Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:10892


This item is only available as the following downloads:


Full Text
MHBI
;
i



ANUO ILII. HOMERO 36
f#i furltel pifMeitft 4ts 10 das o 1.a mi......,
Utm tojo d 1.' tos dt cmcco e 4eitr dt qnartel .
Prte aoctrreio por tres mezes..............
75e
>JIOT*l ft !lf)*l
QARA FEIRA 14 DE FEVEBEIBO DE 1886
Por avio pago deitro de fo das do 1. mez.
Porte ao correio por om mm......
l^ooo
30oo
DIARIO DE
KNCARRBGADQ DA SBSCRIPCAO DO NORTE
Parahyba, o ?.". Antonio Alaxandrino de Lima!
Natal, o Sr. Antonia Marques da Silva; Aracaty, o
8r. A. de Lemos Braga; Cear, o Sr. J. Jos de
Oliveira ; Maranho, o Sr. Joaquim Marques Ro-
drigues; Para, os Srs. Geraldo Antonio Alves &
Filaos; Amazonas, o Sr. Jeronymo da Costa.
ENCARUEGADOS DA SBSCRIPCAO DO SUL.
Alaguas, o Sr. Claudino Falcao Das; Babia, o
8r. Jos Nlariins Alves; Rio de Janeiro, e Sr. Jos
Ribeiro Gasparinbo.
PARTIDA DOS ESTAFETAS.
Olinda, Cabo, Escada e estacfos da va frrea at
Agoa Preta, todos os dias.
Iguarass e Goyanna as segundas e sextas feiras.
Santo Antao, Gravat, Bezerros, Bonito, Carnar,
Altinho, Garanbuns, Buique, S. Becto, Bom
Conselho. Aguas Bellas e Tacaratd, as torgas
feiras.
Pao d'Alho, Nazareth, Limolro, Brejo, Pesqueira
(ngauira, Flores, Villa Bella, Cabrob, Boa Vis-
ta, Ouricury, Salgueii o e Ex, as quartas
feiras.
Serinbiem, Rio Formoso.Tamandar, Una, Bar-
reros, Agua Preta Pimentelras, as quintas
feiras.
AUDIENCIAS DOS TRIBUNAES D CAPITAL.
Tribunal do commercio: segundas e quintas.
Relaco: tercas e sbados s 10 boras.
Fazenda : quintas s 10 boras.
Jnizo do commercio: segundas as 11 horas.
Dito de orpbos : tercas e sextas s 10 horas.
Primeira vara do civel
dia.
Segunda vara do civel
hora da tarde.
EPHEMER1DES DO
>
7 Qnarto roing. as 5 h
15 Lna nova as 7 h., 53
22 Qnarto cresc. as 2 h.
: tercas t sextas ao meio
: quartas e sabbades a 1
MEZ DE FEVEREIfiO.
, 20 m. e 16 s. da U
m. e 56 s. da m.
, 28 m. e 45 s. da m.
DAS da semana.
12. Segunda. S. Marcello p. ro.;Ss Eulalia v. m.
13. Terca. S. Gregorio p.; S. Benigno b.
14. Qnarta de Cinza. Ss. Auxencio e Agatho rom
lo. Quinta. Ss. Faustino e Jo vita mm.
16. Sexta. S. Raymnndo de Pena/orle c.
17. Sabbado. S. Polycroulo b.; S. Romulo m.
18. Domingo. S. Slraeo b. m.;.S Prepedigua v.
PREAMAR DE HOJE.
Primeira as 3 horas e 45 m. da larde.
Segunda as 4 boras e 6 minutos da manhia.
PARTIDA DOS VAPORES COSTEIROS.
Para o snl at Alagoas a 14 e 30; para o nona
at a Granja a 7 e 22 da cada mez; para Pernan-
do nos dias 14 dos mezes dd Janeiro, marco, raalo
jnlbo, setembro e novembro.
ASS1GNA-SE
no Recite, na livraria da praca da Independencia
ns. 8, dos proprietarios Manoel Figueiroa de Faria
& Filbo.

PARTE OFFICIAL
MINISTERIO A JCSTI^A
S. M. o Imperador, a quem foi presente o offleio
de 21 de dezembro do anoo fiodo, em que a Ilim.*
cmara municipal da corte pedeesclareciuientos
sobre a circular de 14 de novembro ultimo, a res-
peito de prisoes, por lufracso de posturas n
cipaes, visto o
bouve por bem
ria de estado dos negocios da justica, que a cama-
ja municipal confunde duas coasas distinctas, o
decreto da priso e sua execucao. O art. 7-da
le de 1 d 3 outubro de 1828 deu as municipaiida
des o direito de decretar penas at 8 dias de pri
Dito ao mesmo.Mande V. S. pagar os venc-
memos relativos a segunda quinzena do met de Ja-
neiro ultimo, das pracas da companbia de r.aavos,
so nao houver inconveniente opretjanto en du-
plicata, que roe remetteu o commandante das ar-
mas coro offleio de boje, sob n. 266.
Dito ao mesmo.Anamndo ao que solicitou o
marectiai commandante das armas Jem officio de
hontem, sob n. 260, recoramendo a V. S. que se
nao houver inconveniente mande pagar os venci-
mentos a contar do 1. at 6 deste mez, dos sida
EXTERIOR.
17 uro ataque obre nossas torcas, que assim des-
cripto no Nacionalista ae Corriente?.
Eo da 12 do correte vieram sobre o Passo da
Patria onze canoas paraguayas coro 150-a 200 ro-
tantes a seo bordo, e depois de sustentar eom nos-
sas avancadas de cavllaria uro tiroteio- de duas
boras, fln^iram urna retirada os nossos Corren ti-
quellesque, sem "reflexo, iulgam que'os exercitos ; os. dando lagar a que a tnpoiaco das caneas
aiiiartns *<> ootin a<.~>-----a.. ...... ,nn.,,Ar n desembarcasse e sanisse_fora do monte
MONTEVIDEO.
28 de Janeiro.
Ainda cedo para satisfazer a impaciencia da-
alliados se esto demorando muito para transpr o
Rubicon, que hoja o largo rio Paran.
arcasse e sabisse^fora do moBte da costa,
onde foram ento carregados, vendo-se obrigados a
parecer do cooselheiro consultor, dos 0 g corp0 ,je voluntarios desla provincia, Joa- piradas eslrophes o seguinte :
mandar declarar, por esta secreta- qUm Simoes de Oliveira e Antonio Gregorio Gon- Eu nunca louvarei o capil
O nosso Cames'diste em urna das mis bem ios-; reembareir-se precipitadamente, deixando dous
galves Coelho que foram escusos do servico e para
esse flm transmiti aV.s.o pret junto era dupli-1
cata, assigaado pelo lente Manoel Eloy Mendes,'
que segundo consta do preditc offleio acha-se in-
cumbido da direc;io das pracas d'aquelle corpo, e
pitao que disser, eu
sao, mas nao a facctfdade de as nunoar executar das ,j0 7.0 a ene addidas, em quanto se Ihe nio Jer q0e se tenba tentado na America do Sui. Difiere
a seu t.lante, sem attencao as garantas constitu- destino. tanto isto da guerra de recursos que se tero felto
cionaes e formas de processo. Os agentes da ca-: rjn0 ao mesmo.Em vista do pret junto em du- at agora, como os elementes mpregados em urna
mar municipal podem efectuar a detencao do in- pijeata que me remetteu o marechal commandante outra guerra.
tractor ds. postara em flagrante, mas unicamen- as armas com offleio de hontem, sob n. 239, e nao ., Todos censurarara o Paraguay porqae alirou pa-
te para o levar a' pre&enca do juiz e lavrar o ter- havendo inconveniente, mande pagar a quantia de _ra longe com dous exercltos sem reservas, sem re-
mo compteme, na forma dos arts. 131, 132 e 13J 30^270 rois, que exigida pelo facultativo oncar- r|acoes eotre si, nem apoio nenbum estratgico,
do cdigo do proessso, depois do que o infractor li- regado da enfermarla militar e correspondente aos Ninguem podia crer que elle Invada o Rio Grande
vrar se olto. vencimentos a contar do Io a 4 deste mez, das: pra-1 do Sol contando s com a Divina Providencia. A
Palacio do Rio de Janeiro, em 6 de Janeiro de ^s 0 5. e 7 corl0 e voluntarlos desta provincia iiCao Ihe custou cara.
moi tos.
No da 15 do corente appareceraas novamente
nao cuidei qainze candas com mais ae 250- bomens, e esta
Nao pode haver verdade mais verdadeira do que ten'*,i,v.a l.eJe, meS0J0 re?ultado.
No da 17 appareceram, anda em maior numero 1
vinte e urna canoas com 600 homens a bordo, e
um lanxao preparado para laucar fogneles a con-
a comida neste verso.
A passagem do Paran por um exercilo de 50,000
homens, a operacaj mais grandiosa e importante
1866.- Jos Thomai Nabuco de Araujo.
que ficararo em tratamento na
mana.
mencionada nnfer-
em
Hoje, apezar de ser elle Uto recente, se pretende
Ministerio do3 negocios da jastiga.Rio de Ja-
neiro. 19 de Janeiro de 1866.Illm. e Exm Sr. -
Para satisfazer a requisico do ministerio dos ne-
gocios esi.rangeiros, e em additamento ao aviso re-
servado do mesmo ministerio, de 17 de janho do
anoo paseado que mandn considerar como sub Qma m no fc -a- jnconvenieo,e e esteja
sistentes os inventarios irregularmente fetos nos ,ermos ioc|Qsa &jnU documenUda qae para esse
consa ados das oacSes signatarias das eonvencoes | ^ me reme{lea 0 delegado encarregado do rape.
consulares, remeti a V. Exc, pera que se a, appli-; dien,e da fe dB ,cja com offlc0 de bon.
cado, como fr de direito o exemplar junto do lem ^ n 185#JLCommunicoa.se ao predito dele
aviso que me dirigi o referido miuisterio, era z dQ
de dezerobro, providenciando sobre inventario j Di0 ao mesmo _Epeca V S
,Po^f^,^T?0^,X^nS^^ termos o'pret junto em da- pam aquellos que ludo acrifleanf par'a dar honra
STmL ffir3 V Ft f Jos Ttiomaz P|icala e "^ Daveno inconveniente seja paga a e gloria a patria na mais justa das guerras que te
i n0; 5 9 JLEZL nrnvi^ia IJos Maria Ferreira da Conba. conforme solicitou mos emprehendido.
Nabuco ele Araujo. -Sr. presidente da provincia 0 coramandante SQnerior da comarca de NaMreth, K a eterna licao da historia-sempre
ae..... m u m em offleio n. 280 da 3 do correte, a qnantia de Tarpeia, prxima do capitolio.
Ministerio dos negocios da iustica.Rio de Ja 9*520 res, proveniente dos vencimentos de orna | Nao obsunte, o visconde de Tamandar, sobre
neiro 2' de Janeiro de 1866Illm. e Exro. Sr. escolta de 3 pracas da guarda nacional que con- quem lo ios os olbos esto fltos hoje 1
greve. Nossas avancadas sustentaran!, dorante 6
horas, um forte tiroteio, porm aqueiles puderaro
desembarcar, porque era dbil a resistencia que
ellas podiam offerecer, pois apenas constavam de
250 a 300 homens de cavllaria.
O resultado foi de nossa parle, oilo morios e do-
ze ou quinte feridos, e ponco mais ou menos igual
numero de Paraguayos fra do combate.
Alguns jornaes de Buenos-Ayres, accresentao
que os paraguayos nao s levarara os seus morios,
como qae degolaram os nossos e carregaro as ca-
gas nossos generaes sejam precipitados, e que ira-, be5,"- ..... .,
Dito ao Inspector da thesouraria prov|ncial.-A provisem em um dia material de passagem e de f7a nor"l profanagao pinta bem ao vivo a
Joo Carlos Augusto da Siva, mande V. S. pagar a proiecco que exige mezes para se crear. Nao se mPle **"*** de nossos inimigos, e digam o que
quaatia de 2:520*959 reis, despendida durante o 1 allende a que Corriootes esl apenas ba tres me-, rem, o faeto de desemDarcarem os paraguayos
mez de Janeiro ultimo, com a alimentaco e dietas, zes |,vre do dominio do inimigo, que o transporte impunemente, em tao pequeo numero, para ac-
fornecidas aos presos pobres da casa de detencao, p0r ierra mui moroso,e que o transporte por mar'. comraetier as avancadas de um exercilo de 5,uw |
"' toroou-se difficil pela baixanto do i-aran que nos, nomeosRevella grande descuido da parla dos
conservou onze vapores encalbados por mullos I fes. Onde esto agora Caceres e Hornos 1 Se-
djaS. 1 ra anda a esquadra brasilelra que tera de carre-
As censuras feitas pelos inimigos da causa com ^A,0"1!!1 S52;.fac,os ?
o flm de precipitar os acontecimentos, e de expr- s^ndart publica em um de sens ltimos nu-
a Rocha
Tendo o ministro de Hespaoha, nesta corte, repre-; duzlo 11 presos. de jut.ca d all para esta eapila1
sentado ao mioislerio dos negocios estrangeiros disposieiiido r. c&efe de poiicia.-Comrounicou-
contra o facto de haver o juiz municipal da l* va-! e ao predito commandante superior,
ra da capital da provincia da Baha procedido a'I Dito ao commandante superior da guarda naci-
Prata, sempre coherente com o sen passado, cami
nha pela estrada segura qae ha de guia-io no flm
desejado.
Agora qae j tero reunidos mu tos dos elementos
arrecada.o dos bens de um subdito hespannol,!nal do Recife.Expeca V. S. as ordena para que o qQejalga sero necessarios ao exercito, preparase
sem participar o falleetmento ao respectivo vice- *" oatalho destacado nesta capital esleja pos lado elle para subir no dia 30 on 31 do correte, com
cnsul como determina o art. 10 da convenci! em frente da igreja matriz desla freguezia hojo as urna expedico composta da canhonbeira Parnahy-
consulr de 9 de fevereirj de 1863 ; e conviodo!4 nras da tarde, aflm de fazer as honras fanebres ba e vapores Rectfe, Maracan, Onze de Junlto,
firmar a intelligencia deste artigo, e dos que Ibe
sao correspondentes as outras convencas consu-
lares ; resolveu e goveruo imperial mandar decla-
rar a V. Exc, para tjoc o faca coastaf tos Jnres
dessa provincia que a parlicipaco de que se trata
por ser prescripu em termos genricos, deve ser
feita em lodos os casos de fallecimenlo. quer tenba
de intervir o respectivo cnsul, quer a intervenco
desse agente deva ser excluida.
Dos guarde a V. Exc.
de Araujo.Sr. presidente
Ministerio dos negocios da justica.Rio de Ja-
neiro, era 22 de Janeiro de 1866.Illm. e Exm.
Sr.S. Id. o Imperador, a quem foi presente o of-
fleio de V. Exc. de 10 do correte mez, sob n. 6, e
papis que o acompanbam, ba por bem approvar a
deciso dada por V. Exc. a consulla do juiz de di-
reito da comarca do Pomba, declrando-lhe que,
alm das cusas, coja cobranca autonsada pelos
arts. 94, 95, 96 e 97 do regulamento de 26 de abril
do snno passado, nada mais podem baver os offl-
iaes do registro geral das hypothecas, visto entrar
em dunda o referido juiz seo offlcial de registro
daquella comarca tmli> direito a' rasa da escriutu-
raco feita nos cadernos que devem ser mutili-
sados.
Dos parda a V. ExcJss Thomaz Nabuco de
Araujo.Sr. presidente da provincia de Minas-Ge-
rae.
AVISO CincULAR DE 31 DE JANEIRO DE 1866.
Decide que podem servir no mesmo termo dous
irmao aro como juiz de direito e outro como
juiz rr unicip.il supplente.
Ministerio dos negocios da jusllga.Rio de Ja-
neiro, 31 de Janeiro de 1866.Illm. e Exm. Sr.
Tendo o joiz de direito da comarca de Acarac,
da provincia do Cear, consultado se podem dous
irmos servir no mesmo termo, um como jaiz mu-
nicipal supplente e delegado de polica, e ouiro co-
mo juiz le direito, Sua Mageslade o Imperador,
por sua imperial resolucao de 24 do correte mez,
bouve por bem decidir, sabr consulta da seccao
de jasli(a do conselho de estado, com a qual se
conformou, que nao ha lei que vede o exercicio de
dons irmos, nm como juiz de direito e outro co-
mo juiz mnnicipal supplente.
Dos guarde a V. ExcJos Thoraaz Nabuco de
Araujo.Sr. presidente da provincia de...
nos a um revez, coloridas com essa fingida indigna- meos a se'ate nl'C'a. Ialv *?* Por al8um
as saas ordens ?ao, achara eco oos propnos amigos que nao pou- Paragoayo para ver se detera a subida da esqua-
dra brasileira, e cootera o almirante Tamandar,
que breve hade de dar que fallar em si :
Temos oavido dizer que o Sr. Bell, que ha col-
locado suas machinas infernaos em toda a extea-
sao do rio, oftereceu seus servico?, ao principio, ao
governo argentino, o qual os recusou; entao foi ao
Paraguay onde este activamente oceupado oos l-
timos seis mezes. Seu comprerntseo com Lopes
fazer voar lodos os navios brasileiros, caoboneira
por caoboneira, e os dous grandes encouragados
submergi-los inteiraraente no Gran Chase.
Ha alguns mezes an o Sr. Bell fez urna exibi-.
cao de suas machinas infernaes; ama grande bal-
sa de madeiras do Paraguay, amontoada tio alto
quanlo foi possivel, foi puxado por arames, estan-
do Lopes e lodos os seus amigos na margem do
rio observando o xito das machinas, quando a
balsa, tocada pelo rame, fez urna exploso como
nanea se nha onvldo no P
rio MarroJ ida em am volme, e lio longe da bal-
sa como nunca se tinha visto. Lopes flcou to a-
que competentem ao finado vigario Venancio leo- Prtncezae Lindoya. Estes vapores levam tres cha-
nque de Rezende, como offlcial da imperial ordem tas carregadas com tnadeira e (erro, e urna muni-
do Cruzeiro ; fleando V. S. certo de qae o director! dade de objecios. *
do arsenal de guerra tem ordem para tornetero, No Princeza segaem o-Dr. Carlos rrwtorieo, n.an.ca.8e "."" envido no Paraguay; a agua do
cartuxame necessario para as descargas do estylo. ebefe de sadde, com os Drs. Damasio, Villaboim
Offlciou-se neste sentido ao director do arsenal | Symphrooio, para roontarem um hospital em Cor
de guerra.
Dito ao mesmo.A vista do offleio do comman-
dante das armas n. 261 de 9 do correte constan-
nenies, e levara tudo qoanio necessario para 600 i "dado da invenco do Sr. Bell que o convidou a
Jos Thomaz Nabaco te da cP'a oclusa ordene V. S. ao alteres do 3o
da provincia de... batalho de Infamara deste municipio Arseoio
Augusto Cameiro da Cuaba Miranda, que se apre
sent quanto antes no quartel general aflm de
prestar conias dos vencimentos que reeebeu das
pracas do 1 batalho de guardas nacionaes desti-
doentes.
Aqu-lle vapor consta que flea servindo de hospi-
tal de saogue, ambulante.
Al o da 15, o mais tardar, o nosso almirante
ter encelado aiguma operacao seria sobre o ini-
migo.
E' de lastimar que ainda nao tenba ebegado aqoi
o encouragado Bar oto, para fazer parte daquella
jantar, edeu-lheos mais ampios poderes.
Um individuo que esleve presente nesta memo-
ravel prova, e que esta' agora aqui, nos assegura
que o estampido foi horroroso, e que elle e todos os
espectadores Ccaro aterrados. Havia tres arames
que se eoleodeu por baixo do rio, todos em rea
cao, e centenares deslas machinas mternaes aue se
incondiam pela friccao, esto estendldas no leito
nados ao servico da guerra que estiverara em tra- esquadrilha. O ultimo temporal que reinou neste 00 r'- "" bem Taraandare comprar aigum va
tamenlo na enfermara militar na 1" quinzena do porto, e que obrlgou o transporte Isabel a arribar,' gor barato, e envia-lo para que voasse primeiro.
mez de novembro.Communiceuse ao general talvez o lenba obrigado a demorar-se em Sania Ca- el e sobe primelro no monitor Taraandare ou
commandante das armas. | tbarina. *>''< sem tomar o conselho que Ihe damos, a dit
Dito ao commandante superior da guarda na-
cional de Goianna.Altendendo ao qae exp z o
guarda do batalho n. 15 de infantaria desse mu-
nicipio Vicente Baptista do reqnerimeoto sobre que | dia 6, e at o da 2 ou
versa o sua iaformaco de 5 do correte, resolv
dispensa lo do servido da guerra por ser o arrimo
de seus pais sexagenarios e enfermos: o qae de-
claro a V. S. para que mande apresentar nesta ca | mais difficeis 20 ps d agua, e ella vai pilotada
pital outro guarda era substituicoaqaelle. i pelo babil pratico Etchebaroe, de crer que che-
Dito ao commandante superior* da guarda na-, gue-bem a sea destino,
clonal de Villa Bella.Devolvo a V. S. os prets ti- j J que me eslou oocupando de marinha, apro-
rando vencimentos para doze pracas e um sartn- veito a occasio de mencionar a partida para o Pa-
lo que se acham destacados nessa villa, e que vie-' cico da esquadra americana. O monitor lonai-
ram annexos ao seu offleio de 18 de Janeiro oltimo,; nok nao foi visitado, como se esperava, porque o
eflm de que V. S. mande satisfazer as exigencias dia destinado a este passeio transtoroou se, e mai-
da cootadoria da thesourar'a de fazenda de 7 da tos dos que embarcaran: no vapor Portena para sa-
corrente constante da copia jnnta. tlsfazerem a cunosidade, liveram o prazer decoro-
Dito ao director do arsenal de guerra.Visto que prar urna sensaco das mais desagrada veis queco-
ha vagas na compauhta de apreodizes dessa arse- ] uheco o enjo por am peso, oa i. Bem tiz ea qae
nal, segando consta de sua informaco n. 528 de preter ir passar o da na quinta de Buchenlal on-
9 do corrente, mande V. S admittir na mesma de Uve um bello appetite, e com excelleotes peras,
companhia o menor Manoel, filbo de Theodora na melhor das sociedades.
Maria do Patrocinio, uma vez que esta satlsfaca as Alguns obsequios que se pretendern) fazer ao
exigencias constantes do legalameuto de 3 de ja- almirante americano goraram.
neiro de 1842. i O almirante italiano foi mais feliz, e a bora que
Dito ao mesmo.A vista da sua informaco de Ihe escrevo esta' presidiado ao banquete que seas
9 do correte, aatoriso V. S. a mandar admittir na compatriotas Ibe offereceram no hotel Oriental, e
A expeda eomposta da corveta eocouragada | fereuca sera' que elle voara' at Mato-Grosso oa
Brasil e dos vapores Iguatemy, Henrique Martins \ Minas-Geraes.
e Chuy, ja tiuna sahido da cidade do Paran no Parece este artigo inspirado por algum sngeiio
3 de fevereiro devia che- g,ue 1aer vender algura vapor veiho, quera sabe I
gar a Corrientes. Aquella corveta nao tinha tido' En Dreve veremos.
por ora nenbum accidente na navegaco, e como i o001 e Que todos confessem antecipadamente que
o rio esta' muito cheio, apreseutando nos passs a esquadra brasileira tem a arrostrar difflculdades
imaginarias e reaes que cobrem de gloria a quem
as vence, para nao amesquinharera depois o facto.
Segundo o Pueblo, o Iriumpho do Riachuelo nao
nos perieoce, mas sim a um argentino, isto ao
pratico Bernardino.
Por esta j eu esperava ; e ainda qae nao hou-
vesse em nossa esquadra am s argentino, ainda
assira elle podia reivindicar a gloria toda para si,
por qae as aguas eram argentinas.
Occorrea no domingo ultimo um fado que pro-
duzo aqui grande seosacSo, e qae podem ter fu-
nestas consecuencias.
Uro jornal que se publica coro o titulo Europa,
e que redigido por um Dr. Merielh, italiano de
origem, sem oenhum conceito neste paiz, coramet-
teu a iudigoidade de substituir no obituario, a pa-
lavra brasiletro, para designar a nacionalidade do
norte, pela palavra macaco, epitbeto qae no Rio
da Prata nos do os nossos detractores e inimigos.
Os cadetes que estavo oo hospital brasileiro,
reunidos aos entermeiros e'a alguns brasileiro-.
GOTEBIO DA PROVINCIA.
Expediente do dia 10 de fevereiro de 4866
Offleio ao Exm. geaera! commandante das ar-
mas.& rva-se V. Exc. de informar sobre o que
pede o recrota Jos Pegado da Cunta, no incluso
requerirnento.
Dito ao mesmo.Para cumprirnento do disposto
no aviso circular da repartido da guerra de 28 de I
' companhia de aprendizes desse arsenal os mimo- que me consta ser luzido.
: res Jos Paulino de Sant'Aooa e Manoel Paulina Elle foi apresenlado na quarta-feira desta sema- entenderam que nao deviam deixar passar impune
de Ponciano Silva, filhos *de Paulino Jos Caliste, na ao governador provisorio pelo ministro de sua aquella ofronia, e flzerara urna demonstrarlo con-
uma vez que este satisfaca o disposto no art. 4 do naco, o Sr. Barbotante este acto effeciuou-se com tra^a typographia, que quizeram empastelar.
regulamento de 3 de Janeiro de 1842r j o ceremonial do eslylu.
Dito ao mesmo.Mande V. S. conduzir com ur- Consta que o Sr. Barbolaoi, apoiado pela marl-
i gencia, do quartel do Hospicio para o arsenal de nba ue guerra italiana, que se acba no porto, faz
! marinha, a bagagom do 6 corpo de voluntarios, suas reciamacoes ao governo oriental sobre o pa-
; afim de ser enviada para a curte, no vapor francez gamenlo de prejuizos causados a subditos da Italia.
1 que se espora do norte, apreseotando V. S. ao ins- Dizia-se que o ministro hespanbol tambem apurava
! pector da thesouraria de fazenda. para ser salisfei-' o governo no mesmo sentido. Agora a impreasa
i ta, a conla da despeza que se fizer com essa con-! assevera que os ministros reclamantes sao os da
dueco at aquelle arsenal. Italia e do Brasil, por este motivo nos criticara
Dito ao presidente da cmara mnnicipal do Rio) acremente, mostrando qne a occasio nao a mais
dezembro ultimo, faz-s necessario que V. Exc. me Forraoso.Recebi o sea offleio de 30 de Janeiro
enve com toda a urencia possivel, mappas, con-. prximo Ando e em resposta teoho a dlzer-lne que
forme o modelos inclusos, do pessoal e material Acerca do seu contdo, JA providencie! como V.S.
do exercito relalivos ao lempo decorrido desde a ver da copia junt do offleio qqe Ihe dirig em 29
organisico das torgas para a presente guerra at daquelle mez.
opponuna para se reclamar tal pagamento.
Eu, poreui que sei que nada dislo exacto, e
qae o governo do Brasil, em vez de procurar em-
barazos pecuniarios a seus adiados, reparte com
elle os recursos que o sea crdito Ibe facilit em
o ultimo d'aquelle mez companhados de" flm rea-1 D" ao juiz de paz da freguezia de Grava-1 abuodancia, deixo-es declamar e dizer quaotos ab-
torio coiitondo minuciosa e circunstanciadamente t.Respondendo ao offleio de Vmc. de 22 de i surdos queram.
os dev^dos esclarecimentos relativamente ao mes-! Janeiro prximamente findo, teoho a dizer-lhe que i Pode ser que o ministro do Brasil deseje que se
, ino objesto. i cidado Jos Soares de Oliveira Grande, 2 juiz trate como convm do eiame de crditos e de re-
Dito ao mesmo Sirva se V. Exc. de informar-' de paz da freguezia de Gravat, tera exercido legal-1 conhecimento de divida, fundado nos ttulos apre-
me acerca do que pede no incluso requerirnento mente as funccSes do seu cargo, visto como a sentados pelos reclamantes, mas isto muilo di-
Jos Rodrigues d*Silva Goiabeira. appellacao interposta da sentenca deabsolvicao nao verso de excluir pagamento; nem vejo
inconve'
Dito ao mesmo.Manda V. Exc. dar baixa ao suspende os effeittH da mesma sentenca. tato
sargento da companbia de zuavos Camillo da Silva no caso do art. 79 da lei de 3 de dezembro de 1841,
Gama. segundo dispSe o art. 84 da citada lei.
Dito 1.0 mesmo.Queira ti Exc informar sobre Pnrljn. n nrpcMente da nrovincia attnnflnndn
n espntatelo aC?Mil al f n'e da obra "" da roa do Lima> no re''ne
corlo de voluntnos ambos do 6. rimB0,0, scbre que informou o cnefa da repartico
T,to ira ffpeSor da thesouraria da fazenda.- da? ^PI,S^ ^^*1?S ^ffi-
Mande V. S. adiantar ao commandante do brigoe
barca I'amarac, Adolpho Cavalcanti de Oliveira
Maciel, como solicitou o respectivo coramandante
em offleio de 8 do corrente, a quantia de 200*000
bro do anno prximo passado, sob n. 289 e 298,
resolve relevar o mencionado arrematante e seas
Dadores da malta qae Ihes foi impost por portarla
de 8 de maio daqualle anno, correspondente i 10a
obra e ordena que neste
oe aprehendes de desertoros da armada.tora- -.. >!..._ ..
prehen
manicou-se ao commandante do brigue barca.
Dito ao mesmo.Ao prlmeiro cirnrgiio do cor-
po da sauda do exercito Dr. Antonio Manoel de
Medeiros que em observancia das ordens impenaes
tem de seguir para a corte no vapor franez que se
espera da Europa mande V. S. abonar quanto an-
tes o quantitativo a que tem direito para despezas
Fizeram-se as necessarias coramunica-
c5es.
coes.

Dita.O presideate da provincia, attendendo ao
que requeren o t mente da 2* companhia do bata-
lho n. 28 de infantaria da guarda nacional da
comarca de Garanbuns Antonio Baptista de Mello
Peixoto, resolve dpansa-lo do servico da guerra,
mente nem embaraces para o governo em regula-
risar esta materia, que ja' deu lugar a um con-
flicto desagradavel entre os dous paizes, e pode an-
da ser causa de rompimento entre elles, bastando
para isso a mudar de partido que boje aqoi gover-
ne pelo partido blanco.
Chegou ba das o transporte brasileiro lagun-
be, de Corneales, conduzindo cento e tantos prisio-
neros paraguayos, pertencentes ao exercito orien-
tal, e que o general Flores mandn para a capital,
\ atim de formar-me cora elles om batalho de liona,
e licenciarse parte da guarda nacional.
O vapor Pelrooolis entrou em diritania, levou
uma viagem celebre a Corrientes, e para chegar
all foi preciso i|ue o ebefe Barroso maodasse uma
de seu transpone.Commuoicou-se ao general com-' para que fflra disigoado. -Fizerara-s as necessa
mandante das armas. i ras commuuioacflos.
Dito ao mesmo.Mande V. S, abonar ao Dr. j
Jos Antonio de Pigneiredo, como pede no ioclnso Expediente do secretario do governo do dia 10
requerirnento a ajada de costo que Ibe compete
como disputado a asi^mbla geral legislativa pela
provincia do Cear, podendo esse abono ser felto
sob minha responsabilidade nos termos do decreto
n. 2884: do 1* de fevereiro de 1862, se para isso
nao nonver crdito.
de fevereiro de 1866.
Offleio ao lospector da thesouraria de fazen-
da. S. Exc. o Sr. presidente da provincia, manda
transmittir a V. ?. a inclusa ordem do thesouro
nacional, sob n. 7.
caoboneira reboca-lo desde o Empedrado. Entre- i partido blanco.
No da seguinte renovro a tentativa, e o re
dador dea algamas explicarles, dizendo que o au-
tor da brlncadeira tinha sido um compositor brasi-
leiro qae quiz divertirse cora os seus patricios.
Isto reuoio o sarcasmo profanacao; por que a-
presentou a autondade am infeliz brasileiro qae
ali trabalhava, este foi cooduzido a prisao.
O procedimeoto do nosso delegado militar nesta
desagradavel coajooctnra tem sido geralraeute cen-
surado. Nao tendo tido a habilidade de prevmir
um acontecimento que devia esperar, desde que o
insulto foi enaltecido, demonstran depois ama se-
veridade contra arjuelles jovens que nao era exigi-
da pelas cirtumstancias. Muilos soldados foram
castigados, segdudo const, corporal mente, e S.
Exc. qolzat, diz-se, offerecer ama satisfaco com-
pleta ao governo oriental,
Por outro lado, veja-se a balburdia em que vai o
servico da guerra aqui I Os depsitos esto cheios
de rounicoes, os transportes sobem todos os dias
sem elles, e o exercito carece de todo I
Algum dia se examinar luz do dia, qaaes sao
os verdadeiros estortos.
Por fim, achou-se um sacerdote para fazer o pa-
negynico das victimas de Qainteres nos faaeraes
do dia 2 de fevereiro prximo.
Por fallar em funeral, devo referir a morte de
uro 2 leneote da marinha Italiana, Reccani, cujo
cadver foi levado ao cemiterio por um numeroso
concurso de gente.
Os offlciaes da Bahiana foram convidados, mas
nao acompanharam o prestito, porqae nao pode-
ram desembarcar, em coosequencla do vento fresco
que reinava no porto.
Restabeleceo-se completamente o Dr. Joaqoim
Eslrantes, que tinba enronquecido em Buenos-Ay-
res, e que um dos ebefes mais importantes do
tanto, este vapor consumi uma enorme quaniida-
de de carvo, e conta-se muita cousa curiosa que
assas comprometi ao cipitao.
O ebefe Barroso mandn proceder a am loque-
rito dar por cobro ao abuso desse sugeilo, que en-
tended qne devia ir demorando a viagem para re-
cebar maior somma pelo transporte dos pobres sol-
dados qae Ibe foram entregues, qae passariam
vrdadeiras torturas.
Tiohara ebegado aquella capital o Apa, o Galgo,
o Presidente com peno de 3,000 bomens, e rebo-
cando vanas escunas com madeira, mantlmentos e
carvo.
Os Paraguayos, animados, talvez, pala demora
na passagem do exercito, e flando-se em algum
descuido dos ainados, temaram. nos dias 12,1$ e
A preoecupaco da gente do povo e das familias
a falta d'agna. Estamos lotando j com uma
secca espantosa, e raro o algibe que tem agua. E'
preciso que as cataratas do cn se abram para nao
soffrermos aqui grandes prejuizos.
O commercio contina animado, e o porto contm
um numero de navios extraordinario.
Na rennblica Argentina a qaestio qae mais se
debate a demuoicipaes, resolvida provisoriamen-
te pelo governador interino, de um modo que me-
receu os elogios de todos.
A minora de eleltores nio quli comparecer, e a
maioria nao pode fazer quorum, o que seguio-se
d'ahi foi nao poder fazer-se a eleicio de novos mu-
nicipaes, que devem substituir aos qae terminara
seu mandato amanhla,
Ora, ama cidade sem municlpalidade, o mes-
rao que um theatro sem dlreetores de sceoa, e
assim o Sr. Raasoo, mioistro- do interior, cortoa o
no gordio, nomeando os cidadios mais dislinctos
da parochia, e as cmaras decidiro o negocio.
Foi nomeado enviado extraordioario para o Bra-
sil, o Dr. Forreul, era substituigao ao Sr. Marmol,
1uereslgnoo uma alta missao nessa edrte, porque,
segando diz a Tribuna, nao podia viver nella com i
os vencimentos que tinha.
O Dr. Torreul deputado ao congresso, e goza i
dp reputacao. S o Courner del Plata tem censa-
rado sua oomeacao. Poaco conhece o Brasil nossos i
homens de estado, mas parece que nao dos taes I
bolafogos de sua trra.
TenHndlgnado mao a linguagem da imprensa i
do Chilo contra os alliados a a favor dos Para-
guayos.
Para disfarcar o ealor que temos sentido a cora- >
nbia lyrica coniiuia a dar suas funecoes, que vo
agora attrahindo muita concurrencia.
O beneficio do Celestino foi magnifico para elle
e para os ouvwos dos dilettanli.
Tivemos, alm disso, am lindo concert, em qae i
algumas senhorilas orienlaes revelaram seus ta-
lentos.
Corrientes, 19 de Janeiro de 1866.
Devera j ter sido recebidas as dnas anteriores
qae este mez eserevi, oa entSo sero entregues de
uma vez com esta pols iro naturalmente pelo va-
por a 27 do corrente sahe de Boeoos-Ayres.
Da guerra nada Ihe posra dizer seno que esta-
mos ainda como eslavamos E' a realisaco do mo-
te consolador com qne Alexandre Dumas terminou
seu bello romanceMonte ChristoSoffrer e es-
perar.
Soffreraos e esperamos ; contina o exercito na
pasmaceira, fazendo exercicios. S flearo montes
christos os especuladores. Nao obstante ha nos
soldados muito valor. Vou porm dar-lhe alguma
noticia do exercito do general Osorio, era respeito
ao pessoal do mesmo exercito. Havia oisso uma
grande otilidade. Quando coraecarera as opera-
coes da guerra, sabero seus leitores os oomes dos
que as dirigirem, e avaliaro melhor dos fados. E'
o general o Sr. marechal de campo Manoel Luiz
Osorio, como j sabera.
Divide-se o exercito era um com mando geral de
artilharia, que consta.de 3 batalhdes e 1 regiment.
Ha 4 di vi .-oes de infantaria e 2 de cavllaria. Es-
sas divisos se subdivldem em 20 brigadas. As de
infantaria se compem de 2,3 ou 4 batalhoes, e as
de cavllaria de 2 regiment? ou corpes.
Os cornmandantes das divisoes sao os seguintes :
1" divisao, bngadeiro Jos da Victoria Soares de
Andrea ; 2a, coronel Candido Jos Sanches da Sil-
va Brando ; 3', brigadeiro Antonio de Sampalo ;
4% bngadeiro Jaciolbo Pinto de Araujo Corri;
5*. brigada, Jos Joaquim de Andrade Neves; 6*,
coronel Victorino Jos Carneiro Monteiro.
Brigadas : ; 2, Manoel Lopes Pecegoei- j
ro ; 3", tenente-coronel Sezefredo ; 4*, coronel
Valenca ; 5", Guilherme Xavier de Souza; 6\ te- i
nente-coronel Oliveira Bueno ; 7a, coronel Jacmlho
Machado de Biitencourt; 8a, tenente-coronel D.-
Jos Balthazar da Silveira; 9a, Joao Guilherme de
Bruce ; 10a, tenente-coronel Andr Alves Leite de
Olveira Bello; 11a, tenente-coronel Jos Antonio
da Silva Goimares; 12a, Jos Rodrigues Colho
Kelly (este lenle coronel e sua brigada acha-se
com o general Flores); 13a, coronel Alexandre Go-
mes de Argollo Ferrao ; 14a, dito Joo Manoel Me-
na Brrelo ; 15a, dito Tristo Pinto ; 16a, dito De-
mesfo Ribeiro; 17a, tenente-coronel Hilario Maxi
miao Antunes Gurjao ; 18a, coronel Dr. Evaristo
Ladislao e Silva ; 19a, Francisco Gomes de Freitas;
20a, brigada ligeira, brigadeiro Netto; contendo
esta brigada 16 columnas.
Ha mais 4 corpos que sao, o de eogenheiros;
O de estado-maior de Ia classe ;
O do corpi de saude, ebefe o conselheiro Ma-
noel Feliciano Pereira de Carvalha ;
O ecclesiastico.
Mais tarde Ihe remetterei um mappa de tolo o
pessoal do exercito.
Em campaoba temos :
General Flores (sendo brasileiros 2,000
e orientaes 2,000)............. 4,000
General Mitre (argentinos)......... 10,003
General Osorio (brasileiros)....... 30,000
BarSo de Porto Alegre (idera)...... 8,000
Baro de Melgaco (idem........ 4,000
Coronel Galvo (dem)......... 3,000
Esquadra (idem).......... 3,000
Acampamento da batera nos arredores
de Corrientes (dem)......... 500
64.500
A este numero reuniremos os nossos batalhoes
que ainda aqu nao ebegarara, po'to que j sahi-
ram da Bahia, Princeza Leopoldina, lmperalnz e
Isabel. O que vraba no vapor inglez Powerfull
naufragou as costas do Albardo, prdendo dous
offlciaes e 20 pracas. Nao sei onde se acba neste
momento.
Outros amitos contingentes esto a chegar de
outras provincias.
V se claramente por abi que ao passo qae na
allianca o exercito argentino e oriental entra com
12,000 homens, o exercito brasileiro tem 52.500
Havendo desses no territorio correntino 40,500 e
ao territorio brasileiro (Matto-Grosso) 12,000.
Deve por este vapor seguir para o Brastf o te-
nente-coronel Domingos Mundlm Pestaa, que trou-
xera da Bahia o 24* corpo de voluntarios. Essa
distinelo offlcial, conbecido pela soa intelligencia, e
autor de orna obra sobre tctica militar nao pode
continuar a prestar servicos no exercilo em razo
do mo estado de soa saude. Por duas vezes ama
diarrha chronica o obrigen a deixar o commando
do corpo, sendo substituido interinamente. Nao
obstante, reassnmindo-o, acompaabou o exercilo
at aqui, onde, na Lagda Branca, se engravesceram
sens males, e perdeu quasi ipteiramente o oso da
vista, o oue o impeda de cc-mmaodar o batalho;
isto obrigou-o a resignar o commando.
Aquella iutelligencla poderia, porm, ter sido
aproveitada se ti vesse havldo um lagar para elle
no quartel general.
Hontem embarcou no vapor Pausando, aquelle
respeilavel aocio, sendo at o porto acompanhado
por mullos de seus amigos. Fez uma bella ordem
do da despediodo-se de seas camaradas.
Do Paraguay sbese qae est demasiadamente
fortificado. Tres correntes atravessadas de Hu-
maita para a margem opposta, goletas ou candas
situadas no meio do rio, tendo presas machinas in-
leroaes, d'onde partero fios elctricos para as for-
talezas, sao os meios por elles mpregados nesse
ponto.
No Passo da Patria bateras perraauentes e vo-
lantes tem sido preparadas, afim de impedirem a
passagem do exercito nesse lagar.
Ha das, segundo dizem, passaram us 50 para-
guayos, e atacaram urna guarda correotioa, onde
tizeram estragos, matando 6 soldados, cujas cabe-'
cas levaram em tropheu espetadas em postes para
a frontelra onde se acham as bateras inimlgas, e.
assim conservan)-se anda.
Que horror I qae povo I qae belligeraales I
Lament-mos esses fados; e lamentemos tambem
qae teodo hontem (18) feita 4 mezes da reodico de
Uruguavana, tenham sido perdidos iodos esses qua-
(ro mezes para o bom xito de nossa causa, dan-
do todo esse tempo para que o inimigo se fortifi-
casse. _
Devia-se contar ento ooe a passagem do Para-
n era ioevilavel, que essa passagem nao se havia
de fazer com boias de cornea, e pols medidas de-
viam entao ter sido tomadas, para quando aqui
INTERIOR.

chegassem os nossos reforcos unidos por mar,
ebegassem tambem as chalanas proprias que po-
diam ter sido construidas em Buenos-Ayres.
Assim tendo chegado a esse porto a esquadra a
25 de outubro, e lendo o exercito alliado se appro-
ximado do Passo da Patria no principio do mez de
dezembro, esta ludo como se estivessemos a 10 ou
100 legoas de distancia.
Mudemos porm de assumpto. N quero fazer
neste lugar as reliexSs qae esto borbulhando no
espirito, e a quererem escapar da penna.
No dia 14 do corrente leve lagar no hotel dos
Alliados am espleadido almoco offerecido a armada
nacional pelo exercito brasileiro. Representavam
o exercito offlciaes do 1 batalho de iniantana, do
15 de volontarios (da Bahia) e do 11 (de Pernam-
buco). Reinon a maior cordialidade e entbosias
mo na tost. Estiveram presentes offlciaes de to-
dos os navios surtos neste porto, teve presente o
Sr. ebefe de diviso Alvim, faltando o Sr. Barroso
por iocommodado, e o Sr. Jos Maris Rodrigues
porque assim o exigi a urgencia do servico abor-
do. A' tarde houve no acampamento uma repre-
sentado em um theatrinbo levantado no meio do
formoso laranjal da Batera.
A peca-escolhida foi uma rcenle coraposico es-
cripia pelo Sr. Dr. Jos Caetano da Costa medico
da armada. O titulo : A Batalha a%Riachuelo.
Nao aqui o lagar proprio para dar-lbe ama noti-
cia minuciosa do enredo do drama ; mas dir-lne-
hei que aquelle bello talento foi muilo bem inspi-
rado as scenas em qne, ao som do clanm, ao es-
tampido dos cantores, ao sibilar das balas, e ao zu-
ir da metralha, um marinbeiro imperial, am sar-
geoto de artilharia eleva e exalta o ardor nacional
fallando na praca de armas de am dos navios de
guerra, onde se passa o 2" acto. Foi o drama re-
presentado por offlciaes do exercito, o que, den
ainda mais valor a manifestaco de harmona
e cordialidade entre essa duas porcoes de bravos
que se acham lo longe da Ierra natal, esperando
a hora de punir a offensa feita a necionalidade bra-
sileira.
Hontem ao anoitecer fundeoa o vapor Petropohs,
que tinba antes o nome de Brilannia. Condaz a
tropa da Babia. E' um dos bellos documentos do
patriotismo dessa formosa terrada primognita de
Cabral, Ainda nio desembarcou Dizem-me que
o batalho 56.
Fiquemos aqoi. Serei cuidadoso em dar-lbe no-
ticias seguras e minuciosas.


RIO OE JANEIRO
4 de fevereiro. hi-i
Eatroo hontem do Rio da Praia o paquete iiglez
Arrio, com datas de Buenos-Ayres at 28, e Monte-
video 29 do passado.
Era ainda a mesma a situscao da nossa esquadra
e dos exercitos belligerantes sobre o Paran. A
carta do nosso correspondente de Montevideo re-
fere o movimenio de transportes que tem havido,
bem como mais algumas particularidades inters-
sanies. O almirante visconde de Tamandar pre-
parava-se para largai de Buenos-Ayres a 30 ou
31, subiado o rio com mais alguns vpires. Era
de crer que logo depois da sua chegada a Corrien-
tes principiassem algumas operacoes serlas.
Entretanto trabalhava se all activamente na
construccao de embarcares para o exercito aira-
vessar o Paran.
Os Paraguayos tinham vindo por vezes coro pe-
quenas forcis aticar as avancadas correntinas no
Passo da Patria. No dia 17 passaram defronte do
sen forte de Itapir, em 24 canoas, com uns 600
homens, liroteandosealgumas horas com um des-
tacamento de infamara e alguma cavllaria do ge-
neral Caceres, e relirarara se com algumas perdas,
levando, porm, como trophos, dizera as tolbas
argentinas, as cabecas de alguns Correntinos que
conseguirn) apanhar.
Era Montevideo causava alguma sensaco o boa-
to de ter o ministro italiano toilo reclamacoes ao
governo oriental, por prejuizos soflndos por subdi-
tos da soa naci, reclamacoes que alguns suppu-
nham seriara igualmente feitas pelos ministro do
Brasil e da Hespaoha, para nao ficarem ero peiores
condiedes. Nao pareca, comtudo, haver motivo
para susto, e que, se reclamacoes havia, eram ni-
camente para assegurar direitos futuros.
Tinha se promulgado em Montevideo o novo c-
digo do commercio, qae deve principiar a vigorar
no 1 de julho.
Segundo refere o commandante do Amo, tinha
o nosso eocouracado Barroso chegado aquelle por-
to no da 28.
As noticias do Chile poaco adiantarn, fallando
apenas de am pequeoo tollo de armas, qae consis-
ta em tentaren) as fragatas hespanbolas Numancia
e Berenguela, com lanchas armadas, tomar, no
porto de Caldeirilla, um pequeoo vapor chileno
qne zombava constantemente do bloqoeio. Segan-
do a verso chilena foram os Hespaohes repelli-
dos por ama pequea torca de infantaria, postada
em Ierra, e apenas cooseguiram destruir o vapor-
ziuho com a grossa artilharia das fragatas e a das
lanchas.
Do Per, nem da sua allianca com o Chile, nio
ba mais noticias.
Realison-.se hontem a viagem de experiencia do
va por S. Jos, aoti(zo Wild Rover, construido ex-
pres.-amente em Inglaterra para forcar o bloqoeio
de Charle.-toD, e boje propriedade da casa de Mes-
quita 4 C, que tem o servir; i dos paquetes da li-
ona de Santos.
O S. los raede 230 ps de comprimeoto, 27 de
bocea, II de pontal, e 8 de calado d'agaa. A sua
arquearlo registrada oo dique imperial, onde en-
trn para pintar o fondo, de 841 toneladas.
Tem duas machinas oscillantes da torca nominal
de 180 cavallos ; mas todas as pecas do machinis-
mo foram construidas com proporgfles para se po-
der desenvolver uma torca effectiva de 900 ca-
vallos.
O S. los de torro, e tanto o casco como as ma-
chinas saturara das offlcioas de Thompson, em
Glasgow.
Tem rodas de patente e foi arranjado agora as
offleinas dos Srs. John Maylor di C. com todos os
commodos. e melhoramentos qae sao necessarios
para o novo servico que destinado.
Fizeram-se Ihe dnas cmaras a' r, a maior das
quaes, por baixo do tombadilUQ, tem 70 ps* de
coraprimento, comprehendido o camarim para se-
nhoras.
Dos lados Qcam os camarotes com 64 lugares
para passageiros de primeira classe, e no centro
acha-se a mesa de jamar em todo o comprimeoto
do salo.
Tem pores limpos para mais de 350 toneladas
de carga, e carvoeiras para quatro a cinco dias de
corobustivel.
S. los levaotoa ferro defroote do arsenal de
marraba s 11 horas e um qnarto, chafando ao
cosio de Santa Cruz e marcando o manmetro de
25 a 28 libras de presse, com 34 rotacoes do
eixo por minuto, veoeeo em 25 minoios quasi toda
a distaocia d'abi al Rasa, e t-la-bia provavel-
mente attingido com roals cinco oa seis minutos
se nio estvesse demasiadamente aportada a porca
do parafuso do eixo de eslibordo, e nao houvesse o
bronze esqneotado, tornando-se por isso necessario
demorar a marcha e parar por alguna minutos
para dar lugar ao resfriamento.
A nao ser este incidente terla talvaz o S. los




. i K
------
fe.
L


;
,
'n'irW
vencido as 8 3/a mfftw qe ^e dVw*fc,r"#
Kasa em 30 oo 31 minutes com ten tonca, pela
urda : i mar na (orea da eneheute e om toldo
corrijo em um navio de 130 ps de eornprl-
monto.
Ni voltt pera trra, dlmintimdo se a. prsalo
das c aldelras a M e Si libras, tu anda o S. Jos
de 13 a 1* mi Ibas.
A ebapa das ealdeiras tem maia om oiuvo de
grossara 4o ijae o ordinario, e as vlvulas esli
regaladas para 40 libras de prassio.
A'i 2 boris e meia da Urde eslava o S. Jos
fundoado, e foi entao servido om profuso copo de
agua aos numerosos convidados.
No vapor kone veio de passagera o Rvd. Sr.
Garlos Mikosxewfki, conego boa wano e cara de
Zelaina, na archidiocese de Varsovia, cidado po-
laco, que veio ao Brasil ton a mlsslo de promo-
ver urna subscripcao a favor do clero polaco ex-
patriado.
o
Por decreto de 31 de Jneire prximo Ando :
Foram concedidas ao conselhere Jos Antonio
Sara va e ao bacbarel Hanoel Alves de nraujo a
exouersco qoe peairam do cargo de 1M vice-pre-
sidentes, aquella da provincia da Baha e e; te da
do Paran.
Per cartas imprtaos da mesma data foram no-
meados :
Pedro Leo Vello, 1
=5!
-------^

ftlarl* ie Permiibe# ftaarta letra 14 le FeTerelre de i866.

asm prximo tiado.-na cMade de Metas; na pro-
Capilo do O" baUlbao de infartara Joaquina
Rufino Ramos Jnb, em 2 de julho do dio ano,
no presida de i. Jos de Araf aaya, na provincia
de.Goyaz.
Major reformado do exerclto Antonio Jos .Pi-
nella, em 21 d t Janeiro nado, em Nietheroby.
=,*
Carlos Ribeiro de Andrade, vlee-ditoi' Praneieco
X. P. Bastos e Miguel Moateiro de Gtttov, afJM*
tartos.
L-so na flt'i'ja Commercial dt SmtM":
t O Dr. Gastn que, acbando-se nierantes *f
Itapetininga, emprehendea fazer a viagemm do nicamente do om cantarada, por ama picada
RecliAcacao. Nos despachos de ministerio da at a sen, a encontrar a estrada que vai i Paeoi-
_ *__B..:__>.. AI. aa ... ----------- joitica publcalos oo da Jo, no paragrapho qoe
principia Antonio Horeira de Castro Lona,
aere lr-se Antalo Moreira de Castro Una.
-8
O Sr. baro de Lage (ol elevado a vizconde do
mesrao titulo. __
Foi nomead o comroendador da ordem de Cbristo
Ciriejir nos partos do norte algodo para Li-
Bare* Initaa ftquete Dole Vi d. e 3 />
belfa Pnmdence 11/16 d. e 5 /.-
* CauVa--*BOtarndo as traosacedes effectuadas
nnja a m % d-, papel bancario. e 24 X d, de par
napanema a Iporanga, embrenbou se, acoapantn- tienteres, sommam os saques pelo paquete Rhone:
o Sr. Dr. Luit da Cuaba Peij.

Hontem, a meia hora da madrugada, rebealou
um violento i o cendr na loja de papel e objectos
de escriptorio a ra da Alfaodega n. 31, penen-
cente ao subdito britnico Willam Scnlly. Fcil-
mente se communicaram as chammas ao hotel em
cima, pertencente aos subditos portugals Fran-
cisco Gatuno de Oiiveira 4 C, e com rapidet ar-
deram tanto o hotel como a loja communicando-se
ainda as di? ramas que sahiara pelos fundos do
edificio is canas da roa da Quitanda nmeros 112
e 114, esta pertencente- a Catniard & Sobrinbo,
vicepresidente da pro- cbapelleiros, e aquella a Aotoio Manoel de Quei-
vincia da Bahia ; Agostinho Erroillno de Leo, !. TOt> sirgoeiro. I ... ,
vice-nres.dente da do Paran, e Slnval Odorico de' O predio incendiado, n 3i, Meprop[eade do
Moua, 3- vice-presldente da do Maranho. Sr.- Coa gf"*.m9tmE* em *
______ i t i loja de papel; nao o esta, porua, o nonti.
Pe* decretos do do corrente : Iafeliimeote nem da loja nem da leja nem do
Fci aposentado com as non'as de desembarga-, hotel se pode salvar coosa aigpma.
dor (. juiz de direito Manoel de Freitas Cesar i Procede-se pela polica a a'veriguacaes sobre a
Garcet. cansa do ioc ndio.
Concedea-se ademissio qae pedio o bacbarel i
Joo Carlos de Aranjo Moreira, do lugar de jnii |
municipal e de orphos do termo de Formigas, na JJ ARIO DE PERNAIi BUCO.
provincia de Mmas-Geraes.
Fol oomeado o bacbarel Antonio Gon$alves Cha-
ves Jnior, para o logar de joli municipal e de Do Rio de Janeiro e Bahi)i ohegon hintem o va-
orphios do termo de Formiga, da proviocia de Mi- por inglez Rhone, sendo porudor de joroaes, d'a-
nas-Geraes. l qoelle al o da 8 e desta ate 10 do corrente.
Permiltio se qne Francisco Antonio Ferreira, i Sob as rubricas Exterior e Interior vo por ex-
Joaqom Hilario da Silva, aqnelle 2o tabelllao do tenso as noticias mais importantes alm das quaes
publico, judicial e notas, e este escrivao do Jnry e apenas encontramos mais a seguales
das xeccoes crimioaes do termo de Santos, na
provincia deS. Paulo, o poderem permutar entre
si os respectivos oficios.
6
A falta da prata e bilhetes miados para troeqs I
Ro be Jankiro.Foi agraciado com a comraen-
da de Cnaisto o Rvm. Sr. Dr. deo Joa|aim Fran-
cisco de Faria. O decreto precedido da segrate
apresentaco: /
Saohor.O Rvd. Joaquim Francisco de Faria,
tem .negado a um ponto de faier desesperar. deao da cathedral de Olldda, presin mporiante-
om verdadeire supplicio correr a cidade iuteira: servicos a' igreja e ao estado no goverao dadioce-
em procura de troco para urna nota de 20$ e n5o, se de Peroarabuco, como vigano capitalar qae aca-
o encontrar, ter necessidade de qoalqner objecto e ba de ser da mesma diocese; pelos qaaes se torna
nio o poder comprar por nio haver meio de com-; digno de remunerado. E, achando-se esses ser-
por a somma equivalente ao sea custo, vicos comprehendidos nos de na trata a a parte
O agio dos bilhetes miudos do thesonro chegou do 3 do art. 9 do decreto a. 2,853 de 7 de de-
ia* a mais de 5 *. Neste andar nao tardaremos a zemDro de 1861, teoho a honra de propor a vossa
ver paralysada- todas as traosacedes pequeas, e | Magestade Imperial que se digne n
por con-egunte tambem as grandes, que tem a-
quellas por base, e oo havemos de raorrer de fome,
ou dar 20J> por ama libra de carne.
O novo esta' caneado de soffrer este estado aaor-
mal, e ja' nao sabe qaando que o Sr. mioi.-tro da
faienda, que acha maos todos os expedieoles que
se Ihe tem lembrado, acabara' por descobrir o ver-
dade.'ro.
Da crdem do dia n. 499 expedida pela reparti-
lo de ajodante geoeral em 3 do corrente extraa-
mos o segaiote:
Nomtagdes Uos Sr?.: coronel do corpo de en-
geoheiros Andr Cursioo de Negreiros Lobato,
para servir no exercito em operacSes fora do Im-
perio, a' disposicao do commando em chefe do
mesmo exercilo. Em 29 de Janeiro Qodo.
I" teneates do dito corpo Jeronymo Rodrigues
de Maraes Jardim e Alvaro Joaquim de Oiiveira,
para servirem no mesrao exercito, como se offe-
receram, tendo sido dispensados, a sea pedido, da
commisso em qae se achavam na provincia do
Paran, a' disposicao do ministerio da agricultura,
commercio obras publicas.
Teoeute do corpo de eslado-maior de 1' classe
Eduardo Jos Barbosa, p.va seguir para o mesmo
exeroilo, como pedio, alim de ser lli empregado
em commisso prop ia de. sua arma : Qcando por
isso dispensado da commisso propria em qe se
acha va na escola militar.Em 31 do mez Hado.
Major reformado Virgilio Fogaga da Silva, para
comrnandanle das companhias de operarios milita-
res ti o arsenal de guerra da corte. En: 29 do
dito mez.
2o lente reformado de arti'haria Augusto Ce
sar Pereira da Cunha, e aireres tambem reformado
de infantaria Pedro Joaquim Nuoes de Mesquita,
para servirem as referidas companhias. Na
mesma dala.
Foram approvadas:
A noineacao feita pelo commando em chefe do
exercito em operares fra do imperio, em 2o de
deze nbro do anno prximo passado, dj Sr. Io ca-
dete Io sargento d-> 33 corpo de voluntarios da
patria Jos Mara Crrela Vasques, para alferes de
commisso do mesmo corpo.
A que fez o mesmo commando em chefe, era 30
do dito mez de dezembro, do Sr. 1 cadete 2o sar-
gentD do 4o batalbo de infantaria Salusliano Jero-
nymo dos Res, para alferes de commisso no
mesmo batalhao
As nomeacoes, feitas pela presidencia da pro-
vincia de Guyaz, do Sr. alferes do extincto corpo
de guarniejo de S. Paulo Antonio Augusto Noguei-
ra de Baumaao, para capilo de comniisaao, e do
Sr. 2' cadete do Io regiment de cavallarla ligeira
Luiz Aagusto Pinto de Souza, para alferes tambem
de commhiso, afim de servwem na forca de vo-
I uutario.-; da patria que da mesma provincia se des-
tina a' de Matto-Grosso.
Dispensa do serviqo do exercito. Foram dis-
pensados dos postos de commisso em que se acha-
vam no exercito os Srs.:
Capilo do 14 corpo de voluntarlos da patria
Joaquim Goncalves de Carvalho, como requereu,
por motivo de molesila. Em 30 de Janeiro Ando.
Tenente da guarda nacional da provincia de Ser-
gipe, e ajudonle do corpo de polica da mesma pro-
vincia, Joo Paulo Ferreira Rocha, pelo mesmo
motivo.
Alferes do 42* corpo de voluntarios da patria
Lupercio da Rocha Lima, como requereu, por ler
sido julgado soffrer de molestia iocuravd que o
torna incapaz do servico do exercito. Em 27 de
Janeiro lindo.
Foram approvadas as que foram concedidas pelo
commando em chefe di exercito em operacoes
fra do imperio aos Srs.:
Capites Francisco tioocalves de Arroda Jos
Leoncio Lins de Albuquerque, o primeiro do 11
corpo de voluntarios da patria e o segundo do ex-
tincto. 21 corpo, e alferes Francisco de Azevedo
Carv.iiho de Siqaeira Varejo, do 26 tambera da
volantarios, a este por nao serem raais precisos os
seas servi{ 8 no exercito, e quelles por seu estado
veletuJinario. Em 24 de dezembro do anno pr-
ximo Ando.
Alferes do 2* corpo da brigada ligeira de voiun-
latlos Joo Xavier de Carvalho, Antonio Nones da
Grao e M noel Moreira da Silva, por assim o ha-
veren pedido, em consequencia do sen mo estado
de saude.
Transferencias. Por decreto de 22 de Janeiro
Rodo fol transiendo para o Ia regiment de cavai-
lana ligeira o Sr. major do extincto corpo de ca-
vallarla de Maito-Gresso Joo Sabino de Sampaio
Menna nrrelo.
Po ootro decrete de 27 do dito mez foram
transferidos para a arma de artillara, na coulor-
midale do art. II do decreto n. 3 516 de 18 de no-
verntro de 1863, os segnintes Srs. olDciaes dos
corpos de engenheiros e do estado maior de 1'
classe.
Co'po de engeaheiros. 2* teneates Felippe
Hippolyto Ach, Bartholoraeo Jos Pereira, Jos
- Aogosto da Racha Lima e Innocenclo GalvSo de
Qoei-z.
Corpo de estado raalor de 1* classe. Alferes
Jos Arthur de Murfnetfy e Miguel de Oiiveira Sa-
lazar.
Luengas concedidas. Aos Srs. capilo refor-
mado do exercito Urbaoo Fernandes Barros, para
residir aa provincia do Rio Grande do Norte.Em
26 dt Janeiro Godo.
2* offlcial da pagadoria militar do exercito em
operacSes fra do imperio Carlos Augusto da Cu-
nha Mallos um mez, com sold e etapa. Em 19
de Janeiro Onde.
Reforma. Por decreto de 27 de Janeiro Godo
foram refrmanos, com o respectivo s ido por in-
teiro, na cotiformidade das aisposiij'es do 3" do
plan" qne baixoa com o decreto de 11 de dezem-
bro de 181, o aospecada Jos Domingnes de Oii-
veira, e os soldados Jos Leandro de Barros e Ma-
noel Claudio de 3. Aon, lodos do 9* batalbo de
infantaria, visto aeharem-se tmpossibilliados de
continuar no servico do exercito, em consequencia aqnelle bom amigo e dislinelo servidor do e:tado.
de feriroenioe recibidos em combate. -. Piuco.Por occasio de ama trovoada, que
FalKctmeniot. DoExtn. Sr. brigadeiro refor- de*abara sobre a capiul, cahra um raio em casa
mado conselheiro Fredenco Leopoldo Cesar Borla-. do Sr. Joo Ford.
maqnii em 14 de Janeiro Ando, nesu corle. Installara-se, no dia 3 d) corrente, a assem-
Dos Srs. coronel do corpo de engenheiros Er-, bla provincial, cuja mesa ficto assim composta :
nesio Antonio Lasuaee, em 9 de novembro de Joiqum Ignacio Banulho, presidente; Antonio
na. Da serra dingio-se para Iporanga, passando
pela estrada abena, que feita com mano trabalho,
se acha anda em muilo ms condtfdes. Deseen a
Ribeira e aarou aa cooflaeocia do Jaguary. Ex-
ploroa todno terreno as Immediaces do Jaguary,
onde Ihe diseeram qne havta muito frequentema-
te atJTooiree e chavas ; mas passou all cinco das,
sea* qoe cbovesse ama s vez, nio obstante estar-
se aa estacio das aguas.- Eocoatrou oes imme-
dlaces do Jaguary ierras exceilentes, pertencentes.
a particulares, qoe as querem vender, e, juntas a
e.-tas ierras devolulas umbera outras muito boas, j
A sua opioiao que, existinde ja nesse lugar :
um principio de povoac&o, a situaco apropriada
para nella se eslabelecerem os prlmeiros emigran-
tes americanos. As ierras prodazera algodo, caf,
railho e canna de asssucar.
< A apparencia dos habitantes dessas paragens.
isto cima de Xirinca, e tres leguas abaixo,
de boa saude ; ja o mesmo, porm, nao acontece
desse ponto para adiante.
< Comparando as trras de qne acaba detallar
com as de Araraqoara, tem a dizer que estas sao
muito superiores, mas as despezas do transporte
dos prodnclos agrcolas de Xiririca ao Rio de Ja-
neiro, por exemplo, sao urna qniaia parte das ne-
cesarias a fazer-se do Rio Claro ao mesmo porto
do Rio, isto caleulandc-se as roesmas despezas pe-
los procos actoaesk
. Sobre Lopdr.es cerca de 440,000 a 24,24 /i,
24 X. 24 Vi e 24 '/< d. para e papel bancario e 24
X, 24 >/., H X, 24 Va, 24 Vi- '4 Va. 3 e 25 /
d. para o particular.
t Sobre Parle, cerca
392 rs.
t Sobra Haneburgo 200,000
rail.
obre Lisboa e Porto ainda regtuoa a tabella
siguite :
!/.
11 /.
118 /.
< Fundos pblicos,
saccao alguraa.
c Melaes.O ouro comprado hontem por conta
da esquadra rnssa loram 9,000.
Exportaran) de 24 de Janeiro a 7 de fevereiro:
i Para Soulhampton 389:538(340 de ouro em
barra.
Para Lisboa 10:500a de onro em rooeda.
Para o Rio da Prata 1,333:5515 de ouro em
moeda.
Para Montevideo 17:7005 de onro em moeda.
de frs. 1,000,000 a 390 e
m. b. a 728 e 730.
a vista,
a 30 d/v
a 60 d/v
a 90 d/v
traoapirou
Nao
boje tran-
Antes de fazerem qoalqner jnlzo acerca do qne
doipaamaan prooarea faaer orer e aotor de Ho
venenoso communicado, peco aes qae lerero a di-
ta poblicafio, se dHjraem prastar aHenck) aeeMs
parcas liaba* qoe eefi
ment da estrada nestes ultimw lempos, e mator
tera sido se o governo tivesse providenciado acer-
cada aogmento,do.trem sodante e das aeeammeda-
coes da'stacao central da Cioca Ponas atteadea-
do is jastas rectanlaaSes do eogenheiro-tlscal qoe,
segando infornjara-nos, clama constaotemeeteem
seos relatorios contra a insufflciencia daquelle
irem, e chama a aitencao do governo para o fado
da aoisa estrada recasar por vezes transporte A
passageiros e mercaderas pela irapossibilidade
en qae se acha de effectualo em grande es-
cala.
Pasagelros do vapor francez Guienne, entra-
das da Europa: Tbereza Casaruchia, Francisca "Fos-
ean!, Guiseppa Pingiani, Herginia Tamozzi, Gertru-
des Maitei, Sarena PeMtppa, Fr. TeaMnaso Vtale, > afronta-lo, e diter-lbe: basta
Fr. Benedicto Sehemb 1, Fr. Mario Aroione, Fran-: cao americana,
cisco Antonio Geffoni, e seas fllhos Boag Antonio e
Leigi Gioranni Lomme, Mme. Lpez Aagustiaa ln-
lutte e 2 fllhos, Arler Bufn" (Armand), Arles Bu-
fos (Alphonse), Gregorio Jos de Mendooca.
Segnem para o Sal:
Dr. Antonio Manoel de Medeiros, Dr. Alexandre
de Souza Pereira do Carmo, D. Elizia Perpetua de
Jesns e 1 Alba, Dr. Silvino Cavalcanli de Albn-
querqoe, Joo Cavalcaoti d'Albuquerqoe, Lniz Vlei-
ra de Resende e Silva, Jos de Macedo Moreira
Campos, Darlo Bluno, alferes Francisco Carneiro
da Silva, alferes Manoel Pantaleo da Costa Montei-
ro, alferes Joo Joaquim.
Passageiros do vapor J/amanmape, entrados
do Aearae, Francisco F. de Queirz, Graciano
A propaganda proteataate.
Escravoe da corrnpcie e do poder, cansados na
lata entre si para conquistarnos aos ootros as snas
gracas, os nosos horneas das primetrai classes to-
do ouzam, todo imaginara e aprepaam, cada dia
ama ioveaco, sem reflexo, aem erlterio, menos
todo aqnillo para o que teja precisa a coragem da
a emegrt-
c Para a liba dos Acores 2:450000 de ouro em
moeda e 7:0004 de prata em moeda.
i Para Pernambuco 32:7004 de prata em moe-
da e 173:1275 de moeda papel.
Ao todo 389:8384540 de onro em barra,
Para o Rio-Grande 3:2004 de ouro em moeda. Jos Terxeira, Beato Pereira Mendes, Manoel Perei-
ra da Cuaba, Joo Goncalves da Costa, Jos C. de
Alboqaerqae, D. Rosa Pagels de Chaves e 2 fllhos
menores, Raymundo F. C. Monteiro, Antonio M. da
Silva, Amonio B. de Moraes, D. Bernardina de Se-
na do Nascmento, Manol V. de Sa Tiago, Joo
Observa, finalmente, o Ur. Gastn qne seria -1,369:4044 de onro em moeda, 40:3004 de prata Jos Rodrigues da Roera, Padre Luiz F. N. folioca
de muila vanlagem para a emigraqo mandar o em moeda e 173:1274 de moeda ppate e 1 criado, Padre Francisco de Paola Soares, Bel-
governo abrir ama estrada entre Canana e Xirl- c Caf. Nao transpiroa boje ttansaccao algu- [ miro Gomes e 1 criado, Joo B. d'O. Rollro, Joo
rica, a qoal atravessaria terrenos qne seriara pre- mi. I Rodrigues M. Corte, Br. Braz C. do R. Barros e 1
feridos para oestabelecimento dos emigrantes. < Algodo. Venderam-se hoje 114 fardos de, Albo meoor, Guilherme pereira de Azevedo, D. Isa-
A barca loglez* Annie, procedente de Liver- Sorocaba a 21J80O, e 184 de Minas a 214790 por bel Francisca de Quintal, e 4 tlihos menores e 3
pool e entrada neste-porto a 29 do mez prximo arroba. '. criados, Jos Ignacio F. Barroso, Francisco C. Ca-
Estavem a carga para Pernambuco : o bri- valcanti, Francisco de Sales Meira, Domingos lla-
gue Mara dt Alfredo, a barca portugueza Lima I. ira, Manoel Jos Ferreira, Joaquim Barbosa, Ma-
a barca belga Provulence, e o patacho hollandez noel Luiz Soares, 2 pracas de polica, Mme. Joanna
Nina. Shelcher 1 filtra menor e 1 criada, Anna Mana
Sahiram para Pernambuco : a 2, o patacho; de Si, Jos Escunha Milbo.
portoguez Fernandes ; a 3, a barca prussiaaa An-
na; a 4 o br.gue Adelaide; e a 7, o brigue inglez
lente Mooiy.
Baha..Nada occorreu que mereja attengao.
Ficava carga para Pernambuco, a barca
Favorita-
mendador da ordem de Christo. Sou, aehor, com
o mais profundo respeito De Vossa Magestade
Imperial sobdilo reverente.Mrquez de (Muda.
Por aviso do ministerio da guerra de 3 do
correle, mandon-se abonar a elaoa de mil reis
diarios, nos termos do decreto a. 1251 de 8 de ju-
Iho e imperial resoluco de 26 deoatubro do anno
passado, aos Srs.:
Tenente-feneral Joao Frederico Cardwell.
Brigadeiro reformado- Jos XavierGarcia de Al-
meida.
Majores reformadosAntonio Dornellas Cmara,
Flix Pereira Dourado, Gaspar Valeule Cordeiro,
Joaqmra Victorino de Souza Cabral e Manoel Cli-
raaco de Seixas Cardoso.
Capites reformados -Antonio Alves de Paiva e
Bernardo Jos Soares.
Tenentes reformados Joaquim Jos de Souza,
Ludovico Hennio Hornera da Losta e Joo Alves de
Almelda.
Cirurgias-mres reformados.Bernardo Macha-
do da Cunha e Salvador Machado de Uiiv^ira.
A casa da moeda cunhou par? (articulares
em ouro e prata, no mez passado, <>3:6694236 e
para o tbesouro 132:0004.
Pelo 3o dislricto eleitoral da pr viaeia foram
eleitos deputados proviociaes os Srs. : Sizenando
Nabaco, Piulo Rocha, Candido Torre trnssto Pe-
reira, Cistrloto, Ribeiro de Aveller, Marioho da
CuDha, Mello Mallos, Baptisla Pereira, Castro Sil-
va, Figuel redo Carvalho, Alves Machado, Vieira
Souto, Augusto Caldas e Fernandes.
Pelo 4o os Srs. : Moraes Costa, Liropo de
Abreu, Rodovalho, Brrelo, Breves, J. Lene, Jar-
dim, Cerqueira Lima, Ferreira, Vallado, Calvel,
Araajo, Pinto de Almeida, Marcondrs de Andrade
e Almeida Marques.
A crvela encouracada Barroso chegou a
Montevideo a 28 do passado.
L-se no Correo-Afercanfif :
O governo imperial pedio ao supremo tribunal
de justica urna lista dos 17 juizes de direito mais
antigos d'entre os quaes deve escolher tres desem-
bargadores.
c Foi hontem (3) enviada a lista composta dos
Srs. :
Antonio Henrlques de Miranda, Joao Quinno
Rodrigues da Silva, Francisco Elias do Reg Dan-
las, Pantaleo Jos da Silva Ramos, Aflonso Cor-
deiro de Negreiros Lobato, Mathans Casado de
Araujo Lima Aroaud, Joo Caetano Lisboa, Fran-
cisco Lorenco de Freitas, Manoel Jansen Ferreira,
Francisco Marlanni, baro de Loreua, Ermano Do-
ra iogoes do Cooto, Jos fnnocencio de campos. Jo-
s Nicolao Rigueira Costa, Jos Felippe de Souza
Leo, Leovigildo de Amorim Filga-airas, Luiz Car
los de i'aiva Teixeira. >
t O Siglo de Montevideo levantou ltimamente
grande escarceo por urna supposta oceupagodo
territorio oriental pelo Brasil, e de que j os leito
res tm coohecimeolo. O Piieo/o de Buenos-Ayres
apanhou logo o pretexto para insultar-nos.
Mas a Tribuna reduzo a nada toda a questo
com o arligo que em seguida transcrevemos, as-
sigoado pelo secretario do general Flores.
i Eis o artigo da Tribuna :
t As noticias par colares e as somi-offlciaes que
temos de Taquaremb fazem nos suppr, e at
mesmo crer, que a grave denuncui feita pelo Stglo
sobre a medico dos campos de Cunapir com-
pletamente falsa.
i Ter cahido o Siglo; apezar de sua experien-
cia, em alguma esparrella que Ihe leabam armado
os blancos?
> Tantas cousas temos augurado ao Siglo, e que
com o andar dos tempos tm sabido certas, que nao
estranbariaraos acertar tambem pe r esta vez I
< Ha dias dissemos ao Siglo que andasse com
cuidado; qne se nao deixasse sorprender, e que
fugisse oas citadas dos blancos.
Mas o Siglo, que o nico que comprehende os
verdadeiros interesses da nacao, enfadou-se e do
enfado quasi passou ao pranto.
c Deixemos o eoilega enfadado e vamos ao caso.
c O Sr. comrnandanle D, Pedro Chucarro, che-
gado ante-hgntem de Tacuaremb, explicou-nos a
grave denuncia do Siglo, pouco mais ou menos nos
seguinies termos :
. Qae os engenheiros mediram com etfeilo a
parte do serr de Cunapir, e nao do Rnco, co-
mo dteai o Siglo ; serr que est justamente sobre
a linha divisoria do imperio e da repblica.
i Que, perguntado aos engecheiros qual o fim
daquetla medico; respondern) iuo tam construir,
alli moa batera.
< Qae os engenheiros havian coilocade nma
baadeira cerca de urna qnadra para c da linha,
ao nosso territorio, e qae, interrogados pelo cora- [
missario, res pondera m qae linha n por objecto bus-
car ora ponto de mira, para ratiticar a linha.
< Bis quanto nos disse o comrnandanle Cha-
carro.
< Agora temos mais dados para suppor que a
grave denuncia do Siglo seja falsa : o Sr. D. Joo
B. Castro, ebefe poltico do Tacuaremb, em caria
qae nos dirige daquetla villa, diz-nos, entre outras
coasiis:
c Est cumprida a sua recooimendacio.
Presentemente nada de imjiorlanle occorre no
departamento; se aqu ou na fronteira do irn-
perio algum soe-esso te dr, nao deixarebde le-
< va-lo immediatameote ao seu conhecimento.
c A carta de 12 do correnta, e claro qae, se
fossi certa a grave denuncia <1 Siglo, ter-nos-hia
sido comrauoicada.
< E' provavel que amanha possamos dar ao
publico outros dados com maior carcter offlcial.
Bus'amante.
De urna carta escripia de Buenos-Ayres em
lindo, achando-se a 7 de dezembro do auno passa-
do na lat. 40 10 N, loog. 10, foj accomraetiida por
um forte temporal, e, cahlodo nessaloccasio sobre
o convz om grande mar,levou diante de si 10bar-
ricas com carvo, cada ama de 16 quintaes, e 36
saceos tambem com carvo, comeado cada um
doos quintaes. >
L se no Correio Paulistano :
< No dia 27 do crreme, pelas 8 horas da noite
um snislro dos que borrorisam teve lugar em
ama das chcaras da Moca.
i < Fel que um moco, mor motivos qae '.ignora-
mos, tomou urna tal dose de arsnico, que a nao
ser promptatheole soccorrido, sera hoje com cer-
teza um cadver. Aos prlmeiros symplomas de
morte charaou-se a toda a pressa o Sr. Pires de
/tibnquerque, pbarmaceulico, que se tornou iocan-
savel para o salvar, empregaado por um lado lodos
os raeios que a sua profissao Ihe faculta, e pelo
outro reanimando e|enchendo de esperanzas a farai- dos quadros da" va-sacra,'que a irraandade de.-sa
lia do infeliz, que se desfazia em lagrimas. | envocaco mandn bascar em Pars; e a noite
< Gracas Providencia 9 medicina, acha-se pIas 1 horas o santo exercicio da via-sacra.
boje totalmente lite de perlgo, e, apezar do grande
PERNAMBUCO,
REVISTA DIARIA
Passageiros do vapor laglez Roheno, vindos
dos portos do sol: Ernesto Whiltington Laudare,
William Jatham, Dr. Jos Antonio de Mendooca,
Charles Berubard Schraram, Bernardo Jos Pe-
reira Calisto, Mara da Gloria de Mello Sampaio,
Jos Gomes Pessoa.
Seguem para a Europa :
Jos Antonio dos Santos Andrade e sua familia,
Ja-cobsohn Lewepu, Pedro de Almeida Goimares,
Tuo'ms Bernes, Miguel Clarello, Nicolao Lamalha,
Jacome Antonio Cranello, Antonio Agnelo, Antonio
i de Moraes Gomes Ferreira.
M
Hoje lera' lugar na igreja de Sania Cruz abenco m
estrago que o veneno Ibe causn, ha probalilidade
de nao (car soffrendo.
c Foi urna daquellas scenas qae nioguin
encarar a mangue rio, e oxala que a nos
nao proporcione occasio de tornarmos a raeocio-
nar casos idnticos, e que as autoridades calba
maior altenoao para a venda de certas drogas ex-
pressamente prohibidas'
Do Jornal do Commercio extrahimos as se-
grales noticias commerciaes, em 7 do corrente :
Caf.Com quanloos pregos nao tenham sol-
Indo allerago depois da nossa revista do 1 do
corrente, todava esli hoje mais firmes.
i As vendas da quinzena foram :
i De 23 a 31 de Janeiro :
Para o Canal e norte da Europa..
Consta-nos qoe deve fazer-se, depois- d'ama-
nha nma reanio, no. salio do theatro de S. Isa-
pode I De' ana} ae tratarse aceren da emlgracao men-
se nos
!!f
3il
~ I
H i
7! I
I : I
> o Mediterrneo............
i os Estados-Unidos.........
diversos porlos...........
8,902 saccas.
5,280
49,426
2,167
t De I a 6 de fevereiro :
Para o Canal e norte da Europa.
65,775
8,600
os Estados Unidos..,..... 13,296
o Mediterrneo............ 3,422 .
diversos portos........... 252 2o,570
Total...........91.345
Para melhor comparaco dos pregos, publica-
mos com as cotac;5es actoaes as que vigoravara
sahida do paquete Navarre.
Janeiro 22. Fevereiro 6.
Qualidades.
20 do passado extrahimos o seguate
O nosso velbo Dr. Meirellts aqui se acba con-
val.iscendo de ama paralysia inte o acorameileuno
Algrete, onde quasi fallece. Felizmente j pode
andar, embira precise atada (ie urna moleta Est
livre de perigo, e tem a sao lado constantemente o
Uctaviano, o Leal, o Dr. Carlos Frederico, o tilho
do Ottoni e todos os Brasileirof qne sabes apreciar
Lavado....... 74800 a 94500 84000 a 94300
Fino......... 84700 a 74900 74800 a 840U0
Superior... 74400 a 74600 74500 a 74700
1 boa....... 74000 a 74*00 74200 a 74400
irregular... 64200 a 64400 64400 a 64600
! ordinaria... 54600 a 54800 54800 a 64000
2 boa........ 54100 a 54300 54300 a 34500
2 ordinaria... 44800 a 34000 54000 a 5**00
Capitaoia..... 54730 54750
Em ser 70,000 saccas.
t Agurdente.Vendeu-se a 754 era trra, e
posta a bordo a 904-
t Em ser 1,000 pipas.
t Algodo em rama.As vendas da quinzena lo-
ram de 2,000 fardos, sendo 1.000 de 204300 a
214500 antes da chegada do Rhone, e depois 1,600
de S. Paulo a 214500 e 224, e 400 de Mloas a 2tj.
Os possuidores pedem precos mais altos; os
compradores, porm, na espectativa de melhoras,
affaslaram-se do mercado, que tica calmo.
, Em ser........ 1,908 fardos, S. Paulo.
300 fardos, Minas-
Assucar.As vendas durante a quinzena li-
mitaran) se as necessidades do consumo.
Os compradores continuara desanimados, ha-
vendo comtdo tendencias i firmeza da parte dos
possuidores do somenos e 4" sorle de Pernambuco.
Nota-se urna baua de 100 rs. as 2" soile3
brancos ele Pernambuco e nos brancos de Campos,
e urna alta de 108 rs. no somenos daquella proce -
dencia.
t Colamos.Pernambuco : ___
Branco2'.....:............... 44700 a 44900
, 3. ................ 44300 a 44600
i.'................... 44000 a 44200
Somenos...................... 34700 a 34900
c Maceio :
Brancn e mascavo. Nao ba.
Baha e Cetinguiba :
Branco...................... 34400 a 34600
Mascavo. Nao ba.
BrlnST!:................. 34400 a 34800
Mascavinho................... 24900 a 34200
Mascavo....................... 24300 a 24800
Carne secca.-Ha em deposito 51,800 arrobas,
sendo 12,800, do Rio-Grande e 39,000 do Rio da
PfsUk
Vende-se a primeira de 34200 a 44200 e a
segunda de 24100 a 24600.
t Cereaes.As ultimas cotacoes foram : arroz
de Igoape, de 124 a 164; fanal)a de mandioca, fi-
na, de 74600 a 124 ; dita dita, grossa, de 34100 a
35800; feijo preto, de 124 a 144 ; milho, de 34 a
i 74; tapioca, 74- .
Couros.Colamos pequeaos a 240 rs., graodes
a 230 r.-s.
1 Km ser 3,000.
Despacharam-se 2,708 para o Havre,
c Chifres.Cota-seos de novilbo a 94 eos de
vacca de 34 a 44 o cento.
Era ser 25,000.
Pomo em folba da Bahia.As vendas foram
ioslgoicantes ; colamos:
Patente..................... 164000 a 184000
Flor........................ 104000 a U41OO
Primeira.........-.......... 7f00
Segunda.................... 34000
1 Ficam em ser 2,000 fardos na totalidade aovo,
em prmeiras maos; em segundas mos 2,000 di-
tos, a maior parte velhos.
Gorduras.-Cotamos :
Sebocoado de................. 64000 a 64200
Dito socado de................. 84660 a 34700
Grata do Rio Grande de....... 54900 a 64000
< Nao ha deposit.
< Fretes. porto acha-se bem suppndo de na-
vios e comqaaoto nao tenba havido baixa nos pre-
cos, todava esto estes menos firmes.
Pecbaram-se de 1 at boje (6) 10 freamentos,
a saber:
- Carregar aqnl para Curistiania, barca dioa-
marqueza Psychi 56/.
Para New-York, aerea Ingleta /. 4 M. Kyrkby
42/6 \ patacho loglez Scotsman 40/; dito dito John
Bullir 37/6.
Para Nova-Orlean?, brigue inglez Hotian, 47/6;
galera sueca William & Amt, 45/ limitados 4,500
saceos.
Para Liverpool brigue inglez Juliel Vi d. al-
godo.
fui Marselha. galera franeeza- Nouveile Pau-
lintiWtr. 10 % 1,000 killogr.
Carregar em Santos, barca brasileira Rocha 63
ira. 10 % 90 kilogrammaj.
caua, assenlando-se nos raeios qoe devara ser em-
I pregados para o fim da coadjavar aos qoe procu-
( rara esta provincia.
Acabo de ebegar pelo Gueme, vindos de
Roma, seis religiosas da congregado das vrmaes
: de S. Jos, as quaes sao acompanhadas por tres
padres Italianos, seas directores espiriluaes.
Estas irmes des ti nao-se direccao de um coi*
, legio de educaco de meninas, que S. Exc. Rvm.
vai fundar, com piedoso e eminentemente louvavel
! fim de recolber todas as meninas pobre e desam-
1 paradas da soa diocese, daado-lbes o'este asylo
tratamento e educaco.
He ama bella copia do ceracao do nosso virtuo-1
so prelado, aquem suas ovelhas ne sabero por
certo agradecer assaz este acto, to fecundo em
\ grandiosos effeitos.
Aote-boolem e hontem, leve efectivamente
lugar as cavalbadas que annanciamos em um de
nossos nmeros passados.que felizmente codcIuo-
se, Sem o menor disturbio ; tendo apenas soffrido
um pequeo choque um menino qae por teimoso
se entrometer na carreira.

Amanha reune-se o Iostitnto Archeologico e
Geograpnico Pernambucano em sesso ordinaria,
para proceder a eleico dos seus funcionarios, e
discutir os orcamenios de receita e despeza.
Em consequencia de ir tomar assento na
asserobla geral o Sr. Dr. director geral da ins-
trueco publica, acha-se no exercicio deste lugar
o Sr. Dr. Jos Soares de Azevedo.
o
>
te
es
>
O
>
1
I cO

Masculino.
Feminino.
z
>
n
o
>
w
81
Masculino.
Feminino
- -SE
I z
I I
Masculino.
Feminino.
o
9
>
<
o
Masculino.
Feminino.
I I
31 I
Masculino.
5
Feminino.
I
. I TOTAC.
-' I
00 I
s

o
f
"8
o:
3
00
OS
en
ADVERTENCIA.
Na totalidade dos doentes existem 154, 77 sendo
homens e 77 mulheres.
Foram visitadas as enfermaras estes dias :
As 6, 61|2, 6 1|2, 6 3i4, 6, 7, Dr. Ramos.
A's 9, 9, 8 l|2, 8 l|i, 8 i|2, 10, 9 1|2, pelo Dr.
Sarment.
Fallecern):
Felippe Jos Santiago, eoleroperitaoite.
Da ciliado do Ico, provincia do Cear, temos
noticias recentes, son fecho, de 23 do prximo
passado mei.
Nao ha cousa digna de mencionarse; mas ex-
tratamos os seguintes pontos, relativos a freguezia
da Boa-Vista pertencente a comarca do Ico :
c Aqui chegaodo de vigano o muito digno
padre Theodulpho Franco Pinto Banleira, em-
pregoo se quanio foi-lhe possivel para montar a Valentn) los dos Res, tubrculo pulmonar,
freguezia, cuja matriz achou em deploravel es Pedr0 Ado, phtysica pulmonar.
tado- _-. ,. ; Felicio Feorite, de nfeccao puruleote.
t Fez doacao de paramentos, que Ihe perlenciam Aalouio Cabunda", congesto cerebral,
no valor de quasi qulnhentos mil res. Promoveu Maria Felisminada Conceicao tubrculo pulracnar.
urna subscripcao de 700 e tantos rail res, que era j __ Repartico da polica.
pregn na compra do melhor sacrario. que por eal Extracto das parles dos das 11 e 12 de feverei-
temos, e de ootros objectos. j ro de |ggg
Fez reparos precisos na actual matriz; porm Forara r'eColhidos casa de detenco no da 10
sendo esta muito pequea, promoveu urna outra: d correte -
subscripcao de quantia diminuta (um como e pou-1 A- ordera do Dr# de|egado da capital, Jos Gomes
eos mil rls; e com esta diminuta quantia empre-1 de Lyrai para averiguacoes em crime de morte.
gou se na construeco de urna nova matriz de, A- ordem do subdelegado do Recife, Lonrenco,
grande proporcoes, que considero Dcar na cathe- escravo de Joaquim Candido de Siqueira, para cor-
gona das grandes, fgrejas do bispado, toda cons-
truida de pedra, qae faz carregar pelo povo, as
vezes em numero de quairocentas pessoas.
t Pretende "o mesmo Rv. vigario no mez que
entra deixar o servico por cousa da eslaco inver-
nosa ; porm espera qne fiquem em altura de 20
palmos as paredes, paredes que tem a largura de
16, 8 e 4 palmos.
c Assim procedendo, eniretendo todo o seu lem-
po em semelbante oceupacao, e mais ainda na
adminislraco de urna freguezia viciada, tem elle
adquirido a m vontade de certos habitantes da
povoacao de Jaguaribe-meirim, tres leguas distan-
te desia matriz, os quaes viciosos, e feridos em
sens pessimos hbitos por sua zeosa adralmstra-
cao, e mais ainda por pretenderen], qae all fosse
a matriz, e nao aqui. coja creaco tendo lugar em
1863, quando era depntado o reverendo vigario,
preveniram se contra elle por o supporem protec-
tor deste logar; e aconselhados por um capello,
qae alli tem, um padre Manoel Rodrigues Campos,
tem Ihe feito a mais crua guerra, 'a ponto de por
occasio de sahir o Sr. bispi em visita o anno
passado, candando o vigario com elle nns 12 dias,
quando se achavam na freguezia de S. Matheus
discantando, chegou o Rv. Campos acompaohado
por um Julio e mais. 17 mtalos, e solicitaran)
do Sr. bispo a sua demisso, ou ordem nara o ca-
pello lado fazer na capella iodependente de sua
reccao.
A* ordem do de Santo Antonio, Francisca Igna-
ca do Reg Barros, para correccao; e Margarida
Deolioda da Costa, para averigaseles em crime de
furto.
A'ordera do da Magdalena, Florencio dos San-
tos, para correejo.
No dia 11 do mesmo mez:
A' ordem do subdelegado do Recife, 11. Harder,
e J. Hegor, Hollandezes, requisico do cnsul da
Prussia; e Manoel, Africano livre, para correceo.
A' ordem do da Capunga, Joaquim Jos Ribeiro ;
por uso de armas prohibidas.
12
A' ordem do Dr. Delegado da capital, Thoms
Tbeodoro Marques Padilha, por nfracco do regu-
lamento da estrada de ferro; e Jos Severlano de
Oiiveira, para averiguacoes em crime de morte.
a' ordera do subdelegado de Santo Antonio, An-
tonio Jos Pereira e Brites, Americano, para cor-
receo.
A' ordera do de S. Jos, Jorge Joao Pereira Li-
ma, por ferimenlos; Jos, escravo do viscoude de
Suassuna, por snspeito de.estar fgido; e JJeoedic-
lo, escravo de Maaoel de Souza Leo, para corree-
cao.
A' ordem do da Boa-Vista, Domingos, escravo de
Antonio de tal, por fgido.
A' ordem do de Afosados, Antonio Francisco da
licenca ; porm foi-lhes negada nma e ontra con- Silva, por crime de olfensas physicas.
sa, depois do Sr. bispo chamar o vigario para
defenderse na pretenca dos denunciantes; os
quaes ficaram confundidos principalmente depois
qoe o Sr. bispo disse-lnes, que elles nao o aeeu-
savam por crimes em sua adminislraco; porm
sim por zelo paroebial, e que elle nao era um dele-
gado de polica que se demittia por caprichos
polticos.
t Assim voltaram os matulos, e o vigario conti-
nuou na visita; mas quando quiz apartar-se de S.
Exc. Bvraa., rogou-lbe a graga de soa demisso, e
esta seropre foi negada, at qoe agora maodou-lhe
provisto por mais dons annos.
t Tem aquella gente comtndo continuado a
incommodar o Rv. vigario, a ponto de protestaren),
que elle d'aqoi saira pelo menos a forca; sao bra-
vatas mesquiuhas e ridiculas'
O chefe da 2* seccao,
J. G. de Mesquita.
Cemitkrio publico, obituario do da 12 DE
FEVEREIRO DE I86G.
Aota Maria da ConceicSo, Pernambuco, 30 annos,
viuva, Boa-Vista, vanlas confluentes.
Carolina Francelina d'Alcantara, Pernambuco, 40
annos, viuva, Santo Antonio, escrfulas.
Meqoilina Mara dos Prazeres, Pernambuco 59 an-
nos, solteira, Boa-Vista, erisipela.
Margarida Maria de Almeida. Pernambuco, 80 an-
nos, solierra, S. Jos, apoplexia.
Umbelina Mana da Conceicao, Pernambuco, 40 an-
no-', salteira, S. Jos, tubrculos pulmonares.
Maria dos Prazeres, frica, 72 annos, solteira, Boa
Vista, afeceo pulmonar.
Joo Thomaz Barbosa da Silva, Pernambuco, 14
Somos escravos, boje todos reconhecem e o pro-
clamara ; esta sociedadeeta' perdida, abramos as
portas as cem mil familias qae nos pedem bospita-
lidade, e o Brasil sera' salvo e ds llvres. Mes
preciso a oteroncia religiosa, que esse povo emi-
grante nao catnolico. Sejamos pois como elle
protestante*, para nao perdemos a occasio de sal-
var o Brasil e de aprendermos com taes hospedes
a ser lirres.
Se en dissera,como ainda ba maitos que assim o
sintam e com a massa do povo, se en dissera ;
por tal p reg nao quero a cora ; para ser pro-
tesUote, para perder mlnha alma nao quero nem
a liberdade nem o salvamento do Brasil, o qae
seminara, e o que diriam os leitores a isto ? o riso
mofado- se deslisaria de seos labios, e nesse dizer
elles nao veriara mais do que beatice e bypocrisia.
E' assim, esta' assim esla sociedade. Qae signi-
fica porm isto 7 qoe o cu, a salvaeo 01 a per-
dtco d'alma nao e para elles mais qoe om brinco,
e qne s pode ouvir seriamente o povo igno-
rante.
O protestantismo perianto ja' esta' em a nata des-
ea sociedade ; elle boje nao faz mais do que osten-
tar-so e organisar-se, para descer as ultimas ca-
rnadas do povo. A alma e o cu, nao sao coosas
da que core a geote primeira. Quem tem tanta
cousa de que cuidar, tanta ambiguo a qoe satisfa-
cer, tanta necessidade a que prover, rVuma trra
de tama miseria e atrazo, a que vem o cu e a al-
ma ? Elle s para conter e refreiar o povo igoo-
raote. Para isto qualquer religio serve ; abra-
cemos portaoto o protestantismo qae nos livra da
servil obediencia autoridade da igreja, aos pre-
ceitos do Deus nico,qae nos habilita a libertar-nos
da escrvido em que vivemos nesia^fociedade de
ramoneos. Eis aqui o sentir e o fallar dessa gente ;
eis aqni o fondo da propaganda.
Seja erabora com sarcasmo receida esta respos-
ta peremptora, en o digo e muilos e toda a massa
do povo : por tal prego nao quero todas as felici-
dades da trra, e o digo para todos os qoe ainda
de lodo nao esto pervertidos o ouvirem, e para se
o quizerem, terera occasio de pensar erabora
nessas mal expendidas reOexes de quem nao tem
oolra autoridade se nao a de ser catnolico.
A tolerancia nao a invaso. Para tolerarme n
religio de quera quer vir habitar entre, nos, nao
preciso mudar de religio, renegar a nossa eren-
ga, dar a alma a Satanaz, para conquistar e allra-
hir a emlgrago de um povo esiranbo. llavera' mi-
seria igual ? os que nos procurara nao podern to-
lerar a nossa religio; nos qne devenios renegar
as nossas creocas para receber taes hospedes,
porque elles nos irazera beneficios qoe anda nem
ao menos foram discutidos ? Nao isto a mais so-
beja prova de que essa genle nao tem alguma eren-
ca, essa geote que applaudea propaganda protes-
tante f
Para nao sermos barbaros, nos os do norte do
imperio, para sermos cvilisados como a gente do
sol, necessario qoe nao repulamos os emigrantes
persistindo na nossa f ; necessario que tolere-
mos a sua religio, fazeodo-nos tambem protestan-
tes. Que felicidade que para ca' nao vessem as
taes cem mil familias I Urna tal invaso de genle
em ludo superior a nos menos em religio, ainda
que nao houvesse essa previa propaganda, seria
um contagio terrivel, que na nossa desmoralisa-
co, nos arrestara ao protestantismo. Felizmente
cnolo qoe elles c nao virao, nao pelo nosso bar-
bansmo religioso, mas por outras coasas qne s
nao v esse povo irreflectido e corrupto qne a es-
rao falla em liberdades em ao menos querer com-
preheode-la.
E, quando vieasem, peosaes qne essas familias
veriam regenerar o paiz 1 Veriara esses america-
nos dominar-vos ? nao. O qoe valona o sen peso
na balanga poltica e moral desse povo ? nada El-
les teriain de se assimilar a os, ou de retirar-se.
Sa quem todo faz aqu o governo, como vos -todos
o dizeis, nao seriara elles que por-lhe-iam bice al-
gum. So n'uma cousa nos nos assemilhariamos a
elles, no prote.-iantismo, porque protestantes vos ja
vos ostentaos, porque protestantes sao os nossos
governantes, isto sao sem crenga .alguma, qoe
oque qur dizer protestantismonenhuma crenga.
Amo com o maior exallaraeolo e enthusiasmo a
Confiderago iNorte-Americaoa; o meu maior deze-
jo sera quasi maisesperanga d* realisar-lo as cir-
enmstancas era que me acho, de habitar naqael-
le paiz, e de fazer-me com meus fllhos cidados
norte-americanos; por que nisto nada haveria de
risco para nossa f. j por que sao alli muilo nu-
merosos os religionarios catholicos^ nao sendo o sen
culto externo lamentavel como entre nos, j por
que a pratica dos diversos cultos protestantes qae
ali ha, mais excitara e rebustecem os catholicos na
f encinada pela igreja romana. Mais risco corre-
mos nos vi vendo aqui, mesrao independen le de
propaganda contra o caiboleclsmo, Indepeodente da
emigraco que se projeela; por que no relexamen-
to de todas as cousas serias, e no despreso e des-
dem das cousas santas pelas primeiras classes so-
ciaes, nada lia que nos sustente na pnresa de ver-
dade alguma, sendo o nosso systema de vida o rei-
nado de todas as mentiras.
Com a invaso de cero familias americanas,
porm, o que sera' de nossa crengas I Genle de
um povo altamente Intelligente e patritico, activo
e iadustrioso, em muilo ou em grande parta mora-
lisado, com um tal prestigio entre nossa gente, que
s sabe macaquear o que v os mais ootaveis fa-
zerem, exercilando suas praticas protestantes, don-
de fazem nascer a sua liberdade; o que ser da
nos para quem a religio tem cado tanto em des-
preso. Logo e fcilmente se pensa qae por qae
somos ca'.holicos que assim despresamos a religio,
que nao somos livres como os amen caraos, como
o proclama a propaganda; e a consequencia o
contaminago imraediata da maior de todas as pes-
tes qae nos poderia ser atlrada. Dez vezes o cho-
leca em dez annos nao nos faria tanto mal, o
meu peosar.
Muitissimo util a emigrago, nos muito precisa-
mos della; mas preciso qoe ella se faga natnral e
lentamente, e que as condignos do paix sejara taes
qoe a possam receber cora vantagem. Por qoe ella
lem sido de to grande vantagem aos Estados-Uni-
dos, pensaes que assim em alia escala poder-nos ia
ser proveitosa. Peosaes que de sua falta os nos-
sos atrasos e miserias. Por que nao a lemos lido?
Por que o paiz nao est era condigdes de leeebe
la. O mal por tanto est entre nos mesmos.
Um paiz novo como este, rico pela naloresa, sa-
dio, com to llvres insliiuicdes, tolerante em reli-
gio, se nao contivesse o que quer que seja, (todas
as nossas miserias) qae repelle a,emlgrago, que
Ihe nao prometi vantagem alguma, ella se dara.
Essas cem mil familias que esperaes nao nos. pro-
curam por lano por vantagem alguma que espe-
ren) fruir entre nos, e por tanto nao nos podern
ser utas tamben).
Sabemos todos, que s por despeilo ou ag s-
menlo qne esses emigrantes deixam o sen pau.
Era guamo nao eiiivermos era condigdes proprias
para atirabir a natural emigrago, ella nio nos
pode ser un; e orna invaso aesta ordem por
motivos, estranhos a toda a conveniencia, que vem
encontrar decepgo, senUrrependimento, s po-
de trazer iranstornos panFPpaiz, e maior descr-
dito, maior desanoralisagejt.
Recife 7 de fevermro de 1866.
Affonso c ltimamente deitaram nma correspondencia annos, solteiro, Recife, ttano.
no Cearttue, ahondando naquellas accnsagSes fu- Lourenco Plnhelro Justioiaoo, Pernambuco, 88 an-
teis; e devo notar-1 he, que invocando os signata-! nos, viuvo, Boa-Vista, amolecimento cerebral.
ros do tal papel o testemonho do padreCoritMano e Salusana Mana, Pernambuco, 17 mezes, Santo
vigario Drummond, estes s Ihe mostraran) araiza-1 Antonio, losse.
de, e do tenente-coronel Catemiro vigario Frota Ambrosina, Pernambuco, 17 mezes, Santo Antonio,
com quem foi elle intrigado, ambos lem Ihe amiza I tosse convalsa.
de, sem que para Isto descesse o vigario Theodu'-1 Maria, Pernambuco, 8 mezes, Boa-Vista, convol-
pho de sua diRoidade; e em soa vida publica el soes.
psrticularelles nao poderam no tempo dessa intriga Antonia, Pernambuco, 8 mezes, Boa-Vista, coovuW
soes.
Simao, Pernambuco,
nada descobrir de indigno. >
A nossa estrada de ferro renden,
no mez
passado, 76:830*000 e despeodeu 29:201,1264 ou
37 /i daquetla somma, produzndo assim nma
renda liquida de 47:648*746.
E' talvez o resaltado mais lisongeiro qoe se te-
nba oblido as estradas de ferro do paiz, pois
informam-nes que aquella porcentagem poneo
commam mesmo as lionas frreas da Eoropa.
Circularam, dorante eisi tempo, 22,769 passa-
geiros e os trens percorreram 12,006 '/j milhas
Tea ida superior toda a espectativa o movi-
1 anno, escravo, Santo Anto-
nio, destinego.
Elisiario, Pernambuco, 12 annos, escravo, Recife,
tetamo.
Theodorlca, Pernambuco, 5 mezes, escrava, Boa
Vista, interite.
Conununicados
Resposta ao communicado publicado no Diario
de 9 do corrente.
Publi(?aoes a pedido
iMithysica.
O xarope elberio de velime por mim pre-
parado muito tem cproveitado aos qoe sof-
frem desta molestia, e de lamentar-se, qoe
no obtuario desta cidade a maioria dos que
suecumbem de tubrculos pulmonares,
sem procurarem o recurso do pratico e do
experiente, que Ibes pdem encaminharo
meio de sua salvacSo.
O Sr. Braga com loja de ferragens na na
Direita, foi desengaado por doos babei
mdicos, acha-se bom com o traUmeoio pnr
mim prescripto.
A Sra. Jeronyma Maria da CooceisiO, mo-
radora na travessa do Monteiro n. I u, acban-
do-se desengaada, tambem mim reent-
ren e acha-se re-^tobelecida,.
f .


.>



. 1


/
Marte de PermaMoaem 4arU fefra 11 de Fererelro de 1866.
I


I
Um setfinho do Sr. professor ae Nm
rettt do Cabo, acha-se bou, como se v de
sua carta abaizo transcripta, aleo de outros
ados, qoo poderia aqui mencionar.
i pbtbjrsica a destruido e a magreza
de todo corpo, em eoMquencia de chagas,
tuberculoa e coDcrecfiio do bofes e de em-
pyeou, airophia nervosa e outraa molestias
que viejam os hamofss, como escorbuto,
atporcas, gallito, asthma, bexigas, sarampo,
etc.
ja alo sao mos, seguido pens, principal- consignado a Tistet freres, raanifestou o se-
ment no 'veilo.
Mas dir-se-ha~oa pessoa pobre n5o tem
metas de se transponer e all estara isso
se responde, que naquelles lugares existem
casas vasias e alugara-ie por preco commo-
Ifuinte:
5j barra e 50 meios manteifa; a Sodr
da Molla.
30 ditos e 30 ditos dita; k J. J. Al ves.
225 ditos e 272 ditos dita, 800 gigos ba-
do, e mesmo muitos gneros de primeira tatas, 100 barricas farinhad trigo, 2 cai-
necessidade all se voodem pelos mesmos xas papel, 100 ditas velas stearinas; aos
precos que aqoi. asignatarios:
Aqoelles, pois, que estiverem nestas cir- Brigue banoveriano Stephtmon, en'rtto
cumstancias, eu Ibes facilito explicaros meios de Trieste, consignado a N. O. Bieber & C,
m phthysica, cbegando ao estado de gra- pelos quaes se devem reger, elbes fornece- manifestou o seguinte:
vidade, o que muito pode concorrer para a re os medicamentos gratuitamente, 2,100 barricas farinha de trigo; aos mes-
salvacSo do doente e ajudar os medicamen-1 No deixarei de advertir ao publico, que mos.
tos o ar do campo, exercicio conveniente, as minhas preparaoes de veame sao reu- Hiate nacional Nicolao J, entrado do Ara
e dieta, a qual b5o deve ser de nenbuma odas com outros ingredientes, e com ellos aty, consignado a Prente Vianna & C,
cousa quente, ou de defflcil digeaUfo; e a'teobo obtido ptimos resultados: noseen- manife*tou o seguinte:
bebida compre que seja de oatureza branda gane o mesmo publico com outros que por 22 caixas velas de carnauba, 33 arrobas,
e fresca. ahi seannonciam, cujas preparacOes ignoro, 1 barrica, 4 arrobas e 15 libras de cera de
Todo o seo alimento se ba de dirigir a assim como o aproveitamento aos enfermos, abelba, 8 meios de sola; a Luiz de Faria &
moderar a acrimonia dos humores e a nu- a quem pon-entura tenbam sido applicados; G.
trir e suster o doente, ; ara o que preciso cada um responde por si, e eu afirmo com 50 caixas 50 arrobas de velas de carnau-
reduzi-lo ao uso de vegetaes e leite. j verdade o que aqui tenbo relatado, cujos me- ba, 10 saceos com 40 arrobas de cera de
Toda comida e bebida, que se tomar ba dicamentos nesta provincia so vendo em mi- carnauba; a vi ova Moreira & Filtio.
de ;er em poucas porcOes, para evitar que nba botica na ra Direita n. 88. 90 caixas com 90 arrobas de velas de
Jos da Rocha Paranhos. carnauba, 70 saceos com 322 arrobas de ce-
Nazretb do Cabo, 7 de setembro de 1863. ra de dita; a ordem.
Illm. Sr. Jos da Rocha Paranhos.Com 75 saceos com 324 arrobas e 13 libras de
o maior prazer levo ac conhecimento de V. cera de dita; a Justino Jos de Souza Cam-
S., que o doente que V. S. acha-se admi- pos.
nistrando-lbe remedios, acha-se no todo res-,
tabelecido, portanto, nada sent, tendo des-' ALFANDEGA DE PERNAMBUCO.
.^.-n;^ T A ouro> uw uoo pATA D0g pBEgOS MS GBNBR0S SUJRTOS A DIRKITOS
apparecido no todo a tosse, tem mmta dispo- M bxpobtaqXo.-skmana d id a 17 mez de fb-
sicao comida e acba-se nutrido. Deixou vbreiro dk 1866.
tomar os ltimos remedios que V. S. recei-! Mercadorias. Unidades. Valores.
o excesso do chylo fresco opprima os bofes
e acceJere muito a circulacao do sangue.
Muitos doentes desta molestia se teem en-
tregue ao uso do oleo de ligado de bacalbo,
e outras preparacoes de resinas e palsamos,
sem que deltas tentaam tirado proveito; e
atguos expositores de medicina combaten)
com muita razao esse tratamento.
cosime carregar o estomago do doen-
te com medicamentos oleosos e balsmicos;
porm estes em vez de tirar a causa aug-
mentam-na, esquentando o sangue, ao mes-
mo tempo que tiram o apetite, relaxam os
solidos, e s3o de toda sorte perniciosos.
Tudo que se fizer para extinguir a tosse,
alm. do exercicio e rgimen apropriado de-
vem ser remedios de natureza acida, deter-
gente e calmante.
Os cidos possuem a virtude de produzi-
rem bons effeitos nessa enfermidade, por
que, nao s contribuem a apagar a sede
quando accommettem a febre ethica," mas
tamhem a refrescar o sangue.
Aos doentes desta enfermidade, quando o
seu estado de gravidade tal que a febre
etbica os accommelte, prescrevo-lhes o su-
co de um KmSo dissolvido em urna chicara
d'agua com bastante assucar em um grande
copo para misturar com um papelinho dos
pos refrigerantes para tomar, com que ali-
viana no acc .mmettimento da febre, e pela
manhaa o xarope etherio de veame. Tenho
aconselhado, que facam uso de vegetaes de
natureza acida, como lar'anjas, l>mbest pi-
tangas, uvas, etc., e applicaces de plantas
amargosas, que fortificam o estomago e ser-
vem ao mesmo tempo para destruir e miti-
gar a sede.
A Sra. D. Joaquina de S Brrelo, tendo
urna sua escrava fallecida desta molestia, sub-
mettida ao tratamento de seu medico, resol-
veu procorar-me para tratar de um outra
escravo, que soffria da masma enfermidade,
prescrevi-lhe o xarope de veame, lem me-
morado consideravelmente.
A senhora do Sr. Antonio Francisco Ho-
tou nodia 30 do passado.r "esta agora a V. ;4SSL ,:; "o
mtm^A^m j- i j-..__- Agurdente de cana .... caada
mandar-me dizer qual adieta qae o dem resudada ou do reino ...
S.
doente deve conservar e por quanlos tem-
pos, mencionando as comidas que dever
usar daqui em diaote.
Resta-me agora agradecer a V. S. o cui-
dado que tomou no tratamento do meu so-
brinho, abaixo de Deus, devido o seu resta-
belecimento a pericia de V. S., e por isso
pode V. S., sempre contar com os meus ai-
minutos prestimos, e desejarei em todo o
tempo dar urna prova do meu reconheci-
mento.
Desejo a V. S. todas as venturas, por ser
de V. S. muilo respeitador e obrigadissimo
criado.Francisco Bertngmr Cesar de Me-
nezes.
ATTENQAO.
Xarope alchoolico de veame, preparado
pelo pharmaceutico Jos da Rocha Paranhos,
estabelecido com botica na ra Direita n.
88 em Pernambuco.
Este xarope incontestavelmente superior
a todos os xaropes depurativos, de cuja
composico o seo maior ele > ento a salsa
parrilha, pois que se tem conhecido ser o
veame mais enrgico para a prompta cura
das molestias, cuja base 'essencial depende
da purifleaco do saDgue; assim pois se
tem verificado por moitas pessoas que se
achavam desengaadas, as quaes acham-se
hoje restablecidas com o referido xarope
alchoolico de veame; entretanto que al-
tendo usado
dem caxaca

f
arroba
t;
t

f
i
i
caada
arroba
guns, tendo usado do xarope de Curinier,
norato foi desengaada por habis mdicos de Larrey, de salsa parrilha, de saponaria,
"desta cidade, esleve prostrada, e nos ulti- j oleo de ligado de bacalbo, e outros agentes
desta ordem nada conseguirn!. E' elle de
mos paroxismos da mor te, foi com o xaro
pe de veame salva, como se v da carta
impressa no Jornal do Recife de 9 de feve-
reiro de 1863.
O escravo Emilio, do Sr. tenente-coronel
Rodolpho Joao Barata de Almeida, foi tam-
bem desengaado por habis mdicos, e
com, o xarope de vellame acha-se completa-
mente restabelecido, como se v tambem
da carta impressa do mesmo Sr. tenente-
coronel no mesmo Jornal do Recife.
O Sr. Antonio Christiano Fogt, filho do
Sr. Christiano Fogt, proprietario e estabe
lec'nlo na cidade de Macei, o primeiro bem
conhecido nesta cidade, pois que foi empre-
gado na casa de Sr. Len Chapellin, retra-
tista estabelecido na ra da Imperatriz, ac-
commettido desta molestia, foi daqui desen-
gaado por habis mdicos: retirou-se para
a Babia, e all continuou em tratamento ate
que fui segunda vez desengaado pelos m-
dicos dalli, chegando eu em Macei, um
amigo pedime, que o acompanhasse at a
casa do Sr. Christiano, para ver um doente
e prescrever-lhe algum remedio, encontrei
o Gibo em urna cama desanimado e em es-
tado de prostracao, pois que escarrava sua-
gue, e tinha completa inapetencia e fraque-
za a ponto de n5o se poder por em p, no
fim de urna garrafa do xarope etbereo de
veame j se achava elle no estado de pas-
seiar em casa, desapparecida a inapetencia e
os escarros de sangue ; e a tosse mitigados.
No fim da segunda j achei em estado de
faze-'o passearpelo sitio todas as manhas.
Acabada esta o aconselhei, que continuasse
no uso do mesmo xarope etherio alternado
com o xarope alcoohco de vellame, e que
usasse dos banhos salgados na pancada do
mar. Sentio elle nos primeiros banhos al-
gn s cho |oes, mas eu o aconselhei que con-
tinuaste, com o que se tem dado muito bem
pois que tenho recebido cartas de Macei,
em que se me coramunica o seu boro estado.
Nesta molestia os expositores de medici-
na nao aconselbam banhos salgados, apenas
quando delles tratam, dizem ser applicados
as escrophulas, hypocondria, estherismo,
amenorrhea, raethismo, etc. ; entretanto'vi
este bom resultado no filho do Sr. Cristiano,
e outros fados iguaes tenho visto as om-
lestias sipbyliticas, e outras muitas que com
o uso do xarope alcoolico de vellame tem-se
obtido cura radical.
O Sr. Dr. Silva, medico hbil de Macei,
depois de ter applicado a um seu doente de
rbeomatismo o xarope alcoolico de vellame,
logo que elle se poz em estado de largar as
moletas, em que andava arrimado, o aconse-
lbou que continuasse com o oso do mesmo
xarope conjonctamente com os banhos sal-
gados, com que se tem dado omito bem, e
um dos mdicos que alli em Macei tem com-
pleta confianca as preparares de vellame
por mim feilas, pelos bons resultados que
tem obtido em sua dioica.
Quando algoem se v com tosse vai ao me-
dico, este o examina e declara-o senhor es-
t a ff edad o dos polmoeso doente desani-
ma com esta seoteoca, emende estar sem
mais cora, quando os fados e a experiencia
teem demonstrado que muitos tendo procu-
rado o lugar apropriado, se teem salvado;
asis explicam muitos expositores de me-
dicina.
Or, nessa provincia temos facilidade ho-
je e recurso do ar; por qae a via frrea
nos proporciona, pois que em pouco tempo
oma pessoa que existe nesta cidade fcil-
mente se t ansporta para as ultimas estacos
de Gameleira e Una, lugares perto de Boni-
to e i outros pontos que sao considerados
serto, quaoto mais que os mesmos lagares
fcil digestao, agradavel ao paladar e ao ol-
phato Alguns mdicos desta cidade e da
de Macei o teem recommendado para a cu-
ra das
Impigens, tinha!, escrophulas,
Tumores, ulceras, escorbuto.
Cancros, sar*a degenerada, fluxo alvo.
Todas estas affecces provena de amo cau-
sa interna; nao ha pois razao alguma em
crr que ellas se podem curar com remedios
externos. Tambem se prescreve o xarope
alchoolico de veame para o tratamento das
allecfes do systema nervoso e fibroso, taes
como:
Gotta, rheumatismo, para'ysia,
Dores, impotencia, estril i dade,
Marasmo, hypocondria, emmagrecimento.
O xarope alchoolico de veame sobre
tudo, da maior utilidade para curar radi-
calmente, e em pouco tempo o rheuma-
tismo.
Adverte-se que o verdadeiro xarope s se
vende nesta cidade na botica cima indica-
da, do abaixo assignado; e em outra qual-
quer parte que se tem aonunciado nao da
mesina composiclo, e nem o abaixo assigna-
do se responsabilisa.
Jos da Rocha Paranhos.
COMMERCID
PRAGA DO RECIFH;.
CotafSes offlciiies.
13 de everelro.
Algodio de Pernambuco 1 sortelJBOO por ar-
roba.
Algodo da Parahyba 1* sorte posto a bordo
184600 por arroba.
Cambie sobre Londres 27 3(4 d. por 1*000 90
d/visla.
Cambio sobre Paris3i5 rs. por franco.
Sitveira
Secretario.
Xovo banco de Peroam-
buco.
O Novo Banco descoma letras a 12 por cento
ao anco, toma dioheiro a praso fixo ou em conta
eorrente pelo premio e condigSes qce se conven
clonar, e ac sobre a praca da Babia
Cala flllal do banco do Brasil
em Pernanbnco.
De ordem da directora se (ai polieo qae o
tbesoreiro desta calza se acba anortado a pagar
o dividendo do semeste findo em 31 de dezembro
prximo passado, na razao de tJOOO por aeco.
Cana filial do banco do Brasil 18 de Janeiro
de 18641.
O guarda-livro,
Ignacio Nones Crrela.
ALFANDEGA.
Rend ment do da 1 a II......
(dem do di:. 13...............
3t7:7itJ94t
15:1754278
232:897*219
MOVIMElNTO da alfadeoa.
VolaiM entrado*com faienis.... 13
c c coa geceros..... 264
I
- 287
Votantes sah idos ce m (azoadas..... 62
t t com teneros..... 364
-------426
Descarregam boje 14 de(evereiro.
Brgue ingle iRosalie mercadorias.
Brigne francezBelemdem.
Brigue hanoveriano Stephetuon(arinia de trigo.
Brigue escuna inglezff'i/ocA--bacalho.
Barca americanaNaofragci tey E. -diversos
gneros.
Brigne ingletOthetlo-----bacatbo.
Polaca taeipaohola/nftacharque.
Brigue hespanholMara Rosadem.
Brigne nacional Sttt*dem.
Brigue nadonal7ufiMlB!U dem.
Brigae argenliooVoianti-ltota.
Patacho portiigaezJoteidea.
Brigue ingleBerthabacalbo.
Brizne loglezQrecianidam. _
inaportaeSo.
Brigue francei Jielm, entrado do Havre,
dem genebra......
dem alcool ou espirito de agu-
rdente .......
Algodio em carogo ....
dem em rama ou era la .
Arroz com casca.....
-dem descascado ou pilado .
Assucar mascavado ....
dem branco.......
dem refinado......
Azeite de amendoim ou mendo-
bim ........
dem de coco......
itera de mamona ....
Batatas alimenticias ....
Bolacha o diara, prepria para
embarque....... >
dem fina.........
Cat bom........
dem escolha ou restolho.
dem torrado......libra
Caibros........um
Cal..........arroba
dem branca ....
Carne secca (xarque)
Carneiros .......um
Carvao vegetal .....arroba
Cavernas de sicupira ama
Cera de carnauba em bruto. libra
dem idem em velas ...
Cha .........
Charutos .......cento
(levados (porcos).....um
Cocos (seceos)......cento
Colla........libra
Couros de boi, salgados.
dem idem seceos espichados
dem idem verdes ....
Idem idem cabra- eortidos um
dem dem de onca.....
Doces seceos ......libra
dem em gela o massa
dem em calda ..... >
Espanadores grandes um
dem pequeos...... >
Esteiras para forro de estivas
de havio........cento
Ef-topa nacional .....arroba
Farinha de de mandioca .
Idem de araruta ....
Feijao de qualquer qndlidade t
Frechaes .......um
Fumo_era tolha, bom arroba
Mpm ordinario nn rstolho .
Idem em rolo bom..... >
dem ordinario ou restolho.
Gallinhas .......urna
Gornma........arroba
Ipecacuanha (raz)..... >
Lenha em achas.....cento
Toros.........
Linhas e esteios......um
Hel oumelaco......caada
Milho.........arroba
Papados .......um
Pao Brasil.......quintal
dem de jangada......um
Pedras de amolar .... urna
dem de filtrar .....
dem de rebolo ..... >
Piassava........momo
Pontat, ou chifres de vaccas ou
novilhos.......cento
PranchSes de amarello de dous
costados.......um
(dem de louro...... >
Rap.........libra
Sabao.........
Sal...........alqueire
Salsa parrilha.......arroba
Sebo em rama......
dem em velas......
Sola em-,vaqueta......urna
24000
800
800
380
800
900
44230
174000
14500
1,797 barricas com bacalko ; a Thon B. Si Ro-
bera.
Terra Nava31 das, brigne iaglez Bertha, de 137
tonelada., eapiao John Brise, eqaip&gera 10,
rga 3,650 barricas com bacalhao ; aohnstoo
Pater 4 C.
Ri 4 JaneiroSO das, bare inglet Zttlah,
342 toneladas, capitio Thomai Jones, equipageao
13, em lastro; a Amorim Irmio.
New York32 dias, brigua prossuno Thorkitid,
de 180 toneladss. capitio J. Anderson, eqmpa-
gen 9, carga diversas mercadorias ; a or-
dem. .
Rio de Janeiro e Babia6 das, vapor Inglez Rhone,
de 1,8M toneladas, eommaodaote Woolward,
eqoipagem 130, carga difidente* gneros.
Navio sahido no memo da.
Sbulamptoo a portos iotermedios, vapor inglez
Rhone, commandante Woolword, carga algodo e
outros gneros.
Manoel dos Santos Vi I laca.
Tobas de Sonza Lima.
DECLARAQOES
AVISOS MARTIMOS
COMPANfllA BtiSILEIBA
DE
PAQUETES A VAPOR.
Dos portos do norte espera-
do at o dia 20 do correte o va-
por Gerente, commandante o pri-
meiro teneote Serqoeka, o qoal
depois da demora do costume se-
goira' para os portas do sol.
Desdej recebem se passageiros e engaja-se a
carga que o vapor poder conduzir, a qoal dever
ser embarcada no dia de sna chegada, eneom-
mendas e dinbeiro a (rete at o dia da anida as
2 horas : agencia ra da Cruz n. 1, escriptorlo de
Antonio Luiz de Oliveira Azevede & G.
COMPANHIA BB4S1LER4
DE
PAQUETES A VAPOR.
E' esperado dos portos do sal o
vapor Paran, commandante o
capitio de fragata Antonio Joa-
quina de Santa Barbara, o qual
depois da demora do costme se-
guir' para os portos do norte.
Desde ja recebem-se passageiros e engaja-se a
carga que o vapor poder conduzir a qual dever
O capitJo commandante da compa-
nhia provisoria de polica abaixo assignado
convida aos cidadibs que se queiram enga-
jar no servicoda mesma companhia, a que
compareca) no respectivo qaartel em to-
dos os dias uteis, das 9 horas da manhaa
por (liante. Qaartel da companhia provi-;
soria de polica 10 de f vereiro de 1866.
______Luiz de_Franca Mello Jnior.
Tribunal do eoumercio
Pela secretar a do trunal do cemawcio de Per-; er embarcada do dia de sna chegada. encomraen
nambnco se Ut publico que por despatho do me*- !*as e dioheiro a frete al o diada sabida as 2 ho-
mo tribunal foi coocedida nesta data a Cbrignase ',as: agencia roa da Croz n. 1, escriptorio de An- serao pagos urna ora depois da extraccSo
Saturnino Kerreira de Barcellos a desmiera$o que Bio Lat* deOWyeira Azevedo & C______' ___ at as 3 horas da tarde, e OS OUtros depoi
pedio do oiucio do agente de leilSes da praca do Para a liba de S. Miguel. da distribuicJo das lisias.
Infttkut* Arehelogleo e
' graphleo Peruabicwe.
Qiata-fcira 15 do eorrente fevereiro pe-
la uma hora da tarde, reunir-se-ba o Insti-
tuto em assembla geral, para eleger os
roembros qae bao de compor a mesa admi-
nistrativa e u respectivas coatmissoes, no
anno social de 1866 a 1867. e para discutir
e sanecionar o orcamento da receita e des-
peja do mesmo anno, em conformidade do
que d^pera os artigos 1 e 27 dos esta-
tutos.
S3o portanto convidados todos os socios
do Instituto a assislir a esta sessao.
Secretaria do Instituto, 12 de fevereiro
de 1866.
Jos Soares ctAzevedo,
_____________Secretario perpetuo.
LOTERA
Aos fr.OOOOOO.
Corre Segunda-feira 19 lo corrate Hez.
Acham-se venda na respectiva theson-
raria i ra do Crespo n 15, os bilhetes,
meios e quintos da 2a paite da 5a lotera
(48), a beneficio da igreja de Nossi Senho-
ra do Rosario da frejfeza da Boa-Vista,
coja extraccao ser no lugar e hora do
costume.
Os premios de 6:000(5000 at 100000
E esperado a cada momento do Rio de Janeiro
Aracaty, provincia do Cear ; devendo a Qanca
Kfarml? n'arTu T ^TSW'in pa,acho Prlu8aei ananaes, o qual lera nesta
*? uLU d d8Cret n-8S8d8l Cidade apenas a demora de 10 'dias! recebe cara
de novembro de 1831.
Secretaria do tribunal do commereio de Pernam,-
buco 9 de fevereiro de 1866.
O offlcial-maior,
Julio Guimaraes.

sero guardadas so-
vespera da extracc3o
i900
33(00
3J900
23006
13600
COBselho de compras navaes
O conselho promove no dia 17 do eorrente mez
fa compra dns seguintes objectos do material da
armada: 100 medidas de a:eite de peixe, 20 fei-
xes de arcos de ferro sonidos para pipas, 20 bar-
ris de acairao, 200 broxat sortidas. 48 ditas de
calar, 100 chapeos da oteado, 2,000 era vos de fer-
ro sortldos para pipa?, 20 carrinhos de mo, tO
duzias de limas rael cana, de 12 a 20 polegada?,
3O0 10 dunas de limas triangulares de 10 a 16 pole
I35OO gadas, 13 arrobas de pregos francezes sonidos de
1/2 a 3 polegadas, 50 meilniros de pregos de fer-
330001 ro de assoalho, 30 resmas de papel almajo, 10 du-
73000 zias d-i taboado de f irro e amarello, 16 duzias de
635O0 j taboas de assoalho de looro e 12 duzias de taboas
de assoalho de amarello.
Promove o conselho a compra sob as condigoes
do estylo, e em vista de propostas recebidas na-
quelle da, 17 do eorrente mez, at as 11 horas da
manhaa.
Sala do conselho de compras navaes 13 de
fevereiro de 1866.
O secretario,
_____ Alexaodre Hedrigues dos Anjos
De ordem do Illm. Sr. Dr. delegado do li
500 distrirto desta cidade, encarregado do expediente
23OOO desta repartico, na ausencia do mesmo Sr. Dr.
chefe de polica, faco publico para conhecimento
de quem ioteressar possa, que pelo subdelegado
63OOO1
4i0,
360'
320
580:
33-J'OO
43000
13000
33OOO;
300
33OOO
153000
43OOO
600
150
240
do districlo da freguezia do Rio Formoso, foi ap-
prehendido ao preso Jos Gomes, como (ortado,
um cavallo castanbo foreiro, magro, o qual foi de-
positado por aquella subdelegada ; deveodo quem :
360
IO3OOO
13OOO
320
520
43000
23OOO
100 se julgar cota direito ao mesmo cavalta reclamar:
133000
13300
a sua entrega, mediante documento comprobatorio
de sen dominio I-gal.
Socretarfa da potiota de Pernambuco 10 de feve-
reiro de 1866.Nompedimento do secretario,
Jos Xavier Faustino Ramos.
Companhia pernainbacana
De ordem do conselho da direceo, e em cum-
primento ao disposto do artigo 24 dos estatutos,
sao convidados os senhores accionistas a reunirem-
a'laueire 23000 se e arroba 43000 raei> ma. Da ca*a da praca do Corpo Santn. 11,
23800 sesudo andar:
53000 Pernambuco 3 de fevereiro de 1865.
155000 ________ gerenteF. F. Borges.
83000 = Pela sobdelegacia do Peres foram apprehen-
a frete por prego muito commodo : (rata-se com
os seos consigo tari os Antonio Luiz de Oliveira
Azevedo & C, no seu escriptorlo ra da Cruz nu-
mero 1. ____________
COMPANHIA PERNAMBCANA
DK
Xavegaco costeira por vapor.
Hacei'e escala, Penedo e Aracaj.
Segu no dia 14 do eorrente, as
5 horas da tarde, o vapor Maman-
guape, recebe carga at o dia 13,
encoramendas, passageiros e di-
oheiro a' frete al as 3 horas da
tarde do-dia da sabida : escriptorio no Forte do
Hattos n. 1. ]
PORTO E LISB7
A barca portugueza Amalia, de excel lente mar-
cha pretende em poucos das sahir para esses dous
portos, ja' tendo a maior oarte de sua carga enga-
jada ; quem nella qnizer carregar a' frete dirjase
a ra do Vigario n. 10 escriptorio de Bailar & Oli-
veira.________________
IIIra de S. Miguel
Sahe no da 21 do eorrente a esenna portugue-
za Erna : trata-se com o consignatario Joo do
Reg Lima na ma 1e Apollo n. 4.-_____________
Tara o Porto.
vai seguir com muita brevidade a barca portugue-
za Silencio, tem parte de seu carregamenlo promp-
to, e para o resto que Ihe falta e passageiros, tra-
ta-se com Madoel Ignacio de Oliveira & Filho, lar-
go do Corpo Santo, escriptorio n. 19, ou com o
capito na praca.
Para Lisboa
segu cora moita brevidade o brigue portuguez,
Flortnda, que recebe carga a frete : a tratar no :
escrip.erio de Amorim Irroos, ra da Cruz n. 3,.
ou com o capito Joaquina Augusto de Souz na
praga do commerclo. _________
tara o Kio de Janeiro
segu em poucos dias o brigne nacional Mcnsagei
ra, recebe carga a frete, a qual trata-se na ra do
Trapiche n. 4.
As encoramendas
mente at a noite da
como de costume.
O ihesoureiro,
Antonio Jos Rodrigues de Sou/.a.
g|i) Dr. Fi-nucisco Pires Machado
Portilla
MEDICO E OPERA'OR
PBLA
Faculdade de Pars.
S continua no exercicio da sua proflsso,
i especialmente as molestias de olhis, de
j vas urinarias e de pelle, para cujo Ira-
!?! lamento julga-se Habilitado alenla a pra-
'' tica adquirida nos hospitaes da jue !a ca-
| pital, e os instrumentos mais modernos
5 que possne.
Accode promptamente a qualquer cha-
| mado para fora da cidade. -
E encarrega se de collorar olhos arti
firiaes.
B No pateo do Carmo n. 2, esquina da
2 ra de Hortas, das 6 as 10 horas da ma-
B nha, e das 3 as 5 da tarde.
s
I
Ama de leite.
Precisa-se de uma ama deleite: na ra
do Qui-imado por cima da loja de cera.
eugutitmarira. cap-
tiva
frecisa-se de uma boa
: na ra da Umo n. 48.
O escrivo dos pn dou o seu carlorio para a esquina do bteco doOci-
vidor, n. 12.
mammmmmmM
EIL0S1.
10A0O0 I lido e reeolhidos a deposito tres cavailos de carga
83000j tendo um castanho, ouuo rugo e um raeuauo : |
800' quem (or seu dono compareca,. que provaodo seu
23600 dominio, Ihe ser entregue. Subdelegada do Pe-
233000; res 4 de fevereiro de 1866.O subdelegado,
23000' __________Aljxadrino Martins Correia Barros.
'ejooo Consulado provincial
260' Pela mesa do consulado provincial se faz publi-,
13300: co que os trala dias uteis marcados pira cobran-
33000 ca bocea do cofre dos impostos de 50 rs. por al-
530001 quelre de sal, de 4 0|0 sobre os estabeleciinentos
53OOO. de fra da cidade, prensas de algodo, typogra-
ae iuj eaixas com saa.
I Quinta-fera, 15 de fevereiro de 1866, as 10 horas
era ponto.
O agente Pinto fara' leilo por conta e risco de
qnem pertcncer, de 100 caixas com sabao, as. 10
i horas em ponto do da cima dito : no armazem
' do Sr. Annes, em frente da alfandega.
LEILAO
Taboas de amarello. .... duzia
t diversas...... >
Tapiocas........ arroba
Talajuba....... quintal
Travs......... ama
Unbas de boi ...... eento
Vassouras de de piassava >
Ditas de timb...... >
Ditas de carnauba.....
Vinagre......... caada
800
600
13000
120
33600
203000
103000
13000
160
400
253000
53000
73000
23000
140*000
83*000
3*000
2*000
6*000
300
10*000
8*000
6*000
600
phias, cocheiras, boteqnins, hoteis, casas de pasto,
de uma mesa, uma cama franceza, um toucador, um
candelabro, ura castical, um relogio, nm port -
licor, ura jarro, nm boio e um palanquim.
Alfandega de Pernamuco, 10 de fevereiro de
1866.
KM ADITAMENTO.
Cera amarella.....arroba 65400
Cossueiras de Jacaranda, duzia 990000
Enchameis......um 1*500
Esteiras de carnauba. uma 160
Ossos........arroba 200
Palha de carnauba molho 800
Penna de ema libra 2* )00
Sapatos de couro branco. par 800
Era ut supra.
(Assignados):
O !. conferente, Joao Jet enriques.
01* conferente, Jos Baptista de C. e Suva.
Approvo.-Alfandega de Pernambuco, 10 de fe-
vereiro de 1866. A. Eulalio.
Conforme.O 4. escriptararlo, J0S0 de A. Pe-
reir Borges.
RSCRBBURIA DE RENDAS INTERNAS GE-
RAES DE PERNAMBUCO.
Rendlmeoto do dia l a 12...... 18:119*160
Idem do dia 13................ 2:584*291
ravaliarices e fabricas; de 8 0(0 sobro consultorios Quinta feira, 15 de fevereiro de 1866, as 11 horas
em ponto.
O agente Pinto, fara' leilo a' requerimento do
inventarame dos bens da tinada Mara Candida de
Magalhes, e por mandado do Illm. Sr. Dr. juiz de
orphos, dos objectos cima mencionados, as 11
horas do da cima dito, em sea escriptorio ra
da Cruz n. 38.
mdicos e cirurgicos, canos e escriptorios; de
20 0;0 sobre estabeleciinentos de commerco era
grosso e a retaiho, e trapiches ; de 50* sobre ca-
sas de bilhar e modas; de 200* sobre casas de
roupa felta e sel Iras estrangeiros, e de cambio ; de
1:000* sobre casas de operar5es bancarias com
emisso e previlegios ; de 600j)O90 por casa com
emisso e sem previlegios ; de 400* por casa sem
emisso, companbias anonymas e agencias ; de
100* srre eorretores commerciaes, agentes de
leilo e de casa de compra e venda de escravos;
de 30* por escravo empregado em servico de al-
varenga; de i* por toneladi de alvarenga; de
10* por bote ou savelra ; e de 150* por balieira ;
de 50* por escravo ganhador; de 10* por cavallo
de sella de aluguel; 6* por dito particular; e a
impostos de carros e carrocas pertencentes ao anno
flnanceiro de 1865 a 1866, e tambem o semestre
do imposto de 20 0|0 do consumo de agurdente se
prineipia a contar do dia 1* da fevereiro vlndouro.
Mesa do consulado provincial de Pernambuco 30
de Janeiro de 1866.
Antonio Carneiro Machado Ros
Administrador.
Leilo
do sobrado de dous andares da ra das Crozes n.
21 e uma casa terrea da ra do Pires n. 23, am-
bas em chaos proprios.
Uuinia feira, 15 de fevereiro, as II e meia horas.
Por mtervenco do agente Pinto, e em seu es-
criptorio ra da Cruz n. 38._____________^^^
LEILO
Ci-
Caraara municipal do Recife.
Pela coniadoria da samara municipal desta ci-
dade se faz publico que nos mezes de fevereiro e ,.
marco se recebe bocea do cofre o imposto mu-! ra, qnasi defronte, pessoa bem connecida.
niclpal sobre casas de negocio, e aqueltes qae nao [
Sexta-feira 16 de fevereiro, na ra da
deia n. 55, primeiro andar.
Pelo igeiue Buzebio.
Transferencia.
De nm sobrado de um andar o. 7 sito na ra Di-
reita freguezia dos Afogados, logo ao sabir da
ponte, as chaves se achara' na padaria do Sr. Mou-

Jeronymo Jos Barbosa e sna molher D.
Isabel Mara de Jxsus, convdam aos amigos
do seu entiado e filho Dr. Estevao Benedicto
Franca para assistirem a' uma missa que
raanaam celebrar, no dia 17 de eorrente, as
7 horas da maoha, na matriz da Bis-Yuta
Anreliano de Souza Res e seos irmos,
agradecen) a todos seus amigos e prenles
quu n< n,p..k.r.n. n< resine morlaes de
sua mi Rosa Mara dos Res, e de novo ro
ga aos mesmos de comparecerem no da 15
do eorrente as 6 horas da manhaa na ma-
triz da Boa-Vista para assistirem a uma mis-
sa do stimo dia que mandara retar por al-
ma da finada, desde ja' agradecem a todos
que assistirem este acto de rellgio.
17:703*4W
CONSULADO PROVINCIAL. nonmr
Rendimento do dia 1 a 12....... 65:063*7
Idem do dia 13............. 2l?H?
68:425*853
MOVIMEHTO DO PORTO
Navio entrad) no 4ta II.
Trieste90 das, brigue hanoveriano Siephenten,
do 171 toneladas, capito Pittel, eqoipagem 8,
carga 2.J00 barricas com tartana de trigo ; N.
O. Bieber 4 C
Navioi entrados no dia 13.
New-York33 dias, barca ingleza Talismn, de
366 (Miadas, capilao Anderaoo, equipagem 15,
carga 3,981 barricas ci farinha de trigo ; a
Ptainns BroUers 4 C.
TerrNvjL-37 das, brigt inglez Otketo, de 177
Mnladas, capitio ..... eqoipagem 12, carga
13*r barricas com bacalbo ; a Jooawn Pator
Tlmjiliii (ai. bngae inglez Greettm, de 440 lo-
-BfW^capnioPWlip JosTe, oqoJpaipjm 8, carga
Subdelegada de i districto da fre-
guezia da Boa-Vista.
Por Ma subdelegada so faz poblico que se acha
depositada oma negrinha qne declara ser escrava
e que Igaora o aome de sea saahor e e sea domi-
cilio ; quem se julgar com direito a' mesma com-
\ parola nesta subdelegada cora documento qae
prov seu dominio, para Ihe ser"enlregne.______
pagarem neste tempo esto sujeitos a malta na
forma do art. 33 do regulamenio n. 360 de 15 de
junho de 1844.
Contadoria 1 de fevereiro de 1866.
O contador.
________________Caelano Silverlo da Silva.
Pela subdelegada de polica da Catanga foi
recolhido a casa de deteoeao no dia 4 do eorrente
o preto Alexaodre, qae diz ser escravo de Manoel
Ignacio de Albnqaerqae Maranhao, senbor do en-
geiiho Arassoagi. freguezia do Cabo, por andar
fgido. Subdelegada do Polica da Capuaga 9 de
fevereiro de 1866.
Francisco Antonio da Silva Cavalcanti.
Refaci das cartas seguras vindas do sul pelo
vapor inglez ftaom, para os senhores abaixo de-
ol arados:
Aodrade Rege.
Cesar Aotoaio Ravasme.
Domingos da dSilva Saldanba (Ouricary). -
Domingos Rodrigues de Andrade.
Joaqnim Cardoso de Almeida.
Joao Antonio de Almeida
N. 0. Bieber & a
I OHMIO GIUL
Relacao das cartas segaras existentes na adminis-
trado do crrelo desta cidade, para os senhores
abaixo fleelerioi:
Caetano Silveno de Almeida.
THoenle-corooel Bemelerio Jos Velloso da Sit-
veira.
Hanriqrie da Silva Perrelra Rabetlo (Pao d'Albo.)
Itsoiao manoel da Silva (S. Paulo.)
Or. iNOim Pranciseo de Mello Civaleaati (Na-
xaretaJ
Jas Antonio de Bancourt.
i,:ii.io
De 50 eainas com batatas.
Qointa-feira 15 do eorrente.
O agente Pestaa fara' leilo por conta e risco
de qnem pertencer de 50 caixas de 2 arrobas com
batatas en um ou mais lotes a vonlade dos com-
pradores : qointa-feira 15 da correte pelas 10 ho-
ras da manba em emito no armazem do Sr. Aze-
vedo defronte da escadlnba da alfandega.
LEILAO
De 480 caixas com *cagaae, 20 ditas
c*m champagne.
Qointa-feira 15 do eorrente.
O agente Pestaa fara" lailio gara liquidacao e
por ordem do llqaidatario inventariante da casa
de Ruth e Bidonlat e por conu e risco de quem
pertencer da 180 ca xas com cognac e 20 ditas
com champanhe me i as e inteiras qae serio vendi-
das em nm ou mais lotes a ventado : quinta feira
15 do corente pelas 11 horas da manhaa se es-
criptorio do fallecido Bidoulac roa do Trapiche
primeiro andar-
MISOS DIVEBSOT"
S4IVT4 CRUZ
Tendo-sede benter os qoadros da Va-Sacra
ebegados uKimamenle de Franca, aa Igreja da
Santa Croa da Boa-Vista, pela 4 horas da Urde
do da 14 do eorrente mez, convida-se a todas, ae
irmos do Senhor Bom Jess para que compare-
cam na referida igreja aflm de assistirem a to
religioso acto.
Attengo
Achando-se oslo e contratado a compra da casa
sita na roa das Calcadas n. Tem S. Jos, adver-
te-se qae qaem tiver direito a redamar sobre dita
compra devera' faze-lo oo praso de 3 dias da data
deete sob pena de Ando este tempo nio se alten-
den' a reclamaeao algnraa.
mmtmummmmtamnmmmmmammKBxsmsa
O abaixo assignado lendo em sna companliia
o escravo Cyrillo, crioolo, baixo, cheio do corpo,
rendido de uma verilha, cujo escravo pertence ao
menor Manoel, filho do finado Manoel Marques,
havendo o mesmo abaixo assignado arrematado os
servidos do dito escravo pelo tempo de 3 annos,
succede ter-se ausentado o referido escravo da sua
companhia no dia 9 do correte, sem se saber
parr onde, e assim roga o abaixo assignado a qual-
quer pessoa que del le tiver noticia, fazer scente
no eageoho Pedra Redonda, que sera' generosa-
mente gratificado.
Antonio Jos Hearqoes.
Gratificac&o de 100$
Ausentou-se da casa de seu senhor o preto cri Hi-
lo de nome Marcelino, de idade de 25 annos, sol-
tero, levou vestido camisa de chita de cor e caiga
de brim pardo e toda sua roupa dentro de ora san-
co de estopa, desconfla-se ter seguido para Naza
reto d'onde h'lbo, e foi comprado a l). Bmeren-
ciana Mara da Piedade do engenho Junco por seu
procurador Joo Francisco Cabral, tem os signaes
seguales : alto e reforjado do corpo, barba poeca,
denles alvos, com falla de um denle : quem o pe-
gar leve-o ao Mangaobd a Joao Antonio Carpin-
teiro da Silva.________________________________
O escrivo da irmandade de X.S. da Soleda-
de da freguezia da Boa-Vista coavida a todos os
irmos para uma reuoiir no da 15 de correte,
pelas 5 horas da tarda, para o tira do elager-se o
iuiz da mesa regadora do presente auno de 1866-
Precisa-se de um portugu^z para fetor de
engenbo na ra Direita n. 88, 3 andar,______
Avisa-se a quera interesar possa qae nin-
guem faga negocio de qualldade alguma com a casa
sita na ra das Pernambacams n. 10, penencente
ao Sr. Aoioeio Goofalves da Silva, morador na
roa das Crozes, em vista do aoooncio qoe sabio
no dia 12 de fevereiro no Diario de Pernambuco.
fe dia 6 do correute desppareceu urna es-
crava por nome Mara, secca do corpo, altura re-
galar, bem preta, levou ronpa atol, mnito conde-
cida, o seu offlcio era fazer doce, foi escrava do
fallecido Barbalhn, tem amas glndulas sobre o
peacoco, por isso se torna bem coabecida, cosloma
andar com um lenco amarrado debaixo do qaeixo
para encobri r, se acha acontada para as bandas de
Beeeribe, em ease de ama preta da mesma naco,
forra : rogase as autoridades e capiles de campo
Se a pegar, leva-la ao arraial das Cinco Pontas n.
, que sero recompensados, protestando contra
quem a tjver acotada| ________^_ _
Antonio Ricardo do Reg faz scitnte a qnem
convier qae tem deixadode ter escriptorio a mais
de um anno, assim como casa de commissoes de
escravos, ua ra do Imperador u. 81, por eneom-
modos em sua saude : as pessoas que com o mes-
mo tiverem alguma coosa qpa tratar o podem pro-
curar na mesma casa, ou ua roa estrella do Rosa-
rlo 19.
Prectsa-se logar urna escrava que saiba co-
zlnhar, eagommar e Tzer o mis arranco de ama
casa de pouca familia: na ra do Araio n. 12.
fabrica de charutos.
Do abail assgnaii; bontem, 12 d) andante
mez, fagio o sea escravo de nome Ildefonso, mula-
to, 18 annos de idade, estatura balsa, cambaio, isto
, tem as pomas tortas, oma coro de cor azul so-
bre um dos bracos, e sobre tude e bem connacido
por ser farcola, amigo de jogar pilherias: quem o
pegar ou delle souber, pode dirigir se esquina do
becco do Esplnheiro, estrada dos ABxtos, on na
ra Imperial n. 191, fabrica do crtame, qae ser
bem recompensada
Thom Fefnandes Madelra de Castro Filho.
Precisa-se de uma ama para coinhar e com-
prar em casa de nomem sotteiro, prefere-se escra-
va : na ra do Quehnado 32.

t


>

*
.
---
i. >m
mm



Diario de VeroMiDM*- tuarta felra 14 *e Feverelwxfc 1866.
GAR.IUUX DE LAILHACAR & C.
I.IBRAIRIE f RANQA1SE
n na do Crespo m. 9.
LIVROS NACIN AE6E ESTRANGEIROS
ItifttPaitoso. lia Jartspnidencia Liltera-
tira-feieMiM e irle*.
Papelaria, objortee para escriptorio.
"~-~~Na praea da Independencia n. 33, loja de
oarives, compra-se ooro, finta, e pedras preciosa!,
e tambero se faz qualquer obra de encommenda, e
todo e oualquer coacerto.
gK Alugam-se das casara Sanio Amaro
5 assobradadas, coro sota, coro bailantes
R coramoilos para familia, sendo ama na
roa da fundido aoutra io correr da roa
da Aurora ao p da ponte do Sr.-Starr t
fallar coro Jos ttonealves Ferreira Costa,
A NACIONAL i agua florida SEGUROS
Ijmik* san wmmmm
g Companhia fidelidade de seguros g|
martimos e terrestres
estabelecida do Rio de Jaueiro.
BNTES KM PBRWBUCO
Antonio Jaii de Oliveira Atevedo k C,
competentemente autorisados pela direc-
tora da companhia de seguros Fidelida-
de.tomim seguros de navio*, raercado-
ras e predios no sea escriptorio ra da
Crut n. 1.
*
Para escriptorio.
A ugase o primeiro andar da casa da ra da
Croi n. 8, proprio para escriptorio, omito fresco,
com vista de mar e por preco commodo : a fratar
no scriptorio do sobrado junto o. 3.
"~N70. Bieber 4 C, sucessores, sa
cam sobre o Rio de Janeiro a vista ou a pra-
zo conforme se convencionar.
Saques para a Baha, Para e
Haranho.
Antonio Jos Rodrigues de Souza na ra
do Crespo n. i5, saca a vista ou a prazo
contra a Babia, Para e Maranhao,
A.HYVERNATtVC-
S9~lina do Imperador99.
Deposito de joias francezas por atacado.
Casa ero Pars e Re de Janeiro.
Recebem directamente por todo os paquetes.
OoB^nia. geral hespanola de seguros mutuos
sobre a vida
ACTORISaDA PELO REAL DECRETO DE 21 DE DEZEM8R0 DE 8B9
Ca lnca eaTdinaeir, enaltad* ms cafres de csUd, tarante a ooa id-
mi ni atracan da companhia.
BAflQUEiROS DA COMPANHIA* DIRECCAO GERAL
O Banco de Hespaaha | Madrid: Ra do Prado*. _
Esta companhia liga pelo syatema _too todas as combinaeSes de sopertiveneia dos segn
ros sobre vida. A
Nella.pde se tazar a gubscriperr de roaneira que em nenhum caso mesaio por worw uo
segurado e Sao tio saprehendentes os resaltados que produzem as sociedades da ndole deA r^u-
NAL,qoe ainda mesmo dimlnuindo orna terca parte do interesse nrodaeido.m recentes lupiaa*
coas ecombinando-o com a mortalidade da tabella de Depareieux que adoptada pela compaonia
para sew clculos e liquidares, em segurados de idade de 3 al anuos, HUUimposicaoauBaa.
de 100J protui em effectivo metlico:
No flm de S anuos.......l:jr2__
> de 10 >.......3:941*600
, de 15........ll:_98#200
, de 20........30:2*6*000
, de 25........80:331*000
Nae idade* menores de 3 annos e maiores de 30, os productos sao mais considaravals.
Prospeot e mais informacees serao prestadas pelo sub-director nesta provincia, y.
oaquim Fiuza-de Oliveira, ruadaCadeia n. 52, ou a Boa-Vista roa da ImperatrU n. 12, esUbeieet-
mento dos Srs. Raymundo, Carlos.Leite & Irmao.
^iWnjRRF
AO GRANDE S MAURICIO
PROCESSOS AFERFEI^OAIIOS
PARA
fingir, limpar e lustrar a vapor.
martimos
m DEPOSITO DE GLGADO g
m FABRICADO NA CASA DE DETENGO W
$ Ra Mora n. i. $
Ahi se encontraran obras de di- m
versas qualidades, e por preco moi !
diminutos, a retalho e em porcoes. I
So se vende a dinheiro.
JH
Sainad Power Johnslon & Companhia
Ruada vnzala Nova n. 4.
AGENCIA DA
Fnndle&o deLow Moor.
Machinas a vapor de 4 e 6 cavallos.
Moendas e meias moendas para engenho.
Taixas de ferro coado e batido para enge-
DhO.
Arreios do carro para um e dous cavallos.
Relogios de ouro patente inglez.
Arados americanos.
Machinas para descarocar algodo.
Motores para ditos.
Machinas de costura.
Joao da Silva Ramos, medico jj
pela universida Je de Coimbra, d jj
consultas em sua casa das 9 as i
11 horas da manhaa. e das 4 as 6 I
da tarde. Visita os doentes em suasj
casas regularmente as horas para
isso designadas, salvo os casos ur-
CfinlP':. QllO eorao juilui I llIOS em
qualquer occasiao. D consultas aos
pobres que o procurarem no hos-
pital Pedro II, aonde encontrado
diariamente das 6 s 8 boras da
manba,
Tem sua casa de sade regular-
mente montada para receber qual-
quer doente, ainda mesmo os alie-
nados, para o que tem commodos
apropriados e nella pratica qualquer
opperacao cirurgica.
Para a casa de sade.
Prime ira classe. .35000 diarios.
Segunda dita____36500 >
Terceira dita .. 2(5000
Este estabelecimento j bem
i acreditado pelos bons servics que
| tem prestado.
0 proprielario espera que elle
continu a merecer a confianca de
[que serapre tem gozado.
F. A. SAL
29 Kua 7 de setembro 29
Defronte da roa nova do Ouvidor (Rio de Janeiro)
Os propietarios deste estabelecimento, o primeiro no sen genero no Brasil, po
trabalbar com as machinas mais aperfeicoadas para tingir e lustrar, de que se faz uso nr
Europa e ajudados por alguns dos melliores oficiaes de Pars e LySo, podem assegu-
rar seos freguezes urna perfeic5o no trabalho* a qual senao pode chegar pelos proces-
sos ordinarios. r- '. ,
Tingem, lavam, limpanl e demofam com a inai r perfeic;3o e brevidade qualquer
qualidade de fazendas, tiram nodoas e limpam secco sem molliar as sedas e as vestimen-
tas de senhoras e de homens. ______ ___
MURRAY & LANMAN
A agua florida de M-urray A Lanman
olhada como um artigo de perfume, nao
tem podido ser- igualada pelas prepararles
as mais custosas: conserva seu aroma, o-
mo se formasse parte da prenda a que ella
se applica.
Sua eficacia t5o delicada, como elegan-
tes sao seus multiplicados usos, qur seja
empregada como artigo de toucador, qur
bo uso do banho, ou como suavisador da
pelle, depois que se tenha feito a barba;
j para limpar as gengivas ou arematisar o
hlito.
D suavidade, brilho e elasttcidade as
eompleices, depois de se haver lavado; al-
Livia a irritacao de prupces ordinarias ; faz
desapparecer o desagradavel aspecto dos
paanos, das sardas, do rosto, rugas e toda a
casta de ebulicSes, e d vigor e frescura a
parte onde quer que se applique. Sua efi-
ciencia e elegancia sao igualmente infalli-
veis nos casos emque seja preciso applica-
la como estimulante e antisptico, nos con-
cursos e assmblas numerosas, as loca-
lidades infeccionadas, na alcova de sm en-
fermo, assira como um antidoto excellen-
te para os desmaios causados por cansaco
ou suffocaco. Preparada nicamente por
Lanman & Kerap, Nova York, e a venda por
Caors & Barbosa.
Joao da C. Bravo & C.
CONTRA FOGO. i
A companhia Indemnisadora, estabeleci-
da nesta praca, toma seguros martimos so-
bre navios e seus carregamentos, e contra
fogo em edificios, mercadorias e mobilias:
na ra do Vigario n. 4, pavimento terreo.
Alnga-se
Aluga-se a casa terrea da ra do Mondego
19 : a traiar ua roa do Imperador n. 27.
Engomla se
com asseio, promptido e.precos r.xoaveis: na ra
Aogasta n S, loja.
- Ca vano & Nogueira na roa do Apol-
lo n. 2o, sacam sobre Lisboa e Porto, a
vista ou a prazo.________________________
Brincos de cmtal o inlserras.
Na loja de onrlv* oo arco da ConCeJc*, no Re-
clfe, tem os melbores qoe ha encasloado! em ouro
Ama.
fla ra da Cadeia do Recife n. 5(V precisa-se de
urna ama para cozinbar.
C\SA.
Aluga-se, passando a fondicao de Simo Amaro,.
o andar terreo em frente aos ps de arvores, com
bellas acommodacSes para familia e iardira ao
Precisa-se alugar quatro escravos qoe sejam jado. a chave D0 S8bra0 e para traUr Qa fund_
possentes para servigo deoaixo de coberta, pag^n- ja0 a Aurora, das A horas eni dlante.
do-se bem : a tratar no largo da A;sembta n. 20.
[ Precisa-se de um trabalhader de padaria qua
seja deligente no seo trabalho : na rna Imperial
E. & H. LAEMMERT, NOVA PUBLIOACO.
Acaba de aahir dos prelos de E. & H. Laemmert, em cuja casa se acha venda, as-
s m como as principaes livrari|as das provincias.
Deposito geral em Pernambuco ra
Cruz d.22 em casa de Caros & Barbn
da
n. 39.
Precisa-se alugar um preto, sendo que enten.
dade padaria : na ra Imperial n. 39. ______
Manoei Doarte"Rodrigues, ra do Trapiche
n. 26, saca sobre a cidade do Porto, avista ou a
praso.__________._______
Jornal das Familias
pnblicaco mensa), Mostrada, Ilitera-
ria, art suca, recreativa ele
Ornado de Ogurinos, vinhelas, gravaras sobre
ac, aquarellas, sepias, pecas de msica, desenhos
de traba hos, sobre talagarf,, de crochel, ponto de
roei, lia e bordados, moldes de vestidos, capase
em geral de tudo o que e concernente a trabalbos
de senhoras.
Publica-se no Rio de Janeiro.
Prego da assignatura 12 por anno.
Recebem-se assigna'.uras para o 4o anno desse
interessante jornal, em Pernambuco, na livraria
Econmica defronte do arco de Santo Antonio, on-
de se acbam tambem a venda collecoes dos tres
annos anteriores.________ ____
O abaixo assignado agradece muito aos Srs. I
Qaslro Redondo, Jos Dinii, Jos Al ves eonlrasi
pessoas que concorreram para o seu transporte ;.
assim como ao Sr. Jaao da Rocha Pinheiro e outros
mais, e eom especialidad* o seu amigo Ribeiro,
sua familia, a familia da Sra. D. Mana Pessoa de
Mello e a Sra. D. Candn ha, e seu muito amado
filho Aprigio, de cojas qualidades jareis me esque-
cerel.
Laurenimo Brax de Oliveira.
O Sr. Francisco Jos de Freitas Gui-
maraes, queira ttr a bondsde deappare-
cer na livraria n. 8 da praca da Indepen-
encia.
ama
: na
que cotinhe e en-
rua da Penba n-
Precisa-se de urna
?omme para duas pessoas
3, segundo andar.
Precisa-se alugar um ccsibeiro~ou coss-
nheira : na ra da Imperatriz n. 9, segundo andar.
m
*m
0 Dr. Sarment Filho
previne aos seus doentes e pessoas de seu
coohecimcnto qoe se mudou para a ra
do Imperador o. 19, segundo andar.
g|
m
Kf>
Attenc
Achando-se justo e contratado a compra da casa
sita na ra das Pernambucanas n. 10, na Capnnga,
adverte se que quem tiver direito a reclamar so-
bre dita compra, dever f xe-io no praso de tres
nia.-, da data deste, sob pena de, Qodo este tempo,
no se attender reclamaco algoma.
A pessoa que annunciou querer dar 5005
a juros com aypjtheca, dlrija-se a ra da Matriz
da Boa-Vista n. Si, qu; se dir qnem quer este
negocio, ou aonnncie.
== Precisase de um caixeiro para urna casa de
molbados na cidade de Goiaona, da-ae bom orde-
nado : a tnitarnarua daCruz n. 36.
Saques sobre o Eio de Ja-
neiro.
Saca-so qualquer qoantia sobre a praca do Ro
de Janeiro, a' prazo oo vista: na companhia Per-
nambucana, Forte do Mattos, escriptorio n. 1.
"Aluga-se
o segundo andar da casa do fallecido desembarga-
de r Rocha Bastos, na roa da Aurora, com a sala e
(nanos forrada a papel 9 pintada ltimamente, s-
siq como tambem a coebeira da mesma casa : a
ir; tar com Manoei Luiz Vres.
MEDICINA DOMESTICA E POPULAR
contendo urna therapeulica completa ou exacta desenpeao de todas as molestias in-
ternas e seu tratamento ; a cirurg a ou tratamento das molestias externas, e urna
minuciosa instrueco para differentes operscoes que repentinamente se possam tOF-
nar necessarias; conselhvs praticos as mulliet es no estado de gravidez, directorio
para o parto e seus accidentes, cuidados aos recem-nascidos; principaes molestias
da infancia; as sciencias accesorias; a anatoma, | hysiologia, hygiene, materia me-
dica, descripcao e applicaco medicinal d- s plantas indgenas al hoje conhecidas,
noces a respeito do uso das aguas mineraes, etc.
POR
THEODRO J B. LAXGGAARD
doutor em medicina pelas universidades de Copenhague e de Kiel, approvado com dis-
tineco pela faculdade de medicina do Rio de Janeiro, cavalleiro da imperial ordem da
Rosa da dft f.hrislo. da real ordem rlinamarqnp? do nanehrng, da ueca da Estrella
Polar, condecorado com a medalha de ouro do Merilo, da Dinamarca, memoro de varias
associacoes scientificas; autor do tratado completo dos partos, traductor do texto do
Atlas de anatoma de Bock, etc.
3 vols. com 2,180 paginas impressas Ilustrados com 236 figuras, preco, ncad. 16^
O presente novo diccianario de medecina, devido ao talento de um medico distincto,
j por urna longa pratica de 30 annos, j por obras de reconhecido mrito sobre a mede-
cina, oceupar sem duvida um lugar honroso entre as publicagoes anologas. Ao passo
que ella se recommenda ao profesional pela grande e preciosa copia de conhecimentos e
investigaces scientificas, o leigo, dotado de alguma inteligencia, fcilmente se o nven-
cer que a obra justifica o titulo de diccionario de medecina popular e domestica, pelas
nocoes claras e precisas que encerra acerca da importante arte de curar e de prolongar a
vida. O autor, longe de contestar o merecimento de algumas outras obras do mesmo ge-
nero, com tudo no pode deixar de notar que quasi todas ellas laborara n'uma falta sensi-
vel, qual a de terem por base o systema seguido por escriptores europeus e calculado
para as crcumstancias da Earopa. L onde os mdicos abundam, onde ao lado do cura
da aldea ha tambem um facultativo, e onde os transportes sao facis, com prebende-te a
jusiificavel reserva dos ditos escriptores, com que, deixando de traiar muitos casos em
suas obras, insistem n.'um tratamento por facultativos. Mas no Brasil, to vasto. tSo falto
ainda de mdicos e recursos por grandes povoacoes, e onde os meios de communicaco
sao to escassos, se carece de urna obra que suppra, quanto razoavelmente for possivel,
essas faltas e inconvenientes, collocando o homem curioso e inteligente, o pai de familia,
c fdzendeiro, etc., que vivem longe dos grandes centros, na posico de, com acert possi-
vel, applicar elle mesmo es recursos opportunos e adequados aos males que affliem a
humanidade. ra, o nome do autor do presente diccionario, os solidos estados qne fez na
Europa, e a sua longa pratica adquirida pela maior parte no interior do Brasil, que o ha-
bilitou a conhecer as necessidades a que prov este seu trabalho, parecem ser garantas
mais que sufficientes para o cabal desempenho da tarefa que tomou sobre si, assim como
para o bom acolbimento desta importante obra, que alias traz em si os melhores ttulos
de recommendaco.
ATTE\(40
s< Acha-se na casa' de Kelier & C. Wt
| na ra da Cruz n. 55, urna carta vin- gg
W da do Bio de Janeiro pelo vapor -
& brasileiro Gerente, para ser en- f
|Sg trege ao Sr. Jo5o Kabl ou Kehl, |
gft roga-sa portento ao mesmo seohor |||
mi queira ter a bondade de apparecer. ^&
uMttHsi i m-msmm
ENCANAMENTOS
PBA AGU .
Na ra Nova n. 30 faxem-se e concertim-se en
cnamentos, assim come bombas para agua.
Precisase de urna ama para o servico interno
de urna casa de pouca familia : a traiar na praca
do Corpo Santo n. 17.______________________
Antonio Aves de Oliveira Rraga de S. Ro-
mao, participa ae respeitavel publico e principal-
mente ao commercio, que desta data em diante se
asslgnar Antopio Alves de Oliveira Rraga.____
Precisa-se de alugar um moleque ou preto
para todo servido, sendo fiel, paga-se bem : na ra
da Roda n. 6.____________________________
CARRA.
Desippareceu urna cabra com duas crias, sendo
a cabra de cor preta e grande, o urna estrella bran-
ca na cabeca, a cria maior tambem preta com a
mesma estrella, a ontra de cor mellada : roga-se
a pessoa que dellas sonber, leva-las a ra Nova n.
69, qoe se I he gratificar.___________
i CASA DE HAMOS
26-Palee do Carmo-26
M Neste estabelecimento tao importante
S para a saude e asseio do corpo acham-se
JK montados 20 banheires, qne sao servidos
aag com a ordem e aceio qoe para dese-
g jar-se. Quatro desies baobeires s3o espe-
SK cialmente reservados para senboras e por
ag isto acham-se collocados em logar reser-
B vado aonde s tem entrada as pessoas de
JH urna mesma familia.
jgg Prffos de banhos avulsas.
v 1 banho fri, morno ou de chu-
visco........500
M 1 dito dito de cboque.....1J000
g 1 dito de farello.....1000
Wr i dito aromatizado.....JJWOO
jfc 1 dito medicinal ser segundo sua qua-
lidade.
Precos por assignatura.
30 banhos por mei fri, morno
ou de cbnvisco. .. lOfCOO
23 ditos com candes para o mes-
mos........10JWO0
12 ditos com carioes para os
mos. ... ... 134000
12 ditos com cartSes de chogue.. 10000
12 ditos com carlSes de farello. 0*000
O estabelecimento estara aberto nos
das olis das 6 boras da manba as 10
da noite, nos dias santificados das o as
4 da tarde.
O aba ixo assignado retirase para a provin-
cia de Machio, aonde pretende aemorar-se por al-
guQs dias, e por isso se despede dos seas amigos e
benfeitore, offerecendolhes naquelle lugar os seus
ser vicos.
______________Claudio Jos da Costa.
Precisa-se de um menino de 12 a 16 annos
para caixeiro de um armazem de molbados: aa
roa do Imperador n. 46.______________'
_ Precisa-se de ama ama para casa de pouca
familia na roa da Coacelto n. 6.__________
Precisa-se de nm bom forueiro : na padaria
da ra estrena do Rosario n. 13.
MOVA PBMCA^lO FORENSE
Acaba de sahir dos prelos de E. & H, Laemmert, em cuja casa se acha venda, assim
como as principaes Uvrarias das provincias.
Precisa-se de um caixeiro de 16 a 18 annos
para urna casa de negocio no serto : quera pre-
tender dirija se ao botei do universo, das 4 as 6
horas da tarde. _______^__
Da so dinheiro ajaros
Prazeres n. 18.
nos Coelhos, rna dos
Ama
Precisa-se de ama ama para coznha, em casa
de borneo] soltalro: na ra do Vigario n. 24.
Ama-
Precisa-se de ama ama de leite : na roa da
Conceico, sobrado n. 8.
DAS
MEI8 C1VIS
PELO DB. AUGUSTO TEIXEIBA DE FBEITAS
Impressa por ordem do govemo imperial, revista por urna commissSo nomeada pelo
mesmo governo, cujo parecer foi approvado pelo decieto de 22 de
dezembro de 4858.
Segunda edicc&o correcta e augmentada
Um ?oame de867 paginas impressas eacadernado 15<$000.
Acaba de ser publicada a segunda edco, em que sea Ilustre autor, aperfeicoan-
do a primeira edico, aprsente, alm do texto mais correcto e emendado, um grande
! numero de natas em referencia legislaco patria posterior a primeira edico, inclusive
' a das convencoes consulares e a da novissima reforma hypothecaria, vindo tambem a le-
! gslaco romana e patria applicavet a casos de slforrias concedidas a escravos, qur em
actos entre vivos, qur por disposicOes de ultima vontade, supprindo assim a omisso
que houve na primeira edico, tas que o illustre autor deixou de consolidar a legislaco,
relativa a escravos para ser clatai& ,ada parte e formar o cdigo negro. Na nova edi-
Co,-porta, vemessa legislacSo, a que de uso mais frequente, e remeltemos os leito-
res para o qne o illustre au'.or diz a tal respeito na introdueco pag. VIII note. Sup-
prindr^-svessa omisso, prestou-se grande servico ao foro, onde n5o sao poucos os casos
oceurrents nesta materia.
A segunda edico, alm do ser impressa em formato maior e conter mais 103 pa-
ginas do que a primeira, tambom augmentada com o exame feito lei de 2 de setem-
bro de 1847 sobre filiacSo natural paterna, e neste exame o illustre utor analysa ocom-
menterio dessa lei feito pelo Sr. Dr. Agostinh Marqus PerdigSo Malheiros, ora con-
, cordando, ora discordando das opinies desse Sr. r. Em suas respectivas partes
! tambem analysado e referido o manual do procurador dos feit< s da iaienda, obra do
'mesmo Sr. Dr, Perdigo Malheiros.
E finalmente aproveilando-se da segunda edico o Ilustre autor responde s obser-
vaces que fizera o xm. Sr. conselheiro Antonio Preira Beboucas a alguns rontos- da
I primeira edico. Desta maneira apresentada a segunda edico muito augmentada,
mais correcta e aperfeicoada, mtrecendo por isso todo o acolbimento dossenhores ma-
' gistrados, advogados e de todos que de.ejam conbecer a legislaco civil do pait.
A Salsaparilha
DE A.YER.
Para a cura radical de
Escrfulas, ulcera*, chagu, br-
idas velhas, molestias syphi!-
iticas, e mercuriaes. Enfenni-
dades das mulhercs, como re-
tenc&o, menstro doloroso, ulcer-
aco do tero, e flores brancas.
A Hevralgia, ConvuU3e, Eri-
sipelas, Enfermidades Cutneas,
borbolhas, nascidas, etc.
O extracto eontponto de SALSAPARILHA, confeccion-
ado pelo Dn. AYER, urna comblnH^o dos melhores deparn-
Utos e alteranteti conbecidos medicina; composto segundo
s lcls da ciencia, approvado e receitado pelos primeiros
mdicos dos Estados Unidos, da America do ,Sul, do Mxico,
das Indios e dos principaes Estados da Europa.
A SALSAPARILHA de AYER espoolalmentc efflcaz na
cura das molestias que tem sua origem na escrfula, na
iul'ecco venrea, no uso excessivo do mercurio ou em qualquer
Impureza do Sangue.
Entre todas os molestias que afHlgem o genero humano, no
ha urna mais universal c terrivel do que a escrfula; por si
no to destructiva, porem ( a causa principal de multas en-
fermidades que mo lhe silo geralmente nttribuidus.
urna causa directa du tsica pulmonar do mal do
flgado, c eaUmiago, affeecBcs do cerebro, Rheumatismo
e affeccSe* dos Blas: entre seos svmptomas ha os seguintes;
Falta de apetito, Fraqueza e moleza em todo corpo; Ho
ebeiro da boca, semblante plido e Incluido, as vezes d'uma
alvura transparente, outras vezes corado e amarello ao redor
da boca; Digesto fraca e apetito Irregular; Vuntre incbado
e evacuaco isregular; Quando ataca os pulmoes urna cor
azulada mostra-se a roda dos olhos, quando no estomago
sao avermelha dos, as pessoas de disposico escrofulosa
ap parecem frequente mente erupctei na pelle da cabeca e outras
partes do corpo ; sao predispostas as affecrtei dos piilmOes, do
flgado, dos rins c dos orgios digestivos e uterinos. Portanto,
nao sao somente aquelles qne padecem das foimas ulcerosas
e tuberculosas da escrfula que necessilara de proteceo
contra os sens estragos; todos aquelles em cujo sangue existe
o virus latente deste terrivel uageUo (c s vezes hereditario),
esto expostos tambem a soflrer das ennrmidadas que elle
causa.
Oflerecemos a estas.pessoas um abrigo seguro c um anti-
doto cfficaz contra esta molestia e suas consequencias, na
Salsaparilha de Ayer
i que opera directamente sobre o sangue, puriRcando-o e ex-
pulsando delle a corrapcao e o veneno da molestia: penetra
todas ai partes e todos os orgos do corpo humano, llvrando-
os da sua aeco viciada c inspirando-Ins novo vigor. E'um
alterante poderosieslmo para a renovacoo do sangue, c d ao
corpo j eufraquecldo pela doenca forc c energa renovadas
como as da juventude.
TAMBEM O MELHOIt AJTI-8TPBIHTICO
COyHEOI0 ;
cora permaneumente as pelores formas de SYPHILIS e as
suas eonseqnendiu. Pouca necessldade ha de Informar o pub-
lico do Incstimavel valor de um remedio que, como este, Hvra
o sangue dessa corrupeo e arrebata a victima das garras de
urna morte lenta c Ignominiosa, porem Inevttarel se o mal
nao lqgo combatido com energa.
No pretendemos promulgar, nem queremos qte se Infira
que este remedio infallvel paru a cura de todos os padeci-
mentos humanos, o que dlzemos i que n
Salsaparilha de Ayer
a neOtor preparacao at hoje dcscobarta para estas e outras
molestias anlogas, que i urna combiaaco dos alterantes
mais efficazes conbecidos, e que temos conscicucia de oil'erecer
ao publico o melhor resultado que possivel produzlr, da
intelligencla e pericia medica dos uoesos lempos.
REMEDIO DE AYER PARA SEZOES
Infalivel as febres intermittentes, remitteates,
Febres Biliosaa e tercas, mal do flgado, in-
cremento do baco, ceguira. Cor nos
. onrtdoa e palpiUcfi, quando
sao causados pelas
FEBRES INTERMITTENIES, OU REMnTENTES.
Al preparaooes de Dh. Ater sao- vendida* en todas as
Boticas e Drogaras do Imperio.
Vende-se em Pernambuco:
na
i?
iPHARMACIE FRANCAIStp
laEP.MAURER&C1?!
'bT tsw^al sWi
Prensase de ama ama
roa do Cabog o. 10.
para coiiohar : na
Aluga-se o 1* andar o grande sotao da casa
n. 34 da ra da Seniala Velna, o a segunda casa
da liba do netiro beira do rio, por commodo
prego : a traiar na rna da Senzala Nova, refina-
gao n. 4.
Alnga-se um mulaiinho de 14 annos para
criado, muito fiel a de boa conducta : na ra da
Imperatriz n. 2. *_______________________
Atten$o.
No dia 3 para 4 do crreme mez furtararo do
engenho Limoeiro, fregnezia da Escada, um cavallo
melado com dinas, randa e ps preto, nafleo de
um dos lados tem o cauro das queixadas grosso,
tem a testa junto a ponta do focinho nm tanto pe-
lado, bastante ardego, anda a passo, furia-pas;o
at meto, e nao tem ferro por ser nascido no mes-
mu engenho, e?l fazeodo a segunda muda : qoem
0 trouxer ou der noticia do ladro receber 1005
de gratificaco.
COSIi\HElO
Na ra da Aurora n. 32 precisa-se de
um bom cosinheiro.______________________
Diccionario grammatical
portuguez
POR
JOS' ALEXANDRE PASSOS
1 vol. em 8o eom cerca de qua trcenlas paginas.
Esta obra pelos importantes artigos que contm,
do maior interesse a toda a pessoa encarregada
de leccionar lingos portugoeza ou desejosa de
habilitar se para o magisterio, e geralmente a to
dos os que quizerem aperleiccar-se no patrio dio
ma. O autor esmerou se, conseguio, tornar o
sen trabalho superior a todas as grammaticas exis
lentes na lingaa portugueza, lomando por modelo
os livros de grammatica transcendente que ha em
outras linguas.
Est se publicando esta obra no Rio de Janeiro,
e assigna-se na livraria Econmica (em Pernam-
buco) ra do Crespo d. 2, defronte do arco de
Santo Antonio.
Prego da assignatura ij._______________
Aluga-se o segundo andar e soto do
sobrado da ra das Aguas Verdes n. 64,
tem commodos para grande familia : a tra-
tar no primeiro andar da mesma casa ou no
Recife armazem n. 38 a' roa de Apollo com
Francisco Ribeiro Pinto GuimarSes,
Liquidadlo
de fazendas por todo preco para acabar: na
ra do Queimado n. 29, esquina que volla
para o pateo do Collegio.
Deseja-se fallar coro o Sr. major Pelippe Du-
arte Perelra ; na ra do Queimado, loja n. 14.__
Um homem portoguez, casado, e s tem urna
menina, se offerece para tomar conta de alguma
casa de negocio de molbados do qne tem muita
pratica, aiuda mesmo para fra da cidade : quem
pretender annuncie._____________________
Deseja-se muito fallar com o Sr. Manoei Pi-
nheiro de Mendonca, e nao se sabendo aonde mora
pede-se-lhe o especial favor de annunciar a sua
morada para ser procurada, ou vir a roa do Cres-
po n. 7 A._____________.
extincto
. V .
Hospital Portuguez de Ben-
fico ucia.
A junta a.lininistraiiva manda celebrar na ca
pella deste Hospital no dia 15 do correle, pelas 7
horas da manba, orna mis-a b rquiem, por alma
do finido Joao Fernandes Prente Vianna, socio
benemrito e ex provedor que foi desta insti-
tuicao. Convida se, portanto, para este acto de
caridade chrislaa, no s o; socios deste Hospital,
mas tambem os parentes e amigoa daquelle fi-
nado.
O secretarlo,
JoSo Pereira Rebello Braga.
Missas.
Os Srs. sacerdotes qne qolterem celebrar missa
e memento no dfa 14, qoarta-feira, na igreja do
Corpo-?anto, at nove boras, recebero asmla de
3|000._____________________
No da 16 do corrente mez de fevereiro, de-
pois da audiencia do Sr. Dr. juiz municipal da pri-
meira vara, se ho de arrematar em praca publica
do dito Sr. juiz, urna casa e sitio na estrada do Mon-
teiro, avaliada por 4:300, a urna casa terrea na
ra de lionas desta cidade, n. 112, avaliada por
3:600j000, cujas propriedades foram dos fallecidos
Manoei da Silva Ferreira e sua mulher D. Serafina
da Costa neg e Silva, e vo'a praca para serem
arrematadas por venda a' requenmen dos ber-
deiros.
Roga-se a quem se julgar creder do
Club Commercial queira apreseniar suas conlas ao
presidente do mesmo Club, o Sr. Francisco Joao
de Barros, para depois de legalisadas com o seu
vistoserem psgas pelo respectivo thesoureiro
o Sr. Jos Joaquim da Silva Gomes.
O secretario,
Francisco Lucio de Castro.
Os abaixo assigoados continuara com
seu escriptorio de advocada ra do
Imperador n. 41, primeiro andar, onde
podem ser procurados das 101 horas da
manhaa as 3 da tarde.
Alvaro. Caminha Tavares da Silva
Dr. Joao Thorae da Silva.
sa _a f1*' as
O Dr. Joaquim Jos de Campos, temi ne-
cessidade de ausenlar-se desta cidade por alguns
dias, previne a seus clientes que tica encarregado
de suas causas o Sr. Dr. Jaciolho Pereira do liego,
o qual pode ser procurado todos os dias uleis,
menos as quintas-feiras, no escriptorio do mesmo
Dr. Campos, no sobrado n. 2 do pateo de Pedro 11.
Die deulsche Nationalilaet silien bereits so zahlreich verireten, dass
sich das Beduerfniss eigener Pressorgane
geltend machte, die sich die Aufgabe stell-
ten, die Interessen der in Brasilien leben-
den Deutsclien zu besprechen und zu for-
dern deuisches Nebco und Sitte zu bewa-
hren nnd die geistige Verbindung mit dem
alten Vaterlande zu erbailen und zu kraef-
tigen. Ais solches Organ ht die seit 5 Jah-
ren in Porto-Alegre erscheinende, in echt
vaterlaendisciiem Geiste redigirle
DEUTSCHE ZEITNG
zu empfeblen, welebe unler Leitung des
Hrn. C. von Koseritz 2 mal woecbentlich
erscheint. Preis fr 1 Jahr 12!, 6 Monate
6(3. In Rio de Janeiro nehmen E H.
Laemmert Abonnement entgegen; in den
Nord-Provinzen wende ma sich an die be-
deutenderen Buen liaendier em Pernambu-
co, na livraria econmica, ra do Crespo n.
2, defronte do arco de Santo Antonio.
Neues Abonnement vom 1 Jaouar an.
Aluga-se a C3sa dos Lees, na ra dos Praze
res, com soto, e commodos para familia.
i_irirM(p_.
Precisa-se alagar um moleque para o servico de
casa, sendo fiel e de bsa conducta : a tratar uo ar-
cenal de mariDha com Horacio Coelho.
Precisa-se de um menino (para caixeroijde
taberna : na roa do Covello n. 49. ^^^
O msjor Alexandre Correia de Castro previ-
ne a quem interessar possa qoe nao tem autorisa-
do a pessoa alguma a dispr de bens seus, quer
movis qoer simoventes, sendo que ser viciosa a
posse a que alguem Jolgne ter direito sobra qual-
quer delies, em virtude de transferencia qne Ibe
teuha sido feila. Becife 10 de fevereiro de 1866.
AMA
Precisa-se de atoa ama para comprar a coii-
ohar para urna pessoa : na ra de Hortas n. 16,
segando andar.__________________________
Aro(ta-se a casa o. 1S na roa do Mondego
por 125500 por mez, com 2 salas e 2 quartos; a
tratar ni mesma ra, olirfa o. 13.
-Joaquim Golcalves Salgado a Beroardino Gon-
calves Salgado, com padaria aa roa e-treita do Ro-
sario, nunca teve nem tem questo alguma neste
pait.__________;______
Alunase urna das melhores casas qua tem
nos Arrombados, com grande terraco na frente, 4
salas, 8 quartos, sotao, quintal morado, com algo-
mas fruciftiras : qnem pretender dlrija-se ao largo
das Cinco Pontas n. 116. Tambem sa arreada o
sitio Peixinhos, entre Olinia e Beberibe : a tratar
na mesma casa cima. _______
A viuva e iierdeiros do casal do finado Jos
Baplistada Fonseca Jnior de.-laram que esto pro-
cedeado ao inventario dos bens do referido casal,
por isto eoovidam a aquelles qoe se joljaram ere-
dores do casal referido, a apresenUrem suas con-
las no praso de oito dias, aura de serem pagas.
Pernambuco t3 de fevereiro de 1866._______
Precisa-se de um capaz para criado que te-
nha boa conducta a nio meis de 12 a 14 annos da
idade : para tratar na ra Ve Iba n. 31.
Aioda esta para alugar-sa o sotao do aobrado
da roa larga do Bosario o. 31, com commodos pa-
ra pequea familia, tendo 2 salas e um qnarto
grande 8 muito fresco : quem o preteniar dirja-
se ao mesmo sobrado, segundo andar.
Precisa-sa de um escrato para o sertieo in-
terno de umaxasa, paga-se bem a aflanca se o bom
tratamento : defronte da igreja do Corpo Sanio n.
15, ni casa do banco inglez. segando andar;
s -


\



V
FARfyMU m mu
PitftA A CUM ItADICAL
de escrfulas e mofestfai escfbrjlosas, ttunorei ulceras^ chigai, feridis ve-
ha&,mfb4Bl6, papo ou aaaeira, t syphffis/iBterBiidides venenas ou mer-
curiaes.
AS MOLESTIAS DAS MULHERES
reteocao, menstro doloroso, ulcerares do tero, flores brancas, etc., alcera-
oSo, debilidade, expoliacSo dos ossos, a nevralgia e convulsSes epilpticas
quando causadas pela escrfula.
ERYSEPELAS ERPES; ETC.
Enfermidades cutneas, empelo, borbnlhas, pnstnlas,
nascidas. etc.
O extracto composto de salsa parrllha, coleccionado pelo Dr. Ayer, urna
combinacSo dos melhores depurativos e alterantes conhecidos medicina; confeccio-
nado segundo as regras da sciencia, approvado e roceitade pelos primeiros mdicos dos
Estados-Unidos da America do Sul e Central, da* Antilhas, do Mxico e das indias, e
muitas outras partes do mundo : o resultado de estudos apurados e minuciosos, e de
experiencias feitas pessoalmente pelo Dr. Ayer, por muitos annos, nos principaes hos-
pitaes e enfermaras da America ; tora sido approvado pelas academias de medicina e
juntas de bygienne das principaes capitaes da America do Norte; para prova disto vede
os attestados authenticos no Almanak e Manual de Saude do Dr. Ayer, os quaes sedis-
tribuem gratuitamente nos lugares onde se vende o remedio.
A SALSA PARILHA DE AYER
Especialmente effleaz na cura das molestias que tem sua origen
na escrfula, na Infeccio Teneres, no uso
excessiTo do neren? lo on qnal A molestia ou infeccSo peculiar, conhecida pelo nome de escrfula, um dos ma-
les mais prevalecentes e universaes que lia em toda a extensa lista das enfermidades que
atacam a nossa rac; disse um celebre escriptor da medicina que mais de urna terca
parto de todos aquelles que morrem antes da velhice sSo victimas, ou directa ou indirec-
tamente de escrfula; por isso so n5o 15o destructiva, porm a principal causa de
muitas outras enfermidades que no Ihe sao geralmente attribuidas.
urna causa directa da tsica pulmonar, das molestias do ligado, do estomago
e affeccoes do cerebro; entre seus numerosos symptomas acbam-se os segointes: falta
de appetite, o semblante plido e enchado; as vezes de urna alvura transparente e outras
vezes cralo e amarellento irregul ea; digestSo fraca e appettite, falta de energa; ventre enchado e evacuado irregular;
quando o mal tem sen assento sobre os pulmes urna cor azulada moslra-se em roda dos
olbos ; quando ataca os orgaos digestivos, os olhos lornam-se avermelbados; o bali-
to ftido, a linua carregada; dores de cabeca, tonteiras, etc. as pessoas de disposi-
cSo escrofulosa apparecem frequentemente erupcoes na pclle da cabega e outras partes
do corpo ; s5o predispostas s affeccoes dos pulmes, do figadr, des rins, dos orgaos
digestivos e uterinos. Portanto, nao sao smente aquelles que padecem das formas ul-
cerosas e tuberculosas da escrfula que necessitam de proteccao contra os seus estragos;
todos aquelles em cujo sangue existe o virus latente deste terrivel flagello (e s vezes
hereditario), esto exposts tambem a soffrer das enfermidades que elle causa, que sao:
A tsica, ulceraces de flgado, do estomago e dos rins; erupcoes e enfermidades
eruptivas da cutis, rosa ou erysipela, borbulhas, pstulas, nascidas, tumores, rheuma,
carbnculos, ulceras e chagas, rheumatismo, dores nos ossos, as costas e na cabega,
debilidades femininas, flores brancas causadas pela ulceracao interior, e enfermidades
uterinas, hydropesia, indigestao, enfraquecimento e debilidade geral.
Offerecemos a estas pessoas um abrigo seguro e um antidoto efficaz contra esta
molestia e suas consequencias na
SALSA PARRILHA DE AYER
que opera directamente sobre o sangue, purificando-o e expulsando delle a corrupcio e o
veneno da molestia; penetra todas as partes e todos os orgaos do corpo humano, livran-
do-os da sua aeco viciada e inspirando-lhes novo vigor. um alterante poderosissimo
para a renovaco do sangue, e d ao corpo j enfraquecido pela doenca, forcas e ener-
gas renovadas como as da joventude.
tambem o melhor anty-syphilitico conhecido
cura permanentemente as peiores formas de sypbilis e as suas consequencias. Pouca
necessidade ha de informar o publico do inestimavel valor de um remedio que, como
este, livra o sangue desta corrupto e arrebata a victima das garras de urna morte lenta
e ignominiosa, porm inevitavel, se o mal nao logo combatido com energa.
um poderosissimo alterante para a renovaco do sangue* e para dar nova tor-
ca ao corpo j enfraquecido pela doenga.
Sendo composto de productos vegetaes, es! e medicamento innocente eaomes-
mo lempo efBcaz, um fado de immensa importancia para aquelles que o tomam ; por-
que muitos dos remedios alterantes offerecidos ao publico tem por base o mercurio ou o
arsnico; e sendo assim, bem que s vezes podem effectuar curas, comtudo deixam suas
victimas carregadas de umalonga serie de males, muitas vezes peior do que o mal ori-
ginal. A nica cousa necessaria para obter urna cura radical seguir com juizo e cons-
alncia as diieccesque acompanham cada frasco.
Nao pretendemos promulgar, nemqueremos que se.infira que esta composico a
um remedio infallivel para a cura de todos os padecimentos humanos; infelizmente
escrfula e a syphilis s3o enfermidades to sutis as suas nalurezas, e arreigamse to
firmemente no systema, que muitas vezes evadem e resistum aos remedios mais pode-
rosos que a sciencia humana pode inventar para combate las: o que dizemos que o
Extracto composto de salsa pamlha de Ayer
a melhor preparaco at hoje descoberta para estas e ouiras molestias anlogas, que
urna combinado dos alterantes mais efficazes conhecidos, e que esta combinagio tem sido
regulada por longas e laboriosas experiencias, e finalmento que temos consciencia deof-
ferecer ao publico o melhor resultado que possivel produzir, da inteligencia e pericia
medica dos nossos lempos.
Este remedio deve ser tomado com systema e regula.idade, e n3o com abandono,
pois um remedio e nao bebida.
Quando as molestias do figado nao tem sua origem na escrfula, o remedio
mais proprio as pilulas catharticas de Ayer, que so efficazes na cura da molestia; que
tem por causa um desarranjo dos orgaos digestivos. Ped a salsa parrilha de Ayer e
n"o aceitai outra preparago.
Pernambuco, ra Nova n. 18, pharmacia francezade P. Maurer & C.
Bilhetes ga
A'RUATDOlESTON.E1_____________
OahauoassignadovendeuuossaM atollo felt
*u bilfcetes garantidos da lotera'o$e-se aabe-o
deeurihir, a beneficio da matriz d; Pi d'Albo,
o$ socalles premios:
N. JJ dous quintos com a sorte de 6:000*.
N. 937 um raeio com a avie do l:S0OJi.
N. 2837 dous quintos com a sorte lie 900$.
N. 1603 dous quintos com a sorte de 200*
E outras muitas sortes de 1004, 401, e 20*.
Ospossuidores podem vir receber seus respec-
tivos premios sernos descontos das leisnaCasa
da Fortuna ra de Crespo n. 23.
Acbam-se a venda os da 2* parte da 8* lotera
(48a) beneficio da igreja. de N. S. do Rosario
da fregoezia da Boa-Vista, que se extrabir se
ganda fera 19 do correle.
PRECO.
Btlhetes.....65000
Meios. ..... 3,6000
Quintos.....14200
Para ai pessoas que compraren de 1OO0OOC
para cima.
Bilhetes......5*300
Meios......25750
Quintos.....15100
_____Manoil Marti i s Fiia.
Previne-se ao respeitavel publico qne Anto-
nio da Silva Rocba nao tem escrava, e a negra com
j dous mulatinbos que est em casa do Sr. Raposo
nao delle so, e sim de Juliana Mara da Assump-
| cao, ja tallecida; e como se est tratando do inven
tario da mai de dita finada, elle nao pode vender
esta escrava visto que a finada Jaliana eslava de-
vendo ao casal.
Jorge Avelar do Nascimento.
rJj\:.
Manoel Jo- da Silva Marques e sua mu-
Iher Caetaoa de Sooza Travassos Marques e
seus Blhos, agradecen) a todos seus amigos
e prenles que acompanharam o? restos mor-
laes de sua Slba e irma Mara Carolina
Travassos Marques, e de novo roga aos seas
amigos e paredes de comparecerem no dia
14 do correte pelas 7 horas da manba
em S. Francisco afim de asslstirem urna
mi-sa do stimo da qoe manda rezar por
alma da finada, desde ja agradecen) a todos
(\f assislirem este acto.
Leopoldo Ferreira Martins Ribeiro,
mudou-se da ra da Imperatriz n. 40, para
e mesma ra n. 12, segundo andar.
Os berde|ros do fallecido Henrique Gibson,
leram com sorpreza a informacao que a cmara
municipal da cidade de Olinda dera ao Exm. Sr.
presidente da provincia sobre a qual S. Exc. inde-
ferira o requerimeoto que fizeram sobre o panta-
no d'aqaella Cidade, e como dita informacao e in-
deferimento fora publicada no. Diario de Pernam
buco de 10 do corrente, justo que os mesmos
herdeiros declarem qoe aquella informacao
Inexacta por isso que desde que o pantano fora
aforado aquelle fallecido tem sido pagos os foros
animalmente adiantados, tanto que o procurador
d'aqaella cmara os receben at outubro do cor-
rente anno, como ludo prova dos recibos qne se
acham em poder do lesiamenteiro.
ensavlLcon-
9lSa*aV trazer os pea iwm de-
ftftdtos -contra os ataques da bumjdade;
calcado bom e seguro o nico preserva-
tivo dessas mil enfermidades a que est su-
jeito o nosso eu Um chnelo vtfRio cal-
cado^por m landy patuscante, ira urna
botina acalcanhada em pequenino p^'de en-
cantadora deidad alm de aecusar que-
bradeira horripilante, prova contra a* f cui-
dados intellectuaes dos calgantes, e n3o ha
qoem, tendo bom senso, queira pascar por
maluco, ou pobre de surrao : ergo, cor-
ram a: "
4*RA DIREITAJt*.
e attendaui a' barateza.
Homens.
Borxegoins parisienses de bezer-
e cordav5o .....
Ditos de Bordean* ....
Ditos barcellonezes de lustre e
de porco. ......
Sapat5es de Nantes de duas ba-
terias rasas......
Sapato* de lona, sola de borra-
cha.....; .
Ditos aveludados.....
Ditos de tranca bons ....
Senhors
Borzeguios enfeitados. .
Ditos de lago ......
Ditos lisos......,
Sapalos de borracha ....
Selleiros, corrieiros e segeiros I
Sola de lustre, meios grandes 20000
E um completo sortimento de calgado fa-
bricado nopaiz. .
Vendem-se garrafas e bojas vasias e lava
das : na roa da Soledade n. 38.
Vndese urna masseira de amarello em per-
feito eftado, e mais pertences para urna padaria,
na estrada nova, segunda taberna a direita, depois
do sobrado grande : a tratar na mesma, das 4
horas da tarde em diante.
Cerveja gelada
Ha diariamente a venda por preco commodo ;
no armazem da Liga, ra Nova n. 60.
Ra da impeatrlz. .\.
DB
GAMA SILVA.
LOJA E ARUAZB DEFAZENl).'.
Tendo osproprietaiio m'.? traade estabeleei-
meDto ftio um graode ahatimento em muitas de
suas fazendas, pela oceasiia no ultimo de duzemhro de 18do, m.-olveram vender
muilo mais barato do que coftumam atim de cada
Vez mais agradarern aos se f.ai.i:rosos fregu
zes ; por tamo llies ofererem um avulado sorti-
mento de fazendas fraocezas, iDglezas, as quaes
venderao mais burato do que em outra qualquor
parte, comprometiendo se a mandar levar qu$ii|uer
fazeoda em casa dos fregu^zes <]uc nao pederera
vir a loja, ou a darem as amostras, deixaodo licar
o penhur, assim como convidan) as pessoas, que
negocian em menor escala que oeste grande- esta-
belecimento encoutraro um grande soitmenlo
Unto a retalho como por atacado, vendendo-se-lbe
apenas pelos precos que compram as casas iogle-
zas, sendo com o dinheiro a' vista.
Pechiuclia a 3^000 e S#50O
AS MELPOMEiNES DO PAVAO.
Vendem-so bonitos coites de melpomene para
vestidos de senhoras, sendo dos padroes mais mo-
dernos pelo baratissimo preco de 35000 cada um.
Ditos de indiana, tendo oito e meia varas, pelo
baratissimo preco de 250O rs.
Isto para acabar na luja do Pavo, ra da Im-
peratriz n. 60, de Gama & Silva.
s to; has de li lio do Favo.
i Vendem-s3 superiores toalhas di linhos para
rosto pelo baratissimo prego de 75500 a dnzia ou
a 640 cada urna.
Guardaoapos de linho adamascado para meza a
25800 a duza ou a 240 rs. cada um.
Superior amainado de linho com oito palmos de
largura sendo branco e pardo, e vende-se mais ba-
rato do que em outro parte, na loja do Pavao na roa
da Imperairiz n. 60 de Gama & Silva.
Os corpinhos ae seda pretos do Pavao.
Vendem-se os mais ricos corpinhos de seda pre-
tos, ricamente enfeitado^ pelo barato preco de 125
cada um : na loja do Pavo na ra da Imperatriz
n. 60, de Gama & Silva.
Corles de colim para cairas
a 1*120 i o Pavlo.
Vendem-se superiores Cortes de cotim, lazenda
mmto encorpada para caigas e paiitots, tendo pa-
drSes eseoros e alegres, e vndese pelo barato
preco de 15120 rs. o corte de calca on a 320 rs. o
covado, sendo esta fazenda grande pechincha pelo
preco.
Bnm pardo entrancado a 700 e 800 rs. a vara.
Dito liso multoencerpado a Co e 7G0 rs. a vara.
Dito branco entrancado a 15280 rs., isto pe-
ehincha na loja e armazem do Pavao na ra da
Imperatriz n. 60 de Gama & Silva.
Os cortes de cambraia branco bordados na
loja dj Pavao.
Vendem-se os mais ricos cortes de cambraia ri-
Licores fiaos.sorudos em garrafas com rolbas da | camente bordados mm barras e babades a 205 ca-
lla com'
Pav
VeBdem
mas, sendo Jaw^d njnii aramio
preco 14 25500 para aeabar: na loja e armazem
. do Pafao n rea d Imperatriz n. 60, de Gama 5
UO Si!
Leamos brancos a *0OO rcl a
*arta.
Videm?e leoc'o* braeVcs fazenda muilApia
pelo baratsimo pieco de'i* a dula, Ditos ni
barra-de or a 2J060 isto para acabar na loju-do
Pivao na ra da Imperatriz n. 60 de Gama Wl-
8000
7^000
6,9000
53000
2^000
1600
40600
5,5000
4,5800
40500
i0oOO
Venie-se um carro de qnatro rodas com ar
reos, forte e em bom estado e barato : na ra dos
Coelhos o. 12. _____________________
Tasso Irmaos
Vendein do seo armazem roa do
Amerm n. 3o.
Licor fino Curago em botijas e meias botijas.
ABC1IIV0 PITTIIHESC
Recebeu-se pelo vapor inglez a 9* caderneta do
8o vol. deslo interessnte jornal; roga-se aos Srs.
assignantes que inda a nao receberara, queiram
ter a bondade mandar procura-la na livraria Eco-
nmica ruado Crespo n. 2.____________________
Em casa de Theod Christiansen, ra do Tra-
piche-novo n. 16, nico agente no norte do Brasil,
de Brandenburg frres, Bordeaos, encontrase ef-
fectivamente deposito dos artigos seguintes:
St. Julien. .
St. Pierre.
La rose.
Chateau Loville.
Cha tea a Marga o x.
Grand vin Chateau Lafitte 1838.
Chateau Laflite.
Haut Sauternes.
Chatean Sauternes.
Chateau Lataor Blanche.
Chateau Yquem.
Cognac cm tres qualidades.
Azeite doce. Precos de Bordeaux.
Joanna Baptista de Azevedo Vianna, (aa-
senle) Thereza de Jess Azevedo, Maria An-
gelina Azevedo Tinoco e Francisco Ignacio
Tinoco de 'ouza. convidan) as pessoas de
sua amizade e os amigos do fallecido Joo
Fernandes Prente Viabna, a ouvir urna
missa qoe se ha de celebrar na Igreja do
Corpo Santo pelas 8 horas da manha do
dia 14 do corrente, em suffragio d'alma des-
te sen esposo, genro, ennhado e socio.
vidro e em lindos frascos.
VinhosCberes.
Santeroes.
Cbambertin.
Hermitage.
Borgonbe.
Champagne.
Muscatei.
Reino.
Bordeaux.
Cognac.
Od Ton.
PAezei lagniol.
cc3on 2 ro 31 H 2
8 l i g.S'i-M S srs-g 8 2 le-
er ..S|2'ScS*sS'ffl'*
B 89
Q. O. S
o

asaco- ->a'tST3o.wsrK J-H '
K*ar|llXl5S
i 2 ss
M o. o a>
3.0 a o. o
O. H o 2 o x
o. Sr: o -j s
ISf **?
R:f3 1S
J8 a
da um : na loja e armazem do Pavao na ra da
Imperatriz n. 60, de Gama & Silva.
nlcoc vestidos a SgOO rs.
jiodiicha admirarel.
S o Pavo recebeu pelo ultimo vapor francez
um grande sortimento dos mais ricos cortes de
vestidos transparentes com lindas barras e enfeiles
de seda, sendo estes vestidos maito proprios para
I bailes e passeios, e vendem-se pelo baratissimo
preco de 8,3000 rs. cada um, na loja do Pavo na
ra da Imperatriz n. 60 de Gama & Silva.
Cortes de chita a 2000
S NO P0V0.
Vendem-se cortes de chitas inglezas com dez co-
vados a 2.
Ditos cora onze covados a 25200.
Ditos com doze covados a 2i00.
B" 3 B ^5 D'los de chita franceza com dez covados a
0 -** 3iJ20 s na loja e armazem de fazendas do Pavao
S" iZ^ [na ra da Imperatriz n. 60 de Cama & Silva.
Os chales pretos de renda do Pavo a S000 rs.
Vendem-se os mais ricos chales pret I com qaatro ponas, senda muilo grandes pelo ba-
ratissimo prego de 84.
Ditos de guepure a iSi, 185, 205, 235-
o
o
5.
o
0>
-i a
sr-r
VENDE-SE
^>o armazem le 11. .1. Ramos e Silva d Cieuro. rna do Vlgario
a. li, constaatemente, ossegaiotca artigos, qne
receben per encoimueuda piropria de
IEW-YORK.
Legitima salsa parriHa de Brislol, preparada por Lanmau & Kemp. '
Verdadeira agua Florida, preparada pelos mesmos.
Gar. em latas de cinco galoes, o mais- purificado que se pode desejar da acredi-
tada marc;i F. W. D. 4 C.
Rel> gios perfei'os reguladores, com corda de qualro a oito das, dos afamados fa-
bricantes 1!. N. Welch. *
Graixa em latas grandes da bem conhecida marca las. S. Masn (de I'hiladel-
B

a
-1
o
s
>
O
%
c
GR;HDE PECHINCHA!
Lasiiihas a 120 rs. na loja do Pavo.
Vende-se lasinhas pretls proprlas para lulo tien-
do boa fazenda a ISO rs. o covado. Ditas mmto
linas de qoadriohos a 480 e 330 rs., ditas entesta-
das a 400 rs., ditas maitinadas a 320 rs., ditas
transparentes coro palma de sedas 400 rs., dita* li-
zas e com salpicos a 600 r..; para adabar na !
armazem do Pavo na roa da Imperatriz a. 60. de
Gama & Silva.
Poopeinas modernissimas a 400 e 500 rs.
o covado Da loja do Pavao.
Vendem-se poupelnas muilo finas sendo fazeoda
mpito moderna de quadrrahos e liza veodendo-se
pelo? baratos precos de 400 e 300 rs. o covado na
foja do Pavao na ra da Imperatriz n. 60 de Gama
& Silva.
Cirosdenaples pretos do Pavao.
. Vendero-se superiores grosdenaples pretos pelos
baratsimos precos de IJSOO, 15600, 15800 e 25
o covado, sendo fazenda muilo boa, s para aca-
bar : na loja e arn azem do Pavo, ra da Impe-
ratriz o. 60, de Gama & Silva.
Bramante de linho do Pavo.
Vende-se superior bramante de liohn com 10
palmos de largura, prrprios para IOQes, ptlos
baratissimos precos de 25 e 25600 a vara. ~< lm
como panno de lindo muuo fino pelos baratissimos
precos de 640, 700 e 800 rs. a vara : na loj-; e.ai-
mazern o PavSo, roa A? Imperatriz n. 60, de Ga-
ma & Silva.
As rassas do pavo.
Yendem se cassas moito superiores com linios
padioes, pelos baratos precos de 3jOO e 320 o
covado, ditas muuo Qoss a 360 rs. para acabar :
na loja do Pavo, ra da Imperatriz o. 60, de Ga-
na & Silva.
Cambraias lisas do Pavo.
Vendem se pecas oe cambraia lisa muilo supe-
rior, pelo barato preco de 35200 e 35500 peca,
ditas muito finas a b, 65. 75 e 85 : na loja e
armazem do Pavo, ra da Imperatriz n. 60, de
Gama & Silva.
PECHINCHA !
a 2#000, para calcas, s e Pav5o.
Vendem se superiores cortf s de meia casf mira
com msela de seda a 25, ditas Garibaldinas a
25800, ditas escuras a 25800, ou a 15600 o cova-
do : na loja e armazem do Pavao, ra da Impera-
triz o. 60, de Gama & Silva.
PENTEAOORES
ou rouposs de cambraia bordados proprios
para as senhoras veslirem de manbaa.
Chegou esta novidade pata a luja do Pave,
muilo lindos e de melho- gosto al hoje, pur pre-
cos moito razoaveis : na loja do Pavo, ra da
Imperatriz n. 60, de Gama & Silva.


ecDiiicoa
Ka roa do Queimado a. 40
Cortes de laazinha de cor, bonitos gostos, rom
15 covados a 3560.
Cassas organdys de cores, eovade a 240, pf gas
de algodaozinho largo com 17 varas a 45-
Dita: de dito com 17 vara?, moito encorpado,
com pequeo defelto, a 45-500.
Grosdenaple preto moito superior, covado .,:.
Dito dito a 15600.
Iletoodas de renda prela a 105.
Chales de renda [Teta a 85-
Retondas de dito a 105-
Lantijlas.
A loja da Aurora, na ra larga do Rosario d. 38,
recebeu sortimento de lanlijolas multo delicadas e
proprias para qualqoer enfeile, assim eomo Um-
bem recebeu lavas de Jouvin I "ncas e de ores
para homem e senhora, multo i -as, che,,; das
pelo ultimo vapor, tudo isto na lujj da Aurora,

O bacharel Hermes Plinto de Borba Caval-
canti, propoe-se a cobrar dividas por todas as pro-
vincias do imperio, principalmente para a provin-
cia ih Parabiba, para onde por esses poneos dias
parte : quena se quizer utilisar de seus servicos,
dirija-se a roa do Apollo, casa d. 34, segundo an-
dar, e ahi cora o mesmo tratara, s sim promette
a todos qoaotos de seus misleres se atissrem, que
sero bem salisfeitos._________________________
Precisa se alugar orna prela qoe seja be
auitandeira e engommadeira : na roa de Barthoto-
meo, sobrado n. 69, defronte da capa de delencto.
Precisa-se de una criado para casa de peque-
a Tamilia : a tratar na rna do Vigario n. 14.
~Precisase d taberna, sendo Portuguez : no pateo da ribeira de
Santo An ionio. ^________^___
Precisa-sede um menino que ja leoba algu-
na pralica d* oe-gocio e qne queira ir de caixeiro
para o serto: quem pretender dirija-se a ra od
Queimado a. 16.
Manteletes de renda, lazenda muito superior a
155000.
Capas e sauthambarques de grosdenaples bor-
dados, fazenda inteiramente nova, por precos mais
baratos que em outra qualquer parte.
Isto na loja armazem do Pavo na ra da Im-
peratriz n. 60 de Gama & Silva.
Para luto vende o Pavao.
Setim da Chioa com 6 palmos de largura, fazen- j
da preta para lulo, propria para vestidos e roupas j
para homens, sendo esta nova fazen* sem lustro e
de moito boa qualidade, garantiodo-se nao ticar j
rnssa com o tmpo e vende-se pelo barato preco de ,
25 e 25500 o covado, assim como neste estabeleci- 1
ment tem um grande sortimento de todas as fa-
zendas pretas como sejam cassas e chitas preta?,
las lapadas e transparentes, princezas, alpacas,
sarjas, etc. : na loja e armazem do Pavao ua ra ,
da Imperatriz a. 60, de Gama & Silva.
ra larga do Rosario 0. 38.
Carnaval
A loja da Aurora, na ra larga do Rosa io n.
38, vendem-se luvas de peluca mofadas a 500 rs.
cada par, ditas de seda tambatn com mofo a 100
rs.o par, moito proprias para brincar estes dias
do carnaval : na ra larga do Rosario n. 38.
Atten#lo!
Atteu$io!
Attengo
Grande sormeutode t'azeiulas iho

phia).
Superior oleo para machinas de costura.
A gitlhas para as mesmas.
Brea ta bariicas grandes epeqenas.
Vende-se tambem:
it 1.a qualidade.
[St. Estephe.
St. Julien.
C. Maiyaux.
C. La/itte.
. Medoe.

,r
PORTO

Ia qmlidade,
Principe Real.
Pedro V.
Mara Pia.
Princeza D. IsabeL
Vctor Emmanoel.
Duque.
Vinho fino do Porto embarris de 5/, 10/ e 20/.
Superior vinho do Rheno.
Cera de Lisboa em velas e em grane.

u .Malvazia.
COMPRAS
Compra-se onro, prau e peras preciosas,
em obras velhas : na roa da Cadea do liecife,
cja de oorives no arco da Concedo.
Compra-se caxosso (sement) de algode: no
armazem de algod* de Saunders Brothers & C
no caes oe Apollo._____________________"
Compra-se urna casa terrea em qual-
quer ama aas ra. desta cidade, e que nao
seja es travessa: a tratar na ra de Hartas
casa do fallecido Loureiro
colares Royer on colares ano
daos
pan facilitar a denlicio das enancas e preserva
las das convuisoes.
O feliz resoltado obtido immensas veies pela
prodigiosa forca magntica dos colares Royer, nos
casos de convuisoes, e denticao -ias enangas, tem
altamente elevado o sea bem merecido prestigio,
e hoje i se pode dizer que eslao geralmente con-
ceiluados, e eslimados de innumeraveis pais de
familias : de uos porque do oso desses salutares
colares viram salvos do perigo seus charos filbi-
nbos, e de outros porque colheram daqelles to
proficuo exemplo para igaalmeme preservar os
eos. Assim, pols, agota branca, tendo em vis-
tas a utilidade e provea desees prodigiosos cola-
res anodinos ou Royer, mandan vir o novo sorti-
mento qoe agora receben, e continuar a recbe-
los para qoe em tempoalgum a falta del les possa
ser funesta aos pais de familia, os quaes ficaro
cortos de os achar convtaBtemente na ra do Quei-
mado, teja d'agnia branca n. 8._______.
YENDEIM-SE
; um meieqoe de 20 anuos de idade, tendo as per-
1 as aleijadas porm -que nio priva de fazer qual-
' quer servigo e nem tio ponco de andar, sobir e
correr, cozinha tambem o diario de urna casa,
excelleote trabalbader de velas de earnaoba, pois
pelo preco que m ende Ibgaem o deixar de
comprar avista das abilidades > na,.fua o Viga-
rion.t6.
-j. Vendem-se duas pequeas cs
Cempra-se um eserav
e sem icio : na roa I;
tica.
Besario n. 34, bo-
Na ra do Imperador a. f 3, 2 andar, preci-
sa s< (aliar com o Sr. Francisco de Frailas Barbosa.
Aloga-se o l" andar da isa da roa da Ca-
dea do Reeifa a. 49, muito proprio para oscripto- roa estreita|.lo Roeano n.
rio : a tratar na mesma casa, loja de charutos
O solicitad
Machado conaiua'ins
oesta cidade e fra de
Alexaodrino da Costa
misteres'de son proSsao
pode er procurado na
Prest camente hartada para escriiitoracSo mercantil
por partida; degradas vquem ss ach>r ne-tas cir-
cnrostuiclaii indique sen nomo e residencia em Andride.
carta fechada na loja de livros do Sr. Nogoeira, a
ron do Crespo.
Capell,^
Preeisa-sa de amcapello para am lugar pouco
distante desta praca, e com comraodidailes intrata-
se a rna do Crespo, loja de Sr. Joc iVzeve|o de
Ama deleite.
IVeea-wi de ama ama do erie: na ru Hora
n. 10, 3* andar._______ ^^^_^^^_
Ji>ao Jos de Carvalho Morat s & Irmao, na roa
oa de .Meiro, avista 00 a praso.
~-_}reci-se aloir ama toa forra ou eaert-
va par* comprar, cosintiare enommar ; na roa
de Borta 1. 71 _____
~~J)9K46 fallar com o a7."ioio~"
Gomes da ^stro4 que fol eaiceiro do
eo, a eefocio de eti inleresse ; aa ra
Tnerea, joato i'us*4ea. SO.
aoiajte
Na fatrica de safao da ra de S. Miguel,
fregoeza do Afogados, precisase alagar tres es
era vos, paga se bem : acatar na mesma, bu no
Rerie, t ua (id Anona a. 41.
Proel^sf alagar tma preta sefava para o
servico interno e externo de casa de oouca fami-
lia : narbado Livra nieafi a. t3, priaairo andar.
rYci.-M afnjir om moleqae 01ra todo o
servico de ana casa estrangeira; a Ira lar na roa
Nora e. t.
-^Es #f aJugar-se o prioMiro andar do so-
brado da ra d Agoas-Verdes n. 86 : a tratar na
rna das Craze?, sobrado 1. 9, I* andar
Cofcu
Compr-se um ^ofte em segunda
mazem da'bolla amarella no oUio
da polica.
mao: no ar-
da secretaria
cobre, lato e chambo.
Compra-se cobre, lato e chumbo : no armazem
da bola amarella 00 oitlo da secretaria da polica.
Compra se um escravo peca : na raa -do
Crespo n. 17. _____ ,__
lliiVl atrtt I prata.
erreas, nma
sita na povoaco do Vonteiro, e outra na bairro do
ueseja moco, sadJlT Reoife : quera-as q'aizer comprar dirlja-se a' ra
da Imperatriz, sobrado n. Si, 3 andar.
Vende-se um mulatinne de 13 annos, de bo-
nita Agora, serve para um besito pagem: na ra
loi.8l
4e-ie um yl*dre_fara ma64 pada-
nita agora, serve para um Dot
de Queipa/lo p. 8V- ;
ra : na' ra b RaoTreTiTO:
Em obras velhas ; coa pra-se na
dependenck) n. 22, loja de bilhetes.
rr
praca da ln
Compra-se uma,-escrava que saibt cozinhar
e eogoramar : na ra do Crespo a. 18, segundo
andar.
Compra-se ama casa nos logfes Capnga,
Camioho Novo ou Soledade, pelo prego de 800*
1:000*. e na mesma casa compra-se urna escrava
de 800* 600*: qoem quizer raer estes negocios
dirjase a' Caponaa. ra das Crioulas. a. 23, qoe
achara' ctrmln'enVlhiUr.
>
1
VENDAS
-CABVADBA. ------------
Vende-ee cera de caruanba, suparlor qtwlidade,
em saceo de tres arrobas : no armazem de Gama
A Silva, roa da Impovairiz a. -60. '
- Na fabrica de viauwre, ru,t*lip prximo a ostagao do camiarw de Ierra, ende se
vinagre timo superior em qualjdade a ootro qual-
quer, e por prego mdico, assim como
incolor ',;
PARA 186.
Acabam de sabir luz as folhinhas de
algibeira e pftrt para o aato de 1866, o
mais correctas possivel tanto no calculo das'Com tSjardas cada peca' sendo fazenda omito
las RftliiM*. c-nmh as diMrsas fesias* nerior nelos baratissimos pregos de 4* e 5* rs.
que
e eclipses, cont as diversas fsias perior pelos baratissimos pregos
Os baoes do Pavao.
Vendem-se superiores baloes de muguiina com
moila roda a 3*., ditos crioolines com 35 arcos a
3*500, ditos com 20 e 25 a 3*, ditos para meni-
nas, sendo brancos e encarnados a 2* e 2*500 :
na loja do Pavo na ra da Imperatriz n. 60, de
Gama & Silva.
Oschales do pavo a 2oeo e 2ooo rs.
Vendem-se chales de merino estampados a 2*
e 2*500 cada um.
Ditos de merm liso a 3*500.
Ditos estampados de crepon a 6*, "*, e 8*000.
Ditos pretos bordados com franja de seda a 14*.
Na loja e armazem do Pavao na ra da Impera-
triz n. 60 de Gama & Silva.
Cambraias de forro a 1(5600
do Pavo.
Vendem-se pecas de cambraia de forro com no-
ve varas cada pega, pelos baratissimos .pregos de
1*600 e 3*: na leja e armazem do Pavao na rna
da Imperatriz n. 60, de Gama & Silva.
Os cortiuados do Pavlo.
VeBdem-se superiores cortinados adamascados
para camas pelo baratissimo prego de 1* cada par,
ditos muito Anos ricamente bordados para camas j
ou jaoellas a 15*, 20 e 25* o par : na loja e ar-1
mazem do Pavio na roa da Imperatriz n. 60, de
Gama & Silva.
Panno preto a 2,-5 na loja do Pavao.
Vende-se panno preto. fazenda muilo boa, pelo
barate prego de 2* o covado, dito muito Uno a
3*500, i*, o* e 65, assim como casi mramela de
oerdo a 2* o covado : na loja do Pavao tsi roa da
Imperatriz n. 60, de Gama & Silva.
Corte de la a Mara Pa na loja do Pavao.
Vendem-se os mais "ricos corles de la a Maria
Pa, pelos baratissimos pregos de 7* e 8, ditos
nraito Onos a 10*. 12*. 16* e 20* : na loja do
Pavo na rna da Imperatriz n. 60, de Gama &
Silva.
Os espartilhes do PavSo.
Veodeovse urna graode e variado sortimento de
espartilhos dos mais bem feitos que tem 1vindo ao
mercado, sendo de todos os lmannos, vendend-se
por un preco moito rszoavel : isto na loja do Pa-
vio m ra da imperatriz o. 60, de Gama Silva.
Sileza para saias a 44o rs. a vara na loja
do Pav3o.
Vendem-se silezia ondeada sendo fazeada muito
boa e prripm para eaias, pelo barato preco de 440
rs. a vara : na I ija do Pavo na ra da Impera-
, (ra n. 60, de Gama Si Silva.
s salas bordadas do pavo.
Vendem-se saias bordadas sendo fazeooa muito
boa, sendo ricamente bordadas e com moila roda
vendendo-se pelos baratos pregos de 6* 8 e 10*
res cada ama aa loja do Pavao na ra da Impera-
triz n. 60 de Gama & Silva.
Pegas de madapnlio infestado.
Vende-se pechlnchas de madapolao enfestado
a-
na
60 de Gama
Da-se >eatulno de calles existen!) em frente
a cara queiraada da raa da Cruz a nem qoeira
earrrfar.
muito
from
doRl
boira.
se um bom escravo
tino aa ultima casa.
Vendem te pegas de brelanha de rolo con
______ varas cada peca, pelo baratsimo prego de 3* :
ni ra 00 Des-! na oja e armazem do Pavlo, raa da Imperatriz ni
60, de Gama prias para a tiuaresina.
Acaba de chegar a este novo estabslecimentc
um grande e variado sortimento de fazendas pro-
prias para a quaresma, a saber :
(ji- sdenapUs preto a U60G a cov; do.
Vende-se um grande sortimento de grosdena-
ple a U600, 1*800, 2* e 2*500 0- covado; dito
muilo superior a 2*800 e 30 : na roa da Impera-
triz n. 72> loja de GaimarSes & Irmo.
MoriaDtique preto a 2&800.
Vende-se um grande sortimento de moriamique
a 28800, 3* e 3*500 e covado.
Chales de renda pretos- a 8000.
Vende-se tambem om variado sortim nt de cha-
les de renda a 8*. 9*500 e 10* ; ditos mnito fines
a 11* e 12*; ditos de seda fazenda muito Boa a
20*000.
Retondas pretas a tOg.
Vendem-se retondas pretas pelo barato prtco de
10*ell*: na ra da Imperatriz n. 72, loja de
, uimares & Irmao.
1 Grande pechincha panno preto a 2000 o
covado.
Vende-se panno preto proprio para caigas e pa-
litots a 2* e 25200 o covado ; casimiras pretas
a 1*800, a*, 2*400 e 2*500 o covado.
E' muito barato cortes de casimira a 3#00.
Vendem-se cortes de casimira p**tt a 3*5'JO
4* e 4*500 ; dita muito fina a 6*.
Admira cortes de brim de cores a
i,280
V>ndem-se cunes de brim de cotes para caiga a
1*280,1*600, 1*80J e 2* ; na ra da Imperatriz
n. 72, luja de Goimaraes & Irmao.
E' baratissimo a i 20 ris o covado.
Vendem-se riscadinbos muilo proprios para roo-
pa de escraveip 120 ris o covado; ditos escore-
zes mnito looa 14D, 280 e 300 rcVo novado.
Cambraias lisas, a 3.600 >s. a peca.
Vende-se um grande sortimento de cambraias
lisas pelo barato prego de 3*. 3*100, 4*. 4*500 e
5* ; ditas muilo Coas a 5*500 e 6*; ditas victoria
a 6*500e 7*; ditas de orna'var'a de largura a 8*
e 9* ; dirs para forro a 1*600, 2* c 2*200 : na
rna da imperalrlrn. 01
Chitas fraacexas largas a 260 ris.
Vende-so namad* sorfcnetto teefeilas a26'.'.
280, 300, 320 e 360 rs. o covado ; ditas preciares
a 400, 440 e 500 rs.
Cambraia de cres a 28 rs o
covado
Vendem se camiraias traacezas a 2*0,300 320,
360 e 400 rs. o covado.
Laazinhis a 3oo rs.
Lazinhas de quadrlnhos a 300; 320, 360 e 400
rs. o covado ; ditas muito fln*s fc 500 e 1160: na
roa da Imperatriz n, 72, loja.de> GntaBraes & Ir-
nao.1.
. Corles de laa a
Acaba de chegar a es t importante estabe
memo um sortimento de cortes de laa qne -v
d*pr O* e 5*000; ditos a Maris Fia, fazenda
muito moderna a 12?, 14*, 18* e 20* ; ditos coar
camisinba, cinta e grvala a 25* e 28*.
RODPA FEtTA.
Vende-se ora completo eortimeuto de roupa fei-
ta elta. assim como sejam palitois, caigas, coletos,
camisas fraocetas a 1*600 e 1&800: oitas linas a
2* e de uno a 2500, 31 e 3*300 ; sealas de
JBBtQ, 1*400 e< > : na
roa di Imp- ir-
mo.
. i
.
n

Vend.
da liba : a tratar

hl



1
J^-_____l
HH|
DlarH > te PerMsssboeo Qn. U feira 14 d Ferereiro de 1366.

n
PAIRA A QllARESlIf A
Ckegaram a laja de Augusto Porto & C.
il-~Rua do -Queimado-r--il
superiores cortes chi seda prfeti.
Molreaotique preto Grosdeuaple preto de diversas largaras e qualidades.
Re loadas, bo aros chales de galpii e de rendas.
Pannos pretos, casemiratpretas, bombasiaa*.
Lias, caalo, merino e sel astrias p retas.
Lindas mantas de sda para pescoco.
Reos cortes de sedt de cores para bailes ou casamento;.
Ricos cortinados bordados dos mals bellos desenhos.
Moir branco, seda branca, capellas e mantas para noivas.
BeUas colobas de s Saiaa de flnisslma carabraia ricamente bordadas.
Fatendas de pregas para saia que se fazem com ama so costura e tambera tem con
o cordio lecldo.
Madapolao francez a 400 e 480 rs. a vara.
Alcatifa de llnho para salas e gabinetes a 480 rs. o covado.
Fatenda especial de qnadros para fazer rede a 3*500 a vara.
Superiores esteiras da India para salas.
Ra do Quelmado11
>"*?
LEIAMT
NOVOS GERENTES
DOS-
TRES Uil \ MUS
armazens de holahdos
DENOMINADOS
PROGRESSIVO piteo do Carmo d. 9
NIO E COMHERCIO ra do Queimado n- 7.
VERDADEmO PRINCIPAL ra do Imperador n. 40
C0N8CLKHHO JfflDieO-IWJIMilCO
PR0 DE TTAfirDE" LCfea MOSTEO,
DE
?
DUARTE CARVALHO PER1RA C.

CORTES DE SEDA .t ,
Chetaram pelo paquete inglez riquissimos cortes de moreantiqae de cores, e seda lame pa-
ires inteiramente novos. 1(IAAA .
Seda de quadros por 1^000 o covado
5RUft DO CRESPO-5 it
Gregorio Pac do Ama ral t Companhla.
* FAZENDA,
GOSTO
Para vestidos de senhora.
Cortes de seda de cor de bom gosto e superior qualidade.
Liadas sedas de quadriohos.
Bous moirantiques de c&res.
Grosdenaples da todas as cores. >
Lindos poil d chevro fazenda assetiaada de mtetra novidade.
Lindas duquezas assotinada.s fazenda inteiramente nova.
Modernos gretiadines de seda o que tem viudo de mais novo.
Grande variedade de aas de cres lisas e de salpicos.
Or?andys e cansas de muito bom gosto.
Peroalias modernas com grande variedade.
Lindos cortes de la Clotilde com todos os pertences cada um em seu car-
| i5o inteiramente novos. .4 I
Bins cortes de casa co n barra tambem inteiramente novos
drfcfazendas de gosto que seria enfadonho mencionar.
$f Para hombros de senhow
# Grande variedade de chales, bournom, retondes e algeriennes de fil e de<
guipare a 10, 16, 20, 30, 40, 60 at 805-
Modernos soutembarques de seda de superior qualidade.
'$$! Lind )S bertes de seda de cor pretos e de cachemira.
dem de cambraU branca bordada cora muito gosto.
f, Sautembarques e bournoux de cacliimira de cor e outros muitos artigos de^
'bom gosto.
^ Para cabega de senhora j
o^ Superiores chapetona de palha, de*seda e de crina de rauito bom gosto a im-<
fpsratriz.
Chapeos de pilha da Italia grande vanodade.
Lindos gorros e bonets de palha de Italia, lmperatnz, a Canutier,
#. e a Orante, chegados de Parispe'o ultimo vapor.
W Grande variedade de enfeites de froco e de flores para casamento.
(W Superiores vestidos de blonde. e de mreanttqae brancos.
>ffl Bons moirantiques branca e superiores Sedas brancas.
Bons vestidos di ta-latana branco bordados.
M< Lindas mantas de bbnde e boas capellas.
Bordados.
f Grande variedade de entremeios bordados transparente e tapados. ,
Tiras bordadas transparentes e tapada?, babados bordados, satas bordadas e|
> outros muitos artigos.
IiOJ% HAS COIUjJOAS
CORREIa DE VASt.ONCELLOS & C.
Clotilde1
Fazem sciente ao respeitavel publico, e com especialidad^ aos senhores de en-
gentaos, lavradores e mais pessoas do centro, que para mais facilitar suas compras deli-
beraran! os proprietarios dos tres grandes armazens, reunir todos os seos estabeleei-
mentos em um s annuncio, pelo qual o preco de um ser de todos, promette-
mos que nio infringiremos a tabella que abaixo vai publicado, aununciar os gneros
por um preco, e na occas'rSo da compra querer era por outro, como socede constante-
mate em outras muitas casas, porcm nos nossos estabelecimeutos nio se dar isto
ainda mesmo com prejnizo nosso, qualquer pessoa poder mandar seas fmulos que
serlo tambem servidos como viessem pessoalmente fazendo-nos o favor de mandar seos
pedidos em cartas feixadas; para evitar qualquer engaos, remetiendo nos urna conia
pela qual se ver os precos tal qel annanciarmos, o que seao arrepender pessoa
alguma que fizer sua despenda em nossos estabelecimentos; pois poupar mais de
5 por ceoto Da sua despea* diaria.
MAWTEKaA
Manteiga ingleza prfelamente flor che-
gada ltimamente a l.ooo rs. a libra, e
em barril ter abatimento.
Manteiga franceza da safra nova a 8oo rs,
a libra e em barril ter abatimento.
BANHA
Banha refinada superior a 64o rs. e em
barril ter abatimento.
CHA
Cha uxim de primeir e superior qualida-
de a 2,8oors.
dem hysson o melhor neste genero a
2,6oo rs., e sendo em porco ter abatimen- 9,5oo rs.; acaixa de arroba hespaahola e a
Superior vinagre d Lisboa a 2,ooe rs. a
caada e 280 rs. a garrafa. Tambem ha
mais baixo para 2oo rs. a garrafa e 4,4oors.
a caada.
Azeite doce
Superior azeite doce de Lisboa a 64o rs. a
garrafa e a 5,ooo rs. a caada.
F0 CAPORAL.
Latas com superior fumo caporal a i,8eo
rs. a lata.
Passas
Superiores passas a 2,5oo o quarto e
DE \NTONID
BIJA 10 CRESPO V. 13
RIJA DO BRUlf X. 38,
O proprietario desle estabelecimento deseja chamar a attenco dos senhores pro-
prietarios aos acreditados mechanismos que continua a fornecer; os quaes garante ser,
como sempre, da melhor qualidade possivel:
Machinas de vapor
torea de i */* cayallos para cima. As menores sao mui proprias para motore sde
descarocamentos de a'godo; as maiores para moer canna; ha tambem que podem junta
cu separadamente moer canna e descaroear segundo suas propones. Estee vapores
sc simplissimos na construeco, e se regem por qpalquer pessoa inielligente, a facilida-
de da condueco sendo especialmente considerada, tanto que nao ha lugar em que nao
se possamconduzir, qur por trra, qur embarcado. Ha com moendas juntas ou sem
lis e podem-se applicar a qualquer moenda j existente sem outra mudanca do que
a substituido das rodas da almanjarra. ElLas tem depsitos d'agua e boeiros de ferro,
e nao precisara para o seu assentamento de obra alguma, qur de carapina, qur de al-
venaria. O tempo para assenta-las nao excele de doze dias ao mais, e em casos de
mortes de animaes ou arrombamentos de acudes, etc., garante-se o assentameoto em
oitc dias. Lerflbra-8e aos senhores de engenho que a venda dos animaes e o servico da
gente occupada no seu tratamento os bao de recuperar da maior parte da despeza do
v,ior dejando-Ibes a vantagem de urna moagem certa e accelerada; e acabando com a
despeza da compra continuada de novos ananaes, com os desgostos do trabalho que
se tem cora eHes. .^fc ,^.
II odas l'agiia de ferro, mu maneiras e moendo x)ra qualquer altura
d'agua.
Siirllhos eom criixeias de ferro para as mesmas, qiando se desege fazer
e r}sto.da roda de madeira, torntndo-se ass'rm a roda ligeira no trabrfho.
Mocadas de canna de todos os tamanhos, desde as mais pequeas cbama-
di; do sertao. Obra perfeila emieitio e aeunhamento.
Rodas de espora e angulares de todos os tamanhos e proporcoes.
Paree on eocllies para receber o caldo.
Cirlves de forasllia para asseclamentos, frescos para o foguista, fazendo
grande calr com pouco combustivel, e duradouro.
Parlas de torwalha de todos o.* tamanhos e de diversos systemas.
Fornos e atolnhos para a fabrica de farinha e tambem chapas redondas
para fornos pequeos.
Boas simples e de repucho.
Talias de ferro latido e rundido e ie cobre.
Forssas de ferro batido galvaaisado para porgar assucar, leves psra carregar
e isemptos de quebrar-se.
AffaosM^aes de ferro de todos os tamanhos, custando s a terca parte do
preco dos de cobre, mais regulares na distlllarb e igualmente duravois.
Ellios e rodas le carro com ewBg s de patente, obra mui secura paca
carregae5o de peso.
Airados, gradis eaefcados a eavallo e outros inUrumentos de agri-
eoitura. E finalmente todo o objecto de que possa precisar, um engeobo.
to, tambem ha proprio para negocio de 2 a
2,4oo rs: a libra.
dem preto superior de l,8oo a 2,5oo rs.
a libra.
Blscoutos
Latas com superior biscouto inglez de di-
versas marcas a l,2oo rs. a lata.
Bolaehiahas
Latas com bolacbinhas da acreditada fa-
brica do beato Antonio, proprias para dar a
doentes de 2,ooo a 3,ooo rs. a lata.
dem com quatro libras de bolachinha de
soda a 2,ooo rs. a lata.
Queijos
Queos flamengos chegados pelo ultimo
vapor de 2,3oo a 2.5oo rs.
CHOCOLATE
Chocolate hespanhol a .ooo el,2oo rs.
a libra, francez e suisso a 1,ooo rs. a libra
e portuguez a 800 rs. a libra, em porc5o
ter abatimento.
VINHOS
Superior vinho do Porto das mais acredi-
tadas marcas, como sejam: Madeira Secca,
Duque do Porto, Velho Secco, Lagriraas do
Douro.Maria Pia, D. Luiz, Pedro V, Lagri-
mas Doces e outras marcas a l,ooo a garra-
fa e 9,ooo a 12 ooo rs. a duzia.
Vinho Figueira e Lisboa das melhores
marcas a 4oo e 5oo rs. a garrafa, e a 3,ooo,
3,5oo e 4,ooo rs. a caada.
Superior vinho chamisso em barril a 64o
rs. a garrafa e a 4,5oo rs. a caada.
Superior vinho de Lisboa e Figueira em
anceretas de 8 e 9 caadas a 2i,ooo rs. a an-
cor eta.
Superior vinho branco proprio para mis-
sa a 640 rs. a garrafa, tambem ha mais bai-
xo para 4oo, 5oo rs. a garrafa e 3,2oo a
3,5oo a caada.
Caixas com urna duzia de garrafas de su-
perior vinho Bordeaux a 7,ooo rs. a caixa e
7oo rs. a garrafa. _
CAFE
Caf do Rio de 1.a e 2/ qualidade de
6,8oo a 8,2oo rs. a arroba, e de 24o a 28o
rs. a libra.
SABIO
56o rs. a libra.
GVGBRA
Genebra de laranja verdadeira a io,5oo a
duzia e i,ooo rs. ao frasco.
Genebra de Hollanda verdadeira a 6,ooo
rs. aftasqueira e a 56o rs. o frasco.
Idom de Hollanda em botijas a 4oo rs. ca-
da ums.
GarraRes com 24 garrafas de genebra de
Hollanda a 8,ooo rs. o garrafo. Tambem
ha garrafoes com 5 e 14 garrafas de 3,2oo a
6,ooo rs. cada um.
VELAS
Velas de spermaceta a 61o rs. a libra.
dem de carnauba de lo a 12,ooo rs a
arroba e de 36o a 44o rs. a libra.
PEIXE
Peixe em latas j preparado de I,ooo a
l,2oo rs. a lata
ALPISTA E PAINQO
Alpista e painco muito novo de 3,8oo a
4,ooo rs. a arroba e de 14o e 160 rs. a li-
bra.
CHARUTOS.
Superiores charutos do fabricantes Simas,
Imperiaes, Delicias, Parisienses e outros de
2.2,5oo e3,ooors. a meiacixa: tambem
temos Suspiros, Havaneiros, Ligueiros e
outros muitos que vendemos por mdico
preco.
Licores
Licores francezes e portaguezes a l.ooo e
l,4oo rs. agarrafa ou frasco.
Doces
Do:e da casca da goiaba em caixes e la-
tas a !,2ooo caixo e 2,8oo rs. a xlata.
Frutas
Frutas em calda e era latas fechadas her-
mticamente, muito bem eofeitadas, conten-
do pera, pecego, ameixa rainha Claudia, al
perche e outras frutas a oo rs. a lata.
Tambera ha latas grandes para l,2oo rs. a
lata.
AZEITE DE REFINADO
Superior azeite francez refinado a 8,ooo
rs. a garrafa e a 9,ooo rs. a duzia.
MOLHO INGIEZ SAUCE
Molho inglez Sauce era frascos grandes
cora rolha de vidro a l,8oo rs. o frasco era
DE
RPHHMPKh, PABTKIRO B
3Ra da Glpria,k$w do fundaQ S :
O Dr. Lobo Moscoso d otsliltas grarhifas aoS pitAte todW'os dias das-T s i|
uoras da manhao, e das 6 e meia s 8 horas da noite, excepgJo dOi dias santificados.
Pharmacia especial liomeopalhca
No raesmo consultorio ha sempre o mais appropriaeU -rtimento de carteiras
tubos avulsos, assim como tinturas de varias dymnamisacSes e; pelos pregos seguintes:
Carteiras de 12 tubos grandes. l^JOM
de 24 tubos grandes. 18000
> de 36 tubos grandes. 241000
> de 48 todos grandes. 30#0G0
de 60 tubos grandes. 350000
Prepara-se qualquer carteira conforme o pedido que se ier, e com os remedios
ue se pedir.
Um tubo avulso ou frasco de tintura de meia onca 15000.
Sendo para cima de 12 custario os precos eslabeiecidos para as carteiras. .
Ha tubos mais pequeos cada um a 500 ris.
ii-rrROS.
A melhor obradaiomeopsthia, o Manual de Medicina Horaoopathico do Dr. Jaih
doas grandes volumes com diccionario............ 201000
Medicina domestica do Dr. Hering.......... 10000
Repertorio do Dr. Mell Moraes............ 6*000
Diccionario de termos de medicina........... 3*000
Os remedios deste estabelecimento sao por demais conhecidos e dispensam por
tanto de serem novamente recommendados as pessoas que quizerem usar de remedios
verdadeiros, enrgicos e duradores: ha todo do melhor que se pode desejar, globos de
rerdadeiro assucar de leite, nolaveis pela sua boa conservaco, tintara dos mais acredi-
tados estabelecimentos europeos, a mais exacta e acarada preprelo, e portaoto a maior
energa e certeza em seus effeitos.
Casa de saude para escravos.
Recebe-se escravos para tratar de qualquer enfermidade ou fazer-se-lhe quakioer
operacao, para o que o annunciante julga-se sufScientemente habilitado.
O Iratamento o melhor possivel, tanto na parte alimentar, como na medica,
funecionando a casa ha mais de quatro annos, ha muitas pessoas de cojo conceito se ufo
pode duvidar, qae podem ser consultados por aquellos que desejarem mandar seus
doentes.
Paga-se 2* por dia durante 60 dias e d'ahi em diante 1*500.
Asoperacoes sera o previamente ajustadas, senose quizerem sujeitar aos preces
razoaveis que eos turna pedir o annunciante.
AnMAZEM DE FAZUXDAS
DE
CUSTODIO i iLiiviivno a (.
27 RA DO QUEIMADO N. 27
Madapolao francez muito fino, tendo pouco mofo, cada peca com 27 varas por
10*000.
La de cores a 300 rs. o covado.
Cambraia franceza a 260 rs. o covado.
Finos organdis a preco de 800 rs a vara.
Lencos brancos para algibeira a 2*f OO a duzia.
Finas perclaras a preco de 400, 440 a 560 rs. o covado.
Ricos cortes de la de barra de 10* a 30*000.
Chales de 016 preto e outras muitas fazendas.

Sabo maca de primeir qualidade de 18o. duzia ter abatimento.
a 22o rs. a libra e de 16o a 2lo rs. sendo
em caixio.
Serveja
Superior serveja Bass dos melhores fa-
bricantes, como sejam: Shlers & Bell. T. F.
Ashe a 7,5oo e 7,ooo rs. a duzia e a 7oors.
a garrafa. Tambem ha de outras marcas
como se ja: Victoria e Alcope a 5,ooo rs. a du-
zia e a 5oo rs. a garrafa.
BOIOES VASIOS.
Boioes vasios, louca ingleza muito pro-
pria para manteiga e deposito de doce de 4
a 12 libras a 1,260 e 2,5oo.
FARINHA DO MARANHO.
Farinha do Maranho a 240 rs. a libra.
SAG'.
Sag muito novo a 4oo rs. a libra.
ARARUTA.
BATATAS.
Gigos com 3o libras de batatas a l,ooo rs.
ogigo.
SARDINHAS.
Latas com sardinhas de Nantes e Lisboa
de 4oo a 46o rs. a lata.
FUMO AMERICANO.
Superior fumo em chapa a 640 rs. a libra
EBVILHAS
Latas com ervilhas e feijo verde j pre-
parado 64o rs. a lata.
MASSA DE TOMATE
Litas com 1 libra de massa de tomate a
64o a lata.
VERMUTH
Esta bebida muito fresca e estomac d e
muito propria par a presente estaco. a
qaal vendemos a2,ooo rs. a garrafa e 18*
a duzia.
Araruta verdadeira a 4oo rs. a libra.
Pimenta, cbminho, cravo, canella. ervaeee, aHasem, Uj&Ho para limpar facas par
litos para dentes, palitos de fogo, e outros muitos gneros ^ue se tornara ertfadooho
mencionar, aflancando clnceridade nos prajjos e oTm acolicion*mento de qualquer
gen ro.
_________________I______.____________________________
Macliinas de escarolar algodao
x fabrica se fazem obra aovas i enc{meada e coacertos, za e sotdes. O grande deposito de pecas e (bjectos habilitam-na ffluito para est fl.
O proprietario ser sempre mui feliz de poder ter occasio de dar infrmagoes oo
esclirecimentos aos senhores que se servirem de seu Drestimo.
D. W. Bowman, engeoheiro.
ROMANCES UUW
- Veodem-ae, aa livrara da praea da tade-
pendencia a. 8, a 400 rs. o volume, os ro-
mances portuguezesseguintes, em brochura:
A voz dosangue, 2 volumes.
Conoemara, 2 ditos.
A noito rfe S. Sirrestre, 1 to.
0 fflho de Titiano, 1 dito.
Adonis oo o bom negro, 1- dito.
As dea amadas, 1 dito.
O pacha d Ruda, rdilo.
Trby, 1 o. tj i t^M
IgflM d la Sierra, 1 dito.
Joten Siberiana, 1 dito.
so : a tratar tu roa da Ma-
re de Peas'n,.,.
%Myaft s sertao
r VASde-te tipof\mqoeiio do erto : o roa MadM de Do, triDMMt jooto a irej._
Vdade-se-BOUi toja de nludeus eora pouco
faudo em roa de Mgocio per prego rouitp em
coala i n tnosM 'asa vndese ama moftilla de
aotrwe etiTlBha : esea pretender dlrijape Mal
da Imperatrix a. Si, toja de entalbador qae m diri
qaera tem para vender.
Tesouras par* eiercspar babados.
Vendem-e tosonras para encrespar babados
de duas, tres, qnatro e chw pemas : na roa do
Qneinudo, Atevede A trmos.
f^rello
em saceos grandes a 44500: nos armazens
deTasao Irraaos.
(jomma de mi4ho branco
americana
Esta preetom (ctria, cojas propriedades medi-
cimes a Imprensa eoropa tanto tem exaltado para
a cora das mqiasttas do peno, recommenda-se tam-
bem como alimento sadio e nutritivo para as cri-
aseis, preetaSdose a variados preparos eolinaxios.
A efl ceaaeio qae ella um obdo por toda a
parte o sea ouior elogio : vende se uuicamente
ni roa do Imperador n. 57, armaxaa Allianca.
Par ts baile aii9ir*(ios.
A agoia branca est vendendo por baratsimos
preco, aw Saastr, os objeetos aegalMes, que ser-
vem mal bem aos qm temm parte sos bailes mas-
caradas, sendo :
Mlas de eda a 1* o par.
T e 3J
Novidades do Vigilante
RA DO CRESPO N. 7.
Este estabelecimento apezar de sempre
se achar bem sorlido como todos sabem,
hoje mais que nunca, n3o s pelo que rece-
be de sua propria conta, mas tambem pelo
que recebe de consignacoes; parece sem
duvida que deve offerecer grandes vanta-
gens para o respeitavel publico tanto em
presos como na escolha dos objectos, e co-
mo acaba de chegar grande remessa pelo
vapor Douro e o navio Solferiso de
diversos objectos de gosto e proprios do
tempo dos quaes se mencionado algans,
por nao ser possivel mencionar tedos. O
dono deste estabelecimento espera a pro-
tecc2o de todos.
Riqoissimas caixinhas ornadas e com
msica propria para um delicado mimh.
Caixinhas de msica tanto de veio como
de corda.
Ricos por"la joias e necessarios.
Riquissimos estajos a feitio de um bausi-
nho ou chapeuzinho.
Ditos em casca de noz e de outros gostos.
Leques de madeperola de sndalo e de
faia e madeira.
Chaposinhos e touquinhas de muito
gosto para criancas.
Meias e sapatinhos de seda para as mes-
mas.
Meias de seda para senhoras.
Capellas e grinaldas. de flores proprias
para casamento.
Enfeites e capellas de muito gosto para
senhora.
Riquissimos porta boquets.
Boquet de flores com urna borrachinha
com ebeiro.
Luvas verdadeiras de Jovin.
Ditas de seda ede Bscocia.
Riqaissimps plumas e gtiarnif^es para
enfeftar chapeos.
Cootas lobos de ac branco, que ha
muito se desejava para enfeites.
Brincos, firellas e cruzes de crystal.
Fivellas%cruzes de tartaruga, madripe-
rola e dourados.
Alfinetes para grvalas.
Botoes com croas para punbos.
MACHN 1S DE PATENTE
DE TRABALHAR MO PARA DESGA-
RITAR ALGODO
FABRICADO POR
PLANT BROTHERS & C.
OLDAM.
Estas machi-
nas odemdes-
carocar qual-
fquer especie de
algodao sem
estragar o fio,
sendo bastante
duas pessoas
para o traba-
lho; pode des-
caroear urna
arroba de al-
godao em ca-
roco em 40
minutos, ou
18 arrobas por dia ou cinco arrobas de al
godo limpo.
Assim como machinas para serem movi-
das por animaes, que descardcam 18 arro-
bas de algodao limpo por dia; e motores
para mover urna, duas ou tres dessas ma-
chinas.
Os mesmos tem para vender um bellsi-
mo vapor que pode fazer mover seis destas
machinas mencionadas; para o que convi-
dare aos senhores agricultores a virera ver
e examina-lo, no a mazem de algodao, no
largo da ponte nova n. 47.
aiindcrs Brothers *fc C.
Recite pra^a do Corpo Santo n. U.
Os nicos agentes neste paiz.________
O castalio de Grasville.
Tratadlo do francei por A. J. C. da Crni.
Vende-se este bello romance em quatr
tomos pelo baratissimo preco de 30OOC
aa praca da 'Independencia, livraria ns.
6e8.
Gravatinhas e mantinhas. de muito gosto,
tanto para homem como,/ara senhora.
Riquissimos adaregos pfetos, assim como
caixinhas com alfinetes pretos.
Bengallas de canna cera cabo de marfim.
le kateia, borraiM e de outras
qualidades, assim como cbieotisbos.
iqoissimos pentes de tartaruga db ulti-
mo gosto; assim como de arregaco para
menina, pois neste artigo ha um completo
sortimeato de todas as qualidades,
Diademas para tabeo do altan gosto.
Riquissimas fitas, lavradas e lizas.
Tranca pretas eoaa vidrilbo e de corea.
Putseiras tanto para saahora como para
menisas.
Ligas de seda eje algodao.

seda e re HgoiaoTnrai-
tos outros obiectos que se n3o Dodem in-
nunc i nao se tornar enfadonho.
do Crespn. 7.
Francisco Jos hermano
RA NOVA N. 22,
acaba de receber um lindo e magnifico sor-
timento de oculos, luaetos, binculos, do ul-
timo e mais apurado gosto da wopa paco-
Ios de alcance para observarles e para os
martimos. ." .
Manual do Cidado
Vende-se o Manual do Gidsdo em um
Governo Representativo oo principios de
Direito Publico Constitucional Administra-
tivo e das Gentes, por Silvestre Pinheiro
Ferreira, em 3 volumes broxurados per 34
cada obra : na livrarkn. 8 da praca. da
Independe acia.
Veldem-se snpeVlortb preofltof si Westpta-
lia, eheeadw ao aWt>>por i Aa rsa do Trapi-
che n. 9,
Roopasfeitasde tosas a fliiKaad^
Veqdie-ae roopa feita, eeado eaJeaa A arte e
pardo a U, ditas de brim branco dtUsbo a 3#600
e 4. calcas de casemira preta a S*. 64 e 8*. di-
tas de cores, meia casemira, a 34 e 34600, dits
de casemira a 64. 7* e 84, palMots de brim de
cores a 14 34W> "84, ditea i brim branco a
a446W,dltosaia^pre^a34f44,dUo. de
casemira de cores 54, 6, 7. Se 104, tea, de
paopile4, 7,8 a 104, eHetes de eoree a
14600, de casemira a 34 44, coronta frceia a
1460 e tpttO, eanfnc rrasens toas brancas a
peltos de res a U e WM. dius ogleas de U-
Dbo de pregas largas a I***, 34 o 3490: na
La imperatria, Ip^a ^ rjtj
Uv*deJmvd pretos entras
esre
aram para a
adon. W.
s*
i.
^Sa.


Baa
\
,

D


i.

t.
ataron 4e F.rnasonna* n ajda lele M olg jqwogcla de
1886.
KNQlOLOPEDiriA
9 Ha* peiatiiat arasazem
Ja Marta larga ai.
innto a nadarla fradeeza Je
nrWtHwo Va)!1)
NNla estabeleenaento encontrara c respeitavet
publico ai variado sortimento de fazendas france-
zas, inglesas, anlssas e allemaes, que se venderao
por prego commodo.
Paredes Parte
Yelde 'hales d rn a 18* esta venden* por 6#, dites preos, fa-
zenda mt,i, 5$, 6,1, 8 a 20*, um sortimento com-
pleto de manteletes, capas e sootambarques 14 a
23$. Rna da Imperainz n 45, Junio a padaria Trn-
cela, armaxem da porta larga.
Paredea Perla
Receben um completo sortimento do laasinhas a
240, e 280 rs. covados, para acabar, cambraias de
cor a 240 rs. o covado, riscado escossez para roa-
na de menino, fustio de liobo a 420, tOO e 500 rs.
Rna da Imperatriz n. 52 junto a padana francesa,
armazn da porta larga.
Paredes Perla
Receben para eorlinados para eama franceza a
iii ape$a cambraia lisa fina a 3* i-i at 10J a
Peca, cortes de tarlatana de bonitos gestos a 3*500
e 4J, cambrala com lr de seda, gostos inteira-
mente botos a 400 e 500 rs. covado, no armazem
da porto larga n. 82, roa da Imperatriz jonto a pa-
daria franceza.
Paredes Parte
Receben petoullimo paquete om sortimento de
cruzes cora pedras para o pescoco, bonitos caxineis
de la para pescoco de senhora. Roa da Imperatriz
n. 52, armizera da porta larga.
Paredes Parle
Vende cortes de gorgorao preto par* vestido com
21 covades cada um 35*000, grsdenaple preto a
1*600,1*800 e 2 o covado, lias lizas finas a 400
rs. o eovade, lias de quadrinbo para vestido, enfes-
uda, a 320 rs. o aovado. Roa da Imperatriz o. 52,
armazem da poru larga.
Roupa feita
Roa da imperatriz n. 52 armazem da porta lar-
ga junto a padaria franceza, eBcontra-se neste es-
tabelecimento nm completo sortimento de paletos-
saceos e sobrecasacos, de todas as qualidades, cal-
cas, colletes, ceroulas, camisas, grvalas, meias,
chapeos de sol, ditos francezes para cabeca, por
precos coramodos, roopa para menino e outras
muiias fasendas por precos commodos, armazem
da poru larga.
No mesrao estabelecimento encontrara o respe-
tavel publico, sempre ura completo sortimento de
roupas fetas de todas as qualidades, como sejam
paletos de alpaca preta e de cor, ditos sobrecasa-
cos a 4* e 5Js ditos de brlm pardo a 2*800, 3* e
3*500, ditos finos a 4*, ditos meias cazemira a
3*500, i* e 5*, ditos cazemira saceos a 6*, 7*, 8*
e 10*, ditos sobrecasacos a 10 e 12*, ditos de pan-
no saceos a 00, 8* 10*. ditos sobrecasacos a 12*
e 25*, ditos de merino preto a 6*, 7* e 10*, cai-
gas de brim de diversas qualidades a 1*800 a 4*,
ditos brancos a 2*500 e 6*00, ditos cazemira 5*,
6* e 7*, ditos pretos a 5*, 6*, 8* e 10*, ditos
meias cacemiras a 3* e 4*, coletos de diversas
qualidades, seroulas francezas de algodo, 'ditas de
linbo, ditai de bramante a 2* e 2*500, carnizas de
algodo de linho francezas de 2*500 3*. Gran-
de pectlncba neste genero, gravatas de todas as
qnalidades e brancas para casamento, grande sor-
timente de meias para senhoras, ditas para homens
a 35, superiores a 3*500 e 4*.
m completo sortifaento de chapeos de sol de
alpaca a 3*. ditos de seda a 5*, 7*, 1C* e 14*,
ditos francezes para cabea, grande sortimento
s 6*.
Pechiocha adairavel.
Grande sortimento de chambres a 4**00 e 59,
enees de cambraia para bomem -a 2* a dozia, di-
tos de linho a 4* e 5*.
Grande sortimento de rcxjpa para meninos e ou-
cras moitas qualidades que seria enfadonho men-
ciona-las.
Paredes Porto
Recebeu pelo ultimo paquete francez ricas lias
granadinas cora llores de seda a 100 e 500 rs. o
covado. esto acabando-se, cambraia preta para
luto. Pona larga junto a padaria franceza, a roa
da Imperatriz n. 52.
Paredes Porto
Receben pelo ultimo paquete espartilhos a pre-
guicoso por 3$, sao boos, lencos de seda para se-
nhora e bomem a 1?, ricos cortes de cambraia
bordados de 18S a 7jf, por ter um toque de mofo,
esto se acabando, na rna da Imperatriz n.52, jun-
to a padaria franceza.
Paredes Porto
Vende um completo sortimento de fazendas
brancas, como sejam nicdafolo a 4*500, 5*, 6* e
10J, pecas de algodo por barato preco, cbila fran-
ceza a 240, 280. 320, 360 rs. o covado, precalias
muito finas a 360, 400 rs. o covado, chita ingleza
a 200 e 240 rs. o covado. Ra da Imperatriz n.
52, junto a padaria franceza.
Fazendas.
Vndese superior merino preto proprio para ca-
pas do senhora e vestidos a 2*, lustrim da China
a 1*800 o covado. Ra da Imperatriz, porta larga.
Paredes Porto.
Vende em seu estabelecimento liras e entremeios
bordados, grande sortimento de eorplnbos rica-
mente bordados a 3*, 4* e o*. So o Paredes Por-
to, roa da Imperatriz no 52; porta larga junto a
padaria franceza.________________
Fazendas pretas para a quaresma, grsde-
naple preto a {#600.
Vende-se grosdenaute preto muito bom a 1*600,
1*800, 2* 25600 e 35 o covado, moreantique pre-
to muito bom a 35 o covado, merino preto fino a
3* o covado, bombazina para vestidos de senhora
a 1*400 e 1*600 o covado, alpaca preta fina a 300,
600, 700 e 800rs. o covado: na ra da Imperatriz
n. 56, loja da Arara.
Panno preto hno a 20 0 covado.
Vende se panno preto fleo para paletots e calcas
a 2*. 1*500. 3#, 4* 5* o ovad casemira pre-
ta fina a 35500, 45 e 54 o corte, dita para covado
a 1*800,2*, 2*500 e 3* ; -na ra da Imperatri:,
ioja da Arara o. 56.
Coates de fil dlinho a 80.
Vendem se lindos chales do fil de tinho a 85 e
105,re*onasde fil de Imhe a 15*. ores de ves
tidoa Maria Pa a 7*, 10* e 12* : na ra da im-
peratriz, )oja e armazem da Arara n. 56.
Meias cruas para menino a 1B a dozia
Vendem-se meias croae para menino a 1* a du-
zia, chales de merm estampados a 2*, ditos de
la a 1*280, ditos de algodo a 4*, colarinhos para
bomem a 5o0 rs. a duzia para acabar : na roa da
Imperatriz n. 56. Ioja da Arara.
Cortes de ganga e de brim a 10600.
V4e<-se cortes de calca para bomem, de gan-
ga a brim de cores a 1*600 e 1*800: cortes de
meia castimira de cor a 2*506 e 3* cortes de ca-
semira pteta para calca a 3*500, 45 e 5* : na
ra da Imperatriz n. 56,
Caitas baratas a 220 o covado.
Vendem-se chitas de cores finas a 220 e 240 o
covado, ditas francezas finas a 288. 820, 360 e 400
rs. o cov.do, cassas de cores para vestidos a 320,
360 e 409 rs. o covado, riscado francez para ves-
tido a 240 o covado : na roa da Impetalrlz n. 56.
Laazinhas para vestidos a 240 o covado
Vendem-se laazinhas para vestidos a 240, 320,
360 e 400 rs. o cdvado, ditas finas com quadros
de seda a 500 rs., ditas de orna s cor a 50j rs. o
covado, golinbas para senhora a 240 e 320, man-
guitos a l*. caraisinhas a 15600 e 3*, Boas a 4*:
na roa da Imperatriz, Ioja e armazem da Arara
n.56.
BalCe* de are s a 2*
Vendem-se baldes de todos os tnjannos o 2*
2#50C, 3*, 3*500 e 4* : s na Ioja e a.rmazem da
Arara, rea da Imperatriz o. 36-
Fil 4e linbo de cores a 160 o covado
Vende-se fi de iinbo de corea proprio para
bnonoado do carnaval a 160 o covudc, tapete da
cores a 500 rs. o covado, velbotinas de cores a 800
rs. ganga encarnada a 320 o covado, panninho sar-
gelim a 280 o covado-: na roa da Imperatriz nu-
mero 86. ^______
FABRICA A VAPOR
99 RA 00 MONDEGO 99
Deposito na raa Nava n. 50 Ioja de rilojoelro.
Delouche donos deste estabelecimento partecipa ao respeitavel publico que sna fa-
brica est montada com as melhores machinas que existem na Europa, e que pode
fabricarcom melhor perfeicJo possivel. Todo o chocolate desla fabrica est garantido, e
poro, o que nSo se pode encontrar naqoelle que vem de fra, e que se vende por preco
baixo, visto os productos serena do paiz. Na etiqueta tern sempre urna aguia.
PRECO.
Meia libra......... 400
Urna libre......... 800
Urna arroba........190000
Na mesma fab ica acaba de se montar urna oficina com serrara a vapor para
obras de marcineiria propria para edificio, para o que encarreg i-se de fazer portas, ja-
dellas, assoalhos (parqu francez como se osa na Europa,) e armacoes, ludo com brevi-
nade e'perfeicSo. Toma-se qualquer encommenda para fra da cidade, entregando-se
prompta a coilar-se no logar.
No armazem de lazendas
baftttas de Santos Ooelto)
Una do dtnelaaado n. la>.
Veode-se o seeninte :
Cobertas de chita fina a 2*800.
Ditas de dita a 2*400.
Lencoes de panno de linbo a 2*200.
Ditos de dito de linbo a 2*.
Ditos de bramante de Itabo de nm s5 panno
3*200.
Panno de liobo fino com 9 1)2 palmas de larga-
ra pelo barato prego de 2*406 a vara.
Bramante de linho fino coro 10 palmos de lar-
gara a 2*500 a vara.
Pecas de cambraia com lpicos brancos e de
cores oem 81|2 varas a 4*500.
Pecas de cambraia adamascada propria para
conloado de cama com 20 varas a 11*.
Baldes de arcos a 2*560,3*, 3*500 e 4*.
Lencos de cambraia fina a 2)600 a duzia.
Ditos de dita a 2* a duzia.
Atboalhado de linho fino a 2*800 a vara,
Dilo de algodo a 2* a vara.
Algodo entestado com 7 1|2 palmos de largura
a 1*200 a vara.
Pecas de bretanba de rolo com 10 varas propria
para sa,a a 3*500.
Pil de linbo liso fino a 800 rs. a vara.
Dito de dito com salpicos a 1* a vara.
Cambraia de linbo fina a 4*500, 6*560 e 9* a
vara.
Cortes de ISazinba de lindos gostos com 15 co-
vados a 5*.
Pecas de madapollo noissimo pelo baratsimo
preco de 8*. 9*, tO* e 11*.
Flanella branca fina a 600 rs. o covado.
Dita de cores fina a 880 rs. o covado.
Baloes de musselina para menina a 3*, 3*500
e4*.
Cambrala de forro a 3* a peca.
Dita fina a 4*500,6* e 7# a peca.
Goardanapos de linbo a 3*800 a duzia.
Toalbas de algodo felpadas dozia a 12*.
Esleir da India propria para forro de sala de
4,5 e 6 palmos de largura per menos prego do
que em outra qualquer parte.
Neste armazem tambem se encontra nm grande
sortimento de roupa feita e por medida.
DE
COEiLUO Rota da Cruz ai. 16.
Continua a haver diariamente um sortimento de pastis, podios, bolos ingleses,)
Capachos mglezes.
Vendem-se na rna do Queimado Ioja da aguia
braaca n. 8.
Baleias para vestidos.
-Vendem-se na Ioja da aguia branca| rna do
Qnelmado n. 8. .
Opiata ingleza e franceza.
Vendem-se na ra do Queimado Ioja da aguia
branca n. 8.
Papel mata mosca.
Na rna do Queimado d. 8 Ioja da agola branca
tontinna a vender-se papel para matar mosca e
custa 40 rs. cada folha.
Bonitas cestinbas para meninas,
empadas etc* etc. Os donos deste estabelecimento, acbam-se as melhores COndic5es Vendem-se na roa do Queimado Ioja da agnia remediar esas.falta a aguiabranca roanrlouvir^
de poder satisfazer encommendas concernentes sua arte, em coDseqnencia do socio h
Froitas ter sido administrador chefe de algnmas das princii aes fabricas na corte, sendo
urna a do Sr. JoSo Goncakes GuimarSes (confeitaria de Le5o) antiga casa de Carceller.
Todos os trabalhos sao differentes dos'que se fazem em casas particulares.
Os proprietarios deste estabelecimento n5o se tem poopado a despezas, nem se
poopar5o, se houver concorrencia como esperam ; tendo conlinuadmente bom sorti-
mento de doces para cb; presuntos e ditos em fiambre, tambem se recebem para se-
ren preparados ; assim como doce de caj novo superior, secce e crystalisado, dito em
calda em latas hermticamente fechadas, podendo dorar annos em pejfeito estado.
Para janlares e partidas recebem-se encommendas dos seguintes objeclos; ban-
deijas ricamente enfeitadas sem armaco pecas de amendoas (nogaces), ditas de tmaras
de ovos, pes d 16 eDeitados com disticos anlogos a qualquer fim; ditos montado?,
kechs simples e eBfeitados com froctas ingleza; gatoeaux de la reine, ditos de le d-
chese, tortas de fructa, massa folhada; ditas de peixe e carne; cremes e doces de ovos
de differentes especies.
Tambem temom completo sortimento de vinhos engarrafados, como sejam: vtnho
do Porlo superior, Figueira, Madeira, Lisboa, Cherez, Bordeaux, Champagne fino, ser-
veja, licores, cbaropes e conservas. Para festas: bonitas caixinhas com amendoas, con-
feitos e mais enfeites. Muilos destes objectes mencionados podem-se perfeitamente ac-
ondicionar tanto para a provincia, como para fra.
DEPOSITO
branca n. 8.
Aguibas para machinas.
Vendem-se na Ioja da aguia branca a ra do
Queimado n. 8.
. Pastilhas fumantes e cheirosas.
Vendem-se na Ioja da agnia branca n. 8, a rna
do Qnelmado, sendo ellas en. caixinhas de pape-
lao e de porcelana.
Bollas de ail fino para engemmados.
Vendem-se na ra do Queimado ioja da aguia
branca n. 8.
Bonitas caixit>bas
com perfumaras e mtras com necessarlos para
costara, sendo estas com msica e sem ella : ven-
dem-se na Ioja da agnia branca ra do Queimado
D.8.
Colla branca para vidros e madeiras.
Na roa do Queimado Ioja da aguia branca n. 8,
AGIII4BRANC4
Ra do (Jneimado n. 8.
A Ioja da aguia branca acaba de receber nm
novo e grande sortimento de differentes objectos
de gosto e ultima moda, sendo :
Bonitos enfeites para sennoras gostos inteira-
mente nevos.
Ditos ditos de grade com comas grandes.
Lindas flvelas grandes para cintos com moldes
agrada7eis e diversas qualidades, madreperola,
tartaruga, ac e donradas.
Boas e bonitas' titas acbamalotadas para ditas.
Ditos de dita de grosdenaples lisas e lavradas
cea novos e agradavels desenhos.
Trancas pretas de seda com vidrllhos moldes
novos e de gosto.
Bicos brancos e pretos de seda com vidrilhos e
de differentes larguras e bonitos desenhos.
Cascarrilbat de seda com diversas cores e lar-
guras, formas inleiramente novas a imitacao de
palo, babadinho e outra com urna transfnba no
centro o que Ibes d muita grac,a.
Outras estrei-as e largas guarnecidas de tico
de seda obra de muito gosto.
Unirs de camnraia de cores.
Botes de seda, velludo e ac para enfeites de
vestidos.
Trancas de seda estreltas e largas brancas e de
cores para enfeites de vestidos.
Flores finas
CAPELLAS PARA MENINAS E NOIVaS.
A agnia branca a roa do Queimado n. 8, rece-
ben para vender :
Delicadas capellas brancas para noivas.
Ditas dilas para meninas.
Ditas ditas de eaixos de flor de laranja.
Ditas ditas de rosas camellas e outras.
Ditas ditas ou ramos de trigo.
Diversos ramos de flores finas para peito de
vestidos, enfeites de chapeos etc., etc.
Preparos para flores.
Na roa do Queimado n. 8, Ioja da aguia bran-
ca vende-se:
Papel de cores para rosas.
Dito verde para folhas.
Dito dito e pardo para cubrir os talos das ditas.
Musgo em rama.
Polbas para rosas.
Agulhaselinhas paracroehet.
Vendem-se na ra do Queimado n. 8 Ioja da
agnia branca, assim como aguihas para tranalbar-
se emlaa.
Papel de sobrecellente para os
phosphorvs hygienieos ou de
seguranca.
A vista do grande tamanho das caixinbas dos
phospboros hygienieos ou de seguranca, tornava-se
pones o papel que vem em ditas caixinhas, e para
- e
se
dar de sobrecellente a quem comprar de taes
phosphoros e se vender indistinciamente a quem
delle precisar. O preco de cada calxinba de pbos-
phoro continua a ser 160 rs., e vendem-se na ra
do Queimado n. 8, Ioja da aguia branca.
Seda froucha para bordar.
Vende-se na ra do Queimado Ioja da aguia
branca n. 8.
Obras de crystal.
Brincos de diversos moldes.
Ostros tambem de crystal de cores.
Ontros de aljofares brancos e outras core,?.
Adereces de crystal obra de gosto.
Rosetas de dito e cruzes.
Botes de dito, brancos e de cores para collete.
Dilo de dito tambem brancos e de cores para
ponnos.
Voltas de dito e ontras qualidades.
Vestidos
Pecblaebaeaa tfjnal.
ChegorA Ioja de Paredes Porto um bonito sor-
timente de vestidos de totulau de core* e'brancas
que-serve para partidas por ser ama pbaatasia In-
leiramente de gosto pelo barato prego de 4* e
brancos a 4*500, estao acabando-se : no armazem
d porta larga roa da Imperatriz n. 52, jauto a pa-
daria franceza.
Cortinados.
Cbegon a Ioja de Paredes Porto um completo
sortimento de corlinsdos ricamente bordados a
preco de 25*, 35* e 45* : na roa da Imperatriz
n. 52, porta larga jonto a padaria franceza.
Kicas romeiras.
Paredes Parto receben pele ultimo paquete om
sortimento de romeira*de guipure pn-ias e de tii
a preco commodo : na ra da Imperatriz o. 52,
porta larga junto a padaria franceza.
Graide pechincha.
Cortes de la escoceza entestada para vestido
fazenda de 500 rs., est se vendendo a 280 e 300
rs. o covado : na ra da Imperatriz n. 52, Ioja da
porto larga.
3$000
o
Cortes de iaa escocesa para vestido a 3* o cor-
te: na ra da Imperatriz n. 52. Ioja da pona lar-
ga, junto a padaria franceza, esto se acabando.
Chales de renda
Paredes Porto, na ruada Imperatriz n. 52, pona
larga, vende chales de renda de cores com peque-
no toque de mofo, a 3500 e 4*, fazenda de 10*
e!2000.
120
Para roupaa de escravos.
Paredes Porto tem para vender chita azul e ris-
cado proprio para o fim cima a 120 rs. o covado,
orna grande pechinchafe esta' se acabando : na
roa da Imperatriz n. 52 porta larga junto a pada-
ria franceza.
Grande pechincha.
Paredes Porto esta' vendendo riscado francez a
200 rs. o covado : na ra da Imperatriz n. 52 ar-
mazem da porta larga jonto a padaria franceza.
Para luto.
Las pretas com salpicas brancos a 4G0 e 500
rs. o covado : na roa da Imperatriz o. 52 junto a
padaria franceza armazem da porta larga.
1,5(400
Chapeos de sol.
Vendem se chapeos de sol de panno a i400 e
urna grande pechincha s para acabar : na la da
Imperatriz n. 52 armazem da pona larga de Pare-
des Porto.
A 1,5(500,
Vendem-se pecas de tranca preta para enfeites
de vestidos, souttmbarques, capas de senhora a
1*600 com 10 varas, urna grande pecbincba : na
ra da Imperatriz n. 52 junto a padaria franceza.
vt-ndem-e frasqolohos com colla branca para sol- ------
dar vidros e porcelanas, _e oulros com dito para i [esiueS de dherSOS QUOlldadeS
D rs. cada om delles, e I .....__-__*____. o in, h
25 RA NOVA N. 25
Este estabeteciroerilo acaba de receber um rico sortimento de pianos fortes ex-
pressamenie fabricados para o clima desle paiz, dos mais afamados fabricantes da Euro-
pa, por isso o proprietario convida ao respeitavel publico para virem apreciar as qua-
lidades dos referidos piarnos.
Continoa-se sempre com esmero e promptido fazer-se qoalqoer reparo nos ditos
instrumentos. Afinam-se os pianos debaixo do melhor systbema ltimamente adoptado
na Europa.
Fazendas, phacusia para vestidos chegados de Parispelo nllimo vapor.
Lindos robes de organdys cesarianas fazenda transparente de inleiro gosto.
Ditos de percalia campestre padr5es Biqnissimas grinadines de seda o que tem vindo de memor gosto neste mercado.
Lindes cortes de saltan pekln para vestida fazenda inleiramente nova.
Ditos de gaze -setim em peca fazenda transparent e de gosto muito modernos.
Lindos chales dogeenadim broch, primeira vez aqui apparecidos.
Bicos bournus de crep guarnecidas de tranca muito proprios para passeios.
Biquissimas livelas para sinto, de metal, de crystal com ago e com pedras finas,
qae ha de mais novo.
E ontras muitas fazendas de Inleiro gosto
Ra do Crespo n. 13.
Loja das columnas de Antonio.Crrela de Vaseoncellos
t Companhia.
J.
DE
VIGNES.
.V. >5. RA M IMPERADOR X. 55.
Os pianos desla antiga fabrica sio boje asss conhecdos para que se*a necessario insistir sobre a
ica superioridade, vaniugens- e garantas que offerecem aos compradores, qualidades estas incontesta-
ta indo um teclado e machlmsmo que obedecem todas as vontades e caprichos das pianistas, sem
auaca falhar, por serena fabricados de proposito, e ter-se elto ltimamente melborameotos importan-
'.if-simos para o clima deste p.z ; qoanto s vozes, sao melodiosas e flautadas, e por isso omito agrada-
na aos ouvidos dos apreciadores. .
Fazem-se conforme as eocommendas, tanto nesta fabrica como na do Se Blondel, de Pars, socio
eo^espondente de J. Vignes, ;tn cuja capital forau sempre premiados em todas as eiposicSes.
No mesrao estabelecimento se achara sempre nm explendido e variado sortimento de msicas dos
matores autores da Europa, assim como harmnicos e pianos harmnicos, sendo todo vendido por
precos commodos e razeavels.
AWi
Na roa do Jasinim o. 24, officina de ferreiro, da
Guilherme Daigl, ha para vender dous eabriolets
novos, ora de 4 rodas e com assentos para 4 pea-
soas, e para ser puchado por nm s cavado, e nm
de dnas rodas, ambos fetos com toda a perfeico ;
CHHEB
Grande peehlneha.
No rna da Imperatriz n. 53 porto larga de Para-
dos Porto, vende-se chales de merino estampados a
2 e 29O0 e finos 5& esli se acabando.
Bordadas.
Cbegoa a loja de Paredes Porto, roa da Impera-
triz n. 92, m sortimento de camizinhas, goltinbaa,
coriinbos, romeiras e sintos, du cambraia branca,
pele barato preco de 2*500, 3*t00 e 44, gollinhas
500 rs., romeiras a 800 e sintos a 800 rs, grande
quantidade de entremeios a 600 e 800 rs. a peca,
estao se acabando.
Navidade.
Cbegaram os bonitos chales e retoodss de guipa-
re brancos, e vendem-se na ra da Imperatriz n.
52, hija da port? larga, de Paredes Porto.
Lavas de Jonvin.
A loja de mindezas na na do Queima-
do a. 16, resebeo-as por este olttmo vapor,
Bren om barricas pequeas.
Cera < velas de todos os tamanbos.
Bogias.
Mercurio.
Na roa do vigano n. 19, primalro andar.
Cambraia*.
Parede Porto vende cambraias (isas finas, gran-
de surtimento, a 3J at 6\|, ditas Victoria muito
finas, com iO varas a 6$, 64500 e 7# : na rna da
Imperatriz n. 52, junto a padaria fanceza.______
Ghfei aos carfi-as de canaraia.
Vendem-se corpinbos de cambraia com entre-
meios a 44 e 54, esto se acabando : na loja de
Paredes Vorto, roa da Imderatriz n. 52, porto lar-
ga, jun.o padaria franceza.
avariado.
Francez Jaarrau 5*000
Portland dem. 8*500
Sm perfeito estado:
Francez barrica 10*000
Portland dem 12*000
No armazem de Tasso Irmaos caes dolApolto.
As verdadeiras brides e
picadeiras d Ipojuea
Vendem Azevedo & Irmo, a roa do Queimado.
obras de madeira, custa WO
por essa commodldade de preco convm cmpra-
los para estar prevenido.
Papel greve pautado com 33 hnhas.
A aguia branca acaba de receber novo sorti-
mento de papel greve liso e pautado com 33 Hnhas
assim como de peso tambero liso e pautado, dito
pequeo em caixinhas sendo liso, pautado, beira
dourada e sem o ser. Tambem recebeu grande
sortimento de envelopes, e ludo se vende por pre-
cos commodos : na ra do (Jueimado loja da aguia
branca n. 8.
Papel paquete branco pautado.
Vende-se na ra do Queimado n. 8, loja da agnia
branca.
Artificiaes.
-Ramos de trigo com diversas cores mu proprios
para enfeites de gorros e chapeos de senhoras e
meninas, acbam-se a venda na roa do Queimado
loja da aguia branca n. 8.
Huchas e extractos fines
A aguia branca recebeu um ezcellenie sorti-
mento de perfumaras finas, sendo bonllos frascos
de cores com extractos finos o de agradaveis chei-
res; assim como bellos vasos de porcelana doura-
da c m banha de superior qualidade, tendo nestes
alguns com inscrlpces apropriadas para presen
te, etc., etc. : quem se dirigir a ra do Queimado
b. 8, loja da aguia branca, achara a certeza disso,
e boa disposico para vender a dinheiro por pre-
cos commodos.
AS PROVEITOSAS AGUAS
balsmica, dentificia e ambreada, acham-f e ven-
da na roa do Queimado, loja d'aguia branca nu-
mero 8.
Latas e barrisiinhos aom graxa
econmico.
Vendem-se por precos razoaveis : na ra do
Queimado loja de miudezas n. 16.
Agua de Hellde iiarafazer os ca-
bellos pretos.
Na loja de miudezas a ra do Queimado n. 16,
vendem se caixinhas com essa excellente prepara-
caoAgua de Hoildepara fazer os cabellos pre-
tos, quem delta precisar pode dlrigir-se a dita loja:
na rna do Queimado o. 16.
Pastilhas tarificas para perfumar sa-
las, Gabinetes, etc.. etc.
Na loja de miudezas a ra do Queimado n. 16,
vendem se caixinhas cora essas odorficas pastilhas
fumantes.
Papel de peso e almaco, liso e paulada.
A loja de mindezas a rna do Qnelmado n. 16,
acha-se bem provida 4e papel de diversas quali-
dades, sendo almaco greve liso e pautado, cora 33
ltohas, dito de peso tambem liso e pautado, dito,
pequeo em caixinhas igualmente liso e pautado,
com beira dourada e sem o ser, assim como enve-
los grandes e pequeos, os pretendentes dirijam-
se a dita loja na roa do Queimado n. 16, que serio
bem servidos.
lesna depois da festa gusta-se pe; fu-
maria fina.
A antiga loja de miudezas a ra do Queimado n.
16, acaba de receber om bello sortimento de per-
fumarlas fina?, sendo banha fina, em diversos e de-
licados va tivas inscripcoes e sera ellas ; assim come bonitos
frascos de phantasia cora excellentes extractos de
finos e escomidos cheiros, e bem como operior
agua da Colonia era garrafas e frascos de diversos
tamanhos, dita deptifrees, balsmica e de Afir de
laranja, cosmeUqnes finos e banhas em frascos fie
differentes moldes. Vende-se lodo per precos com-
modos a vista da superioridade das qualidades :
na ra do Queimado, loja de miudezas n. 16.
Diven os objectos. '
Venden se na loja de miudezas
a rna do Queimado n. 16.
Bonitos leques de sndalo e outras qnalidades.
Bonitos cintos com flvellas de diversas qualida-
des e moldes.
Brincos e cruzes de crystal.
Abotoaduras de dilo para coletee.
Bonitos port-relogios.
Delicadas caitas com mostea e sem ella, para
costura.
Aguihas e linhas para cbrocbel.
Retroz superior em carrileis.
Rendas pretas e bicos com vidrilhos.
Fitos de vellnde eom listras da oores para en-
feites de gorras e salidos.
Ve'ndem-se na rna do Queimado n. 8, loja da
aguia branca.
Aspas fortes para baldo
Vendem-se na roa do Queimado loja da agnia
branca n. 8.
(Jromacome para Ungir ca
bellos.
A aguia branca avisa aos constantes fregnezes
des"a excellente tintura, que ella acaba de rece-
ber urna nova remessa de cromacome, coloricome
e sabio branco, necessario para lavar os cabellos,
portanto podem dirigir-se a dita loja na ra do
Queimado n. 8.
A bridores de luvas.
Vendem-se na ra doLueimado loja da .aguia
branca n. 8.
port bouquets
de bonitos moldes, dourados e eabo de madrepero-
la : acham-se a vnda na ra do Queimado loja
da aguia branca n. 8.
Bonitas louipiinhas
de fil de linho, cambraia e setim todas mui bem
enfeitadas : vendem-se na ra do Queimado n. 8,
loja da agnia branca.
Carreteis com retroz.
Na ra no Queimado n. 8, loja da aguia branca
PAM \ QUMM
PECHINCHA aDMIRAVEL.
firosdfnaple prete a i#600
Vende-se superior grsdenaple preto, fazenda
muito encornada, pelo baralissimo preco de 15G00
o covado, sendo fazenda que val muito mais di-
nheiro : na loja e armazem do Pavo na ra da
Imperatriz n. 60, de Gama & Silva.
MANTAS PARA O PESCOQO
a 15, s o Pavo.
Vendem-se bonitas mantas para o pescogo, pelo
barato prego de IJ : na loja do Pavo na i
Imperalriz n. 6'., de Gama & Silva.
Novidades do Pavao
O PECHINCHA ADMIRAVEL.
Escossezas a 3)5200
Cegaram os mais lindos cortes de escossezas,
proprios para vestidos, sendo fazenda inleiramente
nova no mercado; e vende se a 32GO o corte on
260 rs. o covado na loja e armazem do Pavo, ra
da Imperatriz, n. 60, de Gama & Silva|
Cassas francezas a 2 ir rs. o covado.
Vendem-se bonitas cassas francezas de cores fi-
xas pelo baralissimo preco de 240 o covado.
- Ditas a 280, 320 e 360.
S na loja do Pavao, ra da Imperatriz n. 60, de
Gama & Silva.
Chitas avinadas.
Vendem-se finissimas chitas francezas, eom pe-
queo toque de avaria, pelo baratissimo prego de
280 o covado.
grande pechincha.
Assim como ditas inglezas roxas e claras, sem
mofo nem avaria, pelo baralissimo preco de 160 o
covado ; assim como, ditas muito boas $80 e 240
o covado, isto na loja e armazem do Pavo, ruu da
Imperatriz n. 60, de Gama 4 Silva.
Chapeos para meninas.
NA LOJA DO PAVAO.
Vendem-se os mais delicados e bem enfeitados
chpeos de palha de Italia, para meninas : pe-
chincha, na loja e armazem do Pavo, rna da Im-
peratriz n. 60. nr\f\
Grsdenaple preto a 1$600.
E" grande pecbincba I!
Vndese grsdenaple preto, tendo muito enecr-
pado e de boa largura, pelo baratissimo preco de
1,5600 o covado : na ra da Imperatriz n. 60.
ciscados a 1*0 rs.
Vende-se riscadinho escuro proprio para vesti-
dos ou roupas para horaem, pelo baralissimo pro-
co de 120 rs. o covado : s na ra da Imperatriz
n. 60. _______
"Iota roa do Imperador n. i tem superiores
bichas bamborguezas para vender m porcio e a
retalbo, e tambera alngam-se ; rap Paule Cordel
dO dOSS TOO*, HUJUUB iznua wi uiua a |ioi i"v ----'",'.' ".__., ., J.'l lnkn. a nri ruto ita ti
Acaba de ebegar iropressa para piano esta linda
e desejada quadrilba extrahida da operla cmica
d e Offenbak, pelo director e regente da orchestra
do thealro de santa Isabel, Colas filbo.
A' venda em casa do Sr. Dumoni na rna Nova,
armazem de msica. Cada exemplar 1500._
Vende-se a taberna da ra da Guia n. 36 pro-
prio para principiante, e o motivo se dir ao com-
prador. ________^^^____________,
Vendem-se
Ditas de grosdjoapoles, llsaa e lasradaa, branca* a ancoreas:
a matisadas.
A lOffOoO
Aoneis com brilhantes engastados em ooro de
lei; vende-se na rna da Cadeia do Recife n. o,
leja de Silvestre Pereira da Conba C
m.
No armaiem da roa a Injeridor a. i
Cae* da Pedro U n. i> too ura vaad^r^e
bor gaz existente no mercado.
on na
o me-
rande armazem de tin-
tas medicamentos etc.
Ra 4o Imperador n. Vi.
*oo Pedro das Heves (ge-
rente) tem a venda o
segnlnte:
i Productos chimicos e pharma-
ceticos os mais empregados em
medicina.
Tintas para todo o genero de pin-
tura e para tinturara.
Productos industriaos e tintas
para flures, como botos de flores
e modelos em gesso para imitar
fructas e passaros com o compe-
tente desenbo.
Productos chimicos e industriaos
$ para photographia, lin uraria, pin-
j tura, pyrotecnia etc. >
wL Montado em grande escala e sup-
m prido directamente de Paris, Lon-
\ dres, Hamburgo, Aoven e Lisboa
8 pode pfferecer productos de plelna
% cenfianca e.satisfazer qualquer en-
WL commenda a grosso trato e a reta-
M luo e por prego commodo.
Sa-uauM -""< Mr-M-Mni
WMWm IBM mmjmtmumvmiimt
Vende-se
na rna de Vlgarlo n. 19, andar, viabo do Porto
engarrafado de differentes 4|ualldad, eaa narm
machinas americanas de serrote para descaroca
algodo : na rna da Senzala ova n. 42._______
Vende-se umseliim ingles com arreios, eom
pouco us"e por prego razoavel : na ra das Cru-
zes n. 41 A.
Vlnho da Figueira em barris.
gra em velas.
rvae aaimal
Alfazama de Lisboa.
Cal de Lisboa. ..__
Presos para eitnaine e tablqne.
Vent-sewparricas oa a retalbo: a roa .do
Queimado, Axe'redo Irnile.
Escravos fgidos
^ --------------------------------1
Fngio no da terca-fejra 30 de Janeiro prximo
Ando, a preta crioola de nome Marciana, de idade
36 annos, ponco mais ou menos, sendo de cor fu-
la, altara regular, levou vestido de cbila escura :
quem a apprehender, conduzindo-a a casa do abal-
lo assignado, na ra da Imperatriz n. 30, sera
gratificado.
Francisco Augusto de Araujo.
Fugio do eogeabo Cueiro da freguezla da
Escada, um escravo crioulo de nome Roberto, de
idade 43 annos pouco mais ou menos, airara re-
gular, ehefo do coreo, cor tala, cara larga, multo
pouca barba, daates alvos, ja piola algoma con
na frente, bem felto de pernas e ps etc., e um
pouco dado as bebidas espirituosas e a quem o nao
eonbece coslnma dizer que forro : quem o pegar
|eve-o ao mesmo engenho a Manoel Gomes da ron-
seca, on nesta praca a Joaqnim Manoel
de Sooza no largo do Carmo n. t.
Ferreift
AtU
DC1
II
No dia terca-feira, 6 de fevereiro crrenle, fagio
da casa de ibaixo assignado, morador no engenho
Bento Velbo, era Santo Antio, a sua escrava crioo-
la, de 13 annos de idade, de nome Houciana, olhoa
grandes e salre-tes, nana balo, boeca graad* e
belcos grossos, e denlas bem alvos, assim como
bem limpa da pos e maos, e o na prenda mais al-
lanco o seu olhar espantado ; rol condozida por
w almocreve a quem dlsse chamar-se Mara, e
qaerer ir para e WHI, de dizia ter prenles
ser forra, e oirtras asentir 'deeto rdeao. Sanio
com om vestido de cbito branca com lavores es-
camados, camisa e sala nova de madapollo : ro-
8-se, pola, as aplorldades ao Recite e sens soberr-
se slrvam de capturar a dito escwra, Ints-
la ae 8r. Harcnlano Olegario Rmehv flaatro l0
da Cooceicio n. 3,ou envala por jjalquer natto-
dor, qne seri devtdamente graflnea* por /oaqniaa
Cesarlo de 8onxa e M.

i


iL-
8
'

Diario t fcrisabnco -
LITTEBATOM
THB1TR0 DA GUERRA.
O Jorml do Comnureio da crl-, pabliea o se-
guale sobra
A PROVINCIA DE MATTOOB08SO.
eceboroos o telatorio apreseniailo pelo t. ba-
rao de Melgaco, presidente da provincia de Matto-
Grosso, Hir oecasio da abertura da sesso ordina-
ria da assembla legislativa provincial, a 17deou-
lubro de 1865.
O Sr. bario, que ento anda nao havia receido
a coramunicacao da sna uomeago de presidente e
commaudante das arma, exercia oessa oucasio dorados cutio Barios de guerra ; mas que, todava
o cargo de vice presidente' eui substitoigo do ge- armados do raelhor modo possivel, constiluera urna
nifestar-ai, logo que todaoa parte da guarda na.
cional, assim constituida, tivessede marchar para
o Baixo Paraguay, ou anda par* pontos menos
disunte desta capital. Tratei portante de dar exe-
coci ao oreceito a le, mas julgoel necessario
que se procedesse previamente a revlso da quall-
fleago e (toe por obvios motivos nie pode ter lu-
gar, como devera nos mezes de raaio a jolho.
c Esta' mullo adiaotado este trabalho, e to de-
pressa te concias, mandarel fazer a designacio
dos guardas que devem formar os corpos destaca-
dos, Qcanfio o restante da guarda nacional no ser-
vio* ordinario denlro do municipio.
Pelo que dn respeito nossa flotllha, compoe.
se de pequanos vapores, que nao podara ser consi-
' Morreram mais de trexentas pessoas, escapando |
s6 14 homens e 2 malberes. Entre as victimas
cootam-se o general Wferight e su familia.
nerai Alexandre Manoel Albino de Carvalho.
Esta sesso da assembla provincial de Matlo-
Grosso assume, na nossa opinto, orna certa solero-
nidade em razao das circumstancias actuaes. Nao
poueos sao os governos e os administradores que
em lempos de crise, e apenas se manifesta o peri-
go, se julgam aotorisados a proclamar o adagio ce-
lebre : Salus papuli suprema Ux, a suspender por
conseguate at mesmo as garantas fundamenlaes
do cidado, e a guardar para os dias de paz e de
tranquillidade a execuco pura e simples das
leis.
Na poca agitada em que vivemos, n3o pode ser
un espectculo indiffereote o de urna provincia
acabrunhada por tantos desastres, isolada, sem re-
cursos, e quasi sem coramunicacao com o centro,
mas que nem por isso observa menus corajosa e
enrgicamente os preceitos constituidos.
Parece-nos isto um testemnnbo admiravel da for-
ga com que as institulgoes que nos regera se acham
radicadas no slo brasileiro. Sim, nada podera'
atic-stir jnais altamente e de urna maneira mais ir-
rcfragavul o grao de energa e de vltalidade da so-
madade brasileira, do que o facto do emprego de
;das as torcas vivas do paiz para repellir urna ag-
gresso iaiqua e contiuuar a 600 leguas da patria
urna guerra santa, sem que o arbitrio haja usurpa-
do em parle alguna o poder das leis sem que mes-
mo no logar onde os horrores da guerra se ho
falto sentir mais dura e pesadamente, urna nica
das iustituicoes liberaes, que a nossa liberal cons-
tltuico eslabeleceu, tenba cessado de ser respei-
tada.
Lomo era natural, principalmente da guerra
que trata o relatorio do Sr. barao de Melgago, apr-
senla ella urna rpida e succinta descripcao da in-
vasao da provincia de Ma|{o-Grosso, descripgo que
omiliimos por acharmos intil afQigir de novo os
leitores. Os fados sao bem conoecidos.
Mas, de certo serio lidas com interesse as linbas
seguintes, em que se acba resumida a situago das
tropas e se lu a resenha das torgas de que dispoe
a provincia de Matto-Grosso.
< Pelo que cima disse, tereis visto o destroco
que soffreram os incompletos corpos de linba que
formavam a gaaroicao da provincia.
a O corpa de artilbaria acha-se aqaartelado nes
ta cidade e espero que o recrulamento, a que man-
dei proceder, dar roeio de eleva-lo aoseu estado
completo.
c Ser mais dilllcil, por exigir grande numero
de recrulas, completar-se o 2 batalho de ariilha-
ria a p, que maudei ltimamente estacionar na ci-
dade de Pocon.
< Quanto ao batalho de caladores c ao corpo
de cavallaria provavel que seus respectivos cas-
forea de algum valor, mrmente quando a cres-
cente do rio permuta que porveotura sejamos
ameacados por esta via.
Gracas aozeloe incansavel aclividade doExra.
presidente de Goyaz e ao patriotismo dosGoyauos,
ha ja' tempo que o ponto do Coxim esta' guarneci-
do pelo batalho de cagadoros e esquadro de ca-
vallaria daqoella provincia, e em 14 do mez pr-
ximo passado estavam promptas para marchar
mais 5G0 pragas entre voluntarios da patria, guar-
das nacion.es e pragas de linba.
c Forgas rnuito mais consideravels enviadas das
provincias de Minas e S. Paulo, vm aeompannan
do o Exra. presidente e commandante das armas
nomeado.
Consta estarem tambem em eaminho avulta-
das remessas de armamento, raunigSes e outros
artigos bellicos.
Chegando opportunamente estes valiosos soc-
corros, estaremos em estado de oppormo nos com
emeacia a alguraa tentativa que faga o inimigo pa-
ra estender a invasjo do nosso territorio, e anda
repelli-lo alm da frooteira, logo que nos vejamos
Hvres de ser accommeitidos pela via dos ros, que
actualmente domina pela superioridade da sua ma-
rinha.
< Parece-me alias pouco provavel que o mesmo
inimigo pretenda activar o ataque pelo lado desta
provincia, estando empregada, como esta' grande
parte de sua forga na marcoa que ousou empre
hender alm dos nos Paran e Uruguay.
Ja' sabemos que ao terrivel flagello da guerra a
fatalidade Ejuniou, na cidade de Cuyaba', os hor-
ror nao menores de urna inundago geral. Nm-
guem lera' sem doloroso interesse e profunda sym-
pathia por nossos irmos Cuyabanos os pormeno-
res que abaixo transcrevemos e-nos quaes se re-
vela mais urna vez o espirito de caridade e de in-
teira dedicags ao paiz de que S. M. o Impera-
dor ja'tem dado tantas provas nagao reconhe
cida :
c Supposto que as peripecias do estado de guer-
ra em que estamos, e as conjeciuras a que do lu-
gar, oceupem principal seno exclusivamente a at-
tengo geral, cumpre-me mencionar um facto de
diversa natureza, que veio tambem alfligir-nos nos
primeiros das do mez de fevereiro.
< Attingiiido as transbordadas aguas do rio
Cuyab um nivel superior ao uas maiores endien-
tes- connecidas, causaram immenso estrago as
plantagoes e tslabelecimentos de ambas as mar-
gens.
< O popaloso bairro do porto desta cidade, na
fregosla de Pedro II, ficou quasi completamente
destruido.
a Algumas babitacoes de rio cima soffreram
cousideravel damno, e do porto para baixo multas
eos, que se retiraram pelo lado de Sant'Anna do [casas cabiram, e neohuma deixou de ser mais ou
Parnahyba se incorpreo! com as forgas que veem ; menos arruinada. Tiveram de refugiar-se para os
as crdens do Exm. Sr. presidente e commandante poneos lugares, ioaccessiveis inundago muitas
das armas. familias, pila niaior parte privadas dos seus pro-
< Entretanto existem em Villa Mara, Mallo- lectores naturaes que o inminente perigo da n-
Grosao e nesta cidade destacamentos de dito bata-! vaso chamara s armas, e nao consenta que se
lho. I affastassem das suas leiras.
f E das pragas de cavallaria qne aqu existlam To logo como chegou aos ouvidos de S. M. o
mandei marchar a metade para Pocon as ordens' Imperador a triste noticia do cataclysma, o mesmo
do commandante do 2 batalho de artilbaria a p, augusto senhor estendeu as victimas a sua carillo-
aQm de fazerem o servigo de patrulhas naquelle' sa mo. Mandou por avullada qoantia do sen bol-
districto. sinbo disposigo da presidencia da provincia pa-
t No mesmo da 7 de Janeiro, em que o governo' ra ser repartida principalmente entre os habitan-
niperial prmulgava o decreto n. 3,371 creando' tes mais prejudicados e necessilados da menciona-
Mas eeta somon to poaeo coaiideravel qae se
pode afflrrnar, sem teraerldade, que o estado aoxl-
liara' a provincia, e anda que nio seja seno como
testemunho de syropattria, oto qnerera* por ntna
sorxuna to mdica Infligir aovas prlvaeSes aos des-
dettosos Matio-Grossensesf*
< Logo depois ((de tomel posse da admlnisirago,
o contador da esugo das rendas provinciaes apre-
sentou rae um projecto de orgaraeoto, em que a
despeza sabia a 91:7864400, e avaliava-se a recol-
ta em 92:827,8010. Esta receita, porra, termo
medio da dos annos" de 1861 a 1863, nio poda evi-
dentemente servir de base s vosaas deliberares,
atleodeodo-se a' grande diminuigo que teem sof-
frido e continuam a soffrer as rendas em conse-
quencia da Invaso paraguaya. Ordenei, portanto,
ao dito contador que Uzease novo calculo, ten Ja
em vista as quantias arrecadadas de Janeiro a se-
tentn e as qoe provjvelmente se ho de arreca-
dar no restantes mezes deste anno.
t Este calculo deu em resaltado ama receita
provavel de 50:000* Comparando-a com a des-
pea orgada de 91:786^400 apparece um deflcitde
41:7864400.
Nio permillindo as actuaes circamstandas
qne se elevem os impostos existentes, nem que se
contraa emprestimo, lorgoso djmlnuir despeza.
Examinei cuidadosamente as rubricas de que esta
se comp5e, e convencido de qoe sao pela malor
parte mesquinhamente aquinhoadas, e at, que al
gumas precisam por ventura de rnaior consigna-
gao, entend qoe nao bavia outro remedio seno
reduzir as quantias applicadas s verbas obras
publicas e diversas despezas e supprimir quasi 'es, excepto pela Alna que comparece peranle c
completamente as de illuminago publica e forga jury de inquerito.
p0IK.' ... Isto horroroso, e com ludo ainda ha
< Esta ultima suppressio nao sera' alias muilo
sensivel em quanto continuaren) a estar efectiva-
mente empregados em servigo militar quasi todos
os cidados aptos para pegarem era armas.
Ainda assim ba dficit de 22:312,8610,

corpos de voluntarios da patria o perigo que se re-
ceiava de ser esta capital prximamente accommet-
(ida dava aqu Jugar a formago de um corpo de
voluntarios cuyabanos. A sua organisago e os
da freguezia.
i Incumb a dislnbuigo deste valioso soccorro
a urna commisso composta do Rvd. vigario geral
da diocese, do Dr. juiz de direito da comarca e do
elementos de que se compoz, nao permittiara que | juiz municipal do termo desta capital. 03 dignos
tivesse longa durago e com effeito, passadas algu-
mas semanas, o governo da provincia leve de dis-
solve lo.
< Chegou em 13 de abril o supracitado decreto,
e tratando de Iho dar execogo, publieou o Exm.
presidente a proclamago de 17 do dito mez.
c Nao sorto logo o desojado effeito, que tem pro-
dazido tas deraais provincias do impeno.
< At agosto apenas se baviam alistado volunta-
funecionarios aceitaran! a (arefa com louvavel ze-
lo e cono em que o desempenho della ha de cor-
responder as benficas vistas do nosso piedoso
monarcha.
a Julgo tambem dever fazer aqu raengo de ou-
tro facto calamitoso que pesa sobre nos : a ex-
cessiva caresta dos gneros alimenticios que tem
por principal causa, alm da Inundago, a circams-
taocia de acnarem-se agglomerados as leiras da
res da patria em numero sufflcier te para forma-! guarda nacional aquartelada quasi todos os nabi-
rern urna companhla. Tenho-me esforgado em re-
mover os obstculos e desvanecer os preconceitos,
que se oppunbam a esta patritica instituigo. A'
vista do uuraero dos voluntarios qoe diariamente
sealistam, espero brevemente que se conpletem as
seis companhias de que provisoriamente se compoe
o corpo.
i Nos luctuosos dias de Janeiro, em que a capi-
tal fol presa do (error que causaram as sinistras
noticias das occarrencias da frooteira, toda a nossa
esperanga de detenga voltoa-se para a guarda na-
cional.
Justina Ibe seja feita, a guarda nacional acudi
prompumente ao brado de armas, e desde ento
tem-se prestado cero zelo e docilldade as exigencias
do serv co.
Considerada por muito tempo como e servico
ordninario de destacamento, o snjeila, portanto, a
urna legislaco penal em extremo branda, tal ba |
sido o seo procedimento, qne raras vetes tem ha-
vido necessidade de invocar o pouco rigor dessa
mesma legislagiio.
c E' na mlnha opinio, de lastimar qne desde
logo se nao tralasse de execatar as salutares dispo-
igoes (la le, rolalivamenle a organisago dos cor-
pos destacados, os quaes, alm de ministraren! ele-
mentos mais efJQcazes para a defensa, repartem
com miis juslica'oonus do servico, fateodo-o pe-
zar em rnaior grao sobre os guardas que menos
falta fazem as snas familias.
c As ordens do governo imperial, prescrevendo
a referida organisago, chegaram aqu em 13 de
abril ultimo e tiveram execoco <;rn 12 de malo,
justamente quao o receio da approximagio do
inimigo flzera marchar para o acampamento do
Arica todos os defensores da cidade, deixando a
sua polica entregue guarda nacional da re-
serva.
< Era taes circumstanclas era diffleil e poda ser
prejudicial qualqaer alteracao essencial na compo-
slgo da forga, que de um dia para, outro, segundo
se presuma, poda entrar em aegio.
Os romroandantes e efflciaes do?. batalbSes, mo-
vidos por zelo jigoo de loavor, oflsreceram-se a si
e a seos subordinados para todos prestaran volun-
tarianeote o irvlgo de corpos def ucados, e a Me
patritico offerecimento adherirarn tcitamente os
guardas, continuando a mostranm-se obedientes
ededkadee.
t fmdo porn se dlssipado an appareaelas de
immediata agf;rssao, entend que orgia aproveitar
O Intenuaional de 8 do correte refere o se-
guate :
Foi hornero o inquerito sobre a morte de Julia
Suzana Bellinger que morrea de fume na semana
passada.
O doutor Raphael Meldola declara qoe foi visi-
tar multas vezes aquella muiher, que dizia morrer
de padecimentos do peito; o doutor, chamado quan-
do j era multo tarde para salva-la, disse na pre.
seoca de muitas testemunhas qne aquella desgraga-
da morria de fome.
A autopsia feita no cadver pro>a que nao ba-
via Lucios de alimentos nos intestinos nem no es-
tomago. |
Ootra testemunba affirma que o marido de Ju-
lia Belliger exercia o mister de lecelo, que ga-
nbava pelo menos urna libra por semana, e que ti-
nha abandonado sna muiher.
' ouvida ama flllia da fallecida. Parece que a
ioteliz era muito ciamanta, e que tinha graves ra-
zoes para queixar-se.
Ha sete annos que viva separada de seu mari-
do, qoe mora em Urick-lan. Elle sabia muito bem
a que miseria eslava reduzida sua malher, mas
' nunca Ine deu nada.
Mas ainda nao lado. A infeliz, que tinha doze
Blhos, nao foi nunca soccorrida por nenhum d'el-
alguraa
I cousa mais horrorosa quo revelada pelo flepoi-
mentoda fllba. A mi da infeliz comparativa-
: menle rica, por que tem um rendimento de 125 li-
j bras, e deixava morrer 9ua lilha de fome. Dava-
como! SSSiigllg T'e T*.vezes a
; consolava com um bocado de carne. E>nflm, mei-
I tada pela fome, a desgragada pedio asylo a sua
l mai, que a receben em casa, mas nao Ihe dava de
comer.
provavel, as nossas circunstancias flnanceiras no
anno prximo futuro.
< Em consequenefe do aue levo dito mande! or-
ganisar a proposta, que tenbo a honra de snbmelter
a' vossa prudente e Ilustrada considerarlo. >
Atacada de sbito, com a mais abjeela traigo,
por um inimigo dez vezes superior ; s, isolada,
sem recursos, sem soldados, sem dinheiro, a pro-
vincia de Matto-Grosso resisti heroicamente. Re-
fugiados dentro dos muros da capital, os Matto-
Grossense nao desesperaram de si mesmos, nem
do governo, nem da patria, da grande patria brasi-
leira. Nem os horrores da guerra, nem os ele-
mentos conspirados contra elles, nem os pungentes
soffrimentos da fome entibiaram a sua coragem ou
Ihes diminniro a f. Esperaras; ba mais de um
anno que esperara I Passageiros foram os soffri-
mentos do Rio Grande, mas que perdas indescripti-
veis, que calamidades de todo o genero, qne pao-
gentes angustias a infeliz provincia de Matto-Grosso
nao esta' soffrendo desde o mez de dezembro de
1864? E estamos em 18661
Muitas vezes a ouviram gritar: t Meu Ueos,
teoho fome I > E sua mi nao Ibe dava oovidos,
dizendo que eram choradeiras. Nao so nao Ihe
dava alimentos, mas nao consenta que Ibe dessem
lome. Aquella mi ( se tal norae merece ) fazia
muitos presentes aos netos, e quando a neta Ibe di-
zia : t Minha mi tem fro e fome, e est a tre-
mer com febre ella responda : c Em minha
casa nao se accende lurae; eu estou em miaa casa
e nlnguem mais aqu da leis. >
E' ouvida a mal da fallecida. Diz que muito
pobre apezar do seu rendimento, que teve muitas
demandas que Ibe coasumiram muito dinheiro, e
que os seus rendimentos sao para pagar aotigas di-
vidas.
Diz-lbe o juiz;
Nao diga isso : perfeitamente evidente para os
senhores jurado que a senhora vive commodamen-
A provincia de Matto-Grosso tem direito ao re- te ? Dem sabido que no mez de ontobro passad0
conhecimento e a' admirago de todo o Brasil. a senhora foi tomar banhos de mar; o seu dever
teria devido indicar-lhe que em lugar de ir para
banhos Ibe cumpria dar algum dinheiro a sna fl-
lba.
A mi protesta que sua filha nunca teve falta de
nada.
Torna-lhe o juiz :
E' um dever bem doloroso que cumprimos
aqu, mas nao podemos deixar de o eumprir Se
sua filha morreu, foi por que a senhora Ihe negou
os meios de viver. Vamos adiar este inquerito
para se tratar de saber se cumpre intentar nma ac-
gao criminal contra a senhora ou contra qualquer
pessoa compromettida n'esta questae.
Foi adiada a devassa.
UN PODCO DE TOO.
Scistrtar tambem percorrer com passo lento o
cemiterio da memoria, onde dormem as crengas in-
tantis, os sonhos da juventade, as affeigdes dos pri-
meiros annos.
O cypreste, amigo dos morios, ergue-se direito ao
co como urna orago suprema ; o lnguido eborao
debruga-se sobre a campa querendo abracar a pe-
dra fra e s a rdxa perpetua, sem aroma e sem
folbas, viga como sentinella do tmulo 1
Na lasca Immuada, mal allamiada por enrama-
cada canda, esquece-se o pezar no fundo dos co-
pos.
Venha vioho, rapaz ; tenbo as gaellas sec-
cas I Irra I que vida aborrecida I Da ca'
, L-se no mesmo International de 15 do correte:
A tempestado qae rebentou sobre Londres teve
esse I tambem tristes resaltadas as costas inglezas. Em
violSo, qaero ver se ainda me lembro das cantigas
de outro tempo:

Adorei urna alma impura,
Nao devo adorar assim...
E a voz rouca e fauhosa arrastoa tristemente a
nota final; depois prosegulo
f Devo morrer, mas por quem mostr
Que tambem m orre por mim I...
Ora partio-se a cordal Leva daqui este mal-
dito I Qual historias, morrer asnelra 1 Digam-
me l por onde anda a muiher a estas horas 7 Es-
t ae ceno dangando o fado por abi em algu-
raa baiea 1 Vinho, rapaz; amanba nao vou a
leja!
Vai-se reunindo gente;
Ai t que me preadem, querida,
Saudades da bella vida,
Lembrancas d'um innocente!
Se o foi nascente, nao vejo,
Se o sol puente nao vi!
Se a brisa sopea p'ra aqu
Compaixo d'um meu desejo;
Como s ledho cortejo,
Do somno sem ser. favor;
Alta nite com ardor,
Minh'alma acorda esquentada,
Canto em viola radiada
Lembrancas do nosso amor 1
0 anjo d'um bodegueiro
Na minha cara a berrar:
Vai-te d'ahi, vai deitar
Onde nao passe cocheiro!!
Da sepultara um coveiro,
Qae vem beber baiuca,
Por piedade na nuca,
Planta-ma a pata ferrada,
Signal que me desagrada,
Lembranca triste. Maraca I f
tantes livres das povoagdes e estabtlecimentos ru-
raes desle municipio. Conced-Ibes nm mez de II-
cenga para poderem dar agazalho as suas familias
e tratar de snas plantacoes. Conhego qae a brevl-
dade do prazo torna a medida poaco efBcaz, mas
a prudencia nao me permitlio amplia-lo.
c O governo imperial, informado da fome qne
nos arx eagava, dea providencias para qae fossemos
soceoriidos pelas -provincias limiu-ophes de S. Pan
lo, MiAas-Geraes e Goyaz. Anticipada e espont-
neamente ja' tinha o Exm. presidente desta ultima
provincia, Dr. Augusto Ferreira. Franca, tomado
as mais providentes medidas para a acquisieo de
vveres para acudir as nossas necessidades.
f A este digno funecionario e aos sens Ilustres
collegas de Minas e S.Panlo ped qun de preferen-
cia attendessem ao sustento das forgas expedicio-
narias qae das referidas provincias marcharan)
para esta.
c Por cumulo de penuria dea-se o caso, qo
fra d'aqai parecer' incrivel, de vender-se o sal
por 20f a medida, o qae corresponde a 600JO00 o
al que i re. A vinda de algumas porjSes qae exis-
tan) na cidade de Pocon e na Villa da Diamantina
fex baixar o prego aos de U a medida ; mas
poaco provavel que cootiaue a descer e pode acon-
tecer que de novo soba.
c E' conseqaencia de nao naver se opportuna-
mente calculado a quantldade existente desse ln-
dispensavel artigo, e de ter cessado a preparaco
do sal da Ierra, desde que a navega;ao do Para-
guay couiecoa a abastecer o mercado cora abun-
dancia e por commodo prego. Honve suspeita de
qae a referida alta era ficticia e effeito de monopo-
lio ; porra as diligencias qne fizeran as autorida-
des policiaes e municipaes mostraran qae em po-
der de nlngaem exista este genero em qaantidade
suffieient-a para legitimar e tornar effleaz a appll-
caco das disposigoes da lei de 9 de setembro de
1826.
c Estaramos suficientemente remediados se ti-
yessem chegado as 660 saccas qoe, egando consta
dos peridicos, a presidencia ae Minas den ordem
para comprar e remetter. >
Concebe-se muito bem que em taes circumstan-
clas a assembla provincial nie poda deixar dL
verse na impossibilidade de aehar recursos, at
mesmo para as verbas de um orgamento normal.
O extracto seguate mostra qne a matera provincia
de MattoGrosso, meemo limitando-** as despezas
Jorrara torrentes de lu sobre o vasto salo do
ibeatro, onde se apinbi a multido contente e feliz.
A harmona enche o recinto immenso ; folga-se e
ri-se.
Brava I bravusma I
A orenestra delira com a formosa e descuidada
Trmala, qae zomba do mundo, da vida e do amor
e empanhando a taga ergue o bymoo do prazer.
Brava l exclama o dilettanti entusiasmado;
que linda msica e qae oaos matadores I que p
mimoso e que canto expressivo I Depois do es.
pecuculo vamos ceiar em casa da Nina, nao as.
sim, Alfredo T Teremos urna .noite chela e ame
orgia at amanha.
Proponho um nter vallo de lansquenet \\
Apoiado.
Nao toa senhora quem est all oa segun-
da ordem conversando com aquello pince nez.
Deve ser ella ; bravusima 1 Nina I"
Boa noilo, sonbadorl Alma afinada pela voz dos
aojos, por qae lio eedo voaste a patria celeste.? <
Cantaste o amor e a primavera e adormeceste
na idade do amor, na primavera da vida 1 Em
bora de desalent escreveste :
Dlzem qne ba gosos no vi ver de amor,
S en nao sei em qae o prazer consiste I
Eu vejo o mando n'estago fltu Agres....
Tudo sorri-mas a minha alma triste I
Eis de novo despena a natureza I
O sol Ilumina e vivifica a trra, sorri o co azul
do Brasil, o jasmim embalsama o ambiente, o rio
corre brincando com as pedrlnhas qoe encontr
em seu camlnbo e na laranjeira perfumada canta
o sabia.
Todo riso e festa.
E o amor ?
E' laz e sombra, verdade e mentira, goso e
soUrirueoto, co e inferno I
Procurem-no na trra ; elle ahi existe, no callee
da flor, na gota do orvalho, no seto da virgem, no
beijo de nossa rafc, no sorrlso de nosso Albo t
Mas nao o busquem, nio, as nnvens fugitivas
qae se perdem no espago, as ondas Inconstantes
qne tofem pela tmmensidade do ocano.
Ramsgate, Dover e Brigbton submergiram-se mui-
tos navios; aos linham carregamento de carvo,
os outros eram simplesmente barcos de pesca ; as
tripolagdes foram recolbidas por barcos salvavidas.
Mas foi principalmente vista de Torbay (costa
Devonsbire ) que os desastres foram mais faoes-
tos. Calcula-se em mais de cera o nnmero das pes-
soas quo morreram. A rnaior parte dos navios
ancorados foram sobmergidos ; as tripulagSes lan-
garam-se ao mar, mas um grande numero de ma-
rinheros afogarara se. A dedicago das popnla-
goes martimas digna dos maiores elogios.
Urna chronica parisiense attribae ao general
Prim a segrate carta dirigida ao marecbal O'Don-
nell, que se nao authentica diz o Journal du Ha-
vre, pode parecer verosmil :
< Meu caro senhor. Acba que tenho aproveita-
do bem as soas ligdes ?... Assim o espero. Mas
em todo o caso, estou decidido a fazer todos os es.
forgos para Ihe fazer honra. Sei de cor todas as
proclamares, todos os appellos revolugao qae V.
Exc. redigio em 1854. Finalmente nio perco a
oecasio de justificar e merecer o titulo que tomo
dizendo-me, de V. Exc, dedicado amigoGeneral
Prim.
a oecasio pa modificar essa organisago em da mais strteta neeeasidade, ainda a-aro Sea sobre-
mass.% cojos latentes defeito nao tardariam a ma- carregada com nm dficit de cerca de t3?W0#0D0.
Pelo ultlrao correio da California, diz a Gazeta
de Portugal, resabemos noticia da urna, catastrophef
espantosa. O navio Brother Jonathan qae la de S.
Francisco para Colombia naofragoo parto de Lio
coln.
. Um trovador dirige-nos esta poesa, declarando
qae nenhqma alluso tem a qaesto das Biblias,
que pres entemente se discate entre respetaveis
Iliteratos.
Rasgue-se o denso vea da escuridade
A voz potente do Autor dos mundos,
Sejam presentes aos a (heos immundos,
Ado, No, Moyses a humanidade.
Dos astros a brlihante claridade,
Dos mares os abysraos furibuudos,
Dos lempos os segredos mais profundos
Sejam presentes a incredulidade.
Leis eternas, divinas, os mysterios,
De immensas maravilbas o primor,
Dos prophetas os altos ministerios
Revelem-se ao misero impostor :
Pasme a altivez de impos aerios
A' vida do painel do Creador !
Duas celebridades do pugilato, cooheeldas sob os
nomos de Amos Baggot e de Sam-Nash, tiveram ba
dias um reeontro nos arredores de Sutlo Caldfield,
a poucas milhas de Irminghan.
Estes dous terriveis jogadores de soco (boxers)
execotaram trala ataques consecutivos, e ambos
coberios desanime e de ferimemos, mar se susti-
nbam em p, qaando uro dos padriohos de Baggot,
olvidando os seus deveres de nentralMade, assen-
lou no rosto de Nash um formldavel soco, cujo
effeito eootribuio muito para por um termo a luta
dos dous contendores.
Todava o padrina o de Nash qnlz vingar o seu
campeo, o que deu em resultado urna pancadaria
geral.
Porra foi dopois disto que Baggot gaahoa fcil-
mente animo e superioridade, e a sorte se pronun-
ciou contra o sea Infeliz adversario, o qual apesar
disso continnoa a luta.
Finalmente, ao 44 ataque, um soco em'que Bag
got empregara toda a sua forga, deitoo Nash por
trra quasi sem sendos.
O seu padrinbo, vende-o n'um estado de quasi
completa insenstbilidade, reconhecea o eonfessoa a
derrota do sea campeo.
O comba te durou urna hora e dous minutos, e o
adversarios havlam suspendido a luta 44 vezes para
tomarem algum descango.
Est boje concluida urna, das grandes obras
publicas da Italia, o canal Cavour.
As aguas do rio P foram iotroduzidas no gran-
de canal Cavour, e percorreram toda a extenso
deste magnifico e colossal aqueducto, o qual conls
85 kilmetros.
Esta operago teve um xito completo.
Comegoa em Chivasso no dia 22 de detembro,
as 10 horas da manba, e no espago de vinte horas
as aguas percorreram os 85 kilmetros qae as
separavam do no Sesia.
Esta obra faz muita honra aos empreiteiros
Scanzi e Bernasco, aos habis engenheiros Davicin'
e Tatti, os quaes dirigiram os trabalhos, e ao com-
mendador No, autor do projecto.
Segundo vemos nos peridicos estrangeiros o
mundo luterano comega a oceupar-se de ama nova
obra de Vctor Hago, caja apparico se espera com
grande impaciencia.
Les travaillears de la mer >, qae assim se In-
titula o livro anda indito do antor de < Nossa Se
nbora de Paris e dos "Miseraveis >, parecem ef-
fectivamente destinados a despertar mais vivamen-
o interesse do publico qoe todos os qoe at agora
brolaram da sna fecunda peona.
Assegura-se qae n'esta sua ultima coneepcio o
escriptor torna a ser poeta, e sahfndo do terreno
resvaladigo da politica se entrega a masa qoe Ibe
dictou as >Orientaes> e os t Cantos do crepsculo.
O assumpto presta-se verdaderameote como
nenhum outro brilbante imaginago, ao fascina-
dor estylo do grande escriptor francez.
Traoscrevemos a segointe
CANCO DO EBRIO.
Qual bate o malbo em bigornia,
Carcomendo o ferro doro,
Assim o vinho maduro
No peito a cabeca adorna;
O meo destino se entorna,
Ingrata, o'uma garrafa,
V o qae pode a muafa;
Ta na janella pasmada,
Eu sonhando na (aleada
Lembrancas de tanta estafa!
Muiher, cEreaa as tabernas,
E\ o destino Anida ;
Depois de muita bebida,
D'um gesto baldo e das pernas,
Sinto nos olbos luzernas
Ao peso de tanta enchente,
A crise ministerial na Italia toca ao seu ter-
mo. Parece cousa definitiva a entrada em o novo
gabinete de Lanza, Cbiaves, Baracco e Jacio!. Igoo-
ra-se anda quera ser nomeado para as pastas da
guerra, marinha e Instrucgo publica.
O governo italiano desisti da applicago da lei
excepcional contra os salteadores.
Ao annnnciar o ministro do reino as cmaras,
qae nao pedia prorogago alguma da dita lei, disse
qae o brigandaggio eslava reduzido a proporgdes
mesquinbas, e que j nao tinba carcter politice
m
Colonlsaei*.
A interessante reanio do dia 25 do correte no
salo da Praga do Commercio, cooclalo pela veta-
gao de urna proposta, em consequeocia da qual se
publieou a seguate declaragao :
e A reuniio dos que quizerem fazer pa-te desta
associaao realizarse ha no salao da Praga do
Commercio no dia 30 do correte ao meio dia.
t As listas para ioscrlpcao de socios acbam-se
patentes no escriptorio da praga at ao da da rea-
nio. Os senhores qae al este da nio se tiverem
inscripto pode-Io-bo fuer no acto de comparece-
rem a ella. >
Nao desconhecemos o respeito devido a urna re-
solucao tomada em assembla geral, e longe de
desejar criticar mesquinhamente os honrados ca-
valheiros que assistiram reunio do da S5, esti-
mamos ter ama oecasio de prestar bomenagem e
ordem perfeita, s nspiragoes generosas, e sobr-
tudo ao espirito de perseveranga qoe ento se raa-
nifeslaram. O escolho das grandes reaniSes popa-
lares, dos mettings, a facilidade com qae se del-
xam atastar do sea objecto principal, e perdendo
de vista a idea primordial, degenerara em nm vio
tumulto. Forga porm confessar qae o meeting
de dia 35 soube evitar este escolho e qae, a des-
peito de algumas dislracgSes inevitaveis, a discos-
sao sempre volton a um objecto defioido e a um
fim determinado.
Esse flm era bem simples. Tratavase da no-
meago de nma commisso qae preparasse para
nma dlscussao ulterior um proje :to de estatutos
para a constituigo de urna socisdade promotora
da emigrago. Tal era se bem o eomprehende-
moa, o objecto essencial. Quanto aos Das da fu-
tura assoetaeio, com quanto de todos os discursos
qoe ouvimos parecesse transpirar a mesma Idea
geral, todava parecen-nos, parees-nos anda que
; estes continoam em algdba
''sido bees definidos aem arad
| tos. Desde a sna origem os si
'enugao Inicial, testa da qual esta o noae do
Sr. Dr. Furquim, assigaaram as oclacao (alora
um fim um unto vago mu ae maaajo lempo taa-
glvel; ja porm na reanio de
dificado, os espirito pronaoeiaram^e raats oa
meaos categricamente por nm erogramroa mais
vasto, que mais abranja, de maior alcance, e qae,
em nosso pensar, e artigo qne publicamos no dia
15 resumi perfeitamente. Eisa mesma tendencia
geral para o progrmala qae indicames manifes-
tou-se claramente na sessao do da 25. Nao se
traa da emancipagao. Procurase determinar
quaes sao no paiz os obstculos materiaes e polti-
cos qae se oppem emigrago espontanea. Tra-
ta-se em seguida de consultar a opinio publica
sobre estes pontos categricamente indicados e de
obriga-la a manifestar-se pro oa contra, e de coa-
seguir por este meio que os poderes regalares sa-
tisfagam oestes mesmos pontos a opinio geral. >
' isto ao menos o que nos pareceu desejar a
quasi uoammidade das pessoas que concorreram
s reunioes dos dias 16 e 25.
Mas se a ultima assembla soube evitar o esco-
lho de que. tratamos cima, ba comtodo outro do
qual peosamos qae se nio resguardoa. Na verda-
de quasi impossivel evitar, que ama reuuio nu-
merosa, especialmente depois de ama diseossio
longa e necesariamente um pouco confusa, por
fim de cootas tome ama resolugio cujas conse-
quencias longinquas Ibe escapara.
Esperamos qne as nossas iuiencoes sero bem
comprebendidas e que ninguem se dar por offen-
dido se em nossa opinio dissermos, que foi justa-
mente isto o que succedeu na ollima reunio.
Com elleiio decidiu-se que s seriam admittidos
s reunioes futuras aquelles que se inscrevessem
as" listas das snbscripgdes. Ha aqu nata conei-
derago para fazer-se. Toda a assignatura obn-
gativa; mas a que obriga ella oeste caso? A fa-
zer parte de urna associago futura, cujos fine, ten-
dencias e meios ainda nao esto rigorosamente
definidos. Nomear-se-ha urna commisso, esta
apresentar ara projecto de estilaros, este projec-
to ser discutido, os estatutos definitivos serio vo-
tados e os adb'erenles, somonte os adbereotes,
constluiro a associago. E' claro qae o subscrip-
tor que nio concordar nem com os flus, nem com
os meios da associago nao podera ser constrangi-
do a fazer parte della. A que, pote, se obrigam
os que aesigoarem antes do dia 30 ? Simplesmente
a nomear urna commisso e a disecKir aos estatu-
tos. Nada mais. Pois bem, parece-nos qae teria
sido mais liberal, mais digoo do pausa-manto geral
qae inspirou as reunidos anteriores, lser para es-
te fim largamente appello a todos e dar entrada
franca ao publico.
Isto, porm, meramente ama qestao- de forma'
Ms, eis o qae nos parece questo capital, e para
seja-nos permittido chamar a attengo de todos.
Proeedenao, como procedeu, acreditamos qae a
assembla reunida no dia 35 votoa o sea proprio
suicidio.
A iascripgo limita e dimiuue a acgo, e annul-
la as forgas oecessarias para ebegar ao fim tra-
gado.
Qual c o fin qae se tem vista ?
Repeli se muitas vezes na reunio de dia 16 e
na de 25-: o que nos propomos nao trabalhar no
exterior, nao ir bascar colonos; o qae se- proca-
ra fazer desapparecer os obstculos, quer mate-
riaes quer poltico-, que se oppoem ao estabeleci-
mento de ama corrale apontanea de emigrago,
Este* obstculos esto no interior; pois no
paiz, no-Brasil, que precisamos trabalhar, e para
consegairraos isto, apressamo-nos a tragar o circu-
lo de Popilio, a limitar a nossa propna forga; cir-
cumscrevemo nos e estreitamos o nosso horizonte
em vez de procurar alarga-lo.
A forga e a grandeza das duas reanioes bavidas
e sobre tudo da ultima, nascau, todos o sabem da
espontaneidade, da liberdade, do appello a todos,
em sarama do seu carcter popular.
Nao hesitamos em dar |i conhecer quaes os obs-
tculos polticos qae devemos fazer desapparecer,
ou ao meaos aquellos qaa os estrangeiros poaem
assignalar. Formulamos claramente as qoerxas
qae, com oa sem razo, os estrangeiros apresea-
tam. Agora necessario que a opinio se prenun-
cie, que o paiz manifest o seu peosameoto, e qae
salbamos se o programma tragado Ihe pareee jus-
to, e se elle est disposto a adptalo.
Para chegar a esta resaltado, para provocar a
manifessago do espirito publico, ba apenas dous
meios de acgo : a impreosa e o meettmj. A im-
prensa tem cumprido e continuara a eumprir o
sea dever. Resta o meettng, a reunio popular,
livre, sem exclusivismo, sem condigoes. E' esta
a nica forga. E justamente esta forga que se
vai perder de se persistir na via em qne se.efltroa
E' bora qae haja orna commisso que dirija o
movimento, muito bem que se organisem snbs-
cripgdes para fazer face as despezas inevitaveis ;
mas porque nao ser esta commisso nomeada por.
todos sem distioogo? Nao podemos coraprebeo-
der porque um espirito pouco liberal ba de limitar
desde o comego o numero dos adberentes a sma
grande idea, nem porque se ha de regeitar desde
j o concurso daquelles qae por urna razo anai
quer se nao tenhao inscripto nem hajam subscrip-
to ; sio estes especialmente, os tibios, os indecisos
qae necessario chamar a nos.
Qaando Cobden agitoa a Inglaterra para conse-
guir a liberdade de commercio, nio fecboo a por-
tas das reunioes da Liga aos nao subscriptores.
Bright aioda boje, agitando a opinio para a refor-
ma, nio pede um bilbete de entrada aos que se
apreseotam para ouvir a sua palana eloqoente.
E aquelles que querera proferir urna opinio, an-
da mesmo contraria, nao sao excluidos, porque
nio adherirarn por.escripto, nem pagaran) asoa
subscripgo.
Ha a escolha : oa urna associago, Icomo tonos
visto tantas, coosumindo-se em discussoes esteris
qae nlngaem escata e parodiando ama academia,
ou ento frequentes e numerosas reunioes popa-
lares, dirigidas por alguna bomens qae o sufragio
publico designar, e qne (Icario assim investidos
de grande forga moral, agitando a opinio publica
nio sement no Rio de Janeiro, mas as provin-
cias, por toda a p zer onvir, ou aonde um artigo de jornal pode che-
gar. No. prlmeiro caso a morte certa inevitavel
no segando ama vida fecunda.
Nessas reonioes populares se estabelecerio prin"
cipios ellas indicaro quaes as necessidades mais
palpitantes do paiz, e, repetidas por toda a in-
mensa superficie do imperio, se todas, oa quasi
todas ellas, forera do mesmo pensar, teremos a
mais solemne e genolna manifestado qne se pode
dar da opinio publica. Eolio os poderes do Es-
tado acudlro a satisfazer as asptragdes daqaelles
de quem elles mesmos emanara.
Antes de todo porm aeeessar/o eseolher nma
dessas duas associtgoes qne aponamos.
Esta ao meaos o nosso pensar, e como, desde
o comego, nao testamos em digoar succntamen-
te qnaes deviam ser os estados da primeira rea-
nio, nio hesitamos tambem hoje, em dejar qaal
deva ser em nossa opinio. a marcha da futura
associago.


i
.
>
1


1"==
, '
' f
i
'i

(i. do Crmmer
iiW.)
PERNAMBUCO -\Vp. D^lt. F. DE F. A ftfjfcj


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EK7JXV2EL_SANU73 INGEST_TIME 2013-09-04T22:23:36Z PACKAGE AA00011611_10892
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES