Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:10870


This item is only available as the following downloads:


Full Text



M
\
I

*








(


AMO XLH.

Per quarlel pg deilr* dos Odiasdol.'met; .
dem dpoi dts 1.' te das do comeco e dentro do quartel
Pofie at eafrea por tres aezes .."....,..,.


5>w
6soet
75*
OIWTA FEIRA 18 DE JANEIRO DE 1866
Par anBo taga dentro de 4o dias da 1. mez.
Porte aa correio par om auno ...,,,
Mi
KNCARRRGADOS DA SUBSCRIPTO DO NORTE
P;i:anyba, o *r. Antonio Al.endrino de Lima!
Nats I, o 8r. Antonia Marques da Silva ; Araraiy, o
Sr. A. de Le nos Braga: Cear, o Sr. J. Jos de
Otveira ; Maranbao, o Sr. Joaqtiim .Varqucs Ro-
drigue; Para, os Srs. CeraIdo Antonio Alves &
Filos; Amazonas, o Sr/Xeronymo da Costa.
ENGARREGADOS DA StfDSGHIPCArfj) 00 SUL.
Alago?, o Sr. Claodno Fale.o l*as; fiahin, o
Sr. Jos M.irtins Al ve; Rio de Janeiro, o Sr. Jos
Ribeiro Gasparioho.
PARTE OFFIGIAL
PARTIDA DOS ESTAFETAS.
lioda, Cabo, Kscida e estafe* da va frrea atj
Agoa Preta, todos os da.
Ignarassi e Goyanna as segundas e sextas fetrasf
Santo Antio, Grvala. Becerros, Bonito, Garuar,
Allioho, Garanlmn, liuique, S. Bento, Boro
Gonseltn). Aguas Bellas e Tacaralu, uas tergas
fi'iras.
Pod'Alho, Natareth, Lirooeiro, Br6, Pesqueira
. Ingazeirn, Flore, Villa Bella, Cahrob, Boa Vis-
.la, Ouricury, Saigueho e Exii, as quartas
feiras.
1----------------------------B------------ >
Serinhem, Rio Formoso.Tamandar, Una, Bar-
'iros, Agua Preta a Pimenteiras.nas quintas
letras.
AUDIENCIAS DOS TRIBUNAES DA CAPITAL
Tribunal do commercio : segundas e quintas.
Relajo: tercas e sbados s 10 horas,
fiezenda : qninus s 10 boras.
Juizo do commercio: segundas as II horas.
Dito de orphios : tercas e sextas s 10 horas.
Primeira Vara do cirel: lejas sextas ao meiol mas DA SEMANA.
S^'unda Va do civei: quarus e sabbades a .fe ^VSK ttXoXSt
'17. Quarta. S. Agatho ab.; S. Aniao ab.
18. Quinta. S. Prhea v. m.; S. Leobaldo b.
19. Sexta. S. Canato rei m.; S. Ponclano m.
20. Sahbado. Ss. Fabiao eSehasliao mm.
21. Domingo. S. Ignez v. m.; S. Patrcolo ro.
PREAMAR DE HOJE.
IPrlmeira as 6 horas e 6m. da manha.
ISegunda as 6 horas e 30 minutos da tarde.
bora da tarde.
EPHEMERIDES DO MEZ DE JANEIRO.
1 La cbeia as 4 h., 28 m. e 46 s. da m.
8 Quarlp oing. as 7 h., 17 m. e 40 s. da t.
16 La nota as 6 h., 17 m. e 66 s. da t.
23 Quarto cresc. as 6 h., 34 m. e 58 s. d t
30 Loa efceia as 6 h., 9 m. e 33 s. da l.
-----
PARTIDA DOS VAPORES
Para o snl at Alagoas a 14 e SO; pan i
la' a Granja a 7 e 22 de cada mez; pan Fa
do nos dias 14 dos mezas de Janeiro, marco, auto
julho, setembro e novembro.
ASSIGNA-SE
no Recife, na livraria da praca da IndepeaVnra
ns. 8, dos propietarios Manoel Pigneiroa 4e Fa
& Filho.
nao poderlo jamis, *->r crasiderados ou tratados ;talezaou priso militar, os prisioneiros que derero
co no taes, e sua ettdieo ficar nivelad a' de motivos de descoofianca ou se mostrarem incorri-
11VISTEUIO DA GVKBRA.
AVISO CIRCULAR AS G8KBRAKS EM CHBFK DOS KXBU-
C1T S E*V OPKHAgeBS NO IMPRIMO K FORa AO PHB
SIDKNT DA PRoVI.tClv DO Rio GRANDE DO SCL, A
DIVERSAS OirrilAS AUTORIDADES MILU ARES.
Gabinete do ministro. -Minisl-rio dos negocios
da uerra.-Rro de jaeeiru. 23 de deemCre de de
1865. -Os estyios do povos vivili-ados, .clual.len-
te em pratica a respeilo dos prisioneiros de guerra,
consiiluem regras dasqoac.s, sem embargo de qoaes-
qae-r razoss ou exeuiplos em Contrario, ou do po-
prio proceder do ajnimigo que nos provocou a guer-
simples pragas de pret e serio reclusos ou deudos
em urna prisao segura e decente ou em urna for-
taleza, sejundo for a natureza de sua falta od aiei-
vola.
Se fr mister. pnr mqlivps de seguran?, a sua
giveis.
i pnsioneiros de guerra de qualquer cathego-
ria, fjcara sujeltos as leis e regulamenlos militares
e como taes sero julgados em conseiho de guerra
pelos orimes que comoaetterem, pelo mesao flm
prlso^hao deve tolavia senelhante priso au cns-j porque o sao os offlciaes e pragas do exercito oa
todia degeuer#f e tomar o carcter de pena afilia
tivj, m rigorosa que d.imuill |iie sua ?auJe, o que
se observara ao s a r-'Speito dos offl laes, como
de quaesqiir' ontros pnsioneiros, seja qual fr a
sua cla ou cndilo
As pracas de iret inferiores ou soldadojue ope-
forma
povos.
esubeleciJa por estyios e legislac.io dos
As faltas ou infraecoes de discipiloa sero puni-
das com as mesmas penas a que esto sojeitos os
offlciaes e pracas do exercito brasileiro.
Asmesmas peoas podero ser applicadas aosque
s sero con Huidos pelos ineios ordinarios de se jecusarem ao trabalho.
ilf escolta al serem recolhidos
ra, L'o nos bello desvur.
S'iiiHin.iutes e>tyl.is, dttados pe!o^eutimento< os
transporte dobaixo ifr escolla al serem recolhidos Os que tenlarem evadir-se e forem capturados,
a esta corle, ou ao lugar ou deposito que previa- sero recolhidos ao calabouco de alguma fortaleza
mente fdr marcado. : ou priso militar por umjnez e lindo este lempo deii-
Os actuaes pnsioneiros que se acham nos acara- dos na mesma fortaleza priso, ou no propno depi-
msis saos e puros, conciu un d ura inoj > vanta- pan,en;ijS ,j0J exrctos que operara ao sul do tape- sito, at segunda ordero do ministro da guerra.
joso os mleressp qu^. aciiam nos lempos ewtepr ri0 lero esg,} ,i!tlia^ c,,mj tl4in fl.\t delerrainado,: Os priiooeiros do guerra sero tratados com as
cipnaes em que uos acnauw com os dereres ou |ogo ,jUe Si. 0^r^am mB0S seguros de transpone, atteogdes devidas a sua posico e comportameoto.
direuos de huraanidade. Os pnsioneiros nao sao g^,, tXCepCj0 os (Jue (orera empregados nos hos- Podero exercer no interior do deposito qualquer
feilos em virtude do direito de punir on castigar os p,(aes e enfermaras, e em outros semelhantes mis- industria que nao contrari ou prejudique a ordem
immigos que nos combaiem u nos offemiem. mas lereii ao p0(]tndo de ei,um modo, como al o,e disciplina do raesrao deposito.
e tnicamente ao de reduz-ios ao estado de nao po- prejjeutt, se na 0bserVado, ter pracas as fileiras do i Os cooimandantes de guarnico ouvidos os dos
derem nos offinder ou de pnvar-lhe oe todas as exercito, aluda que voluntariamente se offerecam, depsitos podero conceder licenca aos prisiooeiros
forcas e ineios de fazerem oo mal, conseqnencia ,,, b,uni., ,|Unt>q,|_r e-tylos em coatrano, se- que, por seu bora corapertaraeolo, se lornarem dig-
natural e legitima do direito de conservagao e de. ,ullios pe|as uacoes civiiisadas na nvpolhese de of- nos de tal favor, para trabalbarem durante o da
"lB'">a. ereciinento voluntario. e,D misteres de suas prwti-soes, dentro dos limi-
Asim que de osaoca cu de estylo gerai, aes- 0j ferj,i0< a(jos de proropto, recolhi-! tes da povoago em que esliver collocade o depo
armirena-se offlciaes e pracas de torcas inunigas oi aos b0t.pi,a,.s ou enfermaras, e tratados do silo.
ligo que estes se entr-gam ou sao captralo, mO- meimo lneor e m:)Jo por ,|0lJ 0 ,ievdm ser, e o fo-: Os que obtiverem a licenca de que trata o pre-
Id* em boa guarda e seguranca, afasia-Ios do thea- rem 0$ 0m,;iaes e soldados do exercito brasileiro. cedente paragrapho sero obrigados a pernoilar no
iro da guerra e tomar todas medidas que evitem .>jao se ,)evom repular propriamente prisioneiros deposito onde respondern as revistas da manha
-sua volu as Metras d'on+j.sahiram, e que de novo os capelies, os mdicos, os enf^rmeiros os forne-1 e da noite.
tom-m ^arie as hostilidades. A par deste prone- ce,iore5 os vivanoeiros ou negociantes, ou paisa- Os prisioneiros de guerra pedero tambera ser
Jim.nto que a prudencia aionsellu e que o direito QOi qut} acorapanhara as forcas, as mulneres e lo-1 empregados as obras publicas e servicos do es-
legniuia, corre o dever d^ dar lhe< bom iratamento, ,,, ,l|Ue||ts enj0 destino nao combawr, salvo se tado.
de prorr e iiiini-nar-lh-ts os meios qrdmarws de B>tes ludividuos, por sua influencia, congelos, ou Os que trabalharem por coola do estado recebe-
subsistencia e de ennservagao da vda. de respeitar de .jualquer modo tiverem tomado, ou lomarera rao aliu do sold, etapa e fardamento, uraa grali-
sua religio e costaines procurando adogar-liies os uarle ac,,a> ou servirem de secretnos ou conse- cagao correspondente ao seu trabalho.
rigores de sua posigao on condicao at a paz den u,eiros ou tiverem missa* de flscalisar os actos Os prisioneiros, cujos servicos forem otilisados
niliva ou a celebrago de qoaesqoer couveogoes ,jS (U,mmandanies, tiverem servido ou servirem j pelos diversos ministerios, sero por estes suslen-
S6hre sua tropa. de guias ou 'aqueanos, de engenheiros, encarre lados e pagos de seu sold, etapa, fardamento e
Noe baado entre nos dwiKisica algunia antiga gad ,s de prPparar oa fabricar munigSes de guer- gratiQcago, e tero o devido tratameoto quaodu
ou iroderua que recule a dire.-.ca.i, guarda, "' ra, de instructores de qualquer arma, de espies, enfermos.
memo, disciplina a emprego dos prisioneiros, para de operarios de qualquer especie, perloncentes s ; O ministerio que pretender erapregar prisionei-
uhvt r quaesiuer abusos qu- se possami nireiiz- mtfsinas forcas, ou occuparem algum lugar proe- ros de guerra dirigir ao da guerra uraa requisigo
tnenie dar contra s iutengoe generosas do gover- mnenle na adrainistra^o do paiz inimigo. declarando o numero de traoalhadores que Irte
no imperial, e os estyios que sequera e documento E(l| ,J(ju 0 ca)0) porlI,j semelhante individuos preciso, natureza dos trabalhos a que os quer ap-
que dao sobre tal assumpto as nacoes civiiisadas, sero remettido< para longe do theMro das opera-! plicar e providencias que lera lomado para o seu
umore chamar a alinelo Tle V. e das autoridades ?5lJSi u para a caplla, d,, [mper se assim fr ne- aquarlelaraento, maont-ngo e seguranca.
miniares sobre e>ta imprtame materia do servigo engrio. i Quando se der no deposito algum acoolecimento
a ca.-go da repamco da uuerr.i. e muito mcoea- 0 cneftJ (Ja f)r?a aprjSionidora maadar fazer que reclame prenotas providencias, o respectivo
meu Jar-Ibes a o>ervancia das presentes msiruc j irninediatamente, depois do rendiineoto, urna rea- cemmandaote enlender-se-ha cora as autoridades
SJS i ?* nominal dos offlciaes prisioneiros, com ioaica- civis e militares, e de corrrmum accordo cora ellas
Para bem estahelecer regras sobre no importan cao dos seuj. graJj a ((U|, St,ra )og0 remettida a tomara as que o caso exigir.
le assumpto. convm distinguir as dift-rentes ma- secretana de oslado dos negocios da guerra, acom-1 Os commandaotes das armas ou das guarnigfi^s
lenas que sao relativas ao molo da captura cu paut,,ja de um mappa numrico das pragas de e os presidentes das provincias, por si e por pes-
aarisionaineuto, ao tratamento .|ue se dee dar ao ure[ soas de sua cooflaoca) yisitaro amiudadas vezes
prisoiieiro, e sobre que deven wr applicado< o ,) prisiorfeiros, salvas as excepgSe felus em fa- os depsitos, aOm de ouvirem as reclamagdes dos
zelo e cuidado das autoridades militares. Estas se vor dus 0flQeia^.s, co iforme cima flca disposto, se- prisioneiros e verificaren) se as orden do governo
podem capitular da seguiote imneira : modo da : ro ira,,sp0ilados para os lugares que se designa- sao puntualmente executadas.
ca.tura dos prisioneiros, sua dis'.nliuagao e ciassi- re(n> debaixo de escolta, dando se ao commaoaao- E' expressamenle prohibido aos prisioneiros de
Gcago, seu de-tiuo, transpone ou nemessa, seu de ^ is>il a rcUco n..i.ni Ladai cuiaguar- auerra-de todas as categoras o aso de armas,
psito ou residencia, polica e disciplina aune;'-da ihe conrtada. como o tordnrika-reuntes
cara sojeitos no deposito ou residencia, seu susten-
to, venc mentes ou emprego, nrganisagSo dos de
psitos e su i liscalisagS. e comas que as autori-
dades subalternas deven prestar.
Do modo iti captara ou npiisionamento, clasftfica-
fflo c distrtlmirao dos prMienciros, e de. sua re-
messn, ou marcha para o lugar designado para
sita residencia.
O aorisiniam-nin ou captura p le ser realisado
por alguna lorga ou por caoit il igio.ouconvengo, euBar0C,^",J^|
ou por simpl-s rendimcnio, ou a discnpcao, ou
conectiva ou individualmente em cmbale ou f-
ra relie.
Aoirs de tudo conven recoinmen la' que su nao
deve perder de visia jue a conservago dis prisio
neir is urna eondicio taclia < uecessartairtenie
prestipposia do rendimento.
O que todava na.j excm a dol irosa posigo ou
necessidade do emprego de represalias, on do u>o
direito deretaliagSodo modoqne pralicam os p -vos
civilisados do qual o governn jioperial nao desJ
langar ma, esperando da prud-nca do inimigo,
o obstante a ameaga que enterra a nota que di-
rigi em dala de O de novembro deste anno ao
general em cnefe dos exercito adiados, nao o for-
c OU o arroje a esse extremo lance.
O exercicio desse direito ceno deve ter nica
meute lugar era aso extremo, a juizo do generaes
em cou-elho, quando a barba Idade do inimigo nao
poder por outro meio ser vencida, devendo antes
publicas oa par
Feta a entrega dos prisioneir >< no lugar do seu lares.
de>tou ou deposito, o offlcial n i a realisar for- Os prisioneiros de guerra usaro do uniforme
mar' a ouira relaco, conforme o modelo n. 3, que Ins fr marcado, anda quando obtenbam
que sera' enviada a' mesma secretaria.
Se houver deserges, o offlcial conductor on do
deposit-, a cuja guarda estiverem, requisitara' s
autoridades competentes a sua captura.
No caso de suspeita de fuga, levantameeto, ou
outro qualquer accidente semelhante, o offlcial
do deposito tomara' as precaugas dos pelo governo.
licenca para trabalhar por sua conta.
Usaro as pragas de prel de booet de polica,
blusi.de baeta no invern, e no vero blusa de
brim com vistas encarnadas no peito : terio -cal-
cas brancas e azues com uraa listra encarnada, ca
misas e sapatos, sendo todos estes artigos forneci-
Disposicoes diversas.
H ivera em cada deposito ura registro ou matri-
cula em que se laogario os nomes de todos os pri-
sioneiros de guerra, suas idades, naturalidades,
liuago -s, destino que ibes fr dado baixas no hos-
pital, desercoes, fallecifflenlo, e inais circumstan-
dessa medida proceder ameaga ou declaracao pr-: ,orJdadei C0,Dp8lSQtes a cujs distnctos
Va.
e providencias que em taes casos sao autorizadas
pelas leis a resuello da conduego de quaesquer
presos.
Uos prisioneiros sob palacra.
Os odiciaes iri>ioieiros.ob palavra Ruarlo de-
baixo da imneiata vigilancia di autondade mi-
niar raais graduil i do lugar era que residirem, e cias de suas ue mengo.
na falta desta do respectivo delegado de polica ou Os com mandantes de deposito apresenlaro as
qnilquer omra autoridad local. autoridades militares, e estas ao ministerio da
lisies urisoneiros nao podero ausnntar-se ou guerra, ama relago nominal dos prsinneiros re-
mudar de residencia sera auWisacio ou do raais- eolhidos ao deposito, cora declarago dos fallecidos,
tro da guerra oo do com nmlanie em chufe do mesraos nos hospllaes oa desertados durante a
exercito, ou do presidente da provincia ondem se viagein, bem como da di.-tnbuico ou destioo dado
acharen. *os mesmos.
Podem corresponderem-se livremente com os Ura mappa circomslanciado do movimento e es-
prisioaeiro' oatra< pessoas residentes no interior tado dos depsitos sera igualmente remeltido raen-
do imperio. As carias, pjrm, viudas do exterior salmente au ministro da guerra.
ou escripias por elle para fora do Brasil, sero As certides de bito dos prisioneiros fallecidos
abenas e examinadas no coonnando do exercito antes oa depois de fazerem parle dos depsitos se-
ou das armas on das guarnieses ou por nutras ao- ro remeliidas ao ministerio da guerra, depeis de
pertence- conferidas e fallas as oecessarias notas na matricula
de porte, dos mesmos depsitos.
rem, e remettidas ao seu destino sontas
ra
E-te recurso mister repeli-lo, o governo impe-: |>omo sg pratiPa rom as doj m,niares ao servigo do Neohum prisioneiro de guerra podera casar-se
il nao pode acooselnar, ordenar, ou approuvar, e.ftrcit0 m nwwacfiaa.
senj em ultimo extremo.
No pruneirociso, odi capitnlacio, cumpre a to-
do 0 casto fazer ooservar o que fr convencjnado.
Sobre capuulago oa onven-i- em relaco aos
priooeiros nao se pode d- aui-in.io e-labelecer ha-
es luas, porque deprndem das cireamManauma m,rcar.,l0 c,nforine' for conveniente, em virtude
porventura actu ir-m uo m .nenio em que se cele-, d^ a),.uer suguei de fuga, a auloridade militar
brarein. No eniretanti cumore t-r seni.re t-re on M hl.la| S()t) c vigilancia esti'erem, eesias
te que e essenc.al cond.gao_o-sU hypothese e em B0^ifio it0 ^ de cadj m um mappa
qualquer ouiras, a ausenna'.de qualquerassumplo de sua reje a CQm M lnrrmacd,s neP.essarias.
na favor que importe qnebra d u.gn.dade naci-, (h acluaeg JfflcilM pr,8loniros que escoiheraro
U se nao deve excluir ou pros- res|dencia am a|lUrn ^ do iniDeri. sero ah
crever os exernpios de geoerosidade qo
exercito em operages. fundar qualquer esUbelecimento ou lixar a sua
Os offlciaes podero conservar juntos de si seus residencia do Brasil, sem permisso do ministro da
c unaradas ou assisientes. guerra.
Os offlciaes pnsioneiros de guerra com residen- A maouiengo e o tratameoto das pragas de
cia lvre son palavra sern obrigados a apresen- pret prisioneiras de guerra cemprehende sold e
lar se semanal mete, ou oas pocas que se Ihes etapa, fardamento, quarlel e pens que I hes sero
fornecdos como sao prestados as pragas de prel do
exerclio. _
Aos offlciaes se abona rao sold e etapa corres-
pondentes aos seus posto, conforme se pratica
com os offlciaes do pxeteilo.
Aos empregados civis se abona rao vencimentes
>al> e ir '""'""; residencia em algum ponto do imperio, sero ah equivalentes dos que gozavam en seu pas, e aos
n lS a* conservados at a paz. ou iroca de prismueiros ou paisanos os que forem arbitrados nao excedendo
os povos civil.sados, anda quando o m.m.go teul a | em qUan,0 pof mo(jvos ^ segaranca nao ,nes for djs qile Percebem os alferes do exercito.
marcada nutra residencia, ou elles nao a requere- Quando recolhidos as enfermara tero todo o
rem, e Ihes for concedida. Se poro n, evidente- tratan* oto, modicacao e dietas conforme fr offlcial
mente tenlarem fugir, nu efectivamente fugirem ou praga de pret, tai qual ao que se d aos offlciaes
sero enviadas com seguranga para twa corte, oa e pragas do ejercito imperial,
para qualquer ontro lugar que ni. nffereea fac- i Eslas disposices, relativas a venciraentos dos
lidade de luga cando desde logo sujeilus as re prisioneiros de guerra, visto que nao existe acto
gras g-raes dos prisioneiros, e tratados como cima algum legislativo tica determinado, e como pragas de pret.
seguido va contraria.
As c*udigoes da capitulago, purera, deven ser I
reliijiosamenie observadas al o m icaato em que
o inimigo que as celebrar nao as dVsrespeile ou
viole.
Em todo o caso, violadas que sejam pelo inimi-
go taes condices, cumpre c|ae a sorie dos pnsio-.
neiios que jaestiverem em noss> poder seja igual |
a dos que se entregaren! a discrigo.
No"seguudo caso, o de recdinenlo discrigo,| Da oruantsaco dos depsitos pira as pragas de.
pret prisumeiras ; da polica e disciplina dos
mesmos depsitos, e. dos prisionetroe empregados
nos trabados pblicos, ou por conta de particu-
lares.
Nos lugares que foren narcados plo ministerio \
da guerra crear-se-ho depsitos de prsjjoeiros, I
us prisioneiros salva estipnlago mais benelica comrnandados, conforme o numero por um offlcial
exarada as convenges que precederem os rend- refirmado ou da segunda classe do estado raaior,
mentas, aeose varo todo o fato e raradezas que
fr-m oecessanos para seu vestuario, decencia e
asseio.
as providencias que se lornarem em re'acft) ao
ou da entrega individual em qualquer conjuntura
ou ituago, se deven observar as regras geraes
eslabelecidas as presentes iustruegoes que sero
executadas seinpre, anda no caso de ".onveogo
na parte que nao contrariar as estipulages que
foren adopladas.
executadas provisoriamente emquanto pelo poder
comiielente nao fr o contrario determinado.
As despezas com a sua roaoutengo e tratamen-
to, leudo de ser indemnisadas em lempo conve-
niente pelo governo que perlencem, se fara para
esie tapate a noce-siria escriplurago nos regula-
meatos t-caes complenles.
Os beneficios que o pn trabalho e industria sero sua propriedade,da qual
podera dispr livremente.
Todos os soccorros ou recursos que Ihes forem
ministrados pelos seos prenles ou amigos presi-
dentes no seu paz, ou pelo respectivo governo se
do, tenho a honra de convidar a V. Exc. para as-
sisiir na caihedral a esie acto, e ao solemne Te-
Deum que no flra se ha de celebrar.
Igual aofixm. general commandaote das armas,
nesta provincia.
Offlciouke no mesmo sentido e para o roesmo
lim aos fc'xms. presidentes dos inhumes da rela-
go e do commercio, e seos respectivos merabros :
ao Kxm. director e lentes da faculdade de direito
do'Reofe, ao Exra. presid-nte e membros 4o inst-
lalo da ordem dos advogados ; ao Exm. presiden-
te e inenaVos do instituto archeologico Pernambu-
cano; aoEtra presidentee membro da associago
commerciVj aos Exms. senadores e depuia ios ge-
raes existentes na capital; aos Srs. chefes das re-
parligds.tiirasjdenle e vereadores da cmara mu-
nicipal oYeidade do Recife, Dr. chefe de policia,
cnsul d.i Estados Pontificios cbmnandanle supe-
rior da guarda nacional e muias oulras pessoas
gradas das cidades do Recife e de Olinda.
Olio ao mesmo.Tendo o Exm. hispo diocesano
. Manool do Reg Mederos, designado o dia 21
do correte para fazer a sua entrada solemne nes-
ta cidade episcopal, e temar posse do bispado, as-
sim o comraunico a V. Exc. para que se digne or-
denar que as seis doras e meia u'amanha seja
postada urna guarda de honra na igreja de S. Se-
h.isiio no Varadooro desta cidade, d'onde tem de
sabir o prestito em direcgo a Igreja caihedral,
como me eotnmnuicou S. Exc Rvma. em officio de
15 do cutente.
Digoe-se igoalraente V. Ene. dar as necessarlas
providencias, para que por occasio da posse sejam
prestados ao mesmo Exm. Sr. todas as honras do
esiyllo.
Dito a filma, cmara municipal desta cidade de
OliudajHavendo o Exm. e Rvm. Sr. hispo dioce-
sano designado o da 21 do corrente, para fazer a
sus entfau solemne ne la cidade episcopal, e to-
mar posse do bispado, tenh a honra de convidar
a lilil, cauura inuuicipal desta cidade para as
seis horas e niela d'amanna do referido da com-
parecer na igreja de S. Sebastian do Varadouro, e
onde tem de sanir o prestito, alim de abrilhintar
esie aelo, ecoulu'.ir o palito na forma do es-
iyllo.
Dito ao presidente interino do coro da cathe-
dral. 'feodo S. Exc. Rvma. o Sr. nispo diocesano,
desgnalo o da 21 do corrente, para fazer a sua ,
ai ada soleiim- nesta cidade, e tomar posse do
Pispado, ssim o communico a V. S. para que o li-
ga constar aos Rvm?. capitulares, alim de que nes-'
I se da se adiaole o servigo do coro, de modo que
pelas seis horas e meia u'amanha do referido da
se acheo corpo capitular na igreja de S. Sebastio
do Varaduuro, para ah esperarmos o Exm prela-
do diocesano, e o acompanharuios em solemne pro- j
cisso at a cthedrai.
Cumpre outro sim, que V. S. mande ornar a ca-
ihedral, e d todas as providencias para que na-
d falte a pompa e brilhaniismo desta soleraot-
dade.
Circular aos vigarios da cidade do Recife.Ten-,
do S. Exc. Rvma, o Sr. bispo diocesano rae con-
umnieado em offlcio de lo do conenle, que havia
'Kiwft o prximo domingo 21 do mesmo, para
laier stia^entrada^eteiae nesu cidade episco-1
pal, e lomar posse da diocese, convido a V. S. e
aos reverendos sacerdotes da sua parochia, que o
poderera acompanhar sem que na sua matriz pa-
deca o eolio, ou baja alguma falla, para que revs
lidos de roijuets comparegam pelas seis horas e
meia d'amanna do referido dia na igreja de S.
Kebastio do Varadouro, d'onde ha de sabir o pres-
tito em dirrcgo a igreja caihedral.
Encarrego igualmente a V. S. de em mea nome
convidar as diversas irmandades inslalladas na sua -
freguezia, alim de que comparegam lambem para
aliriihaniar este acto de regosijo para loda a dio-
cese.
Igual ao cura da calh-dral.
Igual mutatis mutandis aos superiores das or-'
dos religiosas do Kecife, alim de que comparegam
com os religiosos do seu convente, e igualmente
convdelo as respectivas ordena lerceiras para com-'
parecernn no mesmo acto.
Dito a innandade do Bom Parto erecla na igreja
do martyr S. 'sebaslia'o oo Varadouro. Tendo o
Exm. Sr. bispo diocesano oe ignado o da 21 do'
correte, para fazer a sua entrada solemne nesta
cidade, e liavendo escolhido a igreja do manir S.,
Sebastin do Varadouro, para d'ahl depois de re-
vestido seguir em solemne procisso para a caihe-
dral, assim o communico a irmandade de Nossa
Seoaora do Bom Parlo, a cujo cargo esta' a refer-
da igreja, nao so para que a preparera com a de-
cenca que exige o acto, (deveudo a mesma igreja .
estar abena impreienveimente as 6 horas d'ama-
nna do referido da 21) seno tambem para acom-
paubar o prestito ai a caihedral.
Offlciou se igualmeule a ordem terceira de S.
Francisco desia cidade de Olinda, e s irmandades
aqu existentes, alim de que comparegam a este ac-
to religioso. ,
Secretaria do bispado.
O Exm. Sr. vigano capitular manda fazer publico
qu S. Exc. Rvma. o Sr. trispo diocesano O. Manoel
de Mederos, desigoou o prximo domingo 21 do
corrente, para fazer a sua tntrada solemne nesta
cidade episcopal, e tomar posse do bispado na ca-
tnedral, como prescreve o ceremonial dos bis- j
pos.
0 prestito, que tem de sabir da igreja de S. Se-!
bastio do Varadouro as seis e meia horas d'ama-
uhaa do referido da, seguir' pela ladeira do mes-
mo Varadouro, ra de >. Beuto, lUbeira, Ladeira
da Misericordia, e ra Nova, a recolher-se oa ca-
thedral.
O mesmo Exm. vigario capitular pede as p-s-
soas, que morara nestas ras, que bajam de ornar'
a frente de suas casas, aflu de coocorrerem tara j
bem para o bnlhantismo de to importante' solera-
mdade.
Cidade de Olinda, 16 de Janeiro de 1866.
Conego, Joaquim Ferreira dos Sonfos,
Secretario do bispado.
que forera n--ce-sarios para a sua direceo, poli-
; ca disciplina e scalisago. do d reputados sua propnedade.
As autoridades militares e c.vls povideociarao gerao evjado< StfleUrla de J^ d ,s
pnsi.n-iros se devera altealer nao so a sua con- de coMmnm jaccordo sobre a seguranga dos pn- CJQS da a pe|os geDeraes oa au,orldades mi-
digo, grao ou poslo, como ao modo da sua cap sioneiros. i ,|Ures sob cuja KipeC5ao e Bsealisacao esitverem
KW. Havera uraa forga sonVieute para a sua guarda | Qj acluaHS pn!MoneirKos, mappas segu Ao os mode-
A distnbuicao dos prisioneiros feilos por forgas | oroecida para a guarnigao da praga ou da pro-1 |1)S ns, | e 3 em relacao ao tempo decorrido
perteocenies aos exercilos aliiad-is na prsenle vinca respectiva: e para cada cmeoenta pnsio-
guorra, contra o Paraguay devera ser fe la igual- nelro haver ura guarda qpe os vige e iospeccio-
menie enire as potencia adiadas, currando' ne, e igualmente om oa raais interpretes, qu po-
por cunta das mesraas pot-ncias a despea de ma- dero ser tirados dentre os mesnos prisioneiros.
noiengo dos p isioneiros qua Ihe toearem nadi- Os prfsloneiro de guerra retidos nos depsitos
vi-u. cespooderio s revistas e chamadas que se nzerera
C nfirme os e-tylos^ts nages cvili..adas,cons-!iriamenie, conforme os usos e regolanentos
Uniera mu observa los 4-sde o flra do seclo pas
salo at o prsenle, e asseiia los oela legislago de
alguns povos pnsioneiros de guerra, qoe tem o
grao ou pulo d offl al, poden gozar, se nao hou-
ver motivos de .nspeila sobre a sua boa foa po-
ra 1 mengo do favor de seguirem livremente a sem
es'oiu ao lugar que Ihes fr designado, e de meo-
n-geni ou livre residencia,garanlindo com sua pa-
lavra de honra seguirem directamente par o mes-
mo lugar e ali se cooerva?em at a ulterior reso
lu;o por effeiio de pal, froca ou qualquer medida
de seguranga.
No caso de qnebra da palavra dada, os offlciaes
prisioneiros que ama to grave falta commetierem,
militares no imperio.
O prisioneiro que faltar a revista, salvo o caso de
molestia verificada pelo commandaote do deposito, p?
on de licenca devulamente obtida do roesmo com-1
mandante, sera ponido cora priso no deposito, I
nunca inferior a 24 horas oem superior a 5 dias._
Daodo se era algum deposito ca-os de desergo
em grande escala toda a forga da liona, de policia
e mesmo da guarda nacional da localidade e das
visiohaugas, devem ser postas em movimento, a
nao cessarem suas diligencias antes de reslabelecl-
da a ordem e a regulandade do mesmo deposito.
desde a data do seu aprisionrnoslo ou entrega al
o ultimo do corrente mez e anno.
As presentes in-truc.coes servirn de regra e se
ro observadas por todas as autoridades militares e
civis do imp.-rio, na parte que Ibes competa a res-
peito dos prisioneiros feilos pelas (oreas brasileras,
oa distribuidos pelo general em chefe dos exerci-
los adiados.
Deus guarde a Vmc. Angelo Monlz da Silva
A autnndade militar competente, quando o jul-
gar cooveniente podera remover para alguma jop
DE
OVERKO DO BISPADO
PKRXVHBCCO
Vigararia capitular.
Expediente do dia 16 de Janeiro.
Offlcio ao Etro. pn-aldenie da provincia, lea-
do o Bxra. e Rvm. Sr. blpo dioce-no designado o
dia II do crreme para laier a sna entrada solera-
pa nesta cidade episcopal, e lomar posse do bispa-
COBRjESPOHDEHCIAS HOWIi
BIO DE lKH\1 TI III I O
JLMJBOA.
27 de dezembro de 1865.
Poi approvado como Ihes aonuncava na minha
de 13 do corrente, o contrato de 14 de oulubro
com a compaohia do camlnho de ferro de sues-
te. O governo teve oa cmara dos diputados 30
votos de maioria. sendo approvado por 83 votos
contra 53.
Os discursos mais on menos brilhaotes dos de-
fensores desia celebre operagao fiuaoceira, nao
poderam conveacer lodo o paz da sua proflen-
dade.
Os argumentos contrarios prodozidos amplamen-
le na tribuna e nos jordaes, flearam de p, e as
tbeonas que kpreseoiaram os impugnadores da
a.vago do contrato, nao forara abaladas.
Entretanto, a questao era poltica, de vida oo
morra para a siluacio actual, e o governo tem
maiorla e empregou todos os meios que ihe pare-
cerm opporlunos para vencer,
C'iniiua a assverar uraa grande parte da im-
prepa qne esse contrato pr iduzr gravissimos
prejuizos para as nossas flnangas.
A pratica, mais nina ves demonstrar qnanto
sao funestas as quesioes rnioisteriaes em assump-
t9S desja ordeqj, '
Alm do titulo de visconde dado ao Sr. Joo
da Silva Carvalho e a seu hNho, diz se que o conde
de Peniche vai ser elevado a raarquez de Aojja. e
o conde de Sampayo a marquez do mesmo ti-
tulo.
Todos s5o pares do reino.
Falla-se tambera na nomeago de mais alguns
pares lodigiando-se j o Sr. Martins Perro, Ro-
que Fernandes Ramos (actual presidente da casa
electiva), conde de Cavalbeiros (D. Rodrigo de
Menezes), e outros.
S. M. el rei regente, houve por bern decretar que
a sesso real se verifleasse a 1 hora da tarde de 26
do correte, asstsiindo por commisso, em lugar do
roesmo augusto senhor, os mioistros de todas as
reparligoes.
Assim se effeetnou.
A nova sesso legislativa abre-se no dia 2 de
Janeiro prximo.
Anda se nao tinha votado na casa electiva o
projecto de lei da impreosa.
Pallaram sobre elle os Srs. Carlos Brrelo, San-
tos Silva, Levy Mara Jordo, Lamprea, e outros
denotado.
Espera-se porm, qae este taponante projecto
sera profundamente modificado nao s na forma e
red-ego, que viciosa e sujeita a funestas nter
pretag5es, mas principalmeni no fundo e espirito,
que recorda honrosamente as tradigdes do partido
progressfsla.
Proclamara os apologistas do projecto do gover-
no, (de qoe autor o ministro da jusliga, o Sr.
Barjona de Freilas) que se trata de emancipar a
a imprensa.
Mas tem provado os adversarios polticos do ga-
binete que a preconisada emancipago oppresso
ou pode vir a s lo sob o dominio de um governo
reaccionario, porque se vai entregar esta institui-
co liberal coraiella da polica correccional,
quaod o jury era o seu privilegio.
0 que o direito commum, (diz um dos nossos
mais distioctos jornalistas sobre o assumpto em
questo.)E' senlar a imprensa, cujos delirios sao
os do pensamento, ao mesmo banco, onde compa-
recen- os reos, os delinquenies, cujo crirae nao
attinge a grandes alturas na escala criminal.
0 hornera que de manha commelter um
homicidio com aleivosia ir ser julgado no jury
pelos seus pares.
c 0 hornera que denunciar cora vehemencia as
tendencias, os abusos, ou os projectos culposos de
um mioislro on de um poder, ver negarero Ibe a
garanta do jurado, e pender a sua sorte da deci-
so de um paiz, a quera a corrupgo dos poderosos
escrever multas vezes a senlenga coudemna-
toria. >
Dz-se que a chegada de SS. MM. el rei o Sr.
D. Luiz e sua augusta esposa, feita cora pom-
pa. Que a corte Ir esperar o soberano.
Haver Te Deum, e no dia seguinte, cortejo, no
pago.
Diz-se tambera que sero feriados doos dias as
reparligoes publicas, que haver illumioagoes ele.
etc. etc.
Esperam-se os reaes visitantes no dia 30 do
corrente.
Pjcoa pendente na samara dos pares .a dis-
cassao da novagao do contrato com a eompanhia
do camiobo de fe ro de sueste.
As tres commiss5es daquella cmara, resolve-
ram (no da 22), por 9 votos contra 5, approvar o
contrato e nomear relator o Sr. Casal Ribeiro.
Votaram contra os Srs. marquez de Niza, baro
de Villa-Nova de Fozca, Margiochi, conde d'Avila
e Rabello da Silva.
Pelo ministro das obras publicas foi apresen-
tada no dia 22, na cmara dos deputados, urna
proposta de le para ser approvado o contrato ce-
lebrado ero 27 de novembro entre o governo e o
marquez de Salamanca por si, e como representan-
te da eompanhia real dos eamiohos de ferro portu-
guezes, e modificando alguns arligos do contrato de
18t>U, e addicionaudo-lhe estipulagdes novas, para
ser construida urna estago de mercadorias na
margjm esquerda dj,o uouro, e um ramal que
a ligue a liona do norie em Valladares.
Vai ser nomedo'conselheiro de eslado effec-
tivo o Dr. Palmeiro Pinto, director da alfandega
grande de Lisboa.
Dlz-se que os accionistas dissidentes da eom-
panhia das aguas em Lisboa,orgaoisaram ama aova
eompanhia juntamente rom alguus capitalistas
inglezes e com o fundo de olto rail contos. Parece
que a nova eompanhia offerece trazer para Lisboa as
aguas do rio Alviella, e fazer urna mitra canaiisa-
go em Lisboa, de maueira que possam os tubos
limpar-se o que nao possivel sem grandes emba-
ragos, na que fez a pnmeira eompanhia.
Afflrma-se que os indosses das ioscripgdes
iam sersujeitos ao impo-to do sello, imposto mdi-
co, verdade, mas que deve produzir urna grande
verba.
E' talvez a isto que se reduz a noticia da reduc-
cao do juro das ioscripgdes ero que se tem fallado
ltimamente.
A Revotucao orgo semi-offlcial, desmenlio posi-
tivamente o noticia da reduego do juro das ios-
cripgdes a 2 X por cento, e callou-se quaolo a
esta.
Correm tambero variados boatos sobre as
reformas que o governo tem resolvido apresentar
ao parlamento, no sentido de estahelecer o equili-
brio flnanceiro no nolso orcamento.
Era geral, as providencias sao loovaveis, e oala
que no modo como forem propostas haja motivo
para louvar.
Diz-se que vamos ter reforma no quadro de todas
as secretarias e demais repartig'S publicas, dimi-
nuindo os respectivos quadros, augmentando os
venciroentos dos empregados, e acahando com os
emolumentas, que pas-am a fazer parle da receita
geral do estado.
Deste systema resultar vaotagem e economa
na despeza, e melhor reiriboigo nos servicos.
O Sr. Meodes Leal apresentou urna mocao
para que a cmara Ruase langar na arta que liuha
recebido cem o mais profundo seolimento a noticia
da morte do orimeiro liberal da Europa, el-rei
Leopoldo da Blgica.
Esla proposta foi approvada por uoanimidade.
No discurso proferido p >r occasio da morle
de el-re Leopoldo dtsse o Sr. Mandes Leal no par-
lamento eslas trila e sete palavra que sao a mais
completa apologa daquelle Nstor dos conselhns
supremos:
Adormecen em paz com o ceu, e em pr com
o round -, cercado de amor e de respeito, coroado
de annns e virlgdes, e mais venerado por esta
patnarchal aureola, do que pelos explendores do
proprio diadema. >
No relatorio do governador de Mossamedes,
pandeado na folha offlcial, diz aquella funccionano
que achon urna nova colonia esuheleada em Ca-
pungambe, roas que os seos hahit .u:es vendo-se
assaltados pelo genliu elrcumvisinno, orgaoissra
urna guerra gentlica de serra acim. a qual casti-
gando as demasas dos gentos, evitou que elles
volvessem a atacar, como costumam, suas pes-
soas e fazendas.
Os colonos dedicam-se pois agora com mais ape-
go a cultora do caf, e algodo que all se deseo
volvem perfei lame ole.
Pra facilitar o commercio e a ag icol tura cons-
Irnera-se dons caminhos que llgaro a colonia com
a villa.
Represeotagdes de varios escrivSes e ontros
empregados de julgados ordinarios teem sido en
viadas a cmara, pedindo qne na proposta de lei
do ministro da jusliga, pela qual sao exmelos
aquellos julgados, seja introducido um artigo que
Ihes garanta a immediata passagem para ontros 1
prego.
A imprensa de Lisboa e Porto teem eban
a altengo do governo e do publico para a mort*i-
dade da conmisso liquidaiana da eompanhia
Cnio Mercantil. Se nao vissemos (dix os dos jor-
naes a que alludo) a poderosa esuuadra de vi por es
que pertenceu a exmela compaobi, apodrereatfo
na Cova da Piedade, talvez nos mesaos j' o is
lerabrasseroos de que existi aquella com
que leve vapores, e que depois della se forman ana
commisso liquidataria, a qual, pelos modos, espa-
ra que o Tejo liquide ludo mu da, afondando oa
barcos por podres. E que faz ou lencioo fazer o
governo?
A questo da compaohia- L'nio HercasMilfaz
reviver estas e oulras exclamagdes da parte da an-
blico, vend-se que te prctegem e se q-rem sal-
var as companhias estraobeiras, quando a aaew-
naes como essa. tiveram de soffrer lodo rigor a
desamparo. E' assim qae se explicara algomas fo
Ihas a esie respeilo.
- Fin approvado pelo eooselho das obras 1
cas, o projecto do ltigo da estrada de Lagos a Vil-
la Nova de Portimo, entre Mexilborira GraaosV a
Villa Nova do Portimo. Haveodo que-lo acerra
da directora junto a esta villa, decidio-se que
seguisse urna variante apreseoiada pelo wsparior
da 4' di visan, Taborda, que pa-.-a entre BCi-JeCtO
primitivo e a variante apresentada pe airretor,
que seguindo pelo interior da villa, rr tortuosa
bastante e exiga grande numero de eiprupra-
goes.
O Diirio puhlicon ha dias a lista > varias
mercs, entre elles a do mulo de baro de G-m-
barju, ao major de eslado da India Lodovico Xa-
vier Mouro.
Conirgaram no dia 13 os trabalho- da arbori-
sagao do lVrr.ru do Pago. Em cada lado da pra-
ga -eran enllocados dous renqoes dearvorescoaao
no Roco.
A associago dos archilectos lboae** repre-
sen mu contra agella plantagoque destre o effcito
monumental da praca.
Chegaram a Lisboa os duque de PalmelU.
O excedente estabeleriroenio da escola de
; abegdes, qae foi fundado ha pomo mais de dos
roezes na quinta da Granja, di olhos vistos.
Consta qoe o London & Brasillaa Bank fax
junego com a acreditada casa bancaria do Rio da
; Janeiro Maua & C Ero conseqoeocia desse accor-
do, aquelle banco denominarse haLond>o A Bra-
1 sibao, Mau Bank limited. O capiial do baac mi
i augmentado, pudendo baver maior deseno4vimesto
as operagdes baocanas daquelle imporuale esta-
! oeleciroeoio de crdito. O bario de Mana dtrec-
! lor do oovo banco.
Poram apresentadas ao corpo legislativo atis
algumas represeotagdes contra o rasameato errtJ.
Poraro oas duas cmaras approvado* os doos
segu mes projectos:
Artigo. 1.* E' approvada para ser raeiiD>da
pelo poder execuiivo a coovengo celebrada eairs
Portugal, a Austria, o grao ducado de Balea, a Ba-
viera, a Blgica, a Dinamarca, a Franca, a Greca,
I a cidade livre de Hamburgo, o Hanover, a He>pa-
j nha, a luda, os Palie Baixos, a Prossia, a Ba-ia.
i a Saxonia, a Suena, a Confcderago Sonsa, a Tnr-
j quia e o Wurtemberg, e assigoada em Pars em 17
I de malo do presente auno, alim de melhorar e facili-
tar a peimutagao das correspondencias telegrapfci-
cas, entre os diffei entes paizes.
2.* Pica revogada a leglslaco em
rio.
Sala da commisso, dezembro 1865.
Artigo 1. (; approvada para ser raetiScada 1
poder execotivo a convengan celebrada eolre W-
lugal e os ducados de Saxonia Cdiorgo o Gatmi
para aboligo do nireiio de albioagio de *el/ucgo
e outros semelhantes, assignada na cidade de Ber-
ilo em 2 de julbo de 186*.
Poi revogaoa a legislago em contrario-
Sala das se.-soes da commisso en 12 de deieat-
bro de 1863
O Diario j publicou a respectiva carta de lei.
Para o lugar de v. gal do eooseilM ger-l de
i ns l ruegan publica que fleoo va. o pelo ubllu do Sr.
Dr. Justino de Preius, foi despachado o Sr. Mga-
Irifles Coulmho, sendo despachado para sobMiioto o
Sr. Bocage, lente da escola pofyiecbaie. de Lisboa.
(Por decreto de 22 do crranle.)
Anda o governo nao decidi, (segnado di-
zem) quem sera o candidato mioisieriai pelo c*r-
cura de Santo II efooso (Porto). Parece qo- o Sr.
Custodio Jos Vieira, jornalista ponoeose, foi cha-
mado a capital para se iralar de Ihe pr por a
sislencia de sua candidatura por mjiafJa orelo,
que eara vago pela recondorgo do Sr. Jaaoario
Correa de Almeida para governador civil da>|oeila
cidade.
Afflrma-se que effeclivamenle se proporta par
Santo Ildefonso o Sr. Salvad, r de Olivwra Pialo 4a
Franca, actual ministro da goerra, o qual foi ele-
vado a este alto cargo, sem pertencer a aaaaoma
oa.- casas do parlamento.
A senlenga liquidada dos Srs. Uavel JJoa-
qmm Pimenla 4 Jos Silveir, contra o cea di de
Par robo e pela qual estes capitalistas se preparan
para penhnrar os bens daquelle BJalgo e de lis
i,589:3298iil.
O conde fez um protesto e om manifest a el-rei
contra este faci.
Cbegou do Brasil o secretario da nossa lega-
gao aa corte do Rio de Janeiro.
O conde de Li vradio, vai casar com a Caaa.
Sra. D. Maiia R.la Moscoso Alba da Sr. D. Peer
i'enorio Moscoso devendo elieetoar se o eoenorrioa
8 de jaoeiro prximo, pariindo no da iaaeaedi-lo
para Londres, onde aquelle fidaigo aosse raere-
sentante.
No dia 13 do crreme, entrn a barra as 1
horas da larde a corveta a vapor Bartholomt* Dtm.
Sahic do Rio de Jaoeiro no da 1* de novembro as-
tuno ; traz purtanio 42 di is de viageia.
Sua aliea o iiriociue de Joinvnle eab, Ataf-
fertar ao commandanle da corveta B-mAnmm
Dios, o capilo de mar n guerra Antonio Sergio e
Souza, um rico servigo para almofo, 10-I de ro,
ein deraouslrago de gralnlo pelo disvetlo e '-
dado com qae o Sr. cmisein-iro Serai.i de Sena
tem tratado seu li lio o doqoe de Peoimvre. o#a-
cial da nossa marinba qoe se acba embarcado aa
referida corveta.
Tem sido rouilo applandid no ihealro Boomjet
do Porto a comedia drama do Sr. C'sar de Leeer-
da a Probidnde en que o nosso distincto atar Si
moes desenpenha o papel de nannheiro.
Para janiro vai pubiirar-se no P >ri 1 ejaja
obra inlilulada Estudo sobre a vida de Jetm de Mr.
Renn.
Chegoo a Lisboa nn alfaiate cumbre 47
Sr. A. Ralroon, alfaiate da casa real de
Ten este artista a singular propneead* e
falo sem medida, 90 a simples vista dt fregara,
que Ihe Oca ajustado lio bem como se fora
n'uma forma. Parece qne elle peosa em .
necerem Lisboa algum lempo.
A eompanhia edificadora de predios, da
sao fundadores os Srs. na'quez de PtraUao,
quez de Souza H dstein, visconde dos Olivaos, ba-
ro de Magalhes, Paiva Pereira, Crin & F.m-
seras, Santos 4 Vianna, S. J. Cmeo, Aot.. Hj-
noel da Frasee, Barat Sabjoeiro, Warharg h
Motil, Antooio Alves de Soasa, ideare* Meu*,
Polycarpo Jos Lopes dos Aojos e orna ees ar cipaes companhias de Lnadres, acaba deamgeor
as soas proposUt e esutoior, qoe loraej agrein|i
lados ao ministro das obras pabbea*.
1 O activo e passivo do Banco fcrffjW -


.-.! I
jamm
tm '



- nT-sn; ikiHii
filarlo l-eroambiie Qnloa tetra 1S ie Jfcatlto de 1866.
- ~i*i $*"" w, *'.!'?! --------"~r :" r
i Un 11 MUt-
dtfJa
*

lM*e Pin 30 de nof rubro de 1865, era de..
3,110:906*437.
- O iDMUUd. |3 Franca, era Lisboa Mr. Bufe
, val serluSmaido por Mr. urth ftot&a (pie
ha um an ^smppnhu .as.fuacces. da soc-e,
tario da legado de Frauda entra u*. Mme. Ro-
pan Blha da Sra. 0 Heoriqueta de Araujo, urna
das miis desveladas prote:tor*s das asylos de in-
fancia desvalida ero Lisboa.
H-gressoa de Paris o Sr-. '1 alojas de Carva
lho, onde iinha ido comprar 'Sgnalas machinas
para uso da casa da mo-da.
Este cavalhelro foi mtaistfo da fitettda cora o
duque de Loul
i No-dfat9to coi rente-lera lagar rom Wda a
] pompa a (esta do glorioso Santo Amat, ein sua
as novas aVatt- > '
Oram as vesperas o Rvd. padre Grego, na
fasta o Rvd.fr. Espirito Santo e no Te Deum o Rvd.
padre Mello. .,_ .-*
A tarde Ha procissao, e a nolte m seguida ao
le Uetim ha am variado fogo de arllhcio.
a asente da casa de sua s Santos, por crime de (orto.
A' ordem do subdelegado de
raociseo da Silva e Joaquim de Atyt
^vres, para correcce.
A' ordem do da Boa Vista, Macano-, ^WFflpSfl
Jos Marcelino da Rosa, a requer nenio deste.
O ehefe da S* secco,
G. de esquila.
J. _
Passageiros do brfgue nacional Norma en-
. trado do Rio de Janeiro : Jos Afogosto Bitteu-
- Abalroiram-se na terga-feira ni frente da i cJirt e 3 escrvos A entregar. ,
*am a galer* inglea Skarpshoter, qao ontrav.a, e __ q^ DB DSTBNcSo.
o brigne porfague/. RAnpago, que saina, Harten-1 ^^/^ *a e8a ffe ddteofSo t0' da 14 de
o este nm escaler e flcaado cora .as. snas opras, O|jje|r0 je jgjg .
395, ffrari^ Vahlrara'f; ettstem
, J J,. UJ ClO Um e^CaiT O IIIIHUUU ^U" = auna vui | nrtIifQ Ha
a a seguirte oes- mortls da afieita pmidaSf e qu9brJmfc- aquella o J E {",2
cnpcao da medalha grs;ftda;pelo Sr. C. ^rtier, p*0 da bajarrop-a. Era consecuencia disto, o He- fi
querida ser concedido j(os expositores *raraa- fampago leve de transferir a sua sihidt para're- "T .- .
lo V6,qm-ito, finilm-rate, certlfleo preaodo, quanto cbeem rainlia dignidade, a iro-, s
vBgmtno uo consta qut o jupp/ieanfe Jiiyacante, Cora que eptepde.u ferir-tpei.e referid-
-Ji tt Ucha contra o lente eoron/.',OrhWatgum
do de gravidade tal que a fefare
s 'acc&bWhd, ;HelWWeWh
miait:^&^&k^^
de.
de'eiemBro de
fonso Regurfra.
Resposa xo Sfc. tcente DE AHiOio pnhriro, Si era que laboro, sobre a legitimidade de sua preten
^mtenco ao publico. ct. Aguardo esses novos documentos, com que
Era o nfitero 273 deste jornal vi urna pubUBcao fbmettl vollar ao prelo, para mais coohecido fa
uquerque. em cauta-alguma O teflado no lugar de representante da nigao, ^a q_ue d'aglia COtn bastante BSSOCar WD pm fl
e, e don f. Villa de Seriohaem flltfvou-me olofrraglo dos meas comprovincianos, copo para misturar cora uro papettnbo OS
le 1865 O escrlvao, Joao At- Se nao tenho accedido ae sea empenho, porqne, s rpfrffprntla nar_ tnm-, ,L nm
d. da para da, cresce e robustece se a davida, pS refrigerantes para tomar.'rom queaB-
viam no acc >a metimiento da leore, e peta
raaniaa o xarope etherlo de tlame. Tenho
"NaTArte tav,Pa90
parar a sua damnicagao.
do^naexposigao iiiternacionl do Porto.
principal v se mn^ffnio. como fallo x)oprcgre?sp
as artes e as Informam-nos que o ar. acadmico Jos ny-
Sr. Plnheiro por dar urna licAo sublime do respel- essas tristesi epochas "em qjie bravatas e alicanti-
ffacionas ifS3 nroltieres 8, guntBMlO "33 tiremvrTatiinTOre, que Se deVni"(ri5rirar*o dlrefio ns siiBoearam a raiSo e" a juTlga 11
- -:.i:. _____'_'__ m _________ .-..i otv
cornuda a Uulustria, o-cominercio, as arles e as laiormani-nos que o ar. acaaeraico in ny
scieo(;i;i?: Wfe }ita iflgdi'i, f-e : -Glba ctc- gino Duarje PereVa, tefpnfe do.Ti corpo de vo
loribus, ao lado, inscriptos sobre c.pas de diver- luntanos, des_U. provincia, (endtt sido .wnerado
sos Irnos, os nomes imraortaes de Camos, Leage, deste posto, nao o (o a petbdp sea, peundo-lbe al
tasse, Racine,-Schiller,e Shakespeare. No rever- raaitisslrao este passo extranho quo tbe coagio
so est urna cora de louros, oode se vem as se- absolutainele a vouiade patriotlca,-'te o impellia
ointjs ioscripgoes, allusivas aos descobrimHntos a ir vingar. a honra nacional ultraja**,.
dos porlognetes as differeotes partes do muado,t Acham.S9 abflrta5 as matHc^,8 do e 2
india 1498-Australia loOi-Brasil 1500- fortes ann0 da Esco|a ft^|dl, asSim ^m0 da Esc0|a
do Ni lo 15W 1600- Do lado d fora desU corta pra,<(.a na secrmria do mesMe estabelecimento,
este dstico :-Exposigao internacional oo t-orto das^ as J2 hom de loflos QS ms mis
1865.E oo centro o oorae Sagres, donde panto a .
primeira ipeoico para as descobertas lasitaoas, Durante o anoo passado legitiioaram-se na
t?ndo era volta desse noma uns raios, qus igaal repartigo da polica, para poderem obter passa
ment rculam o seguirte verso donosso grande porte para fra do imperio, 173 estrangeiros, aes-
pfco es^6,mulheres o 147 horneas, com familias U, e
ie mais mundo houvera U chegara t estas combesu* de 40 paseas; sendo njtaaes dos
' da Hespanna 6,
" da
Ho-
mono de'te agradar ao povo prtugaei. Leiara-no. landa 1.
Nao Ihes jaerrtios tirar a seosaco da sorpresa :
Tferga ferapasada, dii a FTttnce, o viscende
Se mais mundo houvera t chegarn 1 estas compestas de *u pHsseas; senao n^iuraes .
- fiegressaram a Li?boa os caudes de Penaftei. E.tados-rr.ds 12, de Franca 18, da Hespanha
Osjroaes frnceies chegndos no dia 19 a de Inglaterra II, da Ital.a 9 de Portugal 62
Lisboa, referem ora Caso teteressartissimo qae Allemanfia 2, da Austia 4, aa Rassia 1 e da I
do Sr. Vicife de Araujo PinhelrO,
em frni* de:brotesto, traiendo^ftr
Sr. depura?[o',SBral e vigario de Baw
%ISo pbli&.
Maotenelrenias instituicOes.
fino da sacfBCTle e pensador
t mina ter o meu procedimento; e dou Ihe a mais ampia
..rapngo nuldade para lnejir mo de tndo que soobera
Unte a opi- too respeilo : nao Iverta, ffo adultere 6s fados,
Tan me empreste ihtng5es qe no tenho.
_.dor Mffe- TTessea vos temerarios de seu espirito lembre-
%ln'i^pni"'o*te, que sao passadas, pifa mais tfSo termliarm,
rauiheres 3M escrvos 71, escravs 5, total 373. de propriedade e religio catholica apostlica rp- i Tenho respondido: e se algorra das miaas as-
'JtlImnMflbs'acu'sTa dos cofres tiBiicos...... W3. niifra.'TOptada cmo fefgao do'estado, dus b-' sercOes tocam o Sr. Pioheiro, como ferro em brasa,
Movimento da enfermara no dia 16 de janoiro
de 1866:
Tiveram baisa
Mauricio, eseravo sentenciado ; broochile.
Felis Jos Alejandre ; Wdlge'sto.
Tiveram alta
Jos Miguel dos Santos.
Antonio Vicente Ferrelra de Vasconcelos.
Joaquira, eseravo de Maooe Patralo.
Tneodonco, escrave de Luiz Fraacisco de Paola.
liEMITERIO POeUCO, o'BITUAmO DS DIA 15 DE
JANEIRO DE 186C.
Mana, PernaaitucQ, 8 mpte. Boa Vista ', -bexigas.
Jos, Pernambuce, 6 annos, Santo Antonio ; :osse
convulsa. i
Boa ventora, Pernambuco, 6 roetes, S. Jos; coque-
luche, ,
Ephigola, Pernambcifeo, 3 metes, Boa-Vista ; va
rilas.
Jos, Pernkrabuco, 3.annos, S. Jas; coqaetocne.
Desses estrangeiros eram agrien Itores, 66 m-; Maria, Peruambaco, 7 das, Santo Antonio ; spas-
rniona" pregaoos no cbmmrlo, 48 artigas,-10'de 'servio mo.
de Paiva. acompasado de ilm do, seos, co opa g^,^ m$m M^ 3 eVrtt.fega\1os na vida de | Gustavo Aogasto de rigueredo, Pernfmfcco, 40
trilas, foi visitar o'ma'estro Rosstni, o dtal achan-
de-se lira tanto innommoda-le, pedio despulpa de
nao es poder receber. Todava
sistiram dizendo-ao maestroijae
cas de um portuguet sea amigo.
mar e 2 homens de letras.
Bobs, casado, S. Jos ; gragrcha.
annos, casado,
erna'mbuco,_36 anaos,
bea-oV pois coraba habrtaai^abilidade, A con- pesssTseVdo naturaes de uWo'arca L da Bel- ^^'crtiTme\T\^etnambco, 70 annos,
venacao cahio sobre assnmptos msicas Rosst- gCa 1, dos Estados-Unidos 2, da Franga 27. de la- Md!'la "'
os visitantes in- No correr do esrao aooo enlrarara no porto *' fJ'.'VaS 1ndS. '
ihe trailan noli- desu cidaJe 453 estrangeiros, desles 433horneas. sr fW'^S ^rna
, Rossm. rece- 17 mulheres e 9 cara familias, comp, eheodendo 12, A^'^X.1? 1TC,
solteira, Boa-Vista
n,^WrtOu-ao 7o'mplibheVro do v,?,-xmde de Pai- JierVa"30, da Hespanha 13,'da Ualta'tt, de Por- c^"'ftr"?C ^nffS-SISSecIfe ;
va,W era msica; aa qoe o desconhecido re-pon- ,uga| 327, de Hamburg.o 1, de Hanover 5, do Chile Cosme Pernambuco, 25 annos, eseravo,
den<|ue Cantava um tarto e qae conhecia d.ver- 2, de Bremen 1 e da China 1, dos qaaas eram agr- S^v -esftrava Samo'Antonio ;
sos ilastrnmnros. cultores 17, coramereiautes 298, aru-ta 51, cien- heruVDella
Tftl&lVy***1.' ^ra'TSe/o tS 4' ^rV'- domeslco 16> Iaaustriaei 27 e sem Antonio, frica, 35 bonos, eseravo, Santo Antonio;
re de Portugal. Cu jo pai BOUveatioava de ver o Offlio 37. i lernolcia
anoo passado Eu bebo de ver em qnando a m Sjmgeg eff^laar( h ^ A fl| ParQ|mnaC0i 6 diezs, eseravo, Santo An-
!S^m^JS^SSTLS. seu armem a rua na Grnz n-57' as"u6tis ,obi saramp-
que .'lie fez agraga de me brindar em'ponto, o leiio de mob.rias etrastes bovs -'e -16-
-ftMseuvolvea alegre o descoohecido, son i p-orcell,M> espelWos dort-adns e JoAquira da Silva Moarao, Portugal, 87 amos,'ea-
utn re" de Portugal.
ha mais 100 meias caixas de
no, para afastar te*la a idea de cortiia. se assen- REr^RTigAO da polica.
tou a-a piano, e eiecutou o belltssimo trio da opera .- *._.v.
emtkrrm Tell, e o famoso dneto, querendo assira Extracto da parte do da 17 de Janeiro de.
patentear ao maestro a sua admiracao pela realeza 1866. _____ ..i
do genio Depois el re D. Luiz, passando sacces-
sivitaente' eti revista a msica italiana, desethpe
nhou alguns trechos de Verdi, de Donizetti e da
opera Marth, iaterrorependose apenas para
apreciar e comparar, como msico curioso e prin-
cipe esclarecida, a msica ntiga e moderna. Em
seguida soa magestade pedio a Rossipi per-
misso para Ihe enviara medalha do mrito, phi-
lanlropia e generosidade.
Esi.e incidente tem attrahido a attengao do pu-
blico parisiense.
A GazeUe des Estrangers corta pelo seguirte
modo a segunda visita de el-re de Poringal a Ros-,
sini:
t l'revmido por votta do meio dia,- pe vise-in-
do" de Paiva, de que as duas horas teria a honra de DireitOs de consumo.^ .
receter el-re Luiz, o maestro emaregM o tem- Ditos addicionaes de o %
po'qtieihrt'vestava era'formar, por assim dizer, Ditos addicionaes de 2 %
sado, Boa-Vista i pulmona.
Antonio Fefix de Amorfra, Pernartibaco, 45 annos,
lleiro, Boa'Vista ; congesto e'erdsa.
VertsVlma (i>rra do Rosarlo, Pernambuco, 50 an-
nos, casada,.Boa-Vista; anazarca.
Jos, Pernambuco, 6 das, Boa-Vista ; febre Intr-
Fortn recothtffos casa de detengio no da 16 mtterte.
do correte Tdanoel, Pernalnbaeo, 1 hora, Boa-Vista ; convol-
A' ordera do Ur. delegado da capital, John P- sfies. ,a.,^Jt. a. ,,
lame, Idglez, a requisigSo do re)q)ecr)vo cnsul; Jos, Pernambuco, 1 tiora, Santo'Antonio espas-
Vicen'te, eseravo de Thereza de Tal, por se achar
derosos los que se prendem ao engranieclmento
material e moral do Imperio, duas grandes verda-
des consagradas no pacto fundamental da nagio, nohreza e cavalleirhmo.
unjversalmente reconhecidas e acatadas, por mim
porm impugnadas; porque diz, retenho em u
poder um seu eterno*, de ame Jote, depois de haver
recoilhec'ido o seu Airto a dominio eposse domes-
mo : o que se torna tanto mais eensaravel, quanlo
Yjienos se deve esperar de dm deputado a assembla
geral e raoistro d Desvirtundoos tactos, de proposito, ou mal ia-
formado pbr quin quer' que se]a previnio o julio
deve-o a' sna ruda e inslita provocago, quando
cumpria-lhe ter para coraigo mais um pouco de
Batarit, 15 de" dezembro de 1865.
Pade Raymundo Francisco Ribeiro.
'' 11 i a a r ^***M*fc*i**
Correspondencias
Srs. reddclofet.Apesar de ser morador no
centro da provincia no lugar denominadoAlaga
do poblicoj-perante-qiimnfaz'tnais que muito odio- xle balxotodava, vendo cotrapurcados os meus
mo.
T\BELLA DO RENDIMENTO DA ALFANDEGA DE PERNAMBCCO NO MEZDE NOVEMBRO DO
TORRENTE AXNO FINANCEIRO COMPARADO COM OS DE IGUAES MEZES DOS DOUS AWNOS
LTIMOS.
nportafdo.
um pequeo -estado maior de maslca, cmmandado Ditos de baldeacao e reexportagao ...
por Verdi, e o apresenrouao real visitante. Este Ditos'de ditos c reexportagao para a Costa
pequooo estado maior. at'n dos auhires do flioe d'Afrfca
letto (. do Gnilheme TeU, compnnha-se de Caetano Expediente dos gneros estrangeiros nave1
Braga,'Peruzzi e Lucantooi. Vert sentou-se ao gadlispor cabotagem .-.....
piano ; *l-rei cantn a famora romanza de bari- Ditos dos gneros do paiz......
tono ilo Travador abalen, e o erim do Bat* de Ditos dos gneros livres.......'
Mascaras. Depois da mu.-iea' vocal, segura >e a Armazertngens..........
instrumental e el-rei tocoo cioloncllo.neste roncee- Premio dos assignados ..-..,..
to naico do mondo, cora verdadeira superiondade. Despacho martimo.
Nao fsijueeera um proraeoor deste improviso mu- Aneoragem....... .
sical entre um re msico e estes tinco ou seis Direltos de 15% das cmbarcag&;s estrangci-
princif.es da msica. Em quanto el-rei D. Lniz ra que passam macionacs .
cantava a cavatina do Trocndor Rossini, Verdi, Ditos de 3 % na compra e venda das embar-
todos os elrcumstartes finalmente (mckiindo sera cagdcs........
duvida o proprio visconde-de Paiva) misturavam Exportacao.
as snas vozes para fingir as irtetvenedes .do cero. Direitos de 15 %do pao Brasil
(Conhnuarse-haJ
mw-
DIARIO DE PERNAMBUCO.
Direitos de 7 % de etportagao
Ditos de 2 1/2 % idem. .
Ditos de 1 /o de ouro cm baiTa
Ditos de Va dos diamantes. .
Expediente das capatazias. .
Interior.
Pelo vapor costeiro Mamanguape, chegado dos Mult.........
portas do norte de sua escala, r^erhemos jornaes Sello do papel fixo ....
do C^ar al 7 e da Parahyba at 16 do correte. Dito do papel proporcional. .
Delles coi hemos : Emolumentos......
Cbah.a alfandega rendeu, durante o mez ?as- Imposto dos despachantes .
sado, 75:024^676 rs. Extraordinaria.
I.-sf fio Ceurense : Receita eventual.....
< A i-xportaca dos gneros da provincia para o
estrangeiro, no ultimo semestre, foi o se^ninte:
Assuear___ 5:1,863 arrobas.
Algodao ... 69 263
Caf....... 59,418
Couros..... 25,751)
Borrina.... 1.498
Ta tejaba.... 3,360
Agurdenle, coco, carrapixo,
farinha de mandioca,rapadu-
ra, ossos, pao-violete.......
96:7505352 Dizimos da provincia das Alagias. : .
1 ,10:623*308 Ditos da provincia da Parahvba.....
359:589*794 Ditos da provincia do Rio ttftmdc do Norte.
127:088*8110 Contribuicao de caridade '"'I'.....
14:719*183 '"'
1865 1866
441:486*013
58:783*518
' 157*003
145*374
889*519
2:890*128
608*085
3:618*966
2 479*650
336*900
342*300
' 122:731**87
4*096
*
*
2:002*700
851*933
458*600
162*182
335800
I56350
638:139*106
1:932*72
10:749*754
742*219
650*t00
652:2145400
1864 a 1865
528:928*731
70:222*537
"414*963
312*8(7
*
l:142**fi5
*:8i94954
638*745
1:152*7*3
1:678*080
916*500
45*000
85:531538!
*
*
2:155*200
1:372*661
401*800
103*510
47*000
150*000
243*900
698:099*978
1:012*050
10:273*756
2.718*357
716*327
712:82
1863 1864
'273:726*036
35:484*421
198*391
2*638
428*554
1:364*313
181*729
2:477*4651
1:4085900
,7*300
*
82:1565447
1.
381*019
414*280
6H*320
13*000
25*080
399:747*93
9905-iOO
8 225*340
1:0945796
1745890
410:233*689
Alfandega de Pernambuco, 30 de novembro de 1865.
O 3a escripturario,
Joao dos Santos Porto.
1;073*200
i
871*560
1,610:718*197
Paaahyba.Durante o anoo de 1865 renderam : i
a alfand-ga 422:971*892 a o consulado......
26i:276*937 rs.
Durarte n mez de dezembro ultimo renderam ::
a 1.' 2:793*-68 rs. e o consulado 14:044*282
ris.
No da 3 tomou posse de inspector da alfan- nvmo em que seu autor, verdaderamente confun- contra o tenerte coronel Joao de Sa' Albuquerque.
dega o Dr. Jos Caries a Costa iheiro. dido uelo desmentido mu solfreu-uuaodo mostr! P'o que recebera merc. (.orno requer. Sen-
Communicados
luesto Arataagy.
Li no Diario de honlem um communicado aao-
o advogado do tenerte coronel Gaspar na tnesma
execugo ; o. Se celia existe, alera da petigo a
1 fl. 28, aigum outro trabalho feito pelo sapplicante
e como advogado de quem ; 6. Se do seu cartono
consta que o supplicante seja advogado do tenerte
coronal Gaspar Cavalcanti d'Alhuquerqae Celio
dido pelo desmentido que solfreu"quando mostr!
Entrara ni 949 sacras de algodao, na inspec-' no Diario de 3 do correrte, qae nao sou nem nuo c
loria, de I a 10 do correle. ca ful advogado do tenente coronel Gaspar Caval-
O alg.ido de 1.a sorte vendia-se 16*300, o cauti de Albuqui-rque.Ucha contra o tenerte co-
de 2 14*500 e o de 3- 12*500.
PERNAffiBUCQ.
I ronel Joo de S de Albuquerque, retrifeae-me na
iiiL-.ia do insolto e da calumnia, mas de um modo
indirecto e allusivo.
Poderia responder na mesina linguagem, pols
que a vida do meu detractor t de sua rae. me of-
------^ fereceria margem larga para isso.
RFVIRTft niuRIA Nao quero porem, nem de looge me assemelhar
HLIIO I R UIHI1I.R certos individuos que passam do requiote da ba-
Coraoja' noticiamos aos oossas letores, no do- juia$o eda baixesa ao requinte doiosullo e da r.a
mingo prximo lera lUar, as 7 oras da manha, lumoia, j'que procurara estender mao de amigo
a ratrada solemne do Exm. Sr. D. Hanoel do R^go quem na vospera traigoeiramonte apunhalaram.
Medeiros na cidade episcopal de Olinda ; e em ac- p0r deferencia ao publico oirei, em resposta
to sesodo tomara* S. Etc. ltvraa. posse da jansdi- alltisao que me faz o coinmunicante anonyrao, que
ci ecci-siasiica da diaaeae, I verdade que funecionei como procurador de um
Constnos que S. Exc. Itvma. resolvenreves- individoo, sendo depois argida de falslda'e a pro-
tr-s com os hahitos pnntilica-s na igreja de S. Se- curasao, de que alguem se servio para fenr-me.
baslio, ao Varadouro, e dahi seguir em prestito o que se deu coraigo pde-sc dar com qualquer
solamae para a catedral. advogado, que nao obngado a andar pelos cario-
Dep.is do acto I. entrada so'emne e da posse,. ros dos tabelliaes endagaodo se as procurares
quo alies lavraro fo verdadeiras ou falsas.
havera' Te-Beum em acgo ds frraf,s par tSo Ira
prtame motivo ; S. Exe. passara' o dia oo semi-
nario.
Esperamos que todo tu acto sera' tio grato e
soleuiiie, como o foi a rec.epco feita a S. Exc. Rvma.
pelo ISxra. Sr. vigario capitular, que nao l-iu pou-
pado esfdreos para prestar ao novo prelado toda a
cono.lerai-o devida ,n alto cargo de qae se acna
revestido.
O turna Exm. bispo recebera' por si mesmo o
goveroo da dioees-i das mao* do Exm. Sr. vigario
capitular, que logo a' chegada de S. ExC Rvma.
quizairessar a po^se ; mas, a'instancias do digno
prelado, tem continuado no governo ; o que sobre-
ni..n 'a honra tanto ao Exm. Sr. D. Manoel do
R g j Medeiros, como ao Exm. Sr. deao Ur. Joa-
quim Francisco de Faru.
Nem m-siiio os meas gratuitos desaffectos ainda
me attribuiram ter tido en sceocia previa d'essa
falsidade, peio contrario todos os que esto par do
fado sabem que eslou livre de quaesquer imputa-
gao maligna e-te respelto.
A' urna Kupuiaca vaga e perlida como a que se
mo fez opponhoa minha vida curta porm escoiraa-
da de vicias e crinies; e se como advogado a Pro-
vidoacia Divina letnwna dado forcas p.naantepor
as leis da honra e da dignidade aos insiinctos de
ci iii-i-z, compensando.a alta de hatuUUces que
rae coube pelo severo cumpiimsnto de meu dever
em negocios de mais subida imprtasela de que
teaho tido a houra de ser ncarecado, nao ira
I manchar-me ora um negocio rediculo orno este
i do que tracto.
Mo dia 15 do correrte passon em frente des-1 Aproverto a opportaaiidadepara offereeer *apre-
te pon., a galera iogleza Brilxsh Trflent, qne da c,5So do poblico acertidao Mjaixo, qae prova todo
Yrtfttede segua para Clcala' com 31 das de Via- \ fin' em o meu communicado .publica-
1 do no Diario de 3 d este.
D'HU v.-r.i o publico-com que criterio escrevem
cerlos individuos qcefawm da mentira e daea-
lumaia proiltso habitual.
eeife 16 de jane.ro de 1*66.
Olympio Marques da Si lea.
Illoi. 8r. Dr. iuu mnoieipa Ido SeriBhaem.
'^'Trl^T'*,'*; "aHt''" na le Pr0Pr' O bacharel frnpio Marqu-js da Silva requer -a
c5e- para dormida ou estada de pessoas por mais v s qufi se fg^ de ma2da qUt 0 escriva Re-
t,m <"* t i gaeira, a'vista da execugo que premove Terta-
J?,1?\< n?*l*,* .qae a"'se PreeD(,ne. *! liano Jos da SilvamS contra o tenertecoronrt
raerte nesta qoadra festiva, em que a concurren- "3r^ravaicaHii d'Alhu.iiernue choa ortifl-
2.rss;.dtomi vu,lop,ra aquelle ^\^i?T^^^^^^-
aos nossos arraaioes. j v M ^^ iateflSiii oa meSuik etecocao i
Aeha se IncoiBbido da direeeao das obras mi- 2. O Jtneor da urna petigo fei pulo .pplicante'
litares dasta provincia o Sr. Dr. Domingos Jo- lio- a qari te aeha a 6. 28 das Otos; 3.a Quaatas fo-
dngues, cuja escolha uito honra a quem a fez Utas conteizi hoje a tnesma execugo, qnao4o foi
pela fjroftcjeucid e rigidez t mesmo doator. principiada e se j se ach concluida; 4. Qaee
26 de dezemDro de 1863. Regaeira de
Sonta. Certifico, a' vista dos autos da exeeuco
commercial de que trata a petigo supra, quanto
ao 1." quesito, qu o tenerte coronel Joao de Sa'*e
Albuquarqne nao parte interassada na mesma
execugo. Quanto ao 2." que o 'theor da petigo
feita pelo sopeteante, e que se aeha junta aos pre-
di ios autos a'-fl 28, o seguiote : = (llnstrissimo
senhor doutor juiz municipal de'Sarlnhaem. Diz
o lenla coronel Gaspar Cavalcanli d'Albuquerque
Uchua, me tendo requerido a V. S. para substituir
por djuheiro as oiteata saccas de assuear e oito
pipas da agurdente, penhoradas por Tertuliana
Jos da 'Silva Pegado, na execugo commercial
que Ihe raovb, foi por V. S. deferido o seu pedido,
mandaudo recolher o dioheiro ao deposito publico,
tendo ni.-to concordado o exequeote : entre tanto
agora apparece no cartono urna petigo em que o
exequeu'e requer a V. S. que mande remover
para o poler da pe*soa nao abonada os beo, "e^p^a^d-is"^
so-o meu procedimento ; como porm faltassera Ihe
circurhspecSo'e l'aidad, 'permutira S. S., que
historiando*n o Caso em todas-as suas circmstan-
cias rectifique sua menos fiel exposigo.
Assim, desierta 'a idftressSo de'sagraVel que
Cotra mtmiltVe trTiiebido, opuBRco fflelhor
esclarecido proferir s'o flio reblo'e m"p^rml.
Resp'eitarei a verdade, de qw nao prescindo, 'arada
quando'toe'seja infensa.
Vi'ndo de Pernmbac ^para sta pro'vtdtila trfra
xe Manoel Gornelio Araripe Bezerra de Menetes
um escrito, de'dflme Itomao, 6 qal,'dspms ssa-
sinado aquelle'(for Jos'Vlira da Silva, na povia-
cio do Quixada;'cfmfaVc4de QYilxram'ohirt, me foi
vendido pelo ^r. TJr. Jbao'Pmto de *tehdon'ca, com
procaragao de quatro irras Jo Yiresmo, quem
flca'va 'pertehcrtdo o etrjlio, fignrtiflo na fcom-
pra comtftaeu prrJuradr o'capfto Artnio Rodri-
gues da Silva e'Snza. Velo, (Wts.para o :nleu po
der o eseravo'Rblhao, srjtjre o qiral conslderei-me
desde logo cm legitimo e Incdntroverso senhbfio ;
por isso'qtieneniltftna tralidade se omtttio na
compra feita.
Segflro por tanto em minha conscienciatarti pi-
ra o Rio de Janeiro enr ndvembro de i86-l tomir
assenio na cmara dos setthores depirtidos, e all
acnando-me receb ama carta de tnvu irrano e par-
ticular amigo Joo Sevriho Ribeiro, inspector da
thesonraria de rateada neta provincia, comnmni-
cando-meque'ma'ra chlestada a posse do*sc*a-
vo por um fentor de ngKnho de Pernambuco, que
no intuito ae reivlndica-lo'com onome da Jos, se
havia dirigido ao Sr. Dr. ebefe de polica, Antonio
Joaquira Buarque d NWlWCth.
rto assusiortme tal eUninlrtrlcaeao; nada tlnha
obrado cora olo-efllflSle; -ata superior :, serne-
Ibante impuiago; e quando sa provasse 1o da
parte vencedora, sm a menor reluotaacta entrega
ria o eseravo ao sea legitimo senhor.
Alm disto lioha de passar era minha volta por
Pernambuco, onde procurarla infororap-me do di
reito eenv q"o o posssia e' comsrgo trouxera o In-
feliz Cornelto. Fot oqne"flz.
Apenas sltei era' PM-usrabuco fai com o mea
amigo o Sr. Dr. JwaaDamafceno Pinto da Meodon-
ga a casa to Sr. Jiis Jeronymo:de Soaza bmideiro,
cooheeedor de Gornelio e de sea "fawiha, ao qoai
ped me dissesse, se constava-lhe ter sido Cometi
posstridorde nm eseravo, qne cofldozra para est
provincia, e qglWWmia1.
O Sr. Ltraoeiro respnndea-meqoesabia ter Gor-
nelio possuido Uin escravo/que conservara em saa
cottipanhia-por atgomWrtiiwnaqovtla praga; que
o pretender vwutfr'por'tfwlgdMo "fne delta ttvar;
aiaS'noeffectuaraa*vei>Jta;'e*om'Me se renrara
para oserto; que o esfravo tintia sido oemprado
para as partes-da Parahyba t qoal porm o sku oo
me-ignorava. 'A* 1sto limlt>3o'Se a ioformagao do
Sr. Liraoeire, e conhecendo, que me nao trnha sa-
tisfeito indicou'me a casa das trmas de CnraelrO,
para oode dingi-me ainda comoSr. Dr. Mandanga.
Ah encontr! doas dessas senhoras e perguniel-
Ins, se sea frmSo possoia om eseravo, que eondu
zio-para o serio desta provincia : a resposta foi
ifUrmativa Exig mais, qae me dissssem, porque
nome era eohheeldo : hoave alguma hesnago na
reipoSla, eomoique revocaam a lembranga : atina I
drssriima das-doas: chama va so Romao; R >mo,
accreseeotei en, e o nome, que ainda tem, e com
qoe foi'pur miro comprado : eatretanto constame,
que om senhor de engeDho desta provincia o pre
tende haver, como>su,. dando-lhe o nome de Jos,
e duendo que de sen poder o levara por sedueg..
Cornelio, irroo das senhoros, com esso noma sop
posto. Eu, pois, aqui veoho declarar ihes, que urna
vetprwvado o direilo desse senhor, nao farei ques-
to, ertrega-lo-hei, ddiswmtloras exigirei a Impar
tancia porque o compre, e sei ja ter Ihe sido en.
trege.
Soaram estas palavras de modo qae as tortora-
vam ; siro, conheciam a oppiessao de qae iam wt
vctimas ; a desigaaldadeda luta entre o nco.cheio
de recursos.e o pobre am seu dtsvatiroenlo rdo
aederoso, a qnem o mtwdo Todeia de attaog5es
Suias vezes Immerecidas, contra o fraeo e e abandona o. Aianmas lagrimas twtemauha>-
ram a amargura e affliecaodas duas senhoras, qne
manifesiaram-se plfniameote aas segralas palavras
proferidas com accoBlo-tJnloro'o: como que per-
deremos aquHo qoe-de Jireiwnas pertenoe 'B^e
escravofoi compradoeom o valor de ama escrava
oossa.
A 5cena qae venho da dese'rever, principia va a
incommodar-me; enio slgoiflquei-thes qua nao
prelooda raolesta-las; e sera wais ter informagdes
a pedir Ihes retiretfne oom os dados que me foi
possivel obter para inellior preparado entender-me
coro o ntocurador do 8r.'Pinheiro nesta provincia,
oode arihai encarregado de tratar eomifo o Sr. Joa-
quira Fran. isco da Col, por.quem me fot apre-
santada orna jusliHcagao, com qnepretande prever
o Sr. Pinbeiro, qne Ihe pertenoe oescravo Jos,
havido por heranga, eonhecido no-engenho por Jo
s grande, cabra, calvo, um pouco gago, cora ps
oo pernas incbadas.
Ora, posto se-acherrrno eseravo os doos ltimos
signaes aportados, hem tonga esto da provar sua
Id'entidada, parque nao raro se eneontram am ou
tros iodividuos, e ficam nullilicados pelos doos pri-
meiros; visto como o eseravo negro e nao tora
falla de cabellos.
Llda a justificago, disse eo, qae de bom grado
eatvegaria o eseravo, se -ootra prova enhibissa o
Sr. Pmhelro, qoe nao aquella t inoomplata a in-
exacta.- flo mesmo mudo, foooo mais ou menos,
expressei-me Bom o Sr. Bnarque de Nazareth, pa-
rarte qnem eempareceu,- e, interrogado, deelaruu
oascravo, que naaoa pertencra ao Sr Pmheiro,
em cojo Mgeaaho deixou o por aigom tempo sea
senhor Cornelio] onde om effeito era chamado
i Jos grande ; mas qua o sau verdadeiro nome sem-
} pre foi Romo; qua seu primeiro senhor fra um
padre Piolo a Parahvba. que o vendeu a Jos
a Ctrvalho Freir, a esta passou-o a
direitos, e mais que ludo ferida a sociedade por
aquelle que tem'dever de maoler a ordem, vmho
commtiolcar ao publico o que acaba de ser prati-
eado pelo subdelegado do dito lugar Isid.ro Ma-
riano de S, o qual tendo presenciado que o fami
gerado Joo Francisco dos Santos, bem conheeido
pelos enmes que tem prttcado, havia ferido com
um puohal a meu sobrinho Luiz Jos da Silva,
dando Ihe algumas estoncadas inclusive amano
peito esqaerdo de que resultou aehar-se enfermo,
esqucioo dae o rime de que se Irata urna ver-
dadeira tentativa de morte e que mereca seria
conslderaglo para ser punido o seu autor cx-offl-
co, esqueceu-se de tudo para, langando o manto
da protecgu sobre o referido crimiooso, manda-lo
prem libei'dde, deixndo de aiteoder, a que ha-
via sido preso em flagrante deficto, e qoaodo nao
o foSse,' deVeria ser por elle subdelegado.
Esle fado summaraenle revoltante. me fez sahir
do silencio dos sertS-s para vr clamar ante as
autoridades superiores, a quera devo respeito e de
qurh espero Severa punlgo contra o delnqueme
a garanta para minha vida a de minha familia.
Recife, 17 de jatidiro de 1866.
Franctsio Severo de Mello.
Publicacoes a pedido
Aos trezeatos e doze voluntarios, qae
doOaricury eaegaram esta cidade
do Recife para a guerra do Para-
guay.
Ode.
Oa patria o santo amor vos arremessa,
Honrados flilhos do sorteo robusto,
A hrridos combales
Em looge Ierra eslraoha, por caugados
Invios deserloa, inconstantes mares.
Armas I (clama o Brasil) que embrutecido
O Paraguay nos acconimeua insano.
Ergu-Stevos, la -ides ;
As encbaoas pacificas mudadas
Em fulminaos ctelos vmgadores.
Oa Esposa estremecida o estrello abrago,
O abandono, e fraqueza dos Filbinhos
Rater-vos nao poderam -,
Nem do campestre maho a paz ditosa,
Da- poltica albeio a trama, aos dolos.
Rpido assim, e simples, Cincinoato,
Do patrio amor no largo peito o incendio,
Abre mo da charra,
Rene os cidados, kivade. lalha
Era postas o Inmigo, e salva- liorna.
E ao meaoscut'rora, quando o Berga
Insiructodebellamos, d'entre os bosques
Da longiqoa Rod'ellas
Auxilio nos desceu arci potente
Da brtgudos Indgenas Iflcbltos.
Ida, veneris Hercules do centro ;
Que as' Musas ] vos cantera gloriosos,
Alegres Epinicios,
E am ietlras de ouro o vos?o rasgo heroico
Da Memoria imraortal gravam no templo
Publico esses versos nao por seu feitio, mas s
porque enlendo, que.para taes e outros semelhan-
le cidados oltmfarios, nao ha louvores, e agr-
dacimentos que bastero.
A. J. de M.
Piihysica.
O xarope eiberio de veame por mim pre-
parado muito tem proveitado aos que sof-
frem desta molestia, e de lamentar-se, que
uo obtuario desta cidade a maioria dos que
suecumbem de tubrculos pulmonares,
sem procurarem o recurso di pratico e do
experiente, que Ihes pdera encaminbaro
meio de sua salvarlo. -
t Sr. Braga com toja de ferragens Da rua
Direita, foi desengaado por dous habis
mdicos, acha-se bom com o tratamenlo por
mim proscripto.
A Sra. Jeronyma Maria da ConceicSo, mo-
radora na travessa do Monteiro n. lo, achan-
iio-se desengaada, tambem mim recor-
reu e acha-se re tabelecid",
Um sobrinho do Sr professor ae Naza-
reth d ilab<, acha-se bom, como se v de
sua carta abaixo transcripta, al'i de outros
tactos, que poderia aqui mencionar.
A phthysica a destruirlo e a magreza
de todo corpo, era consequencia de chagas,
tubrculos e cincrectao dos bofes e de em-
pyema, atrophia nervosa e utras molestias
que vrciam os humores, como escorbuto,
alporcas, gllico, astbma, bexigas, sarampo,
etc.
Na phthysica, ebegando ao estado de gra-
vidade, o que muito pode concorrer para a
salvacao do doente e ajuJar os medicamen-
tos o ar do jaropo, exercicio conveniente
e dieta, a qual b3o deve ser de nenhuma
cousa quente, ou de defficil digestao; e a
bebida cumpre que seja de natureza branda
e fresca.
aconselhado, qae facam uso ffe ve^etaes de
natureza acida. Como raratajla, tiaaSes, pi-
tangas, uvas, etc.; e i^licif9Ba de plantas
amargrvsas, que fbr\ifitin oIfttbmago e ser-
vem ao mesno tettpo pira destruir e miti-
gar a sede. _
A^Ta. D. Jquina 'de~Sa Tfiwfelo, liato
urna sua escravfallecida desta molestia, etA-
mettida ao tratamenlo de sea medico, resol-
veu procurar-me para tratar de om outr>
eseravo, que sotTria da m-sma eDermidade,
prescrevi-ihe e xarope de veame, tem me-
Ihorado consideravelmeute.
A senhora do Sr. Antonio Franci?co ITo-
norato foi desengaada por habis mdicos
desta cidade, esleve prostrada, e nos lti-
mos paroxismos da morte, foi com o xaro-
pe de veame salva, como se v da carta
impres>a no Jornal do Recife de 9-de fcv^
reiro de 1863.
O eseravo Emilio, do Sr. tenente-corunel
Rodolpho Joao Barata de Almeida, foi tam-
bem desengaado por habis mdicos, e
cum o xarope de vllatne cba-se c maleta-
mente reslabelecido, como se v tambem
da carta impressa do mesmo Sr. leneote-
coronel no mesmo Jornal do Recife.
O Sr. Antonio Gmstiano Fogl, filbo do
Sr. Chrisliano Fogt, pfsprietario e estae-
lecido na cidade de Macei, o primeiro bem
conheeido nesta cidade, pois qoe fu empre-
gado na casa do Sr. Len Cbapeilio, retra-
lista esiabelecido na rn i da Imperatz, ac-
commettido desia molestia, fui daqui desen-
gaado por habis mdicos: retiroo-se para
a Baha, e all continuoo era tratament i ale
que foi segunda vez desengaado pelos m-
dicos dalli, chegando eu em Macei, om
amigo pedio-me, que o aceropanhasse al a
casa do Sr. Christiano, para ver om doenie
e prescrevcr-lhe algara remedio, eneontrei
o Glho em urna cama desanimado e em es-
tado de prostracao, pois que escarrava soa-
gue, e tinha completa inapetencia e fraque-
za a ponto de nlo se peder por em p, oo
Qm de urna garrafa do xarope etbereo de
veame j se aeha va elle no estado de pas-
seiar em casa, desapparecidaa inapetencia e
os escarros de sangae ; e a tose mitigados.
No Um da segunda j achei em estado de
faze-lo passearpelo si o todas as manhaas.
Acabada esta o aconselhei, que contmvasfe
no uso do mesmo xarope etherio ahernado
com o xarope alcoobco de vellame, e qoe
usasse dos banhos salgados na pancada do
mar. Sentio elle nos primeiros banhos al-
guns choques, mas eo o aconsethe qoeeoa-
tinuasse, com o qne se tem dado moi'o Ivm
pois que tenho recebido cartas de Macei,
em que se me rommonica o sea bom estado.
Nesta molestia os expositores de medici-
na ti3 aconselham banhos salgados, apenas
quando delles tratara, dizem ser appitoados
as e;crophulas, hypocoodria, esmeril,
amenorrliea, raethismo, etc. ; entretanto'vi
este bom resultado no ilho do Sr. f.ristiano,
e outros fados iguaes tenho visto as i>bd-
trsiias siphyliiicas, e nutras muitas que rom
o uso do xarope alcoolico de vellame tetn-se
obtido cura radical.
O Sr. Dr. Silva, medico hbil de Ma **>,
depois de ter applicadoa omaeo doenie de
rheumatismo o xa ope alcoolico de vettame,
logo que elle se poz em estado de largar as
moleta^, em que amiava arrimado, o acoose-
Ihou que conlinuasse com o aso do mesmo
xarope conjlindamente com os baabaa sal-
gados, com qua >e tem dado muito bem, e
um dos mdicos que all em Vareilem i
pleta c-.n8anca as preparaees de
por mim fcitas, pelos bons resultados
tem obiido em sua clnica.
Quando alguem se v com tnsse vai ao i
dico, este o examina e declarao senhor es-
t afedado dos pnlmoeso doente desani-
ma com esta senl^nca, emende estar sea
mais cura, quando os f* tose a experiencia
teem demonstrado que raudos leudo ftftm-
rado o lupar apropriado, se teem salvis ;
e assim explicam muitos expositores de me-
d cia.
Ora, nessa provincia temos facidade bo-
je e recurso do ar; por qoe a va terrea
nos proporciona, pois qoe em ponto lempo
urna pessoa que existe nc-ta cidade bol-
inele se t ansporta para ultimas enlacies
de Gameleira e Una, lugare*. perto do ioni-
to e de outros pontos que sao coasiderads
sertao, quanto mais que os meso
j nao sao mos, segundo pean,
raenle no vero.
Mas dir-se-naurna pessoa pobre nao lea
meios de se transportar < all estara wso
se respon ie, que naqurlle* lugares i
casas vasias e alugam-se por precn
do, e mesmo muitos gneros de pn
neeessidade alii se vendem pelos
precos que aqui.
Aquellos, pois, qne estiverem
cumstancias, eu Ins facilito explicar os i
r-
pelos'niaes se devem reger, elbes foraaee-
rei iiii.'ilicamenms gratuitamente.
Nao deixarei de advertir ao publico, qoe
as minhas preparafes de veame ai rea-
oidas cm outros ingreilienles, e com Usa
tenho obiidoot-timosresoltadas: aoaeen-
gae o mesmo paidico com oolro qne por
ah se annunciam, cajas preparace.s ignora,
assim como o a prove lamento sos
moderar a acrimonia dos humores e a nu-
nlor.dus(wccas d assuear,. etc.), peticao que WT":^ A iM,r^.,rio loi feito era dras deMe
f.voravelmeote despachada sendo qae contra este ^fesuodo e SS de Jano ?
despacho vero reclamar o irapi-llcarte a t. fa a000' esUaa ea D0 -e '",r'>-
tendo v.-r qu', qur a petigo do sappllcanleTosse Anda mais : era mo de Jos Vieira, assassino
despachada antes da do exequenie, qur nao, em e roubador de Cor.nelio, f.ii vi-to um papel de ven-'
qualquer caso nao pode ser cutaorido o despacho, da do referido escrave passado a este, a qual, se (trir e suster 0 doente, para O que e preciso
pur quinto.jio primeiro caso nao, visto que o exe- \ por industria de Vieira, que se quera fazer direlto reduzi-lo ao USO de vegetaes e leite
quente concordou cora a retnoco requar4da : mas; a posse do mestto por um pertence de sua propria T^ /.nmiila o hohMa nnn

para o deposito publico ; no segundo caso tambera letra, nao hoavesse desapparecldo, servira hoje' loda comida 6 DeDlfJa que Se tomar na
nao, porque nao poda, variar o exequente de pe-1 para cobrir de confuso o Sr. Pinheiro, que deve 09 ser em puncas porco^S, para evitar que
dido, teftdo concordado cora o supplicanle, e julgar-se com isso bem Miz. o excesso do chylo fresco opprima os bofes
nem ser mir'iflcado, sein motivo conheeido, o des-1 Nunca reconhecl, nern^ poda reconhecer o domi- e accelere muito a circulac^O do saflgue.
pteho por V. S. pro-rn, ouvlndo previamente nio, que se arroga S. S. porqoe Os ttulos apre- Mnino doentes desta molestia S6 teem en-
ambas as partes. Assim requer o tiurticanw que, sentados nao inspirara credibilidade por ihverosi- ___ __ kih* i S une o ilnente nnp V < vhiu
V. S. reconsiderando a materia, se digne mandar'me.s; muito mais valioso o instruraenlo pobiico trege ao USO do oleo de flgado de bacalbo,| qW ,ue"le fl ^* acr^Se,
qne nao se cumpra o despacho que obteve.e ex- e uthertico que tenho; e todava persisto ao pro e OUtras preparac5es de resinas e palsamos, '
querte, e sim o que foi proferido na petifid do psito de abrir mao do ascrav., logo que exhibidas sem que dellas tenha n tirado proveito;
suffuMcaate, lendo sido onvido e conoortfto o forera provas iodtjbiuveis de seu dominio. E onde expoSltores de medicina combalem
eaequerte. fiesta, termos recebara' -err. Ad- achou, ,ou quera disse aoSr, Prahe.ro, que o_esm- Jm mai m3o eSse tratamenlo.
Todo o seu alimento se ha de dirigir a qem pnrvwntora teaham sido apphclua ;
cada um responde por si, e en affirmo cam
verdade o que aqui tenho relatado, cojuu me-
dicamentos nesta provincia s vendo em as-
nba botica na rua Direita n 88.
Jos da Rocha Parama*.
Nazareth do Cabo, 7 de setecubro de IS3.
I.im. Sr. Jos da H. cha Paraaha. fca
o maior prazer levo ar. ombeciaenlo e V.
oostume carregar o estomago do doen-
em ja'
Acaba de abrr-se aa povoacao de Murteiro
un hotel, cujo proprretario, seeuado no-lo infor-
man, tem-no preparado com todas as .eo'nlicSes
de b*ui poder tratar as pessoas que nel'Bse'hospe-
daren!, qur quanto a acomraolaedes, qi/r gaanto
Nestos termos recebara' aserr. Ad* > touu, uu yuciu uiasc a<> o, iihiiohu,.jud >j
vagado Otympio Marques. E mais se nao conti vo confessou perteocer-lh ? Pelo que vejo, o estilo
nha em dita petigo, a cujo original me reporto, mystirtcando; porque o contarlo precisamente foi
Quanto ao |3. quesilo, rjae a exeeufao de que se o que passou-se, e dea demonstrado
torta contera hoje Outwtas e cincuenta e ijoatro Se Gornelio reduzlo o eseravo e o tlrou do sea
folbas, leudo principio aos dezenove ao dezembro poder, como o dem^ndou-o o Sr. Pinheiro, em
do anno de mil oito certos e sessenta e quatro, quanto esteve elle na praca de Pernarahnco, onde
nao se achtndo conrlmda al o presente. Quanto deroorou-e algara lempo, e o leve com toda a pu-
ao 4." Que os advogado do tenente coronel Gaspar blicidade T
Cttvalcanti d'Albuquerque Uchoa, na mesma exe- Delxo de euuauiar outras razSes, alias pondero-
cuio, sao o outtr Gaspar Ae Vatencellos Mme- fas, que lenho, para por em duvida a posse do Sr
zes e Drtmmond, e Joo Dammeeno Mairos, qne Pinheiro; espero hra prevalecer a ellas novas
ha reqnerHo em favor dos .urVferentes em a pro vas emitrol do sea direiio : era /jauto eo, t^-
mesma eaecucao. Quanto ao 3. que aa mesma liba S. S. paciencia, ir-ooe-hei.sustentando e tao
execucaa f se v a fl. MO v. um lermo de vista recoarei, mao grado o tooato que drede espalha-
feito ao soppiicarto douwr Otymp Marques da Silva, na qualidade de procarador do preferente relaco do dwincto, ah ser*' o seu tnumpho rem DOOS eiieilos nessa eniermiaaae, por minuios prestimos, e aesejara
Amonio Vieotira da Silva Barroca, aos qunr.e de cqMMto e furioso I Urna tai insaoscao importa que, nao s contribuem a apagar a sede tempo dar urna prova do
manos queura insuuo, ama -ffronta a esse quanf}0 accdlrfniettem a febre etbtca, mas ment.
tabelecido, portento, ndaseme, tendo
ipparecido ntodo a tosse, tem
sica comida e acha-se unir id...
lomar os ltimos remedios qoe Y. S. remi-
te com medicamentos oleosos e balsmicos; i toa no dia 30 do passauo.r esta agora a f.
porm estes em yez de tirar a causa aug-
ineiilam-iw, esqusntando o tangue, ao mes-
mu tempo que tirara o apetite, relax-am os Pos
solidos, e slb.de toda sorte perniciosos.
Tudo que se Bzer para extinguir a tosse,
alm do exercicio e reg raen apropriado de-
S. niandar-me dizer qaal
doenie deve conservar e por quantou Ma-
men ionando as comidas que deveri
usar daqui em diante.
Resta-me agora agradecer a T. S. o an-
dado qae tomou no tratamenlo do am so-
vem ser remedios de natureza aci la, deter-. briuho, abaixo de lieos.
berecirneoto a pericia de V 8., t
s cidos possuem a virtude de produzi- pode V. S., sempre contar coa ou
novembro do errente unno, que teado aprsente-
do urna cota de tente, e pedido os das vJa le, foi eeragio manual, eoaposio de var indeferiila dita cola era vista da disaosieo do art. Indepenunles.
718 embmio ooj $ art. 717 de Beg. commer- Agora peco hcenca ao Sr. Ptoheiro, para, des-
Desejo a V. S. toda
Aos doentes desta enfermidade, quando o ds V. S. muito respeitador




- *-4nt ffrt i# _* Jaftefto de 1866.

WUdo. --i^flrtCtfco Bmg*e* Ct$*r de Ite-
- .'J!WI.
DUMU
HdSKIA UtCHtOSA
Curada.





"Bodot aquella! qu ae achilo sbitos i eqf
frer molestia^ afirollos*, ulceroaas, ou sjpL
li, aind* meamo a reputada* de petor
natareza, apenas nooealo ds lr o seguinta
*?P nu^-.Ufcojp, paa,. que se sjjjtao tytMhi
mane ooaveaaidpt, que a bu propria curt,
nao t. mejjnjpBle. pgjaivel m>w an absol li-
lamente .cps.
Jlo Jost: Ferretea Babbo, residente
# ***&! fe.l^ji^a.tinjm toda o a
oorpo cobaiO ohagae ntoeroaas, e durante
alguno anooe aa chava debaixo de tratamosto
de raedicoH oa mai afamados, tendo osado
durante toda este teuyxi quaai toda a especie
de medecinas quf m tac* ca 03 4 empregaila
pela faculdade medica, ppj;n, dtb&lde aen>
ober o TrififW' lMS)SBPto ou alivio: adundo- -te
pois em tac* apuros elle, finalmente resolve a-
* depois.'ie. roptidus e baldados esforcoe .
fazer uso dn]
Salsaparrilha
DE BMSTOL,
No todo elle apenas chegou a tomar Oineo
Garrafas de Sal*aparriOia e quatro frascos das
Pilyhu Vtg^K.AMliSMoAat,,. e o. resultado
foi elle obter una completa e perfeita cura.
Os 0r Ferreika & Ca., Droguistas da
Maranhgc, forao quejpi suppsiro os medica-
mentos,, e achao-se perfaitamente ao facto
dieste cajffe e os meamos Senlioree, nao s se
acli&o promptos confirmar o meamo, como.
fcmibem em fornecer o. actual adressc-do Ser.
Bakboza, toda e qualquer peesoa que.. por
ventura se_dcseje informar da verdade.
Recommenda-se mui particularmente aos
Dientes que tenhao o maior cuidado na eseellia
v5te cicaUente remedio, njjo usando outio
11*0 ser a CJenuina Sajaaparrilha da Brttol,
a qual 6 exclusivamente pre] arada p_
LAKMAK ft KEMP,
De \OV.4 VUJCK,
pois que todas as mais sfo iaefficazea e de nan
Luin pr-stimo
Adotplto, apila* II<. Jasa- Machado Filho, carga
carne secta.
Baha patacho imnlairo D. Luiz, capitio Joao
Teixeira di Aiave), carga difiere ules mercadu-
ras.
Havre brtgue brasiksiru Hennque, cap tao Anto-
nio Fernando Loiieiro, carga assacar e al-,
tpdao.
Rio,Grande do Noria: ~ tNiane iaglex Runnmgde,
oaoito Uansea; a lastra.
Liaooa logre pen(ajgu<* iuio, capito Anlonio
J. Rodrigues, carga aasoear.
OttervdJes
Suspender**] -lo laajaratt para Baha a sumaca
hespaatiola Prompta mesma carga que irou de Barcelona.
dem brigue ingle Ayntt, capito Hodge, com a
mesma carga que Irooie de Terra-Nova.
Para Maceid brigua ingiez Diadem, aapito W.
Farquear, com o raesrao lastro que troaae do Rio
da Jaeeiro. |
Para oa portbs do Sil barca mgleza Boon, capj-
tio ftfuoro, com mesau carga que trome de
Swaooca.
wmxm mm
Relaeia lascarlas segur eiistjptes H> a4minis-
traei*) do earreio deila eiia Je para os seflhftro
abaiio declarados:
Antonio Rodrigues d* Albaquarqne.
Dr. Caetano Xavier Pereira de Brito.
Francisco Cordeiro da Rocha Caopallo.
francisco Ferreira de Mello.
Dr J.iaquim rta.Souza Rttis.
Joao Manuel de Aratijo Oliveira.
Luu Buarqon da Fonseca
Raymundo Pedro da Cosa.
~AVISQS~ARmWOS !Z
JIIU
ioji
A marico F. S., em eu armazem de commbse
a ra da? Cade n. 8, faft leil de movis, crys
taes, joias, mindezas e oniros
flpsto, cujos pbjectos sero
preco ao correr do martello
aflm .'e-feahay pqaia repto

nmitns objectoa d
vendido< pelo roaior
do agente Marttos,
0 Dr. Trisio de Alaacaf.Araripe, oficial da im-
perial ordem da liosa, e juiz especial do com-
raercio aaata atdatla do, Rtcife de Pernambuco,
por 8. MV'fej te.
Paco saber aos que o, pfasente edital Tirem e
d'ella noticia Uverem. que por parte de L). Josepha
Justina de Jasas Gonialves, vjuva de Manoel Anto-
nio Gonjjajves^aiinioisiradora de seu casal, me (o
dirigidaapeti^ao do tlieor seguiute:
Iilai.tSr. Dr. juii a-peoial do commercio. Diz
D. Josepha Justina de Jess oucalves, viuva de
Maaoel Antonio Goucalves, administradora de seu
casal, que naquaiiJide de rfquidataria da firma
Oliveira [ Gootsalves, qoer pafa reserva dos seus
direiios interrampw a pwscM^o. de urna leltra
mercantil accejta por Flix Barbosa de Jess, da
quaotia d- 73JS520, vencida em 26 da dezembro
de 186*9, oa fortna prescrita na terceira parte do
artigo 433 do cdigo do comtnercio, cuja letra
I saccada a favor da dita firma Olivaira & Goncal-
Couipanliia de paquetes a vap<>r entre
osEstados-Uuitlos e o Brasil.
At o da 22
do corrrbte es- cimal, 1 diu de 4 rodas.
Quiata-feira 18 do cor rente'as 11 horas,
f7 irma/nn a ra Ja Cmi-7
Da mobilias, camas fraocr>zas, cadelras, touca-
dores, raaequeza*, masaa, 1 ul rda louca usado, 1
estante de dito, 3 carteiras de dito, 2 banquirrhas
da dito, santuarios lavanrtoa, (aandlairos, lonja,
encerado para cima de tws3,qoa4ro, cadeiras de
bataneo, bergos, 1 rico relogio e msica
MAIS
300libras de floem perfeijo estado proprio para
armazem, de assucar ejantameqte 1 balanga de-
ESTRA
Ama
Precisandp mu>% TJ^tL*
nm casa de naaa ; > i^a*.
13, priaetro adar.'
DEFERRO
DO
Eecife a Sao Franciseo.
FESTfl DA BOA ViAGEM.
Dominga 21 de jaii-iroil! 18rirj
ves.
E orno o suppliM'lo seja morador em lugar nao
sabide e esteja prximo o termo {atal da prescrip-
cao da raaociooada Mns a supplicante vem mter-
por o respectivo protesto, para que seja intimado
ao supplicado por carta de dital no praxo de trin-
| ta das, depols que a'supplicaoie for adtniltida s
justificar a ausencia da, soppoado,
pera-se de.New
York e escalas o
vapor americano
HAVANA, cora-
mandante Gree-
ne, o qual depois
da demora do
costme seguir para os portos da sal. Para fro-
tes passagens etc., trata-se com os agentes Henry
Fur8ter & d, rqa do Trapiche n. 8. _______
GOMPilVHI^BaASILEIBi
PAQUETES A VAPOR.
Dos portos do norte esperado j
at o da Io de revereiro o vapor
Tocaulins, cemmandAflte o pri-
meiro teoenta Araujo o qual
oepois da demra do costume se-
rtos do sal
Desdeji reoebem se passagelros e engaja-se a |
carga que o vapor poder conduiir, a qual de ver '
ser embarcada no da de sua obegada, encom-i
mendas e dinheiro a {rete at o dja da. sabida as ]
2 horas : agencia ra d Cr'ui n. 1, escriplorio de
Antonio Luiz do Olveira Azevede 4 C.
COMPANHIA PERfAMfiG \NA
DE
costeira por vapor.
para'a qua v" I Parahyba, Natal, Maco, Mossor, Aracaty
Leilo de dividas.
O agente Martins fura leilodas' dividas do fal-
lecido Custodio Luiz Gomes, na importancia de. ,
6:379*190 rs.
No animen) da
HOJJE.
i ra da Cadeia n.
Navegaco
da e hora: nesle sentido
lo. E. R. M.Procurador
de Ramos. Na qual dei o
iuit :
amanha as onze horas do
| S. se dignar imarca
pede a V. 8. defer)
bastante, Antonjio Pint<
despacho do iheor seg
Justifique aausenc
da.
Recife, 20 de dezembro de 1865.Aleucar Ara-
ripe.
Em virtude do qual fra a mesma petico des-
tribuida ao escrlvo deste juizo, Manoel Mara Ro-
drigues do Nascimento, o qual lavrou o termo de
protesto do theor seguinle:
Termo de protesto.
Aos 20 de dezembro de 1865, na cidade do Reci-
fe, em meu cari >rio appareceu a supphcante por
seu bstame procuridor o solicitador Antoaio Pin-
to de Barros, o disso perante innn e as tesmunhas
infra assignadas qu>) reduzia a protesto o cometido
de sua petico retro, a qual offereceu como parte
do presente que fie sendo, e de orno assira o dis-
*e e prolestou, lancei esta termo, no qual depols
de Iido se firmn uora as ditas testerounhas: eu
I Manoel Mana Rodrigues do Nascimenlo, esenvo
1 o escrevi,' Antonio Pinto de Barros, Secundino Elio-
' doro da Cunha, Polycarpj da Cosa Paiva.
i t tendo a suppleaola produzido duas lestemu-
nhas, sellados e preparados os auto* subiram a
minha concltisiio e aelles dei e profer a senten?a
do teor segiijpte :
Hei por justificada a andancia ; e.assira mando,
que seja o supplicado citad > por editos de trinta
dia,para o fim rejuer.do a folhas 2, pagas as
costas ex-causa.
Recife, 28 de deiembro de 1865. Tristao da
i Aleocar Araripe.
Por for$a da qual o referido escrivao fez passar
o presente edital, pulo qual chamo, cito e hei por
ao dito supplicado para que compirega
; intimado ao dito supplicado para que
/-. n. v... neste juizo dentro co dito prazo, afjm de allegar o
Vende-se iws botica* d^ Caors & Barbosa .^ fJr de jns,j5a
e C. Bravp &
e Cear.
O vapor Mamanguape, cora-
mandante Ratis, segu para os
portos cima no da 22 do cor-
rete as 5 h ras da tarde. Rece-
be carga somente at o da 20;
't eocommeadas, passageirs e dinheiro a frete at
| as 2 horas da larde do da da sabida : escriptorio
no Forte do Mallos n. i.
(OA 1*4*1114. HItt*ILHIftl
DE
PAQUETES 4 VAPOR.
Dos portos do sol esperado
at o dia 30 do crreme um dos
vapores da companbia, o qual de-
pois da demora do costume se-
guir para os portos do norte.
Desde ja recefcem-se passageiros e engaja-sa a
carga que o vapor poder conduzir, a qual devera'
ser embarcada no dia de sua chegada, encommen-
das e dinheiro a frete al o di* da sahida as 2 ho-
ras : agencia ra da Cruz n. 1 escriptorio de An
Ionio Luiz de Oliveira Azeveao 4 C__________
tmasii liwaiitM
Drf
PUQUETES ft VAPOR.
E' esperado dos portas do, nar-
te at o da 26. do correte o va-
por Sania Cruz, comraandante
Gnilherme WadoVng, o qual de-
pois da demora do cjstuma se-
guir para os portos do sol.
Desde j recebem-se passageirs e.engaja-se a
carga que o vapor poder conduzir a qu U dever
i ser embarcada no dia de sua chegada. encqmmen-
das e dinheiro a frete at o dia da sahida as 2 ho-
Bian.8, as U horas.
LEILAO
De um cabripdel iug'ez ie 4 radas con
lilUpS 04 U-reinS.
Corilelra SlmSea
por conta e risco dequem perteucar far leilo do
cabriole! cima mencionado.
IIO.II].
Quinta-feira 1$ do,corrate as Al horas.
57 -Armazem a rqa da Cciiz57
LEILAO
De livros ce lilti-aiuca, jarros de
porcelana e espelhos doiirados.
(Sera limites)
Cordeiro Simes
por conta e risco de quern perleocer faf leilo de
100 livros de lilteratura de diversos auiores como
seja V. Hngo, Rogron, Vattel, S. Pioheirp etc., etc.,
14 jarros de porcelana obra lina e 3 ricos espe-
dios dourados, isto
Hoje as 11 horas.
57No armazem a ra da Cruz57
~ LGtliAO
De loo incias ca xis de i haratos da
SJab'-a.
(em limites )
Cordeiro Simoes. por ooota e risco de quem per-
teocer fara leilo cerca de 100 meias caixas de
charutos da llibia. pouco mais ou menos, islo
II o je as 11 horas-
57Armazem a ru* da Cruz57
Da liv[) iheca de parte de orna casa
terrea ra de S. *eil o na cidaie
de Uliiiia#
O agente Martins far leilo por ordem do Illm.
Sr. Dr. Ciauni de Araujo Guimares cnsul por-
tuguez, da hypothecade parte de urna casa terrea
a ra de S. Pedro Apostlo a de um lerreuo com
65 palmos aooexo a mesma casa em Oliuda. tu Jo
perteheente ao espolio de Jos Pernaades Pereira.
.-luiaaha as ll horas.
Em o armazem da ra da Cadeia n. 8, as 11
horas.
COMUERC'O
yii*vo iaco. de Peraam
bneo,
O Novo Banco descoma letras a 12 por cento
ao anno, toma dinheiro a praso Ixo ou em conta
corrate pelo premio e counuoes que se couvcu-
donar. e saca sobre a prara da Babia
CtUa filial lo banco do Brasil
cu Peraambnco.
D; ordeffl da directora se faz publico que o.
th;-'ireiri J^ita caixa se acha autonsado a pagar
o dividendo do semestre fiadj em 31 de dezembro
pr i ci n i passado, na razaai.de I-2JOJ por airaj.
.'um lilial do banco.4o Brasil 15 de Janeiro
raandei passar a presente que sera publicado pela
imprensa e afflxados no* logares do costume.
li'u Manoel MarJa Rodrigues do Nascimenlo, es-
o subscrevi.
Recife, 29 de dezembro de 1865.
Trisio de Aleucar Araripe.
?
DElTLARAQOES
do 1806.
O guarda-livros,
Ignacio Nunes Correa.
aLFaNDEGa.
r.eridimento da dia 1 a 16......
dem do dio 17...............
440:3193313
33:263*410
473:562*723
MOWElNTO da alfadega.
Vclimes entrados com fazendas.... 13
< c com gneros..... 174
Voluntes sabidos cera fazendas.....
f cora gneros.....
- 1*7
64
601
-------665
Descarregam^hoje 18 Jo Janeiro.
Birea wgleza SUver Stream pedras.
Barca, inalezaRamiza -cervaja,
Barca^ingleza Floatiftg Cioud carvj de pedra.
G i l Barc^ inglezaTcW|r-carvg de pedra.
liawa m-:>7.afi'is.sMearvo de pedra.
Btoh Hjjjleza Avek dem.
Bngne iuiezFH/ulCIowI dem.
Polac* ne Escunj Schleswig-Hal.siealfarjarffAadiversos
ganaos de eslava.
Crique n iruexuense Po^/ma-farinha de trigo.
Jlarc^ nacional Iilali.ni enarque.
Bii^e argentinoFolanfeidem.
il- rea ii i -ional Sania Mara idem.
firigu-: nacii^l S*tar-id,ein.
Escuna ilioamamneza J.o dem.
Sumaca h-spaoholaInna dem.
pjlac.i i i 'spanbula Anlp.lha -dem.
(PaUclM ofientaiano Aqostinhoidero.
iPalich) porlgowJosi lein.
HSCliliRlA D RETDAS INTERNAS. GE-
RAES DE. PERNAMBUCO.
RenlimeHla do dia'F a 16...... 17:634^770
dem do dia 17................ 1:831*600
19:467#370
CONSULADO PROVINCIAL.
ide
LuiiauuA.n/rnvu^.n^- lerrjjro o anoo passado, dove terminar err
md.mento do da 1 a 16....... PJ:?SS} deTbril de 18rt6, principiando do 1- de malo
^ d'a 17............. ; ^T | diante o descont progresivo de 10 0/0 na '
101:19)88 dalei-
Santa Casi da lt do uecit't:.
A illm' junta administrativa da Santa Casa de
Misincordia do Reuife raaada convidar as pessos
que quizerem edi&rar no terreno da roa do Viga-
rio prximo a casadera que funccionoa o consula-
do geral, e onde fgl edificada oulr'ora a casa o
70, pertenceai^ ao patrimonio de orphaos, a com-
parecerera na secretaria da. mesma Santa Casa,
nos das de quinta.fera, as 4 horas da tarde, alim
de proporem qualjaer negocio.
Secretaria da Sama Casa de Misericordia do Re
cife 16 de jaueiro ele 1866.
O ufflcial, -
Manoel AoJpnio Viegas.
tirita Gasa da Misericordia de
Hecife.
De ordem da juou administrativa da Santa Casi
de Misericordia do Recifo convida as pessoas que
quizerera arrendar as casas, abano declaradas,
fazendo os concert^ a sua cus para serera des-
conuJos dos aiugUiis, a compareceris nesta se
creiaria as -l horas da tarde dos das de quinta-
feira.
Rjia do Aze*je de Pelxe.
Casa de doas andares n. 53 particular a, 1 pu-
blico,
Ru Direita
Casa de um andar o, 4 particular e 33 publico.
Ra do Azafre do Pelxe.
Palnmonic de orpli-s.
Casa de um and^* n. 6* particular e 14 publico.
Secretaria da Santa C**a de Misericordia do Re-
cita 16 de Janeiro de 1866 '
O o Ricial,
Manoel Amonio Viegas.
ve ordem ao 1 Im. Sr. inspector da thesoura-
ria defazenda desta provincia se faz publico para
conb-cimento de tod is, a circular do trilianardo
thesuuro n. 48 de 10 de novembro prximo passa-
do, abaixo transcripta.
Secretaria da ihesooraria de fazanda de Pernara-
brcp era 8 de jaueire de 1866.,Srvindo de offl-
icafmaior, Manrel Jos Pinto.
Circular n. 48.
Ministerio dos negocios, da fazenda. Rio de Ja-
neiro 10 de aovemb.ro d 1865.
Jos Pedro Das da Carvalho, presdante de tri-
bunal do theicuiro natioal, communic aos senho-
res inspectores das-.lhtsourarias de fazenda para a
devida inteligencia o -xecncSo, que o praso para
a snbstiluicao das notas de 54000 da quarta es-
umpa, de que trata a circular o. 55 de 22 de de-
em
em
forma
E .para que chogoe ao coafceeiajeofe to toao; Mg a?encia rua da Cruz { escriptorio de An
nio Luiz de Oliveira Azevedo & C.
Para o Rio de Janeiro
segoi cora muita brevidade o brigue nacional
Uondego por ter parle dt. sua carga engajada :
Sara o retto que Ihe falla trata.se com Francisco
ibeiro Piolo Guimares. rua de Apollo, armazem
oumero 38-
Para o Porto
pretende seguir eum brevidade a barca portugae-
za Cfutidiao, de 1* marcha para carga e passa-1
gewos, Irjta-se cora Cunha Irmos di C, na rua '
da Madre de Dos o. 3. ou com o capito a bordo.
Para Lisboa
BPgnira' neslas poucos das a barca por.tojueza
Gratdo, por ter quasi prompto todo o seu, car-
regameoo : oara o restante e passageirs trata-se
com Manoel Ignacio de Oliveira & Filho no ta'go
do Cor^rj Saolo, escriptorio n. 19, oo com o capi-
to na puaca. _____________________
rio GR\\m no sii,.
Segu com brevidade a baroa nacional Litdivi-
na : para o resto da carga tratase na rua do Tra-
piche n 4._________________________
irara o Ro de Janeiro
pretende seguir com muita brevidada o veleiro e
bera coohecido patacho nacional Beberibe, tem pac-
te de sen carregameuto prorapto : para o resto qne
Ihe falta e escravos grele. trat--se com os seus
consignatarios.Antonio Luiz de Oliveira Azevedo 4
C, no seu escriptorio rua da Cruz n. 1.
=*" Feift semanal
De grande quaotidade de trastes avulsos, ricos
espelinw com molduras dour.id.is, ob)eetOS de hn-
Ihantes, ouro e prala e outros muiVis arligos do
oso domestico.
Si-xta-fi'ira 19 do crrente as 11 horas.
NO'Ra.VnE ARMVZKM D'i AGENTE
OLYMPIO
Alera do? trens ordinarios
especiaes :
IDA. MANHAA.
Cinco Ponas (partida) 6 h. 15 m.
Afogados 6 h. 30 m.
Boa-viaem (chegada) 6 h. 35 m.
VOLTA. TARDE.
B,oa-vlagem (partida) 4 h. 15 m.
Afogados h. 30 m.
Cinco Pontas (chegada) 4 h. 35 m.
IDA. MAiVHA.
Cinco Pontas (partida) 9 b. 15 m.
Afogados 9 h. 20 m.
Boa-Viagem (chegada) 9 ti. 35 m.
VOLTA. TARDE.
Boa-viagera (partida) 7 h. 15 m.
Afogados 7 h. 30 m.
Cinco Ponas (chegada) 7 b. 35 ro.
Em Cinco Pontas no sabbado 20 do correte das
10 horas da manha as 4 horas da tarde se rode-
ra comprar bilhetes para os trens especiaes do do-
mingo.
FESTA DE GAMELEiRA.
Domingo 24 de jaieiro de 1866.
Alm do tren ordina'rio haver nm estecial de
Una Cj.iineleira e vlce-rcrsa.
Asa aewj
Preelsa-se do ama ama arfr r zlliaf m
de famiMa, sendo limpa t t>Hta : a rralar m m
da Praia n. 78.
= Precisase de orna ama de letM qae *rj* _
dia : na roa Direita n 3, yrun-tr antar.
= Encontram-s retratos do Sr. D. Haaod *
iwver os segnlntes Madeiros, bispo de>u dwrwr, m
. Villria a rua do Cabo a. 18.
AUtngo
O proprielaria da bo*el volaste Travista. nU as
povoagio do Uontetro, offareea ao refwuH pm-
DIm'ji os seQsservieaa ttmtttm aa> nm constantes de aimco, j miar, cria repina, a-rtm
cosi sorvrle luda* as llw. ______
' A1TCA.
Henry Forslr C, roa do Trapid
tem para vender:
. Prenm pra enfardar algwlao.
Machinas de decarovar algalio, de 30 a
60 serrotes, com motores, assira eoav Moto-
rs que servirn para qualquer seme. e om
macbina e lio serrob-s cimii urna uiacfaina a
vapor, propria para a mei
MANHAA.
7 horas.
6 h. 15 m.
6 h. 35 m.
8 0.
TARDE.
6 horas.
6 b. 15 m.
6 h. 35 ni.
7 h.
Villa
do Cabo
IDA.
Una (partida)
Agua Preta
Coyambuca
Gameleira (chegada)
VOLTA.
Gameleira (partida)
Cuyambuea
Agua Preta
Una (chegada)
Escriptorio da superintendencia
17 de Janeiro de 1866.
G. O. Mano,
Eogenheiro e superiulenle interino.
-. Precisa-se alugar urna escrava para fazer o
servico diario de urna casa de pequea familia : a
tratar na rua do Crespo n. 7, luja de mmi-n-.
= Na fundicao do Bowman rua do trum u. J3
precisa-se de ofbciaes de marcineiro. __
Precisa-se de um rapaz para alugar para lo
do o servico de casa estraniteira preferlndu-se es
cravo : na rua do Hospicio n. 33._______ _
Vende-se a armaco e os seus perfnees da
Inja da rua do Rangel n. 17 : a tratar na mesma.
Aluga-se urna casa terrea na rua das Cinc"
Poetas n 134, a fallar na Cunb.ia do Carme n. 8
HPV
Jos Patricio de Siqueira Varejao, Joao
Joaquim de Siqueira Vareje, Joaquim Lu-
['cilio de Siqueira Varejao, Maximiano P. de
Siqueira Varejao, Geraldo Laurintho de Si
queira Varejao, Joauna Justina de -Mqueira
Varejao, Mina-Salom de Siqueira Varejao,
Celecina Maria de Siqueira Varejao e Anua
Feliciana de Siqueira Varejao, agradecem
cordialinenle as pessoas que se dignaram
assistir os ltimos sulfragios celebrados na
greja da Cmcei^o do< Militare pelo falie-
ciraento de sua mui presada mai e sogra l).
Auna Tbereza de Siqueira Varejao, e convi-
da s mesmas pessoas e raats alguns amibos
que por esquecimento de occa-io delxaram
de ser convidados p^ra as-istlrem a missa do
7o da, que sera' celebrada no dia 19 do cor-
rente, pelas 7 horas da manhaa ua capella
de S. Jos do Maoguinho.
! 36Rua la c adela do Iteclfe3
luir agencia de leudes nesta rua.
LEILQE3.
LEILtO
Da livpulli>(,; A casa terrea da roa
de Matliias Ferrera em Hada.
O agente Martins far leii.ip por ordem do Um.
Sr. Dr. Claudin de AraujoGlimarles cnsul por-
tuguez da hypotheca da casa terrea n. 48 da rua
de Malhtas Ferreira em Olmda, pertencente ao
espolio de Antonio Ferreira da Silva. 610
Em o armazem da rua da Cadeia n. 8, as 11
horas. ____
_KII_Aor
DE
LEILAO
Skbbado 20 de jaueiro as 11 horas na rua da
Cadeia armazem n. 36.
Prlo agente Euzebio.
De 2 meias aguas de ns. I e 6 sita no terceiro
becco no centro )a rua da Gamboa do Carmo, por
anno renJem 144.
De um sobrado u. 27 tito a rua da Moeda, chao
proprio, reuda por anno 3605.
De um sino n. i oa rravessa do Motocolomb on
rua do Porto fregoezia dos Af alm de casa de viveoda um grande sitio, planta-
do de bons arvoredos e rauilos ps de coqueiros,
cacimba, tanque, olaria, forno, embarque na porta
e outras vautagens que os pretndeme? podero
melhor apreciar iodo examinar com atlenco.
AVISOS DIVERSOS
CURSO
DR
Carnelro & Noguera fafaVlelt&o por nterven-
Co do agente Pinto, de um completo e variado
sortimento de fazendas ingleas, francezas, alle-
m.es e saissas, exis entes no sea armazem da rua
30 da Cruz n. 49, onde esperara a concurrencia dos
seos fregoezes e amigos as 10 horas do dia cima
dito.
MOVIMIENTO DO PORTO
Naviosenllados no da 17.
_racaty 13 dias, brigue escuna nacional Gra-
ciosa, de 218 toneladas, capito J da -iva
Rales, eqmpagern 11, carga 562 saccas com
sola, algodm e outros gneros ; a Antonio de
Alineila Gomes.
Ato de Janeiro 34 dias, brigne brasilero Norma,
de 2U6 loneladas, cap** M. Martins da Couh.4.U *;9-J" equipagem 12, carga harneas vasjjs e outros
gneros ; a Aniorim Irmo
V.io de Janeiro 17 dias, patacho portoguez Ma-
riana U, de 246 toneladas, capitio Bemvenuto
ilos Saoivs, equipagem 9, em lastro; a Taoms
de A. Fonseca.
JLiverpi^l 46 dia?. barca ingim Twjorc, de
306 tincadas, capito William Fife, equipagem
12, canga carvo de pedra o ootros gneros ; a
Thornas Jefrenes 4 C
Sio de Janeiro 21 d-as, brigue Inglez Bundreu-
nan, de 156 toneladas, capito J. Roberstco,
qninagera 8, em lastro; a Sowlhal Meilors
Nszios sabidos no mesmo dia.
TJioie Janeiro, Babia o Macei brigua nacional
Jos Pedro Dias de CarvaJho.
i-tica i da polica.
"EDITAL.
O Illm. Sr. Dr. delgalo do 1 districto desta ci-
dade encarresado do expediente desta repartico
manda fazer publico, para qne ningnem se cbame
a ignorancia, os aris. Io e z das posturas raunici-
paes de 12 de fevereirc de 1863, que dispde o se-
guido :
Aru 1." Fica prohibido neste municipio o brin-
quedo de entrado com'agua, por qualquer rnauei-
ra que se empree; os infractores pagarao a mu-
prohib la 3 venda de limas de
chelro ; os infractores alera de as peraerem, pa-
garao 44 de multa.
Secretaria da polica de Pernambuco 18 de Ja-
neiro de 1866. .
No impedimento do secretario,
Jos Xavier Faustino Bamos^_____
~ O consolho do compras do arsenal de guer-
ra precisa comprar o siguite :
Plvora grossa, kilo^raramas 881,280.
As pessoas que qnlterem veoder dito artigo
apresen{ein snas proppsus na sala do cqnsejbo as
11 horas da manha do dia t9 do correte.
Gooselho de compras do arsenal de guerra 16
de Janeiro de 1866.
Manoel Jos Azevedo Santos.

Leilo
De om eserav-j eaiioeiro de un.i ca,- 6 _orn do costume.
na de car.regar tijojos
Sr. Dr. Cludirio de Araujo Goiiriares cnsul por
tuguez, de um escravo caooeiro e de ama canoa
que pega cerca de 1,800 lijlos de al venara, ludo,
pertencente ao espolio de Justina Mana da Con-
celco.
wnsja
Em o armazem da ra da Cadeia n. 8, as 11
horas, os preten 'entes podem examinar a canoa
no porto da travessa da Florentina, jnnto a ponte
de Santa Isabel.___________________.
17_ILtO
De fazendas averiadas.
A 18 do corrente.
O agente Oliveira fara leilo por conta e risco
de quem pertencer de porcii de pegas qft_lopas
largas avanadas e q'a occasio se offeriiCerao a
venda out as limpas, inclusive chit.s-, bamJ)urgos
proprios para ensacar assucar.
HOJE*
as 11 horas da manha, no armazem do finado
Henry Gibson, roa da Cadeia.
PEFA.IAT0II0S.
Jos Soares de Azevedo, professor de
lingua e liiteratura nucioual do Gymnazio
Provincial do Recife teqa aberto em sua ca-
sa, rua, Bella a. 37, as seguintes aulas de
preparatorios:
IalWGUA F K A\i l 1
GEOGRAPHIA E HISTORIA
PHILUSOPHIA
R^ETORICA E POTICA
As pessoas que desejarem estudar qual-
quer tiestas disciplinas, podem dirigirse
indicada residencia, de manha at s 9 ho-
ras, e de tarde a qualquer hora.
LUTERIA
Aos 6:0QMj0O.
Corre no da 94.
Acham-se venda' na respectiva theson-
raria i rua do Crespo n lo, os billetes,
meius e quintos da 10a parte da lotera
(46),'a beneficio das'familias dos volunta-
^ips.da patria cuja wtracep ser do lugar
Os premios de C:000|>000 at IQtfOOO
O agente Martins far leilo por ordem do Illm. sero pagos urna hora depois da extraccao
at as 4 horas da tarde, e os outros depois
da distribuico das listas.
As encotnmendas sero guardadas, so-
mente at a noite da vespera da extraccao
como de costume.
0 thesoureiro,
Antonio Jos Rodrigues de Soma.
- O esenvo da irm.mdade de N. S. da Solada-
de da freguezia da Boa-Vista con-ida pela lercelra
vez aos respectivos irmos para que se dignera
Fuuir-se no con^i-torio da mesma reja no da
quiuta-feira 18 do correte inez, pelas o hora da
tarde, aflm de elegerem a mesa resedora que tem
de fuoccionar neste anno, tendo em altencao ijue
nao poder solemnisar se a fihtividade d i mesma
Seoiioia sera que procela essa e-leico, deaccordo
com o compromisso que uos rege.
Jaauano C. Moateiro d^ Andrade.
Pro^iamaia da festa di Ininuculada
Coiiceicao, da povoac* do Barro.
Quinta-feira 18 do corrente, lera logar as 8 ho-
ras da noule o alevaotameulo da bandeira da Im
maculada Conceigao correndo as ras principaes,
conduzida pela irmandade e diversos aojos, e anas
lindas figuras e diversas virgens trajando vestas
candidas, ambas cantando os versos da excersa
Virgem ao sora de urna msica marcial.
No dia 19 do crreme, lera lugar as 8 horas da
noute as novenas, sendo carnadas em versos ao
som da musica marcial por varias senhoras.
Xo dia 27 do corrento as 11 horas da manha,
divers>s gyraodolas de foso annunc.iaro aos nu-
merosos devotos da mesma excelsa Virgem Imma-
culada Cunceiso, a vespera do festivo dia 28 do
correoK
No dia 28 as horas do da principiar a festa
soltndose nesta occasio grande nmeros de gy-
randolas de fogo do ar e'algmnas salvas de bom-
bas, orando oo EvaHielbi o distincto prgador
Fr. Augusto da Immaculada Conceigao, o Revtn.
vigario da freguezia, coadjutor Joaquun Jos de
Farias e o Revin. padre Raphael Antonio Coelho;
a orchestra sera dirigida pelo digno mestre Manoel
Martios Ramos, as 3 hora; da tarde lera o principio
de uma'lioda e elegante cavalliadas, sendo acom-
panhaaas por urna das melhores msicas marcial
desta capital, a qual nesta occasio locara as me-
lhores pegas de seu repertorio e no soltar varios
baldes fabricados pelo primeiro aotor.
As 7 horas da miute havera Te-Ueum, orando o
Revm. Fr. Augusto da Immaculada Conceigao, fin-
I do o Te Deum se levar bandeira ao novo juiz,
sendo conduzida pelas figuras,diversas virgens e a
irmaodade, em versos a Inmaculada Conceigao ao
som da musica marcial, fioalisada qne seja se in-
dicar com o soltar de alguns balSes, varios diver-
limentos, a mesa regedora roga com urgencia a
todos os moradores existentes naquelle lugar, o
obsequio de illuminarem as frentes de suas casas
nos dias 27 e 28, para maior pompa e signal do
regosijo e para maior brilhantismo pede-se a con-
currencia de todos.
Veneravel ordem terceira de
S. Francisco do Recife.
Tendo S. Exc Rvm. o Sr. vinario capi-
tular, por intermedio do nosso muito Rd.
padre comissano convidado a nossa ordem
para assistir a posse de S. Eic. Rvm. o Sr.
bispo diocesano que dever ter lugar as
6 1/2 horas da manhaa do dia 21 do cor-
rente por ordem do nsso irmap ministro
convido aos oossos charos irmos a compa-
recerem na nossa igreja paramentados com
seus hbitos no referido dia pelas 4 lr2,
horas da madrugada aflm de seguirmos
para Olinda aonde tem de ser celebrado o
acto para enjo fim d esta ordem condcelo
at as 5 horas da manhaa.
Secretaria 17 de Janeiro de 1866.
0 secretario interino,
Jos dos Passos Guimares.
Saques para a Babia, Para e
Haranbio.
Antonio Jos Rodrigues de Souza na, rua
do CrspjO n. 15, saca a visi. ou a prazo
contra a Babia, Para e Maranhap,'
Precisase de ama ama forra ou captiva para
cosinbar e engomraar para casa de familia estram
geira de dnas pessoas : na roa da Cadeia do Reci-
cife n. 52, terceiro andar.
Ama
Precisa-se de nma ama para casa de penca fami-
lia : na roa da Cruz n. 21, i andar.
Fogio no dia 10 de Janeiro andante, do en-
ooho Refresco, fregoezia da Escada, o escravo
Trajano, comprado ao Sr. capito SilvmoGuilher
me de Rarros em dias de dezembro prximo paa-
sado, com os signaes seguintes : estatura regular,
corpo chelo, cor do taioca, cabello pegado, dado
20 annos, pouco mals ou menos, sem barba algu-
ma, figSes agradavels, bem feto de ps e mos,
denles sadios.sem marca de cbicole, levon vesiiip
caiga de panno azul, camisa de algodo riscado e
chapen de palha : rogase aos caVites decampo
e a polica a sua captara, e entrega ao abaixo as-
signado, no referido engenho, que pagara' cora ge-
nerosidad. Desconfiase ter segJdo para esta
praga.______________________;____________
Precisase de nm fetor para tratar do sitio
de Sa ocaia, emBeberibe : a pessoaque para este
Om se ]ul|tar habilitado, dlrija-se a roa do Livra
ment, loja de ealgado o. S, que achara' com quem
tratar.
Precisa-se de nma ama i>r* r- A* nm !.
mem Slteiro : na roa do d>rdi>nu n. 8.
O Sr. Francisco J >> le Freita- G ,t-
maies, queira lf a ivnlaiie i .i|>;
cer na livraria n. 8 da prct;:t di la
dencia.
Criado
Precisa se de nm crudo i am i p \t Ur-r r m
pras na la : a tratar na raa u fJjaCba a. 12
primeiro andar.
Precisase de 30'* jure .-lo I l.i Of> a
mez, por inii anuo, Mk tiypulbeca te ama M -iU
na rua da Palma u. 26 : a tratar aa r*<" 4"
Cara a 22._________________
Prersa-se de ama ama para casa <>. *>-
solteiro, que roziohe e ropHM_>, e rtuii 1 j-.
de portas dentro : oa rua Direita d Af->j --
n 66, p dara.
Jos Gongalves de Azevedo pr+ei** f.ar
cora oSr. Manoel Jeronyroo urhi C^valraai .
foi empregado na estrada de ferr.. a ih^.h->i Y
seu ioteres-e : na rua da Cruz do 11.cife a. 31.
Prec'sa-se de um iiatrihuiJor ^ara
entregar esle Diario, da rua da Au-ora.
ate Santo Amiro, aoabaa lu na rua >1 > II ?--
pici), deve saber ler, e*crever e ni> ser
achacado de erysipela ou MH m M pe-
ridica : a tratar na livra ii da pr^a ila
Independencia n 8 ou nesli typ gu jU a.
= O abaixo assgnado tendo vo'Ud.i d Enr ..
tem entrado desde o dia 5 de janeir d-> an I ni
na gerencia de seu MMMM l"j ira-i--
na roa do Vigario n. 27, a qual Mttaa *' al'n-
oistraean do Sr. Jerooymo Acaeio da S^rra t'Ju-
gre, duraot a auseocia do a*>aiv> aisavl, e .*-
sim lera cessado a admini*lrncn Ai refer i> !
rooyrao em tal estabelecimenio. Recife 16 *V Ja-
neiro de 1866
Anlonio de Simia lira7.
Precisa se de ama ama que r-ninn** r --
gorarae para duas pessoas : aa itu x Pen-ia a
21, segundo andar._________________________
Na luhoirraptiia de f". H. CaoH, rm S
deia n. 36, timase alguns memuo* de bu aru:-
lia para ensinar esta arte.
ao nnuG'.
Teado-me retirado do termo de (_rr.;ni J ir:
qne nada devo all a pes^o aljama, o que. porfa-
lo, sera de roa' f lodo o q ul 11-r qoe in- olr
de mea credor, ou coraiiromettido em tivi.f* por
mira, visto como seropre caprictaei por na i^r oV-
ses compromissos.
Migoel Bernardo Wir* Aoriai.
Os abaixo asMgnailus ileeiaram au eurpo At
commercio qne dissolveram a sociedal jue imltam
oa taberna do becco do C impeli a. I. .< qaal ;
rava sob a rtrm de Brilo & U, OranJ. io.ln ac-
tivo e passsivo a cargo do socio Brit >, e o ?m
Mareira desonerado, de qae elle nao podera Utrr
reclamado aleuma. Recife 16 de Janeiro *- 1866.
Jos de Sonta Pereira de Brilo.
Antoaio Morelra Porto.
Deposito de pilo e de cestis.
Raa larga do Rosario n. 36, aeham-*- coanr-
raente ptimas melancias das Curruraiia a prero
razoaveis, sao grandes o frescas para mimosrar se
os arrigos pelas ti' Horas do da.
Perdeu-se ama letra a vencerle nm i m U-
vereiro futuro, assignada pelo deve-'-ir Haa-ei i: >-
drigus do Nascimento ; por isso avise a qaea
acha-la queira reslitui-la ao seo dono Jk ^ L"era
CO da Silva, com taberna oa roa di Copiare*. i*w
ser gratificado : derlar-ndo, porea, i|ae aVara'
sem valor dito docum 'oto a nao ser por roim pre-
sentad* ao devedor._____________________
Preri-a-.-o de ama ama para o ^vvtc 4e
poaca familia : aa roa de Ag.nVerde* a. M.
Vende-se ama preta do servico de ra*ap
e casa, mocare de bonita Agora : aa raa de Apol-
lo o. 7,1* andar.
Precisa-se do ama am< qoe rnipn e cot-
nhe, para urna casa de poaca familia : aa nu ae-
ra de Santa Rita n. 33._______________________
F no armazem da bola amareila an ceio da secreta-
ria da polica reeebem se eacomioadas i* faga
do ar para dentro o lora da provtaoa.

<
~ll
-
rtiafc
___


_Xr
S
Blata* de >ernambn.<*> %a|nta Ielra 1 4e
A aoeiedade <1e seguro- mataos sobre a vida de-
haixo tt'sle Ululo, fundada, administrada e garan-
tida felo banco Alianca do Porto, offerece asroaio-
res vanlagens as pessoas que Delta se qoizerem
mscrever : quem, pois, acerca de tal instituieo
desej;r bterascla'recimentos,diri|a-se a J.'o Car-
loe Gnlho da Silva, a ra da Madre de Uens d. 28.
Para proV do qoanto esta sociedade se ama
eminentemente acreditada, transcrevemos para es-
te jornal u ariifto que acerca delta publicou o Com
mercio do Porto:
Aca.ba de r-he^ar do Brasil o Sr. Jos Antonio
Piato da Rocha, inspector naqoelle imperio da so-
ciedad* de seguros mutuos sobre a vida, fundada
e administrada pelo banco Alliaoca, deuominada
A PREVIENTE.
Mannel Martins Bastos........
Polidorio Jos da Ponte........"
J AugnMo Correa Duraot......
Fraociseo Paebeco dos Saptos..
Alipio de Parta Gomes.........
Amonio Francisco da Silva.....
Jos Joaqainr Coetho de OlWeim
Antonio Gomes Coetho Torres ..
Ji>a<> Martin* dos Santos........
Pedro Alfonso Cooto............
Aos AI ves Veras Coulo........
Severino Ferrelra da Mona Ma-
chado......................
Antonio Manoel de Lima.......
Antonio da Rosta Sol.. ........
Francisco Antonio alendes de Oli-
veira Jnior..................
Jos A Ivs Mai-ietra........:___
Bernardo Alfonso de Miranda...
Manoel Pereira Machado........
Vicente dos Santos Simes......
Manoel Francisco Flores........
Manoel Ferreira Marques.
J0OOO00
1.500,8000
70*000
20:000,5000
2:5000000
1:250,8000
5:00 000
2:000>ii00
2:500*000
2:500*000
7:5004000
1:3504000
5:0004000
1:2504000
5:000400o
Para mostrar o boa crdito e subida ron (anca
que esta sociedade goza entre os uossos compairio- j M'" Lu"B" ^a nho'.'..'.'.
tas al. rendentes, pnhlkamos a serrote lula das Antonio Lu B. P,nno....
subscrlpc-3es por elle olletas ne corlo espaco de -
seis mtzrs, montando a 578:3734; facto este que
de per si falla mais alto do que tuda quantas con-
sidera ctfrfs podessemos apresentar, e que por isso
nos abstemos de fazer.
le Andrade^
Castro Bro-
Manoel Jos Gomes
Antonio Lt-ite de
chado...........
Joaquuu Leal de Mtirelles......
.iSo^tb^o'de-A-.:
3:WOiCW menta.................. *
l-oloOO Joaqaim ADlunes da Cunna Gu'-
)
Jos Anionio Pinto da Bocha___
Albino Jos ila Silva............
Luiz Antonio Siqueira........
Augusto Cezar de Azevedo Gue-
des.......................
Amenco Nunes Corma........
Antonio Alves de Moraes.......
Manoel Duarle de Pigueiredo...
Manoel Marlins de Oiiveira Aze-
vedo........................
M. T. Basto...................
Antonio da Silva Puntes Guiraa-
res........ ..............
Manoel Gomes da Croa........
Antonio Lourengo Teixeira Mar-
ques.....................
Bernardo Jos de Oliveira Ma-
chado.....................
Jos ce S Leito Jnior.......
Domingos de Sa Pereira J-
nior...... ...............
Vicente Ferreira Coimbra.....
Jom Joaqmm Alves............
Jos Fernandes Luna..........
Jos J.'iiqmm'Le'jao...........
Jos Antonio de Briio Bastos...
Joaquim Luiz Ferrelra L"al___
Sil vino Guilhernie *<> Barros....
Alfredo Hennque Garca.......
Antonio Valeuiiin da Silv., Bar-
roca.......................
Jos Itodrigues da Silva Bur-
geS.......................
Manoel Ano M'reir...........
Virgilio e Castro Unveira......
Jos Antonio da Costa Valenle.,.
Justino da Motta Silveira.......
Manoel Marques de Oliveira....
Aulooio Feruaudes Doarte Al-
meida.....................
Jo> Martins de Barros.........
Antonio Joaquim Fernandes d
Silva.....!.....*...........
Custodio Jos Alves Guima-
raes......................
Jos Goncalves Villa Verde.....
Alfredo Jos Antums GuimarSes
Manoel da Confia Ginmaraes...
Joaquim Cabral de Mello.......
Jos de Azevedo Maia e Silva..
Bernardo Pereira do Valle Por-
to......................
Ignacio Pereira do Valle........
Felisberto Ferreira de Oliveira..
Domingos Jus Ferrelra Guima-
res.......................
Manoel da Molla Hachado......
Manoel Joaquim da Bocha......
Seraplmn de Sena Jorge........
Manoel Joaqnim Fernandes.....
JifSffpha Maiia da Cmceijo___
Luiz pereira Luna-...........
Antooio HeO'iqie Rodrgaos___
Manoel francisco dos Santos
Maia___.................
Manoel Joaqnim Ribelro.......
Manoel da Suva Mogueira......
Jou Lucio Marques. .v.......
Francisco Juo de Barros......
Joaqui n Rodrigues Tavares de
Mello.....................
Jos da Silva Loyo............
Francisco los Alves Guima-
raes......................
Caetano Cyriaco da Costa Mo-
reira.....................
Jos de Mello Cosa Oliveira___
Manoel Muuiz Tavares Cor-
deiro......................
Antonio Joaquim de Vasconcel-
os........................
Antooio Jos da Silva Brasil...
Joo Jo- Rodrigues Mendes.....
Luiz de Mraes Gomes Ferreira.
Domingos Jos da Costa Amorim
Manoel Fernandes da Costa.....
Joao i jtIos Coelho da Silva___
Manoel Ramos de Oliveira.....
Maoel J'- Pereira Marinho...
Manoel Ferreira Barlh'do.. ...
Manoel Francisco Marques.....
Gregorio Paesdo Amaral.......
Joaqumi Jos Goncalves Bellro.
Joao da Silva Ferreira .........
Jos Joaquim da Silva.........
Antonio Jos Goimbra Guima-
res.......................
David Ferreira Bailar.........
Antonio Jos dos P.el,,,......
Joao Bibeiro Lopes....- .......
Joan-Jim Custodio de Oliveira...
Jos Gomes de Freitas.........
II rnan mu Gomes de Camino.
Antonio Baptisia Nogueira .....
Julo Francisco dos Santos Jnior
Francisco Ribeiro Pinto Guima-
res....................
Alfredo Prisco Barbo/a........
Maooel Soares Pinheiro.......
Juo do O'.ut'i Alves da Silva...
Joaquini Monteiro da Cruz.....
Antonij Jos Dantas...........
Salostiano Francisco Martins...
Antonio Pereira de Faria.......
Antonio Luiz Ferreira Lima....
Manoel Jos da Cunha Porto...
Flix Venancio de Cantalice....
Manuel Alves da Silva Caldas..
Juo Francisco Aolunes........
Custodio Colaco Pereira Jnior.
J".- Goncalv Torres..........
Antonio Jos Paulo de Carvalho.
Joaquim Ferreira dos Santos
Coiuibra Guimares.........
Jasio Clisar de Alenla Jordo..
Jos lo:* Santos Oliveira.......
Belarimno do R^o Barros.....
Manuel Ignacio Rodrigues Praga
JoSo Jo.- da Silva...........
Fortnalo J. G. B.............
Jos Coirta de Mendonca Sobri-
nho.......................
Emiliano evangelista de Moraes
Antonio Pedro de Souza Soares.
Maooel Jos da Costa Pereira...
Joo IVreir Reg............
B.M. S. A. F.................
CMtMfo Francisco Martins.....
Manoel Albino da Costa Torres.
Jacmtho Jos da Cosa Torres..
Bernardino Augusto da Costa
Torres.....................
Joaquim Pedro da Costa Torres.
Padre Tihurcio Pereira Gomes.
Manoel Gomes Correa.........
Joaquim Ventara da Silva Pinto
Manoel Ventora Telieira Pite.
Domingos Marques de Oliveira.
Antonio Rodrigues Padim.....
Paulo Jos Pereira da Silva....
FiaucisiHi de Oliveira Braga-...
Joo Pinto 'Ie.Oii veira..........
Paulino I) as Fernandes.......
Antonio Le le de Sa Coelho___
Padre Manoel (oogalves Guima-
res........................
J'i>e AfTniso Guimares.....
Manoel Tavares de Pinho......
Flonanc Alves da dista.......
Joaquim Antonio Carneiro Sal-
dante......................
Miguel Albino da Costa Machado
Padre fos Veotuia Teixeira
Pinto.............4........
Antonio de Aguiar Silva.......
i
2:5005000
6:250*000
1.2505000
maraes.......................
Jos Vidal da Bocha...........
; J-s de Souza Velloso... ......
. SSf JJl i Ju* Caryaljio Pinto Bastos-------
^^Zw.nno Jos da Rocha..........
l:2o04000JNiOO|M i aantAon ,los* Antonio Pinbeiro Bastos...
1 Antooio Joaquim de* Carvalho
Lima......................L,
Manoel Domingues Guerra......
' J'i da Silva Miranda..........
OompanMa geral hespanhola de seguros mutuos
sobre a vida
AUT0R1SADA PELO REAL DECRETO E 21 DE DEZEMBRO DE 1859
Una fianza em dinfceiro, depositada nos cofres de estado, garante a boa ad
ministi-ico da conipaniiia.
BANQUE1ROS DA COMPANHIA* I DIRECCAO GEBAL
O Baneo de Heopanha fladrid : Ruada Prado d.
4:5004000 Esta companbia liga pelo systema muiuo todas as combinag?>es de supervivencia eos -e gi
8:5004000 ros s001"8 T'da-
10 O 04060 Nella pode se lazer a subscripgo de maneira ie em n-nhaui caso avscno'por rnorte do
3:750*>000 segurado se perca o capital nem os joros corresponden <- a cale.
1:2504000 Sao to sanrehendentes os resultados que-prodUiom sociediide da inooie deA NaCIO-
2504000 NAL,que anda mesrao dirninnindo urna lercA parte "n tntpresse prorloidn en recentes liquida-
2:5004<|00 efles e.combmando-o com a morialidade da taiiell* d>> Oepareirut une ariopfarta peta companbia
1:2504000 P*ra seascreuios e, liquidacAes, em segara.ios de idade de j a!9 annos, umaliriposi^aoaunua
25OO4000 de 1004 produz em effectivo metlico:
No flm de 5 annos. 1:11f330>
1-250400 de 10 ......... 3:94*3600
2:0004000 de 14 .......f<-W84?00
2:0004000 de 20 30:2584"^'
. de 85........80:.131fOO0
2:5004000 Mas idades menores de 3 annos e maiores de 30, os productos sao aiai.- <">!'deraveis.
Pro.-pect is e mais informagoes serao prestadas pelo sob-4irer Joaqnim Fiaza de Oliveira, ruadaCadeia n. 52, ou Rna-Vista ra da Imporatriz o. '!, e-tai eleei-
mento dos Srs. Raymundo, Carlos.Leite ci Irnio.
Bo-
1:0004000 Bernardtno Alves Barbosa Santa
50040001ouo Rodolph Stenge"!".!.'.".'.'.'.'.Y.
.* TH!SS!i,0''oI,b A'oi'o Teixeira Ma-
z.ow#uwi cna(j.....................
Mncnmt I Bernardino Jos de Araojo-----
1 S23rv, Joa,!U'n' "la Cosa Cartleo....[
iiSiSoo i ozt. :1!.c,.':,r. i
i7-nnnn Luiz Qlouio da Cosa Pereira.!
7'^.^, Joa'lQim p,,r reira &* da B"
,H Beruar^'ja.''i'la'pz::
0 v 7XS! Antonio Alves Pellote....
0*0001 Jo> Suue% Flul............
r t, ,1,nY,'!:'!,i'Juf Oliveira Rezende.....
:UoO^Oo.AlrlH1J11 juai|(lllfl u0CaesSei-
6:O00.5(XK) i, ll,llsjs M...iii.-h...........
i^ixhn?! iJu!- J-a1'' Teixeira da Fonse-
l:8oU40001 ca jjaS(uS
}:SKS AWoaiO B.beiro Rosado'.!.'.'.'.*.*!
l:2oU0001 E,luardo Ferrira NuutS........
; Joaquim Jos Ferreira de Freitas
5:0005000
4:0004003
Anlouio Marques Ferreira.,
Autoni" Ventura Teixeira Pinto.
i..*si*nn,>iPe'1ro da &JS,a N">es.........'
1.2o040001 iuj Jus Rdllgues de S.....
rtcMiA Minino Joto Martius Correa..
9 Jos Ferreira da Silva.........
Domingos Jos Ferreira.......
Joo Fernaudes da Costa Guima-
res.............7........
Bernardino Alves Barboza......
Antonio Ferreira de Carvalho..
Carlos Alves Barbosa..........
Joaquim Jo- Gomes da Souza..
Jo.- Fernandes Ferreira.......
Domneos Jus Ferreira da Silva
Maooel da Cunha Gulmares...
Antoiiio dos Sautos Cclho e
Silva......................
Max Hambnrger..............
Francisco Xavier de Oliveira...
5O04OU0
5005000
1:2505000
2505000
2:2500001
1:0005000
1:00 5000
1:2504000
6:0005000
1:5014000
1:0005000
5|tQ0
2:5005000
1:2505000
1:0005000
5:0005000
2:5(Hi5)0
2:5005000
7:500{000
2:5005000
5:0005000
2.5005000
2:5005000
2:5005000
1:2504000
2:5004000
2:5005000
2:3004000
3:0005000
2:3005000
5:000f0n0
2:5- O50OO
1:25*150'0
4:0005000
3:0004000
l:2505d00
2:00 'AOO
1 25)50 0
2:0005000
1:2505000
5:0004000
2:3004000
1:2505000
2 5005000
1:0005000
1:2505000
5005000
3:0005000
3:0005000
3:0004'00
1:2505 i00
1.0005000
50050110
3-0005000
1:5504000
1:2505000
5005000
GARRAUX DE LAILHACAR & C.
LIBRAIRIE FRANQAISE
Ra do Crespo n 9.
LIVROS NACIONAES E ESTRA.NGEIROS
e I iy ianPililos ophia Jurisprudencia Lili era-
IonSciencias e artes.
Papelaria, objectos para escriptorio.
Augusto Frederlco dos Sanios Pono partici-
pa ao corpo do comuercio que deu so<-iedade em
sna luja de fazendas, sita na rna do Queimado n.
II, ao seu caixeiro Jos Pereira Bastos desde o ,
da do crranle, caa tociedade gyrara nb a
Arma d* Angu fo de 186
Aeren la se mn -\l n prfn<-ino di cstr.. a
dn A'rvial, > -m |'^nde casa ile vivi-nda ei'mi
niuit'".- 'Miii nudos, boa varzea de i-.apim, beO pian-'
lado do inabdhx-a, e lenj aviamento* para frr
fannia, um toda a qualidade de fnicteiras, e mu
Ccuvcul-nte p.i'r >t-r ui pirto do Paiu.-.in.iiiio, e
por eo&seqoenirli da liaba ferua que vau.01 ir :
quem o pretender ou por arreo lamento, ou inesioo
por compra, dirijn e a rin larira dn Roario, so-1
tirado n 22, que achara' com quem ira'ar.
Aluyam-se as casas sitas na ra do Corredor
do B.suo us. 18 B. 18 C, 20 e 2i, por 205 mensaes
cada urna, caladas > ninudas. e com commodos I
para familia : a tratar na ma lara do Rosario, ta-
berna da expiioa, defr.mie da botica do Sr. Bar-
llOlo.'lleo.
i
Ifc^y^ES'^*.....IPWH. ,|B|f ,
Joo da Suva Ramu.s, meMC"
pela oniversirla te lie o'mbra, d
consol tas em sua casa das 1 a.s
11 horas da ma-nbaa. e das 4 as (i
W da tarde. Visita os doDtes em soas
f casas regularmente as timas para
isso designadas, salvo us casos ur-
gentes, que seri. Succorridug em
qualquer occasio. Daiusultas aos
pot>re< que o procorari-iu no bos-
1 pital Pedro il. aonde enrnntradc
J diariamente das 6 4's 8 horas d;i
maiiula,
Teui sua casa de sade re^uiar-
menie montada para recetnr qual-
quer dudte, anda mcsioo os alie-
badii, para o que tem commodos
aprui riailos e milla platica qunlqner
opperacn cirurt?ica.
Para a casa de sade.
i'rimfira classe. .S^OOO r|iarir>s.
beguuda ana.... 35uo
Tercetra nita .2000
Este estabelecimento j bem
acreditad-1 pelos bons servicos que
tem prestado.
O propnetario espera que elle
continu a merecer a confianca de
[que sempre tem gozado.
ta-
co
DA
fM-
ESC OVA
JECTI
Magneti
44ic^:
WfeW
Appruv*da por ditersn academiai e reeuininead'd pela cd de Frene* e de etinugciro.
A meiicini tem recoohecido que 1 elertricid ide produi emprr bnm t'tmk4*
om ledas .s molestia*, parque ella reilabelece cirrnlacau nm iftnttmm t Ui m*
tim detapparectr a causa dn soffrimenl'i* : hirjr iml..* os medicM a ifpUnm tm>
qmii lodo* os catm. O Sr.-Buissiio de Bivillier tem roinnuid e.mp-r u
va eltelro magntica que produi a vomade de quem a empresa hu nai 1i*i r
relrzei resultado*. O irabalbos do autor forim coroadot par m rouliad* ta-
pelo, ccran o aitettou o Dr. Vial de Kju no *eu ralalorte.
Bita ueova tem bou etilo ni* molera* leguHl'f- rkcumntiimoi, film, sw-l
ralytia, fraguan eipinhal, embaraeot gatlrieot, nevalgias, tneokaeao da ftnmt, trm mrtk
lares, debilidad geral, eagurgitamtnto dol pvlmdei, <., te.
Seu uso bcil e nio elige aenbuma pre|iarieio. Uau i acnaipaaka nrn non.
Depotilo ccnlrml : llouleun .l.i i'rioce EBg;-ae. IS, Paria. Agente Kllo4> J.-.r..
.lier Ruin, run ora do Ootidor 33 =>0.ipulilo no Porto, na pharaucia de ignel J->* V %m
Ferreira, llainliar a n. 78.
^,L-1Lilr,L-,L,L-iL-,L-.L-.L-.l=aL=n5iSIJa
'
PERFUMERA da casa oger
Boulevart Sebastopol,
Dez medalhas, a condecoraco da Legin
d'honneur e a grande reputado que tem Ihe
dado o publico, taes sao as recompensas que os
servicos prestados a industria inerecerao a
esta importante casa desde sua fundacao em
1804.
N'uin sortimento de mais de 500 artigos,
as pessoas elegantes escolherao os seguiutes:
ROSEE DU PARADIS, extracto superfino
para lenco.
POMMADA CEPHALIQUE contra a cal-
vicia.
AGUA VERBENA para o toucador.
OXIMEL MULTIFLOR.
VINAGRE DE PLANTAS HYGIENICAS.
TINTURA VIRGINALE de bijoiln.
ROSEE DE LYS. veidadeiiu agua tic-
Jouiriicio.
56, JPart^.
CREME LABIALE de sueco de Ratas.
POMMADA VELOURS pan
pe lie.
ELIXIR ODONTOPHILE.
SABAO dedicado as damas
SABAO de bouquel do Frasca.
d
d*
A-
d*
d
d
d>
r>
d
d
de flores de alcea rosos.
de flores prinlaitirea.
de bouquel do o uto no.
de perfumes exticos,
aurora, dedicado aos
rosa,
de flores das moniaakas.
de chviro de fuius itvuvtsiiu.
de bliicls .-IiriroMi>.
de .iliuv. Iiaisamicu.
diap-., ruixa rica, laalcau pn-
s.-'jce.
m
ri"J tVo Anloni,) encalves de Aievedo..
Francisco jus Lopes..........
Jos Joaqnim de'Acular........
laquim Praneiseo do Rogo*...
Jos Alves Bal bou Jnior.....
J.'S Mano l Bautista..........
Jos Guilherme Goimares....
Notu-no Cotri da (>os a Bara-
Chuy.....................
2 5005000
2 oooaouo
2:5tM5 1:2503000
5:00050tl()
1:2305000
2:000*000
623*000
3:750:000
1:430*000
600*0(i0
78:373*100
N. B. As quanlias subscriptas, cima mencio-
nadas, sao realisadas no espaco de 1Q, lo, SO ou
25 anuos, entrando se annualmente eojm ma
pequea prestago, segundo as possos do subs-
criptor.
l:0(Xi*0b0
500*000
7:5005000
1:9801000
1:2505000
2:oi>050(i0
6:5tMi5(l00
10:0005000
io:Ono*noo I
8:7505000
1:0005000
2:005000
i:2505000
1:2505000
2:(K105000
2:50t'*rfi0
5:0003000
3-7501000' ^s aDa'X0 assignados temos ds-dlvido ami-
4'0001n00 Rave',neQte a suciedade que liuharaos em urna
3 2505000 casa ^ neBucio, esubelcclda na povoago de Ta-
l"25un0 tu;un,"na> fijando o activo e passivo da mesma so-
l'25O*u00 cieda{le ParlrtllCt'ndo ao socio JoSo Cardoso Babello,
1*"305000 a excepfao de alfroos devedores que fioaram de
2*300*000 Ve"d 30 S"":l Manoel Jos dd ^ a> como consta
3-75i'*0 i *'''' ualan? ,,al ues,a (,3la litando ambos os so
.muixikiv. e'os liquidados em 13. Povoaco de Tatuaminba
1 31 de dezembro de 1863.
Manoel Jos de Lima.
Joo Gkydoso Baoello.
8:000*000! *--------------------------------------------5J-----------
S^SSSSSS FMOBMHlA-
1:000*000 da festa de 8. Sebasiio, na villa do
2:500*000, r-.l,,,
1:2503000 U,'
Ailt limo A. de A. Jordao, roga a to-
dos os devetlores de seo fallecido irmao e
socio Ju>t'jde AlmeidaC, de irem pag.ie
^eus drtitos ai mesmo estabelecimeoto, Bo-
je do Sr. Basles & C., para cujo recebimen-''
lo se ada autorisado o Sr. Antonio Bezerra
de Menezes Lira. i relojoeiro fraucez, avisa ao respeitavel publico que
- --------------........ concerta toda a qualidade de relogios e canas de
Precisa-se alug.r um cesinheiro ou cos-1 mnsica : na rna da Imperairir. n. 9, loia.
nbeira : na ra da lmperatriz n. 9, segundo andar. .. ,_. .----------
N. 0. Bieber & C, sucessores, sa
cam sobre o Rio de Janeiro a vista ou a pra-
zo con fot me se con vencionar.
UIOIER
Dao-se bolos a venda e 100 rs. sobre pata-
ca : na ra das Crnzes n. 28.
Da-se 2.000* at 4:000* a~p7emio~com hy-
polheca em predios : quem qaizer annuncie ou v
a rm da Conceiga'o n. 22, que la' se dira'quem
os da'.
Alfonso Jos de Oliveira recebe alomnos ex-
ternos internos em sua-escala particular de Ins-
troeco primaria e secundaria na roa estreila do
Bosario n. 31, teiceiro andar.
na
&
i n as
Quem qtiir.er comprar urna farda boa e ba
rata, para cadete ou offlcial, dirija se a ra do
Jardlm n. 20, que achara com quem tratar___
Ufferece se urna ama para compralr e cozi
nhar em casa de pouea familia, ou de hnnem sol-
teirn : na ra
do pouca familia, ou de hjunem
da U incordia n. 22.
Precisa-s de duas mas forras ou captivas, pa-
pa se bem : na ra da Ceocordian. 29.
m
O Dr. Carollno Francisco de Lima San-
5^; tos contina a morar na ra do Imper-
is dor o. 17, segundo andar, tendo alias sea
m gabinete de consultas medicas, logo ao
vjy entrar, no pnmeiro.
g O mesmo dentor, que se tem dado ao
fg estodo lano das operac.Ses como das me-
j^ (eslas internas, presla se a qualquer cha-
*2 Dado, quer para dentro quer para fra
^H da cidade.

i**
2:500*000
2:500*000
5003000
1:2303000
As 8 horas da nolte do da 18 do correte mez
( de Janeiro se levantar na villa ao Cabo, a bandei-
ra do ilorioso martyr S. sebasiio, e no dia seguin-
le em diante cometario as novenas, havendo lugar
a festa no dia 28, procisso a tarde, TelDeum a
noite, depois do que se qaeimar um variado fogo
artificial do insigne artista Joaquim Jos de San-
f Auna. A msica dirigida pelo reverendo pa-
dre Primo. Oram no Evangelho o pregador da ca
pella Imperial padte Lino do Monle Carmello Lu-
na, e no Te-Dcum o padre Jos Esteves Vianna.
llavera envainadas na vespera e no da da festa a
tarde, e mais diveriimenios que o director da festa
poder fazer para distracgao do publico. llavera
trens especlaes no dia da festa, cuja hora das par-
tidas sera em lempo annunciado pela su per i oten
dencia da estrada de ferro.
1:000*000
73o*000
1003000
1:2503000
2:5005000
1:000*000
650i000
5:2503000
1:0005000
2:0005000
1:2503000
AOOfOO
2:0003000
2:5005000
1:000* 00
1:2505000
10:000*000
1:2503000
1:2)0*000 A' BA DO CRESPO N. 3 E CASAS DO COSTUME
2:3003000, O abaixoassignadovendeo nos seos muitofeli-
2:000*000 us Di I he tes garantidos da lotera que sacaboi
2:3003000 de eitrahir, a beneficio das lamillas dos volunta-
2:500*000'"ios da patria, os seguintes premios:
N. 2030 dous quintos com a sorte de 6:000*.
1:250*000 N. 3834 um meio com a sorte de 1:200.j.
500*000 N. 6S7 um meio com a sorte de 500*.
1:250*000 i N'- 2014 dous quintos com a sorte de 200*.
1:250*000' E oulras tnuitas sor tes de 100*, 40*, t 205.
2:500*000 Ospossudores podern vir receber seos respec-
2:000*000 Ovos premios sernos descontos das leisnaCasa
CASA DA FORT;
Aos 6:000^000.
Bllbetes garaatldos.
i
da Fortuna roa de Crespo n. 23.
Acbam-se a venda os da 10* parle da lotera
(43*) beneficio das familias dos voluntarios
da patria, que se eilrahir qoarta-feira t\ do
correte.
PRECO.
Bilhetes .... 6*000
Meios......3*000 \
Quintos.....1*200
Para as pessoas que compraren de lO0500(i
para cima.
Bilhetes. .... 6*300
Meios......2*730
Quintos. .... 1*100
Manobl Martins Fhja_
O abaixo assignado faz cente ae speila-
ve I publico e ecpecialmente ao corpo do eaimer-
ci qae o Sr. Joio Custodio da Silva detaon de ter
inleresse em seu est-beleclmento sito a tu* do
Codorniz n. 8, desde o dia 10 do correnle e por
isso desonerado de toda a gerencia. Reoife 18 de
de Janeiro de I86".
2:300*000; Joaquim Jos de Azevedo.
2:000*000 Roga se a'pessoa qob tirn de cerreto hrm
k nnnmnnn' ***** t1"* 0CaPi,a,J J"S Pereija Teixoirn, que faga
2:000*000 o favor de entrega-la na llvraria universal, .roa do
l:150*0i0 Imperador n. 34.
750*000
5:000*000
5:00e*000
3:230*000
l:2S0*OO0
1.250*000:
3:001*000
2:000*1 00
2:5004000
4:000*000
12:000*- 00
500*000
1:2505000
5:000*000
5:000*000
2:300*000
2:000*000
2:300*000
5:000*000
1:000*000
Lines.
Cinco ve/es por ?emaD8.
Pessoa convenientemente habilitada, e J conhe-
cida nesta cidade, alienta a pratica que tem conti-
nua a leccionar nao so em sua residencia como
fora, a pessoas de ambos os sexos, sendo as malc-
ras de eiisnu asseguintes: curso regular de pri
meiras letras, lingua fraoceza e latina mediante
razoavel honorario : a tratar na ra Dirella n. 61,
loja de chapeos. ,
P t i1 i M-Vs? |l0r ^^"^ oucas da patria
I \\l\IH"i*(i praga do da lodependeucia n. 22.
Em casa de Theod Chrisliansen, rna do Tra-
piche-novo n. 16, nico aeenle no norte do Brasil,
de Brandenhurg frres, Bomeaux, enconlra se ef-
feclivaoiente deposito dos artigos seguiutes :
Si. Julien.
St. Pierre
Larose.
Cnateau Loviile.
Chateau Marganz.
Grand vio Chateaa Lafliie 1858.
Chateau Lafitte. .,
Haut Sauti-rues.
Chatean Sauternes.
Chateau Latanr Blanche.
Chateau Yquem.
Cognac em tres qualidades.
Azeite doce. Precos de Bordeauz.
Precisa se alugar urna escrava que saiba co-
sinhar e eogommar, e um preto que se preste a
fazer todo o mais'servico de urna casa de familia :
na ra estrella do Rosario n 31, terceiro andar.
MV
Thereza de Je^is Azevedo, Mara Angeli-
na de Azevedo Tiooco e Francisco Ignacio
Tinoco de Souza, pedem as pessoas de sua
amizade o caridoso obsequio de assistirem a
urna missa que se ha de celebrar na igreja
do Corpo Santo pelas 8 horas da manba do
da qointa fera 18 do crreme, por snffra-
gio na alma de seu Olho, irmao e cuoliado
Manoel Pereira Azevedo fallecido no Araca-
iy em 31 do paisado.
PrecIsa-se de tima ama para todo servico de
urna casa de pouca familia : na ra velha n. 52.
Tasso Irmos embarcara para o Rio de
neiro a sos escrava parda de nome Romana.
Precisa-se de urna ama
gomraar, para casa esransj-ira
lia : a tratar na ra Nova, loja n
M
Declara-se a quem convier que os escravoj
Mara e Francisco, crioolos, peohoiados por eie!
cucao, que pelo iuizo municipal de Iguarass, pro*
move o Dr. Silvino Cavalcanti de Albnquerque,
contra Francisco Xavier Dias de Atbuquerque,
visto como se acham hypulhecados ao Dr. Vicente
Cyrillo Marinho p)r escrlpiura publica laviada na
para i tar e en- noU (* ta0e"i* ^ari!l m-3 de Feveroiro de 1863,
de pequea fami- lMra (|ue u'DSueni ie chame a ignorancia, no
caso de seretn os inesmos arremat>dos indevida-
mente, se faz o preseote anouncio.
Ja-
pequena
30,
\
m
Educarlo primaria e &e-3
candara.
N instituieo d Jennymo Pereira Vil-
lar, na roa larga do Rosario n. 22, nao
so se ensioam as materias que consll-
tuem o curs regular de primeiras letras
romo s disciplinas preparatorias para a
faculdade.de direito ; cojas aulas estarSo
abertas no dia 8 do presente Janeiro, e
sero regidas pelos inesmos professores.
EVSIM fAKTICLLAH.
0 abaixo assignado exonerado da regencia in-
terina da terceira cadeira publica de in.-trureo
primaria de *>. Jos desla camial, declara a quem
interessar possa, que contina no exemeio de sua
antiga proOssao de ensino particular em sua pro-
pria casa de residencia, na roa Nova, sobrado n.
40, onde recebe meninos, nao s externos como
Internos, sobra cuja direccio e tratamenlo se eom-
prometie. O annunciante espera qne seus traba-
Ihos de ensino Jenham orna sigoicacao de valioso
apreco para todos os senhores de dentro e lora
desta cidade que se dignaren, de Ihe confiar a edu-
= Francisco Boherto Machado de Mattos, relo- .
joeiroedourador.Brasileiro, na ra Direila n. 9, ?ao de seus 6 hos
faz qualquer coocerlo perlencente a sna arle, por \ ____ F"ncisro Xa"er LarDeiro da Conh''
preco mais barato do que outro qualquer, e res-
pomabilisase pelo seu irabalbo : e declara qne!
quem quiter o sen relogio concertado com perfei- Prerisa-se de urna ama de leite
ci, dirija-se a dita loja, qu seno flear perfe'ito, do Hecife n. 45, 2 andar.______
Ama de
leite. *
na ra da Crns
restiluir-seha o sen dinheiro ; e espera a protec-
clo de seus amigo* e comp; trilas.
Precisase de uma ama qne compre e cozi-
nhe, para casa ae pequea familia : na ra do
Queimado n. 17, 2 nsar.
transferencia da testa dal
Seniora do Monte em
Olinda. S
Tendo sido annunciado para o dia 21
do correnle foi transferid! para domiono
28. Recife 16 de Janeiro de 1866.
O juii perpetuo,
Manoel Luiz Viro-s.
s
mm mxmmm
AVIO
O abaixo assignado tem justo e contratado com
osr. Manuel Gomes Pereira a sua taberna sita na
ra do Kangel n. 48, hvre e desembarazada de
quaiquer ouos: quem se julgar com direiio a tlia
tenh.i a bondade de apresentar sois cuotas na mes<
roa, no praso de tres das, a contar da data deste.
Recife 16 de Janeiro de 1866
Boaventura Jos Coelho.
Aluga-se ama sala rom bastantes commo-
dos, propria para escriptorio ou depisito de fazen-
das : a tratar na ra da Oadeia do Recife n. 36,
prrneiro andar.
"- Precisa-se de ama pessoa. que seja
casa la para ens.Dar no engenho Pererecas,
distante 2 teguas da ctda ie do t io Formo- j
so, gramrnatica poriugaeza, fraoceza, mu-
sica e titano, metante a quantia de l:uOi
poranno, alero da casa para morar e mais
alguns favo-es : a tratar no mesmo enge-
nho ou nesta cidade no escriptorio de Leal
d Ir mi
Pernambuco, ra Nova n. 18 pharmacia franceza de
P. MflURER i C.
Precisase de mu boleeiro
po n. 1, esquinado Passeio.
na rna do Oes-
= Precisa-se do uma pessoa que leona ^r-aiica
de raoihados dando-so a /referencia entrando com
algum dinheiro dando-se Ihe socledade, derzando
.nesta iypograa*saear iL. L L
Caixeiro.
Na rna do Rosario da Boa-Vista n. 43, |
precisase de um menino de 11 a 16 ao- 2|K
5 nos, que teuba mu ta pratica de taberna.
mmmmm-m n ****
Alug-M a loja do sobrado n. 1 junto a fa-
brica do gaz, > margem do rio, coro commodos
para familia, i- lo dentro agua de beber e cacim-
ba ; preco de t mensal : a tratar no mesmo so-
brado.
mmmmmmmmmm^
m
m
Na praca -da lode^odencra n. 33, loja de
onrlTos, compra--e ouro, prau, e podras preciosas,
o tambero se faz qualquer obra de enommenda, o
todo o qualquer concert.________
Precisa se de twia ama de lelte : .a tratar
-na casa da vluva do Eoraraerldtdor Larz -Gomes goa^engenuO^gaMI pretender dinja-Se a
*'arreira, uo Mondoft.
DEPOSITO DE CALCADO
FABRICADO NA CASA OB 8TE,\CA0
Ra Nova n. tti.
Ah se encontrarao obras Je di-
versas qualidades, e por preco roni
diminutos, a r e tal no e eui oorces.
S se vende a dinheiro. ^H
Em qoaolo o Sr. acadmico Antonio de Cas-
tro Alves nao mandar pagar 631000 que deve de
aluguel da casa em que morn na roa dos Coelhos,
vera o sea nome aesle jornal. Precisa-se do ama ama i
- Um moco bastante habilitado, offere- "ca0?oe *ff '""
ce-se para leccionar fracea e portugez em al-
MfSdssCA,
Quem tiver para ser alogado un ejxra-
i vo qii^ alm de muito boa conducta, esicja
! bem habilitado para desempenbar &.&r.
,- tonameute qu.lquer servifo interno ou a-
k temo de uma casa de pouca tmiiia, an-
nuncie ou dirija-se a roa da Aurora, sobra-
do de n. 70, segundo andar.

Ra Direita n. 7&
npvafn
Aluga-se uma usa terrea com fcess
dos para familia : i .rutar no sobrado n
;u* Dirella.
W. an

JsW-


f






*
l lar.* m t erntmbac* Miate lelr 18 de Janeiro ti *860.
9Ct-ftu_ da Impecador .
Deposito d joias franreas por atacado.
'Cana cea Pars e Rw de Janeiro.
It cebera directamente por todos os paquetes.
San ael Ptm-llnafTtB)wfch.
Rua.da SeftMUNova 4.
- AflIfCU DA
Fuudlvio de Lew Moor.
Machinas a vapor de 4 8 cavallos.
Momdas e nefas toondas para engenno.
Taixas de ferro coado e batido para enge-
rreos di'carro para ara e doascavallos.
Relogios de o uro patente inglz.
Arados americanos.
Mac binas par descaroar 'algodo.
Motores para ditos.
Machinas de costara.
_
Oompanhia fidelidade de seguros
ma ti tiraos e terrestres
estabelecida no Rio de Janeiro-
AGENTES IM PERNAMBUCO
Antonio Luis de Oliveira Aievedo 4 C,
competentemente autonsados pela direc-
tora da compaohia de seguros Fidelida-
de, tomara seguros de navios, mercadu-
ras e predios no seu escriptorio rus da
I! Crui n. t.
- Duarle, Carvalho. Fereira &
dos os senhores que esio dvenin
ma de Duarte & o favur de m
seas dbitos at o flm do rorrete
fazendo serio seus nemes pobl
joroil. ______
4 8L A hlllLlh M 4\ER
PARA A CURA RADICAL
d escrfulas e molestias escrofulosas, tumores, ulceras, chagas, feridas ve
Ibas, bionchocele, papo ou papeira, a syphilis, efermidades veneras u mer-|
i Outros objeetos.
I. Vindos tambero para a amiga loja de
---------;~7(miudezas ra do Queimado h. 16.
Compra-se ouro, prata e pedras preciosa!, SajjatiuhOS de setim bratiCO bordados pa-
em obra* velhaa : na ra da Cadela do -'Recife, i harjtiado
Ka da nnrivaa nn -ri.il rta Yince'an '
cunaos.

\ i? Viv* --
Aluga-se un sobrado sin hous rouimodns,
cora sitio todo murado, rom arv.iredos fructferos
e baixa de cap m, o* ra de Juo Feniaudes Vieira
n. .'4 : a tratar na fabrica da iravessa do Carioca
n. 2, caes do Ramos.
VERDADEIRO LE RCT
de SIGNORET, Doctear-Mdecin
Ru de Seine, 51, PARS.
ofr*


Era cada garrafa, val, entre a rotlia < o papel miiI
ane leva o raeu sioete, um rotulo impresso ein wj-
rrllo eom o Sello Imperial no toTERKt fiakgez.
If. B. i'emeltendo-se uraa lettra de 508 trancos
sobre Par, aeritavcl a 60 dial de vista, ao mximo,
5 'za-se do .linimiento e do malor descoato.
Deposito principal
lo legitimo Le Roy
em Caza do nosso
ii i rico agente pcJo
Brazil a Sn Airrv-
o Yr.ksc : de La-
ceDA na Babia e
nos principis phar-
maceutcot.
Com
as LIMAS
CHIMICAS DE
P. MOUBTH, forne
redor da Caza Imperial do Exercito
francez, garante-te que qualquer
pessoa podera sem dor nem perigo
ivrar-se de seos callos. Esta inven-
clo : privilegiada em varios paizes,
reconheeida officialmente efGcaz
por 15 na^oAs, premiada com me-
dalhas de 1* e 2' classe e approvada
por diversas academias e pelo E\"
Presidente da Junta de Hygiene da
corte. Por ordm do Ministro da
Guerra fez -se em Pariz experiencias
sobre mais de 2000 soldados que,
ficarao livres de seos callos; igual
I resultado foi oblido na guarnirlo
do Rio de Janeiro. Mais de 3000
pessoas ja se-tem curado com estas
Limas. As provas do que su diz ci-
ma e os attestados acliam -se no
prospecto, que se da no deposito.
Casa principal -em Parix, B' Prince
Eugene, 18, Aftnle poro o Brazil,
.o S' M. O. ARRANCHES, rm
da Alfandega, JV 10, na Corte.
Le se no Moniteur de la Pharmacie.
Aelectricidade baje enpregada por todos oa
mdicos afamados, para o iratamento de rauitaj
molestias, mesmo para as que resisten as ouiraj
edicaces.
A lecirid.ide pradutida pela frlccao tem orna
superoxidade incontestavel, e a vantagem de nao
dar abalo, e de podar ser graduada pelo doente,
A cansa mais Requeme das molestias a
esla^uaeao do saiiuuc ou dos otiiros liqaidos vl-
laes. Heaubleceiirio se .a ci-'r.uldca do orja-
msiiw,c*iacao-st' as meleatias.
Quanda e sent al-nma dr em quelquer
|rarteinslDG*ivarncnle, seerfrega
o lugar eartiolorieio eom a mtti, e islo allivia. Isto
explica o resollado inconlestacel que dere pro-
duiir aaa apparelbo e'eclrico. Per ijso temo
praiereta aanuaciarao Publico que o Sur Buissoo
de BitillH-rs esKicnle, boulevart du Prince-
Eugue, ii. em Pariz, dotou a medicina de um
apparelho leetro-Mag;netieq, sob a forma de
urna escora, coc o qual os decirles se podera
morar sem neliuaBa outrajneiliraca. Os medico*
? que a tem exjaerianeivtatio, aitettara que a
nXtCooVA Zlectzu) Magntica ellicaz para
curar: os Rhennaatitmoi, aPtalytia, Gotta,
Fraqaexa dos mfhro, da Columna ver-
jitebral. debilidatfc geral, Kevralgiai, etc.
;iEstamos certo q*e mere eada bmi'-ia poasuira
- asta eicova que prestara praades serviens.
A pedido de muitai potasas, autor decidile
.a establecer um deposita de seos appacelfcas do
, Rio de Janeiro, em ceta e Se Dio usa fiunt,
.' ru nova do Ouvidor, AS. a
Pernambuco, tibarmacia raoceza deP.
Mafirer & C, ra Nova n. 16.
AS MOLESTIAS DAS MULHERES
rettMienO, menstro doloroso, ulceracoes do tero, flores brincas, etc., lcera-
co, debilidade, expoliado dos oasos, a nevralgia e coovulsoes ei-itepticas
quando causadas pela escrfula. K
ERYSIPELAS ERPES; ETC.
EBrernaldades cutneas, eiupeao. horbiilh s, pnstulas,
nascldas, etc.
0 extracto composto de salsa parrllha, coleccionado pelo Dr. Ayer, uma
combtoacao dos melhores depurativos e alterantes conhecidos medicina; cnfeecio-
i.ado segundo as regras da ciencia, approvado e receitado pelos prio eiros med:co* dos
Estados-Unidos da America do Sul e Central, dat Antilhas, do Mxico das indias, e
militas outras partes da mundo : o resultado de estudos apurados o minuciosos, e de
experiencias feilas pessoalment pelo Dr. Ayer, por muitos annos, nos principaes hos-
pitaes e enfermaras da America ; tcm sido approvado pelas academias de medicina e
I juntas dehygienne das principaes capitaes da America do Norte; paraprova disto vede
os attestados authenticos no lmanak e Manual de Saude do Dr. Ayer, os ques e dls-
1 tribuem gratuitamente nos lugares onde se vende o remedio.
A SALSA PABILHA DE AYER
Especialmente efOeaz na cura das molestias que tem sua orlgem
na escrfula, na infeceo venrea, no uso
excessiTo do merca-lo on qnalmer impureza do sangue.
TS A molestia u infeccao peculiar, conhecida pelo nome de escrfula, um dos ma-
les mais prevalecentes e universaes que ha em toda a extensa lista das enfrmidades que
atacam a nossa rac^; disse um celebre escriptor da medicina que e mais de urna terca
parte de todos aquelles que morrena antes da velhice s3o victimas, ou directa ou indirec-
tamente de escrfula; por isso s nao lo destructiva, porm a principal causa de
muitas nutras enfrmidades que nao Ibe s5o geralmente attriLuidas.
uma causa directa da tsica pulmonar, das molestias do Ggado, do estomago
e affeccoes do cerebro; entre seos numerosos symptomas acbam-se os seguintes: falta
de appetita, o semblante plido e enchado; as vezes de uma alvura transparente e outras
vezes cora "' e amarellento irregnl r, fraqueza e moeza nos msculos ao redor da boc-
ea ; digestSo Iraca e appettite, falta de energa; ventre enchado e evacuado irregular;
quando o mal tem seu assento sobre os pulmes uma cor azulada mostra-se em roda dos
olbos; quando ataca os orgaos d'gestivos, os olhos tnrnam-se avermelhados; o bali-
to ftido, a lin^ua carregada; dores decabeca, tonteiras, etc. Naspessoas dedisposi-
55o escrofulosa apparecem frequentemente erupcoes na pelle da cabega e outras partes
do corpo ; s5o predispostas s affeccoes dos pulmes, do flgadr, d< s rins, dos orgos
digestivos e uterinos. Portanto, n5o s5o smente aquelles que padecem das formas cul-
cerosas e tuberculosas da escrfula que necessitam d protecc5o contra osseus estragos;
todos aquelles em cujolangue existe o virus latente deste terrivel flagello (e s vezes
hereditario), estao exposlos tambem a snffrer das enfrmidades que elle causa, que s3o:!
A tsica, ulcera?5es de figado, do estomago e dos rins; eropces e enfrmidades
eruptivas da cutis, rosa ou erysipela, borbulhas, pstulas, nascidas, tumores, rheuma.j
carbnculos, ulceras e chagas, rheumalismo, dores nos ossos, as costas e na cabeca, I
'debilidades femininas, flores brancas causadas pela ulcerac3o interior, e enfrmidades
uterinas, hydropesia, indigestSo, enfraquecimento e debilidade geral
Offerecemos a estas pessoas um abrigo seguro e um antidoto efficaz contra esta
molestia e suas consequencias na
SALSA PARRILLA DE AYER
que opera directamente sobre o sangue, purificando-o e expulsando delle a corrupcSo e o
veneno da molestia; penetra todas as partes e todos os orga< s do corpo humano, livran-,
do-os da sua acc3o viciada e nspirando-lhes novo vigor. um alterante poderosissimo;
para a renovac3o do sangue, e d ao corpo j enfraquecido pela doenga, forcas e ener-
gas renovadas como as da joventude.
) tambem o melhor anty-syphilitico conhecido
cura permanentemente as ptiores formas de syphilis e as suas consequencias. Pouca
necessidade ha de informar o publico do inestimavel valor de um u medio que, como
este, livra o sangue desta t orrupc3o e arrebata a victima das garras de urna morte leuta
e ignominiosa, porm inevitavel, se o mal n3o logo combatido com energa.
um poderosissimo alterante para a renovado do sangue e para dar nova tor-
ca ao corpo j enfraquecido pela doenca. -
Send'i composio ^productos \egstaes, es medicamento innocente eao me?-
mo lempo efficaz, um faci de immensa importancia para aquelles que o tomam ; por-
que muitos do remedios Iterantes offereddos ao publico tem por baste t mercurio ou o
arsnico; e sendo assim, tem ques vezes podem eff-ctuar curas, comludo deixam suas
victimas carregadas de uma longa serie de males, muitas vezps peior do que o mal ori-
ginal. A onica cousa necessaria para obter uma cura radical seguir com juizo e cons-
tancia as diieccoes que acompanharn cada frasco.
Nao preiendemo. promular, nem queremos que se infira que esta composic3o a
um remedio infallivel para a cura de todos os padecimentos humai.os; infelizmente e
escrfula e-asyphilis sao enfrmidades tao sulis as suas naturezas, earreigan>se tao
firmemente no systema, que muitas vezes evadem e resistem aos remedios mais pode-
rosos que a sciencia humana pode inventar para comtwt las: o que diztmos que o
Extracto com posto de salsa pamlha de Ayer
a melhor preparacao at boje descoberta para estas ouiras molestias anlogas, que
uma combina? o dos alterantes mais efficazes contiecidos, e que esta combinacio tem sido
regulada por longas e laboriosas experiencia^ e finalmente que temos consciencia de of-
ferecer ao publico o melhor resultado que possvel produzir, da inteligencia e pericia
medica di-siiissos lempos.
Este remedio deve ser tomado com syslemi e regula.idade, e nao com abandono,
pois um remedio e nao bebida.
Quando as moleras do figado nao tem suaorigem na escrfula, o remedio
mais proprio as pilulas catbarticas de Ayer, que sao efficazes na cura da molestia/que
tem por causa um desar-ranjo dos org3os* digestivos. Pedi a salsa panilha de Ayer e
uo aceitai outra preparacao.
Pernambuco, ra Nova n. 18, pharmacia francsade P. Maurer A C ______
(i de oorves do treo da Cppcetyo.
Cr^n'prtJe carosso (sement) de algodo : no
armazem d* algotao de Saunders rutliers & C,
nocaesde^poflo. V ______
6nro.-e prata.
Ero objas ve4has : *jr# fia-se na pri$j> a Id
depenileocio o. zt, loja de tillht-tes.
.Corppra-se diario oa otro quali|odr papel
para embrolho : na roa Novaa, 6, loja de selleiro.
i Compni-sv
ama escra^.a tue saiba cozohar e engomi/iar : na
rtra da ordem terceira i!e S Francisco, jurado de
amanditrn. t*.^ y* ^^
. Compra-se ama casa terrea : a tratar na roa
de'Sanra Thareza n. $t. '
Compra-se um piano vertical eiu booi oso :
na roa Nova n. 65, segando andar, e um globo de
lecgraphia, *.
11
VENDAS
lOLHlMS
PAK.1 1860.
Acabam de sahir luz as folbinhas de
lgibeira e de porta para o armo d 48rj6, o
mais correctas possvel tanto no calculodas
las e eclipses, como as diversas fesias
que a igreja celebra;~vendem-se nicamen-
te na livraria da praca da Independencia,
160 res as de porta e 320 ris as de algi-
beira. ______________________________
G\Z.
No armazem da ra do Imperador n. 3 oa no
Caes de Pedro II n. S, tem para vender-se o mo-
tor gaz existente do mercado. _____
AO PINHo, AO PINHO.
14Caes t de ."Vovenibro84
Panto Jos Gomes & Mayer.
Er-tamos vendrndo por todo o preco, pela gran-
de quaotidade que temos em deposito, dunas de
tabeas de I pollegad de gro-sora, S a 6 de lar-
gura, com 22 palmes a 74 a duza, pranchSes de
diversos comprimentos e l-rguras, d- l& at 7
cada um, taljuas americanas de 1 palmo a 2 1|2
de largara, proprias para mrsas de jamar, emflm
o fregoez que tiver vootade nao deixara de com-
prar por cansa de precos.
~ A t40 rs. a botija
Tinta prela para escrever, de boa qualidade:
vndese na ra das Cruzes n. 41 A, taberna da
porta larga._____________________________
Vende-se um mulatinho oe bonita figura :
para ver e tratar em a ra do Nogutira n. 43.
Na refinaria da Concordia n. 8 vende se mel
de purgar assncar on de furo, v ais limpo do qa
o que vem dos eogenhos, caada a 600 rs., a gar-
rafa a 120 rs.
Vendem-se dous carros proprios para con-
duc3o de assurar das Cinco Pouta para o Recife
por serem moito bem feitos e de madeiras seccas :
a tratar na rna do Seb<< n. o i.
Oabriolet eom cavailo.
Vende-se um cabrlolet quasi novo com um bom
e gorri' -avallo por io0> pata ver das 9 horas da
rnarih' 3 da tarde na cocheira dos .-rs. Tho-
mio Hibeiro a ra da Rula.
ceblas a 500
ra da Madre de Dos o. 5.
r.
Ha
Veodem-se snperiores presuntos de Weslpba-
ha, chegados no ultimo vapor : na ra do Trapi-
che n. 9,
Aiuda estar por se vender a taberna Novi-
dade, sitaem Casa Forte, uma das n elhores casas,
bem afreguezada ; o dono vende para tratar de
sua saude : a tratar na mesma. ________
Vendem-se sedlas miudas do governo e di-
nheiro em prata : oa ra do Trapiche casa de
Thoroaz Jefleries.
Machinas pai-a algado
Vendem-5e por preco rommodo doos bonitos mo-
tores para dous e quatro cavalls para mover ma-
chinas i1h descarocr algodo : a ver e tratar na
fabrica da travessa do Carioca n. 2 caes do Ra- [
mos.____________________
Queijs do scro
Vende se superior queijo do sertfo': na ra da
Madre de Dos, armazem junto a igreja.
Breo em barricas pequea..-
Cera em velas de todos os tamanhos.
Bogias.
Mercurio.
Na ra do v igano n. 19, primeiro andar.
Vende-se o palhabote nacional Alberto,
lote de 135 toneladas, calando
m
Jos Gomes Villar
i com toja oa ra do Crespo n. 17,
m convida aoa seus devedores do ma-
S to e desta praca a pagarem seus de-
R bitos quant antes, principalmente
Pf( os que j derem a mais de seis me-
' zes.
RETRfVTOS HISTRICOS
.Na phot'Cbaphia VUrila, na roa do Cabug n.
18, encootram.se oa etmotes retratos :
\\. ti. o Sr. D. Pedro II no Irage em que se apre-
sertao em Uruguayaum.
UarJ) de Tamaodar, almirante brasileiro.
Conimandanle Barroso, here de Riachuello-
!J. M. Le.ipoldo, re dos Belua?, arbitro nomeado
p!4 prasll na ultima questo atoa este Imperto
a laiiflterra._______________________
- Preeia.-se de ama ama forra on aterava, pa-
p. i3 bam ; n ra lt> Apollo n. 7, Ia aadar.
RUI IIO BBM JW. 38.
O proprietario deste eatapeleciment deseja ehamar a attenc3o dos senhores pro-
prifarios aos acre litados mechanismos que continua a fornecer ; os quaes garante ser,
como sempre, da melhor qualidade possvel:
Machinas de vapor
de torca de 2 '/i caadlos-para cima. As menores s2> mu proprias para motores de
desean camentos de algodSo ; a maiores para moer canna; ha tambem que pddem junU
ou reparadamente moer canna e descarocar segundo suas proporcoes. Estes vapores
sao -simplissimos na ci>struoca, e se revena por qualquer pessoa intelligente, a facilida-
de .da ctindnccao sendo especialmente considerada, tanto que n3o ha lugar em que nao;
se possam conduzir, qur por trra, qur embarcado. Ha cor moe-idas juntas ou sem |
ellas e podem-se appficar a qualquer raoenda j existente sem outra mudanca do que i
a substituido das rodos da almaBjarra. Ellas teta depsitos d'aua e boeiros de ferro, j
esa" precisam para o seuassentamento de obra alguma, qur de carapina, qur de al-^
venara. O lempo para agentadas n5o excede de doe das ao mais, e em casos de
mortes'ie aoimaes ou arrombameotos de acude-, etc., garaote-se o assentamento em'
oito dias. Lembra-se aos senhores de engenho que a venda dos aaimaes e o servieo. da
gente oceupada no seu t'ataiaetato *sho de recuperar da maior parte da despeza do
vapor deixaodo- lites a vutagem de uma moagem certa e accelerada; e acabando com a
despeza .la compra continuada de no*os anlmacs. com os desgosos do trabalho que
se tem com eltes. :
Iluda' d'agua e ferro, mu maneiras e moendo com qualquer altura
' Aarllhos eom crmsetas de ferro para as mesmas, quando se desege fazer
e resto da roda de madeira, tonundo-se assim a roda lgeira no trabalho.
Hoeudkt de eanna de todos os tamanhos, desde as mais pequeas chama-
das do serto. Obra perfeita em feitio e acunhamenio.
Rodas de espora e aogulares de todos os tamanhos e proporcoes.
Paroes on eoeb.es para receber o caldo.
Crlvos de forualha para as6eotamentos, frescos para o foguista, fazendo
grande cal.r eom poucocombnstivel, e duradouro.
Portan de forualha de todos os tamaitos e de diversos systemas.
Fornos e naolohos para a fabrica de farinha e tambem chapas redondas
para fornos pequeos.
Sonabas simples e de repucho.
Taixas de ferro balido e fundido e de cobre.
Formas de ferro balido galvanisado pira purgar asquear, leves para camgar
e ksmptos de quebrar-se.
Alambiques de ferro de todos os lmannos, custando so a terca parte do
preco dos de cobre, mais regulares na disiillacao e igualmente duraveis.
Elsos e rodas de earro com uaBg s de patente, obra mui segura para
carregaco de peso.
Arados, grad-s, enehados a eavallo e outros instrumentos de agri-
cultura. E analmente lodo o objecto de que posaa precisar um engenbo.
Machinas de descaroc-ar algodo.
Na fabrica se fjzem obra* Qovas encommenda e cocerlos, eom a maior preste-
ai e solidez. O grande depofito de pecas e objeelos habilitam-na muito para este flm.
O proprietario sera sempre mu felte de poder ter occasio de dar iotormacBes ou
esclarecimentos aos genborss qoe se servirem de seu presumo*
D. W. Bowman, engenheiro.
do
quando carregado
12 1/2 palmo?, de excedente marcha, acha-se com-
pletamente estanque, foi forrado de m> tal a' pouco
mais de um anm), e est prnmpto a carrfgar para
qualquer parte : para se examinar, no sen actual
anroradouro em frente a caes do Ramos, e para
tratai do ajuste, com su consignatario Francisco: *J
Jos da Costa Araujo.
Vende-se a armacSo com
da loja da rna do Hancel n.
mesma.
Outros de merino tambe* bordados e
gualmenie bomfc s.
Meias de seda, correspondente no laina-
nho dos sap Urdios.
Outras mui linas de _o da Escossia e
oraueas ttetradaai
Luvas tinas de rio da Escossia brancas e
de cores.
Ditas de seda para seniioi;$.
Ligas de dita pai seuhor e meninas.
Peotes le lartiruga mui fortes para des-
embaracar.
Carriteis com retroz preto e outras cores.
Carteiras com agulbas.
Agulhas francezas, as afamadas.
Caixinhas com allinetes brancos e pretos. \
Haspas de baleia para vestidos.
Fitas de linho proprias para ditos,
Caixas com linhas de novellos grandes
para crochets.
Trancellim de bonacha preto, redondo.
Bonitas flvclfa randes de av<>.
dunradas, utadreperola e tar-
taruga.
A loja de miudezas ra do Queimado
n. 16, recebeu um bonito sortimento de
flvellas grandes para cintos, sendo de ac,
douradas, rnadreperoia e tartaruga, as quaes
i'Stao sendo vendidas em ta loja per pre-
cos comrjjfidos ; assim como boas e bonitas
filas de gorgoreo achamalotado, prop ia pa-
ra ditas fh ellas.
Oculos de penetra e de outras
qnalidades, para quem soffre
d vista.
A' loja de miudezas ra do QoeimarJo
n. 16, tambem recebeu oculos de penetra
com vidro3 claros e escuros, para quem sof-
fre da vista, assim como outros de armagao
de ago, sonidos em graos.
Coroas e tercos de cornalina.
A antiga loja de miudezas a' ra do
Queimado n. 16, recebeu mui bonitas co-
roas e tergos decjrnalina, os quaes estao
a disposieo dos bons christos que os qui-
zerem comprar em dita loja: na ra do
Queimado n. 16.
Esponjas Duas grandes e pe-
quenas.
^ende-se na ra do Queimado, loja de
miudezas n. 16.
K MHf loja de mindezas na ra do
Oneimatlo b, 16, acaba de receber:
Novas e bonitas guarnicoes pretas para vestidos e
siiiiUiuharques.
Bir.is i!e seria brancos e pretos com vidrilhos, e
difJeieules larguras.
' Trancas pretas com vidrilhos.
Cascarrilhas de seda de diversas cores e moldes
novos ; Mirra enfeiladas com bicos de seda.
Babadiohos de seda.
Trancas branca., de seda para enfeiles.
Bonitas Otas brancas li^as e lavradas; outras de
cores tambem lisas e lavradas ; outras acbamato-
tadas para cintos, largas.
Fivelas grandes de ago, douradas, madreperola e
tartaruga.
Bonitas ligas de seda para senhoras.
Leques de .-ndalo o outras qoaldades.
Lindos o delicados enfeiles pura bai-
les e passeins.
A anllga loja de miudezas na ru* do Queimado
n. 16, receben novos e lindos enfeiles para bailes
e passeios, lodos de muito gosto e inteiramente no-
vos, variando o preco deUes confome a superjort-
dade : os preteudentes os acharo em dita Iwja, na
rna do Queimado o. 16.
linaseapeila para noivase
meninas
Acham-e venda na ra do Queimado. loja de
mindezas n. 16.
Bonitas louqniuhas
de 6l e cambraia, bordadas e enfeiladas : ven-
dem-se na ra de Queimado, loj de miudezas nu-
mero 16.
Lonelos de dous vidros eom aro de tea, bfalo
e tartaruga.
A loja de miudezas, ra do Queimado
n. 16, recebeu um bello sortimento de lo-
| netos e oculos de vidros com armagao fina de
ago, bfalo e tartaruga, e os est vendendo
por precos razoaveis: os pretndentes dir-
jam-se a esta leja na ra do Queimado n. 16.
No armazem de tazendas
baratas de Santos Coelho
Kua do ttiielmado o. 19.
Vende-se o secuinle :
Cotortai de chia fina a 2$80O.
Ditas de dita a .400.
Leles de panuo de Moho a .200.
Ditos de dito de linho a 2&
Ditos de bramante de linho de ora s5 papno
os piBiGii yes
E' a ordem co da! Acabar con os Par-t
guayos a. baytatta, a mim, a rentar;
fulmina-los com os encouragados armados
dr- es|jotes, annstiungs e rata/las de^Oi
120; extetiiima-ios rm sun.ma a empaca, a
ra.f-a-'pui.hal de que e trata; bub
niii^nj e Itmirt.u anda de esaagar os
^r;-gf|| as armas qi*e etis los cwa-
cedeu ;j" mi' U1 e"es a la o e a p4 ato
ps, para'f tnecearin er.-ocrafar esta
parte do'-jai r cr i o o. m os r rompe-fiTi'O, JKbaga c- bra, arranca u eos,
quebra iikii more e yutros uue se vendes
4&-IIUA IMKITA4*
Borseguins Bordeaux........ 8<*>0
* patricio......... S$OV0
' para senhoras, en-
(eitauos......-i iSik'O
* com lago e fivella .. 4W O
S,. [ atoes encouragados........5#CM>
Borseguins para meninas bom
e'astco................. 3>P0
Sspatos de lona, sola elstica. 2tK0
avt ua.los......... 1 vC<
e lianga........... i*f.W
com salto de lustre iM
Um comp'eto sordme: lo de calcado da
trra para bomens. ttnhoras e _euins.
aaein ctrmo bezerro francez, .uro tic bat-
ir, mairoquins, ta.'as de tr>:a5 as juai:-
dade.>-, fitas para sap:teiro, muito rlii'as,
sola e couros que tutio visto BHMHaMsar
te faz cobiga ao comp adrr pela taratt/a.
ttcrsa_cc-i < C O -
_|fl!l|ifl!li*r!
5.B.R 2 2. o.R-6: fi 4 .* ^
ip = ?g &**. c i _L
f CC an J;w *-^ *rm
CPC "O 5*39 Tp-2 ?*
5? 9 Pili M ^
S.S S 2
*
os seus pertences,
17 : a tratar na
Vende se barato um bom carro de quatro
rodas : para ver e tratar na fabrica do Sr. Gros-
Jean, ra da Florentina n. 14._______________
Vendem-se lingoas do Rio Grande em calda,
muito novas, a 200 rs. : na rna do Rangel nume-
ro 2^ __________________________
Vndese a cata assobrada da roa de Borlas
n. IIO, com bstanles commodes : a tratar na tua
de Santa Ttereza n. 56. -
e de
para
Panno de linho fino com 9 1|2 palmes de largu-
ra pelo barato preco de 2i00 a vara.
Bramante de liuho fino coro 10 palmos de lar
gura a SjJS'OO a vara.
Pecas de cambraia com salpicos brancos
cores com 8 1|2 varas a 44500.
Pec^s de cambraia adamascada propria
cortinado de cama com 20 varas a li.
Balees da arcos a 2500,3*. 33O0 e 4J.
Lencos de eambraia fina a 2;6u a duzta.
Ditos de dita a a duzia.
Atnoalbado. de linho tino a 2800 a vara,
Dito de algodo a 21 a vara.
Alpodo entestado com 7 l|2 palmos de largura
a 1*200 a vara.
Pecas de bretanha de rolo com 10 varas propria
para .-a,a a 3500.
Fil de liubo liso fino a 800 rs. a vara.
Dilo de riit- com salpicos alia vara.
Cambraia de linho fina a 4*500, 6*500 e 9* a
Vendem-se duas barcacas apparelhadas e prom- ivara. .......
pas a navegar, sendo ana de lolaco de 23 ca i Cortes de laazinha de lindos gostos com 15 co-
las e outra de ifcV bem conservadas ; asnm como* vadosa 5*.
urna casa terrea coro quintal, siu na ra Bella,! Pecas de madaprJSo fimssimo pelo baratissimt.
em Ro-Formoso, tendo loja para negocio, e mora preco de 8*. 9*, 10* e 114.
<*
lencit*.
da ao lado, com releme, banho e ro uma
boa acquisico para quem qnizer estabelecer-se
naijueila lucalidade : pra melhores informagoes
e ajuste trata se com Antonio Lopes Braga C,
na roa da Cruz n. 36, Recite.
Vende-se
a. 20.
a taberna da ra dos Assuguinbos :
Vende se nm cavado caslanho andador de
todo e est bastante gurdo : a tratar na roa das
Flores o. 22, na mesma casa compra-te nm selim
em bom estado.
?eode-se a armacao da casa do aterro da
Boa-Vista n. 54 A: quem pretender drija-se a
mesma.'___________________ ________
Na raa de Imperador n. 28 tem superiores
bichas bamborguezas para vender em purcio e a
retalno, e tambem alugain-se ; rap Paulo Cordel-
ro viajado, igual ao de Lisboa, e para gosto de al-
gocs, melhor, por nao lerir, etc.
o_
se
per preco commodo nm bonito bol, manso e aros-
turnado ao trabalho de carrocas, ama carrosa com
molas e coberta, e arreius para um cavailo, e mui-
to propria para o servco de padaria, outra velba
com pipa para conduzir agua, e mais outri de cai-
ta alta, moito apropriada ao servieo de conducgSo
de saceos e barricas : quem pn-t-nler taes objec-
tos. dirjase a roa do Imperador*) esenptorio da
empreza da Uaspeaa da cidarie, por baizo do con-
vento de s. Fraociseo, que se dir qoem vende.
Vende-se um fardaraeotojcompleto de peqoe-
no e grande uniforme do eaqaadrao de cavallaria
da gnarda oaeional do Recife, e tambem tedos os
arreios para cavado : para ver tratar na padaria
do Chora-menino, por prego commodo.
Fianefla branca fina a 600 rs. o cavado.
Dita de cores fina a 880 rs. o covado.
Baloes de mnsselna para menina a 3*, 3*500
e4*.
Cambraia de forro a 3* a peca.
Dita fina a 44500, 6* e 79 a peca.
Gnardaoapos de linho a 3*800 a duzia.
Toa ibas de algodae felpadas duzia a 19*.
Esleir da India propria para forro de sala de
4,5 e 6 palmos de largura per menos preco do
que em outra qualquer parte.
este armazem tambem se encentra nm grande
sortimento de roopa feila e por medida.
ROMANCES B IHTOS
Vendem-se, na livraria da praga da Inde-
pendencia n. 8, a 400 rs. o volunte, os ro-
mances portuguezessegulnles, em brochura:
A voz do sangue, 2 voluntes.
Connemara, 2 ditos.
A note de S. S Ivesire, 1 dito.
O filno de Titiano, 1 dito.
Adonis ou o bom negro, 1 dito.
As du-s amadas, 1 dito.
O pacha de Boda, 1 dito.
TriPiy, 1 dito.
Ignez de la Sierra, 1 dito.
Joven Siberiana, 1 dito.
- Veade-se chumbo para derreter a 15*000 o
quintal, na 120 rs. a libra : no pateo do Carmo}
casa de banhos.
Tasso IrTiO-
Yf-od-m no im anuazen rs? Aui-rir.! b. 35.
Licor fino Curado em fccja e stieu-
Licores finos sorties w. arrafs- c'C ij* i-
vldro e em lindos iras-es.
VithosCberes.
Santernes.
Cbaatiertit.
Hermitag.
Borgonhe.
Champ-: re.
Moscatel.
Reino.
Bordeacx.
Cognac.
Od toe.
PAezei lapr,"il.
O Pcitorael de -: 5a,
DO DR. AYBB,
V.\r.\ a n.-RA r :
T* tola* a Mle>'.df <* a*fl
c da ear-Ji- -it.". tnn -
Bronch:" s _o, CeeBtmmmjameeam 'Jt&mnm.
K>tc xtox* p-ltr.ral r*ml
tuto du longo :
por nm ilo* prr
Anwrlrm da MMtP, Ai *
cnciaa niimielo*a-t :roa falaalpan
hoptta do mr.ndo; c reeeHado ;! mdko.- J_i*-.itarf-
deite aeculo im raa clnica partk-ulnr, poructo '.io
conSoiifa, 1, per <.- '~ ~nz, alraa^iaido tem r_ tcm imf:t-
Ivel o assento da nok -.ia e unumada me ja rakm, ani-
dando nos oreaos aflertados urna rie aatanl e : ^
ter innocente t opptiamtt a mmetemer peeetm !
ou i, o homcBi robosto o i L oriaa da n.a:
cada frasco sendo r.ceomi>ar.!iado de dlrreafSes aati .
8, e ultimo,tor r.io ter nm remedie awrote,pafc o:.. .
ico ou pharraaceaco pode obter a formnlada "ia ca^V"~
dtrigindo-ic nersoalmcBle ou par carta ao agente geral K.
Lase, a raa Diretta Xo. 14. a_ de Jaaeiro.
Mnitos casos qnc tinho zoiabado e tem* n ttwmM
dn scicncia tem sklo ciirado rniWeahneots roin o "uto
Pcitoral de Cercja.
As pessoas atacadas de tone, l__ios, Dr ol ycyanit*.
Bronchite, atmn, etc., e outros symptoaaaa da tiekm rim-*-
ria geralmente fazcm pouco cuso do se fmkamew *:
que seja tarde para cura-k). !to a_Ma_ h eY otmi tm.t
porque apora parece de pooca noportan-::'
descuidada cliega a ser chronica e iwlnz a ibraaefa 4*
Tubrculos nos pulnie*.
Nenhuma casa de familia deste xaropc mo; pois nos ataqaes pent.nas m
Aneina, tost comprida a qnc cstio snjeita aa cri.-n. .-. m>
terapo de chamar um medico, nem este xarope alivia immoliaUucnte e pc o tiiho ..aeriiU)
sao e salvo, fura de perigo.
A BKdosUas qne cto no alcaacc dat Th;aiJ :>**
do rJBITOJtAZ DE CEEEJT.I alo
Seflnxoa, Toase, Asma, EaqiMnoia, Brea Ail-
Coqueluche, Toase ferina on conrulaiT-a.
Koquldio, Toi m moloatiaa do poit)
o earranta. Conaamp^o doo Pul-
mes on Tisiea pubnonar.
Aeha-te em todas as Boticas e Drogaras ia !
Pilulas Catharticas do Dr. Ayer
CTJ &2.0
Preoo de eentre, ImeUmeote, Constpeme, Mt\tm
Miiiw, Hommtrrmoidme, Dr ele ales, Xemimi
ai, mal da tettmmga, Bmammmeem, mal da ~paa>.
timetrUe, reara amate Mepatiea, temrteme. Mr
alto, Bydrapel, I
0 mhW purgante ate* boj*
EHot punios auecaratlas sao
ruMioi Ftnoneo
? Ttsdt ara to as
COLA
de suprior qualidade
Veude se na roa do Trapiche n. 4.
h. m. i_ra.
Vende-se em Pi
na
PHARMACIt
deRMAI
RA NOV
-JL--I



N. 11Kua do QueimadoN. 11
A' casa d Augusto Porto chegaram pelo vapor francez ricos cortes do jUb
vestidos de seda de cores dos mais bellos gosios, proprios para bailes,
partidas ou casamentos.
Cliales de Guipure pretos q brancos.
Bonets de pallia da Italia para senhoras.
Moir branco e preto.
Bonita seda para vestidos.
Caseairas de quadros.
Esteira da Inda para salas.
Madapol5es francezes a 400 e 500 rs, a vara,
Ias para vestidos de diversas qualidades, e
gostos diffreentes,
Q que tudo se vende pelos mais commodos precos.
CORTES DE SEA
CheRaram pelo paquete inglez riquissimos corles de moreauique de cores, e ;eda lavrsta pa-
ltes nteirameote noves.
Seda de quadros por 1$000 o covado
5RA DO CRESPO-5
Gregorio Pac do Amaral Companhla.

Para vestidos de senhora.
Cortes de seda de cor de bom gosto e superior qualidade.
Lindas sedas de quadrinhos.
Bons moireantiqo.es de cores.
Grosdenaples da todas as cores.
Lindos poil d chevre lazunda assetinada de inteira nwidade.
Lindas duquezas assetinadas fozenda inteiraraente nova.
W, Modernos greaadines de seda o que tem vindo de mais novo.
W Grande variedade de las de cores lisas e de salpicos.
[& Or-andys e ca;sas de muito bom go>to.
Ip Percalias modernas com grande variedade. -
}p Lindos cortes de la Clotilde com todos os pertences cada um em seu car-
pan inteir ente novos.
Bonscirtes decapa coa barra tambero inteiramente novos e outras mui
fazendas de gosto qae seria enfidonho mencionar.
Para homhros de senhora
fl Grande variedade de chales, bournoox, retondes e algeriennes de Ql e de<
t'guip'ire a 10, 16, 20, 30, 40, 60 at 8045.
& Modernos soutembarques de seda de superior qualidade.
Lmdos bertes de seda de cor pretos e de cachemira.
J dem de caubraia branca bordida com muito-gosto.
de
AO HE8PEITAVEL PUBLICO
F
A tabella abaixo publicada serve de base depredes,
tanto destt ajgnazem como db arm^ei&pEQgressivo pa-
teo do Caima n* 9r principal armazem rua do Impera-
dor n. 4 f aaeav6c*3iteao oespeitavei publicOi e-com especiaridade aos senhores' de en^
genhos, JaMiadope&emai*p8soas do centro, que para mais facilitar suas compras deli-
Mraram' os proprtarios dos. tres grandes armazera, reeoir'todo os seue estabeleci-
mentos em um so. anniwcio. pelo, quat o preco de*u ser de'lodos, promette-
mos que nao. io.rigireai& a tabella que abaixo vai publicado, aoounciar os gneros
fM)r um prsco, e na oGcasifio da compra- quererem por outro, como socede constante-
ente em outras omitas casas, porm nos bossos estabelecimentos nao se dar' isto
anda mesmo. com prejuUo nosso, qualquer pessoa poder/iwmdar seas fmulos qoe
serio tambem servidos-cono, viessem pessoataaente Tazendo-nos o favor de mandar seos
pedidos eot) caitas Ceixadas; gara evitar qualquer engaos, remetiendo nos ama oonta
Hela qual se, vet os pecpi tal qual annunciarmos, o quesenSo arrepender pessoa
alguma que fizer sua despenca em- nossos estabelecimentos; pois poupar mais de
5 por cento na sua despeza diaria.
cor e outros muitos artigos
dec
Snutombarques e bournoux de cachimira
bom gosto.
Para cabeca de senhora
de seda e de crina de muito bom gosto a im-
:'. 'O
-: o Superiores chapelims de palha,
';;' p ratriz.
Rfi Chapeos de pilha da Italia grande variedade.
'y" Lindos gorros e bonets de palha de Italia, Imperatriz, Canntier, Clotilde'
^>. e a Grante, chegados de Parispe'o ultimo vapor.
lis Grande variedade de enfeites de frco e de flores para casamento.
rjj^ S iperiores vestido? de blondo, e de moireantique brancos.
B >n> m nreantiques brancos e s iperiores sedas brancas.
^ Bons vestidos de tarlatana branco bordados.
ifc1 Lindas mantas de blonde e boas capellas.
'syi Bordadlos,
dte Grande variedade de entremeios bordados transparente e tapados.
JP Tiras bordadas transparentes e tapadas, habidos bordados, saias bordadas e
% ostros muitos artigos.
M
DE 4NTONI > GORREA HE VS'ONCELLOS & C.
RA RO CRESPO !. 13
SA*J\ .t.$ COLH.fl.VAS
A LEGITIMA
LSAPAHBIIHA
SGrande armazem de tin-g
I tas medicamentos etc.
Rua do Imperador 22.
PREPARADA UHICAlfiENTE POE
AN1AS k KEMP,
NOVA T0RK.
C'^mposta de substancias, gozando das
proprie'.lades'eminentemente depurativas ;
.i-)p-)vada pelas juntase academias de me-
dicina ; usada:nos principaes bospitaes, ci-
vis nilitares e da marinha as Antilhas'l
no continente americano ; receitada pelos
facultativosos mais distinctos do imperio dp
Brasil e da America hesp&abol
CURA RADICALMENTE
escrophulas, rheumatismo, escorbuto, eD-
t'errnidades venreas eTOereeriaes, cfcagas
antigs, morphea e todas as molestiaspro-
venientesd'um etado vicioso do sangae.
Emquanto existem varias irartacSes e
falsificagos. preciso a maior cautelaptfra
<\it;)r es engaos,
A legitima salsa de Bristol vende-se por
CAORS & A41B0ZA.
JOO DA C. BRAVO de C.
Jo3o da C. Sfavo & C.
r>?-)osito .gorri -mi PmuMneo rua da
Qru em casa de Caros & Banboza
i\
ric
avariado.
FrBcei baWc (4000
Portland Uem 8*300
Eci perfei^o estado:
Fraaceziwrrtea 1M600
Portlsod ifem 13*000
* irm^Tfta fii* Tuse Irraos rie da'Apollo.
~ V Rita d. 44 : a trr^r rfa roa de Sata Rita, taber-
na i. 2.
I. ae.
;Joo Pedro das !feres (c-J
reate) cn a venda o
M seenlute:
58 Productos cbimicos e pharma-
%fi ceuticos os ouis empregados em
tj medicina.
Tintas para todo o genero de pio-
tura e para tinturara.
^ Productos induslriaes e tintas
I para flores, como botes de fle>res
S e modelos em gesso para imitar
9 frustas e passiros com o compe-
tente deseaho.
Proluctos cbimicos o industriaos
Sfi para photographia, tin'uraria, pin-
|| tura, pyrotecnia et ;.
jg| Montado em grande escala e sup-
I prido directamente de Paris, Loo
5 dres, Hamburgo, Anvers e Lisboa
J pode offerecer productos ile plena!
I conianca e satisYazer qualquer en-
^ commenda a gros-o trato e & reto"
jfij"10 e Pr preco commodo.
mmmm mm^-m mwmtimm
colares Royer on colares ano-
dinos
para facilitar a deatico das criaogM 8 preserra-
las das conTulsoes. ,
O felir resoltado obtido immeD^as vezes pela.
[frodigloSa forja mt|nelka dos oblares1 fteynr, nos'
casos de roDTttlsdes, e denlicao das criancM, tem
altamente elevado o seu bera mereitido prestigio,
e hoje jS se pode dizer qae estao feralraeMe con-'
ceitoadoa, e estimados de iDoamersveis pas ida
familias : de uos porifua denso mmt salotwes
colares viram salvos do perijro seas charas fllhi-
ahos, e de oatro? porque colheram daqaelles tao
proOcao eiemplo para itrualmeoie tlrcwl Vsr os
seas. Arn, pok, a agnia branca, teBrio em vis-
tas a atlli'iade e provea desses pro-ligioses cola-
res anodinos ou R^yer, mandan vir o novo sorti-
meolo qan agota receben, e contlnnara a recbe-
los para qae em lempo algom a falta dHIes possa-
ser funesti ao put de familia, os qnaes flearo
certos de os arhar i-onstaniemeote na roa doQuei
mado, loja d'agaia branca n. .a ; ti t
Farinha\a$b*w
Vende-se farinha de mandiort, wows grandes f
do armaren dos Srs. Ta^salrraos, ai.ponte vm'
oelo preco cima mencionados. i
CONSULTORIO fgm
DR PEDRO DE ATTAHXDE L08> MOSC0SO,
3 Bm ^ Gloria, casa do tmdao 8
O Dr. Lobo Mpecoso d cosultas gratuitas, 30*.pohres todos osds te 7 fcii
aows da nuaiwo, e das &,e meia.s 8 horas, dwoii.,* eicepfip din das
phwmM\& espm<* liomeopahie*
No mesmo consultorio ha sempre o mais appropriado sortinealo de
tubos avulsos, assim como tinturas de varias dyranamisacoes e pelos presos
Carteiras de 12 tubos grandes. 12*000
> de 24 tubos grandes. !8|p00
de. 36 tubos grandes. 2.4000
> de 48 todos grandes. .. 30,5000
de 60 tubos grandes. 354000
Prepara-se qualquer carteira, confiarme o pedido que se fizer, e coa os
rae se pedir.
Um tubo avulso o frasco de tintura de raeia onca IdKWO.
Sendo para cima de 12 custarao os precos estabelecidoe pora as carteiras.
Ha tobos mais pequeos, cada.um a lOO ris.
MVKOS.
A melhor obra da homeopathia, o Manual de Medicina Homeopatbico do Dr. Jnh
dous grandes volumes com diccionario.....
Medicina domestica do Dr. Hering ,
Repertorio do Dr. Mello Moraes ....
Diccionario de termos de medicina........... 34900
Os remedios deste estibelecimeato sao por demais conbecidos e dispensaos por
tanto de serem novamente recommendados as pessoas que quizeren osar de ronoaVo
verdadetros, enrgicos e duradores: ha todo do melhor que se pode desejar, ghoosdo
rerdadeiro assucar de leite, notaveis pela sua boa conservacao, tintara dos
tados estabelecimentos europeos, a mais exacta e acurada preparacao, e portaste a
energa e certeza em seus eflfeitos.
Casa de saude para escravo*
Reeebe-se escravos para tratar de qualquer enfermidade ou fazer-se-Ihe
operacao, p.ira o qoe o aonunciaote julga-se suficientemente habilitado.
O Iratamento o melhor possivel, tanto na parte alimentar, cono oa a_
funecionando a casa ha mais de quatro aonos, ha muas pessoas de cojo conceilo
pode duvidar, qae podem ser consultados por aquettes que desej
doentes.
Paga-se 2^ por dia durante 60 das ed'ahi em diante 1*500.
Asoperacoes sero previamente ajustadas, se nao se quizeren sujeitar
razoaveis que costuma pedir o annunciaate.


MAXTEUn-1
Manteiga ingleaa perfeuamente flor che-
gada ltimamente de i.oooa t.too rs. a li-
bra, e em barril ter abatimento.
Manteiga fraoceza da safra nova a 86o rs.
a libra e era. barril ter abatimiento.
BANHA
Banha refraadi supertor a Wo rs. e em
barril ter abatinenlo.
H
Cha uxim.de primeira e superior qualida-
de a 2,8oo rs.
dem byssen o melhor neste' genero a
2,6oo rs., e sendo era porcao ter abatimen-
to, tambem haproprio para negocio de 2 a
2,4oo rs. a libra.
dem preto superior de l,8oo a 2,5oo rs.
a libra.
Sorreja
Superior serveja Bass dos melhores fa-
bricantes, como sejam: Shlers & Bell. T. P.
Ashe a 7,5oo e 7,oo rs. a uuzia e a 7oors.
a garrafa. Tambem ha de outras marcas
como seja: Victoria e Alcope a 5,ooo rs. a du-
zia e a 5oo rs. a garrafa.
Ylnagre
Superior vinagre de Lisboa a 2,ooo rs. a
caada e 280 rs. -a garrafa. Tambem ha
mais baixo para 2oo rs. a garrafa e t,4ob rs.
a caada.
Azeiie doce
Superior azeite doce de Lisboa a 64o rs, a
garrafa e a 5,ooo rs. a.caada.
Massas
Macarr5o e talherim a 360 rs. a libra e a
Blscontos 15,ooo rs. a caixa.
Latas com superior biscouto inglez de di- Passas
versas marcas a t,2oo rs. a lata. Superiores passas a 3,ooo o quarto e
Bolaehinhas j i2,5oo rs. a caixa de arroba hespanhola e a
Latas com bolachinlns da acreditada fa- 5oo rs. a libra,
brica do beato Antonio, proprias para dar a
doentes de 2,ooo a 3,ooo rs. a lata,
dem com quatro libras de bolachinha de!
i;e\ebki
Genebra^de laranja verdadeira a lo,5oo a
soda a 2,ooo rs. a lata.
Queijos
Queijos flamengos chegados no ultimo
vapor de2,6oo a 3,ooo rs.
CHOCOLATE
Chocolate' hespaohol a l,ooo e l,2oo rs.
a libra, francez e suisso a l.ooo rs. a libra!
e portuguez a 800 rs. a libra, em porc5o
ter abatimento.
VINHOS
Superior vinho do Porto das mais acredi-
tadas marcas, como sejam: Madeira Secca,
Ouque -do Porto, Velho Secco, Lagrimas do
Douro, Maria Pia, D. Luiz, Pedro V, Lagri-
mas Doces e outras marcas a l,ooo a garra-
fa e 9.000 a 12 ooo rs. a duzia.
Vinho Figueira e Lisboa das melhores
^j marcas a 4oo e 5oo rs. a garrafa, e a 3,ooo,
f 3,5oo e 4.000 rs. a caada.
Superior tlnho chamisso em barril a 64o
rs. a garrafa e a 4j5oo rs. a caada.
Superior vinho de Lisboa e Figueira em
ancoretas de 8 e 9 caadas a 2i,ooo rs, a an-
coreta.
Superior vinho branco proprio para rois-
sa a 640 rs. a garrafa, tambem ha mais bai-
xo para 4oo, 5oo rs, a garrafa e 3,2oo a
3,5oo a caada.
Caixas com urna duzia de garrafas de su-
perior vinho Bordeaux a 7,ooo rs. a caixa e
7oo rs. a garrafa.
CAFE
Gaf do Rio e !. e 2,' qualidade de
6,8oo a8,2oo rs. a arroba, e de 24o a 28o
rs. a libra.
ABA*
Sabo maca de prtmeira qualidade de 18o
a 22o r. a libra e de 16o a 2lo rs. sendo
duzia e l,ooo rs. ao frasco.
Genebra de Hollanda verdadeira a 6,ooo
rs. a f asqueira e a 56o rs. o frasco.
Idom de Hollanda em botijas a 4oo rs. ca-
da ums.
Garrafoes com 24 garrafas de genebra de
Hollanda a 8,ooo rs, o garrafo.
ha garrafoes com 5 e 14 garrafas de 3,2oo a
6,-ooo rs. cada um.
VELAS
Velas de spermacete a 64o rs. a libra.
dem de carnauba de lo a 12>ooo rs a
arroba e de 36o a 44o rs. a libra.
AKM4ZEM DE FAZEXDAS

DE
CUSTODIO ARV4LHO C.
27 RUA DO QUEiMADO N. 27;
Madspolo francez muito fino, tendo pouco moto, cada eca coa
tomo. *** ^
La de cores a 300 rs. covado.
Cambraia- franceza a 260 rs. o covado.
Vinos organdis a preco de 800 es a vara.
Lencos braceos para algibeira a 2# 00 a duzia.
Fin is perclaras, a. proco de 400, 440 a 560 rs. o covado.
Ricos cortes de la de barra de 10* a 3^*000.
Chales de fil preto e outras omitas fazendas.
--------------H---------TT-.--------1 -., .,-rr-,--------------,-------,--------,-------,--------------------------^_------------------------------,------,--------------------
27 Taris por
Novidades do Vigilante
RUA DO CRESPO N. 7.
Este estabelecimento apezar de sempre
se achar bem sonido como todos sabem,
hoje mais que nunca, nao s pelo que rece-
be de sua propria conta, mas tambem pelo
que recebe de consignacoes; parece sem
duvida que deve offerecer grandes vanta-
gens para o respeitavel publico tanto em
Tamhprn' Prefs como na escolha dos objectos, e co-
lt mo acaba de chegar grande remessa pelo
vapor tDouro e o navio Solferino de
diversos objectos de gosto e proprios do
lempo dos quaes se mencionarao alguns,
por nao ser possivel mencionar tedos. O
dono deste estabelecimento espera a pro
teceo de todos.
PEIXE
j preparado de l,oof a
em caixSo.
Peixe em latas
l,2oors. a lata
ALPWTA E PAiNCO
Alpista e painco muito novo de 3,8oo a
4,ooo rs. a arroba ede 14o e 160 rs. a li-
bra.
CHARUTOS
Charutos dos mais acreditados fabrican-
tes, como sejam: Joo Furtado da Sernas,
Manoel Peixoto da Silva Netto, Castanho A
Filtro e Brando e de outros muitos. os
quaes vendemos pelo mdico preco del.6eo,
2, 2,8oo, 3,5oo, 4,5oo, e 5,ooo rs. a caixa.
Licores
Licores francezes e portaguezes a l.ooo e
l,4oors. agarrafa ou frasco.
Doces
" Doce da casca da goiaba e caixSes pe-
queos a 7oo rs. e de 5o caixBes para cima
a 64o rs. o caix3o.
Frats
Frutas em calda e em latas fechadas her-
mticamente, muito bem enfeitadas, conten-
do pera, peego, ameixa rainha Claudia, al
perche e outras frutas -a od rs. a lata.
Tambem ha latas grandes para l,2oo rs. a
Ihrta.
MACHN 4S DE PATEITE
DE TRABALHAR A MO PARA DESCA
RUCAR ALGODO
I4RIIKAUO MP*
PLiNT BEOTHEnS & C.
OLDAM.
Estas
as pdeos des-
cantear qoal-
ipeoede
goolo son
estirajar o fio.
esdo kostaote
(loas BCSSOBS
IBP o Irabo-
II*; podedes-
carosn* o ai a
arroto de af-
godao en co-
roco on 10
minutos, ou
18 arrobas por dia ou cinco arrobas de al-
godo limpo.
Assim orno machinas para serem non-
das por aoimaes, que descarocam 18 arro-
bas de aluodo limpo por dia; e noiores
para mover urna, duas ou tres deseas na-
chinas.
Os mesmos tem para vender on bellifsi-
mo vapor que p le fazer mover seis destas
machinas mencionadas; para o que eonvi-
da-se aos senhores agricoltores a viran ver
S examina-lo.
Nauadert Brothers k C.
Recife pracj do Corpo Santo o. II.
Os uaicos agentes npste paiz.
O c^steJJo de Gmsville.
Triii de fraactf ir i.J.Lii Cm.
Vende-se este bello romanes on qoatr
lomos ielo baratissimo preco de 3#00C
se praca da Independencia, livraha ss.
*m^wmM*<
Uvas pelo ultimo vapor.
Peras pelo ultimo vapor.
Maclas pelo ultimo vapor
Ameixas pelo nltino vapor.
Paseas pelo ultimo vapor.
Figos pelo ultimo vapor.
Fructas seccas pelo ultimo vapor.
ai calda pelo ultimo vapor,
o ufUW) vapor.
Vendem-se
machinas americaaas S errte para descarocar
i algodao : na roa da Seszala ova n. 42.
Quecos ledrinos pelo uMfto spor. I
Oheijos flamengos frescos pelo ultimo vapor.
Presunto fiambre ffelooMno-oaeer.
Tado se vende barato nos seguintes ai
Roa do lanperonor n. 4. Terdadelro Ps4nls>ol.
Ra do nelmado n. t, tastfo e Cotnooerelo.
l>argo do Carao b. Pro^resal^
T i mr imiH iirtmif ffmnioj far^^- m ~t fr^-^r
msica propria para um delicado mimo.
Caixinhas de msica tanto de veio como
de corda.
Ricos porta jeias e ecessarios.
Riquissimos est jos a feitio de um bausi-
nho ou chapeuzinho.
Ditos em casca de noz e de outros gostos.
Leques de madeperola de sndalo e de
faia e madeira.
Chaposinhos e touquinhas de muito
gosto para enancas.
Meias e sapatiohos de seda para as ses-
mas.
Meiasde seda para senhoras.
Capellas e grinaldas de flores proprias
para casamento.
Enfeites e capellas de muito gosto para
senhora.
Riquissimos porta boquets.
Boquet de flores com urna borrachinha
com ebeiro.
Luvas verdadeiras de Jovin.
Ditas de seda e de Escocia.
Riquissimas plumas e guarnieses para
enfeitar chapeos.
Con tas e tubos de ac branco, que ha
muito se desejava para enfeites.
Brincos, flvellas e cruzes de crystal.
Fiellis e cruaes de tartaruga, madripe-
rola e dourados.
Alfinetes para grvalas.
BotSes com croas para punhos.
Gravatinhas e mantinhas de muito gosto,
tanto para bomem como para senhora.
Riquissimos aderecos pretos, assim como
caixinhas com a'fine tes pretos.
Bengallas de canna com cabo de marfim.
Ditas de baleia, borracha e de outras
muitas qualidades, assim como cbicotinhos. SKiCJ15J %<
Riquissimos peales de tartaruga do ulti- trua*tra<, cie* qM po4>arrora
mo gosto; assim como de arrsgaco para!ft'iidcna a armarws, fliekM te
menina, pois neste artigo ha um completo r*
sortimento de todas as qualidades.
Diademas para cabeca do ultimo gosto,
Riquissimas fitas lavradas e lizas.
Framcisco Jos Germano
BA NOVA N. 22,
aeaba de reeeber on Nado e:
tmente de oculos, luoetos, binculos,
timo e mais aparado gosto da Europa e
les de alcance para ubservacBes epara os
maritjmos.____________________
GesABa de ilbo inocosf
!
Eu preciosa fecal, co|m
cinaes a iopreaM eorotea
ra cara das aoJwOu So mN,
tanben oowo limeaio um a i
croan^as preMamio-M a variada* (inipnaj
rio?. A ger*l acf iiaco qoe rita tea
toa a parte, o sea maior elogia.
Pernambuco rna da Cadeia n. |.
Vende-se onicamenie a reulho aa ra* o
rasar a. 7, armaiem alllDca.
VGNBei-SE
commodo : na roa So Imperador,
pliica, defronte do cootooIo da S,
Atten'c&o
Vende-M oa arreada-s ora
distarte riesia Made, a-a ama
Trancas pretascom vrdrilho e decores.
Phlseiras Wftto para senlrota' Como para 'ido por atoa, eam eieaiteotea
meninas.
Ligas de seda e df elgodo.
Suspensorios de seda e de algodo e mui-
tos outros objectos que se nao oodem an-
nunciar por nio se tomar enfadooho.
frecisas, e vende-se a safra
l
Imperador!. 78.
Cera do
yende-se cera de oaraaoba, I
raiprecodeTWWaaTTOba: m
S no Gallo Vigilante rua do Crespo n. 7. dr* de Dos o. 5.


!
'
i
i







I

f9NM *MHttfl>! 8*6.
ENCfetOPEDIOA
5* Ruada Ipperatrlz armazem
da parta larga fe.
imito a padaria fradceza de
Preles Porto.
Neste estabeleciroeaio encontrar o respeitavel
publico Dtn variado sortimento de fazendas france-
xas, iagleas, suissas e allemes, que Se venderao
por prego commodo.
Paredes Parlo
Vende chales derttda'de cores que se vnde-
nos a 18 est vendondo por 64, ditos pretos, fa-
zenda nova, 64, 64, 84 a 204, um sortinieato com-
pleto de manteletes, capas e soutambarques 144 a
554. Roa da Iroperati'it n 42, Junto a padarirrrin-
ceta, armazem da pona larga.
Pairead Porto
Becebea um completo sortimento de liasinhas a
240, e 280 rs. covados, para acabar, cambraias de
cor a 240 rs. o cavado, riscado eseossez-para roo-
Ki de menino, fustao de Itabo a 420, 400 e 500 rs.
na da Imperatriz n. 52 junto a padana franeeza,
armazem da porta larga.
ParWfsTorto
Receben para cortinados para cama franeeza a
11S a peta cambraia lisa fina a 34 44 al 104a | fabricarcom melhor perfei(o possivel.
puro, o que nao se pode encontrar naquelle due vem de fra, e qrje s vende por preco
baixo, visto os productos serem do paiz. Na etiqueta tena sempre tima aguia.
FABRICA A VAPOR
99 RA 00 MONDEGO 99
peca, cortes "d TaflaTaTQyde bonitos gostos a 34500
e 44, cambraia com flor de seda, gostos Inteira-
mentev>ovos a 400e 800rs. o eovado,no armazem
da porta larga n. 52, ra da Imperatriz junto a pa-
dana fraoceza.
Paredes Porto
''Reciben pelo ultimo paquete um sortimento de
crozes cem pedras para o pescogo, bonitos cazlhets
de la* para pescogo'ile senhora. Roa da Imperatriz
n. 52, armazem da porta larga.
Paredes Porto
Vende cortes de gorguro preto para vestido com
21 covados cada um 354000, grsdenaple pretoa
1*000,14800 e2i o colado, las liras finas a 400
rs. o eovado, las de quadrinho para Vestido, entes-
tada, a 320 rs,. o eovado. Ra da Imperatriz n. 52,
armazem da porta larga.
J Iloupa feita
Ra da Imperatriz n. 52 armazem da porta lar-
ga jubIo a padaria franeeza, encerra-se-aeste es-
tabelecimento um completo sortimento de paletos-
saceos e sobrecasacos, de todas as qualidades, cal-
cas, colletes, ceroulss, camisai, grvalas, meias,
chapos de sel, ditos" francezes para cabega.por
pregos commedos, roupa para menino e outras
muitas fazendas por piejos commodos, armazem
da porta larga.
No mesmo eitabeleeimento encontrar o respe-
tavel publico, sempre um completo sortimento de
roupas fetas de todas as qualidades, cmo sejam
paletos de alpaca preta e de cor, ditos sobrecasa-
cos a 45 e 55, ditos de brim par Jo a 24800, 35 e
35500, ditos Bobs a 45, ditos meas eazenrra a
35500, 45 e 55. dius cazemirasccos a 65, 75,85
e 105, ditos sobreca-sacos a 10 e 125, ditos de pan-
no saceos a 65, 85 e 105, ditos sobrecasacos a 125
e 255, ditos de merino preto a 65, 75 e 105, cai-
cas de brim de diversas quaritfdes a 15800 a 45,
dilos brancos a 25500 e 6500, ditos cazemira 55,
65 e 75, ditos pretos a 55, 65, 85 e 105, ditos
metas cazeroiras a 35 e 45, coletes de diversas
qualidades, seroulas francezas de algodao, ditas-de
llnbo, ditas de bramante a 25 e 25500, carnizas de
algodao de hnho francezas de 25500 e 35- Gran-
de pechincba neste genero, gravatas de todas as
qoalidades e brancas para casamento, grande sor
tmenlo de meias para senhoras, dius para aoraens
a 35, superiores a 35500 e 45-
Um completo sortimento de chapeos de sol de
alpaca a 35, ditos de seda a 55. 75, *#5 e 145,
ditos francezes paia cabtea, grande sortimento
a 65-
Pechincha admirare!.
Grande gortlmeoto de chambres a 45660 e 5,
lenges de cambraia para bomem a 25 a dazta, di-
tos de lioho a 45 e 55-
Grande sortimento de roupa para meninos e 00-
tras muitas qualidades que seria enfadonho men-
ciona-las.
Paredes Porto
Recebeu pelo ullimo paquete fraucez ricas laas
granadinas com flores de seda 400 e 500 rs. o
eovado, esto acabando-se, cambraia preta para
luto. ..Porta larga junto a padaria franeeza, a ra
da Imperatriz n. 52.
Paredes Porto
Receben pelo ultimo paquete espartlbos a pre-
guicoso por 3, sao bous, lengos de seda para se-
nhora e hornero a l?, ricos cortes de cambraia
bordados de 18$ a 7, por ter um toque de mofo,
esto se acabando, na rea da Imperatriz n. 52, jun-
to a padaria franeeza.
Paredes Porto
Vende um completo sortimento de fazendas
brancas, como sejam madarolao a 45500, 55, 65 e
10JJ, pecas de algodao por barato preco, chita fran-
eeza a 240, 280. 320, 360 rs. o eovado, preoalias
muito Anas a 360, 400 rs. o eovado, chita ingleza
a 200 e 240 rs. o eovado. Ra da Imperatriz n.
52, junto a padaria franeeza.
Fazendas.
Vndese superior merino preto proprio para ca-
pa do senhora e vestidos a 25. lustrim da China
a 15800 o eovado. Ra da Imperatriz, porta larga.
Paredes Porto.
Venda em seu estabelecimento tiras e entremetas
bordados, grande sortimento de corplnhos rica-
mente bordados a 35, 45 e 55- Paredes Por-
to, ra da Imperatriz no 52; porta larga junto a
padaria franeeza. _________
Grande novidade.
Lourenco Pereira Mendes Guimaraes, propie-
tario da grande loja e armazem da Arara, roa da
Imperatriz n. 56, declara ao respeitavel publico e
seos fregnezes, que recebeu diversas qualidades
de fazeedas vindas pelo vapor fraucez, por isso
como a festa est quasi acabada resolveu vend
barato para acabar al o fim do auno.
A novidade, chales de renda a 1OJJ000.
Vendem-se rices chales de renda moito finos e
novos a 105, 125 e 155, retondas multo ftnas a
125 e 155, souiembarques de grsdenaple a 18fi,
205 e 235. capas prelas de grsdenaple a 205 e
255, sout^mbarques de laazinha a 51, ditos bran-
cos finos a 85 : ra da Imperatriz, loja da Arara
n. 56,
Cortes a Hara Pia a 8,5000
Vendem-se rices corles de ve.-tido de cambraia
bordados a laa e seda a 85 e 105, ditos de laazinha
fiBos a 8, 12el64, cortes de cambraia de ba
bados a 35, ditos de eassa- franeeza finos a 35,
pecas de cambraia branca lina a 35, 44,'4e-a,
ditas de cambraia para (orro a 25, cortes de chi-
tas a *!200 e 35 : ra da Imperatriz, loja da Ara-
ra n. 38.
Cassas franeeeas a 300 rs., chitas a 240.
Vendem-se cassas francezes finas a 300, 320 e
360 o eovado, chitas finas a 240, 280, 320, 360 e
400 rs. o eovado, alpaca de cor para venidos a 320
o eovado : roa da Imperatriz loja da Arara n. 56.
Liatintras a 210 o corado.
Laazluhas a 240, 320 e 360 o eovado, ditas lisas
finas a 400 e 500 rs. o eovado, ditas escocers fi-
nas a 500 rs. o eovado, lencos de seda a 640, 8O0 e
15 : ra da Imperatriz, loja da Arara n. 56.
BalSes a 25"<'0.
Vendem-se bal5es a 25, 25500, 35000 e 35500,
saias lardadas para senhora a 75, golinhas para
senhoras e meninas a 240 e 320, camisinbas para
senhora. a 15, 25, 35 e 45 : ra da Imperatriz,
loja da Amara o. 56.
Roupa feita, calcas 20000.
Vendem-se calcas de brim pardo e de ganga a
25, ditas de brim branco a 25900, 35500 e 45,
ditas de casemira de ores e preta* a 35. 5, 7l e
85, paletots de casimira a 55, 5. 85 e 10$, ditas
de brim de cor a 25 e 35, de alpaca preta a 35 e
45, camisas francezas a 15800, 2 e 25500, ditas
inglezas, pregas largas, a 34500' 25500, ceroulas
a 15600% 25, emite** lfta*s-rAztfd*s qoesetio
pode menctooar por star multo ocupa do, .ponim
com a-vista do comprador observarlo o que e ba-
rato o bom, isto para agradar aos seus fregnezes
que bonram a grande loja e armazem da Arara,
ra na Imperatriz n. 56.
Clalos de meria'a BdMWO.
Viem-se chales de marin sumpades a 45,
ditos de la a 15 e 15280, chales de merm men-
t fino; a 4, 4a500 e 6550t>: ra da Inoperatriz,
loja da Araran. 56.
i,i""-"-___"11 ni >- -' -""
Reloftio.
: Vende 6e om rlogio proprio f ara ugenho e*
estabulado eato por ler dous mostrador, eorda
para 15 ou mais das, e urna campa, cujo som se
ootb mullo Um$6 ; m> pateo do Ctrmo, casa de
lanh"1*
ueposito na roa Nova n. O loja de rr1folrX>.
Delouche donos deste estabelecimertfo partcipa ao rspitavel Rubrico que sna fa-
brica est montada coro as melhors machinas que existem na Europa, e qae pode
Todo o choculale desta fbrica sl garantido, e
preco.
Meia libra......... 400
Urna libra......... 80
Urna arroba........1980O
Na mesraa fabiica acaba de se montar urna officina com serrara a vapor para
obras de marcineiria propria para edificio, para o que encarreg -se de faier portas, ja-
dellas, assoalbos (parqu fraucez como se tisana Europa,) earmares, tudo com brevi-
nade e perfetc3o. Toma-se qualquer encommenda para fra da prompta a coHar-se no logar.
iwaaiett-'ttoi
*a*o*lmtratr1t(D.'0; tf**"& SlWa.
ft^wc^0prtoavhVdtots<^atetoctoeiitotde
quidarem urna grande porcao de suas fatendat,
fazttt-'em gallde'alitTifiWlo dtri'precos, tanto
ero porgao com a retalho, e pw Isso prevldenr a
lodos os seu frfguetee, e ao- reepeitatel [.ublico, e
as pessoasjqoe negocian em pequea escalla com
fazndas, 'qu' tYst es^belecimebti) enconirarao
um grande sortiraetfto qie'mnlto Ine'hSo de agra-
dar tanto em precos como em qaalldde i asshl
como-mandara pelos seas caixeiros levar as fazen-
das e amostras as casas das familias que nao po-
dferm'vlr"a lja,"u dio as moslras delxando fi-
tr penhor.
lamiraias
DE
COE1LIIO 4? FREITAS
Ra da Cruz n. 46.
lts'a 39000, la lja tt
PiVo.
V^nddtn-se pegas de i*9'mbraia"lr5a Wttfca
transpareoies, tendo o> e-mea' vara ,cdi>e?B,
1l barato, preoo de 35100; ditas muHo finae, porr
45500, 55, 65 at 105,1 sendo lapadas e transpa-
rentes, assim como corte decanibrala com silpi-
cos 25500: Isto s tra toja earhiazem do Pa'aW,
na ruada imperatriz n. i O de Gama & Si'va.
As cawisiohis do Favo.
Mendemse as mais miderras camisinbas borda-
das com manguitos, para serv.oras, sendo as roais
'-modernas que tem vldd ao mercado a 45900, di-
tas com manguitos, para iratoar, a 15 ; ditas-pre-
tas com manguitos para julo a 1,5800 rs., mangui-
tos e golinhas pretas a 15, hnissimas golinhas de
dambrala branca bdldads a 500 rs., calcinitas para
ment* a 40 t., 'rttm* ras' de; fil e catnbtaia
branca Bordada a 15600 aa teja do Pavio, ra
da Imperatriz n. 60, de G iroa & Silva.
Chalet de ne in a 20000.
Vendem-se os mais m idernos chales de merino
estampados a 25000cada uro, havendo tambem um
grande sortimento dns netnes matizados tfoese
vendem a 65, 75 e 506): na^loja e armazem do
Pavo, ra da Imperatriz} n. 60, de Gama & Silva.
As saias ao Pao.
Vendem-se as mais finas saias bordadas asagu-
ma Brancas sendo da melllor fazenda qff'fem^in-
do neste genero, tendo mu a roda, pelo baratissi-
mo preco de T5W&;"nmar-Bordadas a croch a
5C00 e 85000, dias com babadinhos a 95000, na
hja e armazem do Pavo;na ruada Imperatriz n.
60, de Gama & Silva.
fiove vestidas do Pavio a 19^000.
Cbegaram para loja do Pavao os mais ricos cor-
tes de vestidos de cambraia transparente com os
mais delicadosiUort'tlos' deoitWrdmes res a pon-
to de agm%a,'sendw tfeste geaero a maior novida-
de que tem vindoao mercado, garantiado-se o te-
rem muita fazenda e enfeites sufflcientes para o
corpo mangas, e Vndm:s pelo'barato 'preco'de
1050(0 cada um, n loja dd Pavao;'na ra da Im-
peratriz n. 60, de Gama & Silva.
Os espartanos do'Pavo.
Vendem-se um grande e variada sortimento de
Ba do ueimado 11.8.
A loja da agtda branca acaba de recetor ara
novo-e grande sortimento de diferentes objectos
do gosto e ultima moda, sendo :
Bonitos ofeftes pata nTforas' gostos iutlra-
rr.eat novos.
Ditos ditos de grade com conias grandes.
Lindas fivelas grandes para cintos com moldes
agrdaveis e diversas dualidades, madrepeola,
farurnga, a?o e dooratfts.
Boas e bonitas otas acnamalotadas para ditas.
Dites de dita de grosdenaples lisas e lavradas
eonf noVosoaaradavels desenhos.
Trancas pretas de seda com vidrlraos moldes
novos e de gosto.
Blcbs; brafleos e pretos de seda cm vidrllhos e
de differentes larguras e bonitos desenbos.
Cascarrilha de seda coro diversas cores e lar-
guras, formas inteiramente novas a Imitagao de
paro, babadinho e outra com Urna transinha no
centro o que Ibes da muita graca.
Outras estrei-as e largas guarnecidas de bico
de seda obra de muito gusto.
Outras de camnraia de cores.
Botes de seda, velludo e ajo para enfeites de
vestidos. 9
Trancas de seda estrellas e largas brancas e de
dores para enfeites de vestidos.
Flores finas
GAPELLAS PARA MENINAS E NOIVaS.
A aguia branca a ra do Queimado n, 8, rece-
beu para vender :
Delicadas capellas brancas para noivas.
Ditas ditas para meninas.
Ditas ditas de caixos de flor de laranja.
Dilas ditas de rosas camellas e outras.
Ditas ditas on ramos de trigo.
Diversos ramos de flores finas para peito
Vestidos, enfeites de chapeos ele, ele.
treparos para flores.
Vestidos
PeMfftffca srm Igual.
. Chegou a loja de Paredes lorio om bonito sor-
tiroent do vedaos de MPtaftMrSe cores brescas
que serve para partidas por ser ama piiaola teiraaieule de gosto pelo tralo preco de 45 a
5raucos a 45500, estao acabando-se : nu'armatra
porta larga ra da hnperatriz n. 52, junto a pa-
daria franeeza.
Cortinados.
Chegou a loja de Paredes Porto um romptelo
sortimenlo de cortinados ricamente lunlad .- a
preco de 255, 355 e 455 : > rna da Imperatriz
n. 52, porta larga Jnnto a padaria franeeza.
Kicas romeiras.
Paredes Parto receben pela ollimo paqorte om
sortimento de romeira de gnipore pr ia> e de Me-
a preco commodo : na roa da Imperan ii n. l
porta larga junto a padaria franeeza.
traide pechivclw
Cortes de la escoceza entestada para veti fazenda de 500 rs., esl se venendo a 2B0 e 3PO
rs. o eovado : na roa da Imperatriz o. 52, I-ja da
porta larga.
Cortes de laa escocesa para vestido a 35 o cor-
te: na roa aa Imperatriz n. 52 loja da porta lar-
ga, junto a padaria francesa, esto te acabando.
Obales de renda
Parpfles Porto, na rna da Imperatriz o! 52. pona
larga, vende chales de renda de eore cme (*q*>-
a no toque de mofo, a 35500 e 45, fazenda o* i< 5
06 "e 125000.
120
1
Na roa do Queimado n. 8, loja da aguia bran- Para roupa de CraT.
ca vende-se : Paredes Porto tero para vender chila ;.ni e rw-
Papel de cores para rosas. cado proprlopara o fim cima a 150 r>. o cavad,
Dito verde para folhas. i urna grande pechiuchufe ota' se acabando : aa
Dito dito e pardo para cebrir slalos das ditas.: ra da Iroperatrz n. 52 poitt larga junio a paca-
Continua a haver drariaraente nm sortimento de pastis, podios, bolos ioglezes,
empadas etc., etc. Os donos dse stat'recimehto, adim-se as melliores condicoes
de poder satisfazer encommeneas coneefnentes sua arle, em conseqnencia do socio
Froitas ter sido admioistrndor chefe de algomas das princii aes fabricas oa-corte, sendo espartihos os mais bemfeitos que tem vmdoao
urnaado8r. JoaoGoocabes Goimar3es(confeitaria doL-o) anUga casa de Carceller.
Todos os trabalbos sao differentes dos que se fazem em casas pwtieuteres.
Os proprietarios deste estabelecimento nao se tem poopado a despeas, oemse
pouparao, se houver coocorrencia como esperam ; tendo centinuadamenie bem serti-
mtmto de doces para cha; presuntos e ditos em fiambre, tambem se recebem para se-
rem preparados ; assim como doce de caj novo superior, secco e crystalisado, dito em
calda em latas* hermticamente fechadas, podendo dorar annos em perfeito estado.
Para jantares epaludas recebem-se encommendas dos sepuintes objecios; ban-
deijas ricamente enfeitadas sem armado pecas de amendeas (nogaces), ditas de tmaras
de ovos, pes de l enfeiados com disticos anlogos a qualquer fim; dilos montados,
kechs simptes e w.fw4ade6 com fructas ingleza; gatheaux de la reine, ditos de le d-
chese, tortas de fructa, massa folhada; ditas de peixe e carne; cremes e doces de ovos
de difirenos especies. .
Tambem lemum complelo sortimento de vinhos engarrafados, como sejam: vinno
doPorlo superior, Fi^ueira, Madeira, Lisboa, Cherez, Bordeaux, Champagne fino, ser-
veja, licores,.charapes e conservas. Para festas: bonitas caixinhas com amendoas, con-
feitose mais enfeites. Muitos destes objectos mencionados podem-se perfeitamente ac-
condicionar tanto para a provincia, como para fra.
mertads, sendo de lodsl'os tamaitos peto barat-
simo preco'de'45, 55, e 65000, por haver grande
sortimento, na loja do Pavo, na roa: da Imperatriz
n. 60, de Gama Silva.
Reton'as pretas a 12*000,
Na loja do pavo.
Chepa ram pelo ullimo v por as roais ricas re-
tonds de renda pretas, sendo das mais comprldas
que feui viudo ao mercado, e vendem-se por prTe5o
muito em conta : na loja e armazem do Pavao; roa
da Imperatriz n. 60, de Gama & Silva. _
rta de csiaiim, pfchincha,
-A 25*00, na loja do pavSo.
Vendem-se bonitos edites de casimira de cores,
tendo claras e escuras, e vemdem se pelo baratis-
simo preco' de'25800 o corle, ou vende-se a mes-
tna fazenda al 5600 o eovado, tehdo'6 palmos de
largura : isto na loja e armarem do Pavo, ra da
Imperatriz n 60, de Gama & Silva.
Os corles de casimira de Pavo
Vendem-se superiores cortes de casimira, sendo
fazenda muilo fina, pelo baratisslroo preco de 55
cada um : na loja e armazern'do Pavo, ra da
Imperatriz n. 60; de Gama & Silva.
Os cintos do pavo o 1*000.
Vendem'Se cintos de fita coro fivelas pelo bara-
tsimo preco de 15000: na loja do Pavo, roa da
Imperatriz n. 60, de Gama di Silva.
Vestidas indians a 3000, na loja
Este estabelecinieDto acaba de receber nm rico sortimento de pianos fortes ex- VeDdem_,e os *** corles de veMidos
pressamenle fabricados para o clima desle paiz. dos mais afamdos fer-ncsfnies da Luro- indianos eDdo eia raZeDda transparente e inteira-
pa, por isso o'propietario convida ao respetavel publico para \irem apreciar as qua- mente nova no mercado, e tendo entre eiies muiros
lidades dos referidos pianos. 'crts f0*05 Proprlos para senhoras que muo de
Continna-se sempre com esmero e promptido fazer-se qoalqoer reparo nos ditos luto; 1> "Je""" .Peto bar.tiMiino preco_do 35
25 RA NOVA N. 25
instrumentos.
Da Europa.
-se sempre com esuiciu e ^ivniptiirau irti-0c h^'H"" '^r" -r rr ..da' __ .... ...h' n. .oia do Pava0- rua da
Afinam-se os pianos debaixo do melhor systhema ltimamente adoptado ^^/^^^^f^1^^0 pa 80>
langnilos t golas a 500 rs.
Vendem-se manguitos com golas de rambrals
pelo baratissimu preco de 500 rs., isto para li-
i quidar : na loja do Pavo, rua da Imperatriz n.
! 60, de Gama & Silva.
Chales de renda a 10^, 12$, 15, 205 2Sd, na
loja do Pavao.
Vendem-se chales de renda preta muito finos a
Fazendas, pbanlasia para vestidos chegados de Pars pelo ultimo vapor. j m d| fle ,inbo ^ i]fm dfl seda de
Lindes n,bes de organdys cesananas fazenda transparenle de inlelro gosto. m* ^^ dos melhores que ha em chales de renda a
Ditos de percalia campestre padrees muito ricos. ME 40 a Ul rtn hranJ-n RiquisSinL trinadines de seda o que ,em viudo de melhor gosto neste mercado. $$ g S25S1 avlo rKlmpeVairiz
Lindos corles de sallan ptkiu para vestido fazenda mteiramente nova.
Ditos de gaze sellm em pega fazenda transparenle e de go^lo muito modernos.
Lindos chafes degrenadim trocha, primeira vez aqui apparecidos.
Ricos'toourues de crep guarnecidas de tranca muito proprios para passeios.
Riquissimas Qvelas para *inio, de metal, de crystal coro ac e com 'pedras fins, o
que ha de mais novo.
E outras muitas fazendas de inteiro gosto.
Musgo em rama.
Folhas para rosas.
Agulhase linhas para crochet.
Vendem-se na rua do Queimado n. 8 loja da
aguia branca, assim como aguihas para tranalbar-
se em laa.
Fapel de sobrecellente para os
phosphoros hyoienieos ou de
seguranca.
A vista do grande lamanho das carimbas dos
phospneros bygienicos ou de seguranca, lornava-se
pouce o papel que vem ero dilas caixinhas, e para
remediar essa falla a ap'dia branca mndou vir e
acaba de receber esse especial papel, c 'goal sa
dar de sobrecellente a quem comprar de taes
phosphoros e se vender indislinciamenie a quero
delle precisar. O prego de cada caixinha de phos-
pfiro continua a ser 160 rs., e vnderose na rua
do (JueTrrrado n. 8, loja da aguia branca.
Seda froncha para bordar.
Vofle-se na rua do Qoeiroade loja da aguia
branca n. 8.
(bras de crystal.
Brincos de diversos moldes.
Ootros tambem de crystal de cores.
Oulros e aljofares brancos e ouiras cores.
Adereces de crystal obra de gosto.
Rosetas de ditoe crozes.
Roldes de drto, brancos e de cores para collete.
Dito de dito tambem brancos e de cores para
ponhos.
Volias de dito e outras qualidades.
/ eques de dv ersas qualidades
Vendem-se na rua do Queimado n. 8, loja da
aguia branca.
Aspas fortes para bal>
Vendem-se na rua do Queimado loja da aguia
branca n. 8.
Crvmacome para Ungir ca
bellos.
A aguia branca avisa aos constantes fregnezes
des*a excellente tintura, que ella acaba de rece-
ber urna nova remessa de cromaceme, coloricome
e sabao branco, neeessario pra lavar os cabellos,
portanto podera dirigir-se a dita loja na rna do
Queimado n. 8.
a bridares de luvas.
Vendem-se na rua do Lueimado loja da aguia
branca n. 8.
port bouqnets
de bonitos moldes, doorados e cabo de madrepero-
la : acham-se a vqpda na rua do Queimado loja
da aguia branca n. 8.
Bonitas touquinha*
de fil de linho, cambraia e setim todas mui bem
enfeitadas: vendem-se na rua do Queimado n. 8,
loja da aguia branca.
Carreteis com retroz.
Na rua no Queimado n.8, loja da aguia branca
ria franeeza.
Grande pechiiicha.
Paredes Porto esta' vrndecdo ri.-cad.i fraacez a
200 rs. o eovado : na rna da ls*peiatrii n. 52 ar-
mazim da porta larga jonto' a padaria franeeza.
Para luto.
Laas pretas com salp cs brancos a 400 e 50o
rs. o eovado : na rna da Imperatriz n. ."i unto a
padaria franeeza armazem da noria larga.
1J400
Chapeos de aal. ,
Vendem se chapeos de sol de panno a 15400 *
urna grande pecMnCha so para acabar : aa rna da
Imperatriz n. 58 armazrm a pona larga de Pan-
des Purlo.
^A 1#500.
Vendem-se pegas de tranca prrta para aaMp
de vesdo, soutembarqnes, capas de seabota a
1J600 com 10 varas, uma grande perbinrba : m*
roa da Imperalriz p. 52 junio a padana fraaee;a.
lito
Rua do Crespo n. 13.
loja das columnas de Antonio Crrela de Vasconcellos
l Companhla.

Manual do i.uh
Vende-se o Mannal do Cid; cao em o
Governo Representativo oo princ pios e
Direito Publico Constitucional Administra-
tivo e das Genles, por Silvestre Piobf ir
Ferreira, em 3 volumes broxoradus por 7-6
cada obra : Ba livraria o. 8 da praca
Independencia.
Vende-se peixe secco moito bom d Rio Gra
de do Sul e qoeijo de enalba, dito d" t lidade, ludo por barato pre$.>: no armaif-m Trnm
beta da Fama Coraraerclal rna do Imperador -
mero 83.
:
DE
3. VIGNES.
J. 55. RUA DO IMPERADOR W. 55.
Os pianos desta antiga fabrica sao boje asss coshecidos para qne soja Becessario iosfstir sobre a
aa superioridade, vantugens e garantas que oBerecem aos compradores, qualidades estas iBcontesta-
res que ellestem definitivamente-conquistado sobre todos os que tem apparecido nesla praga ; pos-
iaindo uro teclado e raachinismo que obedecem todas as vontades e caprichos das pianistas, sem
junca falhar, por seren fabricados de proposito, e ter-se feito ltimamente melhoraroentos Importan-
issimos para o clima dvsste-oalz ; quahto s vozes, sao melodiosas e flautadas, e por isso muito agrada-
reis aos ouvidos dos apreciadores. JOn, J1Jn- .
Fazem-se conforme as encommendas, tanto nesta fabrica como na do Sr. Blondel, de Pars, socio
correspondente de J. Vignes, em cuja capital tora ni sempre premiados em todas as ezposigdes.
No mesrao esteleimento se achara sempre um expteodido e variado sortimento de musioas dos
melhores autores da Europa, assim como harmnicos e pianos harmnicos, sendo tudo vendido por
precos commodos e razoaveis.
ClhfcBS
Grande pechlncha,
52 porta large dejare-
Otnbraias.
Parede Porto Tende cambraias lisas finas, grao-
No roa da Imperatri n. 52 porta ^B" de sortimento,.a 3* at 6*. ditas Victoria muito
das Portojvende-se chalesda merino eslampados a {Q varas ^ ^m n Da raa da
(rnperatriz 6. 81, Junto a padaria fantza.
_ e 250 e finos 5, tao.se acabando.
Bordados.
Chegou a loja de Paredes Porto, rua da Impera-
lriz n. 52, um sortimedro de camrzrnrras, golllbhas,
corplnhos, rouietras e nietos, de cambraia branta,
pelo barato precode 2*800, 3500 e ij, golliohas
500 rs., romeiras a 800 e sintos a 800 rs, grande
ijuaniidade de entremeios a 600 e 800 rs. a pega,
estao se acabaddo. ______^__^_^
Modas
Madama R. Adour acaba de receber pelo ultimo
vapor chapaos de visita para eentoor, romeiras de
gnipure prelas, rotondi de guipare verdadeiro, ca-
mi.-lnhas bordadas e mais outros enfeites perten
cenes a senhora, ttfdo do mls apurado
vende-se na rua do imperador o. 48, i
casa de modista franceta.
gosto
andar,
Luyas tle Jouvin.
A loja de miude'.as na roa do Queima-
do n. 46. reseheu-as por este ultimo vapor.
_ Vende tB da Gola ~. "59-
que foi do SernlSo.* n*WHrdo tofST, o motivo da
renda se dir ao orno "-ador seBdo o principal seu
dono nao pod" **{iT % **!'ter mos ne:0"
caos a cuidar.
Cheeuem aos corpinhas 4t> cambala
Veodem-se corpiohos de eambram com entre-
meios a 44 e 54, eslo s acabando : oa loja de
Paredes porto, rua da Irrderatrlz n. 52, noria lar-
ga, Juno a nadara franeeza.
........-.....-* J
Novidide.
Checaram 08 bonitos chales e retondSs de guipa-
re brancos, e vendem-se na roa da hnperatriz n.
52, loja da portr larga, de Paredes Porto.
Tomada He Paysanda' e fiitevhlo.
t".cmi ere trtblo acaba de imitar fie 'Parrs ma
Hnda phanlasia militar para puno, composia por
om dos melhores compositores, aehase a venda a
24 cada ex em piar : na loja franeeza da rna N jva
n. H. ____ .....
'Vende-se um vitello : na estrada do Arraial,
sitio Oh pnrtio e grade de'fetro
nado e branco.
plntHo'aoeUcar-
Vetarlo de grande Taataeean.
^enMe'-stttrma rXriTic mplew para rafer cota
dotddfl 8 qoaiidade, c*rt|Wod0'S t'dW
lodooroeerflo para fabrioa-la ; pod*do, qaan
cemprar, a engajar o roestre da mesroa fabrica :
liar do pateo do Carme, asa bVWtlhos.
n 60, de Gama & Silva.
PARA A FSTA
J Popelrmw aiOOn.
Popelinas i 490 rs,
Peor unas a 400 rs.
Chegaram para a loja do pavo as mais lindas
popelinas, fazenda propria para vestidos de senho-
j ra, sendo muito transparentes e brilhantes com as
I oais lindas cores qde tem vlndo, as qoes facili
' taro fazer-se om vestido com muKa pbanlazia por
' [loucodinheiro, e vendem-se, sendo de quadrinhos
a 400 rs. o eovado, e as de urna s cor a 500 rs. :
na Foja flo pavo, rua da Imperatriz n. 60.
A 3*000 o efirte,
Vendem-se superiores cortes de eassa, sendo^ft-
zenda muito fina e de edres fixas, pelo baratissimo
prego de 34000, e ditas indianas, fazendas trans-
parentes; de ffloita pTMtftasfa, pelo baratissimo pre-
go tambem de "H, para acabar : na loja do Pavio,
rua da Imperatriz n. 60, de Gama & Silva.
Vestidos zuavos.
Chegaram a' loja do Pavo is mais lindos cortes
de vestidos cora o competente zuavo e Cinto, vindo
lodo em om artio, sendo a maiornovidade qoe
tem vindo par a festa: vendem-se por barato
prego na loja do Pavo, rua da Imperatriz n. 6o,
de Gama & Silva.
vestidos d seda.
Chegaram para a loja do Pavio os marS rlcOs
cortes de seda para vestidos, sendo em qualidade
0 melhor que tem vlndo ae drercSdo; e padros os
mistnodemos por sWm quasMoflds listados eOrt
cOres mu delicadas, aflangando-se ser nesle gene-
ro o melhor que existe : vendem-se por pregos
muilo razoaveis, na loja do Pavao, rua da Impera-
triz n. 60, de Gama & Silva.
Para chambres.
Veddem-se as fBals rindas ctiltas pepitas para
chambres, e muito baratas : no eVmdWtn do Pa-
vao, rua da emperatriz n. 60, de Gama & Silva.
Baletote a 2$500
Vendem-se-paletots de alpaca preta comsalpieo
pelo baratissimo prego de 24500 : no armazem de
Pavao, rna a Imperatriz o. 60, de Gama & Silva.
Melpomenesa3J500
Chegaram para a loja do Pavo os mais lindos
cortes de melpomenes, sendo esta linda fazenda
inteiramenie riova Oo metcdo, lebdo os mais lin-
dos padrdes, tanto claros como esenrds, vmdo dada
1 nm arreojado am seo papel, sendo moito prontlos
i para quera quizer dar um vestido de festas por
pouco dinheiro, e veodem-e pelo baratissimo pre-
go de 134500 o corte : nicamente na loja do Pa-
; vio, roa da Imperatriz n. 60. de Gama 4 Silva.
feuteadores
' li ron pees de cambraia bordarlos pro-
prios para as senhoras vestirem
de naaba.
Chegou esta novidade para a loja do Pavao, moi-
to lindds e do melhor gosto at hoje, por pregos
muito razoaveis : na leja do Pavo, rua da rtnpe-
r*triz n. 60, de Gana & Silva.^_____________:
do
Muita attengo.
Guimaraes & Irroo proprietarios do grande ar-
mazem de fazendas e roupas feias na rua da Im-
peratriz n. 72, lendo receido um grande sorti-
mento de fazendas de gosto trazldas por om dos
rjciospelo ulfimo "vapor, vem portanto fazer selen-
te aos seohores e senhoras os pregos de sua fazen-
das, os proprios afDangam vender a fazendas por
menos 20 por cenlo do que em oulra quluoer
parte.nao s por ser no Bm do annn romo tambem
pofser a festa tempo este que as Exmas. senhoras
devem mumr se do bom e barato, a saber :
Ricos cortes de la com barras.
Vende-se um gande sortimento de cortes de
I5as coro barras lndo todos os pertcnces, cmisl-
nha com gravatinha e slnto. sendo os mais novos e
modernos que tem vindo ao mercado, ditos de
phanusla com lindas oarras e vendem-se por pre-
gos muilo razoaveis.
" Las escocesas com listas de seda.
Vende-se um bonito soriiroento de lasinhas es-
cocesas a 500 e 560 rs, ditas transparentes de lis-
tas de seda a 320 e 360 rs.
Percalhs finas com lindos desenbos.
Vende-se lindas percahas muito finas a 360,
400, 4H)-e'50O rs., chitas de todas as qoalidades a
saber de pregos 280, 320, 360, 400, 440, 480 e
500 rs.
Cassas francezrs mindinhas.
Vende-se um grande sortimento de cassas mlu-
dinhas sendo as cores securas a 280, 360 e 400 rs.
Cambraias brancas transparentes.
Vendem-^e pegas de camtrai-^ brancas trsns-
fwrentes a 94, 4, 44500, f 5500, 64, 64500 e
74, ditas muito finas cam urna vara de largura a
94 e 104*
Chales de merino finos.
Veticlern-se chafes de meriu fines sendo coto
estampas bonitas e modernas pelo barato prego de
74,, 74500 e 84, dilos lisos com Iludas cores a
44, 445OO e 54, ditos estampados a 24 e 24500.
Crinolinas on baTies.
Vnde-se um grande'sortimento de crnoTInas a
SJWOO, 38 84500'e 44.
Tarlatanasfinas a 640 rs. avara.
Vende-setartalana decores pelo barato prego
de 640 e 800 rs. a vara.
Mantas para bomem a 40300.
Vffflem-se maotas pira homem as de mais go*-
to qoe tem vindo ao-mercado pelo barato prego de
14300 e 14500, tudo Isto s na rua da Imperatriz
n. 72, loja de Guimaraes & Irmao.
Escravos fgidos
' % isa
Fugio em 29 de novembro do annn MM pa>-
sade do eogi-nho Forado, no moma,m S. Mi-
guel da provincia da- Alagoa, pertMrer.ie a vm
dos piopri lariS do mesmo engriih '. ll-m,.. "a-
valcanli de Albnqnerqne Pessoa o n.ntatu h*
com idade de 23 a 24 annos, cabell. s ~<\u* e aa-
nelados, efaiora baix, ene do mrpt, b*gB*.
apenas, olhos en.papogados, nariz remit-r, i>atr>
abertos e ponteando* a ferro, bem laiiaelr. r tes-
do como Mgnal mais saliente om gr;-rde rftri .1.
na Junta de urna das roaos qoe paree on; 1
nho ; coj-' e^cravo tmdo j fagido nm-r-nn- fe-
nho para o termo da Palmeara des ln-io-. ai-i ra-
souse e viven r.^mo forro por 6 a 7 anK>: *>*
ronGa-se ter Ido para o rogar d>MO'd. Riart
Fundo dt balxo, aa rtlmtira de Fra, atute wm
irmaos da mullier.e qoe dah Ul'.i tenha irie
rado a estrada de ferro de Pernairlneo c. -Jus-
tino a alisiar-se couo voluntario da patria : fafi..
condozmdo nm qnarrac casteaoo andactor Uno
com cangalha, pul. rente a seo mM : o* <
pegar cu delle der noticia certa em Pertir.?_cr>
so Sr. Jos Augusto de AraoJ", em Mc- i ao
Sr. capitao Jo? Virginio Tetaeira 6> Araajo, ser*
bem recompensado. __________
Em casa de PWfps Brotters <\ C, roa
Vigano n. 2, vendem-se cofres de ferro, prova de
Fogio resde o da 6 de rnrtr.> de fcordo da
barca Sania Mana, o eseravo Paoli, crioM, rdr
fula, altura regular, secco do eorp, rep'e-a 3
annos, o qual fra eseravo do casal commendador Manoel Gonearm da S-iva : r'ga-
e a soa c>piura,eerto de ejue qoem o l^ar a tar-
do do dito navio ou ao escriptorw Am^in Ir-
maos, roa da Cruz n. 3, era gratileajlo._______
AY1S0
Desappa recen no da 5 do correote,ptas 3 rao
da tarde, om mob-qoe crioalo por BM* Geraaatee.
com os signaes segulnles: cor fila. Mito rric.
pode ler de idade, pooeo roais oa mean, II a 11
ancos, levoo vestido raiga de algodao prelu de rto-
cado, camisa de algodao braace em Un eia*>.
chapeo de palha velho, ni calWga t-n aavgraa
calombo alraz de orna orelha. parere *n r ^aet-
madnra de fngo. mnilo siniptori por eslar aMa
pouco tempo nesu praca, naiaral d.' Wo : a>r
lauto roga-se as autoridades poil.iae e r^na a
campo que o apprehendam e rere .* i^ra.r aa
rna estrella do Rosario o. J3, aote, que aSH gr*-
tiflcados grtnerosameate. O aanonnan^ decbr
desde ja que proceder contra qoe m anotar
moleque.
tiiililicta ie ol'-.
Ausentou'se da cas n. 59 da roa da_
(outr'ora Collegio) no sabbado 16 do rnrreaie
de setembrode 1865, o eseravo pardo deaoaW
qulm, com os signaes segoiate : tlaiora vtti
idade 18 a i anuo, sem barba, res torao, BM
grandes, cabello corrido, coro ama eiratrn traaa
e bem visivel na testa, parte dos d-6te da hvnaj
arruinados, e com falta de ilgoo do lado, .-aklo
com calca de brim pardo e paleto! rorto > paaaa,
roas levou mais roopa branca e de tr, avaa
astucioso, costuma intilular-se ferro e aadar caj-
eado ; f- i eseravo do 8r. Gollheraie P
Souza Carvalho, genro do finado 9r
Mannel Gencalves da Silva : roga-se aaj
a todas as autoridades polieiae* e a oaaaai
pitode campo oo nutra pessoa narticolar gata
apprehender se gratificar coa I04> alea **-
pezas de condnecao, entrrgaan-o a
Miguel Jos Alves. aa casa acia, aa
criptorio na rua da Crua casa I-
A riicm>
Tiras bordadas a 14.
Vendo-ee um grande sortimento de tiras borda-
das a 14 cada urna e pegas de eniremeios a 14,
14200 e 14500.
Camisas ftaneMss para hortem.
Vende-se nm grande sortimento de camisas fran-
cezas a 14800. 24, 2*500, ditos de peilo de linOo p jo 00. dia 22 de detembro de 18*5 a
a 34, 34i0,44 o 44 : isto na rua da Imperatriz pe)jr|> de jdade de 40 aam, toad* o#
n. 75, loja de Guimaraes 4 Irmo. goietes : ccr cabra elara, estalara baria,
Ronpas felts. porro tero o rosto osando, alhoa eacavaam,
Vndese um grande sor.iment,. de roupas feitas de denles na 1^"^
assim Cbrto sejam : patetots, calijas e colletes de -
pames o de casemira tinto-preta como de cor pa
recreces moito razwveis assim como tambera tem
de brins hrancos e de cores, smolas de linho a
de algodlo e lodo isto se vende por precos n
fogo, dos afamados
Lfterpdl.
fabricantes Mllner 6i Son, d lirnodfados : istoda rua da Impdtttrrz
'd fiBiBiries & lrmao.
e moito rente, levou vestido de laa e
merm azul, arabos j osados ; foi erraa
lado de PaolUla, porm jolga-ae alia aadar
pelo Recife : roga se as autoridades
pitaes de campo, etc., de aparee
n' T, loja roa do Trapiche a. 40, qoe st
nerosamente.
ppwnaii fe e fevabl


LITTERATRA
-

-
I
Logo no br?o *octi-iiHan ciso decidir-se se os gunlios, convertidos a' lei de' affablHdade inherente aos eora$6s iotetramonte
Cnristo, fleavam, on no obrigados a' observancia volados a' sciennla e a' religio.
da lei moysaica, os apostlos reunidos era Jerusa- j Sim, fol a vossa palavra, sempre illnstrada e afta-
lem, decidirn) a quesio : Vtsum est enun Spin- > vel, que dos revelou os eonheciraento da
Distar que, en preot. 4 lento calhediatka o
r.vra. Sr. Dr. Antonio, di Cimba Figueiredo, e
de seos collejas pronnociou >*J' ^ ^^ tl MU**!* ro ab mmo
[ial de Olala em 14 de ouiubn ie 1865.
v. 28 e 29.)
Ja' o discpulo de Garnaliel, felto apostlo das na-
Senhores, si ha urna sociedade lamben. organ.- ^ |evap aos ra:em.covertidos eM# oracalo
tada, e que tenha direilode gtoriar-se da santidad dj Esp(rito Simoom regra AeseQS C03|ainM.
e sneuoria das suas leis, sem davida algurna a
tere i cbrisla. primeiros chrisiaos tlnhim npcessidade de
ik 'els. Par* regular as mas aecoes, e essas eram da
Columna e firmamento da verdade, -
com) llia
chami o apostlo, fundada sobre a nova allianca.
fdiu pelo niartyr do Golgolh, ella esla grande
suciedade visivel.ondea homanMade iateira cha-
mada para entrar.
investida dos poderes de Dea*, goveroada palas
suas leis, e depositara Bel das suas revelages, ella
aprsenla urna coostiluico lao divioa em sua ori-
gen:, la) iucontestavei em sua organizago, e to
lorie na sua uoidade de f e governo, que uenhu
ma uuira sociedade pode uispatar-lbe sses ti-
lUlOc.
A igreja um corpo, cuja cabeca a membros que os pastores deveio eonduzir oseorebanho: es-
participam da mesma vi^a : e bein como no corpo tabelece tambem octros muitos pontos respeito
huitaao, segundo dil o apostlo, nem lodos os raem-; ua disciplina.
bro exercem as mesmas foneges ; oa igreja ons pao(o d_ >f T1(o e tf nmlM l0struccges p^.
sao apostlos,oulros propoelas, uutros pregadores e, relativamente aos.seus subditos, e do meso
oulros pastores e doutores. J mod(J lodog vo trabl;loiindu no bo^ raimen de
E' pois nesta sociedade que Dos eslabeleceu toda a Igreja ; e assini se vai estabeleceodo o di-
urna jerarebia sublime, no mais alto grao da qoal reito cannico.
da, ou as catacumbas de Roma, ou em oulros
lugares.
Qusodo os apostlos, senhores', esses generaos
da milicia celeste, celebravam suas juntas em ca-
sas particulares ; quindn consumidos de telo pela
vioha do Senhor, carriam s aldeias, s villas e
todas as regidos, levando em suas maos, nao a es-
pada dos Cesares, mis as chaves do reino dos cos,
iam por toda a part regulando as acedes dos po
vos, e por toda a parle o direito cannico se la or-
gaolsando.
O principa, dos apostlos determina o modo por
seis regiment de cavallaria, qaatro batalhdes de que foi cansada petes ventos rijos que relnaram
Infamara e olla pecas de ariftlnria, coja dotago uestes unimos dias, oa fuaes impediram que as ca-
aliat frac, por serem corpos recenteraente pos.
tos em est sar-rico. Nos foi dito que n'um axer
' oas'podessera chegt a ata margem do rio.
cicio ao alvo, em que Cambarro offereceu a grati-
A diviso do mea eommsndo lem nesta data 4
enfermos de gravidade, 101 pravas de molestias le-
ja' as mximas de urna religio pagua fogem
atemonsadas do seio da humanidad*, para dar la-
gar as fnsliluicoes da religio chriua.
A scienria de tantos sabios de diversas seilas,
que inostraratn-se em)enbados por muito lempo em
quererem dirigir a bumamdade por meio dos seus
caones, forjados no seio do paganismo, Oca des-
truida cora os regalamentos e decretos do pescador
de Galtila; e sobre os destrozos dessa falsa reli-
gio ergue-se o direito cannico, como om estan-
darte de redempgo para aquelles que dormiam a'
sombra das mximas Co polylheismo.
Qaanto forte a sua influencia' por toda a
parle por onde se vai estendeodo a religio do
Calvario, o direito vai tambem exercendo orna In-
fluencia considera vel, nao smente sobre a edoca-
go dos povos, que abragavam o chrlstianismo,
como tambem sobre suas instituigoes polticas.
Quando, senhores, os imperadores idolatras, con-
vertidos ao ehristianismj, abragavam-se com esses
caones, procaravarrr regalar as suas leis civis
pelas leis cannicas. O imperador Jusliniano liga
va tanta importancia a' essas leis, que as tomava
por base do suas prescri coes, e mnitas vezes dizia
em suas carias que se preocoupava muito mais das
ob.-ervacoes das leis ecclesiaslicas que inleressam
a salvago eterna, 'do (|ue das da legislagao tem-
poral.
Ja' o povp christo tem ama regra das suas ac-
edes, os ministros sagrados ura regnlimento de
suas funecots, os magistrados ecclesiaslicos um
formulario para dirigir os actos da jDslica, e assim
lodos ja' teem a^bussula ta salvago.
Impossivel serla, senhores, e al mesmo fatigara
por ceno as vossas aileng5es, se quizesse seguir o
desenvolvimento histrico do direito cannico, para
mostrar-vos a sua grande influencia tm lodos os
lempos.
Basta dizer-vos lao somante que o direito can-
nico, leu Jo por im e bom rgimen da igreja, e a
felicidade eterna dos borne os, foi sempre o objecto
de venerago de todos os membros da sociedade
chnsta.
Baseado na autoridade dos summos pontfices,
que sao a causa eficiente do mesmo direito, como
dizem os canonistas, elle tem sido tima barreira
ingenie para aquelles que teem querido com suas
Invectivas perturbar a paz desta sociedade.
Vos bem sabis, senhores, a looga historia da
igreja, a qual sempre caminha em parallelo com u
desenvolvimento histrico do direito cannico. Em
todos os lempos se tem erguido o espirito da des-
orden), para destruir a unidadh do governo da mes-
ma igreja. Mas, com que zelo apostlico todos o*
summos pontfices teem maotido contra esse espi-
rito de rebeliio, a ordem, a decencia do cullo, e a
pureza dos costumes enlre os Seis, ja' por meio dos
seos decietos, bulla., cousliluicoes, e ja' por meio
dos seus esenptos, eneyelioas, etc. ?
Todos, senhores, desde o beinaventurado princi-
pe dos apostlos at o immortal Pi IX, que existe
assenlado na mesma cadeira ponlicia, no meio
das ondas sociaes. leem regulado com o mesmo
zelo apostlico a disciplina dopovu christo.
Ao pronunciar agora, senhores, o nome do ac-
tual monarcha da igreja, eu me sinto possaido de
ni) -Tuto respeito. Com que zelo, solicitada e
constancia apostlica nao tem elle goveroado a so-
ciedade chrisia?
Ha poneos annos. senhores, vos bem vistes como
elle reanson os ardeotes desejos de tantos mnhdes
de fiis, elevando a' cathegoria de dogma a (inma-
culada Conceico da Sania Virgem, e esta deflmgo
to solemne hoje o ornamento e gloria de toda a
'greja.
Exemplo vivo do zelo apostlico de todos os seas
predecessores o actual pontfice, ja' por meio dos
seus decretos, e ja' por meio de Boas eocyolicas,
era profligado os erres desses espritus fortes.
Pouco importa que o grito d'alarma se levante
contra elle, que o espirito da impiedade faca de Ro
ma o alvu dos seas uros, que procurem arrancar
Ibeo poder temporal, para mas desprestigia-lo;
pouco importa ludo islo, porque essa mageslade,
que esta' col locada no mais alto grao da jerarenia
cnnsla, to loaoalavel que parece elevar se a
engraudecer-seno meiodoseu mesmo abalimento;
urna inagestade to elevada no mundo dos esp-
ritus que, para servir me das expres.-oes de um
orador francez, os espiraos Ihe irltmUM de todos
os pontos do co, por entre os desprezos que bus-
cam humilha-la.uma venerago qne nao tem, nem
lera' nunca tira.
U.o cuito, portanto.senhores,de veneracioao ac-
tual mouanba da igreja.
Quando alg jm dia essa sociedade levantar se do
leto da descrenca, em que jaz proslrada, e compe
oetr*da das verdades reveladas, volur-se para Ro
ma, eato reconnecera' oesse venerando ancio,
que i a' existe no meio das tormentas sociaes, o pai
commum dos deis, o vlgario de Jess Chri-to, o re
do calhulicismo, o doulor da verdade, e o graude
mesire do direito canouico, em que/ para prallcar
este ensiuo, o mundo ioteiro deve ouvi-lo.
Agora, meas caros colicgas e amigos, a' vista do
qne vos teoho dito, qaaes oio devem ser boje as
provas do noso reconhecimento para com aqoelle
que, durante o nosso tyrocinio >e um aono, sempre
se mostroD desvelado no eosiuo de ama sciencia
to oecessana e import>ote?
lliin. e Rvm. Sr. Dr. Antonio da Cunha Plgdei-
redo, a V. S. se dirige hoje o humilde discpulo,
fraco orgio dos generosos senliraeut js dos seos
collegas, despido dos atavos da eloquencia, e des-
tituido daqueiie estylo limado e profundo, que eos-
meo >*>b o jugo dos imperadores idolatras, que ti- turnan) empregar as intelligencias superiores na
Dham jurado a sua destruico ; qoaodo os direitos enunciaco de suas ideas ; pira maufe.ur Ihe
da mesma Igreja anda nao eram uz ronbecidos, quanio somos felizes oo s por termos libado em
a disciplina eeclesiastica subsisti sempre embora wsa aula o nctar da sciencia ecclesiastica, como
Dio dsse lugar i escriptos sciettiBcos. 1 tambem por termos eucoolrado no lente qde soube
elle collocou a cadeira infallivel do sea governo.
Sodo o primeiro dever da greja a educagao I
moral e religiosa do povo christo, como diz o'Sr.
eoges Pnillips, ella o desempenha pelo esUbele-
cimento de urna ordem legal, eraaoada da soa pro-
pria autoridade.
Tendo por misso uolversalisar o reino de jusli-
ca cutre os iiuui-ns, ella, alm das leis divinas, que
ormarn a eseucia da sua constiluigo, aprsenla
um complexo de instituicdes e regras, que sempre
dictadas pulo mesmo espirito, sao comludo diffe-
leutes, segundo a diversidade dos lempos e dos lu-
gares ; emm, lado faz, tudo regula em seu gover-
no dt cooformidade com a le divina e a sua.
D'aqui emaoaio todas essas leis, que fonnam o
dircitfcanooico.
7 o direito cannico, como define o Sr. cardoal
Gousset, a sciencia das leis dictadas, ou approva-
das pelo summo pontfice, para o bom governo da
igreja, e bem espiritual dos Oeis. T^tibem se cha-
ma o direito positivo da igreja, como define nm ou-
tro canonista : Juj canoniciim est jus posttivnm
ex sncris canonilms oollectum, el ai recle vvoen-
dum, atemamque salutnn consequendam.
Os sagrados canooes, os decretos, as coostitui-
i''i.-.- apostlicas, em ama palavra, todas as leis da
igreja, que regulam a disciplina do povo christo,
formam o seu objecto.
Sem den>orar-me em varias dennminagdes e di-
visos, que fkeu) os canonistas ; passarei a mos-
trar-vus to smtnte a grande importancia e uli
i. 111, do diruito canooico, priucipalmeole para
aquelles, que aspiram o sacerdocio ; assim como a
sua influencia sobre todo o povo christo.
Nada mais til e imporlaate do que o %onheci-
menlo dessas leis, que dizem respeito ao bom rgi-
men da igreja, e salvago dos hotnens.
M. Gouget, no seu ensioo sobre o regulamenio
dos estudos, diz : c O homem, que ignora o que ha,
ac menos de essencial, no direito cannico, de
aiguma soi le um estraogeirona mesma igreja.
Corno observar elle as leis que nao coohece t
Como respeitar os costumes que ignora 1
Como sabera o qu'e 6 um papa, um bispo, um
cardeal, um padre, as differeogis, que exstem en
tre ellas, a exieoso e limites de suas jurisdtcg5es,
os ouiros graos, que compdom o corpo ecclcsiasii-
co, seus empregos, e seos direitos ? Sem estes eo-
nhecimentos ignora oque diz respeito metade do
geuero humano. iE podera' o clero,amscen-
la M. de Roquenont, depositario do poder na igre-
ja, Ignorar a natureza e exlenso deste poder, a
Constiluigo da igreja, a supremaca, o culto, a
disciplina, em urna palavra, as InstltuigSes da so-
ciedide. que cnamado a governar ? Sendo a flor
da milicia chnsta, nao devera achar-se em estado
dd repellir todos os ataques dirigidos contra ella ? >
Si as sciencias ecclesiasticas, como dizia oulru
escriptor, devem ser sem coiilr-aicgo aiguma o
primeiro estudo do homem, porque ellas abrag*ru
os cos e a ierra, e representara o genero humano
produnndo o peosamento de Deus, e fazendo um
templo do uuiverso : que diremos daquelles, que
se preparam para ser algum dia a luz do muodo,
os deposiiarios dos thesouros das consciencias e
claviclanos do reino dos cos ? Como desempe-
nbarao seu magisterio, ignorando os sagrados ca
nones; cuino decidiro essas grandes quesloes, que
se afilara no tribunal da penitencia, sem o conhe-
cmento das regras, qne devem dirigir os fiis no
camiuno da salvago ; como no foro externo mar-
car^ a pena aos que delinquirem, se Ibes faltar o
ih.-n ouietru, que deve regular o grao da jus-
tjga?
Se a importancia de qoalquer sciencia deve ser
avahada segundo o sea objecto, assim como a sua
ulitidade, segundo a applicaco, que d'ella fazemos
no uso da vida, claro que nennnma sciencia
mais til e importante do que aquella, que tracta
das leis, que dizem respeito ao bom governo da
igreja e a salvago eterna dos homeos.
Analysando o objecto do direito cannico, notan-
do a sua relago intima com a tbeulogia, vemos que
elle offerece eonhecimentos to fecundos, dos quaes
o aspirante ao sacerdocio nao pode prescindir.
Tudo o que loca ao rito, as funegoes sagradas,
aos beoeficios, a jurisdiegao ecclesiasiica, se acha
depositado no thesouro precioso dos sagrados cao-
nes, diz o Sr. Georges Phillips. Formulados era
grande oumeio na lioguagem mesma dos livros do
Aotigo e Novo T*slameuto,4iz o mesmo autor, es-
ses augustos decretos lngara urna nova lux sobre
urna serie de passagens da santa Escriptura, tendo
por ubjecto principal a direcgo dos flus no carol-
nho da salvago eterna, elles sao para o tbeologo
mu laclo luminoso, e um guia fiel na conducta das
almas.
A sciencia dos sagrados caones, senhores, sen-
do uocessaria iodo o filho da igreja, lorna-se in-
disp-nsave a iodo aquelle, que quer assumir o sa-
cerd co.
Mullos conrili >s a recommeodam, e um concillo
celeb ado em Toledo ordena expressameote que os
sacerdotes sejam instroidos oa< sci*-ncias eccle-
siasiicas. t Sciant sacerdotes scrtpturas et cationes,
el omne opas m praica(ione et doctrina consis-
ta. et nulli sacerdott Itceat caones ignorare.
Se vui vendo ns oihos para a historia, remontar
mo-uos at o* lempos da primitiva igreja, veremos
aiuda a importancia e ulilidade do direito, pela su
pre ia. inttuencia, qne sempre exerceo sobre o po-
vo chrislflo.
Qoando, durante qoas tres scalos, a igreja ge-
vezes pelo vto ocano da sciencia s ssobrou o
nosso fraco baitel rntellectual por entre os terriveis
penados da dvila, e vos, qual piloto adextrado, o
gaiastes ceno at o porto desejado.
Como discpulos erravamos, e como apostlo da
sciencia snuljestes sempre relevar os dosso erro?,
dissipando os; bem coma o sol, lazindo no horl
sonte, dissipa as trevas da nolte.
Descalpai-rae, se com isto ofrendo a vossa sos-
cepubilidade ; um voto de gralido.
Sel que a modestia, sentada ao .vosso Jado, me
impoe silencio ; mas esse vosso zelo sempra empe-
nhado em dlriglr-nos em ama sciencia lao impor-
tante ; essa vossa palavra sempre instructiva, e
&isa bondade com que sempre nos trataste, pe-
nhoraram de tal sorte os nossos coraces, qae se-
riamos ingratos, se acaso sahlssemos desta aula,
sem depositar aos vossos ps o bolo do nosso re-
coDbecimeDto. Reeebel-o : porque ja' no relogio
do lempo o ponteiro marca a hora solemne em qne
o discpulo lem de deixar o mesire.
E' hoje o dia do encerramento dos nossos ira-
balhos luteranos; dia memora vel, em qae se lina-
lsara os lidares escolsticos, nao de um s son,
mas de quairo, e de mais annos aioda. Amanhaa,
qnaodo recbennos o almejado fruclo dos nossos
trabaihos, ootros sero os nossos cuidados, outra a
nossa vida ; porm a vosa lembraoga Bcara' eter-
namente gravada era nosso espirito. Para qual
quer parte qae nos condazir a sorte, seremos sem-
pre vossos discpulo1;, sempre gratos vossa me-
moria. Disse.
flea^o de ura* onga de oaro por cada bala que e, 1 offlcial; e l offlcial e 15 feridos, no oecor-
acertasse, de 88 Uros que se flzeram, s um rae- | rendo em ludo o mais novidade aiguma digna de
receu o premio offereeido. Os pasados ao nosso | ser levada ao cooheeimento ds V. Exc., fkaodo a
campo calcalam qne todas as forgas comtianladas tropa na sua aeostmnada disciplina e boa ordem, e
por Caoabarro asceodero de 7 a S mil homens desejaodo vehemente encontrar-s* como Inimigo
das tres armas. Tambem nos fol severa lo que da nossa patria, para Ibe dar o condigno castigo.
o general Cadwell, de nago laglex, ao servigo do Deuj RU,Me a linportwl|e vld de v. Exc. ^
imperio, propoz aos geoeraes CaMabarro e Chico
Porm isto no e ratead
Com qoalqner srabora, aio;
Muitat ha no eosa Ma
Nos pretdem coraba.
Alg urnas do coaaicaan,
Cujo argeotiao fallar,
Parec perolas Boas
Qae s'e;iao a desliar.
Em villa disto a i
; E' sopporia-la* assiai...
Qae lado ca oeste moado
Tem o sen lado rnhn I
X
muit s annos. Campo em marcha, Urugnayana
era 7 de agosto de 1865.
1)11 POOGO DE TODO.
Pedro, atacar-nos no passo dolbicuhy, mas que
estes ltimos nao aceilaram a proposigco : qae no
dia 3 o general Chico Pedro Anreu, baro de Ja-
cuby, quiz apreseotar-nos combale no arroto Sal-
so ; mas que Caoabarro, como general em che fe
nao quiz, dando por razo a superloridade num-
rica da nossa infaotaria. %
Nos momentos de chafar aos suburbios desta
villa*, o oapito Alvaren*a, que* coinmandava a
guerrilha de vauguarda, eolroa ueila para perse- do Norle n&mea'10 ou io de Janeiro Para sabs,,
guir algans Inimigos qae fleavam dispersos pelas f'oir <> eoeral J. Watson Webb, presentemente
ras; visto que por elles foi atacado, e, depos de'era vial,m d8 "grea ao seu paz, o Sr. Gui-
se ter defendido com denodo, eahio do cavado, e '
aproveitaodo-se desta opportuoidade Ihe flzeram
duas feridas com langa, ama no peito, no lado di- no R, Jaueiro cr,ef da flnna soclal ^ John
reito, e oatra na rao do mesmo lado. As feridas'.H- L'dgerwood & C. dessa ctdade
uo sao de gravidade, segutjio a parte do cirur-1 Por alguns anuos se tem elle oceupado em ne
gio; e os soldados, que o acompanhavam, mat^ gocios propnos de prnneira importauoia, e ja
O Evenim) Post, jornal que se publica em New-
York, escreve o que segu :
O encarregado interino dos negocios da America
O Sr. Lidgerwood natural de New-York, e
Diz o Portuguez qoe o rei africano d
contina a mandar fazer sacrificio > botaaao.
ltimamente ligaram-f aatre ella safa
sens visinhos. que aaataeaai dfuibraf a
el no.
S. V. oega aiiriaoa a perfo aai jaa aafj
perder a cor, aos espirites malig a
conjura-Ios mandn matar dnirate iiifcBJBaay aaV
sassoando pela soa propria mi o asa pri-
meiros.
rara nesse momento cinco inimigos, entre elles o
mesmo que o ferio, que era um alferes.
bem cooliecido de iiuitos de nossos leilores como
agente enrgico da junta de seguro de Now-Yorki
a cujo esforcoj e diligencias se deve a cessago
Hanlem de manbia, estando de guarda avanga- .... ... ,
._... ae """os abusos que se coramelliam na condem-
nago de navios amencauos no Rio de Janeiro.
da o tenente Cabre~a do regiment n. 27, enxer
gou dous inimigos que vinham correado detraz de
um cavallo sellado emMirecco para a nossa cava- j E' o Sr. Lidgerwood o prim.iro americano que
Ihada, com o fim sem duvida de faze la disparar, e tem oceupaio o lugar da ministro ou encarregado,
sahlndo a* seu eacuntro, topoa com urna forga ini-'de*de a uomeaco do Sr. Roberto C. Scheok do
miga, que ficara occulta al enlao n'um balxo. U 0t" em 183. 1ue coubece bem o paiz onde esi e
THEATRO DA GUERRA.
Continuamos a publicago das partes offlciaes
de Bstgarribia.
Vtva a repblica do Pafguayt
Exm. sr.Com o meo acostumado respailo par-
ticipo a V. Exc, que, apezar de ter annanciado a
V. Exc na mioha commamcago anierior. que no
da 1.* do correnle, e depois de terem vollado da
costa do Uruguay a pega de artilharia e as forgas
de infaotaria cavallaria qae mande! aquel le lu-
gar para hostilizar o vapor inimigo, que apparece-
ra n aquellas aguas, levando a sirga dous lao-
chocs, levantara o mea arraial at me coliocar
oeste lado de Toro-Passo, em cajo arroio mandei
construir urna ponte de candas calzada, para faci-
litar a passagem, nao pude effectaar o movimento
nesse dia ; porque a forga destaca'da no rio Uru
guay, descobriu que o vapor eslava armado com
duas pegas, levando cada ura dos lanchoes ama, e
sendo tripulados por 300 horaeus, pouco mais ou
meaos. A nossa gente poz-se ento a espiar o mo
ment asado para causar ao inimigo o maor pre-
juizo possivel, e de faci, desavisad) o vapor da
preseoga dos nossos u'aquelle lagar, navegava a
busca das candas, quando urna descarga de arti-
lharia semeou a confuso entre os seus tripulan
tes, e Ihe causou avarias de coosiderago as
obras moras. Tomado de improviso virou de
bordo, seguiodo a correte das aguas, e como, ao
praticar esta operaco, se afastasse desta costa
aproximan lo-se aquella em que achava-se o major
Duarie, foi tambem atacado pela infaotaria deste,
que Ibe fax om fogo nutrido e certeiro, dorante o
lempo que estiveram ao sea alcance. Alguos pou
eos tiros mais de artilharia Ihas foram dirigidos,
aos que respoodeu o inimigs infructuosamente.
Segundo as apparancias, devem ter soffndo alga
mas perdas na sua tripulaco.
Protegidos por ama ilha grande, pouco distante
d'ali escaparam a urna perseguigo mais activa, e
conseguirn) tomar as posigdes vxntajosas qne
Ibes eram conseguidas para reparar as suas ava-
rias ouviodo-se pelos nossos as mirtellada- dos
carpinteros de ribeira ocenpa ios na reparago.
Desde esse dia nao voltoa a apparecer mu-, du-
rante a nossa marcha para a Urugnayana. Por
causa destas operagdes a gente nao voltoa no dia
s. como era para esperar, teodo-o felo na madru-
gada do dia 2, em cujo dia oraecei a passagem
do rio Toro-Passo, acabaodo de effectua-la nessa
mesma note. -
Desde ento apreseotou se aos nossos olhares o
inimigo com forgas numerosas, continuando n*
no dia 3 a marcha, fazendo guerra de guerrilhas
em todas as direcgSes, guerra que sempre cansou
cerdas ao inimigo, sem termos da.nossa parle na-
ohuma que lamentar.
Na urde do da 4, e quaodo ebegavamos ao pas-
so do arroio Tapechay, o inimigo forraou em linha
de batalha, collocaudo oa frente e no mesmo pas-
so numensas guerrilhas, com intengo de dispu-
tarnos a passagem. Uispuz ento as nis*as for-
gas na ordem conveolente, e, resolvido a acceitar
o combate, mandei o baulho n. 32, para que for-
gasse a passagea do arroto, o qual balalno, divi
diodo se em guerrilhas, sustentou am fogo nutrido
com o inimigo, seodo estas protegidas pelo reg-
meui. n. 27 ; o luimigo, porm, vendo a nossa re*
soluco, recoocentrou as suas forgas, marenandj
em retirada. Pala nossa parte ti vemos ura s mor-
lo, leudo deixado o inimigo dous no campo da ba-
talha e levado alguns feridos.
No dia 5, desde o amahecer, apparecea o ini-
migo cora uraa forga de seis corpos, dividi ios era
guerrilhas, entre os regos Tapjch nesta parle do ultimo arroio quatro corpos de in-
faotaria, e na nossa frente ura regiment de ca-
vallaria.
Tendo observado esta operaco do ioiimgo, divi
di as minhas forgas em tres co.nimias, tendo no
centro o parque de artilharia e os meios de loco-
raogo, com o fim de eslarem urorapts para for
mar a ranina liana de batalha em qualquer parle
que o inimigo quizesse pelajar comnosco, e co-
brindo os fnicos, frente e retaguarda com guerri-
lhas de infaotaria.
alferes Corales e o soldado Jos Millan o acorapa-
uhavam, os.quaesjiateram-se com a sua reconhe-
cida bravura. No acto em qoe o tenente Cabrera
m-lava o cavado de am inimigo com um tiro de
pi-tola, o inimigo fez fogo com a sua carabina e
que po Je serrir-se com faciiidade da lingua portu
gueza.
Tem elle tido repetidas occasides de encontrar-
se com o imperador, e a parta proeraioenle que
tem tomado ua sociedade Auxiliadora da Industria
atravessou de parte a parte o teoeote, ferino-o um < Nacional levou-o a conlrahlr relagoes de araizae
pouco cima do coragao; o soldado Millan, porm, ^m os mais considerados mogos estadistas do Bra-
incuiiibio se de viogar o seu offlcial, e d'um tiro de
carabina deixou mono no chao o inimigo. Aperar
dos cuidados que Ihe foram prodigalisados, o te-
nente Cabrera morrea no mesmo s 4 horas da
i arde.
sil, como o Sr. A. C Tavares Bastos e oulros.
E' de erar que o Sr. Lidgerwood tenha consen-
tido em occapar essa posigo at a ebegada de om
novo ministro.
Deve-se, pois, esperar que o goverao oomeie um
No mesmo da da nossa chegada, apparecea a : uai representante que seja am ludo difireme aos
distancia de ama legua mais abaixo deste porto o TrousdSles e Meadas atu uos desacreditaram.
vaporcito ; mas de oote desappareceu e al agora j o Brasil lem uos enviado sempre seus melbores
uo tenho noticia aiguma delle. I e mais distinctos bomens.
Como o inimigo nao aprsenla aos nossos oiha-; Moreira, hoja ministro do Brasil na Inglaterra,
res se nao alguraas partidas de cavallaria, acredito Lisboa, presentemente na Blgica e o Sr. Azambu-
que lera reconcentrado as suas forgas para o lado ja, actual miuistro plenipotenciario de lino trato e
da Algrela, da cojo lugar Dada sei de positivo, do scalo em quu vivemos.
Acredito ser provavel que algum exercito nume- Devenios retribuir ao Brasil com actos serae-
roso nos espere la, e como os elementos de locomo- manes.
gao, que tenho a meu dispor eato em raao estad >,
o os inimigos tem levado comsigo todos os animaes
que existiam nestes lugares, delerminei obrar mais
prudentemente, esperando nesta novas ordens du
V. Exc. i
oo.
Transcrevemos do Correio Paulistano
o PORTO.
Pallaste mal do meu vinho
Oh 1 beberro de canninAa !
Sabes tu aprego dar
Ao noore summo da vinlia ?
Do Porto, apenas dooa tragos,
Do vaiho e bem abalado,
Vale mais que vinte pipas
Do leu licor affamado.
Por toda a parle da trra,
Onde ha quam beba a valer,
O Porto tudo derruba
S elle o rei sabe ser.
O Porto, o Lisboa mesmo,
Nao tem no mundo rivaes...
Os oulros viuhos coitados I
So-ibe escravosnada mais.
Se queros ser bebado, amigo,
Nao dos cunnn valor,
Vem comigo beber Porto
Veras qne fino sabor I
A sua cor de ouro lino,
Seu aroma da encantar,
Sao cousas que do a Porto
Um nome para invejar.
Nao falles mais na canninha
Nesse teu pobre licor;
Vem amigo, beber Porto
Veras que fino sabir.


Collocadas as minhas forgas deste modo, empre
hend a marcha em direcgo a esla villa, tendo
sustentado, no iran>ilo om fogo vivo cora as gr-
rimas iDimigas, sem ter mais cousequnncia que
um soldado nosso ferido levemente, e dous raurlos
dus inimigos.
Apezar da ameaga imponente do inimigo, nao
apreseuiou bitalha, entregaodu-nos a villa a nossa de dividi-los eolre as' tropas,
approxiraago.
Deue as 10 i/1 horas da molla do mesmo dia
ondea na villa da Uruguyana a baudeira do Para-
guay.
Acharaos a villa eolrinceirada, limdo daixado
Junta remello V. Exc. ama carta do sargento
da cavallaria do regiment u. 24, Jos Mara Ro-
mero, visiuho de Bjbi, que urna guernlba inimiga
uaixou no nosso camuiio, collocada ua pona d'um
pao. Nada diz nella dos seus 3 ( ou 13 ) caaiara-
das, e as noticias que delle tamos sao muito contra-
dictorias, uo podando se saber, se tambem tica"
rain pnsiooeirus, oa se fugram ou se foram mor-
ios.
Junios achara V. Exc. alguns diarios da Monte-
video ede Buenos-Ayres apanhados dos estrangei-
ros residentes nesta villa, pelo capello mor, tra-
zando alguns dalla: noticias que nos dizem respai.
to. Em um dalias faila-sa da mora mandada axe-
cutar por mira na pessoa do subJito portuguez
francisco Augusto Jardim e da um paraguayo. E<
cario que estes individuos foram morios, mas tam-
bera certo qoe a sua pena foi o justo castigo que
como chafe desta diviso eslava no dever de impor
aos dous. Jardim, partidario do Brasil na presen-
e guerra, segundo voz publica oa ci lade de Itaqui,
embora nascfdo em fortugal, eslava ao servigo do
governo brasiieiro, como amanueose do coronel
Fernandos, e como tal seu chefe ousado, havia ar-
rostado o perigo de licar naquella villa para man-
dar noticias nossas a Fernandas, como de facto o
fazia todas as nones. Na sua morie linbaro parti-
cular erapenho todos os estraogairos residentes na-
quella villa : por qae diziam que, depois da nossa
saluda, iam ser ca umoiosamenie aecusados por
elle ao chefe, a cujas ordens eslava.
O paraguayo N. Arando, visinbo de Limpio, era
desertor havia 11 anuos; e, alera disto, couvidado
pelo capnj Berdoy a servir em prol da sua patria,
disse que nao tomava parte na lata actual. A nar-
rago feta pelo diario sobre ter a raulher de Jar-
dim pedido o seu cadver para seputa-lo, falsa ;
pois nem mesmo atlendea ao sea marido durante
odo o lempo de sna priso. D |aiorio offlcial, publicado por ordem do go
Para melhor Inteligencia de V. Exc. remetlo-lhe verno ingiaz, v-se que desda a invaso da doenca do
em original a parle que com data de 6 do correte, gado, hoove em todo o Reino Unido, 39.714 aoi-
diriga-me, da Restaurago, o major Duarte. Por maes atacados ; que deste numero 10,787 foram
ella llcar V. Exc. informado do numero das forgas abatidos, 19,936 morreram da d >euga e s foram
inimigas, que temos na frente, e das qae, diz-se, salvos 2,908; acara anda doeuies 6,083.
vem em marcha, como igualmente do estado saoi- i n
tario da sua columna.
Em 7 do mesmo mez, coramunica-rae o major
Duarte que os meios da locoraogao da que pode dis-
par, esto em aessimo estado para o servigo, e qae
apezar dos e-forgos que faz para obter oairos me*
inores, nao p-ie consegu lo : por que o inimigo
levou desses contornos as cavalhadas, animaes vac-
cuus e todos aquelles que poderam servir ao nosso
axercito.
Sendo o territorio da costa correotloa menos dif- Ha poucos dias boove um aposta Importante em
ficil e a distancia para a Restaurago menor do que Vfenna.
a que daviamos parcorrer ods para chegarraos a O Sr. L... de idade de 56 annos, aposloa eoro
Uruguayaaa desde o rio Toro-Passo, o major Duar alguos amigos em como ira de Vieooa a Presbur-
le touiou posse da primeira pjvoaeo no dia 2 do go a p, no espaso de 8 boras, sem parar em par-
correoie, lendo adiado nossa aldea puncas familias te aiguma.
correntinas e alguraas estranaeiras, sem terem dei- o Sr. L... poz-se a caminho no dia segainte s
xado os seus habitantes oella comestlveis, arligos 8 oras mala da maohia, e ch-^g -a a Presborgu
de lojas, e oa inimigos nem um s elemento de s 3 horas e 56 miootos da urde, isio antes da
u8rra- hora convaocionada. O tfausmlttio logo aviso tele-
Nesta villa de Uroguayana os brasiieiro leva- graphico da sua chegada para Vieooa.
ram tolas as fazeudas, cbaado-se s em "algumas- -o aodarilho voltoa ao da seguate para Vieooa,
das casas gneros seceos e molhados, qne tiv i era caminho de" ferro, mas logo qae chegoa a casa
prudencia de fazer examinar minuciosamente antes adoeceu.
Talvez isto o core da mana das apostas.
Teoho a honra da remeiter a V. Etc.
Descobriam-te ultinraaeato 10 faada fia
Sena as seguales preclostdada* :
prala cmn as armas d Catharia de
urna faca da urigem orM-nul eoiMiida >
lamina c no cabo; mu machada de dra
polida, de grandes dimensdes, ama
hre, a qual encerra om retrato de
de La Valiere celebre amante de Lniz XIV,
do a oleo sebre urna placa de naetal.
Este retrato, apezar 4o oslar on
ha mais de sendo o mota, esta perfeti
servado. As feigdes qae etto ota iaoto denegridas.
Se am mosquito vos pi*ar, em logar de vw *
des cogar meta hora, o que anda petar, pegas
n'uma pooca de einza de cigarro, n*aei o fre-
gai cora ella brandameoie a peUe, a 00
des ipparecer a lerrivel inflammacaa.
A cioza do cigarro contera om alkali oax
iralisa o veneno distilado pelo ntoaqoitx
Hoje qoe lodos fumara, ten o remeda *a
quaodo os mosquitos eslejam c ao p.
(Vagueava em certa aldea am maaiaeo,
de bobo, que raras vetes deraa da apparecer,
ha falta de distraeco, e voatade de distraMr.
Um da eiiiron es:-- original sw botiea do
e pedio ao boticario einen reu, de ao* de
O boticario, qoe quera por todo a par do
ma decimal, e que sobre iso qoestiotiava a
guns eraprasadores, qo', a iaetaco
em Lisboa, all vo sempre recetar,
go que nao fazia aneo res, da pos de
Se Dio faz cinco res, faga me det rea, re-
plicou o doulor
O boticario tomn om banco, toa* o
do frontispicio, e lirn um vUr bmct>,
pos encarnados; pesou orna porgo, e 1
a embrulhar. qaando o doido oMlonoa
Pca o favor d- dividir em dois 1
O boticario (om m oataa outro papel 1
meude da porgo c>tm esptula t ferro e 1
Itioa a outra metade, pondo-a em seguid 1
da urna para embrulhar a eguoda aerea*-
Nao leve porm lempo para fater o 1
bal 11 o, porpue o nosso keroe apeaas vi a 1
embrulho ao alcanc- da mo tomoa-a, a aaata, dri-
zando cinc ris, tendo comprinseataaa a aaataM-
tes.
E' do Sr. Silva Reg Jaoior :
Duas rosas genos que se II nua,
Aolaar na campia abandonada :
Duas nuveos do cao da m*di ogada
Que fugindo, douradas resplandeeem ;
Dous anjos, que d > .!*>r > j.mci.* ie*cem
Flores a" derramar peta alvjrala :
Por eolre a esph-ra azul e praleada
O co que se abre, as nevoas que esv
Depos de teres empinado,
Duas garrafas ou mais
Has de dizer :Viva o Porto
Novo elixir dos mortaes I
Morreo em Roma o Dr. Kamolioo.
Era neto de um irmio de madama Lcelizia, mi
de Napoleo I, av de Napoleo III.
O Dr. Rarnolino recebia ama penso do impera-
dor dos fraocezes.
Nao deixa filho?, e com elle se extingue am
ramo collateral da casa Imperial de Fraoga.
o mappa
pessoal do exercilo dos individuos morios, tanto
em campo da batalha, as guerrilhas, quanto dos
fallecidos por muras eofermidades. Nelie achara
V. Exc. que o veoono causou a morte de alguos.
so urna entrada para o mi. o gaa m-nifesu que o N8 momeotos em que as nossas avao.adas cnega-
luimigo nmctouou defauda la. Tambara achara., m ,us arreMldes dwu fllf Baos sold,dos
noprteodoqua.leidaaspaca da farro de calibre acfttram em ama caaa algodona la um poaco de
4, oesmunudas, mas m bom oattdo. Vou ra.net- riattt. da que de passagem cumeram. Apeuas
telas ao major Duarte, uara qua na primeira oc- ooostou-me qohaviam adoadido e morrldo iotao-
.silo a mauda a V. Exo. com o lira de que Di wneamento, iovasuguei a Oausa, e faiendo exami-
sejam inouUdas. i n|f a ref9flda farinha, vlo-se que estva envenena-
Por alguns elrangelros residentes nesta villa, e da. Para evitar que alguns que ignoravara esta
palas doeuragas dada por um individuo oriental circurastaocia fossem victimas dt perversidad dos
e por outro saotafetoo, passados do inimigo ao nossos inimigos, o dnai que fosse laogada ao rio.
nosso campo, sargento o primeiro, e cabo o ae-1 V. Exe. estranhar, por sem duvida, a demora
AS DONAS.
Se as senhoras oo fallassem
Como oo se/iam bellas I
Mas o diabo da lingua
Enche todas de mtellas
V a geote am rosto liado,
Um eorpinho d'encaotsr,
Mas a lingda, sam Daos T
Ninguem a pod atorar.
Em qaanto alio caliadiohas,
Um homem matam d'amor
Mas se fabam, muiias vates
Fuglr nos fazem d'horrur.
Nao imitara donzell* apoesia,
Que expande os labios leus perdeedo o tizo
Ao soin de encantadora meloJia.
Se ris : a Ierra volva em paraizo I
Um poeti te lende idoiairia
Ao Contemplarle o rpido sorrso 1
n-
0 distiocto piulor Carlos Vernal, iodo aa ka
de Marsema para Pars, achou-se aw carra eeea ata
sujeito gordo, de apparancu rusuca e eeta anta
physiooomia que se prasuva a' caricatura.
Como os passa^eiros sahissem do carra para
traosporem ama encosia a p, o pin tur aUo ata
fosso a' beira da estrada, e dep m, v.i|taa>io-se po-
ra o Sogeito gordo, perguotou Ihe a rir :
Era ca,.az de salUr astim ?
O homem nio respoode.
Vamos a a-na aposiatoraoo Vera*.
Experimeotarei. Mis rali 1 tp iilsasui afajaj-
ma cousa ; por exemplo, am alatoeo.
Se|a um aiuiogo.
O gordo preparou-se com om balaaeo
sadas do espectadores ,e ti roa-se pan a
de urna maatrira desauda, mas o cara oaa
lou o fosso.
Bravo I griuram todos.
Carlos Veroet pagoo o alm >eo.
De larde ouira eocotta oatra foato, tata
largo do qae o primeiro ; oatra sallo 1
outro desafio
O homem gordo fe/.-se rogar.
Olhe que me deve ama desforra.
Pois emao apostemo ao jantar.
Pois seja.
O pobre homem parecen fater asa 1
leseo.
Fez dous balancos, mas sal loa
lado.
N'esse lempo gastavam-se aioda daca dtat ata fer
de Martelha a Paria.
Durante os cinco dias (ot
eoasa.
Por fim, o bomem gordo saltar
metros da urgora.
O piolor eslava estafado, detpeiudo,
- Mea caro tenbor, dtta Iba a tea
rio por despedidagradeeoHbo o lar mt ada da
comer dorante etu peqaeoa joraada e eapara aaa
assittia' mmha e-lreit.
A' soa esirria I
Sim, porque etiuo eseriptorada par
como primeiro paihaco, por
mostrar as miabas labilieaae.
Palbaco I mu olio o
Ao principio asna foi. Has,
nhor, eu quiz fater como om eaaa do atea
vez mais!
*
'aaata sea,
PERNAMRU --,V
aaaaaafjtji

ajjaajpjiijBjfjBjaBjHi


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EMC0IQ8DP_ZPQH19 INGEST_TIME 2013-09-05T00:05:10Z PACKAGE AA00011611_10870
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES