares
j nao sao mos, segundo pens, principal-
mente no vero.
Mas dir-se-haurna pessoa pobre nio tem
meios de se transportar e all estara isso
se responde, que naquelles lugares exislem
casas vasias e alugam-se por preco comino-
do, e mesmo muitos generes de primeira
necessidade all se vendem pelos mesmos
precos que aqui.
Aquelles, pois, que estiverem nestas cir-
cumstancias, eu Ibes facilito explicar os meios
pelos quaes se devem reger, e lhes fornece-
rei os medicamentos gratuitamente,
Nio deixarei de advertir ao pobitco, que
as minbas preparacoes de veame slo reu-
nidas com outros ingredientes, e com elles
tenbo obtido ptimos resultados: nao se en-
gae o mesmo publico com outros que por
ahi seannunciam, cujas preparacoes ignoro,
assim como o aproveitameoto aos enfermos,
a quem porventura lenham sido applicados ;
cada um responde por si, e eu affirmocom
verdade o que aqui tenho relatado, cojos me-
dicamentos neste provincia s vendo em mi-
nha botica na ra Direita n, 88.
Josyda Rocha Paranhos.
Nazreth do Cabo, 7 de setembro de 1863.
Illm. Sr. Jos da Rocha Paranhos.Om
o maior prazer levo ac conbecimento de V-
S., que o doente que V. S. acba-se admi-
nistrando-lhe remedios, acha-se no todo res-
tabelecido, portento, nada sent, tendo des-
apparecido no todo a tosse, tem muila dispo-
siflo comida e acba-se nutrido. Deixotr
tomar os ltimos remedios que V. S. recti-
tou no dia 30 do passado.r esta agora a V.
S. mandar-me dizer qual a dieta qoe o
doente deve conservar e por quanios tem-
pos, mencionando as comidas que dever
usar daqui em diante.
Resta-me agora agradecer a V. S. o cui-
dado que tomou no tratamento do meu so-
brinbo, abaixo de Deus, devido o seu resta-
belecimento a pericia de V. S., e por isso
pode V. S., sempre contar com os meus ai-
minutos prestimos, e desejarei em todo o
tempo dar urna prova do meu reconheci-
mento.
Desejo a V. S. todas as ventoras, por ser
de V. S. muito respeitador e ubrigadissimo
criado.Francisco Bermguer Cesar' de Me~
nezes.
ATTENQAO.
Xarope alchoolico de veame, preparado
peto pharmaceutico Jos da Rocha Paranhos,
estabelecido com botica na ra Direita o.
88 em Pernambuco.
Este xarope incontestavelmente superior
a todos os xaropes depurativos, de cuja
composiclo o seu maior elea ento a salsa
parrilha, pois que se tem conhecido ser o
veame mais enrgico para a pfompta cura
das molestias, cuja base [essencial depende
da purilicacao do sangue; assim pois se
tem verificado por muitas pessoas que se
achavam desengaadas, as quaes acbam-se
hoje restablecidas com o referido xarope
alchoolico de veame; entretanto qoe al-
guns, tendo usado do xarope de Curinier,
de Larrey, de salsa parrilha, de saponaria,
oleo de figado de bacalbo, e outros agentes
desta ordem nada conseguiram. E' elle de
fcil digestao, agradavel ao paladar e ao ol-
phato Alguns mdicos desta cidade e da
de Macei o teem recommeodado para a cu-
ra das
Impigens, tinha, escrophulas,
Tumores, ulceras, escorbuto.
Cancros, sarna degenerada, fluxo alvo.
* Todas estas affecces proTm de rana au-
sa interna; nio ha pois razio alguma em
crr que ellas se podem curar com remedios
externos. Tambem se prescreve o xarope
alchoolico de veame para o tratamento das
affecces do systema nervoso e fibroso, tees
como:
Gotte, rheumatismo, paralysia,
Dores, impotencia, esterilidades
Marasmo, bypocondria, emmagrecimento.
O xarope alchoolico de veame sobre
todo, da maior utilidade para curar radi-
calmente, e em pouco tempo o rbeoma-
continuou em tratamento ate i .
que foi segunda vea desengaado pelos me-; tismo.
dicos dalli, chegando en em Macei, om Adverte-se que o verdadeiro xarope s se
amigo pedio-me, que o acompanhasse at a |vende nesta cidade na botica cima indica-
casa do Sr. Christiano, para ver um doente jda do aDaix0 assignado; e em outra quai-
e prescreveifthe algum remedio, encontrei I061" Parte 1ae w tem annunciado nio da
edei
Vender as boticas de Caor* Barbosa
eC. Bravo *C.
o filho em urna cama desanimado e,em es-
tado de prostracao, pois que escarrava ses-
gue, e tinha completa inapetencia e fraque-
za a ponto de nio se pdler por em p, no
fim de urna garrafa do xarope etbereo de
veame j se achava elle no estado de pas-
seiar em casa, desapparecida a inapetencia e
os escarros de sangue ; e a tosse mitigados.
No fim da segunda j achei em estado de
faze-lo passear pelo sitio todas as manblas.
Acabada este o aconseihei, que continuasse
no uso do mesmo xarope etherio alternado
com o xarope aicoolco de vellame, e que
usasse dos banhos salgados na pancada do
mar. Sentio elle nos primeiros banhos al-
guns choques, mas eo o aconseihei qae con-
tinuasse, com o que se tem dado muito bem
pois que tenbo recebido cartas de Macei,
em que se me commonica o seu bom estado.
Neste molestia os expositores de medici-
na nio aconselham banhos salgados, apenas
quando delles tratan, dizem ser applicados
as escrophulas, JDpocondria, estherismo,
amenorrhea, ractftismo, etc. ; entretanto'vi
este bom resultado no filho do Sr. Cristiano,
e outros factos iguaes tenho visto as om-
mesma composicao, e nem o abaixo assigna-
do se responsabilisa.
Jos da ocha Paranhos.
Xarope tnico refrigerante de veame e de
ferro preparado pelo pharmaceutico Jos
da Rocha Paranhos, estabelecido na cidade
do Recife provincia de Pernambuco, roa
Direita d. 88.
Este xarope, que d tom ao movimento
muscular por sua qualidade ferrea, ao
mesmo tempo purgativo pela parte do ve-
lame que encerra, e refrigerante pela par-
te acida, alm da* precisa para perfeita so
luclo e eombinacSo do ferro; este atacado
pelo acido fica em extrema divislo, e as-
sim o mais soluvel qodNrpossivel, de sorte
queja nio to dependente de ser digerido
pelos cidos fracos, que se acham un sueco
gstrico durante a digestao. Os fipoaitotea
de medicina slo de opiniao que o ferro e
todas as suas preperacOes gozam das virtu-
des eminentemente tnicas, qoe aproveita
em todas as molestias que sao caracterisa-
das por fraqueza; e com efiaito acho exac-
ta essa opiniio; nio mas dado o ierro ea
A
-

t

4
1

i


i
r^l
i
M
' ** '
J
aVaHl




^
. Jlittiml !* <|nJ feto 4 de *rf de 1866.
acia pelo mo resultado q<
servado, (e que ja ii puhlMar) ti
deternrradismolestias; pplremplo:
ma, e febres intennitenat, terminad
tas vozes por anazarca, 4a accorr.
de serosidade no tescido cellular (agua qu
do esta entre a petie) e depois ascite ou
dropesia do ventre, qae acctxmula;5o l
serocidade no peritoneo.
E'-sabido qae o ferro uro dos agentes
di
o que convm trazer o logar
ata-
a qae
sMcar
~~~. S. .auseocia,e logar neerto de' D. Mari
agarbado feM ajiJarf tttoa^coaleiro, par
. aoerraos
erju!
1 de D
por editos, ati
Matbias
irania V.
ie Jess
e fallar
'todo se
pena de
e passe
roax da

Advo
b flSeferxer ,do ar.
verMeirn lape fca-t-elanie femle-se ,arh*1esPe'"
^oticidaruaDirenair. 68, de Jos* ^^^SSKS^t
Ha WftDhof.. -e hora parfyjnlrteio oTsoaTTeTteraun!
aenho-fecebido rtas ie algunas pes- Pede a r. s. assira ine iettmJ-z. R
s9s de oirs pro*fncfs"'iue**ue cobmqu- a. Dr. Reg."
mm tendesta <;idar3 sfad;renastti* o meu J/Jifi?' iS'/S ^f^'^m.z
ais importante para que o sangue se pft-Mropeftlficdo, gue rara da*) resultado as iifidamS no dli *dJ ^^ meI-
pare e aperfeice devidamente, e por cap- descrdito de minea preparado, ujo co- Recrfa,2i de fevereiro da 1866.-Menear Ara-
imecimento se tem verificado depois dos ef- r'P?- ._ ., -
tftifos nift-taes rftrwrfin anrAsniMa au- Era Vlrtnae do Ia1. fl->ra mesmo peU?ao des-
meros qttfwaes reona os ap resano, as- tribQjda ao 8M|lT|o dest j010 Maaoei Mara Ro-
sw, pownenbo-a declarar ao publico .Tjae dngsdpNascmento.
uoletreiroque vai pregado na garrafa-do Riendo osoppiicaote produzido saas (estemu-
xarope, sempre foi assignado por aeu pu- nhas' sellado e preparados os amos subirsm a mi
[casa
zlada
roa
9UJ
na Capnopa,
raote
na frente, 32 palmos de
fregu-
.esquina pira a
Ta das Piirnara-
seguinte o mais propno para impedir o das-
envolvimento destas molestias; as sendo
elle um eficaz excitante, sorbente esectr-
nente, claro qoe s associado como te
acba neste xarope, pode dar o reeditado
que se espera, e a experiencia me tem de-
monstrado sem risco de offender as entra-
nhas.
Os effeitos dos incitantes, s5o : promotor
as secrecoes, e absorebes, augmentar o ca-
lor natural, e remover aquellas dores qae
nascem da falla dos movimentos irrilativos.
Os sorbentes sao tambem aquelles agentes,
os quaes augmentam os movimenlos irrila-
tivos, que formara absorcao, e oss'cernei-
tes aquelles que augmentara os mofinientes
irritatives que coastituem" as secrestes.
Assim, pois, v-se que sera a precisa combi-
nacio e modifleaeso n3o rde ser elle appli-
cado indistinctamente. MuMas vezes o pra-
tico deixa de fazer applicac&o do ferro por
conhecer suspeitar que o gado, o bofe ou
pulinao, e or o essencial da respiracao, tu
ou'ra enlranha est olTeadida; entretanto
que, se se tivesse applicado em tempo se
poderia ter evitado o desenvolvimento da
molestia. Assim, pois, o xarope prepara-
do como lica exposto se pode usar sem ris-
co por nao offender as entranhas. As mo-
lestias contra as quaes o xarope tnico re-
frigerante pode ser applicado com proveito,
sao: as amenorrheas, ou suspenco do flu-
xo menstrual das mulheres, anemia, ou di-
111.unirn da massa do satigue e sua consis-
tencia alterada, dores de estomago, debili-
dade dos orr5os digestivos, fastio, flujos
mucosos, flores branca, chlorose, molestias
do sexo femenino, caracterizada por lan-
guor geral, acclorisacao paluda da cor 1
esveniinhada, empobrecimento do sangue,
eofartes-ehronicos das visceras abdominaes,
alporcas ou escrophulas, escorbutos, opila-
cao, pallidez, e os estragos produzidos pe-
las molestias sypbiliticas: asthenin ou falta
de forcas; fraqueza geral: e ba hydrope-
si a anazarca e ascites; tendo-se o cuidado
de observar tiestas duas ultimas molestias
principalmente, e em todas s outras, qoe
un dos effeitos salutares des te xarope te-
ro-ventre corrente, e as urinas desembar-
celas.
O modo de usar-se e regnlar-sc va i des-
cripto no letreiro pregado no frasco.
Vende-se nicamente na botica da ra
Dii-eita n. 88 de
Jos da Rocha Paranhos.
.. compr.
"Margara, eoft eaeimba proprfa, pasa para
banhos com algum arvoredos a com urna entrada
pelo oiHro Uao de iO palmos de largara, estando
o soto ttavejado, sendo o larreoo projWio, atalia-
to"1>or 2:060a. A qaal ca* pwtence a testamen-
taria dos (loados Fraaeisco Xatier de Lima e sdl
mulher Mara dos Santos Gama, e vai -a praga a
dita casa a requerimeolo do respectivo testamen-
lapeceSo do arsenal de
marlnha.
Faz-se publico que a commissSofle peritos, exa-
minando na forma determinada ao ragalamento
nhfl~Vdantii%m'dMfe%rMm *d*i asslff- nh& c<"^ '# a senwnga.dotieorse- anoexoao decreto n. t,3U de 5 de toweiro de
nao, e uaqui em mete, awm aesta assig- guinle 8<4, o oasco, achina, caldeira, parelho,
natura oflrre tambem no-papel que CODre Proceda a justiflcacaoj as a garrafa. Rogo ao teCSmo pubCO que tincada saja citada por edito de 30dias, uara om Jia?/ianffa/7p da compaahia Pernambucana de
qandoforem assitengwdos, tornera tes- ^r'fVoH0lhfasl AlQce .. M ,nave/afao costeira, achou todos estes objectos
temunbas^me remeJtarWotalos telsiflca- ; de f9Vereiro de m- AleMar Ara" "L^""-* *>*" o vapor nategar.
des e me-participea-para tezer effetivo
artigo 167 do cdigo criminal do Busil.
Jos da.Rocktt&aranhas.

COMMEftCIO

PRAfA DO REat-'ii.
otaicoes offlelucs.
28 de fefeTeiro.
As 3 l| horas tarde.
Algodo 1* sorte16*800 e 1Q|500 por arroba.
Cambie sobre Londres 90 d/vista 8 18 d. por
laooo.
Frele doatgodao para Liverpool id/ e'** 0[0
e prtoagem.
Silveira,
Secretario.
rolblPML
Recite, 23 de fevereiro
npe.
Por forjada qaal o referido eicrivgo fez passar
o presete pelo qaal chamo, cito e hel por citada a
Jneflcada O.. Mara de Jetos Cordeiro, para qae
compare^ nete juizo dentro do iadlcado praso,
a8m de allegar oque for de Justlca.
E para que chegue ao eophecmento de todos
maatei passar o presente qoe sera' publicado pela
imprensa e afflxado nos lujares do costum?.
i Recite 27 de fevereiro de 1866.Eu Manoel Ma-
ra Rodrigues do Nasci ment, escrlvSo o snbs-
crevi.
Triftao de'Menear-Araripe.
O doutor Tristao d Aleocar Araripe, ofli-
i cial da imperial ordem daRosa, e juiz es-
Ibspeccao do arsenal de marinha de Peraam-
buco 27 de fevereiro de 18G6.
O taspector,
______________H. A. Barbosa de Almeida
.s trea horas da-tarde do~diaT3~de'marco
prximo vindooro lera lugar no juizo de orphaos
do lermo de Ignarass a arrematado de um bom
escrato pardo, com Idade vlnte e tres anno?, para
o servico do campo, e mesmo para pagem : a
ultima praca.
Par^ Lisboa pretende sabir com brevidade o
patar-h npinguez JOS' pdf terpart. da rarga
tratada e pum o reato quaipes falta trati(-se com o
consignatatio Joaquim Jote Goncalves Beitro, na
ra do Vifiirio n. 17, primeiro andar.
12I1SES.

Erisipela.
O medicamento que com mais influencia
e energa tem combatido essa terrivel en
fernridade, tem sido o xarope alcohlico de
veame.
Urna escrava da mi do Sr. Francisco Fir-
mino Monteiro, pessoa bem conhecidanesta
ciclarte, a. hando-se de cama, e com as per-
as bastante incitadas, e ebeia de lumores,
tornando o xarope de veame, acha-se boje
boa, prestando servicos.
A mana do Sr. Jos Francisco Pinto, mo-
rador na ra Direita n. 51, tendo sido
accotnmettida do mesmo mal, acba-se tam-
bem boa.
A Sra. D. Senhorinha Umbelina dos
Sanios, moradora na ra das Calcadas n.
38, achando-se atacada de erysipella as c6-
xas, com quatro tumores bastante volumo-
sos, no estado indolente, que a privava de
pr-se de p ha muito tempo, com o uso
do xarope alcohlico de veame e pillas pur-
gativas do mesmo, acba-se restabelecida, e
oo uso dos medicamentos os tumores ter-
mioaram pela suppuracao.
A Sra. D. Rita, moradora na ra de Santa
Rila n. 13, primeiro andar, soffrendo do
mesmo mal ba mu tos annos, pois que a ery-
sipella atacava amiudadamente, depois que
tem tomado esse remedio nunca mais Ihe
den.
Otitros muitos fados desta ordem deixo
de mencionar aqui para n5o me tornar pro-
lixo e enfadonho.
Sendo a erysipella urna molstia que sem
duvida efleito de materia gerada no corpo
corno expoem alguns esenptores de medici-
na, e em consequencia da febre hncada
na pello, onde produz ioflammaco, e que
muitas pessoas, por nao se terem conve-
nientemente tratado, suecumbem com o
pernicioso uso de que, nos tres dias nao de-
vi'i.ii usar de remedio algum, o que faz-se
esieiiiler o mal por nao se ter a* principio
combatido; por isso, pois, conveniente
que, logo qoe alguem se sentir atacado de
tal mal, deve provocar a transpiraco toman-
do ao principio urna colberinha de cha o
xarope alcohlico de veame dissolvido em
urna chicara de iofuso de flor de sabu-
gueiro quente, adocaddo-a com mais assu-
car, continuando nos tres dias nease trata
tamento, no fim dos quaes usara' do xaro-
pe de veame na forma prescripta no reca-
tuano, tendo todo o cuidado de se abafar,
afini de soar conver.ientemente, alem de
conservar o ventre corrente, que conseguir
tomando urna ou duas pillas purgativas do
mesmo veame.
Todos quantos suecumbem desta moles-
tia se diz :falleceu de erysipella recolta-
da ; ao contrario,, alguns expositores prt-
surriem ser o desenrolvimeato da putrefae-
5o no san .me, tanto que o lugar inflammi-
do que, ento a sua cor era encarnada, ffi,
tro:;a em livida ou negra, e lerm na em gaa
Vovo banea de Pernam-
bnco.
'O Novo Banco descosta letras a 12 por cento
ao anno, lotaa dioheiro a praso flxo oo em conta
corrente pelo premio e.eondicdes qae se conven
clonar, e saea sobre a rjt-aca da Baha
Calxa filial do banco do Brasil
em Pernambneo.
De ordem da directora -se faz pulico qne o
ihesereirj desta caiza se acha auoriaadoa pagar
o dividendo do semest) fiado em 31 de dezembro
prximo paasado, na razao de 12J000 por aego.
Cana Qlial do banco do Brasil 15 de Janeiro
de 1866.
O guarda-livros,
[gaacio Nunes Crrela.
ALFANDEGA.
Rendimento do dia 1 a 27......
dem do dia. 28...............
663:6263837
io:2MJ860

'
680:9215717
MOVIMENTO DAALFADEG2A.
Voltrmes entrados com fazendas.... 232
c c com gneros.....
Volumes saludos cem faz'fldas.....
com gneros.....
-----996
69
1,482
-----!,5W
Descarregam boje do marco.
Galera franeexa Mielemercadorias.
Barca portugueza Confiante III diversos g-
neros.
Barca portuguezaSegurmnca podras.
Poiaca bespaonolaIndiacharqne.
Brigue oespanbolMara Rosadem.
Brlgoe nacionalFluminense dem.
Brigue argentino Votante\em.
Polaca argentinaMontevilo-4Aeia.
Sumaca argentinaNooa Carlotadem.
PBrcanaciooal -Guarahindem.
Imporlaeo.
Hyate nacional Dous rmelos, entrado do Araca
ty, consignado a Tasso Irmaos, manifestou o se-
guiote:
128 calzas com 168 ia) e 18 de velas de car-
nauba, 19 molos com 380 couros e 875 meios de
sola ; a Prente Vianna & C.
35 calas com 53 (> e 15 y % de velas de car-
nauba, SO meios de sola; a Libo F. & Cunha.
80 calas com 81 () 10 e|3/i develas de car-
nauba, 36 saccas com 136
do; aos consignatarios.
11 caias com 10 (a) e 21 de velas; a Martins
de Amorim.
46 saccas com 218 (B e 7
com 100(8 de cera de carnauba;
Leito Jnior.
15 caias com 24 T e 12
ba, 12 molhos com 296 esleirs
dos Santos Jnior.
22 saccas com 81 .a. e 10 s tic algodo; a Gomes
de Mallos Jnior.
ftECEBEDORIA DE RBiN'DAS INTERNAS GE-
Finda a audiencia do Sr. Dr. juiz de orphaos,
do dia 2 de marco do corrente anno, ir a praca
por arrendamento os alueueres da casa terrea n. 5,
no Ingar denominadoChora Menino, a razao de
2005 ananaes, de coja casa co-senhor o orphe
pecial do commereio desta cidade do Red- Olbo do finado Vicente Pereira da Silva.
fe def ernambuc, pflr S. M.I etc. a administraco do correio desta ci-
Faco saber aos qxte o presente edttal virem dade precisa eflgajar qQatr0 homeas para
edelle noticia tiverem-quepor eate juizo 0 servico de caminheiros: quera estiver
especial do commereio pendem uns autos De$las condces e quizer engaiar-se diri-
de xecucao de setUen;a |ior mandado exe- ja.se a mesma.
cutivo de Jos Francisco'Xavier de Mello con-
tra Jos de Alme'da Ferreira.
E tendo-se feto penhora em dinheiro per- \
COHREIO GER4L
Pela administrago do correio desta cidade se
II:iimo
Liqnidac ejoiasde onro
b> i litantes.'
Hoje as 12 horas, em continuacao.
Armazem da roa di Cadeia de Recite n. 8
Americo F. S.. aulorisado por um seu amigo que
se retira para Europa no vapor que se espera oes-
tes dias, tara' leilo Ae diversos aderecos, aneis,
correntes, relogijjs e outros muitos artigos de gos-
te garantindo concluir venda pelo maior pre;o
ao correr do raartelld' por intervencSo do agente
Martina.
liEILAO
De movis, crystaes e out os ar-
tigos de casa
Hoje era continuacao as 12 horas.
Rna da Cadeia numero 8.
Americo F. S. tara' leilao por interveocao do
ageote Martins, de urna mobilia de amarello, 1
piano moderno, 1 santuario, 1 cama frauueza de
amarello, 1 carteira, 1 mesa de pinho, 2. ricos apa-
radores^l raarqueza para casal, 1 lavatorio, 1 so-
f, 2 cadeiras de bataneo, candieiros a gaz, qua-
dros e outros muitos arllgos de gosto.
De 2 caixas com ceb.das.
HOJE
O agente Pestaoa far^' Rsilio por conta e risco
de qoem perlencer de 20 eaias com ceblas em
lotes a vontade dos compradores : hoje do cor-
rente pelas 10 horas da maoha no armazem do
Annes.
> prwiit" lencenie ao executaao, ioni peio sottciiaaor de da coaren?o posU| celebrada pe|03 ROvemos
Carlos Francisco Soares de BntO procurador brasileifo e francez, serlo expedidas malas p?ra
De trastesavulsos, mobilias, objectos de ouro e
* Prata'caQ.di.e'ros a g*f- relogios de cima de mesa,
do exequente, feito 0 requerido ao seguinte Europa no dia 2 de marco pelo vapor francez ,:uos ae al|IM,ra. P:leiros de porcelana, pianos
; Guyenne. iae aUii.e e armario, lanternas, castigaes e ou-
AVISOS MARTIMOS
g) e 30 de algo-
de algodo, 20 ditas
a Jos de S
de velas de carna
a Joao Francisco
RAES DE PEIINAMBCO.
Rendimento do dia 1 a 27.,
(dem do dia 28.
34:4SO*i70
5:897)1066
40:3173236
[CONSULADO PltpVINC[AL.~~
Rendimento do da 1 a 27.. I___ 167:512^686
fdem do dia 28..........t... 8:392*427
...
175:905*113
WOVIWEWTO DO PORTO
Navio entrado no da 27.
Aracaty 7 dias, hiate braleiro Dous-Amigos, de
75 toneladas, capiao Francisco E. Rodrigues,
eqnipagem 9, carga 109 saccas comalgodoe
outros gneros; a Antonio Lniz de Oliveira Aze-
vedo & C. ____________.
--
Ass11 dias, biate brasileiro Graciosa, d> 4 to-
neladas, capito Cosme R. da Costa, eqoipagem
7, carga sal e outros gneros; a Uartbolomeu
Lourenco.
I4em-ll dias, hiate naxoaal Amelia, de-35 tone-
ladas, capillo Francisco Thomaz de Asis, equi-
pagem 5, carga sal e outros gneros; a Parate
Vianna & C
Scotbampton e portos Intermedios18 das, vapor
inglez Oowro, de 1226 toteladas, comoKDante
Bevis, equipagera t, carga fazeadas e outros
, genero*.
B^u-IMiai, galera \tpmt. Slebonkealh, de Mi
melatW, capito T. Sopwit, eqoipagem 21, em
tattro; a WelsonAHeU.
Rio-Grande do Sal42 dias, brigue brasileiro la-
fra, de 270 toneladas, capito Joaquim dos San-
tos Sooza, equipagem 12, carga 9400 arroba de
rne secca ; a A mor i m frmSo.
Babia15 das, patacho brasileiro Santo Antonio,
de 124 toneladas, capilfio Antonio Jos de Arau-
o, eqoipagem 10, carga 3000 alqueires de fari-
aha de mandioca e outros gneros i a Joaqalm
?'os Goo?alves Beltrao.
Po-ioj do norte 10 dias, tapor brasileiro Pr
minga, de 433 topetadas, commaodaote Betmiro
B. de Sonza, equipagem 20, carga algodo e on
tros gneros.
Navios saludos no nesmo dia.
IBio de Jaoeiro e Baiiia=Vapor Inglez Dotiro, com-
- mandante Bevis.
Angosto
rges Cbral, carg: assncar e
inalflT HerdtUe, aapilia fillI
gren.i, e por essa raz3o que conveniente' liba de S. Miguel-Escuna portugueza Emma, ca-
o xarope alcohlico de veame na infusao 4#
flor de sabugo, para se conseguir resolverte
inllammaco, ou pelo menos terminar pela
supporaco, impediodo assim a gangrena.
Os effeitos do xarope alcohlico de veame
applicado na flor de sabugo ao doente, nao:
s de vantagem por sua qualidade diafo-!
retica, eornopelaaati-septica para imped,
a uutre'a i;5 as molestias.
Na erysipella nao deve o enfermo
meiros tres dias usar de comidas beb-
termo.
Ans 26 dp Ae, fi>vrnirn (\e Iftfifi 'pm nn-! Ascar'as serao receidas at duas horas antes
aos zd ae ae ieveretro ae iot>, em pu da for marcada a sanida d0 va e os
bltca audiencia que aos fetose partes da va 'joraes at tres horas antes.
O Dr. juiz. especial do commereio TristSo de | AdministraQo do crrelo de Pernarabco 22 de
Alencar Araripe, n'ella pelo so'icitador Car- tevereiro de 1866
los Francisco Soares derrito procurador do | DomigofdT'SSS'inrind..
exequente Jos Francisco Xavier de Mello,
fra aecusada tpenlrora afeita em dinheiro e
requereu tjue 4ica3sem tissignados seis dias
a penhora, e 10 aos credores incertos, pas-
sando-se editaes, o que oavido pelo juiz man-
douapregoar.e depois hoirve os 6 dias por
assignados a penhora, e 10 aos credores in-'{
certos, e o mais por deferido na forma reque-
rida, do qne fiz o presente extrabidodo pro-
tocollo das audiencias a quejonteia carta pre-
caria que segu: Eu Manoel Mara Rodrigues
do Nacimento escrivaoo-escrevi.Por for^a
do meu despacho, o referido escrivo fez pas- \
sar o presente peloqual fchamo cito e hei por cara iae vaPor P^" condu'-'r
COHP.1NHI.4 BR1SILGIRA
DE
P.4QDETES A 'VAPOR.
E' esperado dos portos do norte
at o dia 6 da margo o vapor Pa-
ran, commanda'nte o capito de
tros muitos artigos.
Sextafeira 2 de marco as 11 horas.
NO GRANDE ARMAZEVl DO AGENTE
OLYMPIO
48 Prava do Commereio -48
LEILO
De urna taberna.
PH0T06R4PHI4
artstica americana
RA DO IMPERADOR N. 38.
Artista americano
Artista americano.
Artisti americano.
Artista americano.
RetratosRetratosRetratos.
Em porcelana Niepcotypie.
E o lencosArcbrotypie.
Em vidroAmbrotypie.
Em meta^Daajjerreptypie.
Em ptpelTafbatjpie.'
No grande sali da roa do Imperador n. 38
No grande sali da roa do Imperador n. 38
Nest esltfbeleeimftto Hf*m-se retalos
em todos os systamas, com asseio e promp-
tidai), desde as nove horas da manbaa
at as cinco da tarde; assim como tem
sempre a venda grande sortiieato de cai-
xas finas de diversas formas. Qnadros
ovaes Passepartouts e todos os mais ob-
jectos e productos chimicos, relativos a ar-
te e recibidos urtimamente dos melhores
foroecedores de PARS e N' va York, tendo
de tudo, para tocios os gestos epara todos
os precos.
Salo da ra do Imperador n. 38.
Salo da roa do Itaperador n. 38.
1.
qual dever
i~.:Z,~2a^1 ^l"^Z.j'X^";-*, A^Ait^'JmZ ser embarcada no dia de sua chegada, encommen-
raumados os credores lacertos do dito exe-, das e diobero t fre[e 4t6 0 da daB 8am-da as 2 ho.
cutado, para que comparecSo n este juizo ras: agencia rna da Cruz n. 1, escriptorlo de An-
dentro do dito praso-afim de allegarem o que nio Luir de Oliveira Azevedo & o.
E para que chegue ao conhecimento de r&rdOllO QGJflllGirO
todos mandei passar o presente que ser vai sanir com poucos dias o brigae Adelaide por ter
nnhli ado nela imnrensa e afkados nos lu- a maor DarlB d carregamento tratado, o para e
puoa auo peta tmp onsa e aiuxauos nos m raglo que |hg fa)u g escravos j^j" ,rata se com
gares (JO COStume. 0 consignatario Joaquim Jos Goncilves Beltro,
Recife 28 de fevereiro de 1866. Eu Ma- na ra do Vigarlo n. 17, primeiro andar.

Na Boa-Vista ra do Cotovello numero
Cordelro SloiSes
a requerimento de Thomaz Francisco de Salles Ro-
sa e despacho do litro. Sr. Dr. juiz de direito es-
Sabbade 3 do corrate
Silva
noel Maria RoJriguesdo Nacimento escrivo
o subscrevi.
Tristao de Alencar Araripe,
MCViL*CLS_
O capitSo commandante da compa-
nhia provisoria de polica abaixo assignado
convida aos cidados que se queram enga- ^ffu0,.",0!1! *
. ma-ni-i Mmnmh'i o no Desdeja recebem se passagelros e engaja-se a
as 11 horas na mesma taberna.
Grande leilao de mobilia
Terca-feira 6 de marco.
S. P. Johoslou tendo de retirar-se para a Euro-
pa tara leflio por lotervencao do agente Pestaa
de toda sua mobilia assim como um cabriolet e
cavallo : terca feira 6 de marco pelas 11 horas da
: manhaa em a casa de sua residencia nos Aflictos
casa junto da igreja, es object.js serSo em temqo
publicados.
YERDADEIRO LE ROT
de SIGNORET, Docteur-Mdecn
Ru de Seine, 51, PARS.
COMPANHIA 3MSILEIRA
UE
PAQUETES A VAPOR.
Dos portos do snl esperado
at o dia 2 de marco o vapor To-
cantins, commandante o primeiro
lente Araujo. o qual depois da
demora do costume seguir para
avisos DIVERSOS
LO TE MI A
Aos 6:OO000.
Segunda-feira 5 de marco (se antes des-
. se da tiver seguido para o n -rte o paque-1
jar no servico aa mesma compannta, a que carga que 0 vapor VA condnzir, a qual dever te brasileiro que se espera do sul) se ex-!
Km eada garrafa, vai, catre a rolha e o papel aail
que leva o meu tele, um rotulo impreuo em mo-
rdi eom o Sello ijubial do cotirno fiimcez.
IV. B. remeltendo-se urna lettra de 609 fracos|
$olire Par*, mmait^mmi a 4ln. ,l. arfa.. M mxima
goza-te do abaltmento e do mator deteooto.
Deposito principal
lo legitimo Le Ro/
em Caza do nosso
nico agente peto
Brazil a Sn Airra-
m FaiNC : de La-
cerda aa Babia
noipriaelpaatfhar
auceutcw.
Se? i
e jnflammar
BtrDTSrtwfW^WBI'
mandante L J. Martins. #
Aciracu, e portos intermedios Vapor nacional
Mamanguape, cMnmaadantv Ralis, carga diuV
rentes gneros.
Observaos*.
{ospenden do jamaro para a Parabyba o bri-
inglez Sarn capillo Veniqht, com o mesmo
;ro ejoe trooxa de Rio de Jaoeiro.
o m
das que possam esquentar
eangue.
A comida dorante.ase teropo deve ser do
reipo vegetal, como sag, farinha do Mar-
fiba, pao torrado, holadia, et<
vi expa&ilor de awdicini qne
aconselliasse qa^ oeros tres dias
jtosd bmI, nao e us~
met:'.icaraento
ud lentos, autoras que obstraem
TW1T
Dr.Tristao de Alencar Araripe, oficial 4a impe-
rial ordem da liosa, e juiz especial 4o commereio
resta cidade do Recite de Pernambaco por Sua
irla! e constitucional, o Sr. D. P-
leos guarde, utc.
s que o presente edita! virem e
rem, que por parle de Uathias Lo-
me fot dirigida aflH
i
comparecam no respeoM^o quartel em to-
dos os dias uteis, das 9 horas da, manhaa
por diante. Quartel da companhia provi-
soria de polica 10 de f verero de 1866.
______Luu deFranca Mello Jnior.
Santa Casa U -ilisericordia
do Hecifc.
A Illm* junta administrativa da Santa Casa de
Misericordia do Recite manda fazer publico que
precisa contratar um capello para o hospicio de
alienados em Olio Ja; os reveendos sacerdotes que
pretenderem exercer as funecoes desle cargo po-
de m dirigir as suas pelc,5*s a' mesma -junta, a
qual se rene as quiotas-feiras na respectiva sala
de suas sessoes.
Secretaria da Santa Casa de Misericordia do Re-
cite 28 de evereiro de IS66.
O official-oiaior,
M anoel Antonio
Capitana da porte de-Peroambwo, 20 de
fevereiro de 1866.
U Illm. Sr. capito do porto, manda publicar em
virtade de ordem de S. Ezc. o Sr. conseloeiro pre-
sidente da provincia, o aviso circularle 10 de
janeiro ultimo, em que o Etm. Sr. ministro da
agricultura, commereio e obras publicas, commu-
oicando a existencia de urna estacSo telegraphica
no Cabo-i io, dealata ao-sesmo tempo o modo
porque devem os navios procedentes do norte,
communicar-se coa a mesma estaco, e no caso
de cerracao ou noote con a Pona-Negra ou a
Santa-Cruz.
Circular.Directora das obra- publicas.2 sec-
H?*o.Rio de Jae*ro.-MlBisierio dos negocios da
agricultura, commereio e obras publicas, em 10 de
Janeiro de 1866.Illm e ExtB. Sr.-Commuoico a
V. Bit para que faca pnMiear nessa provincia,
afim de ebegar ao coobeamento dos dooos ou con-
sigoatariM dos navios qoe o Cabo-frio existe nma
esttco tetagaMca para qual, aquelles que
deoaandarem a harra *> Rio de Janeiro, devem
foreeer a tefetisoacoaimtales:
A saber
I.* Onomodo navio;
1* A sua procedeaeia;
3.* Os das de vtagem;
4. A carga qae tras;
S. O nome do consigoalerio;
6.a As noticias martimas oicmmercaes.
Com a declaracao de qae kaes mformacoes serSo
traosmiltidas por meio d^fJgnaes Ma.ryatb -a
referida estaco, e quando o navios nao possam
com ella por causa da noote oo de cerracao no
ser embarcada no dia de sua chegada, encom-
mendas e dinheiro a frete at o dia da sahida as
2 horas : agencia ra da Cruz n. i, escriptorio de
Antonio Luiz de Oliveira Azevedo & C.
traer a 3a parte da Ia lotera (50), a be-
neficio do recolhimeoto de Iguarass, no I
lugar e hora do costume.
Companha das Mcnsagerles In-' Os bilnetes, meios e quintos achara-se
periales. | venda na respectiva thesourara a ra do
No dia 2 de' Crespo n 15,
^ -^f* margo espera-se Os premios de 0:000^000 at 10,5000
ra do costume se-
guir' para Brdeos tocando em S. Vicente e Lis-
boa,
Em S. Vicente ka um vapor am corresponden-
cia eom Gore.
Para condeces, fretes e passagens trata-se na
agencia ra do Trapiche n. 9.
COMPAAHIA PERNAMBUCANA
DR
Ravegaean costeira por vapor.
Iltaa d Fernando de Noronha.
Seguir logo que regresse dos portos do sul o
vapor Parahyba, commandante Martins, para o
presidio de Fernando, para onde recebera' a car-
ga que bouver assim como encommendas, passa-
gelros e dinheiro a frele._________________
Compaahia Pernambucaua
DE
."Wavegapao costeira per vapor.
Parahiba, Natal, Maco, Aracaty, Ceara'
e Acarac.
O vapor Persinunga, comman-
dante Belmiro, segu para os re-
feridos portos no dia 7 do cor-
rete as 5 horas da larde. Re-
_______cebe earga someote al o dia
6, encommendas e dinheiro a frete at as 2 horas
da tarde do dia da sahida : escriptorio ao Forte
do Matos n. 1. _______________^^^^
Para a Baha
Pretende seguir eom malta brevidade o pal ha-
bote nacional Dous Amigos, loca parte do sen car-
regamento prompto para o resto qae Ihe falta tra-
ta-se com es seas consignatarios Antonio Lniz de
Oliveira Azevedo & C no sea escriptorio ra da
Cruz o. 1.
wSrUkm sera"Pa8s uma hora dePis da extracto
Gunne, cora- ^ as 3 horas da tarde, e os outros depois
mandante A. de da distribuico das listas.
la No, o qua
depoi! da demo-
As encommendas ser5o guardadas so-
mente at a note da vespera da extracto.
O thesoureiro,
Antonio Jos Rodrigues de Souza.
Monsenhor Manoel Francisco Moniz Tarares,
manda sea sobrinho Manoel Moniz Tavares, menor
le 13 annos, para a Europa.
Antonio de Azevedo Ramos retira-se para
Europa.
10 Dr. Francisco Pires
Portella
ftl
i H
achado
s
mar o devem fazer para
Santa-Cruz, em quanto
camprindo admittir que o
portos do sul, devora tr.
coes exigidas para o 1
lola, logo qoe m pos:
estafes.
Deas guarde a V. Exe
de Paula Souza.Sr. pr
Pernambneo.
ta-Negra," ou para
em fra da barra,
ios procedentes dos
ir as communica-
da barra, ou Baby-
esponder com taes
Antonio Francisco
o da provincia de
flnrno de Pernambu-
,Ol66.-Cunha Paran
O secretarlo.
Pecio de Aguino fO*fi<*
Qjmiiiercial Be-
iificente,
A directora desta associaglo precisa coKratar
ama pessoa com as habilitares necessariai para
oceupar o lagar de ajudante do archivista : a; tra-
tar com o secretario 4a direceo o 8r. Candl) Ca-
semiro Goedes Alcoforado. _,
Sato da Aaoootaci.) Commorclat Beetce|e 27
de fevereiro de 1866.
O archivista
Joaqom Dallro Teiles de Soaza.
MEDICO E OPERAHOR
Htl
Faculdade de Pars.
continua no exercicio da sua proflsso,
especialmente as molestias de olhos, de
vas urinarias e de pella, para cajo tra-
tamento julga-se habilitado atienta a pra-
tica adquirida nos hospitaes daqnella ca-
pital, e os instrumentos mais modernos
qoe possue.
Accede promptamente a qualquer cha-
mado para fora da cidade.
E onearrega-se de collocar olhos arti-
Qclaes.
No pateo do Carmo n. 2, esquina da
ra de Hortas, das 6 as 10 horas da ma-
nhla, e das 3 as 5 da tarde.
ia- 9
1
Antonio Hara da Silva
tar de sua sande.
vai a Portugal Ira-
Para o Eio de Janeiro
Pretende seguir com muita brevidade o palha-
bote nacional PIEDADE, tem dous tercos do seu
carregamento tratado, para o resto qae Ihe falta
trata se com os seas consignatarios Antonio Luiz
de Oliveira Azevedo & C, no sea escriplorto raa
ca Cruz o. i.
Para Lisboa
Sahir' oestes poneos dias a barca portugueza
Constante lili, por ter prorapto quasi todo o sea
carregamento, para o restante e passageiros tra-
ta-se com Maooel Ignacio de Oliveira & Filho, lar-
go do Corpo Santo escriptorio n. 19, ou com o
capito na praca.____________________.
Para* Iba de S, |ijticl
pretende seguir neste* dea dias o patacho porta- \
guez Fernandes, tem doas tercos de sea carrega-
Mato rompo; pora o resto qa Ihe falta o pas-
sageiros, para os qaae lem eicelleoles ooMBOdos,
trata-se com os teas consignatarios Antonio Luiz
de Ollvetf* Aotrodo <& C, no hb escriptorio roa
da Croa n. 1.
Precisa-sede ama ama para cozinbar e mal
servico do urna casa : na roa do Imperador n. 46,
armazem. *
Precisase de um hornera para trabalhar em
sillo com planta de capim, e qne saiba cortar ca-
pim comjfacao : na ra Direita o. 69-_________
Precisase de ama ama para casa de pouca
familia : no ra da Florentina n. 14.
car-
Com
as LIMAS
CHIMICAS E
P. MOTJRTH, forne
a^lor da Caza Imperial do Exercito
francez, garante-u qne "e^ialquer
pessoa podera sem dor netn perigo
livrar-se de eos callos. Esta ven-
eno : privilegiada em varios paizes,
reconhecida officialmente effitaz
por 15 nacOAs, premiada com >'-'
dnlhasde 1* e2" cIasseeappro\ada
por diversa* academias e pelo Eim
Presidente da Junta de Hvftcne a
corte. Por ordem do Ministro do
G uerra fez -se em Pariz eiperiencins
sobre mais de 8000 soldados qae
ficarlo livres de seos callos; igual
resultado foi obtido na guarnicfto
do Rio de Janeiro. Mais de 3000
pessoas ja se tata curado com estas
Limas. Al proras do que so diz ci-
ma e os attestados acham-se no
prospecta, que se da no deposito.
Casa principal m Parix, V Prime
HugneAS, Agente vara o Brasil,
o S'M. O. ABRAN CIIE$, ra
da Alfandega, JV 10, na Cart*.
Le se no Jtommr te ta Pksrmene.
. A clecIrictA* a per lodos os
. mdicos afamados, para o iral toento de moHas
. molesliB, naso para aa < wmasoulras
tniedicacoev
A elecliiiadterBdmioa pela *icea lera orna
,superlordadeioWel8Tel,lei Magem de nao
, dar abalo, e de poder sergftabpelo dueale.
. A causa a ftequtnte ^ ****>*
etagnca6 sanfe on dos oiilros*qw*oevK
.la, ReaUMeoeade ie a cktulti m orfa-
Dismo, curaeaoHe as moleslias.
.Quando se sent alguma d> eat ^tqoer
parte do corpo loje, e instinWWainehw.Te erlrega
> o 1 u ;ar endo!orido coro ruad, e kto alHtla. Ist
riplica o resultado iucoiueslarel ue deve pra-
duiir um apparellio elctrico. Per isso temo*
prmeremiHWnclarae'noWieo ne de Bivlllicrs residente, bouleiart dn Woee-
Kusene, 48, m Paria, doton a medicina de am
apparelho lecUo-Megnetioo, sob a toma de
urna escova, ceta'o Mal o doses ae pe**
turar aem nebuaaa eutra medioeeao. (Hmttcm
que tem experimentada, altala
.uoot iLmmoMianmatBcu^*
.cann*nk,mnaimte;h9**1p.**+
Fraqueza doi membro*, de CfJei v
" "Antonlo'lfs Ta"
reir da AnnuneUj:
da Paz, agradecem
pessoas qae se dlgaaram assistir as
quias fetas ao sea tinado sogro Jos
,'JOlo TST-
Francisco Candido
talmente a todas as
ex*..
Joa-
Estamos certoa qne fcretoe
**Tf
r*enoMoOueUor, .
Perntnfjuco, pbarmacta traoceaa deP.
laureriC, ra Nova 18.
qulm de Novaos, e de novo roga aa raesmas
pessewo earidwo obseento de assisltr a
mise no stimo 4M qne tf mgar no ^dla 1
do corrente pelas 0 horas na igreja de Santa
rlta deCassla.
Qoem precisar de ama ama para o
interno de nma caadlr^o roa lar| 4o
oSm
itio ouaaHn t
icoriiian.6i.pad
snainnmnnnmBaH
QSBBknK BnB








-







.
>



1

1
9 :
%
a




__^__^^^^^____
Hrtete
Mn t de M*r* ;
i -



v
A NACIONAL
Companhia. goal hespanhola de seguros mutuos
sobre a vida
AUTOMSIDA PELO WEAL DECRETO DEM DE BBEfilftftO DE 1859
Una laica ea dinheiro, depositado dos cafres 4o estado, faraate a boa ad
istraco da eeapaafeia.
BANQUE1ROS DA OOOIPANHIA
Baeeo de eapanha
WRECCAO GERAL
Madrid: Ra de Prado a. !
Esta companhia liga pele-eystema mutno todas as omtimacfes de ab per vivencia dos segn
Nella pode se laxer a ofescripcao de maneira que *n nenhum caso -asmo por mor*e do
segurado ie perca o capital nem-os joros correspondentes artes.
Saotao suprehendentesoeresuludos que prodazeoa a* sociedades dandole deA NAUU-
NAL,que anda mesmo dimioaindo urna terca parte do interesee prodnzido un recentes ligutna-
coes ecorabinando-o cota a mortalidade da tabella de Depareieui qoe adoptada pelace-mpanaia
para seas clenlos e HqnidacSea, em segurados de idade de 3 a!9 annos, osa imposicao annaa
de WOJ produx em effectivo mela*ico: ,
No flm de 8 annos.......1:119*300
. de W .......3:942*600
. de a........11:208*200
, Se .......30:256*000
, de S .......80:331*000
as dades menores de 3 annos e maiores de 30, os productos sao mais considerareis.
Prospecta e mais ioformacoee serao prestadas pelo suMireeior nestt prwiMi. -.tald.
im Fio de Oliveira, roa da Cadeia n. 52, oo a Boa-Vista roa da Imperatrtz 12, eetabeieci
ment dos Srs. Raymundo, Carlos,Leite k Irmao.
caqnifn i
TINTURARA
AO GRANDE S MAURICIO
PttOCESSOS APERFEIOAOS
PARA
Tinglr, lliupar e lastrar a vapor.
F. A. SALMR
29 Kua 7 de setembro 29
Defreote da roa nova do Oovidor (Rio de Janeiro)
Os proprietarios deste estabelecimenlo, o primeiro no sea genero no Brasil, por
trabalhar com as machinas mais aperfeicoadas para tingir e lustrar, de que se faz uso n
Europa, eajudados por alguns dos melhores officiaes de Paris e Ly5o, podem assgu-
rar seos freguezes urna perfei;5o no trabalho, a qual seno pode chegar pelos proces-
sos ordinarios.
Tingem, lavam, limpam e demofam cora a mai r perfeico e brevidade qualquer
qualidade de fazendas, tiram nodoas e limpam !seceo sem mollar as sedas e as vestimen-
tas de senhoras e de homens.
A
SALSAFARMIIA
Precisa-se alogar qoalro escravos qae sejam
posseotes para ser vico denaixo de coberia, pagso-
do-se bem : a tratar ne largo da Aisembla n. 20.
~EDgomma-8e
com asseio, prompiidao e preces razoaveis : na roa
Aogosta no, loja.
Joo da Silva Ramos, medico j]
pela universidade de Coimbra, d |
consultas em sua casa das 9 as ,
11 horas da mantilla, e das 4 as 6 I
da tarde. Visita os doentes em suasj
casas regularmente as horas para
isso designadas, salvo os casos ur- j]
goutes, que serau sorxorrido em
qualquer occasiao. D consultas aos S
pobres que o procurarem no hos- U
pital Pedro II, aonde encontrado ]]
diariamente das 6 s 8 horas da |
manha,
Tem. sua casa de sade regular- I
mente montada para receber qual- !
quer doente, ainda mesmo os alie- g
nados, para o que tem commodos |
apropriados e nella pratica qualquer i
opperacSo cirurgica.
Para a casa de sade.
Primeira classe..3000diarios. l\
Segunda dita____3(9500 >
Terceira dita .25000
Este estabelecimento j bem
acreditado pelos bons serviros que i
tem prestado.
O proprietario espera que elle
continu a merecer a confianca de ]
[que sempre tem gozado.
MARTIMOS
CONTRA FOGO.
A companhia Indemnisadora, estabeleci-
da nesta praca, toma seguros martimos so-
bre navios e seus carregamentos, e contra
fogo om edificios, mercaderas e mobilias :
na ra do Vigario n. 4, pavimento terreo.
O Si", rmiicisou Joc Oe Pieiua Gui-
! maraes, queira ur a bcndade de appare-
; cer na livraria n. 8 da praca da Indepen-
i dencia.
Qaem tiver para Tender orna casa terrea em
alguma das roas da fregoezia da Boa-Vista oo de
Sanio Antonio, dirija-pe a roa do Imperador o. 54,
1 andar, escriptoho, das 10 as 3 horas da tarde, e
fra dessas horas na roa do Arago n. 32, sobra-
do, qoe achara qaem pretende comprar.
B0B4S~DE"P\fE\TE
Ra Nova n. 30.
Chegaram as aelbores bombas americanas do
rrelbor system qae ha, assim como as pessoas
qoe pretender encanamentos para agua pode se
dirigir a mesma lojaqoe tem sempre canos, cham-
bo, torneiras, ehoqoes, valvolas etc.
Na padaria da Torre precisa-se de um ho-
rneo) para caixeiro, Brasileiro ou Portoguez, teodo
algama pratica melbor, e qoe d conhecfmento de
sua coodacla.
Precisa-se de urna ama para cozinbar e com
prar: na roa do Pires o. 24. ______
Samuel Power Jo hasta. A Companhia
Roa da SenzalaNova n. 4.
AGNCIA DA
Fnndlc&o deLow Hoor.
Machinas a vapor de 4 e 6 cavallos.
Moendas e meias moendas para engenho.
Taixas de ferro coado e balido para enge-
nho,
A mi os d' carro para nm e dous cavallos.
Relogios de ouro patente inglez.
Arados americanos.
Machinas para descarocar algodo.
Motores para ditos.
Machinas de costura.
mmamm
p ADVOCACIA.
*
O bacbarel Joaqnim Pires Machado Por-
tella continoa como advocado com escrip-
lorio no primeiro andar da casa n. 83 da
roa do Imperador, onde pode ser procu-
rado das 10 horas da manbaa as 3 da
K| laide.
mmmm mi *
Kff*

O Dr. CaroHno FrafeAco je Lima San-
tos eontfos a morar na roa do Impera-
dor n. 17, sigondo andar, teodo alus seo ,
gabinete de consultas medicas, logo ao
entrar, no jnmeiro.
O mesmo Joutor, qne se tem dado ao]
iperaQoes como das mo-
lestia internas, prestare a qualquer cha- J
ad'o, qaer pan dentro qaer para fr
da cidade.
Os abaizo assigoados cootinuam com
sen escriptorio de advocada roa do
Imperador n. 41, primeiro andar, onde
podem ser procurados das 10 horas da
maaha as 3 da larde.
Alvaro Caminha Tavares da Silva
Dr. Joao Thome da Silva.
5* KMHI1%@#-K
ama de leite.
Precisa-se de urna ama de leite: na ra
do Queimadopor cima da loja de cera.
mmmmmmmmmm mmm
g DEPOSITO DE CALCADO
m FABRICADO VA CASA DE DETENCAO fl|
J6 Roa Xova n. I. j$
^ Ahi se encontrarlo obras de di- *j
versas qualidades, e por preco mui
1 diminutos, a retalho e em porges.
SS' S se vende a dinheiro. $
-4- Em casa de Theod Christiaosen, roa do Tra-
piche-novo o. 16, nico agente no norte do Brasil,
de Brandenborg rres, Bordeaoz, encontra se ef-
feciivamenie deposito dos artigos segointes:
Si Julieo.
St Pierre.
L rose.
Cl ateaa Loville.
Clateaa Uargaaz.
Gi and vio Chaleao LuQiie 1858.
DE BRISTOL.
PREPARADA NICAMENTE POR
LA MAN k KE.WP,
NOVA YORK.
Composta de substancias, gozando das
propriedades eminentemente depurativas ;
apprvada pelas juntase academias de me-
dicina ; usadajnos principaes hospitaes, ci-
vis militares e da marinha as Antilbas e
no continente americano; receitada pelos
facultativosos mais distinctos do imperio do
Brasil e da America hespanhol
CURA RADICALMENTE
escrophulas, rheumatismo, escorbuto, en-
ermidades venreas e mercuriaes, chagas
antigs, morphea e todas as molestias pro-
venientesd'um estado vicioso do sangue.
Emquanto existem varias imitaces e
(alsiflcacoos, preciso a maior cautela para
evitar os engataos,
A legitima salsa de Bristol vende-se por
CAORS BARBOZA
JOAO DA C. BRAVO C.
Julo da C. Bravo & C.
Deposito geral em Pernamtmco rna da
Cruz n.22 em casa de Caros & Barbn
mmmmmmm mmmmmmm
m 0 Dr. Sarment Filho
m previne aos seos doentes e pessoas de seo I
Jg conhecimcnto que se mudou para a ra M|
do Imperador o. 19, segoodo andar.
MU
Pelo presente, avisa-se a qoem iolerefssar possa
que nao facam negocio com tres escravos de nomes
Rosara crioula, de idade 25 annos, Manoella, tam-
bero crioala, de idade 12 annos, e 1 eria de idade
de 3 annos, Sitio da e.-crava Rosana, os quaes se
acham tiypothecados por Thomaz de Figueiredo, a
abaixo assignada, assim como roga-se as autorida-
des policlaes, a captara dos sobrdaos escravos
(qae fol dito pelo hypotbecaate, acharem-se fgi-
dos) e procederse ha com todo o rigor de lei, con-
tra qoem tiver occoltos, os ditos escravos; a aba -
xo assignada gratificara' generosamente a quem
apprebender os ditos escravos, e recolhel-os ao de-
posito publiCO.
Recite 26 de fevereiro de 1866.
Annfl Machado de Luna Freir Costa.
Mudanca da hora do paga-
mento
Q thesoureiro da associaco protectera
das familias dos voluntarios da patria avisa
aus interessados que do da i al 10 de
cada mez continuar a pagar as mentalida-
des vencidas, das 3 horas at as 6 da tarde,
os que n5o comparecerem nos dias e horas
marcadas icarao para o seguinte mez.
AlYMAT C
99Ra do Imperador99.
Deposito de joias francezas por atacado.
Casa em Pars e Re de Janeiro.
Recebem directamente por todo? os paqoeles.
Na praca da Independencia n. 33, loja de
oorives, compra-; e ouro, prata, e pedras preciosas,
e tambera se faz qualquer obra de encommenda, e
todo e oualquer concert.________________
Na refinacao da raada Senzaia Nova n. 4, se
dir qaem precisa de um bom refinador de as-
sacar.
ENCANAMENTOS
PABA AGUA
Chateaa Laitte.
Haut Sauteroes.
Chateau Sauteroes.
Cbateau Lataur Blanche.
Chateau Yquem.
CogDac em tres qualidades.
Azeite doce. Presos de Bordeaux.


ompanhia delidade de seguros
martimos e terrestres -
estabelecida no Rio de Janeiro.
AGENTES EM PBRNAMBUCO
Antonia Lniz de Oliveira Azevedo & C,
Smputeotemente autorizados pela direc-
ria da companhia de segaros Fidelida-
de.tomam seguros de navios, mercado-
ras e predios no seo escriptorio roa da
n. 1.
Na roa Nova o. 30 fazem-se e concertam-se en-
canamentos, assim come bombas para agua.
N. O. Bieber 4 C, sucessors, sa
cam sobre o Rio de Janeiro a vista ou a pra-
zo conforme se convencionar.

saque* para a Baha, Par* e
Haranho.
Antonio Jos Rodrigues de Souza na ra
do Crespo n. 15, saca a vista ou a prazo
contra ja Babia, Para e Maranhao,
i
Aluga-se orna gala com tres qoartos e cosi-
nha no Ic indar do sobrado n. 46, da ra do Quei-
mado.
Carvalho & Nogueira na ra do Apollo n.
20 sacara sob Lisboa, Porto, liba de S.Miguel
Rio de Janeiro, a vista ou a prazo.
Ama
Precia-.je de orna mulher j idoza, para andar
com meninos e (azer algom servico de casa : na
roa do Raiigel o. 3. ______
Alaga-se ama sala com tres qiurtos e cosi-
nha, no 1.* andar do sobrado o. 4 da roa. do
Qaeimado
As Pilulas Catharticas
D'E AYEE.
O purgante mal eftcax at hoje eoMkeefafo.
Estas pillas so puramente veg-
itae, nao tendo na sua compo-
si^o nem mercurio nem outro
ingrediente mineral; sao inno-
centes para as criuncas e pessoas
mais delicadas, ao mesmo tempo
que, compoetas como sao de vegt-
tacs mui fortes, sao bastante acti-
Tas e eficazes para as pessoas mais
robustas.
Estas pihuas catharticas purgao c purificao todo syetema
humano sem mercurio.
.N.iu se tem poupado trabalho nem despeza para levar estas
pilulas a um grao de perfeccao tal, que nada deixa a desejar;
sao o resultado de anuos de estudos laboriosos c constantes.
Para alcancar todas as vantagens que roeultao de use de cathar-
tlcos,tcm-secombinado sorueiitc as virlinlit curativa* das
plantas que sao tmpregadas na confecoao das plalas. Sua
composisao tal que as enfrrmidadcs que esto ao alcr.nec
de sua aeco, raras rezes podem rvsisti-las on evad las.
Snas propriedades penetrantes exploro peneto, purificao e
dao vigor todas as parles de organismo humano; pois corrigem
a sua accao viciada e faz recuperar a suu vitalidade. Urna das
consequenctas dstas propriedades que o doente, abatido de
dr e debilidad* phyeica, udiaira-sc de encontrar, tao deprsssa,
sua saude e energa recuperudas por mio d' um remedio tao
simples e agraduvel.
As molestias que estio ao seo alcance sao.
Przoo de ventre RheumaUsmo, Dr da cabera, A A'reraigia,
Enxagueca, IiullgtttSo e mal do etiomago, Jlciiuirrltoida,
PADE01MEHT08 DO HOADO,
Ftbre gaitro-hepatica, Gattritc, afecciu /liosas Lombrigal,
Erysipta, Bi/dropsia, turdez, ceguera pardal, e Paralysia.
No almannk e Manual de Saude do Dr. Ayer que se publica
todos os annos para dlstrlbulco gratuita, encontra-se um tra-
tado eobre as diversas doencas qae estao ao alcance de
REMEDIOS PUBGA_NTE8.
Asba-se em todas as Botlcos e Drogara* do Imperio.
IMODAS.
gr contina a rtoetier rJlosf
-JjTdo
ari: vende-se na roa do lmpe
dar.
Madame R.
aliimo gotto d
1* i
- Da-si dinheiro a jaros : nos Cotihos roa dos
Prawes 1.18, u diri.
Pred aa-se de na ama para eoslnhar: qa
roa larga lo Rosario n. *6.
O Peitoral de Cereja
TOE A.YJ3R,
TABA A PKOMPTA CORA DA
Angina, do Constipacoes, Toases, Houquidio Infla-
enaa, Brononlte, Tsica primaria. Tubrculos
pulmonares, e toda* as ""Ifitls* do
Peito, assim como para aliviar
os ethiooi declarados.
?s prcparacas do Dr. ayer sao vendidas as priiolpaet
erogarlas e boticas do Imperio.
Vende-se em. Pernambuco:
GASA DA FORTOfii
Aos 6:000^000.
Bilfaetcfl carautldofl.
A' RA DO CRESPO N. 23 E KASA8 DO COSTUMB
O abaizoassignadoveodeu nos sens nraito fli-
tes bilhetes garantidos da lotera qne se ac Loa
deettrahir, a beneficio do tbeatro de Santa Isa-
bel, os segointes premios:
N. S22 tres quintos com a sorte de* 6:000*1.
N. 3519 om raeh com a sorte de 1:200*.
N. 1335 doos quintos com a sorte de SOOf.
N. 2051 om raeio com a sorte de 200*
E outras muitas sortes de i00, 40*, e 20.
Ospossoidores podem vir receber seos respec-
tivos premios sem os descootos das leis na Casa
da Fortona rna de Crespo n. 23.
Acham-se a venda os da 3* parte da lotera
(50"J beneficio do reeolhimento de fguarasst,
qne se eztrahir no dia 5 de marco.
PRECO.
Bilhetes.....03000
Meios......3000 '
Quicios.....15200
Para as pessoas qae eouprarcu de 1000009
para cima.
Bilhetes.....5,1500
Meios......' 2*750
Quintos. 1*100
Manoel Martins Ficza.
GARRAUX DE LAILHACAR & C.
LIBRAIRIE FRANQAISE
Rna do Crespo u o.
LIVROS NAQONAES E ESTRANGEIROS
ReligioPbilosophia Jurisprudencia Litlera*
tura Sciencias e artes.
Papelaria,_objectos para escriptorio.
Aloga-se a grande casa daroa"da Floreilina
n. 20 com moitos o ezcellentes commodos para
nma grande familia morar moito foliadamente :
qoem a pretender entenda-se eom o proprietario
na rna do Hospicio n. 30, das 6 as 9 horas da ma-
nlia, e das 3 as 6 da tarde.
Cava II*.
Compra-se om cavallo de sella qoe seja grande
novo, e de bonita tigora : em Ponte de Uchoa, si-
tio do conseiheiro Jos Beoto, das 3 as 6 horas da
tarde.
Precisa-se de om feitor para ara sitio : a tra-
tar na ra Direita n. 10.
Precisa-se de am rapaz portugoez qae silba
bem ler e escrever para caixeiro de ama padaria
nao se duvida pagar bom ordenado sabendo com-
prir com soas obrigacoes : na ra Direita no Afo-
gado n. 66.
Precisa se de ama ama qae saiba cosiohar :
oa ra do RaBgel n. 8, deposito;
AtteiicJio.
Desapparecea no dia 27 do correte, o moleqne
crioolo, de ooroe Luir, gago, de idade de 18 annos.
pouco mais oo menos, sem barba, com orna si-
catriz sobre a sobranselha esquerda, umbigo es-
tafado, cortado de fresco pelas costa?, ps grandes,
vestido de calca azul e camisa branca ja' velhar
com chapeo de couro : suppon se qoe ande yagao-
do aqu pela cidade, ou que leona ido para as
baodas do Ico d'onde natural. Quem o prender
e trouxer a seu senhor a' rna .Nova, de Santo An-
tonio, ns. 12 e 14, ou a' ra de Bem-flca n. 41 na
estrada da Torre, sera generosamente recompen-
sado.
Recife 28 de fevereiro de 1866.
Joao i Ivs da Cruz.
Pernambuco, rna Nova n. 18 pbarmacia franceza de
P. NIAURER & C.
PERFUMERA da casa oger
Boulevart Sebastopol, 56, I*ariz.
Dez medalhas, a condecoraco da Legin
d'honneur e a grande reputacao que tem lhe
dado o publico, taes sao as recompensas qoe os
servicos prestados a industria merecerao a
esta importante casa desde sua fundacao em
1804.
N'um sortimento de mais de 500 artigo*,
as pessoas elegantes escolherao os segointes:
ROSEE DU PARADIS, extracto superfino
para lenco.
pommada CEPHALIQUE contra a cal-
vicia.
AGUA VERBENA para o toucador.
OXIMEL MULTIFLOR.
VINAGRE DE PLANTAS HYGIENICAS.
TINTURA VIRGINALE de heijoim.
ROSEE DE LYS, verdadeira agua de
Jouvencio.
CREME LABIALE de sueco de Rosas.
POMMADA VELOURS para amaciar a
pelle.
ELIXIR ODONTOPHILE.
SABAO dedicado as damas americanas.
SABAO de bonquet de Franca.
d* de flores de alcea rosea.
d* de flores printanires.
d' de bouquet do outono.
d* de perfumes exticos.
d* aurora, dedicado aos dedos cor de
rosa.
d de flores das montankas.
d* de cheiro de foins nooveaux.
d* de bluets cheirosos.
d* de altnea balsmica.
d* diapr, caixa rica, fantesia pari-
iece.
50
ce
"S
D
-
3
er
c
rs
O
-i
c
tu
cf
o
p %
B
B
o

Magntica
Cj
,
Hi
Apprursda purkdiversss scademiil e rccommcnd.d-s pelst celebridsdc medicas *1
de Francs e do eitrsngeiro. I*
A meiiicini tem reconhecido que electricidsde produz sempre bom rebultado J
ora todsi multiaf, porque ella restabelece ( eirtulacao no orgsnismo e faz as- i
quati todos picalos. O Sr. Buiwon de Bivillier tem coosguido eompor urna ateo-
fea electro magneUca que produi i vontide de quem a emprega seus mais uteh l L
felizes resultado!. O trabalho* do aulor furam coruadoi por um resultado con-
pleto, como o attestou o Dr. Vial de Bajat no seu reUtorio.
Sita escova tem boa xito ntt molestias seguintrs: rheumatitmot, galla, pe-
ralytia, fragela dvs membros e da columna veitebral, molestias da medula .
espinhal, embaraces gstricos, ncvralgias, incohacao da pernal, dores articu- m
lar el, debilidade geral, eagurgitamento dot pulmOei, etc., efe.
Sea uso fcil e nio eiige nenhum* preparado. Um* guia acumuaolia cada esenrr.
Do|H>*ito cestral: BuuleTart du Prince Eugene. 1K, Paris. bb Agente no Rio de J neiro, di-
lier Roia, ra ora do Oiiyidor 33=Depoflito oo Porto, na pharmacia de Miguel J -< de Souia "I
Ferreira, Baiakati* *. 79. ^g
IS\5\E-L51J5T51ST5T5-1ST51SIST5
se
Wt'MWfKsM
M IWKf
AVISO US VENDAS
Na fabrica de vinagre a' roa Imperial
n. I, prximo a estacio do camniho ce
ierro vende-te vinagre Hoto superior era
qualidade a ootro qualquer e por preco
mdico, assira como braoco e JncoJor.
Ama.
Preelsa-ee de nma ama torra ou escrava que
saiba cozlnhar*ngommar : na ra da Imperalriz
nntruri.
Na roa Direita a. 18 vndese cera de car-
nanba e pecnafi de tMK por menos, preco do'qae
em ootra parte.
Rio de Jaueir .
Prente Vianna & C saccara sobre o Rio de Janei-
ro, a vista ou a praio, qcalqjier quanlia.
Roga^eTo Sr. Caetano FVaociseo de ORtai-
ra queira ter a bondade de declarar a soa resi-
dencia para Iba ser entregue nma encommenda
vi oda de for. ______"*
Ama
Precisase de urna mulher ja idosa para andar
com ronio.os e fazar aigotnseryiso de casa: na
rna do Rangel n
f- ------------------- --------------------------------------r
Precisa-se alugar urna escraVi
seja de boa conducta e saiba cosiabar e en-
gommar para o servico intsrno de casa de
familia a ra do Sol d. 21,
No da 15 de fevereiro fugio do Manguinho o
prelo Ralduino, crioulo, idade 19 a 20 annos, bo-
nica figura, altura regular, cheio do corpo, ps e
mos am pouco grandes, os ps muito cavado^
falla um pooqonbo gago, denles saos, um pouco
rizo, tem priocipio de pedreiro : quem o aprehen-
der dirija-se a casa de sua seohora D. Thereza F.
L., qoe ser recompensado.
= Precisa-se de 1:200$ a uremm, u<.nij-.-e u
garanlia doos escravos: na ra da Gloria n. 52.
Os abaizo assignados participam aorespeltavel
corpo do commerc!o qae dissolveram de commaro
iccordo a sociedade que lioham na taberna a ra
da [rnjerairiz d. 80, debaizo d firma social de
Goncalves & Lima, desdo o dia 12 do correte; 0-
cando smente responsavel o socio Joo Jos dos
Santos Lima pela liqoidaco do activo e passivo da
mesma firma, continuando o mesmo ex socio Lima
c in dito estabelecimento debaizo de sua firma e
sob soa responsabilidade.
Recife, 26 fevereiro de J866.
Francisco Jos Goncalves da Silva.
____________Joito Jos des Sanios Lima.
150$degratificaco.
Fugio no dia 21 de margo do auno prximo
passado, da casa de seu senhor, o eseravo cabra
escaro, de nome Benedicto, com idade d? 25 a 26
annos, levou vestido calca de aljodo de listra,
camisa de algodo da trra, chapeo de couro de
abas largas-, tinha cortado cabello a escovinha,
altura regalar, cheio do corpo,cilios pretos e muito
vivos, nariz e boca regulares, muito pooca barba
no queixo e um pequeo bosso, todos os denles,
ps regulares, etc., etc. Foi comprado naque lie
mesmo dia 9 oo (0, ao Sr. Jos Antonio Borges,
corr.o procurador do Sr. Andr Alves de Paiva,
morador na cidade de Souza, para onde fogio o
referida eseravo, segoodo aviso que temos do refe-
rido Sr. Paiva, e all aoda refugiando se algoraas
vezes para a serra denominada Jo: Luir. Roga-
mos portanto a todas as autoridades policiaes e aos
senhores capiles de campo, a caplora do dito
eseravo, e remetle-lo a rasa de nossa residencia
a roa do Imperador n. 83 segoodo andar, e por
cojo trabalho gratificaremos com a quaotia sa-
pra.
Recife, 28 de fevereiro de 1866
Abieu & Veras.
Ismael Amavel Gomes da Silva, convida a
Exm ramilla, prenles e amigos do falleci-
do Joao Joaqom de Souza Abreo e Lima, a
assislirera orna misa qoe se tem de cele-
brar oo da 5 de marco, na matriz da Boa-
Vista pelas 7 horas da manbaa.
Precisa se de orna ama de leite : na ra es-
treita do Rosario o. 31, segoolo andar.
Precisa-se alujar urna escrava pva o serv-
o externo e algom interna : iioera tivr e qoW
alugar dirjase a iravessa da C>n :ordia n. 7, coa-
fronte o chaf >pz que achira com quem (ralar.
O aoaix>j assigoadj ia* scienio >o commer-
cio desta praca que o Sr. Antonio Jis Piras, del-
xoo de ser seu caixeiro desde o da 21 do cr-
reme. Pernambuco 28 de fevereiro de 1866.
AD'onii Alberto de S>nra A?niar
Precisa-se alugar urna escrava cosinbeira de.
meia Idade: a tratar na ra do Imperador o. 27.
O Sr. Antonio Jos de Souza Cirvalho oo seu
filho tenna a boodade de apparecer oa ra da
Cruz n. 46.
ATTEMjO
Na roa da Cruz 0.48, segando andar, no Reci-
fe, continuare a vislir aojos para pro-.is.-o -s, com
aceio e mdico preco. Na mesma casa recebea
novo? trajas brdalos para o qoe quem quizer
mandar vestir algama Qgora rica sera moito bem
servido e satisfelto.
Precisa-se de orna escrava para o servico in-
terno e externo de orna casa de pooca familia : oa
roa da Soledade n. 38. __________________
"Precisa se de ama ama para casa de orna s
pessoa : a roa da Imperalriz n. 82, segondo|aodar.
Fugo do ar
do armazn da bola amarella no oitio da secreta-
ria da polica, recebera-se eocoramendas de fogo
do ar para dentro e fra da provincia.
INJECCAO BBOW.
i affnorrheas antigs
e recente a pharmacia
francesa, rea eaoprecode
31000.
*aa*******B*a*a***B***a*1
wa





nnkrt* de ftMfctfii -> 4HaU liira 1 4c Maree 4c 1866.
'


4 8AIM PAttttHA DE AYER
PARA A CURA RADICAL
Ama
Precisare de ama ama;
numero 14.
na rua do Linamento
Ama.
Precisa-se de ama ama captiva ou (orra, que
saiba engommar com perfeigio i na fojjfc da roa
do Queimado n. 48.
Precisa-se de ama criada para comprar e fa-
sar servidos em casa de ama s pessoa : oa roa
da Sentala-Velha o. 108,1- aunar- ?
Precisa-se alagar ama negrinba oa moleqae
de 8 a 12 annos par andar com meoioos : na ra
do Imperador n. 46. armaiem._________^^__
Precisa ge de orna ama de leile : na ra da
Palma n. 41, taberna. Na mesma offereee-se ama
ama secca para o servico de casa. ^__^
Precisa-se de dous
ra : na roa do Raogel n.
trahalhadores de masse-
9, padaria.
Freclsa-se de ama ama para engommar, eo-
zinhar e comprar para ama s pessoa : na ra das
Croies n. 81.______'___________
Precisa-se de um caixeiro de 13 a 14 annos
portuguei, que leona alguma pratica de taberna e
ue d copbecimento de sua conducta : no largo
oTercorn. 83. ______________________
Agencia de passaporte.
Claudino do Reg Lima despachante de passa
porte, tira-os para dentro e Tora do imperio por
commodo precio e presteza : na ra da Praia n.
47, priroeiro andar. ___________^^^
Cosmheiro.
Alaga se am preto cosinbeiro
Rosario n. 34, botica.
na ra larga do

COMPRAS
Gompra-se ooro, prau e pedras preciosas,
em obras velhas: na ra da Cadeia do Recife,
cja de ourives no arco da Conceigao.
Comprase carosso (sement) de algodao : no
armazem de algodao de Saunders Brothers & C.
no caes de Apollo.
da escrfula* e molestias escrofulosas, tumores, ulcera*, chagas: feridas ve-
lhas, bronchocele, papo ou papeira, a syphiis, enfermidades vene ras ou mer*
euriaes.
AS MOLESTIAS DAS MULHERES
retolo, menstro doloroso, ulceracoes do tero, flores brancas, etc., ulcera-
efio, debilidade, expoliacao dos ossos, a nevralgia e convulsoes epilpticas
quaudo causadas pela escrfula.
. ERYSIPELAS ERPES; ETC.
Enfermidades cutneas, empeo, borhulhas, pstulas,
ascldas, ele.
O extracto composto de salsa parrilha, coleccionado pelo Dr. Ayer, urna
combinaeo dos melhores depurativos e alterantes condecidos medicina; confeccio-
nado segundo as regras da sciencia, approvado e receitado pelos primeiros mdicos dos
Estados-Unidos da America do Sul e Central, das Antilhas, do Mxico e lias Indias, e
muitas outras partes do mundo: o resultado de estados apurados e minuciosos, e de
experiencias feilas pessoalmente pelo Dr. Ayer, por muitos annos, nos principaes nos-
pitaes e enfermadas da America ; tcm sido approvado pelas academias de medicina e
juntas de hygienne das principaes capitaes da America do Norte; para prova disto vede
os attestados authenticos no Almanak e Manual de Saude do Dr. Ayer, os quaes se dis-
tribuem gratuitamente nos lugares onde se vende o remedio.
A SALSA PARILHA DE AYER
Especialmente efflcaz na cura das molestias que tem sua orlgem
na escrfula, na Infeceio venrea, no aso
exeesslvo do mercurio ou qaalqner Impureza do sangue.
A molestia ou infeccao peculiar, conhecida pelo nome de escrfula, um dos ma-
les mais prevalecentes e universaes que ha em toda a extensa lista das enfermidades que
atacam a nossa raes; disse um celebre escriptor da medicina que < mais de urna terca I
parte de todos aquellos que morrem antes da velhice sao victimas, ou directa oa indirec-
tamente de escrfula; por isso s nao to destructiva, porm a principal causa de
muitas outras enfermidades que nao Ihe sao geralmente attribuidas.
urna causa directa da tsica pulmonar, das molestias do ligado, do estomago
e affeccoes do cerebro; entre seus numerosos symptomas achm-se os seguintes: falta
de appetite, o semblante plido e enchado; as vezes de urna alvura transparente e outras
vezes cralo e amarellento irregular, fraqueza e molleza nos msculos ao redor da boc-
ea; digesto fraca e appettite, falta de energia; ventre enchado e evacuago irregular;
quando o mal tem seu assento sobre os pulmes urna cor azulada mostra-se em roda dos
olhos; quando ataca os orgaos digestivos, os olhos tornam-se avermelhados; o hli-
to ftido, a linua carregada; dores de cabera, tonteiras, etc. Naspcssoas dedisposi-
cao escrofulosa apparecem frequentemente erupces na pelle da cabega e outras partes'
do corpo ; slo predispostas s aflecces dos pulmes, do figadr, dos rins, dos orgos
digestivos e uterinos. Portanto, nao s5o smente aquellos que padecem das formas ul-, )brag ve|,
cerosas e tuberculosas da escrfula que necessitam de proteegao contra os seus estragos; | dependencio n. 22, foja de bilbetes.
todos aquelles em cujo sangue existe o virus latente deste terrivel flagello (e s vezes j compra-se orna ca?a de sobrado no aterro
hereditario), esto expostos tambem a soffrer das enfermidades que elle causa, que sao: | da Boa-Visu oa ra da Aurora: a fallar na ra
A tsica, ulceracoes de 6gado, do estomago e dos rins; erupces e enfermidades do Crespo n. 17.
eruptivas da cutis, rosa ou erysipela, borbulhas, pstulas, nascidas, tumores, rbeuma,
carbnculos, ulceras e cbagas; rheumatismo, dores nos ossos, as costas e na cabega,.
debilidades femininas, flores brancas causadas pela ulcerarlo interior, e enfermidades
uterinas, hydropesia, indigesto, enfraquecimento e debilidade geral. |
Offerecemos a estas pessoas um abrigo seguro e um antidoto eficaz contra esta
molestia e suas consequencias na
SALSA PARRILHA DE AYER
que opera directamente sobre o sangue, purificando-o e expulsando delle a corrupelo e o
veneno da molestia; penetra todas as partes e todos os orglos do corpo humano, livran-
do-os da sua accao viciada e inspirando-lhes novo vigor. um alterante poderosissimo
para a renovaclo do sangue, e d ao corpo j enfraquecido pela doenga, forgas e ener-
gas renovadas como as da joventude.
E tambem o melhor anty-syphilitico conhecido
cura permanentemente as peiores formas de sypuilis e as suas consequencias. Pouca
necessidade ha de informar o publico do inestimavel valor de um remedio que, como
este, livra o sangue desta corrupgo e arrebata a victima das garras de urna morte lenta
e ignominiosa, porm inevitavei, se o mal nao logo combatido com energia.
um poderosissimo alterante para a renovago do sangue e para dar nova tor-
ca ae corpo j enfraquecido pela doenga.
Sendo composto de productos vegetaes, este medicamento innocente e ao mes-
me lempo efflcaz, um fado de immensa importancia para aquelles que o tomam ; por-
que muitos dos remedios alterantes offerecidos ao publico tem por base o mercurio ou o
arsnico; e sendo assim, bem que s vezes podera effectuar curas, comtudo deixam suas
victimas carregadas de urna longa serie de males, muitas vezes peior do que o mal ori-
ginal. A nica cousa necessaria para obter urna ara radical seguir com juizo e cons-
atncia as diieccoes que acompanham cada frasco.
Nao pretendemos promulgar, nem queremos que se infira que esta composicao a
um remedio infallivet para a cura de todos os padecimentos humanos; infelizmente
escrfula e a sypbilis slo enfermidades to sulis as suas naturezas, e*rreigam-se to
firmemente no systema, que muitas vezes evadem e resistem aos remedios mais pode-
rosos que a sciencia humana pode inventar para combate-las: o que dizemos que o
Extracto composto de salsa parrilha de Ayer
a melhor preparaglo at hoje descoberta para estas e outras molestias anlogas, que
Compra-se urna casa terrea em qual-
quer urna das ras desta cidade.'e que nao
seja em travessa: a tratar na tua de Hortas
casa do fallecido Loureiro.____________
Compxa-se um escravo que seja moco, sadio
e sem vicio: na rna larga do Rosario n. 34, bo-
tica.
Ouro e prata.
da ln
CALCADO
45 Hua )ireita--4t
A prteira condico indispensavel con-
servado da sade irazer os pes bem de-
fendidos contra os ataques da homidade;
calcado bom e seguro e o nico preserva-
tivo dessas mil enfermidades a que est su-
jeito o nossoeu. Um chnelo velho cal-
gado por um dandy patuscante, ou urna
botina acakanbada em pequenino pe de en-
cantadora deidade alm de aecusar que-
bradera horripilante) prova contra as ficul-
dades intellectuaes dos cagante*, e np lia
qnem, tendo bom senso, queira passar por
maluco, ou pobre de surro: ergo, cor-
ram a :
4-RA DIRE1TA4.
e attendam a' barateza.
Homens. |
Borzeguins barcellonezes de lus-
tre e de porco G^IOOO
Ditos de Bordeaux .... 70000
Ditos parisienses de bezerro e
cordavlo....... 8/5000
Sapatoes de Nantes de duas ba-
teras rasas ...... 50000
Sapato* de lona, sola de borra-
cha..... ; 20000
Ditos aveludados..... 10600
Dito; de tranca bons 10660
Senhoras
Borzeguins enfeitados. 50000
Ditos de lago...... 40800
Ditos lisos......, 40500
Sapalos de borracha .... 10600
Selleiros, corrieiros e segeiros!
Sola de lustre, meios grandes 200000
E um completo sortimento de calgado fa-
bricado nopaiz.________________
Attea^lo!
Attep^ao!
* Atten#Lo!
Grande sorlimentode faieadas pro-
prias para a qoaresma.
Acaba de chegar a este novo e?tabeleclmento
um grande e variado sortimento de fazendas pro-
prias para a quaresma, a saber :
(r sdenapl- s nieto a 1a(500 o covado.
Vende-fe um grande sortimento de grosdena-
pie a la.600, 180<>. 2* e 2500 o covado ; dito
moito snperir a 2&8U0 e 39 : na roa da Impera-
triz n. 72, loja de Guimaraes A Irmao.
Moriaiitique prelo a 20800.
Vestidos
Pechlneha seaw igual.
Chegou a ioja-de Paredes Porto um bonito sor-
lmenlo de vestidos le lartalata de cores e brancas
ijne serve para partidas por ser urna phautasia ln-
teiramenle.'de gosto pelo barato prego de 4 e
braticos a 4S00, eslao acabando-se : no armazem
d pi ta larga roa da Imperatriz n. 52, jauto a pa-
daria francm.
Cortinados.
Chegou a luja de Paredes Porto om completo
sortimento de curti; dos ricamente bordados a
preco de S3J, 33J> e '.3^1 : ca ra da Imperatriz
n. 52, porta larga junto a padaria fraoceza.
Kicas romeiras.
Vende-se um {rinde sortimento de morianthiue J^Z^r^^An^r^n T
^ i sortimtnto de romeira de guipare pretas e de io
Aspas fortes para boloes.
Na rna do Queimado loja de miudezas n. 16, ven-
de-se aspas de ac fortes, e de differentes larguras
para baldes.
Bonitos quadros para retratos.
Vendem-se na ra do Queimado loja de miude-
zas n. 16, bonitos quadros con mordura preta e
dourada, todos por precos rasoaveis.
Garrafas brancas
e de cores com superior agua da colonia.
Vendem-se na ra do Queimado, loja de miude-
zas n. 16.
Novo gosto
Pentes, Qvellas, e brincos de feligrana.
A amiga e bem conhecida loja n. 16 na roa do
Queimado, receben um sortimento de diversos ob-
! jectos de novo e bom gosto, sendo pentes trancos e
donrados de moldes enteiramente novos e mu a-
gradavets, tendo entre elles alguns de filigrana obra
VENDAS
Compra-se urna cabra (biebo) que tenha cria
nova : na roa do Hospicio n. 27.
Compra-se urna escrava de idade que saiba
cosinhar o diario de orna casa e ensaboar : no pa-; Se'moito gosto e deficil e^aneio, e bem nSmfeV
teo_de S. PedroB.U, sobrado de um andar. veas e brinc08 mesmas cvircmstancias.
Compra-se urna negrinha He idade de 8 a Tambem receben alguns cintos o que de mais
10 annos que seja sadia : na ra do Palacio do moderno e bonito, se pode encontrar em tal genero.;
Bispo n. 36 ou annuncie por esta folha para ser Alm disso encontrarao os pretendentes um com-
| procurado. pleto sortimento de Qvellas de madreperola, ebris-
tal, tartaruga, e donrados, brincos de cbristal, e
jaspe, voltas e cruzes de dito e muitos cutros objec-
I tos de gosto, os quaes continua-se a vender commo-
damenle.
Penentes de madreperola, e enfeites filets
A loja de miudezas na ra do Queimado n. 16,
recebeu bonitos pentes com cbapa de madreperola,
e novos enfeites filets ornados de lantejoilas dou-
radas, moedinhas, aljofares, vidrilhos etc., tendo
grandes para toda cabega e pequeos para coque,
regulando os precos de t a 4000 rs.
nm'nm fifia Bonitas caixinbas
t "j"^^.- i i S^T i ,com arrr.jos donrados paral costura, tendo com
Acabam de sahir a luz as folhinhas de mu- = sem ellas. Vendem-se na ra do Quei-
algibeira e de porta para o anno de 1866, o ""' lui de miudezas n. 16.
mais correctas possivel tanto no calculo da? Trangas pretas
las e eclipses, como as diversas festas t0 ?iriiho, e bicos com ditos e sera elles para
enfeites ou vestidos,
que a igreja celebra; vendem-se unicamen- Na rua dc QUemado n. i6 i0ja de miudezas a-
te na livraria da praga da Independencia, cbaro os pretendentes um bello sortimento dos
160 ris as de porta e 320 ris as de algi- objectos cima ditos, cascarriihas, fraBjas etc. etc
l^gipa e ludo est sendo vendido por precos commodos.
FOLHINHAS
Botoes pretos
7*7??S* al gr0SS0 : a ,raUr Qa r0a da Ma" de *idro ea/eitados d'aco.
______I A loja de miudezas n. 16 4 ra do Queimado
I vende mui bonitos botoes pretos de vidro com en-
feites de ac, os quaes mnito se uzam para eofeitar
o barril, j vestidos, quem os pretender pode dirigir-so a dila
--------- loja o. 16 a roa do Queimado.
dre de Dos n. 2.
Cal de Lisboa.
Vende-se na rua do Brnm n. 66, a 6
Lantljlas.
A loja da Aurora, na roa larpa do Rosario n. 38,
receben sortimento de lantijolas multo delicadas e
proprias para qualquer enfite.
urna combinaeo dos alterantes ais efficazes coohecidos, o que esta combinacio tem sido tS^S^Z'jSS%SS f+Sm;
regulada por longase laboriosas experiencias, e finalmente que temos conscienoia deof- Par*homem e senhora, muito frescas, ebegadas
ferecer ao publico o melbor resoltado que possivel produzir, da ioteJligencia e pericia pelo ultimo vapor, tudo isto na toja da Aurora,
medica dos nossos tempos.
Este remedio deve ser tomado com systema e regula/idade, e oao com abandono,
pois um remedio e nao bebida.
Quando as molestias delgado nao tem sua origem na escrfula, o remedio
mais proprio as plalas catbarticas de Ayer, que sao efficazes na cura da molestia, que
e m por causa um desarranjo dos orgos digestivos. Pedi a salsa parrilha de Ayer e
nao aceita outra preparagao.
Pernambuco, rua Nova a. 18, pharmaoia frauoezade P. Maurer 4 C.
A v)SO
O cirurgioJoaquim Jos Alvos de'Albaqaerque
mudou o sea consultorio para a fregosla 'de san-
io Antonio, rua Direiu casa n. 13, onde podo ser
procurado das< horas da manha at as 4 da tar-
de. Pede encarecidamente a seus amigos e mais
pessoas que o procurcm na froguezia do Recife
que deixem os seas cbamados por escripto na bo-
Uca do fallecido.iiUiz Pedro das Nevos, rua da
Crac n. 21, onde era encontrado at nma hora da
tarde.
Declara mais ase tendo sido por espago de 33
annos o uoico profesor da enfermara de mariotio
desta provincia, leve sempre a sea arO nm nao
P"i|QeE'j numero de-doenles atacados de diversos
.soKntnenijs, alm d.s operacSes por elle pratica
das antes e depois da revoluco de i*t, que em
1853 foca enearregado do lazareto da jlba do Pina,
por occasiao da febre .amarella, assim como em
.1856 do hospital de esotricos na Iregueaia.o Re-
>;:!:, que oe seus cooheoiraentos professiooaes, theo
neos e prakcos adqoeridos no decurso de tantos
aaoos em taes estabelecimentos, o tem ha-biWado a
traar de qualquer enfermidade ; por isso espera
que continuara merecer a -estima o conflaoea de
todos aquelles que quizerem utilisar de sua pro
fissio.
Co&ittkiro.
Precisa-se de um cosinbeiro que seja -escravo :
na rua Je-va n. 60, armacem da Liga._________
Esta' josta e contratada a compra da casa
por detraz da igreja do Poqo da Paneila o. 1 ; se
bovver alguem que lenba a fazer algnma reclama-
do, pode faze-la no praso de tres das, ou annun-
ciar por este jornal para que depois nao so chame
a ignorancia, o depois do qual nao podera' fazer
reclamacSo alguma. Recife 26 de fevereiro de
1866.
Qoem precisar de urna ama portogueza, che-
gada ltimamente, para o servico domestico de
casa de familia, dirjase a rua larga do Rosario
numero 37.
Ao commercio
Os abolso assigoados teodo feto publico que
baviam voadido o sea armazem de molhados de-
nominado Propheta aos Srs. Victorino Lopea da
Costa e Joaquiw Crrela de Reteode, achara se na
obrigaco de declaras que fleoo sem effeito esse
negocio em coaeequeacJa de so lesera rrependido
os meamos sensores compradores, ,e isto depois do
eslarem na posee e gerencia do mencionado esta-
elecimento!
Estes Srs. Victorino a Bezende, liToram teacSo
oe negociar associados; mas, temeodo depois cada
un qae o oolro fosee meaos verdadoiro, derain
por liquidado esse negocio, obrigando-nos assim,
para evitar questoes jadiciaes, a recebor o nosso
estabelecimento.
Recife 27 de fevereiro de 1866.
Lima Irrao Si C.
A directora da sociedade Unlo Corrfmer-
cial, bavendo determinado mandar celebrar
urna mis'sa resada pelo repoaso eterno de
Joao Joaquim de Souza Abreu e Lima, seu
mi chorado socio honorario, convida a to-
dos os Srs. socios tanto effectivos, como ho-
norarios oa addllivos para coroparecerera
ao dia 7 de marco as 4 horas da madrugada
na iRreja de Santa Rita de Cassia, prestando
desta ferma ama ultima homeoagem a me-
moria daqoelle qne sempra merecen o titulo
de bom -esposo, bom pai e bom amieo.
Por ordena da direceo.
Ernesto Adolpho R. Saldanba.
1* seereurio.
ktwmvm
O abat asoignado faz cente a< publico cem
i'=peciali#de ao corpo do commercio qae eompf ou I marca'de cangalha braoca e do lado osqoerdo do
A abalio assignada sciontiQca ao reepeitavel
publieo que sendo casada com o Sr. Januario An-
tonio de Lima, e como hoje nao esteja em sua com-
panhia por motivos particulares avisa que. o mes-
mo senber oio podera vender ama casa terrea si-
ta, no boceo do Lobato n. 7, sob pena de anonllar-se
a mesma venda.
Candida Mara da Conceicao.
Fartaram bojo 26 do correte do engenbo
Barbalbo freguesia do Cabo, um cavallo alazo,
ioieiro, magro, com ama estrella branca aa testa,
o estabeleetmeblo de molhados sito na rua da Ce n-
cordia a. 77, que gyrava sob a Arma de Manoel de
Azevedo Hala & C, vre e deembara?ada de
quaesquer ooas e quem se jatear redor a mesma
aprsente suas eootas no prato de 4 dias a comar
desdala. Recife 27 de fevereiro de 1866.
lavares Pires.
Precisase tallar c .ino Ferreirs
Sil vi, a negocio do seu ,r inters*
do Livrament a Jar.
Precisa-se de om menino de i;
com pratica de taberna a tractar na
da
perto tem ama marca de ferida. Assim como urna
burra preta, pequea, lisa, cauda comprida, cabe-
ca pintando, com marea de cangalha e tendo por
habito raurehar asorelhas ao approilmar-se de
Soalquer pesioa : qnem os levar ao Moodef o sMo
a viuva do commeodador Luiz Gomes Ferreira
oa no eogenbo cima ao sea dono los de Moraes
Gomes Ferreiri sor generosamrol reeompen-
algumas casas terreas e umbem nm aatoMo de
nmamlar com commodos, sendo em boa residen-
cia na freguesia de S, Antonio.
roa larga do Rosario o. 38.
Pechincha admiravel
LSaziObas de qoadrlDhos que parece seda a 240
rs. o covado, urna grande pechincha, est se aca-
bando : na loja n. 52, armazem da porta larga de
Paredes Porto. _____________________
Missaugas miodas, aljofares imitaado
ac e vidrilhos decores
-para enfeites de vestidos-, vndese tudo isso por
presos razoaveis na roa do Queimado n. 16, loja
de miodezas.
GAZ.
No armazem da rna do Imperador n. 3 ou do
Caes de Pedro II n. 2, tem para vender-se o me-
bor saz existente no mercado.
Vende-e ou permutta-se por alguma
caa terrea desta cidade um sitio de trras
no logar do Loreto, com arvores fructferas
quasi todas novas, e grande porgao de co-
queiros.quem o pretender dirija-se ao pateo
de S. Pedro n. 24, que achara com quem
tratar.
PAO DE SENTEIO
Contina haver pao de Senteio nos dias quartas
e sabbados, na padaria de Santo Amaro, atraz da
fundicao, e no Recife, rua da Cruz n. 46, rna lar-
ga do Rosario, taberna da esquina n. 50, rua Nova,
armazem da Liga, roa da Imperatriz, taberna do
Sr. Leos a. 34.
Vendem-se 400 pedras para ladrilho, viudas
da Ilha : a tratar na rua do Vigario n. 14.
Vendem-se garrafas e botijas vasias e lava
das : oa roa da Soledade n. 38.
Escravo
Vende-se am escravo molato de idade 18 annos,
sabe cosinhar, lavar e engommar : qnem o pre-
tender dirija-se a roa da Cadeia do Recife n. SO.
Grande pechincha de madapoln com
a varia
Paredes Porto vende urna grande porgao de ma-
dapotao variado, fazenda de 10 e 12 a peca, a
6J>500 e 7J> com pequea toque : na roa da Impe-
ratriz n. 52, armazem da porta larga junto a pa-
daria francesa.
tten$am
Vende-se doce de goiaba muito fino a 15300 e
1200 o caixao : no armazem Prcgresso largo da
Penba n. 10.______________
Vende-se nm carneiro muito manso proprio
para montarla de menino, com selim e arreios tu-
do novo : tratar ruada Imperatriz taberna
n. 80,
Vende-se ama cama
do Cotovelo n. 43.
de Jacaranda : na rna
CHOCOLATE
80 rs. a libra ; no armazei
francs a 480 rs. a libra : no armazem da Liga,
roa Nova n. 60.
rande armazem de tin-:
! tas medicamentos etc.
m^ Rwi do Imperador n. 22.
?Joo Pedro das Xevcs (.ge-
rente) ten a venda o
seguate:
SU Productos chimicos e pharma-
y| ceucos os mais empregados em
QL medicina.
Tintas para todo o genero de pin-
2 turae para tinturarla.
Productos induslriaes e tintas
I para flores, como botSes de flores
^ e modelos em gesso para imitar
jjg fructas e passaros com o compe-
jp tente desenlio.
^ Productos chimicos e induslriaes
K para pbotograpuia, tin'.uraria, pin- f
K tura, pyrotecnia etc. 3$
Montado em grande escala e sup- Sgf.
| prido directamente de Pars, Loo- >
I dres, Hamburgo, Anvers e Lisboa !
H pode offerecer productos de plena S
m conhanca e satisfazer qualquer en- ff
^ commenda a grosso trato e a reta- g
|g iho e por preco commodo. lac
ittni mHimiii
R?ip princeza
Vende-se no armazem de 1.1. Lima Bairao, rua
da Cruz n. 18, das seguintes qualidades:
Princeza gasse grosso.
Dito meio.
Olio fino.
Paulo Cordeiro.
Dito dito viajado.
Ha sempre quandade em deposito dos artigos
mencionados.
mmm baratas
A^ 27 fhia do Queimado N, 27
aum pechi \m\
Gambraia branca para forro a 240 e 400
rs. a vara.
Lencos bancos para algibeira duzia a
2*000 rs. -
Retondas pretas a 9*000
Gambraia morsulnade cores propriapara
; vestidos o covado a 300 rs,
Moreantique prt-to superior a 2*800 e
3*000 o covado.
Grande sortimenlo de grosdenaplesprelo
para todos os precos.
Rotondas de seda r qoUimas algerinas para
senboras.
Guardanapos para meza a 3*500 rs, a du-
zia.
Superiores balees de arcos a 3*200 rs.
a 2$800, 3i e 3500 0 C(.vdo.
Chales de renda pretos a S000.
Vende-se tambero um variado sorlim.nto de cha-
les de renda a Si, 9*500 e ljt; ditos muito finos
a 11* e 12* ; ditos de seda fazenda muito fina a
120*000.
Retondas pretas a f 0$.
Vendem-se retondas pretas pelo barato preco de
10* e II* : na rua da Imperatriz n. 72, loja de
Guimaraes & Irmo.
Grande pechincha panno preto a 2*000 o
i covado.
Vende-se panno preto proprio para caigas e pa-
lilots a 2* e 2*200 o covado ; casimiras [-retas
a 1*800, 2*, 2*100 e 2*500 o covado.
E' muito barato curtes de casimira a 3*500.
Vendem-se cortes da casimira preta a 3*500
4* e 4*o00 ; dita muito fina a 6*.
i Admira cortes dc brim de cores a
1,280
Vendero-?e cOites de brim de c6res para calea a
1*280,1*600, 1*800 e 2* : na rua da Imperatriz
n. 72, loja de Guimaraes & IrmSo.
E' baratissimo a 120 ris o covado.
Vendem-se riscadinhos muito proprios para rou-
pa de escravos, a 120 ris o covado; ditos escoce-
zes muito Anos a 240, 280 e 300 ris o covado.
Laazinlrs a 3oO rs.
Liazinbas de quadrinhos a 300, 320, 360 e 400
rs. o covado ; ditas muito finas a 50 e 560: na
rna da Imperatriz n. 72, loja de Guimaraes & Ir-
mo.
Corles de 13a a 5*000.
Acaba de ebegar a este importante estatieleoi-
mento nm sortimento de cortes de-la que se ven-
d por 5* e 5*300; ditos a Mara Pia, fazenda
muito moderna a 123,14*, 18* e 20* ; ditos com
camisinha, cinta e grvala a 25* e 28*.
Chitas francezas largas a 260 ris.
Vende-se nm grande sortimento de chitas a 260,
280, 300, 320 e 360 rs. o covado : ditas preciares
a 400, 440 e 500 rs.
Cambraias de cores a 280 rs o
covado
Vendem-se camLraias francezas a 280,300, 320,'
360 e 400 rs. o covado.
Cambraias lisas a 3.000 >s. a peca
Vende-se um grande sortimenlo de cambraias
lisas pelo barato preco de 3*, 3*500, 4*, 4*500 e
o* ; ditas muito finas a 5*500 e 6*; ditas victoria
a 6*500 e 7*; ditas de urna vara de largura a 8*
e 9* ; ditas para forro a 1*600, 2*e 2*200 : na
rua da Imperatriz n. 62.
ROUPA FEITA.
Vende-se um completo sortimento de roupa fei-
ta felta. assim como sejara palitot?, calcas, cleles,
camisas francezas a 1*600 e 1$800 ; ditas tinas a
2* e de Moho a 2*500, 3* e 3*500 ; smolas de I
1*200, 1*400 e loOO, de linbo a 2* e -2*500 : na
rua da Imperatriz n. 72, loja de Guimaraes & Ir-
mo. -
COIares Royer on colares ano-
dinos
para facilitar a dentigao das crianzas e preserva-
las das convulsSes.
O feliz resultado obtido Immensas vezes pela
prodigiosa forca magntica dos colares Royer, nos (
casos de convulsoes, e denliejo das crianzas, tem
altamente elevado o seu bem merecido prestigio,
e boje j se pode dizer que estao geralmente con-
ceituados, e eslimados de innuroeraveis pais de
familias : de uns porque do uso desses salutares
colares viram salvos do perigo seus charos filbi-'
nbos, e de oulros porque colheram daquelles tao,
proficuo ezemplo para igualmente preservar os |
seus. Assim, pols, a aguia branca, tendo em vis- -
tas a utilidade e proveito desses prodigiosos cola-1
res anodinos ou Royer, mandou vir o novo sorti-'
ment que agora recebeu, e continuar a recbe-
los para que em lempo algum a falta de I es pessa
ser funesta aos pais de familia, os quaes ficarao
cortos de os achar constantemente na rua do Quei-
mado, loja d'aguia branca n. 8.__________^^_
Novidades do Pavao-
OU PECHINCHA ADMIRAVEL.
Escossezas a 320'J
Cegaram os mais lindos cortes de escosezas,
proprios para vestidos, sendo fazenda inteiramenie
nova no mercado; e vende se a 3*200 o corte ou
260 rs. o covado na loja e armazem do Pavo, rua
da Imperatriz, n. 60, de Gama & Silva|
Cassas francezas a 2-i rs. e eovado.
Vendem-se bonas cassas franrezas de cores fi-
zas pelo baratissimo prego de 240 o covado.
Ditas a 280, 320 e 360.
S na loja do Pavao, rua da Imperatriz n. 60, de
Gama & Silva. -
Cuitas avadadas.
Vendem-se finissimas chitas francezas, com pe-
queo toque de avaria, pelo baratissimo prego de
280 o covado.
grande pechincha.
Assim como ditas ioglezas rozas e claras, sem
mofo nem avaria, pelo baratissimo preco de 160 o
covado ; assim como, ditas muito boas a 200 e 240
o covado, isto na loja e armazem do Pavao, rua da
Imperatriz n. 60, de Gama di Silva.
Chapeos para meninas.
NA LOJA no PAVAO.
Vendem-se os mais delicados e bem enfeitados
chpeos de palha de Italia, para meninas: pe-
chincha, na loja e armazem do Pavo, rua da Im-
peratriz n. 60.
Grosdenaple preto a JJ600.
E' grande pechincha!!
Vende-se grosdenaple preto, sendo muito encor-
pa'do e de boa largura, pelo baratissimo prego de
1*600 o covado : na rna da Imperatriz n. 60.
Riscados a lSdrs.
Vende-se riscadinbo escuro proprio para vesti-
dos on reupas para homem, pelo baratissimo pre-
go de 120 rs. o covado : s na rua da Imperatriz
n. 60.
Os cachinez do Pavo.
Vendem-se bonitos cachinez de la ou apazalhos
para cabega pelo baratissimo prego de 3*000, s
na loja do Pavo, na rua da Imperatriz n. 60.
Aigodozinho a variado.
Vendem-se pegas de aigodozinho sendo muito
encorpado, e com 20 jardas, pelo baratissimo prego
de 5*000, por ter om pequeo loqne de avaria.
O bramante do PavSo.
Vende-se superior bramante de llnho cr lendo
quatro palmos de largura, pelo baratissimo prego
de 800 rs. a vara, dito com 10 palmos a 2*400 e
2*800 a vara, atoalhado de linho adamascado, alvo
e pardo, pelo baratissimo prego de 2*800 rs. a
vara, na loja armazem do Pavo, na roa da Impe-
ratriz o. 60.
PARUQUARESlit
PECHINCHA ADMIRAVEL.
Grosdenaple preto a. 1*600
Vende-se superior grosdenaple preto, fazenda
muito encorpada, pelo baratissimo prega! de 1*600
o covado, spBdo fazenda qae val moito mais di
nheiro : na loja e armazem do Pavo na rua da
Imperatriz p. 60. de Gama & Silva.
MANTAS PARA O PESCOCO
al*, s o Pavao.
Vendem-se bonitas mantas para o pescego, pelo
barato prego de I* : na loja do Pavo na roa da
Imperatriz n. 60, do Gama k Silva.
a prego commodo : na roa da Imperatriz n. 52,
perta larga junio a padaria franceza.
Grande pechincha.
Cortes de la escoceza eofeslada para vestido
fazenda de 500 rs., est se vendendo a 280 e 300
rs. o covado : na rna da Imperatriz n. 52, loja da
r-orta larga.

I


*

anal
cala de
ira, e de 8 libras para cima a 12)
aNovan. 60.
de idade 27 ao
i faz todo servigo d
illa f na roa do : d. 40.
ro* |a
a, mnito
ico possjvel.
Para encrespar.
Vendem-se tesooras para encrespar
babados : na rua do Queimado loja
^K 4 Irmo.
O
Corles de laa escocesa para vestido a 3* o cor-
te : na rna oa Imperatriz n. 52, loja da porta lar-
ga, junto a padaria franceza, eslo se acabando.
Chales de renda
Paredes Porto, na ruada Imperatriz n. 52, porta
larga, vende chales de renda de cores com peqoe-
uo toque de mofo, a 3*500 e 4*, fazenda de !0*
e 12*000.
120
Para roupa* de escravos.
Paredes Porlo-tem para vender chita azul e ris-
cado proprio para o im cima a 120 rs. o covado,
orna (iraude pechiochafe esta' se acabando : na
rua da Imperatriz n. 52 pona larga junto a paoa-
ria franceza.
Grande pechincha.
Paredes Porto esta' vendendo riscado francez a
200 rs. o covado : na rua da Imperatriz n. 52 ar-
mazem da porta larga jocto a padaria franceza.
Para luto.
Laas pretas coro salpicts brancos a 400 e 500
rs. o covado : na rua da Imperatriz n. 52 junio a
paana franceza armazem da porta larga.
10400
Chapees dc sol.
Vendem-se chapeos de sol de panno a 1*400 e
urna grande pechincha s para acabar : na rua ua
Imperatriz n. 52 armazem da porta larga de Pare-
des PiTtO.
A 10500.
Vendem-se pegas de tranga preta para enfeites
de vestidos, sontembarques, capas dc senhora a
1*600 cora 10 vara?, uma grande pechincha : na
roa da Imperatriz n. 52 junio a padaria fraoceza.
Aguia Branca rua do Quei-
mado n. 8.
Ftlo ultimo vapor chegou de Pars c' flr.
pos para menina do mais apurado gf ,gl0
Boa Fama rua do Quei-
mado.
Recebeu pelo ultimo vapor cher m^ je
Paris chapeos para menina do ultin gosto.
Novidades.
Na Agola branca roa do Queimai' 0 D^ g rece-
beu diversos objecios de muito gosto DteirameV
te novos, sendo:
Bonitos e delicados pettes dourad <,s e pateados,
tendo enlre elles alguns de Bligrar jj obre.mui per'-
feita e de elevado gosto.
Ditos com chapa de madreperr ^a
Brinco? de filigrana e outras r cualidades.
Fivellas de dita e oulras t mbem de diversa:
qualidades.
Cinios mui bonitos, enfeila dos i > mda aei'fo-
gao com caracteres dourad'j$e prafv..-<"-..
Filets enfeitados com m'jedinbas dou ;i.ti=,e l?.n
tejoilas, aljofares & St.sendo para coque, > ir.da a
cabega, e oulros com piOtras &.
Bonitas voltas de jaspt cem orozes, tendo !n:
bem algumas de duas cores.
Luvas e meias-
de laa vegetal, para quem sofTre de frialdade, pa-
ralesya etc. Vendem-se na rua do Queimado loja
d'Aguia branca n. 8.
Bandolino de r02a ,
para segurar ou conservar perfeilamenle atado os
cabellos da? ?eohoras. Vende-se na rua do Quei-
mado loja d'Aguia branca, 1*000 o frasco.
Enfeites pretos para vestidos
A Aguia branca recebeu novos enfeites pretos
para vestidos, sendo bicos com vidrilhos e sem
elles, (rangas com pendentes de vidrilhos e sem
elles, cordao grosso tambem com vidrilhos e sem
elles; assim como galoes e franjas de diversas lar-
garas, filas de velludo etc. como sempre os bons
freguezes encontrarao commodidade de precos no?
objectos que se vendem na loja d'Aguia branca rn&
do Queimado n. 8.
Botes de vidro
com enfeites d'ago no centro.
Esses botoes qne tanto tervem para melbor se
poder enfeilar um bom vestido prelo ou de edr,
acbo se a venda na rua do Queimado loja d'Aguia
branca n. 8.
Diademas dourados,
enfeitados com aljofares, pedras,
ele, para meninas e senboras.
A agola-branca vende bonitos e modernos dia-
demas donrados, enfeitados com aljofares e pe:-.
proprias para meninas e senboras.
Boaltos ehapozinlios
de palha fina c aveacaes par-1 meninas. .
Sao obras estas de que os bons pai? de familia
se nao podetn escusar de comprar, por fazerem ti-
las parte do asseio e bom gosto com que trajam
suas bellas lilhmlias. A aguia branca tem o pra- ,
zer de ver que lio hellas e precisa? obras form
devidamenle apreciadas e compradas em seu ru-
nfio. Os chappozinhos, alera de serem d'uma pa-
lha mui fina, sao de mui bonita forma e ultimo
go;to, enfeitados com toda a perfelco: os aveo-
tae?, porm, sao de fina cambraia, guarnecidos de
babadiohos bordados; o que Ibes d muitagraca
Os pregos destes, 5*000, e daqnelles, 10*: e de
quanlo sao ell-s baratos conheeera o pretendente,
(ine se dirigir a' loja d'aguia-branca, na rua do
Queimado n. 8.
vidrilhos de cores e aljofares,
imitando ac, para enfeites de vestidos.
A aguia-branca na rua do Queimado n. 8 rece-
ben nm bello sortimento dos objectos cima pro-
prios para enfeites de vestidos, ele, etc., e est
vendendo commodamente.
Pechincha
Na ra do Quinado n. 40
Cortes de laasinha de' coi*, bonitos gostos, con:
15 covados a 3*600.
Cassas organdys de cores, covado a 240, pifa-
do aigodozinho largo com 17 varas a 4*.
ias de dito com 17 varas, mnito encorpado,
com pequeo defelto, a 4*500.
Grosdenaple preto mallo superior, covado 28.
Bit dito a 1*600.
BeloBdas de renda prea a 10*. 1
Chales de renda preta a' 8*. 5
isio!
cigarro?, cora
Biad* e em excellentf.
ro e principlante:
rija-se a roa fe Rosario larga
T%nasealr qaem vende.
fotassa da Russa
da Suva


\




i
Qofijas do sertao
Vende-se superior queijo do sertao : na
Madre de Dos, armazem junto a igreja.
Jd Ud lUdV 1
algotfi
rcvoi*


mi*tu>*c
******** Uk % -------- ".:

!
\
PARA A QVABBSMA
Chegaram a loja de Augusto Porto & C.
11 Ra do Oueimado-l
Saperiores cortes de seda preta.
Molreaotigne preto de flores e de listos bellos padrees.
Grosdenaple prelo de diversas larguras e qualidades.
Retondas, bournus e chales de guip e de reodas.
Pannos preto, ca&emias pretas, bombasinas.
Las, cautao, merino e selestrinas pratas.
Lindas mantas de seda para pescoco.
Ricos cortes de seda de cores para bailes ou casamentas.
Ricos cortinados bordados dos mals bollos desenos.
Moir branco, seda branca, capellas e mantas para noivas.
Bellas colchas de seda e de la e seda para cama de noivas.
Saias da fioisslma cambraia ricamente bordadas. ,.muam ,am nm
Farendas de pregas para saia que se laiem com urna s costura e tambem tem con
o corda wetto. ,M ,M
MadapoKo francei a 400 e 480 rs. a vara.
* Alcatifa de lioho para salas e gabinetes a 480 rs. o covado.
Fazenda especial de quadros para fazer redes a 34500 a vara.
Superiores esteiras da ludia para salas.
11 Roa do QuelmadoU
m
NOVOS GERENTES
DOS
TRES OftAtfDES
AHAZENS DE HOLAHDOS
DENOMINADOS
PROGRESSIVO pateo do Carmo n. 9
UNIO E COMMBRCIO ra do Queimado ir 7.
VERDADEIRO PRINCIPAL ra do Imperador n. 40
DR flfcflftO DBATTAHYMS^IIORO MW0OSO,
DE

%4K
CORTES DE SEDA t
Chegaram pelo paquete inglez riquisslmos cortes de moreantique da cores, e seda lam P-
asiatelramen^os.^ ^^ ^ ^QQQ Q ^^ j
5RA DO CRESPO-5 M
Gregorio Pae do Amaral de companhla.
DAKTE CARVALHO PERIRA # C.
Fazem sciente ao respeitavel publico, e com especialidade aos senhores de en-
genhos, lavradores e malspssoas 4o cealro, que para mais facilitar suas compras deli-
beraram os proprietarios dos tres grandes armazens, reunir todos os seus estabeleci-
mentos em um s anuuncio, pelo qual o prego de um ser de todos, promette-
mos que nSo infringiremos a tabella que abaixo vai publicado, aonunciar os gneros
por um preco, e na occasiao da compra quererem por outro, como socede constante-
mente em outras muitas casas, porm nos nossos estabelecimentos nao se dar isto
aioda mesmo com prejuizo nosso, qualquer pessoa poder mandar seus fmulos que
serao tambem servidos como viessem pessoalmente fazendo-oos o favor de mandar seus
pedidos em cartas feixadas; para evitar qualquer engaos, remetiendo nos urna conta
pela qual se Ver os precos tal qual annnciarmos, o que seolo arrepender pessoa
alguma que fizer sna despenda em nossos estabelecimentos; pois poupar mais de
5 por ceoto n sua despeza diaria.
UBICO,
SRa da Glora, casa do TundSo^3
O Dr. Lobo Moscolb d consultes gratuitas aos pobres todos os dias das 7 s 11
oras da manteo, e das 6 e meia s 8 botas da noite, excepgao dos dias notificados.
Pharmacia especial Iwneopathiea
No mesmo consultorio ba sempre o mais appropriado sortirnento de carteiras
tubos avulsos, assim como tinturas de varias dymnaniisaces e pelos precos seguintet:
Carteiras de 12 tubos granfles. 12^000
de 24 tubos grandes. 185000
> de 36 tubos grandes. 24,5000
de 48 tudos grandes. 30-SJOOO
> de 80 tubos grandes. 35000
Prepara-se qualquer carteira conforme o pedido que se fizer, e com os remedios
que se pedir.
Um tubo avulso ou frasca de tintura de meia onga 15000.
Sendo para cima de 12 cusiarao os precos establecidos para as carteiras.
Ha tubos mais pequeos cada um a 500 res.
LITROS.
Gros de aples preto a I500,1,5600, *&, U, 350() e 40 o covado.
GorgurJo preto de superior qualidade a 20500, 2 Vad' Superiores moreantiques a 25500, 20600, U, 35500, 45 e 55000 o
covado. 1
Bons cortes de moreantique.
dem de gorguro adamascados.
Bons pannos e casemiras.
Sup riores alpacas, princetas, merinos e bombazinas.
Bons vi lidos pretos.
Grande variedade de chales de fil preto e de guipure a 55, 05, 5.
105, 125, de 165 a 205, e de 255 a 805 cada um. nu Iatl asetf
Superiores retondas de fil preto e de guipure a 85, 105, 125 e 250,
e de 300 a 600 cada urna.
Superiores algerienes de filo preto e de guipure de 125 a 250, e ae
305 a 605 cada urna.
Bons cbailes de seda preta.
Ditos de Merino preto bordados e outras muitas fazetdas pretas que
seria enfadonbo enumerar, na
IOJA DAS COAUJHMAS
DE NTONIO CORREIa DE VASCONGELLOS & C.
Rl A DO CRESPO N. 13
<8S@
.
RIJA DO RRUM TS. 38.
O proprietario deste estabelecimento deseja chamar a atiendo dos senhores pro-
pietarios aos acreJitados mechanismos que continua a fornecer ; os quaes garante ser:
como sempre, da melhor qualidade possivel:
Machinas de vapor
torca de 2 */ eavallos para cima. As menores sao mui proprias pira motore sde
descarocamentos de ag do; as maiores para moer canoa; ha tambem q ue^ podem junta
cu separadamente moer canna e descarocar segundo suas proporcSes.
sao simplissimos na cunslruceo, e seregem por qualquer pessoa intellif ente, a faciltda-
de da conduccSo sendo especialmente considerada, tanto que nao ha lu jar em que nao
se p jssam conduzir, qur por trra, qur embarcado. Ha com moendas juntas ou sem
ellas e podem-se applicar a qualquer moenda j existente sem ou'.ra nudanca do que
a substituido das rodas da almanjarra. Ellas tem depsitos d'agua e raeiros de ferro,
e nao precisam para o seu asseotamento de obra alguma, qur de cara; tina, qur de al-
vanaria. O tempo para assenta-Is nao excele de doze dias ao mais, e em casos de
mortes de animaos ou arrombamentos de acudes, etc., garante-se o sssentamento em
oito dias. Lembra-se aos senhores de engenho que a venda dos animaos e o servico da
ente oceupada no seu tratamento os ho de recuperar da maior parte da despeza de
vapor deixando-lhes a vantagem de urna moagem certa e accelerada; t acabando com a
despeza da compra continuada de novos ammaes. com os desgostos do trabalho que.
ss tem com elles.
Rodas d'agua de ferro, mu maneiras e moendo con qualquer altura
d'agua.
Sarllhos eom cruzetas de ferro para as mesmas, quando se desege fazer
e resto da roda de madeira, tornando-se assim a roda ligeira no trabalho.
Mocadas de canna de todos os taannos, desde as mais' pequeas chama-
das do sertao. Obra perfeila em feitio e acunhamento.
Rodas de espora e angulares de todos os tamanhos.,e proporces.
Paroes ou coches para receber o caldo.
Crivos de fornalha para asseniameotos, frescos para 6 foguista, lazendo
grande calor com pouco combustivel, e duradouro.
Portas de fornalha de todos os tamanhos e de diverso^ systemas.
Fornos c moinhos para a fabrica de farinba e tambeih chapas redondas
pira fornos pequeos.
Boaibas simples e de repucho.
Taixas de ferro balido e fundido e de cobre.
Formas de ferro batido galvanisado para purgar assucar, Ijeves para carregar
e isemptos de quebrar-se.
Vlamblqaeg de ferro de todos os tamanhos, custando s a terca parte do
prego dos de cobre, mais regulares na distillaclo e igualmente duravis.
Elios e rodas de carro com uaang-s de patente, obra mui segura para
carregago de peso. ._
Arados, grades, cachados a carallo e outros instrumentos de agn-
cj'tura. E finalmente todo o objecto de que pwsa precisar um engenho
Machinas de descarocar algodaj).
Na fabrica se fazem obras novas encomnaenda e concertos, jcom a maior preste-
za e solidez. 0 grande deposito de pecas e objoctos habilitam-na njuito para este fim.
O proprietario ser sempre mui feliz de poder ter occasio de dar nformacofis^u
es '.areclmentos aos senhores que se.servirem de seu prestimo.
D. W. Bovtman, engehheiro.
RA A
oaaater completo ortlmeslc
\na$ para desca
30 e 33 serr;
Ler rect ido de sMtfft propri
lio
MAUTEIGA
Manteiga ingleza perfeitamente flor che-
gada ltimamente a l.ooo rs. a libra, e
em barril ter abatimento.
Manteiga franceza da safra nova a 8oo rs.
a libra e em barril ter abatimento.
BANH
Banba refinada superior a 64o rs. e em
barril ter abatimento.
CIIA
Cha uxim de primeira e superior qualida-
de a 2,8oo rs.
dem bysson o melhor neste genero a
2,6oo rs., e sendo em porc3o ter abatimen-
to, tambem ha proprio para negocio de 2 a
2,4oo rs. a libra.
dem preto superior de l,8oo a 2,5oo rs.
a libra.
BiSCOHtOS
Latas com superior biscouto inglez de di-
versas marcas a l,2oo rs. a lata.
Bolaehlnhas
Latas com bolachinhis da acreditada fa-
brica do beato Antonio, proprias para dar a
doentes de 2,ooo a 3,ooo rs. a lata.
dem com quatro libras de bolachinha de
soda a 2,ooo rs. a lata.
Queijos
Queijos flamengos ebegados pelo ultimo
vapor de 2,3oo a 2,5oo rs.
CHOCOLATE
Chocolate hespanhol a l.ooo e i,2oo rs.
a libra, francez e suisso a l,ooo rs. a libra
e portuguez a 800 rs. a libra, em porgao
ter abatimento.
VINHOS
Superior vinho do Porto das mais acredi-
tadas marcas, como sejam: Madeira Secca,
Duque do Porto, Velho Secco, Lagrimas do
Douro, Maria Pia, D. Luiz, Pedro V, Lagri-
mas Doces e outras marcas a l,ooo a garra-
fa e 9.000 a 12 ooo rs. a duzia.
Vinho Figueira e Lisboa das melhores
marcas a 4oo e 5oo rs. a garrafa, e a 3,ooo,
3,5oo e 4,ooo rs. a caada.
Superior vinho chamisso em barrilti 64o
rs. a garrafa e a 4,5oo rs. a caada.
Superior vinho de Lisboa e Figueira em
anceretas de 8 e 9 caadas a 24,ooo rs. a an-
coreta.
Superior vinho branco proprio para mis-
sa a 640 rs. a garrafa, tambem ha mais bai-
xo para 4oo, ooo rs. a garrafa e 3,2oo a
3,5oo a caada.
Caixas eom urna duzia de garrafas de su-
perior vinho Bordeaux a 7,ooo rs. a caixa e
7oo rs. a garrafa. ^
CAFE
Caf do Rio de 1.* e 2,* qualidade de
6,8oo a 8,2oo rs. a arroba, e de 24o a 28o
rs. a libra.
NABlO
Sabo maca de primeira qualidade de 18o
a 22o rs. a libra e de 16o a 21o rs. sendo
em caixSo.
Sarveja
Superior serveja Bass dos melhores fa-
bricantes, como sejam: Shlers & BelL T. F.
Ashe a 7,6oo e 7,ooo rs. a duzia e a 7oo rs.
a garrafa. Tambem ha de outras mareas
como seja: Victoria e Alcope a 5,ooo rs. a du-
zia e a Boo rs. a garrafa.
BOlOES VASIOS.
Boies vasios, louca ingleza moito pro-
pria para manteiga e deposito de doce de 4
a 42 libras a !,2(y>e2,5oo.
FARINHA DO MARANHAO.
Farinba do Maralo a 240 rs. a libra.
SAG'.
Sag muito novo a 4oo rs. a libra.
ARARUTA.
Vinagre
Superior vinagre de Lisboa a 2, ooo rs. a
caada e 280 rs. a garrafa. Tambem ha
mais baixo para 2oo rs. a garrafa e l,4oors.
a caada.
Azeite doce
Superior azeite doce de Lisboa a 64o rs. a
garrafa e a 5,ooo rs. a caada.
FUMO CAPORAL.
Latas com superior fumo caporal a l,8oo
rS. a lata.
Passas
Superiores passas a 2,5oo o quarto e
9,5oo rs. a caixa de arroba hespanhola e a
56o rs. a libra.
QEXEBRA
Genebra de laranja verdadeira a lo,5oo a
duzia e l,ooo rs. ao frasco.
Genebra de Hollanda verdadeira a 6,ooo
rs. afiasqueira e a 56o rs. o frasco.
Idom de Hollanda em botijas a 4oo rs. ca-
da ums.
Garrafes com 24 garrafas de genebra de
Hollanda a 8,ooo rs. o garraflo. Tambem
ha garrafes com 5 e 14 garrafas de 3,2oo a
6,ooo rs. cada um.
VELAS
Velas de spermaeete a 64o rs. a libra.
dem de carnauba de lo a 12,ooors a
arroba e de 36o a 44o rs. a libra.
PEIXE
Peixe eoa latas j preparado de l,ooo a
l,2oo rs. a latav
ALPISTA E PAINCO
Alpista e paingo muito novo de 3,8oo a
4,ooo rs. a arroba e de 14o e 160 rs. a li-
bra.
CHARUTOS.
Superiores eharatos do fabricantes Simas,
Imperiaes, Delicias, Parisienses e outros de
2,2,5oo e 3,ooo rs. a maia caixa: tambsm
temos Suspiros, Havanros, Ligueiros e
outros muitos que vendemos por mdico
prego.
Licores
Licores francezes e portuguezes a l.ooo e
l,4oo rs. a garrafa ou frasco.
Doces
Do;e da casca da goiaba em caixes e la-
tas a l,2ooo eaixo e 2,8oo rs. a lata.
Frotas
Frutas em calda e em latas fechadas her-
mticamente, muito bem enfeitadas, conten-
do pera, pecego, ameixa rainha Claudia, al
perche e outras frutas ao) rs. a lata.
Tambem ha latas grandes para l,2oo rs. a
lata.
AZEITE DE REFINADO
Superior azeite francez refinado a 8,ooo
rs. a garrafa e a 9,ooo rs. a duzia.
MOLHO ING1EZ SAUCE
Molho inglez Sauce em frascos grandes
com rolha de vidro a l,8oo rs. o frasco em
duzia ter abatimento.
BATATAS.
Gigos com 3o libras de batatas a l,ooo rs.
ogigo.
SARDINHAS.
Latas com sardinhas de Nantes e Lisboa
de 4oo a 46o rs. a lata.
A melhor obra da homeopathia, o Manual de Medicina Hsmeopathico do Dr. Jatfa
dous grandes votamos com diccionario ............ 20!000
Medicina domestica do Dr. Hering........... 16)9000
Repertorio do Dr. Mello Moraes............ 65O0O
Diccionario de termos de medicina ........... 3(5000
Os remedios deste estabelecimento sao por demais conhecidos e dispeosam por
tanto de serem novamente recommendados as pessoas que quizerem osar de remedios
verdadeiros, enrgicos e duradores: ha tudo do melhor que se pode desejar, globos de
rerdadeiro assucar de leite, notareis pela sna boa conservado, tintura dos mais acredi-
tados estabelecimentos europeos, a mais exacta e acurada preparaelo, e portanto a maior
energa e certeza em seus efleitos.
Casa de saude para escravos.
Recebe-se escravos para tratar de qualquer enfermidade ou fazer-se-lhe qualquer
operacio, pira o que o annunciante julga-se sufficientemeute habilitado.
O Iratamento o melhor possivel, tanto na parte alimentar, como na medica,
funecionando a casa ha mais de quatro aonos, ha multas pessoas de cujo conceito se nao
pode duvidar, que podem ser consultados por aquellos que desejarem mandar seus
doentes.
Paga-se 25 por dia durante 60 dias e d'ahi em diante 15500.
As operaces sero previamente ajustadas, se nao se quizerem sujeitar aos precos
razoaveis que costuma pedir o annunciante.
FUMO AMERICANO.
Superior fumo em chapa a 640 rs. a libra
ERVILHAS
Latas com ervilhas e feij5o verde j pre-
parado 64o rs. a lata.
MAS5A DE TOMATE
Latas com 1 libra de massa de tomate a
64o a lata.
VERMUTH
Esta bebida muito fresca e estomac il e
muito propria para a presente estaco. a
qual vendemos a 2,ooo rs. a garrafa e 185
a duzia.
ARUIAZEM E FAZEXDAS
DE
CUSTODIO (IRVAIiHO C.
27 RA DO QUEIMADO N. 27
Madapolo francez muito fino, tendo pouco mofo, cada pega com 27 varas por
105000.
La de cores a 300 rs. o covado.
Cambraia franceza a 260 rs. o covado.
Finos Qrgandis a preco de 800 rs a vara.
Lencos trancos para algibeira a 25P00 a duzia.
Finas perclaras a prego de 400, 440 a 560 rs. o covado.
Ricos cortes de 15a de barra de 105 a 305000.
Chales de fil preto e outras muitas fazendas.



Novidades do Vigilante
RA DO CRESPO N. 7.
Araruta verdadeira a 4oo rs. a libra.
Pimenta, cominho, cravo, canelta. ervadoce, alfazema, tijollo para limpar facas pa-
litos para denles, palitos de fogo, e outros muitos gneros que se ternama enfadonho
mencionar, afiancaodo cinceridade nos precos e o bom acdndicionamento de qualqusr
gen ro.
_--------------------------------------;____ --------------------------------?----------------
HWANGES B4R4T0S
Vendem-se, na livraria da praca da Inde-
pendencia n. 8, a 400 rs. o volume, os ro-.
manees portuguezessegulntes, em brochura:
A voz do sangue, 2 volumes.
Connemara, 2 ditos. _
A noite de S. Silvestre, (dito.
O filho de Titiano, I dito.
Adonis ou o bom negro, ,1 dito.
As duss amadas, 1 dito.
O pacha de Buda, 1 dito.
Trilby, 1 dito.
Igoez de la .Sierra, 1 dito.
Joven Siberiana, 1 dito.
Venda-se on alega se otn rrenb coak 4dis
freotoi para a rna do Bram o. II t^araa ra dos
Guararapes n. 10, moito proprio par* dapwUo de
anlp, uadskas, ou qtrwca* e boi, por ser aras-
de, Mr cacimba e tres temairos, 6 om csixio de
casa em respaldo : a tratar na rus da Gru do
Repl|.. ^ ;
-lTij
Farello
em saceos grandes a 45500: nos armazens
deTasso Irmaos.
Gomma de inilho branco
americana
Esta preciosa fcula, cojas propriedades medi-
cioaes a imprensa enropea tasto tem exaltado para
a cura das molestias do peito, recommenda-se tam-
bem como alimento sadio e nutritivo para as cri-
anzas, prestando se a variados preparos culinarios.
A gwal aceJUjo que ella lera obtido por toda a
parle o seu "maior elogio,: vndese uaicamente
na roa do Imperador n. B7, armazem Alltaoca.
Para os bailes mascaradoi.
, A agoia branca est vaodta arar hamtissimos
precos. para acabar, os objectos seguidles,< ssr-
vew ti bm teste tomam parte nos bailes mas*
carados, sad :
MeiasdesaiaaUopar.
En > a !J, U e cada PJD.
-Ka-W
Este estabelecimento apezar de sempre
se achar bem sonido como todos sabem,
hoje mais que nunca, nao s pelo que rece-
be de sua propria conta, mas tambem pelo
que recebe de consignaces; parece sem
duvida que deve offerecer grandes vanta-
gens para o respeitaveVpublico tanto em
precos como na escolha dos objectos, e co-
mo acaba de ebegar grande remessa pelo
vapor Douro e o navio Solferino de
diversos objectos de gosto e proprios do
tempo dos quaes se mencionarlo algans,
por nao ser possivel mencionar todos. O
dono deste estabelecimento espera a pro-
teceo de todos.
Riquissimas caixinhas ornadas e com
msica propria para um delicado mimo.
Caixinhas de msica tanto de veio como
de corda.
Ricos porta joias e necessarios.
Riquissimos est jos a feitio de um bausi-
nho ou chapeuzinho.
Ditos em casca de noz e de outros gostos.
Loques de madeperola de sndalo e de
faia e madeira.
Chaposinhos e touquinbas de muito
gosto para criancas.
Meias e sapatinhos de seda para as mes-
mas.'
Meias de seda para senhoras.
Capellas e grinaldas de flores proprias
para casamento.
Enfeites e capellas de muito gosto para
seuhora.
Riquissimos porta boquets.
Boquet de flores com urna borracbinha
com cheiro.
Luvas verdadeiras de Jovin.
Ditas de seda e de Escocia.
Riquissimas' plumas e guarnieres para
enfeitar chapeos.
Contas e tobos de ac branco, que ba
moito se desejava para enfeites.
Brincos, fivellas e cruzes de crystal.;
Fivellas e cruzes de tartaruga, madripe-
rola e dourados.
Alfinetes para gravatas.
Botes com croas para punhos.
Gravatinbas e mantinhas de muito gosto,
tanto para homem como para senhora.
Riquissimos aderegps pretos, assim como
caixinhas com alfinetes pretos.
Bengallas de canna com cabo de raarflm.
Ditas de baleia, borracha e de outras
muitas qualidades, assim como chicotinhos.
Riquissimos penles de tartaruga do ulti-
mo gosto; assim como de arregaco para
menina, pois neste artigo ha um completo
(Sortirnento de todas as qualidades.
Diademas para cabeca do ultimo gosto.
Riquissimas fitas lavradas e fizas.
Trancas pretas com vidrilho e de cores.
PuUeiras tanto para senhora como para
meninas.
Ligas de seda e de s
^^Biili^LH^"'11''"
poml
MACHN4S de patente
DE TRABALHAR MO PARA DESGA-
RgAR ALGODO
MHII'ADO POR
PLANT BROTHERS & C.
OLDAM.
Estas machi-
nas podem des-
carocar qual-
quer especie de
algodao sem
estragar o fio,
sendo bastante
duas pessoas
para o traba-
lho; pode des-
carocar urna
arroba de al-
godao em ca-
rolo em 40
minutos, ou
18 arrobas por dia ou cinco arrobas de al
godo limpo.
Assim como machinas para serem movi-
das por animaos, que descargara 18 arro-
bas de algodao limpo por dia; e motores
para mover urna, duas ou tres dessas ma-
chinas.
Os mesmos tem para vender um bellsi-
mo vapor que pode fazer mover seis destas
machinas mencionadas; para o que convi-
dare aos senhores agricultores a virem ver
e examina-Io, no a mazem de algodao, no
largo da ponte nova n. 47.
Saunders Brothers & v.
Recife pra?a do Corpo Santo n. 11.
Os nicos agentes neste paiz.
O castello de Grasville.
Traniido de franeex por 1. J. C. da Cmi.
Vende-se este bello romance em qaatr
tomos pelo baratissimo preco de 300C
oa praca da Independencia, livraria ns.
6 0 8,
Frameisco Jos Germano
RA NOVA N. 22,
acaba de receber um lindo e magnifico sor-
tirnento de oculos, lonetas, binculos, do ul-
timo e mais apurado gosto da Europa e ocu-
los de alcance para observacoes e para os
mariiimos.
Manual do Cidado
Vende-se o Manual do Cidadao em um
Governo Representativo ou principios de
Direito Publico Constitucional Administra-
tivo e das Gentes, por Silvestre Pinheiro
Ferreira, em 3 volumes broxurados por 34
cada obra : na livraria n. 8 da praca da
Independencia. |
Vendem-se superioratiawesBBtos deWeslpba-
lia, ebegados no ultimo vapor: aa roa do Trapi-
che n. 9,*
Rounas feitas de todas as qualidades
VendeJPppp feita, sendo calcas de cores e
pardo a if, ditas de brim branco de liobo a 3A50O
e 44, calcas de casemira pi^U a O, M e 84, di-
Us de eores, meia casemira, a 34 e 345U0, ditas
4aasemuaa64, 74 4; Welofc de brim dt
cores a U, 34500 e 34, ditos d* brto branco a
a 44600, ditos de alpaca preto a 34 U, ditos de
casemira de cores a 54, 6, 7, ge 104, ditos de
panno prele a 64, 7,-8jb_ tOJL colletes de cores a
$9>\
1



l
5

T<







i
NOVA LOJA
ENCICLOPDICA
t Ha* da laameratrla rMazen
da porta larca *.
junto a pasarla fradceza de
Paredes Parto.
Neste estabelecimento encontrar o respekavel
publico dbi variado sertimeoto de fazendas france-
xas, ingleus, suissas e allemes, qoe se venderao
por preso commodo.
Paredes Parlo
Vende chales de renda de cores qne se vende-
rn a i} esti vendando por 65, ditos pretos, fa-
zenda nova, 35,65, 85 a 205, um sortimento com-
pleto da manteletes, capas e soutambarques 145 a
235. Una da Imperatnin. 42, Junto a padaria fran-
ceza, armazem da porta larga.
Paredes Parlo
Receben nm completo sortimento de laasinnas a
240, e 280 rs. corados, para acabar, cambraias de
cor a 240 rs. o co vado, riscado escossez para rou-
Bi de menino, fusto de linbo a 420, 400 e 500 rs.
na da Imperatriz n. 52 jnnto a padaria franceza.
armazem da porta larga.
Paredes Porto
Receben para cortinados para cama franceza a
115 a pega cambraia lisa fina a 35 45 at 105 a
peca, cortes de tarlatana de bonitos gestos a 35500
o 45, cambraia cora flor de seda, gostos inteira-
mente dovos a 400 e 500 rs. o covado, no armazem
da porta larga n. 52, roa da Imperatriz jnnto a pa-
daria franceza.
Paredes Porto
Receben pelo nltimo paquete nm sortimento de
cruzo com pedras para o pescoco, benitos caxinels
de lia para pescoco de senhora. Ra da Imperatriz
u. 52, armazem da porta larga.
Paredes Porto
Vende cortes de gorgurao preto para vestido com
21 covados cada nm 355000, grsdenaple preto a
15600,15800 e 25 o covado, lias lizas finas a 400
rs. o covado, lias de quadrinho para vestido, enfes-
lada, a 320 rs. o covado. Roa da Imperatriz n. 52,
armazem da porta larga.
Ronpa feila
Rus. da Imperatriz n. 52 armazem da porta lar-
ga jnnto a padaria franceza, encontrase neste es-
tabelecimento um completo sorlimenlo de paletos-
saceos e sobrecasacos, de todas as qualidades, cal-
ras, colletes, cerculas, camisas, grvalas, meias,
chapeos de sol, ditos francezes para cabeca, por
preces eoramedos, ronpa para menino e ontras
muitas fazendas por pregas commodos, armazem
da porta larga.
No mesmo estabelecimento encontrar! o respei-
tavel publico, sempre nm completo sortimento de
ronpas fetas de todas as qnalidades, como sejam
paletos de alpaca preta e de cor, ditos sobrecasa-
cos a 45 e 55, ditos do brim pardo a 25800, 35 e
35500, ditos finos a 45, ditos meias cazemira a
35500, 45 e 55, ditos cazemira saceos a 65, 75,85
e 105, ditos sobrecasacos a 10 e 125, ditos de pan-
no saceos a 65, 85 e 105, ditos sobrecasacos a 125
e 255, ditos de merino preto a 65, 75 e 105, cal-
cas de brim de diversas qualidades a i #800 a 45,
ditos brancos a 25500 e 6500, ditos cazemira 55,
65 e 75, ditos pretos a 55, 65, 85 e 105., ditos
meias cazemiras a 35 e 45, coletea de diversas
qualidades, seroulas francezas de algodo, ditas de
Hnho, ditas de bramante a 25 e 25500, carnizas de
algodao de linbo francesas de 2*500 e 35. Gran-
de pechincba neste genero, grvalas de todas as
qualidades e brancas para casamento, grande sor-
timento de meias para senhoras, ditas para bomens
a 35, superiores a 35500 e 45-
Um completo sortimento de chapeos de sol de
alpaca a 35. ditos de seda a 55, 75, 105 e 145,
ditos francezes para cabera, grande sortimento
a 65.
Pechincba admiravel.
Grande sortimento de chambres a 45600 e 59,
enees de cambraia para homem a 25 a duzla, di-
tos de linho a 45 e 55.
Grande sortimento de ronpa para meninos e on-
tras muitas qualidades qne seria eufadonho men-
ciona-las.
Paredes Porto
Receben peto ultimo paquete francez ricas laas
granadinas com flores de seda a 400 e 500 rs. o
covado, esto acabando-se, cambraia preta para
lato. Porta larga junto a padaria francesa, a ra
da Imperatriz a. 52.
Paredes Porto
Receben pelo nltimo paquete espartilhos a pre-
guicoso por 39, sio bons, lencos de seda para se-
nhora e bomem a l, ricos cortes de cambraia
bordados de 188 a 7J, por ter um toque de mofo,
esto se acabando, na ra da Imperatriz n. 52, jun-
te a padaria franceza.
Paredes Porto
Vende um completo sortimento de fazendas
brancas, como sejam madapolo a 45500,55, 65 e
109, pecas de algodao por barato prego, chita fran-
cesa a 240, 280. 320, 360 rs. o covado, precalias
muito finas a 360, 400 rs. o covado, chita ingleza
a 200 e 240 rs. o covado. Roa da Imperatriz n.
32, junto a padaria franceza.
Fazendas.
Vende-se superior merino preto proprlo para ca-
pas do senhora o vestidos a 25, lustrina da China
a 15800 o covado. Ra da Imperatriz, porta larga.
Paredes Porto.
Vende em seu estabelecimento tiras e ntremelos
bordados, grande sortimento de corplnhos rica-
mente bordados a 35,45 e 55. S o Paredes Por-
to, rna da Imperatriz no 92; porta larga jnnto a
padaria franceza.
f5Filffl?5fflff
o-04
os B*o
su o
g-g
_ Q.P-
2 o"
O. j
v
a> S.er-S
a ES c
. su
*9 a a
5 Cu "
S5" o SS o ccm,n.p
3 e. = > 3 ^S'
**S

s|Fi*|ii!lffib
IS^Bi
3 S -
S.-1 sr w
rigli'il
a>
*> O.
o a
5 r*
o o-
MMI
Q, O 2 O
s
su
"g ssa
I 19
a*
00
s|-s

n
""I
* 1
Diarlo de pemamooeo Quinta felra 1 de Harco de 186f5.
RICA A VAPOR
99 BU DO MONDEGO 99
Deposito na rna Nova n. SO lo ja de relojoeire.
Delouche donos deste estabelecimento partecipa ao respeitavel publico que sua fa-
brica est montada com as melhores machiBas que existem na Europa, e que pode
febricarcom raelhor perfeiwo possivel. Todo o chocolate desta fabrica est garantido, e
juro, o que n5o se pode]encontrar naquelle que vem de fra, e que se vende por preco
baixo, visto os productos sjerem do paiz. Na etiqueta tem sempre urna aguia.
PRECO.
Meia libia........ 400
Umalrbn......... 800
Urna arroba ........ 190000
Na mosma fab ica acaba de se montar urna officina com serrara a vapor para
obras de marcineiria propra para edificio, para o que encarregi-se de fazer portas, ja-
dellas, assoalhos (parqu francez como se usa na Europa,) e armacSes, ludo com brevi-
nade e perfeicSo. Toma-s qualquer encommilda para fra da cidade, entregando-se
pnompta a collar-se no lugar.
DOS ffilffi
fflMDfi E8TAUEIKI1EIST0
Cortes de cambraia com palmas na loja do
Pavao.
Vendem-se cortes de cambraia branca com pal-
mas, sendo fazenda mnito boa, pelo baratlsslme
preco de 25500 para acabar : na loja e armazem
do Pavo na ra da Imperatriz u. 60, de Gama &
Silva.
Lencos brancos a UfOOO res a
darla.
Vendem se lencos brancos farenda mnito boa
neto baratissimo preco de 25 a duzla, Ditos com
barra de cor a 25000 isto para acabar na loja do
Pavo na rna da Imperatriz n. 60 de Gama A Sil-
va.
GfUNDE PECHINCHA!
Lasiulias a 120 rs. na leja do Pava
Vende-se lasinbas pretas proprlas para lnto sen-
do boa fazenda a 120 rs. o covado. Ditas muito
finas de qnadriahos a 480 e 320 rs., ditas enfesta-
das a 400 rs., ditas mathizadas a 320 rs., ditas
transparentes com palma de sedas 400 rs., ditas li-
zas e com salpicos a 500 rs., para acabar na leja e
armazem do Pavo na ra da Imperatriz n. 60. de
Gama & Silva.
Poupelinas modernissimas a 400 e 500 rs.
o covado na loja do Pavo.
Vendem-se ponpelinas mullo finas sendo fazenda
multo moderna de quadrinhos e liza vendendo-se
pelos baratos precos de 400 e 500 rs. o covado na
loja do Pavo na ra da Imperatriz n. 60 de Gama
& Silva.
rosdenaples pretos do Pavo.!
Vendem-se superiores grosdenaples pretos pelos
baratissimos precos de 15500, 15600, 1,5800 e 25
o covado, sendo fazenda muio boa, s para aca-
bar : na loja e arnazem do Pavao, ra da Impe-
ratriz n. 60, de Gama & Silva.
tramante de llnho do Pavo.
Vende-se superior bramante de linbo Com 10
palmos de largura, proprios para lences, pelos
baratissimos precos de 23 e 25600 a vara, assim
como panno de linbo mnito fino pelos baratissimos
precos de 640,700 e 800 r. a vara : na loja e ar-
mazem do Pavo, ra da Imperatriz n. 60, de Ga-
ma & Silva.
As cassas do pavo.
Vendem-se cassas multo superiores com lindos
padr oes, pelos baratos precos de 300 e 320 rs. o
DE
C OEJLIIO A FREITAS
Rna da Cruz n. 16.
Continua a haver diariamente um sortimento de pastis, podins, bolos inglezes,
empadas etc., etc. Os donos deste estabelecimento, acbam-se na melhores condices
de poder satis/azer eocommendas concernenles soa arle, em conBequencia do socio
Freitas ter sido administrador chefe de algumas das princii aes fabricas na corte, sendo
oma a do Sr. Jo3o Goncalves Guimar5es (confeitaria de Le5o) antiga casa de Carceller.
.Todos os trabalhos sao diferentes dos que se fazem em casas particulares.
Os proprietarios deste estabelecimento nao se tem poupado a despexas, nemse
poupar5o, se bouver concorrencia como esperam ; lendo continuadamente bom sorti-
mento de doces para cha; presuntos e ditos em flambre, tambemse recebem para se-
rena preparados ; assim como doce de caj novo superior, secce e crystalisado, dito em'
calda em latas hermticamente fechadas, podendo durar annos em perfeilo estado.
Para jantares e partidas recebem-se encommendas dos seguintes objeclos; ban-
deijas ricamente enfeitadas sem armaco pecas de amendoas (nogaces), ditas de tmaras
de ovos, pies de l enieitados com disticos anlogos a qualquer fim; ditos montados,
kechs simples e eBfeitados com fructas ingleza; gatheaux de la reine, ditos de le d-
chese, tortas de fructa, massa folhada; ditas de peixe e carne; cremes e doces de ovos
de differentes especies.
Tambem tem nm completo sortimento de vinhos engarrafados, como sejam: vinho
do Porlo superior, Figuetra, Madeira, Lisboa, Cberez, Bordeaux, Champagne fino, ser-
veja, licores, cbaropes e conservas. Para festas: bonitas caixinbas com amendoas, con-
feitos e mais enfeites. Muitos destes objectos mencionados podem-se perfeitamente ac-
ondicionar tanto para a provincia, como para fra.
I covado, sendo esta fazenda grande pechincba pelo
preco.
, Brim pardo entrancado a 700 e 800 rs. a vara.
Dito liso mnito encorpado a 640 e 700 rs. a vara.
Dito branco entrancado a 15280 rs., isto pe-
chincba na loja
DE

DE
J. VIGNES.
*. 55. RA OO IMPERADOR X. 55.
Os piaaos desta antiga fabrica sao boje asss conhecidos para que seja necessaro insistir sobre a
na superioridade, vantugens e garantas que offerecem aos compradores, qnalidades estas iacontesta-
veis que eltes tem definitivamente conquistado sobre todos os que tem apparecido nesta praca ; pos-
indo um teclado e machinismo que obedecem todas as vontades e caprichos das pianistas, sem
Qunca falbar, por serem fabricados de proposito, e ter-se feito ltimamente melboramentos importan-
tissimos para o clima deste paiz ; quanto s vozes, sao melodiosas e flautadas, e por isso mnito agrada-
reis aos ouvidos dos apreciadores.
Fazem-se conforme as encommendas-, tanto nesta fabrica como na do Sr. Blondel, de Paris, socio
correspondente de J. Vigiles, em cuja capital Corara sempre premiados em todas as eiposiedes.
No mesmo estabelecimento se achara sempre nm explendido e variado sortimento de msicas dos
melhores anlores da Europa, assim como harmnicos e pianos harmnicos, sendo tudo vendido por
precos commodos e razoavels.
VENDE-SE
No armazem de M. J. Ramos e Silva Cienro. rna do Ylgarlo
n. 11, constantemente, os segnlotes artlgos. que
reeefrem por enconan en da proprla de

VEH'-YOUH.
Legitima salsa parrilba de Bristol, preparada por Lanman & Kemp.
Verdadeiraagaa Florida, preparada pelos mesmos.
Gaz em latas de cinco galoes, o mais purificado que se pode desejar da acredi-
tada marca F. W. D. & C.
Relogios perfei*os reguladores, com corda de quatro a oito dias, dos afamados fa-
bricantes E. N. Welch.
Graixa em latas grandes da bem conhecida marca las. S. Masn (de Philadel-
Ra da imperatriz, W. 60'
D
GAMA & SILVA.
LOJA E ARHAZW DE FAZENDAS.
Tendo os proprietarios deste grande estabeleci-
mento felto um grande abatimento em multas de
suas fazendas, pela oceasiao do balnco que deram
no nltimo de dezembro de 1863, resolvern) vender
mnito mais barato do que cosiumam afim de cada
vez raals agradarem aos sens numerosos fregu
zes -, por tanto Ibes offerecem um avnlado sorti-
mento de fazendas francezas, iDglezas, as quaes
venderao mais barato do que em oatra qualquer
parle, comprometindose a mandar levar qualtiuer
fazenda em casa dos fregueses que nao poderem
vir a loja, ou a darem as amo-tras, deixando (car
o penhor, assim como convidara as pessoas, qoe
negocian em menor escala qne neste grande esta-
belecimento encontraro na grande sortimento
tanto a retalho como por atacado, vendendo-se-lhe
apenas pelos precos que compran) as casas ingle-
zas, sendo com o dlnheiro a' vista.
Pechlneha a 3&000 e *50O
AS MELPOMEflES DO PAVAO.
Vendem-se bonitos cortes de toelpomene para
vestidos de senhoras, sendo dos padroes mais mo-
dernos pelo baratissimo preco de 35000 cada um.
Ditos de indiana, tendo oito e meia varas, pelo
baratissimo prego de 25300 rs.
Isto para acabar na loja do Pavao, rna da Im-
peratriz n. 60, de Gama & Silva.
As toa 1 has de 11 lio do Pavao.
Vendem-ss superiores toaihas de linbos para
resto pelo baratissimo preco de 75300 a dnzia ou
a 610 cada oma.
Gnardanapos de linho adamascado para meza a
2800 a duza ou a 240 rs. cada um.
Superior atoalbado de linbo com oito palmos de
largura sendo branco e pardo, e vende-se mais ba- j
rato do que em ontro parte, na loja do Pavo na roa
da Imperatriz n. 60 de Gama & Silva.
Os corpinbos ae seda pretos do Pavo.
Vendem-se os mais ricos corpinbos de seda prs- r
los, ricamente enfeilados, pelo barato prego de 125 covado, ditas muito finas a"360 rs. para acabar
cada nm : na loga do Pavo na ra da imperatriz' na loja do Pavo, rna da Imperatriz n. 60, de Ga-
n. 60, de Gama i Silva. | ma & Silva.
Corifs de eotim para caifas Cambraias lisas da Pavo.
a 15120 s o Pavao. Vendem-se pecas ae cambraia lisa mnito supe-
Vendem-se superiores curtes de cotim, fazenda rior, pelo barato preco de 35200 e 35300 a peca,
mnito eocorpada para caigas e palitols, tendo pa- ditas multo finas a 55/ 65, 75 e 85 : na loja e
drdes escuros e alegres, e vend-e pelo barato armaiem do Pavo, rna da Imperatriz n. 60, de
preco de 15120 rs. o corle de calca ou a 320 rs. o Gama & Silva.
PECHINCHA I
a 2,)000, para calcas, s Pavao.
Vendem se superiores cortes de meia casemira
com meseta de seda a 25, ditas Garibaldlnas a
3 Pavo aTruS:5**' escurasa 2800> 0Q a limr cova"
i *1 ES?* alta I do : na loja e armazem do Pavao, ra da Impera-
Imperatriz n. 60 de Gama & Silva. r | ^ n ,J G|n? ^gilv.
Os corles de cambraia braceo bordados na
loja do Pavao.
Vendem-se os mais ricos corles de cambraia ri-
camente bordados com barras e babados a 205 ca-
da um : na loja e armazem do Pavo na rna da
Imperatriz n. 60, de Gama & Silva.
Reos vestidos a 80000 rs.
pechiacba admiravel.
S o Pavo receben pelo ultimo vapor franeez
um grande sortimento dos mais ricos cortes de
vestidos transparentes com lindas barras e enfeites
de seda, sendo estes vestidos multo propries para
baile e passeios, e vendem-se pelo baratissimo
prego de 85000 rs. cada nm, na loja do Pavao na
rna da Imperatriz n. 60 de Gama & Silva.
Cortes de ehlta a 20000
S NO POVO.
Vendem-se cortes de chitas inglezas com dez co-
vados a 25.
Ditos com onze covados a 25200.
Ditos com doze covados a 2i0.
Ditos de chita franceza com dez covados a
35200 's na loja e armazem de fazendas do Pavo
na rna da Imperatriz n. 60 de Cama & Silva.
Os rales pretos de renda do Pava a 8000 rs.
Vendem-se os mais rios chales pretc s de renda
com quatro ponas, senda muilo grandes pelo ba-
ratissimo prego de 85-
Ditos de guepure a 135, 185, 205.235-
Retondas de dito a I0.
Manteletes de renda, tazenda mnito superior a
1K5000.
Capas e sauthambarqoes de grosdenaples bor-
dado?, fazenda inteiramente nova, por pregos mais
baratos que em outra qualquer parte.
Isto na loja armazem do Pavo na rna da Im-
peratriz n. 60 de Gama & Suva.
Ost'hales do pavo 2ooe e 23oo rs.
Vendem-se chales de merino eslampados a 25
e 25500 cada nm.
Ditos de merm liso a 35300.
Ditos estampados de crepon a 05, 75, e 85000.
Ditos pretos bordados com franja de seda a 1&5-
Na loja e armazem do Pavo na ra da Impera-
triz n. 60 de Gama & Silva.
Para luto vende o Pavao.
Setim da China com 6 palmos de largara, razen-
da preta para luto, propra para vestidos e roupas
para homens, sendo esta nova fazenda sem lustro e
de multo boa qualidade, garantindo-se nao ticar
rnssa com o tempo e vende-se pelo barato prego de
25 e 253OO o covado, assim como neste estabeleci-
mento tem nm grande sortimento de jodas as fa-
zendas pretas como sejam cassas e chitas preta,
lias tapadas e transparentes, prineezas, alpacas,
sarjas, etc.: na loja e armazem do Pavao na ra
da Imperatriz n-. 60, de Gama & Silva.
Os ba:oes do Pavao.
Vendem-se superiores baldes de mneolina com
moita roda a 35-, ditos crinolines com 33 arcos a
35300, ditos com 20 23 a 35, ditos para meni-
nas, sendo brancos e encarnados a 25 e 25300 :
na loja do Pavo na ra da Imperatriz n. 60, de
Gama & Silva,
a 25.
muito
Arara
phia).
Superior oleo para machinas de costura.
Agulhas para as mesmas.
Breu em barucas grandes e pequeas.
Vende-se tambem:
Tasso Irmaos
Veadem f seu amates na 4o
Jkvora to.
Licor Ono Corceo em botijas meias botijas.
Licores finos sonidos es garrafas coa rolnas Al
vidro em lindos fraseo*.
Vjnhoseneres.
San ternes.
Chambertin.
Hernrrtafe.
Borgonhe.
Champagne.
Moscatel.
Reino.
Bordeaos.
Cognac.
Odlos.
PAezei lagniol.
1 n iin' 1 ti. ____,^_ "
Phosohoros dogas a 9g o
Cbegaram os bem conbMidas palitos do gaz e
vende-se por preco commodo : na roa d* Cadea
do Beclfe d. 06 A, loja das machinas. ^
Pfitosle fogo a 1050 a
groza,
Chegaraa os eieaflw poito a logo eto>
de-iie pelo barato preso de 15M0 a gnu: no ros
da Ctela do Recite o, W A, loja das macbiaas.
BORDBilV
I," qoalidaie.
St. Estephe.
St. Julien.
C. Margaux.
tu. LaHtie.
Medoc.
PORTO
mnlldade,
Principe Real.
Pedro V.
Maria Pia.
Princeza D. Isabel.
Vctor Emmanuel.
Duque.
Malvazia.
Vinho fino do Porto em barris de 5/, 10/ e 20/.
Superior vinho doRheno.
Cera de Lisboa em velas e em gromo.
Vende rn-se ata loja de mludezas
a rata do Ouelmado m. 16.
Bonitos leqnes do sndalo e ontras qualidades.
Bonitos cistos com fivellas de diversas qualida-
des e moldes.
Bridcc-J e crozes de crystl.
Abotoadnras de dito para coletes.
Bonitos port-reloglos.
Delicadas caixas com mostea e sem ella, pon
cDsrart.
Agulnas e linhas para eferoebo.
Retnz superior em earriteis.
BssdMS pretas e bicos con vldrilhos.
Filas de velludo com listras de cores para en-
feites de gorros e vestidos.
Ditas ds groideSapeles, Usas e larmdas, brancas
e matisadae.
avtiado.
Francez barrica 55000
PortiaEd iera 85MO
Em perfeito estad*:
Francez barrica 105000
Portland dem 125000
Ife armazem de Tasso Ir ^ces do}Apollo.
Cambraias de forro a 10600 e 20 na foja
do Pavo.
Vendem-se pecas de cambraia de ferro com no-
ve varas cada peca, pelos baratissimos precos de
15000 e 25: na loja e armazem do Pavo na roa
da Imperatriz n. 60, de Gama & Silva.
Os cortinado do Pavao.
Vendem-se superiores cortinados adamascados
para camas pelo baratissimo prego de 15 cada par,
ditos mnito finos ricamente bordados para camas
ou janellas a 135, 20* e 235 n par : na roja e ar-
mazem do Pavo na roa da Imperatriz o. 60, de
Gama & Silva.
Vndense
o grande armazem da roa de Apollo ns. 38 e 40,
proprM para nm artOMem de assscar so oreas*
de algidio em pao gfande por ter seis portas ds
frente coa mis de 67 palmos de largura e 300 e
Untos de comprtmento, Bmo coberto e sobre arca-
das, e para cmmodidafle dos Jtoiranorts se y
de com o praso de don* annos so o qat se eou*W
ciasar, tusa vez trae seja com tsgorasca, e pagao-
do-sa pela demora nm mdico Joro: as pessoas a
quem cwvlef 1 esta compra poder entenderse
com Atttolio Alva*Barbosa, na roa dos Goarara-
JQ1S70,____________________________-
veode-sa omaetllmlnglez com arreis, cot
Boa occasiUo para mprin-
cipiante.
Vende-se oma loja de miudezas com poucos fon-
dos, multo em conla, em bom lugar e bem acredi-
tada : qoem pretender drrja-se a rna Angosta,
uheita h. t, qoe se dlra anem tem para vender.
Na anana aiatsa ai Ora qoem tem para vendar
oma SMBilia completa de tmarello enano iba.
Fazendas para a paresma.
- No arauotm da porta larga, roa da Imperatriz,
grsdenaple preto a 15400, 15600, 15800, 25
$5300, moreantiqne preto de diversas qualidades,
os mal ricos chalas de renda pretos, e refcmdass
con moita roda, farenda da ania moda so mer-
cada : do arasaatm da porta larga i. SS, na roa
da Imperatriz.
pooco oso e por prego raroavel:
tai B. *1 A.
na roa daa Cro-
tabaco simonte
em lajas dele 8 Hbrts : vende-se roadaCro,
armazem de 1.1. Lima Bairio D. 10.
Panno, preto a 25 na loja do Pavao.
Vende-se panno preto. fazenda mnito boa, pelo
barato prego de 35 o covado, dito mnito fino a
35300, 45, 55 e 65, assim como casimira preta de
cordao a 25 o covado : na loja do Pavo na ra.da
Imperatriz n. 60, de Gama & Silva.
Cortea de la a Mara Pia na loja do Pavo.
Vendem-se os mais ricos cortes de la a Hara
Pa, pelos baratissimos precos de 75 e 88, ditos
multo isos a 10*, 125, 165 e 205 : n* laja do
Panas sa roa da imperatriz n. 60, de Gama &
Silva.
Os espartilhos do Pavo.
Vendem-se nma grande e variado sortimento de
espartilhos des mais bem feitos qne tem 'viudo ao
mereadd, sendo He idds os tamanhds, vendendo-s
por nm preco muito razoavel : isto na leja do Pa-
vo na na da Imperatriz n. 60, de Gama & Silva.
Silezia para saias a 44a rs. a vara na loja
do Pavo.
Vendem-se silezia ondeada sendo fazenda mnito
boa e propra para salas, pelo barato prego de 440
rs. a vara : na loja do Pavio 04 roa da Irapera-
trt n. 60, de Gama & Suva.
As salo bordadas do pavo.
Vendem-se saias bordadas sendo fazenda muito
bda, sendo ricamente bordadas e com muita roda
vendendo-se pelos baratos pregos de 65 85 e 105
res cada nina na loja do Pavao na ra da Impera-
trir, n. 60 deGama Silva.
Pecas de majapola* atestada.
Vesds-ss peeblacbas da madaaottt enfeslado
com 1S tudas cada peca sendo faaeoda mnito su-
perior pelos,baratissimos precos de 45 e 55 rs. na
loja do Parlo na roa da Imperatriz n. 00 de Gama
& Silva. *
Bretanh&s de rolo a 3$#00
Vendem se pecas da brettnba os ro com 10
vana cada peca, asta sarataaioo prags Oa 351
aa loja a armaua do Pavao, roa da Imperatrli o.
60,6GamaSSlva.
PENTEADORES
on roupoes de cambraia bordados proprios
para as senhoras vestirem de manba.
Cbegon esta novidade paia a loja do Pavie,
mnito lindos e do raelhor gosto at hoje, por pre-
Ss muito razoaveis : na loja do Pavo, rna da
iperatriz n. 60, de Gama & Silva.
Loja do Pavo
Grandes pechlochas.
Sedinbas a 300 rs. o covado
Sediulias a 500 rs.
Sedinhas a 500 rs.
Vende-se na loja do Pavo, um grande sortimen-
to de sedinhas listradas com as mais bonitas cores,
sendo os padrSsmais no vos qne tem vindo ao mer-
cado, e vende-se pelo paratisslmo prego de cinco
tos toes o covado, sendo fasenda qne valem muilo
mais dinbeiro, e grande pechincba por se ter
comprado urna grande ponida desta fasenda, na
loja e armazem de fasenda do Pavo, ra da Im-
peratriz D. 60 de
Gama Silva
Pechincba grande.
Os madapoies do Pav5o.
Vende-se superiores pegas madapolo, sendo
muito largo, e muito encorpado tendo 24 jardas
cada pega, pelo baratissimo prego de 85 e 95000,
ditos a 65500 e 75, boa pechincba, e vende-se
na loja e armazem do Pavo, ra da Imperatriz n.
60 de Gama & Silva.
Casimiras da escocia.
Na loja da Pav3o
Chegon esta nova fasenda com o nome de ca-
zemiras da escocia sendo muito eocorpada pro-
pra para calsas, e coletes. e vende-se pelo baratis-
simo prego de 25800 rs. o corte on 1:603 rs. o co-
vado, pechincha por que tem duas larguras, isto
s na loja e. armazem do Pavio, rna da Imperatriz
n. 60 de Gama & Silva.
Ronpa felta.
Na loja do Pavo
Vende-se neste estabelecimento um grande sor-
timento de ronpas, tanto de panno como cazemiras,
e brins e pelos baraiissimos pregos como sejam
caigas de caxemira preta a65 75 e 85000res, pa-
l tots de panno preto saceos a 65 85 e 125000 rs.
ditos sobrecasacos de panno finissimo a 125 185 e
235000 res, e outros muitos artigos que seria en-
fadonhos aqu reltalo?; s na loja e armazem do
Pavo ra da Imperatriz n. 60 de Gama & Silva.
Cirande pechlneha.
a 1 $000 res.
Na loja do Pavo
Vende cortes de castor para caigas, padrSes es-
curos e claros, e fasenda muito encorpada pelo ba-
ratissimo prego de 150(10 is. o corte, no armazem
do Pavo roa da Imperatriz o. 60 de Gama& Silva.
Mantas a i#0JO.
De para seda
Vende-se na loja do Pavo, mantas de seda pre-
tas e de cores, lindos gosto pelo baratissimo prego
da 15000 res, slo das mas largas, assim como tem
nm grande sortimento de grvalas de seda de cor
bordadas e de setim preto e ditas da setim branca,
e vende por precos mnito resumidos s, o Pavo na
roa da Imperatriz n. 60 loja e armazem de Gama
& Silva.
Chitas rosas
%l a AtfOOO reis a peca
S na loja so Pavao
Se vendem pecas de chitas rozas ingleza?, sendo
cores fitas tendo 38 covados cada nma peca pete
baratissimo prego de 65000 reis, a retalho a 160
rs. o covado, ditas escoras e claras a 200 rs. o co-
vado, loja do Pavo ra da Imperatriz n. 60 de Ga
ma & Silva, Gama & Silva*-
Novidades da Arara.
PECHINCHA.
Fazendas pretas para a qoaresma.
Arara vende grsdenaple preto a 1#0OO
Vende-se grsdenaple preto bom a 15600,15*00
e 25 o covado, dito muito largo-a 25500 e 25800
o covado : na ra da Imperatriz lora da Arara
n. 36.
Moreantique da Arara a 20800,
Vende-se moreantique preto para vestidos mui-
to bom a 25800 e 35 o covado, alpaca preta para
paletots e vestido* a 500, 60 e 800 rs. o covado,
merino preto muito bom a 35 o covado : na rna
da Imperatrz loja da Arara o. 36.
Arara vende as saias a 3500,
Vende se saias bordadas para senhoras a 35300
e 45, gollinhas bordadas a 240 e 320 rs. cada
urna : na roa da Imperatriz loja da Arara n. 36.
Chapeos de sol da Arara a 104OO.
Vende-se chaposlnhos de sol para meninos a
15400 cada um. ramisinbas para senhoras a tfi,
35 e ib : Arara ra da Imperatriz n. 36.
Arara vende os vestidos bordados a 4tJ,
Vende-se cortes de vestidos brancos bordados a
15300, ditos de cores a 3, ditos bordados a ia t.
seda a 75 e 95 : na roa da Impeatriz n. 56.
Os bales da Arara a 2$.
Vende-se baldes de arcos de todos os lamanhos
a 25, 35, 3530O e 4?, saias bordadas a 3*300 e
15 : na ra da Imper. triz n. 56, loja da Arara.
Arara vende cortes de la a 5#.
Vende-se cortes de la noves vindes pelo ultimo
vapor com 13 covados pelo barato prego de 55, di-
tos com barras a 65 : na ra da Imperatriz loja da
Arara n. 56.
Arara vende chales de 20.
Vende-se chiles de merino estampados
ditos de la a 15600 e 15, ditos de meiin
finos a 45 e 75 : rna da Imperatriz loja da
n. 56.
Madapolo enfestado daArcra a 45.
Vende-se pegas de madapalo enfeslado com ti
jardas a 45 e 45300 dito de 24 jardas a 35, 65-
75 e 85, dito muito fino a 95 e 105, pegas Ue al-
godao a 45, 55, 65 e 75, dito muilo encorpado a
75500, 85 e 85500 : na ra da Imperatriz loja e
armazem da Arara n. 56..
Panno prdo da loja da Arara a 20.
Vende-se panno preto para caiga e paleto! a 25.
25300, 35, 45 e 35 o covado : na ra da Impera
tris loja da Arara n. 55.
Arara vende cortes de cotim para calca a
10280 rs.
Vende-se cortes de cotim para caiga a 15280,
ditos de brim de cores a 15400, cortes de pausa
para caiga a 15600 : na ra da Imperatriz loja da
Arara n. 36.
Cortes de casemira preta da Arara a 3^500.
Vende-se cortes de casemira preta para raiga a
35300, 45,55 e 65, ditos de cores de meia case-
mira a 253OO, 35 e 353OO : na ra da Imperatru
loja da Arara n. 56.
Arara vende os chales de renda a 80.
Vende-se chales de fil de linho a 85 e 105. di-
tos de seda a 165 e 2G5, retondas de pello de li-
nbo a 10J e 125 : na roa da Imperatriz loja da
Arara n. 56.
Vestidos a Mara Pia da Arara a 100.
Vende-se cortes de laa a Maria Pia a 105, 125.
165 e 205, ditos muito finos com camisinba, slntc
e fivela a 255 o 285 : a Arara vende por este
prego na ra da Imperatriz n. 56.
Araaa vende as lazinhas a 240 rs.
Vende-se laiinhas para vestidos de senbora 9.
240, 280, 400, 320 e 500 rs. o ce-vado, chitas para
cobertas a 280, 320 e 470 rs. o covado : na ra da
Imperatriz loja da Arara n. 36.
Cortes de chita da Arara a 20.
Vende-se corles de chita de cores fizas a 25, di-
tas francezas a 25800, cortes de cambraia france-
za a 25800 : na roa da Imperatriz loja da Ai ara
n. 56.
Arara vende organdys a 280 rs.
Vende-se organdys para vestido de senhora a
280, 320 e 400 o covado, ril de Hubo de cores
para vestidos a 160 o covado: na ra da Impera-
iriz loja da Arara n. 56.
As chitas da Arara a 200 rs.
Vende-se chitas de cores fizas a 200 e 240 o co-
vado, ditas francezas largas a 280, 320, 360 e 00
o covado, riscados francezes para vestidos a 240 a
covado, bretanba de.rolo a 35 a pega : na ra da
Imperatriz loja da Arara n. 30.
Arara vende roupa feita.
Vndese roupas feitas de todas as qualldade? a
saber : caigas de brim de cores e de ganga a 25
e 253OO, paletots de brim para andar por casa a
25.e 35, camisas francezas a 25, ditas de liohode
pregas largas a 35 e ontras muitas qualidades qu<:
se vende mais barato bue em outra qualquer par
te : s na Arara ra da Imperatriz n. 36.
No armazem de azendas
baratas de Santos Coelfro
Ra do Qurimado a. 19.
Vende-se o segninte :
Cobertas de chita da India a 25400.
Lengoes de panno de llnho a 25200.
Ditos de bramante de linbo de nm s panno a
352OO.
lencos de cassa brancos proprios para algibeira
a 2*900 a duza.
Algodo enfeattdo enm 7 1(1 palmos de largura
a I52OO a vara.
Athoalhado de llnho a 25800 a vara,
Wto de algodlb a 25 a vira.
Gnardanapos de linbo a 35800 a duzla.
Pecas de cambraia de salpicos a 45300.
Lazioha aberta de cores a 320 o covado.
Cambraia branca de forro a 35 a pega.
Filo de linbo liso fino a 800 rs. a vara.
Dito de dito com salpicos a 15 a vara.
Panno de linho fino com 9 1)2 palmes de larga-
ra pelo barato prego de 25400 a vara.
Madapoies finos a 85, 95,105. H# e 125.
Cambraia Msa de 45800, 35,6*15 e 8# a peca.
Pocas de bretanba de algodo com 10 varas,
propra para saia, pelo baratissimo prego de
35809.
Lazinha lisa de cores a 500 rs. o covado.
Cambraias finas de cores miodinbas a 360 rs. o
cavado.
Esleir da India propra para forro de sala de
4,5 e 0 palmos de largura, per menos prego do.
qne em outra qnalqner parte. ._w.
Nesta armazem tambem se encentra nm grate
sortimento de ronpa feita e por medida.
Pechiocha
Vende-se a taberna da ra da Guia n. 36 pro-
prlo para principiante, e o motivo se dir ao com-
prador. _______ ___________^__
o sacco :
zo n. 14.
Fareilo a 4#5U
no armazem da Estrella largo do Parai-
I I
i I
Em casa de Kabe Schmettau & C,
roa da Cadeia n. 18, vende-se:
Champanba.
Cognac de superior qualidade.
Vidros para espelhos de todos os tama-
nbos tudo a precos moito commodoe.
BBILH4NTES
Vendem-se anneis com brilhantes, de primeira
agoa, engastados em ouro de lei, pelo dimiunt
prego de 105 cada um : na rna da Cadeia do Re-
cite n. 5, loja de Silvestre Pereira da Cunru.
Vende-se^n arrenda-se o engenho meiro,
sito na fregoezla da Escada, perto da estacao de
Aripib, meia legoa : a tratar no e.-criptorio da
roa do Imperador n. 69._____________
Vende-se urna casa terrea e um terreno : na
rna das Ninphas bairro da Boa-Vista: a tratar na
rna da Cruz n. 89.
Bren em barricas pequeas.
Cera em veas de todos os tamanboe.
Bogiis.
lercnrio.
Na rna do vigano n. 19, primeiro andar.
~^"Na rna do Imperador B. 28 tem superiores
biifcii himhargasaai para vaader am porco e a
retalho, e tambem alugam-se ; rap Paulo Cordei-
ro viajado, igual ae de Lisboa, apara gosto de al-
gnes, melhor, por nio ferjr, elo .
Trastes baratos
Urna pessoa que se retira para fra da cidada
vende por todo o prego os seguintes trastes : 2
bancas de angico, 1 mesa de costura, 1 carteira,
meia dnzia de cadetras, 1 mesa coro espelbo, 1 to-
cador, t camap* de aroarello, 1 mesa da amarello:
na roa dos Pires n. 21.
Charutos
das melhores marcas de C, P. Jorge da Costa por
precos baratissimos*; na casa de banhos na roa
da Crui n. 17.
l
Escravos fgidos
Gomma de milho branco
americana,
Vende-se empacles de ljJ libra : no armaiem
de Jos Fernandos Lima roa Nova n. 3.
Escravo fgido.
No dit 15 do corrente, pelas 7 horas da norte,
pouco mais 00 menos.-dewppareceu da roa do fc*
vrameato o. 4, um escravo por asme Nicolao, ida-
de 21 a 22 annos, pouco mais ou. menos, estatura
regnlar, cor parda e um pooco acaboclado, pouea
barba e toda cresctda, cabellos caebiados, levo*
vestidaaalca da riscadinbo de quadros camisa da
chito acamad* e ebpo *> palaa na caneca, n-
aba vindo do lertao, povoa$ao de Balxa-verde,
d'onde natural, para aqni ser vendido : roga-sa
os a todas as autoridades, capitaes de campo M
a qnalqner pessoa que o poisa appreheoder, lavar
i rna cima indicada, que sari gaaerosameato
gratificado_______________,. ,.___
Fngio ao da terga-falra 30 de Janeiro
ndo, a preta crioula de nome Ma
5 annos, ponco mais ou meaos, settdo de car I
la, atara reftlar, tovon vestido te-bita cacara :
faena a apatenender, coaduzlndo-a a eaaa do aaa*-
10 asaigaado, na roa da lmperatrii a. IQj-een
pacado. m ...
Francisco AijgusW de AraOja.

i
.......'
1 -.


A

tarto e PeriMikie* Qalata fe*>A e Mar** de 1866.
/

II

LlfTERAniRA
Depois vto Alexandre Magno, qua ipaixonado N'uma palavra.uiais da qoarla parte do oro e
pela Imraortolldade da saa tama, e sabrado que aj da prata Importada para Inglaterra dorante o anno
coa ve do tal aro esta as mios dos poes, maodou' paseado nio sahio d'alli.
HOMERO
(AFFONSO DB LAMARTINE-)
XIII
(azer ora cofre de extrema riquesa para encerrar
os cantos de Homero, e os colocara sentir d ebaixo
do travesselro para ter sonhos divinos.
Depois vieran os Romanos, que de todas a soas
E. a historia de Homero. E' simples como a na- conqaistas na Grecia a' neufeoroaderao tanto apre-
tura, e triste como a vida.
Consiste em soffrer e cantar. E' em geral o des-
tino dos poetas.
As fibras nao tortoradas pouquissimos sons pro-
duzem. A poesa om grito; ninguera o langa re-
tumbante, se nao r ferldo no corag:>. Job nao
cantn a Dos senio no monturo, e no raeio das
angustias. Em nosos das, bem como na aoligai
dade cumpre qoe os horneas dolados deste dom
ascolham'o genio e a ventara entre a vida e a Im-
Qortalidade.
E qoer a poesa este sacrificio? Qaal fol a iu-
tlaencia de Homero sobre a civilisago, e por qoe
merecen o nome de civilisador ?
Para responder esta questo basta ler.
Supponde na infancia oo adolescencia do mundo,
um nomem semi-selvagem, dotado fomente destes
instincts elementares grosseiros, feroies, qoe for-
mavam a essencia da nossa natoreta bruta, antes
qoe a socedade, a religio e as artes tivessem pe-
trificado, adobado, vivificado, espiritoalisado e san-
tificado o coracao humano. Supponde, que a tal ho-
raem solado no mel das florestas e entreguemos
apetites sensuaes, om espirito celeste euslnasse a
arte de I5r os caracteres ravados sobre o papiro,
e desapparecesse depois deixando-lbe smente as
roaos as poesas de Homero I
O homem selvagera l, e om mnndo. novo appa-
rece pagina por pagina seos olhos. Sent brotar-
me milhares de pensamentos. imagens e senlimeo-
tos desconhecldos; e sendo material um momento
antes de abrir o lvro, torna-se um ser intellectual,
e logo depois om ente moral.
Homero revela-lbe inmediatamente o mondo su-
perior, a immortalidade da alma, o julgamento das
nossas acgdes depois da vida, a jastiga suprema, a
expiaco segando as virtudes oo crlmes, o cea e o
inferno, todo isso alterado por fbulas ou allegorias
sem duvida, mas todo visivel e transparente sob a
forma de symbolos, como o corpo debaixo das ves-
tes, que o revela cobrindo-o com um vu. Ensina-
he depois a gloria, essa paixo da estima motua e
estima eterna, dada aos homens como o instlncto
mais aproximado da virtude. O ioslrue no patrio-
tismo, as proezas dos hroes, que deixam o reino
paterno, que sahera dos bracos maternos e das es-
posas para ir sacrificar seo sangue em expediges
nacionaes, como a guerra de Troya, para Ilustrar
a patria commom; mostra-lhe as calamidades des-
tas guerras nos assaltos e incendios da cidade
troyana; fa-lo ver aamizade em Achules e Patro-
co, a sabedorla era Mentor, a fidelidade conjagal
em Andromaca, a ptedade pela velhice no idoso
mamo, a qaem Achiles chorando resutue o corpo
do filho Heitor; o aorror pela Injuria aos morios
oesse cadver de Heitor sete vezes arrostado em
roda dos muros da patria -, a piedade em Asuanas,
seu filho, levado petes Gregos como escravo no seio
materno ; a vlngaoea dos deuses na morte precoce
de Achules; as secuencias da infidelidade de Hel-
iana ; o desprezo peta traico do lar domestico em
Meoelau ; a santdade das leis; a utilidade dos mis-
teres, a invencao e a belleza das artes; por toda a
parle emfim a interpretado das imagens da natu
reza, contendo todas algum sentido moral, revelado
em cada um dos seas phenomenos na ierra, no
mar e no co; especie de alphabeto entre Deas e o
homem, tao completo e tio bem soletrado nos ver-
sos de Homero, que o mundo material e o moral,
refleclidos um no outro como o firmamento as
aguas, parecem nao ser mais do que um pensamea-
to e nao fallar seno a mesma lingua para lntelli-
gencia do ceg divino I E' esta lingua de tal ma-
neira cadenciada pelo rhythmo do compasso e cheia
de meloda as palavras, que cada peosa ment pa-
rece penetrar na alma introduzindo-se pelo ouvido,
oo s prodoiindo em nos um claro intellectua'
como tambem certa volupa '
Nao evidente, que depois de tonga e familiar
converacao com este lvro, desappareceria o ho-
mem brutal e se encerrara o homem intellectual
e moral oeste brbaro a qualos deuses revelaran)
assm Homero ?
Pois bem! O que tal poeta operara tao smente
nesse bomem, Homero operou n'um povo ioteiro.
Apenas a morte ntorrompeu os seus cantos divi-
nos, os rapsodes ou homtriias, cantores ambulantes,
com o ouvido e a memoria anda impresslonados
por esses versos, espalharam-se em todas as Idas
e cidades da Grecia, levando porfia cada um dos
fragmentos mutilados dos seus poemas, e recitan-
do-os de gerago em gerago as festas publicas,
ceremonias religiosas, no lar dos palacios ou cbou-
panas, e as escolas de enancas; de sorte qne orna
raga inteira tornou-se a ediccao viva e imperivel
deste livro universal da primitiva aniiguidade.
No tempo de Ptolomeo Pbilopator, os Smyrnos
engiram-lhe templos e os Argivos prestaram-lbe
bonras divinas. A alma de um s bomem soprou
durante doos mil annos sobre esta parte do uni-
verso.
No anno 881 antes de Jesos Cbristo, Lycurgo le-
vou para Esparla os versos Az Homero para com
alies fortalecer o espirito dos cldadSos.
Depois velo Soln, fundador da democracia de
Athenas, o quaL>>tna8 estadista do quo Plato, co-
nbecen quanta elviibagao havia no genio, e coli-
gi esses cantos esparsos, assim come os Romanos
qoe posteriormente coligiram as paginas divinas da
Sybilla.
go como a conquista dos poemas de cujos poetas
nao pasaraoi de echos prolongados d'essa voz de
Chios.
Depois seguiram so as trevas das idades barba-
ras, que envolvern!, parto de mil anno, o occi-
dente na ignorancia, e somanta comegaram dis-
Bosta anda om (acto, qoe muito Importe nao
passar desaper cabido, o qoe diz respelto s ex-
portagn de metal eflectuadas de Marsetba para o
o Egypto, India, China e Mauricias. stas espor-
tQ5es, que excedem a cinco mllhes de libras, fo-
rana foraecidas pelas casas de Marselha, qoe as de
Inglaterra cobriram por meio 'do balaoco commer-
efai e das costas correles ordinarias.
Foi o capital (rancez que exclusivamente concor-
reo para ellas, mediante ama eommissao paga aos
possuidores focaes, ou s casas de Pars, contri-
, i buinles voluntarias da especulacao britannica.
ipar-se na epoeba em qae os manuscriptos de Ho-1 *
mero, achadon as cinzas do paganismo, constitu-1 Sem accrescimo do captol em circulago como
ram o estado, a fonte e o othasiasmo do espirito so poderiam explicar as esageraces do espirito de
Humano. De sorte que o mundo aotigo, historia,! esapreza, a organisago de tantas compaoblas no-
poesa, arles, offlcio?, civllisaeo, costomes, e reli- vas e o desenvolvimento prodigioso da industria e
gio, encerra-se fado em Homero; o mondo lilte- \ da exportegoes de mercadories inglezas ? Desde o
rario moderno procede em parte d'elle, e dianto i* de jnlbo at 31 de dezembre, Liverpool expedio
deste primeirc e ultimo dos poetas inspirados, ne- para os Estados-Unidos 131,90* pecas de algodio,
oboiii homem,-quem quer que seja poderia sem co- lia, linho, sedas, etc., das fabricas nacionaes, 68,335
rar lomar o nome de poeta. | volumes de productos das fabricas estrangeiras,
Perguntar si tal homem pode contarse na ordem tezendo ao todo 198,139 volumes. Durante o se-
dos civilisadores do genero humano, perguntar *ndo semestre de 1860, anuo em qoe as releces
se o genio claresa ou obscoridade no mondo; eatre os doos parres estavam na maior escala, as
renovar a blaspbemia de Platio ; expelir os poe- eiportogdes do porto de"Liverpool chegarara ape
tas da cmlisafo; mutilar a hnmanidade no seu nM al8arisIo 131,996 volumes.
mais sublime orgo, o orgo do infinito I Resulto, pois, para o segundo semestre de 1865
E' reverter Dens estas supremas fatuidades am augmento de 66,143 volumes.
pelo temor de que ofTusquem os olhos osos e fa- No accreslmo considera ve I na cifra daslransac-
gara o mundo real apparecer demasiadamente obs- \ Q"es da Gra-Bretanha com a America do Norte
coro e pequeo, comparado com o esplendor da n* coniribuio pooco para a stuago desfavoravel
iraagioago e a magnitnde da naturesa
Flm.
(Traauzido por T. de A. A. Jnior.)
em que presentemente se acham os mercados de
Londres e de Liverpool.
Us fabricantes e negociantes ingleses, oesejando
aogmentar o algansme das sus opergdes, nio se
limltaram a vender a dinbeiro ou prazos cortos.
Offereceram espontneamente prazos de quatro a
seis mezes, sem reOeetlrem qoe Bcariam depois a
merc do banco de Inglaterra e da taxa usuraria
do descont. O proco do dinbeiro, tendo subido
cada vez mais, amitos expeditores tiverara de re-
correr s expediedes em consignacao, a peior das
praticas commerciaes, qne conduz quasi sempre a
desastres i ne vita veis.
Mas o qne mais para estranhar qoe esta re-
crudescencia de passos dados em falso pelo com-
mercio inglez as suas transagoes com os Estados-
Unidos, coincide exactamente com a nova adopcio
de medidas restrictivas postas em vigor pelo banco
de Inglaterra.
Dever-se-ha tirar por conclnso que o prego ele-
vado do dinheiro nao obsto ao espirito de especula-
cao, e nao modera por forma algoma os seus ex-
cessos, como o afflrraam os panegynstas systemati-
cos da institoicao flnanceira e reat de Tnreadneedle
street.
L'M PODCO DE TDDO.
Do jornal francez, des Chemins de fer, extracta-
mos a segainte judciosa correspondencia de Lon-
dres :
Aquellos que nao eomprebendem a tbeoria do
banco d'Inglaterra e as suas medidas retrictivas
de crdito, estao sempre inclinadas a attribuir Ihes
como causa essencial a eiporlago do nnmerario
e um violento desequilibrio entre a iraportaco e a
exporta^iio dos metoes preciosos.
Este erro i liaba curso nos fias de 1863. Re-
produzio-se em dezembro de 1864, e n'este mo-
mento prevalece anda entre grande nnmero de
pessoas que nao teem noces exactas cerca das
evolucoes do metal precioso fornecldo pelas regies
aurferas e argentferas do novo mando.
Vejamos pois se essas appreheasees sao boje
mais fondadas do que nos annos precedentes.
Durante o anno de 1865, a Gr Bretauha rece-
beu em ooro e prata a qoantia de
libras........................ 50,185:507
Em 1864, receben a qnantia de 2(1,839:061
Differen;a para menos em 1865,
de libras....................... 6,553:554
Esta diminnicao causara inqaietoco a nao se-
rena as mudangas qoe se operaram mal natural-
mente no sysiema das remessas do nnmerario, dos
seus pontos de partida para os seus pontos de che-
gada. j
Antes da iespedigao do Mxico, s os navios in-
glezes que transportavam para Londres o pro-
ducto das extractes das Indias eccideataes e do
Mxico.
' Mas depois, a carrelra de barcos a vapor estabe-
lecida entre Saint Nazelre e Vera Cruz desviou, em
proveito da Franga, orna parte mu cocsideravej
do metal sutamericano.
Ontro tanto saccedeu ao ooro california io o qual
ouir'ora era etpepldo exclnsivamenle aos portos
d'Inglaterra quer para o destino fixo, qoer de tran-
sito. Actualmente as carreiras francezas e allemas
de barcos a vapor, que fazem escala em Nova-York,
reduzem ja n.uito, e mais tarde bao do redosir
anda mais, os carregamentos de ooro para o Rei-
noUnido- E' do Sr. Carneiro Vllela esto
Fugindo-lhe assim das raaos o monopolio do balada.
transporte mtitalico, veremos quo o commercio [
americano ha de querer evitar as despezas de cem- cantava, tarde, um trovador choroso,
misso e do; delcredere pagos sobre os embleos Ao p d0S mares n'uma rocha cm p :
que tinba a'elfectuar s ettfl commerciaes do Ha- g o echo ao longe Ihe levan os cantos
vre, Bordeaos, Nantes, Marselbe, Paris, Brome,
Lubeek, Ha^nbargo e Francfort, mediante remessas
directas em numerario.
Esta ha de forzosamente reaiisar-se.
Hoje, se esiudarmes com attenco o movimento
da exportagao de Inglaterra de ouro e prata, eis a-
qai o qae acharaos:
Esporlagoe; em 1865, bra.... 14,086:792
1864 ..... 22,756:838
as aguas do mar I
A estrella fulga,
No mar refleetla
Seo doce brilhar.
E as nveos e as vagas atraz dos rechedos,
Fallando de amores, troeavam segredos.
Na praia latiam,
A arela larabiam
As vagas zoes.
As ondas eantavam,
E a ierra alagavam
Torrentes de luz.
E as nnvens e as vagas, atraz dos roebedos,
Fallavam de amores, trocando segredes.
Mas luz lio tranquila,
Qnal Inz qne vacila
No meio do altar l
Nos montes as flores
Mais doces olores
Soltovam no ar.
E as nnvens e as vagas, atraz dos roebedos,
Fallando de amores, irooavam segredos.
Potando as reivas,
Cantovam as selvas
Gentis noitibs.
E jodio a' janella,
Sorrindo, en e ella,
Fallavaraos sos.
E as nuvens e as vagas, atraz dos roebedos,
Fallavam de amores, trocando segredos.
Faziamos jaras
Tao lindas e puras,
Quaes eo nunca vi I
Brincando comigo,
Dizla ella:Amigo,
S vivo por tijl...
E as nnvens e as vagas, atraz dos rochedos
Fltenlo de amores, troeavam segredos.
Os das passados
( Por. entre os bordados
c Demiohamamaa...
c As noites sem sonhos,
c Os brincos risonhos,
c A tarde, e a manha.
E as nveos e as vagas, atraz dos roebedos,
Fallavam de amores, trocando segredos.
c Men riso faceiro,
< Meo canto fagoeiro
t Qoe eo toco de amor,
i Meas prantos sentidos
f Dos olhos cabidos,
c Coadosna dr...
E as nnvens e as vagas, atraz dos rochedos,
Fallando de amores, troeavam segredos.
E' do Sr. Graciano Villar Barreto Cootinbo estes
versos ; dedicados aos seos amigos Nazarenos, por
occasio de sua partida para Roma.
De Nazarenos o nomo
Gravado fica em mimoria,
E de Romanos a fama
Ver-se-ba em minba historia.
Oh 1 mens amigos 1 Adeus
Ja sao horas da partida,
Acceitai meo coracao
Nesl'bora entristecida.
A minba alma est sentida ^
De vossas presencas bellas, ..
Por que tenho ob ceos na vida \
Por certo tempo nio velas.
Adeus pois charos amigos
Para Roma eu vou partir,
Mas de vos sempre a saudade
A minha alma ba de sentir.
Ao monte, ao valle, ao mar, ao cb al I
Nos seus cabellos se entraohava o vento;
Seus grandes olhos para os cos ergoia ;
E os dedos habis de urna lyra d'onro
Tiravam notos de feral magia.
Sobre a cabeca,-rcamiDbava a nuvem
Da c5r do chumbo, de coriseos cheia;
Sob os seus ps, o mar rugindo altivo
Desgrenhado leomorda a arela.
c Meas loores cabellos,
c Compridos e bellos...
< E todo qoe meo...
Minha alma querida...
t Mea ser, minha vida...
c Ob I todo s ten !...
E as nuvens e as vagas, atraz dos roehedos,
Fallavam de amores, trocando segredos.
c Pertengo-te altiva t
c NSo choro, captiva
i as toas prisSes t
c Oh 1 nestes meas pulsos,
c Qae en sinto convulsos,
c Aperta os grllhdes I
E as nuvens e as vagas, atraz dos rochedos,
Fallando de amores, troeavam segredos.
Pertenco-te inteira 1
c Eu son prisloneira
c De nobre senbor,
t Que soobevencer-me...
t Com risos prender-me
c Nos tecos de amor t
E as nuvens e as vagis, atraz dos roebedos,
Fallavam de amores, trocando segredos.
Quando Isto dizia...
Meo Deas eo senta
TSo doce calor,
Qae tendo-a nos bragos,
Lhe dava, aos abracos,
Mil beijos de amor 1
E as nuvens e as vagas, atraz dos rochedos,
Fallando de amores, troeavam segredos.
UI
Mea Deas I era bella I
Madona sngala
De melgo perfil I
As faces de nve
Corados de lev,
E os olhos do anll I
E as vagas tao verdes, e as nnvens aznes
Troeavam mil beijos e abragos de luz.
As maos pqneninas
Maclas e finas...
De branco setim 1
O p modelado
Por p delicado
De algum seratlm 1...
E as vagas tao verdes, e as nuvens azues
Troeavam mil beijos, e abragos de luz.
Parece qoe a vejo
Negando-me nm beijo
Sem pena de mim I
Na tarde fagneira
Correndo ligeira
Por entre o jardim.
E as vagas tio verdes, e as nnvens azues
Troeavam mil beijos e abragos de luz.
Foi sooho I. fiodoo-se I...
Passsdo tao doce
NSo pode existir!
S dura saudade
Me resto da idade
Que eu vi me fugir I
as vagas tao verdes, e as nveos azues
Troeavam mil beijos e abraco* de luz.
As noites tao bellas,
Tio cheias de estrellas,
Fagiram tambem I
E a lna de prata
Loar, qae arrebato,
Ji hoje nao tem t
E as vagas tao verdes, e as nuvens zoes
Troeavam mil beijos abragos de luz.
E a vrgem tao bella,
Qae junto a janella
Fallavame,s,
Deixoa-BQo n'um ermo,
Das crencas enfermo,
Rojando no p.
E s vagas tio verdes, e as nnvens azuez
Troeavam mil beijos e abracos de loz.
E se boje me avista,
Soberba e egoisla
Nao olha p'ra mim ;
Emquanto eu... cultivo
Por ella, captivo,
Amores sem fim l
E as vagas tao verdes, e as nuvens azues
Troeavam mil beijos e abracos de loz.
E se lhe fallarem...
Se a historia cooiarem
Dos tem pos de eolio...
Dir ;Que mentira I
t Tal cont me inspira
t Despreso e... irrisio!...
E as vagas tao verdes e as nnvens azues
Troeavam mil beijos e abracos de luz.
Meu Deus 1 tudo passa I
S Sea a desgraca
S resta-me a dor.
Ne mondo perdido.
Nao tenho, illudido,
Nem prantos de amor!...
Bolia a folbagem dos bosques visinhos;
E as vagas tao verdes, e as nuvens aznes,
Folgando folguedos, quaes loncos anginhos,
Troeavam mil beijos e abracos de luz I
E o bardo sempre,despresando os gritos
Da tempestade qoe estendia as azas,
Soltava aos ventos, e s mares, e s nveos,
Do amor as magoas, de seo peito as brazas.
DiTereoga para menos em 1865 .. 8,670:066
Como se v, as Importoces dimiouiram em pro-
ooiyies quasi iguaes.
O balango, acbal-o oamos certameote no nume-
rario qae se eneamfohoa directamente pura Franca
e Allemanha, sem locar nos portos britaonlcos.
Em vista dos algarismos ja' indicados, a impor- Tranquila a fronte, elle escotava e va
tacao dos metaes preciosos para Inglaterra fui: O progresso infernal de atroz proceda,
Em 186511b................... 0,275:507 E senta em seu labio abrir-se um riso,
A exporUQio foi............... 14,086:792 Casando o grito delle ao grito de*
Ficaram portanto na Inglaterra 6,198,715 Mais alto anda qae o rugido immenso
Qae se repartirn por todos os ramos de ircu-
laco. Em 1863, o excesso das entradas sobre as
sahidas foi ta > smente de qnatorze mil u quarfnta
contos, p.o da 1864 de dezenove mil e oitocenlo*
cootos de- re i, O stock monetario excede portanto
em 1865, de nove mil e qoinbentos contos o do
anno precedente.

FOLHETIM
A SEPULTURA. DE FERRO
POR
Henriqee Ceascience
(Gonlinuago.)
ni
Seria difficii dizer-lbe a viva impressio qae ti-
nba felto em mea animo a visito d'aquella menina.
Meus pais chegaram a estranhar mnito a minba
mudauga. As mlnbas ideas tinnam tomado certa
gravidade e era bem raro que sahisse da mioba
bocea om d'aquelles gritos sem nome que at en-
tao soltava com tonto frequencia. Qaando esta va
em. casa aninbava-me de ordinario em om canto
da casa e l me deixava estar, immovel e calado,
com os olbos sobmersos no espaco. Tinha cons-
tantemente dlante da vista aquella suave e branca
apparico qoe me sarria, e me apertava a mi a
marmurava amigavelmeote ao meo oovldo: < A-
prenda deoressa a fallar e eo virei ve-lo. 0
J brincava pooco coa meas Irmaos e fagia das
outras creancas da aldea. Pensar n'ella era a ni-
ca oecopagSo do meo espirito; repetir de cootinuo
em men eeracjte as toas doces palavras era o qoe
basta va a minba vida.
Recelo qoe la' para ai me acense de exagerado.
Tal profondidade de sentlmenio em urna creanca
de onze annoi nio lhe parecen natural, nao ver-
dadeT Comlodo, o senbor que, mais do que ootro
qoakrac^ tem conservado vivas as lembrangas da
sua Infancia, deve ter reconheeido que o coragao
de anu ereaoca se more mate fcil e profundamen-
te do qoe o de orna pessa que ja' lem a sensibili-.sem de prestar-me attengo especial; e para pon
dade mais ou menos embotada pete ra tao e pela par o mais possivel a meo pal a vista afflteHva de
experiencia. E' verdade qoe as emogoea de crean- seo filho idiota, minba mil mandava-me passar,
fga sio de ordinario mais fugitivas, mas a ausencia das inteiros no prado com as vaccas.
da palavra rtteavame em urna sitnagio mnito ***> completamente s, poda reflectir e medita-
particular, forgade-me a solitaria medltocio. Os mesmos pensamentos atravessavam-me cera vezes! me convidasse a voltar para casa. Mas nao passa.
a mente, e por essa continuada reaego da minba'n temD0 em o0'08- Porqoe a minba bemfeltora
alma sobro si mesma, o meo sentimetto cobrou' tinba-me dito daas cooaas: t Aprende depres-
i
Do mar em furia, e do trovio bramindo,
Se ergoia o canto do cantor choroso,
Caotar de amor e desespero inflada!
II
t A la era bella I
Corra slngella
E ella sorrindo,
Co'as faces fogiodo,
Dizia ;Meo Deas I
c Tem modo I me deixa I
Fazia orna queixa
N'om riso dos seos.
E as nuvens e as vagas, atraz dos roehedos,
Fallavam de amores, trocando segredos.
De novo ootro beijo
Lhe dava sem nejo
Na face ou na mi ;
E ella zangada
Dizia,arrufada;
Nio quero mais nio !
E aos raios da loageotil preguigos
As nuvens e as vagas, atrs dos roebedos,
Com doces caricias de amante estremosa,
Fallando de amores, troeavam segredos I
ama profandeza qne pareca exagerada e sympto-
ma de um mal em creanga que failasse.
Seja como fr, os testemunbos de tenia compai-
xio que me dra aquella linda menina Unbam-me
enebido de grandeUltivez, efoste orgulbo, grati-
do ou secreu symbatbia o que me mevesse inti-
mamenteo que Verdade qae, de manha e de
tarde, e mesino dorante a noite, a imagem da mi-
nha bemfeito -a surga ante meus olhos e parela
que todas as torcaz da-minha alma se ti aba m con-
centrado n'esie pensamento.
Esta singular dlsracgSo e o meu otear vago
eram consMarados por mena pais amo toaos
symptomas, t el les nd duvidavam de qae esllves-
se a minba razio amoacada de Incora'-el debill-
dade.
Por mais de orna vei qaando oxprimlam este
recelo, estere ei-me por mes dar a entender qoe se
engaa varo; mas eolio' gritara em seos agudos
eomeoutr'ora. telo s servia para aagnientar-lbes
a magna; e, como os eos proprios gnu me
eram entao esagradaveis, comecei a ssntlr aver-
aio por esses inoteis esforgos para me fiuer enten-
der
t
fazer
flgurinhu para
sa a fallar e contina a
mim.
A' segunda poda eo dar fcil eamprimento, mas
a primeira 1 aprender a fallar I
O seo deaejo era nma le caja inflexibilidade me
aterrara e a qnal, todava, quera obedecer, embo-
ra me despedagissem a garganta os repetidos es-
forges.
Dorante doos mezes, forceje! constantemente por
anda ama vez repetir o sea nome: fazia mil tre
geilos, contrabia os labios, enebia a bocea com bo-
cadlnhos de madelra e estendia fra da bocea o
mais qoe poda da miaba llagas rebelde. O saor
cahia-me em bagas da frftte, mas o nome querido
nio sabia da minba garganta, nem dislincto, nem
mate ou menos mal articulado. Cousa assombrosa
eo ovla bem, e at poda avaliar a exaetiAo e o
vale dos sons produxidos; nio havia movimento
da voz humana que eu fosse incapaz de acotar
orna ou ootra vez por acaso; nao baria ledra qne
nio podeise pronunciar. Mas parela qne os er-
vos do apparelbo weal estavam em pleno descon-
eerto e nio podla'm obedecer a miaba vontade.
Qoando quera pronunciar orna Iettra on urna pa-
Todo se psason entre meo* pas e eo da risita dafjra. Parelyn. Nio tartoo qae delxas- mnitas vezes gastesse ora a preparar-nre Inte
de dar sabida a am som cora a certeza de qae d'es-
sa vez, ao menos, a minha voz nio mentira aos
meas esforgos, era sempre maguado pelo mesmo
amargo desengao.
Nao exagero dizendo-lne qae cem vexes verti la-
grimas, qne arranque! cabellos, e qne me rodel
convulso pela ierra eom urna desesperagio e nm
faror qae com effeito davam ares da mate remata-
da toncara.
Poueo a pooco foi aislar reconbecer a minha
Impotencia e perder decididamente toda a esperan-
ga de aprender a fallar. Tornei-me entao triste,
desalentado e lnguido. O senlmento de orgolbo
qne em mim brotara a compalxao de Rosa tnta-
me feito crer por nm pooco qne tera torcas para
erguer-ma do abamento. Essa consoladora o ra-
diante perspectiva bavte-ee cerrado para os meas
olhos. Negra invem tina velado a estrella rumo-
rante qoe me allamiava o roturo. Flcaria sendo
sempre o modo idiota, a deagragada crealura que
nem seqoer poda exprimir o sea reconheciBento
aquellas que a lastimavam.
Estive quasi nm mes acurrado debaixo do peso
desta horrlvel conviegio. Por fim, qaando em mim
se apagn a ultima centelha de esperanga, aceeitel
resignado a minba triste sorte e algoma tranqoilli-
dade den entrada em minba ansa.
Comecei entio ootra vas a talbir figariubas de
salgneiro, mas nio ja' por orgolbo, nem com a ei-
esperaoga de dlsllngoir-me em algum ponte das
outras creangas: nao; movia-me apenas nm sen-
timento passlvo de reconneeimento a de dever. Sa-
bia que o meo trabalho serte agradavel a carldo-
sa menina; era esse o noico movet da minna ae-
tividade.
Etn pooco tempo acabal certo numero de esta-
IV
Assim cantava o trovador choroso
Ao p dos mares n'uma rocha em p -,
E o echo ao longe lt>e levava o canto-
Ao monte, ao valle, ao mar, e ao co at.
Findra o canto; e em torbilhoes o vento
Dos abysmos do mar mostrava a guela;
No ar, bratnia, desdobrando as azas,
O genio da procella.
Eram negras as nnvens, negra a vaga,
Negro o bosqa... a montanba, o valle, a fronte.
Negro o ultimo olbar do sol fogindo...
S brilhava... o relampo no horisonte!...
Horrendo cataclismo 1 horrenda loto I
Por toda a parte a morte I.~ o odio I... a vinganga I
Afanda-se o batel;... soluga o nauta
Sem mnima esperanga.
E entretanto o cantor, craaaado os bracos,
Pasci a 'vista oo revolto lago;
A lyra espedagra; e em p aaa rochas
Da procella folgava ao negro estrago.
Olbou p'ra os caos, onde lutavam raios...
Oibou p'ra o mar cavado... e otto so'rrlo-se I
Depois lancou-se ae vagas, qae se abrir,
E p'ra sempre somio-se I. -
mnito no modo come os iuglezes suppilciavam os
rebeldes, atando-osa'boeca da ana art{-
Iheria, de manotea qoe a baila derramava pela
ares os membros do infeliz comdemnalo.
Na Persia esta' em oso o mesmo suppliclo, como
se tu ver em urna miada deseripgio, (Testa borri-
vel aaeeagio, qae extrabimos de urna aarragio de
viagem.
Diz o viajante:
Qaando estive em Tehern, fui testemanha de
am espectculo horroroso.
Urna malber do harem tinha sido condemnada a
morte.
Certa cariosidade descnlpavl em am viajante
pode mais do que os meas seatimeatos de hamani-
dade e levoo-me a assistir ao suppliclo daqaella la-
feliz.
Era tal a multidao dos espectadores qae me foi
moMo difflcl alcangar ara lagar d'onde podesse
ver a' vontade.
Defronte do harem, em am eadahlso espressa-
mente levantado, estova asente am grosso mortei-
ro de bronze, junto do qaal eslava ara artilneiro
com o morrao acceso.
NSo tordou que as pauladas abrssem camiobo
os offlciaes da jastiga por entre a maliidio.
Seguia-os a victima cercada de guardas, involta
da oabega al aos ps em urna pega de panno pre-
to qne tambem lhe cobria o rosto.
Caminnava com passos firmes e ar migestoso.
De lempos a lempos, diriga algumas palavras a
um eunucho qae a acompaabava, mas com o rn.
mor do povo nio se poda ouvir o qae ella dizia.
Ao passo qae aproximava, foi cessando o romor(
e qaando chego janto da machina fatal havia ge-
ral silencio.
Entio comegou ella a fallar ao povo cem nma
serenidade qae sarprebeadea a todos, e com nma
voz tio claramente articulada que nao se perda
nenbnma das suas palavras.
Os offlciaes de jastiga, vendo que o sen discurso
fazia impress as turbas, interromperam-na.
Ella nao fez diligencias por continuar, e deixou-
ae levar para o morteiro.
Cbegada ao morteiro, flcou firme e serena, nao
dinglu nenhuma suplica aos seos algosos, nem
verteu mesmo ama lagrima.
Dfsseram-the qae ajoelhasse e encostasse o peito
a' bocea do morteiro, o qoe ella fez, sem hesitar.
Estenderam-lbe os bracos e ataram-lhe os palios
a doos cepos cravados a' direita e a' esqaerda do
morteiro, sem qae desse nenham signa! de agita-
gao.
Poisoo a cabega sobre o morteiro e assim estove
alguns instantes esperando a soa sorte com nm he.
roismo digno do mais intrpido guerreiro.
Entflm foi dado o signal, e o artilneiro ebegoo o
morrao ao ouvido do morteiro.
Correa am estremecimento geral pela multidao.
A escorva infiamou se, mas nio commuuicou o
fogo a carga, e a victima ergueu a cabega para ver
o qae tiuha acontecido.
Coouem minba alma um claro de esperanga;
pensei que as cousas nio iriam mais longe o qne
se tinba resolvido poopar a vida da desventurada.
Nio estivo mnito tempo n'esta doce lllusio.
Foi reformada a espoleta, e o artilheiro repeli a
opera gao.
A victima tornara a poosar a eabega no mortei-
ro, mas entao soltara am gemido sardo.
-No mesmo momento non ve a exploso e o fumo
nio me deixou ver nada.
Qaando elle se dissipoa, vinm-se os doos bragos
negros e queimados pendentes dos cepos em qne
tinham sido atados, a aigama distancia adianto do
morteiro estavam espalbados om p, ama perna, e
alguns pedagos do panno preto que cobrira a victi-
ma.
Tudo o mais tinba desapparecido.
Logo qae soou a exploso, sabiram do harem
duas mulheres que desprendern! oa bracos dos
cepos, metteram-nos debaixo dos veos, e retira-
ran)-se a toda a pressa, levando aquellas horriveis
provas de que a jnstiga eslava satisteita.
O proprietario do jardim zoolgico em Stottgard,
o Sr. Gustavo Werner, esleve a ponto de ser victi-
ma de ama horrivel desgraca. Qnerendo mostrar
a amas quareota pessoas reunidas o imperio qne
tinha no leao Mustoph >, entrn na jaula do
animal, qae, dorante o invern est resguardada
com um caxilho de vidro.
Logo qoe entrou sent u -se a'um bnqninbo;
mas por urna fatahdade inexplfcavel, perdeu o
equilibrio a ficou estendido no pavimento da jaula.
O leo precipitou-se logo sobre elle, e alacou-o
com furor; foi urna lata de alguns segundos, mas
medonha.
Qae seria feito do Sr. Werner, se-soa filha, por
urna inspiraco providencial, nio tivesse atirado
com torca um banco vidraga, que se fez em pe-
dagos l
Ao iom desacostomado do vidro que quebra, o
leao assustouse, e desviando-se nm poueo da soa
victima ensangoentoda e \i sem sentidos, den tem-
po a que algons homens tirassem o Sr. Werner a
toda a pressa da jaula.
Por occasio da revolago na India faUon-se1 cutaarlmento qualqoer.
taasinbas. Havia figuras a que dava o nome de
vaccas, de cavailos, de carneiros e de porcos, an-
da qae todas se parecessem muito amas com ou-
tras ; tambem havia casas, igrejas, aves e emeos;
mas o qoe mais me agradava, o qae me delicia va
mais os oliiu;", era ama figura de guarda campes-
tre, com o seu g rande chapeo o o seu sabr.
A' repetidas instancias tinba obtido de miaba
mi.a chave de orna gaveta da nossa comanda.
Fechel sella os meus primores da arte para s os
tirar de la' no dia em que Rosa voltasse a Bodeg-
bem. Ninguem poda v-los. S aquella para qaem
os tinha levado ao cabo havia de recebe-tos das
minhas mios antes de serem tocados por mais al-
guem.
Assim se passaram mezes e velo o Invern que
devia preceder a sua volia.
No principio do anno novo doria ir minha mal a
cidade pagar nm trimestre do nosso arrendamento.
A' forga de supplicar. decidi-a a levar a figura do
guarda campestre e a prometter-me qoe a darte a
menina do nosso senborio.
gmqaanto minba mai estove ausente, passei por
estranba agitaco; corra de redor da casa e pelos
campos, impedido por grtode inquietado. Que
dira Rosa da minba obra? Sorriria flcaria con-
tente com a minha remessa T Em todo o cano, mi
nha mil lhe tallarte de mgp, e ella, pela soa par-
te, diria algoma cousa a meu respeito. Na minha
espera ebea de anciedade, parecia-me oavir Rosa
pronunciar o aen nome; nio paite ser ootra vea
senio a soa, aquello metal
aoava no fundo da minba
tremecer e olbar de redor de mt
risse murmurar em tom de com
Leol
Honve nm tempo em que, na Italia, se inventou
a poz em oso orna prattea mol engennosa o de
boa gosto, por occaso do dia de Anno Bom. -
Eo lugar de bilhetes de visita, os conbecidos e
amigos enviavam-se reciprocamente notos de ban-
co aerfeltamente imitadas, onde o algarisaw de
1:000 libras era substituido pelo He 1:000 eumpri-
melos; ou ten-as sacadas e eodossadas em papel
appropriade, onde a formla : pagese ao Sr. JL..
ou aua ordem a quantia de quinientas librn, va-
lor reeebido emmercadohat, ceda o logara um
De tarde estova eu na estrada, a mata de meia
legua da nossa casa, para ver se chegaria minha
mi. Quando a vi, corr ao sea encontr, e per-
goatoi lhe, esteodendo os bracos e com os olhos
em fogo, como tinba reeebido o men pequeo guar-
da campestre.
O Sr. Pavelyn tinba examinado a figura com cu-
riosidade e tioba rido com vontade; Rosa mostra-
ra-se satisfeito e mandava-me agradeclmeutos; e
dissera que na primavera prosima vlria ao castello
com seus pais e folgaria de ler ajjaHas figurinhas
assim eeanenas para JMrtaaar.
A miaha alegra oo se poda exprimir; movido
de i mimo abato, pus-me a saltar e a gritar como
fasta em ontro tempo.
Algumas palavras de minha mil nzeraavoM
aquietar de repente e eavaeeeram toda a minha ale-
gra. Rosa tinba perguntado sa-apobre Leo anda
nao sabia fallar. Essa perguota fex-me voltar ao
senlmento da minha impotencia a a eanscteneia
da minha daeventnra.
Al t a bondosa Rosiba tinha-me dito: Deve
aprender a fallar ; e eu, pobre deabardado d'este
mando, continua va a ser lo mudo como qoando
ella fra a nossa casa / Tera sacrificado atetada da
minna vida para podar dar eamprimento a soa or-
dem caridosa, mas nio aaa avadado cfoteeer-lae
essa prova da minba gratul.
Curvei a cabega, e, parttao de minba mil,
fol caminhando si ler.. pete arate
da, sexo que ella couetHs eonst,
lo rae contar nmita oulru oontas da gent:
(Contuniar-se-ha.)
K





-
. :

I
fs\
^^mm^mmmmmmmmmn ammmmm*
nvanMMl


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID ESDSU9529_DKJ22W INGEST_TIME 2013-09-05T04:14:54Z PACKAGE AA00011611_10905
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES