Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:10902


This item is only available as the following downloads:


Full Text
^H
T1



y

17
AMO XUI. HOMERO 46
Por furtel HI' deir# 10 4ias o 1.' ez...... .
Idea eptisdM l." f omeco e dentro do juartel .
Porte to correio por Ut es........T.....
'! b ll-t*T.Vf i> ^5 Mi>1 ai** i'Ulillitilt*^ *|> iitfft
SEMA FEIRA 26 DE FEYEREfflO DE 1866
Por amo pago foitro de 4o m do 1. mez.
Porte ao correio por um ano .....
11 '
ENCARREGADOS DA SUBSCRIPCAO DO NORTE
Parahyb, o Sr. Antonio Alexrdrino de Lima;
Natal, o Sr. Antonia Marques da Silva; Aracaty, o
Sr. A. de Lemos Braga; Cear, o Sr. J. Jos de
Oliveira ; Maranhao, o Sr. Joaqaim Marques Ro-
drigues ; Para, os Srs. Geraldo Antonio Alves &
Filbos ; Amazonas, o Sr. Jernymo da Costa.
ENCARREGADOS DA SUBSCRIPCAO DO SUL.
Alagoas, o Sr. Clandino Falco Oas; Babia, o
Sr. Jos Martins Alves; Rio de Janeiro, o Sr. Jos
Ribeiro Gasparinbo.
PARTIDA DOS ESTAFETAS.
Olinda, Cabo, Escada e estacSes da va frrea at
Agoa Preta, todos os dias.
Iguarass e Goyanna as segundas e sestas feiras.
Santo Anto, Grvala, Bezerros, Bonito, Carnar,
Altinho, Garanbans, Buique, S. Bento, Bora
Conselho. Aguas Bellas e Tacarat, as tercas
(eiras.
Pao d'Alho, Nazareth, Limooiro, Brefo, Pesqneira
Ingaxeira, Flores, Villa Bella, Cabrob, Boa Vis-
ta, Oarlcnry, Salgoeiio e Es, as quartas
feiras.
---------------------------------O i
Serinhaem, Rio Formse,Tamandar, Una, Bar
reros, Agua Preta t Plmenteiras, as quintas
feiras.
AUDIENCIAS DOS TRIBUNAESyA CAPITAL.
Tribunal do commercio : segundas e quintas.
Relacio : tercas e sbados s fO horas.
Fazenda: quintas s 10 hora?.
Jalzo do commercio: segundas as 11 horas.
Dito de orphos: tercas e sextas s 10 horas.
tara do civel: tareas r sextas ao mel
Primeira
dia.
Segunda vara do civel:
bertdt larde,
-ni'
guaras e sabbades a 1
EPHEMER1DES DO MEZ DE FEVEREIRO.
7 Coarto ming. as 5 b., JO m. a 16 s. da t.
15 Loa nova as 7 h., 33 na. e 56 s. da m.
12 Qnarto crese. as 2 h., 28 m. e 43 s. da m.
DAS DA SEMANA.
26. Segunda. S. Pedro Damio b. e. e dont.
27. Terca. Ss. Autigono.CorseeBessasold. mm.
28. Quarta. S. Romo ab.; S. Cereal m.
1. Qainta. Ss. Suitberlo e Budocio mm.
2. Sexta. Ss. Jovioo, Basilio e Secundilla mm.
3: Saobado. Ss. Hemeterio e Asterio mm.
4. Domingo. S. Casemiro re; S. Lucio p.
PREAMAR DE HOJE.
Primeira as 2 horas e 6 m. da tarde.
Segunda as5 horas e 30 minutos da manhaa.
PARTIDA D08 VAPORES COSTERO.
Para o su! at Alagoas a 14 e 39; pan o norte
at a Granja a 7 e 22 e cada mez; para Fernn-
do nos dias 1 i ios mezes de Janeiro, merco, nula
julho, setembro e novembro.
ASSIGNA-SE
no Recite, na linaria da praca da Independencia
ns. 8, dos proprietarios Manoel Pigoeiro de Faria
& Filbo.
PARTE OFFICIAL
CSOTERMO A PBOVIWCIA.
Expedienle de a 22 de fevereire de I8GG
Offlcio ao desembargador preved:r da Santa Ca-
sa de Miserieordiav-Attendendo ao que me reque
rea o bacharel Manoel de Siqueira Cavalcanli, so-
bre que versos a sna informago de 9 de Janeiro
ultimo sob n. 620, autorlso V. Esc. a mandar ad-
mlttir no coHegio dos orphos, nao havendo incoo-
veniente o menor afilhado do suppllcante de nome
Pedro, ce qae traa o incluso requerimento.
Dito ao Exm. general commandante das armas.
Manda V. Esc. dar balsa ao voluntario da patria |
do 6o eorpe Joao Pessoa de Atbuquerque, que foi
considerado Incapaz do servido em inspeceo de
saude, segundo V. Esc. declaren em seu offlcio n.
362 de 21 do crrante.
Dito ao mesmo.Ao offlcio que \. Esc. me diri-
gi em 20 do correte sob o. 846, respondo decla-
raudo-ltie que convem aguardar as ordens qne
nesta dala solicito do Exm. Sr. ministro da guerra
acerca da substituido do tenente Manoel Joaquim
Machado, e alteres Joaquim Velloso da Silveira da
companbia de cavallaria, para ento faze-los seguir
aos seus destinos.
Dito ao mesmo. Haja V. Esc. de mandar ins-
peccionar a Jos Francisco Carneiro de Almeida,
qne foi recrutado com o nome de Jos
Manoel Carneiro de Almeida.
Dito ao mesmo.Faco apresentar a V. Esc. para
sercm inspeccionados e alistados para o servigo da
guerra os guardas do 11 batalhao de infantera do
municipio de Iguarass Francisco Jos dos Santos,
Ignacio Vieira de Lima e Joao Corroa de-An-
de paquetes, facam teansportar para a corte, por
conta do ministerio da guerra no vapor Gerente, o
soldado Joo Pacheco de Faria, que assentou praga
oiu sobstituicao ao soldado do estincto corpo de
gua'oicao Jos Joaquim de guiar.
Dita.Os Srs. acentos da C->mpanhia Brasilelra
de paquetes, mandem dar transporte para a corle., do correte:
no vapor Gerente por conta do ministerio da marf-' A ordem do Dr. delegado da capital,
Cicero Anatoleo Vieira do Brasil e Joan Luiz de
1 Mello.
IRPARTIQaO da polica.
- Extracto da parte do da 24 de fevereiro de
1866.
Foram recolhldos casa de deteoco no dia 23
Joaquim
este o mais estreito commercio de amizade, gozan-1oar/. -^ oa//,,,
fln (IB Inri* 11 en n..u<. ;,.,...>,!., A,..lm,.r,An. *"*** "
do de toda a sna proieccao, jamando e divlrtiodo
se fuadamentam e baseam as ditas nrescripcSes.
elle tambem sobresabe, a par da independen-
cia e eoergia^om que sao apontados e profligados* se cora ele'e servido"de"empenno^essa'sbdee-
erros, fallas,eom.ssdes no loro, urna discreu pro-;gacia (ahique vai ter ludo, acensase a autori-
dencia que P"1 Previt>e dmoesla para de- dade, porque esta nao cede a empenhos, que s
e nao vinha armado t ) sobre
Baptista, e arrebeotaram-lbe a cabeca, prenderam-
no, e so nao o condusiram a prisao, por ter se o-
brigado por Baptista seu cuohado Jos de tal ( nao
set como se possa conciliar tanto rigor com tanta
SS*r rjrm= F/SMWBfnnea =SHi?=^=
posico, e sabe cumpnr os sens deveres,
nha, aos primeiros marinheirs eogenheiros epga- Kerreira Cootlnho, Manoel da Silva Guarabira. Ma- fonccionano que mu los beneflclos pode fawr ao
jado, para o servico da armada nacional, Thoraaz niel Poleiro do Nascimento, Abarliniano dos San pa.z, e que coesegn.ntemente mmto ?
i Aileu, Nicolha^ Geraldo, Iahu Ettene, WilleBlen tos Ferreira, Jos Martins de Oliveira, Manoel An "
; Austim, e Augusto Laudemberg.
COMIEDO DAS ARIAS.
Qaartel general de eoiamando das
nambuco na ciilade do Recife, 24 le fevereiro
de 1866.
Ordem do dta n. 203.
O marechal de campo commandante das armas
desejando acautelar o abusos qne se tero dado, e
prejuisos a' fazenda nacional qne podem resultar
de na) serem as obras e concertos praticados as
fortalezas, guarais e estabelecimentos militares
sob sua jurisdicio, de cooformidade com as auto-;
risadas da presidencia, ou do goveroo, quer em
relajo a' plaoto e orcameoto de caes obras e con-
certos, quer na qualidade dos materiaes, determl-
na aos Srs. commaodanteTde corpp!, fortalesas e
1 etabelecimentos militares em que se Bzerem
Francisco obras ou concertos, que tenhnm em vista o dispos-
to nos avisos do ministerio da guerra de 26 de
abril a 8 de maio do anoo de 1852 em seguida |
transcriptos, recommendando-lbei ao mesmo lem-
po a devida esecoco.
Recommenda igualmente a fiel observancia das
da estima dos seus coocidados, e muilo merece
ionio RosaseManoeF Francisco 'da-Silva, vindos do. dor se lortw da consideraco do goyerno. Neste
presidio de Fernando. raso se acha o Sr. Dr. Oliveira Maciel.
A* eraem do subdelegado de Santo Antonio, An-! Certo de que os senhores redactores do Diario
toeio Jos de Mello e Sebastio Jos Pimeuta, para de Perwmntoco estimarao snbmetter apreciacao
, correceo ; Francisco Alves da Silva, por uso de do publico^aqoelle importante trabalho, nao so
a-mas de Per- armas prohibidas. >" am lestemunho do que cima dissemos qoan-
A1 ordem do da Boa-Vista, Feliciano, escravo to as qnalidades e carcter do referido magistrado,
Francisfdos Reis Campello e Joio Francelino e | como porconier laminosos preceltos, que dvem
Deus, para correcto.
A' ordem ao da Magdalena, Justino Francisco de
Nascimento, para corree?o.
O chef da 2' secejfo,
J. G. de Meq*ita.
ser eoehecidos, abracados, e ejecutados, Ibes cfTe-
recemos o sopradito folheto, e esperamos que o
mandem transcrever.
11 da a Mauricio por um reernta, foi" este Immedja-
; lamente posto em liberdade : razia parte integran-
| te da polica daquella localldade e era a elle con-
nado o desempenho de' certas commlssdes, tanto
; que achando-se elle no cerco da casa do fiscal Fi-
lippe Jos do Nascimento, a Peisoto foi incumbido
pelo subdelegado derrabar a porta da casa de Fi-
lippe, como se v do interrogatorio qae a esse cri-
minoso fez o subdelegado deste disincto Jos de
Barros Silva Jnior, que o prendera no districto do
Corrente, e publica e notoriamente sabido por
todos (chamasea atlencao dos tenores para a res-
posta a este ponto da aecusacao)
Manoel*Aotonio Arelas criminoso no districto
d'Assembla n provincia das Alagoas aonde etti
Nao terminaremos sem rogar aoSr. Dr. Oliveira a prova do seu crimel), intimo amigo e compadre
Maciel queira descalpar-nos se com o que deisa- de Mauricio Lopes Lima, nao so viva na mals es-
pt i iu.r*i _.. .. .
>
CH ROICA JIDIIAUIA.
TKIHILVAX IDA RELAV*0-
SESSAO DE 24 DE FEVEREIRO DE 1866.
PRJESIDENCU DO EXM. SB. CONSELHEIRO
SOUZA.
As 10 horas da manhaa, prsenles os senhores
desembargadores Santiago, Gitirana, Guerra, pro-
curador da corda, Lonrenco Santiago, Almeida Al-
baquerqne, Mctta, Assis, Doria, Domiognes da Sil-
va e Costa Vieira, Accioli de Vasconcellos, e o juiz
mos dito ofrendemos a sua reconhecida modestia.
i'm amigo.
Coirespondencias
a
disposieds comidas em sua orden do dia 23 de ; de diceito Frenas Henriques, abrio-se a sesso.
, novembro do anuo ndo sob n." 160, relativamente; Passados os feitos, deram-se os seguintes
laoricio Upes Lima, subdelegado 1.
sHpplente do districto do Correte
en Garaabens e seas delatores.
Tendo me dpfendldo plenamente das accnsac5es | ^s aJManoel Florencio, por baver sido_ este tes
oue me faziam gratuitos delatores, ped ao Esm.
treita commanicaco com esse subdelegado e sua
lamilla, fazendo dfsso alardo e ostentarlo, pres-
tando-lhe Mauricio os mais offlciosos servicos de
amizade, emprestando-lhe dinneiros, cavallos ar-
mas suas (at istot) para elle transitar por toda
parte, como o criminoso Peixoto feo duende, mas
a resposta est dada em lugar competente) tomava
parte as diligencias do subdelegado (diligencias
que Ihe teem attrahido todas estas odiosidades),
como tomn na diligencia qne teve Ingar para
prender no Munda Meinm da provincia das Ala-
drade.
Dito ao mesmo. Sirva-se V. Etc. de informar, ao servico da vaccinacao das pracas que anda nao
sobre o que pede no incluso requerimen o Jos tiveram besigas naturaes, ou inoculadas
Francisco do Nascimento. O mesmo marechal de campo duelaia para co-
Dito ao inspector da thesouraria de fazenda. nheciimmto da guaroico e Dos convenientes, que
Consuiodo de parlicipagao datada de hoje, do juiz no dia % do eorrente se Ihe presentou viudo da
municipal da segunda vara desta captol, bacharel cimrca de Flores onde se achav; em commisso
Francisco de Aran Barros, que nesta mesma data do governo da provincia o Sr. tenente coronel do
delsoa o exercicio do seu cargo para ir tomar as- corpo de estado maior da 2* classe los Lacas So-
senlo na cmara temporaria; assim Ih'o comrauni res Raposo da Cmara.
co para os Has convenientes.
Dito ao mesmo.Devolvendo o pret que em du-
plcala veio annexo ab sea offlcio de 20 do corren-
te sob n. 93, concernenle aos vencimenlos conta-
dos de 8 a 15 deste mez, de 9 pracas da guarda
Avisos: Illm. e Exm. Sr. Convindo a bera da
senlco, qae o< commandantes das fortalesas em
que honrerem obras em andamento as fiscalisem,
tanto o que diz respeito ao trabalho dos operarios,
como a' qualidade dos materiaes, determina S. M.
nacional dos municipios de Olinda e Iguarass, as o Imperador que V. Es. expeca, nesta conformida-
quaes acham-se adddas ao segundo baialbo des
tinado ao servico da guerra, recommendo a V. S.
qae mande pagar a importancia do predito pret,
pois qae toes pracas vo destacar no presidio de
Fernando, e deixarain de seguir a seu deslino por
terem ebegado depois da sabida do vapor que as
devia conduzlr.
de, as convenientes ordens aos respectivos com-
JULGAUBNTOS. *
AOGRAVOS DE PElisio. >V
Aggravante, D. Tnereu de Jess Coelho Souza
Leo; aggravdo o juizo.
Relator, o Sr. desembargador Doria, e sorteados
os Srs. desmbargadores Guerra e Domlngues da
Silva.
Der ara pro vi tiento.
HABRS CORPUS
Mandaram prestar Banca ao paciente Joo Capis-
traoo de Turres Gallndo.
DILIGENCIA CIVEL.
Com vista ao Dr. carador geral
Appellante, Bernardo Pinto Pereira ; appellados,
Francisco Pinto Pereira, e seas fltnos.
Appellante, Beraardioo Lopes de Oliveira ;_ap
contrareal algnma cousa menos coaseolanea com
a regularidade do nwstno servico, dera parte ao
marechal de campo director das obras militares
Deus guarde a V. Ex. Manoel Kelisardo de Souza
e Mello. Sr. Antero Jos Ferreira de Brito. =
Dito ao mesmo.Providencie V. S. para qne es- j Iffro. e Exm. Sr, Determnaado f> M. o Impera
lando era termos os melosos documentos, e nao 'dor que as disposIcSes do aviso de 'io de abril fln-
bavendo inconveniente sejam pagos os vencimentos
correspondentes a Ia quinzana du corrente mez,
das pracas do 1 batalhao de rtilharia da guarda
nacional desta capital, destacadas as fortalezas do
Brum e Buraco, visto assim o haver solicitado o
o respectivo commandante superior em offlcio de
boje sob n. 52.
Dito ao mesmo. Transmitto a V. S. os prets, Mello. Sr. Antero Jos Ferrln de Brito.
(Assigaado.^Francisco Sergio dt Oliveira.
Est conforme. Estemo los Ferraz, tenente
ajudante de ordens interino encaregado do de-
talhe.
PERNAMBUCO,
REVISTA DIARIA
juntos em duplcala, aflm de que nao havendo in-
conveniente mande pagar os vencimentos corres-
pondentes ao mez de Janeiro alomo, das pracas da
guarda nacional destacadas as fortalezas de Pao
Amarello e lumaraca', e bem assira dos cornetas
empregados no batalhao o. 9 de infantaria do mu-
nicipio de Olinda, visto assim o haver solicitado o
respectivo commandante superior em offlcio 20 de
do corrente.
Dito ao inspector da thesouraria provincial.
Attendendo ao que me requereu o professor parti-
cular, padre Joo Servulo Teiseira, resolv nesta Hontera percorrea diversas roas dos bairros
data, tendo em vista a informaco ministrada pelo de Santo Antonio e Recife, a procisso de Nossa
director gerai interino da insiruccao publica, em | Senbora da soledad, que se venera na igreja do
20 do corrente, sob a. 31, releva-lo da mulla que Livram.vito ; tendo havido (pela manhaa a benco
Ibe foi imposta pela falta de apresentago dos map-' da imagen) do Senhor Preso, qao tambem sabio
pas de seos alumnos de latim visto haver provado na referida procisso.
nao ter eosinado aquella hugua no seu estabeleci- .
raentoduraote o auno prximo: oque commnnleo' Temhoje lugar o concert annnnciado no
a V.S. para sea conhecimento e direceo. isanw "
Dito ao mesmo.A Eduardo de Souza Reis, j o concurso, que tem de procuder-se perante
mande V. S. pagar, conforme soliciloo o delegado a thesouraria de fazenda para praticantes da mes-
encarregado do espediente da repartico da|policia,, raa repartigo, alfaodega e recebedoria de rendas
era offlcio de 20 do correte, sob n. 23i, a quantia, internas, deve comecar hoje, sendo examinadores
de 42J780, despendido durante os mezes de no- de grammatica nacional o Sr. professor MiguelAr
vembro a Janeiro prximo lindo com o fornecimen- chanto Mlndello, de aritpmetica inclusivamente
mandantes, recommendando-lhes tjae quando en- pellado o bacharel Miguel Jos de Almeida Per-
nambnco.
AppellacSes crmes.
Ao Sr. desembargador procurador da jusilla.
Appellante, Manoel Jos Teiseira Basto*; appel-
lado, o juizo.
Appellante, Jos Petipp* Bandeifa de Monta;
appellado, Jos de Sonta Pereira.
Assignou-se dia para jalgamento das appellacSes
seguintes : *
As appellacoes crimes.
Appellante, o jalto ; appellado, Marcolino Jos
da Silva.
Appellante, o promotor; appellado, Raymando
Jos Frinklin.
Appellante, Arselino Lopes da Silva ; appellada,
a justiga.
As appeliaeoes civeis.
Appellaote, Francisco Casado da Fouseca ; ap-
pellada, a fazenda.
do, encarregaodo os commandantes das fortalezas
da tiscalisacao das obras que estiverem em anda-
mento as mesmas fortalesas sejam extensivas aos
commandantes de corpos, cajos qaarteis estejam
em idnticas circunstancias, assin o declaro a V.
Esc. para seu conheclmento e exe>;ucao. Deus
guarde a V. Exc. Manoel Felisar lo de Souza e
Dr. chefe de polica licenca, nao s para pu-
blicar a mioha defeza, como um papel sem assig-
natnra que contm todas essas acCusagSes, e que
foi ltimamente presentado a S. Esc. pelo bacha-
rel Jos Roberto da Caoba Sales, a quem alias
nunca ofleod e que, por cansa de Joao de Barros
Correa que met rancorosp, mimigo, se tem cons-
liiuido nieu acrrimo perseguidor.
Como me fosse concedida semelbaote llcenca,
don ooblicidade a essas pecas e juntamente a inte-
gra de diversos documentos cojas coplas em pu-
blica forma se acham no escriptorio da tvpogra-
phia do Diario de Pernambuco para serem ve-
temnnha no processo contra o mesmo Areias, na
em que foi preso o velho Jos Francisco de Andra
de, e finalmente na diligencia em que teve logar o
espancameuto em Joao Jos Baptista de Espindola
(que ferio ao inspector de que ha corpo de delicio;
em resistencia), feito pela patrulba que diligencia
va, como se v de olio depoimentos qne se encon
tram no processo contra este instaurado, e que se
acha no car torio de Carapeba, escrivio do juiz mu-
nicipal deste termo (nado de apresentar estes de-
poimentos por certido, o sysienta inventar (ac-
tos ou mverte los, para chegar-se a seus fins.)
Finalmente era tal. a proieccao, que dispensava
Mauricio para com Manoel Aptonio Areias, qne
rificadas por qOera o qolzer, sendo qae os orlginaes i com o maior insolo a le e ultraje a moralidade ou-
forao entregues com a reterida defeza aquella au- D,'ca ( insulto alete ultrage a moralidade afltr-
toridade, era cojo poder esistem ontros mallos do- J""" tantas falsidades com o maior cyntsmo), con-
comemos por mim fornecidos de ootras vetes. nava a esse criminoso o commando das rondas as
Dirijo-me tao somonte aos homens honestos de. feirao .d'aquella povoacao incombindo-lhe fazer
qualquer parcialidade poltica, e nao a esses meas prosees, como por todos sabido, e tal era o inie-
dlaiores, qne nada me merecem pelo cyoismu; resse qae tomava esse snbdeiegado pela sorte de
com que fallam verdade, a a qoera jamis res- Avias que protesten prender e perseguir todas
ponderei, podendo portante continuar a caluro.- j inanias testemuohas^depuseram no processo de A-
niar-me. ".como 0 confessaram as testemunbas qne jnra-
Certaraente, eu guardara silencio, se nao pare- ram no processo de Joao Jos Baptista de Espiado
cesse que compile autorizava supppr-se que eu nao tei testemuuhas, entretanto, escolhidas pelo iproprio
podem mpogaar actos, coja palerldade repiHo snbdel<*ado (testemnnhas rndenos e dependentes
por nao se dar com o mea carcter. os protectores de Baptista, como se firmar a to-
Resta-me declarar que, gracas a Providencia, vi- dotempo), e qae Qzerara parte da patrolha ( quid
vendo independentemente dos meus traeos recursos, *?), que observou o espancamento feito em
nunca sollicitei empregos pblicos para revestido
dedos inculcar emprestada importancia ; que, ac-
ceitando a supplencia da subdelegada desle dis-
tricto, o Ot com umita repugnancia e por condes-
cender com algn? amigos, nao a lendo de neobu-
ma maneira pedido a quem quer que fosse ; e que,
finalmente, no esercitlo de semelbaote cargo, ufa-
no-me de ter prestado alguna servico a meu p*iz
as melindrosas circamstaocias em que elle se
Baptista pelo referido Manoel Antonio Areias e seu
irman, o inspector Barnab.
Manoel Aracuan e Aotooio Pereira lendo-se
ferido mutua e. gravemente (que impudencia!),
foram presos em flagrante delicio por Manoel Fran-
cisco, inspector dos quartelroes Situacao e Ria
cho da Palha (nao diz elle tsto em sua parle ofi-
cial abaixo transcrita); econdusldos presecca do
snbdeiegado Maaricio, este metlea-os no tronco e
acha, de guerra com o eslrangeiro, servico que rae [ penco depcis a pedido de nm filho desse mesmo
Appellante, Josepha Mara da Cooceicao eseus nv lem attrahido a odiosidade de egostas que s teo inspector (nao Ihe era mais fcil pedir a seu pa
lbos ; appellado, Jut Ribeiro de Lemos e sna mu
lher.
PASSAGBNS.
do a palavra liberdade na bocea para melhor illa
direm os incautos, quando chega a occaslo de
moitrarem o seu liberalismo deendendo a patria,
Do Sr. desembargador Santiago ao Sr. desembar- Diai fazem era seu favor) e anles procuramobstor
gador Gitirana a accionas autoridades.
TV appellacao crime. ge allego este servico, nao por jactancia, pois
Appellante, o juizo; appellado, Joaquim da Silva' e||e a^t mais eXBrme do que o cumprimento de
Ferrar. ? ara dever, e sim porque por amor delle que es-
Do Sr. desembargador Gitirana aoSr. desembar- t0a soflreodo, a ponto de l terem tentado contra a
gador Lourenco Santiago
As appellagoes civeis.
Appellante, D. Francisca da Conha Bandira de
Mello; appellado, Francisco Rodrigues dos Santos.
Appellante, Manoel Goncalves de Sooza; appel-
lado, padre Jos Barbosa Meodes Rocha.
Do Sr. desembargador Lourenco Santiago ao Sr.
desembargador Almeida Albuquerque
A appellacao civel.
miaba vida, como se ver do documento
n. 11.
Corrente, 3 de fevereiro de 1866.
Maaricio Lopes Lima.
pura nao prender esses criminosos ?;, os mandou
por em liberdade e nao lhes iostaurou processo at
hoje ( aln est a resposta em que se prova que o
proprio Dr. chefe de polica syndicou deste fado,
que tnleiramente falso).
Jos Francisco de Andrade tesiemnnha no pro-
cesso de Manoel Antonio Areiasfoi noli ticado para
acompaahar ama diligencia, qne deveria ter lugar
no districto de jMunda Meinra na provincia das
AUCUSACAO.
Subdelegada do Corrente.
Alm de maltes oulro? (actos importantes, que
da subde-
to de ioz e agua para o quartel do destacamento de
guardas naciooaes esistente no municipio de -anto
Anto, urna vez que esteja em termos a inclusa
conta em duplcala e nao haja inconveniente: -
Commaoieou-se ao delegado ene arregado do es-
pediente da reparticao da polica.
Dito ao mesmo.De cooformidade com o qae
solicitoa o commandante superior da comarca de
Santo Ailo em offlcio de 7 do correte, recom-
mendo a V. S. que estaodo em termos o pret junto
em daplicata, e nao ha vendo inconveniente, mande
pagar a Jos Antonio de Freltas, os vencimenlos i
relativos ao mez de janeiro ultimo do destacamento
de guardas nacionaes exi-tente na cidade da Vic |
loria.Communicou-se ao respectivo commandan-
te superior.
Dito ao mesmo.Recommendo a V. S. qae es-
tando em termos- o pret junto em dnplicata e nao
havendo inconveniente, mande pagar ao sargqnlo
Jos Francisco Lins, conforme solicito o cowman-,
dante superior da comarca de Palmares era ofQcio
de 20 do correte, os vencimentos "a contar de 19
de janeiro a 19 de fevereiro deste anno das pr? cas
da guarda nacional destacadas na villa de Agua
l'reta.Coiumuuicou-se aorespeilivo commandante
superior. ,
Dito ao mesmo,Mande V. S. pagarse nao boa-
ver inconveniente, e estando em tormos os melosos
prets que me remellen o commandante superior
desta capital coof'offloios de hoje, sob n. 53 e 54,
os vencimenlos relativos a Ia quinzena deste mez.
dos guardas haioaaes destacados oas -fregnezias
de S. Lourenco da Malta e Afogados, bem como
as povoacoes do Peres e Passagetn da Magdalena.
Communicou-se ao commandante^uperlor do Re-
cife.
Dito ao mesmo.Se estiver em termos os prets
juntos em duplcata a que e refere o offlcio qae me
dirigi o commandante superior da comarca de
Olinda em 20 do corrente e nao havendo inconve-
niente, mande v. S. pagar os vencimentos relativos
ao mez de Janeiro ultimo, dos des lamentos da guar-
da nacional existentes naquella cidade e na villa
de Ignarass.Communicou-se ao commandante
superior de Olinda.
Portarla.-Os Srs. agentes da (.ompanhla Brasl-
leira de paquetes, mandem dar passagem de esta-
do a r at o Rio de Janeiro, no vapor Gerenlt ao
eropregado poblico. Candido Martins dos Santos
Vianna. e a sua senhora.
Dita.Os 8rs. agentes da Companhla Brasileira
de paquetes, facam transportar para a corte por
conta do ministerio da gner*a, no vapor Herente,
os soldado do 8 batalhao de infantina, Antonio
Luiz da Silva, e do extlncto corpo de guarnico
desta provincia, Florencio Pereira, e SltnSo Vieira
Mornasso. s
Dita.Os Srs. aganlac da Companhia Brasileira
de paquetes, mandem dar transporte para a corte,
por conta do ministerio da guerra, no vapor Ge
rente, ao tenente Manoel Eloy Mendos e as pracas
de pret dos batalhoes ns. 3, 6, e 7, de zuavos
BeaoMmaaas na relacao por copia inclusa.
Dita.-Os Srs. agentes da Coropanhia Brasileira
at proporcoes o Sr. Jos Francisco de Salles Ba-
viera, e de calclos do descont, juros simples e
composto?, theoria de cambios e suas apphcaces
o Sr. Dr. A. Witruvio Pinto Bandira e Accioli de
Vasconcellos. /
[
O escrivo ios protestos de letras Jos Ma-
riano esta de semana. 1
Hoje se estrahiraj a 3' parte da 5a lotera
(49*), a beneficio do thetro de Santa Isabel, sendo
o maior premio 0:000,
Tendo seguido para
Barros, assumio na se
oicipal da 2* vara des'
Ibo, como suppienle.
multo sabem recommendar o exercicio
Appellante, Manoel Rodrigues da ronseca; ap- iegaca d0 torrente, praticados por Mauricia Lopes
pellado, Felippe de Albuquerque Montenegro. LmMt de parceriil com 0 seu genro e capito Qan-.
Do Sr. desembargador Guerra ao Sr. desembar-: iAo jos de [jarros (um 4 odiados, por ter dado,! prasada compareceu o velbo Andrade a p quando
sob Alagoas, aflm d la' prenderen) a Manoel Floren
ci testemaoha tambero no processo de Areias
( uto diz-se sem apresentar-se a mais fraca prova:
magisier dtxtt...), e pergeniando esse velho An-
drade, homem de oitenta e tantos nnos (deu-lhe
mais vile, segundo a proprta declararao do velho,
abaixo transcripta), se era longeou perto a deligen-
cia, disse Ibe o Inspector Barnab era mnito perto,
nao sabeodo ento o velho a onde devena ser ella
eflectnada.
Assim pois, sendo perto a deligencia, na bora a
gador Lourenco Santiago. como commandante interino do balaiho desta fre
A appellacao civel. '' i guezia alguns soldados para o destacamento de ser-
Appellaote, Geraldo Jos ; appellado, Jos ae co a )Mrrflj> as segaintes oceurrencias leem
Mendonca Alarcao Ayala. impressionado tanto a oplniao publica, e cahldo
Appellante, Francisco Luiz de Vasconcellos ; ap- debaiso de to alta censura que permettido nSo
pellado, Thomaz Loureiro da Silva Castro. i revealas nao a ninguera que s pretenda a boa
DoSr. desembargador Assis aoSr. desembarga- or(jemj 0 respeito ao principio de autoridade (6om
der Doria respeito teem mostrado os partidarios do esa-evi-
A appellacao civel. nhador, tomando presos, at ir ando em pobres ho
encontra a cavallo os demais da deligencia (nao diz
isto o velho em sua declaradlo), e sabendo entao
qae esta ira ter lagar no Munda Meirim, pedio
licenca ao inspector para ir buscar o sen cavallo,
a cojo pedido nao accedeu de proposito esse inspec-
tor, qae ordenoa ao velbo os segaisse a p mesmo.
Sem poder lactar contra torga maior, segnio-os
o pobre velho, e como quer que por invios e tor-
tuosos caminhos, noite de chuva (poesa e nada
podar de um seu prente).
Mea Jamo, o subdelegado Mauricio Lopes Lima
para arredar de si a crminalidade, a que estsu-
jeilo peranie a le (bom seria vostrala), e moti-
var o delicio commettido palos seas subalternos,
phantasiou ( quem phantasia para nSo dittr a ver-
dadeira palavra, em respeito ao publico, o Helor
deste celebre memorial) urna resistencia, tomada de
presos e ferimentos feitos por Baptista ( ah est o
corpo de delicio), mas foi tal o escndalo desse in-
vento, que o juit>municipal 2. snpplente que sem-
pre concorda com esses arranjos (oUpente coronel
Correa Brasil, a quem se refere o Stor deste pa-
pe', que se islo aoanQa, por ser seu inimigo) nao
pode entre tanto deisar de despronunciar a Baptis-
ta (o que prova a injusta;a com que acensado, e
sobre o ntais ahi est a resposta obuixo ).
Felippe Jos do Nascimento, casado, pacifico,
obediente le e respellador da autoridade (que
digam os seus precedentes), fiscal do districto do
Corrente, testemunba no processo de Manoel Anto-
nio Areias, maniendo certas indisposicSes com o
subdelegado em cooseqnencia de poltica ( preciso
saberse que este homem politicamente nao faz som-
bra a ninguem), este aclntosamente cercou-lbe a
casa, sem motivo alguno para isso (por existir no
sitio em que elle morava um coutode guardas desti-
nados a quem elle e outros guardavam e incita-
vam contra a autoridade, como geratmente se diz
aqui, tendo sido presos na [occastae desse cerco wn
designado e um criminoso), bolou-ibe a porta abai-
xo, preodendo o, metteu-o no tronco, amarrou-o,
rae neo-o em amas enormissimas algemas e nesse
esiade remetteu-o ao delegado deste termo, como
indiciado em crime de resistencia, tomada de pre-
so e tentativa de morte.
Interpoz Felippe habeos coi pus, e o Dr. juiz de
direito Ih'o coocedeu, declarando em seu despacho
que nenhuma resistencia houvera feito Felippe e
que se criminalidade se poda aliribuir a este (nao
fallou condicionalmente, alfumou), sena apenas de
desobediencia.
Instaurou-se processo contra Felippe, e nenboma
de oito lestemunhas disse esotra elle cousa algnma.
O processo ahi est no cartono d esrrlvo Santos
i.e a minha defesa nesta parte tambem ah est, que
os leitores a vejam).
Jos Fernandes Piraentel, conhecido por Jos
Bolla, discpulo de Felippe, foi preso na mesma oc-
casio em que este o foi, e como indiciado tambem
em crime de resistencia, tomada de presos e tenta-
tiva de raorte, foi remetndo ao delegado deste ter-
mo, e Deste sentido recebeu nota da colpa.
Interpoz habeascorpus Jos Bolla, porm man-
dando o Dr. juiz de direito qae o subdelegado in-
lormasse o motivo da priso deste, Informou Mau-
ricio, qae o tinha prendido pMMMBrvico (Ja guer-
ra, deisando assim de (aliar a verdade as autorida-
des superiores (quem deixa de fallar a verdade,
quem allega e nao prova ; abaixo se ver a txpli-
cacao disto, e por conseguate, a improcedencia da
aecusacao), remetiendo Jos Bolla ao delegado,
como criminoso, e informando ao Juiz de direi-
to que o prendera como reernta (como de fado
recrutado fot elle para o exercito pelo Dr. chefe de
polica), o que todo se evidencia do processo de ha-
beas-corpus.
Jos Evaristo dos Santos Leal e Andrelino Tar-
glno de Ueus (Andrelino largmo Dias da Silva o
seu verdadeiro nome) mocos bem comportados, res-
peitadores da lei (reos de polica convictos como se
ve da pronuncia abaixo e por isto nada mais dire
a respeito delles, reservando me para a defeza) pos-
suidores de trras, gados e escravos (e por uto po-
dem commeller crimes ?j foram cercados em suas
casas, presos, recralados e remettidos amarrados
para a povoacao do Correte, por serem someote
ioimigos do capito Candido Jos de Barros, genro
do subdelegado Maaricio Lopes Lima (tudo isto fi-
ca suficientemente espondido com a promo(ao do
Dr. promotor).
Em camioho evadiram se esses mocos e quando
passavam montados lomando o caminbo de Matta-
Liropa (guarni ennnim attravam com ontros, como
est demonstrado e consta do respectivo processo),
depararam com am piquete, commandado peto
subdelegado, postado defronte da casa de Joao
Alves.
O subdelegado mandon-os parar, e como elles
cootinuassem a caminbar, maadou fazer fogo sobre
elles pela sua patrulha (desmentido completo se
ver na defeza), resultando sabirera qoalro ferldos,
dous dos quaes se acbam presos na cadeia desta
villa (por serem criminosos pelo que prattearam).
Entretanto anda nonhuma providencia se tomou
contra esta autoridade (que ia morrendo no cumpri-
mento dos seus deveres).
Cumpre notar atinat que Manoel de Panla Mello
Ju e r'elis da Rocha Pitta, testemunhas no proces-
so de Manoel Antonio Areias, tambem foram pre-
sos em um sabbado na fera do Corrente, nao ten-
Appellant, Dr. Joo Jos Piolo? appellado, Joao ^n, dormindo e em autoridades) e a certeza de mais) oao podesse o velho era meio de tanta laraa \ ^ sjdo fe|zmente levaa-JS ao tronco, por que o te-
corte o Dr. Araojo ,
a feira o csrgn de juiz mn-1 *dor Ass,s
capital o Dr. Virgilio Coe
is sessSes preparatorias da
Hoje comegam
assembla provincial.'
Por terem da tbmar assento na assembla
provincial os Srs. rloTiano Cona de Brltto e Ma-,
noel de Carvalbo Pafes de Andrade, acham-se no i exercicio interino de'escrivo de orphos o Sr. Ao- appellacao crime. -
tonio Pereira de Souza, e do commercio o Sr. Ma- Appellante, Francisco Ignacio de Amorrlm
noel Sllvino de Barros Falco. i PPe"do a jnsilca.
Appellacoes civeis.
Passageiros do hiato Nicolao 1., sahidos para, Appplla"nte, Rufino Thomaz de Aqaioo ; appella
da Costa Ribeiro. j garantas ad! direitos odlviduaes, sobre tudo fei-, acompanhar a patrnlha, embora gritando e cha
Do Sr. desembargador Motta ao Sr. desembar- tas efectivas pelos agentes do poder publico : mando por ella, na volta encontrando o inspector
Antonio Francisco de Albuquerque Gato ten- ao velho Andrade qae anda segua em procura da
A appellacao.crime> do ferido graveraeote a Francisco Caetano, pas-1 patrolha (est se vendo que a historia vai sendo
Appellante, o juizo; appellado, Josepha Mana de seoa aiguns das na povoacao do Correte cammo- mal contada), mas que a nao tinha podido alcan-
Jesus. i nicando-se cora o respectivo subdelegado Mauricio, | par, preodeu-o, esbordoou-o, e o fez patear, urna
A appellacao civel. sem que este tomasse conheclmento deste faci,
Appellante, Joaquim Rodrigues Campos ; apnel- neni |Ue instaurasse processo, e se perfumando a I
lado, Vicente Lopes da Costa. esse subdelegado porque nao procedia contra-Gato, (
Do Sr. desembargador Doria ao Sr. desembar- respondeu elle que nao havia de processar seu lio ,
l (a prova de que o decusado nSo disse ato que Ga-
to nao seu to) sendo afinal e por instancias da
i populacio daquella localidade feito o corpo de de-.
| liclo na pessoa de Francisco Caetano pelo juiz de
paz Francisco de Sales l'eisoto que, na qnalidade
de 5." supplente de subdelegada, iostaurou proces-
Platam, qni merult. ferat
o Aracaty : do, Fr. Joo do Amor Divino.
Rayniuodo Francisco Carneiro Monteiro, JoSo Appellante, Manoel Patricio dos Saotos;
Bento ln Oliveira Rolin e Guilberme Ferreira de lado, Fabricio Gomes Pedrosa.
Azevedo. Appellante, a cmara municipal; appellados, Fe
Passageiros do biate Santa C:uz, sahidos, |x da Cunda Teiseira e otres.''
para o mesmo porto : A 1 X hora da larde encerroa-se a sesso.
Francisco Gomes de Mallos Jnior, sna senbora,,
4 filtros 6 escravos e 3 creados, Jos Cavalcaole
de Albuquerque.
Passageiros do vapor Mamanguape, entrados
do Aracaj e portes intermedios :
Caraillo Pereira Dantas e sen escravo, Alcino
Baptista Monteiro. Jos Jorge de Rigneira Filbo.
Joo Mara Lenreiro Tavares e escravo, Antonio i Acabamos de ler um .
Lata de Lonreiro Maior, Brz Bernardloo de L. ment geral lido na audiencia de encerramiento da, toffinde (uto davase no lempo em que se
Tavares. Jos Dnartn de Magalhies e 1 escravo,' torreicao do termo de Aracaty pelo Alustrado e ln- 'gente e botava-se em ama de um cavallo,
Rozendo Maaricio Lobo, JoSo de Almeida Lope,'tegerrlmo jaiz de direito Dr. Francisco de Assis de rajfc carga de carne humana, t)
Francisco Alves d Sirva Brito, Jos da Motta Na-' Oliveira Maciel; e, anda orna vez recoohecendo
oes e 1 escravo. Angelo Pires Ramos e 1 escravo, quio providente e proveltoso o uso das Itorrel-
o menor Jos Cobertlno Dantas do Almeida, Pedro c5es, e qoao sabia a lei que instillo a sua pra-
Jo* Pinbo e 1 sobrinho menor, Jos Leandro M. tica, livemos tambem mals ama occasiao de ver
Soares, Antonio Belebior A Brando, Francisco comprovado bom ceceito, que sempre flzemos
Goncalves Torres, Florlano Belimro da Coste e da intelligencia, estados, regldez de pnocipios, ener-
Sitva, Tertuliano Jos dos Sanios Patory, Verissi- gia e pronda daquelle strneto magistrado,
rao da Silva Pinhelro, Manoel Dnarte Ferreira; A simples leilora desse provimenlo faz verde
. so contra Gato.
appel-1 Processado e pronunciado elle (diz o seu part
dario Sales Peixoto, como ver que Gato anda nao
est pronunciado) como incorso no art. 205 do
cod. peo., looge de ser a prenuncia (que por ora
! imaginaria) medida coercitiva, da liberdade desse
delnqueme, e razo bastante para elle recelara
acgo da polica, foi ella ao contrario passaporle
com que se apresenlava Gato todos os sabbados
1 na feira, e domingos as missas, e fazendo parte
de patrulhas da polica, commuoicando-se com o
subdelegado Mauricio, como muitos criminosos,
qae naquelle districto gozavam e gozam de outras
folheto contendo o provi- pferogativas e previlegios concedidos por essa au-
matava
manei-
noite de chuva atado a um estelo de casas, dizendo
esse inspector que unha ordem de seu compadre
Mauricio (serta porescrtptof) para assim fazer
com todos quantos jararam no processo de sea ir-
mao Manoel Antonio Areias (felizmente o proprio
Andrade, como se ver, que d o mais completo
desmentido a esta elega de mao gosto).
Assim nesse lamentavel e tormentoso estado foi
conduzido o velho Andrade ao subdelegado Maari-
cio, qae o mandou metter no tronco, soltando-o de-
pois de cinco das ( muita facidade em faltar a
verdade I) salvo o erro, como tudo se evidencia
das testemnnhas, que juraram no processo de Bap-
tista, mandando o mesmo subdelegado para maior
martyrio do velho Aodrade trazer este no da ira-
mediato ao de sua soltara, um offlcio ao juiz muni-
cipal supplente em exercicio deste termo ( chama-
se a attencSo dos leitores para a defeza nesta par-
te, e para os doenmantos que a instruem, e que so
preciossimos).
Joio Jos Bapti-ta d'Espindola, casado, menso,
obediente a' lei e a' autoridade ( fazendolhe feri-
mentos em resistencia) testemanna no processo
de Manoel Amonio Areias achando-se em casa de
Joo Soares da Silva no logar denominado Palmel-
ra de Joao Flix, com dirego ao seo servico, pas-
son por essa occasiao amarrado e estroplado o ve
Mello Rodrigues Loureiro, tenente Joio Moielra ciel no raercteio das suas fanecCes, a
da Costa, sea carnerada e 1 gnard nacional, 6 eom que se 4|(Hea aos seas deveres, e o
voluntarios da patria, Joio de Oliveira Maciel e 1 que toma peto melhoramento do
sodeHode
internase
districto da sua
Ferro Joaaulm Goncalves Cavalcanie, Antonio de prorepto o telo com que procede o ur. Oliveira Ma-, /teto impossimtada de continuar no exercicio de
--'*'Jtwtt funcedest uum teneatisl)
Francisco Peixoto da Silva irmo da mil do
subdelegado Mauricio Lopes Lima (a resposta vai
BthnU'MartaUMaed*a7e^^ oftevaro), criminoso ootr'ora de raorte
-- 69 diversos e judiciosos preceltos ou prescripQees (como o foi muita gente boa, infelizmente), pela
que elle proferto, qoaodo nao fosse suficiente ha- qual cumprio sentenca em Femando (onie outros
ver elle cuidadosamente prvido de tutor a 580 or- tambem devenam etUtr), e de tentativa de raorte,
phos, des qaaes 70 ettio fia efldios, 09 eto esto-; porque boje se acha-prenunetado (hoje Je, ahi
Francisco Lelte, Franciseo Domingue^ da Silva,
Loiz Prudencio de Barros, Manoel Gomes de Al-
meida Ulte, garle Antonio Ptreira de Vascon-
cellos, Anaeleto Jos de Borges, Jos Joaqaim da
Roana, Joio Jos de Miranda, T*nrtido Barbosa
Negu ira e 1 criada, Eduardo Angasto de Agolar
las e 38 4 toldadas I
Ooiea quaWade qae bemJWtnfne aquello tra
" '
Bello Ti rtio,J05o Baptista de Afolar Sello, f bnlUo a cilite dj> leglslacib e^9\enie ertqYte. facllldiide para aRartrverdade), tttwtln^ cotn,
a est no cartorlo da sobeetegaela do Corrente Ihe Aodrade, a quem ja ahi e'perava urna sua es-
o processo instaurado eontra Gato pele jolz de paz orava eom roopa e um cava lo, e pediodo o velho
Sales Pesoto (este nflo diz isto em seus oficios, permissao ao inspector Baroali para mudar a roa-
documentos ns. 1 e i), eslando enlretaoioem eser-| pae oSoqaerendo este concede-la, censarou-o ap-
clcio a esse tempe, faoeclonando portento na mes-'lista (futndo-o) dizende-lheqoeaqoilloera\s. urna
ma data, e sem legitimo motivo, dous subdelega- deshamaoidade (tudo uto ochase desmentido com
dos em nm s districto (de snrle, que urna auto- a ieektracao de Andrade, e mais documentos por
ruis dndose porsuspeita em um feito, fica ipso este fornecidos), ao que respondeu Maooel Antonio
' Areias, que Baptista ne fosse abelhodo, e retrn-
qumio Baptista qae abelhado era elle Maooel An-
tonio, esie voltando-SB para o sea irmao Barnab,
Ihe disse : meu irmao : voc nde est com as or-
dens, por que nao ensina ests- dieee ( de sorte que
quem e>u as ordens j tinha prevuto este encontr
de Bapluta T E' muilo... ? > e sem mais demora
atirando-se Barnab do eavalle a bailo (tendo tdo
a p, como se v da declmaco de Anraae), deiloa
elle am ccete (con f* certamenle. castifma o
cavallo t ) e Manoel Antonio Areias a eee de cla-
vipote que hwla tonndo ae velho Andrade (fazia
vai a resposta abaucq), doran no sitio denomina-
do Mandes onda flMe e sabdeleeado ( mu
nenie Jos Prxedes Leiie de Veras advertio a
.Mauricio que nao pozesse Felts no tronco, por qne
do contrario elle Maaricio nao sabir-se-hia bem,
visto a importancia qae gosa a familia desse moco
em Aguas-Bellas (felizmente finda aqu a aecusa-
cao, e entretanto, qual a firma que tome a responso-
btiade delta, quaes os documentos que provem-na t)
Reconbeco a letra do memorial supra ser do ba-
charel Jos Roberto da Cunha Salles, por se pare-
cer esta com outras do mesmo qae esistem em
meu poder e cariorio.
Villa de Garanhons, 29 de Janeiro de 1866.Em
testemouho de verdade. Signal poblico. O tabel-
lio publico Loiz Francisco de Arrosellas Garri e
Carapeba (ex frucltbus eorom cogaoscetts eos.)
DEFEZA.
Illm. e Exm. Sr.Dando cumprimento ao que
por V. Exc. me foi ordenado em offlcio de 5 do
corrente, ao qual acompanhava am papel sem
assignatura, escripto peto bacharel Jos Roberto
da Cuoha Sales, como se v do recoooecimento do
carcter de soa le tira por um dos tabellides desta
villa, e por elle mesmo apreseulado a V. Exc,
como foi presenciado por muitas pessoas; passo a
responder as aecusaeds qoe em referido papel me
sao feilas, e qae deixo de reprodnzir, para nao me
tornar muito proliso, e desi arte nao abusar por
rauto tempo da attencao de V. Exc.; guardando
eu, porm, a mesma ordem em que veem mencio-
nados os fados que servem de motivo a semelhau-
tes aecusacoes.
!. Antonio Francisco de AlboqnerJ,oe Ga-
to.Acerca deste individuo J flz ver a V. Exc.
com documentos offlciaes qae, tendo elle coartoetti-
do o crime de qoe tecasado contra a pessoa de
Francisco Caetano, immediatamente dei-me por
suspeito, por ser elle ainda meo prente era tercei-
ro grao, e nio querer ea ser censurado por quem
qner qne fosse, anda mesmo quando tivesse as
melbores Intencdes no cnmprtmeoio dos meas
deveres.
Mas, para qae mals urna vez fique bem patente
a mi f dos meos aecusadores, de novo offereco a
apreciacao de V. Esc. os docanwntos sob ns. 1 o
2. Taes documentos que nao devem ser suspehos
a esees meus aecusadores, por serem do proprio
panno de am sea oigo, oa pelo menos aneicoa-
do, nao s corroboram o que acabo de expender,
como demnstrala qne Galo anda nao so acha
prooonciado.
Portento, 4 falsa a assercio,ou anjead n


de noau coside qne a pronuncia
!

"".',.'"
t.



Gato foi WffURBiffl^ par!
tiados.a Teira, lodos os uomiugos-
parte de patrulhas, e comraunlcar-se comig>>.
Na verdade, a maledi. enca, so a falto de
pudor, denafteem dado tantas pro vas os meas
gratoiio lalaagos; pedera van$u semelaaate!.
proposites; porque, em nenhom teropo, Gato fez
parte de patrulhas, sendo eo autoridade, como se
v do documento sob n. 3; e, logo aue o feriaaeato
por elle feito foi reconhectdo gravo por un eiamt
de sanidade, a que se proeetleu na tilla de Gara-
ntaos, tendo sido tal fer otalo eoosiderado leve
perante o subdelegado suppleaie Francisco de Sa
U'lnca o fof. para proviTfisto ofTerec.0 o lesfemn-
falto-de multas pmrora TrrxTtmdas e de reconhecido
criterio, como consta d-j docunieillo sob n. o, sendo
qiie Ja da ootra Ve, pels a* ratida* sao M aca-
sacSes qae se me faiem sempre sobre os meemos
tacto ; *ive eceasiSo de 'presentar a V. Ex*. e-
tros documentos qae comprcvavam exhuberante-
Ulan ie er*anime
'"" \
mesmo mei, sendo o proprio feri
participa cao, accusando na re
impedimento por cansa de mol
para ea smente tomar cenheci
proceder contra o aggressor An
Albuquerque Gato.
Deas guarde a V. S. -Povoacao
?<] felri t vs
) ^ ^~*
eqmigo escrivao do seu cargo abai-
atii comparecen Manoel Vleira de
o por Aracuao, para declarar de-Lo dcompanhaya.
ento qne foi deferido pelo mesmo
PMafp, qual a sua idade f
mente o que acabo de expender sobre Areias, de Janeiro de 1866.Illm. Sr. alteres Mauricio Lo-
4.* Manoel Aracuan e Antonio Pereira.-Com os pes Lima, diga* primeiro suffltf desta a aadela-
decantemos, sobas. qc ates lodivuluos nao se feriram gra*eante, les Pelxoto, quinto sapplente de suWglegade.
enrarlga que tivessem
cnaaa quera V. Exc.
les Peixoto, como consia de um doeuroeoto offlcM fellx lembraoca de Tlr
que jenviei deoutra vea V. Etc.; doaappare-
eeu Gato deste districto.
Compre arada dizer qaa e*te criminoso, eoa>
cjuanto meo prente o gtao em rae nmutwwl,
nao sendo portantu met tio como sequii inculcar,
fi ant-s anilgo ffesses meas iunigas, de quefli
correligionaria e por cujos esforz toi Uiio eleitor,
do qae me ; e que se hoja eSse* que me odeiam,
por nao me querer parecer iom elles, me apresen-
tan como seu protector, faiendo valer para isto o
nosso partntesco, .porque nao procurara meios
para chegarem a seus reprovados ns, todos Ibes
servem.
que pelo contrario, Ara-
interi ogou, qaaado leve a
a este districto para por si
mamo scyadlcar dq que se dira de mim, qae ac
cello o recto e esclarecido juizo de V. Exc. aao s
acerca disto como 4o mais, pote que estoa traa-
quilla- wa aiiolia eoaeciencia;procarava- desa-
partar Antonio Pereira que lutava com Fabiano
N. 3..Nao me
Arboejaerqn Gata flattae
patralha alg
do-orranffr IteaponoVu: trila o dous annos.
Perguntado, se recorda o da, met e anno; que
elle ntfaaente apartara, oil a orapozera apaar,
uam Mili de Antonio Pereira, em casa deste com
Faattoo Alaes da CunhaT
Respcadea que no da 20 de mano 4o aoao pro-
ilmo pastado, chegando em casa do lito Aatoojo
Pereira. vira o dito Fabiano tnctaado cosa o da*
qne Antea Francisco *e
"aS
patralha algiBM, emsjsjo meaos asMate a aaori- Peralta, Ira o dito Fabiano Inctaaoo cosa o dia
nistrsco do sapeJfcaaoa : ea juana *enho attesttr Pereira, a propondo-se elle respoadoate a apartar
ees fi da carea jae saaSpo. os referidos, eis que sahira ao mesmo tensa a oV
Uorresae l3jaeir ds 486.-JoqiBm SsJfa- nada casa, mulher concubtaada do dito Peratra,
4o de VascoiiBiHe.-, aMelsaalo. cosa nm acete; quando elle respondente. preslsa-
4o de Tascoiiwlte:, taMelsaado.
Atiesto qne sendo morador oeste Carrete, auD
t1"
a dUigeaei ffeeaa^bysi-,
_______^
mandse todava
ca da parte do mesmo subdelegado e da
AI vea; a qaa, s tendo sido taes individuos presos ca i Aatoaie Fraaeteea 4e Alfrequerqae -Gato ron-
i horas depois dessa iucta, baveodo nicamente. daada uesta pavoacao; per ser ardsija Ra*s*gc.
um leve ferimento em Aracuan, que coufessou ter Correte 13 de Janeiro de 1866.Padre Manoel
sido causado por elle propno, quando lomava um Gomes da Fonceca, capellao.
cabete de urna mother, amasia de Antonio Pereira; AUesto que nunca rae cwsiau se AatoaaaFrsa-
mandei, na forma da le, por em liberdade taes cisco de Albuquerque Gato flzesse ueste iislricto
pe^soas, logo que rae foram apresentadas pelo ios--parte de patrniha alguma durante a adminislraco
pector Manoel Francisco de Almeida. Entretanto,; do supplicante, o que juro, sendo necessano.
Anda dirri cerca deste ponto de. rainba aecusa-; este meu procedimento muito legal e prudente me-1 Corrate 14 da Janeiro de !.Aataak fins
(3o qne irrisoria, que mostra supina Ignorancia, rece as censuras dos meas delatores I i Correa, capito da 4.a eompanhia.
senao ceg furor de aecusar, a circumstancia alie- S> Jos Francisco de Andrade.Tera-se feito j Referindo aos attesudos descrilos na fteli^a
gada de ter eu me dado por suspeito bo processo com este um verdadero romeoce, sendo elle apre-1 retro, son a afflrmar a mesmlssms coosa; por que
polmentos se evidencia que os referidos reos, des<
carregando as armas que levavam sobre o subdele-
gado Mauricio, assim como sobre os soldados qae
o acempaohavam, tentaram matar o mesmo sub-
delegado e os msocionadoi soldados, requeiro tam
bem a pronuncia dos reas, como incursos as pe-
nas do artigo 193 combinado com o art. 34 do ci-
todo cdigo
Quanto a Felippe Jos doNasciento,e Jos Pef
andes Pimentel, coabeaido por Jos Bala, que nao
lomaram parte na resistencia e aa tentativa em
com um eete; quando elle responden te, presiso- questao, parece-me qne, o presente summario nio
do a atten^itii adjaida, vir^ npj g|jj ia dirigir a pode proceder.
offeader ao dtto-Ratrtatro; tte respndeme tratoa Garanhans 20 de Janeiro de 1866.O promotor
de lomar o eaeale da rafertda muHier, e esta obs- publico.Abreo Bego.
Uodo a Ib'o entregar, poz-se em lucia eom ella, que; Pronuncia.Vistos estes autos, etc.Julgo pro-
depois de Ibe darduas ou tres quedas, e dando-lne cedente o procedimenio exofflcio contra os reos
um grande soco no ccete de que se trata, pode i Manoel Bazilio de Oliveira, Manoel Eleuterio Dias,
??.s.eAu!r nessa occsio toma-lo, resultando dessa Jos Evaristo dos Santos Leal, Aodrelino Targino
Se o Sr. commandaote Mora es clama porque
uadaa,^?Jl^?5i?^^'^etrbuSs
ppare-
jfceodo'
------Treuxe o
povo to atropelado como a prattea de fazer o cor-
po de voluntario em Pajei dsaiaaffes, os mandSes
no corpe ordemoao aos swasaarstiores que pren-
dara gente de toda ordea, pasa depois de presos
se ahsisrem no eorso ataaUrio, ento o qne se
retirasse,er coasiderada conse desertor, e nesia
fraca cewisderacio se aasade ftibo nico de viuva,
e dees Id* esta chara, ca asesme voluntarios por-
que nao reaebesa san satto aaartam, sao perse-
guidos e postos em carcer#,aaaod ese o almocre-
ao iraiseto da vtageaa dJUce, trazendo com-
missoes sera anda terem anda entregado. Escoltas
de Flores se arrojara aa. ftrafiyna da Soria, r-
crutando, fazendo parta da comitiva o criminoso
Francisco Corroa sem respefto algum i aotoridade
do districto, com tanto que veeba pragas para en-
grossar o corpo voluntario, isto ohrigados
de Gato, e de continuar no exercicio da subdelega
cia do Crrente. lizmente, se grave parece a accusaco-pelo que ella
2." Francisco Peixoto da Silva.Ja fie ver a V. refure sem queprove, completa arainha defeza a
Exc. que esrebomem, mutto antes de entrar en no sememanla respeito. AMJest a declaracao jorada
exercicio da subdelegada deste districto, morava*deste individuodocumento sob o. 8e ella o
ao sit'o S Francisco, e nao em mea engenho, como mais formal desmentido a essas atrocidades des-
affirraam meas mirnigos; rreqoeotando el os la- criptas com cores locarregadas,declaraco que iba
gares mais pblicos deste districto {documento sob \ meueceu asaltos, e o ser elle laucado fra da ter-
u. 4); porque, tendo enmprido por algons annos' ra em que mora va, como coasta do documento sob
seoieaca ero Fernando, aqoi se apresenton com | D- '' Mas, quem c que insulta va a Andrade, jue
ama matrleala pera usar de negocio de carrocas o dispejava de suas trras, que o animava eoviaa-
na cidade do Recife pode esteve mais > nm anno, I do Ibo um escriplodocumento n. 10na propria
matricula concedida por um dos antecessores de occasio de ser interrogado, para que elle falusse
V. Exc, sendo em pepel impresso e competente-; a verdade, e confirmasse ler scfrido taes atrocida-
raente assignada e sellada, a qual enviei a V. Exc. \ des .' Joae de Barros Correa, o principal autor coa
tni flns anno passado, por occasio de respon- i sea amigo Salles de tudas estas aecusacoos, de to
der a urna outra aecusaco, de que esta quasi a das aquellas que leeai sida fttas a quasi todas as
sentado como victima das maiores atrocidades. Fe* | nesia povoac.ao soa morador a 3 anoes, semprs
conbeoi a Antaaio Fraaciseo ftaia, a oostea o vi
violencia e ferca qae empregou, dar cora saas pro-
prias maos com o ccete na sua propria cabeca, do
qae Ihe resulto nm pequeo ferimento, qae de-
pois de apartada a lacia de que se (rata, pode sa-
ber do referido ferimeolo, porque, cagando a cabe-
ca, saniraralhe os dedos sojos de sangue.
-helsee. Raspondeo, qae foram presos pelo referido s-
E'por taoloa me rae compre testar i f do pactar ao outro dte, decorreado mais de vate e
mea eargo. qaairo horas, e d'alli remeltidos ao subdelegad
Psaaaci do Carrate I* de Janeiro de 1866^-0 em exercicio, o lente Mauricio Ltyei Lwu.neste
ciroria> do betaibae a. 2S, U* Praaede* Uiia da savoaeio onda se ochava, e verificando este o fer i -
Pergootaaa ae Me respodente con os dous re-
feridos feraen presos na roesraa occasio pelo ins-
roodar, nam Lio p^iy-n Xaxei parta da pjUralnas po- pector daquelle quarteirao ?
- pelo
puderio da policia particular de Paie, e.com lan-
cido por Bio. Antonio Jorge, Manoel de i'aula Mel-
lo, Antonio Pombo Roxo, Fabiano Alves da Cunha
e Joo Jaciotho, por haverera do dia 4 de aovero-
bro do anno prximo passado, no lagar Gameleira,
do districto do Correte, se opposio com torca as
ordens legaes da autoridade legitima, qae no en-
tretanto effectuou a deligencia em que eslava em-
peohado, semnae sofjfresse uta pessaa da forga
que o acompaoaava alguma offensa physica, nao
obstante baverem igualmente tentado contra a^xis
teocia do respectivo subdelegado e dos soldados da
soa escolla, aob/e os quaes desearragaram as ar-
mas de que foram muid--, como tuda se demons
copia fiel.
Mas, acerca deste individuo ha circumslancias
que preciso esclarecer e que demonstram a toda
videncia a m f de mea* fn+migos, e nio o espi-
rito de jostica que efles inculeam.
Teodo Peneto, por oecasiSo de resp->n mtraaerimer telos qoaes for reoderanado, lambem | dades de que lnbo sido victima. Qm
respoBdMo por orna tentativa de morte, foi absol-. b Juaquira d'Assumpco, ja se aclia djmitdo de
>ido desie oltirao crime, appellando porm o joiz! insp clof de polica.
(I* dhvfto. 6." Joo Jos Baptista Espiudola.Acerca de
Depois deste* Julgaraentos, foi elle cwnprh- snas Baptista, anstando-ma por participacao do mesmo
seniencas em Fernn*}, e, pssados anno?, fui pela inspector Bernab que elle com outros tirara do
autoridades deste termo I Alm dos documentos
que tenho offerecido a este respailo, tomo a lber
dad de invocar de novo o proprio testeraunb de
V. Exc. qae vio Andrade, que ialerrogou o e que
eslava em Corrente quando requer a declaracao
dessa individuo, para justilicar-me de tantas faisi
Quanto a Berna-
Veras. ] ment de que se trata, e outras pessoas mais, como: ira oelo interrogatorio a fainas 21 us que folhas l,
Atiesto era f de verdade, rehrsaaa se as ao- bm o teaeote-wnrgido deste bataihao Jos* Pf a-1 loierrogaiorios de folhas 57 a folhas 60, e mais
tros 44 ssailidgi, par ser a eeasia. [xedas Leite de Veras, foi reconnecido por ipao, pecas oficiaos, como ooaveuc o escurecido e ju-
Povoacio do correte 20 doiaoeiee de 18oa.-4> qos e dito Jet imonla nao eslava aas csrcoMUneias' ritiieo parecer do Or. pfmotor publico, de y has
atieras Maaeel Lkas de Anua Leal. daaaescao subdelegado lomar mhecimeato anVOssV 64, a folhas 62 ; e por tacto os pronuncio como a-
Rettro-me ao atlestado sapra, por ser nHis qae co. cursos aas penas, nao s do art 116, segaoda par-
verdede. Pergaasado qoaotos dias eHe respoadeBte e os te, oomo aas do art. 193 combinado com o 3i, lado
PovoaeodoGoprenil de jaoeiro da 1866. dous referidos na lacla de que at trata estivecam do cdigo criminal, os soieilo a nrl&o e liana
Raimundo Candido dos Passos, capito qaarlel-mes- presos?
Respoadeu
da 4.*
manera cima descrila sollo regularmente, Isto e,
por ordfm de juis coropetenre; e, quwend nego-
ciar, como negociou por algum lempo com Barro-
ca?, oa cidade do Recife, m; foi dada, por ter elle
requerido, essa matricula, de qae j tralei.
ltimamente, vlvendo Peixoio ueste districto pela
maneira mencionada, hto publicamente; os
meus inimigos grata aos Joao de Barros Correa, seo
amigo, anchare) Sates, e ontros ejnsdem fmiurxs,
aproveiaodo-se de esclarecimentos qne Ibes fbram
forneeiOas pelo ex escrivao do jury Agosttaho Fer-
reira da SHva Azevrdo, que pareBte daqnette Joio
da Barros Correa; sooberam qne Jara no olvido e
as estantes do respectivo cartorio'a appeilacjio da
lentaiiva de raorte pralicada por Peixoto, a qual
tiMM sido aceita pela relafie, que o mandou sujei-
t*P a novo julgameoto ; e entao, de combinagao
com o subdelegado do districto da villa, Jos de
Berros Silva Jnior, qtre lambem prente de Joo
4e iarros, resolveram que este fosse ao Recife
denunciar que en tmha Peixoto em men engenho,
seado criminoso de morte, o que deu em resultado
a aoletlMcao de V. Exc. para qtre fosse emelhante
criminoso preso por esta autoridade, pnsao que
ella elsciuou nao por esprrilo de jostica, mas
por satisfaco a vinganca dos seas prenles e
amloos.
Para menor demoostraeSo deta errenmstancia,
permita me V. Exc. algumas consideragSes; se
nao mereca eu conianga a esse aotoridade, por
ser prente e protector do criminoso bypotbetiea-
meale, porque nio se dirigi ao delegado de
polica do termo, e mesmo a outra qualqner autori-
dade superior da comarca? Nao; qoerla-se a
todo o transe me desacreditar.
E, em verdade, como explicar-se o procedimento
desse subdelegado, j pela maaeira porque fet a
deilgencia em men districto, como tive ocnaso a>
queixar-me a V. Exc, e j mandando publicar, ou
alguera por elle, nm interrogatorio a drede feito a
Peixoto, qoe, eom vergonha o digo, qoesi sempre
vive fra de si por ser dado a bebidas ? Rao Ihe
mereca eo, visto ser lambem autoridade policial,
alguma attengo ? ou ser elle lo austero, to
zeloso ao cumpnmento dos seas deveres ?
A isto responda a sna criminosa iadifferenga em
nao perseguir os autores do atintase da Palmeira.
morando lodos elles no districto de sua jsnsdico,
e nao obstante os esforgos qoe V. Exc. tesa erapre
arfo em prender taes criminosos, e qae felizmente
leen sido coroados de bom exit", mas sem ir auxi-
lio desse subdelegado, o qual at boje anda nao fez
urna s deligencia, a seroelbante respeito I
Portaoio, esta patele o conloia dessa aotoridade
com 06 meus delatores; assim como, me parece
que tenho demonstrado sasfatoriamente a raiao
porque achava-se ao isuioto de mmha jnrisdiccao
o criminoso Francisco PeiiHo.
Todas as circumslancias que tenho mencionado
acerca de soa criminalidade, sube-as depois de soa
pnsao, o qae S. Exc. poder verificar por si mesmo,
visto que se acha entre nos.
Permita a inda V. Exc. urna ultima coosidera-
(io a semeihaote respeito : tero-se querido tornar
raaior a minha responsabilidade, assim como ridi-
cularisar-me, dizeado-se multas vezes qoe Fraocis
co Peixoto da Silva meu to, que comigo tinha
muila familiaridade, que finalmente eo Ihe dispen-
sa va na o la importancia.
NioJaegO o meu parentesco cora este infelii bo-
raera, teobo muila cominiseracaodarregularidade
de soa vida passada e presente; mas nao deseo a
seguir aos seus mus exempios, que ote dispensara
de iributar-lhe quelle respeito, a qoe elle leria
direito, se outro fosse o seu cuniporlamento, e a
que eu de bom grado me sujeitarta; por eoase-
guinte, alm dessa coramiseragae direi atleacicsa,
da minha parte para com elle, nao ha entre nos
essa intimidade, essa estima reciproca que s pede
ser o resaltado da igualdade dos genios. Nio; ah
esta a minha vida publica e particular, provoco os
meas inimigos a apresentarem um s faci della
que rae desdoure.
Se, pois, tal o sea lira, isto o de rae qaere-
rem rebaixar na pessoa de nm mea parate sos
nao obra ou nao lera obrado bem; en os despreso,
meios lo ignobeis nao me podem ser offen*l-
vos; accrescendo qae, se eu quizesse usar de taes
meios em represalia, me seria fcil apre sentar nao
prenlos, mas entre os sneus proprios inimigos,
um que, qner como autoridade quer como particu-
lar, ja tivesse ceoimeltidu assasslnatos; outro qne,
anda no verdor dos anos e sem reepettar a dgni-
dade propria, nao recusasse era pralicar qualquer
acto infamante; outro que, revestido de outempre-
go publico, nao se peijasse, em carcter offlcwl, de
affirmar falsidados; outro.....
3asu, e a V. Esc. pee > mil desenlpas, se por
ventara tnho sido iccoovcieirte : graves.* repe-
lidas teem sido as aecusages, e por isto bem clara
e concludente deve ser a delesa.
3. Manoel Antonio Areias.E' outro indrvidno
com qnem se-tem querido jogar para se manchar
a rafcilja repulafao, farendo-se delle meu intimo
amigo, meu agente policial, etc. E* proprietario
nesle districto e na provincia de Alagoas, onda era
inspector de policia, o que demonstra ser elle ho-
rnero moralisado; como mrador antlgnissimo des-
tes logares, eotretem relagoes de vislnhanca gorai-
go eeom oolros ranrtos; mas tem a grande nfelici-
dde, como eu, de ser visinho de Joao de Barros
Correa, qoe de continuo o persegue, anm de langa-
lo fra de sua nroprledade, da qual qner fazer pas-
to dos saos nmaes, pelo que j tem havido gran
des desgosfos entre elles.
Negq que Arelas seja criminoso em Alagoas;
nao, elle ah est no mea districto onde mora, e V.
Exc.pode entenderse cora as autoridades dessa
provincia
seu poder um preso, fazendo-lb* um feruneoto de
que lioave corpo de delicio, qae se acha unido ae
respectivo processo, e de cuja existencia j mande!
ama ceriido a V Exc em outra respesta ; part-
cipei isto mesmo ao juiz municipal do termo, ea-
viaudo-lhe o mencionado corpo de delicio. Se, de-
pois, foi preso o referido Bapti-ti, e fazendo-se-Uve
o competente processo, nao se Ihe achoo culpabiU
dade, por nao tarem querido as testemanhasami-
gos, rendeiros e dependentes dos protectores de
Baptista,nada jurar contra ella, qual o crime qoe
se p le atlribuir ? A passar semolhante precedente
me|into, todas as vezes que, se procedendo contra
um individuo, nao se Ihe acbasse crimioalidade,
processadas deveriam ser as autoridades que tives-
sem concorrido, em virtode do sea emprego, para
seaielhanle processo? E* la o absurda a typoibese,
que alias naturalmente dimana da accosaco que
rae feita, que nao m-reee rosposta. Nunca au-
torisei a meas subalternos para persegurem a
quera quer qoe fosse, e nao ser ama assercao ya-
ga, escripia por um individuo ja' mailo coohecido
aqai o em outros lugares, por suas gentilezas,
que inda assim nao qmz tomar a responsabilidade
do qoe affirraava; que podera'aoavencer me desto
e de outros crimes.'
7." Felippe Jos do Nasclment.Este horaem,
desde que, era virtude do mea emprego e por can-
sa das circumslancias melindrosas ein que anda
se acha o paiz, de guerra com o eslrax^eiro, vi-me
na necessidade de proceder ao reciitarneutopot
ordem superior, constituio se nm triauP) do povo.
No sea sitio e em outros tuvia grupos de indivi-
duos aptos para o servigo militar e guardas nacio-
naes designados para 'a guerra, que recusavam
apres-ntar-se e que levavam a andacia ao ponto de
provocar as autoridades, como rauilo sabido e
infeliz mente se provou cora faelos posteriores, Eu
virlade disto, tive de proceder a' diligencias poli-
ciaes nesses rugares, sob pena de ver a ordem pu-
blica alterada no di sin co de aioha jurisdlcgao-
Foi em urna dessas diligencias que, cercando a
casa de Felippe, pelos motivos indicados, ia eu
sendo victima dos Infamarles dos seus amigos. Se
entao o prend, foi porque era moito provavel que
aquefles que vierara atirar em mim e na forga que
rae acompanfiava, estivessem combinados com elle
para a perpetragao de semelbaote crime ; e se, de-
pois, fazendo se o processo, elle pode ser despro-
nunciado, porque s vezes rauitos crimes esca
pam a' justiga humana pela imperfeigao das coasas
deste mando : ah esta' o lempo, os prioelpaes au
lores deste crime ainda nao foram presos, e quem
dos diz que, um dia, nao seja pagote a crimioali-
dade de Felippe ? Entretanto, estou prompto jus-
tificar por qualquer raeio legal o mea procedimea-
to a stmelhante respeito.
8." Jos Ferpandes Pipente!.Foi preso com Fe-
lippe. e, logo qae se dea o faeto de ser ea atacado
por Jos Evarisio dos Santos Leal e poj outros, di-
rig ara offleij ao delegado do termo, era que pu-
nha Pimentel a' sua disposigao pan recruta; mas,
tendo de fazer segundo offlcip mais circamstancia-
do, como o tiz, e ao qual acompaoharam diversos
interrogatorios, reconsidere! que nao podia apre
sentar Pimentel como recruta, visto ter sido preso
conjoDclamenle com os outros, e em virtude de um
crime. Esta circumstancia foi que deu lugar a
essa allegada contradieco, que assim fica expli-
cada.
9. Jos Kvarlsto dos Santos Leal e Andrelino
Targino de Ueus, isto Andrelioo Targino da Sil-
va Dias, que o seu verdadeiro norae. Cora o do-
cumento sob numero 11 respondo victoriosamente
a aecusagao qoe me feita acerca desles dous reos
que cora outeos tentaram assassinar-me. O docu-
mento a que me refiro, e para o qual pego a atten-
go de ?. Exc, a jurdica promogo do Dr. pro-
motor publico, a pronuncia dada pelo joiz muni-
cipal supplente deste termo, tener te Antonio Bap-
tista de Mello Peixoto, cuja moralidade e lmparcia-
lidade, quando se trata do cumprimeuto de seas
deveres, slo bem conhecldas.
10. Finalmente, me parece que nada me cumpre Correa, capito da 4.
dizer acerca de Manoel de Paula Mello Ju5, que
tambero um dos reos que tentaram contra a mi-
aba existencia ea de Flix da Rocha Pa, cujas Bo-
rnes nao sel a qae vieram na presente accasago :
s se foi para mostrar se a importancia da familia
de Pita. E' balda de certa gente ; incblcam fami-
lia, como se outros tambera Dio a tivessem. Se
qualquer desses individuos livesse commeitido
crimes, o3o seriam estas considerares qne me fa-
riam retnar...
Conclulndo, resta-me pedir a V. Exc. qaa se
djgne de descalpar-me, se por ventura, na exposi-
go que acabo de fazer, me exced, pols que taes
nao eran, nem sao as ininhas in:ences ; assim
corao, do concefler-me permlsso, tpo sq para pu-
blicar o presente offlcio e documentos que o acom-
iaoham, cmo a accusaglo que p5r V. Exc me
o enviida e coja publica forma tirei.
Deas unarde a V. Exc. Snbde!ef;aca de policia
do distrito de Corrate, 30 de Janeiro de 1866.
Illm. e Extn. Sr. Dr. Eduardo Pradaiiylia de Mallos,
dignissimo chefe de polica desta provincia.Mau-
ricio Lotes Lima, subdelegado supplente em exer-
cicio.
DOCUMENTOS.
N. i.IUm. Sr.Em reposta aoficio de V. 6.
datado dn 16 do andante, tenho a dizer-lhe qae at
tre do lerwo de Garanhuns.
Reifo-rae soa mesmo* aNestados,
qae a verdade.
Corren SI de Janeiro de 1866.Al teres
eompanhia, Apolinario Pialo Correa.
E' verdade e que aatestaaa as cima declarados.
Povaa^o do Corrale 21 de jaaeire de 1866.
Joao Alvee Camello Pessoa.
Befiro-me aos attestados cima, per ser verdade.
Corrente 21 de Janeiro de 1866.-Maaeel Flix
de Veras, teoeate da o.* ceaapaamia.
( Brtavam recoabecides awL sentes attesudos. )
N. 4.Consta me que Francisco Pelxoto da Sil-
va fra solt na capital, e all residir por algons
tempos, e naais de wa asno mora ueste
no lugar S. Francisco, e no das mais
sempre andou publicamente nesta povoagao, e s
sahlria desta districto em alguma viagera da jBoa>
eos dias qoe nao fazia falta era apparecer. T o
quanto leobo a atteslar, per ser qoe me eonstt.
Correaos 13 de jaaeiro de 1866.Subdelegado
Joaquira Salgado de Vasconcellos.
llavera nm anno, pouco mais oa menos, qae
Francisco Peixoto da Silva, o conheco como mora-
dor na Situago oa S. Francisco, e quasi todos os
sabbados ( das de reir ) o vi passeando publica-
mente ; o qae lenbo a attastar por verdade.
Corrente 13 de Janeiro Ae 1866. Padre Manoet
Gomes da Fonceca, capellao.
Atiesto por rae constar qae Prancisco Peixoto da |
Silva cumpriado sentenga, fra solt no Recife, oo
que nenhum, apenas o subdelegado
por ser man ragrehendea ao dito Fabiano e ao dita Pereira,
ameaeaado-os, que ai prendera en qualquer ou-
tra occasio, se por ventura coalinuassera cum
lacias; pondo aasta elle respaadeale e os dous re-
feridos era liberdade, era conlioente. "
E por nada mais saber, nem Ibe ser perguntado,
depois e Ihe ser I i Jo achar conforme, e pelo res-
pndeme nao saber ler aera escrevar, a sea rogo
assigna FraoeJscB Jos Roberto com o requerente
e o subdelegado, do qae tudo doa f.
Eu Jos Machada Dias, esxriv que o escrevi.
Antonio Pinio Correia. Francisco Jos Rober-
to. Mam icio Lopes Lima.
E. 8.Termo de declaracao jurada.Aos nove
districto dias do mez de Janeiro do anno do uascimento de
pblicos' Nosso fcgber Ja Ghrfsto, de 1866, nesta povoa
sorte que pouco mais de cento e cincoenla pracas
feram.
Eis a razo e motivo de se achar quasi tado arma-
do por etas aldeias e matas como qnnroqoer fazer
nm novo Paraguay, e se o Eira. Sr. presidente nao
tratar de melhorar a sorte de PaJe sera' oreeiso
em breve vir oscorpos do sol para polieiar estes
sertes.
Findo aqoi, Srs. redactores, por nao qnerer aba-
sar da bondade de vassa paciencia, anda qne me
fique milito a daxr a respeito de jaitas cearupios
e veoaes qae por iafertoaio e defeiio da htmani-
dade caleam a ps as le+s de nosfoparr.
Fico multo convencido que serS"aceitas as pa-
ginas do voseo joraala< mieaas toscas Hatiaecom
que moito abrigaran ao de Vmcs. atiento e obri-
gadollanero Juila ie Sansa Bmcrnt.
Baixa Verde de Pajea, lo de Janeiro do 1866.
, un ii ii i 11 h^^btti
Srs. tactores.
Ja estou caneado de ottvir corresponden-
c as no seu Diario aseiguadas por ^r. Utisses
passe mandado de nriso contra os i 1~~ '", ""' ~-o^-~ r _y -.~-~-
roaaa, recommende i dirigmdo pileri> conlra mira, eptlerias des-
go do Corrente, eomarca de Gacanhoas, ^reviocia
de Pernmhnro, an casa* da resueocia do subde-
legado supplente em exercicio (nesta causa) o ca-
pitn Antonio Piada Carreta, eamigo esenvaade
sea cargo, '"-'Taaiiamrtn a ah comparecen Jo-
s Fraaetaco de Andrade, para declarar debaixo
de juramento que foi deferido, sobre a ocenrrencia
qaa se den na occasio da prtse qne Ihe toi im-
posta pelo inspector Baraab no mes de jtilho do
anno passada com todas as saas circumslancias do
que constar nos pontos, qae palo referido subdele-
gado Ihe tur pergoatado. Qual a sua idade ?
fteapoonoo qaa sessaata e sesa annos.
Perguntado se se recorda do tesapo e circums-
lancias que se deram em ama diligencia da qual
de se diz que morara algum tempo, e vindo ha mais [era elle interrogado parte, e na qual foi ello pro-
de ura aono para este districto, nelle morn de j so pelo inspector Beroab?
publico no lagar S. Francisco, tendo tambem assis- Respoodeu qae de tado se recorda, e que acom-
tido oo lugar Ciganas. vindo sempre a esta povoa- panhou a referida diligencia at um qnarto de le-
gaa sem constar ter ainda o crime pelo rroal fot. gaa pouco mate oa meaos, oade abi pedir aa dito
ltimamente preso ; o que attesto em abono da ver-1 inspector que o dispensasse, a este nao Uie conce-
dade. dea dita dispensa, duendo qaa a diligencia era
Corrente 14 de Janeiro de 1866.Antonio Pinto: mailo perto ; mas que ella interrogado saasma as-
Corroa, capito da &.* eompanhia. (sim deixou do obedecer ao dte inspector; o que,
A vista do que pede a petigo retro, son i artes-. na volta deste, eaeoairando-so com elle ialorrega-
lar que Francisco Peixoto da Silva, depois de cum-' do, o prendera por desobediente, e, aattir-auda-o,
prir urna sentenga no presidio de Fernando, mo- aseim o conduzio at a easa de Manoel Antonio
roa oa residi na capital desta provincia eoasa de Areias, onde passra elle interrogado o resto da
um anno, e depois que aqai chegoa residi no Id-" aoite preso, fazeodo-lbe o alio Areias urna cama
gar da Cig-.na na provincia de Alagoas d'onde veto sobre nm banco com eobeflas e o mais para elle
para o lugar 8. Francisco, onde constame ter so interrogado se agasalhar.
ment.
O escrivao
reos que ainda se nao acharo presos, recommende
na priso em qoe se acham aquellos que ja o te- acreditadissiaas pois bem ea assetero a Sr.
nbam sido; e lance os seos oomes ao rol dos cal- Ulisses Correia de CrastO que 61) nao me ve-
J5l^^^\^oZ^ ?rUoe- xo' ^"o o que quera, nao tenbe mailo que
cediraento ex offlcio contra Felippe Jos do Nasci comer P^ P ganttoe para QldiC8mefitos,
menlo e Jos Fernundes Pimentel, por se provar! cemo sabido, assim meBQO IWO disse com
nao terem tomado parte na resistencia e tentativa soberba para O que era tto me vejo e V. S.
1SSto passe alvari de soltara em favor de gft ^ ?t ***&>&* **?0
Jos PVraaodes Pimentel, se por oniro erime nao com CabeCS de chombo, de leu te 8 O M CC
stiver preso, e reraelt este proeesso ao eserivo
dojory aftm de ser preparado para a prxima ses-
sao do jury qae se acha convocada : pagas as cos-
tas proporciona rmente pela municipal idade.
Garanhuns, 23 de jaaeiro de 1866. Antonio
Baptista de Mello Peixoto.
Srs. Rotadores.io tinha pensamanlo algum
de me apresuoiar perante e publico, fallando de
pessoa alguma, e muiio menos desse bacbarel, boje
offleial do corpo de voluntario da Pajfi; mas In-
sultado corao acaba de ser, me abriga a dizer al-
guma cousa deste bacbarel ou ospolela (para o
que bem se tem prestado).
O bacbarel de quem fallo oSr. Amoral ex juiz
municipal do termo de Flores ; este hornera que
para aqu veiu em comitiva do Sr. Dr. joiz de di-
reito Joo Rodrigues Chaves Toi por mim e por
muitas outrs acompaahado e visitado, nos qaaes
ter aqaelle carcter que deva ler o empregado pu
tor da academia ajustaran a emita m fim
do anno, v;i dando Sr. llisses para ir me fa-
iendo mais conheoido V. S* nao me desacre-
dita, n5o pode, nao me vexo.
Sou Srs. redactores, sea bawilde eriado.
Beuediclo Indgena Lima.
--
Publicares a pedido
....."
Ilhn. Sr. Dr. encarregaio do expedienta da poli-
cia.Rogo a V. S o caidade nao sefam eroOarea-
dos os meus escravos annunciados no Diario de 30
do corrente, que alera de nio ter tanta riqaeza es-
toa de vende iabeiros fcetados fra por mmha fa-
milia e lillios a onze annos (ora do mea engenh".
abi tinha seis escravos e heje tara doce tirado
ferro de um por Candido Ouriws de ordem de sen
buco, de qoe coberto o raui digno iuiz de direito so^n Silvano de Ara ojo Barres seOeter de meas
f^Sk.______ aaoavev^ia nim mano liihu.i laai>n*> im i\ Tt,,\trv
preso ha poaco. E' o'qaanlo me cumpre attestar
por amor verdade. Dia, era, at sapra.jror-
giao do bataihao n. 8, Jos Prxedes Leite de Te-
ras.
Attesto em f de verdade, referradome acs era
tros j4 attestados, por ser o que consta
Perguntado se a dita diligencia fra feita com
troaa a p oa a ca vallo T
Responden que foram todos a p, at mesmo o
proario inspector.
Perguntado, se na occasio em que elle ialerro-
gado fra preso pelo dito inspector, se foi por este
Povoagao do Corrente 20 de Janeiro de 1866.-0 ou por alguera da tropa esordoado ?
alfares Manoel Lins de Araojo Leal. Responden qae nao; e nem mesmo para isso
Reflro-rae aos att-stados supra, por ser mais qoe
verdade.
Povoagao do Corrente 31 de Janeiro de 1866.
Raimundo Candido dos Passos, capillo qnartet-mes-
tre do termo de Garanhans.
ReQro-me aes raesmos attestados por ser mais
qae verdade.
Corrente 21 de Janeiro de 1866.O alferes da i.*
eompanhia, Apollinario Pinto Correa.
Refiro-me aos attestados cima declarados.
ameacado, nem mesmo com palavras offensivas.
Perguntado, se n'aquella noiteem que foi preso,
foi amarrado em um esteio no campo al o outro
dia?
Respoodeu que passou na cama sobre um banco,
como j referi.
Pergunta-lo, qoe tempo foi conservado na c
de priso desta povoagao 1
Respoodeu que vate e quairo oras.sendo poste
em liberdade, logo que chegoa o subdelegado Mau
Povoagao do Corrente 21 de janelro de 1866 rielo Lopes Lima nesta povoagao.
Joo Alves Camello Pessoa. Perguntado mais, que lempo decorreu da data
Attesto ser tado verdade, o qae altestam os altes- da soltura delle interrogado a data em que foi le
lados supra.. Dia, era, ut sapra.Manoel Flix de yar ara offlcio desta subdelegada Ho juiz rauoic
Veras, tenente da 5.a eompanhia. pal de Garanhuns ?
(Estavam reconhecidos todos estes attestados.) Respondeu que dous metes, pouco mais ou rae
. 3.Tendo ea por costme achar-me
povoagao oos dias de feira, em outros qoaes
dias festivos, nunca vi Manoel Antonio AreiaS
dar nesta povoagao e nem fazer parte de pati
alguma nesses dias, rauilo principalmente du
o tempo da adminfstrago do supplicante.
Corrente 13 de Janeiro de 1866.-Joaquira Salga
do de Vasconcellos, subdelegado.
Attesto que, lendo morador neste CoTrente, nun-
ca me constou qae Manoel Antonio Arelas rondara
nesta povoagao, nem to ponco flzesseparte de' al-
guma patrulha ; por verdade me assign.
Corrente 13 de jaoeiro de 1866.Padre Manoel
o presente o processo qae por mim foi instaurado
contra Antonio Francisco de Albaqaerquo Galo,
pelo fererseato folio aa pessoa de Francisco Beier-
ra Villaca, coobocido por Fraaciseo Caetaao, ain-
di nao mi por mim pronunciado, era pelo juiz mu-
nicipal du tormo sustentado, por que a vista da
promucac do domar promotor pubiwo da. eemaroa
nos.
Perguntado, se para este servlco fra ella inter-
rogado constrangido pelo subdelegado ?
fieenoodea que nao, porque o oficio de qoe se
trata, foro levar em lugar de sea neto Antonio Cy-
prianoo, a quera fra determinado osle servigo.
Perguntado so pao occasio em qoe o dito ios-
pastor o prendan, dissera a ello interrogado qoe
assim o fazia, sor-iba ter ordenado a proprio sub-
delegado ?
Respondn qae o dito inspector nada ibe disse-
ra a respeito do subdelegado, e qaa lae consta o
i dita subdelegado ao ter tido sciaaeia desta priso,
Gomes da Fonceca, capellao. : seno depois que o dito inspector Ibe fea partiei-
Attesto que nao me consta que Manoel Antonio' paci.
Arelas fizesse em tempo aignra, qur como com- i per nada mais saber nem Ibe ser pecguotaio,
mandante qor corao soldado, parte de roBda nsta den-se por fioda esta declaracao, depois de loe ser
povoagao, onde sempre estoa quasi todos o> sabba-! lida e achar conforme, assajeea eom'o reqnweate
dos e dias festivos em qae se postara rondas ; at- e o subdelegado ; do que tudo doa f.
testo tambem qne nao me consta que o mesmo ff-i Ka, Joo Machado Dias. escjvo que o escre-
zesse parte" da policia dorante a administragao do vi.Antonio Pinto Correia.Jos Fraocisco de A*>
supplicante, o que joro se preciso for. drade.Mauricio. Lopes Lima. ,
Corrente 14 de Janeiro dei 1866.Antonio Pihto, N,d-lllnv Sr. tenante Mauricio Lopes Liosa,
eompanhia. Aos seas ps respondo, dizendo-lhe a verdade a
Como amigo da verdade, sou a attestar qne da- respeo do qne me perguata, e jararei se aacos-
rante a administragao do sapplicante e mesmojn- sario for. Sendo eu chamado dehaixo de vara po-
tes, nunca vi qoe Manoel Antonio Areias ffrefse lo subdelegado,.0 supplente, o capito Antonio
. ronda nesta povoagao, nem cemmandando patrulha, Pial? -Carreta, a requerimento de V. S, para de-
' nem faftejicfo parte d^fla, o qne jurare! se prenso clarar todas as oceurrencas que comigo se deram
for. Da, era ut snpra.O clrtrrgio (Jo bataihao qaaado pelo inspector Bamab fui preso ; quando
n. 28, Jos Prxedes Leite de Veras. estasa eu na audiencia, receb um bilhete do Sr.
Refiro-me ao atlestado sapra j attesto qoe fazdtn Joo de Barros, qae se ackava tambem u'aquea
cinco annos que moro no pateo da4eir desta po- poveagio, dizendo-me que Ihe coustava ea estar
vqagOj ainda nao vi Mauqef Aptonio "Arelas em sendo interrogado, e que en vigiasaa e nao esmo-
rondas Besla povoagao, oa raesrao em patrarha,.* o recesse, qae eu osse la, ao, tivesse medo, que
quanto tenhc a dizer. Correte, 20 de Janeiro de elle eslava all Mas, nao me seado pexmltido
1866.O alferes Manqel Las de, Araojo Leal. eu S'alli sabir, por estar sendo interrogado pelo
Reflro-rae aos attestados,snpra, por ser mais qne assumpto referido, deuoi de ir obedcelo; ao
verdade. PovoagJo do Correte, 21 de Janeiro ffe mesmo lempo abogara all na casa da audiencia
1866. Raymnndo Candido dos Passos, capito- nm cdobado d dito Barros, de uocie Emycdie, a.
qaartel-mesire do termo de Garanhans. por ama janell faxia-me meagao para eu d'alii sa-
Refro-rae aos msmos attestados, por ser mais bir; dndado o acto, ful ter com elle Barros, per-
qu verdade. Corrente, 21 de Janeiro de 1866. guatou-me o qua toba dte, respond ihe o qne ti-
0 alferes d*a V corapanhja, Apollinario Pinto Cor- nha jurado. A isto distratou-ma em alio e bom
re .- ;.i >. som c* palavras offensivas, e despejou-ma de
JT verdade o qae ararmam os attestados acirta sua ierra. Depois de alguns das, foi rainba ca-
declarados. Era ut snpra. Joao Alves Camello sa nna oerte, ja' estando en agasalfiado, procurar
Pessoa. _Ui.it 1 ia. *' de m,m d,t ktyfto* ,b* J %ae oo o ti-
Altesta ser verdade o que affirmam os attesudos nba mais, dirigame pabvrss offensivas e injurias
supra. Correte, 2f de Janeiro de 1866.Manoel que a modestia fea calar; disse-me elle : t ca-
i de Veras, tejiente da 8" eompanhia. (Esta- cbon#\j/,eJ osoecupe a minha torta. fi' o
ftfiioa
diier-fhe.
vam reconhecidos os attestados.) : qne
N. 6.Illm. Sr. Cumpre-me participara V. S. j De v- s- o mais respeitador, obrigado ciiao
que bontem, a's tres horas, qjaie ou menos, Firia-, Jos* FraBClsco de Andrade.(Eslava reconhecida
no Alvos da Cosa, em casa do amonio Pereira* l^-. ^rma *e ios& Francisco da Andrade).
veraumas palavras reciprocas, a pagarais m an^j jjr>?~*0Sr. Jos Francisco de Andrade.,Me
lucia, apezar de desarmados; e acodindo ama,pa- eojWa vossa merc estar sendo interrogado ; veja
n.nrada do dito Amonio Pereira com n cace, w jmorega, estou aonl, .veniu pao tenha
igoore a que devia tazer, e par uto remeUi o _itf^ qaaado assim apparecia Manoel Vieira, conhecido medo.
cesso acQmpanaado da um offlcio ao pautar juiz do por Aracuaa, qoe. lambem pegou a mulher cem o] Seu amigo-Joao
a esse respeito. E' verdade qae, pelo
raovo expendido de desgastas de Areias com Joo cesso ac mpanoaoo aa um outeto ao doutor |uw do por Araouan, que lambem pegou a mulher coma' Seu aratao-Joo de Barros Correia,E
de Barros Urra, por causa de animaes. deste, que direito di- comarca, padiodo-lbo urna coaooU a ul fim de desarma-la, a nessa lacia sabio Aracna reconaacda ser a letra do proprio Joao de Barros
destruanlas planlagoas daquelle, lionve um pro- j respeito, a at a presente ainda nao voltou o pro- com um pequeo ferimento na cabega. No outra- Correia)
cesso no Riacho do Meio promovido por Joo da eesso, o menos a resposu da coasulu, e o que te- dia, coasiandome, fui prender os ices refottdoa :-x-HPrmega-.Ploiniarroiitora a folhas
ros, processo qae cahio como ltimamente sou- abo de rasponder a V. S. qae a *te acorapaaham para V. S. faur a justiga La e pelos depoimentos da folhas 87 a folbas Si a
be, por ter o seu autor
razo qn Ihe assistia,
o abandonado; tanta ora a | Deas guarde a V. S.Povoago do Crrante, 17 devida, corto de que o fetimeoto de Araonas artife' intarrogalorios de folhas 37 a folhas 60.'esta'saf-
-------, tio boa era a fe com qae de Janeiro de 1866 IHm. Sr. alferes Mauricio Lo- que poaco se divulga, r
preceda^ Deste faci, de que ails live sciencta ha pes Lima digno pnmeiro supplente de subdelega- passasse desapercehido.
ente provado, que Manoel Basilio de li-
pouco tempo, por nanea mo constar ter sido Areias do era exarcicio.Francisco da Sale- Peixoto, quin-1 *^beus gardaa V. Sj Quarleiro da Sitoacio; M> SaSo Teal, Aodrelino Tarein'o D^s'ha'silva Ra-
^naDJ^JuS"eo "u contad i rac>da8a3.-IJliB.ay.ioaonteMtlrM7Lop &
mimiaof Si'a a fl^ararV'Sf1 "^ i 5* lado awo>oUi, e sobre o seo coateado raspn. noel Fr^j^i^^, taimoatar do aHwefl. Ppmha Rx,. Fabiano lveo da Coooa^Joio Ja-
qs, para i ngurarem como vingado^ da do; Em.qoaato ao primeiro qaeaacqiooei o eer- N. 7.-TMWi^MkaoduwU~-Aos loto cntlw,-na dia 4 de novembro do anno prowma.'
po dedei.cio feUe no ferimeolo na passoado Fran- das do. mex deiaaatop.da.asao.do aaseaenta de mente pasaado, ao Jugar deoomioado Gameleira,
cisco JaOi'irra VijJaca^aoobeoido por Fraocisco Cao- naoaajfopfcor jesoo C*f\t .p>: ijp, saota povoa- districto do Corrente, se oppuzsraai eom torca a
.Arelas, e perseguidor das msteoaaaaao que jara-
rara conlra elle, das quaes Irei tratando pela or-
dem era quo eslo collocados os fados qne ibes ai-' tao, no/ibi %i tejafo do ao''prpimo'pa88ado,
zem ropatto. quanto a dlzer-seque Areias mea por ter neebido participaglo do segundo snppien-
aiaet que o resp&cUvo subdelegado, primeiro a.upplente
iciado sobda- em exercieio, tenente Mauricio Lopes Lima, vare-
Chaves, e qae sempre o sera em toda e qualquer
comarca. Esse bomem que eu suppuaha ser mea
cantarada a pouco acaba do pralicar para comigo
urna acgo a mais negra e degradante, que verda-
deramente s pode partir de ura bomem de pes-
sima chronica, e supina ignorancia, e eu exponho
o [acto.
Havendo de se proeeJer a ekico para depota
dos provinciaes na villa de Flores all comparec
como eleitor no dia 7 do correte mez de Janeiro
para o flm do inesmo trabalbo, e me precedendo
j a mito d'antas ama liceoga da polica do termo
de Flores passada pelo tenente-coronel Pedro Pes-
soa deSiqueira Campos quando delegado.para an
dar armado, e nao tendo esta licenga ainda lasoi
rado coojiouava aoja/, armad*, islo pela razo de
ser hornera qoer sempre dirijo era mea poder seis,
oiio e det costos de ris, e as vezes mis oa mi-
nha vida coramercial, de mais a mais morando eu
neste termo, nao tendo entretanto commettido cri-
me algum, antes quando a necessidade exige me
lenbo prestado a auxiliar a autoridade, tratando
puntualmente de pagar minhas letras, respetando
a autoridade e obedacendo a lei entend qu ja pe-
lo meu eeaooorlameaio bom, e corao offleial da
guarda nacional, e j corao juiz de paz da povoa-
gao de Baixa Varde podia entrar na villa armado,
e de facto condazludo nos goldres ura jogo de
pistolas de espoletas, porm o tal Amaral, infeliz
adulador que nao podia passar sem ura eoredo, de
aoeordo cum Otdrade aues da Silv, tra&< ole de
moeda falsa soraenie alim da adquirir do delegado
o bacharel Adeao de Lona Freir mais um pe-
dago de sympatha, surgera a galope e vio dizer ao
delegado que. ba ra andava um boraem armado
(mas sem dizer o nomt) ao que o delegado Ihe or-
dena que fosse tomar as armas. Esse infeliz ba-
cbarel Amaral espoleta raellido em urna farda de
brira, e cora xinellos rasos aos ps rae acompanha
era occasio qne me retirava da villa, e de longe
chama-me, dizendo qae o Dr. delegado me pedia
qne fosse a sua casa.
Eu que sempre sou atteocioso obedego, e vulto a
casa do delegado, e eseolheudo para raeinor com-
modidade do cavallo o becco da roa, e all apeo-rae
e no inierira de entrar casa, o militar covarde
sacou dos goldres as miobas armas e as conduzio
para o delegado, este que at all me nao conhecia
quiz sustentar aquella denuncia, ficande-se com
ellas, e afioal retiro-me sem Ih'as pedir, mas de-
pois de algons dias rae as mandn trazer, conven-
cH qoe eu de facto eslava licenciado, com effelto
se o Dr. delegado conbecesse de rainba conseien-
ca e do pusilnime proceder do Sr. Oldrado por
certo nao aceitara urna tal denuncia, porque Ol-
drado horaem qoe s compra para nao pagar,
ebrio de profisio, traficante de moeda falsa, Ama-
ral bacharel que transita as ras de Flores eom
urna caiga pela ciotora, sem ama grvala, com
xinellos rasos apparacendo os dedos do lado de
fora, e qae em sua casa nao possoe seuao miseiias
e qae ao terse sea estado se attribne ser nm des-
tes bomens que nada quer dever, porm ao inves-
tigar so vida se conclue da contraro, tanto mais
que alm de outras pessoas a quem deve na villa
da Florean seu termo sa retirara para o sal dei-
xando de pagar a estas pessoas, e o ex-professor
Antonio Jos de Souza que sempre est prompto
a servir a pessoas que o oceupam, imprestando
dinheiro sem premio em somraa de qumiientos mil
ris.e entre estes ao Dr. Amara! qae deve-ihe
quiohentos mil ruis, que da qual aemma apenas
tem podido receber dois ordenados vencidos a fa-
vor de Amaral qaaado juiz. municipal.
E' do lamentar, Sra. Redactores, qoe ara bomem
de llustrago que temoceupade o lugar da .magis-
tratura teoa decahido desta digoidade como este
bacharel.
E'.este aquelle mesmo que quando juiz muni-
cipal que gritara as calcadas daquelia viUa con-
tra o capito Joao Baptista de Atbayde e seus ir-
mos chamando assassioos, velhacos e ladrOes,
pedmdo e despachando ordem para prender o cri-
minoso Francisco Correa da Atbayde, boje porm
diz o mesmo bacharel que Correa 6 bom moco e
qae merece toda commiseraco, e Bulista seu
amo e o dolo a quem este bacbarel mais adora,
raade mais aomenageM, e qneima inaejuo.
Este bomem despreadido do dever social, resga-
la-se do lugar de joiz municipal, precipitase no
abysmoae ama vidaephejuera, trocando as lauras
por Jarda toradahoje o termo de Flores a pdbae-.
cando gente na corda com o titulo de voluatarlo,
para assim gaobar o logar de capito do carpe vo-
luntario (para sao dizer do corda) asnal, mas me
oceuparia a dizer do covarde bacharelado seno
conhecessa que sua acaabada iMelligeacia tem sido
o motivo de sua vida indecorosa, a mesmo porque
tenho de fazer urna degressao para fallar em de-
feza relativamente a urna caria ose dit o escriptor
de jomad pelitieo Vinte Cmeoe Marga ter recebi-
do da Villa Bella, dizendo que o disuoeto com-
mandaote superior Xavier do Montes propalara
contra o plano da creacao do corpo da voluatarios.
QotUBco Uto como ama calumnia a mis revoi-
tante se pode sargenr a ura hooem,assim cora d> s
minio-ua parle que loca no mu digno vigarioae
Flores Manoel da Suva Burgos, porque esle, se nao
tem auxiliado a autoridade na parto relativa, ta-
semos para meu? filhos levaren- para o Recife
e eu perder falta oestes braco* a miaba safra nao
posso privar tal sedueco de mea eetavas nao
posso*raas dar ordem franca a meui Amos como
tinham eostnrae de Silvana deseacamlehar es-
cravos melos agora era s de^eaeamiofra meus
escravos cemo viera a meus Ms qne esto esta-
dando com qoe olhos nao elhare os- lentes para
taes discpulo- que Silvano que to qoe bota a per-
der a seus sobrinhos.
Pelo favor Sr. Dr. rauito obrigado flear a V, S.
o de V. S. atteocioso oorigado e criado.
Alexandre Correa de Crasto.
Terra-Preta, 24 de fe7ereiro de 1866.
CURA
Espanto/a e Atlmiravel
DE UMA CHAGA
CANCROSA E ROEDORA
0D
PLIPO M MRIZ.
Urna creada de servir residente em Pemam-
bnco e pertenecnte Ex." Ser". ViscoNDasea
DE Goianna, foi attacada d'uma terrivel cha
ga cancrosa e roedoraou Polypo no Nariz.
A mesma involvia e tomava todo a paste in-
ferior do nariz, amelgando j distruir tanto
parte cartlaglnoBa como o sesmo oeo ; Come-
ou primeiro por apparecer sob o bei^o supe-
rior e parte da face, extendendo-ee por tai
forma e com tal rapidez, qne em poaco umea.
;ava transformar todo o rosto n'nma eaerme
charga vira e asquerosa. Durante todo este
terrivc-1 estado, todos oa recursos meWnaes
que em taes cazos se uzao forio abundante-
mente empregados, sem que de leve fizesse
parar a marcha lenta e distraidora de tio hor-
rivel enfermidade, e todos os meios e esforgos
forio baldados, e no em tanto o mal creeca eia
que por milagrosa fortuna da infeliz estando
as couzas neste ponto, se experimentoa pela-
vez arimeira a
SALSAPARRILHA
DE BRISTOL.
.

O i'fiHto prodTuido, quasi que instantneo
por este iaestimavel remedio foi verdadeira-
mente maxavilhoeo e sem igual; este grande-
pnrificador do sangve e dos humores do ja-
tena, immediatamente tkjz um termo mar-
cha disastroza e fatal da molestia, derramndo-
se e infiltrndole atrava dos tecidos os mais
dalioadosdo corpo, ccpelUado at ltima
preprfedade en restiro Tirultnto da molestia,
e dentro d'um cuito espado de tempo produzio
nana
-


Completa e Radical.
Este feliz quio adiniravel resaltado foi efaai
do apenas com o simples uso
Dnmaso nnicatlarrafa!
d'eate acampara val e inapreciavel depuratorio,
recommendmmos portanto todos a Doentoa
que procuren obter ora o mator cuMad a
nica e verdadeira Salsaparrllna da Briatol,
uaicament* preparad* per
L ANMAN &
Pe XO\A YORK,
s* eartoas. de que^toa aa naais paaaaiatBaa
imitavas alo valem pan mea algasia
Vende-se Das boticas deCaors <& Barbosa
e C.Bravo & C.
i
bem nao (eca ^' dVvKaia! Bldfl0 dS d5T9t6S ^ tem f festtPTI ******
Seram, oo sentido de aHstaaieato
Sao inconveniencias qoe celias a adem pessoas
qoe teado panaido a Uao e o#aa moral quer rei-
vindicar sea atatpronMtUawatQ de boiaeas,qu pa-
ra viverem radependentoiiiSo necessiura de lan
agente polica!, falsa Ul asserfao como to* mais; te, o ea** A..odo P.nlo CorraT 00 dia W de legado soliente (e*. ttT%W?lSX*. jaTse' bsaleMS?Jo* do Sraonto, e"' creaTra dTraejTiamesB
ladaConceicao do larta, oa capellada Povoarie
d#Vraa,He 18C6-a 18W.
Julaos;
Os Illms. setihores :
Capito Francisco Carneiro Hachado Ros Jnior.
4

-/
/


..
-~Ta|i
"ao>fc


fcl
1866.

i

>
t
Dr. Ignacio d* Bonit Lelo.
BserWe*
Os Ulqs. saofceMs* DW
Jo Jo Luja **Bja.
Capitao- tfaeoei Antonio Ribeiro.
Merdosas.
Qs Ulnas, aaobores :
I Joaaura Frri
recade atendaos,
i Ttoavu Cavaleaoti Pesio*.
Ifioo Cavaleanti tfesaoa.
Us de Oliveira.
iFraneellop Augusio de Albuquerque e.Manfejga...^-,

l

.o da SUva Moreira,
oloaio Jos da CosU e Silva.
auWca Benjamn Constas'
Salles.
Jos Paulino P-ilr Benicu Cavataati.
EicrJvJo Juii Sarau* do Araojo Galvo,
*Hi >maz de Aqaio Casar.
Silvestre Dantas Urna.
Juiz perpetuo por devogao.
O Illm. Sr. Maooel da Silva Amonta.
John.
As Eimas. seonoras:
D. Sfaria Anglica de Azevedo Tqco, esposa do
Illm. Sr. Francea Ignacio de Souza Tinoco.
D. Joan* Joaquina Hapusta, esposa do Illm. Sr.
esciKaa. Manuel Joaquina liaptista.
Escrlvs.
A Eiraas. sentaras :
A professora puJikea do? Afogades D. Maris. Coe-
Ibo da Silva.
0. Mara Cisueira, de Mocaos e Silva.
MjrJUkas.
As Exraas. seonoras :
D. Jjsepbia Mana Je Lana Freir.
D. Mariana da Almada Pi, esposa do. Illm. Sr.
Alaaaudrino Mariias Correia de Barro*.
D. tguez, (francisca Rosa de Oliveira, esposa do
Iilra. Sr. Manod R tsas de Olivetra.
D. Hiiviaa de OHreira Cardozo.
i). Joaquina Marines da Gasas, esposa do".II!m. Sr.
i.uif Marque* da Cunta.
D. Maria L-oaide de Abreu Mello.
D. Idallae Martinha Mordira de Mello, esposa do
Illm. sr. Be iie Waaotl Carlos de Mello.
O. GailheraQa Ernestiua dos Santos Bernardos.
D. Francisca de Paula Lud, esposa do Illm. Sr. te-
neute Jos Lucio Lias.
D. FVaaoiaea Tftereea dos Santos, esposa do Illm.
Sr. Francisco Luiz dos Santos.
D. AnniQa de Souza Magalhes, esposa do Illm.
Sr. Francisco Ignacio da Gru Mello.
D. Aletandrina Urbana Magalhes Costa, esposa
a 2i*000, %
e a de Tre;
flcandfcftm
ricas, aaad
600 da seg
2,000 dqur
8,000 d ni
A inglesa on
com 3i9$oi*eM|o d*erem'1o-
bre a (Murta ,-
Vndenle a ingleza. de 8i0 a
830 rs. IHr*, e a tranceza
em 19 de fevereiro de 1866.Guntia
*
w
,br-
^prObetW-
7004a teMeira,
da qainta e
ari;*-vein!eu.-e
O secretarlo,
Fo
Callara mwIci>m doRe
580 rs. dita-
Mafts......... Venderaia-sa a 8B00(Hl catea.
Cunha.. Oleaba [indaga.. Vendeikse a4W0 fa.
Passas......... dem aJ* acaiaa.
Preaofatos....... Yenderent-se a 165000 por aj- dado, pequeo, qne (oi apprehendido a em fpdivi
Pela coniadoria da cmara BMoiftal d<
dade se faz publico qoe nos mezerde fe
mareaje recabe i bocea de catea o inu
meipal sobre casas da negocio, e acuelles
najarem neste lempo esio se jan1] a mi
forma do art. 32 de regulamenlo n. 300
junbo de jatea.
Contaderia 1 de fevereiro de 1866.
O contador.
Caetaao Silverio da Silva.
Acba-se legalnoole deeoeitado um eavaHo ro-
Os bilheta* icaaaveee disposica* do publico no
escriptorie no da d espaeftcalo.
-
W fl
roba.
Queiloa.......Os fia
1*600
Sable. '..... v. ..* O ingle
^ libra, e
de
Touoiaio.......
Vinaaye........
ven|teanvaa
#ada m..
se 15* rs. a
.editersanee a 2 W
rs. a'dlla. a^\
Vende o *isbaa H por
arroba^' t^^
O de Ptrtugal vindea-se da 90*
a i 10* pina.* -
ideram-sl*"( de- Lisboa do
do q4 andar vendendo por mullo Jtueils do
respeqHn rater, preaoauaAj-sa por isso ser Curia-
do : quero, potay* jujwr eom direito o Ifcsmo
cavallo, provando, sertHe-b* enire&ae.
Subdelegada de polica dj 1* disirkio da (regu-
zia da Boa-Vista 23. da er#eiro de i866.
-. O sub Je tejado.
Pecio de Aquiqo Fnsana.
Arfeaatacao.
PeJo mo de orpaad vai a pra^a de ve ai a a
rerpuatimeoto curador de Aaiosio Jo- ias,
urna excellaate e grande casa terrea na Canuoga
na ma das Deozas dafro
Vinhes.........
.<* ,17toa#()1aMapteda4iDta,
w( e de tmZJh branco, e
-> os de oltrosu5"3 ^e 1455 Usa das Deozas dWroote do chafan, con urna
S 15ft SHta ralo, 9 de 190* a porta d (rem-aJuas janellas solio cora Janel-
iWi arranco. p%avoito, fans sala*, cinjo (partos, qmtal
Velas..........As de tornnMMo vnderam-4 fliurmiAfid port*di adir* copiar, cofinha,
de.600a-610rv P0'' Pacole e 5 tHJl^lWaob pilares, oaoleire P*a flores e al-
" velas, r guns awaredos d, /ruetm. a varia Jo por 4:000.
Desoouios...... 0^rebate de ras regule. a tfnrtnstracao doorreio'desla ci-
Mt)do!Vdnv1' lft /. Fretes.......... Para Liioap
i**
vapor, 1 vela ; pata o cinal 50/*47-
QOMPANHIA PERNAMBUCAUA
DE
FaYfi$if costeirt p*r vapor. -
Maow escalas a Pwwete.
Sega oe da 18 as 5 horas da
tarde o vapor Parckyba. Rece-
be carga al o da 17, encor-
eadaa, pasaagans e dnheiro a
(rete ata as3 horas da Urde do
1 ne escriptirw da compansia For-
te do Mata? a. 1.__________*_v____________
Companhia Pernambacana
M
MUretafi costeira por vapor.
Paraair,' RatftL, Maco, AracaW, Oeara'
e Acarac.
O vapor Mamanguape, com-
ndame Ratts, sabira' para os
portos cima indicados no da 28
do carrete as Stboras da tarde.
Recebe cargadamente at o dia
27, encormendas e dinheiro a (rete at as 2 horas
da tarde do diada sabida : escritorio no Forte
do Matos n. 1.
COIP.IXHI.I BR 1SI I,i:i RA
DE
PAQUETES A VAPOR.
E' esperado dos parios do aorte
de hi b#t e seis perlences
una fosatela e sena perteoees

por ion. o co-
MOmiENTO^DO PO
aa-se
toneladas, caito GallWftiiuaeem
e onfros geneUaa,; aT^set
Simios entrad no da 24.
Havre por Faimouih97 da-, galera (ranceza A
dle, de 371 ton
lo, carja (yendas
Frens.
Buenea-Ayrs-^aOdias, gafcra ingleza Kat Gante,
deM9 lonaiadas, capiao Michael Breakenredae,
equipagemjhl, em lastro; a ordem.
Navm saludos no mesm do Illm Sr. Bernardo Rodrigues Gramoso Cisia., Aracaty-Hiaarnac.oaal Santa ftuzjmW ** hos com aliw
D. E-meraldina Eleulherta do Reg Barros, Alba Victorino d Neves, carga dfff-renaa^aaneros. ^oniro oitaV
do ll;m. Sr. caplao Manoel Eleutberio do Hego Araca*v-Hiala,nacional MrofaicaoiHe Waiano r:.;"..-.T 5,
capiiao
Barros.
I). Vicencia Maria de Sampaio, esposa do Illm. Sr.
Francisco Jo> de Sampalo.
Juiza depositara da bandeira.
Aracavy-Hiaiaynacional Nirolai, cap lie waj.
Tneoaorico da Moura, carga divwaa.(ieteros._
Rio de Jaueir Brigue nacional Norma, eaptfao
Maooel M. outros (jeneroi e 1 escravo a entregar.
A Exma. Sra. Anoa Joaquina do Reg Albo- ;R0 Grande dflSulBarca nacional Natw<, capl-
querque esposa do Illm. Sr. lenenle-coroael M a-, to t>edencoJos Prates, carga assucar.
noel Joaquira do llego Albuquerque.
-----^ .----------------.-------------------------------------- na^
PRAQA DO RECIFE.
otae$es offlciaes.
24 de (evereiro.
As 3 1|2 horas da larde.
Cambie sobre Londres 90 d/vista -28 e 28 !|8 d.
por JOQO.
Dubourcq Jnior,
Presidente.
Silveira
Secretario.
Voto banco de Pernam-
J)UCO.
O Novo Banco descosta letras a 12 por cento
ao aiiDA, loma dinheiro a praso Oso ou em conta
crreme pelo premio e condigCes qne se conven
ciuaar. e saca sobre a praca da Bahia
Calza Dllal do banco do Brasil
em Pernambuco.
!)- M-Jt-m da directora se faz pnlico qoe o
thesorerj desta caixa se acba anorisado a pagar
o dividendo do seme&te fiado em 31 de dezembro
pn>x:mo passado, na razio de 12J00O por acQao.
Cu xa filial do banco do Brasil 15 de Janeiro
de 1S6.
O gnarda-livros,
Ignacio Nunes Crrela.
i BarcelonaBrigue hespaohol Ventura, cafeteo Ge-
rardo Maristany, carga algodao.
Mero Polaca hespanhola Fnfurifa.. capnfe Pe-
dro Maristany, carga algodao.
Mtm' Patacho hespaubol Indio, capilo ttfh"Va-
gea, oarga algodao.
BaruaSumaca argenea Nava Nifm^.a, capitn
Joao B.piistaBallac, canpa a raesBia que trouxe
de Montevideo.
Liverpool Brigue infiel Grecia*, caplte Joste,
carga assocar.
Navios entrados no dia 25.
Terra-Nova29 das, brigui ioglez Alexandre, de
23a toneladas, eapllo Jaam lolds.worlhy, equi-
pageng II, carga 2,8i barricas eom .bacalna'o,
200 ditas cora farinha de trlfo; a Johnston Pa-
ter & C.
Aracaty 10 dia?, flate brasfleiro Bthalagao, de
37 toneladas, capitn Trataao Antunes da Gosta,
equipagem 6, earga diversos genefos a Jos de
Sa' Leilo Jnior.
Aracaj e portos interandlatlO nas, vapaetira-
sileiro Menaanguape, de 337 toneladas, eeeMtan-
dante Francisco Jet da Silva Bates, equipagem
20.
Rio de Janeiro27 da, barca franceza Bahia, de
392 toneladas, capilo Sarlon, equipagem II,
em lastro; J. KeWer & C.
Navio salado no mesmo dia.
Rio Grande do SulPatacho brasileiro Bemfica,
capilo Maooel Perelra das Heves, carga assu-
car.
ama
casa terrea com sot&s n. 42 na Gaponga, (regue-
zia. da B>)a-Vista, fajando frente e esquina para a
fu aarVentaea e oitaonara ra das Pernam-
bucaoas, com 3 janellas na (rete, 32 paleaos de
largura e 70 di fu<(do, com paatao ao oito, 2 sa-
las, gsbinete ao lado, 4 quOTcs, cosinha (ora,
quintal murado, coto 130 palmos ds comprinenio
e 42 de largan, com caoteaba propri.i, casa para
ns arvoredos a rom urna entrada
de 10 palmos de largura, estando
o toto txavejado, sendo o terreno proprio, avaha-
da por 2:000* A qeal ca. laria dos uadei Fraocisc Xavier de Lima e sua
mulher Maria do? Santo ttama, e ra a praca a
dita casa a requer memo do respectivo testamen-
teiro. ______________^__
A'easa Si deajncao'achnp.-se'recolhidos Pr
aLFANDEGA.
Renitimento do dia 1 a 23......
dem do dia 24...............
1 .....
EDITAES
384:225*078
23:104805
609:3293883
MOVIMEiNTO DA ALFADEG2A.
Volamos entrados com azeudas-----
com gneros..... 720
O Dr.Tristao de Alencar Araripe, ofQcial da impe-
rial ordem da Rosa, e juiz especial do commercio
n'e.-ta cidade do Recite de Pernambuco por Sua
Majrestade Imperial e constitucional, o Sr. D. Pe-
dro If aquera eos guarde, ele.
Faro saber aos que o presente edita! virem e
del le noticia tiverera, que no dia vi me e seis 4o
everoiro do corrente anno se ha de arrematar por
venda, a qnem mais der em praca publica d'este
jtriTo os escravos seguintes: Simplicio crilo
core trnla anuos do idaa avallado per ara nonio
de rtis, Sisvestfa angpla com quar*nU annos de
idadr, deslader, ara i,.do per seisef ntoa mil res,
Desearregam hpje 27 do (evereiro. | GeQOVev4 cr, ^^ V1Q,9 0iio aenoa de idaa
Brigee portuguez-lrfimo-pedra. avaHada por novecentos raif reis, Jia crila com
Bina portugueza 6'onsfanf III diversos ge- qa;aeaU e Clncara*.*eida.*,avlaliadaporoi-
_ '"''''s- .. _, alientos mil reis, DoaUngas iol* cota aeoenta
B.rc portuguesa-S/jra<-.diversos genero^. anQOS de idatfe>avalia(taitt<,lqUiiro cantos mil neis.
------720
Volumes sabidos cem (azendas..... 211
eom gneros..... 747
-----95S
Birca ingleza -kngustina hacalho.
Gil-ri francezaAJe/ediversos gneros.
E-cona inglezsOraclecarvao.
Poiaca hespantiolaIndia charque.
Urigue nespanbolJU'ia Rosadem.
Briguts oacwaalFUu/unense idem.
Hrigue ugenUoor Vitante idem.
V 1! ic 1 argentinaMontevideoidm.
auni.i'-a argentinaMoca CarlotaiJem.
aatatdie portoguezJoteidera.
PBrc. -naciooal ~Guw i/iinidem.
EGEI5EDOBJA DE RENDAS INTBRiNAS US-
RAES DE PERNAMBUCO.
Rendimealo do da 1 a J...... 30.6494O41
dem do dia 24................ i:078*M3
2GON9LADO PBOVINClALr
Bend:iuento do da 1 a 23....... 139:5144603
dem do dia 24.............. 6:232J379
143:746*982
PRAQA DO RECITE
4 E FEVEREIRO BE I8G6.
A'S TRES HORAS DA TARDE.
Revista semanal.
Marta Grand crila cora quarenta e cinco aaous
de idade, avahada por uuatto-ceaus muris. Os
quaas foratn p.eoborados por execueo de Antonio
Clinarco Morelra Temporal, contra Bernardo de
Miranda Albuquerque.
E nao havendo UoQaJai que cubea o prco da
avaEco a' arremautao seci fea pelo pcaco da
adjjicacao na forma da le. E para que oegue
ao aphecimento de todos maudei passar o presen-
te qee sera' publicado pela irnpcejisa e affixado,
nos lugares do costme.
Rati(e 7 d fdvijreirod 486- Se Secondino
Eliooro da Cunha esereaenle jorameaUdo oescre-
vi.: eu Manoel Maria Rodrigue* ao Naseraiento,
escrftvie, o aaeaaavL
Trifo (te Alamar Araripe.
DECUtaCaES
coAdtfoes e
a aatttna.
Por necasio do leilo de movis em casa do Sr.
E. Wild na Passagem. ^^^^^
Oe orna mesa, i cama franceza, 1 tt)-
cador, 1 candelabro. 1 castic I, 1
relogio. 1 porta licor, 1 jarro, 1
bnfao e 1 palanqnim.
Qaarta-feira 28 de fcvereiro.
As 11 horas em ponto.
O agente Pinto (ara leilo a reqoerimento do
invenuriante dos bens da Uada Marta Candida
de Magalhes e por mandado do Illm. Sr. Dr. juiz
de orphos, dos objectos. cima mencionados, as
11 horas do da cima dito em sen escripiono a'
rna da Cruz n. 38.
"liflSOS DVERSOF"
AO PUBLICO.
A abaixo assignada julga conveniente decla-
rar que nao se responsabilisa por qoantia algnma
ou valores de quaesquer objectos que em seu no-
me alguem possa -tomar, v>r por emurestieto,
at o dia $ de marco o vaper Pa- qur por compnt em quatquer e.-tabeletimeito
-id, commandaote o capilo de desta cidade, ou |Kpessoas l sua amizade, e ero-1
ehitos, para os qnaes nao
ieaquina Cavalcanti o Reg
Bscripfa popular.
Balancele tabeens, lejas d^ontras casas de
comaierell, asiia como qaalfber b."criptura(ao
pagas maesalmenle na ra doVorle n. 20.
, PreciM-se alugar timt ecrava que
seja de boa conducta e saittn fiositttiar e en-
ffoawuar pata o servio int-rno da casa de
familia., a ra do Sol ti. 21.
MunnnaaN^M
frf ala Antoale Jwqaim Santa test nao pagar ta*s
^.tarbara, o qual depois da demora concorrea.Felipea
quuer engajar-se din-, do costme aeaaira' para os portos 4o api.
Desde j recebem-se passageiros e engaja-sa a
carga qoe o vapor peder eenduzir a qual dever
ser embarcada no ia de ana ohegada, encemmen-
das e dinheiro a (rata at o dia da sabida as a ho-
ras : agencia ra da Cruz n-1, escriplorio de An-
nio Lnte deOIivetr Azevedo & G. ___
Arrfeiitttapo*
Ftnl* a audiencia do $a .3 de'marco da pro-i
vedarla des residuo, escrivo Vas-oncllos, ser )
arrematado por vtda, quam is der,
Rarros.
O padre
para a Europa.
MM
VERDADEIRO LE ROY
de SIGNORET, Docteur-Mdecin
ue dfe Saine, 51, 'PAfUS.
Maaoel Barroso Preira, retira se.
Guiseppe Scunamiglis e GuUeppe Aceto, .sub-
ditos italianos, reliranvae pata Napotes.
Jos Liorna Monscab retlra-se para Europa.
COMPANHIA BiSILEIRA
DE
os portos do
(ugidos Antoriia, fsoravo de Joa Ferris, residen
te em Garuard ; Domingos, escravo de Antonio
de tal; Angela, escravo ie Jos Joaqnim Perelra ;
e Bernardo, effavo de Fftucieeo C-rrapos : quem,
pois, se Iqlgar eana direito aos mencionados escra-
vos, apresentaqdo o titulo de. dominio e coeheci-
meato da taxa, ser. bes-ha enaegu^j.
D subdelegado,
DeciadeAquina- Fonseca. __
_ Os_Srs. Drs. Eme1tan..Jaster de Aranjo,
Lniz Augusto Crespa, Antonia Jos de Araorim,
Agoslinho Julia da C Jorgo Mfflttenatro e Gonrjak) Ps de Azevedo-Faro
rtirara vir a ednwfltstaaeao de correio desta cida-
aQm'e reeetereo offlclos vindos da Parabyba,
Natal, Amazonas e Paran.
Arr&nataco
Pelo jdlzo da orpbaos val praca. d venda, de-
pois da audiencia do dia 13 d correte, a raque-
rimeeto do carado*, do desaoisada Aotonii Jos
Di**, urna excedentee grande ca>a terrea com so-
tan na ru das >eo*s. na Capenja, deronte do
ehatarlz, com 1 porta d. trente e 2 jaaeUas, 1 salas,
cinco quarios, quintal murado o;n porteo dama
deira, copiar, eozip.be, um telheiro whre pilares,
caalelro para flores e algens arvoredos de ruc-
tos, em ebo peaprio, avallada em 4:00Df. _
iAiiiiEii, mwv
Pela adminislracto do correio desta cidade se
faz publico para Pin convenientes, que em virtu
de da con fenco postal celebrada pelos governos
brasileiro e (ranee*, sero expedidas malas para
Europa no dia 2 de margo pelo vapor rancez
Guyenne.
As cartas serio recebidas at duas horas antes
da qoe or marcada para a sabida do vapor, e os
jornaes at tres horas antes.
AdmiaistracSo do crrelo de Pernambuco 22 de
(evereiro de 1866
O administrador,
Domingos dos Passos Miranda.
PAQUETES A VAPOR. H
Dos portos do sul esperado am
at o da 1 de marco o vapor To-1 gS
centvis, corotnanilanle o priiueiro m
pnente Araujo. o qual depois da 9
lemora do costme seguir para SB
re. am
Desde j recebera se passageiros e engaja-se a | SR
carga que o vapor poder conduzir, a qual dever jpj
ser embarcada no dia de sua chafada, taco n- '^
mendas e dinheiro a (rete at o dia da sahida as i
2 horas : agencia ra da Cruz n. 1, escriptrio de
Antonio Luiz de OlivelraAzevedo C. _
Para a llha de H. nignel. I
esperado a cada momento do Rio de Janeiro
o patacho portoguez Fernandes, o qual ter nesta
Cidade apenas a demora de 10 das, recebe carga
a (rete por prego mnito conimoito : trata-se cora |
os seus Cosiijuatrlos Antonia Lniz de Oliveira
Azevedo & G., uo sen escriplorio ra da Groa nu-
mero i.
|0 Dr. Fraucisco fires Uacliaiie{
Poitella
MVOICO E OPERAr,OR
PELA
Faculdadc de Pars.
c.ontiiKi i no exercicio da sua prolisso,
especialmente as molestias de olhos, de
vas urinarias e de pelle, para cojo tra-
tamenlo julgase nabitado tteala a pra-
tica adquirida nos hospilaes daquela ca-
pital, e os instrumentos mais modernos
que possue.
Accode promptamente a qualquer cha-
mado para (ora da cidade.
E encarrega se de collocar olhos arti-
flciaes.
No pateo do Caro n. 2, esquina da
ra de Horlas, das 6 as 10 horas da ma-
nha, e das 3 as 5 da tarde.
Em cada garrafa, tai, filtre a rol ha e O papel azul
que leva o meu ainete, um rotulo impretso em ai
reli eoai o Sillo uruti. do covirho FlANeif.
If. jV. Kemetteiiilo-seana lettra de 500 francoa
sobre Pars, aceitavel a 60 diaa de tUU, ao mximo,
goza-ae do abamento e do malnr deaeonto.
DepoaUaaetndpSt >
uo leglttaw t oy /\sr* -- j,_t
em Caza do nosso
nico agente pelo
Brazll a Sn* Anto-
nio Franc : da U-
cema fia Bahta e
nos prlnelpaea puar-
BUMMfkM.
Para Lisboa
SahirV nestes poucos dias a barca portugueza
Constante III, por ter promp-to qirasi tido o seu
carregamento, para o restante e passageiros tra-
ta-se com Maooel Ignacio de Oliveira & Ftlho, lar-
go do Gorpo Santo escriplorio n. 1, ou com o
capilo na praca.
Para Lisboa pretende sahireom brevidade o
palas*;* portugus JOSB' por ter parte da earg
tratada e para o resto quelhea (alta trata-se com o
consignatario Joaqnim Jos Goncalves Bellro, na
ra do Vigarioe. >7.nfimetro andar. -______
Para o Ro de Janeiro
vai sahir cora poucos dias o brigus Adelaida por ter
a maior parte do carregamento tratado, o para e
resto que Ihe (alta e escravos a (rete, trata se com
o onsigeaurlo Joaqam Jos Gongilves Beltro,
na raa do Vigiarlo o. 17, primeiro andar._______
Vaa i >ha de S. Miguel
pretende seguir oestes dez dias o patacho porto-
guez Fernandes, lem .Iju- terejj de seu earrega-
raento prompti; para o resto qn Ihe falta e pas
Precisase de urna ama para o servigo de urna
pessea so : na ra da Croz n. 13, 1* andar.
Precisa se de um caixeiro para taberna : a
tratar na rna do Cotovella n. 40.
Precisase de um bom (orneiro : na padaria
da rna estreita do Rosario o. 13. _______
Aluga se orna oasa terrea na roa das Flores;
a tratar na alfandega com Antonio Machado Gomes
da Silva.
Carvalho 4 Nogueira na ra do Apollo n.
120 sacatn sobLiiboa, Porto, liba deS. Miguel
Rio de Janeiro, a vista ou a prazo.
Precisase utna ama de
Crazas o. 22.
leite : na rna das
de Oliveira Azevedo & G,
da Cruz n. 1.
no seu escriptorio ra
GORREIO ILUAL. _
Pefa adrninfsiragao do crrelo desta cidede se
faz pobec psra loe convendeatcs, nae em vtrtude
do dupas! n< art. <3 do respatuffeufo. geral dos
corleaos aV> 21 de dezenrbr d-i iMi, arl 9 do
decreto a. lSi' de lo de mu) de 13oI, se pioce-
dfer o consumo das cartas etistentes na adinis-
traeia eesnVperveawnee aoiwez efefevtreiro
fe (M$ ne da 5 J* margo pretftno, te 11
horas da maiha>, ea porta do mesme cwrdio ; e
a respectiva testa se aeha deie ja expesta aos
wteveasaeea.
Adrainistrago do correio de Pernaatheco to de
(evereiro-* lm /l" '
Bowlegw doe aeseg-ilira#a.
Relaca* das caitas segaras eusnentes na ailmuiis-
tragio do crrete 4m I* eMad* penres se abo res
abaixo declaradis;
Alexandre dos Saatos Barros.
Dr. Alfredo da Costa Marlins.
Feliclo Jos Yaz de Oliveira.
Antn Gosiav Madsen vai para Enrop.
LOTERA
Aos 6:OOOOOO.
Segunda-feira 5 de marco (se antes des-
sageiros, para os quaes tem escillentes c.oaamodos,, e Qia tiver seguido para O norte O paque-
traia-se cam os seus consignatarios Antonio Luiz t brasileiro que se espera do tul i se 6X-
" 'trabir a 3a parte da 4* lotera (50). a be-
neficio do rec)lhimento de Iguarass, do
I logar e hora do costume.
Os bilbete, meios e quintos acham-se
venda na respectiva thesooraria 5 roa do
Crespo n 13,
Os premios de 6:0000000 at 10^000
serio pagos ama hora depois da estraccao
at as 3 horas da tarde, e os outros depois
da distritmjao da* listas.
As encomvaen'las sero guardadas so-
mente at a noite da vespera da extracto.
O tbesooreiro,
Antonio Jos: Ro Ir igue de Soma.
Cambios
lgoJo.
As-urar........
Sacou-se sobre Londres de 27
Vi a 28 Vi P" 1J5, sobre Pa-
rs a 338 rs. por (r. -, elevndo-
se a & 190,000 os saques effea-
tuades durante a semana.
Vendeu-se o de Pernambuco de
16^00 a 17*388 |or arroba, o
de Macei. costo a bordo, de
17*300a t7*W0M o da Parabv-
ba, tmbete posto a bordo, de
18^300 a 19*.
Vendeu-se o braneo de 3*300 a
3*800 a arroe, o somenos le
2*708 a 1^88, o masvado
purgado de 2*088 a 2*400 e o
bruto de l*800a 1*980.
AgutMeete.....Vendeu-se de 09f000 8 70*0
a pipa.
Os seceos alfadas venderaqa-
se de 110 a 180 rs. a libia.
O pilado da India vendeu-se a
3* a arroba.
Azeitedee......Vendeu-se o de Lisboa a 2*800
o gaio, ha vendo (alta do do ks-
treito.
Em atacado vendeo-se a 18*000
a barrica, e a eeUatao de 17*080
a 18*000 : Qcando. e deaenMe
6,800 barricas.
Venderam-se a 700 rs. a arroba.
oiMwitiaa,____Ideo a 3*500 a barrlqulnha.
Ornesecea.....A de Rio de-Pvata vaedeo-se de
1*080 a8*t08a arroa, e a de
Rio Grande de Sul de 2*008 a
3*200-, fieead em deposito
71,100 arroaas, sendo 41,800 w-
robas de Me da Prata e 23,690
do Ro-Grande.
C;*te........... Yeafteu-as de 6*000 a 0*100 a
arroba.
dem de 1*800 a 2*300 a libra.
Vendease -t? tjnm a 6*500 a
dada de garrafas.
Feria.*......... Veneu-se-del2*000a*8*000o
saoe*.
Fanali de trigo. A aPMIadetpMa leanttan-aede
23*000 a 2-5* eer barrica, ade
0 eaftao commatflftnte la Qapa-
oAid provisori* i& pn^m aaawc > aajignatlo
convida aos cidada* fn'a8fujir8enga-
jitf ao gervico o> aresn (xwapaabia. a qoe
coiaearecam ne raipecti o quaxtal em to-
dos os. dias utm, da& 9 borae da manba
per diaote. Qartel da eoanfaaait jfov-
som de poii *0 de f'rereire de i66.
_ '^ *Wfrtca ."^alfr Jm*w.___
Caattasia ae pette de ttMnwanaev K e '
htaneftallflpW.
Wn*. Sr. catttf* ** poe, Banda piMptar en
vtttajkV de ordjptfe *. Isc^Sr. coaseteairo pre-
timm da paoaaiav o aviao eveaiae d 10 de
jseatra nttwo, m au. o- fcctav $K- evaiairo da
Mrnaktua. eeeMaWci.oearasDjJJiaa<, aerarnu-
ttaaande a eminanr te uma Mfieteiegrapiiica
' ca ao panjrnr teeipo .moda
njWtos HHinalfcW 4* norte.
ou a.
fiimiiiiiHile-ii i imii >aeax
Saaaie.iaite. Baede^toAnaarak
Jos Martias Ahiea Rorges.
a. amp-mta^, _ae caso
1 ^1
oa aouSe oca a .
C.uros ..
Arr*z...
acalho.
atalas.
Cha.. .
sec
os da-I
10 de
ico a
incia,
en con
enlate urna
nKfmaQ
* A'saber
1. 0 nome do navio;
2.* A sua procedencia;
3.* Os das de vlagem;
4> A carga qne trat;
5. O nome do consignatario;
.8. As noticias martimas ou comme^claes.
Com a declaraoo de quo taes iofaneagoes serJo
transmiUidas por meto de sigoaes Maryath-a
referida estago, e quano os navios nao possam
com- ella por cansa da noate ou de cerraco no
mar o aevem faier para a Ponta-Magva. ou para
Santa-Crui, era qaaoto estiverem f6ra da barra,
cnmprlado admittir ees navios procedentes dap
portos do sol, devoca trammUnr as eommumoa
cea exigidas par o teiegvapae da barca, ou Baby.
lonia. lfo que aa posaam corresponder cora taee
(tandea.
Deas guarde a V. Eao.Or. Antelo Praneiseo
de Paula Souza.Sn presdanle da provincia de
Peroaadrueo.
m
m m mi..tii i*m
THEArptO
S. ISABEL.
LBU6BS.
importante letlcto de
movis a saber:
Um escelieot piano do jacarando, 1 m ibilla
tamben de Jacaranda cora 1 sof, 1 me*. 2 coa-
solos coui p-dra, 2 cideiras de bfseos, 4 de ba-
lando, 12 oe gaarui^ao, 2 grandes espein >s con
molduras da lac.arauda, rieoa uuadios coot linas
gravuras, 9 lancas para cortinados, jarros de crys-
tal, 1 cosiueira com laustea, 0 castigaes e man-
gas, 1 so(a com 7 cadeiraa estufadas tapetes, 1
mesinha de cnarao, 1 Kriet, 2 caodieiro* a ga?, 1
toucador, 1 guarda roupa, 1 cama trauceza, 2 di-
las de aieaetsHqt 1 djta para criaqc.a, 1 comnwda
tfe Ja.ranmifj, dita Se mogmo com pedra, 1 lava-
: torio de pedra marraore, espelhos grandes, 1 car-
: rinho para raenM i. 1 BeAelstica, i guarda lou-
. <, 1 apparador, 12 cadeiras de amarello, 2 guar-
da comidas, 1 porta, lieos quartinhas, louca, vi-
dros e mu tos outros objectos.
Um carro de 4 rodas cora coberta.
UOJE
Ni Passagem da Magdaleaa.
fclmile Wild tqudo de retirar-ae para ajnroaa a-
iTa.' leilao oor inierveuea do agente Pinte de to-
i dos os movis U casa de sua residencia na Passa-
gejn di Magdalena, terceira depois da casa do ba-
i rao do Livrameato. as 10 1)2 horas era pomo do
, dia cima dito. O mnibus as-10 hor?s era ponte
; oartira' da praca do coos.-neroio em (rente a
Ama
Preclsa-sade nina raulhef ja idoza, para andar
com roaoieos e (azer algnm servico de easa : na
roa de Ranayi 3- "_________________'
Atugawe ama sala eom tres-qnar* e cosi-
nha, no i." andar da sobrado a. 46 da ra do
Qaeimado. -__^_______^____
Fugio de ogenho Quanduz, na comarca de
Com
as LIMAS
CHIB5ICAS DS
P. MOKTH, fornc
cedor da Caza Imperial do Esercifo
francez, garntete que qualquer
pessoa podera sem dor nem perign
ivrar-se de seos callos. Esta irnrrt-
cao : privilegiada em varios paizes.
reconhectda officialmente effico/
por 15 riacofls, premiada com me-
dalhas de 1* e 2* classe e approrada
per diversas academias e peh En-"'
Presidente da Junte de Hygiene il.
corte. Por ordem do Ministro da
Guerra fe -se em Pariz experiencias
sobre mais de 2000 soldados que
tica rao livres de seos calles; igual
resultado foi obtido na guarnir ao
do Rio de Janeiro. Mais de 3000
pessoas ja se tem curado com estas
Limas. As provas do que sp diz ci-
ma e os attestados acliam-se no
prospectu, que se da no deposito.
Casa principal em Paria, B* Prince
Eugne, 18, Agente para o Brazil,
o S' M. O. ABRANCHES, ra
da Alfandega, N 10, iw Corte.
*Le sr .i Miixiicur rtc la /'hurntiicft,
Acleeiricidade hoje tupnpdk por Untos o*
.nie.licusafiiiKwlos. pm* o IruitHM ni<, de aniiitai
aole*ti>, nicHiopara 1$ qne n^isuu astjulrjs
t mnlicaciies
A elvclridade prodmida pela rrir^ao tero urna
su|KirTida.r laconleMinol, ea taiilagcmtsnao
darI>io<, ade i*>!.t >cr;raluacla pclndoeiHe.
A rau-a a mais ficinirnic das molestias a
tstagnaca do sau^ue ou dos uniros lquidos i-
fae. lii-slablecndo se a circuljea no orfa-
nisnto, cnrapae*se as ewfestlas.
Qnando se tente apunta dr e eaekpier
parte do corpo logo, e inslinclivamcnla, seerfrega
o lujar endotorido com a nin, e slo alllvia. Isto
etplica o rfsnlinrio incoRteslai*e1 que (leve pro-
duzir um appurclao e eclrico. Pur isso loaos
prazereraannuuciarao PirblicoiiueuSnr Buisson
tle BKilflers resldcnle, kmlevart du PHnec-
KueiH', 18, em Pariz, doiou a medicina de un
appirelUo Electro-Magntico, sob a forma de
urna escova, com o qual os doentes se podero
a turar sem ermnuooira medicaea. Os Btedieos
que a ten; ei|ierimiiadn, aileslara que a
. Eacov* LECTao-OlAeMBTiCA eflicaz para
Curar: OS Bbeumalisnjos, a Faralysia, Gott,
>I>HMaainamiiWoi, e da Coluxaa ver-
> tebrat. debilidad* ge ral, Mevralgiaa etc.
a Estamos certos que breve cada faui a possuira
> erta escora qup pfestara grandes serricos.
a A pedido de nruiiapessoas, o autor decidlo M
> a establecer um deposito de seos apparelbas no
> Rio de Janeiro, em cata do 5a Diaita Roma,
trua nova do Ouvidor, H. >
Perniqbuco, pharmacia 'raoceza de P.
Maurer k C, ra Nina n. 18.
--------------^SroTSr.A:" U""""J"
Honhard ($[C. fizein-suieit; a esta prar^a que
mudaram o jeu aruuaein da (eodas da la do
Santo *jtao, ao da 7 do corrente, um mulatinho
de nome Benedicto-, de idado 1 annes, ponco mais Trapiube o. 48, esquin* da praca do Corpo Sauo,
oa menos, cora os sigoaes seguales : mulato para a rna da Cadeia n. 6.
claro, cabellos corridJesque passa por orro, ntui-
to ladino e servia de criado, (oi comprado ees Ala-
ga cercada e desconfa se estar acoutade per al-
| iriz do Corpo Santo, um mnibus que servir' de
transporte!1 os concurrentes ao leilo da Passagem
d'onde voltera' a* 2 l\t horas da tarde.
gura empregarjo deste engenho que se relirou das
antes da fuga do mulatinho : roga-se, prtanlo, a
qualquer autoridad^ on capites de campo que o
pegar, de leva-lo asen seeihor ne reerido engenho
m'a ou nesta prar^a a Jos Joaquim da SWva, ra estrei-
granc coffinro
Se^oi*vfeir* 26 de fe
DADO PO
CARLOS
\ Hileneelliala da cmara d
dar
LEILAO
la do Rosario n. 47, que sero generosaeaenle re
compensados._______________ _____^
Quem precisar de crrelos particulares Pra
o norte ou sul pelo mar, drija-se a ra. do Pbarol
numero 7.
Enistem para alugar-M qualro asas terreas
de preg) de li, 105 e H, todas com quinul e
cacimba, sitas na roa do Gazomeiro, confroute ao
perto da fabrica do gaz : a tratar- no mesmo
luaar.
Precisa-sede urna ama para casa de poura
familia, para engommar e cozinhar : aa ra do
Hospicio n. ft2-
Precisasealugar.um moteque d'3 \i a i; an-
nos para o servicoioteron e_exta ^Bras,.,,
i sciieimm
ir*>de 4866
NER
o Impera-
Sew limites ae cerrer ds martillo por
de diversos.
Terca-feira 27 do corrente as i i
conla
Na padaria da_ Torre precisa-se de um ho- pasto : na rna di itqeda. n. 31.
Cartoea perfeameoie
_ T i a pillara u* urro |uai.ua-a ira uui uu-{ nasfr
De trastes e Utm UlUlUs elijetieS. I nem para caiieiro, Brasileiro ou Portuguer, tendo H-
NO GR A W>E ARMAZEM
horas.
DO AGENTE
CARLOS
MaMSTA.
Honrado cam apresenca f*yt- Bxca Sr.
prndente da provincia^ a\jtsvado pe-
la Sr. Etchbaum que sjfupsta graciosa-
ciosameM*.
PROGRAM
Pt-I nelra parte
1.a Ouverto de MercandaJHledicado aGari-
aaldt. Aoreeeskva execotara Jscena abena.
1 Quimil lljjf ri,"!ttl|pg de Verdi, ar-
lo XVI, para
violoncillo, por Werner Servis.
4. La Melancoa para voloeceUo, eiecutada
per C Weraw Rmar.
5. Capiica Hoso/pis para i raaos, ejeeutadi
pelos ^s.Biel#aVr**n,D,"*w*1*'-
Heximia parte.
.* Ouvertura da apara d'Aoeer. Mareo Spaa.
7.* PasfcweMa e Cavaalie-e GoHaohaM. Galoop
d corteen, nava pas, per Schrara* Ketrar.
. %.' Saveew de Spa, fraude ptiantasli para tt*
loocello, por Werner Srvate
.* Grande pnaeaasi tarer* nativos da opaea
"finna, para dons planos, petos Srs. Etchbaura e
Schramra Thalberg.
10." Klaenge sus der Heimath, baile nacionaj al-
lemo, para violoecello, por Werner.
H. Grande phaotasia sobra motivos da opera
Moyss. p-ra piano, por Schratnm Ttatbert.
If.* Caatienes biaaHeiMa, eampoata para violon-
eello axetutada ser Weroer.
I Priaeipiara' as 8 l|l eras.
OLYMPIO
^8 Praca do Commercio 48
O agente cima pede aos donos dos objectos
existentes en sen armaze que nao qaizerem su-.
jeiiar se a vaode-ioa pelo roaior prego obtido, o ob-
sequio 4-ratear al a tespera do leiJSo.
LEILA
DE
1 variadas.
Tt^-feJM 27 delevereifo ao meio a
em ponto.
Theodoro Chrieltaesen (r leirSo por Interven-
| ci do agente Pinto e por conta e risco de qnem
p-rtencr de dlfferentes ardos de madapolSes ava-
I aaedos i bir* de vnpinglet Arago, ao neie-dtn
em ponto do-dla aeima-dite em seo armazem da
ra do Traewee.
LEILAO
De tres casas te raas a saber :
Urna casa terrea, da. roa da Calabouco n. 30, que
rende 168J.
Urna dita da ra do ialacio do Bispo n. 38, que
algoma praliea raelhor, e
sua conduela.
que d coanecimento de
O* abaiaa assignadM (azem acleata' ao p%r
biieo e com oapeaiaMade ao corpo do commercio,
que no da 31 de ]>Q*rro pro limo passad dissol-
veram amigavelmaott asooJade que Unhaui n
loja de cera sil va na raio sociaj, de Cirdoso de Almeida & Paa-
see Guimaraes, deaado o activo e passivo da dH
capa a cargo do socio Passes Guimaf aas. Rae
if) de (evereiro de t866.
I. Cardeao de Alnaeida.
Praocisco Jas do* Rajsoa Gutmartes.
1|. n m
No engenho Benito comarca
preets.i-se te n*n (eitor. e da se boa
. tama
na rna d^fanjia
Precisbale qnj eajjelro
Jos^Fernan^InPfeer^rt aq respejtavel
pnhoe qee deiteu de ser seu eeiieir
do corrate o Sr. Jos Biaras Leito.
desde il
BOBAS DE PATENTE
Rua Nova n. 30..
Chegaram as jieOjoresfcomhas- americanas do
memor systema qne ha, asslm como %s p.essea?
qne pretender eocauarneutos para agua pode se
dirigir a reasma bja^ut tea sema re canoa, caum-
be, " QFbem'quiter trocar urna boa, scrva crXo'lft
nelKqrrapttt'los com
os retratos de SS. MM a Imperador e Impertrlz
do Brasil. Re e Rain fp Ob/tugal, assim como
de muos nM-sfluags celfues: caicas -com
soj-tiaieuio J.e ai wx.ai muitu novas em vi 1 ros e
caixinnas de diverjas Urnauhos, op gra,ode arma-
zem daExposigo de tonilr, ra da C-idea
do Recite'n. oU
de Nazareth,
paga : a tra-
tar qaqueile engwho ou aesta praga em casa de
Lee! & tan*. '________,___
" Na roa Blreita'u^}8 vejada se 'cara. d> car-
nauba e peanas de eou. por man^s-uresp 4 e^aujTiyia/la,_________________
m Hfinjti'wnai ir oite de 8* pira ti 4o cor-
rente a taberna da ra da Casi de Deton^Ho eee>
duzirara tnaveta e*rn>89l a 90J enlo em co-
bre, sealas e rala a, alguna paais dd poooo va-
lor a urnas ar#4as da aero,_______
Pracisa-se d urna ama- p*r e^mprar e co-
sinhar : na raa Nova n. 38._______
No hotei daro-i d/T ~KjH0htjf\, recebem-
se assignaturas ejaVes^Bn^reWcommodo. as-
sin nena*fflaeaa. ao-peita* eame atja passagiro-
da Pantaina,gade antea oaanfueei parte par* l-1'
tea eoawedea auttefcma linaeM.
a Aluga sa o sobMdo de a
rna da Penha n. 2, cora
familia : trata-se na rna lari
a6aTo~SssliB;<]os i|z<
moce, a-qaal cose e enligan, cosiatia.o dari Ujda
casa por un rnolefineou nuaave aegrinlia nMcure
oa rea Dimia a. Al saeendp.
e-swrao
pequea
5Jt
o Lopes da Costa "e^IoaaJinf'C^rajMa
o seu armazem de tolli
tentei
seu i
3Li :j
o
Joo de Castro Redondo tem justo e contra-
tado a oomeve da feera de *fmes sita na rpa
Wreta n. 1, pertenoente a Jbs foaqrHtn Oartei-
ro eos Passes, se algoem se jalear c redor da rftes-
ma queira declirar no rato d tCAJs pelo fevereiro de 1866
D/afrfl. -TTJcTT'n deJtwW de 1866. ^ j ___
~ Fraaaiseo de Para'Iftrret5'Coa^h"o"ma5da
a. s vietori-
de Rezend
rui das uno
i-Pontis n. 86, denoarlnadT Uropheia, continuando.,
poroa, como at agota a wz^o seeM UM deatmos
abaiao assinnadps noeaubatoetmento de ademados
rua do Rana* a#vpan onde naaeatfi a sdd
de sajstfaasaccoe cjflisirciAs. Recie *.i U
no do commercio que vendaran
dfcopha,
Lima Irralo & (J,
N*re.8u*cio da ro.e4a,'Sflzaia Nva.
m o seu Aleo mane Graelaee \"Mar' flwrst'J Cou- vdira quera precisa da un bonT :&mt<*.
, aho, a Europa.
*\
sucar.


*__-__

felra Stt de Fevereiro de 1866.
A NACIONAL
Companhia. geral hespannola sobre a vida
AUTORISAM. PELO REAL DECRETO DE 21 DfDEfEMiRO DE 1859 ,
Una Sanca em taaeiro, depostale nos cafres do estado, {araste a boa ad-
inistraca* da corapanhia.
BANQUEHVOS DA COMPANHIA DIRECCO GERAL
Banco de Hespanha | Madrid : lina do Prado n. I
Esta companhia liga pelo systema mntuo todas as -oombinagoes de supervivencia dos sega
ros sobr a vida.
Nella pode e taier a subscripto del maneira que em nenbum caso mesmo por morle do
segurado ee pera o capital nem os juros correspondentes a etes.
Sao to saprehendetes os resultados que produjera as sociedades da ndole deA NACIO-
NAL, qoe aluda raesmo dimlnaindo urna turca parte do interesse produiido em recentes liquida-
ces ecorobinando-o com a mortalidade da abolla de Depareieux qne adoptada pela companhia
para seus calculse qaidacSes, emsegurados de idade de 3 ai9 annos, urnaimposicaoannua.
de 100* produzem effectivo metlico:
So tode 5 annos.......1:1191300
de 10 ........3:942*600
de 1 i j......11:208*200
de 20, A......30:2364000
. de 25 > ,......80:331*000
Nae idades menores de 3 anuos e maibres de 30, os productos sao mai consideraveis.
Pro.-pectis e mais informages serao prestadas pelo sub-director nesta provincia,
oaqnim Piuz de Oliveira, ra da Cadeia n. 2, ou a Boa-Vista ra da Imperatriz n. 12, estabelecl-
meno do Srs. Raymundo, Carlos.Leite irado,_____________________
TINTURARA
AO GRANDE S. MAURICIO
PftOCESSOS APERFEIfOADOS
PARA
Tinglr, llmpar e lastrar a vapor.
F. A, SALMGRE & C.

29 Kua 7 de setembro 29
Defronte da roa nova do Omidor (Rio de Janeiro)
Os proprietarios deste estabeleciraento, o primeiro no sen genero no Rrasil, por
trabalhar com as machinas mais aperfeicoadas P*ara tingir e lustrar, de que se faz uso n
Europa, e ajudados por alguos dos melhores officiaes de Pars e Lyo, podem assegu-
rar seos freguezes urna perfei5o no trabalho, a quai seno pode chegar pelos proces-
sos ordinarios.
Tingem, lavam, limpam e demorara com a mai r perfei<;5o e brevidade qualquer
quadade defazendas, tiram nodoas e limpam secco sem moll.ar as sedas e as vestimen-
tas de senhoras e de bomens.
Aluga-se
Aloga-se a casa terrea da ra do Mondego n.
19 : a tratar na roa do Imperador n. 27.
Precisa-se alogar qnatro escravos que sejam
possentes para servico deoaixo de cubera, pagan-'I
do-se bem : a tratar no largo da Af sembla n. 20.
Engomma-ie
com asseio, promptido e preces moa veis: na roa
Augusta n.o. loja. I
Pedro de Almeida Guimares nao tendo lem-'
po de pessoalmente despedir-se de alguos de seus
amigos pela rapidez de sua viagem assim o per-
mittir, vera faze-le por meio do presente, e pedir-1
Ibes desculpa de sua falta involuntaria, offerecen-
do-lnes seo diminuto presumo nacidade de Lisboa,
onde pretende demorar-se por algum tempo. O
mesmo, durante sua ausencia, deisa p r seus pro-
curadores nesia praca aos Srs Jos Joaquim Con-'
galves Barros, Jos Marlins de Castro, sea caixei-
ro Ernesto Adolpho H. Saldanba, e solicitador de
seus negocios jodiciaes o Sr. Carlos Francisco Soa-
res de Bnto.
Joao da Silva Ramos, medico
pela universida le de Coimbra, d
consultas em sua casa das 9 as
11 horas da manhSa, e das 4 as 6
da tarde. Visita os doentes em suas
casas regularmente as horas para
isso designadas, salvo os casos ur-
gentes, que ser5o soccorridos em
qualquer occasio. D consultas aos
pobres que o procurarem no hos-
pital Pedro II, aonde encontrado
diariamente das 6 s 8 horas da
maoha,
Tem sua casa de sade regular-
mente montada para receber qual-
quer doente, ainda mesmo os alie-
nados, para o que tem commodos
apropriados e nella pratica qualquer
opperaco cirurgica,
Para a casa de sade.
Primeira classe..3^000diarios.
Segunda dita___3*500 >
Terceira dita ..25000
Este estabelecimento j bem
acreditado pelos bons servicos que
tem prestado.
O proprietario espera que elle
continu a merecer a confianca de
[que sempre tem gozado.
MARTIMOS
CONTRA FOGO.
A companhia Indemnisadora, estabeleci-
1 da nesta praca, toma seguros marilimos so-
| bre navios e seus carregamentos, e contra
fogo em edificios, mercadorias e mobilias :
na ra do Vigario n. 4, pavimento lerreo.
| 0 Sr. Francisco Jos de Freilas Gui-
mares, queira ttr a btndade deappare-
1 cer na livraria n. 8 da praca da Indepen-
! dencia.
Precisa-se alugar um cesinheiro ou coss,
nheira : na roa da Imperatriz n. 9, segundo andar-
os abaixo asignados continuam com
seu escriptorio de advocada ra do S
Imperador a. 41, primeiro andar, onde W.
podem ser procurados das 10 boras da I
manhaa as 3 da larde. Fl"
Alvaro Caminha Tavares da Silva m
Dr. Joao Thome da Silva.
mmmwmmmm*
Ama de leite.
Precisa-se de urna ama de leite: na r
do Queimado por cima da loja de cera.
DE BRISTOL.
PREPARABA NICAMENTE. POR
LVVMAV & KEMP,
NOVA YORK.
Composta de substancias, gozando das
propriedades eminentemente depurativas ;
approvada pelas juntase academias de me-
dicina ; usadajnos prmeipaes hospilaes, ci-
vis militares e da marinha as Antilhas e
no continente americano ; receitada pelos
tacultativosos mais distinctos do imperio ao
Brasil e da America liespanliol
CURA RADICALMENTE
escrophulas, rbeumatismo, escorbuto en-
ermidades venreas e mercuriaes, chagas
antigs, morphea e todas as molestias pro-
venientesd'um estado vicioso do sangue.
Emquanto existem varias imilaees e
falsificacoos. preciso a maior cautela para
evitar os engaos,
A legitima salsa de Bristol vende-se por
CAORS d BARBOZA
JOAO DA C. BRAVO & C.
Joo da C. Bravo & C.
Deposito geral em Pernamnuco ra da
Cruz n.22 em casa de Caros & Barbosa
0 Dr. Sarment Filho
previne aos seos doentes e pessoas de seu |
conhpcimcoto que se mndoo para a ra JK
d" Imperador n. 19, segundo andar.
&_..
COSIMIElbO
Na ra da Aurora n. 3 precisa-se de
um bom cosinheiro. '
XUVVERAT C
99-Rua do imperador--5.
Deposito de joias francezas por atacado.
Casa em Pars e Re de Janeiro.
Recebem directamente por todo; os paquetes.
Na pra^a da Independencia n. 33, loja de
ourives, comprare ouro, prata, e pedras preciosas,
e tambem se faz qualquer obra de encommeada, e
todoe oualqaer concert.
ENCANAMENTOS
PIBA AGUA
1
s
JimXH(C__<0
Quera tiver para vender urna casa terrea em
alguma das roas da freguezia da Boa Vista oa de
Santo Antonio, dirija-se a ra do Imperador n. 54,
1 andar, escriptorio, das 10 as 3 horas da tarde, e
fra dessas horas na rna do Arag.io n. 32, sobra-
do, que acbar quera pretende comprar.
ama
Precisa-se de urna ama : na ra Direita, ultimo
sobrado do lado direito no fondo da igreja do Ter-
co, entrada pela rna de Aguas-Verdes.
O abaixo as.-lgoado faz scente ao respeita-
vel publico que delxou de ser caixeiro de Jos Ma-
ra Goncalves Vielra Guimares, e agradece o bom
tralamento que teve durante o lempo que esleve
em saa casa; e como nao tem costume de viver
vagueando pelas ras, se offerece para qmdquer
estabelecimento, tendo do mesmo patrio a respec-
ti va informarlo da sua conducta, e presta mais
lianca, sendo necessario : qnem precisar annuncie
pelo Diario, qne ser procurado em qualquer rna
desta cidade.
___^^ Joao de Barros Leite.
Aluga-se a casa da rna Imperial ~n. 747com
2 salas, 3 guarios, cozinha fra, quintal morado e
cacimba : a tratar na rna Direita n. 24.
DEPOSITO DE CALCADO
FABRICADO ML GASA DE DETENCAO
Roa ..Hova n. 61. jgj
Abi se encontrarlo obras de di- *
versas qualidades, e por preco mai !
diminutos, a retalho e em porces. I
S se vende a dinheiro.
Em casa de Tr.eod Christiansen, roa do Tra-
piche-novo n. 16, nico agente no norte do Brasil,
de Brandenburg frres, Bordeanx, encontrase e-
fectivamente deposito dos artigos seguintes :
St. Julien.
St Pierre.
Larose.
Cbateau Loville.
Chatean Margaux.
Grand vin Cbateau Lafitte 1858.
Cbateau Lafilte.
Haut Santernes.
Chatean Sauternes.
Chatean Latanr Bl anche.
Cbateau Yquem.
Cognac em tres qualidades.
Azeite doce. Precos de Bordeauz.
^m^

Companhia idelidade de segaros
martimos e terrestres
estabelecida no Rio de Jaueiro.
AGENTES EM PBRNAMBUCO
Antonia Llii de Olive ira Azevedo C,
competentemente autorisados pela direc-
tora da companhia de segnros Pldelida-
d, tomara seguros de navios, mercado-
rias e predios no seu escriptorio raa da
_J Cruz B. 1.
N.O. Biber 4 C., sacessores, sa
cam sobre o Rio* de Janeiro a vista ou a pra-
zo conforme se convencionar.
Saques para a Baha, Para e
Haranhio.
Antonio Jos Rodrigues de Souza na ra
do Crespo n. 13, saca avista ou a prazo
contra a Babia, Para e Maranhao,_____
Preciia-se^de mi
da Concordia n. 33
feitor para litio: na roa
Precisa-se de orna ama para comprar e cosinbar
e tambem se compra nma escrava moca, crioula,
que saia a rna e cosinhe : na rna do Apollo n. 9,
primeiro andar.
"resisa-se"
de urna ama, -para casa de rapaz solteiro, na roa
da Cruz, no Red fe, n. 34.
AMA
NaruadaCooeordla, sobrado do arma;'.em do
sol n. J4, precisa-se de nma ama captiva ou forra,
para casa de pooca familia, paga-se bem.
Precisa-se fallar ao Sr.
Barros na ra do Queimado,
Paula Peona.
Joaquim Piolo de
escriptorio do Dr.
Preeisa-se de um eaiieiro para taberna, que
tenh alguna pratica : na raa Imperial n. fie.
Alogam-se duis eseravas, nma cozinha e en-
gomma, e ootra para servico de casa, arabas mo-
gas e muito fiis: na raa dos Martyrios o. 2, se-
gando andar. __________
Da-se lugar para morar gratis i pessoa qne
queira obrlgar-se i. botar sentido a nm sitio na
Captrngs-Nova uargem do rio: a tratar com
Vicente Antonio do Espirito Santo, ao mesmo sitio.
Aluga-se urna escrava para o servico interno
e externo de casa de pooca familia : na rus da
Soledade u. 38._________ ---_______
Maooel Correia Perreira Golmaries declara
ao respeilavel publico e especialmente ao corpo do
commercio, que desta data em diante assigBar-ee-
ba Maooel Alves Correia.
MUDANCA '
O agente 01 y m pie transfer o seo armazem de
leiloes para a praca do commercio n. 18, aonde es-
tiveram os Srs. Moobrd 4 C.
Na roa Nova n. 30 fazem-se e concerum-se en-
cnamentos, assim como bombas para agua.
O abaixo assignado tendo recebido citacao
pelo julzo do commercio desta cidade. para vir in-
terroraper a prescripeo de urna letra de 20OJ de
sen aceite, sacada pelo bacharel Kranceiino Ber-
nardo Qulnteiro, faz ver ao respeilavel publico qoe
verdade que existe essa letra em poder do refe-
rido bacharel, mas qoe j est paga, do qoe tera
provas para convencer em joizo a qaem com ella
se apreseniar, exigindo a respectiva imp.rtancia.
Em 1860 o abaixo assignado lomou ao baebarel
Quioteiro a quaotia constante da mencionada le-
tra, sob condico de paga-la mediante obras de
ooro, e concert, e prestares de dinheiro par-
ciae-, ao que ponlualmente satisfez, e tem sardo a
favor desde 7 de fevereiro de 1861 at io de outa-
bro de 1862. De todo tem coma, tem cartas do
dito bacharel e testemunhas, que apresenlars op-
portunamente. Recife 23 de fevereiro de 1866.
Luiz de Franca Lins de Alboqoerqoe.
Roga-.e a ora seohor de Bren qoe aoda des-
ta provincia para a do Rie de Janeiro vendendo
sna pomada, que guarde a liogoa no sacco, e olbe
primeiro para si, e deixe a vida dos mais, pois
consta-me ser costme velho desde qoe foi caixeiro
de ama padaria oo taberna na roa da Seozala, e
do contrario ser gratificado coro mais algomas
linbas, que Ihe agradar melhor do qoe estas.
O rato catita.
As Pilulas Catharticas
E AYER.
O purgante mal$ efeeaz at hoje eonheetdo.
Estas pilulas sao paramente teg-
itmet, Dio tendo na saa oompo-
si^o nejn mercurio nem outro
ingrediente mineral; sao inno-
centes para as crianzas e pessoas
mais delicadas, ao mesmo tempo
que, oompostas como sao de vegi-
taes mu fortes, sao bastante acti-
vas e efleazes para as pessoas mais
robustas.
Estas pUulas catharticas purgo c purificao todo systema
humano sera mercurio.
-N.io se tem poupado trabalho nem despeza para levar estas
pilulas a um grao de perfeccao tal, que nada delxa a desejar;
cao o resultado de annos de estudos laboriosos e constantes,
rara alcnncur todas as rantagens que resulto de uso de cathar-
ticos, t ni -st- combinado someute as vlrtudee curativas das
plantas que sao empregadaa na confeceo dos pilulas. mii.
composlco tal que as enfcriuidades que esto ao alcance
de sua aoeao, rara* vezes podem rvsisti-las ou evad las.
Suas propriedades penetrantes explorao penetrio, purificao e
do vigor a todas as partes de organismo humano; pois corrigem
a suu acfio viciada e faz recuperar a suu vitalldade. Urna das
consecuencias dcstas propriedades que o doente, abatido de
dr e debilidade pkrsica, admira-e de encontrar, to daprtssa.
ra saude e energa recuperadas por mulo d' m remedio tao
simples e agradavel.
A* molestiaa vuu eatao ao seo alaairee sao. 1
l'ri.io d, vtnlre Itheunuititmo, Dr da cabeqa, A Nevrtfia,
Enxaqueca, InriU/estio e nuil do estomago, Honor rhoidas,
m PADE0IMEHT08 DO FIOAD0,
J^eore auitro-Kepatica, Oattrte, afeafies Jlilioms Lombrgal,
Erytipela, Jlydropsia, turdez, eeguira pardal, e Paralysia.
No dimanas- e Manual da Saude do Dr. Ayer, que se publica
todos os anuos pura distribulcao gratuita, eneoutra-se um tra-
tado sobre as diversas deiicus que es tao ao alcance de
REMEDIOS PUKGAJVTE8.
Aba-se em todas as Botioos Drogaras do Imperio.
O Peitoral de Cereja
I>E AYEB,
TARA A l'OMPTA COBA DA
AnaiTi, t Constipaces, Twn, Bouquidio Infla-
en, BMnohite, Tisio primaria. Tubrculos
pulmonares, e todas M molMtiaa do
Peito, aaeim como para aliviar
os ethiooa declarados.
*
As prepuracoes do Dr. Ater sao vendidas as principie
drogara) e boticas 4o Imperio. ,
Vende-se em Pemambuco:
... na
Iphariyiacl franqaise
RMiaRlIi
RA NOV SIS

c

? ? a
s 1 S
s* L B

o 3 ge
* i f: > g
I i
5 p

ri
!
s
-
o o- -
ff|
^ S" H
i
i w *
s s-
W "
n
S
l ff
2.CW
s o*
m. 3
os.-*
S a-o1?
^ $ o
I* m
5 7- sl >
a Er o t
= e* QB
n o
2. a
son
9 s S
^ a 9
o?
p
fc t M
9 I P
i O f*
Pernambuco, ra Nova n. 18 pharmacia franceza de
P. MAURER i C.



PERFUMERA da casa oger
Boulevart Sebastopol, 56, T*arlz.
Dez medalhas, a condecofac&o da Legin
d'honneur e a grande reputacao que tem lhe
dado o publico, taes sao as recompensas que os
servicos prestados a industria merecerao a
esta importante casa desde sua fundacao em
1804.
N'um sortimento de mais de 560 artigoi,
as pessoas elegantes escolherao os seguintes:
ROSEE DU. paradis, extracto superfino
para lenco.
POMMADA CEPHALIQUE contra a cal-
vicia.
AGUA VERBENA para O toucador.
OXIMEL MULTIFLOR.
VINAGRE OE PLANTAS HYGIENICAS.
TINTURA VIRGINALE de beijoim.
ROSEE OE LYS, verdadeira agua de
Jouvencio.
CREME LABIALE de sueco de Rosas.
POMMADA VELOURS para amaoiar a
pelle.
ELIXIR ODONTOPHILE.
SABAO dedicado as damas americanas.
SABAO de bouquet de Franca.
d* de flores de alcea rosea.
d* de flores printanires.
d* de bouquet do outono.
d* de perfumes exticos.
d* aurora, dedicado aos dedos cor de
rosa.
d de flores das montanaas.
d* de cheiro- de foins nouveaux.
d* de bluets cheirosos.
d* de althea balsmica.
d* diapr, caixa rica, fantesia pari-
sience.
GASA DA F0RT01L
Aos 6:0000000.
Bllhetes garaatUUf.
A* RA DO CRESPO N. B CASA DO COSTUME
O abaixoassignado venden nos seo mito feli-
ces bilhetes garantidos da lotera qoe se acabou
extrabir, a beneficio da Igreja de ossa Se-
nhora do Rosario da fregoetia da Boa-Vist, 0s
segoiotes premios : ?-
N. 3'j6 um meio com a sorte de 61
N. 3120 um meio com a sorte de L
N. 3934 dous quintos com a sorte de
E outras muilas sones de 100,1, 401, i sOl
Ospossaidores podem Tlr receber seu respec-
tivos premios sem os descontos das leisnaCasa
da Fortuna ras de Crespo n. 23.
Acnam-se a venda os da 3* parte da 5" lotera
(49*) beneficio do theatro de Santa Isabel, que
se extrahir segunda fera z6 do correte.
PRECO.
Bilhetes. .... 6JO0
Meios. ..... 3*000
Qnintos.....1*200
Para as pessoas que eemprareot de M^OO*
para cima.
Bilhetes.....54500
Meios......2*780
Quintos.....ijiioo
______ Mamom. Mabtins Fiuia.
= Precisa-se alugar um preto idoso para servr-
(0 de casa de ponca familia, sendo de bens costa-
mes, au se dovida pagar bem :' na rna do Tra-
piche n. 44, 2" andar.
garraxTe lailhcar & c.
LIBRAIRIE FRANCAISE
Rna do Crespo n. 9.
LIVROS NACIONAES E ESTRANGEIROS
KelifiePhilosephia Jurisprudencia Lillera -
tara Seieneias e artes.
Papelaria, objectos para escriptorio.
Samuel Power oheston Companhia
Ra da Senzala Nova n. 4.
AGENCIA DA
Fundle2o deLow Hoor.
Machinas a vapor de 4 e 6 cavallos.
Moendas e meias moendas para engenho.
Taixas de ferro coado e balido para enge-
nho,
-------
Arreios de carro para nm e dous cavallos.
Relogios de ouro patente inglez.
Arados americanos.
Machinas para descarocar algodo.
Motores para ditos.
Machinas de costura.
memm mtm &***&*
I IDVOCAdl. |
ost O bacharel Joaqnim Pires Machado Por- SK
B telia continua como advogado cora escrip- ^
j/d lorio no primeiro andar da casa n. -.'i da JR
y ra du Imperador, onde pode ser procu- 2&f
rado das 10 horas da manhaa as 3 da ^2
larde. p|
mmmxmmmmmm
- Msria Francisca da Rocha, parleira examina-
da, faz sciente que mudou sua residencia do pateo
do Paralio para a ra das Cruies n. 17.
mai KM mmm
ICASA DE BAiSHOS I
m 26-Patee doCaraifcvgo
LlIrJrJrJf-JrJrJr-JrJn
LmTHJTLTcl
'-'o c B.O a 9 2 2
^3
ESEfi
tts^jzj^rzTZJzr^ej^j^-EiTzresEJ-e

AVISO AS VENDAS
Na fabrica de vinagre a' ra Imperial
n. 1, prximo a estagao do camniho de
ferro vende-te vinagre tinto superior em
qaalidade a outro qualquer e por prego
mdico, assim como branco e Incolor.
i Aluga-se urna casa na ra de Baixo, em
Olinda, tem comraodos para familia, grande qein-
tal com cacimba, est em bom estado : a tratar no
largo do Paraizo o. 14.
Ama.
Precisa-se de urna ama fe. ra oa escrava que
salba cozlubar e engommar : na raa da Imperatriz
numere i.
Rio de Ja:eir
-
r *
Precisa-se de um caixeiro qne tenha pratica
de padaria e qae d Dador a saa conducta : em
Santo Amaro, airax da fundicao. oa padaria.
Prente Vianna & C saccam sobre o Rio de Janei-
ro, a vista ou a praio, qualquer guarna._______'
Eu abaixo assignado, faco-ter ao respeiuvel pu-
blico e com especialidade ao corpo do commercio,
qae vend o mea estabelecimento de taberna silo
na ra da Senzalla Nova n. 39, aos Srs. Joao Lnit
da Silva e Maooel Fernandes do Cima, llvre e des-
embarazado de lodo e qualquer onus, se aignem se
julgareem direlto ao dito estabelecimento appareca
do praso de Iras das, a contar desta data.
Recife, 2i ele fevereiro de 1866.
Joio Perreira de Soma.
| Neste eslabelecimenlo -JlfirTftJBortaMe
[ para a saude e asseio do .corpo achato se
| monlados 20 baDheires, qoe s5o servidos
com a ordem e aceioque para dese-
! jar-se. Qoatrodestes'banheiros-ao espe-
l cialmeuie reservados para senjioras e por
i islo acbam-se collocados em Togar reser-
I vado annde s lem entrada as pessoas de
orna mesma familia.
Precos de baches stuIfos.
1 banho fri, momo oo de ebu-
visco........300
1 dito dito de choque.....1*000
1 dito de farello.....10C0
1 dito aromatizado.....1*000
1 d dade.
Precos por assigoalura.
30 banhos por mei fri, momo
ou de chovjsco.....10*f00
25 ditos com carioes para o* mes-
mo?........ 10*000
12 ditos cora rarlSes para os
mos........15*000
12 diios com carlSes de choeue.. 100C0
12 ditos com cari5es de farello. 0*000
O estabelecimento estar aberto nos
das uleis das 6 bofas da manbaa as 10
da noile, nos das santificados das 5 as .
4 da larde. l
Ama dt leite.
Precisa se de urna ama de leite para criar um
menino de um me?, tendo bastante leite o sendo
sadia, paga-se bim, assim cerno a qualquer pessea
que se encarregoe de procorar nestas rondigoes,
oa ra Nova de Sania Rita n. 17, primeiro andar,
ou ra da Praa n. 78.
O Dr. Carollno Francisco de Lima San- _
tos contina a morar na ra do Impera- 2
dor D. 17, segundo andar, tendo alias seu 9
gabinete de consullas medicas, logo ao V
entrar, no primeiro.
8 0 mesmo doutor, que se tem dado ao SK
estndo tanto das operagoes como das mo- Hk
lestias internas, prestase a qualquer cha- *
mado, quef para dentro qaer para fra w
Wk da cidade.
mmmm mmmmmm mmmm
Passaportes
Tham-se por commodo4prego : a tratar na ra
do Crespo.n. 19, loja._________________
O mejor Fabricio Gomes Pedrosa val a Euro-
pa, levando era sua companhia suas duas filias,
alaria da Cruz Pedrosa e MaritTercira Pedrosa,
e seu Gibo menor Fabricio.
Claudino do Reg Lima e sens filhos Clau-
dino do ReRO Lima Jnior, Aotonig da Costa
Lima, e Jos da Costa Reg Lima compene-
trados de dar pela sentidissima morle de sea
primo e amigo Fortunado Angnslo Pereira
d'Oliveira, maodam em testemunho de sua
dr, celebrar nma mlssa na Igreja de N. S.
do'-Carmo, oo dia 27 do correte as 6 X
boras da manhaa: e convidara aos prenles
* amioos do illpstre finado para assistirem a
este piedoso acto.
A luga-se
ama parda escrava para o servico interno e exter-
no de casa, quera o pretender, dirija-se a' ra de
Mondego n. 7.____________________________
Precisase de nma ama : a tratar na raa lar-
ga do Rosario n. 35, primeiro andar.
Aluga-se a grande casa da roa da Flore-lia
D. 20 com muilos e expelientes commodos para
nma grande familia morar muito folgadamente :
quera a pretender enlenda-se com o proprietario
na roa do Hospicio o. 50, das 6 as 9 horas da roa-
nctia, e da 3 as 6 da tarde._________
Ama
Precisa-se de urna coilnbeira, prefere-se capti-
va : no Hospicio n. 36. ^^^^^
MODAS.
Madama R. Adour oeoliDa a receber por todos
os vapores chapeos para senhoras e meninas, do
ultimo gosie de Paris: vene-se na roa do Impe-
rador n. 48, aadar.
*
,
f -

*'
I
v
v<
'L.' .
~l



IM


.

Pf



i
Di rio de i erBambuco Segunda felra tG de tfeverelro de 866.
a mu mwat w ayer
COMPMS
RADICAL
R
de escrfulas e molestias oscrofupsaa, tumores, ulceras, chagas, feridas ve-
Ibas, bronchocele, papo oupapeira, a sypbilis, enfermidades venerias ou mer-
curiaes. jw*.
AS MOLESTIAS DAS MULHERES
reteu$ao, menstro doloroso, ulceracSes do tero, flores brancas, etc., ulcera-
080, debidade, expoliacao dos ossos, a nevralfjia e coovulsoes epitepticas
quando causadas pela escrfula.
ERYSIPELAS ERPES; ETC.
Enftrinidades cutneas, erupcio, borbulhas, pstulas,
nascldas, etc.
O extracto composto de salsa parrllha, coleccionado pelo Dr. Ayer, urna
combinacSo dos melhores depurativos e alterantes conhecidos medicina; confeccio-
nado segundo as regras da sciencia, approvado e rcceitado pelos primeaos mdicos dos
Estados-Unidos da America do Sul e Central, das Antilhas, do Mxico e das Indias, e
mnitas outras partes do mundo : o resultado de estudos apurados e minuciosos, e de
experiencias feitas pessoalmente pelo Dr. Ayer, por muit06 annos, nos principaes hos-
pitaes e enfermaras da America ; tem sido approvado pelas academias de medicina e
juntas de bygienne das principaes capitaes da America do Norte; para prova disto vede
os attestados authenticos no Almanak e Manual de Saude do Dr. Ayer, os quaes te dis-
tribuem gratuitamente nos lugares onde se vende o remedio.
A SALSA PARILHA DE AYER
Especialmente efflcaz na cura das molestias que tem sua orlgem
na escrfula, na iufeccao venrea, no uso
exeesslvo do mereurlo ou qnalquer Impureza do sangue.
A molestia ou infeccao peculiar, conbecida pelo nome de escrfula, um dos .mi-
les mais prevalecentes e universaes que ha em toda a extensa lista das enfermidades que
atacam a nossa rafa; disse um celebre escriptor da medicina que < mais de urna terca
parte de todos aquelles que morrem antes da velhice sao victimas, ou directa ou indirec-
tamente de escrfula; por isso s niio to destructiva, porra a principal causa de
muitas outras enfermidades que nao Ihe s5o geralmente attribuidas.
urna causa directa da tsica pulmonar, das jnolestias do ligado, do estomago
e affecces do cerebro; entre seos numerosos symptomas acham-se os seguintes: falta
de appetite, o semblante plido e enchado; as vezes de urna alvura transparente e outras
vezes cora 1o e amarellento irregulr, fraqueza e moeza nos msculos ao redor da boc-
ea; digestao fraca e appettite, falta de energa; ventre encLado e evacuarlo irregular;
quando o mal tem seu assento sobre os pulmes urna cor azulada mostra-se em roda dos
olhos'; quando ataca os orgaos digestivos, os olhos tornam-se avermelhados; o bali-
to ftido, a lin^ua carregada; dores de cabeca, tonteiras, ele. Naspcssoas dedisposi-
c3o escrofulosa apparecem frequentemente erupcoes na pella da cabeca e outras partes
do corpo ; sao predispostas s affecces dos pulmes, do figadr, dos rins, dos orgaos
digestivos e uterinos. Portante nao sao smente aquelles que padecem das formas ul-
cerosas e tuberculosas da escrfula que necessitam de proteccao contra os seos estragos;
todos aquelles em cujo sangue existe o virus latente deste terrivel flagello (e s vezes
hereditario), esto expostos tambem a soffrer das enfermidades que elle causa, que sao:
A tsica, ulceraces de ligado, do estomago e dos rins; erupcoes e enfermidades
eruptivas da cutis, rosa ou rysipela, borbulhas, pstulas, nascidas, tumores, rheuma,
carbnculos, ulceras e chagas, rheuniatismo, dores nos ossos, as costas e na cabeca,
debilidades femininas, flores brancas causadas pela ulceraco interior, e enfermidades
uterinas, hydropesia, indigesto, enfraquecimento e debidade geral.
Offerecemos a estas pessoas um abrigo seguro e um antidoto efflcaz contra esta
molestia e suas consequencias na
SALSA PARRILHA DE AYER
que opera directamente sobre o sangue, purificando-o e expulsando delle a corrupeo e o
veneno da molestia; penetra todas as partes e todos os orgaos do corpo humano, livran-
do-os da sua aeco viciada e inspirando-lhes novo vigor. um alterante poderosissimo
para a renovarlo do sangue, e d ao corpo j enfraquecido pela doenga, forjas e ener-
gas renovadas como as da joventude.
E tambem o melhor anty-syphilitico conhecido
cura permanentemente as peiores formas de syptiilis e as suas consequencias. Pouca
neces8idade ha de informar o publico do inestimavel valor i um remedio que, como
este, JMM sangue desta corrupeo e arrebata a victima das garras de urna morte lenta
e ignou ia.^orm inevitavel, se o mal nao logo combatido com energa.
-> mn poderosissimo alterante para a renovacSo do sangue e para dar nova for-
ca ao'corpo j enfraquecido pela doenra.
Sendo co'mposto de productos vegetaes, esle medicamento innocente e ao mes-
mo temps efflcaz, um facto de immensa importancia para aquelles que o tomam ; por-
que muitos dos remedios alterantes offevecidos ao publico tem* por base o mercurio ou o
arsnico; e sendo assim, bem que s vezes podem eHectuar curas, comtudo deixam suas
victimas anegadas de urna longa serie de males, muitas vezes peior do que o mal ori-
ginal. A nica cousa necessaria paraobter urna cura radical -seguir cum juzo e con3
atocia as direccQes que acompanbam cada frase.
Nao pretendemos promulgar, nem queremos que se inora que esta composico a
um remedio infaHivel para a cura de todos os padecimentos humanos; infelizmente
escrfula e a syphilis sao enfermidades tao sulis as suas naturezas, e arreigam-se to
firmemente no systema, que muitas vezes evadem e.resistem r.os remedios mais pode-
rosos que a sciencia humana pode inventar para combate las: o que dizemos que o
Extracto composto de salsa parnlha de Ayer
a melbor preparacao at boje descoberta para estas e outras molestias anlogas, que
urna combinado dos alterantes mais efficazes conhecidos, e que esta combinaco tem sido
regulada por longas e laboriosas experiencias, e finalmente que temos consciencia de of-
ferecer ao publico o melbor resultado que possivel produzir, da indiligencia e pericia
medicados nossos lempos.
Este remedio deve ser tomado com systemj e reguladade, e nao com abandono,
poifi' um remedie e nao bebida.
Quando as molestias do figado nao tem suaorigem na escrfula, o remedio
mais proprio as pilulas catbartieas de Ayer, que sao efficazes na cura da moleiia. que
era por causa um desarranjo dos -orgaos digestivos. Ped a salsa parrilba de Ayer e
nao eeeitai outra preparacao.
Pernambuco, ra Nova*, i8, pharmacia francezade P. Maurer C.
--------------------------------_,----------------
Compri-se..ujo, prai e-cedras preciosas,
em obras ve*as: na ra di UttleU 4o Recite,
cja de ourives no arco da ConceleSo. *____
Comprase carosso (sement) dalgIBo: o
armazem de algodap de Saunders Brothers & C
do ofeg de Apollo._________________________^____
Compra-se urna casa teirea enj qual-
quer urna uas ras desta cidad, e que nao
seja em travessa: a tratar na ra de Hortas
casado fallecido'Leureifo.
Compra-se um escravo qne seja moco, sadio
e sena vicio: na roa larga do Rosario n. 34, bo-
tica.______________________
Compra se um escravo pega : na roa do
Crespo.n. 17.
Onro e prata.
Em obras velhas : compra-se na praca da ln
dependencio n. 32. luja de bilhetes.
Compra-se nma casa de sobrado no aterro
da Boa-Vista ou ra da Aurora : a fallar na ra
do Crespo n. 17., _
Compra-se ama casa (bieho) que teoha cria
nova : na ra do Hospicio n. 27.
___
"-
--------
VENDAS
DO-
reia --45
Atten^ol | |
Atiendo I 1'
4 attencSo!
Grande sortineito de razeidas prt-
prias para a quaresma.
Acaba de chegar a esle novo Kablecimeol
FOLHINHAS
PAR 1800.
Acabam de sabir luz as folhinbas de
algibeira e de porta para o anno de 1866, o
mais correctas possivel tanto no calculo das
las e eclipses, como as diversas festas
que a igreja celebra; vendem-se nicamen-
te na livraria da prara da Independencia,
160 ris as de porta e 320 ris as 4e algi-
beira.
Vendem-se garrafas e botijas vasias e lava
das : na ra da Soledade n. 38._______
7- Vndese sal grosso : a tratar ua roa da Ma-
dre de Dens n. 2.________________
GAZ.
Vende-se gaz de superior qoalidade em latas
redondas e quadradas por commodo prefo : do
armazem de Malheus Ausim & C, ra da Senzalla
Velha n. 106, ou no escriptorio dos mesnws, ra
do Trapiche n. 36.__________________
PAO DE SK\rlO
Contina lia ver pao de Senteio nos dias quarlas | i
e sabbados, na padarla de Santo Amaro, atraz da!)
fundicao, e no Recife, ra da Crnz n. 46, roa lar-'
ga do Rosario, taberna da esquina n. 50, roa Nova,';
annaztm da Liga, ra da Imperatriz, taberna do' \
Sr. Lemos o. 34. i
A primeira condicSq indispensavel con-
servafao da sade Irazer os pea f m de-
fendidos contra os ataques da buajidade;
calcado bom e seguro, o nico preserva-
tivo dessas mil enfermidades a que esta su- aro rande e variado sortlmento de fazendas pro
jeito o nosa- cu Um chindo velho cal- prias para a quaresma, a saber
cailo por um dandy patuscante, ea urna
botina acalcanhada empequenino p de en-
cantadora deidade alm de'acensar que-
bradeira bftr+ipilante, prova contra as f.cui-
dados intellecluaes dos calcantes, e nSo ba
qoem, tendo bom senso, queira patear por
maluco, ou pobre de surrao : ergo, cor-
ram. a:
4*RA DIREITAti.
e attendam a' bartela.
Homens.
Borzeguins parisienses de bezer-
e cordavSo ......
Ditos de Bordeaux ....
Ditos barcellonezes de lustre e
de porco. ......
Sapates de Nantes de duas ba-
teras rasas .....
Sapato de lona, sola de borra-
cha.....; .
Ditos avelodados :.
Ditos de tranca bons. ...
Senboras
Borzeguins enfeitados. .
Ditos de lace-.......
Ditos lisos
r sdeuapVs prcto a l.sOO o cevadn.
Vende-* um grande sortlmento de grosdena-
ple a H600, 1,8800, H e 2#560 o covado ; dito
moito superior a 2800 e 39 : na ra da Impera-
triz n. 72. loja de Guimaraes & IrmAu.
Moriantique prelo a 2*800.
Vende-se uro grande soriimento de moriantique
a 2800, 3 e 3,5500 0 covado.
Chales de renda ptetos a 85000.
Vende-se tambem um variado sortim nto de cha-
les de renda a 8, 9J5O0 e 16 ; ditos muito itnos
W e li& ditos de seda fazenda muito lina a
204000.
Retondas pretas a tO#.
Vendem-se retondas pretas pelo barato preco de
10,1 llf: na ra da Imperatriz n. 72, loja de
Guimaraes & Irmo.
Grande pecbincha panno preto a 2000 o
covado.
! Vende-se panno preto proprio para caigas e pa-
5j$00ft uiois a i e 2,8200 o covado ; casimiras pretas
a *800, -JJ>, 2400 e 200 o covado.
B' muito barato corles de casimira a 3#i00.
Vendem-se cortes de casimira preta a 3o0
i e 'l'ti; dita muito fina a 6.
Admira cortes de brim de cores a
1,280
Vendem-se cSrtes de brim de eftres para calca a
>nn, 1J1280, l600, 1801) e 2J : na ra da Imperatriz
*a 11 n. 72, loja de Guimaraes & Irmao.
80000
74IOOO
6^000.
20OQO
l 141660
50000,
40800
Sapatos de borracha.....10600
Selleiros, corrieiros e segeiros i B baratissimo a 120 res o covado.
Sola de lustre, meos grandes 200000; Vendem-se riscadinhos muito proprios para rou
E um completo sortimento de calcado fa-
bricado nopaiz.

VENDE-SE

-
>" ariuazem de H. J. Raanoa e Silva & fteuro. ra do Vigarlo
n. 11, constantemente, os seguintes ariigos, fue
recebem por nconanaenda propra de
IEH-YOBK.
_^____________________

.

Legitima salsa parrilha de Bf letol, preparada por Lanmas & Kemp.
Verdadeira agua Florida, preparada pelos mesmos.
Gaz em latas-de cinco galoee, o mais puriGcado que se pode desejar da acredi-
tada tarca F. W. D. & C.
Reiogios perfeitos reguladore6.com corda de quatro aeito dias, dos afamados fa-
brcaates E. N. Welch.
'Graixa em lata* grandes da bem conhecHa marca las. S. Masn (de Pbitadel-
phia).
Superior oleo para machinas de coftura.
Agalhas para asmesmas.
fireu em bar icas grandes e pequeas.
Vende-ge tambem:
i Pvioeipe Real.
Vendem-se 400 pedras para ladrilho, vindas
da Una : a tratas na roa do Vigario n. 14.
Aspas fortes para boles.
Na ra doQuelmado loja de miudezas n. 16, ven-
de-se aspas de ac fortes, e de differentes larguras
para baloes.
Bonitos quadros para retratos.
Vendem-se na ra do Queimado loja de miude-
zas n. 16, bonitos quadros con raordura preta e
dourada, todos por prrQos rasoaveis.
Garrafas brancas
e de cores com superior agna da colonia.
Vendem-se na roa do Queimado, loja de miude
zas n. 16.
Novo gosto
Pentes, fivellas, e brincos de feligrana.
A amiga e bem conhecida loja o. 16 na roa d<
Queimado, recbeu nm sortimento de diversos ob-
jectos de novo e bom gosto, sendo pentes brancos e
dourados de moldes enteiramente novos e mui a-
gradavcis, tendo entre elles alguns de filigrana obra
de muito gosto e delkil execoco, e bem assim ii-
veiu> e bnaoo as mesmas circumstancias.
Tambem receben alguns cintos o que de mais
moderno e bonito, se pode encontrar em tal genero.
Alm disso encontrando os prelndentes um com-
pleto sortimento de Qvellas de madreperola, chris-
tal, tartaruga, e dourados, brincos de christal, e
jaspe, vollas e cruzes de dito e cqui'gs outros objec-
tos de gosto, os quaes continoa-se a vender commo-
damente.
Pnenles de madreperola, e enfeites filets
A loja de miudezas na ra do Queimado n. 16,
recebeu bonitos pentes com chapa de madreperola,
e novos enfeites filis ornados de lantejoilas dou-
radas, rooedinhas, aljofares, vidrilhos etc., tendo
grandes para toda cabeca e pequeos para coque,
regulando os precos de 25 a 4^000 rs.
B mitas caixinbas
com arranjos dourado* para] costura, tendo com
msicas e sem ellas. Vendem-se na roa do Quei-
mado loja de uviudezas n. 16.
Trangas pretas
com vidrilhos e bicos com ditos e sem elles para
enfeites ou vestidos.
Na ra de Queimado n. 16 loja de mlodezas a-
charo os nretendentes um bello sortimento dos
objectos aerma ditos, cascarrilhas, franjas etc. etc.
e ludo est sendo vendido por presos commodos.
Botes pretos
de vidro enfeitados d'ago.
A loja de miudezas n. 16 r vende mst bonitos botSes pretos de vidro com en-
feites de ac, os quaes muito se ozam para enfeitar
vestidos, quem os pretender pode dirigirse a dita
loja n. 1=6 roa do Queimado._______________
Aa ra dos Ferreiros, em urna das casas no-
vas do Sr. Elias Baptsta, defronte do collegio da
caridad?, vende-se am negro crioulo, com idade de
20 aunos, sendo o dito escravo cosinheiro, ao com-
prador-se dir a razo por que se vende.
(Grande armazem de tin-!
tas medicamentos etc.
Roa do Imperador n, 22.
aoo Pedro das Heves (ge-j
rente) tena a venda o
segnlnte:
Productos chimicos e pharma-
| ceulicos os mais embregados em
f medicina.
Tintas para todo o genero de pin-
! tora e para tinturara.
I Productos industriaes e tintas
\ para flores, como botes de flores
S e modelos em gesso para imitar
fructas e passaros com o compe-
tente desenlio.
Productos chimicos e industriaes
l para pbolographia, tin!uraria, pin-
I tura, pyrotecnia etc.
i Montado em grande escala e sup-
I prido directamente de Paris, Lon-
[ dres, Hamburgo, Anvers e Lisboa
I pode offerecer productos de plena
i conTianca e satsfazer qualquer en-,
f umenda a grosso trato e a reta-
' '.Lio e por preco commodo.
pa de escravosf-a i20riR o covado; ditos escoce
zes muito fiaos a 240, 280 e 300 ris o covado.
Lazinh -.s a 3oo rs.
Laazmhas de quadrinhos a 300, 320, 360 e 400
n. o covado ; ditas muito finas a 600 e 560 : na
roa da Imperatriz n. 72, loja de Guimaraes & Ir-
mo.'.
^Cortes de 15a a 50000.
Acaba de..chegar a esle importante estabeleci-
mento um foriimnto de corles de laa qne se veo-
de por o e iCOO; ditos a Mara Pia, fazenda
mnilo moderna a 12a, 145, 18 e 20 ; di ios com
camisinha, cinta e grvala a 235 e 285.
Chitas francezas largas a 260 ris.
Vende-se um grande soriimento de chitas a 260,
280, 300, 320 e 360 rs. o cavado ; ditas preciares
a 400, 440 e 500 rs.
Cambraias de cores a 280 rs. o
cavado
Vendem-se camLraia francezas a 280,300. 320,
360 e 400 rs. o covado.
Cambraias lisas a 3.000 s. a peca.
Vende-se um grande soriimento de cambraias
i lisas pelo baralo preco de 35, 35300, 45, 45500 e
1 55 ; ditas muito finas a 55o00 e 65; ditas victoria
a 65500 e 75; ditas de urna vara de largura a 85
e 95 ; dilas pira forro a 15600, 25 e 25200 : *
ra da Imperatriz o. 62. _-
ROUPA FEITA. .J|
Vende-se um completo soriimento de roupa (d*
i la fella. assim como sejam palitots, caigas, coleles,
! camisas francezas a 15600e 16800 ; .ditas finas a
25 e de linho a 2*300, 35 e 35300 ; seguas de
15200, 15400 e 15600, de linho a 25 25300 : na
ra-da Imperatriz n. 72, loja de Guimaraes & Ir-
aiio.__________________________
Pecbindia admiravel-
Laazinbas de qoadrrShos que parece seda a 240
j rs. o covado, urna grande pecbincha, est se aca-
bando : na loja n. 52, armazem da porla larga de
Paredes Porto.
CUEG .411 IM
AS
PARIAOUARESMA 1^1^%^%
Silva & Alves, ra da Cadeia n. 56, avisan aos
srs. agricultores, que.ctiegaram as machinas ame-
algodo
ricanas de serrote para descamar
vendem a preco commodo.
que
BRDEU\
1.a ijnalidate.
St. Eetephe.
St. Juben.
C. Marganx.
C. LafiUe. Ia qaalidade,
Medoc. f
.lr'-
Vinho fia do Porto eaabarris de $J, -sO/e 20/.
Superior vinbo do Rheao.
Cera de Lisboa em velas e em gfame.
"
Podro V.
PORTO]Mara Pia.
Princeza D. Isabel.
Vctor Emmanuel.
Duque.
Malvazia.

la
-i
: (:
PEGHINGHA \DMIRAVEL.
brosaenapie preto a i qwv
Vende-se superior grosdenaple preto, fazenda
moito encorpada, pelo baratissimo preco de 15600
o covado, sendo fazenda que val muito mais di-
nbeiro : na loja e'armazem do Pavo na ra da
Imperatriz n. 60, de Gama & Silva.
MANTAS PARA O PESCLO
a 15, s o Pavao.
Vendem-se bonitas mantas para o pescoco, pelo
barato prego de 15 : na loja do Pavo na roa da
Imperatriz n. 6t', de Gama & Silva.__________
Os cachinez do Pavao.
Vendem-se bonitos cachinez de 13a ou agazalhos
para cabeca pelo baratissimo preco de 35000, s A |0a da Aurora, na ra larga do Rosario n. 38,
na loja do Pavao na ra da Imperairiz o. 60. recebeu soriimento de lantijelas multo delicadas e
Algodaoztnho avahado. proprias para analqner enfeite, assim como tam-
Veadem-se pecas de algodozinho sendo muito bem recebeu luvas de Jouvin brancas e de cores
encorpado, e com 20 jardas, pelo baratissimo prego para homem e senhora, muito frescas, chegadas
de 55000, por ter um pequeo toque de avaria. pelo ultimo vapor, ludo islo na loja da Aurora,
O bramante do Pavao. roa larga do Rosario-n. 38.
Vende-se superior bramante de linho cr tendo Vendem-se na leja de miudezas
quatro palmos de largura, pelo baratissimo preco ..,. ^ ..j m i
de. 800 rs. a vara, dito eom 10 palmos a 25400^ r do Qn" }'
25800 a vara, aloalhado de linho adamascado, alvo Bonitos legues de sndalo e outras qoalidades
e pardo, pelo baratissimo prego de 25800 rs. a I Bonitos cintos com fivellas Je diver is qualida-
vara, na loja armazem do Pavo. na ra da Impe-1 &es e moldes,
ratrlz n. 60.
Vendem-se
machinas americanas de serrote para descarocar
algodo : na ra da Senzala jNova n. 42._________
Potassa da Russia
Vende-se no armazem de assucar de Jos
;da Silva Loyo&_G., largo da Assembla.
Lantijlas.
Aguia Branca rua do Quei-
mado n. 8.
FeloulmoTapor cbegOu de Paris cba-
pos para menina do mas apurado gosto.
Bo Rima -pua do Quei-
i JL fi t' mado.
Recebeu pelo ultimo vapor, chegado 'de
Parischapeospara menina do ltimo gosto.
iNovidades.
.Na A gula branca rua do Queimado n. 8 rece-
beu diversos objectos de muilo g jsto e ioleirameo-
te notos, sendo:
Boatos e delicados pentes dourados e pra'.eados,
lendo entre elles alguns de filigrana obra men per-
feia e de elevado gosto.
Olios com chapa de madreperola.
Brincos de filigrana e outras qualidades.
Fivellas de dita e outras tambem de diversas
qualidades.
Cintos mui bonitos, enleitados em toda a exten-
c.a.0 com caracteres dourados e prateido-.
Filis enfeitados com moedinhas dourads.e lao
tejoilas, aljofares & &, sendo para coque, e toda a
cabega, ._ outros com plumas i
Bonitas vollas de jaspt con crozes, tendo latn
bem algomas de duas cores.
Luvas e meias
de laa vegetal, para quem soffre de frialdade, pa-
rale? ya eu\ Yendem-se na rua do Queimado loja
d'Aguia branca n. 8.
Bandoline de roza
para segurar ou conservar perfeitamente alado os
cabellos das senboras. Vende-se na rua do Quei-
mado loja d'Aguta branca, 15000 o frasco.
Enfeites pretos para vestidos
A Aguia branca recebeu novos enfeite* pretos
paa vestid?, sendo bicos com vjdnlhos e ein
elles, trangas com pendentes de vidrilhos e sem
elles, cordo grosso tambem rom vidrilhos e s tn
elles; assim como ga!5es e franjas de diverss lar-
gura?, fitas de telludo etc. como sempre os bons
fregus encentraran cominodirtMde de preco* ns
objectos que se vendem na loja d'Aguia bra.a rua
do Queimado n. 8.
Botes de vidro
com enfnies d'ago no centro.
Esses boioes qoe tanto servem para melhor st
poder enfeitar um bom vestido prelo on de cor,
acho se a venda na rua do Queimado loja d'Aguta
branca n. 8.
Diademas dourados,
enlejiados com aljofares, pedras,
etc para meninas e seohoras.
A aguia-branca vende bonitos e modernos dia-
demas dourados, enfeitados com aljofares e pedra:
proprias para meninas e senboras
Ronltos ehapozinhos
de palha tina c avencaes para meninas.
Sao obras esias de que os bons pais de familia
se nao podem escosar de comprar, por faierem *<-
las parle do asseio e bom gosto com que trajam
suas bellas lilhinhas. A aguia-branca tem o pra-
zr de ver que to bellas e precisas obras for devidamenie apreciadas e compradas em seu o-
uno. Os chapeotinhos, alm de serem d'uma pa-
lha mui fina, sao de mui bonita forma e ultimo
ge*lo, enfeitados com toda a perfeicu : os aven-
taes, porm, sao de fina cambraia, guarnecidos (e
babdinhos bordados; o que Ibes da muita graea.
Os precos destes, 5500", e daqnelles, 105; e :<
quai/ i sao elles baratos conbecera o pretendeutr.
que se dirigir' 1.ja c'aguia branca, na rua do
Queiinsdii n. 8.
vidrilhos de cores e aljofares,
imitando ac, para cnfciies de vestides.
A aguia-branca na rua do Queimado n. 8 rece-
beu am bello soriimento dos objeelos cima prr-
prios para enfeites de vestidos, etc., etc., e e>i
vendendo comuodamen'e. _______________
Vestidos
Pecbincha sem Igual.
Qit-gou a loja de Paredes Porto um bonito so?-
tinento de vestidos de larialata de cores e brau a
que ?erve para partidas por ser urna phanlasia m-
teiramenle de gosto pelo barato prego de 4> e
brancos a 45500, e&tao acabaodo-e : no arm'.zem
d porta larga rua da Imperatriz n. 52, junto a na-
dara franceza.
Cortina dofc.
Cb'gon a loja de Paredes Porto u; ermpteu
aoriii' "nt de cnriin.'dos i carnete bw *
prego de '55, 355 e 'i55 : na rua da lnj.-.:a'.ri.'
n. 52, porta larga janto a nadara franceza.
Ricas romeiras.
Paredes Porto recebeu pelu ultimo paquete urr.
sortimento de romeira de guipare preas e de ic
a preco commodo : na rua da Imperatriz l. i-
porla'larga junto a nailaria franceza.
Grande pechinchv
Cortes de laa escoceza enfestada para vestido
(azenda de 500 rs., esla se vendendo
rs. o covado : na rua da [oiparatrix
torta larga.
Novidades do Pavao
ella,
para
Rll Di CADEIA M, 56 A,
Continua a ter grande e completo sortimento de
Machinas americanas para descarocar algodo
dos melhores fabricantes de iO, 12, 14, 1(5, 18. 20,2o, 30 a 35 serrotes qoe as vende por prego resu-
mido, em consequencia de tiltimamenieas ter recebldo de eonta propria dos EsUldoa-UnMos.
8aque3 obre o Rio de Ja-
neiro.
Calxelro.
Preeisa-se de um eaiieiro de 14 a 16 annos, que
teoha algutna pratlcade taberna : na pateo do Pe-
ona D. 1S.
~ Na roa do Rosario da Boa-Vista a. 45, en- foca- qualquer qaantia sabr a praga do Rio
gomma-se bem e por precos razoavel, tanto roopa i de Janeiro, a' prazo oo vista: na compannia Per-
de 'aorneoi como de eohoras. nam bacana, Forta do Mittos, escriptorio n. I.
ItKILIIliiTGS
Vendem se aunis com brilnantes, de primeira
agoa, engastados em onro de le, pelo dimiuuio
prego de 105 cada nm : na rua da Cadeia do Re-
cife n.5, loja de Silvestre Pereira da Cunhi.
Vende-se ou arrenda-se o engeoho fraeiro,
sito na fregoezia da Escada, perto da estago de
Aripibii, meia legoa : a tratar no e.-enptorio da
rua do imperador o. 69._________________________
Rap princeza
Vende-se no armazem de 1.1. Lima Bairao, roa
da Crnz n. 18, das seguintes qualidades :
Princeza gasse grosso.
Dito meio.
Dito fino.
Panlo Cordeire.
Dito dito viajado.
Ha sempre quanlidade ern deposito dos artigos
mencionados.
l l l I
lissaugag miadas, jofai es iuiUada
aese vidrilhos deco es
para enfeites de vestidos ; rende se ludo isso por
precos razoaveis na rua do Queimado o. 16, loja
de miudezas.
No armazem de 1. Lima Bairao, rua da
Crnz n. 18, lem para vender malte em folha, muito
oovo, em sacazesLe preco o mais mdico possvel.
Vende-se um escravo crioulo, bom trabalha-
Ihador de enxada, propria smente para engeobo :
a tratar na taberna d Joo Simoes de Almeida,
na rua do Vigario.
OU PECBINCHA ADMIRAVEL.
Eseossezas a ;t^O'J
Cegaram os mais lindos cortes de escossezas,
proprios para vestidos, sendo fazenda inteirameote
nova oo mercado; e vende se a 35200 o corte on
260 rs. o covado na loja e armazem do Pavao, rua feiles de gorros e vestidos.
da Imperatriz, n. 60, de Gama & Silva| Ditas de grosdenapoies, lisas e lavradas, brancas
Cassas francezas a 2IU rs. o corado. i e nutisadas.____________________________________
Vendem-se
Brincos e cruzes de crystal.
Abotoaduras de dito para coletes.
Bonitos porl-relogibs.
Delicadas caixas com msica e sem
costura.
Agulnas e linbas para chrochel.
Relroz superior em carriteis.
Rendas pretas e bicos com vidrilhos.
Fitas de velludo com listras de cores para en-
bonitas cassas francezas de cores fi-
zas pelo baratissimo preco de 240 o covado.
Ditas a 280, 320 e 360.
S na loja do Pavao, roa da Imperatriz o. 60, de
Gama & Silva.
Cbilas arariadas.
Vendem-se finissimas chitas francezas, com pe-
queo toque de avaria, pelo baratissimo prego de
280 o covado.
grande pechincha.
Assim como ditas inglezas roas e claras, sem
mofo nem avaria, pelo baratissimo prego de 160 o
covado ; assim como, ditas muito boas a 200 e 240
: o covado, islo na loja e armazem do Pavao, roa da
I Imperatriz n. 60, de Gama di Silva.
Chapeos para meninas.
NA LOJA 00 PAVAO.
Vendem-se os mais delicados e bem enfeitados
chpeos de palha de Italia, para meninas : pe-
chincha, na loja e armazem do Pavio, roa da Im-
peratriz n. 60.
GIares Rover ou colares ano-
dinos
para facilitar a deotigao das criangas e preserva-
las das convulsoes.
O feliz resaludo obtido immensas vezes pela
prodigiosa forca magntica dos colares Roye-r, nos
casos de convuisoes, e deotigao das criangas, tem
altamente elevado o seo bem merecido prestigio,
e hoje j se pode dizer que esto geralmente con-
ceituados, e estimados de innumeraveis pas de
familias : de uns porque do oso desses salotares
colares viram salros do perigo seos charos fllbi-
nhos, e de outros porque colheram daquelles lao
proficuo ezemplo para igualmente preservar os
ene. Assim, pols, a aguia branca, tendo em vis-
tas a utilidad* e provea desses prodigiosos cola-
res anodinos oo Royer, mandn vir o novo sorti-
mento qoe agora recebeu, e continuar a recbe-
los para qoe em lempo algum a falla delles possa
familia, os qoaes ficaro
ser funesta aos pas de familia, os qoaes
certos de os acbar constantemente na rua do Qoei
rosdenaple preto a 1$600. m^0;'ojad,aguia^raDC,_n-8-
E' grande pechincha II *
Vende se grosdenaple preto, ?endo muio encor-
pado e de boa largura, pulo baratissimo prego de
15600 o covado : na roa'da Imperatriz n. 60.
Rlscados a itOrs.
Vende-se riscadinho escuro proprio para vesti-
dos oo roupas para homem, pelo baratissimo pre-
go de 120 rs. o corado : s na roa da Imperatriz
0.60.
Pechincha
com
Charutos
das melhores marcas de C F. Jorge da Costa
precos baratsimos ; na casa do banhos na
da Cruz b. 17.
---------------1-------------------------------
por
rua
Tabaco simonte
em latas de 4 e 6 libras : vende-sa a roa da Cruz,
armazem de 14. Lima Bairao n. 18.
Trastes baratos
Urna pessoa que se retira para fra da cidade
vende por todo o preco os seguimos trastes : 2
bancas de angico, 1 mesa de castora, i carfeira,
meia doza de cadelras, 1 mesa com espelho, 1 to-
cador, 1 caraap de amarlo, i mesa de amarillo;
di rua doi Pires o. 21.
MHMtt*iMBH
Tara encrespar. gg
8 Vendem-se tesouras pira encrespar J|
babados : na rua do Queimado loja de ?
Azevedo A Irmao.
*&
Queijss do serto
Vende-se superior queijo do serto : na roa da
Madre de Dos, armazem junto a igreja.
Boa occasis!
Vende-se orna peqaena fabrica de cigarros, com
poneos fundos, bem afregueada e em ezcellenie
i roa, propria para um rapaz solteiro e principiante:
quem pretender dinja-se a roa do Cabog o. 1 B,
qoe o atr qnem vende.
CAL DE LISBOA
No armazem da rua da Concordia n. 73, vnde-
se cal de Lisboa retalho, propria para engeoho
a tunear, por preco commodo.
Na roa de Queimado n. 40
Cortes de laazinha de cor, bonitos gosto?,
1S covados a 35600.
Cassas organdys de cores, covade a 240, pegas
de algodozinho largo com 17 varas a 45.
Dilas de dito com 17 varas, muilo encorpado,
com pequeo defelt, a 45500.
Grosdenaple prelo moito superior, covado 2*.
Dito dito a 15600.
Retondas de renda preta a 105-
Chales de renda preta a 85- ________________
a 580 e :i*-C
n. 52, loja di
51000
rf- c--> -^ss
RjQ
(\Z.
No armazem da roa do Imperador n. 3
Caes de Pedro II n. 2, tem para vender-se
bor caz existente no mercado.
ou no
o m>
Vende-se orna casa terrea na fregoezia de
Santo Antonio : na rua Augusta n. 24 se dir quem
vende.______________________ "
. -Vende-se ou permutta-se por algoma
caza, torrea desta cidade am sitio de trras
no logar do Loreto, com arvores fructferas
quasi todas novas, e grande poro5o de co-
queiros.quem opreieader dirija-se ao pateo
de S. Pedro n. 24, qtie achara com quem
tratar.
Cortes de laa escocesa para vestido a 35 '- ('"r-
te: na roa oa Imperatriz o. 52. loja da porta lar-
ga? junto a padaria franceza, eslo se acabando.
Chales de renda
Paredes Porto, na rua da Imperatriz n. 52, porta
larga, vende chales de renda de cores com peque-
o toque de mofo, a 35500 e 45, fazenda oe 105
e 125000.
120
Para roupas de eseravos.
Paredes Pono tem para vender-chita azol e ns
cado proprio para o m cima a 120 rs. o covauc;
orna grande pechinchafe esta' se acabando : m
rua da Imperatriz n. 52 porta larga junto a patj
ria franceza.
Grande pechincha.
Paredes Porto esta' vendendo riscado france,.;
200 rs. o covado : na rua da Imperatriz n. 52 ar
mazem da porla larga jamo a padaria franeez^.-
Para luto.
Laas pretas eom salpicss brancos a 400 e aOO
rs. o covado : na rua da Imperatriz n. 52 jutio
padaria franceza armazem da porta larga.
1^400
Chapeos de sol.
Vendem se chapeos de sol de panno a 15400 e
urna grande pechincha s para acabar : na rua da
Imperatriz n. 52 armazem da porta larga de Pare-
des Porto.
A 10500.
Vendem-se pecas de tranca preta para enleiies
de vestidos, soutembarques, capas de_ sen non- a
15600 com 10 varas, urna grande pechincha na
roa da Imperatriz n. 52 junto a padaria franceza
FAZENDAS BARATAS
A' 27 Rua do Queimado /V 27
WWUDE PECHINllh
Cambraia branca para forro a 240 e '*00
rs. a vara.
Lencos bancos para algibeira duz'.n a
2,5000 rs.
Retondas pretas a 9000
Cambraia morsulioade cores propria im a
vestidos o covado a 300 rs,
Moreantique prao superior a 2^^ 0 e
3WC00 covado.
Grande sortimento de gro$denaplesp;i '
para tod'"s os pregos.
Rotondas de seda riqoima's algerinas p;.ra
senboras.
Guardanapos para meza a 33500 rs, acia-
zia.
Soperiores baloes de arcos a 3i200 rs.
Vendem-se duas cass~erreas na povoacao
dos Montes, na estacao de Una, aitas na roa da
estrada qne vai para o engenbo Bom Destino : a
tratar all com Pedro Affonso de Medeiros, cu em
Gameleln como dono Querino Antonio to^Foo-
seca.
I U*n I


^f
lhurI.-< de l*craafciico ftcgiinrfa felra de Fcvcreiro'de 1S66.

*

faitea:
PARA A QUAREMA
Chegaram a loja d Augusto Porto & C.
11 Ra do Queiinado'ii ,
Superiores cortes do seda preta.
Moireanliqae preto de flores e de listas bellos padroes.
Grosdeoapto preto t3e diversas largaras e quali dades.
Retoodas, bournos o chales de gaip e de rendas.
Pannos pretos, easenri-as preus, bombasina.
Lias;canto, meris e selestrmas pretas.
Lindas mamas de seda para -peseeco.
Ricos cortes de seda de cores para bailes oa casamento--.
Rios cortinados brdalos dos mala bellos desanos.
Moir braaeo, seta braosa, capel las-e mantas para noivas.
Bellas colchas de seda e de lia e seda para canta de miras.- '
Saias de fiaissima cambraia ricamente bordadas.
Fazendas de pregas para saia que se fazem core urna so costara tambem tem cota- j
o cordo lecido.
Madapolo francs a 400 e 480 rs. a vara. ,
Alcatifa de Hnho para salas e gabinetes a 480 rs. o covado. ,
Fazeoda especial de quadros para fazer redes a 3^500 a vara.
; Superiores esteiras da ludia para salas.
IIRaa do Uiieinaado11
CORTES IIE SEDA
Chegaram pelo paquete inglez riquissimos cortes de moreantique de cores, e seda lavrada j-
tfrfes nteiraniente novos. r. ,
Seda de quadros por 1$000 o oovado
5RA DO CRESPO-5
Gregorio Paes do Amaral *fc Companhla.
W^a^M?

*>'*
NOV08 GER1WTES
DOS
TEES ORAIDE8
armazens de molahoos
DENOMINADOS
PRQGRESS1V0 pateo o Carm n. 9
UNIO E COMERCIO ra do Qdimd n- 7.
VBBDADEIRO PHIaPAL ra do Imperador o. 40
DE
DUARTE CAR VALU PER1RA *.
G0M8HHMI Hll(Jr*W liiil jjl
DR. Pfrf AffAH^fDhdBO M0S80,
-


Para vestidos de senhora.
Cortes de seda de cor'de bom gosto e superior qualidade.
Liadas sedas de quadrinhos.
Bons moireantiques de cores.
Grosdenaplas da todas as-cores.
I Lindos poil d! chevre azenda assetinada de inteira mvidade.
Liadas duquezas assetinadas fazenda .inteiramente nova.
{ Modernos grenadines de seda o que tem viudo de mais novo.
Grande variedade de las de cres lisas e de salpicos.
Organdys e ca sis de inulto bom gosto.
> Percalias modernas com grande variedade.
Lindos cortes de la Clotilde com todos os pertences cada
Kao inteiramente novos. J
Bons cortes de ea^si con barra tambem inteiramente novos e outras multas'
pazendas de gosto que seria enfadonho mencionar.
Para hombros de senhora
f Grande variedade de chatos, bournout, retond )S e algeriennes de fil i
guipure a 10, 16, 20, 30, 40, 60 at 80,51.
Modernos soutembirques de seda desuperior qualidade.
qm Lindos bertes de seda de cor pretos e de cachemira,
dem de cambraia branca bordada com muito gosto.
fSautembarqnes e bournoux de cachimira de cor e outros muitos artigos dej
'hom gosto.
a Para cabeca de senhora j
%fi Superiores chapelinas de palha, de seda e de crina de muito bom gosto a im-*
je peratriz. <
at Chapeos de pilha da Italia grande variedade. \
Lindos gorros e bonets de palha de Italia, lmperatriz, Canutier, a Clotilde'
djk e a Orante, chepudos de Parjs De'o ultimo vapor.
$J5 Grande variedade de entortes de troco e de llores para casamento.
S iperiores vestidos de blonda, e de moireantique brancos.
Bons rmireanticpies brancis e superiores sedas orancas.
Bons vestidos de tarlutana branco bordados.
h Lindas mantas de blonde e boas capellas.
Bordados.
Grande variedade de ntremelos bordados transparente e tapados. .
Tiras bordada< iransoarentes e tapadas, babados bordados, saias bordeas e\
% outros muitos artigos.
a> DR ANTONIO CORREIa DE VASCONCELLOS & C.
cff? RIJA RO CRESPO 13
RA DO BKIM X. 38.
O proprietario deste esUbeie&ment deseja chamar a attencSo dos senhores pro-
pietarios aos acreditados mechanismes que continua al'ornecer ; os quaes garante ser,
o sempre, da melhor qualidade possivel:
Machina^ de vapor
forra de 2 '/a cavallos para cima. As menores s5o mui proprias para motore sde
desearocamentos de a'godo; as maiores para moer canoa; ha tambem que podem junta
cu reparadamente moer canna e descarocar segando snas proporcoes. Estee vapores
sao simplissimo8 na construeco, e se regem por qualquer pessoa intelligente, a facilida-
(ie da condcelo sendo especialmente considerada, tanto que nao ha lugar em que n3o
se p)ssamcondazir, qur por trra, qur embarcado. Ha com moendas junta*, ou sem
illas e podem-se applicar a qualquer moenda j existente sem outra mudatica do qoe
a .bstituicao das rodas da almanjarra. Ellas tem depsitos d'agna e boeiros de ferro,
e nao precisara para o seu asseotamento de obra algaqm, qur de carapina, quiir de al-
jnaria. O tempo pata assenta-las nao excede de doze dias ao mais, e em ;asos de
nortes de animaos ou arrombameatos de acudes, etc., garaate-se o assaotamooto ee
o-.o ilias. Lembra-se aosseohores de engenho que a venda dos animaos e o srvico da
-mte oceupada no seu tratamento oslio de recuperar da maip.r parte da despeza do
\ s3 tem com elles.
Rodas d'agna de ferro, mui maneiras t moend com qaalqner altura
nagua.
MarUhos com crucetas de wt para as loeraus, quando se desefe faaor
c risto da roda demadeira, tooando-sa a5s|m-a roda ligeira no trabajho.
Moeadas de canna de todos os lmannos, desde as mais pequeas chama-
d ;s do sertSo. Obra perfeita em feitio e acunhamento.
Rodas de espora, e angnlarea de todos os tarnanhos e proporcoes.
Paroa en coates pata receber caldo.
f rlvos de forualha para assentamentos, frcicos para o fogHita.'azendo
prnde cal;r com pooco combnstivel, e daradouro.
l'ortas de IotnaUa de todos os tamaitos e de diversos systemas.
Fornos e ntalnnOs para fabrica de farinha e tambem chapas redondas
pira fornos pequeos.
Bombas simples e de rermqhe.
Talias de ferro balido e Cmdid) e de cobre.'
Formas de ferro batidp galvanisado para purgar assucar, leves para carrejar
e i.;traptos de quebrar-se.
Alambiques de ferro de todo os lmannos, costando s a terca psrte do
pre<;o dos de cobrfi, mais regulare? na distiila.co e igualmente duiaveis.
Elxos e rodas de earro com mang-s de patenta,.ser mui segura para
rarregacuo dep.e.s,o.
Arados, grades, enchados a avallo e outros instrumentos d) agri-
cu:tora. E finalmente todo o objecto de que posaa prerisar tira engenho.
,.h Fazem sciente ao respeitael publico, e com especialidade aos senhores de en-
lenhos, lavradoree ais^easoj do aofro, que para mais afiilitar suas compras deli-
Wraram os proprietarios dos tres- ftajides armazens, renir^tosj-oi seus estabeleci-
meotos em mu s ana unci., pelo qual o preco de um ser de todos, promette-
nos qae n5o infringiremos a tabella que abaixo v Rrjblicadoj. awmpciar os geoerQS
por um proco, e na occasi5^, meate em outras muitas-casa*, porm-nos nossos estabelecimeatos^no se dar isto
ainda mesmo com-.awyuizo nosso, qualquer pessoa foder mansar mas .lmalos fue
lerao tambem servidos como viesaem pesssalmente fazano-nos o fcvor andar seus
pedidos em cartas fe'ixadas.; para evitar qualquer engaos, .remetiendo nos ama conta
pela qual se ver os preces.tal ^uai.a?nunciarmw, e qnfrsanao arrepender pessoa
algasia que fizer sua desjienga am nossos estabeleoimentes; pois'poupar mais de
5 por ceato na sua despeta diaria.
3Ra da Glora, cala do Fundae 3
' 5 ** :tb0 M(M? &**#**& fclSt* tolt os dias das T s 11
aoras da manhaa, e das 6 e maia s 8 horas da.wttU ewepP dos m santfcsdos.
Phavmmia egpeeai komeop^tkica
- No mesmo consultorio ha sempre o mais appropriado sortimento de ca'rteiras
tubos avulsos, assinr}qprao tir^nnr-de \tria dyp]|IMitf#a? e- pelos precos sei?uintes
fliTfeias de 48 tobes grtmdes. 124000 ^
i'- ..-I de 24-ttibsswDdW. 18^600
de 6 tubos^raflrlw. 24^000
>V de484udes'grandes. Srj^OOO
de 60ttbosgrands. 3J50OOO
Prepararse qualquer ctftera cdnbrtte pedido que se ffeer, e com os rjaudios
'{ue"8eipWir.
Vm t*o avaho ou frasco de tintura'dfr meia onga ijjeoo.
Ssndo -para cima de 12 cuslarlo os precs establecidos para as caxteiras
Ha tubos ais pequeas cada orna 66 rh.
urviMNi.
.

ft
.
Manteiga iagleza perfectamente or che
gada altimamoRte a l.ooo rs. a libra, e
em barril ter abatimento.
Manteiga franceza da safra aova a 8oo rs.
a libra e em barril tesa ssatitwnto.
BAf^s,:
Banha refinada superior a 64o rs. e em
barril tef Bbatimeatsv
CHA
'. Cha uxim deprimeira e superior qualida-
8e a 2,8oo rs.
dem hysson o melhor neste genero a
l,6oo rs., e sendo em*porc5o ter abatimen-
to, tambem ha proprro para negocio de 2 a
t,'4oo rs. a>libra.
- dem prete superior de I;8oo a 2,5oo rs.
s libra.
Biseontos
Latas com superior biscoato inglez de di-
versas marcas a l,2oo rs. a lata.
Bolaehinnas
Latas com bolachinhis da acreditada fa-
brica doteato Antonio, proprias para dar a
doentes de2,ooo a 3,ooo'rs. a lata.
dem com quatro libras de bolachinha Je
soda a2,ooo rs. a lata.
Quei-jos
Queos flameRgos chegados pelo ultimo
vapor dee,3oo a 2,6oo i%.
OHCQLATB
Chocolate bespaobol a 4ieea e I,2oo rs.
a libra, francez e suisso a 1 ,ooo rs. a libra
eportuguez a 800 m. a libra, em porco
ter abatimento.
VBVflOS
Superior viobo do Porto das mais acredi-
tadas marcas,, .orno sejam: ifadeira Secca,
Daquo Doaro, Mara Pia, D. Ljiz, Pedro V, Ligri-
mas Doces e outras marcas a l,ooo a garra-
fa e 9.000 a 12 ooo rs. a duzia.
Yinho Figueira e Lisboa das melliores
marcas a 4go e ooo rs. a garrafa, e a 3,ooo,
3,5oo e 4,ooo rs. a caada.
Superior vinho chamiss9 em barril a 64o
rs. agarrafa ea 4,5oo rs. a capada.
Superior vinho de Lisboa e Figueira em
apceretas de 8 e 9 caadas a.2i,ooo rs. a an-
coreta.
Superior vinho branco proprio para mis-
sa a 640 rs. a garrafa, tambem ha mais bai-
lo para 4oo, 5oo rs. a garrafa e 3,2oo a
3,5oo a caada.
Caixas cpjajima dmia de garrafas de su-
perior vinho Bordeaax a 7,ooo rs. a cana e
7oo rs. a garrafa.
CAFE
Caf do Rio de I.1 e 2,1 qualidade de
6,8oo a 8,2oo rs. a arroba, e de 24o a-28o
re. a libra.
SADlV
Sabio maga de primeira qualidade de 18o. duzia ter abatimento.
Vinagre
Superior vinagre de L,isboa a 2,ooo rs. a
caada e 280 rs. a garrafa. Tambem ha
mais'baixo para 2oo rs. a garrafa e I,4oors.
a caada.
Aveite doce
Superior azeite doce^deJLisboa a-64o rs. a
garrafa e a 5,ooo rs. a caada.
FUMO CAPORAL. *f
Latas com superior fumo caporal a-l>8oo.
rs. a lata.
l*assas
Superiores passas a 2,5oo o quarto e
9,5oo rs.; a caixae arreba hespanhola e a
56o re. a libra.
GE.VIBIM
Gehebra de laranja verdadeira a !o,5oo a
duzia e i,ooo rs. ao frasco.
Genebra de Hollanda verdadeira a 6>ooo
ts. afiasqueira e a 56o rs. o frasco.*
Idom de Hollanda em botijas a 4oo rs. ca-
da ums.
Garrafoes cora 24 garrafa? de genebra de
Hollanda a 8,000 rs. o garrafa". Tambem
ha -garrafOes com -5 6 14 garrafas de 3,2oo a
6,000 rs. cada um.
VELAS
Velas de spermacete a 64o rs. a libra.
dem de carnauba de lo a 12,ooo rs a
arroba e de 36o a-44o.rs. a libra.
PE&E
Peixe em latas j preparado de I)00o a
i,2oors. a lata
ALPISTA E PAINCO
Alpiste e painco muito novo de 3,800 a
4,000 re. a arroba e de-i4o e 160 rs. a ti-
hr3
CHARUTOS.
Superiores charutos do fabricantes Simas,
tiportaes, oliclas. Paristenses o owtros de
2,2,5oo e 3,030 rs. a meia caixa: tambem
temos Suspiros, Havaneiros, Ligueiros e
outros muitos que vendemos por mdico
preco.
Licores
Licores francezes eportuguezes a l,ooo e
l,4oo rs. a garrafa ou frasco.
Doces
Doe da casca da goiaba em caixoes e la-
tas a l,2ooo caixao e ,8oo rs. a lata.
Frutas
Frutas em calda e em latas fechadas her-
mticamente, muito bem enfeitadas, conten-
do pera, pecego, ameia rainha Claudia, al
perche e outras frutas a o> rs. a lata.
Tambem ha latas grandes para*l,2oo rs. a.
lata.
AZGITE DE REFINADO
Soperior azeite francez refinado a 8,000
rs. a garrafa e a 9,ooo rs. a duzia.
MOLHO INGrEZ SAUCE
Molho inglez S:iuee em frascos grandes
com rolha de vidro a i,800 rs. o frasco em
A melhor ffcrvtfabornmatbia, Maousl de Medicina Jonopathico do Dr. Ja'h
doos grandes voIiia can discinaris ............. 2fj,K)o
Medioindonieti*) Or. Herieg........... HMOn
RepertoM#"o=r.-llBlei|lrjries........ 6.5000
Dicaosafis s tenms-'de medicina........... 30OO
Os-rerasAk deste estabelecimente slo por femis coubecidos e dispeqsam por
tacto de-.serem novameote recommeadados as peesoas que quizerem asar de remedios
edadeiro, enrgicos e duradores: ha tad4oelheruue se peds desejar, globos de
erdadeiro aseucar ds leite, uetaveis pela sua boa- coneervacJ, tintura dos mais acredi-
tados estabeiecimeotos europeos, a mais exacta e acarada prepara?), e portante a maior
anergia i'certeza em seas effeitos.
Cam de saude para eseveum.
Recebe-seescravos para tratar de qualqaer enfermidadeou fwwr-ee-lhe qnalquer
operaco, para o que o aonanciante julga-ee sufficientemente habilitado.
; O Irattmeoto o methor posaivei, tanto na parte alimentar, como na medica,
fancotonando a casa, ha mais de qnatro aaaos, ha umitas pessoas de cajo onceito se nao
pdeduvidar, qae podem ser consultados por aquelles qae desejarem mandar seos
doentes.
Paga-se 2 por da durante 60 dios e d'ahiem diante 10500.
Asoperacoes seria previamente ajustadas,' se nao se quizerem sujeitar aos precoi
razoaveis que costuma pedir oannenciante.
ABMA35EW DE TF/UBKaBAM
DE
CUSTODIO CAWVALHO t.
27 RA BO QHE4MAD0.N. 27
Madapolo'francez.muito fino, tendO'pouco mofo, cada peca com 27 varas Dar
10000. ^
L3a de cores a 360 rs. o corado.
Cambraia franceza a 260 rs. o covado.
Finos organdisa prepe de 800 rs a vara.
Lencosbrtneospara algibeira a-2i>(*>6 a duzia.
Fm^sperdaras'-a preco de 400, '440 a 560 rs. o covado.
Ricos cortes de 15a de barra de 10^ a 300000.
Chales de -616 preto e outras muitas fazendas.
a 22o rs. a libra e ds 16o a 21o rs. seodo
em causo.
Serveja
Superior-seroja Bass dos memores fa-
bricantes, como sejam: Shlers & Bell. T. F. 'delioo'rieoTsTiata
^she a.75oo e 7,000 rs. a duzia e a,7ao rs.
BATATAS.
4Jigoscom 3o libras debtalas a l.ooo rs.
ogigo.
SARBINHAS.
Latas com sardinhas de Nanles e Lisboa
a garrafa. Tambem ha de ostras marcas
como seja: Victoria e Alcopsa 5,900 re. a du-
sia a Son re. a garrafa.
B')lOES VASIQS.
Boi5es vasos, lnga ingleza muito pro-
pria para maateiga e deposito de doce de 4
a 12 libras a l,2oo e2,5oo.
FARINHA DO MARANHO.
Farinha do Maranho a 240 rs. a libra.
SAG'.
Sag amito novo a 4oo rs. a Hora.
ARARUTA.
Araruta verdadeira a 4oo rs. a libra.
FUMO AMERICANO.
Superior fumo em chapa a 640 rs. a libra'
ERVILHaS
Latas com ervilbas. e feijao verde j pre-
parado 64o rs. a lata.
MAS3A DE TOMATE
Latas com i libra de massa de tomate a
64o a lata.
VERMUTH,
Esla bebida muito fresca a eatomaed e
muito propria para a presente estacao. a
qaal vendemos a', re. a garrafa e 184
a duifla.
Pimenta, cominho, cravo, canella. ervadoce, alfazema, tijollo para limpar facas pa-
litos para dentes, palitos de fogo, e outros muitos gneros que se tornara enfadonho
menciotrar, afianzando cinceridada nos precos e o bom acondicionameato de qualquer
gan.fo,

na ljvrariada pra$a da Ind-
l a 400 rs. o vouoie,, os ro-
Machinas de descarocar algodfto.
Na fabrica se fazem obras novas enepamenda e ecucertos, com a maior preste-
za e solidez. O grande dep(ito de pecas e objeetes habili'a-na nwRo para ee Ota.
O propietario ser semprs mui feliz de poder ter eecasHo de dar informa5es 00
esclareciruectos aos senhores qae se servirem de seu prestimo.
D. W. BowiiiN, engenheiro.
Vendem:se
pendencia 3.
manees portugaezesseguinles, embroohora:
A voz do sangue, 2 volumes.
Connemar, 2 ditos.
A noite de &. Silvestre, i dte.
v fimo de Titiano, i dito.
Adonis qu o bomnegro, 1 dito.
As duas amada*, 1 dito.
O pacha deBuda, 1 dito.
TriJIu, 4 dito. B < *
Ignezdela Sierra, 1 diV).
Joven Siberiana, 1 dito.
rareno
emsaocos graadei 4^300:
de Tasso Irmaos.
sos armazens
Vead4a a atga-rt' offl'^irrwo cora daa
frentes para a roa dotq*0. P- 3U e para a ra dos
Gaararapes n. 20, Mailff proprto para deposito de
carvflo, maSHraa, oearroflai o bois, por ser jrraa-
de, tr CMimbatres taMMr(W caa em raftd*i] a tratar na raa da Cruz ao
ftactfe o. 69. ______________^
- Na.bric da vioaitre,1'ro Imperial d. I,
prximo a MtMBo Sp aaraiotio de ferro, vende se
vinagre MM>(>rr m qualidade ou|fo qual-
quer, e F>r0refo awwco, asshn eono branco e
incolor.
Gomma de mlao branco
americana
Esta preciosa fcala, cojas propiedades medi-
cioaeti a imprensa europea tanto tem exaltado para
a cora das molestias do peito, recommenda-se tam-
bem como alimento sadio e nntritivo para 'as cri-
anzas, prestando se a variadas preparas culinarios.
A feral aceitado que ella tem obtido por toda a
parte o seu maior elogio : vende se nicamente
na ra do Imperador n. 37, armasen) Allianga.
Para os batfes uscarados.
A aguia branca est vand#ndo por baratissimos
prer;oi. para acabar, os objectos segalntes, qae ser-
vem mui bem aos que tomam parte nos-bailes mas-
carados, sendp i
Hejas de seda a i& o par.
EafoMes de llores a -||, 5 e 35 cada on
Fitas lavradrt de 310a f Cintos largos com puntas cabidas.
Navidades do Vigilante
RA DO CRESPO N. 7.
Este estabelecimento apezar de sempre
se achar bem sonido como todos sabem,
hoje mais qne nunca, n3o s pelo qae rece-
be de sua propria coota, mas tambem pelo
que recebe de consignares; parece sem
duvida que deve offerecer grandes vanta-
gens para o respeitavel publico taoto em
pregos como oa escolha dos objectos, e co-
mo acaba de chegar grande remessa pelo
vapor Douro e o navio i Solferino de
diversos objectos de gosto e proprios do
lempo dos quaes se mencionado algnns,
por n5o ser possivel mencionar todos. O
dono deste estabelecimento espera a pro-,
teccSo de todos.
Riqoissimas caixinhas ornadas e com
msica propria para um delicado mhno.
Caixiohas de msica tanto d veio como
decoran. V.
Ricos porta joias a necesarios.
Riquissimos estajos aftilio-de o bassi-
nho oa chapeuzinho.
Ditos em casca de noz e de outros gastos.
Leques de madeperola de sndalos 4e|
faia e madeira.
Chaposinhos e touquinhas de
gosto para enancas.
Meias' e sapatinhos de seda para as mes-
mas.
Metas de seda para senhoras.
Capellas e ^riaalas de flores proprias
para casamento.
Enfeites e capellas de muito gosto para
seuliora.
Riquissimos porta boquets.
Boquet de flores com ama borracbjnha
com cheiro.
Luvas verdaderas de Jovin.
Ditas de sed;i de Bscocia.
Riqoissimas -(.formas e gaaraii^es para
enfeitar chapeos.
Contas-s.tatos d ac branoo, qae ba
muito se deseja va para &nfei tes.
Brincos, (vallas e ruzes de crystal.
Fivellase cruzes de tartaruga, madripe-
rola e dourados.
Alfinetes para gravatas.
Botdes com croas para ponhos.
Gravatinhas e mantinhas de muito gosto,
tanto para rjomei cqnn para sanoora.
Riquissimosafcre*jbspiBS5S, asaim esmo
caixinhas con aBnetes prelos.
Bengallas de an|a ca ca So de mvim.
mCHlNS BE PATENTE
DI'TRABAIjHAR A 'MO para desca-
RUUAR UMOAO
FMtSKA4rt POR
PlifT BROTIEK & G.
OLDAM.
Estas machi-
nas podem des-
carocar qual-
ner especie de
lgodo setu
estragar o fio,
sendo bastante
duas pessoas
para o traba-
lho; pode des-
carocar urna
arroba de al-
god5o em ca-
roco em 40
mnalos, ou
lo arrobas por da ou cinco arrobas de al
godo limpo.
Assim como machinas para serem movi-
das por animaos, que descaraam 18 arro-
bas de algodao limpo por da; e motores
para mover urna, duas ou tres dessas ma-
chioas.
Os mesmos tem para vender um beliissi-
mo vapor que pode fazer mover seis destas
machinas mencionadas; para o que convi-
da-se aos senhores agricultores a virem ver
e examina-lo, no a mazem de algodSo, no
.largo da ponte nova n. 47.
Saanders Brothers Sfc CU
Rectfe praca do Corpo ganto n. 11.
f3s nnicos agentes neste paiz.
t estte de Grasviile.
IrWaudo it francez por 1. J. C. 4a Cnz.
?ende-se este bello romance em qnatr
lomos pete baratissno preco de 30OOC
aa praca da fadepeadencia. livraria ns.
murto.ttLg,
Frameiseo Jos Germano
RA NOVA N. 22,
acaba de receber um lindo e magnifico sor-
timento de oculos, lanetos, binculos, do ul-
timo e mais apurado fostorda Kasopa eses-
Ios de alcance para observarles e para os
martimos._____.
Manual do Cidado
Vende-se o Manual do Cidadao em um
Goveruo Representativo oa priasipios de
Direito Publico Constitucional Administra-
tivo e das Gentes, por Silvestre Pinheiro
Ferreira, em 3 volumes broxurados por id
cada obra ; na livraria o. 8 da praca da
Indap|n "- feoef-se sud#ch|b jMkmtDS de Westpba-
IS, chegaSo no ultime taMr f di roa do Trapi-
(Ae n.9, \\/ >
Ditas de baleia, borracha e de outras
muitas alidada assim asmo cbicottabsa. J^*as f^s! todasarjMMades
Riqusimos penles de tartaruga do ulti" pJS!Vu/A^ b^nSfalEw
mo gosto; assim como demettMfara ,calcasJecasemira preta a5,6J e w, di-
menina, pois neste artigo ha on completo l*8 4aases sortimento de todas as qualida'desf' f/*/.^ 7Af 8^.ial2t0li ,de 5rim dt
Diademas para cabeca do ultimo gosto. Wo%!fS& X^S^STi
R quiesnas fita rSfradSS e-Jwas. .i caseklra.Se eoas a %, 1 7, 8: WfT ASM o

panno preto a 64, 7, 8 e 10J, colleles' (9- cores
Trancas pretas com vidrilho a da cores. **5??- de casemira a 3* e *, cerania
Pulseas tanto para senhora como para
-20300, camisas_frnc'etas s br
Veode-se ama masseira de amarello em per-
feUo eftado, e mais pertences para urna padsria,
m ea-ada noa, segunda taberna a direita, lepis I ,
do slrade trio?: a tratar na mesma, das 4 (nonciar por.nSose tersar enfadonho.
horas da tarde em dranle.
meninas.
Ligas de se da e de f odio.
Suspensorios de seda e de algodSo mui-
tos outros objecto6 |ue 9 n3o podem an-
1 8*s Gallo Vigilante madsCrespon. 7. Qaeimado n. !6.
'nena*
peitos de cores a 2 e U590, ditasTnsleas de li-
nho de pregas largas a 2*800, a* e 3O0 na
rna da Iraperatri*. {o)a- Luv^s de J#uvib irelas sslras
eores
Chagaram wra z loja de -anderas: oa raa do

*
.

r


'
i'


r
M
la>l^ _r^^*h* e|B4a Iclra *& de Fmralra ate 1866.
LOJA
ICLOPEDIOA
atrli armasen
i IWMlceza de
Prlo.
r o respaiamt
itlm
*Jf
Jnaloa
Pare
Neste estabelertneauo
publico um variado sermenlo de /azendas fraiwe-
zas, inglezas, snissas e allemaes, qae se venderlo
por preco cornmodo.
Paredes Porte
Vende chales de renda de cores qne se vende-
ram a 18 est vendendo por 6*, di tes p retos, te-
lenda nova, 5*. 6*.'8* a 20*, um sortimeoto com-
pleto de manteletes, cajas e soatamrarques 14* a
25*. Ra da Imperatriz n. 42, junto a padarla (can-
cera, armazem da porta larga.
Pared** Perto
Receben aro completo sortimeoto de laasinhac a
540, e 280 rs. covados, para acabar, cambraias de
cor a 240 rs. o covado, riscado escossez para rou-
pa de menino, fusteo de linho a 410, 490 e 500 rs.
Ra da Imperatriz n. 52 junto a padaria franceza,
armazem da porta larga.
Paradas Porto
Receben para cortinados para cama franceza a
H* a peca eambraia la Osa a 3* i* al 10* a
peca, cortes de tarlatana'de bonitos gestos a 3*500
e 4*, eambraia cora flor de seda, goslos inteira-
mente novos a 400 e 500 rs. o covado, no armazem
da porta larga n. 52, ra da Imperatriz junto a pa-
daria franceza.
Parece* Perlo
Receben pelo ultimo paquete um sortimeoto de
cruzes cora pedraspara Descoco, bonitos caiinels
de lia. para pescoco de seahora. Roa da Imperatriz
n. 52, armazem da perta larga.
Paredes Porto
Vende cortes de gorgurao preto para vestido com
21 covados cada um 35*00, grsdenaple preto a
1*600,1*800 e 2* o covado, las lizas Snas a 400
rs. o covado, las de quadrinho para vestido, enfes-
tada, a 320 rs. o cavado. Roa da Imperatriz d. 52,
armazem da porta, larga.
Ronpa feita
Ra da imperatriz n. 52 armazem da porta lar-
ga junto a paitara franceza, encontra-se ateste es-
tabeleeimenio nm completo sortiuiento de palets-
saecos e sobrecasacos, de todas as qualidades, cal-
cas, cohetes, ceroulas, camisas, gravatas, meias,
chapeos de sol, ditos francezes para cabeea, por
preces commedos, roupa para menino e ootras
muitas (azendas por precos coramodos, armazem
da porta larga.
No mesmo e,>tabeleci_e_to centrar e respei-
tavel publico, sempre um completo sortimeoto de
roupas fetas de todas as joalktodes, como sejam
paletos de alpaca preta edo cor, ditos soferecasa-
eos a 4* e 5*, diios de brim pardo a 2*800, 3* e
3*500, ditos finos a 4*, ditas meias cazemfra a
3*500, 4* e 6*. ditos caiemira saceos a *, 7*, 8*
e 10*, ditos sobrecasacos a 10 e 12*, ditos de pan-
no saceos a 6*. 8* e 10#, ditos aobrecasaoos a 12*
d 25*, ditos de merino creta tij*, 7* e 10*, cat-
eas de brim de diversas cualidades a 1*800 a 4*,
ditos brancos a 2*500 e 6500, ditos cazemira 5*,
6* e 7*, ditos p re tos a 5*, 6#, 8* e 10*, ditos
meias cazemiras a 3* e 4*, coletes de diversas
cualidades, sroslas francezas de algodao, ditas d
rabo, ditas de bramante a 2* e 8*500, carnizas de
ilgodo de linho francesas 4e 2*o00 e 3*. Grao-
de pec&incba neste genero, grvalas de todas as
.(ualidades e brancas para casamente, grande sor-
.miento de meias para senlwras, ditas para borneas
a 3*, superiores a 3*500 e 4*.
Cm completo sortimento de chapeos de sol de
alpaca a 3*, ditos de seda a o*, 7*, 1* e 14*,
los francezes pasa abeca, grande sortimeoto
a*.
Pechitrcria admira y el.
Grande sorttmevto de chambres a 4*600 e9&,
tences de eambraia para homem a 2* a duza, _
'.os de linho a 4* -e 5*.
Grande sortimento de roupa para meninos e oo-
tras muitas qualrdades que -serta eofadonho wen-
-.lona-las.
Paredes Porto ;
Receben pelo ultimo paquete francez ricas lias,
granadinas Com flores de seda a 400 e SOOts. o
covado. esto acabando-se, eambraia preta para
luto. Porta larga junto a padaria franceza, a roa1
da Imperatriz n. 52........
Paredes Porto
Receben pele ultimo paquete espartilhos-a pre-
gnreoso por -8$, sao bons, lencos de seda .para se-
ntara e homem a I, ricos cortes de eambraia
bordados de -f8 a 7_, por ter um toque de molo,
estao se acabando, na rna da Imperatriz n.S>2, jan
lo a padarla franceza.
Paredes !Porto
Vende um completo sortimeoto de '(azendas
brancas, como sejam madapofao a 4*500, "8*, 6* e
10&, pecas de algodao por barato preeo, ehrta frn-
csza a 240, 286, 320, 360 rs. o covado, preoaJias
muito finas a 960, 400 rs. o covado, chita ingleza
a 200 e 240 rs. o covado. Ra da Imperatriz o.
53, junto a padarla francesa.
Fazeadas.
Vndese superior merino preto propriorpara etr
pas do senhora-3 vestidos a 2*, luslrim da China
a 1*800 o covado. Ra da imperatriz, porta larga
Paredes Porto.
Vende em seu estabelecimento tiras e ntremelos
bordados, grande sortimento de corplnhos rica-
mente bordados a 3*,4* e-e*. S o Paredes Per
o, ra da Impecatriz no 5.; porta larga junto a
padaria franceza.

aS^^,Basa.

FABRICA A VAPOR
99 HUA DO MONDEGO 99
Deposito na rna So\a n. oe loja de rclojoelro.
Dolouche donos deste estabelecimento partecipa ao irwpeitavH poWice que su. fa-
brica est montada com as memores machina* qtw wistem na Europa, e qae pode
labricarcom melhor. perfeicJo possivel. Todo ochodorate desla fabricasi-garantido, e
e puro, o que d5o se pode encontrar naquefleque ve de fra, eqne-se vende por prego
aixo, .visto os productos serena do paiz. Na etiqueta teta sempre urna tgvjia.

PRECO.
Meia libra. ....... -i* 400
Urna libra........ 800
Urna arroba........19,5000
Na mesma fabrica acaba de se montar urna oficina com serrarla a vapor para
obras demarcineiria propra'para edificio, para o que encarregi-se de.fozer portas, ja-
dellas, assoalhos (parqu francez como se usa na Europa,) e armares, ludo com brevi
nade e'perfeigo" Toma-se qualquer encomnsenda para fura da idade, entregaodo-se
prompta a cllar-se no lugar.
FEI1A
16.
.'.
mSM EtTAULECIlENTO
da inperatrlz, W. 60
DE
GAMA & SILVA.
LOJA A1U1AZEM DE FAZBNAS.
Tendo os proprietarios deete grande estaoeleci-
mento feto um grande abatimento em muitas de
cuas fatendas, pera occasiao do batngo que deram
no ultimo de deiembro de 1665, resolvers vender
muito ais barato do qne costamam atira de cada
vez raats agradarem aos sens numerosos frgue-
zes; por tanto Ihes offerecem um avuldo sorti-
mento de fatendas francezas, inglezas, as quaes
venderlo mais barato do que era-entra qaafqter
parle, comproraetiendo-se a maodar levar naalguer
Curtes de eambraia. com palmas na loja do
Pavao.
Veadem-se cortes de eambraia branca coa pel-
mas, sendo fazenda muito boa, pelo baratissimo
preco de 2*500 para aoabar : na Idja e armazem
de Pavo na ra da Imperatriz n. w, de Gama $
Silva.
Leaeoa WanesM a #<# rei a
dazla.
Vendem se lengos brancos fazenda muito boa
pelo baratissimo prego de 2* a dnzia, Ditos com
barra d cor a 2*000 isio para acabar na loja do
Pavo na roa da knperatria n. 60 de Gama & Sil-
"GRANDE PECHINlHA!
Lsiihas a 4 20 rs. na leja do Pavo
Vende-se lasinhas pretas proprias para luto seo-
do boa fazenda a 120 rs. o covado. Ditas muito
tinas de qoadrinbos a 480 e 320 rs., ditas enfesta-
Noridftdes mamen a.
Fazeudas pelas para a quaresma.
Arara vende .grMdenapte preto a 1iJ60O
Vende-se groMMapte preto bom a 1*600,1JMO
e 2* o covado, dito muito largo a 3*500 e 2*800
o covado : na roa da Imperatriz loja da Arara
n. 56.
Moreantique da Arara a 2800,
Vende-se moreantique preto para ve.-iidus-mui-
to bom a 2*800 e 3* o covado, alpaca preta para
palelots e vestido a 500, 690 e 800 rs. o covado.
merino preto muito bom a 3* o covado : na ra
da Imperatriz toja da Araran. 56.
Arara vende as satas a 3500,
Vende-se saias bordadas para senfcoras a 3*500
e &*, gollinhas bordadas a 240 e 320 rs. eada
urna : na roa da Imperatriz loja da Arara n. 5G.
Chapeos do sol da Arara a Id400.
f"e?d.*-em M?dolte8Ul"s. .^^fS?"! transparentes com palma de sedas 400 rs., ditas 1-: 1*400cada aai. rmiisranas par* Benboras a i.
vir a loja, ou a darem as amostras, deixando car
o penhor, assim como convidam as pessoas, que
negociara em menor escala qne -neste grande estt-
beUcimento encostraran Han grande settimento
tanto a retalho como por atacado,,vendendo-se-lhe
apenas pelos presos que compran) as casas ingle-
zas, sendo com o dinheiro a* vista.
Peehlneha a S0OOe 50O
AS MELfOMENBS DO PAVAO.
Vendem se bonitos cortes de el peca ene ara
vestidos de senhoras, sendo dos padroes mais mo-
dernos pelo baratissimo prego de 3*000 cada um.
Ditos de indiana, tendo olio e mela varas, pelo
baratissimo preco de 2*500 rs.
zas e com salpicos a 500 rs., para acabar na lija e
armazem do Pavo na ra da Imperatriz b. 60. de
Gama & Silva.
Poupebnas modernissimas a 400 e 500 rs.
o covado na loja do PavSo.
Vendem-se poopelnas muito finas sendo fazenda
omito moderna de quadrmbos e liza veodendo-se
3* e i : Arara ra da Imperatriz n. 56.
Arara vende os \tSlidos bordados a 44,
Vende-se cortes de vestidos brancos bordados a
4*500, ditos de cores a 39, ditos bordados a la e
seda a 7* e 9* : na rna da Imperatriz n. 56.
Os baloes da Arara a 2$.
Vende-se baiSes de arces de todos os tamanhos
pejo baratos precos de 400 e 500 rs. o rovado na a 2*, 3*, 34500 e 4*, saias bordadas a 3*o00 e
Oja do Pava o na ra da Imperatriz n. 60 de Gama 4*
& Silva.
Cirosdenaples prclea do Pavo.
Vendem-se superiores srosdenaples pretos pelos
Istn,para acabar na loja dn Pavao, ra da lm- owaHssfmosjiregos de 1*500, 1*600,J*800 e 2*
peratriz n. 60, de Gama & Silva.
.AsloftiJus. de H. ho do Pavo.
Vendem-sB superiores toalhas de linhos para
rosto" pelo baratissimo prego de 7*500 a doria ou
a 640 cada urna.
Gurdanapos de linho adamaseado para meza a
2*800 a duza ou a 240 r& eada um.
o covado, sendo fazenda muito boa, s para ac
bar : na loja e armazem do Pavo, ra da Impe-
ratriz n. 60, de Sama & Silva.
Bramante de linho do Pavo.
Vende-se superior bramante de linho com 10
patees de largara, prrprios para lences, pelos
baratissimos precos de 2* e 2*600 a vara, assim
a 2*.
mono
Arara
maceo-do Pavo, rna da Imperatriz n. 60, de Ga-
ma- t Silva.
As eassas do pavao.
Vendem-se eassas muito superiores com lmdes
padroes, pelos baratos precos de 300 e 320 rs. o
COEfiHO
Rna da Cruz
Continua a baver diariamente om sortimento de pastis, podms, bolos ingezes,
empadas etc., etc. Os donos deste estabelecimento, acbam-se as melhores condices
de poder satisazer encommeDdas concernentcs sua arle, em consecuencia do socio
Fre tas ter sido administrador chefe de algumas das princii aes fabricas na corte, sendo
urna a do Sr. Joo Gonoalves Guimaries (enfetaria de Le3o) antiga casa de GareeHer.
Todos os trabaliios sao diUerentes dos que se fazem em casas particulares.
Os proprietarios deste estabelecimento nao se tem poupado a despezas, nem se
pouparao, se liouver concorreDcia como espersm ; tendo cominuadamenre bom sorti-
mento de doces para ca j .presuntos e ditos em fiambre, tambera se recebem para se^
rm preparados ; assim corno doce de ca^n novo superior, secce e crystaH?ado, dHoem
cada em latas hermecameate fechadas, pedendo durar annos em perfeito estado.
Para jantares partidas recebem-se encommendas dos seguintes objectos; ban-
ckijas ricamente enfeitadas sem armacao pecas de amendoas (nogaces), ditas de tmaras
de ovos, paes de i enfeitados com disticos anlogos a qualquer Om; ditos montados,
kechs simples e er,feitados com fructas ingleza; gatbeux de la reine, ditos de le d-
chese, tortas de frueta, massa folbada; ditas de peixe e carne; cremes e doees de ovos
de differentes especies.
TBWbem terun eompleto sortimento de vinhos engarrafados, comosejam: vinho
do Porto auperiar, Fijioeira, Uadeira, Lisboa, Cberez, Bordcaux, Cbsmpagne fino, ser-
veja, 1 i cores, Chajropes.e'caBservas. Para testas: benitas caixinbas com amendoas, con-
feitos-e mm enfeites. Moitos destes objectos mencionados podem-$e perfeitamente ae-
condicioiwr tanto para a;provmca, como para fra.
largura elido branco < pardo, e-tfende-se mais ba-
rato do qo em outre part*, lei do Pavao na rna
da ImperaifU'6He GamaA Silva.
Os corphvbos oe seda pretos doiPavBo.
Vendem-se os mais Mco9 orprntrn de sedn'pre-
tes, ricamente enfeitados, pele barato prego de 12* j covado, ditas inulto finas a 360 rs. para acabar
cada um : na loja do Pavao na ra da Imperatriz na loja do Pavao, ra da Imperatriz n. 60, de Ga-
n. 60, de Gama & Silva. | ma & Silva.
Cortes de coiim para cateas Cambraias lisas do Pavo.
a 1*120 s o Pavo. Vendem se pecas ae eambraia lisa muito supe-
Vendem-se superiores cortes.de cotira, fazenda rior, pelo barato preco de 3*200 e 3*500 a peca,
muito encorpda para calcas e paiitots, tendo pa-'astK muito'unas a 5*, 6*. 7* e 8* : na loja e
drSes escoros e alegres, e vende-se pelo barato armazem do Pavo, ra da Imperatriz n. 60, de
preco de 1*120 rs. o corte de calea ou a 320.rs. o j Gama & Silva.
coMo, srado-esia tozend grtnde*ioaicH pal PECHNCHA
lstSSSSi&?S I -SSBKSS tffiimm
|stSSnmaAt^^l'SR;
chincha na loja e armazem do Pavao na roa ira '
Imperatriz n. 60 de Gama & Silva.
m
PIANOS
3 S R ? &&> H sr.o 2 "i S o
8 S*| S.S"* S f S-gS g g*
o? S-ettS-.--si n.**
O X
9b S *g o
I
l-o.
s-gl3.*
e-.r.* 3 3
^"2
o M 3 o
H ? i
-tr a0*"
m ** -
8-f

3 w i-
-i
S. O.S.&
^P **'?
Cu
5"3
mil
a
O 5*5. 5S 0.0 ^-4
81
B
a
-1
8
n


Jl
.

------rr-
0
Tasso Lrmos
V*de no om waiMi
4nori n. 85r
Licor fino Curaco em notrjas e meias botijas.
Licores Oses seriis est garrafas eona roluas t
vidro e em lindos frnsoos.
VlnbosGheres.
Santernes.
Cbanrbrtin.
siennita.
Borgeohn.
Reino.
Bordeanx.
Gesmne.
OM Tan.
P&ezel lainiol.
w "'''
,t>
25 RA NOVA N. 25
Este estabelecimento acaba de receber si rrco sortimento de pianos fortes ex-
presssaente fabricados paTa o clima deste paie, dosiwafealamados Safcrkaotes da Euro-
pa, por isso o\pToprietaTio -convida ao respeitavel publico para vrrem apreciar as qua-
lidades -dos referidos pianos.
:Gontinua-se sempre com esmero e pnomptidao azer-se quajquer reparo nos ditos
instrumeatos. Afinam-se os pianos debaixo do melbor systbema ltimamente adoptado
na Europa.
Os cortes de eambraia braceo bordados -na.
loja do Pavao.
Vendem-se os mais ricos cortes de eambraia ri-
camente bordados com barras emanados a 26* ca
da um : na loja e armazem do Pava na
Imperatriz n. 60, de Gama& Silva.
Rico* veiks a 8^0(W rs.
pechincha admiravel.
S o Pavio receben pelo ultimo vapor franeez
ura fsnnde sortimento doe mais ricos corteada
venados transparentes com linias- barraste entalea
de seda, sendo estes wstidos muito proprios para
baile e passeios, e vendem-se pelo baratissimo
preco de 6*000 rs.-cada om. a* luja do Pavao na
ra da.lmperatriz n. 60 de Gama.i Silva.
Cortes de chita a 20000
S NO POVAO.
Vendem-se cortes de chitas inglezas com dez co-
vados.a-O*.
Ditos.com nze> covados a 2*200.
Ditos com doze covados a 2*400.
Ditos de ehita franceza com dez covados a
3*200 s na loja e armazem de fazendas do-ftfvio
I na ra da Imoeratriz n. 60 de Cama & Silva.
Os ciaks pretes d renda Patio -a-8#000rs.
Vendem-se os mais ricos chales prett-s de renda
com qoatro pontas, semla muito granees pelo ba-
i ratlssimo.preco de 8*.
Ditos degoepure a 15*, 18*, 20*, 23*.
Retondas de dito a 10*.
Manteletes de renda, tazenda muito superior a
13*000.
oipas e sauthamtianjnes de grosdenaples bor-
dados-, lazeod* rntelmmeote aove, por precos mais
1 baratos que em mitra qaalquer parte.
Isto na loja armazem do Pavao na ra da Im-
peratriz n.OO de Gama & Silva.
do : na loja e armazem do Pavo, rna da Impera-
triz n.00, de Gama & Silva.
PENTEADORES
ou rouposs de eambraia bordados proprios
iara as senho-as vestirem de manhaa.
Iiegou esta novidade paia a loja do Pave,
ra a, multo lindos e dG melhor gosto at hoje, pur pre-
cos muito razoaveis : na loja do Pavao, roa da
Imperatriz. d. 60, de Gama & Silva.
I.oja do p.tvo
Crandes peetilncbas.
Sedinlas a 300 rs. o covado
adiabas a 300 rs.
Sfdinhas a 300 rs.
Vende-se na loja do Pavlo, nm grande sortimen-
to de sedmnas listradas com as mais bonitas cores,
sendo os padios mais novos que.tem viudo ae mer-
I eado, e vende-se pelo paratisslmo preco de cinco
, tostoes- o covado, sendo fasenda que valem muito
mais dioheiro, e grande pechincba por se ter
comprado urna grande ponida desta fasenda, na
loja e armazem de fasenda do Pavo, roa da Im-
peratriz n. 60 de
Gama Silva
Peehlneha grande.
Os madapoioes do Pa\ao.
Vende-se superiores pecas madapolao, sendo
muito largo, e muito encorpado tendo 24 jardas
cada pe^a, pelo baratissimo preco de 8* e 9*000,
ditos a 6*500 e 7*, boa pechincha, e vende-se
na loja e armazem do Pavo, ra da Imperatriz n.
60de Gama & Silva.
fax i miras da escocia.
Na loja da Pavo
Cbegon esta nova fasenda com o nome de ca-
zemiras da escocia sendo muito encorpda pro-
pria para calsas, e coleles, e vende-se pelo baratis
simo preco de 2*800 rs. o corte ou 1J600 rs. o co-
vado, pecbioctia por que tem duas larguras, isto
Oscnales de pavao 0 ioeo ZdOO r. s na leja a armazem do Pavo, roa da Imperatriz
Fazendas,.paantasa para vestidos ebegados de Pars pelo ultimo vapor.
Lindes robes de orgahdys eesarianas fazenda transparente de ioteiro gosto.
Ditos de perealia campestre [-adroes muito ritos.
Riquissimas prinadioes'tie sda o qne tem vindo de melnor gosto neste mepcado.
Lindos cortes de saltan ptJ&to para vestido fazenda inteiramente nova.
Ditos de gaze setim em-peca fazenda transparente e de gosto muito modernos.
Lindos chales de grenadim broch, primero ver qui apparetdos.
Ricos bournns de crepe^uarneeids de tranca kiio peentioeipara paereios.
Riquissirus Ovelas para sinto, de metal, de eryetal com ac e-com pedrs nas, o
que ha de mais ovo.
E outras muitas fazeudas de Inteiro gosto.
Rna do Crespo n. 13.
aLoja dasfoinninas de Antonio Crrela de Tasconcetlos
afc Cempanhiau

DE
i VIGNES.
X. 55. RIJA IM nPERAlMia A. 55.
Os pianoedestaaruig -abrica sao. boje asss conbecidos para qne soja neeessario insistir obre a
toa soperioridade, vantugeas e garantas que offerecem aos compradores, quadades estas tneentesta-
vels que ellos tem denitivansente conquistado obre todos os qne tem appareetd nesta praen ; pos-
sDjndo nm teclado e macbteismo que obedecem todas as vontades e caprichos das pianistas, sem
nanea falhar, por serem fabricados de proposito, e ter-se feito okimamente meitioramentos importan-
Hssimos para e reis aos onvidos dos apreciaderes.
Fazem-seconforme as t ncommendas, tanto nesta fabrica cobk na do Sr. Blondo!, de Paris, ocio
arrespondente de J. Vignes, em cuja capital foram sempre premiado em todas as -exposicoes.
No mesmo estanerecimeote se achara sempre nm ezplendido e variado sortimento de msicas dos
aaelhores autores da -Europa, as&m como harmonices e pianos harmnicos, sendo iudo vendido per
precos ommodaM mauela.
uvae-de Jouvih.
A loja do miode! na na do Qoeitta-
do n- *6, resebe-e por este utttme Tapor,
Iren em barrieas pequeas.
Cera en velas de todos os tamanhos.
Bogias. -""
Mercurio.
J^iraad**is^ien*iA,4frifirndar.;
Na rna do Imperador n. 28 terri 'superiores
btehas hamburguesas naca vender em porcao e a
rettlho, e umbem alugam-se ; rap Paulo Corflai-
ro viajado, igual ao de Lisboa, e para gosto de
cues, melhor, par ote erU, ee.

Phosphoros do gaz a t^OOdJ
_ groaa.
Cnegaram os bem eonuecidos palitos do m e
vemle-se por preco commado : na^ua da Cadeia
do Recife o. 56 A, leja das machinas.
Palitos de fogo a 10500 a
groza.
Chegara os excellentes palitos de *ogo errt-
dn-supatftafp W8fU.de HIPO igrnw,:na ra
fi* Cdeia do Jecjfe d. 56 A, loja das machinas. '
Vtnde-se
o grande armazem d* roa de" Aporte ns. 98 e 40,
proprlo par* oro trmtma *wwr<" 1rei*a ^^,^^^^^^"9^ '*
de algedo em nonio pande po t*r_a***or<*5* orna moma fpmpleta de ">reHp enano iba.
avariado.
Franaez narrica 5*000
Portland dem 8*500
Em perfeito estado:
Francez barrica 10*000
, Portland dem 12*000
No armazem de Tasso Irmaos caes doJApollo.
Boa eecas&o para umpri-
cipiante.
Vende-se usa loja da miodezas com (neos fun-
dos, muito uj conta, era bom lugar e bem acredi-
tada : qoem'prelender dirlja-se a ra Augusta,
ttberaa n, 1, qne se dir que leso para veeder.
do-se petademovatanmedico Jwo; as pnsaaaia S#m.nHji^ane preto dndiversa,qua^dajes.
auem canvier eatn eompr* |d#iap enleoder-ae os mais ricos chales de renda pretos, e retoodass
com Antonio Alves Batbosa, na roa dos Guarara-lewfctnjta red, fazenda da ultima moda m mer
7g eado : do armazem da porta larga a. 52, na ra
_ da Imperatriz.
Veode-se um seUm inglez com arreias, com
pes o.
Venda*;* ftt d? demarnhnf.
240 A, sito jj^M lapariaj :.*_traur can Joto
Qoerino de Agullar & C, em seo escnplono, raa
da Cadeia oTh, nitr.
poaco nso e por preco raioavel
zes D. 41 A.
na roa das Cra-
I
Vendem-se chales de merino estampados a I*
e 2*500 cada um.
Ditos de merm Uso a 3*500.
Ditos estmpalos de crepon a 6*. 7*, e 8*000.
Ditos pretos bordados com franja de s*da a 14*.
Na toja e armazem. do Pavo na raa da Impera-
triz n. 60 de Gama & Silva.
Para loto -vende o Patao.
Setim da Chioa com-6 palmos de lngara, fazen-
da preta para luto, propna para vestidos e roepas
para homens, seodo esta nova fazenda sem lustro e
de muito boa qoalidade, garantindo-se nao Rcar
russa caoi o lempo e vende-se pelo barato preco de
12* e 2*300 o covado, assim como neste eslabeleci-
1 ment tem um grande sortimento de todas as fa-
. zendas pretas como sejam eassas e chitas pretas,
lias tapadas e transparentes, pTtrteeeas, alpacas,
sarjas, etc. : na laja e armazem do Pavao na ra
da Imperatriz n. 60, de Gama & Silva.
Os baioes do Pavao.
Vendem-se superiores baloes de moeulina com
moita roda a 5*., ditos eriootrires om 35*revjB a
3*600, ditos rom 20 e 0 a 3*, ditas ara meni-
na?, sendo brancos e encarnados a 2*e 2*500 :
na loja do Pavo na ra da Imperatriz n. 60, de
45ama ASilva.
Cambraias de forro a 1^600 e 24 na loja
do Pavo.
Vendem-se pecas 8e eambraia ff'forro com no-
ve varas eada peea.pelos tarattssimos precos de
titQOQ 12: na toja e armazem do Pawo'Ba da Imperatriz a. 8, de Gama & Silva.
Os cortinados do Pavao.
Vendem-se superiores cortinados adamascados
para camas pelo baratissimo preeo de l& cada par,
ditas muito lios ricamente- bordados para camas
ou janellas a 15*. 20 e 25* o par : na loja e ar-
mazem do Pavo na roa da Imperatriz n. 60, de
Gama A Silva.
Panno preto. a 2(5 na loja do Pavo.
Vende-se panno preto. fazeuda moit boa, pelo
nafato prego de 2* o covado, dito multo fino a
3*300, 4*, 5*e 6*,assim como casimira preta e
cordao a z* o covado : na loja do iavo na roa da
Imperatriz n. 60, de Gima & Silva.
Cortes de 13a a Marta Pia na loja do Pavo.
Vendem-se os mais ricos cortes de la a Hara
Pia, pelos ibacassimei precoa de 7* >,&& Jilos
muito Baos a.JO*, 12*. W^^ftJoWt *
Pavio na roa da Imperatriz, n. 60, de Gama
9s apar trinos ^de Pa*So.
Vacdara-ae orna grande e vartndnsavti mani-de
*arUiBeftAis,inaisiiem fcite que tem 'viudo, ao
mercado, sendo de todos os tamanhos, yendendo-se
por, um preco muito razoavel : isto Bloja do Pa-
vao na raa da Imparalriz b. 60, da Gama ^ Silva.
Silezia para saias a 44o rs. a vara na loja
do Pavo.
Vendem-se silezia ondeada sendo fazenda muito
i boa e propria para saias, pelo barato precede"%M
ts. a vara : na loJado-PavJo ha rna da Impera-
trii n. 60, de Gama A Silva. *-
As saias bordadas do pari.
1 Veadem-se saias bordadas sendo aaeuaa muito
boa sendo ricamente bordadas e com multa roda
vendendo se rjlos baratos precos de 6* 8? e 10*
refseada urna ha loja do Pavao na roa da Impera-
triz n. 60 da Gama &iilva.
Bata* de (nadapaMe afilial.
Van* m ecfatnenaa de majlasplae entestado
com 12 jardas cada peca senda lazenda muito su-
perior PbJqs baralissupos precos de 4* e 5* rs. na
loja do Pavao na roa da Imperatrtt. 0 de ama
& Silva.
BretHhai 4e rU 3IQQ0
Vanasa-se peeas da bralanha da rio com 10
varas cada peca, pelo baratissimo preoo de 3* :
na loja e armazem do Pavao, ra te apratrlz
O, da Sama A Silva. -
n. 60 de Gama & Silva.
Roupa feita.
Na loja do Pavo
Vende-se neste estabelecimento um grande sor-
timento de roupas, tanto de panno como cazemiras,
e bribs e pelos baralisslmos preeos eomo sejam
calcas de caiemira preta a 6* 7* e 8*000 reis, pa-
lelots de panno preto saceos a 6* 8* e 12*000 rs.
ditos sobrecasacos de panno Onissimo a 12* 18* e
211*000 reis, e outros muitos artlgos qu serla en-
fadonhos aqu reltalos; s na leja e armazem do
Pavo roa da imperatriz n. 60 de Gama A Silva.
Grande pechincha.
a 1 000 reis.
Na loja do Pavo
Vende cortes de castor para caigas, padroes es-
caros e claros, e fasenda muKo eneorpada .pelo ba-
ratissimo preco de 1*000 is. o corte, no armazem
do Pirvao rna da Imperatriz n. 60de Gama & Silva.
nautas a jfooo.
De pora seda
Vende-se na loja do Pavao, mantas de seda pre-
tas e de cores, lindos gosto pelo baratissimo preco
da 1*000 reis, sao das mas largas, assim como tem
nm grande sortimento de gravatas de seda de cor
bordadas e de setim preto e ditas de setim braneo,
e vende por precos muito resumidos, o Pavao na
rna da Imperatriz n. 60 leja e armazem de Gama
& Silva.
Chitas roas
a 6)9000 reis a peca
S na loja so Pavo
Se vendem pecas de chitas rOzas Inglezas, sendo
cares Oas teodo 38 covados cada ama peca pe*
MBtiesimo pr-eco de 6*000 res, a retalbo a 100
rs o covado, ditas escaras e claras a 200 rs. o co-
vado, loja do Pavao rna da Imperatriz n. 60 de Ga-
ma ft Silva, Gama & Silva.
_____________' ... 1 ti'
Ife armazem de azeadas
biwatas de Suatos Codito
Ruado taeituado a. 19.
Vende-seo seguiste :
.Cobertas de chita.da.Iodja a 2*iQ0.
Lencoes de panno de linho a' 2*200.
Ditos de bramante de linho de um s panno a
3*SS0.
tenoos.de cassa braaoa*.proprios.para algibsira
A 2*000 aduzja.
lgodo enfestado com 7 1|2 palmos de largura
t*200 a vara.
Athaaltado Je lipao a 4*080 vara,
Dito de algoaada 3* a ura.
Guardanios de linho a 3*800 a duza.
Pec>s de eambraia de salpicos a 4*500.
Lairnha sOeflade eores a 320 o covado.
Cambante branca de foitro a 3* a peca.
Kilo de linho liso co a 800 rs. a vara.
DilO de dito com salpicos a 1* a vara.
Panno de tfnho fino com 0 l| palmes de larga-
ra pelo barato preca da**400 a vara,
MadapolOM rJooe a 8*. 9*, 10*, U* e 12*.
Cambraia lisa de 4*500,3*, 6*, 7* e 8* a peca.
Pesas de bretanha de ajgodao com 10 varas,
propTta para sala, pelo- baratissimo preco de
3*500.
Laaaioha lisa de coras a 506 rs. o covado.
Gambras finas de corea miudiuhas a 360 rs. o
covado.
Estetra da India propria para forro de- sala de
4,5 palmos de Urfmr, per menos preco te
que em otra qualojer P*#. .^..
Mesie armazem tambem se encontra uoi grande
sortimento de roupa feita e por meoiaa.
na ra da Impertriz n 56, loja da Arara.
Arara vende cortes de 13a a 50.
Vende-se cortes de la novos vindos pelo ultimo
vapor com 15 covados pelo baratopreoo de 5*, di-
tos com barras a 6* : na rna da imperatriz loja da
Araran. 56.
Arara vende chales de 2.
Vende-se chales de merino estampados
ditos de Ti a f*600 e 1*, ditos de merino
finos a i* e 7* : roa da Imperairiz teja da
n. 56.
Madapolao entestado da Arara a 4*.
Vende-se pegas de madapalo entestado com i'
jardas a 4* e 4*500 dito de 24 jardas a 5*, G*,
7* e 8*, dito mnito fino a 9* e 10*, pegas de al-
godao-a 4*, 5*, 6* e 7*, dito mono encerpado a
7*500, 8* e 8*500 : na raa da Imperatriz laja e
armazem da Arara n. 56.
Panno prdo da loja da Arara a 2.
Vende-se panno preto para calja e paletot a *,
2*500, 3*, 4* e 5* o covado : na ra da Impera-
triz loja da Arara n. 06.
Arara vende cortes de cotas para calea a
i 280 rs.
Vende-se corles de cotim para caiga a 1*280,
ditos de brim de cores a 1*400, cortes de ganga
para caiga a 1*600 : na ra da Imperatriz loja da
Arara n. 56.
Cortes de casemira ppeta da Arara a 33500.
Vende-se cortes de casemira preta para raiga a
3*500, 4*, 5* e 6*, ditos de cores de meia case-
mira a 2*500, 3*e 3*500 : na ra da Imperatriz
loja da Arara n. 56.
Arara vende os chales de renda a 8#.
Vende-se chales de fil de linho a 8* e 10*. di-
tos de seda a 16* e 20*, retondas de pello de li-
nho a 10} e 12* : na ra da Imperatriz loja da
Arara n. 56.
Vestidos a Mara Pia da Arara a Itio.
Vende-se corles de lia a Mara Pia a 10*, 12*.
16* e 20*, ditos moito finos com camisinha, slnto
e fivela a 25* e 28*: s a Arara vende por esie
prego na ra da Imperatriz n. 56.
Araaa vende as llazinhas a 240 rs.
Vende-se laazinhas para vestidos de senhora u
240, 280,-400, 30 e 500 rs. o covado, chitas pan.
cobertas a 280, 320 e 470 rs. o eovado : na ra da
Imperatriz loja da Arara n. 56.
Cortes de chita da Arara a 23.
Vende-se cortes de chita de cores fixas a 2*, di-
tas francezas a 2*800, cortes de .eambraia france-
za a 2*800 : na ra da Imperatriz loja da Arara
n. 56.
Arara vende organdys a 280 rs.
Vende-se organdys para vestido de senhora a
280, 320 e 400 o covado, fil de linho de cores
para vestidos a 160 o covado: na ra da Impera-
triz loja da Arara n. 56.
As chitas da Arara a 200 rs.
Vende-se chitas de cores fizas a 200 e 240 o co-
vado, ditas francezas largas a 280, 320, 360 e 400
o covado, riseados francezes para vestidos a 240 o
eovado, bretanha de rolo a 3* a pega : na ra da
Imperatriz loja da Arara n. 56.
Arara vende roupa feita.
Vende-so roupas feitas de todas as qualldade? a
saber : caigas de brim de cores e de ganga a 2*
e 2*500, paletols de brim para andar por casa a
2* e 3*> camisas francezas a 2*, ditas de lioho de
pregas largas a 3* e outras muitas qualidades qno
se vende mais barato bue em oalra qualquer par-
le : s na Arara ra da Imperatriz n. 56.
Pee bincha
Vende-se a taberna da rna da Guia n. 36 pro-
prlo para principiante, e o molivo se dir ao com-
prador. ___________________________
Em casa d Kabe Schmettau C,
roa da Cadeia n. 18, vende-se:
Cbampanha.
Cognac de superior qualidade.
Vidros para espelhos de todos os tama-
nhos tudoa precos mnito commodoe.
Cerveja gelada
Ha diariamente venda por prego cornmodo ,
no aarmazem da Liga, ra Nova n. 60.
Vendem-se duas casas terreas com souo,
por prego cornmodo, rendem 70* raensaes, sitas
na ra da praia do Caldeirelro ns. 32 e 34 : a tra-
tar na ruada Concordia n. 73.
Esoravos fgidos
(jromifta de nrilte bFaaeo
amerieana,
F ugio
na noite do di a 19 para amanbecer o da 20 do
crreme mez, do eogenho Tiuma, freguezia de S.
Lourenoo da Malta, o oleque Joao, crioulo, de
idade que representa ter, pouco mais ou menos, 18
annos, com os signaes seguintes: altura e corpo
regulares, cor bem preta, cara redonda, testa gran-
de e saliente, olbos grandes, nariz nm pouco afina-
do, denles almos e largos, mos grandes e largas,
pernas gjossas, ps grandes, falla descangada,
muito esperto e ladino, tem do lado esquerdo ou
direito tuna rotara entre as costelas; este mol eco-
M tel eomprado em abril do auno prozimo passalo
ao Sr. Antonio Martins Chaves, morador na comar-
ca do Brejo da Madre de Dos, para onde se snp-
poe ter seguido : roga-se as autoridades ou capi-
taes de campo a captara do mesmo, que serio nem
recompensados, levando na minba residencia, no
angenbo Tiuma, ou na ra do Imperador n. 44, 3
andar, o qual pertencente a Brasiliano Pessoa de
TSfello. .
,, 11 I IMI lili i. '-------kfl. .....""'
Escravo rugido.
No da 13 do crreme, pelas 7 horas da nqite,
pouco mais ir-tenos, deiappareceu d* ra doii-
vrameoto e, um escravo por neme Nicolao, ida-
de 21 a.awos.'pouoe mais ou meaos, estatura,
raguiar, cpr paed e um pouco acaboclado, pouca
harba e toda crescida, cabellos caeblados, tevou
vestido calca de riscadtobo de quadros, camisa de
chita encarnada e chapeo de peina na caneca, li-
aba viada do serian, povoagao da Batea-verde,
d'onde natural, para aqui ser vendido ; roga-se
pois a todas as autoridades, capites de campo ou
a onalqoer pessoa. que o posea apptanandar, levar
roa cima indicada, que ser generosamente
gralificado. _____ __ __
Fogio no'dia trca-elra 3,0 de Janeiro prximo
Bndo, a preta crioola de nomb Marciana, de idade
36 anoee, ponco mais on eooa, aMdo ae cor hi-
la, atara raguiar, levou vestido de.cbiia eaoora ;
quem a apprebepder, conduzindo-a,a casa da acal-
lo alsignado, na roa da Imperatriz n. 30, sera
Paanclseo Angosto ida Araujo.
"^"W|fc'wi d M *a cewenierd*'antentio M-
toGrsaaa, nati. do HiePormoao, a toante
Uidot, da idada 18 aaoos, paa^. tnai* o maaoa,
ftaao aOo-atia, na iinin. eavakav on
eidada aoi Sfa, l*!*.*man?? #***
cado.




L
HUrte e rtrmmtm*o Hegntt feira t tfe Fererrtro 1866.
JURISPRODERCIA
Pronneuto geral, lido na audiencia geral do ea-
compra e ente sa )m, stn estar a&rto, oh- ] e manter ? hotel! aiadaiqrje: s autoridadai;* nem
merado, rubricado e encerrado, as mesmas escrlp coramuoicar aos superiores, deixara e assomera o
taras, pela maior parte, fonm escripias por di (Te- exercicio sera Heeoga -da aptartdade competile,
rentes lettras, unas subscriptas pelo resmo escri- notei mais a yterirantosldia aarh que ai au-
v^o, eoutras tem seres, lubjcrfpiasi pelo que o toridades dewnsdw departios di* proOiflte se
SmXdireo.Tr FranTo de UsOfi- JU8pende m"dei respoosabilisa-lo. Eproveodo de portara,' setf embira mebor dirigen^, a
a iaciel rrwMawo ".," madt a remorar es abasos no**, aftdW oae W-| captara dos criminosos, qae, sob a quallficago de
... observe o segulnte : t K ^ ; ausentes, continuara, esqaecidos pelas mesmas au-
Senio dra a obediencia que devo a le.assim co- j.o QUe s jjej de ^'ye ora-em ^^fogajj toridades, a zombar destas; verlfiquel que os jai-
mo o zelo com qae procnro cumprir os meas de- aflM audiencia em cada semana em da e hoVa cer- rw **08 Prooessos' Pr concjuldos, e o promotor
veres,, de ceno me forrara sempre ao mais dlftkil 3 iriveriavel, aris. 58 e 59 do cdigo processo, annue'' an!es ae completar-se o numero legal de
sob multa de 20$
2.' Qoe deoitara as denu.ndas sojitas sha al-
eada com altenoao s dipusjefie? do direito e as
provas apreseotadas, sem jamis tomaren conhe-
-imento das quesloes que versarem sobre dominio
3 posse, qualquer que seja o valor dado a ellas, sob
multa de 50*.
dos trabalhos, como oda correlcooma das ai-
tnbuigdes do cargo que oceupo. Qualiflcando as-
sim semelbaute irabalho, que alias reeoahego i a-
dispensavel oda marcha e regular adminfctra-
c5a da jusliga, nao tengo em conte a odiosidade
que porventura possam acarretar meus actos no
exercieo de ter ardua attnbuicao, porque, com a
eonsaiencia tranquilla, sempre animado pelo mais
ardente dasejo de acertar, e convencido de que o 3. Que nao abram e nem rubriquen) 63 livros
magistrado que nio az justga e consti'tae-se pre- de notas aos seas escrives.. coja atlribuigio da,
varicador a maior calamidade que pode cocee- competencia dos vareadores da cmara municipal,
ber-se contra a paz e os direitos da sociedade, da na cenforrcidade da le de 30 de outubro de 1830,
altura em que a lei ose colloca, assira como nao ob malta de 30$.
escuto a linguagem das paixdes e dos intenoetes 4. Que nao coosintam os escrives fazerera cl-
de quem quer que sja, assira tambera jaffjr% per : tagoes da competencia dos meirlnhos, sob multa de
dido o odio infundado daquelles que, pelos seus 10$.
erres e prevaricagoes, forem viettmas da accio da 5. Qae fl5 ^^ Aqs ^ de ^ nfl preflxo
le e da espada da jaslica. as que a diffleulda praz0 de ^ djag remeltam ,0 secretario ^ cami.
lie ao trabalbo de qae venho de Miar asta prlnc
plmente em vence lo aloda no espago de sesseota
dias, porquaoto compulsar dentro desse periodo
urna immensidade de livros, autos, ttulos e papis,
iaDre differentes materias e variados assumplos,
que serviram de objecto de estado e trabalho to-
dos os joizes, advogados, e mais empreados dos
diversos districtos de ura termo ; lr attentaraen-
te, examinar com seria reflexio e criterio todos os-)
eitcs, comparando-os mmedlatamente com as dis-
posicoes da oossa legisla^o, boje tao retrasada pe-
los decretos e lonumeros avisos do poder eiecoti-
vo ; exercer por si mesrao as difTerentes obriga-
\;5es que ao corregedor aitribue o regulamento de
t de outubro de 1851, notar os erros, abusos e fal-
tas, iastruir os embregados era provimeotos par-
ciaes, escreve-los, e por flm colligir em um provi-
mento geral todas aquellas faltas e estabelecer re-
gras que nao ultrapassem o espirito e a lettra da
le, de modo claso e preciso, pa-a remover o abu-
sos, sem duvida urna tarefa muito superior as
torcas de qualquer magistrado, seja qual fdr o grao
de sua iliustraco, do sea zelo e da pratic dos ne-
gocies forenses ; ese a correico nao feita an-
nualtmote, como se tem verificado nesie termo,
onde a ultima leve lugar no anuo de 1862, ento
a dilficuidade sube de ponto, e fcil de avahar a
accumulacao de servico que me coubo, e os emba-
razos com que lutei, para, anda assim, cumprir
urna diminuta parte dos deveres que a lei impe
m corregedor.
Alm das difflculdades expostas que eonstituem
oustaculo ordinario ao fiel cumprlmento de todas as
oDngaces do magistrado em correico, outros coa-
correram para que o numero dos proviraentos par-
ciaes oao co rre.^pondesse ao lempo da correico
que encerr ; pois que tendo verificado, contra a
juiuba espectaliva, que no seio do auditorio desta
cidade se cevava os mais grosseiros e prejudiciaes
abasos, eoteodi qae, por mim meamo, devera re-
mover e sanar al^uns, era cujo servico consorai
' anu todo o lempo da correico.
Nao para encarecer o trabalho, que nunca pre-
ter pelo commodo, que principio por descreve-le,
mas tendo-me sido prseme urna avultada quanti
dade de livros e autos, devo manifestar a razo de
nao ter visto e prvido em todos.
Entretanto, a leitora e exame de cento e triota e
cinco autos e de sessenta e seis livros que compul-
sa, deu-me a conviegao do grande atraso era qae
acaava este foro, atraso consistenle em abusos
e corrupteilas ja' prescriplos em auditorios mais
modernos e de lagares, cuja civilisaclo est multo
aquem da da importante cidade do Aracaty Estas
faltas e corrupteilas infelizmente se achara arrai-
gadas em todos os ramos da administraco da Jus-
tina deste termo, com formal preterido das dispo-
s:coes da lei e offensa dos direitos dos cidados,
inclusive o mais natural, o mais apreciavel, o mais
garantido e o mais sagrado de todos os direitos, co
mo a liberdade individual.
Feitas estas considerares, e nao obstante ja' ter
prvido sobre os erros e abusos nos proprios autos
e livros em que os veriSquei, aqui provere ain.
da em geral e coraminarei penas aos jaixes e mais
empregados, para faier-lhes effectivas se nao am-
piaren) carreira, ao que smeote me limitei, por
e-ia vez, attendendo a que a falta absoluta de trans-
cripoo dos provimentos da ultima correico na
respectiva acta, como prescreve a lei, privou-me
de dados seguros para bem poder aquilatar a na-
tureza e alcance dos abusos que notei, e puni-los
com penas adeqaadas ou com as comminadas pelo
meu antecessor.
Assim procedendo para poupar puoi$ao de sor
preza, protesto na futura correigo ou era qualquer
tempo em que chegar ao meu conbecimento a pra-
tica dos abusos que leoho censurado, faier effecti-
vas as penas comminadas nos proviraentos par-
ciies, ou qualquer das que hei de comminar oeste
piovimentoapar do esboco que pasto a fazer do
acervo de irr*r'"riddes e faltas que notei.
Juizo de paz.
Em geral, os juizes de paz dos diversos distric-
vos deste termo nio se tem compenetrado da im-
portaote missao que a le Ibes cooferio de julgar,
verbal summanssimameole e sem recurso, as pe-
quenas demandas ; pelo contrario, tem exercido
com abuso e excesso os deveres inhereotes ao car-
go. E' assim que elles bao proferido algumas ve-
tes decisoes lojustas, e o que mais sobre nego-
cios da competeocia do jnizo cooteocioso, quero di-
zer, vi algumas decis5es|diametralmeDte contrarias
s provas escripias, e sobre quesloes possessorias,
quando cer lo que para as demandas que versm
sobre domioio e posse, seja qual for o valor dado,
falta competencia ao juiz de paz, de cojo individo
conhecimento, pode aggravar-se e resaltar a res-
ponsabilidade do jnlz que invadi a competencia e
jnrisdicco de outro.
Nao meos grave o abuso frequente qae notei
de oao fazerem com assidnidade e regnlaridade as
suas audiencias, us car torios dos respectivos es-
crives esto desmontados e sem a ordem tao re-
clamada pela lei; os Kvros das audiencias e termos
de conciliaco esto grosseira e porcamenta es-
criptnrados, com repetidas emendas, borraduras e
esterlinbas, sem resalva.
Da mesraa forma esto escripturados os livros
de notas dos mesmos escrives e sem serem rubri-
cados por um vereador da cmara municipal, ape-
sir da importancia dos contratos qne elles encer-
ram, noundo-se alm disso que as escripturas oel-
les lavradas ressentern-se da falu do clausulas
prescriptas pelo respectivo regiment, e do paga-
mento do sello proporcional, e outros direitos qne
constitnem a renda nacional, assim emo outros
mnitos erros e omissoes que notei nos proprios li-
tros, onde prori respeito. Entreunto, apeear do
proposito em qne Mata de nao punir, a um i em-
pregado, sendo depois de Instrncgo e comminacio
de pena, fui demovido desse mesmo proposito em
vista do ctslswsd procedimento do esorivle de
jnizo de paz do districto da Matamba, Pedro Jos
Pinto, porgo, alin de ter lanado escriptoras ds
ra municipal os livros de notas Dados, fazendo o
mesmo respeilo dos em que actualmente, escre
vem, logo que se Qndarem, na conformidade da lei
de 30 de ouhibro de 1830, sob multa de 100$.
6.a Que as escripturas de compra e venda cele-
bradas pelos seus cartorios, observem restricta-
mente sea regiment, qae se cootm as Ords. Liv.
1." til. 7, 8, 80,84 e outros a que ellas se referem,
transcrevendoalem do conhecimento da sisa, trans-
crevendo alm do conhecimento da sisa, o do lau-
demio, quando a venda versar sobre predios em
ierras foreiras, e do sello proporcional e da laxa
alm do de meia sisa, quando versar sobre escra-
vos; sob multa de 50$.
7. Que nao escrevam como tabelllles em livro
que nao fdr aberto, numerado, rubricado e encer-
rado por um vereador da cmara municipal, sob
multa de 50$.
8." Que remettam de tres em tres mezes toe-
snuraria da fatend da provincia certiddes das es-
cripturas lavradas em seus cartorios, devendo, pa-
ra prova do cumprimento desse dever, apresenta-
n ra em correico os offlcios m que aquella repar-
t ;ao acensar ditas certiddes, art. 16 da lei de 6 de
setembro de 1854, sob pena de suspenso al o
cumprimento desse dever.
Jiuso criminal.
Antes de descrever os abusos que veriflquei na
ailministraco da justifica criminal deste termo,
n lo posso deixar de fazer em separado um acre e
especial censura as autoridades respectivas pelo
pouco apreso em que bao lulo a liberdade dos ci-
dados, cuja garanta se aet a consignada e osten-
sivamente promettida desdeonosao pacto fonda-
mental at o mais moderno aviso do poder execoti-
vo. Anda este anno o governo geral, pela circular
d ticadas conira aquelle sagrado direito, estaiuio re-
g-as peculiares e esclarecimenlos ao alcance de
u dos com o duplo flm de tm entender-se quaes
i?s casos e com que formalidades pode verilicar-se
a priso, antes de culpa formada, e de despertar o
cumprimento do dever das autoridades competen
tes contra os violadores de tao inapreciavel direito.
Com effeito I Capsou rae a mais desagradavel im-
presso, a facilidade com qui algumas.autoridades
com despreso propria le qae os reveslio do ca-
rcter de juiz, fura dos casos expressos na mesma
lei, ordenaram e sanecionaram a priso de cida-
dos, e, anda assim, sem romeiter-lhes a nota da
culpa, como prescreve a nossa sabia e liberal cons-
tituicao, para qae os detento i re ueirarn seu direi-
to e se defendam. PrisOes sem colpa formada, sem
ordem escripia sem ter sido effectaadas em Sagran-
la delicio, sem ser em virtoile de crlme inafiaoca
vel ; anda mais, prisdes por crimes em que os
reos se livram sollos, antes de sentenea condemna-
tona passada em ju'gado, sao fados qae depoera
contra os seotlmentos de ju .tica dos juizes que os
praticaram, porm attestados por moitos autos pro-
ressados peraote algoos juizes deste termo-I Nao
e smente de prlsdes abusivas e Ulegalmeote de-
cretadas antes de colpa formada, de que algomas
auloridade so bao servido para torturar a liberda-
de do cidado, oatras violencias se tem posto em
praiica, e que revelam os a nos, wsiiBcaodo, seoe
proposito, ao meos o pouco caso que fazem da-
quelle direito -, assim sao a demora na concloso
dos processos, o retrdame oto de sua remessa de
am para outro jnizo, e para o cartorio do jury, on-
de chegam moitos meses iepois le encerrada a
m?1o, em que deverio ter sido julgados: e todo
istu nao obstante a lei ter tirado o preciso prazo de
oito dias para a factura e concluso dos mesmos
processos, e ter estatuido q Je a remessa deltas se-
ja feita com a maior celerldade; entretanto, tendo
verificado a repelicao de taes abusos, nao vi em
um s despacho a aotoridale prestar a razo da
demora da concluso do processo, e nem os juizes
advertirem os escrives pilo retardamento da re-
messa; e, em qnanto esses' abusos se operara, os
cidados vo soffrendo pri >o to violenta e Ilegal
como aquella qu s"'decreta" antes de colpa forma
da. E se as formalidades to minuciosas e explci-
tamente estabeleeidas, pela le, com'relaco a ga-
ranta que elle promette, e a importancia qne liga
a liberdade tem sido desrespeito smente despre-
sadas pelas autoridades, fcil a illaco que se de
ve tirar do monto de irregularidades de que se
ressentem os processos em sua marcha.
l verdade, vi procesos Instaurados ex officio
por crimes d'accao particular, sem ter sido o reo
preso em flagrante, notei queixas e* denuncias ad
mittidas sem os requisitos da lei, verlfleoel despa-
chos de pronuncia e nio pronuncia proferidos,
nangas concedidas, e desistencias admitudas, sem
a previa e indispensavel audiencia do promotor;
li inquirieses de testemunhas as mais defectivas,
por qu os juizes, em gen.l, satisfazendo-se com o
superficial depoimento acerca do ractoprincipal,no
endagao sobre as cirenmstancias qae concorreram
por que tem corBoo servico da administrajo dos
residuos deste termo, visto couw nao dTspui
lempo para examisar os feitos do respectivi
jorlo.e nem mesmo o competente livrcrcb registro
dos testamentos; mas se licite peto pouco a'
o mlito, acredito qne esse ramo da judien-civil
tos, defendendo qae se aceomalem em poder dos
radores, sob malta de ris
AM
dos leslameoteiro?, sujeltos a' cootas, cuio tempo
ba multo se vencer, qae lano o provedor como o
escrivlo dos residuos se ho portado com descuido
teslemuDhas, anda que as ioquerklas nadaienham no cumprimento desse dever, apezar do modo ins-
tante porque a le recommeada a fiel observancia
da ultima vootade daquelles que, firmados as dis-
posiedes da mesma lei, dispdera afoulos de suas
tem sido mal e negligentemente administrado, por- na a oraVdo liv. 1" til. 62 51 e av. de 93de maio
que verjflqueide urna relace que me foi presente'de H1S% |0"e 11 e de 14 de Janeiro de 1807 g 2
denosto, observe! que a auloridade qoem a lei
encarregou da inspeceo das prisdes njfo.tem visi-
tado a cadela desta cidade cora a regularidade e
frequencia, exigidas pelo respectivo regulamento;
qotei que ot joizes tem defxado de fazer saas au-
diencias pelo modo preseripio pelos artigos 58 e
59 do cod. do proc.; vi que os subdelegados, a
despeilo da mais terminante dlsposiQo da le, tem
iniaes das
tente*am__ ierrts-#*tjotwtolo8 se
najara sonegado proceda a rspeito conW aetermi-
fortunas, cooferm direitos e restituiedes, e erde-
nam suflYagios, cuja execuco le prohibe que
seja demorada : esses teslameoteiros que ba anuos
devero ter sido compellidos a prestar contas, re-
cooheceu-se agora acharem se randados para fra
delxado de participar ao juiz de orphos o fallec-1 do termo, ouiros, apezar de terera sido uotiticados,
menjo das pessoas de seas districtos que deixaram i a quatro ou cinco a naos, esta van em juiso, porm
orphos; Soalmente, notei qae coro coosideravel; continuando a gaohar tempo sem cumprir as dis-
prejuito da fazenda nacional. grande quanlidsde
de processos'tem se julgado sem pagamento ou
a ver bag o do sello. Os escrives dos juizes i que
e 3, e promova e faca sem perda de tempo i medi-
co e demarcaco das trras de taes patrimonios,
servindo afina! o auto de demarcaco de ditas tr-
ras de. ttulos as respectivas capailas sob multa de
30$000.
7. Qae faga e autoris os aforaraenlos em praga
publica ou fora della, conforme fdr de mais vanla-
gem para as capellas, devendo neste caso lavrar-se
termo, em livro que para isso crear e no qoal se-
rlo transcriptas as clausulas relativas aos afora-
mentos e sao os seguimos:
l." Que o aforamento ser perpetuo' ou por vi-
das, porque bote sao applicaveis a errrptiileuse ec-
clesiastica as ieis de 9 de setembro de 4769 26
de 4 de julho de 1768 e o airar de 12 de maio de
1769. ;..
2. Que o empbilenta perde por commisso, se
posigdes testamentarias, sob frivolos e baoiespre
textos a' que pus termo; e, sobre assnmpto to im-
portante, cajos erros por agora nao tenho dados
me nei "referido, sem duvida, Brmados' nos aosos para especificar, chamo a atteoco do Dt. provedor deixar de pagara peoso por dous annos continuos^
destes, servem seus offlcios com a mais culposa! dos residaos, a quem Incumbe acabar de proeesaar <*d..liv. 4o lU. 36 i ultimo. 0
oegligeocia, principalmente os dos subdelegados, as contas que principie! a tomar.. No que diz res- 3.' Que oterreno eropbitencado indivisively
cuja escripturago dos autos e livros nio compor-' Peilo a provedoria de capellas,' sim, tenbo elemea- ord. 4, til. 36 1' e tit. 9 g 23?
U a importancia da materia que elles contera. E tos para formar completo, pornvo mais desfavc- 4. Que o emphiteuta nao senhor pleno, mas
para que os jhlzes e mais empregados do mesmo! vel juizo acerca da su adminW/ago, a princi- smente til, e que, nesta qwdade, deve pagar o
foro em tempo algum allegnem falta de.instrwcao, P'ar do provedor de capellas, al o sacbristo da
assim como punig&o de sorpresa, prescrevo or- mais pequea casa de oracao desle termo,
deno a observancia dos segnictes preceltos ; As.irmandades que em vez de se installarem
para desenvolveren o espirito religioso, para auxi
l' Que o juiz municipal, delegado e snbdelega-
dos facam ao menos ama audiencia em cada se-; Haremos edificantes- exemplos de pidade e a corn-
alina, em diae hora certa m varia vel, artigos 88 e memorago dos actos dos augustos mysterios da
59 do cod. do proc, sob molla de 15$000 por cada religio do Calvario, e finalmente para proporcio-
audiencia, qne faltarem sem impedimento legiti- j narem s capellas a decencia e esplendor que de-
nso, qae a verificar-se far constar aoescrivaopara ^ mandara o culto e os.oSeios divinos, acham-se no
certificar no respectivo protocolo, e pela falta de mdii9r adonDecimenioe censuravel indiferentismo,
cada cerlido incorrer, oque a commetter, na a'respelto do fim p nra qte a lei perraitte e prologo
multe de 5$000.
foro nnu'al, m reconbecimento ao senhorio di-
recta: >
' '. Que nao se pod alienar a cousa aforada sem
1 consentimeoio do senhorio diaeeio, a quera, no ca-
r so de venda, troca, permuta ou pagamento, compe-
te o direito de prelago ou a qoarentena parle do
prego da venda ou albeago ord. citada.
6.* Que concedida ao senhorio directo a via
execoliva para cokraoga do foro do emphltenta re
misso. > i riiiiri 1 \T\
'

a creagio deltas, sendo tal o descuido qae nao pos
2" Que quindo ordenarem a priso antes da cal- snen a institnigdes das respecllvasicapelas-, hjdo*
pa formada, em crien Inafflangaver, fagam coster jrando at os oomes dos seus instituidores ;-e, afr
dentro em24 horas aos reos presos o motivo da as reunioes que annualmente-fazem para eleger e
priso, os nomos do seu aecusdor e-das testemu-' empessar as mesas rgedorar, s se eongrogam
nbas, arl. 4 do citado cod., sob pena do respon-1 P" aceordar sobre algnns aclos festivos, eujo luxo nulia sem ler se verifleado o pagamento
sabilidade. I nao esl;4te ccordo com a falta-de aedib d*t tem-
plos e queso revela espirito da pora vaiJade e.
7. Qne o- mesiBo- senhorio lera bypotUeca legal
nos bens do prazo, petes (oros devidoa, ^preferen-
cia a ontrDs-qnosqaer credores, ainda qae tenbam
bypotbeca geral e especial mais anliga, lei'de 20 de
julho de 1774|38;
8.* FinMiente qne a-eoropra do prazo foreiro
3* Que quando a inslruegao da colpa nao con-
, ..... r....-....T. ^. ,ao passo que islo se d, tem-se por certo que todas
clur-se no praso- de oito das, depois da entrada ? T\ S ^ a ^.
j. .:.! -J-lla. M..mj.,.__A___ a* irmandades a que me retiro bao indevidamente
da pnsao, declarem especincadamente nos despa- ,. ....___
u. *. a -. n.t na jk-~ j a neiado os bens que constitaiam seus patrimonios,
chos os motivos da demora, art. 14 do eod. do \ .. n '. .. ,..,u
a a- a .' a tara. ~w .. conira a terminaate disposigao d Ord- liv. i; tte.
proc. e decreto de 25 de maio de 185*, sob pena
de respoosabilidade.
4* Que nao ordenem priso antes de enlpa for'
moda, por crimes- afangavois, art. 175 do: citado
eod. salvo o flagrante dolido, art. 131 do- mesmo
cod. sob pena' de respoosabilidade.
5> Que verificad a priso em flagrante, inter-
roguen! os reos de que mtndaro iavrar termo, e
mandem recolher a eadeia, salvo se o crite fcr
daquelles em que os Feos se livram sollos, aris.
132 e 133 do cod, citado, sdb molla de 509609.
G Qae nao mandem recolher a eadeia preso
algum sem ordem escripia,em que se declare ooo-
me do reo, o erime porque loi preso, e a ordem de
que auloridade, sob multa de 30$000.
7 Qae nao inslatirem processo de
que lem lugar o proeedrmenio official da jastHja,
62 54, sobre cute objecto de tamaoba trausceden-
eia, nao tendo podido providenciar, por falla de
lempo, e taesrao de informagdes que ebeguel a so-
licitar, cumpre que o r. provedor continu'as-,
necessanas indagagoes, em ordem a hbil!tar-se a-
maodar secuestrar e restituir taes bens, na confer-
midade da tt. citada.
Tendo consefoido deseobrir a escriptnra de doa
do'laode-
mio, aiv. de-2*de setembro de 1747.
Os aforamentos qne se- fher d'ora era diante- nao
nf pod/Phsadu|jii
reaente-a aais fli
lutnrt,^md|ueni! .
Tslvezquera sabe t! a mol
Nao ha sol que derretame stes'jol,
Qne s amontoam no mf pebre petto,
Nem terga- que me quebr os dnroH siMs
Da lerreff vida r/ra que eston sgeto.
Se Deas um da se tembrar do pobre
Qne ferio-se no espiono das desgragas,
Ento d'amor pedindo a esmolla nobre
Irel-ie portasupplear-te gratas.
Tal vez que de teas ollios am lampejo,
Um desenlio de lnguido sorrlso,
Ou mesmo na orla do vestido um beijo
Possa de novo darme o paraizo.
Has qual ? I... quem j podio sepultura
Remedio p'ra curar snas feridas,
So na mor le -de certo eneontra a cora,
Tivesse erabora de vi ver eem vidas.
A's veze?, verdade, o pensameoo
Deparando comtigo l no estao
Corre liteiroqual do sol o vento
Plores a derramar no leu regago.
Outras veres, eo'as roapas da pureza
As niveas formas te veste delicado;:
Mas duvidaautora da tristeza
Tai d'alli arreda-lo aniquilado.
duvidar, meu- Deus-, ver murchandt
Plores que oaseem u'alma da crianca,
Sob o gelo que as ralbas vai creslando,
Sera- ter um beijo da aura da esperanga.
Du vi dar verpar ao vente norte
Qu rijo sopra-ia fronte lanreada ;
Sentir a vida desejendoa marte,
(Sentir a mortedesojando m
Ah !...- perdoa-me se estou bojp.tao triste
Quando- ama aurora le Ilumina a fronte
Mas no mar da descreda quera resfcle
A' procela qoe insulta o horis
-

i <
.
comprehenderam os terrsros te aforados, emlmra,
os aforamentos- lentos estejam Irregnlires, mas al
d'outras razdes; nao tendo- bavido a respoito delles
aforamento jurdico, nen contrato emphiteutla>,;*
attendendo aqaene preco>ateagora estipulado-nao
se tem guardado proporgo entre osle e a exteaeo
dos terrenos alorados, Sea estabetecido o prego-de-
300 ris por quante pagaro -o aelnaes empbiteo-
tes, e os vindoaros pelo rorcaonoal de cada braca-
de terreno, e que- tndo o provedor observar e tori]
bservar, sob malta de 50$0tb--'
8. Que os secretarlos e escrives das mesas re-
(Caadmwar-x-ha.J
i
ctisaoj em
gao de urna sorte de Ierras, na Catinga do Ges,. meMam ao escrivSo da provedoria urna relago dw
feiu a' capeita-d Senbora Santa Anna,: erecta na- msts novaroentedeltas.sobMijotta de ris......
povoacao do mesmo nome, que eslava-na indevidaJ ju^jujoo.
posse de diversos iodfvTdoos, que por eompra bou-
veram de outros, antes mesmo de expedir mandado-
de seqaestro, vteram qoasi todos os poesuidores.de
seu motuproprio, restituir as partes de que W
acbavam de posse, qpe- immediatameote- fiz trans-
mitlir ao Ibesoureiro da respectiva irmandade:
LrrTEMHJRA
.i i ii
Longe de rt' na viuvez deaToores-
Siatu te bette,-coa a irontserguida.
Curvando testas ante os esplendores
Qoe altivae-teaeat na raaohi-da-vida.
Vejo-te alegre cowwrsar com-todos,
Escato doce ma voz mimosa,
Sigo-te os pasaos, te reparo o modos,
Mando-te bencao na orago snndosa.
E no entanto, donselte, tn igneras
Qoe com simples volver dos olbo bellos;
Podas darme divinaos auroras
Prender-me a' crenea com sidreos los.

Vi
Masla astro i;ue giras n'outra esphera
Rosa de amor qae vives noatm-piaga
Fra qoe bas de daadeter na ftet^tecra,
Se leus os cedros-qoe- o lofo aflaaa?
Dorme donzella dfteoidosa e leda
Ao sem das scisaas qae te emballaa para,
Dos- nao permiHa qae leo vn de sda-
sete raagado ifoma-noite escara.

'
-
sem previa intimaco do promotor publieo, seb entretanto, teltando alguns assiguarera o termo de
multa de 40$000. ; restituicao e entrega, por se acharem ausentes, re~
8" Que nao encerrona os processos com menos
de oito testemunhas. alm das informantes e-refe-
ridas, emquanto nao boaver prova plena do-tote
criminoso e de qaem seja o delnqueme, aanw 20 dadea^ adtntaieteadores,
e 267 do reg. n. 120 sob malte de 40*000. ~
9 Que proferidos os despachos de prennnete
ou nao pronuncia, ordenem a immediata remessa do Saol'0 cpoeiflca^ pela qnantia de 50$
dos autos para o jai ou eartorio competentee: .__>
puaaro os-escrivaes que derem causa falta do ** faci irraclonar, ****"*?
cumpriroenio desse-dever eom suspenso, seb -ni-! tf* ^J^.l tSSSFZ.
El PMCO DI 1BIKK
Urna agua tortada do bairro da Roseoihal, e
ZmZ*toEwi Teleta desse tra- ^ -J* ""^^'J** "1
Poda anda deserever o mo. estado das-, *' Preseotava Wmamente a teangom da mate
profunda miseria.
Esta desgragada foi outr'ora- ooma eantora esli-
ta de 5O$000.
sabilidade. -
l'. Qoe nao deixem o exercicio, ainda tmpora
Flamete, sem previa licenga da presidencia : e
balbo. Podte anda descrever o mac
capellas, e indicar os abusos das respeetrvas irmao-
mas bastara' dher que
foi a mesa de om do annos transados da Irman- applauAda pote pobiteo-e viu-se rodeada,
dade do Satramento desta fregoetla qne, a' certe meas sua formusura e amabilidade por um en-
den em pagamento nma adoravel imagen n de adoradores.
Nos seus mais bellos dias travou em Hamburgo
reteedes com wa joven e ricoad le cobabitou durante tres anuos.
Estes dous amantes viviam sem pensar no fu lu-
to, prodigalteando o dinboira>s viajando, aflm do-
variarem os seas prazeres. Porm ao cabo de tres
anuos, a fortuna do advogado esteva reduzida a
zero, e dous titeos tiobana vindo augmentar as ne-
cessidades do casal.
Nesta Cfittea conjunctuxa, o-advogado tornou a
barbara detiberacno do abaadonar a sua joven
companbeira, mi dos seus-dous- Albos.
A infeliz, quix ento voltar aotneatro, porm. ja
nao tinha. vo* para cantar.
A profunda desesperaqo qaaa sobjugou, levan-
a a eatregar-se s bebidas espirMiiosas, e d'ah em
diante foi complete a sua ruina.
Reconrea a mendiciade I
Mandava todos os dias- os seus filaos pedir es-
mola pelas roas, e brbaramente os castigava te-
das as vezes que Iba nao levavam urna boa co-
lheita,
D'ahi resulta vara. nao. poncas vezes scenas lasti-
boxo, mas urna reelldade qoe infelizmente
crevo. Pwm so bonve mesa de itmandade on-
10 Que, decretada, a pronuncia, expeeie-man- ;membro della, to impo, a ponto de reputar-so
dado.de priso qne,. com a certdo de haver*e proprietafio d0s bena e alfaias da canelte, e de ar-
executado, ou do motivo porque nao foH devora r0jar-se adar por ttnbeire urna santa-ioagem, as>
jnoter-se ao processo, expedindo as degenetas, a ha fiis como o eidado Ravmund Antones-de
requisigdes, o precatortes que forem necessarlas e oiiveira, que, rendo- reeebido a mesma imagem,por
posteveis, qnn-farao constar do mesmo processo, aquella qnantia, por ter sido doada por um dos
sob multa de 50$0O0. ; seus aatepassados^ nao duvidou resttloir sem o-me-
11 Que nao se deero de suspeito semjuramento or conslrangimeato judicial, qoe sem duvida teria
e especiUcaeOt do motivo da suspeigo, a-declara- empregado seno-tivesse a satisfaco de declarar
gao da parte a qae- ella se refere, sob- malta de qae dita imagem.se acba restituida a igreja dfcode
100$00<>. fra illegal e irreligiosamente deslocada. Algnns
12 Que nio >uiguem, sob qualquer pretexto, <*jeetos da capella 8 Senhora dos Prazoros, qne
causa emque tiver interesse sob pena de respon-: P<>' deleixo da-*P*va '"nandade estavamespa-
1 hados por mos de diversos, fis. arrecadar- o resti-
tuir. Algnmas capellas fora desta cidade existem,
cojos patrimonios sao milagrosamente conservados,
E quando um dia> .as- regidos celestes,
Algoera de praotos-te baabar as plantas,
Cobre-me, o' aojo, cora as finas vestes,
Qoe as formas niveas te envolvere santa?;
O numero dos emigrantes chegates a NovarYcriC
dorante o anno d* 1865, foi de Kftl^ sendo
mais 13:000 que era. 1864.
Destes eram :
AHemaes ........>............ 82:454
klandezes....................'. """^'"IvJSW
oglezes...........i............ 31:610
Francezes.....................: 2:037
Hespannoes..................... 222
Sussos........................ 2:512
Hoilandexes....................... 720
Norueguezes..................... 127
Suecos.............................. 2:337
Dinamarquezes -.................... 727
Italianos............................. S04
Portugueses......-..............:... I 42
Belgas......-..................
Americanos do Sal...............
Chinezes........................
Russos......~...................
Turcos....................r'tfgr...
Polacos...........................
quando o fago por motivos ponderosos, me eom-' os respectivos admloislradores no.possaem
monuem sob multa de 50$000 li,B,0S e MLB ,s 'n81110'?565: es,as patrimonios
iLQuenoadraittamaangas'edesistenciassem^^sidomal aproveilados,porque oprovedorde mosas, e as pobres- creancas soltavam dolorosos
grites.
Ha apenas tuca.semaaa, urna destas-scenas in-
dignou a tal ponto un novo inquilino da casa ha-
bitada pela mendiga, que resolveu entregar esta
previa audiencia do promotor publico, sob mntta I "P"as *> em olhado P*r a adrninisirago del-
. .nniiuin les, como recommenda a lei, resnUanoo d abi at a
de iOO$uw. ,ii
I falta do necessano para a celebracao. dos actos re-
15. Que nao julguem autos, sem pagamente, on ^ vislQ qae nSo ^ arrecada4o8 e aforados
averbacaado sello, sob pena de responsabilidad*. | devi(laIDen,e) e nem ^administradores arrecadamJHllim* juriaca..
16. Que s subdelegados commumquem ao jniz com so|1|cltQde 03 fol0& e readas>lel(k) Muo m\ gnbiu qnatro.a qnalro os degrus da escada, en-
de orphos o fallecimento de^qualquer pessoa rica ^ receberera os |aaflBID0S| pelas vena-as das casas trou na agua, fnrteda e levanten a mo para segu-
' edificadas as ierras patriraoniaes. E para qne n*> rar a mal ruel, mas apeoai atoa os olhos as fei-
continue a ser to-mal administradas as capellas e
cessem tantos deteixos, abasos e desmanchos, de-
vidos a negligencia principalmente dos probadores
de capellas, que se bao limitado a aprovar as con-
tas, sem exame e indegaeo, do estado das mesmas
capellas, e do modo porque sao arrecadados e
cas, condemnagdes ou absolvieses dos reos eom aproveilados seos bens, mando se observe ose-
as respectivas qoalificacdes, caractersticas, deca, gainte:
rago do crlme, artigo da lei em qae esteo incur- i {, Qm 0 pr0Te(Jori no acl0 de toraar conUs n. ,
sos, assim como a nota de esterera sollos, afianca- d e examine do esUdo das ct9aihSi e ge egto toulevards.
dos ou presos, sob pena de suspenso, al* da ,dag das nece8sarias alfaias, paramentos pa-[ m ladro aproveitou
mote at I00$000 qoe Ibes pede ser imposta pelo f> t celebra -ao Q0S actos aivlnjpT se os Dens pa. -egu^^ distrabldo
chefe de polica, art. 6 do decreto de 16 d abril u0)on|aes sSo COBSerVados e se esto bem arrea-
j didos e aforados, se depois das ultimas contas as
os man-' irmaadades e administradores receberam algoma
HTm recolhidos! doacSo ou esmolla consistenle em bens movis ou
aos respectivos \ mmovels, mandando no caso afflrraativo fazer tan-
processos e, fajaos conclusos aos juizes competen-! camento delles no livro do tombo, e pro vendo so
ou pobre de seus districtos, que deixarem orpbos,
servindo-se para teso, das iuforraagde& dos seus
inspectores, sob multe de 100$ por oada falleci-
mento que deixar de eommnnicar.
17. Que os esorives de lodos os juizes cmi-
naes inclusive o do jury, remellara a' secretaria
da polica as notas das pronuncias, e nao pronun-
cies da ex-caniora, recuou borroeisado.
Acabara de reconbecer a sua anliga amante,
aquella que havia cobardemente abandonado, e en-
tregue a vergonba e desesperaijo 1
Copamos do Jornal do Havri:
Dias passados o Sr. M...., um dos nos sos mais
distmctos advagados, passeava com sua filha nos
Quando os paletos, as sobrecasacas & es-aototes
velbos e usados nao leem feilie,.e estao-redazi-
dos a [arrapos sera nome, poderosas machinas car-
dam esse tato velho, destiara-n'o, trausformam-n'o
em 13a nova, a qual fiada, incida, tingida, tos-
quiada, preparada, nem mais nem meaos, como
se acabasse de chegar directamente da Australia.
fe' assim .que ni Inglaterra se fabrica, a panno
piloto, o panno satn, e o cuir Imite -,.>neste pan-
no resascltado qae se cortam os d(*-tatfs> os tal.
mas, os isacfarlanes, nos quaes- se pamnalim os
dandys.
De sorte qne nlnguem poderia tonar que nao
vestiu os despojos de um eoodemnad s gales ou
de um. suppllcado.
Esta eogenbosa transmniago do panno otado
em panno novo pode repetir-se um numero da ve-
zes infinito; por Issa que anta qualidade do
pannos ingiezes, apesar da baantesa fababsa do
sen.prego, tem tdo pouca aceaitego en moitos
mercados do continente.
de 1856.
18. Que os mesmos escrives Mfo iji
dados de priso, nao effeclnada, %rem
ao cartorio pete official, juntem aos respectivos' mmovels, mandando no caso afflrraativo fazer lan-
ao delicio, e maites vetos d'aqaeltes qae Ihe sSo ts, para ordenarem as pflsaiyeMilteencies para a bre todo que entender conveniente para a manu-
elementares; vi despachos de pronuncia e nao pro- captura despeos, at que esta, s vertflqoe, sob
nancia contra as regras di julgar, estatuidas nos
artigos lii e 14o do cod. do proc. e 185 e 2S6 do
reg. n. 120; I i coro pasmo promotor publico ter
desesiido da accio criminal, qne intentara por par-
te de pessoa miseravel, em virlude do art. 3 do
malta de 20$. .
19. Que no termo de trate dias, a cootar do re
cebment da copia deste provlmento, apresentera
aos respectivos juizes todos os processos de reos
ausentes, que se achara condemuados e pronuncia
citado ced. como sanio fora expressameate prob> {dos, para ordenarem as diligencias posslveis, afim
ido esse procedimento, coja prohibigao se firma de effecluar-se a captara delles, sob mulla de
na regra de que os promotores nao podem trans- ioo$000. bOt .
|1r; veriflquei juizes darera se offlciosamente por
sospeitos, sem juramento, seo declaraco do mo-
tivo da suspeigo, e a qual das partes ella se re fe-
ria ; mas m compensago deste aboso, notei outro
ais grave, porm de nattireza diametralmeote
opposta; sm, vi qoe algnns joizes, cojo vivo e Im-
medlato interesse na deeisio da cansa, consta do
ventre dos antes em qne oBciaram, proferiram
ni ses sua sentenea, o .que, sobre ser expressamea-
te probibido, munraimente repugnante : e dado
isl), excasado dizer em qae sentido fra lavrada
a tentenca, desde qne flea paitle a resistencia qae
tus juizes opposerara aos seas naturas sentiraea-
tes qoe todo hotoeni deve mais qae todo apreciar
20. Que no preflxo prazo de dous metes, a' con-
tar da mesma data, me remettam orna relagie da-
tada e assignada de lodos os criminosos, constantes
dos seas reos, qae se acham ausentes, quer.este-
jam condemnados, qor pronunciados, com anas
qualificagdes, datas dos julgamentos e das proaOn-
clas, artigo da lei em que esto ocursos on Con-
demnados, signaes caractersticos, se souber, sob
multa de 50}
21. Qlie observem restriciameate o qae provi
pos seas llvros.-sob as nenas nelles comsaiaadas.
trovedoria de rtniuot t a>p*Ua$.
Nao posso emittir jnizo acertado acare, do nodo
tengo e decencia das capellas e do culto. Sob mul-
ta de 5O$000.
2.a Que tanto no acto das comas como em qual-
quer tempo em qae verificar fraudes, abusos e fal-
tas na admiuistrago das capellas suspenda imme-
diatamente a processe os qne aobar em colpa, e no-
meio administrador interine, sob malta de ris
100$000.
3. Que d'ora em diante nao tome con da re-
ceite e despeza sem mandar vir a sos presenoa os
livros do comprpmisso e dos. termos on actos das
mesas, para poder verificarse as eletgoes e os mais
a occasio em que elle
e tirou-lhe de um bolso am por-
te-monnaie. Has se a mo. do ladro hbil, a
polica lenLpmos de lyaoe.
O ladrad mal eowte o ([noto da toaaseio foi
logo filado e condnido prefeitura.
Chegado a li, a logo ose so traiou da ascolher
um defensor, o ladro escolheu irnicamente o ad-
vogado, qne vinha de ronbar.
E' de Sr. Belmiro Salgado esta poesa, composte
no natalicio de...
Hoje que cootas viote primaveras,
Que sentes o romper da moeidade,
Eu qoizera alentar essas obimaras
Qae inda fazem a toa (ejieidade;
Para poder cantar na pobre lyra,
As scsoms paras qne te emballara
Porera, donzella, f crenea me ragira,
actos praticados por elhs esto de aceordo com o Se|jj lafr|n,as a'amor ,-,Tesse anda :
determinado ao mesmo eomproroisso, annullando e
revogando os qae nao e&tlvereo, sob multe de ris No cemiterio rico da memoria,
50$000. i E no claustro secreto da miuh'alma,
4.-Qoe glose qualquer despeza feita semana *'* *""n *[>
utortsacao, conterld. por alvari, alm da latV M^' P'otaBd4 c*l~-
pensavei para ososteie daa capellas, sendo asta pro-
vada sob molla de 50000.
5. Que procure empregar sempre os rendimen-
tos, das capellas em soas obra?, alfaias e paratneo-
Ea sinto a brisa, a perpassar cantando,
Por entre os setos das loriabas debis,
E d'ahi a poucoel-las j marchando-..
Pendem p'ra trra saas (jootes ttbels I
Eis aqui urna iovenco maravilhosa qoe oxeado
todo o que o genio.humana ten feita at hoje.
Um ptulosopho. acaba da confeccionar am Iner-
mometro moraL
Com o auxilio de um eogenboso mecanismo mo-
vido pela electricidades este aparelho, appkeado a'
cabeca e ao. logar do eoracao, dlz-vos quante ton*
des de esptello e qoal a vossa dose dasenlimea-
lo, exactamente como om pasa-licores indica a
grao do ajeool e a densidade de um liquido.
O inventor, como om tonoeiro, aeoomola a' sua
arte a pratioa des coneerlos.
Da' roceitas proprias para as. pessoas, aqtam
falta sentimenlo ou espirito, adquirir d'estas
duas cousas o que ibas folla.
N'uma das casas de paste, mais frequeotedas do
Viena d'Auslria, urna sooiedade de doze gastrno-
mos, fez a proposia de nao pagar a importancia
das iguarias, que consom miase, sendo depois que
a sociedade bou vena ceiado tamas noftes absenta-
da a' mesma mesa n'uma ordem difireme da lo-
gares.
O dono da casa de pasto, acceitou a proposte
sem reflectir, e ao cabo de algnns, dias, conven-
cen-se qoe nenhura dos seus fregueses, poderia vl-
ver bastante tempo para ver a los do dia da paga-
mente.
Por qnanto, para operar todas as mudencas de
logares, .nao senara precisas, menos da cates
479,000:400, que daran o algarismo da anos
1,311:434, 10 mezes, e 13 dias.
Os eonrildes querem a observancia da sat coa-
veogo, e o dono da casi de pasto, v-se na dora
necessidade de se dathuar qnanto ames dos seas
aspadas eternos.
mtUiWW ^m ggtj. f, w f. oHttUo

J

.
>'
'
( I
\ I
-vf-



Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID ETWA25XH5_2IOIY4 INGEST_TIME 2013-09-05T03:23:14Z PACKAGE AA00011611_10902
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES