Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:10882


This item is only available as the following downloads:


Full Text
*"*

-
-

AMO XLU. HOMERO ,26
P*r fiarte! pga tato as 10 ains de I.* mtz .
dem lepis dos 1.* U din dt comee e deitro do qaairtel
Porte ao correio por tres mezes......, ,


75o

QDDVTA FHBA 1 DEFETEBEIRO DE 1886
Por aaao pago deatro de 4 o dios do ez.
Porte ao correio por an aaao ,
\*h
DIARIO DE PERNAMBQCO.
ENCARREGADOS DA SBSGRIPCAO DO NORTE
Parahyba, o 8r. Antonio Alexpodrno de Lima;
Naul, o Sr. Anlonie Marques da Silva ; Aracaty, o
Sr. A. de Leraos Braga; Cear, o Sr. J. Jos de
Oliveira ; Maranhao, o Sr. Joaqaim Marques Ro-
drigues ; Para, os Srs. Geraldo Antonio Alves di
Filaos; Asnaionas, o Sr. Jeronymo da Costa.
BNCARREGADOS DA SUBSCRIPQAO DO SL.
Alagoas, o Sr. Clandino Falco Dias; Babia, o
Sr. Jos Martina Alves; Rio de Janeiro, e Sr. Jos
Ribeiro Gasparinho.
PARTIDA DOS ESTAFETAS.
~
ISerinhem, Rio Formoso.Tamandar, Una, Bar-
reros,
feiras.
O/inda, Cabo, Escada e estafes da va frrea at
Apoa Preta, todos es dias.
Iguarass e Goyanna as segundas e sextas feiras.
Santo Antao, Grvala, Bozerros, Bonito, Caruar,
Altinbo, Garanhuns, Buique, S. Bento, Bom
Conselho, Aguas Bellas e Tacaratd, as tercas liribanal do commercio:
Agua Preta Pimenteiras, as quintas
feiras.
Pu d'Alho, Nazareth, Linfbeiro, Brejo, Pesquelra
Ingazeira, Flores, Villa Bella, Cabrob, Boa Vis-
ta, Ouricnry, Salguen o e Ex, as quartas
feiras.
AUDIENCIAS DOS TRIBUNAES DA CAPITAL.
segundas e qnintas.
Relacao: tercas e sbados s 10 horas.
Fazenda : quintas s 10 horas.
Jnlzo do commercio: segundas as i i horas.
Dito de orphios : tercas e sextas s 10 horas.
Primeira Tara do civel:
dia.
Segunda vara do clvel:
hora da tarde.
ff
tercas t sextos ao meiol
DAS DA SEMANA.
EPHEMER1DES DO MEZ DE FEVEREIRO.
7 Qoarto ming. as 5 h
15 La aova as 7 h., 33
22 Quarib creso, as 2 h
29. Segunda. S. Francisco de Salles b.
quartas e sabbades a I 30. Terca. S. Adelelroo ab.; S. Martinha v.ra.
m. Quarta. S. Pedro Nolasco; S. Cyro m.
1. Quinta. S. Ignacio b. m.; S. Peoniojpresb.
2. Sexta, tgt A PuriBcacao de N. Seuhora.
3. Sabbado. S. Tito b.; S. Braz b.
4. Domingo. S. Andre Corsino b. c.; S. Elias b.
., 20 m. e 16 s. da t.
m. e 56 s. da m.
, 28 m. e 45 s. d m.
PREAMAR DE HOJE.
Primeira as 5 horas e i8 m. da manha.
Segunda as 5 horas e 42 minlos da tarde.
PARTIDA DOS VAPORES
Para o snl at Alagoas a 14 30; para i
al a Granja a 7 e 22 de cada mez; para I
do nos dias 14 dos mezes de Janeiro, arfo,)
julbo, setembro e novembro.
ASSIGNA-SB
no Recife, na linaria da praea da _
ns. 8, dos proprietarios Maooel Figoeiroa da
& Filho.
PARTE OFFICIAL
SII!fISTERIO DA FAZKVIH
DECBSTO N. 3,580 DE 3 DE JANEIRO DE 1866.
Obriga ao registro na mesa de rendas de Tabatiu-
gri, e dispensa o na de Manios as embarcares
peruanas que derem entrada na alfandega do
Rara'.
Usando da faculdade concedida pelo art. 35 do
regulamento n. 3,216 de 31 de dezembro de 1863,
hei por bem decretar o seguate :
Artigo nico. As embarcacoes peruanas que, na :
forma do art. 29 do regulamento provisorio, man-
dado executar pelo decreto n. 3,216 de 31 de de-
aora de 1863, derem entrada na alfandega do j
Paca*, ser jo obngadas ao registro ua mesa de ren-1
das de Tabatinga, e delle dispensadas na de Ma-
naos, Qcando alterada .rnente nesta parte a dis-
posigao do referido artigo.
Jos Pedro Dias de Carvaibo, do meo conseibo,
senador do imperio, ministro e secretario de esta-
do dos negocios da fazenda e presidente do tribu-
nal do tbesouro nacional, assim o tenha entendido
e faga executar.
Palacio do Rio de Janeiro, 3 de Janeiro de 1866,
45 da independencia e do imperio. Com a robri-
ca de Saa Magestade o Imperador.ios? Pedro
Das de Carvalho.
DECRETO N. 3,581 DE 3 DE JAKKIRO DE 1866.
Desigoa a ordem em que devem ser extrahidas as
loteras no aono de 1866.
Hei por bem, em conformldade do art. 2 da le
n. 1,099 de 18 de setembro de 1860, que na ex-1
traccao das loteras que tera de verificar-se no cor-
rente anno se observe a ordem marcada na tabel-
la que cora este baixa, asslgoada por Jos Pedro
Dias de Carvalho, do meu eooselho, senador do i
Imperio, ministro e secretarlo de estado dos neg-
cios da fazenda e presidente do tribunal do thesou-:
ro nacional, que assim o tenha entendido e faga
executar.
Palacio do Rio de Janeiro, em 3 de Janeiro de
1866,45* da independencia e do imperio.Com a
rubrica de S. M. o Imperador.Jos Pedro uias de
Carvalho.
TABELLA DAS LOTEBIAS QUE, A CONFORMIDAD! DO DE-
CRETO DESTA DATA, TKM DE SER EXTRAHIDAS DU-
RANTE O ANNO DE 1866.
I. A 28- para as obras do novo hospital da san-
ta casa de Misericordia da corte. Decreto n. 1,009
de 25 de setembro de 1838.
2." A 13* a favor do monte pi dos servidores
do estado. Decreto n. 1,226 de 22 de agosto de
1864.
3.a A 46* para o melhoramento do estado saol-
tarlo. Decreto n. 528 de 14 de selembro de 1850. i
4 A 61* para as obras da casa de correceo. De-
creto de 21 de outnbro de 1833.
5.a A 14a a favor do monte pi dos servidores
do estado. Decreto n. 1,222 de 22 de agosto de
1864.
6.a A Ia para construccao da iareja matriz de 1
Santo Antonio da cidade Diamantina. Decreto n.!
934 de 7 de julbo de 1858.
7a A Ia a favor do monte pi dos servidores
do estado. Decreto n. 1,226 de 22 de agosto de
1884.
8.a A 86* cujo beneficio deve ser repartido pela
santa casa de Misericordia da corte, expostos, re-
colhimento das orphias, collegio de Pedro II e se-
minario de S. Jos. Decreto de 23 de maio de
1821.
9.a A 16* a favor do monte pi dos servidores
do estado. Decreto n. 1,226 de 22 de agosto de
1864.
10. A 29* para as obras do novo hospital da san-
ta tasa da Misericordia da corte. Decreto n. 1,009
de 23 de setembro de 183S.
11. A 9* para patrimonio do hospicio de Pedro
II. Decreto n. 857 de 10 de setembro de 1836.
12. A 17* a favor do monte pi dos servidores
do estado. Decreto n. 1,226 de 22 de agosto de
1864.
1.5. A 7* para as obras da ir manda de do Sant-
simo Sacramento da antiga S. Decreto n. 966 de
4 de agosto de 1858.
14. A 3' para as obras da igreja de Nossa Se-
nhora da Conceico da cidade do Aracaj da pro-
vincia de Sergipe. Decreto o. 993 de 22 de setem-
bro de 1858.
monte po dos servidores
1,226 de 22 de agosto de
Fluminense. Decreto n. 908 de 12 de agosto de
1857.
40. A4* a favor da Imperial Sociedad Auxilia-
dora das Artes Mecnicas e Liberaos e Benefleente.
Decreto n. 916 de 22 de agosto de 1857.
41. A 3* para as obras das matrizes da provin-
cia do Piauhy. Decreto n. 956 de 7 de' jultio de
858.
42. A 2* para as obras das matrizes de Villa-
Nova, Pacatuba e Porto da Polha. Decreto o. 917
de 26 de agosto de 1857.
43. A 4' a favor do hospital da Misericordia da
cidade de S. Joo de tti-Rei. Decreto 0. 991 de 22
de selembro de 1838.
44. A 2a para as obras das matrizes i le Ubatn-
ba, na provincia de S. Paulo. Decreto o. 997 de
22 de setembro de 1838.
45 Ia para as ob-as das matrizes de N'ossa Se-
nhora da Gloria de Santa Thereza do mi nicjpio de
Valenca, na provincia do Rio de Janeiro Decrelo
n. 1,025 de 27 de julho de 1859.
46. A Ia para as obias da matriz de Nossa Se-
nhora do Livramento de Bannaneiras, la provin-
cia da Parahyba do Norte. Decreto n. 1,029 de
22 de agosto de 1859.
47. A 2* para as obras e ontros objectps de que
necessitarem as matrizes das parochias oe Montes-
Claros, Contendas e S. Romo, Jaouarial Barra do
Rio das Velhas, Grao Mogol e Curvello, da provin
cia de Minas. Decreto n. 1,030 de 22 de, agosto de
1859.
48. A 1* a favor da Bibilotheca Fluminense. De-
creto" n. 988 de 22 de setembro de 1859.1
49. A Ia e nnica para a concluso da.- obras da
matriz do Espirito Sanio do Mar de Hesbanha, na
provincia de Minas. Decrelo a. 1,052 dp 9 de ju-
lbo de 1860.
50. A Ia para as obras da matriz do Pilar, na
Parahyba do Norte. Decreto n. 1,032 de 9 de ju-
lbo de 1860.
51. A Ia e onica para as obras da matriz da vil-
la de Oliveira, na provincia de Minas. Decreto o.
994 de 22 de setembro de 1853.
52. A Ia e nnica para a concluso das Obras da
matriz da villa Leopoldina, em Minas. Decreto n.
1,052 de 9 de julbo de 1860.
53. A 2a para as obras da matriz da Boa-Vista,
oa cidade do Recife. Decreto n. 908 de. 12 de
agosto de 1837. I
54. A 8a para as obras da irmandade do '^antis-
simo Sacramento da antiga S. Decreto o. 066 de
4 de agosto de 1858. \
55. A 2a a favor do hospital de caridade Ida ci-
dade de Macei. Decrelo n. 986 de 22 de setem-
bro de 1858.
56. A 2* a favor do hospital da Misericordia da
cidade de Jacarahv, na provincia de S. Paulo. De-
creto n. 1,013 de 6 de julho de 1859;
57. A 2* i ara a fundacao de urna casa de cari-
dade na villa do Cor vello. Decreto n. 934 de 7 de
julho de 1858. >
58 A 11* para patrimonio do hospicio de Pedro
II. Decreto n. 956 de 7 de julho de 1858.
59 A 2* para a construccao da igreja matriz de
Santa Antonio da cidade Diamantina. Decreto n.
931 de 7 de julbo de 1838.
60. A 4a para as obras da igreja matriz de Nossa
Senhora da Conceico da cidade de Aracaj. De-
creto n. 993 de 22 de setembro de 1858.
Rio de Janeiro, em 3 de Janeiro de 1866.Jos
Pedro Dias de Carvalho.
hospital da santa casa da
Decreto de 25 de outnbro'
monte-pio dos servidores
1,226 de 22 de agosto de
15. A 18* a favor do
do estado. Decreto n.
1864.
16. A 27' a favor do
Misericordia da corle,
de 1839.
17. A 19a a favor do
do estado. Decreto n.
1864.
18. A 30* para as obras do novo hospital da san- j
ta casa da Misericordia da corte. Decreto n. 1,009 j
de 23 de setembro de 1858.
19. A 20a a favor do monte-pio dos servidores
do estado. Decrelo o. 1,226 de 22 de agosto de!
1864.
20. A 47* para melhoramento do estado sanita-
rio. Decreto n. 598 de 14 de setembro de 1850.
21. A 21a a favor do monte-pio dos servidores
do Estado. Decreto n. 1,226 de 22 de agosto de
1864.
22 A 16* a favor do hospicio de Pedro II. De-
creto n. 566 de 10 de julho de 1830.
23. A 22* a favor do montepo dos servidores
do estado. Decreto n. 1,226 de 22 de agosto de
1864.
24. A 31' para as obras do novo hospital da san-
ta casa da Misericordia da corte. Decreto n. 1,009
de 25 de setembro de 1838.
25. A 23a a favor do monte-pio dos servidores
do estado. Decreto n. 1,226 de 22 de agosto de
1864.
26. A 62a para as obras da casa de correceo.
Decreto de 29 de outubro de 1835.
27. A 24a a favor do monte-pio dos servidores
do estado. Decreto n. 1,226 de 22 de agosto de
1864.
28. A 48a para melhoramento do estado sanita-
rio. Decreto n. 598 de 14 de selembro de 1830.
29. A 8f cujo beneficio deve ser repartido pe-
la santa casa da Misericordia da corle, expostos,
recoihimento das orphias, collegio de Pedro II e
seminario de S. Jos. Decreto de 23 de maio de
1821.
30. A 25a a favor do monte-pio dos servidores
do estado. Decreto n. 1,226 de 22 de agosto de
1864.
31 A 10* para patrimonio do hospicio de Pedro
II. Decreto n. 857 de 10 de setembro de 1836.
32. A 32a para as obras do novo hospital a*a an-
ta casa da Misericordia da corle. Decrete n. 1,009
de 25 de setembro de 1838.
33. A 26a"a favor do monte-pio dos servidores
do estado. Decreto n. 1,226 de 22 de agosto de
1864.
34. A Ia para a paroebia de Sete Lagas, em Mi-
nas. Decreto o. 954 de 7 de julho de 1858.
35. A 49a para melhoramento do estado saoita-
to. Decreto n. 598 de 14 de selembro de 1830.
36. A 27a a favor do monte-pio dos servidores
do estado. Decreto n. 1,226 de 22 de agosto de
1864.
37. A 0a jftra as obri da casa de correccltt De-'
creto de 29 de outnbro de 1835.
38. A 2a para aa obras das matrizes da villa de
Oliveira e fregaetla do Passa-Tempo, em Minas.
Decreto n. 1,034 de 30 de agosto de 1859.
30. A i' frTOT da MWCiafSo Typographica
haver Rufino Manoel da Cruz Consseiro, dando e servir-lm de administrador de ura estabelecl-
por fiador o proprietario Manoel Antonio Teixeira, ment rural.
arrematado com o abate de 1 por cento no valor DHe ao mesmo. Remello incluso por copla o
do respectivo orcaraentd a obra de 9,800 metros oficio que em 22 do correte me dirigi o director
quadrados de reboco que se fazem precisos no in- interino dts obras militares, para qne V. Exc. se
terior da casa destinada para o Gymnasio Provin- sirva de toraa-lo em oonsideraco, providenciando
cial, e em resposta tenbo a dizer que approvo es- convenientemente em ordem a regularisar-se o
sa arrematarlo.
Dito ao mesmo.Estando era termos o pret jun-
ti em dnplicata, e nao havendo Inconveniente,
mande V. S. pagar ao sargento Oiyopio Marques
da Silva, conforme solicitou o comraandante supe-
perior da comarca de Palmares, em officio de 18
do corrente, a importancia dos vencimentos a coa-
lar de 18 de dezembro ultimo, at 17 deste mez, do
destacamento de guardas naclonaes, existente na
villa d'Agua Preta.
Dito ao commandante superior da guarda nacio-
nal dos municipios de Cabrob e Ex.Devolvo
inclusos o pret e relacao que acorapanharam os
seus oficios de 28 de novembro e 12 de dezembro
do anno passado, para que V. S. mande organisa-
los, de conformidade com as informacoes da tbe-
souraria de fazenda, constantes das copias juntas,
afira de ser satisfeita a importancia de .que tratara
os citados officios.
Dito ao mesmo.Em deferiraeoto ao incluso re-
querimento do (enente-coronel chefe do estado-
maior da guarda nacional sob sen commando su-
perior, Alejandre Magno Peixoto de Alencar, re-
commendo a V. S. qne, inutilisando a guia que
aqu junto, faca esse official entrar no exercicio de
seu posto, vfsio que contiuoa a residir nessa co -
marca, como declara em dito reqaerimento.
Dito ao conego Jao Cbrysostomo de Paiva Tor-
res.Acenso recebido o officio de 26 do corrente,
era que V. S. rae coramnoica ter prestado juramen
consumo de gaz nosquarteis e estabelecimentos mi
litares, dimihuindo-se o oxcessivo desperdiejo que
custa actualmente a illuminacao d aqoelles estabe-
lecimentos!
Dito ao'inspector da tbesonraria de fazenda.
Recomrasnlo a V. S. que ero vista da conta junta,
e nao haveodo inconveniente, mande pagar a Ma-
noel Figueirfja de Paria & Filho. conforme solicitou
o director do arsenal de guerra em ofBcio de boje,
sob n. 1, a quanlia de 38^320, proveniente dos
annuncios mandados publicar pelo concelho de
compras do mesmo arsenal no Diario de Pernam-
buco durante os mezes de outubro a dezembro do
anno prximo passado.
Dito ao njesmo. Transmuto a V. S. em dupl-
cala, conforme, solicitojj em officio de 4 do crren-
te, sob o. 14, as cuntas relativas s despezas feitas
durante os mezes desetembro e outubro do anno
prximo passado com o sustento dos recrutas e
desertor contemplados em ditas contas. os quaeg
estiveram recolhidos a' cadeia do termo da Escada
e tiveram destn j, como se v do officio junto por
copia expedido pelo delegado encarregado do ex-
pediente da repartico da polica em 24 deste mez
e sob o. 10J5, e em resposta ao seu citado officio
tenho a dizer que mande pagar a Antonio Uomiu-
gues de Atmeida Pocas a quanlia de 19400 em
que importara as mencionadas cootas.
Dito ao inspector do arsenal de marrona. Ex-
pela V. S.
as saas ordeos para que a mestranca
to e entrado no exercicio do cargo de vigario ge- desse arsenal se aprsente hoja ao capito do por-
ral do bispado para o qual foi noraeado pelo Exra. to, abm de proceder a urna vestoria no.biate Ser-
e Rvm. bispo diocesano; e agradeco as expressoes gipano a' requMcao do respectivo proprietario.
obsequiosas que rae dirige no seo citado officio. | Dito ao director interino das obras militares.
Dito ao director do arsenal de guerra.Faga V. Pode Vmc. ajustar a execocao da caiaco e piotu-
S. preparar e entregar com urgencia ao 2 cirur- ra a' cola das barras, rodaps e tecto da enferraa-
gio do corpo de saude do exercito, Dr. Joaqoira na militar, com Jos Pereira de Alcntara do O,
da Silva Gusmo, qne tem de seguir para a corte ] qne, segundo o seu olBcio n. 101 de 27 do corren-
acompanhando o 7* corpo de voluotarios da patria' te, se propoz a faze-ias pela quanlia de 3995000.
urna ambulancia contendo os medicamentos cons-1 Dito a' cmara municipal do Pao d'Alho. Con-1
untes da relacao junta. I cedo a aotorisaco que pede a cmara mnnicipai' 4 compania,~o terote
Dito ao mesmo.Annuindo ao que solictou o da villa do Pao d'Alho em seus officios de 20 do
joiz de orpbos do termo desta capital, recommen- dezembro prximo lindo e de 19 do corrente para
do a V. S. que mande adraittir na compaohia de | despender no exercicio de 1863 a 1866 as qaantias
aprendizes menores desse arsenal o desvalido de de 130J000 cora os veocimentos do fiscal dessa
nome Joo, filbo natural de Ignacia Leopoldina da [ villa e de 1204000 com os do correio do cemileno,
Penha, nio havendo inconveniente. visto nao ter sido consignada na lei do ornamento
Dito ao ebefe da repartico das obras publicas. {vigente a qaota para pagamento d'aquelles empre-
Inteirado de qaaoto V. S. expoz em sen officio i gados.
de 25 do corrente, sob n. 27, tenho a dizer qne Dito aos empreiteiros dos trilhos urbanos do Re-
mande fazer por conta da empresa Mamede, con-1 cife a Apipocos. Declaro aos Srs empreiteiros
dos trilhos urbanos desta cidade a' povoacao de
Apipocos para sea conheeiment que nesta data
approvei o projecto para a ponte sobre o rio Cpi-
baribe com as declaracoes feitas em seu officio de
forme indica em sea citado officio, nao s o eoro
chmenlo dos moros de encost da Ponte do Caga-
fogo, mas tambera a pintura da mesma ponte,
visto nao ter aquella empreza, apezar de saas ios-
(.ovi:h.\o da provim ca*
Expediente do dia 27 de Janeiro de 1866.
Officio ao Exm. general commandanle das ar-
mas.Mande V. Exc. dar baixa ao soldado do 7.
corpo le voluntarios da patria Manoel Ribeiro Li-
ma.
Dito ao mesmo.Remello incluso o requerimen-
to que me inderegon Manoel Matheus da Gunba
para que V. Exc. mande proceder s averiguares
que julgar necessarias afim de saberse se elle
disertor de algum dos corpos de 1.a lioba que esti-
veram servindo nesla provincia.
Dito ao Exm. conselheiro presidente da relacao.
Transmuto a V. Exc. para seu conheeiment um
exemplar impresso da consulta da sesso de justi-
ca do conseibo de estado de 23 de setembro do
anno passado, decidindo que as omitieres dos cn-
sules e vice-consnles esto comprehendidas na
doutrina do aviso de 17 de dezembro de 1857 e
devem depr como lestemunhas nao em juno, mas
em sua residencia.
Dito ao inspector da thesouraria de fazenda.
Mande V. S. abonar em os devidos tempos a quan-'
lia de IO5OOO mensaes, que segundo o inclnso re-
querlmenu pretende deixar de sen sold nesta
provincia o alferes da guarda nacional Lolz Felip-
pe Cavalcaoti de Albuqnerque, que segu para a
corte addido ao 7.a corpo de voluntarios da patria. I
Comraunicou-se ao general cj remandan te das ]
armas.
Dito ao mesmo.Avista do inclnso requenmen- i
to mande V. S. abonar a consigoaco de 30$000
que por lempo de 3 mezes pretende deixar do res-1
pectvo sold nesta provincia o alferes ajudante do
7. corpo de voluntarios da patria Arnaud de Hol-
landa Uavaicanti de Albaquerque para ser entre-
gue a Antonio Joaqaim Panasco.Commuuicou-se
ao general commandante das armas.
uito ao mesmo.Em vista da inclusa conta
mande V. S. pagar a Manoel Figueira de Faria A
I Filho a quanlia de 249000 pela impressao de 1000
! ejemplares do regulaiuento para a exposico pro-
I vincial no correte anno.
Dito ao inspector da thesouraria provincial.
: Mande V. S. pagar a Laiz Gomes Dourado a quan-
' ta de 78&6O0 despendida com o sustento dos pre-
sos pobres da cadeia do termo de Agua Preta da-
: ranie os mezes de julho a setembro do anno proxi-
mo passado, como se v da inclusa conta, que pa-
ra esse fin me remetteu o delegado encarregado
I do expediente da repartico da polica com officio
1 de hornera sob n. 113.
Dito ao mesroo.Constando de officio do chefe
! d( repartico das obras publicas datado de 25 do
1 corrente e sob n. 27, nao ter a empreza Mamede
I apesar de suas reiteradas Instancias dado at ago-
ra comeco a obra do enrochamento dos muros de
; encost da ponte doCagafogoe bem assim exe-
colado a pintura d'aqoella ponte, acabo de autori-
sar o predito chefe a mandar fazer csses trabalbos,
correndo a respectiva despeza por c ola da roen-
, cionada empreza : o que declaro a V. S. para seu
j conheeiment e fira conveniente.
Dito ao mesmo.Restituindo a V. S. as 2 inclu-
sas contas que na importancia de 98$680 vieram
annexas ao sea officio de 24 do corrente sob n. 30,
e sao relativas s despezas feitas com o sustento
j dos presos pobres da cadeia da Villa-Bella dorante
'.os mezes de ootobro a novembro do anno proitaw
passado, tenha lHer em resposta que de coofor-
mldade com o parecer da contadoria dessa thesoo-
! raria, mande pagar pessoa indicada em meu o.
1 flcio de 16 deste mez smente a quanlia de 61&000
por ter de-deduzir se das mencionadas contas a d
37A680 correspondente aos recrutas que se achara
nenas mclaldos e cujas despezas corren pelos co-
1 (res gentes.
! Dito ao mesmo.Respondendo ao officio de hon-
tem sol n. 34, em qne V. S. me pirticipou haver
1 Jos Ae|asto de Araujo, dando por fiadores os
! propricfcirlo Jos Ignacio d'Avila Antonio Fran-
cisco de Carvalho-, arrematado, cos o -abate da 1
' por ce Oto no valor do respectivo ornamento, a obra
da concluso do ralo de leste da ca 'tenho 1 dizer qaeapprovo essa arremataco
tandas, dado comeco a esses trabalhos qae sao da 122 do corrente e no do chefe da repartico das
competencia della. j obras publicas de 17, n. 14. de qne ja' Ibes remettt
Dito ao Dr. jaiz de oireito de Tacarat.Era C0Pi em a8 t resposta a sua consulta de 5 do corrente, tenho a,
dizer-lhe, qne o decreto j. 3,373 de 7 de Janeiro
do anno.passado, comprenteode entra os substitn-1
tos dos nnzeC de direito, os suppleotes dos juizes
municipaes, eMo melhor se reconhece do parecer
Do conselho de estado, que acompanbou o referido
decrelo.
Dito ao commandante da coropanhia provisoria
de polica.Mande Vmc. engajar para o servico da
coropanhia sob sen commando. o paisano Francis- m 0Sr. inspectorda thesoVranprovincial.
co Arcelino Craibeira, que para isso foi julgado francisco Antonio Xavier Bragnca. Informe
aPj' ., o Sr. commandante superior da guarda nacional
Dito ao delegado encarregado do expediente da ,j0 Recife.
Portara. O Sr. gerente da companhia per-
nambucaaa mande dar urna passagem at Macei,
era logar de proa destinado a passageiros de es-
tado, no primetre vapor qae seguir para o sal,
a' DelQna Josephina da Silva.
Despachos do dia 27 de Janeiro de 1866.
Alferes Carlos Joaquim de Souza. Passe por-
tara concedendo a demissao pedida.
Francisco Severiano Marques da Cruz. Infor-
repartico da "po'icia.Declaro a Vmc. para seu
conheeiment, e afira de que o faga constar a quem
competir que da quanlia de 98680, em qae, se
gundo as doas conias que vieram annexas aos seus
officios de 15 do corrente, sob ns. 57 e 58, impor-
lavara as despezas feitas com o sustento dos pre-
sos pobres da cadeia de Villa-Bella, durante os me-
zes de outubro e novembro do aono prximo pas-
sado, maodei pagar smenle a de 61$, por ter de
deduzir-se das mencionadas comas, de conformi-
dade cora o parecer da contadoria da thesouraria
Jos Frarisco Carneiro Monteiro. Siga no va-
por ocnniins.
Jos Francisco Los. Expedio-se ordem no
sentido qa>* reqner.
Justino Francisco dos Santos. Declare o sap-
plicante o batalho a que pertence.
Manoel Ribeiro Lima. Iodeferido em vista da
informarlo do marechal commandante das armas.
29
Tenente Joaqoira Lopes Machado. Passe por-
mandanle militar da provincia, de Minas-Geraes,
para o mesmo lugar na de Goyaz, fleando extinc-
to aquelle commando. Aviso de 28 de dezembro
Ando.
Do coronel do dito corpo Jos Joaqaim de Car-
valho para coramandar urna bri/ada formada das
torgas reunidas na provincia de Goyaz, e com ella
seguir a incorporar-se s forga commandadas
pelo Sr. coronel Jos Antonio da Fonseca Galvo,
a quem dever interinamente substituir, quando
impedido no respectivo commando. Aviso de 28
de dezembro fiado.
Do coronel do corpo do estado maior da 2'
classe, lonocencio Eustaquio Ferreira de Araujo,
para exercer interinamente o lugar de comman-
danle das armas da provincia da Babia.-Em 4 do
corrente.
t Do padre Jos Correa Das de Moura, para ca-
pello alferes da reparligo eccleslastica do exer-
cito.Decreto Ode 5 do corrente.
< Foram appravadas.
A do alferes da guarda nacional da provincia I
de Sergipe, Jos Soten de Mermes, feita pela res-I
pecliva presidencia em 18 de outubro do
prximo Ando, para tenente de commisso do cor
po de voluntarios da patria em organisaco na
mesma provincia.
A do sargento Jos Felisberto de Frellas. pelo
commandante em chefe do exercito em operages
fora do Imperio em 13 de dezembro lindo, para
alferes de commisso do Ia corpo da brigada legei-
ra de voluntarios.
< As nomeagoes feitas pelo dito commando era
chefe dos officiaes de commisso abaixo declarados
para os seguinies corpos de voluntarios que se
acbo incorporados ao mesmo exercito.
< 1 corpo de voluntarios da patria, para major
o capito do 13 de infamara Francisco Bibiano
de Castro.
. 2a corpo de voluntarios da patria, para major,
o capito do 12 balalbo de infantana Antonio
Pedro de Oliveira.
< Ia corpo da brigada ligeira de voluntarios, para
tenente o cidado Antonio Jos de Fretas; para
alferes porta estandarte, o cidado Antonio
quim Goncalves.
2a corpo da mesma brigada, para capito da
do 1 corpo Joaquim Ve-
rissimo Pinheiro; para alferes porta estandarte
o cidado Antonio Nunes da Graca.
3* corpo da mesma brigada, para alferes por-
ta estandarte, o lc sargento Pedro Torres Caudal.
< 4a corpo da mesma brigada, para alferes por-
ta estandarte, o alferes Serafim Augusto da Cruz.
Demissao do servio do exercito.Por decreto
de 5 do corrente foi concedida ao 2 cirorgilo do
corpo de saude do exercito Dr. Joo Jos de Cer-
queira Lima, a demissao que pedio do servico do
exercito.
da
Foram dispensados dos postos de commisso
que tioham no mesmo exercito :
O alferes de commisso Luiz Ferreira de Mel-
lo, do contingente de voluntarios organisado em
Nitherohy, como requeren, em consequencia de in
capaeldade physica.
Oalferees do 30* corpo de voluntarios da pa-
tria Laiz urnesto de Oliveira e Po Francisco do
Santo.
< Consta-nos qae foram nomeados :
< Para inspector da thesouraria de
provincia de S. Pedro do Sal, o chefe de 1
thesouro nacional Sr. Antonio Luiz Feri__
Cunta, que servia o cargo de Inspector 4a al
ga da cidade do Rio-Grande.
Para inspector desta alfandega, o
da directora geral do contencioso Sr. Dr.
rio Augusto de Atbayde.
< Por av.so de 22, mandoo-se abonar a etapa de
de 15000 diarios, nos termos do decreto a. I2B4
de 8 de julho e imperial resoluco de 26 i oota-
bro do aooo prximo flodo ao alferes retomado
Mariano Jos de Oliveira. "
Por portara do ministerio da goerra da 10
corrente foi concedida ao capito reforma:Oa Ma-
nuel Goncalves Coelbo a demissao w
lugar de escriptarario d- 3.' directora
secretaria de estado dos negocios da goerri.
< Por poriaria da mesma dau foi noiaad-i par*
aquello lugar o amanuense da mesma rsparlstio
Joo Carlos da Costa Valladares. >
S. Paulo.L-se na Revista Commeraal da 20
anno j do passado :
< Hontem (17), aps ama calo a
prolongada, cheio sobre a eidade as 2 para 31
da tarde, urna medooha trovoada, aeoopaa
de forte tufo e graoiso, qae daron crea da 1
hora.
Can ira ni pedras do taraaobo de oros de |
ba, as quaes rebeotaram as vidracas
tas casas Qcando quasi todas estas
pela agua da chava que invada portas ja-
nellas.
t Deram-se na cidade e seos arredores ;
estragos que passamos a relatar. Por ora 1
nos os seguales :
< Cahio nm rao na torre da matriz desta eida-
de, o qual toreen o gallo qae Ibe serve ie eorn-
cho, e, descendo per ella abaixo, enlroa rw corpo
da igreja; all perfuron ambas as paredes laleraw.
rasgou urna colcha de damasco qae elava em M
das tribunas, e lodo ao coro arrancn a
, inferior do gradeameoto, laucando os .
Joa- alera de grande quantidade de callea, i"** *-
tar mor; descobrio mais grande parle do lelhado
do corpo da igreja do lado da Epstola. As pedras
da saraiva quebraran) algans vidros das idreean,
alirando a' roa um caixilbo qne eslava collorado oa
jaoella do soUo da igreja, na capella-mr. O mas-
rao raio fez anda oolros pequeos estragos da at-
os imoorlancia.
c Cahio nutro raio na roa Direita sobra a Crale
da casa de morada do Sr. Jos Teixeira da Silsa
Braga, felizmente sem fazer mal a pessoa alfoma
e poupando algans catpiras qae estarn ao anna-
zem. A falsea elctrica damoificou basiaale mo,
das tres ponas do edificio e fez urna ractu n'oma
das paredes lateraes.
< Cahio lerceiro raio sobre a casa de Jos
Gomes Leal oa mesma roa Direita, oOeodeodo
de leve um dos officiaes empregados na san sa-
pa tarta.
< No porto adoroon tocando com as vergas an
agua, o lugar lubekense Bettkovtn; nao tardos,
porm, em reassamir a sua posieo sutural.
Alguos oulros navios desatracara coa a fer-
mJ foianprovada a dispensa concedida pelo com-
tzs*apD'*OB)''
ca do vento e soflYeram Deaueoas avarias
c Viraram duas canoas, peraessMw '
chefe do exercito em operagoes fra do um allemo empregado na fabrica de cal de
imperio, em 13 de dezembro lindo, ao tenente-coro- t e o'outra um preto velho.
nel Antonio Antunes da Porcmncula Costa, da com-, < Muas casas flearam coa o lelhado dewotarat,
missao do posto e do commaudo do 2* corpo da 1 cahiram arvores em quintaos, alguos ar
brigada ligeira de voluntarios, pbr assim o haver soffreram avarias nos gneros depositados.
provincial," ISBR correndote mgj^mm raezes a licenca com que
IM recrutas contemplados as preditas contas, a s
qual deve ser satisfeita pela thesouraria de fazen
da, em vista do competente pret em duplcala.
Dito ao juiz de paz da (reguezia do Aliinho, Dio-
nisio Rodrigues Jacobina. Commuoico a Vmc. em
additamento ao roen officio de 20 do corrente, que
as laminas e tubos de puz vaccinieo, solicitadas era
seu officio de 11 do corrente, nao Ihe podera ser
por ora fornecidos, visto que, segundo me declarou
o Dr. comraissario vaccinador provincial era data
de 26 deste mez, tem-se mostrado infructiera, tan-
to a semeote aqui conservada, como a vinda da
Europa.Igual mutatis mutandis ao cirurgio da
cmara municipal da cidade da Victoria.
Portara.O presidente da provincia resolve exo-
km sra \Lt^xifSsst -saiattestados de pessois qae ***-
do 7a corpo de voluntarios d patria. HEffBfv. J.rtl!.I s J ,____
Jos d'A vi la Bittencourt .Viva. Passe portara
conc-dendo doas mezes de licenca sem vencimen-
tos a qae tiv'er direito o sapplicante.
Jos Nicolao Beserra. Tendo passado em jul-
gado a seolenca qne condemnoa o suppllcante nao
tem lugar o que requer nao obstante a ordem de i
habeas corpus, pela qual foi posto em liberdade.
Joo Bapiista da Luz. Informe o Sr. inspector
do thesouraria de fazenda.
Joo Manoel Velloso. Como pede, sendo este
apreseotado ao Sr. commandante superior da
guarda nacional de Olind e Iguarass.
Luiz de Franca d'Oliveira Lima. Informe o Sr.
administrador do correio.
Lidia Custodia de Miranda. Junte certdo de
pedido em consequencia do seu mo estado de
sade.
c Licenca concedida.Ao tenente-coronel era
commisso Francisco Joaquim Pinto Pacca, com-
mandanle do 7corpo de voluntarios da patria tres
mezes para tratar de sua sade nesta corte; cor,-
tando-se esta licenca da data em que deixon o
commando do mesmo corpo.
t Dispensa do serico para estudar.Ko 2a ca-
dete do 3* batalho de artilbaria a p Constancio
An'omo da Franca Amara), para matncular-se na I pessoas.
escola preparatoria desta corte, no corrente anno. j Era Caoana apparecra timbeas a
* Reforma.Foram reformados, na conformida-i de, e reclama vara soccorros de lgoap. >
de das disposicSes do 8 I do art. 9 da lei n. 648 Baha.Fallecern) o secretario da relacao
de 18 de agosto de 1852, visto soffrerem molestias, clesiasiica Raymondo Barroso de Souza, e o
iocoraveis qae os tornara incapazes de continuar da Faculdade de Medicina Dr. Aoiooio Jos Alvee.
no servico: Depeis de algans dias da demora.
Ha bastantes a nos nao ba memoria nesta
dade de ara temporal to vilelo.
O correio chegado a 13 de lgoap
adianta.
< A epidemia pareca declinar na eidade, onda
comtndo ainda se davam casos fatae*: aas mar-
geos, porm, dos ros da Ribeera e iiropmmg as-
soiava com crescente inteosldadf, irado ja' falleci-
do moitas pessoas, principalmente aas do 1
onde de poucos das baviam morrido viate e l
s
Maooel Ferreira d'Oliveira. Nao tem logar.
Paulino Jos Celestino. Prev o allegado.
Silvino Bento Zidames. importunamente ser
attendido.
corpo de voluntarios d* patri
Dita.O presidente da provincia, tendo em vista
a informacao do commandante superior da guarda
nacional do municipio de Nazareth, datada de 12
de dezembro ultimo, resolve transferir para a 2a
coropanhia do balalbo o. 18 de infamara daquelle
municipio o alferes da 7a coropanhia do mesmo
batalho, Jos Antonio de Arroda, que assim o
pedio. .
D.ta.-Os Srs. agentes da coropanhia Brasileira Cq fc brasilero Gerente, do
o !T&^??XXJZ* S R,- ^ e ^ sendo Portador.de jornaes da
do, no vapor Sania Cruz, a Vital Jos de Freitas.
DIARIO DE PERNAMBUCO.
a
Dita.Os Srs. agentes da companbia Brasileira
de Paquetes facam transportar no vapor Santa
Cruz, por conta do ministerio da guerra, os offi-
ciaes e pracas de pret do 7a corpo de voluntarios
da patria, que lem de seguir para a corte bem co-
mo a bagagem do mesmo corpo. Neste sentido
expediram-se as necessarias ordens.
29
Officio ao Exm. general commandante das ar-
mas. = Approvando a deliberarlo qne V. Exc.
tomou como me participoa em sea officio n. 178
de 27 ito corrente de mandar o sargento ajudante
Marcolioo Augusto da Silva Villar servir proviso-
riamente o emprego de amanuense da enfermara
militar, expeco nesta data as convenientes ordens
para ser considerado despedido do mesmo empre-
go o paisano Ulisses da Silva Guimaraes a contar
do dia 26 deste mez : o que Ihe declaro para sen
conheeiment. OlfJciou-se neste sentido ao com-
mandante superior da guarda nacional do Recife.
Dito ao mesmo. Visto que foram considera-
dos incapazes em iospeceo de saude por molestias
como consta do officio de V. Exc. n. 179 de 27 do
1 Ala
>$7
seguoda at "27 da terceira at 30 do passado
Da corle nada adianta elle, por ter sahido antes do
vapor francez, que ante-hontem tocou em nosso
porto. A's noticias da corte, qne publicamos em
nosso numero de hontem, apenas temos a aceres-
centar as segrales, que trancreveraos do /orna!
do Commercio :
< Da ordem do dia n. 494 expedida pela repar-
tico do ajudante general em 11 de Janeiro extra-
hirnos o segulnte :
Pnblica-se de ordem de S. Exc. o Sr. conse-
lheiro ministro e secretario de estado nos negocios
da guerra as disposicoes e occorrencias abaixo
transcriptas, afim de que cheguem ao conheeimen-
t do exercito e tenham a devida execocao.
c Por decreto de 3 do corrente hoave por bem
S. M. o Imperador conceder as honras do posto de
O coronel do corpo de estado maior de 2* das- para o norte, a nao franceza Jea Bart, qae
se Innocencio Eustaquio de Araujo, e Ia cirurgio em viagera de Instrncco com 104
do corpo de saude Dr. Joaquim Jos de Araujo. os officiaes de bordo.
Decreto de o do corrale mez. Sabiado de Brest, em saa execnrso
c O coronel Js Vicente de Amorlm Beterra, j tica, o pnmeiro ponto qne procurou, e
majores Diogo Garcez Palha e Antonio Jos Ferrei-
ra Cavalcaoti, e capitaes Berardo Joaqaim Correa,
todos do corpo de estado maior de 2a classe, Fran-
cisco Jos de Menezes Araorim, do 5a regimeoto
de cavallaria ligeira, Jeo Mana de Mello e Fran-
cisco Xavier Correa da Conceico, do 4 batalho
de Infamarla; Manoel Moreira da Rocha, do 14a
batalho da mesma arma; e tenente quartel-mes- caoa Havana, procedente de New-York, o
lora
foi a ilha de S. Sebasliao, e d'ab lem
varios porios do Brasil.
Monta 100 boceas de fogo, mas s tras
e lera 600 pracas de mariohagem.
Todo o armamento moderotssimo.
Navega a' vela e a' vapor.
No dia 25 tocaran) no porto o vapor
tre do 19a da mesma arma Jos Mara de Pinho.
Desigoaco de reforma.A do capito do Ia re-
giment de cavallaria ligeira Francisco Henrique
de Noronha, no mesmo posto, vencendo o respec-
tivo sold, oa conformidade das leis do 1 de de-
zembro de 1841 e 14 de julho de 1855.Patente
de 29 de novembro do aono prximo passado.
Condecoraco.Cavalleiro da ordem da Rosa,
o 2f tenente do Ia regiment de artilbaria a caval-
lo, Jos Manoel Teixeira Rios.Decreto de 18 de
fevereiro e diploma de 18 de marco do anno pr-
ximo passado.
t Fallecimentos.Dos Srs. cirurgio-mr de dP
vlso em commisso Dr. Jos Sergio Ferreira, em
5 de dezembro Ando, no acampamento do exercito
em operagoes fra do imperio.
1 Do tenente do 3a corpo de voluntarios da pa-
tria Francisco Jos Barbosa, em 27 de novembro
do anno prximo passado, no mesmo exercito.
Do tenente do 33a corpo de voluntarios da pa
tria Sebastio Gomes de Andrade, em 7 de dezem-
bro Ando, em marcha para o mesmo exercito.
< Do 2a tenente do 3a batalho de artlharia a
p, addido ao Ia da mesma arma, Dionisio Elisiario
Pereira, em 14 de dezembro fiado, no mesmo exer-
cito.
c Do alferes de commisso do 6a batalho de in-
famara Procopio Antonio Rodrigues, em 6 de de-
zembro rindo, no mesmo exercito.
c Do alteres ajudante do 26 corpo de volunta-
rios da patria Antonio Nones Cardoso, em 8 de de-
coronel e"o"so'*dosVrespectlvSs "nTlformsru cV- j zembro flodo no mesmo exercito
pito honorario do exercito Fidehs Paes da Silva I Do tlente reformado Antonio aiMltrlajM
1 Guimaraes, em 27 de novembro do aono prximo
passado, na provincia de Govaz.
Fidehs Paes da Silva
coronel de commisso, commandante do 16a corpo
de voluntarios da patria, em attenco aos servicos
Do tenente do 2a regiment de cavallaria ligei
ra Felicissimo Pinto Braga, em 28 de novembro do
anno prximo passado, no hospital ambulante do
destacado e Manoel Evangelista Borges actualmen-
te recorhid > ao deposito mande V. Etc. elimna-
los do servico ; declarando-me 'qae corpos da
guarda nacional pertencem os dous ltimos para
se ordenar a sobslltuico delles.
Dito ao mesmo. Queira V. Exc. informar a
cerca do qne pede no incluso requerimeoto o al-
feres da goarda nacional do Rio-Grande-do-Norle
Ludgero Vital de Bastos.
Dito ao mesmo. MandeV. Exc. eliminar do i.*
batalho de gafadas qseionaes destinado ao serv'
co da guerra aTgwrdi do batalho n. 39 de in-
Jillo Fniesnio.-ccasp rece6ldn o officio de 26 faniaria do municipio do Cabo Maooel Virissimo
jo corrate spj> p. 35, egujie V. S. me particjpon,fCorreia por ?e,r o Arrimo de' sen pal septnr^enirio
prestados oa guerra actual contra a repblica do
Paraguay.
impeKo0^ 7Tr
raot, commanPdantePem chefe da esquadra brasl- S," 1 d?7*de Sembr
anno passado, no mesmo hospital.
Do capito do 16a batalho de Infamara Do-
stsz
correte o 2 a cadete do 6.a corpo de "galanos |e(ra no Rw d contingente do Ia ba- Fra
Jos Nicolao de Souza e os guarda naclonaes Ao- ,|ho de lufantarla, que desde o comeco da cam- <*o
tooio Jos Hercolano que faz parte do 2.a batalho ha ,ctua| f nava| D|0qvaMdora do
forga naval bloqaeadora
Paraguay, tem sido serapre auxiliar prestraoso era
todas as glorias que a mariona nacional (era sabi-
do conquistar na raesma campanha : S. Exc. o Sr.
ministro da guerra, por este motivo manda elo
glar os officiaes e as pracas de pret quo fizeram
parte do referido contingente,
S. exc. o Sr. ministro manda recommendar a tria Antonio Por Deas Jnior, em 2q mingos Eustaquio da Cunha, em 19 do dito mez, no
mesato-nosplial: -
Do tenente do 6a balalbo de Infamarla Fran-
cisco Jos de Sonza Nelva, em 36 do dito m3, no
mesmo hospital.
Do alferes do 26a corpo de voluntaros da pa-
nel observancia da disposioo contida na ordem do no mesmo exercito.
dU desta secretaria de ssudo o. 466 acerca do Do cirurgio 'or,^. jj, exercito Joio Bap
do modo porque se deve proceder para coro os
officiaes de commisso qne vierem a cort com li-
cenca para tratar da saa sande.
Nomeages.Do coronel do corpo de estado-
rpiop de classe Luir, ^Bnrme Wolf- cop-
lista Teixeira, era 9\ d^Sro do aooo proxl
mo passada o^ provincla de Malto-Grosso.
Do 'ente reformado Jos Pernandes de Arad
jo. 'a 6 do corrente mas nesta corte. >
- L-sa no porrtio-Mercattil de 14 do pastt&L
Ptolomy, do Rio de Janeiro.
Ficava no porto a barca de goerra
Heldm, de Nlearaediep para B*tavia.
A falta de dioheiro torna va se cada
sensivel, e den lugar a elevaren as
ras o premio a 9 e 10 /. signado o praxo.
Assomira o commaodo das armas o
Innocencio Eustaquio Ferreira de Araujo.
Aehava se no porto, com destino a "
do, o vapor de goerra hespanhol
mando do capito de fragata D.
Ocoa.
O Exm. presidente da provincia
viagem aos rios Pardo e Jeqohioaoaha, a
sultado d conta da segninte fora o "
t A viagem do Exm. Sr. presideote <
cia aos nos Pardos e Jequiiohonna, ao
por si mesmo explorar a saa aova
por, e de recoohecer a coovti
cer-se all nm ncleo de eolonisaeo
dea em resallado a convicco de qae sin
ellos navegaveis por vapores de
prladas, e de qae ofTerecem vanugens
ras produccao agrcola.
< Os qaatro emigrados americanos,
co lempo chegaram a esta capital, o
associara aquella excurso, dmiiiraa a
te vegetaco que ha as margeos damos los, a
mostraram-se dispostos a cultivar as sana lar-
renos.
< Por meio do Canal Poasi, apa eamtMaata a
Rio Pardo com o Jequiliohoaha, poden' a fia da
Caooavieiras vir a sor o entreposto do
de Minas com esta provincia, o'
sem as embarcacoes com os
pela barra de Belmoote. Para
vegavel o referido canal, nao
faz preciso. Acha-se obiruido por n
eos de madeiras qne asile jateas, o as
arma sinuosidades, Impedem o llvre traaos
mas embarcacoes,
t Em todo o casan barra da Bsiman _
muito beova vapores de calado apraanods ao
aguas,e sem auxilio do canal Poas i podara' o
Jsqaitinhonha tfer sua navegacio Bspitml a arjav
i rada de Cannavieiras(Rio P.rOo.)
i A exploracao fluvial, eaainaat par i. fas. so
chesou a ser um tranalno (aligante,
sa promette nm futuro llsongetro as
viocia, feconaando toles do riaaaarf
neciam ostagnada*, o oara a emlgraoao
^m
< A popolaoio das locilldaaat pe samaos aara
Exm. Sr. Dantis, e be n assim asi
nana aannlclpaes, e autoridades
administrador da provincia qoa
pretender o alcance da sua TUfW
i )

i



r-
i
.--?
das a provenidos pela acti vitado ."respectiva bandeira
* Foram dea
do adeioislrador para ver, observar-*
de todo quanto poda servir a idea do
ejaealli o |ea*p.
CDegaram, prootdsntes de Pero
17, a escuHSfkndM SpMuitn, ob
/leo bngue bambarguei VaioAt \ t
inglez Agtut, e a barca dita Doon ; a' 2JJ
gue Adolpko, a sumaca hespaaaola Prontai*.
patacho O. Lats.
Sabio para Pernambuco, ao dia 18, a 1
nacional Quoraim.
AlagoasDevia ter logar, no dia 28 do pal
do, a beocio e assentaraento da prirneira pedra
cemiterio publico de Jaragua'.
l
qae pareorrori varias roas E" frade duvida qae a-Ir. D^^aim,indo
rtwtloacotipaahameniode assiguado o parecer dacomnwssio*
asninas e masice. uomeada para-a exame desse oonwaM, embore o
~ fho-e aro*.*, padre Safcaalio Jaesse por estar certo que eUe nJMa MaMw**-.
senda regida- orchestra palo, apoeltoa a responsabil|dade das luaaj.IMHiJiiinii.
de Memdiaaa. I *!" 'ese que e systema primitivo, -PMMRoMr
vainadas, e a noito urna ladainba, Carlos Cambronoe, ou ao menos o sea owthodo ae "a
descera a baodeira, aflm de ser con-, execuco pessirao e deve ser rejsltado.
Fie* assim fura de discusso aqalle systema, e
acomparago limitse aos doas ltimos, isto o
proposto no relatorio da corami&vo o acceito na
novacao do contrato.
Segundo as ponderaedes feitas palo Sr. Dr. Aqui-
a da nova juiza eom as mesmas
U-.sou levantameoto.
se no domingo oltime a Testa de Nossa
da Concicio da estrada de Joo de Bar
'Mi
*o dffeaear o* jracos phlslonomicoj da qnalquer Ponco depois de miaba haged, fiado onmpri- cionai do sen coAmando, nao aria
persa*e*i, compro bem averigaar os fictos pa- mentar-me o [delegado sopplente em exercklo, o presas* ardo da uesidencia mandar sr
por o aaracter do hroe a joiios ternera- r. Janete Francia 4a Soma Magalbda, psdto- desloado, qne sel >him lieud eea
rtoe* desfavorecidos, me asjsa oceasiao que .as ioiauasaasa.fioa Oteo tmdeparte; entunes catefcraar a
Do padre laoaaato Moror tenbo opioio moi van- acebedo, capMo6aaaael de sa Montenegro, eocar- j, gaarja nacional, onde os na nutltii*Hn.ad O
distioeto, ] quaa- regado do recrutenvrato nesle termo, par ojie se m 0ppr-e, con o escndalo eom qw o isa Ws>
moraes. A tradieco d on- a
seodso acto celebrado eom pompa, e baveudo no> 0 ysteraa acoeito pela presdesela contrario
grande concurrencia de Deis. ^ aoa preceitos higinicos porque, sendo as mate-
Mereaem elogios, segundo d'alli nos InssTmam, j^, d08 esf0tos laucadas no ocano sao arrastadas
os (estelros, neis tudo envidaram para o festejo da ; p^ ^^ iAS q,,,.^ m 0 interior do uosso porto,
Santa Virgen, najo culto ia all em negligencia. precipitme as margens dos rios, e infeccionara
Hiie ha urna esplendida partida no Monteiro. as aguas do Beberibe tambem inconveniente
e u .pela perda complet dessas materias, que podem
O orador sagrado da festa da Sra. do Bom- Mr apr0Tejtaaas para estrumar os nossos pomares
Parto, em Olinda, 6 o it vra. padre Antonio de Mello e jarijD,.
PERHWItWCT,
Consta-nos que desde sext-feira ultimo voltam
ou sao devolvidos os jornaes e is cartas, que pelo
crrelo publico se enviam para a Bscada.
Nao sabemos que fundamento baja para isto
dar-se < mas sendo bem detrimentoso tal proceder
para o publico, compra oos solicitar de S. Exc. o
Sr. conselheiro presidente da provincia a providen-
cia qoe no caso conber, ama vez qoe nao podemos
reconhecer direilo da parte do director da estaco
daqoelle lugar para semeltiante devolvlmsnto, e
menos aiada competencia para tal arbitrio.
tia du Sant Anna, Dertcncente a
= Cuacoaflus a atten?ao do Exm. Se. presiden- goas> e ||mm-Qpne da freguezla do Panam : taes
tedaprormets para 05 mos sob a assignatura do digno ex-|aii d^ aireito zer qq^-q^ sendo um dos ameaca/is um gearo do
de Flores o Sr. Dr. Joaquim Qoocalves Lima, pes- ienente-corooel Jj Afro, o qual velo a esta villa
soa de intiro crdito, e qae muito se temados no- pedir provdeocias ao Dr. chefe de polica.
c Felizmente Ferreira Pimeatel voltndo para
temporneos asslra apresentoo sempre essa victt- festiva, destinada aos innocentes folgares da popa
ma iUnstre de generoso patriotismo. taco.
As dsdoecocs do esboco blograpsico, porem, Nao s satisflz nesl* parte ao Sr. delegado, mas,
desfavorece o carcter moral do publicista do inda de accordo coa os seus desejos obtive de
secretario da coofederaco do Equador. "asa cunbado que Hmm necessarlas providen-
No me ioeumbire de apontar as proposicSes, ca, para qae os vajnnfarios da sua companbia
qoe, como disse, parecem-me arriscadas -, devo po- nio sahissem a' ra armados, paca evitar algum
rm reclamar acerca da seguate patsagem: conflicto entre ellas e os paisanos que rondavam
< A delacao como systema de defeu fez ayer- or parte da polica. Apenar dessa precaucao, um
gooha dos psuiots. Alencar (Jos Martimano) soldado da ronda procoron um sargento de volun-
umbem se proeurava salvar, imputando a sen 4r- arios, conhecldo por Antonio Alfalate, contra quem
e Albuquerque.
De Garanhuus dos escrevem em data de SI
de Janeiro ultimo :
f No dia 17 do corrate marchou para o termo
do Buique, por ordem do Dr. chtffe.de polica, a
orca de polica que aqu eslava, composta de qua-
renia pracas. Deu motivo a isto ama morte que
ltimamente all bouve, e que jalga-se pralicada
pelos mesmos individuos que em fias do anno ps-
sado tomarara alguns recrulas commetlendo tres
assassiuatos, e que aeham-se refugiados na fregue-
provincia de Ala
mo tudo qoanto elle .prujirio flzera, negava os
faclos da maior notoriedade, dizendo que estivera
em luta coasunte eom os republicano.
Este tpico inexacto. O senador Jos M. de
Consideremos a questSo em principio, e depois Alencar nunca desculpou-se, aecusando ou ncre-
guido na acquisico de voluntarios, entregando
6eu proprio fltho e satros prenles ao servico da
patria.
E* doloroso que qaaado os raembros da opposi-
cao-a apreseniasa auxiliandee governo nesta gra-
ve emergencia, es agentes do mesmo governo,
aqaelles que gosam de todas as vantageos das po-
siedes. levantem obstculos i execugio do pensa-
ment oatonat, que iodo se absorve na debellacao
do Paraguay 1 aperamos qoe taes escndalos nao desle termo,
flquem impunes, e qne se saiba qae nao ha nio-1 j(0 mstap dia 19, vaio eotregar-se ao Dr. che
goea privilegiado em Peroambuco, e superior a je ae polica Jos de Tal, um dos amores do altea
saoooio das las,
Segu boje no vapor Gerente, que so dirige
respondamos aos argumentos de localldade
A qaesto de salubridade publica sempre a
principal quando se trata de stabelecer em qual-
quer cidade um systema de esgotos: procura-se
chegar ao emprego dos meios menos nocivos aos
habitantes.
Ningnem, encarregado da alt tnisso de velar
sobre os negocios pblicos, teodo de celebrar um
contrato para o e.-goto de orna cidade deixa de es-
tudar em todas as suas phases a grande queslode
salubridade, e despreza o que a arle e a experien-
cia recommendam para alternar a conveniencia do
momelo e interesses particulares.
Pensamos que nem de leve se poder increpar o
Ilustrado administrador desta provincia de orna
falt lio grosteica.
S. Exc untia dianle de si para escolher e adop-
sua casa ao araanhecer do da 19 desle mez, de tar na novacao do contrato de
orna viagera que flzera a esta villa, encontrn sen mas de esgotos, ambos desconbecidos no paz, am-
cunhado Nemesio de Tal, eom sua mulher de quem. bos experimeotdos lora daqui. Pelo primeiro des-
era amasio. Pondo-se em fuga os adlteros, Fes-; ses systsmas as materias liquidas escoadas eram
mino foi em segaimento destes, e encontrando de lancadas nos ros; as solidas deodonsadas, remov-
novp o cu'uhado, deu-le um tiro, do qual nica- das e aproveiladas. Pelo segundo, essas
mente empregou-se-lhe um caroco ora orna das i wam totinrente levadas ao ocano,
pernas : este (acto deu-se em Quuiraada da Oaca
podendo-se
aproveltar lio smente a parle liquida, se (osse isto
conveniente.
S. Exc. preferlo o segando systema; e o fez exac-
tamente pela razo de ser elle mais conforme aos
tado de Palmeira. c"m "este"acha"m-se"presos"-1 preceitos hygierjjcos e portanto garanlidor da salu-
ve, e o numero das armas tomadas ja excede de; bridado publica.
, no O systema da commisso exiae o processo da
aos portos do norte o Exra. sr. coronel Jo5 Mar a 2U0. | ^Aos*cao, que esta bem longS de salisfazer as
Ilderon^o Jacome da Veiga Peboa, a tomar conta, Hoje se extrahir a 6 parte da o" lotera (i6),' condicoes hyg.enicas e que at boj* tem sido reco-
do commaado das armas da proviucia do Amazo- beaeMo da SanU Casa dd Miser.cordia, sendo o nnecidaaidnJ improacuo : esta ao manos a opi-
nas, para o qual tora aUimameote^meado. maior premio 6:000^ Dii0 dos sti e o que a experiencia de
ttffSZiS^ta^riSS! Leilio boje, na ra da Cadeia a. 8, pelo agea- todos mmgggg* JJV 9olidos
e consideraco ao carcter nubre e distincto desta te Mauras, de movis, jotas, relog.os, iniudezas e ftd^^SSiaas^BSiStoS
veterano militar, que 4era sabido conquistar as oulros objectos. J&!?"*Z*^S*ZJVJSEX
sympathias as dilTerenles commUs5es de que em pedem.nos a Io de segaiote ^tios ^p^4n!Sr!!!r?fi visi-
sido encarregado ne=ta provine a.nos longo an- No slbbado 3 fc correot as 7 noras da n01ie, nhancas desSes depsitos serao constantemente in-
nos qoe reside entre n>,. qosr como milllar rew- ^ alwruU a baudeira de Nossa hora da Con- commodados.
nbecidamente probo, active c honesto, quer como ^ -0 |o ^^^ com ,oda a pompa e brilhantis-1 g Mrl0 umbem que nesses resrvatenos se lera
simples cidadae, prestando sempre Dons e relevan- mQ> naveado em segajda vespera, e no dia segain-! de accumu'ar orna massa cooslderavel de materias,
tes servigos a causa publica. le 4 tera' lugar a feta, seodo orador o Rvd. padre e indispensavel que a remoco destas e a seo
E, pols, daado SM^sWjMNMM^ pregador da capella imperial fre Joaquim aprove.iaraento se facam com a maior promptido,
do Espirito Sinto, o templo estar' brilhantemeute
estima e conslderaco que dedicamos a pessoa do
Sr. coruoel Vejga Pessoa, felicilamos-lhe pela dis-
i neta e acertada escolha que acaba de fazer o go-
vrrno imperial de S. Exc. para caramandar as ar-
mas daquella provincia e aos seus habitantes, pela
ioa acquiiico que acaba de obler.
E' este o resallado da votaco lo collegio do
Graoito, perteaceote ao 5o dlsiricto eleitoral :
Dr. Bnarnue..............
Dr. Janseo......
Dr. Titiurtino.....
Vigawo Kranciseo Pedro
Vigario Burgos.
r. Mornulhio ..
Vigan' Lopes.. .
CuBSg Campos ..
Dr. Portel la .. .
orjiado pelo Sr. lnocencio Rodrigues de Miranda,
a muica de orcheslra sera' dirigida pelo Rvd. pa-
dre mesire frei Candido Ferreira da Cunba, can-
tando um dos solos o Sr. Rarrlbnda, a msica mi-
litar do 3." batalho da guarda nacional do Recife,
dirigida pelo Sr. Chagas, nao s acompanhara' a
bandeira, mais tocara' a maior parte do dia mui
. lindas e variadas pegas, no Te-eum ainda prega-
O, ra' o Rvd. padre raestre frei Joaquim do Espirito
20 i Santo.
90 1
O fogo feito pelos insignes artitta os Srs. Via-
va Rufino Filhos, bavendo durante o dia variados
divertimentos, baloes, etc. a Igreja osla' abert aos
devotos at o dia 3, de esperar concurrencia.
Rbp(lrtico da polica.
Extracto da parte do da 30 de Janeiro de 186b.
Forata recolbldos a casa de detencao no dia 30
O agente Olympio contina hoje o leilao de
grande quanlidade de objectos de ouro, tem ven- do crrante : .
dido j muita quantidade tudo por pregos caratos, A' ordom do Dr. Delegado da capital, Mana
da principio as 11 liaras em seu armazem a ra Francisca da Conceico e Ludgero Autouio da Sil-
da Cadeia do Recife n. 36. I va, coiao criminoses de morte; e Jos Julio da
- Ao goveroo imperial acaba de_ ser apresen- VeJJf*r5J J ^"ffi'egado do Recife, Willla Mo-
iada,por parle da nossa Assoctagao CmmtremlL^^ 6 willliai^onder, inglezes, reaasl-
Beueficente, a segumle represeniago
c Senhor.A Vossa Magestade Imperial se diri-
ge a Associagao Commercial Bencticente, represen-
tante do comraercio da provincia de Pernamboco,
para sujeitar ao alto conhecimento da Vossa Ma-
cao do respectivo cnsul; Manoel Azevedo Maia,
para correccao.
A' ordem do de S. Antonio, Joaqaim, escravo de
Antonio de Medeiros, para correccao.
A' ordem do de S. Jos, Delflna ou Alejandrina
gestade Imperial as difficuldades que eocootra a --. Conceico para correccao.
praca de Pernamboco no novimsnlo de fundos en- d d ^ da-Vista, Mana Joaquina Bar-
ir este outras pracas do imperio, principalmente u -
e confiada na sabedoria e il-, bsa. P',ra correccao.
a do Rio de Janeiro
lustraco de Vossa Magestade Imoerial, aguarda I
:.0 ,.roac.ocias aecessanas para se nao faze-las
cessar ao menos minorar os seas funestos effnitos.'
< SenGor.a praca de Peroambuco alm das
O ohofo da i" seceo,
'i. G. de UesQua.
Passageiros do vapor brasileiro Gire
do dos portos do sul:
Viceotede Mello Wanderley e sua familia, Ti
estrenas relacoes que mantn com a ^ Rio de Ja- ua fc Joaqu
neiro pelas numerosas e ampias operagoes qae ea-
tre arobis se realisam, recebe grande somma de
capitaes que sao cambiados das pracas do Rio da
Prata e do tilo Grande do Sol, para a do Rio de Ja-
neiro, atim de serem remullidos para esta, em tro-
ca das importantsimas expediedes que esta pro-
vincia para all reallsa annualmenle.
Para desenvolvimento destas transaccoes tem
tido sempre esta praca mais ou menos faulidade e
commodidadde, quer por meio de saques, quer por
remessas mesmo de dinheiros.
Nestes oltlmos lempos, porm, depois das me-
didas adoptadas pelo governo em referencia ao ban-
co do Brasil, iseotando-o as suas caixas flliaes do
troco das respectivas notas em curo, tem eocootra
Mariaoo de Oliveira, Jos Augusto da Veiga Orad-
las e seu criado, Aotoolo Jos Gestaira, Joao Perei-
ra Araujo Pioho e 1 escravo. Dr. Ignacio A!ci
des Velloso, sua familia e 1 esciava,
Velloso, Francisco Moncono Lima, Peono Augusto
de Lima e 1 escravo, Jorge Azevedo Parahiba, Ma-
noel Brrelo Dantas, Antonio Francisco Guimares,
capllao Joo Lourenco Araujo, 1 soldado acompa-
nbaodo o reo Joo da Costa Jnior, Mariaoo Lopes
Rodrigues, Joaquim Dias de Almtida Cost, Jos
Joaquim Das Ferreira, Pedro audino Duarte,
Nataniel Fernandes de Araujo, Fraocisco Firmino
do NascimenU) Jaiiba", Manoel Eraresto de Souza
Cotrira, Jos Loiz Soares, Aotooio Joaquim de Fa-
Claudino Alfonso de Carvalho, Ignacio Manoel
Damazio F.-au-
o que difflcilmeote acontecer entre nos pelas difli
cuidados e dispendio doslranspories, pela distancia
dos nossos terrenos de cultura, e mais que tudo
por nao se tirar de tantos sacrificios urna vantagem
rerauoeradora.
Quanlo aos lquidos sendo laucados ous nos,
anda mesmo doodorisados, produziro es resulta-
dos qoe o Sr. Dr. Aqoioo qaer evitar, islo, cor-
rorapero as aguas, ou pelo menos deixaro estas
de conservar a mesma pureza de boje.
Tratando dos procesaos de deodorisaco, os com-
missarios inglezes nomeados para estudar a qaes-
to do aproveilameoto das materias fecaes, exprs-
saram-se pela segninte forma :
< A opioio a qoe ebegamos, e com a qoal esto
de accordo o Dr. Uofmao e Mr. Witb qoe os cha
mados trabamos deodonsadores nao podem pti-
camente ser levados a efteito nos districtos sem
risco para a saode dos habitantes ; e se forem es-
tablecidos em grande escala, daro lugar prova-
velmeote a nma grande iosalubridade as visi-
ahaneas.
Nos j dissemos qoe pelas experiencias parece
qae o liquido que se eseda depois da deodorisaco
cootm urna grande quanlidade de materias em
dissolacao, e-qoe a materia orgnica oeste estado
possue prnonedades que tornara a soa preseoca
nos rios effeosiva e projudieial.
Ter algum valor, em preseoca de tantos males,
a questo do aproveitamento das materias para fer-
tilisaco dos terrenos ?
Pensamos qne nao, principalmente no caso do
systema que advoga o illustre Sr. Dr. Aqaino, por
isso que se despreza exactamente a parte mais fer-
ti lisa dora.
questo do aproveitamento das materias fecaes
ao tem sido menos estudadada que a da salubri-
dade publica.
Acreditou-se por muito tempo qae era o meio
verdadeirameote satisfactorio se substituir o derra-
mamento dessas materias nos nos e grandes sacri
, Ucios se flizeram no emprego de processos e ma-
Margarida; chinas as mais aperfeicoadas quefacilitasscm aquel-
do grave difflenldade nos meios de realisar o em-: ^ Jos PrancUc0 Taboca)
estado critico e anormal qae o banco do Brasil en
tendea stabelecer condicoes onerosas para a ven-
da de seus saques a favor desta praca ; e pois ca-
be ao goveroo de V. M. Imperial tomar algnma
providencia para que nao continu o comraercio a
sollrer com to estranha sitaaco.
Como providencia sem duvida proficua pede a
supplicante permisso a V. M. Imperial para lem
brar qoe convlria que o governo de Vossa Mages-
tade Imperial se nao ordenasse ao menos inQuisse.
para qoe o banco do Brasil se babilitasse a saccar
em favor desta praca, e contra a cal xa filial Cora
condicoes mepos onerosas, quer qnaoto a premio,
quer qasnto ao praso do vencimento dos saques,
como outr'ora fazia eom vaougera para o com-
mercto.
A difflcoldade proveniente da sitaaco exposta
cada vez se aggravar* mais com o importanlissimo
augmento ae entradas de algodo e assucar nestes
de Siiqeira, Manoel Joaquim Maia, Jos Rodri
gnes Cordeiro, Coorado Augusto de Faria, G. de
Oliveira Maia, Adelino Caudino Duarte, Joaquim
Domingos da Cost, Jos Candido Accioly, Jos
Francisco Morelra, Firmmo Leocad o de Lima, Gui-
Iherme flenrique Deves, Jacinlho Jos Nonas Leite,
Joaqoim L. Ccelho, Joaquim Marques da Rosa, Ur-
selioo Loite de Arroxellos, Jos G. Nogaeira, Fir-
mioo Candido da Silveira, Fjancisco Pareira de
Lyra o i ua senhors, Joaquim Jos de Araujo Vas-
concellos, Jos de Souza Guimares Jnior, Anto-
nio Ribmro Cavalcanti, sua senhora e t escravo,
Herraran Evangelista de Araujo e sua familia, Ce-
sar Antonio Rasolqui. Luigi de Lemjni, C. M>reli-
,no, Esponeli Angelo, 2 ei-cadetes, 23 ex pracas,
Isaac E>naty.
-Seguem paraw.norte: #
fPrancisco Jos da Cost Barros, Jos Bernardo
Medeiros, Eoeas de Araujo Torro, Dr. Jos Anto-
nio Rodrigues, Amaneo Muoeruoga, Manoel Jos
Bruee, M. B. P. Bejtes, Dr. Caetano Jos de Souza,
mezes de sfcfra sua respectiva exportaco.
O commercio da provincia de Pernambuco pela rT2~. ,.m. rhiria< *
Antonio Jos Moreira Pontes.
Passageiros do orlgue brasileiro Mondego, sa-
bido para o Rio de Janeiro :
Mr. Beop; Juler e 1 escravo a ei.tregar
ao menos prejudicial-nao s ao commercio como
a agricultura.
t Importantes como sao os valores do algodo e
assucar qae esta provincia exporta, e reallsadas
nesta praca as vendas dos productos das pracas de
Macelo, Parabyba e Rio Grande do Norte, nao pe-
queos cspitaes sao precisos, e nestas circunstan-
cias o auxilio dos estabeleclmentos de descoolo
indispensatel para o augmento do malo circo-
lame.
c A Associaeo Commercial 'desta praca, conbe-
eedora de soas pWpitaotes aecessidadas leva tam-
bem ao esclarecido conhecimento de V. M. Impe-
rial a necessidade de qae a caixa filial do banco do
Brasil estabelecida nesta provincia corresponda aos
flus de sua bstltoieo, habilitando se a farer des-
datSnefWc%sa2rr ffit' rn^u-cV^ao' W de Aqo.no Foosec. sogger.o-uos algumas
. aqpena HSS ff K' aSrn dos considerac5e3 que nos apressamos a iraoiaitiir ao
rclo'em USi^caS o'vrToTV M "m I 'Sado de parte o'que narrativo e pessoal ao
pStelaXv^^^ limitramos a Servar sobre este
tando-a de inmensos favores. IP00'0' W t9M para supo-irque S. S. nao
As transaccoes commereiaes destt praca, im-'l* ra,nt'8 considerado por S. Exc. o Sr. presidente
wrtMHes'eoeroMo, pree.sam para o seo fegular P">iaeia. qoando este se dignoo recorrer as
desaavolviJldBto de auxilio de capitaes como meio aua? ,u,z"s- e ^ue Deohum ProP' P*ra
circiilaa^tsoto mais quanto o novo banco de a*"*" < P683 csropeteoles qoe
Oammunicados
A atavafi dio coatrato de llai-
peza e asael da c Idade de Re-
cife.
I
A le tura dos artigas que sobre o contrato de lim-
peza e asseio desta cidade tem put licado o Sr. Dr.
raseca, sugge
apressamos
Pernambuco nao tem podido descontar, por ter il
. do ubrigado.a^racotoer a- sua,^atiuao w coas-
qtwne-tta lestuat t*rigacao- m^aift*K*B jai
ar smoaro aojporUdoraSHiss; natas. "
- ""* ltmmWk(im qne s5tcha"a pras*
bem rainifestda pet laxa do dsseontode 11,
13 e-.U Vw eu sambio sobre Londres de 28 i/4 a
28 3/a.
< Grnwi como a dflkuklade, espera a snppii-
eantea) V.M. Imperial se dignariattsadera ua
"^ Hwrrad) Dr. nos (
A festa da Seobora du Aagastiu de Santo como contrario as rpgrj
abre o-contrato forera ouvldos.
No exame das que.lSes que pare-is
de dicntsio para, *r. Dr. Aqnid V
aos'-tses qoe por soa-mportanea
$tr:------ "......
i.* O systema da iimpsta, adoptado j
do contrito, satisfaz elhor as osrdicosS hygleo
cas qne os doas precedentemente ropostos ?
2. AS nasas da novacao serio mais onerosas qoe,
as coudle&es do costrato primitivo!
3. Poda s governo da provincia
le resultado.
Parece entrelanto que tudo tem falhado, e que o
proveito colhido nao nem ao menos remunera
dor.
;Na opioio dos que devidaraeote estadam essas
quesles, apeoas se tera coosiderado proficuaa
ferlilisago feit com a parte liquida das mate-
rias.
Ao passo que a experiencia e os estados aconse-
jara o aproveitamento desta ultima parte, no sys-
tema que o Sr. Dr. Aquino prefere, dando por
causa a utilisacao das materias, sao os lquidos
laucados nos rios.
Depois de aconselharem que se evite por lodos
os melds o derramamento das materias nos ros,
ainda mesmo deodorisadas, e que s restabeleca a
pureza dos mesmos ros, dizem o professor Way, o
Dr. Smitb, Mr. Simn e oulros, quanto ao emprego
(Jaijutllas materias t qne o valos da parte solida
sendo pequeo, todas as tentativas para o seu apro-
veitamento como eslrume bao sido baldadas.
Sobre este mesmo-assumpto, expressase o Dr.
\V. Hofman nos seguintes termos :
t Ctiegamos por nossa experiencia a coocloso,
de que todas as propostas para ulilisar as materias
dos esgotos (excepto por meio de irrixaco) mos-
trara at a evidencia a soa imprallcabllidade. >
Firmando-nos na opioio de to respeitaveis au-
toridades, e considerando o abandono em qoe pa-
rece achar-se o systema separador com apruvrlia
melo das materias, pensamos qae podemos con-
cluir pela preferencia do systema adoptado na no-
vacao do contrato.
Restaos considerar as condiedes da cidade do
Recife cora relaco aos argumentos do illustre Sr.
Dr. Aquino.
Ninguem com boas razos contestar qae ama
cidade a beira-mar offerece todas as condicoes in-
dispensareis realisaso do systema preferido.
Tudo quanlo se faga oecessario aioda para esse
Ora, prevenido pela arte, e nao pode ser por ora
objecto de discnsso. Mas pensa o illusijf Sr. Dr.
Aquino que sendo laucadas as materias dos esgo-
tos no ocano se rao infeccionados os nossos ros
at as margens do Beberibe.
Creio qoe nio ofrendemos nem de leve ao illas-'
tre medico elassiflendo de irre&ectido o sen argu-
mento.
As materias se escoara de envolt com ama gran-
de massa d'agua e vao ter ao ocano em um pon-
to afastado do porto, depois de levantadas por ma-
chinas que as trituram e as laucara, quasi delui-
das, pela forca da gravidade.
Em semelbante estado nao fcil conceber qae
possa'm ellas ser arrastadas pelo fluxo das mares
al as margens dos nossos rios, e venbam Infeccio-
nar as aguas do Beberibe.
E se os motores e despejos continuados as nos-
sas praias nao team at boje corrompido essas
aguas, como acreditar-se que materias em dissolu-
cao, bragadas no oceaoo a to grande distancia, se
eocaminbem para as margens daqoelle rio ?
O Sr. Dr. Aqaino ser o primeiro a recenhecer
quanto infundada foi a sua apprehenso.
Ficaro prejudiuadosos norsos jardms como acre-
dit o digno medico 1
Que o flquem pouco importa, comanlo que se
restabelecarn as boas condicoes hygienicas, e qne
eiro que saltar em nossos caes veja ao
pando ninguem.
A verdade qae achaoJo se os nimos agitados
em consecuencia da dissoluco da assembla coos-
tiluiole, e offerecimeoto do projecto de consiitui-
cao para o novo imperio, luvia-se resolvido a for-
ma^o da coofederaco do Bqoador, isto a omo
das 10 provincias ao norte da Babia at o Para,
aflm de sastentar-se a independencia nacional,
manter-se o governo de instlluicdes livres.
Os patriotas cearenses convencidos de qae o im-
perador arrependido do quanto havia feito, trahia
a cansa da independencia, e proeurava fazer o
Brasil voltar ao jugo colonial, nao irepidaram aote
a revolucao.
Factos e circomstaocias, que seria longo .enume-
rar aqu, moltvsram no nono do Brasil esse juno,
que o tempo dsamenliu, jastificaudo a iealdade do
limpeza dous syste- fundador do imperio.
O zeio da graode causa nacional excitava o pa-
triotismo do norte, e assim desculoa o generoso
ardor dessa psrco de Brasileros, que tudo sacri-
ficavam pela reallsajao da idea da nossa emanci-
pago poltica.
Quando assim se proceda no Cear, o senador
Jos M. de Alencar nao eslava na provincia: acha-
va-se na corte como deputado a' assembla coos-
tiluinte.
D'alli ehegando, achou o Ceara' em viva er-
meotago, e as vesperas do acto extremo da re
voluca. Conteslou a otilidade do movimento,
ponderndoos pergos do desmembramemo do im-
peno.e daaceiaco do principio democrtico puro.
O Uado teoeute-eoroael Tristo Goncalves de
Aleocar Ararlpe, a' frente do movimento, que se
iniciava, nao aceitn as argumentos do irmo, a
quem mostrou a necessiiade da revolucao cerno
nica idea capaz de firmar a independencia pro-
clamada, e sustentar o rgimen hvre ja adoptado
pela naco.
O senador Jos M. de Aleocar accedeu a projec-
teda confederaco, tomoa parle oella de maneira
assas ostensiva, e jamis negoo a autora dos pro-
prios factos.
Elle assistio ao grande conselho provincial de
26 de agosto de 1824 ; propoz o decreto de amnis-
ta para o.- Crimea de opioio poltica; aceitou o
cargo de depnlado ao congrtsto geral confederati-
vo ; marchou com o governador das armas Penara
Filgoeiras ua expedigo que se diriga em soccor-
ro de Pernamboco.
Si assim procedeo, e si tado coastava de autn-
ticos documentos, para qoe negar quaesquer faclos
quando estes bastavain para capilula-lo reo de leza-
nagettade, como enlo se dizia? Faze-lo, seria
inepcia.
Todos sabemos, qoe a absolvico do acensado foi
devida ao ialeresse, que por eile tomaram horneas
conspicuos e influentes na poltica de ento, qne
reconheciam o carcter de moderaco do aecusado
e os servicos prestados a causa publica pelo ex-de-
putado oonstituinte. O proprio Imperador por elle
manifesiou surama benevolencia, e ninguem ignora
a carta do ministro Jos Clemente Pereira ao pre-
sidente da commisso militar do Cear.
Emquanto o biograpbodo padre GoncallG Moro
r nao apresentar a defeza, em que se conlm a
denegallva allegada, teremos a sua assergo por
falsa e gratuita.
Lancar accasaco to grave ao carcter de um
tinado, de um cidado uotavel no seu paiz, fundan-
do-se talvez em noticias contradictorias, ou em boa-
tos nascidos de pequeas paixdes da poca, le-
viandade, ou desojo de molestar os vivos oa memo-
ria dos morios. Injuriar a estes por contemplacao
a aquellos profaoasa, que os coracoes generosos
repeliera, e os espirites pequemdos nao conbe-
cem.
A confederaco do Equadpr nao teve por alvo a
repblica : esta.veio comojfaeio. O fim era a rea-
lisaco da ioaependencla om Jnstiluujjies livres ;
e persuado-me, que ainda .quando a co|J>djtago
vingasse, as provincias confcderadalaldlamra ao
gremio imperial, firmada definitivamente em lodo
o imperio a cauza da independencia.
Para semelbante asserco fundme no juizo cri-
tico de pecas officiaes, que aprecie! com refleclida
leitura.
Deltas te v que a idea monarcbca predominou
sempre no animo dos cheles do partido patriota,
sendo smente abandonada, quaudo no pensar dol-
as tornou-se meompaiivel com exilo. da causa in-
dependente. E' assim, que ainda depois de ergu
do o brado da revolucao, o chefe desia no Cear
em suas proclamacoes e ofQcios dizia : < Eu nao
conspiro contra o Imperador. Quero que elle seja
o ebefe da naco brasileira; mas a provincia tam-
bem quer que Ihe emende com rasgos brillantes
os erros de 12 de novembro do anno passado, e
que nao bloquee os nossos portos smente por nao
querermos acceitar os novos oppressores enviados
da corte. -(Of. de 19 de maio de 1824.;
Recife, 30 de Janeiro de 1866.
Tristao de Menear Arartpe.
( con-
ven o
LrepsHe
estica; o systema pra-j it h
^m
.
Meo,
]is*>ae. Sr*.
jj^B* florescer sem
das praias; e lerabre-se
qne Londres e Pars eoJJJrf
Continuaremos.
i cora efes*.
i suas flores.
Smtth.
CaRTA.
Cbeio da maior satisfaco e gloria envo a V. S.
para sua InlelligencU e devida execucao na parte,
que ihe tocar, a copia junta do aviso da secretaria
de estado dos negocios da justica, pelo qual Qca V.
S. em plena liberdade, declarado innocente e livre
de colpa, por haver sido confirmada por S. M. I.
a sentenca proferida a seu respeito no tribunal da
commisso .militar desta provincia; e eu muitorae
lisoogeio de ter mais oceasiao de ver resplandecer
a innocencia e virtudes de V. 8. o muio folgo de
ver novamente brilbar os seas talento*, com os
quaes to imporlantissiraos servicos tem prestado
a nossa chara patria.
Deus.guarde a V. S.Quarlel do commando das
armas do Cear, 14 de marco de 1826.Conrado
Jacob de Nimeier, presidente da commisso mi-
litar.
Illm e Rvm. Sr. padre Jos Martinlano de Alen-
car.
i m .
Desaqnartella boje 1 de fevereiro o 3" batalho
da suarda nacional (da Boa-vista) do commando
do Sr. tenente-coronel Seve, e ja era tempo de tai
acontecer a bem da ordem publica, to sobresalta-
da com as sanguinolentas scenas do Cuco. Dos
o conserve por muito lempo fra do quanel pelo
menos em quanto nao se retiram delle os homens
qne por soas inaptldoes o reduziram a to lamen-
tavel estado.
Molla gente tem de chorar eom a melguelra qne
perdem principalmente o Sr. capito quenas da3*
companhia, a quem damos os nossos psames, mes-
mo porqoe flea livre da ma lingua da amga Sil-
vina, que como se sabe, bastante comprida, e nao
o ponpa, como aconteceu no dia 29 do passado, o
qae nio foi pequeo escanda-lo, principalmente
diante de mullos soldados do batalho.
Um guarda do 3o batalho da 3* companhia.
Augusto Pater Cesar alteres vogal e secretario
qoe servio no conseibo de desciplina que respon-
den o Sr. alferes Adriano da Silva Faria, declara,
qoe foi veocido oa votaco que den lagar a coo-
demoaco do mesmo Sr. a perda do posto; assim
como o seria se se tratare de oulra qualquer pena.
Recife. 31 de Janeiro de 1666.
Angust Pater Cesar.
Urna oceurrencia desagradavel, qoe se den em
Villa Bella-M nelte de Natal proximo.com relaco
aes voluo* os ah aqoartelados, o objeto deste
artigo. -1 [nrrala tal qual foi lestemunhadajor
Ierra ha qtvtbwgga, e qae se Jffli fisienas TJSTpIsoas de amos os sexos, qae-pi-
nhavam as-portas e obstraism as-calcadas, e atoa
jj^Hp*; *m- qoe tevirregarr*para otroTnntir nennlna
es lavara prevenidas alguns memhros -da liga, e
seodo encontrado ebrio e com armas foi preso e
recolbido a' cadeia.
Regressando no entretanto o Sr. delegado a' mi-
nha casa, para commooicar-me o occerrido, nao
obsianle os bons aesejos que (vemos de preveni-lo,
sabiram-lhe ao encontr (e aqu coraeca a oceur-
rencia a' qoe me reflrn) da casa immediata a' mi
nba, e na minba calcada, os Srs. comraandante su-
perior Aotooio Xavier de Moraes, em mangas de
camisa, e sea parele Dr. Tiburliao Barboza No-
gueira, promotor publico da Floresta, que em som
e de portelro do auditorio, e a' competencia qual
mais devia gritar, exprimiram-se, o doutor nesta
substaocia : Recolha esse patife, mande raetler-
Ibe os dous ps e o pescoco no irooco, carregue-o
de ferros, eosme essa corja de voluntarios po-
dres I e o coramaodanle superior nestes ter-
mos : Obre, Sr. delegado, nao leoha receio, en-
sine essa oanalha de voluntarios infames que aqu
ha. Se precisa de gente, peca-me, tenho forca pa-
ra esmagar essa corja I E, voltando se para um
meu parante Jos Balsabinj Goncalves Liraa.que Ihe
fazia urna observado muito razoavel, e em termos
os mais commedidos, respondeu : J fui tenente
coronel, boje sou commaudanle superior, lenho
forca e poder que me da minba palete, quer v
ia ? ella me auionsa a calcar no tronco a quem me
desobedecer I
E nao limilou-se a isso o frentico descommedi-
renlo, cora que o chefe da oossa goarda naciooal
conspurcoa a farda qoe enverga, elle foi mais loa-
ge : nundou chamar nessa mesma noite o capito
Sebastio Jo^ de Magalhes, e ordenou-lhe que
al o da 2 de Janeiro Ihe apresentasse os guardas
oacieaaes designados, que se acbam alistados c >mo
voluntarios na companhia aquartelada em Villa-
Bella, e na mesma imite officioa ao tenente coronel
Braz Nunes de Magalbes, que houvesse de requi-
sitar do commaudanle do corpo de voluntarios to-
dos os designados, que estivessem como volunta-
rios, e, se nao se apresenlassem al o dia 2 de Ja-
neiro, os fizesse prender por ti ou por intermedio
da poiicia e de ambos recebeu o desengao de
nao poderera cumprir estas ordens por estarera
em opposico com ordens expressas que tinbam do
aoverno.
lia em tudo isso tres cousas a observar :
i.* A deslealdade, seno desobediencia, com que
o Sr. Moraes, a despeito das reiteradas ordens do
goveroo para auxiliar a organisaco do 4* corpo de
voluntarios, nao s negase obstinadamente a isso,
mas al, como sabido, guerrra esta idea, servin-
do-se da influencia de .-eu emprego para inolilisar
os esforcos dos qae se acham empeohados oa or-
Kanisacao deste corpo, promovendo alistameotos
ficticios de voloulanos para subtrahir ao recruta-
menu os do seu partido, e ltimamente prorora-
pendo nos mais grosseiros insultos contra aquellos
que, a seu pesar, e a despeito destes ridiculos ma-
nejos, acudir- m ao reclamo da paria. E como se
isso ainda nao fra bastante para revelar sua mi
vontade, ordena a priso de certos voluntarios,
cora o lira de desmorajisar todo o corpo. Por aqu
avahe o governo os embaracos e difficuldades com
que luclara aquelles, que des-jara salUfaz lo no
grandioso empenbo que Ibes eommettea.
2.* A insensatez com que om commaodante su-
perior apresenta-se em da festivo, na ra mais pu-
blica do lugar, em mangas de camisa, e perante
i inmenso concorso de povo attrahido pela festivida-
de, a dar se ao mais triste espectculo que jamis
se vio em pessoa da sua posico, apregoando soa
auteridade, fazeodo alarde de soa forca, ostentan-
do o inaudito privilegio do tronco, e ultrajando gra-
tuita e vergoosamente aquelles, que nao tem po-
dido arredar do servico voluntario do paiz.
O imperador considera os voluntarios como be-
nemritos da patria, o commandanle superior de
Paje e o promo.or da Floresta os denomina de
corja infame, eanalba, e oulros epithetos da lavra
de Eseadiohas.
Meo Deus I a que gente esto confiados os des-
tinos desle misero povo 11 I Al quando deixare-
mos de ter liberdade para tndo, at para offerecer-
mos espontneamente nossos servicos ao paiz.
A 3* observaco qoe me compre fazer que na
insensata e descommeaida aggresso, feita aos vo-
luntarios, houve da parte do Sr, Moraes e do sea
prente detiberado proposito de molestarme. Ven-
dome sentado a dous ou tres paasos de distancia
do lugar, que escolheram para dirigir os mais as-
querosos insultos contra urna corporaco, que pela
maior parte se compoe do prenles meus e gente
miuha, inanifestaram no seu procedmento calcu-
lado proposito de offeoder-me, ou no intuito de pro
vocarem scenas ainda mais desagradareis, para as
quaes coosta-me eslavam preparados, ou para pu-
nirem-me pelo grande crime de haver obtido, es-
tando na opposico, o numero de voluntarios, que
Ss. Ss. nao poderam conseguir estando no poder.
Aprecie o publico e o governo a moralidade des-
la occorrencia, e facam a juspea que merecem
seus autores.
Soledade, 27 de dezembro de 1865.
Joaquim Goncalces Lima.
Eslava reconhecido.
insuMos e pre-
afre-
das circomstaocias,qoe podem influir na sna apre
claco, historiarel os precdanles qae se.deram.
Desde 1863 qae, deagostoso d.s scenas de terror
e escndalo praticadas pela polieia para stabelecer
o predominio do partido progresshtt, rarisstoa vsz .
tenho uhido do rsUro que escoibi para residencia, deixar.de compromeiter
r al, que reap-
todoXiasptm
porAm, por aicuns paran-
festa do NaJT deste anno
Ole tenho Ido ha dous annos-
iM,j> ia i na
Prosegoindo o Sr. commandanle superior Anto-
nio Xavier de Moraes, na carreira dos excessos, e
desvarios, que ioeetou no dia 2l de dezembro ul
limo, e de que traiei no meo primeiro commuoi-
cado de 27 do dito mez, cootiooarei tambera a dar
publicidade a seus actos, emquanto ellos exprim
rem hoslilidde ao quario corpo de voluntarios, por
coja. organisaco me tenho ioleressado; ou para
qoe o goveroo o cootenha pelos meios, que a le pot
sua disposico, ou ao menos para graogear-lhe a
celebridade que S. S anciosamenie procura, e a
que os seus deslinos ihe vo dando indlsputavei di
reito.
ao artigo anterior- uoliciei a oceurrencia da
noite de 24 de dezembro; nesle tratrei de outra
de igual quilate, que Uve lugar no dia i" do cor-
rente.
Continuando no seu proposito de guerrear com
todas as torcas e por todos os meios, desde a se-
dueco at a violencia, o quarto corpo de volunta-
rlos, o Sr. Moraes com o maior desprezo da le, e
das ordens do governo, apresentou-se em villa Bel-
la do dia primeiro do eorrente, escoltado por um
grupo de gente amada, fazendo parte deste dez oo
doze rapazes solteiios, e sem isampeo legal, que
teodo sido (alguns) procurados pelo recrotador, e
nao sendo encontrados por se terem homisiado na
proteceo de S. S. e de seus pareles, foram de
proposito all coaduzidos como elles me.-mos decla-
raran!, para procuraren a quera quer que os qui-
zesse prendar I
A villa Bella converlea-se nesse dia, com o
maior escndalo da populayo pacica, qoe affluio,
festividade em um arsenal de guerra I E quem
visse os grupos armados que de varios pontos sur-
giam, diria qae o Sr. Moraes veio disposto a dar
combate aes Paraguayos.
Entretanto toda essa forca oo tinha outro fim
senao insultar os encanalados da organisaco do
corpo de voluntarios, provocar o recrotador, e mos-
trar que 8. S. nenbum caso faz da le i e das ordens
do governo.
E' verdade qae na administraco do Pr, Silvei-
ra de Souza, e nos bellos dias da delegacia do Sr.
Moraes, que apona de bayoneta nos expellio das
ornas, nada vliam as partes offlciaes em que se
recommendava a observancia da lei; > que valia
toda era a correspondencia particular em que se
ordenava o triumpho da liga a lodo transe. Mas
hoja que o fixm. Sr. conselheiro' Paranagua a todos
tem procurado fazer a justica, qoe loas era dene-
gada , cia secret, antes confiamos que. estes, fados, o
mais escandalosos, que. nesu
datante sua administra cao; ~
Suu tolerante: respeRo a:
pWrvpTWStroTCoTJs oT"
ao recrotamento at de pessoas que i
das nacionaes, anaaado-os i
companhia para iataltar o i
desordens, e cora melle r criaos de sjm i
vantagem, nenbum proveito poda litar.
Por ailo meaos do qne todo teo algias in
seos collegas se achara suspensa ea algnaas a-
calidadea da provincia,
Soledade, 4 de nae.ro de 1864.
Joaquim Goaealves Lia*.
Illm. Sr.Samuel e S Mhm angro, capia* di
4' companhia do 4' batalho de volonurioe di pa-
tria d'e.-ta provincia, e encarregado do recratanav
lo n este termo, precia a bem mu, qne V. & par
amor da verdade, e da justica se i
lar o que Ihes constar acerca dos segnak i
tos:
1.a Se o commaodante superior Antonio Xavier
de Moraes, tem auxiliado oa gaerrisde a i
gao do 4 corpo de voluntarios da patria, a i
os actos qoe exprimem es essa guerra aa
jovago.
2. Se oa noite do dia 24 de dezeaere
passado, o dito commaodante superior,
nvo justiflcavel dirigi os mais
tos e provocago a todos os voluntario
telados, e em qoe coosisliram taes la
vocago.
3." Se o referido commandanle superior
seniou se aesla villa no da primeiro de
rom torga armada, fazeodo parte desta i
treze rapazes solteiros, sem exeapcie
gons dos qoaes o supplicante tea procurado re-
crutar, e s o nao pode conseguir por M arara
homisiado oas fazeodas daqoelle senhor a de ssa
familia.
4.* Se estes rapazes no mencionado dia priaati
ro de Janeiro crozaram as ras d'esla v, pro-
vocando a quem os captorasse, e d/claraodo a di-
versas pessois qoe tioham sido a jai chamadjs a*
proposite. _
5 Se o supplicante s deixou de os captara**
para evitar scenas sanguinolentas que devia a
compromelter a ordem e tranqoillidade ptatica da
comarca.
t." Se nao obstante achar-se a villa a toda lera*
em perfeit paz o delegado sopplente, Kraaei.-c*
de Souza Magalhes, reuni nesta villa ao refera*
dia primeiro de Janeiro, porcao de gente
que aquartelou em casa da sogra do comri
superior.
7. Finalmente se Ibes coosla qoe os
cidados qoe o'esse da coneorreraai i festivioad*,
vendo todo o apparalo bellico da villa, primad
algum syoistro acontec ment; a asoirdoa a*
melhores desejos pela pat publica ejuex-oaram aa>
villa mesmo desarmados como se acaavaa, at
que viram d'ella sabir ja tarde es oluaea grava
armados.
Reqoer portanto a Vv. Ss. Illas. Srs. jatz aa-
uicipal e promotor publico, se dignem aite^lar-lnes
o que a tal respeito Ihes constar.-E. R. H.
Atiesto quanto ao i* qoisiio : qoe o eoamaaaav
te sooerior Antonio Xavier de Moraes, aao tea a*>
xiliado a orgaoisagio do corpo *e veinaariei; antes me const ter guerreado-a usando da aaa
organisago de voluntarios delicia; oraestaade a*
capito Sebastio Jos de Magaada* l^aaa, **
tenente-coronel Braz Nones de Magalbes, para aV
rarera da companhia do sopplicante os gi
conaes designados qoe se tioham alistado
tarios da palna.
Qoanto ao 2* qoesto: qoe o
penor sem motivo justificavel. oa rasM-de da
de dezembro dirigi provocaces a aaasts* a '
dos os voluntarios aqu aqoartelados, ei
caoalha de voluntnos, e isto coa va* i
e estrepitosa.
Quanto ao 3 quisito : consta ae
pi is da chegada do referido coaa
villa no dia 1 de Janeiro ehegaraa i
armadas viudas das moradas e fazeodas da
senhor, e qoe ao meio dessa gasa* varas* 12 asi
13 rapazes solteiros sem eieapcao legal, a alas
dos qoaes o supplicante tam procurad i
e s os nao tem cap-orado por ae lerea
siado as fazendas daqnelle senhor e de so* as-
imila.
Qoanto ao 4 quesito : coosta-me qne estes ra-
pazes no dia i" do mencionado aes de jaaear* aav
daram as roas dessa villa provocando s taea*
capiurasse, e declarando a diaria pesa oas ea*
irahara sido chamadas de propoeita.
Quanlo ao 5* quisito : qoe o so atinan s a
deixoa de capturar para evitas
lentas.
Quanto ao 6* qoisito : qoe o delegad*'
Francisco de Souza Magalhes, nao i
se a villa em paz no referido dia I* de
reonio porcao de gente armada, qoe
em casa da sogra do commandanle
Qoanto ao 7* e oliimo quisito
pacficos cidados, qoe nessa dia ee*eorreraa a
festividade, vendo todo apparalo bofSco da vWa,
prevendo algum synislro aconlecimeato, e esiae-
naram na villa, mesmo desarmada*
al que viram sabir ja tarde os i
gente armada.
Villa-Bella, 9 de jaaeiro da
O promotor pobiieo, Jos
Leite.
Altesto acerca de todos os quistaos
dade do atlesiado supra, por ser I
de do qae tenbo sciencia perfeiu, o i
guodo quisito acresccoto qoe o refera*
daote superior vocieroo mas ootre-
riosos taes como de volaatarios
iguaes da qne j me nao le
voluntarios da patria estavaa no i
medidos oo tronco.
Villa-Bella, 9 de Janeiro de 1866.
O joiz municipal sopplente ea exacta, I
tio Jos de Magalhes Lopita.
(Eslavam reconbeeidos.)
'i
>


Pttbcacfes a pedido
Elcico dos devo as fie leca fe
jar \ossa Senbera
Oliuda no anuo de 1867.
Joiz proteeter.
O Illm. Exm. e Reva. Sr. Uspe D.
R. Medeiros.
Juiza protectora.
A Exma. Sra. D. Umbeiiaa Rosa
Pinbo.
Jniz por devoeio.
O Illm. Sr. tenente coroaei Dr. Jasa Casa
Queiroz Fon seca.
Joia por devoeio.
A Illma. e Exma. Sra. D. Cordoihaa da Si
Lins de Almeida.
Joiz por eleao.
O Illm. Sr. Joaqoim Fraocisco do Eepiria
Juiza por eletcie.
A Exma. Sra. Baronesa de Llaga.
Joiz perpeta*.
O Illm. Sr. comraeodador Masas! Las* T
Tbesoaretr*.
O Illm. Sr. capllao Francisco Ule Vsres.
Barrts**.
O Illm. Sr. alteres Jos dos Sea* Mea
Olivein.
aasrlea*.
A Illma. e Bis. Sra. D. Hat Arm de
ra Braga.
Procarador*.
Illms. Srs.:
Frei Ludgero do Santis
Alferes Julio Cesar Ferreira
Padre Sebastio de Aadrado Tiaa.
Trajaao Felippe Itery de
Olinda, 28 de Janeiro de
Frei Antonio de
Astado des.
"'
Poda o Sr Antonio Cartea
e de Leo contiooar a i*|ariarae
Sr. Comraeodador Anteo! da

eoto oo animo dos meas arnigos.-aBH
me onvem; nas as provocaroes do Sr. 1
taes e tantas, depois que o axef^jVj^
gacia passou aos suppleoies, qae si .
puzer termo aos seos desmandos, S.
J3a- vinte edou aaoos -qae ataa *
por mim e por meas pais. Geatae,
vel o meo aariyno, asaaj
annos qne supportei ea afl
qp* viagara iltadar a
mim bast ae a
ijoy ealfteh asi cota minaa I*-
.mii*m2b*m*mi\9 dola n ^carwi^.
SeoSf.MS
no, nunca quiz, o nunca qodi
Dio devia ojfiCi
' iBra


\


4 .
CURA
Esputa* e kiwangf
DE DMA CHAO A
CANCROS* E Bffiffttl
ou
POLYPOM-RABEL
a,-^a
te ele 1866.
per algo.
" 5 por tent sobre
1WI HU'
metda ao tratamento de sea medico, resol- acharan desengaadas, as quaes acham-se *
i para tratitr de um outrj boje realafcelecid com o referido xarope s*
esceivo, qoeuolTri dmaa Bfermidade, alchoolico de veame; entretanto que
?ireiere\>lhe-o xarope de vtlame, tem me- guns, tendo usado do xarope de Curinier,
hoftidd crjdsldwavelffleiite. de Larrey, de salsa parrilha, da ponaria, \****carro parueeiard 4 *.
A seahora. do'Sr. Aotoofct Francisco Ho-'oleo de ligado de bacalBao, e ontre* agentes, ra^ae%gtS! M"* *8 he"
norato foi desengaada por babeis mdicos desta ordemnada conseguiram. E' elle de Matncuirda ota normal' '.'.'.
desta'cidade, esteve prostrida, e nos ulti- fcil difeso, agradavel ao padar eaool- 5 por cenia sobre os beos de mo
mos paroxismds djWrte, fti com o xaro- ptlato Algans mdicos desta ctthe e da _**">
o se v da carta
Wecife de 9 de feve-
Urna creada de servir residente em Pernam
fcneo e pertenoeate Ex"* Seflrf. Vibcoitmssa
K Goiana fol attacada d'uma terrlvel cha
ga cancrosa e roedoraon Polypo no Nariz.
A mesma involvia. e tomava todo a parte in-
ferior do nariz, ameacando ja Uistruir tanto a
forte cartilaginosa como o mesmo oso ; Com
fon primero por appareoer sob o bei(o supe-
rior e parte da face, eitoniiendo-se por tal
foima e com tal rpidos, ^ a va transformar todo o rosto n'uma enorme
cliarga viva e asquerosa. Durante todo este
terrivel estado, tocios os reonrsos modionacs
que em taos cacos se tizoo forSo abundante-
mente empegados, sem qne de levo fi/esse
parar a marcha lenta e distraidora de tfio hor-
rivtl enfennida.de, e todos os meios e esforcos
forto baldndoe, no em tanto o'mal resela eis
que por milagrosa fortuna da infeliz estando
as couzas neste ponto, se experimentou pela
ez primalra a
SALSAFAERILHA
DE BRISTOL.
O eflfeito produzido, qnasi que instantneo
por este ihostimavel remedio foi verdadeira-
mente maravilUoso e sem igual; este grande
purifleador do sangue e dos humores do sys
tema, imfnediatnmente p6z um termo mar-
cha disasfroza e fatal da molestia, derramando-
ce e Infiltrando-ee atravs dos tecidoe os mais
delicados do- corpo, expcllindo at ultima
propriedade ou vestigio virulento da molestia,
e dentro d'um curto espaco de tempo produzio
urna
Compl
CURA
eta e Radical.
Este feliz quao admiravel resultado foi obti
do apenas com o simples uso
D'iiiita so nica Garrafa!
d'esteincomparavel e inapreciavel depuratorio,
recommendamos portante todos os Doentes
que procurcm obter com o maior cuidado
nica e verdadeira Salsaparrilha da Bristol,
nicamente preparada por
L ANM AN & KEMP,
De NOTA YORK,
na certeza de que, todas as mais preparacSes
imitativas nao valem para couza alguma
Vende-se as boticas de Caors & Barbosa
e C. Bravo & C
pe d veame
impressa no Jbrrt
rer de 863.
0 escravo Emilio, do Sr. tenente-coronel
Rodolpho Jo3o Barata de Almeida, foi tam-
bem desengaad por babeis mdicos, e
com o xarope de vellame acha-se completa-
', mente resiabelecdoJ como se v tambero
' da carta impress; do mesnio Sr. tenente-
coronel no mesmo Jornal do Recife.
0 Sr. Antonio i Cristiano Fogt, filho do
Sr. Cbristiano Fogt, preprietario e estabe
lecido na cidade de Macei, o primeiro bem
conbecido nesta cidade, pois qae foi empre-
gado na casa do Sr. Len Chapcllin, retrar
lista estabelecido na ra da Imperatriz, ac-
commettido desta molestia, foi daqui desen-
gaado por habis mdicos: retiron-se para
a Bahia, e all continnon em tratamento ate
que foi segunda vez desengaado pelos m-
dicos dalli, chegando en em Macei, um
amigo pedio-me, que o acoropanhasse at-a
casa do Sr. Cbristiano, para ver um doente
e prescrever-lhe algum remedio, encontrei
o liiho em urna cama desanimado e em es-
tado de prostraclo, pois que escarrava sua-
gue, etintaa completa inapetencia e fraque-
za a ponto de nao se poder por em p, no
fim de urna garrafa do xarope etbereo de
veame j se achava elle no estado de pas-
seiar em casa, desapparecida a inapetencia e
os escirros de sangue ; e a tosse mitigados.
No 3m da segunda j acbei em estado de
faze-lo passe.ir pelo sitio todas as manhas.
Acabada esta o aconselhei, que continuasse
no uso do mesmo xarope etherio alternado
com o xarope alcoolico de vellame, e que
usasse dos banbos salgados na pancada do
mar. Sentio elle nos primeiros banhos al-
guna cho |ues, mas eu o aconselhei que con-
tinuasse, como que se tem dado muhobem
pois que tenho recebid cartas de Macei,
em que se me communica o sen bom estado.
Nesta molestia os expositores de medici-
na nao acooselbam banbos salgados, apenas
quando delles tratam, dizem ser applicados
as escrophulas, hypocondria, estherismo,
amenorrhea, raethismo, etc. ; entretanto'vi
este bom resultado no filho do Sr. Cristiano,
e outros fados iguaes tenho visto as om-
; lestias siphyliiicas, e outras muitas que com
i o uso do xarope alcoolico de vellame tem-se
obtido cura radical.
O Sr. Dr. Silva, medico hbil de Macei,
j depois de ter applicado a um seu doente de
rbeumatismo o xarope alcoolico de vellame,
; logo qne elle se poz em estado de largar as
moletas, em que andava arrimado, o aconse-
Ibou que continuasse com o uso do mesmo
xarope conjunctamente com os banbos sal-
gados, com qut se tem dado muito bem, e
um dos mdicos que all em Macei tem com-
pleta conflanca as prepararles de vellame
por mini feitas, pelos bons resultados que
tem obtido emsua clnica.
Quando alguem se v com tosse vai ao me-
dico, este o examina e declarao senhor es-
t affectado dos pulmeso doente desas
ma com esta sentenca, entende estar sem
mais cura, quando os fados e a experiencia
P*lato
de Ma<
ra ("* t8em rflCOmmendad P3ra 3 Ca" M^rStK^reposicoW: '.
mpigens, tinha, escrophulas, !'
Tumores, ulceras, eseorboto, m.
Cancros, sarna degenerada, fluxo alvo. \attoo, e(msnMo provincial,
Todas estas affecc5e3 provm de urna cau-;
nao ha pois raz3o alguma
40*000
61000
9*300
'160*875
31*000
388*39*
161*500
801*669
100*000
593#9I2
183:831*319
31 de ineiro
JoSo Sllrtfra de loan.
Jos Gabriel de Mello Pinto.
Jos Antonio Floresta Basaos.
Hara Jos Duarte {fue.
Melciadrs Peraira daSHra.
Tobas de Soaza Limo.
Theodoro das Vrgens Raposo.
Tito Rock Romano.
Grande feira
e IjeclH i tan, pata e:
IBJI KH
sa interna; nao ha pois razio alguma em
crr que ellas se podem curar com remedios
externo* Tambem se prescreve o xarope
alchoolico de-veame para o tratamento das
afeccoes do syslema nervoso e fibroso, taes
como:
Gotta, rhenmatrsmo, paralysia,
Dores, impotencia, esterilidade,
Marasmo,, hypocondria, emmagrecimento.
0 xarope alcooolico de veame sobre
tudo, da maior ntiiidade para curar radi
clmente, e em pouco tempo o
tismo.
O l^sscriplnrarlo,
Ulysses Cocoles Cavalcanti de Mello.
MOVIMENTO DO PARTO
Natos entrad/ no da 31.
Rio de Janeiro e portos ioleraMdios7 das, vapor
brasileiro Gerente, de 806 toneladas, comman-
dante Arnaldo Siqueira, equipagem 41; a Anto
nio L. da O. Azevedo 4 C.
Hamburgo63 das, escuna hanoveriana, Adtle, de
88 toneladas, capitao D. Lubrs, eqaipaftem 8,
, carga mercadorias ; a Prenle Vianna & C.
rlieuma-: Rio de Jaueiro31 das, brigue inplez Sumbury,
de 360 toneladas oapiao George Gray, equipa-
gem 10, era lastro : a ordem,
Adverte-se qne o verdadeiro xarope s se Wtf. d, Jloejro. IS d'its barea iBglew A
vende nesta Cidade na botica cima indica- de 282 toneladas, capitao Henry Bnk, equipa-
da, do abaixo assignado ; e em OUtra qual-i em H. lastro-, a James Ryder 4 C.
quer parte que se tem annunciado nao da Pjno. n *"**> no mmmodia.
.nm /.m,oina ^T n u.,n He; Penedo por MaceiCter naciona Emma, capi-
mesma composicao, e era o abaixo assigna- ,g0 ManW| BeMrra M Sanl0,> mpi ^n^
do se respohsabilisa.
Jos da Rocha Paranhos.
COMMERCIO
d. por
PRAQA DO RECIPE.
Cota?6es offlclaes.
31 de jaDeiro.
Cambio sobre Londres 90 d/vista 28
mil ris.
Algodao primelra sorle 18*000 e 18*100 por
arroba posto a bordo._
subourcq Jnior,
Presidente.
Guimaraes,
Secretario.
____
toro banco de Pernam*
buce.
O Novo Banco desconta letras a 12 por cento
I gneros.
Rio de Janeiro-Brigne nacional Mondego, capitao
Antonio Pereira Marques, carga assucar e ou-
tros gneros.
Liverpool pela ParabyhaBrigoe ingtez Jura, ca-
pitao Jame* Da y, em lastro de assncar.
HavreBarca franceza Coligny, capitSo Nicolao,
carga algodao e couros.
H-lianaPolaca hespaohola Antia, capitao Juan
Maristany, carga carne secca.
Portos do norteCanhoneira franceza Le Lomoth
P(utt, commandaate Moncuez.
EDITAES
O Illm. Sr. Dr. delegado do Io districto desta
cidade, encarregado do expediente desta repart-
Qo na ausencia do Illm. Sr. Dr. chele de polica.
: manda fazer publico para conheciraento de quem
', interessar possa, a resoloco que nesta data tomoo,
e a seguinte : acarea dos carros, mnibus e mais
amstm
Relaco das cartas segaras
vapor frsncez f Navarra*, part
xo declarados:
R. Adelaide Emilia da Silveira Lobo.
Amonio Jos de Abren.
Antonio Jos- da Ponseca.
Marry Romagenro Higo & C.
3. P. Jobnston & C.
TUGATRO
S. ISABEL.
Bailes mascarados.
Preparam se brilhaiUs bailes masca-
ra iros para o
. CARNAVAL!!!
O emprezaro deste theatro tem a satisfacao de
anounciar ao respeitavel publico que o grande
salo daDaDoaque comprehende toda a sala
e caixa do tbeatro acha-se slidamente construi-
do amaneando a mafc completa segoraoca.
Os bailes mascarados se ro circamstaneiada-
meote annonelado.
As pessoas qne se quizerem prevenir de cama-
rotes podem mandar suas encommendas ao es-
criptono do theatro.
Mi
ao anno, toma dinheiro a praso Oxo ou em conta vehculos de condueco que
Brrente pelo premio e condicSes que se conten- dade. As entradas e sahidas
tra-nsitara nesta ci
dos carro; de agn-
cionar. e saca sobre a praca da Bahia
Caixa filial do banco do Brasil
em Pernambnco.
De ordeffi da directora se faz publica que o
thesoureir j desta caixa se acba autorisado a pagar
o dividendo do semestre fiodo em 31 de detembro
prximo passado, na razae de 12*000 por accao.
Caixa filial' do banco do Brasil 15 de Janeiro
de 1866.
O gnarda-livros,
Ignacio Na oes Crrela.
cultura 0 mnibus serao feitas pelas pontos de Pe
1 dro II e provisoria : os qae vierem pela estrada
de Pao djAlho e Ponte de Uchda, e bam assira os
aniaoaes carregados com gneros d-i qaalquer qa-
tureta, deverao tomar a direceo das ras d-J Mon-
dego, Gloria e caee do Capibaribe em seguida a
dita ponte de Ped|o II pudendo os mnibus en-
trarera oela ra do Si-bo
O carros de passea podero edtrar e sahir pe-
las duas pontesde Pedro U-e Bia-Visla.
Secretarla da polica de Pernambuco 31 de ja
' nero de 18*6.-0 secretario,
Eduardo de Barros Falcao de Licerda.
ALFANDEGA.
Rendimento do da 1 a 30......
dem do dU 31...............
DECURAQOES
Phthyslca.
O xarope etberio de veame por raim pre-
parado muito tem eproveitado aos que sof-
frem desta molestia, e de lamentar-se, que: teem demonstrado que mnitos tendo procu-
no obtuario desta cidade a maioria dos que rado o lugar aproprado, eo tcom salvado
suecumbem de tubrculos pulmonares,
sem procurarem o recurso do pratico e do
expeliente, que Ibes podem encaminharo
meio de sua salvacSo.
O Sr. Braga com loja de ferragens na ra
Direita, foi desengaado por doos habis
mdicos, acha-se bom com o tratamento por
mica prescripto.
A Sra. Jeronyma Mara da ConceifSo, mo-
radora na travessa do Monteiro n. lu,achan-
do-se desengaada, tambem mim recor
rea e acha-se re-tabelecid,
Um sobrinho do Sr. professor ae Naza-
reth do Cabo, acha-se bom, como se v de
sua carta abaixo transcripta, alrn de outros
fectos, qne poderia aqui mencionar.
A pbthysica a destruido e a magreza
de todo corpo, em consequencia de chagas,
tubrculos e concreccao dos bofes e de em-
pyema, atrophia nervosa e outras molestias
que viciam os humores, como escorbuto,
alporcas, gallico, astbma, bexigas, sarampo,
etc.
Na phthysica, chegando ao estado de gra-
?idade, o que muito pode concorrer para a
salvado do doente e ajudar os medicamen-
tos o ar do campo, exercicio conveniente
e dieta, a qual sao deve ser de nenbuma
cousa quente, ou de defficil digestSo; e a
bebida cumpre que seja de natureza branda
e fresca.
Todo o sen alimento se ha de dirigir a
moderar a acrimonia dos humores e a nu-
trir e suster o doente, para o qoe preciso
reduzi-lo ao uso de vegelaes e leite.
Toda comida e bebida, que se tomar ba
de ser em poucas porcas, para evitar que
o excesso do chylo fresco opprima os bofes
e accelere muito a circolacao do sangue.
Muitos doentes desta molestia se teem en-
tregue ao uso do oleo de figado de bacalho,
e outras preparacSos de resinas e palsamos,
sem que dellas tenham tirado proveito; e
alguns expositores de medicina combatem
com muita razio esse tratamento.
costume car regar o estomago do doen-
te com medicamentos oleosos ebalsmicos;
porm estes em vez de tirar a cansa aug-
mentam-na, esquentando o sangue, ao mes-
mo tempo que tiram o apetite, relaxam os
solidos, e sao de toda sor te perniciosos.
Tudo que se flzer para extinguir a tosse,
alrn do exercicio e rgimen apropriado de-
vem ser remedios de natureza acida, deter-
gente e calmante.
Os cidos possuem a virtude de produzi-
rem boas effeitos nessa enfermidade, por
qae, n2o s contribuem a apagar a sede
quando accommettem a febre ethica, mas
tambem a refrescar o sangue.
Aos doentes desta enfermidade, nniUJOfi
seu estado de gravidade tal q
ethica os accommette, prescrevi
o de um linio dissolvido em urna
d'agua com bastante asquear em om grande
copo para misturar com ora papelinho dos
pos refrigerantes para tomar, com qne ali-
viam no accimettimento da febre, e pela
3a-o xaropetherio devlame. Tenboi
jnselliado, quo fream uso de vegeta
natureza acida, como laranjas, lm6
fangas, uvas, etc.^e applicaces de ,
amargosas, que fortificad o estomago*
vetn ao meano tempo para destruir e mit
gar a sede.
A Sra. D. Joaquina dS Brrteto, tenl
MOVIMENTO DAALFADEGA.
Volantes entrados com fazendas___ 233
cora gneros..... Ril
Volamos sabidos ce m fazendas..... 138
c t com gneros..... 1:809
DesoarregatD hoje l*do fevereiro.
Rarca fraoceaRio Grande mercadorias.
Patacho inglezMagadore Packel dem.
Patacho hespanhilIndwvinhos.
Barca francezaFirj/eliversos generas.
Brigoe ponoguezorindapedras.
Brlgue ingletSpeycarvo de pedra.
Bngue ioglezFtinj Cloud dem.
Barca nglezaTanjore dem.
Barca ingleza Flwliixg Cloud carv) d pedra,
Barca inglezaAvek -dem.
Polaca besaanbolaAnWAa.charque.
Polaca hespanholaMiadem.
Brigue hespanhol Mara Rotadem.
Brlgue nacionalFluminense dem.
Brigoe nacional S#aidem.
Brigue argentino Votan!e dem.
Escuna dinamarquesa Juno dem.
Patacho portagaezJosidem.
RECEBEDORIA DE RENDAS INTERNAS
RAES DE PERNAMBUCO.
Rendimento do da 1 a 30...... 32:977*074
dem do dia 31................ 7:658^507
40.635*381
RENDIMENTO DA RECEBEDORIA DR RENDAS
27*500
118*i18
648*9'J0
6:W4*600
128*160
1:968*600
e assim explicam muitos expositores de me-
dicina.
Ora, nessa provincia temos facilidade ho
je e recurso do ar ; por que a via frrea
nos proporciona, pois que em pouco tempo
urna possoa que existe nesta cidade fcil-
mente se t ansporta para as ultimas eslacoes
de Gameleira e Una, lugares porto do Boni-
to e de outros pontos que s5o considerados
sertao, quanto mais que os mesmos lugares
j nao sao mos, segundo pens, principal-
mente no verao.
Mas dir-se-haurna pessoa pobre nao tem
meios de se transportar e alli estara isso
se responde, que naquelles lugares existem
casas vasias e alugam-se por prego comrao-
do, e mesmo muitos gneros de primeira
necessidade alli se vendem polos mesmos
precos que aqui.
Aquel les, pois, que estiverem nestas cir-
cunstancias, eu Ibes facilito explicar os meios
pelos quaes se devem reger, e Ihes fornece-
rei os medicamentos gratuitamente,
N5o deixarei de advertir ao publico, que
as minhas preparaces de veame sio reu-
nidas com ontros ingredientes, e com el les
tenho obtido ptimos resoltados: nao se en-
gae o mesmo publico com outros que por
ah se ar.nunciam, cojas preparacoes ignoro,
assim como o aproveitamento aos enfermes,
a quem porventura tenham sido applicados;
cada um responde por si, e eu affirmo com
verdade o que aqui tenho relatado, enjos me-
dicamentos nest provincia s vendo em mi-
aa botica na ra Direita n. 88.
Jos da Rocha Paranhos.
Nazreth do Cabo, 7 de setembro de 1863.
Illm. Sr. Jos da Rocha Prannos.Com
o maior prazer levo ac conbecimento de V.
S., que o doente qae V. S. acha-se admi-
nistrando-lhe remedios, acha-se no todo res
tabelecido, portante, nada sent, tendo des-
apparecido no todo a tosse, tem muita dispo-
sigo comida e acha-se nutrido. Deixou
tomar os ltimos remedios que V. S. recei-
tou no dia 30 do passado.r esta agora a V.
S. mandar-me dizer qual a dieta que o
doente deve conservar e por quantos tem-
pos, mencionando as comidas que dever
usar daqui em diante.
Resta-me agora agradecer a V. S. o coi- ficndiment da mesa do consolado pro-
878:9614577
38:600*846 _______
917:562*423 O Illm. Sr. inspector da tliesourarla de fazan-
da manda fazer publico que tem marcado o dia 26
de fevereiro prximo vindoaro para o concurso
que se tem de abrir nesta Ihesouraria para pre-
ecchimento das vagas de praticantes nesta repar-
____1:074 tagio, na alfandega e na recebedoria. Os exames
versarlo sobre as materias de qne trata o % 1. do
art. 1. do decreto u. 3114 de 27 de junho de 1863,
____1:947 a saber : leitara, analyse grammatical e orthogra-
phia, arithmetlca e suas applicaces ao commercio.
; com especialidade a' redueco de moedas, pesos e
medidas, calculo de descont, juros simples e com-
I posto.*, theoria de cambios e soas applicagdes. Os
' concurrentes deverao previamente apresentar seos
requermentoi instruido;, de documentos que pro-
ven) idade completa de 18 annos, isengao de pena
e culpa, e bom comportamento na forma do art. 3."
dO decreto n. 26*9 do t* do mr$o de 1800.
Secretarla da thesouraria de fazenda de Pernara-
baco em 18 de Janeiro da 1866.
Servlndo de offlcial maior
Manoel Jos Pinto.
GymDasio provincial.
A lo de janeiro prncipiou a fuoccioaar a aula
de primeira^ letras dest Gymnasio ; as que, po-
rm, formara o curso superior, que consta de la-
, tlm, fraocez, inglez, greg >, allemao, matheraaticas,
* geographia e historia, eloquencia e potica, philo-
sophia, lingua e literatura nacional, sciencias na-
'.uraes, msica e desenlio, abrir-se-lo a 3 de fe-
vereiro. Neste estabeleclmento, mediante a m-
dica quintil de 1* diarios, tem o alumno interno:
roupa lavada e ongommada, medico, botica, luz,
barbeiro, peana, panei, tinta e criados para o ser-
vico. Os meio pensionistas pagara melade des.-a
AVISAS MARTIMOS
COMPANHIA BUSILEIRA
DE
PAQUETES. A VAPOR.
Dos portos do norte esperado
at o da 1* de fevereiro o vapor
Tocantins, comroandante o pri-
meiro tenenle Araojo o qual
depois da demra do costume se-
guir para os portos do sal.
Desde j recebera se passagelros e engaja-so a
carga que o vapor poder conduzir, a qual dever
ser embarcada no dia de sua chegada, encom-
mendas e dinheiro a frete at o da da sabida as
2 horas : agencia roa da Cruz a. 1, eseriptorio de
Antooio Luiz de Oliveira Azevedo 4 C.
COMPANHIA PERNAMBUANA
M
Navegaco costeira por vapor.
"liba de Fernando.
Segu no dia 4 de fevereiro as 10 horas da raa-
nhaa o vapor Parahyba, para e presidio de Fer-
nando.
Recebe carga, encommendas. passageiro e di-
nheiro a (rete at % horas da larde do dia 3. Es-
criptorlo no Forte do Matos n. 1.______________
Para o Porto.
vai seguir com molla brevidade a barca porlugue-
za Silencio, tem parte de seu carregamento promp-
lo, e para o resto que lite falta e passageiro?, tra-
ta-se com Madoel Ignacio de Oliveira & Filho, lar-
go do Corpo Santo, eseriptorio n. 19, ou com o
capitao na praga. ___________________
Para FHlo de Janeiro
pretende seguir com muita brevidade o veleiro e
bem conhecido patacho nacional Beberibe, tem par-
te de sea carregamento prompto : para o resto qne
Ihe falta e eseravos a frete, tratase cora os seus
consignatarios Antonio Lniz-'de Oliveira Azevedo &
C, no seu eseriptorio ra da Cruz n. 1.
lina de S. Miguel.
Sahe com muita brevidade a escuna portngueza
Erna : para o resto da carga e passageiros traase
com o cnsienatario Joao do Retro Lima a' ra do
Apollo n. 4. _____________
Para Llsb oa
seguir' nastes poneos das a barca portagaeza
Graltdao, por ter quasi prompto todo o sea car-
regamento : para o restante e passageiros tratase
com Manoel Ignaoio de Oliveira &' Filho no largo
do Corpa Santo, eseriptorio n. 19, ou com o capi-
ao na praca. -_____________^^__
Para o Rio de Janeiro, segu o brigue na-
cional NORMA, recebe carga e eseravos a frete :
a tratar no eseriptorio de Araoiira Ir mos, ra da
Cruz n13;_______________________________
~Pra a Ilha de H. Miguel.
esperado a cada momento do Rio de Janeiro
o patacho portagaez Fernandes, o qual ter nesta
cidade apenas a demora de 10 das, recebe carga
a frete por proco mallo commodo : trata-se com
frequentar as aulas que quizerem.
O secretario-Cabral.
INTERNAS GERAES DE PEttNAMBUCO DO quaalia, e os externos 15* por trimestre, podendo > seas consignatarios Antonio Luiz de Oliveira
Azevedo & C, no sea eseriptorio ra* da Cruz nu-
1 mero 1._________________
Para o Porto
Deve sahir irapreterivelmente at o dia 2 de fe-
oo que os tnnta das uteis marcados pira cobran- fe|>| yiai(MT0 a barc portagaeza Claadina.,
| ?a a bocea do cofre dos imposlos de 50 rs. por al-, dft primeira marcha, para o resto da carga e pas-
\ sagelros trata-se com os consignatarios Cunha
Irmos & C, a ra da Ma tro de Dos n. 3, eo
MEZ DE JANEIRO, A SABER
Renda da (ypograpbia nacional...
Dita dos propnos nacionaes......
Foros de terrenos e de marinea..
Laude m ios.....................
Siza dos bens de raiz.'............
Dcima addicional das corpora-
les de mao morta.............
Direilos novos e veihos e de
chancellara....................
Ditos de patentes dos offlciaes da
guarda nacional................
Diurna de chancellara...........
Multa por infraccoes do regula-
monto.........................
Sello do papel fixo................
Dito do proporcional.............
Premios dos depsitos pblicos...
Emolumentos.................
Imposto de correctores e agetMei.e
leiloes.......................
Dito sobro lojss e casas de des-
contos......,......
Dito sobre casas de movis, rou-
pas/elc. fabricados em paiz es-
trangeiro............
Taxa de eseravos.........
Cebranca da divida activa
IndeBMiisagoes...........
Deposito de diversas origen.....
Consolado provincial
Pela mesa do consulado provincial se faz publi-
queire de sal, de 4 0)0 sobre os estabelecimentos
de fra da cidade, prensas de algodao, typogra-
pbias, cocheiras, boteqaios, botis, casas de pasto,
! cavallarlces e fabricas; de 8'0|0 sobre coosultorios
1:032*000 mdicos e cirurgieos, carinos e escriptorios ; de
1*6i 1 20 0|0 sobre estabelecimontos de commercio em
| grosso e a retalho, e trapiches ; de 50* sobre ca-
911*713 sas de buhar e modas; de 200* sobre casas da
3:387*380 roupa feita e seibos estrangeiros, e de cambio ; de
8:412*013 1:000* sobre casas de operacSe? bancarias com
20*750. emisso e previlegios ; de 600,9090 por casa cora
318*700 emissao e sem previlegios ; de 409* por casa sem
emissSo, companhaa anonymas e agencias ; de
100*
com o capitao a bordo.
Para Lisboa.
ta se com o consignatario E
sibre corretores commerclaes, agentes de Trapiche n. 44, segando apdar
O brigoe portagaez Bella Fi-
gueirense, capillo I. C de Carva
Iho Sobrinho, vai sabir com bre-
vidade, por ter prompto a maior
parle do carregamento, para o
reste da carga e passageiros tra-
R. Rabello, ra do
40:633*581
Reeebedorlt de Pernambuco, 31 de Janeiro de
1866
O esen vio,
Manat Antonio Simes io Amar al.
CONSULADO PROVINCIAL.
Rendimento do dia 1 a 30....... 176:760*227
dem do dia 31............... 7:071*1
lellao e de casa de compra e venda de eseravos .
13:793*404 de 30* por escravo erapregado em servico de al-
varenga; de 1* por lonelad* de alvarenga; de
10* por bote ou saveira ; e-ds 150* por balieira ;
810*000 de 50* por escravo ganhador ; de 10* por cavallo
776*000 {de sella de aJuguel ; 6* por dito particular; e a
1:138*265; imposto* de carros e car rocas perteoceotes ao anno
184*000 liaaacairo de 186o a 186S, e tambem o 1* semestre
66*007 do imposto de 20 Oj do consamo de agurdente se
principia a contar do da i de fevereiro rlodooro.
Masa do consolado provincial de Pernambereo 30
de janeiro de 1866.
Antonio Caroeiro Machado Rios
________________Administrador.__________
GORfiElO 6ERIL
Pela adrainisiragao do crrelo desta cidade se
pablico para fias convenientes, qae em virtade
fa
vincial em todo o mez do jmiro
de 1866
46:842*129
dado qae tomou no tratamento do mea so-
brinho, abaixo de Deus, devido o sea resta-
belecimonto a pericia- de V. S., e por'is Direito"de90 rs. por arroba de assa-
pde V. S., sempre contar com os meas ai-1 car exportado..........
minutos prestimos, e desejarei em todo o Mes de 20rs. por caada de agoar-
tempo dar urna prova do mea recoimeci-'^ 30'r. por caada de alcool ioT*S
ment. [ iSem e por cento sobre o aIgodSo. 83:578*,343
Desejo a Y. 9. toda as venturas, por ser dem de 8 por cento sobre o mel .*. 350*095
de .V. S. muito respeiUdor e ubrigadissimo dem, de 8 por tent sobraos couro.
criado.-Fra^co Bennguer Gmr dem-*- ^ -
9tze$. ___ gneros.........
^^" ImpoMo da decima urbana .
I*T fCMP I fl dem de 20* por venda de escravo
II 11-llyHU. 10 por cento de novse veihos SW
do disposto no art. 138 do regolamento geral dos
183 831*349 corraos de 21 de detembro de 1844. e art 9 do
decreto n. W5 de 15 d rntfo de 1851, se proce-
der o consumo das cartas existentes na admrnls-
tragao do otrreio, perteewentes m mez de janeiro
de 1865, no dia 5 de fevereiro prximo, as 11
horas da raanhaa, na porta do mesmo crrelo ; e
a respectiva lista se acha desde j exposta aos
interessadoi.
Admimstragas do crrelo de Pernambuco 25 de
janeiro de 1865.
O administrador
Domingos do Passoa Miranda.
124
12
.840*000
ir alchoolico de veame, preparado 'e,los
50* por escravo exportado.
fthaaceutico Jos da Rodia Paranhos,
[ele( ido com botica na roa Direita n.
l I'ernambuco. Emolumentos de polida
jarope incontestavelmente superior Pr cento sobre asloterias. .
L" os larepes deparatltos, de caja 4pjnto sobre dfrarsos esubelec.-
o o seo maior ele i ento a salsa 8Der cento sobre *etmriorios, etc.,
i pois que se tem conbecido ser o 20 m*m sofcre dtvereos esubeie^
aais enrgico para a prxnpta cura .."ifV .i -.- ;...
coja base essenc al depende l
300**01
450*000
per cento sobre o predacto'de-caia
MU............. 1:09I*81T
7*200
770*000
por cento sobr dirarsos estabeleci-
172*720
68*000
1: 58*800
do sasme^i assim pois se
urna uaescrava fallecida desla molestia, sub-1 tem verificado j>or muit pessoas qut se l
Correio geral.
Pela administracao do eorreio desU cidaiese
faz publico qne hoje (Ia) as 3 horas da tarde fe-
ehar-se-hao as malas qne o vapor nacional Ge-
rente tem de conduzir para os portos do norte.
As cartas admettidas a seguro sero reeebldas
at 2 horas da tarde, e os jornaes.at mel da.
Adrinilracio do correio de Pernambuco
Janeiro de 1866.. M
Domingos dos Passos MlriTem
:. Adnrioistrador.
^rreio~
.5 cartas seguras viadas do sal nei
X Gerente para os sensores abaixo deca
liam
LEILSES.
LELAO
De ana taberna sita b ra da Auro-
ra n. 74,
BOJE
O agente Pestaa far lellao por conta e risco de
quera pertencer dos gneros, armagao, gaz e mais
atencilios existentes na taberna cima menciona-
da na roa da Aurora n. 74, e ser vendi la em lo-
tes a vootade dos compradores : qainta-fefra 1* de
fevereiro pelas 10 horas da maoha na mesma ta-
berna.
LEIliO
De
movis, jeiai o miidesas.
HOJE
N armaiem a na da Cadera 8.
O agente Martins far leillo no armatem aelraa
por conta e ordem de Amerko P. Silva, de difer-
sos movis vemos e novos, Jolas de prata e ooro,
reloglos e diversas miadezas para enfeite de
e oatros muitos objeeto.
ala
L
Dr. Joaqoim de
LEILAO
DE
Marti os far leuao das divida acUta*
[Custodio Luiz Gomes na imporUncia
HOJE
da roa la Cadea a. O, as 11 horas.
LEILAO
De 120 resmas de ape de embriiho
e 20 temos d halaios do porto,
HOJE.
Martins. tara' leilo per eonta de quem pertenj
cer e pelo maior preco toaarrer do martello
120 resmas de papel e 20 tafoos de balaiosi '
tuguezes : as 11 horas a n da-Cadeia n. 8.
GRANDE ARMAIEM DE LElLuD
DOAGEHTE
OLYMPIO
38Rn a uMtoftai
Ao correr do
wsesPWEBSOS
CURSO
PEPARATORIdS.
Jos Soares de Azevedo, piofuaaw i
lingua e liiteratura nacional do G
Provincial do Reclfe, tem aberto em sos i
sa, ra Bella o. 37, as tOgriMa* mmm
preparatorio:
MltlA FRAXCBII
GEOGRAPHIA E HISTORIA
PfMLSOfHam
miETomca e prncA
As pessoas que dewjareal estodar m
quer destas disciplinas, poden dirifr
indicada residencia, de manhaa at ai tam-
rae-, e-de-tarde a goalquer hora.
- Samuel Mayar, art** framr~rai~pan a
Bahia.__________________________
Jos Martins da Silva vai a tTrip
LOTETLI
A 6:00OOf.
Corre saMade \% de nnaHi
Acham-se venda a* respectiva
raria j ra do Crespa) n 05, os I
meios e quintos da 4a parte da 1'.,
(47), a beneficio da matriz de Pao dTAHao,
caja ezlracco ser do logar e hora io
costume.
Os premios de G.00O#O0O at 10AOOO
serao pagos urna hora depois da atrcelo
at as 3 horas da tarde, e os outros dipoa
da distribuicao das lisias.
As encommendas serao guardadas so-
mente at a noite da vespera da estraceio
como de cosame.
O ibesoarciro,
_____Antonio Jo$ Rodriguen de Soutf.
Precramoaa
da fasta da suraealesa Sraaara das lasas*,
qae se veiera m a eaaella c Iwtiiaiiraa
saliais.
A commissao enearregada de prnver a frtOw
dade da miracolosa Seanora da* fingaiMir. t$m -
venera em a capella de Santo Amaro da S.*ae.
faz sci.rate ao re*peitavel poMid, joe ao dU i *e
fevereiro prximo, ter lagar a feMrviOaOe a a-
celsa Virgem, pela maner sagainle : A ta a-
ras da tarde do da seiu-feira S *> feverrfere w
hasteara o estandarte da excelsa Virgrm. Vauts a
hav. r pereorrido as priecipaes ras t Saa Ata
ro, accompaohado por graade uvmen t avamr.
senhoras, e mais devoto-; epluaado te Oaraa*
trajelo do mesmo, esculhidos verses adapta-i ao
assumpto, ao som da banda de atasica airral a
2 de inUntana, da qual atestre o Uta. Sr. tt>r-
mogenes Norberte de Gomao; ao dta aaaeaV 3,
pelas 7 oras da tarde, sera' eatoaOa ama Ia4a*aaa)
de vespera, estando por ea oecasio em rxpmsi-
cao a iraagem da Virgem Seohor. Ao alvwrrrer.
de domingo 4, subiram ao ar varia avraiix t
toso do tdcio, como aaaoacta de tao fmOw dta,
as 11 horas em poni, entrara a Mim. raa-Jo av
Evaogelbo o Illm. e Rvm. Sr. SeOaalH ae AaOra-
de Vieira; a orchestra ser reglia peto tUm. %t.
Joo Perreira de Medonea; a 4 horas a tare le-
ra' comeco ama bem ensalada cavathaa, atiiati
por essa oecasio varias peeae, a asasaa aa*tc*
marcial as 7 horas da larde se rlitara aaaa fa-
dainha, Qnda a qaal, sera levada a baaaasra a casa
da nova jaiza ; observando se o q
sea levantamenlo; terminando os festejo, i
bem preparado e variado fogo de artiac
A commissao convida aos aavata da
das Angustias, a virem abrilaaaiar os acto av mm
feslividade, empregando ella de soa parir, ledo- e
esforcos para maior esplender da soa salaaaaeaae
e pede aos moradores da* ia>awaaafa da aasaa
de Santo Amaro, o especial obseaatt ae eaxaaadei-
rarem o largo e illumioarea ao dia t, \ 4 aa
frentos de sois casas, do qae se coafessara cteraa-
raente grata.
Fes la do glorise martvr S. Brai, am
igreja airii de S. Jos do lecie
A mesa regedera da irmaaaao t "&. 5. do
Terco festeja no dia 3 do correal (*) o ar-
tyr s. Braz, com missa canuda %t% aera a a-
nba e ladainha a ooMe, aa ifraja saatraz t S.
Jos, e esur esposia a' adariea do aos par al-
gans das, cono a cenosa. Esaoso,
a maior concorrencia do devotos a taat
advogado da molertta* da p^rgaata.
.
Aloga-se o andar terreo do laarasVi #%
do Hospicio o. ti, com boas coouaodo, oaat
salas, corredor largo, 5 qaarlo, eouaba, qoatal
em roda, cacimba o com boa agaa : aajaea ejaizer
dirjase ao mesmo sobrado.
Precisase alagar om preso tara sarria a
botequim : na ma larga do Basara a. 33.
AMA
Alaga se urna preta oasrava, apta para
servico de orna caes de peora reariia : ja
cisar dirija-se a ilna dos Rale (roa do SovX
do sobrado qne Bca confroote :
Manoel Zefonao Goaealv* Vurra lofc
ra Macelo, por li pede as soasase a l*p-
para
n
US
'prRisaV
Cadea de Recii a. I
1800.
Jos Baptisu Braga
Morelra Sampaio saaM
Gomes de Cilvelr,
a todas a possees qoo
do dito fiaadto, asi
amigos assisttroa> a easa
Ooado oo Mluao dta o qoellera'
Igreja de Itossa Seanora aa
farra 8 de fevereiro pete 7 boro
Francisco Alvos Mbeteiro \
mente agradece a toaos oo
se dignaras aasMU a vaoii a i
to presada esposa D. Francisca PdaB
i tins Monteiro. e de novo os coavid
tir a missa d stimo ala aa easiriz
pe Santo, segadaMerrl 5 a feeretro |H
toras da maaia.
II
FESTA DE S. fttAZ, ADVOGADO DA GAR-
GACTA.
- aaaal "
j 7 ha-


r
i

_
A NACIONAL
Comprala geral he de seguros mutuos
sobre ida
AUTORBM)! PELO REAL t f WH DE DEZEMBRO DE 1850
l I $ ni diiUtiro, depositad nos cofres d estado, garante a boa ad-
mioistracao da companhia.
BANQUEIROS DA COMPANHIA DIRECCO GERAL
Baaeo de Hespaaha Madrid: Ruado Piadoa.ie
Estt companhia liga pelo systema mutuo todas as combinares de supervivencia dos seg
Nella pode selaxer a subscripto de maneira que em nenhum caso mesmo por morte do
ieturadopereaoeapitalnemosiaroscorrespondeiiesaeles. ^
Sao to suprehendentes os resultados que produiem as sociedades da ndole dea n auu-
NAL,que anda mesmo diralnuindo ama terca parte do interesse prodoiido em recentes liqnida-
c&es ecorabinando-o coa a morUlidade da tabella de Depareieux que adoptada pela companhia
pira seus clculos e Hqaida$5es, em segurados de idade de3al9annos, urna imposf$ao annna.
de .00* produt em electivo metalk: A
No flm de 5 annos.......1:119*300
> de 10........3:941*600
. de 15 .......11:108*100
> de 20 .......30:lia*fl08
, de 25 .......80:331*000
as idades menores de 3 annos e maiores de 30, os productos sao mals eonsideravels.
Prospectis e mais informacSes serao prestadas pelo sob-dreetor nesta provincia,
oa qnim Fiuza de Oliveira, na daCadeia n. 52, ou a Boa-Vista rua da Imperatriz n. 12, estabeleci-
mento dos Srs. Raymundo, Carlos,Leite & Irmio.
TINTURARA
AO GRANDE S MAURIClft
PUOCESSOS APERSOGADOS
PARA
Tingir. llmpar e lustrar a vapor.
F. k SALINGRE & C.
29 Kua 7 de setembro 29
Defroote da roa aova do Ouvidor (Rio de Janeiro)
Os proprietarios deste estabeleciraento, o primeiro no seu genero no Brasil, por
trabalhar com as machinas mais aperfeicoadas para tingir e lustrar, de que se faz uso ni
Europa, eajodados por alguns dos melhores olflciaes de Pars e Lto, podem assegu-
rar seus freguezes urna perfei;5o no trabalho, a qual senao pode cliegar pelos proces-
sos ordinarios.
Tingem, lavam, limpam e demofam com a mai r perfeico e brevidade qualquer
qualidade de fazendas, tiram nodoas e limpam secco sem mol Lar as sedas e as vestimen-
tas de senboras e de homens.
ATTEMCAO
Hontem por occasiao de desembarcaren!
os passageiras do vapor nacional Gerente,
desencaminhou-se um bah contendo roupa
e papis, que s podem servir ao proprio
dono : pede-se pois a quem o ti ver levado
por engao de mandar ao hotel de Franca
entrega-io aomajor Jos Guedes Nogueira,
o qual recompensar com generosidade.
Precisa se de urna
m uinos e engoramar :
n. 10.
ama para fratar de dous
na rua das Laraogeiras
GARRAX DE LAILHACAR & C.
LIBRAIRIE FRANQAISE
Rua do Crespo 9.
LIVROS NACIONAES E ESTRANGEIROS
ReligiaoPhilosophia Jurisprudencia Liltera-
tura Sciencias e artes.
Papelaria, objectos para escriptorio.
Na fabrica de sabo da rua de S. Miguel
freguezla dos Afogados, precisa se alagar tres es
era vos, paga se bem : a tratar na mes ib a, ou no
Recite, rua do Amorim n. 41._______________
Na praca da Independencia n. 33, loja de
oorives, compra-se ouro, prata, e pedras preciosas,
e tambero se taz qualquer obra de encoromenda, e |
lodoe aoalquer concert.
Iastruccao publica primarla
O professor publ co d instruec5o prima-
Engomma-ge ria da povoagao de Gamjoeira participa aos
com asselo.proroptido e preces r-zoaveis: na rua Srs. pas de familia que desde O dia 15 do
Augusta n.5, loja.
" Precisase de um feitor para um sitio: a tra-
tar no sobrado n. 5, sito no largo da ribeira.
Casa para alugar
Aluga-se casa terrea da rua de Santa Rita n.
69 junio a iRivja, com muiio boas comroodos para
familia e reedificada ba pouco : a tratar na rua do
Imperador, armazem n. 81.
Aluga-se o segundo andar do sobrado n. 62
da rua da Guia : a Halar no 1* andar.
Dase 500$ sobre hypothaca: quem precisar
aoouncie.
Caixeiro.
Precisa-se de um calxero que seja milita urli-
co para armazem de moldados em Macei, paga-
se bom ordenado : a tratar com Francisco More-
ra da Costa, roa da Praia n. 12. ____________
Correnfp se acha no
gisterio.
osorcicio do sou ma-
Precisa-se de um moleque para urna casa
eslrangeira : a tratar na loja do Sr. F. I. Germa-
no, rua Nova n. 21.
A
o
A abaixo assignada faz saber que validado algo-
ma tem nm papel de dote que seu genre Joo de
Aibuqoerqffe Barros de Vascoocellos tem do escra-
vo Amaro, crioulo, acaboclado, pois o passou urna
pessoa figurando a sea rogo ; sem que a abaixo
assignada o flzesse de soa livre vootade, e sim
constrangida, e por isso validade alguma tem, pois
oportunamente a abaixo assignada oa seus her
deiros o devero ter de nenhum effeito. Cidade de
Nazareth 27 de Janeiro de 186(5. Por minba mal
Umbelina Rosa de Jess,
________Jos Gabral de Oliveira Vascoocellos.
Pede se ao Sr. tbetoureiro das loterias que
nao paeoe o bithete iateiro n. 205 casi saia pre-
miado, senao ao annunciante, que o perdeu.
Alexamlre dos Santos Barros.
Joao da Silva Ramos, medico
pela universidade de Coimbra, d
consultas em sua casa das 9 as
i 1 boras da manhaa, e das 4 as 6
da tarde. Visita os doentes em suas.
casas regularmente as boras para j
isso designadas, salvo os casos ur- ]
gentes, que serSo soccorridos em
qualquer occasiao. D consultas aos
pobres que o procurarem no bos-,
pital Pedro II, aonde encontrado
diariamente das s 8 boras da
manhaa,
Tem sua casa de sade regular-
mente montada para receber qual-
quer doente, anda mesmo os alie-
nados, para o que tem commodos
apropriados e nella pratica qualquer
opperaco cirurgica.
Para a casa de sade.
Primeira classe..3)5000diarios.
Segunda dita____34500 >
Terceira dita ..20OQO
Este estabelecimento j bem
acreditado pelos bons servicos que
tem prestado.
O propnetario espera que elle
continu a merecer a confiaoca de
[ue sempre tem gozado.
O abaixo assignado faz sciente ao publico e
ao especial corpo do commefcio, que desde o da
IHdenovembro do prximo passado que tomou
conla da administrado e gerencia da taberna da
roa de Livramento n. 24, pertencente a Jos Ma-
noel Pereira de Mendanha, que de boje em diante
ser Mendanha & Costa, fleando o socio Cosa abri-
gado a todo o activo e passi,-o. Recite 29 de Ja-
neiro de 1866.
Antonio Joaqun) da Costa.
AO PUBLICO.
Tendome retirado do termo de Garuar declaro
qoe nada devo all a pesso alguma, e que, ponan
to, ser de ma' f tode e quulquer qoe se inculcar
de meu credor, ou comproioettido em dividas por
miro, visto como sempre caprichei por nao ter des-
ses compromissos.
Miguel Bernardo Vieira de Amorim.
Aluga-se
um sobrado de um andar e nm grande sotao na
rua Velha o. 92, o que faz quina para o pateo da
Santa Cruz, com quintal e cacimba : quem o pre-
tender dirija-se a travssa ca Madre de Dos nu-
mero 15.______________________________
Antonio Ce-ario Moreira Dias, pode ser pro-
curado no escriptorio de J. A. Moreira Dias, na
roa da Croz n. 50.________________
N. O. Bieber 4 C., sucessores, sa-
cam sobre o Rio de Janeiro a vista ou a pra-
7.0 confoi me se conven iionar.
Em casa de Theod Cbristlansen, rua do Tra-
piche-novo n. 16, onico agente no norte do Brasil,
deBrandenburg frres, Boraeaox, encontraseef-
fectivamente deposito dos irligos seguintes:
St. Julien.
St. Pierre.
Larose.
Cbateau Loville.
Cbateau Marganx.
Graod vin Chateau Lafitle 1858.
Cbateau La 81 te.
Haut Saoternes.
Chatean Santernes.
Chateau Latanr Blancbe.
Chatean Yqnem.
Cognac em tres qnalldades.
Azeite doce. Precos de Bordeaux.
m
\go doar
oo armazem da bola amarella do oitao da secreta-
ria da polica recebem se eocommendas de fogo
do ar para dentro e fura da provincia._______
EVJECCAO BROW.
Remedio infallivel as agnorrheas antigs
e recentes, nico deposito na pharmacia
fraaceza, roa da Crui n. 22 e ao preco de
moo.
O Dr. Carolloo Francisco de Lima San-
tos contina a morar na rua do Impera-
dor n. 17, segundo andar, tendo alias seo
gabinete de consultas medicas, logo ao
entrar, no primeiro.
O mesmo dontor, que se tem dado ao
estodo tanto das operarSes como das mo-
lestias internas, presta se a qualquer cha-
mado, qaer para dentro quer para fra
da cidade.
MARTIMOS
CONTRA FOGO.
A companhia Inderanisadora, estableci-
da nesta praca, toma seguros martimos so-
bre navios e seus carregamentos, e contra
fogo em edificios, mercadorias e mobilias :
na ma do Vigario n. 4, pavimento terreo.
0 abaixo assignado, como procurador de An-
tonio Alfonso Rodrigues, convida aos credores do
mesmo a a presentar suas cootas no praso de qua
tro dias, na rua dos Pires n. 34, para serem con-
feridas aflm de se proeeder ao rateio. Recite 29
de Janeiro de 1866.
_____________Theotonio de Oliveira Neves.
Precisase de um menino para caixeiro
taberna da rua do Alecrim n. 2.
LEGITIMA
na
Alugam-se as casas terreas da ma do Hen-
rique Dias (vulgarmente (conhecida per Estancia)
ns. 8 e 20, com commodos para familia, caiadas e
pintadas de novo : os prttendentes podem diri-
gir-se a rua da Cadeia n. 39. .
Ama
Na roa da Cadeia do Recite n. 51, terceiro an-
dar, prectaa-se de nim ama forra ou captiva para
familia de duas pessoas.
Precisa se alugar um preto que seja Sel : na
rua de Hortas o. 7, reflnajao.
Precisa-se de orna ama para o servico de
urna s pessoa : na rua de Agoas-Verdes n. 50.
DE BRISTOL.
PREPARADA NICAMENTE POE
LAMAN & KEMP,
A sociedade de segures mataos sobre a vida de-
bati d'ste Utulo, fundada, administrada a garan-
tida pelo banco Alianca do Porto, fferece as maio-
res vantagens as pessoas que nella se quizerem
inscrever: quem, m acerca de tal Instltuico
desejar obteresclareimentos, dirjase a Joio Car-
loe Coelho da SUva a roa da Madre de neos n. 28.
Para prova do qoanto esta sociedade se acha
eminentemente acreditada, transcrevemos para es-
te jornal o artigo que acerca delta pcblicou o Com-
mercio do Porto:
Acaba de ebegar do Brasil o Sr. Jos Antonio
Pinto da Rocha, inspector naqoeUe imperto da so-
ciedade de seguros mutuos sobre a vida, fundada
e administrada pelo banco Allianga, denominada
Polldorio Jos l
Jote dos Sanios Castro Garrido.
Angosto Ganda Dorio........
Fraociseo Patueco 4os Saatos..
Alipio de Parla Gomes.........
j Antonio Francisco da Silva.....
! Jos Joaquim Coelno de Oliveira
Antonio Gomes Coelno Torres ..
JofcMarM* dosSantoa........
Pedro ACfcnso Cooto...'.........
Aos Al ves Veras Cont.......
Severioo Perreira da Molla Ma-
chado......................
Antonio Manoel de Lima.......
Antonio da Costa Sol...........
Francisco Antonio Meodes de Oli-
veira Jnior..................
Jos Alves Maeietra.............
Bernardo Affoaso de Miranda...
Manoel Pereira Machado........
Vicente dos Santos SinOes......
Manoel Francisco Plores........
os 3
Companhia fldelidade de seguros
martimos e terrestres
estabelecida no Rio de Jaueiro.
AGENTES EM PEKNAMBUCO
Antonia Lhz de Oliveira Axevedo A C, |
competentemente aotorisados pela dlrec- 2
toria da companhia de seguros Fidelida-
de, tomam seguros de navios, mercado-!
rias e predios no seu escriptorio rua da B
Cruz n. I. f
Jos Gomes Villar !
com loja na rua do Crespo n. 17, j
convida aos seus devedores do tria- |
to e desta praga a pagarem seus de- %
btos quanto antes, principalmente *
os que jderem a mais de seis me-
zes. I
Precisa-se de urna ama para rasa de pouca
familia : na ma da Esperanza n. 46.
AMA
Precisa-se de urna mu her de boa conducta que
saiba bem engomraar, pagase bem : na rua do
Brum n. 72, 1 andar.___________________
Na fabrica de ealcados de Jos Vicente Go-
dinho. no ribeira de S. Jos n. 25, comprase paos
para tamaocos, e se paga a{!2 o cento, conforme
soa qualidade. ^__^_____^^_
Precisa-se de um caixeiro de 12 a 14 annos
de idade : no pateo do Paraizo n. 30.
primaria e se-
cundaria.
N lar, na rua larga do Rosario n. 22, nao
s se ensinam as materias que constl-
tuein o corso regular de primelras letras
como as disciplinas preparatorias para a
facnldade de direito ; cojas aulas estarao
abenas no dia 8 do presente Janeiro, e
sero regidas pelos mesmos professore?.
Saques para a Babia, Para e
naranhio.
Antonio Jos Rodrigues de Souza na rua
do Crespo n. 15, saca a vista ou a prazo
contra a Babia, Para e Maranbo,________
Precisa-se de urna ama para casa de nm ho-
rnera solieiro : na ma do Cordoniz n. 8.______
==~Na fundigo do Bowman rua do Brum n. 38
precisa-se de ofciaes de marcineiro. ______
Affonso Jos de Oliveira recebe alumnos ex-
ternos e internos em soa escela particular de Ins-
traccao primaria e secundaria na rua estreita do
Rosario n. 31, terceiro andar.
Na
Ceblas a 500
ma da Madre de Dos n. 5.
rs.
Precisa-se de urna ama para casa de
pouca familia : a tratar no becco dos Copia-
res n. S; primeiro andar.__________^_
Est por alugar-se o primeiro andar do so-
brado da roa de Agoas-Verdes n. 86 : a tratar na
rua das Cmzes, sobrado n. 9,1 andar._______.
ThwebnatTc"
99Rua do imperador S9.
Deposito de joias francezas por atacado.
Casa em Parts e Rio de Janeiro.
Recebem directamente por todos os paquetes.
~^ A pessoa que perdeu urna carta para o Sr
Albiuo Jos da Costa dirij -se a rua do Rngel o.
60, que Ihe ser entregue.
*- Dase bolas com chelro : na penltima casa
do-lado esqoerdo na rua do Corredor do Bispo.
Precisa-se alugar um moleque : na rua das
Laraogeiras n. 10, casa.de pasto.
NOVA YORK. Jos Antonio Pinto da Rocha....
Composta de substancias, gozando das Aioioo Jos da Silva...........
propriedades eminentemente depurativas ; I &*&*,&'&
approvada pelas juntase academias de me- d"eg.......................
dicina; usadanos principaes bospilaes, ci- Americo Nunes Corre........
vis militares e da marinha as Antilhas e Antonio Alves de Moraes.......
no continente americano ; receitada pelos | fj SSAISSA^
tacultativosos mais distinctos do imperio do
Brasil e da America bespanhol
CURA RADICALMENTE
escrophulas, rbeumatismo, escorbuto, eo-
fermidades venreas e mercuriaes, cbagai
antigs, morphea e todas as molestias pro-
venientesd'um estado vicioso do sangue.
Emquanto existem varias imitaces e
trisificacos. preciso a maior cautela para
evitar os engaos,
A legitima salsa de Bristol vende-se por
CAORS BARBOZA
JOO DA C. BRAVO de C.
Jo5o da C. Bravo & C.
Deposito geral em Pernambuco ma da
Cruz n.22 em casa de Cacos & Barbozi

A PREVIDENTE. anof., Ferreira
Para mostrar o bou crdito e subida conianca JJJJ lu7z B" Sl^to"
que esta sociedade goza entre os nossos compalrio- L.u" JPJ"*? rZ^t'"'
tas all residentes, publicamos a segainte luU das Ad
subscrlpeSes por elle obtidas no corto espaco de
seis mezes, montando a 578:3754; facto este que
de per si falla mais alto do que todas qaaotas con-
siderares podessemos apresentar, e que por isso
nos abitemos de fazer.
Illms. Srs. subscriptores. qaantias subscriptas.
3:000K00
5:000#e00
1:2504000
O abaixo assignado agradece cordialmente
as pessoas que honraram assistir as exequias
de seu tallecido irmao i.uiz Jos Marques, e
de novo convida para que romparecam no
dia Io de fevereiro as inoras da manhaa
na Igreja da ordem terceira de S. Francisco,
afim de assistir orna missa que o me-mo
abaixo assignado tem de mandar celebrar
pela alma do fallecido, o que muito ficar
agradecido.
Jos Antonio Marques.
41TE\(M
P. ecisa-se de um hort-lo .,ue entenda de flores
para ter a seu cuidado e direco- horta e Jardim
em nm engenho distante quatro legoas desta pra-
(a : a tratar nesta cidade, na rua da Gloria n. 89,
ou a rua larga do Rosario o. 50, Ia andar.
Precisa-se de ama ama para o servido interno
de ama casa de pouca familia : a tratar na praca
do Corpo Santo n. 17.
Precisa-se de ama ama que cozione e en-
omme para duas pessoas : na rua da Penba n
segundo andar.
Precisa-se alugr um cesioheiro ou- eoss-
nbeira : na rna da Imperatriz n. 9, segnndo andar,
Preeisa-sed#.um criado, dando fiador de seu
comportamento : na roa do Imperador n. 79, se-
gundo andar.
mmmmmmmmmmmmwm
DEPOSITO DE CALCADO *
m FABRICADO M GASA DE DEl'EJiCAO M
Rua Xots a. i. m
m Abi se encontrarao obras de di- m
[ versas qualidades, e por preco mui !
diminutos, a retalho e em porcoes. i
S se vende a dinbeiro. |
mmmmmMmmmmmmm
Em quanto o Sr. acadmico Antonio de Cas-
tro Alves nao mandar pagar 634000 que deve de
alugnel da casa em que morn oa ma dos Coelbos,
ver o sea nome ueste jornal.________________
A administradlo do crrelo desta cidade pre-
cisa de qnatro homens para serem empregados no
servieo de camlnheiros : quem estier nestas con-
digoes e quizer engajar-se, dirija-se a mesma ad-
mini8tra;o._________________
Antonio do Reg Medeiros, sendo postnldor
Waoted oa Boltomryjim tbe Hall freight and de um terreno foreiro com 300 palmos de frente e
rargo of the Brit Barqne eflorence Danvers 9 e tantos de fundo, na estrada de Lulz do Reeo,
ne Master bound for Valparaso, tbe sum of about perlencenle jo Sr. Domingos da Silva Perreira Ju-
Aluga-se urna escrava para todo o servico in-
terno de urna casa de familia, e vende-se am mu-
lato escaro maite mogo, bonita Agora e bom offi-
cial de sapateiro : a tratar no pateo do Terco nu
mero 22.
Precisa-se de um boleeiro que leona boa
conducta e sem vicio : a tratar no palacio da So-
ledade com Mariano de Mello Ney.___________
--- Candida Balbina da Rocba, faz publi-
co que a sua aula particular de instruccao
primaria de meninas ser aberta no dia 16
de fovereiro prximo, na rna doRangel so-
brado n. 59, nao o fazendo antes por se
achar este sobrado em ultima cao de con-
certos.
O Peitoral de Cereja,
DO DR. AYER,
Para a cura radical e cer-
ta de todas as molestias do pcito
e da garganta, toases, constipa^oes,
Bronebite, asma, ilrfluxos, roqul-
do, Coqueluche, angina, Biptherla.
Este xorope peitoral o resul-
tado de longOB annos de estudo
por um dos primeiros mdicos da
America do Norte, e de experi-
encias minuciosas nos principaba
bospltaes do mando; reccltado pelos mdicos mais distinctos
deste sceulo na sua clnica particular, portanto digno de toda
conianca, 1, por er effican, alcancando com urna certeza infal-
lvel o assento da molestia e arrancando lhe as ralzes, assim
dando aos orgios afiectados urna accio natural e si: 2, por
ter innocente e applicaval a qualquer pena de qualquer idade
ou texo, ao homem robusto ou crlanca da mais tenra idade,
cada frasco sendo accompanhado de dirreccocs minuciosas:
3a, e ultimo, por nio ur um remedio tedreto, pois qualquer med-
ico ou pharmaoeutlco pode obter a formula da sua composicao,
dirigindo-sc pessoolmente oa por carta ao agente geral, II. II.
Laxe, n rua Direita No. 15. Eio de Janeiro.
Muitos casos que tinho zombado de todos os recursos
da scienciu tem sido corados radicalmente com o uso do
Peitoral de Cereja*
As pessoas atacadas de tese, defluxos, Dr da garganta,
Bronchite, asma, etc., c outros symptomas da tsica prima-
ria gcralmcntc fazcm pouco caso do seu padecimento ata
qne seja tarde para cura-lo. Nao descuidis d' urna tosse
porque agora parece de pouca importancia; urna tosse
descuidada chega a ser chronica e induz a formaco de
Tubrculos nos pulmdes.
Nenhuma cas do familia deve estar sem um frasco
de'ste xarope i mo ; pois nos ataques repentinos de
Angina, de Croup, c nos paroxismos do Coqueluche; ou
tosse comprida a que csto snjeitas as enancas, nao ha
tempo de chamar um medico, nem de fazer remedios, e
este xarope alivia inmediatamente c po o filho querido
sao e salvo, fra de perigo.
As molestias qne estilo ao alcance das virtudes curativas
do PE TORAL DI' CF.ItF.JA sao
Defluxos, Tossos, Asma, Esquinencia,
Coqueluche, Toase ferina oa convulsiva.
Eoquido, Todas aa molestias do paito
garganta. Conaump;ao dos Ful-
mei ou Tisoa pulmonar.
Aoha-se era todas as Botica e Drogaras do Imperio.
JOS I) MEL DA COS-
ta Miranda,
l'orluguez, para sea interesse mnito se deseja fal-
lar com este senhor, e se agradecer a quera der
nolicia delle na rua da Cadtiu'D. 17.
Piltas Oatharticas do Dr. Ayer
CTTRlo
Prito de ventre, IndiaettSo, Constipacao. Ithev-
tnatUmo, Semmorrhoida, Dr d eabeca, A Xevrml-
ffim, mml do estomago, Enxaqueen, mal do Fiaado,
Oastritr, Febre gastro-heptica, Lombriga. EryHp-
ella, Bydropsia, Incremento do baeo.
Todas as
Quinino.
molastias que provera do uso excesalvo do
Ten tboasind Milrels for nessary repairsand dis-
torsements; (Ue said essel harlpg pot Into ihi
l'ort in distresoo ber voy t| from Swanscale Val-
(judas
Sealed (endersto be sent into Messrs. Sannders
tirotbers & C, Lloyde ageols apto mid-day i* fe-
t ruar? IBK. .
AmaT
N* rns-da Csdeia do Reci e.n. 30, precisa-se de
orna una pin cosinhar.
nior, e como tenha contratado com o mesmo se-
nhor a compra dos ditos foros, se algaem se jalgar
com direito a elles, destare por esta (olba emires
dias da poblfcago deste.'ou se dirija a taberna de-
fronte do ch.ar.riz junio a fundlo. Recite 27 de
Janeiro de 4866
^^^^^^^^W I.......I lll
cer na ggi da \-.-o-
0 mlbor purgante at hoje conhecido.
Estas pilulai assucaradas sao puramente vegitaes.
PtJMiO E PUBIFICAO SEM MEHCUBIO.
A venda%n todas as Boticas e Drogaras do Imperio.
AGENTE OEIAL,
S. M. LAJ9TB, Bu Drelto No. 18,
Klo de Janeiro.
Vende-se em Pernambnco:
aa
w
Manoel Mariins de Oliveira Aze
vedo........................
M. T. Baslo...................
Aolooio da Silva Pontes Goima-
res.......................
Manoel Gomes da Cruz.........
Antonio Lourengo Telxelra Mar-
ques ......................
Bernardo Jote de Oliveira Ma-
chado.....................
Jos de S Leito Jnior.......
Domingos de S Pereira J-
nior......................
Vicente Ferreira Coimbra......
Jos Joaquim Alves.......,
Jo* Fernandes Lima..........
Jos Joaquim Leito...........
Jos Antonio de Brito Bastos...
Joaquim Luiz Ferreira Leal
Silvino Guilhermede Barros....
Alfredo Henrique Garcia.....
Antonio Valentn da Silva Ba*r-
roca.......................
Jos Rodrigues da Silva Bor-
ges.......................
Manoel Josc Moreira...........
Virgilio de Castro Oliveira......
Jos Antonio da Costa Valen te..
Justino da Motta Silveira.......
Manoel Marques de Oliveira....
Antonio Fernandes Duarte Al-
roelda.....................
Joao Mariins de Barres........
Antonio Joaquim Fernandes da
Silva......................
Custodio Jos Alves Goima-
rSes........................
Jos Gongalves Villa Verde.....
Alfredo Jos Aotunes Guimares
Manoel da Cunha Guimares...
Joaquim Cabral de Mello.......
Jos de Azevedo Maia e Silva..
Bernardo Pereira do Valle Por-
to........................
Ignacio Pereira do Valle........
Felisberto Ferreira de Oliveira..
Domingos Jos Ferreira Golma-
res.......................
Manoel da Motta Machado......
Manoel Joaquim da Rocba......
Seraphim de Sena Jorge........
Manoel Joaquim Fernandes.....
Josepna Maria da Con ce gao..
Luiz Pereira Lima*............
Antonio Henrique Rodrigues....
Manoel francisco dos Santos
Mala.......................
Manoel Joaquim Ribelro.......
Manoel da Silva .Nogueira......
Joo Lucio Marques...........
Francisco Joo de Barros......
Judciuliii lluui i^ues Tavares do
Mello......................
Jos da Silva Loyo............
Francisco Jos Alves Guima-
res.......................
Caetano Cyriaco da Costa Mo-
reira......................
Jos de Mello Uosta Uliveira....
Manoel Muniz Tavares Cor-
deiro......................
Antonio Joaquim de Vascoocel-
los........................
Antonio Jos da Silva Brasil...
Joo Jos Rodrigues Mendes.....
Luiz de Moraes Gomes Ferreira.
Domingos Jos da Costa Amorim
Manoel Fernandes da Costa.....
Joo Carlos Coelho da Silva....
Manoel Ramos de Oliveira.....
Manoel Jo? Pereira Marrano...
Manoel Ferreira.Bartholo.......
Manoel Francisco Marques.....
Gregorio Paes do Amaral.......
Joaquim Jos GonQalvesBeltro.
Joo da Silva Ferreira..........
Jos Joaquim da Silva..........
Antonio Jos Coimbra Guima-
res...............,.........
David Ferreira Bailar........ ..
Antonio Jos dos Reis..........
oo Ribeiro Lopes............
oaqmm Custodio de Oliveira...
oGomes de Frailas.........
ernardino Gomes de Carvalho.
Antonio Bapllsta Nogneira......
Joao Francisco dos Santos Jnior
Francisco Ribeiro Pinto Guima-
res.........................
Alfredo Prisco Barboza........
Manoel Soares Pinheiro.......
Joo do Cont Alves da Silva...
Joaquim Mooteiro da Cruz.....
Antonio Jos Dantas...........
Salustlano Francisco Mariins...
Antonio Pereira de Faria.......
Antonio Luiz Ferreira Lima....
Manoel Jos da Cunha Porto...
Flix Venancio de Cantalice....
Manoel Alves da Silva Caldas..
Joo Francisco Antones........
Custodio Colara Pereira Jnior-
Jos Guucalves Torres.........
lte' Antonio Jos Paulo de Carvalho.
Joaquim Ferreira dos Santos
Coimbra Guimares.........
Justo Cesar de Alraeida Jordao..
Jos dos Santos Oliveira.......
Belarmino do Reg Barros.....
Manoel Ignacio Rodrigues Praga
Jo8o Jos d Silva...........
Fortunato J. G. B.............
Jos Correa de Mendonca Sobri-
nho.......................
Emiliano Evangelista de Moraes
Antonio Pedro de Souza Soares.
Manoel Jos da Costa Pereira...
Joo Pereira Reg............
R.M.S.A. F.................
Cnstodio Francisco Martins.....
Manoel Albino da Costa Torres.
Jacintho Jos da Costa Torres..
Bernardrao Angosto da Costa
Torres.....................
Joaquim Pedro da Costa Torres.
Padre Tiborcio Pereira Gomes.
Manoel Gomes Correa.........
Joaquim Ventura da Silva Pinto
Manoel Ventura Telxeira Pinte.
Domingos Marques de Oliveira.
Antonio Rodrigues Padim.....
Paulo Jos Pereira da Silva....
Francisco de Oliveira Braga...
Joo Pinto de Oliveira.........
Paulino as Fernandes.......
Antonio Leite de Si Coelho....
Padre Manoel Goncarves Goima-
raes.......................
Jos Alfonso Guimares.......
Manoel Tavares de Pioho......
Florlano Alves da Costa.......
Joaquim Antonio Carneiro Sai-
danha......................
Miguel Albina da Costa Machado
Padre Jos Ventor Telxeira
Pinto
Antonio de Ag
Maooel UuWi^^T
Manoel Jo.- Gomes de Andrade.
Antonio Leite de Castro Bro-
chado........................
Joaquim Leal de Meirelles......
Antonio Pinlo Baodeira.........
Amonio Joaquim Alberto de Al-
melda......................
Joaquim Antones da Cuba Gni-
mares.......................
Jos Vidal da Rocba............
Jos de Souza Velloso..........
Jos Carvalho Pinto Bastos......
Zeferino Jos da Roete..........
Nicolao CioflD...................
Jos Antonio Pinheiro Bastos...
Antonio Joaquim de Carvalho
Lima.........................
Manoel Domingnes Guerra......
Jos da Silva Miranda..........
:OOoIoOO RornardiDo Alves Barbosa Saala-
i rem........................
300OOO ?,U0 Rodolph Stengel...........
i Victorino Jos Duarte Finta....
1-.301000 Joaiuim Antonio Teixeira Ma-
2:300*000 chado.: ..................
Bernardrao Jos de Araujo....
500*000 Joasqaim da Cosu Carneo.....
i-550*000 DomlDos da Cosu Araojo Bar-
2-oOOooo1, r.e8:-.-----v"............
1-lflttf 00 Lq11 Anlot>'o da Costa Pereka..
3:750*000 i''
2:500*000
200*000
1:000*000
1:250*000
1:250*000'
6:250*000
1:250*000
Joaquim Fen reir Coelho da Ro-
7:500*000!
cha..
6:000*000
1:1*9*000
6:000*000
2:500*000,
1:250*000
1:300*000
650*000 Be"rde Jos da Pal.........
5:000*000 Anto?' AlfM Peixoto.........
50*000 JosNooes Pinto.............
Salvador Oliveira Retende.....
Adriano Joaquim do Caes Sai-
xas.......................
' Fulgencio Jo.- da Costa.......
Domingos Moutinbo...........
Jos Joaquim Telxeira da Foose-
ea Bastos.................
Antonio Ribeiro Rosado........
-250*000 Eduardo Pereira Nones........
: Joaquim Jos Ferreira de Freitas
5:000*0001 Antonio Marques Perreira.....
4-000*000 I Antonio Ventura Teixeira Piolo.
i Pedro da Cosu Nuoes.........
1:250000'Joao Jos Rodrigues de Si.....
I Jacintho Jos Mariins Correa...
1:250*000 ^ Ferreira da Silva.........
500*000' Domingos Jos Ferreira.......
5005000 .JoSo Fernandes da Cosu Gaima-
1:250*000 ;<...................
250*000, Bernardrao Alves Barboza......
2:250*000! Antonio Ferreira de Carvalho..
Carlos Alves Barbosa..........
1:000*000 Joaquim Jos Gomes da Souza..
1 -00t'*000! Js Fernandes Perreira.......
1:250*0001 Domingos Jos Ferreira da Silva
I Manoel da Cunha Guimares...
Antonio dos Sanies Cclho e
Silva......................
Max Hamburger..............
Francisco Xavier de Oliveira...
Antonio Gongalves de Azevedo..
Francisco Jos Lopes..........
500*0001 Jas Joaqnim de Agoiar........
7:500*000! Joaquim Francisco do Reg-----
I Jos Alves Barboza Jnior.....
Jos Manoel BaptlsU..........
Jos Gullherme GaimaraVs-----
Noberto Corroa da Cosa Bara-
Chuy.......................
6:000*000
1:500*000
1:000*000
500*000
1:250*000
1:000*000
1:250*000
1:250*000
2:500*000
6:500*000
10:000*000
10:000*000
8:750*000
1:000*000
2:000*000
1.200*600

578:375*1!
N. B.-As quanlias suLscripUs, cima
nadas, sao rtalisadas no espaco de 10,15, 20 ea
25 annos, entrndose anonalmenle cea ama
pequea prestaco, segnndo as posses do sate-
cnptor.____ ________________________
Hontem 29 do correte, de ana carreja ajo
ia desta cidade para a Ponte de Dente, Waaeara-
1:250*000, ceu um sacco de viagem, de velludo vara*, *
I tanto usado, tendo dentro algomi rooaa, > 2:0(10*000 cartas, papis avolsos e nos autos, sacca lesa
2:500*iHK); fechad ora e eslava fechado : quem o liv.- acaad
5:000*0001 teoba a bondade de o Ir entregar ao Dr. J. Caav
3:750*000 pos, no seu escriptorio, pateo de D. Padre la!,
3:750*000; soDrado, que sora geoerosameete crauaeado.
4:000*000; -----------1-71 'i o ---------------------
CollegioiieS. Jaa^iia
No collegio de s. Joaquim preclaa-ae de am eo
zinheiro que seja perito oa soaarU>, e qae de tee-
digna abonago de soa conducta.

3:250*000
1:250*000
1:250*000
1: 50*000
2:500*0001
3:750*000;
4:000*000
2:500*000!
2:500*000'
8:000*000
2:000*000
5:000*000,
1:0004000:
2:500*000!
1:250*000!
1:000*0001
500*000
1:250*000;
1:000*000
75O*0O0|
100*000|
1:250*000
2:500*000,
1:000*000
6503000
5:250*000
1:000*000
2:000*00>
1:250*000
500*000
2:000*000
2:500*000
1:000* 00
1:250*000
10:000*000
1:2504000
1:200*000
2:500*000
2:000*000
2:500*000
2:500*000
Precisa-se de nm rapas de 14 a
para caixeiro de taberna e qae d
con do cu : a tratar na roa da
Precisase de um menino de 11 a II aaaas,
que teoba boa letra e alguma enlosenibia, atea
caixeiro de orna caa de negocio : a fallar aa raa
Imperial o. 27, oo no caes da Companhia
huraa o. 4.____________________
Perdeu-se urna letra sacada em 5 do i
le mez sem ai signatura do sacador, someatoaweig-
nado o aceitante Francisco Pereira dt Metetes, a
quatro meses, da qoaotia de I34*7M, de aa* j
esl sciente o aceitante de i
proprio dono, e quem achar, i
dar alguma coosa pelo aehado, pode dirigir-* aa
paleo da Penha.iaberna n. 21._______________
D. Clara Clementina Carlou de Brte declara
ao respeitavel publico que nada dev* a i
porque ludo quanlo compra amaneare i ~
nem assigna letra de Draguen-, nem tarabeas na>
dora. Nao faz teoco de fazer o contraria i
costume, e por isso declara qoe toda
recer falso.___________________
Ama de leite
Precisa-se de orna ama da
da : na roa da Caixa d'Agua a. L
.
1:250*000
500*000
1:250*000
1:250*000
2:500*000
2:000*000
750*000
5:000*000
5:00e*000
3:250*000
1:250*000
1:250*000
3:00"*000
i-y
2:500*i
4:
12:
1:151
5:000*000
5:000*000
2:500*000
Precisase de nm amansador :*aa aadaria
Sanio Aaiua, atraz da landico do Sr. ttarr.
Precisase de ama ama earai
roa da Cadeia do Reclfe n. 17, lv
ENCANAMNTOS
Plfil 1C1 m
Na roa Nova o. 30 fazem-se e
cnameotos, assim como bombas |
iUDr
s
Fraicisc* Pires
Paridla
MEDICO E OPERArOR
PELA
Facnldade ele
continua oo extrekio da sua
e peeialmente as molestias da
vas orinaras e de pelle, para ee| ira-
lamento julga-se cabiliUdo atteau a ara*
tica adqoirida dos bospiuas daaa* la ea-
aital, e os instrumentos taam awdetaaa
a,ae"possue.
'Accode prompumeou a aaahpasr <
mado para fura da cidade.
-E encarrega se de coHoaar ornea 1
flelaes.
No pateo do Carao a. i, esaeiaa
roa de Horus, das 6 as 10 fearaa da i
nha, e das 3 as 5 da Urda
Precisase alagar orna ama Ierra oa i
va para comprar, cosinhar e eecemmar
deHorUsn. 71 ^^


I
.....
tajarla de r era*a*l
r-?
Mi
4c Feverelro de 1866.
!* I

I "
/
A SAIM PiSRfilLHA M AYER
PARA A GURA RADICAL
de escrfulas e molestias escrofulosas, tumores,.ulceras, cbagas, feridas ve-:
lhas, broocbocele, papo oa papel ra, a syrJtaUis, enfermidades teneras ou mer-
curiaes.
CASADA
m
A'Rl'ADC
BS BARATOS
praca da Inde-
I t 400 rs. o volme, o ro-
0 abaixoassignado venden dos tea* asilo e-
m> bllbetes garantidos da lotera que se acaboo
de eitrahlr, a beneficio das ternilla dos volunta-
rios da patria, os segnintes premios :
N. 673 om meio bilnele com a sorie de 6:000$.
N. 976 utn meio bilbele cotn a sorte de 5004-
N. 1683 dous quintos com a sorte de 2005
B oatras muitas sortee de 100*, 40*, e 20*.
Ospossuidores podem virreeeber seus respec-
tiTos premios sem os descontos das leis na Casa
da Fortuna ra de Crespo n. 33.
Acbara-se a venda os da 6* parte ra 5* lotera
(46*) beneficio da Santa Casa de Misericordia
jue se extrabir quinia-reira 1 de fevereiro.
PRECO.
Bhetes. .... 6*000
Meios......3*000
Quintos.....' 14200
at pessoas que compraren de lOOOOO
para cia.
Bilhetes.....5*500
Meios......2*750
Quintos. 1*100
Manokl Mabti.ns Picza.
AS DO cbsTUMB | hwmw portogttszes igateles, era brochara:
Para
AS MOLESTIAS DAS MULHERES
retenclo, meastro doloroso, ulcerac5es do tero, flores brancas, etc., ulcera-
cao, debilidade, expoliadlo dos ossos, a nevralgia ei coovulses epilpticas
qtiand causadas pela escrfula. -
ERYSIPELAS ERPES; ETC.
Enfermidades cutneas, erupeSo, borbulfaaa, pstulas,
aseidas. etc.
O extracto composto de salsa parrllha, con'eccionado pelo Dr. Ayer, urna
combinac3o dos melhores depurativos e alterantes conhecidos 'mediciDa; confeccio-
nado segundo as regras da sciencia, approvado ercceitadopelokpriaeiros mdicos do^
Estados-Unidos da America do Sul e Central, das Antilhas, do Mxico e das indias, e
muitas outras partes do mundo : o, resultado de estudos apurados e minuciosos, e de
experiencias feitas pessoalmente pelo Dr. Ayer, por muitos anuos, nos principaes nos-
pitaes e enfermaras da America ; tcm sido approvado pelas academias de medicina e
juntas de hygienne das principaes capitaes da America do IJprt^; para prova disto vede
os attestados authenticos no Almanak e Manual de Saude do Dr. Ayer, os quaes sedis-
tribuem gratuitamente nos lugares onde se vende o remedio.
A SALSA PARILHA DE AYER
Especialmente efficaz na cura das molestias que tem sua orlgena
na escrfula, na lnfecco venrea, no aso
excesslTo do mercar lo oa qanlquer Impureza do sangne.
A molestia ou infeccao peculiar, conhecida pelo nome de escrfula, um dos ma-
les mais prevalecentes e universaes que ha em toda a extensa lis ta das enfermidades qoe
atacam a nossa raga; disse um celebre escriptor da medicina que mais de urna terca
parte de todos aquelles que morrem antes da velbice sao victimas, ou directa ou indirec-
tamente de escrfula; por isso s nao 15o destructiva, por n a principal causa de
muitas outras enfermidades que nao lhe sao feralmente attrihuidas.
urna causa directa da tsica pulmonar, das molestias! do figado, do estomago
e affeccoes do cerebro; entre seus numerosos symptomas actaana-se os seguintes: falta
de appetite, o semblante plido e enchado; as vezes de urna alvura transparente e outras
vezes cora to e amarellento irregulr, fraqueza e molleza nos msculos ao redor da boc-
ea ; digesto fraca e appettite, falta de energa; ventre encliado e evacuaejo irregular;
quando o mal tem seu assento sobre os pulmes urna cor azulada mostra-se em roda dos
olbos ; quando ataca os orgos d'gestivos, os olhos tornam-se avermelhados; obali-
to ftido, a linua carregada; dores de cabera, tonteiras, etc. Naspcssoas dedsposi-
c3o escrofulosa apparecem frequentemente erupcoes na pelle da cabega e outras parles
do corpo ; s5o predispostas s affeccoes dos pulmoes, do figudr, di s rins, dos orgos
digestivos e uterinos. Portanto, nao sao smente aquellos que padecem das formas ul-
cerosas e tuberculosas da escrofu!a> que necessitam de proteccao contra os seu* estragos;-
todos aquelles em cujo sangne existe o virus latente deste terrfivel flagello (e s vezes
hereditario), esto expostos tambem asoffrer das enfermidade que elle causa, que s5o:
A tsica, ulceraces de ligado, do estomago e dos rinsd erupcOes e enfermidades
eruptivas da cutis, rosa ou erysipela, borbulhas, pstulas, napcidas, tumores, rheuma,
carbnculos, ulceras e cbagas, rheumatsmo, dores nos tjssop, as costas e na cabeca,
debilidades femininas, flores brancas causadas pela ulceracao interior, e enfermidades
uterinas, bydropesia, indigestao, enfraquecimento e debilidade geral.
Offerecemos a estas pessoas um abrigo seguro e um antidoto efficaz1 contra esta
molestia e suas consequencias na
SALSA PARRILHA DE AYER
que opera directamente sobre o sangue, purificando-o e expulsando dello a crrupc5o e o
veneno da molestia; penetra todas as partes e todos os orgSos do corpo hun ano, livran-
do-os da sua accao viciada e inspirando-Ibes novo vigor. im alterante p^derosissimo
para a renovacao do sangue, e d ao corpo j enfraquecido pela doenca, forcas e ener-
gas renovadas como as da joventude.
E tambem o melhor anty-syphilitco conhdcido
cura permanentemente as peiores formas de syptiilis e as sias consequencias. Pouca
necessidade ha de informar o publico do inestimavel valor ce um remedie que, como
este, livra o sangue desta corrupeo e arrebata a victima das garras de urna morte lenta
e ignominiosa, porm inevitavel, se o mal nao logo combatido com energii.
um poderosissimo alterante para a renovacao do saague e para ar nova tor-
ca ao corpo j enfraquecido pela doenga.
Sendo composto de productos vegetaes, esie medicamento innocente e ao mes-
mo lempo efficaz, um facto de immensa importancia para aquelles que o tomam; por-i mm-m Qmlastro de vidro Mr. ., ane
que muitos dos remedios alterantes offerecidos ao publico tem por base o n ercurio ou o leDha 4 ou 5 bicos: anea o tirar e qVinr vender,
arsnico; e sendo assiro, bem que s vezes podem eflVctuar duras, comtodc deixam suas dirija-se a ra nova de Santa Rita, serrarla de Vi-'
victimas carregadas de urna longa serie de males, muitas vezes peor do q ie o mal or-. cente ai ve Machado.
A voz do sangue, 2 volumes.
Gonnemara, 2 ditos.
Ainoite de S. Silvestre, I dito.
Jfilho deTitiano, 1 dito.
Adoniouo'bomnegro, 1 dito.
As du'9 amadas, i dito.
O pacha de Buda,- i dito.
Trilby, .1 dito.
Igoez de la Sierra, 1 dito.
Joven: Siberiana, i dito.
GUINDE ESTABELECUETO
00
Ra
8 CASA DE RAMOS f
26-Patee do Carmo-26
Neste estabelecimento tao Importante
para a saode e asselo do corpo acham-se
montados 20 banheires, qoe sao servidos
com a ordem e aceio qoe para dese-
jar-se. Qoatro destes banheires sao espe-
cialmente reservados para senhoras e por
isio acham-se collocados em lugar reser-
vado aonde s lem entrada as pessoas de
orna mesma familia.
Precos de banlios avalsos.
1 baobo fro, momo oa de cba-
visco........500
1 dito dito de choque. .... 1*000 gtt
1 dito de arello.....14000 ^
1 dito aromatizado.....1*000 ||
1 dito medicinal seri segando sua qua- a
lidade.
Preces per assignalura.
30 banhos por mei fri, momo
ou de ebuvisco.....10*000 S
25 ditos com cartoes para o mes- IR
mos. 7%......10*000 m
12 ditos com cartoes para os
mos........5*000 m
12 ditos com cartoes de chogue. 10*000 la
12 ditos com candes de arello. 10*000
O estabelecimento estara aberto nos
das nteis das 6 horas da manba as 10
da noile, nos das santificados das 5 as
4 da tarde. -'
(Grande armazem de tin-
tas medicamentos etc. S
Roa do Inaerador n. 22.
*o Pedro das ------/ p
Feitor.
Precisa-se de um para nm sitio pequeo perto
da praca que seja pessoa capaz e trabalhador,
dase casa propriae boa para morar : a fallar na
roa Nova n. 19, primeiro andar.______________
Arrenda-se o eogenbo Manass distante da
praca menos de qualro legoas, e mni prximo a
povoaco de Jaboato, tem sofficieote terreno de
b-a produccao, bom cercado o malas bem conser-
vadas : a fallar no mesmo engenbo.
= Precisase de urna ama de lene que seja sa-
da : na roa Direita n. 3, primeiro andar.
Precisa-se de
ducta, sem vicio
meiro andar.
BOLEEIRO.
om boleeiro qae tenha boa con-
na ra das Crozes n. 36, pri-
COMPRAS
Neves (ge-j
reate) ten a venda e
seguate i
Productos chimicos fP pbarma-
ceuticos os m4is empregados em
medicine.
Tintas para todo o genero de pin-
tura e para tinturara.
Productos indusiriaes e tintas
para ores, como botoes -de flores
e modelos em gesso para imitar
fruclas e passaros com o compe-
tente desenbo.
Productos cbimicos e industriaos
para pbotographa, tinluraria, pin-
tura, pyrotecnia etc.
Montado em grande escala e sup-
prido directamente de Pars, Lon-
dres, Hamburgo, Anvers e Lisboa
pode offerecer productos de plena
conanca e satisfazer qualquer en-
commenda a grosso trato e a reta-
lbo e por preco commodo.
COIares Royer oa colares ano-
dinos
para facilitar a denticlo das crianzas e preserva-
las das convolsdes.
O feliz resaltado obtido immensas vezes pela
prodigiosa forca magntica dos colares Royer, nos
da Imperis-iz.
DR
GAMA & SftVA.
LOJA B ARMAZEM DE FAZEKOAS.
Tendo os proprietarixs dfate grande eslabeleci-
meoto feilo om grande abali.iutilo em muibs de
suas fazendas, pela occasiio do balanco que deram
no ultimo de muito mais barato lo que cosiumain alim de cada
vez mais agradarein aos ten* numerosos fregue-
zes ; por tanto Iht-s ollererem u'ii avulado sort-
mento de fazendas fiauceza*, ingiezas, as quaes
vendero mais barato do que em outra qualquer
parte, comprometiendo se a mandar levar qualquer
fazenda em casa dos fregm zes que nao poderem
vir a toja, ou a darem as amostras, deixando licar
o penhor, assim como convidam as pessoas, qoe
negocian) em menor escala que neste grande esta-
belecimento encontraro um grande sortimento
tanto a retalho como por atacado, vendendo-se-lhe
apenas pelos precos qoe compram as casas ingle-
zas, sendo com o dinheiro a' vista.
FecUlpeHf a UXOOO e 05OO
AS|BpMENES DO PAVAO.
Vebdem-se:'bonitos cortes de melpomene para
vesUdos de senhoras, sendo dos padroes mais mo-
dernos pelo baratissimo prreo de 3000 cada um.
i Ditos de indiana, tendo oito e meia varas, pelo
baratissimo preco de 2,6500 rs.
, Isto para acabar na luja do Pavo, roa da Im-
peratriz d. 60, de Gama & Silva.
As toaihas de l lio ds Pavo.
Vendem-s superiores toalbas de linbos para
rosto pelo baratissimo preco de 7,5500 a duzia ou
i a 640 cada urna.
Guardaoapos de linho adamascado para meza a
28O0 a duzia ou a 240 rs. cada um.
Superior atoalhado de Hubo com oito palmos de
; largura sendo branco e pardo, e vndese mais ba-
1 rato do que em outro parte, na toja do Pavo na roa
: da Imperairiz n. 60 de Gama Si Silva.
Corles de eollm para -calcas
a 11120 s o Pavo.
Vendem-se superiores curtes de cotim, fazenda
muito encorpada para calcas e patots, tendo pa-
:dr5es escaros e alegres, e vndese pelo barato
' preco de 1120 rs. o corte de calca ou a 320 rs. o
covado, sendo esta fazenda grande pecbincha pelo
, preco.
Bnm pardo entrancado a 700 e 800 rs. a vara.
Dito liso multo encorpado a 6i0 e 700 rs. a vara.
Dito branco entramado a !280 rs., isto pe-
; chincha na toja e armazem do Pavao na roa da
Imperatriz n. 60 de Gama & Silva.
Rico vestidos a 80000 rs.
pecbincha admiravel.
S o Pavo recebeu pelo ultimo vapor fraocez
nm grande sormento dos mais ricos cortes de
vestidos transparentes cora lindas barras e enfeites
de seda, sendo estes vestidos muito proprios para
baile e passeios, e vendem-se pelo baratissimo
casos de convulsoes, e dentrcao das enancas, tem preco de 85000 rs. cada om, na loja do Pavo na
altamente elevado o sea bem merecido prestigio,
e boje j se pode dizer qoe estio geralmente con-
ceituados, e esUmados de innnmeraveis pais de
familias : de uns porque do uso desses salntares
colares viram salvos do pe'rigo seus charos filbi-
nhos, e de oatros porque colheram daqaelles tao
proficuo ezemplo para igualmente preservar os
seas. Assim, pols, a agola branca, tendo em vis-
tas a alliidade e proveit" desses prodigiosos cola-
res anodinos oa Royer, maodDU vir o novo sorti-
mento qae agora recebeu, e continuar a recbe-
los para qae em tempo algum a falta deJles possa
ser funesta aos pais de familia, os quaes ficaro
certos de os achar constantemente na roa do Quei-
mado, loja d'aguia branca n. 8.
roa da Imperatriz o. 60 de Gama & Silva.
Orgaody a 1:200 a va a.
Chegou para a loja do Pavo um brilhantesorti-
metilo dos mais ricos organdys matisados, sendo a
fazenda mais Bna qae tem vido neste genero com
padroes ioteiramente novos, e vendem se pelo ba-
ratissimo preco de 15200 rs. a vara, na loja do
Pavao na ra do Imperatriz n. 60 de Gama & Silva.
As precalloas do pavo a 440.
Vendem-se as mais lindas precalinas inglezas
proprias para vestidos com largura de chita fran-
ceza pelo baratissimo preco de i lo e 480 rs. o co-
vado, finississimas precalas com os mais modernos
desenbos a 500 e 560 rs.
Farinha a 3j5o
gioal. A nica cousa necessaria para obter urna cura radical seguir com juizo e
tancia as dii ecces que acompanham cada frasco.
N5o pretendemos promulgar, nem queremos que se infira que esta composicao a
um remedio infallivel para a cura de todos os padecimentols humanos; infelizmente
escrfula e a sypbilis sao enfermidades tao sutis tas suas nalurezas, e ar eigam-se tao
firmemente no systema, que muitas vezes evadem e resisteni aos remedio
rosos que a sciencia humana pode inventar para combate las: o que dizenhos que o
Extracto composto de salsa parnlha de Ayer
a melhor preparacao at boje descoberta para estas e outras molestias atalogas, que
urna combinado dos alterantes mais eflcazes conhecidos, e q^ue esta combinaglo tem sido
regulada por longas e laboriosas experiencias, e finalmente que temos conciencia de of-
ferecer ao publico o melhor resultado que possivel produzir, da inteligencia e pericia
medica dos nossos lempos.
Este remedio deve ser tomado com systema e regula< idade, e nao om abandono,
pois um remedio e nao bebida.
Quando as molestias do figado nao lem sua origent na escrfula, o remedio
Por 40O,j000
Compra-se nma preta de meia idade que nao te-
nha virios era arhaques : na roa do Cabuga' n.
2B.________________
Compra-se ouro, prata e pedras preciosas,
3 mais pode-. em obras velhas : na ra da Cadeia do Recife,
cja de ourives no >rco da Conceico.
Comprase carosso (sement) de algodio : no
armazem de algodao de Sauoders Brothers & C.
no caes de Apollo.
Ouro e prata.
Em obras velhas : con pra-se na praca da ln
dependencio n. 22, loja de bilhetes.___________
Compra-se urna
quer urna oas ras
seja em trav ssa: a
casa terrea em qual-
desta cidade, e que nao
tratar na ra de Ilortas
mais proprio as pilulas calharticas de Ayer, que sao efficjzes na cura da molestia, que casa do fallecido Loureiro.
tem por causa um desarraojo dos orgos digestivos. Ped a salsa parrilha de Ayer e
nao aceilai outra preparacao.
Pernambuco, na Nova n. 18, pharmacia francezae P. Maurer & C.
VENDE-SE
Xo arniazem de H. J. Ramos e Silva & eniro. na do vigarlo
u. II, constaotemente, os seguintes rticos, qae
recebem por encommenda proprla de
por encommenaa pr
1EW-YORH.

Legitima salsa parrilha deBristol, preparada por Latman & Kempj
Verdadeira agua florida, preparada pelos mesmos.
Ga em latas de cinco galoes, o mais purificado que se pode desijar da acredi-
tada marca F.W. D. & C.
Hehgios perfeilos reguladores, com corda de quatro a oito das, d^)s afamados fa-
bricantes E. N. Welch.
Graixa em latas grandes d bem conhecida marca
phia).
^as. S. Masn (dePhiladel-
Superior oleo para machinas de costura.
Agulhas para as mesmas.
Breu em Dnicas grandes e pequeas.
Vende-se tambem:
di:u\
1.a qtialidadc.
St. Estephe.
St. Julien.
C. Margaux.
C. L afine.
Medoc.
Vinho fino do Porto em barris de 5/, 10/
Superior vinho do Rheno.
Cera de Lisboa em velas e em grume.
PORTO
Ia qulidade,
e20/.
Principe Real.
Pedro V.
Mara Pia.
Princeza D. Isabel.
Vctor Emmanuel.
Duque, i
Malvazia.:
StHiel Power Johnston k Companhia
Ruada Senzala Nova n. 4.
AGENCIA DA
Fundlcao deLow Moor.
Machinas a vapor de 4 e 6 cavallos.
Moendas e meias moendas para engenho.
Taixas de ferro coado e batido para enge-
nho,
Arreios d<- carro para um e dous cavallo.
Relogios de ouro patente iuglez.
Arados americanos.
Machinas para descarocar algodo.
Motores para ditos.
Machinas de costura.
Faz-se qualqoer negocio com nma a plice da
divida publica : na praca da Independencia n. 22.
Precisase deum rapaz para alugar para to
do o servico de casa estrangelra preferlndo-se es-
cravo : na ra lio Hospicio n. 33.
Casa vazia.
Aloga-se uro pequea casa na roa do Nascente
n. 14 : a tratar com Azovedo Irroo, na ra do
Qoeimado.

Precisa-so de urna ama para j engomtoar e
cozinhar para duas pessoas ; tambem precisa-se
de orna ama de leite : na roa da Cao>ia n. I, ar
mazem.
Precisa s alugar nma casa para-ama fami-
lia, qae seja fresca e eommoda, prefere se orna casa
de um so andar, tendo quintal, as roas da Aurora,
Pire, Sebo, Hospicio : qnem qoizer dirlja-se a ra
do Imperador a. 45, i* andar.
Precisa-se aldgar quatro ead^H ejam
poawntea para servido denaixo de caberla, pag 1o- bem : a tratar 09 largo da A- sembl o. Mi qoalquer concert pertencente a MU arle.
Precisa-se de nm trabalhador qae emenda
perfeitamente do servl$o de nadarla : no pateo da
SanUCroz n. 6.
Attenciao.
Aos senhores fumantes, chegou o bom fomo ca-
poral t rleo eaeaimbw de escama, na fabrica de
chapeos de sol, ra do Qoeimado o. 22 ; tambem
se acha na dita um grande sor ti ment da chapeos
de sol de todas ts qualldades, cobre-se a faz-se
Cofre.
Coropr-se nm cofre em segunda roao : no ar-
mazem da'bolla amarella no oilao da secretaria
da polica.
Cobre, I ai 5o e chambo.
Compra-se cobre, latao e chambo: no armazem
da bola amarella no oilao da secretaria da polica.
Compra se nm escrave peca : na roa do
Crespo n. 17.
VENDAS
F0LHIN1AS
PARA 1860.
cabam de sahir luz as folhinhas de
algibeira e de porta para o anno de 1866, o
mais correctas possivel tanto no calculo das
las e eclipses, como as diversas fesias
que a igreja celebra; vendem-se nicamen-
te na livraria da praca da Independencia,
460 ris as de porta e 320 ris as de algi-
beira.
Fumo.
Vende-se famo da Bat a e da trra, de superior
qnalidade, em porcSo e a retalho : na ra da San
zaia Nova n. t.______________
Vende-se a taberna da ra do Rosarlo da
Boa-Vista n. 5). bem afregaezada, por seu dono se
querer retirar para fora da provincia : quem pre-
tender dirjase a mesma taberna, qoe a vista se
tara negocio.
Preges para etnque e tabique.
Vende-se em barricas ou a retalho : a roa do
Queimado, Azevedo & Irmo.
PAnUQlMESMl
PECHINCHA ADMIRAVEL.
Gresdenaple preto a 1600
Vende-se superior grosdenaple preto, fazenda
muito encorpada, pelo baratissimo preco de 1,8600
o covado, sendo fazenda qae val multo mais di-
nheiro : na loja e armazem do Pavo na ra da
Imperatriz n. 60, de Gama & S'lva.
DOMINO'S PARA O CARNAVAL
Na laja do Paral).
Vende-se um bonito sortimento de dminos pro-
prios para o carnaval, sendo de- diferentes fazen-
das e com os modelos mais moderaos, assim como
velbotioas, gangas e outras fazendas proprias para
o mesmo fim : na roa da Imperatriz n. 60, toja do
Pavao de Gama Mita.
MANTAS PARA O PESCOCO
a I i, s o Pavao.
Vendem-se bonitas mantas para- o p coco, pelo
barato pre(o de 14 : na loja do Pavo na ra da
Imper
irato pr
do mercado:
superior,
is barato
Chitas escuras francesas a 3J0, 360, 400 ts.
Ditas com floroes proprios para chambres e co-
Vende-se farinha de mandioca, saceos grandes : bertas a 640 rs.
no armazem dos Srs. Tasso Irmaos, na ponte nova' j Ditas iuglezas claras e escuras a 200 e 240 rs.
pelo pr -> cima mencionados._______________| j^a )oja e armazem do Pavo na ra da Impera-
T7M ^/,w tria n. 60 de Gama i Silva.
Venaem-Se os chales do pavo a 2ooe e 2ooo rs.
achinas americanas de serrote para descarocar, Vendem-se chales de merino estampados a 2j
algodo: na roa da Senzala isova n. 42. e 25500 cada um.
Ditos de merm liso a 35500. I
Ditos estmpalos de crepon a 6, 74, e 84000.
Ditos pretos bordados com franja de seda a 144.
A *40 rs. a noli ja Na loja e armazem do Pavo na roa da Impera-
- Tinta preta para escrever, de boa qnalidade : triz n. 60 de Gama & Silva.
Vende-se sal grosso
dre de Deas n. 2.
a tratar na ra da Ma
vende-s na, roa das
porta larga.
Crozes n. 41 A, taberna da
Charutos suspiros
No armazem da porta larga, ra das Crozes n.
41 A, a 14 a caixinha.
Vende-se urna taberna no bairro da Boa-Vis-
ta, em om dos melhores lugares, e tem bastantes
commodos para familia : a tratar na ra do Ara-
gao n. 19.
Panno de algodo trancado da fabrica de
Ferno Velho ; chegarm alguns fardse vendem-
se no escripterio de Hanoel Ignacio de Oliveira &
Filho, largo do Corpo Santo n. 19.
FUO.
Cortes de chita a 2#000
S NO POVO.
Vendem-se cortes de chitas inglezas com dez co-
: vados a 24-
Ditos com onze covados a 25200.
Ditos com doze covados a 25400.
! Ditos de chita franceza com dez covados a
34200 s na loja e armazem de fazendas do Pavo
na roa da ImDeralrii n. 60 de Cama & Silva.
! Os chales pretos de renda do Pavo a 8-5000 rs.
Vendem-se os mais ricos chales pretf s de renda
com qualro ponas, senda muito grandes pelo ba-
ratissimo preco de 85.
Ditos de guepnre a 155, 184, 205. 234-
Retondas de dito a 105-
Manteletes de renda, tazenda muito superior a
154000.
Capas e santhambarqoes do grosdenaples bor-
dados, fazenda ioteirameote nova, por precos mais
baratos que em outra qualqoer parle.
Isto na loja armazem do Pavo na ra da Im-
peratriz n. 60 de Gama & Silva.
Os ba oes do Pavao.
Vendem-se superiores baldes de mueulina com
moita roda a 54., ditos crioollnes com 35 arcos a
345OO, ditos com 20 e 25 a 34, ditos para meni-
nas, sendo brancos encarnados a 24 e 24500 :
na loja do Pavo na ra da Imperatriz n. 60, de
Gama & Silva
Para luto vende o Pavo.
Setim da Chioa com 6 palmos de largura, fazen-
da preta para loto, propna para vestidos e ronpas
para homens, sendo esta nova fazenda sem lustro e
de moito boa quahdade, garantindo-se nao Bear
rnssa com o tempo e vende-se pelo barato preco de
24 e 24500 o covado, assim como neste estabeleci-
mento tem um granee sortimento de todas as fa-
zendas pretas como sejam cassas e chitas pretas,
tas tapadas e transparentes, princezas, alpa-as,
sarjas, etc. : na loja e armazem do Pavo na roa
da Imperatriz n. 60, de Gama & Silva.
Os corles de cambraia braceo bordados na
loja do Pavao.
Vendem-se os mais ricos cortes de cambraia ri-
camente bordados com barras e babados a 204 ca-
da um : na loja e armazem do Pavo na ra da
Imperatriz n. 60, de Gama & Silva.
Cambraias de forro a 10600 e 20 na loja
do Pav5o.
Vendem-se pecas de cambraia de forro com no-
ve varas cada peca, pelos baratsimos precos de
14600 e 24: na loja e armazem do Pavo na roa
da Imperatriz n. 60, de Gama & Silva.
Os cortinados do PavSo.
Vendem-se superiores cortinados a lamiscados
para camas pelo baratissimo preco de 14 cada par,
ditos multo finos ricamente bordados para camas
ou janellas a 154, 209 e 254 Par : na loja e ar-
mazem do Pavo na rna da Imperatriz n. 60, de
Gama & Silva.
Pecas de cassas lavradas na loja do Pavo.
Vendem-se pecas de cassas lavradas proprias
para cortinados com 17 varas cada pe$, sendo fa-
zenda moito moderna a 124 para acabar : na loja
do Pavo na ra da Imperatriz n 60, de Gama &
Silva.
Os corpinhos de seda pret s do Pavao.
Vendem-se os mais ricos corpinhos de seda pre-
tos, ricameme entenados, Dlo barato preco de 124
cada um : na loia' do Pavo na ru d Imperatriz
n. 60, de Gama i Silva.
As camisinhas com manguitos pretos na loja
do Pa*5o.
Vendem se carnizas com manguitos pretos pro-
prios para luto a 14600, dem gulliohas com man-
guitos pretos a 14, assim como camizinbas com
manguitos de cambraia branca bordados a 14,
manguitos com gBllintias de dita a 500 rs., golli-
nhas da fil a 320 rs., dito do cambraias bordadas
1 a 500 rs. : na loja do Pavo na ra da Imperatriz
Vende se a taberna da caraboa do Carao n. 3, B ^ de Gm Si|M
ou da-se sociedaae a urna pessoa que entre com 1 lnnn nrptn a na Inia do Pavft
alguns fundos, a qual tem por titulo armazem d ,rPa"no Pr_eW af 7"J* it. ll.' Mu
bom gosto, cuja se vende nao por preclso e sim! Vende-se panno preto. fazenda moito boa pelo
pelo donoteriatra e achar se molesto, sendo bem .barato prende o covado, dito muilonM,
Vendem-se oito fardos de fumo da Bahia por
prejo muito commodo : na ra do Codorniz na-
mero 8._____________________________
Ronpas feitas de tolas as qualidades
Vende-se roopa feita, sendo calcas de cores e
pardo a 24, ditas de brim branco de linho a 34500
e 44, calcas de casemira preta a 54. 64 e 84, di-
tas de cores, meia casemira, a 34 e 345J0, ditas
de casemira a 64. 74 e 84, paletots de brim de
cores a 24, 34500 e 34, ditos de brim branco a j
a 45500, ditos de alpaca preta a 34 e 14, ditos de
casemira de cores a 54, 6, 7, 8 e 104, ditos de
panno prete a 64, 7, 8 e 104. colletes de cores a
15600, de casemira a 35 e 45, cerouia franceza a I
15600 e 25200, camisas francezas Anas brancas e
peitos de cores a 25 e 25560, ditas inglezas de li-
nho de pregas largas a 24500, 34 e 34500 : na
ra da Imperatriz, loja da Arara n. 56._______
As verdudeiras brides v
picadeiras de Ipojuca
. Vendem Azevedo & irmo, a ma do Queimado.
Lavas de Jouvin pretas e oatras
eores
Cbegaram para a loja de miudezas : na rna do
Qoeimado n. 16.__________________________
Vendem-se ornas moradas de casas na ra
do Prncipe : quem as qoizer dirija-se ao becco
do PombaK_________________________i _
Vende-se a taberna da ra do Fogo n. 20 : a
tratar na mesma.________________________
Attengdo
Na roa de S. Jos n. 2 vende-se superior vinho
do caj a 800 rs. a garrafa
umi parle do engenho Conceico, na cidade do
Rio Formoso, muito bom d'agaa, boa casa de vi-
venda de pedra e cal, igualmente a do engenho,
purgar e de encaixamento no mesmo engenho, boa
seuzala, casa de farinha e serrara de agna, todo
feitode melhor gosto ; assim como urna outra par-
te do engenho Horisonie, levamad.o era ierras do
engenho GoocbicAo, d* aoimaes, bons partidos e
matas, e casas para lavradores, cuios engenbos fo-
ram avallados no inventario que se procedeu pelo
balxo preco : a f de 20:0005 e a 2 de 16:0004,
cujas parles se vendem pela avaliacjto, e e faz
todo e qualqoer negocio : a tratar cora o abalxo
assignado na estrada de Olinda confronte ao ce
mitero.
Mauoel Elias de Moura.
fir^iKgiD
afregaezada para a praca
ja-se a camboa do C irmo, esquina,
mesmo proprletario n. 44.
ain.! 34300. 44, 34 e 64,asslm eomo casimira pre
na t Serna do !-rtio a 24 o covado : na loja do Pavio na t
Vende-se nm
qoasi aovo, com aj
na coebeira dos
Roda.
naz
Imperatriz a. 60, de G.ma & Silva.
------------------ Cortes de 15a a Mara Pia na roja do PavSo.
Vendem-se os mais rices cortes de lia a Mara
de duas rodas,' Pa, pelos baratissimos precos de 74 8 8*. ditos
J)4 : a tratar e ver, muito Anos a 104, 124. 164 e *
fc.Ribeiro, na roa da I Pavo oa roa da Imperatriz n. 60, de Gama &
'Silva.
Os espartilhes 4o Patio.
najrraafe torta*
espariilfoosdwfmai* bea f.
mercado, sendo da todos os Uaaiia 1 _
por um preco muiio raiMvri : i-t U* 4V*
vio na rna da Imperan* n. fp, Gana va.
Cortts de cambraia tai pa'aos a Msdt
i w Pa*>
VeBdent-M enes de cambraia branca oa rt-
icas, sendo tunada moit j boa. aaia barastoaa
preco de 24900 para acabar : T MaTir
do Pavo na ra Ja Imperan z a (O de 6m
Silva.
Cortes de cambra
do Pavo.
Veodemise os ais rico* ccurt 4a casaras*
com barras a coreo pr los baratBfiaae arma*
84 e 10|: na loja do Pava* na raa da l.raam
n. 60, de Gama A Sito.
Silezia para saias a 44o re. a vara aa leja
do Pavao.
Vendem-se silezia ondeada santo bwadb ana
boa e propria para saias, pela b>rate arce a M*
rs. a vara : na lija do Pava aa ra
tria n. 60, de Gama & Silva.
As talas baratadas m
Vendem-se saias bordadas sesea ba
boa, sendo ricamente bordadas e'eoa _
vendendo-se pelos baratos prreta Sa SI 89 t
res cada urna na loja Aa Pavas na ras 4 '
triz n. CO de Gama & Silva.
- Pecas de adayalis rafelaeV
Vende-se pecbincha de aaadaaian
com 12 jardas cada peca sendo bzeads _
periur pelos baratissimos precos a> 44 e U rs. aa
loja do Pavao na rna 4a lamina a SO '
& Silva.
ifucos br a ateos a
daizla.
Vendem se lencos brascos Uitasa mailp
pelo baratissimo i>rrco o> 24 a dona, Daaa
barra de cor a 240OO isto para acabar aa k-aa
Pavao oa ra da Imperatriz n. 60 da Ca* a Stf-
va.
Sai eanaarairs t cr.
Vendem-se sautran,bari|oe dr H de crrs seada
muito bem feilos e dos mais osoderaaa asta fea *>
dendo se pelos baratos precos da SA a sTr. san
acabar na loja e armases 4a Pavio ao roa a
Imperatriz o. 60 de Gama Sirva.
VESTUARIOS PARA MENINOS A 3#nflO.
Vendem se vestuarios de li para swaiaos anvaa
bem feitos pelo barato areeo d> 31 ra, cada aa.
Ditos para meninas a 3i50 e 44 rs. aa taba 4a Pa-
vo na roa da Imperatriz CO de Gasaa irva.
(i 1 csdenapi le- t cr ia laja
do fita.
Vendem se superiores grosdeaapoles de cor seo-
do asul e cor de rosa vendendo-se pelo barato are-
eo de 2; rs, o cavado. Dito de qaadriatVs a I43SS
na loja e armazem do Pavo aa rea 4a Isaorrairix
n. 60 de Gama di Silva.
Grava til kas f fa>s.
Vendem se superiores gravababas de arda bar-
dadas para horneas e seaboraa a 14 r. Mae Saas
a 800 rs. Da loja do Pavo na rea 4a Imaaaaa'l a
60 de Gama 4 Silva.
GRiNDEPECHIMCrU!
Lasinhas a 20 rs. ia taja la Nvt.
Vende-se lasinhas pretas proveas para los ca-
so boa fazenda a 120 rs. o rotado. Ditas man
Qnas dH quadrinbos a 480 e 310 ta, dita eaf-:.
das a 400 rs., ditas matbizadas a 320 rs.. 0>ias
transparentes com calma de sedas 400 n, **u- b-
us e com salpicos a 300 rs.. para acabar aa b e
armazem do Pavio na roa da Imperatriz a. St. te
Gama & Silva.
Poupelinas modernissimas a 400 e 500 rs.
o covado na loja do Pavao.
Vendem-se poopeiinas moito Sao* seado fateaoa
muito moderna de qoadriabo* a loa TiadiaSu it
pelos baratos precos de 400 e 500 n. a rovaS aa
loja do Pavio na roa da Imperatriz a 60 de Gasaa
& Silva.
As casimiras do Pavao.
Vendem-se superiores rastaaras de cures -.-:o
fazenda rr.uito Boa a 34 rs. o covad. Dita< -sa
cortes a o4 e 64 rs. para acabar 1 a < i e arma-
zem do Pavo na rna da imperatriz a. 60 de fisrna
& Silva.
OCiilfv.
Vendem se bonitos esebiss ti 1 "alboi ra
caneca proprio para senhoras aa* :* os u- a-
tros ou qualqoer paitida veadeode sa ,r nm pre-
go mullo razoavel oa loja e aramos So i > aa
roa da Imperan i/ n 60 de Gama Silva.
Bolc;-s d' viagci, ia (aja daravaa
Vendem-so boleas de visees mallo boas, teoda
com mala ou sem ella, veadeasfe-se por aa oreen
razoavel: na loja e armazem 4 Pavo, ras 4a
Imperatriz o. 60, de Gama & Sirva.
Bretanaa.N ae rala a 3*400
Vendem se pegas de bretaaba de rolo cotn t
varas cada pega, pelo baraliss aw prego Je ?4
na loja e armazem do Pavio, rea da Imperatriz a
60, de Gama & Silva.
Haiellas i. pavas.
Vende-se superior Oaaella do qniSnafeo, peso
baratissimo prego de 800 rs. o eovado, 4Ha Moa,
fazenda muito fina, a 14 o corado : aa laja e ar-
mazem do Pavio, roa da Imperatriz a. 60, de Ge,
ma & Silva.
Corte de perealla a 8g999. aja
laja ola PavaW.
Vendem-so superiores cortes do perealla rnoa
casaveqoe, sendo fazenda moito asoderaa, a vea-
de-se pelo baratissimo preco de 84 a corle t,ra
acabar : oa loja e armazem 4o Pavao, rea 4o lo>
peratrit n. 60, de Gama a Silva.
Croadeasaales atretea ala Pavaa.
Vendem-se superiores prooS
baratissimos precos 4o 14300,
o covado, sendo axeada alo bea, aS |
bar: na loja e anaaterado Pavao, rea
ratriz n. 60, de Gama & Silva.
Braaaaate ale lteha ala
Vende-se superior bramaate do
palmos de largora, proprio
baratissimos pregos de 24 o Sajff a sata,
como panno de linho ramio Sao acosa I
pregos de 640,700 e 800 rs. a vara : na Ijt e ar-
mazem do Pavio, rna da Impcatnz a. 44, de 60
ma & Silva.
As cassas da pavas
Vendem-se cassas moito sosarlorri rosa Rasat
padroes, pelos baratos preces da 344 o 344 rs. a
covado, ditas muiio Boas a 340 rs. pare acabar :
na loja do Pavio, rna da Issperabm a. 4S, OV Ga-
ma de Silva.
Cambraias asas da Pavie.
Vendem se pegas oe raasbrat Ina tsailo ae-
rior, pelo barato prego de 3JM4 o 34944 a ae ,a
ditas muito Boas a 54, 64- 74 o 44 : aa sapa
armazem do Pavio, rna da loafiuUbt u. 44, Se
Gama & Silva.
PECHINCHA f
a 2060, aara calca, ai a
Vendem se superiores edrtts 4o 1
com mesla de sedo a *4, fbcos Ganbai*oa-. a
24800, ditas escoras a 24804, 448d
do : na loja e armazem do Pavio, ras
triz 0. 60, de Gama & Sito.
PENTEAORES
ou roupojs de cambraia barado
para as senhoras veilireai de
Cbef00 esu sovotade pava a teja o Parao,
mnfip lindos o do roelbo: gasto at hsfes, par pr*.
eos maito rszoaveis : aa loja da Pavio, rea o*
Imperatriz n. 60, de Gama a Silva.

/


'

Veadei
Tasso Irmaos
t sea ai
Aassrini. 55.
Licor fino Cnrago em botijas a
Licores Anos sordos em
vtdro e em Itndos fraseos.
Vinbosuaeros.
Saatoraee.
Charnbortin.
Hermitage-
Borgbaas.
rhamaaaae
Mscate!.
mi
:4
aooSSaux.
TZS*
fogo, dos
Livor [i
XikterA
s


'I
-
\
A' casa de Angosto Porto chegaram polo vapor francez ricos cortea de
vestido do seda de obres dos mais bellos gostos, proprios para baHes,
partidas oa easementos.
Chales de Guipure pretos e brancos.
Bonete de paha da Italia para senhoras.
Moir tamco e preto.
Bonita seda para vestidos,
Casemiras de quadros.
Esteiww da India para salas.
Madapotes fraucezes a 400 e 500 rs, vara,
L&as para vestidos de diversas qualidades, e
gostos diffreentes,
Q que tudo se vende pelos mais commodos procos.
i
\

CORTES DE SEDA t a _
Chegaram pelo paquete iogle riquissimos cortes de moreaotiqae de cores, e seda lamia pa-
-"""tototo quadros por 10000 o covado
5BA DO CRESPO-5 ki
Gregorio sao do A mar 1 fc Companhla.
NOVOS GEBIJICTES
DOS
TRES GRAJffDES
ARIAM DE M0LAH00S
DENOMINADOS
PROGRESSIVO pateo do Carmo n. 0
UNftO E COMMERCIO roa do Queimado o- 7.
VERDADEIRO PRINCIPAL na do Imperador o. 40
DE
DAHTE CAfiVALHO PERIRA -frC.
Fazem acicate ao respeitavel publico, e com especialidade aos senhores de en-
Ifihos, lavfadores e mais pessoas do. centro, que para mais facilitar suas compras deli-
beraran! os propietarios dos tres grandes armazens, reanir todos os seus estabeleci-
mentos em um so anauncio, pelo qoal o prego deum sera de todos, promette-
mos qoe as infringiremos a tabella que abaixo vai publicado, annunciar os gneros
por om proco, e na occasio da compra qnererem por outro, como socede corrstante-
mente em outras muitas casas, pora dos nossos estabelecimontos nio se dar isto
anda mesmo com. prejuizo nosso, qualquer pessoa poder mandar seus fmulos que
ero tamJiem servidos1 como viessem pessoalmente fazendo-nos o favor de mandar seus
pedidos em cartas feixadas; para evitar qualquer engaos, remetiendo nos urna conta
pala qual se ver o precos tal qual anounciarmos, o que seno arrepeuder pessoa
alguma qae 6zer sua despeos'' em nossos estabelecimentos; pois poupara mais de
5 por cont na sua despeza diaria.
DR. PEflftO DE ATTAHYM! LOBO MOMKO,
meo; pabteiro e o>*eraiob
3Ra da Gloria, casa do FundRy3
0' Dr. Lobo Hoscoso ol consullas gratuitas* aos pobres todos os das
aoras da manhlo, odas 6 e meia s 8 horas da aoHo, i excepca dos dias
Fkarikacia especial homeopathca
No mesmo consultorio ha sempre o mais appropriado sortimento do
tubos avulsos, assim como tinturas de varias dymnamisaoees e pelos precos
Carteiras de 12 tubos grandes. 124000
de 24 tubos grandes. 183000
de 36 tobos grandes. 24^000
de 48 tudos grandes. 3t#800
de 00 tubos grandes. 35*000
Prepara-se qualquer carteira conforme o pedido que se or, o coa os i
jue se pedir.
Um tubo avulso ou frasco de tintura de meia onca 15000.
Sendo para cima de 12 custarao os precos establecidos para ao carteiras.
Ha tobos mais pequeos cada um a 500 ris.

>
>

hM VltOS.
JKh
GOSTO

Para vestidos de senhora.
Cortes de seda de cor de bom gosto e superior qualidade.
Lindas sedas de quadriohos.
Bons moireantiques de cores.
Grosdenaples da todas as cores.
Lindos poil d; chevre fazenda assetinada de mteira novtdade.
Lindas duquezas assetinadas fazenda inteiramente nova.
Moderos greaadiuesd seda o que tem vindo de mais novo.
Grande variedade de las de cres lisas e de salpicos.
Orsandys e cansas dp muito bom gosto.
Percalias modernas" com grande variedade.
Lindos crte3 de 13a Clotilde com todos os pertences cada um
tSo inteiramente novos. ,
Bons c^tes de cassa con torra tambem inteiramente novos e (
jfazendas de gosto que seria enfadonho mencionar.
Para hombros de senhora
Grande variedade de chales, bournoux, retondes e algeriennes de fil e de,
guipare a 10, 16, 20, 30, 40, 60 at 80*,
Modernos soutembarques de seda de superior qualidade.
Lrndos bertes de seda de edr pretos e de cachemira.
dem de cambraii branca bordada com muito gosto.
Sautembarqaes e boarnoux de cachimira de c6r e outros mmtos artigos
'bom gosto. "
Para cabeca de senhora
Superiores chapelinas depalha, de* seda e de crina de muito bom gosto a
psratriz. ."
\ Chapeos de pilha da Italia grande variedade.
Lindos gorros e bonets de palha de Italia, Imperatriz, Canutier,
a Grante, chegados de Paris pe'o ultimo vapor.
Grande variedade de enfeites de froco e de flores para casamento.
Superiores vestidos de blonde, e de moireantique brancos.
Bons mreantiques brancas e superiores sedas brancas.
Bons vestidos dd tarlatana braeo bordados.
\ Lindas mantas de blonde e boas capellas.
Bordados.
i Grande variedade de ntremelos bordados transparente e tapados.
! Tiras bordadas transparentes e tapadas, babados bordados, saias bordad
outros muitos artigos. _
IOJTA DAS eOIiUiflMAS
C.ORREU HE VA9C0NCELL0S & C.
Manteiga ingleza perfeitamente flor che-
gada ltimamente a l,ooo rs. a libra, e
em barril te r a batimento.
MSnteiga francesa da safra nova a 8oo rs.
a libra e em barril ter abatimento.
BANHA
Banba refinada superior a 64o rs. e em
barril ter abatimento.
CHA
, Cha uxim de primara e superior qualida-
de a 2,8oo rs.
dem byssen o melhor neste genero a
2,6oo rs., o sendo em porco ter abatimen-
to, tambem ha proprio para negocio de 2 a
2,4oo rs. a libra.
dem preto superior de l,8oo a 2,5o rs.
a libra.
II Iscou tos
Latas com superior biscouto inglez de di-
versas marcas a l,2oo rs. a lata.
Clotilde'
DE ANTONIO
RfA DO CRESPO S. 13
K '"
\% WL
RA DO BBM NT. 3.
O proprietario desle estabaieci ment deseja chamar a attencSo dos senhores pro-
pietarios aos acreUtados mechaBamos-que continua a fornecer; os quaes garante ser,
como sempre, da melbor qaaid^possivel:
Machinas de vapor
forca descarocamentos de a'godio; as maiores para moer canoa; ha tambem que podem junta
cu separadamente moer canna e descarocar segundo snas proporcSes. Estee vapores
slo simplissimos na construccao, e se regem por qualquer pessoa intelligente, a faeilida-
de da condueco sendo especialmente considerada, tanto qoe nio ha lugar em que nao
se possam condozir, qur por trra, qur embarcado. Ha com moendas juntas ou sem
eMs e podem-se applicar a qualquer moenda j existente sem outra mudanza do que
a substituidlo das rodas da almanjarra. Efls tem depsitos d'agua e boeiros de ferro,
e nao precisan para o seu assenlamento de obra alguma, qur de carapina, qur de.al-
venaria. O tempo para assenta-las nao excede do doze dias ao mais, e em casos, de
nortes de animaes ou arrombamentos de acudes, etc., garaote-se o assentamento em
o.to dias. Lembra-se aos senbores de engenho que a venda dos animaes e o servico da
gente oceupada no seu trataeaeoto os bao de recuperar da maior parte da despeza do
vapor deixando-lhes a vantagem de urna moagem certa e accelerada; e acabando com a
despeza da compra-continuada de novos animaos, com os desgostos do trabalho que
so tem com elles.
Rodas d'agua de ferro, mui maneiras e mocado com qualquer altura
d'agua. .
artlko eona ernzeta de ferro para as mesmas, quando se desege fazer
e resto da roda de madeira, tornando-se assim a roda geira no trabalho.
Moendas de eamma de todos os tamanhos, desde as mais pequeas chama-
das do serto. Obra perreita em feitio o aennbamento.
Rodas de espora e angulares de todos os tamanhos e proporces.
Paroes oa coches para receber o caldo.
crivos de fornalha para assentamentos, frescos para o foguista, fazendo
f rnde cal com pouco combostivel, e doradooro.
Portas de fornalha de todos os tamanhos e de diversos systemas.
Fomos e aiolahos para a fabrica de farinha e tambem chapas redondas
para fornes pequeoos.
Bombas simples e de repucho.
'Tfirn de ferro batido e fundido e de cobre.
Forsaas de ferro batido galvanisado para purgar assucar, leves para carregar
trisetoptosde qoebraf-se.
Alamblqaes do ferro de todos os tamanhos, custando a a terca parte do
preco dos de cobre, mais regalares na distillaco e igualmente duraVeist
Caos e rodas de carro com maog s de" patate, obra mui segura para
carregaco de peso.
Arados, grades, eachados a cavallo e outros instrumentos de agri-
cultura. finalmente todo o objecto de que possa precisar um engenho.
Machinas de descarocar atgod&o.
as encommonda e concartos, cora a maior preste-
bal [>sra os)
. O proprietario *> de dar ir"
esilarecimootos aos senhores q estimo.
D. W. Bowiian, engenbeiro.
Rolaehlahas
Latas com bolacbiuhts da acreditada fa-
brica do beato Antonio, proprias para dar a
doentes de 2,ooo a 3,ooo rs. a lata.
dem com quatro libras de bolachinba de
soda a 2,ooo rs. a lata.
Queijos
Queijos flamengos chegados no ultimo
vapor de 2,6oo a 3,ooo rs.
CHOCOLATE
Chocolate hespaBhol a l.ooo e l,2oo rs.
a libra, francez e suisso a l,ooo rs. a libra
e portugnez a 800 r^ a libra, em porc3o
ter abatimento.
VINHOS
Superior vinho do Porto das mais acredi-
tadas marcas, como sejam: Madeira Secca,
Duque do Porto, Velho Secco, Lagrimas do
Douro, Maria Pia, D. Luiz, Pedro V, Lagri-
mas Doces e outras marcas a l,ooo a garra-
fa e 9,ooo a 12 ooo rs. a-dazia.
Vinho Figueira e Li3boa das memores
marcas a 4oo e 5oo rs. a garrafa, e a 3,ooo,
3,5oo e 4,ooo rs. a caada.
Superior vinho chamisso em barril a 64o
rs. a garrafa e a 4,5oo rs. a caada.
Superior vinho de Lisboa e Figueira em
anceretas de 8 e 9 caadas a 24,ooo rs. a an-
Superior vinho braoco proprio para mis-
sa a 640 rs. a garrafa, tambem ha maisbai-
xo para 4o"o, 5oo rs, a garrafa e 3,2oo a
3,ooo a caada.
Caixas com urna duzia de garrafas de su-
perior vioao Bordeaux a 7,ooo rs. a caixa e
7oo rs. a garrafa. ,
CAF
Caf do Rio dr e 2. qualidade de
6,8oo a 8,goo rs. a arroba, e de 24o a 28o
rs. a libra.
SiBlO
SabSo rasca de primeira qualidade de 18o
a22ors. a libra edet6o a 21o rs. sendo
em caix5o.
Serveja
Superior serveja Bass dos melhores fa-
bricantes, como sejam: Shlers & Bol. T. F.
Ashe a 7,500 e 7,ooo rs. a dozia o a 7oo rs.
a garrafa. Tambera ha de outras marcas
como seja.: Tictoria e Alcope a 5,ooo rs. a du-
zia e a 5oo rs. a garrafa.
Vinagre
Superior vinagre de Lisboa- a'.ooo rs. a
caada e 280 rs. a garrafa. Tambem;ha
mais baixo para 2oo rs. a garrafa e l,4oors.
a caada.
Jtzeite doce
Soperiorazeite doce de Lisboa a 64o rs. a
garrafa e a 5,ooo rs. a caada.
Massas
Mcarr5o e talherim a 360 rs. a libra e a
5,ooo rs. a caixa.
Pasaos
Superiores passas a 3,ooo o qnarto e
12,5oors. acaxa de arroba hespanhola e a
5oo rs. a libra.
GEVEBRi
Genebra delaranjaverdadeira a lo,5oo a
duzia e i,ooo rs. ao frasco.
Genebra de Hollanda verdadeira a 6,000
rs. aftasqueira e a 56o rs. o frasco.
Idom de Hollanda em botijas a 4oo rs. ca-
da uns.
Garrafoes com 24 garrafas de genebra de
Hollanda a 8,000 rs. o garrafo. Tambem
ha garrafoes com 5 e 1.4 garrafas de 3,2ooa
6,000 rs. cada um.
VELAS
Velas de spermacete a 64o rs. a libra.
dem de carnauba de lo a 12,ooo rs a
arroba e de 36o a 44o rs. a libra.
PE1XE
Peixe em latas j preparado de 1,000 a
l,2oors. a lata
ALPISTA E PAINCO
Alpista e painco muito novo de 3,8oo-a
4,000 re. a. arroba e de 14o e 160 rs. a li-
bra;
CHARUTOS
Charutos dos mais acreditados fabrican-
tes, como sejam: Jo5o Furtado da Serrias,
Manoel Peixoto da Silva Nelto, Castanho &
Filho e Brand5o e de outros muitos, os
quaes vendemos pelo mdico preco de I.600,
2, 2,8oo, 3,5oo, 4,5oo, e 5,ooo rs. a caixa.
Licores
Licores francezes e portognezes a l.ooo e
l,4oo rs. a garrafa ou frasco.
Doces
Doce da casca da goiaba e caixSes pe-
queos a 7oo rs. e de 5o caixoes para cima
a 64o rs. o caixo.
Frats
Frutas em calda e era latas fechadas her-
mticamente, muito bem eofeitadas, conten-
do pera, pecego, ameixa rainha Claudia, al
perche e outras frutas a 00 rs. a lata.
Tambem ha latas grandes para l,2oo rs. a
lata.
AZEITE DE REFINADO
Superior azeite francez refinado a 8,qoo
rs. a garran e a9;ooo rs. adozra.
MOLHO INGIEZ SAUCE
Molho inglez Sauce em frascos grandes
com rolba de vidro a l,8oo rs. o frasco em
duzia ter abatimento.
SAG FARINHA DO MARANHO E
ARARUTA
Sag farinha do Maraoso e araruta a
3oo, 4oo, 5oo, e 64o rs. a libra.
Tjolo, para limpar facas, erva doce, co-
minhos, ravo, canella, abllizema, pimenta, e
outros njuitosgneros quede/xanaot de men-
cionar pon se tonar efaonho, afianzando
nos sinceridade nos preco, e o bom acondf-
cionamento de qualquer genero.
A melhor obra da bomeopathia, o Manual do Medicina Homeopathico do Dr.
dous grandes voIuraes com diccionario.........
Medicina domestica do Dr. Hering ... ~ ..... lOiOOf
Repertorio do Dr. Meh Moraes ..........
Diccionario de termos de medicina.........
Os remedios deste estabelecimento sao por demais conhecidos a dis
tanto de serem novamente recommendados as pessoas que qoizorem osar
verdadeiros, enrgicos e doradores: ha tudo do melhor que se pode desojar,
verdadeiro assucar de leite, notaveis pela sua boa conservacao, tintara dos sa
tados estabelecimentos europeos, a mais exacta e acurada preparacio, 0 portaoto
energa e certeza em seus effeitos.
Casm de scmde para escravos.
Recebe-se escravos para tratar de qualquer enfermidade ou fazer-so-Ibo qsdaaor
operaco, pira o que o annunciante julga-se sufficientemente habilitado.
O trat^mento o melhor possi vel, tanto na parte alimentar, como na 1
funeeionando a casa ha mais de quatro annos, ha mu has pessoas de cojo conceiat
pode duvidar, qie podm ser consultados por aquel les que deseja
doentes.
Paga-se 2d por dia durante 60 dias e d'abi em diante 14500.
As operaces sero previamente ajustadas, se nSo se quizerem ujeitar
razoaveis que costuma pedir o annunciante.
ARUIAZEltf E FAZENDAS
DE
CUSTOOIO IARVALHO
27 RA DO QUEiMADO N. 27
Madapolo francez muito fino, tendo pouco mofo, cada
lOflOOO.
L5a de cores a 300 rs. o covado.
Cambraia franceza a 260 rs. o covado.
Finos organdis a preco de 800 rs a vara.
Lencos brancos para algibeira a 2# 00 a duzia.
Fin is perclaras a preco de 400, 440 a 560 rs. o covado.
Ricos cortes de la de barra de 105 a 30 Chales de fil preto e outras muitas fazendas.
poca com 17 rara* por

. Na fabrica se ^z^|flH|B|
xa e solidez. O grande VS PARAGUAYOS
E' a ordem do dia 1 Acabar com os Par*
guayos a bayoneta, a mini, a revolver;
foimina-los com os enceuracados .armados
de espores, armstrongs oraiadas de 80 i
120; extermina-los em summa a espada, a
fado e a puohal de que se trata; mas
ninguem se lembrou anda de esmagar os
Paraguayos com as armas que Deus nos con-
ceden; acabar com elles a tacSo e-a ponta
ps, para o que necessario encoowcar esta
parte do nosso corpo com os formidavett
rompe-ferro, esmaga cobra, arranca tocos.
quebra marmore e outros que se venden
daRA OIREITA4
Borseguins .Bordeaux... ^... 8W00
patricios......... 80000
> para senhoras. en-
fullados ....... 50500
1 com lapo e fivella.. 4*800
SspstSes encouracdos....... 50000
Borseguins para meninas bom
elasfco................ 30000
Sapatos de lona, sola elstica. 20000
avelludados......... 10600
detranca............ 10600
> com salto de lustre.. 20240
Um completo sor tmenlo de cateado da
trra para bomens. senhoras e meninas;
assim como bezerro francez, couro da lus-
tre, marroquins, taixas de todas as quali-
dades, fitas para sapateiro, muito sortidas,
sola e ceuros que tudo visto necessaramen-
t faz cobica ao oompfador pete baratesa.
----
de dar informales ou
FollMrfrailgas.
Ven4-se axare 40 rs. atibraoa 1* a arro-
ba pw foliiar Ifbnniga'i : no amaten da bolla
amarella oltao da secretaria da poticta
en Q O ci 2 g 3 h gs
a> ergj o es o o sr*< m.2 3 S'O
2 l 3 |- g- P -
w S- 5 O'wi
3^
en
J3 o s o
S 5' S. S" i" s

s{
II i Ib
fif
|o 3t
sz
5 8-te-^r
a.
?o

i1
i
s
f
5>
S i i
S- T
ss
I?
%
O
>
t
Venle-se um carro e qaairo rodil eom ar-
reios, forte* em Jbom estafo e barato : na roa dos
Coeftos o. 11 |
HOTEL M 1HL1A.
Vend-te este eMejIeote esubelecimento : quem
o pretender diriJa-M ao mesmo a tratar com a pro-
prietaria;________________ __ ..
eodese ama r
esu da Madre
B.5.
Novidades do Vigilante
RA DO CRESPO N. 7.
Este estabelecimento apezar de sempre
se acbar bem sortido come todos sabem,
hoje mais que nunca, nao so pelo que rece-
be de sua propria conta, mas tambem pelo
que recebe de consignaces; parece sem
duYida que deve offerecer grandes vanta-
gens para o respeitavel publico tanto em
precos como na escolha dos objectos, e co-
mo acaba de ebegar grande remessa pelo
vapor (Douro* % o navio Solferino > de
diversos objectos de gosto e proprios do
tempo dos quaes se mencionado alguns,
por nao ser possivel mencionar todos. O
dono deste estabelecimento espera a pro-
teccao de todos.
Riqoissimas caixiohas ornadas e cora
msica propria para um delicado mimo.
Caixinbfts de msica tanto de veio como
de corda.
Ricos porta joias e necessarios.
Riquissimos est jos a feitio de um bausi-
nho ou cbapeuzinho.
Ditos em casca de noz e de outros gostos.
Leques de madeperola de sndalo e de
faia e madeira.
Cbaposinbos e touquinhas de muito
gosto para enancas.
Meias e sapatinhos de seda para as mes-
mas.
Meias de seda para senhoras.
GapeHas e grinaldas de flores proprias
para casamento.
Enfeites e capellas de muito gosto para
senhora.
Riquissimos porta boquets.
Boquet de flores com urna borrachinha
com cheiro.
Luvas verdadeiras de Jovin.
Ditas de seda e de Escocia.
Riqoissimas plumas e guarnieses para
enfeitar chapos.
Coalas e tubos de ao bronco, que ba
muito se desejava pala enfeites.
Brincos, fhotm s cruzes de crystal.
Fivellas e cruzes de tartaruga, madripe-
rola e dourados.
Alflneles para gravatas.
Botoes com croas para punhos.
Gravatinbas e mantinhas de muito gosto,
tanto para homem como, para senhora.
Riquissimos aderegos pretos, assim como
caixiohas com alfinetes pretos.
Bengallas de canoa com cabo demarflm.
Ditas de baleja, borracha e de outras
muitas quadades, assim como chicotinhos.
Riquissimos nenies de tartaruga do ulti-
mo gosto; assim como de arrogaco para
menina, pois neste artigo ha um completo
sortimento de todas as quadades.
Diademas para cabeca do ultimo gosto.
Riquissimas fitas lavradas e lizas.
Trancas prctas oom vidrilho e decores.
Pulseiras tanto para senhora como para
moni
Ligas de seda a de atoodao- _
Suspensorios d seda e de algodao emui-
anff as nSo Dodem an*
WflCHINlS DE PaTEMTE
DE TRABALHAR MO PARA DESCA-
RGAR ALGODAO
FABRICAR* POR
PLiNT B10THSBS & C.
OLDAM.
Estas anebi-
nas posan des-
carocar OBSi-
qoerespeoede
algodio san
estragar o fio,
sendo bastarte
duas pessoas
para o traba-
lho; pds des-
carocar aaia
arroba ds al-
godio an ea-
roco em 40
oa
18 arrobas por dia ou cinco arrobas de al
godio limpo.
Assim como machinas para serna:
das por animaos, qoe descarocam 181
bas de algodao Ump por dia; o
para mover urna, duas ou tres dessas Ma-
chinas.
Os mesmos tem para vender um befasi-
mo vapor que pode fazer mover sais destas
machinas mencionadas; para o que eoatv
da-se aos senhores agricultores a viran ver
e examina-lo, no a mazem de algodio, ao
largo da ponte nova n. 47.
Sanaders Brothers ox C.
Recife praca do Corpo Santo n. 11.
Os nicos agentes neste psit,________
O castalio de rasville.
Tratiue i fraieei ft 1. J. C sa i
Vende-as este bello romance a
tomos pelo baratissimo proco de 30OOC
oa. praca da Independencia, nvraria ss.
6 e 8,
tos ootros obiestos
Sr> no Oallo Viffiia
Framcisco Jos Germano
RA NOVA N. ,
acaba de receber om liado o magnifico sor-
timento de oculos, laneras, binculos, do ul-
timo e mais. apurado gosto da Morosos ra-
los de aleance para observacoes e para os
martimos.
Manual do Cidadao
Vendo-so o Manual do Cidadao an na
Governo Representativo ou principios as
Direito Publico Constitucional Administra-
tivo e das Gentes, por Silvestre Panairo
Ferreira, em 3 voluntes bramados sor 30
cada obra : na Uriana o. da
Independencia.
Vndese so;
Madre de Thx*,
Vendem-se
lia, cheeadoa a
che n. 9, a
ds sertas
dosertio: as rasas
a nr^t,
preiMoi Si Wunfci
rapar: na nat *>Traoi-
% *
Nana]
bichas I
retalho, e i
ro Tlajado, I
gnes, melbor, t
Manteiga e t una
Vndete manteiga infiera
840, vinho Firnelra e Lisboa I
m


lUa-olai Jo >fioaoaBap-0-nO dttlBifl Itifi
ios*.

" '-
1



-
Vs
II
II
UUN
.OPEDIOA
Rara da Isa] rmazrm
da porta lar^a a>*.
.Juato apH ra ifraieeaa e
Preles Ferie.
Seste estabelecimenlo encontrar o respeitavel
tico orn tariido sortimento de fazendas rrance-
as, Ingieras, asistas e allemes, qne se Tenderlo
por prec,o commodo.
Parajes Porto
Vende chales de renda de cores qne se vende-
rn a I89 est vendendo por 64, ditos pretos, fa-
teflda nova, Si, 64, 84 a 204, um sortimento com-
pleto de manteletes, capas e soulambarques 14* a
254- Ba da Imperatni n 42, junto a padaria frut-
eis, armazem da porta larga.
Paredes Porto
Receben ara completo sortimenio de lasinbas a
240, e 280 r. corados, para acabar, cambralas de
cota 840 rs. o ce vado, riscado escossez para rou-
pa de menino, fostSo de linho a 420, 400 e 500 rs.
Roa da Imperatriz n. 52 junto a padaria franceza.
armazem da porta larga.
Preles Porlo.
Receben para cortinados para cama franceza a
114 a peca cambraia lisa Boa a 35 45 al 105 a
peca, corten de tarlataoa de bonitos gestos a 35000
e 45, cambraia coro flor de seda, gofios inteira-
mente dovos a 400 e 500 rs. o covado, no armazem
da porta larga n. 52, ra da Imperatriz junto a pa-
daria franeeza.
Paredes Porto
Receben pelo nltimo paquete um sortimento de
ernzes cota pedras para o pescoco, bonitos caxineis
de 13a para pescoco de senhora. Roa da Iroperatris
n. R, armazem da porta larga.
Paredes Porlo
Vende cortes de gorgorao preto para vestido com
21 eovados cada nm 355000, grsdenaple preto a
15600,15800 e 25 o covado, laas lizas finas a 400
rs. o covade, laas de qnadrinho para vestido, enfes-
tada, a 320 rs. o covado. Raa da Imperatriz n. 52,
armazem da porta larga.
Roupa feita
Roa da Imperatriz n. 52 armazem da porta lar-
ga jonto a padaria franceza, encontrase ueste es-,
tabelecimenlo nm completo sortimento de paletos-
sacaos e sobrecasacos, de todas as qualidades, cal-
cas, colletes, ceroulas, camisas, grvalas, meias,
chapeos de sol, ditos francezes para cabera, por
precos coromedos, roupa para menino e outras
tnuitas fazendas por precos commodos, armazem
da porta larga.
No mesmo etabeleclmento encontrar o respe-
tavel publico, sempre um completo sortimento de
roopas eitas de todas as qualidades, como sejam
paletos de alpaca preta ede cor, ditos sobrecasa-
cos a 45 e 55, ditos de briro pardo a 25800, 35 e
:t500, ditos finos a 45, ditos meias cazemira a
355OO, 45 e 55, ditos cazemira ssccos a 65, 75,85
e 105,.ditos sobrecasacos. a 10 e i24,jditos de pan-
no saceos a 65, 85 e 105, ditos sobrecasacos a 125
e 255, ditos de merino preto a 65, 75 < 105, cal-
cas de bnm de diversas qnalidades a 15800 a 45,
ditos brancos a 25500 e 6500, ditos cazemira 55,
65 e 75, dites pretos a 55, 65, 85 e 105, ditos
meias cazemiras a 35 e 45, coletes de diversas
qualidades, seroulas francezas de algodo, ditas de
linho, ditas de bramante a 25 e 25500, carnizas de
algodo de linho francezas de 25500 e 35. Gran-
de pecbincba neste genero, grvalas de todas as
qualidades e brancas para casamento, grande sor-
timento de meias para senhoras, ditas para bomens
a 35, superiores a 35500 e 45-
Um completo sortimento de chapeos de sol de
alpaca a 35, ditos de seda a 55, 75, 105 e 145,
ditos francezes para caba, grande sortimento
a 65-
redunda admiravcl.
Grande sortimento de chambres a 45600 e 59,
lences de cambraia para homem a 25 a dozia, di-
tos de linho a 45 e 55-
Grande sortimento de roupa para meninos e en-
tras multas qualidades que seria enadonbo men-
ciona-las.
Paredes Porto
Receben pelo ultimo paquete francez ricas laas
granadinas com flores de seda a 400 e 500 rs. o
covado, esto acabando-se, cambraia preta para
luto. Porta larga junto a padaria franceza, a ra
da Imperatriz n. 52.
Paredes Porto
Receben pelo ultimo paquete esparlilhos a pre-
guieoso por 39, sao bons, lencos de seda para se-
nhora e homem a 1?, ricos cortes de cambraia
bordados de 18g a 7#, por ler um toque de mofo,
esto se acabando, na roa da Imperatriz n. 52, jun-
to a padaria franceza.
Paredes Porto
Vende nm completo sortimento de fazendas
brancas, como sejam roadarolo a 45500, 55, 65 e
109, pecas de algodo por barato preco, chita fran-
ceza a 240, 280, 320, 360 rs. o covado, precalias
muito finas a 360, 400 rs. o covado, chita ingleza
a 200 e 240 rs. o covado. Ra da Imperatriz n.
52, junto a padaria franceza.
Fazendas.
Vende-so superior merino preto proprio para ca-
pas do senhora e vestidos a 25. lustrim da China
a 15800 o covado. Raa da Imperatriz, porta larga.
Paredes Porto.
Vende em seu estabeleciroenlo liras e ntremelos
bordados, grande sortimento de corpinbos rica-
mente bordados a 35, 45 e 55. S o Paredes Por-
to, ra da Imperatriz no 52; porta larga junto a
padaria franceza.
A VAPOR
99 RIJA DO MONDEGO 99
Deposito na rna Xova n. 5 lo ja de rclojoelro.
Delouche donos deste estabelecimento partecipa ao respeitavel publico qne sua fa-
brica est montada com as melhoreb machinas que existem na Europa, e que pode
fabricar.com melhor pereicao possivl. Todo o chocolate desta fabrica est garantido, e
puro, o que nio se pode encontrar naquelle que vem de fra, e que se vende por preco
baixo, visto os productos serem do piz. Na etiqueta tem sempre urna aguia.
PREGO.
Meia libra. f....... 400
Urna libra......... 80
Urna arroba........19,5000
Na mesma fab ica acaba de s montar urna oficina com serrara a vapor para
obras e marcineiria propria para edificio, para o que encarreg '-se de fazer portas, ja-
' dellas, assoalhos (parqu francez como se usa. na Europa,) e armacBes, ludo com brevi-
nade e'perfeicjfo. Toma-se qualquerj encommenda para fra da cidade, entregando-se
prompta a collar-se no lugar.
No maanm e tezendas
Tiratas de. Santos CoH>
Ba de erajpMile a. 1.
Ynde-se AseftUnW :
Cobertas de chita fin a 24*00.
Ditas de dita a 25400.
Lencoes de panno de linho a 25200.
Ditos de dito de linho a 25.
Ditos de bramante de llano de nm 5 panno -
35*00.
'Panno de linho Uno com 9 1|2 palmos do larga
ra pelo barato preco de 25400 a vara.
Bramante de linho fino cora 10 palmos de lar
gnra a 25500 a vara.
pecas de cambraia com salpicos brancos e de
cores com 81|2 varas a 45500.
Pegas de cambraia adamascada propria para
cortinado de cama com 20 varas a 115-
Balees de arcos a 25600, 35, 35500 e 45-
Lencos de cambraia fina a 2600 a duza.
Ditos de dita a 25 a duzia.
Atnoalhado de linho fino a 25800 a vara,
Dito de algodo a 25 a vara.
.Algodo enfestado com 7 1|2 palmos de largara
a 15200 a vara.
Pecas de bretanha de rolo com 10 varas propria
para sa,a a 35500.
Pil de linhollso fino a 800 rs. a vara.
Dito de dito com salpicos a 15 a vara.
Cambraia de linbo fina a 45500, 65560 e 95
vara.
Cortes de laazinha de lindos gostos eom 15 co-
rados a 55.
Pecas de madapoln floissimo pelo baratissimo
prego de 85, 95,105 e H5-
Flanella branca fina a 600 rs. o cavado.
Drta de cores fina a 880 rs. o covado.
BaiSes de musselina para menina a 35, 35600
4*
Cambraia de forro a 35 a peca.
Dita fina a 45500,65 e 79 a pega
Guardanapos de linho a 35800 a duzia.
Toalbas de algodo felpadas duzia a 124-
Esleir da India propria para forro de sala de
4,5 e 6 palmos de largura per menos prego do
que em ontra qualquer parte.
Neste armazem tambem se encontra um grande
sortimento de ronpa felta-e por medida.
Ba do aeiinado n. &
.booifc
9rislaia do ores e b
Ol.iM.O
i.
Fltfi.IT A
16.
DMINOS
para o carnaval
Vendem-se on alugam-se ricos dminos para o
carnaval, sendo de velladilho e da- cores mais lin
das que pcssivel, e tambem de outras qualidades
que quem desejar sahir estes dias dirija se a ra
da Imperatriz o. 56, toja e armazem da Arara, que
achara um grande sorlimenlo de gosto.
Fazendas pretas para a quaresma, grsde-
naple preto a 10600.
,Vecide-se grsdenaple preto muito bom a-15600,
15800, 25, 25600 e 35 o covado, moreaotique pre-
to muito bom a 35 o covado, merino preto fino a
35 6 (vado, bombazina para vestidos de senhora
a 15400 e 15600 o covado, alpaca preta Una a 500,
600, 700 e 800 rs. o covado: na ra da Imperatriz
n. do, loja da Arara.
Panno' preto hno a 20 0 covado.
Venfle se'panno preto fino para paletots e calcas
a 25, 24f80, 35, 45 -e 35 o covad >, easemlfa pre-
ta aa a 35500, 45 e 55 o corte, dita para covado
a J580J.25, 25300 e 35 : a ra da Imperalris,
loia da Arara n. 56..
(Sales de fil de linho a 80.
Vende se lindos chales do fil de tinho a 85 e
DE
tf
Ilua da Cruz
Continua a haver diariamente um sortimento da pastis, podins, bolos inglezes,
empadas etc., e.tc. Os donos deste eitabelecimento, acbam-se as melhores condicoes
de poder satisfazer encommendas corucernentes sua arte, em consequencia do socio
Freitas ter sido administrador chefe de algumas das princii aes fabricas na corte, sendo
urna a do Sr. Joao Goncalves Giiimai5ss (confeitaria de Leo) antiga casa de Carceller.
Todos os trabalhos s5o differentes dos que se fazem em casas particulares.
Os propietarios desle estabel cimento n5o se tem poupado a despezas, nem se
poupar5o, se houver concorrencia cerno espersm ; tendo continuadamente bom sorti-
mento de doces para eh; presuntos e ditos em fiambre, tambem se recebem para se-
rem preparados ; assim como doce di caj novo superior, secce e crystalisado, dito em
calda em latas hermticamente fechad; s, podendo durar annos em perfeito estado.
Para jantares e partidas recebe m-se encommendas dos sepuintes objeclos; ban-
deijas ricamente enfeitadas sem arma ;5o pecas de amendoas (nogaces), ditas de tmaras
de ovos, pes de 16 enfeitados com di sticos anlogos a qualquer fim; ditos montados
kechs simples e enfeitados com fruct chese, tortas de fructa, massa folhada ; ditas de peixe e carne; cremes e doces de ovos
de diferentes especies. .
Tambem tem um comple'.o sort ment de violtos engarrafados, como sejam: vmho
do Porlo superior, Figwirt; Mdeira, Lisboa, Cherez, Bordeaux, Champagne fino, ser-
veja, licores, cbaropes e conservas. Para festas: bonitas caixinbas com amendoas, con-
feitos e mais enfeites. Muitos cestes pbjectos mencionados podem-se perfeitamente ac-
condicionar tanto para a provincia, copo para fra.
di porta larga roa da Imperatriz n. 82, joalo a pa-
daria franceza.
Cortinados.
Chegon a loja de Pared Porto on ronspasS
sortimento de cortinados ricamente bordado* a
prerade 255, 355 e455 : na rna da Imperacri
o. 52, porta larga jamo a padaria freaeua.
Kicas romeiras.
Paredes Porto receben peto nltimo paqoeu nm
sortimento de romelra de gnipnre pretas e d* M
a preco commodo : na raa da Iaaperalrts *t,
porta larga junto a padaria francez.
Gravde peekmcka.
Cortes de lea esedeeu entestada para
fazenda de 500 m., est se vndenlo a 280 e 1
rs. o covado : na ra da Imperatriz n. 52, loja 1
porta larga.
3S000
DEPOSITu de
25 RUA| NOVA N. 25
Este stabelecimento actrba de reeeber om rico sortimento de pianos fortes ex-
pressamenle fabricados para o clima deste paiz, dos mais afamsdos fat ricntes da Euro-
pa, por isso o proprietario convida a) respeitavel publico para virem apreciar as qua-
lidades dos referidos pianos.
Continua-se sempre com esmero e promptido fazer-se qualquer reparo nos ditos
instrumentos. Anam-se os pianos cebaixo do melhor systhem'ltimamente adoptado
na Europa.
Fazendas, pbantasia para vestidos chegados de Pars pelo nltimo vapor.
Lindos robes de organdjs cesarianas fazenda transparente de intelro gosto.
Ditos de percalia campestre padrees muito ricos.
Riquissimas grinadioes de seda oque tem vindo de melbor gosto neste mercado.
Lindos cortes de sallan pikm para vestido fazenda inteiramente nova.
Ditos de gaze setlm em pega fazenda transparente e de goslo muito modernos.
Lindos chales degrenadim brocbi, primeira vez aqui apparecidos.
Ricos bournos de crep guarnecidas de tranca muilo proprios para passeios.
Riqusimas fivelas para sinlo, de metal, de crystal com aco^com pedras finas, 1
que ha de mais novo.
E outras mnilas fazendas de lnteiro gosto.
Ra do Crespo n. 13.
Loja das columnas de Antonio Crrela de Vaseoncellos
de Campanilla.
105, retondas de fil de Jmho-a .125, cortes de ves-
tido a Maria Pia a 75, 105 12* : n rua da ,m-
peratriz, leja e armazem da.Arara n. 56.
Meias cruas para mentoo a IS a duzia
Vendem-se meias ernas para-menino a 15 a da-
a, ebales de merm estampados a 25, ditos de
laa a 15280, ditos de algodo a 15, celarinhos para
homem a 5uO rs. a duzia para acabar : na roa da
Imperatriz h. 56. loja da Arara.
Cortes de ganga e de brim a I #800.
Vendem-se curtes de calca para homem, de gan-
ga e brim de cores a 15600 e 15800; cortes de
meia casemira de cor a 25500 e 3S, cortes de ca-
emira preta para calca a 3550J, 45 e 55 : na
rna da Imperatriz n. 56,
Chitas baratas a 220 o covado.
Vendem-se chitas de cores finas a 220 e 240 o
-covado, ditas francezas finas mJ80. 320, 360 e 400
rs. o covado, cassas de cores -fara vestidos a 320,
3fi0.e 400 rs. o eevado,risaBl> francei para ves-
iipa2i0 o covad :,na roa da Irapeairlz n. 56.
Laazinhas para festidosa 24vado
Vendem-se lilsilM para vasdos a 240, 320,
m o 400 rs. o Miso, ditas cas com quadros
ajeda A59D js., ttS(U no J&JWVJOi rs. o
conwo,linnasT*ra sthora te-320, man-
guitos a 15, camisiahas a .15600 ^5, finas a 45:
na fu da fmpfuiz, loja e rroatem da Aura
a. 6.
Balos de arces a 2
Vetides-se baldes de todos os tamaitos o 25,
2$8flC, 35. 35j00 e 45 : so na loja e armazem da
Arara, raa da Imperatriz n. 56-
Fil de iinho de cores a 460 o covado
do earaasM a 160- o covade, tapetTde de
DE
J. VIGNES.
W. 55. RA DO lVPERflBOR N. 55.
Os pianos desta antiga fabrica sao aoje assis conbecidos para que seja necessario insistir sobre a
na snperioridade, vantugense garantas qneofferecem aos compradores, qualidades estas iocontesta-
veis que ellos tem deflnllivamente conqnistado sobre todos os que tem apparecido nesta praca ; pos-
loindo om teclado e raaehinisroo que obedeeem 4 todas as vontades e caprichos das pianistas, sem
nunca faibar, por serem fabricados de proposito, e ter-se feito ltimamente meraoramentos importan-
tissimos para o clima deste psis; quaoto s vozes, sao melodiosas e flautadas, e por isso muito agrada-
reis aos onvidos dos apreciadores.
Fazem-se conforme as encommendas, tanto nesta fabrica como na do Sr. Blondel, de Paris, socio
correspondente de i. Vignes, em cuja capital forara sempre premiados em todas as ezposicSes.
No mesmo eslabelecimento se achara sempre nm esplendido e variado-sortimento de msicas dos
melhores autores da Europa, asara corao harmnicos e pianos harmnicos, sendo tudo vendido por
presos commodos e razoavels.
Grande pecblncha.
No rna da Imperatriz n. 52 perU larca de Pare-
des Porto, vende-se ebales de merino eslampados a
25 e 39500 3 fines 55, slae se acabando.
Bordados.
Chegon a leja de Paredes Parto, roa te Impera-
triz n. 52, dio sortimento de camizinhas, gollmhas,
corpinbos, romeiras e sintos, de cambraia branca,
pelo barato precede 25500, 3*500 e 45, gollinhas
500 rs., romeiras a 800 e sintos a 800 rs, grande
quantidade de ntremelos a 600 e 800 rs. a peca,
esuo se acabando.
LnTas de Joirrin.
A loja do miudezas na ra do Queima-
do d. 16 j<3j^ri)i->s por este. uilfliiQ vapor,
^Vrtm m barrinas pequeas. "* "
Cera em vela* de todos os lamantaoe.
Bogias.
Mercurio. _, .
Na roa do viganou. 19, primelro ai
Cambraias.
Parede Porto venda cambraias lisas finas, gran-
de sortimento, a 35 at 65, ditas Victoria muito
finas, cora 10 varas a 65, 65500 e 75 : na ra da
Imperatriz n. 52, junto a padaria fanecas.
Cbegoem aes carpianos de cambraia
Vendem-se corpinbos de cambraia com ntre-
melos a 45 e 55, estao se acabando : na loja de
Paredes Porto, rna da Imderatriz n. 52, poria lar-
ga, jun.o a padaria franceza.
Noridade.
Cbegaram os bonitos ebales e retondas de gnipn-
re brancos, e vendem-se na rna da Imperatriz n,
52, loja da port? larga, de Paredes Porto.
se
iiriML-____
tiores a 500 rs. o covado, veibutinas de cores a 800
rs fi .49lft>|WOiMn0.-MjBa 4 tapera.irte nn-
OlfOOt
Bohekinha de le
commodo pre-
Veode-se b>lachinha de lelle por
deRcaatto n.
Briic#8 ie crjitl pnlseifa.
5 teja te rives no arco te ConceleW, no Re-
elfs.tni MB^ftore.qo^4M6a^s^||^j|a^
Capachos uglezes.
Vendem-se na ra do tQueimado loja da aguia
branca n. 8.
Baleias para vestidos.
Vendem-se na loja da agnia branesf ra do
Quelmado n. 8. .
Opiata ingleza e frareeza.
Vendem-se na ra do Queimado loja da aguia
branca n. 8.
Papel mata mosca.
Na rna do Queimado n. 8 loja da aguia branca
continua a vender-se papel para matar mosca e
custa 40 rs. cada folha.
Bonitas cestinbas para meninas.
Vendem-se na roa do Queimado loja da aguia
branca n. 8.
Agulhas para machinas.
Vendem-se na loja da aguia branca a roa do
Queimado n. 8.
Pastilhas fumantes e ebeirosas.
Vendem-se na loja da aguia branca n. 8, a rna
do Queimado, sendo ellas eu calxinhas de pape-
lo e de porcelana.
Bollas de ail fino para engemmados.
Vendem-se na rna do Queimado toja da aguia'
branca n. 8.
Bonitas caisii has
com perfumarlas e i uiras com necessarlos para
costura, sendo estas com msica e sem ella : ven-
dem-se na loja da aguia branca ra do Queimado
n.8.
Colla branca para vidros e madeirss.
Na rna do Queimado loja da aguia branca n. 8,
vi-ndem-se frasqulnbos com colla branca para sol-
dar vidros e porcelanas, e ouiros com dita para
obras de madeira, cnsta 5C0 rs. cada um delles, e
por essa coromodidade de prec,o conven) cmpra-
los para estar prevenido.
Papel grevapautado com 33 Unhas.
A aguia branca acaba de reeeber novo sorti-
mento de papel greye liso e paulado com 33 lionas
assim como de peso tambero liso e pautado, dito
peqoeno em catxinha:. sendo liso, pautado, beira
dourada e sem o ser. Tambem recebeu grande
sorlimenlo de envelopes, e todo se vende por pre-
cos commodos: na ra do Queimado loja da aguia
branca n. 8.
Papel paquete branco pautado.
Vende-se na ra do Queimado n. 8, loja da agnia
branca. *
Artificiaos.
Ramos de trigo com diversas cores moi proprios
para enfeites de gorros e cbapos de senhoras e
meninas, acbam-se a venda na ra do Queimado
loja da agnia branca n. 8.
Bao has e extractos finos
A aguia branca recebeu um excedente sorli-
menlo de perfumarlas finas, sendo bonitos frascos
de cqres com extractos finos o de agradaveis chei-
ros ; assim como bellos vasos de porcelana doura-
da c m bao ha de superior qualidade, tendo nestes
alguns com inscrlpcdes apropiadas para presen
te, etc., etc. : quem se dirigir a ra do Queimado
n. 8, loja da aguia branca, achara a certeza disso,
e boa disposi^o para vender a dinbeiro por pre-
cos commodos.
Ah PROVEITOSAS AGuAS
balsmica, eotificia e ambreada, acham-se ven-
da na ra do Queimado, loja d'aguia branca nu-
mero 8.
l.atas e barrfsxiahos aom graxa
econmico.
Vendem-se por precos razoaveis : na na do
Queimado loja do miudezas n. 16.
Agua de Hollde para fazer os ca-
bellos pretos.
Na loja de miudezas a ra do Queimado n. 16,
vendem se carxinhas com essa excellente prepara-
caoAgua de Uoildepara fazer os cabellos pre-
tos, quem delta precisar pode dlrigir-se a dita loja:
na ra do Queimado n. 16.
l'asiilhas odorficas para perfumar sa-
las, gabinetes, etc.. ete.
Na loja de miudezas a ra do Queimado n. 16,
vendem se caixinbas eom essas odorficas pastilhas
fumantes.
Papel de peso e aluiaco, liso e paulado.
A loja de miudezas a rna do Queimado n. 16,
acba-se bem prvida de papel de diversas quali-
dades, sendo almsco greve liso e pautado, com 33
linbas, dito de peso tambem liso e pautado, dito
pequeo em caixinbas ignalmente liso e pautado,
com beira dourada e sem o ser, assim como enve-
lops grandes e pequeos, os pretendentes dirijam-
sd a dita leja na ra do Queimado n. 16, trae sero
bem servidos.
lesna depoisda festa gssta-se perfu-
mara fina
A amiga loja de miudezas a ra do Queimado n.
16, acaba de reeeber om bello sortimento de per-
fumarias finas, sendo banha lina, em diversos e de-
licados vasos de porcelana douradQS com significa-
tivas inserpcoes e sem ellas; assim come bonitos
Irascos de phantasia com excedentes extractos de
finos e escolhidos ebeiros, e bem como superior
agua da ColonU em garrafas e frascos de diversos
lmannos, dita dentilrees, balsmica e de flor e
laranja, cosmetiques finos o banhas em frascos de
differentes moldes. Vende se todo per precos com-
modos a vista da snperioridade das qualidades:
na rna do Queimado, loja de miudezas n. 16.
Div&rtos objecto8.
Vendem-se na loja de mfHdezas
a rna do Onelnado n. 16.
Bonitos leques de stndalo e outras qnalidades.
Bonitos cintos com fivellas de diversas qnalida-
des e moldes.
Brincos e ernzes de crystal.
Abotoaduras de dito para coletes.
Bonitos porl-relogios.
Delicadas caixas eom msica e sem ella, para
costura.. .. ^mrm, .... -
Agulnas e linbas para chrochel-
Retrot superior em carrltels. %
Rends rjfetrs Re* ebtTvidrilbos.
Filas de velluda com titiras de odnMinra en-
feites de gorros e vestidas.
Ditas da.grosleup&le?, Usas e lavradas, brancas
e matisadas.
n .Uniente de vasto* aores e oral
A loja da agola branca abade ["^ "ajaos serve para partidas por ser urna pbantasia 1_
novte grande sorlimenlo de differentes objeclos teiramente de. ftM* pelo bsalo preco de 4#
de gosto e atUma moda, sendo : ^ancoaMlo5 F
Bonitos enfeites para canoras joalos inteira-
mente novos.
Ditos ditos de grade com cantas grandes.
Lindas fivelas grandes para telos con moldes
agradaveis a diversas qnaJMaei', madreperota,
tarlarnga, ac e dooradas.
Boas e bonitas fitas acbamaloiad s para ditas.
Dites de dita de grosdensples lista e lavradas
com novos e agradaveis desenhos.
Trancas pretas de seda eom vldrllhos moldes
novos e de gasto.
Bieos brancos e pretos de seda eom vidrilhos e
de differentes larguras e benitos desenbos.
Gascarrllha^ de seda com diversas cores e lar-
guras, formas inteiramente novas a imitacao de
pato, nabadinho e ontra com nma transinba no
centro o qne Ibes d multa graca.
Outras estrei-ss e largas guarnecidas de bico
de seda obra de muito gosto.
Outras de cambraia de cores.
Botoes de seda, velludo e ac para enfeites de
vestidos.
Trancas de seda estrellas e largas brancas e de
cores para enfeites de vestidos.
Flores finas
CAPELLAS PARA MENINAS E NOIVAS.
A aguia branca a rna do Queimado n. 8, rece-
ben para vender :
Delicadas capellas brancas para noivas.
Ditas ditas para meninas.
Ditas ditas de caixos de flor de laranja.
Ditas ditas de rosas camellas e outras.
Ditas ditas ou ramos da trigo.
Diversos ramos de flores, finas para peito
vestidos, enfeites de thapos etc., etc.
treparos para flores.
Na rna do Queimado n. 8, loja da agnia bran-
ca vende-se:
Papel de cores para rosas.
Dito verde para folhas.
Dito dito e pardo para cobrir os talos das ditas.
Musgo em rama.
Polbas para rosas.
Agulhas e Unhas para croehet.
Vendem-se na rna do Queimado n. 8 loja da
aguia branca,assim cemoagulhas para trabajar-
se em laa.
Papel de sobrecellente para os
phosphorvs hygienieos ou de
seguranca.
A vista do grande tamanbo das caixinbas dos
phospboros bygienicos ou de seguranza, tornava-se
pones o papel que vem em .ditas caixinbas, e para
remediar essa falla a aguia branca mandn vir e
acaba de reeeber esse especial papel, c qnal se
dar de sobrecellente a quem comprar de taes
phosphoros e se vender indi6linctamenle a qnem
delle precisar. O prego de cada caixinba de pbos-
phoro continua a ser 160 rs., e vendem-se na ra
do Queimado n. 8, loja da aguia branca.
Seda frouchd para bordar.
Vende-se na rna do Queunade loja da agnia
branca n. 8.
Obras de crystal.
Brincos de diversos moldes.
Outros tambem de crystal de cores.
Outros de aljofares brancos e entras cores.
Adereces de cryslal obra de gosto.
Rosetas de dito e cruzes.
Botoes de dito, brancos e de cores para collete.
Dito de dito tambera brancos e de cores para
pnnbos.
Voltas de dito e ontras qualidades.
leques de ditersas qualidades
Vendem-se na rna do Queimado n. 8, loja da
aguia branca.
Aspas fortes para baldo
Vendem-se na ra do Queimado loja da aguia
branca n. 8.
Cromacome para Ungir ca
bellos.
A aguia branca avisa aos constantes fregnezes
dessa excellente tintura, que ella acaba de reee-
ber urna nova remessa de cromacome, coloricome
e sabSo branco, necessario para lavar os cabellos,
portanto podem dirigir-se a dita loja na ra do
Queimado n. 8.
A bridores de luvas.
Vendem-se na ra do Lueimado loja da aguia
branca n. 8.
port bonqoets
de bonitos moldes, donrados e cabo de madrepero-
la : acbam-se a vdnda na ra do Queimado toja
da aguia branca n. 8.
Bonitas teuquinha*
de fil de linbo, cambraia e setim todas mui bem
enfeitadas : vendem-se na roa do Queimado n. 8,
'toja da aguia branca.
Carreteis com retroz.
Na ra no Queimado n. 8, loja da aguia branca
Corles de laa escocesa para vestido a 34 cor-
te : na rna da Imperatriz n. 51 toja 4a porta sar-
ga, jonto a nadara franceza, esli te acatando
Chales de renda
Paredes Porto, na rna da Imperatriz n. iS, pona
I larga, vende chales de renda de corea cosa osooa-
no toque de mofo, a 34000 e 44, fazenda *t SO*
-e 15*000.
120
Para ronpas de eseravoa.
Paredes Porto tem para vender chita azoi o ras-
cado proprio para o fim cima a 120 rs. o covaao,
e orna grande pechincbaCe esta' se acabando : om
roa da Imperatriz n. 5J poita larga jonto a pada-
ria franceza.
Grande pechincha.
Paredes Porto esta' vendendo risrado franect a
200 rs. o covado : na roa da Imperatriz n. SS ar-
mazem da porta larga jonto a padaria franceza.
Para luto.
Laas pretas com salpicas brancos a 400 e 50*
rs. o eovado : na rna da Imperatriz n. SS nota a
padaria franceza armazem da porta larga.
10400
Chapeos de sol.
Vendem se chapeos de sol de panno a Vota o
urna grande pechincha s para araUr : na isa da
Imperatriz n. 52 armaztm da perla larga de Pare-
des Porto.
A 14500.
Vendem-se pecas de tranca preta para eafeoa*
de vestidos, soutembarques, capas de leonera a
1*600 com 10 vaias, orna granee prekiarba :m
ra da Imperatriz n. 52 jonto a padaria "
I
'

Escravos fgidos
avariado.
Francez' barlea 5J000
Portland dem 84500
Em perfeito estado:
Francez barrica 104000
Portland dem 1M00O
No armazem de Tasso Irmos caes dofAsarlo.
Tobada epayt^fir: e
Com Ajillo tcanf*rWe|r l;Parts tima
linda pbantasia militar para piano, coeaposta por
nm des mdM #s4 eJSEttS^lZS&Si*
14 cada exempiar : na loja franceza da roa Nova Cu
S-M
No da 23 do crreme Janeiro, pela
desappareceu da Soledadr, da casa o. 68
mora Jos Teixeira Basto, um mol que rrieoto de
12 a 13 annos de Idade, por nome Benedcio, ecos
calca e camisa de algodo, cooa algornas Marcas a
chicote pelas costas, o qnal de Loiz Uprtelos
xeira do engenho Cumbe de cima, qne o maosa
a 15 dias ao abaixo assignadojara vender o la-la
no entreunto no armazem de assoear o. do tra-
piche da alfandega veloa, acode tem eUdoorsoa
a manha al a noite, Indo dorn ir na referida ca-
sa da Soledade, d'onde fngio: rog se, porteo,
a qnem delle tiver noticia ou o spprebrnO-r, da In-
va-lo ao referido armazem de assoear o. do tra-
piche da alfandega velha, rna da Alegra a. 9, So-
ledade, casa cima referida n. 68, oo ao s+nhor aa
mesmo, Lniz Ignacio Teixeira, no eaf cono Canta
de cima, que se gratificara.
Est fgida orna preta de Angola, de poeta
Mequelloa, idade ponco mais de 30 annos *
ta de cabello no alto da esbeea, falla de denasa, so-
branceras earregada*, estatura regu'ar, kco ver-
tidos de cbia e um chale de merino azol escoro
com barra de cores, foi vista no Poco, aa Boa-Vr*-
ta e em Fra de Portas: qnem a pegar oo **-
ticias exactas aonde esteja acontada, ser recoc
pensado, na loja de Porto, esquina da roa da Ma-
dre de Dees. ..________^__

Muita attengao.
Gnimares & lrmao proprielarios do grande ar
mazem de fazendas e roopas feitas na rna da im-
peratriz n. 72, tendo recebido nm grande sorti
ment de fazendas de gosto trazldas por um dos
socios pelo ultimo vapor, vem portanto fazer sclen-
te aos senbores e senhoras os precos de sua fazen-
das, os proprios afffancam vender 83 fazendas por
menos 20 por cento do que em oulra qualquer
parte nao s por ser no fim do anno como tambem
por sor a festa tempo este que as Exmas. senboras
devem momr se do bom e barato, a saber :
Ricas eertes de lia com barras.
Veode-se um grande sortimento de eorles de
lias com barras tendo todos os pertences, camisi-
nha com gravalinba e sinlo, sendo os mais novos e
modernos qoe lem vindo ao mercado, ditas de
pbantasia eom lindas barras e vendem-se por pre-
cos muito razoaveis.
Lias escocesas estn listas de seda.
Vende-se un bonito sortimento de lasinbas es*
cocesas a 500 e 660 rs, ditas transparentes de lio-
tas de seda a 320 e 360 rs.
Percalias finas rom lindos desenhos.
Vende-se lindas percalias multo finas a 360,
400, 480 e 500 rs., chitas de todas as qoaldades a
saber de precos 280, 320, 360, 400, -440, 480 e
500 rs.
Cassas franeeits miudinhas.
Vende-se nm grande sortimento de cassas miu-
dinhas sendo as cores seguras a 280, 360 e 400 rs.
Catrbraia* bitacas transparentes.
Vendem-se pecas de caasbralas brancas trans-
parentes a 34, 4, 44500, 54, 5*500, 64, 04800 e
74, ditas muito finas cem urna vara de largura a
94 e 104-
Chales le merino fines.
Vendem-se chales de merino fines sendo com
estampas bonitas e modernas pelo barato preco de
74, 75500 e SJ, ditos .lisos eom lindas cores a
44, 44500 e. 54, ditos estampados a 24 e 24500.
Crinolinas eu balees.
Vende-se um grande sortimento 4e crinolinas a
30500, 34, 3JM0Oe 44-
Tarlatanas anas a 610 rs. a van.
Vende-setartalana decores pelo barato preco
de 640 e 800 rs. a vara.
Mantas para bemeti a 14300.
Vendera-se mantas para homem as de mais gos-
to qoe tem vindo ao mercado pelo barato preco de
14300 e 14500, tudo isto s na. ra da Imperatriz
n. 72, loja de Gnimares & lrmao.
. Tiros kacotjts Ir?.
Vende-se um grande sortimento de liras borda-
das a 14 cada nma o.pacas de entremeios a 14
14200 e 14500..
ttjsjsti-haanay pn hatrem.
*****- *fSW3
ESMUVO FGIDO.
Fogio no dia 17 do correte, do tngeobo Uta-
qninho, em Serinhaem, pertencente ao o>a)or Igna-
cio de Barros Wtnderley, o escravo Daniel, coat
os signaes seguintes : baixo, corpo reeolar, pos m-
nes e com calor de figo, cor fola, un e>olo ia
menos na frente, e a ponco soffreu ojo IoBjo oa
maoesquerdaem cima das juntas dos dioat, oaa
flecu com os dous primeiros sro poder abr los ;o
dito negro j tem estado por veies oa rasa de *e-
lenco com nome trocado : roga se a aaiuridaaes
policiaes e capitaes de campo qne o pr.jnum sla-
vem ao dito roajor Ignacio de Barros Waao>
no engenho Ubaquinha, oa no Rrrifc, oa
Moeda n. 5 casa de Manos! Alves Ferreira,
se pagar todas as despezas.______________
roa da
Atteocao
Fogio no dia 22 de dezembro > 18*5 a
Felicia, da idtde de 40 annos, irooa o* >ig
Bumtes : cer cabra ciar, estatura oalxa,
porm ten-oTOSlo ossudo, daca eotoaaoa,
de denles na frente, cabello cortado rece*
e ronilo rente, levou vestido de a
merino azul, ambos j nsados ; ro
lado de Paulista, porm jolga-sa ella
pelo Recito : roga se as autondasVs
pitaes de campo, etc., do aporet
rna do Trapiebe n. 40, qne ta
nerosamente.
***
m.
Fugio do engenho Senaria i
do Cabo, no da 15 do correle, do i
do abaixo assignado o escravo mualo
tonio, com os signaes seguintes: altma
corpo regalar, barbado, deixa fcda a Jm-
ba, lem a suissa estreita, olhos gnodos,
tem o dedo grande do pe dircito cortas
pela joota, carapina, goppoe-se gas tari
assentado praca: paga-se coa gewn-oaaaa
de a quem o tronier ao dito tngeobo oa
leva-lo ao Sr. Jos Pereira Vianna.
Manosl Filippe da Soan La*.
Aeaeilcr
1*2, loja
I__H____Hi da Imperaira
de Gojma_Js 4 Irma o.
bor^ia exisvante no mercado.
lili
Vende-se nm grande sorl
assim como sejam paletots,
de wins branobVe e cores,
oo ao faaioaat*e-.tnoo tataaaaa por fiafa
p^Uoderaaos :.****toadatoMBW-
Poeto no dia seaia4aira 2* da
do engenho Sacamb o cabra Aatooio, cott
aa u>ninla alto eD PrOOOrCOt, OO)
eosta,esoso*
naes seguintes
polento, naris oopa
ps e per naa-rega taras, eor
mistoat oreatocado toitocai_orUtaot tamoav
le, reprosenu.lfcr a dadade aooa, psoc
ou meno>, ponco sorrado sai cosas a tooj
soppoe-se que tenba ido proeorar a oryra Iwli
com quam casado, a anal s acta toadojn
pru da Costa de nomo Aooa ob* ato
Velbt do bairro da BoaWsta: rasado,
as autoridades pilislaii o
preodam e
Barnta da Wm
nado, aa rna da.1
dj^.'ooaa sera
-Bpato"^
Serinhaem, o.-eM
ftlos Goanoa, toi nsoalaoaaat aa
galna,*
aintoi: cor boa)
4
i



mea
Mais rtevagar.
Des la rauodo lem
Coaheco
Monteiro fez-m
agugir a vosa
mas par fjue nao coHlHs qu o canto termine no
poniu ene que esteva, vago indefloiio como um
poema do Byron ?
l'ara q je me forjas a revo toa/liegamente as
cimas do pussado, trazeod o ai Hamoria a pre-
scoca de scenas to dolorosas 1
I
I
I



Quando vi desfaias as i mocas de fe-
hcidade, qoe ea fizera toda dente do mea
amor, passei por urna d6r qt ento nio havia
experimentado. O corpo [seoiio os effeitos do soffri-
ment moral, e eu estiva t portas da morte.
Ora, morrer naquelle lempa aio era la das coa
sas mais agradavels, pols em vez de um cemiterio
elegante, cortado de ras de arvores e de roxeiras,
beneficio que esti provincia anda nao coatava'
mandava-se o morlo para as catacumbas das igre-
jas, onde a maior parte das vetes o pobre coludo
flcava para sempre afTastado daquellej que mais
estimara quando vivo.
Ao menos o cemrterio nos trouxe a certeza de
que mais dia menos da, todos os nossos amigos
ali irio ter, para dormirem comnoscona mais
perfeita iguaidade e (raternidade.
Tornemos a mintaa molestia, que na verdade fol
gr&vissima, e que s foi vencida por ter arcado
com urna constiluico robusta.
A naturea cumprioo seo dever, e a mocidade,
auxiliada e bafejada pela sciencla e interesse qua-
sl paternal de um medico amigo, que via na sua
profisso como que um. sacerdocio, triumphoa do
mal, e ate tem feito viver at agora.
Durante a molestia conduziram-me para a Sol-
dade, que, uaquelles bons tempos ainda era campo
e bem campo.
Logo qae coUvalesci, soube que em quante a mi-
nha salvado fura um problema, Oiera-me constan-
te compannia, sem nunca abandonar um lugar
jauto a rainha cabeceira, ama prima minba, meni-
na de quinte annos, travessa, morena e bella, como
o sao nesta idade as Brasileiras, principalmente se
sao morenas como ella, ou alvas como Laura.
Coofesso que aqaelle casto interesse prodnzio
urna favoravel impressio em man espirito, e lison-
geou o meu amor proprio, contribuindo efflcazmen-
te para que o meu resUbelecimento se apressasse,
e se toruasse completo, como de (acto se tornou.
Essa minba prima chamava-se Rosa, e tinba urna
irmmaasraha, de sete annos de idade, de noroe
Amella, quasi to bella como ella, e qoe passava os
dias correndo no jardim atrai das herblelas que vi-
bam poasar sobre as floras, ou lateado banquetes
de baptizados e casamentes de boneeas que eram
todas, quer eu me oppozesse ou nao, minhas aOIba
das n'nm e n'outro sacramento.
Um di, dos poneos em que a senhora dona pa-
ciencia roe visitn, escrevi com um lapes em urna
tira de papel os seguintes versos, que dediquei
Amelia, cuja maior mana, depois das boneeas, era
querer absolutamente ser e parecer moca:
Noquelrat, gentil Amelia,
Em teus annos avancar;
Nem qneiras da puberdade
A virgem meta tocar.
Que d'encanlos tem a Infancia I
Que lempo bom de brincar I
Da boneca o casamento
Faz te rir, faz te bailar.
A aurora, quando desponta,
V-te tambem despertar:
Tu vas por erlre as Sores
Como urna garca no ar.
Ainda nos seios d'alma
Nao viste a dr se oceulur,
Nem d'amor a chamma activa
Teu coracao abrazar.
Que tempo to venturoso I
Quantos castellos no ar I
Corre mais teu pensamenlo
Que a melbor barca no mar.
S feliz, formosa Amelia,
Nesse innocente lidar;
Nio qneiras 'da puberdade
A virgem meta tocar.
Devo prevenir aos leitores que nunca med ver-
sos, e que por isso os meus (son o primeiro a re-
conbec-lo) nao merecem mnito este norae. Has,
se os nao meco (confesso-o, ainda que com algam
pejo) por que nio Qz estudo tal respailo, e so-
bretodo por qne sendo nimiamente pretoicoso,
aclio mais commodo amplia-los, ou amputa-los pe-
la cadencia na leitura, consultando, eorao bitola, ao
mea ouvido, qae umbem, vaina a verdade, nio
dos mais afinados.
Isto posto, voltemos ao assnmpto.
Rosa gostou dos versos, e pergnntou-me se s-
mente Amelia m'os mereca.
Respondi-lhe qne os de Amelia haviam-me ser-
vido de experiencia e exereicio, para os 9Qe eu
pretenda offerecer-lhe no dia segninte.
Bocea que tal dissestes I
No dia seguinte, anda o sol nao se havia ergui-
do de todo do sen leite de purpura, e ja porta de
meo quarto ama vox suave e melodlosissima ntoa-
rt o seguinte verso, que nanea mais esquecl:
Tomel
jjBl
teoei a peroorrer curiosamente as
li, nao sem alguoia extranbeza, o titulo qoe Bou,
com soa propria mo ha va escrlpto. O tita I) reza-
va asslm :
- Illasao ooj Bdade ?-
Era a primeiriWi que eu via um titulo acabar
por um ponto de iaterro Fia mentalmente as minhas consideraren sobre
o caso, e vlre a proposito a folha.
Nova sorpreza me esperava.
Apagel a cousa abi era aioda mais seria, e dez
ftnil vetes mais compromettedora; quando tai lem-
bro disso aioda a bocea me sabe a sangue, e sinto
nos ouvidos a inft mal zoada qae ento sent.
No alto da folha, da 2* folha, da folha que me II-
nha sido reservada eslavam escripias quatro pala-
vras smente, mas cada urna dolas era mesoio pa-
ra metter medo.
t A flor de amor. >
Sim? disse eu, pois viremos folha; minba prima
muito linda, eu quero I lie muio bem; mas deci-
didamente nao lbe tenho amor, nem desejo casar-
me com eila.
Virei com effeito a folha, e escrevi na seguate,
que era a 3*, os versos que se seguem :
A FLOR D'AMIZADE.
1
Se dos jardins de Cythra
Ea colbesse inda urna flor,
Se em mea peito florescessem
Rebeatos de murcho amor;
2
Se a foute de meas pesares
Fosse exhausta e seca um dia,
Se em meas labios nao marchassem
0 sorrisos d'alegria;
3
Fras tu, virgem dos campos,
Purpurea rosa de abril,
Qoem minh'aima embalsamara
Com teu aroma subtil.
4
Te dra por luz meas olhos,
Meus beijos por nutricao,
K os meus ais p'ra serem cbos
uos ais do teu coracao.
5
Porm eu, que amei oulr'ora
T com ancia e frenezi,
Que meus lagos vi-os rotos,
Meus sonhos desfeitos vi;
6
Qae d'amor hoje s guardo
Os martyrios da saudade,
Virgem, s tenho p'ra dar-te
A casta flor d'amisade.
7
E' urna flor recendente,
Que tambem tem seus verdores,
Nao lendo os duros espinbos
Que liveram meus amores.
8
Se exbalar-se o seu perfume,
Se morrerem seas encantos,
Considera qae essa flor
Foi regada por meus prantos.
9
Prantos qoo a humedeceram,
Sem Ih'as lolhas esfolhar ;
Que foram gotas de orvalbo
Nos seus ramos a chorar.
10
Guarda, pois, virgem dos campos,
Casta flor da soledade,
Guarda e cultiva em len seio
A minba tlor d'amizade.
arrancoa-me ainda de
eus bellos olhos
teem no mondo tgnaes,
como os ralos do da
as regidei tropicaes.
Sao no brllho astros Inzetes,
Sio na or negros brabantes;
O co, qoe fe-Ios to lindos,
Porque nio fe-Ios constantes ?
Teus denles sao alvas per'las
Engastadas em coral,
Teus labios e races robras
Sio quaes rosas no rosal.
Tna voz eu Inda a esento
Nos cantos da jurity,
E o perfume de tea eolio
Aspira-o no bngary.
Debalde para estas trras
Condozio-me acerba dor,
Vence a ausencia, vence o tempo,
Tudo vence o mea amor.
Mesmo aqui ebega e penetra
Patxo viva, abrasadora,
Sabe pois qne a minba sombra
Te acompanba toda bora.
K vers, pizando o slo,
Se leas ps despedem lame,
Ser a cbamma que te abraza
O vulcio que me consnmme.
Mas, se acaso te orvalharem
Algomas gotas do co,
Podes Jurar em tu'alma
Que esse pranto foi o mea.
Soffri muito, sotfro ainda ;
Nio tem cura este mea mal:
Se minba dor immensa,
Mea amor nao teve ignal.
Por isso vago no mundo
Como sombra de ontra vida,
Ou como mii carinhosa
Que perde a Qlba querida.
Por isso irei, minba Laura,
Esperar-te l nos cos
P'ra fundlrmos nossas almas
N'oma s perante Deus.
Que mais poderel dlzervos, cbaros leitores ?
O final da presente historia todo de lato, de
pranto e de dor I
Aqui chegamus como ji lbe disse a 21 do cor-i
rente.
Pol nm lindsimo panorama encarar no porto
desta eidade nossa formosa asquean.
A mariaha brasilelra, que asereveo um poema
de gloria nal aguas deste rio.'em Riachuelo, Mer-
cedes a Coevas, lemnm grande futuro na misso
civilisadora que Ib estar aqui reservada.
Logo depois da queda de Rosas, (oi o navio da
esquadra brasilelra que primeiro chegou a este
porto o brigne escuna Eoto, sob o commando do
distinelo capitao tenenle Mamede.
Gastn ento esse navio 63 dias de Buenos-Ayres
at aqu; hoje os vapores da carrera daquelle
porto a Corrientes sobem em cinco das.
Parei estupefacto na tolda do navio em qoe en-
trava, saudando no intimo d'alma esses vultos va
ronfsde nossos elegantes dfficiaes de marioha, cojo
bello aspecto se barmonisa com o brilho dos ca-
nboes ameacadores qne se denrucavara das porti-
nholas.
A esquadra consta dos segulntes navios, em tres
divisos : Amazonas, chefe Barroso, commandan-
te Brito; Siag, ebefe Jos Mara Rodrigues.com man
dante Mamede; Beberibe, chefe Al viro, commandanie
Delpbim; Belmone, commandante Piquet; Mearim,
commandanie Barbosa ; Ivahy, commandante San-
i tos; Ariiguat/.commandaBieHoonhItz; Itajahy, com-
mandante Cotrim; Ypiranga, commandante Freilas;
j Tamandar, o enconracado de que j lbe fallel,
; commandanie Mariz Barros.
Esto lodos esses navios na mais constante vigi-
lancia.
As vigas nos mares attestam toda a perspicacia
em esperar a hora do combate, se acaso o lonco
' ero Borgia do Paraguay se alrever a lenlar ain-
da os bros e o denodo de nossos valentes mari-
nberos.
A' noile, das 2 horas em diante, toda a guarn'
cao, ofciaes e soldados acordam e fleam a postos
' at o arnauhecer.
As caldeiras eslo sempre com vapor, fogos aba-
fados propriamente. *
Que venha, pois, a promettida abordagem das
quinoentas chalanas com que o Lpez est ha mais
de mez enchendo a bocea e atroando os ares, de tal
forma qne essa noticia foi traosmilllda pela canho.
neira a vapor italiana Veloce; qne venham todas, e
a nossa armada Ibes fara as devidas honras, repe-
lindo aquellas palavras de Shakspeare : < Come-
cemos, Macduff, e maldito seja o que primeiro dis-
serbasta,
Se a attenco qae boje se est prestaodo ao ser-
vico da armada se livesse prestados desde princi-
Passam, pois, de 5T
cas em campanh
mens do general Mitre e ras qaartos de F_
de Cseeres, clara qae se apresen
paragens ama reontlo de bomeos |armados cerno
j mais foi vista na America. Qaelra i Provic
Divina a bencoar-lhes as armas,pois a
grande e nobre, como a civil!
mais bellas revelosles de Deotj
Tendo sabido a forga de qo
acampamento, aflm de qae nao
cida a cldade, onde os Pargua
gos 7 mezes daquella occapacao
tadora povoaQo que elles conservam sempre
ameaca de urna nova invasio, mandou o Sr. gene-
ral qae a viesse gaarnecer o i* batalhio de infan-
taria, sob o commando do distincto e brioso major
Peixoto, cuja bravura e deoodo foi j provado em
Paysand.
Alm desse ficou o 45 desembarcado ltimamen-
te. Ficaram tambem nesse acampamento para
prestar seas ser vicos os dous mdicos lentes do ly-
cu e da faculdade da Babia, Dr. Luiz Alvares e
Dr. Rodrigues da Silva, que tiobam vindo como
voluntarios da patria.
Ha aqui quatro hospitaes, onde se acbam reco-
Ibidos mais de 500 doeoies. Faz-so boje a acqui-
sicao de casas com melhores accommodaces para
esse tira.
Dos proteja a nossa causa.
enalban
ra ai
dii
acidj
A" Tribuna de
da em dala de I:
c Vou dar-te nasa boa nottta.
gar desejado; d*))OM da apa]
guas, de atravessar 20 ros
dades, achamo-nos final
as mmediacoes do Pai
mais e a questao estara H^Nt
A rauitos aBgara-Mi apassagaaa 4a ra:
nio pens assim.


Laura, por mollvos que nunc pude perscrutar, Po. os selvagens Paraguayos se leriam atrev
por causas que me foram sempre desconbecldas, do dar-nos o ataque de Riachuelo, nem nesse ata-
deixou de pertencer ao bomem que seas pas lbe
baviam destinado para companheiro de sua pere-
grinado n'este mundo. '-
Viveu anda alguns annos, e nio pensoa mais
em casar se.
Um'dia, dia para mlm de dolorosa recordacao !
son procurado por am dos meas melbores amigos.
qae teria a nossa valeate esquadra sidoobrigada a vir
receber a batalba,nio no ponto em que se acbava, e
sim debaixo das bateras, adrede preparadas, e'oc-
caltas debaixo e no mel de bastas aivores, donde
fizeram tanto estrago em nossos formosos vasos de
guerra.
De feito se nio bouvesse tal descuido que dei-
qne, depois de fallar-me repetidas vezesna necessi- \ xava os vapores privados de carvio de pedra, ten
dade que lem o horaem de conformar-se com a do o Amazonas apenas carvo para 8 horas, priva-
vontade suprema, e resignar-se aos seas altos de-; da como se achava a armada de manlimentos, de
cretos, declaroa-me que Laura havia expirado na forma que a bolacha podre j se achava a meia ra-
noite do dia anterior, victima de um formidavel fio, se nao fosse tudo isso e muito mais que me
garrotllbo, que zombara dos recorsos da med*, compre calar, talvez, sim, talvez nio livessemos de
cia I
Cahi immediatamente
sem sentidos, e, quando
lamentar a perda de tanto sangue precioso naquelle
dia solemne, nem tivessemos de ver abi agora o
ama bora depois tornei a mim, o mea amigo ja se \ esqueleto do egi*in*onAa como am monumento
havia retirado.
Nao perd ento um s momento ; vesti-me de
prelo, disse a mioha mulherque ia a casa de um
amigo meo, que Deus chamara para junto de si, e
sata.
A minba pallidez era borrivel, en sentia a cabe-
vergonboso, como nm padrao lameotavel da nossa
infelicidade, para nio dizer ouira cousa.
Mas nio levantemos o sudario qae cobre essa
pagina dolorosa de nossa gloria naquelle da.
Quando passei peio celebre logar, qaaddo vi a
enseiada em que se estende o arvoredo, onde os
Aqni estou na vossa porta,
Com o meu feixinbo da lenha,
Esperando pela resposta
Que da vossa bocea venha. >

i
Em qnanto duroa e canto ea esteva como toma-
do de am extase; logo, porm, qne os cbos da-
quella voz se extingulram Inteiramente, voando
as azts da fresca brisada manha, desfez-se o en-
cantamento, e en sattel ligeiramente da cama, ves-
i-me pres-a, abri soffregamente a porta, e preci-
pitei-me nos bracos de minba prima, qne me aco-
rnea com a ingennidade, fllha de sua edacacio,
com a conflanca e pureza de ama irma ou de ama
Qlba.
k
Rosa leu essa poesa com as lagrimas nos o nos,
sem dnvida por baver presentido nm desengao
formal nos meus versos, e nao ter eu tentado des-
fazer tal supposlco, e antes procurar dar lbe con-
sistencia e cores de verdad com o meu afasta
ment e modos fros e reservados.
Tornon-se taciturna e ningnem, que eu saiba, a
vio rir depois d'ese da.
Conlioaoa a traiar-me bem, porm nanea mais
teve expances para mim.
Em mioha volta da Europa fui visita-la; quasi a
nao coobeco : havia amagrecido consideravelmen-
te, e de sua correcta formosura s restavam entio
paludas sombras, decadencia e ruinas 1
Um anno depois a molestia de Rosa, pois era
nma molestia qne a fazia definbar tomara pro-
porces assustadoras.
Seos pas eonsaltaram os mais habis mdicos
da provincia, a todos declamaos que Rosa eslava
acommettida de urna pneumona aguda, e que s
nma viagem ao serto poderia salva-la.
Cnegamos ao flm d'este episodio. Rosa seguio
para o serto cercada de todos os coramodcs possi-
veis, em companbia de seas pas, qae nao qolteram
separar-se d'elia.
A principio as noticias eram freqaeotes, depois
foram se lomando pouco i pouco mais raras, e
ea j eslava habituado privacao d'ellas, quando
recebi am di* ama carta de meo to, em qae me
commumeava a cora radical de Rosa, e me peda
com Instancia que eu escrevesse 4 ella acouselhao
do-a a aceitar por marido am abastado fazendeiro
do logar, homem de qualidades preciosas, qne a
havia pedido em casamento, visto qae ella a isso
se recusava obstinadamente.
Fi-lo ; mas s Daos sabe quanto isso me costn 1
Eram remoraos I Dizla-me a conseiencia qae ea
liaba feito a sua infelicidade.
Algom tempo depois recebi a resposta, qae era
concebida nos seguintes termos : i
* Pois bem, casar-me-hei; mas venba ser am
dos padrinhos de mea casamento! Nao lbe mere-
cerei ao menos semelbante sacrificio ?
No flm de dous das ea segla a cavallo o ca.
minbodo serto.
Antes de nm mez Rosa esteva casada.
Sen mando am excedente bomem, ambos vi-
vem ainda boje, e ea tenho sido o padrinho de to-
dos os seas filbos, por mel de procuraco, ja se
sabe, pois ella nunca mais deixou o saluiar clima
do serto, onde conseguir recobrar a sade, nem
ea vollei ao lugar de sua residencia.
Agora urna retlexle apenas, voltemos Laora.
Roa soffreu pom respailo, como Laura pre-
cedentemente me flan Umbem soffrer. Sio sem-
pre asslm todas as historias de amor, to pareci-
das nmas com miras, qoe pode-se quasi asseve-
rar, qoe a historia do primeiro bomem tem sido e
ha de ser a historia do todos os borneas. %
Se Rosa me amava e poda recebar de mim a
elicidade, porque nio Uve eu o eattaidimento bas-
unte claro e o eorago inteieamente livre para
fallar-ihe na mesma Ungaagem mystica, com qae
ella se dirigir a mim?
iterpor DavneMre mim e eila a gora
ca extremamente atordoada, e o corpo como que paraguayos armaram as baterias, quando vi o arca-
lomado de om estupor. I boaco fnebre do lequtttnhonka, boje presa dos vai-
Tudo eslava acabado para mim I ^ | ven9 das 0BiS e dos Tent0S) enU na a|ma ata jes-
Emquanto Laura vivera parecia-me que ea aspi- ses aDa|0S inllni0| qae me feI parar algani ,empo
rava o ar que ella ja havia respirado, a que as nos- m reBex5e8i e levanWr os Olhos para Daos, orando
sas vistas se eneontravam, e nossos pensamenlos pelas ^^ djqnenes briosos soldados, victimas do
se confuodiam na contempla$io do manto estrella- dew> da Donra e ^ iigaiii9 nacienal. Era-me
de do firmamento, e n'esse astro da noile qne un- com e(Ieit0 mpossivel deixar de mandar-lhes na-
U Influencia exerce sobre o coracao dos proscrip- qae|la bora SQieame ama saudade de admiraco e
tos do amor. agradscmento que os deve acordar no sorano pro.
atas, depois que Lau ra pagou a oatoreza o sea fundo da elernidade. A regiio ebrsti quando
tributo de sangue, restitu ndo ao Creador dos man-1 emprego a palavragloriapara designar a bema-
dos o espirito que d'Elle recebera, Qcavam para ventaranca eterna parece qne deseja mostrar at
mim como que despedazados todos es lagos qae pe|a formula material da linguagem que a feli-
me prendiam a vida; porquecom eilaeu per- eidade eterna a gloriado que morra pela sua pa-
Esses transportes sio to naiuraes e freqaentee
na mocidade, qoe nio ha qoem os admire, princi-
palmente attendendo-ee influencia qoe exerce so-
bre om homem de dezoito ou viole annos, ama bal-
la maca, qae aioda nio conU tras lastros, que se
aprsenla eom os. cabellos bollos (cabellos negros e
crespos) trajando om roopio branco, mnito bem
talhado, a qae faz sobresablr as perfeicoes de um
verdadeiro corpo de fada.
Cflodoii-a pela mi para o mea qoarto, e, convi-
dando-a a senur-se sobre ama cadeira, pergun-.
tel-lbe porque renunclava to cedo as delicias do
somiKi.
Por nica resposU estendea a ro
ve e iiaparioen, e disse-me: t por q..
dera aquella ultima consolacio qae me resiava I
Longo de mim, ah I sociedade... sociedade I...
longo de mim dra Lanra o sea altimo alent!
Mas, si nao foi dado a mim recolhe lo, lu ao me-
nos o ultimo que se retireu da igreja (eram nove
horas da ooite) onde assisu s ceremonias do en-
terre occalto atraz de ama columna, e onde pude,
sem que nmguem mais reclamasse a escolhida do
men coracao, ou viesse arranca-la de meus bracos,
segredar-lhe ao ouvido todo o mea amor, mea per-
di e a pungente angustia que ella medelxra por
berancal....................................
Os risos facis, o carrol m das faces,
Os labios rubros de purpurea cor,
Tudo exlnguio-se... A palidez do lmalo
Profana a virgem, desfolhou a flor I
Os negros olnos qae me davam vida,
Bragos, sem luzes, ja nio tem fulgor :
S rasU hoje, do qae arael outr'ora,
Um corpo fri e miaa grande dor l
Mokas mudangas tem-se operado depois d'isso
no mnodo ; en, porm, nao esquecla-a nunca.
Quando virdes leitores, um homem com ares de
misaniropbo, eviundo cuidadosamente o bulicio do
mondo e a convivencia dos outros borneas, acora-
panhai-o, si a vossa curiosidade o exigir, a veris
que elle penetra na matriz de..., toma o caminbo
das catacumbas, e ajoelha em frente de urna, cuja
inscripcao esta de lodo apagada I......
Silencio I Elle ora por ella, on antes a ella qne
elle dirige saas preces fervorosas.
A mora santificara, em sua opioiio, a mulher
que o esquecra em vida : delxai-o passar cem a
sua crenga e respeiui aquella dor.
Nio vede como elle se ergue mais conformado,
diis mesmo menos triste?
E' porque, em cada dia que se passa, elle sent
qne d nm novo passo para ella.
Eis leit jres o que foi feito de Lanra I
Pergnnlir-me se ainda ame a sua memoria, fra
o mesmo que perguotar se o sol brilha, se o ho-
mem pensa.
E hoje?....
Hoje v-se l ao longe,
L as altaras dos cos,
Sentado o aojo da trra
Entre os archaojos de Dos.
D'elle ficou-me a sandade,
Qae em men pelto se gravou;
Porm esia, emqoaoto ea vivo,
Nmguem dir qne passoo.
SEMPRE.
flr. o comprimento da promessa qoe meez, e o
promottito, como sabe, devido.
verdadeiro fanatismo, orna idolatra amtete.
Na Eurc pa, i pecar de j formado de sua
tria.
Na occasiao em que passava o Leopoldina por
esse logar o Sr. tenente-coronel Pinto, comman-
dante do batalhio 14 (da Baha) mandn que toda
a msica saudasse com o hymno nacional esse pon-
i da trra e do rio, onde se prendera honrosas re.
cordages, saudosas reminiscencias sempre caras
ao coragao do povo, do rei e da naci.
Foi ama idea magnifica do difracto veterana da
Independencia, que presuva assim nm cnlto since-
ro aos feitos de nossa armada, o qoe mais tude ca-
ba a elle, que, embarcado na esquadra um pouco
depois, paruihou com ella os riscos e os mares de
Marcedes e Cuevas, lagares em qne tambem na
passagem do vapor se tocou o bymno nacional.
Tendo-se vencido as difficutdades oriundas do
encalhe dos vapores, ebegaram todas as tropas por
elles cmdozidas at esse porto, tendo desembar-
cado desde o dia 4 at 25 do corrale 7,800 preces
as quaes todas aqni acamparam, tomando no alto
da|barranca urna formosa eidade, onde as barracas
brancas como sio, brilbando no verde negro da
floresta, semeibam as formosas garcas a passeia-
rem garbosas no roeio de orna vargem rastissima,
ou as camelias brancas dependaraudo-se da hasta
ao espesso verde do jardim.
O Sr. general Osorio velo passar revista neste
acampamento no dia 22.
Dous das depois marcharan) para o grosso do
exercito que esta' daqui a 2 leguas, ramo lesnor-
deste, sob o commando daqnelle activo cuete, os
batalboes provisorio de linha a contingente do
Ceara'.
Em razio de nma ordem do dia que hontem a 1
bora da tarde teve pnblicidade, marcharam hoje lo-
dos os outros batalboes rom o mesmo destino, des-
filando na ordem segninte 40, 41, ambos da Bahl?;
ala esquerda da polica de Pernambnco; nma com-
panbla de zuavos, Babia; 37 eomposlo de contin-
gentes de diversas provincias ; 38, Ceara'; 44 Per*
nambnco ; 7, S. Paulo; 14, Babia; 42, S. Paolo; 43)
Babia ; companha de zuavos, dita de couragas
De Montevideo escrevem ao me3mo jornal em
data de 15 de Janeiro ultimo o seguinte :
Chegou de Corrientes o vapor Victoria, d'all
sahido no dia 8, e por elle consta que os exercitos
alliados oceupam as mesmas posigOes, a que traba-
lbam activamente em apromptar o material Que-
mante, necessario para atravessar o caudaloso e
largo Paran. Como esta operacio a mais seria,
e tambera a mais gloriosa para os nossos soldados,
e demanda para se effectoar a reuniio de innme-
ros elementos de ataque e de mobilidade que anda
faltam, nao se d;ve esperar nenhum roovimento
importante senao do dia 20 de fevereiro em dian
te. Nao se impacentem os martchaes do Imperio
eom esta demora, que nos assegura um tnumpho
certo, e porvenlura menos sargrenio.
Partlram nos vapores Galgo e S. Paulo as forgas
que aqal teem chegado. O vapor Lamego, chegado
ante-nontem, deve transbordar as que iraz para o
mperatrtz, e ontros vapores qae esli promptos
no porto.
Foi incorporar-se ao exerciio o coronel Fortuna-
to Flores, e dz-se que o irmo seguir em bre-
ve. Felizmente teem elles estado agora mais
tranquillos.
Hontem ebegaram a esU capiUi o major de en-
genbeiros Carlos da Carvalbo e o constructor Bas
tos, que veem comprar chaUs, vapores pequeos e
outros elementos para passagem do Paran. Dizem
que j compraran) um paqneno vapor, ainda em
construego e oertencente a casa Conceigao e R.
Faria.
Por fallar nesle assumpto, devo notar que aqni
fatem-se censura a morosidade a confusio do ser-
vigo militar do exercito nesta capital. Pois diz se
que em quanto as forgas alliadas urgera pelos
raeios de transpr o Paran, dexam-se icar nesle
porto as ponles mandadas dessa corte para o ser-
vico do exercito e que lana falta l tem feito.
Tambem merece reparo a falta de metbodo com
que aqui se fazem os transbordos das tropas que
ebegam da corte. Desembarcan) e reembarcara
successivameale, sem saberse qual a conveniencia
desses movimenlos, a menos que nio seja a de al
gura especulador interessado nesses embarques e
desembarques.
Em Corrientes eram esperados em transito para
Montevideo 120 paraguayos prisioneiros do exerci-
to oriental.
A 14 seguirn) de Buenos-Ayres para Tres Bo
cas o encoaragado Brasil, e as caohoneiras Iguale-
my, Henriquc Marlins a Chuy.
Do mesmo porto sabiram, coro destino ao theatro
da guerra, diversos conligentes em numero de
3,000 homens embarcados nos transpones Apa,
Galgo, Presidente, S. Paulo e Leopoldina.
O Galgo levon a reboque o brigue portuguex Lu
zitano, que condnz petrechos de guerra para o
nosso exercito.
A' ultima hora corra no acampamento a noticia
de se terem passado para o nosso exercito 50 para-
guayos. Estas de.-ergoes eram (requemes.
Esperava-se a lodo o momento que chegasse o
Sr. vice-almiraole visconde de Tamandar.
No dia 2, annlversario do combate de Paysan"
d, o Sr. major Gnimaries Peixoto fizera celebrar
na matriz de Corrientes nma missa solemne e Te-
Deum, em acgo de gragas pelo triumpbo obtido
naquella praga.
Toda a offlcialldade da esquadra, em companha
do Sr. bario do Amazonas, bem como os offlciaes
do vapor argentino Guardia Nacional, haviam
assislido aquelle acto para qae tinham sido convi-
dados.
Em frente a' igreja fazia a guarda de honra o 1*
batalhio de infanuria.
A' falU de outras noticias damos em seguida as
que exlrahimos de urna carta escripU do exercito
ao jornal El Pueblo :
c 21 de dezembro. Hoje a' tarde fol distribuido
ao exercito o fardamento de vario, menos calca-
do, que ficou na capital de Corrientes e deve vir
amanbia.
f O general em chefe passoa revista ao bata-
lno independencia e arengon a' soldadesca daquel-
la corpo, qne coroposta de paraguayos, e ao bau-
Iho Liberdade, que umbem conu grande numero
delles em snas fileiras; ao qne parece a tropa ficou
satlsfeiU, pois i despedida do general prorompeu
em vivas.
t 12........O presidente Mitre e o general
Osorio continuara passando o Riachoelo por dons
pontos; estio cerca de nmas oito ou dez leguas
distante de nsj entreunto nio se sabe qne hajam
entrado na capital.
i A esquadra brasilelra eslava na maior parte
varada ; dizem, porm, todos os do paiz, qoe o
Paran sobe, posto qoe com vagar.
< O tntroigo nio d signa) de vida; dizem que
est ocenpado em collocar bateras flor d'agoa
e tres metros de altura no Passo da Patria e as
Tres Bocas.
t At a' ebegada dos generaas Mitra e Osorio, e
depois de sua reuato ao general Flores, uo da-
remos tambem em nosso exercito sigoal de vida ;
a calma precorosa e fatdica que precede aos
< Segando todas as probabilidades,
deve invadir o territorio inimifo de 25 a 30. O
rio cresceu com orna rapdex assoabroea em e-re-
nos de oito dias, a o visconde de Taawda- aqai
esperado por todo este mez.
Agora mesmo esto os cnefes de eoraoa adu-
lando seus batalboes eom o maior
de prepara-ios para o dia de cmbale,
eslado-maior acha-se em Corneles
os parques e organisando os elemetMos i
para a passagem. As cavalbadas,
que nos faltava, comecam a chegar de
e, segundo os contratos celebrados,
deste mez taremos nesta localidad* ai
para levar a cabo a invasio.

DI POCO DI TI DO.
Extractamos de nm artigo 4a oicetlatel
U Annales da ginie civil, devido a peaaa $ Mr.
Chaveau des Roches, engenboiro civil, os
esclarecimentos acerca dos trabajaos da
do grande lunaei do monte Cbeais.
Como sabido, a abertara effeetoa-se ao
tempo em Bardonnecbe (lado da Frasea) e
(territorio italiano;; porm os perforadores
ultima seccao s foram empregados
aepois de encelados os irabalhos
che.
Apesar deste atraso, nao se ou
mui consideravet entre a extenco
duas secgSes.
No fim do anno passado, esta van
1700 metros do lado de Modaoe, eje
a exieoio total de i.800 metros; fala
ainda 7.240 metros a abrir na neta, visto
tunnel deve ter ao lodo 12.220 metros.
O progresso medio, sendo da 4
fallara ainda 1.850 dias de trabalao
duas galeras coramaniqoea catre- el ea
oam.
E- te calculo, tendo sido feito ao du 1* de
de 1865, devem-se-lbe addieionar casca as
metros, o qoe da em resaludo S
meio de tunnel.
A alvenaria segu de peno o desaterr.
tam-se 2.500 metros (revesliaaeat
pedra) do lado de Bardunneeaa, a
metros (reveslimanto de pedra
qoe sao de lijlo, em Modaae.
Actualmente, pouco se um avaaeaio cae Mala
oe, om coasequencia de se baver eacoatrado wm
baixio de qoaruite, qoe exireasaaBeatt raje; eaa>-
ta-se porm com orna rompeasaeio, eaaede asta
rocha sneceder o calcreo mantea, cae eaaaada
avahada n'uma entensao de 2J00 aasanja patea
gelogos.
Em resumo, ainda sio arel
o acabamento desta obra gigantesca,
era tlxada, ao sea comeco. em viate
em 1864 em doze annos, e qae, se aa
ultimas previsoes, estar acatada ao
annos.
"ZZZ >
Entre os moitos soldados
sam a ir ao Vaticano para receber
tolica antes de regressar i paula,
do o fizeram cinco eacadorce do
cennes e om cabo, lodos soto ia
ment, os qnaes deviam partir a'
noile.
Teodo-se aproximado ao Papa, qae
o sali chamado dos guardas :
D'onde sois mens filbos ? Ibes
sanndade.
Ento o cabo, tomando a palavra esa
todos, responden :
Somos do departamento de
santo padre.
Houve om momento de slloada.
O papa, sem dovida, qoeria recordar a
cese pertencia aqaelle departamento.
O cabo, comprebeodeado a
sanio padre, aereseealoa :
A capital Tours.
f oors I Ora pois, aseas
loria de S. Martraho, bispo da
fesU vai celebrar a igreja
E como os soldados aao
o santo padre conliaooo :
S. Martinbo era nm militar <
Certo dia, leudo encontrado om
com elle o qne esU Uzeado por
annos a vos*a nobre patria;
propria capa.
Dens recompensoo bem a saa
llnbo honrado em toda a igreja,
ser neste mundo nenaam dos

TUEiTHO IKEX '
Do acampamento das Bateras em Corrientes es-
crevem do Jornal 4o Commercio, da corte a 29 de
dezembro a do/o segninte :
II
f^VMH
ambas da Baha ; 9, nio sei de que provlbcla; fe! grandes snecessos. Estes campos qae permaue-
chava a retaguarda nm batalhio formado de con- i cem boje silenciosos, cuja calma apenas inter-
tingentes diversos que se tinbam reunido Santa Ca-
Ihanna, e dos doentes restabelecidos nos hospitaes
dalll.
Era am belllssimo aspecto esses milbares de bo-
rneas caminbando altivos e garbosos lio longe do
bello co da patria, to disunte de todo qae mais
se ama na Ierra, aflm de irero reunir-se aos seus
companbeiros, aflm de esperaren) eom elles a or-
dem de entrar-se em baUlha.
Com esses bomeos fleam as forgas brasileiras
propriamente ditas, sem conUr os alliados, consti-
tuidas assim
General Oso
Provincia
Bario de
3 cornos bra|
toa Flores.
30,000 homens
8,000
11,000 >
51,500
rompida pelo som do clarim ou pelos gritos ale-
gres do soldado folgazo que vaga pelo moa-
te, brevemente estremecerio aos trons da lo-
saciavel artilbaria, espalhando a morte e a des-
truicio.
t O.que todos desojamos proseguir ao cabo da
campanha; suspiramos para qae nao fiqnemos es-
tacionados no Passo da Patria.
c O estado sanitario em geral satisfactorio...
< O general Flores tenciona ir amanbia at o
lugar oade se acha o presidente Mitre, aflm de con-
ferenciar. Resalura dessa conferencia algummo-
vimanto das ossas torgas.
idiju asna partida em coaee-
quencia do mao lem: u toda a nc
De bordo do vap vera
a" Jt*wW de Boeac-
O Telegrapko publica a
Na Enrona, Asia, frica e Australia, a i
cabos submarinos actaala
lendo a todo o comprimento da 5 61*" i
zas (9,032 kilmetros).
O mais comprido d'estes cabos toa 1:1
ioglezas oa 2.-833 metros e o mato i
e meia oa 2,84 metros.
Nos Estados-Unidos roas
do norte da amerlca, ha 95 cabos i
mando om comprimento en Haba i
Ibas e em cabos isolados de 123 i
N'este numero nao eeu'
em constrnego qne deve reoair Reva-Terk a tn-
glaterra, aprovoiuodo aarM aa tato
de Nova-York a S. Fraactseo, d*aaaa
airavez da CalifornU, da CoaataU
norte da Asia, da Rojeta a aa I
Esu inmensa tinta, ejes etreaaare' de i
modo o globo, lera' 20:479 eaOtae tagl
kilmetros) de cebo sotasariao, iaa q
immargidss 18:740 miltas (32:980 i
A Ilota pa-aara' da America atara a Amas ajaj
na ponta do Nortoa-Sooa, aa
liba de S. Loarenco, d'i
deas, do continente
Para facer uto
mrtir
ibo Tandeen esu
AflMttfteic


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EJVOE0XZV_P41WAL INGEST_TIME 2013-09-04T23:34:32Z PACKAGE AA00011611_10882
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES