Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:10885


This item is only available as the following downloads:


Full Text
i

AMBO XUI. HOMERO 29
Ptf qnartel pago dentro dos 10 dias do l.9 mez ,
dem depois dos 1 ,os lo das da comeco e dentro da qaartel
Porte ao correio par tres mezes .
.*>
*?jf *> 9 #.i-1 wytYW -#<#***- th HtrIW
TERCA FEIRA 6 DE FEVEREIRO DE 1866

For anno paca dentro de lo dias do 1
Porte ao correio por om anno ,
mez........ 19aaa

ENCARREGADOS DA SUBSCRIPQAO DO NORTE
Parahyba, o Sr. Antonio Alaxandrino de Lima;
Natal, o Sr. Antonio Marques da Silva ; Aracaty, o
Sr. A. de Lomos Braga; Cear, o Sr. J. Jos de
Oliveira ; Maranhao, o Sr. Joaquim Marques Ro-
drigues ; Para, os Srs. Geraldo Antonio Aives &
Filbos ; Amazonas, o Sr. Jeronymo da Costa.
ENCARREGADOS DA SUBSCRIPgAO DO SUL.
Alagoas, o Sr. Clandino FalcSo Dias; Bahia, o
Sr. Jos Marlins Aives; Rio de Janeiro, e Sr. Jos
Ribeiro Gasparinho.
PARTIDA DOS ESTAFETAS.
Olinda, Cabo, Escada e estatjoes da va frrea al
Agoa Preta, todos os dias.
Ignarass e Goyanna as segundas e sextas feiras.
Santo Anto, Grvala, Bezerros, Bonito, Caruar,
Altinho, Garanbans, Buique, S. Bento, Bom
Conselho. Agnas Bellas e Tacaralt, as tergas
feiras.
Pao d'Alho, Nazareth, Limoeiro, Brejo, Pesqoeira
Ingazeira, Flores, Villa Bella, Cabrob, Boa Vis-
ta, Ouricury, Salgueiro e Ex, as qnartas
feiras.
PARTE OFFICIAL
[Serinbem, Rio Formoso,Tamandar, Una, Bar-
relros, Agna Preta o Pimentelras, as quintas
feiras.
AUDIENCIAS DOS TRIBUNAE8 DA CAPITAL.
Tribuna I do commercio : segundas e quintas.
Relago : tercas e sbados s 10 horas.
Fazenda : quintas s 10 horas.
Juizo da commercio: segundas as 11 horas.
Dito de orphaos: tercas e sextas s 10 horas.
Priraeira vara do civel
da.
Segunda vara do civel
ora da tarde.
: tercas sextas ao mel
: qnartas e sabbados a 1
EPHEMEU1DES DO MEZ DE FEVEREIRO.
7 Quarto ming. as a h.
13 La nova as 7 n., 33
22 Quarto cresc. as 2 h.
, 20 m. e 16 s. da t.
m. e 56 s. da m.
, 28 m. e 45 s. da m.
DIAS DA SEMANA.
3. Segunda. S. gueda v. m.: S. Genuino b.
6. Terca. S. Dorotha v. m.; S. Vidasto b.
7. Quarta. S. Romualdo ab.; S. Ricardo re.
8. Quinta. S. Joo da Malta ; S. Juvaocio b.
9. Sexla. S. Apolonia v. m.; S. Ansberto.
10. Sabbado. S. Guilherme duque; S. Silvano b.
Mi Domingo. S. Lzaro b.; S. Clocro b.
PREAMAR DE HOJE.
Primeira as 11 horas e 42 m. da raanhaa.
Segunda as 12 horas e 6 minutos da tarde.
PARTIDA DOS VAPORES COSTEIROS.
Para o snl at Alagoas a 14 e 30; para o or
al a Granja a 7 e 22 de cada mez; para Fernn
do nos dias 1 4 dos mezes de Janeiro, margo, malo
julho, setembro e novembro.^
ASSIGNA-SE
no Recife, na livraria da praga da Independencia
ns. 8, dos proprietarics Manoel Figueiroa de Faria
& Filho.
C0MMAND0 DAS ARMAS.
Qnarlel general do eominando das armas 4e Per-
naiulraco na cidade do Recife, i de feverciro
de 1866.
Ordem do da n. 197.
O marechal de campo commandante das armas
em execugo s ordens da presidencia, commumca-
das em offlcios de hontem datados, faz publico para
conhecimento da guaroigo e devido eHetlo, que
foram nomeados na mesma data para servirem em
commisso no 6o corpo de voluntarlos da patria, os
Srs. offlclaes constantes da relacao abaixo trans-
cripta j que fot exonerado da commisso om que
estava empregado no mesmo corpo o Sr. capitao
reformado do exercito Joo Marinho Paes Brrelo,
conformo solicitou ; e mandado aggregar ao citado
corpo para seguirem com elle para a corle os isrs.
capiio Manoel Laurindo dos Sanios Vielra e alte-
res Silvino Fructuoso do Reg, ambos do 2o batalnao
da guarda nacional destacado para o servico da
guerra. .
Relacao dos offlciaes de commisso nomeados para
servirem no 6o corno de voluntarios da patria.
E>lado-maior.
Alferes ajudante o alferes do mesmo corpo Francis-
co Carneiro da Silva.
Diio secretario Jos Amancio Pereira Mallos.
! companhia.
Capitao o tenente do mesmo corpo Jos Libanio
Ribeiro.
Tenente o alferes do mesmo corpo Casimiro Jos
de Moraes Sarment.
Alferes Joao Pereira de Lucena.
2* companhia.
Alferes Olavo Antonio Ferreira.
3* companhia.
Tenente o alferes secretario do mesmo corpo Ma-
noel Eloy Mendes.
Alferes Manoel Pantaleao da Costa Monleiro.
4' companhia.
Capitao o tenente do mesmo corpo Ignacio de Al-
buquerque Maranhao Cavalcanti.
Tenente Francisco Jos do Sacramento e Silva.
Ordem addicional do da n. 197.
Hoje, de conformidade com as ordens da presi-
dencia, erabarea para a corte no vapor Tocantins
o corpo do voluntarios da patria que anda se
achava era organisago nesta provincia sob o com
mando do Sr. tenente-coronel Francisco de Aibu-
querque Maranhao Cavalcanti.
E' mais nm contingente que Pernarobuco manda
para o theatro da guerra contra a repblica do Pa-
raguay. Posto que fraco em relago ao numero de
soas pragas, forte pelos senlimentos patriticos
qne o domina o que justificara' o sen procedimento
na campanha, em auxilio de seus irmos d'armas,
que a custa dos maiores sacrificios o de sen saogue
pelo Sr. conde d'Avila urna do Porto, assignado por
grande numero de cidados.
Achando-se ainda em construcglo a nova sala da
cmara dos pares, e nao tendo
que provisoriamente foncciooa
teman.) a precisa publicidade,
espago aquella em
para que os debates
resolveu-se que as
sesses da cmara dos pares sejam celebradas na
sala dos depuiados emquanto se debater este im-
portante assumpto.
Tem oslado doentes os nioislros da fazenda
(o Sr. Fontes Pereira de Mello]
Salvador de Oliveira Pinto da
e da guerra (o Sr.
Franga). Continua a
dizer-se que esle cavalleiro insiste pela sua exone-
rago por causa do seu melind
OaO estado de saude.
gando-se da pasta da marin;
occasio, gerio por modo lo d
S. M. escolheu da lista quin
te da cmara dos depuiados o
do, o seu cainolicismo do outro, para levar-nos
dictadura ou a tbeocracia, sao de apreciar aquel-
es res que se nao deixam dominar por earoari-
lhas fradescas, e que vivera dentro da almosphera
do seu seculo. Um destes ris, o re de Portugal.
< Madrid fez-Ihe o mais betievolo acolhiment ;
um acolhlmento que este povo nao dispensa a to-
dos os res : o mesmo na estago, que na praga do
palacio; o mesmo na praga do palacio quena
costa de la Vega ; o mesmo na costa de la Vega,
que na ponte de Segovia. Os vivas que se deram
nao erara mamfeslagdesdeadheso a urna pessoa,
a um monareha. Erara vivas as insliluigoes libe-
raos tanto em harmoola com o espirito do seculo,
Falla se tambem na possibilidade de entrar breve- cora o caracier desle grande povo de Madrid, qoo
mente para o gabinete o Sr. Mendes Leal, encarre-! cada dia sent mais a necessldade de entrar no
que ja, por outra' concert das oacdes europeas por essas reformas
isimclo. 1ue sao a primeira, a mais sagrada das emancipa-
lupia para presiden-1 ges possiveis,a eraancipago do espirito
Sr. ur. Cesario, qae < 0 seotmelos liberaos do povo de Madrid
fra presidente da mesma camjara antes da ultima nao podiam nesta occasio deixar de dar urna
dissolugo do parlamento e adherio fuso. Para, provada sua adhesao a caasa liberal. E>ta o nao
foi nomeado o( Sr. Antonio Rodri-1 outra, a signiOcago do grandioso espectculo of-
fertcido hontem por Madrid.
Podia re-umir-se nesta forma
fufo pela hberda-
de ; nada com os tnimigos da liberdade 11
E' preciso advertir que esta significativa raani-
festago da democracia principia assim :
Se ha aspiragao nobre, aspirago generosa ;
se ba idea que possa locar no mais intimo do nosso
corago como hespaohes; se ha trabalho digno
de urna gerago feliz, a unio de Hespanha o Por-
tugal. Estas duas nagdes qae oatr'ura foram nma
s sob o jugo romano o sob a domloago visiguda,
separarara-se por occasio da grande divisan, qae
trouxe naturalmente a' Hespanha o a toda a Euro-
pa occidental a irrupgao ao feudalismo.....
tomaram a peito quebrar as cadeias que trazera o i de segur 0 COnselbo de to'autorisado nome.
povo daquella repblica jungido ao carro do lyran- q Sr A Herculano explica o motivo porque es-
Jio que o flagella, o que*teve a audacia de invadir eun eU g^j, E> elle asm |igongeiro para o Sr.
o nosso territorio. D. Antonio da Costa. Combate o casamento civil
O marechal de campo commandante das armas esle ilustrado cavalleiro, mas discute e nao inju
ra. A estes responde o grande historiador e res-
ponde com a ligao e forma que Ihe sao peculiares.
Esperara-se mais algumas publicagoes sobre es-
vice-presidenle
gues Sampaio, redactor da Revolucao de Setembro.
Os Srs. Sieuve de Menezes e Fernando Caldeira fo-
ram eleitos secretarios. Os Srs. Mello Soares e Pla-
cido de Abreo, supplentes presidencia.
Na sesso preparatoria da cmara dos pares foi
lida a carta regia que nomela supplentes presi-
dencia os Srs. duque de Lonl e visconde de Sea-
bra. Foram eleitos secretarios os Srs. marquez de
Vallada e visconde d'Algis, e vicepresidente os
Srs. conde d'Alva e Jayrae Larcher, e presidente o
Sr. conde de Lavradlo. Foi nomeada urna commis-
so para felicitar el-rei o Sr. D. Loiz I pela sua
chegada o agradecer a S. M. o Sr. D. Fernando a
sna sabia regencia em quanto el-rei seu augusto
ilbo, esteve ausente. i ............... *
A mesma homenagem fra prestada pela cmara Termino por aqu a transcripgao pela abundan-
electiva. c'a de materias que forzosamente devem ter lugar
Pfoseeud ainda a discnssao pela imprensa n'esla resenba, o pelo aperto do lempo que me vai
sobre o casamento civil. Ao folheto do Sr. D. An- fallando para este resumo,
tonio da Costa, contra a proposta consignada no Vem portanto os raeus amigos, qne na Hespa-
projecto do Cdigo Civil, responden o Sr. Alexan- nha, poneos das antes de rebenlar a revolugo,
dre H. em nma segunda gcaria ao J. do Commer- essa mysterlosa revolaco eoja bandeira ainda nao
ci de Lisboa, que a publicou a 9 deste mez (o., coonecida verdaderamente em Portugal, pelo
3667J. Nao Ihe exlracto os priocipaes argumentos menos do publico, se proclamava a nnio ibrica
tiois seria moito longo, e natural que os raeus j em plena Madrid pelos orgos democrticos da im-
amigos a transcreverao na sna Integra, como jalgo prensa,
terem feito primeira qae opportanamonte Ibes
remetti. A discnssao esta para se prolongar, o al
mesmo o Sr. A. Herculano promelte voltar ao as-
sumpto.
Nesta ultima carta considera o Sr. Alexandre
Herculano a qnesto que se debate como nma da-
qaellas ero que ho de delimitar-ie os campos ; fi-
cando de um lado os que defondem a liberdade de
consciencia, e do outro os qne pugnam pela into-
lerancia. Recommenda o Ilustre escriptor ao par-
tido liberal a prudencia, o boro juizo, a confinen-.
c.a da palavra, que s podem ter as almas sinceras,! Qie ulmamento tm l.do logar no reino de Hes-
convictas e firmes. I Panha> e Pedl ao ovorno que informasse a cama-
Nao deixara por certo o grande partido liberal
O jornal La Espaa batea estas expanses das
folhas democrticas, o o jornal absolutista de Lis-
boa esta escrevendo, cora urna liberdade pleoissi-
ma, as mais ousadas insinnages ao augusto chefe
do estado, fazendo coro s reticencias cora que na
casa electiva nm depatado realista tindou um pe-
queo discurso patritico sobre a nossa autonoma.
EiTectivamente na sesso do dia 8 da cmara dos
deputados, o Sr. Silveira da Molla, memoro da op-
posigo liberal progressista, obtendo a palavra pa-
ra um negocio urgente, alludio aos acootecimenlos
saudaado em despedida o 6* corpo, fax votos para
qae o seu digno chefe, offlciaes e soldados consigam
o Om a que lo nobremente se propozeram.
(Assignado.;Francisco Sergio de Oliveira.
Esia conforme. Estemo Jos Ferraz, tenente
ajudante de ordens merino encarregado do de
talhe.
EXTERIOR.
COBKE8P01fElfCfAS IM> BIA
RIO DE PEBIABB1JCO
LISBOA.
te debalido objeeto. A Nacao consagra-lho qnasi
todos os dias nm e mais artigos. As folbas liberaos
continan) no debate, sendo para admirar que de
tantas disposices do cdigo civil, teotia sido s es-
ta o pomo da discordia.
A Blgica depois de muitas reluctancias e atiri-
tos, decreloa o casamento c:vil (brigatoro.
A dlrecgo da exposigao internacional portu-
gueza com autorisaglo rega annonclou o eneerra
ra do que sabia a lai respeilo, e de quaes as provi
dencias que tem tomado ou tencionava lomar. Da-
se qae eslava persuadido qae, qualquer que soja o
segaimento desses acpntecimenlos, nenbum Porta-
gaez deixara de mostrar que preza mais do qae
ludo a sna nacionalidade e a sua autonoma. O
ministro da jusiiga (o Sr. Barjona), informado a ca
mar da revolia que tem tido lugar em Hespanha
e do seu seguimemo, declarou que o governo ha
do tomar as providencias que em casos semelhan-
tes se coa turnara adoptar, podendo comtudo assega-
rar que o governo ha de corresponder a' ceoBaaga
da cinara, e confia na cooperago de loaos para a
continuago da nossa independencia (apoiados ge-
raes).
Algans oatros deputados pediram a palavra so
bre este incidente, e nsaram del la os S-s. Santa
Anna e Vasconcelos, ministro da jastica, Pinto
ment para o dia 18 do correte mez, esperando Cooioo (absolutista), Silveira da Mtia, Vieira de
que quelle acto solemne comparega S. M. el-rei
o Sr. M. Fernando presidente! da exposigao.
Dentro do prazo de 13 dias^ a contar do encer-
rameolo, devero os objectos; expostos ser retira-
dos pelos expositores ou compradores. O anoun-
12 de Janeiro de 1866.
As noticias do visiohe reino, absorvem oeste mo-
mento a aitengo publica entre nos, e flzeram
amortecer o ioteresse qae merecem as qaesles de
adminsstrago int-rna, pendentes da approvago
do parlamento portuguez. |L
A granae noticia desta semana a de ter esial- t ao puD|)C0-de Ljsb6a j uiioT cra(ndidade
. para visitarem o palacio de c ytal, eslabelecendo
carreiras a pregos reduzidos. Nao pode baver cou
Castro, Carlos Bento, Mendes Leal, Bival, los Pau-
lino, Alcntara, Marlins Perrao e Oliveira Linio,
manifestando lodos os oradores o senlimento un-
nime da continuago da Independencia nacional,
senlimento que esta no corago de todos os Porta-jfegresso, o pelos bons annos, fizeram aliocagoes,
ci fflcial assignado polos Srs. Antonio Ferreira l gaezes, seja qual for o partido qae representemos.) 4 cantara municipal de Lisboa, e universidade
tinho posto no extremo occidental da Europa para
aaoorabro dos povos e gloria da civilisaco.
Jm Mas quem desconhecer a tendencia |que se
manifesia para a fundagn das grandes familias,
para a traio dos povos irmaos ? Essa tendencia
qne n&scen de si propria, Hlha ao mesmo tempo
da necessidade de um equilibrio, que mal pode
manter-se entre povos poderosos e pequeos reinos
segu fatalmente o sea caminho e nao ha torcas
hamanas, a nosso ver, que possam por-lhe barrei-
ras. E' a obra do futuro que o presente vai appa-
lelhando, mas ser longa e custosa.
c Quem pode dizer qual ser a posigo respec-
tiva de Portugal e Hespanha d'aqni a um seculo f
Qual a indiligencia por mais elevada, qual o
espirito, por mais previdente, que possa ver o que
ha de ser, nao d'aqui a um seculo, mas d'aqui e
dez annos ?
Nc trabalho incessante do progresso e da ci-
vilisago, ero que os annos se contam por seculos,
porqne o espirito humano camioha mais veloz que
o vapor, os povos vo se transformando em face de
novos principios, de novas necessidades, de novas
aspragoes. Por Isso bera louco aquelle, que no
seu orgulho ousa dizer : o que est ser sempre
assim I
i Essa aspirago, qae era Hespanha se traduz
apenas na imprensa, para unir por lagos volunta-
rios os dois paizes ibricos hoje nina utopia ; mas
se-lo-ha, decorrldos dez, qainze ou vinte annos ?
Quem pode dize-lo? Deixemos porm o futuro e
cuidemos do presente. Na actualidade Portugal
repelle a unio ou federago ; nao a quer; regftita
as vantagens que d'ahi Ihe possam provir. E o
obstacnlo nao s o amor da patria, o respeito pe-
las memorias gloriosas das latas, qae a sustenta-
mos para sermos livres e ^dependentes, mais
do qae isso : o estado da Hespanha.
t A presenga de el-rei D. Luiz em Madrid, a
manifestarlo que recebeu de uro grande numero
de populares, o que a imprensa democrtica e pro-
gressisla escreveu a semelhante respeito, leem le-
vado algumas pessoas a acreditar que altas combi-
4ac Hespanha, prelendem agora realisar a federago
ibrica. Ha gente que de boa f acredita n'isto, e
ha oatros que aproveitam o ensejo para suscitar
difficuldades neste paiz e attrahir sobre o chefe do
estado a aotipalhia publica, insinuando que el-rei
nao e eslranho aqaeiles planos. Sao muito trans-
parentes as insiouages do partido anti dyoastico,
para que queiram occulla-las, ama vez que Ih'as
iaogaraos em rosto ...............
Oque ahi est praticando o partido anti-dynas-
!tico am crime. Se pode passar aim da insi-
nuago, falle ; e se ni pode, emmudega, porque
considerar nos perigos que d'ab resultam. O go-
verno hespanhol, vendo os proprios portuguezes
imputaren) ao sea re complicidade nos planos id-
versos a dynaslia remante em Hespanha, o que
pensar, o que far ? E' ahi que est o perigo, e
nao as raaoifestagoes de uro partido generoso, e
que aspira a emancipar o seu paiz do despotismo,
mas que pouco numeroso, e por isso, nada
pode ............
fcsie artigo notavel em qne se entra bem no
amago da questao, sem exageragoes nem precou-
ceitos, sem a repeiigao estafada de logares com-
rnuns Inopporlonamente Introduzidos para erleitos
oratorios, conclua iranscreveodo da Democracia
de Madrid aiguns periodos, que mais cima re-
'produzi, e d'oode conclue o dislincto articulista
que a recepgo enthasiastica ao Sr. D. Luiz em
Madrid, nao significara senao a adhesao causa
liberal.
Tenho-me detido em ludo o que diz respeilo ao
reappareciwenio da quesio ibrica para que os
nossos leitores possam raelhor apreciar as circaras-
tancias actuaes o os suceessos futuros.
Era preciso conhecer como Portugal se proaun-
ciou, como em Hespanha se pensa, e o que o bom
senso diz.
Na brilbanle recepgo que hoave no pago da
Ajuda, para felicitar saas magestades, pelo sea
dos Sanios Firmo, urna memoria curiosisslma,. so-
bre o convento do Carmo e o seu instituidor D.
Nano Alvares Pereira.
Esta memoria manuscripta elaborada pelo Sr.
Santos Firmo, sendo precedida de ama honrosa de-
dicatoria a' associago
O Sr. Coimbra, eroorezario do Santa Isabel,
lem preparado este edificio para bailes mascarados
nos dias do carnaval, tendo o primeiro lugar sab-
bado prximo, 10 do correte.
Taes bailes sao organisados parisiense e com
- O Sr. Joaquim da Costa Cascaes vae escrever ^"?! burlescas Pasamento compostas
lado em Hespanha a guerra civil, poucos dias de-
Braga, vice-presidenie da ce mmisso central Al-
fredo Alien e Dr. Jos Fractuuso Ayres de Gouveia
Ozorio, secretarios.
Nesies ltimos dias lem a ebpreza dos caraiabos
de ferro portuguezes de norte e leste, proporciona-
pois da abertura das cortes. No dia 4 constou em
Lisboa que a insorreigo principiara em Aranjuez
no dia 31 de dezembro, no sentido progressi
teodeodo a depr a rainba de Hespanha e o seu go-
verno e proclamando a regencia, collocando-se em
rebellio os reglmenlos de cavallaria de Bayleu e
Calalrava. Acresceniava-se que o general Zavala,
ministro da marinha, persegua os insurgentes, a
testa de urna divisan;que o regiment de Al man-
sa que eslava em Avila se sublevara, e que fren-
te da revolia se achava o general Prim.
Correu tambem qae os revoltosos proclamavam
D. Luiz I imperador da Iberia. Poucos promenores
se sabera em Lisboa, pois s as folhas offlciaes de
Hespanha, e algumas das simi-offlciaes podem dar
noticias com relago a revolia
As cartas sao abenas na fronteira, e as autori-
dades hespanholas nao deixam passar a raa as
qae se referem a revolago; por Isso, de positivo,
o qne a esta hora consta que entraran) em Vi-
mioso (Braganga) 400 pragas de pret o 32 offlciaes
do regiment insurreccionado em Avila ; que estes
militares depozeram as armas assim que entraran)
m trra poriugueza; qae o nosso governo man-
dn preparar os quarteis da
Todos igualmente declararan) que confiavam as de Coimbra.
ka mais barata/pois pela mod ca quantia de qaairo
s> mil ris ida e volta para a 2*
lasse o dois mil res
r no Porto dois das
ido tres destes com-
numero de passa-
praga da
Sr. D. Pedro V, ve-
mez. O programma
na terceira classo, se pode est
o regressar a Lisboa. Tem sal
hoyos de recrelo com grand-
geiros.
A inaugarago do moumento na
Baialba (Porlo) a memoria di
rilicar-se-ha no dia 17 deste
para esta solemnldade, j esu elaborado.
E' notavel o centraste qne os dois paizes, Hes-
panha e Portugal esto apreseolando neste. momen-
to. Alm Guadiana um grande reino, com tantas
condigdes de vida e elementos de riqueza nacional
a dragos com os horrores da guerra civil, que de
da para dia vai all tomando proporgoes mais es-
Saniosas ; nesta ierra, medrando a sombra da li-
erdade'de saas instituigoes, os commettlmentos
qne ennobrecem am povo generoso, as glorias pa-
cificas da civilisago moderna, acompanhadas des-
sas bomenageos honrosas a memoria dos que nun-
ca tireram durante a vida oatra aspirago qae se
. quarteis da torre de S. Jai.o, ;Mr!aadaSSe D0S Pro*ressos n|oraes e maleriaes da
da Barra, na foz do Tejo para alojar os emigrados E- d ^, men^L pablicado
que ho.e um trem especial foi buscar pelo caminho na llM"cracia> pPeriodico ar}adrid, a 29 do pas-
qo
de ferro;e que o general portoguez Renevenrto |
-Casimiro foi mandado a Braganga para assistir ao
desarmamento dos refugiados hespaohes que vem I
acolber-se a sombra da nossa bospitalidade, lendo
para all marchado algans corpos do exercito por-
tuguez.
Que Madrid, o a provincia de Castella esto em
estado de sitio vigorando com todo o rigor as leis
militares, sendo exonerada a aatoridade superior
civil; que em Barcelona achara echo a revolucao,
tendo se a goaroige recolhido cidadella o bom-
bardeado a cidade.
Que as torgas de Zavala tiveram am combale
com as do general Prim, Qcando estas nltimas se-
nhoras do campo, e que um correspondente da Re-
volucao de Setembro no dia 6 diz de Madrid que o
{{rito da revolla Unio Ibrica.
Seja qual for, pois, o verdadeiro plano insurrec-
cionados, e o seo mote poltico, deprehende-se qne
a oppresso excessiva do governo se tornara anti-'
paibica a tal ponto ao povo hespanhol, qae a lula
de ha moito latente, ciegou por fim a debater-se
sado. Esle artigo reproduzido le combatido as co-
. Inmnas da Nacao, jornal realista de Lisboa, tam-
bem provocou os reparos de algumas folhas de
Hespanha.
Eis aqu am dos seus trechos mais frisantes pa-
I ra os nossos leitores apreciaren o que no paiz vi-
i zinho se pensa de nos o das nssas cousas:
Casualmente Portugal osla' dando gloriosos
exemplos Peninsnla toda, da sna adhesao as
ideas do socolo prosete ; essa adhesao qne cons-
titnem hoje a Blgica do Meio Dia. A constiluigo
e observada pelo seu rei com urna fidelidade digna
do finado Leopoldo. As soas cmaras sao eleitas
sem qae se prescreva systematicaroente partido al-
gum. Os seas bispos nao se snblevam quando se
trata de reconhecer o reino da Italia.
i A imprensa completamente livre. All nao ha
escrlploresna cadeta. O jury exorco na admiois-
traco da justiga o seu admira vel ministerio. O suf-
fragio quasl com o voto universal. A associago
permiltida. A tolerancia religiosa completa. Dis-
entese agora o registro civil e o casamento civil
qne tlram i tbeocracia a tulella da familia. Porta-
no terreno fatal da goerra civil, onde novamente
est en-anguentando aquelle malfadado paiz.
Em separado Ihes mando as noticias mais dignas I gal um povo livre. O seu mi, looge de ter escru-
de se reproduzirem, em relago aos ltimos acn-. pnlos indignos ao scalo XIX, enlagou-se com a fi-
tecimentos de Hespanha, e em Post scriplum Ibes Iha de Vctor Emmaoue! e entrn na familia de Sa-
commuoicarei o qne ultima hora constar. boya mesmo no momelo em qae o latego da ex-
Na cmara dos deputados (de Portogal) pro- ce mmunho cabla sobre essa familia, pelo enorme
segoe a discnssao sobre o projecto de liberdade de crlme de ter salvado a Italia em Palestro e em S.
imprensa, acompanhando as fofhas polticas a dis- ( Mirtino.
cnsso o apreciando os discorsos dos diversos ora-' Extranhar se ha ainda o receblmeoto qne o po-
dores. Tem tomado parte nos debates os Srs. Sil-! vo de Madrid fez ao rei portuguez. Por mui demo-
veira da Motta, San'Anna o Vasconcellos, Tbomaz I cratas que sejam os povos, a Madrid o moito,
Ribeiro o Barjona de Freitas (ministro da justiga). nao deixam jamis de estimar oa res dedicados ao
Na cmara dos pares comegou boje a discasso da pacto cooslitucional, como o sao Innegavelmonte os
novaco do contrato com a companhia do caminho! monarebas lusitanos. Verlam com maior satisfago
de ferro de sueste, qne j tinba sido approvada na ; a nsses bomens, qoo como Lincoln, ou como Jua-
camara electiva.
Varias representagoos dos povos se tem dirigido
contra esu medida, e ltimamente foi apreseotado
rez, susleniam o pavilho da democracia no novo
mirado. Porm no estado presente da Enrona, nes-
t ooqspirago tramd pelo tsarismo je am la-
medidas (ue o governo adoptar, podeudo ter a cer-
teza de que ba de eocontrar de seu lado todos os
Portugueees. Tertrioon este incidente approvao-
do-se por Onaniraidade a segainte mogao do Sr.
Mendes Leal : A cmara satisfelia com as ex-
t plicages do governo, o nnanime nos senlimeo-
c tos manilestados, passa a' ordem do dia. >
O protesto de patriotismo lavrado nesta notavel
sesso foi um acto solemne, embora a alguas mem-
bros da imprensa que o apreciaran) tivesse pareci-
do desnecessario e inopportono, pois nlogaero no*
ameaga. Parle da irapreusa encaieceu loavaodo a
sensatez da cmara na sua manileslago patritica.
Outra parle nao ceusnrou, mas achou-a descabida.
E' digno de ler-se o que escreve ao /nial do Com-
mercio do dia 10.
Transcreverei alguns trechos:
A revolta do Hespanha originou era Lisboa
om faci singalarissimo. Dir-se-bia qae as forgas
hespanholas sublevadas nao intantam derrabar am
VMrHH..v..tf ^uw.v.MUt.0 UBU IUIWI.III uwiiuuui u u. w vuUgiUV UO MUJO |/UUHWU M. vu*m.i
governo oppressor o obnoxio, mas qae vem mar- f endo saber que sao considerados limos de colera
chando sobre a fronteira de Portugal a conquista
desle reioo. Assim se devena soppor acerca das
expansdee patriticas qae hontem hoave na c-
mara electiva. Pareca qae os inimtbos da nossa
nicionaltdade j nos batlam a's portas, e os Portu-
guezes pela voz dos seas representantes, levanta-
vam am viva heroico a' sna independencia, como
protesto solemne contra a' aggressSo estranha.
c Ha quem trame contra a autonoma de Por-
Leio de Castalia? Ha quem intente unir Porto
gal a Hespanha sem violencia, sem contrariar
vontade popular ? Ha eotre nos traidores a pa-
tria ? Os qae tramara pela nossa independencia,
teoham a coragom de apernar para os criminosos
e exp los indignago publica. O que um cri-
me, a insinuagao contra o chefe do eslado ; o
excitameoto de odios contra nma nago vlslnba ;
induzir no espirito do povo ideas errneas
apreseotar-lho perigos imaginarios. ,
c A Hespanha est a bragos com a goerra ci-
vil. A revolago liberal no visioho reino nao
produzio os benficos resoltados qoo Portugal an-
da chegou a alcngar cusa de to enormes sa-
crificios. Era Hespanha Acarara de t multas ios
lituigoes caducas, u espinto sioistro da cata
d'Austria continuoo a predominar na corte o na
governago publica. A revolago foi apenas di-
nstica e nao poltica o social. D'abi provm qae
a Hespanha se debate aioda comprimida pela fatal
influencia do roafs absurdo e cruel despotismo, qne
a regen dorante tantos annos.
c O partido liberal hespanhol quer a liberdade
sincera e verdadeira ; quer os beneficios da civi-
lisagAo ; quer, como eloqueotemoute diz a Demo-
cracia de Madrid, a emaooipago do espirito
qoer ver extractas as influencias fradescas; quer
que as reminicencis da inqoisigio desapparego
para sempre da torra patria ; qoer rooralidade na
rrte o no governo; qoer entrar oa grande com-
monhao liberal de qae o paiz esta ;afastado; quer
emita qae a Hespanha seja bem governada.
Vo ser nomeadas em todos os consolaos do
distrlcto do Porto commisses filiaes para promo-
rerem a preparaca de productos para a exposi-
gao universal de Pars de 1867.
Foram mandados louvar pelo eoverno de
sea magestade os foocciooarios publico?, o os par-
ticulares que por occasio da terrivel epidemia
Cholera era E vas, prestaran) importantes e desin-
teresados servigos aquella povoago aficta.
Est quasi extracta a cholera em Freixo de
Espada a Cila. A epidemia apparecea all faxen-!
do algumas 10 on 12 victimas de casos fataes. No
Diario de bootem vinha a demisso do partido da
cmara ao cirurgio competente, qae abaodoooa a
localidade assim qae se manifesloa a molestia.
Foram considerados limpos de cholera mor-
bos os portos de Franca e Hespanha no Mediterr-
neo, e todos os portos de Galliza a excepgo de
Poote-Vedra.
0 conseibo de sade publicou am edital fa
a biographia de celebre architecto e engenheiro
Manoel da Maia constructor do aqueducto das a-
guas livres.
Sob o titulo de Litteralura de hoje, vae appa-
recer em breves das no porto urna obra Iliteraria,
a' qual ja' de anle mo se entretessem os maiores
gabos, nao sendo o nome autorisado do autor o me-
nor eslimolo enriosidade que o assumpto de qae o
livro trata. E' este assumpto a quesio entre coim-
broes e olisiponenses, como quem diz guerra de
romanos e cartagioezes; e o autor o Sr. Ramalho e
Ort'go, penna cuja critica (o apellido o esta' di-
zendo) contm ortigas. O Sr. Ramalho e Orligo,
desaffecto ao Sr. Castilho, e nao morre de amores
pelos seus antagonistas. Ja' se v pois, qoo im-
parcial ser a sna obra, que a mais volamosa de
quntas se leem escripto a cerca da qaestao.
Publicou se um folheto Mau senso e mau gosto
pelo fseudooymo Amaro Meodes Savela.
O Sr. Ernesto Marcos vae brevemente dar a es-
tampa a seguate obra poelica O thesouro de Fa-
frter legenda era verso extrahida das tradieges
germnicas, sobre a morte de A'ttila.
Vae muito brevemente ser collocada na torre
de Belm urna luz de porte alcanzando a 5 milhas.
Esta luz combinada com a que ltimamente, se le-
vantou na ponte do arsenal, sera' de graodissima
vantagem para a navegar o do Tejo. Contina co-
mo se v a secretaria da marinha a cuidar diligen-
temente do importante servigo da illuminagao dos
portos e cosas.
O pagamento dos joros de divida externa co-
mega no dia 13 do crreme mez, e contina nos
sabbados segrales desde as 10 horas jda raanhaa
at as duas da tarde. O cambio de reduego de
32 e meio dinheiros por 4#000 res.
O conselho do commercio approvou (no dia
10) os estatutos do banco nacional portugaez.
As nossas^lbas de S. Tom e Priocipe produ-
zem alera do excedente caf, o caeque, a caoella,
o algodo, o azeite de ameoduira e o de coco, e as
especiaras da America e Asia. De caf ja' leem
chegado a exportar 120,000 arrobas.
I Ha dias o deputado por aquelle circulo, o Sr.
1 Leandro chamou a attengo do governo para a ne-
j cessidade de fazer dirigir para aquella provincia a
emigrago de Angola, no que concordou o ministro
i do ultramar, cora tanto que as garantas sufflcien-
i tes se ponhara em vigor aflm de nao escravisar era
I S. Tnora os libertos de Angola.
Mr. Courcelle Senenil, publicou am volame
sobre o ttulo de Agressao de Hespanha contra o
Chile. Diz um peridico francez que o o livro es.
ta' escripto com profundo conhecimento de causa-
A France de 6 de Janeiro traz aro bem elabora-
do artigo do Sr. Coheu a cerca da resurreigo da
Hespanha, Deplora o autor; como o dploram os
boraeos cordatos a' revolugo; mas so' o'ama cou-
sa parece que exagerou e foi quando fallou na im-
prensa hespanhola, dizendo que ella goza da maxi-
f ma liberdade.
I Pabliconse a bella photographia Torre de
Belm, priraeira eslampa da collecgao qae o Sr.
Fraocisco Xavier Moreira emprebeodeu sob o titu-
lo de lbum Lisbonense- E' trabalho rr.uito perfei-
to de ptimo lamaoho, para urna linda galena de
quadros representando os mais notaveis mona
mentos de Lisboa, e de extrema barateza.
A Sra. Viscondes dos Olevaes comproa por
4:0004000 um palacio na freguesia dos Olevaes,
onde vae eslabelecer, a expensas suas, um asylo
para a infancia desvalida d'aquella localidade, com
o mesmo plano dos de Lisboa; louvores a lo bene-
mrita dama.
Falleceu no dia 11 na sua casa do Bemfics, o
i rico e bem conhecido proprielano Joo Antonio da
Luz Rolim.
Fallecea tambem o Sr. Braz Fernaodes, con-
sol de Portugal em Bombaim.
Falleceu em Coimbra pelas 2 horas da tarde
! do dia Io do correle o Sr. Jos da Encarnago
Colho, lente cathedralico da faculdade de theolo-
gia da universidade.
No da 2 pelas 2 horas da tarde falleceu o Sr.
Dr. Jos Mximo de Castro Nelto Leile e Vascon-
cellos, juiz da relago de Lisboa, autor do projecto
principal collaborador do Cdigo penal portuguez,
jurisconsulto dfstincto e fuccionario respeitavel
por su booradz e inteligencia, e por seus conhe-
cimenlos e abnegago.
para tal fim.
O digno emprezario nada tem poopado para pro-
porcfooar um diverlimento completo a nossa po-
pulago.
O salo de dansa oceupa todo o espago da caixa
e da platea, e acha-se decorado com luxo o gosio
na disiribuigo de lustres, estatuas, quadros, espe-
dios, vasos cora flores, bandeiras e outros difieren-
tes adornos, qoe encaotam a vista.
Sera' a illuminagao giorno.
A msica do 1 batalbo da guarda nacional to-
cara' em todas as qnatro noites as mais escolbidas
e apropriadas pecas de harmona.
No dia 2 do correte leve lugar a festa da
Senhora do Bom Parto, em Olinda, cora a decencia
conveniente.
Oou o Rvd. padre Mello, ea orchestra foi regida
pelo Sr. Colas, amndose a missa do Lima.
A tardo S. Exc. Rvma. visltoua igreja, e ahi fez
sua orago, affluindo grande numero de pessoas
para beijarera-lhe o annel pastoral.
S. Exc. Rvma. visitn ante hontem o collegio
de S. Bernardo, com toda a ralnuciosidade, expres-
saodo a sna satisfago pela ordem e regularidad
que encontrou em todo o estabelecimento. Segun-
do nos informara, S. Exc. Rvma. mostroa desejos
que algans dos collegiaes que prelenderem dedi-
car-fe aos e3tudos theologicos, o vo fazer no Col-
legio Americano em Roma.
Fallecen hontem. victima de urna affecgo
pulmonar o Sr. Luiz de Franga de Oliveira Lima,
an: go offlcial papelista do oosso correio. A' sna
mconsolavel familia damos nossos verdadeiros sen-
timentos.
Temos noticia do collegio de Tacaral, per-
tencente ao 3 distrlcto.
Dr. M. Buarque de Macede............... 37
Vigaro Francisco Pedro da Silva.......... 37
Vigario Pedro Manoel da Silva Burgos..... 37
Dr. Tibortino N, Barbosa................. 37
Dr. Joo Aives Mergulbo................ 37
Dr. Jansen de Castro...................... 37
O resaltado conhecido pois o seguiote :
i. Vigario Pedro M. da Silva Burgos....... 281
2. Dr. M. Buarque de Macedo............. 275
3. Vigario Francisco Pedro da Silva..... 274
4. Dr. Tiburtino Barbosa Nogueira......... 258
5. Dr. Vieente Jansen de Castro........... 241
6. Dr. Joo Aives Mergulho.............. 220
Vigario M. Lopes Rodrigues de Barros..... 178
Falta apenas o collegio da Boa-Visla, qne se
compem de 39 eleiiores, e cujo resultado j nao
infiue na eleigo, sendo deputados pelo districto os
seis pnraeiros senbores.
PERNAMBUCO,
toorbus os portos do mar Adritico, de Algeria,
Egypto, Grecia, Italia, Smyrna, Syra, Turqua, e |
s da Russia do mar Negro, os porlos das libas
Baleares, e o mar de Lar a che.
Parece qae vio ser augmentados os ordena-
dos aos erapregados do estado, qae veacem emo-
lumentos, reverteodo esses emolumentos para o
thesouro ; de sorie que o augmento de ordenado
corresponde aos emolumentos soppriraidos.
lugal ? Ha quena pretenda entregar esle paiz ao r- 0 Diario publicou o decreto fixando para o
t a imprensa hespanhola discute-se ontra vez
a conveniencia da uoio de Portogal cora a Hes-
panha. E' am pensamento velho qne Portogal
lem repelado e repelllr, porque desoja o quer
mantida a soa autonoma. Somos muito pequeos,
corto, o por isso mesmo mais queremos a nona
independencia, qne nio so timbre loe boas e
leaos portoguezes, mas orgulhq de filhos d'este cfcn/
da 28 de Janeiro as eleigdas para os tres logares
vagos na cmara dos Srs. deputados, nos circuios
de Vi anna do Pastel lo, Santo Ildefonso (Porto) o |
Idaoha a Nova (Castello Branco).
Foi no dia 5 aos pagos reaes o Sr. Braga,
benemrito director do palacio de erystal, convi-
dar suas magostadas a irem encerrar a exposigao
.internacional. Espera-se qae o- monareha e sea
a augusto pal aecudam a este pedido.
O Sr. conselheiro Jos Edoardo Magalhes
Uratinho val abrir om consultorio medica Pedia
a demisso de todos os cargos e exerciclos no
paca
Consta qae foi encarregado da collecgao offl-
cial da legislago portoguea em sobstiluigo do |
Sr. conselheiro Nelto, ba poseo fallecido, o Sr. i
conselheiro Coeloo de Campos anotada do cdigo
administrativo.
Reapparecen o antigo Panorama que tantos
servigos fez a illnstragao da nossa trra, em poca
em qoe as leitras erara moito menos gestadas do
qne hoje. E' ootra a erapreza : outros sao os col-
aboradores. Traz este numero nm artigo do dis-
tincto bibllopbilo o Sr. Ioooceocio Francisco da
Silva, orna poesa do Sr. Vidal, e alguns artigos
de varias peonas.Ha 2 nmeros publicados desta
nova serie.
r' t O Sr. Lapa, distioelo professor do instlalo
Aercola, acaba de publicar o primeiro volame da
saa importante obra intitulada Technologta rural.
O Sr. Jalio Pimental visconde de Villa Malor
publicou nm carioso opsculo sobre a agricultura
vinhateira do Douro.
Consta qae se entabolaram negociagoes com
a Russia para a celebrago d'nm tratado de com-
mercio de vinhos com aquelle imperto.
Vo moito adiantados os trabalbos para a
concluso do tratado de commercio entre Portugal
o Franga. O Sr. conde de Castro tem sido incan-
savel neste importantsimo negocio.
- Pp ofrecido a' socieae dos arebitoctos
PYli WltogiiMM pelo Sr, ioaqn.iti)Jos de OHTfTt
REVISTA DIARIA
S. Exc. Rvma. despacha diariamente no espa-
go decorrido das 9 s 12 horas d'amanha, e da'
audiencia d'ahi at as 3 da tarde, recebendo as
pessoas qce o qoeiram visitar as tergas, quintas e
sabbados de cada semana das 6 horas da tarde as
9 1|2 da noite, o nos dias santificados das 9 d'ama-
nba as tres da (arde.
No da 15 do corrente finda-se o prazo para
os exames de preparatorios, necessarios a matricu-
la do Curso Commercial Pernambncano.devendo por
consgrame antes disto requererem as pessoas qoe
se queiram matricular, e tenham de fazer eximes,
a admisso a ellos perante a direotorla geral da
instruego publica.
Na prxima qnaresma concede o Exm. dio-
cesano dispensa para a comida de carne nma vez
por da, sem detrimento do preceilo de jejam, e
salvos os dias sextas-feiras e sabbados de cada se-
mana, qaarta-feira de cinta, a qointa-feira imme-
diala, a qaarta-feira das tmporas e a semana
santa.
Em virtude de resolngo tomada pelo Sr. Dr.
delegado encarregado do expediente da chefatura
de polica, sero a entrada e sabida dos carros de
agricultura e mnibus, faltas pelas pontes de Pe-
dro II o Provisoria. Os qne vierem pela estrada de
Pao d'Alho o Ponte d'Uchoa, bem como os animaos
carregados com gneros de qualquer natureza de-
vero tomar a direegao das roas do Mondego, Glo-
ria, Caes do Capibaribe, em seguida a ponte Pedro
II, podendo os omoibus entrar pela roa do Sebo:
Os carros de passeio porm poder ao indifTeren t-
meme entrar e sabir pelas pontes Pedro II e Boa-
Vista.
A secretaria ecclesiaslica e a vigararia geral
do expediente, no pavimento terreo do pago epis-
copal da Soledade, das 9 horas da raanbia as 3 da
tarde de todos os dias atis, navendo a entrada
destas repariiges caixas para receberem quaes-
3ner papis, que as partes sobmettam a despacho
essas estages.
Chamamos a attengo da polica para o atra-
vessamento altamente escandaloso, qae da-se em
relago ao peixe em Fra de Portas, onde uns tres
individuos eregiram-se em compradores por ataca-
do de todo o qae all desembarca, qoer vindo de
pescarla das imroediagdes, qoer do norte, quer do
sal, para em seguida irem revende-lo a populacho
pelo prego qae Ihes apraz, garantido pelo monopo-
lio em qae assim se coostitairam.
E' preciso, pois, qae se d algaras providencia,
ane roobe a popolacao a tal flagello. mxime ago-
ra qoo vamos entrar pa quaresta?
A primeira audiencia do juizo de paz da fre-
guezia de Sanio Antonio hoje, 6 de fevereiro cor-
rente.
Escrevem-nos do Bonito,
t Estamos soffrendo os rigores da secca, Qagelio
dos nossos sertoes. Nao se pode avahar o grao de
calor que aqu se sofire, sem experimental o, o pa-
ra maior encommodo nem se quer urna aragem
oos refrigera, ueixemos porm isto e varaos tra-
tar de negocios de ioteresse geral.
< E' vergoahoso o estado da miranda casa que
serve do priso I A'm da sna pouca capacidade,
acha-se to arruinada, qae por mais de 6 vezes e-
vadiram-se os presos em pleno dia, sem que para
o arrombamento, fosse mister instrumento aiguro.
O nosso digno juiz de direilo Dr. Julio, lem ja' por
vezes feiio sentir ao Exm. presidente da provincia
a necessidade da construego de um edificio com
os commodos precisos para semelhante lira o qne
rena as condiges de seguranga que exigem as
prisdes; apontou, para poupar maior despeza, nm
edificio que a cmara daqui principiou a construir,
deslinando-o para priso e casa da cmara. Ap-
pellamos para o empenbo com qne o digno pres-
deme da provincia, o Exm. Sr. Conselheiro Para-
nagua', tem procurado satisfaz -r todas as neces-
sidades maleriaes da provincia a lira de qae nosso
reclamo seja recebide por sua Exc. como um pedi-
do geral, tanto para garanta da sociedade que de-
ve descangar na seguranga dos criminosas, como
para qae estes melhorem de situago, pois qoe se
o facto de haverem corameilido um acto qne a lei
qoalifiea de criminoso e pune, nao Ibes ronba o
crime o direilo a um traiamento humano e com-
raodo.
c A seguranga individual tem sido respeitada,
s tendo a registrarse um homicidio, praticado
por am individuo vindo a pouco da Escada, sendo
a victima um morador do eogenho Macaco, ama
legua desta villa; o facto crimiooso leve logar no
dito eogeobo, e em occasio era que o sea proprie-
lano (o Sr. Ribas) achava se aqu.
O estado sanitario nio tem sido llsongeiro;
molestias graves tem reinado com carcter epid-
mico, pois que nenbuma causa occasional tem da-
do motivo a erer-se por ella, o desenvolvimento do
mal: felizmente essas eafermidades tem cedido
ao tratamento acconselbado, o poocas victimas tem
feito. Todas as autoridades continam a mere-
cer louvores.
i O nosso dislincto amigo o Dr. Julio Barbosa de
Vascoocelllos Juiz de direitos desta commarca, nao
obstante a maneira por qoe tem procedido, nao an-
tepondo a justiga considerago algama, amigo sin-
cero e leal, dedicado a toda a prova o em extremo
atteocioso, tem merecido qae de Grvala', se es-
crevesse insultos o calumnias contra elle I A pra-
tica de certas aeges looge de ferir a quem se de-
soja, todo o desar reverte sobre o autor, qoe co-
brindo-se de ignominia v sua victima ostentar-
se inclume e cingida de mais um laurel I E' o
qne jumamente se da' com o Dr. Jallo e esse ra-
biscador de gazeta, qae qaerendo descooceilnar o
juiz de dtreito desta commarca, s fes mostrar a
distancia qae separave o hornero de bem, daqnella
que o nao
O Dr. Julio nao vefo aqoi fazer a sna repntagSo,
nao; Garaohoos o Goianoa fall?ra por elle, e do-
rante o sen curso acadmico, sempre foi consi-
derado como o homomde sentimentos nobres,
e carcter distincto.
t O bonito deve ufanarse tendo por sea jnis de
direilo nm Dr. Jallo o marnente se com elle se
reamrem caracteres com os Drs. Columbano Ser-
fico, e Candido Marlins de Almeida
Passageiros do vapor brasileiro Tocantms,
sahdos para os portos do sol:Laorentino Braz
de Oliveira Lima, Hara Joaquina da Cooceico,
Alfredo Alvos Matheus, G. H. Daves, Antonio Joa-
3um de Parias e 11 escravos, Mananno Lopes Ro-
rigues, Jos Antonio dos Santos Coelno Jnior, i.
Virginio Telxeira de Araojo e sua senbora, Jos
Nepomaceno Ferreira da Costa, Dr. Fernando Can-
dido do Alencar, Hermino Evangelista de Araojo,
Manoel Martins da Cunha, Delfina Josepbina,
Eduardo Fales, Alfonso Luiz Pereira da Silva, Ma-
ra Adelaide de Soasa Campos, Mara das Mercs
Muniz, Manoel Gomes Ferreira, R. C Fenck e sna
senhora, Manoel Pereira Camello, Ignacio Splneza,
Jos Angosto Bitlanconrt, Anacleto Jos da Mota,
iacintho Jos Nones Leite, Jos Vaz Dias de Pi-
nito, Francisco Xavier da Silva Marques, os afri-
canos livrss Henriqoe e Mana, 3 pragas do exerci-
to, coronel Manoel Ignacio Bricio e 1 filha, 34 re-
erntas.
Movimeote do hospital de S. Lzaro, do V %
SI de janeiro de 18664



-. .,


f
T



i
z=z
- 1
..- i
aUarto de Peraamlmee Terca felra a de Feverelro de 1866.
Exista* 'fu'homehs e !j mlheres, fBtfotfi
mnlber, morreo i raolner, existen) 10 homens e 18
mulberes.
Observacoes.
Existed) 8 enipregdos do estabelecimento, i sa-
ber : t Mfwlao, 1 medico, 1 regente, 1 dita, 1
barbeiro, 1 cosinheiro e 2 serventes.
Foram visitadas as enfermaras pele medico o
Sr. Dr. Ignacio Firmo Xavier nos das 2,8,9,16,
19, 23. 26 e 30.
Theodora Maria da ConceicSo, parda, casada,
idade 48 annos, entrn a 20 de junelro do correle
anuo e fallecen a 24 do rtesmo.
O roordmo do mez.
A. Gomts do Comi.
O regente,
Dmz Ignacio P. dos Santos.
Movimento doaospieto de alienadas na Mise-
ricordia de OlinJa, do 1 ao ultimo de Janeiro de
1866 :
Eiistiam 21 bomens e 40 mulberes, eotraram 1
homem e 1 mnlber, sahlrm 2 malhers, existem
22 bomens e 39 mulberes ; total 61.
Existem 8 empregados neste eslabelecimento, a
saber : 6 bomens e 2 molberes, sendo medico, ca-
pellao, porteiro, sacbristao, enfenneiro, barbeiro,
enfermeira e cozinheira.
tena { Uir'4
Ris.
Demonstraeo da eiftissio.
*>t*)fo W:f30000
l:96o)6U E por nada mais dizer manAM o jale livrtr e i Wla novario, o svstema de escoto o mais salvacao dn dnent? ^fnrlar ris mftdrrampn- -. t
- presente termo em qoe se asM** Mi o ettWr rtrfelcoadoque s conhece; duplamente dlspen- S A JL S7 SE. as mmhas preparares devlame S50 reu-
accasado, bavendo a audiencia *r eowrrada : ** tea; o-aftlUos de latrioa sao a siphao e sene-. ?*?> ar do campo, exerciOO ConTemente Driis cwa,0i*Oa ugnAjeDtM, e COM elles
mnndo; com ateta, a-qtal b5 deye1 ser de nenbuma tenho ohiido oBtianaiManlLdos: nao sb n-
340dotWthrYator d
420 >
383 >> >
101 (000
500000
72:7630846
fe. Ea Francisco de Barros QWra escrfvi qe
o esc revi.-Ta vares de Vasconcallos.HCjpriaono
Feneloo G. Aleoforado.Lonrenfc* de > Afb-
42:000*000 qnerqne.
19:1300000 ...
O guarda livros
Francisco Joajmnt Pereira Pinto.
Rii 129:1800000 A novelo do coa trato de Ha*
peza e assel da chinde do He-
elfe.
1 I I
Communicados
Tendo Dieirado ao publico que bavia chamado a
respensabiHdade o antor do commtraieado, qoe em
defeza do Sr. Joao de S na questo Aranlao.il, ta-
zia allusdes, que se referiado a mim, conlinha in-
juria e calumnia, corre-me o dver de iuteira lo do
resultado desse processo; o qoe faco, publicando a
pelicao qoe Qz adra de que viesse a juizo explica
las o Sr. Lourenco de S Albnquerque, qoe se pre-
sentoa como responsavel do referido artigo e as
II
Ihaates 40b 4a primeira cldade do
BtB wppftmate d'agua gratuito e dlscripcao; e' msa queate,- O fl defflcil difesto ; a
eflMn tatre dispendio reclama alm do paga- bebida cumpce que seja
J \ canalisacao d'agoa. f F H Ja
Reunamos anda a vaniagem da remocao do. I ,
lito e residuos das casas, trabalho mais pesado no > Todo 0 seu alimeuto 86 ha de dirigir a
caso do eeondo systema, 400 sem recelo de errar moderar a acrimonia dos humores e a nu-
.is^t^^ 2 r. vntM
abandonada. reduz-lo aomo de regeues e leite. .
A proposta da commissio tranca fui reduzida a Toda comida e bebida, que se tomar ba
contrato, tobora acceila pelo et^atpreMtio Ota de ser em potras porcoes, para vitar que
Pensamos qae as Itgeiras observarles do hosso
precedente artigo mostraram a Improcedencia das bronne 1
censaras do lllttstre J esgoto preferido na novaco do contrato de qae nos j chamado.
occupamos. | Effectivamente acceito e preferido o systema all Muitos doentes desta molestia se leem en-
velamos se methor Julio se j83e Wt dos ar-. prnposto pelo Sr. Gambronne, nenhnma dovida: treeoe TO 080 do oleo de fljrado de bacaHro.'
guraentos com que S. S atacon as vaatagens da teriaraos boje aoppOr, em presetica ^tMinla' e L*. mZS--r^*IZS S'^, uIlUe0HJ HY v. o. apaa-se wuni-
novacau e o acte da presldcla. expressa pela qualBeoo elle abrigado a executa-lo L?~ 5SPT? ^ a pal?4am08' lustrando- be rened OS. acha-S6 no todo res-
4rSarS' ?erWSSo UWUslSi excesso a ^y'6 frtsco'oppriiM os bo'fes
^ a assigna la, se para uto tivesse >m e acce,ere mn[to t rfrcuIjKato do Mngue>
tenbo ohtido ptimo Resultados: uao se en-
emcn mfesiao ; e a gaDe 0 m&mQ ^1^ com OQtros -*ne por
ah seannonciam, coj prepararlesIgnoro,
assim como o aproveitamento aos enfermos,
a quem porventura tenbam sido applicados;
cada om responde por si, e eu affirmo com
verdade o que aquitenho relatado, cujos me-
dicamentos nesta provincia e vendo em mi-
aba botica na ra Direita n. 88.
Jos da Rocka Paranhos.
Natreth do Cabo, 7 de setembro de 1863.
Ulna. Sr. Jea da RCba Paranhos.Com
o maior prazer levo ac conhecimento de Y.
S., que o doente que V. S. acha-se admi-
F01 visitado o raesrao estabeiecimemo Pw ros- explica^oes que elle, por intirmedio de seo advo-
pectivo medico nos das % 5, 9,16,19, 23, M e 30 d d inaiencia publica, Oue leve lugar no
as 9 horas, as 10, 10 1/2 e as 11 horas da ma- J}a 2'9 de janeiro v
** Deixo o cofflrtientario a qasm ler essas pecas.
Recite, 3 de feverelro de 1866.
Cypnano Fenelon G. Aleoforado.
Illm. Sr. Dr. juiz municipal da 1* vara.-Diz o
adv-igado (lypriaoo Feneion Guedes Ateoforado,
qu.e bavendo chamado a responsabilidade o artigo
Casa de
O mordomo do mez,
A. 1. Gomes do Correio.
O regente,
Luiz do Reg Barros.
DETBNCO.
mulberes 3, escravos 79, escravas o, total 410.
Alimentados a costa dos cofres pblicos 208.
---------------------------- 0 uut; "0'QUUV vina'aacaui* ^*i*%'w"*- ~ ---^j-
Movimento da casa de deten?5o no da de fe- pUbilca(j0 no [)mno e pernambuco, a qoe se re
rereire de 1866. fere 0 authoamento junto, e havendo-se apresenta-
Etistlam 397, entraram 23,sahiram 10; etistem do com re8ponsat),[ d0 arl,g0 Louren^j de S e
410. I Albuquerque, que consta ao supplicante residir no
A saher: __ engenho Arataogil da fregaezla de Ipojuca, comar-
Xadoiiaes 27*; molheres 9, estraogeiros w. ca do g^ quer iappyieAQl0 antes de offerecer
I a sua qoeixa por calumnia e injurias que Ibe fo
i ram feitas como procarador fiscal qo da the-ou-
1 raria provincial e advogado nos auditorios da cl-
dade, e para evitar qualquer escapatoria, notificar
o supplicado para que nos tormo- do art. 240 do
cdigo criminal venha a Juizo, no dia e hora que
V. S. designar dar as explicacoes qne tirem todo o
equivoco. E estas explicacoes sao relativas ao pe-
riodo que principia meoto dodever e conclue as palavrasideva
ser glorificadapara que declare o supplicado se
refere se ao suppicaole, e se Ihe faz a impotacao
de haver deixado de cnmprir o seu dever como pro
carador riscal da (besourasia provincial em retacan
a cobranca da ineia sita dos escravos de qoe falla
; o referido impresso e que foi chamado a responsa-
: bilidade pelos motivos all allegados. Keferem-se
j ainda ao periodo do mesmo impresso que principia
pelas palavrasQuem fr menos generofoie
termina uas segatoleslirapoe tiraoicameoie ao
empregado publicopara que declare se as al
luses e desenvolviraeoto que da ao referido perio-
se refere ao snpplicante e tem pori>bjeclo a pessoa
do supplicaote quer como empregado publico, quer
como advogado. Finalmente, tem as explicagoes
por lm declarar o supplicado se no todo de sua
correspondencia e as observacoes que fex, se re-
fere ao supplicante e involve a sua pessoa as re
fendas qoalidades, ou ero qualquer oulra et) mais
que julgar o supplicante conveniente a defeza de
sua rputacao, e pelo que protesta 00 asto das ex
plicacfies e nos termos do citada art 240.
Requer por tanto a V. S. que mande expedir
carta precatoria para qae se faca a noliucaco re-
querida e por modo que rasoavelmente possa ser
enviada, cumprida e volte a precatoria. Bpelode-
ferimeoto R. M.=Gomo procurador Jos Btrnardo
Galvo Aleoforado.
Como requer, designando oescrivo a audiencia,
segundo a ordem do servico.
Recife, 27 de dezerobro de 1865.
Termo de auduncta.
Aos 29 das do mez de janeiro do anno 1 as
cimento de Nosso Senbor Jess Christo de 1866.
nesta cidade do Recife de Pernambuco, em a sala
publica das audiencias, presente o Dr. juiz muoi-
cipal da 1* vara Hermogenes Socrate- lavares de
Vaseoncellos, comlgo escrivo abaixo aisignado ao
impedimento do escrivo Saraiva, pe 1 mesmo juiz
me foi dito que havendo sido citado o bacharel
Lourengo de Sa' e Albuquerque para o fioi cons-
tante na precatoria retro e desigoava para isso a
casa de sua residencia, ordenou me que a audien-
cia Uvesse lugar nesta sala : e pelo bacharel Cy-
priano Fenelon aedes Aleoforado foi dito que trazia
eitado para essa audiencia ao bacharel i,ourenco de
Sa' e Albuquerque, para as explicares exigidas
em sua peilco e requera fosse o mesmo apregoa.-
do; o que ouvido pelo juiz raandou que o porteiro
do juizo Francisco Maooel de Almeida abrisse a
audiencia, o que fez o mesmo porteiro dando soa
f estarera presento o autor e reo e seoio-lhe lida
a peticSo.
Disse o aecusado que quanto ao 1 texto sobre
que pede o autor explicagoes de suas paavras se
v que elle nao se refere a individu certo e deter-
minado e sim foram erapregadas a$ suas palavras
com relago a quem quer que disse a outras do
eommunicado do autor a que as mesraas palavras
se referem a interpretacao, consignada no trecho
anterior ao que faz objecto da presente explicago
Admitirla a excelencia do systema preferido,
podamos licar dispensados de contestar, o preten-
dido onus da novago, porquanto, aquelle o Sr. Dr.
Aquino limitou-se a asseverar qae as modifleagdes
do contrato eram prejudiciaesao inleresse publico,
abrigado
a provincia, quer para
qaal
sem novos onus, quer para
os particulares.
Mas, pelo que di sernos em nosso primelro artigo
aquelle systema est abandonado.
E temos hoje conviego tanto mais robusta dos
semquedellas tenham tirado proveito; e tabelecido, portanto, nada sent, tendo des-
alguns expositores de medicina combatem
com muita raza~o esse tratamento.
cosame carregar o estomago do doen-
apparecido no todo a tosse, tem moila dispo-
sicao comida e acha-se nutrido. Deixou
tomar os ltimos remedios que V. S. recti-
sem entrar em maior exame nem trazer era apoio [ sens inconvenientes, e de qae o Sr. conselheiro pre-;te con> medicamentos oleosos e balsmicos; t0u no dia 30 do Dassado r esU acora a V
de sua assergao a analyse de um s dos artigos ra-1 sldente procedeu acertadamente, quanto fomos porm estes em vez de tirar a causa aug-1 .
informados qae a propria commissao de qoe o Sr.
relaxam os
modittcaces nem de jd08, e S5o de toda sorte perniciosos.
^^^^i^^^'Wlii ^^^l^te^^^! (
Nao se tratava de ligeiras .
simples qnestao de melhoramentos materiaes, mas Tudo que se flzer para extinguir a tosse,
sim de roelher prever a salubridade paWica. alm do exercicio e rgimen apropriado de-
e preparar o juizo publico, ainda qa s o fagamos
com imperfeigo vamos comparar as vanlagens e
onus que resultaram da novagao celebrada.
O contrato primitivo aiioptou um systema de s
goto e limpaza que na sua execugb encontrava
invenci vel repugnancia da parte da populacho.
Hoje fra de dovida que aqaelle systema, por
Incompleto e pelas condiges das nossas habita
goe.<, est demitivament condemnado. Entretanto, bem publico.
eslava elle aceito e approvado pelo governo da pro-1 Preferido o
vincla; com justo motivo considerado obrigatoOo. effeito.
para todos os proprietarios de predios nesu cidade; 1 o eapilal exigido para a soa execogo era supe-
e nenhum corapromisso nnha conlrahido o erapre- j ror ao orgado primitivamente, urna dupla e lon-
zario, em preseoga do seu contrato, de modificado ga canalisago, o eroprego de maeblnas de vapor
indepeodeatemente de indemnisago. I e entras especiaos, o accrescimo de traoalbo, etc.,
O mal eslava feiio, e r.onvinha por amor do bem | eram sacrificios qae exigiam urna compensago,
expurgando a de tedas as causas que podessem
! piejudica-la.
Nestas condigdes a besitago era criminosa; nao
haviam dous caminhos a seguir para o homem ao
systema, era preciso lvalo a
vem ser remedios de natureza acida, deter-
gente e calmante.
Os cidos possuem a vtrtude de produzi-
rem bons effeitos nessa enfermidade, por
que, nao s contribuem a apagar a sede
quando accommettem a febre ethica, mas
tambem a refrescar o sangue.
Aos doentes desta enfermidade, quando o
seu estado de gravidade tal que a febre
publico remeda-lo a lodo transe. que efectivamenle'"era"dev7(la, porque nao iinha-\ 6tMca OS accommette, prescrevo-lhes 0 SU-
Deveriamos rescindir o contrato ? mos nem temos a preleoco de querer que ninguem CO do um limio dissolvido em uma Chicara
S o podamos fazer mediante indemnisago, e trabalhe de graga para nos. d'anuacom bastante aburar em nm crande
esta, qualquer que fosse, pesara sobre a provincia,: Foi esta justa e remueradora ^V^^c^mmSr^^S^S^^
que ficava ainda por multo tempo privada de um que S. Exc. julgou dever conceder cora o accresci-1 ^P" P! mi8lurar com um papelinno dOS
molhoramento reclamado e indispensavel. : rao de 7* na annaidade para pagamento de todo o POS refrigerantes para tomar, com que ali-
O raeio portanto que conciliava tao grandes inte- servigo de lmpeza e remogo de lixo, em condiges viam no accttmettimento da febre, e pela
^i^P^0SS^Z. 2*SSZT hyg6CaS' deC3da habi^0^h5a o xaropeetherio devlame. Tenbo
Para realisa-lo offereceu o emprezario uraa pro-1 Todas as mais clausulas, que reputamos vanta
Dr.
ADVERTENCIA.
Na totalidade dos doeotes existem 1S8, 83 sendo
bomens 73 omitieres.
Foram visitadas as enfermaras estes dias :
As 7, 7, 7, 6 1)2,6 I|2, 6 Dr. Ramos.
A's 8 3(4, 9, 8 3j4, 9, 8 3ii, 8 3|4, peto
Sarmeoto.
Fallecern):
Anna Maria da Conceigao, gastro hepatite.
Mariana Francisca, bexiga.
Strat-tio Baptista T-ixeira, anemia.
Archanja Mara da Conceigao, tubrculo pulmonar.
Marcolino Jos Valerio, hepatite.
Francisco de Paulo, esterite ebronico.
Repaiitiqao da polica.
Extracto das partes dos dias 4 e 5 de feverelro de
1866.
Foram recolhldos 4 easa de detengo ao dia 3
de fevereiro :
A' ordem do Dr. delegado da capital, Antonio,
escravo de Joo da ConceigSo Bravo e Jos Ribeiro
{taimar**, para eorreecao; Vicente e Joo, escra-
vos, este de Antonio Feitosa de Mello e aqaelle de
Mariana Francisca de Jess, por iBracgSo de pes-
iaras ; Joo Francisco, Benedicto, Manoel e Hyppo-
lito, escravos, o primciro de Antonio Perdigo, ose-
gundo de Anastacio lardoso, o terceiro de Maria
Tbomazia e o oltimo de Jos Goelho, Florentino
Antonio dos Santos, Domingos Martins Nognsira,
Joo Baptista Nogoelra, Dallndo, liberto, Pedro An-
tonio, Domingos Caetano e Romualdo Nnaes de
Mello, vindos da provincia do Para, ce 1110 senten-
ciados, com destino ao presidio de Femando.
A' ordem do subdelegado do Recife, Aleixo Peres
de Souza, para correego.
A' ordem do de Santo Antonio, Manoel Francisco
-da Cunta, Dionisio Benedicto, Joaquira Nones do
Rosario e Gregorio os da Trindade, para corree-
go ; e Izidoro, escravo de Tnomaz de Aquino Fon
seca, por infraego de postaras.
A' ordem do do Pogo, Maria Tbereza de Jess,
para correr-co ; e Joo Jacintho de Almeida, por
enme de offensas physicas.
-- 4
A* ordem do subdelegado de Santo Antonio, Joo
S, africano livre, para correceo.
A' ordem do da Boa-Vista, Anua Francisca Maria
4a Conceigao, para correceo.
A' ordem do de S. Jos, Joaqaim, escravo de Jos
Lui4 de Azevedo. a reqneriraenlo deste.
A' ordem do da Capeaga, Antonio, esclavo de
Manoel Igoacio de Soaza Maranho, por sospeilo
de star fugid.
O chefe da 2* secgo,
1. G. de iksquta.
Smith.
posta ao governo, que, coi.o bero classiBca o Sr.
Dr. Aquino, era inaceitavel, quanto ao onus que
cootrabimos, ob todos os pontos de vista.
ttxigia-se a annaidade correspondente a 60JO0O
por cada predio do permetro do contrato, cobrada
na proporcao da decima, sem xcepgo alguma ;
sujeitava-se e proprietario ao pagamento de toda a
canalisago superior aos pavimentos terreos e aos
primeiros andares; obi-igava-se a raunioipalidade
ao pagamento de uma sorama aneual, certa e ale-1
vadissma pela remoran do lixo das ras, e a coas-1
trnego de lalrinas e oarinatoros pblicos; e re-
clamava-se, alm do mais, a entenso do privilegio
sesseata annos; era resumo, propunba-se, como
corapensago dos novos melhoramentos, a adopgb
qoasi in totum do contrato celebrado para Qe ago-
lo, ehmpeza da cidade de S. Sebasto do Rio d
Janeiro.
Uraa seraelbante proposta nao poda ser aceita
para esta cidade ; e fagamos justiga ao (Ilustrado
Sr. Paranagu que a rejeitou in limine, nao Obstan-
te os bons desejos qae nutria para realisar um me-
Iboramento que elle com razo considerou impres.-
cindivel para as boas condigdes de salubridade.
Todos os novos onus a que nos quera sujeilar
o emprezario foram consideravelraeate modificados 1
a novago, e os mais pesados completamente re- i ggj- JJ ** esc'" ***** *"
Conhecendo eu que aquella pefgunta
aconselhado, que facam uso de vegetae* de
'natureza acida, como laranjas, limes,pi-
tangas, uvas, etc., e applicfices de plantas
amargosas, que fortificam o estomago e ser-
v*m ao mesmo tempo para destruir e miti-
gar a sede,
alguns erros A Sra. D. Joaquina de S Brrelo, tendo
apressamos a corrigir os uma sua escrava fallecida desta molestia, sub-
mettida ao ttatamento de seu medico, resol-
veu proenrar-me para tratar de um outro
escravo, que sofJrla da mesma enfermidade,
prescrevi-lhe o xarope de veame, tem me-
Ihorado consideravelmente.
A senhora do Sr. Antonio Francisco Ho-
norato foi desengaada por habis mdicos
desta cidade, esteve prostrada, e nos lti-
mos paroxismos da morte, foi eom o xaro-
pe de veame salva, como se v da carta
impressa no Jornal do Recife de 9 de feve-
reiro de 1863.
O escravo Emilio, do Sr. teoente-coronel
josas aa proposta da
novago do contrato.
Continuaremos.
1 1 1 1 ai g
ERilATA.
No precdeme artigo deram-se
typographicos -qne nos
mais importantes.
Em vez deatienta rlea-ge-attender.
Em vez dese substitutola-sede se substi
tolr.
Em vez de--^-taios--la-se-valor.
Em vez demotous -la-se raonturos.
in i. .....1
mandar-me dizer qual a dieta qoe o
s tec
dever
pos, mencionando as comidas que
usar daqai em diaote.
Resta-me agora agradecer a V. S. o cui-
dado que tomou no tratamento do meo so-
brinbo, abaixo de Deus, devtdo o seu 1 esla-
belecimento a pericia de V. S., e por isso
pode V. S., sempre contar com os meus ai-
minutos prestimos, e desejarei em todo o
tempo dar uma prova do meu reconheci-
mento.
Desejo a V. S. todas as venturas, por ser
de V. S. muilo respeitador e obrigatiissimo
criado,Francisco Beringuer Cesar de J/e-
nezes.
CASO miIRL
D'CMA
Molestia Ulcerosa

Correspondencias
Srs. redactores.Tendo sabido a' passeio do en-
geabo Gutinha propriedade de mea tio Silvano de
Araojo Barros e Albuquerque, onde eetou passan-
do alguns dias aSm de tratar de rainha saade, no
da 28 de Janeiro prximo passado encontr! nm
individuoquesedrigradoamim,perguntoU.meseRodolpho Jo5o g^ de Almeid3) foi tam.
bem desengaado por habis mdicos, e
arrai !fflarda proposla'e. ^^toj'
vejamos a que ficaram reduzdas.
parda de com o xarope de vellame acba-se completa-
roobos mora : mente restabelecido, como se v tambem
A leitura atienta da novago mostra. era m^ltS'^llf^Jj!^^*^^^^^ CaHa impressa do mesmo Sr. tenente-
2Et^ : SKtiSSS SSSSSSZffvi \ coronel no mesmo Jornal do Recife.
?^lTZSLn!TkTs\ havuS obtido der'acbei prudenle no r6spo,lder "'-! 0 Sr. Antonio Cbristiano Fogt, Qlho do
^^^STS^fSXmXi ^enteaoul individuo como tambera fazer sciente Sr. Cbristiano Fogt, proprietario e estabe
SL pe. SSS* -*-- ^^jCaSSCBSSSS lecidonacidadedVMa'ceiO.oprimeirobem
penha for do gozo do escravo, como me tem -p6-, conhecto nesta cidade, pois qne foi empre-
to de tudo quanto poda gozar da casa de meu pai
Engenho Gutinha 1 de fevereiro de 1866.
Ulysses Crrela de Castro.
H
Publicacoes a pedido

NOVO BANCO DE PERNAMBtGO.
Balaacute do Nev Itance de Pernambuco, en 31
de janeiro de 1K66.
ACTIVO.
Apollen da divida publica........ 870:672348
Estrada de ferro da Bahia........ 131:074^7"
Deposito......... 80:0005000
Joi'as depositadas
Tirulos depositados.
Letras caucionadas
Letra3 descontadas
Letras receber .
Letras protestadas
Banco ita Bahia N/C
Francisco de Ftgueiredo & C,o
UJo de Janeiro............ 28i:949$50O
.....
.....
.....
"
.....
3:7335280
60:988,3930
4:3303000
1:237:8075809
16:3005335
223:54(539 i
172:7835878
*
Aluguei d casa
Fornecimente .
Premios de saques e remessas.
Juros...........................
Despez-is geraes...............
Caixa.................

-
1:3125300
5.0005000
,18305000
f:640*5028
4.0395393
72:7635846
3,197:9965761
PASS1V0.
-
.
Captol........ilq f'
Emifsfro...............,........'
epositos 4a direcoao ....
Leu as por dinfceir'o recebiio a
Jo*e...................-<..
Coalas cei'rentes conjuros .
CooiMx Fundo Titulo eai caugao .
Banco d.a Baha S/C .
Banco Mercantil Portuease.....0t
tJtf>mU% &-Fster, (Je l.d|>,i
Maesas fali>*>i cargo do Baooo.
uiwdflflaps. .'.... j, t- .
jwos-.fl garanta da erasaac.
Prems e.eonjmisafies..........
fiis.
tbtaia4i.,eaiw.>-
Rm ouro aiooedado.....r,,-^
m aolaado liiesouro de 10*000
Em ditos menores de 05. .
lat ditos da caifa filial do Ban-
co do Brasil, .... .
2,000:0095000
119:130*080
80:000*000
8:6845310
329:a43j|4A
39:I48a97<
122:8Ji583S
66:7245iP
147:6345138
Ifflto
3M1845I8
:7M5taV
31:8465340
:Uil*i39
103:0045918
pelo que nao" v elle respndeme doal o equiveco
d'onde possa o autor deduzir appll<*; gao a sua pes-
soa, tratando-se apenas de proposlcoss abstractas e
de apreciares de doutnnas, apreciarle* alias que
foram nascendo do embate de discupsdes Jondicas
acerca da validad das escripturas a que se refe-
rem os diversos communicanles e correspondentes
do Diario de Pernambuco sobre a q esto Aratan
gil : foi requerido pelo autor, que para ser com-
pleta a explieacao sobre o primelro recho se per-
gantasse ao supplicado se as palavr is notadas co
mo eqoivoeas se referem ao sapf licante e se o
mesmo supplicado fez com ellas a m tuiarao de ba
ver deixado de comprir o seu deve como procu
rador (i-oal da thesouraria,provincia em relacio a
eobranca^a meta ena dos escravos We que falla o
referido impresso que foi chamado a responsabill'
dade pelos motivosali allegtdos o que leqoer e insis-
te nao s porque para esse flm foi o supplicado
citado, como da propria petigio inicial se v, mas
tambem porque ainda equivoca 1 explieacao
dada : respoodeu o ropolicado que a explicado
qae acabava de dar responda cabalo ante a insis-
tencia do supplicante, desde qae asse rera que no
se refere a individuo certo e determin; do.
Di?se "mais quando ao segando trecho qae tam -
bem suas palanas nao sao qaiveeaF, nao podando
ser elle intendido 'destacadamente, No sera at-
tencao ao trecho precedente e ao tncbo eonse-
'luenie; que considerado o pensamanto era soa
integridade. v-se ser o trecho em quektao apenas
uma hypotbese q#e elle supplicado declara naos
nao acceilar, sean como reaellir, sendo nue no tre-
cho anterior ao da explieacao pedida diz elle sao
plicadoladmittamos sobre protestouao trecho
immediato ao mesmo da explieacao uz anda o
sBfiplieado.nao somos nos repetimos, que pensa-
mos eeslm.
E eonca ser 4e malsesla deelaragSo pofqne
etc. ele Deltas palavras dos trexos anterior e pos-
A forma do pagamento da annaidade por appa-
relho, j estabelecida, foi estipulada na novaco.
Embora pelo novo systema no fosse esto o meio
aconselhado, S. Exc. procurou a'ttender de prefe-
rencia s condigoes peculiares da cidade do Recife.
Considerando qoe entre nos o numero dos so-
brados muiio inferior ao dos predios terreos, e
que por este faci aqaelles teriam de suppcftar um.
pesado encargo para qae estes Viessern i piar urns
annaidade correspondente a sua renda, S. Exc. nao
liesitou em conservar a forma j acceita do paga-
mento do servico de limpeza e asseio das casas.
Devia o pagamento dessa aonuidade eslender-se mim,
&2S3K" I3**ou maM de ur' IS85S SS2355 LR*! SA
Esta questo que aos olhos de muitos pareca H,Ngg SSS^I^S^
snlvida piava pnir^ranin nn oahns carrapaw, que aiu apparece T z. se ja terificou-
oA^mZT^Z^Tnm contrato, 00 **$^J*J*&* tom de todo as -
nnal o "overnn eidnte ja se acnava eiie no PSiaao ae pas-
en\ tadlYZZ o ,2^iwMoS ac*E a olloda'a re,Pe,, de caia construcCo seiar em casa, desapparecida a inapetencia e
ra^sIXu^at^
gado na casa do Sr. Len Capollin, retra-
, lista estabelecido na raa da Imperatriz, ac-
commettido desta molestia, foi daqui desen-
gaado por habis mdicos: retroa-se para
. a Bahia, e all continuou em tratamento ate
' que foi segunda vez desengaado pelos me-
Perfuma* a- qaera souber, e quizer responder; Idicos da,l'. legando eu em Macei, tn
i. se somente pela mexecumo ticou derogada a le amigo peato-me, que o acompanliasse ate a
de aossa asserabia provincial n. 191 de 30 de casa do Sr. Cbristiano, para ver um doente
e prescrever-lhe algum remedio, encontrei
o lilho em uma cama desanimado e em es-
tado de prostracJo, pois que escarrava sua-
gue, e tinha completa inapetencia e fraque-
za a ponto de nao se poder por em p, no
fim de uma garrafa do xarope etbereo de
e a tosse mitigados.
cia, o onas de isentar os que pag.ssem aqoella de- ^^p^Spu l Ua7 S7SSI N fim da Se8Unda achei em eStad0 de
c,tTi^!ST9' eT\ ?ae c."e/r^s,0^ih, 'de maio de 1837?P ,elwov,nc,al Ue faze-lo passear pelo sitio todas as manhas.
fl^^i^^ISSf^S^^ Por tod0 **>> Pflla raBde falla. lue alli se seB": Aca*>ada ^ o aconselhei, que continuasse
fo0 S.S STOW^SS^dt SE s VLfmiSteX mals r.ee-: no U6d0 me8mo xarpe et^ri0 alterDad0
esunados, S pj*. admitir excef ^ojS'tS^ o xarope a.cool.cS de vellame, e que
sos anfepassados quando se oppuzeram com todas i USasse dos banhos salgados na pancada do
as forjas ao designio dos mscales sobre a mudan- mar. Sentio elle nos primeiros banhos al-
ca da capital de Olinda para o Recife I E" que el- gons cho.mes, mas eu O aconselhe que con-
fc ^^liSSl^St^lSX. **". com o que se tem dado muito bem
caria olTidada, e decadente pelo acertado auexim. Pl,l que tenlio receido Cartas de Macei,
Curada.
mo pode admittir excep^o qae
seja de utilidade geral sem cahirmos no verdadeiro
socialismo. E a que titulo nos perguntaro com
razo, pagam ons pelos outros, por isso que 50 por
e?te meio se tornar effecflvo o favor da le ?
Entretanto, erabera pela nova proposta o em-
prezario fltasse revi ver esta questo, que nem ao
menos podTa ser decidida pela promessa do 8r.
Carlos Cambronne, que recetemente havia anna.: | &^Tt^!Z i ^ que seme commonica o seu bom estado.
do quella imposicio, S. Exc. o
quiz abrir mo desta, e considerando-a
vaniagem de mai?|para a provincia, estabeleceu na
novago, da forma mals clara e terminante, a ebrl-
ga^ao do emprezario foroecer apparelbes, agua, e
fazer gratuitamente o servico de limpeza de todas
as eaeas queestivessem na excepeo da lei.
A annnidade propesta pelo emprezario era de
Nesta molestia os expositores de medici-
Sr nresidente nSo'uoulos l,lulu ue apre^, e subida consideraco
* ** ZT oSAfirt^*acdfe^^> S JPftp banhos salgados, apenas
o oiindense. quando delles tratam, dizem ser applicados
- -un ir.i as escrophulas, hypocondria, estherismo,
amenorrhea, raclhismo, etc. ; entretantorvi
, 'SSSS1. 'SSSf^flS!^ este '^resultado no Qlho do Sr. Cristiano,
60*000 por predio i a .mlamTEf, de """^to mais agradavel til que se conhece para { OUtros feC los tguaes lenho mtO as Om-
275000 por apparetho aier *&*. as Iombri6i>5 As pasulhas vetvni- lcsttas sipbylttiGas, e outras multas que com
Em ama cidade como-a do Recife podemos afflr- uia* d* f e?p' O OSO do xarope alcoolico de vellame tem-se
mar qae a maior parte dos seus predios no exl- *?iI*e* d 3* *88 'mm"ndo,sS Per'8s ObtidO Cura radical,
getn mais de um apparelho ; e neste caso a diffe^^'^Lvaearffl'fl}*08bpoo de loda a casta A Sr D? 3wa Lrlirt hl.il <1p MVpM
renca mamfesta e toda favoravel ao proprietario df m'neraes, aprasenumos ura delicioso confeito O 5r, Ur. Silva, medico hbil de Ma.eiO,
ou toqui Uno. !e!ei*.lJ?m*u> fl wti*,v* M _sa operaco.nao depois de ter apphcado a um seu doenie de
mente pata -ada um dos predios do permetro do J um meio de fer remover as lhou que continuasse com 0 uso do mesmo
seu contrVcto. SHSSJSH^ TT no.a,so de Dao e*" xaroPe conjunctamente com os banhos SaJ.
J^^Ty^.^^!? ^Sl^^SttSSS^^ m lW dado muilo bem, e
lieos seriam
\0^1^^^m^m^^Mf dinasPr lodososrespeitosdaconflancaeappro- 8^, tuuiqua se veril uauumuito nem, ee! "
eriarn S%2^^^%!, vaao de lod f 9 d ***** os quaes acharan m dos mdicos que all em Macei tem com-; a todos
Todos aqnellee que se aehao suiitos eof-
frer molestias scrofolosas, ulcerosas, ou svpbl-
lltieas, anda meemo as repatadas de -petar
natureza, apenas necesSitSo de lr o segninte
easo maravilhoeo, paora qne se sintao inteira-
mente convencidos que "a Btrn propria cura,
nao e meramente poeeivel las im absalu-
tamente certa,
Joao Jos Fbrrkiba Barboza, reaidente
na Cidade de MaranMo, tinh todo o ees
corpo coberto de chagae ulcerlas, e durante
alguno annoe ce ochava tabaleo do tratamento
de mdicos oe mais afamados, tendo usado
turante todo este tempo auas toda a especie
de medecinas que em taes casos empregada
pela faculdade medica, porm debalde aem
obter o menor beneficio on aMvlo: achando-se
pv. ee, depoie de repetidee e baldados esforcos
fazer nao da]
Salsaparrilha
DEBRISTOL.
No todo elle apena fthegou a tomar Cinta-
Garra* de Salsaparrilha a quatro firasoos das
Pula Vegetaes AstucaraSae, e o resultado
foi elle obter una completa e perfeila cura.
Os Sers. Ferbeika & Ca., Droguistas de
MaranhSo, forio quem suppriro oe medica-
mentos, e aclo-se perfeit&mente ao tacto
d'este caso, e oe meemos Benhores, nSo i6 se
achao promptos & confirmar o mesmo, como
tambem em fornecer o actual adresso do Ser.
Barbosa, toda e qualquer peesoa que por
ventura se desej informar da verdade.
Recommenda-se mui particularmente aos
Doentes que tenbtto o maior cuidado na escolha
deete ezcellente remedio, n5o usando outro
nao ser a Oenuina Salsaparrilha de Briatol,
a qual exclusivamente preparada por
LANMAN&KEMP,
De \OVA YORK,
pois que todas as mais sao inefflcaze* e de sen
hom proetimo
Vende-se as boticas de Caors A Barbosa
e C. Bravo & C.
ATTEQAO.
Xarope alchoolico de veame, preparado
pelo pharmaceutico Jos da Rocha Paranhos,
estabelecido com botica na rea Direita n.
98 em Pernambuco.
Este xarope incontestavelmenle superior
pagos fndepeadenteineote dos pregas
os xaropes depurativos, de cuja
a estas pasiHias eiegautemente acondicionadas den- pleta confiaDQa as preparaces de vellame i composiQao o seu maior ele etilo a salsa
nhosde crysui, e .ajeada nas bo- por mim feitas, pelos bons resultados que! pan-ilna, pois que se tem conhecido ser o
tem obtido em sua cfhca. veame mais enrgico para a proapta cura
Quandq alguem^e.v^.com tosse vai ao me- das moleslias, cuja base ,'essencial depende
dico, este o examina e declarao senbor es- da purificacSo do sangue; assim pofs se
t afffcotado dos pntarJes-^o doente deseni-l lem verificado por murtas pessoas que se
ma eom esta seritenca, enteTide estarsem^cnavap1 desengaadas, as quaes acham-so
mais cura, quando os factos e a experiencia hoJ9 restabelecidas com o referido xarope
ieem demonstrado que muitos tendo procu-, alchoolico de veame; entretafito que al-
ticas de Caors & Barbosa, e de Joao da C Bra-
vo C.
1 iaj" i'h(hylra.
O xarope etherio de veame por mim pre-
parado muito tem eproveitado sos que sof-
frem desta molestia, e detamentar-se, qne
terior ao'da explieacao pedida v-se qoe o suppl
eado foi pressuroto em retirar de cima do suppli
cante qualquer applicacao da hypolhese de qne se \ ?" f1?" .eJa,r,n"8' P8'8 ****> P*
ocenpa a mismo trZo drtferidai*plicacao. Disse [ 2ffl. Sf *m\ ltU<, "".6-*.^"
mais lttue quanto .0. a oaTo elle i^ie-ao re- K^SSttm^ *
seu pai, a qual elle icredua iojusu, esperto i?,^^1 ' smeote doa uibuoaea a deciso 4ea HgE XfXlZn*^ J* *% "*?e P"?"'^
que sedo smenie nesse carcter que se refer,ai) "P^.*38 f0^^t> ua justa preferencia So ertpre-
supphcante nao ha razo para a explieacao qoe "T.em ^ncorreoc,B. ****** Pof *'e sefH-
aetualmeme se pede, por qoaoto seria imposslvel ^ *"* vr ao *eraais llenantes,
discutir a questao-quer de fado, quer de direMo .-^ni^*tm..m.C,M^?5br,ga eB,prS: -
cante o-oe fo*e ner*nnirtoav\f*Kpk4ft p rinU. proposta do emprezario. w u^ uum iuja uo ioirtgeiH ra je e recurso o ar por que a va terrea phato Alguns mdicos desta ckkfk a Aa
offenier carwer do suppiieaote reire ao ^ '^f^Sr'i'.! *? ",5-,rai!o sl m?d,cos' acha-sebom com o tratamento por uma pessoa que existe nesta cidade facir- ra das ~
racjer srmpiesiMMe de eex^ado, <*-t#tuMm ^t dV ue 0^S'2Stki?TSta tlf *"? P^H*- lne,lle 8e **** I as nlttflnM estaoes mplrtns tinha escroohulas
' >* S. S. foi um 'os M9 membros. radora na travessa do MouUtro n. fo, achan- to e de Otros pontos que sao considerados Cancros sarna detenerada fluxo ttlvr,
A annuidade exigida pelo servico de cada apare-
no obtuario desta cidade a maioria dos am ,*muu^"u'u" M" """" U,J v*vw,------'r~ -- rau ijub ai-
tXrcuKulmOTa? rado o^lugar apropriado, teem salvado ; fns, tndo usado do xarope deCurinier,
* flSshtteSpIicam muitos expositores de me-*6 Larry> de salsa parnlha, de saponaria^
1
eial: respunleu o supplioado ijue naopinidpdelW
e de multas pes'ois eaieodidaa do fro o contrato
de compra e venda do eogenho Arataogil ,pelo
tenento coronel Gaspar r.avalcaotu de AHjuiju*ir-
ren e clw-se restabeiechja.
m sobrinho db Sr. prbfessor ae Nft-
i*itUA m~a r*r~h^jfniU H> Pi a]a fjrta aa n tPan.rrinln a om 1I0 anime momo Aa en .,..,-.,.i u: -...^
;,197;'J965761
36M9tm
a60*ooo
i3**oeo
K>;31O*O00
j nao lo mios, sejondo psnso, principa-!^ interna; hlo ha Ms razio a
! crr que ellas se podera mtw.cottms
^fe^daBovacioaaUpHiar ,a^amen**-- ^f3^* P0^6/'?'^1 m.ec,otf"r- ^spo^que .traerles lofaMs existem! affecc5es do systema nervoso e fflSZ
nuai de27rpefb prtmeiro apaceibo da eda haoi- A phthysica a destrujcao, a magreza casas vasras e alugam-se por preco cotifno- como- nwoSQ,.taes
^.proeoradeMisoa. dasread^ i*.***., S^ generus de rxime^ Gotta,' rheumatismo, paralwi.
ediioeada a questo neste terfdao drtBeii e'posi-: 'Xeste uhino caa' S!^ o ^S"to de HWWlM e Nncrdcflo dos,bofes e de qm- aecessidade alk se vendem peles mesaos Dores, impotencia 2&
gao do supplicante, quando, eootra a raneada pro-' '-"
tttt para defeza soa, sustenta qae o contrato
uao asta no caso de pagar es referidos Imposto,
allegacao esta que antinmica aem as propnas
abnlfa^ejes jla {>rocafadorra-n*oal pelot|e detei-, inderanisava *rpreta de todas isdespezas fle
xo deste ponto de vista lie supplicado aeaa que o, caaajiaacia e de Mana acoeswroe oecessirios a
constiluem renda provincial; que, segundo esle ?**$? *
seu modo do pensar e de pessoas eom ptenles; o
strpplieante nao-poda ostentar a validado do eon-
trtfosem eetta incompatibiWade cote o seaarfjo
procedimento do tappllearne -aao M^rtfOJar.
a contrato exige apenas
lujaarcalo e concrcJi dos ,bfes e de qm- j necessidade laV
servigo feto por um systema reprov"ado/nocivo"a P?**1' rapia nervosa e outras molestias' precoa que aqui
salirbridade publica, epouc dispendioso; cem o qae vioianoj s humores, como escorbuto,
prego de^pareihos de ltrnas detestaveis, sem alporca, gallico, astbma, bexigas, sarampo,
v*Btlla?ioe-Sem agua; o inquilinood proprietario of. *>*>*<**> 'f^
Na phtbysioa, ebegando ao estado de gra
tornar a sna bafcitaeao tabre.
; vidade, o-qoe nurto pode conoorfer para i
ST-p"01!;""," ?-"?nwas ^' "Tl*KSS' SESTIL*
comtancias, en Ihesfacihto explicar os meios tudo, da maior utilidad* narTrnrar^f
petotflumjedwn reger, ems forneee- clmente, e em XtSl^LZ
rer^aedicanMntosgratuiUmente, timo, V ^ TMrjma-
-' m dciiarei de adrolir o pAlii, qtte Adverase que o verdadeiro xarope s se
fea.

i


m
Je 1860.


1
vende nesta cidade na botica acirjia indica-
da, 4o abaiio asaiguado; e em outra quil
quer parte que se tem annunciado no da
itiwbi composible, e nem o abaixo assigna-
r- rcsposabilisa.
Jos m Rocha Paranhot.
*"
COMMERCIO
Sovo banco de Pernaoa-
buco.
O Noto Banco descoma letras a 41 por cento j m g
ao anuo, toma diaaeiro a prsso flio oa em coma
crrante pelo premio e coadicdes que se conven
eitasr. a saca sobre a praca da Babia
Cavernas de sicupira juna
Cera de carnauba em brule. libra
dem idea em valas ...
Cha 4 *
Cbamtos .......ceato
Cevados (porcos).....osa
Cocos (seceos)......cento
Colla.......
Couros deboi, salgados ^ .
dem idem seceos espichados
dem dem verdes .
dem idera cabra eortidos .
, dem idem de onea .
j Doces seceos .....
dem em gela ou massa .
libra
c

nm
libra
i
i
ura
i
Caita filial do banco do Brasil
em Pcrnambnco.
De ordrffl d directori se faz pu tico que o
theser eiro desta cala se acba auorisado a pagar
e dividendo do se este Boda em 31 de dezembro
prMtflto passado, na razio de 125000 por secas.
Caixa filial do banco de Brasil 15 de Janeiro
de 1866.
O guarda-livros,
Ignacio Nones Crrela.
____
ALPANDEGA.
Reanmenlo do dr l a 3...... 34:925*66')
dem do di 3........,...... 29:671*762
62197*422
MOV MENT DA ALFADEGA.
Votantes entrados cora fazendas....
* c com gneros..... 37
....
Espadadores grandes .
dem pequeos......
Esteiras para forro de estivas
de navio........cento
. arroba
arroba
f
UI
arroba
i
ama
4*600
2*800
5*000
15*000
8*000
10*000
8*000
800
2*600
25*000
2*000
Volamos sabidos cem fazendas.
i t com gneros.
-------37
67
310
-------377
Descarregam hoje 6 de fevereiro.
Patacho inglezMagadore PacAf-mercaduras.
Brlgue inglezRosalie -Ideo.
Escuna hollandezaAdtltdem.
Barca francezaFwyi/diversos generes.
Brigue ioglezFling Cloud idem.
Barca ingleza -Ftoating Cloud carv) de pedra.
Barca inglezaAc?fcidera.
Polaca hespanhola/niia charque.
Brigue nespanbolOtaria Rosaidem.
Brigue nacional Setta idera.
Brigue nacionalFluminenseidem.
Brigue argentinoVotanteidem.
Escuna dinamarquesa Junoidem.
Patacho ponuguezJosdem.
Importacae.
Barca franceza Rio Grande, entrada do Havre,
consignada a E. A. Burle & C, manieslen o se-
grate :
1,400 gigos batatas -, aos consignatarios.
2 caixas couros ; aos mesmos.
4 dita di i s; a Izidoro Nelto & C
100 cestos cerveja ; aos consignatarios.
4 caixas calcado ; aos mesmos.
1 dita dito ; a Prnell.
1 dita dito ; a Izidoro Netto & C
30 barricas cimento ; aos consignatarios.
13 carias drogas; aos mesans.
15 volumes fazendas de algodo; a L. Wild
5 ditos dita : a K-ller & C.
1 dito dita ; a Reorique & Azevedo.
3 ditos dita de 13a ; a Keller & C.
3 ditos dita ; a Sauvage & C
1 dito dita; a Heorique & Azevedo.
2 ditos dita ; a L. Wild i C.
1 diio dita ; a D. P. Wild.
1 carta fogSes e pertences; ao capitao.
OO barricas farinha ; aos consignatarios.
30 barris maoteiga ; a Schafneitlim & C
lo ditos e 30 mek dita; a Almeida Gomes.
20 ditos e 20 afros dita; a ordero.
5 ditos e 30 ditos da; a V. F. da Costa.
40 ditos e 40 ditos dita ; a Rosa & Filhos.
63 ditos e 79 ditos dita ; a Tasso Irmaos.
140ditos e 100 ditos dita.; aos consignatarios.
4 caixas objectod aiversos ; a A. B. de Faria.
2 ditas ditos ditas a a J. da S. Faria.
4 ditas ditos ditos ; a Vaz & Leal.
4 ditas queijos;' a E. A. Burle.
3 dita dilob i a L. Wild.
4 dita perfumara ; a Adour & C.
t ditas dita ; a L. J. A. Ferreira.
4 dita dita ; a Izidoro Netto & C
2 litas dita ; a J. da S. Rocha.
4 dita dita ; a Mello Lobo.
4 dita dita ; a C. Guimares.
4 dita dita ; a Deocker & Barroso.
4 dita dita ; a G. Ferreira & C.
4 dita dita ; a D. C. Carneiro Vianna.
4 dita dita ; a Parete Vianna & t*
1 dita dita ; a Maurer.
4 dita dita; a Roberto & Filhos.
4 dita dita ; a Guimares.
4 dita dita ; a Sauvage 4 barris vinho ; a Keller i C.
4 dito dito ; a Monleiro Lopes.
2 ditos dito ; a Manoel P. de Mello.
30 ditos e 50 meios manteiga ; a Izidoro Nelto
<3C.
30 ditos e 70 ditos dita ; a Corga Jnior.
23 ditos e 50 ditos dita ; a Francisco Jos No-
wte.
23 ditos e 30 ditos dita ; a Sauvage & C.
111 ditos e 110 ditos e l caixa dita ; a M. P. da
Mello.
25 barris e 40 meios ditos maoteiga a Vax &
Leal.
10 ditos e 30 ditos dita ; a J. F. de Barros.
24 caixas movis; aos consignatarios.
1 dita modas; a Keller & C.
22 ditas ameixas; a M. P. de Mello.
10 dilas sanitarias i a V. F. da Costa.
4 caixas piano ; a Vogley.
2 ditas objectos diversos; a Adour & C.
3 ditas ditos ditos; a Moobard r. C.
1 dita ditos ditos; a J. N. de Souza.
2 ditas ditos ditos ; a J. W. Mediros.
3 ditas ditos ditas ; a Parete Vianna.
0 dilas dilos ditos; a Henrlque & Azevedo.
39 ditas ditos ditos; a E. A. Burle.
20 ditas ditos ditos ; a M. Lobo &C.
2 ditas ditos ditos ; a E. Bourgeeis.
7 dilas ditos daos; a AWes Hamburger & C
6 ditas dilos ditos ; a Roberto & Filos.
lo ditas ditos ditos a Mooteiro Lopes.
1 dita ditos ditos ; a Custodio Jos Alves Guima-
res.
1 dita ditos ditos ; a Bravo & C,
2 ditas ditos ditos ; a Izidoro Netto 4 C
Vapor nacional Tocantins, entrado do Para, ma-
Bfesiou o seguinte:
28 rolos con 16 arrobas de salsa, 4 volantes com
903 chapeos do Chily ; a ordem.
Do Maranhio.
33 v .lomes barricas vastas, 140 pauerros tapioca
com 2u arrobas ;^,Antonjo Lufc-de Oliveira Aze-
vedo.
20 machinas para descansar algodao ; a or-
101 caira salsa parrilla de Bristol; a J. Pedro
das Neves. .
Va pr>i* nacional Parahfia, entrado do Macao, ma-
nifeslno' o segotate:
100 barricas feriaba de trigo ; orden.
ALFANDEGA DE PERNAMBUCO.
PAUTA DOS PIKCO* SOS GNEROS SJBITO A DI8EIT0S
DK EXPORTACAO.SEMANA DE S A 10 MKZ lili Si-
VEBEIIW DE 1866.
Mercadorias. Unidades. Valores.
Abanos.........cento 2*000
Agurdente d'cana .... caada 800
dem rcstilada on do reino
Tdem caxaor, 09> 4 4.. I
dem geaebra ....... >
260
1*300
3*000
5*000
5*000
300
120
3*600
Estopa nacional ....
Farinha de de mandioca .
dem de aramia ....
Peijao de qnalqner qudlidade
Frechaes ......
Pumo em toma, bom .
dem ordinario ou restolho
dem em rolo bom ....
dem ordinario on restolho. .
Gallinhas ......
Gomma........arroba
Ipecacuanha (raz).....
Lcnha em achas.....cento
Toros.........
Lfnhas e esteios......um
Mel ounielaco......caada
Milho .... arroba
Papagaios .......um
Pao Brasil.......quintal
dem de jangada,.....um
Podras de amolar .... ama
dem de filtrar .....
dem de rebolo .....
Piassava........molho
Ponas, ou chifres de vaccas ou
novilhes.......cento
Pranchoes de amarello de dous
costados.......um
dem de lourp......
Rap.........libra
Sabao.........
Sal...........alqueire
Salsa parrilha.......arroba
Sebo em rama...... >
dem em velas.......
Sola empaqueta......urna
Taboas de amarello.....duzia
t diversas......
Tapiocas.........arroba
Tatajuba........quintal
Travs.........urna
Unios de boi ...... cento
Vassouras de de piassava
Ditas de timb.......
Ditas de carnauba .....
Vinagre......... caada
Alfandega de Pernamuco, 3 de fevereiro de 1866
A. Eitialio.
(Assignados):
0 1. conferente, Manoel Caldas Brrelo.
01 conferente, Carlos Augusto Lins de Souza.
Approvo. Alfandega de Pernambueo, 27 de Ja-
neiro de 1866. O 4.* escripturario, Alexandrmo
Thomaz de Aquino Coelho.
RECEBEDOKIA DE RENDAS INTERNAS GE
RAES DE PERNAMBUCO.
Rendlmento do da 1 a 3...... 1:883*866
IdendodS................ 2:223*603
art. 25 do decreto n. SftSl de 22 de agoste de
1860, aos eleitores dos eoHegist que compoem s
primeiro districto a compareeerem no da indica-
do para o nm de atsUUesn a nesna apuracao.
Paco da cantara municipal de Reetfe Ia de feve-
reiro de 1866.Luz Jos Pereira Smoee, pro-pre-
sidente.Fraociaoo Canato da Boa-Viagem, secre-
tario._________________________________
O Ilion. Sr. inspector da tbeseararis de fazan-
da manda fazer pnWico que tem roareedo o dia 26
de fevereiro pr*ximo viodouro para o concurse
que se tem de abrir nesta thesouraria pera pre-
eachimente das vagas de praticanles nssla repar-
ta c;Io, na alfandega e na recebedoria. Os xames
versar ao sobre as materias de que trata o 1." de l
art. i. do deereto n. 3114 de 27 de ionho de 1863,
a saber : Miara, antltse grammatieal e orthogra-
2*000 phia, arithmelica e saas applicacSes ao commercio.
com especialidade a' redueco de moedas, pesos e'
15*000 medidas, catalo de descont, Jaros, simples e com-
1*800 postos, theona de cambies e saas applicacoes. Os
3*000
300
500
2*000
3*000
1S*000
4*000
600
160
0
190
960
10*000
1*000
320
520
4*000

aJqueire 2*000 concurrentes deverao previamente apresentar seas
requerimentas instruidos de documentos que pro-
ven idade completa de 18 amos, iseeca* do pena
e culpa, e bom comportamento na forma de art. 3.*
do decreto n. 2549 de 14 de margo d 1860.
Secretaria da thesouraria de fazenda de.Pernam-
buco em 18 de Janeiro de 1806.
Sentado de offlcial maior
Manoel Jos Pinte.
Obras publicas.
De ordem do Illm. Sr. engeeheiro en chefe da
11*000 repartlcao das obras publicas se faz publico que o petiscos, vienes de todas as qaalidsdes, licores
concurso para o preeochimenlo das vagas de pra
- ficantes desta repartlcao, ter lugar no dia 9 de
marco prximo vlndenro, as 10 horas da manba,
nesta secretaria.
Os exames versarlo sobre as ssguiotes mate-
rias : llogua nacional, abraogendo a escripia, le-
y tura e anaiyse grammatieal, desenbo linear e de
jjqq aqoarella, arithmelica em todas as suas operac5es
15000 e Koometria linear.
Os requerimentos para inseripeSes dos candida-
tos, deverao ser apresentados al o da 8, e pode-
rlo ser instro dos com quaesquer documenios ou
tralos seientiBeos que abonera a capacididc dos
mesmos candidatos.
Secretaria da repartico das obras publicas 1*
de fevereiro de 1866.
No Impedimento do secretario
JoSo Joaqara de S. VarejSo.
20*000
10*000
1*000
160
400
23*000
5*000
7*000
2*000
140*000
87*000
3*000
2*000
6*000
300
10*000
8*000
6*000
600
4:109*469
CONSULADO PROVINCIAL.
Rendtmento do da l a 3....... 10.538*83
dem do dia 5.............
.
10:665*486
21:204*344
MOVIMENTO DO PORTO
Navio sahido no da 4.
Rio Grande do SulPatacrjq. nacional Relmpago
capililo JOSe M. 06 SOOZa, ca-ga '"-
Navio entrado no da 5.
New-York-38das, logar prossiano Alberte, de
198tonelladas,cpil5o W. von Appen, eqaipa-
gem 9, carga 2200 barricas com farinha de tri-
go; aPhipps BYbltiers & C
Navio shido no mesmo dia.
LisboaBrigue portoguez Improviso, capitao Jos
Goocalves Lima, carga assucar.
EDITAES
O Illm. Sr. Dr. delegado do Io distrieto desta
cidade, encarregado do expedlenle desta reparti-
co na anseacia do Illm. Sr. Dr. chefe de polica,
manda fazer publico para conhecimento de quera
interessar possa, a resotacao que nesta data tomou,
e a seguinte, acerca dos carros, mnibus e neis
vehculos de condcelo que transitara nesta c
dado. As entradas e sahidas dos carros de agri-
cultura e mnibus serao feitas pelas pontes de Pe
dro II e provisoria : os qne vierem pela estrada
de PoJd'Alho e Ponte de Ucha, e bem assim os
anrmaes carregados com gneros de qaalquer na-
tureza,- deverao tomar a direccao das roas do Mon-
dego, Glora e caes do Capibaribe em seguida
dita ponte de Pedro II. podendo os mnibus en-
trareis pela ra do Sebo
Os carros de passeio poderio entrar e sahlr pe-
las duas pontes de Pedro II e Boa-Vista.
Secretarla da polica de Pernatnboeo 31 de Ja-
neiro de 1866.-0 secretarlo,
Eduardo de Barros Falclo de Lacerda.
WALSAS.
Joven Helena.
Violeta.
Ralnha das Sosas.
Notivanui.
POLKAS.
Serrinha peto Sr. Colas Who.
Os vota-ntartos peio Sr. Colas fllho.
Adelaide peio Sr. Colas fllho.
A Cassa.
Italia.
SCHOTBCH.
Flor d'Alma peio Sr. Colas abo.
Quides pelo Sr. Stranss.
O Club.
America.
Para dar tira ao baile a banda de msica tocar
o graode
GALLOPE INFERNAL
com toques de campa*, sinos, estreidos e rebom-
bos de trnvo.
No salan nevera orne pessea perfeitamente ha-
bilitada psra formar os pares e dirigir as qoadri-
Ihas, adra de evitar confutes.
A-entrada geral e sahida para es mascaras e es-
pectadores pela porta da freote do theatro.
Os carros depois de deixarem seas donos flearo
postados ao sul do edificio.
O escriptorio para venda dos btlhetes ao lado
de botequim onde estar' nominado.
As senhoras mascaradas entrada gratis.
No boteqaim se encontrar diversos e saborosos
LUISES.
EXPLENDIDO
LKILIO
DE
n OBI LIA.
HOJE.
Rufino Amonio de Mello, teodo-se retirado para
a Europa, ftra leile de sua mobiiia, por interven-
cao do agente Pestaa, constando de rica mobilia
de Jacaranda' do raais moderno gasto de Pars, ri-
cos espetaos, piano, quadros, camas de Jacaranda',
lustres, candieiros, jarros, guardanapos, toilletes,
tapetes, guarda-louca, mesa elstica, facas e garfos
de marlira, servico de porcelana para mesa de cb
e jantar, vidros, crystaes, salvas, bandejas, appare-
Iho todo de metal lino, etc., e raaitos oulros objec-
tos que melhor serao annunciados per avulsos,
terca-feira 6 do corrente pelas 10 horas da manba
. na roa da Aurora casa rdfca 2* andar.
Na mesuiaj occasio e lugar vender-se-ha os se-
guintes escravos:
1 escrava que engomma, cose, lava e cozioha.
1 dita de meia idade.
1 dito para todo o servico.
1 negrinha com 42 annos de idade com princ-
, po de engommado, etc.
servejs, etc., etc.
O regulamento da polica ser publicado em po para o bom andamento e ordem dos bailes.
As senhoras mascaradas entrada gratis.
nen*
LEILAO
DA
Taberna na ra ctos Quatro
Cantos em Olinda.
Consulado provincial
Pela mesa do consulado provincial se faz publi
co que os trinta dtas uteis marcados para cobran
ca bocea do cofre dos Imposlos de 50 rs, por al
queire de sal, de 4 0|0 sobre os estabelecimeBtos
de fra da cidade, prensas de algodo, typogra
phias, coebeiras, boteqoins, botis, casas de pasto,
cavallarices e fabricas; de 8 0|0 sobre consultorios
mdicos e cirurgicos, cartonos e escriptorios; de
20 0|0 sobre estabeleciraentos de commercio era
grosso e a retalho, e trapiches ; de 50* sobre ca-
sas de bilhar e modas de 200* sobre casas de
roupa felia e sellins estrangeiros, e de cambio ;
1:000* sobre casas de operaedes bancarias cora
AVISOS MARTIMOS
Para o Porto,
vai seguir com muia brevldade a barca portgne-
za Silencio, tem parte de seu carregaineolopromp-
to, e para a resto que Ihe falla e passageiros, ira-
ta-se com Madoel Ignacio de Oiivetra & Fimo, lar-
go do Corpo Santo, escriptorio n. 19, ou com o
capitao na praca.
COMfANHIA PERNAMUULANA
DE
Raveg'gft* costeira por vapor.
l'ARA
Parahyba, Nata, Maco, Aracaty, Gear e
Acarac.
Segurra' no di* 9 do cerrente,
o vapor nacional Persinunga,
Mantas,
Cordelrn ai _
a requerrnoslo de Vicente FeTreM Nunes de
Paula e despacho do Illm. Sr. Dr. juii municipal e
do commercio da cidade de Olinda, tara' leilo do;
genefs, armacao e ruis pertences dd taberna ci-
ma, qual fofa embargada a Manoel da Silva Ne-
ves Couiinbo, islo
s 11 horas-en pomo na me LEILAO
De 238 nicias caixas de charutos da
Baha e 98 caifas iuleiras le dilos
dito-
Ofdeiro Siaoes
por conta e risco de qaem pertetteer fara* leilae
das caixas inteiras e meias aeima mencionadas,
Uto
Quarta-flra 7 de corrente as H horas.
no arrhazem a ra da Cruz n. 57.
AMA
Precisase de ama ama para comprar e cozinhar
para orna pessoa : ni roa de Hutas n. 16, segun-
de andar.
O sollciiarJor Miguel Jos "de Alrrlida
Pernambueo participa aos seas constitua-
les e so publico qne tem o sen escripto
ro na roa rio Imperador o. 39, primeiro
andar, onde pod ser procurado para o
exerciij de sos proQssio das 8 horas da
manba as 4 da tarde, dos das uieis.
Alberto Rlddox, tendose retirado para Fran-
ca, ho paquete Nwatre, atlm de tratar de soa san-
de, deixa entregue a sua casa de litnographia sita
na ra da CrOz do Reclfe n. 46, ao Sr. Manoel
Gomes Mendes, que ter a gerencia do mesmo es-
tabelecimenlo consernente a todos os trabamos ga-
rantindo-se ao respeitavel corpo do commercio a
aes mais fregoezes da mesma lithographia, qne es-
ta se acha m miada com todo o material preciso
ao bom desempenho de qaalquer encommenda qne
Ihe seja feila psra cajo lisa lera-se Me ceotnto
com peritos offkiaes da srle, podando desde ) af-
flangar-se que tddo ser feito com promptido e
asseio.
CypfiOo Penelon G. Alcoforado manda
dizer urna missa rrsada na matriz da Boa-
Vista as 7 horas d manha do dia 8 do cor-
rete me* (qninla feira; anntversarin do fl-
leclmento de roa (fresada mnlher Therea de
Siqueira Alcoforado, pelo repouso etrno de
sua alma. Roga aos seos amigos o cari-loso
obsequio de asflstirem a esse acto religin,
peio que Ihes sari summamente agradecido.
iiiiiim ......innnananntnnnwnnoMaai
Eduardo Firmioo d i Silva por si e pela
familia de seu nado sogro Jos Antonio dee
Saulos e Silva >gradecem a todos os seos
amigos que se dignaran) ar.ornpanbsr ao ce-
raiterio publico os restos mortaes do dito sea
sogro e de novo Ihes roga e aos seas pren-
les de compareeerem no dia 10 do eorrente
pelas 7 horas da manha ni matriz da Ho*-
Vista, alien de assitirem a orna missa do s-
timo dia que manda rezar pir alma do mes-
mo finado.
LELAO
DE
commandnte Martins, para os
portos cima indicados. Recebe
carga at o dia 8 Encommendas,
g passageiros e atalieiro a fret at 3 horas da tarde
' do dia da sahida : escriptorio no Forte do Mallos
entinas e previlegios; de 60l)090 por casa cora numero 1.
emisso e sem previlegios ; de 400* por casa sera; ~ ----------
emisso, corapaohias anonymas e agencias ; de Campanilla de pafJOetCS a VSp'lf Cftlre mbillas, camas de amarello, marqaezas, caderas,
Movis, boca e outros artigos,
Cerdeirs Simoes
por conta e risco de quera perteucer fara' leilo de
s Estados-Cu i i os e o
100* sjbre correteros comraerciaes, agentes de
leilo e de casa de compra e venda de escravos ;
de 30* por escrava empregado era servico de al-
varenga: de 1* por toneladt de alvareoga; de
10* por bote ou savelra ; e de 150* por balieira ;
de 50* por escravo ganhador ; de 10* por cavallo
de sella de aluguel ; 6* por dito particular ; e a
impostes de carros e carrocas pertsacestes ao anno
Goanceiro de 1865 a 1866, e tambem o 1 semestre
do imposto de 20 0|0 do consumo de agurdente se
principia a contar do dia de fevereiro viodouro.
Mesa do consulado provincial de Pernambueo 30 do no* Para e 5. Tnomaz.
Brasi
At o dia 9 es-
pera se dos por-
tos de sul o vapor
iavana cora-
mandante Greem,
o qual depois da
demora do cost-
me seguir' para
Nev/York tocan-
de Janeiro de 1866.
Antonio Carneiro Machado Ros
Admtaistrador.______
Cmara municipal lo Reelfe.
Pela contadoria da cmara roaefetpal desta ci-
dade se faz publico qoe ndS rrlezes de fevereiro e
marco se recebe bocea do cofre o imposto mu-
nicipal sobre casas de negocio, e aquellas que no
pagarem neste tempo esrao sujelto i rauffa na
forme de art. 32 do regatamente- o. 360 de 15 de
jonho de 1844. r.
Contadura 1 de fevereiro de 1866.
Cu, Cl-crl, d CiK.
- i ....... 11 m 111 i
Coinpanhia pernambncana
De ordem do conselho da direccao, e em cum
primelo ao disposto no artigo 24 dos estatutos,
sao convidados os senhores accionistas a rennirenl-
se em assembla gerai no dia 15 do corrente, ao
raaio dia, na casa da praca do Corpo Santa m 11,
segundo andar.
Pernambueo 3~de fevereiro de 1866.
________ O gerenteF. F. Borges.
= Pela subdelegada do Peres foram apprehea-
diios e recolhidos a deposito tres cavatlos de carga
rendo' um castanho, outro ruco e um mellado :
qoem for sea dono corepariga. que provando seu
dominio, Ihe ser entregue. Subdelegada de Pe-
res 4 de fevereiro de 1866.O subdelegado,
Alexandrino Martins Crrela Barros.
Correio gerat.
Pela mlnistracao do correi" desti cidade se
fas pubhee e a eart dirigida ; los Heirhrne
de M. Montenegro, no Rio de Jmt .hj, tfeixou de
'seguir o competente destino por se.achir cora o
sello j servido.
Para frte, passaestrss etc,irats-se com os agen-
tes Henry Porter C, roa de Trapiche n. 8.
GOMPilfHIi BIASILEIEA
De
PAQUETES A VAPOR.
Dos portos do norte espera-
do al o da 20 do correte o va-
por Gerente, commandanle o pri-
meiro lente Serqueira, o qual
depois
i da '.temor* do cosiurae se:
gutia~ pi*bS"pori)S do sul.
Desdefj reeWtem se passagefres e engaja-se a .
carga que o vapor poder condutir, a qual devera, 0UJI exirati^du
ser embarcada no dia de sua chegada, encom- COStume.
menoMs e dinheiro a frete at o da da sahida as
2 horas : agencia ra d-'Crot n. I, escriptorio de
Antonio Luiz de Oliveira Azevedo & C.
1 cama de ferro, I gran le mesa de amirelio, 1
balcao, 1 grade para escritorio, 1 aparelho de lou
ca para almeco, relogi >s, candieiros etc., etc.
MAIS
68 caixas de figos de 16 libras cada caixa, 4 pecas
de louas e outros artigos.
Qaarla-frira 7 do corrente as 11 horas
no arraazem a ra da Cruz n. 57.
AVISOS DIVERSOT
M. S. Porter retlra-se para os E*tadoUnilos.
LOTERIA
Aos 6:000s000
Corre sabbadu 10 do corrente.
Acham-se venda na respectiva thesou-
raria ra do Crespo n 15, os billetes,
rrjpins e nnintos da Ir nwdn n *l,*iftL1''*
(47), a beneficio da matriz de Pao d Albo,
ser do lugar e hora do
MP.WIA RHVS1LEIKA
DE
PAQUETES A VAPOR.
t." ,ip Ia flm .w-,1-1.-,. Ha oh
"J '
DECtftRACOES
\
<
da
Idemaleool on espirito de agua-
arente .......
Algodao em caroco .
dem em. rama ou em lia .
Arroz eom casca .....
dem descascado on pilado .
Assucar mascavado ....
dem branco.......
dem refinado ..-..
Aaette-d amondoim en mendo-
bm ^fc.#* %-//*J.v c#a*
dem de coco U^
dera de mamona* ....
Batatas--alimenticias .... arroba
Bolacha o dimirtayprapria par
embarque.....
dem lina ......
Caf bom .....
Hnm escoma on restelho.
dem torrado ....
Caibros......
Cal........
dem branca ....
Carue secca fxarrjne)
Carneiros
900
arroba- .4^250
t 7SO0O
< 15S00


25000
3J300
3*900
2*000
15600
1500O
15600
35000
1/Secco. Secretaria da polica de Peraam-
buco 1* de fevereiro de 1866.
De ordem do IHm. Sr. De, delectado do 1. dis-
tricto d'esta cidade, encarregado do expudieote des-
ta repartico, na ausencia do Illm. Sr. Dr. chefe de
polica, fao publicar o regulamento policial de 14
de fevereiro de 1853, qoe abaixo vai transcripto,
fim de que as pessoasqna.se preposerem aos eo-
treteaimentos do carnaval, leohaai coariecimeoto
das di-posii.Oes do mesmo regulamento.
No impedimento de secretario,
Jos X. Faustino Ramos
' -
libra
um
arroba
Copia. Fevereiro li de 185o. ODr. chele de
polica resolve qqe pela delegaoia do Io districto
desta termo, e pelas sobdelegfiaiai respectivas, se
observen as seguiptes providencias emsWdem a
obstar a perfeigao. digo a perpetragao dos delielos
por occasio dos prximos da* do eolruao. Pni-
meiro expressaraeole protiibido o jo*da entra-
do, e o laogar-se agua sobre-as pessoa* que Iraa-
sitarem palas roas, que- saja isso feito per raeio
de vasos ou seringas, qusr pelo em prego das cha-
madas linas de cheiro;e bem assiaii o nze a tin-
tas lamas e outros objeelos, que taca sido empre-
gados em tao pernicioso jogo. Segundo sao per-
miltidos os grupos de mascarados caracterisaios
por qualiuer modo, sem allusojes, e especialmente
das que diga ni respeilo a religio e seus mimstroi.
Terceiro nos differenle's caracteres cora qoe se
apresenlarem os mascaras, pao sera*- nerraitttdo n-
zar de ootras armas qne nao sejam as fabricadas
de papelao, ou madeira frgil. QMerto ao per
modo algara permitti.do a iniroduuguo de escravos
no mel eos mascaras',, e os quB entre eHes-fcVreai
oeentraos seram presoe correcciouados. Quio-
lo, ss raasearas porlar-se-hao coi decencia, nao
praticar.-ati lasolto, e Ins nao sera permiiUdo va-
gar pelas roas, defwisdas-8 horas da notte .Sen-
t a aqjuelles que forraarem rea.B'loes para bares
es-lneaisos, prohibido dar assobios, gritos, e
prafiear ssaadas. Sera' respeiiado.e.sefnedo dos
vestuarios dos mascaras e ninguem DOdera" dirigir-
Ibes pergantas. e traver com alies cooversacwi
qne nao sejam decente e dignas de- repetir-se nss
melnores reuaiSes. Do mesmo modo se haveram
osraasearas uns para coo-os' euttos, e prncipal-
menta pnra cora as familias .do caraerotes a que
se dirigirsra. Stimo, toda a pessoa* mascarada
que por algnm modo otfender a decencia, provocar
rlxas, e perturbar a ordem maatida nos salSasv.sat
ra' mwdado retirar iminediataiMenlt. Oita*o,-na
. falta de o6servancii das providencias cimas a no*
750 ; twa;#socedera'contra os Jnfrac.^pres como d#o-
rmnrt Seoretarla da polica de Peraaoi|biico, lide lev*
' reir 4* 1855. O chefe d*ppiica.
LuiCarJos i* Pjtta Tem)*.
W'.>2J*4
CarvSe vegetal
arroba
440
260
310
580
35200
45000
I5OO
Relatas das cartas' segaras existentes na adnnis-
tracie oesrreh dwia ciaf-para os seiradres
abaita decUrteea r
WelWdre dos- Santos Barros.
Antonio Jos da Fonseca.
Pelicio Jos de Oliveira.
Francisco Cordeiro da Rocha Campello.
Joaquim Alvaro Garca.
Dr. Joaquim de Oliveira e Souza.
Teneole Joo Baptista do Amaral.
s
THEATRO
DE
E' esperado dos portos do sul o
vapor Paran, comraaadante o
eapito de fragata Antonio Joa-
quim de Satfta Barbara, o qual
depois da demora do costme se-
guir' para os pertos do norte.
Desde ja recebem-se passapiros e engaja-se a
carga que o vapor poder conduzir a qual dever
ser embarcada no dia de sua chegada, encommen-
das e dinheiro a frete at o diada sahida as 2 ho-
ras : agencia ra da Cruz n. 1, escriptorio de An-
nio Luiz de Oliveira Azevedo & C
COMPANHIA PERNAMBUCANA
DE
Navegaco costeira pw vapor.
liba de Fernando.
Fica transferida, por ordem superjpi*, para o dia
8 do correnle-as 10 horas da manha. a sahila do
vapor Parahyba, para Fernando de Noronfta.
Contina a receber carga, encommendas. passa-
getro? e dlnhetro a frete at o da 7. as 3 borat
da tarde. Escriptorio no Ferie de Batios n. 1.
Os premios de 6:000,5000 at 105000
ser3o pagers urna hora depois da extracc5o
at as 3 horas da tarde, e os outros depois
da distribuido das listas.
As encommendas ser5o guardadas so-
mente at a noite da vespera da extracto
como de- costme.
O tbesoureiro,
Antonio Jos Rodrigues de Souza.
Ama de leite.
OfTerece-se urna ama de leite : quera precisar
dirija -se a rha de Hortas n. 10,_______
Kserava fus'la.
No dia de fevereiro indo bascar amas ronts,
desappareceu a escrava Sophi, e. i.mla, levando
vestid o de chita cor de caf e chales de 15a preto
ja usado, tendo coito ronde randa r< op quaado
quer, e lem os sigoaes secuiai-'s : alia, mafra, fal-
ta ura on dous denles na frente ilo lado de na,
para coraprida, e todo quanto faz com a mo es-
querda, representa ler de idade 30 a 35 nn >-,
maito dlsfargada, e fot escrava do Sr. Joaquim de
Gusraio Coelho, empregado publico, e muri e-
ehecida : pede se as auloridades policlaes e capi-
les de campo one '^orem-na e levem-na a .enhor, na Capunga, sitio ontr'ora do fallecido J>>
Leite de Azevedo, ou na roa do Seve a 1 iba dos
Hatos n. 16, qne sefo gratificado',_____________
Precisase deum ofllcial de rharoleiro: n
fabrica de Francisco Antonio de Almeida, roa '!
S. Gongalo n. 27.___________________
CARTA.
O Sr. Manoel Flix Per-ira lera ama carta vml.
do Maraotrio, na ra da Crul o. 13, pritieiro -i
dat.^recelie jaba pegan lo o annunclo.
Hyiiolilo Ma lius Gomes i- R5 'em y:-i
e contralado a taberna na Casa Forte, perteoceuv
a Joao Baptista de S Pereirs, juigase dMMMara-
gails de qaalquer debito; mis se alonen, se ju ;
com direito a mesma, c mparega .ihl n*' i>r:.-> 1-
tres das, a contar da data deste. Casa Forte 5 d.-
fevereiro de 1866.
mu mmmmm nzn
MSA de banhis 3
I
I
I
3
i
2
Precisa se tomar a risco martimo
casco, frete- e carga da barca ingleta
Grande baile mascarado"
A' PARIS1ENCE
MOS III AS
Sabbado, domingo, se-
gunda e ter$a.
0 PRIMEIRO BAILE TERA' LUGAR
Sabbado 10 de fevereiro de
soWe O
forena
Danters, virante mesrre, com destino de Vafparai-
zo, a qnantra de 10:000* pooco rrWW dtr rfteBdSi
para seos reparos e ctrst8io necesarm-, tendo dte
navio arribado a ente porto por forea mador na
sna viagem de Swansea para Valparaizo. Propos-
tas em cartas fechadas deven ser entregues no
da de fevereiro prximo at mel dia no es-
crlptowo de Saujnf ers-Breiiers & a, agente de
Dovds, prega do Corpo Santo n. If.
De. Fraidsco Pires
Portella
MEDICO E OPERAHOR
PELA
Facnldade de Pars.
continua no exercicio ds soa prosso,
especialmente as molestias de olhos, de
vas orinaras e de pelle, para cujo tra-
tamento julga-se nabilitado atteota a pra-
8 tica adquirida nos hospitaes daquella ca-
pital, e os instrumentos mais modernos
_ que possne.
Accode prornplamente a qoalqaer cha- |
S mado para fora da cidade.
E encarrega se de collocar olhos arti- 2
H ficiaes. m
SNo pateo do Carmo n. 2, esquina da m
rna de Hortas, das 6 as 10 horas da ma- 5
nba, e das 3 as 5 da tarde.
9SIIft *
= Manrieto e Aran Silberberg, subditos pola
eos, retiram-se para forado imperio.
- Preclsa-se de urna ama
Palma n. S4 A.
de leite : na raa da
Manoel Rebello de Souza,
vai a Sergipe. __
subdito portageez,
'_ Wanted oa> Bottamry B thfflull freight and
cargo rf the Brf Bafade tflorence Danversi War-
nesfaster bonnd tor Varpariso, Ufesnm of abont dencla para a ra de Apellac_
Ten thowand IPlrels for necessarr repairsand dfs- 'nMr. ^ ...
bursements ; thd sitf *essel' hr1h(rj)at into thiS Pedro de Almeida GuTmaraeS, su
Manoel Frnandes Braga, subdito portoguez
retira-se para o Ceara'_______________
Antonio de Moraes Gotaes-arjeira vai*Kn-
Jos FraTeiseo Sa LeMo translerle sua-Wsi-
nv36, pridPeiro
26-Paleo da Carno-26
Jeste estabelecment to imiwiriante
para apande e asseio do corpo aeham-e
montados Vi banheires, qne sao servidos
com a ordem e aeeio qoe para des*-
jar-se. Qoatro des'es bdaheires sao epe-
cialraente reservados para senhoras e por
islo acham-se colloeados em lagar reser-
vado aonde so lem entrada as pessoas de
ama mesma familia.
Prccos de banhes irnlsos.
1 baabe fri, moroo on de cbn-
visco........500
1 dito dito de choque.....1 J0t<0
1 dito de farello.....1*000
1 dito aromatizado.....IJ000
1 dito medicinal sera seguodo soa qua-
lidade.
Preces pw assienalira.
30 baohos por mei fri, monto
ou de chuvisco.....IOJ'00
io ditos cora candes para o mes-
mos........ iojoo
12 ditos com carlles para as
mos........,*?f
12 ditos eom cartoes de chogoe.. fOJOw
12 ditos cora cartSes de farello. OJOOO
O estabelecimento estara aberto os
das otis das 6 horas da maae.ia as M
da oeite, nos das santiQcados das 5 as
4 da Urde.
Precisare de nm ana para o servir ier-
do e exten de ama casa de daas pesos : a tra-
tar na roa de Rangel n. 44. andar.___________
ATTEKCAO
Desencaminhon-se da caneca de ata preto f-*
ganho no dia 1* do cornMa nma caixa rom 2
queijos, sahindo de casa do Sr. Jos Francisco Xa-
vier de Sello para a casa dbs Srs. Litis Irma A
C. (adrianai prepMta): rofa-se a ndas ** n**-
soas ae sotrterem niicias. dlrlitrrem'* <> di-i
arraazem, que serio recompensadas. Asegrate
que se cenhec* o preto.
port in distresoo her voy agafrom Swanscate Val- guez, vai a Europa.
.MMsanaaOTiaa
fiestatewferM) be sent loto Messrs. Saonders
Brothers & C, Llovds agente apto mid-day 1 fe-
b#eryl8a& \ i
.--------------------------------------------------i
-
PORTO
barca porlugo
pretende em p
, ja' tendo a
quera celia q
a do Vigario n
- A cmara municipal desta joldade ldde de
preeeiw So dia 6 StrdntnM *pm*an gal
dos votos para mettfBrelo MSdittila pi*vltWaT,i
MttfWlt canormo reoommeada o | 1 de art V
do deereio n. 842 de 10 oVsetBrJHfr1 ia 18aa\
0 grande stlao da-Danga qne comprehende
teda a sal e caa do theatro, aclia-se slidamente
ooostruido'afflangando s mais com pela segura oca.
Sera' illuminalo o giorno 0 mais esplndidamen-
te qne for pdWlWK
O sali acha-se ricamente ornado com lastres,
estatuas, quadros, espelhos, vasos com flores, bao-
deras etc., etc., sem qe-para este tim se techa
poupado despeza alguma.
a.paaoa.d*-niusiM ao batalho oV guara
naMoef deeeVtriunrefrjM, sW a frePao do ?u
distincto mestre 6 uue tem de funccionar nos ex-
pandidos bailes arrma meniodanor, a qual tocar
como introdcelo do baile ama peca de harmona
que dari comego ao movimento :
- Setfulndesva- prtmeira qiiadrilW burlesca-et-
presewmew esertpta e edtnposta' perW Sr. Cofas' fi!
lho, a qw fltBomrrjotr-a
FOLIAS DO CARNAVAL.
. As pecas que tem de ser tocadas duran as 4
noites de baile, sao as seguinte* :
QADfiLHASt
A cascat de cravos.
E^tepjLapia^
i* ew raonro.
OBf*.-
BOA.
excellente mai
para esses doni
sua carga enga|
a' frete dirija-si
de Baltar & Ol.
.0
-3
- '^aanv".
r/:o3
/.


liba des.
YT DT
>lli.,
cea* otoa, beevidede a MM fottWgw<
. psra d ftste1 aacaega e-pad*t|MNUU
ocodsigBatarloiJelo do Reg Liatl if*Wfo
n. 4. .
Domingos FraucjscoDiirae.s, eovirraaoe e
'oras rJ fafWciaa CalafinaXaira daFonce-
Inati agradecem do lat me d'aNmtteWs'as
1 pmsoes qaa stf dtgnarat acempltlr ff
i marta oa restos raertses de sus presa*ssi-
ma raa e sogr e de novo convidara, a todos
I os seas prenles elnlgo*, fja/aHlsIBSftnV
s m1JS 6 memealo,qje bao de ee reserwo^
Otfyeolo do Carreo desta cidade, qaaaia-tet-
l'ri ido" corrale, as 7 horas d'atnanbja, se
Precisa-se de nm eozinhetro ferro oa i
vo, com tanto que leoha boa coadnete : n < escrio-
| torio Claudio Dubeux, ra do Imperadar a. 43
se dfrs: qBem precisa ______
.luga-se^aToja da casa o. SO oa roa Au-
rore, fera commoOs pr-a fanti, e p*d wrvir
pura qnper ewabaeflteart: dnem an-uadur,
dirija-se ae segando, aodor da maaata case, ae
echar com qoem tratar.
~ Alogi-*'a casa'dos LeSe, na rtr do Prare-
res, cera sotaO, e eormnedos par (raSBa.
Casa.
Passando a fmrdifao da Aoror, Mr frena 4-
deas ar roreoss s Haga er andar tarreo eoa aatas
aeoajraedatoes pera faautk; a cha e* se-
brado, e para traur na fnUtdicio, das 9 horas m
e' _________
.^MiaaaiBuWWRdisiftoes, ros do TtspMa
n.K, saca sobtea cidade da- Porto, *fMa ct
B~*aSP>PPW^K"*
,. NORMA, recebe carga e escravos a frete
nv noeatrtptoff* dei Amorh*fnaos, na
n.-3..
da
;
fUH^-^t----UM.
^l^rl;a. esperado cada momento do Rio de Janeiro
o patacho portoguez Pi-ndndesJ) qdat lera nesta
cideapee*^t*moi'a,-deO!dws, recabe esrga
a lele por prego maiid eomalodo": trata-se com
oseos coosiguatarios Antonio Lniz de Oliveira
Atdvdo & C., no sea escriptorio ra da Croa -
mate 1.
lii)., .lia !. > .; JJ.'jJ,!"^

Ereciaa-ee de nraftam deleite, prefete-arpaf-
da ; na rna da W tf Agna a 46>..
Poroado dos Montes (fna).
Pergfofrt'se ao gi. djr- V!l* franca se
j pagera a1 sisa do sea eScra o Gorgoaio.
" a i Tir*lr -
....... I ilif ^_
casa-se sobre hypoMKsa &* aaaati ae
1:0OO j"uro de I til por cento, pet lenizo de
12 metes : qdm qwrer hzer este* negocio dWte
catt* fectWd* tteM t*eo*rap*-i* eoaj a* ii
R.a, mi_______________________
* *ni*4$> d* am armazoai- aaat
Ide anerracae: oneea tjw
fechada eom.ai lmcjae> W
te Jornal.'
tT.ii i hii.h I t .
Preciase de
carta
AC,w escriptor des-
n>i >>'
'u.-
_,------
Par^. lisloa.
O brigue portuguez Bella Pi-
gueirense, capitao J. G. de Carva-
IboSbrinhe, vatMbi* .com ore-
vlade, por ter prompto a maior
arte do carregameoto, para o
to da carga- e passageiros tra'
tase eom o consignatario E. R". Ratello, raa do
Trapiche n. W, segando ttiiit.
Alo?am-se duas casas em Saut Amaro
assobradada?, cotr sdt, com bastantes*
comraodoe para ramilla, sendo tima na JB
ra d4 fondiQo eouira no correr da rna ms
drAuroraPao p da^wUt*) Sr. Stafr a
fallar com J* OoWjWt-is FerteiVa Coste, J
**
mm
Aluga-se urna sala coet dous quartos no pri-
meiro adar do sobrado da ra das Grotes n. 41:
uemquizerdirjase ao mesmo sobrado, das 10
oras-as 3 da larde, ou a taberna contigua n. 41,
ouara da Mapgueira n. .
urna ama par lodo o servico
de urna casa de popca familia, drpanara dfenfrn.
fprefere-^eMfinpfta-: a traaw ae aotoo do <^r
mo.eeauioafo W~e TTorTas, armazera .
^Offerecesa, urna pessoa para administrador
de eogenho, com bastante pralica de servido, e
larabem bom dMrilador de ag-rtrente : ttytem
^precisar dirjase a ra Nova, loja francsa t.
que lera noticia da pessoa.
Quero tivdr qniaer vender om rastnM oa
raei-agaa, preleriudo se oa naaascn do S. J*,
dirija-se a raa da Assnmpco n. 30.
-. Na urde ds da 2 ao corrate, no f*r*
Caboc, furtaram um catallo neo padres, de car-
ro : qnem o apprehtmrJer leve a ro larp aott--
sarlo o. 10, que seri grallflcado.
-
r
a


MH^BBHBHMH MnoS
'



r

Club Pernambucano.
A partida do mez de fevereiro terl logar
n noite do dia 10, admiite-se mascaras
sendo recoutiecidos por urna commisso.
~~^~ Arrenda-se o engenbo Manass distante da
prsga cenos de quatro leguas, e mui prximo a
EDvoacao de Jaboato, tem suficiente terreo de
a prodcelo, boro cercado e matas bem conser-
vadas : a fallar no mesmc enRenho. ':>
* BOLEEIKO. *"""
Precisase de um boleeiro que teora boa eoo-
, sem vicio : oa ra das Gruzes d. 36, pri-
eiro andar.
A ItenQOO.
Esta' para alogar-se o armazem da roa do Apol-
lo o. 19, rouito proprio para deposito de fazeodas
oa algodo, por ser multo enchuto e claro : a tra-
tar no Io andar do mesmo.________________
Precisase de urna ama oa cosinheira : a
tratar na ra das Cinco Ponas o. 102. _____
' Precisa se de urna ama para eogommar : na
roa da Cadeia do Recite n. 27, 1* andar.
Precisa-se de um criado, preenndo-se escra-
vo, e que saiba cozinliar ou fazer o servico de co-
pero : em Santo Amaro, casa confronte ao hospi-
tal inplez.
***** rtwwniirtia r^hwjr^iciMi^iwwwwetfe 'fm.
-------6..

* -+ I .
Precisase fallar ao Sr. Joo do Reg Pache-
co : na livraria n. 8 na praca da Independencia.
Precisa-se alagar ama ama forra ou escra-
va para comprar, cosinhar eogommar : na ra
deportas n. 72.
Fogo do ar
do armazem da bola amarella do oltao da secreta-
ria da polica recebemse encommendas de fogo
do ar para dentro e (ora da provincia.
~^ O escrivao da irmandade de N. S. da Soleda-
de convida aos seas irmos para que se dignem
reonlr-se no consistorio da respectiva igreja, oo
dia 7 do correntepelas 5 horas da tarde, afira de
proceder-se a eleicao do juii que tem de funccio-
nar no presente anno.
O "> o .o
f O c
B w I
* g
5
^g
9" I,&
e* ** o.
a .
a n> b o
ST g D te
2 3 9! 2
- Companhia gert}l hespanhola de seguros mutuos
sobre a vida
AUTORISA.DA PELO REAL DECRETO DE 21 DE DEZEMBRO DE 1859
Urna flanea en dinaeiro, depositado ios cofres do estado, arante a boa ad-
mini&tracao da companhia.
BANQUE1ROS DA COMPANHIA DIRECCO GERAL
O Banco de Heapatoha Madrid: Rna d Prado n. i
Esta companhia liga pelo systema mutuo todas a* corabina-tjoes de supervivencia dos segn
ros sobre a vida;
Nella pode se tazer a subscripto de maneira que em nenhum caso mesmo por morte do
segurado se perca o capital nem os jaros correspondentes a estes.
Sao tao saprehendentes os resaltados que prodozem as sociedades da ndole deA NACIO-
NAL, que ainda mesmo dimlnuindo ama terca parte do interesse produzido em recentes liquida-
ees ecombinando-o com a mortalid.ide da tabella de Depareieaz qae adoptada pela companhia
para seus clculos e liquidares, em segurados de idade de 3 al anuos, urna imposicio anoua.
de 10OJI produz em effectlvo metlico:
No fim de 5 annos.......1:119,6300
v > de 10........3:942*600
N de 15........11:208*200
de 20 >.......30:256*000
. de 25........80:331*000
as idades menores de 3 annos e maiores de 30, os productos sao mais consideraveis.
Pro-pect is e mais informacoes serao prestadas pelo sub-director nesta provincia.
oaquim Piuz d Oliveira, cu da Cadeia n. 32, oa a Boa-Vista ra da Imperatriz n. 12, estabelecl-
mento dos Srs. Raymundo, Carlos,Leite A Irmo.
TINTURARA
AO GRANDE S. MAURICIO
PROCESAOS APERFEI?llJO
..
PARA
Tiaglr. limpar e lastrar a vapor.
F. A. SAL
de setembro 29
Oavidor (Rio de Janeiro)
Defronte da roa nova do
Os proprietarios deste eslabelecimento, o primeiro no sen genero no Brasil, por
trabalhar com as machinas mais aperfeicoadas para tingir e lustrar, de que se faz uso n'
Europa, eajudados por alguns dos melhores ofciaes de Pars e Lyo, podem assego-
rar seos freguezes urna perfeigo no trabalho, a qual senu pode cliegar pelos proces-
sos ordinarios.
Tingem, lavam, limpam e demfam com a mai r perfeic-ao e brevidade qualquer
qualidade de fazendas, tiram nodoas e limpam secco sem mollar as sedas e as vestimen-
tas de senhoras e de homens.
ATTENCA.
Henry Forster d C, ra do Trapiche n. 8
tem para vender:
Prensas para enfardar algodo.
Machinas de descarocar algodo, de 30 a
60 serrotes, com motores, assim como moto-
rs queserviro para qualquer servico, e urna
machina de 120 serrotes com urna machina a
vapor, propwa para a mesma.
Precisase de urna mulher capaz, para acora-
panbar urna seohora, e que cosa oa engomme al-
sama cousa : quem esliver oeste caso, dirija se a
roa Velha n. 31, 1 andar.
Ama
Precisa-se de urna ama para casa de pouca fa-
milia : a iratar na ra Direiu n. 68, primeiro
aodar._________
Acha-se em Giqui, na olaria do Sr. Manoel
Joaquim, um bote a mais de um anno, o qual tem
sido annonciado por tres veies : quem se julgar
com direito a elle, appareca para se Ibe entregar,
dandu os signaes.
Precia se alogar urna prea de idade, pre
pria para ajadar os servicos do interior de ama
casa de pequea familia : a tratar na roa Direita
n. 47, loja.
AGUA FLORIDA
MURRAY & LANMAN
A agua florida de Murray & Lanman
olhada como um artigo de perfume, nao
tem podido ser igualada pelas preparacoes
as mais custosas: conserva sea aroma, co-
mo se formasse parte da prenda a que ella
se applica.
Sua efficacia tifo delicada, como elegan-
tes sao seos multiplicados osos, qu/ seja
empregada como artigo de toucador, qur
bo uso do banbo, ou como suavisador da
pelle, depois que se tenha feito a barba;
j para limpar as gengivas ou aromatisar o
hlito.
D suavidade, brilbo e elasticidade as
compleicSes, depois de se ha ver lavado; al-
livia a irritacao de erupcoes ordinarias ; faz
desappjrecer o desagradavel aspecto dos
pannos, das sardas, do rosto, rugas e toda a
casta de ebulicoes, e di vigor e frescura a
parte onde quer que se applque. Sua effi-
ciencia e elegancia sao igualmente infalli-
veis nos casos em que seja preciso appca-
la como estimulante e antisptico, nos con-
cursos e assemblas numerosas, as loca-
lidades infeccionadas, oa alcova de um en-
fermo, assim como um antidoto exceUen-
te para os desmaios causados por cansaco
oa suffocacao. Preparada nicamente por
Lanman & Kemp, Nova-York, e a venda por
Caors & Barbosa.
Joo da C. Bravo & C.
O Sr. francisco Jos de Freitas Gui-
maraes, quetra ter a bondade de appare-
cer na livraria n. 8 da praca da Indepen-
dencia.
Na praca da Independencia n. 33, Jola de
oorives, compra-re ooro, prata, e pedras preciosas,
e lambero m fax qualqoer obra de encommenda, e
todo e aualquer concert.
Aluga-se o segando andar do robrado ti
da rna da Guia : a tiaur no 1* andar. _______
D-se 00# sobre bypolbeca : gqem precisar
nnnoncle.
SEGUROS
MARTIMOS
E
CONTRA FOGO.
A companhia Indemoisadora, estabeleci
da nesta praca, tona seguros martimos so-
bre naiios e seo* carregamentos, e contri:
fogo eo ediflcios, mercadorias e mobilias :
na rna o Vigario n. 4, pavimento terreo.
^Ifigana-se as casas terreas da ra do Heo-
ri<,ao Df ("olgarmente Konhecid per Estancia)
ns. 8 e JQ, com eommodos para familia, caiadas a
pinudas de nova : os pre tendentes podem dlri-
glr-se a roa da Cadeia a. 39. _________
Antonio Aives de Oliveira Braga, de Santo
Roroo, paHicipn ao respeiuvel publico e prlncP
palmenta ato eommercio, qae des data em diante
se assignarft Antonio Alves de Oliveira Braga.
Ama
Na roa di Cadeia do Recife o. Si, terceiro an-
dar, prectsalse da urna ama forra oa captiva para
familia de dhas pessoas.__________________
Na (abtica de calcados de Jes vieenterGe-
dmho. no ribfein de S. Jos n. 25, comprase paos
paraumaneok, e se paga a|l2 o cento, conforme
sua qoalidade.
'ara escriptorio.
Aluga-se o [primeiro andar da casa da rna da
Cruz n. 8, proiiri > para eaeriptorio, mallo fresco,
com vista de mar e por preco coramodo : a fraiar
no escriptorio do sobrado junto n^l_____________
Preclsa-sa lugar quatro escravosque lejam-
possentes para kervico deoaixo de coberia, pagn-
do-se bem : a tratar na largo da Asemblea n. SO.
GARRAUX DE LAILHACAR & C.
LIBRAIRIE FRANQAISE
Rna do Crespo b .
LIVROS NACIONAES B ESTRANGEIROS
KeligiaoPbilosophia Jurisprudencia Littcra-
tora Seiencias e artes.
Papelaria, objeclos para escriptorio.
Na fabrica de sabo da ra de S. Miguel,
fregoezia dos Afogados, precisase alagar tres es
cravos, paga se bem : a tratar na mesma, oa no
Recife, ra do Amonm p. 41.______________
raiHELLKlBA
Inslrucco tobliea primaria
O professor publ co de instruec3o prima-
ria da povoacSo de Gamelleira parta ipa aot>
Srs. pais de familia que desde o da 15 do
crreme se acha no exercicio de sen ma-
gisterio.____________________________
Antonio Tjesarlo Moreira Dias, pode ser pro-
carado no escriptorio de J. A. Moreira Dias, na
roa da Cruz n. aO.
N. O. Bieber 4 C, sucessores, sa
cam sobre o Rio de Janeiro a vista ou a pra-
zo confoime se convencionar.__________
Em casa de Theod Cbristiaosen, roa do Tra-
piche-aovo n. 16, aaico agente no norte do Brasil,
de Brandenburg frres, Bordeanx, encontraseef-
feclivamenle deposito' dos artigos seguintes:
St. Julien.
St. Pierre.
Larose.
Guatean Loville.
Chateaa Margaaz.
Grand vio Cbateau Lafltte 1858.
Chateaa Laliite.
Haut Santernes.
Chatean Santernes.
Cbateau Latanr Blancbe.
Cbatean Yqoem.
Cognac em tres qoalidades.
Aieile doce? Precos de Bordeaux.
**s mm*mm mmmwmm
flf O Dr. Carollno Francisco de Lima San- B|
tos contina a morar na roa do Impera- fi_
dor n. 17, segando andar, tendo alias sea
gabinete de consultas medicas, logo ao
entrar, no primeiro.
O mesmo dontor, qae se tem dado ao
estado tanto das operacSes como das mo-
lestias internas, prestase a qualquer cha-
mado, quer para dentro quer para fura
gpj da cidade.
*xmm ****** *,*:**
JOS DAMEL DA COS-
PIIOT06R4PUI4
artstica americana
RA DO IMPERADOR N. 38.
Artista americano
Artista americano.
Artist i americano.
Artista americano.
RetratosRetratosRetratos.
Em porcelanaNiepcotypie.
Em lencosArchrotypie.
Em vidroAmbrotypie.
Em metalDaguerreotypie.
Em papelTalbotypie.
No grande salao da ra do Imperador n. 38
No grande salo da ra do Imperador n. 38
Neste eslabelecimento tiram-se retratos
em todos os systemas, com asseio e promp-
tidSo, desde as nove horas da manhaa
at as cinco da tarde; assim como tem
sempre a venda grande sortimento de cai-
xas finas de diversas formas. Quadros
ovaes Passepartouts e todos os mais ob-
jectos e productos cbimcos, relativos a ar*
te e reetbidos ltimamente dos melhores
fornecedores de PARS e Nova York, tendo
de tudo, para todos os gostos e para todos
os precos.
Sal5o da roa do Imperador n. 38.
Salo da roa do imperador n. 38.
PtTOWS
VERMFUGAS
PoUdorio Jos da Ponte........
Jos dos Santo Castro Garrid*.
Angosto Correa Dorio........
Francisco Pacheco dos Saolod..
Aliplo de Faria Gomes........,
Antonio Francisco da Silva___*
Jos Joaquina Coelho de Oliveira
haixo d'ste .titulo, fundada, administrada e garan- j^^rrC dnf ll?J "
tida pelo banco Alianea do'Porto, .fferece as maio- fJ "JJ' 0 dg*""
res vantgens as pessoas que nella se qunerem \ .. v Jr-".....'
inscrever : quera, po.s, acerca de tal insliluico -f *e* ver*[^.H^Ux
deseiar obter esclarec.menlos, dirlja-se a Joo Car- ^'J^S? Kerrelra da Molu *-
loe Coelho da Silva, a ra da Madre de uens n. 28., .'Hi"Jl'tll'......
o... .,.. a~ .... .ij^ .,. Antonio Manoel de Una.......
Amonio da Costa Sol.
A sociedade de segaros mutuos sobre a vida de-
Para prova do qoanto esta sociedade se acba
eminentemente acreditada, transcrevemos para es-
te jornal o artigo que acerca della peblicou o Com-
vureio do Porto:
Acaba de chegar do Brasil o Sr. Jos Antonio
Pinto da Rocha, inspector naqaelle imperio da so-
ciedade de seguros mutuos sobre a vida, fondada
e administrada pelo banco Allianca, denominada
A PREVIDENTE.
Para mostrar o boa crdito e subida conQanca
Francisco Aotooio Mendes de Oli-
veira Juniur..................
Jos Alves Macietra.............
Bernardo Alfonso de Miranda...
Manoel Pereira Machado........
Vicente dos Santos Sirades......
Manoel Francisco Plores........
Manoel Ferreira Marqnes.
que esta sociedade goia entre os nossos compatrio- Manoel LuU Baptista Pmho.....
tas all residentes, publicamos a segainte lisia das \ AonLma Baposia Pinbo
subserlp^des por elle obtidas no corto espaco de
seis mezes, montando a 578:37S# fado este que
de per si falla mais alto do que todas quantas con-
siderares podessemos apreseotar, e qae por isso
nos abstembs de fazer.
Ulms. srs. subscriptores. quantias subscriptas.
DE KEMP,
NOVA YORK.
DE COR CHEIRO E SAROR AGRADAVE1S
Infinitamente mais efficazes do que todos
os mais remedios perigosos enauseabundos
que existem para a expulso daslombrigas-
Nao causam dores e produzem seu effeito
sem precisar logo aepois ae prgame ne*
nhum e taoincitantes em apparencia e deli-
ciosas em gosto, que as criancas esto
promptasa tomar mais do que marca a re-
ceita.
Uteis como um excellenle meio de fazer
remover as obstrueces do ventre, mesmo
no caso de nao existirem verme algum, as
PASTILHASVERMIFUGAS DE KEMPS S50 promp-
tas einfalliveis na sua operaco e por todos
os respeitos dignas deconfianca e approva-
?5o de todos os paes de familias. Prepa-
radas nicamente por Lanman & ,
Nova York.
Deposito geral em Pernambnco rna da
;ruz n.22 em casa de Caros & Barbozi
i
Acha-se .- casa de Keller & C, ra da Cruz
n. oo, urna carta viada do Rio de Janeiro pelo va-
por bra ileiro'tGerente para entregar ao Sr. Joo
Kahl ou Kohl, o mesmo senhor tnha a bondade
d apparecer.
ta Miranda,
_ 7
Portugaez, para sen interesse moito se deseja fal-
lar com este senhor, e se agradecer a quem der
noticia delle na rna da Cadeta n. 17.
Ama.
Na rna da Cadeia do Recife n. 80, precisa-se de
urna ama para cosinhar. <
Precisa-,
seja deligente
n. 39.
de um trabalhader de nadara que
seo trabalho : na rna Imperial
Precisa-se logar un preto, sendo qae calen
-t p epadaria: u roa Imperial n. 39.
Convida-se pelo prsenle annuncio a II-
Instre familia, lodos os prenles e amigos
do tallecido Sr. Joaqolm da Costa Moreira a
assistirem a mu missa no dia 6 do corrento
na igreja do Corpo Santo, pelas 7 horas d
manba dia do anaiveraarlo de sen falleei-
menio do que se Bcara' agradecida.
Luiz Antonio Siqueira, consol da
Blgica, em consequencia da parte of-
ficial que acaba de receber com mu-
nicando-lhe a infausta noticia do fal-
lec memo de S. M. Leopoldo I rei da
Blgica, convida aos Srs. censles a
collocarem en funeral as bandeiras
de suas na roes no dia 6 do crreme.
Precisa-se de am caixeiro que d Oador a
sua conducta de idade de 14 a 16 annos : a tratar
na roa do Cordonit n. 64, padaria do gaz.
As Pilulas Catharticas
1>E AYER.
O purgante mais efeeaz at hoje ronheeido.
Estu plalas sao paramente veg-
itaei, nao tendo na ana compo-
ioio nem mercurio nem ostro
ingredlent* mineral; sao- Inno-
eentea para u crianzas e peisoaa
mala delicadaa, ao mesmo tempo
qde, compottas como sao da regi-
taea mu fortes, sao bastante acti-
vas eficaies pan as peasoaa aalt
robostai.
Estas pilulas oathartlcas purgo e punflcio todo sjstema
hamano sem ercurio.
Nao se tem poupado trabalho nem despera para lerar esta*
flMaa a um grao de perfeccao tal, que nada debut a desejar;
sao o resultado de annos de estudos laborioaos e constantes.
Par :ik-un vr todas as vantagens que resultao dy aso de catbar-
tMaar; tem-se combinado lmente aa frttutoa rurmllrat das
plantas -tu* tao empregadas na eoaieccao das pimas. .Sua
composicao tal que aa eofermidadea que esto ao alcance
de sna accao, raraa tpjw podem resist las on evadi las.
Suas propriedades penetrantes exploro penetro, purificio e
Aao vigor todas as partes de organismo banano; pots corrigem
a sua accao viciada e fax recuperar a sua vlulldade. Urna das
consecuencias dstaa propriedades que o doente, abatido de
dr e debUida4e physiea, admira se 4a encratrar, Uo deprvssa,
eua saude e energa recuperadas por mete d' um remedio tao
simples e agradavel.
As molestias que es tao ao seo alcance alo.
Prizto de vttUre WunmaUtmo, 'Dr da cabera, A Xafraiful,
Jfataqueca, iudlgiHto t mai do eitomago, Htmorrhoidas,
PADECIMElrTOB DO FIQADO,
Febrt gattro-hepatiea, Gattrite, aftertet JIUloias Lombriga,
Erytipelm, Bydropria, turdez, etgmra pardal, t PnralyHa.
No alnwouk e Manual de Saude do Dr. Ayer, que se publica
todos os anuos para distribuico gratuita, eaeontra-se uas tra-
tado sobre as diversas doeucu que estao ao alcance de
REMEDIOS PURGANTES.
Acha-se em todas as Boticos e Drogarias do Imperio.
CASA
O Peitoral de Cereja
I>E ATEB,
TABA A rHO.PTA COllA DA
Angina, de OomatipoeOM, Toaaes, HouquicUo Influ-
nu BronohiU, TUioa, primaria,, Tubarouloe
pulmonares, e todas aa molestias do
Feito, assim como para aliviar
os ethiooi deolarado*.
As preparacoes do Da. Ayek sao Tendida* as princlpae
drogara* e boticas do Imperio.
Vende-se em Pernambnco:
m* a-u -**- a asa *
Aloga-se, passande a fondicSo de Sanio Amaro,
o andar terreo em frente aos ps de arvorea, com
bellas acomniodacSes para larniHa e jardim ao
lado; a chave no sobrado, e para tratar na ndi-
cao da Aorora, da 9 hora em dlante.
na
Precisase alagar urna preta eacrava para o
serviee interno de ama casa de familia : na roa
do Aragu n. 27, (abra de cbaratoi.
EPHARMACIE FRANCAISE
?deRMARER&CLe
1 ra nova n
I
Jos Antonio Pinto da Rocha
Albino Jos da Silva...........
Laiz Antonio Siqueira ........
Augusto Cezar de Atevedo Gue-
des..............;........
Americo Nuoes Correa........
Antonio AI ves de Moraes.......
Manoel. Duarte de Figaeiredo...
Manoel Martins de Oliveira Aze
vedo........................
M. T. Basto...................
Antonio da Silva Pontes Guima-
raes.......................
Manoel Gomes da Cruz.........
Antonio Loarengo Teixelra Mar-
ques ......................
Bernardo Jos de Oliveira Ma-
chado.....................
Jos de S Leilo Jnior.......
Domingos de S Pereira J-
nior......................
Vicente Ferreira Coimbra......
Jos Joaquim Alves............
Jos Feruandes Lima...........
Jos Joaquim Leilao........
Jos Antonio de Unto Bastos. .
Joaquim Luiz Ferreira Leal
Silvino Gailherme de Barros....
Alfredo Henrique Garca.......
Antonio Valenlim da Silva Bar-
roca.......................
Jos Rodrigues da Silva Bor-
ges.......................
Manoel Jos Moreira...........
Virgilio de Caslro Oliveira......
Jos Antonio da Costa Va lente..
Justino da Motla Silveira.......
Manoel Marques de Oliveira....
Aotooio Fernandos Daarte Al-
meida.....................
Joao Martins de Barros.........
Antonio Joaquim Fernandos d
Silva......................
Custodio Jos Alves Guima-
rSes........................
Jos Goncalves Villa Verde.....
Alfredo Jos Aotanes Guimaraes
Manoel da Cucha Guimaraes...
Joaquim Cabral de Mello.......
Jos de Azevedo Maia e Silva..
Bernardo Pereira do Valle Por-
to.......................
Ignacio Pereira do Valle........
Felisberto Ferreira de Oliveira..
Domingos Jos Ferreira Guima-
raes.*,....................
Manoel da Molla Machado......
Manoel Joaquim da Rocha......
Seraphim.de Sena Jorge........
Maooel Joaquim Fernandos.....
Josepha Mara da Conceicao....
Luiz Pereira Lima*............
Antonio Henrique Rodtiirne*------
Mauurr rranclsco dos Santos
Maia.....................
Manoel Joaquim Ribeiro.......
Manoel da Silva Mogueira......
Joo Lucio Marques...........
Francisco Joo de Barros......
Joaquim Rodrigues Tavares de
Mello......................
Jos da Silva Loyo............'
Francisco Jos Alves Guima-
raes.......................
CaeUno Cyriaco da Cosa Mo-
reira......................
Jos de Mello Costa Oliveira....
Manoel Muniz Tavares Cor-
deiro......................
Antonio Joaquim de Vasconcel-
os........................
Antonio Jos da Silva Brasil...
Joo Jos Rodrigues Mendes.....
Luiz de Moraes Gomes Ferreira.
Domingos Jos da Costa Amorim
Manoel Femandes da Costa.....
Joo Carlos Coelho da Silva
Manoel Ramos de Oliveira.....
Manoel Jos Pereira Marinbo...
Manoel Ferreira Barthe-lo.......
Manoel Francisco Marques.....
Gregorio Paes do Amaral...*....
Joaquim Jos Goncalves Beltro.
Joo da Silva Ferreira..........
Jos Joaquim da Silva..........
Antonio Jos Coimbra Guima-
raes.........................
David Ferreira Bailar..........
Antonio Jos dos Reis..........
oo Ribeiro Lopes............
oaqmm Custodio de Oliveira...
c.'t Gomes de Fmlas.........
ernardino Gomes de Camino.
Antonio Baptista Nogaeira.....
Joao Francisco dos Santos Jnior
Francisco Ribeiro Pinto Guima-
raes.........................
Alfredo Prisco Barboza........
Manoel Soares Pinheiro.......
Joo do Como Alves da Silva...
Joaquim Mooleiro da Cruz.....
Antonio Jos Dantas...........
Salostiano Francisco Martins...
Antonio Pereira de Faria.......
Antonio Laiz Ferreira Lima....
Manoel Jos da Caoha Porto...
Flix Venancio de Cantalice....
Manoel Alves da Silva Caldas.
Joo Francisco Aotanes.......
Custodio Colaco Pereira Jnior.
Jos Goncalves Torres.........
Antonio Jos Panlo de Camino.
Joaquim Ferreira dos Santos
Coimbra Guimaraes.........
Justo Cesar de AI meida Jordo..
Jos dos Santos Oliveira.......
Belarmino do Reg Barros.....
Manoel Ignacio Rodrigues Praea
Joao Jos da Silva...........
Fortunato J. G. B.............
Jos Correa de Mendonea Sobri-
nho.......................
Emiliano Kvangelista de Moraes
Antonio Pedro de Sonza Soares.
Manoel Jos da Costa Pereira...
Joo Pereira Reg.....^......
R.M.S.A. F.................
Custodio Francisco Martins.....
Manoel Albino da Costa Torres.
Jacintho Jos da Costa Torres..
Bernardino Augusto da Costa
Torres.....................
Joaquim Pedro da Costa Torres.
Padre Tiburcio Pereira Gomes.
Manoel Gomes Correa.........
foaquim Ventora da Silva Pinto
Manoel Ventara Telxeira Piole.
Domingos MarqQes de Oliveira.
Antonio Rodrigues Padim.....
Paulo Jos Pereira da Silva....
Francisco de Oliveira Braga...
Joo Pinto de Oliveira..........
Paulino Uas Fernandos.......
Antonio Leite de S Coelho....
Padre Manoel Goncalves Guima-
raes.......................
Jos Adorno Guimaraes.......
Manoel Tavares de Pian*......
Floria n o Al ves da Coala...
Joaquim Antonio Carneiro Sal-
daaha......................
Migoel Albino da Costa Machado
Padre Jos Ventara Ttixeira
Pinto......................
Antonio de Agolar Silva.......
Maaoc* MartinsBastos.........
_
n
3:0004(00
5:000*800
1:2304000
2:500400o
Manoel Jos Gomes de Andrade.
Antonio Leite de Castro Bro-
chado........................
Joaquim Leal de Meirelles......
Antonio Pinto Bandeira.........
Amonio Joaquim Alberto de Al-
melda......................
Joaquim Antones da Caoba Gal-
maraes.......................
Jos Vidal da Rocha............
w Jos de Sonza Velloso..........
2004000 ios Carvalho Pinto Bastos......
1 0004000 Zeferlno Jos da Rocha..........
1:2504000. Nicolao CiofJ...................
i Jos Aotonio Pinheiro Bastos...
1:2504000'Aotooio Joaquim de Carvalho
6.2504000 uL'm?V-:.................
| Manoel Doroingaes Guerra......
1 2504000 i0f da Silva Miranda..........
1 00040001 Bernardioo Alves Barbosa Saota-
rem........................
5004000 9.Ho Rodo|Pb Steogel...........
i Victorino Jos Daarte Pinza....
1:2504000 Joaquim Antonio Teixeira Ma-
2:5004000 ; D cbado,: ..................
Bernardino Jos de Araojo____
5OO4OOO Joaquim da Costa Carneo.....
1:2504000 s Domingos da Costa Araojo Bar-
2:5004000' r.98;......................
1:2504 00 V011 An,on, a Cosu Pertkra..
3:75040001 Joaquim Ferrrera Coelho da Ro-
7:5004600 CDa. .....................
Bernardo Jos da Paz.........
Aotooio Alves Pelxoto.........
Jos Nuoes Pinto.............
salvador Olivetra Rezende.....
Adriano Joaqolm do Caes Sei-
xas.......................
Fulgeooio Jos da Coste.......
Domingos Mouliobo.......'____
Jos Joaqun) Telxeira da Foose-
ca Bastos.................
Antonio Ribeiro Rosado.......".
Eduardo Pereira Nooes........
Joaquim Jos Ferreira de Freitas
Antonio Marques Ferreira.....
Aotooio Ventara Teixeira Pinto.
Pedro da Coste Nones.........
1:2504000 Joao Jos Rodrigues de S.....
[ Jacintho Jos Martios Correa...
1:2504000 Jos Ferreira da Silva.........
5O04OCO Domingos Jos Ferreira.......
5004000 Joao Femandes da Coste Guima-
1:2504000! raes......................
2:00040
6504000
5:0004000
504000j
6:0004000
1:2504000
6:0004000
2:5004000
1:2504000!
1:5004000
1:254000
3:0004000
4:0004000;
l:29D4*MO
2:on4oro
1:2504000
2504000; Berna ruino Alves Barboza.
Antonio Ferreira de Carvalho..
Carlos Alves Barbosa..........
Joaquim Jos Gomes da Sonza..
Jos Femandes Ferreira.......
Domingos Jos Ferreira da Silva
Manoel da Conha Guimaraes...
Antonio dos Sanies Colno e
'Silva......................
Max Hamborger..............
Francisco Xavier de Oliveira...
Antonio Goncalves de Azevedo..
1:0004060 Fraocisco Jos Lopes..........
5004000 Jos Joaquim deAgoiar........
7:5004000 Joaquim r'rnnsco do Rpgn____
Jote Alves Barboza Jnior.....
1:2504000 Jos Manoel Baptista..........
Jos Gullherme Guimaraes....
Nobeno Correa da Cosa Bara-
Chuy....................
2:2504000
I-.OOO4OOO
1-.OO04OOO
1:2504000,
6:0004000
1:5004000
1:0004000
50040OO
1:2504000
5:0WfM0
3:MN)pM9
3:0004 00
1 1304000
<:00t4*e
1:2504000
2:5004000
6:5004000
10:0004000
10:0004000
8:7504000'
1:0004000
2:0004000
1:2504000
1:2504000;
2:0004000
2:o'0i'5u(i0
5:0004000
3:75040001
3:7504000
4:0004(100
3:2504000:
1:2504000
1:2504000'
1:2504000
2:5004000
3:75040 JO
4:0004000!
2:5004000
2:5004000,
8:0004000 i
2:0004000
5:00040001
1:0004000
2:5004000
1:2504000
1:0004000
5004000
1:2504000
1:0004000
7504OOO
1004000
1:2504000
2:5004000
1:0004000
6509000
5:2504000
1:0004000
2:0004000
1:2504000
5004000
2:0004000
2:5004000
1:0004 00
1:2504000
10:0004000
1:2504000
1:2504000
2:5004000
2:0004000
2:5004000
2:5004000
1:2504000
5004000
1:2504000
1:2004000
2:5004000
2:0004000
7504000
5:0004000
5:00e4000
578:3734* OU
N. B.-As quantias subscriptas, cima meitrio-
oadas, sao realzadas oo espaco de 10,13, 29 en
o aooos, mirndose animalmente ceei
pequea prestaco, segundo as posses te
I
1
1
as
Joao da Silva Ramos,
pela universida ie de '.oimbra, d
consaltas em sua casa das
11 boras da manhaa, e das 4 as
da tarde. Visita os doentes em
casas regularmente as boras para
isso designadas, salvo os casos ur-
gentes, que serao soccorridos em
qualquer occasiao. D consultas aos
pobres que o procuraren, do hos-
pital Pedro II, aonde encontrado
diariamente das 6 s 8 horas da
manba,
Tem sua casa de sade regular-
mente montada para receber qual-
quer doente, ainda mesmo os alie-
nados, para o que tem commodoe
apropriados e nella pratica qualquer
opperacJo cirorgica.
Para a casa de sade.
Prime ira ca sse. .34000 diarios.
Segunda dita....34500
Terceira dita .24000
Este estabelecimento ja
acreditado pelos bous servicos
tem prestado.
O propneiark) espera que elle
continu a merecer a ronfimti de
(que sempre tem guiado.
ENCAN AMENTOS
Piiicn
Na rna Nova n. 30 fazeoi-se
cnameotos, assim coa* botai
Candida Balbina" da Rocba,
co que a sua aula particular de
primaria de meninas seri abena m
de fevereiro prximo, n rna do
brado n. 89, nao o faiendo anu._
achar este sobrado em nltimacio de
certos.
BriiOM ie crystal #7
Na loja de oorives no aven a
cite, tem os melbores qae ha
Ceblas
Na ra da Madre de Dcm n. i.
M
Est por alogar se o
brado da roa de Agoas-Verdes a.
raa das Crazes.jobrado n. t, i-
Precisa-se i
*:
gomme para doas pessoas : aa raa
23, aegnndo andar.
Precisa-se alagar- on"ex
nnelra : na roa da Isayeratrlt o. t.
3:1004000
1:2504000
1:2504000
3:00.'4000
2:0004000
2:5004000
4:0004000
12:0004u00
5004000
1:2504000
5:0004000
5:0004000
2:5004000
2:0004000
2:5004000
5:0004000
1:0004000
2:5004000
2:0004000
2:0004000 Eagf
1:1504000 com asseio, nromiualo e pnces
2:00040001 AoguiU %\ hja.

ATTE^AO
Na rna do Jasmim n. 24, oaeina se eneira, a
Gailberme Daigei, ha para vendar Seo eeSeWeni
bovo, am de 4 rodas e coa ung
soas, e para ser pechado per asi o
de duas rodas, ambos (eitos eea led
qnem os pretender dirija se a nseea
achara com quem tratai.______
Precisa-se de ama ama pero enea
lia e doas pessoas : a tratar as rea
n.29.

Js


nwii *.* ***!** JmMf1'* Moik#^i'
4 SAL8A PARR1LHA DE, AYER
PARA A CUBA RADICAL
^Vi
de escrfulas e molestias escrofulosas, tumores, ulceras,, ciagas, feridas ve^
lhas, brochocele, papo ou papelra, a sypbis, enfermidalles venerias ou mer-
wrifis. ;il
AS MOLESTIAS DAS MULHERES
reteoclo; menstro doloroso, ulcerarles do tero, flores brancas, etc., ulcera-
cao, debilidade, expoliacSo dos ossos, a nevralgia e coqvulses epilpticas
quando causadas pela escrfula.
EBYSIPELaS ERPES; ETC.
Eofermidade cutneas, erupco. borbullias. pstulas.
nascldas. etc.
O extracto composto de salsa parrilba, con'ecc'onado pelo Dr. Ayer, urna
combinacSo dos melhores depurativos e alterantes conhecidos \ mediciDa; confeccio-
nado segundo as regras da sciencia, approvado ereceitado pelos primeirosj mdicos dos
Estados-Unidos da America do Sul e Central, das Antilbas, do Mxico e das Indias, e
umitas outras partes do mundo : o resultado de estados apurados e minuciosos,' e de
experiencias feilas pessoalmente pelo Dr. Ayer, por muitos anuos, nos prncipaes hos-
pitaes e enfermaras da America ; tcm sido approvado pelas academias de medicina e
juntas de hygienne das prncipaes capitaes da America do Norte; para protfa disto vede
os attestados authenticos no Almanak e Manual de Saude do Dr. Ayer, os quaes se dis-
tribuem gratuitamente nos lugares onde se vende o remedio.
A SLSA PARILHA DE AYER _
Especialmente efOeaz na cara das molestias que tem sua orlgena
na escrfula, na InfeceSo venrea, no aso j
excesslvo do mercarlo ou qnalqaer Impureza do sangue.
A molestia ou infecclo peculiar, conbecida pelo nome de escrfula, p um dos ma-.
les mais prevalecentes e universaes que ba em toda a extensa lista das enfermidades que
atacam a nossa raca; disse um celebre escriptor da medicina que mais |de urna terca
parte de todos aquellos que morrem antes da velhice sao victimas, ou direcjta ou indirec-
tamente de escrfula; por isso s nao 15o destructiva, porm a principal causa de
mnitas ontras enfermidades que n3o lhe s5o geralmente attribuidas.
E urna causa directa da tsica pulmonar, das molestias do figado,* do estomago
e aUeccoes do cerebro; entre seus numerosos symptomas acbam-se os seguintes: falta
de appetite, o semblante plido e enchado; as vezes de urna alvura transparente e outras
vezes cora lo e amarellento irregul-r, fraqueza e molleza nos msculos aoj redor da boc-
ea ; digestao fraca e appettite, falta de energa; ventre enchado e evacuado irregular;
quando o mal tem -seu assento sobre os pulmes urna cor azulada moslra-se em roda dos
olbos; quando ataca os org5os -digestivos, os olhos tornam-se avermelbados; o hli-
to ftido, a linnia carregada; dores de caneca, tonteiras, etc. as pessoas dedisposi-
c3o escrofulosa apparecem frequentemente erupcoes na pelle da cabeca e outras partes
do corpo ; sao predispostas s affecces dos pulmoes, do figadf, dos nns, dos orgos
digestivos e uterinos. Portanto, nao s3o smente aquelles que padecem das formas tul-
cerosas e tuberculosas da escrfula> que necessitam de prptecc3o contra os seus estragos;!
todos aquellos em cujo sangue existe o virus latente deste lerrivel llagello (e s vezes
hereditario), estao expostos tambem a soffrer das enfermidades que elle causa, que sao: \
A tsica', ulceraces de figado, do estomago e dos ins; erupcoe^ e enfermidades
eruptivas da cutis,, rosa ou erysipela, borbulhas, pustulasl nascidas, tumores, rhouma,
carbnculos, ulceras e cbagas, rheumatismo, dores nos ssos, as costas e na cabeca,
debilidades femininas, flores brancas causadas pela ulcerarao interior, e enfermidades,
uterinas, hydropesia, indigestao, enfraquecimento e debilidjade geral.
Offerecemos a estas pessoas um abrigo seguro e
molestia e suas consequencias na
SALSA PARRILHA DE AYER
que opera directamente sobre o sangue, purificando-o e expulsando delle a corrupeo e o
veneno da molestia; penetra todas as partes e todos os orgls do corpo humano, livran-
do-os da sua acelo viciada e inspirando-lhes novo vigor. lum alterante poderosissimo
para a renovado do sangue, e d ao corpo j enfraquecido pela doenca, torcas e ener-
gas renovadas como as da joventude.
tambem o melhor anty-syphilittco conhecido
cura permanentemente as peiores formas de syphilis e as suas consequencias. Pouca
necessidade ha de informar o publico do inestimavel valor dte um remedio que, como
este, livra o sangue desta corrupeo e arrebata a victima das garras de urna mortc lenta
e ignominiosa, porm inevitavel, se o mal nao logo combatido com energa.
um poderosissimo alterante para a renovaco do sangue e para dar nova tor-
ca ao corpo j enfraquecido pela doenca. \
Send composto de productos vegetaes, este medicamento innocente e ao mes-
mo lempo efficaz. um factn de immensa importancia para 9qnp.iip ane o tornam ; por-
que muitos dos remedios alterantes offerecidos ao publico tem por base o mercurio ou o
arsnico; e sendo assim, bem que s vezes podem enectuar curas, comfudo deixam suas
victimas carregadas de urna Ionga serie de males, muitas vezes [>eior do que o mal ori-
ginal. A nica cousa necessaria para obter urna cura radical & guir com juizo e cons-
atncia as dii eccoes que acompanbam cada frasco.
Nao pretendemos promulgar, nem queremos que se infira que esta composicao a
um remedio infallivel para a cura de todos os padecimentos humanos; infelizmente
escrfula e a syphilis sao enfermidades to sulis as suas -natoruzas, e arreigam-se to
firmemente no systema, que muitas vezes evadem e resisten) aos| remedios mais pode-
rosos que a sciencia humana pode inventar para combato fas: o que dizemos que o
Extracto composto de salsa parrilhai de Ayer
a melhor preparaco al hoje descoberta para estas e outras molestias anlogas, que
urna combinado dos alterantes mais efficaze conhecidos, e que esta combinarlo tem sido
regulada por longas e laboriosas experiencias, e finalmente que temos consciencia de of-
ferecer ao publico o melhor resultado que possivel produzir, da intelligencia e pericia
'edica dos nossos lempos.
Esle remedio deve ser tomado com systema e regula/idade, e nao com abandono,
pois um remedio e nao bebida.
Quando a? molestias do figado nao tem sua origem na escrfula, o remedio
mais proprio as pilulas catharticas de Ayer, que sao efficazes na cura da molestia, que
tem por causa um desarranjo dos orgos digestivos. Pedi a salsa parrilha de Ayer e
nao aceitai outra preparaco.
Pernambuco, ra iNova n. 18, pbarmacia francezade P. Maurer A C.
f Corpra-gironrdP pfav e pitras preelbsa.%
etes garantidos. em obras valh* ; na ra da Caftia do Recite,
SPO R. 23ECAS DOCOSTDME cJa de onrtvef no arco dt Concelfio.
O abaixoassignadovendeu nos seas multo eli-: *- Compra se carosso (sement) de algodo: do
es bilhetes garantidos da lotera que se acabou armazem de algodao de Saunders ilrutbers a C
de exaraair, a beneficio da Santa Casa de Mise-! ao caes de Apollo.
ricordla, os segaintes premios : "I a-...
N. 1361 tres quintos cora a su^_qgO4 ._^2K? e prata.
GIU\DE ESTABELECIHEKTO
00
N. 2452 dous meios cora a sjrt
N. 2856' tres quintos com a surte de 800
N. 1857 dous quintos eom a sorte d* iOOfi
B outras muitas sortes de 100*. *0, e 20*.
Ospossuidores podeea vir recebar sen respec-
tivos premios sem os descontos das leis na Casa
da Fortuna roa de respo n. 23.
Acbam-se a venda os da 1* parte da 1* lotera
(47a.) beneflcio da matriz de Pao d'Alho, que
se extrabir a 10 do corrale.
PRECO.
Bilhetes.....6000 :
Meios. ..... 35000
Quintos.....1*200
Para as pessoas que compraren de 100000
para cia.
Bilhetes. .... 5*600
Meios. ..... tf!5Q
Quintos. 1*100
______________Manobl Martins Fiuza.
Samuel Power Jetoslos & lompanliia
Ruada SenzalaNova n. 4.
AKNCIA BA
FundlcSt deLow Hoor.
Machinas a vapor de 4 e 6 cavallos.
Moendas e meias moendas para engenbo.
Taixas de ferro coado e batido para enge-
nbo,
, ~-""
Arreos de carro para um e dous cavallos.
Re og i os de o uro patente inglez.
Arados americanos.
Machinas para descarocar algodo.
Motores para ditos.
Machinas de costura.
Casa vazia.
Alagase urna pequea casa na roa do Naseente
n. 14 : a tratar com Aievedo &Irmo, na ra do
Queimado.
uro____
lm caras vetbas: 'compra-se na praca da
dependenclo n. t, Toja de bilhetes.
ln
Cojnpn-se urna casa terrea em qual-
quer urna oas roa desta cidade, e que nao
seja em travessa: a tratar na ra de Hortas
casa de fallecido Loureiro.
Cofre.
Coropr-se um cofre em segunda mao : no ar-
raaiem da^bolla amarella no oito da secretaria
da polica.

Ra 4a inpeatrlz. \.
GAMA&SILVi
L0JA E AltMAUM DE FAZENDAS.
Tendo os propriet*rlos dte grande estabeleci-
meniu feiio um grande aliahnieulo em muius de
san fazndas, pela occasi3o do balanco que deram
ne rillimodedezembro de 1805, n'-olverara vender
inuito mais barato do que costuniam alim de cada
vea mais agradaren) aos seus uumerosos fregu
tes ; por tanto Ihes offererem um avulado sorti- jeja do'Pavo na roa da Imperatnt n'tO d
ment de fazeodas frauuezas, nglezas, as quaes, & Silva.
endero
Silezia para saias a 44o rs. a vara na toja
J do ParSo.
' VeOdm-e sileiia ondeada sendo humea bmHb
b<4 proprw ara aia. pelo b.ralo pre?o 4*440
; a fa" i ni 'J* do Pa,io u na lapera-
trb n. 60, de Gana 4 SMva
ii a.aiai> liordada do pava*.
\CBdein-se sala bordadas atado bteaoa mtm
bOa, 'Sendo ricamente bordadas e eom moiu raOa
vendendo-se pelos baratos preces de 6* 8a e Mf
res eada tima na toja do Pavao na ro* da Inena-
triz n. 60 de Gama & Silva. m
Peca de aaial* nrftasada.
Veode-se pecflMicb.x 4* ma u.. ntlt*uo
com 12 Jardas cada peca -rndo ..irm\ rroito sa-
periur pelos liarassimvs prados de 4* e 8* rs. m
Cobre, latSo e chambo.
Compra-se cobre, lato e chumbo : no armazem
da bol a ^araarell a no oitao da secretaria da polica.
Comprase um sscruro aeca ; na~rua do
i Crespo n. 17/ .^lJI/.",
Compra-se urna carroca para cavallo, estn"
do cm bom estado, com os seus competentes ar~
reios : na roa larga do Rosarlo n. 20._________
Compra-se urna cabra bicho, que seja boa e
tenba ba-tante leite, nao se olha a preco : na roa
do Rangel n. 17._________
Na roa da Cadeia do Recite, loja n. 41, com-
pra-se um cabriole! com pouco aso.

VENDAS
Thereza de Siqueira Cavalcanti manda di
zeroma missano dia 8 de fevereiro as 8
e meia horas da mauba na matriz da Boa-
Vista, aniversario do failecimento de sua
presida fllha Thereza de Siqueira Alcefora-
do, pelo repouso eterno de sua alma, pede, a
seas prenles e amigos e aos de sua ti iba o
favor de assistirem a este acto religioso, e
desde ja agradece a aquelle que se dignar
ouvi-la. i
POJaHlMHAS
PARA 1800a
Acabam de sabir luz as folhinhas de
algjbeira e de porta para o anno de 1866, o
mais correctas possivel tanto no calculo das
las e eclipses, como as diversas festas
que a igrejacelebra; vendem-se unicamen-
' te na livraria da praca da Independencia,
160 ris as de porta e 320 ris as de algi-
beira.
Vende-se ama carroca com boi e um novilho
muilo proprio para criar : em Santo Amaro con-
fronte o chafanz, taberna, a tratar com Antonio do
Reg Medeiros.
Vende se a casa terrea da ra Direita n. 73,
e a da ra Imperial n. 16 : tratase na ra larga
do Rosario n. 20.
participa l
que quizerem ser
Santa Cruz
Hanoel Ignacio da Silva Teixeira
antidoto efficaz contra esta aos seas fre'gaezes e aqueiies
j que em sua padaria sita no largo da
n. 1 e oo ra do Rosario do bom pao que cosluma a mandar fazer de lodos
os lmannos bem torrado conforme a vontade de
seu fregupz tem a antiga bolacha furada de 3, 10,
15, 20 6 40 em libra, e aramia, biscoato, latas,
todo fabricado da melhor farinba que possivel e
manda entregar o pao a qaem precisar na redon-
deza do sea estabelecimento.
O
Livro do povo
livro do povo, obra ornada com estampas, con-
reis barato do que em oulra qqalqoer
parte, comprometiendo se a mandar levar qutlquer
faieada em casa dos fregurzes que nao poderem
vir a loja, ou a darem as amostras, deixando flear
o penhor, assim como convidara as pessoas, que
negociara em menor escala que oeste grande esta-
beleeimento encoolraro um grande sortimento
tanto a retalbo come por atacado, vendeodo-se-lbe
apenas pelos precos que compram as casas ngle-
zas, sendo com o dinheiro a' vista.
Pcchlocha a 3* AS MELPOMENES DO PAVAO.
Vendemse bonitos cortes de melpomene para
vestidos de senhoras, sendo dos padroes mais mo-
dernos pelo baralissimo preco de 3*000 cada um.
Ditos de indiana, tendo oito e roela varas, pelo
baralissimo preco de 2*500 rs.
I lito para acabar na leja do Pavo, roa da hn-
peratriz n. 60, de Gama & Silva.
As Ion1 has de Ii lio do Pavo.
Vendem-s3 superiores toaluas de linhos para
: rosto pelo baralUsimo prego de 7*500 a duzia ou
a 640 cada urna.
Gnardanapos de linho adamascado para meza a
2*800 a duzia ou a 240 rs. cada um.
Superior atoalhado de linho com olio palmos de
largura sendo branco e pardo, e vende-se mais ba-
rato do que em oatro parte, na loja do Pavo na roa
da Imperatriz o. 60 de Gama & Silva.
Rico* vestidos a 80000 rs.
pechiacha admiravel.
86 o Pavao receben pelo ultimo vapor franeez
um grande sortimento dos mais ricos cortes de
vestidos transparentes com lindas barras e enfeites
de seda, sendo estes vestidos omito proprios para
baile' e passeios, e vendem-se pelo baralissimo
preco de 8*000 rs. cada om, na loja do Pavo na
roa da Imperatriz n. 60 de Gama & Silva. *
Os corpinhos de seda pretos do Pavao.
Vendem-se os mais ricos corpinhos de seda pre-
tos, ricamente enfeitados, pelo barato prego de 12*
cada um : na loja do Pavo na ra da Imperatriz
n. 60, de Gama & Silva.
Orgaady a 1:200 a vara.
Cbegoa para a loja do Pavao uro brilhante sorti-
mento dos mais ricos orgaodys roatisados, sendo a
fazenda mais fina qoe tero viudo neste genero cora
padroes inteiramenle novos, e vendem-se pelo ba-
ralissimo preco de 1*200 rs. a vara, na loja do
Pavao na ra do Imperatriz n. 60 de Gama & Silva.
As precallnas do pavo a 44.
Vendem-se as mais lindas precalinas nglezas
tenco.
O abaixo assignado faz publico que tendo dado
ao Sr. Elias Cordeiro Coelho Cintra ama letra da
importancia de 1:590* sacada em 12 do corrate
pelo abaixo assignado e aceita pelo Sr. Francisco
Mnoiz Pontes, para lhe fazer o favor de selar, e
sabendo pelo Sr. Francisco de Paula Cavalcanti
Lins. que acaba de chegar nesta estaco que S
Ota Dli.d .IWIUOU.U vllu as v.p.r bbMW.'l. u.t .
Una, e qoe lhe dissera que a letra qae eu lhe ba
via dado para selar, que elle linha entregado a
sen imito o Sr. Andr Cordeiro Cintra, para a
sabmelter a sello, e que tendo dito sea irmo se-
guido para o Paraguay, elle ignorava onde ella es-
lava e qae a suppunha extraviada. A vista do
exposto o abaixo assignado previne para qae nao
se faca transaego algoma com mencionada letra,
e protesta desde ja' contra qualquer negocio que
se faga com a mesma. Ribeiro 30 de Janeiro de
1866.
Jos do Rejo Lima.
tendo a vldadeNosso Senhor Jess Christ, e mu- i proprias para vestidos com largura de chita fran
tos artigos utei?. Este livro das familias reeom ceia Pel baratissimo preco de 440 e 480 rs. o eo
mendadoeapprovadonelos Exms. Srs. D. Luiz, vado, fioississlmas precalas coro os mais modernos
VENDE-SE

Xo armazem de u 4. Ramos e Silva & coro, roa do viga rio
o. 11, constantemente, os segaintes artigos, que
receben por encommeada propria de
\EW-VOIlM.



Legitimt salsa parrilha de Bristol, preparada por Lanman & Kemp.
Verdadeira agua Florida, preparada pelos mesmos.
Gaz em latas de cinco gales, o mais purificado que se pode desejar da acredi-
tada marca F. W. D. & C.
hel gios perfeilos reguladores, com corda de quatro a oito das, dos afamados fa-
bricantes E. N. Welch.
Graixa em latas grandes da bem conhecida marca las. S. Masn (de Philadel-
pbia).
Superior oleo para machinas de costura.
Agulhas para as mesmas. ,
Breu em bar icas grandes e pequeas.


Vende-se tambem:
lORDEAl'K
1/ qoalidatc.
[St. Estephe.
St. i alien.
C. Margaux.
C. Lafitte.
! Medoc.

PORTO
14qHilidad,
Principe Real.
Pedro V.
Mara Pia.
Princeza Isabel.
Vctor Emmanuel.
Duque.
Mal vazia.
Vinho fino do Porto em barris de 5/, 10/ 20/.
Superior vinho do Rneno.
Cera de Lisboa em velas e em grame.
M Companhia fidedade de segaros
martimos e terrestres
ostabelecida no Rio de Janeiro.
AGKNTES SU PERNAMBUCO
Antoiio Lili de Oliveira Aieved k G,
competentemente antorlsados pela dlree-
loria da companhia de segaros Fidelida-
de,tomam segaros de navios, mercado-
rlas e predios no sea escriptorio ra da
Croa n. 1.
Mmmmmmmmmmmmmi
Jos Gomes Villar
com loja na ra do Crespo n. 17,
convida aos seus devedores do ma-
to e desta praca a pagarem seus d-
bitos quano antes, principalmente
os que j dem a mais de seis me-
.ucacao primaria e &e-i
cundara.
Na instituicao de Jeronjrao Pereira Vil-
lar, na roa larga do Rosarlo n. 2S, nao
so se ensinam as materias que coosti-
tuero o corso regular de primeiras letras
como as disciplinas preparatorias para a
facoldade de direito ; cojas antas estarao
abertas no dia 8 do presente Janeiro, a
(rio regidas polos mesmos professores. f
Maques para a Baha, Par* e
Maranbao.
Antonio Jos Rodrigues de Souza na roa
do Crespo n. 15, saca a vista o a a prazo
contra a Babia, Para e MaranhSo,
Anda esta por alugar o sitio em Saoto Ama-
ro, em que morou o Sr. Cambrone.
Os commodos da casa, a sua elegancia, eas pro
porcoes do sitio, que alera de estar bem plantado,
tem boas baixasde capim, offereceas mesmas con
dicoes s pessoas de tratamento, sendo que pelo
aluguel que ora se exige nao caro.
A quem quizer flear com o mesmo sitio, ou a
qualquer outro, cede-se por prego razoavel om ca-
briolet, um bom cavallo, dous bois, om muito bo-
nito'e outro qae se vende barato, ama carrosa de
molas, multo maneira e anda nova, cora arreios
para um cavailo, outra carroca de caixa, muilp
propria para transporte de barricas, saceos de as-
sacar, um sino pequeo, urna bomba de regar jar-
dwn, um bote de ferro e outro de madeira que ca-
rece de reparos: a tratar na ra do Imperador, no
escriptorio da empreza doaceioda cidade, por bal-
so do convento d S. Franciseo.
. O abaixo assignado agradece muito aos Srs.
Castro Redondo, Jos Diniz, Jos Alves e outras
pessoas qae concorreram para o sea transporte ;
assim como aoSr. J mais, e eom especlahdade o sen amigo Ribeiro,
sua familia, a familia da Sra. D. Mana Pessoa de
Mello e a Sra. D. Candial.a, ti seu muito amado
tilho Aprigio, de cujas qualidades jamis me esque-
cerei.
Laorentino Rraz de Oiiveira.
SJatatlaUKBVlaf SM^ %% MLMLyM
m DEPOSITO DE CALCADO g
m FABRICADO .NA CASA DE DETENGO ff
j|| Roa Xova n. 1. jp
Ah se encontraro obras Je di- mt
* versas qualidades, e por preco mui !
R diminutos, a retalbo e em porcoes. f
W S se vende a dinheiro.
mmmmmmm
Precisa-se de ama ama para o servioo interno
de urna casa de pouca familia : a tratar na praca
do Corpo Santo n. 17.
Antonio Moreira Reis, morador na roa da
Calcada n. 49, e inventarame dos bens ddxados
por failecimento de D. Joaona Francisca de Meae-
zes, avisa aos afilhados da dita finada para qae no
praso de tres das comparecam munidos das com-
petentes certidoes de baplismo para receberem es
legados deixados pela nseema finada aos dos nomes
segulntes: Antonio, fllno de Felippe Santiago, Fe-
lieidade, Alba de Lnlx Raposo, e Joaqnim, Blho le
Joanna de tal, e lindo o praso ser recolhldo as
deposito o imperte por 0 annunciante ignorar suas
residencias, ou se anda sero vivos.
A margem do rio, no logar do Montelro, na
tarde de i do correte, fn taram um cavallo de
carro, ruco, pedrez, lem algamas nodoas de ter
solTrido fnridas por causa dos arreios : qaem delle
tiver noticia dirija-se a roa larga do Rosario n. 10,
que sera recompensado.
bispo do Maranho, e D. Manoel, arcebispo da Ba-
bia, acaba de pablicar-se a 4a edlccao desta impor-
tante obra, e vende-se na livraria econmica, ra
do Crespo n. 2. Preco 1 & carlonado.
ROMANCES BARATOS
Vendem-se, na livraria da praca da Inde-
pendencia n. 8, a 400 rs. o volume, os ro-
mances portuguezes seguinies, em brochura:
A voz do sangue, 1 voluntes.
Cor:, mar, 2 ditos.
A ;.;ite de S. Silvestre, 1 dito.
0 filho de Titiano, 1 dito.
Adonis ou o bom negro, 1 dito.
as uu-s amanas, 1 idlo.
O .pacha de Buda, 1 dito.
Trilby, 1 dito.
Ignez de la Sierra, i dito.
Joven Siberiana, 1 dito._______
PARA A QUARESMA
PECHIIS'CHA 4DMIRAVEL.
(irosdenaple preto a 10600
Vende-se superior grosdenaple preto, fazenda
muito encorpada, pele baralissimo preco de 1600
o covado, sendo fazenda qae val muito mais di-
nheiro : na loja e armazem do Pavo na roa da
Imperatriz n. 60, de Gama & Silva.
DOMINO'S PARA O CARNAVAL /?
Na loja do PavO.
Vende-se um bonito sortimento de dminos pro-
prios para o carnaval, sendo de differenles fazen-
das e com os modelos mais modernos, assim como
velbotioas, gangas e outras fazendas proprias para
o mesmo fim : na ra da Imperatriz o. 60, loja do
Pavao de Gama 4 Silva.
MANTAS PARA O PESCOCO
a 1$, s o Pavo.
Vendem-se bonitas mantas para o pescotjo, pelo
barato preco de \} : na loja do. Pavo na ra da
Imperatriz n. 6:, de Gama & Silva.___________
Na ra do Imperador n. 28 tem superiores
bichas bamburgnezas para vender em porco e a
retalbo, e tambem alugam-se ; rap Paulo Cordei-
ro viajado, igual ao de Lisboa, e para goslo de al-
gnes, melhor, por nao lerir, etc.______________
Queij. s do serla .
Vende se superior, queijo do serto : na ra da
Madre de Dos, armazem junto a igreja.
desenos a 500 e 560 rs.
Chitas escuras francezas a 320, 360,
>00 rs.
A,HYVEll!UT#C
IBKM do laaperador-9S.
Deposito de jota* francezas por atacado.
Casa em Pars e Re de Janeiro.
Receben) direcumente por iodos o paquetes.
Precisa-se de offlciaes de charuteiro : na ra
das Cruzes n. 37.
mmmwm mmmmmmm
0 Dr. Sarment Filho I
previne aos seos doeotes e pessoas de sea
conhecimento qae se mudou para a ra
do Imperador o. 19, segundo andar.
Preeisa-se alagar ama escrava coslnhelra
na roa da Imperatriz n. 35, segundo andar.
Compra se um escravo qae seja mogo.sadlo
e sem vicio : na ra larga do Rosario n. 34, botica.
-> Joao Pedro Pmheiro deseja saber noticias de
sen mano Lino Vctor Das Pinheiro, residente nes-
ta praca do Recrfe.
Jos da CwUOMwra, retlra-se para o Rio
de Janeiro.
Luvs de Joiivifl pietas e otras
cores
Ciegaram para a loja de miudezas : na roa do
Queimado n. 16.
Ditas com fiordes proprios para chambres e cu-
bertas a 640 rs.
Ditas ioglezas claras e escoras a 200 e 210 rs.
Na loja e armazem do Pavo na ra da Impera-
triz n. 60 de Gama j Silva.
Corles de cotim para calcas
a i#120 s o Pavo.
Vendem-se superiores curtes de cotim, fazenda
multo eocorpada para caigas e paiitols, tendo pa-
droes escuros e alegres, e vende-se pelo barato
prego de 1^120 rs. o corte de calca ou a 320 rs. o
covado, sendo esta fazenda grande pechincha pelo
preco.
Bnm pardo entrangado a 700 e 800 rs. a vara.
Dito liso muito encorpado a 640 e 700 rs. a vara.
x>.. i...... ._..-_,. j. i#aoo r.., uta r-
cbincha na loja e armazem do Pavo na roa da
Imperatriz n. 60 de Gama & Silva.
Os cortes de cambraia nranco bordados na
loja do Pavo.
Vendem-se os mais ricos cortes de cambraia ri-
camente bordados com barras e babados a 205 ca-
da um : na loja e armazem do Pavo na ra da
Imperatriz n. 60, de Gama & Silva.
Cortes de chita a 20000
% S NO POVO.
Vendem-se cortes de chitas nglezas com dez co-
vados a 2.
Ditos com onze covados a 25200.
Ditos com doze covados a 2$i00.
Ditos de chila franceza com dez covados a
3^200 s na loja e armazem de fazendas do Pavo
na roa da Imoeratrix n. 60 de Cama & Silva.
Os chales pretos de.renda de Pavae a 8^000 rs.
Vendem-se os mais ricos chales preti s de renda
com qoatro ponas, senda muilo grandes pelo ba-
ratissimo prego de 8J.
Ditos de gaepure a 13, 185, 205, 255-
Retondas de dito a 105.
Manteletes de renda, tazenda muito superior a
15*000.
Capas e saulnambarques de grosdenaple- bor-
dados, fazenda inteiramente nova, por pregos mais
baratos que em outra qualquer parte.
Isto na loja armazem do Pavo na ra da Im-
peratriz n. 60 de Gama & Silva.
Para luto vtnde o Pavo.
Setim da China com 6 palmos de largura, fazen-
da prea para loto, propna para vestidos e roupas
para bomens, sendo esta nova fazenda sem lustro e
de muito boa qualidade, ga-rantindu-se nao ficar
russa com o lempo e vende-se pelo barato prego de
25 e 25500 o covado, assim como neste estabeleci-
mento lem um grande sortimento de todas, as fa-
zendas pretas como sejam cassas e chitas pretas,
las tapadas e transparentes, princeza?, aipanas,
sarjas, etc. : na loja e armazem do Pavo na ra
da Imperatriz n. 60, de Gama & Silva.
i.OAfos braaeo* a tftH rea a
duzia.
Vendem se lencos braceos lumia mo4to toa
pelo baralissimo preco de^Ji duzia. Ditos na
barra de rr a 4*000 isto para avahar m loja mo
Pf vao na roa da Imperatriz n. 60 de Gama SO-
GR.NDE PECHINCHA!
Lasithas a 120 rs. ia laja dt l*avo.
Vende-se lsmhas pretas proprias para halo ata-
do boa fazenda a ISO rs. o eovado. Ditas mano
uoas de qoadriohos a 480 e 310 rs., d'fa< enfesla-
das a 400 rs., ditas maihizadas a 320 rs., Otan
transparentes com palma de sedas 400 rs., d.us le-
as e com lpicos a 500 rf., para aeabar aa suya
armazem do Pavo na ra da Imperatriz a. SO. o>
Gama & Silva.
Poupelinas modernissimas a 400 < .TOO rs.
o covado na loja do Pavo.
Vendem se poupennas muilo flus sendo faieada
muilo moderna de qoadriohos e lita ti adiada
pelos baratos trecos de 400 e 300 rs. o ovad* aa
loja do Pa vio na roa da Imperatriz n. 60 de Gama
a Silva.
Btlci-s d viajen, ia laja apata*
Veodeni-so boleas de viagem moito boas, ead
com mala oo sem ella, vendendo-se por na pr.r-
razoavel: na loja e armazem do Pavo, roa da
Imperatriz o. 60, de Gama & Silva.
Hietanha.s de rola a 3000
Vendem se pecas de brelaaba de rolo coa 10
varas cada peca, pelo baratissimo prec/. de "i
na oja e armazem do Pavo, ra da Imperanu i.
60, de Gama & Silva.
_ rlaiellas d > fava.
Vende-se superior fian^lla de qordnnhus, jep>
baratissimo prego de 800 rs. o covaoo, diu toa,
fazbnda moito fina, a 15 o covado : na toja e ar-
mazem do Pava >, roa da Imperatriz n. 60, de La,
ma Silva.
Cortes de pereaila a Hgeom ara
loja do Pava.
Vendem-.e superiores r&rtes de perrada com
casaveque, sendo fazenda muilo moderna, e *ea-
de-se pelo baratissim.) prego de 8# o rrie para
acabar : na loja e armazem do Pavao, roa da im-
peratriz n. 60, de Gama & Silva.
Grosdenaple* pretos do Pavo.
Vendem-se superiores grosdenaplf' prek> (,eHr
baratissimos precos de ljioOO, 14600. i*0(- 2A
o covado, sendo fazenda moiio a. sO para ara-
bar : na loja e ar j azem do Pavo, roa da laoe-
ratriz n. 60, de Gama S Silva.
Bramante de linho do Pavo.
Vende-se superior bramante rte linho pi i!.
palmos de largura, proprios para lecges, ^le
baratissimos pregos de 24 e 44600 a vara. * como panno de linho moito fino peles Larati.-.-naoe
pregos de 640,700 e 800 r?. a vara : na I ja ar-
mazem do Pavo, ra da Imperatriz n. 60. o- *-
ma i Silva.
As cassas da fava.
Vendem-se cassas mutu soperiores cem i.dos
padroes, pelos baratos pregos de 300e >20< o
covado, ditas muito finas a 360 rs. para aeabar .
na loja do Pavo, ra da Imperatriz n. 6o, de Ga-
ma & Silva.
Canbraias lisas de Pava...
Vendem se pegas oe rambraia li> i.-.uito iupe-
ditas muito finas a 55, 64. 74 e 84 : na loja
armazem do Pavo, roa da Imperatriz n. 60, *
Gama & Silva.
PECHINCHA '
a 2000, para calcas, s *#*%.
Vendem se soperiores rrus de n -aseasna
coro mezcla de seda a 24, ditas fon.-.: : fa> a
25800, dias escoras a 248u0, oa a I46UU a
do : na loja e armazem do Pavo, roa da h.peja*
triz d. 60, de Gama L\ Silva.
PUNTEADORES
on roupjs de cambraia bordados proai os
para as senboras veslirem de manlia.
Chegou esta novidade paia a loja do Pava*,
muito lidos e de melho- goslo at hvie, r.r pr*-
gis mnito razoaveis : na loja do ravio, roa da
Imperairiz n. 6U, de Gama & Silva.
Pregos para estoque e tabique.
Vende-se em barricas ou a retalbo : a ra do
Queimado, Azeyedo & Irmo.____________
Vende-se urna armagao para taberna, sita
na rna do Padre Floriano n. 74 : a tratar na ra
do Imperador o. 14.
Vende-se sal grosso :
dre de Dos n. 2.
a tratar na ra da Ma'
n. 60, de
Fumo.
Os bales do Pavo.
Vendem-se superiores baloes de mugolina com
moiu roda a 55., dltes crinollnes com 35 reos a
34500, ditos com 20 e 25 a 34, ditos para meni-
nas, sendo brancos e encarnados au ?4 24500
na loja do Pavo na ra da Impefatnz
Gama & Silva.
Os cuales do uavo a 2oo e 23o rs.
Vendem-se chales de merino estampados a 24
e 24500 cada um
Ditos de merm liso a 34500.
Ditos estampados de crepoa a 64, 75, e 84000.
Ditos pretos bordados com franja de seda a 144-
Na loja e armazem do Pavo na ra da Impera-
triz n. 60 de Gama & Silva. .
Ve>de-se fumo da Raba e da Ierra, de superior
qualdade, em porco e a retalbo : na roa da Sen-
zala[Nova n. 1. '____________________
Te so liras para encrespar babados.
Vendem-se tosouras para encrespar babados Cambraias de forro a i600 e Sjf na loja
de duas, tres, quatro e cinco pernas : na ra do
COIares Royer ou eolarea
daos
pata facilitar a dentigo das criangas e preserva-
las das convu'.ses.
O feliz resultado obtido imroen-as vezes pela
prodigiosa forga magntica do* colares Brrjer, m*
casos de convalsdes, e dentigo das criangas, km
altamente elevado o seu bem merecido prestigio,
e hoje j se pode dizer qne esli ger.imeale eaa-
eeiluados, e eslimados de lonameraveis pa.s ev
familias: de uns porque do uso foses saloures
colares viram salvos do perigo seos charos tlh>-
nhos, e de outros porque colheram daqeeli lar-
proficuo ezemplo para ignalmenie preservar s
seas. Assim, pols, a agola branca, tendo em vis-
tas a olllidade e provea desses prodigiosas -oa-
res anodinos ou Royer, mandn vir o aovo sort-
menlo qae agora receben, e continuar a rece-
ios para que em lempo algum a falta ieiirs p-.-.-s;.
ser funesta aos pas de familia, os quaes 6r>r-
certos de os aobar coostaotemenle na roa do Qae<
mado, loja d'aguia branca n. 8.__________
Gomma de milho branco
americana
Esta preciosa fcula, cujas propriedad.- n <-
cinaes a imprensa europea lano lem exaltad nr-
a enra das molestias do peilo, reeonim bem como alimento sadio e nutritivo para aa t'<-
angas, prestando se a variados preiar ? < nliaari s.
A geral aceiUgo que ella tem obtidr parte o sea maior elogio : vesde se uaieam*e'.
na roa do Imperador n. 57, armazem Allianga.
Vende-se om bilbar moderno, em bom esta-
do, e cem todos os seo perteaees a tratar em
Santo Aato, na ra da Imperatriz a. 14, taberaa
de HanoeJ Antonio Goncalves Lima, ou oa raa es-
trena do Rosario, loja de Mala A Laadeliae.
Queimado, Azevede 4 Irmaos.
Vestaarios carnavalescos
de todo o goslo e phaotazia ; vendem-se ou alu-
gam-se na ma estreita do Rosario n. SI, segundo
andar. Prego mdico, pagameato immediato.
do Pav3o.
Vendem-se pecas de cambraia de forro com no-
ve varas cada peca, pelos baratissimos precos de
14600 e 24: na loja e armazem do Pavo na raa
da Imperatriz o. 60, de Gama & Silva.
Os cortinados do PavSo.
Vendem-se soperiores cortinados adamascados
para camas pelo baratissimo prego de 14 cada par,
ditos muito finos ricamente bordados para camas
ou janellas a 155, 209 e 294 o par : oa loja e ar-
mazem do Pavo na roa da Imperatriz o. 60, de
Para s bailes ascarvdts.
A agaia branca esta vendendo por baratissimos
pregos, para acabar, os objectos segulote?, que ser-1
vem mni bem aos que. tomara parte nos bailes mas- Gama & Silva.
cacados, sendo : Panno prtto a H na loja do PavSe.
Helas de sed 14 o par. Vende-se panno preto. fazenda moito boa, pelo
nreites de dores a 14, 24 e 34 cada um. Dmt0 preCo de 24 o covado, dito moito fino a
Pjtaa lavradas de 320 a 14 a vara. 34500, 44, 54 e 64, assim como casimira preta de
tantos largos com ponas cabidas._____ cordjo a 24 o covado : na loja do Pavo na raa da
Vendem-se llngeas da Rio Grande em calda, Imperatriz a. 60, de Gima & Silva.
moito aovas, a SM) cada ama : no paleo do Car-' Cortes de 13a a Mara Pia na loja do Pavo.
rao, esquina da ra de Hortas, armazem n. 1 Vendem-se os mais ricos cortes de lia a Mara
! Pa, pelos baratissimos precos de 74 e 84, ditos
moito finos a 104, 124, 164 e 204 : na loja do
Gasa i venda.
Vende-se um pequeo sobrado na roa da Paz
dos Afogados, com bom quintal murado e cacim
ba, por preco commodo : a tratar com Loureoco
de Moraes Pmheiro, na roa de Apollo n. 47.
Pavo na rna da Imperatriz n. 60, de Gama &
Silva.
Os espartilhos do PavSo.
Vendem-se ama grande e variado sortimento de
espartilhos dos mais bem feitos qoe tem 'vindo ao
mercado, sendo de todos os lmannos, vendendo-se
por um prego muito razoavel : isto na loja do Pa
. vio na ra da Imperatriz n. 60, de Gama 4 Silva.
na ra da Cadeia do Recifet MaTaivS. Cortes de cambra.acom palmas na leja do
Vendem-se anneis
i rna da Cadeia
Pereira da Caoba & C.
4,5$000.
Pavio
Veadem-se cortes de cambraia branca eom pal-
areliO mas, sendo fazenda multo boa, pelo baralissimo
.-j i on .--,.-. Preoo de 24500 para acabar: na loja e armazem
em saceos grandes a 4#300: nos armazens |j0 fivo M rua da Imperatriz n. 60, de Gama \
de Tasso Irmaos. 'Silva.
niti
Tasso Irmoe
Veadem it sel aruaieu
Auariu i. S5,
Lkor loo Curagao em botija* a sao'
Licores finos sonidos em garrafas eom
rtdro o em liados fraseos.
ViDbosGberes.
Santero es.
Cbambern.
Hermiuge.
Borgonbe.
Champagne.
Museatel.
Reioa.
Boraaauz.
Cognac.
Od Toa.
PAeiel lagBiol.
Vende-se a taberna da roa do Rosario da
Boa-Vista o. 53. bem afregoexada, por seo dn *
querer retirar para fra da prwiaem : qane pr*
tender dirija-se a mesma taberaa, qce a vista se
ara negocio.
no m
Acaba de cnegar impressa para piano na linda
e deseiada nosdrilhi exirahlda da oper^'a *'
d e Ofleobak, pelo director e regaste da unas ira
do tbeatro de Santo Isabel, Colas asa.
A' venda em casa do Sr. Domoal aa rea .Nava,
armazem de musir. Casa eieaapbr 145AC.
lapwier vaga
A ttengdo.
Na ma de S. Jos n. 2 vende-se
do caj a 800 rs. a garrala.


RlarKrte
rer^ ftelra de Fererer* ie 1M6.
N. 11Ra do QueimadoN. 11
A' casa de Augusto Porto chegaram pelo vapor francez ricos cortas do
vestidos de seda de ores dos mais bellos gostw, proprios para bailes
partidas oa casamentes.
Chales de Guipare pretos e brancos.
Bonete de paa- da Italia para senhoras.
Moir branco e preto.
Bonita seda para vestidos,
Casemiras de quadros.
Esteiras da India para salas,
jadapotes francezes a 400 e500rs, a vara,
Las para vestidos de diversas qualidades, e
gostos diffreentes,
Q que tudo se vende pelos mais commodos pregos.
}'
TODOS!
NOVOS GERENTES
DOS
TRES RAWDE8
ARMAZE^S DE MOLAHOOS
DENOMINADOS
PBOGBESSIVO pateo do Carino n. 9
UIUO E COWMERCIO ra do Queimado n* 7.
VERDA)EIRO PRINCIPAL ra do Imperador n. 40
BE
TOARTE CAiWALHO PERIRA C.
fcj
m
CORTES DE SED\
Chegaram pelo paquete inglez riquissimos cortes de moreantique de coies, e seda lavrada pa-
irees inteiramente novos.
Seda de qnadros por 1$000 o covado
5RA DO CRESPO-5
Crecerlo Pee de Amaral dfc C'ompanhla
FAZENDAS
GOSTO

Para vestidos de senhora.
Cortes de seda de er de bom gosto e superior qualidade.
Lindas sedas de quadrinhos.
Bons moireanliques de cores.
Grosdenaples da tedas as cores.
Lindos poil d : chevre raziada assetinada de inleira n ividade.
Lindas duquezas assetinadas azenda inteiramente nova.
Modernos greaadines de seda o qoe tem viodo de mais novo.
Grande variedade de las de cares lisas e de salpicos.
Organdys e cansas de muito booa gosto.
Percalias modernas com grande variedade.
Lindos cortes de la a Clotilde com todos os pertences cada um em seu car-:
to inteiramente novos.
Bons cortes de caa con barra tambera inteiramente novos e'outras muitas1
jfazendas de gosto que seria enfadonho mencionar.
Para hombros de senhow
Grande variedade de chales, bournous, retondes e ajlgerienaes de fil e de<
guipare a 10, 16, 20, 30, 40, 60 at 800.
Modernos soutembarques de seda de superior qualidi.de.
Lindas bertes de seda de cor pretes e de cachemira.
Mera de carabraia branca bardada com muito gosto.
Sautembarques e bournoux de cachimira de cor e outros muitos artigos dej
'bom gosto.
, Para cabega de senhora
} Capnoi>M liopoUau A* pnlhl. flfl BArta A dO^EM d< militO bOI 20St0 3
paratriz.
\ Chapeos de piltaa da Italia grande variedade. *
Lindos gorros e bonets de palha de Italia, Imperatriz, Canotier, Clotilde'
e a Orante, chegados de Parispe'o ultimo vapor.
? Grande variedade de enfeites de (toco e de flores para casamenta,
i Superiores vestidos do blondo, e de moireantique brancos.
I BonsmMreantiques brancas e superiores sedas brancas.
Bons vestidos d< taratana branco bordados.
| Lindas mantas de blonde e boas capellas.
Bordados.
Grande variedade de entremeios bordados transparente e tapados.
i Tiras bordadas transparentes e tapadas, babados bordados, saias bordadas e'
outros muitos artigos.
IiKT* DAS COIjUMMAS
DE alWONIf OORRBU DE VASr.Oi\CELLOS ' RVA DO CRESPO M. 13
Fazem cente ae respeitavel publico, e cora espepialidade aos senhores de en-
genhos, lavraiiores e mais pessoas do ceptro, que para oais facilitar suas compras deli-
beraran! os proprietariee ios tres grandes armazeos, reunir tod#s os seas estabeecl-
mentos era ora s annuncio, pelo qual o preco de ora ser de todos, promette-
mos que nao infringiremos a tabella que abaixo vai publicado, annanciar os gneros
por um preco, e na occasiao 4a wpra-quererem por entro, como sucede constante-1
mente em outras muitas casas, ponera nos nossos estabeleciraentos n5o se dar isto
ainda mesmo com prejuizo nosso, qualquer pessoa poder mandar seus fmulos que
MrSo tambem servidos o*oviessem pessoalmeate fazendo-nos o favor de mandar seos
pedidos em cortas fajxaaai; para evitar qualquer engaos, remetindonos urna conta
pela qual se ver os precos tal qual annunciarmos, o que sen5o arrepender pessoa
alguma que, fizer sua, deshanca em nossos estabeleciraentos; pois poupar mais de
5 por cento ni sua despeza diaria.
CONSULTORIO NEDIG0-C1RUR6IC0
DR. PEteRO ffiATtARTDE LOBO MOSGWO,
MEDICO, PART IRO E OPERADOR.
3 Rua da Gloria, casa do Fundao3
0 >l\ Lebo Mostoso d consultas gratuitas aos pebres todoa e dias das 7 a < t
aoras da anSo, e das 6 e meia s 8 horas da noite, i excepcao dos das i
Pharmacia especial homeopathica
No mesmo consultorio ba sempre o mais appropriado sortimento de
tubos avulsos, assim como tiotu/aa de varias dymnamisacoes a pelos precos
Carteiras de 12 tubos grandes. lajboo
> de 24 tubos grande. 18*000
de 36 tubos grandes. 240000
de 48 todos grandes.. 360Q0
i de 60 tubos grandes. 35|000
Prepara-se qualquer cartejra conforme o pedido que se fizer, e com os n
fue se pedir.
Um tubo avulso ou frasco de tintura de meia onca 10000.
$egdo para cima fie 12 custarao os precos establecido* para as carteira*.
Ha tobo? mais pequeos cada um a 500 ris.

IAVROS.
HlVIElbi
Manteiga ingiezt perfaitaaente flor che-
gada ltimamente a l.ooo rs. a libra, e
em barril ter abatimento.
Manteiga franceza da safra nova a 8oo rs,
a libra e em barril ter abatimento.
BANHA
Banha refinada superior a 64o rs. e em
barril ter abatimento.
(III
Cha mim de primeara e superior qualida-
de a 2,8oo rs.
dem byssen o mellior neste genero a
2,6oo rs., e sendo em porc5o ter abatimen-
to, lamben ha proprio para negocio de 2 a
i,loo rs. a libra.
dem preto superior de l,8oo a 2,5oo rs..
a libra.
IliHtOIltOS
Latas cora superior biscouto ingles de di-
versas marcas a l,2oo rs. a lata.
Rolaehlab.as
Latas com bolachinlns da acreditada fa-
brica do beato Antonio, proprias para dar a
doentes de 2,ooo a 3,ooo rs. a lata.



dem com qoatro libras de bolachioba de
soda a 2,ooo rs. a lata.
Queijos
Queijos flamengos chegados no ultimo
vapor de 2,6oo a 3>oo rs.
CHOCOLATB
Chocolate hespanhol a l.ooo el,2oo rs.
a libra, francez e suisso a l.ooo rs. a libra
e portuguez a 800 rs. a libra, em porc*>
lea auaiuiiGinu.
VINHOS
Superior vinho do Porto das mais acredi-
vinagre
Superior vinagre de Lisboa a 2,ooo rs. a
caada e 280 rs. a garrafa. Tambem ha
mais baixo para 2oo rs. a garrafa e l,4oors.
a caada.
Azeite doce
Superior azeite doee de Lisboa a 64o rs. a
garrafa e a 5,000 rs. a caada,
Massas
Macarrao e talherim a 360 rs. a libra e a
5#ooo rs. a caixa.
Paseas
Superiores passas a 3,ooo o quarto e
12,5oo rs. a cana de arroba bespanbola e a
Upo rs. a libra.
GEtfEBRA
Genebra de laranja verdadeira a Io,3oo a
duzia e l.ooo rs. aofrasco.
Genebra de Hollanda verdadeira a 6,ooo
rs. afiasqueira e a 56o rs. o frasco.
Idom de Hollanda em botijas a 4oo rs. ca-
da uns.
Garrafbes com 24 garrafas de genebra de
Hollanda a 8,oeo rs. o garwfao. Tamben
> ha garrafes com 5 e 14 garrafas de 3,2oo a
' 6,ooo rs. cada um.
VELAS
Velas de sperraacete a 64o rs. a libra,
dem de carnauba de lo a 12,ooo rs a
arroba e de 36o a 44o rs. a libra.
PE1XE
j preparado
de l,ooo a
A melhor obra da/homeoBathia, o Manual de Medicina Homeepathico do Dr. lata
dous grandes volumes com diccionario.......... 201000
Medicina domestica do Dr. Hering.........' lOfOOO
Repertorio do Dr. Mello Moraes............ ajoOO
Diccionario de termos de medicina........... 31000
Os remedios deste estabeleciment sao por demais conbecidos e dispensan per
tanto de serem novamente recommendados as pessoas que quizerem usar da remedios
verdadeiros, enrgicos e duradores: ha tudo do melhor que se pode desejar, globos de
rerdadoiro assucar de leite, notaveis pela sua boa conservafJo, tintura dos mais acre-
tados estabelecimentos europeos, a mais exacta e acurada preparaco, e portaste a Mor
energa e certeza em seus effeitos.
Casa de smde para escravos.
Recebe-se escravos para tratar de qualquer enfermldade ou fazer-se-lhe qualquer
operado, pira o qoe o annunciaute julga-se sufficientemente habilitade.
O Iratqmento o melhor possivel, tanto na parte alimentar, como na medica,
funccionando a casa ha mais de quatro annos, ha muitas pessoas de cjo conceito se ais
pode duvidar, que podem ser consultados por aquelles que deseiarem mandar saos
doentes.
Paga-se 25 por dia dorante 60 dias ed'ahi em diante 15500.
As operaces serSo previamente ajustadas, se nao se qnizerem sujeitar ao
razoaveis que costoma pedir o annnnciante.

ARlfl 1KEM HE FA/IVnt^
DE
CUSTODIO CARV4IHO
27 RUA DO QUEIMADO N. 27
MadaplSo francez muito fino, teodo pooco mofo, cada peca com 27
100000.
L5a de cnres a 300 rs. o covado.
Gambraia franceza a 260 rs. o covado.
Finos organdis a preco de 800 rs a vara.
Lencos brancos para algibeira a 2^00 a duzia.
Fin is perclaras a preco de 400, 440 a 560 rs. o covado.
Ricos cortes de la de barra de 1 O a 300000.
Chales de fil preto e outras muitas fazendas.
Peixe em latas
l,2oo rs. a lata
ALPISTA E PAINQO
Alpista e painco muito novo de 3,8oo a
>ooo rs. a arrvoa b ub o e 101/ rs. a li-
bra.
CHARUTOS
Charutos dos mai9 acreditados fabrican-
tadas marcas, como sejam: Madeira Secca, i teSj como sejam: j0g0 furtado da Serrias,,
Duque do Porto, Velho Secco, Lagrimas do Maooej peixoto da Silva Nelto, Castanho & i
Douro, Maria Pa, D. Lu, Pedro V, Lagn- fi^0 e Branda e de outros muitos, os
l,oeo a garra- q^aes vendemos pelo mdico preco del.6oo, I
2, 2,8oo, 3,5oo, 4,5oo, e 5,ooo rs. a caixa.'
fa e 9,ooo a 12 ooo rs. a duzia.
Vinbo Figueira e Lisboa das melhores
marcas a 4oo e 5oo rsv a garrafa, e a 3,ooo,
3,5oo e 4,ooo rs. a caada.
Superior vinbo chamisso em barril a 64o
rs. agarrafe ea 4,5oo rs. a caada.
Novidades do Vigilante
Licores B-UA DO CRESPO K. 7.
Licores francezes e portngoezes a s^oo e Este estabelecimento apezar de sempre
*,4oo rs. a garrafa ou fraseo. se acbar bem sorlido como todos sabem.
Doces I hoje mais que nunca, nao s pelo que rete-
Doce da casca da goiaba e caixoes pe- be de sua propria conta, mas tambem pelo
i. a A u n* w-v x* w-x- n -..--.- ..u^w rw -^-, *axs ^uu ^i ui/i ia tunta, iiiko tauiUtUi 1'CIU
Superior vinho de Lisboa e figueira em qa^os a 700 rSv e e g0 caixoes para cima que recebe de consignaces; parece sem
RUA DO BMM i, 38.

O proprietario deste estabelecimento desoja chamar a attengao dos senhores pro-
prietarios aos acreJttados mechanismos que continua afornecer; os quass garant&ser,
como sempre, da melhor qualidade possivel:
Machinas de vapor

i
l'orca de 2 '/* cavallos para cima. As menores sao mu proprias para motero sde
dcscarocamentos de a'godo; as maiores para moer canna* ho tambem que peden junta
ou separadamente moer canna e descarocV segundo suas proporcoes, Estee vapores
sao simpssimos na constroccao, e se regem por qualquer pessoa intelligente, a facilida-
de da conduccao sendo especialmente considerada, tanto que nao ha lugar en que nao
se paisana, conduzir, qnr por trra, qur embarcado. Ha cora moeudas jnntas-ou sem
eiias e podem-se applicar a qualquer moenda.j. existente sera outra mudanza do que
substituido das rodas da almanjarra. Ellas tem depsitos d'agua e boeiros de ferro,
. nao precisara para o seu assenlamento de obra alguma, qur de carapina, qur de al-
.cnaria. O tempo para assenla-las nao excede'de ene das aoimis, e em casos de
martes ie animaes ou arrombameatos de a?ude?, etc., garante-se o assenhtnento era
oito dias. Lembra-se aos senhores de eogenho que a venda dos animaes e o servico da
gonte occupada no seu tratamento os hao de recupenr da maior parte da despeza do
vipor deixando-Ihes a vantagem de urna moagiem certa o accelerada; e acabando cora a
despeza da compra continuada de novos ananaes, com' os desgostos do- trabamo que,
se tem com enes. *
iodas d'agaia deferem, inuil maneiras- e- moeedo com qualquer altera
d'agua.
KarHhos eoea cruzetas de: ferro para as mesmas, quando se desege fezer
e resto da roda de adeira, ioriando-se assira a roda ligeira np trab'alno.
Mocadas de canna d todos ositamanhos, desd as mais. paqueis chanja-
das do sert"o. Obra perfeitaerafeitib e acnnhamento. , Rodas de espora e angulares de todos os tamaohose proporfoes.
Paroes ou eoebes para receber o caldo.
Crlros de fornalfce'para asseiitamentOs, frescos pan ti'foguista, fazendo
grande cal jr com pouco combustivel, e durajlouro.
Portas de fornalha de todos ce tamanhos e de diversos systemas.
romos c olemos para a fabrica de farinba e tambera i chapas redondas
para fornos pequeos.
Rombas simples e de reDUcho.
Taimas de- fefro-batido^ fundido e de cobre. t t
Formas de ferro batido galvanisado para purgar assucar, lenes para carregar
ft iseroptos de quebrar-se.
AlamMqacs de ferro de todosi os tamanhos, costando s a terca partfdo
prego dos de cobre, mais regulares na distillacSo e igualmente duraveii^ ,ij
RJxo%e retas de carro com nang s de patate, obra, nvfti segura para
carregafo de peso.
AradeaL eradas, enchados a ca val lo e outros instrumentos- de agri-
.Mil'ura. E tisBlB3nte todo o objecto de que possa precisar um engeeje.
Machinas de destoocar afeodaa
Na fabrica se fazem obras novas encommend i e coacertos, cora a maior preste-
za c solidez. O grande deposito de petas, e objeetbs habilitam-na, moio para este fim.
O proprietario ser sempre mu feliz de poder ter occafio de dar jaformadas.eu
esclarecimentos aos senhores que se servirem de seu presHmo.
D. W. Bowmx^, eogenheiro.
r "
ancoretas de 8 e 9 caadas a 24,ooo rs. a
coreta.
Superior vinho braaco proprio para mis-
sa a 640 rs. a garrafa, tambem ha mais bai-
xo para 4oo, 5oo rs, a garrafa e 3,2oo a
3,500 a caada.
Caixas com urna duzia de garrafas de su-
perior vioho Bordeaos a7,ooo rs. a caixa e
7oo rs. agarrafa.
caito
Caf o Rio de kft e 2,* qualidade de
6,8oo a 8,20o rs. a aFroba, e de 24o a 28o
rs. a libra.
A1IIO
Sabio maca de primeira qualidade de 18o
a 22o rs. a fibra e d 16o a 21o rs. sendo
eracaiao.
Serveja
Superior servea B*ass dos melhores fa-
bricantes, como sejam: Shlers & Bell. T. F.
Ashe a 73oo o 7 jm> rs. a duzia e a 7oo rs.
a garrafa. Taiubera ha da outras mareas
como seja: Victoria eAlong a 5,ooo rs. a du-
xia e a 5oo rs. a garrafa.
I HUlI *---------1 I I---------------------**-~-
m PARAGUAYOS
E' a ordera do dia 1 Acabar con os Par-
guayos a bayoneta,. a nrisj, a revolver;
fulmina-los com os encouracados armados
de esporSes, armstrongs e raalas de^O
120; extermina-los era summa a espada, a
fado e a punhal de que se trata; njas
niogtm se letnkroo aibda' db smargaf^s
Paraguayos cora as armas que Dosnos con-
ceden ; acabar com ellos a tacSo e a punta
piscara o que_ oecessario encouraar esta
parte; d*. nosso coepo com os. formidaveis
roqjpe-ferro, esraaga cobra, arranca tocos,
qebra marmore e outros que se vendem
U-HL'A RIRR1TA4&
Borsegwof Jprdeaui,,-------- Sjrjrjo
,*: patricios......... bjSOpO
% para, seaboraa,. en-
f eitados....... 5*500
com laco e ivella .. 4#W0
Sapatoles. eoconraftados *,....., ^jftfO
Borseguins pa meninas: bom
elast-co................. 3^000
Sapatos detona, sola elstica. 20000
avelludado......... !ttr
de tranca........... 1,8600
> com salte de bistre.. 2^240
Um completo sortimento de caioado da
trra para bomens, nenhoras e meninas;
assim cerno bezerro francez, couro de lus-
tre, marroquins, taizas de todas as quali-
dades, fitas pap sapatsifOf, miito sortidas,
sola e couros <|ije todo asie necessariamen-
te faz oobica o compr.ad.or pea barateza.
.......i
a 64o rs. o caixSo.
Frntas
Frutas em calda e em latas fechadas her-
mticamente, muito bem enfeitadas, conten-
do pera, pecego, ameixa raiaha Claudia, al
perche e outras frutas a oa rs. a lata.
Tambera ba latas grandes para l,2oo rs. a
ata.
AZEITE DE REFINADO
Superior azte francee refinado 8,ooo
rs. a garra'a e a ,ooo rs. a duzia.
MOLHO INGIBZ SAUCE
Molho inglez Sauce em frascos grandes
eom rolhade vidro a l,8oo rs. o frasco em
duzia ter abatimento.
SAG PAWNHA DO MARANdO E
AHARUTA .
Sag farinha do Maranh5o o araruta a
3oo, 4oo, 5oo, e 64o re; a libra.
Tijolo para brapar facas, erva doce, co-
minhos, cravo, caneib, alf-izenaa, pimenta, e
outrosmotosgeneros que dewamoS de men-
cionar por se-tonar enfadonho, aflarntando
nos sinceridSde nospre^os, eoBom acondi-
cionameflto de qualquer genero.
... _____
2? S -^ o w ss > > o se W **i -3 z

-i m
as
i
a H
a
a a, a, q. B p cr
SS 53. a srQ 3 g

a
O toe
40

Q-.

*& S
B 3
ti
9
km
:! i*
o-
al
t
W
w


0)9iir)fiH .
" Vteme-A'tnir carro qatr-.rodas com ar
reos, forte e ent bo estate bartto : na rua do
(Seibos n. 12.
duvida que deve offerecer grandes vanta-
gens para o respeitavel publico tanto em
precos como na escolua dos objectos, e co-
mo acaba de chegar grande remessa pelo
vapor Douro* e o navio Solferino de
diversos objectos de gosto e proprios do
tempo dos quaes se mencioear5o alguns,
por nao ser possivel mencionar todos. O
dono deste estabelecimento espera a pro-
teccSo de todos.
Biqnissimas caixinhas ornadas e com
msica propria para um delicado mimo:
Caixinhas de msica tanto de veio como
de corda.
Ricos porta joias e neoessarios.
Riquissimos est jos a fitio de um bausn
nho ou chapeuzinho.
Ditos em casca de noz e da outros gostos.
Leques de madeperola do sndalo o de
faia e madeira.
Chaposinhos e touquinhas de muito
gosto para crian gas.
Meas e sapatinhos de seda para as mes-
mas.
Meias de seda para senhoras.
Capellas e grinaldas de flores proprias
para casamento.
Enfeites e capellas de muito gosto para
senhora.
Riquissimos porta boquets.
Roquet de flores com urna borrachinha
com cheiro.
Luvas verdadeiras de Jovin.'
Ditas de seda e do Escocia.
Riqoissimas plumas a- guamiles para
enfeitar chapeos.
Contas e tuos de ac branco, que ha
muito se desejava para, eneiles.
Brincos, fivellas 6 crdzes de crystal.
Fivellas e crzes d tartaruga, madripe-
rula e dourados. F
Alfinetes para grvalas.
Rot5es com croas para punhos.
Gravaliuhas mantiuhas de muito gosto,
tanto para Iromesa como para seahora.
Riquissimos.aderegps pretos, assffa cono
cpfnBas 'coma'fints prfeibs;'
Bengallas de canoacefi'eabo de marfim.
'Ditas de, balea "Dorraijha e deoutra
muitas, qualidades, assim como chicotinhos.
Riquissimos pautes do tartaruga do ulti-
mo ^osto; assim eomo de arregaco para
menina, pois neste artigo ba ran completo
sortimento de todas as qualidades,
Diademas para, cabeca de altimo gosto.
Riquissiraatvfltss tavrefe o lizas.
MACHN 1S DE PITERTE
DE TRABALHAR A MAO PARA DESCA-
I RUlAR algooo
FABRICAR* POR
PLANT BROTHEBS & C.
OLDAM.
Estas machi-
nas pode axda-
carocar qual-
quer especie de
algodao sen
estragar o fio,
sendo bastante
duas pessoas
para o traba-
lho; podedes-
carocar una
arroba de al-
godao era ca-
roco m 40
minutos, ou
18 arrobas por dia ou cinco arrobas de al
godao limpo.
Assim como machinas para sereai mm-
das por animaes, que descarjcam 18 arro-
bas de algodao limpo por dia; e motores
para mover urna, duas ou tres dessas ma-
chinas.
Os mesmos tem para vender um beUiari-
mo vapor que pode fazer mover seis destst
machinas mencionadas; pan o que convt-
da-se aos senhores agricultores a virem ver
e examina-lo, no a raazem de algodao, ao
largo da ponte nova n. 47.
Saunder* Brothers 4k C.
Recife praca do Corpo Santo n. II.
Os nicos agentes neste pait.
O castello de Grasyille.
Traiiiis la fraicei par A. J. C a Cm,
Vende-se este bello romance ea qoatr
tomos pelo baratissimo preco de 3#00C
oa praca da Independencia, bvraria as.
6 8.
Yapde-se este ewellent&esu .
o pyetender dinja.-se 40 mesmo a tratar com a pro
prietaria
_, Vender queiio do surti moito, superior,
pe/o barato prego de 300 rs. a libra, o mais barato
do pwreado : no paleo do Terco n. 141. .
Tranpas p re fas com vidrfljib e de"cres.
^ulseiras tanto para senhora como para
meninas.
Ligas de seda e de algodSo.
Suspensorios d^ seda e de ajgodao e mui-
tos outros objectfls que se hit podem an-
nuaeiar por nao so tornar ^aaaoaaSr te
S no Galio Vigilante rua do Crespo n. 7.
Framcisco Jos Geimano
RUA NOVA N. 22,
acaba de receber um lindo e magnifico sor-
timento de oculos, lunetos, binculos, do ul-
timo e mais apurado gosto da Europa e ra-
los de alcance para obserraffjos e para
martimos._________________________
Manual do Cidado
Vende-se o Manual do Cidadao ea um
Goveruo Representativo oo principios de
Direito Publico Constitucional Administra-
tiro e das Gestes, por Silvestre frabeiro
Ferreira, em 3 volumes broxuredos por 30
cada obra : na livraria n. 8 da praca da
ladepeadeyia.________________
Vewle-se supwiorw presuMoi %
*, cheRadoa ao nUion rapor: as roa do T
ww ik y,
RRoupas feitosvde to4asas qaa1
Vende-se mw feila, aeodo calcas
pardo a U, diUs da brim braaco deliaahe
4, calcas de casemira preta a 5,
las de coras, meta casemira, a. 31 3J
de casemira a C4, e 8J, p.
tms a 23, 35500 e 31, ditos .
a 4*S00, dlts da aipaa praU a
casemira da aoras a SJ, 6, 7. 8 _____
paoBo preto a 6*, 7, 8 101, cotkJaa atasas a
600, de casemira a 31 a 4#
WO e 2*200, camisas fraocmn f
palios derore a K e-MfBR E
o de pregas largas a JlSW, 31 a
rtafdaHnparair, lo)a a arara.a. V
------

LSBnslci.
Vene-se nm cabrwtel ragtos d .
qns novo, cara arrews, par UWs a
Moaoatra doe flrs. ThBoaax
nmtm
-
sa


Blarftoele
NOVA LOJA
ENCICLOPDICA
5 Ras da laaperatrlz aravazeni
da parta larga ftt.
Junto a padarla fradceza de
Paredes Porto.
Neste estabelecimento encontrar o respeiuvel
publico nm variado serrlmnto de fazendas france-
xas, inglesas, suissas e allemes, que se venderlo
por proco commodo.
Paredes florte
Vende chales de renda de cores que se vende-
rn a 18 est veidendo por 64, ditos pretos, fa-
zenda nova, 54, 64, 8,5 a 20,5, um sortimeoto com-
pleto de manteletes, capas e soutarobarque9-144 a
M#. Rna da imperatriz n 4), junto a padarla fran-
cesa, armazeo da porta larga.
Paredes Porto
Receben ara completo sor ti ment de iaasinhas a
240, e 280 rs. covados, para acabar, cambraias de
cor a 240 rs. o covado, riscado escossez para rou-
pa de menino, fustae de linho a 420, 400 e 600 rs.
KM da Imperatriz n. 52 junto a padaria franceza,
armazem da porta larga.
Paredes Porto
Recebea para cortinados para eama franceza a
144 a pega cambraia lisa tina a 34 44 at 10* a
anca, cortes de tarlatana de bonitos gostos a 3*fi00
44, cambraia com flor de seda, gostos iateira-
mente novos a 400 e 500 rs. o covado, no armazem
da porta larga n. 52, roa da Imperatriz junto a na-
darla franceza.
Paredes Porto
Receben pelo ultimo paquete nm sortimento de
crnzes com pedras para o pescoco, benitos caxineis
de lia para pesclo de senhora. Rna da Imperatriz
o. 52, armazem da porta larga.
Paredes Porto
Yendo cortes de gorgurSo preto para vestido com
21 otados cada um 354000, grsdenaple preto a
14600,14800 e 24 o covado, lias lizas finas a 400
rs. o covado, lias de qnadrinbo para vestido, entes-
tada, a 320 rs. o covado. Rna da Imperatriz n. 52,
ai-marern da porta larga.
Roapa feila
Rm da Imperatriz n. 62 armazem da porta lar-
ga jan to a padaria franceza, encontrase ueste es-
tabelecimento um completo sortimento de paletos-
saceos e sobrecasacos, de todas as qualidade, cal-
cas, colktes, ceroulas, camisas, grvalas, meias,
chapeos de sol, ditos francezes para cabeca, por
preeos ommodos, roupa para menino e ontras
murtas fazendas por preeos commodos, armazem
da porta larga.
No mesiDo eslabetacimento encontrar o respei-
savel publico, sc-ropre um completo sortimento de
ronpas fetas de todas as qualidades, como sejam
paletos de alpaca preta ede edr, ditos sobrecasa-
cos a 44 e 54, ditos de br-im pardo a 34800, 34 e
34500, ditos finos a 44, ditos meias cazemira a
34900, 44 e 55, ditos catemira saceos a 64, 74,*4
1*4, ditos sobreeasaees 10 e 124, ditos de *an-
00 seceos a 4, 84 e W4, ditos sobrecasacos a 424
e 254, ditos de merino preto a 64, 74 e 104, cal-
Sas de brHn de diversas cualidades a 14806 a 44,
i tos brseos a 24500 e 6400, tirios cazemira 54,
64 e 74, ditos pretos a 54, 64, 84 e 104, ditos
metas oazemiras a '34 e 44, oletes de diversas
qualidades, seroulas francezasde algodao, ditas de
1 rabo, ditas de bramante a 24 e 24500, carnizas de
algodio de linho Trancezas de 24500 e 3$. Gran-
de pechincha neste genero, gravatas de todas as
qualidades e brancas para casamento, grande sor-
timento de meias para senioras, ditas para homens
a 34, superiores a 34500 e '44-
um completo sortimento de chapees de sol de
alpaca a 34, ditos, de seda a 54, 74, 104 e 444,
ditos francezes para cab-;a, grande" sortimento
a "64.
Pechiocba admiravel.
Grande sortimento de chambres a 34600 e 5,
lencas de etmbraia para homem a "24 a dozla, di-
tos de linhe a 44 e 54.
Grande-sor ti ment de roupa para meninos e ou-
tras mnites qualidades qae seria-enfadonbo men-
ciona-las.
Paredes Porto
RecetWB pelo ultimo paquete 'ranrez ricas lias
granadinas com flores de seda 400 e 500 ts.
covado, estao acabaodo-se, cambraia preta para
luto. Porta larga jento a padaria franceza, a raa
da Imperatriz t. 5?.
Paredes Porto
Reeefeeu pelo ultimo paquete espanilhos a pre-
guicosa por 3#, 6*s Bons, leaeos de seda pirra se-
nhora e bomem a 19, ricos cortes de cambraia
bordados d 18g a 7, por ter nm toque de molo,
estao se acabando, na rna da taperafriz n. o2, jun
to a padarla franceza.
Paredes Porto
Vende nm completo ortitoento de fazendas
brancas, como sejam madar.oio a 44500, 5, 64 e
10J?, pecas de algodao por barato prego, chita fran-
ceza a 240, 280. 320, 360 rs. o covado, precalias
multo finas a 360, 400 rs. o covado, chita iagleta
a 200 e 240 rs. o covado. Ra da Imperatriz n.
52, junto a padaria franceza.
Fazendas.
Vende-se superior merino preto proprio pera oa-
pasdo senhora e vestidos a 24, lustrina da Ohina
a 14000 o covado. Raa da Imperatriz, porta larga.
Paredes Ponto.
Vende em seu estabelecimento tirase entrometas
bordados, grande sortimento de corplnbos rica-
mente bordados a 34, 44 e 54- S o Paredes Por-
to,- da Imperatriz ro 52; poTta larga jeato a
padaria franceza.
FABRICA A VAPOR
99 RA DO MONDEGO 99
Deposito na roa Nova n. 5 loja de relojoelro.
Delouche dorios deste estabelecimento partecipa ao respeitavel publico que sua fa-
brica est montada com as melhores machinas que existem na Europa, e qne pode
fabricarcom melhor perfeigo possivel. Todo o chocolate desta fabrica est garantido, e
puro, o qae nao se pode encontrar naquee que vem de fura, e qae se vende por prego
baiio, visto os- productos serem do paiz. Na etiqueta tem sempre urna aguia.

PRECO.
Meia libra. ........ 400
Urna libra......... 800
Urna arroba...... 49000
Na mesma fab tea acaba de se montar urna oficina com serrara a vapor para
obras dejuarcineiria propria para edificio, para o que encarreg -se de fazer portas, ja-
dellas, assoalhos (parqu francez como se asa na Europa,) e armacoes, ludo com brevi-
nade e'perfeicao. Toma-se qualquer eooommeoda para fra da oidade, entregando-se
prompta a collar-se no lagar.
DOS IlfflS

DE
COELHO Rna 4a Crin n. 1*.
Continua a ha ver diariamente nm sortimento de pastis, podins, bolos inglezes,
empadas etc., te Os donos deste ostabelecimeote, aoham-se as melhores condices
de poder satisfazer encommendas COneernentes soa arte, em coesequencia do socio
Freitas ter sido administrador cbelte de algumas das princ,aes fabricas na corte, sendo
ama a do Sr. Joao Gncalves OnimarSes (coneitaria de Le5o) antiga asa de Carceller.
Todos os trabalhos sao differentes dos que se fezem em casas particulares.
Os proprietarios dtste stabelecimeoto n^o se tem poupado a despezas, nem se
pouparSo, e honver coircotTencia como esperam; tendo coBtwuadamente bom sorti-
rrjetto t doces para b; presantos e ditos em fiambre, tambero se recebem para se-
rem pisparados; assim como doce de caj novo superior, secce e crystallsado, dito em
calda em latas hermeticsrmerrte fecharlas, podendo durar annos em perfeito estado.
Para jamares e partidas recebem-se encommendas dos sepuintes objeelos; ban-
deijas ricamente eofeitadas em armacao pecas de amendoas (nogaces), ditas de tmaras
de ovos, pSes delenfeiudos eom dritkos anlogos a qaakjuer fim; ditos montadps,
kechs simples e Bfeitados com fructas ingleza; gatheaux de la reine, ditos de le d-
chese, tenas de fixicta, massa folhada; ditas de peixe e carne; remes e doces 4e ovos
de differentes especies.
armazem de tazendas
baratas de Satntos Coelho
Una do Quelouulo u IW.
.....Veode-se o ne#oiote :
Cobertas de chita tea a 1*000.
Ditas de dita a.14400.
Lencoes de panno de linho a 84*00.
Ditos de dito de llano a 14.
Ditos de bramante de JifibD de ffl sS panno
34M0. *^*
Panno de llano Uno com 9 Ifl palmes de largo
ra pelo barato preco de 24400 a vara
Bramante de linho fino com 10 palmos de lar-
gura a 24500 a vara.
Pecas de cambraia com salpicos brancos e de
cores com 8 1|2 varas a 44500.
Pecas de cambraia adamascada propria para
cortinado de eama com SO varas a 114.
Balees da arcos a 245G0,34, 34500 e 44.
Lencos de cambraia fina a 2jf600 a duzta.
Ditos de dita a 24 a duxia.
Atboalhado de linho fino a 24800 a vara,
Dito de algodio a 24.a vara.
Algodio enfestado eom 7 Ifl palmos de largura
a 14200 a vara.
Pecas de bretanha de rolo eom 10 varas propria
para sa,a a 34600.
Fil de linho Uso fino a 800 rs. a vara.
Dito de dito cora salpicos a 14 a vara.
Cambraia de linbo fina a 44500, 64500 e 94 a
vara.
Cortes de laazinha de lindos gostos com 15 ce-
vados a 54.
Pegas de madapolao finissimo pelo baraUssimo
prego de 84. 94,104 e 114
PlanUa branca Una a 600 rs. o cavado.
Dita Oe cores Boa a 800 rs. o covado.
Baldes de musselina para menina a 34, 34600
Cambraia de forro a 34 a peca.
Dita fina a 44500,64 e 79 a peca.
Gnardanapos de linho a 34000 a duzia.
Toalhas de algodao felpadas dalia a 124.
Esteira da India propria para forro de sala de
4,5 e 6 palmos de largura per menos preco do
que em ontfa qualquer parte.
Neste amana tamben m eneontra nm grande
sortimenlo de roupa (ta e por medida.
Capachos inglezes.
Vndela-sena ra da.Queiaudo ioja da aguia
branca n. 8.
Baleias para vestidos.
Vendem-se na loja da aguia branca| rna do
Quefmado n. 8.
Opiata inflen o fratieen.
Veodem-se na roa do Qoeinado loja da agola
branca n. 8.
Papel mata mosca.
Na rna do Qneimado n. 8 loja da aguia branca
continua a vender-se papel para matar mosca e
casta 40 rs. cada Toftia.
Bonitas ceotinbas para meninas.
Vendem-se b* raa do Quemado loja da aguia
branca n. 8.
Agulhas para machinas.
Vendem-se na loja da aguia branca a rna do
Qneimado n. 8.
Pastilhas fumantes e cheirosas.
VeaOem-se na teja da agola trraw n. 8, a rna
do Quelmado, torio lias ea caixta+as de pape-
lao e de poreelaaa.
Bollas de ail fino para engeremados.
Vendem-se na ra do Qneimado ioja da aguia
tranca *. 0.
Bonitas caixit has
com perfamsrias e rras com necessirtcs para
costura, aendeostas com fauska e sem ella : ven-
dem-se na laja da aguia branca raa do Queimado
D..
Colla branca para vidros e madeifS.
AGUA BRANCA
Ra do Uueimado o. 8.
A loja da aguia branca acaba de recebar nm
novo e grande sortimenlo de differentes objectos
de gosto e nltima moda, nodo :
Bonitos enfeites para sennoraa gostos mteira-
mente novos.
Ditos ditos de grade com contas grandes.
Lindas Dvelas grandes para cintos com moldes
agradareis e diversas qualidades, madreperota,
taalaraga, ac a donradas.
Boas e bonitas titas acbamalotadas para ditas.
Dites de dita de grosdenaples lisas e lavradas
com novos e agradaveis desenhos.
Trancas prelas de seda com vidrllhos moldes
novos e de gosto.
Bcqs brancos e pretos de seda com vidrllhos e
de differentes larguras e benitos desenhos.
CascirriHiN de se da coro diversas cores e lar-
guras, formas integramente novas a imilacao de
pafo, babadinbo ontra com nma translnba no
centro o qne Ibes da multa graca.
Ontras eetrei-as e largas guarnecidas de bico
de seda obra de muito gosto.
awas de camnraia de cores.
BotSes de seda, velludo e ac para enfeites de
vestidos.
Trancas de seda estrellas e largas brancas e de
coree para enfeites de vestidos.
Flores finas
CAPELLAS PARA MENINAS E NOIVaS.
A agnia branca a ra do Queimado a. 8, rece-
ben para vender :
Delicadas capellas brancas para noivas.
Ditas ditas para meninas.
Ditas ditas de caixos de flor de laraaja.
Ditas ditas de rosas camelias e ontras.
Ditas ditas ou ramos de trigo.
Diversos ramos de flores finas para peito de
vestidos, enfeites de chapeos etc., etc.
Preparos para flores.
Na rna do Qneimado n. 8, loja da agnia bran-
ca vende-se :
Papel de cores para rosas.
Dito verde para folhas.
Dito dito e pardo para cobrir os talos das ditas.
Mnsgo em rama.
Folhas para rosas.
Agulhase linhas para croehet.
Vendem-se na roa do Qneimado n. 8 loja da
aguia branca, assim cerno agulhas para tranaihar-
se em lia.
Papel de sobrecellente para os
phosphorus hygienkos ou de
seguranca
Vestidos
-fgaMl.
Chegoo a loja de Paredes Porto um bonito se
tinento a vaatatoa de tartalaia te rom ehnmm
que serve para partidas por ser ana pbantaia t
tetramente de goato pelo barato preco de 44
brancos a 44500, etUo acabndose : ao arm
Tarobem temum comilelo sortimento de vinhos engarrafados, como sejam: VII1ho|^? r0*'a,jrnei,loJ2S coita"aSannh
do Porto trperwF, ftpaeira, Mftdeira, Lisboa, 'Cherez, Boi^eauT, Xb^mpagnenorser-j^^ y^^^^^^s^ ou,^ >,, u para
veja, licores, cbaropea e con
servas. Pa ra-festasr- on i t as caixinias com amendoas, con- tras de madeira, costa 500 rs. cada nm del les, e
feitos* mais eneite's. Hurto s N^es objectos mencionados podem-se perfeitamente ac-
ondicionar tanto para a pro' incia, o para 'fra.
DOMIXdS
para o carnaval
Vendem-se on alugath-se ricos dminos part o
carnaval, sendo de velladilho e da< cores mais tb
das ue pcssivel, e tambero de outras qualidades
que qu'-ni desojar sahir estes das dirjase a raa
da Imperatrii n. 56, loja e armazem da Arara, qae
achara ara grande sortimento de gosto.
Faiendas pretas para a quaresma, grsde-
naple preto a 10660.
Vende-se grsdenaple preto muito bom a 14008,
14800,24, 25600 e 34 o covado, moreantique pre-
to muito bom a 34 o eoVado, merino preto fino a
34 o covado, bombazina para Vestidos de senhora
a 14400 e 14600 o covado, alpaca preta fina a 500,
600, 700 e 800 rs. o covado: na raa da imperatriz
b. 56, loja da Arara.
Pauao preto boo a 24 O covado.
Vndese panno preto fino para palotots e calcas
a 24, 24500, 34, 45 e 54 o covad >, casemira pre-
ta fina a 04509, 44 e 54 o corte, dita para covado
a-t400J-,4,25500 e 34 : na rna da Imperetrfe,
loja oa Arara a. 50.
Chales de fil de linho a .
Vendem-se lindos chales do tii de linho aa84 e
404, retondas *e fil de linho a 124, fortes de tete-
peratriz. loja e armazem da Arara n. 56.
Meias croas para menino a f# a duzia
Veodem-se meias eruas para menino a 14 a i a-
zia, chales de merm estampados a 24, ditos de
laa a 14280, ditos de algodao a 14, colannhos para
bomem a 5.0 rs. a duzia para acabar : na rna da
.Imperatriz n. 56. loja da Arara.
Cortes de ganga e de briu a 15300.
Vendem-se cortes de caiga para homem. de gal-
ga brtm de cores a 14000 e 14800; cortes de
meia casemira de cor a 24800 e 3, corte de ca-
semira preta para caiga a 34500, 44 e 54 : O
raa da Imperatriz n. 56,
Guitas baratas a 220 o covado.
Vendem-se chitas de cores finas a 220 e' SDto
eovado, ditas francozas finas a 280. 320, 3Oe 100

25
Este estabelecimento
pressamente fabricados para
pa, por isso o prqprietario
lidades dos re^feridos panos
Contknra-se sempre
inetrumentos. Afinam^se o
na Europa.
DE
RA NOVA N. 25
Papel pao;oete branco pautado.
Ventfe-se na rnado'Quefmado n.O.'loja da 'aguia
eranca.
Artificiaes.
Ramos de trigo com diversas cores cj'j i proprios
, para enfeites de gorros e chapeos de snboras e
-om etoero e.promptid5o fazer-se qoalquer rqparo nos iwes \ meninas, acnam-se agenda na roa do Quemado
pianos debaixo-do melhor systhema nHimamente adoptado loja da aguia branca n. 8.
acaba de receber ro rico sortimpnto de pianos fortes ex-
0'clima deste ,pa)z, dos mais afamados fabricantes da Euro-
convida ao reepertavel publico para "rirera apreciar qua-
Fazeodas, phaaasia para vestidos chegados de Parispelo ultimo vapor. ,
Liados robes de organdys cesarianas fazenda transparente de intelro gosto.
Ditos de percalia campestre padroes muito ricos.
Riqissimas grinadines de seda o qne tem vindo de melhor gosto neste mercado.
Liados cortes de sattan pekl'n para vestido.fazenda inteiramente nova.
Ditos de paze sedar em peca fazenda transparente e de gosto muito modernos.
Lindos chales de grenadim broch, primeira vez aqu apparecidos.
Ricos bournus de crep guarnecidas de traora moito proprfoe para passeios.
Rlcuissimas fivelas para sihto, de metal, de mstal com ago-e cora pedras -finas, o
qae ha de mais novo.
Eoutras muitasfoiendas de inteiro gosto.

jLoJa -das col
Sua do Cresp n. 13.
s de Antonio Crrela de Tascouce&Jos
4k CompanUa.
A vista do grande tamanho das calxinhas dos
paopberos bygienicos oa de segoranca, tornava-se
pones o papel que vem em ditas eaixinbas, e para
remediar essa falta a agnia branca mandn vir e
acaba de receber esse especial papel, c qaal se
dar de sohrecel lente a qnem comprar de taes
phosphoros e se vender indistinctamente a qoem
delle precisar. O freg de cada caixlnba de pbos-
phoro rontinna a ser 160 rs., e vendem-se na rna
do Qneimado b. 8, loja da aguia branca.
Seda froucha para bordar.
Vende-se hr ra do Queimade loja da agola
branca n. 8.
Obras de crystal.
Brincos de diversos moldes.
Ootros tambem de crystal de cores.
Oatros de aljofares brancos e entras cores.
Adereces de crystal obra de gosto.
Rosetas de dito e crnzes.
&^V2MMi&Ti* rcrV pm
punbos. '
Voltas de dito e ontras qualidades.
leques de diversas qualidades
Vendem-se na rna do Qneimado n. 8, loja da
agnia branca.
Aspas fortes para baldo
Vendem-se na rna do Qneimado ioja da aguia
branca n. 8.
Cromacome para Ungir ca
bellos.
A aguia branca arisa ans constantes fregoezes IJ03
dessa excedente tinjpra, qae ella acaba de rece-iMK
por essa cemmodidade de prego convm compra
"tos para star prevenido.
Papel greve pactado com 33 Sobas.
A agnia branea acaba de receber ovo sorti-
. mente de papel greve lif-o e pautado com 33 linhas
' a--im como de peso tambera liso e pautado, dito
1 peqaen ef carxlnna* sene"o liso, paotaSo, heira
I dourada-e sem "b^Ser. Tambem receteen fraude
i sortimeoto de envelop^s, e toOo se vende per pre-
eos commodos : na ra"da Queimado loja da aguia
' -kr- fiffiflva rmessa d'crmacome, SWSS l~
d poru larga roa da Imperatriz a. 52, untc a po-
dara francea.
Cortinados.
Cbegou a loja da Farades Porto om roa**
sortimento de cortinados ricanvnie lerda** a
preco de 254, 354 e 454 : aa rea d Inferan
nt 52, porta larga junto a padarla fraorata.
Ricas romeiras.
Paredes Parto recebea pete ultimo paquete na
sortimento de romeira de gnrpnrr antas e a> ar
a prego commodo : na rea da hatnatrii a. tk.
norte larga junio a padaria traarea.
tirar de pechincha.
Cortas de lia eseoena eoftjuda pora v*m
fazeada de 600 rs., est so vea4ea rs. o covado : na rea da Impcrairiz a. 52, ioja
porta larga.
3$000
Cortes de laa escocesa para veaOJo a 34 r-
te: na roa aa Imperatriz a. SI Ha a ajajBj u
ga, jauto a padaria fraacez*, estao s acaaaadc
Chales de renda
Paredes Porte, aa roa da ampara h a. 51 pm
larga, vende chales da renda da caree cea
no toque de mofo, a 34600 a 44. fazeada a> M
el24000.
120
Para roaiaaa 4c e*crava.
Paredes Porto tem para veadrr ckita aiai e fo-
cado proprio para o Om cima a 120 n. e orna grande peehiDchaEe este' se acaaaado aa.
roa da Imperatriz a. 52 aetta larga team a veda-
ra franceza.
Grande pediincha.
Paredes Porto ceta' veadeode rbrado (rao : i
200 rs. o covado : aa roa da la>eraim a. Z: *:
mazem da porta larga jonto a paoai ia h*wtn.
Para luto.
Lias arelas com ulpcs braoroe a Ma t 3at
rs. o covado : na roa da Imperatriz a. 32 ua;4 a
padaria franceza armazem da aorta larga.
14400
Chapeo* ale aol.
Vendem se chapeos de sol de aaaae a lw
nma grande pechincha s para araUr : aa ra* o
Imperatriz n. 52 armazem da porta larga de Par*
des Porto.
A 1500.
Vendem-se pecas de traeca preta para eadaajea
de vestidos, soottmbarqne, rapas d soabera a
14000 com 10 vara?, nana graaoe avcbiwao: a*
roa da Imperairtt n. 9t jooto a padaria Iraaoara
i
m
t
e sabio trraoco, necessario para lavar os cabellos,
portanto podem diriglr-se a dita loja na rna do
Qoeimado a. 8.
Abridores de luvas.
Vendem-se na rna do Lneimado loja da agola
branca n. 8.
Porl bouqoels
de bonitos moldes, doorados e eabo de madrepero-
la : acham-se a vdpda na ra do Queimado loja
da aguia branca a. 8.
Bonitas touqoiiihas
da om banba de superior qualidade, leooo nestesH".816 de llamo, cambraia e setim todas mai bem
alaunscom inscrincitaRanroiiriadas nara nresen- enfeitadas: vendem-se na ra do Queimado a. 8,
aVanba e extra cis finos
A agote branca recebea am e-xceileole sorti-
mento de perfumaras finas, sendo bonitos frascoei
de ceresoln extracto* Unos o de agradaveis chei-T
res ; assim come bellas vasos de .porcelana doura-
alguus com inscrlpcoes apropriadas para presen
le, etc., etc. : qoem se dirigir a ra do Queimado
n. 8, roja da aguia branca, achara a corteza disso,
e boa disposico para vender a dinbeiro por or-
eos commodos.
As PROVBtTOSAS AGuAS
balsmica, dentiGcia e.ombreada, acham-se ven-
da na raa do Quelmado loja d'agnia bronca no
raero-O.


.
estao se acabaado.
Luvas de Jouvin,
A loja do miudezas na ra do Queima-
do d. 46, resebeu-as por este ultimo vapor,
Bordaioo.
Cbegoa a loja de Paredes Porto, ra da Impera-
triz o. 52, am sortimento de camiiinhas, gollinhas,
eorpinfaos, romeiras e sintos, de cambraia branca,
pelo barato prego de 24300, 39500 e 44, gollinhas
500 rs., romeiras a 800 e sintos a 800 rs, grande
rToTOv/d" *mll^mnt^*m quantidade dejntremeios a 600e 800 rs. a peca,
360 e 409 rs. o covado, riscado francez para vefc-
iido i 240 o covado : aa raa da Impeatriz. n. <6.
Laazohas para vestidos a 240 o fvado,
Vendem-se lazinhas para vestidos a'210, 3zO,
3Oe WO rs. ocdvado, dita* finas com-qoftdras
ooaoda a 580 rs., ditas de ama ao cor a 500 rs. o
covado, golmbas para senhora a 240 e 320, man-
guitos a 14j camisinhas a 14600 e 34, fina6 a **:
oa4 rtra da Imperatriz, loja e armazem da Atara
n. 5i. I
Bala8 de arces a 8#
. Voadom-ao baldes de todes oa tamanho o 24,
2#50C, 34, 34500 e 44 : s na laja e araazem da
Arara, coa da Imperatriz n. 56-
Pil de fnho de cores a 160 o covado
Vende-se fi de itabo de cores proprio para
brttHfoedo do carnaval a 160 o covade, tapete de
cores a 500 rs. o covado, velbatinas de cores a 000
rs. ganga enearnada a 320 o eovado, pannlnbo sar-
ffeitm a ISO catado : na roa di Imperatriz ai-
mero56.
DE
Jo VHNES.
M. 8. HIJA 1*0 PER A UOR 55.
Os piandesta amura fabrica slb htfje asss cahecidos para qa seja' necessario insistir 6(*re a
isa superiortdade, vontogens e garantas que otfetecem aos compradores, quadafies estas ncootesta-
Ts que elles tem dednilivameote conquistado sobre todos os que .-tem appareeido aesta praga ; pos-
saiado um teclado e machinismo qae obedecen! todas as vontades e caprichos das pianistas, em
aanca falhar, pe* seren fatoricadOs de proposito, O ter-se feito nltimameote melhoramerjtos IropoTtao-
ssicnos para o lima deste peiz ; quaote s voces, ao rttelodiosas e flautadas, e por isse mnilo agrada-
reis aos odvtdoBdos apreendore*.
Fazem-se conforme as eecommendas, tanto tiesta fabrica como oa do Sr. Blondel, de Pars, socio
correspondente de J. Vignes, m cuja eapital foraa sempre premiados em todas as exposicSes.
Ne mesmo estabelecimento se a'char sempre ten explettdido e variado sortimento de msicas dos
melhoras autores da Baropa, Itseirb wmo harmnicos e pianos harmnicos,'endo tudo vendido por
preeos commodos e razeavels.
^_35E S r ssse t
"* plBfa*Olaa* Parede Porto vende cambraias Haas fiaae^.igran-
No ra da Imperatriz o. 02 perla larga de Pare- de sortmeBio, a 3} at 64, ditas Victoria muito
des Porto, veode-se ebalea do mermi estampados a ffnas, com 10 varas a 64, 64500 e 74 : na roa da
24 e 2#500 e fiaos 54, esiao_se acabando. Imperatriz n. 52, junto a padaria fattCela.
Lata e barrlaatlmhoa aoni raxa
econmico.
Vendom-se por preces razoaveis : na ra do
Queimado loja de miudezas n. 16.
Agua de Hcilde rjara fazer os ca-
bellos pretos.
Na loja de miodezas ra do Queimado o. 16,
vendem-se caixinhas com esta excelleate pnepara-
^aoAgua de Huildepara ;fazer os cabellos pre-
tos, quem delta precisar pode dirigif-se a dita loja:
.Oa ra do Queimado 0.16.
I'asiilhas odorficas para perfumar ta-
las, gabinetes, etc.. ele.
>'a loja de miudezas a ra do Queimado a. 46,
vandem se caixlhtias com essas odorficas pastfThas
fumantes.
Papel de ffcso e al maco, lito e paulado.
A loja de miadezas a rna* do Quelmado n. 16,
acha-se bem prvida de papel de diversas quali-
dade*, sendo alraaco greve liso e pautado, com 33
linhas,, dito de peso tambem liso e pautado, dito
pequeo em caixiohas igualmente liso e pactado,
com beira douroda e sem o ser, assim como eove-
lops grandes e pequeos, os pretenderles dirijam-
se a dita loja na roa do Queimado n. 16, que serio
bem servidos.
Mesmo depois da fes'la gssta-se pe fu-
maria fina
.0:
A antiga teja de miudezas a roa do Queimado n.
Bren em barricas pequeas.
Cera em vela* de todoe os tamaohos.
! Bogias.
Mercurio.
Na ra do vigafto n.', prime'ro andar.
Chegnem aos corpiuhog 4e cambraia
Vendem-se corpiohos de cambraia eom entre-
ffleios a 44 e 54, estio se acabando : na leja de
Paredes Perno, roa da imderatriz a. 52, poria lar-
ga, ju.o a padaria fraoceza.
IW,R^*ra6.
Chegaraffl os bonitos chales e tatoadaede goma-
re bracees, e aendeavso oa roa da Imperatriz n
52, loja da port? larga, de Paridos Porto.
Bolachmha delat
Vende-se bolachlnba deleite por TOmmodo pre-
co : na rna estrena do Rosarlo e. 5, no deposito
de Gaimares Ribeiro & C.
A <* r. a botija
Tinta preta nata esmwver, fe boa ^ptalldade:
vende-so na roa-d
porta larga.
CroiM 0.41 A, teberoa da
_____<
avaviado.
54000
84500
IO4OOO
124000
'Francez barrica
Portlaud ideth
Em perfeito estado:
Francez barrica
Portlaud dem
No: armazem de Tasso Irmios caes' IdjApoHo
A s verdadeiras brides r?
picadeiras de Ipqjuca
Vendem Azevedo o Irmao, a ra do Queimado.
16, acaba de receber um bello sortimento de per-
fumaras finas. Beodo botra fina, em diversos e Be-
toados vacos de porcelana doorados com significa.
uvas insoNacoee o em ellas ; assim como -bonitos
Iraseos de phantasia com cxcellentes .extractos de
fieos e escolbidos cheiros, e bem como bprior
agua da CoIodw era garrafas e frescos de diverso
tamaohos, dita dentifrees, balsmica e de flor de
laranja, cosmtiqaes Anos e baahas em fraseos de
differentes moldes. Vende se todo 'por presos edm-
modos a viste da superieridade das qoalidades :
aa ra do Queimado, loja do miudezas a. 16.
Diverros objectos.
Venden -ae aa fofa de nlndezas
arna do dliieinadon. 16.
Bonitos ieqttes de ssudalo e outras qualidades.
Bonitos ciatos .eom fivellas de diversas quaiida-
des e moldes.
Brincos e cruzes d crystal.
Abotoaduras de dito pa'ra toletes.
Booitosport-relogios.
* Delicadas caitas com msica e sem ella, ipara
costara.
AgalMs eflnna'para chrochet,
Retroz superior em carriteis.
Rendas pretas e bicos com vidrilhos.
Fitas de vallado cufn listras de cores para en-
feites de gorros e vestido.
Ditas de grosdeoapotas, lisas etevradas, brancas
e matisadas.
*--------------------------------------------------------........'
toja da agote branca.
Carreteis com retroz.
Na ru 00Queimado a. 8, loja da aguia branea
Milita atten$o.
GIZ.
1
No armazeln da rffa tfo imperador n. 3 tm no
Caes de Pedro H n. 2, tem paro vender-se o ae-
hor gaz existente so mercado.
Guimaraes <& lrmo proprietarios do grande ar-
mazem do fazendas e ronpas feitas na rna da Im-
peratriz n. 72, tendo receido om grande sorti-
mento de fazendas de gosto trazidas por nm dos
octos pelo nltimo vapor, vem portanto fazer sefen-
te aos senbores e sentaras os preeos de ana fazen-
das, os proprios affianoam vender as fazendas por
meaos 20 por cento do que em outra qualquer
pane nao s por ser no fim do anno como tambem
por sor a festa lempo este que as Exmas. senhoras
devem manir se do bom e barato, a saber :
Ricos corles de Ida eem barras.
Vende-se um grande sortimento de corles de
las com barras tendo todos os perlences, camisi-
nha com gravatlnha e simo, sendo os mais novse
modernos qae tem viodo ao mercado, Utos le
-phantasla com lindas barras e vendem-se por pro-
cos muito razoaveis.
lias escocesas com listas de seda.
Vende-se nm bonito sort'mento de laasinbas es-
oocesas a 500 e 60 rs, ditas transparentes de lis-
tas de seda a 320 e 360 rs.
PercaJias finas com lindos desenlies.
Vende-se lindas percalias muito finas a 360,
400, SO e 500 rs., chitas de todas as qualidades a
saber de preeos 280, 320, 360, 400, 440, 480 e
00 rs.
Gaasat /raneetis miudmlias.
Vende-se nm grande sortimeoto de eassas-mlb-
dinhas sendo as eores segaras a 280, 360 e 400 s.
Cambraias trancas transparentes.
en8em-?e petas fe cambraias brancas trans-
parentes a 34, *, 4f900, 4, 3J500, 64, 4800 e
74, ditas tnnito floas cera ama vara de largura a
94 e 104.
Chales de merino finos. ,
Vendem-se chales de merino fines sendo cotn
estarBTts.fteoltas e modernas peld 'barato preco te
74, 75G0 e 84, ditos lisos com lindas carea a
44, 44500 e 54, ditos estampados a 24 e 34600.
Crinolinas au baldea.
Veode-se am grande sortimento de crinolinas a
24500, 84- *400 e 40.
larlateaas as a 41 atara.
Vende-se tartalana de cores pelo barat prefo
de 640o 800 rs, a vara.
Manta* jar IroflMH iftiW.
araed^armazem ae un-
tas medicamentos etc.
loa laaeracar 17.
loo Pedro daa Aerea |
reate) ten a Traala
aceftalaite:
Productos chimico e pharau-
ceuticos os nuis empregados tm
medicina.
Tintas para todo o geaero de pin-
tora e para tinturara.
Productos induslriaes e tintas
para fli res, como boloes de IWree
modelos en geno para iaattar
fructas e ptiars w= ? ^P-
tente desenbo.
Productos cbimicos eiodustnaes
para pholograpbia, to orara, pin-
tura, pyrokcQia etc.
Montado m grande escala e sup-
prido directamente de Paria. Lon-
dres, Hamburgo, Anwrs e Lisbro
pode oerecer productos de plena
) cenanca e satisfazer qoaldaer eo-
^ commenda a grosso trato e a reta-
H lho e por preco commodo.

m
15

s
af
m
m
M
m

? !
Escravos fgidos
fiscravo igido.
No dia 10 do a. p. m-i fagto o eseraeo atl
Jlo Antonio Raymnado, o qoal tem os sigaaea so-
gaintes : muilo Irdino, alto e grosso do rorpo. :or
fula, algnmas marcas de bexigas pela cara, aam
cbato, vent>s e ps bastante grandes ; dito esera-
vo muito conhecido por diversa.- partes eaito
tem estado, corno Passagem di MagJalea*, fibeo-
tio, etc., sobre tudo oesu cidadf, onde rosMaia
prestar servaos a diversas casas., furaeceadv.r
de agua, etc : qnem o preaeVr pode traze-to ao
abaizo assigoado, ra da Imperatriz, oa lvalo ao
capifSo Francisco de Panla Gncalves da Silva, raa
da Saudade, na Boa-Vista, que sera' n roana Lasado.
Fogio no da terca-feira 30 de jia sir
lindo, a preta crioola de nome Marciana.
36 annos, pooco mais ou meaos, arado da e>r la-
la, altara regular, revou vestido de chita escara
quem a apprehender, coadoztadoe a casa do aoai-
xo assigoado, aa roa da Imperatriz a. M, era
gratificado.
Francisco Augusto de Araojo.
No dia 23 do correte Janeiro, pela iran:..ia
esappareceu da Soledade, da rasa o. 6" a<-oo>
mora Jos TeTiefra frasto, um mol'qu-1 triclo de
12 a 13 annos de Idade, por nome Bord-cte. -sea
caloa-anisa chicote pelas costas, o qaal de Loiz Icascie Te>-
zeira do epgeMtto Combe de chna. que o maaJ'-a
a 1S dias ao abaixo aslignado para veader e te-te
no ontretanto no armazem de aseucar a. 9 da tra-
piche da alfandega velba, aoode tem estado desde
a manhaa at a oofte, Indo dormir aa referida -a-
&i da Soledade, d'onde fugio : rogase, prrttaw
a quem delle tiver noticia ou o apprebendtr, de le-
va-lo ao referido armazem de assnrar a.!dn tra-
piche da alfaodaga velba, ra da Alegra a. 0. So-
ledade, rasa cima referida n. 68, oa ao tortor ?,
mesmo, Loiz IgnMo Tefxelra, ao engeafto Combe
de cima, qoe so gfa*t#ar.
- Fugio do engento o i
do Cabo, do dia 45 d j corrale, do
do abaixo assignado o eacravo molato Aav
tonio, com os signaes seguintes : altan t
Vendeih"nawsp7a homem Te mategds-J corpo regular, barbado, deixa todi a bar-
to que tem vmdo no mercado pelo barato preco de'ba, 1c-m a Snissa eStXeita, OlhOS graUdOS,
" e^lWO.TWoisto-fdira'rtia to irfhpratr* lem 0 tfedb grabde do p dlrcito cortado
n. 72, loja de Qaim&raes & lrmo.
Tiras bordadas a 4.
Mariaaaa
pela junta, carapina, suppoe-se que !rr
awarjiadx) praea : ptga-ae orno geoaraaida-
Venfle-se u'rn prnde sortimento de Tiras 'boYda-1 de a quem o trouxer ao Oito eagoabo a
.iLi*iC?~?>m'* p^asi*' nff(*Mi ^'leva-lo ao Sr. Jos Pereira Viauna.
4,200 6 cSs ftits- nm uomem. *** W 8~ l^
Verjoo-se uro (rtftltte yortimento de tamisas rrdn- ------PwM,ft .,- .--.-r
cetas a 14800, t4,*400, ditos de -pello arnlKL T M" *> *>>
o^^mAftSrk^T^ da ,1mXlhSfB&lZ nZfdo em um burro
n. 72, loja de Guimaraes 4 Irmao. -^ ^ ktfttha e ^^ ^ m
itupas relias. guintes : cor bem preta, crioulo, altura
Vende-se um grande sortimento de roupas faltas falta de denles na frente, ja piala ba.-Uate.
assim como sejam : paletots, caigas e colletes lie calca e camisa de algodao, o mala rooaa, raaaao i
paanos e de casemira tanto prett orno do cor f
ra procos muito razoaveis assim cerno tambem
de brins brancos e de cores, seroulas deflnhaa
'
a
de algodao 6 todo isto se vende por preces
moderados: isto na adama hnperdrriz n. 7a\ U
de Goioares 4 hroMo.
"pama pmtado eom tfMa eaearoada.
ande na fregoetia doaaooade 6 I
quem o pretender leve-o ao eateabo Agoe Fra a
' Ipojeca, Oj-Oo eagtbho aoinsa mdm"
senhor Antnio.Bandelra de Mello,
!sar*.

J


1 %
Diarfo de Fernambnc Terca fe Ira a de Fererelro de
4866.



LITTERATRA
Un cravo a eoutar a ana historia.
(Cora pretengQes a folhetiaa )
Foi creado n'um liado e dourado jardim.
Aioda era botao, senta mimosas maosiobas the-
cerem-rae pequeas carapugas d'erva, parame
servirem de abrigo, contra o vento fro do norte.
Quando desabroxava, os zeQros meus amigos vi-
nham cootar-roe os segredos que roubavam as mi-
nbas companheiras. i,
E eu, elevava-me sobre a aste, soberbo como re
de Flora que son.
Urna noite, porm, en sonbava I revia os nieos
amores em sonaos, e dtsia-lbes um eterno adeas I
E' que lia na vida um periodo de infelicidade,
que eslava prestes I
Na manha dessa noite, urna virgem com as rou-
pas anda em desalinbo, e os cabellos soltos, dei-
xaodo advinhar mil gosos nio fruidos, veio com
suas roseas unhas depor-me do mea throno para
me enviar ao sea amante, com quem ella liuna so-
nhadoI
Que de saudades eu tlve pelas michas compa-
nbeiras de infancia I
Come achava frios os beijos que a linda carnera-
da me dava; e como odia va aquella que me tinha
ido arrancar d'enlre os meus amores I
Depois vi que era injasto : vi, qnando me entre-
gou a portadora que me levava ao sea amante,
que as lagrimas Ihe corrlam dos olbos ao imprimir-
me o ultimo beijo I
Tive pena da Hada donzella que em to pouco
tempo me creou amor. A minha perturbadora,
era entao, o mea r, a minha brisa, a minha bor-
boletat
Foi, porm, levar ao seu uamorado os segredos
do corago, de que seas beijos me tiabam feito pu>-
suidor.
Era este um joven digno d'ella, em quaalo ao
pbysico que fui levar-me para ura templo de Veaus>
de que era elle liel devoto.
A miaba cusa fez a deusa muilas perrices as-
seas adoradores; vindo eu a ser propriedade de
um joven, que pela primelra vez tinba ido ao
templo.
Este, levou-me a seu turno para nm templo do
Deus vivo, a onde encontrou urna linda e donairo-
sa morena, cojos olbos, negros lazantes, captivaram
ao raa novo pussaidor.
Fui eu tirado da algibeira do collete, a onde es
tacionava a laia de lacaio, para servir de ntreme
diario nos amores do meo elegante.
A morena vio me; um sea olbar dea a conhecer
que me desejava. Tive entao meas assomos de
orgulbo: se no jardim reinava, dizia en mental-
mente, reino tambera aqu; mas a paluda morte
rocava-me ja' as descarnadas azas pelas ptalas
murebas; faltava-me ar, agoa, espago, liberdade I..
as traocas da linda morena, fui ligeiramante
colocado pelo meu possuidor, que me deixoa sem
a menor demonstracao de amor I lgralo que as
sim me pagava o prestado servico I
na; ao meu cootacto senti-4 estremecer cerno a flor
da palmeira ao ligeiro sopro do vento.
Mais adiaote fui lirado do meio da tranca em
que tinha o raen emprovisado throno, para' ser le-
vado aos labios da minha morena.
Nao tinha sentido anda, de todos os meas pus-
suidures, beijos, to ardentes e nervosos como os
da linda morena.
Cbegaei em casa,e fui collocado dentrod'ma vaso
com agoa, a onde passe o resto da noite.
Pensei entao de voltar de novo ao jardim I Po-
bre de mim, que triste desengao I Ao ootro da
a priraeira vi.-ita que recebi foi a da liada morena,
qne ligelra como a borboleta, me tirn 0 vascTe"'
me leraojn;, ^IZi-^^srJZin beijo que
boo o pouco alent que tinha adeqaer ido
durante a noite.
Sioli que ia raorrer.
A moreoa colocou-me de novo na tranga, e seo-
toa-se a jaaella, a espera que o jovea que a' ella
me tinha dado passasse.
De momelo a momento dava-me um beijo.
Os seas olhos eslavam hmidos, e eu senta que
a pobresinha cborava I
< Nao chores abandonada >.
c.......... Chora o jardim
f Quando murchando o jasmim
< Sobre o sio Ibe penden ?
dizia lbe eu, mas de balde ; ella presenta minha
norte prxima, e nao va quem a preocupa va I...
Era chegada a tarde, e a hora em que a fresca e
fagueira brisa rae ia beijar ao jardim t
Como estaram ebeias de vida e odor as minhas
companheiras I E eu aqui expirar por momen-
tos. Pela brisa vos envi, companheiras queridas
o ultimo adeas I
A miaba morena dea um suspiro, to sentimen-
tal que lbe cabi da iranca I
Apanhou-me e levou-me de novo aos labios ; as
lagrimas vinham cahir de seus olbos, encaodeceo-
tes, sobre as minbas j quasi seccas ptalas; sent
que i a dar o ultimo suspiro que de certo se con-
fundi com um dos seus beijos.
Nao chores, repeti-lhe.
c Choram as Dores no a fan
c Qaaodo a ave da manha
< Estremece, cae, estra ?
Um jovea de olbos pardos assomoa a janella, a
minha morena dea um peqaeno grito e estendea-
lhe os bracos.
Com ehelro de romanee.
POR CAUSA DB UM BEIJO.
I
E os passaros vollavam de tongas viagens, en-
silando novos bymnos ao Creador 1
E o prado, que reverdeca, mostrava na relva e
na flor, um maravilboso especia cu lo I
E o brando zephiro beijando as flores suas aman-
tes, vinba trazer o perfume qne Ibes roubava t
E as copadas arvores desdobrando pouco e pou-
co as verdes folbas, offereciam abrigo coaira os pe-
netrantes raios do sol I
E o sol, recamado de brilbantes, vinba snbindo
o horisonte a fazer as delicias dos jovens mor-
taes a
K eu assentado debaixo de copada arvore, re-
creava-me vendo a rolnba fabricar o ninbo. em
qne devia crear a prole 1
E, es que um impertinente vem tirar-me da mi-
aa contemplado !
Qae fazes aqui, quando a tua virgem de alvat
vestes, nao tarda a vir fazer ama visita a estes lu-
gares ?
Contemplo, sonho e respiro, mea amigo.
Esperas em qae, oa o qae ? Ta pareces-me
siegas.
Qae modos qae ta tens boje. Espero a recom-
pensa de todos os tormentos passados e presen-
ta... se nao fr nesla, na oatra vida...
Na oatra vida pode ser, mas Basta.. tem
paciencia...
Se eu te enterado. Esplic-te, borneo.
Tenho c miabas razoes para o nSo fazer..
E es. teoho-as, para exigir que ta espliques.
E com qae. tom ameacador dizes, Ktisso;
qoerers offereeer-nre o ten-mfrrt*?..NSo 6 mai-
to lsongeiro para o teu amor proprio, a minha ex-
plicaejio, mas se persistes...
Quero Quero I...
urna voz que clamava tupiada I dlsparou a
pistola, e o corpo do sen adversario baqueou em
ierra.
Man pai tinno assassinado sna mii IU...
.............. ......... ...........
Nao me quero mais bater.
A toa historia, ou antes a historia do tea pal
encutio-me novo modo de pensar. Adeas.
E' a historia de uos beijos...
Para dlzer tsso necessano tanta pecaapJSo; \''f^i^i^ri^^TMp^^

eu .'suppunha que me annunciavas a tomada de
Hamyta' ou a descoberta4a arca de No.. i Mas,
coota-me isso pelo miado.
Nao tenho muito que te contar. Um mea col-
lega gostava de beijar a tua virgem d'alvas vestes.
e ella nao desgostava dos beijos.
Ora beijavam-se, porque se amavam. Nao con-
cordas f e amavarn-se porque se beijavam. E' a
nica coosequencia lgica qae me atrevo a tirar.
Compreheodes agora, ou anda*nao 7. ll
Vou comprebendendo. Mas dize-me quem era
feliz mortal?... I
E' malta curiosidade 1... A pessoa hoje o
respeitave pai de duas gerdas crianzas que' sao
extremamente amadas, por Isso qae sao lias o fiel
retrato daquella que foi preferida a toa..
rae arepeticao.
Mas... parece-me ouvir um ruge-ruge de se-
das : v se avistas alguem.
Sao ellas com os seus dols algozes...
Ellas quem ?
Olba... Nao eslendas assim o pescoco ; to-
ma cuidado que o podes quebrar I
Tu estaes sempre a brincar. Sao ellas eflec-
tivamente, e os que vem atraz, o pai e a mSi.
Papel-moeda............
Baoco do Brasil.........
Bilbetes do ihesouro....,
Rs.
28,094:
llfltfh
36,000-
316.019:
poupa-
i
Eito prximas. Tira-te desta pos
esta' am poaco ratonapara nanorado,4-para as
cumprimentares.
Minhas senhoras 1...
Miuhas senhoras 1...
Pizeram-nos nm cumprimento todo
gado,
A ti qne nao a mim I
A ambos...
cao, que
ras-
....................................i;.'
Mas adeus; ao depois do qae me cantas-te,
cabe-me fazer o mea dever.
Qua o teu dever t estaes doudo 1 T
Procurar o mea rival, e metter-lbe ama baila nos
milos, oa elle a mim.
E eu digo-te qae nao esse o tan dever ;
pelo contrario, tens por dever conservar a toa vi
da, e nio prejudiear a dos oatros.
Mas se a minha honra pede...
Olhas que has de ter a gloria d ser o intro-
ductor do daello no Brasil. Queres ta ouvir ama
historia.
S erk> urna vez ; agora nao se tra a de his-
torias e sim de tragedias.
Ouva-me, e se ao depois anda esllveres re-
sol vido a ir bter-te, deixo-te ir.
Pois vamos a historia.
II
< Tinha mea pai dezesele annos. Todo em tor-
no delle era poezia, amor *e esperanca. O futuro
eulreabria-se-lhe rlsonbo e brilbante.
"i>or miA amasia, ba-
via de ser ruui feliz.
virgem de alvat vestes era professor dizia elle,
qae se tinha dedicado ao professorato, para incutir
sas ideas as futuras geracSes.
Urna carruagem com creados fardados, conduzia
ama senhora coherta de joias e anda joven.
O amigo chocarreiro apontou para ella, e disse
ao professoranda sobe I
Logo descera, redargaio este, e quando des-
cer eocontrar ama mo desconheclda e mirrada
a estender-se lhe, e am hornera a perdoar-lhe na
(erra, como Deus lbe hade perdoar no co.
A. I. BORGKS COSTA.
Em Londres e Pars, metropoles flnanceiras, a
carteira e o fundo metallico do baoco de Inglaterra
e do banco de Franca, e o corso dos consolidados
e dos 3 |o qae fazera conhecer a fraqueza ou Gr.
meza no mercado Anaoceiro. Ah o estado do mer-
cado faz se sobre as causas que lutluem no mov-
meato da carteira, sobre o fondo disponivel dos
bancos do estado e sobre o preco dos fundos p-
blicos.
A razio simples. ,
Ha oa Inglaterra e na Franca, como entre oatros
paizes, antigos e poderosamente desenvolvidos pela
exploracao de todos os seus recursos, abundancia
de eapliaes; capitaes proprlos, tanto fiaos como mo-
vis. No meio desta massa, os capitaes estrangei-
ros gyram quasi desapercebidos, e nao podera pelo
seu fluxo e reflaxo causar senio fluctaaedes pou-
co sensiveis.
E' s a deslocagio dos capitaes nacionaes que
influe sobre a situago. Todo o desequilibrio inte-
rior se traduz primeiramente pelas oscillacdes das
reservas metallicas dos bancos; toda a Uactuacio
nessas reservas influe sobre a carteira, e o estado
das reservas e das carteiras pesa por sua vez sobre
a renda.
Se as causas do desequilibrio flzerem emigrar os
capitaes, a pertarbaco se manifestar e achara
correctivo no estado dos cambios que, nesses pai-
zes de circulado monetaria metallica, lera por ex-
tremos limites o valor|gueral do oaro oa da prata,
augmentado oa dimlnnido das despezas de trans-
porte. Entre paizes viiinbGS como os da Europa,
diminutas sao essas despezas, e por coosequencia
poaco extensos os limites do cambio.
Outras sao as condiedas econmicas dos merca-
dos braleiros.
Nos paizes do amigo continente nm iongo estado
de coasas deseovolvea a industria, a ponto de ha-
ver menos recursos qae operarlos e de fazer que
o miseria, exigiodo a economa geral, fosee o gran-
de estmalo para a creaco e acenmulacab dos ca-
pitaes.
>* palies novos como o Brasil, entre oatros, o
desenvolvimento UU3 -riorMjr alada poaco extenso,
Era era nmafesta; mea pai llana ido ver ofogo
de vista ; entre a multido qae se agglomerava em 8a S operanos 1ae na corresponde aosreeor-
roda de um dos paineis, meu pal avistou urna crea-
tura anglica. O azul dos seus olbos, confunda-ge
com a limpidez do firmamento ; olbava para o pai-
nel, e mea pal trio Hroo mals os olhos deila;
quando o painel acabou de arder; os sens olbos
decerara e vieram encontrar-se com os de meu
pai. cm um seguodo disseram quauto seatiam.
Meu pai amoa cora aquella necessidade e deso-
jo ardente_gae ha. de amarjWu4e.;et ann)S j
risra am amor cora azas de cbamma, frentico
como foi o do marqaez de Ganges I
Ella, flor que desabrochava aos raios do sol da
manha da existencia, eotregoa-se a esse amor,
como abelba a flor que lbe fornece nctar para
o seu mel I
Assim paosaram algum tempo, em que a pal-
xo, mais se ateoa ao coracSo dos joven i amantes.
Em um bello da, mea pai pensoa serio no
caso. Ao fiui de aigumas eogilaedes, coohecea
que nao se achava em estado de pedir a mao da
sua amante.
Pensou entao, em alcancar ama decente po-
sicao, para poder offerecer urna casa a sna futura:
esposaLouvavel intento, mas de qae se arropen-
dea depois.
c Neste intuito, escreveu a sua joven, mani-
festndole o seu pensamento; e o desejo em que
eslava de partir, para po-lo em execajio. -
A jovea recebea com sobresalto a carta de
meu pai, na persnaso de qae fosse algama feliz
nova; ao ver porm, o cometido, flcou triste e taci-
turna. Resolvea-se, porm, a adherir a vontade de
meu pal, para torear meos corto o tempo qae a
separava do mundo de illusoes que naqaella idade
nos povoa a existencia.
Parti prometiendo de corresponderse mutua-
mente, e o mais animado possivel.
sos existentes. A vida fcil, a miseria qaasi des
coohecida, a necessidade das economas a' custa
de privacoes mal se sent, e poucos sao os capitaes
accamulados.
No Brasil, pois, o capital, e sobretodo o eapital
disponivel, nao superabunda. Mas ao mesmo tem-
po a extensao dos recursos do piz, es lacros re-
servados a' sua exploracao introduzram capitaes
estrangeiros, que representara urna influencia tan-
to mais forte quantos os capitaes brasileros, por
muito abundantes qne sejam, sao entretanto iosuf-
flcientes para um serio desenvolvimento de snas
riquezas.
Encontrara-se por este modo em frente am do
outro dous elementos: o capital nacional e o capi-
tal estrangeiro.
O capital nacional de algam modo um capital
servo, preso a' gleba, qne teode a Irbertar-se, e
que se libertara, flquemos certos; por outra, a
riqueza Uxa do industrial, a oficina oa o raoioho
oa a machina inactiva.
O capital estrangeiro o elemento destinado a
libertar o servo; a correte de agua qae move
as pas do raoioho, o vapor ou a crrela sem cojo
auxilio a machina nao pode funecionar nem pro-
dotir.
Desses dous capitaes em jogo no imperio, o pri"
meiro representa o lando flxo e o secundo o fando
movel.
O capital nacional immeoso, incalculavel. Re-
presenta o valor do Brasil, e o Brasil colosal-
mente rico.
O capital estrangeiro no imperio do mesmo mo-
do nao sosceptivel de avaliacao. Entretanto, se
se considerar a importancia da divida possuida por
estrangeiros, as fortunas, as propiedades e as em-
prezas de esjrangeiros no imperio, pde-se segura-
mente dizer que esse capital nao inferior a .
Meu pai demorou-se seis mezes na corte, para, 500,000:000*1.
obler am emprego, durante os quaes recebeu sem- O valor das duas especies de capitaes soffre to-
pre cartas da sua joven; escusado dizer qae das as fluctaaedes econmicas inherentes a's coa-
elle toraoa-se notavel no governo epistolar.
gas; somenle o primeiro estavel, flxo como a sna
Passados seis mezes as ante-camaras, como nalQreM; seQndo por saa nalareia raove1'la*
pretndeme, voltou o pai deste sea creado com as '
algibeiras vazias. e com o titulo de Inspector de
ama alfandega ; e anda mais, com orna imagina
Ora, como a circulacuo monetaria metallica es
Cao rica do santo amor patriarcbalnao sel se me
com prebendes.
t Um presentimento, porm, lhe dilacerava o
coraco ; tinha notado ama certa frieza, am novo
pbraseado as ultimas cartas da sua futura.
c Cbegoa. A descooOanca crescia.
< Nao se atrevea a ir logo visitar a joven, por
qae a illuso nos agrada mais que a realidade.
< Pobre coitado I o futuro qae to rico de ima-
gens tinba sonnado, la escorecendo poaco e poaco
c Mea pal receben ama carta anonyma, emque
lbe relatavam todo o procedimenio da joven, al-
guna mezes; e lbe Indieava as horas em qae poda
ir certillear-se da verdade.
t Fot: as horas indicadas, ama janella abrise
ama escada de lences deseen por ella, e am val-
lo sabio.
c O pobre bomem ficoa lonco 1 A sua primelra
lembranca era introduzir-se pela mesma janella e
mata los ambos com o mesmo panhal I
< A reflexao mostron-lbe qae era mais conve-
niente esperar qae o vulto sahisse.
c Espero ti. Quando elle deseen reprimi, sabe
Deas com qu casto, a ira qae o dominava, e se-
gut-o a alguns pasaos de distancia.
< Qnando recolnep a casa era demanbaa. To'
moa alguns clices de cognac; escreveu am bi-
Ihele de desafio, e mandn a casa do dosconhecido
da janella; escreveu urna caria para wa mii; e
boton-a em cima da mesa, depois deitou se com os 0 estado do paiz e o systema monetario,
olhos filos no relogio. As seis, mellen daas pisto 0 ,nesonro t ,ctaa|mente:
las nos boleos e sabio. Apo||ceg> d|v|d, lotero,............
t Q a ando cbegoa ao logar do desafio era escaro Divida externa 14,735,000 a 251/4
de noite.Um vulto ae cosa com c tronco da Divida anterior a 1817, etc., etc......
ama arvore ; diriglo-se a elle, e offerec u lbe urna Ca xa dos orphios..................
pistola, pedindo a distancia. (Depsitos.........................
f No vertiginoso desta scena, meu pai nao curio. Mantos e ausentes................
1 ta' de fado supprimida, as fluctuacoes de cambio
para alta ou para baixa nao tem oatros limites
alera da afiluencia de capitaes qne entram e sa-
bem, e o padrao de valores tica continuadamente
variavel. -
No Brasil qualquer circumstancia m, qae al-
tere o valor dos capitaes, nao proJuz soraente o ef-
feito de deprecia-los; mas faz tambera emigrar a
parle disponivel oa estraogeira desses capitaes pro-
porcioaalmeote depreciadlo qae os ameaca! E
como o fundo movel iadispeosavel para a explo-
rago das riquezas geraes, cada porgo do primei-
ro qae emigra influe e peza mais sobre o valor dos
capitaes que ficam.
Nao sendo mais fecundados, os capitaes qne fi-
cam, mndam por sna vez de appcagao e empre-
gam-se oa em ltalos do estado, oa em descoatos,
oa se refugiam as qaixas dos bancos sitoaco
qae provoca as vezes urna desharmooia completa
entre as cotafdes das apolices, a reserva e as car-
teiras dos bancos e o corso do cambia
V-se, pois, qae, ao contrario do qae saccede
nos mercados de Londres e de Pars, no Brasil
no estado do cambio sobre o estrangeiro qae se
reflecte a verdadeira situago do mercado; e qae
, nao no corso dos fundos pblicos, nem ae fun-
do metallico, nem na carteira do banco do Bra-
sil qae se deve estudar o mercado, mas sim
as cansas qae inflaem para a alta e baixa dos
cambios.
U
Tres sao essas causas : a sitoaoo do thesonro,
O ministro da guerra acaba de pateolear um d-
ficit de 7,640:000000 sem embargo de outras des-
pezas aioda nao classificadas, que, al jclbo, atlin-
giam a 2,010:0005-
O dos negocios estrangeiros acensa um dficit de
150:0004;.
Com os dficits das repartios da marinba e
da fazenda, e as despezas diarias da guerra at
hoje, admitamos qaaodo muito qoe a divida fluc-
tuaute do paiz seja ae 31,1100:0005 mais, e (.ere-
mos eolao o algarismo de 350,000:000* para a di-
vida total do paiz.
Coofessaremos mesmo qoe esse algarismo deve
aproximarse muito da verdade, mas estamos ao
mesmo tempo persuadidos que uao vai alera.
Tem-se ltimamente formado no mondo, so-
bretodo era Londres e no Rio de Janeiro, ama
opiniao desfavoravel segaraaca dos litlos do
Brasil.
Alguns gritos de alarma lancadps por terroristas
infloera sobre as apreciares dos homeos sensatos,
mas prevenidos. Vm depois os partidarios da
falsa lgica e do systema de compressao em ma-
teria publica, e assim nasce e se propaga urna opi-
niao perronea.
Nao tivemos nos o mesmo exemplo a respeito de
duas grandes nacoes durante a guerra de 1853?
[ Leoa Faucher dissecava as finaacas da Russia,
e aoooociava como prxima a desorganisagio e a
bancarota do imperio rnsso.
; Ledro-Relllo prognosticava na mesma poca a
decadencia da Inglaterra.
Tegoborski devendeu a Russia, e a Inglaterra foi
| rehabilitada por Montalembert.
E tanto urna como oulra nacao, cuja prxima
\ decomposigao era annaociada pelos escriptores do
grande paiz apresentam-se boje aos olhos do mundo
ebeias de forga e vida.
Urna .divida de 350,000:000* certameote pe-
gada, enorme para o Brasil, porque, infelizmente
representa quasi na totalidade despezas improduc-
tivas, disperdicios de admioislracao, gastos de guer-
ra, eosaios e emprezas desastradas, tristes froctos
das coramaaditas do estado nos negocios privados
de urna naco.
E' enorme, porque apresenta de anno e meio
para ti am augmento de cerca de 130,000:000* (*)
e que, se falha a expectativa geral de orna mu
prxima paz, augmentar em mals vastas propor-
c5es anda,
E' sobretudoeoorme, porque anova'sitaacio eco-
nmica que ella crea para o paiz, exige recursos
(ora de toda proporcao com os ornamentos ordina-
rios do imperio, qu j desde muitos annos, em
condigoes normaes,saldam-se entretanto successi-
vamente com bem crescidos dficits.
Mas ningoem se amedroote, nao ge exaltem os
pequeos Mi rabean, Caluma... oa antes a banca-
rota, a hedionda bancarotata, nao nos est batendo
s portas; podemos deliberar.
Admitamos como exacto, bem qae nio seja se-
nao hypothetico, o algarismo de 350,000:000* da
divida actual do thesonro.
O Brsirtm corpo-eorca snfllcieatej,paracar-
regar com esta divida. Nao Iho vergaro os hom-
bros sob o peso do fardo.
Os juros actuaes desta divida se elevarlo
anno a cerca de 16,000:000* ou 17,000:000*. A
populago do Imperio est calculada em 9,000,000
de habitantes.
A divida pesa, pois, annoalmente sobre cada ca-
bega em menos de 2*. Como capital nao sobrecar-
rega a geracao actual seoo na proporcao de 39*
por habitante; mas sera alada o mesmo para a ge-
racao futura que ti ver de salda-la, e que provavel-
meuta por sna vex a logar a uuira geragn t
Senhama duvida de paiz regularmente consti-
tuido pesa menos qae o da Brasil sobre os contri-
buales.
A atuacM actual do thesooro crea s para o mi-
nisterio da fazenda um augmento aooaal de despe-
za de cerca de 6,000:000*.
A orgaoisaco militar do paiz,. tal como foi re-
cntenseme desenvolvida, e deve permanecer um
laclo accidental. E' do interesse de am paiz esseo-
cialmente aercola, no dia seguinte ao da victoria,
e ao lado de vlziohos relativamente fracos, desar-
marse, e operar-se-ha estederramamento logo que
os resultados da guerra actual houverem sido at-
ingidos.
Quanto marinha, leado-se a manulengo de
ama organisago mals forte tornado ama das con-
dlcoes de influencia, de paz e do progresso do paiz,
e devendo ella fazer parte da poltica do Brasil na
America do Sol, o sea acrescimo de despez far
de oraem diante parte dos orcaraentos. O ultimo
orgamento votado para a marinha era de........
8,000:006*. Seado elevado a 11,000, nio duvicia-
mos que seja suficiente para urna organisagao for-
te e respeitave em p de paz.
Finalmente, os dficits suceessivos dos ltimos
ornamentos podero necessitar por saa vez......
3,000:000* a 4,000:000* de recursos novos, recur-
sos ordinarios qae se tem de crear.
Reduz-se, pois, a questao a um augmento de
perlo de 9,000:000* de despezas a qoe mister ac-
codir, ao mesmo tempo qae ao dficit, oa em oatros
termos, misler achar mais 12,000:000* de re-
cursos.
O ultimo orgamento votado para 1856 a 1867 fi-
xa as despezas em 58.875:000* e a receita em
55,000:000*. De ora em diaote vae ser necessarlos
cerca de 68,000:000*.
68,000:000* de impostos annuaes para orna po-
pulago de 9,000:000 cerca de 7,500 por cabeca,
o que vista do relativo das coasas no Brasil e
mesmo em proporgao .bsoluta, deixa o contribua-
te brasileiro em ama sitoacio seoslvelmente mais
suave do que a de oenham outro paiz de organisa-
cio nao inferior sna.
Pensar-se-ha ainda qae entre nos baja o imposto
dito a sna ultima palavra 1
Pelo contrario ; ha razio para acreditar qoe el-
le nao disse ainda a primelra.
Confessamos, a nossa base e systema de impos-
tos esli em embriio.
A quasi totalidade do orgamento forneclda pelo
imposto indirecto.
Nossos impostos sao todos proporciona es, ese
at o presente temos feito um tmido ensaio do im-
posto directo, menos aioda temos ensatado o im-
posto progressivo. Matas footes de renda, que
poderiam estar legtimamente taxadas, nio o esli
emqoanto outras, bolo contrario, pagara taxas em
proporgSo exageradas.
E lempo qae o Brasil, qae eatrou largamente
na va das reuovacSes, modifique o seu systema
financeiro, a base de seas Impostos. E' tempo de
85,166:
140,000:
940:
9,684:
1,741:
3,394;
adoptarmos as ss nogoes de economa poltica qae
fazem a feriuna de outras naedes. i
Temos dona trabalos a eraprehender; ama
melhor repartigio Sos Impostos indirectos e a crea-
gao de um systema de lrapoel?oes directas.
Estamos assistindo a orna transformaeao social.
Ella opera-se lentamente mas ja estamos longe do
ponto de partida. As fortunas fraccionam-se, ha
menor qaanUdade de pessoas ricas e malor de re-
mediados, menos dissipadoros e ociosos e mais
econmicos e trabalbadores, e caminbamos para a
accamutaoao dos capitaes.
Ao mesmo tempo, o coasumo das coasas tende
de alguns annos a esta parte a empregar-se sobre
os objectos de primeira e media necessidade de
preferencia aos abjectos de luxo.
Eis quanto ao imposto indirecto.
Qoanto ao directo, offerece elle ainda difflculda-
des em coosequencia da dissemiaacio da ppala-
gao oo interior do paiz e da quasi impossibilidade
actual de urna boa percepcao.
Nada porm se oppoe a qae provisoriamente se
deixero sentas as populagoes ruraes e se estabele-
ca o imposto nos centros populosos.
Fora das cidades a iseoco de direltos seria ura
favor para a agricultura, que se queixa e lamenta
com ou sem razio.
Gaseidades o imposto nio seria mais do qoe a
justa retrlbaicao de urna maior seguraoge, de go-
zos mais completos, de leis mais bem execuiadas,
de urna accao e proieeg > mais, efflcazes da parte
das.autoridades, de um comrercio mais activo, de
um trabalho meaos penosa- e mais lucrativo.
Falle-se com franqueza as cmaras logo que ellas
se abrirem : eslabelega se com clareza a questao
e nao duvldemos por am moraeoto se qaer de qae
o imposto mais bem appiicado, recisto e com base
mais razoavel para unto ou mais do qoe preciso
para cubrir o dficit e fazer face ao augmento dos
o rgmeotos.
Nao esia nos limites destes artigos esbogar uro
projecto de orgameoto ; lembraremos com tndo
qae ja no anno passalo rallou-se em augmentar o
imposto do sello, a decima urbana, a laxa dos es-
cravos e de crear o imposto sobre o reodimeoto ;
qae appareceu a excelleote idea de amortizar os
bens de mo mona, que nao baveria a menor
iniquidade em determinar ama progresso na taxa
de escravos, as cidades, e na income tax, nem
to poaco em crear um direito de capiulago e
um imposto progressivo sobre as babitas5es e os
fmulos as cidades.
E de certo nao ser preciso mais do que urna
taxa muito moderada de imposto para tirar des-
sas differentes footes urna dezeoa de mil contos de
ris.
Nao se trata, em summa, seoo de nm augmen-
to de imposto oa razo de 1*330 per cabeca, em
um paiz oovo, rico, onde o trabalho sempre mais
procurado do qae olerecido e consegamtemente
largamente retribuido.
Si considerarmos o valor do trabalbo, os recur-
sos por crear serio equivalentes ao salario de um
dia, uns compensando os out.-os, o mais forte pa-
gando pelo mais fraco.
Quanto a nos sobre este assumpto nao pode ha-
ver boje daas opinioes.
Virgen dos olhos;
Nao vs? roen peitese
Recordando a tea* ,
lamo a ti amh'aleja i
Eabora baabala em prinlu.
Agora um beijo... oa iseaasrsa
Qoe gnardas bees ralea dores...
O' virgem dos soohoa loaros.
Vamos os morrer de amores 7
'

L-se no Jornal do Comemrao da tone, o as-
guiate:
Coramuoicam nos o segainte trecho Se mb* car-
ta escripia do acampamento em Rtacameto aaa H
de detembro:
() Divida interna...........
Divida externa 8,099,600
Divida anterior...........
Orpbioa..................
Depsitos e ausentes......
Defuntos................
Paoel moeda.............
Banco do Brasil..........
' Thesonro................
Exercicios fiados..........
76.777
76,946
467
9,201
1,767
3,315
30,094
11.000
7,215
127
217,053
' DI POUCO DI TODO.
do Sr. A. Generino Rodrigues dos Santos esta
poesa :
OMI.
Lembra.-ie. aojo qae por ti chorei I
Li.'iz Dkltiko.
Minb'alma sombra e triste
Como o lyrio da floresta :
Al de mim se do qne existe
No esplendor de tanta festa
Eu o&o visse em teas amores,
Na luz de leus olbos bellos,
A vi sao dos meas anhelos,
O orvalbo das minhas flores t
Salla a cscala do monte ;
Da rosa brota o perfume ;
Mas nao sel porque ciume
Vem baobar-te a melga fronte.
Se a mente vive de sonhos,
E a borboleta de ardores,
Porqne teas labios risoohos
Nao me vem fallar de amores ?
Ea quizra a teas olbares
Abrasar meu pobre peito;
Rir de gosto, cootrafeito,
Senlindo n'alma pozares ;
Quizra matar desejos,
Quebrar da miseria o lago,
A' luz de teas doces beijos,
No logo de am estreno abracn 1
Que importara porm desejos,
Que valem sonhos, querida,
Se mioh'alma em seas adejos,
Nao pode rogar-te a vida ;
Beber-te a voz que embriaga;
Queimar-se sorriodo as dores;
Nessa luz qae nao se apaga,
Na chamma dos teas amores ?
Mas, ta tremeste, Celina 1
Porque palpita teo seio 7
Porque desceras de eolelo ?
Nao vs a brisa ? traquina...
E's rosa : pode esfolbar-te ;
Pode apagar-te : s luzeiro...
Dovidas ? nao sabe amar-te
Co'o fogo de am amor primeiro!
Olnaalm... vs abo ni na?
La passa a brisa... beijoa-a...
Soluca... pobre menina
O p da noite assusteo-a...
E ella chora... qoe praotos I
Qoanla amargara e qae dor 1
Em quanto qne a brisa em cantos
Cicla n'oma oatra flor'
Ea tenho medo de ver-te
Assim pendida a janella;
Quero crer qne vou perder-te :
Sou a noite s pbomella.
Qaaodo o crepsculo rogar-te
O regato em qae te espeibas,
Os homens serio abeinas,
E's mel ho de libar-te I
Mas, porque choras, chacea?
Que vale oesse quebranto
Urna gota de tea pranto
No lago aaol da esperanca ?
Si s bella e moca, e tea rosto
Tua alma virgem transpira,
Porque curvar-te ao desgosto
De tea peito qae delira T
Eochogao pranto... essas parolas
Que orvalbam-te a face bella
Bebeste-as nat nuvens cernas,
Sao raios da tna estrella :
Guarda-as bem ; se algam dia
Nodoa de fogo abrasar-te,
Lembra-te dessa agonia...
Talvex... podras salvar-te !
E* cedo ainda ten peito
Pulsa de amor innocente;
Crrete a vida indolente
De florea n'om brando ledo.
Em quanto a esperanca embalar-te
Oa acabes de amor e luz,
Vea na minh'alma mirarte,
* A presente guerra marca unaa poca
para a engeoharia militar ao Brasil. Ae*n
era geral a idea qoe lavrava de qoe atis valia ea
campaoha om iorante oa am ca rameare M
a ti oficial eogeoheiro.
c Isto basta para mostrar o atraso esa eje* se
acbava entre os a arte da gaerra t Ka
Sr. ministro da guerra actual, coavoctS i
dade dessa arma nos exercuos, noaeoa i
raissoes de ofllciaes de eogeobeiros, para
dos exercitos, dos generaes Osorw e Porte-Alegre,
e fez seguir para aquello o batalaao i
ros. Estas daas eommissoes, assim i
ceira que parti para Matto-Groaso, los ja i
e estoo certo que cooUnnaro a prestar serviros
moito valiosos.
e Estivo oo exerelto do bario de Porto-Alegre,
e, assim como todo esse exereilo, fui te-teatnaSa
do qae flzeram os engenheiros na UragaayaM,
Durante o sitio, a commissao, composla ralit so-
mele do major Rattoo Galvio e Sos taaeaasa Sri.
Vieira Ferreira e Fausto, fez por varias vetes re-
eonhecimento das posigoes e irabalbos Sesaaarfw
execolados pelos Paraguayos, irpririissinS se ca-
ses ofllciaes a mui pequea Sisuncu da vMto, c seo-
do at urna vez atacados pelo iaimigo, qae fas aaa
descarga de fuzil sobre el les, mas qae
nao os oflendeu.
E anda no dia em qoe devia ter ll
qoe da povoaco todos viram com qoe |
esses mesmos ofllciaes e om peqoeoo os
soldado do baialbo de engenheiros
aleaaee Co fozil ioimigo, em meaos s-
os espalddes necessarlos para cobrb* os i
estativas de fogueles de guerra.
< Foi essa a vez primeira qne se
nossa trra trabalbos de ataque de posiejeoc 1
cadas, e foram tambem coostraidos qae
rara elogios dos proprios alliSos, e
do eogenbeiro ioglez Grivoi, jaiz i
materia, visto ter feito a raemoravel
Crimea.
c Qoanto- comralssao de eogeobeiros i
cito do general Orarlo, pos w afirmar que aaoste se
Um distinguido pelos servicos qne lea prwlasy c
qae sao reconhecidos por todos.
t O sea ehefe, o major Dr. Carvalbo,
de grande numero dos aeesos Jovens o
tem mostrado o qae valem na guar es re-
corsos da scieneia, qaan4 sao postos tm aeeo
por om braco dedicado, dirigido por ama rano es-
clarecida.
o Gragas a esse oficial, tea o exereilo
chai Osorio actualmente nm laboratorio
chnico, onde se coafecciona o carwxaaw i
artificios de gaerra, e ama oficina onO a Ibsoa
os conserlos necessarios ao arsoameatey o qne
alm da immensa vantagem qoe na para e exer-
eilo, da' lagar a ama enorme econoaa pera os
cofres de estado.
c Mas dorante a marcha do exereMo qoe c ar
vico prestado pela comaissio e batalbao Se eage.
nbeiros mais se tem feile sentir.
Como geralmenie sabido, a passagea de nm
rio a operacie mais difflcil e arriscada i
de effectaar am exereilo em marcha.
Pois bem, muitos ros bastante ii
pela sua largura e correoteza lera sido
pelo nosso grande exercito com perfeita segurasen
e bastante rapidez, unjas vezes ea povtde, ca-
iras em pontes laucadas de urna a ooira margen
do rio.
< S quem soaber a difflculdade qae na ea fa-
zer passar um exercito numeroso, seguido Se casa
immensa cavalhada, boiada, carros Se ranear,ki,
bagagen*, etc., qae pode apreciar os servicos
prestados pelos eogeobeiros, servicos qoe sin elo-
giados pelos nossos alliados, lio diOces Se aos
elogiar em qualquer censa I
t Desde o mez de jnnbo tem este exercito acra-*
vessado com felicidade e rapidez os nos ("ragaar
Joqoery, Corneles, Bateles, Sania Laxa, IUa-'
ebuelo, o vai empreheeder em breve a |iiisigsai
do Paran.
t No da 10 deste mez o major Dr. Carvallo e o
seu ajudanle Dr. Vieira Ferreira, acompaabaSos
por uai piquete de cavallara, segniracs para o
Passo da Patria, com o Om de reeonneeerea essa
parte do rio Paran e examinarem se essa Patn"
offerece vantagem para a passagem do exereao al-
iado para o territorio do Paraguay.
Ah chegando, venricaram. qoe o o'I
se lagar cerca de 450 bracas e sobre a i
direita urna guarda paraguaya aquartelada ao
meio do rio ha orna grande Iba, seguida de na
banco de ar* qne avance ate a 159 bracas da
margen correntina.
< Emquaolo os eogeobeiros procedan
mes precisos para o desempeobo Sa saa i
sio, os iaimigos vieram em ama canoa l
car nessa ilna, d'oode teolaraa estarna s i
nhecfment, disparando Uros de apagarSa. Sag-
rar disto, porm, os Drs. Carralno o Ferreira, Se-
pois de collocarem o piquete Se ca vallara a i
do fogo ioimigo, approximaraa-so qaas
ram necessano, at obler os esclareci
que precisavam, sem terca softhSs i
da fuzilaria da ilha, nao obstante
alcance.
< Conclnido esse trabalho, segairaa a
rio al o Povo de Itaty, perto do taal ac i
general Flores com a vanguarda qoe i
reccao da Tranqoeira do Loreto.
< Segundo aqni se diz, esses
contraram mullos sitios qoe se prest
de difflculdade operagao da passagea;
fazem segredo, oo qoe Ibes acta razie, de
qoe Ibes parecen mata favoravel.
porm, o saberei, porqne nao posse
tal quartel de verSo, que no mea
de pensar um verdadeiro disparate.
< Hoje j lodos cali persuadidos Se aaa s es-
mera santifico pode ser na optiao onVial, cjaa
nm bom eogenbeiro militar om
dos exercitos.
Anda bem I Ha bem penco i
nossos campeiros, vendo a onaeuHSadc
misso e do batalhao de engenneiroc.
vam pelos seas servicos, someate peta
nio os verem domando potros coa grandes i
as armadas de enormes rosetas, aaa coa a I
de ponte na cintura e o laco e
Hoje esses mesaos modaraa de trpialln, #"
cem bem que os tees dmtortt,
Ibes sio inferiores em cousa algnaa.
s Adeus, aeu amigo, este \i vai loaga, |
isso faco ponto por alguns dia*. .
\
PKRNAMBUCO -TYP. DBEFrDTT"l
*
* ...'.


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EYDX09WLU_P0MBFE INGEST_TIME 2013-09-04T22:29:30Z PACKAGE AA00011611_10885
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES