Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:10858


This item is only available as the following downloads:


Full Text
****
'ni i. ..
;




;
AMO XIJl. HOMERO %
Par quartel pagtoViCr* das 10 as doi\# mez.......
dem deptis iwl.* lt das da caaeca a deatra da qaartel / .
Porte aa wttfo ft tret eies ,
Olofl**, 5fc f
~r-
ENCARREGAD08 DA SUBSGRIPgAO DO NORTE
Parahyba, o Si*. Antonio Alex?ndrino de Lian;
Natal, o Sr. Antonio Masques da Silva; Aracaty, o
Sr. A. de Lemos. Braga;. Cear, o Sr. J. Jos de
- M~irrt5o/o Sr. Joaquim Marques Ro-
as Jrs. Geraldo Antonio Aires &
a, o Sr. Jeronymo 4a Cesta.
DA SUBSCRIPCAO DO SUL.
Oliveira
dri<"'-
aadino FalcSo Uias; Baha, o
s; Ro de Janeiro, e Sr. Jos
PARTIDA DQS ESTAFETAS.
Seriohem, Rio Fomaoso,Taaeda/, Una, Bar
reiros, Agua Preta e Piajeoteiras/aM quio
Jairas.
AUDIENCIAS DO TRIBUNAES DA CAPITAL.
O inda, Cabo, Escada e estacdes da ra frrea atj
AgOa Preta, todos os Ufas.
IguarassiLp GOyamia as asegundas e sextas feira*.
Sale ATOQt Grvate, Sezarros, Bonito, Caruar,
Attinbo, Garanhuns, Buque, S. Bento, Boro
Conselho. Aguas Bellas e Tacaran}, Bs tercas Tribunal do eommercio: seg andas e quintas.
feiras- Reiacio: tercas e sbados s 10 horas.
Pao d'Alho, Nataretb Lio^ro B^^f^suiielra PMentfa. int g w hom>
Ingazeira, Plores, Villa Rdl.,_CAr >M, BoaT^i,^ do comercio: segundas as i! horas.
ta, Ouricury, Salgueiio e Ex, as qaarlas
feir3.
I Dito de orphaos: tercas e sextas s 10 horas.
Primeira tari do o&: tersas ;f;M!
dia.
Segoadavar* do-cael: quartas o sabbades a
horada tari*.
1 La cheia as 4 h., 28 m. e 46 i. da m.
t Quafto ming. as 7 h., 17 m. e 40 s. da t.
16 La aova as h., 17 m. e 56 s. da t.
1*3 Qoarte rase, as 6 h., 34 m. e 58 s. da t.
130 La cheia as 6 h., 9 e 35 s. da t.
DAS da semana.
_J. t|i CrcuBieisio do:Senhor,
| 1 Ter$a. S. Isidoro b.; S. Areo n-,.
,J"|y!f'^!^Li]?e ^* *^ axwo "m-
. &wmTif4W!ofcteff&! ^Bdaardo rei.
a Sabbado. #> Epiphaoia ou DYfesUeio do
7. Domingo. S. Luciano presb.; S. Cleroi*c-
PREAMAR DE HOJE.
Primeira as 6 horas e 6 m. da manha.
ISegunda as 6 horas e 30 minutos da Urde.
PABTIDA DOS VAPORES
Par 6. sol at Alagoas a 14 e 30;
al a Granja I 7* 32 de cada mex;
do uos das 14 dos metes de Janeiro,
olho. se'teabm a novembro.
ASSIGNA-SE
50 Recife, na livraria da praca Aa
ns. 6'9-kJ0* P"''1^ Maawet
Paria & FilaoS*^ -
a
OFFICIAL
A PROVINCIA
tute da da 26 de dezeabr
eiMS.
la thesoararia de fazenda.
iuplicaia que me remellen
itares com offlcio de boje,
o inconveniente, mande V.
i Perreira Penha a quantia
tote dos concertos e obras
sta presidencia (orara fol-
ie onde se acha o deposi-
director das obras mili-
la* leito a V. S. para o-flm
conveniente, ..-.. .rera pagos pelo coroman
danle superior de Cabrub^segando partiolpou es-
te em offlcio de 21 de ovembfa.'1'1'0"- -as duas
cootas juuus em duplcala do alugdfel 6 :jqne
na villa da Exu' serve de quariel as pracas destina-
das ao servico da guerra e da despeta eita com o
(orneciraento de luc e agua para o mesmo quartel
a cootar de 25 d setembro at U de novembre
ludo deste anno.
Dito ao commandante superior da guarda nacio-
nal do Cabo.Remetta-me V. S. o mappa da (arca
da guarda nacionallqua se acha destacada nos mu-
nicipios sob seu coronando superior exigido por
circular de 15 de setembro ultimo, para cumpri-
meoio do aviso de 17 de agosto deste anno e par-
tieipe-me as alterares que acerca delle se frem
dando bem como a respeito do mappa dos offlciaes
e pracas que effectivamente bouverem marchado
para a campanha.
Dito ao commandante superior da guarda nacio-
nal de Palmares.Para confecco dos mappas exi-
gidos por aviso circular de 17 de agosto ultimo,
az-se necessario que VWS. me remella os da tor-
ca do batalho n. 46 de infantaria do municipio de
Agua Preta, e da secco de batalho de reserva n.
12, bem como o dos destacamentos existentes nos
municipios sob seu commando srnwior dos offl-
ciaes e pracas que efTeelvame larcba-
do para a guerra com todas a -s exigi-
das, devendo commuoicar-me .{des que se
orem dando oestes dous ultimo..
Dito ao commandante superior da guarda nacio-
nal de Tacarat.Kemetta-me V. S. 0 mappa da
torga da guarda nacional sob seu commando su-
perior que effectivamente houver marchado para a
campanha exigido por circular do 15 de setembro
ultimo, e particpeme as alteracoes que a tal res-
peito se orem dando.
Dito ao commandante superior da guarda nacio-
nal do Brejo. Remetta-me V. S. os mappas da for-
c.a do batalho n. 38 de infantaria da guarda na-
cional do municipio de Cimbres e das sessoes de
batalb5es de reserva ns. 8 e 9 e do respeclivo ar-
mamento com as declaraedes exigidas por circu-
lar de 15 de setembro ultimo, para eumprimento
de aviso de 17 de agosto, coraranninae-rae s al-
teracoes que se forem dando nos mappas da forca
destacada nessa comarca, e da que effectivamente
houver marchado para a campanha.
Dito ao commandaote superior de Santo Antao.
Para eumprimento de aviso de 17 de agosto ul-
timo, faz-se mister que V. S. me remeta o mappa
exigido por circular de 15 de setembro ultimo do
batalho de reserva n. 5 e do esquadro de caval-
laria n. 8 da guarda nacional desse municipio, de
vendo participar-me as alteracoes que se forem
dando acerca do mappas de destacamentos exis-
tentes nesses municipios e dos offlciaes e pracas
que marenaram para a campanha._
Dito ao i 111 z municipal de Seriohem.Em vista
do que informou esse juizo em dala de 20 de no-
vembro ultimo, e o juiz de direito dessa comarca
em 11 do corrente, iotime Vmc. do tabellio e es-
crivo Joao Alfonso Rigueira e ao escrivo de or-
phaos Joaquim Ignacio do* Santos, que do prazo de
nm mez e nos termos do art. 4 do decreto 0. 1,294
de 16 de dezembro de 1853, apreseotem os seus
requerimentos ou alleguem e provein o que lnes
convier, sob pena de serem os offlclos que oceu-
para havidos por vagos sem o onus de que trata o
final do mesmo artigo.
27
ODcio ao general commandante das armas.
Sirva-se V. Exc. de informar acerca do que pode
00 Induje requenmento o padre Antonio da Cu-
nta Figueiredo, indicando pessoa idnea para as-
si-ur a demarcago de que se trata.
Dito ao mesmo.Queira V. Exc. informar acer-
ca do que pede no incluso requerimento Manoel
Vlctorio da Silva, soldado do 6o corpo de volunta-
rios da patria.
Dito ao mesmo. Tendo sido promovido alte-
res pelo batalho o 42 de Seriohem e guarda
Victoriano Jos MarinhoPalhan-s, sirva-se V. Exc.
de manda-lo considerar com destinado para o servico da guerra
Dito ao mesrno.Mande V. Exc. eliminar do ser-
vico da guerra para que fra designado o guarda
nacional Kelippe Santiago de Sanl'Aona, visto que
o arrimo de sua mai viuva com familia nume-
rosa.
Dito ao mesmo.-Expeca V. Exc. as suas or-
dena, aQm de que siga para a corte o 2* cirurgiao
do corpo de sade do exercilo Dr. Joaquim da Sil-
va Gusmo.
Dito ao mesmo.Mande V. Exc. eliminar do
servico da guerra para que eslava designado o
suarda nacional do batalho o. 51 de infamara do
municipio do Pao d'Alho Victorino Jos Feliciano.
Commuoicou se ao commandante superior do
Pao d'Alho.
Dito ao mesmo.Mande V. Exc. Inspeccionar
todos os voluotarios e guardas nacionae designa-
dos que anda o nao tiverem sido.
Dito ao mesmoQueir V. Exc. mandar ins-
Dito ao mesmo.Respondendo ao offlcio que V.
S. me derigio era 2!> de aposto ultimo sob n. 629
ttoho de dizer que pode mandar pagar sob ralnha
responsabilidade nos termos do decreto n. 2884 do
! de feveireiro de 1862, visio nio haver -crdito
para esse lira a quantia de 2OJ160 constante de
sea citado offlcio e provenieate de diarias abona
mesma qualidade a servir no 0* corpo de vol una-
nos da patria.
1 Que a referida presidencia na dala citada,
I approvou provisoriamente, al que o governo irn-
! perial resol va em da oi ti va, a tabella abaixo trans-
cripta orgaoisada pela thesouraria da fizenda,
avaliando a eiape para as pracas dos corpos do
se refere o sea offlcio a. 2556 de 27 do Crrente,
visto qu o arrimo de sua mi viuva com nume-
rosa familia.
Dito ao inspector da thesoararia de laieoda.
Estando em termos o pret justo em duplcala, e
nao navtindo inconveniente mande V. S. pagar a
Antonio Domlogues de Almeida Pocas, cooforme
das pelo delegado do termo de Ingazeira a quatro! solicitou o ebefe de polieia, em offlcio de 7 do cor- exerciio aesta provincia existentes, o pao alvo para
recruias que remetteu para esta capital, eerlo de reate, sob n. 1912, a importancia das deteeias fei- os doeotes em iratameato as enfermaras milita-
que o de nome Antonio iosi de Oliveira, foi post tas dnra4e oc saetas de jumo s agosto deste anno, res e a fcrragem para a compaohia de cavallaria,
em liberdade por haver sido julgado incapaz do com o sustento do? remitas vindos do termo da tudo para o correte simestre, sendo a elape flxada
jervjo do exercilo em inspeccao de sande, se-! Escada constantes do predito pret, com excepcio s- em 360 ris, o pao alvo em 60 ris, e a orragem
gundo consta de ioformaco do marechal comman- mente do de nome Joo Carlos dos Santos, cuja re em 600 ris.
dame das armas, datad* de 9 de setembro ultimo mes*a nao consta d'aquella reparucao nem da se- COPIA,
n. 1618 e Ignacio Ribetro de mello seguio para
eorte como voluntario conforme declarou o cnefe
de polica em offlcio de 2 de outubro deste anno
sob n. 1506.
Dito ao inspector da thesouraria provincial.
Restituhidoa V. S. os preis em doplicau que vie-
ram annexos ao seu oOMiO. de bontem sob n. 509,
10 messa nSo consta d'aquella repartilo nem da se- CUFIA.
a cretaria do governo, sendo que Joao Jos da Silva e TABELLA ou avaliacao da elape e forragens para
tfe Antonio Jos de-Lyra, foraaj posios em liberdade, a tropa de 1* linlia no semestre de jaaeiro a
No dia 28 do passado falleceu, no lugar Amo-
ra, do termo de Grvala, a viuva octagenaria Luita,
victima de urna cbifrada de urna vacca. No mes-
mo logar Manoel Antonio do Naseimento e Jos
Francisco de Souta, no dia 25, disputaran por um
copo de vinho, resultando dar aquella um tiro ues-
te, e este tres laceadas naquelle, (cando ambos
gravemente feridos. Poram presos em continente.
Depois d'amaohaa se extrahir a 5* parle da
5* lotera (43*), a beneficio da Santa Casa de Mise-
ricordia, sendo o maior premio 6:00OJ.
O escrivo dos protestos Jos Mariano est
de semana.
:*. soHelre,
Jos Das Vilella, Pernamboeo, 30 :
Boa-Vista ; congenio cerebral.
Mathildes, Pernamboeo, 40 anoos, solietra, Reas ,
intlammago de intestinos.
Communicados
Ao publico.
o primeiro pelo delegado d'aquelle termo e o se-
gundo pelo predito chefe e os outros destioaram-se
ao servico do exercito.
Dito ao mesmoExpeca V. S. suas ordens para
que as 8 horas da manba do dia 2 de Janeiro pro-
lenho a diier era resposta ao citado offlcio que laes ximo vindouro o empregado dessa cepariico a
prets sao relativos ao destacamento de guardas na- quera competir assisla a revista de raostra do ba-
cionaes existente na villa di Pesqueira e nao na talhae n. 3 de infamara da guarda nacional deste
juntio de 1866, de conformidade com
cartas do le de 24 de setembro de 1828,
de novembro de 1830, e ltimamente mandadas
cumprir por aviso da guerra de 25 de outubro
de 1852, e orgaoisado hoje por forca do aviso
de 19 de selembro.de 1862.
Hoje o agente Simoes far leilo de diversas
as' mobilias de Jacaranda e amarello, camas francezas,
24 guardas roupas, guarda louca, cadeiras, mesas,
marqueta.-, apparelhos de almoco e jantar, candiei-
ros, etc., na mesma occasio vender duas casas
terreas em chaos proprios, as 11 horas em ponto
no armazem a' ra da Cruz o. 57.
do Brejo como por engae do commandante supe-
rior daquella comarca declarei em meu offlcio de
20 deste mez accrescendo man que o mencionado
aesbeametlo segundo as ordens expedidas deve
comoor-sejle nm enferior e H guardas.
Dito ao mesmo.Em vista da eoota junta per
copia na importoncia de 54# provateme do ala
municipio aquartelado no quartel do corpo de po-
lica.
Dito ao inspector da thesoararia provincial. -
Devolvendo a conta que, na importancia de 80AOOO
i reis, velo ameta ao sea eOeto de 23 do correte,
Nstvik, 506. e diz rspeito to testmno les presos po-
bres da cadeia da cidade da Victoria durante -
GNEROS.
guel vencido desde o 1* de juino at o 1* denovem- mex de novembro ultimo, autoriso V. S. de confor-
bro deste anno da casa que serve de quartel ao
destacamento de guardas nacionaei existente no
distrlclo do Peres e bem assim do fornecimeato.de
lux e agua durante esse lempo para o mencionado
quartel, mande V. S. pagar ao subdelegado daquel-
le districto para esse Ora indicado pelo chele de
polica em offlcio 0. 1757 de 9 do predito mex de
novembro, somonte a quantia de 37J975 corres-
midade com o parecer da cootadoria dessa tnesou
raria a que se refere o seu citado offlcio a mandar
pagar a Jos Amonio de Predas, para isso Indica-
do em mea offlcio de 20 deste mex. smente, a
quantia de 719000 reis, por ter de dedarir-se da
menciodada conta a de 64000 correspondente ao
preso de nome Quintlliano Antonio da Coila, que
nao veio comprebendido na relaco ministrada pelo
pondente a essa despeza acontar de 16 de jutbo dejegado d'aquelle termo.
at o ultimo de outubro prximo passado, pois que
o reslaote de ser satis feite pela thesouraria de fa-
zenda.
Dito ao mesmo.Annuindo ao que soliciten o
delegado eocarregado do expediente da repartico
da polica em offlcio de 20 do correte, sob o. 9000
recomroendo a V.'S. em vista da conta junta em du-
plcala, e nao havendo Inconveniente mande pa-
gar a Justino Eugenio Savanere ou a pessoa por
elle aotorsada a quantia de 179x80 proveniente de
medicamentos que foroeceu em virtude de autor i-.
sacio do delegado de termo do Bonito para o tra-
tamiento dos presos pobres Jos Gomes Silva e Jos
Ventara Pinto.Corarauoicoo se ao Dr. delegado
encarregade do expediente da repartico da po-
lica
Dito ao commandante superior da guarda nacio-
nal do Itio Pormozo.Constando de partiepaco da
directora geral da secretaria de estado dos negocios
Ando que
Dito ao commandante superior da guarda naci
nal do Bonito.Devolvo a V. S. o pret em duplca-
la que veio annexo ao sea offlcio de 13 do corren-
te, tirando vencimentos, a coatar de julho a" seteta-
1 bro deste anno para o corneta empregado no bata-
I Ibo o. 26 de infamara da guarda nacional, sob
I seu commando superior, aflm de que seja reforma-
; do declarando-se o neme d'aquelle corneta e sendo
: o recibo passado ao pagador da thesouraria de fa-
zenda Minervino de Sonsa Leio, como solicita o
respectivo inspector, em offlcio de bontem, sob
n. 924.
Dito ao commandante superior da guarda nacio-
nal de Cabrob.Devolvo a V. S. a proposta apo-
sentada com o seu offlcio de 28 de novembro pr-
ximo lindo, para offlciaes do batalho n. 48 de in
fantaria da guarda nacional sob seu commando su-
perior atim de nella declararse os motivos das va
gas cojo preenchimento se propo>, e por qoe sel
nao observa a ordem gradual do accesso na forma
da justlca de 29 de novembro prximo
S. M. o Imperador por decreto de 24 do mesmo mez. da le.
Houve por bem conceder reforma 00 mesmo pos-1 Dito ao director das obras militares.Autoriso
to ao tenente-coronel da antiga guarda nacional V. S a mandar executar pela quantia de 2475260
Tbomaz Cavalcante da Silveira Lms : assim o com- reis, de conformidade com o orcamento annexo ao
lAontra v s |.r sen eoobecioiettio e a nm de
que o faca constar ao agraciado para soiiclia on>
tempo a respectiva patente.
Dito ao mesmo.Expeca V. S. suas ordens para
ser postada em frente da igreja de Nossa Senhora
seu offlcio 0. 87 de 16 do corrate, os concertos
moflo u>fo.4o.-< -visto tnutm hh4 rios ao deposito de recruta--, segundo declara V. S.
em dito offlcio.
Dito ao conselho de compras navaes.Approvo
do Rosario dessa cidade nos das 31 do corrente e 15 os contratos que o conseibo de compras navaes, se-
de Janeiro vindouro urna guarda de honra de um, gundo declarou em seu offlcio de 20 do c He,
dos batalhoes da guarda nacional sob seu comman-
do superior alim de assistir as (estas que all se
tem de celebrar da mesma Senhora e do Glorioso
Santo Amaro, 1 em como acompanhar as procissoes
das mesmas imagens que daquella igreja tem de
sabir as 4 horas da larde daquelle dia.
Dito ao commandante superior da guanda nacio-
nal de Cabrob.Com as coplas das ioformacoes
ministradas pelo inspector da thesouraria de fazen-
da em data de 26 do crreme sob n. 923, resptudo
electuou com diversas pessoas para o fornecimen-
to de vveres, dietas, fardamecto e outros objectos
de consumo aos navios da armada e estabelecimen-.]
tos de marinha e pan lavagem de roupa dos mes-
mos estabelecimentos, no trimestre de Janeiro a
marco prximo vindouro, devendo o mesmo conse-
lho rem'etter a thesouraria de fazenda copias dos
referidos contratos.
Dito ao delegado do termo de Villa Bella.Intei-
rado do comeado do ufficio que Vmc. me dirigi,
Dito ao capite do porto.Em vista do que pon
derou-me o empreiteiro da ponte de ferro do Reci
fe em offlcio de 20 do correte junto por copia re
commendo a Vmc. que d as necessarias providen
cas aQm de que as alvarengas outras embarca-
do offlcio de V. S. de 10 de uo*embro ultimo "sobre i em 5 de novembro ultimo, lenho a dizer vencimento de fardameulo da guarda nacional des-'post que os vencimentos das 12 pragase um in
y,cada. I frior destacadas nesse termo devem ser pagas
Dito ao director do arseual de guerra.-De con-' pela thesouraria de fazenda em vista dos prets re-
formidade com sua informaco de 23 do corrente i mettidos d'ahieconeoientemente assignados
sob n. 488, autoriso V. S. a entregar a Antonia Dito ao delegado de Iagazeira.-Recebi o offlcio
Francisco Cavalcanle o seu tutelado menor desse de 29 de novembro prximo hndo,em que Vmc.
arsenal Antonio Jos Pinto Gedeo. pede a sua exoneraco.
E nao julgando convenieute acceder ao seu pe-
dido, confio que continuara a prestar boas servigos
' no exercicio do sea cargo.
Portarla.O presidente da provincia resolve, no-
1 mear para servir era eommisso no 2.* batalho
<;5es sementantes passem somente pela referida destacado para e servico da guerra a Francisco de
ponte em lugar que nao a possa prejudicar.Com- Oliveira Cabral e Antonio Flix do neg fimo,
mooicou-se ao empreiteiro da ponte de ferro. aquelle no posto de tenenle e este no de alferes.
Dito ao Dr. Paulino Rodrigues Fernandes Cha-1 Dita-O presidente da provincia attendendo ao
ves.Consta de participado da directora geral da que requeren o capitao Agostinho Corroa de Mello,
secretaria de estado dos negocio? da justica de 28 delegado de polica do termo do Ouricury, resolve
de novembro Ando que por decreto de 18 do mes conceder Ihe 3 mezas de licenca para ir a provn-
olo mez S. M. o Imperador houve por bem nomear ca das Alagoas. D^.n-..
a Vmc. juiz municipal e de orphaos do termo de Dita.-Os brs. agentes da companhia Brasileira
Santo Anto : o que Ihe coromunlco para seu co-, de paquetes a vapor, manden dar passagem para
onec raento e aOm de que prestado o juramento en-: o Maraohao por cont do ministerio da guerra com
tre em exercicio independente de titulo que apre-1 destino ao Piauhy ao ex-reerut do_exercito Ricar
sentara' no praso de 3 mezes contados deste data.
Dito ao commandante da companhia provisoria
de polica.Mande Vrac. por diariamente a dispo
sico do Dr. promotor publico lotrloo desla 50-
marca urna praca da companhia sob seu cora-
mando.
Dito a cmara municipal do Rio Formozo.Res-
pondendo o offlcio que me dirigi a cmara muni-
cipal do Rio Formozo, em 6 do corrente, tenho a
dizer- Ihe qoe approvo a deliberaco que tomou a
i mesma cmara de por em admioistraco pelo sea
procarador os imposto* qoe constitue suas reodas
os quaes tendo ido a praca deixarara de ser arre-
matados por falta de licitantes.
Dito a cmara municipal de Iogazelra.Em so-
luco as consultas que faz a cmara municipal de
Ingazeira, em eu offlcio de 30 de novembro ul-
i timo, lenhu a dizer-lhe quanto a primeira qae aos
peccionar o voluolanoda patria Jos da bllva noa-!senj procuradores ceropste arrecadar as mollas re-
teiro, de que trata o Incluso requerimento. 1 querendo a g|W cobranca parante a aalorldade eom-
Dito ao lospector da iheseuraria de iWenda. ,e em fjce do d|8post0 no ,rljg0 81 a, || de
Devolvendo a V. S. aconta que na importancia de w ^ 1gQ9l0 de lgJ8 oto a geganrja que sendo
54WOO veio anoexa a sua1 ioformaco de 24 de no- a mu|u oma ^ gjj ge v do arl|g0 55 ^ M.
vembro ultimo, sob n. 859 e relativa *1 "^r' 'l Pe0". "io prescreve em lempo algom era vis-
vencido desde o i de juoho at o de novembro u do d Q art ^ Q m(im codigo .
deste anno da casa que serve de quartel ao aesta- qaanl0 a terce|ra flca prejudicada com a resposta
camento de guardas naeionaes existente no distric-
to do Peres e ao fornecimento de luz e agua para
o mesmo destacamento durante esse lempo, re-
comraeodo-lhe que de conformidade com o parecer
da contadura dessa thesouraria a que se refere a
sua citada ioformaco, mande pagar ao subdele-
gado daquelle districto, para isso indicado pelo
do Jos Ferreira a ao voluntario Manoel Perreira
de Santa Anna, que acaba de obter a sua baixa.
Fartnha de man-
dioca.........
Carne fresca...
Dita secca.....
Arroz...::?'...
Feijo.........
Toucinho......
Sal...........
Lcnha.........
1.*
i.'
Especie.

Termo medio...
Pao para os do-
entes do hospi
tal...........
Forragens para
a companhia de
cavallaria.
Molhos de ca-
p m....
Milho.......
Valores dos
gneros.
3:600 alq.
6 400 $
5 120 *
2 600$
9:600 alq.
10:240 $
400
320
Cuantida-
des.
7 alq-

o
'iw
/.
/o
I
alq.
M/o
720
3.840 (5) \i
8flrs. m.
3.2 K) alq.
Vi
alq.
Especie.
I M
1.'
2.
90
200
*
40
id
401
400
200
400
90
80
60
40
10
40
3-20
Pl S1
I!
o
>
o
a

-1
369
60
600
Secretaria da thesouraria de fazenda de Pernam-
boeo, 15 de novembro de 1865Servindo deofflcial
maior, Maooel Jos Pinto Approvo provisoria-
mente.
Palacio do governo de Pernambuco, em 30 de
dezembro de 1865.Cunha Paranagu.Confor-
me. Francisco Lacio de Castro.
(Assigoado).Francuco Sergio d'CUivetra.
Est conforme.Antonio Francisco Duarte, 2*
tenenfe ajodante de ordens interino engarregado
do detalhe.
PERNAMRUCQ.
-">

mnrT5T oftitu.
Reone-se amanhaa em sesso ordinaria o Insti-
tuto Archeologico e Geographico Peroambucano.
Falleceu de ura ataque cerebral o Sr. Amaro
Jos da Silva Pa-sos, portuguez estabelecido na ra
do Vigario com deposito da varios gneros alimen-
ticios.
Nos informara que pira bandas da travessa
do Boi ba um desalmado pai de urna enanca de
uos dous anoos, a quera elle etlectivamenle mal-
trata com pancadas, de modo a cortar o coracao
um tal espectculo, que faz o espirito vacilar sa
naquelle individuo ha ura coradlo humano ou de
fera, cujos instinctos no eutrelauto exceptuam sem-
pre a prole.
J 1 Ja Masculino. E 0
9 1 w 1 eo 00 _ I Feminino. 31
- 1 xl 1 M 1 1 Masculino. 1 0 1 M a g
! i 1 1 Feminino. S | s
w 1 m 1 m 1 1 1 Masculino. 1 1 ti
1 V 1 Feminino. 1 [i
a t Masculino. K S
~ * * 1 Fminino. 1 1 1 ^ 1 : 5 >
1 ni. 1 . 1 1 to Masculino. 9 0 > *
ex m m Feminino. 1 1 >
s
2
TOTAL.
m
i
S-.
m
2S
8
73
8 1|2, 8 1|2. pelo
ADVERTENQA.
Na totalidade dos doentes existem 148, sendo
homens e 75 raalheres.
Var%m vlulmla* s o
As 6 1|4, 6 1|2, 7, 6 l|i, 6
Dr. Ramos.
As 8 1|4, 8 1|2, 8 3|4, 8 3|4,
Dr. Sarment.
Falleceram :
Francisco Ferreira da Costa; febre perniciosa.
Mara do Livraraento; encephalite.
Manoel Casimiro do Sacramento; insufflcieocia das
vlvulas da hoste.
Brgida Mara da Cooceico ; bexigas confluentes.
Francisca Ferreira das Chagas; apoplexia.
i Mara Francisca da Csnceico; anasarca.
Passageiros do vapor Paran, sabidos para
! o sul :
Antonio Moreira de Moura, Christian Stemhoff,
I Henrique Slemhoff e sua raulher, Dorett Fritz,
O nosso infrmame acrescenta, que parece j es .
tar a cr,an5a em estado de demencia pela muita *W^!Sl*%^ *
pancada de que victima.
Importa, pois, que seja tsto syodicado pela com-
lia Suherf. Louis Schrad, Jos Francisco Bitancourt,
Dr. Joo B. Motora, Dr. Jo: Al ves da Silva Perei
ptente autoridad, aflm de que se dem as yov- bacharel Herm.oo t-rancisco do Espirito Santo,
deoc.as precisas a roubar a misera enancara s Joao Fernandos da Silva V.anna, J. Andr Cala-
sevicias brutaes de ura pai to desalmado. >". F"?9C, *'*** EllBa", W,KL
moad, Philadelphia di Silva Monteiro, Joao da Ro
Na sexta-feira ultima sossobrou a barcaga D. cha Ribeiro, Olympto Antonio Pinto e Francisco
Candida, que carregada com 210 barricas e 20 cal- i Zacaras.
"!m t"""" "*"' """ R' G'"'" "" I Cmits"10 "" Mlm", m **
JSSTSSS reTK.'ESSft S' f=. KJ55U .-, s. ~, m~
trlpolag> e parte do carregaraento.
'B
Deparando com nm artigo no Jornal s ttlft n.
279 do i* de dezembro sob a epigraphePartid
progressista -no qual dizera que o Ulna. Sr. lente
coronel Pedro P. S. Campos lera sido eoadjnvado
na orgaolsaco do 4* corpo de voionlarios padns
progresistas de Flores, trazando a exempto ler-se
alistado o Dr. juis municipal do leroso; e 1
essa asserco falsissima, en veoho por me
prensa pedir ao autor do artigo cima citado 1
que declare que numero de voluotarios 1
os progressistas desta comarca, qae pelo contrario
s tratara de desaalmarem pessoas qae a asaN* se
teriam alistado.
Habilitada como me aeho pora a re
alistaraento de pracas do corpo, dizer algas
estou prompto arespoader nesse sentido a quaJqoer
publieacao qae possa apparecer.
Queiram Srs. redactores Inserir estas liabas orne
muito obrigado ihe acara o mi* a .
corpo,
Francisco Leopoldo da Sdta Ltsoa.
Qaartel na villa de Flores, 17 de r
1865.
0 bacharel Olympio Marques da Silva e o relatjho
do Sr. bacharel chefe de polieia, Pinesktjhm aV
Mattos sobre a queslao Aratanoil.
Sou (oreado, por amor verdade, reetteac as
inexaciidoes qae era reiacio rain e as dagas* jnax
municipal supplente de Ipojnca, o Sr. PnwtsM Ja-
s da Costa a Silva, se lem no rslatono de Sr.
chafe de polieia acerca da qaestaoArataagsl; e
para este Ora proeorarei despertar a aneawria de
Sr. bacharel Piodahyba sobre certos facaos ns S.
S. omittio no relatono i qoe rae reara.
Disse o Sr. chefe de polica era sea reiatorie (Mo-
no de 18 deste mez): t Encontr! a*
c Aralangil o juiz municipal suppleate es
ci Krancisco Jos da Coste e Silva,
< paohado de sea aecessor, o bacharel
c Marques da silva, do escrivo e deas 1
< justica, e pelo mesmo bacharel tai iofurmada,
c em resposta s perguntas qae dirig aa 1
c juiz, de qae ele. etc.
E mas adame: Desde eolio jolgasi
< rio redasir a escrpto as ialormacoasaas esa ao-
< me do juiz acaba va de darme o bacharel Oiym-
< pyio ote. Antes de todo a verdade. _
O Sr. chefe de polieia, ao easgar aa aafsaao
Arataogil, nao me encontrou, como disse, secas
ii alli nao eslava; e s cheguel necia hora afeases
de S. S. (11 X "oras da noite de 4 de carrease).
depois de ja se ter o Sr. chefe de polica eassadid
cora o jaiz municipal. Eolio S. S. peds rae aas
nforraasse do octoTJdt}. ao_aas de 1
accedT
quanto a terceira Dea prejudicada
da segunda, e Analmente quanto a quarta que nos
termos do j citado artigo 81 do regulamento das
cmaras aos seus procuradores compele defender
os seas direitos pente as jasticM ordinarias.
Portarla.O presidente da provincia, attendendo
ao que requeren o alferes secretario do batalho o.
49 de infantaria da guarda nacional do municipio
chafe de polica em offlcie n. 1,757 de i1 do predito do 0uricary DomjDg0s da Silva Saldaoha, resolve
mez de novembro, somante a1 qo.aoiia^de 16#025 dispensa.,0 d0 servjco de guerra para que fora de-
TS. correspondeato a essa depeza a coatar do 1
de junnoal 15 de julho, sendo 10,1800 rs. pagos
sob mioha resneusabilidade nos termos do decreto
n. 2,884 do 1 de fevereiro de 1862. visto perten
cer ao exercicio em liqaidafio de 1864 a 1865, e
ule haver crdito para esse Ara segoado coasta do
referido parecer.
sigoado em 27 de outubro deste anuo.
28 -
Offlcio ao general commandante das armas.
Sirva-se V. Exc. de permiUlr ao voluntario da pa-
tria do 6.*corpo Antooio de Albuquerque Maraohao
, Cavalcauti.o aso das insignias de primeiro cadete
uito ao roesmo.-Transroillo a V. &'. para os flos' at que justifique o direito que tem a essa classifi-
convenientes as inclusas contas documentadas da cacao.
enfermara militar do presidio de Femando con-
cementes aos mezes de outubro e novembro do
corrente auno.
Dito ao mesrae.Com o incluso offlcio do medico
e ncarregado da infermaria militar e o formulario
annexo ao mesmo offlcio satifaco a requisico da
contadoria dessa thesouraria contida no parecer a
que se refere o offlcio de V. S. n. \901 de 16 do
corrate relativa ao pagamento de medicamentos
forascidos a predi u enfermara por Sors & Bar-
bosa o qaal dea aisim respondido. ^\
Dito ao mesmo.Queira V. Exc. Informar acer-
ca do qoe expoe o inspector da thesouraria de fa-
zenda 00 incluso offlcio de hoolem, sob n. 92o, re-
lativamente aos vencimentos de commandante e
major do 3.* corpo de guardas nacionaes destinado
ao servico da guerra.
Dito ao mesmo.-Sirva se V. Exc de informar-
me acerca do qoe pede 00 meloso requeriraeuto
Manoel da Silva Noguelra.
Dito ao mesmo.Mande V. Exc. dar baixa ao
voluntario da patria Manoel Flix dos Santos, a que
COMMANDO DAS ARMAS.
Qaartel general do eoauundo das armas de Per-
ambueo na cidade de Recite, 29 de dezembro
de 186o.
Ordem addiccional a do da n. 179.
Tendo o Sr. tenente-coronel commandante d > 6*
corpo de voluntarios da patria Francisco de Albu-
querque Mararrtvio Cavalcante representado ao ma-
rechal de campo commandante das armas em offl-
cio. de 26 do corrente contra o procediraeoto do
Sr.'alferes do 2* batalho da guarda nacional des-
tado-oara o servico de guerra Antonio Bartino Pe-
reir de Carvalbo por ter este aa qualidade de com
maadante de guarda da casa de detencio dado com
a sua espada pancadas em dous soldados do dito
corpo que fasiam parte da mesma guarda e se
acbavam de sentioella, maodou o commandante das
armas sobre tal.objeclo informar e Sr. tenente-co-
ronel do dito 2* batalho Marlanno Xavier Cameiro
da Cunhaouvindo ao Sr. alferes Bertino. A resposta
deste Sr.offlcial olvida o principal da questlo s ac-
ensa aos soldados a um por estar dormodo na
sentioella e a outro p:>r se achar embriagado, no
entretanto que em sua parte dirigida ao Sr. offlcal
de ronda maior nada di?so refere. Considerando
qoe este Sr. alferes est trenlo o seu tirocinio, e
qu- lalvez esteja era ignorancia ds quanto deior-
moa o aviso crculor d ministerio da guerra de
13 de abril de 1859, ordena o mesmo marechal que
o Sr. comraaddante do 2a batalho mande ler pelo
Sr. riscal do mesmo o citado aviso, no circulo dos
Srs. offlciaes, e Ihe exprobe o seu procedimento.
tanto mas por nao cumprir cora o seu devsr, dan-
do parte da oceurrencia de que se trata.
(Assignado.) Francisco Sergio TOliueira.
Est conforme.Antonio Francisco Duarte, 2.
tenenie-ajudame do orden interino eecarregado
do detalhe.
DA 2 DK JANEinO DE 1806.
Ordem do Han. 181.
O marechal de campo commandante das armas
faz certo guamieio para qae produsa devido
efieito.
1.* Que a presidencia, em offlcio datado de 30 de
dezembro do anuo prximo Ando, declarou qoe o
Sr. major ero commlssio Henrique Tiberio CaVis-
tano pertencente ao .'! batalho da guarda nacional
destacada par o servico de guerra, pe nesl
O casco no sabbado segrate foi posto a nado o
sanio para o ancoradouro.
No vapor francez Exlremadure veio para
esta provincia um sacca de cartas perteoceotes a
Baha, sendo disto causa trazer elle dous eudarecos
relativos a estas duas provincias.
Nao sabendo o agente das malas a qual dallas
partencia, e nao sendo reclamado na Babia, enten-
deu perteocer a esta provincia, para oade coadu-1
zfo-o, sendo da erar que a adraloislragao do nosso
correio o iivessa bontem devolvido a seu verda
detro destino pelo Paran.
Reraetternoos o seguate de Trombetas
e Admira, que era urna provincia essencialineu
te catnolioa, existam borneas, que incumbidos a
zelar o templo do Senhor, sejam indeffereales a sua
ruina, nao obstante a proximidade, em que esto
do mesmo templo I Admira : eulrelanto isso urna
verdade palpitante.
t O bem prioetpiado templo de Nossa Senhora
da Penha de Gamelleira, all est se demorando
pela incuria, pela preguica, ou antes pela (alta de
raligio de quera quer que se acha incumbido das
suas obras.
Samo Antonio.
Arqaelioa, Pernambuco, 18 mezes, escrava, Saoto
Antonio ; entente.
Benedicta Mara Pereira, Pernambuco, 26 annos,
soltelra, Recife; interior.
Mara, Pernambuco, Recife ; espasmo.
Luiz, femambuco, 20 das, escravo, S. Jos ; con-
vulsoes.
Lautioda, Pernambuco, 2 aanos, Santo Antonio ;
diarrha.
-29-
Manoel, Pernambuco, 6 metes, Boa-Vista; sa-
rampo.
Afonso, Pernambuco, 6 mezes, Boa-Vista ; repeo-
, tiuameate.
. Primo Jos da Silva, Paroambuco, 22 anoos, casa-
do, Recife; bexigas.
Sllvaoo. Pernambuco, 2 aunos, Boa-Vista ; ente-
rite. '
Mana, Pernambuco, 15 mezes, Boa-Vista ; coque-
luche.
Isabel. Pernamboeo, 40 annos, solteira, escrava,
Santo Amonio; anemia.
Arquelina, Pernambuco, 18 annos, solteira, escra-
va, Recife ; entente. ,
ra, S. Jos ; sarampo
-30 -
perme
Panlaleo,
rampo.
Carolina, Peroambuco, 4 anoos, S.
luche.
Boa-Vista; febre
S. Jos
sa-
sas particulares, caibros era grande numero su
raidos, um coow e noto-porise cobrar a igreja Pernambuco, 9 aonos:
cora o lade do poema desmoronado, tooas as con-, n.rnilllv..
tas engarrafadas I... Que mise ria E^atanlo^, pao^mC^aPerDaa)baco> 4 .
faci ease que all couhecido de todos, nao na-'
cessitam de comelos, e at j houve ama resposta
eiMoodo a ama increpaco qae esta Ilustrada He-
se nao tivesse a pe- Olxtdiiia, Peraambaco, 2 meses, Boa-Viste ,
Dores para os acioi | ^Jjj^ MarU ^ Conce,5O( Pernambuco, 5 ao-
oos, solteira, Boa-Viste ; varilas.
Que seria' daquelle povo se
quena capaila da Senhora das
religiosos 1
coque-
ente-
. Sr. redactor, catuadvr-se o excellaate cru-! ^',^3^ ^eoiZ: Pernambuco, 16 annos,
iro com os martyno do Senhor era frente da-, MlieJro_ Recjffl. coque|uco9.
Miro
ejoeile tambera principiado templo, tao telados...
< E' tal a indignado do povo d'alli, qae ja se
aponte aquellos que tem distrahldos as lelbas, e
huido* aquellas objectos coneernentes a edifleacao,
a oao sei mesmj se algara lurnpw pecuniario.
Pois bem 1 Nao possivel que isso continua assim,
sem que de ora era vante, eu qae estoa a par de
ludb, va inteirando a sua Revista deesas trafican-
cias, qae se passam em Gamelleira, volvendo ao
depois as miabas vistas para esta nossa povoaco,
oade nao haveodo Igreja a nem capella, pretnde-
se que baja urna missa oora a I de fevereiro fu-
turo l
- < Julgo que cora isto nio (arel um deservico as
4trejas, pelo contraro coocorro para que aa ponha
am prao na roda dos desmandos, que pratlcara
aten ellas. Au revur.
Poi nomeado escrivo ipterino da subdelega'
ca da freguezia de Santo Antonio, por impediraeu-
Mana, Pernambuco, 2 dia;, Sanio Antonio ; con-
vulsoes. .
Felicia, frica, 45 annos, escrava, Santo Antonio ,
anemia.
Cypnano, Pernambuco, 4 meie, Sdoto Aotonio :
iochaco. m ,
Felico, Peroambuco, 2 annos, Santo Antonio ; toa-
se convulsa.
Manoel Casslano, Pernambnco, 34 annos, soltelro,
Boa Vista; insufflcieocia na oretra.
- 1 -
Mara Francisca da ConceicSo, Pernambuco, 64 an-
uos, viuva, Boa-Vista ; anasarca.
Francisco Ferreira das Chagas, viuvo Pernambuco,
50 aunos. Boa-Via; apoplexia.
Gliceria, Pernambuco, 16 mezes, Recife; aoa-
Marla jo>, frica, 70 aonos, solteira, S. Jos :
anemia.
Cs^cantl, 0 escrivo de pa, d dite freguaaia,. Cau.,tMarl.da C*fffijg> UW
nos, solteira, Bm-Vista ; phtbysica,
Tratando da questo jurdica rea ti va mate a <
cuco do mandado de posse e eotrega do
Arataogil, o Sr. ebefe de polica cootestoa me, *i-
zendo qae os actos do digno joiz municipal erara
illegaes e absurdos.
Teodo esludado, como pode, a especie aa lefis-
lacao respectiva, e pprfeitmeate coaveaeido da
legalidade do procediraeoto do jaiz municipal, rn-
pondi-lhe eslraahando qoe semelhaote propoMco,
por demais inconveniente e illegai, partme das
labios de um homem illustrado, como S. S, e ea
presenea do Sr. tenente-coronH Joao de S, saa fa-
milia e adhereoles, a do delegada de polica qoe
aquella hora alli se achara com cerca de eeatoe
ciacoeota homens armados para se osaor labrase
do delegado) aos artos de esbulho, pratiead* peto
jniz municipal contra os direitos aiantrOos peto
tenente coronel Joao de S por metas lame e jur-
dicos, servindo se, para proferir semelhaote des-
propsito, do nome do Sr. chefe de polieia ; e qa*.
alera disto, nao era S. S. competente para eoahecer
da legalidade dos actos do joiz municipal; ao aas
retrquio-me o Sr. chefe de polica qoe assim se ex-
prima como particular e em conversa, e ao ao
carcter de autoridade. _
Depois de conversarmos mas alguns mtaotos
este rspede, dlsse-me o Sr. chefe de atoaos aas
qaeria reduzir a escripio as informacfc* qoe aca*a-
va de dar-lbe para levar tudo ao coobecimeato do
Exm. presidente da provincia.
Sabia perfeitameole que oao era obligado *o-
jeitar-me tal interrogatorio, pois qae nio neuab
cia no Sr. chefe de polica o diretto de laterregar
algaem sobre os actos de um juiz municipal ao
exercicio de suas funeedes. Todava nio oppoz a
menor diffleuldade, com o 8m calculado de servir-
me desse documento em tempo opportai
destruir qualqaer falsa imputaco, qae se
fazer sobre a minha nierveoco oeste aeforio ;
e iramediatamenle depois de assigaar o tal aato da
perguotas (2 horas da manha de S) peal ao Sr.
abafa de polieia tivesse a boadade de raaassr dar-
me ama cerlidao della, deferiado aras petieas que
oeste sentido ia fazer.
0 Sr. ebefe de polica respoodea-ne qae aao
mandarla dar-me a certido pedida por nao mhrar
con veniente naquella oceasiao, e qoe ea raaasresse
mais tarde.
Sara* bom dizer, antes de passar adan*, aa
anda perdura a inconveniencia de ser me dada a
certido pedida.
uraote todo este tempo o Sr. ebefe de polieia
nao dirigi a mais simples pergoate ao digno jaiz
muoiipal; e se o tivesse feito, sobrar-a
cadeza para nao responder a' pergnatas a'
dirigidas.
E' ooiavel, entretanto, a ifenuiimii do Sr. ebefe
de polica em admitlir miotus respostas %'t per-
guotas que fazla ao jaiz municipal!
A verdade, pois, qoe eu s respooddi me auto mt
pergunlas qoe me (ex directa publicamente o Sr.
cnefe de polica, o qaal nao foi raais do ao repe-
ligo do que ja havia en dito em conversa a S. S-
Sao portento inexactos os trechos do relatono a'
que me reflro.
O Sr. bacharel Pindabyba achara', estoa ceno,
ao testeauobo de aoa propris Loasriaaria cjI>
la refotacao a' sua afirmativa, e para prova-lo
lerobrare a' S. S. um (acto entre salre aar rs-
curarei esqueetr.
O Sr. bacharel Pindabyba, lando, logo qae ea-
goa a' Arataogil, dirigido vagas aaaaeas
poasabilidade ao digoo jais aaaieisal aa <
deste, o qoe me tez repelli-to era
e at amigaveis, no da segaiou (5) me
tica, eu porque visse qae as aassaea
Inte liahara prodoxido, oa porao
terreno escorregadico e balofo aa mpm pnava; ter-
noa-se at amavel a^ ponto de destmir eos ama a
impressij desagradavel de sea
or, e proearoa convencer ao.d
da que ievus suspender a posar de i
gil al a deciso de aa aggravo i i
i terposto pelo executado, teaeate coraaa) Ma da Sa,
de quera trouxs o Sr. chefe 4* sobria bm
para ser despachada ueste sentid.
O digno jan municipal coasaboa-ae a >
peito, e eu, Intimamente coavsacea* da aa a Ir.
ebefe de polieia aao ttnba aa vistee araar aa ana
ao juiz, qoe nao liana razio aaa ahraaiaas dea-
ber direito, reapeodl-ihe, a prasaaea aear. ebsfs


de polica, oqi Ul d^acb er | Ma|ei esa
/

MOTILADO


"1
BMuVSJRBaBBM
^: .....,L.in
^l
, : n:1,. ..... -.
!
Diaria e *erammtae* Qaarta tetra ft Jiaelr* e


aflc
Tf IV

i

Ord. L. 3. tlt. Ti 4, que mui axpressamente dis-1 Declaro que falso; urna infame clamo ia
p3e qae o aggravu de iastraraeato nao suspende o cora que rae mimozaara miserayel que, abusan-
do a* boa t do eaeriva. consegua urna ceriidao
imbJgQtvnej quinto W dasldra it Iftmti+fui
extrahid*,* puMifu-a para produzir effetia *
quaWnao apparecesse refutacio completa, anda
que Uveste eoiiscleacia de que Searla perfeltameu-
te desmentido.
? verdad* o sentte : no di tt da deaumbro
do aano paseado (1864) o Dr. Gaspar Dmutrnand,
teado dd (r a ess capital, edio-oa ee na crea
(Oo que ne do contra tenenU-ctmul Gaspar CfMfmn*. se*
conttuiaU. fama trnfetigo (t tal ptttcoo a
folkas 28 a*t trata a ce> lidio) peimdo ao ;i*
da cauta que mamasse rteother ao tpottt* fW
andamento do feito ; qae o jai, detpachando con-
traa eMSa'dispo>4ea da M,4ncerria entras-
pouaabiHdad (arl iS9 1 l do cod. crim.);que se
melhaote proposta so polia ser apreciada pila par-
a diversa ao teneote-coronel Josa de Sa, a entao
lenbrei ao Sr. chafa da DoUcla..(ma/oad mnha)
Sue propotessse essa convenc j a Dr. Gaspar ,*
rnmmond, advogado do leaente-eorooel Gaspar
Cavalcanti. ""
A' pedido do Sr. chefa da polica ascrevl a am-
bo* estes seohores, que logo depoi chegaram m
Aralaugil.
O Sr. chefe de polica conferenctou cora o Dr.
Gaspar de Drunimcnd quo nao pos dnvida em ac-
ceder ao seu pedido urna va qae eu constituale: co certa quontia m imhetro que tile ws'djuiM-
concordasse, e immedistamente sahio a' se entao- ra namesma execueo. Para ate fita tM*
der com o leueole-coronel Gaspar Cavalcaote. procurooao tmbttabeUada (A a de qua tratt a car-
Nao devo aqu occultar, por lealdada aoSr. ehe- tidioj. "
fe de nullcla, que S S. era ludo isto dula qae ape- Fu a petlcao, a nunca man me occupel da taj
as emtha a sua eetntio cerne pirfccirter, daejan- causa, unto que sendo eHa irabalhosa e chei* da
do, entretanto, orne ella fosse aeceita pele jua e ate incidentes i ponto de constar hoja de mawile ira.
la parte aveiva ae tenerte-coronel Si. zentas folhas, nunca mais fuocciooe salla eao
Demorando se o Dr Druaniond era traxer a res- ha pouco, domo drogado de um oreior do lente
ceroael GaspK que disputa prefraoflla- raesma
execoeao, acbando-, assim implieitaroeule revo-
cado qaaato mim e sobsiabeleCimeulo feilo palo
Dr. Drummond.
i*j que Oca dito v se que nao Iz mais do que
um ufllcio d amisade, como costame no foro en-
tre os adrogados, no qae nada teem qne ver os
constitutntes.
Arroo que nao sou, nem nmea fui advogado
As Srs. eletores o V 4wtrct.
Contemplado na chapa do pardo hharal para
4a minha taade nao me consodM rlglMna pe
soalraente aos Srs. elejiores, que por veatura no-
deriam altender-me.
Assim prevaleco-me da Imprensa,: para honrar a
eeaettu qua a> mMrnfme Ihtm *a directores do
partido liberal, Pr de ante-mio agradecer aos
lM amigos aa voto, com qne tanha de ser gra-
laada a minha tenue oadjavago ao mesmo par-
Rattfe, 1 etemlr ta 1865.
Dr. Aarie* Mini** da Silva Giimariet.
O Sr. Aonio Chrlstiano Fogt, fllho do
Sr. CbrtMW Fogt, prnprietario e estaba
dapoudo provincial, acontece tjt^i mi petad lecido ai cidade de Macei, o primeiro bem
conbetdo esta cidadvpois que foi empre-
gitdo na easa d3r. tista estabeljjdo na ra da Imperatriz, ao
coavaiettidd desta moles*, fci daqui dnsen-
gtmo par habis mdicos: retirou-se para
a.Bihia, all continuoa emtritameot. ate
que foi sefunda vez desengaado palos me-
drooii am chegando ea em Kacai, um
' a
posta de seu constltuiote, o -r. bacharel Pindahv
badisse-ne qae semeWiantb dof* a ana des-
confiar, e qae/Ie"-6letteBle-crooel Gaspar Caval-
canti nao concordan aa proposia, isto obnga-lo-
bia a' proceder oo dia seguate a outros interro-
gatorto>, o que na verdade verincou-se.
Aqui que eu ao posso saber se *.'.. bacha-
rel ftodahyba fatava como -chafe, de polica o*
como particular^.-.
Vaitando o Br. Dm^rrion.disse ao Sr. chafe de do tnenie-eorooel Gaspar em questao alguma rom
polica qae su coB concord: mas qua ia com elle para casa, a no dia : annimo tem sciencia disto. O que acabo ae ai
se*',Q,e m indar-lhe-hia a dedsao ; e levou a pe- ur provarai exhuberantemente. fasendo publicar
oa do Sr. Joo de Sa", da oimU foi portador e Sr. a>a cerdao minuciosa e.clara; o que deixo de
chefe de polica, para respouder nella se concorda-, f.ier j por que nao ba joit municipal em exarci.
'._ -iV__2JZ. aJL.-k 4 <;io no termo de Seriotaem, para despachar a petl-
eo em que peco a cerlidao qae prova o qae afir-
ato, e prova mais at que pooto ebega o destaca-
mento desse calumniador.
Rio Formlo, Si de dezeaabro de 1865.
Otympie Marques da Silva.
Srs. redactores. Accedeodo a vontade da ami-
go que rae escreveu a carta qne abaixo se segu,
rogo-Ibes o obsequio de publica la em seu concei-
tuado Diario, por cujo obsequio de minha e de ana
parte asseguro dosde ja' a V. Ss. o mais perfeilo
reconheclmento.
Passo da Patria, 6 de dezembro de 1865.
Meu estiraadissimo amigo. Ea disse abl que,
em coosequencia de haver perdido a menim dos
meut olhos, podara sen dinhetro, fogo oerteiro, w-
cifiavo, victoria certa, e de pretender furtarme
ao pagamento das cusas enormes, que lofallivel-
mente haviam de vergarme o eolio retundo, po-
rra boje mado cadiaco, resolver partir para o
Paraguay.
Pols bem, meu caro amigo, assentei de peara a
uat a'miona reuraa* o ^u Apenas eneguei a estas p'agas de eamloho para
o Paraguay fui preso e conduzido a presenga do
commandanle do primeiro posto militar. Elle in-
terrogou-me acerca de minha nacionalidade, e dos
motivos que me levaram a tnoadtr o posto sob sea
coiornaodo, olo ppfteoceodj eu a,os alliados, nem
exnibiodo o respectivo passe.
amigo pedime, qaee acompenhasse at
casa do Sr. Christiano, para ver um doenle
HurailaV aareiat:i aa Riait' Sr wr%- c presorawr-lhe algum laawdH, encootrei
oJSI^ Il-Sl ^^ o filbo em urna cama desanimado e em es-
gMcaie aa praviania. i U(to e prostrar^to, pois que escarrava san-
ra eogrossar as flieirasdttercitodosui, podem za a penlo de nao se poder por em pe, no
soltar am recruta mediana a paga de-3604000 flm de urna garrafa do xarope etbereo de
receWda em nove poldros ascolhldpa qua se guar- ve|ame se achava elle no estado de pas-
darara dentro da urna llha .eiistenU no Rip de S. ._',. ^ocannaro/.il9 a inauptpneia p
Fraietoeo, aforim dados por nra v.sioho d dito aeiar em casa, desapparecida a napeienea e
recruta. daodo-se a este um papal ou guia como os escarros de sangue ; e a tosse mitigados.
titulo de tseaco para nao ser mais preso ou re-1 j\o fim da segunda j achei em estado de
atada ti ^^^ d* im." aEe_, P'ssear pelo sitio todas as manhaas.
Acabada esta o aconselhei, que continuasse
alchd^lico de veame para o Iratamenl das Agurdente de
Lafleccot&vdo systema nervoso a ibtoio taa *
como: \
Gotta, rheiimismo, patalysia,
Dores, impoteiWM.'esteillidade,' '
Marasmo, bypocofNria, emmagrecimento.
O xarope alchooliso de veame sefcre
tudo, da maior utiliripde para corar radi-
calmente, e em pooco \tiaipo o rtaewaa-
tismo. \
Adverte-seque o verdadeiVo xtrdeate *e *"JrSKd?_l
vende nesta cidade na botica cima, indica- ^J"
da, do abaixo asstgnado; e em owSra qoal-
dur parte que r' tem annunciado n.?o da
mesma composif^), e nem o abaixo asaca-
do se responsabisa.
Jos da Rocha Poranhot.
caxaca .....
WkWm |(HUla
Maraaaar,lann|iaiiiia<
xtdenle ......
Algodao em caroco .
dem em rama oo em lia
Arror com caaet .
dem descascado fu piado
Asencar mascavtdo .
dem branco
COMMERCIO
vi ou nao, segundo o despacho do juiz.
Tudo isio se deu no da-8.
No dia 6 pela maahaa o Dr. Drummond respon-
deu ao Sr. ebefe de poheia que o seu onelWwote
nao concorda va na saspensio da posse; coutiuuou
o Sr. bacharel Pradahyba a Ineisiir pelo despacbo
de suspeoso da execcio al a deciso do aggra-
vo, e a tal ponto insisti a oo digaojuit mutctual, pdw-la com it*licia
o despacho que detejooatX
O digno juiz municipal se achava entao em urna
alcova com o Sr. chefe de polica c com outra pes-
soa que na* eu, e eoergicameote se negou ib que
S. S. exiga.
Aqui que eu quera ebegar para mostrar a in-
fidelidade do relatorw na parte em que insipu
que o digao juiz municipal de Ipojuca nao deliba-
rava por si, e responda pela mioha bocea, t.
falso. .
A verdade que o digne juiz municipal de ipo-
juca nio lera um pergamneo em dirKo.; naolem,
pois, razio nem obrigago de saber direilo-; mas
tem o pergaminho da honra e Independencia de ca-
rcter, e a luielligeaciaje bomsenso oecessarios pa
Eu treta oto o Sr. chefe de polica quera arsu
mentar com elle sobre questes juridieas 1 Eotao
o digno juiz rae pedio que o aoxlliasse na discassao
cara o Sr. ebefe de polica.
Confesso que mi vi em dilficuldades para coa-
rencer ao Sr. chrfe de polica de qae o procedi-
meato do digao juiz era legal; e apezar da Illas-
Uco de S. S., nio rae pude convencer de qas os
aggravos de io>truunnto suspendara o aadamioto
dos feitos ; de qae o veaeraodo accordio a que se
dava execugo era ora inexequivel, por ser indis
pensavel urna aeco de despejo, ora tequivel, mas
dapois de urna liqaldacio de pardas e damnos, e so
acerca da quantia que se liquidasse, continuando,
entretanto, o eiecutado na posse de predio apezar
de ter sido julgado aullo e simulado o titulo em
virtude do qual eslava elle nessa possel!
f ai isto o que servio de pretexto para o Sr. che-
le de polica dizer Inexactamente em seu relalorio
que o digno juiz municipal de ipojuca responda
pela minha bocea.
Sera preciso qae eu fosse muito gro-seiro, ou o
Sr. chefe de polica muito imbcil para adraitlr
que eu respnndesse as perguntas que elle lizesse
no juiz. E' claro que nio aceito nenhuma das con-
clu-oe-i do ditemma.
AIDrmo que o Sr. chefe de polica nao fez per
guntas ao digno juiz municipal de Ipojuca, e nem
o poda fazer, sob pena, estou certo, de receuer a
mes/na re^posta que ohteve quaodo pedio o despa-
cho sobre a suspendi da execiico.
Fazendo a presente puolicacao nao tenho outro
fim tean protestar, restabelecendo a verdade do>
tactos, contra as inexactidoes de urna prca oulciai
que hoje peneoce a historia, e que caraclerlsa bem
urna das pbases desta triste aciualidade, nao on-
seotindo sem protesto, que o Sr. chefe depolicii
leve agua a seu raouho a' rd nn3 cusa e do aigao
jaiz municioal de Ipojuca, colTocanao-tios em pus
ci esqaerda tr menos digoa, e procurando alm
disto innocentar-se e a' sua polica do_attentado
que pr^ucaram em Ipojuca na suslentarao de di-
reitos adquiraos por meios legaes e juridicos, con
tra as (iccisoes do p ider judiciario.
Aatp&itd concluir dire que o exemplo que aca-
ba de lar o Sr. chefe de polica tem tido boos imi-
tadores.
O juiz de direilo interino ja banou portaras pa
ra processar o juiz e i escrivo da causa; o leneo-
tt-coroiiel Gaspar, o seu procurador e os offlciaes
de ju>lca s-lohio naluralmenK So estamos, por
ora, fura desta rede eu e o Dr Drummond.
Pela minha parte afflrmo qu quaodo chegar a
muilia vez achar-me-ho trani|Ulllo e al conlricto.
Nao lica nisin : o mesmo jaiz de dreito interino
interroga os oQiciaes dejustlca que vio no dia 11
a' Arantangil imitar um mandado, ordma-lhes que
escrevara na cerlidio o que urna parte dictar de
um papel que le, sendo as.-irn as ofciaes obrigados
a escreverem injurias ao juiz municipal; interro-
ga-os sobre o que eslava fazendo o juiz municipal;
dispede-os a's 9 horas da noite. sem estar curapri
do o mandado ; e alm disto exige copias de ac-
cordaos para instruir ao juiz municipal no cumpri
ment de seas deveres.
Tudo isto imitado do Sr. chefe de polica.
Anda mais : ordenou-se em nomo do Sr. chefe
de polica, quando anda eslava este senhor em
Arataogil, aos moradores dos engenhos S. Paulo e
S. Pedro, onde resida o juiz, Diamante e S. Clara,
onde eslavam hospedados o leuenie-coronel Gaspar
e seus amigos, para no dia 6 se acharen), montados
em seus cavullos, no eogenho Aralaogil, nio para
servico urgente da polica, mas para levar cartas
e offleos. Entreunto o Sr. chefe de polica tlnha
otto ou dez soldados decavallaria a sua disposiciol
No mesmo da sao notificados vnte e cinco mo-
radores dos mesmo- engenlios Diamante e S. Clara
para Isvarem os presos de Sennhaem (termo di
verso^ a' essa capital II
E fram assim, e conlinuam a' ser punidos os
propreiaros dos engenhos S. Pedro, S. Paulo, Dia-
mante e S. Clara, as pessoas de seas moradores
que nada leem com isto, os prime i ros por darem
hospedag-m ao juiz, e os segundos ao lenente-coro-
nel Gaspar I
Mais anda : depois de voltar o Sr. chefe de po-
lica, convencido, como se v de sea relalorio, de
que nio bavia receio de perturbado da ordem,
converte se o eogenho Aratangft em praca de ar-
mas ao mando de um offlclal superior, fazendo evo-
Incoes militares; ordena-se ao subdelegado de Ipo-
juca, sem duvida porque nao fql a' Aralaugil de-
fender os direitos adquiridos, qne^poed demissao,
e por cauteUa dio-lh'a logo, agradecemlhe os seus
servicas e ordena-selhe que passe Immeoiaiamen-
-^oexercicio a'seu supplerue, um trm&o o U-
nenie-coronel ioao de Sd II
Tire quera qnizer dos factos. que acabo de refe-
rir o conceito a* que elle se prestara, qae ea re-
celo faz-lo sera me desviar da liaba de moderado
qae me trace!
Por ora tico aquu
Rio Formse-, 13 de dezembro de 1865.
Olympio Marques di Silva.
Municipio da Boa-Vista am :
Um iffforewfe que quir saber.
Marray dt
no uso do mesmo xarope etherio alternado
com o xarope alcoolico de vellarae, e que
wasse dos banhos salgados na pancada do
mar. Sentio elle nos primeiros banhos al-
guna choques, mas eo o aconselhe' que con-
tinuasse, com o que sa tem dado muito bem
pois que tenho recebido cartas de Macei,
Agua e Fiorlda de
Lamaaan.
Os perfumes compera a parle potica, a verda-
deira poesia do lollet, e as aenhoras de elegancia e
refinados gosios sio de ordinario mais ou menos
fastidiosas e difflcultosos de contentar, relaiivameo- .
te a eseeiha destes artigos. As bellas habitantes em que se me communica o sen bora estado.
da America do Sal asqaaessio permitas conhece- fiesta molestia OS expositores de medici-
doras de taes objectos, teera dado,para mais dei na n5o acooselham banhos salgados, apenas
annos esta parte ama decesslva preferencia a esta____ j.h__ .__._ j;._ r_ .i;.h<.
refrigerumerodoriferaagoaparaotoacador. EHa quando delles traUm, direm ser appltoados
tam sido manufacturada qoasi qae exelaslvameote as eCropholas, hypocondria, esthensmo,
para o consamo da America Central e do Sal; po- ameDOrrbea, raclhismo, etc. ; entretaoto'vi
dfe&Trr^^
os perfumes de una qualldade imperfeita e dema-, e OOtros fados Iguaes tenho visto ras om-
siadamente oppresslvos importados da Europa -, em lcslias Siphyliticas, e nutras militas que com
coosequencia pos deste novo- augmento era sea; o uso do xarope alcoolico de vellame tem-se
consumo, os proprietarios esli empregando lodos ... radical
os seas esforcosadm de satisfactoriamente soppri-; ou"u" tlird JJV,.,,. hah, Aa m,.-:a
rem to vasto pedido. Alm desuas maltas vlrtu- O Sr. Dr. Silva, medico hbil de Macei,
des, em quedade de nm delicioso e vivificante per { depois de ter applicado a um seu doenle de
fume, ella torna-se, quando misturad n'um ponca rheumatismo O xarope arCOOCO de vellame,
d'agua, ama excellente preparacio para a pelle ; ,, arUUi de laraar as
assim como poda servir como uinV admiravel lava- l08f que elle se P01 em ^^.J "
gen. para os deotes e gengivas, delxando um agr- moleta?, em queandav arrimado, o aconse-
davale aromtico cherrona bocea. (Vele que o lhou que continuasse com 'o USO do mesmo
nomes deMurray e Lanman-se acnem devlda- xar0pe conjunctamente com OS banbos sal-
mente inscriptos sb eada envoltorio, letreiro e at niin-salam dado muito bem e
mesmo gravados no vldro das proprias garrafas, e aao' commia M^..^u ""'.7 ,"*"'
na miu oo auseocla dos mesmo, ciaron to/na a, u dos mediconque all em Macei tem com-
faisMade da mesma.) t pleta confianca as preparaces de vellame
pelos bons resultados que
dem de eco......
ten de amena ....
Btelas alimenticias .....
Bolacha ordinaria, propria para
v*rabarque.......
dem lJ.a ........
Caf bom .......
dem escolha ou r^stolno. .
dem torrado ." ,.
Caibras .......".
Cal.........A-
dem branca m
Carne secca (xarque)
Carneiros ......
Carvio vegetal

arroba
libra
1
Caixa filial do bamco d Brasil
eaa PermaaMtemeo.
Tende-se desencamlnhado da massa fallida de
Guilberme Carvalba h C. o recibo de 15 aceftes VJJU ,w TC8TOU .
das incalisadas nesta caixa, sob ns. 3787 a 2801, Cavernas de sicupira
pertencentes a Guilberme Frederlco de Soaza Car-' era e carBauba em bruto.
valhe, socio daquella Arma, a directora faz pnbl- .aem ,jem em r^u a ,
co a qnara interessar possa, qne por parte de Jos- cha ........
line Jos de Sonza Campos, adminlsirador da re- Charuto ......
ferida massa, se vai proceder a transferencia at Cevados (porcoi) .
dius acede para a Sra. D. HenriqueU da Sirva r^.^ i^ecn).....
actual possuidora das mesroas, visto as ter em has- Q0^t.......
ta publica comprado, como todo provam com do- couro$ de boi, salgadas..
carnete* qae fleam archivados nesta ealti. [dem i(Jem secos espichadr
30 de novembro Idcm idem ven|e8 ^#
Cafen filial do banco do Brasil
de 1865.
O guarda-livros,
Ignacio Nones Crrela.
Vndese as pharmacas
Caors Barbosa & C.
de J. C. Bravo & C. a
olhos, podara sem dinhetro, fogo eertetro, vtvissi-
mo, tictoria certa.
O eoronel (esta a graduarlo do commandante,
a que me retiro) posto que naturalmente grave,
ro se a bandeiias despregadas, ouviado essa bislo-
no obtuario desta cidade a maioria dos que
suecumbem de tubrculos pulmonares,
sem procurarem o recurso do pratico e do
experiente, que lhes pdem encaminharo
pormun feitas,
tem obtido em sua clnica.
Quando alguem se v com tosse vai ao me-
Phtbyalea. dico, este o examina e declarao senhor es-
0 xarope etherio de veame por mim pre- ta affecdo dos palm5eso doente desani-
i**Z*\Xt\u\&i?*^ Pafad0 mito tem eproveiUdo aos que sof- ma com esta sentenca entende estarsem
vaso, coBteiihe a historia da menina dos meus frem desta molestia, e de lamentar-se, que mais cura, quando os factos e a experiencia
teem demonstrado que ranitos lendo procu-
rado o lugar apropriado, se teem salvado ;
e assim explicam muitos expositores de me-
dicina.
Ora, nessa provincia temos facilidade ho-
je e recurso do ar; por que a va frrea
desengaado por tous habis i nos proporciona, pois que em pouco tem po
urna pessoa que existe nesta cidade fcil-
mente se t ansporta para as ultimas estacSes
de Gameleira e Una, lugares perto do Boni-
to e de outros pontos que sao considerados
sertao, quanto mais que os mesmos lugares
j n5o sao mos, segundo pens, principal
mente no verao.
Mas dir-se-haurna pessoa pobre nao tem
meios de se transportar e all estara isso
se responde, que naqoee lugares existem
na e com espcialidade a parte em que lhe uarre meio de sua sa!vac3o.
o fogo certeiro vivus,* i | 0 Sr. Braga com loja de ferragens na ra
suppoudo entretelo alada mas e assim agut- n- r e
rarme sao e salvo, dsse-lhe que o fogo"era to de uireiia, 101
cruztta, que me nao dava lempo de carregar a es- medlCOS, acba-se bom COm 0 tratamentO por
pingarda e os drogas cahtam aos dous, aos tres, aos mim prescriptO.
9 arrala e aos ceios l... ...,,. ^ I A Sra. Jeronyma Maria da ConceicSo, mo-
A estas pa avras o coronel Oca inteiramente bal- j .u__
gado, ergu-se repent.no e descarrega-me uma tre- radora na travessa do Mooteiro n. iy,achan-
nieiidissima bofetada, que me armmou os queixos, do-se desengaada, tambem mim recor-
para onde o frade volla o capello lilil reu e acha-S6 re-tabelecid:>,
E logo a escolla sem que- mP,d,ei Um sobrinho do Sr. professor ae Naza-
oppor-lhe embargos, arroja se conira mim, e des-; f
menibrame a poniaps lili Que trovoada, meu reth do (.abo, acha-se bom, como 88 v de
amigo i Poniaps a direta, a es<|uerda, de. freute, sua carta abaixo transcripta, alm de outros
uos flancos e al mesmo pela retaguarda lili factos, que uoderia aqu mencionar.
Perd os sentidos, e quaodo acordel foi
careare, onde se achara qualro espides
i dem idem cabra cortido
I dem idem de dnca .
Doces seceos ....
dem em geia ou massa
: dem em calda .
Espanadores grandes
dem pequeos ....
Esteiras para forro de e
de navio......
Estopa nacional .
Farinha de de mandioca
dem de araruta .
noto banco de rernaam- j p^su, de quaiquer qndii
bnco. \ Frechaes ....
O Novo Banco descont letras a 13 por ceato Pomo em tolha, bom -.
ao anuo, toma dinheiro a praso flxo on em coala dem ordinario 00 restla
correte pelo premio e copdicoes qne se conven
clonar, e saca sobre a praca da Baha
Caixa filial aabaiea da Brasil ea
Fema moneo.
A caixa descoma as letras de sen aceite pela
taixa de 9 0|0 ao aano.
O guarda-livros
Ignacio,Nunes Correia.
1
ALFANDEGA.
Rendimento do da 3.........
31:238*886
MOVlMEflTO DA ALFADESA.
Volames entrados com fatendjs....
t < com gneros..... S97
55JO0O
njaaa
Volames sabidos cem fazendas..... _9
t com gneros..... 674
------- 1,083
neste i
i'ara-
A phtbysica a dstruigao e a magreza' casas vasias e alugam-se por prece commo-
de todo corpo, em consequencia de chagas, I do, e mesmo muitos gneros de primeira
Bem "trisie, bem salgada, que me tem sido a sor- tubrculos e concreccjio dos bofes e de em- necessidade all se vendem pelos mesmos
ie ni... ipyeina, atrophia nervosa e obtras molestias preces que aqui
l'.ra augmento de tanto infortnnio os guardas
da Pircara a Inrln <|ii ijul f>^'>'"' hwm-o
de El Estigarrib'ta l III Ea El Estigarribia IIUJ
Tudo admiti que me cbamem; mas, nao de El
Esiigarribia III
fjllft Vir.iam.; aa bunaoroo, oouiu (J5CUl\UlO,
alporcas, gallico, asthma, bexigas, sarampo,
etc.
Na phthysica, chegando ao estado de gra-
Saiba, o meu amigo, saiba 0 muito tototrn, isto Tdade de concorrer para
Et Estuiarribta II e uma alurania eu ao 1 r. _._i-.._,
aVm%SSm aa^Mrnli" salvado do doente e ajndar os medicamen-
B.m quizera fugir deste carcere e render-me a tos 0 ar do campo, exercicio conveniente
dlscripc>j dos drogas 5 porra, oo possivel : es-
tou ferropeado, moido e, como ja di>se, cora os
e dieta, n qual b5o deve ser de nenhuma
cousa queote, ou de defficil digestios e a
bebida cumpre que seja de natureza branda
1 e fresca.
i Todo o seu alimento se ha de dirigir a
'' moderar a acrimonia dos humores e a nu-
queixospara onde t frade volta o capello 1...
E' d pS meus cmpanheiros de infortunio (e tai-
vez o seja de sorte, porque aqui nao ha embar-
gos) um paraguayo de uome Zunlla. Em face
do que elle rae diz estou persuadido que, se os
alliados tiverem seis encoaracados e doze caoho-,
ueiru1 ar3o infaiiiveimente os casteiios de trir e suster o doente, para o que prec.so
rluraayti, (bem entendido, depois de um fogo cer- reduzi-lo ao USO de vegetaes e leite.
tetro e vivissimo.) i Toda comida e bebida, que se tomar ha
Patio o, o.nais nao oaorentrMies d.fflcui- d porcas, para evitar que
dades. Os so dados de Lpez, como mo aramia f r v > r >
ZuriHa.ee pralmeate sabido, sao uns odres, uns 0 OXCesso do chylo fresco opprima OS bofes
yafas DfnfloaVw, uns peihancas, ncapazes de resist- e accelere muito a circulaco do sangue.
rem fugo de cruzeta. Muitos doentes desta molestia se teem en-
Adeus, mea prestimoso.*}*%** **, i""0* trege ao uso do oleo de figado de bacalho,
sorte nue me a euarda. Os homens por ca tem os e*.
Tpalos muito justos que no admittem pedrinhas. 'o outras preparares de resinas e palsamos,
Assim espero que se sat^fasam cora a irotwada de sem que dellas tenha-ii tirado proveito; e
poniaps, e a bofetada *os e a lin,na para onde o ^aaMHa (xm muUa r.^0 esse tratameDto.
rotuSTC?a?aueSt^SS* mo cosime carregar o estomago do doen-
victoria certa. te com medicamentos oleosos e balsmicos;
Diga ao meu credar de carne secca ;qae eu, ao- p0rm estes em vez de tirar a causa aug-
da quando escape e volie a reoder-rae aos drogas menlam.na) esquentando 0 sangue, ao mes-
"eu iheTo?** esparava as cebollas do m. tempo que tirara o apetite, relaxara os
Egipto, se por ventura eu ganhasse a balalba da solidos, e sao de toda sorte perniciosos.
menina dos meus olhos ; e foi por este innocente j0 que se gzer para extinguir a tOSSe,
muvo que o magano se constiluio ^uroMOor d exercic0 e reg men apropriado de-
encapolado : mas, como V. sabe, a despeilo do o- rpmprlins d riatnrP? acida dptpr-
go vivissme e da influencia do encapotado, a tai- vem ser remedios ae natureza aciaa. aeter-
galhada deu com o nariz na lama, nao roe valendo gente 6 Calmante.
cousa alguraa o tal recibo dos giwrrala das. Alej q8 acrj08 possuem a virtude de produzi-
de que, sobre nao ter dinheiro para pagar as cus- rem bong effeilos nessa enfermidade, por
ia ant-s de retirar nie dessas paragens lu ion- ., ,
mado por parle d^1 usurario da ra Augusla afim que, n5o SO COntTlbuem a apagar a Sede
na importancia de quaado accommettem a febre ethica, mas
Correspondencias
quando accommettem a
tambem a refrescar o sangue.
Aos doentes desta enfermidade, quando o
a febre
ethica os accommette, prescrevo-lhes o su-
co de um limo dissolvido em uma chicara
d'agua com bastante assucar em um grande
copo para misturar cora am papelinho dos
pos refrigerantes para tomar, com que ali-
viam no acc >nimettiment da febre, e pela
de pagar-ihe diversas parceHas
quatro contos de res, que este anaueuoa empres-
lou me a juros de tra, quatro, unco e seis por
cento ao mez Dar despezas de certtdoes, cusas e
mpressarde memonaes, que pao me adiantaram seu estado de gravidade. e tal que
idea, antes salpresaram raais a festa IIIII
Diga ao Ferreira do Costado qae nao invente
historias de brigas; oo se .meta com a vida alheia,
cuide em suas choradeiras de setenta por cinto de
abate e em chamara ordera esse desfructavel mas-
carado de garibaldy azul, e va andando sea cami-
nho, que eu lhe desejo BoaVtagem Do contrario
assim como eu rae acho hoje redozido a triste manha rt varnnp thprin rl vplamp Tp'nhn
situaco de-El Estigarnbia 11-, pode succeder manodf xarope einerio ae veame, enno
que toe arrumem forte e elle rae substiiua com o aconselhado, que facam uso de vegetaes de
pomposo titulo de El Sapresado He fique por sua
vez com os uueixos para ende o frade tolla o ca-
pello I
Mande-me noticias do Serra. Parece-me ouv-
dicado
Salprezo.
lueaiio Ar.itangll.
Li so Diario de 31 deste nm eommanicado an-
nimo era qae se di/, que o diirno |uz maoicpal de
Ipojuca era assessorado pelo advogado da parle ad-
versa ao lente coronel Joo da Sa Aibuquerque,
como aa provava com orna cerlidu iranscnpl
abaixo do meaoo corara un cauo.
Da eentdo transcripta constara o conleiido de
urna procuraco era que o lanente-corooel Gaspar
Cavalcanti da Aibuquerque Uchda uostitue procu-
rador ao Gaspar Drummond para tratar de to-
das ae anas cansas, e Jumamente de quaiquer
questao acerca do engenho Aratangil, am termo
de labstabeleeimeuto da mesma proeuraeio, feilo
mira pelo Dr. Gaspar ururaraond, a ais que eu
aeeiiei a mesma proesracao, a requer i favor do
teneule-eorooel Gaapar Gavalcanti, como se via de
orna petco a folhas 38 (ao diz de que autos) por
mim escripia e aisigoada.
Pelo modo porque foi pateada a certldlo parece
claro qua eu ful ou seu advogado do ente coro-
nel Gaspar aa qnasiad Araungil. 1
Publicares a pedido
ATTERCIO..
Xarope alchoolico de veame, preparado
pelo pharmaceutico Jos da Rocha Paranhos,
estabelecido com botica na ra Direita n.
88 em Pernambuco.
- Este xarope incontestavelmente superior
a todos os xaropes depurativos, de cuja
composicao o seu maior ele eqto a salsa
parriitaa, pois que se tem conbecido ser o
velaiae mais enrgico para a prompta cura
A Sra. D. Joaquina de S Brrelo, tendo das molestias, cuja base essencial depende
1 uma sua escrava fallecida desta molestia, snb- da purificado do sangue ; assim pois se
mettida ao tratamenlo de seu medico, resol-' tem verificado por muitas pessoas que se
veu procurar-me para tratar de um oulro achavam desengaadas, as quaes acbam-se
natureza acida, como laranjas, bmBes, pi-
tangas, uvas, etc., e applieaces de plantas
amargosas, que fortificara o estomago e ser-
lo todos oe das d^cjioar-me o nome............. vm ao mesmo tempo para deatruir e miti-
Acceite um affectaoso aperto de mo do ten de- gar a sede. -
queftes, pois, ijuo esttvureui tiestas clr-
cumstancias, eu lhes facilito explicaros meios
pelos quaes se devem reger, e lhes fornece-
rei os medicamentos gratuitamente,
N5o deixarei de advertir ao publico, que
as minhas preparares de veame s5o reu-
nidas com outros ingredientes, e com elles
tenho oblido ptimos resultados: nao se en-
gae o mesmo publico com outros que por
ahi se annunciam, cujas preparaces ignoro,
assim como o aproveitamento aos enfermos,
a quem porventura teaham sido applicados;
cada um responde por si, e eu affirmo com
verdade o que aqui tenho relatado, cujos me-
dicamentos nesta provincia so vendo em mi-
nha botica na ra Direita n. 88.
Jos da Rocha Paranhos.
Nazreth do Cabo, 7 de setembro de 1863.
Illm. Sr. Jos da Rocha Paranhos.Com
o maior prazer levo ao conhecimento de V.
S., que o doente que V. S. acha-se admi-
nistrando-lhe remedios, acha-se no todores-
tabelecido, porlanto, nada sent, tendo des-
apparecido n sic3o comida e acha-se nutrido. Deixou
tomar os ltimos remedios que V. S. recti-
tou no dia 30 do passado, resta agora a Y.
S. mandar-me dizer qaal a dieta que o
doente deve conservar e por quanlos tem-
pos, mencionando as comidas que dever
usar daqui em diante.
Resta-me agora agradecer a V. S. o cui-
dado que tomou no tratamento do meu so-
brinho, abaixo de Deus, devido o seu resta-
belecimento a pericia de V. S., e por isso
pode V. S., serapre contar com os meus di-
minutos prestimos, e desejarei em todo o
tempo dar uma prova do meu reconheci-
mento.
Desejo a V. S. todas as venturas, por ser
deV. S. muito respeitador. e obrigadissimo
criado Francisco Bertngtter Cesar de Me-
nezes.
escravo, que soffria da m^ma enfermidade,
a ~ CJ rtli+o A*. rv prescrevi-lhe o xarope devlame, tem me-*
AOS brS. eleitOreS (lo pn- mi0 consideravelmente.
meirO CirCUlO. ^ senhora do Sr. Antonio Francisco Ho-
norato fot desengaada por habis mdicos
Honrado pelo partido liberal, representado pelo desta cidade, esteve prostrada, e nos lti-
mos paroxismos da morte, foi com o.xaro-
pe de veame salva, como se v da carta
impressa no Jornal do Recife de 9 de feve-
reiro de 1863.
0 escravo Emilio, do Sr. tenente-coronel
Rodolpbo Jo5o Barata de Alraeida, foi tam-
bem desengaado por habis mdicos, e
com o xarope de vellame acba-se completa-
seu respectivo directora, com a Incluso do meu
humilde nome no numero dos candidatos por elle
apresentados deputaco provincial por este pri-
meiro circulo, e certo de que os seohores eleilres
sabem eumprlr perfeltameole a soa hubre missao,
veoho a imprensa declarar qae aceito to sabida
honra, se enteoderem que a maraco, e desde j
agradece os votos dos que conflarena ora man ca-
rcter poltico eorao sectario dos verdaderos prin-
cipios liberaes, qae Dio excluem, a an.'es delles
decorrem, o progreeso real e a conservado da
boas insiitoicos nos lmites constitucionaes.
Recife, 26 de donmbro da 1865.
Dr. ho Joti Pinto Jnior.
-------683
Descarregam hoja 3 do Janeiro.
Vapor ingleGladiatormercaduras.
Barca nglezaBarbor Groebacalho
Patacho nacionl-Pa/ma-farlnha de trigo e mais
eneros. ,,
Brigne hamburgaez Nyade gai, machinas e
bolacbinbas.
Escuna bollandeza Speculanle-diversos gneros
de estiva.
Barca ingieraJecMcarvao de pedra.
Barca nglezaFan|f-Idem,
Barca ngleza Fisindem. '
Vapor inglezliembow -Idera.
Barca ingleuRustaidem.
Brigne portngaez Relmpago pedras.
Brigae portuguezSaonranodiversos gneros.
Patacho banoverianoIda & Charlotteidem.
Barca nacionalIdalinacharque.
Barca nacionalSanta Mariadem.
Brigne naelonal SettaIdem.
Brigue argentino Volantedem.
Patacho oriental Santo Aooslinlio idera.
Polaca bespanbolaAnte/aa-idem.
Escuna dinamarqueza-Jnno-idem.
aportado.
Hiate nacional Sobralense, vmdo do Aracaty,
consignado a C. C. da Costa Moureira, manifestou o
segrate :
Sola 500 meios e 15 saccascom 68 arrobase
20 libras t alOOdaa ; n B^dripuo. d indr.d
dem 22 saccas com 87 arros e 4 libras de aito ;
a L. A. Siqueira.
dem 103 saccas com 536 arrobas e 10 libras de
dito ; a Johnslon Pater & ti.
dem 13 saccas cora 47 arrobas e 8 libras ; a F.
Gomes de Mallos Jnior.
dem 45 saccas com 175 arrobas a Prente
Vianna & C.
Iiem 158 saccas com 687 arrobas e 23 libras ;
a J. de Sa Leito Jnior.
dem 10 saccas com 64 arrobas e^l libras, gora-
ma 16 saccas e 6 barricas com 14 alquelres e meio;
a A. Alberto de Souza Aguiar.
Velas de carnauba 60 caixas com 60 arrobas;
a Luiz de Fanas.
dem 40 caixas cora 40 arrobas
quira da Costa & C.
dem 30 caixas com 30 arrobas, sola 39 meios,
cera de carnauba 43 saceos com 172 arrobas ; a
maoa
lojaaa
ice
dem em rolo bora
dem ordinaria ou restolho. .
Gallinhas .......
Gomma........
Ipecacuanba (raix) ...*..
Lenha em acha .....
Toros.........
Linhas e esteios......
Mel ou melaco......
Milbo.........
Papagalos .......
Pao Brasil.......
dem de jangada......
Pedras de amolar ....
dem de filtrar .....
dem de rebolo .....
Piassava ........
Ponas, on chilres de vaceas on
. novithes
' Pranches de amarelk) de dona
costados.......
I dem de louro......
Repe.........
Sabao .....
Sal. ....
Salsa parr.. .....
Sebo em rama .....
: dem em velas......
1 Sola empaqueta......
Taboas de amarello. ....
diversas ......
Tapiocas.........
Taiajuba........
Travs .........
Un has de bol ......
Vassouras de de piassava .
Ditas de timb......
Ditas de carnauba.....
Vinagre.........
Alfandega de Pernamuco, 30 de
1865.
O 1.a conrerente, Manoel Pertarta* aa Stlta.
O 2.* conferente, Cuero B. de Mella.
Approvo. Alfandega de Pernambuco 30 de de-
verabro de 1865.A. Eulalw.
Conforme. O 4. escripturano. Je** dr A. Pa-
rtir Rocho.
RECEBEDOBIA DE RENDAS INTERNAS Gt-
RAES DE PERNAMBUCO.
Rendimento do dia 2.......... 9MJIV7
ceato
um
libra
aqueire
arroba


arroba
87,
30a
Vlova Morera & Pilho.
Coarinbos 32 molhos com 800
ditos ; a Antonio
Affonso Moreira.
Vapor nacional Persinunga, vindo do Cear con-
signado a agencia, manifestou o seguinte :
Do Aracaty.
RENDIMENTO DA RECEBEDORIA DR RENDAS
INTERNAS GERAF.S DE PEnNAMBUCO DO
MEZ DE DEZEMBRO, A SABER :
Renda da typogriphia nac-onal... A
a Miguel Joa- Dita dos propros nacionaea......
Foros de terrenos e de marrara..
Ladennos.....................
Siza dos bens de raix.............
Decima addicional das corpora-
cps de nio mora.............
Dirritoa novos e velhoe e de
chancellara....................
Ditos de (intentes dos officiaee da
iianln nacional
sajas
2:04*1x7
1:S3II9S
Sil
Algodao 118 saccas com 492 arrobas e 7 libras ; Duina de chancellara...........
a Antonio Alberto da (iisu Queiroz.
dem 36 saccas cora 134 arrobas e 19 libras ;
a Cosme J. dos Santos Callado.
dem 62 saccas com 252 arrobas e 18 libra ; a
h. Antonio Siqoera.
dem 24 saccas com 94 arrobas e 26 libras ; a
J. de Sa' Leito Jnior. .
dem 200 saccas com 1,042 arrobas ; a Parele
Vianna & C
Mulla por infraeces do regula-
llH'lllo.........................
Sello do papel flxo................
Dilo .tu proporcional.............
Premios dos depsitos pblicos...
Emolumentos.................
Imposto de correctores e agentes de
leudes......................
Dito sobre tojas e casas de des-
descontos .... ......
147JSW
70JS
4:40fJ3a
9:331*4
ajsss
371
Ift:
1:4
2:511
4*7*7
dem 52 saccas; a ordem.
Vapor nacional Paran, vmdo dos portos do or- Dilo sobre casas de movis, ron-
te, consignado a agencia, manifestou o seguinte : pas, etc. fabricados em paiz ee-
GenerosestraBgeiros. trangeiro............
DeBelm. Taxa de escravos.........
Tabaco 3 caixas. descarocadores de algodao 20 Cobranza da divida activa .
caixa?, passas 83 caixase 34 meias ditas,aniagem Indemiiisagoes...........
2 fardos ; a ordem. Deposito de diversas origens.....
Gneros naclonaes. 777^ il
Araruta 8 meus barricas, labaco 2 voluraes ; a 4/:349>
ordem. Recebedoria de Pernambuco, 30 ie ueveaarn
Gneros importados pelas mutuas fronleiras de 1865.
do Rio. O esenvio,
Chapeos do Chily 3 canas e 3 fardos com 2,309 Manoel Antonio Simoet do Amarad.
1
ditos.
Do Maraohao.
Gneros nacionaes.
Farinha 154 saceos ; a ordem.
dem 558 saceos; a A. Almeida Gomes.
Patacho hespanhol Pmrurt'o, vmdo do Barcelo-
na, consignado a Tasso lrmao, manifestou o se-
guinte :
Vmbo 268 pipas, 12 roelas dius, 45 barris da
quinto e 120 barris de dcimo, amendoas 100 cal
xas ; ao consignatario.
Chocolate 4 caixas ; ao caplao.
Barca ingleu Ttltler, entrada de Liverpool, con-
signada a Mills Lathara & C, manifestou o se-
guate :
190 toneladas de carvio de pedra ; aos, mesmos.
Patacho inglez Hsbor Grace. entrado de Terra-
iNova, cuosigoado a Saonders Brothers & C, mani-
festou o seguate:
2,57o barricas da bscalbo e 1,800 lijollos ; ao*
mesmos.
Patacho naelonal Pa me, entrado de New York,
consignado a M. Foi ter & C, manifestou o se-
gainte :
800 barricas farinha de trigo, 113 barris de
breu, 25 ditos de carne, 5 ditos dita de poreo, 200
remos de faie, 500 narrlquinnas de bolacbohas,
100 caixas de chi, 1 rollo
de machinas de algodao, 1 carro e perteoces,
saceos de farello, 10 ditos de aveia, 100 fardos de
estopa e 30 caixas de machinas; aos mesmos.
Hiate nacional Novo Invtncntt, entrada do Ara-
CONSULADO PROVINCIAL.
Rendimento do da 2 ........... a.57*46
RCBdimento da mesa de cossslad ars-
vincial ea Ud *ti de den
de 1865
Dreito de 90 rs. por arroba de asan-
car exportado. '.......
dem de 20 rs. por caada de agur-
denle .............
dem de 30 rs. por caada da alcoot .
dem de 5 por canto sobre o algodao.
dem de 7 por canto sobre o nial <- .
dem de 8 por canto sobre os conroa.
dem de 5 por cento sobra os mais
gneros............
Dcima urbana..........
Meia cisa da escravos.......
10 por cento de novos e vemos Ai-
reaos .............
8 por cento sobre consnltorioa, ele. .
ocio de nada

34:834*130
I:l3*f5
32*4 M
8i:!SB*412
233*743
UJM*
M:7jsS
i.assjaoo
hoje restabelecidas com o referido xarope
alehoolico de veame; entretanto qne al-
guns, tendo nsado do xarope de Curinier,
de Larrey, de salsa parrilha, de saponaria,
oteo de ligado de bacalbio, e outros agentes
desta ordem nada conseguiram. E' elle de
fcil digesto, agradavel ao paladar e ao ol-
phato Alguna mdicos desta cidade e da d
de Macei o teem recommendado para a cu- dfl cnaai {og meios de sola
ra das de palb de carnauba ordem.
Impigens, tinha, escrophulas,
Tumores, ulceras, escorbuto,
Cancios, sarna degenerada, fluxo alvo.
Todas estas affeccoes provm de urna oau-
1 por cento sobre o producto
leilo.........
li por canto sobra diverso
Qro^'6*p^rencSmeearro|ne' '. '
50* por escravo exportad, .
10 por cento sobra os solios de
raneas a legadea......
Emolumentos dt> polica
71MBM
1:
0,1^ raanifestou o"-gurate.: MMI jb"por cento sobre diverso esttbele-
90 saceos dom 375 arrobas e 14 libras de cera \ ,1^,,^-
de carnab... 110 ditas cora 427 arrobas e 9 libras ^ "'" ^'-,0*^,
247 caixas com 247 arrobas de velas x
e 673 esleirs
i
mente restabeleeido, cono se v tambem sa ilern'a; nao .ha pois razSo alguma em
a carta impreesa do mesmo Sr, tenente- ccr que ellas se podem curar com remedios
coronel no mesmo Jornal do Recife. Lxternos. Tambem se prescreve o xarope
ALFANDEGA DE PERNAMBUCO.
pauta nos rasgos dos oinkros sonrros a niairros
M KXPOtTACAO.SEMANA DI 1 A 6 DO MIZ M JA-
NEIRO db 1865. .
Mercadorias. Unidades. Valores.
Ajamos.........eento 2*000
dente
4 por cento.sobre diversos
mentos..........
10* por eada escravo ganhader.
50 rs. por alqueires de sal. .
5 por cento sobre as lotera .
Multas.............
Restituicoas e reposiede .. .
SJMI

./
!
>
i
X
ILEBlVEL


"*a*s*rL

I
Mesa do consolado provincial, 30 de dezembro
ile 1865.
Ofveterjptnrarte,
Ulysits CocUm Cavafeoti *W'-
MOVIMIENTO DO PORTO
Havxos entradas no Ha 9.
Trieste39 dias, barca haooveriana Cito, de 3
toneladas, capitlo H. Roukaap, equipegem 9,
carga ,16i barrica i coa f aria tu de trigo ; a
Saanders Brothers t C
Lisboa 31 das, brigue poriugaei Sobran, de
138 toneladas capillo Miaoel Bernardo Bugi-
ganga, equipagem 11, carga vinbo e outros g-
neros ; i E. R. Rabilo.
Navios saludos no tnesmo da.
Liverpool Barea ingiera An%e Song, capitlo
Thompson, carga algodao.
dem Brigae banoveraoo Sarah Alhda, capitio
R. Bushkol, carga algodio.
Portos do solVapor bra-tleiro Paran, eomman-
mandante o capitlo de fragata Santa Barbara.
DECURAQES
1680OO
1004000
1:400|000
96*0
47845^
'negado
cartas d^ i
Hi&rieardi,
\
Santa Casa de Misericordia do Recife.
A Illm* junta adojwistrativa da Santa Casa de
Misericordia do Reeifu manda (aier publico que
no dia 28 do correte e i de Janeiro protimo vin-
douro pelas 4 horas da tarde, na sala de saas ses-
srjps conlinna a ir a praca as rendas das casas
abaixo declaradas por lempo de nm a tres annos a
contar do 1* de julho do corrente anno por diante.
Ra Direita.
N. 8 publica e 3 particular. .. 1:0674000
Roa do Padre Floriano.
N. 49 publico e 5 particular. 1864000
N. 47 publico e 6 particular. 1864000
N. 43 pnblico e 7 particular. 4
N. 43 publico e 8 particular. 1694000
Ra de Pagundes.
N. 34 publico e 12 particular. 1454000
Roa dos Pescadores.
K. II publico e 16 particular. SiflJOOO
Roa das Calcadas.
N. 38 publico e 22 particular. 1574000
Ra de santa Thereza.
N. 7 publico e 31 particular. 1984000
Ra da i t.peratrlz. *
N. 68 publico e 47 particular. 3004000
Ra da Seozala Vellia.
N. 21 publico e 71 particular. 1464000
Roa Direita.
N. 5 publico e 82 particular para loja
do lado da Penha.......
N. 7 publico e 33 particular segando
andar............
Ra do Apollo.
N. 91 publico e 91 particular. .
Ponte Velha.
>". 27 publico e 96 particular. .
Ra do Rosario.
N. 26 A. 34 loja o. I D. .
Os pretendeotes eomparecam no menci/5i,ad0
dia com os seus fiadores ou com cartas ^os mes
mos.
Secretaria da Santa Casa de U&\vm\$a do
Rece 26 de dezembro de 1865.
O oficial
Manoel AntJOio Xegas.
Santa Casa da Hjsei'ieor do Kecjfe.
A Illm" |unta arlminiswra,,r' a Santa Casa de
Misericordia do Recife tf,and (azer publica que
no oa 4 de Janeiro pp^xiuio vindouro. pelas 4 ho-
ras da tarde, na sala suas 8essoes, tem de ir a'
praca a renda do si* 0 Fori^ aii Candelas, pelo
lempo de 1 a 3 *Wno\ pelo- oreco aonoal de 1005,
\ .amlc com ? i ps de coqueiros, e foi adjudicado
Sao fJasa na ex^cueao movida contra os-her-
trirds de D. Ansa Benedicta Boaventura do Crino.
Os pretendeotes eomparecam no mencionado
dia com os seus fiadores ou com carta dos mesmos
Secretaria da Santa Casa de Misericordia do Re
cife 26 de dezembro d 1865.
O official,
Manoel Antonio Viegas.
Santa Casa de Misericordia do
Recife.
A unta administrativa d e.u. eJ M.n-
morda do Recife tendo fcilo e continuando a fazer
Vaudissimas despezas, j cora o costeio, ja com o
mellioramento dos estbelecimentos pios qne estao
a seu cargo, manda pela ultima vez avisar**
seo< devores em atraso, e tambera aos fiadores
destps. que brevemente far publicar pelo Diario
a relaceo dessas dividas, e promover sua cebran-
ca pelos meios judiciaes.
Convido, portanto, a todos aquelles que nao qui-
ierren ser chamados pelo Diario nem atropelados
pela j'iica a trataren) quanlo antes de solver seus
Secretaria da Santa Casa de Misericordia do Re-
cife 28 de dezembro de 1865.
O official,
Manoel Antonio Viegas.
Para o Poi$o.
Pretende aahir at o da 10 de, Janeiro prolimo
futnr o bffgue Esperanza ; para o resto da carga
e passaaolros, trata se com Cmha Irmao & C,
ra da Madre de Dos 3.
Para LUhta
segu em poucos das o brigae portugus Com-
tantt II, de excelleotl marcha, recebe passageiros,
para os qnaes tem beas acoommodacSes : a tratar
com Manoel Ignacio de Olivaira & Pilno, ou com o
espltio na praca. ______________~____-
Para a ffahia
segu Impreterivelmente oestes seis das com a
carga que liver, o palhabote (Horta U ; por isso
quera quizer carregar. pode dirigirse ao- consig-
natario Joaqolm Iw Goncalves Bellrlo, na roa do
Vigario n. 17, i* andar. .
Para a Bahia.
O patacho D. LOIZ a sahir com toda a jJf_,Tda-
de, apenas com demora de 10 dia?. Os Sr*-*(ar-
regadores podem despachar sua carga e para a
qo! ainda se recebe tratase com o capillo eu
com Jos Mara Pala eir, largo do Corpo Santo
a. 4.___________________________________
----------CQMfANHIA PERNAMBULANA
Ka*'f55io costeira por vapor.
Portos do Norte at Granja.
O vapor Persinunom, comrnan-
danle Belmiro, sabir* para os
portos do norte at Granja, na
dia 9 do correte as 6 horas do
urde. Recebe carga soracnte at
o da 8; eocoramendas, passageiros e dinheiro a
fre'.e al as 2 horas da tarde do dia da sabida : es-
cri jtorio ao Forte do Maltos n. i.
.
Para a lhade 8. Miguel
Do Rio de Janeiro esperado o patacho portu-
guin Fernando, 6 qoal lera' nesta pooca demora,
por ter metade e seu carregamento proinpto :
para o resto que Ihe falta trata-se eora oe soos eo.
sigoatarft Antonio Luiz de Oliveira Azevedo c,
no seu escriptorlo, roa da Cruz n. 1.
mmm
MEDIAMENTOS FRANCEZES AFAMADOS
A ViffilVA KM PBBItf A9IBITCO
o Barboza, ra da Cruz n.
99
. Os elementos que compoem este preparacSo,
ferr, o iodo e a quina, a collocao no prisaeiro
grao das preparacoes ferruginosas. Basta attestar
seus resallados obtidos pelos Mdicos dos hospi-
taes, e os relalorios dos prticos mais eminentes,
que confirmrao sua poderosa eficacia as se
guintes affeccoes:
A-nla,
aimi letcrlal*.
Mtaalrut,
BnflHTMIM d- r_.
(na e 4ea*rilrag__
AfSaceM puli___r e
M.lcil.- _f.,,,.,
6llM,
Per<_ d.pprtltr ,etc.,
Cntlefc>if 1 e I -
gas aMleall-a,
'feallaa erafala-
>aprlra,
Ohatracr** *a la-
liUaa,
Htiniarra M<
Tanta res kr
Rachlllama,
ypfellltleaa,
Fehrea yaholdea,
Bxlaa, etc., ete.
LEU
Oes.
Y-
Leilo
De urna casa terrea n. 10 sita a roa do Nascen-
te freguez, de S. Jos, em chios proprios.
"Oma/iu meia agna o. 4 site na travessa do
Teiwfra em Fora de Portas, em chaos proprios,
re Duendo 64 mensaes.
/ Cordelra Simoes
Competentemente aotorisado vender' em letlao as
'O^duas casas terreas cima mencionadas, uto
bum
Quarta-feira 3 de Janeiro as 11 horas.
57Armazem a ra da Cruz57
IBIIAO
De 300 gigos com batatas hollaodezas e 20
ditos com champagne.
HOJE
O agente Pestaa fara leilo de 300 gigos com
batatas hollandez*s desembarcadas ltimamente e
soro vendidas em lotes a vontade dos Comprado-
res : quarta fer 3 doeorrento pelas 10 horas da
- '- Azevedo defronte da
Vejio-s* os bulletins de therapeutica medica
e cirurgica de 20 de novembre 1860; a Gaxeta
dos hospitaes de 28 de iulho *o, etc., ele.
Alm das pulas de todurelo duplo de ferro t de
quinina d Rebillon, os Mdicos aconselhao
igualmente o Xarope dlodwreto daplo de
ierro de quinina do mesmo anthor para as
pessoas que nao gostio de medicamentos sob fr
ma pimlar e os meninos. Este xarope nao tem
como oxareped'ioduraod ferro, o inconveniente
de alterar-se e de se nSo poder conservar.
Peca-se o folheto que se di de graca em casa
dos phannaceuticos depositarios.
Para se evitarem falsificac5es, exija o com-
prador em cada fraseo de Pilulas ou Xarope a as-
signatnra do inventor.
Depdsito geral em Pars, pharmaeia Rebillon,
442, ru du Bac, e en tedas as boas pharmacias
de Franca e as dos paizes sstrangeiro, ete
pastiuu digestivas com a pepsina
Wasnum, empregSo se com snceesso h id
alguns simes pes eelebridaries medicaes de
Pars. Kondres, Tienna, etc., em todas as in-
commodklades em as quaesadigestao difficil,
penosa, imperfeita ou mesmo impossivel: eis
o melhor remedio para coral as.
O aa traala, Planii e fmmtt-
Mapcaalaa, aea arariuaMaa
Emaarurai.iatroaa wl'i aalMrmeace
A gaatrlte, 4fCliu*HM-aaall-
Aa artcefdca oratet- aaeaiaa.
raa . Sua aceito vivifica o sangne e os rgios de
tal sorte que, a s pessoas que sem soffror
as affccc5es gstricas cima mC:?wnadas sfio
onieemente Iracas ou d'um tempcrameGlo um
pouca dbil, e necessitio substancial alimento"
ara fbrtificar-se, achao no emprge das postil-
as de pepsina de W as m an, um poderoso meio
para a isso chegar.
Aviso mi'ortant.^Osucccssodas paslilhas
i pepsina de tFiumundeu causa a se faxerem
falsilicacSes e imitaces d'csse producto que os
mulos se querem desfazer. Pois por falta
d'uma boa preparacio a pepsina que n'ella
entra, jaz alterada. Seremos ao abrigo d'este
inconveniente, exigindo os compradores que as
pastilhas lenhao as iniciaes B. P. e saiao da
pharmaeia Cnnvrier.
Deposito geral em Pars, pharmaeia Ofcevrier,
21, Faubourg-Montmartre, e em tedas as boas
pharmacias de Franca e dos paizes cstrangeiros.
ceajuMs ratos
XAROPES 00 DOUTOR DAMET
1. OmmSrm aa CLICAS SOS bODCCTOS aaSea
aaraalf a eattfAa
(Sarese 4s eji|lo de acido laeeinide)
8. Caatra T*SS COfCVtJL8A a TOUB
miveu
(Xwrepe de eraaglafse de Aleo vslatfl da raeeim)
S. Caatra aa coiwlxcom Boa HBHmos
A CBORCA
(Isrops de cyaoiloue de acido voltil de taeelao)
Estes novos productos preconizados na Aca-
demia imperial de Medicine, de Pars slo em-
preados com grandissimo successo pelos mdicos
de Frang par? o iratamenlo das molflstias do-
meninos cima indicadas, e yierflo eneber um
vacuo imporianle na iheispeniica, no que teca as
affeccoes da infancia, para as q'jaes, ath hoje,
anda se nao pode indicar tratamenlo rCtOSSa!-
nem infallivel.
(Peca-se o prospecto em casa des pharmaceu,
ticos depositarios.)
Prcco do frasco em Pars, 3 ir.
Para se evitarem as falsificacoes, exija o com-
prador que cada frasco tenha sobre os rtulos a
assignatura Chanteaud.
Depsito geral em Paris, pharmaeia Chan-
teaud. c em todas as boas pharmacias de Franca
e dos paizes estrangeiros.
MASSA a XAROPE
DE CODENA
BERTH
As uiptalewai disneas
dos Sara Megandia, larbier tfliiilwi. Wfr
hams Gregor, Martin SoVao, Ana, Tifia,
C. Dumont, etc., meaubros do la-titalo Ae
Franca, mdicos dos hospitaes de Paria, tesa
provado que a Matta XarojM de ierki
remedio o mais seguro contra todas as
dores nervosas e tendo a afopeiia.il do
calmar com adaaravel rapidez as loases rebol-
des e extremamente aligantes da gripe (ca-
terrbo epidmico), deflexo, eeqeueko on
toase convulsa, broncaite e tisi
AMassaelarope do
achao em todas as boticas.
Pin Titr qualquer
falsificai;o,iiigir era,
cada prodato e dh
e a B>bi Bsrth.
Deposito geral em Paria, sai esas de BlUl B,
Hut SU-Creim a la MretinnnH
\
i
GRANULOS
BISMUTH
Os granulos de bismuth de Chevrierem supe-
riores a todas as outras preparacoes de bismuth
emprendas antes com o maior successo pelos m-
dicos de todos os paizes, para prevenir e curar as
DE CHEVKIER
}r-r
Maleatiaa Se U.aaa,
A Ictericia,
Pal pltnraa da eararAa
Pelas oommiisSe ea grosso, dirigirse aoi S- W1XLAEBT
nlarraeaa rhraaleaa, Maa dlaraloca,
DyaaeaSerSaS, eaasrltea,
DOrea d'cataaaasa, aatrala;laa,e4e.,
Dyaaeaalaa,
Depsito geral em Paris, pharmaeia Chevrior,
, e em todas aa pharmaciaa ae Pranca e dos paizes
aa matri, ata. estrangeiros.
BER6ER, comisarios eas drogara, 11, ra Saint-Lazare, Paris
Upwreaear
DSrea ale nkr^a,
ASTHME
ASTHMA'.l ASTHMA ASTHMA
SstffoceeAo erroast
nico remedio efficaz para eorabatter
1 eslias, acalmar um attaque d'asma impedir n
volts o Xarope aromtico de Succino (mbar
amarello) do D' Danet. Deseoberta iniebasuele
recente, este novo producto se Un propagado
com extrema rapidez gracas sos admirareis resul-
tados que tem sempre prodnzido.
Deposito geral, na botica C3to.livenad, 54,
ra do Commerao, Pans-Grenene, e
boticas de Franca e do estrangeiro.
manhaa no armazem de Sr.
escadinha da alfandega
De
LEf-Lt
movis, lou?a, santuarios, relogios,
ouro etc., etc.
Cordelr Slaaaa
por conta e risco de quem pertencer far leiteo
de urna mobilia de Jacaranda' a Lolz XV, urna dita
mais inferior, 2 mobilias de amarello, 1 guarda
loan, i guarda roop, 1 me^a elstica. 3 mesas de
imarello, 1 secretar!, cadeiras, marquezas, touca-
ilores, santuarios, apparelhos de alraoco e janur,
candelabro, caodieiros a gaz, relogios da oaro, ca
eias, aneis etc., etc., isto
Quarta-feira 3 de Janeiro as H horas.
57Armazem a ra da Cruzo<______
LElliAO
De38jacazes cumtoaciulio do Iiaas
marca C.
Quinta-feira 4 do corrente.
O agente Pestaa fara' leilo por conta e risco
de quem pertencer de 38 jacales marca C, com
superior toucioho de Mina* desembarcados a se-
mana passada e sero vendidos em um ou mais
lotes a vontade dos compradores: quiota-feira 4
do correte as 10 huras da manhaa no trapiche do
barodo Livramento no Forte do Ma'.tos.
Inspeccao do arsenal de marinha.
O arsenal de marinba admitle carapinas e ser-
vantes pra as obras, bem como serventes para a
Informarla de marinha.
[ospecclo do arsenal de marinha de Pernarabu-
o 2 de dezembro de lc65.
O secretarle,
Alexandre RiS-.bes dos Aojos.
Saata Casa da Misericoi'-ia do
Recife.
LEIlAO
A junta administrativa
rico
da Sinta Casa de Mise-
De dous apparelhos de louca para jantar, um dito
para alraoco, urna mesa elstica, um sanctuario,
um rico apparador, urna cama franceza, um pia-
no, dous eanrtieiros a gar, ura toutidor, dous
pares de lanternas, urna secretaria de Jacaranda,
12 eadei-as francezas, e muitos outrus movis
noves e usados que se torna enfadonlio menclo-
Quinta-feira 4 do corrente, s 10 boras.
O agente MARTlN fara' leilo no armazem do
Sr. Anierico F. 8., de todos os movis crystae;
Unta aii[iiiuiMiana u.. ........ v^----------- or. .unc"'.. .., ------------ _,,,- h
rdia do Recife manda lazer publico que no da plan0i joias de ouro e prata e de outros muitos oo-
i correte, oelas 10 horas da manhaa, havera | jectos existentes em seu armazem a roa aa t.aoeia
do Recife n. 8.______.-----------
^ do corrente, pelas _
om-ii/so nesta secretaria para provimento de |U
gar dfc escrivo : os pretendentes poderao dirigir
se a dnesraa secretaria para as precisas informa-
sretaria da Santa Casa de Misericordia do Re
cife ? de Janeiro de 1865.
/ O official,
Manoel Antonio Viegas.
LEILAO
solo da ra do
Arsenal de guerra.
ronselho de compras do arsenal de guerra
prcisa comprar oseguinte :
Para o laboratorio.
/Salitre refinado kilogramas 587,520.
Provimento.
Cola da Bihia kilogramas 73,440.
Carvo de cock dito 8,713.006.
Papel almaco pautado resmas 30.
Obreias, massos 50.
Peonas caligraphicas, caitas 10.
Espirito de vinho, garrafas SO.
i Quem qnizer vender ditos artigos apresentem
anas propostas oa sala do conselho, as 11 horas do
lia 4 do corrente. ...
Sala do conselho de comprando arsenal de guer-
ra 2 de Janeiro de 1866.
Qencarregado da escriptnracae
Manoel Jos de Azovedo Santos.
Do sobrado de um audar e
Arago n. 26, que reode 560JL
Um dito na roa da R-ida n. 47, que rende an-
nualmente 8ti4jl, e edifleado tm chaos jroprios.
Cinco terrenos (em linha da ra da Aurora ao
collegio de S. Vicente de Paula no Hospicio) sendo
elles cortado* pelas ras da Unio, Saudade e
camboa dos Ferreiros, tendo cada um 33 3|i pal-
mos de frente e 138 3j4 de foodo.
Seiii-feira 5 de jaueiro as Vi horas
em aote.
Por ioterveocao do agente Pinto, era seu escrip-
torlo ra da Cruz n. 38, primeiro andar.
A SAL PARA A CURA RADICAL
de escrfulas e molestias escrofulosas, tumores, ulceras, chagas, frulas ve-
lhas, bronchocele, papo ou papeira, a syphilis, enfermidades venerias ou mer-
curiaes.
AS MOLESTIAS DAS MLHERES
retenc3o, menstro doloroso, ulceracoes do tero, flores brancas, etc., ulcera-
c3o, debilidade, expoliaco dos ossos, a nevralgia e convulses epilpticas1
quando causadas pea escrofila.
ERYS1PELAS ERPES; ETC
Eafermldade cutneas, erupeo, borbulhas, piisulas,
naseldas, ete.
O extracto composto de salsa parrllha, confeccionado pelo Dr. Ayer, urna
combiacao dosraelhores depurativos e alterantes conhecidos medicina; 6 confeccio-
nado segundo as regras da sciencia, approva io e roceitado pelos priraeiros asedeos dos
Estados-Unidos da America do Sul e Central, di i Antilhas, do Mxico e das Indias, e
muitas cutras partes do mundo : o resultado de estados apurados e minuciosos, e de
experiencias feitas pessoalmente pelo Dr. Ayer, por rauitos annos, nos principaes hos-
pitaes e enfermaras da America ; tem sido approvado pelas academias de medicina e
juntas dehygienne das principaes capitaes da America do Norte; paraprova disto vede
bs anesiaooy amneuuoUs tre huaidiuR-Tmiaiiuai uy ;fBiffe'THy)|. A,yer, os quaes se uis^1
tribuem gratuitamente nos lugares onde se vende L remedio
, A SftLSA PaRILHa DE AYER
Especlalmeute efueaz na eura das ifcoiestias na escrfula, na inf*'ccaD venerea, no uso
e\ces.ivo do mereu lo ou qual/jllP1. impureza do sangue.
A mo'estia ou infeceo peculiar, conlieci/)a pei0 nome ,je esCrofula. um dos mi-'
les mais prevUeceutes e universaes que ha em0,ja a exteriSa |jsla as enfermidides que
atacam a nossarac; disse ura celebre escriptor ja medicina que t ms de urna terca
parte de todos aquelles que morrena antes da/.eihjc. S30 victimas, ou directa ou indirec-
tamente de escrfula; por isso s nao to/|e3tructva, porm a principal causa de
muitas outras enfermidades que nao ihe so^era|me)le attrihu'das.
urna usa direcla da tsica polnunart das molestias do ligado, do estomago
e affeccoes do cerebro; entre seus numera^* symptomas acham-se os seguintes: falta
de appetite, o semblante plido e enchadof as vezes 6 uma a|VUra transparente e mitras
?ezes cora ea; digestSo fraca e appettite, falta de enr)?a; ventre enchado e evacuac5o irregular;
quando o mal tem seu assento sobre os pu,'mes uma cor azulada mostra-se em roda dos
oinos ; quando ataca os org3os d>gestivof os 0|hos tornam-se avermelhados; o hli-
to ftido, a Unua car-regada; dores dej,abeca, tonteiras, etc. as pessoas de disposi-
c5o escrofulosa apparecem frequentemerL erupgoes na pelle da cabega e outras parles
do corpo ; sao predispoatas s affeccef os pulmoes, do figadr, d s rinsk dos orgos
digestivos e uterinos. Portanto, nao sil^mente aquelles que padecem das formas ul-
cerosas e tubei culosas da escrfula* qu necessitam de proteccao contra os seus estragos;
todos aquelles em cojo sangos existe oLrus latente deste terrivel flaeello (e s vezes
herediurio), esto expostos tambem a torer das enfermidades que elle causa, que s5o:
A tsica, ulceracoes de ligado,fl0 estomago e dos rins; erupces e enfermidades
eruptivas da cutis, rosa ou erysipeiaJry5U)ha5) pstulas, nascidas, tumores, Theuma,
carbnculos, ulceras e chagas, rheutftis.^ dores nos ossos, as costas e na cabeca,
debilidades feaininas, flores brancisicausaV,, pe|a uiceracao interior, e enfermidades
uterinas, hydropesia, indigesta, enftqaecfiento e debilidade geral
al11 igo seguro e um antidolo efficaz conlra esta
?LHA DE AYER
8> Pc iGcaodo-o e expulsando delle a corrupcao e o
Partjs e todos os orgSus do corpo humano, livran-
do-ltis novoTigor, um alterante poderosissimo
corP j enfrdquecido pela doenca, forcas e ener-
mmsm
AVISOS DIVERSOS
r
Relacao das carias seguras vindas do norte ptilo
vapor Paran para os senhores abaiio decla-
Padre Antonio Freir de Carvalho (Garuaru').
Dr. Alarmo Jos Furtado.
Dr. Antonio Jaosem do Hattos Pereira.
Jos Pedro Pires (Lisboa).
Jo? Rodrigues de Albuquerqae ().
Luiz Connives da Silva.
Miguel Antonio da Canha Cistro (Usooa).
Paulino Jis da Silva (Porto)
Silvino Flix Pereira Perra.
Salyro Raymundo dos Santos.
AVISOS MARTIMOS
Instlate Archesltfk e fieographie Pernam-
bueai.
Haver sesso ordinaria quinta-feira 4 do cor-
rete, as 11 aeras da manhaa.
urdem do dia.
Disposifloes econmicas, pareceres, a mais tra-
balhos de comroissdes.
Secretaria de Instituto de Janeiro de 18BB.
J. Soares de Azevedo,
Secretario perpetuo.
npatthia de paqnetes a vapor entre
s Es aits-uo. e o Brasil.
At o dia i do
crrante espera-
se dos portal do
sui o apor Sntk
Ammea, com-
maodanteTir.kle-
pougb, o qual de-
pois da demora
do costume, se-
guir para ffiw-Yorfr. loeando no Para e 8. Tbo-
""Sr pas^aaens ele. trata-se com os agente lies-
ry Forster & C ra do Trapichen. 8.
LOTERA
Aos 6:00^080 e i;200|000.
Corre dcpol d'amanhaa.
Acham-se venda na respectiva thesou-
raria ra do Crespo n 15, os bilnetes,
meios e qointos da 5 parte da 5a lotera
da Santo Casa da Misericordia (43), caja
extracco ser no dia sup pra.
Os premios de 6.0*000 at iO000
serSo pagos uma hora depois da extraccSo
at as 4 boras da tarde, e os outros depou
da distribuicJo das listas.
As encommendas ser3o guardada so-
mente at a noito da vespera di exteaccao.
Thesouraria dw loterire 23 de dezeabrp
de 1865.
O thesouretro,
Antonio Jos Rodrigues de Sooa.
"^TrTnciscolPereira Raposo, uma sua man,
mulberefllho meoor, vio a Earopi. _____
Antonio Caetano Martlns Manrae, subdito
portuguez, retira-se para Portugal.
VirisBlmo Ferreira Chaves laalor, sabdjto
de S. M. F. retira-* da provincia.
Offerecemos a estas pessoas
molestia e suas consequencias na
SALSA P
que opera directaiaente sobre o san
veneno da molestia; penetra todas
do-os da sua acCo viciada e inspir;
para a reno vacio do sangue, e gias renovadas como as da joventud?.
l tambein o melhor ,jaaty-syphilitico conhecido
cura permanentemente as peores7rmXje syphis e as suas consequencian, Pone*
necessidade ha de informar o publico 9 inestinoavel valor de um remedio que, como
este, livra o sangue desta t orrupco e akbata a victima das garras de uma morte lenta
e igaomiuios, porm nevitavei. se o ih n3o iogo combatido com energa.
E od poderosissimo alterante piv a renovaco do sangue e para dar nova for-
ca ao corpo ja enfraqaecido pela doenof
Sendo composto de productos tootaes, esie medicamento innocente e ao mes-
mo tempo efficaz, um fado de mmen^portanej., para aquelles que o toman ; por-
que amitos dos remedios alterantes offegijos # pablico toa por bise o mercurio ou o
arsnico; e sendo assim, bem ques vLs podem effactuar euras. eomtudo deixam suas
victimas carregadas de uma tonga serw(e ma|es, muitas vezes peior do que o mil ori-
ginal. A nica cousa necessaria para^tgr uma cora radical seguir com joixo e cons-
tancia as direccOes que acempanham ^a fruco.
)
m

N5o pretendemos promulgar, jan querernos que se infira qne esta cotnposicJo
um remedio infallivel para a cura d%xj( os padecimentos humanos ; infelizmente
escrfula e a syphilis sSo enfermidad^ t3o suits as suas nalurezas, e arreigam-se t5o
firmemente no systema, que muitas j^g ev_dei_ e resistem aos remedios mais pode-
rosos que a sciencia humana pode injntar para combate las: o que dizemos que o
Extracto compOstode salsa parnlha de Ayer
a melhor preparac3o at hoje descwu, ptra estas e outras molestias anlogas, que
uma combinacio dos alterantes maisifgcazes conheci Jos. e que eatt combiriaclo tem sido
regulada por tongas e laboriosas enriendas, e ilnahaente que tomos oosciencia de of-
ferecer ao publico o melhor resulta ^e 0 possivel produzir, da intelligencia e pericia
medica dos nossos lempos.
Este remedio deve ser tomat com sygtenu e regula/idade, e n-o com abandono,
pois um remedio e nao bebida.
Quando as molestias do fiij0# nj}0 tem saa origem na escrfula, o remedio
mais proprio as pilulas cathartictf__ Ayer, qne s3o efficazes na cora da molestia, que
tem por causa um desarranjo dos rg5os digestivos. Pedi a sais parrilha de Ayer e
n5o aceitai outra preparado.
Pernambuco, nj Nova n. 18 pharmaeia francesa de
PJMAURER & C,
l
PERFUMERA da casa oger
Bolefart Sebastopol, 5, I-rla!.
Das medalha, a cendecerai;o da Legin
dhoaneure a-grande repatacao que tem Ihe
dado o publico, taes sao as recompensas que os
scrvicos prestados a industria merecerao a
esta importante casa desde sua fundacao em
180*.
N'um sortimento de mais de 500 artigos,
as pessoas elegantes escolnerao os segointes:
ROSEE DU PARADIS, extracto superfina
para lenco.
pommada CEPHALIQUE contra a cal.
vicia.
AGUA VERBENA para o toucador.
OXIMEL MULTIFLOB,
VINAGRE OE PLANTAS HYGIENICAS.
TINTURA VIRGINALE de beijoim.
ROSEE DE LYS, verdadeira agua da
Jouveacie,
CREME LABIALE de sueco de
POMMADA VCLOURS pora
pele.
ELIXIR ODONTOPHILE.
SABAO dedicado as anas
SABAO de bouquet de Fraaca.
>
d

d*
d*
d
d*
d-
d*
d*
de flores de ateca
de llores printaairea.
de bauqaat o laHaa.
de perfumas axocas.
aurora, dedicado aos Aeaos car
rosa.
de florea das
de cheiro de
de beata cheirws.
de alinea balsaaaka.
diapr, caixar rica,
iience..

IllGtVEl
>
~J____


bQbBBb
mam

\
r.***rj**-
**~T
*
i
^
MltkWVcrUBlw Mirto Wwrt I
______________,J?
ESTRAl)TWFERftO
DO
Rcife a Sao Francisco
A^operintendeacia desia estrada de ferro cha-
Va a aiieocao dos Srs. expositores de gneros nara
a drsposi$ao do art. 7? do repulamento de 57 de
outubro de 1863, que diz : Todo o volume qual-
OMer que teja a natureza io transporte, dever con-
4er Htn endertco bem tntethgivel, e avisa que de ora
em diaote ha ver as stacoes lodo o cuidado para
o inteirocuirpilmento desta disposicao.
Escriptorio da suueriotencla. Villa do Cabo, 29
de dezembro de 1865.
G. O. Mam.
^^^^^ Bogenhotro sopor Intendente.
Na ra das Triocheiras n. 96 se diri quera
vende tres escravas, sendo ama bonita crioula de
SO aonos rom ama cria.
O abaixo assignado tem a honra de partici-
par ao corpo do commercio, que tendo se dlssolvi-
do amigavelmente a llrma de Barros & Silva, de
que razia parte o abaixo assignado, contina a ne-
gociar de hoje em diente sob soa propria firma,
no armrzem n. 16 da travessa da Madre de Dos.
Recie 2 de jioeiro de 1866.
_____________Joao Martins de Barros.
Um liornem portugus de roeia, Idade, sera
familia, se offerece para feitor de algum sitio, o
qual entende de planta de capim e tratar de ani-
maos, assim como tambera se offerece para algu-
na casa estrangeira como otado para fazer as
compras e raais servir* de casa : qem pretender
pix_{uak|gej ura dos lugares, annuncie para ser
procurado!
Joaqun. Monteiro da Cruz, Manoel Antonio
Monteiro dos Santos e Francisco Jos Lopes, avi-
sa m ao comaiercio desta praca, que nesla data
dissolveram amigavelnente a sociodade de que fa-
ziam parte sob a firma de Monteiro Lopes & C,
(cando desonerado de toda a responsabilidade o
socio Lopes, que se retira. A nova firma de Mon-
teiro & Irmao tomn a responsabilidade da exme-
la firma, e contina com o mesmo negocio.
Recite 30 de dezembro de 1865.____________
Os abaixo assigoados, socios da firma de Ro-
drigo Pinto Moreira & C, estabelecida na loja de
selleiro da ra .Nova n. 27, julgam nada dever
tendente a mesma firma,; porra se alguem se jul-
gar credor aprsente seus crditos no praso de
tres dias para serem immediatameale sati.-friios.
Itecife 30 de dezembro de 1865.
Rodrigo Pinto Moreira.
Jo.< Egidio de Altiuquerque.
Francisco Antonio da S. Tbeoorio.
Os abaixo assignados fasem sciente ao res
peitavei corpo do commercio, que tendo dissoivido
amigavelmente em 31 do prximo passado a socie-1
dade que a nove aonos tem gyrado nesta praca,
sob a firma de Barros & Silva, principiara hojej
em liquidadlo o activo e passivo daquella firma
social, sob a responsabilidade e a cargo dos mes
mos abaixo assignados. Recife 2 de Janeiro de
1866.
Joo Martins de Barros.
________________Antonio Jos Silva do Brasil.
Aluga-se o soto do sobrado o, 31 da ra
larga do Rosario, contendo 2 salas e 1 grande
qoarto, cujo soto tem varanda para a mesma ra:
a tratar no 2 andar.
Feitor.
Precisa-se de um homem para feitor de um si-
tio : a tratar na ra dos Pires n. 32,
Precisa-se de urna ama para comprar e cozinhar
era casa de homem solteiro, paga-se bem : na ra
do Queimado n. 40, loja de fazendas.
o passeio publico, loja n. 12, precisa-se de
urna ama para fazer a comida de urna pessoa ; na
mesma loja precisa-se tambem comprar um sellim
inglez que esleja em bom estado.
Aluga-se o terceiro andar do sobrado n. 32 i
da ra estreila do Rosario, com grande soto e
muitos commodos e fresco : na ra do Crespo nu-
mero 15.
Precisase de nm cozinheiro e um caixelro para
b)tequim, e de urna ama : as Cinco Ponas nu-
mero 102. .__________________________________
Na praca da Independencia n. 33, loja de
onrives, compra-;e ouro, prata, e podras preciosas,
e tambem se faz qualquer. obra de encmmenda, e
todo e qualquer concert.
Um moco bastante habilitado, offere-
ce-se para leccionar fracez e portugez em al-
gum engenlio; quem pretender dirija-se
Ra Direita n. 75.____________________
Sociedade de seguros mu-
tuos sobre a vida
n
O banco Atlianr.a de Porto tendo estabelecido
esta sociedade debaixo de soa immediata vigilancia
e responsabilidade, facilitou a creacSo de capitaes,
dotes, rendas, pensdes, isencoes do servico das ar-
mas, etc., por roeio de subscripgoes nicas ou an-
nuaes, as qoaes convertidas em inscripefes da;
divida publica, de renda nacional, e da mesma fr-
ma os juros semestraes que dellas se forera ven-
rendo, ficam por um certo numero de annos em \
deposito, at que, rindo o praso estipulado, sao
restituidas aos socios com os Interesses aniontoa-
dos, bem como as que perlencerem aos easocisdos
fallecidos, visto que dests sao herdeiros os sobre-
viventes.
Pela engenhosa combinarse econmica adoptada
nos calclos desta sociedade, v-se que, cora urna
entrada anoual de 50,5000, por exemplo. obtem-se
em 5 annos 4504000 a 550*000, em 10 1:5005000
a 2:000*000, em 15 3:500*000 a 4:500*000, em
20 8:000*000 a 10:000*000, em 25 18.060*000 a
25:000*000, conforme a idade do individuo sobre
quem feito o segure, pois que nos referidos ca
culos coota-se com a maior ou menor probabilida-
de de duraco de vida.
Esta sociedade sobreludo vantajosa aos cheles
de familia, visto ye" raS, facilita seu sacrificio a
fundaco de j.Vn"cipital ouni ote para seus filhos ou
^JJJASr^ifurando-os quandoi>nascem ou em quanto
sao criancas.
Quem, pois, mais cirrumstanc\(aias loformacfies
desejar sobre tal sociedade, ou,.sAaJlizer inserever
como socio della, dirija-se a roa. a Madre de
Deus n. 28, onde se poder entendef\com Joo
Carlos Coelho da Silva, que para isso seVcha en-
carregldo.________
Precisase de orna ama de leite, forra e^era
tilhos : na ra estreita do Rosario n. 19, primeiro
andar. < \)
Aluga-se a casa terrea sita na ra do Coto-
vello n. 8 : a tratar na roa Velha n. 57.
Precisa-se alugar urna ama escrava parao
servico interno e externo de ama casa de pooca
familia : na ra do Sebo n. 44.
GARRAUX DE LAILHACAR & C.
LIBRAIRIE FRANQAISE
H ua do Crespo n. O.
LIVROS NAC10NAES E ESTRANGEIROS
ReligiePhitosoakia Jurisprudencia latiera-
tura Scienciaa e artes.
Papelaria, objectos para escriptorio.
Em quanto o Sr. acadmico Antonio de Cas-
tro Alves nao mandar pagar 63*000 que devo de
alugoel da casa em que moroo na roa dos Ceelbos,
ver o sea nome neste jornal.
Precisa-se do ama criada portogoaza, e ama
escrava que saiba engommar bem : a tratar na
roa da Cadeia n. 34.__________
Saques para ltl
M A GRAN DE DESC0BER-TA
nl^EO
deFIGADOdRACALHAI
DESIT-
ADO
aTEDALH
OE
HQXJM
CALHAU
DESINFECTADO FERRUGiNEO
As propiedades medicaes do oleo de figado de oaceUu ferio naant-
memente reconhecidas. Has seo cheiro e seo sabor tao desagradavets
tornio o oso d'elle mutas ve7es npossivel, mesmo aos estomagas
os mais robustos e aos mais con deseen tes.
Por isso a descoberta do Snr. Chbvribr que lhe permettio de
desinfectar inteiramente o oleo de figado de bacalhao sem alterar soas
propriedades tem sido nm dos mais felizes problemas resolvios pela
therapeutica moderna.
O oleo de figado de bacalhao desinfectado dtoChorrler,
com um cheiro agradavtl e um tabor aswcartdo, o nico que uto
tem nem gotto nem cheiro de peixe.
Objecto de numerosos relatnos scientificos elle goza em Franca
de urna fama bem merecida, e receitado por todos os mdicos em
lugar do Oleo de figado de bacalhao ordinario. Tendo as mesmaa
propriedades do oleo de figado de bacalhau ordinario, usa se d'elle
nos mesmos casos isto as : I
Maleada* eterttaluai,
ItarbltlHM*,
OkiirufM 4ma e'anaea,
Tsica plMar,
Malritlaa al* elle,
Caaatltaleaa lymahallra,
Aarml. debilidad*, (raajaraa,
"-
ato !(,
Esrairanrala por emeeaa 4a
Irahalka aa ale rame re,
leaSlaa ala aranralaa rrtrm-
(ca a ehraalcaa,
Taaaea pertlaazea,
Gaatrltea, aatralglaa,
O Oleo de figado de bacalhau desinfectado ferruginoso de
Ckewier conatitue o melhor meio de administrar o ferro. O
ioduro de ferro reunido com o oleo de figado de bacalhau,
augmenta a accSo tao efficaz d'este ultimo, se dissplve mais
fcilmente nos liquido* das vas digestivas, se assimila muito
mais bem do que quando tomado sob a forma de pilulas,
xaropes, etc., enflm perde suas propriedades irritantes e nSo
provoca a constipado.____
'As pessoas as mais delicadas quelfe podem supportar as
preparaoSes ferruginosas ordinarias, ai\ues, principalmente
nos paizes quemes, tem muitas vezes granoW inconvenientes,
poderlo com a nova descoberta do Snr. CHBVRiBXusar do ferro,
um dos mais poderosos agentes tberapeuticos, toma*do-o unido
ao oleo de figado de bacalhau. \^
O oleo de figado de bacalhau desinfectado ferruginoso de
Chbvribr, se emprega em todos os casos que o ferro acon-
selhado; julgamos intil de os enumerar.
Darea ala aataaa;a.
Elle convem a todas as compleices e a todas as idades, e tomada
fcilmente pelas pessoas as mais delicadas. Elle um poderoso socorro
para a alimentaco das criancas tracas e doentes.
Um folleto aooompanha oada vidro o contem aa obaervaodea medicaea.
Deposito em Pars, na pharmacia de Ghavriar, e em todas as boas pharmacias de Franca e do estrangeiro.
Deposito geral em Pernambuce na da Cruz n. 22 em casa de Caros & Barbosa.
VENDEM-SE
\U IIOTEIi OO L VIVita KNO
Ra do Trapiche Novo n. 2,
QI ARTO M. 3.
VERDADEIRO LE ROT
de SGNORET, Docteur-Mdecin
Ru de Seine, 51, PARS.
MU
ASTHMAI! ASTHMA ASTHMA
SUFFOCglO NERVOSA E OPPRESSlO
nico remedio efficaz para combattir estas molc^stiaj^-sfa^mar^im g,'l^l7*|
feCTl/cs novo producto se tem propagado com extrema rapidez gracas aos admiraveis re
lados que tem sempre produzido.
Deposito geral, na botica Chauveaud, 54, na do Comercio, Paris-Grenelle, e em todas)
boticas de Franca e do estrangeiro.
ALCOHOLADO de GUACO
de N. IPASCAL
O Alcoholado de Guaco de Pascal urna nova preparacao da qual |
basta mencionar suas propriedades para appreciar sua importancia.
Em primeiro lugar um preservativo inalivel do contagio venerio (ver
folheto para o modo de o impregar).
2 Tem a vantagem de ser o remedio mais certo e mais agradavel para
as molestias syphiliticas de toda a especie, ulceracoes primitivas e secun-
darias, ec.
3 Empregado em injecedes, o melhor tratamento dos corrimentos
recentes ou chronicos as pessoas dos dous sexos e da leucorrhea as
mulheres.
4o Emfim como antidoto dos virus, soberano na cura das chagas e f-
tidas de m natureza, chagas gangrenosas, dartros, ulceras das pernos,
ophtalmia purulenta, ou blenhorragica, mordeduras e picadas de ani-
maes venenosos, ce.
Este especifico vegetal, izento de toda a accao mortfera, foi experimen-
tado nos hospitaes de Paris, Lypn, Marcelha, ec., e recebeu a approvacao.
dos distinctos doutores Ricord, Bachet, A. Richard, Calvo, Diday,
MELCHIOR ROBERT, C0ST1LHES, BERENGER, 6C.
Deposito geral em Paris, botica de CHEVRIER, ai, me du Faubourg-
Montmartre.Casa de expeflicSo, PASCAL C, 33, ra Monsieur-le-
Prince. Pars.
Em cada garrafa, val, entre a rdha e o papel azul
que leva o tat linele, um rotulo impresso em ama-
relio com o Sello Imperial do coyekno fhancfz.
N. B. Kemeltendo-se urna Irttra de 500 trancos
sobre Paris, aeeitavrl a 60 dias Je vista, ao mximo,
goza-se do abalimento e do maior descont.
Deposito principal
do legitimo Le Roy
em Caza do nosso
nico agente pelo
Brazil a Su* Anto-
nio Fkanc : de La-
ceroa na Baha
nos principis pbar-
maceuteco*.
ira e ao maior aesc
A NACIONAL
Oompanhia geral hespanhola de seguros mutuos
sobre a vida
AUT0RISADA PELO REAL DECRETO DE 21 DE DEZEMBRO DE
lina flanea em dinheiro, depositado nos cofres do estado, gara.te abaad
iaistracao da eonaankia.
BANQUE1R0S DA COMPANHI DIRBCCAO GERAL
de llespanha Madrid: Roa d
ico
Esta.coropaubia liga pelo systema mutuo todas as combinaedes de sopervivena i
ros sobre a vida.
Nella pode se tazer a subscripcao de maneira que em nenbum caso mao pm
segurado se perca o capital nem os juros correspondentes a estes.
Sao tio suprehendentes os resultados que prodnzem as sociedades i \iU tA NACIO-
NAL,que aiada mesmo dimtnuindo ama terca parte do interesse prodnzido em
coes ecorabinando-o cora a raortalidade da tabella de Depareieux que adoptada pelai_
para seua clculos e Iiquidaees, em segurados de idade de 3 a!9 annos, nasa imponcMa
de 100* produz em effectivo metlico:
No flm de 8 annos.......1:119*300
> de 10 .......3:94t|000
de 18 i ...... 11:108*100
de 10 .......30:188*000
i de 18........80:331*000
as idades menores de 3 annos e maiores de 30, os productos sao mais eonsidenvaia.
Prospect)s e mais ioformaedes serlo prestadas pelo sao-director nesta proriocia.
Joaquitn Fiuz de 011 veira, ra da Cadeia n. 82, ou a Boa-Vista ra da Imperatrix B. 11, i
ment dos Srs. Raymundo, Carlos.Leite & Irmao.
Traspasso.
Francisco Gomes de Mattos Jnior mndando-se
para a provincia do Cetra (donde flttio) por mo-
tivos de sua saude, participa ao corpo do commer-
cio deste e outros lugares que sao possnidores hoje
de sua casa commercial os gerentes da mesma seas
filaos Francisco Antonio Gomes de Mattos e An-
tonio Gomes de Mattos Que sob a firma de Gomes
de Mattos Irmos.-recommenda a benevolencia e
cdnflanca d'aqnelles qtve sempre I he deram.
Os atiaiiii assignados possuidores boje da
casa commercial de sen pai o Sr. Francisco Go-
mes de Mattos Jnior, sob a flrm de Gomes de
Mattos Irmao?, esperara merecer do publico e es-
pecialmente do corpo commercial desta cidade a
mesma conflanca qoe inspira sen pal. Recite 3
de Janeiro de 1866.
F. A, Gomes d'aMattos.
AntoDio Gomes de
ierro,
nome
forro,
ja
Da ra do Jasmim o. 1, L
acha-se ausente um mualo acaboclado
Jos, multo esperto e onde chega diz que
sem achaque algum, levoo vestido calca de
pardo e camisa escara com listras e ramagei
velha : qnem d*lle soober on o tiver em sen
como se desconfa o queira levar a dita casa, qn
se lhe pagara' a despea.___________________
Precisase de urna ama para todo o servico
interno de urna casa de tres pessoas; paga-se bem:
na ra do Hospicio n. 62._________
L ndeu Wild C parlicipam a esta praca
que finda-se o sea contrato social nesta data, reti-
ra-se da sociedade o Sr. Emilio Wlld, fleando o
activo e passivo da mesma cargo dos socios, os
Illms. Srs. Linden Rodolpbo Weydmann que
continaro o mesmo negocio debaixo da firma
L>oden Weydmann C. Recite 31 de dezembro
de 1868.________________________________
Pegou-se urna canoa aberta em mo-estado,
em nm ponto da Torre, junto a nma estacada :
quem for seu dono appareca quanto antes, porque
se nao respoasabilisa por qualquer faga.
O abano assignado, proprietario da offlcina
de cutilaria n. 34, sita na ra Nova, outr'ora loja
de entilara, e pe.rtencente a sea ex-patro o Sr.
Jos Pradines, avisa ao respeltavel pnblico qne dito
seo estabeleciment se ach aberto todo o dia at
8 horas da noite, e ahi podero utilisar-.se. de sea
presumo, e poniualmente serem sasfeilo?.
Joo Francisco de Olive ira Santos.
Joo da Silva Ranos, fcea
pela universidale de CoiaMiri,4a
codsqIus em soa casa das 9 aa
11 horas da minh3a, e das 4 aa (
da tarde. Visita oa doentes i
casas regularmente as oras pera
isso designadas, salvo os cajos ar-
gentes, que serio soccorridos era
qualquer occaso. D consultas ase
pobres que o procorarem no hos-
pital Pedro II, aonde encontrado
diariamente das as 8 horas da
matiha,
Tem sua casa de sade regalar-
mente montada para receber qual-
quer doente, ainda meneo os alie-
nados, para o qne ten coaaesodos
apropriados e nella pratica qnalqoer
opperacao cirurgica.
Para a casa de sade.
Primeira classe. .3d000 diarios.
Segunda dita___3*500
Terceira dita .2*000 >
Este estabeleci ment j beaa
acreditado pelos bons servicos que
tem prestado.
0 propnetario espera que elle
continu a merecer a conhaoca de
[que sempre tem gozado.
I
I
Samuel Power Jofcastei i CeaieaBiia
Ra da Senzala Nora n. 4.
AGINcV DA
i tiadlcA* d ^
Machinas a vapor de e (*
Moendas e meiai moendas
Taixas de ferro coado e balido i
nho.
rva u. .
mmm.
cavallos. M
ando paja eage-
m
m
e Baha.
rjrJFIrJiF
Antonio Jos Rodrigues de Sonza na ra
do Crespo n. 1S, saca a vista ou a prazo.
"Toleque.
Precisa-se alugur um moleque de 18 a 10 an-
uos de dade : na roa o Queimado a. 12, primei-
ro
Precisase de urna ama para andi r ora nm me-
nino e fazer mais algara servico era cas de fami-
lia: na ma do Queimado n. 39, loji.. \
i 1 ..ni i "Vi
AMA
S
Precisase de ama ama seca : na Toja de Nvros
ao p do arco de Santo Antonio.
Fjg*o do ar
no armatem da bola amarada no oito da secreta-
ria da polica recebem se ebeommendas de fogo
do ar para dentro e fura da provincia.
Attencao.
A pessoa que annunciou precisar de U>0#,
ase as Cinco Ponas n. "
93.
diri<
Com
as LIMAS
CHIMICAS DE
P. MOURTH, forne
edor da Caza Imperial do Exercto
"ancez, garante-se qoe qualquer
soa podera sem dor nem perigo
ar-se de seos callos. Esta inyen-
: privilegiada em varios paizes,
inhecida officialmente efficaz
15 nacOfts, premiada com me-
is de 1" e.2* classe e approvada
po Prudente da Junta de Hygiene da
corte. Por ordem do Ministro da
Gujrra fez -se em Pariz experiencias
sobre mais de 2000 soldados que
ficarao livres de seos callos; ignal
resaltado foi obtido ua goarnieflo
do Rio de Janeiro. Mais de 3000
pessoas ja se tem curado com estas
{.irnos. As provas do que t diz ci-
ma e os attestados acham-se no
prospecto, que se da no deposito.
Casa principal em Paritj i? Prince
Eugene, 18, Agente para o Brazil,
S' M. O. ABRANCHES, ra
Alfandega, N 10, na Corte.
Le se no Monileur e U l'harmucic.
dectricidade hsje emprfgada por todos os
edicos afamados, para o tratamento de militas
olestias, mesmo para as qne resistem as ontrat
icaoes.
A elvcti idade produtida peta friccao ten ana
periorklide incoiUeiUvel, e a vantagem de nao
ir abalos, e de poder ser graduada pelo doente.
A causa a mais tregente das molestias a
m agnaca do sangue oa dos oatros liquido vi-
'. Reslablecendo se a circalacao ao orfa-
io, curacoo-se as molestias.
lando se sent algum dor em quelqner
do corpo logo, e instinctivamente, scerflrega
oirar eodolorido coro a nit, isto alliria. Isto
lita o resaltado inconteslavel que deve pro-
* P''pem annunciar ao Publico queo Snr Buisson
,d5PJ*"ers residesile, boalevart du Prnce-
EuNie, 18, era Paria, dotou a medicina de usa
aP! reino Xleetro Magntico, sob a forma de
ub mcot, con o qual os doentes se pederao
eui ten oehuma outra medicaea6. Os mdicos
ia tem experntesudo, aitestara que a
va^LtKnritAeMKTieA efficaa para
itMaof.aFaralflia, Ootla,
a da Col
Continuamos a escrever mais algumas linhas
sobre o anonncio publicado no dia 27 do correnta
Siihre a r.rilira /lo Sr ff r. S >- ^ j .^u
mos que o mesmo" senhor no da 28 a noite foi ex-
pulso da ra do Cano, casa n. 38, aonde mora a
viuva que o eslava soccorrendo, e vindo aquella
mesma hora para a ra do Rangel,. batendo na
porta de sua morada, o dono da casa lhe veio abrir
a porta, e o Sr. F. C. S. entrou e foi-se por nu' era
urna das janellas, fra de horas, insultando varias
familias que se achavam defroote.^m suas casas,
e como fossem as palavras mui desagradaveis, ex
pulsaram-no pela porta fra aquella mesma hora
da noite : publicamos este para que o publico sai-
ba quera este seuhor, e a polica tome nota desse
Tacto, pois ja se tem vis:o juuto com alguns ho-
mens, que, seguodo se diz, sao seus acelariados
para o hra de e^pancarem a dous empregados des-
a praca. E esta a couducta do Sr. F. C. S., j
est mostrando o seu mo comportamento, pc-r isso
quem est acostumado a ser mal visto, ha de ser
al a ultima, pois tambem nos Irforraarara que elle
j de la.' veio com Tuga, que at sua senhora nao
podendo fazer vida com elle o abandonara, e assim
ucou a pobre menioa vivendo nesta triste fado :
Sr. F. C. S. cumpre-no: duer a verdade, tambem
ja' sabemos que o senhor anda escrevendo carti
nhas falsas, e dizeodoque sua senhora que lhe
escreve, pois ella nem se lembra do senhor.> Por
hoje basta de sovar este rato de grande coda,
pois quem a tem nao se pode sentar bem, so se
sentar pode fazer exploso e levar tudo para o ar,
____^___________Dous Paraenses.
No dia 8 do correte mez de Janeiro em dian
te estar' abena a aula particular de instruego
elementar para o sexo masculino, no pateo do Tor-
co, sobrado n. 141, segundo andar, dirigida pelo
professor Manoel Jos de Alboquerque Mello, e por
isso o mesmo prjfessor avisa aos dignos pas de
seus alumnos, e com especialidade ao respeitavel
publico para um semelhante flm, e para aquelles
que se quizerem utilisar de seu presumo, poden-
do-o procurar na dita aula ; assim como recebe
alumnos internos, qur do mato, qur da praca,
por mdico preco.
O abaixo assigdado tendo contratado a com-
pra das partes que tem o Sr. Hylario Urbano da
Silva Das duas casas sitas no Giqoia', as qoaes fo-
rsm outr'ora do Sr. Jos Florencio de Oliveira e
Silva, declara ao respeitavel publico pan quem se
julgar com direito as mesmas ou a compra, a pre-
sentarse no praso de oito das, a contar desta data,
do contrario conclue-se o negocio. Recife 2 de
Janeiro de 1866.
Jos Francisco da Silva Ferreira.
Francisco Per eir de Meireiles, tendo justo e
contralado a compra da taberna sita na roa de S.
Jos ff:9, lTvre e desembarazada de qualquer ouw, [
attende a qualquer reclamacao que alguem leona i sino perto da praca, mas que nao teaha
a fazer sobre esle negocio, durante tres das, nal Q0-0 estiver nestas circunasuorias, dirija
ra do Nogueira n. 29, udosos quaes ninguem
tera' direito a reclamado algnraa. Recife 2 de Ja-
neiro de 1866.
s
Arreios de carro para um e dona cavalloa.
Relogios de ouro patente inglez.
Arados americanos.
Machinas para descarocar algodo.
Motores para ditos.
Machinas de costura.
******* *****
2 DEPOSITO DE CALCADO ft
m FABRICADO NA CASI DE lETRIfl
8tf Raa \ova m. i.
m Ahi se encontraro obras de di- _
versas qualidades, e por preco mui '
diminutos, a relalho e em porrees. I
S se vende a dinheiro.
Antonio Jos Rodrigues de Sonza, roa io
Crespo n. 15, aluga sua casa e siiio no Home r
em frente ao eilio da igreja, tendo o sitio porta*
de ferr, cacimba com boa agua, estribara eo-
cheira, e a casa 4 salas, 7 quar los, e i ola*, a *n|
muito fresca e esta de novo brm caiatfa, eoacer-
tada e pintada : para ver, as chaves esto esa a
casa do Sr. Nicolao Machado na mesan aaiaas/n
mwm mmmmmmmmmm
I gico.
| Ra da linperatriz 38.
* O r. Joo Mara SevV, atediev ,-ri*-
ax' ro < operador mudou 4 soa residVacU
para a ra da Imperatriz sobrado a. 3i\,
onde pode ser procurado para o exerrita* '
de sua profissao al as 10 horas da
nha e das 4 da larde em diaote.
$**!
N.nO. Bieber 4 C, sucessorea,.
cam sobre o Rio de Janeiro a vista ou a Bra-
zo conforme se convencionar.
Precisa se alugar um moieqoe do 12 a M
annos : no pateo de S. Pedro n. 24.__________
Precisase de nm caixero que lea**
de taberna e d conhecimeolo de soa
na ra do Nogoeira o. 29.
Quem precisar de nm homota para
pao ou tomar conta de um torno, diria-sc a raa **
Rangel n. 2^___________________________
Precisa se de um bom eopeiro iara
trangeira 5 quem se julgar habilitado,
ra do Trapiche n. 8.
Precisa-se de urna ama de
mentar urna enanca de qnatro
ra Direita o. 3, I* andar.
~ Precisa-se de um homem para tenar
SaXh,
debUidada geral, Mevr.lj.aj, oto.
I certos que breve cada fami'ia possuira
j?T* res fia odes servicos.
Wo de muius pessoas, o autor decidio-st
T","" eaosito de seos pparelbas ao
?"S ** *> Dim Boina,
ueITUC0' Pb'rmacia traaceza deP.
t., rui JVova n. (8.
- Wtnled a person lo play ou loe narrnomom
on sunday l lhe ritish chapel, servicos at 11
dock in the moroing and 7 dock la lhe evennig
apply n. 2 ra do Vigario.
Precisa-se de urna pessoa para tocar harm-
nico oa igreja dos ingleies aos domingos de ma-'
nha as II horas e a oolte as 7: trata-se a roa do
Vigario n. 2, escriptorio.
Carvalho A Nogaera sacam sobre
Portugal, a prato e a vista : aa roa do
Apollo n. 20.
Contrata de linaesa aa cidade.
Previne-se aos devedores da empreza de aceio e
litnpesa da cidade, por collocacio de apparelhos
em suas casas, servico de limpesa, etc., qoe so aos
procuradores do Sr. commeodador Antonio Gomes
Netto, successor do Sr. Loiz Carlos Cambrone, de-
vem faiec pagamenl is, sob pena de nao serem le
vados em conta os nao feftos dos referidos pr u;
radores, ou a pessoas por ellos autorlsadas por do-
comento escrlpto.
Fugio pela manhaa do dia 28 de dezembro o
moieque Marcos, crioulo, de idade 17 annos, esta-
tura regular, ps grandes, denles alvos, nariz um
pouco chalo, muito regrisia, levou vestido caiga de
casemira eiozeota Ja' velba, camisa braoca, cha-
peo meio maollha, grande, com urna fita branca
ja' velha : quem o pegar e quizer levar a ra do
Atalho o. 3, sera' bem recompensado
Padre Joo Galverto de Araujo avisa ao Sr.
thesoureiro das loierias qoe tendo perdido o bilbe-
te ioteira 1.1142, por Isso previne que no caso
qoe sala por orle algum premio, nie satisfaca o
pagamento sea abaixo assignado estar presente.
julga
da Cruz do Recitan. 62 para tratar.
Precisa-se de ama ama que conapea
nhe para casa de noraera solteiro : a* arara
Boa-Visla n. 18.____________________
~ Joaquira Caetaao da Silva asadoa
beleciraeolo da casa n. 12 da praca a
para a de n. 18 oa mesma roa.
Quem precisar de om feitor a* Jai
que entende perfeitamenle, dirija-se a raa d*
tas n. 130, qoe achara' com o* tratar.
A rennacao de Rabello & Branco
dever nada nesta pra^a a pessoa alga*.
alguem se julgar com direit) aprsente oa i
para ser paga Imra-dialamente.______________
Miguel Piros Braoeo jolga aaj dever
a pessoa algumadesoas despeta DarUcaUres,
se alguem se julgar cora diroilo
conta para ser paga imoxediilisaiaaa,
^-"Aoaclato Poblio~de'MonaT CarvalW, ara-
f es sor particular de i ostroeco *rk*arta a aacaa>
daria, participa aos pais da familia *oe aaiasruaa
conflar-lh a educacao de seas fllhos. ao dia a
Janeiro abre as aulas, de primeiraa Mraa,
e inglez, tambem eosioa pela c*aa* aaiaa*>-
Ontmitstswa tu aaa ata.
calino e feminloo, igual
de engenho que recebe alomaos
phmeiras letras e preparatorios
ao Caldeireiro o. 7 ou em na
Hortas o. 106.
psarioainaa
a tranr a*
Ama
Precisa se de urna ama : aa raa
o. 1-2, primeiro andar.
Precisa se de om criado
n. 11 primeiro andar.
Criado.
tama a

x!
MUTIIMO



I
JU
i
_
fe|ff%MA*MeftlP44i*ftG-
E' a ordem do da Acabar cornos Par-t
guayos a bayoaeta, a mioi, a revolver ;
fulmina-los coa os encouracados armado*
de esporoes, annstrongs e raiadas de 80 i
120; extermina-Ios em somma a espada, H
faci e a punbal de que se trata; mas
ninguem se lembrou ainda de esmagar os
Paraguayos com as armas que Deus nos con-
cedeu; acabar com elles a tac3o e a ponta
ps, para o que necessario eocouraear esta
parte do noeso corpo com os formidaveis
rompe-ferro, esmaga cobra, arranca tocos,
quebra marmore e outros que se vendem i
45-Rli OIREITA4*
Borseguins Bordeara........ 80000
patricios......... 8)9000
> para senhoras, en-
feitados....... 50*500
> com laco e fivella &4<*00
SapatSes encouracados....... 5|J000
Borseguins para meninas bom
elast co................. 30000
Sapatos de lona, sola elstica. 2)5000
avelludados......... .iJOO
de tranca........... 4(5600
> com salto de lustre.. 25240
Um completo sortimento de calcado da
trra para homens. senhoras e meninas;
assim como bezerro francez, couro de lus-
tre, marroquins, taiaas de todas as quali-
dades, fitas para saptteiro, muito surtidas,
8b\i^.coarosjtf. \Nfl Tifltl ftecessriamen-
te faz cofrica ao compiador pela barateza.
DE
GVALLO
Na noitede 18 para 19 do corrate fartou-se am
cavallo mellado caxilo, da estrabarla do sea dono,
com sellim ingles qaasi novo; cujo cavallo tem
cunas e canda preas. as cimas sao grossas e ca-
hem sobre ambos os lados do pescoco, e tem nma
ferida pequea na mo direiia ; est acostamado a
andar em cabriolet e bem conhecido nest praca:
queui delle der noticias certas ou leva-lo a' 'Estan-
cia, sobrado de dous apdares n. 2, ser gratificado
PAGAI-SI
por 285O0 oucas da patrta : na
praca do da Independencia d. 22.
-- i ~
CASA DA FOiiTflJi.
Aos 6:0000000.
Bilhetci garantido.
A* RUADO CRESPO N. 23 E CASAS DO COSTMB
O abaixo assignado venden nos seas moito feii-
168 bnhetes garantidos di lotera que se acabou
de extrahir, a beneficio das familias dos volun
tartos da patria, os seguiotes premios:
N. 336 am meic com 12:C00.1.
N. 771 dous quintos com 3:O;0*.
N. 321 um meio com 600$.
N.35I7 meio com 200$. .
E outras muius sortes de 100$, 404, e 20J.
Ospossuidores podem vir receDerseus respec-
tivos premios sernos descootts das leisnaCasa
4a Fortuna roa de Crespo n. 23.
Acham-se a venda os da fi* parte da S* lo-
tera (43a) beneficio da Sacia Casa da Miseri-
cordia, que se extrabir do dia 3 de Janeiro.
PRECO.
Bilhetes. .... 6J000
Meios......3*000
Quintos.....1*200
Para ai pesseas que comprare de 100(5000
para cima.
Bilhetes. '. 5*500
- Meios......2*750
Quintos. 1*100
Hanokl Martins Filia.
DIGO E OPERADOS!
s
\
)
Quem tiver para ser alagado um escra-
vo que alm de muito boa conducta, esteja
bem habilitado para desempenhar satisfac-
toriamente qualquer servifo interno ou ex-
terno de urna casa de pouca familia, an-
nuncie ou dirija-se a ra da Aurora, sobra-
do de n. 70, segundo_andaj\___________
Todo o ioteresse se fara* com o senhor sa
cerdote qae qaizer ser eipellao de um engenho, e
que tambem tenha habilitacoes para ensinar as
primeiras letras e alguns preparatorios : a fallar
com o Sr. Antonio serafim da Silva na ra do Ca-
buga'._____________________________________
Casa em Olinda.
Muga-se ama casa no pateo de S. Pedro Novo,
com bastantes commodos, quintal e cacimba : a
tratar no largo do Carmo, em Olinda, com Albino
Jos da silva, ou na rna da Craz do Recife n. 57,
a r m a ze m._________________________
Precisa-se por aloguel dous escravos : na
rna da Cruz do Recife n. 35.
m casa de Theod Chrisliansen, ra do Tra-
piche-novo n. 16, anico agente no norte do Brasil,
de Brandenburg frres, Bordeanx, encontrase ef-
fectivamente deposito dos artigos segointes :
St. Jnlien.
-S. Pierre.
Larose.
Cbateau Lovfe.
Chateau Margan!.
Grand vio Chateau Lafitte 1838.
Chateau Lafitte.
Haul Sauterues.
Chaiean Santernes.
Chateau Laiaur Blancbe.
Chaieato Yquem.
CogfladJ em tres qualidades.
Azeitefloce. Presos de Bordeaux.
m
Oab
meira e
guena
no da
escala p]
fregjuez
os es
-seas 01
ntend
signad
escola de primeiras
letras.
io assignado, profesor jubilado na pri-
ola publica de primeiras letras da fre-
.. Boa-Vista desta cidade pretende abrir
de janeiro do anno prximo vindouro urna
rticular na ra da Palma, casa n. 31, da
de Santo Antonio desta mesma cidade :
jres pais de familias que quizerem que
ios frequentem a mencionada escola, podem
'-se desdo agora com o mesmo abaixo as-
na referida casa.
Jos Juaquim Xavier Sobreira.
tai!
COMPANHIA
ra a construcco de machinas
DE
ALBERTSOX E DOUC.LASS
New London, Cormectieur, Esta-
dos-Unidos
Soicium pedidos de descarocadores de algodo,
adoptados ao aleodlo sul-ameriano. Ho-se de-
dicado a es:e negocio dorante 25 annos, e atiende-
o mediatamente a correspondencia qae se Ibes
difigir
anana
O Dr. Joao Raymundo Perelra da Silva,
___chegando ltimamente de Pars, onde fre-
nquenlou os mais notaveis hospiiaes, pode
_^, er'procurado para o exerciclo de soa
ojdfissao na raa da Cruz n. 40 segando |
zadar. D consultas lodos os das das 7 a
as 10 horas da maoba. Especialidades,
| molestias de olhos, partos e vlas-unnarias. |
MMaji WmWmWm KMII WmmBmifSt
O abaixo assignado faz publico, qoe desde o
da 5 do correte, se acha de-ligado da sociedade,
qae teve na soa laberoa da roa do Rosario Larga
n. 18, o Sr. Custodio Jos de Oliveira, nao devendo
por tanto os devedores da rr.esma taberna pagar
seas dbitos se nao ao abaixe assignado, ou a pes-
soa por elle aathorisada. Ootro im o abaixo as-
signado nao se respoosabeksa por qualquer debito
que em oome da extinta sociedade faca o mesmo
Sr. Recife, 16 de deserobro de 1865.
Joao do Cojto Aives da Silva.
lina na ou urna ederavi
Preelsa-se de ama escrava p/ue saiba cozinjwr
oa de ama ama forra para o/mesmo se^siet", pa
ga-so bem : a tratar na ra Ja Gloria,'casa do lis
cal da Boa-Visu, ou a ra dos_Gaara rapes n. 54
Alagase por 14* fflenses a casa terrea n-
16, com quintal, sita na truvessa das Barreiras :
a tratar na roa da Cruz n. 56, das 9 as 4 horas da
Urde.
Ontroi onjcctos.
Vindos tambem para a antiga loja e
miudezas ra do Queimado n. 16.
Sapatinhos desetim braco bordados pa-
ra baptisados.
t&d.
e
Outros de merino tambem
gualmente bonitos.
Meias de seda, correspondente do 'tama-
noo dos sapatinho:
Outras mui finas de fio da Escossia e
brancas listeadas.
Luvas finas de fio da Escossia brancas 6
de corea.1
Ditas de seda para senhoras.
Ligas de dita para senboras e meninas.
Pentes de tartaruga mui fortes para des-
eabaracar.
Carriteis com retroz preto e outras coree.
Carteiras com agulhas.
Agu has francezas, as afamadas.
Caixinhas com alfiaetes brancos e prelos.
Haspas de baleia para vestidos.
Fitas de linbo proprias .para ditos.
Caixas com linhas de novellos grandes
para crochets.
Trancellim de borracha preto, redondo.
Bitas flvellas grandes de ac,
(lloaradas, ntadreperola e tar-
taruga. 1VJ
A loja de miudezas ra do Queimado ^"ers
n. 16, receben um bonito sortimeoto de
flvellas grandes para cintos, sendo de ac
douradas, madreperola e tartaruga, asquaes
f sto sendo vendidas em dita' loja por pre-
cos commodos ; assim como boas e bonitas
fitas de gorgorao acbamaroado, proprias pa-
ra ditas flvellas.
Oculos de penetra e de outras
qualir-des. para quem soffre
Aluga-se de om at qiialro escravos, pagao-
do-se bem : na raa do Trapiche n. 13, armazem
de Manoel Taixetra Basto.
O pau're J, lo Jos dnosla Riceiro mudou
a sua residencia para a raa das Cruzes n. 22, se-
gundo andar______________________________
Irritado dosptmoer. angi-
nas, tosse, escarros de
sangue, crui>o eu garro-
tilho, catarro, rouquidao
e todas as innumeravei molestias que affec-
i5o aos orgaos da respirado
DESAPPARECEH
ediante a acelo da balsmica e irresistivo
ANACAHUITA
PEITORAL de KEMP.
a anacahuita mexicana que d o nome es-
pecial este incomparavel remedio, urna
arvore, cuja madeira por muito tempo se,
ha usado no Tampico para a cura das fln-!
fermidades cima mencionadas. Foi tam-
bem ensatada e approvada pela academia
medica deBerlim O peiloral deKemp
um xarope delicioso inteiramenle livre de
opio, acido hydrocyanico e outros ingre-
dientes nocivos.
A' venda as drogaras de Caors A Bar-
boza, Bravo C. e em todos os estabeleci-
mentos pharmaceuticos do imperio.
Xlajiae miudezas ra do Queimado
D. 16, tambem recebeu oculos de peneira
com yjdros claros e escaros, para qoem sof-
fre da vista, assim como outros de armacao
de ago, sortidos em graos.
Coroas e tercos de cornalina.
A antiga loja de miudezas a' ra do
Queimado n. 16, receben mui bonitas co-
roas e tercos decjrnalina, os quaes esp
a disposicio dos bons christSos que os qui*1-
zerem comprar em dita loja: na ra do
Queimado n. 16.
Esponjas finas grandes e pe-
queas.
Vende-se na ra do Queimado, leja de
miudezas n. 16.
A anliga loja de miad*zas na roa do
Queimado n. 16, acaba de receber:
Novas e bonitas guarnieres pretas para vestidos e
soutembarqnes.
Bicos de seda brancos e preto's cora vidrilhos, e
differeutes larguras.
Trancas pretas com vidrilhos.
Cascarrilhas.de seda de diversas cores e moldes
novos; ouirrs enfeitadas com bicos de seda.
Babadiohos de seda.
Trancas brancas de seda para enfeites.
Bonitas fitas brancas lisas e lavradas ; ontras de
cores tambem lisas e lavradas ; outras acbamalo-
tadas para cintos, largas.
Fivelas grandes de ago, douradas, madreperola e
tartaruga. '
Bonitas ligas de seda para senhoras.
Leqnes de sndalo o outras qualidades.
Lindos o delicados enfeiles para bai-
les e passeios.
A antiga loja de miudezas na roa do Queimado
n. 16, receben novos e lidos enfeites para bailes
e passeios, todos de muito gosto e ioteiramente no-
vos, variando o preco del les conforme a superior!-
dade : os pretendentes os aeharo em dita leja, na
rna do Qneimarin n 16.
Hiiascapellas para noivase
meninas.
Acham-f e venda na ra do Queimado. loja de
miudezas o. 16.
Bonitas louqiiinlias
de Ql e cambrala, bordadas e enfeitadas : ven-
dem-se na ra do Queimado, loja de miudezas nu-
mero 16.
Lonetos de dous vidros com aro de ac, bnfalo
e tartaruga.
A Joja de miudezas, ra do Queimado
n. 16, recebeu um bello sortimento de lo-
netos e oculos de vidros com armacao fina de
a^o, bfalo e tartaruga, e os est vendendo
por precos razoaveis: os pret-ndentes dlri-
jam-se a esta loja na ra do Queimado n. 16.
Navidades do Vigilante
RA DO CRESPO N. 7.
Este estabelecimento apezar de sempre
se acbar bem sortido como todos sabem,
hoje mais que nunca, no s pelo que rece-
be de sua propria conta, mas tambem pelo
que recebe de consigna?oes; parece sem
duvida que deve offerecer grandes vanta-
gens para o respeilavel publico tanto em
precos como na escolba dos objectos, e co-
mo acaba de ebegar grande remessa pelo
Douroi e o navio < Solferino de
ersos objectos de gosto e proprios do
tempo dos quaes se mencionarlo alguns,
* j por n5o ser possivel mencionar tedos. O
dono deste estabelecimento espera a prb-
iecc3o de todos.
Riquissimas caixinhas ornadas e com
msica propria para um delicado mimo.
Caixinhas de msica tanto de veio como
de corda.
Ricos porta joias e necessarios.
Riquissimos este jos a feitio de um bansi-
nho ou chapeuzinho.
Ditos em casca de noz e de outros gostos.
Loques de madeperola de sndalo e de
faia e madeira.
Chaposinhos e touquinhas de muito
gosto para enancas.
Meias e sapatinhos de seda para as mes-
mas^.
'Meias de seda para senhoras.
Capellas e grinaldas de flores proprias
para casamento.
Enfeites e capellas de muito gosto para
seubora.
Riquissimos porta Loquis.
Boquet de flores com urna borracbinba
com cheiro.
Luvas verdadeiras de Jovin.
Ditas de seda e de Escocia.
Riquissimas plumas e guarnieres para
enfeitar chapeos.
Contas e tubos de ac branco, que ha
muito se desejava para enfeites.
Brincos, fivellas e cruzes de crystal.
Fivellas e cruzes de tartaruga, madripe-
rola e dourados.
Alfinetes para gravatas.
Botes com croas para punhos.
Gravatinhas e mantinbas de muito gosto,
tanto para homem como para senhora.
Riquissimos aderemos pretos, assim como
caixinhas com a finetes pretos.
Bet-gallas de canna com cabo de marfim.
" D lis de baleia, borracha e de outras
minias qualidades,"assim como chicotinhos."
Riquissimos peales de tartaruga do ulti-
mo gosto i assim como de arregaco para
menina, pois neste artigo ha um completo
sortimento de todas as qualidades.
Diademas para cabeca do ultimo gosto.
Riquissimas fitas lavradas e lizas.
Trancas pretas com vidrilho e de cores.
Pulseiras tanto para senhora como para
meninas.
Ligas de seda e de algodo.
Suspensorios de seda e de algodo emui-
tos outros objectos que se n5o Dodem an-
nunciar por nao se tornar enfadobho.
S no Gallo Vigilante ra do Crespo n. 7.
Vendem-se
machinas americanas de serrote para descarocar
algodo : na ra da Senzala ova n. 42.________
A tlencao,
Vende-se a taberna da ra de S. Jos n. 2, bem
afreguezada para a trra e mato, para algum prin-
cipiante por ter poucos fundos : a tratar na mema
COMPRAS
t*ft
O Dr. Carolino Francisco de Lima San-
tos contina a morar na ra do Impera-
dor n. 17, segundo andar, lendo alias sea
gabinete de consultas medicas, logo ao
enxrar, no primeiro.
O mesmo cloutor, qae se tem dado ao
estado tanto das operaeoes como das rao- |
_ lestias internas, presta-se a qaatquer cha- S
WL nudo, quer para deutro quer para fra M
M| da cidade.
**** mmmmmm mmmm
Companhia fidelidde de seguros
martimos e terrestres
establecida no Rio de Jaueiro.
kaen-W km pehnambuco
Antonio Lnfne Oliveira Azeredo k C,
competentemente autorlsados pela direc-
tora da companhia de segaros Fidelid-
de, tomara seguros de navios, mercadu-
ras e predios no sea escriptorio raa da
iwimmmmwmm *m\
O thesoureiro da associaco protectora das fa
muas dos volantarios da patria faz scieote ao.
interessados qae paga as mensalidades vencidas,
principiando do da 1 at 10 do correte mez, da.';
6 boras e meia at as 10 da manhia,. excepto no:,
domingos e das santificados : e os qae nao com -
parecerem em ditos das e boras flearo para o
mez eguinte.
Compr-se onro, prata e pedras preciosas,
em obras velhas : na raa da Cadeia do Recife,
cja de ourives no arco da Concejero.
Onro e prata.
Em obras velhas: compra-s na praca da la
depeodencio n. 22, loja de bilhetes. ____
Comprase carosso (sement) de algodo : no
armazem de algodo de Sauoders Brotbers & C,
no caes de Apollo.
..... .i | j
Happa-mnndi-planispherico.
Na roa doLvrameoto o. 19 comprase um map-;
pa-plaoispherico.
Na ra de Santa Rila n. 15, com- 1
pram-se relogio velbos de todas as quli- !
dades.
> Comprase n ra Direita n. 4, armazem de
molhados, pedra marmore, garrafas e botijas va-.
gias, nao sendo de gaz o nem de oleo qualquer.
i Compra-se urna escrava qnn saina cozinhar!
e engommar, e que sefa de boa r.udocta : a tratar
na roa do Apollo n. 43, armazem.______________ j
~^~Compra se um balcao qu esteja em bom es-
tado : na rna do Queimado n 15, 1 andar.
VENDAS
AMA
D-tie a quantia da 20 a 25* pelo alugael d
ama eserara qae faca o servido Interno e externo
de urna caa de familia: a tratar em Pora de Por
tas, na do Pitar, no primeiro andar do sobrad)
Aluga-se a foja do sobrado n. 1 junto a fa-
brica do gaz, a tnargem do rio, cora" commodos
oara familia, tendo deatro agua de beber e cacim-
ba ; prefo de IM mensal: a tratar ao mesmo so-
brado. _________ ________
Precisa-se de ama ama para comprar e co-
ztakar pera amas pesioa : na roa das Triochei-
roa o. 1T._________________________________
Preciante de 150# a Jaros i qaem tiver ao-
tMCfe.
jgmmmm***"^
FOLHIVHASi
IMfli 1866; .
Acabam de s hir luz as folhinhas de
algibeira e de porta para o anno de 1866, o
mais correctas possivel tanto no calculodas
las e eclipses, como as diversas festas
que a igrejacelebra; vendem-e nicamen-
te na Hvraria da praca da Independencia,
160 ris as de por uro 320 rls as de algi-
beira.________^
Rap Gasae PBl Ordeiro.
De agora por da ote os apreciadores da boa pi-
tada acharao conslintrnente rap Gasse e Paulo
Cordeiro : na raa lo Queimado loja de miudezas
n. 1.________________________________.
vende se na roa da Concordia o. 1 travs de
34 e 30 palmos de comprimen, de boa qnalidade
e preco eommodo.____________^
Vndesela taberna da raa do~Caldeireiro n.
04, com pneos fondos e muito afregaezada.: a
tratar na praca da Independencia n. 22.
Y
Grande armazem de tin-
8* tas medicamentos etc. jl
Roa do Imperador n. 22.
Joo Pedro das Xeves (ge!
rente) ten a venda o
seguate:
Productos chimcos e pharma- \
ceuticos os miis empregados em
medicina.
Tintas para todo o genero de pin-
tora e para tinturara.
Productos ioiiusiriaes e tintas _
para florts, como bot5es "d flore*!
e modelos em gesso para imitar
fructas e passaros com o compe-
tente desenho.
Preluctos chimicos e industriaes
para photograpbia, tinturara, pin-
tura, pyrotecnia etc.
Montado em grande escala e sup-
prido directamente de Pars, Lon-
dres, Hamburgo, Anvers e Lisboa
pode offerecer productos de plena
confianca e satisfazer qualquer en-
commenda a gros;o trato e a reta-
i llio e por preco eommodo.
s
ROMANSES B4RATAS
Vendem-se, na livraria da praca da Inde-
pendencia n. 8, a 400 rs. o volunte, os ro-
mances portuguesesseguintes, em brochura:
A voz do sangue, 2 volumes.
Gonnemara, 2 ditos.
A noite de S. Silvestre, 1 dito.
O filho de Titiano, 1 dito.
Adonis ou o bom negro, 1 dito.
As duas amadas, 1 dito.
O pacha de Buda, 1 dito.
Trilby, 1 dito.
Ignez de la Sierra, 1 dito.
. Joven Siberiana, 1 dito.
Vende-se nma mobilla de amarello ji asada:
na roa estrelfa do Rosario n. 17, 2*_andor.
de idadt
Vndese orna negrlnha
no : a tratar na roa da Imperatrii o. 20,
G4Z.
oa no
o me-
No armazem da rna do Imperador n. 3
Caes de Pedro II n. 2, tem para vender-se
Ihor gaz existente no mercado.______^^^^^^
Chales de renda
Paredes Pato, na ruada Imperatriz n. 52, porta
larga, vende chales de renda de cores com peque-
o toque de mofo, a 35500 e 4, fazenda de 10J
el2j000.______________________________
Farinha a 3$5w
Vende-se farinha de mandioca, saceos grandes :
no armazem dos Srs- Tasso Irmaos, na ponte nova*
oelo preco cima mencionados.
Bren em barricas pequecas.
Cera era velas de lodos os tamauhos.
Bogias.
Mercurio.
Na. raa do v igano n. 19, primeiro andar.
Farello.
Vende-se superior farello de Lisboa : no arma-
zem allianca, roa do Imperador a. 57.
Vende-se
um escravo moco, crioalo, bon co? i-
nheiro, e oplimo marinheiro por ter
4 4 odos de exercicio; oa ra do Im-
perjador o. 43,2 andar. _________
Luvas de Jouvin.
a loja de miudezas na ra do Queima-
do ft. 16, resebeu-as pbFesle ultimo vapor,
Povoaco dos Mentes.
Vende-se urna casa-nesta povacio, propria para
negocio e morada, bem construida, frenie de lijlo
e em boa locaiidade para negocio : a tratar no
Recife, ra da Praia n. 44.^___________.
Vende-se urna preta boa engommadetra e la-
vadeira, de meia idade, sem vicio algum : oa roa
do Amorim o. 36. ______________________
Para vender
acham-se dous garrafdes d crystal branco, em ca-
sa de Jayme, roa do Queimado n. 6^_________
NOVA LOJA
ENCICLOPDICA
&t Rna da iniperalriz arnacem
da porta larga frt.
Runflo a padarla fradcea de
\i,t Paredes Port#.
Neste estabelecimento encohirara o respeitavel
nfclico um miado sortimento de fazendas franco-
zf, Ingleui, suissas e allemies, qae se venderio
por pre^o eommodo.
Paredrs Porto
Vende chales de renda de cores que se vende-
ram a 18tf esi vendendo por 6, ditos pretos, fa-
tenda nova, 5, ti#, 8 a 205, um sortimento com-
pleto de manteletes, capas e soutambarqoes 144 a
I i5#. Rna da Impecairiz n 42, junto a padarla fran-
cesa, armazem da porta larga.
Paredes Porto
Recebeu om completo sortimento de laasinhas a
240, e 280 rs. covados, para acabar, cambraias de
cor a 240 rs. o covado, riscado escossez para rou-
pa de menino, fuslao de linbo a 420, 400 e 500 rs.
Rna da Imperalrii n. 32 junto a padana franceza.
armazem da porta larga.
Paredes Perto
Recebeu para cortinados para cama franceza a
llf a peca cambraia lisa fina a 3 45 al 10 a
peca, cortes de tarlatana de bonitos gostos a 3J500
44, cambraia com flor de seda, gostos inteira-
menle i ovos a 400 e 300 rs. o covado, no armazem
da porta larga n. 52, roa da Imperatriz junto a pa-
darla franceza.
Paredes Porto
Receben pelo nltimo paquete um sortimento de
ernzes com pedras para o pescoco. bonitos caxineis
de la para pesclo de senhora. Ra da Imperatriz
n. 52, armazem da porta larga.
Paredes Porte
Vende cortes de gorguro preto para vestido com
21 -covados cada um 35000, grsdenapre preto a
1*600, If800 e 24 o covado, lias lizas finas a 400
rs. o ovado, lias de qnadrinho para vestido, entes
tada, a 320 rs. o covado. Ra d Imperatriz n. 52,
armazem da porta larga.
Koupa frita
Roa da Imperatriz n. 52 armazem da porta lar-
ga moto a padarla franceza, encontrase neste es-
tabelecimento uro completo sortimento de paletds-
saccos e sobrecasacos, de todas as qualidades, cal-
cas, cohetes, ceroolas, camisas, grvalas, meias,
chapeos de sol, ditos francezes para cabeca, por
presos commedos, ronpa para menino e outras
mnitas fazendas por precos commodos, armazem
da porta larga.
o mesmo estabelecimento encontrar o respei-
tavel publico, sempre*Um completo sortimento de
roupas fetas de todas as qualidades, como sejam
paletos de alpaca preta e de edr, ditos sobrecasa-
cos a 44 e 54, ditos de brim pardo a 24800, 34 e
34500, ditos naos a 44, ditos meias cazerrira a
34500, 44 e 54, ditos eazemira saceos a 64, 7*, 84
e 104, ditos sobrecasacos a 10 e 124, ditos de pan-
no saceos a 64, 84 e 104, ditos sobrecasacos a 124
e 254, ditos de merino preto a 64, 74 e 105, cat-
eas de brim de diversas qualidades a 15800 a 45,
ditos brancos a 25500 e 6500, ditos cazemira 54,
64 e 75, ditos pretos a 55, 64,- 84 e 105, ditos
metas razemiras a 35 e 45, coletes de diversas
qualidades, seruulas francezas de algodo, ditas de
linbo, ditas de bramante a 25 e 25500, carnizas de
algodo de linbo franetzas de 25500 e 'J$. Gran-
de pecnincha neste genero, gravatas de todas as
qualidades e brancas para casamento, grande sor-
timento de meias para senhoras, ditas para homens
a 35, superiores a 34500 e 44-
Um completo sortimento de chapeos de sol de
alpaca a 35, ditos de seda a 55, 74, 105 e 145,
ditos francezes para'cablea, grande sortimento
a64-
Pechincha admirayel.
Grande sortimento de chambres a 45600 e 50,
lences de cambraia para homem a 25 a duzia, di-
tos de linho a 45 e 55.
Grande sortimento de roupa para meninos e ou-
tras moitas qualidades que seria enfadontio men-
ciona-las.
Paredes Porto
Receben pelo ultimo paquete francez ricas laas
granadinas com flores de seda a 400 e 500 rs. o
I covado. esto acabando-se, cambraia preta para
Joto. Porta larga junto a padaria franceza, a ra
da Imperatriz n. 52.
Paredes Porto
Recebeu pelo ultimo paquete espartilhes a pre-
guicoso por 39, sao bons, lencos de seda para se-
nhora e bomem a 19, ricos cortes de cambraia
bordados de 18$ a 7, por ter nm toque de_ mofo,
estao se acabando, na roa da Imperatriz n.52, jun-
to a padaria franceza.
Paredes Porto
Vende um completo sortimento de fazendas
brancas, como sejam msdafolo a 45300, 35, 65 e
10J), pecas de algodo por barato prego, chua fran-
ceza a 240, 280. 320, 360 rs. o covado, precalias
muito Gnas a 360, 400 rs. o covado, chita ingleza
a 200 e 240 rs. o covado. Ra da Imperatriz n.
52, junto a padaria franceza.
Fazendas.
Vende-se superior merino preto proprio para ca-
pa do senhora e vestidos a 25. lostrim da China
a 15800 o covado. Ra da Imperatriz, porta la/ga.
Paredes Porto.
Vende em seu estabelecimento tiras e ntremelos
bordados, grande sortimento de corpinhos rica-
mente bordados a 35, 45 e 55- S o Paredes Por-
to, roa da Imperatriz no 52; porta larga junto a
padaria franceza.
.
->*
VENDER
um carregamento de 390 toneladas de car-
v5o de pedra para vapor: no armazem da
rna da Cruz n. ', 8.__________________
Attenco
Vende-se a taberna bem afreguezada, da
ra dos Assoguinbos n. 20.
Queijos do serliT"
Vende-se superior queijo do serlo : na roa da
Madre de Dos, armazem junto a igreja.________
Vende-se a fabrica de charutos e cigarros
da roa do AragSo n. 32, bem afreguezada : a tra-
ur garuados Coelhos p. 2|
Troco miudo.
Ns toa do Trapichean. 44, segundo andar,
veo-
e de 10 an- de-se, mediante ama pequea porcentagem, moa-
da de prata de 24,15 e 500 rs.
Grande novidade.
Lonreoco Pereira Mendes Gniraares, propie-
tario da grande loja e armazem da Arara, ra da
Imperatriz n. 56, declara ao respetlavel publico e
seos fregaezes, que recebeu diversas qualidades
de fazendas viudas pelo vapor francez, por isso
como a festa est qaasi acabada resolvea vender
barato para acabar at o tira do anno.
1 DOTidadc, chales de reda a 104000.
Vendem-se rices chales de renda multo finos e
novos a 104, 124 e 154, retondas moito fioas a
124 e 154. soutembarques de grosdenaple a 184,
204 e 254, "pas pretas de grosdenaple a 204 e
254, soutembarques de ISazinba a 54. ditos bran-
cos finos a 85 : ra da Imperatriz', loja da Arara
n. 56,
Cortes i MariaPia a &\>000
Vendem-se rices cortes de venido de cambraia
bordados a lia e seda a 85 e 105, ditos de laazinha
finos a 89, 124 e 165. cortes de cambraia de ba
bados a 34, ditos de cassa franceza finos a 34,
mu de cambraia branca fina a 35, 44, 54 e 64,
ditas de cambraia para forro a 24, cortes de chi-
tas a 2*200 e 34 : roa da Imperatriz, loja da Ara-
ra o. 36.
Tjassjgft dilectas rOOO-f^r bitas a 210.
Vendem-se cassas francezas finas a 300, 320 e
360 o covado, chitas finas a 240, 280, 320, 360 e
400 rs. o covado, alpaca de cor para vestidos a 320
o covado : rna da Imperatriz loja da Arara n. 56.
Laziiihas a 240 o covado.
Liaxiuhas a 240, 320 e 360 o covado, ditas lisas
finas a 400 e 500 rs. o covado, ditas escocezas fi-
las a 500 rs. o covado, lencos de seda a 640, 800 e
14 : roa da Imperatriz, loja da Arara n. 56.
Balies a 2tl(l0.
Vendem-se baldes a 24, 24500, 34000 e 35500,
saias bordadas para senhora a 75, golinhas para
senhoras e meninas a 240 o 320, camslnhas para
senhora a 14, 24, 34 e 44 roa da Imperatriz,
loja da Amara n. 56.
Roupa feita, calcas 2,5000.
Vendem-se caigas de brim pardo e de ganga a
24, ditas de brim branco a 25500, 34500 e 44,
ditas de casemlra de cores e pretas a 34, 65, 79 e
85, paletots d" casimira a 55, 65, 85 e IOS, ditas
de brim de cor a 25 e 3j, de alpaca preta a 34 e
44, camisas francezas a 14800, J e 24500, ditas
ineleaas, pregas largas, a 34500 e 25300, ceroolas
a 14000 e 24, e outras muitas fazendas que se nao
pode mencionar por estar multo oceupado, porm
com a vista do comprador observarlo o qae ba-
rato e bom, lito para agradar aos seas fregaeies
qae honram a grande loja e armazem da Arara,
roa da Imperatrii a. W,
Chales de nerioo a 24060.
Vendem-se chales de merino estampados a 24,
ditos de lia a 15 e 15280, chales de merino moi-
to flooe 14, 40500 e 65500 : raa da Imperatriz,
loja Ja Araran. 86.
INJECCAO BROW.
Remedio infallivel as agnorrheis antigs
e recentes, nico deposito na pliarmacia
franceza, ra da Gru n. 22 e ao preco
33000.
da boa t na rna da Imperatriz
n. 94.
Vendem-se colheres de metal principe pira
a 25 a duzia.
Ditas para sopa a IjOCO.
Kara* e arios de cabo de bataneo de dtos
tCes a 63t 0 a doria.
Ditas de om U la o a 5400.
Diias de cabos cravado?, pretas e branca' 135
a dozia.
Caixa com 50 nvelos de linoa de gaz a 700 rs.
Tesouras fioas para costara a 300 e 300 rs., a
I5OOO.
Resma de papel almaco a 240TO.
Dte greve moito bom a 34200-
Raralno de cartas francezas para voltarete a tIO
e 280 rs.
Jogo de vispora a 500 e 800 n.
Enfeites para cabeca o mais oderao qoe la a
250OO.
Pentes moito finos com costa de metal pifa
pernear a 500 rs.
Metas croas para bemem aillo tarpan a
210 rs.
Ahorcadura de crystal pira eoOete 1 IM 14-
t-'itas de coi com 10 varas, de ou e*> e smn
de largora a 440 r*. a pf ra.
Liga para alar rocas a 100 r. o par.
Pares de suspensorlos a 160 e 240 rs.
Gra Ricas golinhas com pannos para seibora a 14
Luvas de fio de Escocia, de core*, para bomt *
a 320 rs. o par.
Carreleis de linha de Aleandre de n. 80 a 20*
a 100 r*.
Gaita de borracha p;ra brinqoedo de mesioo a
too rs.
canas com clchete* muito bons a 40 e CO n.
Ditas cem lampar mas para 3 mty- s a 40 r-
Dltas cem ebreias n uilo boa* a 40 rs.
Fivelas grandes para cintos de diversas qc. .da-
des, filas para cinto*, ditas de velludo, traiea* #
cores lisas c de caracol, blco* e rendas, *ta*
aljofares, ditas preta* a balio, e om cov-plelo *< r-
timento de miudezas que ce esta' liquidando a 4t-
nheiro.
Vestidos
Peehlnena scni lenal.
Chepou a loja de Paredes lorio um boiito r
tmenlo de vestidos de lartalaia de cores e braoras
que serve para partida* por ser ama pr.ania- 1 w-
teiramenle de gosto pelo barato preco de 5 -
brancos a 45500, e>tao acal ando-sc : nn arn z.-m
d porta larga toa da Imperatriz n. bi, jur.to a pa-
daria franceza.
Cortinados.
Cfiegon a loja de Paredes Porto om rorr*>lrtn
sortimento de eortinsdo* ricamente bordad"* a
pre^o de 254, 354 e 454 : a roa da Impentra
n. 52, pona larga junto a padaria franceza.
Eicas romeiras.
. Paredes Perto receben pelo ultimo paqnete rm
sorlimtDto de romeira de guipare preas ee ntc
a preco eommodo : na roa da Imprratrii c. *.2.
porta larga junto a padaria franceza.
Gra* de pechincha
Cortes de la escoceza entestada para vf ?i'm*
fazenda de 500 rs., esta-se vendendo a ** H*
rs. o covado : na rna da Imperatriz n. 53, v *
poru larga.
3$000
Cortes de laa escocesa para vestido a 34 o roe-
la : na ra da Imperatriz i. 52. loja da puria lar-
ga, junto a padaria franceza, estao se acabando.
Manual do Cidodo
Vende-se o Manual do Cid- -Ho t-m am
Governo Representativo ou principien ;<;
Direito Publico Constitucional Aominisir-
livo e das Gentes, por Silvestre '
Ferreira, em 3 volumes brovttrad. s por 3
cada obra : na Hvraria n. 8 'la pr._ :a
Independencia.
Lages para calcadas
Chegou grande quantidade de ages para
das e ladnlhos, viudas da ilha de S. Miguel: .,.>
prelender comprar, dirija-se. a rna d Imr.-r >-
n. 26, a fallar com J.p.io Maria CoNrsn fjm.
na ra de Apollo n. 4 &>m o 8r. J.o do Vf.
Linia. ____________________
__ Pennas de ema de moito superior qoai;
vende-se na roa do Vigario n 24, Ia aidaj, r
criptorio* ^__^_ _______
Vendem-se superiores presontos de We-r!>ha
lia, chegados no nltimo vapor : na roa do I
che n. 9,
Vende-se nm cavallo rojo pedrez com 7 is'
mos de altura muito bom de cabrii !et : ia roa a
Soledade n. 19.____________ __________
Na refinana da Concordia n. 8 vende *e 3
de porgar assncar 00 de foro, d ais [urjo i
o qoe vem dos engenhos, caada a fOO rs., 3 rr-
rafa a 120 rs.
As Pilulas Catharticas
DE AYEIt.
O purfmHlt mmU efeemx mi m*J* tinhttU:
IitU|Mu ko pananu rr^.
Uaei, aio teado na joj ttm$a-
i^o oem tmtrrurim mtm MMn.
ingrediente mineral; ti ."
cerne para aa criaaeaa c ffaaaa.<
mala delicada*, au *- .a*
qae, eompoatai eaaaw .k -e*.
taes mal forte*. *M la*Sa*i(* *a>
m e e tteiue* para a* peM0=< ni
robuata*.
Eataa pilolaa catharticaa pargao e parideo toda '--teaui
tlMllf*^ sem mercurio.
Nao bo lem poup.idj trabalho aeai ihtati.i para lerar aakw
pUalas a nm grao de perfeceo tal, qae aaala uV-ixa a J^ >ir.
sao o resultado de annoa de estados laborioaoa eaav^^aara.
Para alcancar todos a raatageas qae reaaltao da a*a de canaar
ticoa, tem-se combinado soiaeate a* eirtndt-a errwfi<- a* da*
planta qae ao enipregadaa na eaftwuin da pIlaLi. .a
eomposico tal que as cnferattadc* jae esto a> .1 aar>
de sua aeco, raras rezos podem resMl-bw on evadi la*.
Suas propriedades penetrantes explora pr trio, aa: .licaa r
dio rigor todas aa partea de organismo baawro: .
a sua oceo viciada e fuz recaperar a aaa rltaladr. i. ;na >i.i'
conscqueoflas dcstai propHedjdea qae a drate, aarida >
dOr e dcbilldadc pliysica, odmira-se de eaaaatrar, to iirrre.su.
sua laude c energa recuperada* por atrio d* ubi nanda. ua>
simples e agradare!.
Aa molestias que esto ao seo alcance sao.
PrizOo de vadre RkeumaUmn, Dar eafrsnt, A JTiia>a
/u'/ueoa, latUgttUo e mal do eilomnfo, /iVatorraoica.,
PADECIMETOe SO FIOAOO,
Mre gattro-hrpatica, GattrUe, iftepm .
Erytipela, Hydroptia, unlez, ca/aSra |
No almanak e Manaal de Saade la Dr. Aver, qae *e _
todos os annos para dlatribaieaa ai ataja, taralr*- oa* i
tado sobre as diversu doeaeas qae estaa ao akaace ac
BEMEIMOS FOBOaaUTaU.
Acha-se em toda* as Botico* 1
O Peitoral de Cereja
DE AYER,
PARA A raOMFTA CWA DA
Angina, de CtonaUpacaa,
enaa, Bronohie, Tialoa
pnlmra-iar,
Paito, aaaii
eittooa
As preparacea do Da. Am tit'
drogaras e boticas do Iaapario.
Vende-so em Pernambuco:
na
cia
t
/


%
Btartoda
neo elnaoca teman n de Janeiro lo t66.
N. 11Ra do QueixnadoN.' 11
A' casa de Augusto Porto cheijaram pelo vapor rancez ricos cortes de
vestidos de seda de cores dos mais bellos gostos, proprios para bailes,
partidas ou casamenlos.
Chales de Guipure pretos e brancos.
Bonete de palha da Italia para senhoras.
Moir branco e preto.
Bonita seda para vestidos,
Casemiras de quadros.
^ Esteiras da India para salas.
q|5 MadapolSes francezes a 400 e 500 rs, a vara,
L&as para vestidos de diversas gualidades, e
gostos diffreentes,
Q que tudo se vende pelos m s commodos procos.
CORTES DE SEDA
Chegarara pelo paquete ioglez riqiissimos cortes de moreaatique de cores, e seda' lavrada
ixes mteiramf nte iovos.
Seda de quadros por 1#000 o covado
5-RUA Di) CRESPO-5
Gregorio Paca do Amaral k Companhia.
fazendas de box
gosto
Para vestidos de senhora.
Cortes de seda de cor deom gosto e superior qualidade.
Lindas sedas de quadrinhos.
Bons moireantiques de cores.
Grosdenaples da todas as-cores.
Lindos poil d'1 cbevre fazenda assetinada de iateira nnidade.
Lindas duquezas assetinadas fazenda inteiramente nova.
Modernos greaadines de seda o que tem vindo de mais novo.
Grande variedade de las de cores lisas e de salpicos.
Organdys e ca-sas de muito bora gorto.
Percalias modernas com grande variedade.
Lindos cortes de 13a Clotilde com todos os pertences cada um em sea car-
lar inleiramente novos.
Bons cortes de cassa co-n barra tait;bem inteiramente novos e outras muitas'
{fazendas de gosto que seria enfadonho mencionar.
Para homhros de senhora
Grande variedade de chales, boarnoux, retondes e algeriennes de fil e de
guipare a 10, 16, 20, 30,, 40, 60 at 800.
# Modernos soutembarques de seda do superior qualidade.
Liados beites de seda de cor pretos e de cachemira,
dem de cambraia branca bordada (om muito gosto.
gi Sautembarques e bournoux de cachimira de cor e outros muitos artigos dec
N^bom gosto.
Para cabeca de senhora '
i Superiores chapelinas de palha, de seda e de crina de muito bom gosto a
fp^ratriz.
Chapeos de pilha da Italia grande variedade.
Lindos gorros e bonets de palha de Italia, Imperatriz, Canotier, Clotilde'
c ,.:,e a Grante, chegados de Parispe'o ultimo vapor.
h> Grande variedade de enfeites de fropo e de flores para casamento.
t& Superiores vestidos de blon le. e de miireantique brancos.
C^p Bons m ureantiques brancos e superiores sedas brancas.
a Bons vestidos da tarlatana branco bordados.
Lindas mantas de blonde e boas capellas.
Bordadlos.
Grande variedade de ntremelos bordados transparente e tapados.
Tiras bordadas transparentes e tapadas, babados bordados, saias bordadas e
outros msitos artigos.
IiOJ% DAS CDIiUJISTAS
DE 4.NTONK CORRElA DE VASCONCELLOS <|P RA IN> CRESPO W. 13
:r -
I
cwsultomo mm-miomm
DO
DR PEDRO DE ATTAHYM? LORO MOSC08O,
MEDICO, PARTEIBO H OPIUUMM.
3Eua da Glorio, casa do Ftmdao 3
0 Dr. Lobo Hoscoso di consultas gratuita tos pobres todos os diaa das 7 as II
aoras da manbo, e das 6 e meia s 8 bono da aoite, excepco dos das sai '
Pharmacia especial komeopathica
No mesmo consultorio ha tenor* o mais appropriado sort meato de
rabos avulsos, assim cono tintaras de varas dvmnamisac5es a palos praeos
Carteiras de 12 tubos fraudas. 12*000
de 24 tobos giaoes. 18*000
> de 36 tubos grandes. 241000
9 de 48 tudos grandes. 36,0000
' de 60 tubos grandes. 35*006
Prepara-se qualquer carteira conformo o pedido que se Azor, o con os
toe se pedir.
Um tubo avniso ou frasco da tintura de meia onca 14000.
Sendo para cima de 12 custaro os precos eslabelecidoa para as carteiras.
Ha tobos mais pequeos cada um a 500 res.
i IiTVBOS.
A melbor obra ds homeopathia, o Manual de Medicina Homeopathico do Dr. Jai*
dousgpandesvolumes com diccionario............ 21
Medicina domestica do Dr. Hering ........... II
Repertorio do Dr. Mello Moraes v .......
Diccionario de termos de medicina ."':......
Os remedios deste estabelecimento s3o por demais conhecidos
tanto de serem novamente recommendados as passoas que quizaran
verdadeiros, enrgicos e duradores: ha tudo do melhor que se pode
verdadeiro assncar de leite, notaveis pela sea boa conservaeJo, tintara dos u.
ttdos estabelecimeotos europeos, a mais exacta e acurada preparadto, a portaotoa i
energa e certeza em seus effeitos.
Casa de saude para escravos.
Recebe-se escravos para tratar da qualquer enfermidade ou faier-se-Ibe
operaeSo, p ira o que o annunciante julga-se suficientemente habilitado
i melbor possivel, tanto na parte alimentar, como ao
mais d quatro annes, ba moias pessoas de cujo cooeein
podem ser consultados por aquellos que desejarem
que
AO RESPEITAVEL PUBLIC
A tabella abaixo publicada serve d base deprfeos,
tanto deste armazem como do armazem proaressivo pa-
. j n n i i t wt,Davo1' pua u uue o annuncianie oiM-se s
teo ao oarmo n. y, principal armazem ra dolmpaca^ oiratamemo o meihor posslvef, tanto
Oj fl. 4()# nccionando^a cas;
. doenW
Fazem sciente ao respeitavel publico, e com especial dade aos senhores de en-
genhos, lavradores e mais pessoas do ntro, que para mais facilitar suas compras deli-
beraram os proprietarios dos tres grandes armazens, reunir todos os seus estabeleci-
nestos em am s annuneio, pelo qual o preco de um ser de todos, promette-
mos que nao infringiremos a tabella que abaixo vai publicado, aonuaciar os generes
por um preco, e na occasi5o da compra quererem por outro, como socede coiistante-
mente em outras muitas casas, porm nos nossos estabelecimeotos nao se dar isto
ainda mesmo com prejuizo nosso, qnalquer pessoa poder mandar seus fmulos-que
ssrie tambem servidos como viessem pessoalmente fazendo-nos o favor de mandar seas
pedidos em cartas feixadas; para evitar qualquer engaos, remetiendo nos orna conta
pela qual se ver os preces tal qual annunciarmos, o que seno arrepender pessoa
alguma que fizer sua despapqa em nossos estabelecimentos; pois poupar mais de
5 par cento na sua despeza diaria.

Mi]lTEIrA
Maateiga ingleza perfeitamente flor che-
gada ltimamente de l,ooo a l.loo rs. a li-
bra, e em barril ter a bat ment.
Manteiga franceza da safra nova a 86o rs.
a libra e em barril ter abatimeato.
BANHA
Banha refinada superior a 64o rs. e em
barril ter abatrmento.
CII4
Cbi uxim de primeira e superior qualida-
de a 2,8oo rs.
dem hysson o melbor neste genero a
2,6oo rs., e sendo em porcSo ter abatimen-
to, tambem ha proprio para negocio de 2 a
2,4oo rs. a libra.
dem preto superior de 1,800 a 2,5 rS.
a libra. j
Blscontos
Latas com superior biscouto inglez de di- {
versas marcas a l,2oo rs. a lata.
Bolaehlahas
Latas com bolachinhis da acreditada fa-
UA FLORIDA
XKOI
MURRAY & LANMAN
A'agua florida de Murray & Lanman
olhada como um artigo de perfume, nao
tom podido ser igualada pelas preparacoes
as mais custosas: conserva seo aroma, co-
mo se formasse parte da prenda a que ella
se applica.
Sua eflicacia tao delicada, como elegan-
tes s3o seus multiplicados usos, qur seja
empregada como artigo de toucador. qur
no uso do banho, ou como suavisador da
pollo, depois que se tenha feito a barba;
j para limpar as gengivas ou aromatisar o
balito.
D. suavidade, brilho e elasticidade as
complcicSes,- depois de se haver lavado; al-
jivia a irritacao deerupcoesordinarias; fax
desapparecer o desagradavel aspecto dos
pannos, das sardas, do rosto, migas e toda a
casia de i'bulicoes, e d vigor e frescura a
parle onde quer que se applique. Sua effi-
oencia e elegancia s3o igualmente infalli-
vcis nos casos em que seja 'preciso applica-
Ja como estimulante e antisptico, nos con-
cuisos e assemblas numerosas, as loca-
lidades infeccionadas, na alcova de um en-
fermo, assim como um antidoto excelleo-
te para os desmaios causados por cansado
ou suflbeaco. Preparada nicamente por
Lanman & Kemp, Nova-York, e a venda por
Caurs i Barbosa.
Jo5o da C. Bravo 4 C.
Deposito geral em PernamDuco roa di
Cruz n.2* em casa de Caros d Barboz
Ciliares Boyer on colares aao-
diaos
para facilitar a denticao das criaogas e preserva-
las das convulsSes.
O feliz resoltado obtido immensas vezes pela
prodigiosa forga magntica dos colares Royer, nos
casos de coovaisdes, e dentigao das mangas, tem
altamente elevado o sea bem merecido prestigio,
e hoje j se pode dizer qae esto geralmente con-
ceitnados, e estimados de monmeraves pas de
familias : de nos porque do aso dessos salatares
colares viram salvos ao perigo seas charos fllhi-
nho-, e de outro? porque colheram daqaelles tao
proficuo exemplo para igualmente preservar os
seas. Assim, pols, a tguia branca, teado em vis-
tas a utilidade e proveif desses-prodigiosos cola-
res anodinos oa Royer, mandou vir o aove sorti-
meoto que agora recebeu, e continuar a recbe-
los para que em tempo algum a falta deUes poesa
ser fonesta aos pas de familia, os qaaes flearo
certos de os achar constantemente na ra do Quei
mado, loja d'agnia branca 8.
Vendem-se duas escravas recolbidas, de ida-
de 23 a 24 annos, eicellente conducta, engommam
perfeilamente e fazem todo o servigo de urna casa :
na travessa do Carino n. i.
Vcndcm-se qaatro burras mato mansas, boas
de carga e de sella, por prego commodo : a tratar
no hotel de Franga.
Na roa do Vigario n. 24, primeiro andar,
vende-se o segniote :
Cafe* lavado do Ro do mais superior que tem
vindo ao mercado.
Gorama de mandioca saperior em saceos.
Esleirs de palha de carnauba multo grandes a
novas.
Cabecadas com duas redeas a ingleza, mana-
factura nacional da provincia do Ceara, as qaaes
pela elegancia e bemfeitoria da obra, convidam os
amadores da bella montara a arreiarem sen* ca-
vallos cora elegancia, sendo que, em conseqnencia
da roodicidade do prego nioguem deixara' de
comprar.
avaHado
Francez barrica 5*000
Portland dem 8W00
Em perleito estado:
Franctz barrica MJtiO
Portland dem 12JMK)
No armazem de Tasso Irmos caes do'Apolfo.
Gamma de milho branco americano.
Esta preciosa fcula, cojas propriedades medl-
cioaes a imprensa europea tanto tem exaltado pa-
ra a cara das molestias do peito, recomasenda-se
tambem como alimento sadio e nutrivo para as
creangas t>reslaudo-se a variados preparos culina-
rios. A ger*l act-iugSo qae ella tem obtido por
toda a parte, o sen maior elogio. Deposito em
Pernamboco roa da Cdeia n. 1.
Vende-se nicamente a retalho na roa do Impe-
rador n. 57, armazem lliaoga.
Taada de PajMHdi' e ntevida.
Cora este titulo acaba de chegar de Paris ama
linda phantasia militar para piano, composta por
um dos melhoros compositores, ac"*a-se a venda a
cada exemplar : na laja franceza da roa Nova
0. 14._________'
Vende-se um molatioho de 16 a 17 annos,
proprio para pagem por ser muito bonito e de boa'
cooto
andar.
na roa do 'mperador n. Vi, tercetro
1,1 i i ii i
B4HI4
brica-do beato Antonio, proprias para dar a
doentes de 2,ooo a 3,ooo rs. a lata.
dem com quatro libras de bolachinha de'
soda a 2,ooo rs. a lata.
Queijos
Queijos flamengos chegados no ultimo
vapor de 2,6oo a 3,ooo rs.
CHOCOLATE .
Chocolate hespanhol a l,ooo el,2oo rs.
a libra, francez e suisso a l.ooo rs. a libra
e portuguez a 800 rs. a libra, em porgo
ter abatimeato.
VINHOS
Superior vinho do Porto das mais acredi-
tadas marcas, como sejam: Madeira Secca,
Duque do Porto, Velho Secco, Lagrimas do
Douro, Maria Pia. D. Luiz, Pedro V, Lagri-
mas Doces e outras marcas a l,ooo a garra-
fa e 9,ooo a 12 ooo rs. a duzia.
Vinbo Figueira e Lisboa das melhores
marcas a 4oo e 5oo rs. a garrafa, e a 3,ooo,
3,Soo e 4.000 rs. a caada.
Superior vinho chamisso em barril a 64o
rs. a garrafa e a 4,5oo rs. a caada.
Superior vinho de Lisboa e Figueira em
anceretas de 8 e 9 caadas a 24,ooo rs. a an-
cor eta.
Superior vinho branco proprio para mis-
sa a 640 rs. a garrafa, tambem ba mais bai-
xo para 4oo, 5oo rs, a garrafa e 3,2oo a
3,5oo a caada.
Caixas com urna duzia de garrafas de su-
perior vinbo Bordeaux a 7,ooo rs. a caixa e
7oo rs. a garrafa.
CAF
Caf do Rio de 1.a e 2,1 qualidade/ de
6,8oo a 8,2oo rs. a arroba, a de 24o at3o
rs. a libra.
ABA
Sabio maca de primeira qualidade de 18o
a 22o rs. a libra e de 16o a 21o rs. sendo
Serveja
Superior serveja Bass dos melhores fa-
bricantes, como sejam: Sblers 4 Bell. T. F.
Ashe a 7,5oo e 7,ooo rs. a duzia e a 7oo rs.
a garrafa. Tambem ha de outras marcas
como seja: Victoria e Alcope a 5,ooo rs. a du-
zia e a 5oo rs. a garrafa.
Vinagre
Superior vinagre de Lisboa a 2,ooo rs. a
caada e 280 rs. a garrafa. Tambem ha
mais baixo para 2oo rs-. a garrafa e l,4oors.
a caada.
Azeite doce
Superior'azeite doce de Lisboa a 64o rs. a
garrafa e a 5,ooo rs. a caada.
Massas
Macarrao e talnerim a 360 rs. a libra e a
5,ooo rs. a caixa.
iassas
Superiores passas a 3,ooo o qoarto e
12,5oo rs. a caixa de arroba hespanliola e a
5oo rs. a libra.
Paga-se:
As opera
por dia durante 60 din e d'ahi em dienta 1,5500. j
serlo previamente ajustadas, se n2o te quizaren njear aoa pnpn
qne costuma pedir o annunciante.
ARMAZEM
FAZEWDA
DE
M
CUSTODIO ARTALHO
27 RA DO QUEMADO N. 27
Madapolo francez muito flno, tendo pouco mofo, cada peca con 27 vara por
L5a de enres a 300 rs. o covado.
Cambraia franceza a 260 rs. o covado.
Finos organdis a preco de 800 rs a vara.
Leacos brancos para algibeira a 2#'00 a duzia.
Fin is perclaras a preco de 400, 440 a 560 rs. o covado.
Ricos cortes de 13a de barra de 105 a 30,5000.
Chales de fil preto e outras muitas fazendas.
GEWEBRA
Genebra de laranja verdadeira a lo,5oo a
duzia e l.ooo rs. ao frasco.
Genebra de Hollanda verdadeira a 6,ooo
rs. aftasqueira e a 56o rs. o frasco.
Idom de Hollanda em botijas a ioo rs. ca-
da ums.
Garrafes com 24 garrafas de genebra de
Hollanda a 8,ooo rs. o garrifao. Tambem
ba garrafes com 5 e 14 garrafas de 3,2oo a
6,ooo rs. cada um.
VELAS
Velas de spermacete a 64o rs. a libra.
dem de carnauba de lo a 12,ooo rs a
arroba e de 36o a 44o rs. a libra.
m caixio.
PEIXE
Peixe em latas j preparado de l,ooo a
l,2oo rs. a lata
ALPISTA S PADYCO
AI pista e painco muito novo de 3,8oo a
4,ooo ra. a arroba e de 14o e 160 rs. a li-
bra.
CHARUTOS
Charutos dos mais acreditados fabrican-
tes, como sejam: Jo3o Furtado da Sarrias,
Manoel Peixoto da Silva Netto, Caatanho fc
Filho e Braodo e de outros muitos, os
qaaes vendemos pelo mdico'prego de 1.6oo,
2, 2,8oo, 3,5oo, 4,5oo, e 5,ooo rs. a caixa.
Iileores
Licores francezes e portuguezes a i,ooo e
l,4oors. agarrafa ou frasco.
Doces
Doce da casca da goiaba e caixoes pe-
queos a 7oo rs. e de 5o caixes para cima
a 64o rs. o caixao. .
Frats
Frotas em calda e em latas fechadas her-
mticamente, muito bem eofeitadas, conten-
do pera, pecego, ameixa rainba Claudia, al
perche e outras frutas a oo rs. a lata.
Tambera ha latas grandes para l,2oo rs. a
lata.
RIJA DO BUUH X. 38o
O proprietario deste estabelecimento desoja chamar a attencao dos senhores pro-
prietarios aos acre litados mechanismos que continua a fornecer ; os qaaes garaate ser,
como sempre, da melhor qualidade possivel :
Machinas de vapor l
de forca de 2 */i ca vallos para cima. As menores sao mui proprias para motores de
descaropamentos de algodo; as maiores para moer canna; na tambem que podn nata
ou separadamente moer canna e descaropar segundo suas proporces. Estes apares
sao simplsimos na c mstruegao, se regem por qualquer pessoa intelligente, a (aelda-
de da condcelo sendo especialmente considerada, tanto que n5o ha logar em qae nao
se possam conduzir, qur por trra, qur embarcado. Ha com moendas juntas oo sen
ellas e podem-se applicar a qualquer moenda j existente sem outra mudanza do se
a substituido das rodas da almanjarra. Ellas tem depsitos d'ajrua e boeiros de ferro,
e nao precisam para o seuassentamento de obra alguma, qur de carapraa, qur de al-
venaria. O tempo para assenta-las nao excede de doze das ao mais, e em T
mortes de animaos ou arrombamentos de a?udes, etc., garante-se o assenume.
oito dias. Lembra-se aos senhores de engenho que a venda dos animaes e servir
gente oceupada no seu tratamento os h5o de recuperar da maior parte da desean do
vapor deixando-lhes a vantagem de urna moagem certa e accelerada; e acabaado a
despeza da compra continuada de novos animaes. com os desgostos do trabalbokue
se tem com el les. ^y
Rodas d'agna de ferro, mui maneiras e moendo com qualquer alora
d'agua. i
MariIhos eom cruzetas de ferro para as mesmas, quando se deseae fazer
e resto da roda de madeira, tornando-se assim a roda ligeira no trabalbo.
Hoendas de canna de todos os tamanhos, desde as mais pequeas chama-
das do sertao. Obra perfeita em feitio e acunbamento.
Rodas de espora e angulares de todos os tamanhos e proporces.
Paroes oo coches para receber o caldo.
Crivos de fornalha para assentamentos, frescos para o foguista, duendo
grande cal ir com pouco cmbostivel, e duradouro.
Portas de foraalha de todos os tamanhos e de diversos systasaas.
Fornos e molnhos para a fabrica de farinba e tambem chapas redondas
para fornos pequeos.
Roabas simples e de repuebo.
Talias de ferro balido e fundido e de cobre.
Formas de ferro batido galvanisado para purgar assucar, leves
e isemptos de quebrar-se.
Alambique* de ferro de todos os tamanhos, custando s a terca parte ds
preco dos de cobre, mais regulares na distillacSo e igualmente duraveis.
Eixos e rodas de carro com caang s de patente, obra
carregac5o de peso.
Arados, grades, cachados a eavallo e outros instrumentos ds api-
cultura. E finalmente todo o objecto de que possa precisar um engenbo.
Machinas de descarocar algodao.
Na fabrica se fazem obras novas encommenda e coacerios, com a maior proas
za e solidez. O grande deposito de pecas e objectos habilitam-na muito para este an.
O proprietario ser sempre mui feliz de poder ter occasiio de dar infornatn i
esclarecimentos aos senhores que se servirem de seu prestimo.
para carregw
mu segara para

D. W. Bowman, engenheiro.
raa de Crespo a. 8,
. rador, conlina a vender-
(laOabia por menos pre^o qae
parte.
Uvas pelo ultimo vapor.
Peras pelo ultimo vapor.
Macas pelo ultimo vapor-, *-'
Ameixas pelo ultimo vapor.
Passas pelo ultimo vapor. f,'*f
Figos pelo ultimo vapor.
Fructas seccas pelo ultimo vapor.
Finetas en calda pelo ultimo vapor.
Nozes pelo alune vapor.
Queijos londrinos pelo ubimo vapor.
Queijos flamengos frescos pelo ultimo vapor.
Prestnto fiambre pelo ultimo vapor.
Tudo se vende barato nos seguintes a rmazeos:
Ana alo Imperador n. *, Terdadelro Principal.
Raa 9 laeimado n. f, Ualio e Commerclo.
Rival sem segundo
Roa do Queiniade ns. 49 e 55, loja de
miadexas de tres portas, estaqnei-
iindo todo bom e barato, quem qui-
zer verte adairar veiban laja da
Caixas de papel amiade, e sem ella lis e panudo
a 600. rs.
Grotas de boliet de louija pratsatoa fazanda mo>
deraa a 160 rs.
Dalias de peana de ac fuenda boa a 40 rs.
Pecas de transa de laa lisas de todas ereaa
40 rs.
Eseovas Ooissimas aaaa linpar dente a 240
320 rs.
Pacas de fita de eos estrellas com 10 varas a
320 rs.
Caixas com clcheles franceses, superiores qnali
dades a 20 rs.
Tinteiros de barro, com saperior tinta a 100 rs.
Pecas de cordo para resudo, azenda boas
BaraJhos muito finos para voltarete a 200
240 rs.
Latas com superior banha a 200 rs.
Frasees de macaca perula muito fino a 200 rs.
Frascos e garrannhas com agua de Colonia a
?00 rs.
Frascos grandes com superior arna de Colonia a
ato rs.
Caitas com 12 frascos de cheiros muito fino a1
14400.
Saboneta peqoenos de bolla a 240 rs. o grandes
320 r.
Dnxia de sabonete pequeos com ebeiro a 700 rs.
Agua dentifice supirlor qualidade a 800 rs.
ira.
Caixas coa aoaerior po de arrot a 800 rs.
Frascos de superiores essenci' natal a i
1*200. \
Frascos com essencias para tirar soasas ia
afiOOrs.
Frascos com cbelros de todos o praeoa a W,!
*WI oav.
Frascos bonito* eom ebeiro Saos a ffS n.
Duxia de meias muito Osas nara
4*800. ^
Golllnhas muito finas para soabora a 20
Caixas com soldados 4a cbaabo para
160 rs.
Pecas da Ota s lia para dearnsa
10 vara a 100 rs.
Dand* bicos 80C*riorM> *'* anaarstaV
Podras de loma para BMaaa a MO rs.
Bonecoad cbara paaao a 1M rs.
Calas com bonitassuatpaa para raaS a Mtn.
Capaeaoa Maspridos, boa fataasa a It rs.
6roa de botoa peqoeao gratos pasa aataa;
100 rs,
varas de cordio do nparan > 20 rs.
Novellos rraacaxo coa 20S jarea a 40 rs.
Pecas de tiras bordadas a 407
Duzlas de meias crasa mnM* iorto
3*800.
Ram e barato
Manteiga jDgleza flor a i* a har, trsaessa a
840. arrot do MaraohaO a 10 rs., pataca a I2n,
anwBdoas a 240, caf do Rio tan a 2*0, V*BSa
figueira a 400 rs. a tarrafa, S* r riaida lss>
boa a 360 a garrafa, e 2*400 a casaSa, a
II
garris, o 1*800 aeaosa, aaajas si
a 2*300 : na roa das Gnes a. 24,
travessa do Oovidor.
\
Maanar
A


I I I I
lr|Ilf|J|
8-|*Sf
'J'
------ o- ^B
en
03
FABRICA A VAPOR
89 RA DO MONOEfiO 90
Deposito d raa Nova a. & loja de rclojoeiro.
Delouche frres dorios deste 66Ubeleoimento parteciptm ao respoitavel publico
est montada coa as melhores machinas que existem na Europa, e que pode fabricar
com melhor perec5o poasiveL Todo o chocolate desla fabrica est garantido, e puro,
o que n5o se pode encontrar naquelle que vena de fra, e que se vende por preco baixo,
visto os productos serena do paiz. Na etiqueta tan sempre urna aguia.
PREQO.
Meia libra........ 400
Urna libra. \...... 800
Urna arroba...... '. fO^OOO
para
Na mesma fabrica icaba de se montar urna oficina com serrara a vapor
obras 4e marcineiria propria pan edificio, para o que encarreg^-se de fazer portas, ja-
oellas, assoalbos (parqu francez como se usa na Europa.) e armacOes, ludo com bre\i-
rjade ewpr9iClo. Tona-se qualqoer encommemh para ron da rfdade, entreeando-se
rompta a collar-ae no logar.


C OE1MIO jfe FREITAi
Ra da Cru* a. 16.
Continua a baver diariamente om sortimento de pastis, podios, bolos inglezes,
empadas etc., etc. Os donos deste estabelecimento, acbam-se nasmelbores condkoes
de poder satisfazer encommendas concernenles sua arte, em coosequencia do socio
Freitas ter sido administrador chefe de algumas das princii aes fabricas na cflrte, sendo
urna a do Sr. Je5o GoHCaltes GuimarSes (confeifaria do Leao) antfgaeosa de Carceller.
Todos os trabalhos sao differeotes los que se fazem em casas particulares.
Os proprietarios deste estabelecimento nao se tem poupado a despetas, oem se
pouparao, se hoaver coneorrenoia como esperam ; tendo continuadamente bom sorti-
mento de doces para cb; presuntos e ditos em fiambre, tmbense recebem para se-
ren preparados ; assim como doce de cajo novo superior, secco e crystalisado, dito em
calda em latas hermticamente fechadas, podeodo durar aunos em porfeito estado.
Para jantares e partidas recebem-se encommendas dos seguintes objectos; bao-
deijas ricamente enfeitadas sem armacao pecas de amendeas (nogaces), ditas de tmaras
de ovos, pies de 16 enfeilados com disticos anlogos a qualquer fim; ditos
kechs simples e eBfeitados com fructas mgleza ;
chese, tortas de fructa, massa folhada ;
de differeates especies
*
fifi
1*18
3 i ?
8
Grande lega e armazem do
P&vfto.
AGUIA BRANCA
Ra do Queimado n. 8.
fWt oa rroperatriz 1.10. de Gama 4 Silva.
Tendo os proprlelsrlos 'este estaberee imefitode
taadarwa ama grande pona* de ana* tueaaaa,
at as fia do correte aeaa, afim de bcaarai too-
2f li?ra1, (1Dhe'r. resolveram vender todas as ,
rascadas com grande abatlmeoto em pregos, laolo mente notos.
emporgao como a retalbo, e por tsso previne a Alto* ditos de grade com cenias grandes,
todos os seos freteezn, o ao respeiuvel pnatMA, e
as pessoa qoe negocian ero peqaeaa escalla sea
fazendas, que nesie esUbelecimento
A loja da aguia branca acaba de receber om
ovo e grande sortimento de dierentes objectos
M costo e-ultima moda, sendo :
Bonitos eoeiles para senboras gostos inteira-
SEM
Tasso Irmaos
Venden no sea armazem fita do
Amorim n. 35.
Licor fino Carag*o em botijas e meias botijas.
Licores linos sonidos em garrafas com rlbas de
vidro e em lindos frascos.
Vlnhoseneres.
Santero es.
Chambertin. .
Hennitage.
Borgoahe.
Champagne.
Moscatel.
Reino.
Borde ai.
Cogpac.
Od Ton.
PAezei lagaiol.
0 castello de Grasville.
Tradazide de francs por A. J. C. 4a Cre.
Vende-se este bello romance em quatr
tomos pelo baralissimo preco de 30OOC
na praca da Independencia. livraria ns.
6e8.
*MM~----------------------------^k^i^_ ^------------.. ..
Vende-se uta sobrado de dous andares no
bairro.de Santo Antonio, o qoal rende para mais
de 1:200*, e ama casa terrea no btirro da Boa-
Vista : a tratar com agente Olympio em sen arma-
zem na ra da Cadeia do Recite n. 34.
Vende-se ura cylindro, nma masseira, nma
balanca grande e urna dita pequea, com todos os
pesos e oais ntencilloe de padaria : a tratar na
rna Dlrpit* n. 24.
atontados,
gatheaux de la reine, ditos de le du-
ditas de peixe e carne; cremes e doces de ovos
Tambera tem um completo sortimento de vlnhos engarrafados, como seiam: vinho
do Porto superior, Figueira, Madeira, Lisboa, Cherez, Bordeaux, Champagne fino, ser-
veja, licores, cbaropes o conservas. Para festas: bonitas caixinhas com amendoas, con-
fetos e mais enfeites. Muitos destes objectos mencionados podem-se petfeitamente ac-
condicionar tanto para provincia, como para fra.
DEPOSITO PIANOS
Es
prossame
P, por
lidades d
t 25 RCJA NOVA N. 25
estabetecimento acaba de receber om rico sortimento -de pianos fortes ex-
fabricados para o cHma deste paiz, dos mais afamados fabricantes da Euro-
o o proprietario convida ao respeitavel publico para wem apreciar as ua-
referidos pianos.
tinua-se sempre com esmero e premfrtidao fazer-se qwlquer reparo nos ditos
tos. Mnam-se os pianos debaixo do melbor systhem ltimamente adoptado
Fazendas, pbantasia para vestidos chegados de Paris pelo ultimo vapor.
Lindos robes de organdy? cesarlanas fazenda transparente de Intelro gosto.
Ditos de percalia campestre padroes muilo neos.
Riqusimas grinadinee de seda o que tem viudo de melhor gosto oeste mercado.
Lidas oortes de saltan pekn para vestido fazenda inteirameote nova.
Ditos de gaze setlm era pega fezeoda trassparenie e de gosto *nuito modernos.
Liodos-chales degrenadiro broeh, primeira vez aqu appareridoe.
Ricos-bournus de crep guarnecidas de-tranca muito proprios para passeios.
Riquissimas velas para sinto, de metal,-de cryslal com aco-e com pedras finas,
que/ ha de mais novo. '
E oatros mollas fazendas de Inteiro gosto.
Ea do Crespo n. 13.
JLoja dae colamoas de Antonio Crrela A. Cetnpaaahla.
^^%^%a
DE

DE
J. V1GKES.
M. 6. RA DO IMPERADOR M. 55.
pianos desea anti** fabrica sao hoje asss coobeoidos para que saja necessario iosietir sobre a
periondade. vantugense garaauas queoflerecem -aos compradores, quaiidades estas tocontesta-
eisMne elles tero defloilivameote cosouistado sobre -todos os que tem apparecido nesta praca ; nos-
o om teclado e macfeinismo qoeobedeeem todee as vontades caprichos das pianistas, sem
tatuar, por serem 'fabricados de proposito, e ter-se feito ultimameote melhoraroentos imprtan-
os para o clin Oeste paiz ; quaoia as vozes, sao melodiosas eflauudas, e por isso multe acrada-
aos oavidos dos apreciadores.
Fazemse conforme ae encommendas, tanto nesta abrica como oa dofir. Blondel, de Porit socio
spondeoie de J. Vignes, em cuja capital forara sempre premiados em todas as eiposicdes.
o mescoo estabetecimecto se achara-sempre om^tpteodido e variado sortimento de msicas dos
es aotores da Europa, assim com harmnicos e pianos harroomeos, endo tudo veoido or
procos commod6e razoavels.
m

Brides de I pojara
iendem tu ra do Queimado o. 32, Ateoedo &
nao.
Piano forte.
Acaba de negar de Pars nm Hado e elegante
do forte de 3 cor das e 7 oMavos, vindo para
astra e o mais moderno que aqui tem vindo at
boje: qualquer peesoa qoe queira possnir este
bom Instrumento o qual se vende por barato pro-
o, dirjase a loja franceza da ra Nova n. 11.
Caabratas.

CHALES
Grande peehlaeha.
No rna da Imperatriz u. 3J pona larga de Pre-
les Porto, vende-se ehales do merino estampados a
e 3d500.e finos 3, estio se acabando.
Dordadas.
Chegou a loja de Paredes Porto, rna da Impera-
triz o. 52, om sortimento de eamiziohas, gollinhas,
oorpiabos, rotneiras o tintos, de eafltkraia branca,
pelo barato preco de 250, 3*300 e 4J, goiiiilMs
600 n.. romeiras a 900 e siuos a 800 rs, grande
quanlidade de ntremelos a 600 e 800 rs. a
stio se aeabMtdo.
Paredororto veqde cambraias .lisas Roas, frac-
de sortiuento, a 3 at 6*. ditas Victoria roorto
Anas, com 40 varas a 6i, 00 e 7f : na roa 4a
Imperatriz c. 02, jacto a padaria fanceza.
Cbe*ue as coraiaiws 4$ cambraia.
Vendem-se earpinhos de eamoraia com ntre-
melos a 4* e aj, esli te acabando : na loja Ao
Paredes Porto, roa da Imderatriz c 82-, porla lar-
ga, jui.o a padaria franceza.
Cbeiraram oa booMos diales retoedae de guipa-
re brincos, e vecdom ce na roa da Imperatriz a
52, loja da portf larga, de Paredes Porto.
peca,
Vende-se a leja de calcado da roa Direita o,
84, com pceos fondos, oo meemo 6 a armario
OM serve para outro qoa^oer negocio, aoite pro-
pria paca principiante por ser muito eommoda esa
alaguis : na ra do Livrameoto n. 15, loja, M
gtiri cot pea m traa.
, Na rna DireMa c 84, ba
consunlemanie para van-
der-se eyliodrot araerieacos
cbagadosde PbjJadeJphla o
tnez pastado
Framcisco Jos Germano
MJA NOVA N. 22,
acaba de receber om lindo e magnifico sor-
timento de cotos, ttmetos, binculos, do ul-
timo e mais aparado gosto da Europa e ocu-
los de alcance para bservaerjes e para os
martimos._____________________.
No armazom de tazendas
baratas de Santos Ooelho
Ra dio Otirimado aa. 19.
Vende-se o seeninte :
Cobertas de chita fina a 2800T
Ditas de dita a 2*400.
Lenices de panno de linho a 2200.
Ditos de dito de linho a 22.
Ditos de bramante de linho de om so" panno -
3**09.
Panno de linho fino com 9 1|2 palmos de largu-
ra pelo barato preco de 2*400 a vara
Bramante de Imtio fino com 10 palmos de lar-
gura a 22500 a vara. *
Pegas de cambraia com salpices brancos e de
cores com 8 1|2 Taras a 4*500.
Pegas de cambraia adamascada propria para
cortinado de rama coro 20 varas a II*.
Btie* do arcos a 2*500,3*, 3*500 e 4*.
Lencos de cambraia fina a 2$668 a duzia.
Ditos de dita a 2* a duzia.
Athoalhado de linho fino a 2*880 a vara,
Dito de algodio a 2* a vara.
Algodo entestado com 7 l|2 palmos de largura
a 1200 a vara.
Pegas de hretanha de rolo com 10 varas propria
pera sa,a a 3*800.
Fil de linho liso fino a 800 rs. a vara.
Dito de dito-com salpicos a I* a vara.
Cambraia de linho fina a 4*588, 6*500 e 9*]a
vara.
Cortes de laazioha de lindos gestos com 15 co-
vadns a 5*.
Pegas de madap^lo flnissimo pelo baratissime
prego de 8*, 9*, 10* e 11*.
Flanella branca fina a 600 rs. o cavado.
Dita de cores fina a 880 rs. o covado.
Bales de mosselina para menma a 3*, 3*508
od*.'
Cambraia de'forro a 3* a pega.
Dita fina a 4*300, 6* e 7 a pega.
-Goardanapos de linho a 3*800 a duzia.
Toalhas de algodio felpudas doria a 12*.
Epeira da India propria para forro do sala de
4,5 e 6 palmos de largura per menos prego do
que em ontra qualquer parte.
Neste armazem tambem se encostra om grande
sortimento de roupa feita e por medida.'
Grande armazem de tintas.
RA DA IMPERADOR N. 22.
O .armazem de Motas om granee deposito de
productos ohimicos utensis e os ma-isempregados
e asados na pharmacia, pintara, photographia. tin-
turara, pyrotecbinta(fogos de artificio) e em outrai
industrias.
Montado em grande escala, e supprindo-se di-
rectamente as prioeipaesdrofianas de Paris, Lon-
dres, Hamburgo, Awers e Lisboa, pode offereceer
productos de plenaceoflanga e salisfazer qualquer
encommenda a grosso trato e a retalho, por pregas
razoavels.
Prvidos de mchicas apprppriadas satisfar
com promptldao qualqcer pedido de tintas moldas
a oleo, cuja qualidadoe parata de seos agredien-
tes poder* ser examinada pelo consumidor, o qoe
nao facr! fazer com aquellas que sao importadas,
e que se encontram no mercado em latas fechadas.
Tem graede collaofao de ridres do flerents
fermalos, desde ama oitava at dezeseis oocas de
capacidade ; de vidroa para vidragas e diamantes
para corta-lo; de pincele para flogir madeira com
rtopriedade e ouiros; de papis dourados e pra-
peados e folhas de gelatina para ornamento; do
papel grande epequeno formato de vanas coree
para embrulho, pera forro do casa, para desenho
om fundo j feito; de papel albominado l,e Brisn;
verdadeiro saze para pbotofrapcia e para filtrar,
e oatros ; vernizes de essencia para qnadros, de
espirito para madeira, copal para o interior e es-
tator ; oleo graxo, oleo seccativo, oleo de linbaca
elariflcdo, oleo de toiele, secativo de Harlim, ourc
verdadeiro em p ; prata, mo, 6 ostacbo em fo
Ibas de varias cores ; tintas vegetaes. inoffensl-
vas proprlas pan oonfeitarias; lia a coros, e
olbos de vidros para imagens; tintas aa* tobos e
telas para retratos; tintas em pastis e om pd pa-
ra aquarella ; essencia de rosa supertoa, de ne-
roly, jawnim, bergamota, aspiee, patobnly, mbar,
bouquet.lima, alear ai va, mellau, orlajaa pimenta,
looro, cereja, atfazema, juinpero, Portugal, lima,
ans da Rossia, aaooila, travo mnitoa cetros ob-
jectos qoe s com A *ta podara/} tor Mirados.
lo&o Pedro dat Neta,
Gerente.
------------------------encontrarao
om pande sorilmento que muito Ibes bao d agra-
Mr tanle em pregos como em qualidade; assim
eomo mandam potoe seni caiieiroa levar aa ama-
das e amostras as casas das familias que nao po-
derem vir a loja, oa dio as amostras deUaodv fi-
car pnnor.
Cambraias lisas a 3/J00O, la laja do
Pavic.
Veodem-se pecas de cambraia lisa branca e
transparentes, tendo sito e meia vara cada pega,
rele barato prego de 3*800, ditas mullo Bo*s, per
4*500,5*. g* at 10*, sendo tapadas etnospa-
TJ reate*, assim como corles do cambraia com Min-
eos a 2*500: isto s oa loja e armazem do Pavo,
Ba roa da Imperatriz n. 80 de Gama & Silva.
As eaausiniaa do Pavio.
Manden-se as mais modernas eamittnbii borda-
das com manguitos, para aeoboras, sendo as mais
modernas que tem vindo ao mercado a 4*500, di-
tas com manguitos, para acabar, a i* ; ditas pre-
tas coto manguitos para loto a 1*800 rs., nMcol-
ios e gollaha pretas a **, fioissimasfoliabas de
cambraia branca bordada a 800 rs., calciobas para
menina a 640 rs., romeiras de fil e cambraia
branca bordada a 1*600 : na loja da Pavao, roa
da Imperatriz n.80, de Gama & Sirva.
Chales de teric a 2*000.
Vendem-se os mais moderos coates de marico
estampados a 2*000 cada om, baveado tambero om
grande sortimento dos- mesmes matizados que se
vendem a 6*. 7* e 8*000: na loja a armazem do
Pavo, ra da Imperatriz n. 60, de Gama & Silva.
VecweCM as mais finas saias bordadas a.agu-
Iha brancas sendo da melbor fazenda coa tem va-
do neste genero, tendo mui a roda, pelo baralissi-
P. Pfeco de 10*000; dius bordadas a croch a
6*C00 e 8*000, ditas com babadinhos a 9*000, na
lo)a e armazem do Pavo, na roa da Imperatriz n.
0, de Gama & Silva.
Nava* vestidas oa Pavo a 10000.
Cbegaram para loja do Pavao os mais ricos cor-
tes de vestidos de cambraia transparente cornos
mais delicados bordados de diferentes cores a pon-
to de goma, sendo o^ste genero a maier novida-
de que tem vindo ao mercado, garactiodo-so o le-
rem emita fazenda e enfeites sufflelectes para o
'M* maegas, e vendem-se pelo barato prego de
10*0(0 cada um, na loja .do Pavo, na roa da Im-
peratriz n. 60, de Gama & Silva.
Os espartanas de Pavo.
Vendem-se bm grande e variaco sortimento de
esparlilbes os mais bemfeitos que tem vindo ao
mercads, sendo-de lodos os lmannos pelo baralis-
simo prego de 4*, 5*. e 6*000, por haver grande
aorHraento, a toja do Pavio, na roa da Imperatriz
n. 60, de Gama & Silva.
Itelondas pretas*a 124000,
Na loja do pav3o.
Cbegaram pelo ultimo %apor as mais ricas re-
teodas de renda pretas, sendo das mais corapridas
que tem vindo ao mercado, e vendem-se por prego
muito em conta : na loja e armazem do Pavao, ra
da Imperatriz n. 60, de Gama & Silva.
Cortes de casimira, per/hincha,
A 2J800, oa loja do pavSo.
Vendem-se bonitos cortes de casimira de cores,
tendo claras e escuras, e vemdem se pelo barat-
simo prego de 2*800 o corle, ou vende-se a mes-
ma fazenda a 1*600 o covado, tendo 6 palmes de
largura: isto na loja e armazem do Pavo, rna da
Imperatriz n 60, de Gama & Silva.
Os corles de casimira do Pavo
Veodem-se superiores cortes de casimira, sendo
fazenda mallo fina, pelo baratisslmo prego de 5*
cada um : na loja e armazem do Pavao, roa da
Imperatriz n. 00, ue Gama & Silva.
Os cintos do pavo a UoOO.
I Vendem-se cintos de fita com flvelas pelo bara-
; tisiimc prego de 1*000: Da loja do Pavao, ra da
1 Imperatriz o. 60, de Gama & Silva.
Vestidos indianos a 300(), na loja
do pavo.
Veoem-se os mais bonitos cortes de vestidos
indianos, sendo esta fazenda transparente e ioteira-
mente tova no mercado, e tendo entre elles moitos
cortes roaos proprios para senboras que eslo de
lulo e vendem-se pelo baralissimo prego de 3*
cada um psra acabar : na loja do Pavao, ra da
imperarte n. 60, de Manguitos otas a 00 rs.
Vendwi-se manguitos com golas de cambraia
pelo baniisslmu prego de 500 rs., isto para li-
quidar na loja do Pavao, roa da Imperatriz n.
60, de Cama & Silva.
Chales e renda a & 420, ity, 200 e 2W, na
loja do Pavo.
Vend>m-se chales de renda preta muito finos a
10* e il*, ditos de lio lio a 15*, ditos de seda de
Imho do; melhores qoe ha em chales de renda a
20 e 2o,, ditos brancos de tres ponas a 6, isto
s na loa e armazem do Pavo, ra da Imperatriz
n. 60, o Gama & Silva.
PARA A FESTA
Popelinas a 400 -rs.
Popelinus a 400 rs,
Popelinas a 400 rs.
Chegtram para a loja do pavao as mais liadas
popellras, fazeadi propria para vestidos de senbo-
ra, sendo muilo -ransparentes e brillantes com as
mais lindas cobs que tem vindo, as quaes facili-
tan) fazer-se um vestido com mulla pbantazia por
pooco dioheiro.e vendem-se, sendo de quadrinhos
a 408 re. o cowdo, e as de urna s cor a 500 rs
a loja do pava), ra da Imperatriz n. 60.
A 3000 o corle,
NleH
Rata da> tueiaaaaW ate. 4,9 e
Contina a vender toca aa lacum coa;
declara por pregos adjaaracam.
Massos de palitos lixadoa para Coates a 100 rs.
EsperaosdeoM uras dooracaa a 200,240 a 3Ba>*.
Bonets de oliao para BMCism a 1*080.
Sitos de couro superior faiioda a 4JBCB.
Lindas fivelas grandes para cintos com moldea E"8.^ c.0.n,l tTT.M UBU t0P* l4 r-
radaveis e diversas qualldades, madreperola, J^i"^'^* ,ro,*Jf ** 20o0
Canas com 100 envetopes, faieoca Ona a 600 ra.
Grozas de peana deaeo, mzeacasoperwr a SOOrr.
brozas de botos maaroperort finca a ato o
e 640 rs.
Caixas com 50 novellos da liaba do gaz a 710 r*
Caixas com superiores brelas de rola a 40e80 r>
Pecas de fita kraaea elstica coc 9 ara a 280 n.
Varas de raa>a ce lia para eoiatfe* de vestiaca a
40 rs. "
Baralhos dourados superiores qoaiidades a 400 n.
Novellos de linha com 400 jardas a 80 rs.
Litros para assentoa do roopa lavada a 100ra.
Pares de botes para pocho, turada rara a 120 rs.
Tesouras para cosloias soporiores qnabdaces a
IW 8 ldP*
Caixas de peonas de calligrapbia, fazeada loa a
1*000.
Maesos com superiores grampos a 30 rs.
Pares de tpalos de traoca e tpele a 1*800.
Caixas com superiores agulhas a 240 rs.
Libras de la sortidas de bonitas rrrs a 7*O0a
Caixas com superiores brelas de ma.a a 40 ra
Rodlnhas com alflnetes franceses moito sos
a TO rs. ^"
Resmas de papel almaco a 2*400 e 2*800 rs.
Eseovas para ronpa, fazenda boa a 720 e 1*.
Duzias de tesouras coaa toaae de fen
600 ri.
Dozias de facas e garios do cabo preto a L_
Talberes moito fino para eriancas a 240 ra.
Pulseiras para meninas a 320 rs.
Ditos e voltas para enhora a 500.
Frascos de Agua Florida nrcadeira a 1*280
Frascos com superior banda a 240 e 500 r.
dem de superior oleo babosa a 330 rs.
Caixas com lamparinas para 3 aanea a 40r*.
Varas de bahado do Porto a 80 e IV rs.
Mnn mw, ;,m. i c*r,as -e lfie8 frasoaoa a 180 rs.
Palto % roca< QMde,rB0S, e popel paocaco a 20 rs.
romas para rosas. GravaUs de cores, fazenda superior, a 500 rs.
AgUltiaS C linhaS para Croetiet. j Papis de agolha?, fundo doorado, a 80.
Vendem-se na ra do Queimado n. 8 loja da Armazean baliza.
aguia branca, assim como agu has para tranalbar- j menta i
Wa' Vende-se farelo
agradareis
lariaroga, ac e douradas.
Boas e boniUs atas achamalotadas para ditos.
Wtos de dita de grosdenaples lisas e lavradas
deas aovas e agradaveis desanos.
Trancas pretas de seda com vidrilbos moldes
ovos e de gosto.
feos brancos e pretos de seda com vidrilbos e
de differeotes larguras e bonitos desenbos.
Caacarrllbai de seda com diversas cores e lar-
garas, formas inteiraroente novas a imltago de
palo, babadioho e outra com urna translnha no
Ceatro o que Ibes d multa graca.
Ontras estrei-as e largas guarnecidas de bico
do seca obra de moito gosto.
(Jotras de camnraia de cores.
Botes de seda, relindo e ac para enfeites de
vestidos.
Trancas de seda estrellas e largas brancas e de
eoios pata enfeites de 'vestidos.
Flores finas
CAPELLAS PARA MENINAS E-NOIVAS.
A aguia branca a rna do Queimado h. 8, rece-
ben para vender :
Delicadas capellas brancas para noivas.
Ditas ditas para meninas.
Ditas ditas de cteos de flor-de ranja.
Ditos ditas de rosas camellas e outras.
Ditos ditas oo ramos de trigo.
Diversos ramos de flores finas para peito de
vestidos, enfeites de chapeos etc., etc.
Preparos para flores.
a roa do Queimado b. 8, loja da agala bran-
ca voade-se :
Papel de cores para rosas.
Dito verde para folhas.
Dito dito e pardo para cobrlr os talos das ditos.
raa da
r88.
Llara-
n_,.i j r ij t Vende-se farelo de Lisboa, marca N., ehenee
Fapel de sobrecellente para os peio ^wo, com 100 irras cada sacec-; *.
phosphorvs hygienieos.ou de
seguranca.
A visto do grande tamanho das caixinhas dos
pbospneros hygienicos ou de seguranca, tornava-se
pones o papel que vem em ditas caixinhas, e para
remediar essa falta a agnia branca mandn vir e
acaba de receber esse especial papel,. c qual se
dar de sobrecellente a quem comprar de toes
phosphoros e se vender indistinctamente a quem
delle precisar. 0 prego de cada eaixinhi de phos-
phoro continua a ser 160 rs., e vendem-se na roa
do Qneimado b. 8, loja da aguia branca.
Seda froucha para bordar.
Vende-se na roa do Qaeimade loja da aguia
branca n. 8.
Obras de crystal.
Brincos de diversos moldes.
Oolros tambem de crystal de cores.
(luiros de aljofares brancos e ontras cores.
Adereces de crystal obra de gosto.
Rosetas de dito e cruies.
Botos de dito, brancos e de cores para collete.
Dito de dito tambem brancos e de cores para
punhos.
Voltas de dito e ontras qualidades.
Leques de diversas quolidades
Vendem-se na roa do Queimado n. 8, leja da
aguia branea.
Aspas forte para baldo
Vedem-se na rna do Queimado loja da aguia
branca n. 8.
Qromacome para Ungir ca
bellos.
A aguia branca avisa aos constantes fregnezes
dessa excellente tiDtura, que ella acaba de rece-
ber urna nova remessa de eromacome, coloricome
e sabo btanco, necessario para lavar os cabellos,
portanlo podem dirigir-se a dita loja na rna do
Queimado n. 8.
A bridores de luvas.
Vendem-se na ra doLueimado loja da aguia
branca n. 8.
preco de 4*500.
a
Escravos fgidos
port booqoels
de bonitos moldes, dourados e cabo de madrepero-
la : aeham-se a venda na .ra do Queimado loja
da agoia branca n. 8.
Bonitas lonqninha^
de fil de linho, cambraia e setim todas mni bem
enfeitadas : vendem-se na ra do Queimado n. 8,
loja da aguia branca.
Carreteis com retroz.
Na roa oo Queimado n.8, loja da aguia branca
Muita attenQao.
Guimaraes & lrmao propietarios do grande ar-
mazem de fazendas e roupas feitas na ra da Im-
peratriz n. 72, tendo receido om grande sorti-
mento de fazeodas de gosto trazidas por om dos
socios pelo ultimo vapor, vem portanlo fazer selen-
le aos seubores e senhoras os pregos de sua fazen-
das, os proprios affiangam vender as fazendas por
menos 20 por cento do que em outra qualqner
parte nao s por ser no fim do anno como tambem
por sor a festa lempo este que as Exmas. senhoras
devem muir se do bom e barato, a saber :
Ricos cortes de la coa barras.
Vende-se um grande sortimeolo de corles de
las com barras tendo todos os pertences, camisi-
nba com gravatinha e slnlo, sendo os mais novos e
(ralicco de SOS.
Ansentoo'se da casa n. 59 da raa do Imperador
(ontr'ora Collegio) no tabbado 16 do correcto asas
oe setembio de 1865, o escravo pardo de neme ioa-
qnim, com os signaes segointes : estatura refalar,
idade 18 a 20 anoos, sem barba, ps largos, ocsas
grandes, cabello corrido, com orna cicatriz graaoU
e bem visivel na testa, parto dos denles da freso
arruinados, e com falto de algoos dos tod.
com caiga de brim pardo e paleto! corto ce L
mas levon mais ronpa branca e de" rr, i
astucioso, rostnma intitular-se forro e andar cat-
eado ; f. i escravo do Sr. Goilberme Frederieo #0
Souza Carvalho, genro do finado Sr n mmmdidui
Manoel Gongalvee da Silva : roga-se a sua raptara
a toda as autoridades polieiaes e a qualquer ea-
pito de campo oo ooira pesaos particular cea o
apprebender se gratificar com 50*, alera das aav
pezas de conduego, entrrgando-o a seo seahor
Miguel Jos Alves. na casa cima, ou no seo av
crlptorio na'rua da Croz casa n. 10.
Fugiram no dia 26 do crreme os escravos
segointes, do engenho Jasslr, em Serinbaem :
O mulalinho acaboclado de nome salino, qo*
reprsenla ter 15 annos de idade, pooco mais
menos, cor clara, cabellos corridos, bem fallaatr,
I rosto oval, elbos preto?, denles perfeitos e alves,
ps peqnenos, e com os dedos mnimo* om laolo
levantados, testa peqnena e beca redonda, muilo
esperto e cara dlsfargada, Intitulase forro, e diz
chamar .-e Jos Sabino ; esse molaliobo foi de C-
rins-novos, vendido por Cecilio de Fi.ntes Rangoi
ao capilo Silvino Guilherme de Barros.
Joo, crionlo, represeou ter 22 anros de idade.
pooco mais ou menos, cor preto, estatura regolas-,
rosto descarnado e hiendo, tem falta de dente aa
frente ; se escravo foi do logar Guanta, vendic
tambem ao mesmo capilo Silvino, e ambos par
este ao abalxo assignado : a pessoa qoe os petar
oa delles der noticia eerla ao abaixo asigoaco.
ou os entregar nessa cldade aos Sr-. Cunba. Ir-
mos & C, ser generosamente recompensada.
Jassir 28 de dezembro de 1865.
____^Francisco Manoei de Azevedo Oliveira.
Vendem-sosuperiores cortes de csea, sendo*. ESEZSH HS'ZtJl T*L !?*
zenda muito na e de edres fizas, pelo baratissrmo
prego de 3/000, e ditas indianas, fazeodas trans-
parentes, denuita pbantasia, pelo btratissimo pre-
go tambero c 3*, para acabar : na loja do Pavo
raa da Impratriz n. 60, de Gama & Silva.
Vestidos zuavos.
Cbegara/i a' loja do Pavao es mais"lindos cortes
de vestido com o competente znavo e cimo, viudo
tudo emfam cartao, sendo a maior novidade qoe
tem vmd para a festa: veodem-se por barato
prego oahja do Pavio, rna da Imperatriz n. 60
de Gamali Silva. '
Vestidos ole seda.
Chegaim para a loja -do Pavo os mais ricos
cortes diseda para vestidos, seodo em gnalidade
o melboMue tem vindo ao mercado; e padres os
mais miernospor serem quasi todos listados com
cores ni delicadas, afiaogando-se ser neste gene-
ro o felhor qoe existe : vendem-se por pregos
mailo fzoaveis, na loja do Pavao, roa da Impera-
triz D.fO, de Gama & Suva.
Parn ckaaibreo.
Vedem-se ss mais lindas chitas preprias para
chamfes, e muito baratas : no armazem do Pa-
vao. m da Imperatriz 0, de Gama 4 Silva.
Paletots a 2^500
em-se paletots de alpaca preto com salpicos
rat88imo prego de 2*500 : no armazem do
roa da Imperatriz n. 60, de Gama & Silva.
Melpomenesa3f?50()
raram para a loja do Pavo os mais lindos
de melpomenes, seodo esta Moda fazenda
mente nova oo mercado, toado os mais Un-
dres, tanto claros como escaros, vindo cada
rranjado em sea papel, seodo mote proprios
quera quizer dar era vestido da festas por
.0' o veodem-se pelo baralissimo pre-
13*500 o crte : nicamente oa loja do Pa-
na da Imperatriz n. 60, de Gama & Silva.
Penteadores
roopes de cambraia fardadas pro-
prios para as senhoras vestiren
deaaaiia.
begoa esta novidade para a loja do Pato, mnl-
indos e do melhor gosto ato boje, por procos
ito r.zo,ve,s : .. w. -0 p,,^ Vria dalmpo-
iaa.60,deGaatoflVailaa.
Em casa do Paipps
phanusla com lindas barras e vendem-se por pre-
gos moito razoavels.
Las escocesas com listas de seda.
Vende-se nm bonito sortimento de lasinhas es-
cocesas a 500 e 560 rs, ditas transparentes de lis
toe de soda a 320 e 360 rs.
Percalias finas com liados desenlies.
Vende-se lindas percalias muito finas a 360,
400, 480 e 500 rs., chitas de todas as qualidades a
saber de pregos 280, 320, 360, 400, 440, 480 e
600 ra.
Cassas fraoeeus rtiudiiihas.
. Vende-se um grande sortimento de cassas miu-
dinbas sendo as cores seguras a 280, 360 e 400 rs.
Cambraias brancas transparentes.
Vendem-se pecas de cambraTib oiam; Xttfc!
parantes a 3*, 4*. 4*500, 5*, 5*500, 6*, 6*500 e
7*, ditas muito finas cero urna vara de largura a
9* e 10*.
Chales le merino finos.
Vendem-se chales de merino fios sendo com |
estompas bonitas e modernas pelo barato prego de
7*. 7*500 e 8*, ditos lisos com lindas cores a
4*, 4*500 e 5*, ditos estampados a 2* e 2*500.
Crinoliaas oo bales.
Vende-se nm grande sortimento de crinolinas a
1*800,8*, 3*50 e-4*.
Tarlataaasfinas a t!0 rs. avara.
Vende-se tartalana de cores pelo barato oreco
de 640 e 800 rs. a vara.
Fugio no da 12 de novembro de 1865 orna
escrava crioula de nome Janeara, de Mace 45
annos, pouco mais oa meaos, boa estafara, corpo
grosso, rosto redoode, nariz bastante chato, beigos
e teices grossas, orelhas grosoas e acabaadas,
cabega grande, com o semblante carrancudo, bra-
gos. rodos, peroas e ps grotsos. prineipalmeoto
os ps que os tem ochados por soff>er de rbeoma-
tismo, tem o umbigo bastante estufad.>, e o aodar
moderado, lexoa vestido de chita escora e cami-
sa de madapoln e chales de lia de riscadmbo
roga-se a qualquer pessoa, capitaes de campo e
empregados de polica a apprthenso, qoe pela
entrega a seo senh r, oa raa das Cruea a.-32
gratificar generosamente.
.-aviso aos cap i tira de r a capo
e a polica.
Fngio no dia 25 de dezembro do correte anoc
de 1865, de casa de sen senhor oa roa Direita a.
30, o preto de nome Semio, de nago MassaDbi-
que, com os signaes segoicles represento ter 31
a 40 annos, cor fula, barba pooca, falla de deates
nfrenle, com talhos em circulo redondo, sop
das orelbas, levon vestido calca e camisa de algo-
do grosso branco, chapeo de palha : qaem o pe-
gar sera' bem recompensado.
Escrava fogida.
Aosenton-se da casa da roa do Crespo c 2 aa
sabbado 23 do correle mez de dezembro de 18(5
a escrava crioula fula de nome Fulgenna, en os
signaes segrales : estatura baixa e gorda, bas-
tante fea, tero os beigos mailo grosso* e falto de
denles na frente, tem o pescoeo enrto, as asios ao-
quenas e dos braco* tem marcas qoe pareen sor
de calilladas, levou orna irooxa de rnopa mueca
dous vestidos novos ora anda nao acabado de co-
ser, doos chales e mais roopa. Foi escrava do -
nado Tito Fiok Romano, snppoe-se andar para as
bandas da Capooga, Torre ele : rogase ss auto-
ridades polieiaes e capitaes de campo deapprehea-
de-la e leva-la a roa do Crespo loja de livros J,
que se recompensar generosamente a pessoa ojee
levar.
releer 4 C., roa do
A 44 ra. a bat**
Tinupreta para escrever. de boa qualidade rfigano n. 2, ve'ndem^cTreTdTfMw^i.mv.dr
vende-se na ra das Cruies n. A, Uberna daigo, dos aanufloa S^Sa}Bff^tl
sUvOrDOOL
] pona larga.
Mantas para hornea a 10300.
Vendem-se mantas para homem as de mais gos-
to qoe tem vindo ao mercado pelo barato prego de
1*308 o 1*500, tadoisto s oa raa da Imperatriz
n. 72, loja de Guimaraes A Irmo.
Tiras cordadas a I*.
Veaae-se um grande sortimento de tiras borda-
das a 1* cada ama e pecas de ntremelos a I*,
1*200 o 1*500. *
Camisas fraaeezas para homem.
Vende-se om grande sortimento Ae camisas fran-
cotes a 4*800, 2*, 2*500. ditos de peito de licOo
a 3*. 3*500,4* e 4* : isto na rna da* Imperatriz
o. 741 loja de Guimaraes & Irmo.
Roapaa feitas.
Vocese om grandesortimectode roopas
assim como sejam : paletots, caigas o cojleti
pannos e de casemlra unto preta cont d
va sacos amito rat veis assle eeoae tam
do brlas brancos o do odres, caro ala de
de akodioe tudo isto se vende por pn
ios: isto na raa da Imperatriz
atrios & lrmao.
No dia 24 do corrale fuglo do engenho Ria-
cho das Peor:? ama escrava crisola, de boom An-
gela, de idade 38 a *0 annos, pooco mais oo sao-
nos, tem aro signal no rosi tambem cravos tac-
eos nos pos, ella foi dos 4fgaco?> e esleve em Ja-
boato, velo para esta praca para .* Sr. Ma-
noel Pereira Lentos, e foi rendida por .? -
doaea, por procurago do Sr. Manoel Beroai'? *
Mendooca, morador nos A togados: rnga-se a todo
os senhores qne a encontrar, de a pegar e levar aa
mencionado engenho ao Sr. Antonio Jos de Met-
ooh* oa a roa de Apollo a. 3S, andar, aceto
gratificara com generosidad*.
Fugio no dia 4 de novembro nm
cnoulo, de nome Cosme, idade 13 aoaoa, cea ac-
to e mailo regrisu. coosto qoe toda lavando c-
vanos as cocheiras ao p do passadigo : por isso
pede te ae Sr. subdelegado de Santo Antelo cae
o aade pegar e levtr em Saato Amare, josa a
taberna do Sr. Antonio do Reg: assim cateo ce-
tra qualquer pessea qoe o pegar e o levar a eme
casa, soa senhora gratificara generosameaie.
-- .....______________________________________________________________^_^^_
Atteiico
Fagio no dia 22 de dezembro de 1865 a atena
Felicia, de idade de 40 anoos, teade o* sigaaea se-
grales : eor eabra clara, estoln hara.
om tem o rosto oesoeo, caca ca
de.oies ot fronte, cabello eertodo
moito rente, levou vestido da Ula o
no azul, ambos [i osados ; foj^escrava para o
Meo de Paalhta, poroto jotoat* Ola asear ensato
tMBOttoet: rogase as aaOoricaces saaotooa, aa-
plUes de campo, ele., do apprehoade-la p tara-la
i i roa do Trapiebe n. 44, que tt
I nerosameBto.
\


Bftarto 40 rermaankmea marta felr*J4* rei em qu% consiste
glosa.
Dr. P. Antro*.
A tolerancia. I
Hi pataorai, qae etejreem no espirito das raao-
rias ara poder uagtce, porque w aaioriat ni
ooniin'heiiiea-''jirertmiou a su sigaiftcaeio.
Estas paUjvrat repetem-se a cada passo;. e'poncus
sai os que ligara a ellas o Sau verdtdelro sentid x.
E como sao de sentido vago, lera om ceno presti-
gio, do qual se vale os embusteiros para loculir
no animo dopovo doutrioas falsas, ou disfargar a
malicia de seas actos. Deaire as palavras masi-
11 PODCO DI Tl'DO.
Horrivel era entre os jadeos a molestia 4a le-
pra, molestia que grastava frequeolemenie enlre
elles, apeiar das camellas que Ibes impozera lei
mosaica.
Essa lei obrigava ao desgrasado atacado pela
terivel molestia a um exilio no sea proprio paiz,
pois que era separado de sua familia e privado de
cas a palavra tolerancia em respeilo religio oc- todo o contado com seus coneMados!
copa um lagar proemioeate, e a miis usual, seta-1 Era erofim como que pacido da sociedade por
pre que se trata de atacar o christiaosmo, e prir. | causa do contagio.
cipalraente o catholicismo. Assira, escarnecer ila ; Por Isso bern podemos avaliar os soffrimeolos de
f, negar a divindade de lesas Consto, rebaitar i taes enfermos, oio s os privativos de tio lerrlvel
actos de comedia os actos mais santos e mais su- enfermidade, como tambem aqaelles que provi-
bhmes da religio christaa, alabar a aatoridade co nham desse completo sefameoto a que inmediata
soberano pontice, injuriar o sacerdocio, e taz ir mente
ludo isto pelos meios ras apropiados para Illa-I familia I
dir aos ignorantes, como sejara os romances, os gm tio desesperado estado se acbavam o* dez
dramas, asatyra, os llbelios e as gaxetas, o que leprosos mencionados no Evangelho de boje, e que
os nossos philosophaolos chamara asar da toleran- collocados bem de longe, em altas vozes elamaram
ca. E porque o calboiicismo, que alias nao fotre ao divino Salvador, que vinba de Samara para a
da discussao, reprova e condemna ustes meio. ; Jadea, dlzendo :
el-los a bradarora que o catholicismo molea- Jess, nosso Mestre, compadecei-vos de nos I..
verdadeira tolerancia reli- no conhecimento do amor de Deas, as primeiris
I Ierras convertida?, a patria desses grandes bomens,
que mais servieos prestaraa a igreja de Jasas
Consto, as cidades em qae se reunram os mala
nouveis concilios, as oages qae maor numero de
saltos lem dado a rsHgio, aquellas qae mais se
distingufram ao servtgo das misses, e sem oatras
particularidades que imposslvel e saber sem o au-
xilio desta scieocia.
Principalmente dave haver un estado mais acu-
1 redo da geogrehia amiga, materia a qae se acba
1 ligado o perfeito conhecimento da historia sagrada,
as pregages do Messias, dos fados particulares
da sua vida intima, e anda de mil verdades do ca-
tholicismo.
Ignora-la sera ama prejuizo immenso causado a
aquellos, que teem de cursar aulas de dogma, on-
de tanto se joga com vanos, nomos de concilios, de
cidades, de oages, e de heresias.
Ser anda um erro indesculpavel, irremediavel
mesmo para o bom enleadimenlo da historia ec-
eram condemnados por le, at da propria i elesteslica e da hermenutica sagrada.
mal aconsejan-
te. Pergaotaroi a est is meus senhores : qaaodo
que o catholicismo deixou de ter discassao a mu
Todo o mundo estava ja cheio de fama des es
pastosos milagres operados pelo divino Salvador
os impos e hereges ? Desde o principio da Igr'ja i em favor de iodos que soffram e que a elle recor-
bouve heresias, e as tem havido at hoje, e nut ca riara. e a f tinha por isso mesmo oaseido entre
deixaram de ser combatidas pela igreja. Logo a' este povo, sempre ingrato e sempre beneficiado
igreja nao foge da discassao, como a pouco disse. | pelo Seohor -
Mas ama coas disentir, e oatra pervertir.
Assim pois, se via o divino Salvador sempre
do ea para oovirera ma doutrioa, ou para presen-
ciaren! seos milagres, ou para obierem a saode
as suas enormidades por effeito de sua divina
palavra!
Logo que o divino salvador avistou a estes des
Quem discute pode estar de boa f, qasm perve te cercado ^ graaoe roa|,d4o de povo, attrah-
obra sempre com malicia. Os nossos phllosophi.o-
tes sabem pereilamenle qae perderan) o seo tem-
po com a discassao, porque no tocante religi5o
christa, e principalmente ao catholicismo, ti.do
esta discutido e decidido. Para qae pois fa::er
obras de longo folego afim de repetir o que oatros gnviOB'enfarmos e a seos onvdos chegarsm soas
disseram ?.,Estas obras seriara apenas lidas por I preceJ> respondeu.lDe8 .
um pequeo numero de individuos da classe illus- | ^ fOS mos{nT m g^,,.^^
irada, em quem nio produzlnam oeohum effo.to, j Q esUdo mUerave, de8ts desgragados enfermos
antes provocanam a compauao, seoto o nso, I lQcm 0 seo corapagsivo a^jo. mas atada qoiz
para com seus autores. Mas um romancezniho, B|a qae primejro dessem aos qae 0 cercavam
impo cum lnguagem aprasivel ; urna salyraiiha u de saa [ madando.08 que se apresentas-
bem picante ; um dramazinho bem temperado com I senJ aos sacerdotes.
os adubos da seosnatidade ; um artlgainho de ga- Qs oWixes enfernjos mostram-se cheios de f
zeta bem faceto e galboeiro ; urna bibliazlima dirigindfl.se ima,edaiamente a ter com os aacer-
truncada, falsificada, mas bem encadernada e don-; dolw> pondQ a obra que acaba de ||ws ^ pres.
rada ; ludo isso prodoz s mil maravilhas o effolto cr|pU pel() djvino Mes,fe> po,,^ mereceram o
desejado pelos inimlgos da religio catholica. Bis | prem0. pois em caminbo se acharara perfeita
o motivo, porque a esses meios se soccorrem, co-
mo mais propros para a perverso do povo. ira-
pmgindo-lbe as biblias truncadas, lisoogeaoi o
sea amor proprio, porque dizem-lbe : LJe, o a
vossa razio safflciente para conhecerdes o -er-
dadejro sentido das sagradas escripluras. Erapre-
gando o sarcasmo, e a seducao Iliteraria, explorara
a fraqueza e corrupgo da natureza humana. Em
todo o que fazem os inimigos da f, ba um fim
nico, qae guerrear ao Ubrislo e a. saa igrtja ;
destruir o reino espiritual, e sabstitui-lo pelo da
seosaalidade e das paixOes bnmanas. E porque o
catholicismo qaer o reino espiritual ; isio ,.a sa-
jeigo da materia ao espirito, intolerante, pois
sacrifica o corpo alma.
De modo, qae qaerer o bem, e s o bem, (i m
mente curados I
Nada tinba faltado s saas preces para serem
attendidas pela divina misericordia : a f ardente
se manifestava nos seas clamores; a humildade
na distancia respetosa que guardavam entre o di-
vino Salvador e no tora de snas vozes tupplcantes;
a esperanza na perseveranga com que peaiam e na
promplido com qae obedecern) ao preeeito de se
apresentarem aos sacerdoies, e pelas obras na f,
que nos fazemos ouvir de Jess Chnsto.
Foram oovidos e parificados dessa terrivel mo-
lestia que os traza como que banidos da sociedade
e anda mais de seos pareles 1
Qual oio devia pois ser saa gratidao para com
o divino Salvador, qae tio propicio foi is saas
Nao sabemos se raociooaremos
do tambem o moito estado da geograpbia pa-
tria.
Emendemos ser bstame til ao sacerdote nio
ignorar aquilo que convem saber todo o homem
Ilustrado. *
Que vergooha nio descoabecermos o paiz em
que nascemos. nada faarmos acerca desse torrao
onde vimos a luz do da I
Se o sacerdote o homem do co, tambem o
da ierra; elle tem de viver na sociedade, entre bo-
rneas, (requemar diversas castas de pessoas, e a
ignorancia desta materia talvez Ibe fizesse perder
algum lamo a torca de homem de scieocia, que
de misier tenha.
Todava nio queremos' com isto dizer que se gas-
te um anno ioteiro na frequencia dessa aprendiza
gem; simultneamente podera' ser esludado alga
ma eoosa de inglez e de francez e a ndole da lin-
goa portogueza comparada com as otras.
E' intil mostrronos aqu a necessidade daqoel-
les dous primeiros idiomas; basta lembrarmonos
que na liogua franceza onde se acham muitas
obras de theologla, de histeria e de caones; e na
ngleza os principios dessas mil sellas que tem in-
festado o orbe..
Desoecessarlo anda seria demonstrarmos a ne-
cessidade do estado da lingua patria.
O exeaplo de Vieira, Bernardos, Quenlal, Loiz
de Souza, Osorio, Arraes e Jaciotho Freir provam
de sobra a sua utilidade.
Hoje que os collegios pblicos esli dando o ex-
emplo mandando abrir aulas de classicos portu-
guezes para que os alumnos frequentem, com
mais aproveilamento a lingua patria, porque nao
hio de tambem os candidatos ao sacerdocio imi-
la-los.
Porqoe razio os seminarios do Brasil nao pode-
ro ter do mesmo modo esse ensino tio mil, tio
necessario a mocos qae se destiaam a pregadores,
educadores da moeldade, escriptores, jornalstas, e
tantas oatras proflssoes decorosas para o sacerdote
e oecessarias ao sea estado ?
foi sem duvida isto que mais fez ressombrar
as virtudes dos padres Souza Caldas, S. Carlos e
Duro.
tolerancia; querer o mal tolerancia. Opuor so ; supplicas, e tio benigno em os corar.?
ao mal intolerancia ; favorece-lo tolerancia. Qaaes nao deviam ser as demonstraedes de gra-
Assim, sao intolerantes os pas de familia, qae pres- lidio por um lio assigoalado beneficio de tio pro-
crevera aos tilhos um bom comportamento; sio digiosa cura ?...
intolerantes os mandos, que qoerem a bonestilade | Entreunto nove dellfs segoiram seu caminbo, e
das mulberes ; intolerante a sociedade, qoi es-1 s o dcimo, que era Samaritano e nio Jadeo, lo
preila os passos dos Individuos suspeitos, e castiga go que se achou curado, nem mais um passo deu
os delinqueni.es. Para haver pois tolerancia fora para dianle I
mtster deixar. cada um -seguir os seas inslioctos, y0|lt mmediatamente a laogar-se aos ps de lio
b jos ou mos, e fazer o qae quizesse. Mas ntao benigno Bemfeitor, exprmir-lhe sua& acedes de
nao baveria familia ; nao baveria sociedade ; e os gracas por tio grande beneficio, o que foi soffl-
horneas viviriam n'uma coodigao peior que a dos cieDte para o teslemuoho dos crcumstaotes ; o di-
brutos ; porqae estes ao menos nio teem pandes,; vjno ga|vador, porm, que nao cuidava senao na
mas segasm o'iostincto, que Ihes foi dado para se | instrac^o das turbas que o acompanhavam, quiz
regerem, e por elle se regem effectvameate silgan- {aier.|nes comprehender, que nio era suficiente
do sua natureza. Ora, assim como a tolerincia esse secret0 reconhecimento qae provavelmente
absoluta na familia, e na ordem social, seria a des- iet^gm tdo os outros nove; mas que a sua man-
iruico da familia e da sociedade ; assim tambem festagio era urna gloria para Deus, e servia de
a tolerancia absolata em materia de relgiio sera \ anmaci0 para os pusilaomes, e assim pergun-
o aniquilamento de toda religio. Eis aqu |o pa-
radero a que nos levariam os supposlos tolerantes;
e os mesmos protestantes, se nio tivessem <> bom
senso de resistir is ultimas consequenclas de suas
doutrinas; e resisten, porqae felizmente ha selles
a nilueocia latente do catholicismo, oo meio do
ta-lbe :
Nao foram dez os curados f E onde esli os ou
iros oove ? Nio se achou senao este estrangeiro,
que viesse dar gloria a DeosT
Nao deve dos escapar o ter Jesos Christo mao-
qual vivera, e que Ibes di essa vida intellectoal e dado estes leprosos apreseotarem-se aos sacerdotes,
moral, que os snbtrahe ao embrutecimeoto e sel- [ se bem que tambera em cumprimeato da lei.
vageria, conseqaencias rigorosas e ineviiaveis de i n divino Mestre quiz por este facti tambem fa-
suas doutrinas. Nao emendo Injuriar aos pretes- I6r comprehender que, assim como nos afiectados
tantes ; lastimo-os, por vlverem no erro ; desejo- de lepra no corpo Elle fazia nter vi r a aulendade
Ibes a conversflo ; mas oo emlanto attribuo i acgo dos sacerdotes, assim seria tambera pelo ministe-
Jatente do catholicismo lodo o bem que fazem, e lo- n0 dos sacerdotes qoe, uo sagrado tribuoal da pe-
da a moralidade que apreseotam na vida privada niteucia Elle parificarla as almas que all procu-
e publica. rassem cura da terrivel lepra dos pescados por
Estou mesmo em dizer que ames um profesan- mel da absolvgio sacramenul.
te sincero, do que um mo catbolico; pirque,
quem se diz catbolico e nio ouve missa, sendo esta
o rerdadero caito dos calliolicos; e se nao confes-
Nos tomos creados para a feicidade na oossa
patria eterna; mas preciso qae evitemos essa le-
pra da alma; precito qae fajamos eaidadosa-
sa, porque diz que Deas sabe de lodos es seus, meote desse contagio tio fcil pelas disposigdes da
peccados quando a verdadeira causa Uir ver- ^^ natarea pervertida, para nao aeraos tam
gooba de dizer ao padre o que oio teve vei gooha
de fazer >; e nao manda as Dinas a coafissio, com-
medo de que ellas se eorrompam, nio o teodo alus
dos mogos qae frequemara a casa, dos lbealros)
onde muitas vetes se lepresentam inmoralidades,
das Walsas etc.; e ataca o poder temporal do papa,
para redazi-lo i condlgio de bispo depec dente
por certo peior qae o protestante, peior qae o
musulmauo.
Esti visto qoe nao son inimlgo pessoal dos pro-
teslames, que pelo baptsmo anda sao msmbros
da greja ; mas nao posso deixar de reprovir, alio
e bom sojd, andarem elles distriboindo blb iasai
slficadas, veodeodoas e
is mnlheres, aos mogos,
bem banidos dessa suspirada patria.
Se livermos, porm, ji tdo a desgraca de aos
acharmos contaminados, sejamos tambem presuro-
sos estes dez leprosos do prstate Evangellw, qae,
aperar de Ibes ser .vedado por lei o contacto com
os demais cidadios, procuraran) meios de, sem
l transgrediros a lei, se fazerem vistos e ouvidos pe-
lo divino Redemptor, e, com viva f no sea dWino
poder e firme esperaoca na sua inexgouweTmise-
rieordia, implorarem a cara de laojH
leslia.
Msn ijiin deWHiHlii iiijiiiin1 reconbecidos a
Unta boodade como foi este Samaritano, e nio tn
ti aclmeme
.
o mund) indis-
Bm? Para arrancaren!
dos corageies Js/^eii menos instruidos essa f oo
catholecj*ffi7que berdaram de seus antepassados.
contra esu surda perseguida ao ea-
tbolecismo, nio por certo ser intolerame. Im-
primara muilo embora os protestantes as saas bi-
blias, e distriboam-oas pelos seas correligionarios;
cousa sobre que oio toaos qae entender, porqae
veda-la fura ser intolerante.
Mas defeader-se o eatboleeismo dos embostes do
protestantismo coosa toleravel, e at un dever ;
e o camprimeato do dever nio intoleratcta. As-
sim como o iadividao, qae se defeade da agresso
occulta do seu inimlgo, oio pode ser q laiiflcado
de intolerante por elle ; assim tambem os catbo-
licos, defendendo-se da guerra ocealu dos protes-
lantes, nio podem ser por elles Ucnados le intole-
rantes. E se a sociedade tem o direito, < o dever,
de impedir qae qaalqaer lodividao exergii, sem a
devida habillacio, a profissio de medico, de boti-
caria, do leurado, de preceptor; tambem toda so*
eledade cathoica lem o direa, e o dever, de se
oppor a propagagio clara, ou ocealu de protes-
tantismo, qoe nio recebe a de Josas Chrislo a ms-
sio de eosinar. Ora a propagagio das bl )lia pro-
testantes a propaganda ooeuiu de prete uotismo.
Logo neabama- sociedade eatbotiea dev.i permit-
ti-la.
Basu por agora; em nm artigo proxim) aostra-
dando^ar -me"di graga gnios como 0s note judeus, afim de merecermos
a graga da perseveraoga: pois, assim como o re-
conhecimento nos attrabe oeste mundo a benevo-
leocia dos bomens, assim o reeotmecimento para
com o nosso Deas aos attrahiri encuernes de gre-
cas, qoe aos fortificar cada vez mais no intereise
de nossa salvagio eterna, e teremos a dita de al-
gum da eotoarmos c >ra os aojos cnticos de ac-
C5es de gracas na beraaventuranga com os Jas-
tos.
Aps o eslodo da eloqoeocla convem qoe o or-
denando se dedique a aprendizagem da geogra-
pbia.
Para quem basca o estado eclesistico, o co-
nhecimento desU sciencla se torna da rnalor im-
portancia, talvez mesmo ama necessidade.
Um s passo nio podemos dar com segaraoen
no estado do historia qoer sagrada, proface, oo ee-
elesiastica, sem qae daquelle tenhamos vastos co-
nbeclmentos.
A geograpbia a bassola para, o pregada*, para
o mestre o anda para aqaelles las bem se anlze-
rem profundar oa scieocia don varios fl| I da
humanidad*.
O sacerdote' tem de dever estudar_ as
amigos painarcbas, os lagares m
te deram os graades faetos da re
as nagoes qae a principie mais progresi
Esta caria datada de 28 do prximo passado,
do Sineiro da S, a seu amigo o Dr. Ti-ri-lo l.
Caro amigo ji nao posso,
As saudades resistir,
E por isso permitir,
Ha da quVn por meio desta,
Saiba como vai de fesU.
C por mim j vou melbor
Do terrivel mal que Uve;
Ji bontem na torre estivo
Chamando padres i coro,
Porm mal co'um calouro.
O sino grande nio posso
Empinar mais como d'antes I
Dizem mdicos tooaonles
Que padeco do nervoso
Por oo me achar vigoroso I
Manas desses tartufos (
* Quando se querem furtar
A seriamente estudar
A molestia do doeote,
- uizem nervoso sraeote.
Aplicam logo passeio,
DistracgSes, theatros, bailas,
Subir montes, descer vales
Para exercieio fazer,
E se moga, nio crer I
Descobriram mais agora
Remedio moito efficaz,
Dizem qae nenhum mal faz,
Quando prompto bem nao faga,
Como de Brisiol a salga
Baohos salgados de Olila,
Hoje ordem do da;
Servem para bypocoadrh,
P*ra dores do coragio,
P*ra qualquer forte emogs I .w
Servem para dar de band;,
Fetgd, olhado, estopor,
E tambem, de suppr
F*ra qoem padece do bago
Por trazer baleias d'ago.
Quem boje pelo Recite
Tem mselas e gafeiras, \
Oa padece das caseiras, <
Nio lem mais que perganur,.
Deve Olinda frequ#ntar.
Baobeiros a beira mar,
Nio tem coma, caso raro I
Inda o dia oo claro,
Ji li vio por Carino lora,
Pai, irrao, mando, adra.
Faz lembrar li dos milagro
Acacimba qae s'abrio,
Qoe pdz todo em corrapio,
O cxo, torio, aleijado,
O saroento empapujado.
Devendo agora noUr-se
Qu'a malor parte da gente,
E' sadia e nio doeote,
Haveodo muitas deidades,
Meninas de qualidade.
Qae bello qaadro na prala I
V se a ida e v-se a volta
De Yayasioba qoe solta,
Os cabellos asneados
D'agoa do mar moibados.
V-se, pisando teatros
Senbisioha as arelas,
Sem botines e sem metes,
Cor reode; de qaaodo era quando
Das oadns qa vasa roteado.
V-se, Dondom eagracada,
De ffinbas de flaoella
Asolada oa amaretia,
. l>e fraquisitabo bordte
Fugiodo do mar irado.
Obi qoe vista earo aaigo I
Hoje aqui todo brincar;
' Se qoiser baabae tomar,
[ Me diga pare alogar
Casa fresca, em bom logar.
Mas diga logo a comadre,
Qae nio faga disto mato,
Nem o sea gato sapato;
Qoe tragasedas, cambralas,
Penteados, rieas saias.
Sari bom taabem trazer,
De pellica lavas pareas.
Brincos, voltas lapidadas,
coques, peoles, braceletes,
Capas ricas, alfioetos.
Porque os banbos d'aqoi,
Nio sao como os do Mooleiro;
Apipuces, Caldereiro,
Qu'em qualquer chale embrulhada,
Vai-se bem de ropa osada.
Dentro em breve aqu rere!
Para o mar de coche a ida,
E logo a villa em seguida,
f perar se deslumhrante
Em um carro triumpbante.
EsU trra est mudada
Ji nio qual d'antes era,
S aqui o laxo empera,
S vejo rendas e fitas,
Fiveliabas etquisitas.
Manguitos de puro Ilobo,
Domios bem enfelados,
Chapelinnas desabadas,
Leques de sndalo fino,
Balos de bocea de sino.
De Natal a miss oavi '.
Na igreja cathedral,
Junto a' porte principal
Me vi quasi asphixiado
Pelas fitas d'am tocador t
O luxo tal, araiguiobo,
Qu' a vate e seis do cmante,
Sessar-se vi brandamena
Em urupemas, peoeiras
Da praia as solas arelas.
E para qoe T me pergunle;
Par'achar-se de brilhantes
Ricos brincos elegantes,
Perdidos d'uraa algibeira I
E que Ut a brineadeira? t
A trila e um do andante
No amparo temos este;
E agora ao fazer desta,
Me assevera o armador
Ser completo o pregador.
Temos bandeira cantada
Pelas ras da eidade,
Temos at oovidades,
Montes, Idas pelas ras,
Bales e msicas duas.
Entretanto, nem se falte
Na do Monte qae poda
Ser como a qoe sempre havia;
Bem eoneerrida, brilbaote,
Por haver metal, sonante.
Pele qae rae dizem todos
Apenas musa havera;
Mas por qae assim ser T
Falurio acaso os cobres
Como a capelliohas pobres T .
Nao; qae chelpa ali oio falta;
Falta vootade soraente
Do juiz qae realmente
Tem sido bom solador;
Fallo do cemmendador.
O nosso Nudos de Mello
Tem dado goslo agora,
Uriga ji nio vigora,
Jurubeba, liririca,
Por esta eidade rica.
Urna, maltioba qae havia
Bem oa roa de S. Beato
Mallo perto do eoovento,
Foi derrabada afinal,
Hoje esta limpo areal.
O camarista direito
Tem bastante trabalbado,
J nao ba caoo Upado,
Reg, canal entupido,
Oa vallado obstruido.
S oos falla a correigio
ue cachorros, cabras, prcos,
Do contrario s de socos,
Pelas ras ba de andar
Quem se oio qoizer orlar.
Cbegar do fim do raez,
Como esU aoooociado,
Nosso bispo nomeado ?
Neste caso sallara,
Oa p'ra corte seguir ?
E que tal a trapalhada ?!
Padres que deviam dar
Exemplos de perdoar,
Sio elles qoe s'amotioam,
Que oossas leis procraslioam f
Nio seria mais loovavel
Qu'a ordem do alto viada
Fosse eumprida ea Olinda,
Para desl'arte evitar-se
O qu' aeaba aqoi de dar-so ?
Qaaodo o ma de cima parte,
Pue faro pobres ovelhas T
Morenar devem as oreihae ?
Oa tambem se aotrebisar
Berros e marradas dar ?
Maite cousa tenho visto
Neste lempo de eleigio,
T boje por exeepgio
Um caodleiro de gaz
Candidato ji se faz I
Quem quizer verificar
O qae flea dito assim, <
Corra da reviste ao fim
D'um Diario deste mez,
Que vera por ana vez. -
Caodieiro a klroseoe
Provincial denotado I
Fique por la bem guardado
Para aclarar os Mides.
Qae ca' temos lampeos
Esperance agora temos
D'agoa ser abastecida
Este trra amerteeida;
Moito ao nosso presidente
Devera' tod'esta gente.
Temos prsenos da Dea,
Do petquirria da jostiga;
S qoem felto de cortiga,
Nio fpsta de ver pastores
Qaaodo quebram matadoras.
MulUt lerabraogas rasaba,
Do velbo amigo Mooteiro,
Qae levou o aneo iateiro,
No seo cavallo montado
Estando agora apeado.
Acerca das olas aastroprossiaoas, eotregoes ao
senado da eidade livre de Francfort, pubiicou o
Qtt-Deuttch-Poit om artigo, coja potasio a se-
guate :
Ihes recordar que os bomens detla vaUeat, pan a
repblica, menos do qoe nata basta de aran.
desta MtotettqT*^t<>'nwgelaiioa
f nea esperaaga, nao
a simeatca I
Achaste os eoatomes perdidos,
digasociaes.disjolvida a
dando a mi ao adulterio !
a n
Comprebendemos nm passo
parte da Prossia, e especialmente da parte de om
dos partidarios dos meios de vioteoeia, como Mr.
de Bismark.
Mas qoe interesse tem a Austria em se aasoeiar
a sse passo ?
Qaaes sao os motivos qoe (ndazem o nosso go-' J"9"
veroo.atirahir sobre si o odio e a indisposgio nlbmo aehaste one a va. ^ndonava ,
que seraelhanteresolugio deve produzlr na Alie- d^e corrx. colosal, e qoe no e^^raava a
m mais odiosa corrupgio, o laxe, a aevasstnao, a aav
Para qoe quer elle prestar-se a iar o alvo dos Weio eMofreada I
protestos e das iojurias, cora qoe a imprensa de Achaste qae a. orgias noclnraaa a
toda a Europa ha de acompaabar esta teoUlva T ," onica *en,or* **>:
saagoe humano, depois de nava i
Admittiraos qoe o senado de Francfort se aob- doranle secolog ^ drco ,^1, M,
metu, e qoe a Prsia coosiga desembarsgar-se de nham exanunj^ diTe'tidamema as
-" do gladiador quTaaairando ae oSaraan ea,
I
alguos jornaes de Francfort, qoe hoje se prooun
clara contra aquella potencia.
Mas em qae pode isto aproveitar a Austria ?
Admittiraos taabem qoe aqaelles jornaes ata-
qoem igualmente a Austria, conseguir esU nltima
pelo menos, a vaougera de fazer supprimir a Nova j a mulher aa casa do marido havidaea
Gazeta de Francfort, qoe acaba de ser prohibida do qae por ornato de laxo e eeataade
na Prossia ? Encontraste o escravo redolida i
Os inimigos mais declarados da Austria eetio ea- bral0 de.prezivel, e vlste-o partido
tre os jornalstas prusslanos
taclo a essas tarbas devastas, afiaal
pragas e roas em feroses carnificinas de fatc,la f
Achaste o despotismo levaauado e seo atvei Ma-
greo to a travs das mais elevadas enbneas, a '
Eraqaaoto qae em Veooa se auxilia Mr. de Bis-
mark para supprimir osjoroaes independemos de
Francfort, publicara-se diariamente em Berln, na
presenga do ministerio, artigos boslis ao goveroo
austraco.
Esses artigos nio se cootenura de insultar, de
laogar suspeius, de minar a Austria ; ferem a nos-
sa mooarcbia ; oio sio uaicameole as folhas de-
mocrticas independemos, qoe observara esU atti-
tude, associam se-lhes tambera aquellas cojas rela-
ges com o goveroo sao notorias.
Qae importa a Aostria a commissio dos trila e
* Os seus actos apenas indirectamente se dirigem
contra nos, isto na parle em qae a Austria favo-
rece a poltica aonexiooista da Prnsste.
Teri por ventura a Aostria o menor interesse em
coacorrer para se abafarem todos os orgios do
povo, das associagBs, etc., qoe combatem com a
popnlagao allemia a pnisti/lcacSo da Allemanba, e
a poltica egostica e violenta da Prossia T
Qoe importe a Aostria essa agitagao poltica
cojo foco se pretende descubrir em Francfort ?
Quando S. -M. o Imperador Francisco Jos se
achou em Francfort, ha dous annos, fflanifestaraa
se em toda aquella eidade as mais vivas sympathias
pela Austria.
Como teri Isto merecido qoe a goveroo austru
c ajude boje a humilha-la, e a forgi-la a modificar
as mis leis, tornndose agente de polica de Mr.
de Bismark T
Fraocrort foi em lodos os lempos, sympathica i
Aostria, as obrigagoes da divida publica austraca
encontraran) all o seo prioelpal mercado da Alie-
maoha ; os seas habitantes racordam-se alada dos
nossos amigos imperadores ; qaaodo de lempos a
lempos robeoum conflictos lameoUveis eolre os
soldados prassianos e austracos, os ltimos teem
sempre a certeza de que a materia da populagao
este a seo lado.
A eidade de Francfort, ha de cortamente ser,
sempre um obstculo para a Prussia, cojos projee-
los esli em cootradccio com as tradigdes daquel-
la eidade, e Mr. de Bismark procara espontnea-
mente as occasioes para fazer sentir o odio qoe
ootre contra a eidade onde os imperadores alie-
mies foram oatr'ora eoroados, e oode existe a re-
presentarlo nacional allemia.
Mas para qae vai a Austria auxiliar aquella po-
tencia f
Nio sera um suicidio ver-se ao lado da Prussia
oesta oceurrencia, e onde esta' a sabedona qoe
n'outro tempo se atlribuja ao goveroo austraco T
Do Crutetro do Brasil iraoscrevemos:
Qoa;rens me sedisti lassus,
Redemiste crocem passos,
Taolos labor non sil cassas.
Pois cansaste, Seohor, a procorar-me, a procu-
rar o hornera que flzeras bom e humilde, sabio e
livre, independen le e forte T
E essa mi que rasgoo o selo do nada para l
aceoder com sopro divino um ocano de loz e de
vida ; essa mi qae semeara ses pelas desertas
plagas do Infinito ; e esse braco qoe soppesava
mundos oa vastidio do universo ; essa mi e esse
brego foram, de caosados repousar oa cruz ? f
E esta eabega, qae verdade e scieoela eterna
escolheram para morada saa, foi repousar sobre
espinhos T '
E esses olhos, em que espelbava a formosura dos
cos, caosaodo a boscarem-me as sombras, fe
cbaram-se para repoosarem as trevas da hora
sexU T
E esses labios, qoe eram o instrumento do ver-
bo da verdade e da scieocia eterna, cansando a
chamaren) por mim, repousam agora sob o sello
da morte ?
E essa espadua de gigante, sobre que lo, oh pai
do futuro seclo, Dos forte e mooareba da paz,
levavas a iosigoia de toa realeza ; essa espadua,
todo esse corpo sacrosanto, caosaodo sob o peso
de meas peccados, foi bascar o repoaso do tmalo
sobre as asperezas do Golgotha 7 I
Ai I perdoa, Seohor I
Eras o forte dos fortes, e cansaste procurar-me I
Oongaste o seo do oada a reeeber a existencia.
e qaaodo viste essa existencia morte pela colpa,
necestitaste para oulra vez loe dar vida, empres-
ur-lhe a toa I
Bascaste o homem livre oo imperio dos Assy.
ros, e eoeootraste-o escravo oa dspota, oppressor
ou opprlmido I
Buscaste-o aa Babylooia, e encootraste-o nos sa-
cnflelos de Milite, onde a mulher envilecida, qoer
a qae se asseouva oo tbrono, qaer a qoe dorma
entre os andrajos da cboopana, nem ao meaos ima-
ginara o qoe na de santo e sagrado n'um irapollu-
to vode viuva, oqoe ha de anglico e celeste
o'ama corea de virgem 1
Biucate-o na Lydia, a ea vez de encontrares o
Albo snstendo o braco tremolo do velbo pai, aehas-
te-o descarregando na cabeca veoeraoda do aocio
o ultimo golpe, e paeando-lbe com a morte o pre
tente da vida a a eotdados da edueagto na infao-
a^Ln a
BascatW-o na cuna Grecia, e eoeootrante em
Esparte esees antigs restes do reino de Menelao.
tio gabados de Homero por seo valor e per sea
amor i lberdade, reduzdos pela orgolbosa rep-
blica ae extremo da abjecgo moral.
Ettcontraste a flor da roocidade espartana dtver-
Itiodose emdegolarescravas ilotas, como se se
entretivessa ae aais ioaocente dos brlacos 1 -
Eocootraste aqaella miseravei raga de Helos,
! tratMa i praca em pocas determinadas, a aballa-
1 da sem ootro motive nem fim mais do qae fazer-
engordar as moreias qoe os patricios
seas samplaosos vveiro* I
Bascaste oa pbllesopbia a bornea
Edn, e eocootraste o melbor des pai
ttlho de Sopbrooiseo, adaittiaoo a esteta*
ramios deoses, embora este adralo oto t.
Encontraste Patio etiabeieeeodo ana ara
goto pregar a bamaoiade o
por isso convinha ao pbilotoaba
eapeoho.
Eocootraste Aristteles otas oda a
sasteotando a eteraidade do a ando, e
genero baraaa em dom
vres, e eseravos.
Eocootraste Cicero, greode
orador, etcarneeeodo ioterteraaoate
pages, aas aoslnaoda ato o
conservar-te fiei is amigas ereaens,
das, e que para bem da repabtiea e
vo Ibe era iodupentavet
mate a dscielplina da religio falsa f
Eocootraste Plioio, o sanie
me, civilisada eidade do
em negar a immoruiidade da
de Dos I
Buscaste emnm o homem os
povos, e encontraste as tete de
Baicaste-o ao seio de ten preprte
qoe havias tirado da ierra do Egyato. o a
enviaras o grande legislador, o
quem nio cesura de instruir pete
Daniel, Jeremas e oatros
toe santa verdade, o encostraste a raga
phariseos hypoeritas, a plebe barbara a
qu e te prefera Barrabas I
E caneaste de fadlga
de caneado repensaste i sombra da arvere da
te, qoe regada com ten saagoe
arvore de vida.
Efoi necettario qae te dei
se toras aa malfeitor; qoe aso sacraaga la
aeraste as faces ; qoe a easpUsea ao rao ;
te acoutassem brbaramente; qoe acaotade te
tissem por esearaeo ama pareara; a
de espinos e poiessem aa ateo nm
canoa; foi necettario qoe te
mente com as mate baixas a
para que podeste levantar-se
no pretorio a bradar:
Eis abi o horneaEcct
Homem pelo soffriaeato e pela
hamjlbagio volaoaria,
Deas pelo amor ioeoraprobooaivol
homem captivo; Deus pela oawp
o homem de novo, oio tirando-o
abysmo insoodavel da colpa ;
sabedoria qae ao hornea ego ai
alma, e Ihe com mnica m my
divina oa revelagio evanglica ;
immensa riqueza, pelo graadioto
de gloria e virtudes qae lega ao gea
sea aovo e eleroo tesumeolo
a
b-
7
Oh 1 se caogaste, Seohor, a proeor
corar o homem que se perder, m >
oeohoma goita desse leo saor da fadij
Cala elle sobre as almas inqoinad
do fructo prohibido, repasse-as como aliga apa aa
restitua vida, e lave-as da mancha da caspa, atan "
eterno da desobediencia de Adao I
Nio se perca neabama gotu deste tsar a faaV
ga, oeobuma gotla desse saogoe descama de &el
goiha para parificar as gentes coa ai
persao I
Qosereas ote sodtli
Redemisti erneem
Tantas labor noo sil
Se caneaste, Senhor, e de caneado te i
as rochas dores do Golgotha, abi te ira
rar homilbados e coofondidos ; abi ve i
cootrar goiados pela aureola diva qoe a i
fronte.
Ahi le irio procurar os reto da trra
vam juntado em laaolto contra
qoe s o sea Chrislo t
Ahi te irio procurar as goales qoe
vlam levantado a ves aa grite; abi la ario i
rar os povos qae contra li
vaos.
Abi te ir procurar o qoe tea fama de j
porqae la s o pao do pobre ; sM te ara |
o qae tem sede de seteacit, porqoe la s a l
verdade e scieocia eterna.
Ahi a ira procurar a mamar ergaMa do I
corropgo, porqae ta a eaaocipaate i '
moral i qoe a eoodemoara a lascivia
embrutecido I
Ah te ira procurar o escravo
mando como refago da oatoreta,
Ibo de Deus, e Daos taabaa, e i
ihe vieste dar o oselo da paz e fr
Ao Golgotha, crteteos, ao i
hio a bengao de Deas depois ajne a
desnnoo i eterna ruina o vasto
guia as alunas do Mortoa I
Ao Golgotha, e nao aos amad
zas do eaaiobo.
Ao Goigoiha, o nio nos aterrea
hora sexta, qoe pesam sobra os vasas da l
Li as alturas appareeor-aos-aa oaaoe eof
vai allumiar o mondo.
Li oeste novo Edea sorgo a arvore a Ma, ea
fra vedada ao booteos-ro, a qoe baja aba aflaret
a vida eterna aela morte do Hiaam Pan t
Ao Golgotha, pois, para adorar aaa i
eolotaa eroz.
i i ou
O viee-rei do Egyplo
construa oa granan lazareto i
(ario qoareateea ea peregrina 4a I
Este edificio un p|
de 11000 aeragrioos.
PFRNAMBDCO-TYP.Dt M. f. DS f.
a
* .
MOf 1 I
(
>
'*rror enana


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EAABITYHF_12IS4W INGEST_TIME 2013-09-05T00:18:05Z PACKAGE AA00011611_10858
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES