Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:10886


This item is only available as the following downloads:


Full Text
* J0*
mtm
Ir-

-y\
v -
AMO XLII. HUMERO 30
^fcai.
l**v-.-Vs )1UsJB# ijtHrfatWBT1* lfc !"
Por qnartel pago deitro dos 10 das do 1.' mez....... ,
dem depois dos i.0' lo dias do comeco e dentro do qaartel .
Porte ao correio jor tres mezes........., ,
6$ooo
75o
DE
OARTA FEIR 7 DE FEYEREIRO DE 1866
Por HM pago dentro de lo dias do 1. mez........ 19^ooo
Porte ao correio por nm auno............. 3|m
ENCARREGADOS DA SBSCRIPCAO DO NORTE
Parahyba, o Sr. Antonio Alex?ndrincj de Lima;
Natal, o Sr. Antonio Marques da Silva; Aracaty, o
Sr. A. da Lemos Braga; Ceara, o Sr. J. Jos de
Oliveira ; Maranho,. o Sr. Joaqaim M rques Ro-
drigos ; Para, os Srs. Geraldo Antonio Alves &
Pulios ; Amazonas, o Sr. Jeronymo da Costa.
ENCARREGADOS DA SBSCRIPCAO DO SL.
Alagoas, o Sr. Clandino Falco Dase Babia, o
Sr. Jos Martins Alves; Rio de Janeiro, 9 Sr. Jos
Ribeiro Gasparinho.
PARTIDA DOS ESTAFETAS.
Serinhem, Rio Formoso,Tamandar, Una, Bar-
reros, AgnaPreta PImenteIras,as quintas
fefras.
Olinda, Cabo, Escada e estacos da via frrea at
Agoa Preta, todos os dias.
Iguarass e Goyanna as segundas e sextas feiras.
Santo Antao, Gravat, Bezerros, Bonito, CaraaraJ AUDIENCIAS DOS TRIBUNAES DA CAPITAL.
Altihho, Garanbups, Buique, S. Bento, Bom
Conselho. Aguas Bellas e Tacarat, as tercas Tribunal do commercio : segundas e quintas.
feiras. JRelaco: tercas e sbados as 10 horas.
Pao d'Alho, Nazareth, Liraoeiro, Brejo, Pesqneira Fazenda: quintas s 10 horas.
L^ur^^^ do commercio: segundas as i 1 boras.
ferag I Dito de orphaos: tercas e textas as 10 horas.
vara do civel: tercas sextas ao mel
Primeira
dia.
Segunda vara do civel
bora da tarde.
qaartas e sabbades a 1
EPHEMERIDES DO MEZ DE FEVEREIRO.
7 Quarto*nring. as 5 h., SO m. e 16 s. da t.
13 La nova as 7 h., 53 m. e ti s. da m.
22 Quartojrm. as i h., 28 m. e 43 s. da m.
PARTE OFFICIAL
HIXISTEBIO DA GUERRA.
DECRETO N^3,579 DE 3 DE JANETROpE 1866.
llegula a concessao de licencas aos offlciaes e pra-
gas de pret do exercito, e aos empregados civis
das repartiges a cargo do ministerio da guerra.
Aliendendo necessidade de reunir e harmoni
sar entre si as differeoles disposiges de le?, re-
gularaenlos, avisos e ordens concernentes as li-
cengas des offlciaes e pragas de pret do exercito e
empregados civis do ministerio da guerra, e de re-
gular esta materia de ora modo consentaneo ao
servigo publico, bei por bem decretar que, em-
quanto o contrario nao fr por lei determinado, se
observe o seguiote :
Art. 1. Neohoma licenga podera' ser concedida
aos offlciaes e pravas de pret do exercito seno por
motivo justificado, urgente e justo.
Reputar-seha motivo urgente ou justo para se
conceder licenga :
1. Molestia ou necessidade de tempo para con-
valescer. comprovada por inspeccao de saude, or-
denada por autoridade competente.
2. Matricula ou frequencia de estudos as esco-
las militares do imperio, ou de qualqoer ramo de
engenharia, ou Industnaes fra do imperio, viagem
para a acquisicio de coohecimentos praticos de ad-
ministraco e instruccao militar, em estabelec-
meotos militares ou industriaes, em acampamentos
de instruccao ou campos de manobra, em marchas
on operages de guerra.
3. Exercicio, commissio ou emprego tempora-
rio dos offlciaes de corpos scientiflcos em quaes-
quer repartieres ou estabelecimentos eslranbos ao
ministerio da guerra, ou emprezas particulares.
4. Necessidade urgente proveniente de negocios
domsticos ou particulares.
5.' Exercicio das uaeges de roembro de al-
guma assembla provincial. (Art. 23 da le de 12
de agosto de 1834 e resolucao de consalta de 14 de
junho de 1865.)
6. Servico em exercito eslrangeiro.
An. 2. Alm das licengas pelos motivos indica-
dos nos paragrapbos do artigo antecedente, pode-
rao ser concedidas :
l.*A offlciaes reformados ou de 2a liaba que
vencem sold para residir em qualquer provincia
do imperio ou fra del le.
2. Aos offlciaes nao arregimentados, em dispo-
nibilldade, que nao tenham emprego ou commis-
sao, para residlrem era qualquer provincia do im-
perio.
3. Aos offlciaes e pragas de pret que forem des-
necessarios ao servico no caso de redoegao do
exercito, realisado em virtnde de lei.
4." Aos offlciaes de engenheiros e do eslado-
malor general e da primeira classe, para o desem-
penho de algum servico ou trabalhos temporarios
ou passageiros de__outras repartieses Dublicasji
comtaoto forem incumbidos pela reparligo da guerra.
Art. 3." As licencas, em geral, nao podero ser
concedidas por malor tempo de quatro mezes, em
cada anno, inclusive as prorogages.
Exceptuam-se : j
l. As que forem concedidas na confdrmidade
do Io do art. Io, a vista do parecer da competen-
te junta de saude.
2." As concedidas nos casos indicados no 2o do
mesmo art. Io, justificadas nao s a capacidade do
agraciado, sua applicagao, como tambera seu apro-
veitaraento nos auBos lectivos, ou nos estudos e via-
gens que tiver emprehendido, por meio de infor-
magoes de autoridades competentes, as quaesserao
renovadas anuualmente e nao poderlo exceder de
tres aonos consecutivos.
3." As que o forem pelos motivos mencionados
no| Io do citado art. Io, precedendo a requisicao
ou solicitago de autoridade competente a reqoeri-
mento do respectivo offlcial. ,
4." As concedidas nos casos previstos no| 5o do
art. 1 que sero por todo o lempo de cada urna
sessao ordinaria ou extraordinaria. i
5. As que tratam os 6 do art. 1 e 3o do
art. 2o, que dorarao pelo lempo que o governo al-
gar convenienle, ou for marcado por disposico le-
gislativa.
Art. 4." Compete a concessao de licencas suas
prorogages :
1. Ao ministerio da guerra em todas e qoaes-
quer hypotheses previstas no presente deepeto, e
na ronforrnidade de suas disposiges.
2. Aos presidentes oe provincia nos casos do art.
i" Io haveodo necessidade urgente com appro-
vago do mioistro da guerra, nao excedendo toda-
va de tres mezes dentro de ura anno (regolamen-
to de 27 Je outubro de 1860, art. 106.)
3." No mesmo caso do Io do art. Io, al dois
mezes aos commandanles de Toreas de Urra em
operages, quer dentro, qoer fra do imperio, ou
aos eommaodantes de forgas navaes, se o offlcial
ou prac*, a quem se deva conceder licenga, esti-
ver destacado ou servindo em algnm navio de
guerra, ou fazendo parte de forgas a sua disposi-
co; Acaodo dependentes de approvago do minis-
tro da guerra, a cujo conbecimento sero imme-
diatam^nte submetlidas.
4." No caso previsto pelo art. Io 4o, at dez
dias em cada semestre, aos eommaodantes de ar-
mas ; at olio dias, aos eommaodantes de frontei-
ras e commandanles militares at seis dias aos
commanaanies de guarolgao ; e at quatro dias
aos commandanles dos corpos qoe laicamente o
podero conceder as pracas de pret, e nao podero
exceder de tres em cada mez. (Decreto de 8 de
maio de 1843 e regulamento de infamara de 1763.)
Da concessao de semelhaotes licengas havera'
averbaco no livro respectivo ; e peljos tramites
competentes se dar' conhecimento dellas ao minis-
tro da guerra, para sua approvago.
5." As licencas s pracas de pret, na conformi
dade do paragrapho antecedente, sboderao ser
concedidas as pravas bem morigeradlas, que por
seu exemplar comportimanto se torjnem dignas
desse favor ; nao podendo, em cada semestre, qual
quer pra;a ler mais de urna licenca ; e sera' sua
concessao regulada de tal forma que ajs que as me-
recerem por seu cojaportament e com preferen-
cia s pracas easadas, possam, por sua vez, gozar
desse favor. -------..
Art. S. Os veociraehtos, dorante o lemiw 4* II-
cenca, sero reguladosH>e|o modo seguiote : *.
1. Nos casos do l'do^rt. Io, as licencas po-
dero sor concedidas com sotdo e etapa, ainda qoe
sua duraco exceda de seis mezes.
de outro modo n5o forem reguladas por disposigao
16ff Slstl V3
9. A fcermlssio ou licenga de que trata o 4
do art. 2f nao importar perda de vencimentos,
com tanto qne o servigo possa ser de-.empenhado
cumulativamente, sem prejuzo ou. exclosSo do ser-
vigo oo ebprego do ministerio da guerra.
Art. 16. Sao causas justificativas para demora, Art. l.fcvera' no arsenal de guerra da corte
depois de floda ou cassada a licenfa : urna ou mato Mas onde sero depositados :
1." Molestia comprovada por parecer de juota de 1." ArmSr de todas as especies, notavels por
saude, onde a boover oo attestado pelo menos de qualquer circunstancia ou por sua anliguidade e
dous facultativos, e informago da autoridade local singularidade de fabrico, ou por terem sido toma
DIAS DA SEMANA.
3. Segunda. S. Agoeda v. m.: S. Genuino b.
6. Terca. S. Dorotha v. m.; S. Vidasto b.
7. Quarta. S. Romualdo ab.; S. Ricardo rei.
8. Quinta. S. Joo da Malla; S. Juveneio b.
9. Sexta. S. Apolonia v. m.; S. Ansberto.
10. Sabbado. S. Guilherme du'iue; S. Silvano b.
11. Domingo. S. Lzaro b.; S. Clocro b.
PREAMAR DE HOJE.
Primeira as 10 horas e 6 m. da manha.
Segunda as 10 horas e 30 minutos da tarde.
PARTIDA DOS VAPORES GOSTBDM.
Para o snl at Alagoas a 14 e 30; para o aort*
at a Granja a 7 e 22 de cada mez; para Fema-
do nos dias 14 dos mezes de Janeiro, margo, mato
julho, setembro e novembro.
ASSIGNA-SE
no Recife, na livraria da praga da Independencia
os. 8, dos proprietarios Manoel Figueiroa de Paria
& Filbo.
respectiva.
2." Quarentena,
captura, aprezamento ou au-
faEra.qow^ fragio do navio que transportar o offlcial ou por
liega^ro sempre registradas ou sem venc- ^uean1,qeu?^sl^0moUvo de ,orca ma'0^ le8uima-
menio al
Art. 6.OT*QipiLlLdJl-riT***^-l4CSBvag:le^8'
tratam o art. 1" e o 3 do art. 2, em caso algum
poder serlcompatailo para qualquer dos seguiotes
Sos
!. Paralreforma ou obtengao da condecor:\gao
da ordem qe S. Bento de Avlz. (Decrutos n. 1.638
das ao immigo, trophos e reliquias.
2. Reparta viatnras, boceas de fogo, projectis e
instrumentos de artilhana de qualquer calibre ou
especie, tambera ootavet pelas cireumstanclas ci-
ma referid
3. Equipamenlos e oulros objectos notaveis pela
sna antigoidade, ou pelos factos qne commemo-
to.
1855:
3." Para
n. 585 de 6
Art. 17. Os presidentes de provincia, ou qual-
qoer autoridade mil;lar- nao devem consentir qoe
qualquer offlcial, ou pragk-de-pret continu nella rarem.
depois de Andar a licenga, expedfo"'S-precisas i 4." Modelos ou amostras de armamento, equipa-
ordens para que os individuos licenciados sigaar meato eje objectos de qualquer especie do uso
Quies sero, porm, os resultados futnns?
Se os carreteires occultarem ou inutilisarem
suas carretas, para o que basta dar snmigo aos
bois, nao se ver aquella presidencia em graves
embaragos? K' mais que pojsivel; e como evitar 1
S tomando algumas precaficOts..
A exigencia da goerra em que estamos demanda
variados transportes j para acompanhar os corpos roa da Crnz n. 57 as 11 bora*.
?o Tbgag'n^ > P"o do Sr. Loix Aoo
uiuuigoes f^alrrl f para levar vivera pa Je, JK*', CnSU' I* B/,gC\,0dM S 2^a,eS
diversa, equipagens ou pessoal deeridol ele. d'v,er(f1m ^X n ,e5Und,r,es ,d \*a? **&" ft
Embora o governo cree transportes regulares do^ fa0eral' pel Passaoen, de S. H. wi *a
Iseus para alguns desses ramos, ha de verse obri
O artigo que hontem publicamos em nossa
oltava pagina sobre as condicoes ecooomlcas dos
nossos mercados, do Correio Mercantil, da eor-
te; e assim, Oca restabelecida a oraisso.
O agente Simoes fara' leilio de aovis cha-
rutos e outros multes objectos en sea armazen) a
para seus corpos com antecedencia tal que possam
o prazo
ovengoes e
de 9"deleTembrole"855"en. 2,778 dfe 20 de abril I S*T presentes nelles sem terem excedido
de 1861 at. 2 \ I ,lcenSas_aae houverem obtido.
Para lempo' do servico forcado oh volontar.o, Art. 18. Todas ps autoridades militares, a quera
prestdoqder era virtude^deleil quer por contra-, o conhec.mento das licengas perlencer, deverao
( Citad i decreto n, 1,638 de 18 de setembro de participar a autoridade snpenor, e esta ao m.nis-
1 tro da guerra, pelos tramites competentes, as que
dos eXercibTe&iFaGgeiros
ment.-.
Art. 2 Os objectos serSo disposlos e classifica-
dos convenientemente, e guardados er*~Offlparii-
raentos; de nodo que haja doas secgr.*,
objectos naconaes, e outra de objectos
gelros.
Art. 3.* Os objectos naconaes serao
gado a procurar transportes auxiliares, pois que a
ira- querer crear todos, a despeza sena borrivel, e o
servigo por ventura nao seria o melbor. .
Portugal, qoe tmha o seu commissarado como
nca dito, e que por ventura recorreu tambera a
blgica.
Relagao dos baplsados feitos na nutriz de
Santo Antonio do Recife no mez de Janeiro do tor-
rente anno:
Tibureio, pardo, filho legitimo de Manoel Feraaa-
des da Costa Jonior, e Rosa Mana da Cooceico.
tersticio exigido para ccesso. (Lei | 'm concedidas, e a data em qoe os agraciados
rtfl eiomhro d tS^O arts 3o 4 e 5 ) entrarem no gozo das mesmas; e igualmente re- ciassilicados e dispostos por ordem de antigoidade,
aafa se desla disoosico'- o trapo da se"r-! meltero mensalmente urna relago dos offlciaes e conforme oseculo era que foram fabricados. Os
vico pregado en^ v.nude de Ucenga op permisso Pracas licenciadas que esliverem em seus dlslric- eslrange.ros o serao nao so por antigoidade, como
do ministerio da anorra na "arda n cional, nos ios ou provincia. ; tambera segando as nag5es a que pertencerem.
coraos po les la marinha^ guerra, era' mis- i Art. 19. Os offlciaes que obtiverera I.cenga para Art. 4. Os modelos de armamento serao dlspos
s5es dlDlomaTica&^residencias de provincias,-corpo tomarem assento as sessSes das assemblas pro- tos conforme a arma a que pertencerem tempo em
elslat?^^^ i ?***>, de W to'e ". se Preseniarao que foi usado ; de modo que aos olhos de quera o
empregado em estudos miliures on indostriaes.: dentro de um prazo razoavel, que nunca exceder
( Lei n. 58o de 6 de setembro de 1850, art. 9 e re-
solagoes de consultas da secgo de guerra e mari-
nha do conselho de estado e do conselho supromo
militar de 22 de dezembro de 1865.)
4. Finalmente, eta todos o; prazos Imitados que
as lela vigentes exigam de servico efectivo como
fcabilitfco par qualqoer fim. ( Citado decreto n.
1,538 de 19 de Isetembro de 185o.)
Art. 7. As licencas qoe aos presfdenles e
urna afrj contratos, nao teve remedio seno .decretar o sea Jos, croulo, filbo natural de Mara Felicia da
estraa- remiamento de 7 dezembro de 1811. nara haver Conceicao.
Jlo, branco, filho legitimo de Marcolino Marques
da Silva, e Canuda Syriaca de Barcellos.
Jos, crioulo, filho legitimo de Jos Aatooto Goa-
galves, e Rufloa Mana de Santa Anna.
reguiSKPento de 7 dezembro de 1811, para haver
transporte pof-via de reqosigoes fetas aos parli-
collocados, calares, mas para "WiUr.^iauelle inconveniente
adoptoo algumas precaugoes. r.->-. ....
Do deduzido concluiram as secges:"ts,-4fle_a>
medida tomada pelo presidente,, embora til no Brastano, branco, iho de Tnom JoaqniraMasca-
o que for determinado pela longtude do lugar em
que se celenrarem as referidas sessdes, compata-
da na razo de quatro leguas por da, sendo a
viagem per trra, oa pelo ordinario tempo de via-
gem por mar segando os meios de transporte em
uso.
Art. 20. Os offlciaes e pracas licenciadas qoe
se apreseotarem antes de Ando o prazo da licenga,
entraro logo no gozo das vantagens que baviam
quaesquer autoirldaes militares, de qie tratara os perdido era Jirtude da mesma I.cenga.___
3 e 4 do art 4 cabera conceder, nao sero ex-1 Art. 21. As licengas concedidas aos empregados
pedidas sem previas informagoes do oramandante n e flseaes das repartigoes pertencentes jo mi-
das armas, de divso, brigada, corpo] de gairni-, rasieno da guerra Acara sujeitasi as dispos.goes dos
gao, destacamentos e compaoh as a qe perteccer "> 30, 31 32 e 33 do P- 5 do regulamenio ap-
o agraciado f provado pelo decreto n. 2,677 de 27 de outubro de
Arl. 8. So sero attenddos requerroentos para | ,860; Qm.
licengas quando ehegaron presengJ do governo; Art. 22. Compete conceder l.eenga aos mesmos
sem a necessana informago dos commondantes das empregados civis e flseaes, na forma do artigo an-
armas e dos respectivos chefes.
Aru 9. Ficana sem effeito as licencas qne Uve
rem mais de sel mezes de demora
sentago as prc vincias de Goyaz e
de um mez para a corte e provinci
neiro, e de tres mezes para as outra:
cump'rid'J's^tetar'da verba do]aiateroaa jle e,m bwr d"o empregados das repartigoes exis-
to competente qde tem pago o devino imposto do tente no distncio de sua junsdicgao oa auton-
reg,isreadoDno,rHvI SSSS T "' \ A^el Moni da Sllva do mea C0DSelb>
Art U As icfnf as cSetdas Los offlciaes e ador do imperio, ministro e secretario de atado
pragas do exerc,t dentro de olto das, nlo sendo sattyfeito o sello. ng ?"![, j. i,,. H, ---- a.
Arl 11 Ant ftfflVtfii oTr-nme? ?"' Ana cor-. Palacio do Rio de Janeiro, era. d janeiro de
^r^^T^TS^tX seTBB^^d lnJepende05,, ? do .raperio.-Co^a
passar urna guia declarativa das particularld ides
da licenga, observaiido-se o seguinle :
1.* Qoando qoalqaer offlcial ou praga de pret'
dos corpos obtiver licenga de m^ro gozo on para .
tratar de soa saude, o commandaote respectivo Ihe |
passar ama guia ou passaporte, conforme o mo-'
tecedente:
1. isa corte ao ministro da goerra, em lodos os
n soa apre- casos.
Matto-Grosso 2- Aos presidentes de provincia e aos comman-
do Rio de Ja- dantes em chefe das forcas em operagoes fra do
provincias. imperio, no caso de molestia comprovada por pa-
e licenga ser recer da competente junta de sade, e unicamen-
delo annexo.
2. Se o licenciado nao pertencer ou nao estiver
addido a algum corpo de guaroigo em qao se
actiar qoando obtiver a licenga, a guia oa passapor-
te Ihe ser passada pelo ajudaute general na curte
ou por quem soas vezes Fuer as provincias.
3." Os licenciados com guias dos corpos, logo
que a receberem aprsenla la hpo no qnartel gene-
ral do exercito, ou no do commaodo das armas,
para ser vista e rubricada pelo ajodanle do cena-
ral do exercito na corte, e pelos commandanles das
armas as provincias.
4. Loro que o licenciado chegar a provincia
onde vai gozar a licenga, aposentar sua guia
autoridade milit.tr respectiva,' a que se refere o *
rubrica de S. M. o Imperador. Angelo Moniz da
Silva Ferraz.
Modelo da guia de licenga a que se refere o 1
art. 12 do decreto n. 3,579 de 3 de Janeiro de
1866.
P... (nome, condecorago e posto) commandan-
te do... (corpo).
Fago saber a todas as autoridades militares e ci-
vis a quem esta fr apresentada, que o... (posto |
ou praga) do... (corpo) do mea commaodo F...,
por aviso do ministerio da guerra (ou offlcio da
presidencia desia provincia) de... do mez de...
do anno de..., publicado na ordem do da do
qaartel general do exercito (oa do commaodo das
armas da provincia)N... de... de... de (ou com-
muncada em offlcio do debutado do ajudanle-ge-
ueral, ou do assislente do ajudanle-general, ou do
ajudante de ordeos do commaodo das armas de...
de... de... de...) obteve... mezes (ou dias) de
licenga (declaram-se todas as coodlges da licenga
expressa na communicago.1, a qual coraega a cor
examinar, fcil e chronologicameole se patente o
progresso e aperfeigoamento que tem tido os diffe-
rentes instrumentos de guerra, e suas trans' r-
magoes.
Art. 5. Sero collocados em separado, cora dis-
tinego do pmigo a que pertenceram, oa foram to-
mados, os trophos e iodos os objectos appreheodi-
dos nos campos de batalha.
Art. 6. Km lugar distincto se coilocarao o ar-
mamento, atbandeiras, reliquias e ootros objectos
pertencentes-aos corpos nacionaes, e qoe apreseo-
taren vestigios oo signaes gloriosos dos combales
em que figuraran).
Art. 7." As armas sero verticalmente coloca-
das, e dispostas em trophos.
Art. 8.' As bandeiras, estandartes e outras In-
signias serlo guardadas em armarios envidra-
gados.
Art 9. Cada objecto lera' pendente ou pregado,
ara roalo que historie sua existencia.
Art. 10. O almoxarife da primeira classe do ar-
senal Acara' encarregado da guarda, seguranga e
conservagad dos objectos, e sera' responsavel pelas
fallas qne s derem ; sendo incumbido tambera de
mandar preceder ao asseio daquelles objectos.
Art. 11. llavera' uro catalogo dos objectos depo-
sitados, qoe sera' organisado pelo encarregado da
sua guarda.
Art. 12. O director do arsenal ae guerra vigiar
e inspeccionara' se ha cuidado na guarda, conser-
vagao e (nueza dos objectos, e providenciara' de
modo que augmente o numero dos mesmos ob-
jectos, requlsitaudo ao ministerio da guerra os que
Salgar necenos, e indicara' os lugares onde no-
lero ser encontrados.
Art. 13. A sala sera' franqueada a espectadores,
pessoas de dlstiocgo nacionaes e estrangeiras, me-
danle permlsso do quartel-mesire general, poden-
do ser autorisada exposigo franca para todas as
pessoas, se o ministro da guerra o julgar conve-
niente.
Pago, em 19 de dezembro de 1865.Angelo Mo-
niz da Silva Ferraz.
es
momento, pode vir a ser prejudicial no folaro ; 2o,
que quer o governo cree oa nao alguns ramos de
transportes militares sea3, prefenvel recorrer
pelo qoe faltar ao expediente de comalos celebra-
dos a tempo de antemano para nao receber a lei
no momento do conloio dos especuladores; 3, que
devendo preverse qoe apezar desses doas expe-
dieotes pode occorrer e caso de precsar-se de
3, a qual declarar'araVs'ma guial daTa'pre"-, [ da data desta (ou do dia de... de.. JIM;
sentago do licenciado na guarnigo ; e quando elle vamente, e assim tambera que o dito...
tiver de seguir para rennir-se ao seu corpo, a dita
autoridade declarar tambera na guia o dia u\ par-
tida.
5. Se o licenciado obtiver prorogago de licenga
a antoridade militar da guarnigo em que se achar
pragaj deve apresentar-se nesta guarnigo, ou on-
de estiver o... (corpo) se para isso houver mais
facilidade no dia de... de... (o immediato ao ai-
timo da licenga) sob pena de ser declarado ausen-
te nos termos... (do art. 1 da lei de 26 de maio
de 1835se for offlciale do artigo nico til. 1
a qoenrpela presente ordem competir, fara na res- da ordenanca de 9 de abril de 1805-se for praga
pectiva guia declarago dessa circunstancia, men-
cionando o dia ero' que o licenciado deve a presen-
tar se em seu corpo.
6. Se na viagem conseqonie da licenga, o li-
cenciado tiver de car accidentalmente em algoma
provincia, por motivo de mc|estia oa por qailqaer
outro impedimento, a respectiva autoridade militar
far declarago disso na gula tambera do dia em
que o licenciado continoar ji viagem para o desti-
no qoe tinba.
de pre) e qoaliAcado desertor se nao se apresen-
lar dentro do prazo... (de dous mezesse for
offlciale de mota dias se for.praga de pret). Ro-
go, porlanlo, a todas as indicadas autoridades qae,
por bem do servigo publico, se dlgoem prestar ao
dito... (posto ou praga) o auxilio legal de que elle
por ventura possa precisar para o Am de apresen-
ur-se nesta guarnigo ou onde estiver o... (cor-
po), se para isso bouver mais facilidade, no dia ci-
ma Gxado, e mesmo compelli-lo a comprir esse
dever por meio de sua jurisdiego se da pane
delle se manifestar meara em e fazer, oa indi
ci vehemente de pretender sabtrabir-se a tal obri-
transportes em alguraa localidade e nao qaererem. Joaqaim, crioulo, fimo legitimo de Joaqaim Fraa-
os donas delles fornece-los, ou exigirera preeos fa-
buloso?, convm, para evitar isso, qne se regula-
rise o meio auxiliar das requisiges fellas em vir-
tude da citada lei da 9 de setembro de 1826, me-
diante as providencias que forem as mais acerta-
das.
O referido regulamento de 7 de dezembro de
1811 manda formar, numerar e marcar os trans-
portes nos districtos ;que devam contribuir e fazer
um delalhe das prestages com que devam concor-
rer quando oecesSrias, de modo que se guarde
igualdade, e se evitem violencias ou oppresses
parciaes, o que certamente seria injusto,
O projecto lembrado deverla ser organisado por
offlciaes nao s intelligentes, mas alm disso co-
nhecedores das localidades da provincia de S. Pe-
dro do Sul, e do itenerario provavel das marchas
militares e dos efleitos, bagagens e mais pertences
bellicos.
Estas sao, senbores, as ideas qae oocorreram s
secges reunidas e que em cumprimento do seu
dever ellas tem a honra de expor perante V. M.
Imperial, quo mandar o que fr mais acertado e
sabio.
Pago, era 6 de julho de 1865.-Jos Antonio Pi-
lenla Bueno Visconde de Jequitinhonha Vis-
conde de AbaetVisconde de Uruguay Miguel
de Souza Mello e AlvimManoel Felizardo de Sou-
zaeMeUe. aflfc .*. ~ "K"
Resolucao. Como parece. Pago na villa de
Uruguayana, 2 de ootnbro de 1865 Com a robri -
ca de S. M o Imperador. Angelo Moniz da Silva I
Ferraz.
7. De todas as oecurrencias que tiverem lugar
em qualquer Ruamico a respeito do licenciado que
nella se achar, qne versarem sobre a vida militar
deste, e forem offlcjalmente! manifestadas raspee- Bv
ti va autoridade mi litar, por tramites legtimos, esto B para que as recomraendagoes mencionadas
antoridade fara" declaragio |na guia de licenga para possam sortlr o devido effeito, Az passar a presen-
qoe taes occorrencias conslem e se averbem no li te, qoe assignei e Az sellar cora o sinete das armas
vro mostr do corpo a qne o licenciado pertencer. imperlaes. ,.".,,
8. Se o licenciado em fjoalqoer goarnigao for Qoartel do... (corpo) em... (loealidade) aos...
addido a algara corpo, todas as declarages coos- de... de...
tantes dos paragraphos antecedentes sero feitas (Assignatura do commandante)
pelo chefe desse corpo, precedendo ordem da auto (Lugar de sello.)
rldade militar competente. Essas declaragSos se-1 Consulta da secgo de guerra e marraba do conse-
rio sempre datadas e assigoadas pela antoridade Iho de estado sobre a antoridade a qoem corape
qne as fizer.
9. Logo qoe o licenciado se apresentar ao corpo
a qoe pertencer, o respectivo commandante fara'
averbar em seos asseotamentos as occorrencias i agosto de 1864 qae os empregosjlas repariiges da
qae constaren! de soa gaia de licenga, e que tive-
ram lugar durante o tempo em qae este es teve fra
do mesmo corpo.
10. O licenciado qae nao apresentar sna gola de
licenga as occasi5-s romtetentes para nella se fa-
zerem as decUrag5e* determinadas, lera' commetti-
do urna falta pela qnal sen' responsabilisadi.
Art. 13. As Moragas para tratamento de sade
qne forem concedidas sena designago do dia em
qae devem comprar, ser contadas do da rarae-
diato aqoelle era qae se panucar no lugar em que
se achar o agraciado, ou a inelle era qae fr rece
i bida communicago nos logares em qoe nao se po-
i blicar ordem do dia ; ficando todava sem effeito
se os agraciados nao entrarem no gozo dellas den-
I tro dos oito primoiros dias, posteriores ao confied-
le a nomeagao de ajudante do porteiro dos arse-
naes de guerra.
Senhor 1Dispondo o art. 101 7o da lei de 12 de
2 Aos enfermos, aos convalescentes de ferimen- ment offlcial da ordem dd da no corpo ou desta-
camento a que pertencerem os licenciados, ou da
respectiva communicago i nos lugares em qoe nao
se publicaren! ordens do da.
Art. 14. As licengas concedidas pelo presidente
da provincia nao podem ser gozadas fra dos limi-
tes de sna jurisdiego, nem podem ter effeito a r-s-
peito dos offlciaes e pragas nao estacionadas, des -
tacadas ou nao pertencentes a guarnigo da mes-
ma provincia, ou das que fazem parte dos exercl-
los, oa forcas era operagoes no seu territorio, oa
dos campos de instrnegp oa de manobras nelles
eslabelecido?.
Art. 15. O offlcial quei sem causa justifl:ada ex-
ceder da licenca, em cajo gozo estiver por doas
mezes, oa qoVestaudo icom licenca, qnando esta
tos adquiridos em combate, on por molestias con
trahidas em servico podero ser as licengas con-
cedidas cora todos os vencimentes, excepto os de
commaodo.
3. As licengas a qne se refere o 2 do art. 1 o
podero ser com o sold simples.
4. As mencionadas no 3* do mesmo art. Io o
sero sempre sera venciraento algum a cargo do
ministerio da guerra.
5.' As de qae tratan os g} 4 e 5* do arl. 4', qne
o podero ser cora sold e etapa.
6. Na hypotbese do 5o do citado art. Io obser-
var-se-ba o disposto no art. 23 da lei de 12 de agos-
to de 1834.
7." As de que trata o 4o do raesmo art. 1 po-. _
dero ser concedidas com o sold simples, oa meio fr cassada, n)
sold, por lempo nunca raaior de doas mezes den-
tro de cada am auno civil. As de raaior prazo se-
ro sempre registradas.
8. Nos casos previstos no art. 2o % 3o podero
guerra per lene em a admmistragao geral do impe-
rio, e nada determinando a lei de 8 de novembro
de 1834, nem o regulamento de 21 de fevereiro de
1832 sobre a autoridade qoe tem de preeocher as
vagas qae se derem nos lugares de ajudante de
porteiro dos arsenaes de gueira, julga s secgo de
guerra e marin do conselho de estado que ao go-
verno imperial incumbe fazer a nomeagao das pes
soas qne servirem toes lugares, e como era regra
cabe a quem noma dar a demisso, ao mesmo
governo compete tambera esla ultima atlri-
buico.
Tal senhor, o parecer, que a secgo de guerra
e marinha do conselho de estado tem a honra de
sabmetler a' sabedona de V. M. Imperial, cumprio-
do assim a ordem expedida pelo aviso da secretaria
de estado dos negocios da guerra de 8 de junho
corrente.
V. M. Imperial, perm, resolver' como mais
acertado for.
Paco, em 28 de novembro de 1865.Manoel Fe-
lizardo de Souza e Mello.Miguel de Souza Mello e
Alvim.Visconde de Abaet.
Resolucao.Como parece. Pago, 10 de novem-
bro de 1865.Cora a rnbrica de s. M. o Imperador.
Angelo Moniz da Silva Ferraz.
Consulta das secges reunidas de justiga e de guer-
ra e marinha do conselho de estado, sobre a le-
galidade e conveniencia das medidas adoptadas
pelo presidente da provincia do Rio-Grande do
Sul, em referencia ao servigo de transporte do
trem bellico da cidade do Rio-Pardo, para a fron-
teira do Uruguay.
Senhor.Por aviso de 27 de junho prximo pas
sado, mandn V. M. Imperial remetler s secges
reunidas de jusliga, guerra e marinha do conselho
de estado, o offlcio junto n. 101 do presidentejla
provincia de S. Pedro do Sul, com as informagoes
que o acompanham, para que ellas emiltam seu pa-
recer sobre a legalidade e conveniencia das medi-
das adoptadas pelo mesmo presidente em referen-. a
cia ao servico de transportes do trem bellico da \
cidade do Rio Pardo, para a frontelra do Uru-
goav.
O caso o segunte : o dito presidente tinba de i
effecluar a remessa de volumes militares para
aquella frooleira, e para isso fez afflxar edltaes.
Appareceram somente duas propostas, e essas
por pregos fabulosos.
Continuando a procurar por esse meio a offerta
de carretas, nada pode obter seno por tae3 pregos,
sabendo por Ara que osdooos dellas se tinbam com
binado para impor o frete ao governo.
Em taes lerraos, laogou o presidente mo da lei
de 9 de setembro de 1826, mandando que o juiz
municipal do Mo Pardo tomasse posse do numero
de carretas necessarias, e Azesse avahar o prego
razoavel ; qae se os donos nao qoizessem receber
seria posto era deposito.
Respoodendo primeiro sobre a legalidade da
medida, as secges reunidas transcreveram osarts.
Io, 3o e 6o da sobredita lei, os qaaes dispem o se-
guate.
Art. Io A uoica excepgo feita plenitude do
aireito de proprledade, conforme a constitulgao do
imperio, til. 8 art. 179 22, ter lugar quando o
bem publico exigir o uso oo emprego da proprle-
dade do cidado por necessidade : Io, para defesa
do Estado ; 2, para seguraoga publica.
Aru 3o A venficaco dos casos de necessidade a
que se deslinar a propriedade do cidado ser feita
a requerimento do procurador da fazenda publica
peranle o juiz do domicilio do propnetario com
audiencia delle.
O arl. 6o manda recolher a deposito o prego
quando o proprietario nao o queira receber. __
A' "to destes textos da lei, as secges nao da
vruam 'que, no caso em que esto, era e appli-
cavel a disjposigo delles, tendo apenas de notar
que o presidente ne se dirigisse, como convinha,
G0)IMA!JDO'DAS ARMAS.
Quarle! general do commando das armas nambuco na cidade do Rerife, 6 de fcrereiro
de 1866.
Ordem do da n. 198.
u marecbal de cimpo, eommandanle das armas,
faz ceno, para conheclinento da guarnigo e devi-
do effeito, que a presidencia resolveu por pjrtaria
datada de 4 do corrente demittir do posto de aife- [
res, que servia era commisso na corapanhia de.
zuavos ao Sr. Justiniano Manoel de Barcellos, por
assim convir ao servigo publico; e por offlcio de
hontem daUdo, qae o Sr. Io ctrargio reformado |
do corpo de saude do exercito, Dr. Miguel Joaqoim
de Castro Mascarenbas, contiauasse a passar as vi-
sitas sanitarias das fortalezas db Brnm e Buraco.
; e outros estabeleciraenlos militares, at que cesse
necessidade de ser empregado n'este sorvigo. E
portanto determina o raesmo marechal de campo
que o Sr. Mascarenbas visite diariamente os quar-
leis do deposito e do 2 batalbo da guarda naci
nal destacada para o servigo da guerra, e duas ve-
zes por semana as referidas fortalezas.
Faz cerlo igualmente qoe no dia 5 do corrente
se apresentou no qoartel-general viodo da Europa,
onde se achava com licenga do governo para tratar
de soa saude, o Sr. 1 cirorgio do corpo de sande,
Dr. Antonio Manoel de Medeiros, qae deveri se-
guir para a corte na primeira opportunidade.
(Assignado^-f-'/ancco Sergio de liceira.
Est conforme. Esteoao Jos Ferraz, tenente
ajudante de ordeos interino encarregado do de
talhe.
PERNAMBUCO.
REVISTA DIARIA
Tendo ido sabbado passado nma commisso,
composta dos Srs. Manoel Thomaz dos Santos, Ma-
ximino Hennque da Sllva Santiago e Jos Paulino
da Silva, em nome dos moradores do logar Jordo,
limite das fregoezias de Afogados e Moribeca, pe-
dir a S. Exc. Rvm. o Sr. bispo diocesano o sea
apoio e coadjuvago pira a capella que all pre- keverbiro db I86C.
tendem erigir sob a invocago de Divina Pastora,
fol moito bem acolbida por S. Exc. Rvra. qoe
Alfonso Pires de Carvalho, Pernamboco, 11
annos, solleiro, Boa-vista, pneumona.
alm de ratificar a licenga concedida pelo Rvm. Sr. Sebaslio Baplista Teixeira, Minas G*raes, 40 aa-
vigano capitular, proraetteu mandar vir da Euro
pa ama imagera e os aprestos necessarios para a
banqueta do altar.
A distancia qae vai desse logar a qualquer ama
das duas freguezias mencionadas, e o augmento r-
pido da populaco, de na multo reclamavam a erec-
por intermedio do procurador da fazenda publica, gao de urna capella filial nesse logar, que felizmen-
nos termos do sobrdito art. 3o, pois que tal pro-
cesso deve ser verbal e suramarissimo, pelo que
nao oppor demora e urgencia do servigo.
Embora a necessidade fosse notoria e urgente
para a defesa e seguraoga do Estado, qae de cerlo
te val ser ama realidade pelos exforgos dessa digna
commissio, secundados pela coadjavago do nosso
prelado.
Ha Ja alguns dias qae se acba gravemente
doenle o Rvm. Sr. conego Venancio Henriqnes de
se recolher ao seo corpo oa com- para a sala
N. 1991' directora geral.2* secgo.Rio de
Janeiro, ministerio dos negocios da guerra em 19
de dezembro de 1865.
Remetto a V. S. para sea conhecimento e execa-
go, na parte qae Ihe loca, as Inclusas instrneges
ser concedidas com mel sold, oa registrad, se I de maio de 1835, art. 1,1
destinada ao deposito de trophos e
msso"noprazo' qu The' rr"ordna"d"o,r"o dentro i differentes oulros objectos nilitores.
1 de doas nezes se na ordem de recolher-s) nao es. Deas guarde a V. S. Angelo Moniz da Silva
! tiver marcado prazo cerlo, ser julgaao dfaertor, e Ferraz.-Sr. Francisco Antonio Raposo.
1 como tal ponida na cooforraidade, d |e[ n. 1 de 26 Instrocgoes para a sala desunida aq deposito de
trophos e differentes outros objectos, militares,
nao devem ser comprometidas convm salvar as Resende, vgario desta fregoesia de Santo Antonio,
formulas de antemara e com providente prece-' tfami poeamonia aguda.
dencia. Tendo de retirar-se para fra da cidade, como
Passando a expor soa opinio quanto a conve- determinaran! os mdicos, o Sr. vigario tomar o
niencia, as secges faro as coosiderages que se sagrad0 viatico hoje pela manha.
seguera : | Acha-se na regencia da rreguezia o Rvm. Sr. pa-
Outr'ora vlgorava o decreto de 10 de dezembro dre Jo3o j8s da Cos,a R,beiro, que reside na roa
de 1821, qae mandoa por em execuge no Brasi'
o regulamento do commissarado de Portugal de
21 de novembro de 1811, e o commissarado
quem fazia o servigo dos transportes.
A lei de 24 de novembro de 1830 abollo o com-
missarado em lempo de paz, ficando os almoxari-
fes dos arsenaes e irens de guerra incumbidos do
expediente desse servico, e vlrtualmente o governo
por meio de contratos.
E' claro qne em tempo de guerra, o governo po-
de restabelecer o commissarado em parte oa no
todo, como jalear conveniente, mas nao consta as
secges qne par ora se tenha adoptado outro expe-
diente alm dos contratos.
TO'- ^e pois manifest qoe, restaodo-lhe ape-
nas esx* expediente, e havendo contato para de-
das Grates n. 22.
Acha-se o Sr. He reulano Olegario Ribeiro de
Castro nomeado procarador do seminario episco-
pal d'Olinda com o venciraento de 10 % sobre o
rendiraento.
Esta' marcado o 1* de margo prximo futuro
para a reunio da primeira sessSo judiciara do
jury desta capital no corrente anno.
O Sr. Dr. Mello Moraes est publicando na
Baha um peridico consagrado exclusivamente c*
interesses da agricultura, sobre o litlo do Aori-'
cultor Bahiano; do qual boje traoscre;,ina. Qffi I
bello arlige na nossa oitava pagina.
iste peridico est sdb os au^do, d> instal0

reabas, Antonia Mara do Espirito Santo.
Julio, branco, filtw legitimo de Angosto Berttod, e
Julia Amelia.
Joaqaim, branco, Alho legitimo rf Jos Mara Fer-
reira da Cuoha, e Hermina d'Oliveiri Fcrrcir
da Cunha.
Flora, branca, Alba legtima de Manoel da Costa
Pereira, e Luiza Presciliana Magaines Pereira.
cisco da Costa, e Candida Francisca da Cena.
Placido, pardo, filho legitimo de Claudia Jos
Aleixo, e Mana Jos do Nascimenlo.
Mara, branca, aiha legitima de Antonio Teixeira
d >s Santos, e Emilia Candida Teixeira dos San-
ios.
Ildefonso, crionlo, Alho legitimo de ABoaso Jas
Meades d'Oiiveira, e Luiza Mara Meaass d'OU-
veira.
Joo, pardo, Albo natural de Emiliana Tbereza do
Jess.
Josepba, crioula, Alba natural de Amela Mara
Francisca de Santo Anna.
Emilia, panla, Alba nalaral de Josepba Mara do
Espirito Santo.
Mara, parda, Alba legitima de Manoel Jos do Li-
vramento, e Mara da Hora do Nascimenio.
Hermina, parda, farra, Alba de Emilia, escrava ae
Serapio Arroda Cmara.
Mara, parda, escrava, Alba de Flrmiaa, sserava
do Dr. Miguel Joaqaim da Costo Maseareabas.
Manoel, branco, Dlho natnral de Bernardina Mana
de Jess.
Laurinda, crioula, Alba de Theodora, escrava do
tenente-coronel Manoel Camellj Pessoa.
Manoel, branco, Alho legtimo de Antonio da Silva
Santos M e Helena Martins Teixeira.
Alfredo, branco, Alho legitimo de Sefeatiao Aata-
TIo d'Albu*querque Bel, t
da Silva Alboqoerqoe.
Rodopiano, pardo, Alho natnral de Lozia Mara da
Conceigo.
Casamentes.
Francisco Joaquim Mena Cardoso, com 1 pnpnliaw
Francisca da Costa.
Theolindo Augusto do Reg, con Adelaide Carnei-
ro Los.
Antonio Claudio Vieira da Magalles, com Adria-
na Francisca de Araujo.
Albino Jos dos Santos, con Felicidade Perpetua
Rabello da Silva.
Antonio Marianno da Cruz, com Rufiaa Gurtner-
mina Mari i da Conceigo.
Jos Flix da Cuoha Pern, com Mana do Carao
Borges.
Joo Manoel de Resende, com Mara Lacrela da
Silva Penoa.
Joaquim Pires Ferreira, com Joanoa Fraaceaa
da Molla.
Freguezia de Santo Antonio do Recife, 3 de m-
vereiro de 1866.
Joo Jos da Costa Ribeiro,
coadjutor pro pa rocho.
Passageiros da barca poriagneza Clamitma,
sahida pora o Porlo:Barbara de Jesos da Cosa
Res e 2 Alhos menores, Mana de Oliveira Caval-
canti de Azevedo.
Reiwrticao oa polica.
Extracto das parles do da 6 de fevereiro de 1805.
Foram recolhidos casa de delengo no da 5
de fevereiro:
A' ordem do Dr. delegado da capital, Cossm Jos
Barbosa, Leopoldino Esequiel Correa de Iforaaaa
e Luir, escravo de Manoel Custodio Soares, para
correcgo; e Firmino escravo de Antonio Joaojadna
de Vasconcelos, requerimento desle.
A' ordem do subdelegado do Recife, Jal ae
Freitas, Portuguez, reqnisigo ds respectivo
cnsul.
a' ordem do de Santo Antonio. Vctor, estrave
de Abreu & Veras, a requerimento destes; Mataeas
Caio e Hilario Googalves, para correcgo.
A' ordem do de S. Jos, Rosa Mana
Joo, escravo de am fulano Alcntara, sor
A' ordem do da Boa-vista, Joo Basilio F
da Caoba, para correcgo.
A ordem do da Capnnga, Antonio Praaeiseo Go-
mes, para correcgo; e JLoiz, escravo da Eaa
Remigio, por iolraccao de postaras.
O cele da 2a secgo,
/ 6. de Hiffa
L'EJIITBRIO PUBLICO, OBITUARIO 00 HA 1 S*
V
U as-
nos, solleiro, Boa-vista, anemia
Arcbanja Mara da Conceigo, Pernamboco, 7$ as-
nos, viuva, Boa-visto, laboralos
Tibarcio, Pernamboco, 5 annos, S. Jos
los pulmonares.
2
Nao hoaveram entrranoslos.
3
Marcolino Jos Valerio, Bihia, ai
Boa vista, bepatiie-
Maria Getrodes Vergosa, Pernamboco, 40
viuva, S. Jos, portooite.
Calbarina Luiza da Fonseca, Pero
nos, viuva, Santo Antonio, iofl
Francisca de Pana, Pernamboco, 73";
teira, Boa-visto, entente.
Julia, Pernamboco, 1 mez. Sanio Aatoaio,
convalsa.
Sal, Pernamboco, 13 nezes, S. Jos,
taste.
Vctor, Pernamboco, 20 dias, Santo .
mo.
Martinha, frica, 48 asaos, escrava, sss,a>-
philis.
Luiza, Pernamboco, 15 das, escrava, Boa-vista, t-
lente.
Jacintho, Peroambaco, 24 utos, solietro, sertvo,
Boa-visi.4, phiysica.
CmtlUCA JID1UAIU
frauda.'-a fazenda publica, o presidente nao s es- Agrcola daquella provine^ ;0 qQa, ^^ ^ ^
tova antorisado pela lei citada a proceder como gao na impre- ^ 0Q prosegot^ento de sna publi
procedeo, salva a consideragio j feita, mas qae a (cacan deseiar nao soffra tropeco.
medida para o momento
fol ntil ou conveniente.
e caso de qae se tratav
Saudamos
I credor-
ao collega com o aprego de qae
TRinCVAL BO C*MJ
ACTA DA SESSAO ADMINISTRATIVA DI 5 DE
FEVEREIRO DS 100S.
PRISIDKNCU DO EXM. SB.
AMstxMo nuirasco__
As 10 horas da manbaa, estaadoi
deputados Rosa, C AJcoCorado, Basle
Clj


PHHH
Maris ie rcffMMtoM* Qnarta felra f ie Fevereiro de 1863.
a
t
sr

=
ss
:.-.:
presidente declaran aberla ses-
da sessao antece-
1,833:371*710
.4431441*220
LeaLoExm.1
fio.
Lida, foi approvada a acta
dente.
kxpMbjwt.
Ao Sr. annntedo Mtftnda Lea fo* distribuido o
livro diario de Joaquim Rodrigues Tavares de
Mello.
DESPACHOS.
Reqaerimento de Amorim & Irraos, procurado-
res bastante: de Antonio Joaqaim de Souza Ribei-
ro, jwdindo qae seja admittida a registro a, njocu-
raeao bastante, qae juntara.Ragtetre-se.
Dito de Antonio Francisco das Nejes, qne tendo
celebrado cora Domingos Jot&da Sdva a soeieda-
de era commandlte conforme >o linio qae junta,
reqoer qae se admita-,* refino O'dlto ttoto.
Visa ao Sr. dezembar|ador toeal.
Dito de Pearo Claudino Daart e Adelino Clau-
dioo uuarte, negociantes esjatrelecidos na vjlla.do _____
Piar das Alagoas,,que lando entre si estabelecido *.-:_. fji:a| ,uImia* Ha Rm&il om Pr-
uma sociedade sob a rasao-de-Ooarte & Adelino UHia IUiai O BaiCO 00 BrftSIl em t
necessitam que seja registrado o respectivo con-; Bambuco
trato, qne Juntera.Visa ao Sr. dexembargador BALANCITE EM 31 DE JANEIRO DE
diversos, outros ban-
-TT3-
Creditos
nos e cSixas"nTiaes
Caixa :
Bmmoedaxow^ie
FASSIVO.
Capitel fornecido pela caixa ma-
triz ........
Depsitos.......
Crditos diversos, outros ban-
cos o caixaa filiaos....
Recite, 5 defevereiro de 1866.
W.J.Hayvs,
Accountant.
3,1ri3!WI#W
888aMf890
1,475:011*570
1,349:908*120
3,713:811*880
fiscal.
Dito de VM5torino Lopes da Costa, Antonio Joa-
quim Fernandes e Domingos Martins de Barros
Monteiro, para ser admittldo i registro o papel de
dissolucao de sna sociedade sob a rasao social de
Lopes, Fernandes & CVista ao Sr. dezembarga-
dor fiscal.
Dito de Felisberto Ignacio de Ohveira, proprie-
tarto da escuna nacional Ernestina, entregando .a
carta de registro de dita escuna por se ter perdi-
18661
Letras descontadas.
Com duas asigna-
turas residentes
no lugar do des-
cont......J
Com urna s dte
dito.......
ACTIVO.
101.649*987
3:317*i49
104:967,5236
do na coste do norte.Viste ao Sr. desembargad- r **
Letras caucionadas.
oait), prata e
ttulos commer-
eiaes....... 1K:471*060
Poroutrosrtitulos. *
Letras a receber.
Saldo desta conte.
CotUu correntef.
fiscal.
Dito de Jos Gomes de Mello, continuo do tri-
bunal, pedindo per certido o da, mez e anno em
que entrara no extrcieio de seu eraprego.Como
reqoer.
Ja vistos pelo Sr. dezembargador fiscal.
Dito de Joao da Cunba Magalhes, procorador
de Antonio Agapito do Monte Bello, para que se! g^ ^sta conte
d baixa no registro da escriptura de bypotheca, ),eiS0S
que juwa.-omo. reouer. SaWode variascon
Dito de Augusto Fredenco dos Santos Porto e M$
Jos Pereira Bastos, para ser registrado o contrato Caixa......
de sua. sociedade commereul.Satisfagam o pare-' pnion lomialnn w
cer fiscal. toresr 1
Comnareceodo Manoel Jos da Molla Jnior
avallador commercial ltimamente nomeado, pres-
to juramento de beni servir o drto emprego, as-
sigoando o devido termo.
Nada mais bavendo a despachar, foi encerrada
a sessao as 11 boras e meta do da.
15:471*060
11,363:848*017
736:767*206
2,231:435*353
SESSAO JUDICIARIA EM .5 DE FEVEREIRO
OE 1866.
PRESIDENCIA DO EXH. SR. DESE3UARGAD0R
A F. JEBETTI.
Secretario, ulio Guunaries.
As onze horas e mete da manha o Exm. Sr. pre
sidenie declarou aberla a sessao, eslaado reunidos
os Srs. deserabargadores Silva Guimares e Res e
Silva.-.e os Srs. depuiados llosa, Candido Aicofora-
do, Bastos, e_Miranda fceat.
Lida, foi approvada a acta da precedente ses-
sao.
Foi lido o ofijeio de .27 do raer prximo passado
do Exal. Sr. conselhelro presidente da.provincia
transmittindo um exe.mplar impresso da consulta
da seccao de jstiga do cooselho de estado de 23
de stembro ultirao, decidindo qae as mulheres
dos cousutes e vicecnsules esto comprebendidas
na duuiriua do aviso .de 17 de dezembro de 1857,
e devera depr como testemunhas, nao em juizo,
mas em sua residencia.
JULGAMBNTOS.
Appellante, Joaquim de Souza Maia & C. ; ap-
pellado, Pedro Gongalves Pereira Cascao.Adiado
Da ultima sessao.
Confirmada a senteoca appellada em parte, e em
parte reformada.
Por pao ter comparecido o Sr. dezembargador
Accioti nao paderam ser propostos os seguintes
fetos entre partes :
Appellante, Joao Pinto de. Lemos,Jnior ; ap-
pellado, AatOQlo Peregrino Cavalcanii de Albu-
querque.
Aporrantes os curadores fiscaes da massa falli-
da de Jlo Baptista Gongalves Bastos; appellados'
Meti, Lobo,& a ,
Appellante, Manoel Ignacio de Siqueira Cava!-
cante; appellado, Joaquim Salvador Pessoa de Si-
queira Cavalcante. ,
Appellante, Francisco Antonio Pontual; appella-
do, Antonio Gomes da Cunta e Silva.
Appellaotes, Joaquim da Costa Lima e outro -,
appellado, Jos- Rutino de Souza Rangel, ^
Nada mais havendo a tratar se o Exm. Sr. pre-'
si dente encerrou a sessao a raeia hora depois do
m^iodia.
TllIBliiL A BELA^AO.
SESSAO DE 6 DE FEVEREIRO DE 1866.
PRESIDENCIA DO EXM. SR. C0NSEU1EJR0
SOUZA.
s 10 horas da manha, presentes os seobores
deserabargadores Gitirana, Lourcnco Santiago,
Guerra, procurador da corda, Almeida Albuquer-
que, Motla, Assis, Doria, Domingues da Silva, e
Costa Vitara, fallando os Srs. desembargadores
Santiago e Ucha Cavalcan, abri se a sessao.
Passados os feitos, deram-se os seguintes
JULGAHENTOS.
Appeiiacoes crimes.
Appellante, o juizo; appellado, Joo Jos Barbosa.
A novo iury.
Appellante, o juizo; appellado, Jos Caetano dos
Santos.
Improcedente.
Appellante, e juizo ; appellado, Manoel Leao da
Fonseca.
Improcedente.
Appellante, o juizo ; appellado, Candido Hera-
clio Constantino.
A novo jury.
Annpllftpso ciV6l
Appellante, Vicente Mendos Wandertey; appel-
lada, a parda Guilhermina.
Desprezados os embargos.
V HABRS CORPUS
Indeleriose a petico de Claudio Jos da Costa,
e coneedeo-se ordem a Antonio Joaquim de Olive!-
ra, para o dia 10 do correte as 11 horas do da.
DILIGENCIA CRIJIE.
Com viste ao Sr. desembargador procurador da
j us tica
Appeilante, bacharel Manoel Januario Bezerra
Montenegro; appellado, Amero Francisco de Paula
Cavaleanti.
DILIGENCIA C1VEL.
Com viste ao Sr. desembargador procurador da
corda
Appellante, A irmandade de S. Jos da Agona ;
appellados, os herdeiros de Antonio Pereira de
Azevedo.
passagkss.
Do Sr. desembargador Guerra ao Sr. deserrrbar
gador Loureoco Santiago.
As appellaeSes civeis.
AppeWante, Josepnina Sebastiana Cavaleanti Al-
buquerque; appellado Bernardo Jos de Barros.
Appellante, Josepha Mara da Conceico e filhos;
appettetfo, Jj Ribeiro de Lnotros.
Reviste civel.
Recerreotes, Feliclo Jos B'orges e sua mulher;
recorridos, Jos Mendes da Coste Rodrigues e ou-
tros.
Do Sr. desembargador Louren 50 Santiago ao Sr.'
desembargador Almeida Albuquerque
Aappellaco en me.
Appellante, o juizo; a"pe11a*o, Felisbello Jos
da Silva.
Do Sr. desembargador Motte ao Sr. desembar-
gador Assis -
A appellago crime.
Appellamte, o juizo ; appellaao, Jos Francisco
da Silva Pimeota.
Do-9r. desembargadoT Assis aoSr. desembarga-
dor Doria
A appellaces errines.
Appellante, Estevo Vicente Ferreira; appeHjtda,
a jasllca.
Appellante, o juizo ; appellado, Estanislao Joa-
quim de Mimra.
Do Sr. desembargador Vieira ao Sr. desembar-
gados Santiago
A appellago crime.
AppeHatrte, jofz*; appetlado, Vsente de Soma
Ferraz.
Appeilante, Atasfoio Lopes SilveiM; appellado,
o juizo.
A*pelUote, Antonio Ferraz Pinto ; apfteflado o
juizo.
A mete hora da (arde encerrou se a sessao.
Em moeda de ou-
ro e aquila-
tes ........4,2o8:050*000
Em notes dolhe-
souro do valor
de 10*000 54:800*000
Em oslas menores
de 10*000...., 8:317*000
Em moeda de tro-
co ........ *077
Era notas do ban-
-T* M Jn D.UJI A
63:017*080

co do Brasil e
dascaixasdliaes
domesmo...... 163:000*000
EmiMttesda pro- .________J
pria caixa.: 103:230*000 2,586:297*077
16,958:635*949
Passivo.
Banco doBrasi contado capital.
Valor fornecido pe-
la caixa matriz.
EtnissSo.
' Valor em cirouli-
2,000:000*000
renegaram seu Deas e suas creooas,,.qrds*siw>f:
nos levantar a oppr s expdr a vai#fl..sootr*.o
embustes da meulira revestidas da^pM^S ergua*
seductoras a arroster os Incautos, os b**s<
imbecis; para estes, a ver se urnii ijapaffi"
fazer acordar em sen coraco o s entiSMM*4 ver, o amor de ueus que s o sabe eoslnar o cartio
licismo, as crencas to santas e tio poras que s a
Mu Umr o commandante do destaca *- -jft PlApida dft larraV & UllBiaB'
.da MMMuntd facto, (U seguir urna pairo- *?* B riBllUd uc jarrajr m. *"'
to soldado Bezerra* Voltoa a pa- verdade e^ousa mai qu^frad^ro
vn*-tta oler trazido.Na maohia seguate podermos contribtMr -ourtciir mn'nooie
T*t>encontrando Bezerra, e condtuindo dicado meio de del^itavel prazer Rara o
"^Sio ao meu conheemento todas es.as cir- &enti' e bf n eio." Lahman 6 Kemp por
..,.u,d, cusas ,rtU B.uw o .au ^ui:. 4uo <. .cumsoocias, mande! em cooiiaeaUMiaxar apn- sem du?idaalguma,conseguiram e^se aese-
ereja calholica sabe embeber n'aima do peccador. -sao em qae se achava Maria eMttf Anoa, re- jado fim, introdaziodo a Agua de Florida de
Qaanto aos prlraeiros, aos doaitnadores nesia so- pro**o o procedimento que se tbkaa tido-ptra Murray e Lanman, (COJO artigo ha mais de
ciedade, acho beeo.dMBM que ttja algama palawra convela. ^, oidn qne possa prodozlr selles mais do queosorrl- Todas estes ocurrencias leve* asycothetiniento "uie w in siao COMtanie iavonio
so e ossarcasmo. Sao eiles os filhos da corropeo do Eira. 8r. eeoselheiro presidente -da^prortocia : :'P"ra O tOUCaaor em toda America Hespa-
0e prodUiofcperiJadflsuas crencas ;.sio elles por o que -flz tm date de 36 de outnbf sendo..que BfiOla) ao COnb^CBieatO'tdas SeDboras deste
sn v#6 raoiwsssm ooolinuaiao esa priineiros, por semelbanle occasio submetti xsswsid*cao p,z#
'ST'dSSS;-..',. r,.. -t 2232.1 SSSSSS.S! ^ ^ *-*
sade nsuar f^alerados embustes os spticos do mu positivo relatava o fado,declarando que m reconbecidas e Otjngadas pan 1
em caminho dajmpiedade. para conservar este po- Franoisoo^sserra-sstevaaoylsdo polo roadeitoofl
vo ainda-suseeptivel -de salvacao. Quanto aos on- proprietario da fazenda onde morava.
iros.da miuua*arta nao lenbc animo de dirigir Ihe E pois, tica assim desosda-amesda qoe q*ixe-
palavra alguma, perdidos como se acaam na ado- ram tecer os informantes do Liberal; surprehen-
dendo assim a circumspecco e gravidade dos re-
dactores do mesmo jornal.
De ve se ter em conte o ter en smente agora
explicado ues faetos: porque tambera smente
agora chegaram elles ao meu conhecimento.
Eogenho Ribeirao, 96 de Janeiro de 1866.
Coriolano Vellozo da Srtvttra.
raco do bezerro de ouro. Lamentndoos, pela ca-
ridad chrisia, sraeate sumes toreados a delles
nos oceupar para mostrar nos seus tmbustes o iaco
pretenciosa Ignorancia e a Irreflexo. Nao nutri-
mos sentimento algom de despeito coaira esses que
lera abanderado a fe cmholica, nem mesmo contra .
aquellos qne se lazem orgo da estupida propagan-!
da protestante, por que nao saber o que fazem.
Embora seja serapre o orgulbo a base on o pria-
cipio do abandono da mais para fe, a do calhoHco,'
todava esees em suas oonsciencia nj cumetiera ;
urna Infamia, nem coosidecaav no mal .que podem
fsr
Aos finos. Srs. desembarf adores da relacao
de PerBiBBuco.
Nao devo consentir que o embuste contine, a
pregando contra a huroldade cnTtstia, qne 'aoferir proTeito-deTnim, pnbremoca, qne ha-tres
s cornpaiivel no calhleslsmo.
Para o protestante Jasas Christo no o filho de
Deus o mesmo eus; ara mestre cuja doutrina
cada um ,a entende como melber pbilosopbo se
possa fazer ; e o peoieslaolisuio nao prega iberia-
mente contra a dtviodade de Cbristo, porgue-seria
romper com a ereoca popular, que s pode sedusir
meses desta parte, viva esbalhada de meus direi-
tos, e tratada a lata de vil escrava, coso se livre
nao fura, e nao livetse.vontade livre na escolha de
um hemom, qae repula digna de min, assta como
ea Jbe psreco digna dalle. Bu devoeipllcar-rne.
Por accordo havido entre mim e o Sr. Francfeco^e
Assis. Athelano de S^uia sabi da casa de minna lia
e fater-la protesiar>te e impta,< nngindo reeonhecer e mairinha a Sra. I). Mara CaroHna Psisda de La-
em Cbristo o filho de Dees, ^desiroindoao mesmo
lempo essa divindade, fazeodo cada um juiz dos
pre ceiios do mestre.
Se o protestante nao er na 1 divindade de Cbris-
to, como real, elle nao lem religiao, como tenho
dito qne nao o o protestantismo; e por. tanto bem
cerda por nao poder suppertar os taaus tratos, se-
vicias, que infligan), qnando se soube^neno-rae
servia ouiro esposo que nao mesmo Sr. Francis-
co de Asis. ---------------"
Devo coafessar, por amor a verdade, que antes
de confessar o meu amor, ful 6empre bem tratada,
pode o protestante especular com a religiao, pre,- -por minha 11*0 madrinha aSra. D. Maria Carolina
ga-la como quizer a seu proveilo, visto que ella Pessa de Lacerda.
para elle nada mais do que um meio de viver Meo pae, o Sr. Jos Serapio Bezerra de.Mello, a
neste mundo... -' ; quera s me cumpre respeilar e veoerar, eonvinh
Assim i; ha rasao de se injuriar o propagan no alludido casamento: teaho serias razoes para
diste do priu^taelismo, quaodo raso de injuriar para aflJrmal o. Entretanto digno de lastima qne
bouuesse em caso algem; nem injuria >e deve ja- elle, embora sna grande pobreza, nao tivesse cora-
mais ver de minha parte ao menos as palavras gem para dignamente repellir, como Ibe cumpria,
com qae basco levar a luz,'no quanto era mira ca- sobre tudo depois dos akiroos acontec melos que
be, ao menos cantos e refieetidas que eu-, per qoe todos sabem, essa opposico caprichosa e raesqni-
aquelles que tiveram a desgraca de perder a f nlia, que o Sr. Antonio Servlo Pessoa de Lacerda,
calholica, e ainda mais, do pregar contra ella, era- que se diz meu primo, tem aetenvulvido contra o
bora lodo o mal que possam faaer, sao dignos Sr. Francisco de Assi3, para comlgo nao casar-se I
da iaiur coraiseracao, rilha da caridade evaogeli- llavera' qaera nao acredite ? Son incapaz de men-
ea, dessa. das primeiras -vlrtades chnstaas,qae nao lir a face do publico, e esneelalmente fallaodo aos
aqaeHa firma 'eioprebenderiora.vpois ^oe,
se o artigo em ipieito ou torga e d ao len-
co de fina cambraia ama fragrancia delicio-
sa e summamonte refrigerante, e s faces
ama alvura doce e juvenil, ella igualmente
possue a rara eflicacia e virtode de fazer
rwiover a ardencia causada depois do fazer
da barba, assim como -dissipa o mo gosto
depois de se haver gozado as bellas fumacas
d'um cbaruto.
Deso rida era agua, serve ella de grande
proveito para a coQservaco dos denles e
geqgives/ dando ao paladar um gosto suava
e agradavel Am.pois dsse poder con-
seguir o disfructe de todas estas vantagens,
indispensarel se torna o possuir-se a real e
preciosa Agua deFtendi de Murray eLaa-
man, e nerjhuma outra mais. (Haja o
cuidado de examinar na occasio da com-
pra desta agua,.<}ue os nomes de Murray e
Lanman, se acliem inscriptos sob caja en-
voltorio, letreiro e at mesmo,. gravados
no prupriu vidro das garrafas e na ausencia
dos mesmo*, toda atinis falsa.
Acba-se a venda as pharmacias de J. C.
Bravo A C. e Caors Barbosa.
um seaiimento forcado e sobrenatural; qoe 6
pelo contrario o mais natural dos seolimentos, o
qual o boniem nao eonheceu no paganismo, peta
prevancacao 4e suainaiuresa, reaftttKada pelo bai-
usrao e pela mais san doutrina da palavra mais
sania.
A caridade dasprimeira virtudes por quesera
ella, nao ha virtude alguma. E ella um sent*
ment, e nao ha sentimeoto sobre-natural.
Qnando Jess Cbristo no la encinon e presera
Srs. deserabargadores, esses respeiteveis e vene-
randos saeerdous da justica.
As iasolencias do Sr. Servato de comsnam accor
do cora alguos carenies tresloueados teem ehega^
do a ponto dediaerem : < sabemos jue ella (re
feriodo-se a mim) nao serve boje senao para elle
(o Sr. Franeisc de Assis) mas nao queremos qne
se effective o casamento, colloca-se ella, em um re-
coltmento, e ao depois arraoja-se um rapatlnho.-a
quera se dar aiguma consa, o enteo faz-se o caia-
cao.
Letras a pagar.
Por dinbeiro toma-
do a premio.
Por saques. .
Mostos.
Saldo de-variascon
tas........
Lucros e perdas.
Lucros sajeitos a
liqnidacao. .
13il07:30C000


I,813:8o9l4o5
37:5063494
16,958:7333949
O guarda livros,
lanado Nnnes Coma.
Communicados
A propaganda protestante.
I.onilon k Braslllan Ilank ( U-
nlted). '
Capital do banco 15,000 acedes
a 100. ". 13,333:333*330
Acc5es emiltidas I2fi00 a 100 H,855:55oM50', itestromo-ni?-prmelras ciasses desta sociedade, pe-
Capitel pago a S Crporaccrji. 4JI2:22M220 I* corrBpcao da pofitiea, qao tem tudo corrompido;
BALA.N0OPA CAIXA FILIAL EM PERNAMBUCO,
EU 31 DE JaNEIHO DE 1866.
I
o-^esfecho do drama de todas as imnxoralWa-
d':s desta sociedade .0 qual ha tanto tempo si re-
presente oeste iBfeJiz-.terra, pelos manejos da po-
ltica seuopre e cadadja mais torpe; o resultado
da corrupcao das primeiras ciasses que tem perdi-
do lodos os sentimeotes, sb*titnindo-os todos pelo
da mais desenfreada ambicio ; dessas ciasses que
em nada mais er seno em todos osmeios de rea-
lisar essa ambicao; o resultado do grande prin-
cipio do septielsmo das ciasses medias, conduzidas
pelo exemplo das pnmeiras, e instigadas pela falta
de todos os recursos para viver, oceupadas e pre-
ocupadas na idea ee sustentar ocorpo, a vida ma-
terial, nao pelo trabalho que cada dia mais Im-
productivo entre nos, mas por todo outro qualquer
meio fra delle; o destecho do drama, o resul-
tado de todas as immoralidades, nascidas todas dos
manejos da poltica neste paiz, a presente propa-
ganda irreligiosa, que tanto vale a propaganda pro-
testante, qne ora se levanta em um palz to catno-
lico como este o fra em sua totalidade, e como
ainda de tacto e so o na massa do povo.
Quando o prego, ambicao a torpeza, esto
perdidos todo a sentimento, toda a f, toda a creu-
ca, est nao s mona a alma como o espirito, por
que este nao tem mais necessidade de cultura, e a
sociedade assim se materialisa e embrutece. Deus.
prirasira coodico de todo sentimento, o que pn-
meiro por ella esqueeido, se nao lembrado s-
mente para ella condemoar ou criticar os seus pre-
ceilos. lntao no elle un s Deus para lodos, ca-
da ora engendra o seu, accommodado a seus tins,
no orgulbo da infamada ignorancia, na ostentacao
de nma liiteralura material, pretenciosa e pedantes-
ca. isto o protestantismo, que ser tudo meaos
urna religiao ; essa a soeiedade brasilelra, que s
se cultiva* na intriga e na torpeza para cada um
realisar sua ambicao, e mais nao sua alma na bu
mildade das cousas santas, nem mais seo espirito
00 icabalho para o conhecimento da verdade, cada
um conforme as suas torgas e raeios, e o tempo de
que pode disiir. ,As lfilf.as, caoio ludo .0 piis en-
tre nos, s meio de satisfazer o ventre. E' por Is-
to que agora assim.altivo se ostenta o protestantis-
mo na trra dt Haota Crnz; por isto que se bate
palmas de tnumpho a essas paginas que no fundo
s contera estulueia 1 e puerilidades, que s o
que se pode em favor do protestantismo produzir,
0 o qne so pode ser envido em urna soeiedade
era que a piedade nao est mais na alma dos
priacipaos, nem Deus uo seu coraco ; a essas
paginas que na forma potico mais cooler alera
de transcripcoe^ incompletas e desleaes de pro-
prios autores cali),lieos, feites pelo principal
carapeao da propaganda ja apanhado em escanda-
loso plagalo. Porque es.-e applauso desses leitores,
e to mal habilitados,dando a palma do tnumpho
osteoeo da irapiedade? E' que uns sao outros tan
ios impos, outris livianos ou irabecis e incautos,
sceplicos, pete corrupcao desta trra; que o
Deas nico qne ainda lemem sondando os archa-
nos de sua cooseienr-ia, um resio de peso de que
aproveitam a feliz occasio de Uberlar-se para mais
desimp'-ga lameoie correrem no caminho do pro-
gresso, seguiodo cada um o seu Deus, modelado
por sua couscieocte, que, livre de todo o preceito
coramuffi.se pode serapre modificar segundo as cir-
curastancias e as necessidades.
E' por isto que o protestantismo ousa levantar
entre nos altiva a sua voz. por que seus-adeptos
j sao em numero espantoso, e dos primeiros da
trra, os que so prestam culto a sen ventre; por-
que sendo j nada Deus para elles, qoerem uro si-
mulacro de rerigiio s pro formula e por hypocri-
sia ante o poro;-per qne c protestantismo s pode
entrar as conscieoefas em que s Deus mate-
ria. Para esees essa peste nao vem como propagan-
da neste pait; para estes e la toca a trombeta, s
vera coagregar. A propaganda para os spticos,
para os incastos irrefledidos, para os tolos e pre-
tenciosos de saber e de hbwdade, os estultos qne
s tem olbos para ver o es jraplo do que brilha e
ostenta ea sociedade, rindo-se quando os grandes
riem-se, motejando qnando os outros motejara, at
ds eonrais saotas.'daqnellas proprias que foram
desde o-bereo irafondldos no sen^orago, pela voz
suave e cheia de ungo com que' nossas mais nos
mostraran) a grandeza e ircmensldade de oos-a re-
ligiao na eoatsmplagao do voluntario e maicr de
todos os sacrificios do santo dos santos, que s cora
1 presesenca de sua sacrosanta iraagera tem pri-
duw'do tantas conversos.
Tudo isto esqueotdo, por qne o sentimento est
wu, iavou soraenie a alma da irapuresa quedege-' ment qoe insolencia, qoanta protervia I 1 que-
nerara essa virtude. rem dispor de minha veotade, e de meu amor, co-
A quera ama verdadeiramenle a Dens, contor-' mo de ama escrava em almoeda 1 Nao salisfeltos
me no lo encina a igreja, nem falta nem dinlcil cora estes dtsoencrtos derazao que dinwociam, o
essa virtude. Se por ventura a vedes rara, raro arrojo do Sr. Srvelo, animoa o a dizer, cem todo
o einysmo posslvel com o nosso dinbeiro Ja non
seguimos aqoi urna senteoca, e ser o mesmo di-
nbeiro que nos ha de dar triumpbo da causa no
Rente. Este diser oV>Sr. Antonio Servlo inspira
apenas compaixo, nao digno mesmo de urna in-
dignagSo.
E-nottvel qae tendo eu ebegado m*Md au-
nes de Idade, requerendo agora supprimento de
idade, qne poda fazel-o de-de. os dezettoanaos,
esse direilo me fei>denegado I Afora mesmo an-
da o Sr. Antelo Servlo 00 Recite de casa ero
casa assacando tojorias e inventando mentiras
contra o Sr. Francisco de Assis dizeado ser este
um cabra.
O Sr. Antonio Servlo quer ser, mas nao de
melber condigao que o Sr. Francisco de Assis.
esse amor; tambera, era tal caso, raras veris to-
das as outras virtudes. Ella esta' em cada um
senpre na mesma proporgo do amor e do temor
de Deus.
O que acbais na caridade esforgo sobre-natural,
nao o tal ; qnando necessario o esforc, nao o
sobre-natural; contra a alterago d'auna,
contra o. sentimento prevaricado. A affensa tere o
amor proprio, a dignidade, altera o estado natural
d'alma.
Para a caridade acudir prompiamente preciso
o e.'forgo, tal seja o grao da ofteosa, se o hornera
nao tem serapre presente o preceito com proposito
de pratica-lo. Has passado o momento e entrando
a reflexo, cada um que soccorre-ses verdades
e primeira das verdades evagelica, considerando
como todos carecemos do perd e do amor de Deus 1 sirva este corarnuoicado de um solemne protesto
e do protimo, enteo nao sera' diffkil a caridade, contra os embustes que se ha levantado neste ne
se o orgulbo nao nos arrasta pela presumpgo de
I SQperioridade no que quer que saja. *
A caridade suppe a f, e se da, por qne espe-
: ramos. Quando est Dos presente, e delle espe-
; ramos a graga, que esforgo mais perciso para se
, dar i candado ? No memento da colera, nao este
' Deas presente, e o espirito mais ou menos tresva-
ria. Ainda eotao ara sentimento que nos domi-
na, o do amor proprio ofleodido, o da dignidade ; j Srs. redactores.Tendo sahdo a' passeio do en
mas alterado, levado a excesso, em desequilibrio j genbo Gutiubajpropriedade de meu to Silvano de
com os ontros. E' isto da naturesa humana, por Araojo Barros e Albuquerque, onde estou passan
que ella fraca; somenie o santo que nunca se &0 alguns das aflm de tratar de minha saude, no
altera. Mas para que a roflexo, para que sao m 28 de Janeiro prximo passado encontr! ora
os preceitos se nao para chamar harmona natu- individuo que .e dlrigndo a mim, perguntou-mese
gocio, e declaro alto e bom som, perante Dos e os
homeos, qoe nao exposarei outro que nao seja o
Sr. Francisco de Assis Athelano de Souza, a menos
que umde nseaia ao puohal do sicomo, arvora-
do pelo Sr. Antonio Servulo Pessa de Laeerda, co-
mo se falla na villa do Limoelro, onde estou depo-
sitada.
ral o sentimento alleradu?
Para que sao os preceitos, a lei, se nao para re-
gular e ensinar esta harmona?
Disculpe-se-me a digressao, que, fallando da ca-
ridade, sent a necessidade de, com a devida venia,
oppor a nogo que delta tenho ao que neste Diario
foi dito a este prepsito, de modo que pouco exac-
to me parece.
estiva em meu poder o escravo Manoel frade per
tencente a meu pai.
Conhecendo eu que aquella pergunla parta de
um qudam to celebre em furtos e roobos mora
dor no eogenho Terra Preta propriedade de meu
pai, o qual ja' bavla dito a seus parceiros que o
verte buscar caso estivesse o escravo em meu po
der, achei prudente nao s responder afflrmaiiva-
Na presente opposico propaganda protestante, mente ao tal individuo como tambera fazer sciente
or conseguinte tanto menos posso atirar alguma ao publico que o escravo estava em meu poder e
injuria aos propagandistas, qnanto nenhuraa offen
sa hei recebido d" a>gura delles, e nem quaado
a wnlia a receber, do firme proposito em qne estou,
empentado n'uma causa to santa, cuja doutrina
Do deve ser desmentida pela incoherencia na pro-
pria defesa. Assim nao nao sera', espero em
Deus, a ameaca do principal propagandista, nem
a execeugo dessa ameaga, que rae demovera' de
toda a calma, nem que me contera'. Procurei es-
tar sempre guardado pelo santo preceito de que.
me armo: a caridade no momento em que tomo so-
bre meus bombos e.-ta tarefa, arrastedo pelo im-
pulso de meu coragao, e que so nao acho ardua,
por que somenie a procuro desemoenhar no quan-
to rae parece caber em nimbas Torgas, nascidas s-
mente da f, conforme a ensina a igreja calholica.
Recite 6 de Janeiro de 1866.
Affonso Correspondencias
que o tal qudam nao gosa de titulo algum que me
ponha fora do gozo do escravo, como me tem pas-
to de tudo quanto poda gozar da casa de meu pai.
Engenho Gutlnha Io de fevererro de 1866.
Ulysses Correia de Craslo.
ATTENQ&O.
Xarope.alcboolico de veame, preparado
pelo pbarmaceutico Jos da Rocha Prannos,
estabelecido com, botica Da ra Direila n.
88 emPernambuco.
Esle xarope iocentestavelmente superior
a todos os xaropes depurativos, de cuja
composico o seu maior ele-1 ento a salsa
parrilha, pois que se tem coobecido ser o
veame mais enrgico para a prompta cura
das molestias, cuja base esseacial depende
da rRirilicacSo do sangue ; assim pois s
tem verificado por muitas pessoas que se
achavam desengaadas, as quaes acham-se
boje rcstabelecidas com o referido xarope
alchoolico de veame; entretanto que al-
Iguns, tendo usado do xarope de Curinier,
de Larrey, de salsa parrilha, de saponaria,
oleo de igado de bacalhao, e outros agentes
desta ordem nada conseguirn!. E' elle de
fac! digesHo, agradavel ao paladar e ao ol-
phato Alguns mdicos desta cidade e da
de Macei o teem recommendado para a cu-
ra das
Impigens, tinha, escropbulas,
Tumores, ulceras, escorbuto.
Cancros, sarna degenerada, fluxo alvo.
Todas estos affecces provm de urna cau-
sa interna; nao ha pois razio alguma em
crr que ellas se podem curar com remedios
externos. Tambm se prescreve o xarope
alchoolico de veame para o tratamento das
afleecoes do systema nervoso e fibroso, taes
como:
Gotta, rheumatismo, paralysia,
Dores, impotencia, esteriliclade,
Marasmo, bypoeondria, eramagrecimento.
O xarope alchoolico de veame sobre
tudo, da maior ntilidade para curar radi-
calmente, e em pouco tempo o rheuma-
tismo.
Ad ver te-se que o verdadeiro xarope s se
vende nesta cidade na botica cima indica-
da, do abaixo ass:gnado; e em outra qual-
quer parte que se tem annunciado n5o da
mesma composico, e nem o abaixo assigna-
do se responsabiiisa.
Jos da Rocha Paranhos.
COMMERCiO
Publicares a pedido
Senhores redactores. Muito doe a ingratidao,
disse Jess Cbri.-lo antes de ezplr^r.
No dia 1 do passado, peas 1 horas do dia, ti ve
nm ataque fortissimo, que me leven a pedir a con- j
fisso, que, apenas nudo, me foi dada pelo meu!
commissano, bem como o viatico e a sania ungao. enenie-coronei jse ae Moraes uon
iudispensaveis para passar outra vida verdadei JJaJ0,r.L,"z Cos" ^J10 Carreiro.
ra, memorando pela noute adianto. Fui, com pres-1 Joao wg Balcelar.
Eleifio dos juizes e mais devotos que hio de festejar
. o gloriaso martjr S. Sebastiio ncsla villa do
Cabo no anno de 1867.
Jniz por eleigao
O Illm. Sr. capito Joao Luiz Gongalves Ferreira.
Joiza por eleigao
A Exma. Sra. D. Oiindina esposa do Erra. Sr. Dr.
Manoel Clementmo Carne-o da Cunha.
Juiz por davogao
u lllm. Sr. Antonio Joaquim Cavalcante.
Joiza por devogao
A Exma. senhra do Illm. Sr. Dr. Andr Caval-
cante de Alboquerqoe.
Juizes protectores
Os Illms. Srs.:
Teneate-coronel Jo2o Paulo Carnelro de Souza
Bandeira.
Teoente-coronel Jos de Moraes Comes Ferreira.
leza e atlenco, soecorrdo pelo nosso facullauvo o
Sr. Dr. Leal, que acertou com o meu mal, e fez pa-
rar as torrentes de lagrimas que j corriam pelas
faces de parentes e conhecidos. Os meus ministro
e mordomo foram iocans&vsis no meu iratenepto,
reunindo at nma conferencia dos Srs. Drs. Sar-
ment e Ferreira, qne afinal combinaran! ""
minha molestia Interna. Era viste disso, falta--' eu
ao mais sagrado dos deveres se nao viessegrade-
eer liies quanto por mim fizeram, por mim com ^
aonos e no ultimo.guartel da vida. '
Recife, S de fevereiro da 1866.O recolhido Joao
Baplista GurjSo.
Letras
.ACTIVO,
deicoatadas
2,036:992*950
(i sao os seus meros de corromper por una lado o
estmalo pela torpe" amblgio e por outro cotfie-
quencia do priraelro, a miseria e a neceasidade.
ft5o pois para aquellos qoe em seo corago ji.
Rogo aos Srs. redactares do Diario de Pernam
OHeoa lusergao do seguinte dentro das columnas
de sua cooceituada Revista.
No Liberal de 9 de novembro do anno prximo
passado me foi feta aaccusago de ter dado or-
dem para a priso de Mara de Sant'Anna para o
Ora de obrigar a esta a entregar seu filho Francis-
co Bezerradestinado para o servios de guerra ;
snecedendo mais que a qualiflcago deste era vi-
ciada por ser feite fra do termo legal.
As informacoes que ser vi ram de base forraa-
c-i> desta aecusago carecem de verdade : porqqe
o referido Francisco Bezerra guarda qualigeado
no bataihao ba mais dedous annos, foi designado
para aquello servlgo .em conseltio ; e estes (actos
constam do archivo do mesmo batalho.Inexacta
qnanto asta tambera a ordem de priso, que se
me atlribue, de Mara de Sant'Anna.
O caso simples.,e simplesmente o explico :
Em 14 de alambro do anno prximo passado
aiiuarteliaram Francisco Bezerra e seuJrraao Ha-
noel Sabino que tinbam sido designados para taze-
rem parte do contingente qae liona de prcif o
bataihao de meu comraando par o serv,
guerra.Passados alguns das a rogativas
rula Maria de Sant'Anna dispensei o seu fllho ila-
nael Sabino.
Recoaheceodo a ma de Bezerra qae nao podia
conseguir a dispensa deste, se dirigi no dia 23
de outobro ao quariel, d'onde seguio condazindoi
Dr. Francisco Apoligaro Leal.
Capito Jos Paulo do Reg Brrelo.
Tenente Manoel J>s de Carvalbo.
Juizas protectores
As Bxmas. senbras dos Iilms. Srs.:
Dr. Cicero Odn Preregrino da Silva.
Jos de Albuquerque Mello Loylla.
francisco Paes Brrelo.
Joa\ Xavier Mendes da Silva e as
A-Jxmas. Sras.:.
B, loqumoa Candida de Gusmo.
D. Mana Beoedieta de Senna Matoso.
D. Clara esposa do Illm. Sr. Domingos Ferreira
eves Guimares.
Escrivo por eleigao
O Illm. Sr. Manoel Severino de Amorim Lima.
Escriva por eleigao
A Exma. senhra do Illm. Sr. lente Augosto
Duprai.
Escrivo por devogao
O Illm. Sr. alteres Julio Fernandes da Silva e
Mello.
Escriva por devogao
A Exma. Sra. D. Maria da Coste Salgado.
Tbesoureiro
O Illm. Sr. alteres Joo Chrisostomo de Seona.
Proouratlor geral
O Illm. Sr. AntoBio Pedro do Reg Barreto.
Procuradores
Os Illms, Srs.:
Maooel Francisco de Barros Gampello.
Ignacio Jos da Sirva. ,
Ftrmino Ervansto Ribeiro Varejao.
Manoel Flix daSlva.
Firmino Pompono de Mello Faleao.
AntonioJoaquim Fragoso.
Mordomos e mordomas
Tados os devotos que eoncorrereai oon> snas
esmotas.
Villa do Cabo, 28 de Janeiro de 1866.
O vlgario,
Jos Luiz Peretra de Quetrz.
Moto banco de Peraaiti-
baeo.
O Novo Banco descoma letras a 12 por cento
ao anno, toma dinheiro a praso fixo ou em conla
corrente pelo premio e con Jiges que se conven
donar, e saca obre a praga da Baha
Caixa filial do banco do Brasil
em Pernatnbaco.
De ordem da directora se faz pulico que o
thesoreirj deste caixa se acha auorisado a pagar
o dividendo do semeste lindo em 31 de dezembro
prximo passado, na razo de 12J.000 por aego.
Caixa Qlial do banco do Brasil 15 de ianeiro
de 1866.
O .guarda-livros,
Ignacio Nunes Correia.
ca/xa cha, a ordem.
Umiu.tumitttf!** *la A1
3 caitas obras em fblba, a rita.
11 dtes tas, a JohMM.
3 caixaaleado, ,L Amalea.
8 votomes riendas de algodin, a J. 9mn.
1 dito ditas, a Phippc.
i dito duas, a Munhard.
5 ditos ditas, a J. A. GosaaMar.
22 ditos ditas, a M. Lbame.
7 ditos-ditas, a Axavedo.
14 ditos dius, a S. Menor.
5 ditos dltes, anMera.
6Mos.dNas, a Jotasto.
11 ditos ditas, rtUSitaa-A Gama.
5 voioaane fazenda* de tea, a Mas.
t dito din,a JMMdo.
2 volumes ditas do (inho, a rhipfs.
2 ditos ditas, a A. BMm.
6 ditus dilas, aJ. Pator.
l'dito ditas, a C Nogoetra.
26 ditos duas, a M. Libaman.
3 ditos ditas., a orden.
30 barricas anchadas, a J. Nano.
3 fardos lonas, a J. .Netto.
8 gigos garrafas, a ordem. .
5 fardos saceos vastos, a Forster,
100 cal xas folhas de flaodres, a P, Xas*.
21 volumes ferragens, a- i. Netto.
43 ditos ditas, a P. Viaoaa.
26 ditos ditas, a Jotoatoa.
931 barras de ferro, 32 amarrad* WO **
de arcos, a ordem.
681 barra e UO caixoes, a Jka*toa.
t amarrados folhas de ferro, a or>m.
4 volumes objeotosdiversos a L J. Ferraara
2 ditos ditos, a Tasso.
10 ditos ditos, a O. Boom .
100 amarrados pas, a Jonnatoo.
20 .ditos ditas, a; P. Tiaaoa.
01 torradeiras, a Johasto.
2 barricas prf os, aos nesmos.
'36 toneliad-s podras para calcaaeato, i i. Panr
1 machina para co*iora, a Johosloa.
5 gigos looga, a Silva Card. so.
30 barris maoiejga, a Tasso.
50 barris baoba, a Silva Cardoso.
8 barris oleo de linbaca, a E. Burle.
5 volumes dito de palma, a P. S>-k.
630 caixas sanad, a l. Pater.
60 barris salitre, a J. Pater.
o caixas pbosphoros, a Tasso.
32 dilas ditos, a J. Netto.
20 ditas ditos, a Doarte & C.
3 ditas ditos, a M. Lebamao.
18 dius. ditos, a J. Pator.
10 ditas ditos, a Silva Cardoso.
12 ditas ditos, a Ramos Silva 4 C*arJ-
BECEBEDOKIA DE RENDAS IHTKRN 9 9M
RAES DE PERNAMBCCO.
Rendlmeolo do dia 1 a 5...... 4:WM
Idern do di 6................ 1:3444737
CONSULADO PROYINOAlT
hend ment do da 1 a3....... 21:244^344
dem do dia 6.............. 10uU8|W4
3lMIm
WOVimEnTO DO POBTO
Navios sakidos mtiaS.
Portobarca-portagneza Clnmtom, Mpind
de Souza Amelios, carga asnear.
Rio Grande do Su I -brigue nactoaal Imperial Pe-
dro, capito Vidal Jos da Moda, carga araar.
Parabrigue iaglez Spey, capito J. A. Godel; ea
lastro.
LiverpoolVapor iaflez Oimd, coaMnaadaHt F.
William. carga aloaao.
Obsrrvaco
Snspendea do lamaro para Macei o
glez Wild Hintress, rapilo G*n4a, nm o 1
astro qoe trouxe do Rio de Jaaeiro.
Nao ho uveram entradas.
*"


<'
EDITAES
ALFANDEGA.
Rendimento do dia 1 a 3......
(dem do di 1;...............
Gi:597422
37:678*977
100:276*399
MOV1MEMTO DA ALFAEA.
Volames entrados com fazendas----- 194
* com genero..... 323
- 819
Volamos sabidos cera fazendas..... 149
com gneros..... 244
-------393
Descarregsam boje 7 do fevereiro.
Patacho inglezUogadore Pachetmercadorias.
Brigue iogk Rasnlie dem.
Polaca italianaLinda-ldera.
Escuna hollandezaAde/eferro.
Lugar prustianoAcirefariaba de figo.
Barga franceaVirgtlesal
lia rea inglesa Floa/im/ Clud carv) de pedra.
Brigue iu^lez Ftiny Claud-idera.
Poiaca hespanbolaindiaebarque.
Brigue nespanhol Maria Rosaidera.
Bngne nacienal Selladem.
Brigue nacionalFluminense -dem.
Brigue argentino Volantedem.
Escuna dinamarqueza-Juno idein.
Patacho portuguezJosdem.
Iniportaco.
Polaca italiana Linda, enlranda de Genova, con-
signada aE. A. Burle &. C. maaifestou o seguinte :
1000 restias albos, 230 caixas ago, 193, arcos
para.pnas, 80 caixas balates, 11 fardos cordajiem,
5 ditos chapeos de palla, a ordem.
9 caixas < bras de marmore, 8 duzias cadeira, 6
sofs, a Tas:oIrmo.
10 caixas drogas, a Mearon.
32 volumes, a ordem.
100 calas papel para escrever, 130 balas papel
pardo, 175, degros de mafimore, 6909 ladrilhos,
de marmore, 22 saccas milho miudo, 140 saccas
pimenda da India, 20 saccas Nozes, 308 caixas
man, 1790caixas ma&sas, a ordem.
Lugre prusiano lert, entrado de New-York,
consignado a fhiops B.-otliers & C. manlfestou o
seguinte :
2200 barricas farltma. a Phppes Brothers A C.
Barca inglesa Hosalie, entrada de Liverpool
censienada a J. Pater & C. manifestou o segrate :
100 saccas arroz, a J. Pater & C.
3 fardos barbante, a Johnsloo.
1 dito barbante, a J. Netto.
6 caixas blscoitos, a J. J. Alves.
4 caixas cofres de ferro, a Juhnston.
4 volumes cannos de chambo, a Joboston.
50 barricas cerveja, a T. Christiansen.
3 ditas dita, a Daarte k C.
124 ditas dilas, a J. Pater.
5 ditas dita, a M. J. G. da Fonte.
O illm. Sr. Dr. delegado do 1* distncfo 1
cidade, encarregado do expediente desta
g.in na ausencia do Illro. Sr. Dr. ehefe de
manda fazer publico para rnaheetoaenlw i
interessar possa, a resoloeo qne aeste 1
e a seguinte, acerca dos carros, omnibas t asis
vehculos de coodocgio qoe traasilaia ae^ta ei-
dade. As miradas e sabidas do earraa da agrs-
cnHura e omnibns seo feites petas piala d Po-
dro K e provisoria : os qoe vieren pal
de Panid'Alho e Ponte de Ucha, e bees
animaes orregados com gneros de
torca, devero tomar a direceo daa l
dego, Gloria e caes do Capibaribe ea arfadan a
dita ponte de Pedro II. podeado os oraniba ra-
ma rem pela roa do Sebo
Os carros de passeio podero entrar e sabir pa-
las duas pon tes de Pedro II e Boa-Van.
Secretaria da polica de rnainbwo 31 de Ja-
neiro de 1846.O secretario,
Eduardo de Barros Falca da Lacerta.
O Dr. Francisco de Araojo Barros, eavalleiro a
imperial ordem da Rosa, juiz municipal da 2*
vara e pi eparador dos processos da jurj anata
comarca do Recife, por S. M. o Imperador qae
Dees guarde, etc.
Fago saber, que pelo Dr. Joao Antonio de Araojo
Frena Ileonques, jniz de direito da I* va
nal da comarca, roe foi corarnuoicado ter
do o da 1* de margo prximo vindooro,
horas da raanha, para abrir a 1* sessao da jary,
que trabalhar em das consecutivos: e baeaaea
lije procedido ao sorteio dos 48 jurados aa Um
de servir na mesma sessao, en caaaanaaaata da
art. 328 do Reg. o. 120 de 31 de jaaeiro de i
foram sorteados e designados or c
les :
Freguezia de S. Fr. Pedro Goacalves.
Manoel Francisco Marques.
Dr. Cosme de S Pereira.
Aobnio JosTeixeira Bastos.
Jos Joaquim Das Fernandes Jnior.
Dr. Jos Rodrigues Pereira.
Joaquim Antonio Pinto erodio Jnior.
Tenente Joo de Siqueira Campello.
Capilo de mar e guerra Herneaegildo dan
Barbuza de Almeida.
Jos Cardoso Ayres.
Freguezia de Sanio Antate.
Joo Baptisu Cesar.
Dr. Maooel Buirque de Macedo.
Joaquim Lopes Machado,
Justin j Pereira de Parias.
Manoel Joaquim da Silva Ribeiro.
Dr. Manoel Figueira de Paria.
Miguel Jos da Molla Juoior.
Dr, Joo Nepomuceno Das Fernanda.
Dr. Heunque Mamede Lins de Almeida.
Ignacio Bento de Luyla Jnior.
ur. Beoto Borges da Fooceca.
Jos Pedro de Souza.
Freguezia da Boa-Vista.
Bernardo da Caoba Teixeira.
Vicente Machado Freir Pereira da Silva.
Dr. Luiz Albuquerque Martins Pereira.
Dr. Jo.- Soria no de Souza.
Dr. Pedro de Atbayde Lobo Moscoso.
Jos Heorlqnes da Silva. '
Dr. Joo Vicente aa Silva Costa
Freguezia dos Afogados.
Joo Ignacio de Medeiros.
Jos Marcelino Alves da Fooceca.
Joo Antonio de Araujo.
Dr. Joo Alfredo Correa de Oveira flninfa.
Joaquim Jos Al vis de Albuquerqne.
Freguezia do Poco.
Dr. Joaquim Francisco de Miranda. -
Joaquim Pires Carnelro Monteiro.
Freguezia da Vanea.
Visconde de C.maragibe.
Freguezia de Muribeca.
Augusto de Sa e Albuquerque.
Antonio de Carvalho Soares Brandad.
Antonio de S e Albuquerque.
Freguezia de Jabeatao.
Antonio dos dantos Soozi Leo.
Amonto Francesco Paes de Mello Brralo.
Vicente de Araujo Pinbeiro.
Freguezia de S. Loureogo.
Antonio Jos Uuarie,
Miguel Joaqolra do Reg Barros.
Agostinbo Feljppe dos Reis.
Autonio Pinto da Malte Nones.
Aolonra Gongalves da Silva.
BernardinoZerino de Miranda Alboqoerqoe.
A todos os quaes e a cada om de par si, !
mo a todos os mteressados em (eral, aa
para coraparecerem no primeiro andar
ue foi cadeia, na sala do jary, tai
la e bora, como nos demais dia ean n>-
quanto durar a sessao, sob as peas da toi m nbav
TWB.



i


Oiajri de Pcrna*baco .- Quarta felra 9, de Fererelro dt 1800.

=
,------
E para que chegue a' nqticia de todos, mandei
pasear o presenje edital, que seraMidq e atusado
oes lugares raais pblicos, e publicado pela im
prensa, e taratom remetter iguaea aos respectivos
sabdelegados para publcalos e manarem fazer as
DetidcacSis necesarias aos jurados, aos culpados
stestemuolias que se acbarem em seus dis-
tritos.
Cidade do Recite, 3 de fevereiro de 1866. Ea
Joaqun Francisco de Paula Estuve Cemele, es-
crivo, o subscrevi.
Francisco de Araujo Birros.
O Dr. Tristlo de Alencar Araripe official do
posto?, theoria de cambios e seas applicacj5es. Os O salo acha-se -ricamente ornado com lustros,
co;uejenies Jetero previami nie apreseotar seus estatuas, quadros, espetos, vasos com flores, ban-
requedmeojof tasiruios de dteuroeutos que pro- deiras etc.,etc.., seiaqua para,este lim se lenha
vein liada;cofipteu dq i8-annt8, isence de pena poupado dusp*w,aWa,
axoy^, ebpp naportamentoa* frmalo ari. 3. A banda de msica .do Io bauHiao da guarda
dp difreto 0. SoJ9-.de I4le maejo de 180. nacional deste muqiQip'jo, sob a.dteecgao do seu
Secretaria da tbesouraria de iazeada de Pernam- j distincto meslce qua.te.ui:!de Tuqceonar nos, ex-
Jos da Costa Oliveira,. retira-se para
de Janeiro.
o Rio
nuco em 18 da Janeiro de 186.
Sentado de offliial maior
______ IkufotLiJot Mato.
II I I. ....---------.... 'WH
Obras publicas.
De ordem do Illm. Sr. eogeuheiis em cnefe da
repariisao das abras publicas se, fas. publico que o
imperial Ordem da Rosa e juiz especial 0%. cpneuw barajo pteepebimento das vagas de pra-
cammercio por S. M. I. etc. | ticantes de&ta reparticao, teta lugar no dia 9 de
Faco saber aos que o presente edilal virem: jwrimwof jo ?\Aaio* ip turas da manba,
edellenoUciatTeremI marco do corrate anuo, se lia de arrematar ras; (tegua nacional, abraogeodo a escripia, lei-
por venda a quemmais der em praga publica uraeanaiyse grammaiical, desooho linear e de
deste juizo oseguinle:
Um sitio sito com cafa
terrea no lugar
aquattlla, arilboetieatem todas as suas operaedes
e geometra linear.
Os roquer-imeaios para lascripoes des candida-
pendidos bailes cima roeaionados, a qual tocar'
coowfBW^Heco do baiMdUjaw^ de hartponia
que dar* ey*e&o ao aiovieaento :
(fe a.pMmeira quadriH burlesca ex-
fi composta pe'o.Sr. Colis B?
oainoa-a
Asp
noites
S DO CARNAVAL.
POETO E LISBOA.
porlqs, Jadiando a maior Darte de sua carga enga- ram'r r **-
jada; quem nella quizer carregar a' frete dirija-se Manoel Rebello de Souii, subdito portugus,
a^ua do Vigaro n 10 .scripto/io de Bailar & Ol- *M a Sergipe.___________________________
Manoel Fernandes Braga, sabdlto portuguez
retira-se para o Ceara'
Antonio de Moraes Gomes Ferreir vai a Bu
ropa.
Vetri,
Ilha de 8. Miguel.
dorante as 4
dos
raesmoi candidatos.
Secre^rw da.reparco das obras publicas l1
de evereiro da 1866.
No impedimento do secretario
Joao Joaquina de S.Vnrejio.
do Monteiro freguezi. do PdCO da Panella, toa, devero ser apreseatadeeal o da 8, e pode-
tea do quatro ceotos O viole palmos de freote rao -ser 4)wtra dos com.qu*eBquer documentos ou
com ummuro.e porteo de ferro na estrada '
que vai para o Mouteirocom treseatos e vinte
patosos de largura, com um porio de ma-
deira com afrente para a estrada denominada
Caldereiro, e de cumprimento oito centos e
setenta palmos, de um Ikdo divide cea o sftio
de Ierras di Jos. Camello e o r. Alcofo-
rado, e o lado do norte cbm urna t avessa que
vai ao rio, tendo a casa urna porta e dius ja-
nellis nos oiles, sallas; qaartos, cosinha. e
Lum soto com se te quartos, cacimba, bomba,
tanque para banao, com estrioaria e laurina,
sendo as trras rendeiras avalada era c'meo
cootos de reis, a quai foj penhorada por
Tribunal do cvoiinercio.
Pela secretaria do tribunal do :omraarco de
Pernambuco so faz publico que, for un, inscriptos
na registro publico do commercio.:
Em 3 do corrate : o contrato de soeledjida de
Francisco Guedes de Araujo e Antonio Pnreira de
Miranda, Portuguezes, estibelecidos nesta .cidado
com negocio em gneros de estiva, sob a Qrma de
Guedes & Miranda, que gyrar p>r lempo indeter-
minado, sendo o seu capital de 40.0)04, para o
30:00.)*
i qual entra o socio Guedes com 30:0'J>) e o socio
exeiUCSo de 'gogac O Luiz.de BrilO Taborda | Miranda com,10:000, em mercadoria e dinbeiro
contra Jorge Vi ;tor Per reir Lopes, e n3o realisave no praso de seis mezes.
Em 3 do dito mez : o distrata de Aaionjo Jos
Silva do Brasil e Joo Marlins de Birns, que dts-
solveram amigavelmenie a sociedade que tinham
ha.vendo lanzador que cubra o prego da ava-
liacao, a arrematacao ser feUa.pelo prego da
adjudica?5o na forma da lei. E para que
ctegue ao conheeimento de todos mandei
fjsar o presente que sar publicado pela
mprensa e a tusadas nos lugares do cus-
ame.
Recife 3 de fevereiro de 1866.
Eu, Manoel Maria Rolrigues do Nasci-
meato, escrivo e sobpcrivi
fristao de AJencar Araripe.
O Pr. Tristao de Aleacar Araripe ofliciat
da imperial ordem da Roza, e jaiz espeuial
a commercio por S. M. I. ele.
Fago saber aos que o presente edital virem
e d'elle notcia.M vrem que por este j uizo petiT
dem uns auctos de exe-.ugo de sentengade
Praecisco Xavier de Oliveira (tontra o admi-
nistrador da massa fa lida de Seve Filbos
Companbia. E tendo-se fei|to penhora em
sob a Qrma de Barros & Silva, cuja liquidaco dea
a carg i de ambos.
Era 5 do dito mez: o contrato de Bernardioo
Jos Monteiro Fabo o Jos Dia.ioguei da Silva
Peiioto, Brasjl.eirps, domiciliados e estabelecldos
nesla cidade com negocio de fazenJas em grosso
e a retalbo, sob a Arma de Monteiro Filho & Pe-
xolo, que gyrar por espaco de tres annos, conta-
dos do de.Janeiro ultimo, com.o capital de
23:8895113, para o qual entra o socio Monteiro
com 20:389^1 inconstante dobalaoco qua den em
seu estabelecimento, e o socio Peixoto com 3:500
em diahelro.
Secretaria do tribunal, d> cmpaercio da provin-
cia de Pernambuco o de everiro de 186o.
O oBcial-maior
Julio Gulmares.
Tribunal do coinmercio
Pela secretaria do tribunal do commercio de
Pernambuco se faz publico, que nesta data fica
registrado o dhtratb da sociedade que nesta cidade

cidade apenas a demora de IB dlae, recebe carga,
a frete por prejo mfriio commodo : trsta-se com j
os seos consignatarios Antonio Luiz de Oliveira
Azevedo & C.;'ne seu escr'ipiorio raa da Crnz nu-
mero 1.
fel^
$$>/?*
Para Xisboa.
O brigue portuguez Bella Fi-
gueipense, capito J. C. de Carva-
llio Sobrinho, vai sahir com bre-
vidade, por ter pron)pto a maior
"re do carregamento, para o
Pana Lisboa
Augusto de Souz> na
l.nirn nAraoABA ao pspaii ra npln : tl0llam Manoel Jos Guedes, Magalbaes e Joaquim
dmiieiro per .encent so exeoawao tora pe Je9da Si|va iiveira sob a ttrma de Magaibaes &
Solicitador Ignacio Barros de Mello procura- oliveira, que flea dissolvida, e cuja liquidaco flca
dor do exequsnle feito O requerimenlO do a cargo do ex-socio Magalbaes, como nico respon-
seguinte termo: aos cinco de\fe^ereiro de save pelo activo epassvo, visto ter sido o ex socio
mil oito ceios e sessenta esis,\nesta cidade SSo^eelnfleraao.do 88U Mpitel 'UCrS 6S'ar
Secretaria do tribunal
ue teBj.d* ser tocadas
le, suTas .seguintes
UtTAORtfcHAS.
A cscala de cravos.
Esteplania.
O carnaval dp Io de Janeiro.
O merquez do Pombal.
Chan-chon.
Doqjlrt negrp.
' A bellai Helena.
O tto Braz.
Arthur Napoleo.
WAL8AS.
Joven Helena.
Violeta.
Rainha das Rosas.
Not vaqu.
POLKAS.
Serri.nha pelo Sr. Golas Qlho.
Os voluntaries pelo Sr. Colas filho.
Adelaide pelo Sr. Colas filho.
A Caes.
Italia.
SCHOTISCH.
Flor d'Alma pelo Sr. Colas filb \
Qujdes pelo Sr. Stranss. /
O Club.
America.
Para dar lira ao baile a banJa de awisica locar
o grande
GALIO PE INFERNAL
com toques de campas, sinos, estrepidos e rebom-
bos de trovo.
No salo haver urna pessoa pe.rfeitameote ha-
bilitada para formar os pares e dirigir as.quadri-
Ibas, afim de evitar confundes.
A entrada geral e sabida para os mascaras e es-
pectadores- pela porta da freote de theatro.
Os carros depois de deixarem seus dooos ficaro
postados ao sul do edificio.
O escriptorio para venda dos btlhetes ao lado
de botequim onde estara' illurainado.
As senhoras mascaradas entrada grais. CONCITO NllUes
No boteqoim se eucontrar diversos e saborosos. por conta e risco de quera pertencer fara' I
petiscos, vinh.os de todas as qualidades, licores J
serveja, etc etc.
O regolamento da pobcia ser publicado em tem-
pe para o bora andamento e ordem dos bailes.
PRECOS DAS ENTRADAS.
A posse de camarote de 2.* ordem 10.
dem dem de 3.* ordem 89.
Entrada geral i&.
As senhoras mascaradas entrada gratis.
Wm BAILE
JIA(JARii)0
sua resi-
primeiro
w Jos Fraaoisee Si Lelo transerio
dencia para a ra de Apollo, casa n. 36,
andaj. __________
Pedro de Almeida Guimaraes, subdito portu-
V-estuarios carnavalescos
de todo o gqsto e phaolazja ; vende.m-se ou alu-
ane cea nyfJjaHbrevld>dv,a.escuna portogue,
hma : par,a o resto da carga e passageiros tratase
Com o consignatario Joio d Reg Lima a' ra do
Apollo n. 4.
_ Antonio Al ves de Oliveira Braga de S. Ro"-
mao, participa, ae respeJlaKe] publico e principa!-,
mente o commercio, que tiesta 'data em diante se *Qei a .BnraPa-
as^tgnaw Antonio. Alves.Votivejra^raga^______
. Para a llha de S. Miguel.
E esperado a cada momento do Re de Janeiro 1 -
o.j.a,acbo portuguez Ferru ^o^uaMera nesla gjjg ^tt^^^g^gadB
Deseneamiebpu-se da cabera de nm preto de
ganho 00 dia i" do corrate orna caia com 24
queijos, sahiodo da casa do Sr. Jos Francisco Xa-
vier de Mello para a casa dos Srs. Lima Irmao &
C. (armazem propheta) : roga-se a todas as pes
soas oue souberem noticias, dlrigirem-se ao do
armazem, que sero recompensadas. Assegura-^e
que se condece o preto.
Precisase de um coilnbeiro rorro ou escra-
resto da carga e'psjagelros tra- vo> cora tan, 1ae ,enha Doa conducta : no escrip-
ia se com o consignatario' E. R. Rabello, ra do'torio de Claudio Dubeux, ra do Imperador n. 43
Trapiche n. 44, segundo andar. se dir quem precisa._________
\lga-se a eja^da casa.,n. 80 na roa da Aa-
rwa, lem cororaods pa a farni, e, pode servir
seguaeom rooila brevidade o brlgue portuguez 2fra,q"!?luer e^elecimen.o : quem pretender,
Flonnda, que .recebe carga afrete: tratar no 3K,a'?-'-'K1? andar da mesma casa< 1M
escrip.erio de^Amonm Irmaos, ra da Crna n. 3, 13" com qo^rn tratar.
ou com o capito Joaquim
praja do commercio.
L1U.0IS.
LEJiO
De 238 lucias caixas de charutos da
Itoliia e 98 caixas ioleiras Je ditos
dito-
Alitga-sc
Aluja se a casa terrea da ra do Mondeg* a.
19 : a tratar na roa do Imperador n. VI.____
D se S:000 a premio sobre hjrpolhaea r>
urna casa nesta cidade : na ra Direila .a. 14, se
dir quem da'.
Preclsa-ae de ama ama para servieo I
de urna casa de penea familia
n. 8t, sobrado.
roa de Hortas
Albga-se a casados Le6es, na ra dos Praien
res, com sotao, e commodos para familia._______
Hypolito Ma-tins Gomes de Pmho tem justeJ
e contfatado a taberna na Casa Forte, perteor.enie
a Joao Baptista de S Pereira juiga se desembar-
cada de qualqoer debito; mas se alguem se julgar
c#n direito a mesma, cimpareQa abl no praso de
tres das, a contar da data deste. Casa Forte 5 de
fevereiro de 1866.
Precisa-se de urna ama para o servlgo inter-
no e externo de urna casa de duas pessoas : a tra-
tar na ra do Rangel n. 44, andar.
Casa.
das caixas ioteiras e meias cima
Isto
1IOJE.
Quarta-feira 7 do corrente as 11 horas
no armazem a ra da Cruz n. 57.
Passando a fundirlo da Aurora, em freote de
dous arvoredos, se a inga o andar terreo com belas
mencionadas, acommodacoes para familia; a chave est no so-
brado, e para tratar na fundicao, das 9 horas em
diante.
LELAO
Palacete do
recife de Peroambucn e a publica audiencia
que aos eitos e partes dava o i)r. juiz de
dirato especial do commercio Tristo de Al-
lencar Araripe nella pel solicitador Ignacio
Barroso de Mello procurador doWquente
fra accasado a penhora.feifl em dinbeiro
do producto doshens particulares do fallido
Manoel JoaqnimSeve erequereu que licassem
NO
pateo
NOS- DAS
de *. Pedro
DE
Movis, ljuca e oalros artigvs.
Cordeiro Sim5es
por conta e risco dd quem.pertencer fara' leao de
mobilias, camas de a'uarello, marijuezas, cadeiras,
1 cama de f-rro, 1 raule inesa de amarello, 1
balcao, Isrdepara escrl torio, I aparelho de lou-
5a para alniojo, relogios, candieiros etc., etc.
MAIS
Manoel Daarle Rodrigues, ra do Trapiche
n. 26, saca sobre a cidade do Porto, avista cu a
praso._____________________________________
Precisa-se sobre bypotbeca de quaolia de
1:000,5 a juro de i \\i por coto, pelo lempo de
12 mezes : quem quizar fazer este negocio deixe
carta fechada nesta typographia com as iniciaos
R. A. H.________________________________
Precisa-se dn um armazem para urna casa
de importago : queu: tisar dirija-se com carta
fechada com as iwciaes W A C, n escriptorio des-
te jornal.
de commercio da provin-
cia de Pernambuco 26 de Janeiro de1886.
O offlcial-maior
Julio Guimaraes.
diz a'>s credores incertos; o qu^ ouvido
pelo juiz, mandouapregoar pelo porteirodos
auditorios que o fez na forma do estilo, e
. Hoja 7 do correte se ha de arrematar paran-
te, o Sr. Dr. juiz municipal da 2a vara, por ser a,
ultima prac, urna casa e sitio na estrada de Joo diante publicados,
de Barros, com boos commodos e boas arvoredos,
penhorado aD. Jeronyma Manoea do Nascimeoto
Precisa-se de urna ama para todo o servigo
Su liba do 10, dOOliflgO 11, Segunda 1 2 e 68 caus de li? >- de 16 libras cada caixa, 4 pegas de urna casa de pouca Jarailia, de portas a dentro,
terea-fera 13 d* cernirte. de'm^^ygo^
Qaara-fdra.7 do corrate as.I i horas
no armazem a.rna. da^Cruz n. 57.
DIRIGIDO PELO DtB$CTOR O I3EM CONHBCIDO
MIGUEL GANDIDO DE MEDfilROS PINTO.
O programma dos mesmos sero d'amanha em
prefere-se estrangeira : a tratar no pateo do Car-
1110, esquina di roa de Hortas, armazem n. 2.
assignado os. seis dias a mesma penhora, e- Ppr oxecugao de Carlos Leclere; escrivo Baptista.
Consolado provincial
Pela mesa do consulado provincial se faz pub
co que os trinta dias uleis marcados para cobrao-
era it ue er presente o soncitaaor M'guei. qaeire de sa|< de 4 0|0 sobre os estabeiecimentos
Jos de Almeida Pernambuco procurador de fra da cidade, prensas de algodo, typogra-
(1 j ejecutado em que liouve O juiz a penhora] ptuas, cocheiras, botequins, holeis, casas de pasto,
or feita e aecusad OS seis e dez dias por i ca*3'131"'063 e fabricas; de 8 0(0 sobre consistorios
. i a ^^ .__... !. mdicos e cirurgicos, carinos e esenptorios : de
assignado e d vista por ooncodula. a Qil M ^ sohrfl J,^4Ar;mfin,^ ^^I,^'.
juntei o mandad e termo de penhora, pett-, grosso e a retalho, e trapiqhes; de 50 sobre ca-
coa e replica que seguem; eu Secundioo, sas de bilhar e. modas de Oft. se bre casas de
EUodoro da Cunha escrevente juramentado S^brVS T7'S ftES? o
o escrivi: eu Manoel Mana Rodrigues do, erasso e previlegios; de 600*090 por cas4.c0m
Nascimeoto oescrivao o subsenvi por forca j emisso e sem previlegios de 400| por casa sem
do meu despacho O referido escrivo fez emisso, companhias anonymas e agencias; de
nM1. n npps^nffl npln nnal rnamr ritn fi fli ,eo* sjbre corretores commercias, agentes de
pasbir o presente pelo qual cnamo cito e ei (el,o fl de casa de com e v. de ^^^
por enltmaio os ere lores incertos do dito de 30* por escravo empregadq emlservicade al-
esecutado para que comparecao nesle juizo varenga: de i por toneadi de alvarenga; de.
dentro do dito prazo a lim de allegar O que t* por bote ou savelra ; e de I505 por balieira ;
frir .Ip intira F nara mi 4 rhpffup an en- de ^^ Por esc"vo ganhador : de IQ& por cavallo
lorue jusuca para qu cuegue ao co-, de sel)a de aluguel ^ por dit0 par,,,^.^; ea
nheClinentO de todos mandei passar O pre- ^postos de carros ^.carrosas pertencentes ao anuo
sent que ser publcad pele imprensa ali- Unanceiro de 183 a 1866, e tamben o i semestre
xados nos lugares do costume. 1 d imposto de20 0|0.do consumQ de agurdente se
Rpp fp fi dp fpvprpirn de IRfifi principia a contar do dial- de feverpiro viodouro.
0,' Mesa do consulado provincial de Pprnambuco 30
Eu Manoel Maria Rodrigues do Nascim n-
to escrivo o subscrevi.
Tristo de Alencar Araripe.
9W
DECLARARES
de Janeiro de 1866.
Antonio Caroeiro Madhado Ros
Administrador
Reelfe.
Cmara luiiulcirxal do
Pela contadura da cmara municipal desta ci-
Je fevereiro e
t imposto mu-
dade se faz publico qoe nos mezes
marco se recebe bocea do cofre
nicipal sobre casas de negocio, e aquelles qoe nao
a mulla na
300 de lo de
pagarem nesle tempo esto sujeitos
forma do art. 33 do regulamenlo n.
i/Seocao. Secretaria da polica de Pernam-
buco Io de fevereiro )e ordem do llm. Sr. Dr, delegado do 1." dis ,
trelo d'esta cidade, encarregado do expediente des- jnnho de 1844.
ta reparti?o, ea ausencia do Hlra. Sr. Dr. chefe de Contadoria 1 de fevereiro de 18.
polica, fago pablicar o regolameoto policial de 111 O contador.
de fevereiro de 1855^ que abaixo val traascriplo,' ^_____________Caetano Silverlo
fim de que as pessoas que se proposerera aos en- Comnaubia CI'UUHlIlUCHU
treleamentos do carnaval, tenham conheeimento
das dispoijSes do mesmo regulamento.
No impeilmento do secretario,
Jos X. Faustino Ramos
Copia. Fevereiro 12 de 1855. O Dr. chefe de
polica resol ve qee pela delegada do 1 dislricto
deste Mrmo, e pelas subdelegaeias respectivas, se
observ'em as segunles providencias em ordem a
obstar a perfeigo. digo a perpelracao dos delictos
por occasiSo dos" prximos das do entrudo. Pri-
meiro expressamente prohibido o jogo de entru-
do, e o laocar-se agua sobre as pessoas que iran-
sitarem pelas roas, que; seja isso feito por meio
de vasos ou seringas, quer pelo emprego das cha-
madas Irmas de cheiro.e bem asslm, o uzo de tin-
tas lamas e ouuos objectos, que tem sido empre-
gados em to pernicioso jogo. Segundo sao per-
miltidos os grupos de mascarados caracterisados
por qualquer modo, sera allusSes, e eapeeialmente
das.que digan respelto a religiao e seas ministros,
diferentes caracteres com qu se
a Silva.
De ordem do conselho da direcgaoJ e em eum
primento ao disposto no artigo 24 dos estatutos,
; sao convidados os senhores accionistas a reunirem-
. se em assembla gerai no da 1S do correte, ao
1 meio dia, na casa dapraga do Corpo Santo n. 14,
segundo andar.
Pernambuco 3 de fevereiro de 1866.
O gerenteF. P.Jeorges.__
= Pela sobdelegacia do Peres forana apprehen-
didos e recoihidos a deposito tres cavailos de carga
tendo um castanho, outro ruco e um mellada :
quem for seu dono compareca, que provando seu
domipio, Ihe ser entregue. Subdelegada do Pe-
res 4 de fevereiro de 1868.O subdelegado,
Alexandrno Marlins Gorreia Barros.
No da 9 do crrente, depois da audiencia-
do illm. Sr. Dr. juiz municipal da prImeira vara,
tem de ser arrematado urna parte.dal casa terrea,
de pedia e cal n. 48, sita na ra da, Bca de S. Pe-
dro Martyr da r.ulad da Olioda. coru| 3 palmos
AVISOS MARTIMOS
Para o Porto.
vai seguir com muila brevidade a barca pprtogue-
ta Silencio, tem parte de seu carregamento promp-
to, e para a resto que ihe falta e passageiros, tra-
ta-se.com Madoel Igoacio de Oliveira & t-'ilbo, lar-
go do Corpo Santo, escriptorio n. 1S, ou com o
capito na praca.
DE
Ka^'egaco costeira por vapor.
PABA
Parabyba, Natal, Maco, Aracaty, Cear e
Acarac.
Seguir', no da 0 do u Trente,
o vapor naciona) Persinunga,
commandante Marlins, para os
portos cima indicados. Recebe
r I, carga at o dia8. Eocommendas,
passageiros flinheiro a frete at 3 horas da tarde
do dia da sahida : escriptorio no Forte do Mallos
numero 1.
LKLAO
De um bilhar com 30 tacos, 3 bolas, 1
marcador urna imprensa, 1 rico fiteiro', 4 me-
sas de pe,dra, 4 ditas de amarello, 1 balcao de
dito, 16 moxos de dito, 2.espelbos dourados, 4
estampas fin as,. 4 sofaes de amarello, 1 rico relo-
gio de parede, 1 lavaiorio, 1 armario grande e
oulros objectos que servem para rasa de caf.
Cordeiro simos
legalmente aotorisado vender' em lelo os objec-
tos aQima.mencionados em um ou mais lotes a
vontadedos pretendentei, Isto
QoinU-fcira 8 do correte
a .11 hora-i alOpUUku .. u- ..- I_^
Offerece se urna pessoa para administrador
deengenho.com bastante. pratica de. servido, e
--------~ jtambem bom disipador de aguarde,me : quem
[ precisar dirija s? a ra Nova, toja francesa 11. O,
taqueiro, 1 ooe tera notJcia da Pessoa-
nr-~mlm -*<"
ompanliia de paquetes a vapor entre
os Estados-lni-.'os e o Brasil.
At o dia.9 es-
pera se dos por-
tos do sul 6 vapor
IIa vana com-
mandanteGreem,
o qual depois da
demora do costu-
me seguir' para
NewYork tocan-
do no. Para e S. Taprna?.
. Paja .fret, pa^sajiros etc.,trata-s coa, os agen-
tes Henry Forster& C, ra do Trapiche n. 8.
COMPANflll BMSILEIRA
DE
PAQUETES A VAPOR.
Dos portos do norte espera-
do at o dia 20 do correnta o va-
por Gerente, com mandante o pri-
meiro tenente Sergueira", o qual
. depois da demora do costme se-
guir' para us port >s do sul.
Desde ja rece bem se passageiros e. engaja-se a
Lan. Ao
De trastes, objectos de ouroe prata, escravos de
ambos os sexos com habilidades e muits objectos
dp uso domestico que se torna enfadonbo men-
cionar.
. Qolnta-feira 8 do correte as 1 i horas
NO GRANDE ARMAZEM DE LEiLES
DO AGENTE
OLYWIPIO.
' 36Rna da Cadeia Domingos Francisco Dnraes, seos irmos e
oras da fallecida Catharioa Luna da Fonce-
ca, agradecen) do intimo d'alma a todas as
^,-- ,w o uigi);ii an. ,.-..lju(jou.i;iij du ce-
miterio os restos mortaes de sua presadsi-
ma mi e sogr e de novo convidara, a lodos
os seus prenles e amigos, para assistirem
as missas e memento que ho de se resar no
convento do Carmo desta cidade, quarta-fei-
ra 7 do correte, s 7 horas d'amanha, s-
timo dia de seo Mlecimento.
Aiaga-ae o segundo andar e solio do sobrado
'1a ra de Agoa$-Vei;des n. 84, tem commodo para
grande familia : a traur.no 1* -ndar da awi
-asa, eu no Recife, armazem n. 38, ra de Apollo,
cora Francisco Ribeiro Pinto Gomes.
No dia 30 de Janeiro feriaran um anel eoee
brilhante em um aso, com urna listra pe* eeeo
do aro, bastante alvo, julga-se j estar veadido :
quera o comedn dirji-se ao Monteiro a' uveroa
do Sr. Nicolao que se dir' quem son deaa para
reeeber o imppr di^e,
Roga-se^e^SrTBertiardlBO Jos LaieH o favor
de comparecer na ra da Praia n. 29 qoe se Ihe
dsela fattor.____________________________
Constdo ao abaixo assignado que se ha
propalado que os iocommodos qoe levaran a se-
pultura o fallecido Sr. An'oaiO. Carlos Francisco
da Silva, fra motivado .por ter sido pelo abaixo
assignado ajuizade, o abaixo assignado se apressa
a declarar que queslio alguna linha rom aqaelle
fallecido, e que a nica qustao que tem en joixe
com b Sr. Etevio Jo da Moua, sacio que foi
daquelle fallecido.
Domingos Alves Malheus.____
"ttMNHfHHO.
Precisa-se de um cozubeiro : na, ra da Qnei-
mado n. 12, 1 awdjr._____________________
Precisa-se tfe" uma.mlher para, ir, en con-
panhia de urna senhera casada fazer urna vtagea:
para mais iforroacdes tratase na iravessa da Ma-
dre de Dees n. 2._________________________
' a-se 2:0l|Pf a'preinid Qb hypotbeca em pre-
di.o nesta cidade : na ra- Direita n. 2) se dir
quem d.
- Quem precisar alegar uu e.-e/ava que com-
pra e cozinha, dirija-se a Santo Amare em o sobra-
do junto ao cemi'erio inglez.
= Preci>a-&e de urna pessoa casada ou solleira
ou mesmo algdm senhor sacerdote para ensioar
no engenho Peierecas, distante dnas legoas da ci-
dade do Rio Formoso,grammatica ponogcss, m-
sica e piano, mediante a qnanua de 1:2005 por
anno, alemdecasa para morar e mais aiguns fa-
vwres: a tratar nesta cidade no escriptorio de Leal
4 Irmao
Pede-e ao (Um, Sr. inspector da instroecao
publica, que avista do inconveniente qoe ha nesta
villa da Escadaser a feira no sabbado, sendo e*se
dia bastante atropelado para os pas das meninas
mandaren] suas titilas a escola, pede que se digne
determinar professora publica .mudar o ciclo do sabbado para quiota-feira, ficando as.-m
tuda concillado; ao contrario ricino perdidos dous
dias em vez de nm.
wmiMMwmmmmm
8 GASA E KANUOSS
M 26- Pateo lo Carmo--26 g
WL Nesle estabelecimento 1S0 importante US
5 para a sande e ass^io do corpo acham se ^
3R montados 20 banbeires, qoe sao servidos y^
a com a ordem e aceio qoe para dse- $g*
^g jar-se. Quatro des'es banheiros >o espe- ^;
3r clalraente reservados para senhoras o por ]
^S isto acham-se collocadus era lugar reser- j^
^ vado a.mde so lemeuirada as pessoas de JH
3R urna mesma familia. ^5
Precos de Iianlios avnlsos.
>,x 1 banho fri, momo on de chu-
f visco........"00
% 1 diloditode choque.....l^Oi'O Mj
: 1 dito de farello.....I000
I 1 dito aromatuado.....1*000
i 1 dito medicinal ser segundo sua qua-
lidade.
Precos per assignatnra.
30 bachos por m'ei fri, roorno
ou de chuvisco.....10000
2o ditos com candes para o mes-
mos........IO^m
12 ditos com cartoes para os
li Olios'coi v'i mes u'o i/ii.nue..' Iil-3'")i
12 ditos com car!5es de farello. O*n0O
O estabelecimento estara .iberio nos
das uteis das 6 horas da manba as 10
da noite, nos dias santificados das 5 as
4 da tarde.
-
i
MI
Sexta-feira9 de fdvereiro as 11 horas,
DoarmazeiD n. 26 na praca da Boa-
Vista.
Pelo agente Euzebio.
Um escravo de njme J0A0, idade de 40 annos,
do servigo de campo.
Um cylindro e pertences objectos estes novos e
bem, conservadas para.padaria.
!"W 'I' m ......H".-!L II' ,. un nm
AVISOS DIVERSOS
O abaixo assignado, alteres do 6 balalbao
de voluntarios desta provincia, nao tendi podido,
pela presteza de seu embarque boje pralo Rio de
Janeiro no vapor tTocantlnst, despedir-s pessoal-
raente de .todos os seus prenles e amibos, langa
raao deste meio para semelbnte fim, esperando
de todos desculpa dessa falta, que nao proveio da
vontade de abaixo assignado, 0. olferecendo igua
Ama de le te.
Precisa se de urna ama de leite, prefere se par-
a : na na da Oixa n'Agua n 46. !
Aluga-se urna sala con dous quartos no pri-
meiro andar do sobrado da ra das Cruzes n. 41:
quem quizer dirija-se ao mesmo sobrado, das 10
horas s 3 da tarda, ou a taberna contigua n. 41,
ou a roa da Maogueira n. G.______________.
CarvalhO & Nogueira na ra do Apol-
lo n. 2o, sacana sobre Lisboa a Porto, a
vista ou a prazo.
A LEGITIMA
MAFAIIM
Umbelina Jaita de Motaes e Manoel Aprigio de
Moraes, mandan celebrar hoje 7 do correte pa-
las 8 horas da manha, na igreja matriz da Boa
i Vista, urna ralssa por alma de sea marido e pai e
alferes Marcolino Jos de M iraes, assassinado bar-
i bara e escandalosamente no termo de Serinhaera,
no infausto dia 7 de Janeiro prximo passado.
Club Pernambucano.
A directora do Clube Pernambucanode-.
liberou que fosse transferida para o dia 12
a partida do corrente mez, e que fossem re-
cebidos os socios que viessom vestidos a ca-
rcter, nao sendo peraHtido conservarem as
mascaras
carga que o, vapor podr conluzir, a qual Rever! ^eraae o JmmTmmTBmmtS ^^ V^
ser embarcada no dia de sua chegada, encom- Pon, em 1ae ^SST^L^SSL relias d
- Terceiro nos dilTerentes caracteres con? uut, >0 ^ ^ 74 dltoidftfand^ tendo nolaUabamenlo
apreseotarem os mascaras, nao sera permitlido u- |dg mJsma caS4 f w de mar^n, 310 p,|.
zar de ootras armas que nao sejara as fabricadas Ja vaj pe|quao4 de 498^542
de pawlo, ou madeira-fragili-r Quarto nao e por 1 'f, Jdado a/aMnda proviac|a|. pal pagamento
mendas e dinbeiro a frete at o dia da sahida as
2 horas : agencia ra da Cruz n. 1, escriptorio de
Antonio Luiz de Oliveira Azevedo & C.
"CWANIMA" BMSIHir
DE
PAQUETES A VAPOR.
B' esperado dos portos do snl o
vapor Paran, comraandante 0^
capito de fragata Antonio Joa-
quim de Santa Barbara, o quajt
depois da demora do costme se-.
gira* para os portos do norte.
Desde j recebem-se passageiros e engaja-se a
qual dever.
s
THEATRO
Mari%. Jos Coutinho.dos Santos, tendo para isto das e, dinbeiro a frete at o diada sahida as a.hc
precedido audiencia do Sr. Dr. procurador fiscal. ras: agencia ra da Cruz n. 1, escriptorio de Ar*
nio Luiz de Oliveira Azevedo & C.______
~COMPANfflA PERNAMBUCANA.
Ntvegaco costeira por vapor,
riba, de Feriiap.dp.
Fica transferida, por ordem superior, para o dia.
8 do correte as 10 horas da manhaa. a sahida do_
vapor Parahyba, para Fernando de N'oronha.
Contina a receber carga, eocommendas. passa-
geiros e dioheiro a frele at o dia 7. as.3 horas
<%Jrne, I^ri|d^n9l^rleJqo.|litto>n..li___
Precisa se tomar a risco martimo sobre o
casco, frete a carga'da bro- irigleza fornc
Danvers, Warne meslre, com destino de Valparai-
zo, a quantia'de 10:0005 pouno mais ou menos,
para seus raparos e custeio necesario, lendo dito
navio arribada a este poeto por-, forca maior na
sua viagm de Sw-ansea para Valparaso. Propos-
tas em cartas fechadas devem ser entregues 00
da 1 de fevereiro pbiiimo at meb dia no es-
criptorip de Saunders^rothers. A Cv agenies de
Doyds, praja tfo ftorpo Sanfcq. y.
no meio dos mascaras, e os que entre elles frem
encontrados seram presos e correcciopados.-r Quin-
to, ee mascaras portar-se-hao com decencia, nao
praticarara insultos, e Ihes nao sera' perimtltdo va-
gar pelas ras, depois das 8 horas da noiie. Sex-
to, a aquellos que formaren reunoes para bailes
nos 1 he*iros, prohibido dar assobios, gritos, e
pralicar, assuades. Sera' respeiade osegredo dos
vestuarios dos mascaras e ninguem podera' dirigir-
Ibes pergonias. e travar com elles conversagdes
que nao sejam decentes e dignas de repetir-se as
melhoretf reuoSes. De mesmo modo s haveram
os mascaras uns para com os outros, e principal-
mente para com as familias des camarotes a que |
se dtriisireuu Selimo, toda a pessoa mascarada ,
que por algum modo ollender a decencia, provocar
mas, e perturbar a ordem mantda nos saloes, se-
ra' mandado retirar immediatamenle. Oitav,
falta de r-b*ervanc das providencias cima, a j
Mtia proceder' contra os infractores como de
fcedleotes.
Secretarla da pelicia^eJ?ernaribuco, 12 de feve-
reiro de 165. O clwfe.de polica.
Luiz Carlos de Raiva Teixeira.
Grande baile mascarado
A' PAMSdLENpl
\OS DIAS
Sabbado^ domi,nfyoJ
guada e.
O PRI.V1E1R0 BAILE TERA'
se-
Olavo Antonio Ferreira.
Ilonlem de meio da para urna hora perdeu-
se da tbesou' aria provincial at o caes d'Apollo a
de 280 em sedulas sendo duas notas ama
de 1005, urna encarnaca de 50#, urna de 20J
e urna de 105 encarnada : quem tiver acbado dita
M. S. Portar retira-se paraos Kstados-Unitips. quantia e a quizer restllttir Jaj; favor du;ttr-se a,
~jj~ Z\ fTF\, W7^ W\ W J csa de detengo a enten^erjse corn^ o ajjidante da
Aos 6;06O$00O.
Corre sabbado 10 do torrente.
Acham-se venda na respectiva tbesou-
raria ra do Crespo n 15, os bilnetes,
meios e quintos da imparte da Ia lotaria
(47), a beneficio da matriz de Pao d'Albo,
cuja extraccao ser do lugar e hora do
costume.
Os premios de 6.^000^000 at iO&KX)
serlo pagos urna hora depois da extracto
at as 3 horas da tarde, e os outros depois
da distribuido das listas.
As encommendas sero guardadas so-
mente at a noite da vespera da extraccao
como de costume.
O thesoureirOj
Antonio Jos Rodrigues de Souzaj,
mmmmmmm mmmm
Dr. Francisco Pires lace
ortella
mesma ou no caes do Ramos sobrado de 11 m andar
n. 26, ou annuncie par esta folha para sjflTprocu-
rado pelo que se Acara' agradecido.
Precisa-se de nraCfladVqe saiba tratr de
um cavallo e que entenda do servieo de urna ca-
sa : na raa da Cadeia do Recife, n. 40.
LUGA
O Illm. Sr. Inspector da thesourra de razan-
da manda fazer publico qoe tem marcado o dia 26
de fevereiro prximo viodouro para o concurso
qHe se lem de abrir nesla thesoorarla para pre- ^0^(10 10 06 &V6ieiTQ 6
chmenlo das vagas de praticantes nesta repar- ** '*v jjv.i^*
>g5o, na alfandega e na recebedoria. Os etaraes IRfii
-sanio sobre as materias de que traa o 1." do Wv-Ufi
l. do drelo n. 3114 de 27 de junhode 1863,' O grande sallo de-Danja que
r: Htura, analyse grammatical e orlhogra- toda sala e caixa do theatro, acha:sb slidamente
'uiiellca e suas applcac5es ao commercio. construido afflaueando a mais completa segoranga
-ialidade a' reduccao de moedas, pesos e Sera* illumioado o giorno o raais e
iculo de descont, joros mplese com- te-qoe for possvel.
Wanind-nn IVitiomry on toe Hull freigbt and
cargo if the Brit llarque florence Danvers^ War-
ne MasUfir, Upund for Valparaso, tbe.sum of aboot
Ten,iqnsapdlicirais for n/jCessary repalrsand dis-
burmmf&; Oyi iajd.vas.sel having pul loto tm's
comprelien le port in djiren her voy age from Swaascale Val-,
parjsfl,
alo4'tendelo basent alo Messrs. Saunders
plendidarae'n- Braners & C, Lloyds ageats opto rajd-day Io fe-
briflp I0C6.
MEDICO E OPERADOR
PLA
Faculiade le Pars.
continua no exercicio da sua proflsso,
especialmente as molestias de olhos, de
vja>_iiiaar4S. e de pella, para cujo tra-
tamenio jolga-se Habilitado atienta a pra-
tica ad juinda uos hospitae3 daqueila ca-
pital, e os instrumentos mais modernos
que possue.
Accode promptamente s. qualquer cha-
mado para fora da cidade.
E encarrega-se de collocar olhos artl-
Relies.
No pateo do Carmo o. 2, esquina da
roa de Hurtas, das 6 aa 10 horas da ma-
nba, e das 3 as & da Urde.
Aran Silberberg, ttMltos polacos, retira-se
para fra do Imperio.
Pede-se attenco do publico !
Amelia Augusta dejOliveira Quintal participa de
novo ao. respailavel publico e aos senhores pas de
familia, que tem aberto seu eur-o desde o da. 15
de Janeiro ; e continuando a leecionar particular-
mente a lar, escrever, contarj grammatica nacio-
nal, arilhmeiica, doulrina cbrisia, coser, marear,
labyrnlhar, bardar braceo, de 13a de. seda, de
froco e de ouro ; asseverando aes sfiubpres qut
empregara todo o cuidado e zelo no cumprimepto
de seos deveres. Pode ser procurada sob sua pro-
flsso, na raa da Concordia ti. 15, i* andar.
r~
a-
De ordem da commisso directora convide aos
senhores socios.a reunirem-se e assembla geral
extraordinaria quiota-feira 8 do corrente, pelas 7
horas da tarde, aiim de se tratar de negocio de in-
teresse da mesma sociedad*.
Secretaria da sociedade BeHa-H|mpn*li.ftd.re-
verelro de 866;
J. Ribeiro da Foftseca
1- secretario.
-r-
s
Escr.iv'o fgido.
No d 16 do corrente fugio do engeoho Cana-
vieira, freguezia da Gloria do Goili, o meu escravo
Vicente, croulo, de idade 30 annos, pouco mais ou.
menos, baixo, grosso, barbudo, tem marcis de be-
xigas no rosto, n5o multo preto, nao tm. falta.de
denles, bem parecido e fallante, sabio montado a
cavallo, de cangalna : quem me trouxer ser bem
pago.
___________Thereza Francisca des Santos.
O abaixo assignado, professor de latm da
freguezia de S. Jos desta edade, declara ao pu-
blico que a sua aula esta era exercicio desde 1 da
3 do corrente, e que a matricula da mesma conti-
nua a estar aberta : os pretndanles dlrijam-se
ao sobrado n. 5, sito no largo da rlbeira.
Manoel Francisco Coeluo.
PJtEPARJJ)! OEICAMEHTf WR
LAMAN & KBIP,
NOVA YORK.
Composla de substancias, gozando 4as
proprii; ludes eminentemente depurativw :
appfovada pelas juntase academias de me-
dicina; usaramos principaes hospitaes, ci-
vis militares e da marinha as An tubas e
no continente americano ; receitada pelos
fecultativosos mais distinctos do imperio do
Brasil e da America bespanbol _
CURA RADICALMENTE
escropbnlas, rbeumatismo, escorbuto, eo-
fermidades venreas emercuriaes, cbagas
antigs, morpbea e todas as molestias pro-
venientesd'ura estado vicioso do sangue.
Emquanto existem varias i mi taces e
falsicacoos. preciso a maior cautela para
evitar os engaos,
A legitima salsa de Bristol vende-se por
CApRS & BARBOZA
JUO DA G. BRAVO dr C.
Joao da C. Bravo C
INiECGAO BROW.
Remedio infallivel as agnorrbeas antigs
e recentes, unxo deposito na pliarmacia
francesa, ra da Crai n. 22 e ao preco de
moo,
A?isa
Desappareceu 00 din S de correDte.prla. 3 fcora
da tard, um moi^qoe croulo per rwim Germae-,
eom os sigo aes segointes : cor en, mart erfaofa.
pode ter de idade, pouco mais on nwon, II a 12
aneos, levou vestidQ calca de algpdio pre|o da ris-
cado, camisa de algodo branco em bom estado,
chapeo de palba velho, n\ cabera tem un gi*o>
calombo atraz de urna orelba, parece ser de qo.1-
madnra de oo, muto simpln pwr estar muito
ppiip.fi lampo np unto roga-se as autoridades poibiaes e capitaes de
campo que o apprebendapj e levem a seu >enbor sa
ra estreita do Rosario 0.13, hotel, qoe serao gra-
tificados generosamente. O annuneiante declara
desde j qoe proceder contra quem acontar o dUo
raoleque.
1 I
--------

-


i


4
i
* 4
Diarlo de Peruahe* QnarU felra t de Feverelr J. 1866
A (temadm
Esta' para alagar-se o armatem da roa do Apol-
lo d. 19, muilo proprio pan deposito de fazendas
oa algodo, por ser muilo enchuto e claro : a tra-
tar do 1 andar do mermo.
Precisa-se de urna ama ou cosinheira : a
tratar na ra das Ciaco Ponas n. 164.
Precisase de ama ama para engommar: oa
roa da Cadeia do Recife n. 27, 1 andar.________
-* Precisa-se de um criado, prefenodo-se escra-
vo, e que saiba coziouar ou fazer o servico de co-
pelro : em Santo Amaro, casa confronte ao hospi-
tal inglez.
Precisase alagar ama ama forra ou escra-
va para comprar, cosiohar e engommar : oa roa
de Hortag n. 71___________________
F^o doar
no armazem da bola araarella no oitio da secreta-
ria da polica receben) se encommendas de fogo
do ar para dentro e fura da provincia.__________
o e *) o "> S
S e 5*= 3 2 .
i. o. 3 g a _T3

l
w a 2
JEi o S, ^3
gftBoT_COCB"l
8
a
S*tt
8 5-
C/i
B^S

5
O
3 o," 2.*
o 1 B v j B jS"Sp
_S S__ a i o
s
V.
T3 O. D M
S 1 B-c
SOBM
. 2 P o
5 g
T3 &. Q
ffl-B-5 S
a
A NACIONAL
Companhia ;?eral hespanhola de seguros mutuos
sobre a vida
AUTORISADA PELO REAL DECRETO bE 2 i DE DEZEMBRO DE 1859
Una laica em dinirire, depositado as cofres do estado, garante a boa ad-
ministradle da companhia.
BANQUEIROS DA COMPANHIA* DIRECCAO GERAL
O Banco de Hespamha Madrid : Roa do Prado o. 19
Esta companhia liga pelo systema mutuo todas as combinares de supervivencia dos segu
ros sobre a vida.
Nella pode se tazar a subscripto de maneira que em nenhum caso mesmo por morte do
segurado se perca o capital nem os juros correspondentes a estes.
Sao to suprehendentes os resultados que produzem as sociedades da ndole deA NACIO-
NAL,que ainda mesmo diminuindo urna terca parte do interesse produzido em recentesliquida-
ces ecorabiaando-o cora a mortalidade da tabella de Depareieux que adoptada pela companhia
para seus clculos e liquidacoes, em segurados de idade de 3 al9 anuos, urna imposicao annua.
de 10(4 produz em effeetivo metlico:
No flm de S annos......'. 1:119*300
, de 10 .......3:941*000
> de 15 i.......11:208*200
, de 20 .......30:256*000
, de 25 ......... 80:331*000
as idades menores de 3 annos e maiores de 30, os productos sao mais consideraveis.
Prospect >s e maisJoformacoes serao prestadas pelo sub-director nesta provincia. -
caquim Fiuza de Oliveira, roa da Cadeia n. 52, oa a Boa-Vista roa da Iraperatriz n. 12, estabeleci-
mento dos Srs. Raymundo, Carlos,Leite & Irmao.
a?
* n.-
w 2. w e
'.. ~.&
C_ r* "*
a a M .
a >- S
5 8 ^2
3 ar &
%^ E.e-2.
o c ST" *b

o
~;. 5
TINTURARA
A0 GRANDE S MAURICIO
PROCESAOS # APERFEI^OAWOS
PARA
Tinglr, llmpar e lustrar a vapor.
F. A, SALIMu
Precisase de urna mulher capaz para acom-
panbar urna seohora, e que cosa ou eogomme al-
guma cousa : quem estiver neste caso, dirija se a
ra Velha n. 31, 1" andar.___________
Acba-se em Giqui, na olaria do Sr. Manoel
Joaqoim, um bote a mais de um anno, o qual tem
sido annunciado por tres vezes : quem se julgar
com direito a elle, appareca para se Ihe entregar,
dando os sigoaes.____________________________
Acha-se em casa de Keller & C, ra da Cruz i
n. 55, urna carta vinda do Rio de Janeiro pelo va-
por bra ileiro cGerente para entregar ao Sr. Jlo \
Kahl ou Kohl.o mesmo senhor tenha a bondade
de apparecer.
Precisa-se de um caixeiro que d Dador a
sua conduca de idade de 14 a 16 annos : a tratar
na ra do Cordoniz n. 6i, padaria do gaz.
29 Kua" 7 de setembro 29
Defronte da roa nova do Oavidor (Rio de Janeiro)
Os proprietarios deste eslabeleciraenlo, o primeiro no sea genero no Brasil, por
trabalhar com as machinas mais aperfeigoadas par Ungir e lustrar, de que se faz uso ni
Europa, eajudados por alguns dos melliores officiaes de Pars e Lyao, podem assegu-
rar seus freguezes urna perfeic3o no trabalbo, a qual seno pode chegar pelos proces-
sos ordinarios.
Tiogem, lavam, limpam e demofam com a mai r perfeic-ao e brevidade qualquer
qualidade de fazendas, tiram nodoas e limpam secco sem mollar as sedas e as vestimen-
tas de senhoras e de homens.
ATTENCA.
Henry Forster & C, ra do Trapiche n. 8
tem para vender:
Prensas para enfardar algodao.
Machinas de descarocar algod5o, de 30 a
60 serrotes, com motores, assim como moto-
rs que servirao para qualquer servido, e urna
machina de 120 serrotes com urna machina a
vapor, propria para a mesma.
AMA
: Precisase de urna ama para comprar e cozinhar
para urna pessoa : na ra de Hortas n. 16, segun-
de andar.
I
II
m
O solicitador Miguel Jos de Almeida
tes e ao publico quTtera o seu escripto
rio na ra do Imperador n. 39, primeiro
andar, onde pode ser procurado para o
exercicio de sua profisso das 8 horas da
manha as 4 da tarde, dos das uteis.
1
Alberto Ridoux, tendo-se retirado para Fran- \
ca, ao paquete Navarre, afim de tratar de sua sau-'
de, deixa entregue a sua casa de lithographia sita |
na ra da Cruz do Recite n. 46, ao Sr. Manoel
Gomes Mendes.que lera a gerencia do mesmo es-;
tabelecimenlo consernenle a todos os trabalhos ga-
ranlindo-se ao respeitavel corpo do coromercio e
aes mais freguezes da mesma iithographia, que es-
ta se acha m jntada com todo o material preciso
ao bom desempenho de qualquer encommenda que
Ibe seja feita para cajo flm tem-se feito contrato
com peritos offlciaes da arte, podendo desde j af-
tiancar-se que tudo ser feilo cora promplido e
asseio.
Cypriano Feneloo G. Alcoforado manda
dizer urna raissa resada na matriz da Boa-
Vista as 7 horas da manha do dia 8 do cor-
rente mez (quinta feiraj anniversario do fal-
lecimiento de sua presada mulher Thereza de
Siqueira Alcoforado, pelo repouso eterno de
sua alma. Roga aos seos amigos o caridoso
obsequio de asslstirem a esse acto religioso,
pelo que Ibes ser summamente agradecido.
MBVaBVHMBlHB^HBaMBVaMMI
Edoardo Pirmioo di Silva por si e pela
familia de seo finado sogro Jos Antonio dos
Sanios e Silva agradecen) a todos os seas
amigos que se dignaran) acompaobar ao re-
miierio publico os restos mortaes do dito seu
sogro e de novo ihes roga e aos seas paren-
tes de comparecerem ns dia 10 do correte
pelas 7 horas da manha na matriz da Boa-
Vista, afim de assistirem a ana missa do s-
timo dia que manda rezar por alma do mes-
mo finad.
Ama deleite.
Offerece-se urna ama de leite : quem precisar
dirjase a roa de Hortas o. 10,
Na tarde do dia t do corrate, do lugar do
Caboc, urtaram nm eavallo rugo pedrez, de car-
ra : quem o apprebender leve a roa larga do Ru-
sario n. 10, que ser gratificado. ________
0 Sr. francisco Jos de Frena* Goi-
maraes, queira ter a btndade de appare-
cer na livrarii n. 8 di praca da Indepen-
dencia.______________________ _____
Na praca da independencia n. 33, loja de
ourives. compra-* aro, prau, e pedras preciosas,.
e lmbete se fu qualquer obra de encommenda, e
todo e ooalquer concert.
Aluga-se o segando andar do sobrado n. 62
da roa da Guia : a tratar oo 1 dar.
Dase 500* sobre htpolhsca : quero precisar
aonaacie.
m
s
Alogam-se duas casasen) Santo Amaro
assobradadas, com sota, com bastantes
commodos para familia, seado orna oa
roa da fuodicio e outra no correr da roa
da Aurora ao p 4a ponte do Sr. Starr a
fallar con Jos Goocalvos Ferreira Costa,
alli.
CARTA.
O Sr. Manoel Feliz Pereira tem ama carta viada
4 Maraabao, aa roa da Cruz a. 13, primeiro aa-
dar, recebe la ha pagando o anooacio.
Arrendase o eegenbo Maoass distante da
praca menos de qaatro fofoas, e mai prximo a
povoacao de Jaboato, lea suftlcieale terreno de
b -a prodorcio, bom cercado e matas bem conser-
vadas : a fallar ao mesmo engenho.
~ O Sr. J^io Xavier da Fonseca Capiba-
ribe rogado a apparecer na livraiia n. 8
da praca da Independencia, a' concluir o
negocio que desdo catabro se compro-
mettea.
SEGUROS
MARTIMOS
CONTRA FOGO.
A companhia Indemoisadora, estabeleci-
da nesta praca, toma seguros martimos so-
bre navios e seas carregamentos, e contra
fogo em edificios, mercadorias e mobilias:
na roa do Vigario n. 4, pavimento terreo.
Alagam-se as casas lerreas da ra do Hen-
riqae Dias (vulgarmente |coDbecida per Estancia)
ns. 8 e 20, com commodos para familia, caiadas e
pintadas de novo : os pretendentes podem diri-
gir-se a roa da Cadeia a. 39.
Ama
Na roa da Cadeia do Recife n. 51, terceiro an-
dar, preetsa-se de un ama forra oa captiva para
familia de duas pessoas.
Na fabrica de calcados de Jos Vicente Go-
diario, ao rtbeira de S. Jos n. 15, comprase paos
para umancos, e se paga al 2fi o cento, conforme
saa eaalidado.
Para eserttoro.
Alagase o primeiro andar da casa da roa da
Craz a. S, proprio para eseriptorio, motto fresco,
ees vista de mar e por preeo rommodo : a fralar
ao aaerptorio do sobrado jauto a.3..__________
Precisa-se alagar qaatro escravos que sejam-
ossentes para servico deoaixo de eoberu, pag.n-
do-ebem ; a tratar ae largo da Aisembla a. 20.
Precisase de um irabalhadcr de padaria" qua
seja deligeate do seo trabalbo : oa roa Imperial
.30^_____________________________________
Preetsa-se alagar osa prelo, seodo que eoteo.
dad podarla : oa roa imperial o. 30.__________
Predi a se alagar orna preta de Idade, pre-
prta para ajodar os trricos do interior de ama
casa de pequea familia ; a irattr Da roa Direiu
GARRAUX DE LAILHACAR & C.
UBRAIRIE FRANCAISE
ilua do Crespo n. 9.
LIVROS NAQONAES E ESTRANGEIROS
ReligioPbilosopbia Jarisprodencia Uera*
tora Sciencias e artes.
Papelaria, objectos para escriptorio.
Na fabrica de sabo da ra de S. Miguel,
fregnezla dos Afogados, precisa se alugar tres es-
cravos, paga se bem : a tratar na mesma, ou no
Recife, ra do Amorim d. 41._________________
GAMELLfclIU
Instrocco iDblica primar,a.
0 professor publ co de instrue?5o prima-
ria fia rinvnae3n H o.uciieira nartii'iria ,00
Srs. pais de familia que desde o dia 15 do
corrente se acha no exercicio de seu ma-
gisterio.
m
N. 0. Bieber & C, sucessores, sa
cam sobre o Rio de Janeiro a vista oa a pra-
zo confoime se convencionar.
Em casa de Theod Christiansen, ra do Tra-
piche-novo n. 16, nico agente no norte do Brasil,
de Brandenburg frres, Bordeaax, encontrase ef-
(ectivamente deposito dos artigos seguintes :
Si. Julien.
St. Pierre.
Larose.
Cbateau Loville.
Cbateaa Margaux.
Grand vin Cbateau Lnfuie 1858.
(".hatean Lafilte.
Haut Saulerues.
Chatean Saolernes.
Cbateau Laiaur Blancbe.
Chaieao Yquem.
Cognac em tres qualldades.
Azeite doce. Precos de Bordeaux.

O Dr. Carolino Francisco de Lima San-
tos contina a morar na roa do Impera-
dor n. 17, segando andar, tendo alias sea
gabinete de consultas medicas, logo ao
entrar, no primeiro.
O mesmo doutor, que se tem dado ao
estado Unto das operaedes como das mo-
lestias internas, prestase a qualquer cha-
mado, qner para dentro quer para fra
da cidade.
JOS DANIEL DA COS-
ta Miranda,
Portagnez, para seo interesse muito se deseja fal-
lar com este senhor, e se agradecer a quem der
noticia delle na roa da Cadeia d. 17.
Ama.
PIIOT06R4PDI4
artstica americana
RA DO IMPERADOR N. 38.
Artista americano
Artista americano.
Artista americano.
Artista americano.
RetratosRetratosRetratos.
Em porcelanaNiepfotypie.
Em lencosArchrolypie.
Em vidroAmbrotypie.
Em metal=Daguerreotypie.
Em papelTalbotypie.
No grande saino da roa do Imperador n. 38
No grande salo da ra do Imperador n. 38
Neste estabelecimento tiram-se retratos
em todos os systemas, com asseio e promp- j
lidao, desde as nove boras da manbia
at as cinco da tarde; assim como tem
sempre a venda grande sortimento de cai- |
xas finas de diversas formas. Quadros
ovaes Passepartouts e todos os mais ob-
jects e productos chimicos, relativos a ar-
te e recebidos ltimamente dos melbores
fornecedores de PARSe Nova York, tendo
de tudo, para todos os gostos e para todos
os precos.
Salo da ra do Imperador n. 38.
Sal5o da ra do imperador n. 38.
A sociedade de segaros mataos sobre a vida de-
balxo d'ate litlo, fundada, administrada e garan-
tida pelo banco Alianca do Porto, aderece as maio-
res vantagens as pessoas que nella se qaizerem
inscrever: quem. pois, acerca de tal instiluico
desejar obter esclarecimentos. dirija-se a Juo Car-
loe Coelho da Silva, a roa da Madre de lieos n. 28.
Para prova do quanto esta sociedade se acha
eminentemente acreditada, transcrevemos para es-
te jornal o artigo que acerca della peblicou o Com-
mercio do Porto:
Acaba de chegar do Brasil o Sr. Jos Antonio
Pinto da Rocha, inspector naquelle impeno da so-
ciedade de seguros mutuos sobre a vida, fondada
e administrada pelo banco Allianca, denominada
A PREVIUENTE.
Para mostrar o boa crdito e subida conflanca
que esta sociedade goza entre os nossos compatrio-
tas alli residentes, publicamos a seguinte lista das
subscripces por elle obtidas ne corto espaco de
seis mezes, montando a 578:3764; fado este que
de per si falla mais alto do que todas quaotas con-
siderares podessemos apresentar, e que por isso
nos abstemos de fazer.
Illms. Srs. subscriptores. quantias subscriptas.
AGUA FLORIDA
tiigcJ2>
Na roa da Cadeia do Recife n. 50,"precisa-se de
urna ama para cosiohar.
' Convida-se pelo presente annuncie a II-
lustre familia, todos os par entes e amigos
do tallecido Sr. Joaqoim da Cosa Moreira a
assistirem a orna missa no dia 6 do corrente
na igreja do Corpo Santo, pelas 7 boras d
manha dia do anniversario de seo falleci-
mento do que se Ocara' agradecido.
Loiz Antonio Siqueira, consol da
Blgica, em consequencia da parte of-
ficial que acaba de receber commu-
nicando-lhe a infausta noticia do fal-
lecimenlo de S. M. Leopoldo I rei da
Blgica, convida aos Srs. consoles a
collocarem em funeral as bandeiras
de suas nages no dia 6 do corrente.
GASA.
Aloga-se, pastando a aodicao de Santo Amaro,
o andar terreo em frente ao* pee de arvores, com
bellas acommodaefies para familia e jardim ao
lado; a chave oo sobrado, e para tratar oa foadi-
eio da Aorora, das 9 hora* em dtoole,
Precisasealogar orna preu eserava para
servico interno de orna casa de familia : oa roa
do Arago o. 17, fbrica de cbaroloi.
Qaem livor e after vender ama eotiafea m
mei-igoa, preferiodose oa fregoeca le 8. Jee,
dirja-se a roa da Assamoeao o. M.
MURRAY & LANMAN
A agua florida de Murray & Lanman
olhada como um artigo de perfume, nao
tem podido ser igualada pelas preparaces
as mais custosas: conserva seu aroma, co-
mo seformasse parte da prenda a que ella
se applica.
Sua efficaeia tiio delicada, como elegan-
tes sao seus multiplicados usos, qur seja
empregada como artigo de toucador, qur
ho aso do banho, ou como suavisador da
pelle, depois que se tenha feito a barba;
j para limpar as gengivas ou aromatisar o
balito.
D suavidade, brilho e elasticidade as
compleicoes, depois dse baver lavado; al-
livia a irritarlo de erupces ordinarias; faz
desappsrecer o desagradavel aspecto dos
pannos, das sardas, do rosto, rugas e toda a
casta de ebulices, e d vigor e frescura a
parte onde quer que se applique. Sua effi-
ciencia e elegancia sao igualmente infalli-
veis nos casos em que seja preciso applica-
la como estimulante e antisptico, nos con-
cursos e assemblas numerosas, as loca-
lidades infeccionadas, na alcova de um en-
fermo, assim como um antidoto encllen-
te para os desmaios causados por cansaco
ou suffocacao. Preparada nicamente por
Lanman & Kemp, Nova-York, e a venda por
Caors & Barbosa.
Jo5o da C. Bravo & C.
Deposito geral em Pernambnco roa da
,ruz .ii em casa de Caros Barbota
As Pilulas Catharticas
DE AYER.
O purgante mai efeeat at hoje eonhecido.
Esta pituita lio puramente reg-
itaei, nio tendo oa sua compo-
wiro nem mercurio nem outro
ingrediente mineral; ao Inno-
centes para aa crianzas e pessoas
mola delicadas, ao mesmo tempo
que, compoataa como sao > regi-
taes mu fortes, ao bastante acti-
vas e eficazes para as pessoas mala
robustas.
Estas pilulas catharticas purgao e purlflco todo syitcma
humano sem mercurio.
Nao se tem poupado trabalbo nem despea para levar estas
pilulas a um grao de perfeccao tal, que nada deixa a desejar;
sao o resultado de annos de eetudos laboriosos e constantes.
Para alcancar todas aa vantagens que resultao de uso de catnar-
ticoa, tem-ee combinado somente as virtudes curativa das
plantas que to empregadas na oonfeosao das plalas. Sua
composlcao tal que aa nfermidadet que esto ao alcance
de ana accao, raras retes podem resistl-las on eradi las.
Suas propriedades penetrantes exploro penetro, purlflco e
do vigor todas as partes de organismo humano; pola corrigen!
a sua aeco viciada e fax recuperar a sua vitalidade. Urna das
consequendas dstaa propriedades que o doente, abatido de
dOr e debllidade physica, admirase de encontrar, to deprasaa,
tua saude c energa recuperadas por mel d' um remedio to
simples e agradavet
As molestias que esto ao seo alcance ao.
Prizao de ventre niteumatitmn, Dr da cabera, A Neuralgia,
Enxaqueea, ItutigttUo e mal do estomago, Bemorrhoulai,
PADECIME1T08 DO FIQADO,
Pebre gaitro-hepaUea, Oattrite, afeafle BUiotai Lombriga,
Erytipeta, Hgdropria, turdez, erguir parcial, e l'araiyiia.
Ho almanax e Manual de Saude do Or. Ayer, que se publica
todos os annos para >Ustribuico gratuita, eueontnv-se um tra-
tado sobre as diversas doeucas que ettao ao alcance de
HIMJBDIOS PKOANTEB.
Acha-ae em todas as Botloot e Drogaras do Imperio.'
O Peitoral de Cereja
DE AYER,
TKA A PROMPTA COBA DA
Antn, de ConsMpaeosM, Tsmmsi, Honqnido Inflo-
na, BroncbJU, Tiaioa primaria, TutwMBlaa
pnrtnonar, toda a niiriiillii Oo
Peto, aawlm oosno par aXlvlsr
oaetbiooe dMlsvadoa.
prepracaes do Dr. atcr to vtadidas mas prlusfin
e boticas do laperio.
Vende-ae em Pernambuco:
na
JjPHARMAl
Jos Antonio Pint da Rocha....
Albino Jos da Silva...........
Luiz Antonio Siqueira........
Augusto Cezar de Azevedo Gue-
des.......................
Americo Nunes Corma........
Antonio AI ves de Horaes.......
Manoel Duarte de Figueiredo...
Manoel Martins de Oliveira Aze
vedo........................
M. T. Basto...................
Antonio da Silva Pontes Guana-
raes.......................
Manoel Gomes da Cruz........
Antonio Lourengo Teixeira Mar-
ques ......................
Bernardo Jos de Oliveira Ma-
chado.....................
Jos de Sa Leito Jnior.......
Domiogos de S Pereira J-
nior......................
Vicente Ferreira Coimbra......
Jus Joaqun.) Alves............
Jos Fernandes Lima..........
Jos Joaquim Leito...........
Jos Antoui j de Brito Bastos...
Joaquim Luiz Ferreira Leal...,.
Sil vino Gniihermede Barros....
Alfredo Henrique Garcia.......
Antonio Valentn) da Silva Bar-
roca......."................
Jos Rodrigues da Silva Bor-
ges.......................
Manoel Jos Moreira...........
Virgilio de Castro Oliveira......
Jos Amonto da Costa Valente..
Justino da Motla Silveira.......
Manoel Marques de Oliveira....
Antonio Fernandos Duarte Al-
rneida.....................
Joao Martins de Barres.........
Antonio Joaquim Fernandes d
Silva......................
Custodio Jos Alves Gaima-
raes........................
Jos Gongalves Villa Verde.....
Alfredo Jos Antones Guimaraes
Manoel da Cutiha Guimaraes...
Joaquim Cabral de Mello.......
Jos de Azevedo Maia e Silva..
Bernardo Pereira do Valle Por-
to...... .................
Ignacio Pereira do Valle........
Felisberto Ferreira de Oliveira..
Domingos Jos Ferreira Goima-
res.......................
Manoel da Molla Machado......
Manoel Joaquim da Rocha.,... .
Serapbim de Sena Jorge........
Manoel Joaquim Fernandes.....
Josepha Maria da Cooceicao....
Luiz Pereira Lima-............
Antonio Henrique Rodrigues....
Manoel francisco dos Santos
Maia.......................
Manoel Joaquim Ribeiro.......
Manoel da Silva Nogueira......
luou Ijuciu Mart|aoo......
Francisco Joao de Barros......
Joaquim Rodrigues Tavares de
Mello......................
Jos da Suva Loyo............
Francisco Jos Alves Guima-
raes.......................
Caetano Cyriaco da Costa Mo-
reira......................
Jos de Mello Costa Oliveira....
Manoel Muoiz Tavares Cor-
deiro......................
Antonio Joaquim de Vasconce-
los........................
Antonio Jos da Silva Brasil...
Joo Jos Rodrigues Mendes.....
Luiz de Moraes Gomes Ferreira.
Domingos Jos da Costa Amorim
Manoel Fernaudes da Costa.....
Joo Carlos Coelho da Silva....
Manoel Ramos de Oliveira.....
Manoel Jos Pereira Marinho...
Manoel Ferreira Bartholo.......
Manoel Francisco.Marques.....
Gregorio Paes do Amaral.......
Joaquim Jos Goocalves Beltro.
Jeo da Silva Ferreira..........
Jos Joaquim da Silva..........
Antonio Jos Coimbra Guima-
raes.........................
David Ferreira Bailar..........
Antonio Jos dos Res..........
oo Ribeiro Lopes............
oaquim Custodio de Oliveira...
ce Gomes de Frailas.........
ernardino Gomes de Carvalho.
Antonio Baptlsta .Nogueira......
Joao Francisco dos Santos Jnior
Francisco Ribeiro Pinto Guima-
raes.
Alfredo Prisco Barbota........
Manoel Soares Pinheiro.......
Joo do Couto Alves da Silva...
Joaquim Monteiro da Cruz.....
Antonio Jos Dantas...........
Salustiano Francisco Martins...
Antonio Pereira de Paria.......
Antonio Luiz Ferreira Lima....
Manoel Jos da Cu n lia Porto...
Flix Venancio de Can tal ice....
Manoel Alves da Silva Caldas.
Joo Francisco Antones........
Custodio Colaco Pereira Jnior.
Jos Goocalves Torres.........
Antonio Jos Paulo de Carvalho.
Joaqoim Ferreira dos Santos
Coimbra Guimaraes.........
Justo Cesar de Almeida Jordo..
Jos dos Santos Oliveira.......
Belarmino do Reg Barros.....
Manoel Ignacio Rodrigues Praca
Joao Jos da Silva...........
Fortunato J. G. B.............
Jos Correa de Mendonca Sobri-
nho.......................
Emiliano Evangelista de Moraes
Antonio Pedro de Souza Soares.
Manoel Jos da Costa Pereira...
Joo Pereira Reg............
R.M.8.A. F.................
Custodio Francisco Martins.....
Manoel Albino da Costa Torres.
Jacintho Jos da Costa Torres..
Bernardlno Augusto da Costa
Torras.....................
Joaquim Pedro da Costa Torres.
Padre Tiburclo Pereira Gomes.
Manoel Gomes Correa.........
Joaqalm Ventora da Silva Piolo
Maaoel Ventora Telxetra Piale.
Domingos Marques de Oliveira.
Antonio Rodrltoes Padim.....
Panto Jos Pereira da Silva....
FraaeieMde Oliveira Braga...
Joo ftetode Oliveira..........
PaoMaoUa* Feraaades.......
Aatoai* Lelle de S Coefho....
Padre Maaoel Goaealvet fleta
Jos Asfceo fleiaareV.'.'.
mmI TiTirc 6 Pnm# -...*
FtoriMd Alte % Cotia.......
( lafZi
3:0004(00
5.0004600
i:Ki04000
2:8004000
2004000
1:0004000
1:2804000
1:2504000
6:2504000
1:2804000
1:0004000
5004000
I
1:2504000
2:50040001
5004000!
1:2504000
2:5004000
1:250400
3:7504000
7:5004000
6504000
5:0004000
504000
6:0004000
1:2504000
6:0004000
2:5004000
1:2504000
1:5004000
1:2384000
5:0004000
4:0004000
1:2504000
1:2504000
5004000
5004000
1:2604000
2504000
2:2504000
1:0004000
1:0004000
1:2504000
6:0004000
1:5004000
1:0004000
5004000
1:2504000
1:0004060
5004000
7:5004000
1:5504000
1:2304000
2:5004000
6:80UAUUU
10:0004000
10:0004000
8:7504000
1:0004000
2:0004000
1:2504000
1:2804000
2:0004000
2:5004iK)0
5:0004000
3:7504000
3:7504000
4:0O04'00
3:2504000
1:2504000
1:2504000
1:2504000
2:5004000
3:7504030
4:0004000
2:5004000
2:5004000
8:0004000
2:0004009
5:0004000
1:0004000
2:5004000
1:2504000
1:0004000
8004000
1:2504000
1:0004000
7804000
1004000
1:2504000
2:5004000
1:0004000
6508000
5:2804000
1:0004000
2:0004000
1:2804000
5004000
2:01)04000
2:8004000
1:0004-00
1:1804000
10:0004000
1:2504000
1:2504000
2:5004000
2:0004000
2:8004000
2:5001000
1:2804000
8004000
1:2804000
1:2504000
2:5004000
2:0004000
7101000
5:0004000
3:0Oe4O00
Polldorio Jos da Ponle........
Jos dos Santos Castro Garrido.
Augusto Correa Duro........
Francisco Pacbeco dos Sanio*..
Alipio de Paria Gomes.........
Antonio Francisco da Silva.....
Jos Joaquim Coelho de Oliveira
Antonio Gomes Coelbo Torrea..
Joao Martins dos Santos.......'.
Pedro Aff.nso Cooto...........'.
Aos Alves Veras Couto .....
Severino Ferreira da Molla Ma-
chado.....................
Antonio Manoel de Lima.....
Antonio da Cosa Sol..........
Francisco Antonio Mendes de Oli-
veira Jaoior..................
Jos Alves Maciem.............
Bernardo Alfonso de Miranda...
Manoel Pereira Machado........
Vicente dos Santos Simdes......
Manoel Francisco Floree........
Manoel Ferreira Marqoes.......
Manoel Luiz BapUsia Piano.....
Antonio Loiz Baplisia Piano___
Manoel Jos Gomes de Aodrade.
Antonio Leite de Castro Bro-
chado........................
Joaqoim Leal de Meireles'..'.'.'.*.
Antonio Pinto Baodeira.........
Antonio Joaqoim Alberto de Al-
meida......................
Joaqoim Aniones da Cuaba Gui-
maraes.......................
Jos Vidal da Rocha............
Jos de Sooza Velloso..........
Jos Carvalho Pinto Bastos......
Zeferloo Jos da Rocha..........
Nicolao CiofB...................
Jos Antonio Pinheiro Bastos...
Antonio Joaqnim de Carvalho
Lima.........................
Manuel Domiogoes Guerra......
Jos da Silva Miranda..........
Bernardino Alves Barbosa Saata-
rem........................
Olio Rodolpb Siengel....'.*.".'.'.'.".
Victorino Jos Duarte Pinza....
Joaquim Antonio Teizeira Ma-
chado.....................
BeroardinoJos deAraoio....
Joaqoim da Cosa Carneo.....
Domiogos da Costa Araoio Bar-
ros.......................
Luiz Antonio da Cosa Pereira..
Joaquim Ferrreira Coelho da Ro-
cha.......................
Bernardo Jos da Pal.*.'."."..'.'.'.
Antonio Alves Peinlo.........
Jos Nones Pinto.............
Salvador Oliveira Rezende.....
Adriano Joaqoim do Caes Sei-
xas.......................
Fulgeocio Jo.- da Costa.......
Domingos Mootinno...........
Jos Joaqoim Telxeira da Fons-
ca Bastos.................
Antonio Ribeiro Rosado.......".
Eduardo Pereira Nones........
Joaqoim Jos Ferreira de Freitas
Antonio Marques Ferreira.....
Antonio Ventara Teixeira Pinto.
Pedro da Costa Nunes.........
Joo Jos Rodrigue!, de Sa.....
Jacintho Jos Martina Correa...
Jos Ferreira da Sil va.........
Domingos Jos Ferreira.......
Joo Fernandes da Costo Gaima-
res......................
Beroardino Alves Barboza...'.".'.
Antonio Ferreira de Carvalho..
Carlos Alves Barbosa..........
Joaquim Jos Gomes da Sooza..
Jos Fernandes Ferreira.......
Domingos Jos Ferreira da Silva
Manoel da Caoha Guimaraes...
Antonio dos Santos Colbo e
Silva......................
Max Hamburger............"
Francisco Xavier de Oliveira...
Antonio Goncalves de Azevedo..
Francisco Jos Lopes..........
Jos Joaqoim de Agoiar........
Joaquim Fraucisco do Reg....
Jos Alves Barboza Juoior.....
Jos Manoel Baplfsta..........
Jos Goilherme Gaimares___
Noberto Correa da r,.s-3 ura-
cnoy.......................
? 500jrjrjo
rmmo
0*04000
IMiflWi
2:50041 tu
I:29WjO
J:J*O4OO0
1:29040' O
S:00O4O0
2:iJ04UW
2:5004000
1
I
S.OOOfilOO
2:900JOOO
2:500400
7:3004000
2:5004000
5:0004000
2:5004000
2:500M.O
1:2304000
2:3et4uuO
5:0004)000
5:0804)000
ftsoopoo
2:5004000
3:0004000
2:5004UOO
300O4OW)
2:5(04000
I: MU "O
4:600out>
3:0004000
1:2504000
2:00 40> O
tJMpM
2:0004X00
1.2504000
5:0004000
MMM
l:290|000
l9pH
1:0004000
1:2504000
3004000
5:0004000
3:0004000
IMM
1:zd04*0)
1:0004*00
50040110
30004000
I30J099
1:2504(100
0040t0
2 3004(100
3 50041100
MMdjatO
l:2505(WO
wmSmm
fcSMlM
2:0004000
iwon
3:750401 mi
1:23040U()
MOfOOC
378:3754(00
Jkh'M 1uaDiis sobscripias, acima~nie^i^
S ,;'a rPa,l,sadJas D e*naeo de 10, \, oa
25 aoons, entrndose annoalmente e,. nr
pequea preslacao, segundo M p*mm do nbs-
fJoao da "Silva Rams^ibe
pela onivershJa le de '.oimbra d
I consultas em sua casa das 9 as
11 horas da manb3a, e das 4 as 6
Ida tarde. Visita os doentos em suas,
casas regularmente as horas para
isso designadas, salvo os casos nr-
Igenles, que ser3o soccorridos em
qualquer occasiJo. D consultas aos
pobre* que o procuraren, no hos-
pital Pedro II, aonde encontrado
diariamente das 6 as 8 horas da
manha,
Tem sua casa de sade regular-
mente montada para receber qual-
quer doente, ainda mesmo os alie-
nados, para o que lea eommndns
apropriados e nella pratica qual.jucr
opperaco cirurgica.
Para a casa de saude.
Frimeira classe. .3J00O diarios.
Segunda dita------3*500
Terceira dita. .2*000
Este estabelecimenlo j besa
acreditado pelos bons serrpew tj
tem prestado.
O proprietario espera que elle
continu a merecer i
que sempra tem gozado.
ENCANAMETOS
PAB11MA
Na roa Nova n. 30 azem-se e
cananwatos, assim como I
Candido Balbina da Rocha, faz poMi-
co que a sua aula particular de iaaHaii/lu
primaria de meninas ser aten no 1 |
de fevereiro prximo, na nm deMaaejat ao-
brado n. 59, nao o fazendo soOas ar se
achar este sobrado em nljamele de eoav
certos.
"~ Mritm it crjsltl jrntom.
Na toja de oorives ao arco da Cscete*, a* Me-
die, !ea os aietlwrai asa aa
Na rua^ Madre de Done m.JL
Est per singar *e o BTlawliu
anta da nade saja*-Verde* a. 80
roa daa Cnetes, sobrada a 9, 9 aada
Precisa-se de
tomrae para doas j
Prectiase atapar aa


anta aaw letiano e ra-
beira: m roa da 1 roperatrrt n. i



^HMU^Bi

-WfrtoMmlMmrrM&* WUfcWW^.JP186G


J
I


4 salsa nmm n AVER
PARA A CURA RADICAL
de escrfulas e molestias escrofulosas, tumores,, ulceras, chagas, feridas ve-
lhas, bronchocele, papo on psper. -ai syjmiKS, nfermidades venerias oumer-
curiaet.
AS MOLESTIAS DAS MULHERES
reteocao, menstro doloroso, ulcerares do tero, flores brancas, etc., ulcera-
o5o, debilidade, expoliaco dos oasos, a nevralgia e convulsSes epilpticas
croando causadas pela escrfula.
ERYSIPELAS ERPES; ETC.
nfermidades cutneas, ernpco, borbulhas, pstalas,
nascidas, etc.
O extracto composto de salsa parrlua, coleccionado pelo Dr. Ayer, urna
combioacao dos melhores depurativos e alterantes conhecidos medicina; confeccio-
nado segundo as rgras da sciencia, approvado e receitado pelo primeiros mdicos dos
Estados-Unidos da America do Sul e Central, das Antilhas, do Mxico e das Indias, e
nanitas ou tras partes do mundo : o resultado de estudos apurados e minuciosos, e de
experiencias feitas pessoalmente pelo Dr. Ayer, por muitos annos, nos principaes hos-
pitaes e enfermaras da America ; tom sido approvado pelas academias de medicina e
juntas de hygienne das principaes capitaes da America do Norte; para prova disto vede
os attestados authenticos no Almanak e Manual de Saude do Dr. Ayer, os quaes te dis-
tribuem gratuitamente nos lugares onde se vende o remedio.
A SALSA PARILHA DE AYER
Especialmente efficaz na cura das molestias qne tem sna origem
na escrfula, na Infeecao venrea, no nao
excesslro do mercurio ou qnalquer Impureza do sangue.
A molestia ou infecclo peculiar, conhecida pelo nome de escrfula, um dos ma-
les mais prevalecentes e universaes que ha emtoda a extensa lista .das nfermidades que
a taca m a nossa rafa; disse um celebre escriptor da medicina que mais de urna terca
parte de todos aquelles que morrem antes da velbice sSo victimas, ou directa ou indirec-
tamente de escrfula; por isso s nSo tao destructiva, porna a principal causa de
muitas outras nfermidades que to Ihe sSo geralmente attribuidas.
E urna causa directa da tsica pulmonar, das molestias do figado. do estomago
eaffeccoes do cerebro; entre seus numerosos symptomas achapa-se os seguintes: falta
de appetite, o semblante plido e enchado; as vezes de urna alvura transparente e outras
vezes cralo e amarellento irreguLr, fraqueza e moeza nos msculos ao redor da boc-
ea; digesto fraca e appettite, falta de energa; ventre enchado e evacuacSo irregular;
quando o mal tem seu assento sobre os pulmes urna cor azulada moslra-se em roda dos
olbos ; quando ataca os orgSos d-gestivos, os olhos tornam-se a;vermelhados; o hli-
to ftido, a linoa carregada; dores'de cabeca, tonteiras, etc. I Naspcssoas dedisposi-
clo escrofulosa apparecem frequenlemente erupces na pelle da cabega e outras partes
do corpo ; s5o predispostas s affecces dos pulmes, do flgade, dis rins, dos orgos
digestivos e uterinos. Portanto, nao sao smente aquelles que padecem das formas ul-
cerosas e tuberculosas da escrfula que necessitam d- protecc5a contra os seus estragos;
todos aquelles em cujo sangue existe o virus latente (leste terrivel flagello (e s vezes
hereditario), esto expostos tambem a soffrer das nfermidades que elle causa, que sao:
A tsica, ulceracoes de 6gado, do estomago e dos rins; erupces e nfermidades
eruptivas da cutis, rosa ou erysipela, borbulhas, pstulas, nascidas, tumores, rheuma,
carbnculos, ulceras e chagas, rheumatismo, dores nos ossos, as costas e na cabeca,
debilidades femininas, flores brancas causadas pela ulceraco interior, e nfermidades
uterinas, hydropesia, indigesto, enfraquecimento e debilidade geral.
Offerecemos a estas pessoas um abrigo seguro e um antidoto efficaz contra esta
molestia e suas consequencias na
SALSA PARRILHA DE AYER
CASA DA FORTiU
>:omm>o.
Na roa da Cadeia do Recife, lo} n. 41, com-
pra se ara cabriole! cora pouco aso.
Bill garantidos.
A' RDA DffqflWO Wl k CASAS DO COSTUMB
O abaixoassignado venden oos neos muito feii-
aes bilhetes garantidos da lotera que ge acabo.
de eatrahir, a beneficio da Santa Casa de Mise-
ricordia, os seguintes premios:
Jv 1361 tres quintos com a sor te de 6:0005-
N. 2432 dous meios cora a s ,t le de 1:2005.
N. 2855 tres qaioios cora a sorte de 8005-
N. 2857 doas quiotos com a sorte de 2005
E outras muitas sortes de 1005, 405, e 20.
Ospossaidores podem virreceber seas respec-
tivos pralos sernos descontos das leis na Gasa
da Fortuna roa de Crespo n. 23.
Acham-se a venda os da 1* parte da 1* lotera
(47'J a beneficio da matriz de Pao d'Alho, que
se extrabir a 10 do correte.
PREGO.
- Bilhetes.....6J00Q
Meios......3000
Quintos. .... 15200
Para ai pessoas qne compraren de 100 para cima.
Bilhetes. 5*500
Meios......2*750
Quintos. ... 1*100
Manobl Martins Fiuza.
GRINDE ESTABELECIHENTO
DO
PARA 18611.
Acabara de sabir luz as folhinbas de
algibeira e de porta para o anno d 1866, o
mais correctas possivel tanto no calculo das
las e eclipses, como as diversas fesias
que a igreja celebra; vendem-se poicamen-
te na livraria da praca da Independencia,
160 res as de porta e 320 res as de algi-
beira.
Livro do povo.
O livro do povo, obra ornada com estampas, con-
teodo a vida deNosso Senhor Jess Cbristo, e mol-
tos artigos atis. Este Irvro- das familias recom-
Bua da impcratrlz, V- 60
DR
LOJA BV-AHMAZSJI I)E KAZENDAS.
I Tendo os proprieta rl! dr.-"t grande eslabeleci-
mento feilo um grande a lia ti na- u lo em mullas de
suas fazendas, pela occasiSi. du Lalanco que deram
do ultimo de dezembro de 1800, resolvern vender
inulto mais barato do qu rostumam atiin de cada
vez mais agradaren) ao* seus numerosos fregu-
zrs ; por tamo Iheg oHereeeio uro avulado sorti-
mento de fazendas fraucezas, ioglezas, as quaes
vendern mais barato do que em outra qualquer
parte, comprometiendo se a mandar levar qualquer
fazenda em casa dos fregm-zes i|ue nao poderem
vir a loja, ou a darem as amostras, deixaodo ficar
o penkor, assim como convidara as pessoas, qne
negociam em menor escala que oeste grande esta-
belecimento eoeontraro um grande sorlimeolo
taoto a relalho come por atacado, vendendo-se-lbe
apenas pelos pregos que coropram as casas iogle-
zas, sendo com o dinheiro a' vista.
I'echinca a 3#000 e **JSJO
AS MELPOMENES DO PAVAO.
Vendem se bonitos cortes de melpomene para
Silezia para saiaa a 44o rs. a vara m bp
^nmMnmW
* Veode'm-te sileiia _
boae propria para aaias, pelo brato
r*. a vara : na I Ja do Pao na ra
tn* n. 60, da Gama gilva.
lo sama bordada da Mal
^5 ^Af*'** baN*>* a**fca**na
ba, srtMlo rieameaie bordadas > coa mOH
vendendo-e pelos baratos prego* Je ti Sf
res cada urna na I.ja do Pavao uru
irir b. 60 dtf Gama A Silva.
Papa i* adipaiii rann.i
Vende-ae peeklnerias 4 oMat*a
com 12 jardas cada prca ?edo t*tn
(teir pelo. naralissimen procos Oe 4* |S no
loja doPavo na roa da loporaarn n a it fioaa
& Silva.
Leamos branca* a
natnian
mendado e approvado pelos Exms. Srs. D. Loiz,
bispo do Maranhao, e D. Manoel, arcebspo da Ba- .
bla, acaba de pub.,car,e a 4- edicto des'ta impor- S^il'SS^^^^S^ S Z.
Samuel Pwer Johnston i Uompanhia uole obra,. $3% n. livr.na ^ooomica, ra I desBp/JJ5"^^?? 1e !SPJL? S
Ruada Sen zal Nova n. 4.
AGENCIA DA
Fundlcao deLow Hoor.
Machinas a vapor de 4 e 6 cavallos.
Moendas e meias moendas para engenho.
Taixas de ferro coado e batido para enge-
nho,
Arreios de carro para um e dous cavallos.
Relogios de onro patente inglez.
Arados americanos.
Machinas para descarocar algodo.
Motores para ditos.
Machinas de costura.
Thereza de Siqaeira Cavalcaoti manda di
zer ama missa no dia 8 de fevereiro as 8
e meia boras da maobaa na matriz da Boa-
Vista, aooiversario do fallecimeoto de soa
presada filha Thereza de Siqaeira Alcefora-
do, pelo repooso eteroo de soa alma, pede a
seas pareles e amigos e aos de soa filba o
favor de assistirem a este acto religioso, e
desde j agradece a aqnelle que se dlgnar
onvi-la.
a victima das garras de uma iorte lenta Pessoas que concorreraro para o sea traosporte ;
assim como ao Sr. Jaao da Rocha Pinheiro e outros
mais, e eom especlalidade o sea amigo Bibeiro,
sua familia, a familia da Sra. D. Mana Pessoa de
Mello e a Sra. D. Caodioba, e sea maito amado
fillio Aprigio, de cojas qualidades jamis me esqae-
cerei.
Laareoiioo Braz de Oliveira.
mmmmmmm mmm m mmm
m DEPOSITO DE GALCADO g
MI FABRICADO NA CASA DE ETE.NCAO M
i g( Ra \ova n. GI. j^
Ahi se encontraro obras de di- an|
versas qualidades, e por prego mui
diminutos, a retalho e em porces.
S se vende a dinheiro.
para a renovagao do sangue, e d o corpo j enfraquecido pela doenca, forfas e ei
gias renovadas como as da ioventude.
tambem o melhor anty-syphilitico conhecido T^^^^*M~
cura permanentemente as peiores formas de syphilis e as suas consequencias. Pouca o abaixo assignado agradece muio aos Srs.
necessidade ha de informar o publico do inestimavel valor de um remedio que, como Castro Redondo, Jos Dioiz, Jos Alvos e ontras
este, livra o sangue desta r-orrupcJo e arrebata a victima das garras de uma i~
e ignomiaiosa, porm inevitavel, se o mal nao logo combatido com energa.
um poderosissimo alterante para a renovarlo do sangue e para dar nova for-
ga ao corpo j enfraquecido pela doenga.
Sendo composto de productos vegetaes, esie medicamento innocente e ao mes-
mo tempo efficaz, um fado de immensa importancia para aquelles que o tomam ; por-
que muitos dos remedios alterantes offerecidos ao publico tem por base o mercurio ou o
arsnico; e sendo assim, bem que s vezes podem effectuar curas, comtudo deixam suas
victimas carregadas de umalonga serie de males, muitas vezes peior do que o mal or- ar
gioal. A nica cousa necessaria para obter uma cura radical seguir com juizo e cons- M
atncia as direcces que acompanham cada frasco. M
N5o pretendemos promulgar, nem queremos que se inQra que esta composigao a I ^
um remedio infallivel para a cora de todos os padecimentos huipanos ; infelizmente
escrfula e a syphilis sao nfermidades tao sutis as suas nalurezas, e arreigam-se t5o,E
firmemente no systema, que muitas vezes evadem eresistem aos remedios mais pode-,
rosos que a sciencia humana pode inventar para combate las: o (jue dizemos que o
Extracto composto de salsa parrilhaide Ayer
a melhor preparag5o at boje descoberta para estas e outras molestias anlogas, que
uma combinag'o dos alterantes mais efficazes conhecidos, e que estp combinagio tem sido | precjsa.se je uma ama para o servico ioteroo
regulada por longas e laboriosas experiencias, e finalmente que temos consciencia deof- de urna casa de pouca familia : a tratar oa praga
ferecer ao publico o melhor resultado que possivel produzir, di intelligencia e pericia do Corpo
medica dos nossos lempos.
A vos do sangue, 2'volumes.
Conminara, I ditos.
A noite de S. Silvestre, i dito.
O filbo de Titiano, i dito.
Adonis ou o bom negro, 1 dito.
As duas amadas, i dito.
O pacbi de Buda, i dito.
Trilby, 1 dito.
Ignez de la Sierra,' i dito.
Joven Siberiana, l dito._______
i MQIARESM*
; PECHINCHA aDMIRAVEL.
Grosdenaple prcto a 1^600
Veode-se superior grosdenaple preto, fazenda
maito eocorpada, pela baratissimo prego de 15600
: o covado, sendo fazeoda que val maito mais di-
nheiro : Da loja e armazem do Pavao na ra da
Imperatriz o. 60, de Gama & Silva.
DOMINO'S PARA O CARNAVAL
Na laja do Pav.
Veode-se um bouito sortimeoto de dminos pro-
prlos para o carnaval, sendo de differeotes fazen-
dicoes s pessoas de tratamento, sendo que peTo!da*.e f001 os modelos mais modernos, assim como
alognel que ora se exige oo caro. i 'Ibotioas gangas e outras fazeodas proprias para
A quera qaizer flear com o mesmo sitio, ou a flm : D n d Imperatriz o. 60, loja do
qualquer outre, cede-se por prego razoavel om ca- "vao e (,mT*.41r,v?R. n PP?rnrn
bnolet, om bom cavallo, dous bois, um muito bo- diaixiao para oilo e outro que se veode barato, ama carroca de a.*5> so o Pavao.
Veodem-se bonitas maclas para o pescogo, pelo
prego de 1 : oa loja do Pavao na ra da
ratriz o. 60, de Gama & Silva.____________
Na roa do Imperador n. 28 tem superiores
dim, um bote de ferro e outro de madeira que ca- j bichas haraborgoezas para vender em porcao e a
rece de reparos: a tratar oa roa do Imperador, no retalho, e tambem alogam-se ; rap "Paulo Cordei-
ro viajado, igual ao de Lisboa, e para gosto de al-
gucs, melhor, por oo ferir, etc.________________
Luvs de Jouvin pretas e outras
cores
Cbegaram para a loja de miudezas
Qneima-1" n. 16._____________________________
\uude-se uma armago para taberna, sita
nr r.ia do Padre Floriano o. 74 : a tratar na roa
i imperador n. 14.__________________________
Veode-se sal grosso : a tratar ua roa da lia"
dre de Dos o. 2.
Ditos de indiana, tendo oilo e meia varas, pelo
baratissimo preco de 2500 rs.
Isto para acabar na leja do Pavao, ra da Im-
peratriz o. 60, de Gama & Silva.
JffV 'r!a da prda lDde-; vJ?,SLL"L!,*h; w
pendencia n. 8, a 400 rs. 0 volume, OS ro- r0J|0 pelo baralUsimo prego de 7lo00 a dozia ou
manees portuguezesseguintes, embrochura: a 640 cada uraa.
do Crespo o. 3. Prego 15 cartonado.
ROMANCES BARATOS
sll t>
Arada est por alagar o sitio em Santo Ama-
ro, em que morn o Sr. Cambrone.
Os commodos da casa, a sua elegancia, e as pro
porgos do sitio, que alem de estar bem plantado,
tem boas baixas de capim, offerece as mesmas con-
m
Este remedio deve ser tomado com systema e regulandade
pois um remedio e n5o bebidat
Quando as molestias do figado nao tem sua origem na
mais proprio as pilulas catharlcas de Ayer, que sao efficazes nal
tem por causa um desarranjo dos orgaos digestivos. Pedi 1
n5o aceitai outra preparago.
Pernambuco, ra Nova n. 18, pharmacia francezade P. Waurer & C.
A margera do rio, do lugar do Hontelro, na
larde de 2 do corrente, fn taram um cavallo de
e nO Cora abandono, I carro, rogo, pedrez, tem algumas oodoas de ter
I soffrido feridas por causa dos arreios: quera delle
krrnfula o remedio liver nol,cia dir'ia-se a rua lar8a 00 Rosario n-l0'
38GHMaia>, o remeuio sef recompensa(j0
cora da molestia, que H _____________________
sa parrilha de Ayer e; Precisase de offlciaes de cbarufeiro : na rua
das Cruzes n. 37.
\o armazem de u
n. 11,
VENDE-SE

a. llamos e Silva & Genro. i rua do vigario
constantenaente, os seguintes artli;oa, qne
de
0 Dr. Sarment Filho
previne aos seas doeotes e pessoas de sea
conhecimeoto que se madoa para a rua
do Imperador n. 19, segundo andar.
Goardanapos de linho adamascado para meza a
25800 a dozia ou a 240 rs. cada um.
Superior atoalhado de linho com oito palmos de
largura sendo branco e pardo, e veode-se mais ba-
rato do que em outro parte, oa loja do Pavao oa rua
da Imperatriz o. 60 de Gama & Silva.
Rico vestidos a 80000 rs.
pechioeha adiuiravel.
S o Pavo receben pelo ultimo vapor franeez
um grande sortimeoto dos mais ricos corles de
vestidos transparentes com lindas barras e enfeites
de seda, sendo estes vestidos muito proprios para
baile e passeios, e vendem-se pelo baratissimo
preco de 85000 rs. cada om, na loja do Pavao na
roa da Imperatriz n. 60 de Gama & Silva.
Os corpinhos de seda pretos do Pavao.
Veodem-se os mais ricos corpinhos de seda pre-
tos, ricamente enfeilados, pelo barato nreco de 125
cada nm : na loja du Pavo na roa da Imperatriz
D. 60, de Gama & Silva.
Organdy a 1:200 a va>a.
Chegou para a loja do Pavo um brilhante sorti-
meoto dos mais ricos organdys matisados, sendo a
fazenda mais fina qoe tem vindo neste genero com
padroes inteirameote novo?, e vendem-se pelo ba-
ratissimo prego de 15200 rs. a vara, oa loja do
Pavo na rua do Imperatriz n. 60 de Gama & Silva.
As precalinas do pavo a 440
Vendem-se as mats lindas precalioas ioglezas
proprias para vestidos com largura de chita frao-
ceza pelo baratissimo preco de 440 e 480 rs. o co-
vado, floississlmas precaks com os mais moderos
desenos a 500 e 560 rs.
Chitas escoras francezas a 320, 360, 400 rs.
Ditas com Bordea proprios para chambres e co-
bertas a 640 rs.
Ditas ioglezas claras e escoras a 200 e 240 rs.
Na loja e armazem do Pavo na roa da Impera-
triz o. 60 de Gama & Silva.
Corles de eolim para caigas
a 15120 s o Pavo.
Vendem-se superiores curtes de cotim, fazeoda
muito eocorpada para calcas e paiitots, tendo pa-
droes oscuros e alegres, e vndese pelo barato
prego de 15120 rs. o corte de caiga ou a 320 rs. o
covado, sendo esta fazeoda grande pechioeha pelo
prego.
Bnm pardo eDlraogado a 700 e 800 rs. a vara.
Dito liso muito encorpado a 640 e 700 rs. a vara.
Dito branco entrampado a 15280 rs., isto pe-
1 chincha oa loja e armazem do Pavao na rua da
. Imperatriz o. 60 de Gama & Silva.
Os cortes de cambraia oranco bordados na
loja do Pavo.
Veodem-se os mais ricos corles de cambraia ri-
carnete bordados com barras e babados a 205 ca-
da um : na loja e armazem do Pavo na rua da
Imperatriz o. 60, de Gama & Silva.
Cortes de chita a 20000
S NO POVO.
Veodem-se cortes de chitas inglezas com dez co-
vados a 25.
Ditos com onze covados a 25200.
pregos". para acabar, os objeclos seguales, qoe ser-1 Ditos com dote covados 1 25400.
na rua da Imperatriz o. 60 de Cama c Silva,
cada um. i 0 chales pretos de renda do Pavo a S000 rs.
VeDdem-se os mais ricos chales pret s de reoda
na rua do
Fumo.
Veode-se fumo da Bah a e da Ierra, de soperior
qaalidade, em porcao e a retalho : oa rua da San-
tata Nova o. 1. 1. .
teseoms para encrespar liaba'ios,
Veodem-se tosouras para eocrespar babados
de duas, tres, quatro e cinco peroas : oa rua do
Queiroado, Azevede & Irmos.
Para os bailes mascaradas.
A aguia branca est veodeodo por baratissimos
Vendem sa leseo braaco WWsM
pelo baratissimo prego de 25 duzu,
barra de tur a 25000 isto para acatar s fcs>
Pavo oa rua da Imperatriz M 4 Casas a S*-
"gR.NDE PECHINCHA!
Lasmhas a i 20 rs. ia laja i* faia.
Veode-se lsiohas preua praavlu para na anv
do boa fazeoda a 190 ra. covado. DMm bmm
lioas de qoadrJDho* a 480 e 320 r.. las tantn-
das a 400 rs., ditas mathizadas a 310 ra, Sana
iransparentes com palma de feSa 40 ra^dnaa h-
zaa e com salpico* a 500 n, pava
armazem du Pavo na roa da latperairu
Gama & Silva.
Ponpelinas modernissimas a 400 e 500 rs.
o covado oa loja do Pavio.
Veodem s poopehoat muilp naas saa I
muito moderna de quadnaho liza
pelos barator j recos de 400 500 rs. ma*
loja do Pavo oa roa da Imperatriz n. 60 a> Gaant
& Silva.
Boleas d' viagea, m laja iaPava*
Veodem-so bolgas de vuiteat aMa Naw, *
com mala 011 iem ella, rrwtmio Mtorw aven
razoavel: oa leja e armazem do Pavao, raa Sa
Imperatriz o. 60, de Gama & Silva.
Hretanlias de rala a 3#00
Vendem se pegas de hretaoaa de ralo caar 10
varas rada pega, pelo baraUsfua* prego de 35 :
na :oja e armazem do Pavo, roa da kaprraU!. t
60, de Gama Silva.
rlaiellas 4 f*:
Veode se superior flanHIa de ojoadrinSoa, se
baratissimo preco de 800 rs. o covado. dita U-a.
fazenda muito fina, a 15 o covado : aa loja ar-
mazem do Pavao, roa da Imperatriz n. 6a, de 6,
ma n Silva.
Cortes de percal la a *. na
loja do Pari.
Veodem-se superiores rrtes de pirran* ton
casaveqoe, sendo fazeoda maito noderu, --
de-se pelo baratissimo prego de 85 o rrM para
acabar : na loja e armazem do i'avao, roa doia-
peratriz n. 60, de Gama & Silva.
Cirosdenaplea prrtos dn l*aon.
Vendem-se superiores grosdenaple prrta* *' >
baratissimos precos de 15500, 15600. 15800 e _
o covado, sendo fazenda maiio boa. s para ara
bar : oa loja e ari azem do Pavo, roa do Impe-
ratriz o. 60, de Gama A Silva.
Bramante de linho do Pavo.
Vndese superior bramante de liofco am H-
palmos de largara, proprios para leogoes, p-"1*
baratissimos pregos de 35 e 25600 a vara, as-a
como paoDo de linho muito floo petos toraSsaOBo*
pregos de 640,700 e 800 r. a vara : na k mazem do Pavo, roa da Imperatriz o. 60, Se (ja-
ma & Silva.
As cassas da fa\o.
Vendem-se cassas maito superiores rom llnous
padroes, pelos baratos pregos do 300 e 3S0 r*. a
covado, ditas maito Boas a 360 rs. para aeaoar :
na leja do Pavo, roa da Imperatriz o. fV, de Ga-
ma & Silva.
Canbraias lisas da Pava*.
Veodem se pegas ae rambraia lisa muito sope-
rior, pelo barato preco de 35200 e 35500 a *-.~
duas rnuii) Soas a 55, 65- 75 e 85 : oa loja <
armazem do Pavo, roa da Imperatriz a. O, ae
Gama & Silva.
PECHINCHA !
a 2000, para caigas, m va.
Meias de seda a 15 o par.
Eofeiles de llores a 15, 25 e
Filas lavradas de 320 a 15 a vara.
Cilos largos com ponas cahidas.
Veodem-se liogoas do Rio Grande era calda,
muito novas, a !40 cada uma : no pateo do Car-
ino, esquioa da roa de Hortas, armazem n. 2.
Casa venda.
Vende-se um pequeo sobrado oa roa da Paz
dos Afogados, com bom quintal morado e cacim-
ba, por preco commodo : a tratar com Loureo^o
de Moraes Pinheiro, na rua de Apollo n. 47.
receben per eneommenda propria
MEW-YOllH.
Legitima salsa parrilba deBristol, preparada por Lanman dj
Verdadeiraagaa Florida, I preparada pelos mesmos.
Gaz em latas de cinco gailoes, o mais purificado que se p
lada marca F. W. D. & C.
Relogios perfeitos reguladores, com corda de qaatro a oito
bricantes E. N. Welch.
Graixa em latas grandes da bem conhecida marca las. a,
phia).
Superior oleo para machinas de costura.
A guias para as mesmas.
Breu em baruca* grandes e pequeas.
Vende-se tambem:
ItOIIIM Al \
1.a qualidade.
St. Estepne.
St. Julien.
C. Margaux.
C. Lafitte.
Medoc.
Vinho fino do Porto em barris de 5/, 10/
Superior vinho doRheno.
Cera de Lisboa em velas e em'gramo.
PORTO
Ia qaalidade,
e20/.
Kemp.
>ie desejar da acredi-
dias, dos afamados fa-
Mason (de Pliiladel-
I rncipe Real,
edro V.
Mara Pia.
Prkiceza D. Isabel.
Vctor Emmanuel.
Duque.
Malvazia.
m Acba-se Da casa de Kelier & C. 1
o na rua da Cruz n. 55, uma cirta vin- j
B da do Rio de Janeiro pelo vapor'
Wt brasileiro Gerente, para ser en-
j0 trege ao Sr. Joe Kabl ou Kebl,
gg roga-se portanto ao mesmo senhor,^g
ant queira ter a bondade de apparecer. gag
illlllllilll
Creme.
Sorvete de creme boje aoroeiodia, na rna
do Trapiche n. 18
Precisa-se de uma ama que saina coziohar :
na rna da Imperatriz, sobrado o. 51, 3* andar.
com quatro ponas, senda muito graodes pelo ba-
ratissimo preco de 85-
Ditos de guepure a 155, 185,205, 255-
Betoodas de dito a 10fi.
Manteletes de reoda, Uzeada muito superior a
155000.
Capas e sauthambarqnes de grosdeoaples bor-
dados, fazeoda ioteirameote nova, por precos mais
baratos que ero outra qualquer parte.
Isto oa loja armazem do Pavo oa rua da Im-
peratriz o. 60 de Gama & Silva*.
Para luto v em saceos grandes a 43500 : nos armazens to^?8^
de Tasso IrmuS. ___________________^__ i para horneas, sendo esta aova fazenda sera lastro e
VendeTe~a taberoa da roa do Rosarlo da de moito boa qualidade garantindo-se oo flear
Boa-Vista 0. 53. bem afreguezada, por seu dooo se russa com tempo e vende-se pelo barato pre?o de
qoerer retirar para fra & provincia : qnem pre-125 e 25500 o covado, assim como oeste esttbend-
teoder dir.ja-sea mesma taberna, qoe a visu se melo temara rwfc ortlneoto ojjofa* jrf*;
zeodas pretas como sejam cassas e chitas pretas,
las tapadas e traospareotes, princezas, alpa-ras,
sarjas, etc. : oa loja e arraazera do Pavao oa rua
da Imperatriz o. 60, de Gama & Silva.
Farello
far negocio.
Gomma de milho branco
Veodem se superiores corita de o... 'aatii..'..
com msela de seda a 25, 25800, du s escoras a tpiX), cu a 15600 .an-
do : na loja e armazt-m do Pavo, roa da **<*'-
triz o. 60, de Gama Silva.
PENTCADORgS
oa ronpois de cambraia bordados prnprios
para as senho-as ve airen* de maoba.
Chegou esta novidade paia a loja do favie.
muito lindos e do toelho: gosto at boj-, bmt pre-
sos moito razoaveis : na laja do Pavio, rao Aa
Imperatriz o. 60, de Gama & Silva.
colares Royer on colares ana
dlnoo
para facilitar a denticlo das criaacas presrva-
las das coovuUoos.
O feliz resallado obtido immeosa* on* p-a
prodigiosa forca magntica o* colares Itejn, t- *
casos de convalsoes, e dentico das enaoea >
altamente elevado o seo bem mereci'to ptoaOf m,
e boje j se pode dizer qoe esto geralaaesiSf c- c-
ceituados, e estimados de laoomeraves pao aV
familias : de aos porque do oso Aessos solotares
colares viram salvos do perito seos charos flai-
nhos, e de outros porque coHwran dan
proficuo ezemplo para igualmente
seos. Assim, poli, a aguia branca, leoia na ta-
tas a ulllidade e provet" deseo* prodifnoao* cava-
res anodioos oo Royer, naodtt vtr nno *w.--
meoto qoe agora receben, a rnniaannrt a 1
los para que em tempo alejan a falta
ser funesta ao< pas de familia, o* 1
certos de os aebar roaottooaaoaoie oa
mado, loja d'aguia branca a. t,
**_ s* t9 r^r naan
americana 0s b,!5es d0 pa5o.
Esta preciosa fcula, cojas propriedades med- veodem-se superiores baldes de muculioa com
cinaes a imprensa europea tanto tem exaltado para mai{i roaa a g d|0S crioolines com 35 arco a
a cora das molestias do pello, reeoromenda-se tam-13joo a|l08 co 20 e 25 a 35, ditos para meoi-
bem como alimento sadio e outrllivo para as eri-1 nas sn(j0 brancos e eocaroados a 25 e 25300 :
angas, prestando se a variados preparos culioarios., na "^ do Pavio na rrja da imperatriz o. 60, de
A geral aceitago qoe ella tem oblido por loda a | Qaina silva.
parte o sea maior elogio : veode se uuicamente
na rua do Imperador n. 57, armazem .Alliaoca. Qs ChalCS do pavo a
a/Jf Gompanhia fidelidade de seguros )
martimos e terrestres
estabelecida no Rio de Jaueiro;
AGENTES KM PERNAMBUCO
Aatoaio Liia de Oliveira Aieveda k C,
competentemente autorlsados pela direc-
tora da compaohia de seguros Fidelida-
de, tomara seguros de navios, mercade-
ras e predios no sen escriptorio roa da
Cruz n. 1.
COMPRAS
y*nfin***
jEduca^ao pMmara e &e-J
candara.
Ni iostitalco de Jerooymo Pereira Vil-
lar, na roa larga do Rosario n. 22, nao
fseensinam as materia* qne coostl-
tnem o corso regalar de primeiras letras
como as diseiplioas preparilonas para a
lacoldade de dirello ; cojas aulas estario
bertas no dia 8 do prosette Janeiro, e
;:erao regidas pelea roearooi professores.
Compra-se oaro, prau e podras preciosas,
em obras velhas : na roa da Cadeia do Recife,
1 cja de onrives no arco da Conceico.
Comprase carosso (sement) de algodio: no
armazem de algodo de Sannders Brothers & C
no caes de Apollo.____________________,
, I ~^ Compra-se uma casa terrea em qual-
' quer uma seja em travessa: a tatar na rua de Hortas
casa do fallecido Loureiro.
Cofre.
Comprase um cofre em segunda mo : oo ar-
mazem da'bolla amarella no oito da secretaria
da polica.
Cobre, lati e ehnnano.
Compra-se cobre, laio e chumbo : oo armazem
da bola amarella no oito da secretaria da polica.
Rlaeadoa a itOra.
Veode-se riscadinho escuro proprio (tara vesti-
dos bu roapas para homem, peto baratissimo pre-
go de 120 rs. o covado : s na rua da Imperatriz
&.00.____________________________,
Veodem-se 400 podras para ladrilho, vindas
da lina : a tratar na ruado Vigario n. 1*.
iwmwmmwMmmmmmi
Jos Gomes Villar
com loja na rua do Crespo n. 47,
convida aos seus devedores do ma-
to e desta praca a pagarem seus de-.
bitos quanto antes, principalmente
os qae ja devem a mais de seis me-
ses. 1
Compra se om
Crespo o. 17.
escrave pega
na rua do
Saquea para a Babia, Para e
aranhao.
Comprase ama cabra bicho, qoe seja boa e
teoba ba-iante leite, nao se olba a prego : na roa
do Raogel o. 17.
Altonio Jos Rodrigues de Souza na roa Comprase um escravoque seja mogo,sadio
do Crespo n. 15, saca a tiste OU a prazo i e sen vicio : aa raa larga do Rosario n. 34, bol
contra a Baha, Para e Marmhlo,
A,BTHAT-C
9-Raa do laaa>erador-J.
Deposito a> joia* francezas por atacado.
Can en Par e Ra de Janeiro.
Rtcebem directameHe por tolos es paquete*.
Comprase nm santuario de Jacaranda' en
vldracado com 4 oa 5 palmos de bocea, e em per-
feiio esudo : qoeffl ti ver anaonci para ser pro-
Qr(l _.
waa.
Mfc.ta Tin
praca
da la
Vendem se doas casas terreas pequeas, uma
dita na povoago do Monteiro, e outra 00 bairro do
Recife : qoera as qaizer comprar, dirija-so a boti-
ca da raa do Cabog, qoe encontrar com quem
tratar. .
Os "dminos do Pav^o.
Vendem-se 01 mais elegantes dminos, oa ala-
gam-se, proprios para o carnaval, assim como se
vende fazeoda propria para os mesmos: na loja
do Pavio, roa da Imperatriz n. 60.
Grosdenaple preto a JJ600.
E' grande pecaiuca !!
Veode-se grosdenaple preto, tendo maito encor-
pelo baratissimo prego de j
de
2000 e 25oo rs.
merino estampados a 25 '
Vendm-se chales
e 25500 cada um.
Ditos de merm Uso a 35500.
Ditos estampados de crepon a o#, 7#, e sauuv.
Ditos pretos bordados com fraDJa de seda a !*#.
Na loja e armazem do Pavio na raa da Impera-
triz n. 60 de Gama & Silva.
pado e de boa largara, pelo baratissimo prego de; Veodem se superiores conloados aa;
15600 o covado : oa rua da Imperatriz n. 60. I para camas pelo baratissimo prego de 15
Cambraias de forro a 14600 e U na loja
do Pavo.
Vendem-se pegas de cambraia de forro com no-
1 ve varas cada pega, pelos baratlssimds pregos de
15600 e 25: na loja e armazem do Pavo na roa
; da Imperatriz n. 60, de Gama & Silva.
Os cortinados do PavSo.
conloados adamascados
cada par,
ditos muito Unos ricamente bordados! para camas
on janellas a 155, 20 e 2S5 o ar : ma loja e ar-
mazem do Pavo na roa da Imperatriz n. 60, de
Gama & Silva.
Panno preto a 25 na loja do Pav3e.
Vende-se paooo preto. fazenda moito boa, pelo
barato prego de 25 o covado, dito moito Bno a
35300 45, 85 e 65, assim como casimira preta de
cordo a 25 o covado : na loja do Pavio na rua da
" m> Cilnft
Vendem se duas armages de taberna, e cal- _
xSes para amostras e cantelros, por prego mallo Imperatriz n. 60, de Gama & Silva,
commodo : a tratar na roa da Aurora n. 71, o-' fj(Jrtes de 13a a Maria Pia na loja, do PavJo
brado que estar se concertando. Vendem-se os mais ricos corles de la a Maria
Na padarla o. 9 da rua do Raogel vende-se Pa, pelos baratissimos precos de 75 e 8, ditos
ama machina que serve para differentes misteres, maito Baos a 105, 125, 165 e 205 : na roja do
como seja, descarogar algodo e moer farlnba etc., Pavo na roa da Imperatrli o. 60, de Gama Si
para ser movida por cavallo ; na mesma se veode Silva.
um boro cavallo. _______________ Os espartilhes do PavSo.
Vende-se nma casa na Estrada Nova, tem ', Vendem-se ama grande e variado sortimento de
commodos para familia, e moito propria para ne- espartilhos dos mais bem feitos que tem Ivmdo ao
noci, a quai tam boni moradores qoe nao tem mercado, sendo de todos os tamanbos, vndenosle
(altado ao saos pagamento* : a tratar dafronta ao por um preco maito raaoavel : Isto na loja,do1 W-
sbele r i ment do 8r. Ignacio, estrada qn* segu vio na roa da Imperatriz n. 60, de Gama & aiiya.
para o Cachang. _____________Corte* de cambraia com palmas na li
Vende-se nma loja de miudezas com poucos
fundo em roa de negocio por prego mano em j Vendem-se cortes de cambraia branca eom pal-
cooia: na mean* asa vende-se nma mobilia de mu, sendo fazenda muito boa, peto baratissimo
amarello novinna : qaem pretender dirija-se a roa prego de 25500 para acabar : na loja e armazem
da Imperatriz. 24, loja de enulbador qoe se dir do Pavio na roa a Imperatriz o. 60, de Gana i
qaem tem para vender. Silva.
Grande arm&zem de fm-f
tas medica meatos etc.
lia da laaenaar 1. 21
[!! Pedro daa !f
rente) ieoa a

Productos chimieos
ceticos os auis
medicina.
Tintas para todo o genero o* p*-
* tora e para tintnrana.
8 Productos mdotJriaei a
para fl.res, como botoes da
H e modelos ea gesao
S frucus e passarus coa*
9 tente daseoho.
Productos chnicoa a
JK par pnolograabia, lia
tura, pyrotecoia at*.
m Montano e4B granas
S prido directeaaenle de
S dres, Hamborgo, A
pode oflerecer
\ oenfiaoca e iilhnar
I commenda a grotfa trajo a a
Iho e por preco
Pars.
;1
,1
I
y
Acaba de negar Inprana aa ofaa f-a I
e desojada oadrine aaaaatea de yreida m
de Offeabak, poh ? ate
totheairodoaannl*aaol.Can*^ .____
A* venda cao* do t>. Oooieo aojao ?*n.
armaum de moska. Coaaaa^M~
Na roa de S. Jos n. 2 vende e wpeoor
do caj a 800 rs. a garrafa
fi
BBBHB
ano



& llEua do QueiiMoN. II
A' oanvde AogwtiPorto chegarampslovapor franca reos cortee de
vestidos de-seda decores dos mais Bellos-gestos, proprio per bailes,
partidas ou casamentos.
Chales de Aupare- pretos e branoos.
Bcmets de fwdift da Italia para senhoras.
.sTUu'< tonco e preto.
Bonita seda.para vestidos.
Oasemtfas de quadros.
Batetas da IMa para salas.
Madapol5es fraucezes a-400 e600-w a> vana*
litas para vestidos de diversas qualiddes, e
gostos diffreentes,
Q .que tado se vende pelos mais commodos precos.
CORTES I1E SEDA
Chegaram feto paqwte ingle riquissimos cortes de moreaatiqae de cores, e seda lama !-
*& inteiramesfc oovos. ur\A/\ 3
Seda de quadros por 10000 o covado
5-RBA DO CRESPO-5 M
Gregorio Pae do Amaral dr. Companhla.
JOVOJ GER1HT1S
DOS
TUFARA VIH*
AMAZENS DE MOLAHOOS
DENOMINADOS
PROGHESSIVO pateo do Carmo n. 9
UNIAO E COMMERCIO ra do Queimado 0-7.
VERDADEffiO PRINCIPAL ra do Imperador n. 40
n
DAKTE CARVALHO PERIRA *&
Fwem saente ao respetare! publico, e cota especialidade aos senhores de en-
genhes, lavradores e mais pessoas do centro, que para mais facilitar suas compras deli-
beraram os proprietarios des tres grandes armazens, reunir todos w se09 estSmeleci-
mentos em um s annuneio, pelo qftal o prego de" um ser de-todos, prometie-
rnos que nao kfringtremos a-tabeUt que abaixo va i publicado, annunciar os gneros
por ompreco, e aa occao da caera quererem por ontro, como' socede constante-
mente em outras mu tas casas, porui nos nossos esta bel ecimentos n5o se dar isto
anda mesmo com;prejizo nosso, qualquer pessoa podr mandar seos fmulos que
ero tambem servidos como viessem pessoalmente fazendowios o favor de mandrseos
pedidos em cartas imadas; para evitar qualquer engaos, remetiendo nos urna conta
pela qual se ver os pregos tal qaal aonunciarmos, o que seab arrepcnder pessoa
alguma que fizer'soa'despenca em nossos estabelecimentos; pois poupar mais de
5 por cento na sua despeza diaria.
vm follii I [EU RilftflMJmlliU
dr. mm mrtAYmt*x>Bo hoscoso,
fittico, PA*rEWo e rente.
3 Ra da Gloria, casa do Fundfr^S
DE BIIM
- -


Para vestidos de senhora.
Crtesiie Lindas-sedas de quadrinhos.
Bons moireaatiques de cores.
Grosdenaples da todas as cores.
Lindos poil d'. chevre fazenda assetinada de inteira novidade.
Linda* duquezas-assetinadas fazenda inteirameote nova.
ModernosgEeaadinesde seda oque teovvindo de mais now.
Grande variedade de 13as de cenes lisas e de salpicos.
Orgaodys e casas de milito bom gosto.
PercaliaS-moderoas eom grande variedade.
Lindes rtessdeta--Cloide cem todos os pertences cadaum em-Seucar-
ttao QteiramentefQOvos. .
Bws cortes de-citti-con barra tatnbsm inteiramente novo
jfazendas de gosto quesera enfadonbo mencionar.
Para hombros de senhora
Grande vsriedade de chales, bournoux, rotondas e algeriennesdd fil e de
guipare a 10, 16, 20, 30, 40, 60 at 800.
Modernos soutembarques de seda de superior qualidade.
Liados bertes de seda de cdr pretos ede cachemira.
dem de xambrah branca ardida com muito gosto. ,0
Sautembarques ebourooux de cactiimira de cor e outros murtosartlgos de
'bom gosto.
Para cabecadesenhora
Superiores chapenas depalha, de" seda e de crina de muito bom gosto aim-
fpjratriz.
Chapeos de pilha da Italia grande variedade.
Lindas gorros e bonets de palha de Italia, Imperatri, Canotier, a Clotdde
gke a Grante, chegadosdeParispe'o ultimo vapor.
a]3 Grande variedade deleites defroco ede flores para casamento.
do Superiores vestidos de Monde, e demoireantiqaebrancos.
g Rons nnireantiqnes brauos e superiores sedas brancas.
*$ Bons vestido? da tarlataoa branco bordados.
Mi Lindas mantas de blonde e boas capellas.
3$ Bordados,
ote Grande variedade de entremeios bordados transparente e tapados.
W Tiras bordadas transparentes e tapidas, babados bordados, satas bordadas e
i outros muitos-artigos.
f| wun aras cmMiamsmM
fDE 4NTOI> CORffEU DE VASCONCELLOS & C.
I UTA DO CRESPO If. 13
iell
MAMTHf A
Manteiga ingleza peiTHament flor che-
gada ltimamente rt 1,000 rs. a libra, o
em barril ter abatimento.
Manteiga franGeza da safra nova a Seo rs.
a libra e em barril ter abatimento.
B&JfHA
Banaa refluida superior a 64o rsj e em
barril teri abatimento.
ClfA
Cha uxim de primeira e superior qualida-
de a 2,8oo rs.
dem hyseon o melbor teste genero a
2,6oo rs., e send emporr teri batimen-
to, tambem 'ha'proprio'para negocio de 2 a
2,4oo rs. a libra.
dem preto superior'de-1,80o a 2,5oo rs.
a libra.
I i n con ios
Latas com superiortlscouto inglez'de di-
versas marcas a l,2oo rs. a lata.
Vinagre
Superior vinagre deTiisboa 2,000 rs. a
caada e 280 rs. a garrafa. Tambem ha
mais baixo par acaaada.
Azeie doce
Superior azeite doce de Lisboa a 64o rs. a
garrafa e a5,eoo rs.- a caada.
Massas
MacarrSoe talftepim a 360-rs.. a librare a
5,000 rs. a caixa.
Paseas
Superiores passas a 3,000 o quart e
12,5oo rs. acaixa de arroba hespanhola e a
800 rs. libra.
CEVEBKA
Genebra de iaranja verdadeira a i 0,000 a
duzia e l,ooo rs. ao frasco.
Genebra de Hoilanda verdadeira a 6,000
rs. afiasqueb-a e a 56o rs. o frasco.
Idom.de Hoilanda em botijas a 4oo rs. ca-
ODr.JJobo Moo^e#d*eniisu)t)tt'gjattitMiae*#ibres tfdta oedias
floras da martao, edaS 6 0 meir *-8 tora drotHtej i\tmp\Wmv *m
Fhrmttda especial komeptthica
No mesmo consultorio ba sempre o mais appropriado sortimeolo de
tobos avulsos, assim cetno Untaran 9 vanas dytdUndsfdfeaie peloeprecos
^Carteiras de 12 tubos grandes. 120000
> de 24 tubos grandes. 18*000
> d 36 tubos grandes. 24*000
> de 48 todos grandes. 30*000
de 60 tubos grandes. 35*000
. Prepararse qualquer carteira conforme o pedido que se iier, e
pie so pedir.
Um tubo avulso ou frasco de tintura de meia once 1*000.
Sendo para cima de 12 custarao os pregos estabelecidos para as
Hitnos mais pequeos cada urna 500 ris.
IIVROS.
A melbor obre da homeopathia, o'Mattnl de'Medicina Homeopathico do Dr. Jbfe
doos grandes volnmes com diceioBario...........
Medfcipa domestica do Dr. Hertng..........
Repertorio do' Dr. Melio Moraes...........
IKCciodrio d termos de medicina..........
Os remedios deste estabelecimento s3o por domis ronhoriooi e
unto de serem no'vamente recommenddos as pessoas que quizerem
verdadeiros, enrgicos e duradores: ba tudo do melhor que se pode
Terdadeiro assucar de leite, nota veis pela sua boa conservacao, tintara des 1
tados estabelecimentos europeos, a mais exacta e acurada preparacio, portax
energa e certeza em seus effeites.
Casa* de saude para escravos.
Recebe-se escravos*para tratar de qualqner enfermMade 00 fazer-se-lbe
operario/p>r o"qmr o anhunciante julga^e sufficientemente habilitado.
O tratamento o meihor possivel, tanto na parte alimentar, como na medica,
mnccionando a casa ha mais de quatro annos, ha muas pessoas de cajo conceito se t
pode duvidar, qae podem ser consultados por aquelles que desejarem
doentes.
Paga-se 2:T por dia durante 60 dias e d'ahi em diante 1*500.
Asoperagcs sera o previamente ajustadas, se n3o se quizerem sujeitar
razoaveis que costuma pedir o annnnciante.

ARMiZEM DE FAZEVB
Afe
DE
BOlaehlnhas ida otas.
Latas coBvbolacbiflhas da acreditada *ra- Garraf5es com 24 garrafas de genebra de
brica do beato Antonio, proprias para dar a, Hoilanda a 8,000 rs. o garraflo. Tambem
doentes de 2,ooo a 3,ooo rs. a lata. ba garrafoes com, 5 e 14 garrafas de 32oo a
dem com quatro libras de bolacbinha de 6,000 rs. cada um.
soda a 2,000 rs: a lata. VELAS
Hn m na Velas de 8permacete a 64o rs. a libra.
mi6IJS> dem de carnauba de lo a 12iooo rs a
Queijos ftameages chegados no ultimo arroba e de 36o a 44o rs. a libra,
vapor de 2,6oo a 3,ooo rs. PECCE
1 / M M
1 ll 1 1 1 1 1 1

I

RA DO BltUM IX. 39.
O proprieterio desle estabeteciment desoja chamar a atten^o-'dos senhores pro-
prietarios aos acreditados meehanismos que continua a fornecer ; os quaes garante ser,
como sempre, da melhor qualidade possivel:
Machinas de vapor
forea de 2 */ cavalles para cima. As menores so mui proprias para motore,sde
descarocamentos de> algoo; as maiores para moer carina; ha tambem que podem junta
gu separadamente moer canea e desearoear segundo toas proporooes. Estee vapores
sao simpssimos na ctastrootao, e scregem por qualquer pessoa intelligente, a faCilidjh
de da cenduegao sendo especialmente considerada, tanto que nao ba logar em que nao
se possam conduzir, qur por trra, qur embarcado. Ha.com moeudas juntas ou sera
cilas e podem-se appliear a qualquer moenia j existente semoutra mudaoca deque
a s jbstituigo das rodas da almanjarra. Ellas tem depsitos d'agua e boeiros de farro,
e nio precisam para o seu assentamento da obra-alguma, qur de carapina, qur de al-
venaria. O tempopara assentalas nao excede de doze dias ao mais, e em casos de
moirtes de animaes on arrombameBtos de agude?, etc., garante-se o .aisentameoto ea
.'x dias. Lembra-se-aos senhores de engenho que a vende- doaoimaes e o.sorvigo da
gente occupada'flea,*ratamento oshSo de recuperar da maior parte da despeza do
vapor deixando-lhes a vantagem de urna; moagem certa e acxelerada; e acabando com a
dds-v?za da compra continuada de novos an'.maes. com os dasgostos do trabajno que
se tem com elles. i
Rodas lagna dr Ierro, mui maneiras e moendoeem qoalqaer altura
* d'agua.
sarllbos con ernzetas de ierro paca as mesmas, quando se desege azer,
ermita da-roda-de medeir*, tofnando-se assim. a roda ligeira no trabalho.
Moendta de cansa de todos os tamanbos, desde as mais pequeas chama-
da s do sertao. Obra perfeiu em feitio e acunhamento.
Rodas de espora e angulares de todos os tamanbos e properges.
Paroes ti eoebes para receber o caldo.
Crlvos de formalha para assentamentos, frescos para o foguista, fazendo
' grande cal >r cum ponco combustivel, e doradouro.
Portas de fornaJba de todos os tamanhos e de diversos systemas. .
Fornos e ntottflios para a fabrica de farinha e tambem chapas redondas
para fornos pequeos.
BottflMs simples a de repuebo.
Valijas de ferro 'batido e fundido e de cobre.
Paran de ferr bafedo galraatsado para purgar assucar,' leves para carregar
e emplos de qaebrar-se.
Alaniblque de ferro de todos os tamanhos, custando s a terga parte do
prc;o dos de cobre, mais regulares na distlagao e igualmente duiwteis.
rodas de carro coca nang s de patate, obra mui segn para
gradVMei|ehados a cavallo e outros instrumentos de agr-
ente todo ojecto de .que possa precisar um ,e)geaho.
Machinas de de*cfcfldear algodo.

CHOGOLATE
Chocolate bespanhnl a.l.'ooo e l,2oo rs.
a libra, francez e suisso^a l,ooo rs. a libra
e portuguez a 800 rs. a libra, em porg5o
ter abatimento.
HNHOS
Superior vinho do Porto das mais acredi-
Peixe*em latas, j.preparado de i^ooo a
l,2oon. a lata
ALPISTA E PAINCO
Alpista e paingo muito novo de 3,8oo a
4,ooe rs. a .arroba ede 14o e 160 rs. a li-
bra.
CHARUTOS
Charutos dos mais acreditadas fabrican-
C l STOIIIO TAUTAXIIO .
27 RA DO QUEMADO N: 27
MadapolSo francez-muito fino, tendo pouco mofo, cada peca com 27
10*000.
L3a de eres a 360 rs. o covado.
Cambraia franceza a 260 rs. o covado.
Finos organdis a prego de800 rs a vara.
Lencos brancos para algibeira a 2*TO0 a duzia.
Fin >s perclaras a prego de 400, 440 a 560 rs. o covado.
Ricos cortes de laa de barra de 10* a 30*000.
Chales de fil preto e outras rauitas fazendas.

Filho e Brando e de outros mnitos, os
tadas marcas, como sejem: Madeira Seeca,! tes, como ejam: Jlo Fuctado da Sarrias, i
Duque do Porto, Velho Secco, Lagrimas do Manoel Peaoto da Silva Netto, Castanho &
Douro, Maria Pia^ D;Luiz, Pedro V, Lagri-
mas Doces-e outras marcas a l,ooo a garra-
fa e 9,ooo a ii ooo rs. a duzia.
Vinho Figueira e Lisboa das melhores
maroas a 4oo e 6oo rsva garrafa, e a 3,ooo,
3,5oo e 4.000 rs. a caada.
Superior vinho chamisso em barril a 64o
rs. a garrafa e a 4,5oo rs. a caada.
quaes vendemos pelo mdico prego de 1.600, JtfnTTjdQdAa ^A Vicnlanfa
2, 2,8oo, 3,5oo, 4,5oo, e 5,ooo rs. a caixa. llOViaaaeS O Y-lgliaiIte
Licores RA DO CRESPO N. 7.
RA-DO CRESPO N.
Este estabelecimento apezar
Licores
Licores francezes e portuguezes a l,ooo e( Este estabelecimento apezar de sempre
l,4oo rs. agarrafa ou frasco. I se achar bem sonido come todos sabem,
lees hoje mais que nunca, nao s pelo que rece-
Doce da casca da goiaba e caixes pe- be de sua propria conta, mas tambem pelo
MACHN iS DE PATENTE
DE TRABALHAB A MO PARA
RUT.AR ALGOOO
FABRICADO
PLANT 8B0THBLS A C.
OLDAM.
Superior vinho de Lisboa e Figueira em queoos a 7oo rs. e de-5o caixoes para cima que recebe de consignagoes; parece, sem
anceretas de 8 e 9 caadas a 24,ooo rs. a an- a 640 rs> 0 caixo. duvida que deve offerecer grandes vanta-
coreta. Frotas gens para o respeitavel publico tanto em
Superior vinho branco proprio para mis- Frotas embada e em latas fechadas ber*| pregos como na escolha dos objectos, e-.co-
meticameute, muito bem enfeitadas, centn- mo acaba de chegar grande remessa pelo
sa a 640 rs. a garrafa, tambem ha mais bai
xo para 4oo, 5oo rs, a garrafa e 3,oo a
3,5oo a caada.
Caixas com tuna duzia de garrafas de su-
perior vinho Bordeaux a 7,ooo rs. a caixa e
7oo rs. agarrafa. m
CAFE
Caf do Rioider 1:* e 2,* qualidade de
6,800 a8,2oors. a arroba, e de 24o a 28o
rs. a libra.
SABIO
Sabo maca de primeira qualidade de 18o
a 22o rs. a libra e de i6o a 21o rs. sendo
em caixo.
Serveja
Snpeor serveja Bass dos -melberes fa-
bricantes, come sejam: Shlers & Bell. T. F.
Asho a7,fiao e 7,ooo rs..a duzia e a.7oors.
a garrafa. Tambem-. ha da.outras .marcas
coflwseja: Victoria e Aleope a 5,ooo rs. a du-
zia. eaJoors. agarrafa.
do pera, pecego, araeixa rainha Claudia, al
perche e outras frutas a oo >s. a lata;
Tambem ha latas grandes para l,2oa rs. a
lata.
AZEITE DE REFINADO
Superior azeite francez refinado
rs. a garran e-aO.xjoors. a*doiia.
MOLHO INGIEZ SAUCE
Molho inglez Sauce em frascos grandes
com rolha de vidro a l,8oo rs. o fraseo em
duzia tere abatimento.
SAG FARINHA DO MARANHO E
AHAWJTA
Sag farinlu do Maranhao e araruta a
3oo, 4oo, Ciwve 64o rs. a.libr.
Timlo para lunpar facas, erva doce, co-
minhos, cravo, caaella, alfizema, pimenta, e
outros muilosgeneros quedetxanios de men-
cieoar por se tonar fwlonho, afiangando
ns. sinceridade nos preces, e o bom acondi-
e.k>nawento>deT qualquer enero.
OS P IR AG CJ A YOS
E' a ordem do dia 1 Acabar com os Par-E
guiyos a bayoneta, a mini, a revolver;
fulmina-los com os encouragados armados
de espores, armstrongs e raiadas de 80
120; extermina-los em summa a espada, a
facciosa ponbal da que se trata; mas
ninguem se lembrou aiada de esmagar os
Paraguayos cona as armas que Deus nos con-
ceeu; acabar com ellos a tacao e a ponta
Sr,para o que npcessario encouragar esta
parte do- nosso oorpo com -os for mida veis
rompe-ferro, esmaga cobro, arranca tocos,
qoebra marmore e outros que se vendem
U.tAV4 ttU)!ITA-4#
BorsegujjiB^ro^aui,..^. .. 89000
patricios......... SiJOOO
> para sesboras, en-
feitados....... 5*500
i com lago e fivella.. 4*^00
apalees enemjraoades....... -5*000
Borsegnius para meninas bom
elast-co................. 3*000
Sapatos de lona, sola elstica. 2*000
avelludados......... |*flOu
de tranca........... 1*000
. > com etilo de lustre.. 2*^40
Um completo sortimento de callado da
trra para h'omens, senhoras e meninas;
5siJL&1l"--Sr.5:-5-
*
cuitara.
za
Na fabrica se f*zem obra* novas emommenda e cnennos eom a maior preste-
C solidez. O grande deposito de pegas O proprietario ser sempre mui lefiz de poder ter ocoagftfo ite-dar informaSes ou
e3cl.ir&cimeDtos ao MRhores que seservirem de seu prestimo.
D. W. Bovman., engmheiro.
"WS''' '
assim.como bezerro francez, couro de la
tre, maiToquins, tai xas de todas as quali-
ddes, jtm paro sapateiro, muito sortidas,
sola ecouros que todo Hstonecessariamen-
te fia cobija ao comp-ador pela barateza.
Vmd*m*se
machinas americanas da errte para desearoear
liodio: na rea da Se mala ow-n. 41

?S
vapor Douro e o navio Solferino de
divws objectos de gosto e proprios do
tempo dos quaes se mencionado algnns,
por nao ser possivel mencionar tedos. O
dono deste estabelecimento espera a pro-
a 8,ooo|tecc5o de todos.
Riqoissimas caixinhas ornadas e com
msica propria para um delicada mimo.
Caixinhas de msica tanto de veio como
de corda.
Ricos porta joias e necessarios.
Riquissimosest jos a feitio de um bansi-
nho ou chapeuzinho.
Ditos em casca de noz ede outros gostos.
Leques de madeperoia de sndalo e de
faia e madeira.
Chaposinhos e touquintas de mpitoJ
gosto para criangas.
Meias e sapatinhos de seda para as mes-
mas.
Meias de seda para senhoras.
Capellos e grinaldas de flores proprias
para casamento.
Enfeites e capellas de muito gosto .para
senhora.
Riquissimos porta boquets.
Boquet de flores com nma bqrrachjnha
com cheiro.
Luvas verdadeiras de Jovin.
Ditas de seda, e de Escocia.
Riquissinaas, pionas i^nmc568 P'ra
enfei^ar chapeos.
.QojMM. 4>^vdeMW.tenpo> quena
muito se desej*vapara enfeites.
Brincos, ftveUase cruzes de crystal.
Fivellas e cruzes de tartaruga, madripe-
rola e dourados.
Alflnetes para grvalas.
Botoes com croas para punhos.
C a o
Estasi
na*,
caroesr
oonti
algodis
estragar o fio.
sendo hialina.
duas psssass
para o traba-
lho; pode des
carocar di.
arroba de al-
godao esa ca-
roco n 40
mislos, ou
18 arrobas por dia ou cinco arrobas de ai
godio limpo.
Assim como machinas para ser
das por animaos, que descarocam 18
bas de algodao limpo por dia; e
para mover ama, duas ou tres deaaas ma-
chinas.
Os mesmos (em para vender um beDnai-
mo vapor que pode fazer mover seis nanas
machinas mencionadas; para o que eonr-
da-se aos senhores agricultores a viran ver
e examina-lo, no a mazem de algodao, as
largo da ponte nova n. 47.
Naunilers Brothers 4kC.
Reate praca do Corpo Santo n. 11.
Os upicos agentes neste pais._________
O- oastello de Grasville.
Tradadd* a*frucetper 1. J. Csai
Vende-se este bello roaumes en
tomos pelo baratissimo proco de
ua praca da Independencia, tifiarn.
6g.

FramcisX)
RA NOVA N. M,
acaba de receber um lindo e magnifico ser-
timento de oculos, lunetos, binculo, do si-
timo e mais apara$,gosto daJtooM ta-
los de alcance .para tMmmjt tfnm
martimos.
Manual do Cidado
Vende-se o Manual do Cidadao esa asa
Governo Representativo oo principias na
Direito Publico CVmttiliniaMl AdmisisUa-
livo e das Gentes, por
Ferreira, em 3 volnmes broxurado por
YflFiJ*,i"> nm <*3TTn dfm.ualro rodas com afr
reios, forMe en bom Miado s barato : na ra dos
C#alhiio. |i
-;----r
imm.
-
V*odem^8.*DDi de, brbaetes (our
DA ra da Cadeia do Recifs q. 5, loja de
Pergica.cU Conha A C-
Vende-se queijo do aerlo tu
pe/o barato
do mercado
ro de lei)
Silvesli
z VeBdem-se^sOsmswi l
lia, cheaado* t DUinoniaor: aareai
che.jv9,
ai
Gravatinhas e mantinhas de muito gosto, cada obra : na linaria n. 8 da praca da
kan* pa Riquissimos adarecos pjeetoa, assim como
caixinhas coma fjfpetes pretos.
Bengallas .fe cainaflom cabo de marfim.
Ditas de.aleia, bejbjpaoha e de outras
mnitas-qualiddes, assim'comochicotinhos.
Riquissimos peales de tartaruga de ulti-
mo gosto; assim como de arregago para
meaina, pois neste artigo ha um completo
sortimento de todas as qoalidades.
Diademas .para tabees/do ultimo gosto*-
Riquisaimai fitas lawadase lizas.
mptrior,
is barata
Trangas pretas com-vidrilho e de cores
Pulseiras tanto para senbpra orno para
meninas.
Ligas da-ade,dfi ate"
tos outro
ednciar por |
S 80 Gallo
algodao e mu?
ato Dodem an-
nir enmosnho.
i Crespn. 7. Roda.
Roupas fensvdevl
Vende- roopa Wu, 4
pardo a H, ditas Sa brin
e 4*. calcas da casenira anat Ifi, I
las de cores, meia, raaeaair, a 3f .
cto casemira a 6*. 74 81, Sanii
cores a 14, 34500 e 34, M dr bi
JL460U, ditos de alpaca
casemira de eore a 54,
fairao prew a 64, t, 8 ;
600, deeaaemlra a 3f >
14600 e 5#W, camisas
peiios de cores a l
nho.de pregas largas
raaos Ii
Mi
"vjao ' mperatrii, loja da Arara m. 84.
Vende-se naa
qoasi novo, com arr
oa eockeira dos Srs

-




J
1
1
*
u
H

W
m**,4**mm*m+ r**m***m* jij**?***********.

^^^i


* M da Iammeratrlz a
4a porta larca *l.
Nutei padarla fradceza de
Parele* Parto.
Meato estabekcuiMa aacoatrari o respeittvel
publico on firiada atrliateato de fazendas (ranee-
xas, iagleas, sDfssis e allemes, que se vendern
por prego eommbdo.
Paredes Porte
Vende chales de renda de cores que se vende-
rn a 18 esi vendeado por 6*, ditas preios, fa-
zenda nova, 5*, 6*. 8* a 20* um sortimento com-
plete de manteletes, capas e soutambarques 15* i
25*. Ra da Imperatriz n 42, junto a padarla fran-
ceu, armazem da porta larga.
Paredes faja
Receben om completo sortimento de laasinbas a
5*0, e 280 rs. covados, para acabar, cambraias de
edr a 240 rs. o ecvado, riscado escdsses para rou-
Kl do menino, fusto de lipho a 420, 400 e 500 rs.
na da Imperatriz n. 52 junto a padaria franceza.
armaiem da porta larga.
Paredes Porto
FABRICA
99 RA DO MONDEGQ 99
Deposito na rna Nora &e> laja de relojoeiro.
Deloucbe donos deste estabelecimento partecipa aa regpeitavel publico que sua fa-
Recebeo para cortinados para cama franceza a brica est montada com as nelhores machinas que existem na Europa, e que pode
ti* a peca cambraia liu Bna a a* ** at *o*a fabricarcom melhor perfeicjfo possivel. Todo oxtaocolate desla (abrAca, e*V garantido, e
purc, o que nao se pode encontrar naquelle que vena de fra, e que se veude por preco
baixo, visto os productos sereta do paiz. Na etiqueta ten sempre wo aguia.
peca, corle de larlatana de bonitos gestos a 34*00
4*, cambraia cora flor de seda, gostos inteira-
mente novos a 400 e 500 rs. o covado.no armazem
da porta larga n. 52, ra da Imperatriz junio a pa-
dara franceza.
Paredes Porto
Receben pelo ultimo paquete um sortimento de
erases tom podras para Descoco, bonitos raxfnets
de la*para pescogo de senhora. Roa da Imperatriz
n. 52, armazem da porta larga.
Paredes Porto
Vende cortes de gorgorito preto para vestido com
21 covados cada um 35*000, grsdeoaple preto a
1*600,1^800 e 2* o covado, lias lizas finas a 400
rs. o covade, laas de quadrinbo para vestido, entes-
tada, a, 3Q rs. o covado. Roa da Imperatriz n. 52,
armazem da porta larga.
JRonpa feita.
Roa. da Imperatriz n. 52 armazem da porta lar-
ga rento a padarla franceza,' encontrase neste es-
tabelecjmento um completo sortimento de paletos-
saceos e sobrecasacos, de todas as qualidades, cal-
cas, eolletes, ceroulas, camisas, grvalas, meias,
chapeos de sol, ditos francezes para cabeca, por
preces eommodos, roupa para menino e ontras
muitas fazendas por precos eommodos, armazem
da porta larga.
No mesmo e'stabeIeclme.nto encontrar o respei-
tavel publico, sempre um completo sortimento de
roanas fetas de todas as qualidades, como sejam
paletos de alpaca preta e de cor, ditos sobrecasa-
cos a 40 e 50 ditos d brim pardo a 20800, 30 e
35300, ditos tinos a 40, ditos meias cazemira a
30500, 40 e 5*. ditos, cazemira. s.. ecos a 60, 70 8*
e 100, ditos sobrecasacos a 10 e 125, ditos de pan-
no sancos a 60, 80 o 105, ditos sobrecasacos a 120
e 250, ditos, de merino preto a 60,, 75 o 100, ca-,
cas de brim de diversas qualidades a 15800 a 45,
ditos brancos a 20500 e 6500, ditos cazemira 55,
65 e 70 ditos pretos a 55, 65, 85 e 105, ditos
meias cazemiras a 30 o 40, coleles de diversas
qualidades, seroulas francezas de algodo, ditas de
ilnbo, ditas de bramante a 20 e 25500, carnizas de
algodo de lint) o francesas de 25500 e.3*. Gran'
de pecbiocha neste genero, grvalas de todas as
qualidades e brancas para casamento, grande sor-
timento de meias para senboras, ditas para borneas
a 30, superiores a 35300 e 40.
Um completo sortimeato de, chapeos de. sol de
alpaca a 35, ditos de seda a 50, 70, 10*.e,14*,
ditos francezes para cabtga, grande sortimento
a 60.
Pecbiocha ailmiravel.
Grande sortimento de chambres a 40600 e 35,
enees de cambraia para homem a 20 a duzia, di-
tos de linho a 40 e 5*.
Grande sortimento de roupa para meninos e on-
tras omitas qualidades que seria enfadonho men-
ciona-las.
Paredes Porto
Recebeu pelo ultimo paquete francez ricas laas
granadinas com flores de. seda a 400 e 500 rs. o
covado. estao acabando-se, cambraia preta para
luto. Porta larga junto a padaria franceza, a ra
da Imperatriz n. 53;
Paredes Porto
-Receben pelo, ultimo paquete espartilhos a pre-
guicoso por 3;, sao boas, lencos do seda para se-
nhora e hornero a l?, ricos cortes de cambraia
bordados de 18J a T; portfmm toque de mofo,
esto se acabando, na ra da Imperatriz n. 52, jun-
to a padarla franceza.
Paredes Porto
Vende um completo sortimento de fazendas
braneas, como sejam madarolo a 40500, 50, 60 e
i09, pecas de algodio por barato prego, chita- fran-
ceza a 240, 280, 320, 360 rs. o covado, precaiias
muito finas a 360, 400 rs. o covado, chita ingleza
a 200 e 240 rs. o covado. Ra da Imperatriz n.
52, junto a padaria franceza.
Fazendas.
Vndese superior merino preto proprio para ca-
pa do senhora e vestidos a 20, lustrina da China
a 15800 o covado. Roa da Imperatriz, porta larga
Paredes Porto.
Vende em seu estabelecimento tiras e entremeto?
bordados, grande sortimento de corplnhos rica-
mente bordados a 35, 45 e 50. S o Paredes Por-
to, roa da Imperatriz no 52-, porta larga junto a
padaria franceza.
preqq.
Meia libra......... 40fl
Urna libra......... 800
Urna arroba........190OO,
Na mesma fabrica acaba de se montar urna ofiQcina com serrara a vapor para
obras de marcineiria propria para edificio, para o que encarreg >se da fazer poetas, ja-
dellas, assoalhos (parqu francez como se usa na Europa,) e armares, ludo com brevi-
ade e'perfeicao. Toma-se qoakpier encomtnendj para fra da ci'dade, en,tregapdO'Se
prompta a collar-se no lugar.
--------------------------------------------------------------------1---------------------------------------------____------------------------------------------------------------------------------------------
DE
lina da Cruz n. 16;

Continua a baver diariamente, una sortimento de pastis, podins, bolos inglezes,,
fempadas etc., etc. Os donosdeste estabejecipsente) acbam-se nasmelhores condic5es]
de,poder satisfazer encommendas coDcerrjente> sua arte, em consecuencia, do socio
Freitas ter sido administrador ebefe de algumas das princi aes fabricas na corte, sendo
urna a .do Si;. Jpao GoncaJ\es Guimates (confeitana. de Leo) antiga casa deCareeller.
Todos os trabalbps sao differentes dos que se fazem cm casas particulares.
Os propietarios deste estabelecimento nao se tem poupado a despezas, nem se
pouparao, se lituvqr concorreccia como esperm j tendo continuadMr.ente bom sorti-
mento de doces, para cha; presuntos e ditos em fiambre, tambejb.se recbem para se-
rem preparados ; assjm como doce de caj novo superior, secco e cryslalisado,.dito em
calda em latas bermelicamenle fechadas, podepdo durar anuos em perfeito.estado,
Para janeares e.par.tidas r.ecebem-se. encommendas dos seguintes objectos;. ban-
deijas.ricamente, enfeitadas. semarmacQ,pecas deamendoas (nogaqe$)1,dita$,;de tmaras
.de ovos, p5es.deJ enfeitados, com.disticos.analogos a qualquer.fim; ditos montados,
kechs. simples e etifeitados. com frqctas i ingleza; gatheaux rje 1a reine, ditos de le d-
chese, tortas de fructa, massa folbada; ditas de peixe e carne; eremos e doces de ovos
de differentes especies.
Tambcm tem um completo sortimento de vinhos engarrafados, como,sejam: vinho
do Porto superior; Fif.ueira, Madeira, Lisboa, Cherez, Bordeaux. Champagne fino,.ser-
veja, licores, cbaropes o conservas. Para festas: bonitas caixinbas com amendoas, con-
eitos e mais enfeites. Moitos destes objectos: mencionados podem-se perfeitamente ac-
ondicionar tanto para a provincia, como para fra,
)0)I\OS
para o carnaval
Vendem-se on alngam-se ricos dminos para o
carnaval, sendo de veHudilhee da* cores mairlra-'
das qne pcssivel, e lambem de outras qualidades
que quem desejar sabir estes das dinja-se a rna
da Imperatriz n. 56, loja e armazem da Arara, que
achara um grande sortimento de gosto.
Fazendas prelas para a quaresma, grosde-
naple preto a 15G00.
Vende-se grosduavle pret moito bom-a 15600,
10866, 25, 25OOO e 35 o covade, moreantique pre-
to muito bom a 35 o covado, merino preto flno a
30 o covado, bombazina para vestidos de senhora
a 10400 e 15600 6 covaTHo.'TpaTa'preta Ana a 500,
600, 700.e 800 rs. o covado: na ra da Imperatriz
n. 56, loja di Arara.
Panno preto hnd a 20 0 covado.
Vende-se panno preto flno" para paltott e caigas
a i, 5500, 35, 4* e 55 o covarf V casemire pre-
ta floa a 35S0'}, 45 e 55 e corte, dita para covado
i 1580.1,25, 25500 e 35 : na ra da Imperatriz,
loja da Arara n. 56.
Chales de fil de linho a 8.
Vendem se lindos chale* do fil de linho a 80 e
105, retondas de tilo de linho a 125, cortes de ves-
tido a Mara Pa a 70, 100 e 120 : na ra da m-
peratriz, loja e armazem da Arara n. 56.
Meas crtras papa menino a 4 Ven lera se meias croas para menino a 15 a da-
zia, chalen de merina estampados a 25, ditos de
la a 15280, ditos de algodom 15, colarinhos para
homem a 5,0 rs. a duzia para acabar ; na ra da
Imperatriz n. 56. loja da Arara.
Cortes de ganga e de brim a 4^600.
Vendem-se cortes de calca para homem, da gan-
ga e brim de cores a 15600 e 15800] cortes de
meia easemira de cor a 25i>00 e 39, cortes de ca-
se mira preta pira caiga a 3050J, 45 e 55 : na
rna da Imperatriz n. 36,
Nfc vr araen^ de
Ruado Qaelnaado a. Iv
Vende-se o seeointe :
Cobertas de chita fina a 5800.
Mtaldedttaa05o& '
Impm do panno de linho a 5200.
Jtodaid-ltoa20
to de bramante de linho de um s5 paooo
ranno de linbo fino com 9 1)2 palmes do larga
r pelo torato nrecode 20400 a vara,
Bramante de linho fino cora 10 palmos de las-
gura a 10500 a vara.
Peeas de eambraie ora salpicos brancos e de'
cores com 8 1,2 varas a 45500.
Pecas de cambraia adamascada propria par
cortinado de cama com 20 varas a 410.
Baldos da arcos a 20380, 35, 30300 e 40.
Lencos de cambraia fina a 296OO a dnzla.
Ditos de dita a 25 a duzia.
Atboalbado de linbo fino a 25800 a vara,
Dito de algodo a 20 a vara.
Algodo entestado com 7 i|2 palmos de largan
10200; a vara.
Pecas de bretanba de rolo com 10 varas propria
para sa,a a 35300.
Fil de linho liso fino a 800 rs. a vara.
Dito de dito com salpico a 10 o vara.
Cambraia de linho fina a 40500, 60500 o 90 a
vara.
Cortes de laazinha de lindos gostos com 13 co-
vados a 55.
Pecasdemadapolao, inlssimo pelo baratiseimo
prego de 80, 90,100 e 110
Flanella branca fina a 600 rs. o cavado.
Dita de cores fina a 880 rs. o covado.
Baldea de musselina para mtnina a 30, 30309,
e,
Cambraia de forro a 35 a peca.
Dita fina 40300,60 e 79 a pega
Guardanapos de linho a 30800 a duzia.
Toalbas de algodo felpudas duzia a 120V
Esleir da India propria para forro de sala de
4, o e 6 palmos de largura par menos prego do
que em ootra qualquer parte.
Neste armazem tamben) se encontra om grande
sortimento de ronpa feita e por medida.
Capachos' iuglezes,
Vendem-se na ra do .Queimado loja da aguia
branca n. 8.
Ualeias para vestidos.
Vendem-se na loja da aguia branca! roa do
(Juelmado n. 8.
Opiata ingleza e franceza.
Vendemse na rna do Queimado loja. da aguia.
branca n. 8.
Papel mata mosca.
Na roa do Queimado o. 8 loja da aguia branca
continua a vender-se papel para matar mosca e
' custa 40 rs. cada.fulha.
Bonitas eestinhas para meninas.
Vendem-se na roa do Queimado loja da aguia
branca n. 8.
Agulhas para machinas.
Vendem-se na loja da aguia branca a roa do
Queimado n, 8.
Pastilhas fumantes e ebeirosas.
Vendem-se na loja da aguia hranca o. 8, a ra
do Queimado, sendo ellas env caiiinhas de pape-
lo e de pe t ce lana.
Bollas de ail fino para eng(mmadcs.
Vendem-se na ra do Queimau ioja. da. aginia
branca n. 8.
Bonitas caixitihas
"com perfumaras e mtras cem necessarios para
costura, sendo e*ias coro msica e sera olla : vea
dtm-se ua lou da aguia branca rna do Queimad
B.8.
Colla branca para vidros e madeiras.
Na ra do Qoeimado loja da agnia branca n. 8,
vendem-te frasqolnhos com colla branca para sol
,1 >
AGHABKAMA
Sua do Queimado v. 8.
Vwtdos

Chegoa a lojade rtretofon
A loja da agota ra&ca cana de recebar "i "?!'Ll!!^!!!S!!u^fl",,"-
novoeira^esorttoentode differentes ubjeeto lZSSJ^SS^K'tHLI!^
dotosto'e ultima moOa, sendo : uSS^&S^J^SlL!
Bonitos enfeites para tenfeorae ffooioc Ma-f g*D<
mente novos.
DEPOSITO
25 RA NOVA N. 25
Este estabelecimento acaba de receber um rico sortimento de pianos fortes ex-
pressamente fabricados para o clima deste paig, dos mais afamdos fabricantes da Euro-
pa, por isso u proprietario convida ao respeilavel publico para virem apreciar as qua-
lidades dos referidos pianos. ..........
Continua-se sempre com esmero e promptidao fazer-se qualquer reparo nos ditos4 meninas, cham-se'"ved"a""ra
instrumentos. Afinan>se os pianos debaixo do melhor systhema ullimmente adoptado loja da aguia branca n. 8.
na Europa. Banhas e extractos linos
Ditos ditos de grade com coalas grandes.
Lindas nvelas grandes para cintos com moldes
agradave e diversas qualidades, maOreperola,
tarUrega, ace e douradae.
Boas e bonitas Utas acbamaloladas para ditas.
' Dites de dita de grosdenaples lisas e lavradas
com novos e agradaveis desenhos.
Trancas pretas de seda cora vidrllboi moldes
novos e de gosto.
Bicos brancos e pretos de seda com vldriihos e
de differentes larguras e benitos desenbos.
Cascarnlha-. de seda com diversas cores e lar-
guras, formas inteiramente novas a imitojao de
palo, babadinho e outra com orna translnba so
centro e que Ibes di rapa graca.
Ontras estrei-as e largas guarnecidas de bico
de seda obra de moito gosto.
utras de camoraia de cores.
Botdes de seda, velludo o ac para enfeites de
vestidos.
Trancas de seda estreltas e largas brancas e de
c.ores para enfeites de vestidos.
Flores finas
CAPELLAS PARA MENINAS E NOIVaS.
A agnia branca a rna do Qoeimado a. 8, rece-
ben para vender :
Delicadas capellas brancas para noivas.
Ditas ditas para meninas.
Ditas ditas de caixos de flor de laranja.
Ditas ditas de rosas camellas e ontras.
Ditas ditas on ramos de trigo.
Diversos ramos de Sores finas para peilo de
vestidos, enfeites de trapeos etc., etc.
treparos para flores*.
Na roa do Queimado n. 8, loja da aguia bran-
ca vende-se:
Papel de cores para rosas.
Dito verde para folhas.
Dito dito e pardo para cobrir os latos das ditas.
Musgo em, rama.
Polhas para rosas.
Agulhas.e linhas para croehet.
Vendem-se na rna do Queimado n. 8 loja da
aguia branca, assira como agulhas para tracalhar-
se emla.
Papel de sobrecellentt para os
phosphorvs, hygienieos ou de
sequrwnca.
, A vista do grande tamsnhe das catatabas dos
pbospberos hygienieos ou-de seguranca, tornava-se
pouce o papel que vera em ditas caixinhas, e para
remediar essa falla a aguia branca roandou vir e
acaba de receber esse especial papel, c qnal so
dar de sobreceitente a qnem comprar de taes
phosphoros e se vender icdistinciamenie a qnem
delle precisar. O prego de cada caizinba de pbos
pboro continua a ser. 1G0 rs., e vendem-se na rna
do Queimado n. 8, loja da aguia branca.
Seda /roncha para bordar.
Vende-se .na rna do Queimado loja da aguia
branca n. 8.
Obras de crystal.
Brincos de diversos moldes.
Outros tambem de crystal de cores.
Outro de aljofares brancos 0 otras cores.
Adereces de erysial obra de gosto.
Rosetas de dito e cruzes.
BotSes de dito, brancos e de cores para collete.
Dito-de dito tambem brancos e de cores para
punbos.
Voltas de dito e ontras qualidades.
dar vidros e porcelanas, eoMroo- con dita paja* leQUesdt dUSTiS qualidades
obras de madeira, custa SOO rs. cada um delbw,e- ,,*._______.. __._A___Q i, j.
or essa cnmmod dada de nrern rnnvm enmara- Vendem-se na roa do Qoeimado n. 8, loja da
por essa cpramodidada. de preco convm compea
los para estar prevenido.
Papel greve pautado com 33 linhas.
A agnia Branca acabe de receber novo sorti-
mento de papel greve Uso e pautado com 33 liabas
assim como de peso tambera liso e pautado, dito
pequeo em caixinhai sendo liso, pautado, beira
dourada e sem o ser, Tambem receben grande
orijaento de envdopes, e ludo se.vende por- pre-
cos cyjmmodos; na una do Queimado loja .da aguia
branca n. 8.
Papel paquete- branco pautado.
Vende-se na ra do Queimado n. 8, loja da aguia
branca*.
Artificiaes.
Ramos da trigo.com diversas cores mui proprios
para enfeites de gorros e chapeos de senboras e
do Queimado
Fazendas, phanta?a para vestidos chegados de Paris pelo ultimo vapor.
Lindos robes-de orgaodys cesarianas fazenda transparente de inlelro gosto.
Ditos *de percalia campestre padrSes muito ricos. ....
Rlquissimas gnnadlnes de seda oque tem vindo de melhor gosto neste mercado.
Lindos cortes de saltan pi-km para vestido fazenda inteiramente nova.
Ditos de gaie selim em peca fazenda transparente e de gosto muito modernos.
Lindos chales degrenadim brocha, primeira vez aqui apparecidos.
Ricos bournos de crep guarnecidas de tranra muito proprios para' passeios.
Itiquissimas livelas para sinto, de metal, de crystal com ac e cora pedra finas, 1
que ha de mais novo.
E outras multas fazendas de inteiro gosto.
Rna do Crespo n. 13.
Leja das columnas de Antonio Crrela de Vasconcellos
tt Companhia.
DE r
J. VIGNES.
!. 55. RA DO IMPERADOR IU. 55.
Os piaos deeta antiga-fabrica sao boje asede coahecidos para que seja necessario insistir sobre a
uta superioridade, vantugens e garantas que otferecem aos compradores, qualidades estas incontesta-
veis que elles tem definitivamente conquistado sobre i todos os que tem apparecidOBesra-praie'; poa
mindo um tecfadrj e macfilnlsrrld que obedecen todas as vontades e caprichos das planistas, sem
dnuca falhar, por seremfebra*doe de proposite, e-tfcr-se feito ltimamente melhoramentos importan-
tlsslmos para o clima deste paiz ; qoanto s votes, sao melodiosas e flautadas, e por isso muito agrada-
eis aos ouvidos dos apreciadores.
Faiem-se confbrme as encommendas, tanto nesto fabrica como na do Sr. Blondel) do Pars, socio
correspondente de J. Vrgfne?; em cuja capital foram sempre premiados em todas a exposicSet.
Nffmesmn estableclmentse achara sempre om esplendido e variado sortimento de msicas dos'
nelhores autores da Europa, aswm como hararonicos e pianos harmnicos, sendo tudo vendido por
precos eommodos e razoaveis.
CHA
Cirande pechlncha.
No rna da Imperatriz n. &l porta larga de Pare-
des Porto, vende-se chales de merino eslampados a
U e 25500 e finos 55, estn se acabando.
Chegoa a loja de Paredes Port, roa da Impwa- ChegMIB a8 COPpiflhoS de Cambraia-J
iriz n. 6-2, um sortimento de fcamizinhas, gollinOls, Vendem-se corpinhos le cambraia com entre
corpinhos, romeiras e sinto*, de cambraia branoa, meios a 44 e 54, esto Oa acabando : na loja de
Canibraias.
Parede Porto vende cambraias usas finas, gran-
de sortimento, a 34 at 64, ditas -Victoria moito
finas, com 10 varas a 64, 64800 e 74 : na ra da
Imperatriz n. 52, junto a padaria fanceza.
saden^se3cS!Jitoai. Tm 240-0 obaTatopreco &&&?&* >!* -iF.01^ ********* ". PW&
$00 rs., romeirs a 800 e smtos a 800 rs, grande
qoamidaoe de enfrntelos a 600 e 800 .'a peca,
SOO se acabando.
*^T'
eovado, dius francezas finas a 80. 320, 3ff e 400
rs. Cov do, cassas de1 Cores para vestidos a 320,
360 e 403 raro covado-,riseadte francs para ves-
tido a -2iO o covado : na roa da fmpetatrU o. 3f.
Laaztuhas para vestidos a 240 o covado
Vendem-se lazinbas para vestidos a 2i0, 320,
300-e iOO rs. o cdva'db, dRas finas com auadros
de seda a 500 rs., ditas de ama s cor a 50j rs. o
covado gotinhi para e^Mra a 40 e 110,
gitos > i4,caiiQniisa4d00 34,.fianaa-44.:
oa roa da Imparatriz, loja e armaiem da Arara
a, 56.
BatrJes de arers a-"2
?Bdem-se b5e% de wdbs- ot*tamOWW -O' 2#.
2S50C, 34, 34^00 e 44 : s aa loja e armazem d*
Arara, rna da Imperatriz a. S- Vende-te twraetsha de lelte por conaojodo pra^
Fil de linho decores a i60 O covado Ico : na roa estrenado Rosarlo n. 8, no deposito
Vndese fi* de ilnbo de cores proprio para;deGuimares Ribeiro & i'
bnnqoedo docaraaval a 160 o covadt, tapeirde ------------^-^^:, w^4ttm .-----------
corea a Mita;- eovado, vutootina de eores a SOD A 9Mm ra. a bOlIja
w. gaega encarnada a 320 o covado, panalnhoaoo-. Tinta preta para escrever, da boa qualldade:
gerim ;i MO o covado : na roa da Imperatriz nu- toioti-it:*a>-t!rlii|-'.*l-A ti
mmpf. porta-Urf a.

Latas de JoavT.
A toja da nadoaa na ra do Quobm-
doa. so, reaebeo-a par este ultimo oapor,
Brea em barricas peaosoaa.
Cera em velas da todos os taraanbos.
Botijas.
Mrcorto. ,
Na rna do v igano n. 19, ^rimelro andar.
Bolaehinha de lee
g, jutf.o a padaria franceta.
Nevidade.
Chegartra os bonitos chiles e retondis de goipu-
re brancos, vendem-se na ra da' Imperatriz n
52, loja da vert larga,, de Paredes Porto.
avariado.
Francez barrica 54000
Portland ide 84500
Bm parMM otado: *
Francs barrica 104000-
Portland dem 12*000
No arnMja*tofIgOo-lfiBio efe 4otdtpo1to.
s wrdudeiras brides e
picadeirasde pojuca
VendfpviastiM t-traaoo,a raado Qoeiaaaji.
A aguia branca recebe a om excellente sorti-
mento de perfumaras finas, sendo bonitos frascos
de cores com extractos finos o de egradaveischei-
ros ; assim como bellos vasos de porcelana doura-
da c-.m banna de superior qualidade, tendo oestes
alguns com inscrfpgdes apropriadas para presen
te, etc., etc. : quem se dirigir- a ra do Qoeimado
n. 8, leja da aguia branca, achara a certeza disso,
e ba disposico para vender a dinheiro por pre-
cos eommodos..
AS PROVEITOSAS A Ge AS
balsmica, dentificia e ambreada, achara-e ven-
da na ra do Queimado, loja d'aguia branca nu-
mero 8i
Latas e barriszlaho aom grasa
econmico.
Vendem-se por preces razoaveis: na. roa.do
Queimado loja de miudezas n. 16.
Agua de iroilde para fazer os ca-
bellos pretos.
Na loja de niadezas a ra do Queimado d. 16,
vender se caixinhas coro essa, excellente prepara-
caoAgua de Hoildepara fazer os cabellos pre-
tos, quera delta precisar pode dlrigir-se a dita loja:
na ra do Queimado n. 16.
Fasiiihas odorficas para pe fumar sa-
las, gabinetes; etc.. etc.
Naloja de miudezas a- ra do Queimado u. 16,
veedem se caixinhas cora essas odorficas pastilhas
fumantes.
Papel de peso e al maco, liso e paulado.
A loja-de miudezas a ra* do Queimado n. 16,
acha-se bera provida de papel de diversas quali-
dades, sendo alrmro greve liso e pautado, cora 33
linhas, dito de peso tamrjem liso e pautado, dito
pequeo em caixinhas igualmente uso e pauladoy
com beira dourada e-sema-ser; assim eomo lops grandes e pequeos, os pretendentes dirijam-
se a dita loja na roa doQueimadon. 16, qus sero
bem servidos.
Mesmo depois da testa g'-.sto-se pe, fu-
maria fina
A antiga loja de miudezas a ra do Queimado n.
16, acaba de receber um bello sortimento de per-
fumarlas'anas, sendwbanba'fliM'.emdiverses'e l"
Meados va>os de porcelana dourados cora significan
tivas inscripgoes e sem ellas ; assim com bonitos
Irascos de phantasia com expelientes extractos de
fine* e escomidos cbelros;' e bem- coma npertor
agua da Colonia em garrafas e frascos de diversos
lmannos, dita dentifrees, balsmica e de flor de
laranja, cosmeiiques finos e banhas1 em frascos de
dirKrentes moldes. Vende se'tudo por pregos Com-
modota vista da superioridad das- qoa-lrdades :
na ra do Queimado, loja de miadzas n. 16.
Divenos obje.ctos.
Vendem se na loja de miudezas
a rna do Queimado n. 16.
Bonitos legues de sndalo e optras qualidades^
Bonitos cintos com fivellas de diversas qualida-
des e moMes.
Brincos e crazas de crystal.
Abotoadum de dito para coletes.
Bonitos port-relogios.
Delicadas eaixas com mostea e sem ella, para
coslora.
Agulhas e Hnhas para ebroehet. ,
Retroz superior em carxiteis.
Rendas pretas e bieos com vidrilhos.
Fitas de-velludo com -listras da'- cores para en*'
fem de gorros e -resnd*#i
Dius da gros*enapeie,lJsasa lavndaayteaaeu
e matisadas.
6AZ.
No armazem da rna de liberador a. 3
Cande Pedro a. 1, temnara veoder-ea
hu faz existente no mercado.
aguja branca.
Aspas fortes para baldo
Vendem-se na roa do Queimado loja da aguia
branca n. 8.
Qromacome para Ungir ca
bellos.
A agnia branca avisa aos constantes fregaezes
desa excellente tintnra, que ella acaba de rece-
ber urna nova remessa de croroacome, coloricome
esabo branco, necessario-para lavar os cabellos.
porlanto podem dirigir-se a dita loja na ra do
Queimado n. 8.
A bridwts de luvas.
Vendem-se na ra do Lueiroado loja da aguia
branca d. 8.
port boaquets
de bonitos moldes, dourados e cabo de madrepero-
la : acham-se a vdnda na ra do Queimado loja
da agnia branca n. 8.
de fil de linho, cambraia e setim todas mui bem
enfeitadas: vendem-se na roa do Queimado n. 8,
loja da agnia branca.
Carreteis com retroz.
Na ra no Queimado n.8, loja da agnia branca
Muita attencfto.
Guimaraes & Irmao proprielarios do grande ar-
mazem de fazendas e roupas feitas na ra. da Im-
peratriz n. 72, tendo receido om grande sorti-
mento de fazendas de gosto (razelas por om dos
socio pela ultimo vapor, vem portento fazer selen
te aos seobores atoras os precos de soa fazen-
das, os proprios afflancam vender as fazendas por
menos 20 por cento do qne em outra qualquer
parte nao s por ser no fin do annocomo tamben
por sor a festa lempo este que as Exmas. sentaras
devem muir se do bom e.barato, a saber :
Ricos cartea de la com barras.
Vende-se um grande sortimento de cortes de
laas com barras tendo todos os pertences, camisi-
nba com gravatinha e sinto, sendo os mais novos e
modernos que tem* vindo. ao mercado, ditas de
phantasla com lindas barras e vendem-se por pre-
cos-naito razeaveisi
Las esescesas eimi listas de seda.
Vende-se om bonito sortimento da lasinhas es-
cocesas a 500 e 560 rs, ditas transparentes de lis-
tas de seda a 320 e 360 rs.
Percalias Anas com lindos deseados.
' Vende-se lindas percalias muito finas a 360,
400; .480*0300 rs, chitas de todas as qualidadesa
saber de precos 280, 320.- 360, 400, 440, 480 e
300 rs..
CasSas francesas miudinkls.
Vende-se om graudesortlmento de cassa'mlu
diuhas sendo as eores segoras a 280, 360 e 400ra.f
Cambraias brancas transparentes.
VeBderrr-se pecas de. camhraias brancas trans-
parentes a 3*, 4, 4*300, 5*, 5J500, 6, 6500 e
75ditas muito finas cem urna vara de largura a
9 0 10
Citare de nterine finos?
VeOdenri-so ehafcs de jerioo finea sendo com
estampas bowlas e modewias pelo barato pfego de
7, 7500 e 8JI, ditos lisos com lindas, cores a
4,5, 4^500 e S, ditos estampados a 2^ e 25500.
Crinolinas on balSes.
Vende-se nm grinite sortimento tre crinorraas a
2/WOT,'W-'W0e4*-
arlatanasiuaa a o40 rs. arar, i
Vende-setartalana de oores pelo barato pree
de 640 e 800 rs. a vara.
porta toria ra da l|*rzn. 2, uano ana-
dara franceza. "
Cortinados.
Cbcgon a roja de Pandes Pono
sortimento de eorimsdea nraanvl
prego de 25*, 35* a tft> : aa roa da
n. 52, porta larga junto a padaria futan.
Kicas romeirte.
Paredes Parto receben pela bUhm
sortimento de romeira de goiporr prttss e
a prego commoda i na nm da lama salih mi
porta larga junto a padaria franceza.
Orat de pichincha.
Cortes de Isaoeaecta infestada par* "**
fazenda de 500 rs., esa se vendeado a 280 r 31
rs. o eovado : na rna da Imperatriz at. II, k&4
poria larga.
3S00O
Cortes de laa escocesa para vestido a 3*
le: na rna aa Impeutrlz n. ** tej
ga, junto a padaria franceza, estao i
Chales de renda
Paredes Porto, na rea da toperatrix sl M, i
larga, vende chales de renda do aai
no toque de mofo, a 3*500 e 4J>, l
012*000.
130
Parra ronpas de eaeraT*.
Paredes Porto tem para vender chita aaot im>
cado proprio para o bro cima a 120 r. rrmday
urna grande pecbincbaPe esta' se acabao : o
roa da Imperatriz n. 52 pona larga jonio a aamv
ria francesa.
Grande pechiucha.
Paredes Porto esta' vendendo riscado franca a
200 rs. o covado : na rna da Imperatriz m. 9fm-
maaem da porta larga janto a padaria (raaweaa.
Para luto.
Laas pretas com salplecs brancos a ICO a 9gf
rs. o covado : na rna da Imperatriz d. 52 ioaaa
padaria franceza armazem da porta larga.
1,>400
Chapeos de sol.
Vendem se chapeos de sol de f ana* a
nma grande pfchmeba O para arafar : a
Imperatriz n. 52 arnaztm da pwia larga a* I
des Porto.
A 10500.
Vendem-se pecas de tranca pama pon eadam
de vestidos, sonlt-tnbarquer, rapan da ifaharn av
1*600 com 10 varas, urna granan prek.awba : aa
roa da Imperatriz o. 52 jonto a padaria traonan.
Tassa Irmaog
Vendem no sen anwzeai ra a
Amorim a. 55.
Licor fino Curac'u em botija* e meias botija*.
Licores fios sonidos em garrafas com
vidro e em liados fraseos.
Vinbos Uieres.
Santernes.
Cbamberlin.
Hermitage.
Borgoobe.
Champagne.
Moscatel.
Reino.
Bordeanx.
Cognac.
Od Ton.
Paezei lagniol.______________________
Qaeijo do ferian
Vende-se superior qneijo do sertas : na raai
Madre de Dos, armazem janto a ifrrja.

Preajom para estatojae e 4
Veode-se em barricas oa a relaino: a roa
Queimado, Azevedo & Irmio.
Escravos fgidos
Escravo fgido.
No dia 10 do p. p. m z fugio o escravo en-
colo Antonio Rajrxundo, o qnal lean os sicnae* sa-
grantes : muito Irdino, alto e grossodo corpo.
fula, algumas marcas de bexigas pela cara.
chato, venus e ps bastante graodrs ; dito
vo 6 muito coBhecido por diversas parts
tem estado, como Passagem da Magdalena,
lo, etc., sobre ludo ne*ta cidad*. onde
.prestar servicos a diversas casas., fori
ce agua, eic : quem o prender pode iraae-iaaa
abaixo assignado, rna da Imperatriz, on leva le as
capillo Francisco de Panla Guncalv-s da Stlva, roa
da Saudade, na Boa-Vista, qne sera' re

Fugio no dia terga-feira 30de Janeiro
(iodo, a preta crioola de nome Marciana,
36 annos, ponco mais on menos, aesdo de cor ta-
la, altara regalar, levon vestido de ebria earon -
quem a-appesneoder, conduziodo-a a cwa ds aoat-
xo atsignado, na roa da IraperaUs a. 30, seos
gratificado.
Francisco Angosto de Aranfs.
No dia 23 do correte Janeiro, pela
desappareceo da Soledad, da rasa n. 1
mora Jos Teixeira Basta, om moJta,
13 a 13 anuos de idad>, por nomsBadicta, ama
caiga e camisa de algodo, com ajanante masas da
chicote pelas costas, o qnal da Luiz losarte
xeira do engento Cumbo de eiaaa, aas a
a 15 das ao abaiio assigaado paca vamta
no entretanto no armazem 4o asan car s. 9 do kra-
piebe da alfandega velba, aoade Or
a manhia at a noite, iodo dormir i
.-a da Soledade, d'onde fagio: roga-or,
a quera delle liver noticia ouo asa*enrnd*r,
va-lo ao referido armazem de assocar a. f os tnv
piebe da alfandga.velharrua da Alegra a. f, aV
ledade, casa cima referida a. 68, oa as ssom
mesmo, Luiz Ignacio Terxeira, ao eageafes
de-eima, qo04e gratlfltaa.__________
-I
S
Fagio do enrenbo Serrara eri
t"dO"Cabo, no dia 15 d) corrate, do
do abano assignado o escravo mol alo Aa-
loaiot com o signaos segainles: alian o
corpo regular, barbado, deixa toda a aaav'
ba, itra a suissa estreita, olhos
tem o dedo grande do pe diacMo
pola-jan l, carapino, sappue-aa qoe
assentado pnarja : paf a-oa con
de a qnem o tronxor ao dito el
levlo ao Sri-Jos-Pereua Va
Maaool FiMppa do
"Pfagio" do ennS Varlaaaa,
Serinhim, o escravo o nomo J
Haotas para homem a 1/1300.
Vendem-se mantas para homem as de mais gos-
to qne tem vindo ao mercado pelo barato pregona
1*300 e 1*800; todo s na rs da Imperatriz
n. 72, loja de Gu i mar" es es Irmao.
Tiras bordados a l#.
Vendt-se om grano*sortiattata de tiras borda-
das a 1* cada orna o peo, do eolremeio* a 1*.
1*200 e 1*300.
Camisas francezas para homem.
VendO'Wnmgnnde'Ortrmento de esmisas-rtaa^ J*
cezss a 1*800, 2*. 2*800, di loa de perno. ollML' QS
aa*,.3*0O,.a*e*.iialonaina. da.InanoroMis.i0-
n. 72, loja de Guimaraes & Irmao.
Roupas feitas.
Vende-se nm ar.ande sortimepte de roup.as feitas
assioncomoselul r patetots,: calcas o eolletes de
pannos a de asemlra tanto f>rala eamo> do cOr pa-
rg nreos awrtt w*.ven sivimsompr^tmU
de bxins bfaooos.a6j fO. jeroajaS s^
de algodio e ti
Jos Goianna, foi atonta
gaiba, cor oa*Uabo. e gosdo,
guinies : cor bem preta, crioo, altara refnint,
falla de dentes na frente, ja pinta bastante, >voa
calga e camisa de algodo, 0 Dais roano, eaapdsoa
palba pintado com tinta encarnada.
ande, a fregnezia do Cabo onde bem coakectda:
quem o pretender leve ao engento Ages Prta om
Ipojoea, oa ao cageobo cima asa otoada, aa ana
senhor Antonio Bandeira de Mella qnai
EL-
fite oma,
o mv 15 riaT n
'de GuimarJes & frlftoC
Uto
Escrava
No da i de fevereiro 1
desappareceu a escrava 8opMa,
Vestido de cbita.aor.^
ja asado, tendo con
1 qner, e tem osajaj
cara coropri(avOJi0 0vjaas ******
querda, rpremm** domanaai^ *
oito dlsfarcafyo W- aoo^fo *r4
[beclda^ per
Os de campo enhor, na
i
^ieltede


BBBBnnnB
f

SJI lOUU.


LITTERaTal
Na paraise de uro sabio, mallo conbecido, a agri-
cultura a scenoia da cultora dos campos ; i philo-
sophia da vida rustica ; a arte de eullivar as plan-
tas ; a pratica do saber mais aocessario; a primei-
ra scienci.1 do mundo.
Mil da producco, a arte, qae sustenta todas as
mais artes. Creadoras dos vedettes : raedianeira
do ganho mais justo, e do mais innocente lucro.
Gloriosa oecupacio dos pnmeiros res de Roma :
parteira de Ceres e de Pomona : engenheira da
fenilidade em pas e charnecas : prudente intro
doctora da fccundidade.
A doce agricultura, obrando armenio,
Foi da industria mortal primeiro emprcgo;
Assim nos (alia o orculo Divino t
(Mac. Mbd.)
E' sem duvida a agricultura o mais antigo, e o
mais atll, o mais agradavel, e o mais innocente de
todos os empregos da vida humana, porque ella
teado sido ensioada pelo proprlo Deas podemos
considera la* mais que nenhuma outra, de origero
divina, tendo por loveator o Supremo Aotor da
creacao do Universo; pola abrindons o livro mais
antigo do mundo, vemos (Gens. Cap. 2o 8; que
quando o Senbor Dos separou as aguas da trra,
plantara Elle um Paraizo ou Jardlm de delicias em
que poz o hornera, que havia formado a imagem e
semelbanca saa -, e que o mesmo Supremo Seohor
proiuzindo tambem da trra deste Jardm (odas as
ames de arvores formosas a vista, e agradaveis ao
gosto, nao as quU deixar na esierilidade, porque
fez igualmente nascer no raeio do Paraito um rio
gara as regar convenientemente.
No meio do Jardim de delicias plaotou doas ar-
vores, ama symbolisando a vida, porque seus frac-
tos deviam conservar aos que della comessem, e
outra da sciencia do bem e do mal ; e ficando o
primeiro boraera creado por Jardineiro no Paraizo,
entre as ioslracces que lbe deu, Ihe impoz o pre-
ceilo de nao comer dos fructos da arvore da scien-
cia do bem e do mal, porque elle frutado tudo nao
tinba necessidade daquillo, qae semelhante a plan-
ta de Java (Upa) continba a merle.
Nao se passou matis dias qae a lei nao fosse
quebrada pelo Jardineiro, e o Supremo Agricultor
do Paraizo, ofleadido pela desobediencia, tomando
comas ao seu Jardineiro, o lancou para tora da her
dade, e de tal forma castigado, a nao poder mais
entrar nesse logar de delicias.
O crime foi graodissimo e a punicao severa.
O Supremo Creador, fecundo em sua raaravilho-
sa e incomprehensivel intelligencia, comprehendeu
tudo o qae coatinha a sciencia Agraria e qae as-
sim como a trra deveria produzir o doce e o amar-
go, o picante e o suave, o damnoso e o til, o qne
causa a molestia e a medicina, tambem se nao es-
queceu das duas arvores da vida e da morte.
Se o bjmem fosse obediente gosaria da vida, qae
aquella arvore representara e se a saa cariosidade
o convidasse em extremo a desobedecer os seus
preceitos, morrena sem davida.
A arvore da vida representava a sua inGmta
boadade e misericordia; e a da sciencia do bem e
do mal, a desobediencia e a morte de Ado jardi-
neiro, no f araizo de delicias.
Castigado pela enormidvle de seus crimes, Ado
jardineiro, sahe desse logar, e vai caltivar os cam.
pos da Mesoptonla, para tirar da ierra, com o suor
do seu rosto, o pao para o sustento da vida.
A culpa nao se limitou a Ado jardineiro, porque
Ado criminoso atransmittio a saa posteridade, por
que assim como a arvore da sciencia froctiflcava
na ierra, tambem os decendenles do Jardineiro,
progrediam em deudos, at que angustiado Deus,
pela perversao dos descendentes de Ado crimino-
Apoocar, extinguir, dji &teou
Nobres, qoflsoualsrieaa-idtUaies;
Terreno Imraensuravel, porque em ocio
As delxals, ou ao srdido reodeiro,
Qae as desfructa, as estraga em vez de augmento;
Hide-as vos fabricar; do dono a vista
Todo eresce veceja, e fructifica
Quo maga circe, qne dolosa armida
Da corle no intrincado labyrinlbo
Com seos pbitos vos prende e vos demora ?
La serris opuleolos, respeitados,
ludependeotes, e o que mais, dos pobres,
A quem daris trabalbo, o amor e abrigo.
De lavradores vos prezais : tal nome
Do facundo Dimz ja foi delicias,
E o que honra foi de um re nao vos deshonra.
Grandes hroes agrcolas ja foram.
Vede os agostos, venerandos lempos
Da romana grandeza, quando em meio
Dos irabalhos ruraes mandava a curia
A insignia consular aos seos patricios,
E as mesmas mos que validas cnrvaram
As cervizes de tmidos lyrannos,
Ledas volviam a amanhar seus campos,
Co' triumphal lavrador folgando a Ierra,
E laangero arado I vede o augusto
Cbefe do imperio china, cuja origem
isa escuridao dos scalos se perde,
Ser do sea povo o agricultor primeiro,
Bem que de nenhum rei te'gora o sceptro
Tal numero de subditos regesse I
O grao fllho do co, a qaera precedem
Pomposos mandarlos de armas e lettras,
De tympanos ao som, por entre vivas
Do povo espectador, que ao chao se inclina,
Por alas de belgeras cohortes
Em todo o reglo fausto entra no campo,
Que herdou de seus avs! alli descendo
Do carro, porque tiram seos validos.
Traca as talares roupas, longo manto,
Jange co' as proprias mos ao ureo jago
Os bbalos fogosos; urea laes,
Arado de ouro empaoha, os soleos abre,
De que deve brotar nesse abundante
Semeada por elle!... egregio exemplo I...
Pomposa ceremonia, a caja vista
Todos nossos festejos se aniquilara t
Mats prximos a nos queris modelos?...
Vede Caostro, o terror dos reis do Oriente
Que viven nomo hroe, morrea qaal sabio,
Nos terrenos Romnticos di Cintra,
Corva fouce brandir era vez de espada,
E o primeiro mostrar d'Eoropa as gentes
Dos chinezes jardins chistoso typo 1...
Do Agricultor Bahmno.
e spprovacao de todo os povos am-. pendencia esta" solemnemente reconhecida por es-
bem ser o primeiro dia de gloria para a nossa
gracada patria, nos 56 annos que onta de 1:
pendencia. tasWl
Sim, mea amigo, a (endico honrosa dessa pra-
cs, qne encerra 8,000 victimas do mais brbaro
despotismo, enoherl a V. de gloria as paginas da
historia patria. Do contraro a patria pedir a V.
conta da vida dos seus fllho?, cajo destino est as
mos de V, -
A trplice alliaoca e nos os paraguayos livres,
tambera Ihe pediremos conta exacta do destino
mnito medonho de tantos irmos que parecero,
povos; e em eonflrmacao disto bulara' que
diga, qae azaraos llvremente da nossa bandei-
ra tricolar nos exercitos altados ; e se nos lauca-
mos e formamos parte desta cruzada libertadora,
o tasemos com a firma eonvicco da qae a nossa
patria sera' Dvre brevemente, orgolbando-nos des-
de ja' com a satisfacSo eterna qae albergaremos
nos nossos ewac/Jes por termos contribuido, dama
neira pela qaal o fazemos, para o aniqailamento
total do nefando oppressor da patria coja hora fi-
nal soou.
V. comprehender multo bem qae nao possivel
se V. se obstinar nos sens prepsitos. Sempre' explicar-lhe tudo quanto desejaria-lhe dizer sobre
triumpharam da rn> causa, do despotismo e da1 este assumpto, nos acanbados limites de orna car
oppressao qoe V. defeode. a causa da liberdade, |a i Por CQJa cansa lbe pego encarecidamente que
da civilisaco e do progresso ; porque aquelle que
ama saa patria lanca por trra os seas tyrannos e
oppressores em vez de sustenta-los.
O Comit estabellecido em Buenos-Ayres, qae,
me conceda o prazer de ter ama entrevista com V.,
na qaal po.ssamos tratar livremente e com socego'
para deste modo explicar-lhe todo o que dese-
jo. Estoo convencldp de qae sera bastante raeia
bora de conferencia para nos darmos um abraco
tanto tempo traba boa peo bem da nossa patria, y ..o v
nnmamJa ,; *n .S-7 corao lrmios e P" : da greja dessa villa, celebrando um grande acon-
tecimento que immorlalisar o sea nome e ser o
primeiro dia de gloria para o desgranado Para-
nomeou-me com approvaco do governo argentino,
3.* chefe da legio a qae tenho a gloria de perien-
cer, mas en, aceitando este lagar, o flz s com o
fim de levar a guerra e a queda do tyranno Lpez,
defendando deste modo os interesses e direitos
mais sagrados do Paraguay, qae foram arrebatados
pelo mesmo tyranno. Pelejamos pela nossa pat'ia
e pela saa liberdade contra os seas oppressores
que a infamara.
Em mesmo fui amigo desse homem tao fatal i
patria, desse Lpez sanguinario; mas o amor della pensar em poltica.Vale.
e da sua civillsaco poude mais em mim do que a Utn de aMento dos art^0f (mados fiado ^
grosseira de am homem sem instraccao estranoeiros.
Uroguayana, em 7 de setembro de 1865. loSo Oa^xcnsos praticaddji i
Da casa de D. Gutlherme Gasabe :
13 saceos de frtnh de trigo com 35 arrobas.
3 accos de faaha.
Em 7 de setembro de 1868.
Sem datas:
166 saceos de farinha de trigo de 6 ar-
robas cada am................... 996 t>
88 ditos de dita de 8 ditas idem........ 704
65 barricas de farinha norte-mericana,
de 8 arrobas cada ama............ 501
TSai zn

2201 a.
Da casa do Sr. D. Joo Antonio Fernandez:
100 saceos de farinha de mandioca, de 96 libras.
Recebldo. O sargento militar, Tobas Ensiso.
Da casa de D. Carlos Ballesteros:
15 barricas de farinba de trigo de 8 arrobas.. 120
A 15 patacoes a barrica........... 225 patacoes.
Mais-:
11 saceos de sal, 25 V........... 27 X
2521 X P>l-
guaj.
Queira V. com este motivo reconneeer a sincesi
dade, cedendo aos mens desejos, e conceder-rae o
titula de verdadeiro amigo e S. S. Q. B. S. M.Fre-
derico Alonso.P. D.Remello-lbe Inclusa orna
folha avolsa qae traz alguas artigos qae pnbllqaoi
nos diarios, para que conheca o meu modo de
amizade
nem illustracao.
Em viau do exposlo reitero a V. os meas desejos De D. Alexandre Surreaux:
de ter urna entrevista, cojos tractos bem cedo 3 i saceos de farinha de trigo, de 6 arrobas,
sero manifestos. Alguna momentos de conferen-
cia qae ea tivesse com V., poapariam o sangue de
tantos paraguayos, promptos a morrer sem saber
a causa que defendem, talvez poderia salvar a
honra ultrajada da nossa patria ; e, finalmente, V.
nada perde, e m nada falta aos seus deveres,
conferenciando com nm patricio qae manifesta-lbe
bem claro que procara o bem dos seas ir raaos.
qae gemera sob o jago frreo de Lpez. Desej
ter ama entrevista com V., mea prezado amigo;
porque deste modo poderia communicar-lbe maitas
circumslancias qae Solano Lpez occolta a V. e aos
nossos conterrneos, para poder sustentar esse
lagar por elle usurpado. Espero a sua resposta,
qae Ih'a peco em nome dos nossos patricios tyran-
nisados, e da liberdade da nossa patria.
Deve V. lembrar-se de que os tyrannos nanea 2 garrafas de azeile niza
pagam bem aos seas Seis servidores; porque a !
desconfianza pode mais nelles do que a mesma
fidelidade.
204 gj
1 dito de dita idem, de ditas.......... 4 >
1 dito de dita dem, de 8 ditas........... 8*
36 216 $
Do mesma Surreaux :
36 saceos de farinha de tirgo, de 6 arrobas. 216 |
f 1 dito de dita idem, de 8 ditas.......... 8
i"37 224 I
Do mesmo:
, 32 saceos de farinba, de 6 arrobas....... 192 (g
3 ditos de dita, de 8 ditas............... 24
1 dito de bolachas, de 8 ditas........... 8>
I 1 dito ao dono das ovelbas.............. 6>
20 l em bolachas..................... 20 >
O sargento militar, Tocia* Enciso.
250
12
THEATRO DA GUERRA.
Continuamos a pablicaco das pegas ofBciaes de
Estigarribia.
Acampamento argentino, em 4 de setembro ie
1865.
Sr. prestytero Daarte.Prezado padre.Depois
de comprimentar a V. com o devido respelto, passo
a subplicar-lhe, como catholico, apostlico romano,
e considerando por um momento a haraanidade
que me conceda urna entrevista com todas as ga'
rantias que V. me indicar, apezar de ser en estra.
nho as suas reiacSes ; mas conbecido de vista :
sou um teoente cidadao paraguayo, qae, ha um an-
uo e meio hoje, sahio da Assumpgo, e vendo as
circunstancias muito tristes em que acham-se, lbe
pe;o por ueus e pela Virgem Mara que nao dnvi-
de era annnir aos meas saos desejos.
E' qaanto Ihe diz este sen humilde fregaex qae
beija-lbe as mos.Jos del Canden Prez. (I)
i Acampamento argentino, em 4 ie setembro de
'1865.
Querido coronel.O objecto de ta carta pedir-
so, entend acabar cora os homens; e o consegulo ,h(j uma emrevista enl ot dous qae espero nio
submergindo a trra. a negar a am paragaayo como eti son, que tendo
A arvore da vida qae fra despresada por Adao recommendacges do ^^ Daarte para entrar
jardineiro, crescendo pela abundancia de ceiva, en-' em tmm09t^a com v. ao i|aereria encelar
tregou os seus fractos ao Verbo de Deus, para mais | ag SQas re|a?6es por me0 de cartJ s> senao Despl-
menle.
tarde derramar a vida so'.re a arvore carcomida
do mal; e foi em Jerusalm, que este prodigio ap-
pareceu e que as colpas do primeiro Jardineiro da
trra, foram apagadas pela ceiva divina da arvore
da vida, qae se transformara em cruz I
Sendo portanto a agricultura de origem Divina
a Arte das Artes, e o emprego mais agradavel e
nobre qae conbemos, e o mais digno do bomem
livre.
Os patriarchas no estado primitivo da natureza;
os reis do povo de Dsus, e os prophetas da aotiga
lei; os institu lores da vida monstica, desde os
primeiros scalos do mando e os apostlos do
Evangetho, foram ou agricoltores, oa pastores, ou
pescadores; e foram as plantas as pnmeiras e
mais exquisitas prodaccoes sublimares para o sus-
Espero que annuir ao pedido < |ue Ihe fz o seu
amigo e creado certo.Pedro Rec ilde.
Acampamento em frente da Urug uayana, em 5 de
setembro de 1865.
Sr. leoentecoronel D. Auton o Estigarribia.
Prezado patricio.O desejo de poupar uma elluso
de sangue estril, e igualmente ja anliga amlsade
que me liga com V. me obrigam a Ihe pedir ama
entrevista pessoal que poder Bffecloar-se no lo-
gar e dias mais convenientes que V. se digne de
designar.
Nesta conferencia poderei manifestar-lbe consi
deracoes e factos relativos aos pazes e aos exer
cilos belligerantes, os qoaes condecidos por V., es-
toa certo qae actaaram fortemente no sea espirito
tent dos homens; pois sabido que antes do di era relaco ao qae deve determinar na sitaacio em
lavio nao se nutnam os bomens seoo de fructos e que acha-se collocado.
Vimos recentemente o triste exempio na pessoa
do general Robles, preso, e segando diz se, fusila-
do vilmente em Hnmait, talvez por ser demasiado
fiel ao despota e as suas ordens. Igualmente mu
tos ootros patricios innocentes gemera acorrentados
as obscuras enxovias da Assampco. Essas vic-
2 saceos de farinba de 6 em bolachas..
31 de agosto de 1865.
Do mesmo:
2 saceos de fariaha em bolachas........ 14 3
Em 1 de setembro de 1865.
Do mesmo:
27 saceos de 8 arrobas................. 216 ($
Em bolachas......................... 14
2 saceos de farinha em bolachas........ 14 a
timas sero, quando brilbar o sel aa liberdade, a | Em 3 de setembro de 1865.
mostra aotbeotica dos horrores de qoe enehea o j dios em bolachas................... 14 @
Paraguay o desp ta Lpez. A causa de Robles e Em 4 de setembro de 1865.
de manos ootros prova com mais forca que ser jj ditos de trigo, de 8 arrobas.......... Sil 9
fiel aos lyrannos illudlr-se e fazer a sua propria 2 dilcs em bolachas.................. 14
4
Em 5 de setembro de 1865.
2 ditos em bolachas..................... 14
Em 6 de setembro.
5.400 bolachas, de 25 arrobas.......... 25 @
Era 7 de setembro de 1865.
desgrana, como tambem a da nacao a que penen-
cemos.
Nanea podem ser loteiramente preeochidos os
deveres impostos por um despota; porque sao in-
finitos e se reproduzem segando a sua vontade I
perspicaz e maligna. 3 m bo|achM) d(J ,4 arrobM........... ,4 9
Se agora V. segu observando fielmente a ordens Em 8 de setembro de 1865.
de Lpez, como acredita faze-lo, talvez elle mande. Da casa de D. Carlos Ballesteros:
ja' outro exercito para saa captara e pnnicio ; 11 saceos de sal.
porque V. nao ignora qae desde-hoje considerado' Em 31 de agosto de 1665.
j traidor para elle pelo simples facto de ter dado Da casa de D. Jeronymo Botaro (pago em
oovidos a' propostas honrosas. Sim, mea prezado patacoes) :
amigo, ser traidor a Lpez como elle nos chama. 24 de farinba de trigo, a 2 pataedes a
ser fiel e amante da patria, dos seas direitos arrobas............................. 48
alienados e da saa civillsaco. Sim, V. morre com 1 sacco de farinha................... 3
o seu exercito oeste ataque, o seu nome sera amal- 12 t de plvora, a 1 pataco........... 12
dicoado pela patria e pea humanldade, e saa me-
moria ser execravel, ficando esquecida e vamdo
o p que cobre os seus restos mortaes.
Desejo preveoi-lo, antes de acabar, qae contra'
V. e mais cheles e ofBciaes desse exercito nao
existem prevenidos algomas particulares; mas'
nngaerc entre nos Ignora qae este presbytero
Daarte que denomina-se ministro de Deas da paz '
o funesto conseloeiro que lbe inenlca os desig-1
oos reprovados de fazer morrer craelmente esses
infelizes paraguayos qae obedeeem s saas ordens.
Se Isto acontecer, e o sangue innocente dos nossos
patricios correr na Uruguay ana, o presbytero Daar-
te sera' o mais responsavel destas desgranas. Deas'
pun-lo-ha ; porque invocando o seu nome, acn
Urugoayanna, em 8 de setembro de 1865.
Bolachas:
63
1.* remessa.......
2.' dita...........
3.a dita...........
4.a dita...........
5.a dita...........
6.a dita...........
7.* dita...........
8. dita...........
9.a dita...........
10.a dita...........
Pertenceote a nossa farinba 14 arrobas
bolachas, do dia 9 a 18 de setembro.
7.000
1.700
2.21
2.100
2.354
2.468 (3 de setembro)
2.500 (4 de >
2.300 (5 de >
2.400 (6 de
7.400
3.000
legumes, e por isso a vida nelles se proloogava a
quasi mil aoaos, porque o estomago sobrio nao se
sobrecargando de imparidades, a saude se pro.
longava e com ella a existencia terrestre : d'oode
vmba que os latinos quando quenara qualifiear o
homem de bem o ehamavam de homo frugi.
As Escriptaras sagradas eslo cheias de parbo-
las tiradas das arvores, dos vales e dos campos, e
aellas se veem qae a Santlssima Virgem.e Senbora
Nossa e Mai de Jess Christo, era comparada pela
igreja aos Cedros qae s> elevam nos altos carnes
do Lbano, aos cyprestes qae crescera ao monte
Silo.
A historia profana est cheia de nomes qae hon-
rando a especie humana, foram chamados dos cam-
pos para o governo dos homens, e em Roma servio
como em lempos remotos, maitas vezes os maiores
capitaes, serem lirados da reina do arado, e da
charra para dirlglrem os destinos da patria.
As mais illaslres familias de Roma, que foi a ca-
pital e senhora do mundo, se desvaneeiam com os
nomes dos Tauros, dos Fabrlclas, dos Serracenus,
dos Leutulus e dos Vitalias; e sabido qae Dio-
cleclano, depois qae renancioa o imperio, foi aca-
bar os seas dias neste honroso emprego.
A historia da Bohemia com desvaneeimento se
records de Saaioplueus, sea primeiro rei, o qaal
determinou qae se lbe conservasse a relba do rea
arado, a cbarrna, o sen velho chapeo de lavrador
e os nteneilios do sen trabalho ; e ordenou qoe es-
ses sagrados objectos fosaeo postos publicamente
aos cantos do altar em qaefossem sagrados os seas
saccessores, para Ibes lembrar qae esses Instru-
mentos agrcolas sio os mais bellos ornamentos de
real ceremonia.
E" tal a importancia da agricultura, qae o famo".
so poeta Costa e Silva no sea Patseio dirigtndo-sa
aos lavradores (liase :'
No caso de eflectuar-se asta tentativa, ficaria eu
tambem muito satisfeito de que V. vlesse em com-
panhia do presbytero Duarte.
Esperando a sua resposta, sauda-o este sea afiec-
tuosissimo amigo e criado obligado. Joo Fran-
cisco Decoud. J
Cerco da Uruguayana, em 7f de setembro de 1865
i
Sr. teoenle-coronel u. Antonio Estigarribia
Prezado patricio e amigo. Em dala de 5 do cor-
rente Ihe dirig ama carta, na qnal, confiado na
sua amiga amlsade, lbe pedia orna entrevista-
Nao recebi resposta, pelo que at agora, como V.
sabe, nao tivemos a conferencia.
O nico motivo qoe me1 obrigou a lbe escrever'
pedindo uma entrevista, fe* o de ver se por meios
pacficos e honrosos poupava-se o derramameoto
de sangue de tantos patricios, qae mais desejam
acbar-se livres oa saa patria, gozaodo pacificamen-
te do fructo do sea trabalbo do que se verem loa-
ge do sen paiz natal, soffrendo todos os rigores e
fadigas do tempo e das eirenmstaocias, s por obe-
decer ao tyranno, qae opprime a nossa patria; de-
fendendo com as armas a tyrannia mais execravel,
e raorrendo nos campos sem gloria nem honra em
prl do tyranno qoe os escravlsa do modo mais
cruele brbaro.
as presentes circumstaocias, o exercito para-
gaayo nio defeade, como pretende, a causa santa
e a independencia do Paraguay, de maneira al-
1." porque ningnem a ameaca, e 1.* por-
V de pipa de agurdenle.
12 barricas de assocar.
7 saceos de farinha.
70 saceos de sal.
11 barricas de vinagre fino.
7 caixas de genebra.
Urngnayanna, em 21 de agosto de 1865.'Gal
Iberme Zazacco.
Relucao das existencias da casa dt Domnguez
e Rio.
10 barricas de assocar.
1 dita de farinba de mandioca.
1 arroba de fumo, salvo o erro,
Uruguayanca, em 21 de agosto de 186o.Domn-
guez e Rio.
Da casa de Pedro C Dias:
causa qae di (ende da tyrannia e op-
Feiizes lavradores se soobessem
O valor eonnecer da aorle saa I
Se tantas lela Injustas e oppressivss,
Nio esterilisassem seos soores;
Se por ventora o nesclo, o fofo orgnlno
De inmrito despreso os nio eobrisse I
Come I a phylosopbla 'inda nio poda
Desarrelgar de lodo as vaas chymeras
Das Gt thlcas Na?3es, da quem proviraos T..
Esses feroe morues honra s viam
No exercicio das armas e delxavam
A cuitara da trra em mina de eseravoe,
E" aajB fteria, que Insania! a botuiildade
goma
qoe a causa qae
pressio.
Os exercitos aillados e igualmente a leglo para-
guaya desejam ; e mnito cedo consegai-lo-ho, a
] liberdade da nossa patria, a sua civilisacs e pro-
gresso qoe lbe foram negados, dorante meio secnlo|
pelos despotas orgulbosos.
Morrer pela patria as aras do santo devar qoe
nos fot imposto, gloria, honra e recocer bem
della o martyr; mas morrer defendeodo a escra-
ndo a o sea despolisraa, covardia, e commette
selha o crime, defende a lyraonia na sua palria, 16 aaccos de farinba de trigo,
e prolonga os males de urna porco muito precio-
sa de seres Innocentes qae deveriam ser para elle
muito queridos.
Emfim, charo patricio, crea firmemente qaanto
lbe digo nesta caria, e la' na saa cooscieoeia, no
silencio da noite e longe do ruido do mando, me-
dite-o, pondo a mo sobre a sua consciencia.
Queira Deus tocar-Ihe o seu coraco, e seguir o
caminbo que ea Ihe indico.
De V. afJectuosissimo amigo e criado certo -Joo
Francisco Decoud.
Sr. coronel D. Aoloaio Estigarribia.Cerco da
Uruguayana, em 7 de setembro de 1865.Presado
patricio.Tomo a liberdade de lbe dirigir estas
poucas liabas, sem mais ltalo do qae ser sea con-
terrneo, e possuido do desejo de fazer bem, para
lbe dizer qae, tendo chegado ao mea conhecimen- 27 garrafas de azeite.
to qae V. o cbefe das torcas qae oceapam a vil-' i pip de vinho Carlon.
la da Uruguayana, e considerando qae se se obs-' grrafes de vinagre,
linar em fazer ama resistencia teimosa, s conse-1 ahitos de genebra.
gira' derramar, sem fructo, o precioso sangue' S gaecos de ervilhas.
dos nossos patricios, assaz digaos de compaiaao, 11 barricas de cerveja.
pela escandalosa e injusta guerra em qae se acnam i cala de sabio.
envolvidos, s para satisfazer ao capricho desse i Urugoayanna, em 21 de agosto de 1868LPedro
despola obscuro, chamado Francisco Solano Lopes,' c Dias.
que al boje nao fez maz do que opprimir e de-
gradar a nossa patria querida, fazendo-oos appa-1 Maqa dot enero$ ah'ntK0> cata* Fehppe
recer perante os povos civilisados, como os entes
mais atrasados : e esta verdade esta' provada e
reconhecida, porque nao existe em todo o nniver- <
so asi pas mais aviltado do que o Paraguay ; tu- j J J!1*" .de a"r^enle-
do, todo causado pelos ciocoenta e tantos annos: i ,.[** ,e I,? *
que arrasta as cadeas dos seus barbaros ty raoeos. i {/J^ ^n0C'
E* ja' tempo, mea charo patricio, qae acordemos' 6 barris de mel.
do somno em qae vivemos sepultados, por tao Ion- \ 1 sacco de caf.
go lempo, e qne, deixando de lado a plvora e as! Uruguayana, em 22 de Agosto de 1865. Felippe
balas qne poz em saas naos o tyranno Lopes, de-' Basaldua.
mos uma amostra de civillsaco, tratando pacifica-1 Mantunentos existentes na mtnha casa.
mente por meio da discussao o qoe as actuaos 4 saceos de farinba de trigo, 24 arrobas.
circumslancias seria mais conveniente para o bem 2 barricas de eaf moldo, 9 arrobas e 23 libras.
BattUua.
\ 66 barricas de assncar.
i 11 saceos de arroz.

da nossa patria.
Considerare! como uma aberrelo, se permit-
lisse V. qoe o canho tome a palavra para sepnl-
nm crime de que deve dar coala, senio aos no- Ur M 8/000 paragoay0$ qoe obedeeem is snas or-
mana, ao mesmo Deas. deng e euJa un^ ,0 jepende da ronUde de V.
Uto mesmo ihe esti acoatoeeado, qoerido palrl- Med|te ^ a||aD^ ^^ wa., ^^ ^
eio: erltar o derramamsato do iingue innocente
paragaayo de 8,000 patricios arrebalados dos seos
lana cam toda a olncla da tyrannis, gloria
para Y., e bem de pressa recebara V. os applansos
(i) A versio para portogoez dstes documentos
de difflcil acommetiraenlo^tcrqae a lingoa-
gem iaeorrecta, a teaUraaeao exquisita, a
palavru amiadadas vezesIneomprehensiveis e I
J*
bar
tarta.
ponsabilidade que peta sobre V. Nio onea a ho-
mens como os Salvanach, que andam vagando pe-
lo mondo, semeando a discordia pelo simples pra-
zer de fazer mal.
Fiqae persuadido, mea querido patricio, qoe
spezar de echarse V. i frente de am exercito, nem
por isso deve-se considerar com mala patriotismo
nem sentinella mais letoea do qne en, coja iodo*
12 libras de plvora)
Arroz, 13 arrobas e 7 librea.
X pipa de agurdente]
1 saceo de farinha.
40 saceos de sal.
Chambo, i arrobas e 7 libras.
Urogoayana, em 26 de Agosto de 1860. Ge-
rnimo Botaro.
Da casa do Sr. Joto Antonio Fernandos :
100 saceos de farinha de mandioca, ie 96 libras.
or 7 de setembro da IBIS.-. ThHllll O sar-
gento m
Rece> sa de Gernimo Botaro:
4 Mam de faria de trigo e l de farinha.
taam
DI PODCO DE TL'DO.
E' do Sr. Fablo Tilo estes
AP0NTAM8NT0S DO .CAMPO.
IV
Porque nao has de viver tu comigo, menina das
miabas pbantasias, como as llores vivem com os
perfumes, cono as harmonas ssltam do ar, como
as cores pullulam da los? 1...
Eu acreditara enlo que no mando fra possivel
conter-se o rumor de ama testa,o risa de ama feli-
cidad e, a verdade de um so nho, a rea I i da de de ama
scisma.-
0 mundo fra o co, a vida do bomem podra ser
a vida de Dus.
Mulher e homen seriara anjos, a ierra uma pri-
mavera immarceseivel, os dias instantes a marca-
rem as horas da etermdade dos gozos, como os go-
zos sao os instantes que marcara os dias da vida do
amor, como o amor a aurora da mocidade e a
mocidade a seduccao da vida.
Eu acreditara, menina das minbas noites, dessas
noltes sonoras, dessas noites flexiveis de volupia.
coradas de enleios, lindas, como tu mesma, eu acre-
ditara que o mundo tambera Uvera o destino de
uma sensaco deliciosa.
Nada ba neste mundo, que nao tenha ama rbi-
ta, am traco a percorrer, como os astros lem os
seas traeos e as suas rbitas.
Pois bem : elle tivra a percorrer o destino amo-
roso de am sorriso, o destino de ama emanaco
campesina, o destino de ama alrorada, o destino
daquella gota de sereno da lenda, qae cabio das
nuvens dentro do seio de uma concha de opala e
transubstanciou-se em ama perola rosicler.
Fra esse o camiohar do mundo com o amor as-
sim, amor vivendo de amor, embevecldo um no
outroo da mulher e o do homema' semelbaoea
dos cipos, qae se abracara e vegetam e se enfolbam
e floreiam, e quando marcha am marcha o outro, e
quando morre am, morrem ambos.
Eu abeocora as arvores e os campos, as arvores
por te baverem protegido com a saa sombra, os
campos por terem sido perlustrados pelo leu p
mimoso, pelo ten p de menina.
Eu existir, talvez, pendente, suspenso dos teas
encantos, da tua voz, dos aromas de teas cabellos,
da elegancia da toa atlilude, como essas estatuas
do mar more de Papbos, modelos da arte da anti-
goidade ida, que se admirara na Allemanh e era
Roma, essas estatuas representando am gropo, to-
das absortas pelo infinito, qoaes se tivessen a fa-
culdade da admiraco, nao, a faeoldade do x
tase.
Tu fras o meu infinito, menina, o infinito da
minba felicidade, a immensidade dos mens praze-
res, como o vacuo a Immensa camisa de Deas.
Como Deas enehe a solido do espaco, loa ima-
gem povora a minba phantasia.
Como os astros oceupam o firmamento, como a
idea do Creador palpita em todo o universo, ten
amor occnpra o meu coraco, tua belleza palpitara
em mlnh'alraa.
Fras o reflexo das perfeiedes celestes, o reflexo,
nao, fras a loz, a luz viva, a luz das perfcices
sonbadas pelos bardos, cantadas pelos menes-
tris.
Bem sei que deliro. Nao. Vivo. Sonho. Nio.
Pens. Vejo o que digo. Sinto o que pense: Pen-
s a verdade. Pens em ti.
Mas onde eeloo ea ?
A modo qne acordei e acho-me em Casa-Forte*
Ora esta I Que ni proquo.
Jalgava-me Paulo e Virginia, as forestas da
ilba, no roebedo dos adenses, sod a folhage* das
palmeiras, ooviodo o sussurro terno dos ribeires,
conversando com os passarlnhos.
Paulo e Virginia I...
Ah 1 se ea fosse Paulo I Se ta podesses ser Vir
ginia 1
E en eetoa em Casa-Forte t
Oh 1 meu Deas, qae nlvar de caes I
Nao graca, acrediten) ; Casa-Forte, Poco, Hon
teiro, Apipucosmil e dozentos cachorros, f -
digo I
Ninguem pode sabir noite.
E'-se accoanmettido por uma eanzoada, que hor
rorisal
Agora qne comprebendo o motivo de andarem
os bomens destes contornos quasi sempre com um
pin na mi.
Nao ba qae ver. E' por causa dos caes.
Caes e fiscal sao ideas qae se repeliem. Onde
ha caes oo ha fiscal, onde ba fiscal nio ba caes.
Raciocinios destaordem fazia eu quando esloda-
va a pbilosopbia do Charm.
Que raciocinios i
E o mais qoe, nio obstante, eu sabia melbor
raciocinar do qae o mea professor de phiiosophia I
A respeito da immortaiidade da alma, dizia o
sobredito mea professor, asneiras de quatro varas,
paradoxds de vara e roela.
Era om gosto ouvir-se I
Impunba elle qae Horacio, aquelle Horacio de
vinosa memoria, sendo epicurista, todava acredi-
ta va no dogma christio ds immortaiidade da al-
ma, por dizer em um dos seos versos:
Nec omsjai moriar que en Iradnzo : Ntto morre-
rei d todo.
Mas pelos santos dos altares, pelos sinos das
marrizes, Horacio nao falla-va de Immortaiidade
da alma. ,
Ello exprimase assim, fallando da gloria dos
seas versos, da nomeada dos seas escrlptos, qne
sobreviveriam a elle, qne o farlam nao morrer di
todo.
Pois o mea professor toman isso por i'mmorfa-
liiade da alma, confessada pelo poeta epunrista f
A proposito de aliaras matriies, receba lem-
brancas do saoristio, aquelle sacristio da sempre
lembrada mista to natal datanco prximo pas-
sado.
Adeoa.
De catre vez fallare! da fasta de Pefo, reeltarel
algn s versos a contar -I be-bei episodios do banho
no rio.
......m^m^^et+^smm**
io anno bom forana
re val tantea que no anno aoterlar.
O barulho fui sobre lodo
daeidade, nos batrros mais elegantosa i
nam do. ser os mau-disuoctos peto ejrJa i
villsaco moderna.
Milnares de individuos de todas aa
classes tomarara parto n'estos exesesoe; aa
se os chapeos, quando Ibas ao arroasaavaaa
copas, as cabecas dos transentes, estampa*
as sobrecasacas, atacavam e insaltavam aa
res no raeio da multidio; obrigavam aa <
a parar e as pessoas que n'eilas se aebavan
d'alli arrancadas e brutalmente maltratabas.
A polica encontrn ama toa i
qae teve de execator cargas regatares a'
branca, para ver se reduzia a' obediencia, aa I
midava, este troco compacto de gente
menos embriagada.
Debaixo das linden (tilias), qoe nm
passeio publico, a polica a p nao cunasgsae i
belecer a ordem.
Um forte destacamento de guardas de potida a
cavallo vio-se na dora necessidade de carregar
arma branca a maltido tumultuosa,
para fra da eidade, pela celebre porta de
burgo.
N'um bairro opposto, junto a' aorta Real aa sa-
sensatos comecarara a demoiir orna casa. A dan*
ordem era gerai em toda a eidade.
Alroavam os ares por toda a parlo a gritara a a
algazarra da multido as roas, e a
mmeme desagradavel dos realejos e i
melos indisciplinados e desaunadas,
sabiam das tabernas e bodegas, oae a |
entrenaba a danzar e a beber para bes
principiar o anno.
Em todas as casas publicas a partieaiares, esa
todas as ricas casas burguesas, e sobre lado asa
todas as lojas maconicas, a vespera do ata da aaaa
bom coosagrada a festas rmaoaas, ;
mente a bailes.
ama verdadeira sobre excitaeio
moral, oa antes immoral.
Os excessos d'aquella aoito sao tao re
de ama inlensidade tao ameaeadora, aae, pe
meira vez, este anno, os jornaes berlineasea, i
diarlo tao indulgentes, jalearan necessario i
a voz contra estes abasos e reprova-tos
mente, como sendo nm indicio da i
que vai lavraodo.
*
O fllho de am esuiajadeiro de Pestb,
havia-se gabado de ter tido relaces amorosas casa
ama actriz escriptarada no theatro i
em Vienna.
A actriz teve conbecimento d'eata
resol veu castigar o presumido peralta.
Como ia sahindo am dia,
outras pessoas, de um botoqnim rest
freqoeoudo em Pestb, ella encontrn
qae se fazla passar por sen lata
ximando-se d'elle, interpellen-o do i
Ser verdade, senbor, qae alar nanee tor oa
tido relaces amorosas comvosco T
O hngaro caln se.
A actriz repello a saa pereania, eaeiasaaada aa-
coierisada :
Haveis de retirar todo qnanto dissestes a sana
respeito, se nao apreaeatardes pabHeasaaate aa
provas das vossas assereoes.
O hngaro cootinnen a guardar silencie, aa pao
so qae lodos os olhos estavaa los a'eMe.
A actriz repello pela lereeira ves a
ta, e como nao obtivesse resposta,
faces do joven enfatuado orna
Sahio em seguida do restaurante,
vaniadj, com ares de una nnlaar ene
de os seus deveres e sabe contri toa.
A taboleta do veado-branco mu
glaierra ; v-se freqneoiemeate a' porta dea bi
darias as cidades de provincia asstn cono a'
la das tavernas de aldeia.
A origem ueste -costme o
O rei Henriqae Vil mandara
grande cacada, a' qnal devia assisav
Um veado-branco bem conbeciaa e
berlo foi designado para ser enanas.
caca foi longa, e dnrava alada aa aanisi
o veado, apenado petos caes, jsilgoa ojm
vida deixando un rio entre si e oa saas
migos.
Nio fez mais que accelerar a saa mor le.
Os cies iam-no alcanzando, e o pobre
ser victima d'elles, quando os cacado*.
Tomavam parte na cacada
qoaes, comraovidas petos extorca qoe
animal fazla para defender a sua vida, e
enternecidas por duas grossas Isgrisaas
vlram desusar dos olhos, pedirn nc*
para Alberto, e o rei conceden a.
O veado foi nettdo o'uma carruagtn ;
leira de ouro lbe foi posta ao peseoen,
rara a Ringavrood, com grande
gido das damas.
D'alli foi transportado para Wii
A casa onde o rei e a corte sa
da cacada, mndoo a sua amiga taboleta
a do veado branca.
>
= 1
Acaban al da Proa-
atg a narrativa d irosasr ac ediQ-
caotes e anda ronoot trsnqallsadores,

O Ghbe, de Londres, nos intoma i
nba real da Gra-Bretanba, em 18%
765 embarcaces de lodas as
193 estavam em servico erTectivo o
3,936 pecas, exelnindo os yachu,
zadores e reboeadores, etc.
Existan, alen disse asa
de differentes calbegorias, a sal
lice couracadas, nna corveta aa
un navio de hlice, 2 canhooeiras
madeira, e con una dupla htica ; 29
madeira de hlice ; fragatas, corvetas, r.
Sao 36 navios desamados desda
anno 1865, oa qnaas
de 670 pecas.
Desde o 1* de jaaetro da laaa,
servico activo 31 aavtos. Ere asa
509 pecas.
No polygno de Sbosbnryaeaa, asa
ve curiosas experiencias do
A cmara do qoe deve
UerctUe junto da liaba de
tiros de canhio Arnstrong da eaaasa
Este canho pesa 22,000 Uta
260 kilos.
Para as experiencias enpragan
kljos de plvora.
A aooraca ten da npaaisaa la a
a aannaajiri ana canea-necio da
pasta de facas horlaeataes a
si por srmaces fortiuhaas de
A espeasera total de nata daiada
tea.
Em todo o caso sir W.
vencido, a prope-se a augmentar a paso asa1
a a carga da plvora,
Resto saber i o eata raaMkra seas
bentar,
PERNAMBOGO -TYP. DB M. T^W f7\ PMl

i*
1
f
da 42
"aBannai
r


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EJG2YKWHA_RFM240 INGEST_TIME 2013-09-05T02:07:04Z PACKAGE AA00011611_10886
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES