Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:10895


This item is only available as the following downloads:


Full Text
ifc*^ar-^t-*i..



a
I
AMO XLil. HUMERO 39
I- I l.......-" I! "
Mm lepis dw l.M das do cuneen e dentro do qnartel
Porte ctrreio |tr tres mezes...........
v i a&mtowt"'*! 36 f-jftTH
%
.
6soo
75o
SABBADO 17 DE FEVEREIRO DE 1866
Por aino pago deotro de UdUsd l.nez........ 19^000
Porte ao correto por om asno ............. 3,5000
DE PERNAMBUCO.
ENCARREGADOS DA SUBSCRIPCAO DO NORTE
Psrahyba, o 3r. Antonio AI Natal, o Sr. Antonia Marques da Silva ; Aracaty, o
Sr. A. de Leraos Braga; Cear, o Sr. J. Jos de
Oliveira ; Maranhio, o Sr. Joaquim Marques Ro-
drigues.: Para, os Srs. Geraldo Antonio Alves &
Filhos; Amazonas, o Sr. Jeronymo da Costa.
ENGAFlREGADOS DA SCBSCRIPgAO DO 8L.
Alagoas, o Sr. Claudino Falcao Dias; Bahfa, o
gr. Jos Marlins Alves; Rio de Janeiro, e Sr. Jos
Ribeiro Gasparinho.
PARTIDA DOS ESTAFETAS.
Olinda, Cabo, Escada e estages da via frrea at
Agoa Preta, todos es dias.
Iguarass e Goyanoa as segundas e sextas feiras.
San:o Anto, Gravat, Bezsrros, Bonito, Caruaru,
Altinho, Garanhuns, Buique, S. Bento, Boro
Conselho. Aguas Bellas e Tacarat, as tercas
feiras.
Pao d'Alho, Nazareth, Ltmoeiro, Brejo, Pesqneira
Ingazeira, Flores, Villa Bella, Cabrob, Boa Vis-
ta, Ouricury, galgueo e Ex, as qaartas
feiras.
Serinhem, Rio Formoso.Tamandar, Una, Bar-
reiros, Agua Preta t Pimenteiras, as quintas
feiras.
AUDIENCIAS DOS TRIBUNAES DA CAPITAL.
Tribunal do commercio: segundas e quintas.
Relacao: tercas e sbados s 10 horas.
Fazenda : quintas s 10 horas.
Juizo. do commercio: segundas as 11 horas.
I Dito de orpbos: tercas e sextas s 10 horas.
Prime! Tara do civel
da.
Segunda vara do civel
hora da tarde.
: tercas sextas ao meio
: quartas sabbadvs a i
EPHEMERIDES DO MEZ DE FEVEREIRO.
7 Quarto ming. as 5 h
15 La nova as 7 b., 53
22 Quarto cresc. as 2 h
, 20 m. e 16 s. da t.
m. e 56 s. da m.
, 28 m. e 45 s. da m.
DAS DA SEMANA.
12. Segunda. S. Marcello p. m.; S. Eulalia v. ro.
13. Terca. S. Gregorio p.; S. Benigno b.
14. Quarta de Cinta. Ss. Auxencio e Agatho ram
15. Quinta. Ss. Faustino e Jovita mm.
16. Sexta. S. Raymundo de Penaforte c.
17. Sabbado. S. Polycronlo ti.; S. Romulo m.
18. Domingo. S. Simeo b. ro.; S. Prepedigna v.
PRSAMAR DE HOJE.
Primeira as 6 horas e 5i m. da manha.
Segunda as 7 horas e 18 minutos da tarde.
PARTIDA DOS VAPORES COSTEROS.
Para o snl at Alagoas a 14 e 30; para o norte
at a Granja a 7 e 22 de cada mez; para Fernan-
do nos dias 14 dos mezes de Janeiro, margo, malo
julbo, setembro e noverobro.
ASSIGNA-SE
no Recite, na livraria da praga da Independencia
ns. 8, dos proprietarios Manoel Figueiroa de Paria
& Filho.
Nao tendo recebido carta alguma de no-s
so correspondut do Maranhao, que nos
designasse os assignantes do presente anno,
vimo-nos obrigados a suspender a remessa
de algaus, cujas assignaturas estavam ter-
minadas e continuando a soffrer a mesma
inter rai>co,
lumentos por Inteiro uxados no regulamento de 29
de setembro de 1855, e a thesouraria e o governo
enien lerara que apenas Ihe competa metade dos
tizados no regiment de 10 de outubro de 1754,
segundo as nstrucges de 28 de abril de 1851.
O tribunal do thesouro e o governo, pelo minis-
terio da fazenda, em diversas apocas tem entendido
e declarado que, apezar do regulamento citado de
29 de setembro de 1835, continuam em pleno vi-
instruccoes de 28 de
_i.,.ka gor, no juizo dos feltos as
aguardamos essa relacao para abri| da 1831) e regimenl0 de l754( e uma destas
continuarmos a remessa.
PARTE OFJFICIAL
HIMISTERIO IA FAZEXDA
expsoiknts do da. 4 de Janeiro de 1866.
Ao ministerio da agricultura, communicando,
para sua inteligencia, eein resposta ao seu avi-o
de 29 de setembro ultimo, qne Sua Magestade o
Imperador por Itaaiediata resolugo de 13 do mez
passado, tomada sobre consulta da seceo de fa-
zenda e do imperio do conseibo de estado, honve
por bem declarar que o contrato celebrado pelo
governo cora a companhia da estrada de ferro de
O. Pedro II, em virtude do decreto d. 3,503 de 10
de julho do anno Ando, est, como opioou o mesmo
ministerio, comprehendido na excepcao do 19,
art. 38 do regulamento de 26 de dezembro de
1860.Expedio se aviso directora de rendas no
mesmo ;enJo.
Consulta a que se re(ere o aviso supra.
Senhor. Ordenou Vossa Magestade Imperial
qu: as secges de fazenda e do imperio do conse-
lho de estado consultaren], vista dos papis jun-
tos, se o contrato celebrado com a companbia da
estrada de ferro de D. Pdre II e a tranferencia
do resto das acges da mesma compaoha ao est i-
do esto sujeitas ao pagamento do sello proporcio-
nal.
Esta questo foi suscitada entre o thesouro e o
ministerio da agricultura,' commercio e obras pu-
blicas.
Eoleule o primelro qne, nao estando aquelle
contrato compretiendido na excepgo do art. 38,
19 do regulamento de 26 de dezembro de 1860,
obrigadc Qcou ao pagamento do sello ; mas im-
pugna esta doutrina o ministerio da agricultura
com os fundamentos constantes do aviso de 29 de
setembn ultime, que diz :
Nao julgo sujeito ao sello proporcional o con-
trato por suppo-lo comprehendido na excepgo es-
tabelecida pelo 19 do art. 38 do regulamento de
26 de duzerabro de 1869. A duvida pode nica-
mente versar sobre ser ou nao desapropriacao a
transferencia determinada pelo decreto n. 3*()3 de
10 de julho ultimo. Ora, nao so nos arts. 4* da
decreto n. 1599 de 9 de marro de 2855, e 34 do
contrato de 10 de maio d > mesmo anno, esta pre-
da estrada de ferro
declara edes (oi dada pelo presidente do conselho, a
que pertencia o ministro que referendou o regla-
mento de 1855.
Nada tendo occorridoque faca alterar a intelligen-
cia at hoje constantemente dada a' legislacao,
que regula os emolumentos dos empregadosdo
julio dos feitos, a seceo de parecer que se nao
d provimento ao recurso, e se raaii'.eoha a decisio
comra a qual se recorre.
Vossa Magestade Imperial resolver, porm, o
que fr mais justo.
Sala das conferencias, 4 de novembro de 186o.
Manoel Feliiardo de Souza e Mello.Visconde de
Itaborahy.
Resolugo.
Como parece. Paco em 16 de dezembro de
1865.Com a rubriea de Sua Magestade o Impe-
rador.Jos Pedro Dias de Camino.
Ao presidente do banco do Brasil, communican-
do para sua intelligencia e devidos effeitos, que as
seecoes de fazenda e do imperio do conselho de
estado, as qoaes foi ltimamente apresentado o
offi?io da presidencia desse banco n. 540 de 4 de
jullio de 1864 para consultaren) nao s sobre a fa-
culdade no mesmo solicitada, de contemplar em o
numero das acedes representadas as qne liverem
sido transferidas por cauca", atienta a impossibili-
dade pratica de venficar-se a legitimidade dos
sens verdadeiros possuidores na forma indicada
pelo aviso do ministerio da agricultura, commercio
e obras publicas de 25 de julho de 1863 ; roas
tambero a respeito do modo de regular as trans-
ferencias das accoes por caucSo, para que conste
as eoropanhias cojos ttulos sao transferidos em
garanta de emprestimos, quaes os accionistas que
devem ser como taes considerados as reunios
das respectivas assemblas, aflm de nao fijar de-
pendente de verifleaco no acto de reuniao a qua-
lidade dos inesmos accionistas; tendo as seecoes
em coisi icrago, se o entendessem conveniente, a
materia da consulta da dos negocios do imperio re-
solvida em 4 de marco de 1863;
Visto o aviso ao referido ministerio de 5 do dito
mez de marg >, expedido de conformidade com a
mesma Holoco de consulla, o qual declarou que
i os estabelecimentos baocarios que possuissem
accoes de companhias, como cauchas de crdito,
embora as acedes ibes tenham sido transferidas,
nao podem tomar parte-na elefcao das respectivas
companhias ; e o supracitado, de 25 de julbo,
accrescenlando < que o accionista de qualquer
Com a rubrica de Sua Magestade o Imperador. I ro do cerrente anno com referencia ao art. 106 do
regulamento de ?7 de oulubro de 1860.
Faz publico igualmente, o offlcio em seguida
transcripto, que em data de 13 do crreme Ihe di-
rigi a mesma presidencia cora respeito ao Sr. 2 -
cadete d 3 corpo de voluntarios da patria, bicha- L
re AgoetaJos Gonzaga. V
1 secgatJ,Palacio do governo de Pernamboeo
13 de fevereiro ae 1860.lllm. e Km. Sr.O go-
bern imperial, tendo seiencia de haver o bacba-
rel Agnelo Jos Gonzaga que se alistan como vo
(untarlo paca o servico daf uerra, renunciado o
premio de 3004 e sorte de trra a que tem direilo,
bem como optado pelos seus vencimeotos de jniz
municipal e de orphos, determinou em offlcio de
29 de Janeiro ultimo, qoe se louve em seu nome o
referido hachare I por esse motivo. O que declaro
a V. Exc. para ter execncio.
Deus guarde a V. Exc.Joo Lustosa da Cunha
Paranagu.Sr. general comroandante das armas.
(AssignadoJFrancisco Sergio de Oliveira.
Est conforme. Estreno Jos Ferraz, tenente
ajudante Je ordens interino encarregado do de
Jos Pedro Dias de Carvalbo.
OVEMO DA PROVnili.
Expediente do dia 14 de fevereiro de 1866
Offlcio ao Exra. general eommandante das ar-
mas.Mande V. Exc. por em liberdade fleando des-
ligados do 2* batalho destacado os guardas do 10
batalho de infamara do municipio de Iguarass
Joo Dionisio Bezerra e Manoel Lulz de Souza. I
Dito ao mesroo.Sirva-se V. Exc de mandar
dar baixa ao soldade do 6 corpo de voluntarios
Augusto Franklm de Mondonga Cavalcanti Wan-
derley por ser Albo nico e administrador do esta
belecimento rural de seu velho pal.
Dito ao inspector da Ibes mraria de fazenda.
Ao r. Francisco de Araujo Barros que vai tomar
assento na cmara temporaria como depatado elei-
to pelo 2 dlstrlcto eleitoral desta provincia, man-
de V. >. abonar sob roinha responsabilidade, visto
nao haver crdito aberto, o qoantitativo a que tiver
direilo por ajuda de custo.
Dito ao inspector do arsenal de marioha. -Fago
apresentar a V. S. os menores Pedro Jos Lulz e
Alejandrino Jos de Souza, para serem alistados
na companhla de aprendizes marmbeiros se esti-
verem as condie&es respectivas do regulamento.
Dito ao presidente e membros da mesa paroehial
do collegio eleitoral da villa de Garanhuns.Nao
tendo a cmara municipal da cidade de Caruaru.
segundo me declarou em seu offlcio de 7 -do cor-
rete receb'do a acta da eleigo a que ltimamen-
te procedeu-se nesse collegio para deputado para
a assembla legislativa provincial, cumpre
que Vmcs. remettam a referida cmara a pr
dita acta com toda a urgencia, Informndome
CHKOMCl Jl'DICIARIA
TRIBUS-AL 0 GOXKKKCIO
ACTA DA SESSAO ADMINISTRATIVA DE 15 DE
FEVEREIRO DE 1866. .
PBSSIDKNCIA. DO RXM. SR. DKSMI;ARGADOR
. AMSKLMO nAMOBCO PMITTI.
As 10 horas da manha, estando reunidos os Srs.
deputados Rosa, C. Alcoforado, Basto e Miranda
Leal, o Exm. Sr. presidente declarou aberta a ses-
sao.
Lida, foi approvada a acta da sessSo antece-
dente.
. expediente.
Offlcio do presidente da Junta dos corretores,
datado de hoje, solicitando a entrega ao actual se-
cretario delta, dos livros das actas das sessoes da
junta, e das cotaedes diarias, que estando em po
der do ex-secretario o corretor ausente Frederico
Lopes Guimares fram, de envolla com os livros
perlencentes ao dito corretor, arrecadados por oc-
casiao de cumprir se a ordem deste tribunal expe-
talhe.
PERNAMBUCO.
REVISTA DIARIA
ilontem s 6 horas da mauh visitn S. Ex.
Rvro. a igrtja da Santa Cruz, viudo a p do palacio
da-^pleda# at a igreja.
A irmandiMie paramentada recebeu S. Ex. Rvra.
a' porta de templo ebaixo do ftleo, condozio-o
rao capla-pr, onde s. Ex. awistio ao santo aa-
> crificio datnisa, Sndo o qual percorreu a igreja,
sadsfelto peto asseio e decencia do
dida ao r. jniz especial do commercio.Respon
da-se que venha secretaria recebe-los do offlcial
maior, quem passar recibo.
Aos Srs. depntades forarn destribuidos os se-
gointes livroe :
Diario e copiador de Beirlo & Sobrinho.
Diario de Antonio d Sonza Neves & C.
DK8PACHOS.
Requerimento de Joaqoim Rodrigues Tavares de
Mello, Jos Luiz de. Mella e. Duraingos Jos Anlu-
nes Guimares, pedindo qne se admita registro
l o contrato, que juntam, de sua sociedade commer-
ciat sob a Qrma de Mello, Guimares & CVista
ao Sr. dezembargadorOscal.-
i- Dito, de Jos Guedes Nogueira (ja visto pelo Sr.
dezerobargador fiscal) em qne pede ser admettldo
i matricula de com mere i ante
naes e estrangeiros a grosso e
Aggravantes, Ferreira & Lourelro ; aggravado
Joaquim Francisco da Silva Jnior.
O Exm. Sr. presidente deu provimento.
CAUTA TESTBMU.NHAVBL VINDA DO JUIZO ESPECIAL DO
|COMMERCIO.
Aggravantes, Rezeode di G.; aggravada D. Jo-
sepba Francisca Pinto Rigueira Ramos.
Exm. Sr. presidente deu provimento em parte,
e em parte nao.
Nada mais havendo a despachar, foi encerrada
a sesso ao meio dia.
Communicados
A Innovadlo do contracto C'ant
bronne.
II
Nao desejando cancar a paciencia dos leitores,
interrompemos a resposta que principiamos a dar
a SmiUi: continuaremos agora, pediodo-lbes qne
se dignem de honrar-nos com raa attencio.
Dlzem os professionaes, em que confiamos muito
mais do que nesses, que foram citados por Smitli,
que cootentou-se com apontamenlos que Ihe foram
ministrados por pessda ioteressada ero favor da
empresa,nao s qne a deodorisacae, e nao a des-
infecoao, qoe elle confunde, das materias excre-
menticias pode ser completa e satisfazer inteira-
mente as eondicoes hygienieas, sno qoe a parte
liquida procedente dessas materias (eanx vmnes)
pode ser laceada sera inconveniente algum nao ao
as vas putilicas e canos de esgoto, maa tambero,
levada por meio destes aos ros. Ist Muerara em
seu reiatorio de 27 de dezembro de 1850, apresen-
tado ao prefelto do Sena, os Srs. Ch. FUnd.D, Ca-
de) Gassecourt. Gaultier de Clanbry, Payen, Da-
de gneros naci- puis, Bgln e Trbuchet, e o disseram os Srs. ba-
a retalho.Como
rt de WaUeritte, de Fontanes, Grassi, Parcbappe,
Ve, Trbuchel, Domergue, Laval, Lelelher de la
Fosse, Darroux, e Rayart em seu reiatorio apre-
mesmo tempo o motivo porque deixou d o fazer | roostran
como Ihe cumprla na forma da le.Iguaes aos \ templo.
presidentes e membros das mezas parochiaes dos Emalf urna occasiao qae farnece S. Exc. Kvm. i rf
coHefka das villas do Buique o Boro Conselho. | droiraao e respeito dos seos diocesanos, que D| d M fc
Dito acamara municipal de" Caruar -Accuso, ^_3^ EST"1 : SUa >edade comSr^^Cju ttm.-Vittt ao sentado ao ministro d interior ero 1859. era que,
a recepcao do offlcio de 7 do crreme, com que a igrej*pernamDucana. Sr dezembargador fisca. I tratando da evacuaco directa oo Sena, por meio
ira municipal de Caruaru remettte a copiada Na-aossa oitava pagte damos hoja a pastoral DiW, de Jos Joatjuim da Cunha e Guilherme dos canos de esgolo, dos lquidos procedentes das
do Exra.D. Emmaouel deffejeiros, bispo de nossa Jos de Souza, pediode qoe se maods registrar o latrioas, declararam qoeo ar das ras de Pars
diocese, por occaso de tomar posse do bispado.! documento, que juntam, relatixo s alterac5es fe*- nao podena ser tnfecaoado, como se pretenda, em
tas em seu contrato social sol; a Qrma de Jos
acta da apuraco.dos votos dos collegios dessa ci-
dade, do Bonito e o. Bento, para deputados a assem-
bla provincial, pertencenie ao 4 districio deuan-.jpa7a,'"eYla7h,amamosa atiencTolos"Teitores!
do de apurar os votos dos collgos de Garanhuns, *
Buique e Bom-Cdnselbo, por nao loe terem sido at! Realisoo-se hontem, no sallao do Santa Isa-
aquella dala enviadas as respectivas actas. Del> reanio de colonisacSo, que noticiamos- no
Em resposta declaro a mesma cmara, que em comee desta semana, coro assisteacia dos Drs.
vista da doutrina do" aviso n. 88 do 1 de marco de; Sarment, Ignacio Joaquim de Souza Lelo, Pedro
1862, deve proceder a nova apowcao, logo que Affonso ferreira, Soares Brando, Costa Ribeiro,
receber as mencionadas aeus para o que Ihe de- i Antonio Antunes, Manoel de Barros, Jacobina,
volvo a predta copia da acta da apurarlo, e expe-1 Baarque, Joao Alfredo, Ramos, Gervasio Campello
CO nesta data as ordens precisas para que sejara' Manoel ie Fijrneira, e dos Srs. Joaqnira Dnarte, | Francisco
remettidas a essa cmara, as actas dos colegios Joaquim Cavalcanti de Albuquerque, Jos Vascon-
vislo o i aso de desapropriacao ai esiraaa ae ierro iCaaMUOhja aQ0O*flia ama liver icn liVioagria u
por utilUade publica cerno tambem ateln.TOTT nadas em estabelecimentos babearlos, cujos esta-1
de 22 de agosto, art 5'regulou o modo de realisar- |Blog So ,he8 permUtirem adquirir taes accSes
como propriedade, tem direilo de votar as elei-
qo-s das mesroas companhias, desde que exibir
documento qoe prove acbarem s as ditas acedes
caucionadas em qualquer desses estabelecimen-
tos ;
Observando que, como O'em o banco do Brasil,
era outros poden ter accoes de sociedades anony-
mas em suas carteiras, senao a titulo de geraolia
e penhor dos emprestimos que fizerem, fra de
duvida que dos seus livros deve cooslar o noroe
de cada um do3 mutuantes que lhes as houverera
transferido; e que por conseguinte pode o banco
passar a certido ou outro documento de idntica
natureza, que exige o aviso de 25 de julho : foram
de parecer, com o qoal conforroou-se Sua Magesta-
de o imperador por immediata resoluto de 13 do
mez prximo (indo, que bastar esta providencia
para que se torne possivel verificar a legitimidade
dos possuidores das acedes caucionadas nos esta-
belecimentos bancarios.
se a transferencia do Estado ou a desapropriacao
dessa estrada, sem dopendencia do processo de-
terminado pela le de 9 de setembro de 18!6 e de
12 de julho de 1845. E se confrontarmos aquellas
disposicoes expressas em decretos e nos estatutos
da companhia, todas refermdo-se dfsapropnaqao
da estrada com o art, 5 da le de 22 de agosto de
1860, qe autorisou a permuta das accoes da re-
ferida compaoha por ttulos da divida publica in-
terna ou externa, e por coa*eguinte transferencia
ao Estado da propriedade da estrada, concluiremos
lobadamente que transferencia e disapropriago
sao, nesie caso especialissimo, syoooymos, e o
decreto de 10 do julho prximo passado sanecio-
nou uraa~verdadeira desapropriacao, devendo por-
tante o respectivo contrato gozar da isenco estabe-
lecidapelo 19 do art. 38 do regulamento de 26 de
dezembro de 1860 >
Este oaragrapho reza assim : a E' isenta de sello
proporcional adesaprooracao por utildade ou ne-
cessidade publica, promovida por conta do Estado
ou das administracoes provinciaes, e pelas cma-
ras municipaes. >
E o art 34 do contrato para a construeco da
que anda nio Ihe foram enviadas.
Expediente do secretario do governe do
de fevereiro de 1866.
Offlcio ao Dr. jniz de direito do Brejo.S. Exc
Sr. presidente da proviaeia, manda acensar a
sta- recepcao do offlcio do Io do crreme, em qne V. S.
participa que c.onvocou a primeira sesso ordina-
ria do jury do termo do Brejo, para o dia 1 de
marco prximo futuro.
Dito ao presidente da sociedadeUniao dos mes-
tres de Archileclura naval.De ordem de S. Exc.
o Sr. presidente da provincia, commumeo a Vmc,
para os [ios convenientes, que segundo constoo de
aviso da repartico -da agricultura, commercio e
obras publicas, de 7 deste mez, foi indefendo em
3 do correte, em vista do parecer da seceo nego-
cios do imperio do conselho de Estado, o requeri-
mento em que a sociedadeUnio dos mestres de
Archileclura naval solicitou autorisaco para
funecionar e approvacao dos respectivos esta-
tutos.
cellos, A. F. Paes de Mello Barretto.
da 44' Sendo aeclamados os Srs. Suuza Lelo presidente,
u* ,4; Soares Brando Io secretario e Costa Ribeiro 2o
Joaquim da Cunha & C.Juntera os suppltcantes
o seu contrato racial.
Dito de Samuel Power Jobaston & C. pedindo
que se admita registro de proenraco, que jun-
tam, dando poderes a Alian Paterson para tratar
dos negocios de sua casa cjmmercial.Regs-
tre-se. .......
Dito de Joao Leopoldo do Reg ViHar e Antonio
ancisco de Moraes,. pedindo o registro de seu
contrato social, que juotam.Vista ao Sr. dezem-
dito, e tendo tomado assento nos lugares campe-
lentes, declarou o Sr. Dr. Gervasio Campello que j ^-f T^ SEC-5*SKS:
Consulta a que se refere o aviso supra.
Senhor. Mandou Vossa Magestade Imperial,
por aviso do ministerio dos negocios da fazenda de
estrada de ferro de u. Pedro Ii diz : Se o go-113 de Julho do anno passado que as seecoes reuni-
verno juigar conveniente effectuar a desapropria- das jos negocios 4a fazenda e imperio do conselho
ticai.-Ges, pode-loba tazer debaixo das seguintes a respeito da faculdale solicitada pelo presidente
cond 1 g Des : do banco do Brasil no offlcio incluso datado de 4
1* A desapropriacao nao lera lugar antes de 30 do dito mez sob o. 5i0 de contemplar era o nume-
annos depois da abertura de loda a linha, excepto ro das acg5as representadas as que llverem sido' dra de Olinda, e que tire o seu tltuo parase col-
por especial accordo entre o goveroa eacorapaohu. transferidas por cauco, visto a iropossibilidade' |ar na sobredlU cadeira.
2" O preco da desapropriacao ser regulado pelo pratica de verificar-se a legitimidade dos sens Dito ao Rvd. Ignacio Antonio Lobo.-Scientifl-
termo medio do rendimento liquido dos ltimos verdadeiros possuidores na frma indicada pe- Caodo o que fora apresentado em uma cadeira de
cinco s.nnis. lo aviso do ministerio da agricultura commer- mea prebenda da cathedral de Olinda e que tire o
co e obras publicas de 25 de julho do anterior,! seu tiu|0 para se colUr na sobredila cadeira.
como tambem a respeito do modo de regular as 9 _
transferencias de accois por cauco, aflm de que! o.^cio ao Rvd. vigario do Bom Jardim.Conce-
consequencia da evacuaco desses lquidos nos ca-
nos de esgoto, e queas aauas do Sena nao soffre-
riatn recebendo esselquidos, depois de desinfec-
tados, dos canos de esgoto ; e por certo todos es-
ses, que ficam citados, valem mais por sua reputa-
cao do que os poucos, em cuja autoridade baseou-
se Smith.
A comraissio exigi, e isto foi estipulado, que
a parte liquida das materias excrementicias fosse
completamente desinfectada, para poder ser lauca-
da no rio. Desde que delxasse de s-lo, o empresa-
rio nao podena escoa la no Capibaribe : desinfecta-
da poi agentes chmicos, nao poderia corromper as
aguas desse ro, cojo voiume mais do que sufi-
ciente para dilu la, mesmo qnando essa partedei-
consequencia nao
, xasse de ser desinfectada ; e por
De Polisbcliu Iguiclu c Ol cu ., t-ni 4uc (icc uOUerla prodUZr males em OMCSu ssalutinOaUe
seja admetlida a entrega que faz da carta de regs-1 publica. No Tamisa eram laucadas todas as mate-
tro da escuna Ernestina que foi de sua proprieda-' rias excrementicias, solidas e liquidas, sem serem
bargador fiscal.
Ja vistos pelo Sr.delembrgdor fiscal.
De Antonio Francisco Carneiro Monteiro Pirlo,
Jos Barbosa e Julio Scbuls, em qoe pedem o re
eflm d* fa* rraniJfc nm m.Inmt^5a rtxiifnar>cie-
dade que auxilie Tinda de colranos de qualquer
naco para empregarem-se na agricultura da pro-
vincia, e qoe por isso propooha que se chamasse
ella Associcco Auxiliadora de Colontsacao, e quo
fosse nomeada uma commissao para organisar os
estatutos.
Oraram anda os Srs. Drs. Sarment, Ramos,
522E 2Vi!5!dS!&*\l!t2 **W commercial que girava sob a firma de posta de modifleacdes ao centrado primitivo, ecbe-,
21 tft,^LSSSSt ?Spe' 123 nJ? LPes F^nandes & C.-Como requerem. gar com o Sr. C. L. Cambronne a um accordo a
2?er g/rapre S feonse uS do fim 2 De Aot0Di Franc,sC0 das* **> 6m,('Qe Pede respeito das eondicoes,conveio naquellas que Ihe
oeveriao erapregar para a coosecucao 00 ura ai 0 re([ls,ro de sua sociedade commerciai em com-
mejaao. j mandita._No tem lugar vista do parecer fiscal.
*M7 lnCcrrregaa dce :ga,!lSarr0oSrve^ Se"00 coc'^o o autoameoto do offlcio do Dr.
^SSIZ&&m&^TuZ^ i cecial do commercio com os mais papis,
Campello, Manoel de Barros, Boarque e Jacobina. > 0 aComp*haram, sobre a ausencia do corre-
de e se perder na costa do norte.-Satisfaga o pa-
recer fiscal.
De Victorino Lopes da Costa, Antonio Joaquim
Fernandes e Domingos Martins de Barros Montei-
ro, para ser admettldo registro o distrato de sna
desinfectadas; e entre isto, e o que se pratica em
Pars e exigi a commissao nao ha similhanca al-
guma.
A commissao, nio tendo de indicar ou impr
systema de esgoto; mas soraente de examinar a pro-
pareceram melbores, e cercou-as de iaes garantas
que, cumpridas estas, o systema satisfara as eon-
dicoes exigidas pela bygiene publica. Tendo de ser
separados os lquidos dos solido?,que o que re-
comroeodam todos os professionaes, e s queren-
A commissao promotora d subscripcao para;,or Keral desta praga Frederico Lopes Guimares.' do o Sr. C. L. Cambronne aproveitar se dos solidos
CiOVEHXO OO BISPADO.
o Asylo de Invlidos da Patria, nesta provincia,
acaba de receber 1:323,5000, sendo l:09t000 pro-
movida pelo Dr. Joo Francisco da Silva Braga na
comarca de Palmares, e 4300000 pelo Dr. Joao
Paulo Monteiro de Andrade na de Nazareth.
Expediente do dia 7 de fevereiro.
Oflkio ao Rvd- Calisto Correa de Nobrega.
ScientiScando-o de que tendo sido apresentado na!
f-eguezla de S. Miguel do Tatpu, mande tirar o sen Tem hoje lugar, na matriz da Boa-vista, uma
titulo para se cellar na mesma freguezia. : niissa e memento pela alma do Dr. Estevo Bene-
De igual theor aos Rvds. Antonio Germano Bar- dicto Franca, ltimamente assassmado em Villa-
balho Bezerra, para >anta Luzia do Sabogy ; Galm- Bella, mandada celebrar pelos seus padrasto e
D se vista ao gr. dezembargador fiscal.
Sendo 11 horas e niela de dia e nao existindo
nada mais a despachar, S. Exc. o Sr. presidente
encerrou a sesso.
do Firmo da Silveira, para S. Caetano da Rapeza ;
e Joaquim Manoel de Oliveira Costa, para Maco.
Dito ao Rvd. conego de mela prebenda Joaquim
Ferreira do Santos.Sclentificando-o que lora apre-
sentado na cadeira de prebenda inteira na cattie-
mi. O acto ser s 7 horas da manbaa.
Segunda fera ultima, na estrada velha da
Embiribeira, foi acommettido e ferido com duas
Tacadas Manoel do Nascimento Pinto, morador na
Venda-Grande, por Florentino Francisco de Paula,
domiciliado na freguezia de Afogados,
offendido gravemente enfermo.
Na falta de facultativos, naquella povoaco, veio
o offendldo para esta cidade, afira de ser devida-
Assim, bem que o acto da desapropriacao S(*Ja
de natureza diffsrente, da do ajuste ou concert
entre partes, o certo que as palavras sublinhadas
SESSAO JUDICIARIA-EM 13 DE FEVEREIRO
DE"1866.
PRESIDENCIA DO EXM. SR. DESEMBARGADO!!
A. F. PERETTI.
Secretario, Julio Guimares.
As onze horas e meia da manha o Exm. Sr. pre
sidente declarou aberta a sesso, estando reunidos
os Srs. desembargadores Silva Guimares, Reis e
Silva e Accioli, e os Srs. deputados Rosa, Candido
Alcoforado, Basto e Miranda Leal.
Lida, foi approvada a acta da sesso antece-
ficando o I (|enle-
Assignou-se o acordam proferido na ultima ses-
so no feito entre partes.
Appellantes, os administradores da massa fallida
mente vistoriado, tendo-se-lhe no entretanto feito de Amorim, Fragoso, santos & C. ; appellados;
pela subdelegada d'alli o auto de pergonlas. Mas um de Moraes Gimes Ferreira, por si e como
deram foro de desapropriacao ao contrato, que, conste as companhias cujos ttulos sao transfer i dendo-lhe, como pedio, a facoldade de na prxima ,qae receDera-
transfeno aquella estrada para o dominio e ad ,jos em garanta de emprestimos quaes os accio- qaaresma dar as beocoes nupciaes aos seus fre-.
ministraco do estado. nistas que devem ser como taes considerados as j gUezes nos casos, qne figurou.
reaniSes das respectivas assemblas, para que nao j rjjt0 a regente do recolhlmento de Olinda.Da-;
li |iie dependente de veneaco no acto da reunio : terminando, que remeta uma relacao nominal dos
a qualdade dos raesmos accionistas, consideran-1 Africanos livres, que possam existir no recolhi-
do-se a materia da consulta da seceo dos negocios
do imperio do conselho de estado resolvida em 4
de marco de 18G3, se as seecoes assim o cutende-
rern conveniente.
consta que succuiibio logo depois dos feriroentos,
O offensor logrn evadirse.
Neetiisrermn, e porque cumpre ao governo nao
s execotar religiosam-nte os contratos qoe cele-
brar, seno tambem evitar pretextos que parego
fundados para se duvidar de sua boa r, entendem
as seccSes que deve prevalecer, na duvida que se
move entre os dous ministerios, a opioio do da
agricultura, commercio e obras publicas. Mas
Vossa Magestade Imperial resolver o que fr mais
acertado.
Sala das conferencias em 3 de outubro de 1865.
Vis:onde de Itatorahv Manoel Fellzardo de
Souza e MelloVisconde de Sapucahy Bernardo
de Souza Franco.
Rsoluco.Como parece Paco em 13 de de-
zombio de 1865. -Cora a rubrica Je Sua Magestade
o ImperadorJos Pedro Das de Carvalbo
- 12 -
A' thesouraria de Pernambuco, declarando, para
sua iclelligeocia e fins convenientes, que, tenido o
deseinbargador Francisco Domingues da *ilva re-
corrido para conselho de estado da deciso do
trbucal do tfcsflnro, maniendo a da thesouraria,
qoe mandn abanar ao recrreme, quando, como
juiz dos teitos da dita provincia, foi por ordem do
theso'iro proceder nova aval i agio dos boos do
extioiMo encapellado de Itamh, nao as diarias de
caminho e estada por totelro, Asadas no regula-
mento de 29 de setembro de 1833, a efere elle se
julgava com direito, mas smenie a metade pelo
regiment de 10 de outdbro de 1754 segundo as
inslrucces de 28 de abril de l6-ol : honre^Saa
Magenade o Imperador por beu, por immediata
resolugo de 16 do 0|
consulta da respectiva
Depois d'aroanha se extrahira' a 2" parle da
5* lotera (48*) ero beneficio da igreja de Nossa Se-
nhora do Rosario da freguezia da Boa-Vista, sendo
o maior premio 6:000*000.
Se tivesse cabido a' se--gao de fazenda eraittir
opioio sobre o objecto da resologo de consulta JL*.
de 4 de Marco de 1863, teria ella discrepado do
parecer da dos negocios do imperio; mas como a
questo de que se trata agora cooslste no modo
pralico de execotar aquella resolugo, nao Julga
fundadas as ohjecges da directora do banco do
Brasil.
Da feito o aviso de 5 do citado mez de marco
declarou que < os estabelecimeotos bancarios_ que
possuissem accoes de companhias, como caucao de
crditos, embora taes acedes lhes tenham sido
transferidas, nao podem tomar paite na eleigo
das respectivas companhias e o de 25 de julbo
do mesmo aono arcrescenlou < que o accionista de
qualquer companhia anonyma que tlver suas
accoes caucionadas em estabeleclmentos bancanos,
cujos estatutos nao Ihe permittirem adquirir taes
accoes con propriedade, tem direito de votar as
eleigoes das mesmas companhias desda que exhibir
documento que prove acharenf-se as ditas acc5es
caucionadas em qualqaer dos ditos estabelecl-
raento.
De igual theor a regente do recolnimenio de Igua-
rass.
Dito ao Exm. conselheiro presidente da provin-
cia. Re-rae tiendo-I he os poucos esclarec montos
certeza podia ministrar acerca do culto
publico com indlcaeo de suas mais urgentes neces-
sdades, nao sendo porm os mesroos esclarecimen-
tos tap completos quaoto desejava, por nao ter an-
da o Rvm. ex-vigario capitular dado nm reiatorio
sobre-os negocios da liocese. *"
Dito ao Rvd. capello do recolhlmento de Goian-
na.Ordenando-lhe que enviasse com a possivel
brevidade om reiatorio minucioso acerca do mes-
mo'estabelecimento.
menlos.
Ora, como nem o banco do Brasil, nem ootros
isado, tomada sobre podem ter accojs de sociedades anoByraasem suas
itfyo de fazenda, %)nflr-', carteiras, seno a titulo de garaotia o penhor dos
mar 1 deciso recorrida, visto cono ora djversas emprestimos que fizerem, lora de duvida que
poc,s tem se entendido e declarado que, acezar dos seus livros deve cooslar o nome de cada um
do citado regulamento de 1853, continuara em dos mutuantes qne Ih as houverera transferido ;e
plenc vigor no juizo dos feitos o regiranto de 1754 que pode por conseguinte o_taoro passar a^eerlidao
e as ditas inMrucges de 1851, e nada tem occor
rido qoe faca alterar a intelligencia dada constan-
temente at hoje a legislacao qne regula os emo-
lumentos dos empreados do referido juizo.
Consulta a qne se refere ordem suprat
Senhor. O desembargador Francisco Domin-
gues da Silva recorre para o cocselhode estado da
I
ou ootro documento de idntica natureza, que exige
o aviso de 2/5 de julho de 1863.
Bastar, pois, esta providencia para que se tor-
ne possivel verificar a legitimidade dos possuidores
das acc5ss caucionadas nos estabeleclmentos ban-
carios.
Tal senhor, o parecer das seceees, com a con-
deciso do ministerio da fa'zema'peia qual foi in-! clusSo do qual o conselheiro Bernardo de Souza
deferido o recurso interpostoo-da thesonrarla de Franco declarou concordar. __ ...-..*
fazeuda da provincia de Pernambuco, por ter jal- Vossa Magestade Imperial, porm, resolver
gado competir ao recrreme smente a metade como f6r mais acertado. MlamK, a
da diarla de caminho e estada, durante a ligen-' Sala das conferencias, era 30 de selembro de
cia, 11 qoe por ordem do thesouro proceden quando ; 1863.-Viseonde de iborahy.- lUnael reliuudo
exrciio lagar de joiz dos feitos da tazenda na de Souza e Mello.- Visconde de Sapuoahy.- Ber-
mesma provincia, indo ao lugar do extlncto enea- nardo de Souza tranco.
- 13 -
Dito arRvd. capello do cemilerio.Encarre-
gando o do sermao de sexta-feira da paixo 'na ca-
thedral em substituigao do Rvd. conego Firmino de
Mello Azedo.
Expediente do secretario do bispado do da 10
fevereiro
Offlcio ao Rvm. padremestre Leonardo Joao Gre
go.Eocarregando o por parte de S. Exc. Rvma,
d i sermo de quarta-feira de cinza. viste nao poder
prega-lo o Rvd. padre mestre Jos Raimundo Bap
lista.
Dito ao Rvm parocho de S. Fre Pedro Goneal-
ves do Recita.Remettendo Ihe dons exemplares
da pastoral que no acto de sua posse publicou S.
Exc. Rvma. para ser lida a estaco da missa paro-' ""Rtiqao da pouoa.
njai r 1 Extraeto da parte do da
De Igual theor aos Rvm?. parochos de Santo Ao- i
tonio, S. Jos e Boa-Vista.
Esta' conhecida a eleigao de todos os collegios
do 5 dislricto, cujo resultado o segoinle :
1 Dr. M. Buarque de Macedo............. 314
2 Vigario Pedro Manoel da Silva Burgos... 306
3 Vigario Francisco Pedro da Silva........ 293
4 Dr. Tiburliuo Barboza Nogueira......... 297
5o Dr. Vlceote Jansem de Castro e Albu-
querque................................ 270
6 Dr. Joo Alves Mergulho............... 259
Vigario Manoel Lopes Rodrigues de Barros. 217
Sao deputados os seis primeiros Srs. cima men-
cionados.
Passageiros do vapor nacional Paran, sabi-
dos para os portos do norte :Francisco Gil Cas-
1-1 le Banco, Or, Antonio Jacome de Mattos Perel-
ra, soa senhora, um criado e uma escrava, Joaquim
Amero de Oliveira Luso, Joaquim Antonio Carnei-
ro de Souza Azevedo, Felismido de Carvalho Rapo-
poso Rodulpho Sergio Ferreira, Dr. Pedro Camello
Pessoa e um criado, F. Ildefonso Correa dos Santos
Almeida, Francisco Antonio de Assis Goes, D. Juan
Busson, Lehman o, Jos Gomes Penna. Bernardo
Jos Pereira Calisto,.Mana da Gloria Mello Sara-
paio, Antonio Bento de Moraes, 13 pragas do exer-
cito, 2 duas da guarda nacional e ura recruta, Hen-
rlque Jos Victorino, Primo Pacheco Barroso, Ma-
noel Rabello de Oliveira Caboclo, Luis da Silva
Baptista, T. E. Borolt, Servelianoo de Farias
Castro.
procurador de Baha, Irmos & C
JULGAMENTOS.
Appellaote, a directora da caixa filial do banco
do Brasil nesta cidade : appellado Jos Antonio
Moreira Dias.
Desprezaram-se os embargos.
Appellantes, os administradores da massa falli-
da de Amorim, Fragoso, Santos & Companhia ;
appellado Jos Ferreira da Silva.
Foi confirmada a seuteoga appellada.
Appellantes, os administradores da massa fallida
de Amorim, Fragoso, Santos & C.
Joao Vleme da Cruz.
para converte-los, depois de desinfectados, em ex-
truroe, prelendendo mesmo, segundo disse em uma
das runies dessa commissao, solicitar do governo
imperial a isengo dos direilos de exporlago, pre-
ciso se lornava dar tim aos lquidos, ou faze-los de-
sapparecer, vistoque delles nao quera aproveitar-
se ; mas s restava um meio, que propunha, e era
langa-Ios no rio. A commissao, firmada na opioio
de homens competentes, acceitou esse meio ; mas
impoz ao emprezario a condigno de qoe nao pode-
riam ser laucados no Capibaribe sem que fossem
pr>ia e completamente desinfectados; e como o
Sr. C. L. Cambroone s tinha em vista uulisar-se
das materias solidas.se Ihe impoz tambem a con-
, dco de que estas seriam desinfectadas.
Baseando-se Smifa, como declarou em seu pri-
| meiro coramunicado, em respettaveis autoridades,
I disse nao s queera nocivo saude publica que os
! lquidos fossem levados ao no, mesmo depois de deo-
1 devisados, seno qne, na opinio daqoelles que es-
tudam devidamente essas questoes, apias se tem
considerado proficua fertilisa(3o feita com a par-
te liquida das materias excrementicias, e citoo a
opioio de W. Hofman, que se exprime nesles ter-
mos :
t Chegamos por nossa experiencia conclusao
: de que todas as propostas para utilisar asroaterias
i dos esgotos (excepto por meio da irrigaco) mos-
| trara at evidencia a sua impraica&iiiade.
A commissao nao teve que entrar na aprecia-
go das materias excrementicias em relago a agri-
cultura ; e, se o Sr. Dr. Aquino falln na perda da
parte solida dessas materias, que poda ser apro-
appellado veitada como estrome, nao o fez seno para que se
visse o que se perdera, se fossem acceltas as 1
16 de. fevereiro de
peltado de Itamb, para a nova avallacio. O re-
crreme 99 jaiga com direito aos respectivos emo-
Resolucao.
Como pawce.-'PaoooQi Wd,
deettiljrc. de 1865.
COMANDO DAS ARIAS.
Quarlel general do eominando las armas de Per-
nambuco na cidade de Recife, 16 de fe ve reir
de 1866.
Ordem do da n. 201.
O marechal de campo eommandante das armas
faz pnblico para conhecimento da gnarolgo e de vi-
do effeito que a presidencia em portara de hootem
em portara de hontem datada, conceden tres mezes
de liceoga com o respectivo sold ao tenente do 9
batalho de infamarla Emiliano Ernesto de Mello
Tamborlrn para tratar de soa sade, nos termos do
|4* do ari. i do decreto n. 3, 3,579 de 3 d J"ei-
-
Foram recolhldos i casa de deteogo no dia 15
do correte:
A' ordem do Dr. delegado da capital. Manoel Se-
veri no do Nascimento, para correego.
A' ordem do subdelegado de *aoto Antonio, Ma-
noel, escravo de Maooela Miquilina, requerimen-
to desta*
A' ordem do de S. Jos, Miguel Wenceslao dos
Anjos, e Jlo Pereira de Miranda, para recrutas, e
Joo de Deus da Silva, por crime de resistencia e
ferimentos.
A' ordem do da Boa.vjsta Bernardo, escravo de
Francisco de Campos, para correego.
O ckefe da 2* seccao,
J. 0. de Metquita.
Foi confirmada a sentenga appellada. Lmas modificages propostas ao contracto de 25 de
Appellantes, os administradores da massa falli- setembro de 1858 pelo Sr. C. L. Cambronne, ou an-
da de Amorim, Fragoso, Santos & C.; appellado i es, pelo seu cessionario, o Sr. Gomes Nelto, ser-
Antonio Alves de Moraes. j vindo isto para mostrar quo elevados eram os In-
Desprezaram se os embargos. icros, que o emprezario esperava conseguir de seu
Appellantes, Manoel Ignacio de Oliveira e Jos previlegio, se essas modifleagdes fossem acceitas.
Pereira da Cunha ; appellada, a directora da ca-: No que disse Smith se nota nao s eonfuso no em-
xa filial do Banco do Brasil nesta cidade. prego de termos que tem significago distincta, se-
Adiado oa ultima sesso, deferio-se o adiamento nao inexactidoes que, se nao sao o resoltado da roa
reqoendo pelo outro Sr. deputado. f, o sao de terse contentado coro citag5es e infor-
Appellantes, D. Anna Jesuina de Lemos Fonse magues, que Ihe foram ministradas por pessa in-
ca, por ai e como tulora de seus filhos; appellados, competente, como mostraremos,
os administradores da massa fallida de Amorim, Fazendo a oecessaria disiincgo entre deodorua-
Fragoso, Santos & C. cao e desmfecco, que nao tem a-mesma significa-
Adiado na sesso passada, adiou-se o jolgamen-1 gao, repetiremos o que j .dissemos, apoiados na
to a pedido do outro Sr. deputado. I opioio de autoridades umversalmente reconheci-
; das.-sto que-a parte liquida das materias excre-
passagens. I menudas, depois de desinfectada ou mesmo deodo-
Do Sr. dezembargador Silva Guimares ao Sr rsada por agentes cbimlcos, pode ser evacuada
dezerobargador Reis e Silva. : jos rios sem Inconveniente para a salubridade pu-
Appeliantes, Joaquim Goncalvos Casco 4 C.; blicSi e diremos, apoiados em boas provas, qoe nao
appellada,a directora da companhia utllidade pu- smente da parte liquidadas materias excremen-
bllca. ; Helas que a agricultura tira proveito.
o Sr. dezembargador Accioli ao Sr. dezembar-. Se nao Dastam ag otoridades, que citamos para
gador Silva Guimares. mostrar que a parle liquida das materias excre-
Appellaote, D. Francisca de Salles Candida da men,Cjas pode ser |eTada aos nos por mel de ca-
Rocha; appellado Joaquim Lulz Vires. | OQS de esgolo depois de deslnfecuda. sem que
Appellantes, os administradores da massa fall- djst0 TesaJw TOa( a|gan, para a populaco, clure-
da de Amorim, Fragoso, Santos & C.; appellado. mos a Qrdenaco do Prefeito do Sena datada de 28
Pedro Cardoxo Vieira. de dezembro de 1850. Eis o que ella dix :
distribuiqks. t yistos os relatarlos 00 conselho de salubn-
Ao Sr. dezembargador Reis e Silva. dade ; ..- a. n*
Appellaote, Joao Antonio Goncalves ; appellado Considerando qne,
Rozendo Alves da Silva.
Ao Sr. dezembargador Silva Guimares. -
Appeliante, a directora da caixa filial do banco
do Brasil nesta cidade; appellados os administra-
dores da massa fallida de Joaqoim Jos Silveira.
Ao Sr. dezembargador Accioli.
Appellaote, Joaqoim de Axevedo Maia; appella-
do Jos Antonio de Almeida Guimares.
Aggravos loterpostos do juizo especial do cotB'
mercio. __
Agoravaote, Jeronymo da Costa Lima ; ggra-
vado Luii da Silva Baptista Jnior,
1 rienciasj antigs e sMfficientemiUe repetidas, esta
reconhecldo qne, se pode desinfectar rpida e eco-
nmicamente as materias eontiaas as latrioas ;
que alm disto, as experiencias recentes tem de-
monstrado que essa desinfecgo pdd ser suficien-
temente completa para que as materias liquidas
extrahidas das latrmat sejam despejadas sobre as
ras publicas e dos caoos da esgoto sem nconve-
Dlaote algum ;
Vista a deliberacao da commissao municipal de
Paris, em data de 20 de dezembro de 1850, ap-
provada pelo Sr, ministro do inferior;
* '



Uti -6t:
Ordenamos o qoe se segoe :
3. A partir do i. de Janeiro pf Mlfflo, US W-
Mari* i* PerMuaka* atibad* II a*
.,:"" -,.....3tt.ru v s^=2
srr:
nnramire
nao recotnmen
fossem desinfeci
bem difireme, F
em sea rotatorio datado
terias .luidas desiafeclads podero er, qaaudo
se tratar de u latrjnajs, despejadas naj
O conselhb'wSflrlubrldade de Part etn terjTehv
torio datado de 27 de deiembro ce 1830 dizia o
segalnte : passado. Eis o qae disw a commisso
c Hdj*, as materias liquidas iS6* adamo ao sa-l Separando m solida* ea liquMotem
birem das latrin&s, nao s a algans cios de esftio,' v*lrios, Mdo eh( gam reoHWt, dtlUfftct
seno a todos, e destes ao Sena. Ma Msas mate- ttttecoMto os-phme&os, per mi di
ras liqidas soro previamente depuradas e de- Mita t machi** apropiado*, nao k
sinfectacas, lero esebamento (Hpo, e. ames qae indicado incovrebiente,
se tenham novamente onrrorajio sobre as mate- a^teilat^matefe para
ras en fermentacao, serao diridis coihmie twtdos*
dono. ^ro*tHandb.o E ) resamo, Sr. afeito;. ipMMo. eeael- fttfio i qod Jan, e MfetaUodo
_, pouco versado jestas tes e gengivas. (Visto existir
pw|llnio a comiaisso a part> mUagoes fraudulent
~w*&m**Sm d*frma alguraa possueo es
*j2e!3 k*9P* A .PF*ciso pois se faz que haja
lllHa 'WfciiWVvw* re 'na' sua compra, tomando-se
detsdejaoho do anno nonaes de Murray e Lanman, seac
inscriptos sob cada envoltorio, letreire orr}pdo"s, ooague setem dado
garran, pois que na falta d >s meamos, ne-
fW- nburtaverdMi*).
'^*0 Ventte-se nw-ifttttJscis dteJ. C; Braro
com* at te !#*
rerlWear oe-terrwei eol-
CaoWBarboar* C.
*
rr riibiilfciifg a^iii ctn tair^tlpj.rffiaaf iovftgf irae--per m os* |
..^ nos canos de esgoto pelos que fossem os qelos.Mra isto empcfidados,
e no Sena a materia* liquidas das latrioas petfol- os moradores eae visinhancia desses depsitos se-
O xaropa e
elafltftpor airoff*
sa .5jusn^Bas S^^TES-ir 3
icado a utn sea doenle de
alcoolico de volame,
i em estado de largar as
indava arrimado, o aconse-
uasse com o oso do mesmo
.clmente com os bauhos sal-
wito aern, e
am dotmewos que alli em \faeeffMwn ou&-
rjletrotmfiwixja as preparacoea*a*velfcae
por m faites, pelos bons reaoftedos ime
tem obt* ero sua dioica.
Quando Hgaem se v com tosseMutao-i-
tfteo, este o etemina e declarao eauhore-
t'affectado dw pnlmoes-o dMH#-des&
ma com esta sentenca, entende estar sera
ATTENptU
lamente desinfectadas persula eq recouimtmdar riam cnstantemeate'imoHne4ads;, para refor-
raai vivamente e systemtfe desi'nfeccSo q'aeac- car soa assercM citon a opimao do W. Hofman
tualmeiite se exaerimenta, e i tm dado resulta- e Witb aoe >pretttdem qoeos eWfmadoe trtBp-
dos mu satufactortat. lnos de aeodoritafm nao podem eer pratlcaate
J Se v pois qae nao fui sem fundamento que levadeea effeito'nts dwmctos sen rtc& pansa
a commfsso, qae teve de considerar as modifica- saude dos kabitarxu, e, se foreweMbeteeido em
?5es propostas pelo Sr. (1 L. Camtfonne, permit- grande escala, datao lugar rauueMe< a anta
to qae a parle liquida das materias excrementi-
cias fose evacuada no Caploarbe, iepois de desin-
fectada, e que essa commisso, couvindo as rao-
dicacOes, nao goorava o qoe exista escripto ;
mas, .fpeiio nesmo.toase pouco o que ella exiga
para que a parte liquida dessas maerias podesse
ser evacuada no rio, ainda restaba um meio de
fater (esapparocer totalmente qatlquer inconve-
niente, qae podessem allegar os mais snscepUyejs.
Havewlfl em eada di roas1 vaSiitiS, fatno-Se o mero
escoament) de dore em doie boTs e qnapdo as
aguas, que tivessrii penetrado p?lo Capfb>rfbe e
Beberit*, comeassetn a retroceder, a parte liqui-
da, mi.-uirada com grande mass d'agua, perdera
todo qtanto alada-fne restasse .de ooelvd, e, leva-
da pe|a correte, se ifja perder no mar; sem con-
tar qoe," sendo prompta a evacQaso, <4aterlas
liquida- nao terum lempo ,para entrar em fer-
mentadlo, como .succede ns latrinaS flxas.
A applicacao das materias excrementicias a
agricul .ura M\ 4e atea 4 reculas. Os Gre-
gos e os Carthagneses, de quem os ttomanos se-
guirara as licoes e adoplaram os ostnrae?, del las
se serviam na cutura da trra, e Theophrasto em
soa-His/oria das Plantas -ji fallava favoravelmen-
te em soa obraEngrais fluinusnqoe; se Roma mo-
derna, em vez de deixar perder as dejecc5es de
seas bibrtmtes, as Uiesie applicar fertlusa^ao
de seo campo, cuja estn I ida de se tornoo prover-
bial, v sr se-hiam uascer f>pidao>sate admiraveis
culturs ;-ma<, sea irmos lio loiige busear pro-
vas, digamos o que se sabe e esta ao alcance 4e
todos, nafa mostrar a Smitk que a arte solida
das materias ejcreioeoiicias applicada com vao-
tage agricaMura.
Desde teno maiemof ial os excrementos huma-
nos sao applicados era Portugal, com vanUgem
encontostada a agriruliura, e por ceno, nao basta
mais do que ter alli nascdo e visto) o aae se pra-
tica, p.ra nr-st! do que escreveu flmilft sem con-
siderar nos apontamentos qoe llks deram a 1er,
isto que apenas se 4em considerado proficua
fertiluiico a parte liquida dos materias excremen-
ticias.
Nao s em Portugal, qoe ae materias excre-
menticias sao a#pilcadas oom proveito-a agricultu
ra. Se Smitk tivesse lido a obraechevehes sur
Vagricviture et horlieull\ire mHims -do naro
d'H-rvt'V Saint Denis, saberla que os habitantes do
celesta imperio recolhem preciosamente os axere-
meotos humanos qae mistaram oom ierra argilosa
para comporera ama especie de litlos, qoe seccam
ao ar livre e applicam agricultura, e principal
mente ,i horticultura ; e se nao ignjra que a Chlua
se acba muio adianiada nesu parte. Se se d-se
ao traba Ih 3 de lr antes de. esc re ver, e se nao se con
tentassi) com ciUcSes fornecidas pilo Sr. Gomes
Netto, luunlo apreseulou .soas modificaeoes que
serviram de base inoovacao dp coutracto de 25
de selembro de tS.'iS-, saberia <|ue o pr^fe-sor
Boassingault vio oo Per setutdo o mesmo melho-
do de apruveitameato dos excrementos humanos;
saberia mais qoe, segundo as experiencias do
principe de Saint, citadas pelo me- mo professor, i
argila exerce urna aceo rouito favoravel, ainda
mysleriosa sobre a vegetado, devida talvez ao po-
der qoa ella lera de Qxar o araraoaiaco das mate-
rias excrementicias -.saberia mais que Mr. Re-
uard, addido ultima emhaixada frapceza enviada
China, fez coubecer, era urna recente publica^o,
urna oi.tra praiiea empreg-ada uniualle imperio,
qaa parmitlA a coa -p*.H^'uUoar v,o*rcni humanos : saberia mais que na Blgica, pode a
agricultura se acha to adiantada, o e-lrume hu-
mano ei am agente de fertilisacao aiuito procurado,
tornaodo-se por isto rauiioelev^d:i seo prejo :sa-
beria que na Pruss, principalmeale a rhenana,
seguindq-se a pralicada Blgica, erapregam-se cora
vaotagaoi as ipaterias excrementicias na agricul
tura; nao .pdeiiiio deixar de impressinar-lbea ma-
neira pala qai os habilautes do Palatinalo, que
outr'ora emigravm para a America, por falta de
rceios de subsistencia, comegaram a cultivar o
terrenos esteris entre Cleves e GprUi, que ibes fo-
ram concedidos por Frederico II, e tem chegado,
pela a plicagao do estrume humano, a ura alt grao
e pros.j'fidade.
Se SmiH uv^sse querido darse ao trabalho df
ler anies de escrever, pao esaeveria o que se l
em sejr-.Ciimmunicado ; porque saberia que na
liussja, da/arit! o invern,os cultivadores estbele-
cidsij^mt^iraidades de Sao Pet;rsbourg se ser-
vem d is aierias excrementicias dessa capital pa-
ra feriiilsaraj suas ierras :saberia que na Tos
cana o Lurabardia os excrementos humanos sao
emprejiadis cora vantagem na agricultura e hortl-
coltura, qizeod trenzo Ferrarlo, era saaobra
La vera agricultura de lia Lombardia, que o pro-
ducto das laminas, cloacas e cisternas excellente
para a.mentar as plantas em toda especie de ter-
reno, ijrincipalrqeote as borlas, erados ou pastos
artiflcues:saberia que em Franca, particular-
mente a Alsacia, no Delfindo e em Llile os cul-
tivadores ao campo se servem dos ascrementos hu-
manos como estrume, sendo para notar qae os fa-
zendeiros alsacianos, para no sexam engaados,
raras vezes deixara de prova-hs, recouhecndo sua
boa qualidade por meio de am sabor picante e sal-
gado ; mas, mesmo sem darse ap irabalho de ler,
sabendo qoe as materias escramenlicias retiradas
de nos>as pralas do excellenl rebultado, quando
applicadas agricultura e horticultura, nao esrre-
vena o que se l em sea commanicado, porquanto
dira o contrario do que sabido.
verdade que Stnith, depols de discorrer sua
vontado. escreveodo pequeos periodos, talvez na
perauai-ao de que cpmptuUia romar.ces, apresentqu
a opinio dp professor way, do r. Smitn, de r.
Simn e de ontros, cujos nomes nao designon, e
custar he-lua designar, se o exlgissunos, e citou es-
tas palivasy'sem elizer a qoal dos Ires pereociam,
qaeo calor da parte solida, senda pequeo, iodos
as tentativas para seu aproveitamento como culm-
ine ho sido baldadas; mas Smith nao considerou
qoe as tres autoridades inglezas se referiam s ma-
terias solidas retiradas do Tamisa, onde eram des
pejadas pelos canos de esgoto, e que, perdendo ellas,
pela deiuicao, orna parte de seus principios nutri-
tivos, m tornavim improflcuas para a agricultura,
e as despezas de euraru-l^s de^se rio nao eram
compensadas por lucros sumceaUs procedentes da
venda. A coajtnjsso noroeada pela Sr. Dr. Castel-
lo Brancotpara considerar as raodiflc.acoes proposlas
peto Si. C. L Cambronne nao nerhiiitlo ao empre-
zario, nein est o quena, despejar no Capibaribe as
materiis excrementicias solidas procedentes das
elejeccoes dos habitantes desta cidade: o Sr. C L.
Cambronne se propuoba a colbc las, desinfecta-las
e vende-las para estrame, e por con: eyuencia turara
disto resaltado satikfacior^o, que nao tirara sen ees-
si onar i j, o Sr. Gomes N'elto, ou a cimpanhia que a
este co.nprar o previlegio, laacandti essas materias
no mar atrvex do arrecife.
Mas, quando nao soubessemos oque exprimiam
as palabras das tre autoridades rglezas, citadas
por Smith, nao basura mais dpque leitura do
periodo escripto por este, e deduiido do qae Ihe
foi forriecido, para sabermofi que elles se referem
as materias excrementicias solidas,, evacuadas no
Tamisa, e desos extrabidas de sua aguas, Junto
abertura dos canos de esgoto, para serem appli-
cadas, como esirurne, agricnliur), o qoe dillere
intei ranete da qu i i lo a que se pfopuoha o Sr. C.
L. Cambronne ; e tanto assim que \V. Hofman,
grande iu-alubrid.ule as vismhaocas -; roas repe-
timos o qoe dlsseiios : a commtssso nao se conlen-
tea com a deodorisaco das materias excremen-
ticias solidas, em que ni fallou como se v do
periodo citado (te seo relatorio : exigi a completa
desinfeccao dessas materias, e caropria qne Smtih
nao confandisse os termos, porque algans podem
ver nisio mi f.
Paramos aqu : continuaremos era otro oo-
William.
N. B. TMt&nKlItbtiosto prhwilrb eor*oi-
cado, impresiono Blano de Pemainbuc de antee
d'hontera, diversos Aortas, que a respectiva redar-
cao julgoa dev#r luwrlhe, algaas.de seus periodos
se tornarara por isto am Unte smhww.
.... i i vniittTiiirrt nr m^miPjPWJ
Pufclicao5es a pedido
Lista das pessoas, qae coucorreram cent soas cetas
para compra dos oraaiaentes da matriz de S.
Vicente,
Manoel Francisco de A rao jo.. 5000
Pedro-da Curtir Cavbante de
Albuqiierqe....... 25O00
Jos Tavares de Albuquerqae. 20*090
Amor co JoSo de AJouqoerqae. 206000
Jos FeHippe de Vseoncellos 20*000
Antonio Manoel da Silva Mar- .
reos.......... 20000
Antonio Jorge Gomes Guerra J-
nior .......... fOaiM;
Joaquim Gomes da Silva...... iOjjOOO
Galuino de Alouauerque Monte
Negro......... lOnVJOO
Francrseo das Cagas Ceitinho.. IOJJ000'
Franisco Cavalqjmte d AlBa-
querque......... iO*000
Jos Joaquim Pimenta .... iO#90i
Joao Antonio de Lima .... 10
Joaquim Correia Al ves Canill 10
JasPereiradeGes...... 10*090
Jo5o Francisco cfc Moura.. 105000
Lniz iGnedes Alcanforado. 5K30O
MnoelGoines deAndrade 5)5000
Jos Flix de Oliveira .... 5|jtt6fe
Joaquim Ribeiro...... SjJWOO
io5o Ribeiro Lite...... 5(5000
Domingos Gomes de Sonsa Bas-
tos ................ 5*000
Jos Silvino da Silva Pereira 5#009
Jos Castor Civalcante. ... 3*000
Antonio Cabral. ...... 3*000
Jos Tiiom*........ 5*000
Manoel Jos de Araujo. 5*000
Domiogos Ramos de Vas oneel-
los.......... o&iOO
Jos Joaquim de Saot'Anna .. 5*000
Juliao Gomes da Silva. 3KK)
Manoel de AndrarJe.....
joaquim uneaes ae Afajo Pe-
reira.......... 2*M0
D. Mara de Na2areth .... 2*000
Alanoel Cabral....... 2*000
Jernimo Jos Correia .... 2*000
Pedro Goncalves de Araujo Co-
rioHaoo......... 2*000
Placido de Sonea Piraejitel 2*000
Antonio Martinho DouradO. 200
Pedro Bezerra Bollrao. 2*000
Jos- Correia do Araorim. 2*090
Luiz Bernardo da Silva. 2*003
Estevao Ramos de Queiroz 2*000
Tlieotonio Ribeiro de Albu-
querque......... 2*000
Manoel Pereira Guedes....... 2)5000
Manoel Pereira da Silva...... 2*000
Manoel Freir da Si'va....... 2*000
Sebastio Jos de Mendoncf... 2*000
Francisco Ribeiro dos Santos.. 1*000
Manoel Bernardo............ 1 *000
Jos Bernardo.............. 1*000
Torquafr* Tavares.......... 1*000
Manoel Ferreira da Silva...... l*rXX>
Flix Cabral........... 1*030
Martnb.0 de Andrade....... 1*000
Jos Gomes.......... 1*000
Vicente PavSO......... 1*000
Jos Lins de Albuquerque. 1*000
Jos Rodrigues de Souza Cam-
pos ............. 1*000
Antonio Pedro da Silva, 1*000
Manoel Joaquim de Lima *500
Jos Sutorio........... 5M
O procurador.
Antonio Manoel da Silva Maocos.
Ptiltlicac peil-Jf.
Os abaixo assignados conductores des gneros
radora na travessa do Monteiro n. lo, achan- to e de outros pontos que s5o considerados
do"*se desengaada, trrmticm mimTecor-" serto, qusnto mais qoe^os mesmos lugares
reu e acHa-se re'Wfte1erjW=, ja' nao s3o nrios, segundo pens, prtaeipal-
m sobrinbo do Sr. prqfessor ae Nara-! mente no ver3o.
reth do Cabo, acha-se boro, coo se v-de! Maa dir c be*wanonwa pohno tem
sua carta abaiio tranecripta, alm de-ootros meios de se transportar e alli e*t*r i iseo
fados, qoe potfefa^rqtii rttencionaf. se responde, que naquelles lugares existem
A pbthysica a destru}cSo e a ttgreza casas vasias e arogam-Se por pfeco commo-
Lde todo corpo, em coaeequencia decbagae, do, e mesmo DBuKos gneros de primeira
trjberenlos e eonereccio dos bofes o e em- nocessidade alli se verrdem pelos mesmos
pyema, atropUia-Bervosa e ovjtf molestias precos que aqqi.
que vilM/ os rmmtft', como scofbuto, Aquellas, pois, qne estlverem nastascir-
alporcas, gallieo, astbma, bexigas, sarampo, comstaneias, eu Ins ftioHrto explicar os meioS
etc. pelos qtwes se devem re^e*, e ltres fflrnece-
Na phtbysica, chegando ao estado de gra- ri os medicamentos gratuiumente,
vidade, o que muito pode concorrer para a N5o deixarei deadvertir ao publico, que
salvaoo do doente e ajudar os mesesmen- as minhas preparaces de vlame sao reu-
K oar do campo, exereteio coawiante idas com ontros ingredientes, e com elles
e dieta, a qual nao deve ser de nenhuma tenho obtido ptimos resultados: noseen-
cousa quente, ou de defficil digestSo ; e a gane o mesmo publico com outros que por
bebida cumpr que seja de natureza branda ah ae annaneiam, eujas preparacCes igowro,
e , Todo o sao' alimeuto se ha de dirigir a a quem porventura tenham sido applicados;
moderar a acrimonia dos humores e a nu- cada um responde por si, e eu alirmo com
trir e suster o doente, ;ara o qe preciso verdade o queaqwi tenboVekrtado, njosme-
reduzi-lo' ao iko de vegeties e laite. dicamentos nesta provincia s Gento em mi-
Toda comiera e bebida, qne se tomar ba nba botica na ra Direita n. 88.
do ser em posees poreOss, para evitar qoe ^ Jos da Rocha Paranho*.
suecumbem de tubrculos pulmonares,
sera procurarem o recurso do pratico e do
esprtente, que Ibes podem encaminbar o
meio de sua salvacSo.
O Sr. Braga com loja-de ferragens na ru
Direita, foi desengaado por doos babeis
mdicos, acha-se bom com o tratamento por
mim prescripto.
A Sra. Jeronyma Marta da ConceicSo, mo-
a garrafa. Rogo ao mesmo publico qae
poarmaceuhco Jos da Roe na Pararmos, ds e mep^iciMmQai>v faaer effeotivo'O
artifcelecido combovica- na ra Direita- m artrgo 16Tdo^omgo^niiiriardo Brisir:
88 em Pernambuco.
XaWpe alcholico de vlamo> preparado
mais cura, quando os -factos e a etperierrcia
ne ol^n^^'ii^ffVmi^W'os qw^reedemonsfrad-tyfle' nraitos tenflo proca-
rado o lugar apropriado, se teem salvado
" assim explicam muitos expositores de me-
dicina.
Ore, nessa provincia temos facllidade ho-
ja e recurso do ar ; por qoa a via frrea
as proporciona, pois que em pouco tempo
ama pessoa que existe nesta cidade fcil-
mente se t ansporta para as ultimas estaces
de Gamelira e Una, lugares perto do Boni-
Este xarope ineontestavelmente superior
a todos os xaropaa depuratiros, de cuja
composicao o sao5 matar elwento asalsa
pawilba, pois qoa se tem*eom\ecido ser o
vefcme mais energteo pant-a prompta. aura
daa-moleslias, cuja base [asseoeiel depanda
d purificado do-aaogoe-; aaai pea se
'ta verificado por nwtfi psteos que se
achavam desengaadas, as quaes acham-se
boje restabelecidas cora o referido xarope
alchoolico de veanle; entretanto que al-
guns, tendo asado do xarope de Curinier,
de Larrey, de salsa parrilba, de saponaria,
oleo de figado de bacatbo, e ontros agentes
desta ordem-naa consaguiram. E' ella de
fcil digesHo, agradavel ao paladar e ao ol-
phato Alguns mdicos desta cidade e da
de Masar o teem recommendado para aco-
ra das
terpigens, tinha, escrophulas,
Tumores, ulceras, escorbuto,
Cancro?, sarna degenerada, flaxoaivo.
Todas estas affeeces provm de urna cau-
sa interna; nao ha pois razo aiguma em
crr qae ellas se podem curar com remedios
externos. Tambem se presereve o xarope-
alchoolico de veame para o tratamento das
alfecfes do systema nervoso e fibroso, taes
como:
Gotta, rheumatismo, paralysia,
Dores, impotencia, esterilidade,
Marasmo, hypocondria, emmagreciment.
O xaTope alchoolico de veame sobre
tu do, da maior utilidad para corar radi-
calmente, e em pouco tempo o rbeuma-
lismo.
Adverte-se que o verdadeiro xarope s se
vende nesta cidade na botiea cima indica-
da, do abaixo assignado; e em outra qual-
quer parte que se tem annunciado nao da
mesma coraposicao, e nem o abaixo assigna-
do se responsabilisa.
Jos da ocha Faranhot.
e-excesso1 do c^tyroHrresco opprrr^oBjbofes
e accelere muito a circulaco do sangue.
Muitos doentes desta molestia se teem en-
Nmrelh do Cabo, 7 desetewbro de 1863.
Ilim. Sr. Jos da Rocha Paraflhos.Com
o maior prazer lavo ao conbecimento de V.
tregae ao uso do olee de ligado debaealo.'S., qoe o doente que V. S. acha-se adrai-
e outras preparacoes de resinas e palsamos, nistrando-llte f e nedios, aehe-ee no todo re"-
sem que deltas tenham tirado prbveitj; e taberecido, portanto, nad-Bente, tendo des-
algans expositores de medicina combatem apparecido n) todo a tosse, iem muita dispo-
com muita razio es6e tratamento. sico comida e acha-se nutrido. Deixoo
costume car'fgar o estomago do doen- tomar os ltimos remedios te com medicamentos oleosos e balsamaos; tou no dia 30 do passado.r esta agora a V.
porm estes em vez de tirar a causa aug- S. mandar-me dizer qual a dieta que o
mentam-na, esquentand o sangue. ao es- doente deve conservar e por qnantos tem-
mo tempo que tiram o apetite, rease os pos, mencionando as comidas que devera
solidos, e sao de toda sorte perniciosos. usar daqui em diaote.
Tudo que se fizar para extinguir a toase, Resta-me agora agradecer a V. S. o cui-
lmdo exercicio e rgimen-apropriad* de- dado que tornea no tratamento do meo so-
vem ser remedios de natoreza acida, d^ter- brinbo, abaixo de'OSus, devide o seu resta-
gente e calmante. balecimento a pericia de V. S., e por isso
Os cidos possuam a virtude de produzi- pode V. S., sempre contar com os.meus ai-
rara bons effeitos nessa enfermidade, por minutos prestimos, e desejarei em todo o
que, nao s contribuem a apagar a sede tempo dar orna prova do meu reconbeci-
qaando accommettem a febre etbica, mas ment,
tambem a refrescar o sangue. Desejo a V.-S. todas as ventttras, por ser
Aos doentes desta enfermidade, qoamioo de V. S. muito respeitador e i.brigadissimo
n seu estado de gravidade tal que a tabre criado.francisco Dertngtter Ceear o)e Me-
om*Jv thioo ps accomuretle, jptescrfo-lbes ofo-^izee.
Jos da Rocha Paranhos.
COJWEICI
Atl|t.'horit'{taHjg
Asstfoap masta^ado'ptrlgadoflpWpor arroba.
Algodo da.Perca m ama 1* saata AlfOOH pot-
arroba.
Algalio da Paratoyba, isto a borde itt
1830O por arroba.
Cambio sobre Londres 28 1$ d. por l|flW 90
d/vii.
Cambio sobre Pars338 rs. por franco.
Frete da algodio parlo Havre-1 d. e 10 0|0po
libra.
Dubeuroq Joafar,
Presidenta.
Sllvelra
Secretaria.
Voto banco de I
O Novo Banco descoma letras a 12 por cento
ao armo, toma diohairo a praM- Hxa ea em oota
correte pelo preqa e coedicaes m$ sa oonvea
clonar, e saca sobre a praca da Babia
!alxa Olial daJMMO m
em Pernanabweo.
De ordem da directora se faz ptico qa o
tbe.oreir-) deu caita ae aoha anorisado a pacar
o dividendo do seme&te lodo em 3.1 .de dexeiuoro
prximo passado, na razo d H#6W por achiro.
Caixa filial do banco do Brasil 16 lo'frntico
de 1866.
O guarda-livros,
fosado Nunt Garraa.
ALfANDGA.
Rendiraento do dia 1 a 15......
dem do di!. 16...............
292:79598
313:333*503
MOVIaTEiTTO DAALFADBQA.
Vola mes entrados com tascadas___ 23 i
< com gneros..... 626
760
co de um limao dissolvido em urna chicara |
d'agua com bastete assucar em am grande
copo papa misterar com um papelirmo dos
pos refrigerantes para tomar, com qne ali-
viam no acc .mmettimento da febre, e pela
manhaa o xarope etherio de veame. Tenho
aconselhado, que fa^am uso de vegetaes de
natureza acida, como laranjas, Imes, pi-
tangas, uvas, etc., e applicacoes de plantas
amargosas, que fortificara o estomago e ser-
vem ao mesmo tempo para destruir e miti-
gar a sede.
A Sra. D. Joaquina de S Brrelo, tendo
urna sua escravafallecida desta molestia, sub-
mettida ao tratamento de seu medico, resol-1
veu procarar-me para tratar de um outra
escravo, que soffria da meema eDermidae, |
prescrevi-lhe o xarope de veame, tem me-
Ihorado consideravelmente.
A senhora do Sr. Antonio Francisco Ho-
norato foi desengaada por habis mdicos
desta cidade, esleve prostrada, e nos ulti-l
raos paroxismos da morte, foi com o xero-;
pe de veame salva, como se v da carta
impressa no Jornal do Recife de 9 da feve- i
reiro de iii63.
, O escravo Emilio, do Sr. tenente-coronel
Rodolpho JoSo Barata deAhneida, foi tam-
bem desengaado por habis mdicos, e
com o xarope de vellame acha-se completa-
mente restabelecido, como se v tambem
da carta impressa do mesmo Sr. tenente-
coronel no mesmo Jornal do Recife.
O Sr. Antonio Ghristiano Fogt, filho do
Sr. Christiano Fogt, proprietario e estabe |
lecido na cidade de Macei, o primeiro bem
conhecido nesta cidade, pois qiie foi empre-:
gado na casa do Sr. Leoa Chapellin, retra-:
transportados petiza frrea, declarara ao pnbllco, tista esUbelecido aa ra da laiperatriz at>
e a sebs rregnezes especialmeate, qae do dia 15 d I commetttdo desta molestia, fot daqui deseo- j
correte em dianie, elevan o preco de 200 rs. por \ ganado por habis mdicos: retiroa-se para,
volume de 5 arrobas ponco mais on menos p?ra ,a Babia, e alli continuou em tratamentu ate
230 rs. ao que sao toreados pelas razoes segnints: ., (n: op,,,,,,,!., VP7 .pcAnoanadn opios mft- '
1.' A dlmioQicao de 2 1/2 horas no espediente1 fr 01 segunaa vez eseogaBaao petos me-
diario da estago das Cinco Pontas. ,' dicos dalli, chegando eu era Mace, um
2.' o man estado dos caminhos. I amigo pedio-rae, que O acompanhasse at a
3/ A falta de irataihaaores qne os obrigam a, casa do Sr. Christiano, para ver um doente
pagar quast o duplo do salario que antes ganda
vam.
Jos Inte lonoceBe o Poggi
Nasciment Silva i C. -
B. R. CfelUo
Ciato da Costa CampeHo
F. H. Daprat
Tristo Jacome de Araujo
Aoasiaeio Alexandrino de Sales Dntra
Francisco,Demetrio de Almeida.
Recito 10 de fevereiro de 1866.
CURA
Espanta e Admiravel
DE MA OHAQA
CAHCROSA E 80ED0EA
ou
PLIPO m NARIZ.
e prescrever-lhe algum remedio, encontrei
o Gibo em urna cama desanimado e em es-
tado de prosiraco, pois que escarrava soa-.
gue, e tinha completa inapetencia e fraque-;
' za a ponto de nao se poder por em p, no
fim de urna garrafa do xarope ethereo de,
veame j se acha va elle no estado de pas-
seiar em casa, desapparecida a inapetencia e
os escarros ae snge; e a tosse mitigados.
No fim da segunda j achei em estado de
faze-Io passear pelo sitio todas as manhaas.
Acabada esta o aconselhei, que continnasse!
no uso do mesmo xarope etherio alternado
com o xarope aicoohco de vellame, e qne
usasse dos baohos salgados na pancada do
mar. Sentio elle nos primeiros bandos al-
Agua florida de Murray t Laiiuan.
A imrbdoceS este saudavel e delicadis-
simo perfum inevitavelmente deve fazer,
com que essas mil e orna aguas e espirites
de ebeiro, composlos principalmente d leos
essenciaes fortes e de urna qualidade impo-
nos mercados. A vinte annoa i esta parte, finoasse> ^ que se temdado mJllobem
pois que tenho reeebido cartas de Macei,
em que se me communica o sea bom estado.
parle, inuasse ^q^ 0 qUe se tem,jafj0 mvjl0 Dem
ella tomou o lugar de todos os extractos e
-. essencias Europeas nos mercados tanto da
tambero citado por Smith, diz -ttrekegado^porAmerica do Sul aune asAntilhas, soppH-
t?SS^S!^Stw tSeSSus' qdXe%tos mind0 tod*s as dJfrerates qoalidades rJes-! Nesta molastra os expositores de raedicj- j
mostraram-Ute it evidencia a sua impraticabiit- sas chamadas tE-u de Cologne. O sdu na nao aconselbam banhos salgados, apenas1
dade; compriDdQ nao confundir esta ultima pa- deleitavel aroma tem urna aproxBttacIo quando delles tratam, dizem ser applicados
HotmZ,amrrofiewiMt, q* en9TH uitmsmh roaoniacetaodAWariMrffirtP-i d das verda,e,rJ8 fl0res do ^ aquelle amenorrhea, raetbismo, etc. ; enlretaaib'vi
tonga de uhsdzer as eoaies la^aleaTe om de neobum outro atigo em uso para a ae-j este bom resultado no filho do Sr. Cristiano,
esse proeesM ate bata-tara sida rocaaaacieaanaii u do t jucador. Usada como urna lavagem 1 e outros factos igaiaes tenho visto as om-
improfleno, aecresceniando qoei esta ao ato* oa eoxagtwaaeilo d bocea, eBa igtialltle lestiis siphylttieis, e alfas muitas que com
rii1iuu& neutraliza e faz dasapparecer o mu gotolo oso do xarope alcoolico de vellame tem-se
se que nao nos resta semia abalnafi acao^a e balito cauzado pel fuma do charuto, Obtido cura radical.
coDdemnarraos a commisso; mu o qae de iodo ameltiorando a condieclo e estado dos den-j O Sr. Dr. Silva, medico hbil de Macei,
Urna creada de servir reaidente emPennm
buco e pertencente Ex"." SeBr Visoondbbsa,
DE Goian-ta, foi attacada d'uma terrivel cha
ga cancrosa e roedoraou Polypo no Nariz.
A meema involvia e tomara todo a parte in-
ferior do nariz, mea;ando j distruir tanto a
parte cartilaginosa como o mesmo oso ; Come-
tn primeiro por apparocer sob o beio supe-
rior e parte da face, xtendendo-se por tal
forma e com tal rapidez, qne em ponco amea-
fava transformar todo o rosto n'uma enorme
cnarg vira e asqneroBa. Durante todo este
terrivel estado, todos os recursos medicnaei
qne em taes cazos se nzSo forSo abundante-
mente empregados, sem qne de leve fizesse
parar a marcha lenta e distruidora de to hor-
ri vel enfermidade, e todos os meios e eebrcoe
forSo baldados, e no em tanto o mal cresca eis
que por milagrosa fortuna da infeliz estando
as cotizas neste ponto, se experimentan pela
vez primeira a
SALSAPARRILHA
DC BRISTOL.
O effeito produzido, quaei qne instantneo
por este inestmavel remedio foi verdadeira-
mente maravilhoso e sem igual; este grande
purlficador do sangue e dos humores do sys
tema, immediatamente pz um termo mar-
cha disastroz fatal da molestia, derramndo-
le e infiltrando-se atravs das tecidos os mai
delicado* do corpo, ozpellindo ate1 ulUxSa
propriedade on vestigio Tirulento da molestia,
e dentro d'mn enrto espaco de tempo prodnzio
urna
CURA
Completa e Radical.
Este feliz qu&o admiiavel resultado foi ob
do apenas oom o simples nao
D'uma m Huiea Garrafa!
d'este incomparavel e napreciavel depuratorio,
reoommendamoe portanto i todos oa Doentes
que proonrem obter com o maior cuidado a
nica e verdadMfa Sahapanba d* Briatol,
nicamente preparada por
LANMAN & KEMP,
De MOV A
naiMtiaa-d qne, toda as aut prapazaeSeti
imitatrvaa nlo valem para' coliza algmaa
Vende-se na botieu deCaora A Barbosa
eC. Bravo*C.

Erisipela,
O medicamento que eom mais influencia
e energa tem combatido essa terrivel en
fermidade, tem sido o xarope alcohlico de
veame.
Un eserava da mai do Sr. Fraaciaee'Fir-
naino Monteiro, pessoa bem corAecida rreste
cidade, achando-se de cama, e com as per-
as bastante indiadas, e ebeia de (amores,
tomando o xarope de velaste, aha-se boje
boa, prestando serticos.
A mana do Sr. Jos Francisco'Pinto, mo-'
rador na ra Direita n. 51, tendo sido
aocommettida do mesmo mal, acha-se tam-
bem boa.
A Sra. D. Seirherrnha Umbelma dos
Santos, moradora na ra das Calcadas n.
98, achando-se atacada de erysipeila as c-
xas, com tjoatro tomores bastante volemo-
806, no estado indolente, que a privava de
por-se de p ha muito tempo, com o uso
do xarope aleoboiioode velaaae epilulaa pur-
gativas do mesmo, acha-se restabeiecidaf e
:do uso dos medicamentos os tumores ter-
minaram pela suppurago.
A Sra. O. Rita, moradora na ra de Santa
Rita n. 43, primeiro andar, soffrendo do
mesmo ma ba muitos annos, pois qne a ery-
sipeila atacavatUfdadamenle, depois que1
tem tomado esse remedio nunca mais Ihe
deu.
Outros muitos factos desta ordem deixo
de mencionar aqui para nao me tornar pro-
lixo e enfadonho.
Sendos erysipeila tra mol stia que sem
dnvida effeito de materia gerada no corpo
como expoem alguns esenptores de medici-
na, e em coesequeneia da febre (aneada
na pelle, onde pnidue inflsmmaco, e que
muitas pessoas, por nao se terem conve-
nientemente tratado, suecumbem com o
pernicioso uso de que, nos tres dias nao de-
vem usar de remedio algn, o qoe far-se
estender o mal por nao se ter a prificipio
combatido; por isso, pois, conveniente
que, logo que alguem se sentir atacado de
tal mal, deve provocar a transp;rac5o loman-
do ao principio urna oolherinha de cha do
xarope alcohlico de velante dissolvido em
urna chicara.de iofasao^de flor de sabu-
gaeiro quente, adocaddo-a cora* mais assu-
car, continuando nos tres dias nesse trata
lamento, no fim dos quaes usara' do xaro-
pe de veame na forma prescripta no recei-
tuario, tendo todo o cuidado de se abafar,
aim de soar convei-ientemente, alem de
conservar o ventre corrate, que oooseguira
tomando urna ou duas pilulas purgativas do
mesmo veame.
Todos quantos suecumbem desta moles-
tia se diz :fallecen de erysipeila recomi-
da ; ao contraro, alguns expositores pre-
sumem ser o desenvolvimento da putrefao
! gao no san;.ne, tanto que o lugar inflamuaa-
do qe, entao a sea cor era encamada, se
troca erairvida en negra, e tem'na em gan-
grena, e por essa razSo que conveniente
o xarope alcohlico de veame na infusSo de
flor de sabugo, para se conseguir resolver a
inflammaco, ou pelo menos terminar pela
supporacao, impedindo assim a gangrena.
Os effeitos do xarope alcohlico de veame
applicado na flor de sabugo ao doente, nao
s de vantagem por sua qualidade diafo-
rtica, como pela anti-septica para imped
a putrefacto as molestias.
Na erysipeila no deve o en;rmo nos pri-
meiros tres dias us?r. de comidas e bebi-
das qne possam esquentar e inflammar o
sangue.
A comida dorante esse tempo deve ser do
reino vegetal, como sagti, farinha do Mara-
nho, po torrado, bolacha, etc.
Ainda rrio vi expositor de medicina que
aconselhasse que nos primeiros tres dias de
accomn ettimeatos do mal, nao se usasse de
medicamentos; o que elles repellem sao os
unguenios. unturas1 qoe obstruem mais e
repetlem do queiJromovem a evacafo da
parte; o que convaj trazer o lugar ata-
cado e bem gasalhado para ajudar a trans-
pirarlo e defender do ar.
0 verdadeiro xarope de veame vende-Se
na botica da ra Direita n. 88, de Jos da
Rocha Paranhos.
Tenho recbldo cartas de algwnas pes-
seas de ouiras provincias qne me commu-
nicam ter desta cidade sido remettido o meu
xarope falsificado, que tem dado resultado
ao descrdito de minba pitparacSO, cojo co*-
nheclmento se tem verificado depols dos ef-
teilos que taes remedios aprosentova; as-
sim, pois, tenho a declarar af publico qee'
no letreiro que vai rrMMo na garrafa do
jarope, sempre foi asunto por meu pu-
ho, e daqui em diao% alea desta aele-
natura o farei tambem m.papel < b cobre
Volumes sahidosccm faieodas..... 192
cos ge#ros..... 873
-------977
Descarreftara boje 17 de fevereiro.
Brigoe hanoveriaooSupheuson~-Uriana de trie*.
Vapor oslozArago merejdorias a mais gneros
Barca ingieraImperadorlar i alia e outros g-
neros.
Brigue prussiaQOThorkeldajercadorias.
Hwie ioglezAggsr Daetso*' diversas mercado-
riss.
Brigoe Dglez Rosaliepedras.
Pataca bespaoholaludiaoharqoe.
Brigoe nespaohol.Uaria floia ideo.
Brigoe nacional Selladem. .
lrtgue nacionalFluminenseidem.
Brigoe argentino Volantedem.
ataeho porloguezJosidera.
PBrcanaciooaI Guarahindem.
lm por taeio.
Vapor Baciaaai Pwram\ entrado do Rio do Janei-
ro, maoifestou o seguate :
Geera naaioaaes.
2 ciixoas barates e foaaa; a Jof L. Bourgard.
1 dito tomo pioaao; Jeaftan B. dea Re.
1 dito doe ; a Manoel Goerbo Ciatra.
1 dito iivros em branco: a vluva de Manoel G.
da Silva*
1 catxa Iwras impressos ; a Joa N. Xaota.
1 caixoie ditos ditos ; a G. Lailbaear & C
1 caixo cigarros, 1 garrafao agurdenle; or-
dem.
Genaro estrangelro j despechado para consumo.
4 caixoes lia paos; a Ferreira & Af aojo.
1 caiioie Iivros impresso; a Jos Nagoeira de
Sooza.
1 dito tos dilo; a G. LaHbacar & C-
1 eartforoaobina e peHeoees; a Ffaaoiseo da
Sooxa Campo?.
13 canees machinas, 3 ditos papel, 1 caiaa jos;
1 caixa impressos para maailestos -, ao inspector
da alfandega.
Fora do manifest.
7 fardosaniaaem; a Ferreira ii Malheos.
Brigoe ipglet Saxon, entrado de Tem Nova,
consignado Jehoston l'aler & C. manifeslou o se-
galnte-:
2964 barricas bacalho ; aee mesmos.
Brigoe logtM James Stuart, entrado de Terra
Nova consignado a Seunders Dretbers & C, naai-
fe?tou o seguinle:
2494 barricas bacalho ; aos meamos.
Vapor fraooex Guteme, entrado de Bordeaoc,
consignado a agencia, manifeslou o aegoJtrte :
1 caixa Iivros ; a Guimares & Oliveira.
1 dita tecidos de algodao e papel; a Gomes da
Silva.
2 embromes amostras, 1 oaixe balea -de aeda,
1 dita leeido de la e seda, 1 dita galoes donradoe,
3 malas oalcado ; a F. Souvaae.
3 caiaas chitas, eslofos e marcearas, 1 dRa s-
menles ; a Seour Magoln.
1 caixa meroearia e brim de algodae ; a Seenr
Quint.
2 caixas artigos de Pars, 1 barril vlnho ; a Vsz
& Leal.
i eaixa vestimentas pora ereanca ; a Sirjueira
Cavalcantl.
1 dita sangasoga ; a J. A. P. Serodio.
1 dita perfumara, i dita modas, 1 dita armas de
laxo, 1 dita paooes, 7 ditas tecidos de algodao,.
mercearia e artigos diversos ; a E. fiarte <&.
1 caixa ignore; aGarneiro rr Nogeelra.
1 dita chitas, 5 dilas sedas e tecidos de lia e al-
godao, o ditas lecido de algedae, 1 dita Iivros, 2
ditas amostras ; a Keller & C
2 caitas Iivros, 1 cita cabellos ; a Garreen
Lailhacar & C.
1 caixa eetampas, photbograpbiaa sxaseeopo ;
a T. Pradine.
1 caixa objectos para escripterlo; a Jos No-
goeira de Soaxa,
RECEBEDRIA DE RENDAS INTERNAS 6-
RAE8 DE PfiftffAaiaWGO.
lUnimeoto 4o dia 1 a 1*...... W.OWW
dem lo dk 16................ 7HHW9
2O:77O0
COWtJUOO PROYUClALr
Reodimeao do dia 1 a 15....... 77:1141739
dem do dia 1G.............. 3:02414
8O:130fM7
mm

MQVIMfNTQ DO P0RT
ii lliii mil i........ ... o i iy i......
Navios entrados no dia 16,
Macei2 das, patacho logtee HatSSe, de 153 to-
neladas, capitao Elleott, eijulpagem 9. em lastro
de assucar ; a Saunders Brother & C.
PenedMS dias, ilate brtslieirO Amelia, de i8 tone-
ladas, capitSo AnWnf'iose Rodrigues Pinneiro,
eqoipagem 6, carga assucar e ootros gneros;
a C. C. da a Horelr.
Naviot sonidos no mesmo dia.
Portos do norleVapor nacional Pand,cemn;an-
dante o capltao de fragata SanU Blrtara.
Rio da PrataPatacho dinamarqus Pinntv, aapl-
lo E, H. Sckemk, carga asnear.'
Parahyba Brlgoa inglez K,' cap*o Hctor
Me. Lean, carga parle dagdatroolde Terr^
Nova.
Llverpoot Galera Ingleza 7. Fergvsson, capillo W.
Cowan, carga assucar, algodao e plassava.
Observa c3o.
Suspenden do larcarao para a Baha o brtgfle lD-
glez Cic'v Retan, caplt William C. Tylor, Com
a mesma carga qae iroaxe de Terra-Nova.
UlTAr
O Dr. Tristfo de AleiicarAraripeolBciardl
imperial ordem da Rosa, e jnizespechldo
commercio por S. M. I. etc.
Face saber aos que o presente eitai vwem
e d'elle notiera tkeremqe parale jQOpen-
dem ons auctos de eiernr^o de sentttcirJc
Francisco Xavier de Oliveira cootea
nistrador da massa fallida de Seve


f
'

.-?.
*,
i i
S
*m



!
/
Weit4fMia.
do apregoar pelo porteiro dos auditorios, que o
fe* na Foro dcestyto; deque o presente ex-
irahido de pr tteeele-das audiencias a qoe juntei o
nModado, termo*de penhora e procaragJo bastante
qae segu.
ma Seeondlno EHodoro da Conba, escrevente ju-
ramentado o eserevi.
En Manoel Miria Rodrigues do Nascimento, es-
crivo o subscrevi.
Por torca do ana despacho o referido escrivo
diaeiro peneaceate ao ejecutado, fdra pelo
iWcitadar Ignacio Barxa**4e Iftllojfpctfo-
4tfF do equente, fetrWreqifcrraento oo
0gaint0*rmo: Jm cMh* de-etwerro de
HoitooGtosesefleritvuweis/neaB. cWade
dlfRecitWe Pernanawco**puttheiadrncia
ale ao&4eitos e partes ilkva o Dfc joft de
reito tapecial do t*m9reio H#istao de A-
Hcar Ataripe, nel*pfltr>*)lliflUaf IgoacW
irrosotiA Mello pDof|*)r te e*quente,' fez paoiirVpwswretfttt, pelo qu* chamo, cito e
*a ac|teda a p*|hjra,lfoita*'eKllBeirO hei par oilmaHoa os credores incertos dos ditos
pertencentedo producto^betparticoiares .cJjjwj. pjjir?am^steJuiw den
fallidiUlanoel J^qdlm Sw ,6Teq^reu Ke^^^
qtw ficamm assigffifloM((4eis-aia$ mftsma e para que tingue ao eonheoraento de lados man-
Wlhoray-'-fedez aos>redores inerte; a-que del pasear o presente qae sera' panuca* pela inf-
Ofltfdo fMojuiz, mdou aprogoar-palo por- P~ e affindon^agares ^coyrae.^
ftfOdOSauditOriOS^ae^flz nrfOPnadoes- Recife 20 ag%emmHro de 4865 B/a Manoel
tflo, 6 d)Bf#f de estar pariente- Solicitador Mara Rodrigues do Nas-imento, e*eno o aub-
Miguel Mi de Alra6ida*rnambuae>, procu- revi. ._. m .,. da tan.-
Mor daoxeen tado a^istfloortamassa }r. Trbuo *r^ rjrg*ftlJjXio
fttlida' de Se ve Filhe &<-6.y que pedio vista, 0>MU cjdade d0 aecife de Parnambico por Sua
lfe*mos*ftti quehoafeo j*fiz npeibora par' Majestad e im per i e constitucional, o sr. D. Pe-
ft4ta e Cbusado os- seto-* dez-dias por if^qdrem-as guaro, eie vir._.
nadlavfttaparcan o mandada e tero de^enhora, petiQoefre -fevereiro tfireoreoote anno-se ha do arrematar por
HJpplica"*ue saguem: ewecundino EliOflW anda, a*quem roais der em pKiga- publica d'esie
d*Cunbrescrveil* juramentado o eserevi: Jrtw-os e*^' ^uiotw : si^iwio cno o
, m i u ,-, AkJMK, ^k Wici-;**in aamMHOta autos d'Wade avallado per um como
a Manoel Mrtna Hbdrtfffes *Nasctuo e^mipSisregln iapt[i quaruau annos de
SCrivo osubscrevi": PWtorca ao meudes- i(Wte) *iiador,ava-iado-por seisoeuumil res,
pttho O- Pbferitio eaeri ate petTqua.caa.0, cito e hei por intima- avallada por noveceutos ro! res, Justa cr.ola com
rl^ ni rr? l,n-*5 in/uMtrt d9S O creioras in0S -iO Olio o bwto, 4ltmUS al rej Domingas crila eom cincoenta
para qecompardflllin;lWlejuiZOaemw> O gBostfe-Made,avaIiaa por quatro cintos mil reis,
dito pMo, afim de>'allt%9r O que fftr-de JUS- mmtoGrtod crila- com-quafenta e cinco anoos
tGa 'fe ara aue Bhezue ao COClhecirtrentO de idaife; avallada por quatro centos mil res. Os
*rtodOSand?ipa*arg o presente quesera ^tjjf^^S&SSt
poblicado'pela impwinsa, eafDsaito' Bos lag- mwida Albnqoerqoe.
res do cestume. B*6o havendo laaeadar que cubra o prego da
Recife de fevereiro de 4866. a*W?o a" arrmamelo ser leit* pelo prego da
i^ n" i t -i-L^.:.,e An iMat^impn adjudtcacio nasforiwa-da Ya. E paa qtte chegue
4u Manoel Mariatbdrigues do Nascimen- ao,connimentt),de ^ miaei pKS 0 preeaa-
ti)MCriruo o subscrevi. renuess*' putilic) pila Impreasa e afflsado,
Tristto de Alencar JMlee. nos lugavaa do eoetume.
17lrJo/lA Au TifAfTi flecife 7de Wvereiredet 1866:- EuSecundmo
mULildUid UtJ i/ll VlW. ftiodoro oa Cuaba escreveme juramentado o escre-
De owWm do Fxm. Sr. director faco publico qn ti.: eu JanoeMHarfa Rodrigures do Nasclmenio,
esta dafla-fm diante os estudttJH tfoe se preten- escrivo, > subscrevL
wapeeHTOs; ^a-otwWo palo- jbz bfnve a pe
nhora por fei:a e acensada, os seis e os dei das Na qoitu-fcinr II do eart*e. perinte o Illm.
por assignadt na forma requerida, depfk de man- gr r.-Jrt;- se VeiWerto-Bm pfa<;a puWitx.iia na* das aodieo-
clas, os seguales boas peahorados ao thesoareiro
da aWaQdegj, Joaquira Jos de Miranda, pira pa-
fatteato do seu alcance.
Piano francez, avallado por....
1 aa-de aoaico, avaliado-por-----
13'e*itBiraa de Jacaranda,-ataliatas
por..........................
3 ditas de dito arrumadas........
1 par de naneas de Goocalo Al-
vas, or......................
1 dito de ditas de dito...........
1 banca redonda com pedra por.
1 guarda louga de araarello, por.
1 aparador de dito, por..........
1 mocho para piaao, por ........
1 eseraao de nona Simplicio, de
naljta, 60 asnos, reuoido.......
i ditodenomfrMano!, cnolo.mar
200,1000
30#000
oiiOOO
8SWO
30*000
04000
264000
154000
204000
44000
1504000
PIAOISTA.
Honrad* com a presenta de"J. Exc. o Sr.
presiunte a provincia, 4koaijwado pe-
lo Sr. iatanm que se presta nrmma-
ctosimente.
FR08RAMA.
Prlnelra parte.
i.* Ouvertura de MercandanBdedicado a Giri
baldl. A orchestra executara' em scena aberta.
a/vO^rtaWila.opBM RigsteUcn- de Verdi, ar-
raalado. para>piaao per Schrarara.
3.' A R'nnanesca, daasa do scalo XVI, para
violoocello, por Weroer Servis.
4. Souventr de Sya, arande p han las i a para vio
loncello, por Werner Servis.
5.* -ratide'piWoiaeTa- -sobre awtlv da opera
Norma, para dons pianos, pelos Srs. Eichbaura e
Schramm Thlbbrg.
egnnda parte.
6* Ouvertura da opera d'Aober. Marco Spada.
7. Pastoraila e-Gavagliere Golischalk. Galopp
eitfnroiHatfAaos............... 1,5004000 te Coocerj, par niaoo,por SchraiMi Kelter.
1 dito de oome Joo, parto 2Van- I ** Klaenge aos der B^imath, baile naoioaal al
nos, marcineiro............... 1,4004000 lemo, para violtoncello, por Weroer
7004000
5009000
i60>000
1,0004000
004000
4004000'.
W480 I
754840
Trtttao de Attncar Araripe.
m
DCaArTACiES
ierem irMriciilar as aulas1 riraioW**FacWUrte,
poderao raNi>ar o pagamunlo da rwpeflRva tax a
sBbmetter-ds seus requerinas a tfWpaatio, afir*
dtvtuj. s^m mandados almittir V tWWWla, d^
**d mar^t vmdouro era diaole. _____
* esto4ntes que se tiverem de matrWWtsY no ___ *-* mnaadante da COmpa-
primeiro Moo deverao apreseotar, alm das sete U cap na o wiuiimu uau-it, certidoes^e exames preparatorios, a>4e idade, sel- nhr provisoria de polica abaiXO aSSlgoaOO
lada e recorthecida. convida os eidadtos e se queiram enga-
*reiaria da Faculdade de Direilo #o Reeife; 16 jarj0 SWVi5o>da Mesa COflupaflbia, a qae
d*fevereiro de 1866. q ^ermio co*pareaai o rWpeci o quartel em to-
Jos Honorio iteserr-dW*es. dos:os ttfes uteis, das- -9 horas da manhaa
O r. Trlslo de Afencar Araripe, offlcial da ira- pordhnCe. ^uarfel da CWBpaabja provi-
prnal orden da dedireilo especiando
eommercio destS uWBto 'do W!Uil"e
oo, sea termos pir Saaffiafestad
Constitucional ?!.. Pe*o, ?'Huera S*s SMja ^^ ^ Mlgfel'lOrtia
(ruarde etc. ^^ ___<
f,ico saber pelo piW.ajtu.-'que, pranle este jro (TtJ MBIIC.
ic^Wio do escrivo que este subscreveu, tKe A*llirof lunt* adminisft'ativa da Santa Casa de
urna execucio de aaateaga ordenada entre partes a Misaricorfa do Reaife mda faier publico -qoe
d-p/rnamh ^th de polWa W dfff veftiro de i866.
e tepe?.* e Luiz da Frany Mello Jurrfor.
a-Huera tefts bmi luC A* UidfiARi:i
:ber : cuino e**qoWe arioel Pereira Caldas, e
orno execu*es os W*n1eTrti .]d* AinorraFpa08e-Satmi-E G., e correndo a
Uta ecuc5o>*is d"vf* tsrmos, procedeu **e-
Hlwra em dinheiro, pertencntes aos mesmos exe-
AOlados a vfeU do que em "Mdwacia publica, pelo
Kolintador PsW8fes Jo- Marques procurador *o
'xequente e-fm'IMia o reqtrerimento do theer
sepuinte : ,
A to centos e sesegnta e seis, nesta cidade do Recife,
m psftlca atidiencia do Dr. Juiz de cial -do ecrawtterao, Trislo de Alenca'r Araripe,
pe lo solicitador Domingos Jos Marques, procura-
dor ito axequenre Haroel Pereira Caldas, lora ac-
coaada a pastura feita em dinheiro na cuanta de
r.rez contos trezentos e quarenta e dous mil treea-
t.os e aftaMI rois, existentes no deposito publico, e
perteftci*ntes aos executadiis os admlnitradores da
wassa fallida de Amorim Fragoso, Santos & C, re-
querendo que nao s llcassem assignados os
lias iios credores lacertos.
no ota 22- do eorrenie; pefcw 4 oras da tarde, na
sala das sessoes da-alesnwjuota, tm de irpra-
ca pata ser arrematada a qaem mais vanlagem
flereoer, a obr* do'fitpaiWnto do vveiro da frha
^o fJbRoeira, a-tjaal consiste na constraego detfm
caes de palos de ext**ao, 18 de Mtura e 12
de gTossa*a na base a morrer em 5 ; e em um
aterF') de 45 ptfltaos'e largura ao lado do caes :
os pr:tea(tentes devem apreseWar suas propostas
em cartasfechtiaas. enteodandose quanta aos es
clar*cme*tos Os que precfcarra, cuta os senhores
tnorriomos, eocarregados dos predios, teneate co-
tooel Justino Pereiraile Faria e Antooio Ramos.
Jgscretaria da Santa Casa de Misericordia do Re-
cife 16 de fevereiro de 1866.
OofBeial,
Manoel Antonio Viegas.
1 dito de nome Claudino, pardo, 13
ano3, sapafttro............... I,200000
1 dito de notna Patllo, cnoulo, 14
anoos, aprendiz de sapateiro....
1 dito de nome Manoel Coelho, cn-
olo, II annos.................
t serava de nome Genoveva, de
naci, 50'nnnos, cozinheln, que-
brada-de umbigo..............
1 dita da nome Henrique-ta, eabra
20 annos, costareira......------- 1.0004000
i dita de nome Maria, cabra, 18 an-
nos custureiraeengommadeira..
1 dita de nome Guilliennina.criou-
la, 11 aaaos...................
1 dita de nome Alexandrina, criou-
la, 8 annos..................
1> par de-oastieaes de prata com 302
oUavas ftOrets................
1 d|to de dita eom 316 oitavas
240 reis......................
t ano de-altes com anglicas- enm
236 oltavas a 240 Wis.........
i dito de ditos com 204 oitavas a
240 reis......................
i salva de dita com renda, para 3
copos, com f39oitavas a 240 rs.
1 dHa do dita para um copo, com
71 oitavas a 240 reis...........
12 colheres de dita para sopa, com
212 oitavas, a 240 reis........
12 ditas de dita para cha, com 55
oitavas a 240 res..............
i taboleiro de dita com 1,760 oita-
vas, a 240 reis................
1 transelim deourocora 14oitavas,
a44000...i..................
1 relogio de ouro, patente ingfez..
A parte do engenho do Brum, ava-
llado por 70,0004, e que Ibe to-
cn em inventario...........
1 sitio ua estrada tftta, entrada
do Cachaog, cootiecido por Ma-
ria Thereza, com coqaeires, maa-
gueiras e jqufira-*..........
1 sobrado de 3 andares, na ra das
Crazes de S, Antonio n. 30-----
1 dito' de um andar, no fces d'A-
pollo n.-37................... 30,0004000
Recife, 12 de revereiro de 1866.
O solicitador.
F.X. Pereira de Brio.
De oritem do IHm. 9r. Dr. delegado. do li
distrlPtodeta ctdade, ecartwgado do espediente
desta-reparthjo, na ausencia do mesm chefe de polica, fago publico para coHhecimento
de qoern interessar dessa, que pelo subdelegado
db 1* districto d\ freguezia do Rio Formoso, foi ap-
prehendido ao preso Jos Gomes, como (orlado,
um cavallo caswntlo foreiro, magro, o qul foi de-
positado por aquella subdelegada ; devendo quem
se julgar com direlto ao mesmo cavallo reclamar
a sua eotrega,-mediaBte documento comprobatorio
de sen tominh I
9.1 Grande phantasi sobre motivos da opera
Moyss, p-ra piano, por Schramm Thalberg.
10" Camiones bieslteiros composta para violn-
cello executada por Werner.
Principiara' as 8 1-|4 horas.
Os bilbeies aeham-se a dlsposigao do publico no
escriptorio no dia do espectculo.
THEATRO
DE
saot % Hganlo
BAPtNG.)
Socieilarife N-aftttitThalm Per
nambucana.
De ordem do Illm. Sr. tteepresidatite do coose-
Ibo administrativo desta sociedade, convido Hielo
presente aos Srs. socios sem eteup^o de classes
Sft4640 para ao dornisgo proirao (18 do eorrente) pelas
^ 110'tioras da taaflha, abiUpartcerem a sene da so-
404800 ciedade, aflra de reunidos em assembla geral pro-
ceder se a eleigao para os futuros membrbs du
cooselho administrativo, cooforme determina o
art. 28 de nostos estfalos.
O Io secretario,
Epwtiioondas P. B. e A. de Vasconcellos
LEILAO
De40 saetts ct* Wjo fradinlio.
Segunda-feir* id do crtenle as io horas
em ponto.
O a geste Pestaa (ai*) Itllo por eenta e rrseo
de quem pertencer de 40 saceos com feijao na-
dinh > muito aovo ebegados ante-bontem no vapor
inglez e sero vendidos em um eu mais lotes a
vontade dos comnradars : -segwda-feira 19 do
oorrente pelas 10 boros em ponto por causa do
outro leiiao que o agente tem ao trapiche do ba-
rao do Llvramento oo Forte do Matos.
lfc motetae eseravos a sabe'-:
L'm-ptioo forte-de jacaraada, 1 mobilia de jaca-
randa com 1 sof, 2 cousoles osm pedra marmore,
2 eadeiras d'braou 40 de guarateao, 2 g'Bbd s
espelho6,.i oomols psquenos 1 santuario, 1 ca-
ma froocez*, 1 diia>para raunme, P-eerco, I goar-
da roupa, 2 cMtBJran'dwBataoeai rjwrra de segre-
do, 1 carteira, 4 achina de nopnr, 1 teHete, 2
lavatorios, 2 enanoacas, li eadeiras de am&rello,
12 ditas de segeira, 6 ditas de nao d'olo, 1 mesa
elstica, 1 apparador, 1 qaartlabeira, 1 costuaei-
ra, louca, vidros, crv>taes, trem de cosinha e mul-
los outros objectos existentes no 2" e 3 andar do
sobrado da-roa Nora n. 32.
Difiranles escravos de arabos os sexos algans
com habilidades.
Quarta-feira 21 de fevereiro.
Adriano Angosto*de Atmeida fordo tirado de
retirar-se para Eoropa fara' lei'.ao por intervengao
do agente Pinto, dos objectos cima mencionados
existentes na casa de sua residencia a' ra Nova
n, 32, onde se effeoluara-* o fe i lio as 10 horas do
*a cima dito.
Agencia da passaporte
Claudino do Riajti Lima, despachante de passa-
porte.hra passapotte para^eatro e fura doimperio
por commodo prego e prstela : na roa da Praia
n. 47, r anthr.__________________
Jdoga-se o sitio do Rosalhho
cora todas as
froeteicas-'e'baria pam- oapim. pertencente a D.
ViceoDla.AiPxatidrinu Pemira Butra : a tratar na
ra 4a Forosee-aa comida gafe
Cruz n. 7, luja.
fura : na< ra da
VISOS DIVERSOS
G annuoawi que salUa.noJJiir-w t. Arnam-
buc de li d ) rorrele, cutenJe-se eom Antonio
Gongalves da Silva moradjr na ra das Crazes e
ao eowJs1 Antonio Graealveeda Suva como se
ve peJo-aoauocio-poblicado no mrsmo fhano de
16asigTiado.p)r Udroardiuo de Senn* Miibiz, e
por s-o o--la tera o annunciante qoe se entender
com o referido Sr. Birnardlno._________________
AMA
Precisa se de uo ama cosintmlra' preferndo-se
escrava paga-so bem : no Hospicio n. 36.
= PreciswMie*MMMMr qa salba cosi-
Bhar bem ; na roa do H-ispicio n. 44.
Alaga-se um sindaaoqeoiros sera casa no
Rio Doce : quem o preteaJer dirija-se a raa dos
Pires ca
Acha se fuj la a t.irU .WpoUnaoia, crioula,
idade que representa 10' anno, estatura regalar,
chela docorpo, e tem ama ferldh aberta na perna
esquerda : qnm a p^r po'Iar Imv* la a ra do
Apollo n. 7 ou ao ji>;nho traten le, iuie sera' de-
vdament-^ recompen>ado.
Precisa se de nm traiwlna'lor para carroga :
na entrada do; Afllkos lad) direito quarto sitio de
i Ignacio Francisco n"e Mello : quem quizer pode
ttirigir-se ao meno sitio. ______ ^
Oadvogaii Antonio JjjqrH'flJ d fflro trans-
fer! o sea escriptorio para a raa do Qoeimado
334360
174040|
50;880'
74200
422 f>400
564000
100000
9,141?925
900000
20,0004000
Victorino Moreira de Souza vai a Portugal.
Luiz Ferro e sua familia vao para Enropa.
O patre Bedifaelo Antonio Pereira Lemos val
a Portugal, iodo em sua compaohia
Gongalves. _____ ______
Toraaoj.se at 3004 ai joros
mgdo o. Qyprlmeiro aodar. ,_...
wvrm'do Quei-
ftVISOS MARTIMOS
to, e para cojo ra se lhes do?se os edttaes do esty-
Jo, o que ouvido pelo juiz, assim o deferio: extrahi
o presente do protocolo de audiencias, e junto a
caria precatoria como respectivo termo de penho-
ra.
En Manoel Silvno de Barros Falco escrevente
juramentado o escrevi.
Eu .Manoel de Cirvalho Paes de Andrade escri-
vo o .-ubscrevi, depois do que, era observaocia a
crivo fez passar a presente, pelo qual seu theor,
chamo cito e hei por citadas a todos os credores
incertos dos referidos execu-.ados para que dentro
do praz, de dez dias, eomparsgam ante este juizo
allegando e provando, o que br aBem desOs di-
reiros e jostiga sob pena e se p"toceder as saas
revelias.
E para que chegue ao c._
ra andei fazer o presente edital qne sera afflxado
nos logares do costme e publicados pela empren-
Dada e passado uest cllade do ftecif de Per-
aambuco aos dezesseis dias de fevereiro de 1866.
Eu Manoel de Carvalho Paes de Andrade, escri-
vo, o subscrevi.
Tristao de Alencar Araripe.
ODr. TrislSo de Alencar Araripoofficial da
imperial ordem da Rosa1 o jure especial
do i ommercio por S. M. I. etc.
Faco saber aos que o presente edital virem
s delie noticia tiverem que oo dia cinco de
imarco do eorrente anno, se ha de arrematar
por venda a quem mais der etn praca publica
deste juizo o seguinte:
Um sitio sito murena urna no lugar
do Moiueiro freguezia do Po$e-da Panella,
tendo quatrooeatbs e viute-pilans de frente
com u tn muro e port de ferro na estrada
que vii para o Monteiro own tresentos e vinte
palmos de largura, com Um porto de ma-
Tribtmal do eommercio.
Pela secretarla do tribunal do eommercio de
Pernambuco se faz publico qne nesta data flea re-
sob pena de langamen-gisirado o contrato de sociedade celebrado entre
COMPANH MASILHR1
DE
PAQUETES A VAPOR.
Dos portos do norte espera-
do al o dia 20 do eorrente o va-
por Oirerrte, commanflaote o pfi-
rtieU-o WHenle Serqoeira, o qoal
depois da 'Jemora do costuaae se-
poit >s do sul.
Desdej recebem se passageiros e engaja-se
caiga que o v,fpor pdlter ctnldtuir, a ser embarca* no dia de sua 'besada, endom-
mendas e dinheiro a frete at o dia da sahida as
2 horas : agencia ra da Cruz n. 1, escriptorio de
AttonioLulzde Olivelra Azevedo & C.
Manoel Lopes da Silva subdito portoguez vai
a' Europa.
LOTERA
guua pira os
Cempanflia tfofWqiftfs a vap'ir entre
os Estade*-*1!!! is e e Brasil.
At o dia 22
do eorrente es-
pera-se de New-
York porS.Tho-
maz e Para' o
vapor americano
North Amenoa,
o qual depois da
demora do eos-
Aos 6:
Corre dScp*fc*-*TaiiMiMhS;i.
Acbam-se venda na respectiva thesou-
| paria !r raa do Crespo n 15, os bihetes,
meios e quintos da 2a parte da 5a lotera
(48), a beneficio da igreja de Nossa Senbo-!
ra do Rosario da fregueiia da Boa-Vista,.
cuja extracr;ao ser no lugar e hora do j
costme.
Os premios de frOOOftOOO at 10,5000
I ser5o pagos una hora depois da extraccSo
a' at as 3 horas da tarde, e os outros depois
| da distribtficlodas lisias.
As encommendas sero guardadas so- \
mente at a noile da vespera da extraccSo
como de costme.
O thesoureiro,
Antonio Jos Rodrigues deSoua.
Sbaw, Ifawkes & C. faiwra sxNente llesla pra-
Jos J laqiiim ga que deram procurgao battaote ao Sr. William
__________Alexander Campball.
Escripta popatar,
Batenco de tabernas, tojas e ooxras casas de
eommercio, aasim como qualquer escripturag
pagas measalmeote na ra do Forte n. 20.
i.
Socretaria da polica de Pernambuco 10 de feve-; ttfme. 8e-j,Tj> pBTa osporfcs do sal.
reiro de 1866.No imped ment do socretano,
- Jos Xavier Faustino Ramos.
Consulado provincial
Pela tesa do coosulatto provincial se faz publi-
co qoe os trinta dias uteis marcados para cobran-
ga bocea do cofre dos impostos de 50 rs, por al-
queire de sal, de 4 0|0 sobre os estabelecimentos
de fra da oidade, prensas d algi>d5o,
Para frotes e passagens trata-se cora os agentes. ]
HeUry Forster 4 C, roa do Trapiche n. 8.
7#i Mira e rgnel.
esperado a cada momento do Rio de Janeiro
o patacho portnguez Fernandes, o qual lera nesta .
cHade apenas a demora de 10 dias. recebe carga
typogM-! afrete por preco mullo comtnodo : trata-se com
Barlbolomeu Torquato de Soma e Silva e Jos Pe
dro de Sooza e Silva, Brasileiros, estabelecldos
nesta cidade com casa de pharmacia e drogara,
sob a Ara de Bartholomea 4 C, que deve gyrr
por espago de seis annos, contados de 14 de setem-
oro do anno prximo passado, com o capital de
85:2664225 fornecidos por ambos em parles igas,
e consistente nos fundos do dito estabelecimento.
Secretaria do tribunal do eommercio da provin-
cia de Pernambuco 13 de fevereiro de 1866.
O offlcial-maior
^_____ folio Gutearaes.
"_ De ordem do Dr. delegado'da capital, encar-
regado do expedtedte desta reparUgao a ausencia
do lm. *. Dr. cltefe fl polfcla, ^lago aber, para
I eonhecimenlo de qoem ioteressar, poss, que pelo
to,mMl. a. ta.. juizo municipal do termo do Rio Formeeo, achaW-
fcPfZ^JZafim so' legalmente depositados cinto e*n\M, que Ib-
11 rain approhendldds pelo subdelgalo do 2 destric-
t> Ua frgbsl de Una Como farTados; deveffdo
qdem se Jtt'gar com olreifo dbs tnesh*s animaes,
presentr-se desta rpartigo, competentemente
habilitado para os receben -
Secretllrla da polica Be rertfcftibuco 16 de fe-
Vefelro de 1886.
O secretario,
Eduardo de Barros FtticSg id Lateria.
Perante a cmara municipal desta cidade es-
la rao em praca nos das 16, 19 e 21 do eorrente
para serem arrematadas por qoem-por tbeoos flzer
diversas obras de qoe precisa n atadohro publico
da Cabanga, as quaes cooslao de um^pogo para
agua, concert do cano de esgoto do saflgue, repa-
ros na calgada e casa do administrador, e nos
quartos e arcadas do estabelecimento ; todas estas
otras fbrM'Or&Mta qUanlia de 2:0664960:
Sqertes que pretendreni arremata-las podero
comparecer nos ndlPaddaiftes no pago municipal,
munidos de carta de-fla^a de pessoa qae garanta
a arremataeao. O orgamWto de taes obras acha-
se na secretarla da mesdw amara onde pode ser
ae lora aa ciaaac, prensas a aijjuuau, iypnr- -- K k.-w- .----. ----, s: Mina
pnias-, edebeiras, bOteqoms, hoteis, casas de pasto, os beus consignatarios Antonio La de .OTiveira
cavallarices e fabricas de 8 0|0 sobre consultorios Azevedo & C, no seu escriptorio ra da Cruz nu-
medicos e cirurgicos, carinos e escriptorios ;de I 1-
20 0|0 sobro esrabefecimeofos de eommercio era
grosso e a relalho, e trapiches de 50 sobre ca-
sas de bilhar e modas; de 2004 sobre casas de
II Dr. VrfBfeto f'rfs
Portella
Medico e operador
PELA
Faculdade de Pars.
continua no exercicio da sua proflsso,
especialmente as molestias de olhcs, de
vas orWarias e de pelle, paTa cujo tra- j
tamento jolga-se nabilitado attenta a pra- :
tica adquirida nos bospitaes daque la ca-
pital, e os instrumentos mais modernos
que pOssae.
AcCode pro'm|Hamente a qualquer cha-
mado para fora da cidade.
E encarrega se de collocar olhos arli-
Belaaa.
ISo pateo ao Carino n. 2, esquina da
ra de Hortas, das 6 as 10 horas da ma-
nhaa, e..das.3.as 5 da Urde.
VERDADEIRO LE ROT
de SIGNORET, Docteur-Mdecin
Ru de Seine, 51, PARS.
I m cada garrafa, ral, entre > rolha c o papel azul
que leva o meu siuele, um rotulo impresso em ama-
rello eiim o Sello Imperial do covbiino IBAKCCB.
IV. B. l'emeltendo-se uma leltra de 500 francos,
-dl.re l'aris, aeeilavel a 60 diai de vista, ao mximo,
z.i-sc do auamrnlo e do uiaior descont.
Pepos!
'o lesili
mu Caz:
agente pelo
do aailmenio e ao uiaior
isito principal f
limo l.e Roj- /~i^7'
i:i o nosso 4XV c%s
muco
Krazil a Smi Anto-
mii Frimc : de La-
i.iun na Rabia e
principare pilar.
arrillcos.
:,i i 1.1
"iiic I
tara o Rio de Janeiro
roupa feila e sellms estrangeiros, e de cambio ; de ra> ^cbe carga a filete, a qbal trata-se na ra do
1:0005 sobre casas Be operacoe*. nanearas cohi'. trapiche n. 4. _J_____________
emissao e prevll'egios; de 6000690 por Casa com -MaiA n t iha i
emisso e sem previlegios ; de 4004'por c^sa sem PuMlO LISBOA.
emisso, corapanWiM J^ '**1" ** a arca porld-guewi Am'lia, de excellente mar-
1004 sobre correteros ccmerciaes agentes de J d)as >mtf fi5tes doQS
lellSo e de casa de compra
Pede-se aos credores de Antonio Alfonso Ro-
segue etn poneos dias o brigue nacional Mensagei- drigues para virem receber o que Ihes toeou era
rateio no dia 16 do correte mez, na ra dos Pi-
e ventii de escravos
res n. 34.
leliao e ae casa ae compra e veoua """' i porths, ja' tendo amalor parle de sua carga enga-
de 304 tr fravo erapresado em servigo^de al- r1 ',,^1.,,,. met cartear a' frete dlrija-se
S5?5E. SJSLlf^ ^iT^tl^, 'i ru 3o Vigario n. 10 escriptorio de B.ltar & O.i-
Olterece-se uma pes;oa para ama
no becco da camboa do Carmo n. 2.
a tratar
t04 por bote eu savolt-a 5 e"de l&)% por balieira ,
de 504 por escravo ganhador ; de 104 por cavallo i Ye"J"
de sella dealuguel; 64 por dito particular ; e a | filia de H. fVIgltl
impostos de carros e carrogas perinceotes ao aneo g ft d l do corrente a escana
floanceiro de lS85 a 1866, e tadlbem o 1 semestre
do imposto de 20 0|0 do consamo de agurdente se
principia a contar do dia Io de fevereiro viodouro.;
Mesa do consulado provincial de Peroamuoco 30 '
de Janeiro de 1866.
Antonio Carneiro Machado Ros
Administrador.____________
9o ttetf.
consolado,
pagoda cmara mnnit|H do Recife 14 de feve-
delra com afronte para a estrada denominada; n\tto 4866.
Caldeireiro, e de compirimente oltocentose
setenta palmos, d6m>lioxdivide eom o sitio
de torras rado, v. ollodontiftbCtmuma t-avessa que
vai ao rio, tendo a ana m porta e duas ja-
nellas nos oitoes, salhrs quartos, cosinha, e
um sotfiocoM-settf-ildartos, cacimba, bomba
tanque para-Banto, oom estribar*- c latrina,
sendo as t&rmrtn contos de res, o qual foi peoaorido por
exet509'M) de Ignacio Luiz de Brtto Taborda
oomra Jorge Vliaor FeTeira Lopes, e nao
havwdb lari?*dbr qne etibfa opwpo da rt*
liariki, g-aTrWMtf^'Sfer^fMta peto proco da
adjudicado aa-roiina da lei. E para que
chogoe ao cwiU>rtuiwito de todos mandei
passar o presente qne wrt pobflcadopela
jmprerfsa o aflhadb nos li?Wrrdcbstame.
Recife 3 de furereiro de 1086.
8u, IttOMl Starla blrigfleB do Nsei-
nrOrit", eHrWfc''4y'' mUMJcti
O r. TrhtSo d:eaear Anitpe. oWcial il
portal tw iwwBt-ffwa e |Wt Wptiui do rttrdWf-
cio nesta cidade do Recife de Pernambuco, por
S. M. o Imperador, etc.
Fago saber aesqb* o preseute edital virem e
delle noticia tiveTtn qoe por este juizo penden)
nns au'.os de execogo de senteoga do bario do Li-
vraBwrrto -c oairos frades do convento de Nossa Senhora dt
Carmo ansia ctdade. E lenlo-se feito penhora nos
ahrgoei-. di diversos predios pertencentes aos mes-
mos ex-. ntadog, fra pelo solicitador Macario de
Loba FfMre, procurador do eteqoente, felt o re-
qaerinn nto do segalte lernio :
Aos ix de deiembro da 1865, na cidade do Re-
cite, em publica audiencia qae aos (eitos e partes
diva o Dr. juta de dlrerto especial do eommercio,
Tristao de Alencar Ararip-, nella pelo solicitador
Macario de Lusa Freir, procarador do exequeote.
(Ora aecusada a penhora feita nos alaguis de di-
tarsos predios pertencentes aos egacoiados, e re-
querido qae Qeassem assignados os aels dias da ll
e dez aos credores incertos, passaodo-aa os edltae
Luiz Jt*6 Pereira Simoes
Pro-presidente.
Francisco Canuto da Boaviagem
Secretario.
~ eoflselk de clHras navaes
O eeaselrro promeve #ff a 17 do cUrrente dea
a'ctropra'des stegatntes Mlectos do tnateriarn
afolada: 100 medidas dft-arrAite de peixe, 20 tei-
xes-de arebs'd ferro sorWb* para pipas, 20 bar
rls de alctro, 200-brozfc lortldas, 48 ditas de
calar, 100 chapeos de oleb% 2,080 cfOvos de fer-
ro sonidos pera pipas, 2ftl8lrrinhos d'mo, 10
(Hutas de timas meia caoh; 12 a 20 polegadas,
10 dolas de limas triangotfes d 10 a 16 pole-
badls, lo arrobas d pregtH (ranezes sonidos de
%ft% 3 polegadas, 50 meiHMros de pregOS de (er-
ro de asoalBo, 30resmasfMiapet almago, 10 do-
zias de tabearlo de forro IMbartlo, 16 duzias de
laHoas de asoalho de lourb e 12 dorias de taboas
d assoall de arorelio.
Promove o cooselho a (Mira sob as condigoes
oo estyto.eem vista de pWpostas recebidas na-
qelle dfa, 17 do correnteWe, at as 11 boras da
de MHpras navaes 13 de
ila do conselho de I Buras navaes
Wstlfe tle XMttcar Aca#iti4v.1MHim-4rgjn.
0 secretario,
Alexandfe Redrigues dos Anjos
Consulado pNwfoBia..
Pelamesa db eotnttla^lo provtntial se fi pool ico
que no dia 17 do cerrenta se bao de arrenarr na
pora dOia repartieao ae to*fe.*-^B*l1?Dha!
cora charutos, avallados por 1744, W farros
por 146M,S0 libras de rap por 204, 6 barris
com 160 libras te porreta por 71* 9 latas cora
biscoatos por 8#, 5 ditas com bolachiahas pW 54,
20 massos de palitos para dotes por 24, aUMbra-
Ihos cora cravo da India jior 320 rs., 1 ltdj-ae ca-
nella por 160 rs., 1 dito cera alfazema por 820 rs.,
2 resmas de papel pautado por 44, e 2 cairas com
pbosphoros por Ifi, os qaaes gneros foram appre
hendidos pelos oferente da alandega Francisco
Affonso*errelra e ojparda deste consulado Jos
Dias Moraes de QuMB.
Ilesa do consuftdofppvtncial 14 de tevereiro de
! AatoalP Carneiro Macho Rios.
Cmara uHialcIpal
Peta coaiadoria da cmara municipal desta ci
dade se faz publico qoe nos metes de feveteirb e
marco se recebe bocea db cofre o imposto mu-
nicipal sobre casas de negocio, e aquellas d.ue nlo
pagaretn oeste- tettipo esto sjeitOs a tflotta na
rma do art. 32 do reglmeuto n. 360 de 15 de
MBIM de 1844.
Cbtadorla Io de'feverejro d 1866.
0 contador.
......... Caetabo Silverlo da Silva, ^
Arsenal fie gnerra.
O Sr. tenente-corbol, director deste arsenal,
manda fazr publico que a arremataclo das H'usas
de panno azul destinadas corte. Mea adiada para
floaodo forem recolhlds no mesmo arsenal todos
os b'otSe de metal pertencentes as mencionadas
brasas.O escriptbraro,
Jbs Alfredo de Carvalho.
"Tribnna'llo^b^ter^fo-
Pela secretara do tribunal do cemmercie de|Pe-,
namboeo se ft poblio que por despacho do'mes-
mo tribunal foi concedida nesta data a Corlgaase
SalurDlnVKeTrBlra'rjt'BrTjMltfsailesoaeragaoqdib
pedio de otlleio do agente de lellSes da praca do
Ara'eaty, provisela do' OWra ; devendo a flanea
prestaOa s,dbsistlr por tetapo de seis mezes, confor-
me determina o art 11 OO decreto o. 858 de 10
de novemtorO de 1851.
Secretaria do tribunal do eommercio de Pernam-
buco 9 de fevereiro de 1866.
O offlcial-maior,
Jolio Guimaraes.
*-----dattPAfflApftHMtjLtfaa"in""
Os Srs. accionistas desta companhia sao convi-
dados a mandar rceber o primeiro dividendo
correpiSnaento ao aaoo passado a razan de 10j)
por cada acgo, no escriptorio do Forte ib' Maltes
n.l. O dividendo someoie aer pago avista das
respectivas aegoes.
-----.-, -,.-....,-.
Correio geral.
Os Srs. Antonio Ferretta ATes da Stlva e Jos
Firmloo Ribeiro Filho qaeiram comparecer na ad-
rninistraco afim de receberem cartas viadas do
sol.
-^nr-rn- r f ""-'"^
portugue-
za Etna : trata-se com o consignatario Joe do
Reg Lima na ra de Apollo n. 4.-
na i) r ii i m nmirr- nr aa i -
Para Lisboa
segu com bita BH!vfftide o brigue portoguez
Rorottfa.-nue recebe carga a frote : a tratar no
eserip.erio de Amorlin Irmaos, roa da Crufc n. 3,
'oncom ocpito Joaqun) Augusto deSouz. na
praca do eommercio.
btevidade o
Para Lisboa pretende sahir cm
patacho porlogoez JOS' por tersarte da carga
tratada e para o resto qne Ibes falta tratarse com o
consignatario Joaqaim Jos Gooeiivos Bettro, na
ra do Vigario n. 17, primeiro andar.
,lili l,MityttlMa^4jttiiy
Ei^o primario.
Oabaixo aSslgnadb, profeteor publico de Santo
Amaro das Salinas, avisa aos paos de familia, que
abri sua aula, na estrada de Luiz do Reg, em
ama das casas do Sr. Barbosa.
MaHol Roberto de Carvalho Guimaraes
Perdeu-se. hootera (14; da ra do Imperador
ao caes do Ramos 704 em tres notas de 204 e urna
de lOJ lodas da caixa tilia!, quem achou esta quan-
tia qaerendo restituir, pode o fazer a roa do Impe-
rador n. 28 arhiazera de molhados._____________
Precisase de dm caxeiro para taberna : a
tratar na ra des Agooguinhos o. 20.___________
Aluga se orna escrava boa cozlnhelra e en-
gommadefra : na travessa da Concordia n. 61.
Precisa-se de um criado para casa de peque-
nafamitia : a tratar na roa o.VIgaTio n. 14.
Da se dinheiro a juros
Prazeres n. 18.
nos Coelhos, roa dos
.... ..,,,.
Itlll.
-=__
,.-- -*-r -
s
lili MltO
tiE
GRANDE CONCERT
Segand -feira 26 de fevereiro de 4866
__ B*D0 por _
QWtK WERWR
VMeneelihtl^toitliftl.I. Itnpera-
. rfliBrasU.
CELOS HJBfcA**
LlELlO
Da casco, pannos, correnies, ancoras e
ais objectos salvados da barca ame-
rcaw rLtfcy* ashby.
iiojr.
Por iotfcrvegao do agobie Pinto sendo a venda
do casco no estado eom qoe se achar no da db
lallao, era frente a Associagio Commercial, e dos
demais objectos em o armaiem do baro do Llvra-
mento caes do Apollo.
1,1:11,10
Do casco da barca americana As 10 harte e* poeto perla da Assoeiage Com-
mercial.
Dos mastros, velas, correales, ticot-as, s'obrecel-
lents e' mais' objectos salvados.
As M horas em poni He araiazm do bario do
Lirraente ces dr Apotra.
Jcftin P. Ash'bey, c'apitao da barca americana
tLucv E. A'sbbeV, bayirifadl ueste porto na sua
ultima viageni de Shabgai (China) para New-York
far leilfto com licenga do Inspector da alfandega
em'pfesoa de urri ernprgdo da mesraa repart-
SS'irj pata o dm borneado com asslstehcia do cnsul
os EitSos-nidb, por ioterveffgao do ageote Pio-
lo e por e&hta o riso de quem perteocer do ca3co
da referida barca tal qual se acha dos arredres, as
10 horas do da cima dito a porta d Associago
Commercial, em seguida e as 11 horas em pouto
vender' tambera pannos, correntes, ancoras e
mais ob:eclos salvados da dita barca e existentes
no armazem baro do Livramento caes do
Apollo.
-- Desappafceu de um sitio no Cftra-rnotiiho
um cao de Terranova, bastabte grande : qaem o
1 athar leve-o a roa de Apotlo n. 32, ou em'casa de
| Francisco Xavier deOHveira, que ser'geb'rosa-
mente recompensado. .
Frabcisco Antonio Dlarllos tebdo de fazer
Odia viageni a' Portogal a' tratar de sua saude,;
deixa por seas bastantes procuradores nesta cida-!
de aos 8r's. Jos Faustino de Lemos, Joaquira Fer-
relra Ramos e Manoel Soare's do AmaraL________
Precsase de tima preta por alu'gel para
vender quitanda : na ra Dirita n. 83.
Procisa-se de ama ama de leile : na ra da
Palma taberna n. 41.
Precisase da ama ama seca para o srvico
exIernO de n'fria casa d ptrquena familia, mas que
salba engomtnar : a trtflra trave'ssa da rba No-
va atraz da mtrtl d Sattt Atftotd b. 28, segun-
do 'Adir.____________________una n miu,
Fugio do engenbo Arassugv no dia 28 de Ja-
neiro o cito* Ate*adr, ano, eatfM''itd corpo, bar-
bado, e traWlba-de sS|jfftelro. De botras fgidas
| tBm sldo!pagado em Igdlrac, e sbpp5-*e andar
aill, eu dft Mancla. Quem pogftr est esclavo
devera' letal o'a" ra do Apollo n. 7, oo ao ebge-
nho Arassnagy, rgaezla'da Ecada, que s1)em
recompensado._________
A IrtattBde ap Senbor Bdni Jscis da Va-
Sacra da Igreja da SaiTt'Cruz solebtib'a ao pfabli-
co de que drifte a pTBsBtiW qhafesms celebrar-
se-ha diariamente Baqtiella Igreja, as 7 horas da
none o saetoextretetb d Via^SWr, qoe srt fal-
to por sea fevefetWo BeertWtb ; Be eo qae
alem dos sermSes qaaresmais uas sextasfetras, as
7 hars da noltefbelo Rvm. Joao Leonardo Grego,
estart algtja aberta ddrantea^qdaresm-das 6 as
9 horas da manhaa, para alem da mlssa confessa-
rem-se cdrUmungVrom as pssoas qoe all concor-
rerem cora seraelhaBte fim, para o qae eucootra-
rao diariamente al I i ara sacerdote. Xas, quintas-
firas e domingos haver bengo esm o Sonlissimo
Sacramento, as 6 horas da tard nos domingos, e
depois d raissa as qoinlas-ferras, e 6ermao lam-
ben) aos domingos. A irmandade espera qae os
seus cmparchianes aprovetlera tao ptima occa--
sUio para honrar e adorar, o salvador di mondo-
LEILA6
Do casco, mastros reaes e carrega-
mento de carvo de pedra da barca
ingleta cFeliskella)) tal e qual se
acha ao entrar 4a barra
Sabbado 17 de fevereiro as 40 12 horas
em ponto.
Por intarveneio do agente Pinto, em (reate a
Associago Commercial.
Na roa da FlorentlDa n. 36 fornecc-se comida
caor abeto e prBiffp'tldao por prego raxoavel.
Com
as LIMAS
CHTMICAS DE
P. WOTJRTH, forne
cedor da Caza Imperial do Exercilo
francez, garante se que qualquer
pessoa podera sem dor nem perigo
ivrar-se de seos callos. Esta inven-'
gao : privilegiada em varios paizes.
reconhecida oficialmente efficaz
por 15 nacfls, premiada com me-
dalhas de 1" c 2" classe e appro> ada
or diversas academias e pelo EV"
Presidente da Junta de Hyeiene da
corte. jW ordem do Ministro da
Guerra fez-seemParizexperiencias
'sobre mais de 2000 soldados que
carao livrea de seos callos -, igual
resultado foi obtido M guarnirlo
do ftio de Janeiro. Mais de 3000
Eessoas ja se tem curado com estas
imas. As provas do que s* diz ci-
ma e os attestados achata-se no
prospectu, que se da no depsito.
Casa principal em Para, B Prince
Euqene.til, Agente para o Brazil,
o S' M. O. ABRANCHBS, ra
da Alfandega, N 10, a Corte.
l.e se no Slomieur dla l'harmacie.
A tMeOUlaai boje cnnireRinla [ior Indo os
roedicosafamados, para o liiiiaoit-nlo de muilas
molestias, mesmo para as que resislem as outras
nr-dirAir,3c.
AetrWrj su|xriflridade inconlesld(el, ea vanlagem ite nao
dar abato-, e'dc"n6cr ser graduada pelo itocitfe.
A cansa a ;mU Irequefitc das molestias
eslagnaca do sanRiic ou dos ouiros lquidos v-
.tkk RMleBtmtto-M cfcxutod* bo drga-
. iiisio, ctracao-seas molesas.
Quando s*.fto pteuma dor em parte docorpologO.'etnslinctivameDtr, secrtrega
010i*r'eVi(fotori(*tti,a rlroC, eiiloailitla.lslo
Kptlcsorestinl IhebrriostJtH ue defVpre-
dnrir wn apptrelh elctrico. Por too temos
prazerem anminciaraO Publico qoeoSnr Buisson
de BltilllcVs tSidCnle, bootev'rt du Prince-
tirrRne,''18,' eVri P-!i,.n6ton a nietiicina de um
appare.lho Electro S%itWeo, sob a forma de
uma ekovfccei o qjial os doevites -n podero
eurar setn uelumaoutra medicaead.. Os mdicos
que a tem experimentado, alteslara que a
BBCOVA ltWatt-aBttimTrftAelB'caipara
.curar: os Rhe*iriataW Traryia, Gotta,
aTraqueu Joi merabroi aOoHrna ver
tebr*i. mtmr.|at, niTtu#*, eu.
t^dttdVtehos trWe'bftV cada ramilla pssuira
. esU efoOii 0>e prtsr*ra grandes trricos.
A pedido da mujlas pessoa, o autor lecidio-sa
a eslaOTecer un eposito d seos apparelhes no
Rio de Janeiro, em tmta do Su Didim Roirm,
Na nova do HvtSr, tf W. >
Pbrnrnhco, i^inacia traoceza deP.
Itfurer 4 C, ra Nova n. 18.
*W*
O DrSWinoyricfebe de Lima San-
ios etnvtnta a morar n roa do Impera-
dor n. 17, segando andar, tendo alias sea
gabinete de consultas medicas, logo ao
entrar, tro'pWnBiro.
O mshio dpator, que se tem dado ao
estudo tanto das oprgoes como das mo-
lestias Internas, preSt-se a qnalqtler cha-
mado, qaer para dentro qer para fra
da cidade.

-
Remedio rnTttivet as agnfJfrheas antigs
RogaseaoSr.ThbmazTimes,negociante naos- eretes, uniGO derJsito na pliarmacia
so de tros dias. Recife 16 de fevereiro de 18. 1 qWO.
HGftH

M !!>.


CALCADO-
45 Hua Direia 45
A printeira cndilo indispensavel con-
servado da sade trazer es ps bem de-
fendidos contra os ataques da humidade;
calcado bom e seguro o nico preserva-
tivo dessas mil enfermidades a que est su-
jeto o oosso-^eu. Um chnelo velno cal-
cado por um daody patuscante, ou urna
botina acalcanbada em pequenino p de en-
cantadora deidade alm de accusar que-
bradeira horripilante, prova contra as acui-
dades intellectuaes dos calcantes, e nao ba
quem, tendo bom senso, queira passar por
maluco, ou pobre de surrao : ergo, cor-
ram a:
4*RA DIRE1TA4*.
e attendam a' barateza.
Homens.
Borzeguins parisienses de bezer-
e cordavao ......
Ditos de Bordeaux ....
Ditos barcellonezes de lustre e
de porco. ......
Sapafes de Nantes de duas ba-
teras rasas ......
Sapatos de lona, sola de borra-
cha.....; .
Ditos aveludados.....
Dito! de tranca bons .
Senhoras
Borzeguios enfeitados. .
Ditos de laco ; .
Ditos lisos......,
Sapatos de borracha ....
Selleiros, corrieiros e segeiros
Sola de lustre, meios grandes
E nm completo sortimento de aleado fa-
bricado no paiz.______________________
GARKAUX DE LAILHACAR & C.
LIBRAIRIE FRANQAISE
Elua do Crespo n. 9.
LIVROS NACIONAES E ESTRANGEIROS
RfligioPhilosophia Jorisprudencia Lillen-
tura Sciencias e artes.
Papelaria, objectos para escriptorio.
Na pra?a da Independencia n. 33, loja de
onrives, comprare ouro, prata, e podras preciosas,
e tambem se faz qualquer obra de encoromenda, e
todoe oaalquer concert.
8fl000
70000
6^000
50000
20OOO
10600
10600
50000
40800
40500
10OO
1
200000
AUTORISADA PELO REAL DECRETO DE 21 DE DEZEMBRO DE 1659
Urna flanea em diuheiro, depositado dos cofres do estado, ararte a boa ad-
ministrad da coapanhia.
BANQUE1R0S DA COHPANHIA* DIRECgO GERAL
O Banco de Hespaaha Madrid: Ra d Prado n. ie
Esta corapanhia liga pelo systema mutao todas as combinares de supervivencia dos seg
ios sobre a vida.
Nella pode se iaier subscripto de maneira que em nenhum caso mesmo por morte do
segurado se perca o capital nem os jaros correspondentes a estes.
Sao tao suprehendeiites os resultados que prodozem as sociedades da ndole deA NACIO-
NAL, qqe anda mesmo dimlnnindo ama terca parte do interesse prodozido em recentes liquida-
rles ecombinando-o com a mortalidade da tabella de Depareieui que adoptada pela companhia
para seusclculos e liquidares, em segurados de idade de 3 ai9 anuos, ama imposicaoanona-
de 100J produz em effectivo metlico:
No fim de 5 annos...... 1:1191300
. de 10........3:948*600
. de 18........11:2081800
> de SO .......30:256*000
, de 25 .......80:331*000
as idades menores de 3 annos e maiores de 30, os productos sao mais consideraveis.
Prospect >s e mais ioformaedes serio prestadas pelo sub-director nesta provincia,
oaqnim Fiuza de Oliveira, raadaCadeia n. 52, ou a Boa-Vista ra da Imperatriz n. 12, estabelcl-
mento dos Srs. Raymando, Carlos.Leite & Irmao.
ENTURARA
AO GRANDE S. MAURICIO
PROCESSOS APERFEI^OAUOS
PARA
'Fingir, limpar e lastrar a vapor.
F. A. SAL
um...
Companhia fidelidade de segaros
martimos e terrestres
estabelecida no Rio de Jaueiro.
AGENTES EM PERNAMBUCO
Autouio Ldi de Oliveira izevedo & C,
competentemente autorlsados pela direc-
tora da companbia de seguros Fidelida-
de, tomam segaros de navios, mercado- %
rias e predios no sea escriptorio ra da 5
Cruz n. 1. M
mmm&t &mm mmmm
N. O. Bieber & C, sucessores, sa
cam sobre o Rio de Janeiro a vista ou a pra- j melado cora dinas, canda
zo confoi me se convencionar. om dos 'ados tem o couro
baques para a Baha, Para e
MaranhSo.
Antonio Jos Rodrigues de Souza na ra
do Crespo n. 15, saca a vista ou a prazo;3-^;
contra a Baha, Para e MaranhSo,
29 Kua 7 de setembro 29
Defroote da roa nova do Ouvidor (Rio de Janeiro)
Os propietarios deste estabeleciraento, o primeiro no sen genero no Brasil, por
trabalhar com as machinas mais aperfeicoadas para tingir e lustrar, de que se faz uso n
Europa, e ajudados por alguns dos melhores officiaes de Paris e Lyo, podem assegu-
: rar seus freguezes urna perfei^So no trabalbo, a qual seno pode ciegar pelos proces-
'. sos ordinarios.
Tingem, lavam, limpam e demofam com a mai r perfeicSo e brevidade qualquer
qualidade de fazendas, tiram nodoas e limpam secco sem mollar as sedas e as vestimen-
tas de senhoras e de homens.
Attenco.
No dia 3 para 4 do correte raez uriaram do
eogenbo Limoeiro, freguez.a da Estada, um cavado
e ps pretos, nafleo de
das qneixadas grosso,
tem a testa junto a poma do focinho um tanto pe-
lado, bastante ardego, anda a passo, furla-passo
at meio, e nao tem ferro por ser nascido no mes-
mo engpoho, est fazendo a segunda muda : quem
o trouxer ou der noticia do ladro receber 100*
Aluga-se o segundo andar e soto do
Samuel Power Johnsun & Companhia sobrado da ra das Aguas Verdes n. 64,
Ra da Senzala Nova n. 4.
AGENCIA DA
Faa Machinas a vapor de 4 e 6 cavallos,
Moendas e meias moendas para engenho.
Taixas de ferro coado e batido para enge-
ubu,
tem commodos para grande familia : a tra-
tar no primeiro andar da mesma casa ou no
Recife armazem n. 38 a' roa de Apollo com
Francisco Ribeiro Pinto Guimaraes,
Alaga-ge
Aluga so o casa terrea da ra do Mondego u.
19 : a tratar na ra do Imperador n. 27.
Arreios d
Preeisa-se alogar quatro escravos que sejam
carro para um e dOUS cavallos. possentes para servico deoaixo de coberta, pagn-
Relogios de ouro patente inglez. do-se bem : a tratar no largo da Aisembla n. 20.
Arados americanos.
Machinas para descarocar algodo.
Motores para ditos.
Machinas de costura.
Joao da Silva Ramos, medico V
| pela universidad de Coimbra, d m
S consultas em sua casa das 9 as j
rJj I 1 horas da manha, e das 4 as ti m
da tarde. Visita os doentes em suasil
casas regularmente as horas para
isso designadas, salvo os casos ur-
gentes, que serSo soccorridos em
qualquer occasiSo. D consultas aos
pobres que o procurarem no hos-
pital Pedro II, aonde encontrado
diariamente das 6 s 8 horas da
manha,
Tem sua casa de sade regular-
mente montada para receber qual-
quer doente, ainda mesmo os alie-
nados, para o que tem commodos
apropriados e nella pratica qualquer
opperacSo cirurgica.
Para a casa de sade.
Primeira classe. .3JOOO diarios.
Segunda dita___30500
Terceira dita 20000
Este estabelecimento j bem
acreditado pelos bons servicos que
tem prestado.
O proprietario espera que elle
continu a merecer a conanca de
[que sempre tem gozado.
SEGUROS
MARTIMOS
CONTRA FOGO.
A companhia Indemnisadora, estabeleci-
da nesta praca, toma seguros martimos so-
bre navios e seus carregamentos, e contra
fogo em edificios, mercadorias e mobilias:
na roa do Vigario n. 4, pavimento terreo.
A agua florida de Murray & Lanman
olhada como um artigo *e perfume, nSo
tem podido ser igualada pelas preparares
as mais custosas: conserva seu aroma, co-
mo se formasse parte da prenda a que ella
se applica.
Sua efficacia tSo delicada, como elegan-
tes sao seus multiplicados usos, qur seja
empregada como artigo de toucador, qur
no uso do banho, ou como suavisador da
pelle, depois que se tenha feitp a barba;
j para limpar as gengivas ou aromatisar o
balito.
D suavidade, brilho e elasticidade as
compleices, depois de.se baver lavado; al-
livia a irritaran de mipces ordinarias ; faz
desapp?recer o desagradavel aspecto dos
pannos, das sardas, do rosto, rugas e toda a
casta de ebulices, e d vigor e frescura a
parte onde quer que se applique. Sua efi-
ciencia e elegancia sao igualmente infalli-
veis nos casos em que seja preciso applica-
la como estimulante e antisptico, nos con-
cursos e assemblas numerosas, as loca-
lidades infeccionadas, na alcova de um en-
fermo, assim como um antidoto excellen-
te para os desmaios causados por cansaco
ou suffocacSo. Preparada nicamente por
Lanman & Kemp, Nova York, e a venda por
Caors & Barbosa.
JoSo da C. Bravo G.
Deposito geral em Pemamnuco ra da
Cruz n.22 em casa de Caros & Barboza
mmwmmmm iiiini
0 Dr. Sarment Fuh
i previne aos seus doentes e pessoas de seu $5$
SP conhecimonto que se mudou para a ra a*
B do Imperador n. 19, segundo andar.
mmmmmmm: mmmmmm
ENCANAMENTOS
PIBA AGUA
Na ra Nova n. 30 fazem-se e concertam-se en-
came ntos, assim come bombas para agua.
Deseja-se saber quem se incumbe de desea-
rogar 300 arrobas de algodo aqu dentro da cida-
de, pagndose bem : a pessoa que quiz.er dirija-
se a ra da Cruz n. 55, 3 andar.
A,HYVERNATvVC
19Roa do Imperador19.
Deposito de joias francezas por atacado.
Casa em Pars e Ris de Janeiro.
Recebem directamente por todos os paquetes.
Precisa-se de ama ama para o servico interno
de urna casa de pooca ramilla : a tratar na praca
i do Corpo Santo n. 17.
Engonma-se
com asseio, promptido e preces r.zoaveis: na ra
Augusta n.5, loja. __________^^
Cavalho Nogueira na ra do Apol-
lo n. 2o, sacam sobre Lisboa e Porto, a
vista ou a prazo._____________________
Brincos de crvslal o pulseiras.
Na loja de oarives no ares da Conceici, no Re-
cite, tem os melhores que ba encastoados em ouro
Precsa-e de um caiielro para taberna que
tenha pratica della e d fiador a sua conducta : a
tratar na ra de S. Jos n. 2.
I

Saque? sobre o Rio de Ja-
neiro.
Saca-se qoalquer quantia sobre a prae.a do Rio
de Janeiro, a' prazo ou vista : na companhia Per-
nambacana. Forte do Matto, escriptorio n. 1.
Precisa-se de um menino de 12 a 16 annos
para caixeiro de una armazem de molbados: na
roa do Imperador n. 46.
Precisa-se de urna ama para casa de pouca
familia : na roa da Conceico n. 6.
menino
Precisase de um
taberna, sendo Portoguez
Santo Antonio n. 21.
para caixeiro de
no pateo da ribeira de
Leopoldo Ferreira Martins Ribeiro,
mudou-se da ra da Imperatriz n. 40, para
e mesma ra o. 12, segundo andar.
Offerece-se urna ama para casa de familia
para todo o servico de p rtas a' dentro : quem do
seu presumo precisar dirija-se a roa das Cruzes
n. 12, que se dir quem .
REFIN4D0R
Precisa-se de no refinador que saiba perfeita-
mente deserapenbar este logar : na refinacao da
roa do Brum n. 42._______________________
Aloga-se a casa dos Ledes, na ra dos Praze
res, com soto, e commodos para familia.
ioga-se urna casa na ra de Baiio, em
Olinda, tem commodos para familia, grande qein-
tal eom cacimba, est em bom estado : a tratar no
largo do Paraizo p. 14.
Na roa do Imperador n. 83, 2 andar, preci-
sa se fallar com o Sr. Francisco de F'reitas Barbosa.
Precisase de ama pessoa tneorica e prtti-
camente habilitada para escriptrtcao mercantil
por partidas dobradas : quem se aetur nestas cir-
camstancias indique sea nome e residencia em
carta fechada na loja de llvros do Sr. Nogueira, a
roa do Crespo.
Precisa-se de urna ama para engommar e co-
zinhar para casa de pouca familia : na roa do
Hospicio n. 62.
Poipps Brothers A C. fazem sciente a esta
praca qne tem dado procuiacao bastante aos Srs.
Ernest W. Landon e William Tatean, aos qnaes
concedem todos os poderes para assignarem ambos
juntos todas as traosacefes da casa commercial dos
annuDciantes, seja qual for a natureza deltas; ou-
tro sim que por ernpedimento de algom dos men-
cionados procuradores, para assignar qualquer
transsaccao fica encarregado o Sr. George Alfred
Bradley para assignar em lugar do procurador em-
peddo.
Pedro de Almeida Guimaraes nao tendo tem-
po de pessoalmeote despedir-se de alguns de seus
amigos pela rapidez de sua viagem assim o per-
mittir, vem faze-lo por meio do presente, e pedir-
Ibes desculpa de sua falta involuntaria, offerecen-
do-lbes sea diminuto presumo nacidade de Lisboa,
onde pretende demorar-se por algum tempo. O
mesmo, durante sua ausencia, deixa p curadores nesta praca aos Srs Jos Joaqalm Gon-
calves Barros, Jos Martin.' de Castro, sen caixei-
ro Ernesto Adolpho K- Saldanba, e solicitador de
seus negocios jadiciaes o Sr. Carlos Francisco Soa-
res de Brito.
Arrenda-se om sitio no principio da estrada
do Arraial, com grande casa de vivenda e com
mu tos commodos, boa varzea de capim, bem plan-
udo de mandioca, e tem aviamentos para fazer
farlnha, tem toda a qualidide de Irui-teiras, e mnl
conveniente por ser mui parto do Parnameirim, e
por consequencia da linba frrea qne vamos ter:
quem o pretender, ou por arrendamento ou mesmo
por conpra, dirija-se a roa larga do Rosario, sobrado
o. 22, que achara com quem tratar.
O Sr. Francisco Jos de Freitas Gui-
maraes, queira tt r a bt ndade de appare-
cer na livraria n. 8 da praca da Indepen-
dencia.
Precisase alogar om cesinheiro on coss,
nheira: na ra da Imperatriz n. 9, segundo andar-
Deseja-se fallar com o Sr. major Felippe Da-
arte Pereira ; na ra do Queimado, loja o. 14.
mmmm mmm kpk mmm
m s abaixo asignados conliuuam com H
^ ?eu escriptorio de advocacia ra do ^
^ Imperador o. 41, primeiro andar, onde JBt
toj. podem ser procurados das 10 horas da H
manha as 3 da tarde.
Alvaro Caminha Tavares da Silva (m
Or. Joao Thome da Silva.
O Dr. Joaqulm Jos de Campos, tendo ne-
cessidade de ansentar-se desta cidade por alguns
dias, previne a seus clientes que fica encarregado
de suas cansas o Sr. Dr. Jaciotbo Pereira do Reg,
o qual pode ser procurado todos os dias uteis,
menos as qunlas-feiras, no escriptorio do mesmo
Dr. Campos, no sobrado n. 2 do pateo de Pedro II.
Ama de lcitc^
Precisa-se de urna ama de leite: na ra
do Queimado por cima da loja de cera.
Na ra da Aurora
um bom cosinheiro.
COSIMEIO
32 precisa-se
n.
de
Joaqoim Goncalves Silgado e Bernardioo
Goncalves Salgado com padaria na ra estreita do
Rosario, nanea teve nem tem quesio alguma ues-
te paiz.___________________________
Irmandjide do Divino Espi-
rito Santo do Collegio.
A actual mesa regedora faz sciente ao publico e
aos irmos, que lem logar nos domingos da pre-
sente quaresma, pelas 7 horas da urde, os sermoesj
sendo oradores da Ia e 3* dominga o Rvm. padre
mestre Antonio Manoel da Asstimpco, da 2* e 4*
j Rvm. padre mestre Leonardo Joao Grego, e da
y o Bvra. padre mestre Flix Brrelo de Vascon
cellos, assim como tambem ba exposico do S. S.
na qulnta-feira santa com lava-ps a tarde, do qual
orador o padre mestre Antonio de Aibuquerque
Mello.___________________________
O abaixo assignado faz sciente ao publico e
com especlaiidade ao corpo commercial que desta
data em diante deixoa de ser caixeiro do Sr. Jos
Rodrigues Ferreira, e agradece o bom tratamento
que recebeu durante o- pequeo espago de seis
annos.Vicente Aquino AIDoqnerque.
Na roa do Livramento o. 10, loja de Fonseca
4; Arroda, precisa se de nmt ama para cosinhar.
tas Pieri, maestro e piano canto ma-
ros Nova n. 23 para a roa da Impera-
primeiro andar.
Albino Baptista da Rocha, relo-
joeiro e dourador portuguez, na
praca da Independencia b. 12, faz
qualquer concert pertencente a
sua arte mais barato do que ootro
qualquer e responsabilisa-se pelo
seo trabalbo, assim como tambem
compra relogios em segunda mo e obras de ouro.
mmmmmmmmmmm mmm
g DEPOSITO DE CALCADO g
m FABRICADO NA CASA DE DETEACJO
M Raa Nova n. GI.
mt Abi se encontrarlo obras de di- **
| versas qual idades, e por preco mui '
| diminutos, a retalho e em porgues. 9m
m S se vende a diuheiro. Wk
mmmmmmm asa* mmm
Na roa estreita do Rosario n. 21. 2 andar,
cose-se para fra toda qualidade de costaras, faz-
se vestidos com perfeicao, feitos pelo oltirxo flga-
rlno, e vestidos pretos para a quaresma. enfeitados
a gostos de seus donos; assim como vestidos para
noivas, enfeitados com palmas de flores de larinja,
e capellas mnito ricas para as mesmas, tudo com
presteza, e mnito barato, faz se tambem toda qua-
lidade de flores, booquets proprlos para noivas,
bordam-se as fitas a ouro e botam-se os letreiros |
necessarios, bordase a ouro, lantijolas e a matiz
toda e qualquer obra, e finalmente enfeitam-so
baodeijas proprias para casameotos e bailes, de
qualquer qualidade de Sores e gosto ; e assim ve-
las para baptisado, santo sepulchro, tudo por me-
oos preco que era ootra qualquer parte.
Quem precisar de ama escrava para todo o
servico de orna casa de familia, dirija-se a roa da
Matriz da Boa-Vista n. 26, 1 andar.
A Salsaparilha
DE AYER.
Para a oura radical de
Escrfulas, ulceras, chagas, fer-
ida velhas, molestia* syphil-
iticas, e mercuriaes, Enfermi-
dades das mulheres, como re-
tencio, menstro doloroso, oleer-
aco do tero, e flores brancas.
A Hevralgia, Convnlsdes, Ery-
sipelas, Enfermidades Cutneas,
borbalhas, nascidat, etc.
O extracto eempo$to de SAXSAPARILHA, confeccion-
ado pelo DR. AYKIt, urna comblnacio dos melhores depura-
Utos e alterantes conhecidos medicina; composto segundo
as lcls da sclencla, approvado c reoeitado pelos primeiros
mdicos dos Estados Unidos, da America do Sul, do Slexloo,
das Indias e dos prncipaes Estados da Europa.
A SALSAPARILHA do AYER especialmente efflcaz na
cura das molestias que tem sua orlgvm na escrfula, na
Infeccao venrea, no oso excessivo do mercurio ou em qualquer
Impureza do Sangne.
Entre todas os molestias que affligem o genero humano, nao
hanma mais universal e terrivel do que a escrfula; por st
nao to destructiva, porem a causa principal de multas en-
fermidades que nao lhe sao geralmente attribuldas.
nma causa directa da tUlca pulmonar do tnal do
fig-ado, e estomago, affoccBes do ceretro, ltheumatlsmo
e affeccBes dos Jlin.i: entre seos symptomas lia os seguintes;
Falta de apetito, Fraqueza e molcza em todo corpo; Mo
cbelro da boca, semblante plido e luchado, as vezes d'uma
luir transparente, outras vezes corado e amarcllo ao redor
da boca; Dlgesto fraca e apetito irregular; Ventrc lachado
e evacnaco Irregular; Qunndo ataca os pulmoes urna edr
azulada mostra-se a roda dos olhos, quando no estomago
sao avermelha dos, as pessoas de dlsposlfo escrofulosa
apparecem frequentementc erupqoe apelle da cabecae outras
partes do corpo ; sao predlspOstos s affeccBes dos pulmBes, do
flgado, dos rins c dos orgoB digestivos e uterinos. Portanto,
nao sao somente aquelles que padecem das formas ulcerosas
e tuberculosas da escrfula que necessitam de proteccio
contra os sena estragos ; todos aquelles em cujo sanguc existe
o virus latente deste terrivel flagello (e s vezes hereditario),
esto ezpostos tambem a soflVtr das enflrmldadas que elle
causa.
Onerecemos a estas pessoas um abrigo seguro e um anti-
doto efflcaz contra esta molestia e suas consequeuclas, na
Salsaparilha de Ayer
qne opera directamente sobre o sanfroe, purlflcando-o e ex-
CBando delle a oorrupcao e o veneno da molestia: penetra
as as partes c todos os orgaos do corpo humano, livraudo-
os da sua arco violada e insplrando-lncs aovo vigor. V.' um
alterante poderosiasimo para a renovaej) do sangue, e d ao
corpo j cnfraquecldo pela doen^a forc e energia renovadas
como os du juventude.
TAMBEM O MELHOH AXTI-STPHZLXTICO
COXIIFA IUO ,-
Pernambuco, ra Nova n. 18 pharmacia frasee de
P. MAURER 4 C.
PERFUMERA da casa oger
Boulevart Sebastopol,
Dez medalhas, a condecoraco da Legin
d'lionneur e a grande reputacao que tem lhe
dado o publico, taes sao as recompensas que os
servicos prestados a industria merecerao a
esta importante casa desde sua fundacao em
1804.
N'um sortimento de mais de 500 artigo,
as pessoas elegantes escolherao os seguintes:
ROSEE OU PARADIS, extracto superfino
para lenco.
POMMADA CEPHALIQUE contra a cal-
vicia.
AGUA VERBENA para o toucador.
OXIMEL MULTIFLOR.
VINAGRE OE PLANTAS HYGIENICAS.
TINTURA VIRGINALE de beijoim.
ROSEE OE LYS, verdadeira agua de
Jouvencio.
56, JPariz.
CREME LABIALE de sueco de Rosas.
POMMADA VELOURS para amaciar a
pelle.
ELIXIR OOONTOPHILE.
SABAO dedicado as damas americanas.
SABAO de bouquet de Franca.
d
d*
d*
d
d
d
d
d-
d*
d*
de flores de alcea rosea.
de flores printanires.
de bouquet do outono.
de perfumes exticos.
aurora, dedicado aos dedos cor de
rosa,
de flores das montanhas.
de cheiro de foins nouveaux.
de bluets cheirosos.
de uliliu?. balsmica,
diapr, caixa rica, fantesia pari-
sieoce.
tJIrJrJrJrJrJrJrJ.-JrJ.JrJrJ^JFTrtlT
Em casa de Theod Christian;en, roa do Tra-
piche-novo n. 16, nico agente no norte do Brasil,
de Brandenburg frres, Bordeaux, encontrase ef-
fectivamente deposito dos artigos seguintes:
St. Julien.
St. Pierre.
Larose.
Chateau Loville.
Cbateau Margaux.
Grand vin Chateau Lafitte 1858.
Chateau Lafltfe.
Haut Santernes. '1
Chateau Santernes.
Cbateau Lataur Blanche.
Chateau Yqnem.
Cognac em tres qualldades.
Azeite doce. Precos de Bordeaux.
Deseja-se com urgencia fallar cjm a Sra. D.
Hara Saocha da Conceico Cavalcanli e seus dous"
fllhos Joao Eloy Cavalcinti e Joaquim Franco Ca-
valcaoti, senhor do eogenbo Arariba da Pedra, ter-
mo do Cabo, oa ao seo preeurador nesta cidade, a
negocio dos mesmos : na ra Nova n. SI, botica.
Offerece-se om criado copeiro de boa con-
ducta : quem precisar dirjase a praca da Boa
Vista n. 32.
cura permanenmente as peiores formas de SYPHILIS. e as
suas oonsequencias. Pouca necessidado ha de informar'nub- i
lico do inestimavel valor de um remedio que, como este, flvra I
o sangue dessa corrupcao e arrebata a victima das garras de I
urna morte lenta e Ignominiosa, porm inevitavel se o mal
nao logo combatido com energa.
Nao pretendemos promulgar, nem queremos qae se Inflra
que este remedio Infalivel par a cura de todos os padeci-
mentos humanos, o que dlxemos e que a
Salsaparilha de Ayer
a melkor prepantcao at hoje descocerla parswstas e outras
molestias anlogas, que urna oombinaco dos alterantes
mais efflcazes conhecidos, e que temos consclencia de offerecer
ao publico o melhor resultado que posslvel produzir, da
intelligencla e pericia medica dos nossos lempos.
REMEDIO DE AYER PAR SEZES
Infalivel as febres intermitientes, remitentes,
Pebres Bilioso e tercas, mal do Asado, in-
cremento do ba?o, cegueira. Dor noa
ouTidos e palpitacoea, quando
io cansados pela*
FEBBES INTBBMITTENTES, OU REMirTBNTBS.
As preparaeoes de Da. Ater sao vendidas em todos o*
Boticas e Drogaras do Imperio.
Vende-se em Pernambuco:
na .
a
3

s
rr
2
es
a
o
<
a
O"
--
s
5
J
51
r5
S
o- o
Mi-

B1TI
MU
ll
-a

-r
injISUivillt
o
II! i?*
i
B
e 67 J" 2- S
=-
as
O.
'9-agSa.
*-sli
asssg-
D C *
Bfs.s":s
SMf3
W m m S m a m
***%I 2 2.3 3 f ||,
.??
3&

l
cSEJ^j^s^j^j^LTisjiBsarEj^sBj-Eri
Precisa-se de urna pessoa para entrar de so-
cio em urna taberna
n. 28.
a tratar na ra do Hospicio
pPHARMAClEFRANCAISE
J deR MAURER &C!!;
i RA NOVAN? CI
AVISO AS VENDAS
Na fabrica-de vinagre a' roa Imperial
n. 1, prximo a estacao do camnibo de
ferro veade-se vinagre tinto superior em
qualidade a ootro qoalquer e por preco
i mdico, assim como brancas incolor.
mJmumwK WiMWUmi
Ama.
Precisa-se de ama ama
silba coilnnar n eogommar
numero 4.
forra
: aa roa
25^000
Oesappareceu no dia 8 do correle urna cabra
e duas crias sendo a cabra prela, grande, peitos
muito grandes, com nm pequeo signal branco na
cabera, a eria maior da mesma cor, o mesmo
signal a ootra e de cor melada, desconfia-se estar
furtada : por unto a pessoa que della soober diri-
ja-se a ra Nova n. 69, que se lhe dar i5 de
gralicacao.
AMA
Precisa se de urna ama qoa saiba cosinbar:
ra do Imperador n. 87.
na
Na roa do Imperador n. 7f loja de babiks,
preetaie de orna ama que seja de idade e qne co-
Mnhe.eoiDpre e saiba coser alguma coasa.
-
;
v
i


Diario de f OUMlk.Mitr afobado lt de Feverelro de 1866.
4 SALSA PARRILHA DE AYEft
PARA A CURA RADICAL
de escrfulas e molestias escrofulosas, tumores, ulceras, chagas, feridas ve-
lhas, bronchocele, papo ou papeira, a sypbilis, enfermidades venerias ou mer-
curiaes.
AS MOLESTIAS DAS MULHERES
reteocao, menstro doloroso, ulcerares do tero, flores brancas, etc., alcera-
080, debilidade, espoliado dos ossos, a nevralgia e coovulses epilpticas
quando causadas pela escrfula.
ERYSIPELAS ERPES; ETC.
Enfermidades cutneas, erupcSo, borbulhas, pstulas,
nascidas. etc.
O extracto composto de salsa parrllha, coleccionado pelo Dr. Ayer, urna
combinacao dos melbores depurativos e alterantes conhecidos medicina; confeccio-
nado segundo as regras da sciencia, approvado ereceitado pelos primeiros mdicos dos
Estados-Unidos da America do Sul e Central, da $ Antilhas, do Mxico e das indias, e
moitas outras partes do mundo : o resultado de estudos apurados e minuciosos, e de
experiencias fcitas pessoalmerie pelo Dr. Ayer, por muitos annos, nos principaes hos-
pitaes e enfermadas da America ; tcm sido approvado pelas academias de medicina e
juntas de bygienne das principaes capitaes da America do Norte; para prova disto vede
os attestados authenticos no Almanak e .Manual de Saude do Dr. Ayer, os quaes te dis-
tribuem gratuitamente nos logares onde se vende o remedio.
A SALSA PARILHA DE AYER
Especialmente efOcaz na enra das molestias que ten sna orlgem
na escrfula, na Infeeco venrea, no uso
cxcesslvo do mercarlo ou qualquer Impureza do sangue.
A molestia ou infecto peculiar, conhecida pelo gome de escrfula, ura dos ma-
les rniiis prevalecentes e univrsaes que ha em toda a extensa lista das enfermidades que
atacam a nossa raca; disse um celebre escriptor da medicina que mais de urna terca
parte de todos aquelles que morrem antes da velbice sao victimas, ou directa ou indirec-
tamente de escrfula; por isso s nao lao destructiva, porm a principal causa de
muitas outras enfermidades que nao Ihe sao geralmeote altribuidas.
urna causa directa da tsica pulmonar, das molestias do ligado, do estomago
e affeccoes do cerebro; entre seus numerosos symptomas acbam-se os seguntes: falta
de appetite, o semblante plido e enchado; as vezes de urna alvura transparente e outras
vezes corado e amarellento irregular, fraqueza e moeza nos msculos ao redor da boc-
ea; digestao fraca e appettite, falta de energa; ventre enchado e evacuacSo irregular;
quando o mal tem seu assento sobre os pulmoes urna cor azulada mostra-se em roda dos
olbos; quando ataca os orgaos digestivos, os olhos tornam-se avermelbados; o bali-
to ftido, a lin.'ua carregada; dores decabeca, tonteiras, etc. Naspcssoas dedisposi-
cSo escrofulosa apparecem frequentemente erupces na pelle da cabeca e outras parles
do corpo ; s5o predispostas s affecces dos pulmes, do figade, dos rins, dos orgos
digestivos e uterinos. Portanto, n5o sao smente aquelles que padecem das formas ul-
cerosas e tuberculosas da escrfula que necessitam de proteccao contra os seus estragos;
todos aquelles em cujo sangue existe o virus latente deste terrivel flagello (e s vezes
hereditario), estao expostos tambem a soffrer das enfermidades que elle causa, que sao:
A tsica, ulceraces de figado, do estomago e dos rins; erupces e enfermidades
eruptivas da cutis, rosa ou erysipela, borbulhas, pstulas, nascidas, tumores, rheuma,
carbnculos, ulceras e chagas, rheumatismo, dores nos ossos, as costas e na cabeca,
debilidades femininas, flores brancas causadas pela ulceracao interior, e enfermidades
uterinas, bydropesia, indigestad, enfraquecimento e debilidade geral.
Offerecemos a estas pessoas um abrigo seguro e um antidoto eflicaz contra esta
molestia e suas consequencias na
SALSA PARRILHA DE AYER
que opera directamente sobre o sangue, purificando-o e expulsando delle a corrupto e o
veneno da molestia; penetra todas as partes e todos os orgScs do corpo humano, livran-
do-os da sua acc3o viciada e inspirando-lhes novo vigor. um alterante poderosissimo
para a renovacao do sangue, e d ao corpo j enfraquecido pela^doenca, forcas e ener-
gas renovadas como as da joventude.
E tambem o melhor anty-syphilitico conhecido
cura permanentemente as peiores formas de sypbilis e as suas consequencias. Pouca
necessidade ha de informar o publico do nestimavel valor de um remedio que, como
este, livra o sanguedesta corrupeo e arrebata a victimadas garras de urna morte lenta
e ignominiosa, porm inevitavel, se o mal nao logo combatido com energia.
um poderosissimo alterante para a renovacao do sangue e para dar nova tor-
ca ao corpo j enfraquecido pela doenca.
Sendo composto de productos vegetaes, este medicamento innocente e ao mes-
mo tempo eflicaz, um fado .de immensa importancia para aquelles que o tonaam ; por-
que muitos dos remedios alterantes offerecidos ao publico tem por base o mercurio ou o
arsnico; e sendo assim, bem que s vezes podem effectuar curas, coatudo deixam suas
victimas carregadas de urna lcnga serie de males, muitas vezes peior do que o mal ori-
ginal. A urica eonsTBecessaria para obter urna cura radical seguir com juizo e'cons-
atncia as direccoes que acomjanham cada frasco.
Nao pretendemos promulgar, nem queremos que se infira que esta composicao a
um remedio infallive pata a cura de todos os padecimentos humados; infelizmente
escrfula e a sypbilis s5o enfermidades t5o sulis as suas naturezas, e arreigam-se t5o
firmemente no systema, que muitas vezes evadem e resistem aos remedios mais pode-
rosos que a sciencia humana pode inventar para combate las: o que dizemos que o
Extracto composto de salsa parnlha de Ayer
a melhor preparacao at boje descoberta para estas e outras molestias anlogas, que
urna combinacao dos alterantes mais efficazes conhecidos, e que esta combinacao tem sido
regulada por longas e laboriosas experiencias, e finalmente que temos consciencia de of-
ferecer ao publico o melhor resultado que possivel produzir, da inteiligencia e pericia
medica dos nossos lempos. *>
Este remedio deve ser tomado com systema e regula/idade, e nao com abandono,
pois um remedio e nao bebida.
Quando as omolestias do figado nao tem sua origem na escrfula, o remedio
mais proprio as pilulas catharticas de \yer, que sao efficazes na cura da molestia, que
tem por causa um desarranjo dos orgaos digestivos. Pedi a salsa parrilha de Ayer e
nao aceitai outra preparaco.
Pernambuco, ra Nova n. 18, pbarmacia france2ade P. Maurer A C.
CASA DA FORTOif
Aos 6:0000000.
Bilbetes garantidos.
A' RA DO CRESPO S. 23 E CASAS DO COSTUME
O abaixoassignado vendeu aos seas naitofell-
zes bilhetes garantidos da lotera que se acaboo
ttoextrabir, a beneficio da matriz d > Pao 'Alho,
o segnintes premios:
N. 23 dous quintos com a sorte de 6:0000. .
N. 937 um meio com a s>rte de 1:2000.
Nv'2837 dous quintos com a ^orte de 6005.
N. 1603 dous quintos com a sorte de 2005
E ontras muitas sortea de 1000, 40*, e 200.
Ospossuidores podem vir reeeber 9eus respec-
tivos premios sem os descontos das leis na Casa
da Fortuna a ra do Crespo n. 23.
Acbam-se a venda os da 2* parte da 3* lotera
(48-j i beneficio da igreja de N. S. do Rosario
da freguezia da Boa-Vista, que se extrabir se
gunda tetra 19 do correte.
PRECO,
Bilbetes.....63000
Meios. ...... 35000
Quintos.....15200
Para ai pessoas que cemprarem de IOOjJOOC
para cima.
Bilhetes.....35300
Meios......25730
Quintos. 15100
Manokl Martins Piuza.
Aviso.
Por ordem do Iilm. Sr. vice presidente
convido aos Srs. membros desta sociedde,
aflm de reooirem-se no dia 18 do corrente,
para assistirem a nma missa na Igreja do Es-
pirito Santo, pelas 9 horas da manh, pelo
repouso eterno do socio Manoei Joaquim da
Silva Guimares, fallecido hontem no hospi-
tal portugoez.
Sella das sessoes da sociedde Recreio Jo-
ventude aos 16 de fevereiro de 1866.
E. L Cerqueira.
1." secretario.
Anooncia-se ao Exm. Sr. presidente da pro-
vincia aflm de impor as previdencias necessa/las
o desleixo em que se acha o acude da oidade de
Garuara devido a Manoei Leile de Azevedo fazer
da margem do mesmo acude despejo de carolos
de algodo da sua fabrica, aonde pode sem davida
alguraa mnito bem arruinar a saude de lodos
aquelles habitantes, alem da aterraco do meimo
ha pouco, e como aquelle seja afamiihado com os
vereadores da cmara daquelle municipio nada
Ihe tem embaracade a respeile com todo prejuizo
assim do bem commom.___________ ______
Alten cao
Desappareceu no dia 13 do corrente da nadarla
Allema, nm menino da mesma nacao de 14 annos
de idade, cojo costomava vender pao na ra a
certos freguezes, levou vestido paletot preto, caiga
branca e bonet, falla bem
Tasso Irmos
Yeidea os sen armazem na do
Amorra n. 35.
Licor fino Cuf agio em botijas e meias botijas.
Licores finos sortldos em garrafas com rolhas da
vidro e em lindos frascos.
Vinhos Coeres.
San ternes.
Chambertin.
Uermitage.
Borgonbe.
Champagne.
Moscatel.
Reino.
Bordeanx.
Cognac.
Od Ton.
PAezei lagniol.
Vestidos
Peehlncha sem Ignal.
Chegou a loja de Paredes Porto um bonito sor
lmente de vestidos de lanalaia de coresjs branca
que serve para "partidas por ser urna pbantasia Id
teiramente de gosto pelo barato prego de 45 <
brancos a 45500, estao acabando-se : no armazerr
d porta larga ra da Imperatriz n. 52, junto a pa-
dara franceza.
Cortinados.
Chegou a loja de Paredes Porto nm complete
sortimenlo de cortinados ricamente bordados a
preco de 255, 335 e 435 : a ra da Imperatrii
o. 52, porta larga junto a padaria franceza.
Ricas romeiras.
Paredes Porto receben pele ultimo paquete un
sortimento de romeira de guipure pretas e de Bk
a prec.cycorrimodo : na ra da Imperatriz n. 5':.
porta larga junto a padaria franceza.
Grande pechincha.
Cortes de laa escoceza entestada para vestido
fazenda de 500 rs., est se vendendo a 280 e 300
rs. o covado : na ra da Imperatriz n. 52, loja da
porta larga. ."
GRANDE BITABELECUENTO
DO
'
Una
4ooo
VENDE-SE
.\o armazem de fl. d. Ramos e Silva de fteuro. roa do vigarlo
a. il, constaatemeate, osseguiotcs artlgos, que
recefrem por e neo ni cucada proprla de
lEW-YOUH.
---------------------------------------------z---------
Legitima salsa parrilha de Bristol, preparada por Lanman & Kemp.
Verdadeiraagoa Florida, preparada pelos mesmos.
Gaz em latas de cinco gales, o mais purificado que se pode desejar da acredi-
tada marca F. W. D. & C.
helogios perfeitos reguladores, com corda de quatro a oito dias, dos afamados fa-
bricantes E. N. Welch.
Graixa em latas grandes da bem conhecida marca las. S. Masn (de Pbiladel-
phia).
Superior oleo para machinas de costura.
Agtilhas para as mesmas.
Breu em bar icae grandes e pequeas.
Vende-se tambem:
boiidi:ai\
1.a qaalidade.
:st. Estephe.
St. Julen.
[c. Margaux.
G. Lafitte.
I Medoc.
PORTO
i1 qualidade,
Principe Real.
Pedro V.
Mara Pa.
Princeza D. Isabel.
Vctor Emmanoel.
Duque.
Malvazia.
Vinho fino do Porto em barris de 5/, 10/ e 20/.
Superior vinbo do Rheno.
Gera de Lisboa em velas e em grnme.
LOJA
RA DA CADEIA Jtf< 56 A,
Continua a ter grande e completo sortimento de
Machinas americanas pura descarogar algodo
dos melhores fabricantes de 10,12, 14, 16, 18, 20, 23,30 e 35 serrotes qoe as vende por preco resu-
mido, em cooseqnenciade ltimamenteu ter receido de conta proprla dos Estados-Unidos.
^m.
Procisa-fe alugar urna escr.iva que saiba
cosinbar eeogommar, ou pessoa livre que
se preste ao mesmo servico: na i
Guia sobrad? deum andar n. 7.
Est
brado dA,nt
roa
o primeiro andar do so-
Verdes n. 86 : a tratar oa
n. 9,1 andar.
Vasconcelles correlor gersl mu-
ri da roa do Torres n. 18, para
n. 7, primeiro andar.
Cortes de laa escocesa para vestido a 35 o cor-
te : na rna da Imperatriz n. 52. loja da porta lar-
ga, junto a padaria franceza, estao se acabando.
Chales de renda
Paredes Porto, na ruada Imperatriz o. 52, porta
larga, vende chales de renda de cores com peque-
o toqne de mofo, a 35500 e 45, fazenda de 105
el25000.
120
Para ronpas de eseravog.
. Paredes Porto tem para vender chita azul e ris-
cado proprio para o fim cima a 120 rs. o covado,
qualquer pe* que o mtBTLSVt rootaS^IftarS SST
desuno nue elle tomn oarticioar na nadarla m. : r?_a,oa_'mPeratrlz n> M Pm larga JQDt0 a Paoa
destino que elle tomou participar na padaria aci
ma qoe finara' agradecido.
Escravo fgido.
No dia 15 do corrente pelas 7 horas da noite
pouco maisou menos, desaopareceu da toa do Li-
vramento n. 4, om t-.-cravo por nome Nicolao, ida-
de 21 a 22 annos pouco mais ou menos, estatura
regular, cor parda e om pouco acabocolado, pou-
ca barba e leda crescida, cabellos caziados, levou*
vestido calcas de rUcadioho de quadros, camba
de chita encarnada e chapeo de palha na cabeca,
tinha vindo do seriflo povoa;ao de Daiza Verde
d'onae natural, para aqu ser vendido : roga-se
pois a todas as autoridades, capitaes de campo ou
qualquer pessoa que o possa aprehender levar a
ra cima indicada que sera' generosamente gra-
tificado_____________________________
Fogio no da 7 do corrente, a escrava criou-
la de nome Antonia com marca de bexigas bem
salientes, rosto comprido, levando vestido de chita
com listras amarellas e cor de caf e outro novo
com palmas e um chales rio, e outro de quadros
foi vista um desses dias para o lugar de Sant'Au
na : qnem a pegar leve-a a ra da Ladeia n. 10,
que sera' recompensado.___________________
ria franceza.
Grande pechincha.
Paredes Porto esta' vendendo riscado francez a
200 rs. o covado : na ra da Imperatriz n. 52 ar-
mazem da porta larga jodio a padaria franceza.
Para luto.
Laas pretas com salplces brancos a 400 e 500
rs. o.covado : na rna da Imperatriz n. 52 junto a
padaria franceza armazem da porta larga.
1,0400
Chapeos de sol.
Vendem-se chapeos de sol de panno
urna grande pechincha s para acabar :
Imperatriz n. 52 armazem da porta larga de Pare-
des Porto.
A 10500.
v -Miem-se pegas de tranca preta para enfeites
<*' vestidos, sootembarques, capas de senhora a
: OO com 10 varas, orna grande pechincha : na
ra da Imperatriz n. 32 joolo a padaria franceza.
PEDIDO.
3w
o
C_
Faltando a irmande de Nossa Senhora Mi [dos S5'gg'^|oO-S-<
> >- o s ra 31 H a
S o a O O "i rr'-< as o O a 0
Homens 4 chapas (00 insignias) de mesarlos, por
isso o Ihesooreiro que foi do aono de 1864 a 65,
pede encarecidamente a pessoa qoe as tiver por
esqucimeoto em seo poder o favor de as mandar
entregar na ra da Cruz 0.60, loja de cera, que
se Ihe ficar ibrigado.
Precisarse de urna ama de leite : na ra das j
Cruces n. 42.
CE
2.-,
- 3 a
"OTO*.
?3 s rzg
ce
h.
W
COMPRAS
Compra-se ouro, prala e pedras preciosas,
em obras velhas : na ra da Cadeia do Recite,
cja de ourives no arco da Conceicio. ^___
MI|! il lilis
^ 3 a* o a. c. o 5 P
S H m. Ma^S" B
flfll sfil
w> u> rs n s
o
B9
o.
Compra-se carosso (sement) de algodo : no
armazem de algodo de Sannders Brothers & C
no caes de Apollo.____________________-
Compra-se orna casa terrea em qual-
quer ama das ras desta cidade, e que nao
seja em travessa: a tratar na ra de Hortas
casa do fallecido Loureiro.
Compra-se om escravo que seja mo^o, sadio
e sem vicio : na roa larga do Rosario n. 34, bo-
tica.
Cofre.
Compr-se um cofre em segunda mo : no ar-
mazem da^bolla ama relia no oito da secretaria
da polica.
Cobre, lato e chambo.
Compra-se cobre, lato e chumbo: no armazem
da bola amarella no oito da secretaria da polica.
Compra se om
Crespo n. 17.
escravo peca
na ra do
Ouro e prata.
Em obras velbas : compra-se na prac> da ln
dependencio o. 22. loja de bilbetes. _______
Compra se nma escrava qoe saiba bem cosi-
nhar: a tralarno armzem da ra do Apollo nu-
mero 43.
VENDAS
F0LH1NHAS
'PARA 1866.
Acabam de sahir luz as folbinbas de
algibeira e de porta para o armo de 1866, o
mais correctas possivel tanto no calculo das
las e eclipses, como Das diversas festas
que a igreja celebra; vendem-se nicamen-
te na livraria da praca da Independencia,
160 ris as de porta e 320 ris as de algi-
beira.
Azeite de Garrapato
Vende-so azeite de carrapato sem mistura, em
barris de tercos e quintos, por menos que em outra
qualquer parte : no caes do Ramos n. 16.______
Vende-se ama escrava peca, crionla, de ida-
de 20 annos, com boas habilidades e boa conduc-
ta, nm escravo peca de idade- 20 annos, nm mol
lindo moleqne de idade 13 annos : oa travessa do
CarrooD. 1.
Vende-se cerveja Bass, primeira qualidade
na ra do Trapiche n. 14,1 andar.
No escriptorio de Jos Mara Palmeira
do Corpo Santo o. 4, vendem se :
Tremocos ebegados ltimamente.
Velas de sibo de Hollanda novas. .i.%
larg
Gaz, gaz, gaz,
Gaz em latas o melhor qae tem vindo ao mer-
cado desembarcado ltimamente e vende-se por
preco barato : na roa da Cruz do Recite n. 37,
Junto a loja de fanlieiro estabelecirnento de Joa-
quim Fermndes da Costa.
BS. -5-
ce 5
ai
3 .55
r o
B
t
f
.
o
O
i
'" OS
EW
Acaba de ebegar impressa para piano esta linda
e desejada qoadrilha eztrabida da oprela cmica
d e OrTenbak, pelo director e regente da orebestra
do tbeatro de Santa Isabel, Colas filrto.
A' venda em casa do Sr. Domont na roa Nova,
armazem de mnsica. Cadaeiemplar IfloOO. 1
Vendem-se garrafas e botijas vasias e lava
das: oa roa da Soledade n. 38.
colares Royer oa colare
'.. daos
para facilitar a denticlo das criancas e preserva-
las das coovulses.
O feliz resaltado obtido immensas vezes pela
prodigiosa forca magntica dos colares Royer, nos
casos de convoIsSes, e denticlo das criancas, tem
altamente elevado o seo bem merecido prestigio,
e hoja j se pode diier qoe estao geralmeote con-
ceitoidos, e estimados de mnomeraveis pais de
familias : de uns porque do oso desses salatares
colares viram salvos ao perigo seus charos fllhi-
nhos, e de ontros porque colheram daquelles to
proficuo ezemplo para igualmeoie preservar os
seos. Assim, pois, a agoia branca, teodo em vis-
tas a otllidade e provea desses prodigiosos cola-
res anodinos ou Royer, mandn vir o novo sorti-
mento que agora receben, e continuar a recbe-
los para que em tempo algum a falta delles possa
ser funesta aos pais de familia, os quaes ficaro
certos de os acbar constantemente na roa do Quei
nudo, loja d'aguia branca n. 8.
Pechhicha
Vende-se a taberna da ra da Guia n. 36 pro-
prio para principiante, e o motivo se dir ao com-
prador.
Vende-se um sellim inglez
pouco nso e por prego razoavel :
zes n. 41 A.
Veudese urna masseira de amarello em ner-
feilo eftado, e mais pertences para orna padaria,
na estrada nova, segunda taberna a direita, depois
do sobrado grande : a tratar na mesma, das 4
horas da tarde em diante.___________________
Cerveja gelada
Ha diariamente a venda por preco commodo
no armazem da Liga, ra Nova n. 60._________
Vende-se om cyhodro para massas de pada-
ria : na roa do Rangel n. 9.^________
machinas!
JooQuerino de Agilitar di C. vendem machinas
para descarocar algodo ; em sea armazem de fa-
rioha no caes de Apollo o. 83.
da Imperatriz, V 60
DE
GAMA LOJA B AriMAZEM I>F. FAZENDAS.
Tendo os propietarios d-.-te grande esiabeleci-
mento feito nm grande ahatun-ut'.i em moitas de
snas fz"ndas, pela occasio do ualanco que derain
no ultimo de dezerubro de i86o, resolveram vender
muito mais barato do que co>iumam aflm de rada
vez mais agradaren) aos Seus Lustrosos fregu
zes; por lauto Ihes olTerecem um avulado sorti-
mento de fazendas francezas, inglezas^pls quaes
vendero mais barato do que em outra qualquer
parte, comprometiendo se a mandar levar qualquer
fazenda em casa dos fregmzes que nao poderera
vir a loja, ou a darem as amostras, deixando flear
o penl-.or, assim como convidara as pessoas, qae
negoclam em menor escala que neste grande esta-
beleeimento encontraro um grande sortimento
tanto a retalbo como por atacado, vendendo-se-lhe
apenas pelos precos que compram as casas mgle-
zas, sendo com o dioneiro a' vista.
Pechincha a 30OOO e 905OO
AS MELPOMENES DO PAVAO.
Vendem se bonitos coites de melpomene para
vestidos de senhora?, sendo dos padres mais mo-
dernos pelo baratsimo preco de 3000 cada um.
Ditos de indiana, tendo oito e meia varas, pelo
baralissimo preco de 250O rs.
Isto para acabar na leja do Pavao, ra da Im-
peratriz n. 60, de Gama c Silva.
As toallas de li lio to Fa\ao.
Vendrm-sj superiores toalhas de linhos para
rosto pelo ijiriii-a.iiio pirro de 7jiuO0 a duzia ou
a 640 cada urna.
Guardanapos de linho adamafcado para meza a
2800 a duzia ou a 240 rs. cada um.
Superior atoalbado de linho cora oito palmos de
largura sendo branco e pardo, e vende-se mais ba-
rato do que em outro parte, na leja do Pavao na ra
da Imperatriz n. 60 de Gama & Silva.
Os corpinhos ae seda pretos do Pav3o.
Vendem-se os mais ricos corpinhos de seda pre-
tos, ricamente enfeitados, uelo barato prego de ii>
cada um : na loja do Pavao na ra da Imperatriz
n. 60, de Gama & Silva.
Corles de cotim para calcas
a 1,1120 $6 o Pavao.
Vendem-se superiores curtes de cotim, fazenda
mnito encorpada para caigas e paiitots, tendo pa-
dr5es esenros e alegres, e vende-se pelo barato
preco de 10120 rs. o corte de calca ou a 320 rs. o
covado, sendo esta fazenda grande pechincha pelo
preco.
Bnm pardo entraado a 700 e 800 rs. a vara.
Dito liso multo encorpado a 640 e 700 rs. a vara.
Dito branco entranc.ado a 15280 rs., isto pe-
chincha na loja e armazem do Pavo na ra da
Imperatriz n. 60 de Gama & Silva.
Os cortes de cambraia branco bordados na
loja do Pavo.
Vendem-se os mais ricos cortes de cambraia ri-
camente bordados com barras e babados a 200 ca-
da um : na loja e armazem do Pavao na ra da
Imperatriz n. 60, de Gama & Silva.
Ricos vestidos a 8*000 rs.
pechincha admiravel.
S o Pavo receben pelo ultimo vapor francez
nm grande sortimenlo dos mais ricos corles de
vestidos transparentes com lindas barras e enfeites
de seda, sendo estes vestidos muito proprios para
{baile* e passeios, e vendem-se pelo baratissimo
j prego de 80000 rs. cada um, na loja do Pavo na
a 10400 e ra da imperatriz n. 60 de Gama & Silva.
na roa da i Cortes de chita a 2*000
s NO POVO.
Vendem-se cortes de chitas inglezas com dez co-
vados a 20.
Ditos com onze covados a 20200.
Ditos com doze covados a 20400.
Ditos de chita franceza com dez covados a
30200 s na loja e armazem de fazendas do Pavo
na rna da Imperatriz n. 60 de Cama & Silva.
Os chales pretos de renda do Pavo a $,$000 rs.
Vendem-se os mais ricos chales pret< s de renda
com quatro ponas, senda muito grandes pela ba-
ratissimo preco de 80.
Ditos de goepure a 130, 180, 200, 230.
Retondas de dito a 100.
Manteletes de renda, lazeuda muito superior a
: 150000.
Capas e sauthambarques de grosdenaples bor-
I dados, fazenda inteiramente nova, por precos mais
' baratos qne em outra qualquer parte.
Isto Da loja armazem do Pavo na ra da lu-
' peratriz n. 60 de Gama & Silva.
Para luto vende 0 Pavo.
Selim da China com 6 palmos de largura, fazen-
: da preta para luto, propna para vestidos e ronpas
para homens, sendo esta nova fazenda sem lustro e
' de muito boa qualidade, garantindo-se nao tirar
i russa com o tempo e vende-se pelo barato prego de
, 20 e 20300 o covado, assim como neste estabeleci-
i ment tem nm grande sortimento de todas as fa-
zendas pretas como sejam cassas e chitas pretas,
laas tapadas e transparentes, princezas, alpacas,
sarjas, etc. : na loja e armazem do Pavao ua ra
' da Imperatriz n. 60, de Gama & Silva.
Os ba:5es do Pavo.
Vendem-se superiores baldes de mugulina com
moila roda a 50., ditos crinollnes com 3o arcos a
30300, ditos com 20 e 23 a 30, ditos para meni-
nas, sendo brancos e encarnados a 20 e 20500 :
na loja do Pavo na ra da Imperatriz n. 60, de
Gama & Silva.
Oschales de pavo a 2ooe e 2boo rs.
Vendem-se chales de merino estampados a 20
e 20500 cada um.
Ditos de merm liso a 30300.
Ditos estampados de crepon a 60, 70, e 80000.
Ditos pretos bordados com franjado seda a 140.
Na loja e armazem do Pavao na roa da Impera-
triz n. 60 de Gama & Silva.
Cambraias de forro a 1^600 e 2# na loja
do Pavo.
Vendem-se pecas de cambraia de forro com no-
ve varas cada pega, pelos baratissimos pregos de
10600 e 20 : na loja e armazem do Pavo na ra
da Imperatriz n. 60, de Gama & Silva.
Os cortinados do Pavo.
Vendem-se superiores cortinados adamascados
para camas pelo baratissimo prego de 10 cada par, I
ditos muito nos ricamente bordados para camas
ou janellas a 150, 208 e 250 o par: na loja e ar-'
mazem do Favo na rna da Imperatriz n. 60, de
Gama & Silva.
Panno preto a 20 na loja do Pavao.
Vende-se panno preto. fazenda muito boa, pelo
barato prego de 20 o covado, dito mnito Ano a
30500, 40, 50 e 60, assim como casimira preta de
cordo a 20 o covado : na loja do Pavo na ra da
Imperatriz n. 60, de G- Cortes de laa a Maria Pa na loja do Pavo.
Vendem-se os mais ricos cortes de la a Maria
Pia, pelos baratsimos pregos de 70 e 8&~ ditos
muito finos a 100, 120, 160 e 200 : na loja do
Pavo na roa da Imperatriz n. 60, de Gama &
Silva.
Os espartilhes do Pavo.
Vendt-m-se urna grande e variado sortimento de
espartilbos dos mais bem feitos que tem 'vindo ao
mercado, sendo de todos os tamanhos, vendendo-se
por um prego mnito razoavel : isto na loja do Pa-
vo na ra da Imperatriz n. 60, de Gama & Silva.
Silezia para saias a 44o rs. a vara na loja
do Pavo.
Vendem-se silezia ondeada sendo fazenda mnito
boae proprla para saias, pelo birato prego de 440
rsr a vara : na loja do Pavo na ra da Impera-
tri n. 60, de Gama & Silva.
As talas bordadas do pavo. ,
Vendem-se saias bordadas sendo fazenda mnito
boa, sendo ricamente bordadas e com moita roda
vendendo se pelos baratos pregos de 60 80 e 100
res cada nma na loja do Pavao na rna da Impera-
triz n. 60 de Gama [Silva.
Pecas de madapulo infestado.
Vende-se pechlncbas de madapolo entestado
com 12 jardas cada peca sendo fazenda mnito su-
perior pelos baratissimos pregos de 40 e 50 rs. na
loja do Pavao na ra da Imperatriz n. 60 de Gama
& Silva.
Bretaribas de rea a 3$000
Vendem-se pecas de brewnba de rolo com 10
varas cada peca, pelo baratissimo prego de 30 :
na loja e armazem do Pavo, roa da Imperatriz n.
60, de Gama & Silva.
Cortes de cambraia com palmas na loja do
Pavo
VeBdem-se cortes de cambraia branca com pal-
mas, sendo fazenda muito boa, pelo baratissimo
prtgo de 20300 para acabar : na loja e armazem
do Pavo na ra da Imperatiiz n. 60, de Gama &
Silva. 1
Le i-eos braneos a l0OO res a
duzia.
Vendem ?e ler eos braceo* fazenda mnito boa
pelo Iaratissirro ireeo de 0 a duzia, Ditos com
barra de dr a 2,5000 isto para acabar na loja do
Pavo na ma da Imperatriz n. 60 de Gama "'GR..RDE PECHINCHA!
Lasifilias a 120 rs. oa laja do Pavo.
Vende-se lasinhas pretas proprlas para Into sen-
do boa fazenda a 120 rs. o covado. Ditas multe
finas de quadrinhos a 480 e 320 rs., ditas entesta-
das a 400 rs., ditas mathizadas a 320 rs., ditas
transparentes com palma de sedas 400 rs., ditas li-
zas e com salpicos a 500 rs., para acabar na lija e
armazem do Pavo na ra da Imperatriz a. 60. de
Gama & Silva.
Poupelinas modernissimas a 400 c 300 rs.
o covado na loja do Pavo.
Vendtm se poupelinas muito finas sendo fazenda
muito moderna de. quadrinhos e liza vendendo-se
pelos baratos precos de 400 e 500 rs. o covado na
loja do Pavu na ra da Imperatriz n. 60 de Gama
Suva.
Cirosdenaples prets do Pavo.
Vendem-te superiores grosdenaples pretos pelos
baratissimos pregos de 10500, 10COO, 10800 e 20
o covado, sendo fazenda muito boa, s para ac-
bar : na loja e aru azem do Pavo, roa" da Impe-
ratriz o. GO, de Gama & Silva.
Bramante de linho do Pavo.
Vende se superior bramante de linho cera 10
palmos de largara, prrprios para lences, pelos
baratissimos pregos de 20 e 20600 a vara, assim
cuno panno de linho muuo fino pelos baratissimos
pregos de 640,700 e 800 rs. a vara : na loj; e ar-
mazem do Pavo, ra da Impe-alnz n. 60, de Ga-
ma i Silva.
As Vendem-se cassas muito superiores com lindos
padres, p>-los baratos pregos de 300 e 320 rs. o
covado, dius mnito finas a 360 rs. para acabar :
oa loja do Pavo, rna da Imperatriz n. 60, de Ga-
ma & Silva.
Cambraias lisas do Pa\o.
Vendem se pegas ae cambraia lisa muilo supe-
rior, pelo barato preco de 302(0 e 3,8500 a pega,
ditas muito finas a 50, 60. 70 e 80 : na loja e
armazem do Pavo, la da Imperatriz n. 60,'ae
Gama & Silva.
PECHINCHA I
a 2-jOOO. para calcas, s o Pavo.
Vendem se superiores crtts de meia casemira
com msela de seda a 20, ditas Ganbaldinas a
20800, ditas escoras a 20800, oa a 10600 o cova-
do : na luja e armazem do Pavao, ra da Impera-
triz u. GO, de Gama & Silva.
PNTEA.DORES
ou roupes de cambraia bordados proprios
para as senhoras veslirem de manlia.
Chegou esta novidade paia a loja do Pavo,
muilo lindos e de melho: gosto at boje, por pre-
os muito razoaveis : na loja do Pavo, ra da
tnperalriz n. 60, de Gama & Silva.
ec
Na roa do Qoeimado n. 40
Cortes de laazinha de cor, bonitos gostos, rom
15 covadus a 30600.
Cassas organdys de cores, covade a 240, pegas
de algodaozlnho largo com 17 varas a 40.
Ditas de dito com 17 varas, muilo encorfi.de,
com pequeo defeito, a 40300.
Grosdenaple preto mnito superior, covado --.
Dito dito a 10600.
lletondas de renda preta a 100.
Chales de renda preta a 80.
o
com arreios, com
na ra das Cru-
LantljOlas.
A loja da Aurora, na ra larga do Rosario n. 38,
receben sortimento de lanlij'olas molto delicadas e
proprias para qualquer enfeite, assim como tam-
bem reeebeu luvas de Jouvin 1 -"reas e de ores
para homem e senhora, muito i .-.-as, chindas
pelo ultimo vapor, tudo isto na Iujj da Aurora,
ra larga do Rosario o. 38.
Carnaval
A ioja da Aurora, na ra larga do Rosa io n.
I 38, veudem-se Iuys de peluca mofadas a 500 rs.
cada par, ditas de seda lambam com mofo a 100
' rs. o par, muito proprias para brincar estes dias
do carnaval : na ra larga do Rosario n. 38.
ttenclo I
Atten^ao!
Atten^ao!
Grande sortimento de fazendas pro-
prias para a quaresma.
Acaba de chegar a este novo estabelecimente
um grande e variado sortimento de fazendas pro-
prias para a quaresma, a saber :
Gr sdenapUs preto a 1$600 o covado.
Vende-se um grande sortimento de grosdena-
ple a U600, 10800, 20 e 20500 o covado ; dito
mnito superior a 20800 e 39 : na rna da Impera-
triz n. 72. loja de Goimares & Irmao.
Moriantique preto a 2rJ800.
Vende-se om grande sortimento de moriantique
a 2$800, 30 e 30500 8 covado.
Chales de renda pretos a 8A000.
Vende-se tambem nm variado sortim uto de cha-
les de renda a 80, 90500 e 160 ; ditos mnito fiaos
a 110 e 120; ditos de seda fazenda mallo fina a
200000.
Retondas pretas a iO#.
Vendem-se re tondas pretas pelo barato prego de
100 e 110 : na roa da Imperatriz n. 72, loja ce
Guimares & Irmo.
Grande pe bincha panno preto a 2#000 o
covado.
Vende-se panno preto proprio para caigas e pa-
itis a 20 e 20200 o covado ; casimiras pretas
a 10800, 0, 20400 e 20300 o covado.
E' mnito barato cortes de casimira a 300.
Vendem-se cortes de casimira preta a 30300
40 e 40500 ; dita muito fina a 60.
Admira cortes de brim de teres a
i, 280
Vendem-se cortes de brim de cores para caiga a
1080,10600, 1080) e 20 : na rna da Iroperairx
o. 72, loja de Guimares & Irmo.
E' baratissimo a 120 ris o covado.
Vendem-se riscadinhos muilo proprios para ron-
pa de escravos, a 120ris o covado; ditos escoce-
zes muito finos a 240, 280 e 300 ris o covado.
Cambraias lisas a 3.000 < s. a peca.
Vende se um grande sortimenlo de cambraia!
lisas pelo barato prego de 30, 30500, 40, 40500 e
50 ; ditas muilo finas a 50500 e 60; ditas vid ra
a 60500 e 70; ditas de nma vara de largura a 80
e 90 ; ditas pira rorro a 10600, 20 e 20200 : na
rna da Imperatriz n. 62.
Chitas francezas largas a 260 ris.
Vende-se nm grande sortimento de chitas a 260,
280, 300, 320 e 360 rs. o covado ; ditas preciares
a 400, 440 e 500 rs.
Cambraias de cores a 280 rs o
cavada
Vendem se canilraias francezas a 280,300, 320,
360 e 400 rs. o covado.
LazinhiS a 3co rs.
Liazinhas de quadrinhos a 300, 320, 360 e 400
rs. o covado ; ditas muito finas a 500 e 560 : na
rna da Imperatriz n. 72, loja de Guimares & Ir-
mo.*.
Cortes de. 15a a 50000.
Acaba de chegar a este importante estabeleci-
rnento nm sortimento de cortes de la que se veo-
de por 80 e 50800; ditos a Maria Pa, fazenda
muito moderna a 12, 140, 180' e 200 ; ditos coa
camisinha, cinta e grvala a 250 e 280.
ROOPA FEITA.
Vende-se nm completo sortimento de roupa bi-
ta felta. assim como sejam palitots, calcas, coleles,
camisas francezas a 10600 e 1800 ; citas finas a
20 e de linho a 2500, 30 e 30500 ; serootas de
10200,10400 e 10600, de linho a 20 e 20500 : na
ra da Imperitriz o. 71, loja de Guimares & Ir-
mo.
.


:


fturle de +er*H*Wt* Nafcbaffo I S^tfeaci'iiro de
1866.


)
PARA A QUAHHSIIJl
Chegaram a loja-de Augusto Porto & C.
iiRua do Queimadol
Supncieres cor*s-de sed* -preta.
Moimntlnraar0T[> Grosdanapie prelo de diversas larguras e qnsbdades.
Retndavbooroas e-ennles da gnlp e Pannos prelos, MlM pfeua^bonannnioa!.
Laas,.canino, merino e-netostrinas pretas.
Liodas-maaUs d* seda {ara pefeo?o.
Ricos certa de ri* de orea para bules ou calamento;
Rio* corlioadw aadidos dos nuls boHosdesenbos.
Moir branco, seda Srauea, eapettas e mantas pwnaoivas.
Helia* colchas de seda e de la e seda para cania de Boiras.
Saias de ffolsslma carobrala ricamente- bordadas.
Pazendas de pregas para saia que se fazera coni uma>s costura e tambem tem
o crdio wetdo.
Madapoln frm?e;'. a 400 e 480 rs. a tara.
AtealrffaVtfatirinrssatM'e gabinetes a-480 rs. o corado.
Paienda-ef peeftrl de qnadros pnra fuer redes a 3*500 a vara.
Superiores osteicas da India para salas.
HRa do Uneiraado11
ti
com
i
GOWWK O SEI> A
Chegaran pelo paquete inglez riquissimos cortes de moTBantlqae de cores, e seda ravraaa pa-
ireas inteirawente novos. unr,/\ a
Seda de quadros por 1#000 o covado
5-RM DO ESP0--5 ^
Gregorio Pac do Amaral fc Compaobla.
K09O8 GEREHTES
0OS
TIIFS (HAMHS
AHUNS BE B0LJUnOS
DENOMINADOS
PROGKESSIVO pateo do Carmo n. 9
MJO E COMMERCK) roa do Queimado n- 7.
VEROADEiRO PRINCIPAL ra do Imperador o. 40
DE
(JKlMMft DWMGIC
DO
DR. fEWBDfrffPTAUYW: fcOBO MOSTOSO,
Dito rartkiro k or* hado*.
3Ra da Gloria, casa do FanAb-^-3
Dr. Lobo Mosco d'consultas gratititft aoa>|tt>res' todos os das das 7 s II
aoraeda raanao>odes -exmela s 8>hesa*Wo^,e*esrjeodes dias MBficados
Wamaem tspmMmrmg^spmhka
No mesmo consultorio ba sempre o mais appropriado sortimento de cartiras
tubos avulsos, asstai como liruara* varias dvftnslMfaar}* e pelos precos seRuintes
Carteires-'d* fe rft>os-grr&s. 12*000
de" tblWSgWffdes. ISJJOO
(WJ36 4atloTgWWes. 240000
deWtira% graddes. 3040O
de Wtttos grJffides. #8000
raror-mxOfiber' caf tra eflaforme o pedido que s'fcer7 e com os remedioi
?S
TOARESRVALHO PBMftA *C.
Fazem seante ao respeitavel publico, e'cora especialidade aos senhores de en-
genhos, lavradores- e mais pessoas do centro, que para mais facilitar suas compras deli-
beraran* os pFOprtartos dos tres grandes armazens, reoair todos os seus estabeleci-
avaotos em um so anuunoio, pelo qaal o pre^o de um seta de todos, promette-
mos que Dio infringiremos a tabetta- qfe abaixo vai publicado, annunciar os gneros
por orapreep,- -a semae- da compra*qaetereni- por ootro, cofflosocede constan**
mente em outras muitas-caaas, perem nos nossos estbelecirrjeutos ao se dar isto
anda mesmo com prajuizo nosso, cwatquer pessoa peder omndar seas fmulos que
er5o tambem-setwdos cofflo viessero'pessoalmente teendow o ftrvor de" mandar seos
pedidosem cartas misadas; para evitar "qualquer engaos, remetindonosoraacoBta
pela qual se ver-- os1 presos- tal qual annunciarmos, o que seniio arrepender pessaa
Para vestidos de senhora.
Cortes de seda de cor de bom gosto e superior qnaHdade.
Lindas sedas de quadrinhos.
Bons moireanUquos de cores.
Grosdenaalea dd todas as cores.
Lindo9 Lindas daquesas assetinadas faienda inteiramente nova.
Modernos ?rearJtfie8>de seda o que tem vindo decaais noy.
Grande variedadeile45a3 de cores lisas e de sarpicos.
Onjandys e cansas de mnito bora gosto.
Percalws modernas om-grande- variedade.
Lindos cortes de liia Clotilde com todos os porteaces cada um em-seacar-
[tao iateiramente no vos.
Bws cortes de catsa*con barra tambam inteiramente novos eoutrascwrtas
fazendas de gosto que seria enfadonho mencionar.
Para hombros de smhora
P Grande variedade dechales, boarnous, retondes e algeriennes de fil e de;
guipare a 10, 16, 26, 30, 40, 60 at 80fl.
Modernos soutembtrrques de seda de superior qoalidade.
jB Lindos bertesde seda de cor pretes e de cachemira.
Ilem de ca/abraia'branca bordada com muito gosto.
PSaaterabarqaes e'ltrrw)mc de cacbimira de cor e outros muitos' artigos de
bom gosto. .
Para cabeca de senhora
| Sapefiores chapelinas de()alha, de*seda e de crina de muito bom gosto a im
ffp peratriz.
M Chapeos de palha da-Itaa grande varredade.
"*? Lindos gorros e tanate de pulba de Italia, Imperatriz, Canotier,
& e a Grante, ebegados de Paris pe'o ultimo vapor.
im Grande variedade de enfeites de froco e de flores para MMlinnlO,
'&L Siiperioresvestidos deblonde, e de moireantique brancos.
^ BonsTmireirrtiqaes brancos e superiores sedas brancas.
T Bons vestiiios t tartatana branco bordados.
&b Lindas mantas de blonde e boas capellas.
Bordados.
# Grande variedade de entremeios bordados transparente e tapados.
Tiras bordadas transparentes e tapadas, babados bordados, saias bordad
i, outros muitos artigos.
f najt das cwLUWfiS
4NTONIO CORREIa !>E VASCONCELLOS & C.
ni! A DO CRESPO M. 13
'i "por cBBtoTia soa;desp;a diaria.
Manteiga nglflta'pBrfeitamente fl6r che-
gada ultinrmeite a 1 ,ooo rs. a libra, e
em-bwriltaraatottaftiito.
MaBtelg'1ranwza,da:isafr newa^oo rs.
a libra e em*arrihter& abatimemo.
BANfTA
Banta finad sapertor a 64o rs. e em
barril ter atetimemo.
C1H4
Cha uxim de primeira e superiir^tialida-
de a 2,8oo rs.
dem hysson o mellior neste genero a
2,6oo rs, e sendo em porc5o ter abatimen-
to, tambem ha-proprio para negocio de i a 36o rs. a libra.

DE
Hll DO BRUM IX. 39o
O proprielario deateestabelecimealodeaeia chantar aattencSo dos serrlieres pro-
prietarios aos acreJltidt* mechanistaos que continua a fornecer; os quaes garante ser,
orno sempre, da.meHor qualidade possivel:
Machinas de vapor
forca de 2 */ cavalle* para cima. As menores s5o mui proprias para motore sde
descarocamentos de aidi; as maiores para moer caona; ha ou separadamente moer canna e descarocar segundo suas praporoes. Estee vapores
sao simplissimosna construeco,e seregem por qualquer pessoa inte^aate, afacilida-
de da conduccSo sendo especialmente considerada, Unto que nio ba lugar em-que n5o
se possam conduzir, quf por trra, qar embarcado. Ha com moendas jontasoa sea
ellas e podem-se apphcar a qualquer moenda j existente sem outra mudanza do que
a ubslituiclo das roda da aimanjarra. Ellas tem depsitos d'agua e boeiros de ferro,
e nao precisam para o seu assentamento de obra algoma, qar de oarapina, qur da al-
v^naria. O tempo para assentadas nao exoele de dozo dias ao mais, e em caaos de
mortes de aniraaes ou arrombamentos de acodes, etc., garante-se o assentamento em
oiio dias. Lerabra-se aossenhores de engenho que a.venda dos animaes e o sorweo da
gante oceupada no seu tratamento os bao de recuperar da maior parte da despeza do
vapor deixando-mes a vantagem de urna moagem certa e aecelerada; eacabaado com a
ddspezi da compra continuada de novos animaes. com os desgostos do trabalhoque
se tem com elles.
Un don d'igna de ferrk mui matieiras e
d'agua.
^arilhoa eom ernzetns de ferro para as mesmas, quando se desage fasr
e resto da roda de madnira, tomande-se atslm a roda -ligara no tratralho.
Moeaada de canoa- de todos os tamaitos, desde as mais pequeas chama-
.s do serto. Obra perfeita em foitio e-acunhamento.
Rodas de espora e augul;res de todos os tamanhos e proporces.
PH*oe ota eoehoa para receber o caldo.
Orive de foMw para assent amen tos, frescos para o foguista, fazendo,
c; .deca.r com poocoeombnstivel, e duradouro.
Portas de fornalha de todos os tamanhos e de diversos systemas.
Pomos e naulonos para a fabrica de fariima e taaabem chapas redonda
para fornos pequeos.
OoMhas simpes e de repucho.
Talias de ferro balido e fundido ede cobre.
Foranas de ferro batido galvanisado para porgar acucar, leves para carregar
e i templos de quebrar-se.
llamhiqoes de ferro de todos os tamanhos, costando s a terca parte do
prego dos de cobre, mais regulares na distilla?So e igualmente doraseis.
ISixos e rodas de carro com tnaag s de patente, obra mol segura para
carregacao de peso.
Arados, grades, cachados a caballo e outros instrumentos de agri-
cultura. E oalmeate todo o objecto de que possa precisar um engenho.
Ma(Mnas de descarocar algoc&o.
Na fabrica se fa/em obras novas encommeoda e coacertos, com a maior preste-
za e solidez. O grande deposito de pecas e objectos habilitam-na muito para este flm.
0 propietario str sempre mui fez de poder ter oecasiSo de dar infownaces ou
esc!arecim>3ntos aos senttores que se servirem de seu presfatto.
D. W. Bowman, eagenheiro.
tubo avlso ou frasco de tintura de meia onca 1000.
Seflflo ^para cirfiadrT costafSo os precos establecidos para as .arteiras '
Kf tolts tfis pWfeBos caua-uma %0) ret.
IITROv^.
A melhor'oaratda horoeopatUa, o Manoal dfe Medicina Hbmeopathico do Dr. Jath
dons grandes f9hMes^Bf>d*cioTJrlrj............ 40OOO
fedic,domeltia;-d6ii)r. terng........... lOfjooo
RepertWfo1* Df. MWIloraes............ 6\5O0o
**eiOrriojde termtjs de-medicir...........' 3,jooo
Os remedios'destee^tabeeeialefrto s3opor demais coimecldes e dispensam por
taHKr-de serem novamente recotomenrados as-pessoas que quizerem usar de remedios
veWBderros; enrgicos e doradores: ba'tnro'do rteiMdrqie s podedaseiarglobos de
STJSS^SS^SSS^ n*Se8 e9teto,etecittrt08' t^Pr^B>*^^1StilB6lassttBafdr^ Untura dos mais acreS-
3ta^Osjei*eiec1merjtos etrpeos, a mais exacta e-aturada prepar3o, e portanto a maior
certeztf'Btt'sensefiertos.
Vlathgre
Superior vinagre de Lisboa a 2,ooo rs. a
caada e280 rs. garrafa. Tambem'ha
mais baixo para'2otrTs. a'garrafee 14ootS; \
a caada.
Azevtt eme
Sopertoraeite doce de Lisboa a 64o rsi-a
garrafa e a 5,000 rs. a-canada.
F00 CATORAL.
Latas com superior fomocaporal a l,8oo
rs. a lata.
Patssas
Superiores passas a 2,5oo o qaarto e
9,8oo rs.: aca-ixa da arroba bespaobo+a e a
2,4oo re. a libra.
dem preto superior de l,8eo a 2,6oo rs.
a libra.
Mscontos
Latageom 'superior inscoaie iofrlae de di-
versas marcas a-11200 rs. a-tata.
Ilolaehiohas
Latas com briacbinbas da acreditada fa-
brica-de beateABtoni, proprias' para dar-a^
doeates'de2,000 a-J.-ooots. a lata.
dem com .quatro libras de bolachinha de
soda a 2,000 rs a lata.
Otreifos
Queijos' ftawgos;cbegdos pelo ultimo
vapor de 2i3oo a^.UooTS.
CHOCOLATE
Chocolate hespaahol'a l,ooo el,2oo rs.
a libra; fraBeer-osoisso a l,ooa rs. a libra
e portnguer a 800 ts. a'libra, em porcSo
ter abatment.
VtNHOS
8operiorviabo do Porto das*mais> acredi-
tadas marcas, cea sejara: Madwra Secca,
Duque do Porto, Vettie^Secco, Lagrimas do
Domo, Marta Pia, D Laiz, Pedro V, Lagri-
mas Doces e entras mercas a 1,00o a garra-
fa e 9^)00 a 12-ooore.~a duaia.
Vinbo Figootra e Lisboa das memores
marcas a 4oe-oo rs.a gawafa, ea 3,ooo,
3,5oo e 4,ooo rs. ornada.
Superior vinl ehamisso em barril a 64o
rs. a garrafa e a 4,3m re. a casada.
Suaerior vinbo da Lisboa o Rgaeira era
anceretaa de 8 e9 asadas aSi;oeo rs. a an-
coreta.
Superior vinso branco proprio para mis-
sa a 640 rs. a garrafa, tambem ha mais bai-
xo para 4oo, 5oo rs, a garrafa e 32oo a
3,5oo a caada.
Caixas com urna dozia de garrafas de so-
perior vinho Bordeaux a 7,ooo rs. a caixa e
7oo rs. a garrafa. "
CAFE
Caf do Rio de 1.* e 2, qualidade de I
6,800 a 8,2oo rs. a arroba, e de 24o a 28o
rs. a libra.
energa e
Casa de mude para eseremos.
Reoebe-se eseratos para tratar de o^alatrerenlermidade ori'faz'er-se'-lbe goalquer
efewpo, paftwyqw o abrjuHotaMo jtrtgw'strBefantemenie hSbrlttado.
irattnerjto eo^nemor'possitW-, tasto H9*pafte'aliareirtaT, como namedca,
timMGtmikt* eas*,ba,m%iSideqitro awws hawaiese pessoas de cu]e conceitose nao
pfjde devWtar, qae pode ser constrados'por qirtlles qae desejarem mandar seus
doentes.
Paga-se"2f pw da dnraote 60 dasetTabi-em diante 1)5500.
A^-'opeTa?5es'srao'preivt8mente ajostadas, se'K5ose qizerem sujeitar aos -precoi
rawaveis1 qtte coewmwpedr' o'aiiBtiiieiefiie.
GE*EBltA
Genebra-deiaranjarerdadeira a 0,600 a
duzia e l.ooo rs. aofraseo.
Genebra de Holkmda verdadeira a 6,000
rs. afiasqueira e a 56o rs. o frasco.
Idom.de HoHanda em botijas a 4oo rs. ca-
da ums.
Garrames com 24garrafas da genebra de
.Hotfanda a 8,000 rs. o gttrrdfao. Tambem
ha garrames com 5 e 14 garra&s de'3,2oo a
6,000 rs. cada um.
VEHAS
Velas despnamete a 64o rs. a libra.
dem de carnauba de lo a f2;ooot3 a
arroba e de 36o a 44o re. a-libra.
PE4XE
Pixe em latas j preparado^ de f.ooo a
1,200 rs. a lata
ALPISfA 0 PAIWQO
Alpista e pataco tatito novo de 3,8eo a
4,000 rs. a arroba e de 140 e 160 rs. a li-
bra.
CHARUTOS.
Superior charatas do fabricantes Simas,
Imperiaes, Delicias, Parisienses e outros de
2.2,5oo e3,ooors. a macarxa: tjmbem
temos Suspiros, Havaneiros, Ligueiros e
ootros muitos que veademos por mdico
preco.
IJcores
Licores francezes eportuguezes a l,ooo e
l,4oo rs agarrafa oa fraseo.
Doces *
Do:e da casca dagofabaemcaixes e li-
tas a l,2ooo cak5o UJBee rs. a lata,
Prmsos
Frotas em calda e em latas fechadas her-
AKni/F.U 1>E
BE
rSTOWIO CARVAI.HO V.
27 *m m>ifiamm&TXi-i27
MadarjeBoTraMezmtrtto foo, tedopowo'mofo, cada peca com 27 varas por
10,5000.
Ll'de'ertfeea JOO rs. o oovade.
Cambraia franceza a 260 rs. o covado.
Fines orgendis a>aieo de 800 rs avara.
Lenco.brancos para algfbeira a*2#rt>0 a duzia.
Finfis perclaras a preco de 400, 440 a 560 rs. o covado.
Ricos cortes d Ka de barra de 10,5 a 350OO.
Ohales de ST preto e ootras uitas faendas.

fovidades do Yigilaate
RA DO CRESPO N. 7.
Esta estabelecimento apezar de sempre
se achar bem sortido como todos sabem,
boje mais que nunca, nao s pelo que rece-
be de sua propria conta, mas tambem pelo
que recebe de consignaces; parece sem
tdUvida que deve offerecer grandes vanta-
,gens para o respeitavel publico tanto em
mlicamente, raudo bem ofertadas conten. s como na ^^ ^ ob CQ_
do pera,pecego, ameixa ramba Claudia, al jmo acaba de ch d rJ
perche e ontras frotas a o> is. a la*a.
Tambe baratas grandes para l,2oo rs. a
lata.
AZETTE DE REFINADO
Superior azeke fraacez refinado a 8,000
rs. a garrafa e -a-d.oeo rs. a duzia.
M0LW01N61EZ SAUCE
Molho inglez Sanee e frascos grandes
NAB.IO comromade vrdro a l',8oo rs. o frasco em
Sab2o maca de primeira qualidade de 18o- a22ors. aliara
emeaito.
e de 16o a-24 rs. sendo
a
Saperior serveja Bass dos melhores fa-
brieantea, cerno sejam: Sblrs & Bett. T. F.
Asbe a'7;no^7se !*.* ea 7oors.
a garrafa. Tambara, ba de ootras marcas
como seja: Victoria e-Alcope a 5,ooo rs. a du-
zia e a 80o rs. a jarraa.
B dOHS- VASWS.
Boies vastes, leaoa ingfeaa muito pro-
pria paramantsia a-deposito da doce de 4
a 12 libras a U2oa*4,5oo.
PAR1NHA DO MARAiVHAO.
Farinha de HaranMe-a 240 rs. a libra.
SAG'.
Sag muito novo a 4oo rs. a libra.
A'RARUTA.
BATATAS.
Gigos com 3o fibras de batatas a 1,00o rs.
o gigo.
6ABDINHAS.
Catas-com satiftias deNantes e Lisboa
de 400 a 46o rs. a lata.
FUMO AMERICANO.
Superior fumo em chapa a 640 rs. a libra
ERWUlAS
Latas com er vi toas e feijao verde j pre-
parado 64o rs. a rata.
MASA DE TOMATE
Latas com 1 libra de raassa de tomate a
64o a lata.
TRRMUTH
Esta bebida mnito fresca e estomacal e
muito propria para a presente estaco. a
qnal vendemos a 2,000 rs. a garrafa e 18)5
a duzia.
Arareta verdadeira a 4oe rs. a libra.
Pimenta, cominho, cravo, caaaah. ervadote, aMicema, tijolio para limpar facas pa-
oenao cora qaaiqoer cur* |J0S pawen|eS) pjritos rje fogo, e ootros muitos^ganeros que se tornari era|oDBo
mencionar, aflancando cinceridad nos ptecos-e-o-Wm acondfcioiafcento 8e qualquer
t^enro. *
ROMANES BAMTftS
Vendem-se, aa livraria da praca da Inde-
pendencia n. 8, a 409 rs. o volme, os ro-
mancesportaguezesseguimos, em brochura:
A voz do sangue, 2 volumes.
Conneraara, 2 ditos.
A aoite de S. Silvestre, 1 dito.
O filbo de Titiano, 1 dito.
Adonis ou o bom negro, 1 dito.
As duas amadas, 1 dito.
Opach de Buda, 1 dito.
Trili.y, 1 dito.
Ignez de la Sierra, 1 dito.
Joven -Siberiana, 1 dito. L
Vende-se-sal-irosso: a tratar na roa da Ma-
dre de Dees o. i._____________a___a^.
Queijas do serto
Vndese aparta- qaeijo do serto : na
Madre de Doos, armaienvjoato a igreja.
Vende-se ama loja de niudezas con poneos
fondos em rna da Mgocio per precio muito em
conta; na mesm rasa waaaae urna raebtlia de
amarello novinha : aun pretender dlrija-se a rna
da Imperatriz b. ti, wj de entalaador qae se dlri
quem tem para vwoer.
Teeara8 para encrespar babados,
VetdeiD-fe tesouras para encrespar babados
de dsas, trts.ontro e cinco peraas : na roa do
"Farelio
m saceos grandes a 45500: dos armazens
de Tasso Irmos.
Gromma de miliio branco
americana
Esta preciosa fcula, cojas prop riada dos medi-
cinaes a impreasa europea tasto tem exaltado para
a cara das matatas do pe lo, recommenda-se tam-
bem como alimnio sadio e-ouirlvo para as cri-
anzas, prestndose a variados preparoi cuimarios.
A irerat iceitt?So qae elta tem obtido por toda a
parte o sen maior elogio : vende se nicamente
na roa do IdrpBtador n. 67, arma zeta Allianca.
Para os bailes mascarxlas.
A aguia branca esta Tendeado por barattssimos
precos, para-acabar, os ohieetoa*f utotes, qae ser-
vem mtri bem aos qe tomara parte nos bailes mas-
carados, sendo :
Meias de seda a 1J o par.
Enfeites de flores >l|,){e 3 cada um.
Fitas Iavradas de 310 a i> a vara.
Cintos largos com pomas cabidas.
chegar grande remessapelo
vapor Douro e o navio Solferino de
diversos objectos de gosto e proprios do
tempo dos qnaes se mencionrao alguns,
por nao ser possivel mencionar todos. O
dono deste estabelecimento espera a pro-
teccao de todos.
Riqnissimas caixiohas ornadas e com,
msica propria para um delicado mim.
Caixiohas de msica tanto de veio como
de cerda.
Ricos pwtrjelas^e fleeessarios.
Riquissimosest-^osaffJrUo demn-baosi-
nho ou chapeuzinho.
Ditos em casca de noz>ojeuonfros'gosilos.
Leqoes de madeperora- de sndalo e- de
faia e madeira.
Cbaposinhos e touquinbas de muito
gosto para enancas.
Meias e sapatinhos de seda para as mes-
mas.
Meias de seda para senhoras.
Capailas e grinaldas de flores proprias
para casamento.
Enfeites e capellas de moito gosto pan
senhora.
Riqoissimos porta boquete.
Boquet de flores com tuna borracbinha
com cheiro.
Luvas verdadekas de Jovin.
Ditas de -sed e de Escocia.
Riqaissmws piernas e gwaroices para
enffear chapeos.
-Oewaa enabas de aee branco, que ba
muito se desejav para enfeites.
Brincos,-Avenare cruzes de crystal.
Fivellas e cruzes de tartaraga, madrpe-
rula e dourados.
AIflnetes para gravatas.
Botoes com croas para punbos.
Gravatinhas e mantinhas de muito gosto,
tanto para hotnem como para senhora.
Riquissimos aderooa prefcs, assia como
caixinha com aleles pretas.
Bengallas de canna 00 cabo demarm.
Ditas de baleia, borracha e de outras
muitas qualidades, asjifet comochkotmhos.
Riquissimos pentes de tartaruga do ulti-
mo gosto; assim como de arregaro para
menina, pois neste artigo ha om completo
sortimento de todas as qualidades.
Diademas para cabeca do ultimo gosto.
Riqaissimas-fitasMitradas e lizas.
NWCHIfliS BE PATENTE
TJETRABALHAR MO PARA DESCA-
ROCAR ALGO0AO
pabr cio POR
PLAiT mmm & c.
OLBAM.
Estas machi-
nas podem des-
carocar qual-
qoerespecie de
algodao sem
estragar o fio,
sendo bastante
duas pessoas
para o traba-
Uo; pode des-
carocar urna
arroba de al-
godao em ca-
roco em 40
minutos, ou
18 arrobas por dia ou cinco arrobas de al
godaolmtpo.
Assim como machinas para serem movi-
das por animaes, qae deacareeam 18 arro-
bas de aigodo limpo por dia; e motores
para mover urna, duas ou tres dessas ma-
chinas.
Os mesmes tem para vender om bellsi-
mo vapor que pode fazer mover seis destas
machinas mencionadas; para o qoe convi-
dare aos setrbores agricultores a virem ver
e examina-lo, no a mazem de algod5o, no
large da ponte nova n. 47.
Sauoders Brotkers de C.
Recite praca do Carpo Santo n. 11.
Os nicos agentes neste paiz.
6 atfi^ de GrasviUe.
Traasiido d frueei por A. J. C. la Cru.
Vende-se este bello romance em qnatr
tomos pelo baratissimo preco da 300C
oa praa da Independencia, livraria na.
a&
Trancas pretas com vidriltao e decores.
Pulseiras tanto para senhora como para
meninas.
Ligas de seda e de alapdao,
Sospeosorios deseos^e atgodao emui-
FraHMsco Jos termano
RA NOVA N. 22,
acaba de receber om lindo e magnifico sor-
timento de cidos, lo netos, binculos, do ul-
timo e maia- aparado gasta atartf* e ocu-
los de ajeases para observacoes e para os
maritimos._________________._, ,-
Manual do Cidadao
Vende-*e o Manual do Cidadao em um
Governo Representativo ou principios de
Direito Publico Constitucional Administra-
tivo e das Gentes, por Silvestre Pioheiro
Ferreira, em 3 volumes broxOrados pdr 3^
da obra : na linaria n. 8 da praca da
JegpjHencia. __
fe|dem-se apefioits*reinntos de Westpba-
iB,ehlSdos no uttavapor:
n. 9,
vapor: na roa do Tr'api-
Roopas feitas de tedas-fcjMalidades
VAde-se ronpa feita, sendo cliPs de cores e
pardo a 2J, ditas de brim branco de linbo a I5S50O
e 44. caltas de caseroira preta a 5, 64 e 8J, di-
tas de core?, meia casemira, a 35 e 34500, ditas
de casemira a 65, 74 e 8, paletots de brim da
corea at#, 5*800 3*, ditos de brim branco a
a 4J50O, ditos de alpaca preta a 31 e jJL rhos de
casemira de cores f B#, 6,7, 8 e tSf, Hos de
pnnoprlna.64, 7,8e 104, colktad.cores a
14600, de casemira a 34 e 44, oarouln franceza a
1*600 e 4200, camisas franceas finas brancas e
peitos de cores a 24 e S4690, ditas ion-leus de li-
nbo de pregas largas a U*0O, 34 e 34500
rna da Impnratris, loj dn. Arara n. 56.

/
mmm


------
Url# ***fi*P< -*** 19 al t^a.ajro de
iftG.
ESGIGLOPEWr/A
* afn* 4 ia>^*r*i*Ja,.
da porta larga
Juotoa fadaria fradcrza de
Paredes Porto.
Neste estabelecimento encontrar o respeiUveJ
publico oa finado sortimento de fazendas irance-
las, liglea*, sulssas e alienases, que se vendrao
por prejo commo do.
Paredea Psrts
Vende chales de reoda.de cores que se vende-
rama l&ii est vendando por 6, dte* pretos, fa-
zenda aoa, 5*,64, 8# a 20$, um soi timento com-
pleto da nanteletus, capas e soataraliarques 144 a
25$. R da Imaeralm o. 41, junto a padarta Iras-
ceza, armazem da porto larca.
Parean Porta
Recebec um completo sorliroeoto de taasinhas a
340, e 280 rs. covdos, para acabar, umbralas de
cflr a 240 rs. o covado, riscado eseoesez para reu-
Ki da menino, fuslo de linho a 430, 400 e 509 rs.
aa da laaaratrk n. 52 junto a padaria ranceza.
armazenula pona larga.
Paredes Porto
Receben para cortinados para caira franceza a
il ape^a cambraia lisa fina a 3 \& at 101a
peca, cortes de tarlatana de bonitos gostos a 3*500
f, cambraia coro flor de seda, gpsos inteira-
mente novos a 400 e 500 rs. o covado, no armazem
da porto larga n. 52, roa da Imperatriz junto a pa-
daria franceza.
Paredes Porto
Recebeu pelo ultimo paqueta uro sarlimente de
crozas com pedrispara pescado, bonitos ejuioate
' aa para pesclo da aaahora. Roa 4a Impera tria
!, armazem da porto larga.
Paredes Porto
Vende cortes de gorgurio preto para vestido con
21 covado cada um 35*400, grsdeaaple preto a
1*600,1*800 e -21 o covado, toas liras finas a 400
rs. o covade, lias de quadrinho para vestido, entes-
tada, a 320 rs. o covado. Raa da Imperatriz n. 52,
armazem da porta larga.
Roupa feto
Ra da Imperatriz n. 62 armazem da porta lar-
ga junto a padaria franceza, encontra se aeste es-
tabelecimento um complete sortimento de paletos-
saceos e sobrecasacos, de todas as qualidades, cal-
gas, coliet's, ceronlas, camisas, grvalas, meias,
cbapos de sol, ditos franeezes para caneca, por
presos coraraodos, roupa para menino e outras
muitas tazendas por presos commodos, armazem
da porta larga.
No mesmo estabelecimento encentrara o rspei-
tavel publico, sempre nm completo sertimento de
roupas fetas de todas as qualidades, como sejam
paletos de alpaca preto e de cor, ditos sobrecasa-
cos a 41 e 5$, ditos de brim parda a zieoo, 31 e
L ATde
3*500, dius finos a 41, ditos meias cazemira
31500, 41.5 51, ditos cazemira saceos n 61, 71,81
e 101, ditw. sobreeasaeos a 10 e 125, c tos de pan-
no saceos a 61, 8J'e 105, ditos sobreeasaeos a 12J
e 251, ditos de merino preto a 62, 71 e 101, cal-
cas de brim de diversas qualidades a l800 a 45,
ditos brancos a 2*500 eOO, ditos cazemira 5,
6* e ?*, ditos pretos a fff, O*, 8* e 10*, ditos
meias cazemiras a 3*' e 4*. coletos de diversas
qualidades, seroulas francezas de algodao, ditas de
linbo, ditas de bramante a 2* e 2*500, carnizas de
algodao de lintte francezas de 2*500 e 3*. Gran-
de pecbmeba neste genero, gravatas de todas as
qualidades e brancas para casamento, grande sor-
timento de meias para senboras, ditos para homens
a 3*, superiores a 3*506 e 4*.
Un completo sortimeato de cbapos de sol de
alpaca a 3,1, ditos de seda a 5*, 7*, 10* e 14*,
ditos Trasanes para cab-ca, grande sortimento
a6*.
PechiBcha admiravel.
Grande sortroewo de chambres' -5600 e 3*y
lencas de cmbrala para hoowi a 25 a duzl, di-
tos de linho a 45 e 55-
Grande-sortimente de roupa para meninos oa-
tras nsito* qualidades que seria enfaconho mea-'
cona-la.
Paredes Porto
Receben pele ultimo paenete franca ricas lias
granadinas com flores de -sed a 400 e bOOts. o
covado, estilo- acabando-se, cambraia preto pora
luto. Port. larga Jante a padaria- reneesa* roa
da Imperatriz n. St:
Paredes Porto
Receben pelo ultimo psqaete espartilbos a pre-
guicoso por 3$, sao bons, tteos de seda para se-
nhora e hornera a ly, ricos cortes de cambraia
bordados de 18J a 7{f, por ter um toque de mof,
estao se acabando, na rea da Imperatriz .52, jun
to a padaria franceza.
Paredes Porto
Vende Km completo sortimento de fazenda
brancas, como sejam madapolo a 45500, 55 65 e
109, pecas de atcodio por barato preeo, chita fran
ceza a 2*0, 280. 380. 300 rs. o covado, precaHas
muito finas a 360, 400 rs. o covado, chita- ingleza
a 200-e 24 rs. o covade. Roa da Imperatriz n.
52, junto a padaria franceza.
Fasendas.
Vende-se superior merino preto proprio para ca-
pas do sentiora e vestWos a- i$, lustrlra da China
a 15800 o covado. Roa da Imperatriz, porta larga.
Paredes Porto.
Vende era sen estabelecimeoto tiras-e ntremelos
bordados, grande sortimento de corplnhos rica-
mente bordados a 35, 45 e 55- S o Paredes Por-
to, ra da Imperatriz no 52 -, porta- larga junto a
________padaria franceza. _______
Fazeodas preta* pera a qaaresma, grosde-
naple preto a 1(5600.
Vende-se grosdenai)!e preto multo bom a 15600,
15808, 25, 25600 e 35 o covado, moreanlique pre-
to racito bom a 35 o covado, merino preto lino a
350 covado, bombazina para vestidos de senhora
a 15400 e 15600 o covado, alpaca preto fina a 500,
600,700 e 860 rs. o covado: na roa da Imperatriz
n. 56, taja da Arara.
Panno preto hno a 2# 0 eovado.
Vende-se panno preto lino para paletots a calcas
a 25,25500, 35, 45 e '5 o covad \ casemira pre-
ta tina a 35500, 45 e 55 o corle, dita para covado
a 15800,25, 25500 a 35 : na ra da Imperatriz,
toja tto Arara o. 56.
Chales de h de linho a 8-. .
Vendara se lindos ehaJes do fil de tibbo a 85 a
105, reten di s de fil de Inho a 125, roetes da ves-
tido a Mara Pa a 75, 40* e 125 : roa da im-
peratriz, loj 1 e armazem da Arara n. 56.
Meiaaeroas ppa Baenino a 4 -ir dona*
Vendem-s; meias cras para menino a 15 a dn-
zia, chatee de menn estampados a 25, ditos de
lia a 15280, ditos de algotfo a 15, colar inhos para
homem a 5.0 rs. a Juzia para acabar : na ra da
Imperatriz 11. 56. loj* da Man.
Cortes de ganga e de brim a loOO.
Vendem-e cortes de calca para homem, de gam-
ga e brim da cores x 15666 e 15800; cortes de
tneia casemira de cor a 25300 e 3#, cortes de ca-
:-,emira preta para catea a 3550'J, 45 o 55 : na
raa da Imperatriz n. 56,
Caitas baratas a 220 o covade.
Vendem-se ebitos de cores ftxas a 220 e 240 o
eovado, dius francezas linas a 280. 320,360 e 400
rs. o cov-do, cascas de cores para vestidos a 320,
360 e 400 rs. o covado, riscado fraocez para ves-
tido a 240 o covado : na roa da Impei.ilriz n. 56.
Llazinhis para vestidos a 40 o covado
Vendem-ne laziafas para vestidos a 240, 320,
360 e 400 r;. o cdvado, ditas finas eom qoadros
de seda a 500 rs., ditas de urna s cor a 501 rs. o
covado, goli obas para seuhora a 240 e -320, man-
guitos a 15, camismka* a 15600 e 35, linas a 451
na ra da Imperatriz, loja e armazem da Arara
O. 56.
Bales de arers a 2d
Venderos^ baloes de todos os tamanhos o 25,
550C, 35, 3$300e 43 : 60 na loja e armasen}da
Arara, ra damperatriz n. 56-
Fil de linho decoris 460 o eotado
Vende-se fl 6 de iinho de cores proprio pirra
brioquedo do carnaval a 160 o covade, tapete de
cores a 500 rs. o covado, velbutitras de cores a 800
rs. ganga encarnada a 320 6 covado, panninho sat-
geltm a 200 o covado : ni raa da Imperatriz nu-
mero 56.
FABRICA A VAPOR
99 RA IX) MONDEGG 99
Deposito na roa Hova n. e tola de relojoelro.
Delouche dono* deste estobeleciment partecipa ao respeiiavel putico que sua fa-
brica est montadii com as melhores machieas que existem na l-airopa, e que pode
fabricarcom melhor perfeicSto possivel. Todo o chocolate desla fabrica est garantido, e
puro, o que nao se pode encontrar naquelle que vem de fra, e que se vend por prejo
baJKO, visto os productos seren do paiz. Na etiqueta tero sempre urna aguia.
PRECO,
Meia libra....... 400
. lima libra......... 800
> Urna arroba........190000
Na mesma fabrica acaba de se montar urna officina com serrara a'vapor para
obras de marcmeiiia propria para edificio, para o que encarreg -se de fazer portas, ja-
dellas, assoalhos (parqu francez coma se osa na Europa,) earBu^oes, ludo com brevi*
nade e'perfeicSo. Toma-se qualquer eocotwueoda para fra da cidade, entregando-se
prompta a coiter-se no lugar.
DE
OEIiHO fe FUEITli
Raa da Crwe n. 16.
Continua a liaver diarianente um sortimento do pastis, pedia*, bolos inglezea,
empadas etc., etc. Os donos deste estabelecimeoto, acbam-se as melhores condic5es
de podar satisfacer encommendas conct mentes sua arle, em consequencia do socio
Freitas ter sido administrador cfaefe de algumas das princi| aes fabricas na corle, sende
urna a do Sr. Joio Gonealves Guimarfies (cotrfeitaria de Leo) antiga casa de CarceHer.
Todos os trabalbos s5o diflferentes dos que se fazem em casas particulares.
Os propietarios deste estabelecimento nao s tem poupado a despezas, nem se
pouparlo, te houver concorreaeia como erperam ; tendo coBtinuadamentabom sorti-
mento de doces para cha; presuntos e ditos era fiambre, tambemse reeebe para e-
rem preparados ; assim como doce de caj novo superior, secco e crystalitado, dito em
calda em latas hermticamente fechadas podeodo durar anuos em perfeito estado.
Para janiare e partida recebem-se encommendas dos se^uintes objeetos; bao>
deijas ricamente enfeitadaa sem armaeao peciB de ameudoas (nogace), dras de amaras
de ovos, pes de 16 enfeltados com dsticos anlogos a qualquer flm; dilos moutados,
kechs simples e eBeitados com fructas ingleza-; gatbeaax de la reine dito de le du-
coese, tortas de fructa', massa folhada;
de drfferentes especies.
No anmwAtt de
Roa do ineiadado m. i.
uan
Itabo a 15.
Ditos de bramante de liaba de nm s5 pauto
Paoao altaba iao com 9 1|2 palmas de larga-
ra pelo barato pcane da -25^00 a vara
Bramante de Imho flno com 10 palmos de lar-
gura a25fi00avara.
Pe^as de .cambraia coa salpico brancas ede
cores com 8 li2 varas a 45560.
Pegas da. cambraia adamascada propria para
corunadode eama co 20 varas a 115.
Balean de arcos a 25*00, 35, 35*00e 45.
Lencos de cambala fioa a 2*600 daaM.
Ditos-da dita a 25 a dozia.
Ataaataada de linbo fine 25*00 a vara,
Dito de algodSo a 25 a var.
Algodao en restado com 7 1 [2 palaaos da laaaua
a 150a a vara.
Pecas da areuaha de rolo eom 10 varas propria
para a,a a 35800.
Pil de linho liso fino a 800 rs. a vara.
Dito de dita cmb lpicas a 5a ara.
Cambraia de linbo usan 5506,. 65*00 e $5 a
vara.
Cortes de laazioha de lindos gestos eom 15 ca-
vados ata
Pecas de madapolo fioissine palo baratiscizae
precodi5v05,105all5.
Flaaella branca fina a 600 rs. o cavado.
Dita de aeres fina a 880 r. o ovada.
Baldas da usselin para meniaa a 35, 35*30
o45.'
CambraJa de forro a 35 a paca.
Dita fina a 45300,65- 7 a paca.
Goardanapos de linho a 35800 a dazia.
Toalhaa daalgodaa felpadas dazia a 125.
Esleir da india propria par* forra da sata- da
4,6 e 6 palmos da largura per menas preco do
que em entra aakraer parta.
Neste armazem taa&em se encontra nm grande
sortiasaatada roana Gapa&hs lugioae. ~
Vendeffl-senariiado.Qaeimado loja da aguia
branca n. 8.
Baleias para vestidos.
Vendeovaa na loja da agnta branca|rna da
Quelmado n. &
Opiata ingleza e franceza.
Vendem-se na ra do Queimado loja da agota
branca a< 8.
Papel mata mosca.
Na ra do Queimado n. 8 loja da agota branca
continoa a vaoder-se panal para matar motea e
cus 40 rs. cada folba, .
Bonitas cesiinbas para meninas.
Vendem-sa na.roa da Queimado loj. da -gata
branca a 8.
Agulbas para machinas.
Vendem-se na tejada aguia branca a ra de
Queimado n. 8.
Paatilhas famante e ebeirosas.
Vendem-se na loja da aguia hranea a. 8, a raa
do Queimado, sendo ellas en calimbas da papa-
lio e de pereelana.
Bollas de ail fino para engeromados.
Vendem-se na ra do Queimado loja da aguia
branca n. 8.
Bonitas caixidias
com perfamarias e cutas coi necesarios para
costura, sendo estas com msica e sea ella : ven-
dem-se na loja da aguia braaea ra da Queimado
ditas depone e carne; crema e doce da ovos -?;.
Colla branca para vidros e roadeiras.
Na ra do Qoeirmdo leja da agnta branca n. 8, pandes.
vendeme rasqalabos eom colla branca para sol-I Voltas de dito e ontras qualidades.
vinho i
Ba do Quefiftdo n. 8.
A taja da aguia branca acaba d# .raceber onj
noy e grande sortimento de difiranle objetos
dagost e ultima moda, sendo:
Bonitos enfeites para senboras gestos inteira-
manta nevos.
Ditos ditos d grada com coalas granda.
Lindas fivela* grandes para ciatos com montas
agradaveis e diversas qualidades, madreperola,
tartarnaa, ac e douradas.
Boas e bonMas Utas aebamalotadas para ditas.
Ditas da dUa de gresdenantas lisas e lavradas
coa novas e agradaveis desenbos.
Tranca* arelas de seda com vidillnos moldas
novos e da gosto.
Bicea brancas pretos de seda com vidritaoe e
da.ditferefltes largnras e benitas deseabas.
Cagcarritaaide seda com diversas coras e lar-
guras, formas inteiramente novas a imil&cAo de
pata, aebadkiho e outra com urna transtaba no
centro a que Ibes d malta graca.
Outras eatri-ai e largas guarnecidas de taco
de teda obra de mnito gosto.
(Jotras daaamorata de cores.
Bolees de seda, velludo e ac.o para enleiles de
vasttaa.
Trancas da-seda eslreitas e largas brancas e de
cores para ealetles de vestidas.
Flores finas.
CAPELLA8 PABA MENINAS E NOIVaS.
A aguia branca a ra do Queimado n. 8, reca-
ben para vendar :
Delieadas capellas brancas pira noivas.
Ditas ditasicaf meninas.
Ditas ditas de catan de flor de tarasja.
Ditas ditas de rosas camellas e outras.
Ditas ditas ou ramos de trigo.
Diversos ramos de floras fina para paito a
vestidos, enrede* dacbaaaos etc., etc.
Preparoe fara-ftorttt
Na ra do Quelmado n. 8, loja da aguia bran-
ca vende-se:
Papal da .coras para rosas.
Dito verde par fui has.
Dito dito e pardo para cobrir os talos das di la?.
Musgo em rama.
Folhas para rosas.
Apulhase linhas para crochet.
Vendem-se na roa do Queimado n. 8 loja da
agolar branca, assim come agutbas para iraoalnar-
se emlaa.
Pupeldt sobrecellente para os
phosphorus hygienieos ou de
stgumnea.
A vala do grande lamanho das caixinbas dos.
pbosphoros hygienieos onde seguranga, toraava-se
pooce o papej que vem em ditas caixiooas, e para
remediar essa falta a aguia branca mandeu vir e
acaba de receber esse especial papel, c qual sa
dar da sobrecaliente a (juera comprar de taes
pbosphoros e se vendara iudistinciamente a quem
delie precisar. O preco de cada caixinba de phos-
Shoro continua a ser 160 rs., e vendem-se na ra
o Queimado b. 8, loja da aguia branca.
Seda freucha para bordar.
Vende-se na ra do Queimado loja da aguia
branca o. 8.
Obras de crysial.
Brincos de diversos moldes.
Ontroe tambem de crystal de cores.
Outras de aljofares branoos e outras cores.
Adereeos de crystal obra de gosto.
Rosetas de dito e cruzes.
Boleas de dito, brancos e de cores para collete.
Dito de dito tambem brancos e de cores para
^D JamDemle^m)mp^^^ a..*,-* ea.cn. or.. p.r. ,.-( v~ .... wroq.*,
do Porto superior, Ftguetraj Madeira, Ltsboa, Cberez, Bordeaux, Champagne fino, ser- dar vidros e porceanaa, a ontroe com dita para, lPflUfiS Ae dirsrtai avnlidntlps
veja, licores, charopes e conservas. Para festas: bewto caixrobas com amendoas, con- obras de madeira, costa 800 rs. cada nm delie, e ,,'(.*_.. ., 1,.a;. o i"j.
feHosemtisetfeftes. Mtsftos destes objectos mencionados pedente perfeitamente a
condicionar tatito para a provincia, como para fra.
DI
25 A NOVA N. 25
por fssa commodioad* de preco convm compra
loe para estar prevenida.
Papel greve pautado com 33 linhas.
A aguia branca acaba de receber novo sorll-
' metilo de papel greve liso e pautado com 33 linhas
assim como de peso tambero liso e pautado, dito
pequeo em caixinhai sendo liso, paulado, beira
douradaesem o ser. Tambem receben grande
sorliment de envelopes, e tndo se vende por pre
eos com mado : na ra do Qoelmado loja da aguia
branca n.jo.
Papel paquete branco pautado.
Este tistabeleciraenlo acaba- d receber um rico sortimento de pianos fortes ex- Vende-ae-na roa-do Queimado n. 8, loja da agota
m'essamenle fabricados para o clima-deste paif, dosmais afamado fabricantes da Euro*i ca' Artificiis
pa, por isso opropritarro convida aorespeitavel publico para virem apreciar a qaa> -rrTHjr rlTiiiM aras mn proprios
lidades dos referidos pianos. !pira eataitcs de gorros .chapeas de seoborae e
Gontinua-se -sempre com esmero epromptidao fazer-se qualquer reparo nos dito meninas, acbam-se a vnda narna da Queimado
instrumentos,
na Europa.
Afirwm-se oy pianos debaixo do meHior systbema ltimamente adoptado
F.zendas, phantasia para vestidos ebegades de Pars pelo ultimo vapor.
Lindos robes de organdys sananas fazenda transparente de intairo gosto.
Ditos de. pe rea lia campestre padroes muito ricos.
Riqnisermas gnnadines de si da o que tem vindo de melhor gosto neste mercado.
Lindos cortes de sanan pekm para vestido fazenda inteiramente nova.
Ditos de f ate selim em pena fazenda transparente e de goslo muilo modernos.
Lindos chales degrenadim Iroch, primefra vez aqu apparecidos.
Kicos bournos de crep guarnecidas de tranca muito eroprios para passeio6.
Hiquissimas liveias para sinlo, de metal, de cijsial com ayo e com peoras linas, i
que ha de mais novo.
E outras muitas fazendasde inleiro gosto. /
fina do Crespo n. 13,
Ii>|a m-eeUtwamgm de 4a *fc ceipamfata.
DE
JL VIGNES.
S. 5. RA atO IMPERADOR X. 53.
G ninaM destaaotiaa fabrica sao hoja aess coaitecidos para que seja necessario insistir sobre a
oa supericiidade, vautugense garantas queoffereeem aos compradores, qualidades estas incontesta-
veis que eli^-s tem definitivamente conquistado sobra todos os que tem apparecido nesta praca ; pos-
miado um teclado e maebtnismo que obedecem todas as vontades e caprichos das pianistas, sem
nanea faibar, par serem fabricados o pKfesito, e ter-se feito ltimamente metboramentos importan-
iissioios para o clirn 4ete.t>ai* ; quaito 4 vozes, sao melodiosas e flautadas, e por isso muito agrada-
reis aos ouvidos dos apreciadores.
Fazera-se conforme as encommendas, tanto nesta fabrica nomo na do Sr. Blondel, de Pars, socio
correspondente de J. Vigoea, em cuja capital foram sempre premiados em todas as exposicSes.
No me*, eatabeleoimoato se acbar sempre um expfendido e variado sortimento de mosteas dos
melhores autores da Europa, assim como harmnicos e alanos harmnicos, sendo tudo vendida por
oreos cammodos-e rateareis.
...... ni i i. .i ........
CtnkfwiAs.
Parede Porta vende cambratas lisas finas, gran-
de sortitwHitw, a 35 at JLdit Victoria moito
finas, com 10 varas a 15$, 6590 e 7 : na ra da
Imperatriz a. Si, junto a padarta fanceza.
Cliejaera aos eorpfilteTle cambraia.
Vendem-se corpiohos de cambraia com ntre-
melos a 45 e o, estao so acabando : na loja de
Paredes Porto, roa da Imderatriz n. 52, porta lar-
ga, jumo a padaria franceza.
Na roa do Jasmlm a. 34, filete?de ferreiro, de
Gullberme Daigel, ha para vender don* cabrlolets
novos, um da 4 rodrs a eom assentos para 4 pes-
soas, e para ser puchado par um s cavallo, um
de doas rodat, ambos fetos com toda a perelr5o :
quem os pretender dirijisa a n*mi oBJelna que
achara' com quem (ratar.
. firamle pecMmehii.
No ra da Imperatriz n. 32 porta larga de Pare-
des Porto, vende-se chales de merino estampados a
2 e 20600 e finos 5, estao se acabando.
Bardados.
Chegoa & taja de Paredes Parto, roa. a Imperar
triz n. 52, um sortimento de camiiin*.i, goiliohas,
corpiohos, roweiras e sintee, de camaraia branca,
pelo barato preco de 26*00, 35O0 e i$, gallinhas
500 rs., roiaeirs a 800 e siotos a 800 rs, grande
quaotidade de ntremelos a 600 e 800 rs. a peca,
estBo se acabando.
Suili
Cbegaram o benitos chatas e retsadae da foifm-
re brancos, e vendem-se na roa da Imparatrtt n.
52,tajada portajarga, de ParedesPaflm
A loja de miudezas na roa do Queima-
do p. 16, reaobeo-aa por este oitimo vapor,
Breo ent bdnlct pwqoettai.
Cera ent velas de todos os tamanbos.
ogias.
Mdrcnrid.
Na roa do v igara n. 10, prlawlro uridaf.
- Na rita do IrntfllMoV istem mwwwt
bichas baataMfiM 9"* aa m
reulbo, e tambem alogamse rap Pkw
re viajado, igual ao de Lisboa, e pjrs gosto de al-
pes, albor, por nao ferlr, etc.
avariado.
Praacez barrica 5a0
Poftland dem 8#500
Em perfeito estado:
Prancei barrica lOfOOO
Porfland dem t2f000
No armazem d Tasso Innios ciea doJApollo.
Boa oecasio para um prin-
cipiante.
Vende-se ama toja de mloderas com poneos fon-
dos, muilo em conta, em bom logar e bem acredi-
tada : quem pretender dirtja-se a raa Anfusra,
taberna n. 1, que se dir anem tem para vender.
Na mesma taberna se dir qnem tem para vender
orna mobilfa completa de amarello e novinna.
taja da gata ranea n. 8.
Hanbasi e exrneta finos
A agoia branca receben' nm exoetlente sorti-
mento de perfumaras dqas, sendo bonitos frascos
de cores com extractos finos o de agradaveis ebei-
ras; assim como bellos vasos de porcelana doura-
da c .m baoha de superior qualidade, tendo oestes
alguns eom inscrlp^oe apropriadas para presen
te, etc., etc. : quem se dirigir a rna do Queimado
o. 8, loja da agola branca, achara a certeza dlsso,
e boa dlsposicio para vender a dinbewo por pro-
cos comandos.
" A* PHOVEITOSA8 AGtiAS
balsmica, denuncia e ambreada, acham-se ven-
da na ra do Queimado, loja d'aguia branca nu-
mero 8.
Lataa e barrfszliiho aora grasa
eeonauMleo.
Veadenvae por preces raaoaveis : na ra do
Queimado taja de miodezas a 16.
Agua de ido IIde para faxer oa ea-
belftoa pretos.
Na loja de rntadetae a rna da Queimado n. 16,
vendera se caixinhas com essa excellentn prepara-
doAgna detiorldepara fazer os caballos pro-
tos, quem della preelsar pododkigir-'se a dtta leja:
na rus do Qoeirea* a. 16.
Paslilha* oiofrieas para perfanar sa-
las, sbneles, etc.. etc.
Na taja do mtadozaa a raa do Queimado n. 16,
venden so earxinas com seas odorficas pastilhas
fumantes.
Papel te pesa e al maco, liso e pan ta lo.
A loja da aadaias a rna do Queimado n. 16,
aeha-se bem provida de papel da diversas quali-
dades, sendo almaco greve liso e pauudo, com 33
linhas, dito de peso tambem liso e pautado, dito
pequeo em vaixinhas igualmente liso e pautado,
com beira delirada e sem o ser, assim coma enve-
los grandes e pequeos, os pretendentes dirijam-
se a dita loja na roa do Queimado n. 16, que sero
nem servidos.
Mesma depois da teia gasta-se perfu-
^ marta naa
A aiiiea toja da mibdexas a roa do Queimado n.
16, acaba de receber um bello sortimento de per-
fumaras fluas, sende baoha fina, em diversos e de-
licados vwos de porcelana dourados com significa-
tivas inseripcoes e sem ellas ; assim come bonitos
Irascos de phantasia com excellentes extractos de
finos e escataidos ebeiros. e bem como uperior
agua d Colonia em garralas e frascos de diversos
tamanhos, dita dentifrees, balsmica e de flor de
laranja, cosmeliqoes fios e hachas em frascos de
differentes moldes. Vende se tudo por precns com-
modos a vista da superioridade das qualidades :
na roa do Queimado, loja de miudezas.n. 16.
_____Divert os objectos.
Vende aa-se na lo ja de mldezas
a roa do Qneimado n. 16.
Bonitos leques de sndalo e outras qualidades.
Bonitos cintos com flvelras de diversas qaallda-
des e moldes.
Brincos e cruzes de crystal.
Abotoadoras de dito para' eofetes.
Bonitos port-rerogio.
Delicadas caixas com manea e seto ella, para
costura.
Agolnas e linhas para cbrocbei.
Retroz superior em carttters.
Rendas pretas e bicos coro vidrfltws.
Fitas de vallado com lis tras di cores para en-
feites de gorros e vestidos.
Dius de grosdenapoles, lisas e tarradas, brancas
a matisadas.
Vendem-se na ra do Queimado n. 8, loja da
agaia branca.
Aspas fortes para baldo
Vendem-se na ra do Queimado loja da aguia
branca n. 8.
Cromacome para Ungir ca
bellos.
A aguia branca avisa aos constantes fregueses
desnexcellente timara, que ella acaba-de rece-
ber ama nova remes? de cremacome, coloricoose
e sabio braneo, necessario para lavar os cabellos,
portante podem dirigirle a dita loja na roa do
Qneimado n. 8.
Abridores de luvas.
Vendem-se na rna do Lueimado loja da agua
branca n. 8.
porl banqueta
de bonitos moldes, dourados e cabo de mad repero-
la : acham-se a vetoda na ra do Queimado loja
da aguia branca n. 8.
Bolita touqoinlias
de fil de linho, cambraia e setim todas mui bem
entenadas : vendem-se Da ra do Queimado n. 8,
loja da agola branca.
Carreteis com retroz.
Na rna no Queimado n. 8, loja da aguia branca
PAR A QUMESMl
PECHINCHA ADMHUVEL.
Grosdenaple preto a i 600
Vende-se superior grosdenaple preto, fazenda
moito encorpada, pelo baralissimo preco de 1,3600
o covado, sendo fazenda que val muito mais di-
niieiro : oa loja e armazem do Pavao na ra da
Imperatriz n. 60, de Gama & Silva.
MANTAS PARA O PESCOQO
a 1 s o Pavio.
Vendem-se bonitas mantas para o pescoco, pelo
barato prego de 1J : na loja do Pavao na ra da
Imperatriz n. (i, de Gama & Silva.
m.
No armazem da rna do Imperador n. 3 ou
Caes de Pedro II n. 9, tero-par vaadar-se 0
bor gat existente no mercado.
no
rande armazem de tin-1
tas me^eameatos etc.
Roa do Imperador n. 22.
fono Pedro das .Keve (ge-
rente) tena a venda o
.seguate:
Productos chimicos e pharma-
centicos os mais erapregados em
medicina. .
Tintas para todo o genero de pin-
tura e para tinloraria.
Prodactos indoslriaes e tintas
para flores, como botfles de flores
e modelos em gesso para imitar
fructas e ptssaros com o compe-
tente desetmo.
Productos chimicos o industries
para pbotograpbia, tioiuraria, pin-
I tura, pyrotecaia etc.
Montado em grande escala e sop-
i prido directamente de Paris, Lon-
I dres, Haroburgo, Anvers o Lisboa
J pode oflerecer productos de plena
I confianfa e satisfazer traalijrjer en-
2fi commenda a grosso trato e a reta-
Mi lbo e por preco commodo.
Novidatoi 4o ParTo,
ou nmmcBA Ammnwi.
Escassezaa a 320
Cegaram os mais liados cwtee de esooeseaM,
proprios para vesaaas, senda facanaa iloiramaoto
nova co macaado; e vsade se a 3#M)0 o corte oa
w rs. o cavad Da loja e armaaem de Pavao, ra
da Imperatriz, n. 60, de Gama & Silvaf
Cassas francezas a 24u rs. o eoiado.
Vendem-se bonitas cassas. franrezas de eores fi-
xas pelo baratheimo preco de 240 o covado.
DiUs a 200, 320 e 360.
S na loja do Pavao, ra da Imperatriz n. 60, de
Gama & Silva.
Chitas avariadas.
Vendem-se ficiimas talas franceza?, cum pe-
queo toque de avaria, pelo baratisbtajo nreca de
280 o covado,
grande pechincha.
Assim como dius ingitzas roxas e clara.*, sem
mofo nem avaria, pelo baradssimo'preco de 160 o
covado ; assim como, ditas muito boas a LO e 240
o covado, isto oa Jija a armazem do Pavo, rus da
Imperatriz n. 60, de Gama & Silva.
Cbapos aara mtninas.
> a loja na PAVAO.
Vendem-se os mais daiieaioa e bem enditadas
chpeos da palha de Italia, paca memoas : pa-
chintha, na taja a armaiem do Pavao, ra da Im-
peratriz n. 60.
Grosdenaple preto a 1$600.
E' grande pechincha I!
Vende-se grosdenaple preto, sendo muito escar-
pado e de boa largnrn, peta barantai rao preeaa
1600 o covade : aa ra da Imperatriz n. 60.
Rlacados a 1*0 rs.
Vende-se riscadioho escoro proprio para vesti-
dos oo roupas para homem, pelo baralissimo pre-
co do 120 rs. o covade : sena roa da Imperatriz
n. 60.
.Na fabrica da vinagre, ra imperial n. 1,
prximo a estacan do caminhe de ferro, vende-.ee
vinagre tinto superior era qualidade a ouiro.qual-
quer, e por preco mdico, assim como branca a
incolor.
Vende-se
o grande armazem da roa de Apollo ns. 38 e 40,
proprio para um armazem de assocar ou prensa
de algodio em ponto grande por ter seis portas de
frente com mais de 67 palmos de largura e 300 e
tantos de eomprimeate-, todo cobarto e sobre arca-
das, e para commedidade das conpt adores se ven-
de com o praso de doas anoos ou o que se convea-
cionar, urna vez que seja com seguranca, e pagan-
do-se pela demora nm mdico joro; as pesseas a
quera eeavier esta compra pedern eateoder-se
com Antonio Aires Baibosa, oa ra dos Guarara-
aj n. 78.__________
Vend:se'3oce secco'de caj enTlatinhas de
todos os tamanbos at 10 libra?, muito bem prepa-
radas mesmo para embarque, por preco mnito
commodo : no armazem Trorobeta da Pama Com-
mercial ra do Imperador n. 83.
Phospharoa do gaa a |>000 a
fnaanaflv
Cbegaram os bem conbecidos palitos do gaz e
vndese por preco commodo : na ra da Cadea
do Recite n. 56 A, loja das machinas.
Palitos de fogo a 1#500 a
groza,
Cbegaram os excellentes palitos de fogo e ven-
de-se pelo barato preco de 15-500 a groza : oa ra
da Cadeia do Recite n. 56 A, loja das machinas.
Fazendas para a quaresma,
No armazem da parta .larga ra da Imperairu,
grosdenaple preto a 1400, i600, 800, 24*
25500, moreanlique preto da diversas qualidades.
os mais ricas chales de renda pretos, e retoodass
commuita roda, fazenda da ultima moda no mer-
cado : do armazem-da porta larga o. 52, na raa
da Imperatriz. ___
Vendem-se
machinas americanas de serrote para descarogar
algodao : na ra da Senzala ova n. 42J________
AS
%
Silva & Aives, roana Cadeia, n. 56, avlsam aos
Srs. agrie nitores, qoa clwgaram as machinas ame-
ricanas de serrote para descaragar algodao que
vendem a prego commodo.___________________
"Pechadla admiravel
Lazinbas de quadrinhos que parece seda a 240
rs. o covado, urna grande pechincha, est se aca-
bando : na loja o. 52, armazem da porta larga do
Paredes Porlo.
Vende-se um sitio com boa casa de vivenda
e mais quatro casas meoo es no logar de Tlgipio :
a tratar na ra larga do Rosario n. 10.
Hscravos fgidos
Fugio na madrugada de 14 do corrente, de
casa do correlor Jos Pedro do Reg o cabra de
neme Manoe), idade que representa 30 a 35 annos,
secco do corpo, meio gago, bem desembarazado,
levou vestido caiga de castor cor de caf, de qua-
dros, camisa de algodozinho de llstras e chapeo
de palha prela : quem pegar o referido escravo
queira leva lo ao largo de s Pedro n. 17, casa de
Albino tas Perreira. da Cunta, ou ao engenhode
S. Matheos,do oadre Jos Rlbeiro de Andrade, dis-
tante da estaeao de Gameleira urna legoa, que ser
bem recompensado.________________________
sr Fogio a madrugada do dia 14 do corrente
escravo Severlno, pardo claro, alto e seco do cor-
po, de idade de 40 a 50 annos, cabello corrido,
barba um tanto rata, roslo comprido, tendo um
dos olbos menor qoe o outro, coasta ser casado pa-
ra as parles, do Limoeiro com molber forra da
qual tem Blhos e intitula-se de forro : quem o
apprehender e levar a roa da Craz em casa do Sr.
Bruno Alvaro Barbosa da Silva, procurador dos
herdeiros do aado Jos Pereira de Araujo, do eo-
genho Bamburros oa ra do Imperador n. 43,
segundo andar, ser generosamente gratificado.
-\
VISO
Veade-se
na roa do Virarlo n. 19, an-tf, vralfo do Pom
engarrando' de tflfrrrtits qualhtads, em barris
e afteeretts:
VMto da Pnroeira em barris.
Cera ntt teftt.
Catvtrarmit.
AifafWfia d6 Lisboa.
Cal dd ItaM.__________,_____
Prego para estaque e tabique
Vaoae-se em barrlca oa a rrtalno: a roa
Qneimado, Azevedo S Irma..
Desappareceu no dia 11 do corrente, pelas 9 ho-
ras da noite, um moleqne pequeo do cor cabra
claro, por oome Germano, de.idade de 10 para 11
annes, cora os signaos seguales : levou vestido
caiga branca de algodao, soja, camisa de riseadi-
nho azul, foi sem chapeo, falla fina a bastante ama-
tntado; moito traquino, tem nm caiembo airas da
orelba direita, s por este signal moito fcil de
conbecer-se, natoral de Pianc, desconlia-se qoe
ande aqui oa cidade oo pelos arrabaldes : perianto
roga-se as autoridades goliciaes oa capitaes de
campo que o prendara e levem a seo seaaer no
botequlm da aguia d'ouro, na rna estrella do Rosa-
rlo n 23, que gratificar gejnasamente.
Fugio na madrasad do di 14 do- correte, o
escravo cabra de nome Vicente, com os signaos se-
guintes : estatura om pouco baixa, cabellos cara-
pinhos, olbas pretos, nariz grosso, bocea regalar,
ponca barba, roslo comprido, tem todos os dentes
e bastante mogo, tendo 23 asnos de Idade pooeo-
mais ou menos, presome-se ter levado vestido cai-
ga de casemira e camisa de algodio azol ja osa-
das. Este escravo foi remedido do Ico d onde
natoral para esta cidade a Jos de Si Leilao J-
nior, que gratificara' generosamente a quem o
apprehender e entregar em seo armazem, a' roa
da Madre de Dos, contiguo a igreja^_________
Fugio no da terga-feira 30 de Janeiro prximo
Ando, a preta crioula de nome Marciana, de idade
36 annos, pouco mais ou menos, sendo de cor ta-
la, altora regular, levou vestido de chita escura :
qoem a apprehender, conduzindo-a a casa do abal-
' lo assignado, oa roa da Imperatri n. 30, sera
gratificado.
Francisco Augusto de Araojo.
1 U> Desappareceu da casa de Antonio Mnniz Ta-
vares Jontor no dia 30 de Janeiro, om raulattano
livre por nome Cosme, levando caiga de casemira
branca velha, camisa de ehira escora, nooet pre,
descaigo, com Idade de 8 a 9 annos: qoem o
do] aprehender tetrtia a twiraifle de letr tara a raa
1 do Rang-el taberna n. 49.
c



-
Mma<
t
i iwnuii i.
,.


Shr.
9
Olai-1* m rtraaabaco --<
lf de Peverelro de 1866.

LITTERrTRA
nho, >esse comrnerclo espiritoal; s* neetertt, essas
reais intimas, qne devem unirnos seraere, essa
reciproca e inalteravel amisds e conthog, que
deven baver entra um pai e sau1 Sitios.
E' jra abrir essas relagis de amor infero en-
tre uti pai e seas Qlhos dilectissimos, qae os diri
smor sincero ei Nio nr* pas
Carta |)MUraI quo dirige M eiem aos neis ae [{f ^ e ^ Q|hM di^cliMinos vos diri. Mlgiat^0 aue
sai trcese, in ae saa [Kase solemne, 0. glmo5 toje egt|s ,eras j obscuridado a>
Ssuanel de Medeiros, bisps de Peraamboce, iss, assim que nos vimos eaeootcamente coas- que fossemos ari
do teaselno de S. 1. o Imperador, a qnem Dus titoido vosso Pastor, vos escrevemos de Roma, mas par sermos ele
riurde etr como eoto nos nio foi possivel dizer ludo oque -
iulaarios dever dizer-vos, cuidamos logo, nos roo-
O LM5HMJBL DE MBDE1R0S, POR 1IKRCE DE WtUS E 'mam QQS Sbravsm' de 0Q|m 0CCUpag5eS 6
DA SANTA SE APOSTLICA, BISPO DE PKBNAMBCO, aevefi,s\e eCreS6r e de VOS dirigir 6Sla 00388 S6-
D CONSELHO DE S. M. 6 rMPBRiDOK, A QUBH DEUS fmii pas,ora| |(Jg() que apor,as9,,mos a nossa dio-
GtiABDK, etc. cese." E isso que ento procuravamos faier com
Ao clero e a lodoso fitis de nossa diocese habita- \ oma ,atU irapaciencia n0ja 0 alisamos com pra
dores as'provincias de Pernambuco, Alagos/^ e ^ vonlaije
Parahyba e Rio Grande do Norte, saude, paz e |
bencao em Jess Chrislo, nossodivino Redemptor
e Senhor nosso.
mos qne nio fol maior a decepcao, que vos occa
sonou d-) qde asurprea que nos causou, esse acto
do governo ia>j)erial, pelo quat romos
bispo para esta"
cado
mos aehad
eceu ja mal!
o da nana haml!
. subllmidade do Sacerdocio,
e constituido pastor de um numeroso rebanho, e
prelado da raais vasta e mais populosa diocese d >
Brasil t
Bem convencido de nossa indigaidade, e imabili-
dade, nos, looge e bem looge da suppr que o Se-
nhor nos intprescruiaveis designios de saa provi-
dencia e sabedoria afloita haveria jamis de-de
chefe da Igreja, Po IX, pronunciou etsa decisao,
nos sem admittirmot mais sombra algoma de duvl-
da acerca da vontade do Senhor a nosso respeito,
e sem mais nos inquietarnos da nossa fraaueza,
como que esquecido de nossa indignidade, e se
lembrando nos qae por disposicio da Divina Provi-
deocia eramos chamado a exercer o ministerio tre-
mendo do episcopado, dissemos animoso e do cora-
ci: El aune, Domine, secundan voluntatem tuam
fac mecum (17)
E cheio de esperanga na graga superabundante,
qae pela fmpdsigo das mos devia vir em nosso
auxilio, nos Jalgaraos com todo direito de poder re-
pellir rom o apostlo : Omma possum in eo, qm me
conforlat. (18) E com a mais viva conbanc* as-im
o dissemos urna e muitas vezes do mais ioiimo.de
estamos firmemente resolvido a nio fechar laai e_uteu a t0^0f
(
Sim
solhos; mas a vigiar assiduamente sobreest
reb'aoho, defender amar a todas suas ovelhas.
Estamos deliberado a aao cruzar os bracos; mas
a dar-nos com todas nossas pequeas forgas a col-
tura deste campo*, e a exgotar-nos em suores la-
vrando esta seara.
Nao conseguiremos trazer ao redil (odas as ove-
lhas eitraviada<:'nos falleceram as forcas provavel-
mente antes d arrancar todo o joio, que tenha
crescido em meio das boas plantas, antes de qoei-
mar lodos os espinbos, que hajam nascido, antes
de corlar todas as sarcas que s'emmaranbaram por
entre as tenras hervas.
Paciencia : nao somos obrigado a tanto ; mas
smente a nao abandonar este rebanho a' voracida-
Irmaos dilectissimos e filhos carissimos em Jess
Christo.
A sania igreja, da qual todos nos temos a felici-
dade de ser membros e lhos, loi instituida ha
dezenove seclos; e desde a sua ostitutQo, est,
romo obra divina qae sob am particalar do co. Alm da suprena direc{ao que
tem dosde enlao, eqoeter alca consummaco dos
seculos (I), do Flho de Deus, iseu fondador, ella
goza anda da proteccao especial do Eterno Padre,
o Qual se eocarrega devellar constantemente so-
bre ella com a sua Providencia Omnisciente, por
ser obra do sea amado Filiio, objecto de suas com-
placencias (2), e da assistencia d Omino Hspirito-
Sunto, qae se incumbe de Ilumina la com as iuzes
de intinita sabedoria.
E Jesns Gbristo nao s a dirige, mas a defende
e amaj como insliluicjo sua ; e lia de serapre ama-
la e defende-la com um amor e zelo inalleravel,
vivo e anjente ; porqae Elle se obrigoa a ser em
lodos os lempos seu chefe, sua cabeca, e sua pala-
vra immatavel, permamenle, invarlavel.
E por fsso ella (a santa igreja) foi, e ser sem-
pre segura da estabilidade e inteiieza da doutrina,
que ensiua ; da santidade da moral, que inculca ;
da subllmidade das mximas, que sustenta ; da
pureza da f, que prega ; da fealdade dos erros,
qae condemna.
E como poderla ella, seno assim, ser pelo apos-
s nao Mmpl-sm.nte para satisa- signar-nos para pasWr desta igreja, nao pouco nos nosso coragao ; e assim vo-lo dizemos hoje em toda de dos lobos, a afTistalo dis pastos envenenados,
t'o pouco em espirito de vaoglo- entristecemos ao v la perder sea virtuoso pastor, a convicco de nossa alma ; e diremos de hoje para a indigitar-lhe as boas pastagens; a trabainar em-
sempre com toda a lirmaza e forca, que nos da essa
f santa, a qual, gracas a Deas, sempre nos ani
maior conveniencia. | rencia e de predilecio I Ha longo anuos, ver-
E' pois, irmos e dlhos dilectissimos, para vos ] dada, nos desligamos deha; mas
zer a) aso, nem .
ria mas porque nos criamos slricumente obriga-e vivamente nos inquietamos pela saa viuvez.
do a imitar esta pledosa pratica, invanavolmente Ligado pelo vtoeulo de ongem esta dioeese, ----------,_,_-.,._,..---------,K._ _-.
seguica pelos pastores da igreja; e tambera porqae I tendo nella recebido a unci sagrada do saoerdo- moa em Jess Christo ; e esta f, corroborada com aqpelles a qaem confia_ os seos talentos i
viamos no prompto desempenh) desse dever a co, n3 a araavamos sempre com amor de prefe- os dons que o espirito de fortaleza nos deun'aqael- treitissimas serao, "
le feliz instante em que fomos, como Ario, ungido
com o santo oleo, p sagrado summo sacerdote do
allissimo, segundo a ordem de Melquisedecb, nos
. vivifica. -jS>
Moito nos co-i >u o deitar-te, Roma I
Nos te amamos com amor o mais filial, cida-
de Eterna I
Sempre nos recordaremos dos das tranquillos e
Qaantas vezes estimulamos aos nossos jovens fellies, qne passamos em tea seio, 6 cidade PontiU-
compatriotas e amigos, residentes em Roma, a que cia I Nos nos lembrarenios serapre das consola
tolo dt-noraraada A igreja do Deus vico ; a co-
lumna e firmamento da verdade f (3)
To divina ja" vedes, sua fundacao, quanto a
sua conservado I
E' verdade que visivelmente eiia governada por
mos fiageis, perecedouras; mas invisivelmente
sustentada e guiada pela mo omnipotente do F-
lho de Deus ; dirigida pela Omnipotente Provi-
dencia de seu Eterno Padre; Iluminada pela
oMiivel e inexgolavel sabedoria do Espirito-
Santo.
Jesns Chrilo enriqueceu-a, certo, de apostlos,
que vellassem sobre a manuteoco de sua discipli-
na, ctirassem da mtegndade de sua moral, vigias-
sem sobre a indcfectibilidade de seus dogmas,
combatessem pela inaiterabilidade da saa f. Do-
lou-a de um cbefe infallivel, com plenos poderes;
autorisado a rege-la e governa-la em todos os tem-
pos, a defioir seus dogmas, regularisar sua di>ci-
plina, aBathemausar e condemnar os en os. Mas
reservou para si, como para mais assegurar-nos da
sua estabilidade, a suprema direcco della.
Nada sem sua permissao se faz, nem se fara' ja-
njais na sua igreja.
Se ella combatida, porque Elle quer, como
diz Vieira, na fragoa do padecer provar e acrisolar
seu amor ; se perseguida, porque Ibe apraz de-
monstrar sua firmeza d convicc5es, saa constan-
cia de f ; se aflligida, porque Elle julga bom
patentear saa esperaoca firme, inabalavel; se
vilipendiada, ultrajada, escarnecida, porqae Elle
n condece ser praveiloso fazer mais conliecida sua
caridade.
E a escolha sobretudo dos pastores, que devem
rege-la, fol e sera' sempre em lodis os lempos, ob-
jecto especial de seus cuidados; porqu delles de
pende o engrandec ment ou decrescimento da sua
igreja.
E' portanto a Divina Providencia d.> Eterno Pa-
dre, qaem escolhe os apostlos desta santa igreja
catbolica, destinada a propagar o Evangelho de Je-
ss Christo, e por meto dille santificar a todos (4)..
E' o Divino e Santo Espirito, quera os constitue
bispos para rege-la e governa-la (5).
Jess Consto qaem, como seu chefe invisivel,
Ihes marca o posto, onde devem collocar-se ; a por-
fi do rebanho qae devem, co.no pastores,
guiar.
Multplices sao os meios.de que se serve a Trin-
dade Santissima para chegar a esses. bus; mas
jtmpre por intermedio do rigario de Jetas Christo,
isto daquetle que faz as suas vezes na Ierra, e
que, como cabeca visivel dessa mesm'a igreja, espa-
ntada por todo o orbe, o orgao infallivel, iodefec-
ttvel da sua voz; ella nos faz conhecer saa vonta-
de, revela nos sea querer di vino de um modo certo,
ncontrastavel.
Foi, pois, irmaos e filhos, por designio da Divina
Providencia do Eterno Padre, que nos, mlserayel
peccador e indignissimo sacerdote, fomos escolhido
para apostlo da santa igreja calholica.
Foi por inspirarlo do Divino Espirito Sanio que
nos, nio obstante nossa incapaeldade, fomos no-
meado e apresentado a' santa s, para bispo na
igreja braslleira.
~ Foi pelo querer de Jess Chrislo, que nos fomos
mandado, apezar da nossa inaplidao e mais defei-
tos, para reger vos e guiar-vos em seu none.
Sira, irmaos e filhos dilectissimos, o Senhor
quem nos manda para o meio de vos, como pastor
e pai 1... e quem attendeu em sua misericordiosa
bondade is fervorosas preces e supplicas constan-
tes, que unnimes inviaveis, por Inlervencao da
Santissima Virgem e dos santos, ao seu throno de
amor e caridade, desde o dia em que, passando a
outra vida, eompareceu na sna presenta o vosso
piissimo pastor e nosso antecessor immediato, de
saudosa memoria.
E nao vos admiris, irmaos e filhos, desta nossa
ioopinada eleiro guia non mull sapientes se-
cumum carnem, non mull potentes, non multt
nobiles ; sed qua stulla sunt mundi, elegit Deus,ut
confunriat sapientes : et ignobilia nundi, el con
temptibilia elegit Deus, et ea quee non sunt, ut ea
quee sunt destmeret. Ut non glorittur omms caro
m conspectu ejus. (6). .*
E como poderieis era boa f de outro modo ex-
plicar que fossemos nos achado em nossa obsenri
dade, para ser nomeado bispo pelo governo impe-
rial, alias sempre tao prudente, atiento i feliz na
escolha qae lera feito de sacerdotes para apresen-
tar a' santa s, para pastores da Igreja brasl-
leira ?
Como explicar naturalmente que o Ilustrado e
augusto moaarcha, que tao felizmente dirige os
deslinos da nossa patria, sempre tio sinceramente
desejoso do maior incremento da f calholica, e
saudar respeitoso. para vos abencoar amoroso, e
para vos dizer algumas palavra amigas e do cora-
gao que vo la dirigimos.
Has nao somente para isso, saneo ainda para
vos significar o contentaroeuto de que exulta nosso
esplri'o, as palpitarles que agitam nosso coracio,
os pensamentos que preoecupam nossa imaginagio,
desde qae nos vimos revestido do caraeler episco-
pal : para vos dizer uaea sao os nossos desejos,
as no^ss esperangas e temores; em urna palavra,
para vos fazer ver com toda a iogenaidade e fran-
queza, que nos permute nosso carcter de bispo, e
com toda a conflauga que nos impiram vossa ca-
ridad) e os senliraentos generosos de vossos bons
e piedosos corag5e.% as apprehengdes do nosso.
Sini, irmaos e filhos, nos julgamos que nio po-
demos, em consciencia, perder osla occsiao, qoe
se nos proporciona de escrevervos, para vos fallar
explir-ijjmenle de tudo o que nos parece? mais ur-
gente e mais til ao vosso bem espirRaal.
Portanto a enderezamos a todos e a cada um de
vos, liis de nossa diocese, a todis e a cada um de
vos indestinctamenle; pois que nao importa qual
seja o vosso estado, sexo, condicao e posicao social
em que vosacheis postos pela Divina Providencia,
nos vos consideramos a todos como nossos irmaos
e lilh is carissimos em Jess Christo.
Nos nio sabemos, digamo lo otara vez, fallar-vos
urna lioguagem sublime; nao sabemos escreer
estylo elevado, nem sciemifico; nao aprendemos
em nossos estudos positivos a formular esses dis-
cursos acadmicos, que ja pela novidade da forma,
ja pe'a variedade e ajustada eolbcagio das flores
da lietorica, seoao da eluqui'ocia, fascinara o es-
pirito, accendem a maginagao e dominara o cora-
gao.
Assim que, nio pode esta nossa Curia Pastoral
(como todas as que tivermos de dirigir-vosj deixar
de ser escripta em fraseado simples, estylo vulgar,
pobru de ornamentos e despido de todas essas bel-
lezas da eloqnencia, e de todas as riquezas orato-
rias, qde por ventura omites folgariam de ver em
nossos escriptos.
Ns, gragas a obscuridade de nossa posicio te-
mo-nos habituado a um fallar chio, a um escrever
como sabemos, em estylo singelo; porque simples
sacerdote, nio sabemos, e nem podemos vos escre
ver de outro modo: sm o menor embarago qoe
vo-lo confessamos.
E quando mesmo podessemos, quando mesmo
nos fosse familiar um estylo sublime, e potico,
nao nos serveriamos d'elle aqui; porque arrastado
pela conveniencia de um (ornear le phrase capri
choso, poderiamos fcilmente, a prpporco qae nos
affastassems da naturalidad e slmplicidade de
nguagem, com que,como pai, cumprenos fallar-
vos, desviar-vos da verdade, sincendade, e Justeta
de etpressdes, que devem traduzir todos os nossos
pensamenlos.
Nao dilectissimos irmaos e filhos, nio nosso
intento escreveodovos hoje, fazer osteutagio de
atavos e ornatos de humana eloquencia: mas di-
zer;vos algumas palavras de editicago e conforto
espiritual, e de incitamento a v i tmie.
Scrmo meas, predtcatio mea non in persuastbili-
bus humana sapientias verbis, sed in ostentation*
spirttus et virtulis. (7)
E por isso nao coramos de acanhamento, e com
toda a Ibaneza e na mais pleoa contianga da arai
sadu paternal, que nos une a v js em Jess Christo,
vos confessamos nossa pobreza de dotes oratorios;
e no maior sangos fri e com a mais viva satisfa-
cio vos dizemos, que nos julgamos feliz de nos po-
der assim exprimir : porquauto s assim podere-
m js sinceramente applcar a dos aquellas palavras
-ut limes, d ^tw no mala put j seniii-ooio do pie-
dade christia e abnegagao evaogalica usou o apos-
tlo S. Paulo no comeco da sua Epist, que escre-
ven aos Cor i u tli os, como para preven i-I os de an-
iel iao de que elles, avesados aos empolados discur-
sos dos phiiosophos pagaos, nao deviam confundir
saas exiiortagSes chrislas com as arengas acad-
micas de.-.-os bomens vaos e enchados de amor
propno; nem, esperando outro tanto delle, deviam
buscar em suas phrases os poosamenlos e figuras
oratorias; mas sim a exposigio clara e singela da
deutrina de Jess Cbiisio crucificado: e com todo
direito pois repitovo-vos corno elle.
Ego cu in venissem ad vos, fratres, ventnon m
sublimttute sermonis aut sapientm, annuntians vo-
bis testimonium Chrtsti. Kon emm juicari me
setre aiiquid nter vos, wst Je.ium Christutn, et hunc
aitcificum... Et sermo metts, efpredicatio mea,
non in persuasibilibus humana sapienlice verbis sed
tn ostentione spiritus et virlatis. (8)
Isto posto, nao sera, nos o esperamos, motivo de
escndalo que vos desanime a vos, gente adiantada
no conhecimento das scienc as, famiarisada com
as letras, habituada a ouvir vozes eloquentes, e ro-
bustas de tamo- pastores ilustres, que se asseota-
resfriado em nosto coracio esse amor e affelgao,
que sempre I he vetamos.
Abl meas irmaos e Albos, Deus sabe qaantas
vezes pedimos fervorosamente a Jess sacramenu-
do qoe dotasse a igreja pernambucana de um
pastor zeloso, Ilustrado e virtuoso I
supplicassem instantemente a Santissima Virgem, g5es que deste ao nosso espirito, das occasioas qoe por todos os meios o augmento e conservagio delle;
quanto seolirmo-nos com forgas.
Estrellas contas toma o pai de familias a todos
MI
irmaos e filhos, as contas, qne
tomar de todos, aos que confi ju suas ovelhas I
Judicmm ilunssimum las, qui prcesunt, assegara
Jeremas (21).-
Quem sabe, quando nos chamar contas deste
rebanho ?!....
Sefero ser o jolzo, com que nos jnlgara', se ti-
vermos sido descuidado de sua conservagio e aug-
mento ; se naotivennos sido industrioso e diligen-
te na cultura deste campo.
Forgoso, iodispensaveL portanto qae tentemos
para que pedisse a seu divino Flho que fitesse os proporcionaste de apreciar quanto a caridade
cessar a vinvez desta Igreja, e Ihe dsse um pastor begnina e expansiva, e inexgolavel era prodigios;
segundo o coracao de Deus. (9) em quanto que a imptedade rancorosa e oDsti-
Ahl se soabessels quio grande e vivo^'-oi o nada I
nosso contentamento, como exnltou de prazef nosso Nos te seremos sempre recotecido pelos exem-
coracio, ao lar em um jornal do Brasil (tt) que "pos com que constantemente nos adificaste. Tu
coastava que um sacerdote virtuoso e -H(qsirado nos reformaste o coracio, e nos fortificaste a niel-
desta provincia, e habitante na Europa, fura cha- ligencia I
mado pelo governo para bispo desta diocesti* Ja ma,s B apagaro da nona rmmoFia as dooe*
Que diversos sio dos propsitos do lioriem os emogSes qne-ti vemos dentro dos leus maros, Je-
Juizos de Deus I... rosalera por isso :-seq\e se antes a nossa dexlra,
que cuidemos aliento, e persistamos at o fim era
melhora-lo, tornando-o mais productivo e fruc-
tuoso.
Se porm nio chegar-nos o tempo para plaota-lo
todo, e v-Io produzlr abuodaotes fractos, nao ira-
porta; pelo menos o deixaremos mais lunpo, o
poremos era estado de, qoando passar aos cuida-
dos de obreiro mais zeloso, a mos delavrador
mai& robus lo, srmenos ardua e peaOsa a cultura,
mais suave e fnais prompta a colheita,
Nem sempre, os que se afadigam em semear, sao
as breves horas de reponso, que nos deixavam e nos falte antes a voz as fauces (19) da que nos'os qae fazem a colheita ; pois nos campos^o Se-
nossos deveres escholasticos, nossas cogitacSes se esipecermos das. coosolagdes que nos desie, Dos
encarainhavam todas a um vi ver Inteiramente di- conferios com que robusleceste a nossa f, da-
verso do de prelado 1 Nosso espirito ambiojonava de Santa. Masaos falte antes a vida, do que per
urna cruz, mas nao urna cruz de pastor t Nossos dermos a lembraoca que temos de ti, Roma, e do
pensamentos absorviam se em imaginag5ei, para tea pontfice rei, das palavras animadoras, dos con-
atinar com os meios de levar a effeito a esecugao selhos prternaes, que ou vimos de sua bocea. Nio :
da um plano; mas ora plano modesto, humilde, j mais se perdero da nossa memoria aquelles fe-
adaptado a nossa condigio: nm plano condigno lizes momentos, qae aos proporcionase de encarar
nossa capacidade e de nosso carcter sagrado de face a face a Jess Christo na pessoa sacrosanta do
sacerdote; adaptado a nossos recursos, na altura seu vigario 1 *,
de nossas aspracoes serapre humilde e puras. J mais deixaremos de recoubecer comligo no
Ohl quio imprescrutavets e mcompre&muVis chefe supremo, qoe possnes, o leu soberano t J
sao os juizes de vossa sabedoria omnisciente, mais deixaremos de ser reo onecido ao tea ange-
Senhor! fil) I 'ico rei Po IX, pelo modo aftectuoso com que nos
Foi quando, aplainadas as maiores difflcaldades,' receben e nos tratoo, a nos o menor de seus ser-
removidos os maiores obstculos, nos, confortado vos e o mais indigno de seus irmaos era Jetos
pela doce esperaoca deque a vossa divina Provi- Christo I...
dencia, qae jamis abandona o homem que perse-; O Senhor bera poda, irmaos e filhos dilectissi-
vera n'um bom proposito, comegavamos a encher-: mos, enviar-vos um pastor que nos fosse mui supe-
gar, ainda que distante, a pFobabilldade de' levar rior em virtudes, era talento e zeio apostlico, mas
execagio esse plano; quando nos entretinizamos, nao approuve sua divina vontade e sabedoria as-
em consoladores soliloquios em estimular, nosso sira faze-lo I Resignando vos. pois, com o seo que-
espirilo, excitar nosso coragio a coragem necessa- rer mysterioso, respeltai seus altos decretos, por
ra, abnegagao inherente-; quando quasi chegado qne Deus incotpraensie/ em seus juizos e impe-
viamos o dia, em qae deviamos dar o passo decisi-1 netravel em seus caminhos. (SO)
vo, foi entio que nos surprehendestes, e nos* lizes-1 Congratularao-nos, irmaos e filhos, menos de ver-
tes conhecer que o que propunhamos, nao era o nos revestido do carcter sgralo de pastor, que
qne dispunheis I Magna sunt enim judida, tan, de saber que esta grande porgao do mystico reba-
Domine (12). Justus es, Domine, et omma udicia, nho de Jesns Consto, confiado nossa solicitado,
tua justa sunt, et omnes vice tuce, misericordia, et {respeitaado piedosameole como deve a cruz que
ventas, el judicium. (13) nos boora e 6 bculo que empunharaos, nos ajuda-
A noticia de que o nosso augusto monarcha, cojo ri muito a sopporlar o seu peso ; por que consite
espirito recto ni escata senao a voz de sna coas- ramos esse bculo e essa cruz, nio como meros or-
ciencia, nos chamara em norae de Deus. a nos naraentos da digoidade, mas como symbollcaa m-
obscuro sacerdote, para bispo desta diocese, pro- signias do rigoroso dever qoe nos assiste de servir
dozio em nosso espirito, er Je-nos, irmaos e filhos, I santa igreja de Jess Chrislo. de guiar e reger
a maior perturbacao. I com attengio as uas ovelhas, de defender com de-
S Aquelle que prescrata os rin e l nos cora-' nodo a ua f, de disseminar com fervor sua dou-
g3es, conhece a affllcgio que se apoderen de nossa'tripa, propagar sua moral, desarraigar abusos,
espirito; a longa lata em que se debateu nosso; manter a boa disciplina, soffrer trabalhos e fadigas
coragio: a prustrago em que cahimost por seu santo nome.
Lembravamo-oos que, como brasileiro, cum-j Congratulamo-ns, por que o Senhor lrapondo
pria-nos acudir voz autonsada e competente dos o oous episcopal, nos \)5: em posigio de part-
daquelle qoe legtimamente constituido pela Provi- cipar directamente das amargaras que repassam o
dencia Divina para nos governar, nos chama va coragio de seu fidelissimo vigario Po IX ; por que
para oceupar esse posto, e que nos cbamava era serapre misericordioso e bom elle nos proporciona
neme de Deas. oecasiio de oesta vida soffrer por amor de saa saa-
Consideravamos na tremenda responsabilidade ta igreja; por qoe olle nos manda padecer traba-
do gravisslmo cargo, a que Deus nos chamava. i ihos, injurias e atirantas por amor de nossa sania
Fonderavamos nossa indigencia de virtudes, a f calholica ; finalmeote por que nos manda para o
nossa pobreza de scieocia, a nossa escassez de ex- \ meio da um povo, que nos caro, e que esperamos
periencia, e abnodo os santos Evangelhos, hamos, e sempre amar com amor de preferencia e predilec-
raedrtavamos nestas palavras do apostlo:Oportet gao !
Episcopum irreprehensibilem esse..... orpatumy Congratulalvos pois, comnosco.no Senhor, ir-
ioctorem. (14) f %a' Peenavamos o llvro, olhavamonos filamente"e Niosnppoahal, que nos presnnwmos digno oa
despido de todo o amor proprio, vlamo-nos, sem merecedor de nos sentar n'ama cadeira to illus-
nenhuraa virtude, carecedor de sciencia, todo de-' trada e ennobrecida, e tantas vezes occopada por
feitjs, e defeitos reprehensiveis II----- I prelados, cheios do espirito do Senhor, credores de
Vacillaote, perturbado, procaravamosatinar com eMiroa, e merecedores de veoeragao : nem que nos
os meios de descobrir a vontade de Deus, oohe- consideremos com forgas suficientes para bem des-
cer o seu querer; porque sea querer era o nosso empeohar ara cargo, de que as mais santas almas
quer, sua vontade a nossa vontade I fogiram amedrentadas, as mais esclarecidas inlelli-
Mas, quanto mais alternamente nos examinava- gencias, os espiritos os mais sios e mais fortes se
mos, tanto mais nos reconheciamos indigno;quan-
to mais experimeotavamos nossas forgas, unto
mais nos convencamos de nossa fraqneza I
S Vos, meu bom Jess' sacramentado, teste-
reconheceram indignos e iocapazes
Oh I nio : nos, merc de ueus, nao somos to in-
feliz I...
E ai de nos, se consentissemos um pegamento
munba do nosso pranto de angustias, s vos pesas-. siquer neste sentido ; se nos suppozessemos ura s
les as lagrimas que em vossa presenga derramou o momento digno de ser revestido na santa igreja de
nosso coragao atribulado; sabis a sincaridade Deus de um carcter do qual os Agoslinhos, os Car-
com que nessas longas horas de afflicgio, repeta j ios Borroraeo, os Francisco de Salles, os Alfonsos
mos solugandoQuis sum ego, Domine, t cur de Ligorio, se reconheceram e confessaram sempre
suscilasti egenum de pulvere, ut pasceret pomulum indignos I
fuumf... Domine non sum dianus... Domine, Deas nio permittlr, temes f qae o fispirifoie
incapax sum.. Non possum iolus suslinere mnem Soberba jamis consiga fazer-nos com suas sugges-
hunc populum, quia grava est mihi. (15) | toes conseBtir em urna lio vaa, quanto criminosa
ram na cadeira, em que ora nos assentamos, e a feotn que supplicamos a vosso divino Filho, di
ler discursos de oradores dotados de estylo nobre,
cientfico, o ouvirdes nossa voz dbil, fraca ; nem
tedioso o lerdes nossa carta pastoral.
Nos vos dirigimos a todo> e a cada um de vos,
fiHiui charissimos em Jsns Cnristo, urna saudagao
respeitosa e cordial, e de um modo todo especial
oos dirigimos a vos, veneraveis irmaos e amigos
em Jess Christo, a vos, a mais iliustre e a mais
oobre porgao de nosso clero, mnito dignos mem-
bros do corpo capitular de nossa igreja cathedral.
Nos vo la dirigimos tambem particularmente a
vos todos, irmaos sacerdotes, tanto seculares co-
mo regulares.
E vos abragando affectuosa e fraternalmente, vos
damos de coracao o sculo de paz.
Nos vos damos a todos, clrigos e leigos, gran-
des e pequeos, ricos e pobres, livres e escravos,
com toda a effuso de nossa alma, e de nosso co-
ragio paternal, a nossa beogio pastoral; e anhe-
lamos qae com ella chovara pereoneraeoie sobre
vos, as mais copiosas bengies a gragas do co, pa-
que tanto Ibe tarda ver reallsada a reforma do ra bem de vossas a|ma? ,,ara ediflcagao de vosso
clero, restaurada a eccleslaslica disciplina, melho pr0ximo e consolagio nossa
rados os costames dos povos e a inslrucgo reli-
giosa dos fiis, escolhessenos e apresentasse-nos
santa s, como digno, capaz de reger a maior, a
mais povoada, e urna das mais ilustradas e tlores-
centes dloceses do imperio ? I
Como, sam crer n'uma disposigo da Divina Pro-
videncia poderemos admiitir sem irrogar gravissi-
ma Injuria ao Chefe Supremo da Igreja, o santo e
sabio pontfice, que actualmente oceupa a cadeira
de S. Pedro, com pastor universal, que nos accel-
tasse contacte; a os, de cuja Indignidade,' incapa-
eldade, inaplidao rol ti mludamente inteiradotl
Lomo, seoao por disposicao da Divina Providen-
cia, Elle, qae lio sabiamente dirige o rebanho ani
versal, que to ardenle e zelosamente promove o
maior augmento da f por toda trra -, qae tio ex-
tremosamente ama a Itreja brasileira-, e qae tan-
tas esperangas tem na de Pernambuco; como con-
senteria, que subissemos ao summo grao do sacer-
docio evanglico, e fossemos revestido do carcter
sagrado de pastor da Igreja de Olinda; nos, en] i
insuficiencia de mritos Ibe era pessoalmente coi
onecida??...
Vinculos os mais eslreitos e saotos, bem vedes,
irmaos e Olbos, nos ligam boje a vos I
Com effeito, desde o momento em que o Supre-
mo Cbefe da Santa Igreja, o summo pontfice Fio
IX, legitimo e nico vigario de Jesns Chrislo, or-
gio, toroemo-lo a dizer, infal ivel e indefectivel,
pelo qual o Senhor nos faz ouvir fielmente sua voz
na trra, acceitando a nomeagio e a apreseniac >,
que de nos fez o governo imperial nos prconwii
bispo desta diocese; nos ainda que Indigno, (lea-
mos sendo vosso legtimo pastor, vosso pal espiri-
tual, vosso defensor e protector. Vnculos de amor
e caridade em Jess Chisto nos uniram desde
aquelle instante a vos.
E' justo pois e necessario qae desde j comece en-
trj nos, vosso pastor, e vos, ovelbas de nosso raba-
athens, cap. 3, v. SO.
Matheus. cap. 3, v. 17 ; S. Lucas, cap. 9,
Eoist de S. Pedro, i, 17.
(3) Epist. I de S. Paulo a Tbemoteo, cap. 3, v
IS.
(4) Epist. II de S. Panto a Themoteo, cap. 1, ?.
10.
(8) Actos dos Apostlos, cap. SO, v. S8.
(6) Epist. I aos Corintbios, cap. 1, vv. 16, 27, 38
e 29-
S Vos, Virgem Bemdita e immaculada, que
ouvisles nossas preces, podis avallar a insistencia
tentagao.
Nos pelo contrario confessamos, e confessare-
mos sempre que somos immerecedor desta graga,
deixar estorvar nos em nossos planos humildes; de indigno de pertencer ao numero dos principes da
nos deixar livre as modestas e puras amblgdes sania igreja e o ultimo dos pastores da igreja bra
de nossa alma, e da sua gloria. sileira.
S vos, minha boa Mal do co, que enebngastes Nio vos intristegais entretanto, irmaos e filhos
nossas lagrimas, confortastes nosso espirito tao dilectissimos, de nossa inaplidao e indlgnfflade, ma=
profundamente agitado, acalmastes nosso ftorago esperai no Senhor.
E -depois de assim vos sandarm >s e abengoar
mos, como vosso affectuoso amigo e pai que somos
em Christo; e antes de vps fallarmos aqui de nos-
sos bem fundados temores e esperangas; ou antes
de vos abrir e de vos deixar ver a vontade o*nosso
coracio, para que estudando sens sentmentos vos
conjiegaes as nossas convieges : vos convidamos,
e exhortamos a vos unir a nos em espirito; e a dar
eomnosco as devMas gragas ao senhor, qae nos
conservoa a vida no meio de tantos pongos em que
estivemos; e a Hgniticar nosso recoohecimeato e
gratido a Santissima e Immaculada Rainba dos
Cos, qae, como boa mai nos valen constantemen-
te com saa intercesso ame o throno do Allissimo;
e qae, como bella estrella dos mares, nos guiou e
trouxe sao e salvo al a nossa diocese, e nos deu
a consolagio de vos encontrar em santa paz.
Qual seja, dilectissimos irmaos e filbos, nossa
perturbagio e confuso, vendo-nos, miseravel pee
cador e indigno sacerdote, constituido apostlo da
santa igreja calholica, nio podis por certo ava-
llar; nem podis ajuiza-, de nosso embarago tendo
de empnnhar, para vos guiar, um bculo que tan-
tos anclaos veneraveis em santidade e virtudes
araargurado ; s vos conheceis, a prostracio em
que canimos, a qne ponto ebegou a tribulago de
nossa alma I...
Gragas a Deus, nao fomos tao temerario, irmaos
e filhos dilectissimos que no? acreditassemos fcil-
mente chamado de Deus para occapar um posto tao
saniamente elevado na saa igreja ; nem to presu-
mido que nos suppozessemos merecedor e capaz de
reger-vos. *v
Nao fw, eslai cerlos, senio depois de esgolar to-
dos os meios, qoe a prudencia recommeoda e a
religo aconselha, que nos aceitamos tamanha in-
cumbencia. Nao foi seno depois de nos termos
bem persuadido qoe era vontade do Divino Pastor,
que nos, ainda que peccador e tndignissimo sacer-
dote, fossemos admittido entre os pastores de sua
igreja, que enviamos a resposta que deviamos dar
ao governo imperial.
Elle, que nos manda, nio nos abandonar; a
Santissima Virgem e o patnarcha S. Jos, sob cujo
patrocinio, (com prazer vo-lo dizemos), tomo-nos
nhormis sao os que semeam, outros os que co-
lbem (22).
As ovelhas que nos esli confiadas, dir-nos-heis
vos, sio aoceis e manguetas; o campo que nos
dado a lavrar, frtil e bom ; nio exige tantos
cuidados, demanda pouca fadiga. *
Assim : comprazerao-nos em confessa-lo; mas
podareis negar, Irmaos e filhos, que entre essas
ovelhas, multas se aproveitando do cansago do
pastor que as guardara, se extraviaran!; que nao
poucas illudindo sua vigilancia sabiram furtiva-
mente do redil, e avesaram-se a pastos nocivos, a
desconhecer sua voz, a despresar sens preceitos ?
Que multas outras ruins nio pertencentes ao mes-
mo redil, se achara de mistara com ellas I E nio
vedes que basta ama s deesas para por em risco
a paz de todo rebanho t E nio ser preciso para
recoodozi-las todas ao redil muito trabalbo, multa
paciencia e delicadeza I
O campo bom, fertlissimo, sem duvida; mas
podereis oscurecer qun se acha pouco cultivado,
que est quasi suffocada pelas sargas a boa semen-
t ; que espinhos agudos enredara e crivam todos
os caminhos ? 1 E nio sabis que o joio nio se ar-
ranca sem perigo; que das sargas nio se limpa o
campo sera fadiga ; que por entre espinhos nao se
caminha sem riscos e lagrimas 1
Oh I quanto nos aterra o espirito, irmaos e filhos,
sempre que medimos cora o pensaraento a vaslido
e entensio do campo, que devemos cultivar II
Como ficamos trmulo, ao pensar no grande nu-
mero das ovelhas deste rebanho, que tenho por mis-
sao apasceotar II!
E como nao inquietar-nos, irmaos e filhos, vendo
quanto limitado o naraero de obreiros,_ qoe de
vem cooperar eomnosco; percebendo quo resumi-
do o dos operarios que esto dispostos a aladigar-
se, e expor-se eomnosco aos perigos, aos ardores
do sol ?!
E'poderiamos nos nao assustar-nos, sabendo que
embora todo o cuidado, delicadeza e prudencia, de
que possamos usar, ver-nos-hemos a cada passo
embaragado, e em risco de nos ferir em innmera-
veis espinbos ?!
Oh! meus irmaos e filhos, mais fadigas, suores
e coragem, do que pensaes, sao necessarios, para
lavrar este campo, qoe alias nio negamos, bom
e frtil.
Mais prudencia, paciencia e lagrimas, do que
ajuizaes sao preaisas par guiar este rebanho, cu-
jas ovelhas, aos comprazeraos ae coafessar, sio em
sua generaldade doceis, mansuetas e amorosas!
Nao coocluaes porm deste dosso modo de fallar
que estamos esmorecido : pelo contraria acharao.
noscheio de aninb! Nao porque confiemos em
nossas proprias forgas oam em nosso zelo e solici-
tude ; mas porque creoios flrmeoente* qoe os ter-
renos, que nossos suores regaren, serio fecunda-
dos pelos orvaltios do cu ; porque esperamos que
as semeotes, qae semearmos, germinarao, e que a
graga do Senhor as fara produzir fruetos os mais
copiosos e admiraveis de heneaos e prosperidades;
e porque tambem contaraos, qae todos vos, compe-
netrando-vos do dever que vos assiste de coadju-
var-nos, nos prestareis o mais sincero auxilio, a
maisgdedicada cooperagio.
Temos alera disso a mais firme esperanga de que
os nossos veneraveis collegas no episcopado, e prin-
cipalmente o nosso mostrado e experiente metro-
polita, assim como o nosso bom e caridoso amigo
o Sr. bispe do Para, virio sempre em nosso auxi-
lio com as suas luze.-, seus conselhos e exemplos;
de qu nio nos faltara o apoio do llaslrado gover-
no, e das catholicas instituigoes, que nos regem.
Finalmente achamo-nos cheio de coragem, por
que, alera disso, contamos cora o auxilij do co,
pois qae nos e todas as nossas empresas estio sob
a proteccao de Jess, nosso divino Redemptor; sob
a direcco de Mara Santissima, nossa mai e direc-
tora ; e sob o patrocinio do patnarcha S. Jos,
nosso protector : e malograda nao ser jamis urna
em. resa, que estlver sob a egide e tutela de Jess,
Mara e Jos I
. Entretanto nio vos queremos occaltar, irmaos e
filhos, que apesar de todas as nossas esperangas,
molo oos sobresalta o coragao, muito nos preoecu-
pa o espirito o estado de abatimento em que vemos
gradualmente ir cahindo eotre nos o fervor reli-
gioso.
estado
posto, nos langaro seus olhos misericordiosos, vel- Quem sabe o que ser de os, se este
' continuar 1 Nao poder elle levar-nos a urna total
lario sobre nos, nos alcaogarae do Bemdilo Filho
do Allissimo a aptidao, a forga, a coragem, as vir-
tudes, e Iuzes de que carecemos.
E sabei: nos estaraos disposto a fazer tudo que
estiver em nos para supprir por urna vida activa,
urna soctade constante, urna vigilancia assidua e
prudente, e urna applicagao inalleravel, o que nos
falta em virtudes, setnela e experiencia.
Nio vos desanimis, era vos desconsolis; e se
lendes em nos, irmaos e filhos, nm pastor dbil,
inexpenente; tendes ao mesmo tempo, persuad-
vos bem, um pastor cheio da mais firme conliaoga
na Divina Providencia, animado das mais rectas
intengoes e bons desejos; um pastor disposto a nao
Todos' vos enheceis provavelmeole, em que ter-jrecuar jamis, para deixar passar o espectro dos
mos nos Ihe respondemos, e por tanto podis por {abusos, a nao parar mesmo ante o precipito, para
vos mesmos, se a lerdes sem prevengan e de boa salvar, se necessario fr, a menor de suas ovelhas,
f, convencer-vos da franqueza e sinceridad de que possa correr risco de nelle cahir.
nossas palavras Um pastor'aocioso de promover o vosso maior
Mas se oo tendes conhecimento della, sabei que bem; resoluto a empregar todos seus esforgos para
as palavras que all se contem foram urna a urna''levantar a disciplina ecclesiastica da decadencia,
dictadas pela consciencia a mais escrpulos, e di- em que se v, a ajudar a casta da todos os sicrifi-
tas no mais puro e sincero desejo de acertar e de eios o clero elevar se a altura de sua digoidade :
exprimir o que eniSo sentamos em nossa alma- decidido a guardar o manter o deposito da f, que
Era quanto agardavamos qne a santa t, orgao ihe confiado, anda a troco da propria vid* -. Um
de Deas, sem nos deixar a mais leve davlda, nos I pastor timido; mas qae nio hesitara em marchar
(aria conhecer de ura modo certo e ncontrastavel o' direito ainda por meio dos mais agudos espinhos de
querer do Senhor, os, irmids e filhos carissimos, I coniradicgo ; que com o r*or de Deas, se guiara
nao nos descuidamos de implorar por todos os mo- sempre e sempre pela fustiga; que se apoiari in-
dos a nosso alcance os auxilios da Divina Graga era variavelraente no direito : que ser sobranceiro a
nosso e em vosso favor. I todos os sarcasmos da maledicencia, surdo a todos
iodiffereoga religiosa?!
Preserve-nos Deas que a justica Divina nos sor-
prehenda neste deleixo vergonboso, nesla criminosa
somnolencia l.. .
Tristes sao os lempos que correm irmaos e filhos.
Ventos de impiedade sahidos dos abysmos sopram
por toda a parte Semeotes de descrenga foram pelo
mo homem derramadas por todo o orbe, e um bom
numero deltas vieram para o nosso solo.
E' pois precisa qae todos nos, braslleiros e ca-
tholicos, igualmente Interessados pela pureza da f
e pelo progresso da patria, acodamos a lempo de
suffocar essas semenles malditas, antes que as suas
raiies se entranhem nesta trra virgem, que desde
longos seculos, gosa do glorioso nome de trra da
Santa Cruz.
Nao somos pessimista, irmios e filbos, mas vendo
que poucos se inquietam com o progresso do mal;
que aquelles mesmos qoe deviam despertar o espi-
rito dos povos, aflectam nio ver o enfraqecimento
da f calholica entre nos, de nosso rigoroso de-
ver, aproveilar-nos desta occasiao para chamar
vossa attengio para o estado de apathia era que ja-
zero os sentmentos religiosos, e para a progressi-
va voga qae vio tendo as ideas ante-catholieas.
Sim, vemos com dor nessa Ierra, onde tanto san-
gue ja se derramou para expulsar a intrusoo bu-
guenotes, trra essencialmenle fecunda em frucios
de virtudes e piedade, aquellas semenles vegetaran
de tal modo, qae nio s comegam a mostrar vigo-
atante presagio que ..^^7^^= "S^^FSXtf^^
fomos nomeado, al a hora em I que sej'ara seus frd.s......^______, ,......,_ | Qa<*fs KlEdS
ha entre nos, pela observancia dos deveres chris
tos! Observai, quo poucos sio os que guardam
os mandamentos do Senhor; quio raros os que
Sim, a grande e
vemos desde que fomos _.....
que fomos ungan para ser e que actualmente so-1 Um pastor eroflm, que nao cessar de por todos
mos, pastor de um povq cajholico, e digno por con-: os modos e meios qne o DivinajSspirito Ihe sugge
sequencia de toda nossa afeigo, fol a de pedir a rir, promover todo o qae fer para vosso maior bem, m-ereitn iirreia
Deus que, se era sua vdntade que fossemos. nio ; para tornar-se ao mesmo tempo merecedor do ti- ^^^^^^^^S.
empunharam; do nosso acanhamento tendo de obstante a nossa joap.ldo e demritos encarrega- ,a|o sagrado de apostlo d.saoti>W"~. SiSR!VS!S^SlTSSZ
reger vos, a vos povo Ilustrado, digno do nome de do de um posto lio eminentemente santo na igreja e do voseo pasto* vosso pai e vosso amigo eoi Jess ^"^ os^0 j0 0 \s sanli.
- de Jess Christo, nos allumiasse o entendiraento Christo. !"""""". \. para bera conhecer as nossa* obrigagdes futuras e Com effeito, irmaos e filhos dilectissimos, somos beam os mas *****
acertar oos meios de cumprir com ellas; que nos 0 mais dbil, o mais Inapto dos pastores, o ultimo I
dsse forgas necessarias a nossa fraqueza, e que
" sissimo o rebanho qoe
membros da santa igreja da jess Christo, e do
attributo de lhos do imperio da saata Croz.
Nos corapreheodemos bem fcilmente irmaos e
filhos charissimos, a tristeza e desconsol que de
ver abater-vos o espirito vendo assim bumilbada nos flzesso, emlm, apto para as sagradas funegoes
a igreja pernambucana, igreja alias tantas vezes I e deveres que teamos de etercer-af non. vilupe-
--- *' relw ministenuin nostruta.-(-16)
Maltas vezes no da dirigamos humildes supph-
(1) S. Uat
ti) S. Mat
y. 35; Eoist
nnobrecida por pastores sabios e santos; tao
lllosire por seus senttmautos generosos; to enri-
quecida de membros lustrados, e que conu nao
poucos ornamentos e luzeiros de virtudes e sciencia
ja no sen clero, j entre os socalares.
Nos nao s acharaos desculpavel, e quasi dire-
mos loavavel o vosso resentimento, mas al part
bamos de vossa tristeza; e reconheceado legitimo
o vosso esmorecimenM, somos o primeiro a con-
fessaT que a Igreja pernambucana, sempre Ilustra
da e ennobrecida em pastores foi obscurecida com
a nossa acquisigio: actaa-ae humilhada com a
nossa pequenbez: e de nossa parte vos certifica-
(7) Epist. I aos CorIntMos, cap. 2, v. 4.
(8) Epist I aos Connihios, cap. I, w.
3e4,
i,t
cas a no-sa boa Mil do can pedndo-ihe instante-
mente a graga de nos aceitar e recoubecer por seu
protegido, e de permiltir-nos o invoca-la e domina-
la sempre nossa directora.
Logo que o sanio padre, o veoeraudo e augusto
as mais convincentes de
i. Numero" i que a luz da f vai'-se afigando nos corages ?!
sis'imo o rebatS qw elt "commettido a nossa' Nio sio estes os signaos mais evidentes, de que os
custodia! vSssimoTo campo, que nos est con- espirites estao profundamente debilitadas as con-
^Krjr^Wtfrsiaa
se rebanho, rotear esse immeoso campo I
Mas j que a Divina Providencia approuve em
sua Sabedoria infinita e omnisciente encarregar a
(9) Llvro I Dos Re, cap. 8, v. 35.
(10) A Cruz, se nos nao engaamos.
11) Epist. aos Romanos, cap. 11, v. 33.
11) Sapiencia, cap. 17, v. 1.
13) Teeran cap. 3, v. 1
v.
.3)
(14) Epist.
a.
I de S. Paulo a Timothao, cap. 3,
v. 14.
(18) Num., cap 11,
(16V Bplst. U aos Cor., cap. 6, t. 3.
possiv
quando se o v afropxar cada dia mais em suas
crengas religiosas? +
Como crer as convicgSes religiosas de ura po
onta o.
vida christaa
d6 InTxVeTltaieyS^^^ ""Jil.lSSi.S a^SaMaJT
nar este rebanho a nao aeixar datodo inculto este
{"campo.
* i ^^mm^m^mmm^^M>^^
Tobas, 3,6.
Epist. (kS. Paulo aos Philippenses, cap. 4,
deleixo, que ralna entre os para as deveres ebris-
tos, esse criminoso olvido das pratlcas de piedade,
sempre nacessartas a qaem qaer vlver vida chris-
os que quereos pragrtdir na
perfeiG&o (13): esse tibio affacto ao chafa snpremo
da igreja ; essa insensibilidade para eam as trbu-
lages qne amarguram o candido a paternal cora-
gao do nosso santo padre Pi UL esse varao mag-
nnimo, admirado e auxiliado at mesmo pelos
descremes ; esse aociao venerando, cujas prova-
?5es teem enternecido at os corages dos proprios
torcos?...
D'onde essa preferencia em buscar colonos entre
as nages heterodoxas ? De qae provea a pouca ou
nenhuma importancia, qae se tem dado cateche-
se de tantos milhares de Indgenas, nossos irmaos e
compatriotas, que vagueara pelas florestas ? I
Sim, irmaos e filho-, a falta de convicgSe? reli-
giosas, plantada pela indiffereoga e regada pela
ignorancia, a causa primordial dos desmandos
tristes, dos vergonhosos escndalos qae se notam
entre nos; e que, como mal endmico, vo lavran-
do por entre todas as carnadas de nossa sociedade I
E' a falta de convieges religiosas, qae vai aju-
dando o protestantismo, planta extica e rnim, a
enxeriar-se sorratelramente em todos os galbos
ir ,0,1.1-js dessa arvore da Cruz, que desde o da
em que foi plantada em nosso solo, dea os mais
bellos e saborosos froctos de piedade e de patriotis-
mo. E' ella, nao dovideis, a lepra que desune e
perturba a grande e generosa familia brasileira,
alias cordealmeote amiga do progresso, entbosiasia
do bom, apreciadora do bello, sempre amante de
seu Redemptor, sempre devota da Santissima e Im-
maculada Virgem sua Mii; e sempre veneradora
da Cruz em qae elle expirou para remir a huma-
nldadel
?.', convencei-vos, irmaos e filhos, da falla de
convicgdes religiosas, que de certo provm todos os
males que retardara nosso renorae como nagao
culta.
E ende acharis outra cousa, para dar a razio
desse entorpecimenlo, que se percebe ao primeiro
olhar, de urna extremidade a outra do imperio ?
, Para explicar esse marasmo do povo, esse delei-
xo quasi ierai dos parochos, essa incuria dos pas
e chefes de familias, essa dormencia do Clero
assim secular como regular, que ero vez de dar-se,
ao ejercicio nobre de sua missao sublime, vive en-
golfado na poltica dos partidos ; e sobre tudo essa
ioaegao dos curas das almas, qoe em logar de se
afadigarem no desempenho meritorio do suave o
santo onus de seu dever pastoral, se gastan em
urna lastimosa inercia I
Que outra causa poderia motivar o desmuelo,
que se nota na educagio moral e religiosa da in-
fancia I
E para qae buscar outra causa para razio dessa
apathia, desse resfriamento que se v era quasi to-
das as capilaes, ciJades, villas e povoagoes do nos-
so imperio, para tudo o qae concerne a devogio e
pidade? Dessa facjlidade de infringir as leu, essa
sem ceremonia de quebrantar os santos preceitos
da igreja, esse nenhum escrpulo de transgredir os
mandamentos de Deus ?
D'onde essas tendencias funestas, que cada Vez
mais se desenvolvere, esse aferr e tantas ideas
exageradas e falsas, esse apego certas doutnnas
reprovadas, essa syrapatbia por horoens viciosos,
avenioreiros, inimigosde todo o bera e introducto-
res de todo o mal ? I D'onde essa predilecgio por
certas causas, contrarias a equidade, offensivas da
jusliga, lesivas dos mais justos malos e direilos ad-
quiridos ? !
D'uode essa sofregoidio indiscreta pela vulgar!-
sacio de quantos romances produz a Europa pro-
testante, com o fira de desconceitnar o clero, ca-
lumniar a igreja, e justificar a libidinauera ?
D'oode essa condescendencia em deixar circular
livreraentelivros reconbecidamentd perniciosos ?!
D'oode essa complacencia dos pais e cheles de fa-
milias em consentir qoe sens Qlhos leiam indis-
tinctamente esses folhetins, corruptores da moral e
excitadores aos vicios e aos crimes ? I
D'oWe essa abundancia de joroaea, qoe em sua
generaldade s (ornecem leuuras inconvenientes,
detrimenlosas, nocivas moral publica, e compro-
metteduras dos principios consagrados no nosso
pacto fundamental, isto da integridade e catholi-
cidade do imperio ; principios que sio as bases e
fundamentos nicos capazes de garantir o nosso
[aturo, e pelos quaes a todo o brasileiro curapre
sacrificar seus bens, e derramar, se preciso fr, at
a ultima gota de seu sangae ? !
D'oode nasce, irmaos e filhos, seno da falta de
convieges religiosas, essa avidez pelas leiloras de
jornaes ruins, avidez que, como urna monomana,
grassa at oas mais pobres provincias, e que a se-
melhanga de urna peste inunda ludo, tera-se apo-
derado de todos os espiritos, e penetrado at nos
easebres do escravo e-antpaltio^as dos mais igno-
rantes sartanejas ? f D'oode essa ambigo desme-
dida de liberdades periROsas ao estado, geradoras
da dissolvente licenga ? I
D'onde essa impacieucia, com que o clero toma
urna parte tao activa' e directa na poltica; essa
indebita e indesculpavel intervengao qae toraam os
parochos as lulas dos partidos, as cabalas eleito-
rafct't
Quem finalmente tem dado ao protestantismo
essa oasadia, que elle comeg a mostrar entre nos,
senio a persuasio de que as convieges religiosas
esli profundamente enfraqaecidas nos coragoes
dos Braslleiros YI
D'onde, em ama palavra, vem, senio da falta de
convieges religiosas, essa licenga de costames, es-
se fallar descomposto, esse triste alardear da ioob-
servancia dos deveres religiosos, esse chacotear da
religo, esse duvidar dos dogmas e da moral ? I..
Se assim irmaos e Albos, unamos-nos todos,
e procuremos sem perda de lempo estimular-nos
as virtudes; excitar nossos corages-e os de todos
os que se avisinliarem de nos, aos sentmentos de
piedade e pureza de consciencia, nicos meios qne
nos restam para solidificar em nossos espiritos as
convieges caiboltcas.
Sira, pas e chefes de familias, eslilai esses sen-
tmentos nos ccragoes de vossos filhos e servos.
Infiltrai, pastores, esses sentmentos nos espiritos
dos povos, que esio sub vossa direcgjo.
Estimulai com vosso exemplo, irmaos sacerdotes,
ao povo sempre prompto a imiiar-vo*.
Dai pravas de iguaes sentmentos, pacficos ha-
bitadores do claustro, para que se vos reconhega
como religiosos nao s pelo habito qne vestis, mas
tambem pela pratica das virtudes cnrlstlas, e so-
bre ludo pelo desapego das cousas terrenas, como
vos obrigam os votos que fizesles; pela obediencia
a vossos superiores; pelo amor a' disciplina; e por
um viver irreprebeosivei e santo.
Reuoamo nos todos, irmaos e filhos dilectissimos,
conspiremos santamente para o bem, com unto ar-
dor e zelo, como os ioimigis de nossa sania f se
reuneni e conspiran para o mat.
Liguerao-nos em espirito lodos nos, que quere-
mos de boa f o melborameoto moral e religioso
da patria, e proponhamo-nos firmemente a traba-
Ihar sem cessar, at que se vejam tal hadas_tc4a&
as vergooleas, que a impiedade tenha ensera iSjft
desenraizado a ultima raa de descrenga qne teafca
vegetado em nosso solo I
Se nio flztrmos assim, que ser de nos?* fian-se-
ra de nos e de nossa patria, se os sentmentos re-
ligiosos desapparecerein ? I Qae papel representa-
remos, se a luz da f catbolica se apagar ealre
nos? I
Nossa patria cahir nas'frevasdo sceplicisroo,
as garras do protestantismo, que s pone produ-
zir discordias e males ; porque o protestantismo
naturalmente desorganisador de todos os principios
de fralernidade, candada e prosperidade.
E qae outras convieges, alm das convieges
catholicas, poderio, irmios e futios, contribuir pa-
ra o augmento e prosperidade da nm povo ?
Que outro senilmente pode contar o pnnbal na
mo do sicario, a penoa na do juiz venal, a espada
oa do militar traidor f t- i
Como sem sentimentoatellgkvsos amar o padre
o.seu breviario e sua soiaina?
Como ser possivel, sem tur esses senliraentos no
coracao, achar em tempo abjnm'o religioso dogora
oa solido do claustro, consolagio no retiro, con-
forte ua meditagio, amor a* regra, e satisfaca nos
votos qne fez ? I
Quando, sem esses sentmentos, se veri om pa-
rodio dedicado ao enmprimento de seus datares,
zeloso da.salvagao das almas? I Um pai de familia,
cuidadoso* da educagao moral de seus filhos, res-
peitador dos devores conjgaos, mansa para coa*
seas servos ? I
Onde, sem esses sentmentos, se encontrar nm
filho familia, amoroso de seas pais, dcil a seos
conselhos, humilde a suas admoestagoes.? t
Como ser o povo moralisado, industrioso e res-
peitador das leis, sem esses sentmentos ? Como le-
ra' elle os sentmentos religiosos sem a educagao
christia ? E como dizer educado nm povo, que nio
sabe as verdades fundamnntaes da f catbolica,
qae desconhece a necessldade e ulilidade dos man-
damentos de Dos e da santa Igreja I
Ob 1 irmaos e lhos, bem triste o nosso -estado,
bem desaniruadora nossa condigo religiosa; e es-
se estado e condigo nao mndaro, em -qnanlo nao
oos deliberronos todos a cembaier perseverante-
mele contra elles.
___________ (CoMtttmar-t
t

-


(19) Psalmo 138, vv. o e 6.
(10) Epist. aes Roto-, cip, U, v. 33.
ni
S.loio, esp. 4, t. 37,
I
(13) Imaco de Jem Chritc.
PERNAMBUCO-IYP. DE M. FrBFaFlLHO
*
m
_,
* .-


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EXEUEDVJD_4JSSOR INGEST_TIME 2013-09-04T23:25:40Z PACKAGE AA00011611_10895
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES