Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:10897


This item is only available as the following downloads:


Full Text




x
M

;
I
ABIIO XUl, HOMERO 41
Pir furtel p ieitrt te 10 das de 1 mi .
Uim depeis dw i.* lt das t ctneco e dentro de qurtel
Porte ae eerreie eer tres nezes ,*.........

TERCiFElBA 20 D FEVEBEIHO DE 1866
Pe? ane ia|e deitre de le das de 1. mez.
Porte ae eorreio per em auao ......
3|eoe
AMBUCO.
ENCAaRBGADOS DA SUBSCRIPQAO DO NORTE
Parahyba, o Sr. Antonio Alexeodrino de Lima;
Natal, o Sr. Antonio Marques da Silva; Aracaty, o
Sr. A. de Lemos Braga; Cear, o Sr. 3. Jos de
Oliveira ; Maranhio, o Sr. Joaquim Marques Ro
drigues: Para, os Srs. Geraldo Antonio Alves &
Filhos; Atnatonas, o Sr. Jeronymo da Costa.
BNCARREGADOS DA 5UBSCRIPCAO DO SUL.
Alagoas, o Sr. Clandino Falco Das; Baha, o
Sr. Jos Martins Alves;
Ribeiro Gasparnho.
Rio de Janeiro, o Sr. Jos
PARTIDA DOS ESTAFETAS.
Serinhem, Rio Formoso.Tamandar, una, Bar-
reros, AgnaPret Pimentefras.nas quintas
feiras.
Olinda, Cabo, Escada e t stacSes da va frrea at
Agoa Preta, todos os dias.
Iguarass e Goyanoa na; segundas e sextas feiras.
Santo Antao, Gravat, Bezorros, Bonito, Caruaru, AUDIENCIAS DOS TRIBUNAES DA CAPITAL.
Altinho, Garantaos, Buique, S. Bento, Boro
Conselho. Aguas Bellas e Tacaratii, as tercas Tribunal do comroercio: segundas e quintas.
feiras. Relago : tercas e sbados s 10 horas.
Pao d'Alho, Nazareth,. Limoeiro, Brejo, Perqueira FMenda. quintas ,, 10 horas.
Ingazeira, Flores, Villa Bella, Cabrob, Boa Vis- ""____. .. ,, K.
tarouricury, Salgoeiio e Ex, as qnartas Jalzo do commerc.o: segundas as 11 horas.
/eiras. 'Dito de orphaos : tercas e sextas s 10 horas.
Prlmeira rara do civel: tercas
lia.
I sextas ao meio I
DAS DA SEMANA.
Segunda vara do clvel:
hora .da tarde.
EPHEMERIDES DO MEZ DE FEVEREIRO.
19. Segunda. S. Conrado f.; S. Gabino m.
quartas sabbades a l||0- Terca. Ss..Eleulero e Nllo bb.
21. Quarta. Ss. Maximianoe Fortunato bb.
22. Qointa. Ss. Paplas, Abilio e Pascado bb.
23. Sexta. S. Margarida de Cortona f. i
24. Sabbado. S. Mathias ap.; S. Pretxtalo ab.
25. Domingo. Ss. Cezario e Dionisio mm.
7 Qaarto ming. as 3 h., 20 m. e 16 s. da t.
lo La nova as 7 b., 53 m. e 56 s. da m.
22 Qaarto cresc. as i h., 28 m. e 45 s. di m.
PREAMAR D&HOJE.
I Prlmeira as 9 horas e 18 m. da manhaa.
ISegund as 9 horas e 4-2 minutos da tarde.
PARTIDA DOS VAPORES COSTEIROS.
Para o sal at Alagoas a 14 e 36; para o norte
at a Granja a 7 e 22 da cada mez; para Fernn-
do nos dias 14 dos mezes de Janeiro, marco, mato
julbo, setembro e novembro.
ASSIGNA-SE
no Recite, na livraria da praca da Independencia
ns. 8, dos propietarios Maoo.il Figueiroa de Paria
& Filbo.


PABTE OFFICIAL
HINISTERTO I A JISTIVA
CONSULTAS.
Senhor I Por aviso de 14 do correte mandn
V. M. Imperial que a aaegio de jostica do consaiho Evangelista Borges, Manoel do Nascimento e do
de estado consulte com seu parecer sobre o proce- rscruia Targino Jos de Oliveira, os quaes regres-
dimento do tenante Felippe Hezzer e do alteres Joao sam para essa provincia no vapor Paran.
Hanriqee Feichs, que por se acharem no exercicio | Dito ao Exm. Sr. Dr. Antonio Dias Uiho Mello
de vereadores da cmara municipal de S. Leopol- segundo vce-presidenta da provincia de Sergi-
Dito ao Exm. presidente da provincia do Mara-
nhao.Junto achara V. Exc. a guia do soccorri-
mento do guarda nacional tenrique Jos Victori-
no, que regressa para es a provincia, na vapor
Paran.
Dito ao Exm. presidente da provincia do Rio
Grande do Norte.Junta achara V. Exc. a guia
de soccorrimento dos guardas
prisio publica, mas tambera val responsabilisar o sabdidadriiroitada no imperio, a exemplo das que as virtudes evanglicas, para que nunca deixe de
subdelegado pelo crime de carcere privado, visto funecionam desde annos na loglaierra e natran- jser all reconhecido, e considerado, como o homem
que a casa da cmara nunca pode servir de prisio C, apresnja urna profunda memoria que occupa de Deus, que allurnia os seus parochianos, e o ho-
a alguem.
Finalmente conclue Vine
pedindome com ar-
do, na provincia de S. Pedro do Rio Grande do Sul,
recoraro-se a marchar com o 12. corpo de ca-
vallara de guarda naciooaes, a que pertencem.
O art. 15 l. da lei de i9 de setembro de 1850
staue o seguinte : Sero dispensados do ser
vico activo, nao obstante pertencerera lista res-
pectiva, qoando voluntariamente se nao presten),
os vareadores efectvos das cmaras munleipaes.
pe.-Ficando inieirado pelo seu oficio de 23 de
Janeiro prximo Bndo, d s haver V. Exc na quall-
dae de seu seguodo vlce presidente assumido
naquella data a admiuistrago dessa provincia,
cabe-me assegurar a V. Exc. que me encontrar
sempre disposto a cuinprr suas ordens quer sejam
relativas ao servigo publico quer ao particular de
" Exc.
por iioroBc atteogo 4o Instituto, sendo lida pelo
Sr.Dr. f^ln e assigaada'pels'raesmo'senhor e
gencia providencias, emquanto nao chega o dele- pelaSr. 8 Ita Res, qae dlvergem das idea? emit-
gado de polica, que raaodou chamar a Capoeiras,. Idas no voto em separado do Sr. Dr. Figueiredo.
nacionaes Maoel onde seacha, atim de em commum aecrdo loma-, Concluida a leiiura, que ouvida no meio de
rem as medidas que Ibes parecer mais acertadas, profunda attengo, o Sr. presidente aotonsa o Sr.
De ludo inteirado respondo a Vmc. que nos lar- toesoureiro a faier imprimir assim o parecer cim
mos do aviso n. 566 de 30 de novembro de 1861, o voto era separado, para que destribuidos, sejam
posterior ao aviso de 27 de malo daquelle anuo, ci-, stfgeitados a' dlscussio regular.
tado em seu oficio, os oIBciaes da guarda naci- Wn* mais havendo a' tratar, levanta-se a ses-
nal nao devem ser recolhidos a prsoes civls, se sao a's 3 horas.
durante o quadneonio, e os seus sapplentes em Dito ao Exm. general commaodante das ar-
quanto os sabstitulrem. mas.Em consequencia de incoraroodos que sobre-
A' vista de to terminante disposico casta a crer vieran ao cooego Antonio Jos de Soaza Gomes |
como foi posto em dnvida o direito que assiste aos durante a viagem que fez, nao p le este, seguir tigos 145 e 201 do cdigo criminal, e nao estando
officiaes em qnestao de se recosarem ao servigo agora para o presidio d Fernando, alim de exer- j estes eriraes comprehendidos nos mencionados no
nio nos casos especificados no art. 60 da lei o. 602
de 19 de setembro de 1850, em que tenham de
perder os postos, conforme declarou o aviso de 27
de julho de 1857. .
Pelo que dispde o art. 116 da predita lei as prl-
s&es para os guardas nacionaes sao as fortalezas,
quarteis, casas da cmara ou oatros edificio?, qae
se possam destinar a esse tim.
Se o capito Torres Gailindo aeha-se pronuncia-
do, como di: Vmc, pelos criraes previstos nos ar-
merai de Estado, que o anima, e paciflea ; o Iris
de amanea e concordia, o Aojo futellar entre elles;
em urna palavra, o parocho exeraplar e precioso,
tal qual descreve e" Insina o Abbade de Bois-
mont.
Por nossa parle, nao podemos delxar de con-
gratular-nos com aquelle nosso presado patricio
por haver ello assim obtido a devida corda dos
seus assiduos esforcos,
para o qual foram chamados, qualquer que possa cer as fuacedes ae seu ministerio. o que declaro art. 66 da ja' citada le de 19 de setembro de 1850, recrulas. vieram os pareles destes, aiacaram a
ser a gravidade das cirfumslaucias.
V. M. Imperial resolver' o que for mais justo
Sala das conferencias da secjao de jusca do
conselho de estado, em 30 dezerabro de 1863 -
Vtsconde de Jequittnhonha. Fisconife do .Uru-
guay. Jos Antonio Pimenta Bueno.
Como parece. Paco, 2i de Janeiro de 1866.
Com a rubrica de S. M. o Imperador. Jos Tho-
maz Nabuco de Araujo.
Senhor. O juiz de direito da comarca de Ac-
rac, provincia do Oan", consalta se podem dons
irmos servir no termo, ara como juiz municipal
supplente e delegado de polica, e outro como juiz
de direito.
Diz este juiz de direilo :
O actual delegado de polica, 2. supplente do
juiz municipal deste termo capito Alexandre Ber-
nardino Ribeiro raen irrao.
Com quanto nao saiba de lei alguma que ex-
pressamente vede o exercicio de duus irmo?, como
na especie sujeta se verifica, todava me parece
de primeira intuico a iacompatibilidade ou incon-
veniencia de servirmos nossos cargos no mesmo
lugar, effeitos estes que resaltam da natureza das
respectivas funcco"es, por qaanto, era nio poucos
casoi como juiz de direito, terei de conhecer de(-
fetos seas, era grao de recurso e appellacao, em
materia criminal e aggravos em materia civil.
< At agora nenhuraa destas bypothese:' se den,
por qae (alera de nao se adiar dito meu irmo no
exercicio de juiz municipal e sim o primelro sup-
claro qoe nao pode ser elle recolhido a prisao ci
vil em vista do que declara o aviso de 30 de no-
vembro de 1861.
Assim, pois chamo a attengo de Vmc. para os
artigos da lei e avisos que Acara citados, e espero
remunerago dos seus
valiosos servigos, em sumraa o justo premio do sea
sabido merec meato, que Deus queira conceder-lbe
De Garanhuns temos as seguntes noticias ilit felizmente por loogas annos.
. Tendo procedido no domingo passado a so-
dedade dramticaThatia Pernambucanai elei-
gao para os membros do seu conselho administra-
tivo, foram eieitos os segrales senhores:
Herminio Egydio de Figueiredo, presidente,
Luiz Francisco de Paula Ramos, vicepresidente.
Epaminoodas Pinto Baodeira e Accoli de Vas-
con/ellos, (reeleilo) | secretarlo.
Bernardmo de Senna Munz, (reeleilo) 2o secre-
tario.
Hypollto Jos Roberto, thesoureiro.
Luiz de Franga e Soaza, (reeleilo) censor.
Consla-nos qae o Sr. Coimbra acaba de ceder
o theatro de Santa Isabel, atim de ah darem ura
com dala de 31 de Janeiro ultimo;
< Mullas tem sido as armas lomadas, que j
elevara-se a um grande numero ; s no districto
de -Corrale o respectivo subdelegado, tenente
Mauricio Lopes Lima, apprebendeu perto de qoa-
trcenlas, por ordem do doator chele de polica.
< E' urna exceilenu providencia, porque, a con-
tinuar o povo ararado, taremos de pre.-eneiar a re-
prodocgo de ci mes gravissimos.
< Anda h pouco, ao districto de Quipapa' da
comarca de Ciraard, indo um inspector com dous
pairulha, a deste ccoOicto resultaran) a morte de
um dos criminosos, o fereimeuto de outro e bem
a V. Exc. para que o faca coostar ao commandan
te do mesmo presidio.
Dito ao mesmo.-Mande V. Exc. desligar do 2o vemDro de 1861. KSm 0 je ms so|dados da pairulha, estando um espectculo de gymnastica esses jovens acobratas
batalho desucado o gu irda do municipio de Olin-; Assim, pois chamo a attengo de Vmc. para os des|es em periK0 de vida. pernarabucanos, que ha terapos representaram no
da ou de Iguarass, Ignacio Barbosa dos Santos, artigas da le e avisos que fleam citados, e espero f Naqat)||e districto de Crreme, onde tem ap-1 theatro de Apollo com adroiraco do nosso publico
que flea despensado de destacar para o presidio de que os fara observar com a devida sollicilude pelos pareddo maior insubordinago, tambem onde se' pelo bello do seu trabalho.
Fernando. interesses dajustiga. | eootrntra maior numero de armas. Nao est anda marcado o dia para esse especta-
Uito ao mesmo.-Queira V. Exc. informar sobre Dito ao^adminlstrador do correio.-Respoodendo. c A 28 do corrente, Jos Pereira da Silva, umieulo, mas se-lo-ha em pouco com aviso ao publico
o que pede [guacia Mara da Conceigo, no reqne- \ ao sea oficio-de 12 do corrente, tenho a dizer-lhe
rmenlo qae aqu junto com o oficio do comman- que em vista do que pondera o inspector do arse-
dante superior da guarda nacional da comarca do nal de marinha em saa iatormago de 13 deste
Rio Forraoso de 30 de Janeiro ultimo. mez sob n. 1068, junta por copia nao ba impossi-
Dito ao mesmo.As pragas da companhia pro- billdade algoraa em continuar a serem (dios os
visoria de polica designados para o presidio de signaes na torre do collegio durante os concert
Fernando, devem ser substituidas por oatras da a que all se tem de proceder,
guarda nacional de Oliada, actualmente addldas ao Dito ao delegado encarregado do expediente da
2 batalho destinado para o servigo da guerra repartigo da polica. Devolvo lodosa a peligo
sendo estas, bem como as 20 tiradas do 4 batalho feita em nome de Caiharioa Meyer, que toi casada
destacado, ser commaudadas durante a viagem com Henrique vvuhelmo para que Vmc. proceda
dos autoras do alternado da falmeira, foi preso e pelos joroaes.
apresentado pelo delegado de polica deste termo
ao doatorchefe de polica, que cada dia desenvolve
mais actividade na perseguigo dos criminosos.
Tambera fui-ibe entregue pelo pai ura dos recrutas
tomados por esses facinoras.
Em Correles, foi preso pelo subdelegado e por
ordem dessa autorldade, nm individuo cunhecido
por Zuza, qae, daado ama denuda em outro, em
briga; dalla rosultou ura farimento grave.
f No districto de S. Baolo, Indo em diligencia
ordens.
Dito ao mesmo.Sirva-se V. Exc. de informar I
sobre o que pedem nos requerimeatos juntos An-
tonio Henrique* de Miranda e Demetrio Acacio de
Albuquerque Mello.
Dito ao Exm. conselhelro presidente da rela-
do baldados os seus esforcos em persegui-lo.
O Sr. Coimbra cedendo o ediQcio^ara tal flm a
nma porgo de jovens artistas pernambucanos, qne
pelo fruto de sea trabalho e taleoto espontaneo
procurara viver honestamente, da mais urna nova
copia do seu carcter servigal e sempre prest-
moso.
Domingo ultimo afogou-se no porto Benguela,
em Apipocos, onde fora banhar se, o portuguez
Antonio de tal, cojo corpo foi encontrado logo
aps. e condnzido para a casa do Sr. Joo Fran-
cisco Pessoa de Vasconcellos, onde procedeu-se a
competente vestoria com assstcncia do respectivo
subdelegado.
Numerago dos bilhetes da lotera 49' olfere-
pelo oficial que seguir para o mesmo presidio o eorao fdr de lei contra o assigoalaro da mesroa pe- por ordem da inesma aotoridade urna pairulha de
qual deve voltar: o que comrauoico a V. Exc. para, tigao por ter requerido em nome da vluva que oao : sobados de cavallana, disfargados em paisanos, ao
seu conhecimento e expedigo das convenientes existe por haver fallecido h muito tempo, segn-. apjwoximar-se da casa do celebre criminoso Frau-
do consta da saa informago n. 194 de 10 do cor- CISC0 A!ves vio este correr e gaohar o malte, sen
rente.
Dito ao commandaole da companhia provisoria
de polica. Mande Vmc assentar praga na com-
panhia provisoria de polica sob sea commando. os I a|"cauce"cor"rncla
paisanos Jos Francisco de Faria e Januano Gar- \ t HoTe uma raorte no dja 28 ou 29 do corrente .
gao.-Para cumprimento do aviso da repartigo da ca Ramos, que em inspeccao de saude foram con-, em Poco-do-Pinto. do termo do Rom Conselho. sen- 1924, 2397, 2594, 2806' 308*1 3421 3777 3773
justiga de 3 do corrate, srvase V. Exc. de infor- siderados aptos pa'a o servigo militar. Ido a viciima Jos Francisco Regs, que mora va em ; 3907. Os bilbetes das loteras 11 a 48* Droduzl-
mar se j foi decidida e era que sentido, a appella- Dito ao juiz de paz mais votado do primeiro dis-1 Qoeorjm^ulo, e o assassino Jos Antonio da Silva:
gao inlerpo.-la pelo iuiz de direilo da comarca de trido da freguezia de Cabrob.Nao se leudo los-1 aj{llja ianata M nromenores deste crime
pente, se ha elle limitado como delegado a polica F|ores pari essa ,riUQal 00 proCesso, em que por. tallado na lerce.ra dorainga de Janeiro prximo Goocluiudo Iha Xel aae con inoam as de-
adra.o.strativa excius.vameate, desde que entre crime de homiciiJio e resistencia ao subdelegado fiado, a junt, reviera de qualicago dessa fre-! noieto Sra os emJ
de polica de Baixa-Vrde, em 1853, foi absolvdo guezia pelos motivos constantes do o til io do se- ,ja a|,.urna ,,t(1 extravagantes : m* nanundn
pelo jury, o rj Flix Ciraco da Silva. ;$uodo jut uo Va. Ociiiiuiiuu rvrrer i'adilha, da-1. ^,a utores for aat-nw/ieem dado lugar a
Dito ao inspector da thesourana de fazen- lado de 21 d'aquelle mez junio por copia, recutn- \qae semriic^ies eropregados conlundim seus de-
da.-Transmuto a V. S. para o fim 'conveniente o mendo a Vmo., qae fazendo a convocagao de que j atores ^coroo soccedeu com o tenente Mauricio
ncluso pret em duplcala, que me remetteu o Irata o art. 4' da m de 19 de agosto de 184b, reo-, Lopes Uima, que acaba de justidcar-se plenamente ,j0 COrrente
' com documentos valiossimos das aecusagoes que A- ordeaj do Dr de|egado da caoila| Maria Jo-
anna Pereira, por infraego do regolamento da es-
em exercicio).
< Soceorrendo-se legislacao patria, em casos
mais ou menos aoalagos, pode-se invocar em favor
de miaba humilde opiaio as seguntes dwpeslgdet.
< Aviso de 15 de novembro de 1834 e 26* de ju-
nho de 1838, que se referera ord. liv. i. tit. 48
29, qae recoahecem iacompatibilidade deserv-
rera os promotores pblicos com juizes, seus pa-
< Este criminoso, aim de muito audaz, tao li- J cidos pelo thesoureiro das lotera para auxilio das
geiro, que diz que nao teme que nenhum homem o despesas da guerra. Bilbetes os. 1415, 2274, 3233.
Meis ns. 638, 1293, 1597, 2446, 2951, 3124, 3341,
830. Quintos ns. 165, 593, 727,1054, 1326,1663
""7, 3773
prodnzl
. rara 1:8315200.
Hoje faz leilo o agente Martins de movis,
joias de ouro de le, brilbantes, prata, pianos e ou-
, tros muitos ohiectps.
ciBi-iiiii;\o H POMCIA.
Extracto da parte do dia 17/ 18 e 19 de fov.
rero de 1866.
Foram recolhidos casa de detengo no dia 16
marechal commandaole ds armas com oficio de na a referida junta no dia 29 de abril prximo vin- j
hoje sob n. 312 tirandj veociment >s relativos a Ia douro, que para Isso flea designado e prosiga nos
quinzena deste mez, para as praga dodeposi- remed vos traba Ihos tendo era vista para a organi- Me parece que elle pretende publicar a sua
rentes consanguneos ou a ns at 2." grao, o aviso m.(j)mmunicou-se ao general commandante das sagao das listas o decreto n. 2865 de 21 de dezem- dtjfesa. pr ,ant0 va- preparando as columnas do
n. 19 de 13 de jaaeiro de 1860, declarando incom- arnias.
pativel o servirera dous irmos desembargadores Dtt ao mesmo.Providencie V. S. i>ara que es-
na mesma causa ; rae parecendo ter no caso pre- tando em termos as relagoes e prets jautos em du-
sent toda a applicagio a ord. liv. I. tit. 79 19, p|cata e nao havendo inconveniente sejam pagos
quando trata dos chanceleres e inquiridores de nao 0i venciraentos rtlativos aos rneze de novembro
poderera servir com eserlves e outros empregados e dezerabro do anoo prximo passado, do deslaca-
de Santo Antonio :
da Silva e requeri-
le justiga seus parentes.
t A estas diposigoes, porm, rae parece oppor
se cmo autonmicos, so coudos nos avisos n.
211 de 20 de agosto de 1859 e n. 402 de 7 dezem-
bro de 1834 declarando nao haver incompatibi-
lidade e poderem parentes, era grao prohibido ex
ercerem seus oficios (refere-se a dous irma-s, um
escrivo de orphos e ouiro tabellio) no mesmo
lagar ou termo, ama vez que sejam dedifferentes
juizo.
Assira, levaodo a' Ilustrada coaslderago de V.
Ex. esla materia sobre a qual coasulto, pego a' V.
Ex. qae se digne de dar-me ura solugo, firmando
sobre ella uma regra certa e regaladora em casos
idnticos^e para que reconhecida a incorapatibili-
io rereira oa anva cotiiorme aoiiciiuu o com- icuie soo u. *, losuivo Lum.euoi-ui<.a ""v i ..- .-------- j _i, nnm :~
inte superior daquella comarca em oficio de que pedirara para permutar entre si as respectivas j or ministerio que S. Rm. desempenhou cora sa-
jaueiro ultimo. Comraumcou se ao predito cadeiras.-Fizeram-se a's npcessarias commuoica-; Iwfacao at o da 8 de margo de 1856 em que
'........_ .. 3... foi noraeado neo Exm cense he ro Cunta e Fi-
ment de guardas naciooaes existenlo no termo de
Boa-Vista, devendo esse pagamento ser effectuado
ao sargento Antonio Joaquira dos Santos Manga-
beira, ou ao seu procurador nesla capital Andr
Av. lino Pereira da Silva conforme solicitou o com-
mandan
20 de
commandante superior.
Dito ao mesmo.Rospondendo ao oficio que V.
S. me dirigi em 13 do corrente, sob o. 81, tenho a
dizer que para a conslrucgo da rampa que j se
acha concluido no caes da ra do Sol, uo houve
contrato mas sim aulonsago.
Quanto a despeza correspondente a mencionada
rampa deve orrer pelo ministerio da marinha, por
bro de 1861 e mais dlsposigSes em vigor. Offl- ^q cooceituadissimo jornal, que muilo provave.
cou se neste sentido ao segundo juiz de paz do pn-; seja 0 escoihdo.
meiro distrelo da freguezia de Cabrob. L __ n
Portaria.-O presidente da provincia, atienden-; Foi hontem provisionado por S. Ex. Rvm. uo
do ao que requerera.n os professores pblicos de ministerio de vigario encomraenlado arta fregu-
mstrucgo primaria das povoagSes de Nossa Se-, la.de S. Antonio o Rvd. padre Joao Jos da Costa
nhoradn (Y de tooinca h da Mathadinha Torouato Ribeiro, que ja 'servia com coadjutor pro-parocho. A ordem do Dr. delegado da capital:
Lurento FerreS Se Meuoe Silo. Jo's DUsda S- Rvra. nio novel no servigo da igreja mor- M de Almeida e Joaquim de A.meida,
Silv p temi m viola a informarn do director mente nesta freguezia, pois tomando o uado co- onga.
SS intn da inScgo pu ca?de 14 do cor-: neg v.gano Resende po^se del.a a 28 de malo de i' ordem do subdelegado da
renie sob n. 24, resolve conceder-lhes a Bejaga | m*, jN00 B;*y y,^.>yt .floj^?"
irada ; Francisco de Castro,
cravo de Manoel Jos, para
ma de furto.
A' ordem do subdelegado
Luiz, escravo de Joo Rufino
ment deste.
17 -
A' ordem do Dr. delegado
liberto, e Joaquim es-
avenguacoes em cri-
Joo
por
Magdalena : Amo-
para correego.
q5s i foi nomeado pelo Exm ccnselhelro Cuoha
Dita.-Os Srs. agentes da coapaohia Brasileira I gaeiredo censor-do gymnaslo provincial, at que
de paquetes, mandem dar transporte para a pro-1 contrahindo ah molestia que o prima do respec-
vincia do Para', no vapor Paran a 13 pragas da | ttwwrdwi^ obleve saa exoneragao a 15 de ja-
guarda nacional que vieram d'aquella provincia
dade V. Ex. proceda como de direito for, cumprio- conla do qaa| f^.^ a(faeile caes.
dome por amor da ver iade declarar que, verane.- Dito ao mesmo Recommendo a V. s. qae es-
da ella, difflcilmente sera'o logar preenchido, tor- [ando em ternios 0 pret .aai0em duplcala que me
nando-se desta forma prejudicial ao servigo publico remetteu o marechal comman iante das armas com
a falta de juiz municipal effectivo. offlcio de hoje, sob n. 311, e nao havendo nconve-
Deus goar a V. Ex. Illm. e Exm. Sr. Dr. Fran- jele, mande pagar os vencimanlos a couiar de 8
cisco Ignacio Maicondes Homem da Mello, presi- a jg ,|ei,e mei d dete desta provincia. O juiz de direito Francis- marca de oiioda que destacam pira o presidio de
co Urbano da Silva Ribeiro. Fernando
Oavido o cooselho consaltor de repartigo da jns- jjll0 ao QSpeC|0r da tbesoararia proviocial.
liga diz elle : Constando de aviso do ministerio da fazenda de 24
i A ocompatibilidade por parentesco ou afflni- de Janeiro ultimo, que no termo de arreraatagao
dade entre juizes ou empregado* de justiga, pela ailt nes.a i(,esouraria por Aaunio Jos de Castro
lei, e decigdes do governo, s tem logar daotro do de eos i(nin0vefs obrigaJo^ a fazenda nacional,
mesmo juizo ; fra delle nao lia incompatibilidad?, dexou de declara"r-se o motivo por qae nao foi pa-
mas tem cau*a para a suspeigo. a a siza como se devera irapreterivelraenle azer,
t E oque se da' entre um juiz de direito e um recommendo a V. S. que nao prescinda dessa for-
delegado de polica empregados de juizos diversos, ma|idade nUaudo so derem arrematacas dessa
nao ba impedimento geral que os prive de exercer ordem_
simnltaneairaente os seus respectivos careos, pode Dito'ao commandante superior da guarda nacio-
as vezes darse a excepgao forense da saspeigao, .,, do Recife.Expega V. S. as suas ordens para
t Sendo porm dever do governo facilitar a au- que sejam rendidos >.s destamentos da guarda na-
minisirago da justiga, elle e seus agentes devem ciona| exS|eQles na, rortalez;is do Brum e Buraco,
remover essas causas (requemes e
escollando sentenciados de ju-iiga.
Dita.Os Srs. agentes da companhia Brasileira
de paquetes, mandem dar passagem para a Baha
neiro de 1860.
Restabelecendo-se afinal, e teudo o fiando conago
vigario cassado a proviso de coadjutor por cir-
cumstanclas particulares ao digno sacerdote que
no vapor Gerente, que se espera" do norte, a Joo exercia tal cargo, foi o Sr padre Cos Ribeiro por
Lourengo de Araujo, capito do corpo de polica elle iostado para aceitar de oovo a c .adjurara, at-
provscrio e a um cabo qae vieram d'aquella pro-1 en > pontualidade com que sempre
tinha des-
viada conduzindo um preso de jastiga.
Expediente de secretario de governo do dia 16
de fevereiro de 1866.
Oficio ao delegado eacarregado do expediente
da repartigo da polica.S. Exc. o Sr. presiden-
te da urovmcia, manda aecusar recebido o sea o-
lirio de 15 do corrate, o que acompaoboa o roap-
pa dos Tabal lio- da promoiori publica da comar-
ca do Limoero, relativos aos dias dacorridos do 1
a 27 de dezambro prximo lindo.
PERNAMBUCO.
REVISTA DIARIA
suspeigdes, quanto o possara fazer sera maior gr-
vame para o cidado, e -em offensa dos direilos do
funeelonario.
i Rio de Janeiro, 16 de novembro da 1865. J.
I. de Alencar.
A secgo de justiga do conselho de estado con-
corda com esse parecer.
Com efleilo nao ha lei que vede o exercicio de
dous irmo* anda no mesmo tribunal. O nosso
supremo tribunal de jastiga, a relago desla corte
tem tido e anda lera membros irmos. Importa
isso suspeigo de um dos irmos. e nao sua com-
pleta excluso do tribunal. Sari excluido o segun-
do noraeado ? Nao foi o segundo legalmente no-
meado ?
Deve semelhante parentesco ser tomado em gran-
de considerado para nao ser noraeado um irmo
para administrar a fustiga em um tribunal d > raes-
rao disiricto onde ja' estV outro irmo. N;i i ta
le Dorm que exciaa o amigo magistrado, ou o no-
varente nomeado, pelo simples fado de ser no-
-meado. Uemittido, modado por que foi nomeado,
nao havendo le que prohiba essa nomeagao.
Pelo vapor Paran regressou a esla cidade,
, viodo da corte, o Sr. coode polaco Antono Ladislao
repetidas de p,iendo continuar no com Bando de destacamento Jasienski, que all fra em coramlssio da sociedad meato
empeohado seus deveres; e de facto aceilou-a em
fevereiro de 1862, por deferencia ao me conego j
vigario, tendo sem adjutoro de ootrem servido at
o dia de saa morte.
Anda esto na memoria de todos os servigos
qae prestou pela epidemia da febre amarella ; os
quaes foram remunranos pelo governo imperial
; com a condecorago do habito da ordem de
Consto.
Por algomas vezes ja' tem estado o Sr. padre
Costa Ribeiro no exercicio da vigararia desta fre-
guezia como seu parocho interino ; e. segundo nos
consta, S. Ex. Rvm. nao o noraeou agora sem pri-
I meiro nteirar-se da soa aptido para o bom des-
! empenho da misso, que Ihe acaba de ncarregar.
Estamos cortos qoe S. Rvm. sabera' bem corres-
ponder a esta prova de contianca, sendo disto om
ptimo antecedente a' sympathia de que gosa entre
: os seos parochiaoos, bem como a harmona qae
tem guardado com a irraandade do SS. -acra-
nio Joaquira do Espirito Santo,
- 18 -
A' ordem do Dr. delegado da capital: Braz, es-
cravo de Jos Francisco do Reg Barros, para
averiguacoes em crime de furto.
A' ordem do subdelegado de S. Jos : Sergio e
Galdino, escravo, este de Bernardo Jos Valenga e
aquelle de Francisco Jos finarle, por briga.
O cltefe da 2* secQao,
J. G, de Maquila.
Casa de uetenoao.
Movimeot" da easa de delengao Do dia 17 de fe-
vereiro de 1866.
Existiam 390, entraram 3, sabiram 3; existen)
390.
A saber :
Nacionaes 249, mnlheres 10, estraogeiros 40
mulheres 3, escravos 82, escravas 6, total 390.
Alimentados a casta dos cofres pblicos 195.
Movimento da enfermara no da 18 de fevereiro
de 1866.
Fallecen.
Manoel Amonio Esoindola.
Gommunicados
da Ia desias fortalezas o capito qoe all se acha,
visto ter se mostrada, cuidadoso no cumprimento
de. seas deveres, como declarou-meo commaadanle
d;.- armas em oficio de noolem.
Dito a Francisco Xavier da Costa Aguiar e An-
dra le. -Remello a V. S. para os flns convenientes
o oill io em original que em data da 10 do corren-
\ innova^o do contracto Cata-
brounc.
m
Tendo-nos parecido acertado interromper nossa
resposta pela razo qne demos em oosso prmeiro
artigo, continuaremos boje, pedindo anda que se
nos lea com attengo ; posque dalla depende n-
estabelecida entre nos para promover a colonisagao! Pedem-nos a publicagao do segrate : teiramente a apreciaco dos argumentos que apre-
polaca no Brasil. | Apresenugo do Illm. e Rvm. Sr. padre Fran- senlamos em opposgao ao que disse Smif* em fa-
S, Exc. teodo sido devidamente considerado pelo cisco Pelxoto Duarte para vigario da freguezia de vor da |nnova?o do contracto.
governo lmperla>, d'aste pode bbter dillerenles con- Macei. Confundindo Smith os depsitos de materias ex
segSesem ordem a camprir a mtenco dos cava-
Iheiros que organisaram aquella sociedade ; e se
bem que na corta fosse formada uma associago
le me dirigi a coramisso eocarregada do ajuste cora iguaes fins, procurando desta sorle centralisar' Macelo, capital da provincia de Alagoas
O goveroo Imperial acaba de apresentar o creroenticias, em que estas tem de passar por desin-
nosso distlpcto patricio o Illm. e Rvm. Sr. padre jeC(So dmiea, com os tanques, que sao vistos ha-
Fraucisco Peixolo Daarte, vigario da freguezia de htiti* a annnnmn i-,iv nn *is s ar.ha-
das coatas da estrada de ferro desta provincia, e a idea n'aquelle ponto, todava a iniciativa gene-
bera assira o balango e copia da acta da liquidagao rosa ser sempre devida a provincia de Pomara-
da receita e despeza da mesma estrada, correspon- baco, a qual por este facto nao flea defasa a pro-
denle ao mez Je Janeiro proxim > Ando. | mogo dos los de beneficencia e atilidade implicilos
Dito ao presidente da caixa filial do banco do no seu pensaraenio.
Brasil.Mande V. S. por a di>posigo da corarais- O corpo de cavalheiros, qoa reaoidos rmaram
sao couiposta do baro do Livramento, lenente-co- ento aijueile ncleo, deve por ceno de novo rea
rooel Antonio CarlosMe Piano Borges, Dr. Ignacio nlr-se agora para cora a presenga do Sr. conde e
Jiaqulm de Soaza Leo, capillo Luiz Cesario do da exposigo de saa incumbencia, assi
Iba.
Lonvores sejam dados por tao acenada esco
Sim, felizes os parochiaoos, qao obtiveram
to excedente pastor, porque n'elle sem dnvida
eoncorrem todos os predicados exigidos a essen-
cues para o restricto desempenho de tao ardua
misso, a qual -de outro modo, como disse Lssio,
bilualmente, e sappondo talvez qae estes se acha
I riam a descoberto em diversos pontos desta cidade,
lirou deltas argumento contra a commisso, de que
\ fez parte o Sr. Dr. Aquino, e, servindo-se dos apon-
lamentos que Ihe foram foroecidos, discorreu
vontade.
Vamos ver se Smtth tem razo para assostar-se
tanto.
Do que disseram W. Hofraan e With se deduz
arrastra o erro da doutnna, importa odeipreso \ _ne eeSj emuura empreguem o adverbio provavel-
do culto, em uma palavra tornase a verdadeira | Mfn) consideram os depsitos de materias excre-
Rego e Autonio Pires ferreira, encarregada de medidas ulteriores que devara ser tomadas, mesmo calamdade dos pobret. I menticias como focos de" infecgo, capazes de dar
agenciar subscripgao para a construegio de um porque j nos consta que o Exm. conselheiro pre-1 Eneclivamente, a intelligencia, o IHosiraijao, |Ugar a ama grande insalubridade; mas o que
asylo de invlidos da patria, a quantia que ah se sidente da provincia offareeera ao referido conde nio vulgares do Rvm. Sr. P*dre ^Francjfeo^Petxoto r8fW provar cota fac,os> porquanto os f*ctos_regs-
acha recolhiJa para o asyto dos voluntarios da pa
tria.Communieou-se a respectiva coramisso.
conde
t-rrenos nacionaes para lados da colonia militar
de. Pimenteiras, atim de eomeear ah a colonissa-
go polaca na provincia.
Dito ao director do novo baoco de Pernarabuco.
E ntese que diz o juiz de direito irmo do juiz _Mande V. S. por a disposigao da commisso com
Francisco Peixolo
Duarte ; suas apreelaveis qnalidades moraes e ci- lrados- nos aaoaes da sciencli, e a opinio dos ho
vis ; suas insinuantes maneiras, e sobre todo seo meQg raaJ3 competentes raostram qne esses deposi-
pronunciado desinteresse, sua plena dedlcagao, e o tos no ^ jnsa|a5reSj embora se urnem algumas
seu inimitavel zelo pele flel cumprimento dos de- vezes incommodos; enoCdigo administrativo dos
veres do sea venerando estado, sao lulos tao re esaoeieCuneAtos pengosos, insalubres ou tncommo-
ionio Carlos de P.nho Borges, Dr. Ignacio Joaquim \7^^vaSSi^'i^rmrS^ t?isa' comrandavels. precedentes.to honrosos. Qe n"' dos-, redig.do por Ad. Trbuchet e seguido em
iuiz mancipa e sim o prmeiro suppleote, se ha V. in,A i ,a canitao Lnii Cesario do Reg eAn-^ ,, V c 8d' i- X eesarlmente devero assegarar aos illastres p rtaca e*iB|iaa estabe ecimenlos iatetaei*
illa limitaooP eorao deludo a p^ia^drainis.raii-firp'^^^ a Provideac. oulhorgoa-lhes Sl, (os ilcommodos) p dem existir sem u
va e exclusivamente desde que entre em exer-
cieio. |jdos* da'patria na corta "do imperio,
Sfda lZt^\tS!!ik^aoUASS'a-^e para semelhante flm tem esta presidencia man- abw'a^ie"inTuaMl; 5a wTeSTnaToMii':
con be Zdo," eCmS d j^ndro^d ".866.1 ^S^T tanco.-Cmmno.cou-se a pre- t Sr%r. Alcoforado. *
ViscomU do Uruguay.-Jos Antonio PimetUaMtoma>lssi0- Lem-se e sao approvadas sera discossao as
Bueno.- Vtsconde de Jequtltnhonha. I ito ao Dr. juiz de direilo do Bonito. Teoho actas das conferencias ordinarias de 3 de novem-
Corao parece. Paco, 24 de jaueiro de 1866.- presente o oficio de li do correte em que Vmc.! bro e 13 de dezembro- alllrao.
Com a rubrica de S. M. o Imperador.- Jos Tho- me coraraunica ter pronunciado por criraede res- .PoJ|camse as segujnlepropotas quese achara
taz Nabuco de Araujo.
inva-
as quantias i
OVERHO BA PROVINCIA.
Expediente do dia 16 de fevereiro de 1866
Oficio ao Exm. presidente do Para.Remeti
incluso a V. Exc. atim de ter o conveniente destino
a guia das 13 pragas da guarda nacional, qae toa-
do virolo dei provincia, escoltando presos de
jostica, regresa* boje tw vapor Paran.
tS^ radsse (os incommodo,
eripgopara.,consirucgaodfam,as),ode. ; P^
o Sr. Dr. feriar a cadeira da presidencia como o ^ ^ ^ reeorridj ao.es Je escreverao
respeitavel sacerdote, hoje revestido de to elevado -Dtccionnatre fUwnt Publique el AMM-
caracter, em uma provincia eslranha.sem maiores, do d.s lioct o i lastrado P'^'**,,^' *e
relagdes (alera das de seu estlmavel irmo, o Illm.: Medicina de Pars, o Sr Ambr Tardieu, ei o non-
Sr. Dr. Joo FraocUco Daarte, que urabem najuel-: vesse aberto na pag. 667 do 3 yo.. enMriraria o
la mesma provincia n^ digoamenle honra a toga, segrate, que traduzimospara que neja apreciado
do magistrado arasileiro, na qaalidade de juii de por lodos os lettores
poosabilidade e como mearse nos arts. 145 e 201' sobre f mesa : do Sr. Dr. Joao Filippe di CooJia
do coligo criminal, o capilio J Ao Caplslrano Tor- Baodeira de Mello, advogado na comarea de Sobral
res Gailindo, o qaal mandando Vmc. para a cadeia, o provincia do Cear, para raerabro honorario, as-
nao qunera abl entrar por ser oficial da guarda signada pelos Srsl Drs. Faltosa Fonseca e Paria
nacional pelo que fra recolbllo preso a casa da Penoa, e do Sr. Dr. Joo Thora da Silva, asetgna
cmara dessa villa pelo $ri>deiegado de polica, jda pelos Srs. Drs. Aprlgio, Frito e^fj*';
direito da comarea de Anadia), resignando se vi
ver na doce obecundade de saa posigo, fugiodo
de todo o rebotica do atoado, principalmente poli-
tico, e abstrahlodo-se de todas essas grandes fra-
qoezas, ou frsgeis Wleidadaa a-rida sob os fofos
No ceoideraodo porm Vmc. essa prisio legal, Na forma do regiment .sao addiadas paA serem sjftrigs^a^wstfweisloi di gkrut, ^Wf*
declrame qae no s recosu a flaoga, que o dito votadas na primeira sessao. t t* rMme, i ara
caulto reaoeraa, nem a cooeeder, emqoanlo no A commisso nomeada para consultar cora sea sempre totes* teas jrfsreoe, concentrar*saa at-
se mostrar legalajente preso e recomido a ama I parecer sobre a creagSo de aatedades da re*pon- aaeataaprweipios,aapraUea coostarie dt todas

Nio hesitamos em estabelecer como facto qae
s emanagdes, que se exbalam dos depsitos de ma-
terias fecaes, nao exercem accao alguma nociva so-
bre a mude ios homtns, do mesmo modo qae a alo
exercem sobre a vegelagio.
E mais adtaote:
t k aegao das emanacSes dos depsitos de ma
terias excrementicias sobre o homem ao certa
mente naciva. Os individuos emprmalos no ser
vigo desses deposites no apresentam absolutamen-
te trago algum de molestias ou enormidades que
possam ser attrtbuidas .influencia das exhalacoes
destas materia*. Esta era a opinio formal de Pa-
rec Duchatelet, e Mr. Patissler dir oso ter ob-
servado que os fabricantes de Mrafe e de pott-
drette sejam affectados por molestias particula-
res. i
No someote o professor Ambr. Tardieu no
assira se exprime, apoiado as observagSes dos
melhores hygieoistas. A. Becquerel, em sea
Traite lementaire oceupaado-se das emaaagde*, qae procedem dos
depsitos de materias excrementicias, dix qnea
observago das molestias que reinam habitaalmen-
te em Montfaueoo e Bondy, onde sao depositadas
as materias fecaes qae procedem das la trinas do
Pars, no demonstrara nem freqoencia, nem gra-
vidada roaiores do qae as molestias qoe reinam
por outras partes, e qoe a mortalidade nio 6
maior ; t e o mesmo professor Ambr. Tardieu,
trataodo do saneameoto dos depsitos de malarias
fecaes, assim se exprime :Apressemo-nos em fa-
zer notar que a hygiene menos interessada nessa
questo do qae podara parecer primeira vista, e
qae talvez se trate antes de um tncommodo a fazer
desapparecer, do que de uma causa activa de insa-
lubridade.
J se v pois que a opinio de \V. Hofraan e de
With nao tem fundamento, e nioguem din' qae
com sapposigdes, como exprime o adverbiopro-
vavelmente, que elles erapregam, qae se des-
iroem opinioes de horaens eminentes bateadas em
fados observados sem paixo nem ioteresse Indi-
vidual ; todava compre-nos dizer qne a commis-
so, se conveio em qae fossem aproveitadas as ma-
terias excrementicias solidas, exigi qae estas pos-
sassem por completa destnfecrao chimtca, e por es-
te modo fez qae desapparecesse qualquer sopposf-
gao de insalubridade ou de iocommodo
Confundindo Smtth a palavra impraticabiUda-
de-, que empregou W. Hofmao, cem-iwprojl-
cuiiade, e no considerando que as materias, de
que elle trata, sao as extrahidas do Tamisa, depois
de levadas a esse no por meio de cauos da esgoto,
e no as que sao levadas directamente das Mataan
ao- depsitos, em qae, separada a parte liquida da
solida, passam ambas por desinfeceo, e nio por
deodorisacao, conclue com infantil precipitago qu-
as modicagoes acceitas pela commisso no sa-
(sfaziam as condigdas hygienicas, e, pelo que pare-
ce, quer que se crea qoe as materias excrementi-
cias, reduzidas a estrame, aio podem ser proflenas
agricultura, contra a opiaio de todos aquelles
que se ho oceupado desta imprtame questo ;
entretanto elle no vio, e nao vio porque no ver-
sado nestas questes, qne W. Hofman no disse,
nem poda dizer o qoe elle soppoe, porque seria ir
contra a verdade dos fados.
Do que ja temos dito, e dito firmadoem auto-
ridades reconhecidas como laes por toda a parte.-;-,
flea provado que" as materias excrementicias sao
des4 "<""" q|l"IRi"tli'nnB..Yant""""*' <"'*A**'l-
vela agricoltara, e so proenrimos prova-w aM
no deixar sem resposta assergo algaraa de Smtth,
porqoanto a commisso no receben misso para
considerar as modiflcagSes propostas pelo Sr.
Cambronoe em relacao a cultura dos campos; e,
se nisto tocou, foi unicamen e para mostrar a van-
lagem qae resallara de ser aproveitada a parte
solida das materias excrementicias, como pretenda
faze-lo o emprezario. Qualqar outro, que recua
diante de trabalho, julgana ter satisfeito o empe-
nho que voluntariamente contrahio, ja lando dito
bastante; mas propozerao-nos a refutar completa-
mente ludo quanto disse Smilh. ua inteogo de sus-
tentar os Interesses da einpreza, e por isto ainda
iremos alm, embora canceraos a paciencia dos
leitores, porquanto tratase de sustentar o crdito
scientiiico desta provincia rebaxada todos os das,
al mesmo por seus proprios filhos.
Quertrado adraiitir que Smith leve razo para
crer que se traiava para e simplesmenie da app-
cago das materias excrementicias i agricultura
exirabidas directamente dos canos de esgoto, e que
com efTailo foi sob este ponto de vista qae expri-
mile W. Hofmao, vamos mostrar-lhe qae esta'
era erro, e que W. Hofmao emitlio ama opioiao,
que se oppoe verdade dos fados.
Se SmtfA recorrer exposicao dos trabalhos
scientiticose industnaes de lS.'W.colleccionados por
L. Figuier em sua obraAnnee scwntifique et in-
dustrielle, vera' qne Mr. Uerv Mangoo, um dos
eogeoheiros fraacezes mais distioelos, e professor
da Escola de pootes e calgadas de Parir, depois de
visitar com o maior cuidado o esiabelecimeoto de
Leicester, e haver feiio ama ioteressante exposigo
das operagdes all empreadas, depois de aoalysar
ehimicameote o estrurae solido extrahido das aguas
dos canos de esgoto pelo processo de Mr. Wicks-
teed, concluio favoravelmeole, pelo que o mesmo
L. Figuier propoz que fosse ensaiado em Pars esse
processo: e vera' mais qae Mr. Herv Mangn foi
mais longa, chamando a attengo publica sobre os
recursos qae a agricultura poda tirar da awa dos
rios empregada como exlrome ; o qoe no admira,
porquanto sabido que os terrenos, sobre os quaes
os nos, em suas endientes, depositara suas lamas,
se tornam mais feriis do que antes.
Em sea commuaicado Smith proco ron no s
condemnar as moditlcagoes acceitas pela commis-
so, a que pertenceu o Sr. Dr. Aqoino, seno mos-
trar as vantagens das qae foram consignadas na In-
novago do contracto de Vi de setembro de 1868; e,
para justificar essa ionovago, disse qoeas mate-
rias se escoaro de envolta com ama grande mas-
a d'aguaj e iro ter ao ocano em ura ponto affas-
lado do porto, depois de levantadas por machinas
que as triturarao e langaro, quasi diluidas, pela
(orea da gravidade, e disse mais qaeem simi-
lhante estado no era fcil conceber se que possam
ellas ser arrastradas pelo fluxo das mares at as
margeos de nossos rios, e venham infeccionar as
aguas do Beberibe; mas ba em todo islo tanta
exagerago, qoe forgoso se torna qoe nos estenda-
mos nesta resposta.
Sendo a triturago, technicamenle fallando, a
acgo de redntir a p uma sustancia, e significan-
do o verboIrtfMrarpolverisar, reduzir a p;
est claro que, para que as materias excrementicias
solidas fiquera trituradas, preciso qae se acbem
completamente seccas; mas, tendo ellas de ir s
machinas logo depois de expellidas por meio das
dejeccoes, se no poderi conseguir esse resollado.
Assim pois, coofesse Smith, ou que essas materias
oo flearo trituradas, islo reduzidas a p petas
machinas, ou nio servio-se de termo proprio.
No seodo pesadas as-materias excrementicias so-
lidas, e tornando-se ainda menores snas partculas,
depois de divididas pelas machinas, nao iro depo-
sitarse, pelo meaos inmediatamente, no fondo do
mar, qae no est em repoaso, oara poderem set-
al rastradas, e por consequencia sero ou traaidas
pelas aguas as eocheotes das mares, ou- baldea-
das pelas ondas para o ancoradouro por cima do
arrecife; a, se islo teta de sneceder, peior sari com
o andar do tempo, em coosequeocia da accomola-
gio das materias lancadas ao mar diariamarie a no
mesmo logar.
Por mais subdivdldas qoe flqoem as partierias
das naterias excrementicias solidas, depois s pas-
sadas pelas machinas, nanea o flearo tanto qaanto
o barro diluido e levado pelas aguas das chavas
aos rto, e por estes ao mar; entretanto, como dls-
semos, dorante as endientas do Oapibaribe, nos in-
vertios pluviosos, se v Junto i costa, qoe se eslende
de Olinda i Boa-Viagem e alai, a cinta da er ama-
retlada, de que fallimos, edr devida i presencado
barro procedente dos trrenos qne tlcam proxlowe
a elle. Estando calentado, como foi dito pelo Sr.




V
%

'
*';





I
I
i u


#t. -

Dlarl* ie FcraaMlme*
.-.
i ,
x
-*--
"Dr. Aquino imh comtnaoieade uaotesso na-0r-*lWeifior do que*o # Prfh fcenr qie^li fcBdtei
3=
nal do Recife de 11 de novembro da aaaa passariu.
aia ha lalrinas poroas, motu wrcas. A raais as-
seiifla latrina, em que entran* *tn Inglaterra, fol ros por amor d'easa raaqueza ase ka
ra Somhamato, e por carta d'aui se ao deve de/ouco.
codratr que d sertijo maif liinpiraeWe eito
nessa pequea eidado do qoe es* Mares.
Qualquer que fr o systema de esgoto, que se
adoiitar entre nos, por melhoV que parega, ser
maii mal executado e entreldo 4 que e o em qoal
que? parte da Europa, e o use o das ta trines nun-
ca, oq pelo meaos dlfflcilmentr chegara aq ao
que ella em Parla Das casas burguesas; e ra-
sao que por mullos anuos (eremos de ser serv
qae as loaterias recaes de cada individuo se elevam
as pelos outro-, a 780 grara., ou libra e meia em
Tinte e qalro horas, multiplicadas essas 730 gram.
por cea* mil, a que pelq menos se atavam os habi-
tantes desta cfilude, ter-seho 75:(X)3,OOi) de gram.,
ou 463 arrobas e 10 libras, talo U6 quintaes e
i arroba de materias excrementicias solidts em ca-
da da lanfada na parle estarna do arrecife ;e
por certo esses 73:000,000 de gram. de materias
tacaee diluidas peas aguas do mar jnotJ cosa,
oceuparo extenso eipago, e por cnse |uencla se
dirigirlo para o norte e sul do orillero do cano cen-
tral, que tem de atravessar o arrecife, ora mais pa- meliier que seja o systema, por mate cuidadosa
ra ara tai* e ora mais paraootro, segundo acor* que seja a empreta, o servico sempre sera mao.
rente?, e nao podero deixar de penetrar pela bar- Abi esta a eompanhfa de gaz, entretanto nmguem
ra e atertas do arreoiKnas endientes, ou ser bal- dir que-ella preenche as coadgflea que acceitou,
deadas petas ondas poretmi dese mesmo arrecife, -era que o servico feito como o em Pars. Nis-
e vir pJr-se era contacto com as aguas do Capiba- to nmguem quer coaetderar, e lodo, levados peta
ribe e Bsberib.e, e por consequencla com o Irtorat manta da Imlwgao errfludo, sein indagaren! se es-
desta cidade; conarindo nao omittir que, pela to'?1 tamos preparadoe pira tanto, so cnidam em adoptar
dos vemos, as aguas prximas ao arrecife flcam co- aquillo que os povos mais adjuntados s tem de-
mo qae comprimidas, senao por islo;e pelas cor- pols de muitos e muitos anuos de civilisagao.
reates, que as aguas brrenlas, em vez de esienJ Tudo se quer, sem se considerar as despesas, e
rem-se pelo Umeiro, formara cinta. quasi sempre a populagao, que paga aquillo que
Sendo constante a ovacuacio das materias ex- algons desejara. De ordinario os roelboraraeulos
cremenlicias no mar airavez do arrecife, disto re- pblicos, que se procura conseguir, nao sao senao
sultar que existir consuntemente Junto a costa, pretextos para se obterem privilegios a um de se-
e era cootiguidide com o arrecife, Isthmi e praias rern traspassados com vabtgem a companbias es-
de Olinda, uma porci adagua impregnada des-as trangeiras, que os pagara bem.
materias, mesrao uurtdo sejara ellas trituradas ;i Quizeranios ser menos extenso ; mas forcoso se
e. nao passando essas materia- por desiofecoo chi- toruou mostrar a Smith que sen pnmeiro coramu-
mlca, que decornponha os principios orgnicos, a nicado, feito de pequeos periodos, se nao sentava
evaporacio dessas aguas, principalmente das que, em bases solidas, nem resista a aeaiyse. Por ve-
arreme-ssadas pelas ondas, flcarem sobre o arrecife es fomos obrigados a repisafco ; mas a isto nos
expostas aceao dos ralos solares, tornar mais levou SmUh com snas repeticoes, nao sendo elle
intenso o mao cbeiro, e o resaltado ser, que os ha- melhidloo na exposigao das queilSes.
fiiianie; desta cidade, principalmente aquelles que Teraainaodo esu resposta, estabelecemos as se-
residirera das casas que receberera direc.tmen*e gointes proposigdes, e appellarirnos para o Jalao
os. ventis lados d> mar, e as tripulaces dos na- dos himens esclarecidas e desinteressados, e para
vios surtos no aucoradouro, tero de ver-se muito o futuro:
iucomuioaados; e, se a W. H>fraau e WiUi parece 1' Que, cumpridas as modiflengoes acceitas pela
que-o liquido qoe se esca depois da deoioruagao commlsso nomeada pelo Sr. Dr. Castello Branco,
cootm urna grande quantidade da materias em a cuj iilastrs(a>j fatemos jasiiea, e consignadas
dissoluco, e qoe a materia orgaqioa nesse estado por ella em seu relatorio de 1 de juoho do anoo
possne propriedades que tornara *ua pres^nc*.uos passaio, ter se-hia ludo qmoto ora bastaote- para
riosudeosiva e projudcial-, do que &*<* lirou qoe fossem satlsfeitas as condijdss hyglemcas ; e
argtraeqio par cooemoar a evacuacao no Gapi- que essas modllli-ac5es nao iohibam que no futo-
baribe da parte liquida das materias excrementi- ro se adoptassem, aquelles melhoraraentos que a
cias mtsmo defois de desinfectada chimicamente, ciencia e experiencia aconsemassem;
como o exigiu a cornmisso, o que se deve diier, 2' Que as materias excremeuticias solidas po-
sendo essas materias solidas eii|ui-ias, lanzadas diam ser prompta e eompletanv.ine deeinfectadas
no mar, sem pasarem por precia deunfecaaa, (ea- por agentes chimicos, sem qoe d;i remoo dess
(Some nio cabe; tem-se-me accniaao par fran- aenBsfijfas de Kemp, que sao incitantes Brigue inglezSallon dem.
areawa,edeliciosas demais no seu,' Ja ^S=
E essa acensarlo toca ao nobr-a*eflaer -T per'
que sen folbeto prava de estar elle anjeita a essa
convenci tacita, apresentaodo as verdades, como
que a furto, isto dizendo s metas \bt:^ss, e
de paesagem; o que bem repugnante um a
illustragao do distinelo publicista.
O foadador do laapero ao adherir a 4adepen
dencla brasitalra proclamada desde mw^o de
1811 em Pernamanco e em todo o norte, precia
dos por escravos ou pelos daecendeatea desle. Por mo>a dtaendo aaaboivse o lempo do-enganr o* u< ^a**
horneo.
*ara sarm regeitadas. Estas pastilhas' g^JJ, Jo^rfga^x-/^'-ciihoia. e malo geoeros
fi laiffl procuradas por qoatro motivos : Brigae iafiet-Benhabacalo.
fe CQBtu mineraes ; d3o precisam depoia Escuna inglew-Orafe-ca/va^. I
m-porgante ; effectuam o que se deseja sem, Barca portngneia-Contanf Di batatas e ce-!
causar dor as criancas esli promptas a' R,|aca Degpanhoia-J*iia-charquo.
tomar nator dse do que a marcada na re- Brigue hespanhoi-llano Kuadem.
ceitl. Nnhuma m5i que j a fctnha eipe- Brigue nacional Settaidem.
rimeotad ama vez quer outro tanitoge na *|0 nacionalJ^axjriw-iieat.
..,, M, ^ (Bngoe argentino Volantedem.
A' venda por todos os
Desda esse tempo qa* ie devora teto a ver- guistas ot4mperio, e em Peratbrjo por
astacho portuguezJosidem.
pnmeiros Oro- rercanacional-JuaraAm-ldeni.
do ellas necessariamcoie de penetrar, pe.barra e
aberturas do arrecife, no Gapibaribe, misiuraudo-
se Afanas aguas, e fleando uma pule de-sas-maie-
rias exjwsta a decomposicio as margen dess* rio,
logo qoe as aguas banarem com-a vasante? Kn
tretaolo Smilh, sem querer, como disse,
ve offefider o Sr. Dr. Aquiao, elassiea
elido seu argumeoio t
Era >eu communicado disse Smifft que se os
motjres e despeja continuados as nossas praias
nao tem at boje corrompido e?*as aguas (do Cap-
baribe e Beberibe), como acreditarse que materias
emdufo/ufoo, lanzadas no ocano a to grande
distancia, se eneminoem para as margens do Be- i
beribe; entretanto nao vio elle nao s que cania
em cooir improprios, dava prova de pouco vwsado as na-
terias que discuta ; e, duendo o que nao estava
pruva-io, exagerava o que qa-rla faier crer ?
Condemnou Smith a commiss, porque esta per-
matorias, separadas das liquida, resultarse mal
alguin para a populagao desta ciJade, esoffresse a
salubriiiade publica;
3' Que a parte liquida das materias 'excremen-
ticias, depois de desinfectadas cblmicameete, polta
nem de le- ser laagada no Gapibaribe sem alterar as saas
de wt/I- aguas; podendo mesmo s lo sem passar por pro-
cesso de desinfeceo;
ia Que a parte solida dessas materias desde mui-
to lempo applicada com grande vaniagem agri-
cultura, e que no futuro se ha de reconbecer o mal
que lera de resultar de serem lanzadas no mar
sem ii.issarem por desinfectaos
5* Qoe, comparadas as modilicacoes acceitas
pela cornmisso com as que se aclara consignadas
na inoovaco do contracto de 25 de setembro de
1851, sao prefer veis aquellas a estas, que lero de
pesar muito sobre a populacho.
Ja se v pois que o Sr. r. Aqaino nio e'ereveu
sem dar-se a estudos, e que nao foi, por affligir-se
ramio que a parte liquida das materias excreraeo- com receiar que os jardins venbara a soffrer, q^ie
ticias fusse laucada ao Gapibaribe, depois de desin se propoz a impugnar a innovagao desse contracto,
fectada chimicamenle, e foodoose em opinioes mal mo desde seu principio.
encaixadas ; eoiretaulo elle mesrcto que reconhe- Depois de algum descanso, e permittiodo-o nos-
ce, que as aguas dos res, qae vem ter a esta clda- sas variadas e pesadas oceupacoes, conti
na respjsta aos outros commuoioados deSmi;
podendo porra dizer-lhe desde ja que nos fez nr
e rir muito asua descoberla, de que poucas seriara
as casas desia cidade que viriara a ter mais de um
apparelho.
10 de fevereiro de 1866.
Willtam.
de, nada tem suffridocom os despejos contiouados
de malarias excrementicias em suas praias, onde se
nao procede i desinfeccao aiguroa. Sendo a disso-
ItiQao a Uquefaco de um solido on de um gaz por
sua nnio com um liquido, esta claro que os ex-
crementos solidos, que sao iiuo/iteeis, por mais sub-
divididas que flqoein saas partculas, trituradas
mesmo, nunca podero car ditsoloidas pelas
aguas do mar ; emtante Smilk qne, nao saben-'
do distinguir dissoluco de mo coinpeteoie para discutir queeloes scientificas,
para as quaes nao est, ou esta mal preparado, ese Os q-je se preteodera estabelectr rerormadores
melle a tirar conclusoes contra'as da cornmisso, de urna sociedade, tem obrigaco de acoohecerem,
que constava de homens competentes. Tendo o e de prjfuudarem lodos os fenmenos sociaes para
cano centrjl de esgoto da abrirse logo depois que de>tinguirem os effeilos das causa*,
atravessar o arrecife, e Meando este a pequea luda taem o dever de coubeCerera todas as rre-
distaacia desta cidade, obyio que as materias ex- cessidadee sociaes a que curapre prover; alias
Recife 16 de fevereiro de 18G6.
i 'iituuiicias nao ser.io Uocadas no ocano a to
grande distancia, como pretende iaz JQltf il il* A i, i, i. .-. aA r- > fc -i-----*tacGli*--"- a n. BA
induoi;avel qus as materias excrementicias, qne
torera sahmdo desse cano central, iro sendo ou
atiradas sobre o arrecife, ou trazldas pelas aguas
do mar peta barra, barreta, Afogcdos e abortas des-
se arrecife, e penetrarao no Ca]j>ibaribe e Beberi
be; e dah se Jeduz que SmUk exigerou a distan-
cia para evitar a objeccan, que Ibe opporiain aquel-
les que o ies*em.
nunca ahiro dos expedientes,
gg.rtiaUCUIt.
'cdiifuao entrn entre nos, desde que
agiiago sera
os ho-
roeos oteupparam o lugar das ideas; si querem
que essa coofusodesapparega,poohameada cousa
no seu lugar.
E sobre tudo cumpre entrar no exame com
franqueza e lealdade; pois que nao cenvm cooti-
nu.-r essa dansa macabrea, que lem estragado ludo,
horneas e cousas.
O nobre aulor do imperialismo e a caria come-
commercio nesta cidade de S. Sebastian do Rio
de Janeiro por S. M. Imperta
guarde etc.
Certifico que revendo os autos de revista enlre
partes como recorr.entes os administradores da
raassa fallida de Amorim. Fragoso, Santos e recorridos James Crabtree & C, nelles as folhas
53 encontr! o acordo em tribunal queme foi
apaohado e pedido por certido, e do theor
-eguinte:
Vistos expostos e relatados estes autos de revista
eotre partes como recorreotes os administradores
da mesma massa fallida de Amorim, Fragoso,
Santos & <,. e recorridos James Crabtree & C. e
julgando de novo na forma da le mo-tra-se padi-
rem os autores ora recorridos a annullaca das
repetidas (ransaedes ha vidas ealre elle eos reos
ora re orrentes e serem estes con egointemeoie
condemnados a enlrefrarem a elles autrire* como
credores previl-gialos o saldo integral de vinle e
sete cootos novecentos e cincoenta e cinco mil e
cioeoenta e qoatro ris ero cooformnlade do dis-
poslo no arl. 882 do cdigo do commercio e mais
cuelas.
Para Isso allegara que sendo Thomaz de
Aquino Fonseca Jnior e Jos Jeronymo Minteiro
nomeados administradores da massa fallida da
sociedade em commaudita A orira, Fragoso, San-
tos & C, como mosirava o doeumenio a folhas 7,
lornaram se pessoas legitimas para fallaren) na
aegao ordinaria intentada; e elles autores eram
credores do saldo pedido por isso que teudo-se
constituidos taes em 8, 9,10, 17 de m lio e 3 de
jiinho de 1862 por letras descontadas da firma
fallida na quantia de rs. 97:0720031 inclusive
rs. 1960750 de juros confeaoadas e admillidas pelos
reos, receberam de 7 de maio a 11 de janho do
mesmo anno a importancia de rs. 68:1160996,
como ludo comprovava o documento de folhas 8 a
folhas 10, e aconteceodo ter sido aborta a fallencia
da dita firma em 18 de junho de 1862 a datar do
dia 16 conforme se va do documento de folhas
11, as sobreditas transares que se effectuaram de
maio a junho se achavam comprehendidas na <)is-
posieao do art. 129 5' do cdigo do comtwrcio
em razo de aleancarem os 40 das anteriores a
poca legal da fallencia o dia 7 de malo e por
conseguinte eram nullas de p'eno direilo (arts. 684
| I, e 686 V do regulamento n. 737.)
As trnsateos anda erara nullas p*la preseoa
do dolo nos termos dos arls. 129 4 e 8-8 do ci-
tado cdigo, tendo sido feito o ultimo reeebimento
de rs. 40:7880660 em 3 de jnnbo de 1863 qoando
a tirma j estava em manifest estado de fallencia
e lano asslm qne esta Ihe fra aberta iSdias
depois, como tudo se depreheodia dos documentos
rtA.fnlhM II. _. i.
Os reos contftnaodo Pm-nT-BafS flnai J-'"
dem se allegando que com quaoto era PWoambu
co se tenha sempre jugado pela nojrldaiK d*s
traosaeftes fettas nos 40 das anterlore' a deevara
qIo de qnebra esta jurisprudencia nao poda dei-
xar de ser modificada, nao s porqae o citado
arl. 129 5 limitado pelo arl. 827 como resulta
combinacao de ambos os arligos, do arl. 165 do
regulamenlo o. 738 de 23 de novembro de 1830,
no qual o legislador brasileiro expressamente de
clara a sua inteoco e dos principios da herme
neulica segundo as quaes, na execugao da lei
devem-se combinar suas disposigoas para que
sojam de vi Jmenlo applcadas, e deve-se entender
a lei de modo que nao se d absurdo, mas tambera
porque nao ha cdigo algum de paiz civilizado ou
comraercialisia que admita uma tal jurispru-
dencia.
Se o principio e base que determina a nullldade
pleno jure das transarles que forem taitas dentro de
nm certo praso e relativas a certos e determinados
actos, o beneficio da au-sa, nao se. pode admiltir
que os interesses Individuaos sejam mais protegidos
que os da massa que sao conectivos e regatados
pelos principios de ordem publica e da proteccao
devida ao commercio, como doutrina de todos os
commercialistas.
Em todo o caso porm nao se pode julgar pelo
previlegio, que se pretende, por nao ser autorisado
por lei e os previlegios sao Stricti nris.
Isso posto, examinados os documentos de folhas
7 a folbas 12 apreciando devidamente o mais do
processo e a discossao havlda at a ultima instan-
cia e estando a toda a luz verificado que os auto-
res pedem o saldo que Ibes devido, s e nica-
mente pelo tacto provado de terem realisado den-
nos ; e isto que a mim tem sido contestado por: tro dos 40 das anteriores a poca legal da qnebra
todos quintos alternativamente tem estado en-1 da Arma Amorim Fragoso, Santos k C, as men-
volvidus na gerencia dos negocios, quer na al- donadas irensaede?, das quaes resalta o mesmo
ta admioislrago, quer na administracao subal- saldo, sendo contraprocedente o allegado acerca
terna. I do recebimeoto dos 45:7880180 em 3 de junbo de
Quando os que teem servido ao imperio vm fa- 1862, tornase evidente a improcedencia de nm tal
zer-lhe semelhanlo exigencia ao mesmo lempo adir- pedido, por quanto referlndo-se o art. 129 5 ao
accuinulacao, nao fosse mam dous tactos abaso do poder, subserviencia art. 827 maniesla-se que a dispoilcao daquelle
mcommodo via)ar-se por dos seos agentes. art. 129 5 deve ser entendida de combinacao
elle,,ese por bm e principalmente em algunsquar- Ea poda dizer affirmam duas verdades; mas cora a deste art. 827; e pois os contratos fulmi-
teiroes daquelia Hnmensa cidade se nao desouvol- nao met lim tirar conclusoes, e somonte estabe-1 nados de nnHidades de pleno dlreito, pelo tacto de
vessem febres, que furam aitnbuidao pelo rumor leeer principios; e d'ellas a ineroravel lgica dos! serem effeituados nos 40 das precedentes a poca
publico, como o disse a Metropolitan Sanitary Com- faetos frfara a cada um a tirar todas as conclusoes: legal da quebra, sao somante as hypoibecas e os
missio.% que leve de oceupar-se dessa querlao, as contidas eos principios. pagamenDs anticipados, e taso smeole em benefl-
eraanacoes miasmticas procedemos das aguas do Diz-se, que qaanda o governo arrojou sebre ci da massa em razo de ordem publica e protec-
famisn altamente impregnadas de materias excre- oesiraogeiro a nacao nao foi urna nacao de es- ci devida ao commeici em geral.
raenucias. Entretanto, quando por unto lempo se cravos; mas nma najo de homens livres,! O art. 165 do regulamento n. 738 bastante
despreiiou na capital da Uiam-Breunha uma ques- qae depois de combater pela sua honra contra o, explcito a respeito do contraria o legislador deter-
tao de lao grande importancia hygienica, em Pars estrangeiro, lem o direito de defende-la denlro do [ minado que se flzesse apenas orna relacao de todos
desde muito homens eminentes traaara erapreben- paiz, guardando os sens foros, reclamando o leal os contratos contrahidos pelo commercianse fallido
di do serios estudos, figurando era primeira linha cumpnmento da sua constitulcao. denlro dos 40 dias anteriores a-declaraoao da
Parent Dochatelet,e baviam chegado a satisfacto/ N5o pode ser mais clara a ameaca. quebra. w-.- a i
ros reraiudos ;e em parte algum. do mundo essa E esta alflrmacao do autor do imperialismo it Alm disso a inteiligancia ccntrartaVdbutrina
questao tero indo nem mais, nem lio estodada ainda prova do que propalam as tacles, isto apiesenlada peca-aria nao s contra o princi-
ica. Assim pois, coolundar as coasas, que roister ameacar e aterrar o Imperador para pi: in tota jure genat per speciem derogatur et
e nao d'elle conseguir algnma cousa. I illum potissimum habetur quod adspeciem directum
Todos sabem qoe eu nao gosto d'estes melos In-, est. (LBODde rejM jur); mas tambera
directos, um todo franqueza, franqueza sel- contra a regra sabida nao dever se dar as leis in-
vagem, e sempre e em tudo perfeita lealdade. tblligencia de que resalte absurdo e com efleito
Assim, quanto a mim devera o nobre escriptor querer-se isoUr o art. 129, | 5o do art 827,
comecar por sua conflssao, e protestar o seu arre- dar-se-iam absurdos e inconvenientes qne nanea'
peodimento ; porque, si verdade que a consll- podlam tersido da mente do legislador e entre
para poderem emillir acerca deilas ujizo seguro e tuico nao tem sido executada, um dos infractores outros ou os interesses individuaes fleartam mata
esclanicido, e por isto nao admira qne alguns pro- ha sido o elegante autor do imperialismo. beneHciados do que os da massa, que sao collecti-
tenda m que do systema de esgoto, empregado Nao meu Um questionar agora sobre formas' vos e de ordem publica ou o art. 827 tornarse ia
em Londres, qae depende o asseio das lalrinas das de governo, e por isso nao examinarel si diffl- Innaplicavel pela geoeralidade do art. 129 5 que
casas flossa cidade, e que esie systmna melbor do oilje perigorosa a tarefa de coostitalr-se um povo nenhuaia diflurenca esta leve .sobre a especie ou
que o"qpe. se emprega em Par. Do ordinario esses sob a forma republicana, todava nao posso naturezados contratos.
viajantss se demorara poucos dias era Londres, e, consentir na afflrraaco de que no Brasil se aliou O que todo visto o mais dos satos e disposiedes
como c uasi todes tem a mana de passar por pes- a ordem e a establlidade, qae a realeza proroetle, de direilo julgam improcedente a ac^ao intentada
s botis -. entretan- com as iostituicSes liberaes e democrticas pota pelos autores recorridos e os condemnam as
Na inlenco de defender a innovaco do contrac- ca sea interessante irabalbo com a segoinle afflr
t) de Uj de set'-rabro de 1838 feta "sob condigoes
desva iji-^i- tiara a populagao, anda disse Smitk
quei m de leve se poder increpar o Ilustrad o
administra lor desta provincia de nma falta lio
grosseira. S. Etc. linha diante de separa eseolher
e adoptar na novacaode contracto de limpera.doue
systemas de esgoto, ambos desconhecidos no paix,
ambos t-xperiiaenlados fra d'aqui. Pelo primeiro
desses -ystemasas materias liquidas escoadaseram
lancadas nos rios; as solidas deodtrisadas, remov.-
das e aproveitadat. Pelo segando, essas materias
eram tuUimente levadas ao ocano,- podendo se
roaiiva. ET tempn de cumprir a constitttirao.
Esto assim a dar provas da verdade. Com
que temos nos os demcratas acusado a adrainis-
iraciio. A consiituiQao (em sido letra mora, e
certo nao por culpa do povo, e certo nao por eulpa
dos demcratas, que nunca foram chamados a di-
reccao dos pblicos negocios.
Querem cumprir a constiloigo I.... Oque
resultar de seu cumprimento T Abi que est
a qiir-O.
Uuas afflrmativas teem sabido dos dous grupos
que se despnlam o poder entre nos, quando suas
aproveiur lao .rnente a parte liqod, se fosse isto ambieoes sao malogradas.
conveuieuie. S. Bxc. pfeerioo segundo systema-; Ura aOlrmou qoe este imperio era um cadver
entreliinloa commlsso, que se aeoeunas mesraas coberto com ora mani cor de sangue.
condigoes, leudo as re.-tnccoes que Ihe foram im-
postas pela presidencia, censurada por Smilk por
ter couviodu em algomas das modilicacoes propos-
ts pelo Sr. Cambrooae a seu contracto.
Os resultados, a que se tem chegado em Ingla-
terra uestes ltimos anoos, nao sao frucio de estu-
Outro proclamou queeste rgimen era a anar-
chia orgaoisada.
Assim as agru.-soes contra a suaco do paiz,
paniodo sempre das ambieoes iudividoaes, nunca
encootravam paradeiro ; porque nada mais desar-
razoado do qne o egosmo, quando srdido, nada
dose observacSes que tivessem principio en* dala mais exigente do que a barriga, quando o indi vi
remota. Por muito lempo as materias excrementi- do quer balangar se n'uma rede, contando com
cias (oram levadas directamente das lalrinas de o orcamealo do eslado, cora a lisia civil.
Londros,-que as dBo tibha em numero sufflcien Ora, o lempo de cumprir a constituidlo qoer
te, ao Tamisa por meio de canos de esgoio, don- dizer q^e ella nao lem tido camprmenlo entre
de tam exirabir a parte solida para ser vendida,
como ostrurae, aos agricultores, companhias que
para este (ira se organisarara, emprt gando nisto sys-
temas diversos, mais ou meos dispendiosos, que
nao'eram com|>easaJos pelos lucros pecuniarios; e
talvet tinda hoje continoasse a fazer-se do mesmo
modo o esgoto deesas materias nitqaelle rio, se o
mao cbeiro, resaludo da
em augmento, tornando
dado se rebuco; roas por convenci nio tacita
atis expressa daa.faccOes se tem dito a mentira
sem rebujo acceito o convite que os fez o gene-
roso escriptorpara deseobrtr sem reservas, e
sem recrimlnaeoes injustas toda a verdade; e islo
o faco tanto mais sattsfeilo, quanto o paiz sabe que
nunca menti
Deixaodo a lico sobre os verdadeiros principios
do governo representativo para mais ao deante, no
seguinte artigo apressarei o 3.* sobre o rgimen
representativo; e igualmente o 4.* sobre a omni-
pontencia da corda; protestando desde j que, si a
cor i est omnipotente, nao este tacto do Impe-
rador, mas das facedes, cada ama das quaes se
despata a primasia em submetter-se aquello d'onde
partera todas aa graoas.
Dr. Antonio Bornes ia Fonseca.
Publicares a pedido
Caors & Barbosa e J. da Braw A C.
0- juta cwisgarie das larras pailitas aa praviacia
da Paralaba id Noel e Sr. Dr. a'raacisea
Lucas de Souza Rangel.
Em caria que me foi dirigida pelo Sr. Dr. Fran-
cisco Lucas de Souza Rangel, advogado no foro do I
Brigue liaujverianoStethentonfirinha de trigo.
1 prtanlo.
Polaca argentina Montevideo, entrada de Buenos-
Ayres, consignada a Amorim botaos, manifesioa o
seguinte :
4,000 quintaes hespanhes de earne, 50 couros
vaceuns seceos e 3,000 macos de palha ; aos mes-
los.
Sumaca argentina, Nova Nimpha del Piafa, en
M
Recife, datada de 4 do crrante e publicada no lrada de Paysaod, consignada a fereira & Car-
peridico Americano, provcame S. S. para discu- neiro, manifestou o segrate :
lir peta imprensa a iegalidade e juslica com que i 3'100 quintaes hespanhes de carne secca,
proced as demarcacoes do patrimonio da capella coaros de poliro ; aos mesmos.
dos Prazeres, Gurugy etc., na freguena da Jacoca I Drigue nacional kielaide, entrado do Rio de Ja
desta proviocia. ne,ro' consignado a J. J. Goncalves Beltro, mam
Convidando-rae essa discussao q Sr. Dr. Ran- feslou seguinte -
gel aproveita o ensejo para repetir no comeco de
sua carta, sera precisar tacto algum, e em termos
maio ou menos vagos, odiosas iasiouacoee e calum-
nias qae di?. S. S., ter oavido a diversas pessoas,
durante sua estada na Parahyha no mez da Janeiro
prximo indo, como aecussees que me eram fe-
Felicln Veriain RrandSn servpntiiarin viulicn de ,as' e 1ue Pr uma natavel coiadeocia s vierara l. Barrica unta de escrever, 1 canot
irado f^to^^ZStor***! de pabhc.ddre tomaram corpo nos ltimos dias de jaeaaea malta em talha 1 caixaott|
le^afe^gmosVfflLmo^ Jg:- -.adan^a caita., nao obstante o; jotes cigarros, 285 rollo* fumo, 1,715 s
grande numero de demarcaeSes qoe tenho execu-
Gneros estrangelros.
8 cajxas marmore e lonca, nm pilao de marmo-
re com mao de madeira, i'J5 volumes barricas va-
zias, I catxote chapeos, 5 fardos fio, 1,100 fras-
queras genebra ; a ordem,.
Geoeros naclonaes.
1 barrica Unta de escrever, 2 canoes charutos,
tabaco, 2 cal
saceos cal;

a n7rn Deas I ado em um periodo de mais'de 13 mezes, em que | Barca portugueu Seguranga, viuda do Porto,
4 i funceiono aqu oa qoatldade de juiz comraissarlo mmm seguinte :
da-trras publicas I Alhos, 157 caoastras a A. J. dos Santos Anarade;
Pesa-me que o Sr.' Dr. Rangel quizesse ocenpar-se LJRaiMlM da Rucha ; 235-a A. Lopes Braga
comigo que o nao cooheco e que sao tenho obriga- *i *0 a L F d Araujo GuiraaraS; 44 a K. bue-
ec da dar-lhe eaplicaces sobre os ma* actos. es d Araujo; 20 a J. Oomingues Pereira. Arbus-
Alnl de nao me-restar lempo para sustentar vaeo#, 2 cams a Cunha Irmaos & C. Arcos
imitis e vas discussoes pelos jornaes, poderosas d a A. L. d
raides me tazea regeitar qoe S. S. encetoa pelo
Amerusano.
Come jaiz, deeide os pleito* que se referem
minha cornmisso ; fago as deraarc.agdes segundo
e ir oliscar esclareclmentos em Inglaterra,
em Fringa, soppor qae nestas materias os iogle-
zes esli mais adlantados do que os franeezes:
dar prova de que se ignora o que existe escripto.
Osjirasiielros, que.viajara e s viajara por dis-
traeco pela Europa, em seus pasteras nao se do
a serias iBvesligaces a respeito de certas cousas.
to qne, teodo de deraorar-se oratu> mais em Parta,' qae contra ella esta a primeira afflrmacao de
nfirntlA na nriiarar na r-at.tm nAin hiiHpa* n a. ^_________*_ ... ... _
emendo ser de fustiga e conforme os litlos que
examino e as leis reguladoras da materia. Meus
actos esto sujeitos aprovaeao do governo, para
qoem (lea livre s partes o di re lo de reeorrerem,
caso se jolguom prejudicadag. A' elle smtote
qae devo prestar coutas de mea comporlamenlo.
No longo periodo em que teolio exernido o lugar
que actualmente oceupo nesta provincia e em que
o exerci na do Cear, ainda nao puz o menor obs-
tculo qnera secenslderasse offondldo por roinhas
decisoes para usar dos recursos que as leis per-
mittem.
2tiOa. J. da Silva Loyo & C.; 100 a M. Ferreira
Bariholo; 319 a A. Lopes Braga & C. Axeite, 5/5
a J. Domingues Pereira. Azeitonas, 50 ancoretas
aBrazAC. Batatas, 30 calxas a J. Domingues
Pereira. Calgado, 1 cana a i. Monteiro da Cruz.
DiUt.e peotes, 5 caias a M. J. da Silva Felgueira.
Capachos, 5 fardos a J. d'Azevedo Maia e Silva;
1 a J. Monteiro da Cruz. Carne de porco, 22 bar-
ris a F. Guedes d'Araujo; 1 calxa a M. J. Goncal-
ves da Fonte ; 1 tata a Prente Viaana & C.; 1 a
J. B. Braga. Castannas, 3 barris a J. A. da Costa
Sequeira ; 30 barris a J.Domingues Pereira. Ce-
bolas, 32 eaixas ao dito ; 20 a i. Teixeira da Ro-
cha ; 1 a Prente Vianna & C Coxins, 1 caixa
aos ditos. Feijo, 261 saceos a F. Guedes d'Arau-
jo; 30 a Thomaz F. da Cunha; 50 a A. L. d'Oll
a A.
Todos os meus actos sao pblicos e cooso dos vera Azevedo &.C.; 5J. a J. de Mello Costa Ol-
respectivos procesos | veira ; 20 a J. A. da Costa sequeira ; 100 a M
e nem dove discoti los pelos Duarta Rodrigues; 100 a D. Alves Maibeus; 1'
a J. J. Gongalves Beltro ;
pois,
Nao preciso,
jornaes.
Se o Sr. Dr. Rangel, como patrono de sea irmo,
ulga-se pre]odieado pelas demareae5es dos Prazeres
e Gurugy, use de sea dlreito, segando Ihe convier,
nada tenho ver com isto.
140 a J. Marcelliao da
Rosa & Fimos ; 110 a C. G Brecbenfeld ; 100 a J.
Mara Palaieira ; 1 a Parete Vianna & C.; 2 a Pe-
dro Tinoco. Ferragens, 113 volumes a Thomaz
Fernandes da Cunha ; 10 a J. da Silva Loyo & C ;
goveroo,' nico poder oorooetente para avallar o; l mea proeedimeoto, na qualRtade de jaiz commiss- de l nho, l caixa a J. Monteiro da l ux. acta, i
rio das trras publicas.
A' S. S. nenharaa satisfago tenho a dar.
Alm disso, nao posso discutir cora o
Rangel:entre nos exhte a barreira que separa o
olleodido do aggressor injusto e traieoero.
Durante a estada de S. S. nesta provincia, irro-
garam-se-me injurias e calumnias pelas folbs
publicas, por causa das demarcacoes alludidas, as
quaes, segando o lestemonho de pessoas insuspei-
tas e geralmente se assegnra, partiram da penna
de S. S.
.\ao tendo podido consegnir que o verdadeiro
aulor dessas calumnias, viesse perante os tnbu-
naes, visto que furtoo-se indignamente responsa-
bilidade do que esereveu, e continuando apesar
sua auloria sobre o 8r. Dr. Rangel, vejo rae obriga-
do cinsidera-lo em um terreno de que a digol-
dade e bro de pessoas que presara sua repuiagao
rae prohibem de aproximar.
17m quan' s "A oesnzer as provas qne
gigo a M. Lopes Guimares. Hervas mediemaes e
Qos, 5 volumes a A. J. de Faria Lima. Linha, 1
Sr. Dr. caixa a F. Gongalves Ribeiro; 2 a J. d'Azevedo
Maia e Silva ; 1 a A. Lopes Braga & C. ; 1 a J.
Monteiro da Cruz. Dita e pentes, 5 caixa a Thomaz
F. da Cunha. Linba de barqalnha, 1 f. nio a J. F.
d'Araujo Guimares. Louga, 4 cauasa M. J Dan-
tas. Milbo, 200 saceos a Tasso Irmo. Mobilia,
72 cadeiras de pao preto e oleo, a J. Vieira de
Barros. Obras de palheta, l caixa a J. J. Ribeiro
Guimares. obras de prata, 1 caixa a M. J. da C
Pono. Palitos, 1 caixa a 1. Papel, & 1 caixa a
C. I. & C. Pedras de tageado, 302 a M. J. D. Pe-
dras de loisa, 6 volumes ao dito. Pedra marmore,
2 eaixas a C. Irmaos A C. Pentes, l cunhete a I.
L. Gongalves Ferreira & C.; la Thomaz F. da
Cunha; 3 a A. i/ipes Braga & C. Pomada, 70 cu
nhetes a M. J. Ramos Silva & Gearo ; 184 a Tho
maz F. da Cunha ; 20 a J. d'Azevedo Maia & Silva;
>; a F. Guedes d'Araujo; 20 a Cunha Irmaos &C;
caixa a M.
e,xistem de qne o meu injusto e violento aggres-; 10 a J. uomingoes Pereira. Retruz, 1 caixa a.
sor, on rto se apresentar assoraindo a responssM-, i. Ribeiro: i a J. de azevedo Maia e SHva.^ lio-
lidade legal daquelles escrlptos, nao devo eolio-; Ibas, 15 saceos a Antonio L. Braga & U ; o a i.
car-rae em posicio que, ante os olhos do publico,
nos equipare e assemelhe.
A minha digoldade propria, a minha educago e
o respeito pelo cargo que exergo vedam-me s'eme
Ihante procedimenlo.
Vejo em S. S., atiento o que publico nesta
cidade, o aggressor de minha repuiagao, como par-
ticular e como fooccicnario, e aggressor que, com-
mettendo a offen-a, esconde-se por detraz de um
miseravel, fogindo de sustentar seus actos.
Nao posso e nao devo, prtanlo, entrar era dis-
cussao, propria de cavalheiro?, com o Sr. Dr.
Rangel.
E' o que tenho a responder carta, firmada
pelo Sr. Dr. Francisco Lucas de Souza Rangel, pu-
blicada no Americano de 10 do crrante.
Parahyba, 13 de fevereiro de 1866.
Antonio Goncalves da Justa Araujo.
..... i a n1
Agradeclmento.
Extremamente peoborado pelas lisonjeiras ex-
pressdes cora qoe eu e meu irruao, o capito
Saturnino Jos da Silva, fomos tratados no com mu
nicado inserido neste Diario a 26 de dezerabro do
anoo passado, sob a assignatura de um grande
nacional, aprego-roe a significar ao sea autor os
protestos do meu sincero. e eterno reconheci-
nento.
E' certo que nao fomos ndifterenles a causa da
patria, e que pessarosos corremos ao seu reclamo,
promovendo, quaoto em nos coobe, o alistamento
de voluntarios e a remessa de guardas naclonaes
designados; mas consideramos este nosso acto
como um cumprimento do dever de coosidados, e
como nica recompensa desejamos o desaggravo
da honra nacional ultrajada.
Os nossos servicos nesta localidade sao de nouco
valor, mas estarlo sempre disposigao do paiz e do
goveroo que defeode a causa desle.
Cabrob, 23 de Janeiro de 1866.
Pedro Eufrasio da Silva.
COMMERCIO
. cosas,
porque os prazeres os retem, nem sempre se bos- que seoio tem caroprido a constituigo. Rio de Janeiro, 14 de dezerabro de 1865. Coito
pedara nos melhores, -vistoqne as iespesa* se tor-' Estamos conslituidos desde 1826, de quando presidente, Meoezes, Bueno, Leal, Goncalves Re-
nariam pesadas, e Ibes preciso roapar o diohel- funecionou o poder legislativo, e s a anarctiia tetn drlgues Silva, Lisboa.
ro mdlspensav;l para omras necessidade?. Nos sido al boje estavel. Nada mais se cootinba no dito e mencionado
boas tioteta do Londres o servigo das latrloas j a lico oortanto do 2. do imperialismo am aecordSo, de qoe fielmente flz e extrahi a present?
relio aisladamente; mas nao sestipponha que na- specimen de simulagao propria dos systemas mis- certldio, qoe confer e por achar exacta e confor-
quella capital nao ha atrlnas porcas, e que em Pa- te?, simolacio qae ostenta o digno publicista na me subscrevo e assigno.
rls se nao encomram tatrinas multo asseadas. Em j seguinte prnposigo. Dada e passada nos 19 dias do mez de dezembro
Loodresna,a reapaitode latrtnas, a mesani-dioV a ordem publica e a ODidade nacional vare- do nasclmento de fvosso Senbor Jesas Chrlsto de
renga entre as dos grandes e pequeos hotel,' Cem consolidadas. 1865 nesta muito leal e heroica cidade de S Se-
^"'y? ?'" eotre ** ,*f,l d0, t<2^'?'/,oa I Si t o heroico berdeiro da amiga motiarchia por-; bastio do Rio de Janeiro.
<"_<" e ta-; togaeza podo altar a orden) e a establlidade que a Eo Pihcio Veriato Brando qne o subscrevo e
realeta prometta com as iajlitai;8es lil eraos e de- assigno.
mdeitto.
Uma cosa coneorre para que, o servico
das latinas se faca mais liropamenle em Londres
do qoe em Parts ; mas neta te nio considera, on
se nao quer considerar. 0 povo Ingles geral-
medie fallando, mais asseiido do qae o francez, e
em Inglaterra ie cmda mata ao confortable do qoe
em Franca ; mas d'ahi se nio deduza qae o syste-
ma de etgoto idoptado oltlraamen ;e em Londres
1-se da consolldago da
pcfqae sega ado o digno
mocraticas como doj
ordem publica?
'' Bsne naiia disto
publicista afirma :
< A verdade todos a sentem, mas jarece qae
par convensiio tacita, todos a ttleam, ot's de pas-
agem, e cono qae a furto a eftram.
pesar de miaba nlhllldade, a acca-
Asfgnado,
FWcio Veriato Brando.
PRACA DO RECIFE.
Cotaces oCflclaes.
19 de fevereiro.
As 3 1|2 horas da tarde.
Algodo de Peroambuco 1" sorte i7$000 por
arroba,
uescomos120t0 ao anno.
oubourcq Jnior,
Presidente.
I Silveira
Secretario.
Moto banco de Pernan
i -. buco.
O Novo Banco descoma letras a 12 por cenlo
ao anno, toma dinheiro a praso fixo oa em coma
porrente pelo premio e condiges qoe se conven
clonar, e saca sobre a pracn da Babia
Cala filial do banco do Brasil
em Pernambnco.
I De ordem da directora se faz palico qae o
Ibesoreiro desta cala se acba auorisado a pagar
dividendo do semeste iodo em 31 de dezembro
prximo passado, na razo de 124000 por aeco.
Caixa filial do banco do Brasil 15 de Janeiro
de 1866.
O guarda-Iivros,
Ignacio Nones Crrela.
aLPANDEQa.
Seodlmenio do da 1 a 17...... 330:7484248
dem do dia 19.
MOVIMENTO DAALPAD
Volumes entrados con aiendas....
t com geoer
37:841*346
3S8:Mtm
Volames sabidos cem ftiendas.,
c com gneros..
61
-------739
Descarregam boje SO de fevereiro.
________larca mglea^JiitpifBddr ftrlnlia e fareto fa-
(^ianCMatonneotadaB por vernos poda reBo.
ser alliviadas coa utta s d03e de pastjng Brlgae ingletJames Sfuarf-bacalhio.
Domingues Pereira. Tecldos de linho, 3 eaixas a
Andrade & Reg. Varios arugos, 1 calxa a J. de
Azevedo Maia e Silva ; 1 volume a R. Pinto Mo-
reira. Vassoiras, 2 amarras a J. Domingues Pe-
reira. Vasos de louga, 6 eaixas a SI. J. Gongalves
da Fonte. Ditos e pinhas de louga, 13 eaixas a J.
A. Pereira & Sobrinho.
Brigue portuguez Umao, vmdo do Porto, ma-
nifesiou o segrate:
Alhos 50 canaslras a J. Marlins da Silva, 18, a J
J. Gongalves Beltro; 200, a U. Duarte Rodrigues;
100, a A. Lopes Braga & C.; 32, a Tnomaz F. da
Cunta. Arcos de pau 40 rodas, a J. A. da Cosa Si.
queira. Arreos etc. 1 caixa, a A. Lipes Braga & C-
Azulejos, 30 eaixas a Duarte Pereira & C. Batatas,
27 eaixas a M. Duarte Rodrigues. Cabos do cairo,
5 pipas a ordem. Capachos, 3 fardos a F. J. Aives
Guimares; 14 volumes a A. Loaos Braga & G,
Carne de porco; 20 barris os ditos ; 1 a M. F. de
Azevedo I.; 4 eaixas a J. L. F. Ribeiro; i a I. P.
de Melrelles; 1 lata a D. R de Andrade. Casta-
nhas, 30 barricas a T. de Aquino Fonseca & C Co
xras, 1 caixa a F. J. Alves Guimares. Ditos, linha
toalhas etc., 3 eaixas a A, Lopes Braga & O Doce,
1 cana, a J. P. da Cunha j Filhos; I H. Ber-
nardes de Oliveira; 1 a A J. Aniunes Guimares.
Feijo, 41 saccas a D. Rodrigues de Andrade; 94
a M. J. Gongaives da Foute; 100 a J. J. Gonralves
Beltro; 23 a Tj de Aquino Fonseca & C ; 30 a A.
L. de Oliveira Azevedo & C.; 35 a J. Marlias de
Barros. Ferragens, 20 barris e 10 cunhetes a Tho-
maz F. da Cunha; 6 eaixas a A. V. da Silva Bar-
roca. Ditas e pentes, 1 caixa a G. A. Vieira Guima
raes. Imagens, 1 caixa a J. J. Gongalves Beltro;
1 a J. P. da Cunha & F. Obras de prata, 1 caixa
a ST. da Silva Santos. Obras de vimes, 79 volumes
a A. J. dos Santos Andrade -, 4 a Thomaz F. da C.
Ornamentos de damasco, I caixa a M. de Azevedo
Andrade. Palitos, 3 calxas, a F. J. Alves Guima-
res. Pedras, 2122 ao barao do Livramenio. Pi-
nhas de loica e milbo, 24 barricas a duarte Perei-
ra & C. Pomada, 36 eonheies a Thomaz P. da Cu-
nha ; 40 a M. J. Ramos Silva & Genro. Varios g-
neros. 1 cixa a J. L. Ferreira Ribeiro. Vimes, 200
Hacas aT. de Aqaino Fonseca & C. Vinagre, 5
baris a F. G. de Haitos Jnior. Vinho, 30 barris
e 160 eaixas a T, de Aqnloo Fonseca & C.; 30 bar-
ris e 30 eaixas a Cunha Irmaos & C; 10 barris
a J. P. da C & Filhos; 3 barris a Joaqulm P. Lo-
pes; 30 c.ixas a Marques B. & C; 13 a J. t. Reid;
1 caixa com ama commoda a T. de Aquiao Fonse-
ca & C.; 1 caixa contendo vdros com elixir a M.
de Azevedo Andrade.
flECEBEDORIA DE-RENDAS INTERNAS GE-
RAES DE PERNAMUUCO.
Baptrsta Baltaco, equipagem 8, carga 3,100 quin-
n U!f *MWftf de Carne;a Carneiro Pereira &C.
Cita de lma^ dra*, gafara infrien Kertch,de
|^3dloslatM|eaptio^. RarooU*, aqoiegera
25, carga guano vaisiet Frere4C. : veta re-
frescar e-segom par Nante.
Navio sabido no mesmo dia.
Liverpoolbrigoa noruegueuse PlyAa, capltio P,
S. Sebomiog, carga algodio a osaros gneros.
Obsimgo.
Appareea ao norte urna erabarcaeio.
1 editeT j
Faculdade de Direito.
De ordem do Fxm. Sr. director faco publico que
desta data em rtlante os esrodantes qne se preten-
deren! metriGDtar nos sola irwioFes da Faculdade,
podero realisar o pagamento da respectiva laxa a
submetter os seos requerimentos a despacho, a lim
de qne sejam mandados admiltir a' matricula, d j
1 de margo vmdouro em diante.
Os estudantes que se tiverem de matricular no
primeiro anno devorad apresentar, alm das sete
certides de exames preparatorios, a deldade, sel-
lada e reconhecida.
Secrelaria da Faculdade de Direito do Recife, 16
de fevereiro de 1866.
O secretario,
Jos Honorio Beserra de Menezes.
0 Dr, Tristao de Alencar Araripe ofcial da
imperial ordem da Rosa e jaiz especial
do commercio per S. M. I. etc.
Faco saber aos que o presente edilal virem
e delle noticia tiverem que no dia cinco de
marco do correte anno, se ha de arrematar
por venda a quem mais der em prara publica
deste juizo o seguinte:
Um sitio sito com ca. do Monteiro freguezia do Poco da Panella,
tendo quatro centos e \ inte palmos de frente
com um muro e porto de ferro na estrada
que vai para o Monteiro com tresenlos e vinto
palmos de largura, comum ponao de ma-
deira com afrente para a estrada denominada
Caldeireiro, e de comprimento oitocentos e
setenta palmos, de um lado divide com o sitio
de trras d i Jos Camello e o Dr. Atcofo-
rado, e o lado-do norte com uma t a\ essa que
vai ao rio, tendo a casa urna porta e duas ja-
nellas nos ooes, sallas, quartos, cosinha, e
um sotao com sete quartos, cacimba, bomba
tanque para banho, com estribara e latrina,
sendo as trras rendeiras, avaliado em cinco
contos de reis, o qual foi penhrado por
execuc3o de Ignacio Luiz de Brito Taborda
contra Jorge Vctor Ferreira Lopes, e nao
bavendo lancador que cobra o preco da ava-
liapo, a arremaiac5o ser feita pelo precoda
adjudicago na forma da lei. E para que
chegue ao conbecimonto de todos mandei
passar o presente que ser publicado pela
imprensa e affixado nos lugares do costume.
Recife 3 de fevereiro de 1866.
Eu, Manoel Maria Rodrigues do Nasci-
mento, escrivao e subscrevi
Tristo de Alencar Araripe.
O Dr. TrisiSo de Alencar Araripe, omcial da im-
perial ordem da Rosa e juiz especial do commer-
cio nesta cidade do Recife de Peroambuco, por
S. M. o Imperador, ele.
Fago saber aos que o presente edilal vlrem e
delle noticia tiverem que por este uizo pender
uns autos de execugo de sentenga do baro do Li-
vramento contra Fr. Jorge de Santa Anoa Looio o
oulros frades do convento de Nossa Senhora do
Carino desla cidade. E tendo-se feito penhora nos
alugneis de diversos predios pertencenles aos mes-
mos executados, fra pelo solicitador Macario de
Luna Freiie, procurador do exequeole, feito o re-
querimento do seguinte termo :
Aos 18 de dezembro de 1863, na cidade do Re-
cife, em publica audiencia que aos fetos e partes
dava o Dr. jaiz de direito- especial do commercio,
Trislo de Alencar Araripe, uelia pelo solicitador
Macario de Luna freir, procurador do exequente,
fra aecusada a penhora feita nos alaguis de di-
versos predios pertencentes aos executados, e re-
querido queficasem assienados os seis dm da lei
e dez aos credores ituvrtos, passando-se os edilaes
respectivos; o que ouvido pelo juiz houve a' pe-
nhora por feita e aecusada. os seis e os dez dias
por assiguados na frina requerida, depois de man-
dar apregoar pelo porteiro dos auditorios, que o
fez na frina do estylo; do qce liz o presente ex-
irabido da protocolo das audiencias a que junle o
mandado, termo de penhora e procurago bstanlo
que segu.
Eu Serundino Eliodoro da Cunha, escrevente ju-
ramentado o escrevi.
Eu Manoel Mara Rodrigues do Nascimento, es-
crivao o subscrevi.
Por torga do meu despacho o referido escrivao
fez passar o presente edilal, pelo qual chamo, cito e
bei por mimados os credores incerlos dos ditos
executados, para que coraparegam neste juizo den-
tro do dito prazo, munidos deseos documentos,
afim de allegarem o que for de justiga.
E para que chegue ao conhecimento de lodos man-
dei passar o presente que sera' publicado pela im-
prensa e affixado nos lugares do costume.
Tristho de Alencar Araripe
Recife 20 de dezembro de 1863 Eu Manoel
Mara Rodrigues do Nascimenio, escrivao o sub-
screvi.
DECLARAQ9ES
Rendimenlo do dia 1
dem do dia 19......
a 17.
31.7484375
i: 123*856
25:87:1*131
CONSULADO PROVINCIAL.
Rendimenlo do da 1 a 17....... 84:092*634
dem do dia 19............. 23:989*290
108:061*724
MOVIMEHTG DO PORTO
Confinuacoo dos navios entrados no dia 18.
New Yo* k-39 das, patacho nacional Jaboatao, do
de 283 toneladas, capito Cunha, equipagem 9,
carga 2,100 barricas com tarinha da trigo e ou-
tros gneros ; a Henry Forster \ C.
Rio de Janeirolidias, brigue nacional Adelaide,
de 230 toneladas, capito Loarengo Domingos da
Silva, equipagem 12, carga caf e outros gneros;
a Joaquina Jos Gongalves Beltro.
Iquique31-dias, barca maleza Randolph, do 343
toneladas, capito T. Whannel, equipagem 15,
carga salitre ; a Wilson Heit: veio refrescar e
segulo para Falmouth.
Montevideo49 dia*. barca ingleza Endyenion, de
619 toneladas, capito James Mili, equipagem 15,
carga coaros e outros geoeros; io mesmo capi-
to, vele refrescar e seglo para Liverpool.
Buenos Ayres40 dias, polaca argentina Monten
dio, de 180 toneladas, capHio Anetelo da Silva
Vieira, equipagem 11, carga 4000 quintaes hes-
panhes de caroe ; a Amorim Iroo.
avioi entrados no dia 19.
Paysaod por Montevideo43 dias do primeiro
porto, 34 do fgundo, sumaca ti-spanhola Ntv'a
Nympha del'PIata, de 120 toaelac as, capillo Juan
De ordem do Dr. delegado da capital, encar-
regado do expediente desta repartigo na ausencia
do llim. Sr. Dr. chefe de polica, taco saber, para
coobciraento de quera nteressar, possa, que pelo
juizo municipal do termo do Rio FormosO, achara-
se legalmente depositados cinco cavados, qoe fo-
ram apprebendidos pelo subdelegado do 2 destric-
to da freguesia de Una como fortados; devendo
quem se jugar com direito dos mesmos animaes,
apresentar-se nesta repartigo, competentemente
habilitado para os receber.
Secretarla da policia de Pernambnco, 16 de fe-
vereiro de 1866.
O secretario,
Eduardo de Barros Falcao de Laceria.
O capito eommandante da compa-
nhia provisoria de policia abaixo assignado
convida aos cidados que se queiram enga-
jar no servico da mesma companhia, a que
comparecam no respectivo quartel em to-
dos os dias uteis, das 9 horas da manhaa
por diante. Quartel da compaa a provi-
soria de policia 40-de f vereiro de 1866.
Luiz de Franca Mello Jnior.
Perante a cmara municipal desta cidade es*
taro em praga nos das 16,19 e 21 do crreme
para serem arrematadas por qoem por menos fizer
diversas obras de que precisa o matadouro publico
da Cabanga, as quaes conslam de um pdgo para
agua, concert do cano de esgoto do sangue, repa-
ros na calcada e casa do administrador, e nos
quartos e arcadas do estabelecimento ; todas estas
obras tarara orgadas na quantia de 2:066*960 :
aquelles que pretenderen) arremata-las poder%
comparecer nos indicados dias no pago municipal,
monidos de carta de nanga de pessoa qne garanta
a arreraataco. O orgamento de taes obras adia-
se na secretaria da mesma cmara onde pode ser
consultado.
Pago da cmara mouiciqal do Recife 14 de feve-
reiro de 1866.
Lulz Jos Pereira Simes
Pro-presidente.
Francisco Canuto da Beaviagem
Secretario.
De ordem do llim. Sr. Dr. delegado do ii
districto desta cidade, encirregado do expediente
desta repartigo, na ausencia do mesme Sr. Dr.
chefe de policia, tago publico para conbocimento
' de quera rateressar possa, qoe pelo subdelegado
. do 1 districto da freguezia do Rio Formo?, foi ap-
prebeadido ao preso- Jos Oonee, como loriado,
um cavadlo casnabo tais*-, aaegra, o tpni lede-
positado por aquella suMalegacia; devaodo qoem
se julgar com direito ao mesmo ca vallo reclamar
a sua entrega, mediana documenta comprobatorio
desea dominio i-
Secretaria da policia de Peroambuco 10 de feve-
: reiro de 1866.No impedimento do secretario,
Jos Xavier Faustino Rame
i
*


1
.
-
i
r
'
A
: i
e?

:.


_. I

h


\

i
*9*m.
A-Ulnv o*'*n*rall;i da Santa-Cas de
Misencordi do Recife.raaoda (ater publico que
no d MVda crreme,patas i'inoras da tarde, na
sala das aef,sde*d-iesn)a jatta, tem de ir pra-
ca para ser arrematada a qaim mais. vantagam
offerecer, a ob'fa do tparaento do viveiro da ilba
ve**ifa, aijai! coosIsttrBii construccib de um
ae*t8trtWWmB artwaiu, 48 d*aHBra a-12
de graasun a*, base a moarer-ei** ; e em ara
aterree 15 pateaos de largar* ae lado-ido.aaea : _.
ti pretended* deven apresantar sitas proposlas, P2J- *^
n:, citlfc roMWMi atende** se ouamo aos es
clTtifi ijw de qaf pfeclsamir.'oni o* res
luiidawrir rjMiii|alir Im [Trnti- teneOtetco-
roael Justino J gira d Faria e Antonio Ramos
Secretarla' i IfirTa Casa d Misericordia do lie-
cile'lfatlWWBtro'd* 1869.
O offleial,
ManoR Antonio Viegui
esperado a cada momento do Rio de Janeiro
orifez Fernandes,o <*al Ora s(a; De mterreno 6 um caixao de tijolo
atemora de 10 di s7 recate mg?
Jtfw AfB-fts vfomd.
prewmuilo cmo
sigfffarios AnfWHo
/beveM^t C, a sea escriptoct
Mero ff "*______. _
"w$ Rio 4
legue a pontos dias o brille
ra, reesjfce iiargt a [rete, a qjtal
4V
iBtideS.
Sahe no da 21 do correte
tratfege cora ojssaon
a naaMa 4e Aporte i
,traalfee_!oa*
d*0
da" vr i
eiOT -
su m rw d
s r 1
n* MDrtflgue-
rid" Je* (
tgo1jt--
i*tra isboifr
Mgavfom moita brevidao o Uifat''pbrtOJaez
JVoriitaVr, i
moita
qae rae
eseriptorio i!e:
e eargaM irte! a UataS no
im IrmSfts, flH da
Na qninu feira[22 d* correte, pmnta o'Ilhn. cera o capg Joaquim ^ugpB* de
Ora*. 3,
Sonar na
Sr. Dr. juir. dos fetos, petas 11 horas da roaoha,
se venderlo am prac* publica, oa sala das audien-
cias, oa seguintes baos penhoradosao tbesooreiro
da alfandega, Joaqdira Jos de Miranda, para pa-
gamento do seu alcance.
1 Piano (ranoei; avallado per...
1 sala de angico, avaliado por
13 eadeiras de Jacaranda, avalladas
por..........................
3 ditas deditoarruinadas.........
1 par de baa*a*d- Goncalo Ai-
ves, por.....................
i. dito de ditas de dito...........
1 banca redonda com pedra por-.
] guarda louca de -amareilo, por..
.1 aparador de dito, por......
1 mocho para piano, por ........
j escravo de nonie Simplicio, de
naco. 60 anuos,- rendido..:
1 (iitode uome-Mano-I, criulo.mar-
cineiro, 2i annos............... 1,300*000
1 diio.de oome Joo, pardo 34 an-
3004000
304000
52*000
8*000
30*000
20*000
25*000
15*000
203000
4*000
150*000
praraW com
Wra lAsfirpretende
petacrt por.ugfflfe JOS' p"
tratada e para a-j'etoqae lBos
ooosignatario Joaquinv Josom
roa do vigaairtE J7,|rlme)
. brnvidKle o
irte SU Org
ratffle com o
BoUra* na
-*-
IPaOsBoa
Sahira' neste*s>oac*s dttt a1Ma portuguei
tConstanie Uliror tef p romp g,a*si taeo o sed .
oarregajpento, para o rstame ^ossageiros tr*
te-se-eom Mioaal Ignajcio daJOilWff'i & Pi'ho, lar
go do fiterpo 5*Mo esfcriptifiofc.fi, oa convn^
capitao na praMi ^ .
LEILO
nosTmaurc"iiro.?.."........... 1,400*000' Be 5#00 'clwrutos d Babia
s
inim
700*000
500}000
150JMM0
1,000*000
600*000
I
400*000
56*640
40*800
I dito'de nome Claudino, pardo, 18
um, MpnMrtMb............. 1,200*000
i dito de nome Paulo, crioulo, 14
asnos, aprendk du sapa ierro.. -
1 dilus uomfrManoeI Coelhu, cri-
oulo, 11 amaos.................
i eswatW-de nome Genoveva, de
nacao, 50 annos, cozintielra, que-
brada de um bino..............
'\ dila d* aera*- Henriqueta, cabra
20 anoos, cosinrwa............ 1,000*000 nadito.
i dita de nome Mara, cabra, 18 an-
uo.; cnsturewa e engomraadelra..
i. dita de nomeGuilhermina.crioa-
tai, TI anuos...................
1 dita de nomo Aleandrina, criou-
la, 8 annos............>.. --
[ par de casticafB de prata com 302
oitava
t do de _
W+eis........-:............. 75*840.
1. diio de nitos com anglicas com
236 oitavas a 240 res.........
I dito de trios-con- 204 oit;vas a
2i0 reis^.....................
II salva de dita com renda, para 3
copos, com 139 oitavas a 240 rs.
i dita de dita par ojo co>, com
71 oitavas a 240 ret...........
12 eolheres de dita para sopa, com
212 oilavas, a 240 reis........
42 dilas de dita para cha, com 55
oilavas a 240 res..............
1 taboleiro de dita coav 1,760 oita-
vas, a 240 reis................
1 iranselim deourocom 14 oitavas,
a4*000......................
1 r.'> de oure, palela iiiglez..
A parle do engeoho do Bram, ava-
dado por 70,000*, e qae irte to-
cou em inventaMo;..........
1 sitio na estrada nova, entrad*/
do i'acfcaog.cotrnecidopjr Ma-
na Tnereza, com coqueiros, man-
gueiras ejaqneiras............
1 sobrada de 3 andares, na ra das
Cruzei de S, Antonio n.* -30...
1 dilo de u*n andar, no css d'A-
pollo n.-37................... 30,000*000;
Recife, 12 de ferereiro de 1866.
O solicitador.
B* Y Prrnra Ae Brilo.
tn-m~
cuse o 0 ca i \i lillas com bolachiaha
desda.
20 do correrte as 11 iaoras no- armszwai
aiuada Crafn. 57.
Cordefro Sinattes por conta e rbco de qaem per-
tencerfar IdbMos charutos e latas do bolachi-
nhas cima rnaaaionadas, no dia, hampa lagar aci-
leilao
LEIL44I
De moteis, louga
Cordeiro Slmes
osada,-! rica cama de ferro para casJ, 1'canta-
ras deblanco de arairello a Luiz XV. 1- lavat*
rie, 2 eadeiras de braco qe mogno, 2 ditas a"JT-
carandde brago, 12 ditjatiajaajiurnico de dito, 1
gnardaroup:i novo. 1 dita. aaa*a, 1* eadeiras de
33*360 faia a LOiz XV, 1 bere> usadt^e-ontt** moita pe-
leas novase usadas, t appaielho *inc** para
jantar-da porcelana, esaawstr caaaKeircs, afpare
ibos dealmocode metal, tanapajKs eu.
UOJET.
No armazem a raa-dn4Jrnva. 57.
17*040
50{S80
7*200
422*400
Do espolio d Rt'd. c*ego Venancio
lleiriqnes de uezende senAo movis
e litros delilteralura.
Cordeiro Simoes
obtida a competente aatorlaaeia fat leillo de 1
mobilia de aw*ito.gada, 1 estanta e mesa para
livros, 1 mesa pequea, 1 comraoda, 1 mar)Baza,
' 1 mesa para jamar, 1 candieiro a gaz, 1 par- de
Ianternas, 7 coiberesde prata, maugas de vidro,
annnfti(Ulft castical e salva de metal, e livros de litteraura,
2,oo#ou mnlt direM9 eclesistico.
HOafE.
No armazem a ra da Cruz n. 57.
6*000
100,000
9,141*915
900000
de lei e
Consulado provincial
Pela mesa do consulado provincial se faz publi-
co que os trila dias olis marcados para cobran-
za bocea do cofre- dos impostes de 50 rs, por al-
'iueire de sal, re 4 0|0 sobre os estab<-lecimentos
tie fra da cidade, prensas de algodo, typogra-
oblas, cocheiras, boteqnins, botis, casas de pasto,
<-aval lrices e fabricas; de 8 0|0 sobre consultorios .... .^" "\"^"~ "-"-".;- ,iinia,ri0 de>
mediros ecirurgicos, carinos e escriptorios de de jacarandi, 1 ditaida>*mrtMo. 1 saniaario^e
20 0,0 sobra estabelecimentos de coramercto em Jacaranda i mesa pira jmu ; i dita para cos
|ros o o a reurlho, e trapiches; de 50* sobre ca- nha, 2 ricos pparadores, 1 cama de an a ello pa
as de billar e modas; de 200* sobre casas de rr casal, 1 mesa elstica, 1 apparelhc. oara janiar,
i "np r i seirnfesirangeirof, e de cambio ; de 11 grande ^%^S S^So^Zt
1:0005 sobra casas de operaeSes baacarlas com jarros, 1 piano, 2 bandejas, d.w'r* ca;;| "^
,missioeprevilegio,; de 600*090 por casa-com ; sas, marqafz_as, eablde,,S^ aE
LtJllau
Be movis e joias de oupo
brilhant s.
iiOJ:
A ra da Cadeia do Recife duraero 8.
Amerloo P. S. ar leilao em seo armazem de
commissSes a ra da Cadeia do Recife n. 8, po
ntervenco do agente MARTINS, de ama mobilia
emies-
paldo pw* x&si n* Artlictos.
OageSteMrtiosfara' lelifc por rtain dos II-
quataros da massa'do padre D. Jas Xnlonrados
Santes Uessa deura terreno em 300 palmo* de
freate com ara caixao A lijlo para casa em fes-
paH a Ah**i
sii-lflrt
Quinta-
Ka armazem da
horas.
al
Hd*emafe.
ra da Cadera-'n. i, a* 11
df'S
De urna caaettttffr n. 3 na- praia
Fi-Hila em -Olinda.
O ageoJUMartlos farS'Wrl',por ordenado Hlm.
Sr. Dr. Claodtno de Araujo Guimares casal
poriugua; dtramvoaaa lacrea n. 5 sia na ataia
de S. PrancrgeaBjJOltaa>-(freno loreRu)
(encent aoespolio d*eMfM)avMaria da Conc
Quinla-frira 22 da esrrenie.
Em o armazem-A-S-ar roa da Cadeia, as 11
hora.
CASADAMMIM
Aos 00MW01.
er-
:50.
., -
U4tt
A' Rfc M) (JH9W N. JfffBAS IX) OlfCMB
O abarsiassignado vendetfBOS ms KdafD falt-J
zas Mlb^tts-ajavaBfldosiliMfcria'ftaiMftetcaboo
de eztrahir, a beneficio da igreja de ossa Se-
nbora do Rosario da freguezia da Boa-Vista, os
seguintes premios :
N. 3M umnseio com a sorie de 6^00t
N. 3IS0 um tneio com a sorte de-50*.
N. 3934 dous qaaltes com a sorte de 100*
E outra muius sortes de 100*, 40*. a 20*.
Os possoidores poiera virreoebor son* respec-
tivos premios sernos descoatos dar teis na Casa
da Foflina 4 ra do-Crespo. 23.
Acaaa-se a venda os da 3* parta da-8 lotera
(49'); beneficio do thmtro da SaMaTiilajl, que
se exlrahir segunda fera 26 do corrate."'
PREO.
Bllhefc......
Meios......
Qniatrs. .
Para as pessoas qne comprarem de 1000000
pa/a cuna.
Bilheies. .... 5*500
Meios. ..... 2*750'
Qarntsi .... 1*100
Mahobi Martin? Faz a. .
D4Bvsoi>*aticaraniTa, 2 eadeiras de baianao, 6
ditas H palha, 1 r(8t secretaria de molino, 1
relogio, 1 irraiHl-P mogno, 1 toHet, 1 eama
de feKo.-t-apparadores, 1 bifoculo, t veaazia-
nw-ffiaveza#v4a nova espeott, 2- baBJeiM, 3
iTiestav 1-filtrador, I canario 0 imperio, 2 cas-
ticanaaMBaogas, garfor e colfierea d electro j-
prltleafeeflB. calles. lofea e"na sala-de juntar -fompro< fa^a todo o servido de amacasa de po-
1 inesa-Waaamej rara 2P|tessoe, 1 apparader, 1 oa famitia : a tratar a nOpde GabOg toja bv-4.
arda loifcre 12 cadetras, ludo de noguerra e
de excellenle gosto.
SciOa-feira 23 ^le fevereiro.
Jkt.
Preclsa-se de ama am'qaft' cosinh'e, engomme,
Na ra do lapiciie n14 4erceiro-aadar.
O igetmVHo autorisada poC um eafcrangeiro
q>ie retira-separa Eacopa^faraCdeilao des objectos
cima mencionados Wslei&s rflSterceiro-andar do
[Mtoado da ra do TrapichVn. U, oae ae eflec-
WaToHetjb as 10 Meras go dur-sopradrfe.
fmportmter Lktode
*-~movei ce sber-.
Um excelledW piano- dav Jacaranda, 1- mobilia
tamben de jacaaand*_com t sofi 1 mesa, 2 con-
solos com pdr|^ 2 cjideiras de bracos, 4 de ba-
laoro, 12 oe guurnigaft 2' grandes espelhos com;
molduras de laSpranda, ricos quadros com finas ;
Muras, 9 lanejas pa ca#tinados, jarros de crys- !
ta,l costu:eir*on>usi*a, &cisti?ae> e man-
gas? 1 sotticora* 7 ofleira estafadas, tapetes, 1
mesinha de chalilo, Hoilet, 2 eaadietros a gaz, 1
(Maleador,-1 guarda rwipa, 1 carda irajiceza, 1 di-
tas de amareilo-,.1 dria paaai crian(a^. 1 commoda
de jacaraad, l'dita'de mogn-ifO.n pedra, 1 lava-
torio de petira marmete, ljspelhtas grandes, 1 cr-
abo para meniao, t-mesa7elasca,-4-guarda lou
1 appafador, 12 caderraja de^amarellot.2 guar-
da comidas, i perla-4copt'quarlinhas, loufa, v-
dros e ramios ostrosawanaV
Um cato d.4 rodas cois coberia.
Segtodavfeiw 25 tefefereiro.
Na Passajem da Mafialeoa
GabOg toja
Samnfll P. JohnstoVBuT~seirri; 3 meninos
e urna criada retiram-se para Europa.
Antonio Cyrillo Dutra relira-se para fra do
imperio.
NovMadeB da Jtrara.
. PECHlNCHff.
aarpre pai-a a qntresa.
Arara wBdd*-grosdenaple preto a i'$Q96-
Vende-efwsdaMple-prXobom a 1*600,1*800-
e 2* covao, dito mUito largo a 1*500 e 2*800
o corado : na roa da Imperatriz loia da Arara
n.56. n
Moreint iqu*da- Arara a 24B00,
Vndese moreantiaue arelo para vestidos mui-
to W)m' a 2*800 SJPo'cbvadd, alpita prela para'
palelots e vestido, a 500, 630 e 809 rs. o novado, i
merino preto multo bora a 3* o covado : na ra i
da Imperatr.z loja da Arara o. 56.
Arefti mm& ss9a?B"af M500
Vende se saias bordadas para senboras a 3*500
e 4*, gollinhas bordadas a 240 e 320 rs. cada
ama : na ra da imperatriz loja da Arara n. 56.
Chapeos di- sol da Arara a 4^400.
Vende-se bapasrnhos de sol para meninos a
1*400 cada uro. anwsiaaes para seabora ai*,
3* e 4j : > Arara ra da Imperatriz o. 56.
Arara vende os vestidos bordados 45,
Vende-se cortes de vestidos brancos bordados a
4*500, ditos de coret*8#,-ditos bordados a la e
seda a 7* e 9* : na-roa-da imperatriz n. 56.
Os baloes da Arara a 2>.
Vende-se baldes de arces de todos os tamaohos
a 2*, 3*. 3*500 e 4#, saias bordadas a 3*500 e
4* : na na da Imperatriz o 50, loja da Ar^ra.
Arara-;vwdecortes de 19a a 55.
Vendase corte***-lia novos viudos pelo ultimo
vapor cora 15 eovados pelo barate preco de 5*, di-
tos com barras a 6* : na ra da Imperatriz loja da
Arara n. 56.
Arara venda? chales de.20.
Vende-se*chle9*d(i norial estampados, a 2*.
ditos de la a l*60#e ifidilt de merino- multo
finos a i* e 7* : roa dia-lmperairiz loja da1 Arara
n. 56.
PHOTOGR \PIII4

AHTISTK'A AMEBISANA
RA OO IMPERADOR N. 3a
Artista americarJo
Artista atuencano.
Artisti americabo.
Artista americano.
Retratos RetratosRetratos.
Etn porcetafiaNtep^otyple.
Eiu,tefcros-"-ArchT Eoi vidrirAmbmtypie.
Etn nielal=DaKiierreoJtypio.
Em papeJ**Tapol\p'*
Companbia tidelidade de segaros- -
mar i tiraos-e terrestres
ertabeteeid* no Rio de Jateiro.1
AGENTES BM PBRNAMBUCO
AntoBio Lat de Oliveira ATd& C,
competentemente autorisados pela direc-
tora da companhia de seguros Fidelida-
de, toraam seguros de navios, mereado-
riase predios no sea escripterio rua-d
Crai n. 1.
No *flndealo d#rda M Imj
No 0 ule salo v ra di' Imf.
Nte eabelfcimjntowtirai
em todos os bjstemas, com asseio e promp-
ti'iSo, desde as nova horas da inauhaa
|ador d. 38
ador n. 38
retratos
Madapolao enfeetado da Arara a 4*.
Vende-se pecas e mrmlpfcr* eflfestafdo com 12
jardas a 44 e 4*500. dito de 24 jardas- a 5*,-6*, ate as C1DC0 da tarde; assim como tem
7* e 8*, dilo ramio uno a 9* e 10*, pecas de ai- sernpre a venda grande sortimento de ca-
f0!Sa^'if.r^',,K(,;ra?it'> 8Dfi,f*)a xas fina- de diversat f#rtee. Qoadros
aSra'da6 SSL^T I,nperafrfZ ^ ', vaes Passepar.otits e lodos os mais ob-
Panno pretj da loja da Arara a U. tclos e Productos chimicos, relativos a ar-
Vende-se panno preto para calra-.e paletota2*,i te-e reettidos'- oU'WPBmente dos melhores
2*500, 3*. 4* e 5* o covado : na ra da Impera-' fornecedores de PARS e N-va Yoik, tendo
tnz lujada Ararars. 56. de tudo, para todos os gotos c parrledos
Arara vende eoHes de cottm para calca a
N. 0. Biebw. 4 C/, sucessores, sa
cam sobre o Rio de Janeiro a vista ou a pra-
zo confoime se conveoeionar.
Saques para a Baha, Para e
HaranbMi
Antonio Jos Rodrigues de Sonza na roa
do Crespo*'n. 15, saca avista ou a prazo
contra- a Barra, Para e Nfaranb5o,
PEUIM.
Faltando a irmande de Nossa Senhora Mii 'dos
Homens 4 chapas (ou insignias) de mesarlos, por
, fcmile Wiid landcde rettrar*se para Europa fa- isso o ihesoureiro ajui* foi do asno d 1864 a 65,
ra' leHao por ioiervea\ao ch aflea te Pinto dlo- pede encarecidamente a pessoa que as liver por
tos os m**eis da casa de sua residencia na Passa- esauecimetoem sea poder o favor deas mandar
ggrfi di kfegdafema, tercir* dapnis da-ca* do ba-
ria do Lrraraast, as 10 lj2 boras enx ponto do
dia'icin)a,Jitd..0 oatniaTl sO hacbs em ppnte
partir'>prsJ do com:narci9em .frente a ma-
triz t Corpo Sfatov-orn ooatiib'at 'que servir' de
transaprtw o**oncofrenteSaoJeilo da Passagem
ponto vottara' as 2 1(2 horas da urde.
J_____
misos: diversos
[intitulo Areaeoloaka e Gsajraaliiear.Pernam-
hucaao.
Nto tendo podido haver sessaj no da 16" do cor-
rente fevereira comeira-anuunciado, de novo se
caaviJa a lodosas socios do Instillo para se reu-
irem em assembla no di* 22. do corrale, as 11
horas.da manbia, afirn de se proceder aeleico da
mesaadmiuistrativa e das respectivas commissSes
entregar na raa da Craz a..60, loja de cera, que
se Ihe finar i-brigado.
Instrucao ]
Ha no pateo do Carmo o,, 9, um pe
qoeno estabeteclraento de inslrf cao pri-
maria cujo professor garante o maior
desvelo aos pais de familia qne se dlgoa-
naremrde admittir-alU sepHihos Fora
das horas d'auia iedeidlte prsfasaor ser
. procur-utoa ra,da* Pirts-u. 20, raesruo
para.o ensino de casas particulares,
Precisa-se da urna ama de lei te
Livrameolo n, 20> 2o anflaf.
ifll-P. IdCTi
sliie'coM;o"or?ameii'o''d"mesmo anno, eracon
ai
for^adTdoqte'dispem os arjigos 19 e 27 dos
estatutos.
Secretaria delnslrtuto Archeologico e
phico Pernamoocana 19 de fevereiro de 1806.
J. Soares de Azevedo,
Secretario perpetuo.^
Vapor Camaragibe de re-
IWyjiiv/a)
Tendo e>te vapor acabado seas concertos e es-
', laudo -promotor prestar seo. ser.vij con dantes;
Geogra- podem-os pedidos serem fetos ao *i Jos Sapori-
' ti, encarregado desla agencia na praca do 1.0rpo
Santo n. 6, primaip andar, desde: as 9 horas da
manha at as 4 lt2 horas da tarde, dias uteis.
en ssao e sem'previlegios ; de 400* por casa sem tos objectos qne estara pateca jujia cima. __
eroisstoj compaohias anenymaa e- agencias ; de
100* s ibre. corretores commerciaes, agentes de
ieilae e de. casa de compra e renda de escravos ;
de 30* por escravo empregado era servico.de al-
De 30 lazarinas, 17.2 vidios^om^iniaS appare-
lhosde porcelana dourados par* almo{".. Pa?as
varenga: de 1* por tonelada de alvareaga; de fle |onai 10 manteigaoiras de porcelana, e .ama
tO* fior bote ou savelra ; e de 150* por balieira.; por80 de pratos e duziai^d> cateara* e. pires
de 50* por escravo ganhador ; de 10* por cavajlo aal
UOJE
,1a sella dealaguel 6* por dito particular; e a
impostes de carros e carrogas pertencentes ao anno
ioanceiro de 1865 a 1866, e tambem o Io semestre
do imposto de 20,0(0 do comamo de agurdente se
principia a contar do dia de fevereiro vindouro.
Mesa do consalado provincial de Pernambuco 30
Antonio Carneira- Machado Hios
Administrador.
~C:iara municipal do Recife.
Pela contadaria da caraan municipal desta_ ci-
dade se faz publico que nos mezes de fevereiro e
roar^o se recebft bocea do cofre o imposto mu-
nicipal sobre casas de negocio, e aqnelles que nao
pagMvm oeste tenn* esto sujeitos a mulla na,
forma do arL 32 do regalamento n. 360 de 15 de
iunrw.de 1844.
Contadoria 1 de fevereiro de 1866.
O contador. *
Caelano Silverlo da Silva.
"^^COMPANHIA PSRWAMBLNAA
Os Ss. aceiooistas desta companaia sao convi-
dados a mandar receber o primeiro dividendo
correspondente ao anno passado a razae de 109
por cada, aetjao, no eseriptorio do Forte do Mallos
n. 1. O dtviddndo somente ser& pago a vista das
respectivas accSes.
m

mm rs.
Vender corllji to coiim para caiga a 1*280,
ditosdebriin tocove* a 1*400/. corles de gasea
para caiga a 1*600 : ni ra da Imperatriz loja da
Arara n. 56.
Cortes de casemira preti da Arara-a 3^(500.
Vende-se cortes de casimira preta para raiga a
3*500, 4*. 5* e 6*. dvtr> de cores de meia case-
mira a 2*50o, 3* e 3*500 : na ra da Imperatriz
loja da Arara n. 56.
Arara vende os chales de renda; a 8#.
Vende-se diales de fi de lindo a 8* e 10*,, di-
tos de seda a 16*.e 20*, retondaa.de pello de li-
ndo a 109 e 12* : na ra da Imperatriz loja da
Arara n. 56.
Vestidos a Maria Piada Arara al 0>.
Vende-se curtes delaa a Maria Pia a- i0*, 12*,
16* e 20*, ditos muito oos com camisinha, sinto
e flvela a 25* e 28* : so a Arara vende por este
prego na ra da Imperatriz n. 56.
Araaa vende as laazinhas a 340 rs.
Vende-selazinhas para-vesiidos de seuhora a
240, 280, 400, 320 e 500 rs. o covado, chitas-para
s' cotortas a -280, 320 e 470'r*. o covado : na a da
yarilLUiUr y. iroperatriz lo>a da Arara a*,5(i,
Cortes de chitavda Arana a 2$.
Vende-se corles do ,cMta da coresfixas a 2*, di-
tas francezas a,2*80f# cortes-de oambraia [ranee
za a 2*800 : na ra da Imperatriz loja da A ara
j n. 56.
Arara venda orgaadys a 280 rs.
Vende-se organdys para, vestido do senhora a
' 280, 320 e 400 o covado,,ril de Ilnho de cores
i para vestidos 160 o covado : na ra da Impera-
< triz loja da Arara n. 56.
As chitas da Arara a 200 r&
Vende-se rhiU de cores fizas a 200 e 240 o co-
vado, di las francas largas a 280, 320, 360 a 400
o covado; riscados francezes para vestidos a 210 o
M/pulaiitenVjd'urt fennTI u."00.
Arara vende roupa feita.
Vende-so roupas feitas de todas s qualldades a I
saber : caigas de brlm de cores e de ganga a 2* |
2*500, paletots de brim para andar por casa a
2* e 3*, camisas fraacezas a 2*,dilas de llnlio.de
pregas largas a 3* e outras muilas qualjdades que
se veodo;mais barate bue em outra qualquer par-
le : s na Arara ra da Imperatriz n. 56.
GARHAUX DE.LAILHACAR & C.
os prego.
Sio darado ImpesM^r n. 3K
Saiiyda>rqi do mperarfcr n. 38i-
na ra do
O bachsrel Joaqun Pires Machada
hella continua como advogado cora escript
l torio no primeiro andar da.asa n.83 da...
[ ra do Imperador, onde pode ser procu-
[ rado das 10 horas da raaahaa,,as 3 da
!' tarde.
A abaixo assignada julga conveniente decla-
rar qae nao se responsabilisa por quantia alguma
ou valores de qaaesqaer objectos que em sea no- r
me alguem. possa tomar, qur por. empre-limo,
qur por compra em qoatqaer estabetecimento,
d-sta-cidade, oa a pessoas da sua amizad-, e pro- j
teatMito mm l* *|% aXolf "SrS W* -M 35 *** ** e ^eja pratico. e dili
ppa.JoaquiaaGaiaftarM dq,Kego q^ ^ ^^ dajSinil Craz n. 12 se dir quero
quer
YERDADEIRO LE ROTj
de SIGNORET, Docteur-Mdcci
Ru de Seine, 51, PARS.
Em cada garrafa, val, tntre rolli^ e o pape! azul
que lrva o meu sinett, um rotulo lmpresso ero oiks-
rcllo com o Sei.i.o isrinut r>0 covirko FRAhCFz.
. D. liemeltenilO--e urna lettra de 500 trancos
-obre Pars, aeritavrl a 10 dial de visla, 10 maxioio,
goza-te do aallmeolo e do maior deacoote.
nico agente pelo
Brartl Snt Ahto-
11 Faae: de La-
cerda na Baha e
nos principis pbar-
maceu titos.
Precisa-sa de um cai*eiro para taberna,,mas
conce,rr#B>-^
Rarrps. _____
,Frederico'A^giisto T^aposA. da Camar| reti-
T*-st> para Europa.___________
fatnilia,
-, Eaiiu Wild, cidado.suisso, e
]reticW;S9 para, EWiOP
su*
Precisa-sede me ama que coziBhae engom-
me para casa de pequea familia : a tratr na ra
da Lingoeta n. 10, I andar
No armazem a-ra da Groa n. 57.
LEILAO
DE
-* O padra.Bofaefo- Antonio^ Pereira Lufa vai
a Portugal, Indo em saa companhia o seu loriado
Joj.Joaqytoi,Gjoc^'*es. ____________
^- ManqeFLopes, 4>,flya,u)idi|,pQiiJgtf i vai to. Antap : antiaj, pr^teil
Enrona. Carran. 1.
a Ensopa.
LO
"Precisa-se de urna seuhorajionesla e de bons
caslumes, hab.elila|Ja, paraeosinar, as primeiras le-
tra*, costuras, labyrintho. etc., para ir ensinar a
: duas meninas, a:iun.ea&erih.a: da-, freguezia de bao-
"er dirijarse, ao lar^do
Carmo
D. Henriqueta Aogelica Tavora retira-se para
a ilha dftS, m^ lenafld )^4UA coaa* sea
! fllho Antonio menor, de ft annos e Joanna Emilia
1 Pacheco cora seu fllho menor de 8 annos.
LI3RAIRIE FRANQAISE
Raa LIVROS NACIONAES E E5TRANGEIROS
ReligiaoPhilosophia Jurisprudencia Liliera-
tura Scieurja* e antes.
Papelaria, objecto&..para eseriptorio.
A lerceira pessoa do singular do verbo, facer,
morador na ra que nao lisa, precisava de una ,
boa d6se no canastro, para nao ser t3o llnguarudo, |
tallador da vida alhein. e al da vida privada.ae
algumas pess'os> Esse marioja na realidade
lo audax por.qna ainda, algumas pessoas de certa
ordem estp coraplejaiqetile itludida?. com elle, po-
rm logo que soja bem coniiecido, elle andar pelas
roas despreziaak A. saa. prooeaiae &.terrivel.
A almad tallecida lt R. Costa.
AVISOS MARTIMOS
gnir
COMPilEU BUSUEIR1
DE
PAQUETES A VAPOR.
Dos portes do norte espera-
de at o dia 20 do correte, o va-
por Gtrentt, oommaodante o prl-
meiro enle Serqueira, o qual
depois da demora do costme se-
p*rfc'po)s do sal.
DeitejreaaoBfU.^jassageJros e engaja-se a
carg^ pie. o vapp.r poder cooduzir, a qual devera
ser embarcada no dia de saa che&ada, encom-
mendas a dinheiro afrete at o dia da oafaida as
2 horas : agencia rtra da Craz n. 1, eseriptorio de
Antonio Luiz de Oliveira Azevede & C.
CVaM^Ua dc-^ueteft vapor ealfe
s E8tados4Jiiifo& e Brasil.
At o dia 22
de crreme es-
pera-se de New-
York por S. The-
am e Para' o
'vapor americano
Jorlh Amanea,
' o qnal depois da
demora do cqs-
tunw.i.agui' papa oaporto do sui-
Par. freiese passagens traU-secom os ag.enle#
Hejfj.FaraeiJUVriuL(,in.T.raBir.lie n. 8^-
-*-------
K. G. de Abreu contioaaro sea leilao de fazen-
das Inglezas e franceaas por iniarvanco do agente
Pestaa, hoja 20 do corren as 11 horas da ma-
nha era sea armazem a ra da Uadisia^_______
De uv*We wtNNk **bef
Um piw.0 forte a> Jacaranda, i mosi* de Jaca-
randa cooi 1 sof,2 coqspjos cqm^pefea nMrmoje,
2 eadeiras de braco e i^^gWtt1^*^ g'*n<'
espelbos, coBsoJfliin,L sa,l0*fto1 '"T
ma franc,, 1 di AwwapV I lwrgo.1 guar-
da roupa, 1 cadeiraMebaiaooo, 1 borra de segra-
do,lcart5/a, IrflaejMnade cofiiar, i tollete 2
lavatorios, 2 majeza*, t ca*>i$as fe wreUo,
12 ditas e sagena, fl ditas-da>swaft d oleo, I
elstica, i appa4o^tuatia*eira, 1
ra,loe%,vidroa,esa|aa,:tread* .*-
tas siSlWlMeA H>. -3 3 andw do
sobrado ila. ra Haw \ *%
DiiBwnl^eWBjBjadaaabwo9 "o8 a*ans
cpm IuJWiAbJ*, m_
AdrlajK? Aogpsiftd* AloieiM Jft tendo d9
reairaj^apara EaToia fara' leiOp 1 wtaiveflcao
doageiMePimo^doaobfeelo aclrda ^f*6^\
existeoWo\CM*a> saa reaidaott^a,- roi Nova
dia.
Ama
Precisa^fta^oas^de araA,sd mm,- aa ma
do, Ojifiimadp ri,. ig,. loja.
Corre seguflda-feira 2fi do corrate mea,
Achata-se venda oa respectiva toasou-
raria a ra do Crespo n i 5, os burletes,
*>* I* ^^ ,dsaaQta Si3 SIWlPtWW MNtN & M5
.a mnnri Fundido de Iow ffoor.
1"JSSZ Machias a vapor de 4 e 6 cavallos.
Moendas e meias moerodis para engenbo.
TaUas.de Certa coada e, balido para engo;
nho.
caja- extrae
-costurae.
Os, DjoQtiOid 6.-001
serao.pagos nsia bora d
[at as,3 Bor,clttaa:de,
da distribaicao da* lisia
l As encqjgjnendas. ser
mete at a nojteda ves
ostore fconw denstame.
AotoaiQ Josa Rodr
da extrac?5o
outros depois
guwdadas so-
di- extraego
Portell|*.
Hffiourw-o,
jfljsdaSouw.
HiainSV
S!rtch4o
fraeMaho,
eole.
to s%Mnta %
cot excellent
da carga o
donar
E OPI
PRL.V
FacuMade di
connuaino.eiercjcio di
espeeialmnte as molest|
vas uriaariis e de pelle,
tama.nte-jga-se Dajilitac
Jiea adqalfida nqs tabspit
piial, e es instrumentes
qae possjj|.
Accod promplamente
ido pata- fora da cidadi
E encyfega se de colli
roR
profissao,
OlhOS.dBj
cu|0 tra-
entapa pra-
aquella ca-
moderaos
ilquer cha-
lolhos arli-
sqaina da
as da ma-
FluHoKie de Janeiro
vai cahir-em poocos dias o brigae Adait por ter
a maic* par d"o cairfgaawiw(Mtt; e para o
reste nue Iba (alia. e.etraaw.21lB,itrataT|)'o
o coniiignaterto Joap* JM- ivw Beltea,
tu roi;a>Yigam bv W, o*ar
__ ...
de amerajlojiara, cafa 4* Bfiqe-
a : a lraiar^j;.ua do Viganp-n. J4. _
Escripia "poptiart
Balaocad Ubernas, tejas e oulrae casas de
afleos cpmmercio, aslra como qaalquer scripturas
Uva, en- P|as meBealmante na ru do Forten. 20.
De e$cmv&y mb? Pedro, crioulo, 31 annos.
titorar de naci, 30- aooos.
Phihppa,' mrJWlVWaflvT, fceflnTn,
gomniaeeose. Precisa-se alugar urna. eacMta
Beiiedletai erioul, 30 anaos di, Made, coslnhei- condocta- e ftaiba-Oflsifthaf e 60-
ra, lavada! e de todp_servicj> fr casa, com di& Safe 06 DOa C0aaC e aaioa-^sia^w o 4
cnWsenwnra moler da.oome Pedre,. e urna gommar para o senico interno da casa e
moleca de oome Gandida, com um anuo, lodos familia a raa do Sol n. 21. *
SthMra 31 feteeNin al R"S^SSF^S t
da Ur*Q, lia, tendo % salas e l qoarte graai^raaBoJte*>
rorinterr-irtf^"'.""">'-""" sobrado da 9*%"?** Ait,^e a0 ^>*M>tor0|
r^ ri'looe* hwen' Wfc>* nwvels, mesmo sobrado. "
Arreios d>' canto para orne dons-caAttlioe.
RetapB d o^ra jatete, ingle?.
Arados aaierican o*.
Machaasrftar* dtscarocar algodo.
Motores,par* dito.
Machinas de coaUra,_____________________
Saque? sobre o Rio de Ja-
neiro.
, Saca-se qaalquer qaaa* sobre a praca do Rio
de Janeiro, a' praz oo tisia: na companhia Per-
' nambacana, Forte do MaUos, eseriptorio n. 1. .
Leopoldo Ferreira Martins Ribeiro,
murJou-se da ra da Imperatriz n. 40, para
g mesma roa n. 12, segundo andar.
'~-Na toA,dp.aiperanQ.r n..83fc3? ar4ar, Djrefih
sa se fallar coro o Sr. Francisco de,Freitas Barbos*.
Precisa se de urna pessoa theorica e pratl-
eameote habilitad* para escriptwracSo mercantil
por partidas dobradas : quera se achar pestes clr-
cumsuncias indique seu nome e residencia em
carta frthatfa na loja de-Hvr'osdo Sr. Nognelra, a
rna dQ.Uresno.
i ilha de S. Miguel affin *e tratar de sua saade e
tendo.para.si nada deven Basta praca oatora dalla,
todava, iulgando-se alguem seu credor, aprsente
seas docuraentos.cownsi'ai6 flm do corrente
raei pata sa llw pagar. Assim, como, avisa a todos
os ses devedorej, para dentro do mencionado pra-
so, reallsarein seos dbitos aflm de nao serem in-
commodados com a jastica pelos seas procarado-
res. Rec(ftVie^WWsWidei806-.
Franciaao Botelho de Hendooca.
iservo fgido.
Desapparecea do sitio Sapucaia, em Beberibe, uo
dia 4 do correte, um escravo ccioolQ, de nome
fos, idade de 50 aonos, mais oa menos, e com os
sigoaes seguintes : alto, grosso. ps grandes, fallas
mansas, barbado e quasi neobum cabello preto,
qur na buba, qur na caneca ; foi escravo do fi-
nado Jaeinbo Affonso B..telho, conste que tem an-
dado pelo Recife e roi visto trabalhafldo no servio
da malanga, as Cinco Pontas : roga-se, portento,
s autoridades policiaes, capities de campo, oa a
quera del le livor noticia, que o apprehendam e o
levem ao dito sitio Sapucaia, sua senhora a vluva
do mesmo Jaclnttio, que gratificar.__________
Precisarse atugar nm escravo pora todo ser-r
vlgo : a tratar na rua'da >epzala-velha. n-.9i.
Precisa se de urna raalher que emenda de
cotinhar, de 30 a 30 anaos de idade: na ruada
Craz n. 37. .
pessoa;
tratar na
Precisase de urna aroaqO'e saibacorinhar, e
sirva para lazer as compras, para nasa de pouca
familia, composta de ama. mulhor e tres
exige-se boa conducta, pag-se bem : a
rua do Imperador, lojan. 61.__________
-^"Precisase de um caixeiro que tenha praflea
de padaria e que d fiador a sua conducta : em
Santo Amaro, atraz da fundicao, na padaria,
Quem precisar de una ama de leile dirjase
a raa de S. Bro Jess das Crioulae n- 23.
Quem precisar de ama ama pira eolinbar e
engommar dirija se a travessa dg Costa m S.
Precisa-se de dous trabalhadors de pa
na raa do Rangel n. 9._______________^^
pa
"^ Deseja-se fallar cora o Sr. Domingos -los
Viejra Braga a aegoqio-de sea ioter-eeee-:- na- -raa
daPraia n. 45.______________________
Preciea-sierdft.uma ama par- s* de AOOCfr
familia,: na ra Sjva.n. 69. 1* andar.
_ Na rua. de S. FraacMcan. Bl ha araai senhora
de nome Rosalina que lavae engomma. para fora :
quem qulzer dirlja-se, que achara ejm quem tratar.
" Precisa-se de urna ama par ctalnharem
casa do po oca. lamilla : no lUcife rea d*l.roti-
mero 29. t ,^
"ITMaria.FMncisa,da-,Roch3,,par-teira examlnsar-
da, faz sciente que raadou saa residencia do pateo
do'paralxo para anta das Grates,.o. 17-________
O abaTxTssigaado fai,scieate ao publico e
coraespeciaiidade ao carpo o coiBnwrci.qae.des.-
tadata em dianta deixoa de ser cauetro do Sr.
Jos Antonio da Costa Valente, e agradece o bom.
tratameoto qae recebeu durante o pequeo espago
de tres annos. Recife 19 de ev^relro de 1866.
ManoelfFftnaedes de Lima.
Com
as LIMAS
CHTMICAS EEl
F. MOtJBTH, forne
[ceJor da Caza Imperial do Ejercito
Ifrancez, s>aranf: que qualquer |
[pessoa podera sem dor nem perigo!
I ivrar-se de. seos callos. Esta inven-1
U&o : prvlega4a-em varios paizes,
reconbecida officialmente efficaz
Ipor 15 nagdte, premiada com me-
1dalfcas de 1" o 2' classe e appro\ oda |
[por diversas academias e pelo Ex"
[ Presidenlx da Junta de Hjgiene da I
corte. Por ordem do Ministro da I
Guerra fez-se em Pariz experiencias!
sobre- mais de- 2000 soldados que
Ificarta HVres de seos,callos-, igual
[resultado foi obtklo na guarnir
Ido Rio de Janeiro. Mais de 3000
I pessoas ja se tem curado com estas |
Limas. As proyas do que s* diz aci-
|ma e os ateatado acham-se nol
prospecto, qae se di no deposito. (
I Casa principal imPari*, V Princel
\Eugit*>i& Agento para o Bro*ti,l
[o ? M. O. ABRANCUES, rya\
da Alfandega, N 10, na Corte.
beit ..o Uvmieur O* la rti.it mue.
,A.clectri0id9*c boj* emprrgail por lo .imHlirofcaiimadQfcPM iralamimodc raulas
.melestiim neswopW as.quereiMeiua6oulias
.A causa a roais.fre'(ruciite das mo est:as e_a
.estagn;\o9 do sangae odos oulro lquidos vt-
.laes. liwlablccrgdo, e a c'rculacao oo orgm-
. nismo, cuiaca<-eSiiiolestas.
iQuando. se serte. aliun dor em.quebiarr
. parle . o lu-ar eiulu'.prWo com a roao, eisio alluia. Isto
nplica o resuluo incomeslavel que deTe pre-
>du(ic um, apopocho Jclrioo. Por isso temos
. prattrera.aDuircia{.a<)Puulico quo &ir Buisson
ae Biiriii rs res'dcntc, boojevart du rr.nce-
. FueBt, 18, a Parir, doton a medicma de um
.aB|KiwlimWsil'i0-Mo8Drtioo,^<)1 a farM.a -
urna cscov/ceni o qual os doentes se pod;rao
turoi'scm htiiima outra medicaca. Os mdicos
.qia emjeperimoiitado, ailestarao qu* a
.MPOM.J5M10TW. 1WW ** P"
cartr: os Hlieuniat'spios, a Par.ly.a, OotU,
.Iraqu.ia dos nwmbros da Col w-
.tbral. debflidade ger.l, Ktvtft&t, ec
sEsUmojkcpru? que breye.eiua tuni'ia foasuira
esta eseov qne prestara gtandes servicos.
A pedkte deaiuilaspcsso, o auUr doc'idio-se
.a etBblecam.depoMto.de seo apparelhas oo
mdcJweiro,lem."ua,.4o Su DiDiEa-Roirr*.
m nota do Omior, n 88.
Perombuco, phajnecia irauceza
Maurer & C, rua NovaiO. 18.
de P.

:mii

para sitio : na rua

ata
WB
Precisase fallar com oSr. Doralogos Ferreira
Chaves, reodeiro-d.e^anbo-G^lfowiar oa pessoa
qae saas veies fac, a negocio de sea rateresse :
na rua do AragSo D. 8.
O Dr. Carollao Francisco de lima San-
toir.cQotiaa* a morar na rua do Impera-
" ,n, 17, segando andar., tendo alias seu
aete de consultas medicas, logo ao
mirar, no primeiro.
O mesmo doutor, qae se tem dado ao
i estado tanto das opera^oes como das mo-
lestias internas, prestase a,qua.lquer cha-
^ttado, qaer para dentro qaer para fra
J da cidade.
-Tomam-se at 3004 a |uros: na roa do Quei-
mido n B; prWietfo andr.
I
i

m
', ./:;.'-;, I I



4
Companhia. geral hespaiihola de seguros mutuos
sobre a vida
AUTORISaDA PELO REAL DECRETO DE 21 DE DEZEMBRO DE 4869
Usa laoc en dinheiro, depositad* is cofres do estado, garante a boa ad-
iiistraco da compaohia.
BANQUEIROS DA COMPANHIA | MRBCCO GHRM.
4 Banco de Hesitan ha Madrid: Ra do Prado i
Esta companhia liga pelo systema mutuo todas as combinacSes de supervivencia dos seg
res sobre a vida.
Nella pode se lazer a subscripco de maneira que em nenhum caso mesmo por morte d<
segurado se perca o capital nem os jaros correspondentes a estes.
Sao to soprebendentes os resultados que prodnzem as sociedades da ndole deA NACI
NAL,que aioda mesmo diminu ndo ama terca parte do interesse prodmido em recentes liquida-
coes e sombinando-o com a mortalidade da tabella de Depareieox que adoptada pela companhia
para s;eus calculse liqoidacdes, em segurados de idade de 3 a!9 annos, amaimposicoannua.
de lOuf produz em effectivo metlico:
No ftm de 8 annos. ..*.... 11194300 !*
de 10........ 394W00
........il:M6|M0
de 20........30:150*000
M .. de 25........80:331*600
as idades menores de 3 annos e maiores de 30, os productos sao mais considerareis.
Prospect e mais informacoes serao prestadas pelo sub-director nesta provincia,
caquiin Fiuza de Oliveira, roa da Cadeia n. 52, ou a Boa -Vista ra da Imperalriz n. 12, estabeiecl-
_____________ment dos Srs. Raymundo, Carlos.Leite & Irmo.
TINfRARAT
AO GRANDE S. MAURICIO
PROCESAOS APERFEI^OAMOS
PARA
Tinglr. npar e lastrar a vapor.
F. A. SALIMRE & C
29 Kua 7 de setembro 29
Defrooteda ra aova do Oavidor (Rio de Janeiro)
Os proprietarios deste estabelecimento, o primeiro no seu genero no Brasil, por
trabalbar com a3 machinas mais aperfei^oadas para tingir e lastrar, de que sefaz oso n
Europa, e ajudados por alguns dos melhores oflQciaes de Paris e Ly5o, podem assegn-
ir seos freguezes urna perfeigSo no trabalho, a qoal sen3o pode chegar pelos proces-
s. >s ordinarios.
Tingem, lavam, limpam. e demofam com a mai r perfeicSo e brevidade qualquer
qoalidade de fazendas, tiram nodoase limpam secco sem molliar as sedas e as vestimen-
tas de senhoras e de homens.
Atten^ao.
Nd dia 3 para 4 do crreme mez fortaram do
engenho Limoelro, freguezia da Eseada, um cavallo
melado com dinas, cauda e ps pretos, naflco de
um dos lados tem o conro das qoeixadas grosso,
tem a testa junio a ponta do focinho um tanto pe-
lado, bastante ardego, anda a passo, forta-passo
at meio, e nao tem ferro por ser nascido no mes-
mo engenho, est fazendo a segunda muda : goera
o trouxer ou der noticia do ladrao receber 100$
de gratificado.
Aluga-se o segundo andar e soto do
sobrado da ra das Aguas Verdes n. 64,
(em commodos para grande familia : a tra-
tar no primeiro andar da mesma casa ou no
Recife armazem n. 38 a' roa de Apollo com
Francisco Ribeiro Pinto Guijnaraes,_______
Aluga-se
Aluga se a casa terrea da ra do Mondego
19 : a tratar na roa do Imperador n. 27.
Preeisa-se alugar qualro escravos que sejam
possentes para servico deoaixo de coberta, pagn-
dole bem : a tratar no largo da Assembla n. 20.
Engomma-se
com asseio, proraptioao e preces razcavels: na ra
Augusta no, loja.
Ca vaiho 4 Nogueira na ra do Apol-
lo n. 2o, sacam sobre Lisboa e Porto, a
vista ou a prazo.
Brincos de cristal o pulseiras.
Na loj de ourivrs oo arco da Conceic. no Re-
cife, tem os melbores que ba eocastoados em ooro
Pcc.ro de Almeida Guimaraes rio tendo lem-
po de pessoalmente despedir-se de alguns de seus
amigos pela rapidez de sua viagem assim o per-
mittir, vero faze-lo por meio do presente, e pedir-
Ibes desculpa de sua falta involuntaria, offerecen-
do-lnes seu diminuto prestimo na cidade de Lisboa,
onde prerende demorar-se por algurn tempo. O
mesmo, durante sua ausencia, deixa por seus pro-
curadores nesta praca aos Srs Jos Joaquim Gon-
calves Barros, Jos Martins de Castro, sen caixei-
ro Ernesto Adolpho K. Saldanba, e solicitador de
seos negocios jndiciaes o Sr. Carlos Francisco Soa-
res de Bnto.____________
Arnmda-se ora sitio no principio da estrada
doArraial, com grande casa de vivenda e com
muitos coinmodos, boa varzea de capim, bem plan-
tado de ir.andioca, e tem aviamentos para fazer
farlnba, tem toda a qualidade de fructeiras, e mu
conveniente por ser mui perlo do Parnameirim, e
por consuqoencia da linba frrea que vamos ter:
tjvem o pretender, ou por arrendamento on mesmo
por conpra, dirija- se a ra larga do Rosario, sobrado
o. 22, que achara com quero tratar.
Oadvogado Antonio Joaquim de Mello trans-
ferio o seo escriptorio para a roa do Queimado
d. 8.
SEGUROS
MARTIMOS
CONTRA FOGO.
A companhia Indemnisadora, estabeleci-
da nesta praca, toma seguros martimos so-
bre navios e seus carregamentos, e contra
fogo em edificios, mercadorias e mobilias :
na ra do Vigario n. 4, pavimento terreo.
NOVA YORK.
DE COR CHEIRO E SABOR AGRADAVE1S
Inlinilamente mais efficazes do que todos
os mais remedios perigosos enauseabundos
que existem para a expulso daslombrigas*
Nao causam dores e prodnzem seu effeito
sem precisar Ibgo dipois de purgante ne-
nhum e taoincitantes em apparencia e deli-
ciosas em gosto, que ascriancas esto
promptasa tomar mais do que marca a re-
ceita.
Uteis como um excellenle meio de fazer
remover as obstrucces do ventre, mesmo
no caso de nao existirem verme algum, as
PAST1LHASVERMIFUGAS DE KEMPS S30 prOmp-
tas einfalliveis na sua operacao e por todos
os respeitos dignas deconfianca e approva-
c3o de todos os paes de familias. Prepa-
radas nicamente por Lanman de d,
Nova York.
Deposito geral em Pernambuco roa
Cruz n.22 em casa de Caros & Barbo?
HL
0 Dr. Sarment Fillio
previne aos seos doentes e pessoas de seu
conhecimento que se mndon para a ra
do Impsrador n. 19, segundo andar.
ENCANAMENTOS
PARA AGUA
Na ra Nova n. 30 fazem-se e concerlam-se en-
camelos, assim come bombas para agua.
Afta se fgida a preta Apolinaria, crioola,
idade qne representa 40 annos, estatura regular,
chela do corpo, e tem urna ferida abena na perna
esquerda : quem a pegar poder leva la a ra do
Apollo n. 7 ou ao engenho Calende, que sera' de-
vidameote recompensado.
Precisase de ama ama de lelle
Crines n. 42.
na ra das
Sbaw, Hawkes & C. fazem selente a esta pra-
ca que deran procurcao bailante ao Sr. William
Alexander Campbtll.
A,BYVERNAT C
99Raa do Imperador 3.
Deposito de joias francezas por atacado.
Casa em Pars e Re de Janeiro.
Recebem directamente por todos os paquetes.
O Sr. francisco Jos maras. queira ur a biiid.de de appare-
| cer na livraria n. 8 da praca fl Tnaep'u-
D-1 dencia.
Precisase alugar nm coioheiro ou coss,
nheira: na ra da Imperalriz n. 9, segando andar*
Deseja-se fallar com o Sr. roajor Pelippe Da-
arte Pereira ; na ra do Queimado, loja u. 14.
O annancio que sahio no Diario de Pernam-
buco de II do rorrete, entende-se com Antonio
Goocalves da Silva morador na roa das Cruzes e
nao coro Jos Antonio Goncalves da Silva como se
v pelo annancio publicado no mesmo Diarto de
16 assigoa Jo por Bernardino de Senna Moniz, e
por isso nsda tem o annuAciante que se entender
com o referido Sr. Beroardino.
i
Joiio da Silva Ramos, medico
pela universidad de Coimbra, d
consultas em sua casa das 9 as
i i horas da marih3a, e das 4 as 6
_ da tarde. Visita os doentes em suas'
I casas regularmente as horas para
IH isso designadlas, salvo os casos ur-
B gentes, que serSo soccorridos em
M qualquer occasiao. D consultas aos
pobres que o procararem no hos-
pital Pedro II, aonde encontrado
diariamente das 6 is 8 horas da
manba,
Tem sua casa de sande regular-
mente montada para receber qual-
quer doente, anda mesmo os alie-
nados, para o que tem commodos
apropriados e nella pratica qualquer
opperaco cirurgica.
Para a casa de sade.
Primeira classe..3(J000diarios.
Segunda dita___35O0
Tercira dita ..24000
Esijb estabelecimento j bem
acreditado pelos bons servicus que
tem prestado.
0 proprietario espera que elle
continu a merecer a confianza de
[que sempre tem gozado.

1

Ama
Precisa-' de ama eserava boa cozioheira para
casa de boniem solfeiro : na roa do Qu-iimado na
awiro 31
Os abaixo ssigdos continuam com Wt
2 sea escriptorio de advocada ra do *5
^g Imperador d. 41, primeiro andar, onde Mi.
M podem ser procurados das 10 horas da &
* manha as 3 da tarde.
Alvaro Camioha Tavares da Silva n
Dr. Joao Thome da Silva.
ummmmtmwmmmmmm
Ama de leite.
Precisa-se de urna ama de leite: na ra
do Queimado por cima da loja de cera.
i DEPOSITO DE CALCADO
FABRICADO NA CASA DE D ETENQO M
H Roa Nova o. tti. #
g< Ah se encontrarlo obras Je di- m
j versas qualidades, e por pre?o mui ?
[ diminutos, a retalho e em porces. fm
BE S se vende a dinheiro.
mmmmmm mumm mmm
Na roa estreita do Rosario d. SI, 2 andar,
csese para fra toda qoalidade de costuras, faz-
se vestidos com perfeigo, feitos pelo altivo 6ga-
rlno, e vestidos pretos para a qaaresma, enfeitados
a gostos de seos donos ; assim como vestidos para
noivas, enfeitados com palmas de flores de lar aoja,
e capel las muito ricas para as raosmas, tudo com
presteza, e moito barato, faz se larobem toda qoa-
lidade de flores, bouquets proprios para noivas,
bordam-se as fitas a ouro e botam-se os letreiros
necessarios, bordase a ouro, lantijolas e a matiz
toda e qualquer obra, e finalmente enfeitam-so
banderas proprias para casamentes e bailes, de
qualquer qualidade de flores e gosto ; e assim ve-
las para baptisado, santo sepulcbro, tudo por roe-
nos prego que ero outra qualquer parte.
Em casa de Tbeod Christiansen, roa do Tra-
piche-novo n. 16, anico agente no norte do Brasil,
de Brandenborg frres, Bordeanz, encontrase ef-
fectivainenie deposito dos artigos segnintes :
St. Julieo.
St Pierre.
Larose.
Chatoan Loville.
Cbateaa Margaax.
Grand vin Cbateaa Lafitte 1858.
Chat'aa Lafitte.
Haut Santernes.
Cbabiaa Sauterues.
Chatean Lataur Blancbe.
Cbateaa Tqaem.
Cognac em tres qualidades.
Azeite doce. Precos de Bordea.
Deseja-se com urgencia fallar com a Sra. *D.
Mara Sancha da Conceicao Cavalcanti e seas doas
Albos JoSo Eloy Cavalcanti e Joaq lim Franco Ca-
valcanti, senbor do engenbo Ararita da Pedra, ter-
mo do Cabo, oa ao seu procurador nesta cidade, a
negocio dos raesmos : na roa >'ov n. j'l, botica.
AfKBSiCiSr i
Na roa da Florentioa n. 36 fornece-se comida ''
com aceio e promptldo por prego razoavel.
Agencia de paesapote"
Cland>no do Reg Lima, dejpachiote de pasea- I
porie.nra passaporte para dentro e fra do imperio :
por com modo preeo e presteza : na roa da Praia
n. 17, 1 andar.
AMA
Precis.i se de ama ama cosinbeira preferiado-se
eserava paga-se bem : no Hospicio n. 36.
saiba
Na ra da Aurora
um hom casiuhftir.Q..
precisa-se
de
4t
Peitoral
Cereja,
AYER,
Para a ccra radical e cer-
ta de todas aa molestias do peito
e da garganta, toases, consUpaoSes,
Broncliite, asma, defluxos, roqui-
dao, Coqueluche, angina, Diptheria.
Este xarope peitoral c o resal-
tado de longos annos de estado
por um dos primaros mdicos da
America do Norte, e de experi-
encias minuciosas nos princlpaes
hospitaes do mundo; receitado pelos mdicos mais distinctos
deste scalo na sua clnica particular, portanto digno de toda
confianca, 1*, por ser efficaz, alcanzando com ama certeza infal-
irel o assento da molestia e arrancando lhc as raizes, assim
dando aos orgos nffectados urna aceio natural e si: 2. por
ser innocente e appcavai a quaigver peua de qualquer idade
ou sexo., ao homem robusto oa crianca da mais tenra idade,
cada frasco sendo accompanbado de dirreocoes minuciosas:
3, e ultimo, por nio ser um remedio secreto, pola qualquer med-
jco ou pharmaceutlco pode obter a formula da toa composico,
dlrlgindo-se pessoalmente ou por carta ao agente geral, H. M.
Lae, a ra Dlreita No. 15. Bio de Janeiro.
Muitos casos que tinho zombado de todos os recursos
da sciencia tem sido corados radicalmente com o uso do
Peitoral de Cereja.
As pessoas atacadas de toase, dofluxos, Dar da garganta,
Bronchite, asma, etc., e outros gymptomas da risica prima-
ria geralmente fazem ponco caso do seu padecimento at
que seja tarde para cura-lo. Nao descuidis d' urna tosse
porque agora parece de pouca importancia ; urna tosse
descuidada chega a ser chronica e induz a formacio de
Tubrculos nos pulmes.
Nenhuma casa de familia deve estar sem um frasco
deste xarope mo ; pois nos ataques repentinos de
Angina, de Croup, e nos paroxismos do Coqueluche; ou
tosse comprida a que csto sujeitas as enancas, ivo ha
tempo de chamar um medico, nem de fazer remedios, e
este xarope alivia immediatamente c pOc o filho querido
sao e salvo, tora de perigo.
As molestias que esto ao alcance das virtudes curativas
do PJHTORAZ DE CEREJA ao
Defluxoa, Toasea, Asma, Eaquinenoia, Bronchite,
Coqueluche, Tosse ferina ou convulsiva,
Roquid.'io, Todas as molestias do peito
e garganta. Conaumpco do* Pul-
mes ou Tsica pulmonar.
Acha-te em todas as Boticas e Dragarlas do Imperio.
1K "L5*00-
45 *Via D%r&ta~4&.
A primeira condc5a.indispeDsavel cob-
servaf3o da sade traer o ps bem de-
fendidos contra os ataques da bumidade;
calcado bom e seguro o nico preserva-
tivo dessas mil enfemidadea a que esta sh-
jeilo o dossoeu. Um ehiiieto velho cal-
cado por um dandy patoscante, ou urna
botina acalcanhada em pequenino p de en-
cantadora deidade alm de acensar qne-
bradeira horripilante, pro?a contra as acui-
dades intelleetuaes dos calcantes, e n5o ha
qoem, tendo bom senso, quera passir por
maluco, ou pobre de surrSo : ergo, cor-
ram a:
4*>-RUA DIREITA-4*.
e attendam a' baratea.
Homens.
Boraeguins parisienses de bezer-
e cordavJo ; 8)J00O
Ditos de Bordeaux .... 7|000
Ditos barcellonezes de lustre e
de porco. ...... 6,5000
Sapates de Nantes de duas ba-
teras rasas...... 5)5000
Sapatos de lona, sola de borra-
cha. ....;... 2,5000
Ditos aveludados..... 1,5600
Ditos de tranca bons 4,0600
Senhoras
Borzegnios enfeitados. 5,5000
Ditos de laco...... 4t)800
Ditos lisos......, 4A50O
Sapatos de borracha .... i^lOO
Selieiros, corrieiros e segeiros I
Sola de lustre, meios grandes 2000O
E um completo sortimento de calcado fa-
bricado no paiz.
Na praca da Independencia^ n. 33, loja de-
onrives, compra-se oaro, prata, e pedraa preciosas,
e tambern so ai qualquer obra de encoromenda, e-
todo e oualqqer concert.
= Preci?a-se alagar nm preto idoso para servi-
co de casa de ponca familia, sendo de bons costa-
mes, nao se dovida pagar bem : na roa do Tra-
piche n. 44, 2 andar.________
Precisare fallar com o Sr. Domingos Ferrei-
ra de Souza, administrador qne foi dos engenhos
Massiape e Pitangneira, a negocio de interesse da
mesmo senhor, na raa do Aragao n. 8.
Fogo do ar
no armazem da bola amarella do oilao da ecreta-
ria da polica, recebem-se encommendas de fogo
do ar para dentro e fra da provincia.
COMPRAS
Compra-se ouro, prata e pedras
em obras velhas : na ra da Cadeia i
cjade nnrives no ?rco da Conceicao.
preciosas,
Comprase carosso (sement) de algodo : no
armazem de algodo de Sannders Brothers & C.
no caes de AdoIIo.
Compra-se urna casa terrea em qual-
quer urna das ras desta cidade, e que no
seja em travessa: a tratar na ra de Hortas
casa do fallecido Loureiro.
Compra-se um escravo que seja moco, sadio
e sem vicio: na rna larga do Rosario n. 34, bo-
tica.
Comprase um
Crespo n. 17.
escravo peca : oa ra do
"O

i o
3

Pernambuco, ra Nova n. 18 pharmacia franceza de
P. MAURER i C.
PERFUMERA da casa oger
Boulevart Sebastopol,
(Dez medalhas, a condecoraco da Legin
d'honneur e a grande reputacao que tem lhe
dado o publico, taes sao as recompensas que os
servicos prestados a industria merecerao a
esta importante casa desde sua fundacao em
1804.
N'um sortimento de mais de 500 artigos,
as pessoas elegantes escolherao os seguintes:
ROSEE DU PARADIS, extracto superfino
para lenco.
POMMADA CEPHALIQUE contra a cal-
vicia.
AGUA VERBENA para o toucador.
OXIMEL MULTIFLOR.
VINAGRE DE PLANTAS
HYGIENICAS.
TINTURA VIRGINALE de beiioim.
ROSEE DE LYS, verdadeira agua de
Jouvencio.
S56, I>a.riz.
CREME LABIALE de sueco de Rosas.
POMMADA VELOURS para amaoiar a
pele.
ELIXIR ODONTOPHILE.
SABAO dedicado as damas americanas.
SABAO de bouquet da Frasca.
d*
*
d*
d
d
d
d*
d*
d
d*
de flores de alcea rosea.
de flores printanires.
de bouquet do outono.
de perfumes exticos.
aurora, dedicado aos dedos cor de
rosa.
de flores das montanhas.
de cheiro de foins nouveaux.
de bluets cheirosos.
de althe?. balsmica,
diapr, caixa rica, fantesia pari-
sieoce.
Precisa-se de ama mulher que
nhar be ti : na rna do Hospicio n. 44.
cos-
Alagase om sitio de coqoeiror. sem casa no
Bio Dom : qoem o pretender dirija ?e a roa dos
Pires caa o. 21.
Pulas Catharticas do Dr. Ayer
cuklo
Prlxo de ventre, Indtgeetio, Constipa matttmo, HemmorrhoUta, Dor de cabeca, A. Srerml-
glu, mal do estomago, Enxaqueca, mal da Fiaado,
Gaitrtte, Febre gartro-hepaUea, Zombrlgas. Eryetp.
ella, Bj/dropHa, Incremento do hoco.
Toda* aa molutiaa qne provm de ato ezceasivo de
Qnnlno.
0 mlhor purgante at hoje conhecido.
Estas pilulas assucaraas sao puramente vegitaes.
FUEGO E PTJEITICO SEM MECURIO.
A venda em todas as Boticas e Drogaras do Imperio.
ABTI OEBAL,
H. LAIB, Ba Direito Ko. IB,
Bio de Janeiro.
Vende-se em Pernambuco:
na
IjPHARMACIE FRANCA!'
iP.MAUREB
i UA NOVA ir. LU
Oaro c prata.
Em obras velbas : con pra-se na praca da ln
dependencio n. iS. Ima de. hilhetes.
Compra se orna eserava qne salba btm cosi-
nhar : a tralar no armazem da rna do Apollo nu-
mero 43.
----------- j' .....
Comprase urna casa nos bairros de Santo
Antonio, S. Jos ou Boa-Vista que nao exceda dp
I:2t0# : quem tiver annuncie on a tratar na ra
da Imperalriz loja de calcado n. 38.
Compra-se ou aluga-se una eserava anda
qne seja de meia idade : na ra das Trincheiras
n. 9 se dir qoem .
Compra-se urna preta de 30 annos, ponco
mais on menos, qne saiba cczinliar e eugoromar,
pagase bem, agradando : na ra da Praia n. 29.
Compra-se nma eserava de idade que saiba
cozinhar o diario do urna casa e ensaboar : no pa-
teo de S. Pedro n. 12, sobrado de um andar.
Compra-se nma ca=a de sobrado no aterro
da Boi-Vista on rna da Aurora : a fallar na raa
do Crespo n. 17.
Compra-se om escravo qne seja possante e
sadio, e que nao tenha vicios : na ra da Senzala
Velba n. 9i.
*
VENDAS
AVISO AS VENDAS
Na fabrica de vinagre a' ra Imperial
n. I, prximo a estadio do camniho de
ferro vende-se vinagre tinto superior em
| qualidade a outro qnalquer e pon preo
^ medico, aesim como branco e inclor.
mmm
r- Aluga-se o sitio do Rosarinbo com todas as
fructeiras e baixa para capim. pertenceote a D.
Vleencia Alejandrina Pereira Outra': a tralar na
raa da Soledade o. 46.
.
Ama*
Precisa-se de nma ama
saiba cozinhar e engommar
namero 4.
forra oa esrrav; que
oa ra da Imperatrix
Est por alugar e o primeiro an-r de so-
brado da roa de Agoas-Verdes n. 86 ; ranr aa
roa las Groxec, sobraos. 9, J andar.
BKFI^4I)0R
Precisa se de nm refinador qne saiba perfecta-
mente desempenhar este lagar : na refLoacao da
ra do Brum n. 41________^________
Aloga-se a casa dos Ledes, na roa dos Praze
res, com sotao, e commodos para I.milia.
Aluga-se urna casa na roa de Baixo, em
Ollnda, tem commodos para familia, grande qein-
tal com cacimba, est em bom estado : a tratar no
largo do Paraizo o. 14.
PARA 1866.
Acabam de sahir luz as folhinbas de
aigibeira e de porta para o auno de 1866, o
mais correctas possivel tanto no calculo das
lyas e eclipses, como as diversas fesias
que a igreja celebra; vendem-se nicamen-
te na livraria da praca da Independencia,
160 ris as de porta e 320 ris as de algi-
beira.________
Vende-se a fazenda de criar gados, denomi-
nada Nova Fazenda, no sertao dos Cariris-velnos
da comarca de S. Joao da provincia da ParahXbar
com casas ordinarias e curraes, com mais de um
qnario de legoa de largara e tres legoas de foMo,
terreno o melhor possivel para epaco e plantagKo-
de algodo, boa agoa em pocos do rio Socur, que
nao falla as maiores seccas, tem ptimo logar pa-
ra acude e cercado, boas vagante, tica na estrada
era'qne passam as boladas do centro, reoilo pro-
pria para solas, por ricar perlo das feiras, e dis-
tante 50 legoas desta cidade do Recife ; vende-se-
a dinheiro on- permuta-s por alguna casa on sitio
nesta cidade : quem pretender dirija-se ao escrivSo
Araujo, na villa do Cabo, oo na rna do Rosario da
Boa-Vis la o. 24 ao padre Cesario.
Vendem-se 400 pedras para ladrilho, vindas
da Ilha : a tratar na ra do Vigario n. 14.
Vende-se ama eserava de 40 annos de idade.
a qoal cozinha e engomma perfeitamuote : na roa'
de Santa Rita n. 44.
Vendem-se duas casas terreas em Ollnda, de-
pedra*e ral.m chao proprios, urna aa ra d.-. U-
deira da Misericordia o. II, e outra na ra da Rica
dos Quairo Cantos n. 13 : quem as qoizer ver diri-
ja-se aos Quatro Cantos, em Olinda, taberna de
Jos Perner, e para tralar no Recife, ro do Pilar
numero 86.
___________ #*
Veodr.-se urna eserava pereita- cjunheira
doceira e padeira, e o motivo por que se vende es-
sa eserava se dir aos pretenderes nos Coelh j-
rna dos Prazeres, casa n. 12.
Burro.
Vende-se ura barr de 7 palmos, bom para car-
ga oa carro : aa cocheira da roa da Roda.
PAO UE SENTEIO
Da se dinbelroja jpros
Prazere! n. 18.
Contioa haver pao de Senteio no das qnartas-
esaboados, na nadarla de Saato Amaro, atrada
fnndlgio, e no Reofe, roa da Croa a. M, roa Ur-
----- -. ga do Rosario, taberna da eeqoiaa n. TW. roa Nova,
no) Coelbos, rae dos armazem da Liga, roa da toperatriz, laberaa da
Sr. Lemosn. 46.

k



/
/
>
\

i
r*l****4t*** dMaWtilro mi,
NOVA LOJA
EKCICLOPEDinA
frt Ruada minratela arnazen
da porta larga ftt.
iunto a padarla fradeeza de
Paredes Porto.
Neste esubeleciraento encontrar o respeiuvel
publico um variado sortimento de fazendas trance-
us, ingieras, sutssas e allemaes, que se venderSo
por prego commodo.
Paredes Parto
Vende chales de renda de cores que se vende-
rn a tl$ est vendendo por ti*, ditos pretos, fa-
zenda nova, o$, 6, 8# a 20J1, um sortimento com-
pleto de manteletes, capas e soutac Largues 14 a
25. Ron da Impera iris n 42, junio a padarla fran-
ceza, arnazem da porta larga.
Paredes Porte
Reeeb* u um completo sortimento de laasinbas a
S40, e S80 rs. covados, para acabar, cambraias de
cor a 24d rs. o covado, riscado escossez para rou-
6a de menino, fusto de linho a 420, 400 e 500 rs.
na da Imperatriz n. 52 junto a padaria franceza.
armazem da porta larga. -
Paredes Porte
Receben para cortinados para cama franceza a
114 a peca cambraia lisa ana a 35 44 at 10* a
peca, cortes de tarlatana de bonitos gestos a 3*500
4, cambraia cora flor de seda, gostos inteira-
mente no vos a 100 e 500 rs. o covado, no armazem
da porta larga n. 52, ra da Imperatriz junto a pa-
daria franceza.
Paredes Porto
Receben pelo nltimo paquete nm sortimento de
crozes com pedras para o pescoco, bonitos caxineis
de 13a para pescoco de senbora. Ra da Imperatriz
n. 52, armazem da porta larga.
Paredes Porto
Vende cortes de gorgnrio preto para vestido com
SI covados cada um 35*000, grsdenaple preto a
1*600,1*800 e 2* o covado, ias lizas finas a 400
rs. o covado, Ias de qoadrinho para vestido, enfes-
lada, a 320 rs. o covado. Ra da Imperatriz n- 52,
armazem da porta larga.
Raspa feita
Ra da Imperatriz n. 52 armazem da porta lar-
ga junto a padarla franceza, encontrase neste es-
tabelecimenio um completo sortimento de paletos-
saceos e sobrecasacos, de todas as qualidades, cal-
gas, colletes, ceroulas, camisas, grvalas, meias,
chapeos de sol, ditos (rancezes para cabera, por
preces commodos, roupa para menino e oulras
multas f.izendas por precos commodos, armazem
da porta larga.
No mesmo ejiabeleclmento encontrar o respei-
tavel publico, sempre nm completo sortimento de
roupas fetlas de todas as qualidades, como sejam
paletos de alpaca preta e de cor, ditos sobrecasa-
cos a 4* e 5*, ditos de briro par Jo a 2*800, 3* e
3*500, ditos (nos a 4*, ditos meias cazemira

FABRICA A VAPOR
99 RA DO MONDEGO 99
Deposito na ra lWova n. 50 loj de relojoelro.
Delouche donos deste estabelecimento partecipa ao respeitavel publico que sua fa-
brica est montada com as melbores machinas que existem na Europa, e que pode
fabricarcom melhor perreicJo possivel. Todo o chocolate desta fabrica est garantido, e
puro, o que nao se pode encontrar naquelle qoe vem de lora, e que se vende por proco
baixo, visto os productos serem do paiz. Na etiqueta tera sempre urna aguia.
Meia libra.
Urna libra.
Urna arroba
PRECO.

-

. 400
. 800
. 194000
Na mesma fabrica acaba de se montar urna oficina com serrara a vapor para
obias de marcineiria propria para edificio, para o que encarregi-se de fazer portas, ja-
dellas, assoalhos (parqu fraocez como se usa na Europa,) e armac5es, ludo com brevi-
nade e'perfec5o. Toma-se qoalquer encommenda para fra da cidade, entregando-se
prompta a collar-se no lugar.
DE
a
3*500,' 4* e 5*, ditos cazemira saceos a 6*, 7*, 8*
e 10*, ditos sobrecasacos a 10 e 12*, ditos de pan-
no saceos a 6*, 8* e 10*, ditos sobrecasacos a 12*
e 25*, ditos de merino preto a 6*, 7* e 10*, cal-
cas de brim de diversas qualidades a 1*800 a 4*,
ditos brancos a 2*500 e 6*00,-ditos cazemira 5*,
6* e 7*, ditos pretos a 5*, 6*, 8* e 10*, ditos
meias cazemiras a 3* e 4*, coletes de diversas
qualidades, seroulas francezasde algodo, ditas de
lfnbo, ditas de bramante a 2* e 2*500, carnizas de
algodao de linho francezas de 2*500 e 3*. Gran-
de pecbincha neste genero, grvalas de todas as
qualidades e brancas para casamento, grande sor-
timento do meias para senhoras, ditas para homens
a 3*, superiores a 3*500 e 4*.
Um completo sortimento de chapeos de sol de
alpaca a 3*, ditos de seda a 5*, 7*, 10* e 14*,
ditos francezes para cabega, grande sortimento
a 6*.
Pechincha admiravel.
Grande sortimento de chambres a 4*600 e 58,
lences de cambraia para homem a 2* a dozla, di-
tos de linho a i* e ".
Grande sorlimente de roupa para meninos e ou-
tras muitas qualidades que seria enfadonho men-
ciona-las.
Paredes Porto
Receben pelo ultimo paquete francs ricas lias
granadinas com llores de seda 400 e 500 rs. o
covado, esto acabando-se, cambraia preta para
luto. Porta larga junto a padaria franceza, a ra
da Imperatriz n. 52.
Paredes Porto
Recebeu pelo ultimo paquete esparlilbos a pre-
guicoso por 3J>, sao bons, lencos de seda para se-
nbora e tornera a 1, ricos cortes de cambraia
bordados de i8 a 7, por ter nm toque de mofo,
estao se acabando, na ra da Imperatriz n. 52, jun-
to a padarla franceza.
Paredes Porto
Vende um completo sortimento de fazendas
brancas, como sejam madarolo a 4*300, 5*t 6* e
10, pecas de algodao por barato prego, chita fran-
ceza a 240, 280, 320, 360 rs. o covado, precalias
muito finas a 360, 400 rs. o covado, chita ingleza
a 200 e 240 rs. o covado. Roa da Imperatriz n.
52, junto a padaria franceza.
Fazendas.
Vende-se superior merino preto proprio para ca-
pas do sehora e vestidos a 2*. lustrim da China
a 1*800 o covado. Ra da Imperatriz.. porta larga.
Paredes Porto.
Vende em seu estabelecimento tiras e entremeios
bordados, grande sortimento de corplnbos rica-
mente bordados a 3*, 4* e 5*. So o Paredes Por-
to, roa Imperatriz no 52; porta larga junto a
padaria franceza.________________
Fazendas pretas para a quaresma, grsde-
naple preto a 1)5600.
Vende-se grsdenaple preto muito bom a 1*600,
1*800, 2*. 2*600 e 3* o covado, moreautique pre-
to muito bom a 3* o covado, merino preto fino a
3* o covado, bombazina para vestidos de senhora
a 1*400 e 1*600 o covado, alpaca preta Una a 300,
600, 700 e 803 rs. o covado: na ra da Imperatriz
n. 56, loja da Arara.
Panno preto hno a 2# 0 covado.
Vndese panno preto flno-para paletots e calca?
a 2*, 2*300, 3*, 1* e 35 o covad casemira pre-
ta fina a 3*500, 4* e o* o corte, dita para covado
a 1*800,2*. 2*500 e 3* : na ra da Imperatriz,
loja da Arara n. 56.
Chales de fil de linho a 80.
Vended se lindos chales do fil de linho a 8* e
10*, remudas de fil de linho a ti*, cortes de ves
tido a Mana Pa a 7*, 10* 12* : na ra da m-
peratriz, loja e armazem da Arara n. 56.
Meias cruas para menino a 15 aduzia
Vendein-se meias cruas para menino a 1* a da-
lia chales de merm estampados a 2*. ditos de'
ia'a 1*280, ditos de algodo a 1*, colarintaos para
homem a 5oO rs a dozia para acabar : na ra da
Imperatriz n. 56. loja da Arara.
Cortes de ganga e de brim a ||J600.
Vendem-se cortes de calca para homem, de gan-
ga e brim de cores a 1*600 e 1*800; cortes de
meia casemira de cor a 2*500 e 3, cortes de ca-
semira preta para caiga a 3*50J, 4* e 5* : na
ra da Iraperalrz n. 56,
Chitas baratas a 220 o covado.
Vendetn-se chitas de cores fizas a 220 e 240 o
covado, ditas francezas finas a 280. 320, 360 o 400
rs. o covado, cassas de cores para vestidos a 320,
360 e 400 rs. o covado, riscado francez para ves-
tido a 240 o covado : na roa da Impeatrlz n. 56.
Laziahas para vestidos a 240 o covado
Vendem-se laazinhas para vestidos a 240, 320,
360 e 400 rs. o cdvado, ditas finas com quadros
de seda a 300 rs., ditas de urna s cor a 50 1 rs. o
covado, golloras para senhora a 240 e 320, man-
guitos a *, camisinhasa 1*600 e 3*, finas a 4* :
na ra& da Imperatriz, loja e armazem da Arara
n. 56.
Baloes de aro s a 2*
Vendem-e baloes de todos os tamaitos o 2*
250C, 3*, 3*300 e 4* : s na loja#-e armazem da
Arara, raa da Imperatriz n. 36
Fil de linho de cores a 160 o covado
Vendase 0 de linho de cores proprio para
brinquedo do carnaval a 160 o covade, tapete de
core a 800 rs. o covado, velbntinas de cores a 800
rs. ganga encarnada a 320 o covado. pannioho sar-
Oi:i,IIO Roa da Cruz n. 16.
Continua a haver diariamente um sortimento de pastis, podins, bolos inglezes,
empadas etc., etc. Os donos deste estabelecimento, acbam-se as melbores condicoes
de poder salisfazer encommendas concernentes sua arte, em consequencia do socio
Freitas ter sido administrador chefe de algumas das principes fabricas na corte, sendo
urna a do Sr. Joo Goncal\es Guimar3es (confeitaria de Leo) antiga casa de Carceller.
Todos os trabalhos sao differentes dos que se fazem em casas particulares.
Os proprietarios deste estabelecimento nao se tem poopado a despejas, nem se
pouparSo, se houver concorrencia como esperara ; lendo con tinuadm ente bom sorti-
mento de doces para cha; presuntos e ditos em fiambre, tambera se recebem para se-
rem preparados ; assim como doce de caj novo superior, secce e crystalisado, dito em
calda em latas hermticamente fechadas, podendo durar annos em perfeilo estado.
Para jantares e partidas recebem-se encommendas dos seguintes objeclos; ban-
deijas ricamente enfeitadas sem armaco pecas de amendoas (nogaces), ditas de tmaras
de ovos, pes de l erifeitados com disticos anlogos a qualquer fim; ditos montados,
kechs simples e eBfeitados com fructas ingleza; gatheaux de la reine, ditos de le d-
chese, tortas de fructa, massa folhada; ditas de peixee carne; cremes e doces de ovos
de differentes especies.
Tambem tem um completo sortimento de vinhos engarrafados, como sejam: vinho
do Porto superior, Figueira, Madeira, Lisboa, Cberez, Bordeaos, Champagne fino, ser-
veja, licores, charapes e conservas. Para testas: bonitas caixinbas com amendoas, con-
feitos e mais enfeites. Muitos destes objectos mencionados pedem-se perfeitamente ac-
ondicionar tanto para a provincia, como para fra.
PSITO PIANOS
25 RA NOVA N. 25
Este estabelecimento acaba de receber um rico sortimento de pianos fortes ex-
pressamente fabricados para o clima deste paiz, dos mais afamados fabricantes da Euro-
pa, por isso o proprietnrio convida ao respeitavel publico para viren) apreciar as qua-
lidades dos referidos pianos.
Contmua-se sempre com esmero e promptidao fazer-se qualquer reparo nos ditos
instrumentos. Afinam-se os pianos debaixo do melhor systhema ltimamente adoptado
na Europa.
Fazendas, pbanlasia para vestidos chegados de Pars pelo ultimo vapor.
Lindos robes du organdys cesarianas fazenda transparente de intelro gosto.
Ditos de percalia campestre padres muito ricos.
Rlquissimas grioadines de seda o que tem vindo de melhor gosto neste mercado.
Lindos cortes de sattan ptkm para vestido lazenda inteiramente nova.
Ditos de gaze setlm em peca fazenda transparente e de gosto muito modernos.
Lindos chales de grenadim brocb, primeira vez aqu apparecidos.
Ricos bournns de crep guarnecidas de tranca muito proprios para passeios.
Riquissimas Ovalas para simo, de metal, de crysial com ac e com pedras finas, <
que ha de mais novo.
E outras muitas fazendas de Inteiro gosto.
Ra do Crespo n. 13.
Loja das columnas de Antonio Crrela de Vasconeellos
tfc Companhia.
DE
J.
Guachos iuglezes.
Veidero-ie na.|oa do Queimado loja da aguia
branca n. 8.
J Baleias para veslidos.
Vendem-se aa loja da aguia branca! raa do
Quelmado o..
Opiata Dgleza e franceza.
Vendenrse na ra do Queimado loja da aguia
branca n. 8.
Papel mata mosca.
Na ra do Queimado o. 8 lija da aguia branca
continua a vender-fe papel para matar mosca e
cuta 40 rs. cada folha.
Bonjas cestinbas para meninas.
Vendem-se na roa do Queimado loja da aguia
branca n. 8.
Agolhas para machinas.
Vendem-se na loja da aguia branca a ra do
Queimado n. 8.
Pastilhas fumantes e cheirosas.
Vendem-se na loja da aguia branca n. 8, a roa
do Quelmado, sendo ellas en, calxmhas de pape-
iao e de porcelana.
Bollas de ail uno para erig turnados.
Vendem-se na roa do Queimado ioja da aguia
branca n. 8.
Bonitas caixinbas
com perfumaras e outras com necessarlos para
costura, sendo estas com msica e sen ella' : ven-
dem-se na loja da agnia branca ra do Queimado
n. 8.
Colla branca para vid ros e madeiras.
Na roa do Queimado loja da agnia branca n. 8,
vi ndem-ie frasqolnbos com colla branca para sol-
dar vidros e porcelanas, e ontros com dita para
obras de madeira, en?ta 500 rs. cada nm delles, e
por essa commodldade de prefo convm cmpra-
los para estar prevenido.
Papel greve pautado com 33 linhas.
A aguia branca acaba de receber novo sorti-
mento de papel greve liso e pautado com 33 linbas
assim como de peso tambero liso e pautado, dito
pequeo em caixiaha^ sendo liso, pautado, beira
doorada e sem o ser. Tambem receben srande
sortimento de envelopes, lodo se vende por pre-
cos commodos: na rna do Queimado loja da aguia
branca n. 8.
Papel paquete branco pautado.
Vende-se na rna do Queimado n. 8, loja da aguia
branca.
Artificiaos.
Ramos de trigo com diversas cores moi proprios
para enfeites de gorros e cbapos de senhoras e
meninas, cham-se a venda na roa do Queimado
loja da agnia branca n. 8.
Banhaa e extractos finos
A agnia branca receben um excedente sorti-
mento de perfumaras finas, sendo bonitos frascos
de cores com extractos finos o de agrada veis ebei-
res ; assim como bellos vasos de porcelana doura-
da com banha de superior qualidade, lendo nestes
alguns com oscrlpcdes apropriadas para presen-
te, etc., etc. : qnem se dirigir a ra do Queimado
n. 8, loja da agnia branca, achara a certeza disso,
e boa disposico para vender a dinheiro por pre-
cos commodos.
AS PROVEITOSAS AGuAS
balsmica, denuncia e ambreada,acbam-se ven-
da na ra do Quelmado, loja d'aguia branca nu-
mero 8.________________
graxa
AGUIA BRANCA
Ra do ueimado n. 8.
Noyidades do ?avo>
A loja da aguia bianea acata de receber ucu
novo e granee sortimento de differentes tibjectot-;
de gosto e ultima moda, sendo :
Bonitos enfeites para senhoras gottos inieira-
mente novos.
Ditos ditos de grade com conos grandes.'
Lindas tivela urandea para ruitos com moides
agrad?7eis e diversas noall'Jido, madreperola,
tartaruga, ac e douraeas.
Boas e bonitas titas achato*lotadas para ditas.
Diles de dita de groseoaples lisas e lavradas
com novos e agtadavris tsenl:u.-.
Tranca.- pretas de seda cun vidlinos moldes
novos e de gosio.
Bicos branco e pretos de seda com vidrilbos e
de difereutes Iargnias e Lonitos dcscnbos.
Cascarrillia> de seda com diversas cores e lar-
guras, formas inteiramente novas a imita^ao de
pato, babadinho e oolra com nma transinha ao
centro o que Ibes d moita graca.
Outras eslrei-as e largas guarnecida? de bico
de seda obra de muito gosto.
Outras de cambraia de cores.
Botoes de seda, velludo e ac para enfeites de
vestidos.
Trancas de seda estreitas e larga.- brancas e de
cores para enfeites de vestidos.
Flores finas
CAPELLAS PARA MENINAS E NOIVaS.
A aguia branca a ra do Queimado n. 8, rece-
ben para vender :
Delicadas capellas brancas para noivas.
Ditas ditas para meninas.
Dilas ditas de caixos de flor de laranja.
Ditas ditas de rosas camelias e entras.
Ditas ditas ou ramos de trigo.
Diversos ramos de flores finas para peito de j
vestidos, eneites de cbapos ele, etc.
treparos para flores.
Na ra do Queimado n. 8, loja da aguia bran-
ca vende-se :
Papel de cores para rosas.
Dito verde para folhas.
Dito dito e pardo para cobrir os talos das ditas.
Musgo em rama.
Folhas para rosas.
Agulhase linhas para croehet.
Vendem-se na ra do Queimado n. 8 loja da
aguia branca, assim como aguihas para tranalhar-
se em laa.
00 PECHINCHA ADMIRAVEL"
kseossezas u 32UO
Ceg rain o mais lindo- cmtt-s de eseossezas,
propnos para.vestido, sendo fazenda inteiramente
Bova no mercad; e vende se a 3$20 o corle on
XDU rs. o covado na loja e aimazem do PavSo, roa
da Imperan iz, n. 60, de Gama & Silva]
Gasea fraacezas a 2M) rs. o euvado.
Vendem-se bouias cassas francezas de cores I-
xas pelo barati-sirr.o prreo de 240 o covado'
Ditas a 280, 3z0 e 360.
S na loja do Pavaii, toa da Imperaniz n. 60, de
Gama & Silva.
Chitas avalladas.
Vendero se fiaissimas chitas francezas, com pe-
queo loque de avaria, pelo barstissimo preco de
280 o covado. m
grande pechincha.
Assim como dius ingleza.- roxa- e claras, sem
mofo nem avaria, pelo baralissimo pn-co de 160 o
covado assim cumo, ditas muito boas a 00 e 240
o covado, isio na loja e aimazem do Pavo, ra da
Imperatriz n. 60, de Gama & Silva.
Chapees para meninas.
NA LOJA DO PAVAO.
Vendem-se os mai delicados e bem enfeuados
chai eos de | alba de Italia, para meninas : pe-
chincha, na loja e armazem do Pavo, ra da Im-
peralnz o. 60.
Grsdenaple preto a 1$600.
E' grande peebineba!!
Vende se grsdenaple preto, sendo muito encor-
nado e de boa largura, pelo baralissimo prego de
1,14)00 o covado : na roa da Imperatriz n. 60.
Itfocados a 190 rs.
Vende-se riscadinho escuro proprio para vesti-
dos ou rnopas para homem, pelo baralissimo pre-
co de 120 rs. o covado : s na ra da Imperatiiz
n.60. _____________________________
Na fabrica de vinagre, roa Imperial n. I,
prximo a es la cao do caminlio de ferro, vende se
vinagre linto superior em qualidade a outro qual-
quer, e por prego mdico, assim como branco e
incolor.
Vende-se
Latas e barrlszlnhos aom
econmico.
Vendem-se por preces razoaveis : na rna do
Qaeimado loja de mindezas n. 16.
Agua de iioilde para fazer os ca-
bellos pretos.
Na loja de miadezas a rna 4o Queimado n. 16,:
vendem se caixinbas com essa excellente prepara-
caoAgua de Hoildepara fazer os cabellos pre-
los, quem della precisar pode dlrigir-se a dita loja:
na ra do Queimado o. 16.
Paslilhas edurifleas para pe fumar sa-
las, gabinetes, etc.. ete.
Na loja de mludezas a rna do Queimado n. 16,!
veBdf m) caixinhas cora essas odorficas pastilbas |
furr.: ni.
I\ pe de peso e almaco, liso e pautado.
A loja de miodezas a ra do Queimado n. 16,
acba-se bem provida de papel de diversas quali-
dades, sendo almaco greve liso e pautado, com 33
linbas, dito de peso tambem liso e pautado, dito
pequeo em caixinbas igualmente liso e pantado,
Win beira uouraua e sem o ser, assim eomo enve-
lops grandes e pequeos, os pretendemos dirijam-
se a dita loja na rna do Queimado n. 16, qoe serSo
bem servidos.
Mesmo depoisda festa gasta-se pe fu-
maria fina
A antiga loja de mindezas a ra do Queimado n.
16, acaba de receber um bello sonimento de per-
fumarias finas, sendo banha fina, em diversos e de-
licados vatos de porcelana dourados com significa-
tivas inscripedes e sem ellas ; assim come bonitos
Irascos de phanlasia com excellentes extractos de
finos e escolhidos cheiros, e bem como uperior! da aguia branca n.
Papel de sobrecellente para os
phosphorus hygienieos ou de
seguranca.
A vista do grande lamanho das caixinbas dos
pbospberos bygienicos on de seguranza, tornava-se
posee o papel qne vem em ditas caixinbas, e para
remediar essa falta a aguia branca mandou vir e
acaba de receber esse especial papel, c qual se
dar de sobrecellente a quem comprar de taes
pnosphoros e se vender indislinctamenie a quem
delie precisar. O prego de cada caixinha de pbos-
phoro continua a ser 160 rs., e vendem-se na rna
do Queimado n. 8, loja da agnia branca.
Seda froucha para bordar.
Vende-se na ra do Queimade loja da aguia
branca n. 8.
Obras de crystal.
Brincos de diversos moldes.
Outros tambem de crystal de cores.
Ontros de aljofares brancos e outras cores.
Aderegos de crystal obra de gosto.
Rosetas de dilo e cruzes.
Bntoes de dito, brancos e de cores para collete.
Dilo de dito tambem brancos e de cores para
ponbos.
Vollas de dito e outras qualidades.
Leques de diversas qualidades
Vendem-se na ra do Queimado n. 8, loja da
agnia branca.
Aspas fortes para baldo
Vendem-se na ra do Queimado loja da aguia
branca n. 8.
CTomacome para Ungir ca
bellos.
a guia tranca avisa aos constames tregnezes
dessa excellente tintura, que ella acaba de rece-
ber urna nova remessa de croroacome, coloricome
e sabio branco, necessano para lavar os cabellos,
porlanto podem dirigir-se a dita loja na ra do
Queimado n. 8.
A bridores de luvas.
Vendem-se na roa do Lneimado loja da aguia
branca n. 8.
Porl bonquets
de bonitos moldes, dourados e cabo de madrepero-
la : acham-se a v&da na ra do Queimado loja
agua da Colonia em garrafas e frascos de diversos
tamanbos, dita dentifrees, balsmica e de flor de
laranja, cosmeliques finos e banhas em frascos de
differentes moldes. Vende se todo por precos com-
modos a vista da superioridade das qualidades :
na ra do Queimado, loja de miodezas n. 16.
Divertos objectos.
Bonitas tonquinha*
de fil de linho, cambraia e setim todas moi bem
enfeitadas: vendem-se na ra do Queimado n. 8,
loja da aguia branca.
Carreteis com retroz.
Na rna no Queimado n.8, loja da agnia branca
DE
VIGNES.
R. 59. Rl'A DO IMPERADOR N. 55.
Os pianos desta amiga labrica sao boje asss conbecidos para que seja necessano insistir sobre a
raa superioridade, vanlugeoae garantas que offerecera aos compradores, qualidades estas incontesta-
veis que elles tem dentli va mente conqaistado sobre todos os que tem apparecido nesla praca ; pos-
inindo nm teclado e machinismo qne obedecem todas as vontades e caprichos das planistas, sem
nunca falbar, por serem fabricados de proposito, e ter-se feito ltimamente melhoramentos lmportan-
iissimos para o clima deste paiz ; quanio s votes, sao melodiosas e flautadas, e por isso muito agrada-
reis aos onvidos dos apreciadores.
Fazem-se conforme as encommendas, unto nesta fabrica como na do Sr. Blondel, de Paris, socio
oorrespondente de J. Vignes, em cuja capital foram sempre premiados em todas as exposiedes.
No mesmo estabelecimento se achara sempre nm explendido e variado sortimento de msicas dos
nelhores amores da Europa, assim como harmnicos e planos harmnicos, sendo todo vendido por
precos commodos e razoaveis.
CHALES Cambraias.
Grande pechincha. Parede Porto vende cambraias lisas finas, gran-
No rna da Imperatriz n. II porta larga de Pare-! de sorticoento, a 3 at 6*, ditas Victeria zooito
des Porto, vende-se bales de merino estampados a! finas, com 10 varas a 6J, 650 e 7* : na rna da
H e 2*500 e finos 5#, este se acabando,
Bordados.
Chegoa a loja de Paredes Porto, roa da Impera
iriz n. 02, nm sortimento de camizinbas, gollinhas,
corpiobos, rouietras e sintos. de cambraia branca,
Imperatriz n. 5, junto a padaria fanceza.
Chegnem aos corpinbos de cambraia.
Vendem-se corpiobos de cambraia com entre-
meios a 4j e bl, estao se acabando : na loja de
Dlo barato prego de S#500, !500 e 4J, gol linbas Paredes Porto, roa da Imderatriz n. M, poria lar-
5")0 rs., romeiras a 800 e sintos a 800 rs, grande ; ga, juco a padaria franceza.
quantidade de entremeios a 500 e 800 rs. a pega
Vendem-se na loja de mludezas
a rna do Oneimado n. 16.
Bonitos leques de sndalo e outras qualidades.
Bonitos cintos com fivellas de diversas qualida-
des e moldes.
Brincos e crozes de crystal.
Abotoaduras de dito para coietes.
Bonitos porl-relogios.
Delicadas caixas com msica e sem ella, para
costura.
Aguihas e linhas para ebrochet.
Retroz superior em carritels.
Rendas pretas e bicos com vidrilhos.
Fitas de velludo com lisiras de cores para en-
feites de gorros e vestidos.
Dius de grosdenapies, Usas e lavradas, brancas
e matisadas.____________.
o aimazem- de lazendas
baratas de Santos Coelb.o
Ruado Quelmado n. 19.
Vende-se o segointe :
Cobertas de chita da India a 24400.
Lencoes de panno de linho a 2J200.
Ditos de bramante de linho de um s panno
3*200.
Lengos de cassa francos proprios para algibeira
a 29000 a duza.
Algodo enfesUdo com 7 1(2 palmos de largura
a UzOO a vara.
Atuoalhado de linho a 2*800 a vara,
Uito de aVidao a 2J a vara.
Guardanapos de linho a 3*800 a duzia.
Pegas de cambraia de salpicos a 4*500.
Laazinba aberu de cores a 320 o covado.
Cambraia branca de forro a 3* a pega.
Fil de linho liso fino a 800 rs. a vara.
Dito de dito com salpicos a 1* a vara. *
Panno de linho fino com 9 1|2 palmes de largo
ra pelo barato prego de i& 100 a vara.
Madapnles tinos a 8*, 9*, 10*, II* e 12*.
Cambraia lisa de 4*500, o*, 6*, 7* e 8* a pega.
Pecas de bretanha de algodo com 10 varas,
propria para saia, pelo baratissimo prego de
3*500.
Uaziuha lisa de cores a 300 rs. o covado.
Cambraias unas da cores miadinhas a 360 rs. o
covado.
Esleir da India propria para forro de sala de
4,5 e 6 palmos de largura, p&r menos prego do
que em ontra qoalquer pane;
Neste armazem umnens se encontra nm grande
sortimeniode roupa fe fia e por medida.
PAIU AeU4RiSM
PECHINCHA ADMIRAVEL.
Grsdenaple preto a 1 #600
Vende-se superior grsdenaple preto, fazenda
muito encorpada, pelo baratissimo prego de 1*600
o covado, sendo fazenda qoe val multo mais di-
nheiro : na loja e armazem do Pavo na ra da
Imperatriz n. 60, de Gama & Silva.
MANTAS PARA O PESCOCO
a 1*, s o Pavo.
Vendem-se boniusroantas para o pescogo, pelo
barato prego de 1* : na loja do Pavo na rna da
Imperatriz n. 6., de Gama & Silva.
o grande armazem da ra de Apollo ns. 38 e 40,
proprio para um armazem de assucar ou prtosa
de algodo em ponto grande por ter seis portas de
frente com mais de 67 palmos de largue* c 300 e
Untos de comprimento, todo coberto p sobre arca-
das, e para commodidaje dos ccmpiadores se ven-
de com o praso de dous annos ou o que se conven-
cionar, urna vez que seja com seguranga, e pagan-
do-so pela demora um mdico juro; as pessoM a
quem canvier esta compra poBerao entenderse
com Antonio Alves Ba bosa, na ra dos Guama-
pes n. 78.________
Phosphoros do saz a t000 a
groza.
Chegaram os bem conbecidos palitos do gaz e
vende-se por prego commodo : na ra da Caciea
doRicife n. 66 A, loja das machinas.
Palitos de fogo a $500 a
groza.
Chegaram os excellentes palitos de fogo e ven-
de-se pelo he ralo prego de 1*500 a groza : na ma
da Cadeia do Recife n. 86 A, loja das machinas.
Fazendas para a p resma.
No armazem da pona larga, ra da Imperan u,
grsdenaple preto a 1*400, 1*600, 1*800, 2* 1
2*500, moreautique preto de. diversas qualidades.
os mais lieos chales de renda pretos, e retondats
com moia roda, fazenda da ultima moda no mei
cado : do armazem da porta larga n. 52, na ma
da Imperatriz.
Vendem-se
machinas americanas de serrote para desean gar
algodo : na roa da Senzala ova n. 42. ______
CWE&.4RABI
AS
l-.. & .*- t iuu di. 'i- J
O, .1.1 o
Srs. agricultores, que chegaram machina'- .-me-
ricanas de serrote para desear^. "'rodc 'ine
vendem a prego commodo.
Peebineba admiravel
Laazinhas de quadrinhos que parece sed.. 240
rs. o covado, urna grande pechincha, est se aca-
bando : na loja n. 52, armazem da porta larga de
Paredes Porto.
Gaz, gaz, gaz,
Gaz em latas o melhor qne tem findo ao mer-
cado desembarcado ltimamente e vende-se por
prego barato : na ra da Cruz do Recife d. 37,
junto a loja de funi eiro estabelecimento de Joa-
qnim Fernandes da Cosa.
Lantljlas.
A loja da Aurora, na ra larga do Rosario n. 38,
receben sortimento de lanlijolas multo delicadas e
proprias para qualquer enfeite, assim eomo tam-
bera reeebeu luvas de Jouvin brancas e de cores
para bomem e senbora, muito frescas, chegadas
pelo ultimo vapor, todo isio na loja da Aurora,
ra larga do Rosario n. 38.
Carnaval
A loja da Aurora, na ra larga do Rosa io n.
38, vendem-se luvas de peluca mofabas a 500 rs.
cada par, ditas de seda tambam com mofo a tO
rs. o par, muito proprias para brincar estes das
do carnaval : na roa larga do Rosario n. 38.
Vende-se nma masseira de amarello em per-
feito eftado, e mais pertences para urna padaria.
na estrada nova, segunda taberna a direita, depols
do sobrado grande : a tratar na mesma, das 4
boras da larde em diante.
estao se acabando.
NevMatt.
Chegaram os bonitos chales e retondas de goipo- [
re brancos, e vendem-se na roa da Imperatriz n.;
52, loja da poru Jarga, de Paredes Porto. 1
Luvas de Jouvin.
a loja de mirtelas na roa do Queima-i
^'limTW o'covadoVa ruTTa" Iro^Tar no- do n. 16, resebeu-as por este ultimo vapor, j
mero 56.
642,
No aimazem da roa do Imperador o. 3 00 00
Caes de Pedro II n. 2, tem para vender-se o me-
nor ai ao siente no mercado.______________
MACHINAS.
JoGtfoerlno de Agoilar di C. vendem machinas
para oomraear algodo ; em seo armazem de fa-
rinba do caes de Apollo o. 53.
avariado
Francez barrica 5*000
Portland dem 8*500
Em perfeito estado:
Francez barrica 19*000
Portland dem 12*000
No armazem de Tasso Irmios caes do'Apollo.
Boa occsiUo para um prin-
cipiante.
Vende-se urna loja de miodezas com poucos fun-
- drTlme'r'ador 728 tem superiores dos, ranito em coma, em bom lugar e bem acred-
^aff -5 -efe i atm soasa s/ss
Bren em barricas pequeas.
Cera em velas de todos os umanhos.
Bogias.
Mercurio.
Na roa do vigano n. 19, primelro andar.
XTho"ela'm~aroa"ro-"se /rap Paolo Cordel- uberna n. I, qoe se dir qoem tem
Pechincha
Na rna do Qaeimailo n. 40
Cortes de laazinha de cor, bonitos gostos, com
15 covados a 3*600-
Cassas organdys de cores, covade a 240, pecas
de algodozlnho largo com 17 varas a 4*.
ias de dilo com 17 varas, muito encorpado,
com pequeo deleito, a 4*500.
Grsdenaple arelo muito superior, covado 39.
Duo dito a 1*600.
Retundas d renda preu a 10*.
Chales de renda preta a 8*.
emja clala
Ha diariarotttt a venda por prego commodo ;
no armazem da Liga, roa Non D. 60.
rande armazem de tin-
tas medicamentos etc.
Ra de Imperador n. 22.
Joo Pedro das Nieves ..ge-;
rente) tem a venda o
J seguale:
Productos chimicos e pharma-
m ceticos os m-is empregados ero
m me dio ir.
Tintas para todo o genero de pin-
SR tura e para tinturara.
ig5 Productos oduslriaes e tintas
|g para II. res, como botoes de flores
M e modelos em gesso para imitar
H fructas e passiros com o compe-
la tente desenho.
Pro iuctos cliimicos e industriaes
para photograpliia, linuraria. pin-
jQ tura, pyrotecnia et'.
M Montado em grande escala e sup- m
m prido directamente de Pars, Lon-
5 dres, Hamburgo, Anvers e Lisboa
pode offerecer productos de plena
SP coufianca e satisfazer qualquer en-
Wfc commenda a groso trato e a reta-
ge lho e por pre^o commodo.
**** Bo*a
Vende-se
na rna de Vigarlo n. 19, Io andar, vinho do Porto
engarrafado de differentes qualidades, em barris
e ancoretas :
Vinho da Figneira era barris.
Cera em velas.
Carvae animal.
Alfazema de Lisboa.
Cal de Lisboa.
Vende-se um sellim inglez com arreios, com
pouco nso e por prego razoavel : o roa das Cro-
les o. 41 A.
Vende-se nm cylmdro para massas de pada-
ria : na rna do Rangel n. 9.______________
Vende-f ura mulatinbo de 13 annos, de ; fi-
nita figura, serve para um bonito pagem : na ra
do Quelmado n. 34.
Ycruiem-se doa* armages propria? ova
montar abruma taberna on deposito : a tratar ua
roa da Aurora n. 74. _____
Vende-se fumo de Garaohnos muito superior
por prego de 15000 a libra : na camboa do Carmo
numero 10. .i_________
sitio da capeila da estrada
trataron mesmo sitio.
de
j-.i.-.i
io
prximas io
de Barros : a
__Ainda est por vender-se um mulatinho de
bonia figura em a rna do Nogueira n. 43 : na
mesma compra-se urna casinha pequea, sendo no
hairro de S. Jos ou Boa-Vista, uu mesmo meir
agua.____________________u_____________
>K1
nm bonllo cavallo giande d bstanla gordo, de cor
prela com os anda es carregador bino a roeio de
redea sola : quem o pretender pude ir velo na
cocheira do Sr. Paulino ra de Santo Amaro e a-
tratar na ra do Anu-rlm n. 39.
Potassa da Russia
Vende-se no armazem 'e assucar de Jus
da Silva Loyo & C, largo da Assemblca.
_ Vende se a taberna da ra do Ro-ario a
B^a-Vlsta n. 50, bem afreguezada, po" ^e dono se
querer retirar para tora da provincia : quem vro-
lender dirija se a mesma taberna que achara cen
quem tratar.
13
Vendem-se. i lindas ctioullnhas de fdade
a 15 annos, recolhidas, com habilidades, 3 esc y.
para lodo o servigo, 1 lindo mlfqtu de iflde
annos 1 pegra por 500*, f mulata nerita engom-
madelra : na travessa do Carmo o. <
Vende-se nm cavallo sellado e enfreado, que
anda bem baixo a meio : a traur na ra das Plo-
res, loja de slrgneiro n- i. __________^
"TI Vende-se a possn do terreno d raarinha r*..
40 A, sito na ra Imperial: a traur com joac
Querioo de Agoilar &C, em seu e?criptorio, roa
da Cadeia n. 65, 2* andar. ______
^.^^ i ""'
Vende-se orna machina dR crawthar con i' -
vallo em padaria, vndese unta com o melhor rav-
vallo qoe trabalha neste geuero, enja machina e>u
irabalhwdo.e vetrd-s por seos ''5 ^w'ir
montar o seo estabeleeS?:;!: i *g 5" T? sW- -
por: a tratar na padana a ?nn ds Safla Croz
Ipurcero 0.

__
i
_L



PARA A QUARESMA
Chegaram a loja de Augusto Porto & C.
11 Ra do Queimado-'-li
Superiores cortes-dt? seda preta.
MWreaiitiqie-prem de flores e de listas bellos- radrSes.
Gros*ptepre-* diversa larguras e qualidades.
lieondas, bournus e chales de-gaip, e de rendas.
Pannos pretos, casemlias iwela; booabaainas.
Lias, canto, merina eseleatriats prelas.
Lindas mantar de seda para peyoooo.
Ricos cortes de seda de cores para bailes ou casameotos.
Ricos cortinados bordados dos mais bellos desenbos.
Moirbraneo, seda Mana*capellas e mantas para noln?.
DallaonaMt da sttla< de la e seda para cama de noivas.
Saiasa-aaiatanaiabraa ricamente bordadas.
Fareoda da prega.para saia que se aieni com urna s costara e tambera tem coi
corda teott*
Madapoio. fraeeet a 400 e 480 rsi a> Tara.
Alcatifa de llnho para salas e gabisele a 480 rs. o covado.
Faienda. espacial da qaadsos para aie redes a 34500 a vara.
Diaria de
_--------:
! LEIAM TODOS!
1TOVOS GERENTES
DOS
TRES GRANDES
ARMIZENS DE H0L4BI
DENOMINADOS
PROGRESSIV pateo doCarmon. 9
UNIAO E COMMERCIO ra do Queimado n- 7.
VERDADEIRO PRINCIPAL ra do Imperador n. 40
-SUTORIO MrJIClrfM
KBEftO DE.ATTAHYDE LOBO
HEDlCty P&aYTEIB* K
Ba da Gloria, casa do *

j Superiores esteiras da ludia para
11 Ba do QelniadoU
salas.
O D>. Lobo Moscoso d consultas gratuitas aos pobres todos os dias da 7 as 11
aoraadanaobSo, a das 6 e meia s 8 horas da Boitoi eicepcaa des dias santificados.
P1$&rmacia especial homeopathim^
No mesuro -consultorio lia sempre o mais appropriado sortimento de carteiras
tubos avulsos, assim como tinturas de varias dyamamsacSes e petos precos seguinte;
Carteiras de 12 tubos grandes. 12 > de 24 tubos graades. 18JOO0
de 36 tubos grandes. ". 244000
> de 48 tudos grandes. 305000
^kT* -* de 60 tubos grandes. 350000
Prepara-se qualquer carteira conforme o pedido que se fuer, e com os remedio
quasenAnf ff "4
Un tabo avulso ou frasco de tintura de meia onca WOOO.
Senda para cima da 1 custaro os precos establecidos para as carteiras.
Ha tubos mais pequeos cada um a 500 ris.
COTES BE SBttA _
Chegarampelo paquete iuglet riquissimos cortes de moreaatique,de cores, e seda lamo* pa-
irees iuteiramente novos. Un/\r\ 3
Seda de quadros por 10000-o covado
5HHJ DO CRESPO-5 _
Gregorio Pac do Ama ral A Compan.
DE MiI MI
DAKTE CARVALHO PERIR4 $C.
Fazem sciente ao respeitavel publico, e conv especialidade aos sensores de en-
genhos, lavradores e mais pessoas do ceatro, que: para mata: facilitarisuas beraram os proprietarios dos tras grandes rmaseos, reunir todo* o seue estabeleci-
mentos em um s anouwhn'. pe* qaal o< proco de nra-se*'de.pxonwtte- A ^1^ obrada homeopathia, o Afanar de Medicina"Homeopalhico do Dr. Jarb
tnos que nio1 infringfranoa- a tabeRa que abaixo vai publicado/ anmaaetaros gneros dous grandesA^lrjmes rm diccioriario -.......... 200000
por um preso, e na occasiao.da,icompra- quererem por outro, como socede- constante-! Medicina domestica do Dr. Hering........... 104000
em outras muitae catas* pern nos nossos estabelecimentos nao se dar irto Repertorio do Dr. Mello Moraes......... 64000
MVttOS.



1

Para ve&tidos de senhora.
Cortes de seda de cor de bom goeto e superior qualidade.
Lindas sedas, de quadrinhos.
Bons raoireantique* de cores.
Grosdenaples da todas as cores.
Lindos poil d i chevre fazenda assetinada de inteira nimdade.
Lindas duquezwassetinadas fazeoda iuteiramente nova.
Modernos greaadines de seda o que tem vindo de ma novo.
Grande variedade de las de cores lisas e de salpicos.
Organdys e cansas de muito bom gosto.
Percalias modernas com grande variedade.
Lindos cortes de la -Clotilde com todos os pertences cadaum em seucar-(
P^BSc^decaS'con barra tambem inteirameate nov
kfazendas de gosto que seria enfadonho mencionar.
R Para hombros de senhora
Grande variedad-de-chales, bournous, retondes e algeriennes de fil e de-
l/uipure a 10, 16, 20, 30, 40, 60 at 80fl.
Modernos soutembarques de seda de superior qualidade.
Lindos borles de seda de cor pretos e de cachemira,
dem de carnbraia branca bordada com muito gosto.
Sautembarques e bournoux de cacbimira de cor e outros mudos artigos
'bom gosto.
Paracabeca de senhora
58 Superiores chapelinas de palha, de seda e de crina de muito bom gosto a
h peratriz. .
Mi Chapeos de-p^lharda ttrfia grand^vanedade.
""Xitiraos guuos o upuow h Ipnun*.
4. e a Grante, chegados de Paris pe'o ultimo vapor.
18 Grande variedade da enfeites de froco e de flores pira-casamento.
Superiores vestido* de blonde. e de nnireantique brancos.
Bonsmiireantiqnes branos e superiores sedas brancas.
Bons vestidos-de tarlatana branco bordados.
Lindas mantas- de blonde e boas capailas.
Bordados.
Grande variedade de ea-tremeios brdalos transparente e tapados.
i Tiras bordadas transparentes e tapadas, babados bordados, saias bordad
outros muitos artigos. J.
! LfJJt* DAS COICMaiAS
GORRElA HE VASdONCBLLOS & C.
mate em outras muUae caeasn porm nos nossos estabelecimentos nao se dar
ainda mesmo com prejaixo noseo, qualquer pessoa poder mandar seus fmulos que
ser5ovtaiabemsorvidoieomo^rteMem^ssoalmente fazendo-nos o favor de. mandar seus
pedidos em cartas feixadas; para evitar qualquer engaos, remetiendo nos urna, conta
pela qual se ver os preces tai qoal'aanueoiarmeaa o qoeasnio awepeadSr pessoa
alguma. que fizer soa despeoca em nossos. estabelecimentos; poi^.poupar'mais de
5 por canto na mg despea diaria.
dec


i r.anntior. a P.lntilrle S
DE 4.NTONIO-
--
HiM do cRuspo m, 13
RIJA DO BRUM J. 3
Manteiga Higlea perfeUamente flor obe-
gada ltimamente a l,ooo rs. a libra, e
em barril ter abatimeeto.
Manteiga franceza-da^afra nova a 800 Ts.
a libra e em barril ter a batimento.
BANHA
Banba refinada, pariop a 6*0 rs. e em
barril teri'abatimenlov
C9T4
Cha uxim-de primetra e-superior qaalida-
de a 2,800 rs:
dem hyssor o melhor neste genero a
2,6oo rs., a sendo em. porco tara abatimen-
to, tambem ha.proprio para.negocio de 2 a
2,4oo rs. a libra.
dem preto* superior de 1,80o a 2,5oq rs.
a libra.
Biscoutog
LaU casarfi*ip*i.bisito ioflez de di*
versas marcas a.-lv2oo ra..a lata.
Bolaehteha*
Latas com bolcbirdn da acreditada1 fa*
brtoa de beato-Antonie, pmpriw para^dar a
doentes de 2,oo a'3,oo8TS. a lata.
dem com qnatfo libras dcbolachinba de
soda a 2,000 rs. a lata.
Queijos;
Queos flameagoa chegadot' pele ultima
vapor de 2;3oo a 2.5oo re.
chocolate:
Chocolata bespaohol a l.ooo e l,2oo rs.
a libra, francez e suisso a l,ooo rs. a libra
eportugoez a 800 rs. alibta, em por?5o
ter abatimento.
VtNHOS
Superior vinho do Porto das mais acredi-
l-mlas maltas, iiuiuu oojom. Modoira fioijua.
Duque do Porto, Velho Sosco, Lagrimas-do
Dburo, Mara fia, D. LUiz, Pedro V, Lagri-
mas Doces e outras marcas a l,ooo a garra*
fae 9,eoo a 12 ooors.a duzia.
Vinho Figueira e Lisboa das melhores
marcas a 4oo e 5oo rs. a garrafa; e a 3,ooo,
3,5ooe 4,000 rs. a caada.
Superior vinho cbamisa em barril a 64o
rs. a garrafa e a 4,5o rsi a caada.
Superior vinho de Lisboa e Figueira em
ancttretasde 8 e 9 caadas a 2 i,ooo rs. a an-
ooreta.
Superior vinho braneo proprio paramis-
sa a 640rs. agarrafa, tambem ha maisbai-
xo para 4oo, 5oo rs. a garrafa- e 3,2oo a
3,5oo a caada.
Caixas cora urna duzia de garrafas de su-
perior vinho Bordeaux a 7-,oo rs. acaixa e
7oo rs. a garrafa. 'M ,
CAFE
Caf do Rio de 1.* e 2,* qualidade de
6,800 a 8,2oo rs. a arroba, e de 24o a 28o
rs. a libra.
0 proprietario deste estabelecimeoto deseja chamar a attOncao dos senaores pro-
prietarios aos acreditados mechanismos que continua a fornecer ; os quaes garante ser,
:011o sempre, da melhor qualidade possivel:
Madrinas de vapor
foica de 2 '/ cavallos para cima. As menores sao mui proprias para motora sde
descarocamentos de aigodo; as maiores para moer canna; ha tatobem. qae podem junte
ou separadamente moer canoa e descarocar segundo suas proporc5e*> Estie vapore
sao simplissimos na construccSo, e se regem por qualquer pessoa inteligente, a facilida-
de da condcelo sendo especialmente considerada, tent qae b(5o hajiugarv em que nio
se possamconduzir, qur por trra, qur embarcado. Ha com moa idas juntas ou sem
lase podem-ee appliear a < substituicao das rodas da almanjarra. Ella tem depositos. e lio precisara para o seu assentamenlo de obra alguma, qur de carapina, qur de al-
vonaria. 0 temfo para assenta-las no exceiHtde doze dias"ao maij-,' e em-'casos de
mirles de animaos ou arrombamentos de acndoa, etc., garaBtoi o-aetentamealo^era
oi.o'dias. Lembra-se aossenberes-deongenho quoa venda gente oceupada no seu tratamanto osho de recuperar da maior parte da despeza do
vapor deixando-lhes a vaatagem> de urna moayam certa e acceterada-j e aoabaado com a
dspeza da compra continaada de novos anlrnaas. com1 os dasgostos- do trabalhoqaa
se tem com alies.
Ilodas d'agun- de ferro, mui- maneiras e moaodo com qualquer altura
d'agua. m
*;.!rrilho8 eon eratetas de ferro para as mesmas, quando se-desege fazer
e-resto da roda de raadeira, tornando-ee assimjf.roda iigeira noitraballK^
tloeodas de' canna de todos- os tnanhos desde a-mais-pequeascham**
das do serto. Obra perfeita em feitio e aouahameato.
Rodasdeespafa c angulares -de todos os taannos e proporces.
i;iiro ocoba.paro receben o caldo.
Crivo* de foriMlba para asseatamentos, frescos para o foguista, fazendo
giamle'calvr com pouoocombnstivel, eluradouro.
Portas de forstalha de todos os tamanhos e de diversos-systemas.
doraos c ntlabos para a fabrica de farinha e tambeca chap redondas
psra fornos pequeo. 1
lionrbtts simple* de rapocha.
Talaas de ferro batido e fundido e do-cobre.
Formas de ferro batido gajvanisado par* purgar assfucar, lwes para' carregar
.4Jjpemptos Je quebrar-se.
.1 .lamblqnes de ferro de todos* Umanoos, castaad s a terca parta do
pr^co dos de cobre, mais regulares na distillaclo e ignalmeote dwaveM;
Bl^ns e redes de earre com caaag s de patente, *bra mui segurf/fara
carregacSo de peso.
..raifos. rradf;*, eacUados a caralle e outro^instrumentos da agri-
cultura. E finalmente todo o objeeto de que possa precisar um engenho.
Marinas de descarocar algodto.
Na fabrica se fazem obras nova enoommenda e concertos, com a maior preste-
za e solidez. O grande deposito, de paca a objectos habilitam-na muito para este im.
0 proprietario sera sempre mu* feto de poder ter occasio de dar infoTBUry5es ou
esdarecimentos aps senhores que se servir te ee prestio.
D. w. Bowman, engaobmro.
Vinagre
Superior vinagre de Lisboa a 2,000 rs. a
caada e 280 rs. a.garrafa. Tambem ha
mais baixo para loots. aaganafa e l,4eo.rs.
a caad
Agente d^ce
Superior azeite doce de Lfsba a 6io rs. a
garrafa e a 5,000 rs. a caada.
FU 4 CATORt-..
Latas com superior farno caporat a f,8oo
rs. a lata. 1
Passas
Superiores passas a 2,5oo o quarto e
9,50o rsT a caixa de arroba hespanhola e a
56o rs. a libra.
GEAEBRA
Genebra. de laranja verdadeira a lo,5oo a
duziaa l-.ooo.rs. ao frasco..
Genebra de Hollanda verdadeira a 6,000
rs. aiasqueira e a 56o ra.o frasco.
Idom de Hollanda em botijas a 4oo rs. ca-
da uns.
Garrafoes com 24 garrafas de genebra de
Hollanda a 8,000 rs. o gamfa"o. Tambem
ha garrafoes com 5 e 14 garrafas de 3,2oo a
6,000 rs. cadaum..
VELAS
Velas de spermacete a 64o rs. a libra.
dem, de carnauba de lo a 12,ooors. a
arroba e de 36o a 44o rs. a libra.
PEIXB
Peixoom latas j preparado de fkooo a
l,2oo rs. a lata
ALPISTA E PAINCO
Alpisla e painco muit aovo de 3,800 a
4,ooo'rs. a arroba e de *4a o 160 rs. a li-
bra.
CHARUTOS.
guporioros oharatos do fabricantes Simas.
Imperiaes, Delicias, Paraieoses. e outros de
2, ,5oo e 3,000 rs. a meia caixa: tambem
temos Suspiros; Havaneiros, Ligueiros e
outros muitos que vendemos por mdico
preco.
Licores
Licores francezes eportoguezes a l.oooe
4,4oo rs. a garrafa ou fraseo.
Doces
Doie da casca da goiaba em caixes e la-
tas a l,2ooo caiso e 2,800 rs. a lata.
Frats
Frutas em-calda e em latas fechadas her-
mticamente, aoito bem eufeitada, conten-
do pera, pecego, ameixa rainha Ctaudia, al
perche e outras frutas a o) rs. a lata.
Tambera ha latas grandes para l,2oo rs. a
lata.
AZEITE DE REFINADO
Superior azeite francez refinado a 8,000
rs. a garrafa e a 9,ooo rs. a duzia.
MOLHO INGtEZ SAUCE
Molho ingloz Sauce em frascos grandes
com rolha de vidro a l,8oo rs. o frasco em
Diccionario de termos de medicina........... 30000
Os remedios deste estabelecimento sao por demais conhecidos a dispensam por
tanto de serem novamente recommendados as pessoas que quizerem usar de remedios
verdadeiros, enrgicos e duradores: ha tudo do melhor que se pode desejar, globos de
*erdadeiro assucar de leite, notaveis pela saa boa conservacao, tintura dos mais acredi-
tados estabelecimentos europeos, a mais exacta e acurada prsparasao, a portento a maior
Mergia e certeza em seus effeitos.
Casa.de saude para esemvos.
Recebe-se escravos para tratar de qualquer enfrmidada ou faza/-se-lhe qualquer
operaco, pira oqoe o annonciaote julga-se sufficientemente habilitado.
0 Ira lamento o methor possivel, tanto na parte alimentar, como na medica,
funecionando a asa ha nalde qaatro anaos, ha muiias pessoas de cujo eonceito se nao
pode-duvi dar; qae podem. ser consultados por a quedes que desejarem mandar seus
doentes.
Paga-se 2,-> por dia durante 60 das e d'abi em diante l&OO.
As opnac^es'serao previamente ajustadWi se nao se quizerem sujeitar aos preco
razoaveis que costuma pedir o annnnciante.

NVB44
Sab5o maca de primeira qualidade de 18o duzia ter abatimento.
a22ors. a libra e de 16o a 21o rs. sendo BATATAS.
Gigoscom 3o libras de batatas a l.ooo rs.
o gigo.
SARDINHA&
Latas com sardinhas de Nantes e Lisboa
em caixao.
Sorreja
Superior serveja Basa dos melhores fa-
bricaste, como sejam: Shlers & Bell-. T. F;
Ashe a 7,5oo e 3Jooo rs. aduziare a 7oors.
a garrafa.. Tambem -ha de outras marcas
como'seja: VictoriaeAlcopoa 5,ooo-rs.a du-
zia e^oo*rsaaarlati
B 1ES VASIOS.
Boies vasios; louca ingleza mortopro-
pria para manteiga e deposito de doce de. 4
a 12 libras a l,2oo e2,5oo.
FARINHA DO MARANHAO.-
Farinha do Maranho a 24 rs. a libra*
SAG*.
Sag muito novo-aAoo rs. a libra;
ARARUrA. ^
?1
de 4oo a 46o rs. a lata.
FUMO AMERICAN.
Superior fumo em chapa a 640 rs. a libra
EftViLHAfr
Latas com ervllhas (eijio.verde j pre-
parado 64o rs. a lata.
MASSA DE TOMATE
Latas com 1 libra de massa d tomate a
64o a lata.
VERMU.TH
Este bebida, muito fresca a estomaede
muito propria par.i a presente estafo. a
qual vendemos a2,ooo rs. a. garrafa e 18$
a duzia. ^
Araruta verdadeira a 4oors. librav
Pimenm, com'mhH crave, candila. aryadoco,.aLfazama,.tijoJlo para Jimpar faca^.pa-
litos paradantes, palitos de'rogo, e onlros muitos gneros que;ae tornan < enfadonho
raencionac, aflaocando cinceridade nos precoa e o bont acondicionamento de quakjuer
goniroi.
R0ANES BARATOS
Vendem-se, na livraria da praca da Inde-
pendencia n. 8, a 400 rs. o voluma, os ro-
mances portoguezes seguin les, em brochnra:
A voz,do sangue, 2 voluntes.
Connemara, 2 ditos.
A noite de S. Silvestre, 1 dito*
O fllho de Titiano, 1 dito.
Adonis ou o bom negro, 1 dito.
As das amadas, 1 dito.
O pachde Buda, 1 dito.
Trilby, l*t.
Ignez de la Sierra, 1 dito.
Jo vea Siberiana. I dito. ,
Veode-se sal'grosso : a trjt(&r.Ba roa da Ma-
dre de Dos d. t.
...... ''^aasaatK'......
Vndese sapefion^Qai|o do serto : na roa da
Madre de Dos, araiaan<|0!H a igrejv ^^^
Vende-se orna loja de mlatef com poucos
fondoem roa de, oa)cio pe/, pj( mnito em
conta; na mesma r.a^vaadfrsa um. mobia, de
flmirnlhn winh*- i"m riuu*r dlrija-se a roa
Tesonrss para.encrespar babados,
Vendttn.se tosonras para encrespar babados
de doaa, tres, qaatro e cinco p^rnas : na ra do
Quemado, Aaevtda.aUnaaos. ^_____
-------1---------r-T
ARMAZEtl Dfi FxiZElDAS
DE
CUSTODIO CARVAI.IIO V.
27 RA DO QUEMADO. N. 7
MadapolSo francez muito-fino, tendo sohoo mofo, cada' pesa- con 27 varas por
10000.
La de enresa 300 rs. o covado.
Cambrala frariceza a 260 rs. o covado.
Finos organdis a preco de 800 rs a vara.
Lencos brancos para algibe'rra a 2i5rO0-a duzir.
Finas perclaras a preco de 400, 440 a 560' rs. o covadi
Ricos cortes de la de barra de 105 a.300000.
Chales de fil preto e outras muitas fazendas.
MACHW4S DE PATENTE _
DE TRABALBAR A MO PARA DESCA-
RGAR ALGODAO
FABRICA POR
PLANT BROTHERS & C.
OLDAM.
Estas machi-
nas podem des-
carocar qual-
quer especie de
algodao sem
estragar o fio,
sendo bastante
duas pessoas
para o traba-
Iho; pode des-
carocar urna
arroba de al-
godao em ca-
roso era 40
minutos, ou
18 arrobas por dia ou cinco arrobas de al
godo limpo.
Assim como machinas para serena movi-
das por animaes, que descardcam 18 arro-
bas de algodo limpo. por dia; e motores
para mover urna, duas ou tres dessas ma-
chinas.
Os mesmos tem para vender um bellsi-
mo vapor que pode fazer mover seis destas
machinas mencionadas; para o que convi-
da-so aos senhores agricultores a virem ver
e examina-lo, no a mazem de algodo, bo
largo da ponte nova n. 47.
ftannders Brothers k C.
Recife praca do Corpo Santo n. H.
Os nicos agentes nestepaiz. t
0 castello de rasvle.
Trtala 4 frsaeex par A. J. C. da Craz.
Vende-se este bello romance em quatr
tomos pelo baratissimo preco de 300C
na praga da Independencia, livraria na.
6e8,
da Imperatrlz *.**,
qaea tem para ve '
a NMbador qae se dir
"%el!o
em saceps grandes a 40SOQ : nos aTmazens
de Tassa Irmos.
Gommi de mflho branco
american
Esla preciosa fcula, cujas propriedaie medi-
cinaes a imprensa europea.Unto tem exallado para
a cura das molestias do peito, recommanda-se tam-
bem como alimento sadio e nutritiva para as en-
ancas, prestando se a variados preparas culinarios,
i A geral aceitacao qae ella tem otjtido por toda
: parte' o sen maior elogio : vende-ae uoicaraenle
na rna do Impellor n. 87,raM>m Allianca.
1tlJaIIa_inscar'' jndtodo, sor ba.ratisajmpa
presos, "par acabar, 6 oajectos seROiotes, que ser-
vem mol bem aos 4ajMttMllMal<'c nos bai'es mas'
carados, sendo : -
Mels 4 seda a t*ft-far.
miM e 3^ eada um.
Fitas lavradM da 5IB* l& vara.
Cintos laros com pona eabldat.
Novidades do Vigilante
RA DO CRESPO N. 7.
' Este estabelecimento apezr de sempre
se achar bem sortido como todos sabem,
hoje mais que nunca, nao s pelo que rece-
be de su a propria conta, mas tambem pelo
que recebe de consignacoes; parece sem
duvida que deve offerecer grandes vanta-
gens para o respeitavel publico tanto em
precos como na escolfaa dos objectos, e co-
mo acaba de chegar grande reraessa pelo
vapor Douro e o navio Solferino de
diversos objectos de gosto e proprios do
tempo dos quaes se menciona rao alguns,
por nao ser possivel mencionar todos. O
dono deste estabelecimento espera a pro-
teceo de todos.
Riquissimas caixinhas ornadas e com
msica propria para um delicado mimo.
Caixinhas de msica tanto de veio como
do corda.
Ricos porta joias a necessarios.
Riquissimos est-jos a feitio deum baosi-
nho ou chapeuzinho.
Ditos em casca de noz e de outros gostos.
Leqoea de madeperola de sndalo e de
faia e madeira.
Chaposinhos e touquinhas de muito
gosto para enancas.'
i Meias e sapatinhos de seda para as mes-
mas.
Meias de seda paca senhoras.
Capellas e grinaldas de flores proprias
para casamento.
Enfeites e capellas de muito gosto para
sauhora.
Riquissimos porte boquets.
Boquet de flores com urna borrachinha
com chairo.
Lpvas verdadeiras da Jovin.
Ditas de seda e de Escocia. ^_
Riquissimas plomas e guaraicoes para
enfeitar chapeos.
Contas e tubos de ac branco, que ha
muito se desejava para enfeites.
Brincos, fivellas e erases de crystal.
FiveHas-oerezes.de tartaruga, madripe-
rola e dourados.
Alfinetes para grvalas.
BbtSes com, croas para pum)os.
Gravatinhas e mantjphas de muito gosto,
tanto para hornera como para senhora.
Riquissimos adereces .prelos, assim como
caiiinhas cora aifietea pretos.
Bengallas de canna com cabo de raarfim.
Ditar de baleia, borracha e de outras
muitas qualidades, assim como .cbicQtjahos..
Riquissimos pentes de .tartaruga do ulti-
mo gosto; assim como de arregaco para
menina, pois neste artigo ha um completo
sortimento de todas as qualidades.
Diademas para cabeca do ultimo gosto.
Riquissimas fitas lanadas e lizas.
Trancas.pretas com vidrilho e de cores.
Framcisco Jos Germano
RA- NOVA N, 22,
acaba de receber um bndo e magnifico sor-
timento. de ocjuips, Junetos, binculos, do ul-
timo emais apocadogosta48 Europa e oco-
108 de-alcjoaai para c*ei: vaces e para, os
martimos. ~~s,_______________________
Manual do Cidado
Vende-se o Manual, do Cidadao em um
Governo Representativo ou principios da
Direito Pnblico Constitucional Administra-
tivo das Gentes, por Silvestre Pinheiro
Ferreira, em 3.volumes broxp.rados-por 3
cada obra : na livraria n. 8 da praca da
Independencia.
-^ Venderarse sap<$pt& p'cwayps de Wistpha-
lia,.cbeaados ao ullirao vaoor: na roa. do Trapi-
che n, 9,
Pulseirn tanto para senhora como para JKde cores'a %; e
meninas.
* Ligas de seda e de algodo.
Suspensorios de seda e de algodlo omlli-
tos outros objectos que se n;o rrodem aa-
nunciar por nSo se tqraar enfadonho.
S ao Gallo Vigilante, ra do Crespo n. 7.
Roupas feitas.de todas.as qualidades
Vende-se ronpa feita;, seto raleas de cores e
pardo a 2$, ditas de brim brencndelinho a 3K00
e 4,5. calcas dlaseraira preta >5|,6j e 8|, di-
tas de cores, mela.rasemlra, a 3fl e 34530, ditas
de casemira a 64, H e 8Ji, paletots de brim de
cores a 34, 34500 e 34, ditos da brim branco a
a 44800, ditos de alpaca preta a J*e-*4, ditos de
casemira de ores a 54, 6,7, 8 104, ditea de
panno prete a 64, 7, 8 tOA, cotiftaa Oe. cores a
14009, d*casemira a 34 44veroota Wnceaa a
14600 e 34200, camisa* franceMs finas brancas e
dllas inglezas de li-
34 e 34500 : na
s. 56.
nbo de pregas largas
roa d,a Imperatrh,
Chegaram 'para a leja fe tajaderas
QMinueo n. 16.

n ruado

II


r .' O: .' :' -.-
.# : ITCreS. 'Ira W9 JBVSaW'Wrwtr'O' (VB^SjBag,
a-
**




(
\
6.
Rita 4# taperarU. 3. ,00
DE
GIMA & SILVA.
tOU *1 AMtMU B KAUNMS.
Tend, os pro wenwies dt.te gMttdjvnMtfttieci-
meato f 3110 um grande abatimento em .nanita de
snas hundas, pela occasiio do balnco que deram
do ultimo dedezembro de 1666, resolverm vender
ranito mais barata do qne eostamam adra de cada
vez mais agradarem, os seus numerosos fregue-
zes; por tanto Ibes offerecem aa avalado
ment le fazendas fraocezas, inglezas, as (
vender) mais barato de que am entra, qoafduer
parte, compromettendo-seamandaeJl^Q^hiuer
azenda em casa dos Ireaaem jjue.aaojwdwem
vir a loja, on.a da*em a *nw*tfas, dAixando Icar
o peofeor, assini como convidara as pessoas, que
negociam em menor escala qoe oeste grande esta-
beleeim;nto encootrarao om grande sartimento
uato a retalbo como |>or aUcado, auadaodnrae-lhe
apenas pejes .pregas que compr.am as casas nue-
zas, senSo cera o dinheiro a' Vista.
Pechljaetta a 30OOO e jf&OO
A* IWLPOMBNES DO PAVAOV
Vendem-se bonitos corles de melpomene para
vestidos.de senhoras, sendo ido padrote maiapo-
demos pelo bamtissimo pri'co de 3000 cada um.
Ditos de indiana, tendo oito e meia varas, pelo
nwatisslnio preco de 2*500 rs.
- lato para acabar na loja do Paviio, roa 4a Im-
peratriz n. 60, de Gama & Silva.
A Iwihas de ti ha do Pava*.
Veodtm-sa superiores toaibas de linhos Mr
rosto pelo baratsimo pre50.de 7*3 JO a duiia ou
a 640 c da urna.
Gor 2*800 a duza en a 240 rs. cada um.
Superior atoalhado de imho com cito palmos de
largura sendo tranco e pardo, e va*de,*e mais na-
rato do que em ootro part, na loja do Pavao na roa
da Imperatriz n. 60 de Gima & Sirva.
Os coipinbos ae seda pretos do Pavao.
Vandt m-se os mais ricos otirpiubos o seda pre-
tos, rica neme enfeitados, pelo barato preco de 12*
cada utr : na loja do Pavao na roa da Imperatriz
n. 60, do Gama & Silva. *
Certe$ ie cotia para cal cas
a 1*121) s o Pavo.
Vendiira-se superiores corles de cotim, fazenda
muito eucorpada para calcas e palitots, tendo pa-
drees encaros e alegres, e vende-se pelo barato
preco dd 1*120 rs. o corte de calca ou a 320 r*. e
covado, sendo .esta fazenda grande pechincba pelo
prejo.
Bnm pardo entrncado a 700 e 800 rs. a vara.
Dito liso mullo encerrado a 640 e 700 rs. a vara.
Dito tranco eatrancado a 1*980 rs., isto ae-
chincha aa loja e armazem do Pavao na roa da
Imperatrjz n. 60 de Gama A Silva.
Os cortes de cambraa brarje bordados oa
loja do Pavao.
Vend m-se os mais ricos corles de eambraia ri-
camente bordados com barras e babadas a 20* ca-
da um : na loja e armazem do Pavao na ra da
Imperatriz o. 60, de Gama & Silva.
Rico vestido a 8*000 rs.
pechincba adniravel.
S o Pavo receben pelo ultimo vapor francez
um grande sortimento dos mais ricos cortes de
vestidos transparentes com lindas barras e enfeites
de seda, sendo estes vestidos muito proprios para
.baile* e passeios, e vandem-se pelo baraiiesimo
preco ds 8*000 rs. cada em, na loja do Pavao na
ra da Imperatriz n. 00 de Gama & Silva.
Cortes de chita a 30000
S NO POVO.
Vendem-se cortes*de chitas inglezas com det o-
vados a 2*.
Ditos com onze oovados a 2*200.
Ditos com doze oovados a 2*400.
Ditos de chita franceza com dez covados a
3*200 s na loja e armazem de fazendas do Pavao
na roa la Impertira n. 00 de Cama & Silva.
tara ruto vende o Pavao. Braanaar le I tatito do Pavao.
Sellar at>aiannoai paanoa largara, ftzen-I Vainas aapeafor panana* ?d* liaho con 10
da preta para loto, propna pata vettado^e *otp* palmo* dt largara, proaaioaiaara .lesaas, pelea
Jiaj> ,nowejftV4aodo esta nova fazenila semjosrroe baratUsimos preeos de 2* a 2*600 a vara, aatim
de multo Boa qnilidade, garantiodo-se nao ficar como panno de linbo mmto flao pelos baratissimos
rnssa com o tempo e vende-se pelo liarato preco de preeos de'OW, 7O0-*-8O81r*a' v*ri: na Idja e ar-
2* e 2*100a>aavado, aatim como neste tatabeteci-, aasm o Pavao, roa aampetairttc.-OO, >a> Ga-
-Moto Mm m runde sortimento de todas as fa- ma Silva,
zendas pretas como sejam cassas e chitas pretas,: Ao, {agajg (Ja fljVi
tapadas e transparentes, prin.)aj^ a^paou.; ^oexn-seeassa multo superiores pitados
sarjas, etc. : na loja e ermatem do Pi
da Imperaira n. fiO.de aaa A SiltlF1
Os baoes^o Pa*3o.
Vendem-se superiores baldes de aosalina com
mnita rc-la a 5*-, ditos crioollnes cdd 35 arcos a
3*800, d.tos com 20 e 55 a 3*, dltcs para meni-
nas, sendo brancos e encarnados a 2* e- 2*600
padrees, pelos baratos preeos" de 300 e 320 rs. o
covado, ditas mnito finas a 300 rs. para acabar :
a lojado Pavio, ronda Imperatriz n. O, de Ga-
ma Silva.
Catnaraias lisas ~4 Pave.
Vendera se pecas de cambraa lisa muito supe-
do Pato. PJECHINCHA !
Yeniera-se ecas de capabraia ie forro com no- j 20000, para calcas, s Pavio.
Te.^rasacda p7a'pe,0S baHssitnos preces de. fBiiein sB sopriores cortes de meia casemira
1*600 e a*: na loja e armazem do^Pavao na roa 1 mude.6et a 9a, ditas Garmaidinas a
da Impcratm m. O, da Gama A Silva;
Os cortinados do Paviio.
Veodao.se superioros cortinados adamascados
para camas pelo baratissimo preco de 1* c ditos multo Anos ricamente bordados para camas .nnr,r;.
ou janeiias a 15*. 20 e 25* par>-,a loja e ar- w roopSes decambroiabordados proprios
aero do avo na ra da Imperau-iz n. 60, de anlia.
Gama wva.
2*800, ditas escuras a 2*800, 00 a 1*600 o cova-
do : oa loja e armazem do Pavo, roa da Impera-
triz n. 60, de Gama & Silva.
PENTEADORES
Os bales pretos i renda de Pavo a S&QOQ rs.
Vendem-se os mais ricos chales (retes de renda
coa qu;,tro ponas, senda muito grandes pelo na-
ratisfeioio preco de 8fi. mi)
Ditos de guapura a 15*. 16*, 20*, 25*.
Retondas de dito a 10*.
Manteletes de renda, tazenda muito superior a
15*400.
Capas e saothambarques de gr-astnajiles fcor-
ados, fizenda inteu-aroente nova, por pre^o aiais
aratos que em outra qualquer parte.
teto oa loja armazem do Pavo na ra 4a Im-
peratriz n. 60 de Gama & Silva.
Oscfaa les'do pavao a 2*4 e 3544 rs.
Vendem-se chales de merino estampados a 2*
e 2*800 cada um.
Ditos de merino Uso a 3*a00.
Ditos estmpalos de crepon a 6*. 7*. e 6*000.
Ditos pretos bordados com franja de seda a 14*.
Na loja e armazem do Pavo na ra da Imeera-
iriz n. 60 de Gama A Silva.
Panno pwto a $j> na loja do'Pavie.
Vende-se panno preto. fazenda milito boa, peto
barato preco de 9* o covado, dito Mito flao a
3*500, 4*, o* e 6*,assim como casimira preta de
cordo a 2* o covado : na loja do Pavo na roa da
Imperatriz o. 60, de Gama & Silva.
Cortes de 13a a Maria Pa na loj do Pavao.
Vendem-se os mais ricos cortes de lia a Maria
Pia, pelos baratissimos precos.de 7*6 M, ditos
muito finos a 10*, 12*. 16* e 20* : na loja do
Pavo oa roa da Imperatriz o. 60, de Gama &
Silva.
Os espartHhos^lo Pato.
Veadem-se urna rende e variado sortimento de
espartilbos dos mais bem feitos que ti m ivindo ao
mercado, sendo de todos os tamanho?, veodendo-se
por om preco ranito razoavel : isto na loja do Pa-
vao na roa da Imperatriz n. CO, de Gama & Silva.
Stlezia pera saias a 44o rs. a vara na loja
do Pavo.
Vendaoerse nieeia ondeada sendo fsrenda moito
boae propiia para saias, pelo barato prego de 440
rs. a vara na loja do Pavo na ra da Impera-
triz n. 60, de Gama & Silva.
As salas bordadas.do pavo.
Vendem-se saias bordadas seBdo fewnda muito
boa, sendo ricamente bordadas e com mnita roda
vendendo-se pelos baratos preces de 6* 89 e 10*
reis cada orna na loja do Pavao na ra da Impera-
triz n. 60 de Gama & Silva. |
Pecas de madapoln en f esta do. \
Vende-se peelnchas de madapoln entestado
com 42 jardas cada pega sendo fazenda moito su-
perior pelo; baratsimos preeos de 4* e 5* rs. ca
loja do Pavo oa roa da Imperatriz o. 30 de Gama
& Silva.
Rrdanlias de rola a 3,sOGO
Veodem se pecas de bretanba de rolo com 10
varas cada peen, pele baratissimo preco de 3* : j
Chegou esta novidanV para a loja do Pavo,
muite lindes e do melber g*to at boje, por pre-
eos maito raioaveis : na loja de-Pavo, roa da
Imperatriz o. 60, de Gama o Silva.
Vestijos
Pechloeha sena Igual.
Ghegou a leja de Paredes Porto um bonito sor-
tinento de vestidos da-tartaleta de cores e brancas
que serve para partidas por ser ama pbaoUiia in-
teiramente de posto pelo barato prego Je 4* e
brancos a 4*500, esto acabando-se-: no armazem
da porta larga roa da imperatriz n. SU, junto a par
darle franceza. fiiMaV
Cortinados.
Chcgou a loja de Paredes Porto om completo
sortimento de cortinados ricamente bordados a
prego de 25*, 35* e 45* : na roa da Imperatrii
o. 52, porta larga junto a padaria franceza.
Ricas romeiras.
Paredes Porto receben pele ultimo paquete om
sortimento de romeira de guipnre pretas e de tilo
a prego eommodo : na roa da Imperatriz n. 82,
porta larga junio a padaria franceza.
tiran de pichincha.
Cortes de la eseoeezft entestada para vestido
fazenda de 000 rs., est se vendendo a 280 e 300
rs. o covado : oa roa da Imperatriz n. 52, loja di
porta larga.
VENDE-SE
n,
e Silva A enro. roa do Tlgarlo
te, os segalntes ar ti os, que
por eMeonameoda proprla de
IEW-YOHK.
Legitima salsa parrilha de Brslol, preparada por Lanraan de Kemp.
Verdadeiraagua Florida, preparada pelos mesmos.
Gax em latas de cinco galSes, o mais purificado que se pode desejar da acredi-
tarla marca f. W.D. Rerlos- perfeitos reguladores, com corda de quatro a oito dias, dos afamados fa-
bricantes e:n. Welch.
tSraxa em latas grandes da bem conhecida marca las. S. Masn (de Pbiladel-
phta).
Superior oleo para machinas de costura.
Agu has para as mesmas.
Breu em banicas grandes e pequeas.
-
BORDLAIA
|.aMU4a4e.
.
St. fistephe.
St. Jolien.
C. Maegaux.
C. Lafitte.
Medoc.

PORTO
'
laiaii(hi>,
Vinho fino do Porto embartis de 5/, 10/ e 20/.
Superior vinho do Rueo.
Cera de Lisboa em vetos e -enrgrame.

Principe Real.
iPedro V.
Maria Pia.
Prtoceza D. Isabel.
[Vctor Emmanuel.
'Duque.
Maivazia.


3$aoo
cor-
Cortes de lea escocesa para vestido a 3* o
te : Da ra oa laantraurU a. 52. leja da perla lar-
ga, junto a nadara franoeza, eatao se acabando.
Chales de renda
na Jojan wwm do Pavo, roa da Imperatriz n. j ^refia p^to.na roa da Imperatriz o.., porta
60, de Gaov & mn. larga, vende ehalee do reaia de oret cen peqn*
Cortes de cambraa com palmas na leja do no taque de mofo, a 3*300 e 4*. fazenda de 10*
Pavao. i e 12^000.
Vendem-se cortes de cambraa branca com pal-
mas, seado lateada moito boa, pelo baratissimo
preco de 2*300 para acabar : na loja e armazem
do Pavo na ra da Imperatriz n. 60, de Gama &
Silva.
Leos brancos a 29000 reis a
anula.
Vendem se lencos brancos farenda muito boa
pelo baratissimo prteo de 'i* a uzia, Ditos com
barra de cor a 2*000 isto para acabar na loja do
Pavo oa ri.a da Imperatriz n. 60 de Gama Sil-
va.
GRANDE PECHINtHA!
Usiiihas a 420 rs. na loja do Pavo
Vende-se smhas pretas proprlas para loto sen-
do boa fazenda a 120 rs. e covado. Ditas muito
Snas de cjua lrinhas a 480 e 320 rs., ditas enfesta-
das a 400 rs., ditas malhizadas a 320 rs., ditas
transparentes com palma de sedas 400 rs., ditas II-
zas e com sslptcos -'iOO rs:. para arafer na loja e
armazem do Pavo na ra da Iraperatrii n. 60. de
Gama & Silva.
Poupelinas modernissimas a 400 e 500 rs.
o covado na loja do Pavo.
Vendem-so poupelinas muito finas seado fazenda '
muo moderna de quadrinhos e liza vendendo-se
pelos baratos preeos de 400 e 300 -rs. o novado oa
loja do Pavo na roa da imperatriz n. 61) de Gama
& Silva.
Gr-osdeuaples pretos do Pavo.
Vendem-se superiores grosdenapleS pretos pelos
baratissimos preeos de 1*300, 1*000, 1*800 e 2*
o covado, eetido fazenda moito boa, s para aca-
bar : na loja e araazem do Paveo, ra da Impe-
ratriz n. 60, de Gama & Silva. >
120
Para ronpaa de escravos.
Paredes Porto tem para vender chita azol e lia-
cade proprio para o Om cima a 120 rs. o covado,
orna grande pecbinchage esta' se acabando : 'oa
ra da Imperatriz n. 52 porta larga junto a pada-
ria franceza.
Grande peekiueha.
Paredes Porto esta' vendendo riscado francez a
200 rs. o covado : na ra da Imperatriz o. 32 ar-
mazem da porta larga jooto a padaria franceza.
Para luto.
Lias pretas rom salptcs brancos a 400 e 500
rs. o covado : na roa da Imperatriz n. 52 junto a
padaria franceza armazem da. porta larga.
chapeos de sol.
Veadem-se chapeos de sol de panno a 1*400 e
urna grande peciiincha s para aoabar : aa roa da
Imperatriz u. 32 ariuaiem da pona larga de Pare-
des Porto.
A 1,0500.
Vendem-se pecas de tranca preta para enfeites
de vestidos, soutembarqoes, capas de seohora a
1*600 com 10 varas, nma grande pechincba : na
ra da Imperatriz n. 32 junto a padaria franceza.
Gomma de milho braaco
americana,
Vende-se em pcelos de 1)2 Ubra : do armazn
de Jos Fernanda* Lima roa Nova n. 3.

.


RA A CADEIA lf< 5 A,

Continua a ter grande e completo sortimento de
Machinas americanas para descarocar algodao
dos melhores fabricantes de 10,12, 14, 16, 18. 20, 2, 30 e 38 serrotes qoe as vende por prego resu-
mido, em cooseqoencia de ltimamente as ter recebido de conta propria dos Estados-Unidos.
lasso Ihh&os
Vendem no en armazem rna do
Jtawrim i. 3o.
Licor flno Cosacao em botijas ,e meias botijas.
Licores finos sortidos em arralas com rolba* dt
vldro e em lindos frascos.
Vfirhoe*i-CbeTes.
Santernes.
Cbambertin.
Hermitage.
Borgeohe.
Champa (rne.
Muaeatel.
Reino.
Bordeaux.
Cognac.
Od Ton.
_ PAezei lagniol.____________________<
0 u Tt- o ." oq o.:

a
M a fl 3 s.i
's
?r.K

^5-5 S
"la
3 O _. B ^r
2 B -.2
rttfi

o
os
o
I
IM 2.
3
E
I

Attenco!
Attenco I
Atten^o!
Graade sortimento de faieadas pro-
prias para a quaresma.
Acaba de chegar a este-novo esrabeleciraento
ota graade variado sortimento de fazendas pro-
prias para a quaresma, a saber :
Gr< sdenapUs preto a 1600 a cavado.
Vende-se om grande sortimento de grosdena-
ple a U600, 1*800, 2* e 2*00 o covado ; dito a 369 e 400 es. o covado.
Cortes de 13a a 50000.
Acaba de chegar a este importante estabeleci- .
ment um sortimento de cortes de ia qne se veo-
de por 5* e 5*500; ditos a Maria Pia, fazenda
maito moderna a 12, 14*, 185 e 20* -, ditos com
camisioba, cinta e- grvala a 25* e 28*.
Chitas francezas largas a 260 ruis.
Vende-se om grande sortimento de chitas a 260,
280,300, 320 e 360 rs. o covado ; ditas preciares
a 400, 440 e 500 rs.
Caubraias de cores a 280 rs o
eovada
Vendem-se canil raas francezas a 280,300, 320,
mullo soperior a 2*800 e 3* : oa roa da Impera-
triz n. 72, loja de Guimaraes & IrmSo.
Moriaotiqae preto a 2|J800.
Vende-se o grande sortimento de ntoriantlqne
a $800, 3* e 3*500 e> covado.
Chales de reuda pretos a 8*000.
Vende-se tambero um variado sortimento de cha- roa da Imperatriz o. 62.
Cambraias lisas a 3.000 rs. a peca.
Vende-se cm grande sortimento de cambraias
lisas pelo barato prego de 3*, 3*500, 4*, 4*500 e
5* ; ditas moito Finas a 5*500 e 6*; ditas victoria
a 6*500 e 7*; ditas de orna vara de largura a 8*
e 9* ; ditas para forro a 1*600, 2* c 9*200 : na
les de renda a 8*, 9*500 e 10* ; ditos muito Anos
a 11* e 12*; ditos de seda fazenda muito fina a
20*000.
Retondas pretas a tQ#.
Vendem-se retonaas pretas pelo barato preco de
10* e if* : oa roa da Imperatriz o. 72, loja de
Guimaraes & Irmio.
Grande pethincha panno preto a SWOOO o
covado.
VeBde-se panno preto preprio para calcas e pa-
lilots a 2* e 2*200 o aovado ; catttniras pretas
a 1*800, 2*, 2*4Q0 e 2*500 o covado.
E' muito barato corles de casimira a 3&i00.
Vendem-se cortes de casimira preta a 3*900
4* e 4*500 ;.diu muito Gna a 6*.
Ada cattesde brim de cores a
1,280
hse coi tes de brim de cores para calca a
,600, 1*800 e 2* : na roa da Imperatriz
a de Goimaraes & IrmSo.
tissimo a i 20 re a cavada.
Vendem-se riscadinbos muito proprios para roa
pa de ateravos, a 120 r&s o covado; ditos escoce-
zes maito Saos a 240, 280 e 300 ris o covado.
LazinhiS a Uno rs.
Laanohas de quadrinhos a 300, 320, 360 e 400
ROUPA FEITA.
Vende-se om completo sortimento de roopa fei-
ta fctta. aesim como sejam palitots, calcas, eoietes,
camisas francezas a 1*600 e 18800 ; ditas Boas a
2* e de linbo a 2560, 3* e 3*500 ; seroolas de
1*200,1*400 e 1*600, de linbo a 2* e 2*500 : na
roa da Imperatriz o. 72, loja de Goimares & Ir-
mie.
Vendem-se garrafas e botijas vasias e lava
das : na roa da Soledade o. 38.______________
Pecbicha
Vende-se a taberna da ra da Guia a. 36 pro-
prto para principiante, e o motivo se dir ao com-
prador._________________________________
Aceite de carrapato
Vende-se azeite de carrapato sem mistura em
barris de torcos e quintos por menos qoe em ontra
qsalqner parte : no caes do Ramos n. 16.
i aaaWntaaaaa|naaWiBaMnaaa>
Escravos fgidos
Escravo figido.
No dia 15 do correte pelas 7 boras da noite
pooeo maisou menos, desaopareceo da rna do Li-
vramento o. 4, om escravo por nome Nicolao, ida-
de 21 a 22 annos pooeo mais ou meos, estatura
regalar, cor parda e um' pouco acabocolado, pou-
ca barba e teda crescida, cabellos caxiados, levou
' vestido careas de riscadinho de qoadros, canrlsa
de chita encarnada eebapo de palha na caneca,
tioha viudo do serlSo poveaco de Baiza Verde
d'ooae natural, para aqu ser vendido : roga-se
pois a todas as autoridades, capules de campo oa
a qoalquer pessoa que o posea aprehender levar a
rna cima indicada que sera' generosamente gra-
tificado.
COlares Royer oa colares ano
dinos
para facilitar a dentieao das crianzas e preserva-
O feliz resoltado oblid immeosas vezes pela
prodigiosa forca magntica dos colares Royer, dos
casos de convulsoes, e dentieao das eriancas, tem
atauaeate elevado o seo bem merecida prestigio,
e boje j se pode dizer que estao geralmente con-
ceuaoos, e estimados de mnnmeraveis paia de
familias : de uns porque do uso desses salntares
colares virara salvos do perigo seos cbaros fifbi-
nhos, e de ootros porque cotoeram daquelles tao
preticuo exemplo para igualraeme preservar os
sens. Assim, pols, a aguia branca, tendo em vis-
tas a uiffldade e proveito desses prodigiosos cola-
res anodines oa Royer, mandou vir o oovo sorti-
oaenio qoe agora receben, e continuar a recbe-
los para que em tempo algtim a falta delles possa
rs. o cavado ; ditas muito Snas a 500 e 560: na .ser funesta aos pas de familia, os qoaes ficaro
roa da Imperatriz n. 72, loja de Gaimares Ir-' certos de os achar constantemente na roa do Quei-
oiiof.. atado, loja d'agnfa branca n. 8.
Fugio no dta 7 do correte, a escrava criou-
la de nome Antonia con marca de bextgas bem
. salientes, rosto comprido, levando vestido de chita
com ristras araarellas e cor de caf e ootro novo
com palmas e om chales rozo, e ootro de qoadros,
foi vista um desses dias para o lugar de Saat'Au-
na : qoem a pegar ieve-a a roa oa badea n. 10,
que sera' recompensado.
Pogie do eogenbo Arassogy no dia 28 de Ja-
neiro o eatra. Aieaaodre, alto, ebeio do corpo, bar-
bado, e trabalba de sapateiro. De outras fgidas
tem sido pegado em Iguarac, e suppo-.-e andar
aili, oo em Martcla. Quem pegar esto escravo
devera' leva! o a' rna do Apollo o. 7, oo ao enge-
oho Arassuagy, freguezia da Escada, que ser bem
reconrpensado. .
Pogio oo dia terca-feira 30 de Janeiro prximo
finio, a preta crioola do nome Marciana, de Idade
36 anoos, pooeo mais ou meaos, sendo de cor fu-
la, altura regular, leven vestido da chita escora .
qoem a appretaender, coaduzindo-a a casa da abat-
xo assigoado, oa roa da Imperatriz n. 30, ser
gratificado.
Francisco Augusto de Araujo.

-



i



i.





t



*1


II .

-


48!

.

DOS PREMIOS DA 2. PARTE DA 5. QTERIA, CONCEDIDA POR El PROVINCIAL N. 92, A BENEFICIO DA IGREJA DE N08SA SENHORA DO ROSARIO DA FRECUBZIA DA BOA VISTA, EXTRAHIDA EM 19 DE FEVEREIRO DE 1866.



~<

DlarU 4e PrMfeiet ... rra lelra 4c MfMfiM 4e 1866.
LITTERATRA
irU pastoril que rife clero e aos liis de
sua diocese, ***** sea posse slenme, D.
com a possivet brevidade e pelos meios legiti mos (oda creatura, que professa as santas doutrinas
isto de aecordo com o chele d;i igreja uoivers ti, das verdades evanglicas.
a reforma de que necessitam as raesom ordens re- 8e aots. tos Qharisiimos, ^M p* *
8 ,s' taje, e sents desejo de assorair aoaacerdoco pa-
Bem sabemos, irmaos dileelitiinaos, outra ves o ja servir a santa igreja, perseverai; e descancai
Emmannel de Medelres, bisp d Peniambueo, dizemos, qae o ar qae se respira em vossas habita- e do conseIho de S. M. o Imperador, a quea Dns Q5es nao o mais sandavel, nac **r iMdl^ aopiracio de vu alma. Se porm nlo vos sen-
nuarde etc. (*e; aai tamuem estamos cer\o de que ao le- tlscpra vocacSo, n5o percais o vosso tempo; rinde
(Conclusao.i chando as suas portas novas vocagdes, que se a nos,. abn-nos vosso coracao, e nos vos ajudare-
Noestl irmaos, o oficia do'"paroc.ho smeote' conseguir puriOca-lo; porqaaio bem sabido'mos com prudentes conselhos a abracardes a car-
em administrar Dontualmente os Sacramentos la?. Pra restituir-se ao ar alterado ero ora deter- rer* a qu'-vosso coragJo se inejoa.
O sacerdocio nao um emprego, ms um olflcio
santo : nao se deve pojs entrar par*' elle por mera
condescendencia. E' urna milicia, mas urna mili-
cia tao pobre e to dlstincta, que nao pode entrar
nella, snSo aqaelle que fr como Ar3o cbamado a
alistar-se moa milicia, onde urna vea entrado
poreo dos neis de sua parocliia, em offerecer por mdo lagar a sua primitiva pureza, nitf'se de-
elles nos dias santificados o santo sacrificio da v cerrar as portas, mas sira abr las, para qne
misa ; Unto do offlelo parochial acudir com os P"'* renovacao se torne puro, affasiaodo-se ao mes-
seccorros espirituaes aos seos parocblanos, como o m tempo desse lugar as causas determinantes da
instru los das verdades da f os estimular i vlr- imporidade.
tude i os animar por meio das praticas frequeotes Em verdade, irmaos, por mats desanlmador que
a perseverar no bem e fngir do mal ;.es doutrinar seJa quadro da decadencia em que vos achat, nao se sai mais,' porqne entrase pela impostcao
por pregares claras, simples, em esiylo evanglico' Pr raair qae seja o esquecimento ero que techis das maos; e por| ass aoposigo recebe-se uro ca-
nos oriQcipios fundamentaos da relii5o os excr deixado cahir as santas regras, sob cujo benfico racler, que odlevel e que dura seropre impres-
- portanto, e fallai-nos de
do que tudo editlcam os povos. i "dos, estamos bem convencido de que o mel de
Um parocho nao pode contentar-se com o aduii- remediar to graves males nao certamenle aquel-
nisirar os Sacramentos e celebrar o pro populo nos le .ue se 'era empregado.
dias marcados pela igreja. E muflo ineoos pode N. na com effeito impedindo o ingresso a
]ol,jar que satisfaz seus deveres incurobiodo seu vo-sas habilagoes, que se conseguir regenera-las,
desempenbo a outros sacerdotes, por mais zelosos proceder por aquella modo querer antes tacita-
que estes possam ser.-Aswfeiilia laboriosa, non mente extinguir, que restaurar as ordens religio
eliosa.
so n'alma I Keflecti bem
coracao, como um filho falla a seu pal.
Se ao contrario semi-vos com vocacao, marchai
firmes, e esforcaivos por adquirir os" eaathaeotoa
de abnegacao, de caridade, de zelo e de fervori
necessanos ut digni ambuletts in vocalionr, qua
vocati estis (9); e por cultivar vossos espirltos,
para serdes sacerdotes segundo o corago de Deus:
saj.; e a extinccao dessas ordens, todos o sabem,' e para oroardes vossas frontes das mais nobres
mbe aluciar por seus conselhos,;alm de ser oai 8randa detrimento feito ao pro-; das aureolas, a da sciencia e-a da virlude. E nos
estimular por seus exemplos, provocar por seu zelo; erosso moral e iatellectual do paiz, sena tambem nos consideraremos felizes de abengoar-vos-u
tolos os que esto sob sua direcgo a um viver utua BajBte violacao da liberdade individual,! electos Domini; de reconhecer-vos como-pors
chrisio, a um crescer constante em piedade, a 1e a Q0SS constituico tao sabiamente garante a luereditalis Domim ; e de conslituir-vos pela im-
'ii. cuidar atiento da santlflcago de snas almas.
I odispensavel, urgente por tanto, que cuidis
de fazer assim -, mas para que surlara effeito os vos-
sok esforgos, de necessidade que comeceis por es
timular-vos vos raesmos a piedade; por habituar-
vo: a um orar assiduo e fervoroso ; por excitar
vo:;so espirito caridade, sem a qual jamis conse-
guiris ser pastores zelosos ; mister que desape-
guis vossas almas de todas as ambicies terrenas;
qu3 desembaracis de todas as prentenc5es vossos
i'.jiacos. por que sero isso jamis chegareis a pos-
suir a abnegagao qualidade essencial a lodo o sa-
cerdote.
importa ainda summamenle, para que mais efli-
cai:es e productivos sejam vossos trac-albos, qae
tratis de Ilustrar vosso espirito, instrnindo-vos na
sciencia do vosso estado. A iostruego e o zelo sao
dous ornamentos, sem os quaes o parocr>o nao che
gara jamis a satisfazer bem o honorfico e arduo
encargo de dispensador dos mysterios de Deus.
0 parocho, o verdadeiro parocho, como um so
me ral, que de continuo langa sobre toda sua paro
cha luz e calor. E assim como sem a luz e calor
do sol da natureza nao possivel que a planta cres-
'}. mas pelo contrario emmurebece, defioha cada
di. al que marre; assim tambem sem o zelo il-
etrado e prudente do parocho af plantada nos
coracoes dos fiis se vai finando pouco a pouco. at
extinguir-se.
O bom parocho deve, como urna alampada do
sanctuario, arder seropre em caridade ; e abraza-
do desse ardor santo ir por todos os ngulos de sua
parochia, avivar a f nos coragOes, consolar lodos
os qae opprimidos pelo infortunio carecem de coa-
forto; Iluminar todos os que obscurecidos pelas
trevas do erro ou da Ignorancia jazem abatidos p
lepidos.
Na retidao de seus conselhos, na pureza de seus
costames, na santidade de sua vida, na prudencia
o caadureza de suas decisSes, deve elle fazer aper
caber a lodos que tnedico das almas.
3e queris, pois, irmaos, que lodos se convengara
de que compreheodeis a sanlidade de vossa mis-
sao, modelai vossa vida de modo quemodestia ves-
tra sit mnibus homimbus (1).
Se anhelis fazer jus nossa venerago e amor,
da i nos provas de vossa f, auxiliando-nos a fazer
o bem, e impedindo que se faga o mal.
Se desejais fazer fructuoso vosso ministerio, effi-
caies vossos esforgos, respeitaveis vossas pessoas,
venerando vosso carcter sacerdotal; afadigaivos
no vosso officto ; procurai satisfazer bem o oous de
vosso beneficio ; applicai-vos sempre aos estudos
das disciplinas sagradas, especialmente ('aquella
sciencia que, na parase de Santo Affonso de Ligono
nfin se aprende nunca suficientemente, e que se de-
vi estudar toda a vida, isto da moral.
Empenbai-vos cantelosamente em resistir a to-
das as suggestoes do espirito vmmnndo ; por que
mindus debet esse qm vnlt aliena corrigere. (i)
Oh I irmaos carissimo?,mundemus r.os ab omit
inquinamento carnis et spiritus, perficientes sancti-
flcationem in anu e Det. (3)
E agora, irmios qae sois membros das ordens
religiosas, nao passaremos alm sem nos dirigrmos
especialmente a vos todos que habitis a nossa dio-
cese.
Sim, tamoem fraternalmente vos saudamos em
Jess Cbrlsto, e temos a raaior consolago de poder
contar comvosco no exercicio de nosso ministerio
pastoral.
Quando consideramos, irmaos dilectsimo?, nos
nobres e sublimes fins de vossa instltuigo, no omi-
to que fizeram vossos pais em favor da f e da ci-
vil sago deste imperio, e vos vemos hoja no estado
de amorteclmento em que Jazeis, quando pensamos
na critica e dolorosa posigo a que estis reduzi-
do, defiuhando na obscnrfdade e na Inercia, e
anjeagadoT ar em vossa propria existencia, a mais
neizra tristeza se apodera de nosso espirito, a mais
dolorosa magoa toca o nosso cora gao.
Momens ha que dsseonhecendo o lado sobre na-
tural de vossa existencia, que ignorando os servi-
;os qae podis prestar as artes, as lettras, as scien-
cias, e sobre tndo ao reinado da f, consideram-vos
boje como ruinas, dignas talvez de despertar gra.
ras reminicencias, mas em todo caso desnecessa.
tas as precisdas e tendencias da sociedade moder-
na, e por isso pouco se Ihes d o estado de abati*
monto em que vos achais.
Bem sabemos, irmaos dilectisslmos, qoanto vos
mesmos tendes concorrido para este estado, ja
abandonando as salutares disposigoes da disciplina
monstica, j esquecendo a oragao, a penitencia e
as outras praticas qae consumera a base essencial
das i ns ti tu i cues monsticas, e que sao os principios
geradores da influencia que essas inslituiedes exer-
ceram em todos os tempos, e podero ainda exer-
ce as sociedades modernas.
Has, oem por isso podemo- deixar de reputar
urna grave e clamorosa injoaca o procedimento
qae se tem tido comvosco, fecliando-se as portas de
vossos clausfros novas vocaeftes matando-se as as"
piracSes dos coraedes que desejam no retiro aper'
fe goar-se pela observancia dos conselhos evange'
lieos. _,
E exhortando-ves em .lesos Cbristo a que vos
deis aos exercicios de vosso ministerio, a que vi-
vas na santa unio e intimida de de ijmos, obser-
vando as disposicoes de vossos institutos, nutrimos
a mais firme esperanca de que o goveroo iojperial,
neto e illustrado como comprehendendo qoanto
importa ao desenvolvimento da f e a' prosperida-
de do impeli, favorecer as ardeos religiosas, nio
deixar indeterminadamente fechadas as portas de
vessos conventos; mas pelo contrario promover
todos os Brasileiros, por tantos e
molos.
Vossa reforma de urgencia, nos o confessa-
mos; a honra do paiz, e mais que tudo a causa da
religio a reclamara instantemente; e por iese fa-
zemos ardentes votos para que brevemente ama-
nhega o dia que deve trazer o sol a esees cubca-
los ha tanto tempo desertos, a virtude, a oragao, e
to diversos j posigo das mosUncios do Senhor, e dispensa
dores de seus mystertot.
Bem vemos, irmaos o filos, qae nos vamos
alongando de mais; forgoso porm, que vos fal-
lemos aioda qui de um ponto, que nao podemos,
sem detrimento para vos e vergonha para nos, re-
servar paira outra vez.
E como poderiamos, com effeito, irmaos e filhos
o amor dos estudos a vosso recinto ; predicados es- dilectisslmos, sem grvame de nossa consciencia,
tes que foram e serao sempre os predicados de e seB1 oeorrermos na feia pecha de Ingrato termi-
vossos institutos. j aar esta carta sem faliar-vos de um modo directo
Sim, nos imploramos com todo o ardor de nossa d0 dosso supremo e augusto chefe, o venerando e
alma a Jasas Caristo, para qne a saa divina graga sabio pontfice Po IX, que, gragas divina provi-
vs muliiplique Jrmos verdadeiramente religio- dencia e proteceo da Santissima e Immaculada
sos, e restaure as vossas decadentes babitagdes :
Multiplicaba nomines... et ruinosa instaurabo (4).
E vos, virgens prudentes, que, tocadas da graga
de um modo especial, e sabendo comprehender
quo amoroso o divino Esposo para com suas es-
posas, vos consagrastes a Jess, lhe votastes vossos
coragoes e vossas vidas, sacrificando por amor Al-
io todos os prazeres, ainda os mas lcitos da socie-
dade, pelos da solido do claustro, nao desanimis.
Ira monareba po e illustrado dirige os destinos do
paiz, e pois nao se passar muito tempo sem qae
vos, que tao constantes tendes sido na virtude, tu
irrefragaveis provas lendes dado da vossa resigna-
gao, durante os longos annos em que se vos tem
Nde amamos oque ta amas; detstame* o que
la detestas; abeoeoamos o que ti abencoas -, ana-
tbemaUsamos o que to anatheraatisas; condemna-
mos o quo la condeamas. ,
Nos aceitaremos sempre, como orculo, infalli-
vel, mas decisoes, ponHOce soberano ; reeonbe-
ceremos, proclamaremos tua nfalliuilidade, loa su-
premaca. Sustentaremos e defenderemos sempre
tea primado de honra e de jurisdiegao -, e conside-
remos sempre tea titulo de re como o mais legiti-
mo dos ltalos reaes; lea doaoio como o mais le-
gitimo que existe na trra, os nao queremos a
vida se nao unido, inseparavel de toa f, sanllssjmo
padre. Nos estamos promptos a soffrer por amor
de ti; a perdoar aos que perdoares; a vivar sempre
comtigo, e a morrer por ti, por qae la s o vigario
o Uhristo filho de Deus vtvo.
Nos, unidora todo o episcopado catbolico, ama!-
digoams comtigo todos os que teem posto e-,poze-
rem maos violantes no patrimonio de S. Pedro ; e
os teremos como maldito de Deas, emquanto tu os
tlveres como sacrilegos usurpador?.
Aceita,'pontfice excelso, estas nossas palavras
como expressoes do coracao ; tem as como um
signa! de nossa subraisso, como urna protesta-
gao solemne que, como roembro do episcopado ca-
tbolico. fazamos contra as asarpacfos re tas em taes
dominios, e contra os esforgos dos conspiradores e
inimigos da paz da santa igreja, qne nao contentes
de reduttr-t indigencia, incamsaveis machinam
meios de expoliar-te de leu manto e cora de re !
Padre santissimo, emquanto vveres nio deixa-
remos passar um s dia sem invocar em teu auxi-
lio a Santissima e Immaculada Virgem Mal de
Deus, a quem to extremosamente amas, e em
quem tao firmemente confias, e por amor de cuja
Immaculada Concelgao tens tanto soffrido. Nem
cessaremos de lembrar-te cada dia fervorosamente
a Jess Sacramentado, e de reeommendar-le sem-
pre as preces de lodos os fiis da nossa diocese.
Genuflexo te pedimos do coragSo la bengao,
pal amoroso, afim de qae o apostolado santo, de
que nos encarregs'e, seja copioso em fractos de
santidade, como nos auguraste; e para que nosso
animo nao fraqueie as trihulagoes que nos predi-
cesie. Abengoa-nos e coalempia-nos pelo coracao! pectes de ratos
Chamei o moleque e maadei ver quem era.
EsU em caaa o Sr. Julio de Albergarla ? per-
gooton um individuo.
Manda entrar esse senbor, rftpondl do meo
escriptorio.
E dispuz-me para receber o visitante.
O moleqae abriu a porta e o Sr. Galdloo en-
trou,
Uvantei-me, fal ao encontr dalle, aperiamo-
nos as toaos e depols tomamos assento.
No Diario do Mi escreve o aeguinte artigo
oSr. QuintinoBocayuva.
Entre as noticias do paqueteada Europa,
chega-Qos orna qae aos afir^fnde: a do
Evening ^zri:9orjrnetne Solicitada me-
diacSo eropa {rara o Rrt #& por termo
guerra do Paraguay.
Essa iblba accressenta, dando-se os para-
beos pela certeza que a mediado propesta e
aceita chegar breveraenil a bom resnltado.
Creio que estou na presenga do Sr. Julio de J noticia tem para n
Ibentaria T Innuiflarlp a nnrtiamnu
o o encanto da
[novidade: e podamos airscentar; todo o
! en nao tenho a graga de carcter da inverosimilhanca.
Virgem Rainha dos cos, ha vinte annos, o che-
fe vtsivel da santa igreja de Jess Cbristo, a que
todos nos temos a elicidade de perlencer T
Gobio deixarmos, sem merecer o epithet de in-
digno apostlo, de despertar desde j vosso cora-
gao s amarguras e tribulagdes por qne tem passa-
do o generoso e magnnimo corago desse santo
ancio, desde que pelo Divino Espirito Santo foi
estabelectdo cabeca visivel desta sania igreja ca-
tholica apostlica romana ? Como testemunfaar as
affucgoes e provagoes que vexam o legitimo viga-
rio de Jess Cbristo, e nao levantarmos um brado
de indignagao contra os scelerados, que sacrilega-
mente o torturam, e na sua sacrosanta pessoa a
santa igreja de Deus, da qual somos boje apos-
privajo de irmas, que vos ajudem a orar, e exci
tem cora seu exemplo ao fervor, recebis a remu- mo T I
uerago de vossa firmeza e de vossa constancia. Entre vos nao ba quam ignore, bem sabemos,
Vossa assiduidade oa pratica das virtudes, e vos-; as lulas que ten) sustentado esse varo forte, dig-
sa inteireza de cosamos, faxendo-vos credores da nissirao successor de S. Pedro, e seo imitador as
aslima e venerago da sociudade, vos faro mere- virtudes, na graodeza de animo e na resignagao ;
cedoras das attengoes e peculiares provas de defe- e qual JobFir stmplex, et rectus, et hmens
rencia da parte do poder publico. Deum. (10)
Nao veris indeterminadamente pregadas as por- Meahum ha de vos lo infeliz, nos o eremos,
las de vossa clausura, mas, como pede a justica, as' que nao reconhega comnosco quo santa a causa
veris, mais cedo do que talvez imaginis, abenas que elle advoga, e quo impa a dos que o cora-
a todas as almas candidas, que voluntariamente balero. I E bem sabemos que todos vos vos contris-
quizerera entra-las, para unidas a vos adorarem a' taes, como nos, vendo a croa perseguigo que sof-
Jesus, contemplaren! sua bondade e saa caridade! fre o legitimo vigario de Jess Christo ; todava
inexgotavel, e meditar nos seus ineflaveis myste-
rios.
cumpre-nos dar-vos exemplo, bradando com toda
torga e energa de nossa alma contra a sacrilega
USO sejais, filbas dilectsimas era Jess Christo, 8uerra 1ue lbe fal' seDao Para aUer"r im
n.,u MyLymtv, <*m a **cipt,n* da 3m*or 3#J i 1 pQS' a0 Inenn, P"a Pftr rta obra aviso ns inei
mas pelo contrario rdobrai vossas preces e vosso pe'f?s- .. ...i..,,..___.. _-.. j ...i.i.
* .. a .i.j. NOs, bispo catbolico, somos viga- das atalaias
fervor; ped confiadamente e seres consoadas,
porqueaos que pedem com perseveranca o Senhor
atiende sempre (6).
Caltivai zelosas as virtudes, mas sobretudo gaar-
dai perseverantes, como tundes feito, essa nobre e
anglica virtude, que no juizo do santo hispo de
Genebra, S. Francisco de Sales consagra nossos
corpas e torna nossas atmas brancas como o Igrio,
puras como o sol, impidas como o cryslal.
Nao podemos deixar de dirigir tambem algumas
palavras peculiares a vos, jovens seminaristas, que
sois as semenles, com que mais contam nossas es-
peranzas, para fazer germinar neste solo as virtu-
des sacerdotaes.
Muito temos ja' pensado em vos; e nao nos es-
queceremos, filhos dilectissimos, de promover o
vosso bem-estar, moral, inrellecloal e espiritual, e
estamos disposto, ainda mesmo com os raaiores sa-
crificios, a fazer tudo que o Espirito de sabedoria e
bondade suggerir a nosso coracao de pastor, afim
de ajudr-vos a aperfelgcar vosso espirito, vosso
cpragio e vossa intelligencia, para que desl'arte
possais ser dignos e capazes de ter partein sorte
possesstonis Domini (7), e aptos a todas as funegoes
do sacrosanto ministerio, para que fordes cha-
mados.
Pouco exigimos de vos, queremos somonte boa
vonlade e applicago, e do resto nos encarregare-
mos nos.
Nao nossa intengao, ficai certos, preterir capri-
chosamente a nenhum de vos em sua carreira co-
megada, nem retardar demasiadamente o vosso ti-
rocinio-, mas tambem deveis logo flear sabendo
que estamos firmemente r -solvido a seguir sempre
o parecer do apostlo que aconselbou aos bispos,
qae-cito manus nemini vnposuissent (8).
Temos ardentes desejos de dotar esta nossa dio
cese de um clero Ilustrado, zeloso, morigerado e
piedoso ; e, como isso muito depende de um bom
seminario, nos anhelamos por elevar o seminario
de linda a sea primitivo estado de fioresclmeoto.
Sim : nos temos, filhos, toda a esperanca de que
Dos nos ajudara com as lates de sua divina gra
ca a acertar nos meios de encaminhar regalar-
mente nosso seminario diocesano ao fim a que se
propozeram os padres do santo e ecumnico conci-
lio de Trento, qae crearam esses pos eslabeleci-
meotos, e os pezeram, cerno verdadeiras escolas
eclesisticas qne sao, sob a vigilancia immediata
e exclusiva dos bispos,
E' por ellos qae devemos perpetuar o sacerdo-
cio em nossa diocese ; elle qae deve fornecer-
oos ministros idneos em sciencia e piedade para
pregar o Evaogeloo aos potos confiados i nossa
solicitude, e para dirigir tantas almas coramelti-
das a nossos cuidados.
Envidaremos todos os meios, que nossos recur-
sos nos permittirem, para que oosso seminario se"-
ja om bom vveiro, onde c jovens de nossa dioce-
se, como avesiobas mansas, sejam nutridas as
sas e puras doulrmas da f calholica ; ora bello
horto, onde como plantas mimosas sejam os aspi-
rantes ao sacerdocio sempre vivificados nos robos-
tos sentimentos de pledadr, fortalecidos em suas
conviegoes catholieas, despidos de todos os prejui-
zos, compenetrados da nocessidade de om santo
temor de Deas, convencidos de qoanto seja nocivo
o fanatismo, e animados di um santo horror i hy-
pocrisia, qae ara sentimnto vil, e indigno de
Immaealado d Mara Santissima te supplicamos,
em tuas preces, afim de que nosso corago se enri
quega das virtudes e dons da Divina Graga, nossa
voz adquira a ungo apostlica, nossos conselhos
teaham a forga de-tocar e moveros corag5es, todos
os nossos actos sejam a expressao dessa imparcia-
lidade e equidade, que devem selar todas as aegoes
do pastor, e qae to largamente conoorrem para
dispdr os nimos doS povos ao amor devido a seu
prelado, para que nosso corpo manlenha o vigor,
nosso espirito a santa energa e firmeza necessaria,
para que emfim nossa vida coosiga essa inteireza
de costumes, qae mais do qae tudo inspira aos fiis
a confianga e venerago devidas a sea hispo ; para
que assim com teu auxilio e por meio de nos, fra-
co instrumento, se reanimando a f, se fortificando
a esperanca, se afervorando a caridade nos cora-
goes de tantos milhares de almas christas que di-
rigimos, se faga nessa igreja pernambucana o bem
com melhor vofltade, e se resista ao mal cora mais
coragem.
Agora resta-nos so mente, filhos e irmaos carissi-
raos, dizer-vos:
Primeiro, qae grande tem sido noss consolago
ao ver como ao appello de um jornal catbolico des
ta cidade Intitulado a Esperanca, teem os fiis de
todas as classes e condigdes da sociedade acudido
pressurosos a offerecer sea bolo para a pia obra
do dioheiro de S. Pedro ; e fazemos ardentes votos
para qne essa nobre actividade em acudir ao re-
clamo desse orgao da f para fim to santo e ho-
norfico nao afroxe : mas pelo contrario cresca,
propagne-se e generalise-se em toda nossa diocese;
e de tal modo diffundase qae um s de nossos fi-
lhos e irmaos em Jess Christo nao deixe de vir
com sea bolo significar seo tribus de venerago e
compaixo ao vigario de Jess Cbristo; sen amor
filial a Po IX, o mais nobre dos coragoes, a mais
candida das almas, a mais perseguida das victimas
da igreja.
Segundo, que confiamos que o santo jubileo, con-
cedido por nosso santo padre, e que acabis de fa-
zer, tenha prodnzdo abundantes e copiosos tractos
de graga e santificago.
Queira Dos que, como estamos persuadido, to-
dos vos tenhals aproveilado desse fcil e certo
meio de reconciliagio com o nosso creador e o nos-
so bemfeitor; e que tenhals todos obtido pelos m-
ritos infinitos da Jess Christo um grande quinho
nos thesouros de gragas, que foram poslos vossa
dtsposigo e arbitrio.
. O Senhor ajude a todos os qae sacodiram o fa-
tigante peso de suas culpas, a nao mais recahir ao
Nos, bispo catbolico, somos vigia-
da igreja, nao podemos, pois, deixar de bradar
alerta aos bons contra os inimigos do pontfice-re,
porque seus inimigos sao os inimigos da f calho-
lica, qne jramos solemnemente seguir, ensnar e
defender; e multo nos gloriamos de comecar nos-
so apostolado por esse brado de dr e santa indig
nagao I
.\o vos llludaes, irmaos e filhos ; Po IX o
pastor supremo da santa igreja de Jess Cbristo.
Ninguem pode ser calholico deixaodo de reconhe-
c-lo por seo pai espiritual; ninguem pode estar
com Jess Cbristo, sem estar com elle, que sen
legitimo vigario; ninguem pode perteocer santa
igreja catholica, sem reconhecer nelle seu chefe,
e venera-lo como legitimo successor de SvPedro ;
a ninguem licito dizer-se calholico, e fazer coro
coro os seos detractores; ninguem pode salvar-se
segoindo a bandeira de revMta arvorada por seos
perseguidores; ninguem pode negar saa suprema-
ca, sem negar a de Jesos Christo; qae o consti- peccado, e a viver sob o suave e doce Jogo da f,
[I) Jpist. aos Philip., cap. 4, v. 5.
2) S. Gregorio Magno.
3) Epist. II aos Corintaios, cap. 7, v. t.
(4 Ezecb. .XXXVI, 10.
Epist. aos Hebreos, cap. i*.
S. Locas, cap ii, v. M.
Levlieo, cap. i7, v. H.
(8 Epist. I de 9. Paulo i Timolbeo, cap. 5, v. M.
tuio seu vigario; oioguem pode amar a santa
igreja catholica sem venera-la nelle, sen chefe su-
premo ; ninguem, finalmente, pode ser oyelba do
rebanho de Jess Christo sem obedecer a elle, qne
o paster supremo desse rebanho.
E Po IX irmaos e filhos, nao s o chefe legi-
timo da igreja, mas ainda o primeiro pr jpugoa-
dor da verdade ; o primeiro defensor do progres-
so ; o primeiro e mais denodado campeo da ver-
dadeira liberdade. A sua oltima Encycleca urna
prova irrefragavel desse asserto.
pela pratica e observancia aos Mandamentos, pela
fraqoencia dos sacramentos e pela assiduidade na
oragao, orna vida toda christa, edificante aos
olhos dos bomens, e meritoria aos de Deus.
Concluimos, Irmaos e filhos dilectissimos, roo-
vaado o pedido instante, qae vos fizemos em nossa
primeira carta pastoral, qne vos dirigimos de Ro-
ma ; isto vos conjurando pelo coracao adoravel
e Jess e pelo coracao immaealado de sua Mi
Santissima, qae pegis por os em vossas oragoes
I ao Senhor, e nos recommendeis cada dia aos San
tde esse monumento de sabedoria e herosmo, tos de nossa devoglo, afim de que possamos mere-
lde-o sem prevengo; e veris se o papa oa nao cer do co as gragas, forcas e luzes, que nos sao
o orge pelo qual Deus nos falla na Ierra.
Nos rendemos gragas, Deus de Misericordia e
necessarias, para o desempenho dos ardaos deve-
res qae pesam sobre nossos hombros; e para qae
Bondade Infinita, vossa Providencia Omnisciente, j possamos bem dirigir-nos na difficil gesio dos ne-
por nos ter revestido de um carcter sanio, que gocios do tremendo officio de pastor,
nos impoe o dever de defender o representante de e para que tenharaos ainda este recurso e aaxi-
vosso dilecto Pilbo I Coagratularao-nos de ter o di-;' ho era mais abundancia e mais eficacia, recom-
rello de unir nossa voz a dos pastores de vossa atendamos e mandamos a todos os presbyteros de
santa igreja, para levanta-la em favor do vosso vi-', nossa diocese, que rezem na Missa por dito dias
gario; em oossa intncao a oraoio do Espirito Santo
Nos glortamo-nos, pontfice soberano de. poder ^ ^ corda ^,ufll) _aos qnaes tambem or-
do alto da cadeira episcopal, em qae a Providencia ^mnamog q,e reMaif a datar este dia, assim aas
Divina por tea intermedio nos coltocoo^dner era' mima prjvaaas como solemnes, as orage pro
face do mondo: Nd* te amamos, n< te veneramos, ^^ e pr0 faem >l qae ^ndwtos o contrario,
nos te adentramos, Pi l\A Vemos em ti o pal. Mi abencoaraos do Intimo de nossa afosa! a,to.
de todos Ofllhos da santa.igreja de Jess Christo, dog e g M(U am ^ vos> imiof e fllhos ailectissi-
espajbada por todo o universo I Cuwamo-nos a mM m Je5as Chr|st0 em Mm, do Padre> fl0 Filho
teas pos, como nosso chefe e nosso superior. Fe- e ^ Espirito Santo; ves desejamos saude e tfan
licitamo-no, pontife augusto, de.jtodet-algoiflcar quilidade; e anhelamos vivamente qae a graca de
aqu nosso reconhecimento pela caridade apostlica ^osso Senhor Jesu8fhrlsto, a caridade de Deas e
com que nos distinguiste*, a nos, misera aeccador; eommunlcago do Espirito Sanio seja com todos
e pelo affecio com qae nos tratastee; a- nos o mais vos: Grafa Domini nostn Jesu Chnsti, et cari-
indigdb de teas sertas, o mais obscuro de teas ir- ,M >Wi ez communico/w fkmesi Spirtfui stt cum
maos em Jess Cbristo. otm6u vot. Amen, (tt)
ins, e comnosco lodos os fiis da igreja pe mam-; Dada na cidade do Recite, em nossa residencia,
bucana, de que como prelado somos legitimo ioter- episcopal di Soledade, aos SI ;de Janeiro de 1866,
preie, te reeonhecemos e honoriflcamos como o re- da de nossa posse solemne, sob o signal e sello de
presntame do filho unignito do AHissrmo na ter-. nossas armas. _
ra ; como a pedra fundamental, sobre qne est-
sentada aquella igreja, que a nica verdadeira e
santa, por qae a Mica fondada por Jasas Chris-
to, verdade e santidade infinita e eterna. *
N3, e comnosco todos os caiholcos desta dioce-
se, te tributamos amar sincero, aOeclo filial e ve-
neracao inteira. Nos, e todos os nossos diocesanos
admiramos, rei, tea herosmo, tua coragem, toa
resignagao e tua oariddel Confessamos todos,
- + i
Lagar do sello .
+ Emmanuel, Bispo de Pemambuco.
IH POUCO lt TOBO.
O chistoso autor das Cousas e Lomas, o Sr. Julio
de Albergara, acaba de escrever as seguales
como Santa Cathanna, qqe tu sChnstus m tetra.' lembrangas do Sr. Galdino :
Unidos todos em espirito, de corago repetimos
com Santo Ambrolsor-fJjh Petrus, ibi ecclesia fll).
(9) Epist. aos Epnes., eap. 4, v. i.
(10) Job, cap. S, v. 3.
(11) Santo Ambr, in Ps. V n. 30.
Ha dias eslava em casa, a saborear om charuto
de madama Frettn, quando ouvi bater no corredor
amas palmas um tanto assoearadas.
(12) Epist. n aos Corlmvcap. 13, v. ultimo.
Albergara
Exactamente,
saber...
Daniel Galdino, om seu criado.
Oh I senhor I
Quando o hornero aeaboa de dizer-me o nome
tive calafrios. Por experiencias que bei feitoo
nomeDaniele o appellldoGaldinosao. syno-
omos deamolador.
Estou perdido, disse en ; seja em descont
dos meus peeeados.
Pois, Sr. Jallo, tenho infinito prazer em co-
nhece-Io.
E eu igualmente.
Pois eu fui nra dos assfgnantes das suas
Cousas e Lousas e gostei muito d'aquelles casos.
Ab I bondades do senbor; aquillo sao cousas
sem mrito-
Qual I modestia do senhor. Alli ha carapo-
gas muito boas.
Encontrn algama ?
Muitas 1
Mas com applicagio ao Sr. Galdino ?
Comigo, nao.
' Pensei, ou antes tinha quasi conviego.
' Porquef
Por que cuidava qae vinba fazer alguma
correego. Parte d'aquelles lypos sao apenas es-
bogo.
Nao, senhor, achei tudo multo dlreito.
Finezas do Sr. Galdino. En sempre lenho
ouvido fallar dos Galdinos com distinego. Urna
pergunta, indiscreta talvez, mas sincera. O Sr.
Galdino nao prente d'aquelle ootro Galdino que
ha tempos publicou urna memoria sobre varias es-
Nao, senhor. Nem o conhego. Porque ?
E' por que esse Galdino tem muita semelnan-
ga com S. S.
Mas nao meu prente.
Pois eu era capaz de jurar que o senhor fa-
zia parte dessa familia.
A's vezes soccede baver semelbanga entra
duas pessoas. E eu estou com cariosidade de ver
esse ootro Galdino parecido comigo.
Pois fcil;olhe n'aqaelle espelhoe ver
o retrato de lie...
E' extraordinario, Sr. Julio, nao acha ?
Bem extraordinario, Sr. Galdino. Mas o oh-
jecto que o tronxe aqu talvez importante, e en
tenho-o desviado do assampto. Queira exp lo, dos-
culpando a interrupcao.
Sr. Julio, en fal asslgnante das Cousas e
Lousas e como lhe diese, gostei bastante dos casos
qne alli se enconlram.
Bondades do Sr. Galdino I
Nao bondade nem lisonja. Crea que em
minha casa todos riram multo coro as Visitas e as
Encommendas.
Talve porque teem peeeados nocartono, nao
isso ?
Talvez; a (aillo maito bem imaginado.
E enio o Sr. Galdino vem dar-me os para-
bens pela publicagao da mioha obra?
Sim, senhor, em primeiro lugar.
Pois ser-lhe-hei eternamente grato. E' urna
honra que eu nio esperava. Quando digo qae os
Galdinos sao homens as devrasninguem me acre-
dita.
Em seguado lagar, Sr. Julionotamos, en e
alguns amigos, qae no sea livro esqueceu ama ma-
teria muito vasta e que o senhor nSo aprovei-
tou.
E' possivel; eu sou muito desmemoriado.
Mas o S'. Galdino dir.
Nao adivinha?
Confesso que nao; mas espero que o Sr. Gal-
dino me Ilumine.
Ora, faga favor, folhe um dos volumeseper-
corra todos os ttulos.
Mas se eu os sei da cor, Sr. Galdino.
Nao duvido, mas isso nao bastante para dar
com a lacuna.
Sr. Galdino, o senhor est poado-me em cli-
cas. Querem ver que no seuexeroplar faltara algu-
mas paginas.
Para satisfazer o Sr. Galdino, e ver se acabava
com o suador, foiheei o livro e nao encontr! a fal-
ta ; ou antes encontrei muitas, mas insuperaveis, e
por isso voltei-me para o Sr. Daniel Galdino e dis-
se-lne :
Decididamente, Sr. Galdino, o senhor tem-me
ensaboado o juizo e nao descubro o fio do segredo
deS.S.
Pois o Sr. Julio, falta ama materia inressan-
tissima, a qual comega por A.....
Amolador, Sr. Galdino, aii nei ?
Atinou. Bravo I
Ora, realmente, Sr. Galdino; V. S. um ho.
mem de urna perspicacia inaudita, como V. S. des-
cobrio e preencheo o typo do amolador t O Sr. Gal-
dino capiiva-me I Mas o que S. S. deseja?
Eu, Sr. Julio, o que lbe peco que complete
a serie dos seus lypos.
Pos.TJr. Galdloo, pretendo salsfaz lo. V. S.
velo trazer-rae o assumpto; porque affiango-lhe
que nanea encontrei orna dedlcagio como V. S.
rodos os typos de meu livro foram apanbados na
praga. V. S. veio trazer-m'o em casa Oh 1 Gal
dinos presentes e futuros, sois vos os creadores da
amolkgo I
Que exaltameolo e esse, Sr. Julio ?
Pois, meu amigo, eu neo hei de dar gragas a
Providencia por me havor proporcionado ama oc-
casro tao bella de dar movlmento a mlnha peo-
na ?
Sr. Julio, a minha misso esta' anda, eu nio
desejo atnola-lo mais.
O S>. Galdino nao amla ; fas a amolacaom
S. S. val ligar o seu nome ae mea escrrpto e ambos'
vo correr mundo.
-i- Pois, Sr. Julio, fico-o conheceodo como a pes-
soa mais amavel deste globo.
E en, como o Galdino mais Galdino do uni-
verso.
Escreve entSO um artigo sobre os amoladores,
nao ? <
Escrevo ; o sea nomi nao me sabe da me-
moria, e para nao baver esquecimento aque escre-
vo na carteira : Daniel GAi.Dixo=amo . Ento, soo eu o amolador f
Nao, senhor. O* senhor o pensamenio, a rea-
lidad* ha de ser o mea trabalho.
As suas ordens.
Um sea criado.
Moleqae, disse ea, quando o visitante sabio >
em algoem me procurando indaga se se chama
Galdloo, Daniel Galdino oa simplesmente Da-
niel ; sendo assim, dize logo que M lio estou em
casa. '!
Sim, senhor, o mea senhor tem raziotodos
os Galdinossao muito amoladores.

Por quem foi a rrrediar;3o proposta?
Pelo Brasil.?
Pela Repblica ArgertMoa?
Pela Repblica Oriental ?
Ousamos sffirmar que n5o.
Resta, pois, somonte o Paraguay, a nica
das potencias em lucta capaz desea nova burla,
dessa aova singulandade.
Nos termos a que chegod a guerra do Pa-
raguay nao ha senao urna mediacJo possivel
a mediacq da espada victoriosa dos nossos
generaes impndo a.paz na cidade da As-
sumpeo.
JX'balde, para justificar a acquiescencia
do Brasil a essa mediaco imaginaria, pro-
curaba folha ingleza recordar os grandes com-
promissos pecuniarios contralndus pele Bra-
sil.
Onde o fri escriptor britnico encontra
urna razao para fundamentar a sua suspeita,
inadmissivel e hoje injuriosa do Brasil, ne-
nhum escriptor bpasileiro, nenhum cidadao
deste paiz achara se nlo mais um motivo
poderoso para que a guerra continu e seja
promplamente levada ao seu termo natural,
pela influencia irresistivel do nosso bom di-
reito e das nossas armas trunphantes.
A guerra, j o temos dito muas vezes,
nao est na ndole nem nos interesses dos
paizes americanos.
Nosoulr i?, povos amer.canos, nao temos
ou nao devemos ter se nao um inimigo a com-
bater o deserto, a vasta estensSo despovoada
dos nossos territorios que constitue a nossa
fraqueza e embaraza a nossa uoificaco na-
cional.
Mas quando a honra de um paiz foi confia-
da em desaffronta e em recurso extremo
espada dos genereas, quando, por virtude de
urna provocarlo inslita eselvagem, grandes
sacrificios se fizeram no empenno de defen-
der os seus di rei tos ofiendidose desaggravar
a sua dignidade ultrajada, e sua honra im-
poe e esses mesmos sacrificios estimulama
nao retirar-se da lucta encelada se nio depois
de haver conseguidoo fim glorioso da patrio-
tica resoluto.
E o caso do Brazil.
Se pastel de urna mediarlo diplomtica
nos termos em que se acha a guerra do Pa-
raguay, viesse collocar o Brasil na alternati-
va de abandonar lucta ou recusar a mediarlo
acto do governo europeu que assumisse
tal inicativa, seria a om tempo urna violen-
cia e urna humilhaco.
Ora o Imperio, se nao est livre de urna
violencia, rejeitar em todo o caso a humi-
IhacSo.
E ante essa flagrante violacao da sua sobe-
aania po ieria apellar francamente para a jus-
tica da historia e do mundo civilisado conti-
nuando com mds vigor na lucta a que foi
arrastado e de que s pode legtimamente
retirarse depois da victoria.
O Eving Star, nao nos diz qual das poten-
cias europeas Coi convidada para intervir nes-
ta lucta americana com os seus bous officiog.
Mas, sob a f do pondunor nvlitar de
qualquer das grandes potencias convidadas,
pode-e allirmar que nenhuma deltas acei-
tar hoje essa triste misso, porque zelosas
da propria honra sabem todas avaluar quanto
cusiam a urna naco briosa estes sacrificios
dolorosos.
Em face das muralhas de Sebastopol, quan-
do os exercitosda alliaiiga ameacavam essa
soberna fortaleza, a mediaco offerecida
Franca ou Inglaterra tena constituido urna
grave atiranta se nao urna perfeita hostili.
dde.
O Paraguay nao llussia, em poder militar
e em categora poltica, mas para o Brasil,
para a ConfederacSo Argentina e para o Es-
tado Oriental, a situaco dos seus exercitos
no Passo da Patria da-Ihes o direito de coo-
S'derar do mesmo modo toda e qualquer ten-
tativa de frustrarn para os seus planos.
E' urna questo de honra que est confiada
i surte das armas.
S estas p dem decidir do pleito.
An'es. pois, quea seotenca final desse
pleito seja lavrada pelo poder a quem foi con-
fiada a causa das tres naces, sonhar cora
a paz por effeito de urna mediaco europea
entregar-se voluntariamente a um devaneio,
a um capricho imaginario.
Ne anno lindo de 1865 fallecern) os segnintes
soberanos, cheles de estado e familias priocipaes,
segundo publica a RevoUtcdo de Setembro :
O rei dos Belgas.
O grao duque herdeiro da Russia.
O presidente dos Estados Unidos, assassinado.
O principe de Musignsno.
O principe Raroolino.
O principe Alexandre de Sayn-Wgenstein-
Berlebonrg.
O principe Frederlco de Sleswig-Holstein Koer.
O infante D. Francisco.
6 principe de Montlrt.
O principe Jorge d'Aohalt Dessau.
O general conde Alfredo de Veipperg.
O duque de hilar.
, O baro Prederico W. Polllnger.
O baro Antboine de Saint Josepb.
O principe Alexandre Burissevitsch Gaaiin.
O principe Bons CzerweriiB>ki.
O principe Jorge Laberajrafci-
0 principe Cb. de Leichreoatera.
O principe Fernando de Croi-Dalmen.
O conde d'Elbacb de Ponitaeau. ,-:>
O principo Maximiliano de Crov.
O principe Wltold.
O principe d'Ombriano.
O principe de Castelcicala.
conde de Hadec.
O antigo chele de Texas. Horton.
O principe da Roviaoo.
O principe Marino Torlonia.
Barros, ei-presldente da repblica de San Salva-
dor, fmilado.
Andr Santa Cruz, anticao presidente da Boliva.
Izidro Prelzu, antio p^asideote da BoUvia, mor-
to 3 testa de urna iusurreicao.
Stephen Alien Benson, presidente da repulca
negra de Lrberia.
hael Carrera, presidente do Guatemala,
.med Raknin Rhaq, reinante de Chiva.
...jo Brewn, governador de Oblo.
Hong-FojHiaccessor < re do imperio celaste
lamo chefJM tarpiogtapauhado e esfolado vivo'
O prncipe Octavio de Brocho.
.0 principe Kou deixou saa vid va 40 ttwSes. '
A gra-'duquexa Marta.dj*>scana.
Anua Palowna, rainha da Hollania.
A prlnceza Carlota Bonapaite.
Maihilda de Roceaglovjue, olha da princeza Ju-
lia Bonaparte.
A gria-duqnexa Sophra-Wtmelmine.
A princesa Raspo Ii, queknada.
A prlnceza Pulchona da Sayn-Wtgensten.
A princeza Wolkioski.
A prlnceza Lancelotte. ___________
PERNAMBCQ-TYP. Dl F. DE F. 4 FILHO
\

^

s
\


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EAUL5S4FL_SMB1N2 INGEST_TIME 2013-09-05T00:00:07Z PACKAGE AA00011611_10897
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES