Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:10893


This item is only available as the following downloads:


Full Text
MUMI
r
xj

I
AMOIU!. HOMERO 37
ftrqurtelMg!itr<>dNlQiaitt.*iitt
Htm itpis Fwrle ewrei Hr te* eiei........., .
i *#*

i> -
5|M
7U
QDITAFEIRA 15 DEFEVERE1HQ BE1866
Ptr mi tag eitrt de das de 1. mee.. .. ,...... 9|m*
Parte aa>e*rreia par nm mo ,......* v v Z$
*
DIARIO DE PERNAMBUCO.
ENCARA EGADOS DA SUBSCRIPTO DO NORTE
Parahvba, o Sr. Antonio AIx?ndri|K> de Lima;
Natal, o'ir. Antonia Marqaes da Silva; Aracaty, o
8r. A. de Lemcs Braga; Cear, o Sr. J. Jos de
Oliveira : Maranhao, o Sr. Joaqaim Marques Ro-
drigues ; Para, os Srs. Geraldo Antonio Alves <&
Filhos ; Amazonas, o Sr. Jeronyrao da Costa.
ENCARREGADOS DA SUBSCRIPCAO DO SUL.
Alagoas, o Sr. Clandiao Falcao Oas; Babia, o
8r. Jos Hartins Alves; Rio de Janeiro, e Sr. Jos
Ribeiro Gasparinho.
PARTIDA DOS E8TAFETAS.
Olinda, Cabo, Escada e estacos da via frrea at
Agoa Preta, todos es dias.
Iguarass e Goyanna as segundas a sextas feiras.
Santo Antio, Grvala, Bezorros, Bonito, Caraar,
Altinho, Garanhans, Buiqoe, S. Bunio, Bom
Conselho. Aguas Bellas e Tacarat, ms tergas
feiras.
Pao d'Albo, Nazareth, Limoeiro, Brejo, Pesqueira
Ingazeira, Plores, Villa Bella, Cabrob, Boa Vis-
ta, Ouricury, Salgueiio eEx, as qoartas
feiras.
Serinhiem, Rio Formoso.Tamandar, Una, Bar-
reiroi. Agua Preta a Plmenteiras, as quintas
feiras.
AUDIENCIAS DOS TRBUNAES DA CAPITAL.
Tribunal do comraercio : segundas e quintas.
Relajo: tergas e sbados10 horas.
Fazeida: quintas s 10 horas.
Juizo docommercio: segundas as 11 horas.
Dito de orpbios: tergas e sextas s 10 horas.
Primeira vara do civel: tercas t sextas ao mel
dia.
Segunda vara do civel: acareas sabbades a 1
hora da tarde.
EPHEMER1DES DO ME& DE PMVEREIRO.
7 Quarto ming. as 5 h., 2am. 16 s. da t.
15 Loa nova as 7 h., 53 m. e 16 s. da m.
22 Quarto cresc. as 2 h., 28 m. e 43 s. da ro.
DAS DA SEMANA.
12. Segunda. S. Marcello p. m.; S. Eulalia v. m.
13. Terca. 9. Gregorio p.; S. Benigno b.
14. Quarta>de Cinza. Ss. Anxencio e Agathao mm.
15. Quinta. Ss. Faustino e Jovita mm.
16. Sexta. S-. Raymundo de Penaforte c.
17. Sabbado. S. Polycrouio b.; S. Romulo m.
18. Domiogo. S. Simeio b. m.; S. Prepedigna v.
PREAMAR DE HOJE.
Primeira as 4 horas e 30 m. da Urde.
Segunda as 4 horas e 51 minutos da manbla.
PARTE OFFICttL
PARTIDA DOS VAPORE COSTEIROS,
Para o snl at Alagoas a 14 e 36; para o non*
at a granja a 7 e 22 de cada- mes; para Parean-
do nos dias 14 dos mezes de Janeiro, margo, malo
julho, setembro e novembro.
ASSIGNA-SS
no Reoife, na livraria da prac> da Independencia
ns. 8, des propietarios Manoel Figneiroa de Parla
i Filbo.

i lugar da Torre.-A representadlo dos sopplieaotes
ser tomada na conslderago que merece.
Tenente Emiliano Ernesto de Melle Tambo-
I rim.Passe portara concedendo 3 mezes de licne-
ca com sold s mples.
Francisco Alves de Miranda Varejio.Informe
o Sr. engenheiro chefe da repartido das obras pn-
;0VER\0 DA FBOVIXCIA.
Expediente do dia 12 de fevereiro de 1866
Offlcio ao Exm. presidente das *g*% ""j^ Dionisio Bezerra.-Informe o Sr. comman-
chegar a presenga de \, Exc com. rfH* dante superior da guarda nacional de Olinda e
commanctonte do presidio de Fernando, datarias ae & B
21e22tledezeaibro ultimo, aflm del*"; i 8Joio Bernarfl0 do R9g0 Montelro.-Nio tem
mettidas ao conhecimento do governo depois ae sa-,
t isfeitas as disposicoes do decreto n. 2,566, de a* le
ra qual foi a sua bandeira. J comegaram os fa- ct Guedes de Carvalho, Joaqulm Anselmo Aflalo cumpriment da legislado hypothecaria mxime
zilamentos offlciaes Dous sargentos e um oficial aoior, Jos Antonio Castaobpjra, Dr. Jos Frac- no ponto de vista de que nos tenas ocouo'ado.
superior j soffreram as consequencias das barba- tooso Ayres de Gouvea, Aotjmo Bernardo Ferrei-
ra, Antonio Alves de Soasa, Emilio Larcher, Al-
; berto de Mjraas Pinto de Almeida e Goilherme
! Amsiuch ; com o grao de cavaileiros da ordem da
; Conceicao. os Sr*. Francueo Nones Marques de

ras le* bespanbolas.
Anda se nao levantou o estado de sitio to Ma-
drid. Os nimos anda se nao acbam tranquil-
los.
Na cmara dos pares foi approvada a novago
do contracto com a companbia dos caminhos de
ferro de sueste: fallaran) sobre ella varios orado-
que nos temos ocoupado
llavera reunio do Instituto dos Advogados
na sexu-feira, as duas horas da arde na sato do
Jary.
O Dr. DelOno Augusto Cavalcanti de Albu-
Pa.va, Heunque Car os de Masada, Joao Chrysos- qoerque, jaiz de direitoYde Pud'Alho entregou, a'
Luciano Siraes to Garramo, commissao respectiva, a guania de nm cont e
appeliado, Estanislao Joa-
tomo Malicio, Jos
Joo Alien, Bernardo Dalas, Jos Elias dos San-
e
vinte mil reis, provenientes da subseripcao, que
res, e como da acta da sessao anterior se vermcou tos Miranda, Antonio Lopes erreira dos Anios. em sua commarca, nromovem Dar* o asvlo de tn-
i disposigoe. .
maio de 1860, e das circulures de 31 de outobro
de 1864 e 28 de jnnho de 1888, as incluas Deli-
cies em que os sentenciados dessa provincia M*u
ricio Bit nardo, e Jos Themoteo de Amorim, im-
ploran) a S. M. o Imperador perdSo da pena que
esto cunpriudo no mesmo presidio.Igual aos
Exms. presidente das provincias do Cear acerca
dos sentenciado Laurentino da Rocha Freir, da
Parahyba sobre Manoel Ferreira do Na*ciraeoto e
da do Rio Grande do Norte, a respeito da senten-1
ciada Jos^pha Mara da Conceicao.
Dito ac Exm. dezembargador provedor da Santa
Casa de Misericordia.Mande V. Exc. admittir no
olIeRio dos orphnos nos termos do art. 14 da le
provincial n. 611, de 2 de maio do aono passado,
o menor Francisco, fllho lemtimo do capilacido 7
Francisco de Ol-
Jos Pedro Carneiro de Albuquerque.Informe
o Sr. director geral da iostruocio publica.
Manoel Loiz de Sooza.Informe o Sr. comman-
dante superior da guarda nacional de Olinda e
Iguarass.
Miguel dos Anjos Martin?.Apresente-se no
quartel-general.
Paulino Jos Celestino.Informe o Sr. director
do arsenal de guerra.
Tbeodora Miria do Patrocinio.Aprsente o
menor ao Sr. director do arsenal de guorra.
- 12 -
Amaro Jos do Amaral. Recolha se a enferma-
ra militar.
Alexandre Magno Peixoto de Alencar.Informe
o Sr. inspector da thesourana provincial.
Francisco Virissimo de Hollanda Vasconcel-
qne nao constava sem declaracao do ministerio da Agoslinbo Ropo, Domingos Ferreira Pinto, Jos
fazenda sobre propostas do Sr. Salamanca, a ca- Luiz de Oliveira, Antonio Vctor de Figueiredo
mar coovidou o governo a repetir a sna declara- Bastos e tmilio Van Loo ds Lerret; com o grao
580 para que Bcasse exarada na acto. O Sr. Fon- de cavalleiros da ordem de Cnrislo, os Srs. Angos-
tes declarou que a companhia Salamanca nao havla o Luiz da Silva, Edoardo Augusto Alien, Jos Joa-
apresentado proposta alguma no sentido da nova- qoim Rodrigues de Freitas Juotor, Agostinho Jos
validos da patria.

Fraocisco Jos Barbosa.Informe o Sr. com-
corpo de voluotirios da patria nuw~--~~ _tnrtofBrUn
veira Cabral, que marcbou para a campanha, In-; l0Spr.,n^.epr",:
dependente da exhibico da certldao Je idadedo "S superior da guarda nacional de Olinda
referido menor, a qual todava sera apresentaaa j iguarassii ^
Xo !oExmSCeneral commandante das armas, j _J?"l!"lfS?e,r(1(
Mande V. Exc. por em llberdade, Ucando l'J'SfltrSSH '
gao idntica a' do contrato do caminho de snste ;
mas que constava que a companhla pretenda en-
trar em transargo com o governo; mas que o go-
verno anda nio tioha estodado este assompto, e
que por ora nao estova resolvido a trazer ao par-
lamento nenbuma proposia deste genere.
A voiaiao na cmara alta foi nominal, sendo o
contrato approvado por 47 votos contra 33 ; sendo
por tanto approvado por ama maioria de 14 votos.
Na cmara dos depatodos contina anda a dis-
casso da lei sobre a liberdade da imprensa, tendo
sobre ella fallado varios oradores, mas principal-
mente .'obre a especialidade e sobre artigos regu-
lameotares. A base do projecto de lei a mxima
liberdade e a repressao dos abasos; qaatqaer ar-
, ligo e qualquer paragrapho pode dar logar a in-
nmeros dentes, pois segando as dfferentes hy
di Silva Guimaries, Arthur Napoleo, Francisco de
Sa NoroBha, Joao Gutlherme Daddi, D. Jo.- Carlos
de Menezes e Alanad, F. L Gargao, Claudino Aa-
easto Cesar Garca, Jos- Caetano de Atmeida Na-
varro, Antonio de La Hoque, Dr. Jos Cardoxo Mal-
donado, Jacintho Pereira Val verde, Eduardo
noel Ramiros, Daniel Cordeiro Feio, Gabriel
Ramires, Ravmnndo Joa^uim Martins, Jos Ma-
na da Silva Campos e Mello, Joo Manoel Miguis,
Henr'qne Shalb, Augusto Moreir da Costa, Jos
Antonio Monrad, A. Lansane, Jos Fraocisco da
Piedade, Thomu da Annnnciaco, Joaquim Pedro
de "onza, Miguel Angelo Lupi, Joaquim Pinto, An-
tonio Cordeir* Ptfo e Bernardino Jos Gomes.
Appeliante, ojoizo
quimde Moura.
Confirmada a aentenca.
AppetlacSes civeis.
Appelianles, Manoel CamiHo Pires Falcao ; ap- .
pellado, Paulino Pires Falcao.
esprexados os embargos.
A>pfllante, Jos Alves Barbosa ; appeliado Pe-
dro-Semeo da Silva Braga.
Despiezado* es embargos.
Appeliante, Maria Magdalena da Conceicao ;
anpeilada, Cypriana Maria de Mattos.
Reone-se.hoje a assembla geral da Compa-> Receidos os embargos,
nbia Pernambucaoa de paquetes a vapor, para a! habr) cohmis
leitura do velatorio do anno (indo e eleico da no-' Negaram soltura a Germano Lopes Frazao, e a
va directora. Manoel Joaqaim do Nascimento.
-Chegou hontem a tardinha o vapor inglez I JSSg?" dl* "" ^""eato das appellacoes
tornea oaad? LVerP00'' d*Dde Sah *& H A PP"^0 crime-
IfS Ogm em noticias por ter sabido de Ib- JT^' Pim '" 8"V* ^^ '
boa, ires dias antes do vapor francez, que toco
ala- em nosso porta no dia 12 do corrente. ^
OS I n ,
Passageiros do vapor inglez Arago, entrados
de Liverpool por Lisboa : Jos da Silva Barroca,
Israel Lewikowz, Jacob Goldarim.
Passageiros do vapor Mamauguape, sabidos gator Lonrenco Santiago
para o Aracaty e portos intermedios: Victorino 1 As appellacdes crimes.
Antn de Alcntara, Joto Alves Feitosa Franco Appeliante, NicacioNooes da Rocha; appeliado,
j Filho, Pedro Claudino Doarte e 1 escravo, Manoel o Jaizo.
Aappelleolocivel.
Appeliante, Antonio Sfartlns Alves ; appeliado.
Joaqaim Francisco de Oliveira.
PASSAGENS.
Do Sr. desembargador Gitirana ao Sr. desembar-




nados dis cornos a qae esto pertencendo os guar
das, volt otarios da patria e recruNs mencionados
na relacao junta, visto que segundo os termos a-
nelos ao seus ofcios ns. 274 e 275 de 10 do cor-1
rente, foram jnlgados ineapazes do servigo em ins-,
pecQao do saude.
Dito aD mesmo.Declaro a V. Exc. para os flns
convenientes que fallecen no hospital da Babia, no
dia 5 de Janeiro ultimo, seguodo consiou-me de
offlcio do Exm. presidente daquella provincia, da-1
todo de 30 do mesmo mez o soldado do 5a corpo de
voluntarios Manoel Vicente Ferreira.
Dito ao mesmo.Sirva-se V. Exc. de informar |
sobre o que pede no incluso requer ment, o gaar-
da do 2* batalho de infaotaria destinado ao serv-
(o da guerra Damio Gomes dos Santos.
Dito ao inspector da thesouraria de fazenda.
Mande V. S. abonar em os devidos lempos a con- j
signacaoque, segundo o requerimento incluso, pre-
tende deixar do respectivo sold nesia provincia.ote- j
neote do 6* corpo de voluulanos da patria, Manoel
Eloy Mendes. Commuoicoo se ao general comman-,
dante das armas.
Dito ;io inspector da thesouraria provincial.
Recomm indo a V. S. que em
as
Jos de S Cavalcante de Alba- potbeses se pod considerar mais oa meaos llvre.
sendo este aposentado O ministerio da fazenda no sea rejatorlo acerca
1 o Sr! Or. director geni da instraeco publica. do nosso estado financeiro dix qne a situago da
Martiniano Mendes da Costa. Nao ha ruis que fezenda publica nao prospera, se se considera-
deferir. rem os recursos actaaes d i thesonro e os eucargos
Mara Manoella da Conceleo.Informe o Sr. a qae tem de satisfazer : mas se se altender as artes e as sejencias; e por cima deste grupo .
e ao ac- allegorico-t Gtona nctoribus t (gloria aos ven toaqn|m, escravo de Belarmino Alves, e Jobo, afn
As medalhas qae nao de servir de
pensa aos expositores premiados aa exposicao in-
ternacional do Porto sao de tres eiasses alm das
meoctos honrosas, a de 1.* classe de vemacil ou
de prata doarada; a de 2.a de prata; e a de 3.a de
cobre.
As medalhas tem anverso ura genio com o fado
do progresso coroando a industria, o coromercio,
recom- Boberto de Sonza, Jos de Sooza Gnimares, Do-
mingos Jos Pinte da Silva.
Rbpaktico da polica.
Extracto da parte do dia 13 de fevereiro de
186x
Foram recolhidos
do correte
casa de detencao
A* ordem de Dr. delegado da capital, Firmino J.
de Sant'Anna, como Indiciado em crime de ronbo;
Appeliante, o juno ? appeliado, Maaoel Francis-
co Ferreira.
Appeliante, o jaizo ; appeliado, Joaquim Gomes
de Sooza.
Appeliante, Jos Felippe Bezerra Cavalcante ;
no dia 131 appeliado, o joiao.
Appeliante, o juizo
commandante superior da guarda nacional de Olin-1 grandeza dos (ins prodoctores da naco
da e iguarass.
Manoel Rodrigues da Silva. Informe o Sr. com-
mandante superior da guarda nacional de Olinda
e Iguarass.
Tbomaz Bassick.Informe o Sr. Dr. chefe de
polica..
crescimo da recelta que se observa consecutiva-
mente de anno para anno e ao empenho qne os po-
deres pblicos tem posto nesta ultima qaadra da
nossa vida constitucional em melhorar as nossas
condicoes econmicas, e ao multo qae alada resta
a fazer para desinvolver as forcas vivas do paz,
ehegaremos ao conveocimento de qae nio muito
EXTERIOR.
COBREgPOMDESCIAS 0
RIO I>E PBBlYAMJBVCO
LISBOA.
ni
cedores). e ao lato inscripto em capas de diver-
sos livros os Domes immortaes de Camdes, Lesage,
Tasso, Raclne, Scbiller e Shakespeare. As armas
to reino e as da eidade tambem l esto abenas.
No reverso est nma coroa de lonros onde se
leem as segootes ioscripcoes allusivas s deseo
bertas dos Portuguezeg as diversas partes de
28 de Janeiro.
Fallecen o prncipe Otnen Eugenio Mana, duque
de Moot-Ferratt, quarlo filbo d; el re Vctor Em-
manuel, e irmo da rainha a Sra. D. Maria Pa;
vista do competente este principe nascera a 11 de julho de 1846, era
certificado, mande pagar ao arrematante do 1 lan- capilao de mar e guerra.
co da estrada do Limoetro a quantia de 1:437^4801 O principe era de constituirlo muito frac;, e pa-
correspondente a primeira pre>taco a que elle, decia do peito, era mesmo rachitlco: afflrma-se
tem direito, por haver executado de conformidade que tinha rara intelligencia e possuia muito gosto
com o respectivo ornamento a terceira parte das pelas bellas arte*.
obras do seu contrato, segundo consta de offlcio do { Habita va geral mente em Genova, oa saas proxi-
chefe da repartlfo das obras publicas de 10 do midades, porque a temperatura dessa provincia era
corrate, sob n. 43.Communicou se ao chefe da mais favoravel a sua sade.
reparlicao das obras publicas.
Dio ho mesmo.A' vista ao que V. S. informou
em seu jiilcio n. 40 de 31 de Janeiro ultimo, o au
torito a mandar adianlar ao delegado do termo do
Bonito, a quantia de 2004000 para occorrer as des-
pezas com o sustento dos presos pobres da cada
do mesmo termo, devendo essa quantia ser entre-
gue ao tbesoureiro da reptil cao da polica como
V. S. propoz no citado officio.-Offlciou-se neste
sentido ae delegado encarregado do expediente da
repartkcao da polica.
Dito ao commandante superior da guarda nacio-
nal de Olioda Constando de parlicipaco da di-
rectora geral da secretara de estado dos negocios
da Justina de 25 de Janeiro prximo lindo, que S.
M. o Imperador por decreto ce 16 do mesmo mez
houve por bem nomear o capito Jos Polycarpo
de Freitas para major commandante da Ia seccao
A real familia italiana tinha muilos extremos pe-
lo principe Othor, cuja vida promettia pouca dura-
co. Anda nao conlava 20 annos.
Sua magestade el-rei D. Luiz, como demons-
trado de sentimento pela prematura perda de sen
augusto cunhado, toma ludo por trinta das, e or-
denou que a corte e os seus creados tomassem
igual lucto a contar de 23 de Janeiro.
Falleceu tambem em castellos de Mandra no
Piemonte a condessa de Millefiori, cenbecida geral-
mente pelo nome de Roima, que havia coutrahido
casamento morgaaatico com el-rei Vctor Eanma-
nuel.
A condessa tinha dous filhos, ura varao chamado
Vctor e urna menina chamada Manoela, que carao
sua mai recaberarn o titulo de condes. No Pimon-
te ninguem ignorava a influeacia qae a condessa
de Millefiori exerc.ia no animo do rei. Era muito
difficil conseguir o equilibrio das nossas flnancas,; mundo :- ludia 1498 -t Australia 1601
sem vexar o contribainte nem gravar considera- Brasil 1500 t Fontes da N1I0 16001600. >
velmente as geracoes futuras. Do lado de fora deste corre este dstico Expo
Assegora-se qae o Sr. marqaez de Salamanca sicio internacional do Porto 1865 e no centro
nao pretende por ora garanta de producto broto, o nome.i Sagres >, d'onde parti a primeira ex-
mas sim ser dispensado de fazer a segaoda va do, pedico para aqvellas descobeftas tendo em volto
caminho, como ja' foi dispensado de assentor os
segundos taboleiros as pontes metollicas. Se ef-
fectivam<-iite a companhia quizesse ja a garanta
de 33 mil francos por kylometro, ou 5:9404000,
era obrigado a assentor logo a segunda va; visto
qae na forma do 1* do art. 3 do contrato appro-
vado por lei de maio de 1860, < a empresa seria
obrigada a assentor a segunda via terrea a' sna
costa logo que a receita bruta annual do caminho
de ferro, chega-se a 4:8604000 por kylometro, na
lioha de Lisboa a' frontelra e a 5:8324000 na do
entroncamento ao Porto ; ora o rendimenio kilo-
mtrico garantido de 5:9404000 collocava a com-
panhia nos casos previstos em 1860, e oa obriga-
(o de assentar a 2a via.
Contina o debate na Imprensa sobre o projecto
i do casamento civil o Sr. D. Antonio da Costa nao
: tem abandonado o campo, chamando a' discusso
! ao campo religioso ; o Sr Alexandre Hercnlano
'. defende a cidadella com denod e com a forra e
! eloquencia da sua palavra autorisda. A maioria
da imprensa peridica e todo o partido liberal e
progressista aceita sem restriccao o casamento
civi'
de batalao de reserva da guarda nacional do mu-1 caritativo, e diz-se qae aconselhava s vezes sua
nicipio de Olinda ; assim o communico a V. S. para magestade com mais acert do que os ministros da
seu conbecimeoto e para que o faga constar ao cora.
agraciado e a qoera mais convier. Actualmente estava-se-lbepreparando nm magni-
Dito ao director geral da iostruccao publica. tico palacio na Toscana, quando a morte a sorpre-
Km vista de sua informaejio de 10 do correte, sob heodeu aos 42 annos de idade,seodo victima de nm
n. 19, autoriso V. S. a mandar admittir no Gymna- tumor canceroso.
sio Provincial como alumnos externos gratuitos os i El-rei Vctor Emmanuel logo que soube qae a
filhos de Alexandre Jos da Silva. Miguel Lucio de condessa estava gravemente enferma, parlio de
nos raios, que igualmente circula o seguinte ver-
so das Loziadas.
1 Se mais manto hoavesse mais chegara. >
O modo como eelao abenas e gravadas estos
medalbas nada deixa a tosejar sendo um docu-
mento bem eUqnaote do mrito do Sr. Winer.
A ceremonia da proclamacXo das recompensas
da exposicao o cbnjonctamente com o sea encerra-
ment no dia 2 de fevereiro, com as sis te ocia e
presidencia de SS. HM. A destribuicao das meda-
lhas ha to ser felia em oatro dia que ser desig-
nado.
Foi remedido ao ministerio das obras publi-
cas e plano da ediflcaco de um novo bairro da
capital desde o passeio publico al s torres deno-
minadas do Seabra plano elaborado pelo engenhei-
ro Pzrot por ordem da cmara municipal de Lis-
boa. Este projecto foi remettido commissao dos
melhorameotos da captol creada em maio de
1865, para sobre ella dar o seu parecer.
Tambem devero ser ouvidos sobre este assump-
; to os cavalbeiros que forraam a projectada compa-
cano Hvre, para averiguarles em crlme de fono.
A' ordem do Dr. juix municipal da primeira va-
ra, Jos Martins da Silva, como Indiciado em crime
de moda falsa.
A' ordem do subdelegado da Boa-Vista, Julio Jo-
s da Costo, e Duarte Antonio de Miranda, por bri-
ga; e Angelo, escravo de Jos Joaqaim Perira,
para correccao.
A' ordem do da Capnoga, Joo Firmino, tambem
para correccao.
O chtfe da 2a secQao,
J. G. de Mesqutta.
Casa de detencao.
Movimento da casa de detencao no dia 12 de fe-
vereiro de 1866.
Existlam 396, entraram 9, sabiram 5; existem
400.
A saber :
Nacfonaes 257, mnlberes 9, estrangeiros 46
mulberes 3, escravos 79, eseravas 6, total 400.
Alimentados a costa des cofres pblicos 202.
Movimento da enfermara no da 13 de fevereiro
de 1866.
Tiveram baixa :
Jos de Castro Pinbeiro, contajes.
Antonio Francisco de Silva, dem.
Mariano, escravo de fasso, ahenacio.
Falleceu:
Macionel, escravo, substanciado.
L.KMITEB10 PUBLICO, OBITUARIO DO DA 10 DE
FEVBRBIRO DE I86G.
Marimba Maria do Carme, Pernamboco, 62 annos,
solleira, S. Jos; byrisipella.
Conego Venancio H. de Resende, Pernarabuco, 82
annos, S. Antonio; pneumona.
Marlinho Raymundo Pereira Bastos, Pernambuco,
casado, S. Jos; bronebites.
Boa
Est-se crganisanto em Lisboa urna importante nhia de edilicages de Lisboa. I Antonio Carobnida, frica, 86 annos, viuvo,
companhia para a lavra das Importantes ramas de I Acha-se em Lisboa um francez que se pro-: vista congesiao cerebral,
eslanho descobertas pelo Sr. Adolpho Leuscbener pde edificar predios modellos e por precos roini-1 rencio leorite, Italia, 2o annos, solleiro, Boa-Vista;
no Ramalhoso e Portel'a da Gaiva no concelho de! raos; comprou um terreno oa extremidade occi- aueccao pulmonar. .
dental do aterro da Boa-Vista para all construir | Francisco, Pernamboco, 12 mezes, S. Jos; inte-
um predio segundo o seu sysibema. r'e' ,,.
Foi naturalisado cidadao portnguez o subdito j Jos. Pernambuco, 4 annos, Boa-Vista; convul-
appellado, Marcelino Go-
mes da Silva.
Appeliante, juizo; appeliado, Jos Roberto de
Lima Jnior.
Do Sr. desembargador Motto ao Sr. desembar-
gador Assis.
A appellacao crime.
Appeliante, o jaizo ; appeliado, Marcelino Jos
da Silva.
As appellacdes civeit.
Apppllante, Rufino Tbomaz de Aquino ; appelia-
do, Fr. Joao do Amor Divino.
Appeliante, Fraocisco casado da Fonseca ; an-
peilada, a fazenda.
Do Sr. desembargador Assis ao Sr. desembarga-
dor Doria
As appellacdes crimes.
Appeliante, o promotor; appeliado,Luiz to Reg
Leile Jnior.
Appeliante, Manoel Ribeiro da Silva ; appeliado,
o juizo.
A appellacao civel.
Appeliante, a fazenda; appeliado, Jos Joaqaim
Pereira de Mendonca.
Do Sr. desembargador Doria ao Sr. desembar-
gador Ucbda Cavalcante.
A a ppellacio crine.
Appeliante, o juizo; appeliado, Manoel Mar-
ques de Souza.
Do Sr. desembargador Domingaes da Silava ao
Sr. desembargador Vieira
A appellacao crime.
Appeliante, o promotor; appeliado, Raymundo
Jos Fnnklin.
Do Sr. desembargador Vieira ao Sr. desembar-
gador Santiago
A appellacao crime.
Appeliante, Dr. Manoel Jannario Bezerra Mon -
tenegro; appeliado, Dr. Antonio Burges da Fon-
seca.
A 1 }i hora da larde eocerrou se a sesso.

Amarante, districto do Porto. Esta companhia ha
de ser formada por 40.000 acedes de 94000 cada
ama, sendo a primeira prestagao de 24250. A
commissao provisoria destribuio um folhelo em
qae faz a descripcao das minas, e os clculos da
sua exploracao, e roostra qae pode a companhia
produzir extraordinarios lucros, calculando em 4 %
os meros oo prlmeiro anno, 7% no segando anno,
e 11 % no tercelro; e assim progresivamente. A
empresa promette grandes lacros.
Cnegoa a' Coimbra o Sr. Antonio Doria de-
legado da companhia de illarainacao a gaz naqoel-
la eidade que havia sido chamado telegraphica-
mente a' Figueira da Foz, em conseqoencia de um
brasileiro residente em Lisboa o Sr. Albano Bap-1 m Ces-
tista de Miranda.
Diz se qae recebera o ltalo de baro de Po-
maro o Sr. James Marn.
O Sr. Latino del no vai escrever as campa-
nhas do exercito portugaez contra Napoleo I. O
publico espera aocioso a pagina das glorias por-
tuguezas escripia pelo chistoso e profundo Ilite-
rato.
A*&ZZ^to^^m^ Floren^ pm a% ^i^ to"^^ei ^ Mi virude de cooibusto espontanea
eOleJario1 Francisco Mendes, de nomes Antonio que atravessava o reino em consequencu da all- se tiobadesinvolvido no deposito de carvo. que
Joaquim Lucio de Albuquerque Mello, Francisco e ma crise ministerial.
Sergio Pantaleo Mendes de que tratam os inclusos Falleceu o conselheiro Fernando Jos de San-
requerlmentos. to Rila, oficial general da armada, e vogal do su- P01^
Dito ao chefe da repartico das obras publi-
cas.Maode V. S. foroecer ao administrador da
casa de detencao, a madeira necessaria as obras de
que elle trata ao< dous ofcios por copla inclusos,
correndo a respectiva despeza, que nao deve exce-
der de 3004000, pjr conla da v.-rbaReparos de
edificioscomo V. S. propoz em seu offlcio n. 29
de 30 do Janeiro ullimo. Fiterairi-se as necessa-
rias commumeaedes.
Dito ao director das obras militares.Recom-
roendo a Vme. que mande fazer quanto antes, os
concerhis de que secundo o offlcio junto por copia
necessitam o porta j da fortaleza do Brum e as
portas fias prisdes pequeas da* mesma fortale-
za. -Communlcoa-so ao general commandante das
armas.
Dito ao capito do porto. Fago apreseotor
aVmc. o recrula de mancha Serapbim Jos Lopes, campanha do l\u A
para que Ihe d o conveniente destino depois de por Mojarour,
premo conselho de justiga miliUr. 'Este distincto as perda*J 2:00*oop-
companhia tem all. Deve-se aos esforgos daqael-
le cavalleiro nao ler havido maiores prejaizos;
as medidas acertadas que lomou fez limitar
oilicial havia presiadp valiosissimos servigos a cau
sa de legitimidade da rainha D. Maria II, e das II
berdades patrias.
Emigrou em 1828, e no Rio de Janeiro tomou o
commando do brigue de guerra Conde de Villa
Flor, que all se armou e veio servir a regencia
estabelecida na ilha Terceira, onde chegou em no-
vembro de 1831.
Fez parte da expedigo do Porto, sendo a guar-
nido do mesmo brigoe a primeira que vollou em
Ierra e cravou a bandeira liberal. O Sr. conselhei-
ro Santa Rito coutava perlo de 56 annos de ser-
vigo.
Era commendador das ordens de Torre e Espa-
da e de Aviz, cavalleiro da ordem imperial do Cru-
zeiro, e tinha o distioctivo da Estrella to Ouro da
ata. Fra elei lo deputado
_. de fevereiro de 1850, e do-
inspeccionado. meado inspector da cordoaria em abril de 1855.
Dito ao conseibo de compras do arsenal de Para o logar de vogal do supremo conselho de
guerra.Recoiimeodo ao conselho de compras do justiga militar vago pelo fallecimento do cooselhei-
arsenai guerra que compre para provimento do ro Santa Rila, foi Horneado o conselheiro Joaquim
respectivo almoxarfado os objeclos meneiooados Pedro Ceiesiino Soares, chefe de divisao graduado
no incuso pedido. Fizeram se as necessarias da armada ; esle distincto offlcial nm dos qae
commanicages. ; mais servigos tem prestado com as lettras a classe
Portara.O presidente da provincia, resolve de-i a que perleocA, e dos mais enthusiastas pelo en-
slgnar nos termos da lei o. 369 de 14 de maio de graadecimeoto da nossa marinha de guerra.
1855, o professor do Gymoasio proviocial, Jos Para o lugar de director da escoto naval e com-
Soares de Azevedo, para exercer interinamente o mandante das companlnas das guardas marinhas,
lagar do director g-ral da iastraegio publica, da- vago pela promocao do conselheiro Celestino Soa-
ranie o impedimento do respectivo proprietario res, foi nomeado o Sr. Augusto Sebastio de Cas-
Dr. Silvino Cmlcante de Albuquerque, que segu
hoje para a come, a tomar asseato na cmara dos
depulados.Fizeram se as necessarias communi-
goes.
Dito. -O presidente ,da provincia, resol ve conce-
tro Guedes, capito lente da armada, bacharet
formado em maihema'.ica e amigo deputado.
Foi nomeao par do reino o Sr. Roqne Joa-
quim Fernandes Tbomaz, presidente da cmara dos
depatodos, consto qae mais alguns cavalbeiros vio
der 10 dias de licenca, para trattr de soa sale,' ser elevados ao priato, apontoodo-se os ooraes
ao tenente do 2a batalho de guardas nacionaes do Sr. conde de Cavalleiros D. Rodrigo de Meoe-
destinado ao servigo da guerra Joo Sil verio Car- zes, do Dr. Fontes Pereira de Mello, mi ni; tro da
neiro da Canha. justiga.
Dito.-O presidente da provincia, tendo em visto j u general Prlm caudilho da revolucio hes-
a proposta ao director geral da instrucgo publica,' paobola eotrou a frontelra portusueza em Barran-
de 10 (I correte sob n. 20, resol v? nomear o ha- eos, 00 districto de Beja; no dia 20 de Janeiro a's
charel Eteqaiel Franco de Sa, para reger interina- 2 horas da tarde, vinba com o brigadeiro Milans de
mente a 2* cadeira da escola Normal dorante o Basch, 21 offlciaes superiores, 37 capillos subalter-
impedi Tiento do respectivo professor, percebendo nos, e 638 pracas de pret, e 559 cavados tos regi-
os veicimeotos qae tovidamente Ihe compet- mentes de Bayieo e Calatrava; eotrgou ao admi-
ren).Fizeram se as necessarias comraanicagdes. nistrador do conselho de Moura todos os cavados e
Dito.O Sr. gerente da companhia Peroaraba- armamentos. Pelas 5 horas da tarde apresentouse
A escola prailca
vas funccionara' este
juobo prximos.
O Sr. Gondchaax,
de artilhana de Veodas No-
anno nos mezes de abril a
director dos caminhos de
REVISTA DIARIA
Reuno-se hoje o Instillo Archeologico e Geo-
graphico Pernambocaoo para o lim que hontem
deixamos dito.
Foi assassinado no dia io de Janeiro nltiimo
no Juca'.perteoceote ao 2 districto do Bom Jardim,
ferro do norte e leste, querendo obstar quacto fosse j da comarca do Llmoeiro, Antonio Pereira de Lima,
possivel aos acontecimentos sioutros qae se do geralmeate conhecldo por Antonio Daira, sendo o
cana, mande dar ama passagem de estado a r at
PenedD, no p-imelro vapor que seguir para o sal,
ao pro'essor publico da cadeira da freguezia de
' Fazenda-Graocle, Victorino Antonio de Alcn-
tara.
Despachos" do dia 10 to revertir de 1866.
ReqverimetUos.
ao administrador e commandante de carabineros
da provin-ia de Haelva, como representante igo-
verno hespanhol e tomou conta dos cavados e ar-
mamentos qae o referido administrador ihe en-
tregou.
Destacamenlcs comroandados por capUaes vio
partir para os pontos onde hto de ser aquartela-
aio do:i Aojos da Porciaincnla.-InfortBe dos, os emigrad hespanhes, que sao em Vendas
Sr. drector geral da instraego publica. I Novas, Cascaes_ e Setubal.
Abaixo ass'gaadcs propietarios e moradores no
A rvolacto f)i snppiantada, anda boje se igno-
oas linhas a sen cargo, propoz qae se estade a ma-
neira decollocar nosc omboios umfio elctrico qae
ponha em contacto o machinisto com o guarda-
freio, aflm de ambos poderem obrar conveniente-
mente em occasio necessaria um para apertor os
freios e o oatro para fazer parar o comboio. Por
este mel possivel poder-se prevenir e evitara
mnitas vezes alguns acontecimentos desastrosos,
porque haveodo na machina nma campainha elc-
trica, e na carreagem de (reto urna outra, corres-
pondem-se em casos necesarios. O Sr. Lcr e outros engenheiro* distinctos foram encarre-
gados de estodar o systhema de collocar o freio
as carrnagens.
Era esperada no Tejo urna esqnadra ameri-
cana que parece que se deve aqui demorar bastan-
te lempo, pois qae o almirante mandn alugar
casa oa eidade para soa residencia.
No dia 2 de fevereiro celebrar-se-ha no Porto a
ceremonia do encerramento da exposicao interna-
cional portugueza, a que assistirara SS. MM. el-rei
D. Luiz e el-rei D. Fernando presidente da expo-
sicao.
Esto solemnidade foi novamenle adiada em con-
sequencia do lucto em qae se acha a corte pela
morte do irmo de S. M. a rainha D. Maria Pa o
principe Othon.
SS. MM. s > esperadas no Porto no dia 31 de Ja-
neiro, e a eidade eterna prenara-se grandes de-
monstragdes pata a chegada dos reaes hospedes.
Veio do Porto a Lisboa ama commissao compos-
ta dos Srs. Maooel Alves de Almeida, Antonio de
Almeida Carvalbo e Jos Pereira da Rocha, para
rogar a S. M. el-rei que se d-gnasse ir inaugurar
a estatua de sen augusto irmo o Sr. D. Pedro V,
qne ha de coroar o pedestal erguido na Praga da
Batalha do Porto.
S. M. el-rei com aquella benevolencia e magna-
olmidade que tanto distingue o sen carcter, aa-
nnio ao pedido da commissao, que regressou ao
Porto em extremo grata pela raaneira como foi re-
cibido por el-rei.
Foram agraciados com dfferentes mercs hono-
rficas petos sens servigos para o expl-ndor da ex-
.posigo internacional do Porto, os seguales cava-
lbeiros :
O Sr. Alfredo Alien, titulo de visconde de Villar
Alien ; com a commenda da Conceigao, os Srs. Do-
mingos Pinto ae Paria, Joio Coelho de Almeida,
Joo Pacheco Pereira, visconde da Tnndade, Jos
de Mello Goavea, Jos Mria Rabello Valeote e L.
P. Martins -, com a commenda de Cbrislo, os Srs.
visconde de Pereira Machado, Eduardo Morez,Gon
autor de sua morte Jos Francisco de Sonza, que
commeiteu lal crime pelas 11 horas do dia, desfe-
chando nm tiro em sua victima.
O delnqueme felizmente le capturado pelo res-
pectivo subdelegado, e recolhido logo a priso,
aflm de ser-lbe Instaurado o competente processo.
Esta' marcado o dia de sabbado 17 do cor-
rente, para a venda do casco e mais objectos sal-
' vados da barca americana L. E. Ashbey.
Pedem nos esta publicacao :
< A lei feta para ser exeeulada, e a sua nao
execugio importa saa nao existencia, ama vez que
se nao alcanga o lim que presidio a sna promul-
gago.
c Neste caso est cortamente a nova lei hypo-
thecaria, n. 1,237 de 24 de setembro de 1864, qae
nesta provincia tem deixado de ser fielmente eje-
cutada em saas disposlgoes aa mais importantes,
por Uso que teodem a acautelar ioleresses de urna
ordem elevada.
c Ao passo que os particulares tratam de enm-
pri-la, registrando os sens contratos sobre immo-
veis, mxime os to bypolbeca, succede que os em-
pregados designados no capitulo 1, ululo 3.* da
citada lei, anda nio requererara a inscripcio de
nem urna bypolbeca legal de qoalquer especie,
aperar to estarem sujeilos pela omsso a respon-
sabilidade civil e criminal, conforme esta' pros-
cripto nc 21 do artigo 9.* do capitulo citado.
t Aquella lei na parle citada, e o seu regla-
mento 00 titulo 2.*, capitulo 5.* e 6.*, desde o ar-
tigo 144 a 217, preserevem a especialfsaco e In-
cessiva inscripgo da hypotheca legal da fazenda
publica geral, provincial e municipal, das corpora-
c5es de rao murta, da mulher casada, dos menores
Eugenio, Pernambuco, 11 mezes, Pogo da Panel la ;
convulsdes.
Joo, Pernambuco, 8 annos, S. Jos.
Basilio, Pernambuco, 13 mezes, S. Antonio; febre
maligna.
11
Maria Felismina da Conceicao, Pernambuco, 21 an
nos, solleira, Boa-Vista; tubrculos pulmona-
res.
Manoel, Pernambuco, 4 annos, Boa-Visto; tosse
convulsa.
Mara, Pernambuco, 3 annos, S. Jos; coqueluche.
13
Maria do Rosario, Pernamboco, 62 annos, solleira,
S. Amonio; hipatite.
Anglica Mara da Conceigao, Pernambuco, 36 an-
nos, casada, Recife ; syphilis.
Cosme, Pernamboco, Recife, falleceu no nascedou-
ro.
Manoel, Pernamboco, 3 horas, Boa-Vista; conges-
lo cerebral. ,
Joo, Pernambuco, 5 annos, Recife, inflamacao nos
intestinos.
Joo, Pernamboco, 17 mezes eidade de Olioda;
diarrha.
Damio, Pernambuco, Recife, falleceu no nasce-
douro.
Antonio, Pernambuco, 10 mezes, Boa-Visto; varo-
las confluentes.
Clementoa, Pernambuco, 3 annos, Afogados; con-
vulsoes. .
Marianno, liberto, Pernambuco, 40 annos, casado,
S. Antonio; collte.
Antonio Vieira dos Santos, Pernambuco, 40 annos,
viuvo, Boa-Vista, reumatismo.
Joo Guaberto de Sant'Anna, Parahlba,
casado, S. Jos ; desenteria.
Jos de San'Tiago Pereira, Pernambuco,
Boa-Vista; hypetrophia no corago.
Jos Joaquim de Sant'Anna, Pernamboco, 36 an-
nos, casado, S. Jos; gastro mente.
Po, Pernamboco, 11 mezes, Boa-Visto; gxstro in-
terne.
Errata. Na porrentogem que demos hon-
tem, na receita da estrada de ferro, absorvida pelo
respectivo custeo, deve ler-se 37, 99 0/0 e nio
39/99 0)0, como esto'.
CHrlONICA JUDICIAKIA.
50 annos,
10 annos,
TKIBSAL DA BKLA^AO.
SESSAO DE 13 DE FEVEREIRO DE 1866.
PRESIDENCIA DO KXM. SR. CONSELHEIRO
SOUZA.
As 10 horas da raanha, presentes os senhores
enterdictos;"dos ofendidos, e ao mesmo tempo deserabargadores Santiago, Gitirana, Guerra, pro-
deslgnam qoaes os erapregados a qoem incumbe curador da cor6a, Almeida Albuquerque, Motto,
reqaerer e promover ama e outra. 1 Assis, Doria, Domiogues da Silva e Costa Vieira,
Entretanto, com notavel prejoizo das partes faltoodo osSrs.desembargadores Louronco Santia-
interessadas em toes bypotbecas, nada se ha feto go, Ucbda Cavalcanti, abrio-se a sesso.
para qae a lei seja execatoda nesto parte, alias de
lana Importancia.
< E essa omisso, que poderla at certo ponto
ser tolerada no interior da provincia, nesto capital
nao pode merecer descolpa.
> Nao nosso proposito censurar a nenhura dos
foncclonarlos eocarregatos de executar a lei, fo-
mente temos em vista ebamar a saa attengo sobre
objecto lio imprtante.
t Consta-nos no entretanto, e justo que o con-
signemos, que o Dr. juiz de direito da primeira va-
ra nio tem poupado esforgos para o inteiro e pleno
Passatos os feitos, deram-se os seguiotes
JILGAJUNTOS.
Appellagdes crimes.
Appeliante, juizo; appeliado, Vicente de Souza
Ferrax.
A novo jary.
Appeliante, Paolo Dias da Silva ; appeliado, o
joizo.
Confirmada a seoteoga.
Appeliante, Antonio Jos de Freitas; appeliado,
Joio Jos da Silva.
A novo inrv.
EXPOSIQO DOS PRODUCTOS AGRCOLAS, INDUSTRIABS,
K OBRAS DE APTE DA PROVINCIA DE PEUAMBUCO.
Acta da 3a seesao da commissao directora.
Aos 7 de fevereiro de 1866, s 4 )i horas da tar-
de, com assisitencia do Exm. Sr. conselheiro Joao
Lustosa da Cunha Paranagu, coropareerram os
Srs. Drs. Sarment, Campelio, Jos Joo de Amo-
rim, e o Dr. Barque, fallando por molestia o Sr.
baro do Livramento, e por estar fra da eidade o
Exm. Sr. Dr. Sooza Leo.
O Dr. Boarqne leu a acta da sesso anterior, a
qual foi approvada.
Declarou em seguida que tioha dirigido aos pro-
prietario; dos jornaes de mais circolagao da pro-
vincia um offlcio, que leu, pedindo o sen apoto e
auxilio para os irabalhos da commissao, e remet-
iendo pela mesma occasio um exemplar da circu-
lar aflm de que dessem toda a pablicidade, como
foi resolvido.
Propoz igualmente que as circulares destinadas
aos industriaes desto eidade fossem entregues pelos
raembros da commissao incumbidos da acqnislcao
dos productos, aflm de que a cada nm dos ditos in-
dustriaes se pedisse para enviar a exposigio alguns
dos seus productos.
Rosolveu-se offlciar ao instituto agrcola, pedindo
o seu auxilio, e solicitando a proposta de medidas
que possam ser levadas ao conhecimento do gover-
no e que possam melhorar a industria do paiz.
E nada mais havendo a tratar, deram-se por fin-
os os trabalhos.Dr. Jos Joaquim de Moraes Sar-
ment, presidente.Gervasio Rodrigues Campello
Jos Joo de Amorim.Maooel Boarqne de Ma-
cedo, secretorio.


i
Senhores accionistas. Cumprindo d'esla vex o
dever de trazer ao vosso conhecimento o estado da
Companhia i'ernambocana denavegaco costeira
por vapor, -me agradavei poder annunciar-vos,
que depois de tantos annos de sacrificios, vai ser
distribuido o primeiro devideodo vossa to ull
como necessaria empreza.
Para este resultado concorreram, nao s o pro-
gressivo desenvolvimiento do commercio, como
tambem o angmeoto de receita proveniente de car-
gas e passageiros, e servigos extraordinarios qne
fez, devide aqoelle ao alio prego de qne tem toza-
do o algodo, e este ao movimento de trppa (Tea-
tro da zona de sua navegfgo.
O appenso n. 1 aprsenla o bataneo geral rel-
iado em 31 de dezembro to anno passado: d'elle
se v, que a vossa companhia, oue at aqui tem
I otado com as difflculdades, qae Ihe legaran seos
principios, e os erros inherentes a orna emprexa
nova entre nos, figurara aioda o anno passado,
como nos anteriores com nm dficit na conta de
lacros e perdas, que passou para o anno de que
vos dou conta, da quantia de 7:7254895 ris, aba-
tidas verdade todas as despetas feitos a especi-
ficadas oa conta demonstrada.
Hoje porm, senhores, continuada ea pratica
ama verdadeira e bem entendida economa por seu
lato, e por ootro os constantes exforgos e sacrifi-
cios mesmo que hel feito em prol da companhia, e
qne vos nio sao descoohecidos, em vez de saldo
centra, aprento-vos nm saldo a favor de 7:*>58#t50
ris lquidos, depois de passada para fondo de re-
serva a quantia de 3:100*960, alm do tovldendo
de 5t:360|000, cajo pagamento se acha annun-
ciado.
EMe resalado, senhores, tanto mais satisfacto-
rio, quanto n'eile est a garanta do futuro pros-
pera e animador da Companbia Peroambncani.
Folgo pois aoounclando vos essa alteracao e fago
votos pela sua continucao, para o que nutro a ote-
Ibor disposigao e desojo; nio s, peto encargo a
que me liguei, tomando sob meas hombros lio pa-
sada direegao, como pela necessidade to nma em-
preza d'esta ordem, cujos resolutos benficos para
o paiz, j aimruera hoje asa por en dovlda.
r
1
V


-
i
.
gBMH|HaHn[
: ".*;*"".""
dSifr,
IM^
mpipi
Diaria ie PcnumbaM
Ifttill-------------------------------------
Quinta felra i 4c Feverelr 4c 1866.

No appenso
re*aioo as verbas que constiaeai
sivo no valor total de J,i7:589J
nbam os mappas sob os. S, 3, 4 e 8,
que o poridtr .do raorimento geral da ooov *
paohia. .,
u'elles comrifSm ido ddazids os Seguros
costelo geral dos vapores, deteriorago do mate-
rial e a dedocco no mesmo, por Vos aotorisada
em sesso de 23 de feverelro da (1863.
Cor tm igualmente o sob n. 3 demonstrado
da remit, despea, consumo de servan, valor de
diohelro e mercadorios transprtalas pista vossos |
vapoies doraate o anno passad^fc-.,
O guano mostra o movimento eavlde sos ai
rens por entrada e sabida de
Do quinio analmente cansa
e enfadas dos navios.
Comparadas as cifras da ooeaoeee de 61 com
as de anno pascado, aprsenla o seguate resal-
udo.
A recelia adose metes a que me rearo, enca-
den a de igual periodo de lempo no anno anterior
em 60:Mtf*88C-r*s.
O valor das mercadorias transportadas exceden
igualmente 1,730:300*569 ris. iMflBt
O (llntiairo coodutido subindo a V36M36B74
ris mostra anda um eicesso de 84i:72i#aro rs.
assim como o numero de passage iros na zona de
nossa navegago el*vou-se a"WW, ou 2516 raais
que o anno antecdeme.
O consumo de earvo. em consequencia de 8
viageps, que demais se deram n'esse anno, aeg-
meni ju 712 1|2 toneladas e fez com que a despe
ia ei cedesse a do auno anterior ;m 6:009*626 rs.
O valer dos "eneros uaeieae** reeolMuos se-
ment nos armateds da corapanhia, monta a......
1,09Ci:91W0 ris oa 10;768*00 ris mais : o
total dos valores transportado pela companbia
sobe a enorme somma de 8,27f :619#554.
i.,.*fjMi activo efas- 4g? des &MfH.,./.lt Antnaia de Siqueiri.
Acompa
auxiliares,
..deiras em constrngo.
Movis................
Resumo da bulaae da cempanbia perntmeucana

.'..:
Acocea dUpordvfH^.s
Vapores.....................
Preprios diversos...............
AlvareofM, babeara, laocbayena.
itoaoarfae3iz>toalades
ito de s ibreulentes.......
oeaaa...................
,AMceS......................
| Loadoo 4 Braslllam Beak (Per-
Bjmbaeo) ........... .....
Fraaeiseo de Fifneredo & C..
Reaaessae......................
CompanrrtefguradorasdoIfaa-
rass.......................
Armazera ero coatruffi.......
Devedores diversos...........
Cala.
Rs.
271:230X315
61:2714181
2l:75j
11:1
32:7S8007
350*000
17:821*000
IW.IBMIoo
18S:t^5S8
"0:0004000
7-5i5ifttfl
# ti'iwsmv
M:4384&28
PA8S1VO.
!
Capitahy.......u..mm...
Emprdethao do geaetoo geral...
Joros em suspenso..........
Credores diverso..,...........
Depsitos......................
Fundado reserva..,..........
Dividendo.....................
Lucro & Bardas..............
8. K. #<0. Rs.
qu do sua asslgnaura ao accor-
~o ebegou com o Sr. Cara-
o relatorio de 18 de jonb)
a reuoiio, que teve lugar
la a convite de Sr. coose-
paraqoeatto iues
{3es, na id. te nodo de Ir c ase-
que se acbava
Pernaabueo, 18 de
Botqu.
feverelro de 1866. F.
TABELLA DO RKNDUJENTO DA ALFANDEGA DE (PERNAMBUCO NO MEZ DE
TORRENTE ANNO F1NANCBIRO (XiMPARADO COM OS DE IGUAES MEZES DOS
LTIMOS.
JANKIRO DE
DOUS AN.NOS
Importaoao.
Direitos de consumo. .
Ditos addickiaaes de 5 %
Ditos addicionaes de 2 %

a Costa.
Ditos de baMeace o roonportacao
Ditos de ditos e reexpertaoao. para
d'Africa...........
Expediente dos gneros estrangeiros nave
irados por cabotagera.......
oh a enorme somma ae c-,j/;ui#w*. n i" _rnf,r(V. n mw
Estas differeogas demonstrara cimente juj- g Jos gneros fch
lidade da vossa empreza, sen augmento, e os peoa-
commercio
Ocios que d'ella auferera o estad: e o
em todas as provincias comprelMBdidas na zona
de soa navegacSo.
Cimpre-mt dizer-vos, qu em preseoa d'eesa
augmento de tralego, sendo inwfflcienles os na-
vios que exisiera. acabara de euf.qmendar-se era
Inglaterra dous vapores, que calando menos agua
do que o Jaguanbe, teera coratudo uiuo raais ca-
pacidad para, arfa, e todos oa melboramento
modernos. Deveto elles aqu estar em outubro
prximo futuro.
A questao do Jpojuca de que vos dei conta no
men ultimo relatorio, foi pelos arbitros decidida
em c osso favor, como eu aatecitava, pelo que nao
oi acceito" aquella nano, tendo sido restituida a
importancia, que se bavia pago, correado por nos
sa conta as d-spezas judiciae*.
G:i)tinuam no servio regular da navegA^ao os
mesnios vapores, achando-se, 0 Jaguarwe, em
transporte de tropas no Rte cU frata dorante a
Inta, em que infelizmente o paz se acba erape-
nhado.
A companliia nao hesituu um momento tu
prestiir-se com o seu contingente, a'esde que o
goveroo imperial paecisoa dos seus ser vicos, e
seja licito diwr-se, nao fez disso questio da. di-
nbeirx O seu imierhl nao lera Udo o deseaos)
precio, era coaseljuea ia de se ver privada da-
quellti va,
Todos os navios esto era perfeito est.do de con-
servago.
Sua lotagb, equipagera, forca, etc., constara do
mappa n. 3.
Para regularisar no sul o servico de qce tralei,
Uve de aiii ir no Jaguaribt, e dar nelle algumas
vianens aos portos du Rio Grande, Porto Alegre e
Sauta Catharma, no sentido da beta deliberar e
evitar quaesu/jer faltas eossiveis em um traba Iho
para o qual nao bavia a pratiba precisa, nem agen-
tes nossos, ao passo que eu traba perftito e inteiro
conhecimenlo de-taes portos e sua navegacao.
Assim accommodadas e regnlarisadas as viagens
delxei o vapor eoiregue aos cuidados do comman-
dante Hanoel Rodrigues dos Santos Moara, em
rujo 2elo coolio.
A partida dos vapores para os portos da escala
do norte e sol contina a eihciaar-se na confor-
midade des ontratos vigeates.
Brevemente serio realisados os nossbs desejos,
aogneentando-se -a espbera da nossa oavegaco,
pelo adicionamento de novos portos de escala.
Cont que, no decurso do correte anno, adiar-
me hri habilitado com o material preciso para sa-
tisfacao das differentes exigenciss do comsnercio
as diversas localidades em que se maoifesi*
maioi deseovolvimento, que multo prometlem
comp.inhia e ao paix.
A escata pelos portos de Tamandar, Barra-
Grande, Porto de Pedras e Camaragibe, esta' re-
conliecida por louga pratica ao ser de vantagem
alguma. Es-a- escalas, me parece, poden) e de
vem ser substituidas por oulras, a quera utilisera
as vauageus reaes da navegado por vapor.
Ja' tralei disso, e espero conseguir seraelbante
mudanca as viagens do sul.
Ao Aracaty nao roe foi possivel continuar a ex-
pedir directamente vapores, alim de condozir as
cantas de algodo, cuja safra f abundante este
anno Na illa do Jaguaribe nao poda a cora-
panhia prestar esse servico ao comraercio daquella
eidac e sem risco de faltar ao cuniprimenlo de seas
deveres. As differentes oceupacoes airabas no Rio
de Janeiro nao permittiram tratar da escala regu-
lar ao norto de Mondahu no Geara. De novo este
anno feram diversos agricultores daquelle porto
condt.zindo algodo e varios outros gneros.
Esta escala como ja' tive occasio de declarar-
vos de suttima vanugem para aquella provincia.
Durante o anno que tindou foram fielmente
curapndos es nossos coraproralssos, quer com o
governo imperial, quer com o das provincias, ex-
pedindose os vapores e fazendo-se as viagens ao
norte e sol, sem que houvesse a registrar falta
alguma.
Raras alteracdes houverara as partidas dos va-
pores
ClMumstancias imprevistas, e que em emprezas
semelliantes sao inevitaveis, alera de concorrer
para fsso a falta do Jaguanbe, nao permittiram
que tm todas as viagens se podessem firmar os
nossos desejos, observando se a pentualidade de-
sojad..
Fizeram-se porra, as 24 viagens "ao norte, 2i ao
sul, e 6 a Fernando de Norooha.
Do activo constante do bataneo figura a verba de
32:75040Q7, proveniente de debito existente de
sulmncoes vencidas, parle no mez de dezembro e
que omente costumam ser arrecadadas nos mezes
sepulajs.
A provincia de Sergipe nao lera relisado o pa
garaeDto das subvenfs vencidas em conseqnen-
cia di: defOcUncia de metas era seus cofres.
Coutiouam a estar seguros em Inglaterra nossos
vapoies. De.ipeodeu.-se com esM verba a quanlia
de 23:6354156.
Poi deiiberacao vossa sollicitei do governo im-
perial a alteracao do art. 31 dos estatutos que nos
regeo, e por decreto n. 3.554 de 6 de dezembro
ultimo foi attendida. M
Xa o podendo continuar em opiiosicao ai lei, a
qaelli! artigo nos termos em que se acbava, o go-
verno conceden a alteracao sollicitada.
Em virtnde disso no balanco que vjs presentG
encontrareis a verba de 3:i0J>960 em titulo de
fundo de reserta, calculado sobre o lucro liquido
jia co aforroid:>de los respectivos estatutos.
e'ui devidamenle saiteita a prestQlo do em-
presumo do governo geral, vencida no aune fiado,
recolliendo-se aos cofres da thesourria de fazenda
no dia 18 de olho a quantia de 10:0004000, valor
da !) entrada annual.
Coatina dependente do senado a remissio des

fhposto dos despachaiifes......
Extraordinaria.
Recelta eventual.......
Jpizimos da provincia das Alagoas. .
Aitos da provincia da Parahyba .
Ditos da provincia do Rio Gratul ito Norte.
ContriBui?3o d carrdade .
Ditos dos gneros livres.
Arniazenag ns......
Premio dos assignados *
Despacito naritimo.
Ancoragem.......
Direitos de 15 % das eAnb&reaeesesti'aagei-
ras que iossam a nacionacs.....
Ditos de 5"/, na compra e venda das embar-
cac,oes............
Exportacao.
Direitos de lo Vo do pao Brasil ....
Direitos de 7 % de exportacao ....
Ditos de 2 l/2/0idem. s .
Ditos de 1 % de ouro era barra .
Ditos de '/> dos diamantes......
Expediento das cpalazias......
Jtilarior.
Multas.............
Sello do papel fixo
Dito do paperproporlonal.
Emolumentos

*
....

186o 1866
1864 1868
562:1314063
72:2654428
994348
137^872
#
989*o3
0:3084*9
1:3584406
:328OW
i
i 1244150
f
74500
i
263:051479

1:6704748
5561751
7124400
288f70
18340
3564550
M
917:5624423
9:01831
6:0t0prr
1:584167
9W471
935:076^512
513:2824178
68:826|033|
1474388
1:548454
5:8384718
9234769
1:5784424
*
3:5314009
1684750
2004000
4
170:7284999

4
2:1704310
9484775
4384200
""888
1864280

771:0614063
4:7724791
13:4204824
3:6414409
4484858
795:3504942
1863 1864
Zx-lo0
i
8084424
3:5404490
5794280
1:2554176
#
3:0084550
104000
I
164:2824099
4
1:4234900
lente e monumental obra publicada. sfla.cnamaL- jae jp Mortu I
cu.s de Dupiney de Vorreptr~J u^aspeunos -pie eureipamaie L (loo di
meiabrokda commissao de satabridade^ojAfvlp A-Jtt |ff utnftflLVQo*iri^Jtkain* *Ld.
le Viocenims, dilenBo 'et m r#tor]o,, uSSZXSZ mhIm !
Hao minjstco doTaiflr?d*ra:p.^ie gSTmSlosT SwffiMffa < Sftcflj
essa-fpesto nao era someote urna qoestao de hv- Joo ^ugg. d*K(TUktmiim nte>etM I
que se devia exigir que o ginw. que era uretiso; para'questlasln^o'fosseinjen! bavlMMo o antor d^orTr de as condlc5es, a que se ti- completa e satisfactoria, nao so fazer desapparecer^j^iaana. Ifl0do dj .cieDC, aalews Marcoli-
slives-.MM cheiro nocivo e iMMXV os ^pracessorfl!'^ fez esto lr sua presenoa- NaAlllarla Men-
ImptWeitos de despejo seoio tambera utilisar as dM d3 SWvvioimigT caplttl4lto>Ru9no por
vantagens jetardaoctopor em matenas em proveuo da agricultara ; e assim pen- 1B#slfi obras. Nao foi por eerto, pae* sattmbem Am. Tardieo,.listhet profeasor di es- fiom esse lairrosatoi* fol in
acceitas pela eommiisao, a cota de medicina de Rarla, duendo em seu Dk ^?--
Sr. Carabronne, nanojiocbef cimio de Hygiene HWca t ie Salubridad* I
obaem vista, que s* fas aia> quaado se oceupa das latrinas, que os inters-;
o : fot um, e digacaa-ta alto* sea-awis bem comprem|ldos da aiatooltuia, e o
essas modificantenfc agrada-] v$btt brscente dos estoawai, tero *ia4o eneorpo-
iVfo, que comnUm ft poMi: fW-at s preoecupacoe da bfftene pajWica, e*So
conseguir traspassar por venda seu prevtUgio. Se fixado de urna maneira inteiramente particular a
oque elle propoz fossa prosadamente raelnor, e attefiee dos sabi-ts e de* iiHo-trisos sefere os
nao trouxeasa augmento da- anos para a provincia, raeios de combinar o sattearaento das habitacoes
e para os particulares, ninguern a isto se opporia; com a olilisaco completa e immediata das mate-
mas nao o como o Sr. Dr. Aquino ja' tem mos- riai eioremeDticias ; maaos sattos desta ierra
querem que, quando se tratar de estabelecer em
qualquer cidade um sy-tema de e-goto de materias
excrementicias, s se tentia em vista a qnestie de
tredo, e o futnro confirmara.
Da commissao nomeada pelo Sr. Dr. Castello
Branco fatiam parte qoatro eogeouiiros e tres me
lfandega de Pernarabuco, 31 de Janeiro de 1866.
Communicdos
Recite, 10 de fevereiio de 1866.
ietcao directa censuara o salvalerio des ao-
ves estadistas do p>ogr5o; porque o pdva, qo
testa de carga para carregar com todo o oums sfl'
cial, e com todas as miserias deste imperio, nao
apto para escolher Seus representantes.
Desde 1821 que o povo brasileiro e jirfgou apto
para coostitir-se naijao soberana, imiependate e
lvre, rejeitando a tuteila em que vi-ia','areonse-
quencla desse facto deve ser qoe de enlaopa-
ra ca a educacn constitucional e a pratica do sys-
lema o (leve ter tornado mais apto.
Vo 44 aonos.
Poi o povo brasileiro, de momento sanido da ser-
vWao colonial, qoe soube escolner os seos repre-
sentantes a' constituate portugueza. Fui testemu-
nha de um comicio eleitoral na matriz de Nossa
Senhora das Neves da Parahyba, e da lealdade
com que se procedeu a esse acto. Os eleftores em
accordo geral indicaram a mea irmo Jos Mara
de Albuquerque Mello para depotado, e este, era
breve e elocuente discurso, fez convencer que para
esse cargo raaior era o mrito do padre Jos da
Costa (iirne, seu companbetro nos carceres da
Babia ao depois da gloriosa revoluco de 1817, e
depois de generosa contestaco em que o padre se
desf-z era amistosas cortezias, foi este eleito.
N'esse mesmo comicio foi Borneado o governo
provisorio, e dito mea irmiio sahira eleito secreta-
rio ; de novo tomn a palavra e apreseotou como
oais apropriado o padre Joio Harboza Cordeiro,
tambem seu companbeiro nos crteres da Babia,
e nao obstante estar em Goyanoa, sna ierra natal,
a esforcos daquelle meu irmo foi eleito.
Era bnegacao pessoal em favor de patriotismo.
Seguio-se a eleicao para a consiitumte brateira,
e incontestavelmente o povo escolheu o raelhor.
Dissolvida a censlitainte, procedeu-se, em 1823,
a' elelgo para deputados e senadores, de confor-
raidade cora a constnuico imperial oothorgada
em 1824, e esse trabalbo regulado pelas Iruc-
coes mui simples de Joao Sevenano Maciel da Costa,
depois marquez de Queluz, se fez excedentemente,
e quanto foi possivel na crise em que
diflcacSes accordadas; e por certo nao foi despre
sado o qne se prenda 4 Quime Publica. Isto pos
to, dizendo o Sr. Dr. Aquiiro o que se les em seu
communicado, Impresso or Jornal do Recife de 13
d novembro do anuo passado, nao fea mats do
rVfrnSati (*ue saiteDtar as mesrnas ideas emitlidas as reu-
>?acA biSes da commissao, tendo diante de si os princi-
mM P^SClemnicos ; mas alguem, mals mstroldo do
qne todos os merobros dessa commissao, se arvora
era profestor, e, baseaodo-se em cltacOes qoe lhe
foram rornecidas, provavelmente pelo mesmo Sr,
Gomes Xetto, que as tronxe comslgo de Londres
para Iludir aquelles que nao se d&o ao trabalho d
estadar, e com o raaior desembarco se propSe a
mostrar qtle o Sr: Dr. Aqutoo errou, iootillSando-
Itie por este modo tantos anuos de serios estudos e
de pralica.
Preslavse i. Tallyrand o qae foi dito por Voltai
re, isto que a palavra (o dada ao homeot para
disimular seus pensamenlos. das palavras qae
preteotfera servirse Smilh e os protectores'-da in-
novacao, para occaltarem a verdade. Para des-
truirera oque disse o Sr. Dr. Aquloo, ditera que as
materias excrementicias terb de ser levadas ao
ocano, e anulados na palavra ocano, concluem
qae essas matriis nao prejudi :aro a salabridade
publica, e por consequencia que as raoditic iq5 -s
consignadas na innovagao a justiticio, por Seren
preferiveis s que foram consignadas pela cora
misso em seu relatorio de 18 de juoho do anao
passado ; mas o que nao dizem, que essas mate-
rias tero de sef laucadas no mar atrave do arre-
cife, e qoe as ondas' all batem constantemente, e
com tanta foreg, que nao as deixrao arrdar-se do
arrecife, por cima do qual tero de ser arremes-
sadas e penetrarlo no ancoradoro, pondo se em
contacto com as aguas, que penetraro pelo Cap
baribe e Beberibe. Para pfova disto nao basta
mais do que saber-se qae, durante as endientes do
Cpibaribe e Beberibe, era cbasequencia das ebu-
vas, se v judio 'costa^ que se estende a"e Olinda
Bo-Viagem, e m?is alm, urna lalfi; cinta d'a-
gua de'cdr amrlla ; e por certo, se contlbtlassem
as enebeotes, ssa cinta, em Vez de ir se defazen-
do pouco a pouco, augmeniaria em largura, e se-
ria permanente. Tendo de ser Teita atravez do ar-
recife e diariamente a evacuacao das materias ex-
crementicias, no lira de algum tempo, de mezes, e,
se querem, de aonos, a accumulas&o das materias
sera' tal, que o mo cheiro, qde deltas se na de
exhalar, sera' constante, e os miasmas, que se hio
de desprender-, coma evaporaco das aguas, no
Cora qe razao, pdMtito.se attribde a' tnimora poderao delxar'de iaommodar os habitantes desta
lidade do povo as desordens da adminlsracao? cidade e dos deOliod, e taivez mesmo influir per-
Com que fundameoto se o qoer despojar do dlreito, niciosamente sdBre a sade publica. Pbf multo
natural de escolber os seus representantes em pro-1 tempo se oao notaram era Londres os i icoflvenien-
veifo dos rico e dos titnlares, verdadelres instru-; tes de seren laucadas no Tamisa, qae nao o Ca
dicos : todos concordaran! as vantageus das mo- salabridade publica, despresando-ae a da agricul-
244000
573:4874770
5-83074O
10:470181087
563SV27
3714537
591:0934481
'
O escripturario,
C. Bnttcto Machado.
No da 26 de dezembro do anno prximo passa-
do, sahindo eu da casa do Rvm. vlgario na povoa-
para aprovinca e'para os particufares"; entretanto CSo de Cruaogy; seria meia nei, para amen ea-
que o mesmo se nao pode dizer das que s acbam enho S. Pedro, ful de sorprez* aucado. por nm
rnaaclonadas na. innovado do contracto primittivo,, 8ruP de dez a doze individuos, a' coja B*nte se
entre as qaaes flguram algumas que, se forera ap-, acba* deus inspectores eqaartaltao o o meiI-
provadas pela asserabla proviucial, cono ludo j^*0 da subdelegacia, e nao sei como poda resistir
deixa esperar, virao a afiTgir grandemente a po a H"108 %otpes, que pareciam ter por fio rar rae
wtlacao desta cidade, como o tem mostrado o Sr. a ^a '
meatos execullvos f
O raais para ao depois.
Dr. Antonio Borges da Fonceca.
A Innovadlo do coatracto Cam
bronate.
I
plbaribe, s materias excrementicias: so foi de-
pois, quando o volurae das aguas daquelle rio nao
poude mais arrastar at ao mar essas materias,
que se recoohecea o mal, qae foi recoohecido por
que a salabridade publica comecou a soffrer, de
senvolvendo-se fbres,qde fo.am attribuidasa essa
causa.
E' o que succedera' entre n, se a empreza for
levada a effeito.
Quando mesmo as aguas do mar levem constan-
temente para longe da costa as materias excremen-
ticias evacuadas atravez do arrecife ; quando mes-
mo consiga o emprezario fixar as vasantes, tornan-
do permanente o relaxo do mar, e dando lhe mo-
Foi no dia 11 de novembro do anno passado, que
o Sr. Dr. Joaqun d'Aouino Fonceca poblieon, no
Jornal do Recif, as moditicacoes propostas pelo Sr.
C. L. Cimbroane, ou por sen eessionario, o Sr. An-
tonio (ioine- Netto, ao contracto celebrado em 25
de setembro de 1858 para a limpeza e esgoto des
la cidade, acoropaOrwodo as de algumas. r*nex5es, I vneoto dirTereote.nauma consa^ e'cousa grave,
e pareca qae, oao teodo elle do reaposta at 311 e(B qae se j0 quil coasiderar, ou, se nella se con-
de Janeiro deste anoo, on soas reflexdes haviam si- sidel-ou. gaardou silencio Smifft.
do consideradas destituidas de fundamento, ou qoe uma objeceo, apresenuda pelo Sr. Dr. Aqul-
se procurava evitar a diseus>o ; mas por flm apre-1 n0 em sea communicado de 13 de novembro do
sentou-se um Sr. Smttk no Diario de Pernambuco ; aDD0 passad0) nao respondeu SmiA.ejo o fez tal
do Io deste mer, propondo se a susteatar os Inte- j vei por qQe Da0 lhe convelo, excepto se, dlvidindo
resses da empreza, e provar tres pontos : elle sua resposta, com iderou essa objecelo como
1." Que o sy$tema de hmpeza, adoptado na tnno comprehendlda nos algumentos de localtdade\ mis
tacao do contracto, sattsfazm melhor as conatcot devemos nao perder lempo, para nao darmos es
hygtrnieas que os duus precedentes propostos ; I pag0 a ornatos de palavras, com que se procura
2. Que as bases da mnoraco do contracto nao occultar a verdade.
eram mats onerosas do que as do contracto primi- j Disse o Sr. Dr. Aquino qae era as proximlda-
'it' < des da costa que os pescadores lo, em soas jan-
3. Que o governo poda innovar o contracto sem' ga(la8) C0|her 0 pe(le que Ten,jj0 aos habitantes
precia e expressa autorisagao da assemblea provtn-1 aesli cidade, dos de Olioda e partes circuravisiohas,
f'"'- e sem duvida o peixe que vive ou afuae as proxi-
Temos fallado rautas vezes a respeito da inflo- midades da costa, eocontraolo materias excre-
vaco do contracto de 2o de setembro de 1858, e menticias insolaveis na agoa, deltas sa servira
s baveroos encontrado uma pessa, qoe susteota para sail alimentacao; mas a Isto nada respondeu
as vantageos da iunovagao, encaraodo a soraente e Smth_ Diieaj aa Lucullo, par a engordar as car-
ero geral pelo lado sanitario ; mas, rnesmo as nSo o fat sem restrlc?5e?, Isto ndo admUUndo dava carne httmaoa procedente de seus escravos :
que sejam obngatorios os apparethos, e consideran- mvez seja na mesraa intengSo, que se procura en-
do tnconcedivel pela assemblea provincial d aulort-1 g0rdar o peixe, qae abuoda em oossas costas, com
scao, que a presidencia da provincia\obrigou se a materias excrementicias, e nao davidamos que haja
solicitar, para poder subrogar as familias no po- aaem teolia paixao por peixe engordado por este
gamento da conthbuico. queremos dizer, substi- \ ne\0 mas podemos asseverar que a populacao o
iva o tulr aJ familias veios cofres pblicos, eonvertendo a qJ0 qoerera", e, por consequencia, teremos de ver
conlribuicao em imposto provinaal; ojtw pelo 0 pexe ainda ,nas caro e sofTrer mals este mal.
Para refutar esta objecgo se dir'que se mu-
ra' tia cv.-!.-. mo ild r..^.:.rii rx ii q Ir i' naroQP
litoidas podVr eleitoral, e com laes raeios tem man-
dado o noverno esorever actas Jesigirativa dos
repuennn do poder ; e foram seus cmplices,
seus iostroaeotos esees progresseirot de hoje, qae
tetaem nao conseguir mals as gracas do poder pa-
ra as desif eacOes de oovemDro.
E sao esses outr'ora fostrameotos demasiado
maleawts, que nos vem boje diierqoe o poto
nao est capaz para escolher seus representantes,
devendo ser por isso despojado do direito ioaoferi-
vel e ioalieuavel, que tem de escolher os que o de*
vem goveruarVemprestando para seo o povo
a iramoralidade que s delles.
O que, porm, raais deve admirar a desenvol-
tura que ostentara agora eo> aeeoanmetter a i-.ora,
i. quera atariatem uid*s os males aoiaee^-a ov-
nis oto com que ao depois de JBStoi luaigmatisarem
o poder rrvspoamel, esperan* ao aperador re-
medio a todos esses< males, que asta, seguida eN
les, immioentrts.
Poisque pretendo acompanhar os raciocinios da
juros sdbre esse empreslimo, e- bem assim suspeo [4Uior aQ imperialismo e a reforma, limito-rae boje
so o pagamento do premio vencido, como consta a meras indicagoes;
do psssivo em titulo especial.
Nutro a esperanza de que o governo continuar
a prestar o sea auxilio a' vossa empresa, atienta a
paiz, o povo escolheu bem.
Emfim, ao primeiro reinado, porque o poder del- contracto'primitivo era considerado divida directa
xava ao povo o qoe era do povo, sonbe este eseo- flas familias para com o emprezario.
Iber seas representantes. | a commissao nomeada pelo ex presidente desta
De quando data, pois, a Ignorancia do povo e provincia, o Sr. Dr. Castello Branco, a que perten-
sua ioeapaeldade moral ? porque fedelhos de boa- ceu 0 gr rjr_ Aquino, nao recebeu da presidencia
tem se julgam boje em memores condigoes, e nos i mSso para escolher ystemas de limpeza e esgoto
querem impur ? Pretenciosos estadistas I esta cidade, e isto nao pode Ignorar Smifft. Ella
De qnando data, pok, a corropglo, e q^iem se : fol encarregada de entender se com oSr.Cambron-
corrompeu? i ne, e chegou com elle a m accordo acerca das
Data da r#/orta i'iNttetana, esse ctelo de dous modifjcagges qae havix proposto a seu cootracto,
gumes, essa machina infernal, que poz a perta de S0D aais Conac5es; ama, que seriam c<
cada cidado um careereiro. obngatorios os apparelhos da empreza, e outra, que
Data da reforma da guarda nacional, que milita- \ rf(J ^topedo dos mtlhoramentos propostos nao re-
man o paiz e sobmetiau todos os cidadaos.
O poder que se.corrompeu.
Assim, foram a polica e a guarda nacional ins-
dara' de systema de pescara : que se ira' pescar
aaa barcos e a grande distancia da costa -, mas, se
o mar, como dizem, tem de levar para looge da
costa as materias excremeotlcias, mesmo grande
distancia se alimentar o pe ie com essas materias.
Queremos admlttir que se va' anda raais longe
pescar, que os barcos se dirijao i ilna de Feraaa
do de Norooha; mas pergantamos de que iro vi-
ver os nossos pescadores, que tirSo os recursos
tora; e como o Sr. conselheire Paranagua, fazen-
do a iooovagao do cootracto de 25 de setembro de
1858, nao levou am conta a qaesto qae se prende
a' agricultura, oceupando-se soneate do que re-
lativo a' salubridade, nem de Uve, disse Smith, po-
dera' ser increpado esse Ilustrado magistrado por
t-la elTectuado, embora sob coodig5es ioleirameo
asiaufado o som-
ma rio.
Nao dWMjnd* eu caaMotir jk ataaoridade po-
bllea esarbitaudu deaeus datares, ^rpreste a sa-
tisfazer i' vaadtoUs9BfticalMh>jtoorei enten-
der-ma ara V. 8., Npendaode-Dto> os lacios a
qoe affado, ped lhe qoe assumisse o exercieio da
seodelogaoia do seu dtstrleto-, e eootrtraassenos-
termos desse processo j instaurado ; e de feiio V.
S. o fes quando j HaitaiB sido tomados altrons de-
poiraentos de testaraunhas pelo alferes Marcolino ;
e tendo sido coveluido o referido sammano, se
acba recolhido ao cartorio do jaizo municipal desta
villa, com o parecer do Dr. promotor publico da
comarca, pedlndo a despronuncia do sommariado,
conforme h.
Nao tem, pois, o correspondente do Diario de
Pernambuco rasa o as aeeusacoes que fat a V. S.,
visto como nao houve proposito sea em dar prolee-
cao a Joan Rufino da 8ilva, e menos de miotoa par-
te procedeodo como proced, por quanto sem re-
celo de ser contestado, posso assegurar qae-seco-
rao auloridade deste termo em lempo algum de
te^favoravei^para o*iateresses; def provincia ^^^^^^/fZ^^W^^
l^SS^r^^r^i^^^ *- .---toa* e o-a-o-a.
c-u u ,,, wwioii o or. ur. aaiaw em seu procediraento de V.S.cbmo subdelegado"er exer-
^^^TSl^J? C0rfa d Rfafe *8' ,el dessa Oialftetoau tepo do assauatoato *o -
l5^J^^}J^lT-^ ,< ..-^ J** "o Jos de Moraes, a seguraoga em
A innovago do cootracto de 25 de setembro de
1858 nao comprebende someote t> esgoto das mate-
rias excrementicias : compreheade tambem o das
aguas domesticas ; mas compreheodaraos ludo s >b
a mesma deuominago.
Disse Smitlt que o systema da commissao, de
qae fez parte o Sr. Dr. Aquiao, exige o processo
de deoiorisaci*,(') e accresceotoaque esse syste-
ma esta' bem looge de satisfazer as coadig5as hy-
genicas, e que al boj-, tara sido recoobecido isa-
profleu. ; e concluio dizendo que esta pelo me-
aos a opiniao do profissiouaes. 111 oeste ponto
diversas inexactiJoe-, de que lereraos de oceupar-
nos, e por isto seremos obrgados a estender aos
raais do que desirvamos.
A commissao nao teve, como dissemos, systema
qae procoroa ter V. S. os autores dtssefa 'V*Joao
Ratloo da Silva e Vicente Ferreira Campos, o mo-
do porque se boute na formago da processo, tu-
do isto bastante para afiaslar da- V. S, toda e
qualquer idea de proteecao ao i." dos criminosos.
Era o primeiro a reooohecer o carcter honrado e
austero do alferes Mareoliao Jos de Horaes ; l
men;o a parda d'nm boro pai de familia, d'om
boro ciadao ; mas na posso deixar de coofessar
que a pooca prudencia com qae se condaa bo
exereicio de soas funegoes, o collocou na pesige
de adqaerir iramigos, e de ser victima delles.
Julgo que por e>ta forma teebo respondido a V.
8. coin a verdadque sempre prezei.
Deus guarde a V. S.Lira. Sr. major Amerieo
Xavier Pereira de Brlto, digno sabdelegaVa esa
tfc.^^=?M^i^: -^^co^ulcioT^Barr^^S^
Manoel Nicolao Rigueiro Pialo de
sao de examloar as modificagSes proposias pelo
Sr. C. L. Carabronne, sem duvida de conformidade
com o Sr. Gomes Netto, a seu contracto, e, confron-
tando as condigoes apreseotadas cora as que ti
nbam sido- meucionadas nesse contrasto, escolheu
acuellas que lhe pareceram raelhores. As condi-
goes acceitas pela commissao eram preferiveis as
,primitivas, e sonaos de opiniao que ellas saiisfazara
as neces.idades publicas sera augmento de onns
de pocia
Seuza.
Escandaloso
allealado tki
Gruiigy.
polica de
Dr. Aquiao em seus commuaieadus transcriptos no
Jornal do Recife e Crreio do Recife.
Paramos aqu : em outro numero continua-
remos.
William.
0 barba assassrnat de Br. Estevo
BenetHclo Frasca.
Este facto atroz, que desenha to ao vivo o nos-
so mo estado social, ao raesmo lempo o mais
eloquenle protesto contra a utoralidade de alguus
individuos do partido pfogasskta do termo de
Vrtfe Bella I V M aX I & TI
Sim, niogoem, que como eu sabe a guerra desa-
se eston vrvo, devo-o taivez a' dectso cora que
: dfeodi-me con ama bengala, de que oso, contra
os meaa aggressores, e ao soecorro qoe prompta-
mente me deram algumas pessoas, qoe pereebenaa
a lata ; nao conseguiodo por isso elles mais do
que* quebrarme a cabeca em dnas parte*, e fawr-
me muitas offeosas no resto do corpa
Becolhido s' mmha casa, e pensando na gravi-
dade do fado, ao qual nao dei causa prxima nem
remota, porque na occasio sahia en de urna reo-
mi innocente de familias em cata do Rvm. viga-
rio, e antes tenho conscieocia de nao ler leito
offensa a qoem qoer qae seja. teodo exereido da-
raote cinco anuos o cargo de soMelegado, a con-
tento da populacao, qne nanea rae faltn coro tod
os signaos de verdadeira estima; jotgaei mato eos-
brida, que esses individuos haviam declralo ao | ventete esperar a argo das autoridades poitelaes,
rrwu infeliz'irn'g'1. s pilo simples Tacto de nao
qaerer elle sundrdiBar-se ansarina* de meia du-
xla de exaltados viogativos, enm* por mals de
uma vez communicou-me, deixa de attribuir sua
morie perversidade dess?s degenerados apost-
los do progresso I
Mogo de intelligencia superior, de que dea so-
bajas provas na academia de Onda, como aties-
ta m seus lentes e todos nt qae como collegas o
admiramos, o Dr. Estevo Franga unia aos altos
doas do eolendiraento um carcter severo, inca-
par d.- dobrar-se aos caprichos de oingaero. Quaa-
do promotor de Goianaa, no dominio do partido
praieiro, Estevo moslrou por mais de urna vez,
qae sabia resistir aos seus amigos para servir aos
seas deveres : entretanto, a moralidade do parti-
do praieiro, em lugar de odiar ao funeconario
campndor de suas obrigages, antes o acatou sem-
pre, ao ponto de eleva lo ao lugar de secretario do
governo desta provincia I
Mas eslava reservado a ama fraegao degenera-
da do partido progressista dar lira a um
liado poltico, s porque este rao ito dignamente
nao qniz ser instrumento de vinganga?.
Oh I oarbaridade t
No e manto, nao pidamos deixar deacreditar que
a uue.m dei cnnhecimento do eseasdaloso alternado
de seus subalternos.
Mas vai par doas mezes, e al* boje nao fea da
parte dessaa autoridades om sd indicie de qne te-
nbam prestado a mais leve auencao ao raen sofri-
mento. Gusta a crer, mas c pura verdad que as-
sim proceden) os nuaens a quera esta' entregue a
polica de Soyanna I Como os delioquenies sao do
sea partido, a impuaidade eerta apezar do es-
cndalo publico, que do deste modo. A poca
comporta todas as lcpngas e aberragoes do qae
antes eslava eslabelecido, e d'ah os factos que se
repetem, sobresaltando a popalagio que em parte
alguma acha segoranca e garantas.
Heje son eo a victima, depois um honrado e
respeiuvel fonceiooario no entro de su reparti-
go ; mais larde um delegado e juiz municipal
assassioado pelos seus proprios amigos polticos
que o* lhe soffrem actos regalares e de jastiea ;
e por toda a parte esses centenares de erimes que
se registran) na conscieocia publica como syrapto-
seu al-; mas de prxima desorganisago social.
E antes instigado pelo pavor qoe em todos ge-
ram esses factos, do qae pelo mea proprio mal,
qae venho boje, desengaado de algama esperanca
qae deposite! lias autoridades policiaes de minba
o a Iministrador da provincia tomara' a peno a pa-1 comarca, pedir ao governo da provincia as provi-
picao exemplar de tio horroroso alternado, que se i dencias qoe o caso exige'.
torna anda mais aggravante por ser na psssoa Avalle o Exm. Sr. conselheiro presidente da pro-
de tfraa auloridade puaidora do crirae. Espere- vlocia de qaanto capaz a polica de Cruangy con-
mo-lo. tra o pobre hornera do povo, qoando en, na posieao
Um anligo amigo da victima. de senhor de engenho, eslimado e repellado na Ire-
" > Ml guezia, tendo all exercido os lugares de sobdeh?-
ii ,,.i. -..__-..j i.i- i n-._: ^'gadoe juiz de paz, soa inesperadamente assaltade
Uesaosta ao commumeado publicado no Diario de e!!pa.ado popr enleB polieiaes, qae sahem para
9 do carrate. este fim da orgia, em qae se achavam entio ; e
Antes de fazerem qualquer juizo acerca do que avalle anda qnal sera' a puoigo dos crimes na
dolosamente procurou fazer crer o autor de to I comarca, onde por laclo de tanta gravidade nao ha
venenoso conmunicado, pego aos qae lerem a di- [sigoal de qae se pretenda impor nem se qoer a
ta publicaco, se dignem prestar ait-ngao estas penitencia da omi Ave-Mara !
poocas Imbas que seguem : Desde 1863, oa reaegeqne entaooperou-se para
Delegacia de polica do termo de Serinhem, 12 o voto livre, brada-se na impreosa e em represen-
de fevereiro de 1866.Iliui. Sr.Tenho presente tagoes contra a polica de Cruangy, onde desde o
o ofBcio da V. $., datado de 10 do corrente, ao subdelegado at o ultimo inspector, parela ter-se
quat juotou o Diario de Pernambuco de 9 deste querido levantar o que havia de peior coa a mis-
mez, em que vem escripia e publicada sob a epi- sao especial de amegare aterrar am povo, qne nao
grapbePublicaqdes a peiUdoaan aceusago fei- adherio s notas ideas.
ta a V. S. na qnalidade de subdelegado 2. sup- Todo foi baldado. O subdelegado deonttio-se
pente da snbdelegaeia desse dislricto. Essa accu- quaado quiz, nao para ter um successor honesto,
considerados necessaros sua subsistencia das aneadas aue! s3& c0*13'3*9 m dizer o correspondente d'aqnel- mas para ficar o dlstricto acephalo, e para dopli-
razao e jastiga qae lhe asslste, e que tanto merece cadas as difeuM
em p'eseuca dos seas esforcos e perseveranga.
Ainda nao se acha decidido o pleito judicial qae
movemos no Rio de Janeiro, contra as companluas
segoi adoras.
Entregne esse negocio em miofia ausencia
pessea alli considerada, depende someote a soa
concluso dos tribunaes a qae se acha elle affeeto.
Registrando aqu, Srs., a minha gratidSo pela
atteogo que continuaro a dispensar a vossa em-
preza, as autoridades do paiz, termino assim a
prstate exposicao dos negocios da Compaubia'
O povo e-culbeu aempre bem, quano se Ibe per-
miUiu votar, os seus vereadores e jnizes de paz
essas iostituigoes do primeiro reinado, desenrbara
Pernimbosaia.
Se incerapleu, pego-vos desculpa, curoprindo-
me djclarar-vos qae achar me-hisprorapto a for-
necer qaaesquer esclareclmentos qne exlgirdes.
PerDambaco, 18 de feverelro d 1886.
F. F. Borges.
fuscciona-
vam regularmente ; mas eram p palado das liber-
dades publicas: a reejgfie'fedo iraniforaou con a
insiitmgo da polica executtva.
O jnry e a guarda nacional, taetttuigao do perio-
do regencia!, fuMcnUMam regalarawaie; oe ja-
rados comprebesdiam ataravilbosamente seus de-
veres; a guarda uaeiuoal ascolhla excelleates offl-
ciaes ; a reaego creou jutzes etcecutivos e officiaes
executivos; desde atad desapparecerara as ga-
rantas, e o muco poder social 6 o executioo.
Desdento a impunidad* se ostenta cem despu-
l dor de Messalina.
Deveudo ficar impumdos os coripbeus eleitoraes
vleram os juize exteulives, isto 6, s ehefas de
polica, delegados, subaelegadua, jukesmanieipaaa,
promotores e juizes de direitopara nao verem os
delicies desses coripheus.
Epara qae se oao eaajnaeeasem aaoca dessa aa
Illms. Srr. Accwaietas.-- A commissao- de i*- especial misso o executivo estabelecea o segre-
mn r'n rnntn la fiarafiahii Piiiinaalamwia du a*i d no reservados e confidenctaes, nova pratiea eu
vegago costeara por vapar, aqaem fuiam ureseit- praga, te os kVKM-o telan* baadae3l da desembru E quando por erro aJgam processado, e absol-
proximo ttaao, mudo caaaaride o ijaa.ilai5a.ttar- vid pelos jurados executivos, e mu appeHaeao.
ligo 21 dos amtalo, e enoeattac* todo aeoioraw, E se o laclo muito escaadaJeao o juiz de dt-
Je paracei' qae sejaaa *fmwd,n aa
qae ae iuuve a fereaoiada caaaaaaMa pelo
a
selo
nossa empresa.
team os supplentes executivos,
mente a impunidade.
e corre ir jaquilla-
possuem ou ugam? 11 jornal qae tendo sido instaurado pelo alferes
Se as materias excwmenticias lera de ser arras- Marcolino Jos de Moraes como 6. suppleote dea-
sultana mator onus para a provincia ou para os iradas ou levadas para looge da costa pelac aguas! V* subdelegada, om processo centra Joao Hutino
particulares. Bis o que dala esse offlcio : I do oeeaoo, ninguern dir* que estas o faro apena* da Silva por um erime de morte .que a opioiao
Ao Sr. Dr. Sabino Olegario Lodgero Pinlio.- essas materias forera sahindo do cano de esgoto PWlca mdigiuva eomo antor, uao pode concluir
Tendo nomeado uma commissao composta de V. central que tem de atravessar o arrecife. Se as-;esse Proce!0 por baver V. S. assumidoacmtosa-
S., e dos Srs. Drs Joaqom d'Aqaino Poaceca, Jas Sim tem de ser, devendo ser coostante e diaria a! meme-o exereicio da subdelegacia, tolDendo as
Joaquim de Moraes Sarment, Manoel de Barros eracnagao, mo cheiro se exhalara e vira' incom-
Barreio, Manoel Boarene deaMacedo, e engenheiros rnodar a populago, e aps esse mo cheiro viro
Gervasio Rodrigues C.ampello 6 Jos '
reir de Magalbes para s examinar
queme apresentou cora um' requecimento* Carlos raate as enenentes essas materias terao de ser bal
o, e eogeotmlros raodar a populago, e aps esse mo cheiro virao >.Ciuoau(j tw nuuoo. c rvmi mo pv J. cerro ae
- Tibareit Pe- os miasmas que influiro tafvez perniciosamente 18- ^oe eu decUre ol1 a rl$ao dfi saa lorvencao do, brl
mar a proposta sofcre a salubridade publica ; em contar que du-; D0 mesmo sammano, e o motivo que o obrigon a | droe* de
irimento Carlos raate as endientes essas materias tero de ser bal- *95 proceder, venho faze lo. i nao pode
deadas por cima do arrecife. 0 cano central de PnnwirameBte narrare, o facto da morte qae a
esgoto lera' de atravessar o arrecife ao sul da bar-1 P"taj Pub"IC> se8ndo d" o mesmo correspon
reta, e sera' por ah qae tero de ser evacuadas as de|le. r*"f J?'er!do Joao R?n?
materias excrementicias; mas justameule as
proximidades desse ponto, que se acha edificado o
lazareto, e por consequencia ter:*' este de perder as
condlgDiS hygienicas exig veis ara estabeleclmen-.
toa imllhanles. Nistp nSo tocou Smilb, e convi-
nba-lhe nao faze-lo. E' verdade. jjue se nos dir,
que se abandonara' esse lazareto, e a isto s tere
mos que responder, que sera' mals um sacrificio
qne se tera' de fazer para a prosperidade da em-
preza, ou antes da companbla, qae tiver de explo-
ra-la ; alera de que na ilha do Nogueira e na do
Pina ha oUlros edificios que tero de sofTrer do
mesmo modo, e os bospmes de caridade, a quem
pertence a prlmelra ilha, vero diminuida a renda
qoe derla procede.
carem-se os factos criminosos que antes se da
vam...
Appello para os seitiraentos de honra e rectidao
do Eira. Sr. consemeiro Paranagua. Nao qnero
qne S. Exe. me acredite : soa saspeilo. Besejo,
porra, que insiita om Inqnento a respeito das
pessoas que flguram na polica de Cruangy, como
sm a aecao da jusliga com o fim de proteger ao tnspeclores e escrlvo da subdelegada, e estou
mencionado Joao Ruriao. E porqae me peca V. \ ceno de que S. Exe. encontrara' jogadores perdl-
brios ioeorriRlveis, criminosos de morte e la-
cavaiios, salvas pequeas exeepedes, qoe
podem deixar de haver.
Entre os individuos que me atacaram figora
Joo Candido de Mello Lima, esenvo da snbdele-
gaeia. Qoem Jo jo Candido ? Homero de iostinc-
No anao de 1860 foi enconi'"'- ^o.rio Seri-' tos perversos, aroifre e protector do assasslno de
nhem o cadver da preta Mariaiw. ,Jbria, sea proprio coBhado ; por este faeto e por moilos
escrava de Joio Rufino da Silva. Procedida a vis- outros ninguern duvida de saa capacidade para
loria no mesmo cadver ao dia 28 do mez da oa- commetter crimes, sendo que ja' esleve proeessa-
tubro pelo ex-sabdelegado desee disiricio, Mlgaet do, e ha qoem leeattriba narticipago no aseas-
Alexadroo da Ponseea Gelvo, vennearam a de-
clararam os peritos qoe t morte da predita preta
tiorn sido oecaslonada por sobnrersao. Esse facto
foi averiguado aei ex-juis municipal deste termo,
Dr. Gervasio ('.mpello Pites Ferreira, e segando
me coesta, cliegoa elle ao coahecimento de sua
veraeidade. |
Achaudo rae nesse dtstrioto em ias do mez de
setembro do anoo passedoyauando eslava oo exer-
eicio da subdelegada o infeliz alferes Mareoliao
Lui i Carabronne, no sentido de ser alterado o seu
contracto para a limpeza e esgoto desta cidade, mas
tambem procurar chegar a um accordo com o con-
trocante sobre as modificacoes que convem fazer
no mesmo contracto, a fim ie melhor ettabetecer-se
o servico de Hmpeza constante i mesmo contracto
sem ncaam eomprometlimento de onus para a prtv
vincia ou para os particulares : assim o comma-
nico a V. 8., esperando de sea zelo e patriotismo
que se prestara' a esse servico, empregando todos
os seus eeforeos pera o nem resallado.
A commissao, reeebeodo essa miwo,preeneliea-a
do melhor modo qoe lhe foi possivel, adoptando as
modificacdes no sentido do systema de limpeza
proposto, em augmento de onus para a provincia
oa para os particulares, como o prva sea relato-
rio, datado de {8 de junho do sano paseado, e iro-
ptunu ao Diario ie Pernambuco de 13 de julno
do raesmo asno.
Sabemos, e sabemos perfeitarnenle qae o empre-
zario, para satisazer completameale os compro
missos, a ijue obrigoa-se, teria deachar-se em em-
baragos, porquaolo, nao sendo avullados os lucros,
nao encontrara com acilidade e vaelagem, na
Europa, ciHnpaabia que qaisease coiaprar-lhe o
prevllegio, que era todo sea eapeaho, como a de
seu cessioaarlo, tanto mais quanto aioda dependa,
como depende alada, de reeeasiderafio da assem-
blea provincial a resolugo, que retegava a lei o.
332 ae 20 de abril de 1863 aae approvou a pos- amiba nao tem raeios para-mante-lo, ou se a so- como enh-dwoccMpa-, desapertar, etc.: e qnan-
tura municipal e tornou abrigalorws os apparelhos ciedade oo carece de sea trabalho, ase horneen dase aateaoe essa pancula a palavras,que come- do Sr. GaraUronne ; alai poe jala aae o *V. Dr. nao tem direito de reclamar uma porcia qualquer .gara po wgah s* oaser** o s final desea ,0 mereaBaUe VExc. quaodo na i foia do fle-
postura, por ser bem da .oale >ttribuiia pelas beneflceates
mSos da- V. Exe: vam pelo presente tributar a V.
stnato de Custodio Aranha. Os oo tros, cajos ao-
raee levard pessoalmeate a' S. txc. o Sr. prest,
dente da provincia, se nao esto todos maculadoa
por crimes anteriores ao de qae fui victima, sao
eonheerdes por deSordetros e torbalentos oo logar
onde residen.
Por ora liimto-roe ao qae Aea dito, e se a tanto
me lvr a ueeeasidade, descortioarei am outra oc-
casio mysterios que ne quero locar anda.
Recite, 14 de evereir de 1866.
Domingos Camtllo Hiendes da Cunha Azevedv
Entre as muitas e disUertas provas de justa
Has, para que estamos com isto : a experiencia <) O verbo htg-'ez deodorua, creado moder-1
vira' confirmar o aaa disse 0 Sr. Dr. Aquino, e i- mente, nao danta aioda era diccionario algum,!
zemos nos, e eatao teremos que baver nos cora a i excepcao do de Josepb E. Worcesier, e significa
Inglaterra, que se nao importa com a salabridade lo prioed o( odor~*; isio- privar do cheiro. Poi.
publica de neohoma das oMads do Bmell ; ella desse verbo,que se lirou o saislaotivo, que Smi//i
qae fez guerra a Cwaa, perqte o governodesse tradazio por deodortsarfio, e eonfandio constan- deragao, que se teera presUdo aoxm. Sr. Dala
imperio reeolveu oppor-se ao eewenenamento de- (emente com Ikssnfeccit), sem Ibe oecorrer qae. "T- Joaqulm^Francisco de Farias, oslo sen illnstra-
seus subditas em eoDsequuncia do opio importado as logiezes t-ra tambera o termo diitnfection roas d0 Roverno diocesano, folgaraos de ler occasio de
pelos negoriantes da GraBretaoha.aqee tero-eco- Smith devia saber que, quando se quer, em por- (gmtu a seBuiote.que honra taatOMaem a den,
nomistas qae, como Mallhus, dizem qoe se uqi luguez, esprimir o cootrario da qae sigMtfeem orno a qoem a^recebeu^ |r
hornera oasce em om mundo ja' oceupado, se soa certas palavras, se Ihes aotepde a partcula da, "IIB- ar.A junta atlrainisira
Portoguez de BeoeficeiMua a'est* ctaaiCt si
Hospital
muito trabaUtoso serta, se se quizesse dar pao a to
dos aquelles que morro de (orne, accreseentando
qoe, como a pupalaan lea-de looesaaotemeaie a
este modo a.palavra mais aphouica. Assim, pois,-
parece pa dewa- eserever tes desodorisaedo, de*,
daada do verbo inoiorsar. &e censatatatee
Aquino, aaa sempre rpellio essa
iatonsutucioaal e vexateria para a pepnlaeo,
subscreveu ao qoe fez a commissao, comeetie dis-
se e alada sao aegoa ; e noto verdade que os ,
late-estes desta provincia e dos particulares aie eceader s-meios-de subaieieaeia, a cmniade em a sua urtliographa, foi porque nao quizemos fazer
soffreram cem augmento de eaaA,4ueti Sr. Go ter tmsa loucura, um incitamento pora amisena, attaag5i.
mes Netto, reetbeano em Lpadaae aa modifleagss, cu, como. Jlnrcit*, seu dledpoio e da Ad, Smtth, I Worcaster- em aeu Dictiomru o the EngUsh
a que se tiona obrifado seu anteoesear ou agente, que propotereen taeeatombes para oa vaoem-nasci- Iwgage, anda traz deoiorizer, qae dene: hewho,
se aeu presea ao ir eu are^aetaeam ana das, a asphyie dos Qlaas ios pobres. o tkatttniak, sitUomes; appiiei spscmUt to a
prepoea de modiflcagSes, baseando-ea aa que ao- Dizem escriptoras de nou que a questio de des- suhstanu taatai has tke poner o( destrotmg fetii
vas apparelhos, alada melbores do qoe es aropos- ajo de materias eacremsotieas imporiaete de- esjtwsia.
reilu, o juiz municipal e o promotor adeectnven. itoe pelo Sr Camaraue era suas modifloagoes, ba- baav He deus pontos da vlsu: da salabridade A prlmelra vez que encontramos o termo inglez
viam sido iBMeatadae. aabbca e da agricultara. Assim peasaaa as sabios ieoioris* fei ao relatorio da Metropolita Sa-
O Sr- Dr. AquiBO nao negou, sea uega que esta que, com seas artigas, concorreram para a excdl- Jfarjy Cooimiston Ionio* 18471*88.
Exe seas protestos de gralidlo e recoubeciiL.
e ao mesmo tempo rogar a V. Hxc ae difa daac-
ceitar a diploma que junto enviamos, de bemlekor
d'este Pi Instituto, como ama prova alona que te-
nuedasubUaeoaciaecifiao cora que geam reats-
trados n este hospital os Imasffipiea servlcos, qne
V. Exe. prodigalisou. >
Assiguaram asta dosumento pa Srs.: Antonio
Lopes Pereira da temos e Joo Perera Batel)
Braga, aquello prowdor e este secretario.
'i
1
9
I
V


.




0kfMmr*tf*B*#**liMfc umrH
-1860.
, ',.'=
I
mprobidade foi
i,, etr. etc. E
a que os cor*-
ferlr
legaes,
a roenj
fWKarem s Oleiras dojosaofcie
isjrao pMaotos de5|n#t^tw,_scedJiis
arle dos
Real Senhob. -A ]TIIIt--*4ia5trtiva do Hos
lital Portuguaz de Beneficencia levando todas es-
tas urci){MMiu ajinatooconheclroenjo de Vossa
itaeila'ddaiiosa parido*notrio...Enae coln- MagesxXde Fioiuiaeat;apauas suppltja ama repa-
cite de dedicados braHs, fajsjievet Canipot-se 5 aemuilo.que a (la taludo softrer o coosul
.mais de trezenlos nome*. *#gae pacte, deju- de Portugal, reooraeXo que a toroe a collocar no
X badas; ahi flfcoauvnmtOT Wic>o, nobre po>tofw.|Mil|eNli)u a cooqaislar para
cptraiandirtltt pelo noS rHmosc>am.fO re- pe,m g' a,*****mm*** enfermos e desva-
i,SecorQH9j P. Pessoa^eSiquelra.^aoos-,.tro- l'"% rm*4>e|ecendo-a d novo no pjysujflo, que
crfno os eromodos d*.razendeirokpela8 adigas seml fono, mesque agora v mareado pelas
-tas de militar no campo, da batfha-presan- ndowea lb-smitfMjquelle qu* dona ser o
dr amor da oatr.a aowlo ora esposo e> cari- primeiro a sef^dada Ornamento, e a emprestar-
n'losopal. atrincando os,frfs pranrios inters- me maior esplendor. '
KCelos dlTpali que o vio atiene r fqureclama rara ISs basura qui
pipalrlojrsmc, de seesSlnf. lie >cia.se e se ** a'endenda cosa cj
aaoa era ir tomar parte na Jifera depakia como om daste po nslTfflto. e de qae nos s sub-
tiaTTubdito o chefe da'aac*. diloa de Vossa Magrst*e tanto eos u/annios fa-
esejamoihe urna prospera aiageno. ejque dea- 'ca f "pedir om raio de sua |usticaobreo aotor dos
tro em poseo volt* aos tarea de-leu natalicio cheio.'alS= 3ue pesa ataen pWlegido, aflm que este
^ liljr angustias de um justo resenil-
Asslm o eaparajcps.' =
UjilPortoitalz de Beneficencia Bm Pernam-
niTmaJtiii milii deJ866.
m as aasigoalujas e ac-ompanham os do-
' respectivos.)
>-S
l's i I1 i ni f flpl||| Monteiro.
COMMERCIO
01
pipos.
'(Ut0]fllr,1'*94,:blV* sorl|ga3; t
l/Thapeos de oteado, 3,000 crvos de ter
ro sonidos para pipas, 20 carriobos i de nao, M)
duzias de limas roela cana, de Iza 50 poiegadas, i
MWSlf Uwutfiaogu Vares dajiO II.pote-
jpcezes sonidos de, RUira J
JMSIIEIR4
EsVAPOR.
E' esperido des portos do sul, o
vapor Paran, comtnahdante o
capito de fragata Antonio Joa-
qun) .de Santa Barbara, o qual
__depois da demora do costume se-
os porto do norte.
ro de assoalbo, 30 resmas de papel *lmot, 10 do
zias de tabaada de farro da amarello, 16 duzlas de
! laboas de assoalho de looro e 12 dazias de laboas
de asaeteo da ama re lio.
os dfe pre|fds d"e fer-1 Def* J recefcedvs passaeiro'* enifla-sa a
Novo Haneo de Peraam
O Novo Banco desconta letras a 12 por cento Pramove o conselho a compra sob as condc,5es
osst Maoeswd^idelis-
s de bepig^no pjplector,
diMde a>berto de Jpurfifi^azeBdo | grata
drtojada'nooia de ext6rmi|Ii)>ompto 4o barba
salteador da hopra nciooa!.', Escando, l
bsm assiiaa seus antifloOisU que (fflm tanta
pureza deparad? paBtotico*,-inanaiia obs
q.X sededralain a obsUalo aJftsaott quo n
aria empreza; qpe cofli taalps saoriHcios
ros tomoj*4 si ? bero-4a eatrft commum.
Dirigiao-lbe nassos emosm pe com os s#os braa-os omaoiros-accegem as Estamos informados essoalment* pelo
nodal e Ibcoosolpvei. saudades do-seuip^o mm jm30 minist^ qm ^ era ^^
P.... fazer-se a prodssa,de^uza^ -porquanto
Fiorest*Jt"de jaoeiroJo tfti'6. haviam faltas de ornamentos qae j agora
_, >ttfi p ------ chegaram: faiemos esto declaracSo para
rs. redolores.Etiaesposta a u auocio, arredarmos o ouftpodia conter'detSeasura
ptiMtcadg n*^eu conceiado |ornal, setre aosera-1 np,ian, miP farpm-^ rura aniipllft fim fi
v amarga deeepgo de leMmcommunicado assiguo SSim proced^ndo amprtmns um dever de
flfjXorreia de Castro." ^ como este commuoicado svo nos |evoiJ a eftir-iJOS O fezinanlO da
ao anno, toma dioheiro a praso fizo ou era coola
correte pelo premio e cooaic,des que se conven
clonar, o saca sobro a praca da Uahia
Cala Qlial do **&* do Brasil
em Pernainbnco.
De ordem da directora se faz pulico que o
thesorein desta ca xa se acha auorisado a pagar
o dividendo do semeste iodo em 31 de dezembro
prximo passado, na raz|o deJMOQO por acce.
Caita aiial do- bao do Erasil 13 di Janeiro
O guarda-livros, ,
[goacio lunes CorreUr
AtfANDEGA.
Rendimento do da I a 13......
dem do du 14...............
232:897J*!9
25:648^010
258:5625iz9
MOVIMENTO DA ALFAEUA.
Volumes entrados com faseodas-----
_ com gneros..... 387
Volamos sabidos ccm azendas.....
t < com gneros.....
--tajar a eommentarior, ue po
va u nyKMft.speito e awior tilial y.
a qu-ni Ho devo, decl|0> perante Deas e os no- principal denota OSfleitr, e agradecemos BS
v,-a o-n^speao e Wor ttiia.p^SmXel.'^ssno se,* a cys^^lt
pu-
osieaqueceitl.
O que io presado pai attnbue' lowandaos
de ueancv^" mais do qae um josto ressentl-
mitato, qui! nunca se alTastar* 4o ini* blira d a juUernidade de actos, que a nota*
lacio juiga onmioosos. E' para mim bem doloroso
tor d' sustentar polmicas ccm pessoas, que nao
me iiio igtratjs como este qudam de qneu fallei e
que sejulga livre de urna unpuiago ccmioeao polo
6itaotes facto de ter cnido o p-ocesso neta i^eom-
netencia da autoridade prooissanle..-^Bsta li-rin -
ue-jiiea digna dos cavalleiros de rn0usiria.-Aiis-
ieDio-me de quaiquef discusso conrvgawolto
eniiapoudo; i-or |ue au quero, que se'attnbua a
mi ii II ii it-ni i- h .stj para c a ruem pero, que nSo aeceite eumera^es perfi
O irmao previdente.
Um acto iiniritoril
Sempre que pratica-se un 'acto meritorio, bom-
que tenlia tte pubticacSo e pao4que no esqueci*
ui'-ntj. ^ -
No dia 7 do corfente, peas 7 1/i horas da ma-
| cliaa, um menor Aprendiz do arseual de mariuha,
escortngan^ do,caes do me?mo arsenal cabio den-
tro d9-raarj**^taya presto- a raorrer affogado,
i som ftte fosee soceorrido por algura dos operarios
1 do arpenaL^ue actiavauj ocoupaios otfleirss, d*apde nao podiatna!istratiir*e pela sabia
e berante respectivo jn<>pMlor "injueW estabeteciaento, o
torta itrvitanuluieste aBuueeido, se, possando
arsenal de
w qne me venhapj descouceiloar na opkoio P^-jl^jueUa oecasiao em.Cunte ao me>mo
''',,!!"-, ... marinba.0 patactio portogufiz Mariaitna, o pralico
Tonhoditoq.iantoteatt para provar, que nio4 cottfoudo o venerando mwsode meu pai cora o |p. NevM> e ^^^ da_hncfia rfin0?| Marcellino,

lasultado des
sallib mdo inslenle, que me tena
(u1 ni" acostumei desprtsa-lo.
I'evereiro, 14 de 1866.
Ulysfes Correia de Castro.
m
vendo-eemelOante desaire, e tocado de compaix
nao gTitassam para tarra oo> altas vozes pedindo
aoccorro, o ^oe oeu lu^ar a anparecer nm outro
'menor aproitdiz de nome Brnardmo Pereira da
Britoque, tan?apdo-se n'agua vestido, como se
achava, consigui livrar s-u cocujaotioiro de urna
nwrte certa-
LoiWoraV4)ois ao rnor Bernar.iino, pelo immi-
a nente risco em que se lancou para salvar nm seu
Pelo paquete *iue hoolera segoio para a Europ. co,npaubeiro ; louvores tambem -aos Srs. Neves e
enaerecou a juma administrativa do Hospital Por ManoH Marcellino, por terera chamado aquelle que
tugu -i de Benecencia nesU eldade aoinonarcli*' nio |iv-far ^, mnfte um fea 8eriWhaiite : Dens
de Portugal a quoixa, que em seguida pobUcamos, ts recom.pnsara'pelobom attoVie praticaram.
contra o cnsul da sua respectiva nagao. () Recife, 12 de Ifeveriro de 1K66.
Publicares a pedido
Rk^l-Sb.vhor.A Vossa M.vukstadb ttoBLissi-
m.\ vem a junta administrativa do Hospital Portn-
jruu de Beoeticencia em Pernambuco, imperio do
Brwsil, qu-iiar so do coasul de Portugal nesta pro-
viuiia, r. Claudino de AraoJoGuimares polo facto,
que lielinente passa a expr :
fUvenio o provador deste hospital, por circum:-
tan:ias da occasiao, indererido a petigao de Leoni-
lia Cirloia da ^ilva, que pretenda admissao gra-
tuita tas enfermaras de>te estabelecimento, op -
poz-ihe a peticionaria replica em termos pouco con-
venientes; a qual, anda assim, o provdor julgon
a bem justificar, por novo despacho, as razoes que
entio j ofieosiva ao carcter do provdor e des i
lu-lre do cargo que elle representa, Ihe dirigida
pela supplicaote; e comtudo a prudencia e digni-
dada do provdor suTocou qoalquor resentimeoto,
s para explicar detalladamente os fundamentos
da impossibilidade de ser a peticionaria admittida I
no ho'pit.ii, prestndose todava a pro"edoria a j
mancar-medicar e soccorrer em domicilio accomo-
dado a mencionada enferma. f|
.Nao satisfeita anda a requereota com os motivos
exp )>i')S pulo provador, e com a oaridade por este
oiferei-id.1, devolve anda este ullimo despacho com
tira la treplea, no sentido de conlradictar as le
-gitimas allegacoes do provdor, tornando assim por.
de mais fastidiosa e desarrazoada a supplica rete-
ri.l.i.
Collocada a questo oestes termos, resol ve o pro
ved n- levar o occorrido perante a adrainislracao de
que i-befe, /azeado remessa secretaria do hos-
pital de todos aquellas eseriptos, para meihor ins-
truir a narrativa do que tica expendido ; e quao-
4p eotao por sua vez apparece o cnsul de Portu-
gal I'-. Claudino de Araojo Goimares assignando,
como procurador 4a dita Leonilta, urna pellgo,
eiigindo a entrega dos mencionados escriptos.
O provdor em sen despacho remelle a peticio-
nario para o secretario do hospital, e este, produ-
2ndo as coosideraedes qne se deium ver no do-
ment junto sob n. 1, dorara ellas lagar a um
final indeferido.
Al --.-te ponto, Real Sbnhob, ser em verdade,
e nos o confessamos, pouco dina de ir occtyiar a
attae-io da Vossa Magbstaoe Fiobussima a quoi-
xa que a iuau adaMaistraliva do Hospital Paito
guez de UeneQcencia era Pernambuco leva anteo
turono de Vossa Ma?wibb ; mas faoto, eoose-
qucncia daqueile, que Uuxauii. narrada, e que em
seguida pedimos vola para oftirecor tita consi-
deragao de Vossa Magbstadb, demonstrara a toda
a evideoea, o qoanto se torna necessaria a queixa
comprohaiaria de soaso resentimento pala offeasa
e aggravo feto pelo actual connw de Portugal as-;
ta provincia ao boa nono, crdito, eaKiderac.ao j
respeito?, 4o que se toa aaMdo cercar a adminis-;
trago Ao boipital -, ja peto PmrtTCHBAM .reeebido ;
do imaiortal auardii o Swiior D. Pedro V de
saodeaiesMna raeerda^ao, 4o proprio de Vossa
Magsstam. FiDELtssjjiA.ia Boamo o alustrado go-
^00 brasiJairo, que Ihe na dispensado favores e
innidades; ja fiHlmaaU d rollgos edicafo,
que eopsuiuetaante too prestan aadonaas e es-
raagdros.
f artwtta pois Vossa Haarstamc ate pnssem i
promattiia expostrao, base principal a presante
O copsii de ffertopal Dr. tkmm* b Aranjo
Gn maraes, manido do doeoaMUo j dtaio. e ue
conliab* a aforanfto dada peto secretario dwte
bosiMiai, la em sea proprio aonae e o carcter
offlcial ene repreteata, pewnta a tlerMade terri-
torial, o fniao da 1^ rara uuealeiaal, manjaeia
criosBat etatm e daeinhy e tac aUi coa-
pareeer penes de Co*. Hloil MntMeiM, soSn ferem satis-
acturias a oH* dhoI as MpliragSM Mas pelo
efewmdo, as parases portugosaa, que e lem na
euctonada frifwptjii toda direeu a provdor.
Proceden 98 a audiencia jadkial, e aomp+fiein
d aetla oiaimia cplieon por ul forma o ?er-
datuini seeadu ufsfentra g taes pltrases, qae a
juio de todo o auditorio foram julgadas de ama
veriadeira e legitima signifkacao, menos pelo
dito >-on-nl,eaooa(iia apers.srno proposito de
nao querer aimiuir a verdede, ara s deisar vi-
gorar o seo, em *
Asprovas do que eiamos etaralo, 00818
4o aoio, qun por eerudo Tai anaezo; e de nm ou-
wo requonmaeio de nova qneia fetta pelo referi-
do cnsul eootra o ntesmo secretario em prosefal-
Bfoto de procese* criminal Inteotado ; requeri-
acoto que ea pnblica forma ifoatmentfl anne-



CURA
Espanto e Ailmiiavel
DE OMA OHAOA
(MOROSA E ROEDORA
ou
POLYPO I^O NARIZ.
Urna creada de servir residente em Pemam
bnce e pertencente Ex" SeBri Visoondksba
de Goiakna, fot attacada d'uma ten-ivel cha
ga cancros e roedoraou PoJypo no Nariz.
A mennn nvolvia e toma va todo a parte in-
ferior do nariz, amencando j distrnir tanto a
parte canilaginoea como o meemo oso ; Come-
fon primeare por apparecer sob o belfo supe-
rior e parte da face, eztendendo-se per tal
forma e com tal rapidez, que em pouco amea-
<;ava transformar todo o rosto n'uma enorme
cliarga vira e asquerosa. Durante todo este
terrivel estado, todos .os recursos medicnaeg
que em taes cazos se uzSo forlo abundante-
mente empregados, sem que de leve Izeese
parar a marcha lenta e distraidora de U> hor-
rivel enfermidade, e todos os meios e escreos
forio baldados, e no em tanto o mal creedfa eis
que por milagrosa fortuna da infeliz estando
as couzas neete ponto, se experimentou pela
vez primeira a
SALSAPARRILHA
DE BRISTOL.
O efietto produzido, quas que-instantneo
por este iuestimavel reaatHo foi verdadeira-
mente mamvilhoeo e eem ifual; este grande
pwiflcader do aangue a ik humores de srs-
tema, fanmedia.tamente fdadjm termo Si mar-
etediaasIfKEa e lMelda fArtia, derqanndo-
se e lnfiltrandoee atravds dos tectdos a mais
delicados do carpo, exptflpdo at -^dtima
propriedade ou vestigio virulento da saeiafitlii.
e dentro d'um curto eepepo de tempo produzio
cuSA z
Completa e Eadical.
Este fdUs qmlo edininM|esultado foi obtl
do apenen oem e simples p.-
& mu m iB#*iimifi!
d'este ineemparavel e inadtBfpavel depuratorio,
reeomaaBdamoe portanto i todos os Doentes
qae procurem obter com o cnaior cuidado a
a^aevwd>dtlPdniifeiitnii deBrietol,
nicamente preparada por
LANMAN & KEMP,
De NVA VORai,
xaiaes.
o para petera inda aqol, Rcat fteimua, as
** HflJP**e lerida-a junta administrativa
4oift*tpJUitoPfegaei de &s?ctmei, na peflta
de li secrtane^uaa mais grave a mais dototo-
sa coaba Ha a sentir, veaao o seu piwedor m-
"7) t'f aOnoacia de cnsierHi deiaaa-ri-sabir
tai4em *sts. poWfcacte.
na certasa de que, toda* as mais fsspamglcn
imitativas nio valam para eousa alg-axna,
Pcrnmbuco, priarmacia traaceza
MaupertC., ra Nova o. IB.
P.
' O correspoailaaie -de^ta-eic
Diario o *rt ' \f SfCrrlTpu 60ar#9pVu'JvMB W
Hfw*^ pata sd tonisf rnafs I
dahtba de Mattca, r
- 387
64
195
- 239
Doscarregam boje 15 da (everairo.
Brigue hanoverianoS<#pAn5on-farlnhade trigo.
Brigue irijlezOthello----bacatho.
Brigue ingler8srAa-bclho. *
Brigue ingUtGrecim -idem.
Brigue prussianoTkorkeld mercadorias.
Brigue iogleziJofa/j'mercadorias.
Barca inglezaftqlerador-farlnha e outros g-
neros.
Poiaca hespanboiaIndia oharque.
Brigue h aspan bolJf ario Rosaidejn.
Brigue nacional Settadem.
Brigue nacionalFlumnense -idem.
Brigue argentino Volanteidem.
Patacho portugaezJosidem. ,
Barca nacional -Gwiranin idem.
Importac5o.
Brigae nacional Santa Cruz, entrado da Bahia,
consignado a Jos Mara Palmeira, manifestoa o se-
gu ote :
Gneros estrangeiros.
7 pipas fumo Virginia, i dita lirio florentino ; a
Meuron 6t G.
24 fardos aniagens ; a Sonthall Mellors & C.
4 caicas fazendas e objeetos-de modas. 30 barris
touefobo, i bahu roupa da uso ; a ordem.
Gneros nacionaes.
20 oslachas de piassava; p Maneel Jos de
Aguiar.
7 caixoes 73,600 charutos; a Palmeira.
18 ditos 187,400 ditos; a Beltro.
2 ditos 29,3.'>0 ditos ; a Costa & Irrao.
8 pipas 227 arrobas e 1 libra tumo moldo ; a
Meuron & C
31 caixSes 327,050 charutos, 25 latas com 750
libras de oleo de ricino, 21 saceos 83 arrobas de
tapioca, 20 ditos 2,000 libras de fio de algodo, 81
lardos 410 arrobas de fumo m folna, 90 rolos 255
arrobas e 16 libras de (umo.de corda, 600 saceos
(arinha de mandioca, 245 fardos panno de algodo;
ordem.
Vapor nacional Mamanguape, entrado dos portos
do norte, raanifestou o seguate :
Do Bio Grande do Norte.
38 saccas cora 192 arrobas de algodo ; a or-
dem.
Do Cear.
2 caixas diversas mercadorias, 1 caixo ferra-
mento de relojoero, 1 machina, 2 barricas, It ar-
robas e 11 libras de caf; a ordem.
Do Acarae.
110 meios do sola o 19 caooac do aigodio-, a Anto-
nio G. fl"e Azesedo.
300 meios de sola, 17 saccas algo'lo ; a A. A.
de Monte-.
2,952 meios de sola, 3 altanados, 6 saccas de al-
godo, 15 ditos gomma, 2 caixotes cera de carnau-
ba ; a Jos de sa Letto Jaaier.
120 meios de sola; a Viova de Manoel Goocal-
ves.
1,836 meios de sola ; a ordem.
1,250 ditos, dita, 1 couro salgado ; a Prenle
Vianoa.
170 meios de sola; a J. Jos de Carvalbo Maraes
4 Irmao.
1,150 meios de sois, 20 saccas algodo ; a Joo
Jos de C. M. & Fho.
Do Aracaty.
174 saccas 578 arrobasf e 27 libras de algodo ;
a Belarmino G. de Moura.
26 ditas 114 arrobase 18libras'de dito,34 sceos
131 arrobas de carnauba; a Jos Cavalceote de
Alboquerque.
. De Maco.
6 molhos 60 cooros curtidos, 16 saceos 49 arro-
bas de carnauba ; a Manoel de Souza Carnelro
Pimpo.
6 molhos 60 coarinhos curtidos, 6 caixas 11 ar-
robas de velas, 165 saccas, 735 arrobas e 18 libras
de algodo ; a ordem.
Brigue inglez Oihello, entrado de Terra Nova,
consignado a J. Paler & ti manifeston o se-
guinle :
2,320 barricas bacalhao ; aos mesmos.
Brigoe inglez Berffta, entrado de Terra Nova,
eonsigoado a J. Pater & C, manifestoa o se-
gnlnte :
3,650 barricas e 56 metas bacatho, 16 caixas
peixes; aos mesmos.
Brigae ioglez Grectan, entrado de Burym, con-
signado a T. B. Roberts, manifestoa o seguinte :
1,997 barricas bacatho ; aos mesmos.
8ECEBEDOBIA DE RENDAS INTERNAS GE-
RAES DE PERNAMBUCO.
ftendlmento do dia 1 a 13...... 47:703#W
Idem dodia 14................ 1:482*364
do 'sryoj e em -vista de propoMas reeebidas na-
qaelle da, 17 do correte mez, at as 11 horas da
nuntiaa.
Sala do conselho de compras na vaos 13 de
fsvereirode I86.
O secretario,
Alexandre Redrigo.es do* Aojos
De ordem do film. Sr. Dr. delegado do li mero 1.
districio deta cidade, encarregado do expediente---------
desta repanico, na ausencia do mesmu Sr. r.
chefe de polica, faco publico para cobhecimento
de quera ioteressar possa, que pelo subdelegado
carga que o vapor poder conduzir a qual devera
ser embarcada no dia da sua ebegada, encommen-
das e dinhelro a frete a a o dia da sahida as 2 no*,
ras : agencia ra da fliuz b- 4, epf riptorio de Ap-
niolaz deOI|veira Azevedo & C.________
rara a ilha de s. Miguel.
E esperado a cada momento do Ra de Jaoeiro
o patacho portuguez Fernandez, o qual lera nafta
cidade apenas a demora de 10 das, recebe carga
a frete por prego muio corampdo ; trata-se coca
os seus consignatarios Antonio Luiz de Oljvaira
' Azevedo & C, no sea escripiorio roa da Cruz na.
PORTO LISBOA.
A barca portugueza Amelia, de excellente mar-
Corre Seganaa-felral de eorrnte mez.
Acham-se venda na repBctiv^- tbegoa-
raria j roa do Crespo o 15, os Jailhete*,
JUeiBqnifllos da 2 parte da VJoteria
(48), a beneficia da igteja de-Nossi-Senao-
ra dd Rosario da fre$0Ba da Ba-Vista,
caja extraccao ser oo lugar e litwa do
cofttume.
Os pretnws de 6.-OOTfipOO at 1
serio pagos unja ljora dep'ois da exf
at as 3 horas da tarde, e os outros j
da distribuirlo das listas.
As encommendas sorSo g||
mente at a nojte da ventera
como de costume.
O^tbesoTii
Antonio Jos Rodrigge? i
-:
^d^irto d "eS oURio7ormo o f aP--en! Pretend,e fUC0S d' |J" < **
preheodido ao presoTos Gomes, como urtado, ?.rlos' Ia ,eBd. a ma,or Mf,e de sua e"r ena"
om cavallo castanho foreiro, magro, o qual foi
positado por aquella subdelegada ; davetldo qaem
sethlgur comdireito ao mesmo cavalle reclamar
a sua entrega, mediante documento comprobatorio
dejseu dominia Irgal.
Pernambuco 10 da feve-
entodo secretario,
er Faastlno ^mep,
iiianiliucaaa
e em cum
. jada ; quera nella quizer carregar a' frete diriji-.e
' a roa do Vigario d. 10 eKriptorio de Saltar & Oli-
vaira.
Socretaria da poli
reiro de 1866.-No.
Ilha de i. Miguel
Sahe no da 21 do correte a escuna porlague-
za Erna : trata-se com a conscoatario Joo do
Reco Lima na ra se Audio n..-
** i> "'-------3n 3.-----------------
Para o Po^o.
vai segal com muitatrevWade a barca portugue-
i un iu luu^ciuy uu uucbtai;, o cica i>utu 0 JL
to ao disposto oo argo 24 dos estatutos, Stlen"o, tem parte de sea carregameoto promp-1
vidados o eabores accionistas a remirem- j h* rft(? W e falta e passage.ros, tra-
issemhlda rarai no dia 15 do corrent-. ao ,-!? "'adoel Ignacio de Oliveira & Filho, lar-
Compan
De ordem do cods*elht'da dlrecgo,
primen
sao con
se em assembla gerai no dia 15 do correntj, ao
meio dia, na casa da praca do Corpo Santo n. 11, fi Santo, escriptono n.. 19, ou com o
segundo aodar. sa-fci iri capitao na praga.
Pertambuoo 3 da ferreiro de I8I6. 1
O gerenteP. F. Borges.
apprehen-
rauejsct) Pires
PorteHa
MEDICO E OPERAr0R
''I '-..ti au;'} ** V
Faeaitlatia Ae Par.
contmua no aiercicio da sua profisso,
especialmente as molestias da ola' s, de
vas urinarias e de pe le, para Ncujo (r*-
taiuento juiga-se iiabifttsdo Slventa a pra-
ttca adquira aos hospifaes daqae la ca-
t\il*)l a nc ini.-lfiiniaf.4f *>>>; mr-,^. n .n
s
*ara Lisboa
---------
pial, e os iostruaierp.q* nais modernos
Accode promptmeEte a qnalquer cha-
mado para /ora da cidade.
E encarrega se de collocar' otos prtl-
Qctaaa.
No palea do baraje o. % esqnioa da
ra de Horias, das 6 as 10 horas da ma-
ntia. e das 3 as 5 da tarde.
19:185*816
CONSULADO PROVWCIAI ~
Rendimento do da i a 13....... 68.397*313
dem do dia 14............. 3:674*122
i *;:-f-'72:071*635
W0V1MEWT0 DO PORTO
iVaeos entrado no dia 14. *
Liverpool por Lisboa28 das do primeiro porto,
17 do segando, vapor inglez Arago, de 675 to-
neladas, capito Getling, eqaipagem 30, carga
fazendas ; a Sannders Brothers & C.
Philadelphia25 das, parca inglesa imperador, de
281 toneladas, oapitao Power, equipagem 11, car-
, a 3,100 barrlcas.com farinha de trigo outros
ganaros ; a Matheas auso 4 C
Rio de Janeiro25 dias, patacho suecco Para, de
282 toneladas, capito D. A. Engstron. equipa-
gem 8, sea lastre ; n asonu JscTsries A C.
Rio de Janeiro8 dias, brigae inglez Helene, de
205 toneladas, capito Duncan, equipagem 9, em
lastro; a Thomaz iefferles & C: receben ordem.
Navtos sakidos no memo dia.
Rio Grande do Sal -barca brasileira Nova Caro-
lata, capito Manad Baptista de Souza, carga
agurdenle e assacar.
Aracaj e portos i oler medios -vapor Prasileiro
Mamanguape, commapdahle Ralis, carga dife-
rentes gneros
Obtervo(aof
Suspendexi do laraario par o Rwda Janeiro
barca Ingleza IMuma, espalo Andersoo, com
mesma carga qne tronxe de New-York.
m
= Pela subdelegacia do Peres foram
didos e recolhidos*a deposito tres cavailos de carga
tendo um castanho, oufro ruco e um mellado :
3uem for sea dono compareca, que provando sea
ominio, Ihaeef entregue. Subdelegacia do Pe-
res 4 de feveterro de 1866.O subddfgado,
Ajoxandrioo Marfios Correia Barros.
Oaasula ppaviacial
Pela mesa do consulado provincial se faz publi-
co que os trinta dias qleis marcados para cobran-
za bocea do cofre doVimpostos de SO rs. por al-
queire de sal, de 4 0|0 sobre os estabeiecimentos
de fra da cidade, prensas de algodo, typogr-a-
phias. cocheiras, boleqnlns, botis, casas do pasto,
cavailances e fabricas; de 8 0(0 sobre coosullories
inadicos e cirurgicos, cutonos a escriptorios; de
20 0|0 sobre estabeiecimentos de commsrcio em
gro3so e a retalho, e trapiches ; de 50* sobre ca-
sas de bilhar e modas; de 200* sobre casas de
roupa feita e seibos estrangfiro-, e deeambo ; de
1:000* sobre casas 'i.- ..perai.--; bancanas com
emisso e previlegios; de 60J90 por ea>a com
emissao e sem previleyios ; de 400* por casa sem
emisso, ompanhias anonymas agencias ; de
s ibre corretores epmiuerciaes, agentes de
lello e de casa de compra, e venda de eseravos ;
de 30* por escravo empreado em servijo de al-
varenga: de 1* por lonefad* de alvareaga; de
10* per bote ou saveira ; e de 130* por balieira ;
de 50* por escravo gaaiador ; de 10* por cavallo
ds sella de alague!; irapostosde carros e carro cas pertencebtes ao anuo
fioanceiro de 1863 a 1866, e tambem o Io semestre!
do imposto de 20 0)0 do coosumode agurdente se
principia a contar do dia 1 de tevereiro viodouro.
segu com muita brevidade o brigue portnguez
Florinda, que recebe carga a frete : a tratar no i
escrip.orio de Amorlm Irmos, ra da Gruz n. 3, |
ou com o capito Joaquim Augusm de Sauz na
praca do commercio.
5
- Fede-se aos credores d4 Antonio Affonse Ro-
drigues para vlrem receber o que Ibes lacea em
raieio no dia 16 do crrente mez, na roa dos Pi-
i res n. 34.-
LEH0E*.
de 100 ca&as com sabo.
aaa-sp^
Quinta-fira, -j de fevereiro de 1866, as 10 horas
em ponto.
O agente Pinto f ira' teilo por costa e risco de
quem pert^ncer, de 100 caixas rom sabo, as 10
horas em ponto do da cima dito : oo armazem
do Sr. Annes, em frente da affandega.
Vlctonoo Moreira de Souza vai a Portogal.
Luiz Ferro e sua familia vo para Europa.
Fu pi na madrugada de 14 do correte, de
casa do corretor Jos Pedro do Reg o cabra da
nome Manoel, Idade qae representa 30a 35 anno.v
secco du corpo, meio gago, bem desembarazado,
levoa vestido calca de castor cor de ca, de qua-
dros, camisa dealgodozinho de listras e chapeo
de palha preta : qaem pegar o referido escravo
qutira lava lo ao largo de Pedro n. 17, casa d*
AlbiooJoS Perreira da Cuoha, ou ao eoUehode
S. Matheas,do padre Jos Ribeiro de Andradr, dis-
tante da euacao de Gameleira ama legoa, que sera
bem recompensado.__________________^
i

Leilao
do sobrado de dous apdares da roa das Cruzes n.
21 e urna casa terrea da roa do Pires n. 23, am-
bas em chaos proprios.
aaerajE:
Uointa-feira, lo de fevereiro, as II e meia horas.
Por lotervenco do agente Pinto, e em seu es-
cnptorio roa da Grua^p. 38
<-
'*
v SO
De
50 eaixas com btalas.
HOJE.
O agente Pestaa fara* leilo por canta e risco
Mesa do consulado provincial de Pernambuco 30 de qnera pertBncer de 50 caixas de 2 arrobas com
de Janeiro de 1846.
Antonio Carneiro Machado Rios
Admlnitrador.
Cmara municipal do Recife.
Pela cootadoria da cmara municipal desta ci-
dade se faz publico qne nos mezes de fevereiro e
marco se recebe bocea dp cofre o imposto mu-
nicipal sobre easas de negocio, e aquel les qae nao
pagarem oeste tempo esto sujeitos a malta na
forma do art. 32 do regulamanto n. 360 de 15 de
juublt d^ 1014.
Contadoria Io de fevereiro de 1866.
O contador.
________Caetano Siiverio da Silva.
Subdelegacia d i districto da fre-
gaezia da Bm-Vsta.
Por esta subdelegacia se faz publico qae se acha
depositada Ama negrinha qae declara ser escrava
e que ignora o nome da seu seohor e o seu domi-
cilio : qaem se juigar com direito a* mesma cora-
parega nesta subdelegacia com documento que
prev seu dominio, para Ilie ser entregue.
batatas em um ou mais lotes a vontida dos ron
pradores^: quinta-feira 15 do corrente pelas 10 ho-
ras da ronha era ponto no armazem do Sr. Aze-
vedo defronte da escadlnha da alfandega.
20 ditas
LELLAO
De 180 caixas com coguac,
coui champagne.
HO.II3.
O agenta Pestaa fara' leilo para liquidagao a
por ordem do liqu.iil.4ari> inventarame da casa
| de Rolh e Bidoulac e por cunta e risco de qoem
pertencer de 180 caixas cora cognac e 20 ditas
cora champanbe raeias e inlelrs que sero vend-
1 das em om on mais lotes a ventade : qninta-feira
lodo corrente palas 11 horas da raanha no es-
cripiorio do fallecido Bidoulac roa do Trapiche
primeiro andar.___________
LEILO
Consulado provincial.
Pela mesa do consulado provincial se faz publico
qne oo dia 17 do eirreolese bao de arrematar na
porta desta repartico ao meio dia 58 caixiohas
com charutos, avalladas por 174*. 9,800 cigarros
por 19*600, 50 libras de rap por 20*, 6 barris
com 150 libras de polvera por 7a*, 8 latas com
biscoutos por 8*, 5 ditas com bolachinhas por o*,
2(> massos de palitos para dentes por 2*, 2 erabru-
Ihos oom eravo da India por 320 rs., 1 dito de ca-
nda por 160 rs., 1 dito com alfazema por 820 rs^
2 resmas de papel pautado por 4*, e 2 caixas com
pbosphoros por 1*. os quaes gneros (orara appra
hendidos pelos conferenle da alfaodega Francisco
Affooso Perreira e a guarda deste consulado Jos
Dias Moraes de Quintal.
Mesa do consulado provincial 14 de fevereiro de
1866.
Antonio Carneiro Maeho Rios.
Sexta-feira 16 de fevereiro, na ra da Ci-
deia n. 55, primeiro andar.
pelo ngeo'e Euzebio.
Transferencia.
De um sobrado de um andar o. 7 sito na ra Di-
reia freguezia dos .logados, logo ao sahir da
ponte, as chaves se achara' na padaria do Sr. Mou-
ra, qoasi defronte, passoa bem conhecida.
LEILAO
Arsenal de guerra.
O Sr. tenente-coronet, director dasle arsenal,
manda fazer publico qae a arremaiaco das blusas da Craz P. 38.
de paaeo azul desuadas corte. Oca adiada para
quando forera reedhidos ao atesmo arsenal todos
Os fcoio-is de metal perieaceotes s meueiooadas
blusas.O escriptorario,
Jos Alfredo de Carvalbo.
de ama mesa, ama cama franceta, um loucador, um
candelabro, un castiga!, um relogio, um potti-
licor, om jarro, um boio e um palanquim.
Sexla-feira, 16 de fevereiro de 1866, as 11 horas
em ponto.
O ageote Pinto-, fara' leilo a' requerimenlo do
inventarame dos bens da Uada Mara Candida de
Magalhes, e por mandado do Illm. Sr. Dr. juiz de
orpbos, dos objectos cima mencionados, as 11
horas do dia cima dito, am seu escripiorio ra
Pelo juizo mnoieipal da 1* rara desta cidade,
escrivo Cuoha, tem de ser arrematadas no dia 16
do corrente mez, deoals da audiencia, as propie-
dades :
Um sobrado de 1 andares rna da Penha n. 6,
teodo 4 portas ea treme, varanda de ferro no pri-
meiro andar e janelias no segundo com pequeos
quarios, sera quintal, av.liado por 6:000*.
Outro dito na mean raa a. 4, de um andar a
olio, com varanda de farro no primeiro aodar, a
ama varanda em pma janella do soto, com peque-
as salas a pequeas quarto?, com quintal, preci-
ando de concert?, avahado em 4:000*.
: lma casa ierran a roa dos Pescadores o. 27,
com pona e laoella na frente, duas alas, 3 qaar-
tos, cosinba fra, quintal murado, cacimba meeira,
com pequeo corredor e porto, que deHa os fon-
dosnara a roa nova da Praia de S. Jos, avallada
poM:500*.
Outra dita a ra do Popo de n. 82, com porta e
janella na frente, 2 sala, 3 qoartos, coslnha fra,
qoiniat pequeo, cacimba meeira, andada por
2:000*.
Cojas propiedades Pinto Regis de Souza, par acucio de sea albor
D. Mara da Conceigo Camino Araejo.
Os pretendenta podero comparecer a sala das
audiencias nos indicados amblo mel dia, legal-
mente rendidos. I
Da trastes avulsos como cadeiras, sofs, marque
zas, consdos, armarios, guarda roupas, e
tes par livros e msica, lanteraas,
gas, relogios de ouro e prala
arligos. :____
caodieiros a
outros muitos
OLYMP10
Far* leiio dos objeetOL, cuea exiteuies oo sea
armazem da rea da Cadea do Recife, por ter de
mudar-se muito breve.
Sexla-felra 16 4a eorrfnte n U horas.
36lina da Cadela do Rectfe--36
lili, ii i i O un
LEILAO
-----------UfA-
I '?(
AVISOS MARTIMOS
DECUBACflES
O cifitito owaaBdante da compa-
nbia provisoria de polica abaixo assignado
-enga-
que
to-
19a
vi-
COMPAHHIA B&1SIUI1A
DE
PAQUETES A VAPOR.
Des penes do norte espera,
do a** a dia 10 do eotrente va-
por Oerente, coramandaote o pri- .
meiro lente Serqoeira, o qual que dispoem
Bo cisco, paiiBos, carrentes, uncorai e
mais objectos salvados da barca ame-
ricana daceyE. Aakbey.
Sabbado 17 de fevereir<
Por iotervencaoaa agente Pinto sendo a venda
do casco no estado e em qne se acbar no da do
leilo, em frente a Assoaiaco Commercial, e dos
demais objectos em o armazem do narao do Livra-
maata aaes a Apolla.
AVISOS DIVERSOS
Iatatltnto Areheoleglco e Gea-
graphlf n ParaaMhe.
Quinta-fcira 41 dp eonrente fevereiro pe-
la urna hora da tarde, rtunir-se-ba o Insti-
tuto en asapmbla geral, para eleger os
membros qae bio de compor a raesa admi
nislrativa e as respectivas commissSes. no
anno sociaj de 1866 a 1867, e para discutir
e sancciotwr o or$awento da receita e des-
pesa do mesmo aun* em cwrforiaidade do
os atgos 19 e7 dos ~
_____depois da -Jamara da costume se-1 ham,
**!*'f*F-m vort^-*^- m m a .. Ba \ so portanto coavidados todos os socios
>er eid^^K *a de saa chegada, encom-1 Secretaria do lostijatto, 12 > fevereiro
men^asVdiRfia ifraai T o ta da sabida as e fcfiQ,
2 horas : afanen tm da Cruz n. i, escriptorlo de
A ntoDio LuU de Oflvelra Axeveue & C. i
tara o Rio de Janeiro
Jos Saares Azemde,
Secretario perpetuo.
segoe en poneos
ra, TemnklWi
Trapiche n. 4.
- Alaga-se orna nasa na rna de Belxo, am
Bcion'al tftnsagei- Otrato tem commodos para raroHia, fraoda qetn.
do tal om cacimba, est em boto estado : a tratar oo
largo do Paraizo o. 14.
Desappareceu no da 11 do correte, pelat-0 lo-
ras da noile, um moequa pequeo dq cor cabra
claro, por nome Germano, de idade de 10 para 11
annos, com os signaes seguales : levou vestid.>
taiga branca de algoil, soja, camisa de rtsra-li-
neo azul, foi sem chfi", f-'Ha boa e histn.e wma-
luiail-,: muito iraquino, lem um calumbo atraz da
ore I ha direita, s pur e-te sigual 'maiio laeil de
conhecer se, natural de Plane, desonlla-ee qm
anda aqu na cidade ou petos arrabaldes : upfiw;io
roga-sa as autoridades sociaes ou capites .-.-
campo que o pr-'uJun e leven a seu st-uhor no
botequlm da aguia d'ouro, oa ra estreita do Rosa-
rio n 23, que gratificar geoero-anunie.
Phipps Brothers 4 C. fazetn sciente a esta
praca que tem dado ^roeuraco bast inte aos 8r>.
Broe! W. Laodon e William Tateio, aos qu-.--
concedem todos os poderes para assignarem nabos
jualos todas as traosaccoes da casa commercial dos
.anunciantes, seja qual for a natoreza delias oa-
iro sim que por empedimento de atgnm dos men-
cionados procuradores, para assignar qualouer
.. i.iVi uca encarregaao o ^r. ueorge aiir'n .
Bradley para assignar em lugar do procurador em- '
pedido.
Puglo do poder do abaixo asignado o escra-
vo Ado, idade ponco mais de So anuo-, balito
cheio do corpo, pernas arqueadas, chapeo de cauro
de copa alta, calca de algodoznho de cor, camisi
de algodo branco, e barba serrada : qoem o ap-
prehender dirija-se a seu legitimo senhor Dr. Ma-
noel Dantas, na villa do Teixeira, oa Parahyba, e
nesta praca aos Srs. Souza Andrade A C, na ra
do Crespo n 8.
Manoel Maria Vieira Franca.
Purlaram do eogeuho Terra-Preta, domaj)r
Alexandre Crrala de Craslo o escravo Manoel Fra-
de, com os sigaaes seguintes : altura mediana,
sem barba, crioula, vermelbo, queixo redondo, bei-
cun, pernas um pouco arqueadas, e seguio de pa-
gem de um moco para o Recife : rogase as auto-
ridades policiaas que o nao deixem vender, e os
negociantes a qoem for offerecido p)r venda ou ou-
tro qaalquer negocio qae o prendam e recofham a
cadeia._______________________
Podro de Almeida Guimara-js nao tendo tem-
po de pessoalmente despedir-se de algaas de seus
amigos pela rapidez de sua viageen assim o per-
mi ir, vem faze-lo por meio do presente, a pedir-
Ibes desculpa de sua falta involuntaria, offerecen-
do-lbes seu diminuto presumo na cidade de Lishoa,
onde preiende demorar-se por algura tempo. O
mesmo, durante saa ausencia, deixa p r seas pro-
curadora* oa*u praca ao* rs Ja** oaquiui Soo-
calves Barros, Jos Martlns de Castro, seu naixei-
ro Ernesto Adolpho K- Saidanha, e solicitador de
seus negocios jadiciaes a Sr. Carlos Francisco"Soa-
res de Bnlo.
Offerece-se urna pessoa para ama : ai tratar
no becco da camben do Carreo n. i._________
Easiiio primario.
U abaixo assignado, professor publico de Santo
Amaro das Salinas, avisa aos paes de familia, que
abri saa aula, na estrada de Luiz do Kego, em
ama das casas do Sr. Barbosa.
Manoel Roberto de Carvallo Guimares

*


' Perdeu-se
ao caes do Ram
de i todas da
ta querendo n
rador n. 38 an
da ra do imperador
notas de -JO* e orna
em aehou e.-ia quan-
fazer a ra do Impe-
lo*
ro para taberna
i.0.
Precisa-sel
tratar pa rpa do?T
Arreada^e-nfrtsto o prlnipw da esirada
do Arraial, com grande caso de vivenda e com
muitos commodos, boa varimt de capim, bem plan-
tado de mandioca, e tem anmalos para fazer
farinha, tsm toda a qual idade d Isa-taires, e mu
conveniente per ser mai parto do Parnasseirira, e
por coeseqaeocia ea aea erpeaaoe ramos ler:
qaem pretender, oa per ataaadateaaa aasemo
por conpra, dirija-se a roa larp i osario, obrado
a. *k' Pr#cs-sesingar aa^prMa tjea"seja boa



Diamadeira
;aBfroi
na rna de Barmojo-
oasa de delencao.
aoilandeira e e
meo, sobrado
Precisa-se
Ubern, sendo '
Santo Anmnlo ... ;
Leopoldo tfemira i^artins "Ribeiro,
raadon-M da ra da haperatria n. |0, para
e mesma man. '
Precisase de nm refinador
,_. Aaesmieiiliee
UJTJUl~ uil*WM|J'Uia',ii
roa do Brpm n. 41 ,
qne saiba perfcKa-
na leBancae da
Osreee se as ama paia eis* de familia
para todo e trrico de p rUs a' deuiro : nam do
seu prestimo precisar dirija-se a ra. das Cruzes
n. 42, que se dir quem.
~~* abaiio aasignada ieifa caaaaaieat eewn-
rar que nio se responsabilisa^wr qoaaM aifqjea
oa valores- de quaasqner objectos tfoe em sen no-
me alguem possa tomar, quer pnr emprestlmo,
aer por compra em
esta cidade otr^^H
Untin-Aan p*g"
concorreu.Peppa
Barros.
Preolaa-e
terina platica de e
tratar na rea de S. Ja


m
)
- i
-
*

11'
Ufit^NM^ t| ***. *m *ivMPitji866
UBRUME FRMCMSE
man ele> Crespo ii. 9.
LH ROS NACWNAES E ESTUANGEIROS
RekfiioPhoM^kia JarisfiradeBcia LiUem-
tr*-SdBcUi eartM.
Pa pelaria, objeclos para esicriptor.0.
_' 8a prac.i 4 Independencia n.1 33, toja de
ourHres, compri-se oaro, praU, e pedras preciosas,
e tambara se tt* .qaalqaer obra de encommenda, lodoe aualaoer ceocerto.
5nnpaDlr,|Idide*1de seguros jg
marimos e terrestres
stabeiedda no Rio de Jaueiro.
AflENKS KM PSRrUMBCCO
lulenie Lak de OrWeiri Aievede i G,
eo-apeteotemeote aatorlsados pela dlrec-
i laria da companhia de segares Fidelida-
I oe.tomam segaros de navios, mercado-
fias e predios no sen escriptorio rna da
1 Crai n. 1.
-
N. O. Bieber d C, sacessores, sa
cam sobre o Rio 4e Janeiro a vista ou a pra-
zo confoime se onvencionar.
que para a Baha, Para e
Maranhaa.
Amonio Jos Rodrigues de Souza na roa
do Crespo n. 15, saca a vista ou a prazo
contra a Babia, Pari e Maraoso,
JUBMERNiUSvC
39-Raa do Imperador *.
Deposito de joias franeezas por atacado.
Casa em Pars e Ris.de Janeiro.
Receben) directamente por todo? os paquetes.
SaliBe Power Johiston & Companhia
Ra da Senzala Nova n. 4.
AGENCIA DA
Fuodlcao de I.ow Moor.
Machinas a vapor de 4 e 6 cava I los.
Moenclas e meias moendas para engenho.
Taixa. de ferro coado e batido para enge-
nho,
Arreios d carro para nm e dons cavallos.
Relogios de o uro patente inglez.
Arados americanos.
Machinas para descarocat algodo.
Motores para ditos.
Machinas de costura.
A-NACIONAL
Companhia. geral iiespanhola de seguros mutuos
sobre a vida
AUTORISADA PELO REAL DECRETO DE 21 DE DEfflEMBRO DE 1859
lew lonco em diiheiro, depositado ios cofres 4o csUdo, garante a boo ad-
ministraco da eoniaiiii.
BANQUKIROS DA COMPAKHIA DIRBCCAO GERAL
O Banco de Heopanha Madrid: Roa do Prado n. i
Esta companhia liga pelo systema mutuo todas al eomhiaacSes de supervivencia dos se gu
tos sobre a vida. ,n
Nella pode se taxer aeubscripclo de maneira que em nenhnm caso mesmo por mor te ao
segurado se perca o capital nem os jaros correspondentes a eates. wnn
Saetio suprehendente* os resaltados que produzem as sociedades da ndole aeA *-*
KAL,-que anda mesmo diminuindo ama terca parte do mteresse produndoem recentes liqaiaa-
ees ecombinando-o com a mortalidade da tabella de Depareienx que adoptada pela corapannia
para seos clcalos e liqaidae&es, em segurados de idade de3alannoa, urna imposicao annua-
de 100f produi em effectivometlico: .-/.
No flm de 5 annos.......:Ai2f2SS
. de 10........33W600
, de 15........11:RH00
> de 20........3O:5S4W0O
, de 25........80:331*000
as idades menores de 8 annos e maiores de 30, os productos sao mais consideraveis.
Prospecta e mais informaeees sero prestadas pelo sab-director nesta provincia.
mento dos Srs. Raymundo, Cark>s,Leite k Irmio.
TINTURARA
AO GRANDE S MAURICIO
PROE0 APERFEI^OAIIOS
PARA
'Fingir. Ilmpar e lustrar a vapor. "
F. A. SAL!
1
Joao da Silva Ramos, medico
pela universida Je de Coimbra, d
consaltas em sua casa das 9 as
11 horas da manhaa, e das 4 as 6
da tarde. Visita os doentes em suasl
casas regularmente as horas para
isso designadas, salvo os casos ar-
gentes, qae serSo soccorridos em
qualquer occasiao. D consaltas aos
pobres qae o procararem no hos-
pital Pedro II, aonde encontrado
diariamente das 6 s 8 horas da
manhaa,
Tem sua casa de sade regalar-
mente montada para receber qual-
quer doente, ainda mesmo os alie-
nados, para o qae tem commodos
apropriados e nella pratica qualquer
opperacfio cirurgica.
Para a casa de sade.
Primeira classe..3)5000diarios.
Segunda dita....3*500
I Terceira dita .20000
Este estabelecimento j bem
i acreditado pelos bons servicos que ~m
l u:iii prestado.
O propnetario espera que elle 2
I continu a merecer a confianza de
[que sempre tem gozado.
29 Kua 7 de setembro 29
Defrente da roa nova do Ouvidor (Rio de Janeiro)
Os propietarios deste estabelecimento, o primeiro no sen genero no Brasil, por
trabalhar com as machinas mais aperfeicoadas para tingir e lustrar, de qae se faz uso n
Europa, e ajudados por alguns dos melhores officiaes de Paris e Ly3o, podem assegn-
rar seos freguezes urna perfei{2o no trabalho, a qual senu pode chegar pelos proces-
sos ordinarios.
Tingem, lavam, limpam e demofam com a mai r -perfeicao e brevidade qualquer
qualidade de fazendas, tiram nodoas e limpam secco sem molLar as sedas e as vestimen-
tas de senhoras e de homens.
Saquea sobre o Rio de Ja-
neiro.
Sacase qaalqaer qaantia sobre a pracado Rio
de Janeiro, a' prazo oo vista: na companhia Per-
nambu:aoa, Forte do Mallos, escriptorio n. 1.
~^T0 abaixo assignado retirase para a provin-
cia de Macei, aonde pretende aemorar-se por al-
gans das, e por isso se despede dos sens amigos e
bemfeiiores,otr<;recendo-lhe5 naqoelle logaros seos
servicos.
________________Claudio los da Costa.____
Precisa-se de um menino de 12 a 16 annos
para caixeiro de um armazem de molhados :_ na
roa do Imperador n. 46.
Precisa-se de ama ama para casa de pouca
familia : na roa da Concelcao n. 6._________
Precisa-se de ura bom forneiro : na padaria
da ra estreita do Rosario n. 13.
AttenQao.
No da 3 para 4 do crreme mea furtarara do
engenbo Limoelro, freguezia da Eseada, um cavallo
melado com dinas, cauda e ps pretos, nafleo de
nm dos lados tem o conro das quelxadas grosso,
tem a testa jnuto a ponta do focinho nm tanto pe-
lado, bastante ardego, anda a passo, farta-passo
al meio, e nao tem ferro por s*r nascido oo mes-
mo engenho, est fazendo a segnnda moda : quem
o trouxer ou der nolicia do ladro receber 100,5
de graliOcaco.
Alug?-se o sogando andar e soto do
sobrado da ra das Aguas Verdes n. 64,
tem commodos para grande familia : a tra-
tar no primeiro andar da mesma casa ou no
Recife armazem n. 38 a' roa de Apollo com
Francisco Ribeiro Pinto Guimaraes,_______
Liquldagao
de fazendas por todo preco para acabar : na
ruadoQueimadon. 29, esquina que volta
para o pateo do Collegio.
MARTIMOS
CONTRA FOGO.
A companhia Indemnisadora, estableci-
da nesta praca, toma seguros martimos so-
bre navios e seus carregamentos, e contra
fogo em edificios, mercadorias e mobilias:
na rna do Vigario n. 4, pavimento terreo.
0 Sr. francisco Jos ae Frenas Gui-
' maraes, queira ur a bondade de appare-
cei ua nvraria u. e aa praca da iuuepen-
dencia.
Precisa-se alagar om ctsinheiro ou coss,
nheira : na rna da Imperalriz n. 9, segundo andar-
Precisa-se de um caixeiro de 16 a 18 annos
para ama casa de negocio no sertao : quem pre-
tender dirija se ao hotel do universo, das 4 as 6
horas c!a larde.
Di se dinheiro a joros : djs Coelbos, ra dos
Prazeres n. 18.
Jeronymo Jos Barbosa e sua mulher D.
Isabe! Mara de Jess, convidara aos amigos
do seu entiado e fliho Or. Estevao Benedicto
Franca para assislirem a' urna missa que
mandam celebrar, no dia 17 do correle, as
7 horas da mioha, na matriz da Boa-Vista
Ama
Precisa-se de ama ama para coznha, em casa
de hornern solt iro: na ra do Vigario n. 24.
Ama
Precisa-se de ama ama de leile
Conceicao, sobrado a. 8.
na roa da
Aureliano de Souza Res e seos irmos,
agradecen) a todos seus amigos e prenles
qae acompanharam os restos roorlaes de
sua mi Rosa Mara des Reis, e de novo ro-
a aos mesmos de comparecerem no da 15
o correte as 6 horas da manhaa na ma-
triz da Boa-Vista para assistirem a ama mis-
sa do stimo dia que mandam rezar por al-
ma da Qnada, desde ja' agradecem a todos
que assistirem este acto de rellgio.
= Precisa-se de om caixeiro para urna casa de
molhados na cidade de Goiaona, da-se bom orde-
nado : a tratar na rna da Cruz n. 36.
A luga se
Alugasea casa terreada roa do Mondego n.
19 : a tratar na roa do Imperador n. 27.
Precisa-se alogar qnalro escravos que sejam
possentes para servico deoaixo de coberta, pagm-
do-se bem : a tratar no largo da Assembla n. 20.
Manoel Duarte Rodrigues, ra do Trapiche
n. 26, saca sobre a cidade do Porto, avista cu a
praao.

CASA E RAMIOS I
26-Palee do Garmo-26 g
Neste estabelecimento tac importante S|*
para a saude e asseio do corpo acharase t
montados 20 banheires, que sao servidos 9R
com a ordero e aceio que para dse- 2jg
jar-se. Quatro destes banheires sao espe- 2
cialmenle reservados para senhoras e por 9
isto acham-se col locados em logar reser- j
vado aonde so lem entrada as pessoas de Ha
urna mesma familia. Wi
i Prefos de baaos avulsis. ^
1 banbo fro, morno ou de chu- ^ /
visco........SOO BR
1 dito dito de choque.....1,8000
1 dito de-arello.....1*000
i dito aromatizado -.....1*000 93
1 dito medicinal sera segundo sua qua- sgf
lidade.
Precos pir assiguatnra.
30 banhos por roei fri, morno i
ou de chuvisco.....10*000 S
25 ditos com candes para o- mes- m
mos.....*. 10*006 m
12 ditos com cartSes para os
mos........18*000 m
12 ditos com cartoes de chogoe.. 10*000 |a|
1S ditos com cartoes de farello. 0*000
O estabelecimento estar aberto nos
das nteis das 6 horas da manhaa as 10
da noite, nos das santificados das 5 as
4 da Urde.
Hospital Portuguez de Bene-
ficena.
A junta administrativa manda celebrar aa ca-
pel! (leste Hospital ao 41a 18 do corrate, pelas 7
horas la manhaa, orna missa de rquiem, por alma
do finado Joc Fernandes Prente Vianna, socio
benemrito a ex provedor qne foi desta insli-
taicao Convida se, porunio, pira este acto de
carida Je christa, nio s o socios deste Hospital,
mas larabem os prenles a amigos daqaelle fi-
nado.
O secretarlo,
____ Joao PereiraJRebelto Brfi._
"_ jlodiTVe do corrate' niel de fevereiro, de-
po:s da audiencia do Sr. Dr. joix monicipal da pri-
loetra vara, se nao de arrematar em praca publica
do dito Sr juiz, ama casa e sitio na estrada do Mon-
te! ro, 1 vahada por 4:300*, e ama casa terrea na
roa de Hortas desta cidade, n. 112, avallada por
3:<0OJS00, cojas propriedades foram dos tallecidos
Manoel ds Suva Ferreir sos aolher D. Serafina
da Co>u Reg a Silva, e vaoH praca para seren
arrematadas f>3r voadk requer ment dos her-
deiros.
AMA
Precisa-se de ama ama para comprar e cozl-
naar para unta peana : na roa da Hortas n. 16,
segundo aaar.
"^"Precisa-ie de orna creada que engomme e
cotialM : aa rtia Imperial n. 6 ubi poaco d/ronte
da matriz da 8. Jos.
.'."Ja roa da Saudade n. 13 conlinoa-se a for-
necer comedodas para fra com aceio e prompti-
dio por prego razoavel: aa mesma casa precisa-se
de pnitas para venderem na roa.______________
Ama.
Preaa-se Je urna ama forra ou escrava que
saiba .waiahar e engommar : na na da Imperalriz
numen 4.
Precisa-se de orna ama para o servico interno
de nma casa de pouca familia : a tratar na praca
do Corpo Santo n. 17. _____
Aloga-se o 1* andar o grande solio da casa
n. 34 da rna da Senzala Velba, e a segunda casa
da ilba do Retiro i belra do rio, por commodo
preco : a tratar aa roa da Senzala Nova, reflna-
cion. 4.
*^ 1--------------
EBgomuaa-se ..
com asseio, prompillo e precs rzoave!s: na ra
Augusta n.5. loja.
Ca-valho d Nogueira na roa do Apol-
lo n. 2o, sacam sobre Lisboa e Porto, a
vista oa a prazo.
Brincos de crvstal o pulseias.
Na loja de ourives no arco da Concelc., no Re-
cife, lem os melhores qae ha aneaeteados em oaro
Precisa-se de ama ama que cozinhe e en-
omme para duas pessoas: oa roa da Pooba n
3, segundo andar.
(USA.
Aluga-se, passaaac a fuadicio de Santo Amaro,
o andar terreo em frente aos ps de arvores, com
bellas acommodaedes para familia e jardn) ao
lado ; a chave no sobrado, e para tratar na fondi-
cao da Aurora, das 9 horas em dlante._________
Aloga-se orna das memores casas que tem
nos Arroeabados, coa grande trrico na frente, 4
salas, 8 qaartot, sota, quintal murado, com alga-
mas frueteiras : quem pretender dirija-se ao largo
das Cinco Poetas n. 116. Tambera se arreada o
sitio Peixinhos, enire Oiloda e Beberibe : a tratar
na mesma casa'aaMu._____________________
Precisa-e alugar oo moieqne para o servico de
casa, sendo fiel e de boa conducu : a tratar ao ar-
seoal de roarlnba coa Horade CoetHo._______
Aloga-se a cata dos Leoes, na roa dos Praze
res, com soto, e commodos para fraila.

Deseja-se fallar com o Sr. nwjor Fellppe Da-
arte Pereira ; na ra do Queimado, loja u. 14.
kmb mmm mmm mmm
Os abaixo assignados conlinuara com tm
sea escriptorio de advocada i roa do Q
Imperador n. 41, primeiro andar, onde fl
podem ser procurados das 10 horas da
manhaa as 3 da larde.
Alvaro Caminha Tavares da Silva
Dr. Joao Thome da Silva.
Mil m i m m wmm
O Or. Joaqoim Jos de Campos, tendo ne-
cessidade de aasenur-se desta cidade por alguns
das, previne a seus dientes qne Oca encarregado
de suas cansas o Sr. Dr. Jacinlho Pereira do Reg,
o qual iLde ser procurado todos os das uieis,
menos as quolas-feiras, no escriptorio do mesmo
Dr. Campos, no sobrado n. 2 do pateo de Pedro II-
Ama.
na roa da Cadeia do Recife n. 50 predsa-ee de
orna ama para cozinaar._________________
Ana deleite.
Precisa-se de ama ama de leite: na ra
do Qut-imado por cima da loja de cera.
ALEMTIMA
XilSAPARMlHi
DE BRISTOL.
PREPARADA NICAMENTE POR
LAN1AN k KEMP,
NOVA YORK.
Composta de substancias, gozando das
propriedades eminentemente depurativas ;
approvada pelas juntase academias de me-
dicina ; usada^nos principaes hospitaes, ci-
vis militares da marinha as Antilhas e
no continente americano ; receitada pelos
facultativosos mais distinctos do imperio do
Rrasil e ila America hespanliol
CUSA RADICALMENTE
escrophulas, rheumatismo, escorbato. en-
fermidades venreas e mercuriaes, chagas
antigs,, morphea e todas as molestias pro-
venientesd'um estado vicioso do sangue.
Emquanto existem varias imitaces e
talsificacoos. preciso a maior cautela para
evitar os engaos,
A legitima salsa de Bristol vende-se por
CAORS & BARBOZA
JOO DA C. BRAVO 4 C.
JoSo da C. Bravo & C.
Deposito geral em Pernambuco roa da
Cruz n.22 em casa de Caroi & Barbota
s
0 Dr. Sarment Filho
previne aos seos doentes o pessoas de seu
conhecimcnto que se mudou para a ra
do Imperador n. 19, segundo andar.
Pf eeisa-se de nma boa eogoamadtira, aap
tiva : na rna da Daio n. 48.
O escrivao dos protestos Jos Mariano, mu-
don oseo cartorio para a esqua* do neceo do u-
viaer.a. 12. _____
O eecrivo da ir mandad e de N. S. da Soleda-
de da freguezia da Boa-Vista convida a lodos os
irmos para ama reoniao ao da 15 do correte,
pelas 5 oras da tarde, para o flm do cleger-se o
iaiz da mesa regadora 4o presente inno de 1866-
Predsa-seX o* portagoea para fetor de
engenho. na roa fiireila n. 88, 3* andar.
ENCANAMENTOS
PIBA AGUA
Na ra Nova n. 30 fazem-se e concertam-se en-
camenos, assim come bombas para agua.
Anda est para al ugar-se o solio do sobrado
da roa larga do Bosario n. 31, com commodos pa-
ra pequea familia, tendo 2 salas e um quarto
grande e muilo fresco : quem o pretender dirja-
se ao mesmo sobrado, segundo andar.
Precisase de ura escravo para o servico in-
terno de urna casa, paga-se hem e aflanca se o bom
tratamento : defronte da igreja do Corpo Santo n.
15, na casa do banco iglez. segundo andar;
C0SIINHE1H0
Na ra da Aurora n. 32 precisa-se de
um bom cosiuheiro.
Aluga-se a casa n. 15 na raa] do Mondego
por 12*500 por mez, com 2 salas e 2 quartos: a
tratar na mesma ra, olaria o. 13.____________
A Salsaparilha
DE AYER.
Para a cura radical de
EcrofuU, ulcera, chagas, lr-
idas velhas, molestia syphil-
iticae, e mercuriaes, Enfermi-
dades das mulhere, como re-
tenco, menstro doloroso, nleer-
aco do otero, e florea branca.
A Hevralgia, Convalides, Ery-
Bipelas, Enfermidades Cutnea,
borbulhas, nascidas, etc.
O extracto comporto de SALSAPARILHA, confeccion-
ado pelo Dr. AYEK, urna combinaco dos mclhares depura-
Uros e alterantes conhecldos i medicina; c composto segundo
.- lcis da setencia, approvado e reccitado pelos primeiro*
mdicos dos Estados Unido, da America do >ul, do Mxico,
das Indias e dos principaes Estados da Europa.
A SALSAPARILHA de AYER especialmente efficaz na
cura das molestias que tem sua orlgcm na escrfula, na
iofccco venrea, no uso cxcesslvo do mercurio ou em qualquer
impureza do Sangue.
Entre todas as molestias que amigcm o genero humano, nao
ha urna mais universal c terrlvel do que a escrfula ; por si
nao i tio destructiva, porem i a causa principal de multas ea-
fennidodes que nao lbe sao geralmente attrlbulda.
urna causa directa da tsica pulmonar do m., do
figado, e estomago, affeectes do cerebro, Itliemnattsmo
e affeectes dos Bins : entre seo syrnpioiims hu os seguintes;
Falta de apetito, Fraqueza e molcza em todo corpo; Uo
ebeiro da boca, temblante plido e luchado, as rezes d'uma
alvura transparente, outras vezes corado e amarillo ao redor
da boca; Dlgestio fraca e apetito Irregular; Ventre IncUado
e evacuacao irregular; Quando ataca o pulmoe urna cor
azulada mostrase a roda do olhos, quando no estomago
gao avermcllm do, Na pessoas de dlsposicao escrofulosa
appareoem frequentemente erupetes na pelle da cabeca e outras
partes do corpo ; sao predi spdstas s afecctei dos palmees, do
figado, dos rint c dos orgao digestivos e uterinos. Portanto,
nao sao lmente aquelles que padecem das formas ulcerosas
e tuberculosas da escrfula que neceasltam de i>roteccao
contra o sen estragos ; todos aquelles em cujo sunguc exista
o virus latente deste terrlvel Hagello (c s vezes hereditario),
esto exposto tambem a tonVer da enflrmidadas que elle
cania.
OOerecemos a estas pessoas um abrigo seguro e um anti-
doto efficaz contra esta molestia e suas consequencias, na
Salsaparilha de Ayer
que opera directamente sobre o sangue, purificando-* e ex-
pulsando delle a corrupto e o veneno da molestia: penetra
toda as parte todos o orgos do corpo humano, ltvrundo-
os da sua aceio viciada e incplrando-lhe ovo vigor. E' um
alterante poderosUslmo para a renovaeao do sangue, e d ao
corpo J eniraquecldo pela doenca forca e energa renovadas
como as > juventudc.
XAMSBM O 3lEI.HOn AKTI-8YPUI1ITICO
COKBECIDO
cura permanenmento as priores forma de SYPHILIS e as
suas consequeneias. Pouca neccssldodu ha de informar o pub-
lico do lncstlmavel vuJor de um remedio que, como este, livra
o sangue desaa corrupeo e arrebata a victima das garra de
urna morte lenta e Ignominiosa, porem luevitavel se o mal
nao logo combatido com energa.
Nio pretendemos promalgar, nem queremos qae se Inflra
que este remedio lufalivel para a cura do todos 01 padeci-
meatoi humanos, o que dlzcmo i que a
SalMparilha de Ayer
a mikor preparacio at hoje descobcrla para esta e outras
molestia anloga, que urna combinaco dos alterantes
us eSleues conhetldoe, e que temo oonsaienoia de of erecer
ao publico o mdhor resultado qae posslvel produzr, da
iutelligenci e pericia medica dos nossos tempos.
u


*

Pernambuco, ra Nova n. .8 pharmacia franeeza de
P. NIAURER i C.

PERFUMERA da casa oger
Boulevart Sebastopol, 5, P*ax*lz.
Dez medalhas, a condecoraco da Legin
d'honneuT e a grande reputacao que tem lhe
dado o publico, taes sao as recompensas que os
servicos prestados a industria merecerao a
esta importante casa desde sua fundacao em
1804.
'um sortimento de mais de 500 artigos,
as pessoas elegantes escolherao os seguintes:
ROSEE OU PARADIS, extracto superfina
para lenco.
POMMADA CEPHALIQUE contra a cal-
vicia.
AGUA VERBENA para oloucador.
OXIMEL MULTIFLOR.
VINAGRE DE PLANTA HYGIENICAS.
TINTURA VIRGINALE de beijoim.
ROSEE DE-LYS, verdadeira agua de
Jouvencio.
CREME LABIALE de sueco de Rosas.
POMMADA VELOURS para araaoiar a
pelle.
ELIXIR ODONTOPHILE.
SABAO dedicado as damas americanas.
SABAO de bouquet de Franca.
d* de flores de alcea rosea.
d* de flores prntanires.
d* de bouquet do outono.
d* de perfumes exticos.
d aurora, dedicado aos dedos cor de
rosa.
d de flores das montanhas.
d de chetro de foins nouveaux.
d- de bluets cheirosos.
d* de allliex balsmica.
d* diapt', caixa rica, fantesia pari-

Goberville, ex-dlrecior, das offleinas de mar-
clnera a vapor, de Mr. Delouehe, faz sciente. ao
publico qoo se despedio d'aquelle etubeleclmenio
e qae por Isso nio mai o encarregado da execn-
?io irtlAUca de qualquer obra que all se encora-
mende.
O mesmo Goberville, declara qne se acba promp-
to execoiar qualquer deaaobo, ptaota, on trabal-
Iho de arcWiectora, bem cerno a eocarregir-se da
execujao de obras pwtenceutes aos ramos cima
expentlsado, para o que pode ser procurado a
n do Mondego, casa n. 85.
REMEDIO DE AYER PAR SEZOES
Infalirel na febres intennittento, remittentea,
Febro Biliosa e toroa, mal do figado, in-
cremento ouvido e palpitacea, quando
ao caoaadoa pela
PEBRES INTERMITENTES, OU REMLTTENTES.
A preparaooe de Da. Ateb lio vendidas em toda aa
BocaeDr*irladoijBDerio.
Vende-* en Pea-muabuco:
na
i-
a ?j BjresxL. jajaraj'sjarsxsj
- Preciu-se de ama peesoa para entrar de so
ci em nma taberna : a tratar na na ai Hospicio
7HIWim>fi
; Na fabrica de. vinagre a ra Imperial M
iffct, ptotrmo a estaclio do carntritio de 2_
trro veade-se vinagre Unto superior em
qualidade a ootro qaalqaer e por preco
mdico, assim como brinco e Incolor.
ATTEW
Albino Baptfsto da Rocha, relo-
joeiro e doerador poriugu^r, na
praca da Independencia l, tai
qualquer concert petiaoceole a
asa arte mais barato do qua ootro
qoalqaw rasponsabilisa-se pelo
Jim trabalho, aaslm oomo uamem
compra realos em seinda aaioeobras deeero.
Fugio na madrugada do du 14 4o crtente, o
escravo cabra de nome Vicente, om os sigoios se-
guintes : estatura um pouco haixa, cabellos eara-
piobos, olbes pretos, naru grosso, bocea regalar,
pouca barba, rosto comprido, tem todos 09 denles
e bastante moco, tendo 23 annos de td ide ponoj
! mais oo menos, presmese ter lev. do vestido cal-
ca de casemira e camisa de algodo atol i naa-
i das. Este escr.vo foi retB-tiiie de I 4'tince
natural para esta cidade a Jos* de 81 Litlio iu-
nior, qai graUncara' generoannwnt a qoeat o
apprebender e entregar em seo armaaem, a' raa
da Madra de Dos. comgno a Igrel*.
--PrieeaHeuejnainapaln engemaanro co-
ilntoar para casa de penen familia : na roa do
H> spicio n. 61
L.
i-v*im



*
taftata felra 14 de Fevfretro de 1866.
4
S4LSA FARWUli DE AKER
PARA A CURA RADICAL
de escrfulas e molestias escrofulosas, tumores, ulcera, chagas, feridas ve-
lhas, bronttoceto, pipo ou papeira, a sypbilis, enfermidades venerias ou mer-
cariaea.
AS MOLESTIAS DAS MULHBRES
reteocSo, neostro doloroso, ulceracBes do ulero, Aeres branca, etc., ulcera-
o3o, debilidede, eipoliac5o dos ossos, a uevralgia e convulsos epilpticas
quando causadas pela escrfula.
Eafer
M ERYSIPEUS ERPES; ETC.
aaldades cutneas, rrnpcio. borbnlhas
s, pstalas,
Para
acidas, etc.
O extracto composto de salsa parrllha, con'eccionado pelo Dr. Ayer, urna
cotnbinaco dos melho'res depurativos e alterantes conhecidos medicina; confeccio-
nado segundo as regras da sciencia, approvado e receitado pelos priaeiros mdicos dos
EstadoMInidos da America do Sul e Central, das Antilhas, do Mxico e das indias, e
militas Mitras partes do mundo: o resultado de estudos apurados e minaciosos, e de
experieacias feitas pessoabnente pelo Dr. Ayer, por muitos annos, nos principaes hos-
paes enfermaras da- America ; tcm sido approvado pelas academias de medicina e
jautas de hygienne das principaes capitaes da America do Norte; para prova disto vede
os agestados authenticos no Ananak e Manual de Saude do Dr. Ayer, os quaes ledis-
trbuem gratuitamente nos lugares onde se vende o remedio.
A SALSA PARILHA DE AYER
Bspeelalaaeate efftcaz na cura das molestias que tena sua origen
a escrfula, na lnfecco venrea, nao
eicesslvo da eren, lo on qaalqaer Impureza da saague.
A molestia ou infeceo peculiar, conhecida pelo nome de escrfula, um dos ma-
!; mais prevalecentes e universaes que ba em toda a extensa lista das enfermidades que
at.cam a nossa raca; disse um celebre escrptor da medicina que mais de urna terca i
parte de todos aquelles que morrem antes da velhice sao victimas, ou directa ou indirec-
tamente de escrfula; por isso s olio tao destruciiva, porm a principal causa de
m jitas ontras enfermidades que nao Ibe sao geralmente attribuidas.
urna causa directa da tsica pulmonar, das molestias do ligado, do estomago
6 iiffecces de cerebro; ntreseos numerosos symptomas acham-se os seguintes: falta
de appetKe, o semblante plido e encfcado; as vezes de urna alvura transparente e ontras
venes cora lo e amarellento irregulir, fraqueza e mol'.eza nos msculos ao redor da boc-
ea ; digesto fraca e appettite, falta quando o mal tem seu assento sobre os pulmoes urna o5r azulada mostra-se em roda des
olhos; quando ataca os orgaos digestivos, os olhos tornam-se avermelhados; o bali-
to ftido, almena carregada; dores decabeca, tontearas, etc. Na pessoas dedisposi-
co escrofulosa apparecem frequentemente erupcoes na pelle da cabeca e outras partes
do carpo.'; so predispostas s afeccoes dos pulmoes, do figadr, des rins, dos orgaos
digestivos e termos. Portante,-nao sao smente aquelles que padecem das formas ul-
cei'osas e tuberculosas da escrfula que necessitam de proteoco oontra os seus estragos;
totes aquelles em cujo sangue existe o virus latente deste terrivel flagello (e s vezes
hereditario), esto expostos tambem a soffrer das -enfermidades que elle causa, que sao:
A tsica, ulceraces de figado, do estomago e dos rins; eropcoes e enfermidades
eruptivas da cutis, rosa ou erisipela, borbulbas, pstulas, auadas, tumores, rheuma,
carbnculos, ulceras e cbagas, rheumatismo, dores nos ossos, as costas e na cabeca,
debilidades femininas, flores raneas causadas fela uleera$ao interior, e enfermidades,
terina,-bydropesia, indgesSo, enfraquecimerito e debilidade geral.
Offerecemos a estas pessoas um abrigo seguro e um antidoto efficaz contra esta
molestia e suas consequencies na
SALSA PARRILHA DE AYER
que opere directamente sobre o sangue, purifleando-o e expulsando delle a corrupeo e o
veneno da molestia; penetra todas as partes etodos os orgaos docorpo humano, livran-
do-os da soa accao viciada e inspirando-Ibes novo vigor. um alterante poderosissimo
para areoovaco do sangue,* d ao corpo j*nfraquecido pela doenca, Torcas e ener-
gas renovadas como as da toventude.
?E tambem o melhor anty-syphilitico conheeido
cura permanentemente as-peiores formas de sypilis >e as suas consequenoias. Pouca
necessMade ha de informar o publico do inestimavel valor.de um remedie que, como
-esto, lrvra o sangue desta (rrupeo e arrebata a victima das garras de umamorte lenta no caes de Apollo.
eijjnoaMMiosa, porm iuevltavel, se o mal nio logo combatido com energa.
um poderosissimo-alterante para a raiovaco-do-sangue e para dar nova for-
ea ao corpo j enfraquecido pela doenca.
Seddo composto de^productos vegetaes, este medicamento innocente e ao mes-
mo lampo efficaz, um tacto de immensa importancia para aquelles que o tornam ; por-
que muitos dos remedios alterantes offerecidos ao publico tem por base o mercurio ouo
arsnico; e sendo assim, bem que s vezes podem effecluar curas, comtudo deixam suas
viciinas carregadas de omalonga serie de mates, multas-vezes peior do que o mal ori-
ginal. 'A nica cousa necessaria para obter urna cura radical seguir com juizo e cons-
atncia as dieccoes que acompanbam cada frasco.
fo pretendemos promulgar, nem queremos que se infira que esta composico a
um remedio infallivel para a cura de todos os padecimentos humanos; infelizmente
escrfula e a syphilis sao enfermidades Uto sulis as suas Daturezas, e arreigamse Uto
firmemente no systema, que omitas vezes evadem e resisten aos remedios mais pode-
rosos que a sciencia humana pode inventar pata combate las: o quedizemos que o
Extracto congosto de salsa parrilha de Ayer
a melhor preparaco al boje descoberta para estas e outras molestias anlogas, que
umi combinado dos alterantes mais efficazes conhecidos, e que esta combinacio lem sido
regulada 4>or tongas e laboriosas experiencias,.e finalmente que temos consciencia de of-
ferecer ao publico o melhor resultado que posavel produzir, da intelligenoia e pericia
medica dos nossos lempos.
Este remedio deve ser lomado com systema e regula/dade, e n3o com abandono,
pois um'remedio e nao bebida.
Quaado as molestias do figado nao lem sua origem na escrfula, o remedio
mais proprio as pilulas calharticas de Ayer, que sao eflicazes na cura damolestia. que
itio aceilai .cutra preparaco.
CASA DA-fORTdt
Aos 6*00#000.
A'JRUADO^# N.l "TCASAS DO (STlfl
O abaisousignado veodeu sos seos muito leli-
MB bilbetes garanUdos da lotera que se icaboc
Stextratilr, a beneficio da niaoii di Pao d'Alho,
W segolotes premios:
li loas (juiotos com a son de 6:000*.
. 9jl7 um meio com a s irte do l:i00*.
. 37 dous qoio'tos com a sorte de 500J.
- 1603 doos quinto com a sorte de 200*
B outras rarfliai gortes de 100#, 4#, e.20*.
spossuidores podem virreceber seos rspec-
uvos premios sernos descontos das leisnaGasa
a Fortuna rm do Oespo n. 23.
tf n,m"s" vend* d 2' Parte da 5* lotera
(>*J a beneficio da igreja de N. S. do Rosario
da freguezia da Boa-Vista, qae se exuahir se
gonda fera 19 do correle.
PREfO.
Bilbetes.....6,1000
Meios....... 3AO00
Quintos.....1,1200
a pfsssas qae eouprarem de 100<500(
para cima.
Bilheter.....5300
Meios. ..... 2*750
Qnlnto. .... 1*100
Maroil Maiitins Fia.
CALCADO-
45 Hua iHreita 4S
Em casa de Theod Chrisianseo, raa do Tra-
piche-novo n. 16, nico agente no norte do Brasil,
de Brandenburg frres, Bordeaos, encontra se ef-
ectlvamente deposito dos artigos segointes :
St-Jolien. *,
St. Plerre.
Larose.
Cbateao Loville.
Cbateau Marga ni.
Grand vin Chateau Lafltte 1838.
Chateau Lafltte.
Haut Saolernes.
Chatean Santernes.
Costean Latanr Bhinche.
Chateau Yqnem.
Cognac em Ves realidades.
Aseite doce. Procos de Bordeaux.
Declaro que Mleceu Antonio Camino da Sil-
veira nesta provincia de Pemambnco, no engenbo
Panlista, e foi enterrado na capella do mesmo en-
genho, declaro* no sea testamento Joaqnim Ca-
vaican-ti de Atooqnerque como primeiro testamen-
teiro de todos sena bens que possoia no Largato,
declarou que tinha dous ltios natnraes, um de
nome Pedro Antonio de Carvalbo, o outro Jesnino
Jos de Carvalbo, que eram os herdeiros de todas
suas fazendas ; fallecen Antonio Caivalbo da Sil-
veira, e nada deixoa nesta provincia, e nem tam-
bem em Campia Grande onde existe tambem
qaatro herdein s, qne ficou a terca para estes que
existe em Campia-Grande aonde vai a letra qae o
testador Antonio Carvalho da Si I veira ticou-me de-
vendo proveniente de o abono de fazendas qae
Ibe dei, e no sea testamento declarou qne apenas
.fosse presentado a dita leira e fosse paga com os
seas bens, o testamento foi recolhido em notas do I
cartorio da cfdade de Olinda, faca ver. ao publico
! qae foi verdadeiro o eo testamento o qual fai en !
tesumienteiro, 0 coronel Joaqaim Cavalcanti de
Albogoerque.______________
Precisa-se de am criado nara casa de peqae-
natamilia : a tratartraTua do Vlgario n.|li.
A primein condiclo indispensavel ,1 con-
se vacSo da stde trner os ps bem de-
fendidos contra os ataques da humidade;
calcado bom e seguro o nico preserva-
tivo deesas mil enfermidades a que est so-
jeito o nossoeo Um chnelo vtluo eti-
cado por um dandy patuscante, ou urna
botina acalcanbada em pequenmo p de en-
cantadora deidade alm de aecusar que-
bradera horripilante, prova contra as f-cui-
dad es intellectuaes dos calcantes, e nao ha
qnem, tendo bom senso, queira passar por
maluco, ou pobre de surrSo : ergo, cor-
ram a:
4RA DIRE1TA4*.
e attendam a' barateza.
Horneo*.
Borzegon8 parisienses de bezer-
e cordavJo ......
Ditos de Bordeaux i .
Ditos barcellonezes de lustre e
de porco. ......
SapatQes de Naotes de duas ba-
teras rasas ......
Sapato de lona, sola de borra-
cha.....;
Dito* aveludados '. .
Ditos de tranca bons i ,
Senhora
Borzeguins enfeitados. : 5^000
Ditos de laco...... 40800
Dito* lisos......, 4500
Sapalos de borracha .... IdoOO
Selleiros,
GRiNOE EsfABELECMEKTO
BO-
Rua
I
. 60
da Imperatrlx.
DB
GAMA & SILVA. i
LOJA E AUMAZBH DE FAZBKDAS.
Tende os proprletaiios de?!e grande eslabelect-
mento feito nm graode ahanmento em mnitas de
sus fazenda., pela occasiao do balaoQO que deram
no ultimo de dezembro de 4865', resolveram vender
maito mais barato do qne rosiomam aflm dd cada
vez mais agradarem aos seus bU'nerosos fregu
tes ; por tanto Ibes olTererem um avulado sorti-
mento de fazendas francezas, wglezas, as qoaes
vendero mais barato do qae em oatra qoalquer
parte, comprometiendo se a mandar levar qoalquer
fazenda em casa dos fregurzes que nao poderem
vir a toja, ou a darem as amostras, deixando ficar
o penhor, assim como convidam as pessoas, qae
negociara em menor escala qae nesle grande esta-
beleeimento encontrarao nm grande sor ti ment
tanto a retalho como por atacado, vendendo-se-lhe
apenas pelos precos que comprara as casas ingle-
xas, sendo com o dinheiro a' vista.
PechiHcha a 3^000 e 2#50O
AS MELPOMENES DO PAVAO.
Vendem-se bonitos coi tes de melpomeoe para
vestidos de senhoras, sendo do* padroes mais mo-
dernos pelo baralissimo prec de 3*000 cada nm.
Ditos de indiana, tendo oito e raeia varas, pelo
2;)000 baratissime preco de 2*500 rs.
I600 'sl Para acat'ar D1 l''Ja do Pavao, ra da Im-
j 4ftn Pratriz n. 60, de Gama & Silva.
As toa lias de li lio do Pa\o.
Vendem-s3 superiores toalhas de linhos para
rosto pelo barati-sirno preco de 7*500 a dozia ou
a 640 cada urna.
Goardaoapos de linho adamascado para meza a
2*800 a duza ou a 240 rs. cada um.
Superior aioalhado de linho com oito palmos de
largara sendo branco e pardo, e vende-se mais ba
80000
7^000
60000'
50000
corrieiros e segeiros 1
Sola de lustre, meios grandes 20i500O ratod'oq~eem~orropaMp,'M^
E nm Completo SOrtimeotO de calcado fa- da Imperatriz n. 60 de Gama & Silva.
bricado nopaiz.
Vendem-se garrafas e botijas vasias e lava
das : na roa da Soledade n. 38. ___ _
Veode-se ama masseira de amarello em per-
feito eftado, e mais pertenees para urna padaria,
na estrada nova, segunda taberna a direiu, depois
do sobrado grande : a tratar na mesma, das 4
horas da tarde em diante.
Ceneja gelada
Ha diariamente venda por preco commodo ;
no armazem da Liga, ra Nova n. 60.
COMPRAS
Compra-se oaro, prata e pedras preciosas,
m obras velhas: na roa da Cadea do Recife,
cja de oorives no arco da Conceco.
Compra-se carosso (sement) de algodo : no
trmazem de algodao de Saunders Brothers & C.
Compra-se urna caea terrea em qual-
quer urna das ras desta cidade, e que rtaO
seja em travossa: a tratar na ra de Hortas
-casa do fallecido Loureiro.
Compra-se um escravo que seja moco, sadio
sem vicio : na roa larga do Rosario n. 34, bo-
tica.
Tasso lrmaos
Ven d era no seo arma zea ra dt
Amerim n. 35,
Licor fino Curaco em botijas e meias botijas.
Licores finos sortidos em garrafas com rolbas de
vidro e em lindos frascos.
VinhosCberes.
Santernes.
Chambertin.
Hermitage.
Borgonhe.
Champagne.
Moscatel.
Reino.
Bordeaux.
Cognac.
Od Ton.
PAezei lagniol.
2 "o
S a?
~ o
o
Q O S > Q,9
5 2

*> o. B ai" cr _
? 2! S* 5'
ggg'g
* B
a 2.
a
CA
=-S O
a e .

00 OB
trS'CS
2. o
Cofre.
Compr-se um cofre em segunda mao :
aaazem da'bolla amarella no oitao da
4a polica.
no ar i
o
o
-
Cobre, lalo e ehuotbo.
Compra-se cobre, lato e chambo : no armazem
da bola amarella no oilo da secretaria da polica.
ra do
Compra-ee am
Crespo n. 17.
escrave pega::
o.B o
-- o,o a,
Lie* 8
_ ^S 2
secretaria ^ ffi 2
2 o o M
oq "O
S
B s. *sr
LB a
fliPlIiiprli
o

^s
ce'
co
n da pi
BS ru
S"1
Juro e prata.
Em obras velhas : compra-se na (iraca da 1-n
dependencio n. 22. luja de bilhetes.
Perhambuco, ra Nova-i. 18, pharmacuvfrancezade P. Maurer A VENDE-SE
Xo Arnazesa de A. Ramos e Silva d euro, ra do % fiarlo
m. II, eoastaateiuentie, ossegalutes arttgos, une
recebem por eacomiueuda propria de
IEU-TOKH.
'----------------------------1t----------------------------m-----------
Legitima isa parrilha de Bristol, preparada por Lsomao & Kemp.
Verdadeiraagua Florida, preparada pelos mesmos.
Caz em latas de cinco galoes, o mae purificado que se pode desejar da aeredi-
tada marca F, W. D. & C.
helcgios perfeilos reguladores, com corda de qualro a oito dias, dos afamados fa-
bricantes E. N. W^eh.
Graixa em latas grandes da bem couheeida marca las. S. Masn (de PhiladeL-
pbia).
Superior oleo para machinas de costura,
Aglhas para ac mesmas.
Breu em bar.icas grandes e pequeas/
Vende-se tambem:
m~mm
VENDAS
5=^33
OQ O 3 O
P"Sl
3 5"

o
2
o
o
o a>
OS
c-
o
te
s
I-
PARA 1866.
Aeabam de sahir
Calares Rujrr ou coJareo auo-
diaos
para facilitar a dentico das criancas e preserva-
las das convulsoes.
0 feliz resultado obtido immensas vezes pela
luz as folhtnbas de prodigiosa forca magntica dos colares Boyer, nos
casos de convulsSes, e dentico das criancas, tem
Veode-se^am bota eseravo
tino na ulitmaVasa.
na ra do Dte-
Vendem-se
tt*>HIl \l Y
I ,* qualidade.
(St. Estephe.
)St. Julien.
\C. .Marf;aux.
C. Lafitle.
I Medoc.
PORTO
Ia ijualicade,
Vinho fino do Porto embarris de 5/, 10/ e 20/.
Superior vinho doBheno.
Cera de Lisboa em velas e em grume.
Principe Real.
Pedro V.
Maria Pia.
Princeza D. Isabel.
Vctor Emmanuel.
Duque.
(Malvazia.
i .----------------------------------r--------------------------------------------------------
a** Na roa do imperador n. 83, 3* andar, preci-
sare fallar com o Sr. Francisco da Frailas Barbosa.
Precisa se de ma pessoa Ibeorica e pitu-
camente habilitada para escriptoracao mercantil
por partidas dobradas: qoem se achar nestas tr
curas telas indique sea nome e residencia em
carta fechada na loja de livros do Sr. Nogaeira, a
roa do Crespo.
Deseja-se fallar com o 8r. Joio Evangelista
Gomos de Castro, qae ful caiieiro do Sr. Frederi-
co, a negocio de sea interesse : na raa de Santo
Therora, junto a' casa de n. SO.
Precisase alagar orna escriva qae aaiba co-
zinhi.r, engooimar e fazer o oais arraojo de orna
casa de pone familia: na ra do Aragao n. 12,
fabrica dechiirntos.
A viava e herdeiros do casal do finado Jos
Banasto da Fonseca Jnnior declanm qae esto pro-
oedendoaoiBvenurlodos bens o referido casal,
pauto convidara a aquelles qae se jolgarem ere-
dores do casal referido, a apresentarem suas con-
tos M pra*> ieot'fl dia, aflm do seren pagas.
Per nambfl o 13 de fevereiro 4? 1860.
O solicitador Pedro Alexandrino da Costo
Machado cono tu a nos misteres de sua profisso
nesta cidade e fra delta : pode ser procurado na
ra estreltafdo Rosario n. 3i.____
Antonio cardo do Reg faz scitnte a quero
convier qae tem deisado de ter escriptorio a mais
de um anno, assim como casa de commissSes de
escravos, na roa do Imperador n. 81, por (cora
modos em soa saude : as pessoas qae com o mes-
mo tiverem algaraa cousa qae tratar o podem pro-
curar na mesma casa, ou na roa estreito do Rosa-
rio b. 19.
Est por alagarse o primeiro andar do"se-
brado da rna de Agoas-Verdes n. 86 : a tratar na
ra das Cruzes, tebrado n. 9, andar.____
Precisa-fe de ama ama para cozinhar o com-
prar em casa de itomem soltetro, prefere-se escra-
va : na raa do Qaeimado n. 32.
machinas americanas de serrote para descarocar
algodao : na ra a Seniala JNeva o. 43.
chgAuam-
AS
algtbeira e de porU.para o anno de 1866 o &SSSB o sea bem merecido prestigio,
mais -correctas possivel tanto no calculo das e hoje j se pode diier qae estio geralmente con-
luas e -eclipses, COmo as diversas festas ceiluados, e esmados de innameraveis pais de
que a igreja celebra; vendem-se unkamoa- familias:. de uns porque do aso desses satatares
te na liwarifl lia nra^ ra InriAnentAiu'ia co]aTes v,ram sa,vs "o P*P seos cbaros fllbi-
ift^J^^^^! oL -P ^'- nnos.edeoatros porqae eolheram daqoelles to
160 res as de porta e 320 res as de algl- proficuo exemplo para igoalmeme preservar os
be ira. ; seos. Assim, poli, a agola branca, tendo em vis-
tos a ntilidade e proveito desses prodigiosos cola-
res anodinos oa Royer, mandoa vir o novo sorti-
mento qae agora receben, e continuar a recbe-
les para qae em lempo algum a falto delles possa
ser funesto aos pais de familia, os qnaes flearo
cortos de os acbar constantemente oa roa do Quei
mado, loja d'aguia branca n. 8.
VENDfiN-SE
i um moleqoe de 30 annos de idade, tendo as per-
as aleijadas porm que nio priva de fazer qual-
-^ 1l 1Qer sprvco e nem to poaco de andar, sobir e
Silva i Alves, ra da Cadeia n. 58, avisara aos correr, cozinba tambem o diario de orna casa,
8rs. agricultores, que ebegaram as machinas ame- excellente trabalhador de vetas de carnauba, pois
ricanas de serrote para de>car>car algodao qae P*'o preco .que se vende ningnem. o deixar de
vesem a preco commodo. comprar avista das Labilidades : na ra do Vlga-
Phonphoros do gaz a 0OOO > r2JL"^------_------------------------------
i Vendem-se duas pequeas casas terreas, urna
' sito na povoacao do Montelro, e outra na bairro do
Becife : qnem as qulzer comprar dirjase a' rna
Os corpinbos ae seda pretos do Pavao.
Vendem-se os mais ricos corpinhos de seda pre-
tos, ricamente enfeitados, pelo barato preco de lz
cada nm : na lo|a do Pavo na raa da Imperatriz
n. 60, de Gama & Silva.
Cortes de cotim para calcas
a 1*120 s o Pavao.
Vendem-se superiores curtes de cotim, fazenda
mallo eocorpada para caigas e paiitots, tendo pa-
droes escaros e alegres, e vende-se pelo barato
preco de 1,5120 rs. o corte de calca on a 320 rs. o
covado, sendo esta fazenda grande pechincba pelo
preco.
Bnm pardo entrancado a 700 e 800 rs. a vara.
Dito liso multo enrerpado a 6i0 e 700 rs. a vara.
Dito branco entrancado a l280 rs., isto pe-
chincba na loja e armazem do Pavo na roa da
Imperatriz n. 60 de Gama & Silva.
Os cortes de cambraia branco bordados na
loja do Pavo.
Vendem-se os mais ricos cortes de cambraia ri-
camente bordados com barras e babados a' 20* ca-
da um : na loja e armazem do Pavao na ra da
Imperatriz n. 60, de Gama & Silva.
Reos vestidos a 80000 rs.
pechincba admirave!.
S o Pavo recebeu pelo uliimo vapor francez
um grande sortimento dos mais ricos cortes de
vestidos transparentes com lindas barras e enfeites
de seda, sendo estes vestidos muito proprios para
baile" e passeios, e vendem-se pelo baratissimo
preco de 8*000 rs. cada um, na loja do Pavo na
roa da Imperatriz n. 60 d*Gama & Silva.
Cortes de chita a -20000
S NO POVO.
Vendem-se cortes de chitas ingleza com dez co-
vados a 2*.
Ditos com onze covados a 2*200.
Ditos com dore covados a 23400.
Ditos de chita franceza com dez covados a
3*200 s na loja e armazem de fazendas do Pavo
na ra da Imperatriz o. 60 de Cama & Silva.
Os chales pretos de renda do Pavo a &>000 rs.
Vendem-se os mais ricos chales preU s de renda
com qualro pontas, senda muito grandes pelo ba-
; ratissimo prego de 8*.
Ditos de gaepore a 13*, 18*, 20*, 3o*.
Retondas de Oito a 10*.
Manteletes de renda, lazenda muito superior a
13*000.
Capas e sauthambarqoes de grosdenaples bor-
dados, fazenda inteiramente nova, por precos mais
baratos qne em oatra qoalquer parte.
Isto na loja armazem do Pavo na ruada Im-
peratriz n. 60 de Gama & Silva.
Para luto vende o Pavo.
Setim da China com 6 palmos de largura, fazen-
da preta para loto, propria para vestidos e roanas
para homens, sendo esta nova fazenda sem lustro e
de maito boa qualidade, garantiodo-se nao ticar
rnssa com o tempo e vende-se pelo barato prego de
3* e 2*300 o covado, assim como oeste e?tabeleci-
mento tem am grande sortimento de todas as fa-
zeodas pretas como sejam cassas e chitas pretos,
lias lapadas e transparentes, princezas, alpacas,
sarjas, etc. : na loja e armazem do Pavo na ra
da Imperatriz n. 60, de Gama & Silva.
Os ba oes do Pavo.
Vendem-se superiores bales de mugolina com
moita roda a 5*., ditos crinolines com 33 arcos a
3*500, ditos com 20 e 23 a 3*, ditos para meni-
nas, sendo brancos e encarnados a 2* e 3*300 :
na loja do Pavo na ra da Imperatriz n. 60. de
Gama & Silva.
Oschales d* pavo a 2ooe
VeBdem-se chales de merino
e 2*500 cada nm.
Ditos de merm liso a 3*500.
e 2ooo rs.
estampados a 2*
Ditos estmpalos de crepon a 6*, 7*. e 8*000. ,30*000.
Curtes de cambraia com palmas na loja do
Pato
\endem-se cortes de cambraia braoca com pal-
mas, endo fazenda muiti b<*, pelo baralissimo
preco de 2*500 pira acabar : na loja e aimazera
do Pavao na ruada Imperatriz n. 60, de Gama 4
ieaies braacos a 10OOO res a
dazla.
Vendem se lencos brancos fazenda moito boa
pelp tiaratissimo preco de -i* a dozla. Ditos com
barra de rr a 2*000 llorara acabar na loja do
Pavao oa ra da iinneratiiz'n. 60 de Gama S Sil-
GR-NDE PECHIHCHA!
Lasithas a 120 rs. oa leja do Pavo.
Vende-se lsinhas pretas.proprlas para luto sen-
do boa fazenda a 130 rs. o covado. Ditas maito
linar de qoadriohos a 480 e 330 rs., ditos entesta-
das a 400 rs., ditas mathizadas a 320 rs., ditas
transparentes com palma de sedas 400 tt., ditas li-
zas e com saipicos a 300 re. para acabar na loja e
armazem do Pavo na ra da Imperatriz i. 60. de
Gama & Silva.
Ponpelraa modernissimas a 400 e 500 rs.
o covado na loja do Pavo.
Vendem se poopelinas muito finas sendo fazenda
muito moderna de qoadnnhos e liza vendendo-se
pelos baratos precos de 400 e 500 rs. o rovado na
loja du Pavo oa ra da Imperatriz n. 60 de Gama
di Silva.
Crosdeaaoles pretos do Pavo.
Vendem-se superiores grosdenaples pretos pelos
baratsimos precos de 1*500, 1*600, 1*800 e 2*
o covado, sendo fazenda mallo boa, s para aca-
bar : na loja e aro azem do Pavao, ra da Impe-
ratriz n. 60, de Gama & Silva.
Braaiaate de linho do Pavo.
Yrode-i-e superior liramaote de linho com 10
palmos de largara, prrprios para lenges, pelos
baratissimos precos de 2* e 2*600 a vara, assim
corto panno de linho mono floo pelos baratissimos
precos de 640,700 e 800 rs. a vara : na loja e ar-
mazem do Pavo, ra d? Imperatriz n. 60, de Ga-
ma & Silva.
As rassas do Pavo.
Vendem-se cassas muito superiores com llnoos
padrdes, pelos baratos precos de 300 e 320 is. o
covado, ditas mnito Gnas a 360 rs. para acabar ;
na loja do Pavo, roa da Imperatriz n. 60, de Ga-
ma & Silva.
Cambraias lisas do Paiii.
Vendem se pecas ae cambraia lisa muito supe-
rior, pelo barato prego de 3*200 e 3*500 a pega,
ditas nmito finas a o*, 6*. 7* e 8* : na loja -
armazem do Pavo, i ua da Imperatriz n. 60, e
Gama & Silva.
PECHINCHA I
a 2r)000, para calcas, s e Pavn.
Vendem se superiores crtts de meia case mira
com msela de seda a 2*, ditas Ganbald.nas a
2*800, ditas escoras a 2*800, oa a 1*600 o cova-
do : na loja e armazem do Pavo, roa da Impera-
triz n. 60, de Gama & Silva.
PNTEAORS
on rouposs de cambraia bordados proprios
iara as senbocas veslirem de manha.
hepou esto novidade paia a loja do Pavo,
multo lindos e do melhor gosto at hojp, por pre-
cos maito razoaveis : na loja do Pavao, ra da
fmperatriz n. 60, de Gama & Silva.
Pechiuc
Va roa do Qcciniado n. 'i!
Cortes de laazinha de cor, bonitos gosto \ rom
15 covados a 3*600.
Cassas organdys de cores, covado a 240, pegas
de algodSozInho largo com 17 varas a 4*.
Ditas de dito com 17 varas, moito encordado,
com pequeoo deleito, a 4*500.
Grosdenaple preto muito saperior, covado 2tf.
Dito dito a 1*600.
Retondas de renda preta a (0*.
Chales de renda preta a 8*.
Lantijlas.
A loja da Aurora, na ra largado Rosario n. 38,
receben sortimento de lantijlas multo delicadas <:
proprias para qnalqaer enfeile, assim romo tam-
bem reeebeu luvas de Jouvin I ncas e dr ores
parahomem e seohora, multo l->ra, enejadas
pelo ultimo vapor, todo isto nalup da Aar-jra,
raa larga do Rosario o. 38.
Carnaval
| A loja da Aurora, na ra larga do Rosa io o.
38, vendem-se luvas de peluca mofadas a 500 rt.
rcada par, ditas de seda tambara com mofo a 100
| rs. o par, moito proprias para brincar estes dias
do carnaval : na ra larga do Rosario n. 38.
AttentfloT
Atteugao!
AttentfQj
Grande soilimeotode fazeadas pro-
prias para a cuaresma.
Acaba de chegar a este novo esiabelecimeto
ara grande e variado sortimento de fazendas pro-
prias para a qnaresma, a saber :
(r- sdenapi. s prelo a 1s600 o covado.
Vende-se um grande sortimento de grosdena-
ple a U600, 1*800, 2* e 2*600 o covado ; da..
multo saperior a 2*800 e 3 : na roa da Impera-
triz n. 72. loja de Gnimaraes & Irmao.
Moriantique preto a 20800.
Vende-se nm grande sortimento de moriantique
a 2$8O0, 3* e 3*500 i covado,. M
Chales de renda pretos a 85000.
Vende-se tambem am variado sorlim. nto de cha-
le3, ,dS re?2 a ** 9i50 e 10* \ dl,os nito finob
bJJP lsP '< ditos de seda fazenda muito fina a
Ditos pretos bordados com franja de seda a 14*.
Na loja e armazem do Pavo na raa da Impera-
triz d. 60 de Gama & Silva.
az.. e
Cadeia
aran
Cbegaram os bem conhecidos palitos do
vende-se por prego commodo : na rna da
do Rrcife o. 56 A, loja das machinas.
Palitos de fogo a 1500 a
groza.
Chegaraj os escolenles palitos de fogo e ven-
de-se pelo barato preco de 1*300 a groza: na ra
da Cadeia do Recife n. 36 A, loja" das machinas.
da Imperatriz, sobrado n. 51, 3o andar.
Vende-se um mulaUnbo de 13 annos, de bo-
nita figura, serve para um bonito pagera : pa roa
do Qoeimado o. 34.___________________'
Vecde-se ara cyhndro para massas de pada-
ria: na roa do Rangel n. 9.^_______
carnauba! "~
Vende-se cera de carnauba, suparior qualidade,
Fazendas para a quaresma. FaUSfifi?'
Alten gao
Acbando-se justo e contratado a compra da casa
| sito na roa das Calcadas n. 27 em S. los, adver-
_ te-se qae qoem t ver direito a reclamar sobre dita
Precisa se de am rapaz para erjado qne te- compra devera' ft.ze-lo no prazo de 3 dias d dato
ataItt conductoe nao rais de Da ti unos de deste sob pena d( 8ndo este lampo Oo le alten-
--'' para tratar oa roa Velha a. 31, dera' a reclamado algaraa.
idad
No armazem da porta larga, ra da Imperatriz,
grosdenaple preto a i*400, 1*600, 1*800, 2*
S*500, moreaotiqne preto de diversas cualidades,
os mais ricos chale de renda pretos, e retondass
com moito roda, fazenda da ultima moda no mer
cado : do armazem da porta larga n. 52, na raa
da Imperatriz. _______
Pecbinrha admiravel
Lazinbas de qoadriohos que parece seda a 240
rs. o covado, urna grande pechincba, est se aca-
bando : na loja n. 52, armazem da porta larga de
Paredes Porto. ________
Vende-se am sitio com boa casa de vivenda
e mais qaatro casas meno es no lugar de Tigipi :
a tratar na roa larga do Rosarlo n. 10.
Azeite de carrapato~~
Vende-so azeite de arrpalo sea mistura, em
barrls de tercos e quintos, por menos qae em outra
qualqaer parte :. no caes do Ramos p. 16.
Vende-se ama escrava~p$i, crioula, de (da-
de 20 annos, com ooas habilidades boa coodac-
U, um escravo peja de idade 10 arfnos, um mal
lindo raoieqne de idade 13 annos : travessa do
Carran. 1.
Vende-se cerveja Bass, priraeira qualidade
! rja rna dt Trapiche n. 1*. f andar.
Imne/airiz n. 60.
Na fabrica de vinagre, ra Imperial n. 1,
prximo a estaco do camiubo de ferro, vende se
vinagre' tinto saperior era qualidade a outro qual-
quer, e rjor preco mdico, assim como branco e
iocolor
----------------'"...... '
Cambraias de forro a 1(5600 e H na loja
do Pavo.
Vendem-se pecas de cambraia de forro com no-
ve varas cada peca, pelos baratissimos precos de
1*600 e 2* : na loja e armazem do Favao na roa
da Imperatriz n. 0, de Gama & Silva.
Os cortinados do Pavo.
Vendem-se superiores cortinados aoanuscados
para camas pelo baralissimo preco de i* cada par,
ditos maito tinos ricamente bordados para camas
oa jaoellas a 13*, 20a e 23* o par : na loja e ar-
mazero do Pavo na raa da Imperatriz n. 60, de
Gama & Silva.
Panno preto a 2$ na loja do Pavo.
Vende-se panno preto. fazenda moito boa, pelo
barato preco de 2* o covado, dito mmto Ano a
3*500. 4*, 5*e 6*, assim eomo casimira preta de
eordo a 2* o covado-: na toja do Pavo na raa da
Imperatriz n. 60, de Gima & Silva.

Acaba de ebegar impresaa para piano esta linda
e desejada quadrilha eztrahda da opereta cmica
d e OlTenbak, pelo director e regente da orchestra
do theatro de santo Isabel, Colas fllho.
A' venda em casa do Sr. Dumont oa rna Nova,
armazem de mtica. Cada eiemplar 1*300.
i*ecbiicha
Vende-se a taberna da rna da Guia n. 36 pro-
prio para principiante, e o motivo se dir ao com-
prador.
Vende-se nm sellim inglez cora arrelos, com
pouco oso e por prejo ma ve) : na roa das Cru-
zes n. 41 A.
Cortes de la a Maria Pa na loja do Pavo.
Vendem-se os mais ricos corles de lia a Maria
Pia, pelos baratissimos precos de 7* e 8S, ditos
muito Anos a 10*, 12*, 16* e 20* : na loja do
Pavao na roa da Imperatriz n. 60, de Gama &
Silva.
Os espartilhfs do Pavo.
Vendm-se urna graode e variado sortimento de
espartilhos dos mais bem feitos qae tem 7vindo ao
mercado, sendo de todis os lmannos,-vendendo-se
por nm preco maito razoavel : isto na loja do Pa-
vo na ra da Imperatriz n. 60, de Gama & Silva.
Silezia para safas a 44o rs. a vara na loja
do Pavo.
Vendem-se silezia ondeada sendo fazenda moito
boa e propria para salas, pelo barato prego de 440
rs. a vara : na I >ja do Pavo na raa da Impera-
tris n. 60, de Gama & Silva.
s salas bardadas do pavo.
Vendem se saias bordadas sendo fazenda multo
Ma, sendo ricamente bordadas e com moita roda
vendendo-se pelos baratos precos de 6* 8a e 10*
res cada ama na loja do Pavao Da roa da Impera-
biz-n. 60 de Gama & Silva.
Pecas de aadapulo infestado.
Vende-se pechlnehas de madapoln entestado
com 12 Jardas cada peca sendo fazenda maito su-
perior pelos baratissimos precos de 4* e 5* rs. na
loja Ib Pavo na roa da Imperatriz h 60 de Gama
& Silva.
Bretanuas de ralo a $000
Vendem se pegas de hrelanha. de rolo com 10
varas cada peca, pelo baratissimo preco de 3* :
na loja e armazem do Pavio, ra da Imperatriz d.
60, de Gaaa di Silva.
Retoadas pretas a tO#.
Vendem-se re tondas pretos pelo barato prf:o de
10* e II* : na roa da Impfttxiz n. 72, loja de
Gnimaraes 4 Irmo.
Grande pee hincha panno preto a 2'000 o
covado.
Vende-se panno preto proprio para calcas e pa-
litots a 2* e 2*200 o covado ; casimiras pretas
a 1*800, a*, 2*400 e 2*500 o covado.
E' moito barato corles de casimira a 3#i00.
Vendem-se corles de casimira preta a 3*500
4* e 4*500 ; d'ta muito fina a 6*.
Admira cufies de brim de cores a
1,280
Vendem-se cuites de brim de cores para calca a
1*280.1*600, 1*801 e 2* : na ra da Imperatriz
n. 72, loja de Guiroares Irmo.
E' baratissimo a 120 ris o covado
Vendem-se riscadinhos moito proprios para tou-
p de escravos, a 120ris o covado; ditos escoce-
zes mni.to fios a 140, 280 e 300 ris o covado.
Cambra-as lisas a 3,000 s. a peca.
Vende-se nm grande sortimeoto de cambraias
lisas pelo barato preco de 3*. 3*d00, 4*. 4*300 e
Hir^ I?-'10 MS a 5*300 8 ^ diUs victoria
a 6*500e 7*; ditas de una vara de largura a 8*
e 9* ; dita pira forro a i*600, 2* e 2*200 : na
roa da Imperatriz n. 62.
Chitaa francezas largas a 260 ris.
Vende-se nm Brande sortimento de chitas a 260,
280, 300, 320 e 360 rs. o covado : ditas preciares
a 400, 440 e 500 rs.
Cambraias de cres a 280 rs o
covado
Vendem se camlraias francezas a 380,300, '20,
360 e 400 rs. o covado.
LSazinhas a 3oo rs.
Lasinhas de qoadrinbos a 300, 3, 360 e 100
rs. o covado ; ditas moito finas a 500 e 360 ua
roa da Imperatriz n. 72, loja de Gaimares & Ir-
mo.'.
Cortes de la a WCCO.
Acaba de chegar a este importante estaboleci-
mento um soriimento de cortes de la qne se ven-
de por 5* e 3*500; ditos a liarla Pia, fazenda
mallo moderna a 12, 14*, 18* e 20* : ditos com
caraisinha, cinto e grvala a 15* e 28*
ROPA FE1TA.
Vende-se nm completo sortimento de roopa fei-
to felta. assim como sejam palitots, calcas, coleo,
camisas francezas a 1*600 e 1*800; ditas linas a
1*200,1*400 e 1*600, de linho a 1* e 2*500 : oa
ra d lmper.triz n. 72, loja de Guimaraes & Ir-
mao.
Vendem-se AOO pedras para ladrrlhn. vicdas
da Ilha : a tratar na ra do Vigario o. IV







M
Blrio de *e*atalaWo Quinta ftUk tSr Fc^rnro ke 1866.
mmmn
P1H4 A QUAKGSMJl
Chegaram a laja de Augusto Porto & C.
iiRa do Queimado**li
H Superiores cdfles dt sada prela.
Mrealani-B*e'lo dewes de listas bellos padr"e3.
Gros,4ii#*6-i#o ie diversas larguras e qualidades.
Reaodas, bournus e chales de guip e de rendas.
Pan os pretMy casemiras prela, bombasina.
Leus, canto, me.loo e selestrmas pretas.
Lindas .mantas
seda pnrmteseoco.
Ricos corte de sed* de core para bailes ou casamento?.
flieos cortinados bordados dos mals bellos desenhos.
Muir branco, seda branca, eapellas e mantas para aoim.
Bellas colchas de seda e de lia e seda para cama do noivas.
Saias de finissima cambraia ricamente bordadas.
Fazendas de pregas para sai que se faiem com oan s costura e tambem ten
o cordo tecldo.
Madapotao francas a 400 e 80 rs. a vara.
Alcatifa de Kobo para salas e gabinetes a 480 rs. o aovado.
Faietfda especial Je qaadros para fuer redes a 31&00 a vara.
Superiores esteiras da ludia para salas.
11Ra do Quelmado11
-i
com
i j iif a n i a : i / D0
NOTOS GEM5WTES JJJ*
DOS
TRES GRANDES
ARMAZENS DE HOLABBOS
DENOMINADOS
PROGHESSIVO pateo do Carran. 9
UNIO E iOMMERCIO ra do Queimado o- 7.
YERDADEIRO PRINCIPAL ra do Imperador n. 40
e
DE
CORTES E SEDA amtk
Chegaratt pelo paquete logler riqaissimos cortes de moreantiqae de cores, e seda lavraaa pa-
M mteiramente no vos. ihaaa 3~
Seda de quadros por 1$000 o eovado
5-RU DO CRESPO5 ut
Gregorio Pae do Amara! 4k Companhla.
1<4
I


i

K
Para vestidos de senhora.
Cortes de seda de cdr de boro gosto e superior qualidade.
Lindas sedas de quadriohos.
Bons moireanliques de cores.
Grosdenaples da todas as cores. ...
L:ndos poil d i cbevre fazenda assetinada de interna nwidade.
Lindas duqaezas'assetinadas fazenda inteiramenteoova.
Modernos grenilmes de seda o qae tem rindo de raais novo.
Grande variedade di laas de cares lisas e de saipicos.
Or&andys e cansas de muito bom gosto.
Percaas rao lernas com grande variedade.
Lmdos corts de laa Clotilde com todos os pertences <
ItSrt inteinmente novos.
BiiK caites-d*catsi co< barra Umbsm inteiramente novos e outras muitas
jfazeadas de gosto que seria enfadonho mencionar.
Para hombros de senhora
Grande variedle de chales, bonrnout, retondes e algeriennes de fil e de
'guipare a 10. 16, 20, 30, 40, 60 at 800. #
Modernos souteutbirques de seda de superior qualtdade.
Lmdos bertes de soda de cor pretos e de cachemira.
dem de calibran branca tardada com muito gosto.
Sautembarques ebouraoux de cachimira de c6r e outros mmtos-artigos de
'boro gosto.
, Para cabeca de senhora
Superiores ehapelinas de palha, de seda e de crina de.muito boro gosto a im-'
Trtriz. i
\l Chapeos de ptlta da Italia grande variedade.
Lindos gorros e bonets de palha de Italia, Imperatriz,
.e a Grante, chegados de Parispe'o ultimo vapor.
i Grande variedade da enfeites de froco e de flores para asaraento.
j S menores vestidos de blonde. e de moireantique brancos.
Bonsrmireantlq-iet brancos e superiores sedas brancas.
Bons vestidos da taiatana branco bordados,
o Lindas mantas de blonde e boas eapellas.
8 Bordados.
> Grande variedade de entremeios bordados transparente e tapados,
g Tiras bordarla* transpirantes e tapadas, babados bordados, saias bordadas e
outros maitos arligos._________
I,0#%. AS COMJHMS
CORBETA DE VASf!ONCELLOS & C.
DR.
n

HYD tOBO MMC0SO,


<.-..,
7 as U
tincados.
9 sortimento de carteiras
e pelos procos seguintet:
30*000
DUARTE CARVALHO PERIRA C.
. Fazem sciente ao rtspeitavel publico, e cam especialidade aos senhores da n~
jenhos, lavradores e mais pessoas do centro, que para raais facilitar suas compras deli-
beraran! os proprietarios dos tres grandes armazens, reunir todos os seus estabeleci-
mentos em um s annuocio, p#> qual o proco de um ser de todos, promette-
mos qae nao infringiremos a tabella que abaixo
por um prego, e na occasiSo da compra quererem por outro, como socede coivstante- ]
mente em outras muitas casas, porm nos nossos estabelecimentos nao se dar isto
anda mesrao com prejuizo nosso, qualquer pessoa poder mandar seus fmulos que
erao tambem servidos como viessea pessoa I mente fazendo-nos o favor de mandar seas
pedidos em certas feixadas; para evitar qualquer engaos, remetiendo nos orna coata
4ela qual se ver os precos->ta4 alguma que- 6zer soa despenda em nossos estabelecimentos; pois poupar mais de
5 por oeoto na sua despeza diaria.
Canutier, Clotilde*
HE ANTONIO
RA VO CBESP W. 4
RITA. DO RRfJJR B. 3.
O proprietrio desteestabelecimento deseja chamar a atten?o dos senhores pro-
pietarios aos acreditados mechanismos que continua a fornecer ; os quaes garante ser,
i orno sempre, da melaor qaalidade possivel:
Machinas de vapor
forca de 2 l/t cavaUos para cima. As menores sao mui propras para motore sde
doscarocamentos de attgodo; as maieres para moer anna; ha tambem que podem jauta
ou separadamente moer canna e descarocar segundo suas pioporc5es. Estee vapores
o simpssimos na construeco, e seregem por qualquer pessoa mtelligente, a facllida-
de da condcelo sendo ospoculmente consrderada, tanto que n5o ha lugar.em qae nao
se possam conduzir, qor por trra, qur embarcado. Ha com moendas juntas ou sem
tlljs e podem-se applicar a qoaJquer moenda j existente sem outra mndaoca do que
. uibstitutco das rodas da almanjarra. Ellas tem depsitos d'agua e booiros de ferro,
- nao precisam para o seu assentamento de obra alguma, qor de carapina, qur -de al-
vonaria. O tempo para assenta-las nao excede de doze das ao mais, e em casos de
unrtes le animaes ou arrombamentos de acode?, etc., garante-se o assentamento en
oito dias. Lembra-se aosseohores de engenho que a venda dos animaes e o servico da
ente oceupada no seu tratamento os h5o de recuperar da maior parte da despeza do
vapor deixando-lhes a vantagem de -orna moagam certa e accelerada; e acabando com a
Jaspeza da compra continuada de novos animaes. com os desgostos do trabalho que
se tem com elles.
Redas d'aagaia de ferro, mui maaeiras e moendo com qoalqaer altura
d'vagua.
MarlUiofl rom cruaetas de forro para as mesmas, quando se desege fazer
ai isto da roda de madeira, lornando-se asstm a roda ligeira no trabalho.
endas de canna de todos os tamanhos, desde as mais pequeas chama-
das do serto. Obra perfeita m feitio o acoohamento.
Rodas de es para e angulares de todos os tamanhos e proporcoes.
Paroes eiUes pura receber o caldo. i Vendem-e, oa livraria da praca da Inde-
Crtros de foimaHia para assentamentos, frejeos para o foguista, fazendo pendencia n. 8, a 400 r. o volame, os ro-
f rinde cal ir com pouco combostivel, e duradouro.
MAATEIGA
Manteiga iagleza perfeitameote flor che-
gada ltimamente a 1 ,ooo rs. a libra, t,
em barril tara abatimento.
Maateiga franeeza da afra nova a-8oo rs,
a libra e em barril teri abatimento.
MSi&k
Banha refinada superior a 64o rs. e em
barril ter abatimento.
CHA
Cha uxim d&primeira superior qualida-
de a 2,Boo rs.
dem bysson o melbor neste genero a
2,6oo rs., e seado eai,parc3o ter abatimen-
to, tambera ha proprio para negocio de 2 a
2,4oo rs. a libra.
dem preto superior de 4,8oo a 2,5oo rs.
a libra.
Itiseoutos
Latas com superior biscouto inglez de di-
versas marcas a l,2oo rs. a lata.
Bolaetalnbas
Latas com bolachinhis da acreditada fa-
brica do beato Antonio, proprias para dar a
doentes de 2,ooo a 3,owrs. a lata.
Mem com quatro libras de bolachinha de
soda a 2,ooo rs. a lata.
Queijos
Queos flamengos chegados pelo ultimo
vapor de 2,3oo a 2.5eo rs.
CHOOOtATE
Chocolate hespaahol' a l,ooo e l,2oo rs.
a libra, francez e saisso a 1 ,ooo rs. a libra
eportguez a 800 rs. a libra, em porgo
ter abatimento.
V1NH0S
Saparior vinho do Porto das mais acredi-
tadas marcas, como sejaov. Madeira Secca,
Duque do Porto, Velho Secco, Lagrimas do
Douro,Maria Pia, D.Loiz,-Pedro V, Lagri-
mas Doces e outrasmareas a l,ooo a garra-
fa e 9/ooo a 12 ooo rs. a duzia.
Vinbo Figueira e Lisboa das melhores
marcas a 4oo e 5oo rs. a garrafa, e a 3.ooe,.
3,5oo e 4,ooo rs. a caada.
Superior vinho chara* sso em barril a 64o
rs. a garrafa e a 4,5oo rs. a caada.
Superior vinho de Lisboa e Figueira em
anceretas de 8 e 9 caadas a 24,ooo rs. a ao-
coreta.
Superior vinho branco proprio para mis-
sa a 640 rs. a garrafa, tambem ha mais bai-
xo para 4oo, 5oo rs. a garrafa e 3,2oo a
3,5oo a caada.
Caixas com urna duzia de garrafas de su-
perior vinho Bordeaux a 7,ooo rs. a caita e
7oo rs. a garrafa. ^ .
CAFE
Caf do Rio de 1. e 2,* qualidade de
6,8oo a 8,2oo rs. a arroba, e de 24o a 28o
rs. a libra.
SABIO
Sabo maca de primeira qualidade de 18o
a 22o rs. a libra e de 16o a 2 to rs. sendo
em caixo.
Serveja
Superior serveja Bass dos melhores fa-
bricantes, como sejam: Shlers & Bell. T. F.
Ashe a 7,5oo e 7,ooors. a dnzia e a 7oo rs.,
a garrafa. Tatnbem ha de oatras marcas i
como seja: Victoria e Alcope a 5,ooors. a du- \
zia ea Boots. agarrafa.
B)lOES VASIOS. I
Boie8 vasios, touca ingleza muito pro-
pina para manteiga e deposito de doce de 4
a 12 libras a ,2oo e 2,5oo.
FARINHA DO MARANHO.
Farinha do Maraado a 240 rs. a
SAG'.
Sag .muito novo a 4oo rs. alrbra.
ARAWTA.
aRbra.
medico, pautoiho m **mpim-
3 Ra da Gloria, casa do Futoto
I^IlBAjD^iosoDWdiconsukastgra^ os di
ooras da nunhao, odas 6 e meia s 8 horas da wt*t, tep$ao dos di ,
Pharmacia especi$&QMM$frtMca
No mesmq. consaUorio^ha sempre. p
i | tubos avulsos, assim-coiao ttoatMde^ran
tera/'de-l? tuhos graades."
de 24 tubos gandes. .
de 36 tubos grandes. .
de 48 tudo grandes. .
de 60 tubos grandes. 3^000
Prepara,-se qualquer carteira cp(bnie o pedjdo^qiit^a^^aeB, e co o^emedioi
* jue se pedir.
Um tubo avulso ou frasco de tintura de meia ooca l^OO.
Sendo, para cima de 12 custarab os precos esubeletidos ,pas as cartewa.
Ha tubos maispeqoeaos cada im a 500 ris.
lili ROS. r
A meltyr fbaa da iKfneopaAia, o Maiuahde ^ytjna jHomeopathico do Dr. Jaib
vai pablicado, aieuocwr- os gneros ^j grandes volumes com diccionario............ #0OOo
MediciQa dQmestjca do Dr. Hering......, a- 100000
Repectorio do. Dr. Mello Moraes......r..... 6000
Diccionario de termos de medicina ........... 3^000
Os remedios deste estabelecimento sao por demajs conhecidos e dispeasam por
tanto de serem novamente recommendados as pessoas que queram usar de remedios
7erdadeiros, enrgicos e duradores: ha todo do melbor que te,podo desojar, glpbos de
rerdadeiro assucar de leite, ootaveis pela sua,boa conservaco, tintura dos mais acredi-
tados estabelecimentos europeos, a mais exacta o acurada preparado, e portaato a maior
energa e certeza em seus effeitos.
Cam de saude para escravos.
Recebe-se escravos para tratar de qualquer enfermidade ou fazer-se-lhe qualquer
operacSo, pira o que o aonunciante jnlga-se suffieientemeute habiUado.
_0 Iratamento o meihor possivel, tanto na parte aumentar, como aa medica,
funecionando a casa ha mais de quatro annos, ha muas pessoas de cujo conceito s nao
pode duvidar, qae podem ser consultados por*aquelles que deaejarem uadar seus
doentes.
Paga-se 20 por dia dorante 60 dias e d'ahi em diante 10500.
As operacoes ser o previamente ajustadas, se oo se quizerem sujeitar aos precoi
razpaveis que costuma pedir o anngnciante.
Vinagre
Superior vinagre de Lisboa a 2,000 rs. a
caada e 280 rs. a-garrafa. Tambem ha
maisbaixopara 2oors. agarrafa el,4oors.
a caada.
Azeie doce
Superior azee doce de Lisboa a 64o rs. a
garrafa e a 5,ooo rs. a caada.
FU 110 CAPORAL.
Latas com superior fumo caporal a 1 ;8oo
rs. a lata.
Passas
Superiores passas a 2,5oo o quarto e
9.5oo rs.; aca;xade arroba bespaabela e a
56o rs. a Itbra.
GEVKBR1
Genebra de laranja verdadeira a lo,5oo a
duzia e l.ooors. ao frasco.
Genebra de Hollanda verdadeira a 6,000
rs. aftasqueirae a 56o rs. ofraeco.
Idom de Bollanda em botijas a 4oo rs. ca-
da ums. j
GarraEes com 24 garrafas de genebra de
Hollanda a ,00o rs. o garrafio. Tambem
ha garrafes com 5 e 14 garrafas de 3,2eo a
6,000 rs. cadaam.
VELAS
Velas de spermacete a 64o rs. a libra.
dem de carnauba de lo a *2,ooo rs a
arroba e de 36o a 44e rs. a libra.
PEXE
Peixe em latas j preparado de l.ooo a
l,2oors. a lata
ALPKTA E PAINCO
Alpista e paioco muito doto de 3,8oo a
4,000 rs. a arroba e de 14o e 160 rs. a li-
bra.
CHARUTOS.
Superiores charutos do fabricantes Simas,
Imperiaes, Delicias, Parisienses e outros de
2,2,5oo e 3,ooors. a meia caixa* tambem
temos Suspiros Havaneiros, Ligueiros e
outros muitos que vendemos por mdico
pre \
Licores
Licores francezes eportoguezes a l,ooo e
l,4oo rs. a garrafa ou frasco.
Doees
Do:e da casca dagoiaba emcaixdes e la-
tas al,2ooo caisio e i,800 rs. a lata.
Frutas
Frutas em calda e ra latas fechadas her-
mticamente, usuito bem enfeitadas, conten-
do pera, pecego, ameixa rainha Claudia, al
perche-e outras frotas aoi rs. a lata.
Tambem ha latas grandes para l,2oo rs. a
lata.
AZEITE DE REFINADO
Superior zeile francez refiaado a 8,000
rs. a garrafa e a 9,ooo rs. a duzia.
MOLHO INGIEZ SAUCE
Molho inglez Sanee eifi "frascos grandes
com rdlha de vidro a l,8oo rs. o frasco em
duzia ter abatimento.
BATATAS.
Gigos com 3o libras de batatas a l,ooo rs.
o gigo.
SARDINHAS.
Latas com sardinhas de Nantes e Lisboa
de loo a 46o rs. a lata.
libra.
FUMO AMERICANO.
Superior fumo em chapa a 640 rs. a libra
ERVIliHAS
Latas cm ervllhas e feijao verde j pre-
parado 64o rs. a lata.
MASSA DE TOMATE
Latas com 1 libra de massa de tomate a
6io a lata.
VERMUTH
Esta bebida muito fresca e estomac 1 e
muito propria para a presente estaco. a
qual vendemos a 2,ooo rs. a garrafa e 180
a duzia.
ir
Portas de f ornalka de todos oe tamanhos e de diversos systemas.
Fornos e mciuhos para a fabrica de farinha e tambem chapas redondas
par3 fornos pequeos.
Bombas simples e de repucho.
Tallas de ferro balido e fundido i de cobre.
Paratas de ferro batido galvanisado para porgar assucar, leves para carregar
p, iseraptos de quebrar.se.
Alanral^pies de ferro de todos os tamanhos, custando s a terca farte do
prfeo dos de cobre, mais regulares na distJaco e igualmente duraveis.
Ehos rodas de carra, com aQg s de patente, obra mui segura para
car eg3;3o de peso.
ridos, crades, enehadas 1 cavallo e outros instrumentos de agri-
cultura, e finalmente todo o objecto de que possa precisar um engenho.
Maehinas de teoarocar algodo.
Na fabriea se fzom obras aovas i ,#nunenda e cacertos. cora a maior preste-
za e solidez. O grande deposito defecas" v. objectos habilitam-na muito para este fim.
O proprietario ser sempre mwfeliz de poder ter occasio de dar informatfea ou
sclarecimentos aos senhores que seserrir'ai de seu presumo.
D. W. Bowman, engenheiro.
Ara ruta verdadeira a 40o rs.-
Pimenta, coraraho, cravo, canelr*. ervdoce, alfazema, tijoTlo para limpar facas pa-
litos para dentes, palitos de fogo, e outro awitos.gneros que se tornar enadonho
mencionar, afiancando cinceridade nos precos e o bom acoodicionamento de qualquer
gen ro.
* "
ROMANCES BARATOS
manees portugueses seguinles, em brochara:
A voz do sangue, 2 voluntes.
Connemara, 2 ditos.
A noite de S. Silvestre, 1 dito.
O fimo de Titiano, 1 dito.
Adonis ou e lomnegro, I dito.
As a'S atoadas, 1 dito.
O pacha de Boda, 1 dito.
Trilby, 1 dito.
lgnez de la Sierra, 1 dito.
- Joven Siberiana, 1 dito.
Vende-s* 9*1 grosso : % tratar "roa da Ma-
dre de Deas n. 1.
Queijos 4o serto
Vende-si superior queijo Madre de Beo, arome Jomo* igr*ja._
Veode-se ama loja de miudezas com poucos
fondo em rna de negocio per prego moito em
conla ; na mesma c.asa verte-se ama mobilia de
amarello novinha : qoem pretender dirtja-ee a ra
da Imperatrz 0. ii, loja de ealalhador qae se dir
qaem tem para vender.
Tesoaras para eacrespar babados.
Vendem-se tosonras para encrespar babados
de daas, tres, quatro a cinco percas i na roa do
QneMnadq, Aievede A Irmios. ,
Farello
em saceos grandes a 4*500: nos armazens
de Tasso Irmos.
Gromma de milho branco
americana
Esta predoa fcula, cujas propriedades medi-
cinaos a imprensa europea tanto tem exaltado para
a cora das molestias do peito, recmfnenda-se tam-
bem como alimento sadio e nutritivo para as en-
astas, prestando se a Tariados preparo' culinarios.
A eral aceitadlo qae ella tem obtidd por loda a
parte o sen maior elogio : vende se uuicamenie
na rea do Imperador n.,37, armatem Allianca.
Pera os bares toiscatvdos.
A agoia branca est vendendo por baralissimos
precos. para acabar, os objectos segoiDtes, que ser-
vem mol bem aoa qe tomam parte nos bailes mas-
carados, sendo:
Meia* de seda a ti o par.
Enfeites de flores a l, H e 3* cada om.
Fitas lavradas de 3tO a t# a vara.
Cintos largos com pontas cahtdas.
Novidades do Vigilante
RA DO CRESPO N. 7.
Este estabelecimento apezar de sempre
se achar bem sonido come todos sabera,
hoje mais que nunca, nao s pelo que rece-
be de sua propria conta, mas tambem pelo
que recebe de consignaces; parece sem
duvida que deve offerecer grandes vanta-
gens para o respeitavel publico tanto em
precos como na escolha dos objectos, e co-
mo acaba de chegar grande remessa pelo
vapor Douro e o navio Solferino de
diversos objectos de gosto e proprios do
tempo dos quaes se mencionarSo alguns,
por nao ser possivel mencionar todos. O
dono deste estabelecimento espera a pro-
tecc5o de todos.
Riquissimas caixiohas ornadas e com
msica propria para um delicado mimo.
Caisinhas de msica tanto de veio como
de corda.
Ricos porta joias e oeeessarios.
Riquissimos est jos a feitio de um bausi-
nho ou chapeuzinho.
Ditos em casca de ndz e de outros gostos.
Leques de madeperola de sndalo e de
faia e madeira.
Chaposinhos e touquinhas de muito
gosto para criancas.
Meias e sapatinhos de seda para as mes-
mas.
Meias de seda para senhoras.
Capellas e grihaldas de flores proprias
para casamento.
Enfeites e capellas de muito .gosto para
senhora.
Riquissimos porta boquets.
Boquet de flores com urna borrachna
com cheiro.
Luvas verdadeiras de Jovin.
Ditas de seda e de Escocia.
Riquissimas plumas e guarnirles para
enfeitar chapeos.
Contas e tubos de ac branco, qae ha
maito se desejava para enfeites.
Brincos, fivellas e cruzes de crystal.
Fivellas e cruzes de tartaruga, madripe-
rola e dourados.
Alfinetes para gravatas.
Botoes com croas para punhos.
Gravatinhas e mantinhas de muito gosto,
tanto para hornera como para senhora.
Riquissimos aderecos pretos, asslm como
caixiahas com alfitetes pretos.
Bengallas de canna com cabo de marfim.
Ditas de baleia, borracha e de outras
muitas qualidades, assim como chicotinhos.
Riquissimos peales de tartaruga do ulti-
mo gosto; assim como de arregace- para
menina, pois neste artigo ha um completo
sortimento de todas as qualidades.
Diademas para cabeca do ultimo gosto.
Riquissimas fitas lavradas e lizas.
Trancas pretas com vidrilho e de cores.
Pulseiras tanto para senhora como para
meninas. -
Ligas de seda e de algodSo.
Suspensorios de seda e de algodSo e mui-
tos outros objectos que se n3o podem an-
nonciar por nSo se tornar enfadonho,.
S no Gallo Titante ru do Crespo n. 7.
lia, cb
ebe n.
dos no
superiores presutosd^fcstpha-
nltiroo rapor; na roa do Trapi-
Roopas feitas de todas qualidades
Veode-se roupa feita, seado camas de cores e
pardo a 31, ditas de brim branco d Itabo a 3500
e 41, calcas de caaemira pveta r te 8f, di-
tas de cores, meta rasemlra, 31 e 31500, dita=
de casemira a 61, 7$ e 81, pamela e brim de
cores a U, 31800 e 31, ditos i Mr fcrioco a
a 41800, ditos de alpaca prela, t &< jitos d^
casemira de^res a M, *
panno prete a 61, 7, S e
11600, de casemira a 3J !
11600 e UMO, camisa
peltos de oeres a V 1 nbo^le pregas tarta a 21800, 31
roa da Imperante, 1b}a -#m
Lovds de Jeavia iif& eaftlras
n corea
Cbegajam nara a loja de miadei
QneimatoB. 1.

r
TZ----
D


ARMIZEM E FAKEWBAf
DE
rrsTonio carvii.ho c.
27 RA DO QEtMADO N. 27
MadapolSo francez muito fino, tend poaco mofo, cada peca com 27 varas por
100000.
L5a de erres a'SOOrs. o eovado.
Cambraia franeeza a 260 rs. o eovado.
Finos, organdis a preco de 808 rs a vara. J / *,
Lencos brancos para algibeira a 200 a duzia.
Fin s perclaras a preco de 400, 440a 580 rs. o eovado.
Reos cortes dola de barra de 105 a 380000.
Chales de fil preto e outras muitas fazendas.
MACHINS DE PATENTE
DE TilABALHAR A MO PJ*A .ftESCA-
RugAB ALGODAO
I AltIIIIVua POR
PLANT BROTHEBS & C.
OLDAM.
Estas maclii-
naspaem des-
caroear qaal-
(juer especie de
algodo sem
estragar o fio,
sendo bastante
duas pessoas
para o traba-
rao ; pode des-
carocar urna
arroba de al-
godlo em ca-
roco em 40
minutos, ou
18 arrobas por dia ou cinco arrobas de al
godo limpo.
Assim como machinas para serem movi-
das por animaes, que descarspara 18 arro-
bas de algodSo limpo por dia; e motores
para mover urna, duas ou tres dessas ma-
chinas.
Os mesmos tem para vender um bellissi-
mo vapor que pode fazer mover seis destas
machinas mencionadas"; para o que convi-
dare aos senhores agricultores a virem ver
e examina-lo, no a mazem de algodao, no
largo da ponte nova n. 47.
Manadera Brothers & C.
Reafe praca do Gorpo Sonto n. 11.
Os nicos agentes neste paiz.
O castello de Grasville.
Tranido da francez per A. J. G. da Crni.
Veade-se este bello romance em quatr
tomos pelo baratissimo preco de 300C
ua praca da Independencia, livraria ns.
B e8.
Framcisco Jos Germano
RA NOVA N. 22,
acaba de receber um lindo e magnifico aor-
timento de vulos, lunetos. biqoculps. do ul-
timo e mais apurado goslo da Europa e ocu-
los de alcance para observarles e para os
martimos. ______________________
Manual do Cidado
Vende-se o Manual do Cidado em um
Goveroo Representatito ou principios de
Direito Poblico Constilaeiorjal Administra-
tivo e das Gentes, por Silvestre Pinheiro
Ferreira, em 3 volames broxurados por 30
cada obra : na livraria o. 8 da praca da
Independencia.
Vendem-se


V
> I



I
.i
*# H rWi#f yiqifcrtMtfr** tf RlWfn 4% W>
m
CICLQPEBifiA
-.....-'
4 ATO
Na ritt do Jasmlm o. 2i, offleiaa da ferreiro, de
Guinerme Daigef, ha pin Tender dous cabriolis
no 109, am* 4 rsaat's Un assenlos *in 4 ees-
soas, e uarseaer adcliado por ora i eavatto, nat
de daas rodas, ambos fetos cora toda a perfecto
*t MIMM
dfcaWlM^'aOl'av (
Jauto a padaria feadeeza le
Paredes Porto.
Neel ertnweimento encontrar* o respeitavel
poblisooia enriado aertmenlo de faiendae raoee-
xas, iiglezas, snlssas e allemes, qut> se vendeja)
por prego commodo.
Paredes Perla
Vende chales de renda (Je cores qne se vende-
rn a 18ji ot vendeado jpor 6*. ditas pretos, fa-
zenda nova, 8*, 6*, 8* a 20* um sortiraento com-
pleto d Manteletes, capas e soutarobarques 14* a
25*. Bm da Imperairu n 4, jomo a nadarla fran-
ceza, arnuzem da porta larga.
Paredes Parte
Receben ont completo sortimento de laasjnbas a
240, e 280 rs. covados, para acabar, cambraias de
cor a 240 rs. o covado, riscado escossez para rcu-
Kk de menino, faetie de tinho a 420, 460 e 800 rs.
uadaleiewelrJ. 51 junto a padaria franceza.
armazem la porta larga.
Paredes ParU
Receben, para cortinados para cama franceza a
113 a peen cambraia lisa fina a 3* 4* al Id* a
peca, eorttt de urlalaaadebonitoe e i*, cmara la cora flor de seda, romos inteira-
mente novos a 100 e 500 rs. o eovado.no armazem
da porta larga n. ,r2, roa da Imperatrir judio a na-
dara fran<:eza.
Paredes Porto
Receben pelo ultimo paqnete um sortimento de
cruzes eoni pedras para o pescoco, bonitos caxinels
de lia para pescoco de seBhora. Ra da Imperatriz
n. 52, armazem da porta larga.
Paredes Porto
Vende cortes de gorgorito preto para vestido cem
21 covados cada um 381000, grosdenaple preto a
1*600, !#I00 e 2* o covado, lias lizas finas a 400
rs. o covado, laas de quadrinbo para vestido, enfes-
uda, a 320 rs. o covado. Roa da Imperatriz n. 82,
armazem c a porta larga.
Roupa feita
Ruada JiBoeratriz a. 52 armazem da porta lar-
ga juntfta pajarla franceza, eacontrase oeste es-
tabelecimenio um completo sortimento de paletos-
saceos e sobrecasaco, de todas as qoalidades, cal-
cas, callen, ceroulas, camisas, grvalas, meias,
chapeos d( sol, ditos francezes para cabeca, por
precos eonimodos, roapa para menino e outras
muitas aisadas per precos commodos, armazem
da porta larga.
o mesnio eUabelecimento encontrar o respei
tavel puWiiso, sempre um completo sortimento de
roupas fertis de lodas as qu-aiklades, como sejam
paletos da ajpaca preta ede cor, ditos SQbrecasa-
cos a 4* e 3*, ditos de brim pardo a 2*800, 3* e
3*500, ditos fios a 4*, ditos meias eazemira a
3*500, 4* o *, tos eazemira ssccos a 6*, 7*, 8*
e 10*. dito? sobrecasacos a 10 e 12*, ditos de pan-
no saceos a 6*, 8* e 10*, ditos sobrecasacos a 12*
e 25*, dito; de merino preto a 6*, 7* e 10*, cal-
gas de brim de diversas qoalidades a 1*800 a 4*,
ditos brancos a 2*500 e 6*00, dita aomira 5*,
6* e 7*. ditos pretos a 5*. 6*, 8* e 10*. ditos
meias eazemira a 3* e 4*, clete de diversas
qoalidades, seroulas francezas de algodo, ditas de
liDbo, ditas ie bramante a 2* e 2*500, carnizas de
algodo de linho francezas de 2*500 e 3*. Gran-
de pecbinct a neste genero, grvalas de tedas as
qoalidades o brancas para casamento, grande sor-
timento de meias para senhoras, dalas para bomeos
a 3*, superiores a 3*300 e 4*.
Um completo sortimento de chapeos de sol de
alpaca a 3*, ditos de seda a 5*, 7*, 19* e 14*,
ditos fraaoezes para cab ea, grande sortimento
a 6*.
PftcfcMcha adniii avel.
Grande sortimento de chambres a 4*600 e 3,
leDces de cambraia para bomem a 2* a duzja, di-
tos de lio no a 4* e 5*.
Grande sortimento de roupa para meninos e on-
tras multas- qoalidades que seria en/adonho men-
ciona-las.
Paredes Porto
Recebeu pelo ultimo paquete francez ricas laas
granadinas com flores de seda a 400 e 500 rs. o
covado, estao acabando-se, cambraia preta para
luto. Porta larga junto a padaria franceza, a roa
da Imperatriz o. 52.
Paredes. Porto
Receben pelo nltimo paquete espartilhos a pre-
guicoso por 39, sao bons, lencos de seda para se-
nhora e homem a I?, ricos corles de cambraia
bordados de 18$ a 75, por ter um toque de mofo,
esto se acabando, na roa da Imperatriz n. 52, jun-
to a padaria franceza.
Paredes Porto
Vende um completo sortimento de fazendas
brancas, corno sejam madar ulo a 4*500, 5*, 6* e
IOS, pecas de algndo por barato prego, cbia fran-
ceza a 240, 280, 320, 360 rs. o covado, precalias
muito finas a 360, 400 rs. o covado, chita ingleza
a 200 e 240 rs. o covado. Roa da Imperatriz n.
32, junto a padaria franceza.
Fazendas.
Vndese superior merino preto proprio para ca-
pa* do senhera e vestidos a 2*. lustrim da China
a 1*800 o covado. Ra da Imperatriz, porta larga.
Paredes Porto.
Vende em seu estabelecimento tiras e entremeios
bordados, grande sortimento de corplohos rica-
mente bordados a 3*, 4* e 3*. S6 o Paredes Por-
to, ruada Imperatriz. uo 52 porta larga junto a
padaria franceza.
Fazeudas pretas para a qaaresma, grosde-
oaple preto a 1*600.
Vende-se grosdenaple prelo muito bom a 1*600,
1*800, 2*, 2*600 e 3 o covado, moreantique pre-
to muito bom a 3* o covado, merino preto fino a
3*o covado, bombazina para vestidos de seobora
a 1*400 e 1*600 o covado, alpaca preta lina a 500,
600, 700 e 8'W rs. o covado : na ra da Imperatriz
o. 56, loja da Arara.
Panno preto hno a 20 covado.
Vende-se paooo preto fino para paletots e calcas
a 2*, 2*500, 3*, 4* e 35 o covad casemira pre-
u fina a 3fii0, 4* e 5* o corte, dita para covado
a 1*800,2*, 2*300 e 3* : na roa da imperatriz,
loja da Arara n. 56.
Chales de fil de lioho a &fi.
Vendem se lindos chales do fil de tio.no a 8* e
10*, retoorlaj de fil de Irnno a 12*, cortes de ves
tido a Mana Pa a 7*, 10* e IB* : Da roa da im-
peratriz, loja. e armazem da Arara -o.- 36. .
Meias emas para menino a 1# a duzia
Vendem-se meras croa pare Menino a 4* a du-
zia, chale d merm estampados a 2*, ditos de
laa a 1*280, ditos de algodo a 1*, colarinhos para
twmera a &,) rs. a duzia para acabar : na roa da
Imperatriz n. 56. loja da Arara.
Cortes de ganga e de brim a l #800.
Vendem-s3 curtes de caiga para homem, de Ran-
ga e brim da core a 1*600 e t|0OB cortes de
meia casemira de cor a 2*500 e 3#, cortes de ca-
semira preta para calca a 3*50J, 4* e 5* : na
roa da Imperatriz n. 31!,
CoiUs baratas a 220 o covado.
Vendera-se chitas de cores flxas a 220 e 240 o
eovado, ditas francezas finas a 280. 320, 360 e 400
rs. o cov do, cassas de core para vastadas a 320,
360 e 400 fc o covado, riscado fraocez para ves-
tido a 2i0 o covado : na ra da Impe alriz n. 56.
LaaztoJws para vestidos a 240 o covado
Venara- laazhihss para vestidos a 240, 310,
360 e 400 rs. o cdvado, ditas finas com qnadros
de sed a 3tO rs., ditas de ama s cor a 30j rs. o
covado, golinbas para seohora a 240 e 320, man-
guitos a I*. caroisinhas a 1*600 e 3*, finas a 4*:
na roa' da imperatriz, loja e armazem da Arara
n. 56.
Baloes de arces a 2*
Vendem-su balfles de todos os tamaitos o 2*
2950C, 3*, 3*500 e 4* : s na loja e armazem da
Arara, ra da Imperatriz n. 56-
Fil de Ibao- de cores a 160 o eovado
Vndese i de iiabo de Bort proprio para
bnnquedo do carnaval a 160 o covade, tapete de
cores a 500 rs. o cowdo, velbotinas de cores a 800
rs. ganga encarnada a 320 o covado, panninho sar-
gelim a 280 o covad rw ma da- lasfuratriz nu-
mero^
*f.t t
FABRICA A VAPOR
99 RA 00 MONDEGO 99
Deposito na roa Mova n. 50 loja de relojoeiro.
Delouche donos deste estabelecimento participa ao respeitavel publico que soa a
brica est montada com as memores machinas que existem ni Europa, e qne pede
fabricarcom melhor perfeiclo pessivel. Todo o chocolate desla fabrica est garantido, e
puro, o qne nSo se pode encontrar naquelle qoe vem de fra, e que se vendepor preco
baixo, visto os productos serem do paiz. Na etiqueta teta sempre urna a guia.
PRE.
Meia libra......... 400
Urna libra.......... 800
Umt proba........19*000
Na mesma fab ica acaba de se montar urna officina com serraria a vapor pana
obras e marcineiria propria para edificio, paca o qoe encarreg -se de fazer portas, ja-
dellas, assoalbos (parqu francez como se osa na Europa,) e armagoes, ludo com brevi-
nade eperfeicSo. Toma-se qoalquer encommenda para foca da cidade, entcegando-se
prompta a collar-se no lugar.

DE
< oici.iio st i iti:i i as
Rna da Cruz n. i6.
Continua a baver diariamente um sortimento de pastis, podins, bolos inglezes,
empadas etc., etc. Os donos deste estabelecimento, acbam-se as Dftelhores condic3es
da poder satisfazer encomnendas concerniles sua arle, em coaseo,y.eDCia do. socio
Fretias ter sido administrador chefe de algumas das princii aes fabricas na corte, sendo
urna a do Sr. Jo5o GoncaKes Guimat5es (confeitaria de Le5o) antiga casa de Carceller.
Todos os trabalhos s3o differerrtes dos que se fazem em casas particulares.
Os propietarios deste estabelecimento n3o se temponpado a despezas, nemse
pouparSo, se houver concorrencia como esperam ; teodo connuadmenie bom sorti-
mento de doces para cb; presuntos e ditos em fiambre, tambem se rcebem para se-
rea preparados; assim como dece de caj novo superior, secce e crystalado, dito em
calda em latas hermticamente fechadas, podendo durar annos em perfeito estado.
Para jamares e partidas recebem-se encommendas dos seguintes objectos; ban-
deljas ricamente enfeitadas sem armaclo pecas de amendoas (nogaces), ditas de tmaras
de ovos, p3es de I enfeitados com disticos anlogos a qualquerfim; ditos montados,
kechs simples e eBfeitados com fructes ingleza; gatheaox de la reine, ditos de le d-
chese, tortas de fructa, massa folhada; ditas de peixe e carne; crenies e doces de ovos
de diferentes especies.
tambem tem um completo sortimento de vinhos engarrafados, como sejam: vinho
do Porto superior, Figueira, Madeira, Lisboa, Cherez, Bordeaux, Champagne fino, ser-
e de
-pata
Jffo. 4uvuaem
PMisli^o,&mtlandaay i.
Coartas de ebitana a IStS**' *M?*^ '
Leacoes de panno de llnho a 2*200.
DitosdftdKo de lioho a 2*.
Ditos de hramante de Iiabo de um s panno
Panno de linho fino com 9 1(2 palmes de largu
ra pelo barato preco de 2*400 a vara.
Bramante de linbo fino cora 10 palmos de lar
gura 2*500 a vara.
Pecas de cambraia com salpicos brancos
cores cem 8 i2 varas a 4*500.
Peces de cambraia adamascada propria
cortinado de cama com 20 varas a 1) *.
Balees da arcos a 2*560,3*, 3*500 e 4*.
Lencos de cambraia fina a 2j}600 a duzta.
Ditos de dita a 2* a dula.
Atnoalhado de linho fino a 2*800 a vara,
Uitp de algodSo a 2* a vara.
Algodo entestado com 7 Ii2 palmos de largura
a 1*200 a vara.
Pegas de bretanha de rolo com 10 varas propria.
para a,a a 3*500.
File de linbo liso fino a 800 rs. a vara.
Dito de dito com salpicos a i* a vara.
Cambraia de linbo fina.a 4*600, 6*500 e 9* a
vara.
Cortes de laazinba de lindos gostos com, 15 co-
vado a 5*.
Pecas de madapolo finissimo pelo baratsimo
prego, de 8*. 9*. 10* ell*, .
Flanella branca fina a 600 rs. o cavado.
Dita de cores fina a 880 r. o covado.
BalSes de musselina-aara menina a 3*, 3*500
4*.
Cambraia de.forro a 3* a eca.
Dita fina a 4*500,6* e 7j a peca
Goardanapos de linho a 3*800 a duzia.
Toalbas de algodo felpudas doria a 12*.
Esleir da India propria para forro de sala de
4,5 e 6 palmos de lacgora per menos prego do
que em ontra qualquer parte.
Neste armazem tambem se- encentra om grande
sortimentode roupa fatta e por aaatda.________
Capachos ingieres.
Vendem-se na-rna do Qneimade leja da aguia
branca n. 8.
Baleias para vestidos.
Vendem-se na loja da agola branca! roa do
Quelmado n. 8.
Opiata iifleza e franceza.
Vendem-se na ra de Qneimado loja da aguia
bracea n. 8.
Papel mata-mosca.
Na ra do Queimado n. 8 loja da agola branca
eontiaoa a vender-se papel para malar mosca e
cu*ta 40 rs. cada folha.
Bonitas cestinbas para meninas.
Vendem-se na ruado Queimado loja da aguia
branca n. 8.
Agulhas para machinas.
Vepdem-se na loja da aguia branca a ra do
Queimado n. 8.
Pastilhas femantes e cheirosas.
Vendem-se na loia da agqa branca n. 8, a ra
do Queimado, sendo ellas ea calimbas de nano.
15o o do puiceana.
Bollas de ail fino para enge temados.
Vecdem-s.aa ra do Queimado ioja da aguia
branca d. 8
Bonitas caixithas
com perfumaras e < utras com necessarlos para
costura, sendo estas rom msica e sem ella : ven-
dem-se na loja da aguia branca roa do Queimado
n.8.
Colla branca para vid ros e madeins.
Na ra do Queimado loja da aguia branca n. 8,
vendem-e frat-qoiebos com colla branca para sol-
i dar vidros e porcelanas, e outros com dita para
AGUA NUNCA
Ra do tneimado n. 8.
Atoja da aguia branca acaba de receber um
novo e grande sortimento de diferentes objectos
ttVgosto e ultima moda, sendo :
Benitos enfeites para senboras gostos inteira-
mente novos.
Ditos ditos de grade com conlas grandes.
Lindas fivelas grandes para cielos com moldes
Sadveis e diversas quaiidades, madreperola,
taruga, aee e douradas.
Boas e bonitas Utas acbamalotadas para ditas.
Dites de dita de grosdenaplee lisas e lavradas
com novos e agradaveis desenhos.
Traumas pretas de seda com vidrllhos moldes
novos e de gosto.
Bicoe brancos e pretos de seda com vidrilbos e
de-aifferentes larguras e benitos desenbos.
L4iscarrilhai de seda com diversas cores e lar-
garas, formas internamente aovas a imltacao de
palo, babadinho eoutra com orna transinba no
centro o que Ibes d muita gracia.
Outras estrei-as e largas guarnecidas de bico
de seda obra de muito gosto.
Outras de cambraia de cores.
Botdes de seda, velludo e ac para enfeites de
vestidos.
trancas de seda estreitas e largas brancas e de
cotes para enfeites de vestidos.
Flores finas
CAPELLAS PABA MENINAS E NOIVaS.
A,aguia branca a roa do Qoeimado n. 8, rece-
ben, para vender :
Delicadas capellas brancas para noivas.
Ditas ditas para meninas.
Ditas ditas de caixos de flor de laranja.
Ditas ditas de rosas camellas e outras.
Ditas ditas on ramos, de trigo.
Peel_ _____________
Cfcegon a loja de Paredes Porto trm -bonito sor-
timento de vestidos de ianaiata#1a.qarps e brancas
ijue serve para partidas por ser urnVpbantasia lo-
teiramente de gosto pelo barato preco de 4* e
brancos a 4*500, estao acabando-se : no armazem
tJ per larga rna da Imperatriz n. 52, junto a pa-
daria franceza.
Cortinados,
Cbegoa a loja de Paredes Porto um completo
sortimento de cortinados ricamente bordados a
preco de 25*, 35* e 45* : na roa da Imperatriz
o. 52, porta larga jonto a padaria franceza.
Kicas
romeras.
Paredes Porto recebeu pele ultimo paquete uia
sortimento de romeira de goipore pretas e de Ma
a preco commodo : na roa da Imperaariz u. i,
porta larga junto a padaria franirzn.
6Vat de pee hincha.
Cortes de la etcoceza entestada para vestido
fazenda.de 500 rs., eli se venden do a 280 e 300
rs. o covado : na rna da Imperatriz n. 52: loja da
porta larga.
Cortes de laa escocesa para vestido a :
te: na rna aa Imperatriz n. 52. loja da porta lar-
ga, junto a padaria franceza, eslo se acabando.
Chales de renda
Paredes Porto, na roa da Imperatriz d. 52, porta
larga, vende chales de renda de cores com peque-
veja, licores, champes e con sertas. Para restas: bonitas caixinhas com amendoas, con-! obras de madeira, costa 500 rs. cada ana deifes, e
e mais enfeites. Mnilcs destt
condicionar tanto pjOLajiaYJficja, como para fra.
fetos e mais enfeites. Mnilcs destes objectos mencionados podem-se perfeitamente ac-| por essa comoioddda depreco convm (
PIANOS
25 RA NOVA N. 25
;;.
Este estabelecimeolo acaba de receber um rico sortimento de pianos forles ex-
presamente fabricados para o clima desle paiz," dos mais afamdos fabricantes da Euro-
pa, por isso o proprietario convida ao respeitavel publico para virem apreciar as qua-
iidades dos referidos pianos.
Continua-se sempre com esmero e promplido fazer-se qualquer reparo nos ditos
instrumentos. Afinam-se os pianos debaixo do melhor systhema ltimamente adoptado
na Europa.
Fazendas, pbantasia para vestidos chegados de Pars pelo ultimo vapor.
Lindos robes de organdys cesarianas fazenda transparente de inleiro gosto.
Ditos de percalia campestre padrdes muito ricos.
Riqtiissrm* grtnsdrne de wda o que tem vindo de melhor gosto nesteHiercado.
Lindos cortes de saltan pekin para vestido fazenda inteiramente nova.
Ditos de gaze setim em peca fazenda transparente e de gosto muito modernos.
Lindos chales de gnnadim broch, prneira vez aqui apparecidos.
Ricos bournus de crep guarnecidas de tranca muito proprios para passeios.
Riquissimas Qvelas para sinto, de metal, de crystal com ac e cm pedras finas, i
que ha de mais novo.
E outras mnitas fazendas de loteiro gosto.
Rna do Crespo n. 13.
Loja das colnmuas de Antonio Crrela de Vasconeellos
&. Cooapaohla.
para estar prevenido.
Papel greve pautado com 33 linhas.
A aguia branca acaba de receber novo sorti-
raento de papel greve liso e pautado com 33 linhas
assim como de peso tambero liso e pautado, dito
pequeo em rainoha= sendo liso, pautado, beira
dourada e sem o ser. Tambem receben grande
sortimento de envelopes, e todo se vende por pre-
jeosTommodos : na ra do Qoeimado loja da aguia
branca n. 8.
Papel paquete branco pautado.
Vende-se na roa do Queimado n. 8, loja da aguia
branca.
Artificiaes.
Ramo de trigo com diversa cores mni proprios
para enfeites de gorros e chapeos de senboras e
meninas, acbam-se a venda na roa do Queimado
loja da aguia branca n. 8.
Bao ha a e extra eoa fios
A agnia branca receben ora excelleale sorti-
mento de perfumaras finas, sendo bonitos frascos
de cores com extractos finos o de agradaveis ebei-
res ; assim como bellos vasos de porcelana doura-
da c m nacha de superior qualidade, tendo nestes
alguns com inscrlpcjjes apropriadas para presen
te, etc., etc. : quera se dirigir a rna do Qoeimado
n. 8, loja da asoia branca, achara a certeza disso,
e boa disposiro para vender a dinheiro por pro-
cos com modos.
AS PROVEITOSAS AGUAS
balsmica, denliGcia e ambreada, acham-e ven-
da na ra do Queimado, loja d'agola branca nu-
mero 8. '""
graxa

DE
J. VIGNES.
X. 55. RA DO IMPERADOR X. 55.
Os pianos desla antiga fabrici sao hoje asss conbecidos para que seja- necessario insistir sobre
ana snperioridade, vantugens e garaatias qne offereeem aos compradores, qoalidades estas incontesta-
reis que elles tem deriDitivameai<] conquistado sobre todos os que tem apparecido nesta praca ; pos-
raindo uro teclado e machinismo qne obedecem todas as vontades e caprichos das pianistas, sem
nanea fatnar, por serem fabricados de proposito, e ter-se feilo ltimamente melhoramentos imaorlan-
Ussimos para o clima deste paiz ; quanto s vozes, sao melodiosas e flautadas, e por isso muito agrada-
reis aos onvidos dos apreciadora.
Fazem-se conforme as eocoBimendaj, tanto neata fabrica como na do Sr. Blondel, de Par, socio
correspondente de J. Vignes, em cuja capital foram sempre premiados em todas as eiposigSes.
Ko mesmo estabelecimento s; achara sempre um expleodldo e variado sortimento de msicas dos
mentores antores da Europa, aswm como harmnicos e pianos harmnicos, sendo tado vendido por
, f nreoos commodos e razn veis.
CHsLfiS ;
Grande pechlncha.
No roa da Imperatriz n. 32 porta larga de Pare-
de Porto, vende-se chale de netin estampados a
2 e 4o00 e fiaos o&, eslo se a<:abando.
Bordados.
Chegoa a loja de Paredes Porto, rna da Impera-
triz n. 52, um sor'aeato da cam rinhas, gollinbas,
corpiobos, rouieiras e pintos, de cambraia branca,
pelo barato preco de 5*500, $(099 e 4f, goltinbas
500 ., roroeiras a 800 e sinto a 800 rs, grande
oaatldade de entremeios a 600 o 800 rs. a peca,
tstao se acabando.
fiavidade.
Cheiaram os bonitos chales e reiondas de guipa-
re brancos, e vendem-se na roa da imperatriz n.
2, lojaja port* larga, de Pared. PwM.
Luvas de JoiirET
a loja de miudaaaa na rna do Queima-
do n. 16, xesebea-as por esta nltimo vapor,
-* Brea em barricas pequeas.
Cara ffi vetas de todos es tamadhes.
RoRla*. 4w
Mereurio.
Na roa do v ajano n. I, prkieiroid.
~2**i rna do' Imperador n. *J tem laperiores
Uatas bambargoezas pift^mar-^mfo *
retala-l, e tambem aloma-a ? ** P^ ^^f'
viajado, ignal ao de Lisboa, e para gosto de al-
gttci, melhor, por nao ferlr, etc.'
Camhraias.
Parede ferto vende cmbralas lisas Unas, gran-
de sortiraento, a 3 al ditas Victoria mnito
fina, com 10 varas a 6, 6*500 e 7* : aa roa de
Imperatriz n. 52, junto a padaria fancaza.
Caepera aes corpiahos de cambraia.
Vendem-se corpinnee de cambraia cem entre-
meios a i e 5, estao se acabando : na loja de
Patedes Porto, roa da Imderairiz n. 5S, noria lar-
ga jon.o a padaria franceza.
avaHado.
Francez barrica 5#000
Portland dem 8*500
Km perfeito estado:
Francez barrica 10*000
Portiand dem 12*000
No armazem de Tasso Irmaos caes doJApollo.
A s verdadeiras brides e
picadeiras de fpojttea
Vendem Azevedo & Irmo, a ra do Qoeimado.
Vende-se urna earroc.a com boi "oan novilho
muito proprio para criar : em Santo Amare' con-
fronte ao colora, taberna; a tratar com Artoalo
do'Refo aWeiros.
Latas e barrlszlatlioa aona
eeooonaileo.
Vendem-se por pregas razoaveis; na roa do
| Queimado loja de miudezas n. 16.
Agua de iioilde para fazer os ca-
bellos pretos.
Na loja de miudezas a ra do Queimado n. 16,
vendem se caiiinhas com essa excellente prepara-
caoAgua de Hoildepara fazer os cabellos pre-
tos, quera della precisar pode dirigir-se a dita loja:
na roa do Qoeimado o. 16.
Paslilhas odorficas para perfumar sa-
las, gabinetes, etc.. etc.
Na loja de miudezas a ra do Queimado n. 16,
vendem se caixinhas com essa odorficas pastilhas
fumantes.
Papel de peso e almaco, liso e paulado.
A loja de miudezas a ra* do Qoeimado n. 16,
acha-se bem provida de papel de diversas qoali-
dades, sendo almaco greve liso e pautado, com 33
linhas, dito de peso tambem liso e paulado, dito
pequeo em caixinhas igualmente liso e pautado,
com beira dourada e sem o ser, assim como enve-
lops grandes e pequeos, os pretendentes dirijam-
se a dita loja na rna do Queimado n. 16, qne serio
bem servidos.
Mesmo epois a fesla gusta-se pe fu-
maria Una
A antiga loja de mrodezas a ra do Queimado n.
16, acabe de receber um bello seflimente de per-
fumaras fines, sendo banba fina, em diversos e de-
licados va>os de porcelana dourados com significa-
tivas inscripcoes e sem ellas; assim com-j bonitos
Irascos de phantasia com excellentes extractos de
finos e escolbidos ebeiros, e bem como aserio?
agua da Cetonia em ^arralas e fraseos de diversos
tamaohos, dita dantirees, balsmica e de flor de
laranja, cosmetiques finos e banbas em frascos de
differenies moldes. Vndese todo per procos cem-
modos a vista da snperioridade das qoalidades :
na roa do Qoeimado, loa de mmdeat n. 16.
ikvrios objectos. ____
Vendem-se aloja de mlndezas
a rna do <|nelmado n. 16.
Bonitos leques de sndalo e ootras qualidade?.
Bonitos cintos coa flvellas de diversa qoalida-
des e ovoides.
Brincos e cruzes de crystal.
Abotoaduras de dito para coletes.
Bonitos porl-relogio?.
Delicadas calas com monea e sera elle, para
coswrak ^,jj
Agulnas e liabas para chrocbe.t.
Retroz superior em carrileis.
Rendas pretas e bicos com vidrilbos.
fitas de velludo com listras de cores para en-. m>tMH$l> Vigario_n. 10,1" andar, vinbo
feites de gorros e venidos.
Dius de grosdesapoies. Usas o lavradas, brancas
ematisadas.
m.

No arraateo da roe do Imperador a. 3 oa ne
Caes de Pedro U a. 1, tea para veoder-se 6 me-
bor gaz existente no mercado.
Papel de sobrecellente para os
phosphorus hygienieos ou de
sequrama.
A vista do grande lamaBho das caixinhas dos
phospboros hygienieos ou de .-egwaoca, tornava-se
poucu o papel que vem em ditas caixinhas, e para
remediar essa falta a agnia branca mandou vir e
acaba de receber esse especial papel, c qoal se
dar de sobrecellente a quem comprar de taes
pbosphoros e se vender indistinctamente a quem
delle precisar. O pncode cada caixinba de pbos-
pboro coqtinua a ser 160 rs., e vendem-se na ra
do Queimado b. 6, loja da agnia branca.
Seda 1roncha vara bordar.
Vende-se na ra do Queimado loja da aguia
branca n. 8.
Obras de crystal.
Brincos de diversos moldes.
Ootros tambero de crystal de cores.
Outros de aljofares brancos e oulras cores.
Adereces de crystal obra de gosto.
Rosetas de dito e cruzes.
Betoes de dito, brancos e de cores para cllete.
Dito de dito tambem brancos e de cores para
pnnhos.
Volias de dito e ootras qualidade"?.
Leques de diversas quolidades
Vendem-se na rna do Queimado n. 8, loja da
agnia branca.
Aspas fortes para baldo
Vendem-se na rna do Queimado loja da aguia
branca n. 8.
Cromacome para tingir ca
bellos.
A-agola branca avisa aos constantes fregoezes
dessa excellente tintura, que ella acaba de rece-
ber urna nova remessa de cromacome, coloricome
esabao branco, necessario para lavar os cabellos,
perianto podem dirigir-se a dita loja na roa do
Qoeimado n. 8.
A bridares de luvas.
Vendem-se na ra do Lueimado loja da aguia
branca n. 8.
Port Biloquis
de bonitos moldes, dourados e eabo de madrepero-
la : acham-se a vetada na roa do Qoeimado loja
da aguia branca n. 8.
Bonitas touquinlias
de fil de linbo, cambraia e setim todas moi bem
enfeitadas: vendem-se na ra do Queimado n. 8,
loja da agola branca.
Carreteis com retroz.
Na ru no Queimado n.8, loja da agola branca
Diversos ramos ***% para pe.to de o toque de mofo, a 3*500 a 4*. fazenda de W*
vestidos, enfeites de chapeos etc., etc. e 1Z*UW-
treparos para flores. LV
Na roa do Queimado n, 8, loja da aguia bran-
ca vende-se :
Papel de cores para rosas.
Dito verde para folhas.
Dito dito e pardo para cobrir os talos, das dita?.
Musgo em rama.
Polbas para rosas.
Agulhas e linhas para crochet.
Vendem-se na rna do Queimado n. 8 loja da
aguja branca, assim como agnlbas para tranaihar-
se em lia.
Para roupas de escravojs.
Paredes Porto tem para vender chita azol e ns-
cade proprio para o fim cima a 120 rs. o covado,
orna grande pecbincbafje esta' se acabando : na
roa da Imperatriz n. 52 porta larga, junto a pada-
ria franceza.
Grande pechiucha.
Paredes Porto esta' veadendo riscado franceza
200 rs. o covado : na ra da Imperatriz n. 52 ar-
mazem da porta larga jonto a padaria franceza.
Para luto.
Laas pretas com salpless brancos a ICO e 500
rs. o covado : na roa da Imperatriz n. 52 jjnt a
padaria franceza armazem da pona larga.
10400
Chapeos de *ol.
Vendem se chapeos da sol,de panno a t*00e
uma grande pechincba s para acabar : na ra da
Imperatriz n. 52 armazem da pona larga de Pare-
des Porto.
1^500.
Vendem-se pegas de tranca preta para enteitos
de vestidos, soutf mbarque?, capas de sen hora a
1*600 com 10 varas, nma grande pechincba : as
ra va iuimcimuuu. o jumi
l'Ju.lu f~.-.A/l.
PARA A QUARGSMA
PECHINCHA ADMIRAVEL.
Grosdenaple preto a l>600
Vende-se superior grosdenaple preto, fazenda
muito encorpada, pelo baratissimo preco de ti600
o cavado, sendo fazenda que val mnito mais di-
nheiro : na loja e armazem de Pavo na ra da
Imperatriz n. 60, de Gama & Silva.
MANTAS PARA 0 PESCOQO
a I*, s o Pavao.
Vendem-se bonitas mantas para o pescoco, pelo
barato preco de i* : na loja do Pavo na ra da
Imperatriz n. 0 de Gama & Silva.
Grande armazem de tin-j
tas medicamentos etc.
Ra do Imperador n, 22.
1 Jo5o Pedro das If eves (ge-j
rente) ten a renda o
seguiste t
I f*rodactos chimicos e pbarma-
l ceticos os nuis empregados em
s tncfldaa.
Tintas para todo o genero de pin-
tora fr para tinturaria.
? Productos industrian e tinta
'para llores, como botaos de floree
e modelos em gesso tara imitar
finetas e pwsaroeeem o compe-
tente desenho.
Proloctos chimicos e industriaos'1
para ptaotogranhia, tinturara, pi- i
tura, pyrotecnia etc.
Montado em granee eseala e sup-
iprido directamente de Pars, Lon-
dres, Hamburgo, Anvers e Lisboa
pode offerecer productos de plena
confianca e satisfazer qualquer en-
commenda a grosso trato e a reta*
lho e por pre^o commodo.
-se
engasado de differentos quaiidades
e-aeoretas:
Vlntlo da flgueira em barris.
Cera em las.
Carvieaewnal
Alfazwna de Lisboa.
Cal de Lisboa. .......
Pregos oara esiatjne e
de Perwi
em barris
Novidades do Pavo.
OU PECHINCHA ADMIRAVEL.
Esrossezas a 3A20O
Cegsram os mais lindo? coi tes de escossezas,
proprios para vestidos, sendo fazenda inteiramente
nova no mercado; e vende se a 3*2C6 o corte ou
260 rs. o covado oa loja. e armazem do Pavao, ra
da Imperatriz, n. 60, de Gama t Si.va|
Cassas francezas a 340 rs. cenado.
Vendem-se bonitas cassas francezas de cores fr-
as pelo baratsimo preco de 240 o covado.
Ditas a 280, 320 e 360.
S na loja do Pavo, rna da Imperatriz o. 60, de
Gama & Silva.
Chitas avat iadas.
Vendem-se finissimas chitas francezas, com pe-
queo toque de avaria, pelo baratissimo preco de
280 o covado.
grande pechincba.
Assim como dius inglezas roxas e clara?, sem
mofo nem avaria, pelo baralissimo preco de 160 o
covado ; assim como, ditas muito boas a .200 e 240
o covado, isto na loja e armazem do Pavao, ra da
Imperatriz n. 60, de Gama & Silva.
Chapeos para meninas.
NA LOJA 00 PAVAO.
Vendem-se os mais delicados e bem enfeilados
chpeos de paiha de Italia, para meninas : pe-
cbincha, na loja e armazem do Pavo, roa da im-
peratriz ,n. 60.
Grosdenaple preto a 1$600.
E' grande pecbincha!!
Vende-se grosdenaple preto, sendo muito enerr-
pado e de boa largora, pelo baratissimo preco de
1*600 o covado : na roa da Imperatriz n. 60.
Riscados a 1*0 rs.
Vende se riscadinbo escuro proprio para vesti-
dos ou roupas para homem, pelo baratissimo pre-
co de 120 rs. o covado : s na ra da Imperatriz
n.60.
Escravos fgidos
Fugio no dia terca-feira 30 de Janeiro prximo
Sudo, a preta crioola de nome Marciana, de Idade
36 annos, pouco mais oa menos, sendo de cor fu-
la, altura regular, levou vestido de cbia escura :
quera a apprebender, conduzindo-a a casa do abat-
xo assignado, na ra da Imperatriz n. 30, ser
gratificado.
Francisco Angosto de Araujo.
Do baizo assignado, honlem, 12 do andante
mez, fugio o seu escravo de nome Ildefonso, mula-
to, 18 annos de idade, eUtura taixa, cambaio, isto
, tem as pernas tortas, nma coroa de cor azul 60-
bre um dos bracos, e sobre tudo e bem conheciee
por ser fareola, amigo de jogap pilberias : quem o
pegar ou delle soober, pode dirigir m 4 esquina do
beceo do Espiobeiro, estrada dos Afflictos, ou na
rna Imperial n. 19., fabriea do cortoojl, que 'era
bem recompensado.
Thom Feroandes Madeira de Castro Fiiho.
(iratificacao de 100$
Ausentou-se da casa .desea senhor o preto criou-
lo de nome Marcelino, de idade de 25 annos, sol-
teiro, levou vestido camisa de chita de cor e calta
de Drim pardo etoda saa roopa dentro de om sac-
co de estopa, desconfla-se ter seguido para Naza
reth d'onde fllbo, elwi comprado a l). Eme re n-
clana Mara da Piedade do eagenbo Junco por sea
procurador Joao Francisco Cabra!, lem os signaes
>eanlntes: alto e reforcado do corpo, barba pouca,
denles alvos.com faltado um dente : quem o pe-
gar leve-o ao atangoinbd a Joao Antonio Carpis-
teiro da Silva.
Mu oa 6 o correnia despparecea ama es>
erwa por nome Maria, secea do corpo, altura re-
galar, bem preta, levou roupa azol, muito euuhe-
cida, o seu officlo era fazer doce, foi escrava do
fallecido Barbalho, tero ornas glndulas sobre o
pescogo, por isso se toma bem conbecida, costme
[andar cose om leoce amarrado debaixo do queiio
para encobrir, se acba, acontada para as bandas de
Beberibe, em casa de ama preta da mesma naci,
forra : rogase as autoridades e capitaes de campe
qoe a pegar, leva-la ao arala! das Cinco Pona* au
43, qae sero recompensados, protestando contra
quem a tiver acoitadai
Vende-se em barrica oa a rattlbo: a
aimak A*trvirdo frnrlo.
Qoeimado, Attr*-o 5-
Na da terca-feira, 6 de feveretro corrente, fugio
da caea do baiie-easlgaado, morador no engnfto
Beato Veibo, en *alo Aoleo, a sua escrava crioo-
la, de 16 annos de idade, de nome fouciana, oloo*
grandes e salientes, nariz chalo, bocea grande e
bfeos grossos, e denles bem alvos, assim como
besa nipi dffp e mioe, e o ene erenfc mais al-
inele o sen otear espantado r foi condolida per
amito rere aueej dtese e^NaW-se Hwia.e
qearex ir para o EeflUe, onde dina ler prenles e
ter torra, e ootras mentiras desu ordem. Sahto
con om vestido de chita branca com lavores en-
carnadas, camisa eal* nova de madapolo : ce-
ta-ea. lipis, a autoridades do Recite e seos sobar-
Mes se trvam de captorar a dita eferava, e leva-
te ao Sr. Herculaoo Olegario Ribeir OtUto, tas
tSSfffi de^rZI^rX'alo^JkJH
ew, qne era devwamente giaitMHO far .tajafanan
Ceurlo de Som e M.

-
.

J


t

aaaaaaaaal
-, *. .
>.


Dlarlto efe Pernabif* QnlsUa frtr 1 < rererHret ele 1966
LITTERATRA
HOM
O asnino adora va sea pti na pessot d| en-
tre j e.Mrt eternittf o seo retos fcecbaenlo, dea
mtis Urde 0 aome de Phemlo i ora cantor divino
em MD3 poemas.
IV
(arroaso dblmubtinb-) Pboalj morrea, delxtodo por Iwtnga ao meul-
Hl no a ana mdica fortoot e a raa iscolt. Critheis,
Savia na cidade de Magnesia, colunia grega da privado do apoio que encontrara na ternura desle
Asia-Menor, separada de Smyrna por nraa cadea no(nein BOspaleiro que Ihe abrir o proprlo cora-
de ruonlaotus, um hornera originario da Tliesalia, ^ c^moo se a poolo d, morrer> e segulo o
chimado Mlanopo. Era pobre, cora) o sao geral- ve|aj tamba.
cuente os homens errantes, que se excitan do pro- ____
prio pti!, onde os nao detera casa, era carapos H*imro flcoo s. apenas adolescente oesta casi,
paternos Transprtense de Magnesia para ou.ra ** ""> receb'* lado, e tudo perder.. A sa-
ciad nova, e pouco distante, charaala Cyrae. M- ^a P^e 5 anos 5 a ar I
, w, i. ,tt, ii "* escola de Pbemio, e aogmeotou-lbe era breve a
lanopo ah casou-se cora ama rapariga grega uo __
rama, como Phemius ao raorrer vaticinara.
! o i* lente de arttiharia Tibarclo Ferrelra de loa-
, ti, que coro dous ctabdes obazes tez um fego te
pobre como elle, dina de um seu compatriota, cha
mido Omyrelbes. D'ella leve urna fllha nica, O futuro cantor da Ytiada e Odytsea ensinando
ijuil deu o nome de Critheis. Perdeu logo a mu- msica tos meninos, quasi menino tamben, fallto-
lber;osentiudo a morie prxima legou i fllha, do e cantando em urna llogua inspirada pelos
aioia cretoea, a um seu amigo, natural d'Argo?, deuses parecen aos habitantes de Smyrna um ora-
e chamado Cleauax. cu' loe verificara o prodigio do sea nascimento
A (ormusura de Crilheis infelicitou a orphao- d>vioo perto do rio Meles.
zioha, e honrou a Grecia e o mundo. Parece ter' O homens maduros, as mies de familia, os pro-
si Jo o mais maravilhoso dos homens predestinado PriS vetoos ara admirar-se e enternecerse com
a nao conbecer pai, como se a Providencia quizera suas ligoes.
envolver em mystenos o sen nascimento, adra de' mocadores de trigo, e lary, e os estrangeiros
augmeatar-lhe o prestigio do berco. Critheis ins-. 1uetn
pirou amor a um descoobecido, e deixou-se sur
todas
o rommercio ou a curiosidade attrahla de
as iilias da Grecia ou de tonas as cidades
prehender, ou sedoilr. Sendo essa falta percebida ; martimas da Jonia, era sens navios, na baha fre-
pela familia de Cleauax, temen deshonrar-se cora quemada do Smyrna, uviam fallar deste pheno-
presenca de um fllho i ilegitimo em seu lar. (fecal-!raeno- DePtis de arrogados os seas navios, Dio
tarara a fraquea de Critheis, e a eovuram para P*rtlam sera ouvir primeramente as suas II-
outra colonia grega, que ento povoava-se no fon-1 oes ass'ra tevav*m para os respectivos paites, t
do do golfo d'Uerrao e deoomloava-se Smyrna.
Critheis, levando no seio aqaelle que cobria i
sua face de vergonha, e que devla no futuro co-
brir o seu nome de celebrldade, receben azilo em
S ayrna era casa de ura prente de Cleanax, as-
cido na Beocia e transplauudo a nova colonia
grega : chamava-se ismeoias. Ignoramos, se este
iioraera conheciaoa igaoravt o estado de Cretheis,
que passava sera duvida por viuva ou casada em
Cyrae.
Fosse como fosse, tendo a orphanzinba um da
acjmpannado as mulberes, e dentella de Smyrna
as margens do pequeao rio Mles, onde em pleno
campo celebravara-se festas em honra dos deuses,
foi surprehendida pelas dores de parto. Seu filho
vdio ao mundo no mel de urna procisso feita
para gloria das divindados, cujo caito devia esse
menino expariir no canto dos hymnos, sob ora pa-
lauo, sobre a herva, e a borda de ora regato. As
companheiras de Crilheis, a transportaram cora o
menino mi, era seas bracos pira Smyrna, para a
casa de Ismeoias. D'este da em diante o obscuro
regalo, serpenleia entre os cyprestes e os juncos
nos suburdios de Smyrna, tomoa um aome, que
iguala aos ros *- imu,
para esciar eco-Ios, at a le va aoode fui deitado, ao
cabir do seto materno. As tradiegoas reze e os
amigos escreverara, que Orpheo, o primeiro poeta
trego que em verso cantn hyraoos tos immor-
taes, foi despedazado pelas mulheres do monte
Rhodope, irritadas por elle ensinar a existencia de
deuses ruAlores do que es seus; que t sua eabeca
soparada do corpo, toi por ellas laucada no Hebro,
rio, cuja embocadura Oca a inais de cem legoas de
Smyrna ; que o rio arrastou esta cabera anda har-
oiouiosa at o mar; que as vagas a levaram al
a embocadura do Mles; que essa cabera eocalbou
sobre a herva, perto do prado, onde Critheis den
a luz seu filho, como para vir por si mesraa trans
mitur alma e iospiraco a Homero. Os roxines-
juuto ao seu tmulo (acrescentam ellesj, caot
mais melodiosamente do que algores.
Ou fosse Ismenias muilo pobre, e nao podesse
raanler a mi e o ttlho -, ou tivesse o nascimento
deste filho sera pai lancado sombras sobre a repu-
tago dd Critheis, elle a despedio do seu lar. Pro-
curou para ella, e para o fllho ura asylo e protec-
tor de porta em porta.
liavia nesle lempo em Smyrna ara homem poo-
co rico lambem, mas bom e inspirado pelo coracio,
tal como o sao qaasi serapre os homens desligados
das. cousas periveis pelo estudo das coasas eter-
nas- Cbamava se Pheraia, e tinha ama escola de
canto. Cbaioavam canto ento a luda que falla a
ludo quu exprime, a tude que pinla a Ima-
ginado, ao coraeso, aos sentidos, a lado
que canta era nos, a grammalica, a lettora, a es
criptura, as letras, a eloquencia, os versos, a rau-
sict; porque o que os antigos entendiam por mu-
sica applicava-se tanto a alma como ao onvido. Os
versos caotavam-se, enao se reciiavam.Esta msica
nao era mais do que a arle de conformar o verso
ao acento e o acento ao verso. Eis porque cha-
rnava-se a escola de Phemius escola de msica :
msica da alma e do ouvido, que apoderava-se
completamente do bomem.
Pbemia tinba, por nico salario dos cuidados
que tomava d'esta mocidade, retribuicao, nao em
diabeiro, mas em especie, que os pas Ihe davam
em paga da edocacao de seus flihos. As monta-
nhas, que moldaram o golpho d'IIermo, uo fundo do
qaal ergoe-se Smyrna, eram entao, como anda o
sao boje, am patz pastoril e rico de rebanhos, e as
mulberes flavam lias para fazer tapetes, industria
hereditaria da lonia. Cadt menino, vindo a esco-
la dePhemio, irazia um velo inteiro ou um panht-
do de velo das ovelbas de ieu pai. Phemio mao-
dava halos por suas criadas, tiogit-os, o os per-
mutara depois, promptos para qoalqoer mlster,
com objectos necessarios vidt do bomem. Cri-
theis, que ouvira fallar da bondade deste mestre
de escola para com os creancas, porque certamen-
te premeditava conflar-lhe o filho, quando estivos-
se em idade coaveniente, o condazio pela mi ao
limiar de Phemio. Comovea-se este da belleza e
lagrimas da rapariga, da Idtde e do abandono do
menino ; receben Crilheis em sua casa como cria-
da peruitiio-lhii conservar consigo, e crear o
fllho ; empregon a joven Magoesiana em fiar as
lias que recebia por preco de suas liegoes; achou
Critheis to modesta, laboriosa e hbil quanto era
formos! i afelcooa-se ao menino, coja precoce la-
telligeuc a presagia va certa gloria i casa, tonde os
deuses o haviam couduzido ; propoz Critheis es-
poza-la, i) assim dar pti t sea filho. A hospital!-
dade e o amor de Phemio, e o interesse do menino
conjunta nenie moveram a rapa'iga ; esta tornou
se esposa do mestre de escola e dona da casa, cajo
limiar alguos taos totes btvit trtaspoeto como
sappiictiote.
Phemio afeicoou-se cada vez mais to pequeo
Meleslgino.
liste nome, que dtvtm familiarmente t Homero,
quer dizer fko de Meles, em memoria das ribas do
regato, aoode nascera.
Sea pai adoptivo amava-o por causa de sua mi
e tambem por causa delle. Preceptor, e tambera
pal deste menino, prodigtllttm-lhe o crtelo, e
todos os segredos dt sua arte.
Homero, coja tima ezpandia-se s ligdes de Pne
mi por sua ternura, e a quera a aatareza dotara
de ama iuteiligeocia, que compreheadU, e de orna
memoria, que reproduzia todo, resompenstvt os
cuidados do velho, e satisfara o orgalho de Cri-
theis.
Em breve o coasidertrtm como capaz, nao obs-
tante a toara mocidade, de ensinar na escola, e de
suecader a Pbemo.
Os deaies' igaottmeoie deslitavtm-lbe meaos
ventura, e mtior gloria : ensino do atoado, e coo-
qaist de immorredora gloria.
forma do joven mestre de escola.
V
Um desles ostrangeiros chamava-se Mentes; era
dono e piloto do nn-o.
Vioha procurar trigo de Lydia, para transpor-
tado a Leucade, na montanbosa ilba de Lesbos.
Mais amante dos cantos divinos do que os outros
navegantes da Labia, nao buscava smente fortuna,
mas lambem sabedorla e sciencia, as trras que
visitavt.
Fascinado pelo engenho e superioridade de Ho-
mero sobre os demais homens que elle ouvira as
escolas ou nos templos da Grecia e da Jonia, ira-
vou amisade com o joven Melesigeno; descre-
vla-lhe as trras, ts libas, os mares, os coitos, as
cidades, os pon os das diversas pracas, onde o le-
va va o coramercio de graos convenceu-o que o
livro vivo e infinito da ottarezt era a verdadeira
escola de toda a verdade, de toda a poesia, e de
toda a sabedoria; inflamou o espirito do mancebo
com o desejo de ler com os seas proprios olhos
oeste livro dos deuses.
Homero a quem faltavam as imagens e cores
para tornar seasiveis as inesgotaveis coocepedes
uu sou uspiww, ICHUUV.IUU gcuciu3diueuie a ijuu
na e fama domestica, qoe Ibe surriara na patria,
para ir enriquecer a sua fmagiutcao, nutrir a sua
alma, e recolber impressdes e imagens por toda a
trra.
Fechou a escola, vendeu a casa e lias de Phemio
e lomando por morada o navio de Mentes, pa-
gou-lhe por multos aanos o preco deste lar
errante.
VI
Homero era eompanhia do sen amigo e pilo-
to Mentes, navegou assim durante desconbeeido
espaco de lempo.
Viajante, mercador, marinheiro e cantor alterna-
tiva, ou simultneamente, visitn o Egypto, fonte
entio de toda a luz e patria original de todos os
denses do paganismo, a Espanha, a Italia as mar-
gens do mar Adritico, as prais do Peloponneso, as
ilhts, os escothos, os continentes; conversando
eom todos os povos, recebendo Iic5es de todos os
sabios, e recoiheodo era notas perdidas depois, as
discripc5es, as lembraocas, as historias, os symbo
los, eom que construio mais tarde os sens poe-
mas.
Voltava pobre de fortuna, porm rico de em-
pressoes, para repouzar emQra na patria, e tbi
reconstruir umt existencia mercenaria, quando
urna doeoca de oihos, que elle havia fatigado com
o sol, contemplacSes e estudos, o deteve na ilha de
Haca, aonde Mentes aportara em razo do seo
trauco.
Meotes, obrigado a levar o carregameoto do sea
navio i Lesbos, confion Homero doente t am habi-
tante de Inca, rico, compassivo, e amigo dos poe-
tas, chamado Mentor, fllho de Alcino. Mentor
prodig&lison ao poeta divino todos os alivios da
medecina, o todas as ternuras da bospitalidade.
Homero qae paga va com glorias as dividas do
seu coracio, bem celo immortalisou Mentor e Al-
cino, fatendo de am o orculo de toda a sabedoria,
do outro o modelo dt felicidtde do homem ctmpo-
oez, e retirado da vida agittdt, na cuitara dos jar-
din?. Fez de Haca t scena do sea poema a
Odyssea; ah encontrou ts iradicoes do sea hroe
Ulisses, as gravou na memoria, e fez desta pequea
ilba ama grande memoria.
O descanso as trras de Alcino, os cuidados de
Mentor, os blsamos dos mdicos de Itaca, oome
dado a esses horneas divinos, qne curavtm ts bri-
das dos montes, resiituiram-lbe a vida e t
sade.
Meotes, fiel a sua promesst, atrtvessoa o mar
Kgeo para vir recebe-I o em Itaca.
Homero aavegoa anda por amitos toaos com
elle.
Ferido segunda vez pelt cegaeira no porto de
Colophoois, ah foi deixado por Mentes, para cu-
rarse como havlt fictdo em Itaca.
Mis oem t estada em trra, oem a arle do me-
dico podertm prevalecer contra a voatade dos
deuses: cegou, e o qoadro da natoreza, qae elle
Unto bavia contemplado a pago u-se completamente
tos seos olbos.
Este quadro mais colorido, mais vivo, e mais
aprimorado flcou em sua imagiuacao. O qoe elle
ji nao va frt de si, tornou t ver interiormente : a
memoria restituio-lbe lodo.
. A siodost recordtco dessa las do dit, ;dessa
face dos mires e das terne, e dos horneas, qae
deixtvt de ver, dea oerto carcter mais penetrante
e melanclico t esta reminiscencia do mundo
deeapparecido. Coocentron em si t visto, e pintn
melhor aqoille qae elle affligit-se de nao ver
ais.
(Traduzido por T. de A. A. Jnior.)
tivisslrao sobre o lairalgo.
as copias aanexadts te Ida,' alada relttivt-
mete ts praets do exerclto :
Odkio do chefe Barroso, datado de 13 de maio
olSU.
< As torcas irgeotinas avanciram com graode
bravura, indo-as Imitando parte do nosso batalbio
9*detarantaria.
Otario do mesrao chefe Barroso.
c ... 23 de maio... coadjuvou oesti luta parle
do nosso batilhao 9* com rauia valenta, imitando
aos bravos dos batalhdes argentinos que primeiro
desembarcaran!... ordeoei desembircassem as
duas companhias do 1 de fuzileiros eom parte do
6*, que todavia falla va, e segulram is8 horas di
noile ptrt Ierra, iodo com esta forca o coronel
Broce, qae como commaodante de brigada, liaba
vindo.
Parte do general Paonero, datada de 26 de maio
de 1885 a O. Juan A. Gelly y Obes
.... c El batalln 9 de brasileiros tuvo parte en
It pelea, contribuyendo poderostmeole t dispersar
unas guerrillas la raigas qae aparecieran mas tar-
de por nuestro costado isquierdo con la prelencion
ostencible de flanquearnos, distingaendo-se el te-
nenie 1* de la artillera D. Tiborcio Fereyra de Soa-
sa qoe con dos caones obuseros hijo no fuego ac-
tivsimo sobre el enemigo. >
Trechos do officio de 12 de junho de 1865 do
ebefe de div'isao Barroso ao Sr. visconde de Ta-
mandar sobre o combale do dia anterior, e com
referencia as pracas do exercito :
... amt graode poroto de paraguayos ecco-
ptrtm t tolda dt Parnakyba, mttirtm t oossa
gente qae all se ichava, e qae lhts oppaobam re-
sistencia, entre os quaes o capilo do 9* batalhao
Pedro Alfonso Ferreira a o guarda marinha Gre-
eahilgh, que cora graode bravura e cortgem de-
fenditm t bandeira nacional e morreram oo seo
posto de honra.
c O coronel Joao Gailberme de Bruce, commta-
dante da brigada, ja conheodo por sua bravura
me coadjuvou, fazendo dirigir a tropa aos logares
qae mais eonvioht para offeoder o inimigo. >
Ni parte qae, em 13 de janbo de 1865, dea o
ctpitio-teneate Garciodo, commandtote dt corve
tt Parnahyba ao chefe da di visto Barroso, sobre o
combate do dit 1 i, se tcbtm escriptos os trechos
abaixo, com referencia ts pracas do exercito qae
exisliam a bardo da mencionada corveta.
t......toda a gaarnlcto defendeu t aborda-
gem, inclusive a 1" e 6* companhias do 9 bata-
lhao de inftntaria, destacados a bordo desta corveta
sob ts ordens do sea distlocto commaodante o te
nenie-coronel Jos dt Silvt Gaimtries.
t Nestt latt neroic, em que caua umcui, n>
rinbeiro e soldado cumprio com o dever de verda-
dero brasileiro, maltas vidas preciosas foran sa-
crificadas no aliar da patria. O capilo do 9* bata-
lhao de infamara Pedro Alfonso Ferreirae... suc-
enmbiram, defendendo o pavilhao nacional.
... bastantes linbam sido as victimas qae
cora seu denodo concorreram para tornar memo-
ravel dos tnoaes dt marinha brasileirto da 11
de junho de 1865. Entre ellas nao posso deixar
de mencionar o bravo lente do 9* batalhao de
inftnttrit Feliciano Ignacio de Andrtdt Mtit, qne
sostentoo-se no seu postott cthir desfallecido pe
los golpes do inimigo,tendo-se at entao conservado
como verdadeiro brasileiro. A sua memorit deve
er conservada como ara brazio de honra e de alto
crdito para o exercito imperial.
<.....O contingente do 9* batalhao de infama-
ra composto das 1* e 6* companhias. sob o imme-
diato commaado do muilo distincto lenente-coronel
Jos da Silva Gaimaries, portoo-se como era de
esperar de soldados brasileiros : enlbasiasmo no
acto da abordagem, valor e esforco denodado na
Iota travada braco a braco eom o inimigo, eis tbi
o sea melhor elogio. Foi inetastvel em bem dirigir
seas subordinados o capitao Timoleo Peres de
Albuquerqoe Maranhao ; o teoente Leopoldo Bor-
ges Galvao Ucbot e o alteres Francisco de Paula
Barros houveram-se com valeotit, continuando o
segundo na Iota tinda mesmo depois de ferido oa
peroa esqaerdt. Sio anda dignos de elogio os at-
ieres Pedro Velho de Sa' Brrelo, Francisco An-
tonio de Sa' Birrete Jnior, tendo este sido ferido
ni mao esqnerda.
f No mesmo caso s e tebam o i* caete sargento
qnartel-mestre Laiz Jos de Soaza, o Ia cadete 2
sargento Luiz Francisco de Panla Albaquerqne Ma-
ranhao, o 1 cadete 1* sargento Antonio Francisco
de Mello, qne anda ferido no braco esqoerdo fazia
fogo com urna espingarda. Moito sobresahiram o
2 cadete Liberato Pereitt dt Costa, 2* cadete sar-
gento ajodante Luiz Leopoldino Arsealo Barbosa,
mestre da msica Candido Francisco Dutra, msico
de 1* classe Victorino dos Aojos e soldado Jos Bjaz
da cunta. Os esforc.es inauditos qae fizeram estes
cinco bravos estao cima de todo e qoalqoer elo-
gio qae ea teottsse ftzer-lbes. >
Quirta-felra 10.O melhortmento do dit tale- confirmado por toda a povotcao do Moateiro e con-
cdeme foi concillado por irises da America alean-Yidadot d> occastto, taso assim o exijan os meti-
cando at 30 do prximo pissido, cottado ama Uros do col lega Phia
sabida em abrodao n'aqoriie paiz ;-8,000 fardos Sioto (er de oppftr eatas reatiertaS** ao jorot-
enja saiyra e espirite ote Idelo peto ort-
3F=
vendidos.
Quinta feira 11.Precos do tmericino sobiraai
de;i|4 a ifloatras discripedee firmas mas tjoe
cotados mais titos ; eom melhor procara; vendos
13,000 lardos.
BrasilOspossaidores esta semana tem mostra-
do atis tnciedtde de vender do qae o costme e
ni ausencia de especulado e com ama procura
rauito moderada desta deseripcao para o coasura,
mo; s precos, tem descido cerca de 1|2 d. por a-
rate!. A imporUoo foi muito limitada, eso com
7,000 fardos mtis em. deposito do qae no mesme
ueriodo do tono ptsstdo, se tchivt de 1 a 3 d.
mais caro, devemos dizer que apoitmos a urgencia
d'elles em vender.
A chegar > as transaccSes comprobendem de
Pernambuco no dia 6, de primeira qualidade, no-
mo da embarcado declara a 11 d.; no dia 7 mes-
raa qualidade era viagera 20 1|2 e 20 3|i d e no
dit 11 dt mesmt classe, navio noraetdo com as
condicedes do primeiro 20 314 d.
Africano.Tem soffrido ama redaeco de cerct
de 1|2 estando em tolerarel requisito, consideran-
do a maila limitada seleceo a venda.
China.Parece ser o favorito para os coosummi.
dores; sendo a nica disuripeo colada mais alta
esta semana em consetoeocia do limitado deposito;
o qae Ibe da vantagem. Repetimos as nossas ulti-
mas cotaeoes, sendo de perra curte de 16 a 16 1|4
raeditm de 16 3|l 117 1|2 e superior de 17 3(4 a
18 1|4 d. por arratel.
India Orieottl.Tem estado em procura limita-
da mostrando urna baixa de 1)4 a 1|2 d. par arra-
tel. As vendas da semana tobera a 50,200 fardos
incloindo 7,740 para especolacao e 11,760 declara-
Usa,
ginalidade.
Paco ponto e vea adianto.
A festa do dia isteve esplendida
Muito arroto e briihantismo, tudo devido ao coa.
curso de algueses ftmiiiis do Recife, entre ts qotes
ts do Sr. Rioelro e Rodrigue?, qae de accordad*
barmonia com algumas da povoacao e entre estas
estas a do Sr. Mannbo, nao pooparam servicos,
nem dioheiro para o completo realce do loovor i
Virgem.
O que bouve de mais salgado para os visitantes
foram as repetidas esmolas, pedidas por jovens
modestas e disiinctts, durante as novents e festa.
So este sea criado foi que leve t cruel energit
de resistir as soppitcas doces dessas encantadoras
vlrgens, de modo que deu apenas ama esmola,
ama s.
Urna senbora disse-lhe ama vez :
O Sr. I... O Sr. I Nao tem coracio 1....
Como pode oegtr-se t um pedido feilo em oome
de Nosst Senbora dt Cooceicio ?....
Perdi, miaba senbora I... Ji dei urna es-
mola E falta de candado pedir mais de urna es-
mola a urna s pessoa e para o mesmo fin. Quer
o relogSo, o mea relogio ?
Aio. Mas o Sr... o Sr. Fabio Tito reeusar-sa
assim ?l... Estou admlradi I
Eu rime. E muitos riram-se. Mas ellas, ellas
sorriram apenas. Digo ellas, por qoe erara duts
que sahiam a esmolar de cada vez.
A larde sabio to ir am magnifico btlo, magni-
fico mesmo.
At cinco horas dt Urde t concurrencia frt di-
minuta.
Desta hora em diante aflalo ama onda iraraensa
E' iaoonlesUfelneoteammw41 tiento
traasotdeote; a deafcTzaem eocre^t e o des-
embarax caen qon lew caneliBre conwn-
ekmaes de que man os oegos, sao unvi-
Ibosos; a preateea coa qaa coala e rtooife
problemas algbricos, bem coa a eerteza
com qae indica aos seos mappas em relevo
qoalqoer ponto do mundo, sSo admiraveU
dando a tudo isto maior realce a su can lora
e modestia naturaes.
dos para exportacao, deixando 32,700 fardos para I da Pvo que apiohoou a ra e paleo da igreja Nin
guem esperava tal, de cotejo com o numero dimi-
nuto de gente que compareceu a tarde.
No Te Deum aposlolou o syrapathlco franciscano
Fr. Espirito Santo.
Variada erdicao e vigorosa e feliz eloquencia,
eloquencia e erudicio de qae to hbilmente dis-
poe o eminente pregador brasileiro, leceram um
dos mais brilbantes panegyricos qae coobecemos
em favor da Virgem.
A idea suprema da bomilia foi provar a gran-
deza dt Senhora pelas apologas parciaes qae ella
tem merecido das suarattdades coobecidas, oa or-
dena iliteraria, seleotinea, artstica, potica, reli-
giosa, e ereio que tt militar.
O eminente pregador (e-lo com resaltado lio
completo de verdade e pericia, qae por vezes vi-
mo-aos obrigados a suffctr nos labios am bravo
irreslstivel, qae teimtvt em aos escapar pelo eo-
thosiasmo.
Ah!... Se o clero brasileiro segoisee as pega-
das de Fr. Espirito Santo I
K ptssem bem.
Retiro-rae boje para o Recife.
Querem tlgumt coost para to ?
All tem-me s suas ordens.
Despego-rae do Montelroooo saudades.
Despeco-me da Casa Forte chorando.
E digo adeas a Apipucosuro adeus bem par-
ticular e i mi rao-que nao tal vez a Apipucos. E
fiodam se os apontamentos.
THEATRO DA GUERRA.
consummo. As vendas boje aodaram por cerca de
100,000 mil tordos a precos mtis coosttotes; dalas
da America tt t do correte ebegados hoje notifi-
can) qae a importacio aos portos exportadores da-
quelle palz eram menjres, Pernambuco, de primei-
ra son, navio nomeado a 21 d, por arratel, foi ven-
dido boje a ebegar Liverpool, 12 de Janeiro de
1866. Druryhane Joseph Martn Ir Son.
A Inglaterra qae est sendo victima de amo
calamidade a do catite plague, peste de animaes,
cojos estragos aagraentam de da pira dia, ji co
mega a sentir os symptos de outro flagello : o mil-
dea, a docora do algodio, oa para melhor dizer,
das fazendas de algodio, a qutl se t Inglaterra nio
cuidar n'tsso seriamente, ha de linear nos seas pro-
ductos fabricados o maior descrdito em todos os
mercados do mando, e Ihe fari perder centenas de
mllbes de soberanos. As qaeixasacodem de todos
os (aOa aa China, das colonias indianas e do Bra-
sil.
As pecas de algodio, cbegtndo ao sen deslino,
em lagar de serem uniformemente brancas oo par-
das, achtm-se coloridas de am amarello escaro, de
cor de tijollo, com iaoameras e grandes oodoas
pretas; os (libros do teciao estao podres ou reda
zem-se a p ; os compradores intermediarios tem
soffrido prejuios enormes, ou, quand) cooseguem
vender a sua mercadoria, vem-se assallados pelas
reclamarles dos consamraidores.
Foram dirigidas eoergicas reclaraagO ;s aos ex-
portadores de Londres e de Liverpool, que as reen-
viaran) aos fabricantes do Lancasheno e do Che-
Isbire.
A cmara commercial de Mtocbester prestando
a maior attengao t este grave assumpto, aonaeoa
urna comraissio para proceder a am inqaerito. Re-
solta deste trabalho e do relatorio da commss5o
qae a doenga das fazendas de algodio cansado
pelo mao fabrico, e pelo emprego de substancias
deleierio?, com o fim de fazer ama economa tria-
da leota
No fabrico das fazendas de algodio serapre se
fez aso de sabio, farioha, e at mesmo de trra de
porceliaoa. A experiencia tem demonstrado ha
mais de meio socolo qae tddigo desles ingredien-
tes contribua para dar consistencia e vigor ts fi-
bras do tecido, sem Ihe corarauoicar humidade al'
goma. Hoje os fabricantes aflm de proJuz.rem por
preco barato, empregam ingredientes menos dis-
pendiosos taes como a resina o chloroxido de mag-
neslum, dezinco, de sodiura emuleao de oleo de li-
ohaca, musgo de Irlanda.
As fazendas assim fabricadas parecen perfeita-
menie eniatas, mas cootondo em si saes, por isso
se tornara muito hygrometricas, e mu senciveis
aegao aimospherica.a qaal tira dos aes a agua, pro-
doz a podridao e o mitdew.
k natoreza desta doenga dos tecidos difiere se-
gando o genero das substancias empregados.
A cmara commercial de Mancbester assignalou
cora lealdade o mal, e a causa do mal; o commer-
cio est prevenido ; os fabricantes receberam ama
advertencia salolar e se persist ren neste systeraa
de fabrico fraudulento, e arriscado s a si qoe
deverio attriboir a ruina da sua industria.
DI NUCO tt TUPO.
Offerecemos esta circular semanal do mercado
de algoddo es Liverpool :em 12 de Janeiro de
1866 a eiiura publica:
O estado do mercado nestt semsnt foi lnguido ;
as vendas qoe se effectuirtm oo decurso dt seras
na retlisaram-se os precos t favor dos comprado-
res, comparados com os das nossas do dia S de Ja-
neiro e a quantidade vendidt considerando es-
tiraos oo principio do iodo, tssis avollada, a se
os pregas nao foram outros, isso dado sem duvi-
da to senilmente de tnciedtde que logo se mani-
festeo ao comeco dt semana, relativo ao nosso te-
luro monetario, palenteanlo-se serias tpreheoses
qae t taxi do banco seria elevtdt t 9 0|rj ; esta
lmpressto foi eom todo de pouca dortcao -, anda
assim nao se deve pensar qoe toda t anciedade oa
qoestao do descont acaboo, pois, qae t continu-
lo delle 18 Oo, interferir seriamente eom o com'
raercio legitimo.
O publico tem-se por sgaos anuos mostrado evi-
dentemente descontente eom o acto do parlamento
qoe regulansa as leis do Banco de Inglaterra, o
qoal aioda qae Ulvez adoptado para a poct em
qae foi formado, aio depois de viole anuos de
prosperidade e incremento commercial, adequado
Vam-se tiesenvolvendo por toda a parte o
gosto e a predileccSo peto opera italiana, nio
sendo tito smente as grandes cidades qae
contara ama oa duas companhias de canto,
mas tambem ao povoaces de pouca ou ne-
nhuma importancia, as quaes pagam para te-
re m 30 on 40 representarles de opera em
cada auno.
Kasan, cidade da Russsia meridional, e
que apenas conta 18:000 almas, pode servir
de pro.va para o que fica dito.
Actualmente funeciona alti urna compahnia
lyrica, a qual j cantou o Barbiere di Sit-
glia e a Maria di Rohan.
--------~*ms1sjs+ts*sw0*m
Reunir-se-ba em fins de fevereiro o corpo
legislativo fraacez em Pars.
Sao do Dr. Fabio Tito estes
APONTAMENTOS 00 CAMPO.
VI
O collega Pkidias, oa sua segunda divagocao
campestre, se nio peccon contra o gosto de lingua-
gem oa cultura artstica do escripto, certo qoe
ferio a verdade de alguas toctos, de qae di conta
de um medo injnstof
u escriptor que aprecia, o escriptor qae julga,
coatrihe pertnte t opiaio o dever sublime de re-
latar os tceotecimeolos sem o menor colorido, mas
apenas na sua physiooemia caracterstica, desata-
viada e na, como ella como ella foi, oem mtis,
oem menos, simples e exactamente, segando eiles
sio.
Isto nio ama censura qae pretendemos profili-
gtr to collega ; umi observaqo, aspirada pelt
lealdade a gravidide a lotelreza, de qaa nio deve
prescindir o jornalista, qae comprebeode t emi-
nencia do sea mister.Unto mtis venerando
grandioso, quanto joga eom iuiaresses de reputa-
goes sobre t vasta mesa dt imprensa, qae tem por
espectador t publica oplnioespectador severo,
espe etador terrivel, porque jnlga de am modo to
absoluto, qae nao deixa logar a aggravos oa appel-
lacbts.
Faiteado dt festa, nliimameute realistdt no
O executor do testamento do falle ido re1
da Blgica Julio Van Praet, ministro, que
foi, de Leopoldo I.
Van Prete acaba de ser nomeado pelo go-
verno belga, para notificar corte das Tu-
lnerias a subida de Leopoldo I ao throno; e
ser tambem portador de urna carta autogra-
pha do novo soberano, cons stindo a saa mis-
sao em transmittir ao imperador Napoleao
os desejos manifestados por Leopoldo f no
leito da morte.
Os seguinles dados, exlrahidos de ama eetalisti-
ea offlcial, dio ama idea das aeqaisicoos soccessi-
vas de territorio que tem feilo os Batadoa-Uoidos
oestes ltimos oiteota tnnos :
Em 1783, os Estados-Unidos continhtra desde o
Ganada tt i Florida e desde o Atlaotteo al a
prtlt esquerdt do Uississipi, iiJ,847,00OhecUres:
isto o quadrupulo dt extensio da Fraagt.
Em 1790 qaandoa sua popultgao se tpproxirat-
vi de 4 mllboes de habitantes, toctvi i cada am
5i9,iOO hectares; era trinta retes mais do qae
perlencerto hoje a cada fraacez se a Frtogt fosse
dividido em parles Iguaes pelos seos habitantes.
Este territorio J lio vasto tem leito qoatro gran-
des tcqaislgdes de terreoo desde o principio deste
secnlo.
A primeira, em 1803 leve logar pela cessio qae
Ihe fez a Franga do paiz condecido pelo nome de
Loiziaoa.
Esla vasta regiao, que os Praneezes linbam oc-
cupado juntamente com o Canad, tioba ama su-
perflcle de 333,981,000 hectares, Uto qoatro vo-
tes maior qoe t da Fringa, e foi comprada pela
UoiSo por 14,400:000*.
A venda equivalen a 68 rs. por nctar approxi-
ra adamen te t
Dezeseis annos mais Urde, em 1819, os Estados-
Unidos constrangism os Hespanhes t ceder-Ibes a
Florida, qae tiaht de superficie 13,330,000 nc-
tares.
Em 1817 o Mxico foi forcado a ceder aos Esta-
dos-Unidos om territorio (comprehendido O de Te-
xas) de 16,750,000 hectares, por 18,800 coates :
60 rs. o heclar I
Finalmente depois de vivas discassdes com a fi-
xtgie de limites entre a Nova Bretaoba e os Esti-
dos-Uoidos, ao noroeste, estes adquirirn) mtis
79,782,000 beettres.
Em resultado de todos estes augroentos, a rep-
blica dt Unio tem boje ama superficie goal a
quinze vezes a da Franca, oa seja 760,*38,000 bec
tares.
i m i
L-se no NouveUiste de Rouen :
Tea feita graode impressio ots prteas de Loo-
viera e Elbenf o destptreclmento de ama familia
de commerciantes daqaeila cidade.
O Sr. Hovey, antigo mercador em Looviers, i
seglo adquirir a cooflangt publica a rondoa i
casa de commiss5es de tecidos, que fazia grandes
transaegoes oes duas prtets referidas.
Tinha numerosos caixeiros vajaote* qoe circa-
Itvam tanto em Frtoca como no estrangeiro, e nio
se calculam em menos da 180 a 398)108 fraocos
(27 154 cootea) as desposas geraes do aovo Mer-
cadee Mas nao tendo enriquecido lio dopresst co-
mo quera, achou agora am meio expeditivo de se
poder retirar dos negocios com grossa forloot.
Vendeu as fazendas qae tinha i consignagao por
am btixo prego, mis t dioheiro de miado, e eu-
viou secretamente o producto dessa veada ptrt os
Estados-Unidos.
Demais o Sr. Hovey, nao qoereodo ter o iocom-
modo de fazer nova casa i saa ebegada i Aman-
ea, levou comsigo todo quanto possato, sem esque-
cer mesmo 300 arralis de manteiga qoe liaba
mandado salgar oelo seo especieiro, to qoal nio
ptgon este trabalho.
Diz-se qae t ordem di retirada foi regalada do
seguate modo : a mi, um filho e orna fiiba.
Foi mandado primeiro para casa de am parate,
residente nos Estados-Unidos, o fimo mais aovo ca-
ja liogaa poda comprometer os ioteresses dt fa.
milla.
Depois o pai fechou a marcha, levando pesados
volomes, qae sem duvida eram os mais preciosos.
Toda a familia embaroon n'om paquete da car-
reira do Havre para Nova-York.
As numerosas victimas deste logro ji fizeram os
seas depoimentos pente a antoridade compe-
tente.
Ellas s tveram conhecimento desta faga por
om caixeiro do Sr. Hovey, qpe, recoiheodo das
sois digressoes, achou a casa de sea patrio n'uraa
completa nudez.
A jastigt interveio, e tssegart-se qae o cofre-for-
te tpreseotoa nicamente um simples activo de SO
cntimos.
O passivo, cuja cifra exacta anda se nio pode fi-
xar, calcula-se era ora milbao qolnheates mil fran-
cos, dozentos e setenta coates.
O Sr. visconde de Tamaodar em officio d > 1
de junho de 1865, remetiendo copia do diario do
ebefe de diviso Barrozo, commindtnte dt 9a divi-
sto dts forets navios em operaeBes ao rio Pirani
e di parte dada pela general Paonero t seo gover-
no, sobre a tomada de Corrientes, em S8 do mas
ultimo, depois de apreciar esto acontec manto, ioV
cresceota :
c Eetretanto, se tocou i torca do exerclto impe-
riai embarcada oa esqoadra t segundi parte neste
feilo de armas, incontesiavel que ella nio mos-
trea menos ardor oem valenta de qoe seos com-
ptobeiros da vangaarda, confessando o proprio ge.
aeral Paaoero qae o 9* batalhao brasileiro contri-
balo poderosamente para dispersar ts guernlhis
ioimigas qoe appareceram no flaneo esqaerdo com
a pretengo ostensiva de cootoroa-lo, distlngmodo-
se asesa occisiao, segando declara o dito general,
s requisigdos do presente dia ; e d aqoi proceden! Monlelr0| diz 0 ^tion qae as novenas foram bis-
as extraordinarias e minuciosas uctnagSes descootos, especialmente experimentados doraote atados aormo,prim com um coro de acampa-
os dous aanos passados; usando t ptltvra ruinosas nhamnlo compleamnle d,,^^.
-fallimos dt ptrte nio especolttivt d. classe eom Na ^ M| M vefsog ^ ona ^^
marcial, e daquelles qoe se nao achira empenha-
dos em negocios Qoanceiros. O descontenlamenlo
geral, fes eom qaa sa redigisse ama peugio to ptr-
Itraento, pedtodo t revogago do dito acto, qae
ser signado por graode numero de pessots, e
qoe dever segundo se julga obter o preciso resul-
tado.
Sabbido 6, Janeiro.Mercado em aptthii sem
alleragao dos precosveodis 8,000 fardos.
SegDodt-feira 8.Procara mallo limitada e re-
eeando-se ama nova alta oo descont de banco, os
precos fortm em ftvor dos compradoresvendas
mente cantados; os versos foram admiravelmente
cantados por ama senhora, qae ama verdadeira
voctgo lyrica.
K ama voz suave, aguda, flexivel, fletivel como
om fio de seda; urna voz cabal a coasohdar ama
reputago, como consolidado lem-n'a; ama voz so-
berba, daqnetlas sem duvida a'que G Sand, fal-
lando de urna canlora de nomeada, dava o epitheto
de voz de ronxmol.
C6o disntoado I Tambem nao.
O coro era executado por senboras intelligentes,
educadas com mtis ou menos esmero artstico, a
6o.
7o.
O res qne estao sepultados na igreja de
Santo Izidoro, em Len sao os seguintes:
Io. D. Alonso IV. chamado o Monge.
2o. D. Ramiro II.
3o. D. Ordonho III.
4*. D. Sancho I, deste nome.
5. D. Ramiro III.
D. Bermodo II.
D. Alfonso V, este foi quem trasladou
para esta igreja os reis seus antecessores,
com outros infantes e bispos, qae florecern)
em santidade.
8o. D. Bermodo III.
9o. D. Sancho, o maior, rei de Navarra.
10. O imperador Fernando I, que trasla-
dou e troaxe aos seus hombros e de seus
Olhos desde Touro a Len, o corpo de Santo
Izidoro: reeJiticou esta igreja: merecen que
o dito Santo Ihe noticiasse a sua morte, pelo
que mandou que o levassem para a igreja:
nella despio as insignias reaes, vestio om
pobre vestidoecoberto decinza,morreu coa
grande exemplo.
11 D. Garda, rei da Galtza e Portugal,
filho do imperador D. Alonso, morreu preso
no castello de Luna e foi trazido com cadeias
para esta santa igreja.
Acha-se entre nos, do Rio-Grande do Sul
udo em um dos ltimos vapores procedente
desse porto, o Sr. Fagundes, joven de 16
annos de idade, ceg de nascimento, filho
desta provincia e educado no instituto dos
me as rends, com lado fortm somante 4,000 ftr-; *" I**"1**1" """eada Hsoogelra.
dos. i O que expendido Ac peder ser solemtemenie
Tive a satisfac3o de assistir a exhibido de
suas raras habilidades.
A Nacao di os priraeiros das do anno at o flm
do secuto presente.
Segonda-feirt 1806, 71, 77, 83, 91, 94.
Terceira-feira-7, 78,84,89,95.
Qoarta-feira-88, 73, 79,90, 96.
Qoioto-feira -74, 80,85, 91.
Sexto-leira69, 75, 86, 91, 97.
Sabbado70, 76,81,87, 98.
Domiogo-71, 81, 88, 93, 99.
N'um jornal lemos :
< Eis tqul em qoe se tem convertido es hroes
dt guerra americana depois qoe embaahartm a
espada :
O general Johnstoa, director da am servico de
ptqaetos.
Forres!, est i testt de am serra mecbaaict
Bramide, agente de caminaos de ferro oa Pen-
sil vania
Bollar mannfactureiro em Massachnssets.
Schnr, correspondente do jornal t Tribuna de
Neto-York.
Siegel, redactor de am jornal allemo em Baltt-
more.
Franklio, intendente da fabrica de trmas da
Bato
W. S. Sraitt, general de cavillarit, toodeiro da
ultramarinos em Chicago.
M. S. Pairick, major general de Grant, fez-so la-
vrador.
Fenero, di licoes de daosa.
Perey Wyndoun, di licoes da esgrima.
Buckner, director de am Jorotl em Noavelto
Orletas, ele.
, mi
impender Napettoio, aacaaoo para sooader o
muicoohecido iliterato fraacez lvealra deSacy.
a Oiz am jornal francs, qu* o grao doque berdei-
ro da ttossii val eontrthir os sagrados topas do
kymeoao eom a prtnoezt Dtgmtr, dt Dtntmarea.
psrna*^6?( -TxV: Dfc k. tM FlK'BUb
r


-.

i
- /
<


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EQJGBM0EF_OEFYML INGEST_TIME 2013-09-05T03:48:57Z PACKAGE AA00011611_10893
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES