Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:10904


This item is only available as the following downloads:


Full Text
'
*
L
ANUO IU1. BDMEBO 48
Por quartel pag twin dos i O das do i.* bm ._. .
Idea depois dos 1,* lo das do comeco e dentro do qnartcl
Porte ao correo ior tres mezes
5|m
$^oo
75o

28 DE FEVERE10 DE 1866
tro-de i odias do l.mez........ 4 9^ooo
? fot im anno........ .
ENCARREGADOS DA SUBSCRIPTO DO NORTE
Parahyba, o Sr. Aatooio AlexDdrino de Lima!
Natal, o Sr. Anioiie Marques da Silva; Aracaiy, o
Sr. A. de Lemos Braga; Cear, o Sr. J. Jos da
Oliveira; Maranho, o Sr. joaquim Marques Ro-
drigues ; Para, os Srs. Ger'alBo Antonio Alves &
Filhos ; Amazonas, o Sr. Jeronymo da Costa.
ENCARREGADOS DA SUBSCRIPgAO DO SL.
Alagoas, o Sr. Ciaudino Falco Uias; Baha, o
Sr. Jos Martins Alves; Rio de Janeiro, e Sr. Jos
Ribeiro Gasparinho.
PARTIDA DOS ESTAFETAS. ISerinhem, Rio Formoso,Tamaadar, Una, Bar-
Olinda, Cabo, Escada e estacos da vi frrea at! *e,r<*. AgttaPreta Pimenteiras, as quintas
3*
Agoa Preta, todos es das.
Iguarass a Goyaga as segundas e sextas Jairas.
Santo Antao, Grvala, Bezerros, Bonito, CarOaru,
Altinho,- Garanhons, Bulque, S. Ben'to, Boro
Conselho. Aguas Bellas e Tacarat, as tergas
feiras. [
Pao d'Alho, Nazareth, Limoeiro, Brejo, Pesqueira
Ingaieira, Flores, Villa Bella, Cabrob, Boa Vis-
ta, Ooricury, Salgueito e Ei, as quartas
feiras'.
feiras.
AUDIENCIAS DOS TRIBUWAES DA CAPITAL.
Tribunal do eommercio : segundas e quintas. .
Relago,:. tergas e sbados is 10 horas.
Fazenda : quintas as Ohoras.
Jnlzo do eommercio: segundas as 11 horas.
Dito de orphaos : tergas e sextas s 10 horas.
Prtnaira vara do civel: tercas e- sextas ao meio
a.
Secunda vara do ci vel: quartas sabbades 1
Hora da tarde.
EPHEMERIDES DO MEZ DE PEYEREIRO.
7 Ruarte mlng. as 5 b., JO m. 16 $. da t.
15 Juna nova as 7 b.^^56s,d* m.
22 Quarto crese. asi hM nx 48 s. d m.
DAS DA SEMANA.
26. Segunda, S. Pedro Damio b. c. e dout.
27. Terca. Ss. Amigono.eorsoeBessasold. mm.
28. Quarta. S. Romo ab.; S. Cereal m.
1. Quinta. Ss. Suitberto e Eudocio mm.
2. Sexta. Ss. Jovino, Basilio e Secundilla mm.
3. Sabbado. Ss. Hemeterio e Asterio raro.
4. Domingo. S. Casemiro rei; S. Lucio p.
PREAMAR DE HOJE.
Priraeira as 3 horas e 42 m. da tarde.
Segunda as 4 horas e & minutos da manbia.
:3fc
PARTE OFFICIAL
do de ernz aleada e pailio pela irmandade do Sr.
(ftlIANDO DAS ARIAS.
tattvas para dotar o paiz de escolas agrcolas, vio
constantemente mallogrados os seos esforgos e es- Bom-Jesus das Dores, ajne encorporad agaardava |
perangas t alegada de S. Exc. Rvma., sendo nessa occasio
Nao seria
isso urna conseqnencia immediata da^entoado pela orchestra, que oceupava o coro, o Ac
| ma orgaeisago esses eatouelecimentos, aos qnaes
altaram certas candieles iadisnensavels de vta-
Quartel qeneral de eommande das armas 4e Per- lidade ? Deque serve, porexeaiplo, urna escola
. t _.j.a. j. -.-.. i.i____i., de agricultura situada no recinto da cidade, ou em
instruc-
narabue na cidade do Rreift, 27 de fevereiro
de 1866.
Qritm do da n. 206.
O marechal de campo commaodante das
tem por multo recommendado aos Srs. comman-
dantes de corpos, de companhias i>oladao e do de-
posito, o emprego de seas cuidados para que sejam
telados e conservados em bom estado os ulensis e
outros quaesquer objectos perteocentes a (azenda
nacional, e com espeeialidade as camas de madeira
com ps de ferro, nlo conseotindo que e.-tes sejam
e neo* os espelhos dos ira-
qualquer qunla dos arrabaldes, onde as
cues theoncas dadas aos alumnos nao podem ser
: elucidadas pelo concurso das appllcagoes pralicas ?
armas, consta-aos que o sitio em que se acbava a escola
do Maranho, no Cutim, nem ao menos era chcara
era ehameea. O Para (ambem j teve a sua es-
cola de agricultura. O lugar do seu assentamento
ignorantes. O qu sabemos que ella ja teve a
mesma sorte que a do Maranho sua vlsinha. J
nao existe I
Por que nao se ha de crear no Brasil eslabeleci-
mentos de ensino agrcola a semelhanca dos da Eu-
ropa ? Este emiti tem se tornado all proficuo
separados des leitos,
vesseiros, certos de que os valores daquelles uten
sis que forera perdidos oti ficarem inutlisados por por qne souberam abrir cursos nos campos, fundar
deleixo ou malignidad, serio descornados ao cau-. escolas no seto de iavouras importantes, onde a ac-
sador da perda ou da ruma, e quando porventura cj0 podesse seguir de perto a lico, e onde a pra-
no se poder chegaf ao conhecimnto de quera ella tica e a theoria agrcolas, que se corroboran! mu-
seja, neste caso os descontos recablro nos quarteis maraente, e se completara urna pela ootra, ficas-
mestres, objios emprgados que tiverem aseucar- sem inseparaveis
go taes objectos Qoem nos obst.
O mesmo marechal determina que o 4 corpo de onde ja' exlstem alguns abastados lavradores pro-
voluntarios da patria, a contar de amanhSa, entre gressfsta;, que teriam tudo a' ganhar em prestar os
em exercicios diariamente das 6 as 8 da manhaa; seU5 estabelecimentos a' lins to uteis ?
PARTIDA DOS VAPORES COSTEIROS.
Para o sul at Alagoas a 14 e 30; pan o noria
at a Granja a 7 a 22 de cada mez; para Parala-
do nos das 14 ?os mezes de Janeiro, marco, aaio
julho, setembro e novembro.
ASS1GNA-SE
no Recife, na livraria da praca da Independencia
ns. 8,- dos proprietarios Manoel Figueiroa de Faria
& Filbp.
O, Pernamfcoco, 48 annos. solteira, S.
encepbaiUe.
, recemaascld, Pernambaco, Poco da Pa-
sacerdos'. Mari,' Sernamboco, 7 dU, Boa-Vista, espasmo.
O prelado entrando pela porta principal do tem- Ato0**3rl*oea, 8 anooe, S. Jos, eolite*
po, dirigi se para a sacrista, onde de presente Clotilde, Pernaiabuco, 16 mezas, P050 da Panella,
esto as iroagens exposts aos fiis, e aui fez a sua! OTOJJP0-
oraelo ; aps a qnal visitano corpo da igreja, cujo Jolp Peruamtiuea. i dia, S. Antonio, espasmo,
aformoseamento com satttffccSo aprecion, seguido 25
de multas pessoas, entoando de t%vo a orcheslra SaHM, Pernambueo, 4 annos, S. Jes ; sarampo-
aquelle verso. Js_ ^ ~ *^ ..
Em seguida, foi S. Ew. Bvma. a segunda sa- JoU Jfaquim (to>oza Abren e Lima,fernambu-
cristia afim de ver as imagems do Sr. Bom Jess !. e>;45 anoo, casado, S. Jos ; febre g:
des Pobres Afflictos, da Sr. dos Impossiveie, da
Sra. da Soledade e outras, que ah se acbam encar-
nando; subi ao coro e correa os consistorios e
galeras, voltando depois de lado observar ao cor-
po da igreja, onde em despedida dispensou elogios
a respectiva irmandade pelo gosto da obra e xelo
empregado no sen andamento, dando ento a beijar
o annei. &
S. Exc. Rvma. retirou depois das 6 horas, sendo t
acompanhado at ao carro pela Irmandade.
Josntooio Cortea" Gomes, Pernambueo, 39 an-
no*, soltetio, S. Jos; inoammaeo.
Tbopa M-, Peraamouco, 27 annos, solteiro, Reci-
U\ queda.
Em data de 23 des te mez communlcamnos
ae Gamelleira o seguinte: *
Montero, 24 do correte, pelas olio horas
Pernambueo, 8 mezes, S. Jos ; enlerite.
Pernambueo, 1 hora, Sanio Antonio.
Pernambueo, 2 dia, S. Jos ; hemorragia.
Pernambueo, 2 annos, Beclfe ; dlarrha.
a, Peraamouco, 8 mezes, S.Jos ; den
S?? J!^?^'?.*f J**eJT!l?^-S-.,,l,?fSJ!lr! I noile> seido victima o Sr. Meira Lima, chefe da
eslaco desle povoado, do bacamarte sicario
e das 4 as 6 da tarde ; e o 1 corpo provisorio to-
das as raanhaas das 6 as 8 horas, exceptuando em
ambos os das santificados.
(Assignado.^Francisco Sergio de Oliveira.
Est conforme. Ettevc-
ajudante de ordens feteri
Jallie.
Creemos escolas dentro de fazendas modo los;
eocaminbemos os nativos do paizvara colonias
agrcolas nacionaes, em que os retenham lacus do
interesse taes como a isencao do recrotamento,
ttevao Jos Ferraz, tenente |e do servico activo militar, etc.... inauguremos
no encarrgado do de j comicios agrcolas 'provnciaes, em que se discu-
tam os interesses da agricultura local; exposlgoes
IWTERIOR.
^ ......
MABAIVMAO.
A lavoura....
Uti dulci.
O Brasil om paiz essencialmente agrcola.
A belleza e variedade de eus climas, que se mo-. exaliar por obras, e o nao fazem,

dllicam gradualmente do sul ao norte, do raais tem
[jurado ao raais queme ; a uberdade excepcional
de suas trras incomparaveis para % cultivo das
princlpaes plantas industriaes; a fartura de aguas,
a abundancia de detritus vegetaes e animaes, amon-
toados em espessas carnadas que revestera e nos
oceultam aos olhos a sua epiderma geolgica ; o
conjuneto emfim de todos os agentes de fertilisa-
cao do solo e da aimosphera vivificantes, que o
opolentamnoto dizem, no-lo attestam.
Elle produz verdade, ou pode ser productor
de quasi todas as materias primas, que alimentam
as industrias manufacturas da Europa, porque a
natureza fadou-lbe todos os thesouros dos reinos
mineral, vegetal e animal; mas a prodcelo que
deve caracterisa-lo, por ser a que Ibe offerece a
perspectiva de um futuro -grandioso, sem eon-j Esses germens, esses elementos de luturo, que
testaco, a produccao agrcola, que forma a base, ella nos promeue e qoe d'ell 'ieyemos esperar
fundamental das nossas relaeoes commerciaes cora
geraes, bieonaes ou trieooaes, d. lodos 03 pro-
ductos agrcolas nacionaes, em que sejam premia-
dos os agricultores benemritos, conforree se pra-
lica entre todos os povos* coitos da Europa; faga-
mos tudq isse, em Im, e ainda o raais que deixa
mos de mencionar, porque fall ocerrer a todos,
e veremos de que capaz a nossa lavoura.
Entretanto, em quanto em nossa humilde boa
vontade nos limitamos a exaltar a industria nacio-
nal, quo a iniciativa individual dos lavradores, e a
acgo poderosa de um governo protector deveriam
a agricultura, a
mais antiga e primitiva das artes, vai se elevando,
em todos os demais paizes, a altara das sciencias
applicadas, cajos progressos e. destinos tica ella
d'ora em diante e para sempre intimamente li-
gada. .
Entretanto a agricultura a nossa principal in-
dustria, a origem da riqueza publica, do bem-estar
das populacoes, da prosperidade peral do paiz, e
que por tao serios ttulos merece toda a solicitude
e proteegao do estado.
A agricultura, que tanto cooperon para o lustre
! e opulencia da America do norte, tambern encerra
em si os germens da nossa futura grandeza, os
elementos indispensaveis para que possamos che-
gar ao mais alto grao de esplendor e de elvili-
sac&o.
porm, aprouve a' Providencia Divina, fazer epm
que a mesma arma negasse fogo por duas ver?,
de modo que dando teropo ao Sr. Meira Lima po-'
der chamar entio a um seu irmo para persegui-
lo, acontecen no entretanto qoe o sicario logrou
evadir-se, metindose inmediatamente pelos mal-
tos. Alm disto, forca confessa-lo, n&A se reali-
sou a sua captura, porque a polica aopparecea
Pernambueo, 4 das, Saoto Antonio ; es-
pasmo. 4
Josa, Pernambueo,2 annos, Boa-Vista; coqueluche.
Jos. Pernambueo, 3 mezes, Boa-Vista ; Inflamma-
clo intestinal.
Antonio, Pernambaco, 3 mezes, S. Jos ; convul-
Maria, Pernambueo, 1 mez, Recife ; convulses.
Justino, Pernambaco, 17 annos, esclavo, Boa-Vis-
V6n phthyslca pulmonar.
Roa, Pernambueo, 11 mezes, escrava, Santo Anto-
nio ; losse convulsa.
i- 1 m tnj>l
. ;'
o velho mundo. Ao ponto de vista da economa e
Decessario, e til que este paiz seja agricultor.
O troco dos productos da nossa agricultura pelos
artefactos estabelece necesariamente entre as di-
versas mu-oes e o Brasil, por va da diviso do Ira-
kalho, um eommercio continuo e relag5es de aml
sao : a riquezas que a mola reli U muitas im
prensas c coramettimentos; o eommercio, qne di-
lata e fortifica as nossas relagSes com o exterior;
o augmento do trabalbo, qoe moralisa o povo e
aguilhOa a sua aclividade; a abundancia dos pro-
ductos da trra, que, se nao nivetla as condicojs i
I seciaes, combate ao menos a pobreza e a miseria,
IITL traH^^aSS^ asseiblea legislativa tmmm.
das dez horas da noite, qoe ipparecesse um guarda 2* SES-A PREPARATORIA EM 27 DE FEVE-
0 que
aeompanbado do sargento do destacamento
ja' nao foi pouco i
< A' vala do estado de abandono e miseria em
qoe se ada este povoado de Gamelleira, pedimos
ao Exm. Sr. presidente da provincia e ao Illm. Sr.
Dr. chefe de polica, se dignem lancar suas vistas,
para esta porcio do termo de Serinbaem caja se-
guranza individual acha-se em ms coudices ; e
baja vista o qae Ja' se tem praticado, sendo ba
bem pouco lempo victima o Sr. alteres M. raes, ex-
subdelegado d'aqui, que, ao meio dia em ponto,
cabio ao golpe do bacamarte I
t Os sermdes qaaresmaes qae, a exforeos dos
Srs. Meira Lima e Tito Machado, se fazem aqai, se
tem sido bastante concorridos; e o orador, que
o Rvd. padre Jos Esteves Viann, ha adquirido
fructos reaes da sua evangelisacao, satisfazendo
alm disto aos Qe|t.
c Estf s tem comparecido em crescido numero
ao onvirem-no; e o confessionario tem sido igual-
mente concorrido. >
Em outro lagar damos o aviso, coja leitura
recommeodamos, que faz o nosso amigo, o cirur-
gio Joaquim Jos Alves de Albuquerque, annun
REIRO UE 1866.
PRESIDENCIA DO SR. VICARIO FRANCISCO PEDRO DA
SILVA.
tuda a hora fez-se a chamada e reconheceu se
estarem presentes os Francisco Pedro, Gaspar
Drammoud, Reg Barros, Aurfr Cavalcante, Ci-
cero, Epamiooadas, Amorim, Soares Brando,
Amynias, LopesIMachado, Manoel de Carvalt, Au-
gusto de Souza Leao, Buarqoe, Ramos, Ayres Ga-
ma, Florlano Bulo e Gilirana.
Nao haveodo numero legal para funecionar a
assambla o Sr. presidente declarou nao haver
0.
CH(INICA JIDIGIAKIA.
IRlBDfAL VA RELAPSO.
f BSSAO DE 27 DE FEVEREIRO DE 1866.
' PRESIDENCIA DO EXM. SR. GONSELHEIRO
SOUZA.
s 10 horas da manhaa, presentes os seuhores
ciando a'raodanca do seu consultorio medico, para ; desembargadores Santiago, Gilirana, Guerra pro-
esta freguezia de Santo Antonio, visto ler sido dis-, Wjdpr da cora, Loorengo Santiago Almeida Al-
pensado pelo Exm. mlofsfro da marinhaconselBei- ^JW^ Motu Domagues i
ro Silvei ra Lobo do servico da enfermara da roa- '
Do Sr. deserabargador Domingaes da Silva, ao
Sr. desembargador Vielra.
A appellacocrime.
Appelraote, Francisco Ignacio de Amorrim ;
appellado a jastiga.
Aappellagocivel.
Appellante, a cmara municipal; appellados, F-
lix da Coalla Teixeira e outros.
Ao Sr. desembargador Assis :
A appelago civel.
Appellante, Andr Pires Visgueiro; appellado,
Manoel Felippe Bezerra de Menezes.
A 1 hora da larde encerrou-se a sesso.
Communicados
rinha desta provincia, onde por mais de 33 annos
exerceu a sua profisso, sempre como o nico cl-
rurgio, mesmo as cnses multo arriscadas e de
maior trabalho porque tem passado esta provincia,
como a revolugo de 1819 e diiTerenles epidemias.
Os bons servigos do Sr. Alves sao tanto mais no-
ques uc aun-, ai.iac.", tuiuuaic du iuouus a pumci.* c o "i taveis auioto tem-se elle havido semnre a contento
sade duradouras, porque a mesma iei econmica o augmenta proporcionalmente o bem-eslar, a for-|de ^^ 'Qg chefes daqae,|a reparI,5ao !<""
igual necessidade de especialisago cria para os
juizes emminentemente industriaes, cujo solo ja'
caucado e exhausto toroou se-lhe* to rebelde e
escasso, quanto o nosso productivo, prodigo e
exuberante.
A nossa industria predilecta, a nossa industria
por excedencia pois e deve ser a agricultura.
(Juando a nossa lavoura se despojar de seos ve-1 homens,
e
Imperador,
alm
ficou
na balanga das nagoes; e nao Ihe fal- S11, .nmfl.. caram ,,..
Ros babitos para atirar-se desassombrada e resolu-1 venientemente subvencionados onde os filhos do
lamente pelos caminhos do pregresso; qoando as; paiz possam illuslrar-se em todos os ramos dos co-
exploradles agrcolas assumirem no Brasil a im- nhecimentos humanos.
tuna e a felicidade de lodos.
Mais-rico
ponderante na balanga das nagoes, ,
tarara roeios para promover a educaco esmerada SUAc'"vr* f'"V%*Vul% nm. inin
Us. clamag'io que por ventura leve at elle o Sr.
Alves.
portancia, e o desenvolvmento prodigioso, de que
sao susceptiveis em condigoes climatricas lao fa-
voraveis aos vegetaes, como sao as da zona tropl
Mais opulenta a nago cuidar, em rodeiar
aquelle que o symbolo inviolavel e sagrado da
monarchia, e da soberana do povo, de todas as
cala superficie arvel deste solo fecundo (ornar- obras primas do espirito humano. As artes do Del-
se-ha para o piiz um raanancal de incalculaveis. lo, que sao o coroamento do edificio, os ltimos to-
riquezas. ques e os esmaltes da civilisacao de um povo, des-
A fonte da riqueza agrcola mais perenne, abrocharan e floresceo entre nos. A archltec-
abundante einexhaurivel, do qne as nossas alias .tura, a pintura, e a esculptura, boje apenas salii-
to afamadas mina sauriferas e diamantinas. I das da infancia neste paiz ho de hombrear ento,
Se, empregando apeuas os magros recursos de cada qual na sua esphera, com a lilleralura, a mu-
urna agricultura relativamente improductiva e de- i sica, e as scieocias, que se Ihes avantajavam. As
vastadora, tem conseguido o Brasil, s por um pro- j bellas artes, comquanto sejam a cons squencia da
digio da sua natureza previlegiada, constituirse elevago moral e intelectual de um povo, depen-
um dos emDoreos agrcolas, em que se abastecen) dem todava de progressos materlaes, actuaes ou
outras nagoeso que nao far, refl cta-se quando! anteriores a ellas, qoe Ihes do cimento, e a' cuja
forga da nalureza tiver juntado o poder da arte? i sombra se desenvolvere.
Quando o immenso territorio, que se eslende do
Pirata ao Amazonas, povoado de magnificas flores-
tas virgens, cortado de ros caudalosos, sob o mais
bello clima do globo, esliver, todo elle convenien-
Reali-ou-se anle-hontem a noile, no Sania Isa-
bel, o concert musical dado pelos Srs. Werner e
Schramro, artistas allemes, que mostraran) talento i
profundo e vastos eoonecimentos da arte que pro-
fessam.
Sobre todos os trechos musicaes, primaran), peta
apurada exeeugao, o Capricho Hngaro e a Pasto-
relia no piano pelo Sr. Schramm ; e o Klaenge aus
der Reimath e Cancoes brasileiras no violoncello ;
pelo Sr. Werner, que, alm de mestria moslrou !
apurado gosto.
Ti vemos hontem nm verdadeiro dia de inver- j
no, desde C horas da manhaa al quasi noile, em
que a chuva cessou. Foi um bom lenitivo ao ca-
lor que sonriamos.
faltando os Srs. desembargadores Assis,
e Doria, abri se a sesso.
Passados os feitos, deram-se os seguintes
JULGAMBNTS.
Recurso crime.
Recorrenle, o juizo -, recorrido, Dr. Joaquim
Thotonio Soares de Avelar.
Relator o Sr. desembargador Vieira.Sorteados
os Srs. desembargadores Almeida Albuquerque,
Lourengo Santiago e Motta.
Improcedente.
Appellagoes crimes.
Appellante, Jos Bezerra Cavalcanti; appe iada,
a justiga.
Improcedente.
Appellante, o juizo ; appellado, Manoel Francis-
co Ferrelra.
A novo jury.
Appellante, o juizo; appellado, Jos Roberto de
Lima Jnior.
A novo iury.
Appellante, Nicacio Nones da Rocha; appellado,
o joizo.
Confirmada a sentenga, com deciarago.
Assignoa-se da para julgameoto das appella-
coes seguintes :
As appellagoes civeis.
Appellante, Geraldo Jos ; appellado, Jos de
Mendonca Alarco Ayala.
Apppllanle, Rufino Thomaz de Aquino ; appella-
do, Fr. Joo do Amor Divino.
DILIGENCIA C1VEL.
Com vista ao Dr. curador geral
Brito; appellado,
e essa riqueza quem no-la garante c a agricoltura.
Nao possivel considerar-se os progressos da
agricultura em si mesmos, sem considerlos em
teniente explorado por homens emprehendedores e seos resultados prximos e aiastados, mediatos e
Appellante, Vicente Jos de
O prego excessivo por que se tem vendido, Joaquim Antonio fereira.
ha dous mezes, a carne verde, e o mo peso qae Appellante, Anionio Gongalves da Silva; ap-
Tudo isto eniflm emanara'da riqueza do paiz geralraente irazera os portadores, pois que vem ; pllado, bacharel Galdino Ferrelra Gomes e ojros.
fkeftt ri.nin nt*. m n-i 1 fi nnm*tr\t<\ A n i n rx C i'. I l li T1 > _.UL.^_---- -^- _?. 1 1 ..>.ll.ln ni.imn
os seus campos cultivados, arroteados, irrigados,
fecundados, sementados, e plantados desde o norte
at o sal; e qae as remificagSes das nossas estra
das frreas combinados com a navegagio de todos
os nossos ros veoham auxiliar os transportes e
multiplicar as commaoicagdes enlre os grandes
centros agricoias e os mercados do litloral ?
O que nao realsaraquando o lavrador que
devasta a ferro e fogo as nossas matas, que esban-1 pela gnerra da America,
ja ou embota as forgas productivas do nosso solo, operarios, dexadas sem
renunciar as suas Ilimitadas e selvticas posses-
sSes territonaes para circomscrever o ^eu dominio
immediatos, se queremos aprecia la em seu devido
valor. Esses resoltados sao multplices, variados,
complexos, abrangem todo. Nao nteressam ao
paiz productor tao smente, mas a todas as nag5es
amigas.
Ainda se tem presente o espectculo doloroso,
que a presentaran) as cidades manufacturas da Eu-
ropa por occasio da crise do algodao, provocada
Numerosas familias de
trabalho e sem pao, nao
sobreviveram ao desastre, senao graras a munifi-
cencia de pessoas caridosas, e das classes raais
sempre roubado, exigem serias providencias, nao j A appelago crime.
s da parte dos flseaes, como tarabem da polica.! Ao Sr. desembargador promotor da Justiga.
Chamamos, pois, a altengio dessas autoridades : Appellante, Manoel Gregorio Barroso de Mello .
para semelhantos abasos. ; appellado, a justiga.
n ~ E?f KesPeraod0 d EurP> YaPr D8|e Do Sr. desembargadaSago ao Sr. desembar-
Douro, da imha de Southampton. gador Gitirana
A appelago crime.
Manuel do Reg Barros
appella-
ap-
agricola to somente as trras, que rodeare o seu favorecidas da fortuna.
casal ou ai sua herdade, onde possa concentrar os Era toeante onvir-se as apostroph's pungentes
cuidados da mais atienta e zelosa administragao -,' langadas por aqnelles homens do i uva, flagelados
isto quando o lavrador torna-se persistente em pelo trio a pela fome, contra os i,.utores de urea
sua lavoura, e qae a estabilidade d'esla mevitavel-1 guerra fratricida que se daw a mais de duas mil
mente o forc a adoptar os processos modernos leguas distante d'elles, e de que lodavla eram vic- re|ra> para correcglo; e Mathias, escravoda Mara
ecooomicos, e raelonaes da verdadeira agrcullu-! timas innocentes I E que votos fervorosos nao da Conceigo Veiga, a' requerimento desta.
ra ? O qae nSo serquando cada lavrador tiver I faziam pela cessaao da crise, e apparigao do re-1 A- or,iera do da Capunga, Antonio Pereira Pro-
prodazido a sua fazenda modelo ;e que cada fa-; medio de s-ms males! Esse remedio nao- Ihes po- cop0i por ferimentos.
Rkpartiqo da polica.
Extracto das partes dos das 27 de fevereiro Appellante,
de 1866. I da, a justiga.
Foram recolbldos casa de delenco no dia 26 [ As appellacoes civeis.
do corrente : | Appellante, Dr. Bento Jos da costa Jnior;
A* ordem do Dr. delegado da capital, Pedro Mar- pellado, a irmandade de Sani'Anna.
ques de Alhayde, para correccao. Appellante, francisco SorerUuu de Muraes uor-
A" ordem do subdelegado do Recife, Innocenco, rea; ippoilaaos, Olegario Teixeira de oarvaino e
escravo de Joo da Silva Leite, a requerimento i outros. '
deste. Do Sr. desembargador Gitiraua ao Sr. desembar-
A' ordem' do de S. Jos, Emilia Carolina de Mo- gador Lourengo Santiago
i raes e Silva, por insultos ; Francisco Antonio de A appelago enrae
Magalhes, por suspello.
A' ordem do d Boa-Vista,
Thomaz Martins Mo-
ienda modelo; produza o que nos prometiem os dia vir senio pela importagSo ioespenda das ma-:
fertilissimos terrenos de nossos valles e planicies 1, terias de u-celagem, objecto de roas occapagoes.
Isto nao declamago. Tal vez nao esteja bem > Semelhaates tactos, perguntamos, admittida como
longe o da ere que se realisem em grande parle > oevitavei a gnerra americana, ler-.-e biam produ-
as esperanzas qae nos permitido entreter a cer-! Zido se paizes 'como o Brasil se acbasse ento era
ca do futuro da nossa agricultura. Os emigrantes | medida de cobrir o enorme dficit da produego,
or-americanos, quem concede o Brasil o mais occasionado pela sospeogo forgada da lavoura do
gracioso e hospitaleiro acolnireento nao vem cena- algodao d'aquelle paiz ?
mente experimentar aqui urna nova maneira de i Nao nos estendamo- mais sobre este assumpto;
cultivar a trra, mas operar pelo modo de qoe sio I e para resumir mos em duas paiavras o nosso peo-
capazes os nobres filhos d'aquella nago enrgica
e laboriosa.
Sio pela mOr parte agricultores, e trazem com-
sigo os seus capitaes, as suas machinas, e utensi-
lios de lavoura; o qne nos faz esperar que os
bem vindos hospedes queiro dar-nos urna amostra
samento, stabelegamos em thes geral estes dous
factos evidentes e incontestavels : a nossa lavoura,
tal como ella exme boje, abondonada a si mesma
tende necesariamente .a empobrecer o paiz; mas
tal como a desojamos, protegida, animada, aper-
feigoada, orescenle sera', sem duvida .alguraa,
da lavoura americana, e possam imprimir vigoroso para o Brasil o que sao para as mais ricas e po-
e efflcaz impulso i nascente industria agrcola na- derosas nigoes do velho mundo = as i
cional. trias mandadoras.
O Brasil, mister diie-lo, nao est em seus pri- P. de C.
xneiros ensaios a respeito d'essas reformas de subi- (Do futui-o.)
do alcance, que sio padrSes de glora para urna
nago, e figuram como mareos, pelos quaes ella
clcala as distancias j pera tridas no caminho aa
sua civilisagio ; j as tere feito e notaveis na or-
dem poltica. Seria affastar-nos do nosso proposito
enamera-las- aqui.
Mas na ordem de ideas, que nos ocenpa, isto ,
em lado qaanto respeila a industria aericola, e ten-
de ao aperfeicoamento do trabalho rlral, pde-se
afoutamente dizer qae o Brasil deixou-se flear moi-
to abi ixo de si mesmo.
Por qae o governo', qae itn feiu reiteradas len-
0 chefe da 2 secgo,
/. G. de Mesquita.
Casa de dktbnqao.
Movimeolo da casa de detengo no dia 23 de fe-
vereiro de 1866.
ExiMiam 407, entraram 9; existem 416.
A saber :
Nacionaes 293, mulheres 9, estrangeiros. 31
mulheres 3, escravos 75, escravas 5, total 416.
Alimentados a custa dos cofres pblicos 196.
Moviroenio da enfermara no da 26 de fevereiro
de 1866.
Tiveram baixa:
Joo Baptista Leite, colite.
Teburcio Jorge de Souza, febre.
Lulx Jos do Nascimento, sarnas.
Tiveram alia ; I i
Autonio Francisca da Silva.
Severino Francisco da Costa.
Antonio Roberto de Albuquerque.
PERNAMBUCOs
REVISTA DIARIA
Por falto de nnmero legal de Srs. doputados, del-
xou bontem de nnecionar a assembjAa provincial.
Na textafeira ultima visiteo sT Exc. Rvma-
pela tarde igreja de -S Goncalo, onde o racebi-
luutbrio publico, obituario do dia 2 4 di
Fbvbrbiro de 1866.
Joo francisco Jos, Pernambaco, 60 annos. vuvo,
Boa-Vista, febre maligna.
Pedro Jos de Faras, Pernambaco, 39 annos, -ca-
sado, Boa-Vista, escrfulas.
Francisca Mara do Espirito Santo, Pernambueo,
42 annos, solteiro, S. Jos, dlaraba.
Msria Paulina da Paixo, Pernambueo, 46 annos,
solteira, S. Antonio, cancro, flfl
Adelina, Perna(p.Baco. S aoaos, S. Jos, des|otftt.
Appellante, o juizo; appellado, Joaquim de Souza
Ferraz.
A appelago civel.
Appellante, Manoel Francisco Pimenta e sua mu-
Iher; appellado, Manoel Ferrelra de Araujo Bar-
reto Jnior.
Do Sr. desembargador Lourengo Santiago ao Sr.
desembargador Almeida Albuquerque
Appellagoes civeis.
Appellaute, Maooel Gongalves de Souza; appel-
lado, padre Jos Barbosa Mendes Rocha.
Appellante, Joo Correa de Araujo; appellado,
o Dr. Possidoao de Carvalbo Moreira.
Appellante, Manoel Pinto de Araujo Filho; ap-
pellados, Portella & Banco.
Do Sr. desembargador Guerra ao Sr. desembar-
gador Lourengo Santiago.
A appelago civel.
Appellante, Lourengo Puggi; appellado, Ignacio,
Luiz de Brito Taborda.
Do Sr. desembargador Almeida e Albuquerque
ao Sr. desembargador Motta:
A appelago crime.
Appellante, o juizo; appellado, Theodora Ma-
Ihilde da Conceigo.
Aappellagocivel.
Appellante, Maria, escrava; appellado, Ignacio
de Moraes Sarment.
Appellante, a fazenda; appellado, Alexandre Jo
s Malheiros.
Revisto civel.
Recrreme, Felicio Jos Borges esaamulbert
recorridos, Jos Mendes da Costa Rodrigues e ou-
tros.
Ao Sr. desembargador Assis.
A appeiUcao civel.
Appellante, Basiliano de Magalbes Castro e ou
tros; appellad., D, 0ana Mara das Dores.
A propaganda protestante. (*)
vi
Se a liberdade, como o vimos no precedente
artigo, nao se podra pronunciar pela bocea dos
philosopbos e nos melhores lempos das repblicas
(idas por mais livres, desde milbares de seculos
al a vinda de Jess Cbristo ; .se s o Flho de
Deas a podra trazer ao mundo, ensinando a fra-
ternidade entre as homens em nome de sea Elerno
Pai e assim quebrando os ferros da escravi-
dio; se sem este lago core o co nunca podra ter
nascimento e comego de vida real a liberdade, e s
pela esperaoga da gloria eterna promettida ac
que como irruios se amassem ; como oosa a criti-
ca pretenciosa e insolente accasar apropria igreja
forreada por Jess Cbristo, de cojo seio a liber-
dade nascera e praticamente, como aecusa la de
adversa liberdade dos povos ? E' isto a concia-
sao desse artigo qae nao deva flear no tinteiro.
Como pretender das igrejas dissidentesprotes-
tantesdesse espirito rebelde qae se ergae do seio
da igreja fundada por Chrislo, desse espirito con-
trario a humildade, aos preceilos do co, donde s
pode sabir a liberdade na trra, como pretender
das igrejas assim sem alguma antoridade fundadas,
que ellas sejam mais propicias liberdade do que o
calholicismo ?
Que coodo pode guardar e preservar essas
igrejas de receber em seu seie membros perversos
e hypocrilas que em nome do evangelho se fagam
instrumentos da tyrannia, para constiuir os povos
em ser vos de suas palitos e machinas da seus
prazeres ?
Se os proprios fundadores das igrejas protestan-
tes (em sido sempre dos mais depravados dos que
que maculara a sociedade christa, como se podem
ellas perservar dos preversos e orgulhosos que nao
podem olhar a multdo, os pequeos como seus
irmos, mas somonte como seos'servos ? Coreo po-
dem essas igrejas disto e preservar, quando a pro-
pria igreja catholica constituida em sua origem de
homens os mais puros e santos, uvera abriga-
dos em seu seio nao s esses proprios rebel-
des, como tantos outros perversos hypocrilas, ou
desvalrados que em todos os lempos se tem con-
servado instrumento da tyrannia ?
Muitas vezes leoho pensado, enchendo-me de
confoso e espanto,como mais da desoito seclos
| nao tem sido sufficientes pira libertar o homem da
servido, da escravido I De* que servio, teoho
scisraado, talvez com sacrilegio ou irapiedade no
meio da confuso de men espirito, do que servio
toda a grandeza do sacrificio do Filho de Deus,
toda a sua santa moral sellada pela pureza de seu
saogue, todos os manynos de milbares de santos
que a tero defundldo em todas as regies, para es-
tabelecer a fraternidade entre os homens, se a li-
berdade nao pode dar um passo sera banbar-se em
ros de saogue ?
De que servio o sacrificio do Cordeiro do Senhor
que veio lavar os peccados do mundo, para sdei-
xar depois de si o sacrificio incruento, se em
nome da fraternidade e do amor entre os homens,
que nao se quebra um annel das cadas da tyran-
nia sem sacrificarse no altar da liberdade tantas
victimas humanas, sem fazer-se correr confundi-
das tantas ondas de saogue dos oppnmidos e dos
oppressores I
E nada ba de pacifico em taes sacrificios, e o es-
pirito que os preside de furor e de ra.va f Nao
aquella ungo celestial, nao aquelle espirito
catino e tranquillo, que s sabia sofTrer, e nao s
com paciencia e resignago. mas ainda com ale-
gra e transporte pelo amor de Deus e do prxi-
mo I
E na confuso de raen espirito eu nao alma va
com urna resposto a meu pensamento, que por isto
anda mais confuso fleava. O discorrer neste as
sumpto porm parece qoe trouxe-me a felicidade
de entrever ama verdade que responde a essa tris-
te inquietago, e que, pelo menos, ainda nao tive a
fortuna de var atingida.E' que a liberdade foi
collccada fra de seu campo, da humildade, da
igreja.
Nao fra ella porm assim desvairada de sua
arma, de sen meio pelos que por amor do prximo
a sabem amar, mas sim peio3 seus inimigos, que
sabem abracar o seu nome para faze lo odioso, e
assim tornar o seu caminho to costoso, a sua
marcha to lenta.
Laucada fra de sen campo, a liberdade nao
achou nem poda raais acbar a palavra pacifica
para abater os senhores condemnando-os pelo sao-
gue dos martyres; carecea por tanto de langar
mo de outras armas e crusa-las contra as dellee ;
e assim condemnara-se tambem, manchada no
sangoe impuro dos tyrannos.
Se a lberdado 6 um uom lao precioso, que s
pode vir do amor fraternal que abre ao peccador
as portas do co, bem que ella custe o prego do
sacrificio de seus martyres, to vasta que a ty-
rannia na trra ; assim como de principio foram
os seus primeiros passos .pelo simples e puro sa-
crificio dos christos em amor, fraternidade entre
os homens, assim como o eosinra e porque ver-
ter Jess Cbristo o seu saogue.
Bem o hornera podra ha tantos seculos estar
resgatado da tyrannia; bem podra nao carecer
ainda dar o sea sangoe para dar passos lao curtos
e nunca pedir e raancbar-se no saugue dos oppre -
sores. Mas os christos esqoeceram as ligues do
Cordeiro Pacifico -. dos > primeiros filhos da igreja
que tambem pacificamente sooberam morrer, e
Pediram saogae'em troca de saogue, e pouco ha
desde ento ficado em saldo da parte dos martyres,
para-ser dado em resgate a' escravido. Pelo con-
trario, embebendo suas mos em sangue humano,
os christos eorrompem sua alma regenerada, e a
abatem portante, e assim fazem-na incapaz de li-
berdade ; fazendo dos tyrannos suas victimas, per-
der o valor dos proprios sacrificios.
E' por Isto que os passos da liberdade tem sido
to lentes. Se alguem pensa alcanga-la fazendo
dos oppressores suas victimas, perde seo tempo. A
historia nos offerece disto rail provas, e basta vea.
a Revolugo Francesa. S o marlyrio e a pacien-
cia poderla ser o meio de alcanca la mais prompta
e pura, como ia sendo de principio; nao esta pa-
ciencia estpida e abjecta da alma corrompida e
escrava, que se presto a todas as exigencias da ty-
rannia ; iodifferente quando nao instrumento dos
soffrimentes albeios, para nao sofTrer por sua par-
to. Nao isto o marlyrio, a indlgnidade e a ln~
famla. A (orea esta' na paciencia para sofTrer cal-
mo todos os martyros da tyrannia sem se Iba aba-
ter. B* preciso que a alma seja livre, o para isto
basta a l em lesas Christo, basta a, vontade de
cnmprlr o precelto. Kntao o corpa pode ser entre-
Kcomo jogueie o cabella da tyrannia, porque
nio acatar* a alma.
E islo o que ensina a Igreja catbolica, cuja su-
b midade de doutrioa, mal comprehendida, pelos
orgulhosos e necios, (ida como servil -.
E' por isto que ainda o punhal em 104 con-
jurado jamis irooxe a algam pov celtil de
liberdade. Se pela revoiogo ella tt ido seas
curios passos, porque e no caso aa propor-
go em que o sangue dos opprimidos mais abun-
dante que o dos oppressores nessas Intas de
(eras.
Quem porm langou a liberdade fra de seu
campo, de- sea meio ; da igreja calholca, da hu-
mildade, da paciencia, do sacrificio? O orgnlho,
principio de lodos os crimes ; a depravaco da pro-
prios membros da sociedade christa, a revolta
contra a auloridade da igreja constituida por Jess
Christo, contra o preceito deseido do co, sob o
pretexto de zelo pela sua pureza ; a pretexto da
liberdade filha da igreja, contra a oppresso ; em
urna palavr o protestantismo, a beresia, a dissi-
dencia.
Os soberbos e os protervos quizeram procurar a
liberdade (ora da igreja (uddada por Josas Christo,
fra da humildade e da paciencia, do amor e de re-
signago ; do martyrio na firmeza e na pureza
d'alma, fra da unio.
Confiaram no seu proprio esforgo, no sea brago -
regeitarm a offerto de Jess Chri.to, o sea sacri;
Ocio, o seu saogue.
Comegaram ferindo a propna igreja, e a eofra-
queceram; dividiram-se em mil corpos, e deram
forga a hyrema.
Levantaran) o braco contra ella, pediram-lbe o
sangue, e se mancharan), e tornaram o sea pro-
prio sangue sem valor.
D'onde nasce a liberdade 7 Smente do mais
elevado senilmente d'alma. Do amor, do amor
do prximo pelo amor de Deus. E' isto que faz
os homens irmSos, e por tanto o que apaga a es-
cravido, oque abte a tyrannia. E' dessa eieva-
I gao e pureza d'alma que recebe o martiryo com
i saptisfago, e perdoa os tyrannos pela sua cegnei-
I ra, como Jess pediu a sea Eterno pai qae per-
doasse os seas verdugos.
Nao por tonto dessa raiva e furor nessas latos
brutees da liberdade contra a tyrannia, que ella
pode nascer. Quando alguma cousa se lacra de
taes luas por que aellas se sacrifican) homens
em toda a grandeza e levaeao d'alma na pureza
do senmente ebristo, 0 que abteu a tyrannia
em todas as partes do' mundo que paetnava com a
escravido dos Estados-Unidos, nao foi o trium-
pho sanguinario e necessario do norte; foi o sacri-
ficid*de Lincoln, o humilde racbador de lenua.sem
letra para conbecer a bypocrisia do protestantismo
onde nascra, e por isto, s protestante de nome.
Na raiva e no desespero, nao est o amor, e
por tanto nao pode vir deiles a liberdade.
Regeitada a oferta de Jess Chrislo, e os homens
confiando ao seu brago e ao seu orgulbo o trium-
pho dessa principio que s a palavra de Deas o
soubera trazer ao mundo, reseitado o sea preceito,
a sua lceo, o amor e a resignago, nao poda o
sacrificio do Qlhe de .Deus ser-lhe mais proficuo
como de principio.
Por que este sacrificio o qae veio libertar o
bomam do pateada, isto da prevaricacao, que
o que fax b homem vil e escravo.
Por isto qoe depois de desoito scalos desse sa-
crificio, a liberdade nao tem dado um passo sem
batnhar-se em ondas de sangue sem conta, sem
maochar-se. E' por isto ella impura em tedas as
partes; por isto qae ella qae nio assento na
puresa do senlimento fraternal dos evangeihos ;
por que, se em toda a parte se faz sentir, ou pre-
domina o espirito do calholesismo, em toda a parte
elle est mais ou menos eivando do espirito egos-
ta das milhares de celias protestantes.
Tudo pjr que, por causa aellas, a offerenda#de
Christo foi regeitada 1....
Em quanto por tanto, nao houver urna r igreja,
nao havera' pura liberdade na ierra.
Recife 26 de fevereiro de 1866.
Alfonso d'Albuquerque Helio.
() Y<. Diario n. H.
Nao procuro defender me das aecusagoes de um
Leandro Justo de Souza Barros hbilmente appli-
cado a fim diverso, do que a primeira vista se
mostra na correspondencia, que mandaran) publi-
car no Diario de Pernambueo.
O tiin do motor do pobre homem a digresslo,
a' qae obligado 00 final da correspondencia, isto
, a defesa de quem nao gosta de appareeer por si,
e tem maitos amigos para fallar em suas virtudes
e importancia.
A miro pouco imporU a habilidade do senhor,
qoe lano pode sobre os horneas do carcter de
Leandro, bem conhecido nos lugares onde faz a
lortuoa, qae Ibe d os cantos de rxs qae sempre
condoz em si I
Devo ao publico a explicago do facto pelo qual
sou aecusado.
Nomeado cap to de voluntarios da patria em 23
de novembro de 1865, deixei o exereicio do cargo
de |juiz de direilo interino da comarca de Flores,
no da 4 de dezembro do mesmo anno, para assu-
mir o commando da mioha companbia, e desde en-
to meus ser vicos como voluntario estiveram
disposigo das autoridades policiaes, que antes me
eram subordinadas; capture criminosos notaveis.
como diz o Diario do Recife de 4 de Janeiro ; pren-
d individuos aptos para servir no exerelto.
o mez de Janeiro uro individuo de nome Ma-
noel Patriota, em preseoga de muitas pessoas, in-
eallou o capitu Prauulscu MU Viraos, e U delega-
do Dr. Adelino Antonio de Lona Freir mandn o
lenle de guarda nacional Oldrado Nunes da Sil-
va em persegaicao do criminoso, qoe de varia ter
procurado o Bom-Cooseiho, onde ba asylo inviola-
vel para todos os criminosos: all reside Leandro,
qae fez parte d'um grupo reunido para repailir a
forga de Flores e tomar um individuo, qne Oldra-
do bavia prendido.
Leandro ostenten proteger voluntarlos deserto-
res e protesten ir a Flores armado para mostrar
desprezo a's autoridades de Paje.
Oldrado narra o faci em Flore* a mostos pes-
soas, e sopponho que at ao Dr. delegado, qae nio
poda crer. Entretanto no da seguinte aprsenla-
se Leandro as ras da villa armado de pistollas,
e acompanhado d'um individuo qoe nio era bonito
o que indica valenta na torra: aohava-me em ca-
sa conversando com o Dr. Adelino, qoando alguem
annuncia a presenca do insolente provocador, e en-
to oflereci-me a' antoridade para desarma-lo, e
apenas deixo a casa do delegado, vejo Leandro,
que segua; chamo-o, e como nio quizesse desar-
ma-lo em presenca dos qoe se achavam pelas por-
tas e calcadas, e tambera nao visse as pitlollas,
disse-lhe qae me acompanbasse a' casa do delega-
do, e ao desreontar-se vi as pistollas qoe estavam
n'nraa capa, tirei-as e enirei junto com Leandro
em casa do delegado a quem eniregael-as, conser;
vando-me all para onvlr Leandro fallar, no qoe e
muito desfroclavel. '- .?. .nhli
Tomar pistollas a Leandro nio esforco subli-
me ; moito simples; para qualquer lodlvldao
fazer sem a menor difflculdade; Uve receto de qae
corresse pedmdo as armas na ra, e foi tambem
um dos mtolvos por qae tomel-as na porta do de-
legado.
O companteiro de Leandro nao movea-se, estoa-
do jante a's armas porque era como o amo.
Compre declarar qae mea procedlsaento 1
gradou aos qae acreditara oes (asofias de Le
qae, segando me consto, alardea criases.
Ea desprexo soberanamente a Leandro qne me
aeousa de prtre, e mais pobre ase qoar faxer aug-
mentando o nnmero dos credores e eapHalqBe de-
vo. Nao sei como faxer-oje rteo, sendo obrlaaao
Leandro
,c.

1
.r*v?^-

-




Mi
Diario de rernambHe -- Qnaria felra *8 de Fevereiro de 1866.
-
roanter muitoi Irraioc, mulher e Albos sera tncrar socia-te a.>s homen
Nao me offeode o mais ; porjo* sea be coube-'
cido no termo d>) Flores, oo.de sempre estiva cora a
decencia Rouirl. e meas adversarios polticos,
qoe murtas vies aecuSaraaros embregados du-
rante MI exercicio, nunca me accusar ato, a es-
too convencido qoe saberiam respeitar a altara
eiu qoe sempre me maolive.
Sou conderanado agora por ter com meus adver-
sarios procurado servir a canta, que de todos, e
nao podia querer desprestigia,lo?, qaando se em-
penhavam com dedicaco em servico iao digno de
consdaracSo.
Nao vejo cores polticas para a defesa de raioba
patria] vejo sommta irmaos qjs Brasileiros. que se
querera sacrificar: nao admiro o ucnflcio de odios
polticos, porqne deter fai-lo
E seja-me tamben permlttido dlrer que dos ini-
migos de hontem e compaubeiros de hoje j teobo
recebido bstanles provas de eonsideraco; pelo
que ibes afirmo com letlded que quero e hei de
tomar parte bo qrje tacar aos voluntarios de Pajeo
de Flores.
Quanel no Hospicio. 27 de fevereiro de 1866.
Joao Bautista do Amoral e Sello
mmm^um
Correspondencias
Srt. Rclactorts. Tendo ba pooco o braco do
maii feroz assassioo roobado a eiistencia ( por me-
ros motivos polticos I) de meu sempre ierabrado
pai o Sr. Dr. Eslevao Benedicto Franca, venho por
estas amargoradas li ohs implorar ao governo e
sociedade vingaoca legal, mas Inexoravel, contra
os moostros que beberm o sangoe de mea infeliz
pai, sera outro motivo, que o sao querer elle su-
geitar-se. orno aotoridade publica, aos caprichos
brotis r 'orovisados maodoes de Villa-Bella !
Estes .?, sem alma, sem lealdade, esque-
ceado-se e at bero penco lempo tinham como
cbefe e anchor a meo infeliz pai, por cojas no-
meacdes de juiz municipal e delegado lizerara ques-
tao com os ebefes progressistas desla capital, como'
sei e consta de documentos, qoe talvez logo apare-
cam, de repente se atiraram sobre mea pai, aecu-
saudo-o vilmente de (actos nunca por elle pratica
''" cuno i*o pc3?rw
e observa;u a sua l
praAiea d.n bom aesoaa.
E* a primelra vez que api
por isse ntaca em mintia vi
que ueste momento se apodera de
radora na travessa do Monteiro n. *<>, aeuan-
do-se desengaada, tambera raim recor-
gho, e rea e acha-se restabelecidi',
m sobrinho do Sr. professoe ae Naza-
retb, do Cabo, acha-se bom, cmo se -f (fe
ASra. Jeronyma MariadaConceicao, bo-,deGameleira e Una, lugares pertodo Boni-
to e ie outro* pontos que s5o considerados
sertao, quanto mais que os mesmos lugares
ja a3o sao mos, segundo pens,' principal-
mate no verao.
Has dir-se-hauma pss'oa pobre nao tem
meios de se transportar al!i estara isso
se responde, que naquelles lugares existem
A phtbysica a destruicao a magreza! casas vasias e alugam-se por preco commo-
de todo corpo, em consequencia de chagas, do, e mesmo muitos generes de primeira
Publicacoes a pedido
Devo prevenir ao publico para mi.iha garanta
futura qoe o Sr. Dr. Guilherme Cor-teiro Coelho
Cintra se tem constituido meu inimigo pelo motivo
de procurar eu ha ver delle a quantl.i de 225340
rs., da qu;lse constitua mea devedor desae o
lempo qax era cnioeneal do Illm. Sr. inenie-coro-
nel Conolano Velloso da Siiveiu, obngando-roe
por esse m*lo a lvalo a jaito quantfo ento pa-
gou-me. Dito isto ja se deixa ver que esse ex-juiz
municipal de Serinhaem ludo quauto procuroo
contra raim forgicar era s levado pelo despeito e
miseravel spiriio ie vinganca.
liis logo volurei a imprensa se assim (dr
mister.
Ribeirj 23 de fevereiro e 1866.
Bento Jos Antuoes Pereira.
CURA
Espantoza e Admira ve!
DE UMA CHAGA
CANCROSA ROEDORA
oo
PLIPO NO NARIZ.
Agua de Florida de Surray k Lanman.
D'esde o mais remotos dias das descober-
sancio-o viimeoie oe tactos nunca por ene prauca- hp^naulmlas r> fiwmnsn n7 dos a dos quaes se defendeo cabalmente, como deve Despatilllas, O lormoso patz ta r lonua,
constar da secretoria do governo; e porqae se tem sido justamente afamado pelo balsami-
destnganaram da consegrar sua demissio de dele- co e odorfero aroma de suas rarss e flores-
gado, armam o braco assassioo, e arrancara a vida centes flores e verdejantes arbustos. Aqu
clencTn-cTa^ fg ffi actuante perfume e incens
roeebia de que o queran assassiaar I de sens Jirdins agrestes e seos aromticos
. Aanava-se sosinho na sua faz-rafa, saudo sobre e refrigcnintes bosquezinhos, biirmoniosa-
o monro da porteira do curral, qaando s sete mente concentrados e encerrados d'entro de
s^eiaTri***' VU d<5 bal" Pe' ^ .um diminativo espaco hermticamente fe-
Qoem tem conseieacia de crirae vive to repon- chado e sollado.
sadaaaeate? | Esta Agua Florida deriva e recebe a sua
tm flm, confio no governo do palz, e na neoes- exquisita fragrancia das frescas, verdejantes
sidade que elle tem de neutralisar os instractos das flnP/,(U.priip, fn|h,o a? fin-a P nlantas rln
vingancas particulares, nascidas quasi sempre da Horescemes lomas, ae II0.K e plantas ao
impuidade, que o assassinato de meu infeliz pai, trpico. O seu sublime e delicado perfume,
sera' ponido severamente. nao desmerece em nada, posto em compara-
Regressaodo ao termo de Villa Bella, e rogando ^ wm a,lue||e (]a ma8 fina agua fa oft0.
aos matadores de meu pai, qae me poopem a vida, }T :-.:..,_.- cnprinr \ nP cp fa.
nio quero perder a occasio deconfnndi-los coma |ia e L inunitamenie SUpenor a que se ra
leitura da carta, qoe havia eu deiie recebido, pou- brica em rans; em quanto que io conlra-
co lempo antes de o maUrero, e qae abano traos- rio 0 seu ])reco apenas a mttad<3 (lo rusto
crevo. Nesu especie de testamento vera" o publi- Je quaesquer um dos outros.
coos grandes sentimenlos de piedade, religiSo e, pl imrl_,ant napp,.,...;,, nnp cP rPnarp
patriotismo, qae ammavara aquelle coraco, tao I importante e necessai to que se repare
mal cenheeido, e to calumniado por seos infernaes para OS nomes de Murray e Laman, OS
inimigosl.. Basta.... quando a justica bamana quaes acbar-se-ho inscriptos e gravados,
for impotente, a justica devina ha de por qualqoer ^f, a ^p., ietrer0 e arraf, caotella esta
"tsiisssjrSm rse v n essenci,al tem,c)nscqu-en-
Eskvao de Aibuquerque Mello Montenegro, do mercado se adiar inundado de mitacoes
un-1 u ------- inferiores de Agua Florida.
Mea flibo Estevo.~A poca de sofrriraentos,; Acba-se a venda as pharmaciasde J. C.
prova55es e sacriiicios. ,rKUmft Bravo AC.e Caors Barbosa.
A patria, invadida e ultrajada pelo barbansmo
do governo e do povo Paraguayo, urge nossos ser-
vicos, todos nos os devenios prestar na espbera de
nossas forcas. Eis o motivo de tna marcha para o
theatro da guerra : consentindo no ten alistamento
como voluntario, eu atiendo ao mesmo teropo i ne-
cessidade do paiz, e a tua abnegaco per to santa
causa.
Decidido pois est que devenios separar-nos, e |
so o que pode tornar essa separagio menos dolo-;
rosa ao raea-coraeSo a esperanza de que nao ol-',
vidars um s momento a observancia dos teas de-
veres. Na imposslbllidade de compendia-los todos
no acanbado espaco desla carta, en os resum rci i
em duas palavras, aQm de que tenbas sempre dian-
te dos olhos os conselbos que devem servirte de
norma de conducta.
Qualquer que seja a posco que oceupares nessa
nova proQsso, nunca esquejas qae no amcr dd
m Deus sobre todas as crasas e do prximo como a'
nos mesmos estao resumidos todos os preceitos que
expriraem a snmma dos nossos deveres, e eocer-
ram todos os elementos da nossa felicidade e per- j
feico. Qnem ama a Deus e ao prximo encontra
na pratica de soas acroes tedas as consobcoes e
docuras qae Deas comraanica aos seus escolbidos.'
Nao ba virtode que nao assente nestes dons gran-
des preceitos, qoe coostituera a candade, fonte
das mais nobres virtudes moraes, sociaes e reli-
giosa?. I
Nao se pode ser boto cldadao, bom pai, bom fl-
ibo, bom irraio, bom esposo, e bom amigo, sem a
exacta observancia da le de Deus, resumida nes-
tes dons grandes mandamentos. Piquem elles pois;
bem gravados em ten coracao, e sejam o nico
tbermometro qne regale as tuas accoes.
A'm de outros muitos preceitos, que nao me
possivel enumerar, e cuja observancia ma seria
muito agradavel, recommendo te especialmente ;
i.*, o santo amor e temor de Deas; 2., a pratica
constante de le eocommendares a Deus, e a Santis-
siraa Virgem ; 3., a pratica de assislires acs ejer-
cicios de rebgio e piedade, que o desempenho das
obrigarOes de toa proBsso le perraittir; 4 qoe
tenbas na mas a alma, e Deus no coraco ; S.%
amor, respeito e lealdade aos teus iguaes; b., amor,
respeilo, lealdade e obediencia ais teus superiores;
7.*, respeito aos sabios, sacerdotes e velnos; 8.,
modestia nos teas artos, e pareimouia as tuas des-
pezs.s ; 9., evita toda a roa companhia ; 10., foge:
de civermentos perigosos e deshonestos; 11., pro-
cura agradar aos teus superiores, igoaes e inferio-
res, sem com todo infringires os teas deveres; 12.a,
nao obres sem conselbo.de pessoa ajuiuJa.
A cautella-te contra a liberdjde em cujo goso
vas entrar, e qae desgracadamente to suspirada
peles pessoas de toa idade, por qae um veneno
lento, cojo sabor illude a victima qoe a traga. Blia,
um dos mais perigosos incentivos do nial, por i
que desvia o mancebo inexpenente da senda da
virtode para o caminbo do erro, e abie espaco para
os vicios, em qae por ultimo o sabmerge com per-
da da saude, da bonra, da vida e da propria alna.
O antidoto deste perigoso veneno o santo temor
de Deus, e a vergea do mundo.
Qaem teme a Dos, e envergonha-se do mundo
nuaca jolga lar liberdade para obrar o que nao de-
ve : tendo DeOS seiupie dame Uos olhos, o toman-
do i censara dos homens, procura sempre aferir
teus actos pela medida do dever. Toma, pois, pela
mais restricta de tuas obrigaedes, obrares sempre
com temor te Dos e vergooha do mondo, qae en
te garanto ama boa repulacao, mesmo na la pou-
ca idade.
Jnigo desnecemrio especibear-te cada falla qne
pode comprometer e manchar a toa repotacia de
homeaa e desoldado, por que nao ignoras qne to-
das me desagradara ; e ser-rae hia muito dolorosa
a noticia de qualquer acto leo contrario ao ten de-
ver. Nao obstante isso, menciono e probibo-le for-
malmente o jogo, como o mais perigoso de lodos
os vicios que corrompen! a mocidade inexperiente,
pelos estragos phvsicos e moraes qoeprodaz, e pe-
los tragos indeleveis que imprime oaqoelle que se
entrega lio reprebensirel i aiio. Elle arruina
a sode, estraga a consciencia, embota a vergonba,
deUpida a forwna, alimenta a pregaiea, gera a in-
civilidade, a consom intilmente o lempo, que de-
ve ler proveitcsaraente empregado. Foge deste be-;
dionde vicio, evita soas funestas conseqaeacias, e
aproveiu o lempo qne te-restar do eumprimenlo
dos teus deveres em leituras inleressantes, e em
compaBhia de pessoas doulas e honestas, uwbeeo
a detesto tanto os perigos deste execrando vicio, <
ae te imponbo debaixo da mais restricta obedien-
cia ; nao jogoes cartas, nem dados, sem ootra ai-
gunu especie de jogo a diaheiro.
Nanea saperflua a repetigo daqnillo que nos
absolutamente necessario. Pois bem, recommen-
Jo-te ama e randas vexes a observancia do &*f
inim. Nno
perigo de acabares a vida em um hispiWl, on no ( tran,rrirfl ltrn-
funde do j#eano, ou no campo 4**aMNkv..-Aao, surcar aoaixo transcripw, atem aeou
os perigor. mae recoio e de que te vejo rodeado sao HCtOS, que podara aqu mencionar.
de ooira jrdem : sao aqoelles qoe matam a repu
lacio e a alma ani.es de acabaren de todo o no
^^mXfc^F don a segaranca de que eo sem cuMado vendo te pyema, atrophia nervosa e outras molestias precos qae aqu,
seguir ao ten destino. que viciara os humores, como escorbuto, Aqueiei, pois, que estiverem nestas cir-
0 tea eororaaadaote, o meu bom amigo Pedro te ajp0rcas, gallico, asthma, bexigas, saraupo,' cumstaacias, eu lhes facilito explicar os meios
^?&i^&^'Sn te etc. 8 pelos quaes. se devem reger, elhes fornece-
abeogoem e te conduzam a salvamento. Ea um-1 Na pntnysica, ebegando ao estado de gra- re os BBedieamentos gratuitamente,
bem te ab Villa Bella 10 de novembro de 186!. salvac3o do doente e ajndar os medicamen-. as minhas preparacoee de veame s5o reu-
tos o ar do campo, exercicio conveniente nidas com outros ingredientes, e com elles
e dieta, a qual bSo deve ser de nenhum i tenbo oblido ptimos resultados: nio se en-
cousa quente, ou de deGcil digestio; e a gane o mesmo publico com outros que por
bebida cumpre que seja de natureza branda' ahi se annunciam, cujas preparacBes ignoro,
e fresca. assim como o aproveitameolo aos enfermos,
Todo o seu alimento se ba de dirigir a' a quem porventura lenbam sido applicados;
moderar a acrimonia dos humores e a nu- cada um responde por si, e eu affirmo com
trir e suster o doente, >ara q que preciso | verdade o que aqui tenbo relatado, cujos me-
reduzi-lo ao uso de vegetaese leite. dicamentos nesta provincia s vendo em mi-
Toda comida e bebida, qae se tajear ba' nba botica na ra Direita n. 88.
de ser em poucas porosas, para evitar qoe, Joseada Rocha Paranhos.
o excesso do chyloTresco opprima os bofes' Nazreth do Cabo, 7 de setembro de 1863.
e accelere muito a circalafao do sangu^. |Illm. Sr. Jos da Rocha Paranhos.C( m
.Muitos doentes deetmolestia se teem en- o maior prazer ler o ac conhecimento de V.
tregae ao aso do oteo de flgado de bealho, S., qoe o doente qoe V. S. acba-se admi-
e ootras preparacoes de resinas e pallaos, nistrandf>lbe re nedios. acha-se no todo res-
sem que deltas tenham tirado proveifcr> e tabelecido, por tanto, nada sent, tendo des-
algans expositores de medicina combtem apparecido no todo a tosse, tem muila dispo-
com muila Taz9o esse tratameoto. sico cornial e acha-se nutrido. Deixou
costume carregar o estymgb do doen- tomar os ltimos remedios que V. S. recti-
te com medicamentos oleososebalsmicos; tou no dia 30 do passado.r esta agora a V.
porm estes em vez de tirar a oatisraug- S. mandar-me dizer qual a dieta qoe o
mentam-na, esquentando o sangue, ao mes- doente deve conservar e por qoanios tem-
mo tempo que ttram o apetite,' relaxaj os pos, mencionando as comidas que dever
solidos, e sao de toda sorte perniciosos. usar daqui em diaote.
Tudo que se izer para extinguir a tosse,; Resta-me agora agradecer a' Y. S. o cui-
alm do exercicio e rgimen apropriadh de- dado que tomou no tratamento do meu so-
vem ser remedios de natureza acida, dter- brinho, abaixo de Deus, devido o seu resta-
gente e calmante. belecimento a pericia de V. S., e por isso
Os cidos possuem a virtude de prodtwi- pode V. S., sempre contar com os meus ai-
rera bons elTeitos nessa enfermidade, por minutos prestimos) e desejarei em todo o
que, alo s cntribem a apagar a sede tempo dar urna prova do meo reconheci-
quando accommettem a febre etbica, mas ment,
tambem a refrescar o sangoe. Desejo a V. S. todas as venturas, por ser
Aos doentes desla enfermidade, quando o de-V. S. muito respeitador e obrigadissimo
seu estado de gravidade tal que a febre criado.Francisco Bermguer Cesar de Me-
ethica os accommette, prescrevo-lhes o su-: nszes. ,
co de um limao dissolvido em urna chicara
d'agua com bastante assucar em nm grande
copo para misturar com um papelinho dos
pos refrigerantes para tomar, com que ali-
viara no acc mmettimento da febre, e pela
manhia o xarope etherio de veame. Tenho
aconselbado, que facam uso de vegetaes de
natureza acida, como laranjas, l;moes, pi-
tangas, uvas, etc., e applicaces de plantas
---------------
Urna creada de servir residente em Pernam-
bnco e prcrtencente Ex." SeBr Viscosdessa
DE Ooianna, foi attacada d'uma terrivel cha
gs cancrosa e roedora^ou Polypo no Narii.
A mema involvia e tomava todo a parte in-
ferior do nariz, amea^audo j distruir tanto a
parte cartilaginosa como o mesmo oso ; Come-
cou primeiro por apparecer sob o beljo supe-
rior e parte da face, extendendo-eo por tal
forma e com tal rapidez, qne em pouco amea-
ava transformar todo o rosto n'nma enorme
cbargaviva e asquerosa. Durante todo esta
terrivel estado, todos os recursos medicnaes
que em taes cazos se uzao forin abundante-
mente empregados, sem que de leve fizesse
parar a marcha lenta e distrnidora de to hor-
rivel enfermidade, e todos os meios e erforQC*
forio baldados, o no em tanto o mal cresca eis
que por milagrosa fortuna da infeliz estando
as couz:is neste ponto, se experimentan pela
vea primeira a
SALSAPARBILHA
DE BRISTOL.
O eff-ito produzido, quaei que instantneo
por esta Inestimavel remedio foi verdadeira-
mente naravilhoso e sem igual; eite grande
pvrificador do sangue e dos humores do sys-
tema, lnunediatamente poz um termo mar-
cha diaastroza e fatal da molestia, dt rramando-
se e infiltrando-se atraves dos tecidoe os maii
delicados do corpo, expellindo ate ultima
proprk dade ou vestigio virulento da molestia,
e dentro d'um curto espaco de tem]x> produzio
CURA
Completa e Radical.
Eete feliz quo admiravel resui.do foi obtl
do apenas com o simples uso
Puma so nica Carrafa!
ATTENQAOT
Xarope atehoolico de veame, preparado
pelo pharmaceutico Jos da Rocha Paranhos,
estabelecido com botica na ra Direita n.
88 em Pernambuco.
Este xarope incontestavelmente superior
a todos os xaropes depurativo?, de coja
car, continuando nos tres dias nesse trata
tamento, no fim dos quaes usara' do xaro-
pe de veame na forma 'proscripta no recei-
totrio, ten,do todo o cuidado de se abafar,
afim de soar convenientemente, alem da
conservar o v^air correte, que conseguir
, tomando urna ou duas pilulas purgativas do
mesmo veame.
Todos quantos suecumbem desta moles-
, tia se diz :falleceu de erysipejla recolhi-
da ; ao contrario, alguns expositores pre-
sumem ser o desenroivimento da putrefac-
gao do san-ne, tanto qne o logar inflamma-
; do que, ento a sua cor era encarnada, se
I troca em lvida ou negra, e trra na em gan-
grea, e por essa razio que conveniente
o xarope alcohlico de veame na iofusio de
flor de sabugo, para se conseguir resolver a
inflammaco, ou pelo menos terminar pela
supporacio, impedindo assim a gangrena.
Os effeitos do xarope alcoholico.de veame
applicado na flor de sabugo ao doente, nio
so de vantagem por sua qoalidade diafo-
rtica, como pela anti-septica para imped
a putrefacto as molestias.
Na erysipella nio deve o enfermo nos pri-
meiros tres dias uszr de comidas e bebi-
das que possam esqoentar e inflanmiar o
sangue.
A comida dorante esse tempo deve ser do
reino vegetal, como-.sag, fartnha do Mara-
nho, pi torrado, bolacha, etc.
Anda nio vi expositor de medicina que
aconselliasse que nos primeiros tres dias de
accommettimentos do mal, nio fe usasse de
medicamentos; o que elles repellem sio os
unguentoa. unturas que obstruem mais e
repellem do que prornovem a evacuacio da
parte; o que convm trazer o logar ata-
cado e bem agasalhado para ajudar a traDs-
piracio e defender do ar.
O verdadeiro xarope de veame vende-se
na botica da ra Direita n. 88, de Jos da
Rocha Paranhos.
Tenho recebido cartas d algumas pes-
soas de ouiras provincias que me commu-
nicam ter desta cidade sido semettido o meo
xarope falsificado, que tem dado resultado
ao descrdito de minha preparacio, cujo co-
nhecimento se tem verificado depois dos ef-
teitos que taes remedios apresentava ; as-
sim, pois, tenho a declarar ao publico qoe
no letreiro que vai i regado na garrafa do
xarope, sempre foi assignado por meu pu-
nhofe daqui em diante, alm desta assig-
natura o farei tambem no papel que cobre
a garrafa. Rogo ao mesjno publico que
quando forem assim engaados, tornero tes-
temunbas, me remetais os rotlos falsifica-
dos e me participem para fazer effectivo o
artigo 167 do cdigo criminal do Brasil.
Jos da Rocha Paranhos.
COMMERCiO
nuil
amargosas, que fortificam o estomago a ser- composicio o seo maior eleiento a salsa
vem ao mesmo tempo para destruir e miti- parrilba, pois que se tem conhecido ser o
gar a sede. veame mais enrgico para a prompta cura
A Sra. D. Joaquina de S Brrelo, tendo das molestias, cuja base .'essencial depende
urna sua escrava fallecida desta molestia, sub-' da purificacao do sangue; assim pois se
mettida ao tratamento de seo medico, resol- tem verificado por muitas pessoas que se
veu procorar-me para tratar de um outro achavam desengaadas, as quaes acham-se
escravo, que soffria damesma enfermidade, hoje restablecidas com o referido xarope
prescrevi-lhe o xarope de veame, tem me- alchoolico de veame; entretanto que al-
lhorado consideravelmente. gons, tendo usado do xarope de Corinier,
A senhora do Sr. Antonio Francisco Ho- de Larrey, de salsa parrilba, de saponaria,
norato foi desengaada por babeis-,medi60s oleo de figado de bacalho, e outros agentes
desta cidade, esleve prostrada, e nosulti- desta ordemnada conseguiram. E' elle de
mos paroxismos da morte, foi com o xaro- fcil digestio, agradavel ao paladar e ao ol-
pe de veame salva, como se v da carta phato. Alguns medicas desta cidade e da
impressa no Jornal do Recife de 9 de feve- de Macei o teem recommendado para a cu-
reiro de 1863. radas
O escravo Emilio, do Sr. tenente-corfoftel Impigens, tinha, escrophulas,
Rodolpho Joio Barata de Almeida, foiiam- Tumores, ulceras, escorbuto,
bem desengaado por habis mdicos, e Cancros, sarna degenerada, floxo alvo,
com o xarope de vellame acha-se completa- Todas estas afecc5es provm de urna cao-
mente reslabelecido, como se v tambem sa interna; nio ha pois razio alguma em
da carta impressa do mesmo Sr. tenente- crr que ellas se podem curar com remedios
coronel no mesmo Jornal do Recife. ': externos. Tambem se prescreve o xarope
O Sr. Antonio Christiano Fogt, filbo do alchoolico de veame para o tratamento das
Sr. Chrisliano Fogt, proprietario e estabe affeccoes do syslema nervoso e fibroso, taes
lecido na cidade de Macei, o primeiro bem como:
conhecido nesta cidade, pois que foi empre- Gotta, rheumatismo, paralysia,
gado na casa do Sr. Len Chapellin, retra- Dores, impotencia, esterilidade,
lista estabelecido na ra da Imperatriz, ac- Marasmo, hypocondria, emmagrecimento.
commettido desla molestia, foi daqui desen- o xarope alchoolico de veame sobre
ganado por habis mdicos: retirou-se para tudo, da maior utilidade para curar radi-
a Baha, e all continuou em tratamento ate clmente, e em pouco tempo o rheuma-
que foi segunda vez desengaado pelos me- tismo.
dicos dalli, chegando eu em Macei, um Adverte-se que o verdadeiro xarope s se
amigo pedime, que o acompanhasse at a vende nesta cidade na botica cima indica-
casa do Sr. Christiano, para ver um doente da, do abaixo ass:gnado; e em outra qual-
e prescrever-lhe algum remedio, encontrei quer parte qoe se tem annunciado nio da
o filbo em urna cama desanimado e em es- mesma composicio, e nem o abaixo assigna-
tado de prostragio, pois que escarrava soa-' do se responsabilisa.
gue, e tinha completa inapetencia e fraque-
za a ponto de nio se poder por em p, no
fim de urna garrafa do xarope ethereo de
veame j se achava elle no estado da pas-
seiar em casa, desapparecida a inapetencia e
os escarros de sangue ; e a tosse mitigados.
Jos da Rocha Paranhos.
d'asta facompararel e inapreuiavel depuratoria,
recotumendames portante todos os Doentes
qne ptoeorem obter com o maior cuidado a
malea e verdadeira ftalaaparrUba da Brietoi,
nicamente preparada por
Erisipela.
O medicamento que com mais influencia
e energa tem combatido essa terrivel en
Bfaflmda segunda j ache em7s*tadode;fermidade' ^m sido o xarope alcohlico de
faze% passear pelo slio todas as manhias.:ve,ame- ''
Acabada esta o aconselhei, que continuasse I Uma escrava da mii do Sr. Francisco Fir-
no uso do mesmo xarope etherio alternado m Monteiro, pessoa bem conhecida nesta
cora o xarope alcoplico de vellame, e que Cldae> achando-se de cama, a comas per-
usasse dos baohos salgados na pancada do nas bastante luchadas, e cheia de lumores,
mar. Sentio alenos primeiros baohos al- mando xaroPe de velame acha-se hoja
gons choques, mas eu o acoDselhe< que con- "oa,' prestando ser vicos,
tinuasse, cora o que se tem dado muito bem > mana d0 ** J?fe Francisco Pinto, mo-
pos que tenho recebido cartas de Macei, rador na roa Direita n. 51, tendo sido
em que se me commonica o seu bom estado, accommettida do mesmo mal, acha-se tam-
Nasta molestia os expositores de medici- Dem "* ,.,... ,,_. ,- .
na nio aconselham bannus salgados, apenas' A. Sra' D: Senhonnha Umbelma dos
quando delles tratara, dizem ser applicados f">tos moradora na ra das Calcadas n.
as escrophulas, hypocondria, estherismo, 38 achando-se atacada de erysipella nas c-
amenorrhea, raethismo, etc. ; entretanto'vi ^as quatro tumores bastante volumo-
este bom resultado no fllho do Sr. Cristiano, sos no estado indolente, que a prima de
e butros fados iguaes tenho visto nas om- Pr"se de-Pf ha J?"110 temP' o?, uso
leslias siphyliticas, e outras muitas que com do xaroPe alcohlico de veame epilulaspur-
o uso do Xarope alcoolico de vellame tem-se at,m do mesn?o, aoha-se restabelecida, e
obtido cura radical. n oso d()S medicamentos os tumores ter-
minaram pela suppuraco.
A Sra. D. Rita, moradora na ra de Santa
Rita n. 13, primeiro andar, soffrendo do
LANMAN &KEMP.
e TSOYA VOKh.
a* acitara de que, todas as nula preparacflsa
ImiU.ti vas nio valem para couza alguma
O Sr. Dr. Silva, medico hbil de Macei,
depois de ter applicado a um seu doente de
rheumatismo o xarope alcoolico de vellame, memo mal ha muitos annos,' po^queTery"
logo que elle sa poi em estado de largar as sipella atacava amiudadamente, depois que
moletas, em que andan arrimado, o aconse- tem tomado essa remedio nunca mais I be
lhou que continuasse com o oso do mesmo deu.
xarope conjonctamente com os banhos sal-! Outros muitos tactos desta* ordem delxo
gados, com que seteno dado muito bem, e de mencionar aqui para nio me tornar pro-
um.dos mdicos que all em Macei tem com- Uxo e enfadonho.
Vende-se nas boticas de Caors & Barbosa pleta confiaoca nas preparacoes de vellame | Sendo a erysipella uma molestia que sem
e C. Bravo A C. par mim feitas, pelos bons resoltados que duvida effeito de materia gerada no corpo
- a ,-,,, ten obtido em sua clnica. como expem alguns esenptores de raedic-
r*hrit tcIi^-i Quando algoem se v con) tosse vai ao me- na, e em consequencia da febre aneada
watnysica. ^ ^ Q examina e declarao senhor es-'na pelle, onde produz inflammacio, e que
xarope letherio de veame por mira pre- t affectado dos pulmoeso doente desani-' muitas pessoas, por nio se terem conve-
^^^^*S'tMne^^m$al pacad, mD't0 tem BPr?veitado as que sof- ma com esta sentenes, entende estar sem nientemente tratado, suecumbem com o
son qoe oveJia mi precipita a todo o rebanho, rem desta molestia, e de laioentar-se, que mais cura, quando os fados e a experiencia pernicioso uso de que, nos tres dias nio de-
assim a m companhia inocoia do espirito e no co- no obtuario desta cidade a maioria dos qua team damoestrado que muitos tendo procu-1 vem usar de remedio algum, o que faz-se
*****}*** torveus imagi- succorabeo s de tuberculoii pulmonares,, rado o lugar apropriado, se teem salvado; estender o mal por nao se ter a principio
naria?. A mi companhia aooda o
animo de t>ua
sem rrocurarem o recurso dj pratico e do
victima, etuda tuai dnaede, lisoogea suas oai-
xdes, desraneea aeus exempioa ( a qae decrala asperiSnte, fliO ibes pdem aQdammhar O diCina.
PuSi08 ^ 6*,a**aB) '>M dox !a oXm^nnf^^^S^* Tz' Sr- Bra^ *n loa de ^rrageasM roa je e recurso do ar; por qw
ipriiithti?trrrr rain Trin iiaama!?*! **.n'raifc' foi deseogsnado por doos habis nos proporciona, pota goeenr
paruleio. A camela-te, pou, mira a eoopaata mdicos, acha-se ion) com o 'TatafioeDlO por! uma pessoa que T*
de pessoas irreligiosas, issolutas e immoxaes -; as-. mim /re&cripto. ; mente se tr aneporl
assim explicaai muitos expositores de nje- combatido ; por isso, pois, conveniente
qoe, logo que algoem se sentir atacado de
talmj[Udeve provocar a transpirado toman-
cipio uma colbarioaa da ca do
liee de velama diaaalvido em
a de infasio da flor de sabu-
te, adocaddo-a com mais assu-
Xarope tnico refrigerante de veame e de
ferro preparado pelo pharmaceotico Jos
da Rocha Paranhos, estabelecido nacjdade
do Recife provincia de Pernamboco, roa
Direita n. 88.
Este xarope, que d tom ao movimento
muscular por sua qualidade frrea, ao
mesmo tempo purgativo pela parte do ve-
lame que encerra, e refrigerante pela par-
te acida, alera da precisa para perfeita so-
lucio e combinacio do ferro; este atacado
pelo acido fica em extrema divisSo, e as-
sim o mais soluvel que possivel, de sorte
queja nio lio dependente deser digerido
pelos cidos fracos, que se acham no sueco
gstrico durante a digestio. Os expositores
de medicina sio de opiniio que o ferro e
todas as suas preparacoes gozam das virtu-
des eminentemente tnicas, que aproveita
em lodas es molestias que sio caracterisa-
das por fraqueza; e com effeito acho exac-
ta essa opiniio; nio mas dado o ferro em
substancia pelo mo resultado que tenho ob-
servado, (e que j fiz publicar) em certas e
determinadas mole tias; por exemplo: ane-
mia, e febres intermitentes, terminam mui-
tas vezes por anazarca, que accumulacio
de serosidade no lescido cellular (agua quan-
do est entre a pelle) e depois ascite ou hy-
dropesia do ventre, que accumulacio de
serocidade no peritoneo.
E' sabido que o ferro um dos agentes
mais importante para que o sangue se pre-
pare e aperfeice devidamente, e por con-
segrante o mais proprio para impedir o des-
envolvimento destas molestias; mas sendo
elle um efficaz excitante, sorbente e secer-
nente, claro que s associado como se
aclia neste xarope, pode dar o resultado
que se espera, e a experiencia me tem de-
monstrado sem risco de ofender as entra-
I nhas.
Os effeitos dos incitantes, sio: promover
as secreces, e absorefies, augmentar o ca-
| lor natural, e remover aquellas dores que
nascem da falta dos movimenlos irrilativos.
Os sorbentes sio tambem aquelles agentes,
| os quaes augmentan) os movimenlos irrita-
tivos, que formara absorco,.e os s cernen-
tes aquelles que augmentan) os momentos
irritatives que conslituem as secresoes.
| Assim, pois, v-se que sem a precisa combi-
nacao e modifica cao nio i de ser elle appli-
[ cado indistinetamente. Muitas vezes o pra-
tico deixa de fazer appliCacjio do ferro por
conhecer snspeitar que o figado, o~bfe ou
pulmio, e oryio essencial da respiraeio, ou
outra enlranba est -oTendida; entretanto
que, se se tivesse applicado em tempo se
poderia ter evitado o desenvolvimento da
molestia. Assim, pois, o xarope prepara-
do como fica esposto se pode usar sem ris-
co por nio offender as entr nhas. As mo-
lestias contra as quaes o xarope tnico re-
frigerante pode ser applicado com proveito,
sao: as ameuorrbeas, ou suspencio do flu-
xo menstrual das mulheres, anemia, on di-
miouicao da raassa do sangue e sua consis-
tencia alterada, dores de estomago, debili-
dade dos orgios digestivos, fastio, fluxos
mucosos, flores brancas, chlorose, molestias
do sexo femenino, caraclerisada por lan-
guor geral, acclorisaeio paluda da cor ou
esverdinhada, empobrecimeoto do sangue,
eofartes-ehronicos das visceras abdominaes,
alporcaj ou escrophulas, escorbutos, opila-
cao, pallidez, e os estragos produzidos pe-
las molestias sypbiliticas: asthenia ou falta
de forcas; fraqueza geral: e ha hidrope-
sa anazarca e ascites; tendo-se o cuidado
de observar nestas duas ultimas molestias
principalmente, e em todas s ootras, qoe
um dos effeitos salotares de* te xaropo te-
ro-ventre corrente, e as urinas* desembara-
cadas.
O modo de usar-se a regahr-sa, vai des-
crite no letreiro pregado no frasco.
Vende-se nicamente na botica da roa
Direita n. 88 da
Jos da Rocha Paranhos.
Nr banco de Pernaat-
orrovoBanco decnta Ierras a ISUorcento
ao atDO, toma dinheiro a praso fixo ou em conu
correte pelo premio e conaledei qae se conven
clonar, e saca sobre a paca da Babia
Calxa filial do saoco do Brasil
era Peraaaaco.
De ordem da directora se fat polico qae o
ihesoreiro desta aaixa aa acta aaorisado a pagar
o dividendo do seoieste Indo em 31 de dezembro
prximo passado, na razio de I3|000 por aeco.
Caixa filial do banco do Brasil 15 de Janeiro
de 1866.
O guarda-livros,
Ignaeie Nones Crrela.
* aLFaNDEGa.
Rendimento do dia 1 a 26......
dem do dn. 27...............
6i:967P07
20:6589oO
668:6268o7
MOVIMENTO DAALFADEGSA.
Volnmes entrados cora faxendas....
( c com gneros..... 576
Volnmes sabidos cem faxendas...
t < com gneros...
------576
18
482
500
Descarregam boje 28 de fevereiro.
Galera franeexaMelmercadoriaj.
Barca portogaea Constante II diversos g-
neros.
Barca poringoexaSegurarla pedral.
Polaca hespaoholaIniia charqae.
Brigoe nefpaoholMaria RosaIdera.
Brlgae nacionalFlumisfisedem.
Brigoe argentino VolanteWem.
Polaca argentinaMontevideodem,
bamaca argentinaiVooa Carlotadem,
aatacho portagnerJosiem.
PBrcanacional -Guarahindem.
ALFAfTDEGA DEPERNAMBUCO.
PAUTA DOS PBECOS DOS GNEROS SCJEITOS A DWKITOS
D8 KXP0RTAf*O.SBMAKA DE 26 DB FEVBttBinO A
3 DO HEZ DB MARCO DB 1866.
Mercadoriaj unidades. Valores.
Abanos. T eento 2JW0O
Agurdente de cana .... caada 800
dem restilada ou do reino > 800
dem caxaca....... 380
fdem genebra....... 800
dem alcool ou espirito de agua- > 900
ardente....... i
Algodao em carocp .... arroba 4J0OO
dem em rama ou em la a c 164000
Arroz com casca ...... 1500
dem descascado on pilado 260O
Assucar masca vado .... iJ,'M)
dem tranco....... 310O
dem refinado....... 390O
Azeite de amendoim ou mendo-
bim ........caada 2000
dem de coco....... 1J600
dem de mamona .... > l000
Batatas alimenticias .... arroba 1500
Bolacha ordinaria, propria par*
embarque....... 3000
dem ftna........ > 7*000
Caf bom ....... -V 6*500
dem escolha on restolno. > 6*000
dem torrado..... .libra 440
Caibros........um 360
Cal.........'. arroba 320
dem branca .... 580
Carne secca (xarque) ... i 3*500
Carneiros .......um 7*000
Carvao vegetal .....arroba 1*000
Cavernas de sicupira uma 3*000
Cera de carnauba em bruta. libra 300
|dcm idem etn velas ... 500
Cha, ......... 2*000
Charutos .......cento 3*000
Cevados (porcos).....um 15*000
Cocos (seceos) cento 4*000
Colla........libra 600
Couros de boi, salgados^. 150
dem idem seceos espichados 340
dem idem verdes .... > 100
dem idem cabra eortidos um 360
dem idem de onca .... > 10*000
Doces seceos......libra 1*000
dem em gela ou raassa > 320
dem em calda ..... 520
Espanadores grandes um 4*000
dem pequeos...... 2*000
Esteiras para forro de estivas
de navio........cento 15*000
Estopa nacional ..... arroba 1*800
Farinha de de mandioca alqueire 2*000
um
arroba
uma
arroba
dem de araruta .... arroba
Fcijao de qualquer qudlidade
Frechaes ......
Fumo em lolha, bom .
dem ordinario ou restolho
dem em rolo bom ....
dem ordinario ou restolho. .
Gallinbas ......
Gomma.......
Ipecacuanha (raiz) ....
Lenha em achas.....cento
Toros......... i
Linhas e esteios......um
Mol ou melaco......caada
Milho.........arroba
Papagaios .......um
Pao Brasil.......quintal
dem de jangada......um
Pedras de amolar .... uma
dem de filtrar ..... f
dem de rebolo .....
Piassava........molho
Pontas, on chifres de vaccas ou
novilhes.......cento
Pranrhes de amarello de dous
costados.......um
dem de louto......
Rap.........libra
Sabo......... i
Sal- ........alqueire
4*000
2*800
6*000
15*000
8*000
10*000
8*000
800
2*600
25*000
2*000
11*000
6*000
260
1*500
3*000
5*000
5*000
800
000
1*000
120
3*600
20*000
10*000
1*000
160
400
Salsa parrilha. .'..... arroba 25*000
Sebo em rama...... 5*000
dem em velas...... 7*000
Sola em',vaqueta. ..... ama 2*000
Taboas de amarello. .... duzia 140*000
t diversas...... 87*000
Tapiocas......... arroba 3*000
Tatajaba........ quiatal 2*000
Travs......... uma 6*000
nhas de boi ...... cento 300
Vassouras de de piassava 10*000
Ditas de timb...... 8*000
Ditas de carnauba ...... 6*000
Vinagre......... caada 600
Alfandega de Pernamuco. 24 de fevereiro de
1866.
KM ADITAMENTO.
Cera de carnauba
Cassueiras de Jacaranda.
Enchameis......
Esteiras de carnauba. .
Ossos........
Fa ha de carnauba .
Penna de ema ....
Sapatos de couro branco.
Era ut supra.
6d40O
950GOO
1^500
160-
20a
800-
2000
8oa
arroba
duzia
um
urna
arroba
molho
libra
par
L* conferente, Florencio
O t. conferente, Ctrero Br,
Approvo.-Alfandega de Peruana
vereiro de 1866--------A. Eulalia.
Conforme. O i. eferinturaro,
Thomaz de Aquito Coelho.
RECEBEDOBJA DE RENDAS I
RAES DE PERNAMBOCO.
Rendimento do dia 1 a 26.....V'
dem do dia 27................
(CONSULADO PROVINCIAL.
Rendimento do dia 1 a 26....... 161:868*812
(dundo dia 27.........*;... 5:69*874
167^92*686
Nohoaveram
*^
1
D



\\



lri# e Peraaaafevee Qmrt*telra 8 to Feverelra to #866.
EDITAES
iaw
As noticias martimas cu commerelaes.
'InrJw'fH" de que las,Jjtorm*s5ea-seri
O Dr. TriatSo de Aleoear Araripe ofQcial
imperial ordem da Roza, e juii da direito
especial do commercio desta cidade do Re-
cife dePeroamb co, por Ba Magestade Im-
perial a Constitucional o Sr. D. Pedro II a fcQprtndo admttiir qae o navio* procedents das
cntern Den tarda ata W'?rl** *1. *3'cmya*ra.ttir aschotea.
das-aor mel de a$gn*saaryjjha
establo, e quaoaa os rteos : "
_ la por-C'ausa da ante abta c
laralevera. ater par TPonta-feRra, 011 para
SaoMFCruz, ota (juanto eMvereot fon da-barra,
i OMPAOTU BUSItOTA
DE
Brratjo JO "^Dos porto do saf esrad<

.portando sul esvarado
ale; ia de mrcjo o vapor To-
clarn, jommDdaale o prtaeiro
nenie Ai.,j0< 0 qM| depote da
yorinr as sui; -ojvcm transmitas ouunuuun; j -mi *m\wm "*a>r do CL,alBe- seguir ;
quein eus guarae etc. (es exgdiS psra 0 telegrapha datarra, ou Bafcy- osoortoi do norte
Jaco saber aos que o presente editai virern, |0nia< 1ogo ^ ge possa(n' corresponder cata taes
e d'ee noticia tiverem qae no dia 12 de_estarjSes.
marco docorrentaanno, se hade arrematar, Deas guarda a V. Eic.-r. Aojonio Francisco
wrwwtaaqoei&mtderempn^ daprw.u.ia da
leste juizo o seguiiUe:uraaarmacSoemvi-? csaspra-se.Palacio >gor8rmj deTernamba-
Araada de louro com balc5o e espeltao avalia- V em 19 daJvereiro ?* 1866.-Lua Pnrawv
da por ISOfJiOOO rs. a qaal foca penhorada gua.
O secretario,
Dtco de Aqumo Fonma
--------:.-----------
por execucaoc de Ges Bastos & Companhia
contra Francisco Edoardo Camello de Miran -,
da. E nao havendo lancador que cubra o LonsiiIaUo provincial
nrwn da avaharan a arr-matrSn ser feita Pelamesa do consulado provincial sa fazpubli-
preco aa avanacao, a arrematacao seraieua qs {o^ djag ule|$ j ^ pira ^^^
pelo preco da adjudtcacao na forma da le. l ^^ a(fCo(re dos Mostoa ae 50-rs. por ai-
E para que cliegae ao conhecimento de qUere de sai, de 4 0|0 sofcre as astabeiecimentos
todos, mandei passar o presente que]ser pu- 'de fora da c*nie, prensas de algodo, inogra-
hliradn nula imnrpnan p affivadi nos lugares Pnias- cocheiras, bolequina, botis, casas de pasto,
oiicaao pea imprensa e amxauo nos mgdies avaHarices ft{tMcx. tt& 0|o sobre wnsuMonos
do custume.
Recife 21 de favereiro de 1866.
EuManoel Maria Rodrigues do Nascimento,
escrivo o subscrivi.
Tritto de Aiencar Araripe.
ODr. Tristlojie Alencar Araripe offlcial da
imperial ordem da Rosa e jaiz especial
do commercio por S. M. I. etc.
Faco saber aos que o presente edita!, rirem
e delle noticia tiferem qi:e no dia cinco de
marco do corrente anno, se ha de arrematar
por venda a qucm mais der em praga publica
desiejtiizo o seguinle:
m sitio sito com casa terrea no lugar
mdicos e ciiwiicos, carinos' tscripiorios ; de
20 O|0 sobre attnbetecimotos acomaiercio em
grosso e a retaflio, e trapiches ; do 50| sobre ca-
sas de bilhar a moda6 ; da 2004 sobra casas le
roupa feita e sellins eslrangeiros, e de cambio ; da
1:0004 sobre casas le operacoes banoarlas cb
emisaio e previlegios ; de 60OH0M) por casa com
emissao e sdi previlegios ; de 4004 por casa sem
etoisso, cornpanbial anonymas I agencias; *
1004 sobre corretores conimareiaes, agentes de
lello de casa de compra e venda de escravos;
de 304 por escravo mpregado em servico de al-
vareaga: de 44 por tonelada de alvareoga; de
102 por bola ou savelra ; a de 1504 por balieira ;
de 504 por escravo ganhader; de 104 par cavallo
de sella de alugael ; 64 por dito particular ; a a
impostos de carros e carrafas pertencentes ao anuo
1 semestre
do Monteiro freauezia do Poco da Panella,! flanceiro de M65 a 1866, a tambera o
7~hl .- nn? Qnio nalmn \p frpntp do imposto de!0 0|0 do consomode agurdente se
tendo quatro centosevintepalmos > ireme i0C|^a a contar'dodia j.de fevererro viodouro.
com m muro e portao de ferro na esiraaa r Me- d0 consU|ado provincial de Pernambuco 30
que vai para o Monteiro com tresenlos e vmtc
palmos de largura, com um porlao de ma-
deira com afrente para a estrada denominada
Cahleireiro, e de compriments oitocentos e
setenta palmos, de um lado divide com o sitio
de trras d Jos Camello e o Dr. Alcofo-
rado, e o lado do norte com urna t-avessa que
de Janeiro de 1866.
Antonio Cirneiro Macbtdo Rios
Admaistrador.
Associaao Commercial Be-
neficente.
A directora desla assonacao precisa contratar
v;,i ao rio, tendo a casa urna porta e duas ja-1 ^^^^^ffJgSSST"
nellas nos o.loes, sallas, quartos, cosinba, e ar o s/cretarjoJda direc?o 0 Sr. CaG(do c,.
. um aptao com sete quartos, cacimba, bomba (seroiro Quedes Alcoforado.
tanqae para banho, com estribara e latrina,! Sala da Associacao Commercial BeneGcente 27
sendo as trras rendeiras, avaliado em cinco ae fevereiro ae 1866. ^ archivisft
contos de ris, o qual foi penhorado por, joaquim Datiro Talles de Soma,
execucao de 'guaci Luiz de Br.to Taborda; --- As-|r--hor da tarde do dja 3 marco
con ira Jorge Vifilor Ferreira Lopes, e nao proxiaio vindoaro lera lugar no juizo de orphaos
havendo lancador que cubra O preco da ava- 0 tern de Iguarass a arremataco de om w
liaciio. a arrematacSo ser feita pelo preco da escravo pardo, com dada vate e tres anuos,
adjudicado na forma da lei. E para chegue ao conheciraento de todos mandei w,im* Praa:--------,__-----------------
passar o presente que ser publicado pela ArrematCaO.
imprensa e affixado nos lugares do costume. \ Ftii |a audienca do da 3 da>argo da pro-
Recife 3 de fevereiro de 1866. vedori-Oos residuos, escrivSo Vasconcellos, ser
Eu, Manoel Maria Roirigues do Nasci- arrematado por venda, aJumrrana^n,der/ "raBa
, .^ -__ casa terrea cora soiae n. n na Capuoga, fregu-
ment, escrtvao 0 subscrevi \i da Boa.vsla> fazeDdo frente e ejoina para a
TristO de Alencar Araripe. rQa da ventura a oitao para raa das Pernara-
de Alencar Araripe, offlcial da lm- bacanas, cora 3 janellas na frente, 32 palmos de
tero
para
a
al ordem da Rosa e juiz de direito especial largura e 70 de fuodo, com portao uo oitao, 2 sa-
commercio desta cidade do Recife de Pernam- ,s abinete ao lado, 4 quartcs, cosinha fora,
O Dr. Tristao
peri
do commercio _.
tiu<-o por Saa Magestade Imperial e Constitucie- j quintal tnurado, com 130 palmos de comprimento
nal o Sr. D. Pedro II, a quum Deus guarde etc. e 42 de largura, com cacimba propria, casa para
Faco saber aos que o presente edilal vlrem e del- (oanhos com alguns arvoredos e com urna entrada
le noicia tiverem que por parte do consol portu-. ^\0 onlro 0\0 de jo palmos de largura, estando
Suez, como adminUtradorda heranga de Jos Maria 0 sotj0 travejado, sendo o terreno proprio, avalia-
Ribeirn, tne foi dirigida a petico dotheor segrale: da por 2:000*. A qual casa pertence a testamen-
lllai. Sr. Dr. juiz do commercio.O cnsul de Por- (ara dos QQado3 Francisco Xavier de Lima e sua
tugal oesia provincia devendo Jos Francisco gol- muiher Mara dos Santos Gama, e vai a pra^a a
lares a heranca do fallecido subdito portogaez Jos du casa a reqaerimenlo do respectivo testamen-
Marla Ribeiro a importancia de quatro letras que |ero
amTlr,-M0iea2|Zl2^deS*5?SS O conselho de compras do arse.a. de guerra
Smh >'mVrf;T.r! fJmkimJm^ oaabrU Precisa comprar para o rancho dos aprendas roe-
TJKtSSttmS^* 5e fumo^d nPores,-nos.mezesPde marco e abril do corrente an-
mesmo anno, e querendo o supplicante, como leg-, no'r^!^'?d(>'
limo administrador aa mesma nerauca, iuieirom|.or | y,la jecca"
a pr> scripgo que j se acba mminente, requer a
V. S. se digne mandar tomar por termo seu protes-
to, e i|oe seja iniimado por edites ao snpplicado na
Jornia do arl. 453 3 do Cod. Com., visto estar el-
le-ausente em lugar nao sabido, designando V. S.
dia e hora para a justifleacao da ausencia e incer-
teza do lugar.
Pede a V. S. assim deflra.E. R. M.Fonscca.
Na qual dei o segulote despacho:Tmese o
protesto e para que se justifique a ausencia marco
a primeira audiencia.
Recife 20 de Janeiro de 1866.-Alencar Araripe.
ii;n virtude do qual fra a mesma petico des-
liibui-la ao escrivo deste joizo Manoel Maria Ro-
drigues do Nascimento, o qual lavrou o termo de
protesto do theor segninte :
Termo de protesto :
Aos 20 de Janeiro de 1866, na ridade do Recite,
e-i) mea cartorio, apparecea o supplicante por seu
Bacalho.
Farinha da trra.
Fejo mulatinho.
Arroz pilado.
Manteiga franceza.
Assucar refinado.
Azeite doce.
Vinagre.
Toucinho de Ivsboa.
Pao de quatro oncas.
Bolachas.
As pessoas que quizerera vender ditos artlgos
apresentem suas propostas na sala do conselho, as
11 horas do dia 28 do correte.
Conselho de compras do arsenal de guerra, 24
de fevereiro de 1866.
Manoel Jos de Azevedo Santos.
A administraco do correio desta ci-
bistante procurador'e advugado Dr. Joaquim Jos 11 precisa engajar quatro homens para
r .7.. ___1 _.. Amn nirra naclac pr\l
de sua petico retro a qual offerecen como parte nesUS COOdicOes e quizer engajar-se
da presente que fica sendo ;e de como assim o da-, 3.3^ a mesma. ^^________
protestou lavrei este termo, no qoal, depon de t
diri-
^-'nma seguir para
Jesdaj recebera se passagelros egaja-se a
carga que o vapor poder conduzir, a -vai dever
ser embarcada no dia de sua chegada, eom>
mondas e dtaheiro a frete at o da da sahkia ss
i
IVISOS DWCBSeS hEnJipRO LE ROll
LOTERA
Aos 6:00Os0GO.
Segunda-feira 5 de marg (se antes de>
se dia tiver seguido para o n rte o .paque-
te brasileiro que ae espera da sul) se ex-
trahir a 31 parte da ** lotera (5), a be-|
neflcio do recolhimento de Iguarass, no
menaas e omneiro a rrete ate o aia aa b*iwo ss intr a hnra k rminma
2 horas : atancia roa da Cruz a. 1, escriptoiv, de l%* ZZ^Tt:
Antonio Luiz d Olivelra Azevede A C.__
Companha das Mensagcries Im-
periales.
No dia-2 de
marco espira-s
dos partos do sul
o vapor frncez
Guienne, com-
mandaate A. de
la Ne, o qua
depoi- da demo-
ra do costume se-
guir' psra Brdeos tocando em S. Vicente e Lis-
boa, ^^- J
Em S. Vieeotaha Om vapor ora corre*poaden-
cia com Gore.
Para condicoes, fretes e passagens trata-ae na
agencia roa do Trapiche n. 9. ^____
~ COMPAiNBIA PERNAMBUCANA
DI
Na*6gae*i> costeira per Ypr.
liba de Fernando de Noronlia.
Seguir logo que regrease dos portos do tul o
vapor Parahyba, commaodaote Martins, para o
presidio de Fernando, para onde reaehera' a car-
ga que houver assim com entemtnendas, passa-
gelros e dinnelro a frele^
Os biheles, mios e quintos acbam-se
venda &> respectiva tbesotwam ra do
Crespo n ix.
Os premios de \;OOOi$K)00 at 10)5000
serio pagos urna bora 4epxa da extracg3o 1
at as 3 horas da tarde, e o yutroa depois
da distribuicao das lisias.
As encommendas sera guardadas so-!
mente at a no i te da vespera da extractan.
O ibesoureiro,
Antonio Jos Rodrigues de Souza.
Antea Gusta* Madsen val para Europa.
Monsenhor Maeoel Francisco Muniz Tavares,
manda sea sotrinho Manoel Muniz Tavares, menor
le 13 anuos, para a Europa.______________
Antonio de Azevedo Ramos retira-se para
Europa.
Para Lisboa
Sahra'iestes poneos das a barca portogueza
Constante III, porter prorapto quasi todo o seu
carregamento, para o restante e passagiros ira-
ta-se com Manoel Ignacio de Oiiveira & Filho, lar-
go do_ Carpo Santo ecripVirio n. 19, ou com o
capitao na praca.____________________________
PS a iba de S. Miguel
pretende seguir nestes dez dias o patacho porta-
guez Fernandez tenrdous tercos de sea carrega-
mento prompt); para o resto que lite falta e pas-
sageiros, para oe quaos tena excedentes commodos,
trata-se aera o seus consignatarios Antonio Lniz
de Oiiveira Azevedo & C^ no seu escriptorio ra
da Cruzo. 1. '
Para o Porto
Segufri uestes dias por Ja ter parte do sflO car-
regamento prompto o lirigiie purtugu-z Uniio, pa-
ra o resto e passageiros pera os quaes tem excel-
entes commedos : tfata-ae com 03 consignatarios
Tbomaz de Aqoino:Ponseca & C. ou com o capitao
na praca.
Para Lisfcoa pretende sahir com brevidade o
patacho porluguez JOS" por ter parte da carga
tratada a para o resto qae Ihes falta trata-se com o
consignatario Joaquim Jos Goncalves Beltro, na
ra do Vigario n. 17, primeiro andar.
JU l)r. Fraucisct t'ires
Portel.*
MJICO E OPERA-OR
PELA
Fiettldade de Pars.
_ conilnaa'tfo exercicio da sua profisso,.
I espodatotente as molestias de olhos, de
vas Hriaaiias e de pelle, para cujo tra-
! tid.eniq julga-se habilitado atienta a pra-
! I pitl, os instrumentos mais modernos
que possue.
91 Accodo promptamente a qualquer cha-
| mado para fora da oidade.
5 E encarrega se de collocar olhos arti-
I ficiaes.
8 No pateo do Carmo n. 2, esquina da
_ ra de Hurtas, das 6 as 10 horas da ma-
B nha, e das 3 as o da tsnle.
OTET, Docteur-Mdecin
Ria de Seine, 51, PABIS.
Em eadi girufa, val, entre a rihj e o papel azul
que leva o meu ilnete, um rotulo Impreiso em ama-
relio com o Sillo Imperial do gotikno riAHCM.
N. B. Hemeltenelo-se urna lettra de S4M franco
sobre Pars, aceilavrl a 60 dlaa de vtata, ao mximo
goza-st do abatimento e do maior descont.
Deposito principal
do legtimo Le Roy
em Caza do noaw
nico agente pele
Braiil a Ski Anto-
nio Fukc : de La-
csuda aa Baha t
no principa* phar-
maceutecot.
Anlonio Mara da Silva val a Portugal tra-
tar de sua saude.
IEILS1S.
relogio.
baio
se u .
lido se lirmou cora as ditas testemnnbas.
Eu Mauoel Mara Rodrigues do Nascimento es-
crivo o escrevi Joaquim Jos da Fonseca, Claudia-
no da Silva Reg, Coriolano de Abren e Silva,
E tendo o sapplicante produzido suas testemu-
nhas, sellados e preparados os autos subiram a
alalia concluso, e nelles ,del a sentenQa do tlieor
yecainte
COIIREIO GERIL
Pifa adminisiracao do corrtio desta cidade se
faz publico para os convenientes, que em virtu
de da convenci postal celebrada pelos governos
brasileiro e raucez. serio expedidas mala para
Europa no dia 2 de margo pelo vapor rancez
Guytnne.
Aa cartas serio receidas at duas oras antes
e^se^M^
,do_Jos Francisco CoUares.^ e assim, mando^ue V*^&to Peraambuco 22 de
seja pitado por editos de trnU dias para o flm re
querido a folhas 2 ; pagas as eustas ex-causa.
Recife 13 de fevereire de 1866. Trislao de
Alencar Araripe.
Por torea da qual o referido escrivo ez passar
* present-' edital, pelo qual chamo, cito e hei por ,
citado o dito supphcado para que compareca neste
Joizo entro do dito prazo aflm d de instiga. |
para qae chegue ao conheciraento de todos
man vi passar o presente qae ser publicado pela |
imprensa e aulxado nos lagares do cosame.
Recite 17 de fevereiro de 1S66.
Eu Manoel Mara Rodrigues do Nascimento, es-
crivo o subscrevi.
lYisSo de Aletear Arartpe,
fevereiro ae 1866
O administrador,
Domiagos dos Paaws Miranda
AVISOS MARTIMOS
LEILAO
De tres casas le reas a saber:
Urna casa terrea da roa do Calabonco n. 30, que
rende 168*5.
Urna dita da ra do Palacio do Bispo n. 38, que
rende 192$.
Urna dita na ra dos Pires n. 53 que rende
200$OCO.
aao.is:
O agente Pinto fara' leilo precedida a compe-
tente autorisacao das casas terreas cima mencio-
nadas, as 10 horas em ponto do dia cima dito e m
seu escriptorio ra da Cruz n. 38.
E.EILU
De orna mesa, i cami franceza, \ tou-
cador, 1 candelabro, 1 castic r, 4
i porta licor, 1 jarra, 1
e 1 palanqun.
IIOJ .
As 11 horas em ponto.
O agente Pinto far leilio a requerimento do
Inventariante dosbens da (nada Maria Candida
de Magalhaes e por mandado do Illm. Sr. Dr. juiz
de orphaos, dos objectos cima mencionados, as
11 horas do da cima dito em seu escriptorio a'
raa da Cruz n. 38.___________________________
iii:iiiV
Liqnidacio le joiasde otro de lei e
brilhantes.
HOSE
Armazem da ra da Cadeia do Recife o. S
Americo F. S.. autorisado por um sea amigo que
se retica para Europa no vapor qae se espera nes-
tes das, (ara' leilo de diversos adereces, aneis,
correntes, relogios e ontros mnitos artigos dagos-
te garantindo conclair a venda pelo maior reg
ao correr do martello per ioiervengao do agente
Martins.^_______________________________m
IiBILAO
De movis, crystaes e out^os ar-
tigos de casa
HOJE.
Rita da Cadeia numero S.
Americo F. S. fara' leilo por intervengo do
agente Martins, de osa mebilia de amarello, 1
piano moderno, t saetnario, 1 eama franceza de
amareHo, 1 carteira, 1 meta do pao lio, 2 ricos apa-
radores, 1 marquesa pafacaJa, i lavatorio, 1 so-
f, 2 cadelris de bahraco, cannleifos a gaz, qua-
dros e oatros maitos artigos de gslo. ___
A directora da sociedade Uuio Commer-
cial, havendj determinado mandar celebrar
orna missa resada pelo repou^o etirno de
Joao Joaquim de Sou?a Abreu e Lima, seu
mui chorado socio honorario, convida a to-
dos os Srs. socios tanto- effectivos, como ho-
norarios ou additivos para comparecerera
no dia 7 de margo as 4 horas da madrugada
na igreja de Santa Rita de Cassia, prestando
desta forma urna ultima homenagem a me-
moria daquelle que sempre merecen o titulo
de bom esposo, bom pai e bom amieo.
Por ordem da direccao.
Ernesto Adqlpho R. Saldanha.
1 secretario.
A abaixo assigoadi scieniiQca ao respeitave '
publico que sendo casada com o Sr. Januario Aa*
Ionio de Lima, e como boje nao estej-i em sua com"
panhia por motivos partieulara? avi.a que o mes"
mo sentor ni polera veader ama casa terrea si"
ta no becco do Lobato n. 7, sob peaa da anaullar-se
a mesma venda.
____________Candida Miria da Conceigao.
Furtaram boj-til do corralo do eogenho
Barbalbo freguezia do Cabo, um civallo alazao,
inteiro, magro, com u na estrella branca na testa,
marca de c.iiigaiiia :m.hi:;.i a o. iiij (aijuoiii^ j..
peito tem urna mirca de ferida. Assira como nma
burra preta, pequea, lisa, cauda comprida, cibe-
ra pintando, cora marca de cangalha e tendo por
habito murchar as o.-elhas ao approximar-se de
qualquer pessoa : qa m os levar ao Mondego sitio
da viuva do commendador Luiz Gomes Ferreira
oa no engenho cima ao sea dono Jos de Moraes
Gomes Ferreira ser generosamente recompen-
sado.
Ferguata.
Consta que o Sr. bacharel Guilherme Cordeiro
Coelho Cintra, ex-juiz municipal de S:rinhaem
(de saudosa memoria) tencin^ retirar-so desta
provincia. Ant-s porem que o faca rogamos quei-
ra pela imprensa declarar se anda credor da
casada Carlos Leitao de Albuquerque, qual o mo-
tivo ou razao desse crdito e liualiii-nie a sua es-
pecie, isto se elle consta de letra oa por outro
qualquer documento.
O urso branco.
Com
S LIMAS
CHIKICAS CE
P. MOURTH, Torne
cedor da Caza Imperial do Exercilo
francez, garntese qne qualquer
pessoa potlera sem dor nem perigo
iivrarse de seos callos. Esta inven-
Cfto : privilegiada em varios paizes.
reconhecida officialmente cfficaz
por 15 naci's, premiada com me-
dalhas de 1* c2" classe e approvada
por diversas academias e pelo Ex"'
Presidente da Junla de Hygienc dn
corle. Por ordem do Ministro da
Guerra fez -seem Pariz experiencias
sobre* mais de 2000 soldados que
linirao livres de seos callos; igual
resultado foi obtido na guarniefio
do Rio de Janeiro. Mais de 3000
pessoas ja se tem curado com estas
Limas. As provas do que s diz ci-
ma e os altestados achara-se no
prospectu, que se da no deposito,
('asa principal em Parix, B" Prime
Eugne, 18, Agente para o Brasil,
o 5' M. O. ABRANCHES. ra
da Alfandega, NiQ,na Corte.
Le se no Moni te ur de ta Pharmacie.
Aeleclricidade hoje empregada por todos os
mdicosafamados, para o tratamento de umitas
molestias, mesmo para as que resisten as outras
medicaces.
i A eleclridade prodmida pela friccao tem urna
superioridade inconlestavel, e a vantagem de nao
a dar abalo?, e de poder ser graduada pelo lente.
A causa a mais frequenie das molestias a
estagnaca do sangue oa dos ouiros lquidos vi-
taes. Restablecndo se a circulaca5 do orga-
nismo, curacao-se as molestias.
Quando se sent alguma d6r em quelquer
parte do corpo logo, einstinctivamente, seerfrega
o lugar endolorldo com a mad, isto allivia. Isto
explica o resultado incontcstavcl que deve pro-
duzir um apparclbo elctrico. Por isso temo
. p nnni.B....n Pi.t.li^A nilrtl.irll'tiw"*
de Bivilliers residente, boulevart du Princo-
Eugene, 18, em Pariz, dotou a medicina de um
apparelbo Electro Magntico, sob a forma de
urna escora, com o qual os (lenles se podera
trarar sem nehuma outra medicacaO. Os mdicos
que tem experimentado, altestara que a
Baoova tECTRO Maqketica eflica para
curar: OSRheumatismos, Paralyia, Gott,
Xracpieza dss membroj e da Colpmoa var-
tebral. debilidade geral, Nevralgia, etc.
Estamos ceos que breve cada familia possuira
esta eicova que prestara grandes serricos.
A pedido de mu i tas pessoas, o auter decid o-se
a establecer um deposito de seos apparelhas no
> Rio de Janeiro, em cata do Su Dioica Roma,
trua nova do Ouvidor, a* 88.
Pernmbuco, pharmacia 'rauceza de P.
Maurer & C, ra Nova n. /8.
PH0T0GR4PHI4
ARTSTICA AMERIGA1IA
RA DO IMPERADOR N. 38.
-
Artista americano
Artista americano.
Artista americano.
Artista americano.
RetratosRetratosRetraLs.
Em porcelana ~Niepo En lencosArchrotypie.
Em vidroAmbr.itvpie.
Em nielal=L)aguerreetypie.
Em pa[>lTattoiypie.
No grande salo No grande salo da ra do Imperador o. 38
Neste estabelecitBijnto ttran-se retratos
' em todos os syitemas, com asseio e promp-
ItidSo, desde as nove horas da manbia
' al as cinco da larde ; assim como lem
sempre a venda grande sorttmento de cai-
I xas finas de diversas formas. Quadros
| ovaes Passepartouts e todos os mais ob-
jectos e producios chimicos, relativos a ar-
; te e reccbdos nltinjamente dos melhores
| fomecedores de PARS e N j de tudo, para todos os gostos e para todos
os precos.
Salo da roa do Imperador n. 38.
Salao da raa do imperador m 38.
Precisa-se de urna ami psra coiinhar e mai
servico de una casa : na ra do Imperador o. 46,
armazem.
ATTENCA.
j Henry Forster 4 C, ra do Trapiche n. 8
tem para vender:
Prensas para enfardar algodo.
Machinas de de?carocar algodo, de 30 a
60 serrotes, com motores, assim como moto-
rs que servirlo para qualquer servico-, e urna
machina de UO serrotes comjuma machina a
vapor, propria para a mesma.
Precisa se d^ om homem para trabilhar em |
sillo com planti de capim, e que saiba cortar ca-
pim com faco : na ra Direita o. 69.

TI SO

Precisa se de urna am.t para casa de pouca
familia : na raa da Florentina n. 14.

DECLARAgOES
GOMPANflA PERNAMBUCANA
n
NiTegacrt cesteira ftr tiper.
Macei escalas e Penado.
S gue no da S8 as 8 horas da
tarde o vasar Parchdm. Rece-
be carga al o dia 87, eaeom-
aetidat, passafons e dinheiro a
freta at as 3 horas da urde do
da da sahida : ao eucriptono da compannia Por-
te do Malos a. I.
Companhia Pemambucana
DE
.... apo commandanle da compa- ,
nhia previsoria de policia abaixo assignado j
convida aos cidados que se queiram enga-, cotelra|>r Tapar
jarnoserTJCoda mesma companhia, a que ** v AncatT
ompa-ecm no respectivo quartel em to- W*' Natal' JSJ An?,f
1HIAO
De um forte piano n derno de
Saootu.
Raa a Cadeia # Recife ai. 8.
O afale Martaa-lara' IHIo aor conu e ordem
de um amigo, de om (arte Biaoo moderna de 3
cordas feito de eneommeada pfl este clima cujo
piano sera' vendido pete maior ate;o.
O cirurgio Joarrnim Josa Al.-es de Albtiquerque
mudou o seu codsuIIo'io para a freguezia de San-
to Antonio, raa Direita casa n. 11, onde pode ser
procurado das 8 horas da manhaa at as 4 da tar-
de. Pede encarecidamente a seus amigos e mais
pessoas que o procurem oa fregueiia do Recife
que deixem os sea> chamados por escripto na bo-
tica do fallecido Luiz Pedro das Neves, ra da
Cruz n. 24, onde ser encontrado at ama hora da
Urde.
Declara mais aue tendo sido por espato de 33
annos e uaico profesor da enfermara de marinho
desta provincia, teve sempre a sea cargo om nao
pequeo numero de doentes atacados de diversos
sollrimentos, alm das operacSes por elle pratica-
das antes e depois da revoluto de 1849, que em i
1832 fra encarregado do lazareto da ilha do Pina,
por occaslao da febre amarelia, assim como em
1836 do hospital de cholencos na freguezia do Re-
cife, que os seas conhecimentos professionaes, theo
ricos e praticos adqueridos no decurso de tantos
annos era Ues estabelecimentos, o tem habilitado a
tratar de qaalquer enfermidade ; per isso espera
qne continuara merecer a estima e condanca de
todos aquellos qae quiterem ntilisar de saa pro-
ftssao.
m
LCIIi
ta- de amarello,
eiras dfl jsc-
1 carteira, 1
pedra, a par
eadeiras de
portos cima indicados do
do carrete as 5f horas da tarda.
_________. Recebe carga smente at o dia
ramendasedinbeiro a frete al as J horas
do dia da sahida : escriptorio no Forte
Matos n. 1.
do os dias otis, das 9 horas da manha
por diante. Quartel da companhia provi-
soria de polica 10 de f vereiro de 1866.
Luc de Franca Meti Jnior.
Capilmia de porlo de Peraambuco, 20 de
fevereiro da 1866.
U Illm. Sr. capillo do porto, manda publicar em
virtude de ordem de S. Exc. o Sr. conselheiro jpre-
sidaate da provincia, o aviso circular tfe 10 de
janeko ultimo, em qae o Etm. Sr. ministro da
agrien tura, coamercio e obras publieas, conmu-
Slrando a existencia de ama esU{io telegraphica
j%o Cal,o-frio, declara ao mesmo tempo o modo
porque devem os navios procedentes do norte,
communicar-sa na a mesma esueio, e no caso
de cermea oo aoote eom a Ponta-Negra on a
Santa'*; raz.
Circular.Directora das obra? publicas.a' see-
^5o.-R4) de Janeiro.-Ministerio dos negoci da Desde j recebem se passageiros e ngaja-se a
agricuRura, romraerero a obras pblicas, em tu de cxtgX q^ 0 Va|>or poder condaiir a .*|utf deveri
Janeiro de 1886.Hlm e Him. Sr.-CoBrmoBr80 a ser embarcada no da de saa ebegada, eneommen-
V. Etc. pira qae tt(t publicar aessa proriBcia,' a3S e dinheiro < frete at o da da sahida as 2 no-
allm'd ir ao conbeeioeato dos donos oo con- ras: agencia raa da Craz n. i, escriptorio de An-
ige^^MM navios ano ao Cabo-tria asiste nma nio Laiz de Oiiveira Azevedo & C
43sta?io telegraabica para a anal, aquellet que --------_.--------_=->-------------------
"B e Janeiro, devem para OlO d^JaiieirO
Da 3 mebilas de jacaranl, .
- 1. piano, 1 guarda vestidos, 11 c
randa, 4 camas de ferro para -
, guarda looca twado, 1 lavatori
Ceara i de 'consoios asados, i mese rt _
balaaco, eaMde, qnartinheiratv atacadores, 2 ap-
0 iSot Mamanauape com-' parelhos de porcelana para jaoua, ditos para al-
mrtJntpRatf! Mhira? nara os moQo, quantldade de louca afZ espelhos, can-
mandante Ralis, s para os ^^ g^ x<\og\^, obras #:olr9 e outros mal-
tas objectos qae te torna enfadeaio mencionar.
PMPUS A ^POR.
E' esperado dos portas do norte
at o dia 6 de marco o vapor Pa-
ran, commandante o capitao de
fragata Antonio Joaquim de SanU
.ufa
Qaarta-lrira 28 da otante as 11
hars.
No armazem da ra da Cru* tt S7, por inier-
Monhard & C. frzem scieote a
esla praca que mudaram o sen ar-
mazem de fazendas da rui do Tra-
piche n. 48, esguina Ja praca do
Corpo Santo para a ra da Cadeia
n. 36.
PASTILHAS
VERMFUGAS
A LEGITIMA
SALSAPiffltti
te 8Q0 gigas ca batatas.
HOJE

Hartara, o qaal depois da demora' .0 agente PeUana vender' por coala de qae
fclra' para o^ortos de, .._ ., ^Zl^^^Zr^SL^X
10 horas da manhaa no armazem do Sr- Aunes
defronte da alfandega. ,
Jorneeer as infarmaejoas segaiauj:
A aaar *^
l. O norae o navlr;
3> Ostias* Htt 4t
4.* A earga que trax-,
Grande leilo de mobiiia
Terca-feira 6 de marco.
S. P. Johnstoa tenio de retirar'
pa far leilo por rnterrenjao do
Ao commercio
Os abaixo assigoados tendo feito publico qae
haviam vendido o sea armazem de molhados de-
nominado Propheta aes Srs. Victorino Lopes da
Costa e Joaquim Correia de Rezeode, acham-se na
obrigacao de declarar qae ficou sem effeito esse
negocio em eonsequeaeia de se terern ^rrependido
os mesmos senhores compradores, e isto depois de
eslarem na posse e gerencia do mencionado est-
betecimeoiol
Estes Srs. Victorino eRazende, tiveram lenio
de negociar associados i mas, temendo depois cada
um qae o oirtro fessa Orenor* Vetdiderro, deram
por liqoidade esse negocio, obrigando-noe msmb,
para evitar qaestes jadiciaes, a receber o nosso
estabelecimeoto.
Recife 27 de fevereiro de 1866. _^
Lima lrmao di C.
r.< ..<.. <-----------^-------
J
1
O abaixo assignado faz selente a" publico com
DE KEMP,
AOTA YORK.
DE COR CHEIRO E SABOR AGRADAVEIS
Infinitamente mais eflicazes do que todos
os mais remedios perigosos enauseabondos
que existem para a ex pablo dastombrtgas-
o*eiaiiorpo 00 commercio que comproa N5o caosam dores e produzem seu effeito
o esUbeleeimento de molhados sito na raa da Con- sem precisar logo depois de purgante ne-
cordia n. 77, qne gyrava sob a firma de Manoel de | k taotncitaates em appareucia edali-
Azevedo Mfa & C, Uvre e desembaracada de as criancas esto
qoaesqaer onas e (Juem se Julgar credor a mesma osas em gosto, tjue as tr'a"vdS ""u
aprseme snas conu 00 prazo de 4 dias a conur promptas a tomar mais do que marca a re-
desta data Recife 27 de fevereiro de 1866.
Agostinho Tavares Pires.
'Precisa s Se orna ama qae saiba cosiohar :
ceita.
aa raa do Raagel o. 8, deposito'
I
vat saWr com poneos dias o brlgtte Aielaide por ter a toda soa nwMh* assim como
aiaalirpartedo carregamento tratado, o para e ttva^i: terca felra 6 de orca *
restme Ibe falU e escravo* a frete, trata se cota mtnfiaa ni casade soa. rasiat
oSlaaatarlo Jostaha Jos Goncalves Rsltrao, caa jnoto da igreja, es objectos
na raa doVIgarlo o. 17, primeiro andar. publicados.
Cmnheiro.
urjan rinailnlrn : aa raa larga do
...... .1
ro de 11 a 14 innos





Uteis como um excellenie meio de fazer
remover as obstruccOes do ventre, mesmo
no caso de n5o existirem verme algutn, as
PASTlLHASVERMIFeAS DE KEMPS S?0 pTOmp-
tas einfalliveisnasuaoperac3o e por todos
os re&peitos dignas deconfianca e approva-
c3o de todos os paes de familias. Prepa-
-8 ?TRa ralas onicamente porUnman & d.
TU'. 1 Nova York.
DE BR1STL
PREPARADA MCAMESTE POS
LA.MA.\ A KEMP,
HOVA TOHK.
Composta de substancias, gozando das
prapriedades emiaenteacsite depurativas;
approvada pelas juntase academias de me-
dicina ; ufioa.'noa principaes bospitaes, ci-
vis militares da mrinha as Antilbas e
no continente americano ; receitada pelos
facultativosos mais distinctos do imperio do
Brasil e da America hespanliql
CURA EADlCAJaatis
escrophulas, rlieumasm, escorbuto-, ea-
ermidades venreas e mercariaes, cbagaa
antigs, morphea e todas as.mprSWiaspre-
venientesd'um estado vicioso do sangue.
Emquanto exlstem varias imitacSes a
falsiflcaCoos. preciso a maior cautela par
evitar os engaos,
A legitima salsa de Bristol vende-se por
CAORS 4 BARBOZA
JOlO DA C. BRAVO & C.
Joao da C. Bravo C.
INJECCAO BROW.
Remedio inlaffiyel as agnorrbeas antigs
e recentes, nico deposito na pbarmacia
(raoceza, roa da Croa n. 22 e ao pre?o de
..... .1



'


VN
\
arta letra ** 4e I'evereira de 1866.
Companhia. geral hespanhola de seguros mutuos
sobro a vida
AUTORISA.DA. PELO BAL DECRETO DE 24 DE DEZEMBRO DE 18S9
Ubi lauca em diatmro, deaesitado as cofres da estado, garaate a boa ad-
nietraco da compaifcia.
WRECCOCERA
Madrid: Ra do Pradon. 19
BANQUE1ROS DA COMPANHIA
Banco de fleapaaha
ANACAHUITA
Esta companhia liga pelo systema mutuo todas as coabina^des de supervivencia dos ceg
ros sobre a vida.
Nella pode se tazer a subscripcao de mam ira qne eu nenhusa caso mesmo por morte do
segando se perca o capital nem os Juros correspondentes a estes.
Sao to suprehendeotes os resaltados que troduzem as sociedades da ndole deA, NACIO-
NAL,que ainda mesmo dtminmndo ama terca parte do interesee prodozido em recentes liqoida-
ces ecombinandj-o cora a mortaiidade da tabel de Depareieax que adoptada pela companhia
2a"A8Su,cVcal0Sequida55es'i-*Dlsegarad0S(,eidade *3ai9anuos, na Imposico annaa. I ^M^-este incomparavel remedio, urna
fle 10ua nroduz era erectivo meta igo: r"^ ..
i-vore, cuja madeira por muito tcmpo se
ha usado o Tampico para a cara das in-
fertilidades cima mencionadas. Foi tam-
bem ensaiada e approvada pela academia
PEiTOM de KEMP.
anacabuita mexicana que da o nome es-
No fim de 5 asaos.
de 10
de 16*
de 10
1:110*3H0
3:941*000
11:208*200
30:3564000
de 25 .......80:331*000
as idades menores de 3 aonos e maiores de 30, os productos sao mais consideraveis.
Prospecta e mais informacoes serio prestadas pelo sub-director nesta provincia.
c aquim Fioz de Oliveira, roa da Cadeia n. 53, oa a Boa-Vista ra da Imperatriz a. 12, estabeleci-
mento dos Srs. Rayoiundo. Carlos,Leite A Irmao.
TINTURARA
AO GRANDE S. MAURICIO
PKOCESSOS APERFEI^OAIIOS
PARA
Tlnglr, I impar e lastrar a vapor.
medica de Berlim." "0 peilorl de Kemp
um xarope delicioso inteiramenle livre de
opio, acido hydrocyanico e outros ingre-
dientes aocivos.
A' venda as drogaras de Caors & Bar-
boza, Braw 4 C. e em'todo>os estabetci-
mentos pbarmaceuticos do imperio.
Deposito geral em Pernamnoco ra da
Cruz n.22 em casa de Caros & Barbosa
F. A. SAL
29 Kua 7 de setembro 29
Defronte da roa nova do Oavidor (Rio de Janeiro)
Os propietarios deste estabelecimento, o primeiro no sen genero no Brasil, por
trabalhar com as machinas mais aperfeicoadas para Ungir e lustrar, de que se faz uso n
Europa, e ajudados por alguns dos melhores officiaes de Paris e Lylo, podem assegu-
rar seus fregaezes urna perfei;ao no trabalho, a qaal sen5o pode chegar pelos proes-
sos ordinarios.
TiDgem, lavam, limpam e demofam com a mai r perfeicao e brevidade qualquer
qualidade de fazendas, tiram nodoas e limpam seccc sem moldar as sedas e as vestimen-
tas de senhoras e de homens.
O Di\ Sarment Filho
previne aos seos doentes e pessoas de sea
conhecimcalo que se mudou para a ra
do Imperador o. 19, segando andar.
mmmmmmm mmi
COSIMEIfO
Na ra da Aurora
umbom cosiiilieiro.
n. Ai precisa-fe
MARTIMOS
CONTRA FOGO.
A companhia Indemnisadora, estabeleci-
Preeisa-se alagar qoatro escravosqne sejam
possentes para servico deoaixo de coberta, pagan-
do-se bem : a tratar ne largo da Assembla n. 20.
Engommase
com asseio, promptido e precs razoaveis : na ra
Augusta n.5. loja.______
Pedro de Almeida Goimares nao tendo tem-
po de pessoalmente despedir-se de alguns de seos
amigos pela rapidez de sua viagem assim o per-
mitiir, vem faze-le por meio do presente, e pedir-
Ibes desculpa de sua falla involuntaria, offerecen-
do-lbes sea diminuto presumo na cidade de Lisboa, .
onde pretende demorar-se por algora teropo. O da nesta praga, toma seguros marilimos S0-
mesmo, durante sua ausencia, deia por seas pro- bre navios e seus carregamentos, e contra
curadores nesta praca aos Srs Jos Joaquim Gon- tat em pdifir'ms mprrqdnria-! p mAhili-.*
calves Rarros, Jos-Mariins de Castro, sen caixei- 8 e"'ncici.s' mercaaonas e mODlllS .
ro Ernesto Adolpho K. Saidanha, e solicitador de na roa do Vigano n. 4, pavimento terreo.
re"SdeeRntoS jadiciaes Sr Carlos Fran,;i" Soa-1 O Sr. francisco Jos de Freilas Gui-
maraes, queira ttra bindade de appare-
cer na livraria n. 8 da praca da Indepen-
dencia.
nheira: na roa da Imperatriz n. 9, segundo andar-
Joo da Silva Ramos, medico
pela universidade de Coimbra. d
^ijuIij coi sua casa das 9 as
11 horas da manha, e das 4 as 6
da tarde. Visita os doentes em suas
casas regularmente as horas para
isso designadas, salvo os casos ur-
gentes, que sero soccorridos em
qualquer occasiSo. D consultas aos
pobres que o procurarem no hos-
[f pital Pedro II, aonde encontrado
j diariamente das 6 s 8 horas da
s5 manha,
Tem sua casa de sade regular-
as mente montada para receber qual-
m quer doente, ainda mesmo os alie-
l nados, para o que tem commodos
apropriados e nella pratica qualquer
opperacJo cirurgica.
Para a casa de sade.
Primeira classe..3i$K)00 diarios.
Segunda dita____34500
Tercetra dita .20000
Este estabelecimento j bem
acreditado pelos bons servicos que
tem prestado.
O propnetario espera que elle
continu a merecer a confanca de
[que sempre tem gozado.
Pelo presente, avjsa-se a quem Inleresssar possa
que nao facam negocio com tres escravos de nomts
Rosara crloula, de idade 23 anuos, Manoella, tam-
bem crioula, de idade 12 annos, e 1 cria de idade
de 3 annos, filho da escrava Rosana, os quaes se
acham iiyooibecados por Tnomaz de Figueiredo, a
abaixo assignada, assim como roga-se as autorida-
des policiaes, a captura dus sobrdaos escravos
(que fol dito pelo hypnibecaote, acharem-se fgi-
dos) e proceder se ha com todo o rigor de lei, con-
tra quem liver occultos, os ditos escravos; a aba -
xo assignada gratificara' generosamente a quem
apprebender os ditos escravos, e recoihel-os ao de-
posito publico.
Recife 26 de fevereiro de 1866.
_______Anna Machado de Luna Freir Cosa.
Mudanca da hora do paga-
mento
Q thesoureiro da associac3o protectora
das familias dos voluntarios da patria avisa
aos interessados que do dia Io al 10 de
cada mez continuar a pagar as mensalida-
des vencidas, das 3 horas at as 6 da tarde,
os que nao comparecerem nos dias e horas
marcadas ficaro para o seguinte mez.
Os abaixo assigndos continuam ccm
seu escriptorio de advocada ra do
Imperador n. 41, primeiro andar, onde
podem ser procurados das 10 horas da
manha as 3 da tarde.
Alvaro Caroinha Tavares da Silva
Dr. Joao Thome da Silva.
I
atosiga
ijuem tiver para vender urna casa terrea em
alguma das ras da freguezia da Boa Vista oa de
Santo Antonio, dirija-se a ra do Imperador n. 54,
1 andar, escriptorio, das 10 as 3 horas da larde, e
lora dessas botas na ra do Aragiio n. 32, sobra-
do, que achara quem pretende comprar.
AMA
Precisa-se de urna ama : na roa Direita, ultimo
sobrado do lado direilo no fundo da igreja do Ter-
co, entrada pela roa de Aguas-Verdes.
iittffWS
ama de lei le.
Precisa-se de urna ama de leite: na ra
do Queimado por cima da loja de cera.
mmmmmwMmmmmm
i DEPOSITO DE CALCADO g
m FABRICADO VA CASA DE DETENCO
M Roa Nova n. I. gg
mt Ah se encontrarlo obras de di- \at
| versas qualidades, e por prego mui !
I diminutos, a retal no e em porcoes. m
i S se vende a dinheiro.
Era casa de Theod Christlansen, roa do Tra-
piche-novo n. 16, nnico agente no norte do Brasil,
deBraDdenburg frres, Bordeanx, enconlraseel-
fectivamente deposito dos artigos segointes :
St. Julien.
8t. Pierre.
La rose.
Chateaa Loville..
Chateaa Margaux.
Grand vin Chateau Lafitte 1858.
Chateau Lafitte.
Haut Saoternes.
Chatean Sauternes.
Chateau Lalaor Blaccbe.
Chateau Yquem.
Cognac em tres qnalidades.
Azeite doce. Preco- de Bordeanx.
a.IIYVERFATJi C
9BRna do Imperador .
Deposito de joias francezas por atacado.
Casa em Pars e Re de Janeiro.
Recebem directamente por todos os paquetes.
Na praga da Independencia n. 33, loja de
onrives, compra-.-e ouro, prata, e pedras preciosas,
e tambem se faz qualquer obra de encommpnd, *
Os abaixo assigndos fazem sciente ao pu-
blico e com especialidde ao corno do commercio,
que no da 31 de Janeiro prximo passado dissol-
verara amigavelmente a sociedade que tinbam na
loja de cera siU na ra da Cruz n. 60, e qne gyra-
va na razio social de Cardoso de Almeida & Pas-
sos Guimaraes, ficaodo o activo e passivo da dita
casa a cargo do socio Passts Guimaraes. Recife
20 de fevereiro de 1866.
I. Cardoso de Almeida.
Prancisco Jos dos Passos Guimaraes.
Na reflnacao da roa da Senzaia Nova n. 4,se
dir quem precisa de um bom refinador de as-
sucar.
ENCAN AMENTOS
PABA AGUA
Na roa Nova n. 30 fazem-se e conceriam-se en-
cnamentos, assim come bombas para agoa.
As Pilulas Catharticas
DE AYER.
O purgante mai tferaz at hoje conhecido.
AMA
Companhia fidelidade de seguros
martimos e terrestres
estabelecida no Rio de Jaueiro.
AGENTES EM PBRNAMBUCO
Antonio Lniz de Oliveira Azevedo k C,
competentemente uutorlsados pela direc-
tora da companhia de segaros Pldelida-
de.tomam segaros de navios, mercado-
rias e predios no sea escriptorio roa da
Crux n. 1.
N. O. Bieber & C, sucessores, sa
cam sobre o Rio de Janeiro a vista ou i pra-
zo conforme se convencionar.
Na roa da Concordia, sobrado do arraaiem do
sol o. 34, precisa-se de orna ama captiva ou forra,
para casa de poaca ftmilla, paga-se boro.
Precisase de om caixeiro para taberna, que
tenba algnma pratica : na roa Imperial n. 246.
Jos Fernandos Lima declara ao respeitavel
publico qoe deixou de ser sea caixeiro desde 24
do correte o Sr. Jos Martins Lelto.
BOMAS DE PATENTE
Ra Nova n, 30.
Chegaram as nelbores bombas americanas do
meibor systema que ha, assim como as pessoas
qoe pretender encanamentos para agoa pede se
dirigir a mesma loja que tem sempre canos, cham-
bo, torneiras, cboqoes, vlvulas etc.
Na padaria da Torre precisa-se de um Do-, -
mem para caixeiro, Brasilelro ou Portugaez, tendo' Vicente Antonio do Espinto Santo, no mesmo sitio
alean pratica meibor, e qne d conbecimento de rn,^it.^ m------------------,---------;------
aduca. Garvalho 4 Nogueira na ra do Apollo n.
20 sacara sob Lisboa, Porto, liba de S.Miguel
Rio de Janeiro, a vista ou a prazo.
Ama
Saquea, para a Baha, Para e
Antonio Jos Rodrigues de Sonza na roa
do Crespo n. 15, saca a viata oo a prazo
contra a Babia, Para e MaranhSo, *
Da-s lugar para morar gratis pessoa qoe
queira obrigar-se botar sentido a um sitio na
de um ho- CapongaNova margen: do rio: a Iralar com
.oa conduela.
Atten$o.
Estas ptalas sao paramente veg-
Itaes, nao tendo na sua corapo-
ieio nem mercurio nem outro
ingrediente mineral; sao inno-
centes para as erianeaa e pessoas
mais delioadas, ao mesmo tempo
que, oompoitos como sao de vegi-
tacs mol fortes, sao bastante acti-
vas e eficazes para as pessoas mais
robustas.
Estas ptalas calliurtlcas purgo e purilicao todo sytema
humano sem mercurio. *
MSo se tem poupado trabalho nem despeza para lerar estas
ptalas a um grao de perTcccao tal, quo nada delxa a desejar;
eio o resaludo de annos de estudos laboriosos e constantes.
Para aloancar todas as rantagens que resultio de uso de catr-
ticos, tem-se combinado somonte as rlrtudei curativa* das
| pUntas ue sao empregadas na confeccao das pUolas. 8ua
composico tal que as enfermidades que estao ao alcance
i de sua accao, raras rezes podem resist las on erad! las.
Suas propriedades penetrantes explorao penetrao, purilicao e
| dio vigor todas as partes de orgaotamo humano; pois eorrigem
, u sua nefao viciada e faz ri-cuperar a sita vitalidade. Um das
j conaequeneias dtas propriedades qne o doente, abatido de
i d6r e debilidade physlea, admirase de encostrar, tao depressa,
ana sande c energa recuperadas por meta d' um remedio tao
simples e agradavel.
As molestias que esto ao seo alcance sao,
PriUO de vtntre ItkeumatUmo, Dar da cabeea, A Xetralfta,
Enxaqueca, IntUyettio e mal do estomago, Bemorrhoidat,
FADECIKENTOS DO FIGADO,
Febre gattrthhepaHca, aattrtt, afeccie$ BUiosai Lombrigai,
Erylpela, Bf/droptia, tunta, ceguira parcial, t Paralyta.
No almanak e Manual de Sande do Dr. Arer, que s nabllca
todos os annoa para diatribuicao gratuita, encontra-se im t,
tado sobre as diversas doencas qne estas ao alcance de
KEMEDIOS PUBQANTSB.
Asba-se em todas as Botlcos e Drogaras do Imperio.
Pernambuco, ra Nova n. 18 pharmacia franceza de
P. MAURER i C,
PERFUMERA da casa oger
Boulevait Sebastopol,
t Dez medalhas, a condecoraco da Legin
d'honneur e a grande reputacao que tem lhe
dado o publico, taes sao as recompensas que os
servicos prestados a industria merecerao a
esta importante casa desde sua indacao em
lo04.
N'um sortimento de mais de 500 artigos,
as pessoas elegantes escolnerao os seguintes:
ROSEE DU PARADIS, extracto superfino
para lenco.
POMMADA CEPHALIQUE contra a cal-
vicia.
AGUA VERBENA para o toucador.
OXIMEL MULTIFLOR.
VINAGRE DE PLANTAS HYGIENICAS.
TINTURA VIRGINALE de beijoim.
ROSEE DE LYS, verdadeira agua de
Jouvencio.
56, I>airiz.
CREME LABIALE de sueco de Rosas.
POMMADA VELOURS para amaoiar a
pelle.
ELIXIR ODONTOPHILE.
SABAO dedicado as damas americanas.
SABAO de bouquet de Franca.
d
*
d*
d
d
d
d*
d
d
d
de flores de alcea rosea.
de flores printanires.
de bonqnet do outono.
de perfumes exticos.
aurora, dedicado aos dedos cor de
rosa,
de flores das montanhas.
de cheiro de foins nouveaux.
de bluets cheirosos.
de althea balsmica,
diapr, caixa rica, fantesia pari-
sience.
bel.
Para
CASA DA FORTOtli
Aos 6:000^000.
Bllhetes cartulas*
.. iihLl*S8,Pw^'en nos sens muitofet-
S?. ^,esarliH"os da lotera qae seaeaboi
de extrahir, a beneficio do iheatro 7e Sanulsv
*"' os segointes premios
r\
m 5!?re81Q|0,0S C0D1 a son de 6-000*
. J3I9 am meio com a sorte de i:2001
N. f 355 doos qnintos com a sorte de SOst,
N. 2051 om rneio com a sorte de S00|i
E outras muias sortes de 1004, 40* e SOJ
Ospossuidores podem vir receber seas' rebe-
lis na Casa
vos premios sem os descontos das
da Fortuna raa de Crespo a. 93.
,Jt^b>mZie a fenda ** r*r\e da 1- lotera
twj a beneficio do recoJhimento de laoarass
qoe se extrahir no dia 5 de marco
PRECO.
Ribetes.....6im
*e!os......34006
Quintos.....\iOQO
ai pessoas que compraren, de 100f$900
para cima.
Bilhetes.....54500
Meios......2J750
Qolntos.....tjOO
______________Mawo8l ManriHs Fiota.
GARRAUX DE LAILHAGAR & 0.------
LIBRAIRIE FR4NCAISE
Raa o Crespo n. 9.
LIVROS NAQONAES E ESTRANGEIROS
RelijiioPbilosephia Jorispradenda Lillen-
tnraScieieiaa earte*.
Papelaria, objectos para escriptorio.
Samoel Power Johnston & Compel
Ruada Senzaia Nova n. 4.
AGENCIA DA
vPnBdM<> deaLow Moor.
Machinas a vapor de 4 e 6 cavallos.
Moendas e meias moendas para engenbo.
Taixas de ferro coado e batido para enge-
Arreios d:' carro para nm e dons cvala,
elogios de ouro patente inglez.
Arados americanos.
Machinas para descarocar algodo.
Motores para ditos.
Machinas de costura.
ema *****
ADVOCACTA. I
O bacharel Joaqnim Pires Machado Por- mt.
lella continua como advogado com escrip- S
tono no primeiro andar da casa n. 83 da 9|
rna do Imperador, onde pode ser procu- W
rado das 10 horas da manha as 3 da S
tarde. M
'
* .

'
CASA DE RAMOS
2(1-Paleo fio Carmo-26
Neste estabelecimento tao importante
para a sande e asseio do corpo acham-se
montados 20 banheires, qoe sao servidos
com a orden e aceio qne para dese-
jar-se. Qnatro desles banheiros sao espe- La,
cialmente reservados para senhoras e por 9f
isto acham-se collocados em lugar reser-
vado aonde s lem entrada as pessoas de
urna mesma familia.
Preros de banfaes afulsos.
1 banho /rio, momo oa de cha-
v'fco........soo
1 dito dito de choqoe.....1^000
1 dito de farello.....1 jOOO
1 dito aromatizado.....14000 i
1 dito medicinal ser segundo soa qua- i
lidade. <
Precos por assignalnra.
30 hanho<; pnr mor fri, morno
n a?. de chQVfC.....10*5(00
o ditos com cardes para omes-
12 ditos com cariSes para os '
., J?,05- .....154000 i
H ditos com carlSes de chogue.. 104000
12 dilos rom ranCes de farello. 04000
O eslabelecimento estara alieno nos
das olis das 6 horas da manha as 10
da noite, nos dias santificados das 5 as
4 da larde. i
s
fe
8
O Dr. Carollno Francisco de Lima San-
tos contina a morar na ra do Impera-
dor n. 17, segundo andar, tendo alias sea
gabinete de consultas medicas, logo ao
entrar, no primeiro.
O mesmo dootor, que se tem dado ao
estudo unto das operafSes como das mo-
lestias internas, prestase a qualquer cha-
mado, qoer para dentro quer para ra
da cidade.
Passaportes
Preeisa-se de um caixeiro
n. 33, taberna.
na roa da Penba
Precisa-se de urna ama para cozinhar e com
prar : na ra do Pires n. J4.
= Quemquuer trocar orna boa escrava crioula
moca, a qual cose e engoma, cosinha o diari o de!
casa por u-n raoleque oa mesmo negrioba procure !
na ra Direita n. 45. sobrado.
Preclsa-se de ama mulber j idoza, para andar
com meninos e fazer algom servico de casa : na
roa do Rangel n. 3. ______
Aluga-se ama sala com tres quartos e cosi-
nba, no 1.* andar do sobrado n. 46 da raa do
Queimado._______________________^^
-- Joo de Castro Redondo tem justo e eontra-! ~ Qam Pretor de crrelos particulares para
tado a compra da fabrica de sigarros sita na ra norte 00 so' Pe'" mar, dirija-se a ra do Pharol
Direita n. 15, perteocente a Jos Joaquim Carnei- Damero 7.
O Peitoral de Cereja
1>E AYER,
PABA A J'ROMPTA CUBA BA
Aritln, de CoosUpadasi, Tsus, Bouquldio Infla-
ana*, Bronchite, Tsica primarla, Tubarouloa
pulmonrxoa, a todas aa molestia* do
Paito, assim oomo para aliviar
oa ethiooa declarados.
As preparaeOes do On. Ayer sao vendidas as principa*
drogaras e boticas do Imperto.
Vende-se em Pernambuco:
|PHARMACIi vCAISE
:RMAUREF
I BU4 NOVA W.m
"a
>
a
Tiramse por commodojpreco : a traiar na roa
do Crespo u. 19, loja.
Aloga-se a grande casa da ra da Florentina
n. 20 com maitos o excellentes commodos para
ama grande familia morar muito foliadamente :
quem a pretender entenda-se com o proprielario
na ra do Hospicio n. 30, das 6 as 9 horas da ma-
nhaa, e das 3 as 6 da tarde.
(avallo.
Compra-se om cavallo de sella que seja grande
novo, e de bonita tigura : em Ponte de Ucha, si-
tio do conselbeiro Jos Rento, das 3 as 6 horas da
tarde.
Precisa-se de um feitor para um sitio: a tra-
tar na ra Direita n. 10.
ce
03
O.
te
pprr*aVpV>r,diverssi academias recomsnead.d.s pelas celebridades meditas
de Frsncs e do estrsngeiro.
A milicias tem recoahecido que i electricidade produz sempre bom resultado I
em todssai molmisi, parque ella reiUbeleee a circulncio no organismo e fsi ss-1
um deisppsrece a cauta dos solTrimentoi; hojr todas es mdicos a s ppliessn em I
quasi todos os estos. O Sr. Bui.son de Bivilliers ten coossjuide eompor urna neo-
va electro magntica que produi a vontade de qiiem a emprrg seus mait uteis t\
feliiei resultados. O trabalho* do autor foram coroadoi por um resultado com-1
pleto, cerno o atietiou o Dr. Vial de Bsjit no mu relatorio. J
lisia eteova lem bom xito as molestias seguales: rheumatismos, gotta, pa-
ralyta, fraguea dvi membrot $ da columna vertebral, molalias da medula
al, embarato* gattricot, nevralgias, incohaeao da* pernal, dore artieu-1
rrf, debilidade geral, eagurgilamento dot pulmn, ate., etc.
Su uso tacil no eiiae nsahuaaa praparaco. Una guia aconpauiu cada esc ir.
naposilo central: Roalerart 4a Prince ogne, IS, Paris. Agenta ao Jtio de J.neiro: -1
ilier Roin. raa ora do Ouridor 33=Deposito no Porto, M phannacia de Misasl J i*c de Sonis
Ferreirs, Bainasria n. 79.
ILiInLiLiL-il
-----------
AVISO AS VENDAS
Na fabrica de vinagre a' raa Imperial
n. I, prximo a estacio do camniho de
Ierro vende-se vinagre tinto'superior em
qualidade a ootro qualquer e por preco
mdico, assim como branco e incolor.
Aluga-se urna casa na ra de Baixo, em
Ollnda, tem commodos para familia, grande qein-
tal com cacimba, est ero bom estado : a tratar no
largo do Paraso o. 14.
Ama,
forM ou escrava que
: na ra da Imperatriz
Pref4sa-8e de ama ama
saiba cozinhar e eogommar
jpnmero 4.
Preclu-se de um caixeire que tenha pratica
ika-adarlae que d fiador a sua conducta : em
^^Sanio Amaro, atraz da faBAifaa, na padaria.
m
Rio de Jaueir .
Prente Vianna 4 C saccam sobre o Rio de Janei-
ro, a vista ou a prazo, qualquer quaniia.
Precisa-se de om rapaz poriagoez' qoe saiba
bem ler e escrever para caixeiro de ama padaria
nao se duvida pagar bom ordenado sabendo cum-
pnr com suas obriga?6es: na ra Direita noAfo-
gado n. 66.
Agencia de passaporte
Claudino do Reg Lima despachante de passa
corte, tiraos para dentro e fora do imperio por
commodo preco e presteza : na ra da Praia n
47, primeiro andar.
Ama
Precisa-se de orna mulber ja idosa para andar
com meninos e fazer algum servico de casa na
roa do RaoRel o. 3.
- Precisase alagar um moleque de 18 a 20
annos de idade para criado de urna casa ostrau-
geira : na ra das Larangeiras n. 10.
Escripia
Bataneo de tabernas,
popular.
. lojas e ontras casas de
commercio, assim como qualquer escriptarlio
pagas mensalmente na ra do Forte n. 20.
Precisa-se alugar urna escrava~que
seja de boa conducta e saiba cosinbar een-
fommar para o servigo interno de casa de-
familia a ra do Sol n. 21,
Existem para alugar-se qoatro casas terreas
de preco de 124, 104 e 84, toda* eom quintal e
cacimba, sitas na roa do Gazometro, confronte ao
portao da fabrica do gax: a traiar no mesmo
lugar.
Precisare de ama ama para o servigo de urna
pessoa s : na ra da Cruz n. 13, 1 andar.
Rogase ao Sr. Caetao Francisco de Olivei-
ra queira ter a bandada de declarar a soa resi-
dencia para Ibe ser entregue ama encommenda
vinda de fora.
Na raa Direita n. 18 vende se cera de car-
nauba e peanas de ema. por menos preco do oue
em outra parte.
IMODAS. ---------~~------
Madame R. Adoqr oytlnfl* a receber por todos
os vapores chapeos pin senbirar e meninas, do
ultimo gesto de Paris: vende se na rna do Impe-
rador n. 48,1 andar.
Da-se dinbeiro a jaros : nos Coelhos raa dos
Prazeres n. 18, se dir.
.



.- &
v



Diario de ernambaco tuarta fe-Ira 18 e Vevcrelr de 166C.
I SALSA PARHLHA M AYER
PARA A CURA RADICAL
de escrfulas e molestias escrofulosas, tumores, ulceras, cbagas, ferelas Te-
nas, bronchocele, papo ou papeira, a sypbilis, enfermidades venenas ou mer-
curiaes. f
AS MOLESTIAS DAS MULHERES
reteocSo, menstro doloroso, ulcerares do otero, flores brancas, etc., lcera-
co, debilidade, expoliado dos ossos, a nevralgia e convulses epilpticas
quando cansadas pela escrfula.
Precisa-*) de dous trabajadores de maasai-1 P i I P 1 H H
ra : na roa do Rangel n 9, padaria. LALyAUU*
zlnhar e niprana^Ss^t^r!!?! das *** "UQ Jj%Y(S\lQ> 45
Croies n. 21.
COMPRAS
ERYSIPELAS ERPES; ETC.
raridades cutneas, erupcao, borbulliss,
p ustnlas,
Compra-pe ouro, prala e pedras preciosa,
em obras velhas : na roa. da Cadeia do Recite,
cj de ourives no arco da Conceigio.
Comprase carosso (sement) de algodao : dq
armazem de algodao de Saunders Brothers 4 C
no caes de Apollo._______________________
- Compra-se urna casa terrea em qual-
qner urna oas ras desta cidade, e que nao
seja em travessa: a tratar na i ua de Hortas
casa do fallecido Loureiro.
Efer -- -------
* mascldas, etc.
O extracto composto de salsa parrilha, confeccionado pelo Dr. Ayer, urna
combioacao dos melhores depurativos e alterantes conhecidos medicina; confeccio-
nado segundo as regras da sciencia, approvado receitado polos primeiros mdicos dos
Estados-Unidos da America do Sul e Central, da Antilhas, do Mxico e das Indias, e
umitas ootras partes do mundo : o resultado de estudos apurados e minuciosos, e de i Crespn, 17.
experiencias feilas pessoalmente pelo Dr. Ayer, por muitos annos, nos principies hos-j Ouro e prata.
pitaes e enfermaras da America ; tem sido approvado pelas academias de medicina e Em obras veihas: compra-se na praga da ir.
juntas de hygienne das principaes capitaes da America do Norte; para prova disto vede; dePendenc loja de biihetes.
os attestados authenticos no Almanak e Manual de Saude do Dr. Ayer, os quaes e dis-: Compra-se orna casa, de sobrado no aterro
Compra-se nra escravo qoe seja moco, sadio
e sera vicio: na roa larga do Rosario n. 34, bo
tica. .
Comprase om escravo peca : La ra do
da Boa-Vista oa ra
. do Crespo n. 17.
Comprase urna cabra (bieho) qoe tenha cria
nova : na ra do Hospicio n. 27.
VENDAS
FQLHIMAS
tribuem gratuitamente nos lugares onde se vende o remedio.
A SALSA PARILHA DE AYER
Especialmente efflcaz na cara das molestias que tena ana orlgena,
na escrfula, na i nierran veneren no Compra-se urna escrava de idade qoe salba
A molestia ou mfecco peculiar, condecida pelo nome de escrfula, um dos ma-
les mais prevalecentes e universaes que ba em toda a extensa lista das enfermidades que
atacam a nossa raca; disse um celebre escriptor da medicina que mais de urna terca
parte de todos aquelles que morrem antes da ve Id ce sao victimas, ou directa ou indirec-
tamente de escrfula; por isso so nao to destructiva, porm a principal causa de
muitas outras enfermidades que nao lhe sao geralmente attribuidas.
urna causa directa da tsica pulmonar, das molestias do ligado, do estomago
e affecces do cerebro; entre seus numerosos symptomas acham-se os seguintes: falta
de appetite, o semblaste plido e enchado; as vezes de urna alvura transparente e outras
vezes cora 1o e amarellento irregular, fraqueza e moeza nos msculos ao redor da boo i n a & A A
ca; digestao fraca e" appettite, falta de energa; ventre enchado e evacuac3o irregular;) k i"^^ loDO
quando o mal tem seu assento sobre os pubnes urna cor azulada mostra-se em roda dos Aeabam de sahir a luz as folhinhas de
lolbos ; quando ataca os orgos digestivos, os olhos tornam-se avermelhados; o hali- Igpeira e de porta para o anno de 1866, o
\o ftido, a linua carregada; dores de cabeca, tonteiras, ele. Naspcssoas de disposi-ima,s correctas possivel tanto no calculo das
cSo escrofulosa apparecem frequentemente erupces na pelle da cabeca e outras partes imas e. eclipses, como as diversas festas
do corpo ; sao predispostas s affecces dos pulmSes, do flgado, dos rins, dos orgos, 9ae. a .'8reJ? celebra; vendem-se unicamen-
digestivos e uterinos. Portante nao sao smente aquelles que padecem das formas tul-' ^m fjvraria da praca da Independencia,
cerosas e tuberculosas da escrfula que necessitam de proteccao contra os seus estragos; '"9 r,s as de porta e 320 ris as de algi-
todos aquelles em cujo sangue existe o virus latente deste terrivel flagello (e s vezes Deira-
hereditario), est3o expostos tambem a soffrer das enfermidades que elle causa, que sao :
A tsica, ulceracoes de Ggado, do estomago e dos rins; erupces e enfermidades
eruptivas da cutis, rosa ou erysipela, borbulbas, pstulas, nascidas, tumores, rbeuma,
carbnculos, ulceras e cbagas, rheumatismo, dores nos ossos, as costas e na cabeca,
debilidades femininas, flores brancas causadas pela ulceracao interior, e enfermidades
uterinas, bydropesia, indigestao, enfraquecimento e debilidade geral.
A primeira condicie ndispensavel con-
servado da sade trazer os ps brm de-
fendidos contra os ataques da humidade;
calcado bom e seguro o nico preserva-
tivo dessas mil enfermidades a que est su-
jeito o 008*0eu Um chnelo velho cal-
cado por om dandy patuscante, ou urna
botina acalcanhada em pequenno p de en-
cantadora deidade alm de aecusar que-
bradera horripilante, pfova contra as f.cul-
dades intellectuaes dos calcantes, e nao ha
quem, tendo bom senso, queira passar por
maluco, ou pobre de surro : ergo, cor-
ram a :
4n-RUADIREITA-4*.
e atteodam a' barateza.
Ilomens. |
Borzeguins parisienses de bezer-
. e cordavo ......
Ditos de Bordeaux ....
Ditos barcellonezes de lustre e
de porco. ......
Sapates de Nantes de duas ba-
teras rasas ......
Sapato de lona, sola de borra-
cha: ....;'...
Ditos aveludados s. .
Ditos de tranca bons. ,
Senhoraa
Borzeguns enfeitados. .
Ditos de laco ......
Ditos usos ... ,
Sapatos de borradla ....
Selliros, corrieiros e segeiros I
Sola fe lustre, meios grandes 200000
E od completo sortimento de calcado fa-
bricado nopaiz.
Veode-se sal grosso :
! dre de Dens n. 2.
a tratar na ra da Ma-
molestia e suas consequencias na
SALSA PARRJLHA DE AYER
que opera directamente sobre o sangue, purificando-o e expulsando delle a corrupeo e o, -
veneno da molestia; penetra todas as partes e todos os orgos do corpo humano, livran-1rua lara <"> ' Cal de Lisboa.
Vende-se na roa do Bram n. 68, a 6 o barril.
Lantljlas.
A loja da Aurora, na rua largado Rosario n. 38,
lierecemos a estas pessoas um abrigo seguro e um antidoto efbcaz contra esta receben sortimento de laotiioias multo delicadas e vell,s e brincos nas mesmas clrcnmsuncias.
:. m >..n .: _. ------:--------i-----..,.. ,_ Tambem receben ,|mnt inm n nn a
Aspas fortes para boloes.
Na roa do Qoelmado loja de miodexas n. 16, ven
de-se aspas de ac fortes, e de differentes larguras mao<
para baldes.
Bonitos quadros para retratos.
Vendem-se na rua do Queimado loja de miude-
tas n. 16, bonitos quadros con mordura preta e
donrada, todos por precos rasoaveis.
Garrafas brancas
e de cores com superior agua da colonia.
Vendem-se na rna do Queimado, loja de miode-
xas n. 16.
Novo gOStO
Pents, fivellas, e brincos de feligrana.
A amiga e bem connecida loja n. 16 na roa do
Queimado, recbeu um sortimento de diversos ob-
jectos de novo e bom gosto, sendo pentes brancos e
dourados de moldes enteiramente novos e mol a-
gradaveis, tendo entreelles algons de filigrana obra
de multo gosto edeflcil execncao, e bem assim ti-
Atteno f~
Attncrio!
Attenoao!
Grande sortimento de fuzendas pro-
rias p.tra a quaresma.
Araba de chegar a este novo esiabelecimtnto
om graode e variado soriimento de [azendas pro-
prias para a quaresma, a saber :
(ir sdenapl s prelu a I (00 o covado.
Vende-te um grande HTiimeoto de grosdeoa-
ple a U600, 15800, Ii e 2o00 o covado ; dito
multo superiur a 280 e 3$ : na rua da Impera-
trlz n. 72. luja de GuiroaraVs & lrmao.
Moiiantique preto a 800.
Vende-se um grande suriiruento de rooriantique
a 2|800, t e 35C0 ,. cov*do."
Gbales de renda pretos a 8000.
Veode-se tambem um variado sorlim>nto de cha-
les de renda a 8, 950O 9 105 ; ditos muito fines
a 115 e 125 : ditos de seda fazenda muito tina a
20#00.
Retondas pretas a iK.
Vendem-se retondas prelas pelo barato preco de
105 e I' 5 : na rua da Imperatriz n. 72, loja de
Goimaraes & Irmo.
Grande pechincba panno preto a 26000 0
covado.
Vende-se panno relo proprio para calcas e pa-
lilots a 25 e-252OO o covado ; casimiras pretas
a 15800,55, 2500 e 25500 o; covado. -
S' milito barato corles de casimira a 3&i00.
Vendem-se cortes de casimira preta a 35300
45 e 45500 ; dita muito Dna a 65.
Admira cortes de brim de cores a
1,280
Vendem-se c5ites de t>hm de cdre3 para caiga a
kAKft "*80 1*600, 1580) e 25 : na rua da Imperatriz
tAnt\' D- n' loja de Guimaraes ,rmao-
JE' baratissimo a 120 ris o covado.
Vendem-se riscadinhns muito proprios para rou
pa de escravo*, a 120 ris o rovado; ditos escoce
zes muito fios a 240, 280 e 300 tis o covado.
Laazinb b a 3oo rs.
Laazinhas de quadrinhos a 300, 320, 360 e 400
rs. o covado ; ditas muito finas a 500 e 360 : na
roa da Imperatriz n. 72, loja de Goimaraes & Ir-
Vestidos
Pechinclia sena Igual.
tbegou a loja de Paredes Porto um bonito sor-
lmenlo de vestidos de tarialau de cores e brancas
que serve para partidas por ser urna phamasia In-
teiramente de gosto pelo barato preco de. 45 a
brancos a 45500, estao acabando-se : no armatem
4 porta larga rua da Imperatriz n. 52, jatitoTpa-
daria franceza.
Cortinados.
8000
7.J000
6^000
56000
26000
16600
16600
56000'
46800
Cbegou a luja de Paredes Porto um completo
sortimento de cortinados ricamente bordados a
preco de 255, 355 e 435 : na rua da Imperatriz
o. Si, porta larga jont > a |iadaria franceza.
.Ricas romeiras.
Paredes Perto recebeu pele oltimo paqueie om
sormtnto de romeira de puipure prelas e de tiio
a preco commodo : na rua da Imperatriz c. 52,
porta larga junto a padaila franceza.
Grajide pechincha.
Cortes de laa escoceza entestada para vestido
fazenda de 500 rs., est se vendendo a 280 e 300
rs. o covado : na roa da Imperalriz n. 52, lujada
f orta larga.
O
Corles de laa escocesa para veslido a 35 c cor-
te,: na roa aa Imperatriz n. 52. loja da porta lar-
ya, junto a padana franceza, ssto se acatando.
Chales de renda
Paredes Porto, na rua da Imperatriz n. 52. pona
larga, vende chales de renda de cores coro nequ~
ro toque de mofo, a 35300 e 45, fazenda at 105
e 125000.
proprias para qualquer eofeite, assim como tam
bem receben luvas de Jouvin brancas e de cores
para homem e senhora, muito frescas, chegadas
pelo ultimo vapor, tudo Isto na loja da Aorora,
Vendem-se na loja de mludezas
a rua Bonitos legues de sndalo e outras qualidades.
Bonitos cintos com fivellas de diversas qualida-
des e moldes.
Brincos e cruzes de crystal.
Abotoadoras de dito para coleles.
Bonitos pnrt-Telogios.
Delicadas caixas com msica e sem ella, para
costura.
Agulnas e linhas para cbrochel.
Retroz superior em carriteis.
Reodas pretas e bicos com vidriihos.
Fitas de velludo com listras de cores para eo-
feites de gorros e vestidos.
mn-; > e sem ellas. Vendem-se na roa do Qoei
r v., tuja de mjudezas n. 16.
. 'JL Trancas pretas
Ditas de grosdenapoles, lisas e lavradas, brancas c0? *l*| ?,blC0s com d,los e sera elles Para
ematisadas enfe.tes oo vestidos
rua de Queimado n. 16 loja de
do-os da sua aeco viciada e inspirando-lhes novo vigor. um alterante poderosissimo
para a renovac5o do sangue, e d ao corpo j enfraquecido pela doenfa, forcas e ener-
gas renovadas como as da joventude.
E tambem o melhor anty-syphilitico conhecido
cura permanentemente as peiores formas de sypuilis e as suas consequencias. Pouca
necessidade na de informar o publico do ihestimavel valor de um remedio qoe, como
este, livra o sangue desta corrupeo e arrebata a victima das garras de urna morte lenta
e ignominiosa, porm inevitavet, se o mal nao logo combatido com energa.
um poderosissimo alterante para a renovaco do sangue e para dar nova for-
c* ao corpo j enfraquecido pela doenca.
Sendi composto de productos vegetaes, esle medicamento innocente e ao mes-
xao tempo eflicaz, um fado de immensa importancia para aquelles que o tomam ; por-
gue muitos dos remedios alterantes offerecidos ao publico tem por base o mercurio ou o
arsnico; e sendo assim, bem que s vezes podem effectuar curas, comtudo deixam suas
victimas carregadas de urna longa serie de males, muitae voaes. pe/ir do que o mal ori-
ginal. A nica cousa neees6aria pena obter urna cura radical seguir com juizo e cons-
-atncia as diiecgoesque acompanham cada frasco.
Nao pretendemos promulgar, nem queremos que se infira que esta composico a
um remedio infallivel para a cura de todos os padecimentos humanos ; infelizmente
escrfula e a sypbilis s3o enfermidades tao sulis as suas nalurezs, e arreigam-se to
firmemente no systema, que muitas vezes evadem e resistem aos remedios mais pode-
rosos que ascienda humana pode inventar para combate-las: o qoe dizemos que o
Extracto composto de salsa parrilha de Ayer u^^J^^^S^^
e a melhorpreparaco al boje descoberta para estas e outras molestias anlogas, que rs. o covado, um grande pechincha, est se aca-
uma combinado dos alterantes maisefilcazes conbecidos, e que esta combioacao tem Sido' bando : na loja n. 5i, armazem da porta larga de]
regulada por longas e laboriosas experiencias, e inalmenle que lemos consciencia deof-'Par5!?e-s-^r-!?:!---------------------------------
ferecer ao publico o melhor resultado que possivel produzir, da inteUigencia e pericia N rua dos Ferreiros em urna das casas no-
medica dos-aossos lempos. ; vas do'Sr El,as Bapt,sU- *,rme do colle8'0 da
algnns cintos o qoe de mais
moderno e bonito, se pode encontrar em tal genero.
Alm disso encontrarlo os pretendentes nm com-
pleto sortimento de fivellas de madreperola, cliris-
tal, tartaruga, e dourados, brincos de christal, e
jaspe, voltas e crozes de dito e moitos outros objec-1
tos de gosto, os quaes continna-se a vender comino-
dameote.
| Pnenles de madreperola, e enfeites filis
A loja de miodezas na rna do Queimado o. 16,
recebeu bonitos pentes com cbapa de madreperola,
e novos enfeites filis ornados de lantejoilas deg-
radas, moedinhas, aljofares, vidriihos etc., tendo
grandes para toda cabeca e peqoenos para coque, COIares Royer OU
regulando os precos de 25 a 45000 rs.
Bonitas caizinbas
com "jos dourados paral costora, tendo com
Cortes de 13a a 50OCO.
Acaba de ebegar a este importante estabeleci-
mento um sortimento de rrtes de laa qoe se ven-
de por 55 e 55500; ditos a Mara Pa, fazenda
muito moderna a 12, 145, 185 e 205 ; ditos com
camisinha, cinta e grvala a 255 e 285.
Chitas francezas largas a 260 res.
Vende-se nm grande soriimento de chitas a 260,
80, 300, 320 e 360 rs. o covado : ditas preciares
a 400, 440 e 500 rs.
Cambraias de cores a 280 rs o
covado
Vendem-se camLraias francezas a 280,300, 320,
360 e 400 rs. o covado.
Cambraias lisas a 3.000 rs. a peca.
Vende-se um grande sortimento de cambraias
lisas pelo barato preco de 35, 35500, 45, 45500 e
Si ; ditas muito linas a 55500 e 65; ditas victoria
a 65300 e 75; ditas de urna vara de largura a 85
e 95 ; ditas pra forro a 15600, 25e 25200 : na
roa da Imperatriz n. 62.
ROUPA FEITA.
Vende-se um completo sortimento de roupa fei-
ta feila. assim como sejara palitots, calcas, coletes,
camisas francezas a 15600 e 1J800; ditas finas a
25 e de linho a itoQO, 35 e 35500 ; semillas de
15*00,15400 e 15600, de linho a 25 e 25500 : na
roa da Imperatriz n. 72, loja de Uoimares & Ir-
mao.
120
Para roupa de escravo.
1 Paredes Porto tem para vender chita azul e ris-
pado proprio para o fim cima a 120 rs. o covado,
I urna grande pechiDchaJe e.-ta' se acabando : ua
roa da Imperatriz n. :>i ports larga junto a pida.
ria franceza.
Grande pechincha.
Paredes Porto esta' vendendo ri.-cado franeez a
200 rs. o covado : na rua da Imperatriz n. 5 r-
mazein da porta larga jouto a padaria franceza.
Para luto.
Laiis prdas com salpics brancos a 400 e W;
rs. o covado : na roa da Imptratriz n. 52 junio a
padana franceza armazem da porta larga.
14400
Chapeos de sol.
Vendem-se chapeos te sol de panno a 15400 e
urna grande pechincha so para acabar : na rua da
Imperatriz n. 52 armazn da porta larga de Pare-
des Purto.
A 1#500.
C'HEC:.4LKJul
AS
Na
colares ano-
dinos
para facilitar a denticio das mangas e preserva-
las das convalsSes.
O feliz resultado obtido immensas vezes pela
prodigiosa forca magntica dos colares Royer, nos
casos de convulsoes, e denlicao das crianzas, tem
altamente elevado o seu bem merecido prestigio,
e hoje j se pode dizer que estio geralmente con-
mludezas a- ceituados, e estimados de innumeraveis pais de
familias : de uns porque do oso desses salotares
' charo os pretendentes om bello sortimeoto dos minas : oe uns porqoe do oso desses
ob|ctos cima ditos, cascarrilhas, fraBjas etc. etc colares viram salvos do perigo seus charos filbi-
nhos, e de ootros porque colheram daqueiles to
proficuo exemplo para igualmente preservar os
seos. Assim, pols, a agoia branca, tendo em vis-
tas a utllidade e provea desses prodigiosos cola-
SUva A Alves, rua da Cadeia n. 56, avisan, aos I *^2gZE& relos de'vldro comeo" res anodinos oa Ryer. o novo sorti-
Srs. agricoltores, qoe chegaram as machinas ame- X2CEJ,Z n ,,T,Z lltZ, ^ento que agora recebeu, e continuar a recebe-
e tudo est sendo vendido por precos commodos.
Botoes pretos
de vidro enfeitados d'aco.
A loja de miudezas n. 16 ro do Queimado
ricanas de serrote para descaracar algodao que
vendem a prego commodo.
feites de ac, os quaes muito se uzam para enfeitar
vestidos, quem os pretender pode dirigirse a dita
loja n. 16 rua do Queimado.
, defronie do .
: caridade, vende-se um negro crioulo, com idade de
bste-remedio deve ser tomado oom syslema e regulandade, e nao om abandono,, 20 annos, sendo o dito escravo cosinheiro, ao com-
pois um remedio e nao bebida.
Quando as molestias do figatio n5o tem sua.erigem na escrfula, o remedio
mais proprio as pilulas catharticas de Ayer, que sao efficazes na cura da molestia, que
em por causa um desarranjo dos ocgos digestivos. Pedi a salsa parrilha de Ayer e
ro5o iceitaioutra preparaco.
Pernambuco, -rua Nova n. i8, pharmacia francezade P. Maurer A C.
VENDE-SE
lie armazem de n. Jt. Ramo* e Silva & enro. rna do \fgarlo
.m. 11. eoastantemeate, ossegaiatea artigo, %
recebem per en com meada proprla de
MEW-YORH.
Legitima salsa parriKia de Bristol, preparada por Lanman & Kemp.
Verdadeira agua Florida, preparada pelos mesmos.
Gas em 'latas de cinco galoes, o mais purificado que se pude desejar da acredi-
tada unarra F.W. D. & C.
(elogios perfeilos regaladores, com corda de quatro a cito das, dos afamados fa-
\ rieaoies E. N. "Welch.
prador se dir a razo por que se vende.
Rissangas mludas, ajofares imitando
en e vidriihos de cores
para enfeites de vestidos ; vende-se tudo isso por
precos razoaveis na rna do Queimado o. 16, loja
de miodezas.
Charutos
das melhores marcas de C F. Jorge da Costa
presos baratissimos ; oa casa de banhos oa
da Groz o. 17.
por
rua
Vendem-se
machinas americanas de serrote para descarocar
algodao : na roa da Senzala nova n. 42.
faz.
No armazem da roa do Imperador n. 3 ou no
Caes de Pedro II n. 2, tem para vender-se o me-
nor taz existente do mercado.
pliia).
Vende-se ou permutta-se por alguma
caza terrea desta cidade om sitio de trras
no logar do Loreto, com arvores fructferas
toaixa em latas grandes da bem canhecida mrcalas. S. Masn (de Ksladel- W** todas novas, e grande porc3o de co-
! queH-os.qrjem o pretender dinja-se ao pateo
Superior oleo para maottinas de costara.
Aguas para as mesmas.
Brea em Dnicas grandes e peqaenas.
Vede-se tambem:
Principe Real.
St. Estephe. Pedro V.
St. Julien. PORTO Maria Pia.
C. Margaux. Princeza D. Isabel.
C. Latine. Ia qoalidade, Vctor Emmanuel.
Medoc. Duque.
Matvazia.
itonni:\i x
1.a qualMaie.
Vnho floo do Porto em barris de 5/, 10/ e *0/.
Superior violto do Hheno.
Cera de Lisboa em velas e em grame.
de S. Pedro n. 24, que achara com quem
tratar,_________________________
Tabaco simonte
em latas 4e 4 e 8 libras : vende-se a roa da Croz,
armazem i 1
Trastes baratos
Urna pesfoa qoe se retira para fra da cidade
vende por todo o preco os seguintes trastes : 2
bancas de anglco, 1 mesa de costara, 1 carteira,
raeia duzia de cadelras, 1 mesa com espelbo, 1 to-
cador, 1 camap de amarello, i mesa de amarello:
tu rua dos Pires n. 21.
Grande armazem de tin-|
I tas medicamentos etc. !
; Roa do Imperador n, 22.
; rente) tem a venda o
seguate:
i Productos chimicos e pharma-
ceuticos os mais empregados em
I medicine.
Tintas para todo o genero de pin-
' tura e para tinturara.
Productos industriaes e tintas
para flores, como botes de flores
e modelos em gesso para imitar
fructas e passaros com o compe-
tente deseano.
Productos chimicos e industriaes
flt para photographia, tinturara, pin-
g tura, pyrotecnia etc.
| Montado m grande escala e sup-
Mg prido directamente de Pars, Lon-
S dres, Hamburgo, Aovers e Lisboa
M pode offerecer productos de plena
W conanca e satisfazer qualquer en-
|H commenda a grosso trato e a reta-
US loo e por preco commodo.
Precsa-se de om menioo de 12 a 14 annos,
com pratica de taberna a traetar aa roa Direita
n. 30.__________________________
Praeisa-se fallar com o Sr. Lino Ferreira da
Silva, a negocio do seo particular ioteresse oa roa
do Lwamento n. 22,3 andar. _____
Na roa eslreita do Rosro o. 47 compram-ee
algumas casas terreas e tambem um sobrado de
un aodar eom commodos, sendo em boa residen-
cia oa frefaetia de S, Antonio.
Cosinheiro.
Precia-se de am eosiobeiro qoe seja escravo :
na roa Nova n. 0, armazem da Liga._________
Esta'jasu e contratada a compra da casa
por detrada igreja do Poco da Paoeila n. 1 ; se
bower algaem qae tenba a fazer alguma reclama-
cao, pode faze-la oo praso de tre oas, oo annun
dar por este jornal para qae depois na se chame
a Ignrasela, e depois do qoal nao poden' fuer
reclamacao alguma. Recifu 26 de fevereiro de
1866. _________.
Quem precisar de urna ama pwtgaaza, cho-
cada ltimamente, para o servico domestico de
casa de familia, dirija se rua larga do Rosario
nomero 37.
Ama
P/ecisa-se de ai
nomero 14.

na roa de Livramento
Ama.
Preciea-se de ama aa captiva oa forra, qoe
saiba engommar com perfeljao : na toja da rna
do Queimado n. 48.
Precsa-se de ama criada para comprar e fa
PAO OG SENTEIO
Coatna ha ver pao de Senteio nos dias qoartas
e aw-dos, na padaria de Saoto Amaro, atraz da
fuodicio, e oo Recite, rua da Croz n. 46, roa lar-
ga do ftgsarie, uberaa da esquina n. SO, roa Nova,
armazem da Liga, roa da Imperatriz, taberna do
Sr. Lemot a. 34.
r'"Rup princeza
Vende se no armazem de 1.1. Lima Bairo, roa
da Croa 0.18; das seguintes qualidades :
Princeza gasse grosso.
Dilo meio.
Dito floo.
Paulo Cordeiro.
Dito dito viajado.
Ha sempre quantidade em deposito dos artigos
mencionados.
Fm;\i>i,s iivats
N 27 Rua do Queimado N. 27
GRANDE PECHI.\CH\
Gambraia branca para forro a 240 e
Vendem-se 400 pedras para ladrilbo, vindas
da Ilha : a tratar na roa do Vigarlo n. 14. 19 aqoo rs
rs. a vara. .
Lencos bancos
400
para algibeira duzia a
zer servicos em easa ama s pessoa
da Senzala-Velha o. 1(6,1* andar.
na roa
Fogo do ar
no armazem da bola amarella no oitao da aecreta-
ria da polica, recebem-.-e encomraenda de foge
do ar para dentro fr.i da provioci.


Veodea-ee garrafas e botijas vasias e lava
das: oa roa da Soledade a. 38.
Escravo
Vende-se nm escravo mulato de idade 18 annos,
sabe cosnhar, lavar e engoramar; quem o pre-
tender dirlja-se a roa da Cadeia do Recife n. 50.
Precisa-se alugar ama negrioba oa moleqoe
de a 12 aooos para aidar com meniooi: na roa
do Imperador o. 46 anaaiem. ________
Precisase de ama ama de leite : oa rua da
Palma n. 41, taberna. Va mesma offerece-te pma
ama secca para o servio) de easa.
Grande pechincha de madaitlo cem
a va ria
Paredes Porto vende ama grande porcao da DM-
dapolo avariado, fazeoda de 104 *.4%l a peca, a
64300 e 74 eo pequeo toque : na rua da Impe-
ratriz n. 52, armazem da porta larga junto a pa-
darla franceza.
Attmgad.
Vonde-se doce de golaba molto fino a 1*300 e
142OO o ealxio ; no armirm Progregia largo da
Peoba n. 10.
Retondas pretas a 90000
Gambraia morsu 1 oa de cores propria para
vestidos o covado a 300 rs,
Moreantique prdo superior a 2)5800 e
3iO0Oo'avado.
Grande soriimento de grosdenaplespre'o
para todos os precos.
Rotondas de seda rqoi-imas algerinas para
sennoras.
Guardanapos para meza a 3500 rs, a du-
zia.
Superiores baloes de arcos a 30200 rs.
los para que em tempo algum a falla delles possa
ser funesta aos pais d familia, os quaes ficaro
cortos de os achar constantemente na rua do Quei-
mado, loja d'aguia branca n. 8.______________
Novidades do Pavo
OU PECHINCHA ADMIRAVEL.
Escossezas a 320D
Cegaram os mais lindos cortes de escossezas,
proprios para vestidos, sendo fazenda inteiramente
nova no mercado; e vende se a 34200 o corte ou
260 rs. o covado na luja e armazem do Pavo, rna
da Imperatriz, n. 60, de Gama & Silvag
Cassas francezas a 2-iii rs. e covado.
Vendem-se bonitas cassas francezas de cores fi-
las pelo baratissimo preco de 240 o covado.
Ditas a 280, 320 e 360.
S na loja do Pavao, roa da Imperatriz n. 00, de
Gama & Silva.
Chitas avariadas.
Vendem-se finhsimas chitas francezas, com -pe-
neno toque de avarla, pelo baratissimo prec.o de
80 o covado.
grande pechincha. ,
Assim como dit.-.s ioglezas rotas e claras, sem
mofo nem avaria, pelo baratissimo preco de 160 o
covado ; assim como, ditas muito boas a 200 e 240
o covado, isto na loja e armazem do Pavao, rua da
Imperatriz n. 60, de Gama 4 Silva.
Chapeos para meninas.
NA LOJA 00 PAVAO. .
Vendem-se os mais delicados e bem enfeitados
chpeos de palha de Italia, para meninas: pe-
chincha, na loja e armazem do Pavo, rua da Im-
peratriz n. 60.
Grosdenaple preto a 1$600.
E' grande pechincha! 1
Vndese grosdenaple preto, sendo muito enecr-
pado e de boa largura, pelo baratissimo preco de
14600 o covado : na rua da Imperatriz n. 60.
Riscados a 190 rs.
Vende-se riscadinho escuro proprio. para vesti-
dos oa ronpas para homem, pelo baratissimo pre-
co de 120 rs. o covado : s na rna da Imperatriz
n. 60.
Os cacbinez do Pavo.
Vendem-se bonitos cachinez de 13a oa agazalhos
para cabeca pelo baratissimo preco de 34000, s
na loja do Pavo, na rua da Imperatriz n. 60.
Algodozinho avariado.
Vendem-se pecas de algodozinho sendo muito
encorpado, e com 20 jardas, pelo baratissimo preco
de 54000, por ter am peqoeno toqae de avaria,
* O bramante do Pav3o.
Vende-e superior bramante oe .'.l.nno .cr ,endo
quatro palmos de largara, pelo braiissn?? p,r^co
de 800 rs. a vara, dito eom 10 palmos a 244uy e
24800 a vara, aloalnado de linho adamascado, alvo
e pardo, pelo baratis>imo prego de 24800 rs. a
vara, na loja armazem do Pavao. na rna da Impe-
ratriz n. 60.
PAR! AQUARESM
PECHINCHA ADMIRAVEL.
Grosdenaple preto a 1^600
Vende-se superior grosdenaple preto, fazenda
muito encorpada, pelo baratissimo prego de 14600
o covado, sendo fazenda qoe val muito mais- di-
nheiro : na loja e armazem do Pavao na rua da
Imperatriz n. 10, de Gama 4 Silva.
MANTAS PARA O PSCOC.0
a i4, s o Pavio.
Veodem-se bonitas mantas para o pescoco, pilo
barato preco de 14 : na loja do Pavio na rua da
Imperatriz n. 60, de Gama & Silva.
Vendem-se pegas de tranga preta para enfeites
de vestido?, soutembarques, capas de senhora a
14600 com 10 varas, urna grande pechincha : na
rna da Imperatriz n. o2 junto a padaria franceza.
Aguia Branca rua do Quei-
mado n. 8.
Pelo ultimo vapor cbegou de Pars cha-
peos para menina do ma s apurado gesto.
Boa Fama rua do Quei-
mado.
Recebeu pelo ultimo vapor chegado de
Pars chapeos para menia do ultimo gosto.
Novidades.
Na Agula branca rua do Queimado n. 8 rece-
beu diversos objectos de muito gjsto e inteiramen-
te novos, sendo :
Bonitos e delicados pentes dourados e prateados,
tendo entre elles algons de Milgrana obra mui per-
feita e de elevado goslo.
Ditos com chapa de madreperola.
Briucos de filigrana e outras qualidades.
Fivellas de dita e outras tambem de diversas
qualidades.
I Cintos mui bonitos, enfeitados ir roda a ti' n-
gao com caracteres dourados e prat..-' -\
Filis enfeitados com moedinhas dou t.l,e ian
I tejoilas, aljofares & &, sendo para coque, i da a
| cabega, e cutros com pinnas &.
Bonilas-voltas de jaspe com cruzes, tendo tam
bem algumas de duas cores.
Luvas e nieias
de la vegetal, para qaem sollre de frialdade, pa-
ralesya ele. Vendem-se na rua do Queimado loja
d'Aguia branca n. 8.
Bandoline de roza
para ffgnrar ou conservar perfeitamente atado os
cabeus das seuhoras. Vende-se na rua do Quei-
mado loja d'Aguia branca, i. 14000 o frasco.
Enfeites pretos para vestidos
A Aguia branca recebeu novas enfeites pretos
para vestidos, sendo bicos com vidriihos e sem
elles, trangas con. pendentes de vidrilbos e sem
elles, cordo grosso tambem com vidrilbos e sera
elles; assim como galoes e franjas de diversas lar-
guras, filas de velludo etc. como sem i. re os bons
freguezes encontraro commodldade de pregos nos
objectos que-se vendem na loja d'Aguia branca rua
do Queimado n. 8.
Botoes de vidro
com enfeites d'ago no centro.
Esses botoes que tanto ervem para melhor te
poder enfeitar um bom vestido preto oo de cr,
acho se a venda na rua do Queimado loja d'Aguia
branca n. 8.
Diademas dourados,
enfeitados com aljofares, pedras,
etc, para meninas e senlioras.
A agufa-branca vende bonitos e modernos dia-
demas donrados, enfeitados com aljofares e pedras
proprias para meninas e senhoras.
Bonitos ehapozinhos
de palha Gua e avencaes para meninas.
Sao obras estas do se nao podem escusar de comprar, por fazerem fi-
las parte do asseio e bom gosto com que trajam
stias bellas lilhinhas. A ^guia-branca tem o pra-
zer de ver que lio bellas e precisas obras feram
devjdamente apreciadas e compradas em sen ni-
nbo. -O* cbpeozinhcs, alm de serem d'nma pa-
lha mui fina, sao de mui bonita forma e ultime
go.-to, enfeitados com toda a perfeico : os aven-
taes, porm, sao de fina cambraia, guarnecidos de
babadinhes horddes; o que Ihes da muila graca.
Os pregos desies, 54000, e daqueiles, 104! e de
qoanto sao ellrs baratos eonhecera o pretndeme,
que se dirigir a' loja 'aguia branca, na rua do
Qotimadi) n. 8.
Vidriihos de cores e aljofares,
imitando aro, para enfeites de vestidos.
A aguia-branca na rna do Queimado n, 8 re -
bea nm bello sortimento dos objectos cima pro-
prios para enfeites de vestidos, etc., etc., e est
vendendo commodamente.
*echincha
** m, ... ... *.....y
Na rua do Queimado o. 40
Cortes de laazinha de cor, bonitos costos, com
15 covados a 34600.
Cassas organdys de cores, covade a 240, pecas
oa algodozinho largo com 17 varas a 44.
Ditas de dito com 17 varas, molto encorpado,
com pequeo defelio, a 44900.
Grosdenaple preto muito superior, covado 2#.
Dito dito a 14600.
Retondas de renda preta a 104.
Chales de renda preta a 84.
Cerveja gelad
no*
diariamente i venda por prego commodo
ra da
m de I. I.
rna Nova n
ireco (
. 60..
Qoeijes do serto
Vende-se superior queijo do sertio :
novo, m mc*w, a prego o mais mdico possivel. I Madre de Dos, artnaiem junto a igreja.
maiemde I. I. Lima Bairo, rua d
Crnz n. 18, tem para vender mane em folha, maiio
Para encrespar,
Vendem se tesouras para encrespar
babados: na roa do Queimado loja
Aievedo A Irmao.
Jloa occasio!
Vende-se nma peqcec? fabrica de cigarros, core
poneos fundos, bem afregoesada e em acetenle
roa, propria paraom rapaz solteiro e principf*r'
quem pretender dinja-se a roa do Rosario larga
ga n. 24 Aqoe se dir qoem vende.
Potassa
r
da Russia
Veode-se no armazem i'e ass'ucar de Jos
; da Silva Loyo & C, largo da'Assembla.
Vende-se nm escravo crioulo. bom Irabalha-
Ihador de enxida, propria somente para enoenho :
a tratar na taberna de Jco Simde- deAImtida,
na roa do Vigario.
^


.------


Diario 4a mwm*m**e* ** *nr tolra 8 4e Fercreuro Ia>ia66.
I
I
MTC
PARA A QUARESMA
Ohegaram a loja de Augusto Porto & 0.
IIRa do Queimado--11
Snneriores cortes de seda preta.
MoKique preto de flores e de l.stas bellos padroes.
Gradenaple preto de diversas larguras e QuMidades.
Rotondas, bournus e chales de gaipu e de rendas.
Pannos pretos, casemiras pretas, bombasioa.
Las, canlo, merino e selestrinas pretas.
Lindas mantas de seda para pe?coco.
Ricos cortes de seda de cores para bu es ou casamentos.
Ricos cortinados bordados dos mais bellos desenbos.
Moir branco, seda branca, capellas e mantas para noivas.
Bellas colchas de seda e de la e seda para cama de noivaa.
Saias de flnissima carabraia ricamente bordadas.
Faiendas de pregas para saia que se fazem com urna so cjstara e lamoem m
o cordao tecido.
Madapolo francez a 400 e 480 rs. a 'ara.
Alcatifa de linho para salas e gabinetes a 480 rs. o covado.
Fazenda especial de qnadros para fazer redes 3*oOO a vara.
i Superiores esteiras da ludia para salas.
11Raa do QuelmadoH
LEIAM TODOS!
NOVOS GERENTES
DOS
TRCS GRANDES
AUAflNS DE MOLAHBOS
DENOMINADOS
PROGRESSIVO pateo do Carmo n. 9
UNIO E COMMERCK) ra do Queimado n* 7.
VERDADEIRO PRINCIPAL ra do Imperador n. 40
seos

CONSULTORIO
DO
<&
>E
DUAItTE CARVALHO PERIRA A C.
Chegaram pelo pa^SX^imos cortes de moreantiqae de cores, e seda lavrad.
5RA DO CRESPO5
Gregorio Pae do Amaral & Companhla.
pa-
Fazem sctente ao respeitavel publico, e com especialidade aos senhores de en-
jenhos, lavradores e mais pessoas do cantro, que para mais facilitar suas compras del-
beraram os proprietarios dos tres grandes armazens, reauir todos os seus estabeleci-
mentos em um s annuncio, pelo qual o preco de um ser de todos, promette-
mos que nao infring remos a tabella que abaixo val publicado, annuaciar os gneros
por nm preco, e na occasiao da compra quererem por oulro, como socede constante-
mente em outras muitas casas, porm nos bossos estabelecimentos nao se dar isto
anda mesmo com prejuizo nosso, qualquer pessoa poder mandar seus fmulos que
er5o tambem servidos como viessem pessoalmente fazendo-nos o favor de mandar seus
pedidos em cartas feixadas; para evitar qualquer engaos, remetiendo nos urna conta
pela qual se ver os presos tal qual aonunciarmos, o qne senao arrepender pessoa
alguma que fizer sa despenca em nossos estabelecimentos; pois poupar mais de
S por cento na sua despeza diaria.
DR. PE3MIO DE *FTAHDE tOBO MOSCOSO,
MEDICO, FA*TBlHO K OPERADOR.
3Ra da Gloria, casa do Fundan3
O Dr. Lobo Moscoso d consultas gratuitas aos pobres todos os dias das s 11
Horas da manh3o, edas 6 e meia s 8 horas da noite, excepcao do^dia* sanflficados.
Pharmacia especial homeopathica
No mesmo consultorio ba sempre o mais appropriado sortimento de carteiras
tubos avulsos, assim como tinturas de varias dymnamisacSee e pelos presos seguintes:
Carteiras de 12 tubo grandes. 12(5000
de 24 tubo* grandes. 180006
i de 36 tobos grandes. 4 24(5000
de 48 tudos grandes. 300000
de 60 tubos grandes. .A 350000
Prepara-se qualquer carteira conforme o pedido que se fizer, e com os remedioi
que se pedir.
Um tubo avulso ou frasco do tintura de meia onca 1)5000.
Sondo para cima de 12 custarao os precos estabelecidos para as carteiras.
Ha tobos mais pequeos cada um a 500 rea.
'
TIHECT
FAZEND
Gros de aples preto a jmiMlU Si^S^ '
Gorguro preto de superior quahdade a 20500, 2^800, J0 e 4# o co-
W Vad* Superiores moreantiques a 2^500, 20600, 30, 30500, 40 e 50000 o
covado.
Bons cortes de moreantique.
dem de gorguro adamascados.
Bons pannos e casemiras. ~ .....
%> Sup riores alpacas, princetas, merinos e bomuazinas.
fl Bons villudos pretos. ., fi! a
SI Grande variedade de chales de fil prelo e de gu.pure a 50, 60, 80,
100, 120, de 160 a 200, e de 250 a 800 cada um
Superiores retondas de fil preto e de gu.pure a 80, 100, 120 e 250,
ede 300 a 600cada urna. a ,- A.
Superiores algerienes de fil preto e de guipure de 120 a 250, e de
$!? 300 a 600 cada urna.
S S&l&&l*m e outras multas toadas pretas ,u.
^f seria enfadonbe enumere r, na
IiOJ^ DAS COIaVSMSA
Cflg DE ANTONIO CORREl* DE VASCONCELLOS & C.
#> RA OO CRESPO *iJS

RA DO BRUM W. 38.
O proprietario deste estabelecimento deseja chamar a attenco os senhores pro
notarios aos acre litados mechanismos que continua afornecer; os quaes garante ser,
como sempre, da melbor quahdade possivel:
Machinas de vapor
<) de 2 *h eavaos para cima. As menores sao mui proprias para motora sde
.ro amentos de a^do; as maiores para moer canna; ha tambem que podem junta
,, admente mofr canoa e descarocar segundo snas proporcoes. Estee vapores
s^s mplissimo* na castrueco, e se regem por qualquer pessoa. intel .gen*^ f hda-
de da condoccao sendo especialmente considerada tanto qae nao ha lugar em que nao
se Dossarn coniuzir, tpr por trra, qur embarcado. Ha com moendas juntas ou sem
STSSSS applicar a qualquer moenda j existente sem outra mudanca do que
&ESS das redas da aVnjarra. Ellas tem depsitos d'agua e boe.ro^; de ferro,
nlo nrecisam para o seu assentamento de obra alguma, quer de carap.na, quer de f
MriL oSSSo nm assenta-las nao exceie de doze dias ao mais, e em casos de
^mB^^lll^mSBMwai> e^., garante-se o assentamento em
Z d as Sra-se aos senhores de engenho" que a venda dos .mrn.es e o ornfio da
eme oceupada no sea tratamento osho de recuperar da jnaior parte daid.espesaJo
VSt Sodo-lhes a vaotagem de urna moagem certa e accelerada; e acabando comi a
daSpa da compra coptinuada de noves anlmaes. com os desgostos do trabalho que
se tem comete. ^^ ^ f^ ^ maQeras e moeQdo ^ qaalquer altara
dagUa'marllhae eom cruaetas de ferro para asmesmas, piandosedesegefazer
e resto da roda de madeira, tornndole assim a roda ligara no trabalho.
Hoemdaa de caana de todos os tamanhos, desde as mais pequeas chama-
das do serto. Obra perfeita em feitio e acunhamento. *. .:
Rodas de espora e angulares de todos os tamanhos e proporcoes.
paroes coches para receber o caldo. ,_.
Crlvos de fornalha para assentamentos, frescos para o foguista, fazendo
i?-ande calor com ponco combnstivel, e duradouro. aTCtama0
Portas de fornalha de todos os tamanhos e de diversos ^ternas.
Foraos e moiahos para a fabrica de farinha e tambem chapas redondas
, para fornos pequeos.
Bombas simples e de repucho.
Talaas de ferro batido e fundido e de cobre. .
Formas de ferro batido galvanisado para purgar assucar, leves para carregar
l3emp^|samb'Jqaagsde ferro de todos os tamanhos, custando s a terca parte o
nr^co dos de cobre, mais regulares na distillac5o e igualmente duraveis.
Eixos e rodas de carro com tnang s de patente, obra mu segura para
car.egecjto de {^ e-chaa a ctTallo e outros instrumentos de agrt-
cultora. E finalmente todo o objecto de qae possa precisar um engenho.
Machinas de descarocar algodao.
Na fabrica se fazem obras novas encommenda e concertos, com a maioi preste-
71 p solidez grande deposito de pecas e ohjectos habihtam-na mnito para este fim.
0 propietarTo ser sempre mui feliz d?poder ter occas.o de dar informales ou
e :;arecimentos aos senhores que se -virem^e^up^t^o^^^ .
JflAMTfil&JL
Manteiga ingleza perfeitamente flor che-
gada ltimamente a l,ooo rs. a libra, e
em barril ter abatimento.
Manteiga franceza da safra nova a 8oo rs,
a libra e em barril ter abatimento.
BANHA
Banha refinada superior a 64o rs. e em
barril ter abatimento.
Cha uxim de primeira e superior quahda-
de a 2,8oo rs.
dem hysson o melbor neste genero a
2,6oo rs., e sendo em porcSo ter abatimen-
to, tambem ha proprio para negocio de 2 a
2,4oo rs. a libra.
dem preto superior de l,8oo a 2*5oo rs.
a libra.
Hlseoiitos
Latas com superior biscouto inglez de di-
versas marcas a l,2oo rs. a lata.
Bolaehlahas
Latas com bolachinhis da acreditada fa-
brica do beato Antonio, proprias para dar a
doentes de"2,ooo a 3,ooo rs. a lata.
dem com quatro libras de bolachinha de
soda a 2,ooo rs. a lata.
Queijos
Queijos flamengos chegados pelo ultimo
vapor de 2,3oo a 2,5oo rs.
CHOCOLATE
Chocolate hespanhol a l.ooo el,2oo rs.
a libra, francez e suisso-a l.ooo rs. a libra
e portuguez a 800 rs. a libra, em porc5o
ter abatimento. -v
VINHOS
Superior vinho do Porto das mais acredi-
tadas marcas, como sejam: Madeira Secca,
Duque do Porto, Velho Secco, Lagrimas do
Douro, Maria Pa, D. Luiz, Pedro V, Lagri-
mas Doces e outras marcas a l,ooo a garra-
fa e 9,000 a 12 ooo rs. a duzia.
Vinho Figueira e Lisboa das melhores
marcas a 4oo e 5oo rs. a garrafa, e 3,ooo,
3,5oo e 4ooo rs. a caada.
Superior vinho chamisso em barril a 64o
rs. agarrafa ea 4,5oo rs. a caada.
Superior vinho de Lisboa e Figueira em
ancoretas de 8 e 9 caadas a 24,oors. a an-
coreta.
Superior vinho branco proprio para mis-
sa a 640 rs. a garrafa, tambem ha mais bai-
%o para 4oo, 5oo rs. a garrafa e 3,2oo a
3,5oo a caada.
Caixas com urna duzia de garrafas de su-
perior vinho Bordeaux a 7,ooo rs. a caixa e
7oo re. a.garrafa. ,,
CAFE
Caf do Rio de I. e 2,* qualMade de
6,800 a 8,2oo rs. a arroba, e de 24o a 28o
rs. a libra.
SABIO
Sabao maca de primeira quahdade de 18o
a 22o rs. a libra e de 16o a 21o rs. sendo
em caixo.
Serveja
Superior serveja Bass dos melhores fa-
bricantes, como sejam: Shlers & Bell. T. F.
Ashe a 7,6oo e 7,ooo rs. a duzia e a 7oo rs.
a garrafa. Tambem ha de outras marcas
como seja: Victoria e Alcope a 5,ooo rs. a du-
zia e a 5oo rs. a garrafa.
BOIES VASIOS.
BoiSes vasios, louca ingleza moifo pro-
pria para manteiga e deposito de doce de 4
a 12 libras a l,2eo e 2,5oo. a
FARINHA DO MARANHAO.
Farinha do Maranhio a 240 rs. a libra.
SAG'.
Sag miito novo a 4oo as. a libra.
ARARUTA. i
Araruta verdadeira a 4oo rs. a Ubra.
Vinagre
Superior vinagre de Lisboa a 2,ooo rs. a
caada e280rs. agarrafa. Tambem ha
mais baixo para 2oo rs. a garrafa e l,4oo rs,
a caada. ^
Azeite doce
Superior azeite doce de Lisboa a 64o rs. a
garrafa e a 5,ooo rs. a caada.
FUVO CAPORAL.
Latas com superior fumo caporal a l,8oo
rs. a lata.
Passas
Superiores passas a 2,5oo o quarto e
9,5oo rs. i a caixa de arroba hespanhoja e a
56o rs. a libra.
CfiXKBKA
Genebra de laranja verdadeira a lo,5oo a
duzia e i,ooo rs. ao frasco.
Genebra de Hollanda verdadeira a 6,ooo
rs. afiasqueira e a 56o rs. o frasco.
Idom de Hollanda em botijas a 4oo rs. ca-
da ums.
Garrafes com 24 garrafas de genebra de
Hollanda a 8,ooo rs. o garrafo. Tambem
ha garrafes com 5 e 14 garrafas de 3,2oo a
6,ooo rs. cada um.
VELAS
Velas de spermacete a 64o rs. a libra.
dem de carnauba de lo a 12,ooo rs a
arroba e de 36o a 44g rs. a libra.
PEIXE
Peixe em latas j preparado de l.ooo a
l,2oo rs. a lata
ALPISTA E PAINCO
Alpista e painco muito novo de 3,8oo a
4,ooo rs. a arroba e de 14o e 160 rs. a li-
bra.
CHARUTOS.
Superiores charutos do fabricantes Simas,
Imperiaes, Delicias, Parisienses e outros de
2,2,5oo e 3,ooo rs. a maia caixa: tambem
temos Suspiros, Havaneiros, Ligueiros e
outros muitos que vendemos por mdico
preco.
Licores
Licores francezes e portuguezes a l.ooo e
l,4oo rs. a garrafa ou frasco.
Doces
Do;e da casca da goiaba em caixes e la-
tas a l,2ooo caixo e 4,8oe rs. a lata.
Frutas
Frutas em calda e em latas fechadas her-
mticamente, muito bem enfeitadas, conten-
IIVROS.
A melbor obra da homeopathia, o Manual de Medicina Homeopathico do Dr. Ja'h
dous grandes volumes conk diccionario............ 20i&000
Medicina domestica do Dr. Hering........... 103000
Repertorio do Dr. Melio Moraes ............ 6(5000
Diccionario de termos de medicina........... 3600
Os remedios deste estabelecimento sao por demais coahecidos e dispensam por
tanto de serem novamente recommendados as pessoas que quizerem usar de remedios
verdadeiros, enrgicos e duradores: ha tudo do oaelhor que se pode desejar, globos de
verdadeiro assucar de leite, notaveis pela sua boa conservac3e, tintura dos mais acredi-
tados estabelecimentos europeos, a mais exacta e acurada preparacSo, e portante a maior
anergia e certeza em seus effeitos.
Casa.de saude para escravos.
Recebe-se escravos para tratar de qualquer enfermidade ou fazer-se-lhe qualquer
operacSo, p ira o qne o annunclante julga-se suficientemente habilitado.
O tratamento o meihor possivel, tanto na parte alimentar, como na medica,
funecionando a casa ha mais de quatro annos, ha muias pessoas de cujo conceito se nao
pode duvidar, qae podem ser consultados por aquelles que desejarem mandar seus
doentes. ,. ttnn
Paga-se U por dia durante 60 dias e d'ahi em diante 1(J500.
As operacoes sero previamente ajustadas, se nSo se quizerem sujeitar aos preces
razoaveis que costuma pedir o annunciante.
AKMIAZim DE FAZE1DAS
DE
CUSTODIO CABVAjLHO C.
27 RA DO QUEIMADO N. 27
Madapol3o francez muito fino, tendo pouco mofo, cada peca com 27 varas por
10^000.
LSa de cores a 300 rs. o covado.
Cambraia franceza a 260 rs. o covado.
Finos organdis a preco" de 800 rs a vara.
Lencos brancos para algibeira a 2#CO0 a duzia.
Finsperclaras a preco de 400, 440a 560 rs. o covado,.
Ricos cortes de Uta de barra de 100 a 30,5000.
Chales de fil preto e outras muitas fazendas. "
Novidades do Vigilante
RA DO CRESPO N. 7.
Este estabelecimento apezar de sempre
se adiar bem sonido como todos sabem,
hoje mais que nunea. nao s pelo que rece-
be de sua propria conta, mas tambem pelo
que recebe de consignaces; parece sem
duvida que deve offerecer grandes vanta-
gens para o respeitavel publico tanto em
meticamente, muito bem enfeitadas, conten- precos como na escolha dos objectos, e co-
do pera, pecego, ameixa rainha Claudia, ai mo acaba ,je Chegar grande remessa pelo
perche e outras frutas a o) rs. a lata. vap0r .Douro e o navio Solferino de
perche -
Tambem ha latas grandes para 1,200 rs. a
lata- "
AZEITE DE REFINADO
Superior azeite francez refinado a 8,ooo
rs. a garra'a e a 9,ooo rs. a duzia.
' MOLHO INGIEZ SAUCE
Molho inglez Sauce em fraseos grandes
com rolha de vidro a l,8oo rs. o frasco em
duzia ter abatimento.
BATATAS.
Gigos com 3o libras de batatas a l.ooo rs.
o gigo.
SARDINHAS.
Latas com sardinhas de Nantes e Lisboa
de 4oo a 4to rs. a lata.
FUMO AMERICANO.
Superior fumo em chapa a 640 rs. a libra
ERVILHAS
, Latas com ervilhas e feijo verde j pre-
parado 64o rs. a lata.
MAS3A DE TOMATE
Latas com 1 Kbra de massa de tomate a
64o a lata.
VERMUTH
Esta bebida 6 muito fresca e estomacal e
muito propria pare a presente estacao. a
qual vendemos a2,ooo rs. a garrafa e 180
a duzia.
RA DA CADEA H< 5a A,
CoD.iDoa a ler grande e eimpteto sortimento &) I _lja
Machinas americanas para descarocar algoaao
dos melhores fabricante de 0, U, 14, 16, 18, 40 tt, 30 M*'?"''^!?*3 rMn"
mido, em eooseqoenoia de ltimamente as ter recebilo de conta propria dos Estadot-umaos.
Pimenta, cominho, cravo, canella. ervadoce, lfazema, tijoHo para limpar facas pa-
litos paradentes, palitos de fogo.e outros muitos gneros que se tornara enadonho
mencionar, afiancando cinceridade nos precos e o bom acondicionamento de qualquer
genro.
.
__
ROMANCES BAR4T0S
Vendem-se, na livraria da praca da Inde-
pendencia n. 8, a 406 rs. o volume, os ro-
mances portaguezessef uintes, em brochura:
A voz do sangue, 2 volumes.
Connemara, 2 ditos.
A noite de S. Silvestre, 1 dito.
O filho de Titiano, 1 dito.
Adonis ou o bom negro, 1 dito.
As duas amadas, i dito.
O pacha de Buda, 1 dito.
Trilby, 1 dito.
Igaez de la Sierra, 1 dito.
Joven Siberiana, 1 dito._______________
Vende-se oa alega se om terreno com doas
trentes para a raa do Brom n. SI e pana ra dos
Gaararapes n. 20, muito proprio para deposito de,
carvo, raadeiras, ou carrocas e bois, por ser gran-
de, ter cacimba e tres tettaeiros, e om- caixSo de
casa em respaldo : a tratar na raa da. Cruz do
Itecife n. 39.___________________ ._
- Na fabrica wnaaM, ro_ imperial i J
em saceos grandes
de Tasso lrmaos.
Farello
a 4)5500: dos armazens
prximo a estacJo do caminho de fiera, vene
vinagre tinto superior ear qBadade a outro qual
quer, e por prec,o molleo, iM%:MPift branco e
iieolor.
Gomma de millio branco
americana
Bata pnciosa fcntl, cujas propriedades medi-
cinaos a imprensa europea unto tem exaltado para
a cura das molestias do peito, recommenda-se tam-
bem como alimento sadio e nutritivo fara as en-
ancas, prestando se a varia* preparas calioarios.
A geral aceltacSo que ella lem obtido por toda a
parte o seu maior elogio : 'veade se nicamente
pa ra do Imperador iu 57, armazem Allianca-
Para os bailes mascarados.
A guia branca est vndendo por baratsimos
precos, para acabar, os objectos segnlntes, que ser-
ven mol Iwm-aosquflomam parte nos bailes mas-
carados, sendo :
Metas de seda alio par- M
Enfeltes de flo/es al|,Ue 35 cada um.
Fitas lavradude 3iOa {} a vara.
Ciatos liiiilllie lUlMIii cabidas.
Voude-se fima maSlra de amarello em per-
fi-im ftljr; f "'\p""""""= para urna padana,
aa esMBMta, aftunda labera** direita, depols
do sob/o grande : a tratar fia tnesma, u 4
boraell tarda em dlaote.
de
diversos objectos de gosto e proprios do
tempo dos quaes se mencionaro alguns,
for n5o ser possivel mencionar todos. O
dono deste estabelecimento espera a pro-
teccao de todos.
Biqoissimas caixinhas ornadas e com
msica propria para um delicado mimo.
Caixinhas de msica tanto de veio como
de corda.
Ricos porta joias e necessarios.
Riquissimos est jos a feitio de nm bausi-
nho ou chapeuzinho.
Ditos em casca de noz e de entres gostos.
Leques de madeperela de sndalo e de
faia e madeira.
Chaposinhes e touquinhas de muito
gosto para enancas.
Meias e sapatinhos de seda para as mes-
mas.
Meias de seda para senhoras.
Capellas e grinaldas de flores proprias
para casamento.
Enfeites e capellas de muito gosto para
seubora.
Riquissimos porta boquets.
Boquet de flores com orna borracbinba
com cheiro.
Luvas verdadeiras de Jovin.
'Ditas de seda e de Escocia.
Riquissimas plumas guarnieses para
enfeitar chapeos.
Contas e tubos de ac branco, que ba
rabilo se desejava para enfeites.
Brincos, fivellas e cruzes de crystal.
Fivellas e cruzes de tartaruga, madripe-
rela e dourados.
Alfinetes para grvalas.
Botos com croas para punhos.
Gravatinhas e mantinbas de muito gosto,
tanto para homem como para senhora.
Riquissimos aderecos pretos, assim como
caixinhas com alfinetes pretos.
Bengallas de canna com cabo de marfim.
Ditas dbale, borracha e de outras
muitas qualidades, assim como chicotinhos.
Riquissimos peales de tartaruga, do ulti-
mo gosto; assim como de arregaco para
menina, pois ueste artigo ha um completo
sortimento de todas as qualidades.
Diademas para^caheca do ultimo gosto.
Riquissimas flfcs lavradas e lizas.
Trancas pretaem vidrilho e de cores.
Pulseiras tanto para senhora como para
meninas.
Ligas de seda e de algodo.
SMJIpBsorios de seda e de algodao e miji-
tos outios objectos que se nao podem an-
nuneiarporn5osetQHMreofadpaho.
S no Gallo Vigeate roa do Crespo n. 7.
MACHN *S DE PATENTE
DE TRABALHAR MO PARA DESCA-
RGAR ALGODAO
FABRICADO POR
PLANT BBOTHERS & G.
OLDAM.
Estas machi-
nas podem des-
^quer especie de
algodo sem
estragar o fio,
sendo bastante
duas pessoas
para o traba-
lho; pode des-
carocar urna
arroba de al-
godo em ca-
rolo em 40
minutos, ou
18 arrobas por dia ou cinco arrobas de al
godo limpo.
Assim como machinas para serem movi-
das por animaes, que descarecam 18 arro-
bas de algodao limpo por dia; o motores
para mover urna, duas ou tres dessas ma-
chinas.
Os mesmos tem para vender um bellissi-
mo vapor que pode fazer mover seis destas
machinas mencionadas; para o que convi-
da-se aos senhores agricultores a virem ver
e examina-lo, no a mazem de algodao, no
largo da ponte nova n. 47.
Manadera Brothers 4fc C
Recife praca do Corpo Santo n. 11.
Os onicos agentes neste paiz._______
O eastello de Grasville.
TraHiido de f ranee i per 1. J. C. ia Cris.
Vende-se este bello romance em quatr
tomos pelo baratissimo preco de 300C
oa praca da Independencia, livraria ns.
6 8.
r.
I
i
U
----------------
Frameisco Jos Germano
RA NOVA N. 22,
acaba de receber um lindo e magnifico sor-
timento de oculos, lunetos, binculos, do ul-
timo e mais apurado gosto da Europa e ocu-
los de alcance para observac5es e para os
martimos.
Manual do Cidado
Vende-se o Manual do Cidado em om
Governo Representativo ou principios de
Direito Publico Constitucional Administra-
tivo e das Gentes, por Silvestre Pinheiro
Ferreira, em 3 volumes broxurados por 35
cada obra : na livraria n. 8 da praca da
Independencia.
Vendem-se superiores presamos de Westpha-
lia, ehejredos no ultimo vapor : na raa do Trapi-
che n. 9,
- -
Roopas feitas de todas as qualidades .
Vende-se roopa feita, sendo caicas de coree e
pardo a 2J, ditas de brm branco de linbo a 3J300
e 4J. calcas de casemira preta a 5f, 64 e 8, di-
tas de cores, meia casemira, a 3 e 34500, ditas
de casemira a 61, 74 e 84, paletots de brim de
cores a 34. 3J>500 e 34, drtos de brim branco a
a 4*500, ditos de alpaca preta a 34 e 44, dHoe de
casemira de cores a &4, 6, 7, 8 e 104, ditos de
panno prelo a 64, 7,8 e 104, colletes de cares a
14600, de casemira a 34 e 44, ceronla fraaceaa a
14600 e S400, camisas franeexas Anas braocas e
peitos de cores a 14 e 24500, ditas fD*fen de li-
nbo de pregas largas a 24500, 34 e 34500 : na
roa da Imperatrii, teja da Arara n. Si._________
Luvas de Jtivii gretas e entra*
cores
Cbeiaram para a leja de mitidesas : na roa do
Oaehaadoa. 16.
'.*
4



?
-_l
Diarlo de pernatnbnen Qnarfa felra 18 e Ferercfro de 186G.


*
f


NOVA LOJA
MCIGLOPEDIOA
19 Una da ln.pera.rlz ar nazcan
da porta larca a>t.
Junto a padarla tradeeza de
Paredes Parto.
Neste estabelecimento encontrar o respeiuvel
publico om variado sortimento de fazendas france-
sas, tifeos, inlssas e allemies, que se venderao
por prego com modo.
Paredes Parlo
Vende chales de renda de cores que se vende-
rn a 18 es la vendendo por 6,1, ditos p reos, fa-
zenda nova, 5*, 6$, 8* a 20*, om sortiroento com-
Sto ele maateletes, capas e.soutambarqoes 14* a
(. Roa da Imperatrn n. 43, junto a padarla fran-
ceza, irmazem da porta larga.
Paredes Parte
Receben om completo sortimento de laasinbas a
540. e 28 rs. covados, para acabar, cambraias de
cor a 240 rs. o covado, riscado eseossez para ron-
pa de menino, fuslo de linho a 420, 400 e 800 rs.
Roa da Imperatriz n. 52 jnnto a padana francesa,
armazem da porta larga.
Paredes Porto
Receben para cortinados para cama francesa a
111 a pe^a cambraia lisa fina a 3* 4* at 101 a
peca, cortes de terlatanade bonitos gostos a 3*500
4a, eambraia com flor de seda, gostos inteira-
mente dovos a 400 e 500 rs. o covado, ne armazem
da porta larga n. 52, ra da Imperatriz junto a pa-
daria franceza.
Paredes "Porto
Receben pelo ultimo paquete om sortimento de
crnies com pedras para o pescoco, bonitos caxinets
de lia para pescoco de senhora. Ra da Imperatri:
n. 52, armazem da porta larga.
Paredes Psrto
Vende cortes de gorguro preto para vestido com
31 covados cada um 351000, grsdenaple preto a
1*600,1*800 e 2a o covado, laas lizas finas a 400
rs. o covado, lias de quadrinho para vestido, enfes-
tada, a 330 rs. o covado. Rna da Imperatriz n. 52,
armazem da porta larga.
Ronpa feita
Roa da Imperatriz n. 52 armazem da porta lar-
ga junto a nadarla franceza, en contra-se neste es-
tableeimento um completo sortimento de paletos-
saceos e sobrecasacos, de todas as qualidades, cal-
cas, eolletes, ceroulas, camisas, grvalas, meias,
chapeos de sol, ditos franceses para caneca, por
preeos commodos, ronpa para menino e outras
muitas fazendas por preeos commodos, armazem
da porta larga.
No mesmo ertabelecfmento encontrar' o respel-
tavel publico, sempre om completo sortimento de
roapas fetas de todas as qualidades, como sejam
paletos de alpaca preta e de cor, ditos sobrecasa-
cos a 41 e 5*, ditos de brira pardo a 21800,31 e
34500, ditos finos a 41, ditos meias cazemira a
3*500, 41 e 51, ditos cazemira saceos a 61, 71, 81
o 101, ditos sobrecasacos a 10 e 121, ditos de pan-
no saceos a 61, 81 e 101, ditos sobrecasacos a 121
e 251, ditos de merino preto a 61, 71 e 101, cai-
cas de brim de diversas qualidades a 1*800 a 41,
ditos brancos a 21500 e 6500, ditos cazemira 5$,
61 e 71, dites pretos a 51, 61, 81 e 101, ditos
meias cazemiras a 31 e 41, coletes de diversas
qualidades, seroulas francezas de algodo, ditas de
llnbo, ditas de bramante a 21 e 21500, carnizas de
algodo de linho francezas de 21500 e 31. Gran-
de pecbinclia neste genero, grvalas de todas as
qualidades e brancas para casamento, grande sor-
timento de meias para senhoras, ditas para bomens
a 31, superiores a 81500 e 41.
Um completo sortimento de chapeos de sol de
alpaca a 3*. ditos de seda a 51, 71, 161 e 141,
ditos (rancezes para cabeca, grande sortimento
a 6*.
Pectincha admirare!.
Grande sortimento de chambres a 41600 e 59
lences de eambraia pan nomem a 31 a dnzla, di
tos de linho a 41 e 51.
Grande surtimoio de roopa para meninos e on
tras muitas -qualidades qne seria enfadonbo men
ciona-las.
Paredes Porto
Receben pelo ultimo paquete francez ricas laas
granadinas com ores de seda a 100 e 500 rs.
GRiSDE ESTABELEIENTO
-
^qIATde X.
DO
FABRICA A VAPOR .
99 RA DO MONDEGO 99
Deposito na rna Sot d. 5 loja de rclojoelro.
Delouche dorios deste estabelecimento partecipa ao respeitavel publico que sua fa-
brica est montad;) com as melhores machinas que existem na Europa, e que pode
fabricarcom raelhor perfeicSo possivel. Todo o chocolate desta fabrica est garantido, e
puro, o que nao se pode encontrar naquelle que vem de fra, e que se vende por preco
baixo, visto os productos serem do paiz. Na etiqueta tem sempre urna aguia.
PRECO.
Meia libra......... 400
Urna libra......... 800
Urna arroba........49000
Na mesma fbrica acaba de se montar urna oficina com serrara a vapor para
obras de marcineiria propria para edificio, para o que encarregj-se de fazer pof tas, ja-
dellas, assoalhos (parqu francez como se usa na Europa,) e armacoes, tudo com brevi-
nade e perfeicSo. Toma-se qualquer encommenda para fra da citlade, entregando-se
prompta a collar-se no lugar.
DE
covado, estao acabando-se, eambraia prea para
luto. Porta larga junto a padarla franceza, a roa
da Imperatriz n. 52.
Paredes Porto
Receben pelo ultimo paquete espartilhos a pre-
guigoso por 3$, sao bous, lencos de sed* para se-
nhora e homem a 1, ricos cortes de eambraia
bordados de 18$ a 7$, por ter nm toque de mofo,
estao so acabando, na roa da Imperatriz n. 53, jun
to a padarla franceza.
Paredes Porto
Vende nm completo sortimento de fazendas
brancas, como sejam madapolo a 41500, 51,81 e
10a, pecas de algodo por barato preco, cbia fran
ceza a 260, 280, 320, 360 rs. o covado, precalias
mnito finas a 380, 400 rs. o covado, chita ingleza
a 300 e 340 rs. o covado. Ra da Imperatriz n.
32, junto a padana franceza.
Fazendas.
Vende-se superior merm preto proprio para ca-
pa do senhora e vestidos a 21, lustrim da China
a 1800 o covado. Ra da Imperatriz, porta larga.
Paredes Porto.
Vende-em seu estabelecimento tiras e ntremelos
bordados, grande sortimento de corplnhos rica-
mente bordados a 31, 41 e S*. So o Paredes Por-
to, rna da Imperatriz no 52; porta larga jun to a
padaria franceza.
2p-eoo-1 "-O su O O o 0
jfillrlsjfiiiii
n> 18* 2-sr-g | B pfi
ir "l"fl

O, K
-s-g-s-s-

o-r!
-i a
03
aj
g;m.So>*S
sfii
*.fcs
a *7
' sis
W 03
a-1
5
f
c
.
O
o
R
a *
-o
o
2
o
13
O
m
50
O
B
2.1
Tasso Irmac
108
Venden Bt sen araazea ra do
Anerim n. 88,
Licor Ano Carasio em botijas e meias botijas.
Licores finos sortidos em garrafas com rolbw As
vidro em lindos frascos.
VinbosGheres.
Santernes.
Cbambertin.
Hermitage.
Rorgonhe.
Cbampagoe.
Mnseatel.
Reino.
Rordeaux.
cognac.
Od Ton.
PAezei lagniol.
Caeia
Phosphoros do gaz a
groza.
Chegaram es bem cenbeeidos palitos do
vandeM por preco comando : na rna da
olatatfen.oo^ioMdaspuchJnas.
PaUtos de lbgo a 10500 a
groza;
Cbegaraa os eellentes palitos de fogo e veo-
SSaVTBaTiWir
mtcuJns.
COlEIilIO s FREITAS
Ra da Cras m. 16.
Continua a haver diariamente um sortimento de pastis, podins, bolos inglezes,
empadas etc., etc. Os donos deste estabelecimento, acham-se as melhores condices
de poder satisfazer encommendas concernentes sua arte, era consequencia do socio
Freitas ter sido administrador ebefe de algumas das princij aes fabricas na corte, sendo
urna a do Sr. Jo3o Goncalves Guimaies (confeitaria de Lelo) antiga casa de Carceller.
Todos os trabalbos sao differentes dos que se fazem era casas particulares.
Os proprietarios desle estabelecimento n5o se tem poupado a despezas, nem se
pouparo, se houver concorrencia como esperam ; lendo continuadamente bom sorti-
mento de doces para cha; presuntos e ditos em fiambre, tambera se recebem para se-
rem preparados ; assim como doce de caj novo superior, secco e crystalisado, dito em
calda em latas hermticamente fechadas, podendo durar annos em perfeito estado.
Para janlares e partidas recebem-se encommendas dos seguintes objeclos; ban-
deijas ricamente enfeitadas sem armacjSo pecas de amendoas (nogaces), ditas de tmaras
de ovos, pes de l enfeitados com disticos anlogos a qualquer fim; ditos montados,
kechs simples e eBfeitados com fructas ingleza; gatheaux de la reine, ditos de le d-
chese, tortas de fructa, massa folhada; ditas de peixe e carne; cremes e doces de ovos
de differentes especies.
Tambem tem um completo sortimento de vinbos engarrafados, como sejam: vinho
do Porte superior, Figueira, Madeira, Lisboa, Cberez, Bordeaux, Champagne fino, ser-
veja, licores, cbaropes e conservas. Para fiestas: bonitas caixiDhas com amendoas, con-
feitos e mais enfeites. Muitos destes objectos mencionados podem-se perfeitamente ac-
condic'rooaT tanto para a provincia, como para fra.
DEPOSITO e PIANOS
25 RA NOVA N. 25
Este estabelecimento acaba de receber um rico sortimento de pianos fortes ex-
pressameote fabricados para o clima deste paiz, dos mais afamados fabricantes da Euro-
pa, por isso o proprif torio convida ao respe)tavel publico para viren apreciar as qua-
lidades dos referidos pianos.
Continua-se sempre com esmero e promptidao fazer-se qualquer reparo nos ditos
instrumentos. Afioam-se os pianos debaixo do melhor systhema ltimamente adoptado
na Europa.
Fazendas, pbantasia para vestidos chegados de Pars pelo ultimo vapor.
Lindos robes de organdys cesarlanas fazenda transparente de inteiro gosto.
Ditos de percalia campestre padroes muito ricos.
Riquissimas grwadines de seda o que tem vindo de melbor gosto neste mercado.
Lindos cortes de saltan ptkin para vestido fazenda inteiramente nova".
Ditos de gaze setim em peca fazenda transparente e de gosto muito modernos.
Lindos chales degrenadim broch, primeira vez aqu apparecidos.
Kicos bournos de crep guarnecidas de tranca tnuito proprios para passeios.
lUquissimas D velas para sinto, de metal, de crystal com aso e com pedras finas, i
que ha de mais novo. '
E outras muitas fazendas de hateiro gosto.
Rua do Crespo n. 13.
Loja daa columnas de Antonio Crrela de Vaseoncellos
4t Companhhu
DE
J. VIGNES.
IV. 35. RA > IMPERADOR IV. 55.
Os pianos desta aotiga fabrica sio hoje asss conhecidos para que seja necessario insistir sobre a
ma snperioridade, vaolagense garantas que offerecera aos compradores, qnalidades estas incontesta-
eis qne lies tem deQniUvamente conquistado sabr todos os que tem apparecido nesta praca ; pos-
ralndo am teclado e aueblnismo qne obedecen i todas as vontades e caprichos das planistas, sem
aonca fatbar, por serem fabricados de proposito, e ter-se feito ltimamente melborameotos Importaa-
dssimos para o clima deste paiz ; qnanto As vozes, sao melodiosas e flautadas, e por isso muito agrada-
reis aos ouvldos dos apreciadores.
Faiem-se conforme as encommendas, tanto nesta fabrica como na do Sr. Blondel, dejaris, socio
correspondente de J. Vignes, em coja capital foram sempre premiados em todas as exposiedes.
o mesmo estabelecineato se achara sempre am esplendido e variado sortimento de msicas dos
elhor-es amores da Europa, assim como harmnicos e pianos harmnicos, sendo tudo vendido por
preeos commodos e razoavels.
. 1!: ,
Lavas de Joimn.
A soja de miudezas na ra do Queima-
do d. 16, resebeo-as por este ultimo vapor,
Brea em barricas pequeas.
Cera em velas de todos os lmannos.
Bogias.
Mercarlo.
Na rna do vigarie n. 19, primeiro andar.
" Na ra do- Imperador o. 28 tem enpertores
bichas bamburgueza* para vender em porclo e a
relalbo, e ttmbem aioam-se ; rap Ptale Cordei-
iq viajado, igual a de LMoa, e para gosto de al-
gocs, melhor, por nao. farlr, etc.___________
Vende-se
o grande armazem da rna de Apollo ns. 38 e 40,
proprio para nm armasen de assocar ou prensa
de algodo em jwato irraade por ter seis ponas de
frente com mais de 67 palmos de largura e 300 e
tantos de eemprimento, todo coberlo e sobre arca-
das, e para eommodktale dos eomptadores se ven-
de om o prase de dwis annos on o que se conven-
cionar, nma vez que aeja com segnranea, e pagan- l***nQla preto a HMQ^ 1*600,
do-se pela demora am medico inro; as pessoas a
rnern eenvler esu comfra podarn entenderse
com Antonio Alves Baibosa, na ma flnarara-
paan.7a.
. Vende-as a posas do
UO A, sito na roa Imperial:
aW;tau*.
rrakst
a *w aacriptonD, i
can.Joio
to, roa
avariado.
Francs bawtaa 6*000
Portland dem 8*500
Em perfeito estado:
Francez barrica 10*000
Portland dem 12*000
No armazem e Tasso Irmaos caes do; Apollo.
Boa occasi&o para umprin-
eipiante.
Vndese ama loja de mlndezas com poneos fon-
dos, mnito em ooata, em bom logar e bem acredi-
tada : quera pretender dirija-se a roa Augusta,
taberna n. 1, qne se dir gnem tem para vender.
Na mesma taberna se dir qnem tem para vender
nma mobllla cempten da smnreBo enano iba.
Fazendas para a quaresma.
No armazem da porrlarga, roa da ImperauU,
rosdenaple preto a 1*400, 1*600, 1*800, 2*
|300, moreantiqne preto de versas qualidades,
os mats reos chales de renda pretos, e retondass
com rnuha roda, faceada dajmS asada no mar
cado : do arnuze da porta nrp n. H, na roa
da Imperatriz
- Vana>fa omsclUm
pouco nso por preco
i A
:.
'1
etei,M
das Cro-
da Imperatriz, N. 60
GAMA & SILVA.
LOJA E ARMAZEM DE FAZENDAS.
Tendo os proprietarios deste grande estabeleci-
mento feito um grande abalimento em muitas de
suas fazendas, pela occasiao do balnco que deram
no ultimo de dezembro de 1865, resolveram vender
mnito mais barato do que eostumara afim de cada
ves mais agradaren) aos seos numerosos fregu
zes ; por tanto Ibes offerecem um avuiado sorti-
mento de fazendas francezas, inglesas, as quaes
venderSo mais barato do que em outra qualquer
parte, comprometiendo se a mandar levar qualquer
fazenda em casa dos fregatzes que nao pederem
vir a loja, ou a darera as amostras, deizando Bear
o penkor, assim como convidam as pessoas, qne
negociara em menor escala que neste grande esta-
belecimento encontrarlo om grande sortimento
tanto a retalho como por atacado, vendendo-se-lhe
apenas pelos preeos que eompram as casas ingle-
za, sendo com o dinheiro a' vista.
Pechlncha a 3#000 e S05OO
AS- MELPOMENES DO PAVAO.
Vendem-se bonitos cortes de melpomene para
vestidos de senhoras, sendo dos nadrdes mais mo-
dernos pelo baratissimo preco de 3*000 cada um.
Ditos de indiana, tendo oito e meia varas, pelo
baratissimo prego de 3*500 rs.
Isto para acabar na loja do Pavo, ra da Im-
peratriz d. 60, de Gama & Silva.
As toa i lias dt 11 ho da Pavo.
Vendem-sa superiores toalhas de linbos para
rosto pelo baratissimo preco de 7*500 a dnzla ou
a 640 cada urna. *
Guardanapos de linho adamascado para meza a
2*800. a doza ou a 240 rs. cada om.
Superior atoalbado de linho com oito palmos de
largura sendo branco e pardo, e vende-se mais ba-
rato do qne em ontro parle, na loja do Pavo na rna
da Imperatriz n. 60 de Gama & Silva.
Os corpinhos ae seda pretos do PavSo.
Vendem-se os mais ricos corpinhos de seda pre-
tos, ricamente enfeitados, pelo barato prego de 12*
cada um : na loja do Pavo na ra da Imperatriz
n. 60, de Gama & Silva.
Cortes de eolim para calcas
a 1*120 s o Pavio.
Veodem-se superiores curtes de colim, fazenda
mnito encorpada para calcas e palitots, tendo pa-
droes escuros e alegres, e vndese pelo barato
preco de 15120 rs. o corte de calca on a 320 rs. o
covado, sendo esta fazenda grande pecbincha pelo
preco.
Brim pardo entrancado a 700 e 800 rs. a vara.
Lito liso multo encorpado a 640 e 700 rs. a vara.
Dito brapco entrancado a 1*280 rs., isto pe-
chincha na loja e armazem do Pavo na roa da
Imperatriz n. 60 de Gama & Silva.
Os corles de eambraia branco bordados na
loja do Pavo.
Vendem-se os mais ricos cortes de eambraia ri-
camente bordados com barras e babados a 20* ca-
da nm : na loja e armazem do Pavio na rna da
Imperatriz n. 60, de Gama & Silva.
Ricos vf1 Idos a 8*J0OO rs.
pechiBeha adniravel.
So o Pavio receben pelo ultimo vapor francez
om grande sorlimenlo dos mais ricos cortes de
vestidos transparentes com lindas barras e enfeites
de seda, sendo estes vestidos muito proprios para
bailes e passeios, e vendem-se pelo baratissimo
preco de 8*000 rs. eada nm, na loja do Pavio na
ra da Imperatriz n. 60 de Gama & Silva.
Cortes de chita a 20000
S NO POVAO.
Vendem-se cortes de chitas inglezas com dez co-
vados a 2*.
Ditos com onze covados a 2*200.
Ditos com doze covados a 2*400.
Ditos de chita franceza com dez covados a
3*200 s na loja e armazem de fazendas do Pavo
na ra da Imperatriz n. 60 de Cama & Silva.
Os chales pretos de renda do Pavo a 8)5000 rs.
Vendem-se os mais ricos chales pretcs de renda
com quatro ponas, senda mnito grandes pelo ba-
ratissimo prego de 8*.
Ditos de guepure a lo*, 18*, 20*, 2o*.
Retoodas de dito a 10*.
Manteletes de renda, tazenda mnito superior a
15*000.
Capas e sauthambarqoes de grosdenaples bor-
dados, fazenda inteiramente nova, por preeos mais
baratos que em outra qualquer parte.
Isto na loja armazem do Pavo na rna da Im-
peratriz n. 60 de Gama & Silva.
(Ischales de pavo a 2ooe e 2ooo n.
Vendem-se chales de merino eslampados a 2*
e 2*500 cada um.
Ditos de merm liso a 3*500.
Ditos estampados de crepon a 6*, 7*. e 8,5000.
Ditos pretos bordados com franja de seda a 1 i*.
Na loja e armazem do Pavo na roa da Impera-
triz n. 60 de Gama & Silva.
Para luto vende o Pavo.
Setim da China com 6 palmos de largura, fazen-
da preta para luto, propria para vestidos e roopas
para homens, sendo esta nova fazenda sem lustro e
de muito boa quaiidade, garantindo-se nao licar
rnssa com o tempo e vende-se pelo barato prego de
2* e 2*500 o covado, assim como neste estabeleci-
mento tem um grande sortimento de todas as fa-
zendas pretas como sejam cassas e chitas pretas,
laas upadas e transparentes, princesas, alpacas,
sarjas, ele. : na loja e armazem do Pavo na roa
da Imperatriz n. 60, de Gama & Silva.
Os ba.Ses do Pavao.
Vendem-se superiores baldes de muenlina com
moila roda a 5*., ditos crinolines com 35 arcos a
3*500, ditos com 20 e 25 a 3*. ditos para meni-
nas, sendo brancos e encarnados a 2* e 2*500 :
na loja do Pavo na roa da Imperatriz n. 60, de
Gama & Silva.
Cambraias de forro a 1(5600 e 20 na loja
do Pavo.
Vendem-se pecas de eambraia de forro com no-
ve varas cada pega, pelos 'baratlssimos pregos de
1*600 e 2*: na loja e armazem do Pavio na roa
da Imperatriz a. 60, de Gama & Silva.
Os cortinados do Pavo.
Vendem-se superiores cortinados adamascados
para camas pelo baratissimo prego de 1* cada par,
ditos mnito Anos ricamente bordados para camas
ou janellas a 15*, 209 e 25* o par : na loja e ar-
mazem do Pavo na rna da Imperatriz n. 60, de
Gama & Silva.
Panno preto a 24 na loja do Pavo.
Vende-se panno preto. fazenda moito boa, pelo
barato preco de 2* o ovado, dito multo t no a
3*500, 4*, 54 e 6*. assim como casimira preta de
cordo a 2* o covado.: na loja do Pavo na ra da,
Imperatriz n. 60, de Gama & Silva.
Cortes de 15a a Maria Pia na loja do PavSo.
Vendem-se os mais ricos cortes de la a Hara
Fia, pelos baratisslmes pregos de 75 e 8, ditos
moito iaos a 10*. 12*. 16* e 20* : na loja do
Pavio na roa da Imperatriz n. 60, de Gama &
Silva.
Os espartilhos do P*v8o.
Vendem-se nma grande e variado sortimento de
espartilhos dos mais bem (eilos qne tem vindo ao
mercado, sendo de todos os lmannos, vendendo-se
por nm prego mnito razoavef: isto na loja do Pa-
vo na rna da Imperatriz n. 60, de Gama & Sirva.
Silezia para saias a 44o rs. a vara na loja
do PavSo.
Vendem-se silezia ondeada sendo fazenda muito
boa e propria para saias, pelo barato preco de 440
rs. a vara : na loja do Pavao na roa da Impera-
triz n. 60, de Gama & Silva.
As salas bordadas do vario.
Vendem-se saias bordadas sendo fazenda mnito
boa, sendo ricamente bordadas e cea muHa reda
veadendo-se potos baratos preeos de 6* 8 e 10*
res cada urna na loja do Pavao na roa da Impera-
triz n. 60 de Gama & Silva.
Petas de madapolo infestado.
Vende-se pechlncbas de madapolSo enfestado
com 12 jardas cada peea sendo fazenda moito su-
perior pelos baratissimes preeos de 4* e 5* ra na
leja- da Pavao na rna da Imperatriz a. 60 de Gama
Bretanhasderalaa^OCO .
Vendam-se pecas de bretanba de rolo con 10
varas eada peca, peto, baratissimo preco de 3* :
na lojaearnaasndsPavio, m ilaaperarn.
Cortes de eambraia com palmas na leja do
PavSo.
Veadem-se cortes de eambraia branca com pal-
mas, sendo fazenda muito boa, pelo baratissimo
preco de 2*500 para acabar : na loja e armazem
do Pavo na rna da Imperatriz n. 60, de Gama &
Silva.
Leos brancos a t^OOO res a
duela.
Novidades da Arara.
PECHINCHA.
Fazendas prelas para a qaaresma.
Arara vende grsdenaple preto a 10600.
Vende-se grsdenaple prelo bom a 1*1600,1*800
e 2* o covado, dito muito largo a 2*500 e 2*800
o covado : na ra da Imperatriz loja da Arara
n. oo.
Vendemse lengos brancos fazenda muito boa I Moreantique da Arara a 25800
pelo baratissimo prego de 2* a duzia, Ditos com Vende-se moreaniionn nr-m .,, vY'.
arra de cor a 2*000 isto para_acabr na loja_do \ unXV^ffiff^Z!? "
' paletots e vestido., a 500, 600 e 800 rs. o covado,
na ra
*
Pavo oa roa da Imperatriz n. 60 de Gama & Sil
GRNDE PECHINCHA!
lisiabas a 120 rs. na loja do Pavo
Vende-se lsinhas pretas proprias para lulo sen-
do boa fazenda a 120 rs. o covado. Ditas moito
Unas de qoadrinhos a 480 e 320 rs., ditas entesta-
das a 400 rs., ditas malhizadas a 320 rs., ditas
transparentes com palma de sedas 400 rs., ditas li-
zas e com salpicos a 500 rs., para acabar na lija e
armazem do Pavo na ra da Imperatriz n. 60. de
Gama & Silva.
Poupelinas modernissimas a 400 e 500 rs.
o covado na loja do Pavao.
Vendem-se ponpelinas muito Anas sendo fazenda
mnito moderna de quadnnhos e liza vendendo-se
pelos baratos pregos de 400 e 500 rs. o covado na
loja do Pavo na ra da Imperatriz n. 60 de Gama
& Silva.
drosdenaples pretos do Pavo.
! merino preto moito bom a 3* o covado
da Imperatriz loja da Arara n. 56.
Arara vende as saias a 36300,
Vende se saias bordadas para senhoras a 3*500
e 4*, gollmbas bordadas a 240 e 320 rs. cada
urna : na ra da Imperatriz loja da Arara n. 56.
Chapeos de sol da Arara a l 1400.
Vende-se chaposinbos de sol para meninos a
1*400 cada om. camisinhas para senhoras a i*,
3* e al : s Arara ra da Imperatriz n. 56.
Arara vende os vestidos bordados a 40,
Vende-se cortes de vestidos brancos bordados a
*500, ditos decores a 3& ditos bordados a la e
seda a 7* e 9* : na roa da Imperatriz n. 56.
Os baloes da Arara a 2.
Vende-se baldes de arcos de lodos os lmannos
a 2*, 3*, 3500 e 4, saias bordadas a 3|500 e
4* : na ra da Imperatriz*. 56, ioja da Arara.
Arara vende corles de 15a a 50.
Vende-se corles de la novos vindos pelo ultimo
Vendem-se superiores grosdenaples pretos pelos I vapor com 15 covados pelo barato preco de o*, di-
baratlssimos pregos de 1*500, 1*600, 1*800 e 2* tos com barras a 6* : na ra da Imperatriz loja da
Araran. 56.
Arara vende chales de S#.
Vende-se cbales de merino estampados a
o covado, sendo fazenda moho boa. s para ac
bar : na loja e arrrazem do Pavo, ra da Impe-
ratriz n. 60, de Gama & Silva.
Bramante de linho do Pavo.
Vende-se superior bramante de linho com 10
palmos de largura, proprios para lenges, pelos
baratissimos pregos de 2* e 2*600 a vara, assim.
como panno de linho moito fino pelos baratissimos
| preeos de 640,700 e 800 rs. a vara : na loja e ar
2*.
ditos de la a 1*600 e i*, ditos de meiin muito
finos a 4* e 7* : ra da Imperatriz loja da Arara
n. 56.
Madapolo enfestado da Arara a 4.
Vende-se pecas de madapalo enfestado com 12
jardas a 4* e *500 lito de 24 jardas a o*, C*.
mazem do Pavo, ra da .mperatriz n. 60, de G, 1*T*XWlT.Vpecas de T
ma a Miva. godo ^ ^ 6fi e ?1 d|(u mQJlo jg q %
AS CaSSaS dO PaYaO. 7*500, 8* e 8*500 : na ra da Imperatriz loja e
Vendem-se cassas mnito superiores com lindos
padres, pelos baratos pregos' de 300 e 320 rs. o
covado, ditas muito finas a 360 rs. para acabar :
na loja do Pavo, 1 ua da Imperatriz n. 60, de Ga-
ma & Silva.
Cambraias lisas do Pavo.
Vendem se pegas ae eambraia lisa muito supe-
rior, pelo barato preco de 3*200 e 3*500 a peca,
ditas mnito finas a 5*, 6*, 7* e 8* : na loja e
armazem do Pavo, ra da Imperatriz n. 60, de
Gama & Silva.
PECHINCHA 1
a 3^000, para calcas, s o Pavio.
Vendem se superiores cortes de meia case mira
com msela de seda a 2*, ditas Garibaldlnas a
2*800, ditas escuras a 2*800, on a 1*600 o cova-
do : na loja e armazem do Pavo, ra da Impera-
triz n. 60, de Gama & Silva.
PENTEADORES
u roupes de eambraia bordados proprios
para as senhoras vestirem de manha.
Chegou esta novidade paia a loja do Pave,
moito lindos e do melbor gosto al hoje, pur pre-
eos muito razoaveis : na loja do Pavo, ra da
Imperatriz n. 60, de Gama & Silva.
Loja do Pavo
Grandes pechlncbas.
Sedinbas a 300 rs. e covado
Sediohas a 500 rs.
Sedinbas a 300 rs.
Vende-se na loja do Pavo, nm grande sortimen-
to de sedinbas listradas com as mais bonitas cores,
! sendo os padiSs mais novos que tem vindo ao mer-
| cado, e vende-se pelo paraiisslmo preco de cinco
, tostoes o covado, sendo asenda que valem muito
mais dinheiro, e grande pecbincba por se ter
comprado nma grande ponida desta fasenda, na
loja e armazem de fasenda do Pavo, ra da Im-
peratriz n. 60 de
Gama Silva
Pichincha grande.
Os madapo oes d) Pavo.
Vende-se superiores pe^as madapolo, sendo
muito largo, e muito encorpado tendo 24 jardas
cada pt>Qa, pelo baratissimo prego de 8* e 9*000,
ditos a 6*500 e 7*, boa pecbincba, e vende-se
na loja e armazem do Pavo, ra da Imperatriz n.
60 de Gama & Si Iva.
Casimiras da escocia.
Na loja da Pavao
Chegou esta nova fasenda com o nome de ca-
xemiras da escocia sendo muito encorpada pro-
pria para calsas, e coletes. e vende-se pelo baratis-
simo prego de 2800 rs. o corte ou 15600 rs. o co-
vado, pecbincha por que tem duas larguras, isto
s na loja e armazem do Pavo, rna da Imperatriz
n. 60 de Gama & Silva.
Ronpa feita.
Na loja do PavSo
Vende-se neste estabelecimento um grande sor-
timento deroupas, tanto de-panno como caxemiras,
e bros e pelos baraiissimos preeos como sejam
calcas de caxemira preta a 6* 7* e 8000reis, pa-
letots de panno preto saceos a 6* 8* e 12*000 rs.
ditos sobrecasacos de panno flnlssimo a 12* 18* e
25*000 res, e oulros moitos arligos que serla en-
fadonbos aqu relata-tos; s na loja e armazem do
Pavo ra da Imperatriz n. 60 de Gama & Silva.
Grande pechlncha.
a i $000 reis.
Na loja do Pavo
Vende cortes de castor para cal{as, padres es-
coros e claros, e fasenda mnito encorpada pelo ba-
ratissimo prego de 1*000 is. o corte, no armazem
do Pavo roa da Imperatriz n. 60de Gama i Silva.
nautas a 10OOO.
De pura seda
Vende-se na loja do Pavo, mantas de seda pre-
tas e de cores, lindos gosto pelo baratissimo preco
da 1*000 reis, sao das mas largas, a-sim como tem
nm grande sortimento de grvalas de seda de cor
bordadase de setim preto e ditas de setim branco,
e vende por preeos mnito resumidoss, o Pavo na
rea da Imperatriz n. 60 loja e armazem de Gama
& Silva.
Chitas rdxas
a 6,5000 reis a peca
S na loja so Pavo
Se vendem pecas de chitas rozas inglezas, sendo
cores fizas tendo 38 covados cada urna peca pelo
baratissimo prego de 6*000 reis, a retalbo a 160
rs. o covado, ditas escuras e clanas a 200 rs. o co-
vado, loja do Pavo ra da Imperatriz n. 60 de Ga-
ma & Silva, Gama Silva.
No armazem de fazendas
barates de Santos Coelho
Raido inclinado n. 19.
Vende-se o segninte :
Cobertas de chita da India a 2*400.
Lencoes de panno de linho a 2*200.
Ditos de bramante de llnbo de nm s panno a
3*200.
Lencos de cassa brancos proprios para algibeira
azaOOO adnzia.
Algodo enfestado com 7 l\i palmos de largura
a 1*200 a vara.
Atnoalbado de linho a 2*800 a vara,
Oito de algodo a 2* a vara.
Guardanapos de linho a 3*800 a duzia.
Pecas de eambraia de salpicos a 4*500.
Lazinba abena de cores a 320 o covado.
Cambrala branca de forro a 3* a pega.
Fil de linho liso 0oo a 800 rs. a vara.
Dito de dito com salpicos a 1* a vara.
Panno de linho fino com 0 i(2 palmes de larga-
ra pele barato preco de 2*400 a vara.
Madapoldes finos a 8*, 9*. 10*, 11* e 12*.
Cambrala lisa de 4*500, 8*. *, 7* e 8* a peca.
Pegas de bretanba de algodo com 10 varas,
propria para sala, pelo baratissimo prego de
3*800.
Lazinba lisa de cores a 600 rs. o covado.
Cambraias finas de cores mlndiobas a 360 rs. o
covado.
Esteira da India propria para forro de sala de
4,8 e palmos de largura, per menos prego do
que em entra qoslqner parte.
Neste armazem tambem se encontra nm grande
sortimento de ronpa feita e por medida.
armazem da Arara n. 56.
Panno preto da loja da Arara a 2#.
Vende-se panno preto para caiga e paleto! a 2*.
2*500, 3*, 4* e 5* o covado : na rna da Impera-
triz loja da Arara n. 36.
Arara vende cortes do cotim para cala a
1,4280 rs.
Vende-se corles de colim para caiga a 1*280,
ditos de brim de ccres a 1*400, coites de ganga
para caiga a 1*600 : na ra da Imperatriz loia da
Arara n. 56.
Cortes de casemira preta da Arara a 3^500.
Vende-se cortes de casemira preta para raiga a
3*500, 4*, 3* e 6*, ditos de cores de meia case-
mira a 2*500, 3* e 3*500 : na rna da Imperatriz
loja da Arara n. 66.
Arara vende os chales de renda a 86.
Vende-se cbales de .i.o de linho a 8* e 10*. di-
tos de seda a 16* e 20*, retondas de pello de li-
nho a 109 e 12* : na ra da Imperatriz loja da
Arara n. 56.
Vestidos a Maria Pia da Arara a iOfi.
Vende-se cortes de la a Hara Pia a 10*, 12*,
16* e 20*, ditos muito finos com camisinba, sinlo
e fivela a 2o* e 28* : s a Arara vende por este
prego na ra da Imperatriz n. 56.
Araaa vende as lazinbas a 240 rs.
Vende-se liazinhas para vestidos de sennora a
240, 280, 400, 320 e 500 rs. o covado, cbilas para
cobertas a 280, 320 e 470 rs. o covado : na ra da
Imperatriz loja da Arara n. 56.
Cortes de chita da Arara a 2$.
Vende-se cortes de chita de cores fizas a 2*, di-
tas francezas a 2*800, cortes de eambraia france-
za a 2*800 : na rna da Imperatriz ioja da Atara
n. 56.
Arara vende organdys a 280 rs.
Vende-se organdvs para vestido de senhora a
280, 320 e 400 o covado, iil de linho de cores
para vestidos a 160 o covado : na ra da Impera-
triz loja da Arara n. 56.
As chitas da Arara a 200 rs.
Vende-se chitas de cores lizas a 200 e 240 o eo-
vado, ditas francezas largas a 280, 320, 360 e 400
o covado, riscados francezespara vestidos a 240 o
covado, bretanha de rolo a 35 a pega : na ra da
Imperatriz loja da Arara n. 56.
Arara vende roupa feita.
Vende-so roupas fetas de todas as qnalidades a
saber : caigas de brim de cores e de ganga a 2*
e 2*500, paletots de brim para andar por casa a
2* e ')*, camisas francezas a 2*, ditas de linho de
pregas largas a 3* e outras muitas qualidades qne
se vende mais barato bue era outra qualquer par-
te : s na Arara ra da Imperatriz n. 56.
ID C
ha
Gomma de mho branco
Vente-se em sacates de tf ata : ao amasan
e Jos FernandasUau roa Novan. 3.
Vende-se a taberna da ra da Guia n. 36 pro-
prio para principiante, e o motivo se dir ao com-
prador. ______________________________
Em casa de Kabe Schmeltau & C,
rna da Cadeia n. 18, vende-se:
Cbampanba.
Cognac de superior quadade.
Vidros para espelbos de todos os tama-
nhos tudo a pregos muito commodoe.
MOllTES
Vendem-se anneis cem brilhantes, de primeira
agoa, engastados em ouro de lei, pelo dimiooto
prego de 10* cada om : na ra da Cadeia do Re-
cife n. 5, loja de Silvestre Pereira da Cuntn.
Vende-se ou arrenda-se o engenno f raeiro,
sito na fregoezla da Fscada, perlo da eslago de
Aripib, meia legoa : a tratar no escriptorio da
rna do Imperador n. 69.
o sacco :
zo d. 14.
Farello a 4#5UU
no armazenr da Estrella largo do Parai-
Vende-se ama casa terrea e um terreno : na
roa das Ninphas bairro da Boa-Vista: a tratar na
roa da Cruz o. 59.
Escravos fgidos
Fugio do en gento Quanduz, na comarca de
Santo Antao, no da 7 do correte, om mulatinhe
de nome Benedicto, de idade 16 annos, pouco mais
ou menos, com os signaes seguimos : mulato
claro, cabellos corridos que passa por forro, mni-
to ladino e servia de criad), fol comprado em Ala-
ga cercada e desconfiase estar acontado por al-
gara empregado deste engenbo que se retirou das
antes da fuga do mulatlnho : roga-se, 'portento, a
qualquer autoridad on capiles de campo que o
pegar, de leva-lo a sen senhor no referido engenbo
00 nesta pragaa Jos Joaquim da Silva, roa estrei-
ta do Rosarlo n. 47, qoe serio generosamente re-
compensados.____________________________
Escravo fgido.
No dia 15 de correte, pelas 7 horas da noite,
pouco mais oa menos, desapparecea da roa do Li-
vramento n. 4, um escravo por nome Nicolao, ida-
de 21 a 22 annos, pouco mais on menos, estelara
regular, cor parda e um pouco acaboclado, pouca
barba e toda crescida, cabellos cachiados, levou
vestido caiga de riscadlnbo de qnadros, camisa de
chita encarnada a chapeo de pama na cabeea, 11-
nba viodo do sertao, povoagao de Balxa-verae,
d'onde natural, para aqni ser vendido : roga-se
pola a todas as autoridades, capities de campo oa
a qualqner pessoa que o possa apprebeoder, levar
rna cima indicada, qne ser generosamente
gralifleado._________________________
Fogio no dia terga-feira 30 da Janeiro prximo
Ando, a preta crioola de nome Marciana, de idade
36 annos, pouco mais ou menos, sendo de cor fn-
lafaltnra regular, levan vestido de chita escura :
qnem a aaarehender, conduzindo-a a casa do abai-
xo assignado, na ra da Imperatriz n. 30, sera
gratificado.
___________Francisco Angosto de Araajo.
Fogio no dia 16 do corrente, do engenbo Ma-
to Grosso, comarca do Rio Formoso, o mnlannho
Isidoro, de idae 19 annos, peono asm en menas,
estatura regular, cabeca chata, olnoa pandas, ca-
bellos crespos, grosso do corno e bem feito : qnem
o apprenendeffpoderi lvalo ao aso setfnor _p
Bsnm de Gooveis, oo nesmo e_|elD0v ao nafn
cidade sos Srs. Leal A Ermao, qe sata ?sa*nV
\



- %
?
Dlirl* de re
anorta felra e Fereretro de "1866.
LITTERTIM
HOMERO
(AFFOSSO DB LAMARTINE-)
IX .
Ar'rasiouse at a Pnocea, ouira colonia grega da
Jjaia, que veio a ser bergo da Marselha. O f olfo,
careado de rochados e oburabrado de pltanos, pa-
reja aui porto cavad) pela simales nalureza pira
ailrahir as suas praias una po/> de navegadores.
A poesa flirescia na Poomi mus do que algares,
porcia o mar aspira o scismar e o canto. Htvi.i
ama escola de canto celebre ni cuide, dirigida
por ura homem elocuente, porm cioso e astot> que
conhecia o eagenbo de Homero pelas narragSes dos
mercadores de Smyrna visiaba da Pnocea. Cbama-
Testorides.
Sabendo da cliegada do pobre ceg, Testorii '.- fia
gio-se commovido por geaerosa piedade. Fot ao en-
cootro dt Homero, e ofTerecea Ibe em sua escola
tecio e mesa, com a contiguo de transcrever-!he os
poemas que havia cntalo em suas viagens, e to-
dos os que as musas Iba iaspirassem no futuro.
Homaro, constrangido pala miseria e ceguelra, con-.
seatlo nestas duras exigencias de Tnestorides a
vandeu o eDgeoho para gauhar a subsistencia.
Ala escreven elle o mus prraeroso dos seus poa-
mas. a litada, obra nacional e religiosa, em que os
costames dos Gregos, as faganhas dos seus hroes,
e as fbulas aos seus densas sao cantadas em ver
sos. que iiugua alguma jamis Igualou.
Entretanto Tnestorides, tendo enriquecido a me-
moria com grande numero de versos comprad os ao
seu hospede, e temando que o latrocinio fosse f-
cilmente descoberto, se os recitasse como saus em
Pnocea, foi estabelecer escola na ilba de Chios. Al-
l eariquecea-se cantando, e vendendo os despojos
de Homero, ao passo que o verdadeiro autor defi-
nhava, mendigando em Pnocea. Has pouco era
ver roubada a propria gloria; foi accusado de rou-
bar a da Tnestorides. Alguns mannheiros volt in-
do da Ghios, onde baviam ouvido este rapsole, e
ouvmdo Homero recitar no porto de f hoeea os ses-
mos versos, declararam, que estes cantos eram de
um poeta de Chios.
A este derradeiro golpe da sorte, Homero, pa-
ctante at ento, Indignoa se contra esta irrisao dos
deuses Qaz ir confundir o seu calumniador em
tibias. Supplicou aos marinheiros, quepartiram pa
ra esta ilba, que o recebessem em seu navio pro-
mettendo-lbes pagar o prego da passagem em poe-
mas, que os Gregos das mais humildes proflssoes
apreciavam mano. Esses compassivos marojos o
toraaram bordo como penhor da proiecgio dos
deuses. Cantoa o poeta todo o dia, e de noite o de-
pozeram os marinheiros em um escolho da ilba,
na qual nao desembarcaran!.
Hjmero adormecea perto da praia debati de
um pinheiro, um fructo do qual sacudido pelo vento
cahio-lhe na cabega. Este pinbeiro lembrou-lhe os
bosques de Cyme, sua.patrla.e a ingratidao da cid-
de, a cuja sombra (ora em vo procurar abrigo ra
ra saa vida. Exprimi amarga recordagao em ver-
sos dirigidos arvore. Levaotaado-se emfim, ten-
tn acbar s apalpadelas caminbo para a cidade.
Os barros de um rebanho de cabras o aitrahiram
pelo rumor, fazendo-o acreditar na visiabanga de
algum pastor. Caes de guarda langaram-se, lata-
lo, sobre os andrajos do ceg. O pastor, por nome
Giaaco, chama-os, e corre ao viandaate para livr.i-
qlobJeote dos caes. Com.novido de piedade, nao
pude comprehender comj um homem privado da
vista podera trepar sozintn tio escarpada costa
Toma Homero pela mo, o conduz para sua caba
na, accende (ogo, prepara sua m sa frugal, e sen
la-se com o poeta, ladrando os caes seus ps para
pedir parte na refeigao.
Homero improvisoa em verso conselhos aos pas-
tores, acerca da disciplina destes vigilantes guardas
dos rebanhos. Lembrou-se mais tarde dasta aven-
taja, e retratoa-se na Odyssea, sob a figura de
U.ysses perseguido, e depois reconhecido por sen
cao. A imaginago corop5e-se de fragmentos da
memoria.
Depois da refeigao, Harnero eotreteve o pastor
com lugares, cousas e nomens que vira era suas
lengas viagens; e cantoa-lhe as mais bellas partes
dos seus poemas, que pintara a vida pastoril ou a
vida dos marinheiros. O pastor, fascinado pela
sciencla, sabedaria e piesia do hospede, esquecia-
se das horas da noite. Por im adormecern! am
bos sobre as mesmas folhas.
X
Aotes da aurora, o pastor, deixando adormecido
na cabana, foi a cidade contar ao amo o encontr
quetiveracom este divino veibo, e a hospitalidad*
qae Ibe prestara. O amo exproboa-lbe a impruden-
cia de fiar-se assim as seductoras palavras de um
desconhecido. Ordenou entretanto, que Glauco trou-
xesse o hospede a Bolissa, para qae elle por si jul-
gasse dos portentos deste estrangeiro. Homero se-
guio ao pastor, edeleitou ao amo por meio da con-
versago e dos versos. Confiaram-lhe a educagSo
dos tilhos da casa. Ao rumor da saa chegada na
ilba de Ghios, Thestorides, receloso de ser desmen-
tido e confundido pela presenga daqaelle, cuja glo-
ria roubra, fugio da ilha, e foi occultar algares a
sua vergonba, e o seu nome.
Depois de educar os ios do amo de Glauco em
Bolissa, Homero, cada vez mais celebre, foi (andar
ama escola publica na cidade martima de Ghios,
capital da Ilha. Eacontroa nesta trra estranba a
benevolencia popalar, qaa nao podera encontrar
em Smyrna, sna patria. A mocidade da ilha apres-
sorava-sB em tropel para oavir as suas UcSes e
elle veio a ficar bastante rico com os donativos dos
pais e das mis, e assim bascou as dogaras da fa-
milia. Uesposou urna rapariga da Ilha, qae preto-
rio a luz divina do gimi luz aos oltns. Podemos
avaliar o amor que elle Ibe te ve pelas deliciosas
pinturas da tornara conjugal, com que apiedou as
suas narragoes: cora) fructos deste amor tardo
teve duas fiihas Tama morrea era flor, a oulra ca-
soa se em Coios, e purpetuoa osangae do poeta
nesta ilha convertida em patria da sua volhlce.
Foi na doce.abaMiiga, e no socago da sua vida
de esposo, e de pal em Ghios,: que elle compoz a
Odyssea, poema da .ua vainica, resuma das suas
viagens, das suas impressSes, Jos seus infortunios,"
e da sua felicdaie, no qual elle faz reviver, obrar
e fallir sob nomes caros asuairerainiseenola, pro-
prio, e todas as personogens, que pelos beneficios
prestados reviviam um sea coragao :
Phetuo tseu charo mestre e seu segando pal,
na arte dos cantos,
UM fibras da lyra,
que supera a todos os morlaes
e que, calcando co n o dedo
preludia 03 seas cantos melodiosos;
Mentes, seu amigo, e piloto tos diversos mares
dequem diz :
< G!orEco-me Cora o nome
generoso Aracbyale ; command) aos Taphios, con
os navios sobre as
i.e
Mants, lho do
celebra a belleza
t>oze,semelhante ao
>rre; sete pelles de
Sabem das mos
snmmados na arte de governar
ondas;
Peimope, sob o nome da qia
e a Odelidade de casta esposa, a quem nem as se-
duegdes, nem o ore dos joveos pretendentes, nem
os rumores da morto de Olysses, nem a ausencia,,,
nem as adversidades, nem os andrajos do marido,
podem separar do amor e da religio do leito con-
jugal ;
Tychyo, o artista cortidor, que primeiro den-lhe
bospitalidade em Neotichos e flojo nome elle ter-
ais, juntando-o ao escudo d'Aj n :
f Ajax traz am escudo de br
flanco arredondado de ama t
boi sotopostas cobrea o escodo!
de Tychyo o mais hbil dos Albos de Neotichos na
arte de cortir, cortar e coser o pouro.
Elle Dio esqaeceu se nem dd>s seus escravos; e
o fiel velho Eumeo sem davidja a lembranga poe-
tisada de um desses voltios serlos, a quem a affel-
go, e os anuos incorporara na familia, e qae se-
guem a prosperidade e a decadencia deltas, como
a sombra da arvore domestica cresce e decresce
no ferreiro da casa com as primaveras e com os
invernos.
A noticia da sua fama esnalnou-se tarde, mas
inmensa, com os seus versos, Ida ilba em ilba, de
porto em porto, na Jouia e em toda a Grecia. Cada
navio, partindo em Coios, leva va um fragmento
dos seus poemas na memoria dos marujos, oa dos
guerreiros; cada vela, aportando a nha em que elle
Gzera sua residencia, trazia-ltie admiradores e dis-
cpulos. Elle envelhucia na gloria mais do qae
aos a unos. Historiador da Grecia bem como era o
seu poel, cada cidade, cada colonia, cada familia
do continente supplicavam-lht que dsse memoria
ao seu nome, as suas proezas ou as suas fbulas.
Era, como Minos, juiz dos vivos e dos morios ; li-
ona as chaves do futuro, mano sacerdote da pos-
tendade, essa divindade que apaixona aos coragdes
magnnimos I 1
Jamis a poesa exerceu na trra tal soberana
antes dos prophetas. O genio tinha-se feito mais
do que rei; tinha-se feito deas o deas da immor-
(alldade humana.
X
Nao havia logar na Grecia] quo nao qoizesse
conservar as pegadas deste cejo, que annos antes
todos repelliam.
Os cidados e enviados das 1 Idades vinbam em
deputago basca-loem seus navios, e supplcar-lbe
Estes rogaram-Ihe, que se demoraste por alguns
instantes na officina, e cantasse para elles ouvi-
rem versos adequados a inmortalizar a sua arte,
offerecende-lhe em recompensa de sua condescen-
dencia as aejs bera acabadas obras sahidas de
suas mos. Homero sarrio, sentoa-se em ama
amphora emborcada e cantn estes versos, depois
to celebrados as offleinas dos oleiros sob o titulo
de Fornalha.
c Oh t vos, qae amassaes a argila, e offereceis-
me ama tassa como salario de meas versos I oovl
um de meas cantos I
1 Ea te iovoco, ob Minerva deusa Industriosa I
Digna-te balxar estes bomens e prestar toa ha-
bilsima mo ao sea trabalho I Oala ti juera igual-
mente coloridos sob a forga do vapor os vasos que
vio sabir desta fornalha. e sobre todo aquellos
que destinam aos altares dos deuses I Oxal en-
duregam-se gradualmente ao calor de ara fogo sa-
biamente preparado, e vendara-se, procurados por
saa elegancia e rigidez, as ras e mercados da
Grecia, afirn de que os seus producios proporcio-
nen! commodidades ao fabricante e nao venham
desmintir o elogie do poeta I Mas se me queris
engaar por ser ea ceg, e nao me derdes os va-
sos offerecidos, iovoco contra o vosso torno o fla-
gelo dos dense I...
Devore o (ogo toda a louca, e prodaza o forno
um ruido semelbanle ao ranger dos denles de um
cavallo furioso I... Lacrimoso e gemebundo con-
temple ooleiro a sua ruina... e nioguem possa
abaixar-se para olbar para 6 forno sem ficar com
o rosto queimado pelo reveiWo da chamma, que
turboa o sea derradeiro somno. Saa sepultara
fandou-se na reminiscencia de todos, e um monu-
mento ergaeu-se em seas proprios versos. Mos-
Iram somente oa liba de Chioe, perto da eldade,
am banco de pedra semelhante am circo e
sombreado por um pltano, qae ha tres mil annos
reverdece em novos galbos. Charaam este lagar a
Escola de Romero.
Para all fdizem) la o ceg conduzido pelas fi-
ihas a fim de ensinar, e cantar os seas poe-
mas.
Deste sitio avislam-se os dous mares, os cabos
da Jonla, os comes nevados do Olympo, as plagas
donradas das ilhas, e as velas, que dobram-se ao
entrar as enseadas, 00 se desfraldam ao sabir dos
porto?.
As Albas viam por elle estes espectculos, caja
magnificencia e variedade destrnirim as suas
inspiragdos. A natnreza, crael e consoladora, pa-
reca querer relrah lo nestes espectculos inte-
riores, langando-ihe um veo sobre a vista.
Oesde ento, segando dizera as ilbas do arebi-
pelago, comegram os bomens a atlribuir ce-
goeira o don de inspirar o canto, e os pastores fe-
rinos fura vara os olbos dos rouxines para ao ins-
tincto junctarem meloda na alma e voz deste
passar.
(Traduzido por T. de A. A. Jnior.)
Li vi mil malvados,
Com langas machados,
Qs nossos soldados,
Crois derribar I
Seas pe tos feriaos,
Seus corpos partidos,
E entre gemidas
Meu Deas I erarar I
EM POOCO DI TOO.
Acaba de mudarse em Boston ama associaco
de geographia.
consumir os vasos I | Esta associaco coota apenas am mez de exis-
Homero passoa o invern Inteiro em Sanios. lencia, e ja dispoe'de am milbao de duros.
Bem qae nao j fosse constrangido pela indigen- Todo e quaiquer cidadao pode fazer parte
cia vender os seos cantos por urna roigalha de d'ella a titulo de. subscriptor, e de todas as
pao, eontinuon todava i cantar de tempos em parles as sobscripgdes afflulram em grande n-
temeos, por gratido aos habitantes bospitaleiros mero.
da ilha, versos adequados i fortuna ou condiego j Urna commisso, composta de sabios, de indus-
das casas, que visitava em seus doces e ltimos triaes e de horneas polticos, est encarregada da
que visitasse a Grecia, cheia de seu nome.
Elle cedeu, no Am de seus annos, a estas ins-
tancias da patria. Havia sem! duvida perdido a
compaobelra de sua vida, qu o teria detido, se
anda tivesse, no lar de seus das (elixes, do qual
nao deve o veibo afiastar-se peto recelo de distan-
ciar o tmulo. Parti para visitar pela derradeira
vez toda a Grecia, patria de seus versos, e de seo
nome.
Navegou a principio para a ilha montan los a de
Sanios. Abl desembarcou no da, em que cele-
bra va-se urna festa em honra dos deuses. Reco-
nhecido ao saltar em ierra por um habitante da
ilba, que o ouvira em Cnias, espalhou-se n'ura ins-
tante pela cidade *o rumor de sua chegada. Os
Samios correram a elle e pedlram, que com sua
presenga abriibantasse a ceremonia. Dirigise ao
templo com o prestito a chegaodo ao seu limiar no
momento em qne acabavam de accender o fogo
sagrado em versos inspirados pelo clarao do fogo
demestico assim canlou :
t Oh I Samios, os Alhos coustitoem a gloria dos
pais, as torres fazem a forga das cHades, os con-
seis sao a belleza dos prados aone saltara, os na.
vios formam a graga dos mares e as riquezas cau-
sam a prosperidade das casas ; os chefes e ancioes
a-- :aados em tronos na praga publica apresentana
a vista um dos mais majestosos espectculos, qae
olhos humanos podem contemplar. Nada, porm,
existe sobre a trra mais angosto e piedoso do qae
a babitago de urna familia clareada pelo fogo do
lar.
Os Samios, enlevados da honra, que este hospede
fazia a ilha, Azeram-no sontar-se no lagar mais
conspicuo do festim, e depois com grande|acompa-
nhamento o tornaram e levar para a casa onde es-
lava o sea leito preparado.
No dia seguinte, passeaudo na ilha de cojos si-
tios pedia que Ibe Azessem a descrfpgo aflra de
reconbecer com o espirito aqoillo que outr'ora vi-
ra com os olhos, passoa por perto de am forno ac-
ceso, aone alguns oleiros fab.Icavam vasos e co-
zlam o barro. Fot ainda conbecldo e rodeado pe-
los obreiros.
lazeres.
Um menino o guiava as ras; da cidade ou nos
caminhos campestres.
Os Samios conservaran! de cor passando de pais
a Albos algumas destas bengaos poticas do ceg
de Chios, como medaihas, qae se encontrara aqui
e all na arela destas plagas.
Homero para recordar a sua antiga mendicida-
de, trazia na mo, a exemplo dos mendigos ami-
go?, am ramo de arvore com folhas. E dirigindo-
se ao menino seu guia cantava: Ei-nos chega.
dos perto da vasta babitago onde vive um cidadao
opulento I Casa que continuamente resoava com o
mido dos visitantes e dos ser vos. Abram-se suas
portas para deixar entrar a fortuna, e com ella a
sereoidade e o ocio. Jamis Aque amphora algu-
na vazia nesta felix poosada, e nella vejamos sem-
pre a masseira cheia de excellente farinba 1
A joven esposa do filoo da casa, todas a vetes
que sabir, sahia em om rpido carro e as molas
com seus daros cascos a tragam para casa, aende,
com os ps sobre nm tamborete marchetado de
alambre, trabalhe co a agulha urdindo rh teci-
do. Quanto mira voitarei este tecto da mes-
roa raaoelra qae a andorinba regressando a vol-
ver o novo anno...
Os meninos de Saraos cantaram por muio lem-
po estes versos, indo as testas religiosa consa-
gradas beneficencia e mendicidade, esraolar de
porta em porta.
P
No reapparecimenlo da primavera, qoando a&
vagas eomegaram se mostrar placidas, e os- ven-
tos serenos, prosegota elle em saa navegaeao para
gerencia dos fundos.
Para estrs, resotveu se o envo de dez exped-
6&es, qne devem estudar as diversas regidos do
globo as qoaes a America pode exercer a sua
actividade commerclal.
De oito em oito das a assocrago ha de publicar
os relatorios que Iba forera dirigidos, e estes volu-
mes, de urna baratez excepcional, formarlo a
base de ama bibliotheea popular, qae habilitar
todo o cidadio dos Esladoe-Unidos a instrulr-se
econmicamente.
As primeiras obras que bao de sabir loz
no fim do anno correte, trataram da Alie
manba, da Irlanda, da Rassia, da Inglaterra e da
Franca.
A China, o Japao e o Indosto viro em seguida,
o que nao obsta a qoe a assoetaco envi viajantes
para estas diversas reglos, a qoaes sero estuda-
das provincia por provincia e quasi qne cidade por
cidade.
A raesmo lempo, as grande emprezas sao diri-
gida para a frica, ao norte de canal de Mogam
biqoe, e para as grandes ilhas ocenicas de Suma
tra e de Borneu.
A associaco possue j qaatro navios completa
mente armados e tripulado-,
Hao de singrar de Nova-York, no mez de de-
zembro.
Ali I foi om sonho 1 mais nm sooho borrivel
Que enebeu de angustias o meu coragao,
Inda a minb'alma nao parece um sonho
Mas sim am xtasi, oa revelagao !
Qae negras scenas os meus olbos virara,
Representarem-se em Humayt,
Qae ros de saogue, que medonho estrondo,
Qae seu estampido chegou al c I...
Ea vi cercados os seus altos muros
Com bomens fros mais do que animaes
Que em seus semblantes respirando odio,
Mover faziam machinas infernaos I
Fortes vapores todos encouragados,
Se balougavam no Irado mar,
Nelles ouvia do Brasil as tropas,
Gritando avante I haremos triumpbar!
Quanta coragem nestes nobres pellos,
Que assim a vida pela patria do ? I
Um s nao (reme cutios de herosmo
Gritara cobardes s vencis a traco I
Mais nossa causa que santa e justa
Triumphar bade dos embustes teus 1
Nosso estandarte da gloria emblema
Foi abengoado pela mo de Deas 1
Sobre estes maros nos o plantaremos
Infernaos machinas, nao assustaro,
Aos que defendem sua honra e a patria,
E que se escodam na religio I
Lopes t>ramio, qual o foi Caligaia
Vai acabar-se tea reinado vil.
Contra malvados que se nutre em crines,
Vencedor sempre sera' o Brasil ?
E os tiros soam na amplidao dos ares.
De negro iurao se condensa o ar,
E' tudo trevas at o co nao v-se, .
S se ouvem gritos e bramir o mar I
Oh 1 que sangrenta peleff,
Qae scenas meu Ueu en vi I I
Apezar do baver em sonaos,
Os meus sentidos perd 1
As- mulheres em Franga, depois de tere* dito
mnito mal dos gremios e dos clubs, trata hoje
de erear estabelecimentos de igual natureza em
Bar le.
Anda nao ba muitos das que se annnaeou a
prxima organisag&o de um club, sob a designagao
a baha de Atbenas. Detidos pela tempestado na
ensoada da peonen* ilha de los, os marinhArs do ^
navio, que o levava, presentio Homero, qae a vi-!. ....
da o desamparava. Transportou-Be ao litoral da
liba para morrer mais calmo, deitado ao sol sobre
a areia da praia.
bem entendido.
Tiveram lagar varias reunios previas em vista
de se constituirem, porm, quando se traton de Do-
ear um presidente e om secretario provisorio,
FOLHETIM
A SEPULTURA^ DE FERRO
POR
Ilenrlqae Conscience
(Continuago.)
II
A menina estove a olbar para mim por alguns
minutos com os seus profundos olhos azues, como
pedlndo-me a expiicaco do modo singular como
me apresentara. *
Depois abrio-lbe de leve os labios um sor riso
tranquillo e meigo. Aquelle sorriso coon-se-rae
so coragao como raio de luz e forgoa-me am grito
seivagem.
Dei um salto para traz e ergu os bracos ao co,
como se esse sorriso fosse ama coosa de milagre
que me desconeertasse a razao.
O mea estranho grito charaou a attengao da Sra.
Pavelyn.
Qae ten este rapaz 1 pergantoo ella a minha
mal.
E' o nosso Lelo. Nao faca caso do barulho
qae elle fax, minha senhora. E' om modo qae faz
baldados esforeos para fallar.
E ditas estas palavras pz am dalo na testa para
dar a entender que ea mereca desculpa, porque
io era multo psrfeito do jaita.
J por maltas vetes tinha notado slgaaes ainm,
feltos por mea pal oa por miaba mil, e bem sabia
o qae qaeriam diser.
Era ama cousa qae me tinha sempre magua-
do i mas nessa occasiao na presenga da anglica
creatura que olhava para mira, essa bumilhadora
pantomima doea-me como se me entrasse ama faca
no coragao.
Do peito rompen-me nm som que nao era um
grito; era om lamento doce e profundo, ama espe-
cie de supplica a implorar compalxo. Corve! a
cabega e cborei.
Na verdade pena I murmurou a Sra. Pave-
lyn. E' am menino lio lindo I
E voltsndo-se para a menina, disse-lhe :
Rosa, esta pobre creanca muda. Que ale-
gra ella terla se fallasse 1 Por nao poder fallar
que ora assim come ves. D-lbe a mo, Rosa;
um signal de compalxo ba de eonsola-lo.
Animado com estas mostras de interesse, levante!
a cabega. Vi vr para mira a nobre menina com o
mesmo sorriso encantador que j me tinha tanto
abalado.
Pogou-me na mo apertou-a e ameigou-a em
quanto a sua bocea murmura va palavras que
soavam aos meus ouvidos como celeste msica.
Deltei para meas irmos e para minhas irmias
am olbar de altivez; o signal de amisade qae
aquella menina acaba va de dar-me vngava-rae do
sea desden e tinha enchido o mea coragao de ale-
gra e de atentos.
Sem duvida a compadecida menina soube ler no
mea olbar sciotillante a exprsalo de inflalta ira
tido, porque, me apertoa .1 mi com mais amisade
e ase em om toa to suava que me fet correr
om tremor por lotos os nwmbros:
Os seas companbeiros prepararara-lhe um leito | eomo ns0 e costme, aprsentoa-se a obstculo
debaixo da vela do navio perto do mar. Os babl- mvencivel.
tantes ricos da cidade arredada da praia, informa-! presidencia partencia de di rei to a senhora mais
dos que all se aebava um poeu quasi a saecum- i(losa> e 0 \agiT ^ secretaria mais toga, e vio-
blr, desceram da eoliina para offerecer-lhe poasa- se qQe n'esta reuolo neohuma quera acbar-se no
da, e irazer-lbe Unitivos, donativos e homenagene. ^50 ,je ser presidenta, ao passo que todas preten-
Os pastofts, os pescadores e os manimos da ****** secretarias.
costa acudir para Ihe pedir orculos, cono
urna voz dos deuses sobre a trra.
Homero continuou fallar era linguagem divina
com os homens letrados, e a conversar, at o tlli-
rao suspiro, com os bomens simples eujos costu-
raos, trabalhos, e miserias tantas vezes descrevera
em seus poemas. Sua alma transfundir se na
memoria com os seus cantos; entregando-a aos i a torra trema
deuses, nao roubava a trra. Tomara-se a alma
de toda a Grecia; ia tornar-se em breve a alma de
todo o universo.
Depois que Homero expirou n'esta plaga, a bor-
da do mar, como naufragado da vida, o menino que
servia de luzes aos seos passos, seos companbeiros
habitantes da cidade, e os pescadores da costa Ihe
cavaram um tmulo na areia no mesmo lugar on-
de elle quizera morrer.
Rolaram para all urna pedra em que grSvaram
cinzel estas palavras:
t Estas plagas cobrem a sagrada cabega do divi-
no Homero.
los guardn para sempre as crazas d'aquelle a
quem assim dra a extrema hospitalidade. jt
A tumba de Homero consagrou esta ilba, at en-
to obscura, mais do que nao faria o sea berco-
qae seie cidades ainda disputara entre si. I
A tradiegao das plagas aonde o velho ceg ro
sepultado perdeu-se felizmente na serie dos tem-
pos, e vlcissilades da ilha. Nenhuma rlvalidade
de funeraes, de monunento, ou van piedade per-
n van piedade
Cnama-se Leo ? E* um nome bonrto. Qae
pena que na saiba (aliar 1
A commoeo forcoa-me algn gritos confusos.
Nao se deve grttar assim, toruou ella. Isso
feio. O menino nanea ba de aprender a Tsijar T
Eu nao sabia o qae ia em mim. Pareca me
qoe nesse momento deixaria que me cortassem
orna mo para poder dizer urna palavra, ama .s
inintelligivel.
Cahi em violenta coavolso; os meas membros
contorceran! se, o neo rosto fez-se azul. *
Nao grtel, mu Bz nm esforgo sobrehumano para
articular o liado neme daqaella qae, duas vetes,
tinha dito o mea com tanta amisade.
Nlo sel o qoe se me rasgn na garganta. O no-
me : Rosa I Rosa I coou duas vezes claro e sonoro
na sala.
Prostrado por este esforco gigantesco, deixet-me
cahir sobre urna cadeira e sorri como em xtasis
de suprema felicidade.
Deas seja louvado, que falln raen filho I ex-
elamoo minha mil entre lagrimas.
Correo para mim, pegon-me na mao e suppli-
cou-me qae repotisse oatra vez as palavras que ea
tinha proferido; mas, depois de longos esforgos
baldados, bem senti que nao serla oatra vez capas
' de to violenta teogao das minhas torgas.
Entretanto esteva cheio de contentamente intimo
com o saeeesso obtldo, e proearei dar a entender
por signaos qae liaba coofianga e qae esperan
poder aprender a faltar.
I Nio cessava de apontar para a linda menina, e
ergu as mos jantas pari ella como dizendo qae
I seria a ella qoe deveria o "ir a fallar e a (elieidade
E' de urna senhora esta prodncco potica.
SONHO OU V1SA0,
O vento bramia,
A onda gema
E a trra trema
Cheia de terror I
Mas eu nada via,
Parece dorma
E at me sorna
Ento grande horror I
Era j sol posto
E inda mea rosto
A cor do desgosto
Nao vinba tingir,
Soffrla somente
Urna febre ardente
Estava dormente
Nao tinba sentir.

Depois n'nm desvio
Senti mnito fro,
lornou-se sombro, "
Dos cos o azul
Como por encanto
Corren o mea pranto
Me vi com espanto
Nos campos do sol I
da minha vida, e agradeci-lhe como a um aojo en
viado por Deus para trazer-me a esperanga e o
livramento. %
Rosa estava visiveimente enternecida com estes
signaos de reconhecimento e sincera alegra Ihe
fulgarava nos olhos azues. Som duvida era grato
ao seu coragao compadecido crer que a sua pre-
senga fdra um beneficio para urna pobre crian
ga como ea.
Puchoa pelo chalen saa mi para obriga-la a
abaixar-se, falloa-lhe ao ouvido e a am signal af-
Brmativo proximou-se de mim. Tlroo do sea bol-
sinho urna ealxinha de pedra branca, transparen-
te, coberta de flores e estrellas de ouro e prata, e
metteu-m'a na mao, dizendo :
Tome Lelo, para si. Tem dentro assacar,
de que ha. de gostar mullo. E' preciso fazer lodo
o posslvel por aprender a fallar, e quando soube'
bel do dar-lhexousas ainda maisTwnitas..
A amavel menina nao tinba de corto outra in
tengo qae nao fosse a de consolar me. Dizia-me
aquellas doces palavras por pora caridade e como
esmola dada a am desgragado. Mas a sua compai
xio fez em mira mais profunda impresso do que
ella terla podido esperar.
As suas palavras cabtMs ama a orna, eomo be-
nfico orvalbo, sobre o mea coragao oppresso.e gra-
varam-se em tragos indeleveis na minha memoria.
Fiquei to
as mos
nem se qer not
ra examina-la.
Entio cahi em a
saa ijada caixinaa e
Hapa-
Depois vi que respirava,
Tudo mudara-se emfira,
Gritos ouvi de alegra,
Se ergner em roda de mim I
Ea vi esie grande forte,
Nossos bravos derrubando,
E anri-verde estandarte,
Em seus muros tremolando t
E em nuvera radiante,
Vi ergner-se urna viso,
Era a nossa padroeira,
A Virgera da Conceigo;
Oh t Maria Virgem pura I
Foi a toa proteceo,
Que llvron teus charos Albos
Dos golpes da tralgo 1

E a aurora assomando,
E o sol despontando,
E ama ave cantando,
Com doce harmona 1
Fez qne ea despertando,
lie fosse prostand o,
Mil louvores dando
A* Virgem Mana I


Boggio, de Tarn j eoadvogado Guerreiro, de
Aveilino.
A defeza apresentoa ama seria de documentos,
para provar qae o accusado era victima de' om
trama urdido pelos salteadores.
Os advogados deram para testemunhas as pos-
soas mais respeliavels, como Poeno, Embrlaoi. se-
nador ; Conforti, procurador gera junto do tribu-
nal de Cassago ; Leopardi, senador; e Torre, pre-
feilo da provincia de Turln.
Na audiencia de julgamento, presidida polo co-
ronel Biscossini Annibaldl, os defensores esiranba-
ram que as lestemanbas de defeza nao tivessem
sido intimadas ; o presidente declarou, qae tendo
examinado os autos, julgoa intil a iotarvenco
das lestemanbas.
Antes de discutir o procedimento arbitrarlo do
presidente, a defeza allegou a incompetencia do
tribunal militar, fundando-se era que o crirae de
homicidio, commettido por vlnganga particular, e
de que o reo era accusado, pertencia jurisdcgo
dos tribunaes eivis.
O tribunal, depois de ama .breve deiiberaco,
declarou-se competente, o para evitar perder lem-
po, resolvea desde logo o Incidente da falla de In-
timago das lestemuohas de defeza, mandando pro-
seguir o julgamento.
Os advogados protestaran enrgicamente, e re-
quererara ao tribunal que retlrasse ama deciso
tomada sobre ama questo, que nao bavia sido
proposta, nem discutida.
O tribunal sustentou a sua primeira resolago, e
o publico, qae at ento era hostil ao accusado mu-
doo e manifestou o seu descontentamente, a ponto
de costar a ser reprimido.
Os tres advogados protestaran! novamente, e
declararam, qae visto nao Ibe ser admittida prova,
era intil o sen patrocinio, e que por'isso se ret-
ravam.
A sesso foi suspensa por um corto espago de
lempo; o presidente mandn intimar o advogado
Guerreiro de Aveilino para defender o acensado,
sob pena de se proceder contra elle. M. Guerreiro
respondeu que nao receiava cousa alguma, e que
a sna dignidade e o seu dever Ihe impunham a
obrigagao de nao obedecer intimago.
O presidente maadou intimar os mais advogados
de Aveilino, e todos se recasaram igualmente
com excepgao de Quaranta.
A audiencia conlinaou, mas no momento emque
devia coraegar a allegago, o advogado Quaranta
declarou que nao poda continuar a defender o ro|
visto nio torem sido admittidas as testemunhas de
defesa.
O tribunal fundando-se na denuncia dos dois
salteadores, confirmada pela testemunha Bello,
condemnou o arcipreste Soidi a 10 annos de traba-
lhos publicas, julgando nao provada a acensago
homicidio, que era a principal.
O arcipreste appeilou, e hoje, qae ji nao est
em vigor a le excepcional para os salteadores;
provavel qne seja julgado pelo tribooaL^fil. *"'
O processo deve coraegar brevemente, navendo
mais um accusado, e vem a ser, o prefeto de
Lucca, que os salteadores denunciaran tambera
como cmplice, pois elle e Soldi tinham parte na
distribuigo dos ronbor.
O tribunal militar de Aveilino condemnou a 20
annos de trabalhos pblicos, o arcipreste Soldi,
acensado corno cumplice dos salteadores, que asso-
lavam a Italia meridional. u
O arcipreste Soldi, irmo de ara amigo depatado,
era geraimente tido e bavido como liberal; (ol
perseguido no tempo dos ttourbons, e expolsos es-
tes, prestou valiosos servigos ao novo governo,
pelo que foi condecorado com a ordem de S. Mau-
ricio e S. Lzaro, c nomeado commlssario real
para a represso dos toubos de estrada.
Grande foi a surpresa de toda a gente quando
se soube que o arcipreste fra preso como compli
ce dos salteadores.
O caso passo u se assim :
llavera am anno que um individuo chamado
Bello foi processado come cmplice dos salteado-
res ; este homem era ora dos familiares do arci-
preste Soldf; em lodos os Interrogatorios dlsse
sempre que Ibe era muito fcil comproraetter a
familia Soldi; mas, nao obstante isto, foi condem-
nado, sera fazer revelagao alguma.
Em novembro ultimo, por indicagoes do arcipreste
Soldi.foi capturada a quadrllba de ralnmbo-Taddeo.
Dois dos presos declararam, que um dos seus
camaradas, chamado o Calabrez, Ibes revelara an-
tes de-morrer, que Bello tinha reiages intimas
com elle, em preveito do arcipreste Soldi
Soldi foi preso em virtude d'esia revelagao, e
Bello, que estar eumprindo a pena, confirmou as
declaragoes dos dois salteadores.
O ministerio publico aecusou Soldi de ter man-
dado matar o tabelllo Adamo, por vinganga parti-
cular, e de ter enearregado Bello, seu confidente
particular, de indicar a victima aos salteadores.
Soldi nomeou seus defensores o advogado Ta-
rantino, dos auditorios de aples ; o advogado
para agradecer-lhe o seo presente. Tirei do bolso
a figura do abbade e dei-a minha bemfeitora, di-
iendo-lhe por gestos qae ea mesmo a tioha talhado
e qne Ih'a dava pela sua caixa.
A Sra. Pavelyn, vendo esse objecto informe, pa-
recen espantada da minha sinpUcldade. Minha
mi desculpou-me dizendo que eu me entretinha
das inteiros a cortar Oguriobas em madeira e que
oataralmeole^algava que terla algum valor aquel-
la. Meus irmos e minhas irnas pozeram-se a rir
da minha presumpgao.
Rosa olbava para o neo pobre presente sen
dizer nada, ponha o abbade em p na mo, rolla-
va-o e pareca diverlir-se muito com esses movi-
mentas.
Qne me importava qae todo o mando escarne-
cesse a minha obra, se ella, qae se arvorara em mi-
nha protectora, a julgava digna da toa attengao ?
Um sentimeoto de ineffavel alegra me encheu o
coragao qoando Rosa se recusou a entregar a Ago-
ra do abbade a miaba mal, lh'a pedia, e disse
saa :
Peco-lbe qne me deixe conservar isto. Foi
mesmo este pobre menino qae a fez, o na verdade
ama coosa bonita. Hei de mostra-la ao pap e j
hoje me servir para brincar.
E' o que sao as mangas, Sra. Wolvenaer,
disse a Sra. Pavelyn, encolhendo os hombros. A
unueta dar votos1 gente da-loas booecos *.obiectos de brinquedo que
eostam mnito diobeire.e elies antes querem dver-
iIos depois, passadas
o brinquedo nio
leabra neis.
liada raenwa qxtanto seatu nao poder fin nada Por eignaes e com os oaos snppllcantes pergon-
0 jornal des Debis d as seguintes inte-
ressantes infurmayOes, acerca do cotnmercio
dos diamantes.
Hoje Londres e Pars s5o as cidades qae
fazem o principal commercio dos diamantes
do Brasil, e nao s dos diamantes propia-
mente ditos, mas das pedras preciosas, taes
como a esmeralda, o topazio, a arnethista e.c.
Estes diamantes brutos saj mandados d'es-
tasduas capitaes para as officinas de Amster-
dam onde sao polidos.
Todava em Pars ja se faz esta operagao,
pois fundoa->e ltimamente ama officina onde
os diamantes sao polidos comtanta perfeiejo
como na Hollanda.
Nesta officina sao polidas as facetas por
meio de ms que do 4,500 voltas por mi-
nuto.
A industria de cortar e poliros diamantes
oceupa em Amsterdam mais de 10,000 ope-
rarios e a cifra annuai das transares d'esta
opulenta empreza de mais de cem milbes
de francos (desoito mil contos).
Sabe-se que a polidura faz perder ao dia-
mante bruto metade do seu peso; parta-se
d'esta proporco para carcular a enorme quan-
tidade de diamantes que sabem das minas.
Em Paris, o preco dos diamantes brutos
sonidos, de pequeas grossuras, varia entre
40 e 100 francos o quilate.
E' nodistricto deTijuca, provincia de M-
naaGeraes, no imperiodo Brazil, e n'nm sitio
cbamado Serr, rio quase esploram as minas
de diamantes.
Este territorio tem 70 kilmetros de com-
prido por 35 de largo, e est rodeado por
montanhas escarpidas qne oculiaram por
muito tempo s investigaces dos Europeus.
Foi em 1749 qae Fonseca Lobo, Porta-
guez, descobrio, sem o saber, o mais precio-
so dos cristaes, mas oculto na saa ganga.
Os Hollandezes foram os primeiros que re-
conheram a sua natureza; e fizeram nm tra-
tado com Portugal para adquirir todos os dia-
mantes brutos que se achavampa sua grande
colonia da America.
Este tratado proporc :onou-lhes lucros enor-
mes.
Ainda que estas minas entrassem depois no
numero das propri edades do estado, a Hollan-
da nem por isso deixon de esercer por muito
tempo o monopolio de polir os diamantea co-
mo cima dissemos.
tei a Rosa se essa seria tambe a do mea
hamilde presente. Tranqnillisoa-mi n ace-
no de cabega. Tinha-me comprehendido e i o seu
gesto pronettia roe que dara sempre valor ao mea
abbade de pao.
Adeus, disse a Sra. Pavelyn ; e tempo de ir.
nos embora, para nao fazer esperar mea marido.
Tal vez o carro ja' es teja prompto. E' claro qae es
le anno nao residiremos no castello, porque esta*
completameMe vazio, e carece do ser restaurado
e mobilado. S oa primavera estara prompto. En-
to hei de vr ve-la oulra vez, porque gosto de vi-
ver cora gente da aldeia. Hoje s vioraos para ver
o castello. Rosa vamos. Da' oatra ves a nio a esse
pobre Leo en signal de despedida vamos em-
bora.
Fcilmente se lia en mea rosto qae me affligia
o annuncio de lio prompta partida. Rosa apertou-
me oatra ves a mo e dlsse-me ao vido :
Nao esteja triste. Aprenda depressa a fallar
e en vire! ve-lo. Continu a fazer flgnrnbas para
mim, porque as estino.
Cobri os olhos
sahfr.
V

/
<
I
I

A
,/

I
1
V
con
s mos para nJo a ver
E tanto tempo permanec assim, qae miaba mi
reprehenden speramente a miaa descortecia o
disse qae bavia de dar a saber a moa pai com qoe
mos termos ea me tinba portado.
a
(Continuar-u-ka.)
f
PSrtRA!
I


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EBLMVMJKA_FGJHXS INGEST_TIME 2013-09-05T03:05:59Z PACKAGE AA00011611_10904
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES